Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18245


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AHO LIIIl. IITIIIO fifi
PARA A CAPIVJSL JE LlGiRE OSDE !AO BE PACA PORTE
Portre*fes adiantaoV ............. 60000
Por seis ditos dem. \........ ...... li^OOO
Por am anno dem................. 23)5000
Cada numero avulso, do mesnoo dia............ $100
DIARIO DE
Os Srs. Ameda Prloee t C.
de Pars, tilo as nsssos agentes
exclusivos de annunclos e pu
i
blioacSes
trra
na Franca
a-
TELEGRAMHAS
* -
1
p
# SSS7IS0 SA a32H.A SA743
(Especial para o Diario)
CHARLESTON, 20 de Marco.
X'eata reglo foram Mentido* al-
guna alalo* de terremoto.
Oa prejaiaoa aSo poaco Impoitam-
tea.
SOFA, 20 de Marco.
O governo bula-aro rea saber 6a
grandes potenclaa da Enropa qoe
nao iuaiidar mata execatar ne-
nbam Iniiurgido.
PARS, 21 de Marco.
Entre a Italia.a Ailemaniia ealai-
tria fot celebrado am tratado de al-
lianca offenalva e deflreaalva.
BENOSAYRES, 21 da Marco.
A guarnir do Cuaco fol augmen-
tada.
SANTIAGO DO CHILE, 21 de Marco.
De bontem para boje foram aqnt
aaalgnaladoa n obltoa de cbolera-
fflorbui, e eaa Val par ala o I* caaoa
novo* e 6 obltoa.
DARMSTADT, 21 de Margo.
Eata completamente reatabeleel-
do o ex principe da Bulgaria. Ale-
xnadre de Baltcmberg.
ROMA, 21 de Marco.
Aqu cbegou. de regresso da va-
se m que fea ao Egjpto e A Wyrla. o
principe herilelro da Italia.
LONDRES, 21 de Margo.
Sulcldou-ae Richard Croas cx-e-
cretarlo de estado da India.
Agencia Hars, filial em Pernambnoo,
21 de Marco de 1887.
1
I
!
fj
HSTRCCiO POPULAR
(Extrahido)
DA BIBLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
porque as arterias dessa regio silo pauco vo'.umo-
sas e assentam sobre am plano resistente ; a sim-
ples compresso e aeco da agua fra as faz con-
trahir, e suata a bemorrhkgia.
Limpa a ferida, parada a h -morrnhagia procede-
se umo dos bordos da solucao de eontiuuidade.
Quaudo o afestamento d'estes nao grande (e em
geral uto o que succede na cobeca), algumas
tiras de adhesivo bastam para os con ervar unidos.
S excepcionalmente sera necessario proceder
chamada sutura oa costara com pontos verdadei-
res que consiste em uuir os bordos da terida por
meio de pontos j com retroz encerado, j com fios
delgados de prata oa de oatra substanoia. Porm
nao derem estes meios ser empregadoa por pessoa
extranha profissSo medica ; e por isso nSo julga-
mos dever demorar-nos com elles.
(Continua.)
JARTE OFFICIA.
Ministerio da Fazenda
Por ttulos de 12 do corrate, foram no-
meados :
Terceiro es.-ripturario, da Afandega do
Rio de Janeiro, o 3. escripturario da The-
souraria de Fazenda de S. Paulo Eduardo
Augusto dos Santos Colim.
Terceiro escripturario da Afandega do
Para, o official de descarga da mesma A-
fandega Jos Pontes de Carvalho :
Official de descarga da mesma Afande-
ga, o praticante Joao Florencio Nogueira.
Terceiro escripturario da Thesoararia
de S. Piulo, o praticante Antenor Corio-
lano dos Santos.
Praticante da mesma Thesouraria, Tho-
maz Pedreira de Cerqueira.
Ministerio da Agricultura
Foi expedido o seguinte aviso, em i do
correnta, ao engenheiro fiscal da ferro-via
Conde d'Eu, na Parabyba :
Em resposta ao seu offlcio de 14 de
Feverero ultimo, ao qual a.ompanhou a
proposta do superintendente da ferro-va
Conde d'Eu para redcelo das respectivas
tarifas, sendo apresentada a mesma pro-
posta em virtude de aviso-circular' n. 124
de 14 de Outubro do anno passado, com-
munico-lbe, para oa devidos fina que fija
approvada a referida proposta, recomraen-
dando-lhe, entretanto, chame a attencao da
companhia para a conveniencia de reduzir
as tarifas de pajsageirosaduas classes, em
substituicao as de tres, actualmente em
vigor.
Por efftito das reduccoes ora approva-
das, o casto das passagens da 1.a olaaso
ser cobrado na razio de 70 rs. por kilo-
metro, em vez de 75 rs., como estabelece
a tarifa agora modificada; para a 2.a cas
se na razSo de 60 rs., o para a 3.* na ra-
zio de 35 rs., em vez de 38 rs.
Para as distancias excedentes da 50 ki-
lmetros vigorar ainda o abatimento de
10 rs. por kilmetro para cada classe.
Os frates relativos tarifa n. 2Baga-
qens e encomnundas serlo cobrados pela
taxa de 7 rs. por 10 kilogrammas e kilo-
metro ; os da tarifa n. 3, productos de
fabricacao estrangeira, gneros de cui
dado e condcelo perigosa, pela tara de
5 rs. por 10 kilogrammas e kilmetro;
os da tarifa n. 4, productos chimicos, pela
taxa de 3 rs. por 10 kilogrammas o kil-
metro; os da tarifa n. 5, assucar, algo-
dilo e productos agrcolas, pela taxa de
real e (meio per 10 kilogrammas e kilo-
metro ainia com abatiuiento de roal por 10
kilogrammas e kilmetro para as distancias
excedentes de 50 kilmetros ; os da tarifa
n. 6, peixe, caf, arroz, verduras, etc.,
pela taxa de real por 10 kilogrammas e
kilmetro; finalmente os da tabella n. 6
(a), que de presente correspondem aos da
tarifa n. 8. serlo cobrados pela taxa de
meio real por kilograrama e kilmetro.
Deus guarde a Vvaa.A. da Silva Prado.
PARTE TERCEIBA.
DOEXCtS CIBUaCUCAS
Ferldas
( Continuago )
As partes mais expostas do eorpo sito as mais
aojeitas aos ferimentos. Assim as autos, a face, o
pescoo?, etc., tecm o triste privilegio de sonreren)
msis feridas do que os outros orgaos maio abriga
dos da accio dos agentes exteriores.
A gravidade das feridas incisas dependo do lu-
gar em que se do, da prefundidade e da impor-
tancia dos orgaos oa appsrelhos que podem interes-
ar. Ha feridas necesariamente morteea e raesmo
algumas conatituem cansa de morte instantnea
(tees.ao as feridas docorac\dss arterias e veas
prineipaes, do cerebro, etc.) Coinecaremos por
diier alguma coisa sobre as feridas na cabeca.
A cabeca, comprehendeado o crneo e a face,
notavelmente expoata accao dos corpos vulneran-
tes. As feridas mais frequentes no crneo s&o as
contusas e as inciso contasas. Pancadas com paos,
pedias e outros corpos, as podem cansar. As que-
das sSo causa frequente d'est .s feridas. O sea
mechanismo varia segundo a cansa. N'uma pan-
cada o ferimento fas -se pela compresso dos teei-
dos resoltante da accio do eorpo vulnerante por
am lado e da resistencia do plano osseo por outro
lado. as quedas e mechanismo semelhaote.
Em certas regioes (no supracilio, por exempl-) ama
queda pode originar am. ferida linear e to regu-
lar que simule urna inciso. E' isto devido a que
o rebordo supraciliar divide os tecidos, que sao
comprimidos entre elle e o eorpo que dea a panca-
da oa objecto sobre que a qada se realisou.
As feridas da cabeca, as do couro cabelludo,
sao maitissimas veses graves nao pelo ferimen-
to em si como pelas onseqneocias qae podem ter.
A commcco cerebral, a fractura dos ossos do cr-
neo, etc., podem notavelmeovel aggravar estas fe-
ridas.
O primeiro cuidado qae deve ter-se n ama feri-
da do conro cabellado, e cortar e rapar os cabellos
n'uma certa extensio em volts da parta ferida e
lava I-a depois com agua fri (e oa levemente al-
coohsada). Nao seria possivel besa examinar urna
ferida n'aquella regulo, se nao se praticasse amo
deixamos dito.
A primeira indicacao em todas as feridas unir
os seas bordos ; para isto toma se indispensavei
limpar, lavar convenientemente a parte ferida, c
tirar de 14 quaesquer corpos extranbos, os quaes
impediriam a cicatrisace. Se ba bemorrbagia
precis- anstal-a antes de asir os bordos da ferida-
Ha cu beca geralmeota tacil facer parar o ea---
gus.
TEBCA-FEISA 22 DEilA8v0 DE 1861
' PARA DBHTBO FORA DA PROTIMC1A
Por seis mezes adantados............... 13)5500
Por nove ditos. dem................. 200000
Por am anno idem................. 270COO
Cada numero avulso, de das anteriores. ........... 100
Propriefrafc* bt JHXmod Jnfmtvcoa > Jara & Sdfyos
Ministerio da Guerra
Foram clasaificados nos corpos de infan-
taria abaixo declarados o seguintes tenen-
tes ltimamente promovidos ;
5.* batalho, tenentes Tbiago Pereira de
Souza e Manoel Joaquim Ayres do Nasci-
mento ; 6. batalho, tenente Augusto Fer-
nandos de Almsida Brando; 7. batalho,
tenente Eduardo Augusto da Silva; 9.
batalhlo, tenante Jos Lauriano da Costa;
12.* batalho, tenente Joaquim Pompilio da
Rocha Moreira; 18. batalho, tenente
-Fernando de Oliveira Messeri; 20.' bata-
lho, tenenta Luiz Alves Pinto.
E' tambem classificado na companhia do
Espirito Santo o tenente Joo Bernardo do
Reg que reverteu ao quadro por decreto
de 31 de Dozembro ul'.imo.
Foram transferidos : do 2. batalho
do infantaria para o 11. da mesma arma
o alfores Domingos de Mello Castro ; para
o 16." batalho da mesma arma, como m-
sicos, os operarios militaros do Arsonal de
Guerra da provincia da Baha Geroncio
Bento do Concedi, Ildefonso Henrique
da Silva, Thomaz Quintiliano de Azevedo
e Rogerio Joaquim de Mattos, visto dese-
jarem pertencer banda do referido eorpo.
Ministerio da Marinha
Em 10 do orrente mez foram Hornea-
dos :
Coramandante interino da canhonoira
Quarany, o 1. pnente Pedro Paulo de
Oliveira Santos.
Cornmandanta interino da can'ioneira
T/xmego,, o 1. tente Emilio Carvalhaes
Gomes.
Cioverno da Provincia
DESPACHO TA PBE8IDENCIA DO DA 19 DK
MAK90 DE 1687
Abaixo assignado da dirae'oria proviso-
ria da Asso inicio de Bombiiros Vulunta-
rios. Informa o Dr. chefe de polica.
Amalia da Hora Farus.Em vista
informaclo, nao pode ser attendid^.
Abaix> assignado dos propriitarios e
moradores nos lugares Tabatinga e Mato-
cos A' vista da informacao d inspecto-
ra da Iustrucco Publica, nlo lugar o que
requerem os supplicantes.
Abaixo assignado dos propnetarios de
diversas tabaevias desti cidade. N2o ba
que deferir ; a deliberaclo da Cmara
fundada no art. 83 da loi n. 1882 de 10
de Setembro de 1886.
Agrpno Doo?lacano Branco e outros.
Nao ha que deferir ; a deliberaco C-
mara fundada no art. 82 da lei n. 1882
de 10 de Setembro de 1866.
Domingos da Silva Torres. -Informe o
Sr. inspector do.Thesouro Provincial.
Alferes Francisco do Assis Ferreira. -
Nao havendo decorrido o prazo dos seis
mezes de que trata o art. 45 do decreto
n. 1130 de 12 de Marco de 883, nao tem
lugar o que requer.
Floriano Baptista de Oliveira.Apos-
tille-se.
Cap to Frmino do Reg Barros.Re-
mettido ao Sr. inspector do Thesouro Pro-
vincial para mandar passar a certidao re-
querida.
Ismael Carneiro Lins e Mello.Deferi-
do com o oficio do Sr. inspector da The-
souraria de Fazenda.
Jlo Cario* Cavalcanti de Albaquerque.
Concedo a licenga por tres mezes.
Bacharel Jos Novaos de Souza Carva-
lho.Sim.
Lyra & CNeg provimentq, por es-
tar as attribuicSes da Cmara a fiscalisa-
co do modo pelo qual os seus municipes
devem a ella se dirigir escrevendo as peti-
cSes com o devido respeito e conveniencia.
Manoel Vieira Lsite. Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional
das comarcas de Bezerros e Bonito.
Manoel Costa do Nascimento.Informe
o Sr. juiz de direito das cxecucSes crimi-
naes da co naria do Recfe.
Mara Adelaide de Carvalho Oliveira.
Venha por intermedio e com informacao
do inspector geral da Instrucco Publi-
ca.
Manoel Ferreira Guedes. Junte o ti-
tulo.
Mara Rita de Aguiar Foseca.Nao
tem lugar, vista da informacao da inspe-
toria da Instrucco Publica.
Mare.'lino Santiago do Vasconcellos Lei-
to de Albuquerque.Indeferido, em vis-
ta Ja informacao do director da Colonia
Orphanologica Izabel.
M-inrl Antonio Peroira. Ni aendo o
assumpto do recurso meramente econmi-
co nem administrativo, mas judiciario se-
ment aos tribunaes ordinarios compote
seu conhecimento.
Pedro da Rocha Wanlerley.Informo
o Sr. Dr. chele de polica.
Secretaria da Presidencia de Pernam
buco, em 19 de Marco de 1887.
O porteiro,
Francdino Chacn.
Repartlco da Pollela
Socco 2.*N. 231.Secretaria da Po-
lica de Pernambuco, 21 de Margo de
18d7.-Illm. e Exm. Sr.Participo a
V. Exc. que foram re col hidoa Casa de
Detenco os seguintes individuos :
No da; 19 :
A' ordeui do /subdelegado do Recife,
Chrispim Ferreira L?itf, por disturbios ;
Geuina Mara da Coaceieo e Warrecehia
Carumec, por offinsaa moral publica e
aso d'armas defezaa.
A' ordem do de Santo Antonio, Anto-
nio Beraldo de Lima Mendes, por offensas
moral publica.
A' ordem do do 2 districto de 3. Jos,
Joaquim Soarea da F rias, preso em flt-
grante por crime de ferimentos grava.
A' ordem do do Io districto da Graca,
Manoel Correia da Costa, por crime de fe-
rimentos.
No da 20 :
A' minha ordem, Antonio Firmo Xa-
vier, Cosme Damio dos Santos, Henri-
que Jos Hypolito da Silva, Jos Francia
co de Braga, Joaquim Pereira do Nasci-
mento, Luiz Olympio da Costa e Lauriu-
do Jos dos Santos, por disturbios.
A' ordem do subdelegado do Io distric-
to de S. Jos, Augusto Jos de Lima, Jo-
sephina Teixeira ae Mello e Silvestre da
Costa Caldas, por disturbios.
A' ordem do de Afogados, Monoel Si
m5es dos Santos, conhecido por corre-cor
ra, como alionado, at que tenha o conve-
niente destino.
A' ordem do da Magdalena, Jos Frsn
cisco Antonio da Luz, conhecido por Sau
tidade e Jos Alhanazio do Monte Ferraz,
conhecido por Jos Muuainbo, por distur-
bios.
Participou-me o subdelegada do Peres,
em officio desta data ter feito remessa ao.
Dr. juiz de direito do 3* districto eriiniml, |
ftfim fleobter a certeza sehouve oa nao
um suicidio.
Particip m-rue o delegado do 2o districto
do Serinhsem, em offi:io datado d on
tem, que na noite de 11 do corrente no en-
genho Dromedario do raesmo termo, foi
preso em flagrante Antonio Muniz de Mel-
lo, na occasio em que furtav.t u;n cavallo
do cercado do referido engenho.
Abrise o competento inqasrito, e desse
se fez remessa ao Dr. promotor publico.
Ainda a mesmi nutoridadB dou-ra*
scicnca de ter etTectuado a prisao de Ma-
noel Yalentim de Freitas o Joo Marques
ua Ccuz, ambos all pronunciados por cri-
mo de morte.
Deas guardo a V. Exc. Illm. e Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azevedo, muito
digne presidente da provincia. O chefa de
polica, Antonio Domingos Pin'o.

Thesonro Provincial
DESPACHOS DO DU 21 DE MAItgO
de 1887
Jola Cardoso Ayres. Entregue-se pela
porta.
Ricardo Carneiro de Vasconcellos A
oonta Joria para attender.
Pret do eorpo de polica e contas da
procuradona dos feitos. Examinem-se.
Dr. Manoel Juvenal Rodrigue do Souza
e outros.Informe o Sr. Dr. administra-
dor do Consulado.
Diembargador Henquiqu* Pereira de
Lucena, Zacharias Nunes Coelho Rodri-
gU38,-Cramer Frey & C, Domingos da Sil-
va Torres, Pedro Antunes & C comman-
dante do eorpo do polica, Albeiro Oliveira
& C. e Jos Ramos de Vasconcellos.In-
forme o Sr. Contador.
Joo do Anaral Raposo, Tavares &
Vieira. Hnnelina Brazida Canuto de Li-
ma e^Firmiao do Reg Gomes. Certfi-
que-ae.
Ptetdo eorpo de polica. -Pague-se.
o de Petrolina e officio do Dr. pro-
r dos feitos e do Dr. juiz de direito
bo.- Ha ja vista o Sr. Dr. procura-
acal.
JijSo Jos Poreira e Mara Nonata do
Livtamento.Facam se as notas 4a por-
tara de licenga.
do ioquerito policial procedido contra Ma-' nova.ifey*. .
1 S j t O ir. miat
noel Francisco da Hora, por crime de
morte, em Innocencia da Costa Nogueira.
Coramunicou-rae o delegado do termo de
Gloria de Got, em officio de 19 do cor-
rente que no dia 16 do meimo mez, des-
apparecera do sua casa o raoulo Ignacio
do tal, que ha das manifestara indicio de
loucura.
Tundo dsso scench, mandou aquella
autordade procurar o infeliz Igaacio, que
foi encontrado euforevio em un sipo, em
urna matta all prxima.
A referida autorilade timando conheci-
ccjnto do facto, nandou procedar a coa-
petante vistora e ptosgae em diligencias,
OIARIO DE PERBAMCp
RECIFE, 22 DE MARCO DE 1887
\otifias do ni do Imperio
O p^juete francs Gironde, entrado hontem do
sal, ^fOixe as segnintei noticias e as qae coastam
daa rubricas Parte Oficial e Interior.
Han Groaao
De ama carta de Cuyaba de, 19 de Janeiro, ex-
trahio o Jornal do Comnercio, da corte, o ss
guite :
Pinham chegado capital 403 indios pacifi-
cados da tribu das Cordados. Um grando nume -
ro oftVrcceu-ae para vir, mas nSo foi passivel tra-
ael-os por falta de meios de condcelo.
Toda a tribu dos Cordados calculada em 10,000
almas est dlsposta a olonisar-se. Nos 400 qae
vierain est o cacique geral Muguiocun, alto, cor-
pulento, de feicao iu telligente, autoritario de gran-
de iurluencia entre os seus e muito raspeitado.
No dia 12 comecou o baptismo dos indios : a
ceremonia r?alisou-se no palacio com a assistencia
do presidente da provincia e bispo dioceano.
BaptUaram se 20 entre elles, o cacique, quetomiu
o nome de Alvaro. O presidente da provincia,
Dr. Alvaro Msrcondos, foi o padrinho de todos.
Dias depjia baptisoa se a oatra turma na capclla
de palacio, sendo padrinhoo bUpo diocesaio e ma-
drinha a senhora do presidente.
Muguiocury parece inteiramente indentificado
coro a causa da civilisaco da sua tribu, (requin-
ta assiduamente o palacio, para visitar e levar
presentes ao presidente, porqu-m mostra a maior
Eympatbis, a quem chama de padrinho, beijando-
Ihe a mo sempre qae o ve. Tolas as veses que
eacoutra o prejidente maatesta o sea contenw-
mento par grandes risadas e repetidos abraoos.
O presidente tuaJju duas colonias para estt-
belecer os iudios, urna na fox d> Prata, como
nome da Theresa Christina, e oatra ua do Peqdi-
tj, com o de Isabel. Para estns colonias deverio
seguir os indios em principio A; Pevereiro.
Funduu tambem o presidente um ollejo sab
a invoca cao da Nossa Sihhora da Cinceico para
educacia dos indios e urna assocUcao encarrega
da de proteger o ollegio.
A epidemia dj cholera appareeeu em Coram-
b a 7 m Dezembro ; subi a mirgem direita da
Cuvab at a capital. A populando fugio para o
s?rlo. -As censas, porm, t..-m melborado e a epi-
demia tenda a desappareser.
A citada falla publioa 14 a seguinte no-
ticia :
. O nosso rejressntalt8 em Mootevideo trnns-
mittio hontem ao sr. ministro lo imperio o seguin-
te taleramm& do eu eolleg en Assumpcio :
. I-i Vap-r Solivia trouxe apenas a s*guinte
noticia mandada pelo inspector Afionso de S.
At 19 de Fovereiro hoivs apsnis 6 casos fata^s
da epidemia em U'na ama de 20 leguas dj sul de
uya& Na capital .-.ax hivili alguns c-sjs. A
ordem de V. Ere. sobre a lueommunicabilidado de
olatto trrosso com outras provin.-ias seguio nova
por Commercio.
No dia 15 publicou mais o referida folha:
c O nosso representante em Montevideo irans-
rnittio hontem ao Sr. ministro d) imperio o seguin
te tnlcjpMniMB do seu collega era Assumpcao.
13. bo hoje tJi-rae entregue carta do desembar-
gador Firmo da Mattos, datada de 3 do corrate
em Chumba, diseudo ter reeabidona vaspera eora-
niiaieacio do presdante annuaeaalo haver o
cholera dasippareeido da Cuyab e dos deraiis
pjutjs di provincia, eoasideraalo apenas ain-i
au.-peitj Itaui sitoado a -0 "egaas da capital ; e
que ca maralas u>tivaui airtidoi biveoi aoua-
daajia de gensros alimenticios.
iJougrntalo ins c:m V. Ex:, por esaa feliz
_._istro di imperio deu a seguinte
resposta : Com o sea telegrama do lijo reca-
bi o do seu colle^i en Auu npcao, a q'iem V. Ex.
agridecersi?nilicando-lhe aaatisfaca)quj ao go-
voruo itqperial causou a noticia da achar-se extinc
ta na nossa provincia de Matto (Jrosso a epide-
mia do cholert-morbus.
__Eicreveraa de Cuyab indicada folha :
tscrevein-nos de C yab, assegnraudo que a
obra da cateches dos indios Cordado coutiat a
inspirsr fundada esperanca uapaeificacao daquol-
la tribu, nao raen ir da 10,000 iudividuos. Estn -
cianio, ha mais da seaulo, na Alto e Baixo S. Lou
rene, tantas vioUucias commetteram os C>rdados
e du tantas torara victimas quo se aohivam en
guerra pera:anente com a popalnoio civilisadn.
hostilisando u todas as vexesqueo padiamsem te-
mor de repressio etficas. Desde longos.aun>s
id c os administradorss de ttitto-Grrosso connlc-
rado aqaelle estado de tasas como obstculo, que
a todo o casto catnpria remover, do desenvolvi-
mento econmico da provincia.
E' sabido que, moiado o anno pessado, sendo
mandado o alferes Antoiio Jos Daarte ao encon-
contro do Cordados na companhia da interpretes,
com tal discernimento e tanta fortunase hoive
3aa pdie convencer grande numero de selvagens
o intento pacifico da g'}uto civilisala, logrando
trazer camsigo para Cuyabavgerca de 403 indge-
nas resolvidos a aldeiarem-se 'nos sitios que Ibes
fossem designados. Estando as mesmas dispo -
sicoes outros maitos selvageas, e s?ndo urgente
occorrer s despezas motivadas pelo transporte e
collocacao das indgenas na foz do Paquiry no e
Prata, a presidencia da provincia deliberen abrir,
por conta do governo geral, um crdito de 70:000
para ser applicado qaelles serviess.
as localidades acimatmencionadas estao nume-
rosos indgenas i espera dos qna para all terlo
de s it remettidoa pelo governo, e, segundo infor-
maces fidedignas, toda a tribu accaitaria de boa
mente a tutela official.
A importancia desta obra de catechese para a
prosperidade da provincia de Matto-Grosso pode-
r ser avallada por quem soabir que, em zona
vastissima e reputada mui frtil,nenhuma lavoura
pdde ainda desenvolver se na escala desejada pelo
temor e perigo das repetidas incursoes dos selva-
geas. A pipu'acao de Cuyab l:ga interesse to
vivo pacificaco dos Cordados que, ao ser orga-
nisada a expedico dirigida palo alfares Antonio
Jos Duarte, contribuio para as despezas com a
quota superior de 3:0004, reunida por meio de
subscripto.
O administrador actual de Matto Gros30, Sr.
Dr. Alvaro Rodovalhe, est solcitamente erppe-
nhado no levar avante a til empresa iuiciada
pelo seu antecesssor, e, segando nos dizem dalli,
neuhum see.vico mais relevante poder' ser pres
tado provincia. Nao se trata tilo smente de
utihsar para o trabalho alguns milbeiros de bra-
cos ata agora absolutamente inuteis para a crea-
cito da riqueza. Posto que este resultado nao
deva haver-se por indifferente vida econmica
da provincia nem ao sea povoamento, nao repre-
senta comtudo o nico frncto da cateehisacao da
numerosa nacao indgena. A tranquillidade e a
seguranca da populacao civilisada bastam para re-
commandar como digna de todos os esforcos a
obra tentada em Matto Grosso.
Qa indo all se organisaram, ha tempos, expedi-
edes incumbidas de amedrontar pelo apparato da
torca ou de perseguir os selvagens, procuramos
faser sentir a improficaidade de semelbanta maiode
aeco que smente teria de produzir ephemero re
auitado de puz apparente, ontribuindo na realida-
do para agravar a irritaca dos selvagens e robo-
rar Ihes as prevencoes, as susp3itas e o odio con
tra a popolaco civilisada. E' agradavel ver
substituido este syst.-ma da hostilidada pela bran-
dora da catechese.
Coyas
L-se no Diario ch Campias: As noticias
mais recentes da* capital da Goyaz dizem que ha
smente na cidade 83 escravos, esperando-se por-
tanto que em breve rtqae-.n todos libertos.
A provincia -'de Goyaz preparase para ser a
terceira na ordem das provincias libertadas. O
Publicaior Goyano abri nma subscripeo papu-
lar para a emanopajao do municipio da capi-
tal. .
O Thesouro Provincial, devido administra-
cao do Sr. Dr. Luiz Silverio, j offereca um salde
de 18:574^950, que tende a augmentar.
Quando o actual presidente assumio a adminis-
trado havia dficit nos cofres provincises.
Ki-Urjtudc do Sal
Datas at 10 de Marco :
Conta o Jornal do Commercio de Porto-Alegre
qae ao cahir da tarde de 26, uo chogar o vapor da
Margem desemaarcaram alguns policiaes, que se
encaminhavam ao quartel, condusindo um preso.
Ao passarv-n pela frente da casa commercal
dis Srs. Carvalho Bastos & Vieira, tropecoa e ca-
bio am dos policiaes, mas com tanta infelicidade
que, disparando a pistola que trszia carregada,
foi a bala alcancar no Jado rronteiro o Sr. Case-
miro Ferreira tfumaros, estimado e eonceitaado
negociante d'aquella prsca.
A bala penetrou na cahecs, sendo gravissima o
estado do uditosi moco.
Recolbido logo casa do Sr. Sebastie de Bar-
ros, ahi lhe foram prestados os aoccorroa mdi-
cos.
O soldado pertencia a urna escolta, commanda-
da por um sargento, e vinha da Cruz-Alta e con-
duzndo dous presos.
Conta Diario de Pelotas que o Sr. Pran
cisco Fosroter, subdito allemo, estando ha dias
cortando* madoira com o fim de tirar casca, na
Serra dos Tapes, tel-o com tanta descuida, que, a
afvore, cahindo sobre elle, prostroa-o sem senti-
dos.
Mais tarde, recuperando as forjas, pdde ainda
dirigir--se casa de Antonio Gouveia, prxima ao
lugar do desastre, onde veio a fallecar deeorrido
ama hora depois da lameotavel occarrencia.
Um eavalbeiro residente em Candiota e che-
gado a Bag, fez as seguintes commuaicaedes
Unido Liberal:
Que no dia 24 de Janeiro ultimo o Sr. Zacha-
rias Lucas da Oliveira, acompanhado de qaatro
oapangas, espaocra da um modo horrivel a am
pobre homem do perto de 70 annos de idsde, sub
dito hespanhol, de nome Jos Netto, cancluindo
aquella brbaro attentado, anda estaqueando a
vistma.
Qae a espasa do referido Jas Ntto foi tambem
cruelmente acoitada, sondo-lhe arrebatado pelos
oif.mso: es um netiuha, cujo destino se ignora.
Qua urna parda contratada com o Sr. Zacharias
Lucas, de nome Laodovina, foi sujet a rigorosos
castigos por espaco de daus dias. desapparecendo
no dia 27 oa 28 de Janoiro, stm que d'ella se ti-
vesse noticias, sendo, com geral sorpreza, encon-
trada marta o em adan tado estado da patrefac-
co, margem de um riacho, ha Eeis das mais ou
menos.
As repartieres fiscaes renderam no mez de
Pevereiro :
Mesa do randas previacias
Mesa de rendas geraes
Birra do S. Goacalo (impostas co
b.-ados pela provincia)
76:211*826
O Correio Mercantil de Pelotas publicou o
seguinte telegramma :
< Porto Alegre, 9, (particular).X' vista das
ordeas do gjverna imperial, o presiden te da pro-
vincia irnudou sustar a extraeco da lotera que
devia corrar houtam, e que nao ser realisada em-
quanto nao fr orgauisada de conformidada com
os avisos do Ministerio da Fazenda.
< Outros dizem que o presidente telagraphoa ao
governo pedinio iustruccoos, visto acharem-se os
hilhates d'esta loteri* j vendidos. ^^
O Jorna do Commercio da capital, retare o
seguinte :
Na tarde de 22 do mez udo, aehava-sa Se-
rariao Silvera na casa da negocio do Libindo
aues de Frailas, sita na 2 districto do teruii
da Cachoaira, quando all appareeeu Militlo Dias,
paia di pn uairo, diz^ndo que ia roceber ordens.
Sa/eriao, estando um tanto embriagada, re-
Ceban o pio com palavras injuriosas. Ratiraa-
se Miitio, e voltiu pouco tempa depais a sao.r
da Sevonuo a que hor*3 deveria ir rondHr umi
tropi. Raspondeu SaVerino com outros asaltas, e
laucaudo mo de urna taca, atirou sobre Milita)
golpes iuaertos.
Crranlo Milito, foi perseguido p;r Saverino
quo transponJ i amas maduiras existeates purto da
casa da Libudo, alcancou aqaelle e itirou-lha
nova facada, qae nao fez ferimento.
41:030*528
28:994*847
Milito, em defeza propria lancou entilo mo
ama pistola de daus caaos, qae trazia cinta,
e desfechou doa tiros sobre Soverino, que talleceu
instantneamente, tenda a carga attingido o peito
esqaerdo e orelha.
Em seguida Milito mantou a cavallo e esca-
pou-se.
Na linha divisoria, no lagar denominado Pi-
cada do Crespa, duas pracas da 3. batalho, o<-:
nom-s Thomaz de Souza e Pedro Antonio da Sil-
va, travaram-se de. raides, resultando aquella dea-
fechar um tiro de pistola neste, vindo o projec,'
penetrar-lha na peito, causando-lbe a morta i -
stautaneamaate.
Seu cadver foi dado sepultara depois do com-
petente exame medico.
O assassino foi reaolhido ao xadrez do 3 bata-
lho, onde se acha-
Pelas 10 horas da noite de 9 do corrente, o
mscate italiano de nome Serafim Perichi foi m i-
talmente iarida par um soii compatriota, ra
Audrade Neves prximo Tres da Fevereiro.
Sauta Cantarna
Datas at 11 da Marco :
O presidenta da provincia adiou para 8 da Se-
tembro a reunio da assemhla provincial.
Assumio o carga de juiz de direito da capi-
tal, o Dr. Joaqnim Pauleta Bastos de Oliveira.
Aacorou no dia 5 no porto,da cidade, arriba-
do e depais da 85 dias da viagam, o patacho nglez
Bittern, procedente do New-Port com carrega-
mento do carvo mineral, destinado praca da
cidade de Salto, no Alto Uruguay.
Entrn dcsarvorado e fazendo agua, a varias
essas causadas par forte temporal que o assaltou
as costas do Ra Grande.
<0 referido navio do parte de 133 toneladas,
tem sais pessoas de tjipolaco e sea capito cha-
ma-se J. B. Hayaes.
- O patacho Gentil, de 117 toneladas, -aerten-
cente praca de Laguna, sahinda com destino
a essa cidade, arribou, por causa da forte tempo-
ral de laste que renava na costa.
Esse navio chegara anteaba poucos dias do Rio
de Janeiro cam carregamenta de variasjgeneros.-
Canstava ter-se perdido, uo rio Itujahy, o
hiate Felitardo, carregada da madeirs, de pro-
priedade do Sr. G. Asseburg, negociante de Ita-
jaby.
__ Saictdou-ae em Lage, no dia 25 s 2 horas
da madruga la, o Sr. Miguel Moreira da Silva,
moco honesto e de bons costumes.
O Jornal do Commercio da edrte publicou
este telegramma :
Desterro (Santa Cathsrin), 14 d Marco.
Tel 'gramraa do engenheiro Dunat, director das
obras da estrada D. Francisca, communica ur
cahido na regio, violento temporal que produsio
grandes desmonoraraentos na mesma estrada, ala-
gando completamente e impedindo as communica-
ces.
A presidencia da provincia antorisou as ropa-
rcoas indispensaveis restauraco do transito'
por se tratar da estrada pela qual se effectua n-i-
meroso trafego de mercadorias.
Hinat Cernea
Datas at 3 de Marco :
Na cidade do Machado os Srs. Dr. Antonio
Candido Teixeira e Astolpho Pi da Silva Pinto
promovetam urna reuniao na casa da cmara psra
se accordar nos maio3 da acalmar as paixoes e
odios que dividem a populacao do lugar, e podem
ter funestas consequancias, cojio se pode avallar
palo mallogrado attentado, que, segundo o C*r-
reio do Machado, premeditou-se contra aquella
folha, da parte de desafiados seu?, dirigidos pelo
vigario da freguezia, padre Joo Baptista das W5-
ves. .
Como prava da excitacao dos animaa all, ha,
alm da proprio boato registrado pelo callega a
circumstancia da eserever elle o nome desse sa-
cerdote em lettras minsculas.
__Em Santa Luzia de Carangola um italiano
de nome Francisco, esfaqueuu sem haver motivos,
o maraeneirovrfbs dos Santos Galante, que ficoa
em perigo de vida,
Em 8abar deseobrio-se ama jada de Ami-
antho. ,
Morrea afogado no rio Bapucaby o poeta
portugus Jos Joaquim de Figaeiredo.
Na freguezia da Lage, do municipio de Ca-
taguazas, Manoel Antonio Baptista^ em rixa com
sua mulher Anna Flix de Souza, d6u-lhe o
ventre urna facada que lhe produsio a morte tres
dias depois. ~
No maaieipio de S. Paulo de Murib o por-
tugus Fraucseo Ramalha assassinou, com dous
tiros seu eogro Francisco Jos de Bittencourt.
O assasiuo evadise, mas a polica procede a
diligencias para captural-o.
__ Vai-se orear em Ojro-Preto um extrnate
para o ensino dos preparatorios das Faculdades
do Imperio, sendo professores do projectado esU-
belecimento os Srs. Drs. Automo Olintho dos
Santos Pires, Jos Grvasio Beuevidts de (Jueiroa
Carreira, Lacerda Ferraz e outros.
8. Paulo
Dates at 15 de Marco :
N da 9, s 10 horas da manh mais ou menos,
na ra Benjamn Constent, no Braz, Joaqun
Affonso de Caraargo por quesles de ciumes, dea
duas faeadaa em Claudina Maria da Silva, feria-
do a profandamento no ante-braco esqnerdo.
Caraargo foi presa era flagrante e recolbido
estaco central da guarda urbana. _,
A offendida, depois de examinada pela Dr. Fer-
nando do Barros, medico de polica, foi transpor-
tada par a Sauta Casa de Misericordia.
Tres representantes de casas eommerciaes da
capitel forana assaltados, em viagem para Botnca-
c, na freguezia da Freirs, por canbambaras
quo deram da villa Diogo quaudo viran appro-
ximar-83 os ramaradas da assaitado que avaaca'
ram em sua deteza.
O promotor de Soctorro, Dr. Artbar Nicolao
de Verguoiro, opiniu pela pronuneia des reos pa-
dre Saverio Mersicano, Alexandre Paulino ( ex-
delegado), Moyss Gomas da Az3vedo (collector),
Lycerio Gomes de Azevedo, Vicente Gomes de
Azevedo, Ro ferio Gomes de Azevedo, Joao Ke-
ginaldo, Vicente Vita, Francisco Vite. Francisco
Antoaio de Almeida, vulgo Chico Indio, GorgoU-
no Pirfs da Oliveira e L.opaldo Pires da Olivei-
ra, na art. 111, do cdigo criminal, considerndo-
os eabecas da sedicao que teve lugar no da 8 da
Dezembro prximo findo.
Os Srs. Antonio Penteada, Francisco da Bo-
cha Leite Penteado, Joo L-.ita de Camargo Pen-
teada e Francisco da Assia Salles, fazendeiroe
em Campiuas, libartaram todas os seus eacravos,
em numero de eein. Os dous primeiros o fiseram
sob a ciausu'a dos escravos Ihes prestarem servi-
cos por tres annos e as dous ltimos por qaatro.
__ Foi pronunciado como ocurso as penas dos
arts 14 e 201 da codiho criminal o Sr. capitio
Benjamn da Cuuha Baau>, delegad de pelicia.
de Pindamonbagab, acensado de haver castigado
com palmatoria duas mulneres livres.
Tratando-s*) violencia prstiaada no ff*^*
d> ej'jreg\ e estando o r> sujeito tamberaiM
penas ilo ar. 201, o Or^Irtao Velloso, jais ar-
mador oa culpa, pronunciiSflJ-o, sujeitou-o pri-
sao e livrameuio.
_ OiSr. Motta Jnior, nstaralisU viajanL- do
Musen Sartorio, envin do Tiet, ao Jorwd d
Commercio da corte, o seguinte telegramma .
Da=cobri thesouro era I mh-iros. -
- Obtiveconcesiod. propnetario para taaer
a respectiva xplor.co. .
ltefera o Diario ,U Smtos de 14 :
, Pela delegad da polica f Ji boutem presa a
iaJiviauo de n:uie EJuardo von lave, V***
va pubicamente .ffcrecuio venda estampilasa
da va'ores diversos.




VE,
%>
3ff
i** "5S65.5vT"
Diario de fernambucoTer^a-feira 22 de Mar^o de 1887
i

/
-

V
Levado polica, foram ahi em seu poder en
contractas estampilhas no valor de 868^000.
< Desconfiando que tat-a estampilhas tinham
sido lavaaas depoia de haverem servido, aquella
autoridad* euvioa-aa 8 inspector da Alfandeg,
< que, mandando exaesioal-aB por dous empregados,
verificaran! estes aercm verdadeiraa e anda nao
usadas.
De accoido com o que preceita o ait. 49 do
- regulamento do sello, o delegado de plida pos
Eduardo e estampilhas i disposicio de imuiii asa
d'aquella repartico fiscal.
Escrevem de Casreva i Provinai* ie S.
Paulo : .
a A ponte sobre a *a list, as proxiaastades
desta villa, e "que a aoaamaaromva com a idade
de It, caneca da comarca, pormuto esatro da
todas aa suas dependencia jalieiaes, cabio em
consequencia das chava* torroaciaea de Dexembra
ultimo i
E' urgente que o governo d providencias ten-
deutes a restabelecer a communicajo entre esses
dous pentos, que ae torna necessaria at para o
regular muviraento posUl euire easa villa e a ca-
pital, visto qua presentemente o estafeta, pira
transp rtar a correspondencia, vise na naeessi-
dade do urna outra ponte em ontro municipio.
Por pessoa de toda a contianca, sonbe a
Tribuna do Oeste, Ja Limeira, que foi assassina-
do no Jahu', Octaviano de Sonsa Rogerio, filho
do Sr. Francisco de Sonsa Rogerio, morador d'es-
ta cidade. O assassinado era emprogado do uina
pharmacia d'aquella villa e geralraeote estimado.
salo de Janeiro
Datas st 16 de Marco :
Constara as principaes noticias da carta do
nosao correspondente, publicada na rubrica In-
terior. ,
Lomos no Jornal d> Commereio ae 14 :
< Suicidou-se hoatem o major Tnsmoth'o de
Sousa Spioola.
V 7 horas da manhi, poueo mais ou menos,
0 maj ir Spiuola entrn na sua fabrica de vinagres
e licores da ru* do Nuncio n. 27 e dirigio-se para
nm sotio. A's 8 horas os empregados do estabe-
lecimento ooviram o estampido de um tiro de re-
volver, e. dirigndo se para o dito sotio, encoutra-
ram o infelis cabido no chao e banhado em aao-
gue, tendo a seu lado asa revolver.
O Dr. Silva Rabello, subdelegado da fregue-
k do Sacramento, comparecen no lugsr e requi-
sitou o ezame medico-legal.
O medico da polica, Dr. Amancio de Carva-
ibo, que tambera compareceu piuco depoi, yerifi-
con que o tiro foi disparado no envido direito,
tendo feito a bala um trajete de 15 centmetros
de extenso.
Nao se encontrn nenhuma carta. Diz ae,
entretanto, que toram atrasos no seu negocio
que levaram o infeliz a eommetter esse acto de
desespero.
O major Spinola deixou viuva e seta filhos
todos menores. *
Espirito Santo
Dix o Constitucional de 8, que o 8r. bispo dio-
cesano se demorar anda algn das na Barra
de Itapemirim, para o b nsiraento da igteja do
Nossa Senhora des Navegantes, enja conatruccio
est prompta.
Assumio a vara de juis de direito de Itape-
mirm o Dr. Pedm C&rvalbo de Moraes.
Chegon todo o material frreo para a ponte
do Cseboeiro.
Em Benevente, no dia 21 de Fevereiro, a
8 horas da noite, ficou a atmosphera prenhe d i
electricidade como ha muito lempo nao se tem
observado, de modo a succederem-se constaule-
mente relmpagos e estampidos formidayeia por
todo esse espaga de tempo- Alm de varias fals-
eas que em pontos indetenmeados cahiram, cabio
em Emboacica sobre a casa da residencia de
Pasad Martin, onde se achavam reunidas 22
pesaos, entre pessoas de familia e trabalhadores ;
sendo, porm, extraordinaiio, que tendo partido
frechae, esteo da casa, inntilisado tedia, espin
gardas, matado dous traogos, um pato e nm ca-
brito, apenas tivesse produrido leve commocio em
alguna meninos, qne ficaram logo restabelecidos.
a ota
Data at 19 de Marco :
Nada interesa am aos nossos leitorea as noticia
desta provincia.
INTERIOR
Cerre.ipoarietiriu do Diarlo de
Pernambaco
RIO DE JANEIRO -Cobte, 16 do Margo
de 1887
Sbmmario :A convaleseenca do Imperador.Pa
recer dos mdicos para mudanca de
residencia de S. Magestade.Diffieul-
dades dessa mudanca.0 anniversa-
rio da Imperatriz em Petropolis.
Festejos populares. Manirestacio
que se projeeta pelo restabelecimento
do Imperador.Anda a cmara mu-
nicipal. Boas -noticias de Matto
Groaso.A chamada questio militar.
O Sr.senador Avila.Alumnos des-
ligados da escol. militar. Manifest
do general Santos.
Continua em sua marcha regular a convalescen-
ja do Imp t idor; e agora que se tem sabido
oio gravemente esteve enfermo S. Magestade.
toje os aeu8 mdicos j nao oceultam qne a mo-
lestia fot multo mais sena do que elles deixavam
aperceber nos scus boletins, pelo qne/segundo corre,
aconselham que S. Magestade v passar algara
-empo em Barbacena, que pola eua elevada altitu-
de tem melhor clim i do que Petropolis, era .que.
JBando chove, ba muita hnmidade ; e que dnrante
ous ou tres meses se absteuba do trabalhos de
qualquer nstureza.
Nao fcil qne qualquer de asas recommenda-
coes seja observada pelo Imperador.
Em Barbscena ha de ser ^lifii.il aehar-se casa
m que a familia imperial, com a sus corte e pes-
toal do seu servico, possa installar-ee por dous ou
tres meses. E aqu cab- observar queja no Jor-
nal do Commercio de hontam appar'ceu um arti
culista aconsclhand > a 8. Magestade que nio v
para Barbaceoa, que alias est sendo agora muito
procurada, que a trra classica das pneu nonias,
e sim para S. Joio d'EI re ou S. Jos d El-rei,
enjo clima muito mais sandavel. Mas em qual-
quer deasas cidades di-se o mesmo inconveniente
de falta de eiificio apropriado residencia impe-
rial.
Quinto abstencao completa de trabalbo ou
quantidade enorme, principalmente cravos e rosas.
E' sabid que Petropolis a cidade das flores.
Uin aguaceiro que eahio as 10 horas fes eessar
o festejo popular.
Tratara agora de levar a effeito nma pomposa
manfestacilo de regosjo pelo restabelecimento do
Imperador em da por eate deaignado, para cojo
fin bou ve urna grande reunSo de miradores e re-
sidentes eventuaea da cidad", sendo nomeada um*
coauaiaaao, qu; ficou encarregada de organisar o
procramm i cob'er o meios preois-j paraexecutal-o.
II proj-ctJ de, par meto da ubscripcoes, iber-
tsr-aaia maior numero possivel de escravos.
O aperados', como fiea dito, recobra nos sen
aposraso particulares, do que anda no-sabiu, *
foi ata que raeabea aa p meas pessoas, alm do
miuiatri 3, que fjrun a Petropolis quaado se an-
nnnciou que elle tinha entrado em convaleseenca.
Asdemais passoaa nao enegaram a ser adinitti-
dos sua pr sanca, eomo podia tfepreaender ie
das noticias dadas pelos jornaes. Smente foram
recebidos pelo camarista de semana, oSr. Para-
nagu e depois o Visconde de Aljexur, inscreven-
d > em seguida os scus nomes.
O Sr. Cotegip", que tem ido frequentemoote a
Petropolis, teta eitado aempro com o Imperador,
mas nao de auppor qu.( t nh tratado de negocios,
at porque as visitas t&o curtas.
Disse Ihes na paseada que por fimestava ais-
tallada a cmara municipal da Corte e terminudvs
todas ss questos qun se tinham levantado acerca
da sua organisaco. Pois eoganei-me : um novo
recurso para o Sr. ministro do imperio, acaba de
interpor o Sr. Evaristo Veiga, o presidente nomeado
antes da final apuracao, contra a eleicao do novo
presidente e novas commstes, fuudando-se em
um aviso antigo do governo, que manda considerar
validas as eleicis e nomeacoes tflvctuadas pela
cmara regularmente e em boa f, anda mesmo
que posteriormente venba a darse altcraco; no
pessoal da mesma cmara.
Toda a questo por causa da presidencia da
cmara. Sao as taes funejes do executivo
que esta continu a el^ger aos seus presidentes, o
que motivou a liga do Sr. Evaristo Veiga, conser-
vador, com os lib:raes em minora afim de ser elle
oeltito, em troca de outr:is concsses a^que se
comprometteu e levou a effeito. As coromissors en-
tao foram nomeados pelo presidente e ag.ira foram
eleitas pela cmara, e ficaram muito melhor com-
postas de que estavarr, quanto serieiade eidonei-
dade de seus membros. Por combinadlo ntreos
conservadores fez-se entrar em cada urna um libe-
ral com dous aonserv adores.
Os liberaes, depois de reclamaces e pedidos de
escusa, accederam era ficar, m:nos um que decla-
ron que,p*m deixir de tomar parte nos trabalhos
da commisso, nao precisa de licen^a nem de dis-
pensa. .
Felizmente acaba o governo de reoeber. por
intermedio da ligacao brasileira em Assarapcilo,
noticia de aehar se Matto-Qrosso livre do fl igello
do citolera. Em carta de 3 do correte, escrip'a de
Curnmb, diz o dcsembarga*3r Fimo Jcs de Mat-
tos ao novo encarregado de negocios, o Sr. Kegis,
que na vespsra tinha recebido communicaclo do
presidente o Sr. Marcoudes, annunciando haver
o cho era desapparecido de Cuyab (onde pelo que
j sabia se, oottaaa victimas fes) e dos demais pon-
tos da provincia, couaiderando apenas suspeito
Itaica 20 leguas da capital ; e que os mercados
sstavam sortidos, havendo aoundanuia de genero
alimenticio *.
O Pota, qne pareca ter posto de parto e se es-
quecido da chamada questao militar, nio tratando
mais d'ells, e dando bomcm por si na pessoa do
Sr. senador Avila, de qu> m publicon urnas carta
em defeca do bros militares, annunciou-nos lti-
mamente as suas columnas de honra, que o ge-
neral Deoduro o havia autorisado a declarar qu
na questao militar contina a manter a mesma
attitude aasutnida perante o governo i nporial, e
qne aguarda o restabelecimento da preciosa sa le
de S. Magestade o Imperador e espera que a re-
ferida questao ter o despacha almejado .
Interpetre dos seus camsradaa na mocao que
apresentou a S. Mageatude o Imperador, concluiu
aquella jornal, o marechal Deoioro da Pon seca
contina unido a elles nos meamos sentimentos
briosos e no mesmo honroso proposito a.
Esperem ou nao, o qne me parece que o nego-
cio nao dar nsda mais de s, apezar do contin-
gente qne Ihe veio trazer pela imprensa o honrado
senador Rio grandenie, que, como membro da
guerra infieri, indicado pela opiniao militar, pois
s primeira epportuaidade, appareceu na imprensa
como paladino da classe, e, antecipando o que ter
de dser na tribuna do senado, em que trin pro-
mettido discutir a questao, e aventa urna idea e
theorias sobre disciplina e sjbordinacao militar,qu esto em inteira eontradieco com as que elle sus-
tenten as suas palestras militares e que foram
publicadas na Revista Militar.
Um do ltimos actos do governo merecsu cen-
sura do dr. Avila (e tambera isso o que moti-
vou a declaracio do Sr. )eodoro, ao que parece)
foi a resolucao tomada pelo Sr. ttibeiro da Luz de
ssassflai desligar da escola militar cincoenta alum-
nos que tendo concluido os cursos das respectivas
armas, pretendiam continuar matriculado para
frequeutarem o curso completo de estado maior ou
de engenheiria.
Era uto urna pratica abosiva ltimamente in-
troducida n'aqaeila escola com permasao dus Mi-
nisterio da Guerra, pratica cujos inconvenientes o
proprio general Severiano que para ella tem con-
corrido, nao se oppoudo aos pedidos das alumnos,
j a havia reccnbecido e eslava resolvido a pro-
por ao governo que o fizesse eessar.
Como sabido, o numero de alumnos que sao
admittidos matricula todo o anuos tem um
limite, e coma os que oouipletavam o curso de sua
arma (cavalleria ou infantera qae de dous un
nos, e artilharia que de tres), continuavam ua
escola, resultava d'ah que u.uito poncas vagas se
abriam pira novas matriculas, ao passo que por
outro lado, seatia-se nos corpos falta de otficiaes
que l j deviam estar, mas que, em prejuizo do
servico, iam se conservando auseutes delles.
A' vista disto mandou o Sr. Kibeiro da Luz que
os alumnos que tvessera conchudo o curso de sua
arma fossem recolhidos aos seus corpos, oom ex-
ceoco d'aqaelles que, em numero determinado,
na forma do regulamento, devessem, pelas notas
de suas approvaces, destinarse aos corpos scien-
tifieos.
O Sr. Avila acha que isto pn-judiea a illnstra-
Vo do exercito; que seja qual lor a arma a quo
pertenca o militar, deve se permittir que elle es
PERNAMBCO
oecupaco de negocios pblicos, beoo djjricii ser tude toAI tts materias da escola. D'.hi coneluc-se
consegnil a com a forma e pratica da nossa ad
saioistraco, agora pritjsip tlra-nte qne se

ao-
xima a abertura do parlamento, e qnando agi-
tan) se questes que nao podem ser adiadas.
Os que coohocem os hbitos e o temperamento
de Imperador sabem que elle nSo homem para
por-se estraoho aos negocios da adminstrucao,
em que deve ntervir como chefe do poder ex cu
livo, asegnando sem exame o que he for apresen-
tado pelo ministros, sem exam e sem com elles
disentir e prestar-Ibes o auxilio de sua pratica e
experiencia.
E' de suipor,porm, que os mdicos modifiquen)
O sen psrecer si, com a terminaco do vern que
se approxiuu, cissarem as ebuvas, que neste anno
. teem sido mniio abundantes, priuciplmente de
sorra cima. Em ebegando o tempo fresco e secco,
as condicoes do clima de Petropolis serio ootras.
E como a distancia daquella cidade corte qua-
tro veses menor do que a que inedeia entre a corte
e Barbacena, podem os ministros l ir frequentc-
mente, sem perderem muito tempo, e fcil ser
communicarem-se aasuduamente com o Imperador,
ainda que seja s<5 pira iuteiral-o do que for oc-
correndo, e dar solacio ao qae for ma sem seren precises os longos despacho em S.
. Ohristovio.
' Mss, emfim, p-.r ora ni) se sabe o que ba de
-positivo a ase respeita
g|N dia 14, o Imperador aiada se coaservava
nos seus aposentos r s-.tvados, onde s recebeo
ssterio e algumas pessoas mau intimas. A
Sparatrix. pjrm, nao obstante o anuncio de cor-
tijo, recebe u o corpa djolomatieo e varios cava
roa de distiiiccio JHsnborasque foram cum-
btal a. m
lo essa a primeira ves que
paisava o teu anu /ersario em HOrapolis,
bMr grandes d. uionstraco-s de regosjo. Ao
L da aurora subirn ao ar muita giraado-
l e baudns de msica percorrerara a
numero de p'ssosa de todas as ajasses
^Btfs iuscreM,seas nomes. A noits;
^^Mao era tjda a cidade, tocando duas
imusiea no ja'dim e puteo do P.Ucio,
raiide a concurrencia de familias, aa
d.o do veador de semana, offe
juqveti e fljrts avulsas em
que e escusado haver diversos corpos com ma
terias especiaos de ensino; s dsveria haver
corpa de engenheiros.
A (roseta da 'larde e nos articulistas do Paiz
acharam no acto do govefno ligaci > sosa a ques-
tao militar ; acbando qae os alumnos recebiam na
auspensid de suas matriculas tracoeiro castigo
pela dignidade o bro com qne s>: portaram. A
opiniao sensata, porm, e os qne conhecem a ma-
teria nio tem dado importancia a simelhantes
aecusacea. i
O general Santos eontina a ser assumpto de
que se oceupam os jornaes. Seuni dizem estes
o alustre exilado pr.tuud: filar sua residencia no
Brazil, pelo meuos emquauto nio he for permit-
tido regressar sui patria, p.-lo queja trata de
adquirir urna Casa nobre aqu na corte, para onde
tem de vir, pasaada a estaco calmosa.
O Pas de boatem que com data de aate-hooteus dirigi elle aos seus
compatriotas, fazendo referencia aos seus servicos
causa publica, a condiooes em que assumio e s
em qne deixou o governo da repblica, e poltica
de tolerancia e conciliario que sempre praticou
at com os seos mais intransigentes adversarios ;
e recordando que durante a sua admcistracio,
jamis o pleno ex-reioio de todas as liberdades
garaatidsct^ela eoustituicao eneoutrou obstculo;
nUQcajjfcor sua caui, se deiraraou neir urna la
^rissafasm nma got de saa^ue, declara que,
lora do governo, nio deve nem qu r servir de Dan
deia para q i-s establecaos lutas p iliacas qae
prodnzam temp atada qu s datanificam a patria.
Urna pars inaiidade, aucresccata D. ataxia
Saaaa< nada vale ai>te os graade interesses na
que se (aerifique a mu ha, era bolouansto
da c o engrandecimento do no:o
uha palavra ezeree anda alguma in
eos, meus amigos polticos, eu h s peco,
em ii ojio do por vir da Kepublica, que pro atura aa>
governo actual todc o concurso do sea patriotismo,
'" yin *na abui'gacab, si preciso,' para toraar-lbo fa
|l iil a n.bre missio de radicar a paz, qae o bein
supremo da patria. Eureitiu os vnculos d.Vfra
teruidade e cond-ameu para sempre a recrimin t
e5as poli ticas, pirque ellas s eugendraia rtiv.
Asscmbla frovinciil
5* SESSO EU 14 DE MARCO DE 1887
FBBSIOBaCM Do EX. B. DB. JOS MiSOBL DB BBROS
WASDBBLBY
(ContinuaQo)
O Sr. Jos M arla(Sio devolveu o sea
discurso).
O Sr. ttaatvar ale Brammood-Trata-
8) Sr. presidenta da um adiamento e eu voto a
favor delle. Vota, assim por dous motivos, voto
pala 'iccessi Jade, qae ba, de se acharem presentes
i disenssao desta reqoerimento os dous deputados
ao quaes ella ia'erasao, mais de perto, os nosao
c lleppis Amaral o- Bario de Itapissuma, ambas
dignos representan! do 3* distncto e ambo
ebefes pilitiC'S do dous part lo constituconaes
em Ignarass, e voto anda por um dctame de ca-
valberismo, que faz cora que presentemente eu ra-
tribna a hmra, que emeccisies idnticas esta
Assembla tem-me dispensado, adiando em mioba
ausencia discussdes de requenmeotos em que sou
intereasado como interpeUaata ou- aaoUa.iu, ne-
gocios de mcu distrieto.
Agora dire palavras sobre o assu np'o era dis-
cussio, protestando proteril -as revestido de toda
calma, pois, entro no debate sem odios, nem pre-
vencoes.
Qnando, Sr presidente, a discusslo sobre oceur-
rencia de Iguarass esrreitava-re n>s limitos da
competen :ia dos dous ilustres representantes do 3
districtocujos nome ha pjuco decline!, en limitava-
me, apenas, dar alguus apartes no innocente in-
tuito de (ornar un tanto boraoristico o debate, que
ia r-'svalaudo p O Sr. Visconde de TabatingaQueirdo accomo-
dar a discusao,
O Sr. Oasoar de DrummondMa ao vir o meu
distincto collega e illustre amig^, o Sr. Dr. Pitan-
ga, digno reptes mtante do 12 districto abando-
nar os verdej antes taboleiros do sertio e pa-sear
as planicie., onde se esrendem as salinas de Ma-
ricela e Iguarase ; &i ver o illustre collega, repre-
sentante do 2 dietricto da capital abandu iar o
macadam da cidade e travar dj braco do repren-
seotantedo 12* districto e paesear eom elle, resol-
v me, tambera a acompanbar a S. Exc. no pas
seio.
Um Sr. Depurado -V*. Exc. pro:ura rcdiculari-
sar o tacto.
OSr. Gaspar de do DrummondSao empres-
te-me intenees qne nio taoho. Mea intuito nio
, como insina o collega rodicularisar o fasto,
mas sim tirar d-lle a preparacoes com qu querem
desfigural-o, com o fin j de comprometer una
autoridade p-.lici.il, j de formular aceusico's
coiit t o presid -nte da provincia, por nio telo de-
mitlido. (Apoialoi).
Qual o grande acontecimento, senhores, que
tem despeitado tumauho grito da opposica>?!
Q ie grande violencia praticoa o subdelegado de
Maneota ponto da provocar tamanhai iras na
bancada opposiciooista ? 0 tacto au aconteci-
mento bem pode er da urdem d'aquelles, que Ci-
cero qualificara de novum crimen !
Vejamolo. No dia designado para urna eleoa >
municipal era Iguarass, o juis substituto daquel-
la comarca, Dr. Teles oh oro, pela manhi monta
cavallo e vai caballar aliciando eleitores (apartes
c contestaces) para a victoria das forcas libe-
rar daqueila localidade. Ao pass-ir pela casa- do
capitio Tboofono subdelegado em Maneota, per-
gunta lhe o camiuho da cisa do eleitor Jos Ma-
thias, conservador c proprietario do engenho Uliu
ea, e como o subdegaao nao fosse um poltico in-
transigente e obsecado como qualquer liberal na
bypothcse. promptamente ensinou-ibe camiuho
e at para facilitar ao equeatre viajante o_ eami-
nbo seguir disse-lhs que elle se pod. ria faser
guiar por urna escolta, que naquella mesma occa
siio ira em deligencia para as banda de Utioga.
Entio o Sr. Dr. Telespburo, grato ao obsequioso j-
offerecimento daqulla autoridade deps de ara
grog (risadas) animador, ch gou esporas ao cuval
lo e seguio viagera.
Caminbou algum' tempo guiado p'la escolta e
acompanhado de nm amigo n provavelmen:e alm
de coinpauheiro de viagera, compaobeiri tambera
de eren cas polticas e cabalas eleitoraes.
Depoi da osminbar algum Uunpo, o illust:< juis
do Iqrmrass comevoa suspeitar que a escolta,
muito de industria, estivesse a errar coa elle o
caminbo ; a susp.ita tomou vulto e o saspeitante
julgou misacortado desagregar-seda escolta e
aventurar caminho com o coiopanbciro. Entao
foi que o juil de Iguarass fes de verdadeiro Tlie
moteo embarafustandu-se por caminhos nvios, de-
vezes pouco trilhada, tendo cm resultado andar
mu a tempo transviado e cbsgar- lgaarassj
depois de lida a eleicao. (Apoiado e spartes).
Comprehende-se acoufuso, mesmo umquer que
seja de vergonba em os juiz caballeta, ao ter de
relatar.o fiasco ; d'abi a imaginada e fantstica de-
tencio com o fim da justificar o occorrido. (Ri-
sadas).
Se querem os llegas ter a prova do que acabo
de adduir, apreciemos a detencao de juis e veja-
ra os se elle resiste as lea de um facto verosmil.
E' certo que nao so pratica um fasto sem uin
movel qualquer, que o determine, a menos que o
agente nio o faca raachinalmente e, ento, ne-
nhuma responsabilidade decorre para quem o pra-
tieou. Creio, que nio se me impuguar a verdade
do principio, que acabo de estabelecer (apoiados).
Pois bem; qua I o movel, eom que nteresse o
subielegado de Maneota, mandara deter as inat
tas ao Dr. Telesphoro de Araujo? Que proveito
visoria elle praticando tamanho attentado?
Por ventara iapedil o de exercer o direito pol-
tico do voto? Mas, que vautagem resoltara d'abi,
se a victoria dos liberaes era certa e pronun-
ciada ? Se, com toda a antecedencia era geral-
niente sabidi que matos conservadores so abste-
riam do pleito eleitoral I ? O proprio Sr. Bario
de Itapissuma, que nio pode ser suspeito illus-
tre opposicolo, deelarou-o neste recinto em discassio
com o Sr. Amoral e Mello.
-O Sr. Jos MaraEile nao nio disse isso.
O Sr. Qoncalves FerreiraDisse-o.
O Sr. Jos MaraElle' disse que os esforcoe
dos conservadores seriara baldados para vencer o
pleito.
O Sr. Gaspar de Drummond Perde-me V.
Ex3 Beeords-so bem; o Bario de Itapissuma
aqu declarea qae o movel da detencio nio fru
tirar proveito ds voto do Dr. Telesphoro de
Araujo, mas sim o uriar a esse juis.
Voaes E' verdade.
O Sr. Gaspar do DrummondBem: examinemos
se o movel foi com effeito, na opiuiio do Sr. Bario
de Itapissuma, injuriar o jais de Iguarass.
Que motivos ttria o subdelegado e Maricota
para assim proceder? Pois crivel quejtquella
autoridade policial que,-ha bem p meo tempo, me-
recer do juis de Iguarass-o favor de ser despro
nunciado em um processo de respobsabililade,
fosse tio dcscoobtfCida que procuraase cunfcnr na
injuria a m.Ja com que retribuase a gratiJao
rcuebida ?!
Um Sr. D-putado-0 Dr. Telesphoro ni des-
prouiiuciou, fazendo tavor
resistir para colber e guardar commigo as provas
materiaes da violencia.
Dcxar-me, porm. deter; soffrer a doce violen-
cia, de que se diz victima o Dr. Telesphoro, para
depois allegar o martyrio engndo esse servico
ao mea partido, nio, porque nem en daria provas
de mioba passividade inepta, nem quererla iocor-
rer nt snspeita de ser nm contador de historias
(apoiados o apartas).
A verdade, pois, que o Sr. Dr. Telesphoro an-
dn errado pelas mattas de Maricota e qae se tri-
Ihou um caosinho mais longe p ira ir ter Igua-
rass, era compensacio nio perdea o tempo, poit,
foi o trillio, que se lhe sfigurou mais porto para,
chegar ao jaaado de direito (risadas apartes).
O 8r. Jua Maria-V. Ese. para quo desfigura
os factos 1
Eu decUro-que, se ouviss% T. Ese. diser, que
tinha- sida victima de nm attaataato atesta ordem,
acreditara.
O Sr. Gaspar de DrummondBem sei disto, e
pirque jalga-m* incapaz de eommetter nma larca.
Tambern faco a mesma justica V. Exc. e acredi-
tara no faeto, se V. Exc. houvesse sido a vi-
ctima !
O Sr. presidentePaco ver ao nobre deputado
que est fiada a hora do expediente.
O Sr. Gispar de Drummond -Neste caso pedi-
rei un prorogici) de hora-para concluir as con-
sideraces orne encetei.
O Sr. presidente -En'ao V. Exe. redija o seu
requ rimento. ,
O 8r. Gaspar de OrammondE o qua passo
faser.
(E* lido e approvado ura< requermento de proro-
gacao da hora por des minutos).
O Sr. presidenteV. Exc. pode continuar.
0 Sr. Gaspar de DrammondContinuando, co-
meco por agradecer aos collegas a benevoU ucia, que
acabara de dispensar-inn votando a prorogacao
pedida.
Se o faeto, de que se d;z victima e juiz de I,'ua-
rabs, fosse verdico e real, embora conservador e
correligionario da autoridHde violenta e arbitraria,
eu tel-a-hia aecusado e desta tribuna seria o pn-
meiro a solicitar providencias respeto. Certo,
porm como estou, da que os acontecimentos de-
ram-se por outro modo, innocentemente, nio posso
dsixar de defender a autoridade, quem tio abso-
lutamente se procura comprometter. (Apoiados e
apartes).
Um Sr. deputadoPois o ficto deu-se.
O Sr. Gaspar de DrummoudDeu-se como?
Onde ae provas? A palavra do Sr. Dr. Teles-
phoro ?
Vv. Excs. nio devem ser tai ingcuuos ao ponto
de quererem impor-nos urna palavra suspeita !
Um- Sr. deputado -Entio quem falla a verdade
o subdelegado de Maricota ?
O Sr. Gospar da DrummondNio elle s.
A verdade fas se eom o testeinunho delle, das pra-
cas da escolta, que foram interrogadas o que de-
poseram constesteoiftu'e; faz-se com as circuns-
tancias do facto perfeitamente compativeis e ada-
ptadas Verii8iuiiihatica. E onde o presidente pro-
curando ioforiaar-so, poderla eolber provas, quo o
babilitasse providenciar, seoio ouvkilo a auto
rdade respectiva, mandando proceder a iuquer-
tos, erafim inspirando se em pecas officiao*. (Apoia-
dos e apartes).
(icriam Vv. Eccs. qne o presidente, deixando-
se arrastar pelas luformacoes de um juiz, partida-
rio exaltado da ordem do Dr. Telesphoro, demit-
tisse sem perda de tempo o suOdelegado indigita-
do autor da violencia Querais, por ventara, quo
o pr sideute, om vez de iustruir-se com as pecas
pi-ocessuiies, mandasso oavir por exemplo ao Sr
Bario de Itapissuma ou ao Sr. Dr. Pitanga, ao
directorio lib -ral ? (Apoiados e apartes).
Paira que tanta ira em nimos celestes! O
facto, de que Vv. Exos. estio fazendo tamanha
questao. nenhuma importancia pJe ter.
Uin Sr. deputadoV. Ecx que o est redicu-
larisandir!'
O 8r. G. de DrummondEngaua-se ; proeurei
upenas tirai-lhe as propor^es que o desfigurara
reduzil-o pequenhez e ipreeial-o pela face cmi-
ca, a que taot > presta-se. Eu nio tomo ao serio
as comedias ; divirte-me e rime com ellas.
O Sr. JacobinaY. Exc. tem razio; e ha um
iceio de defender esse acto, n da forma que V.
Exe. o est fasendo ; ma V. Etc. nio publica cate
discuno.
O Sr. Gaspar de DrummoudHa muito que
nao publcaos meus discursos, mas bai-de publicar
o qae acabo da dizer aqu, para qae V. Esc ni
supponha que estou gracejando. (Apartes,.
O facto deu-se, como narrei ; o mais fructo da
imaglnacSo, de quem procura tirar partido da tado.
(Apoiados e nio apoiado). O facto est passado,
nio deixou impresso -s doradora e todo nos j
t'-l-o hiamos esqueeido, se a oppnaieio, em falta
de assumpto serio para censurar a administracio,
nio estivesse explorando urna verdadeira futili-
dad*. (Apoiados e apartes), O piopfio Dr. Te-
lesphoro j est conformado.
Elle, que aps o occorrido foi palacio pedir
providencias a 8. Exc, fio satisfeito parece ter fi-
cado com as providencias, que promptamente deu c
Dr. Pedro Vicente qne nm deetes dia voitou
palacio ,apresentou a S. Esc. a suas despedidas e
pedio-ihe para si e sua familia passagens gratui-
tas para transportar se s Alagos. (Risadrs e
apartes].
O Sr. Goncalves FerreiraE' exacto.
O Sr. Gaspar de Drammond- E 8. Exc. dea-
lh'os de bom grado. rj
(Trocam-se diversos apartes.)
Pdrtanto, para que mais questao, nem grita!
Nao queiram ser mais regalistas de que o re.
Tudo est explicado e todos conformado.
O Sr. Dr. TelepOoro, em sua jornada do caba-
lista erra o caminho, depois imagina a sua come-
dia para recommendar-se aos amigos polticos.
Por flm despede-se do presidente e pede-lhe pss-
sagem para Alagoas. Em taes condicoes a Vs.
Excs. resta apenas desejar-lbe boa viagem e a nos
que por I demore-so muito tempo, deixe-nos tran-
quillo e seja feliz. (Biso, muito bem, maito bem).
A diseusso do requermento fica adiada.
Passa-se i
OBDBH DO DI
Entra em 1* discusso o projecto n. 1 deste
anno (orcamento nroviucial).
(ConUnt).
KhViSTA DIARU
e odios, e sobre odio nio so fundara instit.
baoefica nem felicidade pira a patria. >
contesto e
O Sr. Gaspar de DrammondBem sei que limi
tou-se a fazer justica; mas, em tempo do hoje,
j ni pouco favor, destribuir justios a quem a
tem. ""
V ;m, pois, que o subdelegado de Maricota nio
poderla, cu nao teria motivo para injuriar ao seu
beiafeitor o al amigo, pois segundo estou infor-
mado, depois do processo, os dous estieitsjsam re
lacoss aa amis ide a ponto do subdelegado empres
tar cavallos ao Dr. Telesphoro para seus pBeseius
ao Ii-eife e esse tomar grog em suas vislos de
Iguarass.
O Sr. Prxedes PitaagaV. Exc. nio procur
ridieularisar.
O Sr. Andr DiasV. Exe. tambem tem tomado
gmg.
O Sr. Gaspar de DrammondNio
at que tenhamos sido eomp nbeiros.
Mesmo nio ha desar nisto e at o
uecessidads, pnneipalmente, a quem vi
qne; pri-servai-se de eonstipa^es (risadas
Do que tenho dito at aqui asoefue-se
verosmil a detencio da Dr. Teisspboro.
Asada mais, quem conhece o detento o sabe que
elle um organismo composto de anajue mela-
uite (risadas) que anda, todo instante faser
expio.o, qua ama nataresa irriqakta, com-
pruboude qaa o Dr. Telesoboro nio se daixaiia
i ter, sera tentar arcar ^BHMens drHe-ntSores.
N m era pata reeoiar coiMaOpsW pois a eblta
Sibia que trata va com o juis de I^airasj. Por
que o.r. Dr. Telesphoro oio resista^
Ou s escolta deixal o-hia ir em paz soaptio a
detencio fiearia fruetada ou a escolta nsisaria em
detel o e nessa iueta poderia elle coiher es indi-
cios, as provas materiaes da vilesela, qua soffi era
(apoiados e apartes).
Eu, assim, teria procedido e confesso qae sou
de iudole pacifico,. Mas, ver-me bia forjado A
\ Assembla ProTtoclal Nio honve
hontem sessio por terem comparecido apenas 18
Srs. depatados.
A reuniio foi presidida pelo Exm. Sr. Dr. Jos
Manoel de Barros Wanderley.
Nio honve expediente.
eearao contra ansa deds&o da
cmara municipal de Bota Conseibo
E' destituida de procedencia qualquer censura
ao acto do Exm. Sr. presidente da provincia, por
ter negado provimento a um recurso, interposto
pelo capitio Joi> Pereira do Nuseinrento contra
a deciso da cmara de Bom Consciho, que nio
consinti no assentamento de orna machina de
descarnfiar tigodi', dentro da villa, sem previo
cousenom mto da cmara, desde qae se conbeca
os motivos da decisio e se veja qae nio se trata
de privar aquelle eidadio do assentai a ma ma-
china, mas de obrigal-o a cumprr com formali-
dades iegaes.
O cdigo de posturas d'aquella camari designa
lugar, onde devem ser lancados os carocos de ai-
godio. A eamara nio pretende prival-o de faser
funeciouar a sua machina, mas exige que declare
com certeza o local, e se obrguo ao cumprimento
de suas posturas.
E' negocio etots todo de economa da cmara,
qae o presijjehte da provincia nio deve embara-
cir com sus intervencio, senSo qnando conheca
que esta corpracio realmente excede os limites
du svss attfibuicoes.
ilajEw ainformacio, que deu causa ao ndeferi-
pno do recurso :
Paco da cmara municipal da villa e Bom
Con elho em sess&o extraordinaria, 25 de evereiro
de 1887.4"*> e Exm. Sr.Em cumprimento ao
respeita ve despacho de V. Exc, laucado na pe-
ticao- junta que temos a honra de devolver a V.
Exc e os documentos qae acompanbam, cmpre-
nos informar o segumte : verdade qae o presi-
dente desta cmara conoedeu licenca provisoria
ao recrtente para assentar n na machina de des-
carocar algodio, movida a vapor #m um predio
d'esta villa ; mas tendo matos individuos aqui
moradores, representado contra essa concessio,
reuni-so a cmara extraordinariamente, a reque-
rmento de ua vereador, e cassou a licenca.
O recorrente entio fes transportar dita mi-
chiua para um outro predio, e sem procurar obtei
licenca tratou de montal-a e faxel a trabalhar.
Esta cmara reconhecend que o predio para onde
fra feta a transferencia sito em lugar mais
improprio do que o em que se aeha o primsiro, se-
gunda vez oppoz-se, e d esta oppoiicio originou-
se o presente recurso. As razos qae teve esta
cmara para nio dar o sen consentimento sio as
que passa a expor : 1* ser o predio de que se tra-
ta, sito n'esta villa, a margem do riacho Papaca
cinba, em terreno tio inclinado, qae os residuos da
machina irio ter intallivelmente ao leito do ria-
cho ; 2* passar o mesmo riacho por dentro da cer-
ca do recolhimento de Nossa Senhora de Bom
Conselho, que fica a cincoenta bracas de distancia
do dito predio; 3' ser certo que os carocos de ul-
godio em deeomposicao, e qae neeessariamente
hio de cahir no leito do riacho, nio s prejudics
rio a saude dos orphios existentes no recolhi-
mento, como a todo, que se utilisarem das aguas
do mesmo riacho ; 4* ser o combustivel a empre-
gar o proprio Ciroco do algodio, que exhala nm
cheiro desagradavel e prejudicial a sudu ; 5' que
o fumo lancado pela machina prejudicar grande
mente o edificio do recoihmento e 6* qae o bara-
Iho produzido pelo movimento da machina, o p
do algodio e o expesso fumo, que lauca mcommo
dar a toda visinbanca.
Por estas razoea esta camra onpoz-se a que
tanecionasse dita machina. As citacoes de le,
que segundo affirma o recorrente dizcm respeito
ao assumpto, nao tem a menor applic-icu, como
V. Exc fcilmente verificar. E quanto a affir -
mar o recorrente que nest i villa existera qaatro
machinas as con lices da delle, esta affi -inativa
inexata, porque neste municipio s existo uina
machina a vapor, e esta acha-se enllocada fra da
villa e a distancia superior de seiscentas bracas
do recolhitcento do Bom Conselho, sendo porm
certo existirem algumas machinas puchadas a
bracos e um i dellas do recrreme e tambem urna
puchada poranimttes ; mas estas nenhum damno
causara porque so achara collocadas em lugares
convenientes. Exm. Sr. A nao ser a grande tei-
mosia de que dotado o recorrente, a muito qae
a machina de sua propriedade estara funecio-
nando; porm entenieu que devia asseatal-a den-
t-o d'esta villa e estamos certos do que tudo far
e j tem feito para levar o seu capricho adante.
Se o resorrente tivesse procurado lujar convenien-
te para o!locar a machina, nenhuma opposicio
teria encontrado d'esta cmara, mas o capricho
quem o domina e os conaelhos dos perturbadores
da ordem publica. A'viata do exposto esta c-
mara de parecer que o recorrente nio est no
caso de ser attenddo, entretanto, V. Exc, resol-
ver como julgur do justica.
Deua guarda a V. Exclilin. e Exm. Sr.
Dr. Pedro Vicente de Azevedo, muito digno pre-
sdeme desta provincia.O presidente da cmara,
Augusto iartiniano Soares Villcla. Francisco
de Atbuquerque de HManda Gavalcantc. ca Jo&o
Ferreira Barro.Tude Pinto Crespo.
Facultante de DireitoEis o resultado
dos ac:os de boatem :
3* anno
O^ympo Ribeiro Diutis, simplesmente.
Joao Candi lo Gomes da Silva, idem.
Francisco do Barros Wanderley, idem.
FrancisooSevci-.no Dante, idem.
Manoel Alves Vilella, idem.
4o anno
Viriato Diuis Vasconeellos, simplesmente.
Jos Silvestre Machado, idem.
Jos Maria Pereira Villar, idem.
2 reprovadis.
L'oj l-.-viuto.i-se do exime oral,
5" anno
Joio de Moraes e Mattos, plenamente.
Dr. Jos Flix da Cunha Menezes, dem.
Manoel A todito de Souzp Jouior, ii m.
Jos Ferreira-Muniz, idem.
.Vlaanel de Senni Coala Feitosa, simplesmente.
Salustio Ltmeoha Lns de Sousa, idem.
Estes receberaui o grao de bacbarel em scien-
cias jutidicas e sociaes.
Ei a lista dos que tem de faser prova es-
cripta, boje 22, do Io e 3 :
1* anno
Antonio Furtalo Dapifa de ?lenezes.
Alfredo Tcito da Bocha Pag.
Virgilio Alves da Silva Rebollo.
Manoel Sancho Campello.
Joio Thom Araripe da Silva.
Joaquim Samuel Carneiro Lilis.
Joaqaim Carneiro Nobre de Lacerda.
Heruiita de Birros Piraentel.
Eduardo de Aquino Fonseea.
Joio de Moraes Martn Filho,
,3* anno
Joio Vicente da Silva Costa.
Jos Lucas Pires ie aouza Rangel.
Adulpho Fernaiid-s da S Antunes.
Antonio Pinto do Reg Freitas.
Domingos de Abroo Vasconoellos.
Carlos Borromeu Pereira.
Gailhrrme Na buco Maciel.
Auton-o Netto da Silva Costa.
Joio Martiniano Castello Braneo.
Abelardo Sarsiva da Cunha Lobo.
Hoje haver prova oral do 2 e 4 anno.
Sao ba troneosDa secretaria do gover-
no nos foi reraettido para publicar o seguinte of
ficio :
- N. 280.Secretaria de polica de Pernambu-
co.Seccio 1-Em 19 de Marco de 1887.Illm.
e Exm. Sr.Em respest ao offielo de V. Exc. ds
hontem datado em queme manaa informar se as
estatu da guarda cvica existen, troncos pa^a
prisoes, conforme se disse na Assembla Pnvin-
cal, posso asseverar a V. Exc que falsa ama
tal allegaco.
Deus guarde a V. Ex:.Illm. e Exm. Sr. Dr.
Pedro Vicente de Azevedo, presidente da provin-
cia.Ochefe depalicia, Antonio Domingo Pinto.
Tlieatro Santa IsabelA companhia de
zariueUs hespmhola, cantn no sabbado ultimo
em sua oitava recita, a graciosa sarzuella comi-
co-lyricaAt duas princetiscujo libreto da
peana dos dramaturgos Carrion e Pina e msica
do maestro Caballero.
O motivo da zarzuella nm tanto trivial, tem
porm trechos muito mimosos, primando algn
pela originalidade, e n'este caso estio o coro dos
zngaros ao romper da aurora e o do fogo de arti-
ficio. _
Algumas pessoas notam como defeito serio n'es-
sa peca a falta de urna parte de canto para tenor,
pois, a principal eseripta para-bartono.
A prineeza de Monaco foi confiada a Sra. Pa,
que apezar de anda algum tanto constipada, con-
segu cantar cora- a correccio que todos lhe re-
conhecem, sendo com justica muito applaudida na
aria e do do 2* acto e no quarteto dos beijos.
A Sra. M. Sacanelies, vai so deseuvolvendo bas
tante, e tem conquistado nio pequeo numero de
admiradores, sendo qae no espectculo de qae fal-
la nos, issa artista interpretoa com geral agrado a
parte de Marieta, recebendo maitos applausos em
qussi todos os trechos que cantou, principalmente
no do ma fallamos.
Os Srs. Garrido o Duran, foram, aquelle um
bom Antonio, e este um principe que mereca ser
mais spplaudido, pois foi consenciosamente um
bom interpiete ds parte qne deserapenboa.
Os ceros nio desagradaran).
No correr da peca foram as Sras. Pl e Saca-
nelles, o alvo dos applansos do publico, receben-
do muitos e bonit-s ramos de flores.
No domingo repeto a companhia a Matela, e
tanto ou melnor do que na primeira noite, foi essa
opereta cantada sendo como da vez anterier mui-
to applaudidos os artistas e recebidos com pal-
mas todas as vezes que entravam em scena as
duas typles, as Sras. Pi e M. Sacanelles.
Em transito -Opaquete Oironde levou hon-
tem para a Europa 3D8 passageiros, sendo 46
tomados em Pernambaco.
Enforcado A' 17 do correte desappare-
cen da casa de sua residencia, na villa da Gloria
de Goit, o individuo de nome Ignacio de tal, que
desde das antes, dava Biguaes de deiarraojo men-
tal.
Sciente do facto o delegado de polica do termo,
mandn procurar Ignacio, sendo afiaal este encon-
trado enforcado era ara sipo n'uma matta prxima
da referida villa.
A zeloza autoridade fez proceder exame ca
laverico, e prosegue n'outras diligencias afim de
verificar se houve ou nio suicidio.
Transferencia de sermoes -O sermio
quaresmal desta semana, na igreja de 8. Pedro
do Recife, fica transferido para amanba, s horas
do costume, em virtude da procissic da traslada-
ci do Scnbor dos Pasaos, na quinta-feira noite,
do Corpo Santo para o Carmo.
Pelo mesmo motivo, fica transferido tambem
para amanh.i o sermio quaresmal da igreja de
Santa Rita de Cassia.
Bevista IilnstradaDa corte recebemos
n. 462 desta excedente revista, all publicada
pelo Sr. Angelo AgostD.
anterna Mgica Distribuio-se hontem
o n, 183 deste peridico livre e humorstico.
Desordesa e rerlmentos. Ante-bon-
tem, i 6 e meia huras da tarda e qnando regres- 'r P''
sava a guarda de honra do 2 batalbio de infan-
Goncslo, boave desorden desde a roa do Marques
do Herval at o qaartel das Cneo-Pontas, entre
capoeiras a soldados da guarda cvica, levando
estes, que iam perco da msica, maltas pedradas
ati radas por aquel les.
Qnando os guardas cvicos corriam para pren-
demos, elle, com a ligeireza propria de capoeiras,
fugiam; quando aquelles desanima vam, recebiam
novas pedradas.
Resultou disto nenhum dos sggressorea ser pre-
so e ficarem teridos os guardas Rodrigues Vian-
na, que cabo, Joio Mendes da Silva, Frederico
Augasto Wanderley e Manoel Joaqaim de Albu-
querque, todos levemente.
J na oeeasiio em que, pelaba da Imperatris
pissavj. na ida a referida gnarda de bonra, boave
disturbio, sendo de am dos capoeiras tomado nm
compasso.
Isiaerdade. Hontem o Sr. Dr. Jos Flix
da Cunha Menezes, medico clnico desta cidade,
por oeeasiio de receber o grao de bacharel em
aciencias jurdicas e sociaes, eoncedeu liberdade
sem onus ao nico escravo que possuia de nome
Petrareha.
Registramos com prazer o acto de philantropia.
4 Ealacfti>. Recebemos da corte o n. 5 do
16 anno desta revista de modas. Traz lindos fi
gurinos e tolbas de moldes.
Conflicto e ferimentoaTelegratnma
do hontem, do delegado do termo de Agua Preta
ao Dr. ch.'fe de polica, annuncia qus, pelo sub-
delegado do dietricto do Sertiosinno, foram pre-
sos Miguel de Torres Gallindo e Antonio de Tor-
res Gallindo, este conhecido por Bico de Our?, os
quaes achavam-so encorpora dos a um grupo de
ladroe, contra os quaes, heve ido denuncia, mar-
chou uiw forja em diligencia no dajl9 do Cor-
rentc, noite.
Os iudividuos do grupo, apercebendo a tropa,
dispararan) armas de foo contra ella, travando
lua, da qual rcsaltou sahrem ferdos M'gael
Torre3 Gdlliudo e um paisano que fra encorpo-
rado i forca em diligencia.
Os dem.iis do grupo couseguiram evadir-so.
Os dous irmios Miguel o Antonio de Torres
Gallindo, sendo interr. gados, coufess iram ter sido
os autores do assussinato da guarda cvico Rufi-
no Cavaicanti de Albuqucrqu -, fact-i occorrido,
ha cerca de um mes, na ra da Roda da p irochia
de Santo Antonio, e de que opportunameate de-
m is noticia.
Paqnetes transatlnticos-A casa do
Sr. Augusto Labille, agente da companhia das
M msageries Martimas, roeebea hontem teiegram-
mi do Rio de Janeiro, dsendo que brevemente
eessar a prohibicao das procedencias do Rio da
Prata em relacao tocarem os navios e vapores
nos portos brasileiros; pe!o que, dentro em pouco
lempo, serao restabeltcidas as carreiras regulares
dos paquetes transatlnticos que frequentam OS
ptrtoi.ie Buenos-Ayres e Montevideo,
CrmiO Becreallvu FamiliarAma-
n!ia 6 li >r..a e meia da tarde, haver sessao or-
dinaria dw directora desta sociedade, em ana
sede ra de Murcilio Das n. 91, Io andar, para
tratar da installacio da mesma sociedade e ser
empossado o novo th stacio de coutas pelo actual.
Heciatuacao Justa Escrevemnos o se-
guiute :
No Camiuho Novo do lado opposto estacao,
antes de chegar o b^cco do Padre Iuglez, existe
um terreno habitado por un carroeeiros, alm de
uina baixa de capim, que um grande alag: do
d'onde noite se exala nm ar pestfero e serve
para deposito du estreo de animaes, sendo victi-
ma a vi;inliancs, de insectos bem dcsconhecidos
quelle lugar.
Chamem- a attencao da Cmara Municipal
para semelhaute abuso .
Cavalbeiros da Epoa- No dia 20 do
corrente proceden cleicio da sua nova directora
o Club Carnavalesco Cavalheiros da poca, a qual
ficou assim constituida :
PresidenteAntonio Augusto de Oliveira Qtrin-
taes.
Vice-presidente Salvio Silva.
Io SecretarioHenriqno Moma.
2 dito Fraucisco de S.
ThesoureiroCandido Keis.
Orador'Jos Macedo.
ProcaradoresAntonio Bivar, J. Atb.iyJe.
Directores de sedeJoio de Ramos, Antonio
Barreiros n Antonio Moura.
arsuella bespanrJolaSer hoja can-
tada no tbeatro Santa Isabel a bonita zarzuella
em 3 actos Brincar com fogo, musia do maestro
Barbieri.
Es o sea entreebo :
Personsgens
Duqueza de Medina '
Condessa de Borno.
Duque de Albuquerque.
Mrquez de C ira vaca.
Flix.
Antonio.-
Louqueiro (guarda loucos.)
Pagaas, damas, cavalheiros, povo, loucos, etc.
Accao em Madrid, remado de Felippe V.
Acto 1-As margens do re Manzanares. Ven-
dedores, senhoras disfarcadas, cavalheiros e povo,
festejam animadamente noite de S. Joi1;.
A duqueza em traje humilde, entra como fugin-
do ao marques de Caravaca, um impeitnente qne
a persegue com o seu aborrecido galanteio e en-
commoda-a cra nma espionagem injustificada
e persistente. O Sr. de Caravaea coosegue apa-
ohal-a e fica lndibriado em sua esasetativa e du-
vidoso sobre a identidad^ da velada qae tenta
conquistar admiran io-se do choque que leva pois
elle se considera, totalmente, um irresistivel, sup-
ponho mpossivel que qualquer belleza negue-lhe
os seus encanto-'.
Depois de um pequeo tiroteio de palavras, a
duquesa coosegue furtar-se as vistas do sea in-
supportavel reqnestador.
O duque mette-o um pouco ridiculo e offerece-
se para ajudal-o na cacada da esquiva beldsde.
Flix vera, acompanhado pelo seu primo Antonio,
esperar a sua apaisanada que marcou esse lagar
para a entrevista, Antonio m tte as botas no na-
morico de Flix, causa nica de nio terem elles
ainda se arranjado : sio fidalgos da provincia
viudos a Madrid com o intento de obterem am la-
gar na corte. Ao verem o duque e o marquex
para elles se dirigem, pois, para esses senhores
trouxeram carta de recommendacio do hispo l de
sua trra. Diz Antonio que os amores de Flix
tem-nos impedido de procurar os dous magantos.
Flix instado, conta as suas aventuras : est doli-
do de paixio por urna desconhscida, elegante, dis-
tincta e linda, que vio casualmente e que respeita
muitissim >. E' correspondido, tem-se-lhe conce-
dido rende vaux, porm o enthusiasmo nio tem
passado de pnro platonismo. Caravaca que des-
confia de quem se trata, iostiga-o a ser atirado e a
reclamar do sen dolo positivas provas de affectos.
Pronette prote;co ao3 dous provincianos man-
dando que elles o-procurem no palacio real ; com
o pretexto de que o tempo est hmido e para des*-
cartar-se de duque, convida este a voltar para a
casa.
O velho faz se desentendido e o acampanhs,
bem disposto tornar ao mesmo lagar, pois ainda
sent-se com forca para se render ante am cor-
pinho mimoso. Antonio tambem retira-se, assim
que divisa o vulto da que fascinoao seu primo.
Colloqaio amoroso entre a duqueza e Flix, no
qual aristcrata. taz-3e passar por camareira
de nma condessa, o que muito alegre o enamorado
rapaz que ofF.r- ce logo sua mi de esposo a
eleita do seu coracao sem importar-se com n sua
posico na sociedade. A divinal dama habituada
ao trato dos cortesios, admira a sinceridade c pu-
reza do s.-ntmenlo que enebe a alma de Feliz.
Durante esta conversacao, o marques duCarava-
ca, que deixou o seu companheiro,espia o par gentil,
eertifiea-se de que a querida de Flix a propria
velada qne elle persegua. Sahe para chamar al-
guns cavalheiros, resolvendo fazer surpreuder a
Orgulbosa quo o desdeuhs. A cauta senhora per-
ceoeudo gente manda Feliz avisar o cocheiro, qne
devin estar espera, para ir postar-se no lugar
convencionado. Sahe o joven e depois ella que
d de frente com o duque, o qual derrete se nm
pmco em galanteios. Surge com o competente
acompanhamento, o indiscreto marques, encontra-
se, porm, cera o duque qne, toma a defesa da
gentil corredora de aventuras. Esta eseapa-se,
sem ser sentida, eeepcio de todos ao darerr
com a falta da garrida desconhecida.
cto 2 Um sali do palacio. Falla-se do
episodio principal da n ate de S. Joio. na qual fi-
gurou o marques, quo foi recbossado por urna fi-
Iba do povo, cm suas iutences amorosas.
O Sr. de Caravaca diz, que o espesso veo cobria
urna alta dama, muito sua ctmhccida. E provocado
aeclarar o nome, principalmente pela duquesa.
0 marques admiro-ae do aplomb d -eta. Nada
pessuir provas ; tratar, porm, de
">
. i
)!
taria, que tora acompanbar a procissio do Senhor .
Bom Jess dss Afflictos, sahida da igreja de 8. aeaa* n'K
A herona da noite de S. Joio, a sis com a on-
das pretencoes
do marques e dix que
V


**-

Diario de PernambneeTer^a-feirA 22 de Mareo de 1887
?j
"
v
V
>1
saostrou-se inclinada por Flix, por mero diver-
timento, ma* que j sjrsapathisa muito com o pro-
vinciano. A sn a*a>ga adverte-a de que no
bom brincar com fogo, porque pode queimar-se :
nao ha reeeio, quando aborreeer-s, pori fim cont
e far ao amante litar para a estse dos
protegidos ; ja tem em vista um bom lagar para
Flix, e esta certa de obtel-o, porque o re a esti-
ma muito e attende-a sempre.
O duque vem snnunciar que tesspo de entra
rem todo para os aposento* reaes.
Antonio e Flix disputara com os porteiros e
guardas que querem impedi!-os de entrar.
O marqaez ajtasigua a contend e pede a F-
lix noticia* dp> bcila. Este refere tudo o qae ae
passoa entre ejle e a dama, a qual d-poia deasa
afortunada noite n5i tornou a apparecer-lhe, o
que afflige-o assz. O marques aconsrlha o meco
que mire bem a* damas qne devem passar. Folii
reconhece a su amada e ptma a saber qm ella
a duqueza de Mediua. O marque* aprsenla
Flix s duqueza. Eita nega conhecel-o, Flix
compr. hende a sua iudiscripcao, declara qne tam-
bera v pela primeira vez, a illus re dama, sal-
vando Hssim a eituaco, com o que bem contra-
riado fira o marque*.
Terminado o incidente recebe aviso da condes-
sa ao m-amo tempo que do marquez, para deixar-
ae ficar ni silo. Betiram-ee os Cjrtezios.
O marquez promette & Flix prstegel-o em seui
amores, fallando com a duquesa. Flix imaginan-
do que o scu protector entenda-se com a condes-
an, acredita e onfia-lhe urna carta recebida do seu
idolo, com o que muito alegra-ae o marquez que
tem aesim segua a sua vinganca.
Sabe Flix e entra a duqueza que encontra-se
com Car vaca o qual a aineaca com a carta. A
ladina engasopa o toleiro, fingndo ceder a aun
adoracao e ohtm qne ae lhe restitua a carta em
troca de um abraco. Flix v a acea, enraivece-
ae e prom^ve um escndalo, gritando qne a du-
qoeta de Medina lbe declarara immorredouro
amor.
A propria duqueza fas com que ello paase por
doido. Fica deceddo que o pseudo lonco aer re-
colbido a um hospicio.
Acto tereciro. Pateo de um hospicio.
Antonio vem visitar o sea primo. O porteiro
presta inforaacoes sobre o estado do enclausurado
e deixa-o s para atteoder a outras obtigacoes.
Antonio acceden lo inconscientemente ao pedido
de um hornera que lhe apparece por traz de urna
grade, abre a porta do compartimento onde erta-
vam encerrados ob loncos, e aasaltado por ama
turba de malucos que intentam despl-o. Pede
aoccorro e tirado dos apuros pelo guarda, o qui .
recolhc novamente os lunticos.
Flix crimina o seu parete por tambero ter
concorrido para que passasse por insano. Anto-
nio desculpa-se do ineihor mido que pode e entre-
ga ao desventurado urna carta da que para elle
chamava se Lonor simples nente, annunciando
lbe urna visita.
O porteiro-cbama-os para a refeicSo.
Appareccm a condessa e a duqueza eom s* mei-
mas vestes do priraeiro acto, pedindo para ver a
Flix. A altiva titular confessa que que k prin-
cipio era um gracejo, transtormou-sa em violenta
puisi i; anii a Flix e sofFro par ter sido a causa
de sua priso Ao ver o sen eucaut j, Flix tras-
boria de contentamento.
Ao sentirse a chegada de Caravaco duquue-
sa eseonie-se. Flix consegue engasopsr o mar-
ques e atiral-o para o meio dos alienados.
Emquauto os loncos, dentro, atropellam o nobre
senhor de Carayaes, a duquesa, a condessa, An-
tonio Flix preparam-se para a fuga. Illudem
ao porteiro que vinha buscar Flix para entre-
gal o a urna escolta e gauham livre mente ra.
Sao, p->rm, pilhados nelo d > pne r* reeonl
das chegindo a tempo de ivrar u :.*rpu.-z. o sjia*
j se tchiva cm misero catado, d g..-..,s d>
alienados.
O duque de Albuquerque censura acremente
sua filha e ordena priso de Flix, ao qae a
duquesa debalde tenta oppor-se.
Apparece du novo a condessa mostrando am
papel no qual deu o rci o sen consentimento para
a un'io dos dous apaisanados. O doque su bine t-
te se a voutado soberaua e d a mSo da sua des-
cendente Flix.
latera rara tasaclo Je >
pat^Ye) A 21 parte desta lotera eujo premio
grande de 6:000/000 era extrahida na da 29
de Marco, s 2 hora* da urde.
O bilhete acbam-se a venda na Boda da Fot
tana ra Larga do Rosario 'n. 36.
Collegio Neira
INDICARES DTEIS
Directora da* obras Ue eoaserTa-
cao do porto*Boletim meteorolgico do
dia 20 d- Marco de 1887 :
Horas i
6 m. 9 12 3 t. 6 24'9 296 297 30 0 28 -3
Barmetro a
O
758=88
7620
759-77
758-49
7586S
T.bSo
do vapor
18.58
20.02
20.11
S0.46
20.39
o
o
H
O Dr. Lobo Moeeoso, de rolta de sua
viageta ao Rio de Janeiro, oonntia ae
oxercicio de ana profisslo. Constaras das
10 s 12 horas da manha. Especialdades
epera^Ses, parto e ruoleatias de sen horas e
meninos. Ra da Gbria n. 39.
Dr. Barreta Sampaio di consultas de
meio-dia s 3 horas no 1.* andar da casa
a ra ls Bario da Victoria, n. 51. Resi
denoia ra Sete de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
O Dr. Castro Jess tem o seu consul-
torio medico, ra do Bom-Jesus n. 23,
sobrado.
Dr. Gama Lobo medico operador e par-
teiro, residencia ra do Hospicio n. 20.
Consultorio: ra Larga do Rosario n. 24 A.
Consultas das 11 horas da manha s 2 da
tarde. Especialidade : molestias e opera-
c5es dos orgos genito-urinarios do hornero
e da mulher.
Dr. Joagaim Loureiro medico e parteiro
Consultorio na ra do Cabug n. 14, 1..
andar, de 12 s 2 da tarde presidencia no
Monteiro.
Dr. Virgilio Tavares de Oiiveira, d
consultas ra do Raogal n. 36, 1. andar,
onde pode ser procurado das 11 horas da
manha i 3 horas da tardo, dos diss uteis.
Especialidademolestias internas. Gratis
aos pobres.
Consultorio Homeeopatico
O Dr Miguel Themudo, medico ho-
mosopatico, tem o sen consultorio ra do
B arito da Victoria n. 7, l.8 andar, onde
d consultas diariamente das 12 s 3 ho-
ras. Chamados por eeoripto a qualquer
hora do dia oa na noite.
Drogara
Francisco Manad da Silva & C, depo-
sitarios de todas as especialidades pharm>
ceuticas, tintas, drogas, productos chimios
e medicamentos homceopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de carapina
de Francisco dos Santos Maocdo, caes
do Capibaribe n. 23. N'este grande esta
belecimento, o primeiro da-provincia neste
genero, compra-se e vende se madeiras
de todas as qualidades, serra-se madeiras
de conta alheia, assim como se preparara
obras de carapina por machinas e por pre-
50 sem competencia Pernambuco.
Este collegio abriu auas aulas desde
dia 15 de Janeiro prximo pastado.
Eosinam se nelle todas as materias que
eonstituem o curso preparatorio as facul-
dades do Imperio, sendo o pesaos! docente
o mis habilitado que se pode desejar.
Contina a funecionar a aula primaria,
que poder recebar alumnos da ruis ten-
ra idade, pois dirigida por daos ulnas do
director, das quaes tnsa alumna do ter-
ceiso auuo da faculdade de direito do Rs-
cife.
Do dia 1.' de Margo em diante abrir so-
ba urna nula da lingaa allemS, em ana se
ensinar a traduzir e a fallar asa lingua.
O professor respectivo ser o Sr. Alger
non Sidnejr S .hi- fler.
Os estudantes, qae quizerena frequentar
esta aula, pagal-a-liSo separadamente da
menaalidade do collegio.
O director do colleq o meira espera o
mais desdido apoio dos pas de familia,
que dc3''t\am o real aproveitamentode seus
tillaos, pois que tem sempre tido por pro
gramma dar aos alumnos, que lbe s2o con-
fiados urna verdadeira instruegao a par de
ama boa educacSo moral.
O resultado dos exames jfeitos no fim
do anuo passado o cloquate cttestado
cm favor do collegio weiba.
Dos dezenove alumnos que foram sujeitos
a exame, apenas dous foram mal sucedi-
dos.
Reccbetc-se alumnos internos, meio pen-
sionistas, e externos.
Ra da Imperatria n. 63 2.a andar.
Recife, 26 de Fevereirode 1887.
O director,
Ascencio Minervino Meta de Vatamcellos.
Os saeeo*, geralmente imprudentes, entregan ae
ao raaeres a vida, aam r flectirem sobre as
coaseqnencias, e s-nente levado* pela irresistivel
impolsio dos eos deaejoa; ma* bem depressa co-
mecam a qoeixar-se ssaarguaente de prostraco,
dores de cabeca, ms digeetoes e falta de activi-
das*. Feliamente este estado nio offerece gravi-
dde e deiappareoe qnandn logo combatido com
algoma*Capsula* de Sulfato de Quinina de Pe-
letiar,-qne o celebre profescor Gubler chamon o
primeiro dos tnico*. Ellas coolm o anlpbato pu-
ro, e,ao contrario das plalas e dos conf-itos, dis-
solvetn se rpidamente no estomago c atravessam
os intestinos, faseado sentir os teas effeitos t-
nicos.
N. 1?. Attesto ter empregado com van-
ajoaca resultados em doentes de tubercu-
lose palmonar, em roinha casa de saude, a
EmulsSo de Scott oleo de figado de baca-
lho com hypopboaphitos de cal e soda.
O referido e veadado e o juro in fide me-
dici.
Rio do Janeiro, 15 de outubro de 1884.
Dr. J. Tavano.
rUBLICACOES A PEDIDO
Ao publico
gN'anoel Corteada 8ilva Carado, tendo de seguir
hoje para a Europa no vapor Gironde, e nao po-
dendo pelos muitos afaseres despedir-se pessoal-
ruoiite de toda* as pessoas com quem mantinha re-
lacoes de amizade, vea f.si| o pelo presente ot-
ferecendo sea diminuto prestimo em qualquer parte
que 8a ache.
Outro sim, declara que deixa nesta praca como
sens preeuradores; em primeiro lugar o r. An-
tonio Mara da Silva, e em segando, o Sr. Antonio
Jos Pereira, ficando o primeiro encumbido do re-
cebimento de s-us devedores.
Recife, 21 de Marca de 1887.
Leonor Porto
IIna -do Imperador a. 45
Primeiro andar
Contina a executar os mais difficeis
figurinos reeebidos de Londres, Pars,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima, em perfeicaode costura, em bre-
vidad e, modicidade em precoz e fino
gasto.
Dr. Crpira Leile
Illa. Sr. iharmaeenUo* Lu Carlos
le Arraila Mvnile
3. Carlas do Pinhal, 27 Maio de 1833 .
Preaadiasimo enhor.Acerca de 8 im-zes qae a
miaha seshora scfFria de borriveis dores nos oa fi-
aos aeompanhadas de corriaicnto, dedos qae ja
donando a surda, e a'm disto acffria d feridas
na gwgauta que j se via obrigida a alimenta r
se a caldos; passando noitos sem dormir, e das
sem poder cuidar dos intereses da casa. Todo
est* tempo viveu ella sempre em dieta de rigoroso
tratamento, sem obter saude.
Desininada, couiecou com os seus (santos) pre-
parados, o Licor Antipsorico junto com os Pos De-
purativas, e logo a saude veio chegando, c hoje
grujas Providencia, poseo com todo o prax-.-r
annanciar a V*. S. e a todo o mundo que minha se-
nbora acha-se completamente boa dos ouvido* e
da terrivel ferida de garganta, e autoriso V. S. a
publicar esta a beneficio dos que aoffrem igual en-
te emidade.
Son com estima. De V. S. amigo, venerador e
obrigado.Eduardo da Silva Tavares.
DepositariosFrancisco Manoel da Silva & C.
droguistas, ra Marques de Olinda n. 83.
na estrada para o engenbo Don* limaos, Timittn-
do-ae a referida casa ; ao aorfc) e leste, cora a
arada smhiea ; ao sol e oeste casa e sitia dos
berdeiros de Manoel Lus ; sendo que, sao perten-
cente* ao easal inventariado dnos tercas partea,
e ama terca parte a D. Carolina Carneirt Montei-
ro, qae tambes* requeren a venda da dita parte ;
seod j o valor da dita easa 75:)#.
E para eonstar mandei passar e presente, qne
ser publicado pela aprensa e afiliad} no logar
do costme.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos S
de Marea de 1887.
E, Olavo Antonio Ferrcira, escrivao, o subs-
crevi.
Joaquim Correia de Oiiveira Andrade.
DECLARAC5ES
Dcvofo de IV. 9. da Conreico
erecta ao eonveoto de 9. Fran-
clseo desta eldade.
De ordem da mesa regedora convido a todos os
irmaos a eosspareeerem em nosso consistorio pelas
2 horas da tarde Jo dia 25 do corente afiu de
encoTporadoa acompanhar-mos preeissSo de .
Boa* Sesos dos Phesos do convento de N. S. do
Carmo para a matriz do Jorpo Santo, pra o qae
tomos convidados.
Consistorio da Devocao de N. 8. da CinecicAo
recta no convento de S Francisco desta cidade
em 21 de Marco de 1887.
Oescrivao interino,
Octaviano lves Menleiro
HEDICO
Tem o sea escriptorio rea Duque de Caxias
n. 74, das 12 s 2 horas da tarde, e desta hora
em diante em sua residencia ra da Santa
Cruzn. 10.
Especialidadesmolestias de senhoras e cran
5aa.Tolephone a. 326.
81
73
65
65
71
SrVoSV
Temperatura mxima31,.
Dita minima21*,25.
EvaporacSo em 24 horas ao sol: 5,"8 ; som-
bra: 3,-7.
Chova0,1.
DireccSo do vento : SE ,de meia noite at 10
horas e 35 minutos da msnbS ; SSE at 11 horas
e 20 minntos da m inhl ; SE, com interrupelo de
SSE durante 37 minutos, at 10 horas e 2 minu-
tos da tarde ES E at meia noite.
Velocidade media do vento : 2,"52 por segando.
ebulosidade media: 0,22.
tiellAenEttoctuar-se-hao:
' Hoje :
Pelo agente Pinto, s 11 horas, na roa do Bario
da Victoria n. 45, de movis, loncas, vidros etc.
Velo agente Modetto Baptista, s 11 horas na
ra Duque de Cax-as n. 9, de movis, lonjas, vi-
dros, etc.
Pelo agente Gusmao 11 horas roa do
Marqaez de Olinda n. 19, de movis, bacas, vi-
dros, cigarros, etc.
Pelo agente finio, s 10 el/2 horas, aa ra de
Pedro Aouso a. 43, de movei., loacas, vidros,
etc.
Amanbtt:
Pelo agente Gusmao, s 11 horas, na Casa
Forte n. 48, do eit .belecimento ah sito.
Peto agente Burlamaqui, s 11 horas, na rna
do Imperador n. 22, de parte do engenbo Brum.
Pelo agente Modetto Baptista, 11 horas, na
raa Primeiro de Marco n. 12, do ettibelecime itu
abiaito.
Quinta-feira :
Pelo agente Britto, s 10 1|2 horas, Tna ruada
Imperador, n. 31, de movis, loacas, etc., etc.
Pcio agente Pinto, s 10 horas, aa roa do
Barao da Victoria n. 28, do estabelecimeuto ahi
sito.
Sf i*at fnebre.SerSo celebradas :
Hoje:
'\'s 7 horas, no convento de Nosja Senhora d#
Carmo, por alia de JoSo Felippj do Monte
Lima.
Amnhi:
A'* 7 horas, no Carmo, por alma de D. Auna
Jozqui:ia Bastos.
Qainta-feira :
A's 8 horas, na Orein Tereira de S. Fran-
cisco, por alma de D. Antonia Mana Gomes dos
Res.
raaaagelroa-Cbegades do sul no vapor
fjrancrz Girondt:
Eduardo L- da Abreu, irmS de caridada Sollenz
Marie, B*faele Moraes e Valle, Dr. Jos M. de
Rosa e Silva, Manoel Rufino dos Santos e Jos
Joaqaim Moreira, 1 filba, 1 neto e 1 criada.
- i hegttdo de Macei no vapor ingle* Mari-
ner :
Gi Series.
Cana de BetencoMovim sos do da 20 de Marco :
Existan:) presos 352, entraram 13, sahiram 6
Existera 359.
A saber :
Naconacs 326, mulherea 11, estrangeiros 13, es-
crovos sentenciados 5, ditos de correccao 4To
tal 359.
Arracoados 306, sendo: boa 293, doentes 13.
Total 306.
NSo houve alteraco na enfermara.
Lotera da corteA 204* lotera da cor-
te, pelo novo plano, cujo premio grande de___
aOt'JOO.'OOO jera extrahida no da .. de Mar-
50.
Os biihercs acham-se venda na praca da In-
dependencia ns. 37 e 39.
Tambem acbam-se venda na Casa da Fot-
taaa ra Primeiro deMarco.
Lotera do tiriio-ParaA lotera desta
provioeia, pelo ni>vo plano, eujo premio grande
iOrOOOOOO, ser extrahida no da 26 de Marco.
Btlaetcs a venia na Casa do Ouro, ra do Ba-
rio aa Victoria n. 40 de Joao Joaqaim da Costa
Lote.
Tambem ach;m-se venda na Casa da For-
tnaa roa Primeiro do Marco n. 23.
PARABENS
^fe^lK
Capto Ignacio Pedro
Neves
pela formatara do seu
tutelado
Jos Ferrara Muniz
Zk^t^
Frlcita
Um amigo.
>^>?
Avisos aos incautos
Affonso Ferreira da Rocha Leal, por si e
saus irmaos, avisa a quem quer que afija
para nao comprar bem algam Luiz Jos
da Costa e Silva, as viuvas e herdeiros de
Antonio Jos da Costa e Silva, e Joaquim
Jos da Costa e Silva, representantes da
eztiocta firma Costa IrmSos & C, por es-
tarem estes com seus bens sujeitos ao pa
gamento d'urna divida con'rahi la para com
seu finado pai e de importancia superior
a 35:0000000: pena de ser havido pos-
suidor de m f e sem direito de reclama-
gao alguma.
Recife, 18 de Margo di 1887.
Afonao Ferreira da Rocha Leal.
Inleressaflle
pode chamar-seo aviso de fortun que boje nos
traz o Diario. O annuncianta'o Sr. Samuel Ho-
ckschcr senr, em Hamburgo preonizado assim
nesta como as demas partes deste reino pelo
proroptido e discripcao .qae observa no paga-
mento dos ganbos, vem nos brindar ama lotera
patenteando vantagens to sobrepujantes que me-
recem a attenco dos nossos leitores.
Visconde de Guararapes
Attesto qje tenho um mulato queja tendo sof-
frido 4 anns de Beribre, o estando muito ocha-
do, e cansado, appliquci lbe o Cajrnbb* em do-
ses regulares, ficou do todo reslabelecido, e tem
passado s mpre bem.
Teaho um outro qae ecffxia de asthma, com o
mesmo remedio est inteiramente curado, e sei
que outras peisoas que soffreraoo da mesma mo-
lestia de asth na cstio curadas e cem o mesmo re-
medio.
E' o que posso afBrmir sobre o Cajrubba, e
isto por me ter pedido urna peasoa de minha ami-
gado.
Engenbo Velho, 9 de Marco de 1887.
Visconde de Guararapes.
A firma est reconhecida por tabcllio pu-
blico.
Advogado
O bacharel Julio de Mello Filho tem o
seu escriptorio de advocacia ra Primei-
ro de Marco n. -i, Io aunar, onde pode
ser encontrado drs 10 horas da manha s
3 da tarde
alista

Dr. Ferreira da Silva, consultas
das 9 ao meio dia. Residencia e
consultorio, n. 20 ra Larga de
Rosario.
Gnrso thBorico e ortica do alloaao
DO COLLEGIO
INSTITUTO ACADMICO
O director deste estabeleeimento, avisa ao pu-
blico, que, para propagar o goato pelo estado das
linguas, abriu nm curso de allemao, onde os alum-
nos poderao apprender esta lingua tanto pratica
como theorcamente.
A referida cadeira regida pelo Dr. Eduardo
de Oiiveira, qne tendo residido quatro anuos
e meio no mu conhecido collegio BREIDEN
STEIN," na Suissa, acha-se perfectamente habili-
tado, para bem desempenhar essa incumbencia.
Aquelles que quizerem se matricular no dito
curso, queiram entender se eom o director do col-
legio, ou como Dr. Eduarlo Alfredo de Oiiveira,
na ra 1 de Marco n. 4.
fos Ferreira da Crus Vieira.
Advogado c professor de linguas
O bacharel Eduardo Alfredo de Oiiveira tem
aberto o seu estriptorio de advogado ra 1 de
Marco n. 4, onde tambem pode ser procurado para
leccionar o ingles, francs e allemo, pratica e
theorcamente, nos collegios e casas de familia.
Tambem para a commedidade dos estudantes
e empregados do commercio, resolveu abrir am
carso nectarno das ditas linguas. A tratar no
escriptorio cima referido.
i
{}
{}

MEDICO HOMEOPATHA
Dr. Ballhazar da Silteira
Especialidadesfebres, molestias das
riancas, .dos ergios respiratorios e das
Senhoras.
Presta-se a qualquer amado para
for* da capital.
AVISO

}
y
Todos os chamadas deven ser dirigi-
dos pharmacia do Dr. Sabino, rna da
Barao da Victoria u. 43, onde se indicar
sua residencia.
Profcssora
Urna senhora competentemente halicada, j>ro-
poe-se a leccionar em collegios e casas particala
res, as seguntes materias : pertaguos, francs,
msica e piano ; a tratar na na do Marques do
Herval n. 10.
Dr. Gol Laite
Medico, pstrtelro e operador
Rexidencia ra Barao da Victoria n. 15, 1- andat
Consultorio ra Duque de Caxias.'n. 59.
D consultas das 11 horas da manbS s 2 d
tarde.
Atiende para os chamados a qualqner hor
telephone n. 449.
Clioicamedlco-cl rurca
DO
Dr, Alfredo Gaspar
EspecialidadePartos, molestia* de senhoras e
crianeae.
Residencia Ba da Isaperutrs n.^4, segunda
andar.
Dr. Mello Gomes
Medico cirurglo parelri."
Ra de Paulino Cmara (amiga ia Gamboa
do Carmo d. 36), onde pode ser pro-
carado qualquer horado dia e da noite.
Consultas :10 ao meio dia
Chamados per escripto.
Especialidades ;Pebres, molestias de peito e
das senhoras, syphilis e soffrimentos da urethra.
Acode a qualquer chamado para fra da ce-
pita 1.
Tamben) pode ser procurado, de meio da s 3
horas, na Pharmacia do Povo, ra do Sangel
a. 34.
Medico
Dr. Antonio Cavalcante Pina abri o sea con
Itorio medioo-eirurgico na cidade de Nazareth,
roa do Payssnd n. 5, onde poda ser procurado
para os misteres de sos profissio. -
Tremenda e ralal enfermlilae (4)
A tosse apparece traea e passageira e o doente
despreaa-a ; nao a cuida...
Depois, o enfraqnecimento do eorpo, algumas
dore no peia enas costas, vo seguindo essa tosse,
qne augmenta, e per fim o doente v-se claramente
a bracos cora o grande flagello da humanidadea
tsica pulmonar!
Esta tremenda e fatal enfermidade to sagaz,
que para melhor conseguir seus funestos fina prin-
cipia disfarcando nos n'nma tosse desprezivel I
Mas ella nao realisar seas nefastas intentos se
fr osado em tempa opportuno o remedio principal
e e que tem conseguido curas reaes da tsica pul-
monar, qae o PEITOBAL DE CAMBABA', im-
portante descoberta de Alvares de S. Soares, de
Pelotes.
Os interessadoa poderao encontrar no opsculo
que acompanba cada fraseo valiosos arrestados de
curas obtidas em gravissimos caso*, nao s de t-
sica como de bronehites, althma, coqueluche e ou-
tras molestias do apparelbo respiratorio.
nicos agentes e depositarios geraes em Per-
nambucoFrancisca Manoel da Silva 4 C, ra
Marqaez de Olinda n. 23.
E. SIDOA SPBINSEfi
Profesara de canto
Tendo resolvido fizar residencia nesta
cidade, propSe-se a dar lig3es de cantoria
em casas particulares, prometiendo esfor-
car-se o mais possivel pelo aprovoitamento
de suas discipulas, podendo ser procurada
raa do Imperador n. 44, 3. andar.
("onsnltorio medico-
cirurgico
O Dr Castro Jess, contando mais de 12 aanoe
ie escrupulosa observaco, reabre consaltorio nes
ta cidade, ra do Bom Jesn* (antiga da Crm
n. 3, l. andac.
lloras de consultas
De da : das 1 s 2 da tarde.
De noite : da* 7 s 8.
as demais horas da noite ser encontrado nc
sitio travessajdos Remedios n. 7, prim-iro por-
fo esquerda, alm 1 portio db Dr. Cjso.
Thesourarla de Fazenda
SDBST1TUI9X0 DEHOTAS
De ordem do Illm. Sr. inspsutor se faz
publico que no dia 31 do Marco do cor-
rete mez termina o prazj para a substi
tuig^ sem descont das notas do Thesou-
ro, dos valoros de iJOOO da 5.* estampa,
105000 da 6. e 50000 da l.\ pelo que
fndo rsse prazo as notas das estampas a
cima mencionadas que for m npr-stitadas
ao troco soffrerao os seguiotes descontos,
nos termos do art 13 da lei n. 3313 de 16
de Outubro de 1886 :
2 r0 durante o trimestre de Abril a Ju-
nho vindouro;
4 '[o nos outros tres mezes;
6 j, nos tres mezes seguintes ;
8 [o nos outros tres mezas ;
10 [o no 1.a mez que seguir-so e mais
5 [0 ineosaes d'ahi em diante.
Thesouraria de Fazeuda de Pernambuco
21 de Margo de 1887.
Ser viudo de secretario,
J. H. Olinda Amoral.
Consistorio da irmaodade de No*sa Senho-
ra do Rosario da matriz do Corpo Santo,
em 14 de Margo de 1887.
Por ordem da mesa reedora, convido a todos
o nossos irmaos para comp-irecerem no dia 25 do
correte, s 2 1/2 horas da tarde, no respectivo
consistorio, afim de encorporados, acompauharein
o regresso da Veneravel Imagem do B im Jess
des Pasaos cm procisaao solemae para sua sede a
matriz do Corpo-Santo, em virtude de termos sido
para este fim convidados pela irmandade do mes-
mo Sonhor.
Adolpho Coelho Pinheiro,
Escriv^o.
Copiihia pe antacaa
DE
rVavegaeio coxelra por vapor
_ Pelo presente sao convidados os ssnhores accio-
nittas a reunirem se na sede da osmpsBhi, ae
dia 23 do corrente, ao meio dia, afim de Ibes sor
apresentads o relatorio e bataneo do nm finio, e
elegerem a commissio de exame de coates e eoo-
selbo de direecSo.
Beerre, b de Marco de 187.
Manoel Job de Amorim.
P.P.Saonders Brothers & G
Arthur B. Dallas.
_________W. Vr^Bobillard.
Recebedoria de Pernambuco
Matricula de escravos
O adn inistrador da recebedoria fas publico qne
finda-se no dia 30 do corrente mes o praso para
a aova matriculam krrolamento dos escravos exis-
tentes neste municipio, devendo os donos e pos-
snidores dos mesos apresen taran at aquelle
dia as relacoee em duplicata contendo e neme do
escravo, nacionalidade, sexo, filiaco. oceupaedo
oa servico em que fr empregado, idade e valor,
alm do numero da ordem da matricula anterior,
sendo o valor dado por extenso pelo senhor do es-
cravo oa sea legitimo representante, nao exceden-
do o mximo regulad* pela ioade do matriculando,
que ser tambem escripta per extenso conformo a
seguate tabella :
Escravos mejores de 30 annos 9C0J000
de 80 a 40 800*000
de 40 a 50 600*000
> de 00 a 55 400000
de 55 a 0 200JOOJ
O valor das ascrava* ser regulado pela meBina
tabella cosa o batimento de j'5 "/ dos precos"
nella estabeleeidos.
A inscripcao para a nova matrcula ser fcita
a viste das elacos, que servirao de base a ma-
tricula especial ou de averbacio efiectuada de
conform.dide com a lei de 28 de Setembro de
1871, ou de certidao da mesma. macricula, ou a
viste io titulo de. dominio quando contiver a ma-
tricula do escravo.
Nao serao dalos a matricula os escravos mi.io-
res de 69 annos, serao porm iuscriptos em arro-
lamento especial.
Serao considerados libertos os escravos, que no
prazo marcado nao trverem sido dados a nova ma-
tricula.
Pela inacripeo ou arrolaraento de cada escra-
vo pagar-se-ba 1* de emolumentos, cuja imp.r-
taneia ser destinada ao fundo de eujancipxcao
depois de satisfeitas as despezas da matricula.
Becebedoria, 2 de Marco de. 1887.
Alexandre de Souza Pereira do Carmo.
Dr. Barrero Sampaio, medico oco-
litta. ex-ebefe de clnica do Dr. de
1 Wecker, d consultas de rneio dia s
3 horas da tarde, no 1. andar da casa
n. 51 rea do Bario da Victoria, ex-
cepto nos domingos e das santificados.
Be 34. Entrada pela rna da Saudade n. 25.
Dr. Joao Paulo
HEDICO
Especialista em partos, molestias de senhoras
de enancas, com pratica as principis materni-
dades e hospitaes de Pars e de Vienna d'Austria,
faz todas as operaces obsttricas e cirurgicae
concernentes as suas especialidades.
Consultorio e residencia na ra do Barao da
Victoria*(antiga roa Nova) n. 18, 1 andar.
Consultas das 12 s 3 horas ds tarde.
Telephone n. 467.
ciaaKa"DBri.iA
Patricio Moreira
(Ex diacipulo ile Frederico Mala)
Consultas e operaces das 9 horas da manha s
4 da tarde.
57-RA DUQUE DE CAXIAS-57
EDITIS
O cidadao Elisio Alberto Silvoirs, 1- juiz
de paz da fregaezia da Bja-Vista, em
virtude da lei, etc., etc.
Faz saber a quem interesar possaque por par-
te do Alheiro, Oiiveira C, me.f ii requerido que
se admittissc a justifiar a a^senda e incerteza
do lagar da residencia da audame Blanche, e jus
tificando quanto baatasse lhe coaoed-sse carta de
edtos para ser ella citada afim de vir a primeira
audiencia deBte juizo, fintto o praso de 30 das,
concilir-se com os snpplicantes a respeito do pa-
gamento da quantia de 1:653*110, provenientes
de gneros fornecidos para o c illegio da Nossa
Senhora das Victorias, sito ra do Visconde de
Cstoaragibe n. 10.
E tendo exhibido provss suficientes de quanto
igva, lbe mand. i passar o presente edital de
ttiss, pelo que cito a mencionada madame
Blanche vir na primeira audiencia depois da-
quelle praso para o fim exposto, pena de reve-
lia. w.
Dado e passado neste fr_,uezia da Boa-Vista
aos 25 diai do me de Pevcreiro de 1887.
Ea, Altredo Francisco de S uza, eaciv, es-
craVt, subserevo e assigno-
Elizio A. Silve ira
O Dr. Joaquim Correia deOlivei:a Andrade, juiz
de direito pnvativo^de orphJos e ausentes, nesta
ossarca da Recife, por c. M. Imperial, a quem
Den guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital vrem on
delle tirerem noticia, que fiada a aa lencia do
dia 22 de Marco do correrte anno, a requerimento
do bacharel Asgusto Caraeiro Monteiro, inventa-
rente do* bens de sna finada mulher D. Isabel
Pires Carneiro Monteiro, ir 4 pr*oa por venda a
casa de t"ipa sob n. 10, com uta pequeo terreao,
COMPANHIA DE EDfflGilJ!)
0 escriptorio Testa
companhia acha-se
innecionando no largo
de Pedro II, h. 77, l.
anda:.
Imcnmbe-se median-
te contrato e a paga-
mento em prestadles,
de constrncfdes e re-
coustrucijcs de pre-
dios, cojos projectos e
ornamentos sejam ou
n.0 confeccionadosYpoder a Companhia
pela companhia.
No escriptorio se en-
contraro sempre, as
amostras dos produc-
tos da fabrica vapor
do Taquary, tendo sem-
pre yenda: tijolis
raassipos de alvenaria,
ditos para ladrilhos,
diversos formatos, te-
lhas romanas, franee
zas, de capote com en-
caixe, de crista; canos
e curvas de diversos
dimetros, ornatos va-
riados e tijolos fora-
dos de diversos formli-
tos.
Para vendas c en-
comendas, no escripto-
rio central._________
ouipanhia Santa Thcrcza em
presarla do abastednacnto
d'agna e de luz cidade de
Ollada.
Assembla geral
De ordem do Sr. presidente da assembla geral
e por nSo ter o 8r. secretario eleito acceito o Sargo,
convoco a assembla geral des 8rs. accionistas
para o dia 24 do corrente, afim de ter lido o jul-
gado o lehtorio e o parecer fiscal e apreciadas as
coiitas do anno findo, e submettids a considerseSo
dos Srs. accionistas runa mocao do Sr. presidente
da directora.
A sessao ser aberta ao meio dia n'trm dos ss-
ISes do edificio da Associacao Commereal, para
esse fim delicadamente cedido.
Becife.Ode Marci de 1887.
O gerente,
A. Pereira Simoes.
COMPANHIA
Abastecedora (Tagua e
gaz em Olinda
AVISO
Aos Srs. consuni-
midores de agua e g-az
da companhia, que em
seus pagamentos se a-
rham em atrazo, lem-
bro o presente artigo
do regulamento ap-
provado pelo governo
a 1 de Agosto de
187% e que se acha
copiado no verso das
contas entregues.
O pagamento da
importancia da agua ou
gaz fornecido em cada
mez, se far naprimei-
meira quinzena do mez
seguinte e na sua falta
interromper o respectivo
supprimento.
Escriptorio do ge-
rente, Olinda 3 de
Marco de 1887
A. Pereira Simoes.
Santa Casa de Misericordia do
Recife
A Illma junta administrativa desta Santa Casa
contracta com quem melhores vantagens offerecer,
o forneeimento dos gneros abaixo declarado],
para o consumo dos estabelecimentos seguintes,
durante* trimestre de Abril a Junho do corrente
anno: Hospital Pedro II. dito d3 Lazaros, dito
de Santa gueda, Hospicio de Alienados, Casa dos
Expostos, Asylo de Mendicidado e Collegio des
Orpbaos.
Aletria, kilos.
Arros, idem.
Agurdente, li'ros.
Azeite doce, idem.
Ararnta, k los.
Bacalbo, idem.
Banha de porco, idem.
Batatas, idem.
Cha verde, idem.
Caf em grao, idem.
Carne secca, idem.
Cebol, cento.
Fariuha de mandioca da provincia, litro.
Feijao, idem.
Pumo do Rio, kilo.
Gaz, lata.
Dito iocxplosivel, iJero.
Milho, kilo.
Manteiga franceza, idem. #
Potassa, idem.
Pao e bolacha, idem.
Dito e idem para o Collegio das OrphSs (cm
Olinda, idem.
Bap, idem.
Sabio, idem.
Sal, litro.
Tpiccn, kilos.
Toncinbo, idem.
Vrliss de carnauba, idem.
Ditas stearinas, masso.
Vinho branco, litro.
Dito tinto (figueiraj idem.
Dito do Puto, dem,
Vinagre, idem.
As_propostas deverao eer apreseotadas i
de suas ses'.ej, em cartas fechadas, devrt
selladas, at s 3 horas da trde do diaW.
rente, declarando os propjnentes sujetaren
um, mul'a de 5 /. sol>re o valor total do torneci-
mento, se no prao de 3 dias, nao comparecer o
para assigoar os respectivos contractos. j_
S!cretara da Santa Casa de MisenostBia *o
Becife, 15 de Mar^o de 1887.
O escrivao,
i edro Rodrigues de st>-

\



f
m


'W*rWJBV:


Diario de PeruambucoTcr?a--leira 22 de Marfo de 1387


/-

i
Santa Casi
N secretaria da Santa Cata arrendam se os
eguintea predios :
Kna do Bom Jess n. 12, loja e ) andar.
dem dem n. 13, 2- e 3- anidares.
dem do Vigai o Tnenorio n 2J, 1- andar.
Id'm do Mrquez de Oiinda n. 53, 3 andar.
dem do Apollo n. 24, 1 andar.
dem da Madre de Deas n. 20.
dem dem n 10. .
dem da Moda n. 45.
Ilem dem n. 47.
d< tn dem n. 41'.
I lem da Lingoei i n. 14, 1 andar.
dem da Guia n. 25.
Beceo do Abren n. 2, 2- aadar.
dem das Boiaajffl. 18, sobrado de dous andares
e loj.
Koa da Aarora n. 37. 2- andar.
dem da Detenco (dentro do quadro) doaa
casas.
Banco de crdito real de Perra-
10/.
Nos termos dos artigos 5o e 6o dos estatutos,
sao convidados os Srs. accionistas i realitar at
da 15 de Abril prximo, na sede do Banco, ra
do Commercio n. 34, a terceira entrada de
valor nominal de cada aceito.
Recife, 14 de Marco de 1887.
Os administradores,
Manoel Joo de Amorim.
Jos da Siha Loyo Jnior.
Luiz Duprat.
COMMERCIO
Companhia de edificado
C immunica-se aos senbores accionistas, que por
dehberacSo da directora foi retolrido o recalhi-
mento da sexta preataclo, na rasio de 10 0/0 do
valor nominal das respectivas acedes, a qual de-
ver realiaar-ae at o dia 12 de Abril prximo
futuro, na sede desta coTopauhia, praca de Pe-
dro II n. 77, 1- andar.
Recife 12 de Marco de 1887.
Gustavo Antunes,
Director secretario.
Permuta
De ordem do Sr. Dr. inspector geral fsco cons-
tar as professoras contractadas Ira Nogueira da
Cunha Leite da cadeira de Jatob em Tacarat
o Anna Cetar de Medeiras da de Lsgcdo em Ca-
ruar, que Ibes fca marcado o praso de 30 das a
contar de 11 do correte, para aaaumirem o exer-
oicio de suaa noraa cadeiras.
Secretaria da Iostrnccao Publica de Pernamon-
co, 18 de Marco de 1387.
O secretanr,
Pergentino Saraiva de Araujo Gal vilo.
Banco de crdito real de Per-
nambnco
Este cstabelecimento, de accordo com o art. 54
das estatuto', paga e seu 1 dividendo a ra..So de
10 / do valor das entradas realizadas do capital
ou 4/ por arcao, todos os das uteis, desde 3 10
horas da manhi s 4 da tarde, em sua sede ra
do Commercio n. 34.
Recife, 19 de Marco de 1887.
O gerente,
Joo Fernandos Lopej.
B Usa owmerclal
COTACOES OFFICIAES DA JONTA DOS COR-
BECTOBES*
Recife, 21 de More* de 1887
Cambio sobre Paris vista, 440 rs. e franco, d
bao. jo, sabbado.
Cambio sobre Hamburgo 4 vista, 545 rs. o R. M..
do banco, sabbado.
O presidente,
Antonio Leonardo Rodrigues.
O secretario,
Eduardo Dubcux.
Movlmento bancarlo
BBCIFE, 21 DB MABOO DE 1887
O Lcndon Bank, nao obstante abrir boje com a
tabella de 21 7/8 d. sobre Londres, que foi retira-
da s 2 horas da tarde, offereceu sanear sobre a
taxa de 21 15/10.
Depois de 3 horas affixou a taxa de 21 3/4, coja
tabella damos abaixo.
O English Bank manteve no balcao a mesma
taxa de 21 3/4.
As tabellas, p.rtanto, que vigorara oficialmen-
te, aSo estas:
Do London Bank :
Sobre Londres, 90 d/v 21 3/4 c vista 21 1/2.
Sobre Parts, 90 d/v 436 e vista 44).
Sobre Hamburgo, 90 d/v 541 e vista 546.
Sobre Portugal, 90 d/v 245 e vista 247.
Sobre Italia, vista 440.
obre New-York, visU 2*320.
Do English Bank:
Sobre Londres, 90 d/v 21 3/1 e vista 211/1
Sobre Paris, 90 d/v 436 e vista 440.
Sobre Italia, vista 440.
Sobre Hamburgo, 90 d/v 41 e vista 546.
Sobre New-York, i vista 2*320.
Sobre Lisboa e Porto, 90 d/v 245 e i vista 247.
Sobre as principaes cidades de Portugal, vista
252.
Sobr-; liba dos Acores, vista 255.
Sobre liba da Madeira, vista 252.
Mercado de asuncar c nluodo
BSCIFE, 21 DB MASCO DB 1887
Attucar
Furam regulares as entradas.
O tou se na raio dos algarismos srgnintes :
3.* baixo, por 15 kilos, de 2*000 a 2*100.
3 regalar, por 15 kilos, de 2*100 a 2*200.
3 boa, por 15 kilos, de 2*00, 2*300 e 2*400.
3. superior, por 15 kilos, de 2*500 a 2*600.
Branco turbina pulverizado, por 15 kilos, de 2*300
a 2*400.
tsvoieooa, por 15 kilos, de 1*600 a 1*700.
Masca vado, por 15 kilos, a 1*200 a 1*300.
B.oto, por 15 kilos, de 1*100 a 1*200.
Rtame*, por U kilos, de 840 a 1*000.
O mximo ou mnimo dos piecos sao obtidos
Croforme o sortimento.
Algodo
O prreo deste artigo, foi de 6*400 (firme) por
15 kilo*, o de Pernambuco e boas procedencias,
tn trra.
Entrada* de amurar e alfada*
MBS DB MABCO
Pauta da Alfanje xa
SKM.lNA DE 21 A 26 DB MARCO DB 1887
Alcool (litro) 218
Algodo (kilo) 360
A.-suca r refinado (kilo) 151
Dito branca (kilo) 131
Dito mascavado (kilo) 067
Borracha (kilo) l/26*i
Cacao (kilo) 400
Cachaca (litro) 077
Caf bom (kilo) 460
Caf restolho (kilo) 320
Carnauba (kilo) 366
Careos de alrodo (kilo) 014
Carvao de pedra de Cardiff (fOl.) 16*000
Couros seceos espichados (k'Io) 585
Ditos salgados (kilo) 500
Ditos verdes (kilo) 275
Parinha de mandioca (litro) 050
Fumo res'olh > (kilo) 400
Genebra (litro) 200
Mel (litro) 040
Milho (kilo) 040
Taboados de amarello (duzla) 100*000
Thesouraria de Fa-
zenda
Do ordam do Illm. Sr. inspector, taco publico,
que, de eonformidade com o disposto no art. 97 do
Regnlamento que baixon com o decreto n. 9,370
do 14 de Fevereiro de 1885, devem ser apreaenta-
dos nveta Thesouraria, at 31 do correte os con-
pons, por ordem numrica e acompanhados de
urna ralacSo assi^rnada pelos portadores dos titules
para pagamento dos juros do emprestimo nacional
do trimestre de Janeiro a Marco.
Thesouraria de Prnambaco, 19 de Marco de
1887.
O secretario,
Luis Emvgdio Pinheiro da Cmara.
Loteras para o Fundo de Eman-
cipa iio
A 21. parte destas loteras acba-se exposta
veada para ser extrahida terca-feira, 29 dojeor-
rente, ao meio dia, no consistorio da igreja da
Conceiyio dos Militares.
Thesouraria das loteras para o Fondo de Eman-
cipaeo, 19 de Marco de 1887.
Francisco Goncalves Torres.
Thesouro provincial
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector desta re-
par'ic.lo, taco publico que no dia 22 do corrente
paga-se a classe de professoras de 1* entrais
com relaco ao mes fiudo de Janeiro.
Paeradoria do Thesouro Provincial, 21 do Marco
de 1887.
O escrivo,
Sil vino Antonio Rodrigues
BBSBBBSBBBBSBBBBBaBBBaiBSBSBB*SBBSBBSBBBBSBBBBSBSSBBBB
Importadlo
Barca norueguense Drodrene entrad i de Cardifi
em 18 do corrente, e consignada ordem, inao-
festou :
Carvao de pedra 380 toneladas Companhia de
Bebera".
ENTRADAS
Barcscas.....
Estrada de ferro de lin-
da......
Es'rada de ferro de Ca-
ruar ......
Animaes.....
Estrada de ferro de S.
Prane.isc) .
Estrada de trro de Li-
mof-iro .... .
o
5
1 19
1 19
l, 18
1 18
43.334
2.200
7.520
6.432
57.446
11.607
128.539
3
o
m
X
2.690
2.382
* 67
7.796
3.293
2.938
19.166
Vapor alintale Rosarlo
Sabio autehontem para os partos do sul, levait-
> pira Santos a carga seguate :
< 'iOO saceos com assucar.
.' 0 barricas c m dito,
l pipas com agurdente.
Banco de Crdito Real
At o dia 31 do corrento mes de Marca, devem
m ic.ionitas do Banco de Crdito Real da Per-
i i.bueo realizar a terceira entrada do valer no-
ii ii il de anas accSs, na razio de 10 0/0, levan-
r! a sede do banco, na rus do Commercio n.
N.
Este banco est pagando o seu primeira divi-
dendo raza > de 4*000 por acedo ou 10 0/0 do
valor "realizado do cada urna. .
O pagamento Ls-se na fde do bineo, das 10
oras da manh s 4 horas da tarde dos das
abis.
Catxeirea deapacbaatea
No praso de 6 dias, contados de 9 do corrente
mes de Marco, os caixriros despachantes da Al-
tandega devem spresentur-se ua 3. seccao deesa
, fcfim de renovarem suas fianoos, sob as
art. 163 da eona -.lidacao dos leis das Al-
^is c mecas de rendas.
\m do Tlii'Houro dllaceradNa
'' rtcolbimeuto de netas dilaceradas est sendo
na Thesouraria d-> Puzenda, as tercas e
s-fciriis, dos 10 s 12 hjras da laauhiL
M;.i<.iitulfo de olas do Tbesonro
Em 81 do corrente mez termina o praso mar-
eaJo para reeolhimento, sem descont, das notas
de ?*'XJ da 5 estami-a, 10*000 da C e 5*000
Ja 7.
A e to est ecno feifa na Thesouraria .
iend.i, no9 dias uteis, das 10 s 12 horas da
Vapor allem&o Rozario entrado de Hamburg c
escala em 18 do corrente e consignado a bostel-
munn & C, manifestou :
Carga de Hamburgo
Arroz 'ib saceos a G unes & Pereira.
Alcatrao 80 / birria ordem.
Amostras 19 voluines a diversos.
Azul ultramar 5 caixaa a Guimares Cardozo
&C.
Ammoniaco 5 caixas a F. Manoel da Silva &
C. -
Agulhas 1 caixa h M'randa & Sonsa.
Cerveja 70 caixas a Sodr da Motta & Filbo, 19
barril i ordem.
Cevada 3 ) barricas ordem.
Chapeos 1 caxio ordem, 1 a Maia Irmo &
C, 4 a Rapbael Dios & C, 1 a Affonto Oliveira
A ('., 2 a Samareos & C, 3 Jcio Christiaoi &
C.
Couros 1 caixa 4 ordem.
Drogas 3 volumes ordem, 2 a Franciscc Ma-
noel da Silva 4 C.
Elstico 1 caixa a Aotoo o Du irte Carneiro Vi-
anna.
Essencias 2 caixas ordem. _
Fio 1 caixa oidero.
Fogos de bengala 1 caixa a Costa Lima & C.
Ferragens 1 volume a|Games de Mattos Irmaos,
10 a Nun s Fonseea & C, 3 a Mait & Silva, 2 a
Casemiro Fernandes & C. 16 a Ferreira Guima-
rSea & C, 1 a Ase redo & C, 8 ordem. 1 e Silva
Fernandes a Guimares Itmao & C, 8 a Otto Bohres Suc-
cessores, 7 a N.-tto Campas A C, 2 a H Nuesch
& C.
Frascos vasios 2) grades a Martis Viegas &
C, 500 a Joaquim Dnarte Simes & C.
Joias 1 caixa a J. Krause & C.
Louca 48 gigos, 14 barricas e 2 caixas a Jos de
Mactdo, 1 gigos a H. Stolsemback f5 C, 25
ordem.
Lixa 1 caixa ordem.
Movis 1 caixa a Silva Fernandes a C, 1
ordrm.
Mercadorias diversas 1 volume a V. Neesen, 9
4 ordem, 2 a H. Stolsemback & C, 2 a Nunes
Fonseea & C, 2 a A. P. de Sousa Soares 7 a
Guimares Cardozo &. C, 1 a Aatonio Duarte
Carneiro Vianna, 1 a tt. da Silva Carvalho, 4 a
Prente Vianna C, 2 a Maia & Silva, 1 a Oli-
veira Basto & C, 1 a F Lanra 6c C, 4 s Otto
Bohres tSoceessores, 1 a Netto Campos & C, 13
H. Peterscn & C, 1 ordem.
Mar more 1 caixa a Souai Ferusndes & C.
Machinas 1 caixa a Guimares & Porman, 3 a
Asevedo & O, 1 4 ordem.
Ditas para costura 5 caixas a Gomes de Mattos
Irmaos & C 6 a Ferreira & Irmo, 10 a A. P.
de Sousa Searer, lo Antonio Duarte Carneiro
Vianna, 5 4ordrm, 6 a Prente Viama 4 C, 6 a
Miranda t Sonsa, 1 a F. Lauria & C.
Papel 6 caixaa a Nunca Fonseea fc C 1 a H.
Petersen & C, 1 fardo a Francisco Jos dos Pasaos
Guimares, 116 a ordem.
Dito para impressc 24 fardos a Manoel Figuo-
ra de Faria & Filhor.
Pregos 55 caixas a .Ferreira Guimailea & C.
Pianos 2 caixoes a Carvalho Jnior 6c Leite, 2
a V. Prealle & C, 1 a H. Petersen K- C
Phisphorcs 10 caixoes a F. Launa < C.
Parafioa 3J caixas a Casemiro Fernuudcs i. V.
16 a Franrisco Jos, dos Pasaos Guimares.
Pimenta 15 saceos 4 ordem.
Rolbas 5 fardos 4 ordem.
Sabo 7 caixas a H. Stolsemback de C.
Tinta 2 caixas a H. Sto!z<*mb*ck & C.
Tecid.-.s diversos 1 volume a D. P. Wild 4c
C, 8 a Bemet 6c (.'., 29 4 nrdem, 2 a A. Viciru &
C, 2 a E. G. Carc.l>, 2 a Rodrigues Lima & C,
1 a Alvcs de Britto 4 C 2 a Machado & Pereira,
8 a Oiinto Jardim & C, 1 a Guimares Irrra.s
AC.
Tintas 1 eaixa a H. S'olzenback & C, 1 a F
Manoel da Silva c C.
Vidros 8 barrio'.s a ordem, 22 a Francisca Ma-
noel da Silva & C.
Carga de Lisboa
Azeite 50 caixas a F. Ribeiro Pinto Guimares
S C, 21 a Domingos Ferreira da Silva & G.
Jebolas 25 caixas a Paiva Vnlente & C-, 15 a
Aracjo Castro 6c C, 20 a Esuaty Rodiigucs r& C,
75 a Silva Guimares AC.
Cal 50 barricas a Tavares de Mello Genro & C,
25 a Bento de Freitas Guimares s C.
Conservas 7 caixas a Domingos F. da Silva 6c
C.
Cominhos 2 saceos a Esnaty R>driguea & C.
Cevada 5 barricas a Francisco Manoel da Silva
*C.
Farello 150 saceos a S;uza Beatos Amorim 6c
C 200 a Paiva Valente & C.
Livros 1 caixa a J. W. ds Medeircs,
L uca 1 caixa a Bellarmir.o Carneiro.
Mercurio 2 caixa.. a A. D. Carneiro Vianna.
Passas 36 fardos e 1 caixa a Domingos Ferrei-
ra da Silva & C.
Salpicoes 1 caixa a Rodrigo de Carvalho A O
Vinagre 16/5 a Paiva Valento 4 C.
Viuh 10 pipas a a Sousa Bastos, Amorim 6c
C, 8 e 10,5 o daia A Rezende,36,15i5e 10 10,10
a Fernandes da Cesta 4 C, 10,5 a Tavares de
Mello Genro & C-, 55 e 1 caixa a Francisco Ha-
noel da Silva A O, 8,10 e 1 caixa a Rodrigo de
Carvalho &C.
Aguaruz 4 caixas a Manoel Alvcs Barbosa Suc-
cessar.
liiil,i 50 barris a ordem, 30 a Jo i Moreira &
C, 25 a Gomes 6c Pereira.
Bocaes para candieiros 6 caixas a W. Halday
A C.
Candieiros 1 caixa a H. St.lzembach.
Conservas 4 caixas a ordem.
Cabos 40 rolos a ordem.
Farinha de trigo 275 barricas a H. Nuesch A
O, 100 a Paiva Valen te it C, ICO a ordem.
Frragens 5 voluntes a Albino Silva 4 C.
Fogos da China 115 amarrados a ordem, 60 a
Fernandes & Irmo, 5 a Fernandes da Costa A
50 a Joaquim Duarte Simoea A C, 25 a Joaquim
F. de Carvalho A O, 20 a Araujo Costa 4 C, 25
a Antonio Jos Soares 4 C, 20 a Gomes e Perei-
ra, 15 a Carvalho & C, 10 a Carlos Alvos B-.r-
bCbB.
Maisena 50 caixas a Carvalho & C.
Machina de costura 1 caixa a H. Stolzembach
6cC.
Machinas 6 caixas aos mesmos.
Oleo de ementes de algodo 8 caixss a Manoel
Aires Barbosa.
Papel 50 fardas a ordem.
P.enca de copiar 3 caixas a H. Stolzenbac b &
C.
R idus para carro 20 a H. Stolzembach 4 C.
Sabouetes 2 caixas a H. Stolzembach 6c C.
S 'm.ntes de algodo 2 tace is aos mesmos.
Toucinho 20 barris a-Joo Moreira 4 C.
Vidros 18 volumes, a Joo Moreira A C, 3 a
H. S'i'lzeiobach & C 8 a ordem. i
Lotera de 4000 contos
A grande lotera de 4000 contos, em 3 sorteios,
fica transferida para o dia 14 de Maio vindouroi
imprcterivelmente, nos termos do despacho do
Exm. Sr. presidente, de boje.
Tnesouraria das Loteras para o fundo de
emancipaco e ingenuos da Colonia Isabel, 14 de
Desembra da 1886.
O tbeaoureiro,
Francisco Goncalves Tei res.
S. M. Q. M.
Socledade M. Uualorzc de Marco
Ekiolo
De ordem do-Sr. presidente sao oonvidados os
Srs. socios a reunirem-se em assembla geral na
sede social pelas 6 horas da Urde de 12 de Abril,
prximo futuro, para elegerem os novos funeciona
rios para o auno social de 1887 a 88.
Outrosim para conhecimento dos Srs. asseciados
aqui transcrevo o art. 82 :
< Para que os socios gozem do g Ia do art. 6
Jrotarem e ser votados) nao oodero dever mais
e 3*000 a sociedede.
Recife, 18 de Marco de 1887.
O secretario,
Antonic de Castro Lco.
Instltnt'o Lltterarlo Olindense
Por deliberaco do Consulho Administrativo,
cenvido 09 Srs. socios, que se acbam em atraso
com suas ui.nsnlidudes, para que dentro da praso
de 6) diae, a contar desta data, recoiham as mesmas
a coutar je Julho de 1886 em diaute, e o que nao
o fizer ser eliminada de accordo com o art. 5
11 doa estatutos.
Secretaria do Instituto Litterarlo Olindense, 17
de Marco do 1887.O l secretario, Samuel de
Lima Blelho.
Vapor ingles, Bonavista entrado do New-
York c escala em 18 do corrente e consignado a
g. Foster 4 C. manifestaa:
Vb per ingles Maranhense entrado do New-
York em 18 do corrente e consignado a Johnston
Pater & C.; manifestou :
RiC.lhau-400 tinas a Brtwis A C.
Banha 250 barris a ordeui, 50 a Fernandes 4
Irmo.
Bombas 2 caixas a ordem.
Cartuchos e armas 1 caixa a Miranda A Soasa.
Can-is de Ferro 1 c 3 feixe a nrdem.
Cnndieiros 3 caixas c 1 barneo a Vianna C.
4 a
Drogas 12 volumes a Faria Kobrinlio & C.
Estopa de calafetar 50 fardos a H. Lundgrea &
C
Farinha de trigo 2,200 barrio* a Machado Lo
pes 4 C 1,000 a Lipes Iimo A C, 600 a Matleui
Austin 4 C-, 100 a Paiva Vale .t A C.
Ferragena 1 caixa a Miranda A Sousa, 1 a Sa-
muel P. Joboaton A C.
Franella 1 caixa a ordem.
Fogos da C'iina 25 amarrados a ordem.
Grat-ha 4 barricas a Fernandos Ism>.
i Kerosene 500 caixas a Sousa Bastos Amorim &
C, 500 a S ares do Amaral Irmo.
Machinas para desenrocar algodo 2 caitas a
Miranda A S 'Uzh, 34 a Res A S intos.
Machinas de costura 1 caixa p Sunuel P. Johns-
ton A C
Paz de ferr 35 feixes a Vianna Castro A C-
Pai.ni de algodo asul 2 caixas a A. Vieira &
C
Re Toucinho 45 barris a ordem.
Vidros 17 volumes, a B. Duarte Campos 6c C.
Lugar al le tu o Heleno entrado de Hambur-
go em 19 do corrente e consignado a Fonseea Ir-
mes 4 C ; manifestou :
Ale tro 20 barris e 20j2 di tos aJosqui-n Al-
ves da Silva Santos.
Amostras4 volumee a diversos.
Alpiste 5 saceos a Esnaty Rodrigues C.
Barras do ferro 500 c 250 feixes a Antonio D.
C Vianna.
Bataneas 1 caixa a Prente Vianna A. C, 9 vo-
lumes a Antonio Duarte C Vianna.
Om'nto 1244 barricas a ordem, 500 a Antonio
Rodrigues de Souzs & C, 303 a Vueute Ferreira
des do Albuquerque Naacimento.
Cindieiros3 caixas a Deodato Torres 6c C
C -vadinha 15 gurrsfes a Goncalves Rosa A
Fernandes, 10 a ordem,
C rvej 195 caixas a ordem, 100 a Suiza Bas-
tos imorim 6c C, 90 a Fernandes 6c Irmo, 50 a
Goncalves Rosa A Fernandes, 40 a Sodr diiMot-
ta i Filha, 30 a Joaqnim Ferreira de Cirvalho i
C
Drogas 8 volumes a Faria Sabrinbo 4 C, 8 a
Francisco Manoel da Silva de C, 3 a Hermcs de
Souza Pereira.
Dyiiimite 30 caixas a Antonio R>drigUT de
Souza 6c C. 30 a Reis A Santos.
Ervilhas 10 garrafes a ordeui.
Espoletaa 2 caixas a Gomes de Mattos Irmot,
1 a Reis Santos, 1 a Antonio Duarte C Vianna.
Ferragens 7 volumes a ordem, 8 a Otto Bohres
S .eeespor.
Fraseos va ana Sil Vf.lircs a ordem.
Folhas de Zinco 2 cuizas ordem.
Genebra 142 caixas aoidem, 250 a Fernandes
A Irmo, 100 a Sousa Bastos Amorim 4 C 50 a
Fraga Rocha 4 C, 49 a Joo F. de Almeida, 20 a
Joaquim F. de Carvalho 4 C, 15 a Esnaty Ro-
drigues 4 C.
Louc-t 183 volumes a orden, 6 i a Fernando
Irmilo, 34 a Joaquim Fernaudea de 'Cirvulbq & ('.,
8 a So.iza Noegueira 6c C.
Dita de barro 1 caixa a Manoel J. Pereira.
Lamparinas 1 ciixa a Antonio D. C Vianna
Moris 8 caixas a ordem.
Mercadorias diversas 3 volumes a Otto BohK
Successor, 1 a Maia e tfirra, 1 a Francisca Lau-
ria 4 C, 1 a ordem.
Parafioa 10 caixas a ordem.
Pregos de rame 251 caixas a Prente Vianua
6c C
Papel 3 fardos a Guimares C>rdsso (Si C.
GJJDito de embrnlho 1,125 fardos a ordem oOO a
Bernet 6c C 200 a Joaquim Felippe de Aguiar,
150 a Joo Fernandes da Costa 15 a Goncalves
Rosa A Fernandes, 12 a C. F<-rnnudes A C 2 a
Guimares A Permann, 1 a Joaquim Ferreira de
Carvalho 4 C-
Pimeuta 5 saceos a Esnaty Rodrigues & C, 5 a
ordem.
Phosphoros 81 caixoes a ordem, 30 a Gomes de
Mattos Irmo, 30 a Jo < Fernandos de Almeida, 20
a Fernandes Rodrigues it C, 20a Francisco Lau-
ria & C, 20 a S usa Baetis Amorim 4 C, 10 a
Fernandes da C >8ta & C 15 a Fraga Rocha & C ,
5 a Esuaty Rodrigues A C la Fernandes 4 Ir-
mo.
Sig 25 grrafes a ordem, 15 a Goncalves
Rosa 4 Fernandes.
Vellas 50 jaixae a Esnaty Rodrigues 4 C 20 a
Joaquim F. de Ctrvalha A C-, 4a C.'sta 4 Medi-
ros.
Vidros 115 volumes a W. Hallidiy 4 C-, 5 :t
Otto Bohres Succeisor, 1 a Atf jnso de Oveira
C, 1 a ordem.
Di'os para Vidraca 70 caixas a ordem.
Agua miueral 10 caixas a Francisco Manoel da
s vii & c.
Batatas 150 1/2 eiixas a Solzer A Ktuffmann,
10 a Auguefe Laliil'.-, 50 a Goncalves Reza 4
Fernandes, 100 a P.iiva Valente 6c C, 50 e 100
pigas ordem, 100 gigaa a Paulino de Oliveira
Maia.
ButSes 1 caixa U mes de Mattos Irmaos, 1 a H.
Nuesch & C
Bataneas 1 caixa a Parante Vianna & C.
Capsulas de estanhos 5 caixas a Francisco Ma-
noel da Silva A C.
Cidra 6 caixas 4 ordem.
Cognac 2 barra 4 ordem.
Conservaa 7 caixas a Goncalves Rosa Fer-
nandes, 3 a Bernet & C.
Calcados 1 caixa a Angelo Raphael A C, 2 a
Cesar Lopes 4 C, 2 a Thomas de Carvalho I a Albino Crus ftC.,2 a Francisco Ramos da
Silva & C, 1 a Nunes F-eca & C.
Ditos e fitas 1 caixaa Ferreira Barbosa 4 C.
Cryatacs 1 barrica a W. Halliday & C.
Drogas 10 volumes a Francisco Manoel da Silva,
C,3b Faria Sobrinho & C.
Espelhos 1 caixa a G. Laport & C.
Ferrageus 3 volumes ordem, 10 a Samuel P.
Jobnston 6c C, 5 a W. Halliday A C 4 a Jos
G. Pinto, 2 a Ferreira Guimares 6c C, 1 a Oli-
veira Basto 4 C.
Linba 1 caixa a Angelo Raphael A O, 3 a Fer
reir Guimares C.
Manttiga 260 barris e 448/2 4 ordem, 20 e 25 a
Domingos Crus 6c C, 20 e 30 a Jos de Macedo,
10 o 20 a Fernandes 4 Irmaos, 10 e 10 a Joo
Fen eir da Costa, 30 e 40 a Sousa Basto Amorim
c C, 70 e 70 a Paiva Valente A C, 10 e 15 ao
consignatario, 0 e 5 a Fraga Rocha A C 50 cai-
xas a Silva Guimares A C 15 a Jos Joaquim
Alves <6 C, 9 a Paiva Valente A C.
Mere dorias diversas 1 volme a G. Laport 4
C, 1 a Netto Campjs & C, 30 a Maia Silva A
C, l a G. Laport A C, 4 a Mauoel Collaca A C,
3 a Manoel C- Ayres. 9 a Guimares Cardozo L
V., 4 a Francisco Liara 4 C, 1 a Francisco G.
do Amaral, 1 a Otto Bohres Successor, 1 a P-
rente Vianna de C, 3 a Manoel Joaquim [Ribeiro
4 ordem, 4 a Gomes de Mattos Irmaos, 1 a An-
tonio Jos Maia A C, 1 a E. G. Cselo, 2 a R.
Urusina A C.
Movis 7 caixas a Ferreira A Irmaos.
Objectos para relojoeiro 1 caixa a Eugenio
Goetscbel.
Perfumarlas 3 caixas a C. A. Sosres Leite, 1
a Prente Vianna & C.
Papel 1 caixa a Maia e Silva & C
Ditos de embrulbo 88 fardos a Rodrigues de Fa-
ria A C-
Pisaos 1 caixa a Prente Vanos & C, 1 a Fer-
reira 4 Irmaos.
Porcelana 1 caixa Rouquayrol Freres, 1 a Ma-
noel Joaquim Pereira.
(joeijos 86 caixas 4 ordem, 21 a Jos Joaquim
Alves A C 10 a Silva Marques 4 C, 10 a Joaquim
FuiippS A Aa-uiar, 10 a Fernandes da Cuta A C,
II a Domingos Ferreira da Silva A C, 27 a Paiva
Valente A C, 12 a Goncalves Rosa 4 Fernandes,
20 a Souza Basto Amorhn 6c t' 10 e 2 fardos T.
Christiansen, 5 e 1 Guimares Rocha 4 C.
Uoupa 2 caixis a Abe Stein 4 C, 1 a J. Pinto
de Lemos.
Sapatoa 2 caixoes a T. de Carvalho 6c C.
Teeidoa diversos 2 votantes a D. P. Wild 4
C, 5 ordem 2 a Bernet 4 C, 6 a Luiz Antonio
Siqueira, 3 a AndradeLopes A C 1 a A. C. de
Vasconcellos, 4 a Guimarea Irmaos 4 C, 1 a
Rodrigues. Liina A C., 1 a Braga A S. 2 a R. de
de Drusina 6c C 1 a O,uto Jardim A C, 1 a A.
Vieira 4 C.
Vidrss 6 caixas a Rouquayrol Freres, 1 a Manoel
Joaquim Pereira, 1 a Ferreira 4 Irmo, 4 a Ma-
noel A'ves Barbosa Successor, 1 a Deodato Tor-
rea 4 C.
Velas 4 tardos a Domingos Ferreira da Silva
4 C.
Vioho 11 caixas a Abrantes A C, 2 a Alheiro
Oliveira A C-, 2 barris a H. Burle 4 O.
Veaeravel Irnaadade do Sen-
hor Bom lesas dos Passos
Pelo presente sao convidados todos os nossos
charos irrass a compareeerem no convento de N.
S. do Carmo, Sexta, feira 25 do corrente, as 3 horas
da tarde, para eneorpsrados 'aesmpanbarmos era
solemne procisso, a sacro-santa imagem do Nosso
Divino Padroeiro para ana sedo Matriz do Corpo
Santo.
Recife, 20 de Marco de 1887.
O escrivo,
_________Francisco Antonio Correia Cardoso.
Ho das Mares Primarios
Seaaao magna de anait-eraarlO
Tendo o conselho deliberativo resolvido com-
memorar com urna sesio n agoa o 9. anniversa-
rio da fundaco desta saciedade, no dia 25 do
corrente, pelas 11 horas da manh, convido aos
asseciados efectivos, honorarios e benemritos,
asBim como as associacea existentes nesta capi-
tal, funecionaros da instruco publica e particu-
lar, empregados pblicos e quaesquer outros ca-
valleiros que queiram comparecer, para no dia e
hora mencionados a:harcm-89 na sedo social, 4
ra de Pedro Affonso, palecete da Escola Normal.
Secretaria do Gremio dos Professores Prima-
rios, 21 de Marco de 1887.
Servindo de 1- secretario,
Cyrillo Santiago.
t*f don and Brasllian tta
Limited
Ra do Commercb n. 32
Sacca por todos os vapores sobre? as ca-
as do mesmo banco em Portugal, sendo
m Lisboa, ra dos Capellistas n 76 No
Porto, ra dosllnglezes.
saceos com 18,000 kilos de assucar branco e 700
ditos com 42,000 ditos de dito mascavado.
Para o Rio de Janeiro, V. T. Coimbra 700
saceos com 42,000 kilos de assucar branco e 300
ditos com 18,000 ditos de dito mascavado ; S. G.
Brito 500 saceos com 30,000 kilos de assucar
branco.
Na escuna norueguense Re/orm, carrega-
ram :
Para Porte-Alegre, P. Carneiro 4 C. 430 saceos
com 32,250 kilos de assucar branca e IOj ditos
com 7,500 ditos de dito mascav&do.
No vapor ingles Bonivisla, carregaram :
Para o Para, Baltar O.iveira &i C. 450 barricas
com 24,000 kilos de assucar branco.
No vapar nacional Para, carregon :
Para o Par4, -V. T. Coimbra 600 taceos com
47,552 1 [2 kilos de assucar branco.
No vapor nacional Pirapama, carregaram :
Para Mac4o, P. P. de V. Castro 25 saceos com
farinha de mandioca, 10 ditos com milho e 3 bar-
ricas com 250 kilos de assucar branco.
Para Mossor, Amorim Irmas Se C. 10 barr
cas com 370 kilos de assucar refinado.
No hiate nacional Correio de Natal, carre-
garam :
Para o Natal, P. Alvcs & C. 10 barricas com
630 kilos d; associr refiaadj ; M. A. Senna A C.
15 saceos com 1.715 kiloa de assucar refinado.
Para Macabyba, E. C. Beltro A Irmo 8 bar-
ricas com 450 kitas da assucar refinado.
Na barcaca Assumpcao de Mara, carregnu :
Para Porto Calvo, F. Ua Silva Braga 1 barrica
com 60 kilos de assucar branco.
Na b.'ircaci D. Stn'u. carregon :
Para o Natal, M. J. Pesioa 60 caceos com fari-
nha de mandioca.
Na lancha Deosa do Ocano, carregou :
Para Maragogy, A. J. Vieira 4,000 litros de
sal.
Navio* A carga
Vapor trances Ville-de Bu d: Janeiro, entrado
do Havre em 20 do corrente e consignado a Au-
gusto Labille, manifestou :
Amostra 3 volumes a diversos.
Exportarlo
BECIFK 19 DB MABCO DB 1887
Para o exterior
No vap>r ingles Mariner, carregaram :
Para Liverpool, J. Pater A C. 390 saccas com
32,913 kilos de algodo; G. de Mattos Irmaos 16
saccas com 1,152 kilos de algodo.
No vapor ingles Bertchel, carregaram :
Pa(a Liverpool, N. Cahu A C. 190 saccas com
16,933 kilos de algodo ; F. Casco & Filha 800
scere com 60,000 kilos de assucar mascavado.
No vapor ingles Bonavitta, carregaram :
Psra New-York, Amorim Irmaos te, C. 400
saceos com 30,000 kilos de assucar mascavado;
H. Forstcr A C. 5,000 saceos com 375,0C0 kilos de
assucar mascavado ; M. J. da Rocha 600 saccas
cora 46,200 kilos d assucar maseavado.
Na patacha ingles Moss Rose, carregaram :
Para New-York, H. Forster 4 C. 15,000 saceos
com 1,125,000 kilos de assucar mascavado,
,\o vapor ingles Vol, carregaram :
Para o Bltico, Borstelmann 6c O 400 tardos
m 77,31:4 kilos de algodo.
Na barca inglesa Dwutajfuage, carrega-
ram :
Para Boston, Julio & Irmo 200 saceos com
15.0J0 kilos de assucar mascavado ; J. Pater A C.
185 saceos com 13,875 kilos de assucar masca-
vado.
-- No vapor trances Gironde, carregaram :
Para Pars, A. Reg A C. 6 kilos de oura e 7
dit s de prata ; E. Goetchel 6 kilos de ouro e 8
ditos de prata, e 2,000 passaros seceos.
Pura Allemanha, J. Krauao 6c C. 11 kilos de
ouro.
Para o interior
Barca inglesa Erinchner, Ruasia.
Barca portuguesa Hersia, Lisboa.
Barca inglesa Beta, Estados-Unidos.
Barca norueguense Aino, IIull.
Barca inglesa Dunstuffaage, Estados-Unidos.
Brigue allemo /. G. Fichte, Montevideo.
Brigue allemo Bruno & Mane, Hull.
Galera inglesa Lorenzo, Liverpool.
Lugar ingles Roiand, New-York.
Patacho noruegu nse Re/orm, Kio Grande do Sul.
Patacho dinamarqus Am ir, Montevideo.
Patacho ingles Plymouh, Santos.
Palhabote nacional S. Bartholomeu, Porte-Alegre.
Vapor ingles Vol, Bltico.
Vapor ingles Herschel, Liverpool.
IVavIoa 6. descarga
Brigue ingles Canad, bacalho.
Brigue alinalo Jos Genebra, carvo. ,
Barca norueguense Brodrene, carvo de pedra.
Barca norueguense Progreis, carvo.
Barca inglesa Chrisliani Scrivey, carvo.
Barca dinamarquesa Arica, carvo.
Barca bespanbola Francisca Villa, carvo.
Barca norueguense Speransa, carvao de pedra.
Barca norueguense Qlitner, carvo.
Escuna inglesa May, bacalho.
Escuna nacional iiarielta, varios gneros.
Escuna norueguense Hapsnas, varios gneros.
Hlate brasileiro Deus te Guarde, sal.
Lugar amerirano Eduard A. Sanchei, farinha de
trigo,
Lugar nacional Maia I, varios gneros.
Lgr norueguense Airona, carvo.
Lugar ingles May, carvo.
Lugar norueguense Ideal, varios gneros.
Lugar ingles Aureola, bacalho.
Lugar ingles Liutie R. Wilct, bacalho.
Lugar allemo Hctene, varios gneros.
Patacho ingles Eugenie, bacalho.
Patacho ingles Buda, carvo.
Pataebo ingles Aldnyh, bacalho.
Vapor allemo Rosario, varios gneros.
Vapor iiiglex Maranhense, varios gneros.
Vapor ingles Plato, varios gneros.
Vapor austraco Tibor, varios gneros.
Vapor ingles Mariner, varios gneros.
COHPANHIA Dfi SEGUROS
NORTHERN
de Londres e A be releen
Foalcao flufinceira (Resembr 1SSS)
Capital oubsciipto 3.000,000
Fundos aecumulados 3.134,348
ttecetta nnnual i
D premios contra fogo 577,330
De premios sobro vidas 191,000
Da juros fi 132,000
O AGENTE,
John H- Boxwtll
BA COMMHEBOOCIO X. %9 !? AMD4B
SEGUROS"
MARTIMOS contra fogo
Companhia Phcnlx Per-
nanifoucaoa
-Ruado Commercio it.
8
I DESEE
COKTRA FOGO
Korth Brilish & Mercanlile
CAPITAL
1:000.00o de libras sterllnat
A O EN ES
Adoiiison Howie & C.
48 columnas a 600 ria 28/800
49 compartimentos do farinha a
500 ria. 24/500
43 ditos de comid a 500 ria 21/500
1511/2 ditos de legumes a 400 ru 61/800
36 ditos de suino a 700 ris 25/200
22 ditos de treseuras a 60U ris 13/200
20 talhos a 2 40/000
13 ditos a i; 13/000
A Oliveira Castro & C.:
108 talhos a 1 108/000
4 talhoa a 500 ris 2/0G0
Deve ter sido arrecadada nestes diss
a quanna de 373/200
Rendimento dos dias 1 a 19 3:8i3/180
Foi arrecadado liquido at heje
Precos do dia :
Garu verde a 560 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris dem.
Sainos de 560 a 640 ria idem.
Kannha de 200 a 240 ris a cuia.
Milho de 260 a 32U ris idem.
Feijo de 640 a 1/000 idem.
Matadonro Publico
4:216/380
88
Dlnbelro
O paquete Gironde troaze hontem do sul para :
London Bank 400:000/000
Ejglisb Bank 200:000/000
Readlmeatos pblicos
MBS DB MARCO
Al/aniega
Foram abatidas no Vlatadouro da Cabanga
reses para o eonaumo do dia 22 de Marca.
Sendo: 64 reses pertencentes a Oliveira Castro,
&t C, e 24 a diversos.
Vaporea e navloa eaperado*
VAsqatas
Nevada Eurcpa a 24.
Bahiado tiorte a 26.
Sul!yda Europa a 26.
Espirito Santodo sul a 27.
Abril
Desterrodo sul a 2.
Alliancado sul a 5.
Advancedo norte a 8.
HAVIOS
Amandade Hamburgo.
Apotbeker Dirsende Santos. ... '
Ameliado Rio Grande do Snl.
Albanade Cardiff.
Anne Catharjneda Babia.
Andaluzado Rio Qrande do Sul.
Bernardus Godelewus do Rio Grande do^Sul.
Brothersdo Rio de Janeiro.
Cometade Porto Alegre.
Diudado Rio Qrande do Sul.
Dovreds Rio de Janeiro.
Enjettado Rio Grande do Sul.
Erutede Hamburgo.
lite-de Tena Nova.
Evorado Rio Grande de Sul.
Guadianade Lisboa.
Hornetdo Rio de Janeiro.
Jelantde be Santos.
Joaquinado Porto.
Julietado Rio Grande do Sul.
Juvenalde Santos.
Li dadorde Rio de Janeiro.
Latimrrde Terra Nova.
Ladyberddo Terra Nova.
Marco Polodo Rio de Janeiro.
Meta Sopfaiade Hamburgo.
Metede Hamburgo.
Malpode Brunswick.
Marydo Rio Grande do Sul.
Nordsoende Liverpool.
Nautilusdo Rio de Janeiro.
Out Anniede Buenos-Arres.
Oseardo Rio de Janeiro.
Paragerode Terra Nova.
Premierdo Rio de Janeiro.
Rosa Hilldo Rio Grande do Sul.
Sparkde Terra Nova.
Vareo da Gamado Rio de Janeiro.
Withelminede Hamburgo.
Renda geral :
O 1 a 19
dem de 21
Renda provincial
De la 19
dem e 21
526:95i4542
03:247/357
102.014/8I
6:251757
580:201/899
108:2691438
No pataebo dinamarqus Amor, carrega-
ram : /
Para o Rio Grande do Sul, J. S. Loyo 4 Filbo
300 barricas com 32,177 kilos de assucar branco.
No brigue allemo J Q. Fichte, carregou:
Para o Rio Grande do Sol, S. G. Brito 400
caceos con 45,600 ki'os de assucar branco.
No vapor ingles Tiber, carregaram :
Para Santos, P. Carneiro & C 50 pipas com
21,000 litros de agurdente, 1,500 saceos com
9*0,00 > kilos de assucar branco e 3,500 ditos com
210,000 ditos de dito mascavado. fcjj
No vapor alkmo Rosario, carregaram :
Para Santos, Bailar Irmaos & C. 10 pipas com
4,800 litroa de agurdente, 700 saceos com 42,000
kilos de assucar branco e 900 dit s com 54,00J
ditos de dito masca 'ado ; H. Burle & C. 50 bar-
ricas com 3,640 kilcs de assucar refinado.
No vapor ingles Plato, carregaram :
Para Santos, Amorim Irmaos & C 30 pipas e
100 barra com 2i,'00 litros de agurdente, 900
e 1 a 19
dem de 21
De 1 a 19
Id-im de 21
no 1 a 19
(den de 21
Recebedoria
Consulado Provincial
688:471/331
6S:999i95G
3:108*603
72.108J559
30:176/833
3:268:558
Recife Drainage
33.415391
47:334633
8384434
48:173/067
Mercado Municipal de 9. 4oa
O movimento deste Mercado nos das 20 e 21 de
Marco foi o segninte:
Entraram :
81 bois pesando 11,822 kilos, sendo de Oli-
veira Castro, 41 e 1/2 ditos de 1.* quali-
dade, 14 e 1/2 do 2* dita e 25 ditos parti-
culares.
450 kilos de peixe a 20 ria 9/000
60 cargas de farinha a 200 ria 12/000
12 ditas de fructaa diveraaa a 800 ra. 3/600
19 taboleiroa a 200 ria 3/800
31 Suinoa a 200 ris 6/800
Foram oceupadoa:
Movimento do porto
Navios entrados no dia 20
Havre e escala16 dias, vapor franeez
Vie de Rio de Janeiro, de 1,008 tone-
ladas, conno a a i ante A. Fuesne,* eqai-
pagem 37, carga varios gneros; a Au-
gusto Labille.
Santos30 dias, barca sueca Sophia, de
334 toneladas, capitSo Ohraan, equipa-
ge m 10, em lastro; H. Lundgren
Liverpool38 dias, barga norueguense
Glitner, de 421 toneladas, capito L.
A. MarctiBsen, equipagem 10, carga
carvao de pudra; Brouns & C,
Liverpool 36 dias, brigue sllemSo Jos
Genebra, de 361 toneladas, capitSo J.
H. Dhande, equipagem 9, carga ca
vSo de pedra; Companhia do Caz.
Navios sahidos no mesmo dia
Santos e escalaVapor allemSo Rosario,
commandante H. Schettern, carga va-
rios gneros.
Santos escala Vapor iuglez Plato,
Commandante H. W. James, carga va-
rios gneros.
Navios entrados no dia 21
Rio do Janeiro e escalas4 1/2 dias, va-
par franeez Gironde, de 2,034 tonela-
das, equipagem 138, commandante M.
Rene, carga varios gneros ; a Augusto
Labille.
Macei 1 dia, vapor iaglez Mariner, de
de 975 toneladas, commandante James
ewill, equipagem, 27, carga varios
gneros; a %muel Johnston & C.
Rio Qrande do Sul76 dias, escuna no-
rueguense Hapnoss de 71 toneladas, ca-
pitao Tbomaz T. Wig, carga farinha de
mandioca ; a Pereira Carneiro <& C.
Terr'a-Nova 35 dias, patacho inglez Ald-
tcyth, de 218 toneladas, capitSo J. K.
Witenore, equipagam 9, carga baca-
lho; a Saunders Brothere & C
Navios sahidos no mesmo dia
Bordeaux e escala Vapor franeez Gi-
rond, commaniant9 M. Rene, carga va-
rios gneros.
MacoHiate nacional Camelia, mestre
Manoel Antonio da Silva, arga varios
gneros.



Diario de PernanibucoTerpa-feira 22 de Mar$o de 1887

.

?

CONTRA FAGO
The Liverpool & London i Giobe
INSURANCE COMPANY
K
Goipaate g Seguros Fiieiae,
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7RA DO BOM JESS-N.
legnroi marlilnsoa serrestrea
Nestee ultimo a nica ooaspinhia aeat praoa
que concedo eos Srs. seguradlo iseapjode pega
ment de premio em cada stimo ajiao, o jfte
equivale 80 coonto de corea ds 15 por caatj
avor dos segurados.
Gompanhia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelclda em *..
CAPITAL 1,000:000$
SINISTROS PAGOS
At 3 1 de dezembro de lS4
xjftriiiios..... '1,UO:0OOSOOO
Terrestres,.. 3.6:O0O$OOO
4l-Hua do C'ouinerelo-
Ttulos dos actos
1.(O corta do trigo): Sahida do leigo d i con-
vento, cavallo, a pedir o ditimo.
2.'- (A cabana de Alberto) : Georgek ire tiza-
fado pelo leigo, para salvar o pequeo prin-
cipe.
8.*(O convento): O espe do frade JosTrei.
cao do ecnd' Kobi rio.
4."Procieso cvica o derrota das tropas de lo
beito.
Grunde banda militar em scena.
A'ti 8 Iioras.
Frenos do costme
NotaHaver ttens para Apipucos e Olinda,
e bonds para todas at linbas.
H reveniente : As bellas zarzuellas
Robinson, Catalina, o Anillo de hierro e
Msica Classk-a. ,
>'. B Quinta e sezta-feira nao baver espec-
tculo por motivo das festividades
(OMPANHIA
JMPERIAI
DE
NEGIROS contra FOtO
EST: 1803
Edificio t mercadoria*
Taxai baixa
Prompto pagamento de prtjuitot
CAPITAL
fie. 16,000:000/000
Agente
'BROWNS&C.
N. Rxta do CommercioN. 5
THEATRO
EIPREZi ARTSTICA
:0MP*NH1A DE ZABZUELLAS
HESPANHOU
Director de scena
D. Valentn Garrido
Maestro-director
D. Antonio i Valle
Grande espectculo!
HOJE
Terfa-feira. 22 da trrenle
O.' nerita
PROGRAMMA
Subir scena a interesiante e applaodda zar-
oela em 3 artos, em verso, letra do eminente poe-
te O. Ventura de la Vega, e msica do
laureado maestro Barbtert. intitulada:
.TTTGkAJB.
CONFUEGO
PERSONA.GEN3
la duquesa de Medina.... 8ra. P!.
La condensa.............. Sra. Sacanellcs.
El irarquez de Cara vaca... Sr. Duran.
El duque de Albuquerque.. Sr. Raines.
Flix................... Sr. Manso.
Antonio..........'....... iir. Garrido.
Un Loquero............ 8r. Ramiro.
Ugier lo................. Sr. Jordn.
ges 2................ Sr. Raa.
Um pagem............... Sr. Monleon.
Encubertas, cavalheiroa, damas da corte, pa-
gens, agieres loncos e coro gem.
A'*) 8 Hora*.
Procos do coslnme
BjHver trena paia Apipucos e Olinda, e bonds
para todas as linbas.
Qiiarta-fcira, 23 de Marfo
Grande e apparatoso
espectculo
ir Recita (*a de asignatura)
LOS M4DGYARES
E' cr'ta a produccao que a empresa tem a honra
de offWeeer ao intelligcntc e respeitavel publico
PE*NAMBUCANO.
A zarzuela IOsj Hadgvares tem sido trs-
dueida em todos os idiomas e urna das que mus
se distingue e mais renome tem aleancado onde
tem sido representada.
PR0CRAMM1
SubA a scena a grande zarzuela em 4 actos
LOS
MADGYABES
Origin-"! do festejado escriptor 8r. OLONA,
ejin msica do distincto maestro GAZTAMBIDE.
PER.SONAGENS
Marta, pastora........... Sra. Pli.
Mana Tberesa d'Au-rt'ia.. Sra. Sacanelles (A.)
las bel, arrendadora....... 8ra. Sucios.
Alberto, lavrador......... Sr. Manso.
Georgey, buonero......... Sr. Duran.
Frey Jote, lequito del con-
vento................. Sr. Garrido.
El conde Roberto......... Sr. Ramas.
El coronel Kelsem........ Sr. Ramrez.
Eorico.................. 8r. Orliz.
Un alteres............... Sr. Monleon.
Beltran................. 8r. Jordn.
Uo spia.................. 8r. Sanchas.
Segadores, monges, madgyares, toldado!, pa-
ge, hsares, aldeanos, coro general y acompa-
amiento.
EMPREZA GAZ
Pede-se aos Senho
res consummidores que
queiram (azer qualquer
comunicado ou recla-
maco, seja esta eita no
escriplorio desta empre-
za pa do mperador n
9, oi.de tarabem se re-
ceber? qualquer conta
que queiram pagar. m
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
Hermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Antonio da Silva Oli-
veira, e quando or pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
ns Carvalho.
Durante a auzencia
do aba xo as signa do na
Europa todos o s recibos
dessa empreza deve-
ro ser passados cinta-
loes carimbados e Ar-
mados pelo Sr. Samuel
Jones sem <> que nao
tero valor algum.
George Windsor,
CHAIfiEIlS BEINIS
(ompannla Franceza de !avega-
eio a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis-
boa, Pornambuco, Babia, Rio do Janeiro e
Santoa
0 vapor Sully
Commandante Yiel
E' esperado da Europa
ateo dia 26 de Marco, se-
guindo depois da ndispen
aavei demora para a Ba-
bia. Rio de Janeiro
c Manto*.
Roga-se aos Srs. importaderes de carga p?loi
vapores desta linha,quciram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvareng, m-
quer reelamacao concernente a volumes, que po-
veutu n tenham seguido para os portoe do sul,afin
de se poderem dar a tempo aa providencias necee -
sanas.
Expirado o referido prase a companhiioa n so
responsabilisa por eztravios.
Para carga, passagens, eocommendas e dinheiro
a fn te: trata-se com o
AGENTE
Angoste Labille
______9 RA DO COMMERCIO 9
iiinted sss iT^rirort
0 yaoor Alliaifa
Leilo
De urna excelleate espingarda de 2 canos, systema
Lejou Cheoz, em urna caiza de sola porttil, 3
carneiros gordos e mansos.
Terca feir, do correte
A's 11 bor.s
Ag-ente Pinto
Por cceasio de um outro leilo de bons movis,
ma do Baro da Victoria n. 45.
Leilo
Da armado, gneros o uteneilios da ta-
verna sita no largo da Casa Forte n. 48
no Poco da Pdnella.
Quart4-teiia23
A's 11 horas
O agente Gusmo, far leilo por conta e risco
de quera pertencer, .1a armac'), gengroa e uten
cilios da taverna cima mencionada En um ou
mais lotes a vontade des compradores.
^^^
Ao publicas c ao com-
mercio
O abano as8ignad), rnt rando-se temporaria-
mente para Europa, deixa como seus procurado-
res os Srs. Jos das Neves Pedrosa, Henrique
Uoncalves Dina e Fortunato Pinto da Motta, sen-
do 1, 2 e 3 na forma em que ee acbam colbc-.-
dos. Aprovei'a a occaiiSo para dcspedjr-se de
alguna amigos que o nao fiesse pes9oalmente,
offereccndo-lbe8 es seus limitados prestimos no
reino de Portugal.
Recife, Jl de Marco de 1887.
Jos Goncalves Dias.
Ao commercio
O abuzo assignado tem justo e contractado
vender o i>eu e?t .belecimenlo de molbados, sito
ra Imperial n. 55 C, ao Sr. Antonio de Albuquer-
que Machado, livre e desembaracado de qualquer
onua que possa app<.recer. porm so alguem ee
jolgar eom direito ao raesmo, apresente-se no
praso de 3 dias para ser satisfeito.
Recite, 21 de Marco de 1887.
Moreira & Paiva.
E' esperado dos portos
t o
de
sul at o dia 5 de Abril
depois da demora necesaaria
seguir para
Maranho, Para. Barbados, S.
Thomaz e \cwYork
Para carga, passagens, e encommendas tracta-
te com os
AGENTES
O vapor Advance
Agente Burlamaqui
3 leilo definitivo
QUARTA FEIRA, 23 DO CORRENTE
A's 11 horas
No armazera da ra do Imperador n. 22
O agento cima, por mandado e assistenc'a do
Etm Sr. Dr.juiz de direito de orpkjs, vender
em leilSo definitivo a parte do engenbo Brum, da
reguezia da Varsea servindo de base a off rta
de 10:500/000 do Sr. Dr. Joio do Rega Barros.
Ao ,commercio
O abaizo assignadTtendo justo e contractado a
comprar aos Sis. Morejra & Paiva, o sen estabele-
cimento de molhados, sito ra Imperial n. 5b O,
livre e desembarazado de qualquer onus que possa
apparecer e se alguem se julgar ora o direito,
aprsente seus ttulos no praso de 3 dias.
Recife, 21 de Marco de 1887.
Antonio de Albuquerque Machado.
Leilao
Da "armacao, fazendas, roupas feitas, miudezas,
perfumaras, jarros, caodieiros e brioquedos para
meninos.
Onarta-felra. a do corrate
A's 11 horas
Na ra Prinneiro de Margo n. 12
O agente Modesto Baptista far leiiao do que
ucima se declara, garantindo ao comprador d? ar-
macao a chave da casa.
^,
Espera-se de New-Port
News, at o dia 8 de Abril
'o qnal seguir depois 'da
I demora nececsaria para a
Baha e Rio de fanelro
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a trete, tracta-se com os
AGENTES
Henrv Forster G.
N 8 RA DO COMMERCIO 8
!. anda
LELOEs
Hoje, 22. deve ter logar o leilo de pianos,
mobilias, mesas elsticas e mais movis de casa de
familia no sobrado de azulejo da ra Nova n. 45.
Quinta-feira, 24, o da toja de chapeos para se-
nhora, na ra do Baro da Victoria n. 28, por li-
quidaco.
MARTIMOS
BOYAL M4ILSTEAH PAGKET
COMPAXY
O paquete Neva
E' esperado da Europa no dia
24 -do corrente, aeguinde
depois da demora, necees
ra para
Baha, Rio de fanelro. Monte-
video e Buenos-Arres
Para passagens, fretes, etc., tracta-se cetn os
CONSIGNATARIOS
Adamson lio wic & C.
Leilo
Agente Bnto
De mobilias de amarello e pao carga, commo-
daa, camas franceses, guarda-louca, aparadores,
gnarda-comida, 2 pianos, 1 lustie de gas carbni-
co, marqoezes, bercos, miudezas, tasendas, jarror,
quadroi, loucas e muito outros artigos existentes
No armazera ra de Pedro Affonso
o. 43
Terga-faira 22 do corrente
Art 10 12 hora
Leilo
DE MOVIS
Agente Brito
O agente cima antorisado pela Exina. Sra. D.
Marcolina Ferreira da Silva que se retira para
Caruar; levar a leilo os seguintea objectos:
urna mobilia de pao carga co.n 1 sof, 2 censlos
com pedras, 2 eadeirss de braco, 2 de balaoco e
12 de guarnicSo, quaai nova, 1 cama francesa
nova, 1 lavatorio com pedra, 2 aparadores, 1 mar-
quezo, 6 cadeiras de junco, 1 mobilia de amarello,
1 espregnicadeira, mesas, 1 berco. 1 commoda, 2
bahs de couro, cabides, 1 cadeira de bataneo de
Jacaranda, jarros, quadros, espelhos, loucas, tape-
tes, esteiras, clices, copos, jarras, trem de cosinha
e outros artigos.
Qnlnta-felra, 9 4 do corrente
A's 10 l[5f horas
Na ra do Imperador n. 31, Ia andar
Renda hespanhola
RA DUQUE DE CAXtAS NS. 62 E 83
Renda preta hespanhola, toda do seda a 4J000
o covado.
Te-me* losse ou aotTrelM do pello !(4
Uaai o melhor remedio, que o PEITORAL DE
CAMBARA', e veris como vossa scffrimentodes-
apparece. Vende-se na drogara dos nicos sen-
los e depositarios geraes na provincia, Francisco
Manoel da Silva & C, ra do Mrquez de Olinda
n. 23,___________________________
Cakeiro nacional
Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos de
idade, que teoba pratica de mo'hados ; a tratar
na ra do Vucondo de Goyanna, (quatro cantos),
numero 1.
\uga-se barato
As meia-sguas do becco Tapado da roa da P..1-
ma : trat*r na ra do Vigario n. 31, 1. an-
dar.
Liquida
PARA ACABAR
FAZENDAS EROUPAS
O. Antonia Mara Gome* dos
Hela
Antonio Gomes Miranda Leal manda retar urna
misa por alma de D. Antonia Mara Gomes dos
Reis. mi de seu amigo c compadm o commenda-
dor Jos Joaquimi de Furia Machado, fallecida na
cidade do Porto a 24 de Kevereiro prximo fi::do.
Para esse acto de religio n caridade, que ter
lugar as 8 horas da man la de 24 do corrente mez,
na igreja da crdem terecira de 8. Francisco, con-
vida 03 prenles e nmiis daquelle e os seus.

Leilo
Leilo
COMPAXUIA PEUXAMBl'CAXA
DE
iKavegaeSo Costelra oor vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macdu, Motsor, Arm-
caty, Cear, Acaraku e Camossim
O vapor Pirapama
Commandante Carvalho
Segu no dia 24 do
corrente, s 5 horas
da tarde. Recebe
gesteo dia 23
Encommendas passagens e dinheiros a frete at
s 8 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Cae da Companhia Pemambutann
n. 12
Companlila Brasileira de Xa ve
gsco a Vapor
PORTOS DO SUL
0 vapor Baha
Commandante 1- tenente Aureliano Isaac
E' esperado dos ..^rtos do
norte at o dia 25 de Mar-
eo e depois da demora in-
dispensavel, seguir para
os pn-tna do sul.
Recebe tambem carga para Santos, Santa Ca-
thirina, Pelotas, Porto Alegra e Rio Grande d)
Snl, trete modic .
Para carga, passgens, encommendas e valores
trata-se na agencia
PRAQA DO CORPO SANTN 9.
Hailiiirg-SneilMeAiiiilsciie
DanipfscliilTfalirls-GeselIschali
O vapor Desterro
E' esperado dos por-
tos do sul at o dia 2
de Abril e seguir de-
pois da demora necea-
ra para
Lisboa e Hambnrgo
Para carga, pasagens, encommendas, dinhei-
ro e frete tracta-se eom os
CONSIGNATARIOS
Borstelmann & C.
SUA DO COMMERCIO N. S
! andar
TERgA-FEIHA 22 DE MARCO
Ter logar o leilo do lugar ingles Lord Tre-
gedar, de 251 toneladas, eapitio John Tbonns,
seus apparelhos e ntencilios ; assim como prova-
velmente cerca de 600 saceos de assncar salvos
do mesmo lugar, naufragado ao sabir junto ds
barra.
Rio-Grande do Norte no Natal, 14 de Marco
de 1887.
O agente,
Manoel Joiquim Anorim Garda.
Leilo
Verea-felra, t do corrente
A' 11 hora
Do 2.a andar da ra do Duque de Casias
n. 9
De urna mobilia de amarello, nova, 1 cama fran-
cesa de amarello, nova, 2 marqoezes, 1 commoda,
2 marquesas, 2 apparadores, 1 mesa graide de
amarello, 1 dita para escrever, cadeiras avulsaa,
cadeiras de baianco, 2 marquesas, 1 quartiobeira,
2 cabides, 4 etageres, 2 quadros, 1 eapelho gran-
de, 4 pares de jarros, clices, quartinbas, louca e
outros artigos de casa de familia.
Agente Mofliste Bastiste
Da armacSo envidracada, balco, espelho,
fiteirc, candieiros a gaz, chapeos para
senhoras e meninas, formas, plumas, fi-
tas, veludos, bicos, rendas, flores, mo-
vis e mais pertences da loja de chapeos
da ra do Barao da Victoria n. 28.
Quinta-feira, 'ii do corrente
Eduardo Migliorini & C, tendo de retirar-se
para Europa, faz leilSo por interveoco do agente
Pinto de nm variado e ccmpleto sortimento de
chapeos para senhoras o meninas, fitas de teda,
flores, plumas e mais pertences para enfeitar cha-
peos, tudo novo e \indo ltimamente da Europa e
existentes na loja da ra Nova.
12ni continnaeo
Vender-ie-ha a armacao envidraoada, candeires
a gas, e>pe:h?e o alguna movis.
1' ilao principiar s 10 horas
15-
m
Jo&o ivellppe do Honte Lima
I Guilbermina Rodriguss dj Monte L:ma e sua
mulber Mara Candida i,; Fguelredo Lima e seus
filhos agradecem s pessoae quo so dignaram
acompsuhar os restos mortses de seu presado filho
Joo, Felippe do Monte Lima sua ult ma mora-
; da; e de novo as convidara para sssistirem a
miasa de stimo dia, no convento da Carmo, s 7
horas da manbi do dia terca fcira 22 do corrente,
pelo que ficarao eternamente gratos.
Anna loaauina Bastos
Miguel dos Santos Cuta, eoa mclher e filhos,
capito Francisco Jos da Cost, 6Ui mulher e
filhos. Pedro Francisco des Santos Costa e seus
; filhos. agradecem cordia'mente todas as peecoas
que se dgna,,am acooipanhar at o cemitero pu-
blico es restos mortaes de sua presada tia, Anna
Joaquina Bastos; e de novo convidan) as mesmss
para assistircm as missas que mandam celebrar
1 na igreja do convento de N. S. do Carmo, s 7
', horas do dia quarta-feira 23 do corrente, stimo
do seu pasaamento.

I
DE
WOLFF
N. t-M DO
& c.
-N.4
Leilao
De usa csbriolet de 4 rodas, coberto, com as-
ente para 4 pessoas e arreios para um caval-
lo, lanternas e chicote, quasi novo.
Quinta-feira 24, ao meio dia
AGENTE PINTO
Na ra do Barita da Victoria n. 28, em frente da
loja de chapeos, onde haver o leilo.
ACiETE PESTAA
Leilao
Quinta-feira 24 do corrente, s 11 horas,
no arraazem
do Sr.Annos, defronte da Alfandega
De 5 qusrtolas conteudo superior viohi Bordeauz,
tendo cad* quartola cerca de 300 garrafas, 15
tinas com peise salgado, procedente da Ingla-
terra, 400 libras de massa de tomate, 12 caixas
com agua mineral, diversas obras de vime,
como seiam balaios de diversos tamaitos, etc.
O agente Pestaa, autsrisado, vender no dia
e hora cima mencionados as mercaduras cima
descriptas, para fecbamenco de cuntas.
Leilo
De cerca de 5,000 cigarros americanos de su-
perior qualidade, mobilia, camas, aparadores, qua-
dros, guarda-louca, lindes jarros, gslbeteiros, por-
ta-groge, copos, garrafas, enfeites para toillet, re-
logios de prata, eadeia, voltas, alfinetes, argolas e
diversas quadades de bebidas.
Terca felra. tt do corrente
A's II horas
No armazem ra do Mrquez de Olinda
n. 19
POR INTERVENCO DO AGENTE
Gusmo
Leilo
De movis
A SABER :
Um piano novo e forte de um dos melhores fa-
bricantes, 1 linda mebilia de jacar. de pedra, 4 jarros para flores, 2 lindos candieiros
a gaz, 4 quadros.
Um guarda vestidos, 1 cama trncese, 1 tolet,
1 lavatorio com pedra, 1 cabide, 1 marqueso, 1
commoda.
Urna mobilia estufada, 1 mobilia de unco para
gabinete, vazos para flores, guarnieoee.
Urna mesa elstica, 1 guarda louca, 1 apparador,
12 cadeiras, 1 relogio, 4 quadros, 1 lindo apparelbo
para cha, copos, clices, mesas, cadeiras e outros
movis de casa de familia.
TEBC\i-r::iRA, 22 DO CORRENTE
Agente Pinto
Na ra do BarSo da Victoria n. 45
Em continua^o
Diversas miudezas em pequeos lotes para par-
culares.
Leilo
De 126 saceos com assucar de diversas
quadades, 12 barris com agurdente e
2 atados de carne do xarque.
Terca fera, do corrente
A's 10 horas
Na ra do Imperador n. 65
O agente Modesto Baptista por mandado e com
assistencia do Exm. Sr Dr. juis do commercio e a
requerimento do Dr. curador fiscal da maeso tall-
uda de Correia & C far leilo do que cima 4e
declara, vindo de diversos pontos da provincia,
consignsdo aos mesmos negociantes.
AVISOS DIVERSOS
Aluga-ae casas a 8*000 no becco dos Coe-
Ihos, junto de 8. Goocallo : a tratar na rea ds
mperatriz n. 5G.
m Piveisa-se de um perfeito c:sichciro ; a tra
tar aa ra do Brum n. 35. '^
Aluga-se na ra do Imperador n 39, o 1
andar e arin-rcm ra Vidal de Negreiros 11. 20 ;
o 2* esoto e loja do mesme predio; a tratar
com Luis de Moraes Gomes Ferreira.
Veste muito < onhecido estabelecimcn-
to enoontmr o respeitavel publica o miis
variad completo sortimento de JOSAS
reeehidas sempre directamente dos melho-
res fibrlcantcM da Kiirapa, e qu 1 prisnam
pelo apurado gotto do mundo elegante,
Ricos aderreos completos, liadas pulscl-
ras, alflnetes, voltas de euro era vejada co ti
brllhantes, ou perolas, anneis, cacoleta,
botSes e outros inultos artigos propios
deste genero.
ESPECIALIDADE
Em i-elogios de uro. pratu e nlckelado.,
para horneos. senboras e meninos dos mais
acreJitados fabricantes da Europa e Ame-
rica.
Para todos es artigos desta easa g ras-
te-se a boa qualidade, assim como a modiel-
dade nos preces que uo sem eompeteneia.
ni'esta casa tambem concertaje qual-
quer obra de ouro ou prata e tambem r?>lo-
gios de qualquer qualidade que soja.
4Ra do CabogA

Aluga-se a cssa terrea com sota no pateo
do Terco n. 82, e da ra Imperial n. 196 ; a tra
tar em Fra de Portas, ra do Pilar n. 56, taver-
nn, at-as 11 horas Ja manlri ou depois d.-.s 4 ia
tarde.
Aluga-se o aobrndj n. 21 ra da Uniao,
tem agua e gaz. e ba-is aceominodaces pira la-
milla ; a entender-se na ra da Imperatris nu-
mero 9.
P.ejisa-se de urna ama para ansiar com duas
criancas ; na ra da Aurora o. 81, 1' andar.
-^TaM Precisa-se de urna para o servic)
interno de urna casa de tamilia ; a tratar na ra
Duque de Casias a. 11 A, 6u no Entroncainento,
entrada dos Affl.eo n. 3J.
Prccisa-se de um caizeiro de 1C a 18 annos,
com pratica de Uveroa e que d fiador de sua
conducta : a tratar na estrada
n. 40-F, em Santo Amaro.
de Luiz do Reg
Aiugara se as caaes da ra Dircira dos Aro-
gados, im excellent^s cooimod-.e, c*nalisada a
gaz, e o sitio era MotocoLmb, pertcncentes a
Arcbas Mafra ; a tratar com o meeino, no largo
da Paz da mesma reguezia._________________
Precisa-se de urna ama, no largo do Merca-
do u 8.
Piecisa-se de um
numero 4.
Criado
criado ; no largo da Penha
Preeisa-se
de um caixeiro que tenha pratica de taverna s ro-
tslho, que d flanea de sua conducta ; na trsveb-
sa do Sirigario 11. I.
St'imiiia santa
Galo de vidrilhi.
Franjas de velludo.
Bico de seda com vidrilho.
Por presos resumidos
Ra da mperatriz nomero76
Ozea Pd.
Ozea Sachet
Ozea Essencs.
Ozea Agua de toilette.
Ozea Vinagre de toilette.
Ozea Agua para os dentes.
Ozea Pasta para os dentes.
Estas exquisitas preparacoes sao re lito apre-
ciadas ua ciis distiucta oociedade pela deli-
cadeza do seu perfume.
W* Rl ECR'r
TRANSPARENT CBYSIAL0AP
(Sabf. transparente cristalino)
reconliccid3 como 1 mais ; 1 r.'eito 6" todos aa sabaos do toilette pelas suas
propiedades !:;ianicao, ; j!o cou arana c pe.-, sua larga duracao.
> Pap*St:o : I L.4Q|_.. 1 Ferfami.rlas, Farmacias, dra.
Hura certa em 3 dias sem outro medicamento
4>4/8 r. /fasrfasssrsf Vmai*. 9 *AJUM


ffw

Diario de Peraan-lmc---Tcrfa-feim 22 de Mar^o de 1887

)
Tnico
Oriental.
Alagase barato
Ana doe Gnararapes n. 96.
Ra Visconde de I tapanca n. 4?, armazem.
Roa do Tambi o. 5.
Ra do Visconde de Goyanna n. 163, com agua
gas.
Largo do Mercado n. 17, toja com gas.
Largo do Corpo Santo n. 13, 2.a andar.
TraU-se na ra do Cou-mercio n. 5, 1' andar
scriptorio de Silva GuimarSes & C.
lug
a-se
o 8* andar do sobrado n. 35 traversa de S. Jos ;
ol* e terreo do de n. 27 ra Vidal de Negrei-
coa: o 1 do de n. 25 ra velba de Santa Rita :
o 1' do de n. 31 rna estreita co Rosario ;
limpos : a tratar na ra do Hospicio o. 33
todos
V
Aluga-se
una casa com commodos par grande familia,
litio arborisado ; na Ponte de Ucba n. 10.
Aluga-se
a casa terrea com 8 quartos e 3 alas, e com ou-
tra casa unida que deita para a ra nova de San-
ta Rita, com peona d'agua, banbeiro e grande
quintal, toda reedificada e pintada de novo, sita
toa de Santa Rita n. 89 ; a tratar i.a roa de Da-
mingos Jos Martina n. 50.
A luga-se
tuna casa com sitio na Torre, muito prximo da
linha de bonds ; a tratar na rna Duque de Calas
n. 54, 1- andar.
Aluga-se barato
ubi pequeo armaxem na rna do Vicario, proprb
para deposito de fazendas ou mercadorias ; a tra-
tar na mesma ra n. 31, 1- andar.
Alusra-se
o 1' andar e sotao ra do Fogo ft. 85; o 2-
roa astreitu do Rosario n. 32, tem agua e commo-
dos para familia, est limpo ; a tratar na ra d
Imperatriz n. 16, 1 andar.
Ama
Precisa-se de urna ama que queira ac&mpanbar
a ama familia que vai para lora ; trata-so na ra
doMarquez do Hervol, casa n. 182. a
Ama
Preeia-se de urna cosinheira ; a tratar no largo
do Coipo Santo n. 17, 3- andar.________________
Ama
Precisa-se de urna bos cosinheira para casa de
pouca familia, prefere se escrava ; na ra do
Riachuello n. 13. ____
AMA
Precisa-se de iiiuh amapira
lavnr. engommar e faze ruis
algn s ser vicos de casa de fa-
milia : menos comprar e eezl-
akar : na ra rio Riachuelo- n
13. lleve dormir en casa.
Ama
Precisa-so de urna boa cosinbeir, para cusa de
pequea familia ; a tratar no Chcs da Companhia
o. 8- Prefere-se escrava e deve dormir em casa.
Ama
Precisa se de urna psra casa de familia, rna
do Cabug n. 3, 3 andar.______________________
. AMAS
Precisa-se de diversas, tratar das 8
taras da rosaba* s 8 da noite, na ra das
Flores n. 18, porta larga.
\lll!l
Precisase de urna ama para cuidar de urna
eriaaca de dous annoa e de mais algum servido :
na ra da Aurora n. 23.
Pwisa-se
de duas ames, urna para engoaimar e outra para
cosinha ; oa rus do Riuchuello n. 17.
XAROPE
VINHO<*JURUBEBA
BARTHOLCMEO a C"
Pharm. Pemambuco
nicos preparados do JURUBEBA re-
commendados pelos Mdicos contra as
Doeneaa do Xatoraa^o, rifado Baco
C Intestinos, Perda do Appetlte.ctc.
15 Annosde bom xito!
EXIGIR A. ASSIONATR/-
Aos Srs. proprietarios c edifica-
dores
Na antiga e bem acreditada clhra de Beno dos
Santos Rumos, a ra do Vifconde de Albuquer-
que (ontr'ora da Gloria) n 87 encontraro os Srs.
proprietari.s c edificidcres, os seguate obje-
Ctos :
Tijolos de alvenana batida.
Ditos quadrados de diversos samanbes.
Ditos para forno de olaria.
Ditos de (ap&mento. -
Ditos psra caciu.ba.
Telbas.
O proprietario desea constituida olaria, sciea-
tifiea aos interesados que todos os seas product -e
sao manufacturados oro i deciente barro d'agua
doce, do lugar Taqusry, tornndose por cense-
guinte recjmmpnd.-.veis nao i para a eaude, por
nao ser hmido, como o sai us d'agua salgada,
mais tabem pela duraco. Outrosim, cientfica
igualmente, que a ferina de suas telhf.s maior do
que qualquer outra, sen Jo estas, ao mesmo tempo
mais leves por nai receberem durante o invern
rlde quantidade d'agua, como succede com as
barro d'agua saleada, Precos mdicos. 87,
-ra do Viseonde de Albuquerque, outr'ora da (lo-
ria 87. Bateada pelo lado do caes, defrouta do
psasidico.
Tricofero de Barry
Garntese que fas nas-
cerecrescer o cabello anda
aos mais calvos, cura a
linha e a caspa e remove
todas aa impurezas do cas-
co da oabeca. Positiva-
mente impede o cabello j
de cahir ou de embranquo-
cer, e infallivclmente o
torns. espesso, aiacio, lus-
troso e abundante.
JSv
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. o nico parame no mun-
do que tem a appro vac So officia? de
un> Govemo. Tem duas vezes
mais fragrancia quo qualquer outra
oi'.nrn odobro do tempo. E'muito
mais rica, saare o uclieios!. E'
muito mais fina e delicada. E'
mais pertinente e agratlavel no
len90. *f anas rszas mais refres-
cante no banno e nc cuarto do
doente. E' especifico contra a
fronxidao e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cansados e os
deomaios.
Xarope Je Vida Je Beiter No. I
JITIS DB USAli-0. DrPOTS DI vsxu-.
Cura positiva e radical de todas as formas de
escrfulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Afifeccdes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perda do Cabello, e de todas as do-
eneas do Bangue^Figado, e Rins. Garante-so
que purifica, enriquece e vitaliaa o Sangus
s restaura e renova o svstema inteiro. a> ;
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian,
eos para a cura das moles-
tias da pelle de todas as especies
a em todos os periodos.
Deposito em Pemambuco eaaa de
Francisco Maneel da Silva & C.
Para c
Offerece-se urna peaos de conducta rronheci-
da nesta praca : auem p/etrnder entenda-sa na
refinado ra do fiangel n. 43.
Premio
principal
no caso mais
afortunado
Marcos 500.000
AVISO
de
Os premios
sao
afianzados]
pelo
Alto Covemo.
Convite para tentara fortuna,
na nova grande lotera de dinheiro de contado!
flaneada pelo Estado de Hamburgo na qua1
conforme o plano das loteras que contina va-
lioso ha de rifar se em todo caso
i;72 COSTOS 85D,.53 U.C5S.
Eis aqui os premios desta vuntajoaissima lo-
tera em dinheiro de coatado, que contina t
agora, conforme o plano nao wuis de 100.000
bilbetcf.
O premie principal no caso m-.is afor
tunado
Marcos oOO.OOO.
Premio: 30: ',000 41
I Ganho de a 200,0(4) >
tGaohosdea 100,000
Ganho de '.'0,000
. SO.COO
Ganhoedca 70000
1 Ganso de 60,000 -
Ghnbcsde 50,000
I Ganho de 4 aO.tOO .
SGsnhcsdc 20,000 .
15 000
O i 10,0.0 .
SC 5,000 .
O (siis.de i 3,0'0M
*&a 2,000
54* a 1,000
818 500
lO .A SCO,2/0
1:0 M reos
819SO li-.!.h;s de i
145 Marco,-
9OOG-.:.hosde I2i,
100, 9*, Marcee
*8l> Gai.h o de 4 67.
40, 20 Uaaeat
TuUlidadc: 50,5 0 G.
Estes premios haja o quo bauvfr, deven re
partirse p^r sorteios dentro do praso de pon
eos meses < m 7 clastet.
O premio principal da primeara classe imper-
ava M 50.WO, indo acrcaeenlando na segun-
da alas e NI. BO.OOO, na ti rceira i.
?0.00, aa qaaria 4 M 80.000, na quista
i M. O.COO, na esta M. i OO.OOO, n
stima M. 30O. asual oe M SOO.OOO M. &0:,UOO.
A disposioao do a*vo plano continua em per-
feita semelbaoct <*n o predominante at agora.
Para entrar nos- neio Ja primpiraclUMir
que se verifica oficialmente, estao cotadus os
eguintes presos :
Para um bilhete original, o enteiro Marcos 6 ouj
6 sn moeda inglez.
Para meio bilhete original Marcos 3 ou 3 sh|
moeda ingieza.
Para um quarto de bilhete original Marcos l'p ou
1 su 6 c. moeda ingieza.
Est-i bilhete garantidos pelo Alto Govcrn
(uSo to promefaa* prohibidas) juuto com o pla-
00 original mani nata to.iog t s logares poi
muitos dictantee que eejam ou'ra n mesea J
valor ponte adiaataoki. Logo e terminada *
rita, cada um 4at sftieipHnU'S receber d>
mim a lista oflBete ate Mtrarru em
que seja areelso reajaerel a.
Os nevos planos da sortci", carimbad s coa
us Arman da Estado, e dos qua. a c ns
Urio os premios e sua distribui^ao as 7 clss-
oes eu os remetterci gratis tmtecipudhmente.
O pacnmtnio e a entrega das reepec
tivos quinl.O'S cfl'ectuam-se tem mtci medio d>
alguem aem a mola ntl'tlnii; demora
sob toda csutell diaerjpeio.
JJf^* i ara cnlinar bilbt-ti s, queiram uilirai
por carta rea;la>trada Va eantenea a im-
portancia cu aoloN de lia oca cu ordem so
bre JJamburgo ou Londres.
JEs%~ Att-ndendo a que sa vac apr'ximind<
o sorteio. Qjueira-ee, con toda a coutianc d'^qui
em diante
e cada da endereear-sc at
I .> de .ivril p. w.
Samuel Hetkscber senr.,
Banqueiro e Cambista cm HAMBUGO
(Allemanha)
Ueste ie y e ppriiis
\'en'!em-se azulej-. s franctees p^ru Cusa, o que
ha de atilhor, a
80$0(I0 o miiheiro
(o que cnstu ger!mei.;3 1'20000)
J. DEA. VEIGA & C
H. 26 BDALABQA DO SOS G'-
Compra-c um eu mais rxwpKre3 ^a biogra-
pbia de um cebbrc jaiz, quandp exercen a magis-
tratura em Cvmpiaas.
Ama e casiBiieira
Preeisa-ee desoa ma e de unta cosinheira :
es ra de Aurora n. 141.
VllilO e GRAGEAS doutor VIY1EB
Extracto natural de Figado de Bacallao
PREMIADO COIH MEOALHA8 DE OURO E PRATA
jpela. Academia Nacional
Ordtnados nos Bospitan de Franca, America, Inglaterra, Russia, etc., etc.
Administrar so*" forma mu fsclle agradare! todos os elementos curativos do oleo.evitando
asslm o cheiro -. sabor nauseosos a'estc; alera d'lsso esta preciosa preparaeao tem urna
superioridade lncontestavel sobre o Oleo porque pode ser usada durante os grandes calores
em quanto o uso daquelle lmposslvel. tal o eminente servlco prestado pelo Doutor
VIVXKfir; a experiencia tem coullrmado o bom xito d'este producto.
Exigir a Qrma do Inventor R. viviEN cm duas cores ao redor do gargalo de cada
garrafa com o Sello aa Unlo dos Fabricantes.
PAHI8 SO, Bouletmrd de Straibottrf, SO PAHIH
EMULSAO DE SCOTT
de OLEO PURO
DE
riGDO DE BACALHAO
COM
HYPOPHOSPHITOS
DE CAL E SODA.
Tdo agradauel ao paladar como o late.
O grande remedio para a cora
radical da TSICA, ESCEOFULA,
ANEMIA, EACHITIS, DE-
BILIDADE EM GEEAL e todas
as enfermidades consumptivas,
tanto as crian9as como nos
adultos.
Nenhum medicamento, at hoje
descoberto, cura as molestias do
peito e vias respiratorias, ou res-
tabelece os debis, os anmicos e
os escrofulosos com tanta rapidez
como a Emuls&o de Scott
A venda nos principies boticas
drogara*.
Deposito m P^rnambueo na drogara de Francisco Manocl da Silva
& C, ra do Mrquez de Olinda d. 39.
VLL4N PATERSON ft
N.44Rn i do Brum--N. 44
!CNT0 A ESfXQkO DOS BONDS
t % vender, por pra mdicos, as segu forragena:
Ta; "lidas, batidas e caldeadas.
Crivav 5 diversos taman!i?s.
Rodas do spora, idam, ideo.
Ditas angulares, idem, idein.
Bancos de ferro com sorra circular
Gradeamento para iardim.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portaad fornalha.
Vapores de forca de 3, 4, 5, (3 e 8 avalos.
Moondas de 10 a 40 pollcgadas de panadura
Rodas d'agua, systema L?andro-
Encarregaoi-se de con lertes, e amectamento do tnachinismo
traballio com perfeigite e presteza.
e asBJuum oan
INJCQ0 DE GRIMAULT E C
Proparad oom as fbUuw 4o ICatleo
Apprcrada pela Junta d'Sygene do Ro-dt-Jinein.
Esta Injeccfio preparada oom as olhas do Matlco do Per para a cura
da blennorrhagia, adquiri em pouco tempo urna reputaefio universal por
ser a nica innocente, contendo apenas vestigios de ses adstringentes, que
se encmtr&o em outras em grande quantidade. Era poneos dias ella acato*,
com os orrimentos mais dolorosos e mais rebelde*- _t f, ,
Deposito em Paris, 8, Ru Vivienue, 8
Cada fruteo lrt a marea de fabrica, a firma a o sallo da nosma
Bm casa de todos os Perfumistas e Cabelleireiros
da Franca o do Extrangeirc
^^ ^tsl**^Por CU
it glrdi itoz especial
PBBPARADO COM BISMUTHO
IA."V, Perfumista
FJVJESIS, 9, Hvlb. de la ^aiac, 9, PABIS
ta^sV^^^^^^^^^^>^M^#>#^V^r>sVAr^l
POS DE ARROZ SBMON
Sabonete Orem Simn
preparados com glycerina, para a toilette diaria, contra
as influencias perniciosas da atmosphera e para dar ao
rostro : Frescura, Mocidade e JVIacieza.
FMJSTB/.L AS HUMEfiOSAS INITAQ0ZS.
J. SIMN, 36, Eue de Provence, PARS
PRIHCIPAES FHARMACIA?, KRFUME>1AS ET 10JAS DE CiBALLEREIROS.
s>
V

XJxco Inventct
no
0 selhoT eos Saldes de 'micor
***** ^C^END-OO PEU* ^'
KvHar a. Zmitac&e
Qevocs aa* pi-uupne" t-?r CPPRKSO
'rosos
UTUIIUU.5UX5X3
',
BEVfLlA
<'VMq Mu uus&u san
t exiiectart{s6 c /otis as Aibcqm dos or^cCa restraterii.
VasK^ eaa ataaada ees casa Se S. saMPtC. f me, a <-Laaara. asa ras-1
Fudcao de sinos. bronze
DE
LUIZ DA CRUZ MESQUTA
66-Ra do Baro do Triumpho66
(Antiga do Brom)
Neste estabelecimento encontraro os
Srs. agricultores e seus correspondentes
todos os objectos tendentes a agricultura,
como sejain:
Machinas para fazer espirito, de destil-
lar e resultar, alambiques do antigo e no-
vo systema com esquenta garapa, serpenti-
nas e carapu^as, tachas, tachos, bombas de
bronze, de cobre e de ferro, de espirante e
de rcpuxo, para agua, mel e garapa, tor-
neiras de bronze, de madeira e de todos
os tamanhos, canos de cobre, chumbo, fer-
ro*, de todas as dimenses, cobre picado,
fundos para alambiques, repartideiras, pas-
sadeiras e escumadeiras de cobre, de fer-
ro galvanisado, arruclas C lcnces de co-
bie, bombas con*inuas, sinos de 1 libra at
110 arrobas, sola ing'cza e do Rio, cadi-
nhos patentes e de lapis.
Fazem se concertos de todas as qualida-
des ccom toda presteza eperfeicao apresos
mdicos,
Vendem-se a prazo ou a dinheiro co
descont.
Reduccao absoluta de proco
Bramante de algodao, com 4 Urguras, a 1(5000 e llOO, o metro.
MadapolSes, a 40000, 40500, 50000, 50500, 60000 e 80000, a pega.
AlgodSes, a 30200, 40000, 50000 e 50500, a peca.
Cretones oscuros, de superior qualidade. a 320 e 360 rs., o corado.
Ditos claros com novos desenhos, a 280, 300 e 320 rs-, o corado.
Percales de cores, fazenda superior, a 240 rs., o covado.
Setioetes, lisas e com ramagera,a 320, 360, 400 e 440 rs.. o covado.
Creps do cores, de preeo de 800 rs. o covado por 360 o dito.
Coutelines de corea matizadas, a 360 rs., o dito.
Linons de cores claras e escuras, a 500 r3 o covado.
Batistes de cSres, a 140, 160 e 300 rs. o dito.
Etamiaes ("o 15, tocido rendado, de pre'v-o do 10800 o covado, M* 600 rs. o dito.
Alpa3s de efires, lisas, de prego do G00 rs., o covado, por 280 rs., o dito.
Grande Bf>rtiment de las para vestidos, a 200 e 240 rs., o covado.
Cambraia branea, bordada, a 50500, a pega.
Pao da Costa, de listras, a 10200, o covado.
Dito dito, do quadros, a 10500, o dito.
Atoalbado branco, de liobo, a 10300, o metro.
Brins de cores, para caiga, a 260 rs., o covado
EsguiSo pardo, para vestidos e vestuarios de criancas, a 380 rs., o dito.
Brim branco de linho, snperior, a 20OOO e 20100 o dito. .
Casemiras de cores, para cesturaes, a 10800, o dito.
Cobertas de dous pannos, forradas, a 30000, Dina.
Lences de hrarasnte, a 20000, um.
Colchas brancas, a 10900, urna.
Chambres psra honem, a 50000, 60000 e 8000?, um.
Toslhas felpudas para rosto, 30500 e 50000, a duzia.
Ditas para banhos, a 10530, urna.
Espartilhos finos para senhora, de todos os nameros, a 50000, um.
Bordados tapados, a 500, 600, 800, 10000 10500 o 20000, a pega.
Fichs, de linho, rend; dos, a 10000, 20000 e 205CO, um.
Ditos, de 1, felpudos a 50000, um.
Magnificas mallas, para viagero, de 150000, 200000 e 250000, urna.
Saceos de lona psra roupa suja, de differentes pregos.
Costumes de banho de mar, para senhora, a 100000 uva.
Ditos de dito, para horcens, a 80000.
Ditos de dito, para meninos, a 50000.
Sapatos para o mesmo fim de differentes tamanhos, a 20500, o par
Para a juaresma
Merinos pretos, a 800, 10200, 10500 e 20000, o covado.
Dito assetinado, a 10200, o dito.
Setin preta, a 10000, o dito.
Sedas prttas, 1^800 20000, 20400 e 30000, o dito.
Cheviots pretos e azues, b 30000, 40000 e 40500, o dito,
f anno preto fino, a 20500 30000 e 40000, o dito.
Lindos cortes de casemiras com listras de seda, a 100000 e muitos outros rti-
cos que s poderlo ser lembrados preseoga d'aquilles que nos honrar com sua

i-
.
l-

4:.
visitas.
4' ra Primeiro de Marco u. 20
AMARAL & C.
Licenciado pela Inspectora Oeral de Eygine do Imperio do BrazlU
I>res to Estmago, Dyspepsias,
Anemia, Febres, tu*.
h _
3vred.a.llma
roinlo ^"^Sa^S W wr^^^ d.o CUJ O
xJ^SffS^mm^St^^ PARS, VIENNE NICE etc
O Quina-Laroche nao i um qualquer preparado pori** ^J^%XZ
grangerao aosto autor as maU altas recompensas do Estado. O mesmo rerrugw
paria, M k U, rol Dtoaot, aas rasraiaeta.


V
Diario de PernambiicoTcrfa-feira 22 de Margo de 1887
1
PABATINSIRA
barba e os cabellos
:intura tinge a barba e o cabellos int-
IIsiinniiinntr daudo-lbes oas bonita cor
natural, inofenaivo o ac uso simples e
Vende-se na BOTICA PRANCEZA E D RO-
GARA da Rooquryrol Frerea, soeceaaorea de A
CAORS, roa do Bom-Jeeuj (autiga da Qruc
n. as,_______ ^^^^
Atten$o
fT Compra se um pequeo bilbar com todos oa
sen* utensilios : a tratar na ra larga do Rosario,
fabrica de cigarros Csmacan.
Para cosinbar
Precisa-se de urna
ama para cosinhar,
mas quecosinhe bem;
no 3. andar do predio
ii. 42 da rna Duqii de
Caxias, por eima da y-
pographia do Diario.
ico de assucar
Appsrelb.es econmicos para o coeiroen-
ta e cura. Proprio para engenhos peque-
o!, sendo mdico em preco e ef
feetlro em operaco.
fodese ajantar aos engentaos existentes
do systema velho, rnelhorando muito a
quadade do assucar e augmentando a
quantidade.
OPERADO MUITO SIMPLES
Uzinas grandes ou engenhos centraes,
masbinismo aperfeijoaio, systema moder-
no. Plantas completas ou machinisroo
separado.
EspecificagBes e informajBea com
Browns C.
5RA DO COMMERCIO-5 .
Caixeiro para hotel
Precisa-Be de um caixeiro com praica ; na rna
de Santo Amaro n. 40.
*4
v*f
Jalroph
Manipoeira
Esse medicamento de urna efficacia reconbecida
no beriberi e outras molestias ero que predomina a
hydropesia, acha-sc modificido em sua prepara-
cao, irracas a urna nova formula de um dietiocto
medico deata cidade, sendo que gmente o abaixo
assignado est habilitado para prrpaial-c de modo
s melborar lbe o gasto e cheiro, sem todava alte-
rar-lbe as propriedad a medicamentosas, que se
conservan com a mesma actividade, se nao maior
em vista do modo por que elle tolerado pelo
estemsgo.
I'nioo deposito
Na pharmacia Cooceicau, A rus do Marques de
Olioda n. 61.
Becerra le Mello
Precian e con argenes* de per-
feits>. Ina II apreaenlar e nao es-
tando senai condiecoea, paia-se
bem. Atellerdensadame Panny, roa
do imperador n. -O lanJar,_______
AttenQo
Malvina P. Belem, retirando-se deata provincia
julga nada dever a ninguem, mas se algnem se
juigar seu credor, queira apresentar-se no pateo
de 8. Pedro n. 8, at o dia 23 do corrente, que
ser pago. R.cife, 17 de Marco de 1887.
Arrenda-se ou vende-sc
um sitio c>m alguna arvoredos de fructo, planta
de capim e ortalices, ra de S. Miguel n. 148 :
qnem quizer dirijx-se roa da Imperntris n. 13,
toja.
Cha prcto superior
Receben o Carlos Sinden nova remessa do cha
preto superior, e avisa aos seus fregueses que
v na ra do Bario da Victoria n. 48, para se
supprir,
CosinJieira
20*000
Paga-se 20*000 por raes a urna perfeita csi-
uh' ira, para casa de pequea familia, preferindo-
se de meia idade e que seja de boa mora!, rea
do Paysanri n. 19, paseando a poute do Chora-
menino : quarn nao estiver em condices eseusado
apresentar-se.
B a occasiao
Aluga-t.e ou arrenda-se o predio ra Primeiro
de Marco n. 12, e vende se urna bta armacao en-
vidracada, na loja do meso-.o : quem pretender
dnja se ra do Marques de Olinda numero-47,
loja.
PILLAS
Sferr-ixcrinosas
JURUBEBA"
BARTHOLOMEO a 0a
Pharm. Pernambuco.
Curto a Anemia, mores branca,
nata de Mcutrutio,
a nebUidadga Pobreaa de sanrne)
cisri a aissicriisttvira
VERDADEIRO
ELIXIR. DR GILO
Tnico Anti-Catarrhal e Anti-Bilioao
Preparad w PAUL O AGE, lAaraacecUei Se l ttun. MOLESTIAS
00 FISADO
DIGESTES
d/fflee/'s
RHEUMATISHIA
G0TTA
PE1.A FACULDAOE VE TARIS
NICO PROPRIETABIO DE ESTB MED1CAMBHTO
A11S, 9, ra i toBelle-SsUt-Ctrsuis. PA115
Mala de scasenta annoe de ucceteo la tnrtia > eficacia
inconlesuvel Jo Elixir de OaiUl ; elle medicamento o mili
econmico e o mais commodo per er empregade a,tter como Par-
gante ou Depurativo.
I>e*vouflar nm falarlfacoea
birlr e Iritis* Eliiir k Guill cea i Iru Pitl USE
Cada garrafa tteoe ser accompanhada com o
TRATADO BOBBI A OBIGM DO CATABEHO (PITUITA]
lepatlUriM ea Pernambucoi Fi* M.ti Silva f". I
PEBRES
CONTAGIOSAS
Fluxoet
oo Pino
MOLESTIAS
das Hlulheres
e das Crltncts
y
jKn mu i i
Rui 1 de Marco n. 6.
Participan, ao respeitavel publico que, tendo augmentado seu
estabelec.mento de JOIAS com mais urna sec^So, no pavimento terreo,
com especialidades em artigoa de ELECTRO-PLATE, convidam aa
Exmas. familias e seus numerosos freguezes para visitar seu estabele-
cimento, onde encontrarlo um riquissimo sortimento de oas de ouro e
prata, perolss, brilhantes e outras pedras preciosas, e relogios de ouro,
prata e nikel.
Os artiges que recebera directamente por todos os vapor sao
ejecutados pelos mais afinados especialistas e fabricantes da Europa e
Estados-Unidos. .
A par das joias de subido valor achanto urna grande vanedade
de objectos de ouro, prata e electro pate, proprios para presentes de
casamentos, baptisados e snniversaries.
Nem ern relacSo ao preco, e nem quadade, os objectos cima
mencionados, encontraro concurrencia n'esta pra9a.
SAUDE PARA TODOS.
\
PILLAS HOLLOWAY
As Pltulas purlflcb o 8anue, eorrlgem todas u desordema de Ettomago
dos Intestinos. 1
Fcrtalecem a saude das coostitucoe3 delicadas, e sao d'aro valor mcrivel para todas as enfenridades I
pecaliares ao sexo feminino era todas as edades. Para os meninos assim como tambera para as
pessoas de idade avaucada a sua efTicacia e incontestaveL
Baettdnedicinas Jk) preparadas fomente no Eitabelccimenlo do Profcssor Hollowat^
7S, HEW 0Z70BS 8TSEZT (antas 533, Oxford Street), L0HDBE8,
E veodemse em toda* a> pharm cas de universo.
Os compradores sAo convidados respeitosamente a examinar r< ulos d* cada caixa e Poto te nfco MCOII
direcsao, 533, Oxford Street, sao lUMncagoes. ^
%
BtLS 4 SANTOS, tr-ndo obtido
dadeiras Machinas nerieaoas para
Urna professora
Preeiss-se de urna senhnra, d' conducta afian-
cada, para leccionar, em um cuilegio, portugus,
francez e msica ; informar-se na ra Mrquez
de Olinda n. 8.

PASTILHAS
08 ANGEL & MENTRUZ
os
ea
3
as
dra

es;
O Remedio mttt efflcaz e
Seguro que s tem descoberto ate
hoje lien expe'l/r al Lon triga*.
ROQRIAYOL FUERES
Criado
Na ra da Madre de Dens n. 5, armasen, se
precisa de um criado para casa de familia, que
saiba 1er e escrever : a tratar das !) s 1 horas
da tarde.
33,4<8
Pede-se Prs. Maria Joaquina da Conceicao
Ferreira a decifracao do numero cima, de certa
casa 4 ra de Hortas em qno morou, da qual sa-
bio aa 9 boras da noite, c andestiameute.
lima vjgmha.
Dellu ja. Grlppe, Bronchltas,
IrrltaoBae do Pedto, o X AROPE o a PASTA peitoral
deNAFdeDELANQRENIEBaodeiunaelBoaoieoert
e Teriflcada por Membros da Academia de Me cina da Frasca.
Sem Opio, MarphiHa nem Codena d-ae sem recelo ia
orioncae aSectada de Tose ou Coqueluohe.
flKIS, reta Vivienne, 8, PA1
Attenfo
Precisa-se de bomens ou meninos para vender
na rna, paga-te bem : na ma do Jardim n. 27.
Engrmmadera
Precisa-se com urgencia na ra da Soledade n.
94 (Principe)._______________________________^_
Ao commerc'o
Jucintho deMedeiro8 Barbosa retirando se tem-
porariamente para Eurepa faz sciente que fica na
gerencia do seu estaheleciment de molhados, sito
a ra do Padre Monis n. 1, o seu socio Felicio
Jos Vas de OUveira.
Bccife, 19 de Marco de 1887.
Jacintho de Medeiros Barbasa.
Precisa-se de urna boa enaommadeira e que
asaboe tambem, para casa de pequea familia :
a tratar no Caes da Companbia n. 2. Prefere-se
escrava e deve dormir em casa.
Engommadeira
Precisa- se de urna boa engommadeira, que en-
aaboo tambem, para casa de pouca familia, prefe-
re-se escrava ; na roa do Biaehuello n. 13.
VENDAS
Vende-se barato dous hbitos de irmSo ter-
ceiro franciscano, com os compeetntes corde, j
usados; na roa veiha de Santa Rita n. 14, sobra-
do, das 9 horas do dia a 1 da tarde, se dir quem
os vende.
ArmacaO
Vende-se a arma;o da casa n. 10 da rna do
Rangel cedendo-se a cas* ao comprador.
CAR AL30D2-0
'grande reduccjti nos precos das ver-
descarocar algodao, estSo vendendo a
n$ooo
Leilura para senlioras
Broche8 nikelados e dourados a 2|$000.
Bonitos grampos dourados a 500 ris o
maco.
Esplendido sortimento de gal3es de vidri-
lho.
Grande variedade de leques de setim a
Frisadores americanos para cabello a 300
ris o mago.
Setas de pbantasia para'cabello.
Bonita collecrlo de plisss a 400 ris.
Briaco8 imitacSo de brilhnte a 500 ris.
Aventaes bordados para creancas a 2yJ000.
Chapus de fustao e setim pera cran-
las.
Sapatos de merino e setim para crean-
cas.
Meias brancas e de cores fo de Escocia.
Pomada de vozclina de diversas qualida-
des.
Sabonetes finos de vogelina e alface.
Extractos finos de Pinaud, Guerloin, e
Lubin.
Lindas bomas de couro e velludo.
Fichus de la para senbera a 1#800.
Sapatos de casemira preta a 2)9000,
Tbesoaras para costura de 400 ris a
3,5000.
Pacotes de p de arroz a 300 ris.
Fitas de todas as qualidades e cores.
Ira mensa variedade de botoes phantasia.
E milhares de objectos proprios paro tor-
nar ama senhora elegante, e amitos ou
tros indispensaveis para aso das familias
tudo por pregas admiravelmente raodi
A HELHOR PERFUMARA IRGLEZA
PREMIADA COM SETE MEDALHAS
TANGLEWOOD, KATHIOLA. WH1TE-H08E, OPOPOA3t,
WhtE-HEUOTROPE, Esa. BOUQUET,
CRAB-APPLE-BL0380M8, o amia novo Perfume.
^
A' Florida
tmnmodosraABQcijHoy p Soivcas,
COK A TATA DA CO*OA.
Esses Perfumes sao os melhore*qu existi, e sao vendidos
in vldros com tapa patentada.
finest enolish, eau de COL06NC. A mais refrigerante cu
vidros de 2,4 e 8 oncas. >
AGUA DE florida. para o banho, qualidade extra.
OPALINE P DE TOILETTE. Inocua ellivlslvol.
CHERRY TOOTH PASTE (Pasta para os dentes). Conserva osdentes
e torna-os perfeltamente brancos.
O melhor sabXo inglez transparentc. Sem ser perfumado,
ou com delicioso perfume, era lageas, bolas ou pao para a barba.
O HELHOR sabXo inglez. Com alfazema onopala, empao.
O PAL l N A SOAP. Sabio para a tez e a cor do rosto.
COAL TAR SOAP. Sabao de alcatrao. CarboNc Soap, Saboss
superiores para a toilette. Deliciosamente perfumados, quali-
dade non plu=-ultra. Od Brown Windsor, Honey, EiderFlower,
Rose, Glycerina o Amendao. Escowas de dentes afamadas da
Corea.
Todos os artlgos cima lero a nossa marca do fabrica aqu junta,
e podem ser procurados casa dos prineipaes negociantes da
America do Sul e da America central, c tambem pelo Intermedio
de qualquer negociante Inglez.
O CatUogo Ilustrado envia-se gratuitamente i quem pedir
The CROWN PERFMERY (T
177, Xetc-Borul Street, 117 LOXDBES
A RVOLUgAO
0 48 ra Duque de Caxias
Chamamos a ottengo das Exmas. familias para um esplendido sortimento de
fazendas que vendemos por precos sero competencia.
VER PARA CRER
Guami(5cs de veludilbo bordadas a vidriiho, 7000, urna.
Cachemiras pretas, 1,5000, 1^200, 1^400, 1^600, 1,5800 e 2^000, o covado.
Dita de cores, 900 rs 1,5000 e 1|5200, o dito.
Dita brocb bordada a 15 e seda, 1,5500, o dito.
Lindas las roeszladas de seda, 600 rs., o dito.
Ditas ditas com listrinhas de seda, 560 rs., o dito.
Ditas ditas cora listrinhas e quadrinhos, 400 rs., o dito.
Ditas alpacas lavradas, 320 rs., o dito.
Setim damaes, novidade; 320 rs o dito.
Dito dito com listrinhas, 320 rs., o dito.
Dito Macan, 800 rs., 1*000 o 10200, o dito.
Dito preto, 10200, 10400 e 10800, o dito.
Merio-setim preto, 10500 e 10800, o dito.
Gres de aples preto, do 30OOJ, 30)00 por 10800 e 20000, o dito.
Fustao branco; fino, a 400, 560 800 rs. o dito.
Dito de cor, pbantasia, a 320 rs o dito.
Colchas bordadas, a 20500, 30500, 50000 60000 e 70000,
GuarnicSes de crochet, 80500 e 120000, urna.
Cortes de e, xhemira para vestido, 200000, um.
Punhos e oolerinhos para senhora, a 20000, um.
Fechs de la, 10800, 20200, 20800 40500 e 60000, um.
Ditos de pelucia, pretos, 60000, dito.
Voludilhos lisos e bordados, 10000, o covado.
Ditos bordados a retroz, 20000, o dito.
Leques de pao, muito fios, 500 rs., um.
Ditos dito, 10000, 20000 e 30000, um.
E muitos outros artigos gua se lembrarSo na presenca das Exmas famil
eos
por serra, coro 14% de descont, a
Rna do Mrquez de Olinda n 56 4
VERDADEIROS GRAOSdeSAUDE DoDrFRANCK
s**1
& LICENCIADOS PELA INSPECTORA OEBAL DE HYOLKNB IX) IMPERIO DO BRAZn.
Apacientas, Eatomachlcoa, Purgativos, Depurativo
Cintra a Falta de appettte, a Okstrmeeft*. a Snxaqneea, as VerUrim,
f m ~ conreatoes, etc. Dote ordinaria : 4. i 3 arios.
IS Desconfiar as lalsiDcacSes Exigir o rotulo Junto Imprimido em trancei
^ cadaur^eWc^^rd.^ te e 0 Sc.ll -I Ulil. U FbriCMleS.
^y. rt^*., farmacia MBOT. B.*Hltw m t*MM |riltfMlniraatHl.
\a Graciosa
7Ra do Crespo 9
Duarte & C.
Le m branca
Fantasa para crochet, em fios de-13 e seda, de
diversas coree.
Contas de pedra lapidadas, completa variedade
em cores.
GuarnicSes de IS e seda cem bollas de madeira
pnlverisad8, para enfeitar um eipgante vestido.
Bonitos bicos de cores, sortimento completo,
rendas bordadas p ira vestido, ditas em seda Despa-
chla, reme e prets.
ommodos e elegantes espartilhos para senhoras
e meniuas.
Todos estes artigos e muitos outros vendem-se
na casa do
Pedro Anune* *& C.
63-RA DUQUE DE CAXIAS 63
Pregos resumidos
NA
Nova Esperanza
urna.

ilias.
Henrique da Silva Moreira.
Una Duque de Caxias n. i O*
Chama te a attencao (*.ss Exmas. familias par
os precos seguintes :
Cintos al 000.
Luvas de pellica por 2*500.
Lavas de seda er granada a 24, 2/500 e H
o par.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs, n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albuns de 1*500, 2f, U, at 8*.
Raines de flores finas a 1*500.
Lavas de Escossia para menina, lisas e borda'
das, a 800 e 1* o par.
Porta-retrato a 500 rs., 1, 1*500 e 2*.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 800 re. um.
Anquinhas de 2, 2*500 e 8* ama.
Plisss de 2 a 3 ordens a 400, 500 e 600 rs
Espartilbo Boa Figura a 4*500.
dem La Figurine a 5*000.
Pentes para coed com inscripcSo.
Encbovaes para batiados a 8, 9, e 12*000
1 eaixa de papel e 100 cnvelopes por 800 rt
Capella e veos para noivas
Suspencnrios americanos a 2*500
LS para bordar a 2*800 a libra
Mi de pipel de cores a 200 ris
Eslojos para crochel a l$000 re.
Bico de cores 2, 3, e 4 dedos
de largara a 3JC0O, 4*000 e 5*000 a peca
Para a qnaresia
Leques para menina a 200 ris.
Linha para machina a 800 ris a dusia, (CBK)
Bordados com dois de des de largara 600 ris,
3dedos 800 ris, 4 dedos 1*200.
Cambra ia tapada
Qalao de vidriiho metro 1*.
Franjas de vedriiho a 1*,
Lavas pretas de seda e Escocia.
Franjas e galoes finos a 2*500, 3*e 4* o metr
Alta novidade
Leques transparentes a 3*000
dem preto a 2*000
Lindos Broxes a 3*000 1*000 e 500 ris
BARBOSA & SANTOS
(Molestias da garganta
PASTILHAS DE PALANGI
da Chlorato da Potasa a Alcatrao
Para aa enferraidades da bocea, inftammaeSo da garganta, aphtat, ulceracao da
eangita, seccra da linguaedo paladar, rouquidao, inetuteat/ da amygdala, ttc.,
nto ha remedio mais efiicaz e rpido do que o chlorato de po'assa. Si se llie junta
o alcatrao cujas> proprtedades balsmicas e purificantes sao vi ersalmente reconhe-
cidas, accelera-se a cra-destas pequeas enfermidades e a ta-se sua repetiYao,
dando ao mesmo tempe maior forca aos orgaos
As Pastilhas de Palangi se dissolvem lentamente na bocea e obrao como gar-
garjo; passao, depois para o estomago e dalli para o sangue que se purifica sob a
benfica influencia do alcatrao.
Estas pastilhas sao muito usadas pelos Cantores. Advogados.Pregauorea e todas
as pessoas que sao ohrigadas faliar em publico.
Deposito em Pars, 8, Rna Vivienoe, e em todas as Pbarmaeias.
4os 1.000:000^000
200:000*000
100:0001000
mmi lotera
DE l
Em favor dos ingenuos da Colonia Orphanologica|Isabel
DA
PROVINCIA. DE PERNAMBUCO
Ei raegau a 14 de Maio de 1887
0 thesoureiroFrancisco Gon$alves Torres
W*VV*lV*sW*V***A**a*<
ELIXIR &VINH0
Digestivos
TROETTE-PERRET
de PAPAINA (Pepsina vegetal)
sao os mais poderosos digestivos conhecidos at agora, para combater
AFFECQES 00 ESTOMAGO: GASTRITES, GASTRALGIAS
DIARREAS, VMITOS, PESO NO ESTOMAGO, MA DIGESTA0, ETC., ETC.
OH CAUCB EOGO DEPOIS DK COMIDA BASTA PARA CURAR OS CASOS MAIS HEBBLDKS
venda as prineipaes Pharmacias e Drogaras.
Yenda em grosso em Paris :TROUETTE-PERRET, boulevard Voltaire, gi
ttn u tiiiir o Sallo da tffllio dw FABBICaHTES sobro os Frascos para evitar as FaiiffiutMt.
Depsitos em Pernambuco : FRAN M. da Su.VA e c* e as prineipaes pbarmaeias.
^AAyuV\AfuVu*ifV*>*r*r*r*^i*'**^*****^*^*^*AAAAA>%** ******
as
BflEVKTVB (PATVKTAOAfl) S. O. D. O.
Olfereoidaa dellio da forma de Doces on Confeitos de truotas,
permlttlodo aaaimaoa doentea o* mala dslieadg e aa criauoaa da
tomar aana enjoo todo o qualquer medicamento.
DEPOSITOEBAL, EM PAR* 36.ra dala Verrarle
Vm PTnamhtirn ttN M. da STLVA A C-.
Cabriolets
Vende-se dons cabriolets, sendo nm descobertc
e outro coberto, em perteito estado, para nm oo
dons cavallos; tratar rna Duque de Caxias
n. 47._________________________________________
WHISKY
ROYAL BLEND marea V1ADO
Este ezcellente Whisky Escasees preferive
i'j cognac on aguarden* de carina, para fortifica
> corpo.
Vende-se a retalho no* ti, lheres armasen!
col hados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADO cojo iw
me e emblema sao registrados para todo o Brasi.
BROWNS & C, agentes_________
Pioho de Riga
MATHUE3 ASTIN & C, receberam ultima-
monte um completo sortimento desta madeira,
como sejam : pranchoes e tabeas para assoalhw,
da melbor qnalidade e de diversas dimensSes, e
que vendem por precos comoiodos, 6 redolidos,
conforme os lotes ; no armazem do caes do Apollo
n. 51, ou rna do Commcrcio n. 18, 1 andar,
Peciinchas para acabar!
S9 Ra Cqqub de Caxias 59
Nsnsocs cores firmes a 160 e 180 ris o cova-
do.
Cretones claros e escaros a 240 ris e dito.
Fustoes com nalminhas de cores a 240 ris o
to.
dildem branco finos a 320 e 400 ris o dito.
Popelinas com listras de seda a 300 ris O
dito.
dem branca para Exmas. neivaa a 500 ris 0
dito.
Setinetas brancas bordadas a 500 ris o dito.
Setins de cores, branco, e preto Macj a 800 o
lf o dito.
Combraia de forro preta a 14200 peca.
EeguiGes de linho de 10 jardas a 4je 4500 a
dita.
Madapolao pelle d ovo de 20 ditos a 6500 a
dita.
Algodoes superiores a 3^500 e 4| a dita.
Brim de cores, lindos padres a 400 e 500 ris
o covado,
dem pardo superior a 360 e 400 ris o dito.
Angolas finas, cores firmes a 560 ris o dito
Cambraia branca bordada a 5500 a peca.
dem Victoria fina a 3200 a dita.
Bramantes de algodao superiores a 900,1200
e l500 o metri.
dem de liubo puro, do mclhor, a 2 o dito.
Lences de dito para cama de casal a 1800
um.
Colchas de ganga dem a 3.ums.
dem idem para selleiros a 2500 urna'
Colchoes franceses, grandes, a J5 um.
Ceroulai de superior bramante a 12 e 16 a
dosis.
Meias inglesas, cruas, a 2800 e 3500 a dita.
Lencos brancos e de cores a 2 a dita.
Meias [ara erancas a 2500 a dita.
Guardanapos bordados de linho a 2400 a dita
Camisas francezas superiores a 86 i a dita.
Cortes de meia casemira a 1800 e 2.
dem de casemira superiores a 3000, 4500 e
6000.
Para a quaresma
Merinos preto, sortimento sem competencia,
precos de 1000,1200,1500, 2000 e 2500 o
covado .
Grs de aples, verdadeiro de Lion, a 2500
e 2800 o covado.
Cachemiras preta coffl Blticos a 2000 o co-
vado. '
Veludilhos lisos e bordados a 1000 a 1200 a
dito.
Mantiihas brasileira a 53 ama.
Fil de sede bordado a 2800 o metro.
Fichus, idem, grandes a 7 um.
Cheviots superiores a 2500 e 3000 o cova-
do.
Casemiras, pannos, Sedan, merinos: e todos os
artigos para o uso domestico te encentra na acre-
ditada casa de
Caiueire da Cunta C.
venda u grosso danos
descontos
89 Roa Doqoede Caxias 50
Vende-se
O estabelecimento de molhados sito so larga
da Casa-Forte n. 48 proprio para principiante,
por dispor de poneos tuadoa ; tratar na mesma.
Allencao
Vende-se ou permuta-se orna casa terrea sita
na travesea do Falcao n. 12, com 2 salas, 3 quar-
tos, cosinna lora, grande quintal e cacimba, por-
teo dando sabida para a ra dos Oasos ; a tratar
na mesma com a proprietaiia, e esta far todo
negocio por j ter o despacho do juis, at para
butal a em leilao, podendo apresentar os dcoa-
meatos aos permutadores, desejando tambem umr,
por troca, ainda que seja pequea, porm que es-
teja nova e bem construida.
Novidade;
A Iota das Estrellas ra Duque de Caxias n.
56 receben pelo ultimo vapor da Europa mantele-
tes de cachemira o damsce preto ricamente enfei-
Udos; renda hespanhola, cortes de gurguro de
seda preta- e de cor, sortidos, guarnicoes de vi
driihos, cachemira a 700 ris e 2000, setins pre-
tos a 1000 e mnitos outros srtiges que s vende
dor barato preco.
V\



i
x
<.
i





Diario de PcrnambacoTerfa-feira 22 de Marpo de 1887
LlTTRATR

JO'NDA BEftTUIGft
POR
MARIO UCHARD
XXIV
LContinnaco)
Meu pobre Roberto, tornou ella, U-
ladindo a pergunta, repito, o que nos falta
juizo. A nica prova do amor e de de-
dicaeso que podemos dar uro ao outro, da
fundo d'ulraa, cotnprehonder ft neaesai-
dade da vida... A mis,ra pira dous,
pena dobrada ; a gente araesqunha-se, ir
rita as o acaba por odiarse, eom o cuida-
ndo constante de cada dia, naa priva j5:s,
nos aborreciraentoa que uro oceulta ao ou.-
1ro, acntinJo se presa ; quando, cada uro
livre por seu lado, ouaaria ou tentara sa
bendo que s arriscara para ai um- xaque
reparavel e nlo urna queda, era que o ou
tro seria arraatado, bu nilhado, perdido.
Oh I sim, eu te amo, boni o sabes, por
qua^iqui estou acerescentou ella com ura
accnto de ternura que constratava cora es
ta lioguagem de rese/va fria que ella es-
forjava-se para conservar. Mas, meu po-
bre Roberto, prenso viver I... E,
para conseguil o, preciso que eu parta,
quo eu aceite, einfiai, hlgura contrato de
tbeatro... E' a saparajlo fatal, pelas
exigencias da minha carrejra o aera que
noa aeja possiv 1 evitar esa deagraja...
Pois bem continuou ella, hesitando se.,
por meio de um casamento de convenien-
cia, no qual juro-te que roe sacrificara...
Um casamento 1... exclamou Rober-
to, contente, isso justamente que venha
propor-te...
Que dizes ?
__ Agora somos rico8, minha Ghistia-
na... agora n3o temos mais que receiar
obstculo tua carreira, no meu traba-
Ibo!... Nada dessas sepraj3es previs-
tas que tanto nos asaustavara.. Tu par
tindo para Veneii ou landres o ou ficaa-
do em Pars, nes3a gal do colloborajlo
em alguro jornal que me impedira de es-
crver obras... Soraoa ricos I... Nada
mais desaas dissimulacSes para a soceda-
de que nos obrigava a esconder-nos I...
Somos rico?, amamo nes, casamo-nos !...
Roberto, entilo, contou com a effuslo
daa almas felzea. Cbiatiana ouvia, admi-
rada, hesitando em acreditar, deixando ao
entretanto, a pouco e pouco, levar por
eaae impulso de ternura, que anniquillava
de urna vez, os vitos appsllos para a ra-
zio, que se toruam iouteia e sem fim.
Netureza sensitava e toda de iropres
gees, o fundo romntico de artista, que
Christiana devia sua educajlo de thea-
tro, o impulso do corajlo e ludo quanto
vibrava de melhcr nossa iroaginajZo ar-
dente pareca ter despertado repentina-
mente... EIU ouria como se fra um
cont de fadas. Elle falUva da auas re-
cordares ligadas aos seus projectos...
Era a vida, a fdiciiade livre, tantas vazea
sonhadas as horas de paixlo desse pri-
meiro amor que se encontrou na estrada
como por um decreto do acu destino de
heroica...
__ Queies ir a man ha visitar o nosso cas-
tello T perguntuu elle alegremente.
Ella a tinha nos bracos o ella resista
mollementa ao sou aparto, como vencida a
pouco e pouco por essa idea encantadora
de irem visitar o seu castello.
Eulevda, como criauja, pelo quairo que
elle descrevia de urna soUdlo para dous,
longe da todo esse aborrocimento do mundo
que havia meis do um anno os acabrunha-
va, elle senta que ella fraquaava. Ella o
amava Qua lbe i nportavam entao os con
tratos, j escrpulo, e os receios. Nao as- chegou.
lava garantido o seu futuro? Ella o ama- pois, podia
va o elles tinbam s^ffrdo tanto com esse
desvai louco em qua tanto um como ou-
tro tiuham se torturado tanto '
As rccou-jiliajoas de amor teem dessas
aorarazaa dos sentidos que es resolutos
ra .is solidas d pruiencia n5o poden do-
minar. Sienas violentas, om um impa-
to do corajlo, tudo ficou esquecdo.
Tonto Christiana i lo a Parz dosacom
pauhada, sem a ta o 89m Qertrudes oqua-
renJo ficar oceulta all, nesso mesmo dia,
a modo do escapada da herona installou-
8a em cwa do Roberto para ficar all ea-
ses tres das de licmja, que passaraui co-
mo em um sooho da embriaguez ; nlo sa-
hindo senlo noite para ir respirar a fres
cura do bosque, vidos do se verem, de
se oaviren, de se aentirem um ao lado do
outro, depora do urna separado, que tan-
tas eroogSas do3 seus dous coracSas ti-
nbam tornado tilo cruel. Poli primeira vez
eaboreavatn a felicidada de vivarem livres
a sos .. Esse hr secreto e elegante de
joven casal enetntou-a. Os seus triumphos
do LondreB a tioham embriagado.
Rival, urna raanhl, foi almojar com el
le3. O estado d'alroa de Roberto parecau-
Ihe to radiante que nao busou parturbal
FOLHETIM
(0 (10KONDA
POR
?uta nm
SEXTA PARTE
OIESIHSBO DO uoaia
o, especialmente vend Christiana simples
e tem, como por una metamorphose su
bita.
Paljvra, voces dous slo tilo doudos
quo dovem sor felizes.
Todos riram.
Entretanto, sobre essa plenitude da en-
cantos pairava por instantes o pezar de
urna nova separajao, Robsrto, a principio,
estava resolvido a acompaahar Christiana
a Londres tove de ceder queatlo de con-
veniencias, qua ella oppoz-lhe. Por esses
oito diaa o trabalho e de enaaios, que ha-
viam de tomar lhe todo o tempo e impedir
que so vissem, para que sacreficar 03 seus
interesa s, que a charaavam a La Gran-
ge?
A sCu ultima noita foi urna fasta de
amantes de vinte annos. Pelas j mellas,
qua davam para o parque Monceau subiam
os perfumes das acacias em flSr. Um rou-
xinol canta va no silencio... entretanto,
Christiana, cora os doua brajos enlajando
o pestojo de Roberto, pareca meditativa.
Em que pensas ? dis9e elle.
Ella despertou, o do repento o sau bello
rosto illumi.iado por um sorriso :
- Pens qua ananha vou deixar aqui a
minha alma.
O dia aeguinta riou puro e claro.
Chr8tiena parti s sete horas da manha.
Roberto, acompanhoj-a at a estacaj. Ella
tinha exigido quo se separassam com um
aorriso. Elle o fez para obedec3r o nao
entriateoel-a. Quando o trem.pardo, do
seu carro, ella com os labios imitou um
beijo... De8ap>areceu.
E'l i ficou all um momento eternecido...
A despeito dessa grande coragem qua ella
tini.a-lha pregado, elle vio qua 03 aeus
oaos esta vara de lagrimas.
Roberto voltou para casa com o coracio
transbordando, exultando com essa fclici-
dado triste qua anda lbe restava da encon-
trar om todos os lugares do sea aposento,
a iuiprossao dos seus pasaos, o ar que ella
tinha reapirado, os vestigios que tinha dei-
xado por toda a parte, nesses tres das.
A desordena da partida, urna fita esqueci-
da, urna flor murcha da vespera, tudo in-
da o fazia presente.
Teve urna esperanja, Ioucaque ella vol-
taria no mesmo dia, parando na primeira
eatacao, renunciando es3e maldito contrac-
to, quo devia separ^l-os ainda durante urna
semana inteira... Entao ella alugaria, perto
de Luynea, alguma quinta, onda installa
ria com a tia, emquanto nlo cisavam.
Alm dsso seriara precisas tres semanas
para mobiliar o seu castello e reparal-o.
Ella dovia expedir-lhe um telegramma
logo que chegassu a Londres. Elle jantou
em casa para csperal-o. O telegramma,
que contava receber perto da noite, nao
Com os diabos, dase Cocardasse,
apontando para a abertura do tecta ;
pouco delicado metter dous fidalgos em urna
pris2o tSo mal coberta...
. O--^lo mais se vale, observou Pas-
s'poil, com moderacSo, menos so guardara
as conveniencias.
Meus amigos, exclamou Peyrollas, quo
eomegava a inquitar-se, vendo os appro-
ximarem-se assim, ura da direta, outro da
Imagioou alguma demora. De-
chegar-lba de urna oarta della.
Que desastre podia havar em urna via-
gem de pausas horas.. que, ataal de
eontas, olla mesmo podia fazer no dia se-
guinte.
Da manha, espero ainda sem raua im-
paciencia. Como duvidar depois deases
tres dias de transportes 1... Dapaia dessa
fuga temeraria para vir, a, trazar le tan-
to goao, ojcultando-33 em casa della !...
Entretanto, tendo ainda passado a ma-
nha seguinte, comecou a soffrer deesa mal
febril da espera, que o invada, a deapei-
to dea vaos esforcos da ana raziio.
c Chrstiaaa cansada p.-la viagem, nao
p6da escrever'a tempo de apanhar o cor-
reio. Nada mais simples do qua imaginar
algum atraso no vapor Mas podia ter
expedido um tulegramma. A idea de urna
catastrophe^surgio-lhe de repente...
Finalmente, s 7 horas da noite chegou-
lhe urna carta. R;cooheceu a letra, e o
seu coracSo pulou.. Entretanto, exami-
nando o enveloppe, procurando explicar a
causa da demora, ficou al mirado. Essa
carta] que illa espsrava do Londres, tra-
zia o carimbo de urna estaeao postal de
P.iriz... Attoaico, abrio-a com ra5o tre-
mola e Lu esta revelagito aingnlar :
Amo te, meu Robarto, amo-te 1 E' por
es3as p ilivr.is que quero comecar esta car-
ta, quo to vai causar pazar o dopois da
qual ma amaliicoari.
Enganei-to, nao vou para Londres, e
ha urna semana que estou casada !...
i Estou casada, ainda ta amando... Tu
o sabes por esses tres dias, em qua quiz
dar-ta tudo quanto tentio do boa, do ver-
dadeiro e de sincero no corceo. Diza que
sou urna louca, urna creatura, indigna, urna
ingrata, porque devo-te tudo... A verda
de que tenho as veias o que cbamavas
meu sanguo de bohemia. Nlo posso con-
cubar a vida sen.lo no tablado, onde n .3-
ci, na piixao do ruido das ovagSas, no
meio da c ubriaguez do triumpho. Dovora-
mo o desojo de um luxo louca ; ah vejo
essa independencia de cmica ou de rainha
como dizias quando te zangavaB com as
minhas inconsequencias da doada... Pre-
ciso da minha libardadado sem freio, ain
da qua ahi perca a vid* antas da ter trn-
ta annos !. Nao lamentes nada. Ano-
te, e a felicidade calmi, medida a tou la-
do... mesmo com a tua heranca fabulo-
sa. .. teria sid) para mim o fim da tudo...
Eu teria raorrido 1... A minha vida da the-
atro teria sido para ti um supplicio de^to-
do3 os instantes. O tou carcter, o teu
ciume nao teriam podido supportar as m
serias de um marido de actriz... Para "ra-
so preciso um escraro .. e tu serias meu
sonhor. Esse soabo lou;o que me faz prio
A menina Jocunda, porra, nao ae dea
por vencida. Dirigindo se a Roberto, con-
valascente, mas inda pdliio, recostaio
em urna poltrooa immenaa, coatinucu com
o seu grande ar atarafado:
Que fajo eu hoja ? emquanto ella
preparara-80 para o comicio agrcola...
Matto na victoria os seus charutos, a sua
caixa de phoaphoros, 03 seus oculo?, o seu
discurso e o seu memorial para o prefeto,
um lonco de seda para por ao pescoco, o
seu guarda-p para a estrada, e o seu
guarda-sol. Que pensa que aconteceu ?...
Para raettar as suas celebres plantas ame
riaanas na caixa, erabaixa das almofadaa,
tiraran tudo... e tudo ficou na escada !
Eis ahi a sorpreza que me esperava quan-
do voltei da casa da Toinou. .. cujo filbo
vai bem melhor...
Foi a mente sarampo, agora eat decla-
rado 1
Recaitei arejar o quarto... Para voltar
ao to, claro quo logo raandei Jira mon-
tar a cavallp com o memorial, o guarda-
sol e tudo. Mas, pergunto, com este sol,
no campa da feira, com todo o jury do
concurso o por todo e caminho, nao ter
ficado queimado?... Elle tao distra
hido!
Voc est fatigando o Sr. Guriu,
Jocunda, tornou a Sra. rsula.
Isao verdado?... Estou o aborre-
cendo... hein?...
Nlo respondeu Roberto fazendo um
esforco para sorrir, com a cabaja apoada
nos travesseiros. Peio contrario, sou-lhe gra-
to, porque est me distrahindo.
Mas eu sou um pouco tagar la...
nao assim?... tornou ella, interrogan
tto-o com os seus grandes olhos.
Oh sim! disse a Sra. rsula com
convicco.
Sa eus veze3 abuso do dom da pa-
lavra, nao sou a uniaa, pelo menos, a
quera se poda fazer essa exprobracao, tor-
nou Jocunda; parque, parmitta que lhe
diga, que eu acabo da passar duas longas
horas sera dizer palavra, emquanto a sa-
nbora nao parou : sobre Slaroo Aurelio...
e todos os Antonios, qua conbeco como as
palmas das minhas mitos... sem contar o
sou curso de littoratun. .. E Dous aaba
sa alguem podia achar occasSo de inetter
urna palavra, depois que a aenhora come-
cou o seu celebre Scalo XV 11...
Ella parou de repente, boquiaberta, a
u'ra gesto da governante, com o dedo nos
labios e mostrando-lhe com o olhar Rober-
to, que de fadiga pareca dormir :
Oh ... chiton!. disse Jacunda.
E levantando-3a de vagar, com multas
precauyoes, modilicou a inclinado da um
guarda sol inmenso, preso no meio da
caza, se eu t'o tivesse sacrificado, teria
aempre ficado cutre n3 como urna lam
branpa amarga.
c Meu Roberto, o teu pobra oraclo vai
aecusar-me, eu sei: mas comprehende-me
bem nesta delirio que me arraata, guardo
para si tudo quanto tens da m^u !. E
tico sendo tua, sa quizerea, para aempre :
alma, corpo e bens... onde quer qua eu
estoja, baja o que houver!...
Eia o que queria diaer-te, provar-te,
vindo de Londres pasear tres dias comligo...
Agora, amas-me?...
Parto para S. Peteraburga e voltarei
nesto invern aPariz. -
C.
XXV
To Miguel me desespera Sr. Gu-
rinl disse Jocunda; e, realmente, ae eu
nao fesse sua sobrinba, diria quo elle nao
tem juizo. Nao tome essi ar severo, Ur
aula ; eu cao digo I...
' Faz bem, minha querida Jocunda,
tornou a preceptora, qua ma.iajava a agu-
lba, distradamente, olhando do alto do
terrajo, onde esta vara sentadas em baixo
das grandes acacias, para as chalanas que
deaciara o Loira.
mesa; de modo a interceptar um raio do
sol que filtrava pela toltiagem e cahia so-
bre o doente.
sa me
obri-
tacado de urna febre typhoide, Rober-
to esta ve durante cinco semanas em esta-
do desesperado. Natureza offoctuosa e ter-
na, a despeito das bravatas passadas, as
suas illutoes sublimes de amante, de poeta,
tinbam sossobrado tao brutalmente anta
estas dus palavras singulares : Estou
casada, que elle suecumbio. Preza de
delirio intenso, durante longos dias e lon-
gos dias e longas noites, tratado por Au-
rora e Rival, que o tinbam levado, tiran
do-o do seu aposanto cheio de reoordacSas
recentes, ella atravessou essas crises ter-
rives qua aSo quaai urna agona.
Afinal os mdicos um dia declararam
qua estava salvo, e eomo se reoonhecesse
que a mudaoca de rea era o melhor ra-
madio para o estado de prostracao em que
dcixam agente essas lutas entra o organis-
mo e a morto, os Rival o levaram a Gui-
try, onde, visto o estado de abandona em
que se achava o castello da LvGrange, o
Sr. Sarrazin insisti para que ello ficasse
na Barraca.
Afinal, ao cabo de urna semana, com-
pletamente traaquillisados, Aurora e o ma-
rido voltaram. Mais alguns dias de cuida
dos e de socego e as torcas do doente j
tinbam voltado, de modo qua elle pode dei-
cer ao terrajo.
Emquanto dorma debaixodas vistas das
suas guardas, qua era reepiravam, im-
pondo-sa um silencio laborioso, Jocunda,
attenta como urna sentinella, tudo obser-
va va: o sol, o guarda- sol, um sopro do
rento, um fragmanto do flor do acacia
fluctuando no ar ameacando cahir sobre
Roberto, e que ella apaabou... Da rapen-
te urna raosoa grande zumbi:
Oh! que bicho mo murmurou ella
baixinho, armando-se rpidamente de um
leque para investir contra o monsro.
O dia estava agradavel e calmo ; debai-
xo da sombra das arvores, que cercavam
o terrajo, no parapeito cobarto de glyci
as; dessa altura de Guitry, a vista es-
tendia-se por ura horisoute de quatro ou
oioco leguas : o curao do Loira, deade Ber-
tben&y at Tours, cujas torres destacavam-
se contra o oo. Port-de-Luynes e as ilbas
bordadas de'faias e de alamos.
Nessa manha de Junho o ar estava tSo
puro e to sonoro que de baixo da estra-
da que acompanbava o rio, a um meio ki-
lmetro do distancia, subiam, por instantes,
os gritos dos raarinheiros e trabalhadores
que descarregavam um navio.
Socolado nease silencio e na tepidez de
urna esplendida primavera de Tourine,
Roberto, com os trajos paludos, emmagre-
cidos, pareca tao bem renascer o sentir-se
tao bem guardado que elle abandonava-se
com o pensamento entorpecido, a essa vol-
ta da vida, a esses cuidados que a emba-
la vara como a um sonho inconzoiente de
suaa felicidades perdidas.
Pobre Roberto 1 disse baixinho Jo-
cunda, depoia do um silencio longo o
olhando-ae entristecidas.
Como Jocunda, disse a Sra. Ursu
la, na mesma voz baixa: Roberto > sim-
plesmante ?... O Sr. Gurin nao nem
seu irmao nem seu parante nem seu cama-
rada para chamal o assim...
Ah I teia rabugenta !... replcau
Jocunda, fazendo urna trombazinha ; cor-
tamente quo cu nao o chamo assim senlo
para miml... quando ella dormal...
Bam agora urna borboleta importuna 1...
Mas quando ella ia correndo para vedar
a passagom a esse novo iniraigo, ficou de
repente estupefacta, avistando a vate pas-
sos, na curva da avenida, duas senlioras,
precedidas de um criado. Reconheceu
nellas os Boisdesnier, noli e filha com os
seus atavos e que caminhavam com segu-
ranja como pessoas convencidas do seu di-
reta do forjar detta vez a entrada da
Barraca.
Jocunda, assu3tada, correu ao encontr
das duas intrusas convidando-as ao silen-
cio por gestos repetidos eom a mo.
Mus nlo era isso da conveniencia da
baroneza, que j tinha o sen plano for-
mado.
Meu Deus disse-lbe em voz muito
al.a, nosso primo estar peior?..
Nlo, senhora, nlo! respondeu Jo-
cunda, consternada, mas elle estava dor-
malo, e a senhora acordou o.
Com effeito, com o ruido das vozas, Ro-
barto, perturbado na aua somnolencia, ti-
nha levantado a cabega e olnava para as
visitas que dentro em pouco estavam ao
seu lado.
Primo mo !... disse a baroneza ad-
mirada de vel-o to abatido e daado voz
ama inflaxlo de censura ; amigo ingrato
qua nos recusou, a nos a satisfajlo de o
tr atar!
tretanto necessario observar as convenien-
cias. A Sra. rsula tinha-se levantado-
para offareeer cadeiras ; a baroneza e A
menina Mlia sentaram-se cada urna da
um laio do seu primo e cada ama tornou-
lbe urna das mos como para impedil-o da
descer ao tmulo; as perguntas entlo
abundaron, respondendo entretanto, Ro-
berto, com rauita indfferenja, para dis-
tarjar o seu aborreciraento. Aos repet-'
dos convites para ir conjluir a aua conva-
lescenja em L-Grange elle via-se, final-
mente, forjado a oppor terminemente a
sua vontade em tora quo nao admiltia
mais insistencia.
Tendo se, por discripjlo, afastado um
pouco Jocunda o rsula, que sa conserva-
vam de p, encostadas ao pirapeito de
terrajo, ouviam em silencio essa conversa,
sem nclla tomaram a menor parte...
Mas no tira de ura quarto de hora quan-
do as duas temas primas pareciam instad-
ladas, por um, olhar angustioso de Rober-
to a governante approximou se :
O medico, minha senhora, reoom-
menda ao Sr. Gurin que evite qualquer
fadiga, dissa ella com serenidade ; e sobre-
tudo -lbe prohibido fallar de mais...
Perdda-me se lh'o lenobro.
A chogada, nessa momento, de Marton,
quo trazia um caldo fri para o seu doen-
(Contnuajao do n. 64)
IV
Aniigoa cOnhecImenlo
Somos forjados a dizer leitores o que o
Sr. de Peyrolles ia fazer prslo de Co-
cardasse e Pastepoil, pois que aquella ha-
bi suieito 3o teve que explicar os moti-
vos da sua presenja.
Os no33oa dous bravos deviam compare-
cer como testemunhas perante a cmara
ardente do Cbatelet. Nlo era historia do
Sr. principe de Gonzaga.
Peyrolles tinha ordem de fazer-lhes pro
poataa to deslumbrantes, que aa auas con-
sciencias no podeasem resistir : mil pis-
tolas a cada um de urna s vez, em ract*l
sonante e pagas allantadas, nlo par* ac-
cusar Lagardre, maa para dizer apenas
que nlo estavam nos arredores de Csylus,
na noite do assassinato.
Segundo o Sr. de Gonzaga, a negocia-
jlo era tanto mais segura quanto Cocar-
dasse e Passepo vontade em confessar as suas presenjas
n'aquelle lugar.
Eis egora a razio por que o Sr. de Pey-
rolles rio teve torapo de manifestar os
eus talentos diplomticos.
A cabeja de marmore tinha levantado o
gibo de Passepoil, emquanto Peyrolhs,
oocupado em observar os movimentos dos
nosaoa dous bravos, dava as costas ao mon-
ta de palba.
O ir.arquoz piscou os olhos e fez um sig-
nal aos seus alliadjs.
Estes approximaram se lentamente.
esquerda : nada de gracas
gara a puxar a espada ..
Ora I suspirou Passepoil, puxar .a es-
pada contra nV?
Dous horneas desarmados ? aceres-
centou Cocardasse. Nlo ae faz 1
Continua vara a a van jar. Entretanto,
Peyrolles, antes de chamar, o que teria
rompido a sua n?gociaj5o, quiz juntar o
gesto s palavras. Le vou a mo aos co-
pos da espada, dizendo :
Entlo, que isso, mcus filbas ? Pro-
curaran] evadir-se por aquella buraco, e
nlo poderam. Alto disse elle ; se dio
mais um passo d6sembanho.
Havia urna outra ralo, alm da sua, nos
copos da espada. Essa outra mao, bran-
ca e guarnenida de rendas esfarrapadas,
perteacia ao marquez de Cbaverny, que
conseguir sabir do sea esoonderijo. Esta-
va do p por detraz do Sr. Peyrollea. A
espada do faototura e8cap"ou-se-lho de ra
pente por entre os dedos, e Cbaverny,
agarrando o pela gola, encostou Iho a pon
ta garganta.
Urna palavra, e ests morto, patife I
disse ella em voz baixa.
A espuma veio oos labios de Peyrolles,
maa calou se.
Cocardasse o Passepoil, com o auxilio
das suas gravatas, amarraran n'o em rao
nos tempo do que levamos a descrevel-o.
E agora ? disse Cocardeasa ao mar-
quez.
Agora, replicou elle, tu direta, este
bom rapaz esquerda, e quando os dous
guardas entrarem, detem-ihes as mos s
guellas.
Ah vio entrar ? perguntou Cocar-
dasse.
Aos sau8 logaras Aqui eat a Sr.
de Peyrolles que nos vai servir, reclamo.
Os dono bravo3 correram a encostar-se
pare.o, ura direta, o outro esquer-
da.
Cbaverny com a aspada encostada ao
quexo de 'eyrolies, crdenou lhe qua gri-
taase por seocorro.
Peyrollea gritou. E immediatamente os
dous guardas precipitaran! se na prslo.
Passepoil sgarrou na chaveiro a Cocardas-
se no outro. Soltaram ambos un grito
surdo, depois calaram-se, meio estrangu-
lados.
Cbaverny fechoa a porta da prslo, tirou
do bolso do chaveiro um majo c'a cordaa,
e amarraram as mos a ambos.
Irra 1 dase-lhe Cocardasae, nunca
vi marquez to amavel como o senhor.
Passepoil juntou as saas felicitajSss mais
calmas s do seu nobre amigo. Mas Cha-
verny tinha pressa.
Mas, exclamou elle, ainda nlo esta-
mos na ra : Gasclo, poe esse chaveiro nu'
o veste a sua roupa. Tu, amigo, faze a
mesma cousa com o guarda.
Cocardasse a Passepoil olbaram ura pa-
ra o outro.
Ahi est um caso que me embaraja,
dissa o priineiro, cojaodo a orelha ; nlo sei
sa fica bam a fidalgos...
Eu tambara vou vestir a roupa do
m;-it refinado tratante que oonhejo, ex-
clamou Cbaverny, arrancando o esplendido
giblo de Peyrolles.
Meu nobre amigo, arrscou-se Pas-
sepoil a dizer, luntera vestimos...
Cocardasse interrorapeu-o com um gesto
terrivel.
Oala-te ordeuo-ta que te esquejas
dessa crcumatancia dolorosa : domis era
em servijo do nosso pequeo.
Tambem hoje o .
Cocardasse soltou um profundo suspiro,
e de8pio o chaveiro, que eatava com urna
mordaja na bocea. Frei Passepoil fez o
mesmo ao guarda, e dentro em pouco es-
tavam os tres vestidos.
Certamente, desde o tempo da Julio Ce-
lo Cesar, que toi, segundo se diz o fun-
dador daquella fortaleza, nunca o Chatelet
tinha visto dentro dos seus muros deus oar-
creiros mais elegantes.
Cbaverny, por sea lado, tinha envergado
o gibao daquelle bom Sr. Peyrolles.
Meas filaos, disse ella, continuando a
deserapenhar o papel de facttum, des ora-
penhei-me da minha misslo, junto destes
dous misersveis ; pejo-lhes que me condu-
zam porta da ra.
T Passepoil.
- E' da gente se eDganar, replicou o
raarqu i.
E eu I disse Cocardasse Jnior, sem
occultar a sua humilhajlo, parejo-me com
um chaveiro.
Como duas gotas d'agua, respondeu
Cbaverny. A caminho, tenho que levar a
minha me i u < n
Sahiram os tras do cubiclo, cuja porta
foi fechada chave, sem esquscer os 1er-
rolhos.
O Sr. de Peyrolles e os dous guardas l
ficaram slidamente amarrado! e amorda-
jados.
A historia nlo conta as reflexoss que fi-
zeram naquella conjunctura penosa e difi-
oil.
Os nossos tres priaioneirss, atraveaaa-
ram, entretanto, o primeiro corredor sem
dificuliade : estava vasio.
Levanta um pouco mais a cabeja,
Cocardasse, meu amigo, disse Charcrny;
tenho medo dos teus malditos bgodes.
Com os diabos I respondeu o bravo,
ainda que me fzesse em migalhas nlo po-
derla tirar-me esta bella apparench.
lato a morre comnosco, accrescen-
tau frei Passepoil.
Cbaverny enterrou o banet de 11 at as
orelhas do gasclo'e ensinou-lhe a pegar as
chavas.
Che^aram porta do pateo. O pateo e
os claustros estavam cheios de gante. Ha-
via grande rebolijo no Chalet, porque o
Sr. marquez de Legr dava um almojo
aos assessores na secretaria, emquanto es-
perava m a reabertura da sessao Viam-se
assar 03 pratos cobertos,osisestos de cham-
pagne, que vinham do famoso restaurant
do Cabeja de Vitella, fundado havia dous
annos na praja do Chatclat, pelo cozinhei-
ro Le Preux.
Cbaverny, com o chapeo sobre os olhos,
passou em primeiro lugar.
Meu amigo, dissa elle ao porteiro do
pateo, esto aqui perto do numero nove,
no corredor, dous pergosos bandidos; to-
me cuidado.
O porteiro trou o bonet, resmungando.
Cocardasse e Passepoil atravessaram o
pateo sem diffijullade.
Na sala dos guardas Cbaverny apparen-
tava ser um carioso que visita a prslo.
B'ez umitas perguntas tolas com bastante
curiosidado.
Mostraram lhe a cama era qua o Sr.
Hora tinha descanjado dez minutos em
companbia do padra Mcttrie, seu amigo,
qnando sabio da ul-.ima audiencia.
lato paracia intoressal-o vivamente. S
tinham qua atravessar o pateo ; mas, na
porta, Cocardasse Jnior atirou ao cblo
ura criado da Cabeja do Vitella, qua tra-
zia um prato da manj ir branco.
O nosso bravo soltou urna raidos pr-
ga que faz voltar toda a gante.
Frei Pas3?po:l estremeceu at a medulla
dos OS808.
Amigo, disse Chaverny, triatomente,
E immedatamente, eomo se ella tivesse
chegado no momento preciso em que an-
da era finalmente possivel prodigalisar-lhe
cui lados uteis, ella paz-se a endireitar o
traveaseiro, puxou a cholcha, arranjou as
almofadas. O sangue dd Jocunda subi-
los a cabeja e (como noite contou a seu
lio), ao receber semelbante offensa.
Qualquer q*e fossJ o ncommodo produ-
zido por essa solicitudo importuna era en-
esta craoja nlo fez por mal, o pedias dis-
pensar-ta de blaspbomar.
Cocardasse abaixou a cabeja.
Os archeiros pansavam que estava all
um honrado fidalgo.
Nlo conhejo este guarda-chaves gas-
cao, rosmungou o caroereiro dos guardas ;
estes diabos mettam-se em toda a parte.
O postigo abrio-se para dar passagem
a um aoberbo aizlo assado, paja prin-
cipal do almojo do Sr. marquez de Sa-
gr.
Cocardasae o Passepoil, ulo podendo
maia moderar a sua impaciencia, atravessa-
ram a aolaira da um salto.
Prendam-nos, prendam-nos, gritou
Chaverny.
O oarcereiro pracpitou-so e cahia fulmi-
nado pelo pesado molho de chaves, que Co-
cardasse Jnior lhe atirou em cheio cara-
Os noas^s dous bravos correram ao mesmo
tempo e desappareceram na encruzilhada
da Linterna.
A carruagam que tinha transportado o
Sr. de Peyrolles, estava ainda porta.
Chaverny reoonheceu a libr de Gonza-
ga : sabio a o estribo, continuando a gritar
com todas as suas :
Prendara-n'os, nlo vm que fogem.
Quando se fago que se tem raaos inten-
tos. Prendam-n'os, prendam-n'as.
E, aproveitando o tumulto, inalinou-se
para a portinhola e ordenou:
Para o palacio, a todo lo galope. Os
cavallos partirara a trote. Quando a car-
ruagera entrou na ra Saint Dans, Cha-
verny enxugou a fronte que estava banha-
da era suor, a comejou a rir. O bom Sr.
Peyrolles dava-lha nlo s a liberdade, co-
mo tambem urna carruagern para' ir sem
se fatigar ao lugar que destinava.
Era effectivamente a mesma sala raobi-
liada gravemente, em quo vimos pela pri-
meira vez a Sra. princeza de Gonzaga na
manha que precedou reuniSo do cenae-
Iho de familia; era cffaotivamente o mes-
mo exterior tristonho ; o altar, coberto da
luto, onde se celebrava todos os dias o sa-
crificio t'unebra em memoria ydo fallecido
duqua da Niv.era, mostrava a sua larga
cruz branca, illuminada pela luz de sa.is
velas. Maa alguma cousa estava mudado.
Uta elemento de alegra, ti raido ainda e
apenaa perceptiva!, esgueirava-se por en-
tro aquella .speoto lgubre ; nlo sai que
sorriso liumiuava vagamente aquella lucto.
Havia floros nos dous lados do altar, e
entretanto nlo se estiva no3 primeiros dias
do Maio, fasta dos esposos mortos.
Os reposteiros, entreabert>s, deixavam
passar um tenue raioj do sol da outomno.
te, e que poz-so sem ceromonia a resraun-
gar com a sua voz de mulher decidua,
acabou a cortar bruscamente as expan-
s5es. .
Depois de alguna instantes, notaveis
pela sua frieza, as duas primas levanta-
ran se desconcertadas e rpidamente fize-
ram as suas despodidas. *
Jocunda, por sua vez, adiantou se e
com o olhar meigo e amavel, ostentando
todos os seus encantos, acompanhou-as at
o canto da avenida, onde com seu celebre
modo pomposo fez a cada urna urna mesa-
ra acadmica.
Minhas senhor os I
Depois, voltou correndo.
Apre I Pobra Roberto, dizse ella
tontamente.
Mas, com um olhar de rsula, ella fi-
cou consternada por esse seu esquacimen-
to de lioguagem.
Quando voltou o Sr. Sarrazin, que che-
gou hora do jantar e que se lhe parteei-
pou a visita doi Boisdernier, o bom do
maire fez um gesto do admirajlo.
Ora I Ora 1... disse elle, para que
essas senhoras tenbam vindo assim mi-
nha casa fazer-Iho tantos carnhos, ne-
cessario que ellas tenham motivos para
desejar a presenja de Roberto em Lo-
Grange
XVVI
c La-Granga, Junbo...
Nlo te tenho escripto, meu caro Ri-
val, porque nada tenho tido a dizerte. De-
pois de tres semanas qua passei em La
Barque, onde as forjas se me refizeram,
voltei para Ln-Grange, mais ou menos
eonartado .. lato urna expresslo da
filha do almirante. Bebo, como, durrao, eis
ahi tudo; pois completamente destituido
de espirito, receio gabar ma de pensar al-
gumas vezes... Para que servem o pen-
samento, o desejo, a esperanj, a sauda-
de ? Rstame urna vaga sorpreza de estar
eu vivando, e eu quasi diria que estou
reaprendendo a fixar as minhas sensajoes.
Ocupo a minha intelligoncia cora leituras.
eacolbidas, de accordo com o estado de
minha alma, que nao risonho. Cahio-ma
hontem aob as mos um dos romances que
tm tido succe8so nestea ltimos tempos,
reli-o... E' a hiatoria de um desBes des-
vairados pelo amor, que se qneimam as
chammas de alguma meretriz vulgar, que
elles despresara : a tnica de Neaaus per-
petuamente unida ao corpo.. Ri-me des-
sa amplificajilo de poeta, onda reconheci o
paroxismo e3tupilo que por um momento
enlouquaoeu-ma.
, {Continua)
Na janella eatava urna gaiola, onde can-
ta va ura lindo paaaaro ; um paBsaro que j
vimos e ouvimos na janella baixa que da-
va para a ra de Chantre ; p passaro, que
entlo alegrava a solidao daquella encanta-
dora deaconhecida, cuja existencia myste-
riosa impeda de dormir a Sr. Balahaut, a
Durand, a Guichard e todas as bisbilho-
teras do quarteirlo do Palacio Real..
Havia muita gente no oratorio da Sra.
princeza, apezar de ser ainda madrugada.
Estava om primeiro lugar urna linda moja
que dorma estendiia sobra urna cama. O
rosto do contornos exquisitos, fiaava um
pouco na sombra ; mas o raio do sol bri-
lhava-lha entre as ondas opulentas de ca-
bellos ca3tanho3 com reflauos cambiantes.
Da p, junto della, estava a primeira ca-
marista da priuceza, a boa Magdalena Gi-
raud, que tinba as mitos postas e lagrimas
nos olhos.
Magdalena Graud acabava de coufessar
Sra. de Gonzaga, que o aviso milagroso
encontrado no livro da orauSes na pagina
do Miserere, qua dizia : Venha defender
sua filha, oque recordava vinte annos
depois a divisa das entrevistas felizes dos
jovens apaixonadoB, a divisa da Nevrs :
Aqai estou, tinha sido colloaada alli por
ella, Magdalena, de combinajlo com o Cor-
cunda. Em lagar de a reprehender, a
princeza abrajou-a.
Magdalena considerava-se to feliz coma
Be sua propria filha tivesse sido encon-
trada.
A princeza estava sentada no outro lado
da sala.
Duas mulheres e ura rapaz a oarcavam.
Junto deiles as folhaa dispersas de ura ma-
nuscripto de Au ora, eom a caixinba em
que elle devia estar.
Aquellas liobas escripias na ardente es-
peranja que ellas ohegariam um dia s
mos de urna mai desconheaida, mas ado-
rada, alcanjaram o seu destino. A prin-
cesa j as tinha lido. Via-se perfetamen-
te nos aeu3 olhos, vermelho3 palas Bas ter-
nas lagrimas.
Q mnto maueira por que a caixinha e
o lindo passaro tinbam atravessado a porta
do palacio de Gonzaga, nlo era preciso
perguntar.
^{Continuar-te-ha.)
T/p. do Diario roa Duque de Carias a. \%3
w
'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWELDC1QL_CQ63RS INGEST_TIME 2014-05-28T18:50:10Z PACKAGE AA00011611_18245
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES