Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18279


This item is only available as the following downloads:


Full Text
II i m II Mil MI

NNO LXV NUMERO 50
i
PARA A CAPITAL E LVCRK 0\DK WAO SE PACA PORTE
Por tres mezes adiantados.........fc..... 6)J000
Por seis ditoB dem \ ............' 1SWXX)
Por um auno idem................ 23|J000
Cada numero avulso, do mesmo da......... ftflOO
SABBAD0 2 BE1JE(0 DE 1889
PARA DE\TRO E PORA DA PROTHVCIA
Por seis mezes adiantados ............... 13(5500
Por nove ditos idem. ........, 20)0000
Por um anno dem................. 26#000
Cada numero avulso, de dias anteriores.......... #100
DIARIO DE PERNAMBUCO
Tropriedade de Mancel tfigUlfy'ca de S^aria S 3%%>s
TELEGRAMAS

ssavic: m:it:i& so- suuo
RIO DE JANEIRO, 1 de Marco, 1
b hora e 30 minutos da tarde.
I n
ijfc-. Part hontem para o norte no paquete
francez Congo o Dr. Annibal FalcSo.
%
t*

'
V

sungo ba sucia sata:
ROMA, 1 de Marco.
O ministerio presidido por Mr. Crisp
deu a sua demissao collectiva em seguida
a^discussSo de medidas financeiras propos-
.ft pelo governo.
PARS, 1 de Marco.
Um navio de guerra francez bombardeou
a missao russa Atchinoff, perto de Obock
(Costa d'frica).
A1 Liga dos Patriotas de Pars protestou
e abri urna subscrpeao cm favor das vic-
timas.
Pensa-se que vao ser ordenadas deli-
gencias contra os membros da Liga, auto-
res do protesto.
ROMA, 1 de Marco, tarde.
Os jornaes italianos annunciam que Mr.
Crisp formar um novo ministerio.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
1 de Marco, de 1889.
INSTRCCIO POPULAR
AS GRANDES INESES
ANTIGS E MODERNAS
AS
Sciencias. industrias e artes
POR
O irrlof !
(ContinuaQao)
O balanceiro oscilla, pois. para um e outro
lado da sua posico primitiva, como a pndula
oscilla para um e outro lado da sua posicao ver-
tical. Exerce no relogio d'agibeira aquelle effei-
to regulador ou de isockrontsmo que a pndula
produz nos relogios fixos; regulansa o movimen-
to do motor e torna a sua aeco iscbrona.. Na
pndula dos relogios fixos, a forca constante
e igual da gravidade que produz o isochronismo;
com a mola espiral dos relogios d'algibeira, a
elasticidade d'esta mola que produz o mesmo
isochronismo.
Um escapameu to especial poe o regulador tanto
dos relogios fixos oa portateis, como dos relogios
d'agibeira, em communicagp com um systema
de tres rodas dentadas de dimensoes convenien-
tes para que os ponteiros, que dellos recebem o
seu movimento, indiquen) no mostrador as horas.
os minutos, e os segundos.
Nos relogios Sxos e nos de sala, as pancadas
das horas sao produzidas por urna mola, que
poe em aeco um pequeo martello, o qual bate
em urna campainha raetallica inuito sonora.
Taes sao as principaes disposicoes mechanicas
que servem para obter, de urna maneira precisa,
a medida do tempo nos relogios grandes, nos re-
logios de sala e nos relogios de algibeira.
Existem relogios de movimentos mui compli-
cados, e que. alm das horas do dia e da noite,
raarcam com a mesma precisao divisoes de tem-
po que abrangem mais longos periodos, taes
como mezes, e aonos, com indicago das festas
ou dias consagrados as ceremonias religiosas.
Outros. ainda mais complicados, medem nao s
a duracao da marcha da trra no espago, mas o
moviment i dos outros grandes planetas, os pe-
riodos das revoluces de Mercurio, de Jpiter,
de Venus, etc. Annunciam tambemos eclipses,
as oceultacoes de estrellas e alguns outros phe-
nomenos astronmicos. Existem. neste genero,
verdadeiros monumentos dignos de admirarlo.
Tal por exemplo, o relogio da cathedral de
Strasbargo, fructo de urna longa paciencia e de
urna grande habilidade mecbaoica. i
(Contina)
ido hv

PARTE OFFICIAL
. Governo da provincia
PILLA que Assembla Legislativa Provincial no da de ana
lastallaea a 1 de flareo de 18 8, dirigi o Exm. Sr.
presldeate da provincia Br. innoecncio Margues de
Araujo ees.
PALACIO DA PRESIDENCIA DE PERNAMBCO, EM 1. DE MAK(,0 DE 1889
Senhores membros da Assembla Legislativa Provincial
De confoinidade com o art. 8. da lei de 12 de Agosto de 1834, cumpro
com satisfacao o dever de assistir a installacad de vossos trabalhos.
Nomeado por carta imperial de 15 de Dezembro do anno passado presidente
desta provincia, assumi a administrado a 3 de Janeiro findo.
Attendendo que tinheis de reunir-vos hoje em sessao ordinaria, e considerando
que por esta occasia) podero ser votadas as leis de meios para o exercicio corrente
que deixaram de sel-o durante a sessao passada, resolv considerar sem effeito o
acto de 31 de Dezembro ultimo, convocando-vos extraordinariamente para o dia 1.
de Fevereiro.
Em tao poucos dias decorridos nlo me foi possivel estudar as necessidades
mais palpitantes da provincia e adquirir o conhecimento exacto de todos os ramos do
servico publico ; pelo que peco a vossa atfencad para o relatorio que me apresentou
o meu Ilustre antecessor, cabendo-me accrescentar as seguintes informacSes.
FAMILIA IMPERIAL
Muio me apraz de communicar-vos que gracas ao Todo Poderoso, a preciosa
sade de Sua Magestade o Imperador e de toda a Augusta Familia Imperial, se
conserva inalteravel. _
ELEICOES
A's cmaras municpaes de Caruar, Altinho, Limoeiro e Brejo exped as
convenientes ordens para que se proceda no dia 4 o corrente mez nova eleiclo
Itepartico da Polica
2.* scelo.N. 219Secretaria da Po-
lica de Pernambuco, 1 de Marco de
para preehckimento da vaga que dexou na Cmara dos Deputados o Exm. Sr. J889. Dlrn. e Exm. Sr. Participo
aonselheiro Francisco de Assis Rosa e Silva, por ter sido nomeado Ministro e Secre-
'rio de Estado dos Negocios da Justica.
Providenciei para que fossem preenchidas as vagas de vereadores do munici-
pios de Palmares, Bonito, Escada, 1 tamb, Rio Formoso e Serinblem, sendo seis
or mudanc-a de domicilio e tres por fallecimento.
^ MUNICIPALIDADES
Tendo o vice presidente d'essa Assembla Barao de Caiar, mandado publicar
, um decreto referente approva$3o da prorogacao do contracto celebrado pela Cma-
ra Municipal do Recife com Oliveira Castro & C. para abastecimento de carnes ver-
des a este municipio, publcaclo que o meu antecessor resolver suspender pelos mo-
tivos de que vos deu conhecimento, at que o Governo Imperial, a quem foi submet-
tido o assumpto, decidisse a respeito, julgou-se a Cmara com poderes para mandar
lavrar o referido contracto.
Na conformidade do art. 73 da lei do 1.- de Outubro'de 182S recorreram
para esta presidencia Ludovico Gomes da Silva e outros do acto da mesma Cmara,
qual, depois de ouvida a respeito, determinei que considerarse sem effeito a sua
deliberacao, conforme veris do officio em seguida transcripto:
< 4a secc&o Palacio da Presidencia de Pernambuco, em 26 de Janeiro de
1889-
c Respondendo ao officio da Cmara Municipal do Recife, de l do mez cor-
rente, em que rae communica ter resolvido dar intera execucSo aos decretos, sob
ns. 1966 e 1967 publicados pela Assembla Provincial, o primeiro approvando urna
postura relativa a kiosqu#s e o segundo approvando a prorogaciio do contracto para
abastecimento de carnes verdes ao municipio, visto tratar-se de objectos puramente
municpaes, sobre os quaes cabe as Assemblas Provinciaes resolver, nlo estando os
seus decretos dependentes de sanelo do presidente da provincia, declaro a mesma
Cmara que, de accordo com as razSes addusidas hoje no provimento a recurso, n-
terpostopor Ludovico Gomes da Silva e outros, contra o acto dessa Cmara que, em
execucao d'aquelle segundo decreto, prorogou por seis annos o predito contracto das
carnes verdes, applicaveis igualmente a execucSo do primeiro decreto, nao pode dei-
xar de ser estranhado seu procedmento e, portanto, determino, que considere de
nenbnm effeito a resolucao de que me deu conhecimento, cumprindo-lhe facer publi-
car a deliberacao dessa presidencia, para o que acompanha copia do alludido provi-
mento.
Em vista do allegado no -prosente recurso e das informacoes prestadas pela
Cmara Municipal do Recife :
' a Considerando que nao compet a Assembla Provincial e menos ao seu pre-
sidente no intervallo das sessoes mandar imprimir e correr, como leis da. provincia,
projectos cuja publicacSo, por nao dependerem de sanelo, foi suspensa por esta pre-
sidencia no exercitio' da attribuicao conferida pelo art. 24 n. 3 do Acto Addicional;
i ( onsderapdo que taes projectos, illegalmente convertidos em decretos, nlo
deveu: se cumplidos e observados, como preceita a Imperial Resoluglo d 10 de
Dezemb'o de 1!
* Coes
cipal do Recij
lt5 do mez o
natura do v<;
mesmo dia, em sesslo extraordinaria, e fazend por eopia, da execucao do relativo a approvgglo da prorogacao por seis annos do
contracto celebrado com Oliveira Castro & C. Jifa fornecimeuto de carnes verdes ao
mercado desta cidade, mediante certos favores^'
Considerando que, assim prooedendo, s Cmara Municipal arrogou-se auto-
ridade e competencia para resolver o mflicto njacitado entre os dous poderes pro-
vinciaes e regularmente devolvido a decislo do Hbverno Imperial, por acto de 2 do
corrente mez, constituindo-se por tal fofrn 'x e uperior ao presidente da provin-
cia, ao qual se acha subordinada, (art,78- 4 fei ds I de Ootnbro de 1828) ;
t Considerando, finalmente, qu o conHacto das carnes verdes nenhuma van-
tagem traz populaclo, porque ataca o benfico principio da livre concurrencia, ou-
torgando favores em troca de um preco mximo nominal, que raramente ser exce-
dido, se fdr mantida como incumbe Cmara a liberdade de commercio e garantidos
os creadores contra a oppresslo e conluio dos marchantes e mercadores de gado.
Dou provimento ao mesmo recurso para determinar Cmara Mnnicipal do
Recife, que declare de nenhum effeito a prorogacao, por seis annos, do contracto, ce-
lebrado em 22 de Setembro de 1885, com o tenente-coronel Jos de Oliveira Castro,
por si e como representante da firma Oliveira Castro & C, para abastecimento de
carnesjverdes a este municipio, tornando publica esta deliberacao ; para o que se Ihe
remetiera copia do presente provimento.
Segundo communicou-me o Exm. Sr. Ministro e Secretario de Estado dos Ne-
gocios do Imperio, em aviso n. 96 de 23 de Janeiro ultimo, foi submettido ao poder
legislativo o acto do meu antecessor relativo nao publicacloj daquelles decretos.
Autoridei a mesma Cmara a despender 2:0460764 com a desapropriaclo da
parte precisa do predio para a abertura da ra do Visconde de Itaparica, transpondo
da verbajuros e amortisaclo de apolicespara a verba propria aquella quantia;
a mandar substituir o encanamento para abastecimento d'agua no inatadouro da Ca-
banga, despendendo-se 1:1404200; a fazer acquisiclo dos utensilios, na importancia
de 2:911(5000, precisos para o mesmo inatadouro, e a mandar construir dea catacum-
bas no cemiterio de Santo Amaro ; deixando de attender o pedido quanto construc-
clo de maior numero, por ser insufficiente o crdito respectivo.
Autorisei ainda a Cmara, em vista de representacao sua, a satisfazer o paga-
mento de dividas do exercicio findo, pelo modo indicado seu officio,que passo a
transcrever,: 1
t N. 17.Cmara Municipal da cidade do Recife, 6 de Fevereiro de 1889.
c 111 m. e Exm. Sr.Tendo sido encerrada a Assembla Legislativa Provin-
cial sem ter dado a esta Cmara orcamento para o corrente exercicio, e havendo um
nlo pequeo numero de credores relacionados no relatorio apresentado a mesma As-
sembla, que pedem seu pagamento, como Jos Eleuterio de Azevedo, ex-contrac-
tante do servico do matadouro da Cabanga, as emprezas de illuminaclo a gaz e tele-
phonca, a Compahia do Beberibe, a limpeza publica municipal, os empregados mu-
nicpaes por seus ordenados do mez de Setembro e parte do mez de Agosto prximo
passado e outros all descriptos : parecendo justas suas reclainacSes e podendo taes
credores serem attendidos pela verbadividas do exercicio anterior do orcamento
prorogado com o auxilio das sobras mensaes da verba servico do matadouro da Ca-
banga, o qual pelo modo por que est sendo feito importa em pouco mais de metade
da quantia oreada na respectiva verba, vem esta Cmara solicitar deV. Exc, auto-
risaclo para ir pagando a estes e aos outros credores a medida que as forcas do co-
fre forem permittindo.
c Deus guarde a V. Exc.Illm. eEiui. Sr. Dr. Innocencio Marques de
Araujo Ges, muito digne presidente da provincia de Pernambuco.Corbiniano de
Aquino Fonseca, presidente.Joaquim Alves da Fonseca. Manoel Goncalves Fer-
reira Costa.Tito Livio Soares.Deodato Goncalves Torres. A. A. Caldas Padi-
lba.Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.JoSo Jos de Amorim.Gabriel I.
das Neves .'ardoso.
Conced permisslo a Cmara do municipio do Buique para comprar a mobila
necessaria ao predio que foi offerecido gratuitamente pelo commendador Antonio
Ferreira Cavalcante Badega afim de servir de paro municipal.
De accordo com o art. 93 da lei n 1221, de 21 de Junlio de 1875, permit-
ti que a Cmara Municipal do Limoeiro applicasse no exercicio corrente o saldo ex-
istente em caixa s obras do edificio do mercado publico dessa cidade.
(Contina)
DESPACHOS DA PREScf "SCIA DO DIA 28 DE
FEVEBEDIO DE 1889
Amelia de Abren e Lima Gondin.In-
forme o Sr. inspector geral da Instrucclo
Publica.
Domingos Jos Ferreira & CEncami-
nhe se, devendo ter pago o respectivo por-
te na repartilo dos correios.
Levino Joaquim de Castro.Indefe-
rido.
Maria Campos de Medetros. Informe
o Sr. regedor do Gymnasio Pernambu-
cano.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 1 de Marco de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
Cmara Muni-
dar execujao aos projectos publicados nos jorni-es desta capital de
Inte com a numeraclo e forma de decretos legislativos, sob a assig-
'dente da Assembla Provincial, Bario de Caiar, reuniado-se no
V. Exc. que foram hontem recolbidos
os seguintes individuos:
Ao estado-maier do Corpo de Polica,
o Dr. Barthazar da Silva Carneiro, por
estar sendo processado.
A' ordem do subdelegado do 2" distri-
cto da freguezia da Boa-Vista, Manoel An-
tonio da Sdva e Jos Ignacio Joaquim de
Souza, recolhidos Casa de Detenclo
como vagabundos e turbulentos.
Communica o subdelegado da freguezia
de Santo Antonio, que hontem s S 1[2
horas da noite, no ra do Imperador, foi
capturado por urna patrulha do 14 bata-
Ihao de infantaria, o individuo de nome
Jlo Pedro de Alcntara, autor do fen-
mento, em urna praca daquelle batalhao,
facto esto que tere lugar no dia 24 do
mez passado, na freguezia do Recife.
Aquella autoridade tomou conhecimen-
to, e proceden a respeito nos termos da
lei.
Participou-me o delegado do termo de
Ouricury, que no dia 2 do mez prximo
findo, foi capturado em flagrante, o indi-
viduo de nome Francisco Pereira de 'Alen-
car, por ter ferido um boi pertencente a
Symphronio Rodrigues da Silva, morador
no lugar Tapuyo daquelle termo.
Acerca do facto, abrio-se o competente
nquerito, que j teve o destino legal.
A mesma autoridade participou-me ain-
da ter, no dia 3 do referido mez, feito re-
messa ao juizo competente, do inquerito
policial procedido cotra Antonio AJexan-
dre do Nascimento, conhecido por Garael-
l'iira, por crme de ferimentos graves.
O delegado do termo da Escada, com-
municou-me, ter no da 18 do mez pas-
sado preso em Sagrante, o individuo An-
tonio Francisco do Nascimento, por crme
de furto de dinheiro; e no dia 22 daquelle
mez capturado tambem em flagrante a
Jos Pedro Salustiano, por crme de furto
de cavallos.
Acerca destes
termos da lei.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
Ges, muito digno presidente da provin-
cia.O chefe de polica interino, Dorio
Cavalcante do Reg AUmquerque.
fictos, pracedeu-se nos
RECIFE, 2 DE MARCO DE 1889
*oilelas do Rio da Prata e Sul
do Imperio
Pelos paquetes americano AUian^u e inglez
Aconcagua tivemos as seguintes noticias do sul:
Kiotlu Prala
Datas de ambas as capitaes at 12 de Feverei-
ro, e telegraphicas at 22:
El Censor, diario portenho, reclama urna lei
que restrinja a liberdade de imprensa para cor-
tar os abusos que se commettem diariamente ri-
dicularisando s primeiras autoridades e occa-
sionando o conseguinte desprestigio do go-
verno. ,
O ojmmercio resoheu obsequiar com um ban-
quete io ministro dos negocios estrangeiros, Dr.
Quirino Costa, pelos esplendidos resultados da
iramisraso em 1888.
No lia lt communicaram, da capital argenti-
na, ao Sig'o, de Mantevido, que o ministro Ar-
gentino no Rio de Janeiro, Dr. Henrique Moreno,
telegnphra do Brasil que S. M. o imperador,
no ia anuiversado da batalha de Monte Caseros
Ihe enviou urna magnifica grinalda para ser de-
positada no sepulcro de Sarmiento. A grinalda
seria remettida no primeiro vapor.
Fallecen o Dr. Cleto Aguirre, decano da Facul-
dade de Sciencias Medicas.
No dia 7 foram encerradas as sessoes extraor-
dinarias da assembla geral da Repblica Orien-
tal do Uruguay. t
No dia 8 chegou ao porto de Montevideo, a
bordo do vapor italiano Mateo Bruzzo, o ex-pre-
sideate da repblica Mximo Santos. Foi visi-
tado a bordo por seus amigos e no dia 9 seguio,
no mesmo vapor, para Buenos-Ayres.
0 diario LaNaion, escreveu o seu correspon-
dente na capital Uruguayana Parti para
ahi, no Matteo Bruzzo, Mximo Santos.
. Durante a permanencia desse vapor neste
porto deu-se o vergonhoso espectculo de terem
ido vistalo importantes magistrados, que lhes
applaudiram as bravatas e impdicas hypocri-
sias de histrio impenitente.
Toda a imprensa o acabrunha com palavras de
merecido desprezo.
Foi aceita a renuncia do director dos correios
Ricardo Tajes, substituindo-o Cypriano Herrera
do mesmo partido poltico e que pura aceitar o
cargo renunciou ao de procurador do Banco Na-
cional.
Foram publicados na corte e3tes telegram-
mas:
Montevideo, 21 de Fevereiro.
0 Dr. Jurez Cclman. presidente da Republie;i
Argertina, almocou na casa do senador Torres,
assistio s corridas de touros e noite foi ao
baile no Club Uruguay
No theatro Solis houve um banquete offereco
iquelle presidente.
Acha-se gravemente enfermo o Dr. A. M. Mar-
ques, ministro da fazenda.
O Sr. Gowland foi nomeado gerente do Banco
Uruguayo.
Montevideo, 22 de Fevereiro.
0 Dr. Jurez Celman embarcou hoje de manh
para Buenos Ayres.
Foram Ihe prestada todas as honras devidas
ao sen alto cargo.
0 general Tajes, presidente da Repblica Ori
ental, ir em Maio prximo retribuir a visita do
Dr Jurez celman.
22 de Fevereiro.
0 coronel Mello Reg, ex-presidente da pro-
vincia de Mallo Grosso, acaba de chegar no va -
por Ldano.
Pretende seguir para o Rio de Janeiro no pa-
quete francez Congo.
Bto trandr do Sal
Datas at 16 de Fevereiro :
L-se no Diario de Pelotas :
Em Montevideo, s ultimas datas, era ndi-
gitado insistentemente, eomo autor do roubo de
12:000* praticado a bordo do paquete Rio Gran-
de, um individuo sobre quem recahiam vehe-
mentes suspeitas.
O ministro do Brazsl n'aquella capital, pro-
curando indagar u que existia de verdadeiro em
taes boatos, pedio ao agente da Companhia nacio-
nal, nesta cidade, o retrato do dispenseiro do
referido paquete, que fugio depois do roubo,
sem que at hoje se conheca o seu paradeiro.
Na tarde do dia 29, deu-se no Livramento um
conflicto corporal entre os Srs. Arthur Lara Ul-
rich, promotor publico da comarca e o tenente
Joo de Deus Marlins, deputado provincial do 4
circulo.
0 primeiro tirou de urna pistola, que nao fez
fogo, e o segundo defendeu-se com um chicote.
Segundo o Jornal do Commercio e o Canabana
ambos os contendores ftcaram levemente ftidos.
Em Quarahy, Rodolpbo Baptista, em casa
de seu pai Belchior, matou Felippe Luiz da
Fonseca, dando-Ihe treze facadas. por motivo
frivolo e fugio para o Estado Oriental onde re-
sida .
No da 23 do mez passado, s 2 horas da
tarde, mais ou menos, cahio sobre a villa de Pi-
ratiny urna copiosa chuva batida por um forte
tufo, durando.o temporal mais de trinta e cinco
minutos.
Houve muros cahidos, grande numero de casas
descobertas e derrabadas grossas arvores, inun-
dndole tambem muitas casas.
Dizcm os antigos moradores da ljcolidade ser
esta tempestade a mais forte que tm visto.
Continua a grassar na mesma villa a mo-
lestia de garganta, que desde o princio do vero
afflige a nossa populaco.
A lancha do hiatc Sympathia sossobrou no
dia 14 em frente xarqueada dos Srs. Braga &
Campos, no Rio S. Goncalo, Pelotas.
Era tripolada por tres homens, dos quaes um
pereceu afogado, sendo os outros salvos pela
lancha do patacho nacional Positivo.
A carga de caixocs e barris com linguas per-
tencentes ao Sr. Francisco dos Santos Corria,
perdeu-se totalmente.
Foi publicado aa corte o seguinte telegram-
ma :
Algrete, 20 de Fevereiro.
0 Dr. Torres Neves aqui chegou esta madru-
gada. Teve de atravessar a nado, na terceira
secgo, os rios Cacequy. Sang. Santa Maria,
Saycan, Itapery. Jacaqu
O vero tem sido muito ebuvoso.
EstSo locados 280 kilmetros at aqui.
0 Dr. Torres Neves pretende demorarse aqui
alguns dias.
Sania Calharina
Datas at 19 de Fevereiro :
Assumio o exercicio do cargo de chefe de po-
lica interino de Santa Calharina o Dr. Manoel
Ferreira de Mello.
Falleceram no Desterro D. Maria Jos Coe-
Iho de Gouveia, Porfirio Jos Rodrigses e Jos
Agostinho do Espirito Sante.
VtBMBMf
Datas at 19 de Fevereiro :
Sob a epigraphe Excentrieidade ingleza, refere
a Gazeta Paranaense em data de 19 :
Hontem por communicaco do subdelegado
do norte, teve conhecimento o chefe de policia
de que, no lugar denominado Atuba, achava-se
completamente desamparada a casa do inglez
Guilherme Brond, que ha tres annos se retirara
para a Europa, deixando-a, bem como tudo que
ella continha, entregue a um polaco seu visiobo
e declarando que a sua demora seria de um
anno. Deixou bens de algnm valor.
Excedido esse prazo tem-se dado diversos
roubos na casa, penetrando os ladrees pelo tecto
e illudindo assim a vigilancia do zelador.
Ae partir desta capital, >-rond deixou aqui
urna irm, mas esta tendo-se mudado para
S. Paulo e depois para Minas, acha-se em lugar
incerto.
A' vista do exposto, o chefe de polica orde-
nou ao subdelegado que promovesse sem perda
de tempo a opposicao de sellos na casa e o de-
posito dos bens em raaos de visinhos abonados,
levando logo o facto ao conhecimento do Dr. juiz
de ausentes na forma da lei.
Durante o anno findo, o trafego da Estrada de
Ferro do Paran, teve o seguinte movimento :
Receita..... 751:023*762
Despeza ...... 519:635*108
Saldo...... 231:388*654
Falleceu em Antoniua Germano Frederico
Grelon.
Foi publieado na corte este telegramma :
Curitijtn, 22 de Fevereiro.
RevoUaram-sc os colonos da Lapa, ameacando
saquear a cidade, porque se lhes diminuid o sa-
lario.
O presidente da provincia fez seguir para alli
20 pracas de linha com um official de conanca.
0 inspector do hygiene voltou hontem de
Campo Largo, onde parece extracta a varila.
Em S. Jos dos Piuhaes nao tm apparecido
mais casos ;1 os enfermos esto em convales-
cenca, segundo communica o Dr. Valle, alli es-
tacionado.
O paquete Rio de Janeiro, trouxe um colono
com febre amarella. Foi recomido a urna casa
do Visconde de Ncar, na ilha das Cabras, casa
que foi posta disposico do presidente para o
que fosse preciso.
Mina* trraos
Foram na corte publicados estes telegram-
mas :
Marianna. 20 de Fevereiro.
No processo pelo assassinato do tabejlio Fa-
ria, foram pronunciados no art. 192 do cdigo
criminal o delegado de policia Queiroz, sup-
plente Valle, subdelegado Correia, sargento Vel-
loso e soldados do destacamento Benjamn < ar-
valho, Coelho, Antoaio Vicente e Carij.
Diamantina, 20 de Fevereiro.
Foi inaugurado no da 15 o hospital creado
nesta cidade a expensas do capito Antonio Mo-
reira da Costa.
Alm do valor do predio, que importante,
estabeleceu o patrimonio de 30:000*000.
A' solemnidade da inauguraco foi extraordi-
naria Ba concurrencia, estando presentes o pre-
lado diocesano e a cmara municipal.
S. l*:iulo
Datas at 22 de Fevereiro.
Depois de um soffrimento angustioso, por es-
paco de 48 dias. suecumbio em Batataes, a 12 do
corrente, Antonio Bonifacio, era consequencia
dos ferimentos que rcix;beu na noite de 23 de De-
zembro, em que Ihe foi disparado um tiro para
dentro da casa em que resida.
Victima dos projtctis falleceram logo urna niu-
Iher e urna enanca, que estavam na mesma casa,
licando Antonio Bonifacio gravemente ferido, at
que veio a fallecer das consequencias do feri-
munto.
A 17, na fazenda de AntonioJos do Nasci-
mento, municipio de S. Carlos do Pinhal, Fran-
cisco da Costa matou com um tiro a Zeferino Mi-
neiro. O criminoso evadio-se.
Vai ser installado um observatorio meteo-
rolgico em Jundahy a expensas do Dr. Antonio
de Queiroz Telles.
O Sr. Innocencio Baptista Pedreira, resi-
dente em Santos, fez o donativo de 120* Santa
Casa de Piracicaba.
A Sra. Viscondessa de Embar e o Dr.
Eduardo Ferreira, filho do Visconde de Embar,
tizeram donativos Santa Casa de Misericordia
de Santos, a primeira de 500* e o 2 de 100*010.
O delegado de hygiene daquella cidade
apprehendeu a bordo do vapor austro-hngaro
Tzckenzyi, pertencente Adria Hungarian Sea
Navigation Company Limited, 2700 saceos de as-
sucar em estado.completo de fermentacao.
0 assucar era consignado aos Srs. Joo Silva-
rinho C, daquella praga, e o vapor que traha
por capito o Sr. Gotthard, chegarade Fiame
com e;ala.
O assucar foi inutilisado. enchendo-se o porao
de agua salgada para ser depois tirada bomba
a applitosa garapa.
Oito ou 10 pessoas que descerara ao poro fi-
caram logo quasi asphyxiadas.
Consta que a directora da companhia Mo-
Syana mandou proceder aos estudos definitivos
o prolongamenfo de Uberaba at s margena do
rio Parahyba, na divisa da provincia de Goyaz,
complemento do contracto assignado pela cam-
panhia com a provincia de Minas-Gentes, com a
garanta de 7 /,.
Em Campias um individuo conhecido pelo
nome de Borges Charuteir, tentou ante-hontem,
por duas vezes, atirar-se sobre o trunos tia
companhia Paulista, quando o trem se approxi-
mava.
O guarda da 2* porteira, Luiz Mariano de An- ^ .
drade, fez retirar Borges dos trilhos.
Parece que o infeliz est ha^dias soffrendo'al- t^c
teracio das (acuidades mentaes.
0 Correia Amprense refere que na segn-
da-feira, s 6 horas da tarde, em Serra Negra,
Jos Malito, negociante de Campias, assassmou
a Vicente Momonaco.
A referida folha nao conta pormenores sobre
o facto criminoso.
Rio de Janeiro
Datas at 23 de Fevereiro.
Foi nomeado o bacharel Francisco Domingoes ,
Ribeiro Vianna, juiz de direilo da provedona da
capital da provincia de fernambuco, para exer-
cer o cargo de auditor de guerra na mesma pro-
vincia.
0 ministro da marinha decUrou inspecto-
ra do arsenal de Pernambnco que Faustino dos
Santos Costa, mestre de calafates, tem direito a
perceber emquanto trabalhar, a gratificacao ex-
traordinaria do art. 159 do regulamento dosar-
senaes.
Foi agraciado com o titulo de BarSo de
Suassuna o deputado geral Dr. Henrique Mar-
qnes de Hollanda Cavalcante.
Pedio exonerago do lugar de inspector do
Arsenal de Marinha de Pernambuco o capito de
fragata Manoel de Araujo Cortez.
ministro da marinha autorisou o inspector
deste arsenal a preencher as vagas existentes no
quadro do pessoal artstico, a saber: duas na
officina de machinas e tres na de construegao
naval.
Por si, e na qualidade de representante Ao
concessionario Barao da Casa Forte, assignon
Jos da Silva Loyo Jnior, na secretaria do Mi
nisterio da Agricultura, o competejfte jSf81* de
contracto para execucao dos melhorawenlftsdo '
porto do Recife, nos termos do decreten. 10.157,
de 5 de Janeiro, cujas principaes disposigoes pu-
blicamos, ba dias. Para garanta da execucao
do contracto constituiro os coocessienarios, no
thesouro nacional, caugo de 80:000*000.
Espirito Humo
Datas at 18 de Fevereiro.
No dia 17 cncerrou-se a exposico provincial,
preparatoria da de Pars.
Lemos na Provincia do Espirito Santo de]13:
De diversos pontos da provincia hemos re-
cebido noticias de que a falta de chuvas em Ja-
neiro e Fevereiro corrente sacrificou, si nao ao
todo, pelo menos em grande parte, a colheitados
cereaes, e bem assim urna boa parte da prxima
safra do caf.
Em Santa Joanna, Alto e Baixo Guand, re-
ceia-se j enorme caresta de vveres, oocasiona-
da pela falta de feijo, arroz, milho, etc.
Nos municipios de Vianna, Santa Leopoldina,
Serra e as freguezias de Cariacica, Garapia e
Mangaraby nao sao menos sensiveis os prejuizos
determinados pela secca.
A propria capital est resentindo-se da pro-
longada ausencia das chuvas. Alm da escassez
d'agua com que lucta a sua populago, os mer-
cados de cereaes, frudas e legumesestio limi-
tados.
Por toda a parte vai-se sentindo o extrema-
do rigor da secca.
Datas at 27 de Fevereiro.
Inaugurou-se a 23 a exposigo provincial feta
no Lyceu de Artes e Officios.
\otifia da Europa
O paquete inglez Trent, que passou hontem
para o sul, trouxe da Europa datas que de Lis-
boa alcangam 18 de Fevereiro prximo findo,
adiantando 14 dias s trazidas pelo Atoa.
Alm das de Portugal, publicadas na rubrica
Exterior em carta do nosso correspondente de
Lisboa, eis parte das noticias de que foi porta-
dor o referido paquete.
Henpanha
Escieve em 18 de Fevereiro o nosso alludido
correspondente acerca da Hespanha :
Lacnicamente e sem mais commentarios nos
diz a Agencia Havas ter fallecido ha dous dias
no presidio de Melilla, o brigadeiro Villacampa,
chefe da revolta militar de Madrid era 1885.
Definhou na sombra das prisOes, envenenou-
llie a existencia o clima infecto e hmido da
frica. Todos se lembrara ainda dos erforgos
de sublime dedicaco filial com que sua tima, a ,
formosissima Emilia Villacampa, consenuio fi-
vrar o heroico revolucionario de ser fuzilado,
amistando se pelas escadas de marmore do pa-
ce real, supplicando noite e dia, de mos postas
como anjo tutellar do condemoado que Ihe dera
o ser.
Angustiada pela enfermidade grave do pai,
ainda ha pouco Emilia Villacampa implorara
dos poderes pblicos outra merc. a da trans-
ferencia do degredado para um presidio mais
salubre. Nao o obteve, porm, e ia se finou com
o seu uniforme de presidiario, em vez da farda
brilhante de gener.il que a justiga Ihe rasgara
na patria, fri, hirto, lvido sobre a tarimba do
presidio africano esse raartyr das suas convic-
coes polticas, sem que Ihe valesse, pela derra-
deira vez, a heroica abnegago da nlha gentil,
cujos extremos de affecto ho de perpetuar-se
na historia como exemplo de virtude iaeice-
divel.
Urna folia d'aqui, alludindo ao triste desr
ce do drama Villacnmpa. terminava assim :
Pebre mulher sublime f O degredado lor-
reu. Agora cerreu-se com a tarja negn da
orphanuade a derradeira pagina da sua ado-,
< ravel epopa de amor lilial!
Na sessao do dia Io, o governo esteve em grau-
de perigo de ser derrotado no senado, pea al
lianga dos conservadores e os d da
maioria em questes econmicas.
Um destes, pertencente ao grupo cap"
pelo proteccionista, Gamargo, apre
proposta solicitando 50 por cento d
direitos para os trigos, -0 para aa farra
rozes e 80 para os p-troleos.
O Sr. Sagasta oppoz-se a av
osse admittida, perqu com ella o g
Be
-;
<

'
s





i

lo aos conservadores que. a. dufco-
,ie nos oito annos que ocetoparam o po"-
esolveraai a queso econmica, e ago-
am o miawlro da fazenda, liberal, per-
qu nos dous maxfet^ue o nao a rasolveu.
O Sr. Cuesta dase* *ue se o governo se com
promettia a elevar ,os di-eitos, retirava a sua
proposta., ao que o Sr. Sagasta respondeu que
nao poda nem devia fazer semelhante decla-
A proposta fokiaajalMaa no*.MuDtos xK.
53 de conservamc a miiii-ttriaettaisidtBttes
Ponco depoisgiUMBir:i inaiaiaj;adB. nove deste mezM^.uqi^lc>Hspi|p9UiMde
Madrid deu pelfcaaistNHtu de fogQhiiaaediak)
Foi logo dadoMRgmME alarme, e a brigada
sanitaria a tacnttncaauMP aquaMMoiBe-
gavam outros smtmro.
0 fogo teve f^ipMM>0Hpguq4BM&n(tM e
ate u-se com espalriii a*P''> #"1
te se explica, ponpB^osp*r4*p*rfeilam
am armaiem de madeiras caruncliosas.
Mcia hora depois do signal de alarme o es
pectaculo era aterrador; as labaredas erguiam-
se a urna altura de oito a dei metros cima do
telhado, e urna fumarada espessa alastrava-se
da ra da Princeza navajada.a..cidade.
A sfnwSo era senil- ao pensar-se nos desgra-
nados enfermos, incapazes Le tentareni a fuga
sein auxilio.
A brigada sanitaria, sob o caminando do coro-
nal D. Pedro Pestierra, estabeleceu em meio d'a-
Iuelle medonho tumulto um aduiiravel servigo
e sal vacio. Emquanto o pessoal dos beiubei-
ros combata o incendio, en carreja va-se ella de
transportar, desde o.segundo pavimento ra,
ONU de 400 homens embrulliados em roupaa-de
cama, alguns dalle em miseravel estado. B
-erviQ reausou-se etn menos de meia boro,
sendo os enfermos trazidos ao eolio dos cama-
radas e estabelecendo-se na ra. ao clarao do
incendio una enorme, ambulancia ao ar Iivre.
O goveraador de Madrid, o alcaide do diatn-
cto, o inspector dos incendies^ os alcaides dos
hairros e grande numero de autoridades e Cunc-
cionarios trabalhavam enrgicamente, auxilian-
do os soldados e os bombeiroe.
As 3 hars da madrugada fanceiouavam 30
bombas.
A essa hora comparecen o capitao-general de
Madrid, com forjas auxiliares de engenheriavo
de catadores de Ciudad Redrigo e Bort Rioo.
munidos de. machados, picaretas e outros uten-
silios. Ghegava ao mesmo terapo urna torca de
marinbeiros com a bomba do ministerio da
marinba. Todos estes soccorros foram imme
diatamente e com a mxima energa empre-
ad*.
A praga ao Seminario estava convertida n'um
rerdadeiro bazar de roupas e de movis, na mais
completa desordem.
Os enfermos de mais gravidade foram traus
Borlados aos hospitaes da Princesa e do Bom
Sucresso, e os restantes ao quartet da Mon-
tanba.
De meia em meia hora, o governador e o. ca-
pitao-general communicava noticias a rainba
regente, que .se conservara de pe, aguardn-
dolas.
Conseguio-se, com grandes esforcos, salvar o
laboratorio e conservar o relogio da torre, que
ameacava desprender-se e vir a trra, de toda
a altura do edificio.
A's 4 horas o inceadio estava localisado;
. hiL.ivam, porm, noticias tristissimas dos hospi
taes onde os enfermos haviam sido conduzidos :
os doentes atacados de pneumona, quecram nu-
merosos, tinham expirado, victimas do ar fri
da noite.
No edifteio em chammas, o musen anatmico,
pie continha i. t5t pecas foi completamente des -
'ruido por um desmoronamento.
Circnmstancia notavel, que attesta a boa or-
dem e o sangue fri que predominaram em meio
do sinistro : s ficou ferido um aomem f
O eonselho de ministros oceupou-se 11.
de assumptos importantes, prestando maior at-
tengo ao projecto do suffragio, reforma dos
alcools e questao;da fazerda.
A.respeito dolsuffragio, espera o goveiroo re-
eb v orovemente o parecer delinitivo da com-
usso.
O ministerio da fazenda apresentou esclareci-
mentos, dos quaes resulta que no rendimento do
imposto do consummo houve urna diminuioao de
sete milhes;de pezetas, beta como so deu nm
resudado negativo para o thesouro na cobranga
do impos/-sqbre os alcools. .
A D-opitoda li sobre os alcools, referi o
.-tro oa fazend a conferencia que Uvera com
o embuixador da Allemanha sobre o modo de
reformar a tei. ._
Di7.se que o ministro da fazende entaooiau
relgaesconiaSuecia. Allemanha e Franca, para
obter algumas concessoes as questes dos
alcools.
Consta que o capito-geoerat de Madrid deu
a sua demisso era con9equncia. do incidente
ocoorride a 13 na. cmara dos deputado*
Assegura-se que o capitao-general enviou pa-
dnulw ao deputado que taxou de barbara a
edida Dor elle tomada a respeito do hospital
militar. Parece que o governo recusa aceitar a
deiiio do eapitfo general. _
A rainha regente deve assignar brevemen-
te hua tei eximindo dojpagamentaide direitos de
aluudego o sulphato de cobre destinado acom-
bater o mildev, que, como .se sobe, tem wto
gruades estragos as regies vinhateiras ao
Hespanha. .
Para celebrar o 16 anniversano, da proclama-
eao da repblica em Hespana, .houve em doze
uawoi banquetes durante os quaes remou a
roeior cordialidad.-, excepto no que se realisou
no- cassino republicano ea que presidio o Sr.
Buloar. assistiudo cercote trezentas pessoas.
K'.r.n de tal ordem os tumultos que o delega-
do da autoridade teve de por termo festa.
I) Carlos aparovou a reorgartisecao do .parti-
do carlista com juntas na&. sididas por homens de aeco, como o Barao San-
garren, o general Cavero e o marquez de Val-
despina.
A directo suprema, para toda s as questes
aoticas, eJeitflraes e de imprensa, perti-ncera a
urna junta superior de Madrid, presidida pelo
marqnez de Cerralbo.
> foi coHcedido cargo algum ao>r. Nacidal
dirmtor do Siglo-futuro, nem aos elementos
arllas tomaram parte activa etn todas as
O duque de Cambridge parUo de Valencia para
A :-.nha regente receben em audiencia o novo
ministro plenipoleneiario dos Estados-Unidos,
mist-r Pcrrv Beluiont, que apresenteu as suas
crede:iciaes trocando-se os discursos do estylo.
Foi a 15 no Tlieatro Real a 1' representagao
da opera do maestro Bretou GtUamnH dt Teruel.
Teve um excellente xito, t) au'.or foi cha-
mado a scena 30 veze:.
lroseguem, cora grande iillrasiasmo, eratra-
aadu, os preparativos para a coroaijfio do grande
oeta Ufes pon! ol D. Jos Zorrilla.
O (listiuetissimo hometn de scienea general
Ibitnf-z, que alguns jornaes deram ltimamente
K>r morto, foi agraciado pela rainha regente de
sspanhacomo titulo (fe marquez de Muoy-
Haesein. .
Muby-Hassein u Mulbaeenj:- o posio mais ele-
vado da peninsunla ibrica, e pertence BSerra
Nevada na provincia de Granada. Tem de alli-
tude 3181 metros. _.
Mnlhacen e tetica. em Hespanliu, e Hihaons-
aeneM'Sabiba. na Argelia, sSo os vrtices do
celebre quadrilatero do Mediterrneo, que liga a
Iriangulaco hespannola com a algenana.
A Agencia Hutas communicou a morte da
duqueza de Prin. que foi companheiradoilluslre
caudilho dos Castillejos, que leve tao alto nome
aa historia contempornea. Falleceu a 13 do
correte.
A Exma. Sra. D. Francwca de Agnero y Gons-
lez nasceu no Mxico em 30. Casou com o
general Prin quando este fez a celebre expedicao
. ao Mxico frente das tropas hespanholas
D'esse casamento nasceram dous tilhos: o actual
duque dos Castillejo ohde de Brunrh. e
D. inbel, herdeira do titulo de duqueza de Prin,
creado pelo rei Amadeu em 31 de Dezembro de
187, no da seguinte ao da morte do hroe dos
Castillejos, com expressa coodicao de que o titu-
lo devia pasear para sua fllha. .
A illustre finada era dama nobre de Mana
Luixa e tinba a grandeza de Hespanba de pn
Beira classe junto do titulo de duqueza
pBde a me
I'rin guaadou.nl rigoroso laete.
^ Seguoo noncis de S. SebastiSo, o palacio de
Sarocherancaules. Bisnritz, tem quasi terminadas
as ebras- de restauragao e omamentagao, para
receber a rainha Victoria de Inglaterra.
Julg-se que sua magestade ira occupal-o nos
pnmeiros das de Margo.
i'alculu-se que passem de 300 familias ingle-
sas da pnmeira aristocracia que tem alugado
OMe em BuwUke iw^utvoatjfci* uirnc'iM.
^mJtmmmmmmmocwk mm a rajaiM
ori-^
As baadas dos raflawaatM huapanhoes, de
S-ni o esrudwudo os '-jn Tflr-rn- pois julga-
ae.que annnajii nada ao dana de ir visi-
4akas.
Achaaaresalii;iiU* o laiaiatr* das obraa-pu-
Diario ?ernambuco-^^Phado 4 de Margo de 1889
-- -........-BBWWWI -----i*. i 1
ment, dizendo que o ministerio n2
iesolugao, e por tanto o adiamento tau
por 375 votos contra 173
O general Boulaoger assistio a sessaal
0 principe de Galles estav na trinuna
tniUia.
Beutenger, logo na tarde de 14 fez
um manifest aos eleitores do Sena, dizi_
que o movimento irresistivel da opiniSO que
derribou o ministerio; que a revisao proposta
.ffasasKJsarp
de
_j)sa amantiseima, acompanhou seu marido
ote a eiEigracap ; e, ainda que alheia a as-
^T_ ^Baiais d'uma vez sacriflcou as
Bas propnas )Vk em a^or da liberade.
Lde
viola*|daaaeri
da lei .lat*tftiaa*aWi('i*inal-|ro. aralo
est m ai mi |Wodoja para dispersar os amotinados, tiran
naaouiitfle d'estes feridos.
;^0 lii aawtre occorrido na linha frrea de Bru-
(NUas a Nomar, de que ja falln, o telegrapho,
fai paroreso.
0 coaaboio que parti d'aquella localidade s 9
itwaaMBMnanha do da 3, descarrilbou no sitio
liw da'WWnendael e, a toda forga de por, foi es-
4)arrar no pilar do viaducto que naquelle ponto
cruza a via-ferrea. Tao violento foi o choque
idueto desabor
ltado do choftw & do desabameartod!
daswatogaM Mraaaaduzidos a atoaos a 4ocomoaiw, o ten
lialavaaaiW^que (adfeaMMphar a<
de srlataana
O nvM>to4KinclaalM Viva a He
A ovad.do flaiiiua*a-BU'-paa*l;n*Ki a
Pi>is tMawipJa^ueaa iiieaiwaudav
)aiaVra.agagcira e as vrUmm qaaan cawao-
m lata cheias de paaaageni
la- qmw "fcnitn tirados j inavaM ilaatta na lar
ra.
QMJMb
*uson imii aaataaw.-x iwt, Ua^M- o ^..t/H *jaV>iaa*a Uktp^aaMMtW
I a comwaglir'fla- grfi-cnn da Agota Roxa de conlranga sobre o adiamento, e a maior parle
grff*cruz da Agnia
Preta da Allemanha ao'ex-embaixador Visconde
deBenornar, sujeitoa castigo por haver 'exerci-
do funecoes de embaixador acnando-se j decait-
tido, t fornucido ao Sr. Cnovas certas nforma-
ces sobre assumptos diplomticos.
A A""Tr'T^.iMMinfiA >am a#|aiia*-*u.
Hespanha, einpennou se em despostar completa-
mente os hesnanhes e conseguio.
Dizem os jornaes de Malaga que entre oseen-
tos de emigrantes que tem solicitado passapor-
te para a Repblica Argentina e do Uruguay, se
acham 80 mestre-er.colas que abandonara a pa-
tria porque nem ao menos o magro ordenado quo
lhes devido, recebem
O governador das Asturias participou ltima-
mente que a fabrica de armas de Nubia realisa-
ra com felicidade as pravas dos canhoes- de 28
cenlimeiros para ocouragado Pelayo, inventadas
pele geoeral de arrilharia Sr. Gonzlez Ontario,
com projectis de 380 kilmetros, e carga de pl-
vora prismtica de 160.
As velocidades iniciaes passaram de ttO me-
tros, sera que as presses fossem maiores que
2:690 kilmetros por centmetro qudrado.
Esta peca, que pesa 35 toneladas, faz o pro
jectil perfurarna bocea 66 uentinetros de ferro
forjado, resultado ainda nao obtido ate hoje, com
canhes de igual calibre.
Este canbao, inventado por um hespanbol,
construido em fabrica e com plvora hespanho-
la, t5 superior aos adquiridos no estrangelro.
Xo dia 10 completou o general Castillo a ida-
de regulantentar para passar escala de reser-
va.
Por este motivo assegura-se que o substituir,
no commando do corpo de alabardeiros o gene-
ral Cocdora, e a este na ebefatura da casa mili
tar de sua magestade a rainha, o capitao^geni-
ral demissionario da ilha de Cuba, Sr. Mario.
Aribue-se grande importancia ao discurso do
deputado Portuando, defendendo a emenda do
general Lpez Domnguez sobre as reformas mi-
litares, e economas as despezas que possam
produzir.
O debate assumir maiores proporces, fallan-
do os Srs. Sagasta, Cassola e Romero Robledo,
assira como a raaioria conservadora e republi-
cana.
Foi prorogado at Julho prximo o praso|nara
entrar em vigor o novo cdigo civil.
O correspondente do hnparcial em Barcelona
participa ter visto urna carta, em que o Sr. Ro-
mero Robledo desmente qualqaer fundamento
de ai vordo entre elle e o tr. Sagasta; mas em
que se declara unido aos liberaes para evitar
que os conservadores voltem ao poder.
0 correspondente promette enviar novas re-
velages.
O eonselho de ministro realisado a 15 do
corrente, sob a presidencia da rainba regente,
examinon as questes mais importantes e que
actualmente mais preoecupam a attengSo geral.
O Sr. Sagasta fez o costuaado discurso sobre
a poltica externa, referindo-se principalmente
aos successos de Buda-Pesth, ao conflicto dos
operarios em Roma e crise ministerial em
Franga.
Franca
As ultimas noticias que o telegrapho nos trans
mittio ult mmente deram-nos a queda do mi-
nisterio.
Como se v, o Sr. Floquet, vencedor a custo
na questo da reforma eleitoral, cabio perante a
resolugo da maioria ao pretender empolgar ao
boulangismo a proposta da reviso.
Adiamento iodehnido tal a sentenga dos
republicanos.
Os jornaes francezes, ainda nao nos trazem 03
promenores da sesso, que originon a queda do
ministerio Floquet.
0 Tempi, porm, na vespera j dava rebate do
estado dos nimos e da agitafio que se notara
nos corredores da cmara, e:n que o assumpto
de todas as discusses era o projecto de revisao,
e as consequencias que delle podiam resultar.
A direita realista e o grupo bonapartista cs-
tavam convocados para urna reunio na noite de
13.
O grupo da unio das direitas fra convocado
para a manhd de 1 i.
As deliberagOes, que estes grupos tomaran),
ponderava o Temps, lecm urna importancia ca-
pital porque pode arrestar urna fraeco consi
deravel do grupo republicano, e assim determi-
nar a queda do governo.
Por agora complet a indecisao a respeito
do resultado final. >
Do Sr. Delafosse bonapartista, sabia-se terum
projecto pedindo a revisSo, mas precedido de
considera,oes em que formulava um voto em fa-
vor do plebiscito.
Da direita realista dizia-se que talvez votasse
contra a revisao, por entender que para ella nao
tinha poderes a cmara actual.
Eram assim encontrados os boatos* e noticias.
Tambera era muito discutida a emenda de
Lanessan, que se refera constituinle.
Era ao parecer deste deputado que se affir-
mava ligarem-se a direita realista e os bonapar-
tistas.
A esquerda radical, que j se reunir, tinha
decidido votar, contra a emenda Lanessan. isto
, contra a constituinte.
Na aesso da cmara dos deputados que ter-
minou a demisso do ministerio Floquet, o he
roe do dia foi o deputado Douvle-Maillefon, da
extrema esquerda.
E' deste representante a proposla deadiamen-
lo indefinido da revisao.
m. breve extracto:
O Sr. Douville-Maillefan sobe tribuna a
apresentar a sua proposta, em meio de grande
agilacio da cmara.
Fallam-nos d'uma constituinte dif se o orador.
Que traz cssa constituinte pana oTerecer a Fran-
ca Ninguem pensou anda nesta casa na for-
mula e no espirito da conslituigo que deve sub-
stituir ao actual. (Risos da direita.)
Os senhores riem-se? Pois riam-se, mu lo
erabora : Tudo, menos o seu applauso Tudo,
menos os applausos daquelles Pourceangnac,
daquelles inialliveis que tudo sabem, sem teretn
aprendido cousa alguma, e cujo apoio para mitn
e deshonra. (Tumulto.)
Quero teis de ordem ; nao quero leis de reac-
fiao! -
Os nicos soberanos no assumpto da revisao
constitucional sao os eleitores ; nao somos n=.
as eleicOes geraes ter occasiao o paiz de
manifestar a sua vor'
Appello para o om senso do governo, con-
vidando-o
de.
Foi votada a proposta do orador.
O Sr. Floquet subi tribuna e disse no neio
de um silencio completo :
Eu puz a nuesto do gabinete sobre as pro-
poslas de lei eleitoral e de revisao.
A votagao de hoje impoe me o dever de de
clarar a cmara que dentre de alguns minutos
o gabinete a que presido tera pedido a sua le-
:0.
Os radicaes, applaudiram enrgicamente ea
sessao foi encerrada aos gritos re Viva a Re-
publica.
Devenios ainda accrescentar na sessao de I*
da Cmara dos Deputados, a proposta da direita
para ser adiada por oito dia? a discosso da re-
visao foi rejeitada; e em seguida foi approvada
por 307 votos contra S18, apezar de lodos os es-
forcos do Sr. Floquet. a proposta do >r. Douville-
Maillefan, membro da extrema esquerda para o
adiamento indefinido dr. revisao.
Foi entao, como tica narrado, que o Sr Floquet
annunciou que o gabinete dava a sua demis-
so.
Levantou-se a sesso logo, devendo soni'
a Cmara reunir-se no dia 8 de Fevereiro.
O Baro de Mackau foi quem tinha pedido, era
nome da direita, o adiamento da discusso
sobre a revisao constitucional, alim de que ogo-
ve/no podesse preparar o projecto da dissoluco
das cmaras; mas o Sr. Floquet rejeitou o adia-
dos deputados ida esquerda e da direita estavam
de todo incertos sobre as consequenciag da vota-
,go.
Amatoria que approvouamogao do adiamento
coroprcheode a direita e os opportunistas.
QjwaMaatem upualkii),. Br fiBa n-mf-
K-Ofl
e
reociou a 14 noite com os Srs. Mel'uae e L
Royer; presidentes da Cmara dos Deputados e do
Senado.
At entiio nao tinha offerecido a pessoaiabui''a
a misso de formar gabinete. .
Os jornaes boulangistas e conservadores ea-
tendem que a dissolugo das cmaras seimpoe
agora mais do que nunca; pois com a (ttual C-
mara dos Deputados j se nao coota.
Varias foi lias tem dado noticiada oombinagOes
iinisieriaes aue, sobretudo, correspondam aos
bons desejos aos seus redactores ; mas. na reali-
dade,*o Sr Carnot uo chamou nenhum persona-
gem alm dos presidentes das cmaras,
Os jornaes opportunistas e moderados l'azeui
notar*que a votagao da Cmara fez taboa rasa e
deu toda a liberdade ao presidente da repblica
para eooatituir o gabinete conforme a sua esco-
Iha.
A maioria contra o.gabinete comprciieae lu
conservadores" 19 boulangistas e 138 republica-
nos : e a minora compe-se de republicanos e 4
boulangistas
Os circuios parlaui}iftares considerara. impossi-
vel que o Sr. Floquet po;3sa voltar a encarregar-
se do governo. pois contina sendo partidario da
revisao constitucional.
Chamando o presidente da repblica o Sr. M-
line, porque o Sr. Carnot pensa que a attitude
d'este seria umpresagio de apasi guarnan to, e que
podena dar satisfagao aos radicaes com a reelei-
go do Sr. Floquet rara presidente da Cmara.
O Sr. Carnot conterenciou de tarde com varios
personagens do Senado e da Cmara.
O Sr. Magui, depois, voltou ao palacio do Lu-
xembourg, aonde mandou chamar o Sr. Tirard.
As ultimas informages fazem ter por dnvidosa
a acceitago do Sr. Mline, se porventnra for in-
cumbido de formar o gabwete.
O Temps aconsclhava a formagio de mn minis-
terio de expediente que se oceupasse das leis
destinadas a desenvolver o trabalho nacional e a
proteger a ordpm pnblica.
Tambem itu circuios parlamentares se suppu-
nha que o Sr. Carnot proporia ao Sr. Rouvier a
misso de formar gabinete.
A esquerda radical devia reunir-se na tarde de
16. Presumia-se qne foria diligencia para qne o
Sr. Floquet voltasse ao governo, e que para isso
invocaria a incerteza que reinou sempre ao animo
de muitos deputados sobre as consequencias pos-
siveis da sua votagao no ponto de vista da sita-
gao ministerial.
Ignorava-se quala deoiso do Sr. Carnot; mas
cootittuava a pronunciar-se o nome do Sr. Mli
ne como o do successor eventual do Sr. Floquet.
O Sr. Rouvier confereaciou de novo com o Sr
Carnot.
Os jornaes representam o Sr. Carnot nica-
mente preoecupado em formar un gabinete de
expediente afim de assegurar o bom xito da ex-
posigo do centenario.
Entre os personagens polticos chamados tam
bem ao Elyseo citam-se os Srs Casimir-Frter,
Coastans e CbaUemel-Lacour.
Em consequencia de completa divergencia en-
tre os radicaes e os opposicionistas, ha grande
difu>uldade para se formar um gabinete que te-
nba raaioria na Cmara ; porque am ministerio
opportunista estara sempre merc de urna col-
ligagao da direita e dos radicaes.
O Sr. Rouvier, a pedide do Sr. Carnot, insisti
com o Sr. Mline para acceitar a misso de for-
mar gabinete.
Assegura-se porm, que, persisndo o Sr. M-
line na sua recusa, o Sr. Carnot, encarregaria o Sr.
Rouvier de formar o gabinete.
Al'nal o Sr. Mline acceitou a misso de for-
mar gabinete.
Conforme as informages da ultima hora, os
nicos personagens que se mostravam dispostos
a entrar na combinago ministerial do Sr. M>'li-
ne, eram as Srs. Rouvier, < asimir Prier e Wal-
deckrRosseau.
Certos jornaes citavam igualmente o Sr. Lou-
bet.
Outros asseguravam que o Sr. Mline veria de-
do tratasse da distribuicSo das pastas.
Na.'tardee i6:o Sr. Mline oonferencicii aora
divii*aa d^patadas sanador*!.
Nos circuios parlamentares ndicavam-se va-
rias candidaturas para a compbsigo do gabine-
te ; mas pareceaiifltitas fundar-sc|em meras uin-
jecturas que em dados positivos.
A votaco, que derrubott o ministerio Floquet,
proveio de urna colligago enire os elements
conservadores, e os opportunistas, quer dizer, o
grupo mais moderado do partido republicano.
Os opportunista? eram oppostos revisio, em
que viam um grande perigo para a repblica; e
a direita, que proclamara a necessidade da revi-
sao, o a queria feita pelo cotrgresso formado
pelo Senado e pela Cmara, mas realisada por
urna assembla constituinte especialmente cleita
pelo paiz.
Como o governo queria a revisao, e nao queria
a constituiute d'ahi a votago que derrotoli
A crise, assim aberta, particularmente grave
porque se realisam este anno as eleiges geraes,
e paira ameagadoramente sobre a Franca repu-
blicana a perspectiva da di '.idura boulangista.
Se se constituisse um governo de combate, for-
mado pelos elementos militantes do partido mo-
derado republicano, o radicalismo exaltado lan-
car-se-hia nos bragos do general Boulanger. e os
acontecimentos precipitar-se-biam, dando talvez
a desordem como prefacio victoria definitiva
do boulangismo.
Se em vez d"isto, se tendesse ainda mais paia
a esquerda, e se formasse-um ministerio mais
relindamente radical do que o de Floquet, o so-
bresalto dos elementos conservadores da nago
daria novas torcas ao cezarismo auctoritario, que
conslitue o fundo do prtgramraa boulangisix
Nao se fez, pois,*nem urna nem outra cousa.
i) Sr. Mline, encarregado de organisar o novo
ministerio francez, querer-se apenas um gabi-
nete de negocios ou de expediente. O Sr. Mli-
ne um homem muito estimado, que pertence
ao partido opportunista, mas que nao tem gran-
des incompatibilidades cora os outros elementos
republicano*, e p!a sua ndole especial nao des-
pena nem ias nem fervorosa ad-
!]p-- le foi largos annos ministro
da ;l le Ferry, deputado
pelos V"- >r. Julio Ferry e intimo
am." (ora filiforme, a sua cara
/ suaoe e as suas ma-
nei-a am um perfeito contras-
te com a phii'>nonia aceentuada e enrgica, o
caract":- viol Mito t resoluto, e a palavra vibrante
tendida do impopular e talentoso chefe do
oppurtonismo.
O ministerio Mli-ie ser se vingar esta com-
binarlo um ministerio paxteleiro. Dirigir as
eleir s no sentid o da poltica republicana mo-
derada, e. embora saja provavel que entrem no
gabinete individualidades mais vigorosas que a
do presidente do eonselho, nao natural que o
Sr. Mline se associe a medidas violentas ou ex-
traordinarias. Ser urna especie de patamar de
escada em que a repblica parar a tomar o fo
lego antes do combate em que se decidir se
ella se precipitar pela escada abaixo, ou se
conseguir subir o lango que lhe falta
Al s prximas eleiges a situago indefini-
da e incerta ; s enio se ver se triumpha a re-
publica ou o boulangisma e d.aqui at l todas
s5o indifferentes ou antes secundarias
peripecias c tricas parlamentares.
Bel sica
liouve a 10 em Gilly, perto de Charleroi, um
conflicto entre os gendarmes e os recrutas.
Os gendarmes que foram assobiados e corri-
dos a pedra, riveram de fwer fogo, disparando
eeinnaw D'oates.
tro?e>a><:incoenta feridus, elpaae de 'foiviiaaV
MBlMa>S
,A aMpgo era Roma>ggnaa^e d4ia a dio
A papawa protesta, a^ilaMK'fea '
Os pararos sem trtala, acc
tome, procuram penetrar na cidade, gritando
viva a revoluco I
N'um dos ltimos das, entrada, da ponte de.
Ripela, dous mil manifestantes atiraram-se aos
carabineiros, e cnseguram chegar at ao Corso,
quebrando ludo na sua passagem e saqueando
m aWbrtBBlttiMitaw ile eonoaareio. Os roubos
e preiuizo8 faitos n'um so arnazam avaliam-se
em 50.000 francos. Os joalbeiros solfreram bas-
tante-
No dia 9, todos os estabolecimentos fecharam
as suas portas. A populaoa est aterrada. Pela
cidadegiratu constanUmentopatonlnas. As tro-
pas estao de prevengo noiquarleis. Os minis-
tros e o parlamento sfio guardados por sentinel
lascom armas carregadas. Roma apresenta
um aspecto lgubre ; pareoe que-se achn em es-
tado de sitio. A artiuieria peemanece junto do
ministerio da fazenda. -As proximidades do
Quirinal esto rigorosamente guardadas.
No mesino dia appareceram aflixadas nume-
iosaroBlamagi>as, convidando os operarios
sem trabalho a reunirem-se nos arredores da
cidade, junto ao castello de -Sanio Angela
As autoridades adoptaram providencias ten-
dentes a impedir que os operarios entrassem
juntos na cidade ao regressarem do nueting.
Pelas 3 horas da .arde aeliavaniHse reunidos
em frente.do castello cerca de 3,00 operarios -
Foram proferidos discursos violeotissimos,
exekando os operarios a que, em vista do aban-
dono a que os votaram os poderes pblicos fi-
zesfem ellos justiga por suas toaos, pois que
mais vaha morrerem do que assistirem a ag nia
de suas mulhercs e de seus tilhos.
O meeting assumio, em face destas exctages,
um Contrariando as ordens da autoridade, os ope-
rarios tentaram entrar juntos na cidade, mas a
passagem foi-lhes lomada em todos os pontos
por grandes torgas de gendarmera que os inti-
mavam a dispersarem os grupos.
Desesperados pelos obstculos, os opranos
convergiramem massapara aponte de RipeUa
e all travaram com a torga publica um yerda-
deiro combate, toreando a passagem e penetran
do juntos n cidade.
Comugaram entao, armados.de paos e picare-
tas, a percorrer as mas, gritando : Trabalho !
RnoiMcSo i
Dos'gritos passaram aos actos. Foram assal-
tadas diversas padarias e oulrcs estabelecimen-
tos .pblicos, principalmente as ras Krattina e
CoudoUa. Os amotinados destruirn* e saquea-
ra m durante urna hora cora.a mxima impuni-
dade!
Espalhou-se na oidade n*m verdadeiro pnico.
Fccliaram-se as lojas e as portas das hahitaces,
os transentes apavorados recolheram-se apres-
sadamente. A polica, impotente, em face dos
desordeiros, appellara para o auxilio da torga
militar.
Sabiram por Um as tropas dos quarteis e as
ras de Roma travou-sc- urna serie de combates.
Houve cargas de cavallaria e em tiroteio vivis-
simo, sahindo da luta grande numero de feridos,
entre estes uns cincoenta gendarmes. Reabsa-
ram-se urnas 500 prises.
Os estragos causados por estes disturbios sao
calculados em dous uiilhes de libras.
A indignago geral contra a imprevidencia
do governo.
Na cmara, os Cactos violentos do ola foram
discutidos calorosamente. O S. Crisp aecusa os
amigos da paz d haverem promovido as desor-
dens o declaren que iam ser prohibidas todas as
raunioes publicas, induindo as de carcter paci-
fico.
O deputado socialista Costa protesten com
grande vehemencia contra as affirmagoes e con-
tra as determinages do presidente do eonselho
de ministros. Na prxima quinta-feira a caraa-
ra}discutir|aK responsabilidad os-daquelles acon-
tecimentos.
O sobresalto nao se extingui ainda. As ras
da cidade continuam a ser rondadas por nume-
rosas e fortes patruIhasJo exercito.
O rei Humberto ordertlu que se tomassem com
brevidad todas as medidas para assegurar tra-
balho aos operarios.
As ultimas informages sobre a origcm dos
tumultos na capital italiana, attribu'-m a agita-
dores franceze*- todas as desordens.
As autoridades de Roma teem provas do caso
e indicios -de que se trata, de promover um mo-
vimento socialista semelhaute aode 1848.
Tomam-se grandes precauges.
A imprensa, commentando a situago, d va-
rios pormenores. g
De casa de um relojoeiro foram roubados pe-
la populaga mais de cem relogios I
Qoasi todos os jornaes deporam a imprevi-
dencia da autoridade e pedem medidas enrgi-
cas contra os promotores de taes desordens.
As priscos fazem-se s centenas, mas sera re-
sultado.
Muitos estrangoiros ebegados Roma, par-
ten) dalli precipitadamente.
Na cmara dos deputados, o governo foi in-
terpelado sobre as disposigees qn tomar para
prevenir a repetigo dos tumultos e sobre as
medidas a tomar para por termo s causas que
OS determinaran!.
Um dos interpellantes, o Sr. Odescalcki, la-
menten que as ordens nao tivessem sido previs-
tas, e declarou que a Italia inteira soffre d'um
mal geral, motivado pela falta de um tratado
de commercio.
O Sr. Crisp declina a responsabilidade dos
acontecimentos sobre certos funecionaries do Es-
tado, que vo ser deuttidos, e declara que os
tumultos de Roma nao sao causados pedo lome.
e sim pela agitaco revolucionaria dos comicios,
que vo ser prohibidas em todo o paiz.
0 Sr. Crisp, respondeado a interpellaco do
Sr. Odescalchi, lautentou os actos de vandalismo
commettidos em Roma ; disse que taes actos
teem diversas ongens ; declarou que todas as
reuoies publicas, mesmo as pacificas, sero
momentneamente prohibidas ; e aecusou as reu-
ni5esdos amigos da paz de lerem por nico in
tuito provocar desordens. Os deputados socia-
listas protestaram. O Sr. Barghi apresentou de-
pois a seguinte mogo :
A cmara deplora os acontecimentos e confia
em que o governo prover de remedio ; e repri-
mir com grande energa todas as desordens.
Esta mogo ser discutida na sessao de quinta-
feira prxima.
Na sesso de 13 da cmara dos deputados o
Sr. Marcora interrogou o Sr. Crisp sobre o facto
de ter sido prohibida a commemorago dos mar-
tyres de Milo a pretexto da ordem publica.
0 Sr. Crispi respondeu qu em vista das re-
centes desordens de Roma o governo julgn con-
veniente impedir toda a reanio publica at se
restabelecer a trauquilidade.
O Sr. Marcora nao se deu por satisfefto cora
esta explicago ; mas. como devia no dia seguin-
te discutir-se a mogo do Sr. Barghi, nao apre-
sentou mogo.
Na sesso do dia seguinte abrise a discus-
so sobre a mogao do Sr. Barghi deplorando os
oceorndos em Roma no dia 8,
belga.
provou pi is contra 115 e 36 absteaees
mnawogo ir contianta proposta pelo Sr. De
Gindiu, e que o Sr. Crisp acceitou.
O re Humberto, recebendo esta manh as
raensagens das cmaras, disse une segu com
viva solicitude tudo quando respeita as condigOes
eeonordicas do paiz; e espera que a boa vontade
e o accordo do parlamento e do governo ho de
conseguir superara as difficuldades e accres-
centou que a poltica do governo, como tende
temente a raanter a paz, ha de facilitar a tarefa.
De todos os paitas da Europa, a Italia onde
a miseria se acliaaggravadaii'utn6tadaJMstan-
te'critico.
Sao com a#eito oampungaates as uotieiaa que
temos nos jornaes jtaliaaos. acerca da fome e
miseria que^o lamuKbpor aqauaae beUo.paiz.
O gov(.'rno-proou.dt'lwiH*r o mal, ao Iraesmo
tempo que aspopulagO's ias castigadas aban-
donam em mawi ai ni luan, etaifiando paraa
America do 9mk-
Estamos em frente d'um movimento de refor-
ma social e nao de urna simples revolta de fome,
hita por inconscientes.
Ha quem affirme, no enlanto, que nos ltimos
acontecimentos de Roma liouve talvez. varios
trabalhos secretos dos aceites provocaduiv de
Crispi. O primeiro ministro italiano andava ver-
dadairarar-nte-saqgado comas n-petidas manifes-
ta$oes em favor da pazs contra altriplice allianca.
E aprqveitando-se da excilago dos espiritos na
capital de Italia, semeou enire os manifestantes
varios agestes provocadores que invadiram os
estabecmentos.
Hoje Crispi ulcangou o que quera.
Prohibi todos os meettngs pela paz. Mas a
agilago continua em toda a Italia.
Receia-se na Italia que a Franga sendo arbi-
tro da liga latina monetaria, faga ainda este
anno annunciar as convenges suissa e
SuHla S-
Fallase de novo na prxima elevago a car-
deal do monseolwr Vicente Vanutelli nuncio
em Lisboa, que ser talvez nomeado secretario
de Estado. Indica-se o nuncio em Munich, mon-
senhor Rudo Scjlla, como .sendo o successor de
monsenhor Vanutelli, em Lisboa.
No cousistorio de 11 o papa creu tres car-
deaes : Dusmek, Annibale e Macchi; e preconi-
sou varios arcebispos e bispos, todos italianos,
menos ura que austraco.
No consistorio de 14 foram preconisados
dezesete.
O papa declarou na sua allocugo que procura
um remedio para os males actuaes da socieda-
de, e busca restabelecer as boas relagOes com
varios Estados; disse que necessaria a paz,
mas os grandes armamentos, longe de inspira-
ren! conlianga, excitam sobresaltos, e as despe-
zas fe: tas com os armamentos sao to onerosas,
que toda a gente pergunla de si para comsigo
se a esta paz armada nao preferivel a guerra;
cincluio lazendo votos para que a paz se resta
belega por meio da religio de Christo, pois s
en to ser estavel.
Falleceu o presbytero Lelochowski, secreta-
rio dos breves apostlicos e da grande chancel-
lara das ordens pontificias.
O cardeal Leaochowski era da familia dos
Condes de Luksten da Polonia. Estevc em
Lisboa, como auditor da nunciatura, ha de ha-
ver uns trinta annos, isto quando foi aupcio o
Sr. Di Pietro, onde deixou agradavets recortla-
ces pela sua seriedade e ao mesmo tempo affa-
bilidade de trato.
Foi elle,quandoadmiuistiava a diocese de Po-
gen, um dos bispos a quera Bismarck mandou
encerrar. Depois que foi nomeado cardeal, cujo
barrete foi receber Roma, nunca mais sabio
dalli.
Quando ha pouco foi a Roma a neregrinago
portugueza, o cardeal recebeu-a com extremos
de amabilidade e cordealidade, fazeudo votos
para ainda poder voltar a ver Portugal.
As repblicas do Paraguay e da Bolivia resol-
verara chegar a um accordo em suas questes
internacionaes, noraeando para este fim ura ar-
bitro.
Foi escolhido sua santidade o papa Leo XIII.
Inglaterra
O governo nglez prosegue na execugo de
medidas rcpressivas contra o que elle denomina
os agitadores e os rebeldes da Irlanda.
M. Patrich Condn, deputado, foi condorniiado
a dous mezes de priso por haver proferido um
discurso em favor da Liga Nacional.
O Dr. Willian lleaniey foi brindado com pa-
tro mezes de priso e trabalhos toreados.
Instaurou-se processo ao deputado Kilbrid e
ha novo^wocesso contra o deputado O'Brien, j
p'rooo, por haver escripto urna carta aconselhar,-
do resistencia aos caseiros de Henmare.
Em Hyde-Park celebrou-se ha poucos dias um
meeting de doze mil pessoas, convocado pelas
associagOes irlandezas. Protestou-se contra a
poltica do governo em relago Irlanda, o que,
parece, nao influir muito na mudanga de tal po-
ltica e approvou urna resolugo protestando
contra o ^ruel tratamento inflingido na cadeia
ao deputado nacionalista O'Brien.
0 nuetiag foi realisado sobre a nev; mas o
fro nao gelou a rhetorica dos oradores.
O New- York Herald encela urna publicago de
urna edigo especial em Londres. O caso pro-
duz escndalo, porque a folha americana sahe
tambem ao domingo.
Est sendo assignada em Londres urna repre-
sentago ao parlamento contra urna tal infrac-
go da observancia dominical. No alto das as-
signaturas liauram os priacipaes nomes do alto
clero e da aristocracia ingleza.
Em consequencia de se haver estabelecido o
pequeo estado de sitio no condado de Donegal
(Irlanda), foi enviado um regiment de gtrarni-
go para Londonderry, cuja populago est mui-
to excitada, e onde se receiam motins.
O principe de Galles chegou no dia 16 a Can-
nes. Diz-se que a rainha Victoria esperada
em Kienritiz no dia 7 de Margo.
Allemanha
Vae grande agitaco de intriga na corte de
Berlim. Parece que a successo de Bismarck
disputada com encarnigamento pelo general
WaWersee, favorito deGuilherme U e que o so-
berano tenta sacudir a farda da autoridade do
chanceller.
O general o verdadeiro chefe dos conserva-
dores, e o orgo jornalistico desse partido, a
Gazeta da Cruz, acaba de iniciar urna rude cam-
panha contra o principe de ismarek.
Ao mesmo tempo cria vigor o plano de urna
allianga entre os conservadores e o partido do
centro (os catholicoa.
A opinio tem conhecimeuto desta rede ; acha
porm, que as malhas nao deixarao de ser des-
pedagadas a tempo pelo omnipotente chan-
celler.
A cerca da lucta travada entre o principe de
Bismarck e o conde de Waldersee e o estado de
saude do chanceller, escreve ura corresponden
te em Berlim de um jornal de Pariz :
A lucta aviva se. 0 conde que tem a pro-
tecgo do imperador, trata de contrariar as me-
didas tomadas pelo chanceller contra os amigos
do seu partido. Assim, conseguio jabafaro
processo da Gazeta da Cruz.
Ealla-se de novo com insistencia do estado
de saude do principe. Parece que nao tem sor-
tido effeito o tratamento empregado do Dr. Wes-
tyhal. O chanceller tornase de da para da
mais phrenetico. Qualquer ninharia o impacien-
ta. Tem falta de appKite e insomnias. Trata
com aspereza desusada os seus subordicailos
Ha dias. consta, indignou-se porque o imperador
o fez esperar um quarto de hora antes de o re-
ceber, dizendo que se tramavara intrigas contra
elle.
O seu estado de irritago augmenta, v iui,-
migos em toda*. Aecusa M. de Munster de trai-
gao e M. de Hatzfeld de ser affeigoado de mais
ao imperador.
Os seus mdicos receiam um ataque de apo-
plnxia, ou de alienago mental.
O principe queixa-se repetidas vezes ao Dr.
Scbweninger de enfranquecimenlo geral e diz
successos oocorriaos em Horaa no aia 8, e ex-
pressando cmlianga era que o governo preveni- que nao vive muito tempo.
r e reprimir enrgicamente qualquer tentativa
de os renovar. O Sr. Barghi quiz retirar esta.
sua mogo, mas a cmara nao consentio n'isso,
e decidi passar imraediatamente a discutir a
mogo.
A cmara dos deputados cotnegou no dia 1.
a discutir sem incidente a inierpellagao do Sr.
Barghi.
O Sr. Crispi disse que os lacios do dia 8 sao
ura simples e mero pretexto, e qne preciso
que a cmara se pronuncie formalmente sobre a
poltica do governo. O Sr. Fandemini -quiz fallar
sobre o comicio dos Amigos da Paz em Milo,
mas o presidente recusou-lhe a palavra. O Sr
Fandemini insisti provocando grande tumulto.
O presidente em vista disto fhspendeu a seaaio.
a continuago do debate proseguira no dia 16
Na sessao de 16 a cmara dos deputados ap-
Taes sao pouro mais n menos os boatos que
circulam a este respeito.
O projecto de germanisago da Alsacia Lo-
rena 6 vivamente combatido pelos principaes
orgos jornalislicos do imperio.
A Gazeta da Colonia o Frendenblat e o Kater-
tand, de Munich, apoiarao discurso do Sr. Lie-
bkavechet no parlamento em favor da neutra I i-
sago das. provincias annexas e a Gazeta de
Francfort affirma que no decorrer de dezoito an-
nos teem ido infructferos todos os esforcos no
sentido de germanisal-as. Nestas condigOes
opina pela necessidada de neutralisai-as, sepa-
rando as absolutamente ia Allemanha.
O jornaes allemes cootam indiscretamente
que Moltke nao limita as suas capacidades in-
tellectuaes a tctica de guerra, tambem-am
diletlante apaixonado, tocando piano, nao co-
mo simples amjdor, mas.como excellente
sico.
Os jornaes allemes accrescentam que idade
nao lhe perrnitte hoje tocar piano to renuen-
temente como outr'ora.
Apezar dos rigores da estago na Alsacia Lo-
rena e das apregoadas difficuldades finanreiras
do imperio allemo, os preparativos militares
continuam activamente n'aquellas provincias.
O ministeri*4aifuerra acata de por a disposi-
go do estado maior geoeral mais 1 200,000
nMMUs para a.ooncliHIdaa4artificages de Mo-
aetawin e da Chartrense.
Tei sido iusfaliadas- novas bateras de cam-
panil* as casernas do forte Alexandre.
O Jom-nal de-Goblentz diz :
0 estado-maior general deve aprovqitar o
lempo'que lhe concodem as luctas polticas da
Franca, para concluir os ariuanientos ecollo-
oar se oaa estado de apaaaaar resolutamente
quaesquer eventualidades.
O imperador Guilherme era esperado na Al-
sacia Lorena, onde inspeccionar as fortalezas
de Slrasburgo e Metz.
A 13, o imperador da Allemanha, ao apear-se
do seu trem, por occasiao de fazer urna visita a
sua av. a imperalriz Augusta, deu urna queda
formidavel, em consequencia de se lhe prender
o p no estribo da carruagem.
Nao soffreu ferimentos, nem contusoes.
Continua a causar sensaco na Allemanha um
celebre artigo publicado pela Contemporay Re-
view d Londres, sob o titnloThe Bismarcks
dynasty (A dyiastia de Bismarck). SuppOe se
inspirado o artigo, pela imperatriz viuva de
Frcderico UI e redigido por sir Morel Macken-
zie, attendendo a semelhanga do estylo com a
do livro d'aquelle homem de scienea sobre o
fallecido monarcha allemo e as duas insina-
goes graves conira o professor Bergmam.
O artigo tambem produzio em Inglaterra im-
presso profunda embora por diflerentes ra-
zes.
O goveraoBullemo recebeu urna communi-
cago do governo italiano informando-o de que
entre os agitadores dos tumultos de Roma ha-
via alguns socialistas allemes, quo trabalha-
vam de accordo com as sociedades secretas de
Hespanha, deLyon e de Marselha. ,
\ ii ti ra Hungra
O fim trgico do principe herdeiro da Austria
Hungra encontrou um echo de commiseraco
em todo o mundo.
Diga-se o "que se disser contra a escola que
na litteratura se denomina romntica, 6 certo
que sao os tactos em que essa escola se inspira
os que ainda commovem e abalam o sentimento,
fazendo-o vibrar com intensidade.
A posico elevada do protogonista deu taes
proporges ao triste succesro, que ao lermus os
ullimos jornaes da Europa ligura-se-nos estar-
mos a folhear as paginas mais sentidas de ura
romance da velha escola.
Muitas verses correram e se foram succe-
dendo com pequenissimos intervallos de alguns
dias, de horas apenas acerca do infausto suc-
cesso que langou no lucto e na consternago a
familia imperial austraca
Fez-se correr primeiramente que o principe
Rodolpho tinha sido encontrado morto na cama,
liavendo suecumbido a urna congesto cerebral.
Isto mesmo nos primeiros momentos fizeram
acreditar ao pobre pai.
Depois que appareceu a verso do suicidio.
As actas da autopsia a que se, proceden asse-
guravam haver deformages orgnicas e poste-
riores leses taes no cerebro do principe, que
s por effeito. de alienago mental poderia ter
podido resolver-se a suicidar-se.
Assira era preciso para nao ser privado das
orages" da igreja catbolica, evitando-se maior
eseandalo.
Espalhara-sc tambem que o principe fra as-
sassinado e inventou-se a lendi de um couteiro
das tapadas imperiaes, de cuja cabana o principe
fra por elle visto saliir clandestinamente;que
o couteiro sentindo-se ultrajado como mando
desfechara sobre o desconhecido, e que s de-
pois que reconheccu ter raorto o principe her-
d.-ii-. iiii)afldo-.se em seguida.
Nao pararam n'isto as fbulas bordadas de
negro sobr&a-aiortalha do krouprins.
Altr)aio-se-tambem o assassinato do principe
Rodolpho, na hypothese de ter elle sido assassi-
nado. a macbinaedes polticas.
Nos circuios, que se dizem melhor informados,
correu ter sido o supposto crime obra dos agen-
tes secretos de um grande Estado da Europa
Central, apezar da nota que ja ento era publi-
cada do Jornal U/pcial o Imperio, declarando
que o principe herdeiro se tinha suicidado com
um tiro de revolver.
N'uma correspondencia de Paris, de 5 de Fe-
vereiro, liam-se estas palavras a respeito do te-
nebroso successo que tanto estava preoecupado
os espirites affeitos ao mysterio :
Em Yienna, a opinio ge#al que o principe
Rodolpho morto pela mesma mo invisivel que
matou o rei Luiz II da Baviera, o grande patriota
russo Katkoff, o general russo anti-prussiano
Snobeieff e talvez mesmo Leo Gambetta,- em
Franca.
Houve um tempo em que o arebi duque Ro-
dolpho era o amigo intimo e o companheiro in-
separavel do principe Guilherme, actual impe-
rador da Allemanha. Um dia houve urna seria
discusso entre ambos, sobre a verdadeira ca-,
pital da Allemanha, se devia ser em Berlim ou
em Vienna. Desde entao ficaram inimigos irre-
gonciliaveis. 0 archi-duque Rodolpho, que era
um bom cagador ia ltimamente acompanhado
Sara as suas propriedades por quatro ajudaates
e ordens, seguidos de dez homens armados.
Temia sempre lima aggresso traigoeira.
Quando o imperador da Allemanha vinha a
Vienna, o principe herdeiro encontrava sempre
motivo para se retirar para a Hungra, ou para a
Gallina, ou para as margens do Adritico. Ti-
nha sobretudo urna verso especial contra Bis-
marck.
No anno passado quando o joven imperador
da Allemanha esteve de passagem em Vienna, a
principe hetdeiro retirou-se dias antes da ebe-
gada de Guilherme II e foi cagar para as flores-
tas imperiaes, em companbia do principe da
Galles, seu intimo amigo.
Estimava profundamente a Franga e todo o
seu prazer era vir a Pariz.
Conclua :
E' extraordinario como os inimigos da Alle-
manha imperial vo desapparecendo pouco a
pouco e sempre a tempo competente. Bem di-
zera os sustentculos de Bismarck :Gott mit
uns '. ( Oeus est comnosco).
Affirmou se tambem que o Dr. Widerhoffer,
(que fez a autopsia do morto) havendo reconhe-
cido que o principe tinha urna larga ferida na
parle posterior do crneo, declarou a todos os
assistentes que nunca vira alguem suicidar-se
por detraz. >
Estas palavras querem dizer que o Ilustre
medico austraco nao acredita na blagrte de um
suicidio.
Em Vienna, dizia o citado correspondente, co-
mega mesmo a designar-se em voz alta o assas-
sino.
Uns diziam que foi durante a cacada que o
archi-duque 'recebera o tiro quasi a queima-
roupa, matado-o instantneamente, sendo de-
pois cpnduzido para o palacio, pnde s 24 horas
depois se fez espalhar o ruido da sua morte.
Outros diziam qus o principe estava no seu
quarto a 1er, e que o assassino disparou contra
elle atravae de urna janella que deitava pava o
jardim.
O quarto do principe era no res-de-choussee.
sendo instantnea a morte em ambas as hypo-
theses.
A acta da autopsia, porm, foi publicada na
sua integra, e awerso da ferida na parte pos-
terior do ;raneo que l nao se le, cahindo por-
tante o que se disse da observago feita pelo
professor Widerkofer.
Em vista das prescripgoes da lei, procederam
no dia 31 de Janeiro de 1889, no Hopburgo de
Vienna, os mdicos a quem legalmente compe-
te esta misso, autopsia do cadver de S. A
1. o principe herdeiro archi-duque Rodolpho.
Eis a acta authentca, a&gnada pelos me<
cas, que se desempeiiharam d'esse triste dever
I.-S. A. I e 1J>> principe herdeiro suecum-
bio a urna fractura dls.crneo e das partes an
riores do cerebro.
II Esla fractura foi produzida por um
dado muito prximo contra Ij regio t
direita.
III.- -O ferimento em quest
felto por um tiro de revolver d
IV. i. bala nao- foi eocontr
pela ferida, fluest notara acioii
uuerda.
^ V.E' fra de duvida que
podia ter sido
calibre m-
. pon |
da or^k^k^H
Si A.
'

" >
t
K
m



V
Sismo de PemarabucoSdbhado 2 de. Mar$o de 1889

V
f

quem dwparou o tiro, e que a a orte foi instan-
tnea.
VI -A ankilose prematura dis saturas sagit-
tale coronal, a profundidade e xtraordinaria da
cavidade craneana e a depressc digitiforme das
superficies inferiores dos ossos do crneo, o 6en-
siael achatameato das circumvoluges eerebraes
e a diatago dos ventrculos do cerebro, sao ou-
tros tantos pbenomenos pathologicos que, se-
gundo a experiencia, acompanham de ordinario
um estado mental anormal, e permitiera por con-
sequencia admittir que o acto se deu n'um esta-
do de alien telo mental. -Dr. E. Hoffmann, con-
selheiro aunco, professor de medicina legal.
Dr. Kaus Kundrat, director do instituto anat-
mico pathologico e encarregade da autopsia. -
Professor Hermann Widerhoffer, medico ordina-
rio de S. A. I. o principe herdeiro.
Desapparece perante este documento a versao
do assussinato.
Merece registrar-se o que disse o sacerdote Al-
berto Farmey no templo protestante em Vienna :
Depois de tar, no seu serraao filiado do archi-
duque Rodolpho, ilirse :
J ha muito que o archi -duque acredi-
tava em espirito, em almas de outro mundo.
Ha tempo abrira-se urna porta durante o jan-
tar na Burg.
* E' o espirito ua Burg,exclamou o principe,
vem muitas vezes ao meu quarto; j me nao
impede de trabalhar. Ha espiritos em todos os
casiellos.
O jornal que nos d este pormenor, extranha
que at agora nao tonaura procurado a bala, que
matou o principe, visto estar provado que nao
lhe fteara dentro do crneo,
Ha annos o espiritismo eslava na moda em
Vienna d'Austria, n'alguns saies aristocrticos.
O archiduque Rodolpho tuve curiosidade de
assistir a algumas d'essas sesses que o interes-
savam, dizia elle, como no vos phenomenos de
historia natural.
Estas aesses erara organisadas por um certo
barao Laaaro Hellenbach e um mdium cnamado
Bastian.
O principe imperial, acompanbado pelo archi-
duque Joat, assistio a experiencias de materia-
lisago de espiritos, cuja voga faz interromper,
aemonstrando que o mdium se valia da burla.
Algum tempo antes escrevera o principe um
folheto atacando as doutrinas espiritistas do Ba-
rao Lzaro HcUenbach, que mostrava, nos seus
escriptos sobre o assompto. grande riesdem pela
sciencia pura, duendo que ella precisava tambem
do que era fancariae futilidade.
O livro do arclii-duque Rodolpho, escripto em
1883, teve urna tiragem limitadissima e contem
alguns trechos que caracterisam o espirito do
principe.
No mesmo opsculo o principe Rodolpho esta-
blece conformemente doutrina catholica, que
a verdadeira f est em contradicro directa com
as niauifestaces do espiritismo.'
Na caucluso e com um humorstico de que
Um com frequeocia, o principe diz qual deve
ser o papel da polica :
Mantenhi-se a polica na sua esphera de
suicidara depois da morte da amante, a quem
quizera prestar anda esta potica homen;;gem
Ha um indicio que leva a.erer que,a baroneza
acgo, onde pode prestar excellente servico, e
nao se metta com os negocios ntimos dos cida-
dos, o que nao legal n'um estado civilisado e
livre como a Austria o ser sempre, como es-
pero.
Se o* particulares se divertirem fazendo ap-
paxeeer os espiritos, a polica nada tem que ver
com Mea.
Deixeaios estas digresses e vamos agora
verso. que nos parece a definitiva acerca da
morte do principe Rodolpho.
Para que seja completa e harmnica a infor-
mago, preciso tocar anda em alguns pontos
do triste drama.
O FremdeMhlalt declara que a carta dirigida
pelo ardn-duque Rodolpho ao Conde de Szoe-
goenyi em que lhe faz entrever a idea lixa de
suicidar-se, nao authentica, sob o ponto de
vista .do texto, mas conforme ao original em
todos os pontos essenciaes. e particularmente
n'aquelie.- em que se falla das intenges de sui-
cidio do principo iwperial, e na parte em que
este se despede dos seas amigos e pede a Deus
que proteja a sua patria.
Apezar d'esta carta nao ser datada, suppoe-se
que foi escripia em Meyerliog a 29 de Janeiro.
Quinto causa da sa morte notorio que ti-
nha amores cora a Baroneza Mar y Vecsera; j
ningnem duvida tambem do remo que o prin-
cipe teve de um escndalo gravissimo na curte,
e da sua resoiuriio, quando, ao ver-se oArigado
pela vontade do imperador c sempre por exi-
f enca da princeza Estephania. sua mulher se
-terrainou a romper com essas rea roes amo-
rosa, propoad baroueza, que contava apenas
19 annos, o morrerem juntos.
A baroneza aceitou a proposta, e combinou com
o archi duque, no baHe do embaixador da Alie
manlia, a sua partida no dia segrate para Meyer-
liug.
arecc que all as cousas se passaram do se-
guate modo : o archi-duque matou a baroneza
com om tiro de revolver e suicidou-se em se-
guida .com o mesmo revolver.
O Temps d nos. como de fonte segura e au-
thentica, todos os pormenores.
E' boje facto sabido e correte que o archi-
duque Rodolpho, havia niais de um anuo, man-
tinlia relares amorosas com a Baroneza Vecsera.
senhora de rara belleza e muito conhecida de
Vienna.
I) \sta ligago, at agora, apenas sabiam alguns
initnus1.' etw pessoa* que vi ti un mais prxima"
do principe.
Tornou-se notada pela seguate coincidecia :
a baroneza desapparecia da sociedade de Vien-
na, sem que, por algum tempo, se soubesse onde
parava, as epochas em que o principe ia viajar.
Enconlraram-se incgnito no estrangeiro por
diversas Teses e em diversos pontos; mas as
mais das vezes era Londres.
O archi-duque tiuha ama grande pakxo pela
baroueza.
Ali'-m disso. persuadido de que a archi-du-
queza Estephania, em razo de seu estado de
saude, nao lhe daria um herdeiro, queria divor-
ciar-se.
O imperador no qacria accede* vontade do
fillio, que para esse um se dirigi entoao papa,
chegando isto logo aos oovidos do Conde Kal-
noky.
Estavarn as cousas neste ponto. Os amores
contiauavam. Mas o que se nao pode saber se
o principe deixara entrever a gentil baroueza a
soluco do divorcio, e. porver.tura, a esperanca
de um largo e tentador futura para ella.
Comer agora a parte trgica deste drama de
amor.
Oflfcialmentetoub-se -m que .' que o prnci-
pe i;ii;,regava o tempo at a sua partida para a
cara. No outro dia pela man ha, o oflicial da di-
visan, s 11 horas, natara apenas no principe, a
quem apresentava diversos ;>apeis para assignar,
un certo raovimento de impaciencia e tedio.
Houve um momento em que afatou para o lado
os papis, dizendo : An sao inuitos! Mas.
afliul, assigoou-os todi. Durante o almoco nada
lhe aotaram de particular.
Foi, etu seguida, vestir o seu traje de cacador
e part o para Meyerling.
Rjcuntrou-se IA com o Conde Hoyos e o Duque
de Coburgo.
. A Baroneza dia segualeofresu ) f*ra%h 'hkUi
zio o principe a Breit fifurt. que fie;, situado no
bosque onde espera va a Banasta.
Depsis de afumas horas do paaseip. os dous
estavai j mnito afastados de Meyerling
Pararam em frente de nm modesto restaurant.
Os cavallos estavarn cansados e para voltar a
Meyerliog, o carro ia seguir agora por urna es-
trada muito ingreme atravs dos bosques.
Emquanto o principe e a baroneza tomavam
uraajaquna rcfei;ao, Bratfisli foi buscar mais
dous cavallos. Depois o carro atravessou urna
collina puxsdo a quatro.
Voltaram a Meyerling bastante tarde.
Jautaram acompanbados peio Tonda Hoyos : e
principe de Coburgo tinha voltado a Vienna.
0 jantar correu animado e alegre. Em segui-
da os dous retirarara-se para o qr.arto do princi-
pe e o Conde Hoyos recolheu-se tambem para o
seu aposento.
Duraste toda a noitf-, o raaior socego.
Mas, pelas 6 hora3 da manha, o criado do
quarto, Ltschech, ouvio no quarto do principe
ruido de v./,.-.- i -sados alguns moraentos,
tiros de re\ l', ha :uio de um para o
"otro um jnterval
ado. Loschecht a principio era se moveu.
a chamar o Conde Hoyos u o
principe de O!urgo.
Quando eotraram n
^^K* mais cruel e
leto do
doas cadaTiaes; o
!ra vi
lo ao principe
espectculo.
-duque estendiaiu-ae
baroneza eslava co-
ueo principe se
nao se suicidara : a sua ferida era as costas
Ha dous modos de explicar esta particuturidade,
duas hypotheses.
Primeira-o principe disse haraneza : Vou
matar-me e esta, aterrada, qnerendo gritar
para que acudissem. e correado"para chamar
atguem, fra morta ao dirigir-se para a porta
pelo mesma bala com que Rodolpho ia suici-
dar-se.
Segunda hypothese:os dous tinham decidido
morrer juntos, mas no momento decisivo, a ba-
roneza dominada por um terror lnvencivel, quiz
fugir, eento o archi-duque ferio-a pelas costas.
Seria isto effeito de um rapiao accesso de lou-
cura?
Foi um acto de desespero em que os dous ti-
vessem pensadojantes ?
Do que se sabe, da altercaco que no domin-
go anterior, houvera entre o archiduque e o im-
perador, censurando este os amores de Rodolpho
e declarando lhe que faria a maior opposigo ao
divorcio.
O corpo da baronesa-de Vessera foi conduzido
n'um coraboio especial, para urna pequea lo-
calidade da Rohemia, onde foi enterrado.
Quanto mi da baronesa, parti para Franca,
donde daria parte aos seus amigos da morte de
sua fllha. ,
O rei dos belgas (pai da archi-duqueza, viuva
Estephania) insisti junto ao imperador para
que se publicasse toda a verdade sobre o triste
acontecimento.
No conselho reunido na Burg decidile que
nada se publicara officialmente a e te respcito.
Mas provavel que offlciosaraente anda se fa-
cam connecer mais proraenores.
Ha umaoutra variante, quereproduzimos a>ti-
tulo de curiosidade, visto sabermos qual seja a
verdadeira verso.
Foi publicada pelo Daily News e nella se re-
fez a historia do couteiro e da baroneza.
Na tarde de terca-feira chegava a Meyer-
ling mademoiselle X fllha de um baro, mo-
rena formosissima, nao muito ala e de genio
mais alegre que melanclico.
Mademoiselle X entrou para casa de um cou
teiro. que mora prximo do castello.
Alem do couteiro e d.* mulher deste, ninguem
sabia que ella estava all.
A' meia noite, o archiduque Rodolpho tendo-
se despedido dos seus hospedes veio casa do
couteiro.
Estava com mademoiselle X haveria urna
ora, quando para lhe pedir urnas informac,es
Sara a cacada do dia seguinte. um guarda da
oresta bateu a porta do couteiro.
brese urna janella, e um hornera salta da
casa e deita a fugir
O guarda que hatera a porta, aponta-lhe a ar
ma e desfecha.
O homem, ferido na espadua, cabe sem senti-
dos e transportara-no paia a casa do couteiro.
Mademoiselle X-.. julgando-o morto, tira um
objecto, nao se sabe o que, do seu sacco de via-
gera. e antes que lhe podessem valer, cabe ina-
nimada.
Apenas recuperou os sentidos, o archiduque
ordeoou que o levassem para o castello
Depois de o ajudarem a deitar na cama, orde-
uou ao criado que sahisse do quarto.
O criado sahio ainda que muito contra a von-
tade.
Logo que se vio so, o princip? levantou 3e,
ainda que a costo, fechou a porta a ehave e di-
rigindo se frente do espelho, apontou a arma
cabeca, cahindo morto.
Mademoiselle X. foi enterrada na quinta-
fera seguinte no convento de Heiligenbrenz,
onde est no jazigo da sua familia.
ssegurava-se em Munich que a condessa
Wallersee Larische, sobrinha da imperatriz, fa-
voreca as relacOes do principe com a baroneza
Maria Vecsera.
A familia Vecsera sahio poucos dias depois
para Vienua e foi residir para Veneza.
Ura orgio officiose de Peslh, o BudaPeslh,
respondeu s diversas verses :
E' preciso confessar que o principe tinha
perdido a izo ; porque, suppondo que certas
circumstancias podiam ter originado um conflic-
to, o suicidio nao admissivef, a nao ser por ef
feito de loucura, n'um homem que foi sempic a
encarnaco do direito e do dever, e cuja (arca de
vontade, cujos desejos e intuitos nunca eeon-
travam obstculos.
O imperador Francisco Jos dirigi ao conde
Saalb presidente do conselho e ministro da ra-
i -i iki eiii^ w^riai'M. um rebci'ipt agra-
decen lo ao seu po\o a syrapathia que lhe tem
testera ralbado ea.toda a ta-:iilia imperial.
O i arSe''V"scera, pai da suieida, era han
gar.
Em 1865 foi 9rog van da embaixada da Aus-
tria-Hungra em t.o:i itantiiiHpla, onde casou com
urna menina Bastoggi, grega, que tinha de dote
dous milh&es.
Os coajiiges Vecctra viveram muito tempo
no Egypto depois a baroneza veio residir em
Vienna licando o bario no Egypto al ser apo-
sentado.
Eiito veio reunir-se a sua mulher em Vienna
onde raorreu em 188o.
Desde as 10 hora; da manila urna enorme
multido enchia completamente as ras de Vien-
na d'Austria, que separam o palacio imperial da
igreja dos Capuchos. ^_^^_^_
Fot isto a 5' dWiTerpiro. Dez mil soldados
alinbavain-se as ras formando um cordo para
conter o povo, que, no eratanto, apezar de es-
tar seis horas esperando, nao fez o menor dis-
turbio.
A familia imperial M chegou igreja poucos
minutos antes das i da tarde.
O imperador ia acompanbado por sua filha, a
archiduqueza Gizella e pelo marido d'esta, o
principe Leopoldo da Baviera.
Iam todos os archiduques e archi-duqueza-
da Austria, o rei a rainlia da Blgica.
A familia imperial (icou esquerda do cata-
falco. A' direita estavarn o nuncio, os embaixa-
dores das grandes potencias, os ministros, os
presidentes dos corpos legislativos e os alcaides
de Vienna e Buda-Pesth.
No coro estavarn as senhoras do corpo diplo-
mtico, os correspondentes estrangeiros e os re-
presentantes dosfprincipacs jornaes austracos.
O fretro foi collocado sobre o catafalco, que
estava muito baixo, e em cima riam-se seis ma-
gnificas coras de flores uaturaea.
Vinte bispos e trfnta sacerdotes rodeavam o
fretro, entoando as preces da igreja. e ao ter-
minar o oardcal-bispo de Vienna, monsenhor
Gangelhauer, laneou as heneaos.
O imperador Francisco Jos, o rei da Blgica
e alguns archiduques acompanharam o fretro
at a crypta.
A imperatriz e as aRi-daquezas, Estephania
e Valeria nao forara igreja.
Na crypta, o fretro foi aberto para se levan-
tar o auto de reconheciraento do cadver e f izer
entrega do corpo ao gurdelo dos capachos.
Nesse momento, o imperador Francisco Jos
ajoelhou-se. e, apoiando-se nos bordos do cai-
xo beijou o rosto do lilho, uo meio dos solutos
de todos os que assistiam.
No trajecto da capella do palacio para a igre-
ja dos Capachos, faziara a guarda ao caixo qua-
tro companhias. urna do exercito, outra de raa-
rinheiros, outra da landcehrc outra dos houads
Os jornaes de Vietna consideram a prerla-
m cao dirigida pelo imperador aos sosos austro-
hnagaros como um documento muito importante,
e juigam que o progiamma, que ella contm, foi
tragado em uome do novo herdeiro como no do
imperador.
a passagem mais importante, segundo esses
jornae, a que affirma a duracao e persistencia
da duraco 'poltica at aqui seguida.
N'jtam que a Allemanna. iiarticularmente, ver
com aatisfaco jju. o imperador, no meio das
desgracas que o ferera, mauifesta to enrgica-
mente a resoluco de nao abandonar a poltica
sega at agora.
A Nova Imprem Lirri' encara, sobretudo, esta
fiarte da proclamacfto sob o ponto de vista dos
andamentos do imperio, da constitaic,o e do
Dualismo : era geral os peridicos esperara que
as palavras relativas paz produzam em toda a
Europa um effeito benfico.
Eai Savbach. a multido levantou-se n'uma
grande rnanfestaco contra o hispo por este nSo
dar licenca para serem rezadasflmissas por alma
do principe Rodolpho.
Forara partidas pedrada as vidracas do payo
episeopal.
O cura de Fiorisdorf nos arredores de Vienna,
tasobem se recusou a di;;er urna missa por alma
do archiduque Este ultimo facto foi tanto mais
notado quanto o cura Aichhoru, membro da
cmara dos deputados,
Os mdicos que tizeram autopsia no prin
cipe tambem procedern) ao uesmo exame- no
cadver da baroneza : nao doscobriram o menor
vestigiode gravidez.
O castello de Meyerling ser entregue, aos
frades do leilgenkrentz-, com a condkao de es-
tabelecerem urna capella no quarto onde o prin-
p se suioidou e dentado os- nnaan -aaidize-
rera uma missa no dia 3 de Janeiro.
O futuro herdeiro do throno o archiduque
Francisco Fernando, em virtude da renuncia do
pai. Parti para Praga a despedir-se do seu re-
giment, voltando em seguida a Vienna.
O prineipe Rodolpho dcixou uma filha menor.
Nao consta que a sua viuva ficasse grvida ; en-
tretanto a investidura do archi-duque Francisco
Fernando, como herdeiro da dupla corda austro-
hngaro, nao se far definitivamente senao pas-
sados alguns mezes at se verificar que o finade
principe nao deixou filho posthumo.
- Aflmna-se em Vienua que o principe Ro-
dolpho pedir ao imperador que o deixasse re-
nunciar os seos direitos ao throno. para poder
casar com a baronesa de Verscera, e que /i por
ter o imperador recusado semelhante proposta,
que o archiduque e a sua formosa amante ioma-
rara aquella resoluco suprema.
Ponco duraram as treguas feitas na-Hungra
por occasiSo da morte dp principe herdeiro, re-
comegando na cmara dos deputados de Pesth
os debates sobre oa artigos do projeoto de lei
militar.
Ao mesmo temi corra de novo quu tinha
recrudescido a crise ministerial.
N4e era de esperar que se madilieaesem as
disposicOes hostis do povo hngaro cora o triste
successo que enluctou a corle de Vienna, e por
isso se esperavara discussOes tempestuosa* acer-
ca dos artigos incriminados, debates estes que
talvez excedossem em efervescencia os que hou- terminar o conflicto acceso em que andana cora
ve acerca da generalidade do projecto.
Tinha ido o Sr. Tisza passar alguns dias em
Vienna, tendo com o imperador Francisco Jos
e com o barao Bauer ministro comura da guerra
diversas conferencias, afim de ver se seria possi-
vel dar salsfacSo opinio publica at certo
ponto do outro lado dd Lhetha.
O artigo IV era o mais impugnado, suscitan-
do fundados escrpulos constitucionaes.
O partido liberal nao tem a menor duvida em
votar as medidas militares actuaes pelo prazo
de 12 annos ; comtanto que fique bem assente
que. d aqui a dez annos seja a lei actual submet-
tida a novo estudo afim de que o parlamento
possa, quando as circumstancias o permittirem
diminuir os encargos que ella faz pesar sobre
os povos.
Foi declarado pelo Sr. Tisza que estava auto-
risado pela cora a dar aos deputados a garan
tia formal por elles solicitada.
Pareca pis que nada se oppuna lgicamen-
te a uma nova redacgSo do artigo 14, sendo in-
serido no proprio texto da lei as garantas da-
das pelo soberano ao seu primeiro ministro
O Sr. Tisza queria que esse assumpto melin-
droso fosse resolvido por qualquer modo antes
de regressar a Pesth, mas nao consta que tenh .
ainda obtido uma solugo satisfatoria com que
contentar os seus amigos poltico.
O imperador est em Buda Pesth e ah pode -
r julgar por si mesmo do esta lo real da opi-
nio, e tomar a deciso que se Ibe afiigurar
mais conforme aos interesses da monarchia.
Na sessao da cmara dos deputados hngara
houve a 14 de Fevereiro. uma scena tumultuosa,
provcala pelo discurso do Sr. Urgon, arguindo
o Sr. Tisza de empregar a influencia da corea
para exercer presso sobre a cmara.
0 Sr. Tisza repelliu a arguigao. com applau-
sos da maoria, que pediu a ordem do dia, a qual
foi votada.
Em Buda Peslh continuavam as manifestacoes
dos estudantes contra a lei militar, tendo ja si-
do necessaTia a intervengo da polica, que ef-
fectuou varias pris&es.
No dia 13, o imperador Francisco Jos rece-
beu as deputages das duas cmaras hngaras
e da municipalidade, s quaes disse que con
lando com a affeigo e lidelidadade das popula-
yes para mitigar a sua dor, espera que nao ha-
la nenhuma desordem durante a sua estada na
Hungria.e tem por certo quejos deputados votaro
as le aposentadas pelo seu governo o*qual
possue toda a sua confianca. e que hao de ns-
pirar-se as necessidades d hora presente, para
nao o affligirem.
Affirma-se que o Sr. Tisza avisou o impera-
dor de que sahir do ministerio hngaro logo
depois da approvaco da lei militar e do orga-
mento.
A' data das ultimas noticias communicadas
aos jornaes da Europa, constava estar-se prepa-
rando era Buda Pesth uma imponente manifes-
tar, "o provocada pela questo militar.
Tomariam parte na raanifestago grande nu-
mero de estudantes e muitos deputados da op-
posigo.
inspirada ou ainda redgala pelo seu antlgo re-
dactor o Sr. cooselheiro Mariano- de- Carvalbo.
actual ministro da fazeada;repeUiaumaioetMia-
gao que lhe era dirigida por aquelle jornal, ,cora
estas palavras testuaes :
Temos a declarar-lhe, porm, que nao abuse
muito do systema de calumnia, que, se rondea
uma pasta quando se tratou da familia real, lhe
podd render alguns denles de menos, tratando
se de homens resolvidos a manter lesa a sua
reputago, e em condigoes de lhe poderem pedir
a respqnsubilidade das suas palavras.
No dia seguinte, quando a gente esperava no-
ticias de algum acto de- desforco pessoal Flo-
quet, lia-se no Ditri Popular outro artigo de
polmica em resposta.ao do Jornal do Gommercio,
terminando por estas simples phrases em rela-
go aquellas que deiso transcriptas :
Finalmente a burnaysia ameaga a gente de
pancadas. Agora dea-lhe- para a pimponice !
I'. iis saudinha !
Nao commento nem lamento. Consigno esta,
nota caracterstica da.que sao a3 contendas jor-
nalisticasaqui, no-anao dagraca de 1889, como
C9mplemeuto ao que as minbas ultimas descre-
vi do que se passava as cmaras, o que era n5o
menos editicativo e consolador.
A semana passada correu commuita insis-
tencia que se havia declarado crise rrnnisierial,
fundando-se os que julgavam inadiavcl esle
acootecimento em certas phrases publicadas na
vespera pelo Nocidides, jornal do Sr. Eirrygdio
Navarro.
Attnbuio-se principalmente a crise reluctan
ca que o governo tinha encontrado na Associa-
g&o ommercial do Porto e tambera nos princi-
paes exportadores de vinno daquella praga, em.
acceitarera qualquer solugao conciliadora para
Correspondencia do Diario de
Pernaaibuco
PORTUGALlisboa, 18 de Fevereiro de
1889.
Refer Ibes na minha ultima que el-rei tinha-
se inclinado ao voto consultivo do conselho de
Estado sobre o adianwoto das corles, por dous
mezes, solugo esta que a maioria do mesmo
conselho approvou, sendo no dia 4 lido em ara-
bas as cmaras o decreto adiando as crtesete o
de Abril.
Era o nico expediente a tomar em presenga
do estado anarchico da cmara do deputados,
onde a maioria, tendo-se manifestado incompa-
livel com tres presidentes, havia tornado rapos-
sivel, pelo obstruccionismo d desordem, o exa-
me tranquillo dos assumptos graves sobre os
quaes o parlamento devia deliberar.
A discussJo da resposta ao discurso da cora,
comegada em meiado de Janeiro pelo Sr. Julio de
Vilheua, deputado regenerador, e interrorapida
pelos repetidos incidentes e barulbos que all se
succederam com grande escndalo e nao menor
desprestigio das nstituioes, foi dada para or-
dem do da da primeira sesso de Abril, tendo
portan to, aquelfe orador He proseguir o seu n-
lerrompido discurso depois de tito longo inter-
vallo.
E' evidente que os G dias de adiainento sero
indemnisados |mj'- oraros 60 depois dos quaes
que, segurado as coasas ,os seas tramites nor-
maes. dever ser encerrada a actual sessao le-
gislativa e oem ella a Irgislatura.
Se alguma causa escre\i, ao correr da penna,
em contrario, aqui fica rectificado. Nao me re-
cord bem ; mas possivel.
Este caso do discurso recolkido por tio longo
lapso de tempo, servio de pretexto a um tiro-
teio alegre de remoques as gazetilbas dos jor-
naes aleotos ao governo, os qaaes, aqui para
nos tambera se nao cansaram por muitos dias de
dirigir i bufas aos seus adversarlos pela victoria
alcancada pelo governo junto ao poder modera-
dor, que assim lhe deu mais uma prova de con-
fia nga. etc., etc.
Resta saber se, reaberto o parlamento em
Abril, o grupo da opposigo que fazia os motins,
nao proseguir no mesmo systeraa. Cahir an-
tes disso o ministerio ? Nao provavel.- Re-
compor-se ha ? Todos o affirmam. FiearA com
a forga precisa nara dissolver as cmaras, no
caso de continuarem os chifrins ? Sao pravisfies
arriscadas, como quasi todas que se ftzeram so-
bre poltica.
Corre ha dias que sempre certo o Sr. conse-
lheiro Eraygdio Navarro sabir do ministerio, pa-
rece que afim de se collocar definitivamente e
por um modo estavel mesa do orcamento antes
que a situago desabe de todo. Diz-se at que,
sabindo. seria nomeado administrador geral das
alfandegas, passaudo o actual, que o Sr. coose-
lheiro Pinto de Carvalho, para admisistrago da
casa real. At se affirma que o Sr. Navarro, ha
tres dias, estivera do seu ministerio a fazer os
ltimos despachos.
Indigita-se para seu successor na pasta das
obras publicas o Sr. Ressano Garcia, par do rei-
no de eleigio, engenheiro civil e antigo deputa-
do progressista.
0 Jornal do Commercio que deu curso a estes
boatos, accreseentava :
Nada I Deixe-se ficar o Sr. Navarro. Vea-
nos idea o caso do velho burro cnairuento, co
berto de moscas, de que falla Ramalhol Ortigo,
e que ai ;da ha poueo Manoel Gustavo Bordalle
Pinheiro illustrou com graca nos Pontos nos
i i.
'. 'tst trop fort'.
Mas por c a imprensa est nesta afiabilidade
de estyio ; affina pelo diapaso parlaaientar
Haver poucos dias o mesma iornal que anda
em polmica rija com o Diario Popular, folha
os promotores da companhia vinicula do Norte
e productores do Douro.
Parece todava que o pretexto apparete seria,
este; mas que a crise tinha outras causas, sendo
a determinante o facto de um pagamento de urna
divida de 1833 superior a ura milha de cruza
dos aos herdeiros de antigos contrdftadores do
tabaco e sabo, divida esta dassicaaa entre as
que no calo financeiro se denominam em Por-
tugal dividas mansas, sendo muito discutvel ain-
da a legalidade com que tal pagamento se eftec-
tuou, por Lma interpr^to da carta de lei pro-
mulgada em 1888, auflHando o governo a in-
demnisar as actuaes naiticas de tabacos expro-
priadas em virtude .da lei que estabeleceu a re-
gie. Constou que se tractava de alijar pela barra
fra os Srs. Marianno de Carvalho e Emygdio
Navarro, sendo para as pastas da fazenda e
obras publicas convidados outro cavalheiros
progrescistas; mas que no conselho de ministros
as cousas tomaram uma attitude mais grave, de-
vendo sahir todos os ministros ou nenhum.
Como de costume, nestas occasies, os gulo-
sos de novi/lades em primeira rao lircram gru-
pos vidos de noticias debaixo das arcadas do
Terreiro do Paco, assaltando aquelles que por
sua posigo ou^nflueucia poltica podessem es-
tar mais as circumstancias de Ins satisfazer a
curiosidade.
A' noite as folhas da situago zombavam dos
crditos de quem viara as bandeiras desprega-
das, e desmeniiaffl os ps juntos a existencia
da crise, prolongando-. eBtas facecias anda
por muitos dias a fie, psroiaw*,far pormeio
de tal derivativo na opinio publica o quereal-
mente se tinha passaao na intimidade do gabi-
nete-
Aflirraa se entretanlo, apezar dos desmentidos
formaes e cathegoricos da imprensa governa
mental, que chegou a haver crise mimsteriaf du-
rante o dia, mas que noite as cousas se haviam
conciliado por forma que a situago contnuasse
a resistir aos rodes embates da imprensa oppo-
sicionista^ que, neste caso ainda escuro do pa-
gamente da tai diviila mansa, tem levantado uma
poeirada enorme, e feito um motim de todos os
demonios, dando a eutender que houve um syn-
dicato, uns intermediarios quaesquer, de alto oo-
thurno, urnas luvas emlim que determinaran!
aquella solugo, e mil outras nsinuaces nefan-
das de que as folhas ministeriaes, e sobre tudo
o Diario Popular seteem defendido tenazmente,
collocando por ultimo a questo noutro terreno,
isto entre os dous liquidalarios, e os herdei-
ros ou representantes dos antigos credOres do
Estado.
O certo que a ultima palavra, neste assuoi-
ito anda nao est dita, e por essa ultima pa-
avra que instara os impugnadores e os defen-
sores, cada qual declamando segundo o seu pon
to de vista c o seu temperamento, chegando a
escrever-se que el-rei nao sabia por certo de
to escandalosa tromoia quando concedeu o adi-
araento das cortes por dous mezes proposto pelo
governo, e *que se de tal soubesse, Ih o haveria
redondamente recusado !
Iam mais louge ainda, pois queriam que
as cortes fossem desde j reabertas, antes de
terminado o praso do adiamento, afim de que
este assumpto seja tratado amplatncrtte as ca
maras, onde o governo se deve justificar em or-
dem a ficar completamente itlibado das aecusa-
ges de que tem sido alvo por causa desse paga-
mento, Ilegal segundo a opposigo, ou cahir
sob o peso da ignorancia como est agora na
Romana, etc. etc.
A verdade que, emquanto crise, nao se
desvanecern] ainda os boatos de ter ella existi-
do e sido conjurada temporariamente aflirman-
do-se que fr com effeito adiada, e que ainda
estcmpT, Tirto fia neils simna munw," o"ga-
binete ser recomposto.
Abstenho-me de Ibes citar as indicages raais
ou menos cerebrinas que por aqui se tm feito
de nomes com que o gabinete se recompona
ou recompor no caso de sahirem alguns dos
actuaes ministros.
Porque se adiou por alguns dias a crise mi-
nisterial, ou para melbordizer, a recomposigo
do gabinete fragindo se que nada houve ?
Allega-se que o Sr. Marianno de Carvalho, mi-
nistro da fazenda, tem ainda de concluir traba-
lhos importantes no seu ministerio relativos a
converso e outro3 assumptos.
Este boato de todos o que parece mais acei-
tavel, tendo apenas eontra si, o representar esta
recomposigo ministerial um acto politico ar-
riscado para o governo e at para o partido pro*
gressista.
Eis aqui em que se toaseia uma folha do Por-
to para aflinnal-o:
O Sr. Mariano de Carvalho. que tem sido*a
alma do ministerio, nao toomem de quera fa
cilmente se prescinda. Alm disso, o Sr. Ma-
riano e o Sr. Navarro, fra do gabinete podem
ser um perigo para o .partido praarossista, por-
que ambos tm amigos valiosos, muito principal-
mente o Sr. Mariano ; e se na resolugo da cri-
se os dois ministros nao sahirem de livre e
espontanea vontade, muito possivel que veja-
mos em pouco uma sciso no partido progres-
sista.
Seja como for, continua a mesma folha, a ver-
dade que a vida do gabinete nunca esteve em
de vinicultores, de Boaro, sendo receto ida por
el-rei que Ihes respondan -que. coaatitucioaalr
mente, poda responder.
Seguirara-se depois contereucias da parte dos
curamissionados com o Sr. Jos Luciana de Cas
tro, presidente do conselho de ministro da fa-
zenda e obras publicas.
Das infonmacoes reveladas pelos jornaes que
sao orgos do governo, entrou-se no caminho
das mutuas concesses, sendo de esperar que
chegue a um resultado sattsfatorio.
Na representacio dirigida ao ohea de Estado
pedem-se provideneias para aoudir crise que
lagella a regiao dnriens, e que soja examina-
do o contrato da Companhia Viuicula do Norte
Os peticionarios dao um voto de. eonanca aos
fundadores da compaula, para acoardarara cora
u governo qualquer modiiieago que os funda
dores emendara nao prejudicar os interassos e
doitos da lavoura e do oramercio.
A mesa ia ultimo-congresso agrcola t .ra-
bera foi nesse dia rucebida. por el'-rei. a quera
foi entregue a ropresentago apprevada no mes-
mo congresso.
Foi tambem ao paga da Ajada a grande
commissao de beneficencia participar a el-rei a
sua neeleig para o cargo de presidente da a.-
'sembla geral. S M. conversou depois larga-
mente com o Sr. PinheiroChagas, vice-preden-
te.
N'um dos dias da'semana passada reuni-se
al* sesso da Academia Real das Scioncias sob a
presidencia do Sr. Dr. Themaz de Carvalho, afim
de conferir o premio de um cont de ris (for-
tes! concedido por el-rei.
A votago unnime recabio na memoria apre-
sentada pelo Sr. Dr. Gomes Teixeira, da Acade-
mia Polytechnica do Porto.
arece que o actual nuncio era Lisboa, mon-
seuhor Vicente Vanutelii ser nomeado secreta-
rio de estado, depois da sua prxima elevagao
ao cardinalaio. lndica-se o nuncio em Munich,
monsenhor Uuffo Sclla como senda o successor
de monsenhor Vanutelii'em Lisboa.
Pedio a sua reforma ^por doente o. bravo
inspector dos incendios do municipio de LisboaJ,
o consellieiro Garios Jos Barreiros.
tanto perigo como agora, e a causa disto sem
dsvida alguna, o malfadado contrato de 5 de
Dezembro (o das companhia viniculas) princi-
palmente, e depois talvez o pagamento da divi-
da dos antigos contratadores do tabaco, o que
vira, a extraguil-a se a raeUonha tempestade que
est inminente nao passar como*outras tantas
tm passado sem causar estrago algum.
E depois quem sabe ? Tambem a questo
dos bens Hersent, o famoso empreiteiro das
obras do porto de Lisboa, que fez tanto baru-
lho ou ainda maior na imprensa e no parlamen-
to, do que esta do pagamento dos 441 contos
(fortes) aos representantes dos contratadores do
tabacu de 1883, aiueacava abrir um abysmo que
sorvesse a individualidade das obra- publicas, o qual, na sua queda arras-
Mis para a voragem todos os seus collegas, e
afinal a tempestade passou. cada qual ficou pen-
sando o que lhe pareceu, e j se nao falla em
semilhaote coisa I
Nao devo omittir que oDta, de que direc-
tor politico e Sr. Antonio Eunes. um dos indigi-
tados ministros para a provavel recomposigo,
dizia, antes de hontem, a respeito da rise :
Na conjunctura presente, o nico meio de
nao dar noticias incertas s as dar depois dos
factos succedidos. E ainda assim preciso ver
para crer.
" Se, porm, nos aerguntarem qual o nosso
palpite, ainda apostaremos dobrado contra sin-
gelo em como o ministerio apparece as cortes
tal como est.. apenas com mais alguns cabel-
bellos brancos na cabega do presidente do con-
selho
- Affirmam alguns correspondentes para fol-
Ihae ministeriaes do Porto que as ministros que
tero, muito de sua livre vontade, de abandonar
as suas pastas se rao tres : o da guerra, o das
obras publicas e o da fazenda.
Veio de Liska ama importante comm'
A emisso de 426:009 obrigages de fis.
.500; libs 18.18.0: mareos. 406; florinsdeHol-
landa 238 os ris fortes --)i.
0 producto deste imprestimo destinado;.
conversan de 3jO:44 obrigages. representando
a totalidade dos emprestimos de 5 "j, em circu-
lago, de 2:250 contos de ris de divida inter-
na consolidada de 3 [, e execugao das obras
dos portes.
A subscripgo publica ser aberta em Lisboa,
Porto. Braga Guimares, e em todo o reino as
repartiges de fazenda districtaes.
No estrangeiro: em Paris, Londres, Berlim,
Francfort sur Mein, Darmstad, Dresde, !mster-
dans, Antuerpia, Bruxellas, Genebra. Bale e
etc.
O prego da emisso de 87240 res (fortes)
como comprou do l* de Outubro de 1889, paga-
veis da forma segunte :
No aoto da subseripcfioTis 9000\ total
No acto da distribuigo ris 17840(
De20a25deOlareode89rs. 3tW)/ &*24D
De i a 95 de Ab ril de 89 rs. 28400! ris
Os subscriptores que elTectuem a Hfeeragao de
seus ttulos at ao acto da distribui$ao:, teraodi-
reto a ura boans de reas 270 por cada obrisa-
go.
. Na sessao de 4 do' corrente'da Academia
aas Sciencias de Paris, procedeu-se a eleigo de
mu correspoadeiite estrangeiro para as seeges
de geograpiia e naveaaeo. O resaltado foi ta-
voravelao baro de Tell, ajudante de campo do
imperador doBcazil, que foi eleito por 80 votos ;
o segundo votado foi o Si\Serpa Pinto, majar
de infantaria e que era propWp petos seus co-
nhecidos trabalbos sobre o conrififrate africano.
O Sr. infante D. Augusto, a qu^ni os mdi-
cos aconselharam que fosse restabeleaer-se no
Algarve, segu para alli por trra diziam hartes
dias as folhas de Lisboa, e vai residir no palacio
que a mitra tem em Aportel. distante tres Ic-
goas de Faro
Accrescentava-se que S. A. contara regressar
por mar. No dia seguinte a imprensa da capital
desmentio esta noticia, infelizmente.
Os Srs. duques de Braganga tm convida-
do differentes pessoas da corte para toraa-
rem Jparte as cagadas de Villa ticosa, onde
a princeza D. Amelia se lem distinguido, matan-
do varios gneos e outras pegas de caca grossa
e miuda.
Suas Altezas foram a Elvas onde le Ihes pre-
pararan! grandes festejos de carcter essencial-
mente agrcola.
O programma do cortejo era de uma verdadei
ra sumptuosidade rural e essencialmente alem-
tejana. Empenharam-se, oestes obsequios os la-
vradores mais rices e esclarecidos d"aquella.p"o-
vincij, prestando assim homenagem visita do
herdeiro presumptivo da cora portugueza.
Como se v, a resta realisada nos das 15 e 16
do correntemez tem o cunbo nacional e se affas-
ta-seda banalidade ; foi uma fasta emfim digna
de ura principe que tanto interesse mostrou to
mar pea, explendida exposigo pecuaria cele-
brada no esto passado em Lisboa, as trras da
Torrinha, onde sern muir tarde estabelecidos o
parque e rotunda da Avenida da Liberdade.
No dia 15 foi a recepgo do principes, e al-
mogo,6 jantir dej gala, asststmdo' oSTtfr.con-
des de Seisal e de Tarouca, visconde de Alcn-
tara, conselheiro Sanches e esposa, deputado
Costa Pinto, commendador Nunes, presidente da
cmara, vigario geral Caldeira, monsenhor Al-
meida Ribeiro, general Gomes, coronis Mala-
quias, D Polycarpo e Antunes ; major Noguei-
ra, capito Matta, administrador Tenorio, Drs.
Tierno e Mirabeau, Eusebio Nunes, Rasquilha,
Vasconcellos, Barroso ; juiz e delegado da co-
marca.
Illuminages por toda a cidade e s 9 e meia
da uoute, marche aux flambeaMx acompatihada
por philarmonicas, muitos vivas em frente do
palacio etc., etc.
Grande numero de officiaes de diversos corpos
hespanhes de guarnigo na fronteira foram a
Elvas presenciar os festejos.
Quasi todos os jornaes de Lisboa estavarn re-
presentados pelos seus reporten, o tempo esplen-
dido, como j tivesse comecado a primavera dava
muito maior realce s manifestages.
Ao meio dia de 16, sabbado, depois de SS. AA.
RR. terera passeiado de manh pela villa a pe.
entraram no pavilho armado com singeieza e
gosfo para verem o cortejo. Erara precedidos
pela officialidade de lanceiros a cavallo, que
aguarda va a sua chegada s portas de Oliveuea.
Ahi foram offerecidos dois bouquets, princeza
D. Amelia e a sua irmS Helena. O da Sra. duque-
za de Braganga com fitas azues e o da princeza
Helena com fitas brancas.
O principe trajava o uniforme de coronel e le-
vava ao peito a commenda da Torre e Espada.
Na tribuna tomaram lugares os Srs. condes de
Seisal e de Tarouca, goveruador da praga, Dr.
Tierno e Euzebio Nunes.
A polica do campo era feila por ura piquete
de lanceiros. No cortejo os campinos vinham om
lagos nacionaes no brago esquerdo. Tocavam a
msicas de infantaria 4 e 22 alternadamente.
A' chegada dos principes grande enthusiasmo
e muitos vivas. O principe convidou a imprensa
a tomar lugar na tribuna. Os pontos culminantes
cobertos de gente, que afluio de grandes distan-
cias para presenciar o grandioso espectculo de
uma parada da riqueza agrcola daquella pro-
vincia. Calcula-se era 6:000 visitantes e 20:000
espectadores.
O programma foi litteralmente cumprido. O
pavilho era armado de cortiga, mantos, cintas,
sendo em volta, ajardinado.
Comegou pelo desfilar >de 25 lavradores a ca-
vallo, que foram entusisticamente applaudidos,
formando depois circulo em roda do pavilho.
Diriga o cortejo o lavrador Rasquilha. Gado
ovino, caprino, suino, cavallar e bovino em gran-
des rebanhos e manadas, corvos com tira de
muar moda do Aleratejo, transportando al-
faia rustica, feno, vasilharae, locomveis. gran-
des gaiolas com aves domesticas, varas de gado
suino, ranchos de azeitoneiras e mondadeiras
com seus descantes e cantigas provincianas, que
o povo festejara com palmas e bravos, etc, ete.
O ultimo carro, enteitado de verdura, soltrj
era frente do pavilho muitos porabos.
Os principes Ando o cortejo forara acornpa-
nhaoos por 57 lavradores a cavallo e dirigirara se
ao hospital para visitar uma pobre mulher que fi-
cara cora uma perna fracturada em consequen-
cia de se ter tresmalhado alguns bois, o que pro-
dujo grande alarido e algazarra. A ferida rece
beuavltada esmola de suas altezas reaes.
0 principe elogioumnito os cavalij do iavra
dor Rasquilha e pedio para os ver novatnente
\Jfs "sasas da noft S. AA- RR retiiraraffl-se {feri
oseaipaga de 'Villa (cosa.
Causou profunda sensago o suicid*'do
signe esculptorSoares do Reis Era professor
da Acadeiuia as Bellae-Artes do Porto, i Hfc mu-
ta'qae \n;t dasgostopav'nttO'Spoi'dissabes'ei
intimo.-, que Ihetiravam o secego-^ petiturbavaai
o espirito, comoitambem pelas' contswas desin-
telligencias ane o seu carcter exaltado e o seu
inquestionavel talento provocavam no seio l'U
academia entre os seuBOollegaS.
a imprensa-neriod cada Porto e de Lisboa de-
dica memoria do maliogvudO' artista sentidas
columnas, em que se faz menguo especial das
suas obras prinras. da que lhe caben a-medaifaa
d'ouroTTOaton'eni'Pariz; e dasqoo tem exenu-
tado com destino ao Brazil, ltimamente andava
concluindo nm busto e Fontes Pereira de'Mello,
encomraendado pela Associagao Commerciat de
Lisboa. Tmha 44 annos de idade.
Falleceu em Lisboa o ministro dainepubli-
ca Argeatioa'junto a esta corte, o Dr. Pedro Par-
do. O iikistre diplomata contara 59 'annos de
idade. Nuscera na provincia de Salta. Casis em
1856 com sua prima D. Encarnago Ormaechea.
Em 1862 foi estabelecer-seem-Buenos-Aares.ondp
oceupou altos cargos1 pblicos. Nomeadoi minis
tro plenipoteiiiario paia o ChiK resusour-ease
lugar. Em 1880 foi nomeado presidente da junu
de hygiene, onde pnestou grandes senvdcos.: G Dr.
Pardo desempenbou o cargo de ministro plenipo-
tenciario da repblica em Vienna, donde foi
transferido para Lisna. Chegou aqui em Abril
de 1888, suecurabindo agora a una antiga en-
fermidade que o Aagejlava.
Os officios fnebres por sua alma restisaram-se
na igreja da Encarnago, assistindo todos os-
raembros do corpo diplomtico e o. ministerio.
Logo que ternnarara os officios Ji o frelro con-
duzido em coche da casa real, pegando i borlas
os. Srs. presidente do. conselho, ministro .dos ne-
gocios estrangeiros e ministro da fazenda e os
Srs. ministros da Inglaterra, da Russia e da
Franca.
Sobre o caixo forara collocadas diversa co-
ras. Uma d'ellas era offerecida pelo Sr. Cunha
Porto, cnsul da Repblica outra pelo 1" secre-
Est aberta nos das 20 e 21 do corrente, a, iario da legaro, outra pela colonia
subscripgo para o empre.stno de. 4 t/i ( ap- uma pelog criajog ^ faecido'e oul
pro vado pelo decreto de 8 deste. mez.
uma pelos criados do fallecido^ outras deami-
gos dedicados do ilustre morto.
Em frente da igreja fazia as honras umiesqua.-
dro de cavallaria. No alto dos Prazeres estava
toda a guarnigo de Lisboa, que prustouas lio-
menagens fnebres quando o fretro tranapoz a
portas do cemiterio. O coche era quefoi>condu-
zido o caixo era seguido por outros tambem da
casa real em que iam os sacerdotes, componda-se
o prestito de grande numero de carruagens.
Ha dias no Hotel Universal,.em Lisboa,
houve um banquete a que assistiram cerca de 4tJ
convivas que adrendem a esgrima ou n'ella se
exercitam as salas do Gremio Litterario e do
Gymnasio-Club.
Houve calorosos brindes, sendo alvo de gran-
des homenagens o Sr. Antonio Marttns.pelosbons
servicos que tem prestado cultura d'esta arte
para oem dizer ndispensavel na. educago aib
derna. ^
Nao temos razo de queixa. Houveuma
noite na semana passada em que cinco theatros
de Lisboa representaran originaes portuguezes,
a saber :
Era S'. Carlos, a opera D. Branca, de Alfredo-
Keil.
Era D. Mara U, a comed a-drama Murgarida,
de D. Thomaz de Almeida.
No Gymnasio Jocunda, de Abel Accacio ficte-
lho.
Na ra dos Condes,o Capitn Maldito de Snuza
Bastos.
No theatro do Rato o Incendio d. Baquetas Au-
gusto Garraio.
Um dos iioi-s raais coiibecidos homens de let-
tras, autorisado pelo Sr. Era de. Queiroz, autor
dos Maias, romance que tem tido muita. voga.
est fa>endo delle ura drama para se represera
tar em D. Maria II. Parece que a Ilustre actriz
Lucinda Simos que desempeabar*- o pappl
principal, embora nao faca parte da companhia
daquetle theatro, contando, (depois, represeaBir
o mesmo papel no Brazil.
Foi concedido o titulo deVisconde de Bru-
ges ao Sr. Theotonio Octavio de Omelias Bro-
ges'Avila Paira da Canacra: Noronha Ponce de
Leao Borges de- Souza Saavedra, filho primo
genito do segundo Vsconde de deBrnges e se
gundo Conde da Praa ~da Victoria, ha pouco
tallecido, e netto do benemritoTeotono g
Onrellas. segundo Conde da Prfflaild'Vroita,
principal factor do moviraento dos Acores
favor oa causa constitucional em 1828, e' o her-
deiro e representante da nobilissiraa familia dos
Omelias Bruges Paira da Cmara, a que pertaa-
ceram os hroes da guerra da independencia do
seculo XVII .o archipelago agoriano.
O nwo titular nasceu em Angra do Herosmo
em 1884. Pertence arma de infantera, onde
tm o posto de alferes. estando prximo a ser
promovido a tenente. E' estimado e beniquisto.
Finou-se ha dias em Lisboa o ultiraojaarcchal
de campo do nosso exercito, Jos de Frenas
Teixeira Spinola Castel Branco. Estava refor
mado ha cerca de vrate annos. Fra lente'da
Escola Polyttfchnica. Deixou varios escriptos
valiosos so';re assumptos mathematicos, tendo-
sido alguns dos seus hvros adoptados como com-
pendios as escolas superiores. Era de idade
-muito avangada e de rijo temperamento, caiui-
nhando poucas semanas ante da saa morte. a
p, era longo? p-rsseio?. Respeitavel pelo saber
e pelo carcter, o marechal de campo Castel
Branco goza va da estima publica.
A 27 do mez passado -morreu em Angra- o
Sr. D. Joo Maria i oreira d'Amaral Pimente^ his-
po daquella diocese,- que I maito estava doeat
Pinou-se tambem, mas em Lisboa, o Sr.
Luiz da Silva Coulinho, director typogtaphico
da Retolucao de SeUmbro desde a sua fuOdago.
Privando por muitos annos com Antonio Rodri-
^es Sampaio e Jos* Estevo Coelho de Maga-
ies. Silva Coutinho presin relevantes servi-
co ao seu partido e arriscou muitas vezes a vi-
da, era tempos calamitosos, pelo triumpho d'mna
causa que os seus amigos polticos julgavam
santa.
Vai longo o obituario desta vez. Mais um no-
rae riscado da lista dos vivos: o do conselheiro
Francisco Augusto Florido da Motta e Vascos--
cellos, antigo deputado da nacSo, chefe de re-
partigo aposentado'' do'eonselho superior das
alfandegas. Oceupou lugar eminente no parti-
do regenerador, ao qual prestou bastantes ser-
vicos, sendo, durante muitas legislaturas, se-
cretario da Cmara dos Deputados, e tendo o
sen corrspttio. sentare autorisado. acudido ruars -
de uma vez a embaragos do governo, durante
aquellas legislaturas.
Ha poucos dias houve grande motim era
i'zimbra, chegando a multido desenfreada, por
occasio do sorteio para o recrutamento a inva-
*dir lodo o edificioida Cmara Municipal, pren-
dendo o administrador do conselho, espancandd
algumas pragas da guarda fiscal queimado to-
dos os documento? da repartirlo de fazenda.
violado os cofres da recebedoria do conselho e
espaHtado pelas ras o dinheiro que l se ncoa
trava. corlando em seguida os fios telegraphicos
e derrubando os postes, emquanto as mulheres
tocavam nos sinos a rebate, etc., etc.
Tropa ida de Setubal e de- 'WW, bera como -
toda a forga da polica civil disponivel, com dous
-commissarios, effectuou em Cezirabra urnas
trinta priscs. Os cabegas de motim logo que
avistaram a tropa fizeram-se ao largo as bate-
ras de pesca, sendo preciso o auxilio de rebe-
cadores a vapor para Ihes dar caga. Serenou
tudo e vo-se instaurar os respectivos processos
criminaes aos indiciados como promotore* des-
tes illstartius.
L.
REVISTA DIARIA
.tsicniDia Provincial Hontem ao
meio dia, soba presidencia do Exra. Sr. Bario
de itapissuma. foi aberta i sesso, achardo-se
presentes 14 Srs. dojsutados.
O Sr. presidente, declarando que o Exoi. Sr.
prndente da provincia mandara commun.eago
que comparecera a 1 hora da tarde para abrir
a sesso d'esta Asserabla, nomeouaos Srs. Cos-
ta R beiro. Gaspar de Drummond e Lopei Ma-
chado para receberem a S. Exc. e suspet deu a
sesso at a chegada do mesmo
A l hora da tarde acbahdo-se presentes i j
deputados. corapareceu S. Exc. sendo retebido
pela commissao e com as formalidades do 3
tomen asseoto direita do presidente da Aj
bla, depois do que proceden leitura
Falla.
Depois de declarar o Sr preslUeute da

M

r~iHri
i



m
Diario d Pernambuco---Safebado 2 de Margo de 1889

V .
fclt abertla.ftefto da 27. legislatura, S.
Exc. retiroa-se'ceH as mesmas formalidades d
estylo.
Ao acto eompareceram diversas pessoas gra-
das, chefes de repartigo, etc., sendo as honras
militares prestadas pelo 2. batalho de infama-
ra de nha e salvando a fortaleza do Brum.
Foram lidas e approvadas sem debate as actas
da sessao de 28 e das reunies de 29 de 31 de
Dexembro de 1888 bem como a acta da 1.* sessao
preparatoria em 27 do mez prximo lindo.
Bm seguida procedeuse eleigo da mesa que
ficou assim organisada:
Presidente,-Barao de Itapissuma.
^1. vice-presideate, Baro de Caiar.
a. vice-presidente, Dr. Antonio Jos Ja Costa
Ribeiro.
i.c secretario, Dr. Jos |Maria de Albuquerque
c Mello.
J. secretario, Dr. Francisco Phaelante da C-
mara Lima.
Supplentes dos secretarios; capitao Juvenci
Taciano Mariz e Dr. Maximiano Lopes Machado.
Pela ordem, relativamente eleigo do sup-
liente Jo 2.* secretario oraram es Srs. Gaspar de
Drummond e Jos Mara, duas vezes cada um.
A ordem do dia : eleigo de commisses.
Acto* la Presidencia la Provincia
Por actos de 21 de Fevereiro :
Foi jubilada a professora publica da cadeira de
Limoeiro Maria do Rosario de Oliveira Mello.
Foi removida a professora publica Maria
oaquina Barbosa de Magalhes da cadeira do Rio
'ormoso, para a do Limoeiro.
Por ofllcio da mesma data autourisou-se o
Tbesouro Provincial a pagar a quantia de......
100*940. a commisso encarregada do estudo da
molestia de caima, de despezas fetas com a con-
servago do laboratorto chimico no semestre de
Julho a Dezembro do anno passado.
Fsculda.de de nireitoReunio-se bon-
tem a congregaco dos lentes e depois de verifi-
car a presenta dos professores regulou assim o
servigo das aulas do anno lectivo e dos exames
que tora de ser prestados na presente poca.
Servicos das aulas:
1* anno1' cadeira, Dr. Albino Meira, das 12
a 1 hora.
r cadeira, conselheiro Pinto Jnior, de 1 as 2.
2* anno1' cadeira, conselheiro Silveira de
Souza, das 9 as 10.
i cadeira, Dr. Barros Guimaraes, das 8 as 9.
3* anuoi" cadeira, Dr. Correia de Araujo, das
11 as 11
2* cadeira, Dr. Joo Vieira, das 10 as 11.
4* annol cadeira, Dr. Augusto Vaz, das 9
as 10.
2* cadeira, Dr Pinto Pessoa, das 10 as II.
5* anno1 cadeira. Dr. Tobas Barretto, das
12 al.
2* cadeira, Dr. Seabra, das 11 as 12.
3* cadeira, Dr. Jos Hygino, das 10 as 11,
Servigo dos exames:
i* anno.Conselheiros Silveira de Souza, Pin-
to Jnior e Dr. Meira, as 10 horas.
2* anno.Conselheiro Silveira de Souza, Drs.
Barros Guimaraes e Meira, ao meio dia.
3a annoDrs. JoJo Vieiralteeabra e Vaz, as
10 horas.
V anno.Drs. Correia de Araujo, Pinto Pes-
soa e Cirne, as 10 horas.
5* anno.Drs. Jos Hygino, Tobas, Joio Viei-
ra e Cirne.
Os exames comecarao no da 7 do Jrrente,
sendo de 15 as turmas para a prova escripia.
Foram indeferdas:
As peticOes dos alnmnos, que, teudo-se levan-
tado da prova escripta na poca precedente, rc-
quereram ser admittidos de novo.
As dos que escreveram sonre ponto diverso
do que lhes coube por sorte, e as dos que tive-
ram nota m na prova escripta.
Foram deferidas as peticoes dos que nao en-
cerraram a matricula no nm Jo anno ultimo e
as dos que por motivo justo faltaram as chama-
das na poca precedente.
tccioaarls. -A Livraria Contempornea
dos Srs. Ramiro Costa & C. a ra 1* de Marco
n. 2 acaba de receber do Maranho diverso
exemplares de urna obra inteiramentc non na
litteratura brazileira e portugueza.
E um diccionario das locugoes, phipes e ter-
mos usados com frequencia na lingu portugue-
za e as de todos os paizes civilwiaos com a sua
conveniente traducirlo e explicago do seu era-
prego, contendo os prioripaes aphorismos e lo-
cucOes de direj*' f
' H BrSoeressante. composic&o doSr.
-Joo Emiliano Valle de Carvalho.
Agradecemos ao Sr. Ramiro Costa a fineza de
enviar-nos um exemplar.
ortaildade No cemiterio publico de
Santo maro foram sepultados em Fevereiro :
Corpos
De 1889 312
De 1888 312
De 1887 209
De-1886 241
De 1885 37
No prximo lindo mez de Fevereiro a media
diaria dos enterramentos foi de 11,14.
Os das de maior numero de ente rramen tos
foram : 24, em que bouve 19 ; 28 em que honve
18; e 19 em que houve 17.
Os dias de menor numero de enterraraentos
foram : 3 em que houve 5; 22 em que houve 6;
e 25 em que houve 7.
Theatro le Vaitodade. Comecam
hoje, uoTheatro das Variedades, da Nova Bam-
burgo, os bailes a phaitasia, para os amantes
das folias carnavalescas,.
Os bailes sero qoatn, hoje. manha, segun-
da e terca-feira. Para os tres ltimos, tanto o
recinto do theatro, como todo o jardim e gale-
ras da Nova Hawburgn sero Iluminados a luz
elctrica.
As entradas sao pela ra da Florentina n. 20,
c pelo Caes Santa Isabel n. 1.
Cavalheiros da Epocna. O Club car-
navalesco Cavalheiros da Epocha far a sua
V apparico ao publico desta capital nos 1 e 3
dias do carnaval. Ao passar pela residencia dos
Srs. socios honorarios os cemprimentar, con-
forme determina seus estatutos. As visitas se-
ro feitas depois de percorrido o itinerario, em
outra secgo desta fofha publicado, devendo os
Srs. socios estar na sede social, a ra do Boni
Jess n. 51, 2 andar, ; 2/1 da tarde.
Club dos C'orriqseiros. Enviani-uos
o seguinte : Esta associaco apresenta-se em 12
carros nos tres dias de prximo carnaval em
numero de 48 socios bellamente trajados, prece
didos de um riquissimo carro triumphante, onde
ira o estandarte do Club e urna banda de msica
marcial tocando bonitas pegas de seu vasto re-
pertorio. Distribuir em todo o seu trajecto
cartOes ornados de chistosos e engragados ebro-
mos, e percorrera o seguinte etinerario :
Domingo.-"Sosa de Santa Rita, Travessa da
mesma, Nojtueira, S. Jos, Travessa da mesma,
Calgadas, Forte, Vidal de Negreiros Coronel
Suassuna, Largo de S. Pedro Marcilio Dias. Li-
vramento. Penha, Largo do Mercado, Pedro Af-
fonso, Largo do Arsenal, Caes 22 de Norembro,
Ponte do Recife, Mrquez de Olinda, Bom Jess,
a recolher-se.
- Segunda-pira.Bom Jess, Mrquez de Olin-
da, Ponte do Recife, Caes 22 de Novembro, Cara-
Po das Princesas, Ponte Santa Isabel, Aurora,
ormosa, Hospicio, Imperatriz, Ponte da Boa
Vista, Mrquez do Herval, S. Joao, Cinco Pontas,
Areal, Pescadores, ras Velha e Nova de Santa
Rita, a recolher-se.
Terra-feir. Nova de Santa Rita, Largo do
Mercado, Visconde de Inhauma, Duque de Ca-
xias, Dr. Feitosa, Pateo do Carmo, Paulino C-
mara, Mathias de Albuquerque, Ivo Miquelino,
Baro da Victoria, Cabug, Crespo, Imperador,
Praga de Pedro II, Caes 22 de Novembro, Ponte
do Recife, Mrquez de Olinda, Bom Jess, a re-
colher-se.
Nos e 3o dias haver bailes carnavales-
cos, para os quaes a directora tem se esforgado,
alhn de seren animadissimos.
Eleicao Municipal. Foi o seguinte o
resultado da eleigo que para preenchiuicnto de
duas vagas' a respectiva Cmara Municipal, teve
lugar em Palmares no dia 27 de Fevereiro lindo :
votos
Joo Chinaco de Paula c Silva (C) M8
Antonio Francisco de Mello (C) 185
Luiz de Franga Pereira (L) 100
Major Felippe Paes d'Ohveira (L) 80,
Rosendo da Silva Camello (D) 14
Fallecase!. As 10 12 horas da noite
de 27 de Fevereiro prximo (Indo falleceu D.
Maria Francisca Paes Barrete Lins, viuva do
negociante Antonio da Rocha Accioly Lins.
Era urna estimavel senhora, e dcixou orphaos
cinco filhinnos.
Isspreasa. Distribniram-se honlcm :
0 Seis de Outubro, folha quinzenal. orgo da
associago dos funecionaos provinciaes.
A LaiUerna Mgica, peridico livre e humo-
rstico. '
Agradecemos a remessa de um exemplar .
ccreativa M cidade, A" sociedade
deste nome faz hoje um sarao carnavalesco, etn
sua respectiva sede.
Club Calados** Pedem-nos a publica
cao do seguinte
Como nosanterioresannos, conhecida esta as-
sociago, pfreorrer as ras dessa cidade nos i* e
3 d*s do prximo carnaval, observando o itine-
rario abaixo publicado.
O club romper sua marcha as principaes
nas ao sotn da polka Caiadora pequeo ar-
ranjo de Pai Quilombo.
A' noite constituirao os seus associados, cm
grande numero, urna arete aux flambeaux.
ExecuUrio diferentes dangas assim denomi-
nadas :
gibe, Conde da Boa Vala, Visconde d Rio Bran-
co, ponte a recolher-se.
Itinerario da torca-feira.
Ras; D. Mafia Cesar, largo do Arsenal, Bom
Jess, Corpo Santo, Vigario Thenorio, Mrquez
de Ohnda, ponte, Primeiro de Margo, Imperador,
Coronel Francisco Jacintho, Dnque de Caxias
Visconde de Inhauma, largo do Mercado, Pepba.
Livramento, Marcilio Dias, Vidal de Negreiros,
S. Joao, Coronel Suassuna, largo do Carmov
Paulino Cmara, Mathias de Albuquerque, Haz,
Palma, Mrquez do Herval, Baro da Victoria
reeolher-se.
aiplossata-Caegouhontem dosul, no pa-
quete Allianca, o Sr. AUrcdo Alcofhido, recente-
mente noraeado addido Jde 1- elase legaco
do Brazil em Vienna d'Austria.
S. S. es -a digna consorte foram recebidos
por diversos amigos, aos quaes seus Ilustres
progenitores offereceram um delicado jantar.
O Sr. Alcoforado veio passar algum lempo
com sua familia, e brevemente seguir para o
posto diplomtico que lhe foi condado.
Comprimentamos ao nosso digno amigo.
Bailes carnavalescos Realisam-se
hoje grandes bailes carnavalescos quer na Nova
Hamburgo,quer no theatro .de Santo Antonio.
Este ultimo theatro acaba de receber consi-
deraveis melhoramentos, comoj tem tido occa-
silo de ver todos quantos transitan] pela ra da
Florentina.
A frente do referido theatro est imponente.
Quer n'uin, quer n'outro, haver as quatro
noites carnavalescas boa msica e inultos attra-
tives.
Club InternacionalNos sulOes do Club
Internacional do Recife, ra da Aurora, reali
sar-se-ha hoje um imponente sarao carnavalesco,
em que temario parte gsiueute os (socios, suas
Exinas familias e convidados.
Marao Familiar Carnavalesco do
RecifeFicou organisada da seguinte forma a
direcgo do sarao que tem de realisar-se no se-
cundo dia do Carnaval:
Directorafc-Plurmaceutico Pedro de Souza
Menezes, Htuardo Ignacio dos Santos, Antonio
de Albuquerque Mell e Arthur V. Pereira da
Silva.
CommissSo de recepgoModesto Pinheiro,
Dr. Lima e Voura, Clemente Nette. Antonio Mo-
reira, Dr. Eloy Landitn JMrlhur V. P. da Silva.
Commissao de recoiMHmentoJoo B. Pe-
reira da Silva, Arthur V. Pereira da Silva, Dr.
Antonio A. de H. Costa e Antonio de Albuquer-
que Meilo.
Gremio dos Profeasorcs Primarlos
No dia 4 do rorrente, s 10 horas da manh,
devem reunir-se era assembla geral os socios
do Gremio dos Professores Primarios para o lim
de elegerem o conselho que tem de dirigir o
mesmo Gremio no correte anno.
Arsenal de nerraO conselho econ-
mico da companhia de artfices do Arsenal e
Guerra contractar, no dia 4 do corrente, s 11
horas da manh, diversos tecidps para farda-
mento dos aprendizes.
AlfandesaSejmndo telegramma do Mi-
nisterio da Fazenda a Alfandega est cobrando,
e o far at segunda ordem. a taxa adicional da
tarifa movel, conforme o decreto n, I 170 de Ja-
neiro prximo lindo, a razo de 20 ,'..
endimeato* pblicos Asscguintcs
estaces arrecadaram em Fevereiro:
Alfanga:
o 19." annivefsario da terminago da campanha
contra o Paraguay. l
i Directora das obras de conserva-
ras dos Portos de PernambacoReci-
fe, 28 de Fevereiro da 1889.
Boletim meteorolgico
Horas
6 m.
9
12
3 t.
6
24-4
29-3
:io-o
30--6
28"-8
Barmetro a
0
710-60
761-76
761-99
759-96
760-38
Tensol
do vapor
19,01
21,79
19,96
20,51
20,08
-3
1
3
=
83
71
63
62
67
Temperatura mxima31,00.
Dita mnima 24-.00.
Evaporagao em 24 horashd sol: 7.1; som-
bra : 3.4.
Chuva nulla.
Direcgo do vento: SE de meia noite at 1
e 40 minutos da manh : SE at 8 horas ; SE,
ESE e E alternados at 5 horas e SO.minutos da
tarde ; SE at meia noite.
Calmara durante 2 horas pela madrugada.
Velocidade media do vento: 1-21 por se-
gundo.
Nebulosidade media: 0,3Q.
Boletim do porto
Jos Guedes da Arruda-
Jos Rodrigues de Souza Magalnaes.
Antonio Jos.do Nascimento.
Francisco Xavier Pinheiro.
Manoel Francisco do Nascimento.
Foram visitados os presos deste estabeleci-
mento por 200 pessoas, sendo 63 homens e 137
mulheres.
Asylo de SlendicidadeDurante o mez
de Fevereiro fiudo o movimento desse estahele-
cimento de caridade foi o seguinte :
Homens Mulheres
Existiam 70 115
Entraram 10 2
COMERCIO

Revista do Mercado
Recife, 1 de marco de 1889.
Foi insignificante o movimedto na praca.
Regstraram-se pequeas vendas nos mercados
de algodao e de agurdente.
Cambio
Por ser dia de mala houve pouco movimento,
sendo as cotagoes nominaes a 27 7/8 baocario e
28 i/8 particular.
No Rio os bancos offertceram saccar a 27 7,,
exigindo os tomadores 28 d.
Co.itinua a escassez de dinheiro em todas as
pragas. ____
TABELLAS AFFIXADA8
# i *s
-*4 * 1 k^ 1^ CJ ex H
f V i i " * * * --
Mt 8 9
a 52 < |
a I

I
Si S 3.
J ^ # V * CK S
2 te M* --
00 u O <*- m 3t
CeTAgES OFFICIAES DA JCNTA D08 COB-
EETOBE8
Recife, 1 4e Marqo de 18H9
Cambio sobre Para, 30 d/v. com I 0/0 de des-
esnto, ncntein.
raramnjo
>legrete
ndiana
amistoso
oi vinal
outomno
seevoir
nscolastioa
selecto
Itineraric do domingo
Ras: D. Mara Cesar, Becco Largo, Domingos
Jos Martins, at o Correio, voltando at a sede
social e seguindo pelas ras da Restaurago,
Largo do Arsenal. Travessa de Pedro I, Guara-
rapes, S. Jorge, Bom Jess, Thome de Souza, Com-
mercio, Corpo Santo, Vigario Thenorio, Mariz e
Barros, Mrquez de Olinda, ponte, Primeiro de
Margo, Imperador, Travessa Mrquez do Recife,
Duque de Casias, Dr. Feitosa, Rosario, Cabug,
Baro da Victoria, ponte, Imperatriz, Visconde
de Albuquerque, Santa Cruz, Visconde de Pelo-
tas, Praga do Conde d'Eu, Viscoude de Cmara-
Dito sobre dito, 60 d/v. com 2 0,0 de descont,
hontem
Cambio sobre o Rio de Janeiro, 3 d/v. c n 1.8
O.D de premio, do banco.
Cambio sobre S. Paulo, 60 d/v. com 2 0/0 de
descont.
Cambio sobre Londres, 90 d/v. 27 7/8 d. i*r
1AO00, do banco.
Cambio sobre Lisboa, vista 93 0,0 de premio,
do banco.
Descont de letras, 12 0,0 ao anuo, hontem.
O presidente,
Candido >'.. G. Alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
Algodio
Foi colado o de i sorte do serto a 04400 por
15 kilos.
A exportagao, feita pela alfandega ea Feverei-
rojlindo, at o dia 27, 801)10 31.232.101)10103,
sendo 1.019.879 para o exterior e 212.227 para
o interior.
As entradas verificadas no referido mez, j co-
nhecidas, sobem a 26.841 sacras, sendo por:
Barcagas..... 2 853 Saccas
Vapores..... 221
Animaes..... 1.114
Via-ferrea de Caruarn. 1.735
Via-ferrea de S. Francisco. 2 383
Via-ferrea de Limoeiro 11.335
Dci889 907:516*710
/ 1888 -1887 935:702*291
709:246*886
' 1886 657:127 *:24
- 1885 624:067*277
Recebedora Geral:
De UN 101:222*743
1888 99:6405921
. 1887 48:753*960
. 1886 48:966*226
188o 49:118*110
Recebedoria provincial: De 1889
149:766*026
1888 2*j:957*6o0
. 1887 183:573*650
1886 127:712*076
!8J 173:108*078
Somma,
26.841 Saccas
Assucar
Os pregos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
ittindoa Associago Commercia Agrcola, foram
os set[uinte8:
Broncos 3*200 a 3*800
Someno..... *S00 a 2*100
Masca vado purgado 1*400 a 1*300
Wto. !90 a 1*200
Rtame..... **) a UOO
Colonia Isabel
Bronco .
2*
3 .
Someno .
Mascavado .
usina Pinto:
Bronco 1*
f
Someno .
Mascavado -
4*100
2*800
1*300
:i*900
1*600
4*000
2*300
:000
1*500
Aexportacio, feita pela alfandega em Fevereiro
findo, at o dia 27, attingio a 113-363^921 kilos
sendo 6.208.879 para o extenor e 7.U7.042
para o interior.
As entradas verificadas no referido mez, j* co-
nhecida*, sobem a 151.468 saceos, sendo por:.
Barcagas .... 36.017 Saceos
Vapores..... i*'h
Animaes..... 7.084
Via-ferrea de Caruar. 10.306
Via-ferrea de S. Francisco. 65.324
Via-ferrea do Limoeiro 12.837
Soinraa.
151.468 Saceos
Monte Po dss Voluntarios da Pa-
tria fendo hontem 1." de Margo o 19. ani-
versario de terminago da guerra do Paraguay,
esta associago igou o seu pavilho e a noite
illuminou a fachada da sede de sua associago.
Krrtlro militar -Estaf designados para
superior "do dia hoje o Sr. capilo Silva e para
ronda menor o Sr. alferes Joto Pi da lonseca.
A guarnidlo da cidade duda hoje pelo 2."
batalho de infamara.
As guardas da Thesouraria e Palacio sao
hoje commandadas [>or dous Srs. ofli.'iacs do 2"
batafho de infamara.
Na enfermara militar existem em trala-
mento 30 pragas dos corpos da guaraigao.
No da 28 do mez lindo, verilicaram praga
6 individuos.
Ordeuou-sc que o 2." batalho considere
era diligencia na provincia da Baha o cabo de
esquadra Antonio Pereira da Silva.
Foi entregue a companhia de cavallaria
rubricado por S. Exc. o titulo de alistauento o
individuo Joo Beuto da Silva.
As bandas de msica do 2.'c 14.'bala-
lhes tocaram hontem a noite era frente ao Palacio
da Presidencia e do quarlcl general por tor sido
Pelo patacho iuhlez Broedertrowe foram remet-
tidos, para Pelotas, 1.290 saceos, 62i barricas.
60 2 e 160 4 com assucar bronco, 80 haceos e
180 barricas com dito mascavado.
O vapor inglez Estrella, levou, para o Rio
de Janeiro, 120) saceos com assucar bronco e
2.O0J ditos com dito mascavado.
-----
Couroi
Cota-se a 370 ris, nominal
Agurdenlo
Vendcu-se na razo de a 92*000, por pipa de
48- litros.
O vapor inglez Estrella, levou par o Rio de
Janeiro 255 anas e 49/5.
Alcool
Cota-se a 170*000 por pipa de 480 litros.
Mei
Cota-se a 50*000 por pipa le 480 litros.
Pauta 4a alfandega
gcMjJU K 25 db ravKRisiRo i de MAitgo
DE 18-9
Vide o Diario deikde Feceretr
* avos carga
Barca portugueza Novo Silencio, para o Porto.
Patacho inglez Peggie, para Mentevido.
\avos descarga
Barca norueguense Frida, carvio.
Barca norueguense Frithyof, carvo.
Barca ingleza Sobrina, farello.
Barca ingleza Paragero, bacalho.
Rarca norueguense Josca, carvo.
Barca alleina Ansa, earvo.
Bfigue sueco Pepita, carvo.
Escuna ingleza Abeja, bacalho.
Lugar nacional Marinho VII, Cui'vuo.
Lugar inglez May Cory, bacalho.
Vapor inglez Clulian, earvo.
Iaaportaeo
Vapor americano Allianca, entrado dos portos
do sul em 1 do corrente, consignado a Henry
Forster, manifestou:
Amostras 12 volumes a diversos.
Caf 623 saccas aJoaquira Ferreira de rarva-
Iho 4 C, 250 a Paiva Vaiente C, 842 a Do-
mingos Cruz & C, 200 a Souza Basto, Amorim
& CT, 30 a Joo Fernandes de Almeida, 101 a
Joaquim Duarte Simes & C, 110 a David Baltar,
100 ordem. Chumbo 100 barris a Pereira Car-
neiro t C.
Fumo 93 volumes a Almeida Machado A C, lo
a Costa Lima A C, 20 a Jo 'lavares Carreiro,
10 a Ferreira Rodrigues C. 5 a Antonio Go-
mes Senra, 10 a Paiva Vaiente & C, 10 or-
dem.
Meivadorias diversas 8 volumes a Ramiro M.
da Costa A C, 2 a.Maia Sobrinho & C. 19 or-
dem. 2 a Frederico' A C, 1 a Cesar Lopes C,
5 a Joaquim da Silva Carneiro, 1 a Moura Bor-
ges 4C.
anno de algodo 23 fardos a Luu Antonio
Seqielru, 14 a Alvos de Bnto & C, 1 a Rodri-
gues Lima C, 9 ordem.
Xarque 500 fardos ordem, 500 a Baltar Oli-
veira A C, 440 a Blackburn Needham A C.
m
B M.
V. M.
B. M
P. M.
Dia
28 de Fever.
1 de Margo
Horas
936 da manh
4 o da tarde
10-18 .
439 da manh
Altura
0-.30
2-.61
0-.24
2-,45
LeudesErTectuar-sc-^io os segura tes :
Hoje:
Pelo agente Silveira, s 11 horas, ra das
Larangeiras n. 2, da arraago e pertences da ta-
verna ahi existente.
Pelo agente Burlamauui, s 11 horas, na praga
do Conselheiro Joo Alfredo, de um hotel.
Pelo agente Pinto, s II 1/2 horas, ra Mr-
quez de Olinda n. 52, de vinhos linos, cognac,
urna ejoia de corridas e um cabriolet de 4 rodas.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, ra do
Imperador n. 49. de parte de um sobrado.
Pelo agento Silveira. s 111/2 oras, ra das
Larangeiras n. 2, de diversos objectos de ouro e
metal.
Hlssas runebresSero celebradas:
Hoje:
A's 8 oras, na matriz de Santo Antonio, pela
alma de D. Julia Wauderlcy da Silva Guimaraes.
Segunda-feira
A's 8 oras, na matriz da Gloria do Goit, pela
alma do padre Manoel Ignacio Bezerra do Ama-
ral; s 8 horas, na capella do cemitario, pela
alma de D. Candida Gomes de Oliveira; as 8
horas, na igreja da Soledade, pela alma de
Francisco Antonio de Albuquerque ; s 8 horas,
na matriz de Santo Antonio, pela alma de Fran-
cisco de Paula Ferreira d'Annunciago; s 8
horas, na matriz de Gamelieira, pela alma de B-
Maria Francisca Paes Barreto Lins.
Passaisciros i hegados da Europa no va-
por inglez Trent:
Capilo William, Ellen Yiolet, Ida Coniza,
William A. Ernest, Joaquim Ferreira, Augusto
Pinto, Antonio Lopes, Albino Fontes, Francisco
da Costa, Ubaldino Augusto, Jos Ferre'ra, Sal-
vador C. Costa, Arthur Pinto de Lomos, Joaquim
Colago Dias, aetano de Almeida Campos, .
Constancia Gomes de Oliveira, Jos Augusto de
Campos, Jos Rodrigues Fernandos, Alejandro
dos Santos, Manoel da Costa e Joo de Oli-
veira.
Clicgados do sul no vapor americano -W-
Uanca:
Jos da Silva Rodrigues c sua senhora, Dr.
Alfredo Alcoforado e sua senhora, Eduardo Ro
dnirues, Miguel Calmon, Antonio Calmon. Igna-
cio Bulco, Antonio Mariano, Francisco Mariano,
Francisco Mariano, Antonio Mores, Stcphanio da
Silva e Edu-Twrord.
- Sabidos para a Europa no vapor inglez
Arnitcaniu:
Mrs. Wells Hood e 2 filhos, miss Fcnncly, B-
zon Arthur e Bertin Antoine.
Chcgados de Maco no hiato Deus te Guie :
Leopoldina Padilha de Lemos e 1 lilho.
Sabidos paro Nova Orleans no vapor inglez
Slraits (ibraltar :
Lacy Ward Saw, sua senhora e 3 filhos, e
Joanna Pinto de Araujo.
Casa de DeteacdoMovimento dos pre-
sos da Casa de Detengo do da 28 de Fevereiro
de 1889.
Existiam 466; entraram 2; sahiram 29: exis
tem 439.
A saber:
Nacionaes 401; mulheres 17 ; estrangeiros 19.
-Total 439.
Arragoados 404.
Bous 380.
Doentes 21.
Loucos 3.Total 4f*.
Movimento da enfermara
Teveram baixa:
Sahiram
Existem
Mas enfermaras
Existiam
Entraram
Tiveram alta
Falleceram
E*stem :
as enfermaras
Nos dormitorios
80
8
72
17
8
25
8
1
i
16
56
117
6
111
22
4
1
3
22
79
72 111
Total 183
Escola de inslrucgo primaria :
Foi frequciitada por 12 alumnos.
Hospital Pedro II O movimento deste
estabelecimento de daridade, no dia 28 de Fe-
vereiro, foi o seguinte;
Entraram 25
Sahiram H
Falleceram 6
Existem 567
Foram visitadas as respectivas enfermarlas
pelos Drs.:
Moscoso s 8, Cysneiro s 10 11 i. Barros Sobri-
nho s 6 3|4, Maiaquias s 8 1|2, l'outual s 9 1|2,
Estevo Cavalcante s 8 1 [2, horas.
Nao eompareceram os Drs.:
Berardo.
SimOes Barbosa.
O cirurgio dentista Nuina Porapilio s 8
horas.
O pharmaceutico enirou s 8 1|2 da manh e
sanio s.'i;i|2 da tarde.
O ajudante do pharmaceutico entrou s 7 1|[4
da manh e sabio s 4 boros da tarde.
Lotera do trum-Pari-A 4a parte da
26 lotera, dessa provincia, cujo premio grande
60:000*000, rer extrahida, segunda-feira, 4 de
Margo.
Cemiterio PublicoObituario do dia 28
de Fevereiro de 1889.
Joanna Evangelista da Fonseca e Silva, Per-
nambuco, 86 anuos, solteira, S. Jos ; caehexia
senil.
Rosa;Mariada Silva, Hespanha, 79 annos, viu-
va. Boa Vista; caehexia senil.
Jos Braz de Carvalho, Pernambuco, 30 annos,
viuvo, Boa-Vista : caehexia palustre.
Mara Francisca Paes Brrelo Lins, Pernambu-
co. 46 annos, viuva, Afogados: caehexia palustre.
Luiza Lina da Encarnago^Parahyba, 65 annos,
viuva, S. Jos; tubrculos pulmonares.
Maria da Paz e Mello, Pernambuco, 26 annos,
viuva, S. Jos; tubrculos pulmonares.
Amaro Alexandre de Sant'Afina, Pernambnco,
22 airaos, solteiro, S. Jos ; tubrculos pulmo-
nares.
Francisca Maria da Silva, ernambuco, 20 an-
uos, solteira, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Maria Theresa, Pernambuco, 8 annos, Boa-Vis-
ta ; broncliite astlrnatiea.
Um hornera, 28 annos, Boa-Vista ; congesto
cerebral.
Antonio Pedro Carneiro, Pernambuco, 56 an-
nos, casado, Boa-Vista; entero-eolite.
Joo Ribeiro da Boa-Morte, Pernambuco, 60
annos, solteiro : Boa Vista : anazarca.
Antonia, ernambuco, 1 anno, S. Jos; disen-
teria chronica.
Petronilla. Pernambuco, 4 annos, Santo Anto-
nio ; febre paludosa.
Simplicia Maria da Conceko, Pernambuco, 8i
annos, viuva, S. Jos; diarrha.
Mara Emilia do Espirito Santo, Pernambuco,
25 anuos, solteiro, S. Jos; tuberculoso.
Joo Francisco de Paula, Pernambuco, 29 an-
nos. solteiro, Afogados ; tubrculos pulmonares.
Elisalieth Antonia Sauer, Pernambuco, Han-
nos, solteira, Recife; febre remittente typhoidea.
CHRONICA JUDICIiRlA
Hiate nacional Flor do Jardim, entrado de Ma-
co co 28 de Fevereiro, e consignado a Manoel
Joaqun) Pessoa, manifestou:
Algodo era rama 200 saceos.
Sal 51,200 litros ordem.
Exportaeae
Sacro 28 DB fkveno SE 1889
Para o estertor
No vapor americano Allianca, carregaram :
Para New-York, F. M. da Silva & C i,700kilos
de pao brasil ; Abe, Stein & C. 62,379 pelles de
cabro ; Keen Sutterle A i 11,300 pelles de ca-
cabra.
No vapor alierao Montevideo, carregou :
Para Lisboa, C. M. da Silva 604 couros salga-
dos cora 7,248 kilos.
Na escuna portugueza Feiticeira, carrega-
ram :
Paro Ilha de S. Miguel, Amorim Irmos & C
15 barricas cora 1,620 1/2 kilos de assucar bron-
co c 205 ditas com 17,280 1/2 ditos de dito mas-
cavado ; F. de Montes 10 saceos com 600 kilos
de assucar bronco e 50 ditos com 3,000 ditos de
dito mascavado ; P. Pinto & C. i3 barris com
2,400 litros de niel ; A. da Silva Campos 2 bar-
ricas com 500 kilos de assucar bronco ; Soares
de Amara! limaos 20 caixas cora 140 litros de
agurdente ; M. lavares do Amara! 12 caixas
com 84 litros de agurdenle, I barril 'com 90
ditos de dito; 4 barricas com 160 kilos de caf,
5 barricas com 230 kilos de assucar brauco e 2
amarrados varas.
tara o interior
No vapor austraco Szeckeny, carregaram :
ParaSaatos, P. Carneiro &C. 1,250 saceos cora
75,000 kilos de assucar branco e 700 ditos com
42,000 ditos de dito mascavado.
Para s. Paulo, F. S. Macedo Sobrinho 50 sac-
eos com 3,0t-0 kilos de assucar bronco e 450
ditos com 27.000 ditos de dito mascavado.
Para Rio de Janeiro, H. Hurle & C. 345 saceos
com 25,183 kilos de assucar mascavado ; Paiva,
Vaiente & C. 200 saccas com 48,025 kilos de
algodo e 50 pipas com 24,000 litros de agur-
dente.
No vapor americano Allianca, carregaram :
Para Para, M. Amorim 30 pipas com 14,400
litros de agurdente e 50 barris com 4,800 ditos
de dito ; Amorim Irmos & C 73 pipas e KK)
barris com 44,640 litros de agurdente e 400
barricas com 27,499 kilos de assucar branco ;
A. J- da Foneca 400 barricas cem 21,612 kilos
de assucar branco ; T. de A. Souza 200 barricas
com 13,710 kilos de assucar branco; A. Guima-
raes 500 barricas com 29,105 kilos de assucar
branco e 50 barris com 4,800 litros de agur-
dente ; F. M. da Silva A C. 2 pipas com 960 li-
tros de agurdente.
Para Maranho, S. Guimaraes .* C. 25 barricas
com 2,888 kilos de assucar branco e 15 ditas
com 1,802 ditos de dito mascavado.
Para Para, Amorim Irmos A C. 20 pipas com
9,600 litros de alcool ; F. S. Macedo Sobrinho
150 barricas com 10.100 kilos de assuiar bron-
co ; J. A. de S, 50 barricas com 3,623 kilos de
assucar branco.
Na barca norueguense Handy, carrega-
ram :
Para Cear, H. Lundgrin & C. 6,00 saceos
com larinha de mandioca.
No hiate nacional Raintia dos A,ijo&, caire-,
gou:
Tribunal da llelaeo
SESSO ORDINARIA EM DE MARCO
DE 1889
PRESIDEN'CIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
QUIXTIXO DE MIRANDA
Secretario, Dr. Virgilio Voelho.
As horas do costme' presentes os Srs. des-
embargadores era numero legal foi aborta a
sessao depois de lida e approvada a acta da an-
tecedente.
Distribuidos e passados os fcitos deram-se
osseguintes
!
Paro Maco, f. Magalhes 50 saceos com fari-
nlia de mandioca.
No hiate nacional Victoria, carregaram :
Paro reca y, Fernandes s Irmo 2 barricas
cora 200 kilos de assucar branco.
# Na barcaga Dylia, carregaram :
Para Macci, J. P. Lapa 3i> garrames com 36(1
litros de genebra ; J. Cordeiro 35 garrames com
525 litros de genebra e 20 caixas com 160 ditos
de dito.
Na barcaca /. Assencia, carregou :
Paro P. de Alauoas, J. Cordeiro 10 caixas com
9 > litros de genebra.
Mlohelro
EXPEDIDO
Pelo vapor nacional Pernambuco, para :
Parahvba 5005000
Cear :532*730
Para 14:0U0000
Kendimentos publico**
ucz db min<;->
Alfandega
Renda geral:
Do dia I 27:3802o9
Renda provincial :
Do dia 1
5:496*018
Somma tolal 32:876*877
Segunda secgio da Alfandega, I de Marco de
1889.
* O thesoureiroFlerencio Domingues.
O chefe da seccSoCicero B. de Mello.
Recebedoria Geral
Do dia 1 1:475*651
* Recebedoria provincial
Do da 1 252*562
Recife I rain ate
Do da 1 513*177
Mercado Municipal de 8. os
O movirfento deste mercado no dia 28 de Fe-
vereiro foi o seguinte:
Entraram :
23 bois pesando 3,988 kilos.
404 kilos de peixe a 20 ris 8*080
14 cargas de larinha a 200 ri% 2*800
8 ditas de ructas diversas a 300
ris iOO
10 taboleiros a 200 ris 2*000
11 suinos a 200 ris 2*200
17 matulos com legumes a 200 ris 3*400
Foram oceupados: >
26 1|2 columnas a 600 ris ,3,9^
1 esciiptorio a 300 ris 300
24 compartimentos de farinha a 500
ris 12*000
24 ditos de comidas a 500 ris 12*5,
88 ditos de legumes a 400 ris 3o*200
18 ditos de suinos a 70C ris 12*600
9 ditos de fressuras a 600 ris 5*400
35talhosa2* 70*000
184*280<
Rendimentos dos das 1 a 27 do cor-
rente 5:311*360
Foi arrecadado liquido at boje 5:495*640
JUl OAAf ENTOS
Habeas corpus
Paciente i
Manoel Rodrigues CamargoMandou-se sol-
tar o paciente, contra os votos dos Srs. desem-
bargadores Silva Reg, Oliveira* Andrade, Ta-
vares de Vasconcellos e Dellino Cavalcante, vo-
tando pela responsabilidade do delegado do 2o
di*tricto os Srs. desembargadores Pires Ferrei-
ra e Aives.Ribeiro.
Recursos eleiloraes
De Caruar-Recrreme Firmino Jos da Sil-
va Rurgos, recorrido o juizo. Relator o Sr.
desembargado!- Buarque Lima.Negou-se pro- ,
vimento, unnimemente.
De Vida Bella Recrreme Isaac Barboza No-
gueira de Barros, recorrido Jos Firmino Nunes
a Silva. Relator o Sr. desembargador Buar-
que Lima.Era diligencia.
De CaruarRecrreme Manoel Pereira Ne-
ves, recorrido o juizo. Relator o Sr. desem-
Digador Toscano Barreto.-Ncgou-se provixen-
to, contra o voto do Sr. desembargador Silva
Reg.
De Villa BellaRecorrente Isaac Barboza No-
gueira de Barros, recorrido Antonio Goncalves
de Lima. Relator o Sr. desembargador Pires *
Ferreira.Em diligencia.
De Villa BellaRecorrente Isaac Barboza No-
frueira de Birrcs, recorrido Manoel Pereira de
S Maranho. Relator o Sr. desembargador Pi-
res Ferreira.-Em diligancia.
De Villa Bella-Recorrente Isaac Barboza No-
gueira de Barros, recorrido Jos Cavalcante de
Lacerda. Relator o Sr. desembargador Monteiro
de Andrade.Era diligencia.
De CaruarRecorrente Francisco Bezerra da
Silva, recorrido o juizo. Relator o Sr. desem-
bargada Pires Gongalves.Negou-se provimen-
to, contra o voto do Sr. desembargador Silva
Reg.
De Villa Bella-Recorrente Isaac Barboza No-
ueira de Barros, recorrido Joaquim Ferreira de
Freitas. Relator o Sr. desembargador Pires Gon-
galves.Em diligencia.
De CaruarRecorrente Antonio Marques Be-
zerra, recorrido o juizo. Relator o Sr. desem-
bargador Pires Gongalves.Negou-se provimen-
to. unnimemente.
De CaruarRecorrente Joaquim dos Santos
Correia, recorrido o juizo. Relator o Sr. desem-
bargador ; Al ves Ribeiro.Negou-se provimen-
to, unnimemente.
De Villa Bella-Recorrente Isaac Barboza No-
gueira de Barros, recorrido Melchiads Gomes
Pereira de Vasconcellos. Relator o Sr. des-
embargador Oliveira Andrade.Em diligencia.
De Villa Be.la | Recorrente Isaac Barboza No-
gueira de Barros, recorrido Antonio Severo G.
de Lima. Relator o Sr. desembargador Silva
llego. Em diligencia.
Da Parahvba-Recorrente Manoel Rodrigues
Correia Lour'o, recorrido o juizo. Relator o Sr.
desembargador Silva llego. Negou-se provi-
uicnto, unnimemente.
Recursos crimes ,
De Bezerros Recorrente o juizo, recorrida
Theodnra aria de Jess. Relator o Sr. desem-
bargador Buarque Lima.Negou-se provimento,
nnauimemeute.
De Hezerros Recrreme o juizo, recorrido
Antonio Paulino de Oliveira Vasco. Relator o
Sr. desembargador Toscano Barreto.Negou-se
provimento, contra os votos dos Srs. desembar-
gadores Oliveira Andrade e Monteiro de An-
drade.
Aggravos de petigao
Do RecifeAggravante Manoel Joaqaim Fer-
reira da ruz, aggravados Lopes Magalhes &
C. Relatero Sr. desembargador Toscano Barre-
to. Adjuntos os Srs. desembargadores Silva
Reg e Pires Ferreira. Negou-se provimento,
unnimemente.
Do RecifeAggravante Francisco Cecilio Fer-
nandes da Silva Guimaraes, aggravada D. Maria
J. das Dores. Relator o Sr. desembargadsr Silva
Reg. Adjuntos os Srs. desenibaradores Del-
lino Cavalcante c Toscano Barreto. Negou-se
provimento, unnimemente.
Appellages crimes
De TimbabaAppellante o juizo.appellado
Jos Framisc!/ de Mello. Relator o Sr. desem-
bargador Toscano Barreto. Mandou-se a novo
jury, unnimemente.
De Alaga GrandeAppellante o juizo, ap-
Eliados Manoel Mendes da Silva e outro. Re-
or o Sr. desembargador Tavares de Vascon-
cellos. Connrmou-se a sentones, unnimemente.
De Maceic Appellante Alfredo da Silva Tor-
res, appellada ajustiga. Relator o Sr. desem-
bargador Pires Ferreira. Confirmou-se a sen-
tenga, unnimemente.
PASSAGENS
Do Sr. desembargador Toscano Barreto ao Sr.
desembargador Dellino Cavalcante :
AppellagOes crimes
De PiranhasAppellante o juizo, appellado
Antonio Severino dos ISantos.
Do Recife Appellante o juizo, appellado
Henrique Gomes dos Santos.
De logazeiraAppellante o juizo, appellado
Joo Agostinho Gongalves dos Res.
De CaruarAppellante o promotor publico,
appellado Joaquim Bernardo da Cruz.
Do CaboAppellante Manoel Jos Lins, ap-
pellada a justiga.
Procos de dia:
Carne verde de 240 a 560 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 16 reis idem.
Suinos de 560 a 640 reis idem.
Farinha de 440 a 560 reis a cuia.
Milho de 380 a 440 reis idem.
Fero de 900 a i*20J idem.
Matad o uro publico
Neste estabelecimento foi am abatidas para o
consumo de boje 7i rczes pertencentes a diver-
sos marchantes. |
Vapores a entrar
MEZ DE MAB^'O
Sul........... Montevideo........ 3
Norte......... Adcance.......... 4
Sul........... Atrato............ 4
Hamburgo .. Paranagu........ 4
8o)........... Congo............. 5
Europa...... Nertke............
Norte......... Maranliao......... 7
Sul........... Par............. 8
Europa....... John Eider......... 10
Sul........... Vdle de Pernambuco 11
Europa....... Athenas .......... 13
Vapores a sabir
MEZ DE MARCO
New-York Allianca.......... 2 as 4 h.
Southampton. Atrato............ 4 as 12 h.
Hamburgo. .. Montevideo........ 4 as 2 h.
Sul..........Adcance........... 5 as 5 h.
Bordeaux Congo............ 5 as i ti.
>antos eesc Paranagu........ 5 as 3 h.
Montevideo .. Nerthe............ 7 as 3 h.
Sul "......Maranho......... 7 as 5 h.
novimenlo do porto
Navios entrados no dia 1."
Valparoizo e escala25 dias, vapor inglez Arau-
cania, de 1,728 toneladas, commandante A- J.
Cooper, equipagem 76, carga varios gneros;
a Wilson Sons C
Santos e escala7 dias, vapor americano Allian-
Ss, de 2,20"> toneladas, commandante James V.
leerr, equipagem 65, carga varios gneros; a
Henry Forster C.
Southampton e escala 141/2 dias, vapor inglez
Trent,de 1,698toneladas.commandante RMa-
ckenzi, equipagehj 99, carga varios gneros ; a
Amorim Irmos *\C.
New-Port19 dias, vapor inclez Ashdell, de 1,034
toneladas, commandante George Forber, equi-
pagem 22, carga carvo de pedra; a Wson
Sons & C. \
Maco 8 dias, hiato nacional Deus te Guie, de
101 toneladas, mestre Vicente Ferreira da Cos-
ta, equipagem 5, carga sal; a Barlbolomeu Lon-
rengo.
SaJiidos no mespio dia
Liverpool e escalaVapor inglez Araucania, com-
mandante A. J. Cooper; oirga varios gene- -
ros-
Buenos-AvresVapor ingle* Trent, coMman-
dante H". Mackenzi; carga vano3 geneP
Barbados-Barca ingleza Paregero, capitao D
Thomaz ; em lastro. /
Cear -Lugar inglez Wintf-ed, can>to H. Jones;
carga farinha de mandil
Barbados-Lugar inglez fentml, capitao Carles
Murrel; em lastre.

';
I
!

.//
t

E-.-

t '
>


Diario de Pernantbuco-Sabbado 2 de Mar$o de 1889
y
t
s
)
)
no coiBiBPrcial
De Caniaragibeppellame Ovidio Henrique
Gflttes, appellada a cmara municipal.
Do Sr. desembargador Deltino avalcante ao
Sr. desembargador Pires Ferreira :
Appellacao crime
D Bom fonselho ppellaute Manoel Joaquim
* Ferreira, appellada a ju'.tiga.
Appellacao crvel
De OlindaAnpellante Manoel Antonio Ribei-
ro, appellado Antonio Jos da Rocha Braga.
Do Sr. desembargador Monleiro de .Andrade
ao Sr. desembargador Alves Ribeiro :
AppellacOes crimes
De Agua PretaAppellante o promotor pu
buco, appellados Jos Caelano Moreira e outro.
Do Recite Appellaute o juizo, appellado
Manoel Francisco de I lu huida Cavalcante.
O Sr. desembarcad., r Pires Goncalves como
procurador da cora e promotor da justiga, deu
narecer nos seguiutes feitos :
AppellacOes crimes
De Palmares -Appellante Martiliano Jos Ro-
drigues, appellada a jusliga.
Do lugaAppellante Gamillo Gomes da Silva,
appellada a Justina.
Da ImperatrizAppellante Pedro Anselmo de
Lima, appellada a justica.
Ao RecifeAnpellante o segundo promotor
publico, appellado Pedro Ferreira de Azevedo.
De Olinda Appellante o promotor publico,
appellado Manoel Mara Bandeira.
De NazarethAppellante o jmzo, appellado
Jos Lourenco da Silva.
* ppellaees civeis
De Macei-Appellaute o juizo, appellada a
Companhia Bahiana de naveyayo costeira.
De Assembla Appellante Antonio Singard
de Moura, appellado Jos Thomaz da Silva.
O Sr. desembargaddr Tavares deVasconcello8
mandou mesa os seguinles feitos :
Appellacao civel
De BananeirasAppellantes os orphos tute-
lados de Jos Gomes de Mello, appellado Ma-
noel Barboza Coutinho.
AppellacOes commerciaes
Do RecifeAppellante D. Maria Joaquina das
Dores, appellado Francisco Gecilio Fernandes
da Silva Guimaraes.
Do RecifeAppellante Jos Fiuza de Oliveira,
appellado Joao Francisco Borges Ferreira.
Do Sr. desembargador Ofiveira Andrade ao
Sr. desembargador Silva Reg:
Appellages crimea
De CaruarAppellante Juvencio Gomes da
Silva, appellada |a justica.
De Piranhas Appellante o juizo, appellado
Antonio Maria dos Santss.
De Tacaratu'Appellante Antonio Flix do
Nascimento, appellada a justiga.
Do Sr. desembargador silva Reg ao Sr. des-
embargador Buarque Lima :
Appellacao crime
De Olinda-Appellantes Porcino Manoel dos
Santos e outro, appellada a justica.
DILIGENCIAS
I SCom vista ao Sr. desembargador promotor da
justiga :
AppellacOes crimes
Do RecifeAppellante Ovidio Henrique Go-
mes, appellada a justiga.
De Bom Conselho-Appellante o jmzo, appel-
lado Miguel Antonio.
De OuricuryAppellaute Luiz Jos de Andra-
de, appellada a justica.
De Borburema- Appellante o promotor pu-
blico, appellada Antonia Bertholina da Concei-
co.
DISTRIBUIDLES
Recursos crimes
Ao Sr. desembargador Deltino Cavalcante :
De Aguas RallasRecurrente Claudi no Mar-
ques de Vasconcellos Ramos, recorrido o juizo.
Ao Sr. desembargados Pires Ferreira :
Do Recife-Recorren tes Jesuino ue Azevedo
Costa e outros, recorrido o juizo.
Appellages civeis
Ao Sr. desembai^ador Tavares de Vascon-
cellos : .
Do Rccife-Apnellante o cnsul de Portugal,
appellado Manoel Joaquim de Andrade.
Ao Sr. desembargador Oliveira Andrade :
Do Penedo -Apellante a mesa administrativa
do hospital de candade, appellado Joao Moreira
Leaos Pi adoba.
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
Do RecifeAppellantes JoSo Bezerra 4 C, ap-
pellado Jeronymo da Costa Xetto e Silva.
Ao Sr. desembargador Toscano Barreta :
DoRioFormoso-Appellan'es Antonio Fran-
cisco Martins, appellado e Bario de Una.
Ao Sr. desembargador Deltino Cavalcante :
l>e Cainaragibe Appellante Jos Correia de
Araujo Barros, apellados Vasconcellos Guima-
raes & C.
Appcllagap commercial
Ao Sr. desembargador Silva Reg :
Do RecifeAppellante Amador de Barros Ca-
valcante Lins, appellado Francisco Ferreira de
Almeida Cruz.
Encerrou-se a sesso as 2 1|2 horas da tarde.
Mas desde que nos enfrentamos com uin infa-
tuado professor.de direito e chefe actual dos
republicanos, entendemos que deviamos tirar-lhe
a mascara.
PorU'oje salientamos apenas o carcter do
jesuta, do liberal e do republicano professor de
direito.
# # #
Gratidao
O abaixo assignado faltara ao mais sa-
grado dos deveres,se por meio da presen-
te publicagao nao viesse testemunhar o seu
eterno reconhecimento as pessoas que lbe
dispensaram finezas por occasiao da en-
fermidade e fallecimtento de sua nunca es-
quecida c idolatrada esposa Catharina Pes-
soa de Figueiroa Faria, as quaes e com
especialidade ao seu particular amigo
Francisco Antonio Xavier da Maia e sua
Exma. familia o Erna. Sra. D. Amelia
Marcelina Gomes de Oliveira muito agra-
dece do intimo d'ama.
Recife, 1.- de Marco de 1889.
Mariano de Fiqncinla Faria.
Club carnavalesco Cavalhei-
ros da Epocha
Este club, sabindo de sua sede, ra
do Bom Jess, percorrer nos Io e 3*
dias do carnaval, as seguintes ras :
Io DA
Mrquez de Olinda, Ponte 7 de Setem-
bro, Io de Margo Imperador, Travessa
do Ouvidor, Duque de Uaxias, Visconde de
Inhauma, Largo do Mercado, ra da Penha,
pateo do Livramento, Marcilio Dias, pateo
do Terco, S. Joao, Mrquez do Herval, Flo-
res, Camboa do Carmo, largo do Cnrmo, Es-
treita do Rosario, largo de Pedro II, Im-
perador, Io de Margo, Independencia, Ga-
bug, Barao da Victoria, ponte Pedro II,
Imperatriz, Conde d'Eu, Aragao, Santa
Cruz, ra Velha, Visconde de Albuquer-
qne, Gloria, Cotovello, Mondego, Barao
de S. Borja, Gervasio ^ ires, Conceigao,
raca Conde d'Eu, Hospicio, Formosa,
niao, Princeza Isabel, Aurora, ponte
Pedro II, Bario da Victoria, Cabug, In-
dependencia, 1 de Margo, ponte 7 de Se-
tembro. Mrquez de Olinda, recolber.
3" DA
Mrquez de Olinda, ponte 7 de Setem-
bro, Io de Margo. Independencia, Cabug,
Barao da Victoria, ponte dro II, Impe-
ratriz, Visconde de Albuquerque, ra Ve-
lha Santa Cruz, Pires, Conceigao, Ara-
gao, Hospicio, Formosa, Aurora, ponte
Pedro II, Herval, S. Joao, Tergo, Direi-
ta, travessa e pateo de S. Pedro, Hortas,
largo do Carmo, Paulino Cmara, Cabu-
g, Independencia. Io de Margo, ponte 7
de Setembro, Mrquez de Olinda, reco-
Iher.

111
U
0II1I&
QUE SE REALISARA' NO
Dia 3 de Marco de 1889
>om<-

8

reno
Io Pareo
premios no
Prowperidadc 850 metrosAnimaes da provincia que aiuda nao Icnham ganho
Premios : 200 ao i, 30* ao f e 20* ao 3.
Derby em maior distancia.
11Linda Flor...
* Pirraba......
Danton......
Vida Alegre.
Almirante..
Cyclone.....
7 Neptuno.....
8,Arat.......
9,Licorne.....
10 Good m o r-
ning......
Fanfar......
Minha Espe-
ranca...
Bijou.....
14 Pombo Preto
ex-Lidador
WCaifaz.....
Castanho
Russo......
Alazao
Rodado
Alazao......
Castanho
Rodado
Tardo......
Castanho ...
Caxito.......
Castanho
Pera.
,
55
55
55
55
55
53
55
30
55
53
55
30
50
55
53
rnado e branco.
icarnado e azul
ii 1 e branco.......
carnado cpreto.'*
carnado e amarello
Azbl e branco.....
Encarnado e preto
*
V
Azul e amarello.
Grenat a ouro...
Azul branco cene-
Violeta e ouro........
Geraldo Cabral.
F- S.
G.V.
i oudelaria Imperial.
Coudelaria Paysand.
A. S.
Coudelaria Mondego.
Jos Luiz de S. Filbo.
J. C. A.
Rufino Cardoso.
Palmeira & Procopio.
Coudelaria Modello.
Coudelaria Victoria.
I. J.
BAILES PUBUCOS


as quatro noites de Carnaval
PareoPmmI*
Prraimkurtn*-830 metrosAnimaes de menos de meio sanguc.
Premios: 300* ao 1, 75* ao 2 e 30* ao 3
liAlfa.
2 Fgaro.
3 "
i
5
6
7
Moncorvo...
Favorita.....
Recife.......
Avmor. ...
Galatha... .
AlazS.......
Chita........
Rodado. ...
Zaina......
Castanho----
Rosilha.....
S. Paulo..
R.G.doSul
S. Paulo...

Rio de Jan.
S. Paulo .
R.G.doSul
54
55
55
54
57
55
56
Ouro e branco.......Djalma M. da Silva.
Violeta e ouro........ J. Siqueira & Bastos.
Azul branco e ene C. Fernandes.
Violeta e ouro.......Maia Ciirysostomo.
Preto e grenat......S. P.
Verde e amarello.... A. M.
..................(.oudelaria Allianga.
3o Pareo -Concordia -1,200
FUBLICAyOES 1 PEDIDO
do
Attendite et videte
0 Sr. A. Meira, arvorando-se em director de
ebefe dos republicanos dessa provincia, em seu
artigoprogrammadiz o seguinte :
Sempre fui partidario e aconselhador dos
meios brandos, da accao|pacilica. retlectida e
calma, para a propaganda da idea republicana.
Quando em 1870 hliei-me ao partido republi-
cano, discutiam-se os estatutos do club e nelles
havia um artigo que punia de morte o socio trai-
dor. Oppuz-me a esse artigo.
Eis abi o Sr. Meira protestando ser um cida-
dao pacifico, respeitador da lei e da vida huma
na, e como prova de seu bons sentiinentos de-
clara que se oppuzera, quando era beni moco, a
um artigo dos estatutos do club republicano,
que estabelecia a pena de wmrti para o socio
traidor. ,
Nao temos que indagar dos motivos que leva-
ram o Sr. Meira a se oppor ao tal artigo que iro-
punha a pena de morte ao socio traidor ; teve
para isso suas razes, e nao vera ao caso exa
minar esse ponto. Basta attender-se que o Sr.
Meira, depois daquella poca, foi candidato uo
partido liberal e como tal se apresentou na C-
mara Idos Deputados contestando a eleico
fallecido V. de Souia Carvalho.
Nessa mesma qualidade de liberal o Sr. Meira
foi representante desse partido na Assembla
Provincial da Parahyba, e 3oa voz nao se fez ou-
vir em defesa dos principios republicanos.
Quem sabe se a pena de morte imposta ao so-
cio traidor nao atlingiria aqnel'e que a ella se
oppoz e que hoje pretende a chefia do nascente
partido republicano *
Mas 'deixemos essas consideragoes e vamos
O Sr. A. Meira em 1870, anda bem tHOQO, era
amigo dos meios violentos, e confiava sobretodo
nos meios brandos, na arra pacfica e reflectida.
E hoje ?
Hoje que o Sr. Meira nao pode allegar ^uu
qualidade de moco, hoje que um preceptor da
irtocidade ?
Veamos o que elle diz : .
. Eu afirmo a fa < ri*- Den? ique Idasphemia.
e dos homes que nos (n"< nuem ?i s'.amos re-
solvidos a procurar na superioridad* de nossa co-
ragemuma conipensagao a essa infenondade
legal (O Sr. Meira diz que nao ha igualdade pe-
rante a lei, e que o governo tem o direito de or-
denar as autoridades judiciarias, que deixem em
paz os assassinos); nos responderemos, dente
por dente, olho por ollio.
us nos julgainos com o direito de matar os
monarchislas para acabar com a monarchia (que
horror I).
Nos nao iremos deitar ao lado de S. Jardim um
j. do Patrocinio, nao ; seria i?so insultara memo-
ria d'aquelle.
Quanto mudou o sr. Meira !l
t|uem o conheceu benzer-se a cada momento,
a confessar-se coomun^artouos os dias, carre-
tando sempre um breviario c fazendo parte d'uma
Ssociacao catholica e hoje o v de barrete phry-
Kio aconselbando o assassinato, fica pasmo
liante de semelhante transfiormaco.
S' que o hypocrita quera Jr lente e nha nc-
lade de angrriar certo votos!! a
Entramas em duvida se idevianws toma, ao
serio o que cscreveu o profefesor de direito cons-
-'desparates revelou
OS 0:
parecen que o n*
estava- t
por momentos, nos
ta e agitador no
Cleomenes deSiqneira
Tendo sido apresentado um cartlo com
. meu nome ao Sr. Paulo Jos Alves,
com quem entretenho relagCes commer-
ciaes, |em que se lbe pedia a quantia de
20)4000, venho pela imprensa avisar que
ningnem d qualquer quantia pedida em
meu nome, porque nio paasa isto de es-
perteza de algum gatuno.
Recife, 2 de Margo de 1889.
CUomtnt* Lope* de Siqueira.
metrosEguas de puro
100* a 2 40* a 3*.
sangue. Premios ; 400*, a i,
THEATRO DE VARIEDADES
DA
NOVA HAMBURGO
osrj^s rraxTDes de
Domingo, Segunda eTer^a
O Theatro, Allamedas,--Jardim,--Gallerias e
Terrados, sero i 11 nminados a
LUZ ELCTRICA
Ataviada de gallas, = a JS'ova Hamburgo engrinalda
a fronte sorridente do magnifico edificio, para receber em
ampia co7ifraternisago, a mocidade esperanzosa desta
Venena Americana =, que n'essas noites consagradas
musa alegre dos prazeres, all se absorve no agradavel con-
junctodeBoninas e Junquilhos.
Ao rgimen interno, ser observada a conveniencia
do consumidor, com a maior solicitude,quer no grande
e bem prvidoBuffet da seceo dos recreiosquer as
innmeras mesas existentes fias dependencias exteriores
do estabelecimento.
20-Rua da Florentina | I-Caes de Santa Isabel
Onde se acham as bilheterias para a venda do% in-



gressos.
lOlga...
2 Cynira.
3 Vanda
Gallia.. ..
Judia.
Mascottc.
Aspasia..
Castanha S. Paulo...
Alaza.......Inglaterra.
Zaina.......R. daPrata
AlazS.......Inglaterra.
Franca....
Castanha.... Jt da Prata
Alaza.......Ilnglaterra
51
54
60
60
57
l
I
Ouroe branco......
Preto, branco e ene
Ouro e branco.......
Azul, brancoeene...
Encarnado e Preto.
MNP.
P.J.
N. P.
Coudelaria Emulayo.
C.S.
Coudelaria Paysand.
Guimaraes & C.
4. Pareo-Ippodrosao do Campo firande- 1,609 metros Cavados da provincia.
Premios: 230* ao Io, 80* ao f e 25* ao 3o
m m m
O adversarlo do Mr. de Lessep
Os inimigos os mais temiveis do Canal
de Panam nao sao nem os americanos,
nem os inglezes, nem os financeiros de
todos os paizes que coinbatem sua em-
presa para apoderar-se d'ella. O seu ad-
versario impfacavel, o nico contra o qual
sen prestigio, sea crdito e sua gloria sao
inefficazes, a febre. E a febre que mata
em algumas horas os homens mais vigoro-
sos e que faz incessantemente o vacuo nos
estalleiros. Talvez nao se lembram bas-
tante que a quina que tem permtittido
a conquista e a colonisagto da Argelia.
N'este fim, o vinho de quinium de A. La-
barraque pode prster os servigos os mais
assignalados; pois que nao smente, se-
gundo a expressan de um Ilustre medico
principal da Argelia, o Dr. Wahu, o mais
enrgico dos tnicos conhecidos, ainda
um poderoso febrfugo e um cxcellente
preservativo.
Quem conquistou a Argelia ? os sol-
dados francezes? Sim e nao. Os solda-
dos francezes tm vencido os arabios, mas
a febre nao tardara a triumpbar dos ven-
cederes e a destruil-os at o ultimo. B o
Dr. Maillot, enjo nome a posteridade deve
guardar a memoria, que tem vencido este
inimigo, mais temivel que todas as tribus
reunidas, a arma heroica que tem per-
mitido a conquista e a colonisagSo, a
quina.
N'este fim, o vinho de quinium de
Labarraque pode prestar os ^ servigos os
mais assignalados, pois o Quinium de A.
Labarraque o mais til complemento da
quinina no tratamento das febres intermit-
ientes. Os effeitos 'sao particularmente
notaveis as febres antigs de accessot e
na cachexia paludosa. (Professor Bou-
chardal.)
A viso
D. Maria Venanciada Silva, viuvade Joao Jos
da Siva, previne aos inquilinos das casas de seu
tinado marido, bem como a todas as pessoas
que com elle tinham .transac&es, |qne estejam
por liquidar, que s se devem entender com seu
idvogado Dr. Eugenio de Barros, ra do Iin-
peador n.-37.
Pensao Acadmica
"'Esta casa de Pensao situada no ameno
bairro da Boa-Vista, ra da Imperatriz
n. 15 2o e 3o andares, contina a receher
pensionistas, que mediante a mensalidade
de "bO, terao com o maior asseio regu-
laridade, comida abundante, commodos
agradaveis, excellente banho e criado.
A.
DECLARARES
Indemnisadora
Esta Companhia est pagando o dividendo de
15# por accio, ou 18 /. ao anno, sobre o capital
-saliMdo, reforeate ao semestre (indo em 3t de
'j)ezembro prximo passado-
Mwo........
Mylord.....
Templar ....
Gracejo......
Arumary-----
Monitor......
nirid.......
Alazao..
Baio
Rodado
Alazao......
Russo.....
Castanho ...
Pernamb..
56
54
54
51
54
54
54
Encarnado ..........
Azule ouro..........
Azul lis Irado.......
Violeta e ouro.....
Rosa e preto.......
Branco e azul......
A. F.
A. F. da Rocha Leal.
S. M.
A. P. A. 8.
N. D.
Coud. Pernambucana.
Coudelaria Piranga.
5. Pareo-Berfcy tino le
Premios
Prrumburo- 1.609 metros-Animaes de qualquer paiz.
5001; ao y. 125J ao 2 e 40* ao 3*.
Salvaras.
Castiglioni ..
Coupon......
Price........
Derby.......
Ernani.....
Alaz2o.
Zaino.......
Alazao.....
Zaino......
Alazao.....
Zaino......
Franca ... 57
57
* 57
Inglaterra. 51
* oa
a 57
Azul strailo.......
Azul branco e ene. ..
Encarnado c branco.
Rosa e preto
Coudelaria Cruzeiro.
.
Dialma Moreira.
A. M.
G. E.
P. C.
6". Pareoimpreais PrrnkBiburaM- 1.400 metros Eguas nacionaes at meio
sangue. Premios : 350/ a i, 80* 2* e 35* 3\
Minerva
Alpha. .
Olga. ..
Favorita
Douradilho
Alazao.....
Castanho
Zaino......
S. Paulo... 51
54
51
p 54
Azul brancoe ene...
Ouro e branco.......
Violeta e ouro.......
Coudelaria Cruzeiro.
Djalma Moreira.
M. N. Pontes.
Maia Chrisostomo.
Os animaes inscriptos para o 1* pareo devem achar-se no ensilhamento as
8 horas da manha.
Os animaos inscriptos para os outros pareos, deverao estar urna hora antes
da determinada para o pareo emque tiver de correr.
Os forfaiU serao reeebidos at sabbado, 2 de Margo s 3 horas da
tarde, hora do encerramento do expediente para esta corrida.
A venda de poules encerrar-se-ha 20 minutos antes da corrida*
HORARIO

1. parco
2.* pareo
3. pareo
4. pareo
b.* pareo
b. pareo

.
e 50.
e 40
e 30
e 40 >
e 30
Empreza da estrada de ferro
de Ribeirao ao Bonito
AoMinblea eral ordinaria
Nao se tendo reunido hoje, no escripoj
torio desta Empresa, numero suficiente
dos Srs. accionistas para a reuniao ordi-
naria de assembla geral, convocada nos
termos do art 73 do decreto n. 8821 de
30 de Dezembro de 1882, pela segunda
vez. convocada mesma reuniao para o
dia 22 de Margo prximo ao meio dia, no
escriptorio d'esta Empresa, praga de
Pedro II n. 73, 1." andar.
Recife, 28 de Fevereiro de 1889.
Jos Bearmino Pereira de MeU^,
Director secretario.
D Dr. chefe de polica manda publicar pa*
ra conhecimento de todos e del execuc&o os
arts. 70 e "i das posturas municipaes :
Art. 70. Fica prohibido neste municipio o
brinquedo de entrado com agua ou qualquer ou-
tra substancia, de qualquer maneira que se em-
pregu : os infractores pagario a multa de 15*
e soffrero 8 dias de pnsao.
Art. 71. Fica prohibida a venda de limas de
cheiro: os infractores alm de as perder paga-
garo 4* de multa.
Secretaria da pol ca de PernambucA, 23 de
Fevereiro de 1889.
0 secretario,
Joaqun Francisco de Anuda.
9 horas ..... minutos
9 t
10
11
12
1
O Gerente,
Henrique SchuteL
4.a secgae.Secretaria da Presidencia
de*Pernambuco, em 19 de Fevereiro de
1889.
Por esta secretaria se faz publica a re-
commendagao do Exm. ministro e secre-
tarlo de Estado dos negocios do imperio,
constante do aviso n. 288 de 22 de Ja-
neiro rindo, para conhecimento de Maria
Severina da ConceicSo Lucas, mai do
alumno do Instituto dos Surdos-Mudos,
Jos Lourengo Godolredo Lucas. ,
N. 288. 2* directora. Ministerio
dos negocios do imperio. Rio de Janeiro,
22 de Janeiro de 1889.
Illm. e Exm. Sr.NSo podendo, na
conformidade do artigo 25 do regulamen-
to do Instituto dos Surdos Mudos annexo
ao decteto n. 5,435 de 15 de Outubro de
1873, continuar alli, por haver attingido
a idaile de 18 annos, o alumno Jes Lou-
rengo Godofredo Lucas, a quem se refere
o officio dessa presidencia de 24 de Ou-
tubro de 1882 e convindo, portanto, pro-
videnciar afim de que seja retirado do
me8mo Instituto o dito menor, o qual, se-
gundo informa o director do estabeleci-
mento no officio, que a tal respeito me di-
rigi, se exprime regularmente por escrip-
to, perito official de encadernador e tem
o peculio de 8640950, recolhido a caixa
econmica, dou conhecimono d'isto a V.
Exc. para os fins convenientes.
i Deu8 guarde a V. ExcA. Ferr-
ra Vutnna.Sr. presidente da provincia
de Pernambuco.
O secretario interino,
Manoel 'Joaquim Sveira.


ara
i.
a corrida que Rever ter lugar
1 no dia 10 de Marco de 4889
PAREO Extra 700 metros. Eguas da provincia.
meira, 35/JOOO a segunda e 15^000 a terceira. ^^_
PAREO Bsalo 850 metros. Animaes da provincia que ja tenham sido ina- ^^
criptos n'este Prado, e nao tenham ganho premios no Prado, Derby e Hip-
podromo. Premios: 200(5000 ao primeiro, 50^000 ao segundo e 20)5000
ao terceiro.
PAREOPrado Pernaaibncano1.609 metros. Animaes de qualquer
paiz. Premio: 6005000 ao primeiro, 1205000 ao segundo e 600000
ao terceiro.
PAREO GRADE PREMIO Recife 2.000 metros. Eguas estrangeiras.
Premio : 1:0000000 a primeira, 3000000 a segunda e 1000000 a ter-
ceira.
PAREOFerro Carril1.450 metros. Animaes nacionaes de meio sangue.
Premio: 3500000 ao primeiro, 700000 ao segundo e 350000 ao
ao terceiro. ,
PAREO Derhy Club de Pernambuco 900 metros. Animaes da pro-
vincia que nao tenham ganho n'esta ou maior distancia. Premio:
2500000 ao primeiro, 600000 ao segundo e 250000 ao terceiro.
PAREO 1." de Julho 900 metros. Animaes de menos de meio sangue.
Premio : 3000000 ao primeiro, 600000 ao segundo e 300000 ao terceiro.
PAREO Hlppodroaio do Campo <-raude1.500 metros. Animaes da
provincia. Premio: 3000000 ao*primeiro, 600000 ao segundo e 300000
ao terceiro.
Observacoes
So scro admittidas para cada pareo 15 propostas. Cada enveloppe dever conter
urna so proposta, e caso apparega mais de urna s ser acceita a primeira que for lida.
Nenhuin pareo se realisar sein que se inscrevam tres animaes de proprieta-
rios diflrentcs.
A inscripcao encerrar-se-ha quarta-felra 6 de Margo s 6 horas da tarde
na secretaria do Prado.
Recife, 28 de Fevereiro de 1889.
O SECRETARIO.
Francisco de Souza Reis.
2.
3.
4.
o.
6.
7.
8.

Prado Pernambncano
Declaro aos interessado que por deli-
beragao da directora em sessao de hontem,
28 de Fevereiro, foi deferida a petigao do
gerente da Coudelaria Brasileira para que
se rizesse na matricula da egoa Condessa
a rectificacao necessaria afim de que fosse
ella classificada como egua estrangeira e
de puro sangue e nao nacional como havia
declarado n'esta secretaria seu proprieta-
rio por haver sido Iludido por quem a
venden no Rio de Janeiro.
Recife, 1 de Margo de 1889.
Francisco de Souza Reis, f
Secretario.
Arsenal de Guerra
0 conseibo econmico da companhia de apren-
dizes artilices, precisa eontractar os artigos se-
guintes, para fardamento dos aprendizes :
165 metros de brim escuro de linho trancado.
73 metros de algodoz nho.
2 metros de panno escarate francez.
75 metros de algodao msela.
As amostras dessas fazendas acham-se na se-
cretaria para serem vistas e examinadas pelos
licitantes.
Os pretendentes deverao .apresentar suas pro-
postas na mesma secretara, at as 11 horas.da
manh do ia 4 de Marg prximo.
jao sero tomadas em considerafo as pro-
postas que nao forein re tas de accordo com o
art. 64 do regulamento de 19 de Outubro de
1872, em duDheata, com referencia a um st ar-
tigo, mencionando o nome do proponente, a in-
dicagao da casa commercial, o prego de cada
um artigo, o numero e marca das amostras, de-
claraco expressa de sujeitar-sc multa de 5
0/0 no caso de recusar assignar o contracto, bem
como as de que tratam os arts. 87 e 88 do mes-
mo regulamento.
Secretaria do Arsenal de Guerra de Pernam-
buco, 28 de, Fevereiro de 1889.
O secretario. .
J. Francisco Ribeiro Machado.
Companhia|Ferro Carril de
Pernambuco
A gerencia interina desta companhia previne
que s dar carros para o Derby Club, no do-
mingo 3 de Marco at 2 1/2 horas da tarde, vol-
ta para a cidade da ultima turma, isto de accor-
do com o gerente daquella companhia.
Recite, 27 de Fevereiro de 1889.
Felippe de Araujo Sampaio.
I' seccSo. Secretaria da presjffl
Pernambuco, 28 de Fevereiro de 1889. A
blico, para os devidos ns, que nesta
se acham as patentes impenaes de nomatjo
teen tes-coronis com mandan les do 11. coi
de ravallaria da guarda nacional da comarca
Escada, do 28 do Cabo e do 6.* de reserva do
Bonito e Bezerros, Henrique Gomes de Barros e
Silva. Antonio Luiz de Mello Marques e Jos Cor-
nelio de Vasconcellos.
U secretario interino,
Manoel Joaquim Silveira.
Prazo de 25 dias
De ordem do Sr. Dr. inspector geral da ins-,
truego publica, fago saber a professora publica
Thereza Josephina da Cunha Salles, removida
para a 5. cadeira da freguezia de Santo Antonio,
que Ihe lica marcado o prazo de 25 dias, a-con-
tar desta data, para assumir o exercicio da refe-
rida cadeira.
Secretaria da instrueco publica de Pernam-
buco, 28 de Fevereiro de 1889.-0 secretario.
Pergentino S. de 4raujo Galvo.
Correio Geral
Malas a oxp Pelo paqnetc americano Allianca esta admi-
nistracao expede (malas para os portos do Para,
Maranno, Barbados, S. Thomaz e New-York'
recebendo impressos e objectos a registrar at
12 horas do dia, e cartas ordinarias at'l hora
da tarde, ou 1 1;2 com porte duplo.
Administraco dos Correios de Pernambuco,
1 de Marco de 1889.
O ad
Aflor,o do
[
%


o
o de Pernambuco---Sabbado 2 de M
THETRO
AMAMAI-KBABH8TRA-AMANHA!
T BtllE MAiALESCO
DOMINGO
ILLUMINA?AO A VEWEZIAWA
O palco apresentar urna deslumbrante novidade devida
ao dittinoto scenographo
GJXOFtXSDPXXWX DOO JU5XAJR~AaX>
Os btilea sftb a direccao do priaeiro professor de 4anca parnanbueano o Sr.
alsisc julzu sos uno. nini1;.
Oroheetra sob a regencia d estimado professor o Sr. Hartins.
Ornamentaco'es dos saloes do baile (que se acham mais espaoosos) ricas e de
milito gosto.
BOTKQIfll RESTAURADO
Ainda que semestarera concluidas todas a* obras projeetadas n aquelle edficio
publico ter occasiSo de ver os grandes melhoramentos que j st; effectuaram
No Tbeatro est exposo um bem sortido e rico guarda-roupa,
por precos commodos, dando direito a entrada gratis nos bailes a i
raupas.
Os novos proprietarios d'eete theatro espetam merecer a coadjuvaeao [do
respeitavei publico peraambocano a quem sao muito gratoa pelo gentil acolhimento
que sempre lbe tem despernado, promettem para o futuro propercionarem atis e
, permanentes divercoes.
Entrada-geral. ...... 'jfOOO
Camarotes para famitas. ... 8$000
AO THEATRO DE SANTO ANTONIO
ailes sem r iva es!
se aluga
alugar
? r
Estrada de ferro doRecife
Caxang
Prado. Berbj Club. S de Maio de
88 ,
frena rumaios. at'Quatra Cantos (manda)
8 h. 25 m. 9 h. 26 m.
Trena, especiaes at o Derby (manh) 9 h. e
10 b.^
Volta (ordinarios) 2 h. 58 ni. e 3 h. 30 m. Es-
peciaes 2 h. e 2 h. e 40 m.
Carnaval
Na* das 3. 1 e 3 htvera- mais um trem a note
pai a Yaqea; partindo do Reeife as 7 h. 40 ui
e o Jp 8 h. parlarais-8 h. 50 m. de Margo de
188 0 gerente rat.-rino,
H. Fletcher.
Gremio dos Professo-
res Primarios
Elelr*
De ordemdo Illm. Sr. presidente, por torca do
art. 59 dos estatutos, convido todos os socio* a
se reunirem Ba sede social no da 4 de Marco
prximo s 10 horas da manto, alini de proco-'
der-se eleico do conselho que deve dirigir
eett soeiedndade no corrate auno.
Secretaria do Gremio dos Professqr-cs Prima,
os em Pernambuco,-18 e faverjQro de 1889.
O6ocir*drio n
AugugtnJRranderley.
v ^' "--------
Concurso
Por esta secretaria se faz publieo era vista do
despacho da presidencia da provincia de 9 do
corrente mez, e de ordem do Sr. Dr. inspector
geral da instrueco publica, que se acha aberta
a inscripeao para o concurso a que se vai proce-,
der a requerimento do alumno mestre Ululado
Bjla Escola Normal, Arthur Octaviano da Silva
amos, paraproviiaento da cadeira de ensino
primario do sexo masculino do Poco da Panella
(de 2." entrancia), sendo somtnte admittidos a
essa inseripeo os professores pblicos de qual-
Suer cathegoria. e os individuos titulados pela
scola Normal, devendo estes no preso de 40
dias apresentar os segrales documentos : folha
corrida ou altestado de procedunento civil e mo-
ral pelas autoridades judiciarias, policlaes ou
cmaras municipaes das localidades em que ti-
verem residido nosdousoltknosannos, diploma
conferido pela .Escola Normal. Ficando sem
effeito o edital n^i, que aonuneiou o accesao
da mesma cadeira.
Secretaria da instrurco publica de Pernam-
baed, 11 de Fevereiro de 1889.O secretario,
Fergentino S. de Araujo Galvc.
Correio geral
oucurto Mira preeuehimenio
de ubi lugar de pratieaate de
i' eiasse
Fajo publico para conhecimento to
intereasados, que acha-se aberta nesta ad-
ministracao durante o prazo de 30 dias,
a contar desta data, a inscripeao para o
concurso que deve realisar-se para preen-
cbimento de um lugar de praticante de 2*
clasae.
Ob candidatos deverao
requerimentos, pnrvRndo
CHARGERS REUNS
Francesa
a vapor
Havre, Lisboa,
Ri de Janeiro e
documentar eeus
terem mais de
de idade, goza-
vaccinados e te-
18 e menos d 25 annos
rem boa sande, estarem
rem bom procedimento.
A idade exigida para a inscripeao deve
ser provada com certidSo de baptismo
ex'tiabida do assento feito no livro de pa-
rochia no devido tempo, ou justificaeao
prestada peraate autoridade ecclesiastica
e yqr eatajulgada por sentenca. Este do-
cun$nto nao pode ser supprido por publi-
ca forma; e muito menos, por attestados
paasados por vigarios, no ausencia dos li-
vros da freguezia.
O exame versar sobre as lingusa por-
tugueza, franceza, geographia geral, com
desenvolvimento quanto ao Brasil, e arith-
metica at a theoria das proporedes inclu-
sive, sendo .rnatjvo de .preferencia o co-
nhecimento das linguas ingleza e allema.
Administraco dos Gorreios de Pernaro-(
12 de Fevereiro de 1889.
O administrador,
Affonso do Reg Barros.
\ martimos
Rio Grande e P Iotas
Para cima, segu com brevidade o
lugar brasiieiro Marinlm Vil: para r-arga trata-
ignatario* Josr da Silva Loyo&J
lossoroe raeaty
.dade para
sio da carya trata-?***
Comparta
DE
\avegae*o
^mka qui aicaai i entra
Pernambuco, Babia,
Santos,
O VAPOR
Ville de Pernambuco
Commandante iebire
Kspera-a? d portes do sol eo
dia 1* do carrente, seguindo
depoi' da iadispensavel demora
para 'B*re tocando oci
a.i*aa.
Entrar porto
Coaduz medio a bordo,. de marcha rpida
e offcrecc excellwtes cemmod"? e ptimo pas-
sadio.
As passageiu podero ser tomadas de ante-
mao.
Recebe carga, encommendas e passageiros
para o* anaes-ttm aacellentes accommodacOes.
Para carga, passagens, encommendas e di-
aaairra'ftTte'paaU-se como AGENTE.
O vapor Athens
Etesperadadn Europa at o da-13*
de Marco, .seguindo epois da in-
f etim M Babia, .Ra-da jMaaro e Santos
Roga-seaosS. importadores de carga pelos
vapores dest nha, qoeitam apresentar dentro
de 6 dias acontar do da descarga das alvarengas
qualauer reelamag raaotea volumesque
porventura leudar., Jo para os portos do
sul atn de se podei dar ,a. lampo as provi-
dencias neeessrias.
Expirado o referida'prazo a corapanhia nao se
responsaDilisa por extrarios.
Para carga, paaiagena, eneammeadas e di-
rieiro a frete : ^ratarfoCTm o
AGBNTE
Ai^ute dkbHle
9 -RA DO COJOCERCIO 9
CompRftbia Bra^ileira de
Navegacao Vapor
PORTADO SUL
O vapor Maxanho
Commandante o eapitao de fragata Pedro
Hyppolyto 'Duarte
E' esperado dos portos do norte at
o dia 7 de Marco e depois da de-
mora iadispenaavei seguir para os
portos do sul.
Recebe tambem carga para Santos, Santa Ca-
tharina, Pelotas, Porto Alegre e Rio Grande do
Sul, frete mdico
A euceinmeadas sd sarao recebidas na agen-
cia at 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, passagena, anceamenda e valo-
res trata-se com :os 'GHWTES.
PORTX)S DO NORTE
O vapor Para
Commandante Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portos do 3ul at o
dia S de M reo e seguindo depois
da demora indispensavel para 09
portos do wirte at Manos.
As encommendas fto recebidas na agencia
at 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, encormneuda*, pa^sagens e valo-
res trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6==fiua da [}on^mercio=6,
1 andar
Companhie de Messageries
Mari times
LflrPaA MENSAL
Oiptufatte Congo
Commandante Lecointre
E' esperado dos- portes do
sul no dia 5 de Marco,
seguindo depois dademo
ra do tosime para Lor-
deaux, tocando em
Dakar e ftsboa
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se batimento de 15 OjO em favor das fa-
milias compostas da peasoas a menos e que
pagarem 4 passagena inteiras.
Por excepgao, os criados de familias qce to-
marem bilhetes de proa, gozam tambem deste
abatimento.
Os vales postaes so se dao at o dia 2 pagos
de contado.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete: trata-se com o
AGENTE
O paquete Nerthe
Commandante Jezegabel
E'esperado da Europa no
dia 7 de Margo e segui-
r depois da demora na-
cessaria para
Janeiro, Buenos-Ayres e
Montevideo-
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em quatquer tempo.
Previne-se aos Srs. recebedores de mercado-
rias que so se attender a reclamages por fal-
tas, nos volumes, que forem reconhecidas na
occasiao da descarga, assim como dererto den-
tro de 48 horas a contar do dia da descarga das
alvarengas, fazerem qualquer reclamacSo con-
cernentes a volumes que norventura teananf se-
guido para os portos do lu, afim de podr-8e
dar a tempo as providencias necessarias.
Bate paquete Iluminado laz electriea.
Para carga, passagens. encommendas i e di-
nheiro a frete : trata-se com o GENTE.
AugiLste Labille f
9 Ra io Commercio 9
------------------------------------------------------------------------ |
COMPA>HI\ PKBMHM'AVt
DE
Kavegaeo eoateira por vapor
Para Fernando de Noronha
O vapor Una
Cominandanto Serapbim da Silva
Segu no dia.il de Mareo s 12
horas damanh. Recebe carga at o
Passagens at sdO horas do di da sahida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pemambucana
n.12
Bokia, Rio
. Agente Silveira
Leilo
Da anapeaoipeaps, balancaa, atedidas e
teiros esisientas na casa iua das Larai
ras n 2
tiabbado, 2 de Margo de 1880
A* IX ;horas
ftiaraatte-ae aa chaves
cau-
gei-
O
De viiibos tkioi, cognac e leite condensado
Gonstaado-de :
216 duzias de garrafas com vinlios das marcas
Santernus, 8. Juien, S. Estepnech, Laroze, Mar-
gaux, Lalito, Pontet Canet.
60 e meias duzias de vmho do Reno a saber:
Maecobremar, Mosebliicheu, Ranentbaler, Hoch-
heimer, Assuanshauses, Geisenh Kosackerberg,
Rudeh Engrsg. Spark e moiielle, Bitter "de an-
gostura, Boaekamps.
10 duzias agurdente de trigo das marcas
Kuldluburg, Nordhansen, frascos com leite,'licor
70 sortido e cognac.
Priv duzias champagne marcas Ferminet & Fils,
ilege, CKegnet e ootras marcas.
17 caixas com cognac.
Sabbado, 2 de Marco s 11 1|2 horas
No armazem da ra Mrquez de 01 inda n. 52.
O agente Pinto, levar a ieilao, por mandado
e em presenca do Exra. Sr. Dr. juiz de direito
especial ro commercio, um variado sortimento
de vinhos linos cima mencionados, pertencen-
tes a massa fallida de Joilo Moreira & C em lo
teaavontade dos compradores, a 11 e t^l ho-
ras do dia cima dito, em o seu armazem, ra
Mrquez de Olinda n. 52.
United States andBrazil
M.S.S.C.J.
Ovapor Advance
Baha, Rio
E' esperado dos portos do
norte at o dia 4 de Mar-
co o qual depois da de-
mora necesearia seguir
para a
de Janeiro e Mantos
es partos ; pa
a DO!
Royal Ma Steam Packet
Companhia
O vapor Airato
Commandante L. R. Dickinson
E' esperado do sol uo dia 3 de
Murco.e segeindo depois da demora
necessaria ppra
Llshoa, vSko. Southampton e
Antuerpia
Reo'ucgao d* jMmuffenis
l Ida
iboa i' c; i 30
A" Southampton 1 classe aM* 42
amarotes reservados para n punngmo
Pernambuco.
Emquanto vigorar a quare a :mposta na
Argentina, aos navio-> precedentes do
Brasil, o- vapores liesta ampanqin nao aceilaro
passageiio?.nen'. i-aaja para- tiuio--Ayres.
Parapaaaagea>, fretes. epcotomeLdas. trap>
AGESTE*
A-Hioriiii Irniat^ & C.
Para carga, passagens, encommendas e di-
oheiro a frete : trata-se com os AGENTES.
Henry Forster & C.
8Rva do Commercio8
1 andar
COVFUHIt Pi
DE
Xavesaeo eosteira por vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal> Maco, Mostoso, Araca-
ty e Cear
O vapor Jaguaribe
Commandante Monteiro
Segu no dia 8 do corrente g 5
horas da tarde. Recebe carga at o
dia 7.
Encommendas. passagens e dinheiros frete,
at as i aeras da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pemambucana
n. 12
Agente Burlamaqui
Leilo
Sabbado de na reo
A's 11 horas da manhd.
No hotel da Pasaagem da Magdalena, de-
nominado Felinho, junto a esta$2o dos
Bonds, na Praca do conselheir'Jlo Al-
fredo.
De bons movis, gneros nevos.
O agente cima autoritado pelo Sr. Flix
Cypriano da Silva :Teixeira vender urna mobiiia
de junco (oiiipleta,.um|piano forte cmjbom estado,
um buhar completo e rauitos outros movis, pro-
pnos para hotel com um completo sortimento
de gneros novos. Os Srs. pretendeotes podem
examinar a referida casa, garantindoee as chaves
a quera comprar o hotel, o qnal acha-se prepa-
rado para os baile* carnavalescos.
Nao soffre contstelo l
Que aa paohinahaa da casa do Pedro
Antunes & C. tambem sao repartidas com
os seos muitos freguezes, e para nao se
zangarem, mais urna vez lembramos as
seguintee/ para as quaes pedimos prefe-
rencia, do que certamente nao c arre-
penderao!!
NOVOS vestidos braocoa bordados para
Senboras, preco de 15|J a 22i5O0O.
ELEGANTES vestidos de eretone de
cores 10fJ e 120 todo cdmpleto.
COMMODOS espartilhos de 30500 a
120000 Higinicos oostume* ponto de
malha para criancaa, para 0000 a 120000
As NOIVAS! Gnnaldas e veus, leques
modernos, meias de seda, escossia, port
bouquet em seda, papel, e canutilno o
que de mais gosto.
Completo sortimento em borlados trans-
parentes e victoria, e tambem de cores.
NOVIDADE um leques Japonezes por
20000 a 60000 proprios para bailes.
Lindos aigretes, grampos com plumas
e pentes a Mara Antonieta para ataviar
um elegante ponteado.
Sao lindos ob galoes andaluzos, em seda
e bilhetes dourados.
NOVA ESPERANZA
3 Ra Duque de Caxias 3
Ao carnaval
Mascaras
Completo sortimento de mascaras de rame,
papelo e setim ; vndese em grosa ou as du>
zias, ao mais barato prego possivel, s par
aproveitar a epocha ; na ra Mrquez de Ounda
numero 54.
Cosinheira
Precisa-se de urna de boa conducta, para casa
de familia: a tractar na do Baro da VictorU
n. 46.
Leilo
. da<*gua Utoettr .
de 7/8 sangue nacional, S. Paulo, por Sane
Pareil (by speculum) e Rosina 3/4 Rio
da Prata, vinda ,do Rio de Janeiro e
desembarcada em 17 de Fevereiro do
paquete Alagos.
Animal alli de reconhecida superioridade, onde
com 3 airaos percorreu 1.450 metros em 96 se-
gundos, batendo folgada Mandarim, Jenny, Ca-
tana, Clannetta, etc., e no mesmo dia 1609 me-
tros em 108 segundos Espadilha. puro sangue,
(vide jornaes do dia 28 de Novembro de 1887).
Tendo este animal em poucas vezes que o
anno passado correu, apresentado-se sempre
com insignificante preparo, e seu proprietario
desde entao se retirou do sport, regeitando em
leilo 3:000*000
Agente Pinto
Sabbado 9 de Mareo
A's 11 horas
Em frente ao armazem da ra do Mr-
quez de Olinda n. 52 por occasiao do Jei-
ISo de vinhos.
Leilo
De um cabriolet americano de 4 rodas, co-
berto, com assentos para 6 pessas.
Urna mobilde pao carga, oom tampo de pe-
dra marmore, servindo de base a offerta
110*000.
Sabbado. S de Mareo
A's 11 horas
?gente Pinto
No armazem ra Mrquez de Olinda n. 52,
onde haver leilo de vinhos linos.
Leila
ao
de
co-
Pacific Sf,e< ni Navigation
Cob pany
STRAITS OF M A.GELLAN LDE
O paquete John Eider
Espera-se da Europa at o dia
10 do corrente seguir depoi*. (Xiiidu, ojum
da demora do costume para VaU balaociv dita dr
paraso por
Bahia, Rio de Janeiro e Montevideo
Para carga, passageiros, encommendas e di-
flheiro a frete : trata-se com os
AGENTES
Wilsiiii. Sons i L, Limited
14 RA DO COMMERCIO14

LE1L0ES
^
Sabbado 2, rfcve ter lugrr o da egua Ri-
setle, viuda ltimamente do Rio de Janeiro.
^- Sbado 2 deve ter lugar o leilSo de um
completo c variado sortimento de vinhos finos,
de conforraidade co:u o annuncio publicado nes-
ta sccyao
O leilo da egua Buette deve effectuar-se
s 11 horas cm ponto, em frente ao armazem
n. 8 da lira Mrquez de Olibda por ter o mesmo
agente de effeetnar um outro leilio de vinhos
em eontinuacao. oo mesmo arauera.
ente Pestaa
Letto deftnilive
Da melade do sobrado sito a Iravessa de 8.
Pedro n. 4, servindo de basea offerta de.
1:935*000.
Sal'Oido 2 de Margo
A's 11 horas
No armazem ra do Imperador n. 49
O agente IVstsru autorisado por mandado do
Exui. Sr. Dr. juiz de orpboa e a requerimento
do tulor da interdicta Ponciana de Almeida Ta-
vares, vender a quem mai- der a metade do
sobrado cima mencionado.
Agente Silveira
Leilo
Sabbado. d AS U 1 I HQJ
Na casa run das Larangeiras n. 2.
0 agente Silveira por mandado e com assis-
Eencia doExm. Sr. Dr. j\i'r di direito de ausentes
levar m leilo .. rqzet-de 'iietal ambrello, 30
annei. 1 alinet de uro., t paitic-nezde ouro,
ditos de plaquet,
1 bolea. 1 medalhSo 1 aboluadur.i de plaquet 1
par de ferros. 1 maco d limes triangularas "l
naval'r.
/dita para cd.
De movis, loucas, vidros e trena
zinha.
Qiilnta-feira, 7 do corrente
A' 10 1/2 horas
Na casa site-tw pateodnfeira iJbtwtao.
constando de :
Urna molilia de june com muito pouco uso,
"ContCndo 12 Cadciras de guarnico, 2 ditas de
braco, 3 ditas com balance, 1 sof e 2 conso-
los com pedra, 6 jarros finos, 2 candieiros. 1 ta-
pete para sof, escarradeiras; espriguieadeiras,
mesa para escrever, excellenle cama de Jacaran-
da, guarda vestido, toilet, banca de cabeceira de
cama, cpula, cabides, lavatorio com espelho.
secretaria de Jacaranda, estantes porta papis,
lanternas, tinteiros, commoda de Jacaranda, la-
vatorio, bacas e jarros, 1 guarnico fina para la-
vatorio, 1 grande aparador com rame, guarda-
elstica, aparadores, cadeiras de
guarnico, sof, loucas e por-
celanas para almoco e iantar, conos, clices,
garrafas, compoteiras, talheres, colneres, mesa
de cozinha, jarras, bacios e trem de cozinha. e
muitos outros objectos que estarao patentes no
acto do leilo.
O ageote Gtismao, autorisado, far leilo dos
objectos cima mencionados, existentes na casa
em que residi o fallecido Dr Ladislao Pe ra
da Silva.
No trem de 9 horas da manh Os concurr ..es
ao leilo tero passagens gratis.
AVISOS DIVERSOS
Aluga se o pajuncio twrwi do solirado n.
46 ra da Kodax estando o mesmo caiado, pin-
tado e todo ladrithado de novo, conlendo 1 sala,
2 quartos e ci^sinha : a tratar na ra do Cabug
n. 16, loja.
- Aluga -casas ;t 85000 no bsec dos Cok-
Ihos, junta de S-,. Goncallo; a tratar na ra da
ImperatriZ n. -"()
Aluge'se o -abluido da travs* do Liviu-
mento n. 10, o 2 andar da ra do Padre PJo-
rialo n. 69 #a casa da travessa do ocinho n.
58 : as chaves na Pracinba n. 7, e tratase na nu
do Rrum n. 62, 2 andar.
Alufa-se o 2- andar com agua, a ruade
Padre Muniz n. 13; as casas terreas ruado
r-anta Thereza e becco do Caj as. 58 e 24 ; a
tratar na ra das Triuclieiras n. 18.
Aluga se na Iravessa das Barreiras uin ex-
cellente terreno pla.itado e murado, ir. staudo-
se para carroceiro? : a tratar na ra do'Impera-
dorn. 50 1 andar.
recial se d" Dra ama para todo si-nf'o
domestico ero casa d- estrangeiro, pagase bem :
a tratar na ra da Florentina a. 10.
Precisa-se de urna ama para comprar e
sinliar para casa de pouca familia ; na ru' da
Penba n. 21, segundo andar.
Prcr.sa-9e de urna ama para cosinhar ; a
tratar oo largo do Corpo Santo n Ifi irm

familia, ana do Pires p 30.
Quem precisar de amo sen: leira
para ensinar em casas particulares a n>e;i:
meniuos. primeiras letras, l'ortuguez. Francez.
Italiano e flores de varias qualidade dirija-se a
caea da ra Mrquez do Herval n. 23. que se
dir quem j nu mesma casa vende-s^Jbi:.
pea ae crorons em cacos para sala, e fazem-se
ramos de flores pan endites de sala natura
artifiriaes.
Amorim Irmaos &l G. pre-
vinem ao corpo commercial
t. a todos que interessar
possa, que o Sr. Antonio Au-
gusto Joezeira de Menezes
deixou de ser seu empre-
ado.
Precisa-se
de urna ama para servico domestico e para com-
prar : na ra Vidal de Negreiros n. 105.
8e sol es porque queres
USA E COSVENCEE-TE-HA8
CURA RADICAL
e
SEM DIETA
DA8
Molestias de pelle
SYPHILITIC.AS.
Darthros, sarnas, ulceras antigs, im--
pingens, bobas, gommas, cancros, rheuma-
tismo e morpha.
Com os prodigiosos
XAROPE E UNGENTO
DE
drocotile Calasans
Applicac2o fcilUso sem perigoEf
fetos. promptos, dieta razoavel.
Contra Tactos ofto ha arpmentos
Estn remedios sSo os mais commodos
do mundo. Envia-se gi-atuitamente, pelo
correio, direc58es para uso d'estes medi-
camentos admiraveis.
Pre^o do ungento 1#200 o frasco.
Pre5o do xarope 3j5MXX) a garrafa.
Preparados por Calazans & C. Phar-
roacia Imperial, Bahia.
Deposito ato Reeife
Francisco Mauoel da Silva & ^C.
Ra Mrquez de Olinda n. 28

Aos amadores do carnaval
A bem condecida loja de miudezas- BAZAR
DO RECD7E,a ra Mrquez de Olinda n. 11
(antiga da Cadeia) reaebeu grande sortimento de
mascaras caricatas para tiomens, senhoras e
criancas, e grandes coileccaa para-clubs e so-
ciedades carnaTalescas. vende-se por precos sem
competencia, qner pequeas ou grandes porces.
Vale a pena visitar a loja de-miudezasBAZAR
DO BECrFE para ver o melhor sortimeoto d
mascaras que tem vindo ao mercado. Tambem re-
cebeu grande sortimento de bisnagas de cheiro
e outros artigos proprios para o carnaval, tudo
a precosmoHCOS h oja de miudezas
Bazar do Reeife
A' ra Marquen de Olinda n. 11
De Domingos M. Martin
(tf> <> i*v* **~i vwat^
aT 0 melhor enWrloio
m **
I Wkto
ic pregada com a
Sedontallna
mu ww, >iK3txits aun soca
Professora
Na ra Baro do Triumpho n. 68, se dar in-
tormacoes de quem precisa de urna professora
para ensinar anco meninas, portnguez, geogra-
phia, historia e trabalhos de agulha.
AOS Srs. ntOPRIETAKIOa de CAVAllOS
UfGUENTO STEVENS
O unieo Kiinsiftnlnilo a cautertsacSo dos cavallos
pclofo^o. tal :.:.-,ravlliso pre arado e o nico
rem.'rtlo verjadelramonte erncaz para curar todas
e quac-u,'r AllKt5. s a pli 4o cavaUi, EnlermadM li
jaraaBla e Dlilotjf de toda a Mtir'a. 40 anno* de
ptimo e jontlnuo xito e toda as oor-
ri'iB, hars >, e nos priaclpaes estabelecl-
mentos de cavalles em Inglaterra e Europa.
Nuuoa delxa nodoa ;i lB-uii:a. E' mister eiperl-
mt-nta lo para flear ccnveiicldo do seu valor.
Vende-ie >m coito*ou' ot comfcUnlet indlcacoes
porxi o > W'rrio. MsiMSiiiil itepiNil por B. R. STEtSKS. u. dici>-TMnaaaa,
i. I'.rk Lnt. I.onir.. (Ingluam)
seuitirm feminbje: : aaar U-' da S.YA 4 V
Cosinheira
Precisa-se de ama, que saina cosirtiar e nao
sata ra, para casa de familia : a tratar na ra
do Cabug n. 14. de meio dia at^ 2 horas^___
Ama
' Precisa-;,' de urna engoramadeira. d-se bom
salario ; a tratar na ra Mrquez do Herval, an-
tiga Concordia, n. 63.
Amas
Prcisa-se de urna ama para cosinhar e de
outra para engommar ; na ra Conde da Boa-
Vista n. 24-J.
Hy

Santa Casa da Misericordia
do Reeife
f

*
Dr. Pedro AOTonao de Helio
A junta administrativa desta santa casa far
celebrar na igroja da Senaora do Paraizo, pela?
8 horas da manh do dia 7 de Marco, a mise do
30." dia com rquiem cantada pelas expostas,
pelo descanso eterno d'alma do seu companbeirc
de trabadlo, Dr. Pedro Affonso de Mello, e pede
a assistencia de todos os membros da irmaada-
de, dos parentes e amigos do finado a tao pie
doso acto.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Reeife, 27 de Fevereiro de 1889.0 escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
i
Julia uamicrii'v da Mtlva Coi*
maraes
Joaquim Jos da Silva Guimares Jnior e sem
(Unos, Joaquim Jos da Silva Guimares, Mi:an
dolina Amalia da Silva Guimares, Auna de
Queiroz de Albuquerqua, Lydio Marianno de Al-
buquerque e Anna Virginia de Albuquerque (os
tres ltimos ausentes), agradecem s pessoas
que conduziram os restos mortaes de sua preza-
lia w anderley da Silva Guimares, sua ultima
morada, e de novo a? convrdam para assistirem
as missas do stimo dia, que por seu eterno re-
pouso, mandam celebrar no sabbado 2 de Marco.
as 8 horas da manba, na matriz de Santo Auto
nio. Antecipando-se. agradecem a todas as pes-
soas qae assistirem a es se aeto do raJigio e c-
ndale.
Inr
i
m
U\1
Padre Mu noel luna* io Kezerra do
Amnrnl
Jos Cornelio Leito Rangel convida aos seus
amigos e parentes para assistirem a urna missa
que manda rezar no dia 4 de Marco, trigsimo
do passamento de seu prezado amigo e p. padre
Manoel Ignacio B. do Amaral, a qual tora lugar
na matriz de N. S. da Glora do Goit, pelas 8
horas da man ha daquelle dia, e desdo ja agra-
dece cordialmente todos qantos assistirem a
eese acto de religia_____________________
t
Candida to mes de Olieira
Batata
Domingos Teixeira Basto, seus filaos, genros
nti as e netos, agradecem. proBndamente a todos
que acompanharam os restos mortaes de sus.
mui prezada e idolatrada esposa, m3i, sogra e
av, sua ultima morada, e aos seus parentes e amigos para assistirem as
missas que se bao de celebrar na capel la do ce
miterio publico, s 8 horas da manh do dia 4
de Marco, stimo do seu fallecimento; confes-
sando-se eternamente agradecidos por este acte
de religio e caridade. _______________^
t
franca seo
Caixeiro
Precisa se de um caixeiro d 12 a 14 annos de
idade, com pral oi de moluados, daudo conhe-
cimento d- sua conducta : a tratar na ra da
Detengo n.3ff.
Professora
Urna seuhora ingleza offerece-se para ensinar
em casas particulares as seguintes materias :
inglez (pratica e theoricaiflpnte), francez e pia-
no. Cartas fechadas no esonptorio desta folha,
com as iniciaes P I.
AVISO"
Hoje s 11 horas da manh, vemler o agente
Pin lo em leilo ukn curro americano, tendo a?1
sent para seis p( ssoas, o que se realisa: em o
armazem do refer do agente, ra Mrquez de
Olinda por occas o de se effeetuar um outro
leilo annunciado p?lo mesmo agente. -______
ra **-
Precisa-se de una cosinheira para casa de
pouca familia : na ra do Livramento n. i'. ter-
ceiro andar.
Prole
essora
Urna senhora competentemeate h&Mlitada.
I r.M)0e-se a leccioaar em eollegios e casas par
ticulares as seguintes mtenos : portucuez.
;io-v: a i-
ond'.
Antonio de Albuquer-
que Helio
Neomisia Lucia de Albuquerque Mello, seus
filbos e enteado convidam aes seus parentes c
amigos para assistirem as missas que por alma
do seu sempre lembrado esposo e pai, mandam
celebrar na igreja da Soledade, s 8 hora* da
manh do dia 4 de Marco, primeiro anuiversarie
de seu passamento; pelo que se confessam agra-
decidos. __________ ......
t
Franelsro de Paulat Ferreira da
IniuiKiHcn
Primeiro annivrsario
Lucia Maria Carneiro da Annunciago convida
aos amigos e parentes do seu fallecido marido.
Francisco de Paula Ferreira da AnmjDciacio.
para assistirem a algurnas missas que manda
celebrar s 8 horas da manh de segunda
ra 4 do corrate, na matriz de Sanjo-Antr
desta eidade. AosVque comparcerein, reconhe*
'imento. ______\ "P
l
D. Maria Francisca
Baptista da Rocha il
vidam seus parentes e
urna aiissa que manda
Gainelleira, "pelas 8 hoi
redre. por alma de saa
incisca Paes Bar
aes Barrete tas,
Lins e sua familia
igos pa:
celebrar bu
da manlu
frezada a
lo Li
'

' I
*
'

i,
1



I*

I

1

I




/

Diario de PernambucoSaltado 2 de Mareo de 188
PHOSPHATINA
0 melhor Alias&Eto
Para aa CRIANCA8
ABie, o. _a--v^*j tr wctoiiba, e. pas
Dcputoc em um a > rutina TUrwuiu.
IMPORTANTE
REDUCCO DE PRECOS
21-KU V 1)0 CRESPO-21
OLIVMRA CAMPOS & 0. tendo de receber bre-
vemente um sortimento de artigosnovos de alta novidade, resolvern!
fazer urna Tande reducc nos presos dos artigos abaixo menciona-
Cosinheira
Precisa se de urna ama que coeinhe bem ; no
tcrceiro andar do predio n. 42 da ra Duque de
Caxias, por cima da typograpbia do Diario.
Typttgaphii e thograpbia
FABRICA DE LIVROS DE E8CRIPTU-
RACaO
Premiada as exposlces de
188 e 18*
Manoel J. de Miranda
EncadernacSo e especialidades em cartoes de
visitas.
39Ra Duque de Caxias39
Telephonen. 194.
'licenciado pela Inspectora Oeral
de Hygloe do Imperto do Br&iil,
dos, para os quaes chamain a attengo das suas Exmas. freguezas.
Linhos para vestido padrees moderaos S 160 rs. o covado.
Cretones francezee, cores claras, a 260 rs. o dito.
Merinos de cores, duas larguras, a 500 rs. o dito.
Dito de cores, Uvrados, de 2*5000 a 1,5000 o dito.
Las de cores, desenhos de cachemira, de 900 a 600 rs. o dito.
Merm de quadros de 320 rs. o dito.
Fus.tilo branco de 400 e 500 rs. o dito.
Mursolina branca para cosacos & 500 rs. o dito
Zephir de cor, listas e quadros a 500 rs. o dito.
Ditos arrendados, lindos gostos, a 600 rs. o dito.
Ditos de listas arrendados, alta novidade, a 800 rs. o dito.
Etamines arrendados, de cresj de 800 500 re. o dito.
Flor de Italia em quadrinhos, a 500 rs. de 900 rs.
Mursolinas de cor, de listas, a 400 rs. o dito.
Cortes de cambraia bordados transparente e tapado, de 15#000
e 200000 por 9*000 e 12*000 cada um.
Ljio, padroes em quadros, a 440 rs. o covado.
Nanzuks padrSes mimosos, de 280 rs. o dito.
Percales miudinha se pannos finos, a 200 rs. o dito.
Merino preto fino, de 2000 a 1*000 o corado.
Setim Maco de todas cores, a 900 rs. o dito.
Brira fino pardo para vestido, a 400 r. o covado.
Cambraia Victoria transparente, fina, a 3*000 a peca.
3*000 urna,
de 4*000, 5*00,
G*000
Mantas iespanholas, de seda preta
Espartilhos, o que ha de melhor,
7*000 um.
Fichs de cor arrendados, de 1*000 um.
Oapinhas hespanholas. de cor a 2*000 urna.
Fichs de seda, muito lindos, a 3*000 um.
Sargelim diagonal, todas as cores, a 240 rs. o covado.
Casacos de cambraia branca bordados, a 3*000 e 4000 um.
Luvas.de seda, todos os tamanhos, de 2*000 a 3*000 o par.
Lences de linho do Porto, a 4*000 um.
Ditos grandes para cama franeexa, a 6*000 um.
Colchas de cor, de 2*000 a 5*000 urna.
Fichs, sortimento completo, de 2*000 a 6*000 um.
llneos de linho com barrinha a 2*000 urna duzia.
Camisas francezas, de 24*000 e 36*000 a duzia.
Meias cras para homen, de 4*000, 5*000 e 6*000 a duzia.
Ditas brancas cras e de cores para senhoras.
Ditas brancas cras e de cores para enancas.
Chambres de cretone, de 5*000 e 6*000 um.
Cortes de casemira de cor, de 6*000 a 8*000 um.
Cortes de fusilo para collete, de'1*000, 1*500 e 2*000 um.
Camisas inglesas de franella, la pura, a 5*000 urna.
Alm de outros artigos que deixamos de mencionar.
W2I-Roa do Crespo-21
Marope^ed
lteoo'-'NA. Tfii)
O Xwie Fe** Ayregi>M contra t*
Uritfaei 'c 'P"'to. Tnm des Tilicos, Tosst
eonpnlw Coqiifli^'M.'Hrnnchitgi, ComtiUlfdts,
Catttrrbos e lmommas vrsistentes.
MM,U,iwDnHt, iubhui
x'ara folia do Carnaval
A padaria a vapor do Ponina!, expoz a venda
pos de arroz a 100 ris o pacote, nos lugares :
fabrica Martina, ra da Iraperatriz n. I, Tesoura
Muda, Livramento n. 31, merciaria Lusitana,
Geivarsio Pires n. 54, fabrica Flora, iabug n.
7 A, loja Rival, Duque de Caxias n. 80, padaria
Conde d'Eu n. 14, padaria Princeza Izabel n...
merciaria Zeferino Valentc & C, caes 22 de No-
vembro : assim como especialidade para Glhs,
ou papas e bolos finos.
Diarios ejornaes
Comprase para embrulho : na ra da Aurora
n. 86, mercearia Arthur G. MacSes.
Aula de paisagem
Acna-se aberta a matricula para a aula de
paisagem, no Lyco de Artes e OfBcios, a qual
umct-ionar nos demingos, ao meio dia. sob a
direccao do Sr. J. J. Telles Jnior
PEREIHA ft MAGALHAES
Recebedores directos dos mercados da Europa
liquidan! os se^uintes artigos coia descont de 14 [o as
vendas em grosso
Bramantes de algodao superiores, a 800 rs. o metro, 4 largura.
dem de puro linho fazenda de 2*200 para acabar a 1*500, metro.
Atoalhado alvo, dnas larguras, a 700 .rs:, 1*100 e 1*200 o dito.
Algodao alvo, nacional, para lenc,e a 5*500 a peca.
Madapolao americano, a 3*600, 4*000 e 6*000, com 24 jardas.
M.'ripozas de core a 220 rs. o covado.
Chitas claras e escuras, cores firme?, a 200 rs. o dito.
Batistas idoina 120 re. o dito.
Zefiros de quadrinhos, a 80, 160 e 200 rs. o dito.
Merinos lises de urna largura a 200 rs. o dito,
dem de qtfc s modernos a 280 e 300 rs. o dito.
Fichs de remi-i chics a 1*000.
Colchas francezas de cores a 2*000 e 4*000, iua.
Lences de bramante a 1*800, para cama de casal.
Casimiras de cores para roupa de enanca a 1*000 e 1*800, d agonal, duas
larguras.
Camisas inglezas e francezas a 26*000 e 30*000 a duzia.
Tapetes nvelndados, grandes, a 14*000 um.
Cortinados ricamente bordados a 5*500 e 66000-
Pannos de cores para mesa a 1*100 e 1*300 o covado.
Cheviot preto c azul, a 3*000 o dito.
Brins pardos e de cores a 280 rs. o dito.
Veludilhos de cores pretos a 900 rs/ o dito.
hmmm maMmem pam v*i Setins de todas as cores a 900 rs. o dite.
Setinetas lavradas 200 o 240 rs. o dito".
Alpacas modernas, lavradas, a 240 rs. o dito.
Meias cruas inglezas para homem a 2*500 e 3*000 a duzia.
Ceroulae bordadas, de bramante, a 12*000 e 16*000 a dm-
Cortes de casen ras para cal9a a 4*000 e 6*000.
dem de meia cssemira & 2*000.
Toalhas grandes para rosto a 4*000 a duzia.
dem felpudas para banho a 12*000 a dita.
E muitos artigos que serao lembrados com a presenca de nossos leitores.
59Ra Duque de Caxias-59
LOJA DE
W*m& & HAfiALHAES
AO N. 20
(JUNTO AO LOUVRE
Qazes de cores a 500 rs."o, covado.
Fustao branco a 360 e rs. o covado.
Brins de cores a 280 rs. o covado.
Baleias pretas a 260 a re. a duzia.
Colchas de cores a 2* e 3*000 urna.
Cumbraias bordadas a 4*000 a peca.
Luvas de seda a 2* e 2o500 o par.
Lencos brancos a 1*200 e 1*800 a duzia.
Cretones de Alsace a 360 rs. o covado.
Atoalhado bordado a 1*200 o metro.
Brim pardo a 280 rs. o covado.
Linhos de quadros a 280 rs. o covado.
Bramante trancado a 800 rs. o metro.
Espartilhos eouraca a 5*000 um.
Chales adamascados a 2*500 um.
Cortinados bordados a 6*000 o par.
Merino do.cores, a 500 re. o covado.
Ceroulas A bramante a 12* a duzia.
Madapolao americano a 6000 a peca.
Chachemiras lisas e listra de combinac8es
a 1*200 o covado.
Cambraia Victoria a 2*900 a peca.
Bramante de linho a 1*700 o metro.
Toalhas para banho a 1*500 una.
Tapetes grandes a 13*000 um.
Ceroulas de linho a 34*000 a duzia.
j Cretones francezes a 400 rs. o covado.
Loques transparentes a 2*0 um.
Alpacas de quadro a 600 rs. o covado.
Camisas brancas para meninos.
Sahidas de baile a 1*000 urna.
Cretones de cores a 240 re. o covado.
Percales fi aa a 200 rs. o covado
Nansok cores fixas a 240 o dito.
Las escossezas a 260 rs. o dito.
Alpacas indianas a 320 rs. o covado.
\i ra Primeiro de Maree n. 20
CASA DE C*FI.1*CA
Popelina branca a 800 e 1*000 o covado.
Bicos matisados a 2*500 e 3*000 a peca.
Panno da costa adamascado.
Regatas de cores a 1*000 urna.
Sargelim de cores a 200 r>. o covado.
Crenolina, preta e branca, a 400 rs.
Chambres, de crep a 5*(00, e 6*000 um.
Cachemiras de quadros a 260 rs. o covado.
Guarnicao de crochet coi a matizes.
Grinaldas para noivas.
Setim de cores a 800 K. o covado.
Cachemiras de duas larguras a 800 re.
Cortes de linn em cartao a 10* e 12*000.
Camisas allemaes a 36*000 a duzia.
Cachemira de* duas larguras a 800 rs. o
covado. i\
Linn de c^sl a 500 re. o dito.
Linhos de quadros a 0 rs. o dito
Bramante trancadas a 1*000 o metro.
Meias para hornea* a 3*600 a duzia.
Guarnicao de croch'., brancas.
Extracto Port-Veine a 1*400
Alpacas mescladas a 600 rs. o covado.
Entretella para camisas a 800 re.
PARA 0 CARNAVAL
Guarda-p para homens a 6*000.
Guarda p para senhoras a 10*000.
Palctots de seda palha a 8*000.
Ditos de alpaca preta a 5*000.
Ditos de brim pardo a 5*000.
Esguio pardo a 400 re. o covado.
Gangas lisas a 340 rs. o covado.
Setineta dourada a 400 'rs. o covado.
T ir latan a prateada a rs. o covado.
Velbotina de cores a 800 rs. o dito.
AMAR AL
DIGESTOES
DIFFICEIS
Dyspopsia
Para
\de Appetie
DOEHCASdoESTOMAGO
ELIXIR GREZ
GASTRALGIA
ANEMIA
Vmitos
Darrha
ehronicc
>m OVINA, PEPSINA
TNICO DIGESTIVO com .
| adoptado bu TODOS os hospitaes Marta de Oaro Diploma* da Bonrm
I PARS CRE, 34. m l^'Bruifr. MI todM M
0 fiBIUi.
c
%
aer
l'ATERSON &
N. 44Ra do BrumN. 44
JUNTO A ESTADIO DOS BONDS
Tem para vender, por precos mdicos, as seguintes ferragens :
Tachas fundidas, batidas e caldesdas.^
Crivacos de diversos tamanhos.
Bodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para jardim.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos.
Portas de fornalha.
Vapores de forca de 3, 5, e*6 cavallos.
Moendas de lO a 40 pollegadas de panadura.
d'agua, systema Leandro.
egam-se de concertos, e assentaraento ^de machinismo e executam qual
o com perfeicao e presteza. *
Grageas Demaz.re ^
cascara sagrada
VtrdmOtiro tUamllo
Vinho Xarope de Dusart
A0 LACT0-PH0SPHAT0 DE CAL '
Approvados pala Junta d'Hygiene do Rio'-de-Janeiro.
O Lado-Phosphai de cal, que entra na composicAo do VINHO o X ARO PE
de DUSART, o medicamento mais poderoso que se conhece boje para restaurar
as torgas de cortos doentes.
Consolida e endireita os ossos das creangas Rachitica, torna activos e vigorosos
os Adolescentes molles e lympbaticos e os que se achSo fatigados em consequencia
de rpido crescimento. Facilita a cicatrisac&o das cavernas dcpulmfio nos Tsicos.
Sendo administrado as mulberes durante a gravidez ellas atravessao todo o periodo
da gestacao sem a menor fadiga, sem nauseas, sem vmitos, e dao a luz a creangas
fortes e vigorosas.
O Lacto-Phnsphato de cal administrado s anta e s m.'n's que criao os fllhos,
torna o leite mais rico, mais nutritivo, e preserva as creangas da diarrha e de outras
molestias, que se declaro durante o crescimento. A dentice opra-se sem fatigar a
creanga, sem que apparego cof vulsOes.
O VINHO e o XAROPE de Laeto-Phosphato de cal de DUSART despertao o
appetite e levantao as torcas dos convalescentes e devem ser emprepados em todos
os casos em que o corpo humarto se achar fatigado ou exhanrio de forcas.
Deposito em Pariz, 8, ra Vivienne
A V1ROADIRA
AGUA de B0T0T
' o nico Dentifriclo approvado
pela ACADEMIA de MEDICINA DS PARS
0 melhor colmante contra aa Dorea de Dentea
BOTOT eorn
RMommmdado especialmente com os r
para os cuidados da oooca.
aJ9, Bo St-HoBor, Pmria, em Mu u im Onfinai, PotsuriH MlBsJiSSi
.ROS d
la bocea.
f Sku oasa .3 i o Cabo!
da Franca e do Extrangsirc
jk^provAdsta pola saapaotoM dm
lODURHO FERRO CASCiSA
O nisvls metro dos Warrugiiwom
Iftu prodoModo Primio d VM)i
Oalj u a Pifio d Veottm liisdtnst
Sita geral: PHARIACIA 6. JtEMAZIRE, 71, avenue de Villier:
tmrtrmrbm-ttttkffl. ds 8ILV4 A C". ------------------


gsig'i;'

0 Remedio do Jh\ Kjqi
CO.NTK.I SKZES.
K' um touico forte puramente vc^e'-.i, o,
x-lo coiriiccimanto practico des seus tlfi-i-
tos, Garantido-como remedio corto para
TdS miBJnswi E^uis dcsonleDs de-
"rigem uur.i vciti:o mfasmtitlca
uetraowngtispctos nuiiH6>s,ifera
i ftgado e motiva ls difllroMss classes de
- eonhecidaa por Terciaras e
Quatrenariast Internas, de Fri,
Tali^naa, Intarmrtentes, emit-
touteii, Biliosas, e TyphoidQ.
O lrjono no Dn. Ayer noutrallsa o
-neno miasmtico e expele-o do systciD-i.
".. contem quiRina nejn ingrediente ai-
'iin niiiiiTa!: sc-.'!ro c inoffensivo, e
-uQca Ctllia se se usa segando as direccoe-c
PRKTARADO PELO
DI?. J. C. AYER e CA..
Lowell, Mass., E. A.
A' venda as principaes pbarniscias
drogaras.
Aluga-se
a capa da raa Coronel Suassuna n. 180; a tratar
na ra Marcilio Dias n. 106.
Aluga-se
o armazem e 1 andar do predio n. 42 ra de
S. Bom Jess (Recite/ ; a tratar eom Luiz de
Moraes Gomes Ferreira.
Alug'a-se
a casa n. 3 da ra de Paysand, tem agua e gaz,
e multas acommodaedes para familia : a enten-
der-se a ra do Corredor do Bispo n. 6.
Aluga-se
a loja e 3 andar do sobrado ra da lu pera-
triz n. 20, ambos em perfeito estado de rftnpezr
e com grandes comraodos para familia ; a tratar
com Capitulino de Gusma, ra do Bom Jess
n. 11, l anaar.
Aluga-se
o 1 andar do sobrado n. 43 a ra estreita do
Rosario, com muitos commodos, fresco, e est
pintado de novo; a loja do mesmo sobrado, pro-
pria para qualquer negocio, muito grande,
fresca e esta limpa ; a casa n. 28 da ra de S.
Joo, com bastantes commodos e est limpa,
tem bom quintal com cacimba : a tratar na ra
Duque de Caxias n. 89, toja.____________^^
Aluga-se barato
a casa n. 47 travessa do Bartliolomeo. os i e
2- andares do sobrado ao caes Jo Apollo n. 75,
eosl,l-e3 andares do da ra do Brum n.84.
todos com bastantes accommodaces para fami-
lia : a tratar na ra larga do Rosario n. 34.
AMA
Precisa-se de urna boa en-
gommadeira que faa outros
servicios, a tractar 110 Stan-
dar, por cima da typographia
do Diario na na Duque
de Caxias n. 42.
Ama
Precisa-ae de urna perfeita cosinheira, para as-
sistencia interna : tratar na ra do Mrquez de
Olinda n. 34.
Ama
Precisa-se de urna ama para todo servico de
casa de familia ; a tratar na na da Santa Cruz
n. 3. padaria.
Ama
Pre durma em casa do pairan, que atteste a sua con-
ducta : na ra da Conceicio n. 4, andar.
Ama
Precisa-se de
casa di familia ;
loja.
urna ama para cosinhar, para
na ra Duque de Caxias n. 34,
Ama
Precisa-se de urna anu para osioiiar. uo lar-
go da Santa Cruz n. 14;__________________
Ama
Para casa de familia, precisa-se de urna ana :
na ra do Cabug n. 2-0^_______________
Pharmacia Bartho-
lomeo
Precisa-se de um pratico
larga do Rosario r.. 34
a tratar na ra
um
REMEDIO
BFALUYEI
em todoocazoe'
RHEMATSMO
rezas o Saugae, Erup^ss, Ese
talas, ulceras, Slpfcills
e eda aCeccSo de ncLv^-eza
eri"pti-rr, cu ven orea
SALSPABBlLfl
DE BEKTOL
0 Refflt dejmll por exceencial
'" A VIS O
Previne-se a quem quer que seja que nSo fa-
ca negocio algum com as casas que possue
Marciano Carneiro da Cunha, na estrada nova a
Caxang, por quanto se acham hypothecadas aa
abaixo assignado.
______________Manoel Joaquim Gongalves. 1
Assucar
Usina Pinto
Santa Filonila
Colonia Isabel
Na reinaco Salgueiral, ra Mareilio Dias
numero 22.
Assucar refinado
especial, o melhor que se fabrica nesta eidade.
JOAQUTM SALGUEIRAL & C.
Ra Marcilio Dias n. 22
Telepbone numero 445
.^-^^^^^___- .Mta
. Escolas Primarias
Nova Selecta Classica
Pelo Dr. Regueira Costa, a 4a edigo melhora-
da d'este", importante livro; acaba de chegar
para a
l.ivrarhi Franeeza
9Ra l. de Mar^o9
Cautellas do Monte de Soceorro
Compra-se cautellas do Monte de Soccorro de
qualquer joia, brilhantes e relogios; paga-se
bem na Praya da Independencia n. 22, loja de
relojoeiro.___________________
Professora
Urna senhora competentemente habilitada, com
pratica de 11 annos de profissao, apresentando
diversos attestados de bom methodo e comporta-
ment, offerece-se para leccienar em casas par-
ticulares, na eidade ou em seos arrabaldes as se-
guintes materias : Portuguez, Francez, Italiano
Geographia, Piano, trabalhos de agulha, etc.; a
tratar a roa Visconde de Goyanna n. 69 ou em
casa do-Regulador da Mannharoa larga do
Rosario n. 9.________
Professora de piano
Urna seuhora habilitada, nao s pelo seu es-
tado, como tambem pela pratica, offerece-se a
ensinar piano por precos mdicos, quer em ca-
sas particulares quer em collegios, podendo sef
procurada para o exercicio de sua profissao na
ra do Jasmim n. 39.
.......
.jt
- .... >j-.


a
Caixeiro
r
Precisa-se de um caixeiro ; na roa de Luiz do
Reg n. 47, em Santo Amaro das Salinas.


Ao
commercio
0 abaixo assignado", tendo de retirar-sc para
a Europa no vapor de 5 de Margo do correte
anno, faz sciente a quem interessar possa que
deixa como seus bastantes procuradores o~ Srs.
Luiz Joao Affonso, Manoel da Costa Ramos e
tonio Alves Tacheco, tal como se acham na ord(
aqui estabelecida. ^ '
Recife, 28 de Fevereiro de 1889.
Lino Fernandez de Azevtdo.
I

Curades pelos C3GARROS ESPIG
Oppremaie* Toase nejtuacoa Neuralgias
UCI1ICIADOS PELA 1SPECTOEIA D HTOIEME DO IHSBRIO 0 3RAZIL
Aspira-se a fumaca que penetra no pello, acalma o systema nervoso,
facilita a expecloraco e favorisa as funcefles dos orgos respiratorios
Venda .m Mneado, i. E9NC, 20, rva 8t-Laxara, em Partfc *2^?*"natura'
*Pvatmtmo: FRAMC H. da SILVA k Gt, i Bhojm i>m~ i'.Mi---
** Elixir, Pe Pasta dentifrioios ^fe*
DOS ^^
RR. PP, BENEDICTINOS
da ABBADIA de SOXJLA.C (Gixonde)
DOM MAGUELOMNE, Prior
9 Vedn/h** Se Otrro : awtte* 1880 Londres 1884
AVADAS RECOMPENSAS
O nn ou/.'^-" do Elixir uentifricio
dos RR iddictincs, coin duse le
alpunae revem o cura a cane
;10, ,i s. fortalecendo e tor-
..... aadiaa.
c Prerti ro servi&o.assipna-J
aJo ao o uty1-
siSioprepaiacj. o melhor curativo e o nico
preservativo AleccSes don-
tarias.
ctsiii mutk n ih"
Agente QaraJ ;
ichi-t tm tOfl^HH| ** fumirias, PAariMiu Drettriat-


*>



I
V*.

wmm
Diario de Peniambuco--Sabbado 2 de Marco de 1889
[ tr
ta caldean
ov
es
agua doce
abaixo assignado ouerece aos Srs edificado-
res e engenbeiros a cal preta caldcada com agua
doce, que muito prererivel caldeada com
agua salgada, como est verificado; podendo
gualquor pretendente .manda.- examinar era seu
orao, ao eutrar no rio de Nova Cruz, onde fez
agora 1119a cacimba com 40 palmos de profnn-
d'.dadc, a qual conserva agua muito boa para
e com a mesma caloei o seu forao de
fabricar cal preta.
Nova Cruz. 25 deFevereiro de 1889.
" Francisco Cockles Teixeira d'Araujo e Silva.
Havendo grande influen-
ciadnos festejos do carnaval
pelos rauitos clubs e estes se-
ren muiros merecedores de
toda attencjio, devem to-
dos prevenir-se para as pas-
seiatas a noite, dos magnfi-
cos archotes elctri-
cos--, para que se tornem
muito vistos.
Vende-se na
Ra do Barao Victoria 11. 61
LOJA DO SOZA
Pao centeio
Mil le & Biset, avisam ao respeitavel publico.
que todas as tercas e extas-feiras, tem este sa-
fcoroso pfio ; ra larga do Rosario n. 40.
Cosinneira
Precisa se de urna boa cosialieira ; ns ra da
Aurora n. 119. .
Loureiro & C.
continuam a receber o seguintes vinhos, em de-
cimos e quintos, e que retalham :
Genuino de Collar* s.
Superior de C.ueleiro, ura dos vinhos de maior
no em Lisboa,
da Rgoa e alto Douro, sendo este man
i por um particular amigo.
Tambera retalham Verde e Figueira. duali-
dades garantidas por Loureiro 4 C, ra de Bem-
ica n. 7, Passagem.
Prefessor americano
Dcvido mudanca de residencia
MR. GEORGE B. N1ND
rjde ser procurado nos dias uteis.- na ra da
Conquista n. SO.
RELOJOARIA
Reeeberant das de Pars
AZEVEIW IRMaO & .
16 "Ra do B. da Victoria 16
[Antiga Nova)
Lindas capas de surah, cachemira, me-
rino e renda o que ha de mais novo. Renda
comprimento de sai a 1)5000 e 10500.
Sargelim fino todaa as c8res a 200 o co-
rado.
Baleias com forro a 240 a duzia.
dem com forro a 400 a duzia.
Bramante de linho com 10 palmos
16500.
to de algod&o com 4 larguras a 800.
Cortinados bordados a 50000 e 60000.
Ditos de crochet finos a 80000 e 100000
Estracto Rita Sangal a 2*000.
Fichus de 12 e seda 1*000, 10500.
Capellas com veo bordado a 60000 e
70000.
Madapolao globo a 70000.
Dito camiseiro a 70000.
Tape tea grandes para sof a 130000.'
Espartilhos couraca a 40000 e 50000.
Brins de linho coi es fixes a 600.
Panos de crochet para cadeiras a 800.
Ditos de crochet para sof a 20000 e
30000.
Guardanapos de linho a 20500 a duzia.
Merinos de cSres a 400 0 covado.
Zefires largos a 160 e 200.
Setim maco a 800 e 900.
Toalhas para banho a 10000 e 10500.
Madapolao com um metro de largura
a 60500.
Cachemira arrendada e de quadros
10500.
Crochet para cortinados a 700.
Toalhas felpudas a 30000 a duzia.
Camisas finas para homem a 330000.
Colxas de crochet com flores a 50000 e
90000.
Lindas velbutinas de quadros lisos e com
listas proprias para veo.
Nanzuc finos a 240 covado.
Ditas finas a 200, covado.
Cretones finos a 460 o covado.
Caixas proprias para presente.
Palitos de pallia seda cores a 90000.
Pao verde para bilhar.
Leques de pennas.
Ditos transparentes.
Crinoline preta a 300.
Guarnieres pretas e de cores.
Camisas de flanella de core.
Seda crua de quadros a 800.
Crep* inglez.
Meias krancas de seda a 40000.
Cachemiras de quadros a 280.
Fustao branco a360 o covado.
EsguiSo fino a 10500 a vara.
Case mi ras para roupa.
Roupa feita por medida.
TELEPHONE200
O desengao Ir ver
Taverna
Vende-se a taverna da ra de Luiz do Reg n^
47, em Santo Amaro das Salinas : a tratar na
niesma ou no Caminho Novo n. 87.
A antiga e bem acreditada officina de relojoei-
ro, sita ra Primeiro de Marco n 4. acaba de
uto 2rida para a rua I"w-0 Uo** Cofres de ferro de Mil
0 seu proprletario, tendoum completo e muito ;
kom sortimento de avianientos tendentes a sua i
arte e cora urna longa pratica da mesma, offerece-!
se ao publico em geral para eucarregar-se i-
todos colicortos de relogios, caixas de msica.
etc., etc.
Espera continuar a merecer a confianca de
seus freguezes e assegura-lhes que ser seipre
solicito no cumpriraento de suas orqens.
42Rua Larga do Rosario 42
Gustavo VoIIichard
ners
Vendem-se estes excellentes cofres, como tam-
bera de outros bem acreditados fabricantes, va-
ros tamanhos, prova de foco, cotu a maior segu-
ranza dcsejavel. a precos baratissimos. na rua
Mrquez de Olitida n. 54.
Viva o carnaval
39
VENDAS
Vende-se leite de vaccas da trra, puro, a
3t0 rs. a garrafa, garantindo se a boa qulidade
aos freguezes que o comprar nesta casa, ds
ireguezes encontraro o leite das 5 as 7 horas
da ujanhS, e tambem nos encarregamos de man-
ear levar em casa de quaiquer freguez : na rua
do Rangel n. 53.
' 39Rua Duque de Caifas
Primeiro andar
Grande exposicao de um sortimento de roupas
de phantasia e de todas as epochus. proprias
para os baile; do Hippodromo, Internacional,
tartos Gomes e passeios.
PREGOS 8EM COMPETENCIA
Na rua Duque de Caxias
Por cima da ramdfriarao do Mi-
F0LPT1M
SEM MAI
POR
mi: mmmt
&wmxsbul basis
BUHANTE A TKMPESTADE
(Continuadlo do n. 48)
4 CAPITULO X
Inuteln pi'^nn
Quando abri a porta, Pedro estava s,
sentado atrs da grande secretaria de que
Jorge oceupava outr'ora um lado e elle
outro.
O aposento era simples, forrado de pa-
pel verde, como todos os gabinetes de ne-
gocios de Pariz, com algumas cadeiras de
couro; cortinas e duas poltronas iguaes.
No chao nao havia tapete.
as paredes, numerosas amostras de ma-
ieira esculpida, macanetas, floroes, ador-
nos, fabricados na usina.
Sobre o fogao, urna cesta e dous gran-
des candelabros, urna das couaas mais bem
acabadas, mas que havia dado maior tra-
balho ao Sr. de Sauves.
A secretaria achava-se atravancada de
papis, de desenhos, de projectos ; a cor-
respondencia da manha estava intacta a
um canto.
Pedro, em vez de abril-a. achava-se in-
MJ* sobre a secretaria,- cm a cabeca
da as mos, o olhar fixo, a physio-
^ftastorna*, impregnada de um
Hfe que poda ser escolha, ou
Ren-.. preoecupac > on urna dOr
guinda.
^Wvindo o ruido do lado da porta, er-
gueu os olhos.
A' vista de um eslranho levantou-se um
pouco e indieou urna cadeira ao visitante.
Mas o desconhecido, sem obedecer-lhe,
cansiderava o Sr. de Sai tao ex-
randa
quisita insistencia, que este sentic-se in-
commodado com aquelle olhar escrutador
e quasi fixo, pousado obstinadamente na
sua pessoa.
Perdi, disse elle levantando-se de
todo, a quem tenho a honra de fallar ?
O desconhecido respondeu, inclinando-se
ligeiramente :
- Sou o Sr. Marais.
A physionomia de Pedro nao sotfreu a
menor alteraco.
O Sr. Marais, repetio elle. Um en-
carregado de negocios, sem duvida?
E como o desconhecido sorrisse sem res-
ponder, Pedro tomou esse sorriso por urna
affirmativa.
Deseja ver os nossos artefactos, se-
nhor? contiouou ello. Quer ter a bonda-
dc de dizer-me qual o genero que pre-
fere ?
Nao sou encarregado de negocios
senhor, replicou o outro. Sou o Sr. Ma-
rais, ihefe da seguranca, e venho aqui
por causa do desapparecimento do Sr. Cha-
niers.
Sbitamente o Sr. de Sauves ficou mais
branco do que a cera.
Meu De us disse elle muito agi-
tado.
Depois, ao cabo de alguns segundos, re-
cuperando um pouco de sangue fri :
Teria por acaso noticia delle per-
guntou Pedro.
- Nao, respondeu o magistrado, nenhu-
ma absolutamente.
O Sr. de Sauves mostrou-se extrema-
mente admirado.
Noticia alguma? disse elle, entio
por que veio ter aqui ?
Pensava em Joanna Descours.
Dizia comsigo que se tal historia fosse
conhecida pelo chefe da seguranca ou pe-
los seus agentes, seriam commettidas n-
discrijSes, que poderiam chegar aos ou-
vidos de Adelia e destruiriam para sem-
pre a sua felicidade.
Porque elle, Pedro, nao havia perdido
ainda a esperanca de ver Jorge voltar pa-
ra casa.
Era possivel que um dia ou outro a sua
loucura o abandonaase, que os olhos se
Ihe abrissera, que o arrependimento en-
trasse lhe no coraejo e o impeUisse para
junto de sua mulher ede sua filha. humil-
de e amante.
Nesse dia, se nada houvesse transpira-
do, inventar-se-hia um pretexto para a au-
sencia de Chaniers, e Adelia poderia ain-
da ser feliz.
Emquanto que se ella soubese da in-
fidelidade de seu mando, seria, para urna
natureza como a della ,'ra9a irrepa-
A REVOLUCAO DO
A' rua Duqaie de Callas n
Nesta loja denominada A' Revolul
tendo sempre un grande 6 variado depo-
sito de fazeadas, resolven-se vendel-aspor
menos 300i do que em outra quaquer
casa. Como sejam :
Toalhas felpudas e acolehoadas, brancas
e de core, tamanho regular a 120, 200,
500, urna.
Merinos de quadros, lindos padrSes
200, 240 e 280 o covado.
Seda Alcaciana (fazenda de fantasa),
240 o covado.
Cachemiras de quadros com combina-
{2o a 320 o covado.
Mimosa cambraia das mocas para cami-
sas a 30200 a peca.
Lindos cortes para vestidos em cartJo
com todos os aviamentos a 7)5 90 100 e
140 um.
SaiasTK>rdadas para senhora (recebidas
ltimamente de I aris) a30000 urna.'
Cretones inglezes, francezes e allemles
a 240, 280 e 320 o covado.
Zefiros de quadros, muito largos a 160
200 e 240 o covado.
Lindas colchas com palmas de cores
para noives a 100000 urna.
Chitas claras e escuras, muitos padrSes
a 200 e 240 o covado.
Batistas com palmas e pintas, cores fi-
xas a 120 o covado.
Redes francezas a 50 e 60000 urna.
Fechs de 18, muito grandes, todas as
cores de 20000 por 10500.
Camisas francezas de linho (pechinca) de
60 a duzia por 480.
Merinos finos com duas larguras, todas
as cores de 800 a 500 o covado.
dem dem idem dem preto a 800 e
10000 o covado.
Cortes de fustSo branco e de cores para
colete de 40 por 20000 um.
Madapoloes finos a 40, 50 e 60000 a
peca.
Atoalhado de linho, lindo desenho a
10700 o metro.
Cortes de casemira para calca, finos e
modernos a 40, 50, 60 e 70000 um.
dem idem idem idem costumes moder-
nos a 200000.
Cambraia de salpicos muito fina com
10 jardas a 40000 a peca.
E muitas outras fazendas que s com a
presenca das Exmas familias, poderao ser
vereficadas, como sejam: mantilhas brasi-
Iheiras, leques transparentes, bicos de co-
res, ntremelos, bordados, leos, extratos,
luvas etc.
48 DUQUE DE CAXIAS 48
Famdas baratas
Loja do Triumpho
Rua Duque de Caitas n. 49
Las tins com Troco, a 320 rs. o covado
Ditai de quadros, bonitas a 300 rs.
Merinos lisos, 2 larguras a 560 rs.
Ditos lavrados, 2 larguras a 700 rs.
Zefiros largos de quadros a 240 rs.
Ditos largos de quadros Anos a 280 rs.
Ditos bordados finos a 700 rs.
Etamine arrendada a 440 rs.
Dita de listas abertas a 400 rs.
Setins de listrinhas a 660 rs.
Ditos da China (fantazia) a 240 rs.
Saias bordadas finas a 3*000
Camisas bordadas tinas para senhora a- 440W
Cambraia branca bordada, a 4*500 a peca. .
Dita bordada de cor a 5*500 apeca-
Chitas escuras muito boas, a 200 rs. q covado
Algodo largo ( 10 metros), a 2*5) a peca.
Dito dito de 20 jardas a 4*000
Toalhas acolehoadas grandes, a 4*00 a duzia.
Redes inglezas grandes a 5*000. *
Guardanapos de linho, a 1*800 a duzia.
Camisas de linho sem punhos ^sem colarinho
a 3*000
Bramante de algodo 4 largurasTa 700rs. a vara.
Tapetes grandes para sof a i4*000
Cortes de seda para collete a 4*000,
Cortes de casimira ingleza a 4*500
E outras muitas fazendas que se vendem mui-
to baratas para liquidar.
\ rua Duque de taitas u. 49
Bastos dfeC.
desespero eterno, sem consola-
ravel,
cao.
O Sr. Marais, diante das hesitares,
das angustias, da pallidez do Sr. de Sau-
ves calava-se, encarando-o, observando-o,
mais do que nunca.
Eis a explica$3o que me pede, se-
nhor, disse elle finalmente. Ha tres dias,
Suzana Vargues, dizendo-se criada de quar-
to da Sra. Chaniers, foi declarar-me que
seu amo havia desapparecido desde a noite
do parto de sua mulher, e que a familia,
desesperada, pedia-me que fizesse as ne
cessarias pesquizas.
Um vivo movimento de contrariedade
crispou a bocea do Sr. de Sauves.
O chefe apercebeu-ae desse movimento,
mas continuou, como se nio tivesse visto
cousa alguma:
O senhor sabia, desse passo da cria^
da?
N5o, senhor, ignorava-o. E se fosse
consultado aconselharia Suzana a que o
nao dsse.
'- Seria indiscricao pergntar-lhe por-
que?
Pedro tentou sorrir.
Sim, disse elle, um pouco. Para
responder-lhe nos limites do possivel, de-
vo affirmarlhe que julgo meu cunhado au
sent por algum negocio intimo ; que elle
voltar sem grande demora ; mas que ten-
tar erguer o veo com que elle se cobre,
poderia acarretar graves consequencias,
nao s para elle como para outros.
Procurem a mulher, disse mysterio-
samente o Sr. Marais.
Nao, ao contrario, redarguio viva
mente o engenheiro, supplico-lhe que no
a procure.
Depois, ao cabo de alguns segundos de
um silencio, se nao penoso, pelo menos
cheio de embaraco;
Olhe, senhor, disse Pedro esponta
neamente, se nao- o conhee,o pes&oalunnte,
mas sei por amigos meus que hornera de
coracao; pois bem, comprehonda a situa-
cSo, comprehenda-a por poucas palavras :
existe nisso urna mofa, minha irmS, da
qual tenho sido quasi um pai. Ella adora
o marido. Inquietase horriveltnente com
a sua ausencia. N2o sei onde est Jor-
ge. N8o o presumo sequer. Mas suppo
nha que ello esqueceu os seus deveres,
que cedeu a alguma tentacao sbita, que
um dos seus agentes a descobre, que mi-
nha irm3 venha a sabel-o... ella pode
morrer. E se nao morrer, queferida no
seu corafo!
Basta, senhor, disse o chefe da se-
guranca, conquistado pela expressao leal
e sympathica do Sr. de Sauves. Nao pro-
o da Moda
onde de Inhauma n. \l
.ANTIGA DO RAWEL)
Os proprietarios d'este mui acreditado
estabelecimento previnem a seus fregue-
ses, que tem um completo sortimento de
fazendas,' qtlte vendem por menos 30 \a
do que em outra quaquer parte: como
sejam:
Linhosinhos de quadros a 80 rs.
Us de quadros a 160 e 240 rs.
Zefires, muito largos, da 320 a 240 rs.
Cambraia de salpicos a 45000 a pea.
Dita Victoria a 2)5800.
Cretones claros que eram de 320 a
240 rs. o covado.
Chitas de 200 e 240 rs.
Fichus com ramos e sem ees a 1)5000,
2*000, 30000 o 4*000.
Baptistes de cores a 120 rs. o covado.
Camisas francezas a 2*000.
Ditas de linho a 2*800.
Ditas inglezas a 4*500
Chales de casemira a 2*000 e 3*000.
Sargelim diagonal a 200 rs. o covado.
Meias para homem, senhoras e meninos
a 200, 240, 320 e 400 rs. o par.
Tambem temos um completo sortimento
de artigos para homem como sejam :
Casemiras, brins, fustSes para collete,
collarinhos, punhos, gravatas e muitos ou-
tros artigos que sao precisos para satisfa-
cer as exigencias do mais caprichoso e
elegante cavalleiro, para o que montamos
urna officina de alfaite sobre a directo
de um perito mestre.
PRECOS SEM COMPETENCIA
Gontalvex Santos & C.
Mais Barato
r
A
Doce secco de caj su-
perior
Tem para vender em latas de 2 e 4 libras, por
preco commodo ; na rua do Bom Jess n. 35,
armazem.____________________________
Cha preto superior
Carlos Sinden avisa seus amigos e fre-
guezes em geral que recebeu pelo ultimo
vapor cha preto novo e superior que ven-
de por presos mais resumidos em vista
da oontinuacSo do cambio favoravel.
Convem que experimentem.
48 RUADO BARAO DA VICTORIA 48
8SOOO a duzia
OLEO AMERICANO
O atis ecoDomlco. kygienieo e
perfumado oleo para o
VENDEM
GOMES DE M.tTTO* IRMAOS
23~rua Mrquez de Olinda -25
Breu
Em barricas vende-se na rua do Araorim
n. 60.
Para oDerby
Carlos Sinden recebeu grande sortimen
to de gravatas e camisas de cores proprias
para os amadores do Prado e est venden-
do por presos sem competencia.
Recebeu tambem collarinhos e punhos
de borracha de formatos novos. r*
48ra babIo da victoria 48
Mobilias austriafcas
Vendem-se mobilias austracas de todas as
3ualidades e cores, por precos os mais commo-
o, para liqnidaco, rua do Mrquez de Olinda
n. 54.
-........ "........................"5PP----------"
Armado
Vende-se urna armacao de amarello em per-
feito estado, propria para miudezas* ou tabaca-
ria : a tratar na rua do Cabuga n. 11-A.
cederei de ora em diante senSo medida
dos seus desejos ou das suas determina-
coes.
Obrigado, senhor. At agora o que
fez?
Muito pouca cousa; nao possuia da-
dos. Mandei os meus homens aos grandes
hoteis, aos elubs, casa das mulheres da
moda, Morgue tambem. Em parte al-
guma encontraram-se indicios, e nem se-
quer urna informcao. O Sr. Jorge Cha-
niers, cuja photographia possuimos, e que
era conhecido em certa roda, nao appare-
ceu em lugar algum. Telegraphei igual-
mente para as diversas estaedes balnearias
de verSo, na Normandia, na Bretanha, e
at para Badn e Spa...
A esta ultima palavra Pedro teve um
estremeciment, que abalou-o dos ps
cabeca.
E em Spa, perguntou elle, tambem
nada?
Esse movimento involuntario despertou
novamente as suspeitas do Sr. Marais.
Elle sabe de alguma cousa, pensou
o magistrado.
E em voz alta respondeu ;
Tambem nada.
Supphcolhe que, se a despoito das
minhas previsSes, souber de quaquer cou-
sa, disse o Sr. de Sauves, communique-
m'a a mim s. Resolveremos juntos o que
for preciso fazer.
Pode contar com isso, senhor.
Os dous homens trocaram um aperto de
mao e separaram-se.
O facto, disse comsigo o Sr. Marais
ao embarcar no seu carro, que o homem
pareee-me probo, leal e honesto, mas tem
um grande desgosto ou urna grande pre-
occupac.ao. A sua physionomia acha-se
alterada, a sua attitude extraordinaria,
-o seu embaraco salta aos olhos a cada mo
ment; tudo isso n3o natural.
Entretanto, apezar das angustias de Pe-
dro, afebre da Sra. Chaniers havia a prin-
cipio ubi-andado, e depois, pouco a pouco,
o seuexcellente temperamento vencen a
molestia e ella ficouTivre de perigo.
Mas coma sade voltar^-lhe tambem a
lucWez ; perguntara pelo marido em tom
de quem exige saber a ven lado, e foi for-
coso dizer-lh'a. i
Quando, palavra por pa avra, e quasi
syllaba por syaba, ella ar ancou a Suza-
na a triste hUtforin do desapparecimento de
Jorge, ou ans, da ignoraj cia em que to-
dos se achavam do lugar nde elle para-
va, Adelia erguera-se do sfeu leito.
Quinze dias !... Havia aainze dias
ALojadas Listras 4zaes
RUA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Ttlephouen. 11
As fazedas vendidas nesta casa sSo de boa qu-
lidade, e no levara | medida escassa:
aceita-se a fazenda vendida se, por
quaiquer motivo nao fr de muito agra-
do da pessoa para quem for comprada.
Dase descont a quem comprar de 20*
para cima.
ESPECIALIDADES
II ri ni de listras azues pecas com
20 varas a 60000.
Madapolao com um -metro de largu-
ra a 6)5800 a peca.
Cortes de vestidos bordados em
cartSo a 105080.
Ve 11 ud llho bordado a contas a 10600
o covado.
Cachemiras pretas, de quadros e
arrendadas a 2(5 e SOO.
Teeldos fantazia arrendado proprio
para baile e Aeatro a 400 500 rs.
Cortes de cachemira com guarnieres
bordadas, lindas cores, a 20)5 e 25)5000.
Setim Maco de todas as cores a 750,
e800rs.
Idnon bordado, tecido de urna s cor,
quaiquer que se deseje, a 200.rs.
Zefiros lisos e bordados, tecido fino,
novidade a 500 rs.
Lis de quadrinhos a 200, 240 e 360
o covado.
Llnhos lisos a 60 e de quadrinhos a
OOrs.
Guardanapos melhor qulidade a
1)5800 a duzia.
Atoalhado branco e de cores a 1)5.
Oleados para mesa redonda ou qua-
drada a 4)5000.
Cortinados de crochet, com sanefas,
ultima novidade, para janellas e portas.
Crochet para cortinados
metro.
Colchas de fustao, brancas e de eco-
res, a 2)5000.
Chitas finas precales a 200 e 240 rs.
Chites escuras a 160, 240 e 280 rs.
Batlates de cores seguras a 120 rs.
\anzuc de lindas cores a 280 rs.
Brlm pardo esguiao a 240, 280 e 320.
Casinetas de cores escuras para rou-
pa de homem ou menino a 400 e 500 rs.
Mantilhas de renda hespanhola, pre-
ta, de seda a 8)5000.
Capas e visitas, de cachemira, de ren-
da, com lindos enfeites e com vibrilhos a
200, 250 e 300000.
Leques de pennao e transparentes,
ultima novidade, todo preco.
Luvas de seda, lizas, bordadas ou ar-
rendadas, pretas e de quaiquer cor a 20.
Espartilhos inglezes a 40500 e 50,
tem desde o n. 40 at 80 de grossura.
Blco branco reme e de todas as
cores desde 700 rs. at 20500 apeca.
Rendas hespanholas, de seda e de
algodo, preta, branca e de quaiquer cor.
Babados e ntremelos bordados ta-
pados e transparentes por todo preco.
Cirampos e pentinhos fantazia para
cabello a 400 e 500 rs.
Baldas para vestidos a 260 rs. a
duzia.
Reloglos despertadores com fi-
guras em movimento a 80 e 90000.
Aspas de ac para vestidos a 120 rs.
o" metro.
Sargelim francez fino, diaconal, a
200 rs. de quaiquer cor.
Crinolina de cordao preta, branca,
chumbo e cor de caf a 400 rs. o metro.
Redes americanas para menino
ormir a 30500 e para homem a 60000 e
70000.
E muitas fazendas que se vende muito
barato para liquidar facturas aa loja das
LISTRAS AZUES de
Jos Augusto, Dias
A.
Rua Duque dcTCaxias n. 103
Vende-se bordados de cambraia tapada
de 2 1 [2 e '4 metros e urna chave de lar-
gura a 500, p0, 800 e 10, muito fino, da
quaiquer largura a 10400, e de fustao, de
700 a 1^800 a peca.
Enxovses para baptisados a 80, 100 o
12000a
Lindos enfeites para penteados a 100,
200, 300 e 500 rs. um.
Lindos granpaB para segurar chapeos.
Renda hespanhola a 2)5500 o' covado. 4
Pulseiras americanas para 35, 45, 5*f
60 e 80000 o par.
GuarnicSes americanas a 30000.
"Lindos espartilhos a 40, 50 e 60OQOM
Porta dedaes de vidro, objecto para pra-
sente a 10000.
Broches de fantasa de 500 a 10000.
dem amojfcanos de 20 a 30000.
Lencos de da a 10000.
Sublaque a 200 rs. o par.
Guarnieses de crocket, Bendo m para
sof e 4 para cadeiras por 6$000.
Finas capellas de pellica, panno e c8r,
com finos veos.
Rores artificiaes a 10000 o ramo.
Anneis americanos a 20000.
Plisss de 400 a 10000 o metro.
Luvas de seda arrendadas e bordados
a 20 20500 o par. -
Bicos brancos de linho e de cSres a 20.
20500 e 30000 a peca.
Contas d. c6r para enfeitar vestidos s
700 rs., e pretas a 600 rs. o masso.
Missangas de todas as cores.
Lindos leques brancos para noiva.
Collarinhos e punhos de borracha.
Colchas de crochet para casamento urna
80000.
Talheres para crianca a 800 rs.
a 900 rs. o Luvas de pellica a 20500 rs. o par.
Linhas de cores para crochet a 20000 e
cor de creme a 10500.
Lindos leques de papel de 500 rs. a
10000.
Espelhoscom fina moldura, com dous pal-
mos de comprimento, a 40000 e cara dura
a 500 rs.
Finos binculos.
Agulhas para bordados a ouro e missaa-
Lindas franjas douradas para facha, do
seda preta e de cores, sem e com vidri-
lhos.
TimSosinhos enfeitados de bico e renda.
dizer-lhe
jun bi
qaiuze
bilhete,
um
telegramma, urna carta viesse
onde tinha ido!
E sem urna duvida, sem urna hesitacSo,
urna grande conviccSo penetrou immedia-
tamente no espirito da infeliz moca.
Morto !... meu marido adorado mor-
to! exclamou ella sobajando. Ah Deus
terrivel!... Nos eramos felizes de mais !
Suzana quiz acalmal-a, consolal-a:
Nao, replicou ella, a senhora est
exagerando a desgraca. O senhor des-
appareceu____Fez talvez alguma asnei-
ra... Mas nao morreu; encontram-se sem-
pre os corpos, sobretudo no fim de quinze
dias.
Adelia choravo. O seu desespero era
horirvel.
Cala-te, disse ella no meio das suas
lagrimas ; n2o sabes o que ests dizendo.
Jorge nao capaz de urna accSo m: elle
ama-me^ nenhum dos seus pensamentos
era-rae oceulto, tenho certeza disso. Se
nao voltou, porque mtrreu.
A noite passou-se n'uma dr intensa,
profunda, alm de todos os limites.
Pedro, que havia deixado temporaria-
mente seu filho na Normandia em casa da
Sra. de Lavarande, e que dormia na usina
depois do desapparecimento de seu cunha-
do, nao a deixou.
Elle voltar, dizia-lhe elle de Inige
em longe ; acalma-te, supplico-te ; anda
n8o se deve perder toda a esperanca.
Porm ella, erguendo-so no meio dos
seus solujos, accommettida sbitamente de
colera contra seu irm2o, a quem entretan-
to adorava, exclamava:
Voltar! mas o que juicas tu, Pe-
dro ? Que urna outra mulher arrebatou-
m'o, e que elle esqueceu-me nos bracoB
della, sem duvida!... Porque s esse mo-
tivo, alm da inorte, poderia explicar a
sua ausencia, e sobretudo o seu mutis-
mo!... Mas nao verdade, ests ouvin-
do ?... Jorge nao traidor, nem covar-
de ; ao contrario !
Depois, como o Sr. de Sauves no res-
pondesse, a infeliz continuou :
Estimo-te muito, meu Pedro, a ti,
que foste, que s tao bom, mas se tivesses
semelhante dea nXo te estimara mais,
nao poderia ver-te nunca mais. Dize que
nao o suspeitasse de tal cousa, dize que
continas a estimar Jorge, "conjuro-te a
i
11
I
PECHINCHA
Colarinho para' homem a 35 e 40 a
duzia.
Bordado de cambraia Victoria muito
fina com 3 Ij2 metros de quaiquer largura
a 10200 a pe?a fazenda que vale 20 e
20500, vende-se por este prejo para liqui-
dar a grande quantidade que temos.
PARA O CARNAVAL
Ama Florida e amia de
Orea a 500 rs. a garrafa.
Boyal Blend marea YUDO
Este excellente Whiskv Escocez pre~jgj
ferivel ao cognac ou -- dente de cana, '
para fortificar o corpo., t
Vende-se a retalho nos melkores arma-
zens de molhados.
Pede Iloyal Blend marca Viada,
cujo nome e emblema sao registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
i
Cimento
Vende-se cimento da melhor qulidade pe:
mais razoaveis precos do mercado, na rua'do
Mrquez de Olinda n. 54.
isso.
Pungido de angust*,
mente agitado, o Sr.fde Sauves inclinou-se
sobre o leito da desesperada.
Sim, dise"elle, estimo-o como
tes.
Entilo, por que... tao horrivel sup-
pnsicHO i
d'an-
N2o pode terminar; as lagrimas suffo-
cavam-na novamente.
Para te acalmar, respondeu Pedro.
Nada deste mundo me acalmar, a
nao ser elle, a sua cara presenca, a sua
volta !...
Entretanto, de dia, ella conseguio dor-
mir um pouco.
Desde a veapera levantava-se da cama
Quando acoidou, urna grande calma ha-
via-se feito na sua alma.
A sua dor persista, mas a energa vol-
tava lhe, a e nergia suave, paciente, forte
e infatgavel, que era o fundo do seu ca-
rcter.
Seria por ventura por meio das lagri-
mas e dos solucos que ella conseguira sa-
ber o fim que levara seu marido, que o en-
contrara ?
NSo era preciso ter aeco, e para
isso curar-se, recuperar o mais cedo pos-
sivel as forsas e a intelligencia.
No seu ber$o, Georgina dorma com os
punhosinhos cerrados.
Devagarinho, Adelia levantou-se e foi
procrala.
Deu-lhe o seio, e emquanto a pequea
mamava gulosamente, avidameute, ellamur-
murmurava, apertando-a nos bragos :
Ser possivel qu sejas orph, meu
pobre anjo? Por qu havia Deus de pu-
nir-te to cruelmente ambas, nos que nun-
ca fizemos mal a ninguem ?
E pouco a pouco, reportando-se aos tenM
pos idos, revio todo o paseado; a morte
de seu pai,'o desespero de sua in*., a rui-
na succedendo sua vida Surta ; a mise-
ria, a horrivel miserffe, chegando efttao com
os desgostos, as. angustias, as humilha-
coe de .tQdp's. os dias., -
l/A ibragem indomavel de Pedro, a sua
tambem, quando ia dar as suas lices dej
debaixo de chuvwno invern, s

piano,
a pe
mui-
o sol ardente no verao, nnnpre
tas vezes extenuada de fadiga.
Depois, a chegada de Jorge na sua vi
da.
O seu bom olhar leal, o seu caraut
alegre, a sua jovialidade, a sua expans3 que haviam illuminado desde logo o sen
lar tao triste, e lancado um raio de sol na
sua existencia desesperada.
Como havia amado!...
Lembrava-se dos pequeos ramilhetes
de violetas que elle levava-lhe noite e
cj4r*osd>^'k^*JI^ olWecja.tSp tmidamente, balbu-
ciando e corando como urna donzella: e
isso quando ousava offerecer-lh'os, por-
qu muitas vezes depunha-os no canto do
piano. (Continuarse-ka)
Typ. do Diario rua Duque de Caxias n. 42.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9N2NVE30_DF4DP0 INGEST_TIME 2014-05-28T15:49:37Z PACKAGE AA00011611_18279
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES