Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18240


This item is only available as the following downloads:


Full Text
F
i
AUNO LII N D M fifi O 61
i. *j^^^
PARA A CAPITAL E HGAHKN 0\DK \'A SE PACA PORTE
Por tres raezes adan tados............... 6|5000
Por seis ditos dem.......... ...... 12,5000
Por um anno dem................. 23,5000
Cada numero avulso, do mes-so da............ 10Q.
DIARIO DE
QOBTA-MBA 16 DE MAp i 1881
PARA DENTRO FORA DA PROVDCIA
Por seis meses adiantados............... 13^600
Per nove ditos dem................. 20,000
Por um anno dem................. 270COO
Cada numero avulso, de dias anteriores........... 4100
NAMDUGO
Prapridrate ht JHanoel Hjjxtbc* i>e -tarta 4 Jfyos


Os rs. Ame J o 3*rlaoe 4t C.
de Pars, a&t os nossos agentes
exclusivos de anuncios e pu-
blicaeSea na Franca e Ingla-
terra
TELEGRAMMAS
:227x5o da sss:: havas
(Especial para o Diario)
LONDRES, 14 de Margo, tarde.
O STANDARD aununcla que deuM
urna tentativa de assassltsato contra
s. m. o Imperador da Rsala, tenta-
ilva qne felizmente abortn.
VIENNA, 14 do Marjo, tarde.
O soverno blgaro esta inonllisan-
do tropas e fortitleando aa praeas do
Danubio.
\*einra wc qne esse governo esta
em negoelacoes con diversas caaas
nanearlas e sociedades de crdito de
Londres no ininICo de contrahlr um
emprestlmo de t9 mllbSes de fran-

A
SANTIAGO DO CHILE, 15 doMarjo.
A epidemia do cholera morbo* dl-
aoinne em grandes proporcSes.
Hoje forana asslgnalados apenas
16 bitos nesta cldade, e na de Val-
paraso 5 casos novo* e S bitos.
BUENOS-AYRES, 15 de Marco.
O sr. i criiamiei. explorador do
PJIcomnyo. telegrapbon de Anonp-
cao. onde ebegon lia poneo, diaendo
une os Indios do Cbaco forana com-
pletamente balidos.
LONDRES, 15 de Marco.
nesnaenle-se a noticia dada pelo
STANDARD de ama tentativa de as-
sasslnato contra S. V. o Csar.
-
Agon.ia Ilavaa, filial em Pernambuco,
15 de Marco de 1887.
-
NSTRUCCO POPULAR
Extrahido)
D\ BIBL.IOTBECA DO POVO E DAS ESCOLAS
PARTE SEGUNDA
nOBXCtS MEDICAS
iContinuago)
nvenenanaentos
1 iuveuamcut i pelo phosphoro, que parece em
eerUs epochas ser uiuh especie de moda para os '
suicidas manifesta-se por dores da garganta, tu-
roef iccao da lingua, caler n i epigasirJ,agitac&oge-
ral, nauseas acouopanhadas ou nao por vmitos ; o
ventre apresenta-se doloroso ; o pulso lento,
fraco; ha cor ictrica (amarellada) na palle ; ee-
phalalgia e insomnia, tenesmo (*) vesical e reten-
co de orina : phenomenos nervosos ; e muitiisi-
maa veces ebeiro caracterisco e pronunciado de
phosphoro.
Nao ha infelizmente contra veneno para o phos -
pboro. Nao se deve por forma alguna applicar
asete nem qnalqner ontro oleo. D-so agua albu-
minosa e magnesia calcinada.
Os saes de cobre produsem svmptomas parecidos
cota os que acabamos de enumerar. Predominaos,
porm oa vomito) e dejecces que muitaa vezes
teem urna cor esverdeada.
A agua albuminosa um bom contra-veneno
dos preparados de cobre; porm o melhor o ferro
reduzido pelo bydrogenio {ferro de Quevenne) que
se deve dar em porclo igual que se suppde tor
sido tomada dos preparados de cobre.
Os venenos da terceira classe chamam-se (como
j dissemos; estupefacceotes. Os principses vo-
neuos desta classe slo o chumba e os preparados
desee metal ; o acido carbnico ; e oxydo de car-
bunio ; o bydrogenio sulpbnrado ; o chloroformio ;
o tab ico ; os cogumelos, etc.
O chumbo e seus preparados teem o triste pri-
vilegio de prodosirem quaai tantos invenenamentos
por si sos, como os outros venenos reunidos. Mui-
taa artes e principalmente a pintura vao buscar os
aeus processos aos preparados de chombo.
O inveaenameuto peio chumbo pode ser agudo
ou chronico. Na forma aguda ha nauseas, vmi-
tos, clicas com soltura urnas veaes, outras com
priso de ventre. Ha abatimento, prostraclo
geral, pallides, extincclo de vos, e as geogivas
em volta da iosercio dos dentes urna pequea lista
de cor asolado escara. A's vezes vem a paraple
Na forma lenta ou chronica, o emmagrecimento
progressivo, a pallidez'assimelhs-se da anemia
e da chlorose tomando a pelle urna cor amarellada,
ictrica ; aa orinas sao de urna cor anrucilo carre-
gada ; ha perda successiva e gradual das fercas ;
o hlito retido ; apparese u is geogivas a orla de
que fallamos na forma aguda ; a priaao do veotra
pertinaz ; ha clicas, dores as articulares,
convulsoes epileptiformes, paralysias e anestheaia,
s veaes albuminuria.
De invenenameto pelo acido carbnico havemos
de tn.tar qoando fallarmos da asphyxia.
O tratamento do invenenamento pelo chombo na
forma aguda consista na appl ciclo do i emticos,
emeto catharticos, clrsteis purgativos, e poco es
opiadas para acalmar aa dores.
O tratamento da forma chronica pertence exclu-
sivamente ao medico.
Os symptomas priacipaes do i-ovenenamento can-
sado pelos cogumelas venenosos, sao :ezcitacSo,
urna especio de embriaguez, vertigeos, tremo ras,
respiracao anciesa, irregularidades as pulsaces
cardiacas, syucopes, perturbares na vista, delirio,
pallidez. aores trios.
Torna-se tio difficil (se nao a maior parte das
vezes impossivel) differencar os cogumelos vene-
nosos dos que sao comestiveis, e tao fcil o en-
gao inda para aquellas pessoaa em extremo ha-
bituadas a conhecel-os, qoe o melhor conseiho que
se pode dar a este respeito que se nao comam.
Qoando porm socceda haver iovenenameoto,
deve-se logo applicar nm rpido e enrgico vomi-
torio e em seguida administrar urna inrusio forte
de cafe e algunas gotas de other sobre om torraa
de assucar. Evite-se o viaagre qoe activarla a
acolo interna do veneno. O tratamento olterior
pertence ao medico.
O tabaco om forte veneno e todava o seo oso
est vulgarisado em extremo. Nao nos cabe estu-
dar aqu neste livrinho a acolo do tabaco de fumo
sobre o organismo ; e por sso mi fallaremos dos
effeitos lentos e deleterioa qua se attribuem ao uso
do tabaco fumado oo chairado. Diremos apenas
algomas algomas palavras sobre o Invenenatnento
pelo tabaco em soa forma aguda.
Os symptomss principaes sao :ozeitacao cere-
bral, vermelhidSo de face, cephalalgia, injeccSs
as conjnactivas insensibilidade e dilataci da pu>
pilla, amuurose, diplopia (aa), delirio, espuma na
bocea, allocioaces, Vmitos, desmaios, paralysias,
coma.
(Continua.)
(*) Seosacao dolorosa na bexiga acompanbada
de freqoente vontade de orinar sem qne a orina
soja expe'.lida, ou sendo-o apenas em diminutas
quantidades.
(**) Estado mrbido que consiste em ver duplos
os objectos.
?ARTE OFFICIAi.

Governo da Provincia
FALL que Assenbla Legislativa Provincial de Pernambuco
no da de sna Installaco de Marco de 1*8, dirigi
o Exai. Mr. presidente da provincia Dr. Pedro Vicente de
Azevedo.
(Continuajlo)
GUARDA CVICA
A guarda r-ivica, composta de 120 prajas est actutmente sob o commando
interino do nlferes Luiz Jos Antones, ira substituidlo do respectivo commandante
geral Julo Bsptista Cabral a quem suspend e mandei submetter a processo criminal
nos termos da portara em seguida transcripta. ,
c 2.a seceso.- Palacio da Presidencia de Pernambuco, em 10 de Dezoinbro
de 1836.O presidente da provincia tomando conhecimentu do officio n. 54o' de 11
de Noverobro tindo, do general commandante das armas, a^ompanhado de um inque
rito por elle mandado proceder relativo prisXo do cabo de esquadra do 2.' batalblo
de iofantaria Manoel Joaqnim llavalcsnte, effeetuada por guardas civicos em a noite
de 24 do Outubro d'este anno, o tendo ouvido a respeito o Dr. chefe de polica, que
emittio o seu parecen por officio n. 1,196 de 9 do corrente mea ; Considerando que
por aquello offi.-io o ioquerito se reconbeca t-rem os guardas civicos se excedido no
a-jto de prenderen o dito cabo de esquadra no bec:o dos Patos, e o que mais, depois
de conduzido preso e des*rmado para al.1 estacjlo cvica, espanjando-o com sabres e
t^zcnJa-lhe os ferimontos constantes do auto de corpo de delicto a 9. 9 ; E visto que
o coamandaute g*ral da guarda cvica, Joo BaptUta Cabral estando presente n'a-
.juella est9o, quando alli chegou o preso, e tomando conhocimento de facto, em vez
la estranh.r, pilo monos, o procedimento dos guardas, ao contrario autorisou, nos ter-
tnos do mehciouado officio e aquerto, que mesmo em sua presenya fosse o preso ainda
eapancado, chegando elle proprio a empurral-o para dentro da estacSo, segundo confessa
quando inquerido a fl. 27, declarando nao se lembrar quaes os guardas de seu cora-
mando quo tomarain parte no conflicto, e acciesceotando que nem o imferior que os
.irgia para a diligencia poderia saber, encaropando assim os actos de seus subordinados,
e oommettendo violencia no exercicio das fuaccSis do emprego (artigo 145 d cdigo
penal); Resol ve suspender do commando geral da guarda cvica o dito Jlo Baptista
Cabral, que ser subraettido'a processo criminal, para o que determina, que, extrahida
copia do offij'o a ioquerito d cjmmandante das armas e mais documentos annexos,
8-i* ella romottida ao 1.* promotor publico da comarca do Kecife, para prooeder na
forma da li (art. 15, % 4. da lei n. 2,033 de 20 de Setembro de 1871), sendo o
referido funecionaro assim impedido do exercicio, substituido pelo commandante do dis-
tricto que for designado pelo Dr. chefe de polica, nos tartas* do art. 5.e do regula-
meato de 22 de Desembro de 1880. *
* Fscam-se as necessarias communicscoes.
O servido d'esta forga feito de modo insuffloiente.
O policiamento de ama cidade importaota como a do Recife requer raelho-
ramentc.
Pra isto sria preciso reorgaaisar esta guarda de modo que ella, concillando
- a delcadfs com a energa a actividede, aa tornasse apta para evitar conflictos, previ-
Baiado o-u reprmindo, mas uunca provocando.
O povo pernambucano a altivo e valente; abusi-se, porm, muito do uso
da faca, e a ociosidade, por falta de oceupac^es, facis e promptas, motivo para
ajunatmentos em que se provoca disturbios, que em geral sempra alguera sahe ferido.
A aegao da polica, portanto, tem uecessidade de ser prudente. E' preciso
que a sua intervencSo n3o seja para oppr forja contra forca, mas a legalidade contra
a perturbaclo da ordera, sontra o crime. Si at os loucos se educara, porque nSo se
ha-de melhorar tambera o nivel moral dos desordeiros ?
As raelhorea instituidas algumas vezes decabem do molo que no encontrara
remedio, senlo na suppressSo. Nao est em meu pensamento diaer que isto acontece
com a guarda cvica, da qual, alias, offioiala?ente, nenhuma queixa tenho recebido.
Mas assumpto para deliberar a substituido d'esta forca por urna seccSo de
cavsllaria, posta ao servico do chefe de polica. Auxiliada pJr certo numero de pragas
do proprio corpo ^de polica, quem sabe si os resultados em relacSo pacificado da
cidade e garantas individuaos, nao seriam melhores qne os actuaos e talvez sem maior
dispendio T
E' bom reflectir a respeito. Tenho propugrglo sempra pehs institui;3es de
guardas urbanas e polica local. Son adverso a corpos de polica, que, afastando-se de
sua naturezi civil, se organisam com estado maior o menor, querendo imitar a forca
de linha da qual esto afastados pelas oomcoes especiaes do fim a que se destinan-.
Entretanto, cumpre confes3ar: o policiamento das provincias nao nem pode ser uni-
formo. N3o igual o effeito de certas medidas em todas; de modo que as opinioes
tambera dovera ettar sujeitas a seren modificadas, conforme as circunstancias, a
ndole ou hbitos da populaySo policiada.
Pego s luzes de vossa experiencia, e melhor conhocimento, da provincia, os
supplementos de que preciso para c bom policiamento da capital e do interior.
E' digno de seria attencSo este ramo de uervigo publico. Tenho sobre elle
os melhores desejos. Cumpre fazer respeitar as leis a n'este empenho o exemplo
deve partir do exocutor. Quem doutrina, exercendo um partcula qualquer do poder
social, n&o tem dir^ito de deixar de ser commentario viv de sua doutrina.
GUARDA NACIONAL
Tenho continuado a me abster de fazer nomacoes de officiaes da guarda
nacional, aguardando a sua reorganisscSo, nos termos da ei n. 2,395, de 10 de Se-
tembro do 1873 e decreto n. 5, 573, de 21 de Maryo de-1874.
O Ministerio da Justoa, por avisos circulares de 14 de Outubro de 1886,
mandou mandou proceder qualiticao2o, de conformidad* com a li e decreto citados
e a 20 de Janeiro, deterrainou que os officiaes nomeadis se apresentassem fardados
e promtos para o servico nos prazos marcados, no decreto n. 1,354. de 6 de Abril de
1854, contados da data do referido mez de Janeiro, sob pena de serem privados dos
rospectivos postos, tornando extensiva a mesma pena quelles officiaes, qne, ainda
depois d'aquella data, forem nomeados.
FORgA DE LINHA
A' 18 de Dezembro ultimo, asumio o commando das armas dcsta provincia
o brigadeiro Jos Clarindo da Queiroz, nomeado por deoreto de 27 de Novembro an-
terior, em substituyan do brigadeiro Agosdnbo Marques de S.
A forja de linha, aqu exiatente, corapSe-sa dos batalhSes 2. e 14.* de
nfantaria e de urna coropanhia de cavallaria. Ten minorado o ostado desfavoravel
da disciplina.
Para isto muito tem con corrido h a ctivida de, zlo e intelligencia do comman-
dante das armas, que dirgindo alio proprio as forjas sob aeu commando, em continua-
dos exeroicios, tem feito com que esta, se oceupando rgaia com o servico, fique sem
terapo para os vicios da ociosidade. '
Reatabeleceu as revistas e paradas, habituando soldado a fazer uso de sua
arma, em que muitos estavam bisonhos, com o que dispartou mesmo entre os officiaes
o estimulo pela profsslo. Este molo de proceder om sjma necessidade urgente, nlo
s para fazer diminuir, sonSo cessar, aa divergencia! sempre eminentes entre as
pragaa de linha e de polica, como porque com as continuadas mudancaB de pravas,
que se dio nos batalboes pela facilidade de encontrarem substitutos, para o tempo de
servijo que Ibes falta, acontece que ficam os meamos compoetos, em grande parte, de
recrutas ou novatos. ,* -\
Foi transferida ltimamente, da ra da Aurora, em quo estava funecionando',
para a raLuiz do Reg, a Secretaria Militar, fisto ter nadado o tempo de aluguel
do predio e nao quererem continuadlo os respectivos proprietarios.
Tambera convm a mndanca do quartel da coropanhia de cavallaria, atten-
dendo a urna melhor accomraodaglo para os cavallos, que encerrrados, como esto, em
baas acanhadas, chegam at a se ferirem uns aos outros, algumaa vezes.
Trata de ver se possivel attender a este m:lborainento.
Tenho deligenciado evitar a continuadlo de destacamentos de linha. Do*
que existiam no interior, s nlo se recolberam, ainds, aos aeus corpos os que de todo
nlo tem sido possivel.
Julgo desacertado oceupar pravas do exercito cm Beruico propriamente de
polica. E' urna forja esta, que deve estar de promptidlo para os casos extraordina-
rios, e nunca destacada por muito tempo, tomando os hbitos e envolvendo se as
intrigas daa pequeas localidades, porque, entlo, em vez de beneficios, s pode ella
acarretar difficuldades e erabarajos para a ordeno, publica.
SORTEIO MILITAR
At boje forain remettidos secretaria d'esta presidencia os alistaraentos do
anno passado, relativos s parochias oe Santo Antonio do Cabo de Santo Agostinhs,
Nossa Senhora da Apresentayao do Limoeiro, Nossa Senbora da Conceijlo de S. Jos
do Rio Forinoso, Nossa Senhora da Conceijlo do Bonito, Santa Anna de Bom-Jardim,
S. Jos de Surubira, Santo Amaro de Taqnaietinga, Nossa Senhora da Conceijlo de
Correntes, Nossa Senhora das Montsnhas de Cimbres, Jess Mara a Jos de Papaeaca,
3. Flix do Buique, Nossa Senhora da Conceijlo da Pedra, Nossa Senhora do Con-
ceijlo de Pajea de Flores, Nossa Senbora da Penb de Villa-Bella, Nossa Senhora
das Dores de Trinmpho e Santo Antonio de Salgueiro.
Forano alistados para todo o ser vi jo 2,357 indiviluos,*isentoa en tempo de
paz 41 e de todo o serrjo 21.
As juntas parochiaes om geral deixaram de reunir-se as dovidas epochas e
mutas d'ellas ainda nlo fizeram o alistamento, devido manifesta repugnancia, que
tm por esse servico, que veio substituir o vexatorio systema de rocrutamento.
OBRA MILITARES
Contina na direcjlo das obras militares d'esta provincia o capitlo do corpo
de engenheiros Gregorio Thaumaturgo de Azevedo.
Os establecimentos militares b3o os seguintes :
Paiol da Imperibera.
Quartel das Cinco Pontas.
Quartel do Hospicio.
Enfermara Militar.
Fortaleza do Brum.
Fortaleza de Tamandar.
Fortaleza de Itaraarac.
Forte do Brum.
Forte de Pao Amarello.
'completamente arruinados
da Enfermara Militar, da
E'orte de Gaib
Forte de Nazareth
Arsenal de Guerra.
Corpos de guurJa de Palacio da presidencia
Thesourara de Fazenda e da Alfandega.
Furam feitos diversos concertos e reparos no Paiol da Plvora, Quartel da
Companhia de Cavallaria, Forte do Bruno e Arsenal de Guerra.
Esto a terminar as obras do Quartel do Hospicio.
ARSENAL DE GUERBA
Este estabelecimento tem estado sob a aelosa drecjlu do major do corpo de
estado-maior de 1. classe, Antonio Vilella de Castro Tavates, desde 18 de Novembro
de 1885. ,.ii
A' 9 de Dezembro do auno passado foi aberta a inspecjio do Arsenal pelo
tenente-coronel do corpo de estado-maior de 1. classe, Jlo Nepomuceno Malet, se-
gundo deterrainou o Governo Imperial.
Por portara do Ministerio da Guerra, do 16 de Agosto, foi nomeado capellllo
do > rsenal do Goerra o capillo do corpo eclesistico do exerUo, padre Leonardo
Jlo Grego, etn substituijlo do padre Antonio de Mello e Albaquerqu, que falloceu.
Por decreto de 24 de Outubro, foi nomeado o escrevente do 1 classe Ca-
plelo Olympio Prates, escrivlo chefe uo es-rptoro do ajudante do Arsenal, era subs-
tituijlo de Gregorio Targino Accioly, que pedio exonerajlo.
Por portara de J5 de Marjo foi nomeado coadjuvante effectivo da aula de
primeiras letlras Herraim de Azevedo Pedra, que exerci interinamente o lagar.
Tenlo o dito coadjuvante entrado 22 de Novembro no gozo de urna lieenj*
por 4 mezes, concedida pelo Governo, noraeei para Bubstituil-o, interinamente, Soli-
donio Athico Leit-, o qual dcixou o exercici.., por tor o coadjuvante Pedro reas-sumido
o cargo era 15 de Fevert-iro, renuncenlo o resto da licenja.
O ministerio da guerra, em 20 .le Dezembro, et-nfirraou a nomajlo inte
ria, qne fiz do screvento de l. classe Goojalo Athico Leite para amanuense da
secretaria, at que hja concurso para proviraento, visto ter o bacbarel Manoel Mo-
rcira Dias ped lo exonerajlo do lugar.
A 19 de Fevereiro foram reduzidas duas as tres secjSes do almoxarifado,
de conformidade com o decreto n. 7561, de 6 de Dezembro de 1879, e recommen-
dajlo do inspeeior do arsenal, ficand o guarda da 2.K scelo extiocta, Miguel An-
tonio da Costa e Silva, addilo ao dito almoxarifado. at que hsja vaga, segundo pre-
ceiia o art. 4. do citado decreto.
Durante o anno passado funecionaram com a maior regularidad^ as aulas de
primeiras lettras, geometra e desonho, doutrina chratl, msica e oxercios de gim-
nstica.
Na forma do reguiamento e per autorisajlo d'esta presidencia, teve lugar
em Janeiro ultimo a transferencia para a companhia de operarios militares dos apren-
dizes artfices, que attingirara a idade ou que pelo seu desenvolvimento preooce nlo
podiam permanecer na mencionada companhia em numero de .12, os quaes se achara
aggregados dita companhia de operarios militares, at completaren! 26 annos ou
terem outro destino, conforme ordenar o governo.
As vagas abertas na companhia de aprendizes artfices foram preenchidas
na mesma data, por menores as condigoes do regulamonto*
A companhia de operarios militares, cujo estado effectivo de 25 praca.",
est completa, e a de] aprendizes artfices est tambem completa, sendo seu estado
effectivo de 50 menores. Tanto urna como outra slo bem dirigidas.
Para animal-as no estudo e na applicajlo ao trabalho das officinas, o direc-
tor destribuio medalbas e mensSes honrosas de premio, no fim do anno passado, aos
qua se mostraram dignos de merecel-as pelo seu comportamento e aptidlo,
A enfermara dos aprendizes artfices, com quanto pela sua posijlo nlo le-
nta as condijoes hygienicas exigidas para estabelecimento de tal ordem, todava,
attendendo ao pouco numero de doentes, que a frequentlo e a pouca gravidade,
em geral- das molestias e ainda mais ao rigoroso asseio, que mantido, preen-'bc-
perfeitamente o fim, que destinada.
O seu movimento durante o anuo passado foi o seguate:
Existiam............ 3
Entrarm c....... 73
Sahiram............ 74
Ficaram............ 2
O arsenal contina a dar meios de subsistencia a muitas familias necessiu-
das, encarregando-as da manufactura do fardamento, que fornece forja de linha
nesta e as provincias visinbas.
Duas outras offi.-inas tambera, nlo obstante faltar-Ihes apparelbos, quo as
constituam em condijSes de aperfeijoamento, coratudo slo aproveitadas quanto possi-
vel e prestara importantes servijos.
E' sensivcl a necessidade, que tem o arsenal de um escaler para o traes-
porte martimo de fornecimentos, que receba ou conduza a bordo dos navios e raiis
servijos militares.
ARSENAL DE MARINHA
Contina na inspectora desta repartilo o chefe de divislo Jos Manoel
Picanjo da Costa.
O director das officinas de machinas, Domingos A. Ferreira Bastos tendo sido
3 de Agosto removido para idntico lugar no Arsenal do Ladario, em Matto Grosso,
foi substituido pelo Capitlo Tenante Francisco Augusto de Paiva Bueno Brandlo, quo
assumio o respectivo exercicio era 27 do mesmo mez. t
Por decreto de 16, tambem de Agosto, foi aposentado o almoxarfe Francisco
de Paula Rodrigues de Almeida, sendo nomeado para esse lugar Manoel Hugolino Po-
reira Giraldes, que assumio o cargo em 14 de Outubro.
Coostruiram-8e no Arsenal durante o anno passado uraa catraia de 8 reraos
com a competente mastreajlo para a Capitania do Porto da provincia do Piauhy, uraa
balieira de 4 remos para a repartilo de saude e polica do porto e um escaler de 12
remos para a armada e o patacho Qniararape, que, destinado Escola de Aprenlizes
Marnhp.iros da provincia do Maranhlo, foi 25 de Janeiro lanjado ao mar.
. Esto em andamento uraa balieira para a Capitana do Porto da proviu io-
do Cear e um escaler de 8 remos para a armada, alm de multas obras e cotice: t
qne se fizeram.
Precisa muito para aeu servico de urna Lincha a vapor.
O Arsenal tem proporjd'es para ura importante estabule--intento, e podi vira
prestar muitos servijos a armada nacional. Para isto, porm, dependo de concertos e
reparajSas e mesmo de obras novas para que nlo fique perdido o capital que alli tem o
Estado empregado.
Durante o anno fiado estveram fundeados no Jamarlo e porto desta t- lado
OS seguintes navios de guerra : Corveta austraca Saida, Cruzador Almirante Barroso.
Cruzador 1.a de Matyo, Cruzador Imperial Marinheiro, Corveta Quarany e Transpor-
te Puruz.
ESCOLA DE APRENDIZES 1URINHEIR0S
Esta escola tem o sen aquartelamento em um proprio nacional sito no lernto
do Arsenal de Marnha, e commandada pelo Capitlo Tencnte Joaquim GonjaUts
Martina.
O estado effectivo de 144 menores, faltando para o completo do sua !ota-
jlo que de 150 prajas, 6 aprendizes.
As aulas de instrucjlo primaria funecionaram cora regularidade e nos exa-
mes finaes foram julgados dignos de recompensa, 17 aprendizes.
O estado sanitario foi satisfactorio, pois nlo se deram casos gravea de
molestia.
No porto, em frente ao quartel, est fundeado o patacho Pirapama comple-
tamente apparelhado para o ensino pratico dos menores.
Durante o anno passado foram remettidos para a Corta cora destino ao Corpo
de Imperiaes Marinbeiros 81 menores que atiingiram a idade de 18 annos.
(Continuar te-ka )
EM ADDITAHBST) AO EIPDIESTB CO DIO. 23 DE JEVE-
anao pe 1886
Oficio :
Ao joiz municipal e de orphaos dos termos
de Palmares e Agua Preta.Remeti a Vmc. co-
pia do aviso do ministerio da agricultura commer-
cio e obras publicas de 9 do <* rrente, afiuo de qne
informo sobre a libertacao de Luiza, que na clas-
sificcS) app ovada por esta presidencia tem a
idade de 22 annos, e na reanlo organisada p. r
esse joizo figura com 52 annos, providenciando
neste caso como determina o dito aviso, e declare
qual a idade do Balbino libertado no mesmo muni-
cipio sob n. 10.
BXPBDUun do da 25 os rEVB*EiBo de 1887
Actos :
O presidente da provincia resol ve ezonerar,
por ter sido nomeado juiz municipal o hachare!
Astt iro Matbias Pendra da Costa do cargo de pro-
motor publico da comarca de Ourioury, e Hornear
para substitoil-o o bacharel Lola Affjnso de 01 i-
veira Jardim.
O presidente da provincia de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de polica cm officio
n. 175 de 21 do corrente, resol ve noinear para os
lugares vagos de 2* e 3" suplientes da 2* delega-
da do termo de eriubaem os cidadaos Jos VVen-
ceslu Regueira Pereira Bstese Joaquim Baptis-
ta da Coneeieao.
O presidente da provincia de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de polica em o officio
n. 177 de 22 do corrate, resolve nomear os cida-
daos Antonio Rufino de Mello e Silva e Jos Ma-
ra de Sauz* para os lugares de 10 e 2 supp'.en
tea do subdelegado do distrcto de P. co do termo
de Pes^ueira, em aubstituicio de Jos Francisco
Alves e Miguel Beserra Cavalcante qne nSo aa-
ceitaram a usmeacao.
O presidente da provincia de conformidade
com o que propoz o Dr. chefe de polica em officio
n. 182 de 23 do crrante me, resolve exonerar do
cargo de delegado do distrcto de Correntes, na
comarca de Garaubou;, Eugenio Villes de Mel-
lo, e nomear para snbstitoit-o, ao altores do corpo
de polica Ignacio Vcspasuno Augusto F<-r.eira.
Commouicov-so no commandante do corpo de
polica.
Officio-:
Ao Dr. chefe de polica.Declaro a V. S.
ecn respocta ao seu officion. 15'), de 15 do corrente
mea que, logo que tit possivel, serio augmentadas
os destacamentos estacionados as villas de Bui-
que e da Pedra.
Ao brigadeiro commandante das armas
Deferiudu os requvrincntos das pracas do 14* e
14* batalboes ae infantam Julo Deodato da Sl-
veira, Leonel de Bous* Ferraz e Marcolino Ja-
nuario Pereira, autoriso V. Ezc. i vista das suas
nforn.ayoei os. 9, 100 e 10a da 2i e 23 do car-
rente a conceder-lhe biiza d servico dv ez relio,
mediante substitutos.
Ao desembargador procurador interino da
Cora, Soberana e FazenJa Nacional Sirva e
V. Ezc. de emttir srn pirecer acerca da m-ln-
sa representsclo do collector daa rendas geraes no
municipio de Panellas, com referencia ao facto de
uilo ter podido requerer arbitramento d>s escravos
ltimamente alli classiScadodos, por se ter reti'a-
do do t-imo o respectivo juiz municipal e de or-
phaos, sem haver passado o ozpediente a nenhnta
dos supplente?.
Ao inspector interino da Thesourara de Fa-
zenda.Par os fus convenientes, decUtj a V-
que o 1 supplente do juiz municipal e de Tphlos
do tormo de Timbaba, Simio Velho Pereira fW-
ba, assumiu no da 14 do corrente mu o exercicio
da vara respectiva p. r ter o juiz municipal efi.c. 7n.
bacharel Bellarmino Quedes Correia Qondim, aa-
somido o da vara de dreito.
Ao mesmo.Declaro a V. S para os devi-
dos fins. qne hontem, por motivo de molestia, o 2*
ja?s substitoto d enmarca do Recfe, bacharel
francisco Odilon Tavares Lima, passou o ez.-rci-
ci de seo cargo ao supplente respectivo.
Ao mesmoRemato a V. S. prtt a devida
eieeuelo, copia do aviso de 5 do correte u. 191
expedida pelo ministerio da manuha com reforen-
ca a quanfifs prtencenti a a nove apr-'ndzes rca-
! rinheiros disertores da escola n. 6.
Ao mesmo.A vista doqueezp z e solicotou
o brigal'iro commandante das armas em oftu-i) n.
101, de 22 Jo crrente, soloriso V. 8. reinee.idir
o contracto feito por essa Thesourara com o fcoar-
macentico civil Jesuino Egypciaco de Lima Mau-
ra par* servir na pharmaca da e.iferm.-.ria m-U-
rr.Commonicoo-se ao brigadeirn eommandmile
das armas.
Ao capitlo-tenante cemuian laite da escola
de aprendizes marinheiros.Mande Vm*. alistar
nesta companhia,* se es'iverem aptos, os mn. re
Jeremas Fertsira d>-s Aigas e Jos Jorge de
Ath^yde, ex-edueandos da Colonia Orphini-logoa
Isabel.
Ao mesmo. Respondo ao c-fficio de 2d do
corrente, declaraudo a V. S. que, se o meaor
' Anacido Alves de S'oza for julgado apto, dever
| ser alistado na escola sob seu commando, P' r 'er
i sido, na qualidade de desvalido, recolhido 1IW*-
| nia Orphanoogica Isabel, oude nio pode conti-
nnar.
l Ao director do Arsenal de Guerra. Auto-
riso Vmc conforme ^licita em s/u ufio-ou o. oi,
de'16 lo eortvne, a c mprar ad.iiii.wtrativam. nte
os vinte compendio, de leitura. de qne. trata o es-
tado offioia, visto nao os haver no linozamado
esse Arsenal. -C.-mmuaicuu s.. Thcuran* de
F.renda e ao bngad-iro cm-nhnil.ntfi ds to>
jatwUi i o in


mas.
A mesmo. Manda Vmc


Diario dt PernambucoQuarta-I'cira 16 de- Marfo de 1887


cluso pedido de artigos da tardamente, qae pira
sea uso fax o alferes do 3.* batalbo de infaa'a-
ia, Antonio Valeriano dos Santos Nevea.Coa-
m uuicou-se Thesauraria de Fazenda.
Ao- Dr. jai deafeitoi d* fazenda.Em vis
ta do que expos me Dr. Ja-iquim Corii de
Araujo, em offiei de 14 d<> corrate, remetto a
V. 8. o mesmo offijio, por iv, afiuo de que, em
observancia ao que p-eceiia o art. 24 do regala-
mente n. 124 de S de Feveruro da I84i, gejim.
me prestados os eacWeciini utos areeisns, bem
como as raides pela qn is sa julgn coaqiati nte
para conheoer da restitwca podida, pelo DK Jos
Ventura dos Santos R-te Juaiaat e asa mulhar, soto
pretexto de terem pagn xb do Ux* osase le-
torios de usofructo no iasaatario do esas asen -
dor Manoel da 6 i loa Santos.
Ao inspector do-Biia Provincia*. Dj
exposto no officio de Vasa,, mo, n. 406, venfic-s que av desigoacao de em-
pregados desse Thesoaro para, fra da hora do
expediente, faxercm a liquidaco e extrabinm as
respectivas contas de debito proveniente do im-
posto de calcameato. a itonsa Jo pelo art. 6 da
lei do orcamento vigente, trouxe um accresciuio
d? despezas para a provincia, at agora conheei-
do, 4a 7:7 9A63, eeudo desta quautia j pagoi
2:144038 proveniente da poreentagem de 10 por
cento pTu.bid* poloa ioe*inue omp -egadoe.
E, como nao coasta que haj falta da pessoa!
para o servio> a cargo do Consulado e do Tliesou-
re, podi-udo de qualqner destas repartidas s.-r
comamsionados empregadoz parm servico de na
turezn especial tendente arrecadaco das ron-
das, p-roebeodo os ditos empregados os venci-
meutos propries, sem accrescimos, recoaiaieulo-
Ibe qae deixe de fazor uso, d'ora em diante, da
autorisaco contida no mencionado artigo de I -i,
quanlo s porcentagans Mneme, porm sem pre-
ja'.zo do servico, que a nao ser feito peloa entale-
gados a qne pertence, Ymc. trar ao raen omhe-
cimeoto oa motivos da falta, encsrregaudo entilo
outroa de o desempenharan.
E uestes termo, confio que o tmbalho se fa:
com a raptos actividad*, ge nao f6r posevcl
maior, independrnto de mais esse accrescimo de
despezas com reinuneraco a fuuccionarios j re-
munerados para esa mesma especie de tr -
balbo.
Ao engenheiro encarregado das obras mili-
tares. emetto a Vm3. a inclusa ptica i dj Joa-
quim Jos Silveira, consenhor do predio eu? que
taneeiona o quartel-geaeral do commaado da ar-
ma, acompanhada da informacao prestada pelo
inspector da Thesouraria de Paseada, de 22 do
correte u. 404, afim de que eff ;ctue o orea-
ment dos cencertos de qa; carece o mencionado
predio.
Per occaaiao de serme remettido o dito orca-
mento, Vmc. iari acompankal-o dos documentos,
qae ora Ihe envi.
Ao eogenhiro ebefe da Repwtico das
Obras Publicas.C'impre qae Vmc. verifique ee
nao se presta melhor a amiga casa da guarda do
palacio para o mir-ter a que allude o scu officio de
11 do corrente, sob n. 28.
Ao commandante do corpa de polica.Oon-
vem que Vmc. preste informacao acerca do preco
e quantidade das barras de que trata o eoge-
nheiro chefe da Repartico das Obras Publicas,
em officio n. 39, de 17 do corrente mes, e se
possivel, sem inconveniente, ser, por emquanto,
mais limitado o pedido feito por Vmc, em officio
de 16 le Dezeinbro ultimo, n. 1.076.
praticadi p>r Al^xaodrc de Morsas Silva, trans
mirto por copia, o parecer, qae sobre o aasompto
emittio o desembardagor Procurador da Cor*, S.-
berania e Pascada Nveioasl-
Ao director de Arsnal de Guerra.Autoriso
Vmc, c informe solicita em. sea.officio n. 884, da
17 do crente a comprar adiniuistrativ.imute 4
caldeiras de trro cbm destino ao rancho di com-
paobia d infantera da pr jviacia da Parabvba,
vj.U uao tet appic^cido coucorreute ao torneci -
isa til i ,11 rae cal Jairas.Coinmuuijou-M a The
sountnav de Siiavisssii
Ad Tbasrwra Provioeal. Pico smete pelojj
offiea'de Vme. de- 28 do corrente, a. 405, a qi*
acoaaosnhou uiflis certiiiao de bavar sido re
eolbida ao Banco do Bruzil, p- lo tbesenreiro das. s
taes, publicados pela imprensa, praxis de 30. 60
e 90 das, cu como I6r mais rasoavel, no sentido
d: conciliar-se a urgencia do servico publico cora
a possibilidade de concorrer maior numero de pro-
ponentes.
A' direetnria da Associacao Commercial Be-
neficente. Cmmunico a V. 8. que o Ministerio
da Agricultura, ominercio e Obras Publicas, se-
euu 11 declarou .-m aviso de 15 deste mes, sob n.
7, e em soluva i a repeeseatacao dessa Associacao
autorbou de*J 14 Ue Oujthrot do anno passado,
so aviso oincular iri^i lo ao director engeuheiro
eaafti da >stra eoiai iesta-^rimiartai de propriadade da estrada,
jmduocao jjejil* rwi pie,' >s de traasp>rtc de as
de ris, tffdctuada at o ultimo da J.aeiro prxi-
mo passado.
Ao mesm-*.Mande Vmc. envegar aothi-
soureiro da reparticao das Obras publicaaquan-
tia de 4:912lbY> disonada s despesas de obras
ejecutadas por admiuistracao no mes de Janeiro
ultim> constanttta do pedido jon'.o.C nninanicou-
so as Obras Publicas.
A ropaitieao das Obrtia Poblica K-uura-
meado a Vmc. que examinando a abertura du um
cano de exgot exisventa ra 1- di Marco, pr-
ximo a ponte 7 de Setembro intorm-s svbre o tapa-
mente ditquuUa abertura por meio de u*ua chipa
de ferro, coma se t<-m fuito em oatros, correado a
despesa por conta da provincia oa i. costa do par
ticulares que a ism se prestam, seguudo e:4 esta
presidencia informada.
Aa juis de pas presidente da junta d* alista-
menta militar da paroebia de Moeaa 8enbora da
Cuuceicao de Alaga do llaixo.Declaro u Vmc.,
em resposta o s u offic de 6 do crrente, que,
segando consta de informacao do cbafe de polica
de 24 deste mex, sob n. 187, foram du novo dadas
aa preeiaas ordena noneutiio de Iba strem torne-
cidae as listas de que trata o ctalo officio.
Portaras :
O r. superintendente da estrada d* ferro
do Itoeifii ao 8. F-auiaco maude dar pissogem
at Una por conta das gratuitas, em carro de
3* classe qaamlo lbe Jorem apreseutados, ao cri-
minoso Manoel Jos no termo de. Afogados ds Ingazeira, e as pracis
do 14* b.ttalbo de iifaotaria c-.b> Antonio Sja-
res da Silva Loliata e saldado Antonio Nuaes de
Magalb&cs qae o vio eteultando.QommunicoU'
se ao general.
Mutatie muindis ao 8r. encarregado da es-
tacao do Prolongamento para o transporte das
mcsinaa pracas e criminoie de Una Canbo-
tinho.
O Sr. superintendente da estrad i de farro do
Secife ao 8. Francisco mande traosportsr gra-
tuitamente, em earro de 3* classe da esacao das
Cinco Pontas a da Escada a Jos Correia da
Silva.
BXPEDIEKTB UO SECBBT4BI0
A Tbesoureiia du paseada.O Exm. Sr. pre-
sidente da provincia manda devolver a V. 8., de-
vidatnente asignados os 16 ttulos e 5 apestillas,
relativos a terrenos de mariuha a que se refere
essa inspectora tado.
A agencia de paquetes.8. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, cuu inteiradu pelo officio
__ A. mesmo.Para satisfasar urna requisictlo de 22 do correle, de qae o vapor Espirito-Santo
do Dr. cue de polica em offiuio n. 181 de 23 do', entrado s 6 horas da mxnhS deese dia, dos p ir-
corrente mes, faea Vmc. seguir para o termo de
S. Beato o tenente Francisco X ivier Camello Pes-
soa, que foi nomeado delegado do leferido termo,
e para Oravat o alferea Jos Nicolao Ptrreira
Gomes, subdelegado nomeado para aquella dis-
tricto.
A' junta classificadora de escravos do munici-
pio do Recife. -Teado me participado o 1 promotor
d'esta capital, em officio de buje, acbar-se oceapa
do as stssoes do jury, determioei ao 2 promotor
publico qae o substitu nos trabalhos da junta
classificadora de escravos d'este municipio.Com-
muoieou-sa ao 2* promotor publico da espita1.
Portaras:
O ->. agente da Companbia Brasileira de
Navegaco a Vapor faca transportar provincia
da Parabyba, por conta do Ministerio da Querr,
ao vapor Cear, esperado do sul, o desertor da
eompauhia de infantaria d'aquella pro riocia, Her-
menegildo Valdivino de Sant'Aona; e bem assim
o cabo de esquadra Manoel Beserra ds Lima, que
o vai escoltando.Ct-mmunicou-se ao brigadei
ro commandante das armas.
O i. gerente da Companbia Pernambucana
mande conceder paasagens de r at ttio Formo
so a Gaspar Costa Luisa Amelia, pjr conta das
gratuitas a que o goveruo tem direito.
XXOPBOIEVrE DO DB. SSCBBT-KIU
Officios :
Ao Inspector do Tbesonro Provincial.O
Ex n. Sr. presidente da provincia manda commu-
nicar a V. 8., para os devidos effeitos, que n'esta
data preferio o srgaiote despacho na petico de
recurso de Beruet&C, sobre a qaal iuformeu esse
Thesouro em officio n. 432 de 12 d'este mes.
Neg provimento ao recurso pela naturesa do
imposto de gyro, conforme deeiso j dada p r
despacho de 11 do corrente, em recargo st-melban-
te de R. da Drasiua & C, porque nao procedeo-
te a allegacao da inconstitacioaalidade de urna
lei, para que esta deixe de ser cumprida. Consti-
tucional ou nao, a lei sempre lei, emquanto nao
revogada pelos tramites regulares.
Ao mesmo.De oidem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia communico a V. S. que, em
peticao de Idalina Alcoforado Cesar de Menezes,
viuva do professor publico da cadeira de instrac -
cao primaria de 8. Liurenco do TVjaeupap <, Lou-
renco Laareutino Cesar de Menexes, foi hojo pro-
ferido o despacho seguate:
Tendo sido sapprimida a escola a que 8 sup-
pcante se refere, na coaformidade do art. 37 do
regultmento de 6 de l'evereiro de 1885, e nio tra-
zendo, por isso, gratificacao inhereute ao emprego
a que allude o art. 4 das iostruecas de 17 de Ja-
neiro do correte anno, nao pode ella ser percabi-
da pella supplicante. A gratificacao que a lei
concede a mesma do emprego, e nao outra cor-
respondente, pelo que, n& ha vendo emprego, tam-
bero deixa de haver gratificacao.
Uulais mutcmdi* ao Dr. inspector geral da
InstraccAo Publica.
Ao mesmo.-Da ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia communico a V. 8., para os
devidos fina, que em peticao de Mariaona Augus-
ta de Mello Rodrigues, Mara Carolina Nunes Ro
drigues e Domiciana Materna Nuneu Rodrigues,
viu.-a e filhas do professor publico da 3a cadeira
da treguezia da Boa-Vista. JoSo Jos Rodrigues,
foi hoja proferido o despacho seguinte:
Tendo sido supprimida a escola a que as sup-
alicantes se reterem, na coaformidade do art. 215
do i*galamente- da 6 de Farereiro de 1835, nao
bavendp, pos isso, gratifieaeo inherente, ao em-
prego a que alinde o art. 4' das instruccoes de 17
de Janeiro do corrente ana, nao pede ella ser
percebida pelas sapplicaatea A gratificacao que
a lei concede a mesma do emprego, e nao outra
ocrespeadente, pelo que, nao haveodo empoego,
tambem deixa da haver gratificacao.
Mutatis muiaadis ao Dr. iaspeeter geral da
lastracco Publica.
Expaonnrra no da 26 oa ravaaauo
Officios :
Ao presidente da provincia das Alagoas.
A vista Jo que expoe o Dr. cete de polica, no
officio junto, por copia, datada de 23 do corrite
raes, soba. 180,rogoaV. Exc. que se digne de dar
aa aeceaaaziaa providencias no sentido de seram
capturados diversos eriminoaoe na corncea de
Bom-Conselbo. que se aeham acontados no termo
de Qaebraogufo deesa provincia.
Ao Dr. chefe de pollcia.O bacbacel Teles-
pboto Gomes de Araujo, ex-jaia substituto de
Iguarass, veio perante mim qoeixar-se de qae
boatteas, em caminbo para aquella villa, fra sem
motivo detido desde a 1 l\2 hars da manb i 2
da tarda, pelas pracas Jos Patricio Nebray Ma-
noel Jeaquim de Saut'Anna e Mano'I Frauusco
liara, de ordem do subdelegado, em exereieio. de
Maricota Theotomo Amancio de Souza Casal-'
cante.
Becommeado a V. S. que verifique os motivos
deete facto, e traga ao meu eonhecimento o que
Ihe constar.
Ao inspector da Thesouraria de Faseada
Tendo o jais municipal o de orphaos do termo de
Bom-Jardim bacharel Vicente Perera do Rogo,
passado no dia 16 do crrante, por motivo de
molestia, o exereieio de sen cargo ao respec-
tivo 1- supplenU-, tenente Bernardo Gomes-de
Moora Coatiabo, assim o communico a V. 8. para
os Sos coavenientes.
AoJuis de direito da comarca de Taqoar-
tiaga.Em solueo da consalta feita por Vme. em
oficio de 27 de Janeiro ultimo, 'acerca do proce-
oimeate do jai* muuieipal e da orphaoa do termo
de Taquaretioga, julgando a preseripcio do crime
tos do norte, seguir s 4 da tarda de 27, para os
do sal.
EXPEDIEHTE DO DU 28 DE FEVBEClaO DE 1887
Actos:
O presidente da provincia attendendo ao que
roqncreu Cosme Augusto Perera da Luz, proles-
sor da cadeira de eusioo primario de 8. Jlo dos
Pombos, teado em viste a informacao n. 43 de 5
do correte mez do inspector geral da Instruegao
Publica, e i parecer da junta medica provincial,
resolve conceder ao peticionario 3mezcs de licon-
ca, com ordenado, para tractar de ana sande, onde
Ihe couvier.
O presidente da provincia attendendo ao que
reqaereu Ephigeoia Mara de Almeida Goniaa,
professora da cadeira de ensino primario da Ver-
tentes, tendo em vista a informacao n. 20, do 18
de Janeiro rindo, do inspector geral da iostrueco
publica e o parecer da junta medica provincial
resolve conceder i peticionaria 30 diaa de lice.no>,
eom ordenado, para tractar de sua saude onde
Ihe coavier.
O presidenta da provincia uttendeudo soque
requeren Adolpbo Astolpbo Lins da Albuquerque,
profe3sor publico da ensino primario oa cid-ida do
Cabo, resolve prorngar por 2 m -es, com metade
do ordenado, a licenca ltimamente concedida ao
peticionario.
Officios :
Ao ministro plenipotenciario em Londres.
Envi a-V. Exc. conforme as ordens em vigor, o
balanco da receita e despeza da estrada di ferio
do Recife ao 8. Francisco, ao qual vio anuexos
o deseavolvimento respectivo e copia da acta da
sessc em que os coininissarios da goveruo liqui-
dar m as contas re tt i vas ao mez de Janeiro ul-
timo.
Sirvo me desta opportanidade p ira reiterar a
V. Exc as seguraucis de inmba elvala consila-
raedo.
-^ Ao Dr. chefe de polica. Declaro a V. S.,
para os fins conveoieuies, qae fica aoprovada a
proposta constante do sea uffiuio o. 1J8, de 24 do
corrente mes.
Nesta date expeco or-lein ao c mmandante do
corpo de polica para que providencie no sentido
de ser a torca policial distribuida peta modo alli
indicado, sendo os destacamentos as comarcas da
provincia constituidos com o numero de praoaa B-
xado no quadro annexo ao citado officio.Commu-
nieou-se ao commandante do corpo de polica.
-y Ao inspector da tbesoararia de Fazenda.
Tendo eu em 5 do corrente concelido provisoria-
mente e sem venci-neoto algum 3 meres de lioen-
ca ao bccbarel Manoel Femandes de 84 Antones,
professor substituto do curso aunexo Faculdade
de Direito d> Recife, o goverao imperial dea so-
lucio ao assumpto pela expedicao da portaria jun-
ta que para es ns convenientes transmiti a
V. S.
Ao mesmo.Declaro a V. S., que o Ministe
rio da Agricultura, Commercio e Obras Publicas,
approvou em aviso de 17 do corrente, sob n. 10,
o contracto celebrado pelo engenheiro encarrega-
do das obras geraes com Jos Joaquina da Arau-
jo para e fornecimeno de pedras c'e cantara ne-
cessaria construccao dos pilares da ponte Buar
que de Macedo.Commuaicou se ao engeuheiro.
Ao presidente do Instituto Archeologico
e Geographico Pernambucano.Transmittindo a
copia inclusa da circular de 18 do corrente mea,
do Ministerio dos Negocios do imperio, espero qne
V. Exc. prestar oa esclarecimeotos que cstiverem
a seu alcance, e dos meiobros a'esse Instituto re-
lativamente s inscripcoes qae inclusive, as lapi-
dares das igrejss e as dos cemiterios quando se
cefiram a pessoas notaveis, se encootrarem ou j
tenhara sido copiadas por ease Instituto, afim de
remetter-se BibHotheea Nacional.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
Respondo ao officio n. 194 de 24 do crrante
mes, deelarande a V. Exc, que fica autoiisado o
azcesso de crdito na importancia de 100', A ver-
baCoito Divinoafim de oeoorrer at o fim do
i exereieio vigente, s despesas constantes de sen
predito officio.
Ao director do Arsenal de Guerra.Appro-
vo o precedimeoto de Vmc, conservando deposi-
tados os 8 caixoes que contem o calcado tornecido
ao corpo de polica por Diog Augusto dos Res.
Os ditos caixoes devem ah conservar-se depo-
sitados at segunda ordem, que brevemente lbe
ser dada, com relacao entrega do mesmo cal-
cado. Assim fica respondido o officio de Vmc, n.
900, datado de 25 do eorrente mez.
Ao mesmo.Mande Vme. foroecer ao 2' ba-
talno de infantaria, com destino respectiva es-
cola regimental, conforme determina o Ministerio
da Guerra em aviso de 17 do corrente, os artigos
mencionados na inclusa nota de 8 d'este mes, or-
ganisada na repartico do Quartel-mestre Gene-
ral. Communicou-s Thesouraria de Fazenda.
Ao inspector do Tbesouro Provincial.Em
solucao ao officio n. 456, de 24 do corrente, auto-
riso Vmc a abrir nova concurrencia, nos termos
do art. 70 do regulamento de 8 de Novembro de
1873,-com o praso de 8 das, para o fornecimento
de fardamento ao corpo de polica, visto ter sido
rescindido o contrato celebrado com Simplicio da
Silva Coelao.
Declaro que fica sujeito approvacio d'este
presidencia, nao c a deliberarlo do respectivo
conselho quanto aceitaco das propostas, mas
tambem quanto da mereadoria na occaaiao da
entrega, devendo as pmpostas vir aoompanbadaa
da competente amostra e o fornecimento de um
exemplar da mereadoria.
Convem que Vmc conceda nos respectivjs edi-
w
lo dos Santos, preso em fisgante por tentativa de
morte.
Deas guarde a V. Exc Illm. e Exm.
Sr. Dr. Pedrj Vicente de Azevedo, muito
digno presidente da provincia. O chefe de
polica, Antonio Domingo Pino.
loteras para runda daemancipacio e a educacao
de ingenuos da Colonia Isabel, a eredito dasta
provincia, a qnantia de 38:000* provnicnta das
venda de bilhetes da lotera- de 4 mil contas a Faospeisa. Deelaeo a Vmc. qae segundo a
MutatU nttandit Asssciaeo Agrcola e
Seciedada Aoaiadoi* da Agricultura.
A' diaMsaria da estrada de ferro de Ribeira
avia drj Ministerio, db Agrieultura, Goasmereio
Obras Public.s de 19 deste mes. so'o n 11, foi
autorisado em additameoto ao aviso de 10 de Ou-
tubro ultimo, n. 20, o aba ti ment de 50 | no
frece do carvo destinado a essa estrada de ferro
e transportado nos trens da estrada de ferro do Re-
cife ao S. Francisco, da conformidada com a m-
fornucSo do superinteadentc deste estrada da ferro
e do respectivo eogenheiro fiscal.
Mutatis mutandis ao fiscal da estrada de
ferro do Reeife ao 8. Francisco.
Ao 8. Samuel Wo'f encarregado do coo-
sulado da repblica Dominicana. -Acensando ter
recebido o officio de 2 > do corrente em que o Sr.
Samuel Wolf me partieipa ter assumidoa gerencia
do consulado da repblica Dominicana por haver
fallecido 14 deste mez Sr. Sally Wolf encar-
regado do mesmo consulado, declaro ao Sr. Samuel
Wclf qae, nesta data, d, u cooheeiin.'nto dessa oe
curreocia r estagoas competeates.
Aproveito o easejo para apreaentar ao Sr. Sa-
muel Wolf as se^uraiicaa de minha perfeite esti-
ma e consideraba i Fzeram-se as devidas com-
muiiica co m .
Ao commandante do corpo de palici i. Ao
Dr. chefe de policii maude Vmc. apresentar, no
dia 2 de Maro* prximo, duae pracas afim de es-
coltaren) um reo at o termo de Ipojuca.
Ao Dr. Francisco Isidoro Barbosa Lge.
Pelo officio de 12 do corrente tico inteirsdo de ha-
ver V. S. naquella data prestado juramento e as
sumido o c-irgo de secretario dessa provincia.
Aprsente a V. S. es meas protestos de estima
e consideacSo.
Portaras :
O Sr. engeuheiro chefe das obras da estrada
de ferro do Recife a Caruar sirva -se de mindar
conceder passagem de 3* classe por conta da pro-
vi ncia at a cidade da Victoria, de ida ao cabo de
esquadra Manoel Ferreira de Oliveira, e de volt
ao cuto de esquadra Franeisco de Almeida Cj,
conforme reques'ta o brigadeiro commandante das
armas em officio de hoje. datado, sob n. 110.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco mande dar passagem de
3* classe da estacan de Cinco Pontas a de Ip >jaea
por conta dae gratuitas a quo o governo tem di-
reito, ao preso Joo Srsphim da Silva e a dnas
pracas de polica, providenciando igualmente so-
bre a volta das mreraas praoar, quando se apre-
ssntarcm da ec tac lo das C'neo Pontas a de Ipo -
jues.
EXPED1EXTB DO DB. 8E0BJITABIO
yOfficioa :
Ao inspector da Theeo iniria de Fazenda.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda remet-
ter a V. S. qu.tro ordeos do Tbesouro Nacional
de ns. 18 a 21, e bem assim doas do Ministerio
da Guerra, de 17 do corrente.
A' agencia da Companbia Brasileira. De
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia aecuso
o recebimento do officio de hentem, na qual V.
Exc. participa ter ebegado s 6 hoias da manb
dos portos do sul o vapor Baha e seguir para os
do Norte boje, s 5 horas da tarde.
Edital:
rVr este secretaria sa declara ao S.-. Osear
Deatibeaox de ordem do Exm. Sr. presidente da
provincia, que acham-se na mesma secretaria
para Ihe terem entregues os documentos coja de-
volacao requereu ca Novembro -ultimo e vieram
com o aviso do Ministerio da Agricultura, Com-
mercio e Obras Publicas de 17 de Fi vereiro cor-
rente.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 14 DE
MARCO DE 1887
Antonio Eremita de Santiago.Sun, pagando
as comedorias.
Argemira Guilhermiua Faltosa Brgekeufeld.
Concedo mais tres mtzes improrogaVeir, visto a
supplente estar uo goso de licenca desde 6 de Ou-
tubro de 1885, e nao ser licito que este estado
continu indefinidamente
Augusto Zichunas de Ges Telles.EncaroI-
nbe-se, deveodo o supplicante pagar o porte na
ReparticSo dos Correios.
Bartbalomeu & C. Sazcessores. Aguarde o
eredito que luje oclicita se do* Ministerio do Im-
perto.
Commisso administrativa da irmandade do Sr.
Bom-Jess das Dores em S. Goncalo da Boa-
Vista.Ao Sr. brigadeiro commandante das ar-
mas para tomar em consideraco, nao bavendo
inconveniencia .
Francisco Tavares da Silva Cvalosnte.Ejo
vista da informacao do Thesouro Provincial nao
ha que deferir.
Gerente do London and Brasiiian Bank Limi-
ted.Deferido com o officio desta data ao The-
soaro Provincial.
Hilario de Athayde Vasconcelios.Iodeferido.
Major Justino Rodrigues da Silveira.Forne-
c-se.
Capitao Joao Justiniano da Rocha.Seja con-
certado.
Joaquim Jos dos Santos.Informe o Sr. Dr.
jair de direito do 2 districto criminal do Recife.
Joo Luis de Oliveira.Sim.
Jos liento de Oliveira.Icforme o Sr. Dr.juiz
de direito da comarca de Caruar.
Manoel de Figueira Faria ot Filhos. Iafjr-
mc o Sr. inspector da Thssouraria de Fazenda.
Mara das Mercs Garcia Chaves Como re-
quer.
Svmpbronio de Moura Barros.Sim, nos ter-
mos do Decreto n. 4484 de 7 de Marco de 1370.
Capitao Vicente Ferreira de Sant'Anna.D-
rija-oe as commandante superior da guarda na-
cional da coma re de Cimbres.
Se-retara da Presidencit de Pernam
buco, em 15 de Margo de 1887.
O porte iro,
Francelino Chacn.
Repartico da Pelleta
Seccao 2.'N. 263.Secretaria da Po
iicia de Pernambuco, 15 de Margo de
1837.-Dlm. e Exm. Sr.Participo a
V. Exc que foram rccolhidos Casa de
OeteDc2o os seguales individuos :
A' ordem do Dr. delegado do 1* districto da ca-
pitel, Dionisio Jos do Espirito Santo e Joaquim
Jos da Silva, por disturbios.
A' ordem do subdelegado do Recife, Mano d
Gregorio do Espirito Santo, Antonio Diaa de Li-
ma e Thomax d'Aquiuo, por uso de a ratas de-
fezas; Deolino Francisco Coutinho, ManoM Jos
Deodato, por disturbios; e Antonio FssWra de
Araujo, por offensas moral publica.
A' ordem do de ';anto Antonio, Joaquim Ale-
xandre da Silva, Rita Mara da Conceicao, Joo
Rtymundo Nonato, Lniz Machado de Araujo e
Joo Manoel do Canso de Santa rsula, por dis
turbios.
A' ordem do do 2" districto da S. Jos, Anto
nio, escravo de Franeisco Cadete, por distur-
bios.
0 delegado de Quipap, em officio datado de 9
do corrente, commuaicou -me qu i no dia 6 d'este
mes, no sitio Piles, do 1 districto d'aquelle ter-
mo, Antonio Lopes FrazSo, alternando com Joa-
quim de Go?s, foi gravemente ferido por este.
lntervindo na lucia Joao Goncalves de Oliveira
Quintal, que chego na occasia com o fim de sc-
commodal-os, toi pelo referido Frailo assassinado
com urna tacada. Frazo toi preso, e Goes, porm,
evadio-se.
A autoridade respectiva tomou cenhecimento
do facto e proeegue nos demais termos da lei.
Communicou-me o delegado do termo de Pao
d'Alho em officio de hontem, que no dia 12 do
corrente foi preso Pedro de Araujo Pinbeiro, co-
nheciio por Pedro Damio, como indiciado ns as-
saaeinato praticado em Francisco Xavier Carnei-
ro da Cunha.
Participou-me o Dr. delegado do 2a districto ds
capital em officio d'este date, ter feito remessa ao
Dr. jais de direito do 4 districto entuna!, do in-
querito policial procedido contra Seraphim ABge-
Thesoaro Provincial
de8pach68 do dia 15 de mabqo
de 1887
Jos Rodrigues dos Sancos c Dr. Saijiamando
Antonio Goasalves. Informe o 8r. Dr. admi-
nistrador do. Consulado.
Leodegario Liberato Pareira Cardas e officios da
engenbeiro ehefe das Obras Puniiaa.Informa a
Sr. contada*.
Senhoaadhs Maria de OJisaskflUk. Tjr
Vista ao-flk r. procurador traes?.
AnasUcio Costa Se C. e Medeiros da Silva &
Martina.Entregue-so pela porta.
Jas Xavier da Cunha Alvarenga o Julia Can-
dida do Reg Barros Alvarenga.Facam-se as
note* da portaria da licenca.
Maximiano Joae Daarta, Antunio Ignacio do
Reg Medeiros, Firmino do Reg Barros e Dr.
Jos da Cunhi Liberato de Mattes.-- Certifi-
que se.
Consulado rroviaclal
DBflPACHOg DO DIA 15 DB MARCO DE 1887.
Manoel Ueverine de Mello.Deferido de aceor-
do com as informacoes.
Braz Januario Fernandes, Antonio Moreira Ro-
drigues, Joanna Francisca da Crnz, Bras Bastos,
Augusto Octavian) de Souaa o Modestio Uoelbo
do Reg.Informe a 1 seccao.
Seveiino Bezerra de Mello, Francisco Ferreira
da Costa.A' 1* seccao para os devidos fias.
PERNAMBUCO
Asserabli Provincial
3- SESSO EM 11 DE MARQO DE 1887
'RESIDENCIA DO EXM. SB. DR. JSE MANOEL DE BABBOS
WANDSBXKT
Summabio :Abre-se a sesso.Leitura e appro-
vacio das actas.Deciaracao do Sr.
Jos Maria. Expediente.Discursos
pela ordem dos Srs. Ci>sla Ribeiro,
Rosa e Silva, Prxedes Pitanga e G.
Ferreira.Ordem do dia : el.-ico de
commisses.Requerimeoto do Sr.
Jos Maria e obiervacoes deste Sr.
d putado e do Sr. Drummond 0 Sr.
presidente nomeia as commissoes
Diseusso do parecer n. 60 de 1885.
Requerimeoto e observad-oes do Sr.
Jos Maria.Requerimento do Sr.
JoSo de Oliveira.Chamada. AJia-
mento da 1 diseusso do projecto n.
82 de 1885.Levanta-se a sesso.
Ao meio dis, feita a chamada e verificndose
estarcm presentes os Srs. Luiz de Aorada, Id-
lis e Silva, Joo de Oliveira^ Goncalves Ferreira,
Julio de Barros,Joa i de >S, Son res de Amorim,
Reg Barros, Domingaes d* Silva, Bairos Wan-
derley, Antonio Vctor, Augusto Frauklio, Bario
de ItapissumM, Sophronio Portella, Amara!, Goojes
Prente, Herculuno Baudeiia, Costa Ribeiro, Costa
Gomes, Coelho de Murare, Drummond, Ferreira
Velloso, Rosa e Silva, Barros Barrete Jnior e
Jos Maria, o Sr. presidente declara aborta a
sesso.
Cimparecem depois os Srs. Audr Das, Prxe-
des Pitaaga, Rogoberto e Baro de Caiara.
Kltam os Srs. Constantino de Albuquerque,
Alfonso Lustoaa, Ferreira Jacobina, Tourenco de
S, Solouio de Mello, Ju venci Mariz, Viscon-
de de Tabating, Regueira Coste, Joo Alves
e R'drigues Porto.
Sao lidaa e aeus debate approvadas as actas da
sesso de 4 e das reunioes de 5, 7,8 e 9.
' lida e entra em diseusso a acta da reunio
de 10,
O Sr. *on Mara (pela ordem)Sr. pre-
sidente, en nao venb i disentir a acta, venho ape-
nas diser qne nao tomo parte na approraeo ou
regeico das actas porque nao costumo comprar
nabos em sacco.
Eu nao sei oque S. Exc. o Sr. 3* secretario, o
desde que ea nao sei, nao posso npprovar ou re-
geitar.
Eu teria um meio e era pedir a-V. Exc. a acta,
mas comprebende que eu maasana a Assembla e
gastara um tempo precioso, alm da qae, produ-
cira ino efieito. Depois terin de repetir essa lei-
tura todas os das, e isso seria um trabalho pe-
noso para mim e para a casa.
O anno passado eu deixei correr esse negocio
sem protesto, mas agora nao t-stou mais disposto
a isto : continuando a dar-se a mesma irregala-
ridade, declaro perecptoramente a casa e a V.
Exe. que nao tomarei parte na approvaco ou re-
geico das actas, di;o-o e repito para que nao se
me attribua responsabilidade de um seto que eu
nao pratico.
Desde que eu nao ouco a leitura da acta, desde
que nao sei s que ella cootm, declaro que nao me
levanto da mioba cadeira para approval-a. Isso
urna causa que nao vale nada, da mesma forma
que esta Assembla nao vale cousa nenhuma, bem
como todas as nossas outras instituicoes, depois
que se inaagurou a presente situaco.
O Sr. 2a secretario tem toda a razo para nao
lr alto ; S. Exc. dbil e nao pode levantar muito
a voz. Mas 8. Exc. que deixe a cadeira que oc-
cupa, que se dsixe substituir pelo Sr. Dr. Pitonga,
qae dispondo de ama voz estridente...
O Sr. DrummondVos de stertor.
0 Sr. Jote Maria... pode fazer-se onvirpor
toda a Assembla.
V. Exc. sabe, Sr. presidente, que nos nao po-
demos estar aqu a approvar actas, caja leitura
nao se ouve.
Lavrado assim o meu protesto, o 8r. 2 secreta-
rio poder lr ou deixar de lr as actas, porque
eu nada tenho que ver com isto.
Nao bavendo mais quem peca a palavra, a
acta approvada
O Sr. 1" secretario procede k leitura do se-
guinte:
EXPEDIENTE
Um officio do secretario do governo, remetiendo
40 exemplaies impressos do relatorio que, a 31 de
Janeiro ultimo fot dirigido polo inspector do Tbe-
sonro Provincial ao Exm. Sr, presidente da pro-
vincia.A distribuir.
Outro do mesmo, dem, o orcamento da receits
despesa da Cmara municipal do Brejo, para o
exereieio de 1887 18i8.A' commieso de orca-
mento mcnieipal.
Outro do mesmo, idem, o balanco da receita e
despeza do exereieio de 1885 a 1886 e o orcamento
para o de 1887 a 1888 da Cmara Municioal de
Itamb.A* commisso de orcamento municipal.
Ouiro do mesmo, idem, o balanco de receita e
despezt do exereieio de 1885 a 1886, eo orcamento
para o de 1887 a 1888 das Cmaras Manicipaes de
Cabrob e Boa-Viste, e bem assim o orcamento da
de Granito.A' commisso de orcamento muni-
cipal.
Outro do mesmo, dem, o balanco da receita e
despeza do exereieio de 1885 a 1886 e o orcamento
para o de 1887 a 18b8 da Cmara Municipal de
Aguas-Bellas.A' commisso de orcamento muni-
cipal.
Outro do mesmo, idem, o balanco da receita e
despeza do ezercicio de 1885 a 1886 da Cmara
Municipal do Brejo.-A' commisso de orcamento
municipal.
Outro do mesmo, dem, o balanco da receita e
despesa do exereieio de 1885 a 1886 e o orcamento
para o de 1887 a 1888 da Cmara Municipal de
Limceiro,A' commisso de orcamento muaici
pal.
Outro do mesmo, idem, o balanco da Cmara
Municipal de Cabiob, e o orcamento da receita e
despeza para o exereieio de 1887 a 1888 da Cma-
ra Municipal de Petrolina.A' comm.'sso de or-
camento municipal.
Outro do mesmo, dem, por copia um officio da
Cmara Municipal de Leopoldina, em que declara
os motivos pelos quaes deixa de remeter no tempo
competente o balando darecei'a e despeza do exer-
eieio de 1885 a 1886 e o orcamento para o de 1887
a 1888. A'commisso de orcamento municipal.
Outro do mesmo, idem, o balanco da receita e
despexa do exereieio de 1885 a 1886 e o orcamento
para o de 1887 a 1888 da Cmara Municipal da
Glorii de Goit.A' commisso de orcamento
municipal.
Outro do mesmo, idem, o balanco da receita e
despeza do exereieio de 1885 a 1886 e o orcamento
par a o de 1887 a 1888 da Cmara Municipal do
Villa-BellaA' commisso de orcamento muni-
cipal.
Ootro do mesmo, idem, copia de um officio da,
Cmara Municipal do Altinho, relativo a approva-
co provisoria dn Cdigo de postaras, o de seu or-
namento para o exereieio corrente. A's commis
sooi de posturas e de orcamento municipal.
Qu'-rs do mesmo, idem, por copia o (officio da
Cmara Municipal de Correutes, em qae pedo ap-
provaco do Cdigo de postaras qae foi enva i
esta Assembla com officio n 185 de 29 de Junho
de 18R5.A' commisso de exames de posturas.
Outro do mesmo, idem, um projecte de postaras
da Cmara Municipal de Aguas Bellas A' com-
mis3aa de ezame de posturas.
Outro da Cmara Municipal r. Murbeca, re-
mettendo copia do orcamento da receita e de pesa
para o exereieio de 1887 a 1888, acompanhada dos
Ualaueetes e recibos.A' commisso de oreamenco
municpial.
Outro do mesmo, remetiendo o balanco da re-
laaita e despeza do exereieio da 18S5 a 1887 a a
'ocimento para o de 1887 1889 das Cmaras Mu
-nicipaes de Floresta a Buique.A' commisso de
orcamento municipal.
Outro do mesmo, idem, o balanco da receita
despeza do exereieio de 1885 a 1886 e o orcamento
para o de 1887 a 1888 da Cmara Municipal de
Flores.A commipso de orcamento municipal.
Outro do mesmo, dem, o orcamento para o
exereieio de 1887 a 1888 da Cmara Municipal de
Taquaretinga.A' commisao de orcamento mu
aicipal.
Outro do mesmo, idem o requerimentu por copia
Jo bacharel Joo BaplisU Regueira Costa, ierre-
panhado das informacoes do inspector geral da
luatrucco Publira e Thesoaro Provincial, em que
solicita a conceaso do premio de qae tratem os
arte. 56 da lei n. 369 e 120 do regulamento de 6
de Fevereiro de 1835.A' -commisso de instruc-
oao publica.
Ojtrodo mesmo, idem, o balanco da receita o
despexa do exereieio de 1885 a 1886 e o orcamento
para o de 1887 a 1888 das Cmaras Muaioipaes
da S. B ato e Nazaretb.A' commisso de orca-
mento municipal.
Outro do mesmo, transmittindo o orcamento para
0 exereieio de 1887 a 1888 da Cmara Municipal
da Victoria.A' commisio de orcamento muni-
cipal.
Outro do mesmo, idem, o balanco da receita e
despeza no exereieio de 1885 a 1886 e o orcamento
de 1S87 a 1888 da Cmara Municipal do Reeife.
A'coramisio de icamento municipal.
Oatro da Cmara municipal d i MuriLeca, tim-
brando varias muidas tendentes a meluorar
aquello municipio.A' commisso de negooios de
cmaras.
Urna peticao ds Eduardo Moraes Gomes Ferrei
sa, requerendo privilegio por lOannos para afua-
daco e nriacao de um muinho a vapir, deatioado
a moer graos de trigo e preparar a farinha, con
isenco de todos os iuipo.t.s proviuciaea e inuni-
eipaer, obrigaudo-se a receber 10 orphaos de 10 a
15 annos.A' commisso de constituico o pode-
res.
Outra do Ambrosio Fraueieco de Barros Leite,
r. quarendo ser nomeado para o lugar vago de
continuo desta Assembla.A' commisso de po-
lica.
Outra de Tundido Albertj Sadr da Motta, pro-
prietano das caeiohas na, 8 a 12 ra do Tam-
bi, reqnerendo iseoco do pagamento de annui
dades ua ret.-ndas casinbas.-A'commisso de
orcamento provincial.
Oalta de Autonio Teix ir Pimeotel, >-x pro-
fessor interino, re ueremio que se subir.etta dis-
eusso um parecer adiado, can que o maiidam con-
templar aa quadro dos prole sures tfectivos.A'
couunissao du instruccao publica.
Outra de Joo Aff.-nso de Albuquerque, guarda
ujiiii-cp.il aposentado, requerendo o pagamento de
14.1 i 50, de cinco mazos de ordenado.A' commis-
so de ircameoto muuipal.
Outra do Fraoeiseo Candido de Medeiros, oou-
trarante da barreira Couceiro da estrada de Pal-
mares a Bonito, requeieodo a iademnisaco de
1:ih)UUJ, OU inoovaeo do contrato por mais 2
aniijs. A' coinmidgo de orcamento provincial.
(Jotra- de Abdias Bibiaao da Cuaba Salles, apo-
sentado du- Consulado Provincial, requerendo ser
pago da differeoca dos seus veacimeutos, que dei
Xou de receber em virtude da le n. 1179, at ser
posta em exeeuco a de n. 1436. A' commissfis da
orcamento provincial.
Outra de Manoel Gomes dos Santos, reqnerendo
autoris cao i Cmara Muuieipal de Nazareth a
entrar em accordo com elle act rea do que resta a
pagar de sua dirida.A' cjmaoisso de orcamento
muuieipal.
Outra de Paulina Marcelina de Almeida, pro-
fessora publica da Estancia, requerendo a gratifi-
oaoo de mrito por 15 aoaos le i-ffectivo exerei-
eio.A' commisso de iostrueco publica.
E' lido, julgado objecto de deliberaco e vai a
imprimir o seguinte projecto :
N. 2.A AAasembla Legislativa Provincial de
Pernambuco resolve :
Artigo nico. Fica transferida a tde da co-
marca de Tacarat, para a povoaco de Jatob,
que elevada a villa.
Revog&das as disposices em contrario.
Sala das ses:o :e, em 8 de Marco de 1887.
Goj.es Prente.Goncalves Ferreira. Reg Bar-
ros. Uercalsno Bandeara. Vigario Augusto
Franklin.
O Sr. CoaUk Ribeiro (pela ordem) acredi-
tando que dos principaes deveres dos que nos
parlamentos se aehsm em minora fiscaiisar a exe
cuco do regiment...
O Sr. J s Maria Sem du vida.
O Sr. Costa Ribeiro... e que s vezes forma-
das apparentemente sem importancia resguardam
interesses valiosos, levanta-se para reclamar con-
tra o que lbe parecen urna irregalaridade, com-
mettida na reunio de hontem.
0 art. 60, tratando da especie, diz : Apezar
de nao haver sesso por falta de numero, o 1 se
crelario far a leitura dos officios, represautecoes,
memoriaec, dando-Ibes a mega o devido destino,
e o 2 secretario far a acta 11. etc.
Ahi esto determinadas as especies de papis
que como expediente pedem ser lido* em taes reu-
nios. Foram excluidos os pareceres e projectos.
Isso nao interpretaco, disposico litteral.
de accordo com o art. 60 esto os arte. 66, 67
e 68, estabelecendo, para o caso em que ha sesso
a ordem em qae devem ser lidos os diversos papis
qae coastitaem o expediente.
Segando o art 68, esto em ultimo lugar os pa-
receres e projectos, caja apresentaco c leitura s
1 ie ser feita em sesso.
Assim, o parecer da nobre commisso de orca-
mento e o seu projecto foram apresentados e lidos
quando nao o podiam ser.
O Sr. Rosa e SilvaEu explica re depois este
ponto a V. Exc
O Sr. Costa RibeiroE' urgente e de primeira
importancia a lei de orcamento ? Por isso mesmo
nao devera ser iniciada, commettende te urna irre-
gularidade. E tenha ou nao valor a circunstancia,
a verdade que o regiment oceupa-se, nao s com
a occaaiao, como at com a ordem em que devem
ser lidos os asaumptos.
Nada tem a requerer ou propor : de sua parte
qaiz que o precedeute nao paseasse sem pretexjo,
O Sr. Besa e Silva, (pela ordem).
(Contina).
KtviSTA MAMA
Assembla Provincial. Funccionoa
hontem sob a presidencia do Exm. Sr. Dr. Jos
Manoel de Barros rVanderler, tendo comparecido
25 Srs. depufados.
Foi lida e approvada sem debate a acta da ses-
so antecedente.
O Sr. 1- secretario proceden a leitura do se-
guinte expediente:
Urna peticlo de Jos idolpho de Oliveira Lima,
proprietario do engenho central ou usina Timb,
da comarca deOlinda, reqnerendo dispensa do pa-
gamento de OO, em que foi colleotada dita usi-
naA' commisso de orcamento provincial.
Outra de Porcia de S Vasconcelios, ex-profes-
sora interina da povoaco de Malhadinha, reque-
rendo o pagamento de 384333 de seus vencimen-
tos a contar de 11 a 30 de Julho de 1879.-A'
commisso de orcamento provincial.
Outra de Gratuiiano Patricio Moura Cas, arre-
matante do imposto de agurdente, carne secca,
bacalhau e rs30Car do Io diitrieto de Limoeiro, re-
querendo o aoate de 25 /- no vabr da referida
arremataco.A' commisso de orcamento muni-
cipal.
Outra de Antonio Fernaudes da 8ilvet*a Car-
valho, ajudante do porteiro da Secretaria da Pre-
sidencia, requerendo um anno de licenca com to-
dos os vencimentos para tratar de sua sade.A'
commisso de peticoes.
Outra de Ignacio de Amorim Lima requerendo a
admisso de seu tutellado, o menor Jovino Fer-
nandes no tymoasio Pernambucano, como pensio-
nista da provincia.A' commisso de peti?5es.
Outra de Albino Amorim 4 C, procuradores de
Jos i no Jos das Chagas, requerendo consignarlo
da quota de 1204, para pagamento do aluguel da
casa que serve de cadeia na villa do Bonito a con-
tar do 1 de Julho de 1885 a 80 de Junho de 1886.
A' commisso de orcamento provincial.
Outra de Jos Joaquim Alves & C. e outros
mcrcieiros estabelecidos nesta capital, requeren-
do redueco da metade da collecta feita oo viaho,
vinagre e agurdente, sem embargo da conceaso
feita no artigo 16 da Ij n. 1810.A' commisso
de orcamento provincial.
Foi a imprimir sob n. 2 um parecer da commis-
so de leis nao sanecionadas spprovsnlo emenda-
da a qne eleva a villa, as povoacoes de 8. Jos
da Pedra Tapada, Canhotinuo e Nossa Senhora do
O de Goyanna.
Foram a imprimir os seguintos projectos, sendo
o de n. o precedido de parecer da commisso de
came de postaras muaicipaes :
N. 3.Isantendo Banco de Crdito Raal de
Pernambuco de qualqur imposco provincial ou
municipal.
N. 4. Fixando em 40 ris o preco de cada bal-
de de agua pota ve I de que trata o art. 3- da lei
n. 1,878.
N. 5.Approvando o cdigo de posturas da c-
mara municipal do Altinho.
N. 6.Considerando tffectivos os professores
contrastados ant-s do regulamento de 6 de Feve-
reiro.
Orou pela ordem o Sr. Joa Alves e pedio que
fosso dado para a ordem o dia o projecto n. 102
de 1886.
Kegeitou-se, depois de orar o Sr. Ferreira Ja-
eobiua, o requerimento ,do Sr. Jos Maria sobre
dnas prisSes tfiectuadas pelo subdelegado de Ma-
neota, bavendo p?dido e obtido o Sr. Ratis e Sil-
va a retirada do seu requerimeoto da adiameato da
diseusso por 24 horas.
Passou-se a ordem do dia
Vctou-se e foi rejeitado o requerimento do Sr.
los Maria de adiamento por 48 horas da 1 dis-
eusso do projecto n. 1 deste anno (orcamento pro-
vincial) vista do que continuou a diseusso. Es-
ta foi encerrada depois de orarem os Srs. Ferrei-
ra Ja jo bina e Am Maria, este pela ordem, ten-
do sido rejeitado outro requerimonto deste Sr. do
putado, de adiamento da diseusso por 4t horas e
approvado o projecto.
Eocerrou-ae a 1 Jiscassedo projei'to n. 2 des-
te anno (transferencia da - oarat para a povoaco de Jatob. que fica eleva-
da a villa) te.ido orado o Sr. Jos "ana e nao se
votando, por falta de numero um reqaenmento
dos Srs. Joo de Oliveira, Jos Maria e Prxedes
Pitunga, pediado o adiamento da diseusso por 24
horas.
O Sr. presidente levantou a sesso designando a
seguate ordem do dia : 1* diseusso dos proiec
tos ns. 31, 86 e 102 de 1886, 3 deste anno e con-
tinuacao da antecedente.
Autoridad*' policme Por portaria
da presidencia da provincia de 14 e proposta do
Dr. chefe de polica de 5, 12 e 14 do corrente fo-
ram nomeados :
Delegado do termo de Fiares, o canito do cor-
po de polica, Satyro Ferreira Leite.
Io uppleute do subdelegado do districto da
Luz, do termo de Pj-d'Aiho, tenente Braz Car-
ueiro da Cimba Albuquerque.
2* e 3 supplentes du referido sublelogado
Francisco de Azevedo de Araujo Piuheiro o cap-
tilo Jos Meadas Carneiro da Cunha na ordem em
que vo coliucadoe.
1* Supplente do subdelegado do districto de 8.
Loureuco da Matta, Joo Joe Affonso de Meo.
CwnaclUw LidcrarioSob a presidencia
do Sr. Dr. iuspscto.- geral, reuni se bontem, em
conferencia ordinaria, o Coiselho Litterario da
Instruccao Publica.
Fora n apresentados o seguiotes pareceres :
Da 1* 8jec-, relator o professor Fragoso,
opinaodo pela excluso de um alumno da escola
publica do Curato da S de Olinda. Appro-
vado.
Outro da mesma seccao, relator o Dr. Franco
de S, pedindo diversas informacoes sobre a trans-
ferencia da cadeira de Sitios Novos de Ourcury.
Approvado.
Outra da 3. seccao, relator o Dr. Regurira
Costa, sobre o pedido de gratificacao de 15 annos,
feito pela professora Emilia Alexandrina de Al-
tiuqueriue Pereira, concluindo pela coocesso
Approvado.
Outro da mesma seccao e relator, sobre o pro-
cesso disciplinar instaurado contra o professor
Jos de Calazana Ruto Darte coacluindo pela
absolvico.Approvado.
Outro da mesma seccao, relator o Dr. Jos Di-
niz Barrete, sobre a peticio da professora D. Maria
do-Rosario Pinbeiro, pedindo a gratificacao de 15
annos, concluindo pelo deterimento.Approvado.
Oatro da mesma seccao, relator o Dr. Antonio
Justino, sobre a petico da professora D. g-
nea Barbalho Uchda Cavalcanti, pedalo a grati-
ficacao de 15 annos, concluiudo pelo deferimento.
Approvado.
Outro da mesma seccao e relator, sobre a jubi-
laco d professor Dr. Francisco Silverio de Pa-
nas, concluindo pelo deferimento do pedido.__
Approvado.
Outro da mesma seccao, relator o Dr. Regueira
Costa, sobre a petico da professora Luisa Cle-
mentina Vieira de Mello, pedindo a gratificacao
de 15 annos, concluindo que nao est no caso de
obtel-a, visto uo ter feito a prova txigida pelo
regulamento em vigor. Approvado.
Outro da 4 seccao, relator o Dr. Alvaro Uchoa
Cavalcanti, sobre o pedido de recondueco dos
professores contractados Aotonio Claudio de Oli-
veira, Ignacio Procopio da Cunha, Manoel Jos
Martina e Josepba Catharina de Oliveira. coa-
cluindo pelo deferimento.
Foi apresentedo um outro parecer, assignado
pelos Srs. Frincisco da Silva Miranda e Oe. Celso
Qintella, concluindo pelo indeferimento das pe-
ticoes dos requerentes, visto nao terem elles pro-
vado vocacao. Approvado o parecer dos Srs.
Miranda e Celso.
Outro da mesma seccao, relator o professor Mi-
randa, sobre recondueco impetrada pelos pro-
fessores Viceote Ferreira de Franca Carvalbo e
Generosa Ramos Fernandes de Carvalbo, con-
cluindo pelo deferimento.Approvado-.
Outro da mesma seccao, relator o Dr. Celso
Quiutella, sobre a recsnducco impetrada pelos
professores contractados Joaquim Francisco de
Miranda e Manoel' Flix Calomby, coacluindo
pelo indeferimento. approvado.
Oi'.tro da mesma seccao e relator, sobra o pedi-
do da recondueco, feito pelo professor Manoel de
Siqueira Paseos Sobrinho, coocluindo p do deferi-
meuto.Approvado.
Outro da mesma s ceo, relator o professor
Miran la, sobre a recoodacco do professor Ma-
noel da Vera Cruz Campos, bpinaado que pode
elle ser recondusido.Approvado.
Faculdade de DireitoHoje continuam
os exames extraordinarios do 4 auno e sero
tambem admit! loa a fazer a prova escripia es
estudantes matriculados que deixaram do fazer
exaine em Novembro.
Tribunal do Jury Recife Em sesso
de bontem foi, neste tribunal, julgado o to Lou-
renco Garcia pronunciado no art. 205 do cdigo
criminal por haver em 14 de Agosto do anno pas-
sado, na Cabanga, ferido a Joo Antonio do Nas-
cimento.
Promoveu a defesa do reo o Dr. Horteucio Pere-
grino da Silva, e o mesmo reo foi absolvido por
perempeo de ac;o.
ANoclaru dos bombeiros volun-
tarlos do BecireReuoio-ee em 3' sesso
preparatoria este associacao sob a presidencia do
Sr. Dr. Ferrer, senvindo de secretario o Sr. Paiva
Filho e de thesoureiro o Sr. Manoel Joaquim Pe-
reira Foram approvados os estatutos e regula-
mento de servico, com emendas doa Srs. Firmino
Guimares, Almeida Alfarra e Ferreira.
Depes de assigoados, os estatutos e regulamen-
to de servico sero sabmettidos a approvaco do
Exm. Sr. Dr. presidente da provincia.
Estiveram presentes 52 associados.
Este associacao devida a iniciativa do Sr. An-
tonio do Carmo Almeida, que assim quiz dotar esta
provincia com um melboramento de quo tanto ne-
cessita.
Banco de Crdito Beal de Pernam-
bacoTeve lugar hontem, como foi annanciado,
a 1' sesso ordinaria da assembla geral dos ac-
cionistas deste banco, sendo lido e approvado o pa-
recer da maioria da commisso fiscal e o relatorio
da administraoo.
Assembla geral
PresindenteVisconde de Tabatinga, (reeleito)
Vice-presidenteDr. Jos Goncalves Pinto.
1 secretarioSebsstio de Barros Pinto, (ree-
leito).
2 secretarioFrancisco Joaquim de Oliveira
Canba.
Commisso fiscal
Commendador Francisco Ribeiro Pinto Guima-
res, (reeleito).
Jos Adolpbo de Oliveira Lima, (reeleito).
Thomaz Comber, (reeleito).




*
ni


Diario de Pernambueo--Huarta-feira 16 de Marco de 1887

i ,r
"I

Norte e SalDevem tocar hoje ra Pernam
buco oe paquetes: nacional Pernambueo, proce-
dente do norte, em viagem para o aul, e ingles
Mondego, procedente do eul, am viagem para a
Europa.
O Pernambueo segures boj'-, su 6 hora da tarde,
para o sol.
CSoymstSBslSao da Gattta da Goyanna eataa
locaes :
Quadrila de ladret.O engenho Capibo-
ribe, propriedade do Sr. Francisco de Souza, acaba
de aer amaleado pir na grupo de ladrees, capita-
neado pelo faaiigerado Joa Preunho.
Ignoramos iiu.ie teuhsm lido os meioi de de-
fea eio pregados pelo proprietario do Capberbe
e qual o destecho d'aaam barbara iceua de todos os
lempos.
A' falta de piteas, deixou de sahir d'aqoi urna
forca para perseguir os ladros.
Vamos muito mal cera o pequen? numero de
soldados qne tem s.
Morto por um raio.Um almoereve do Mo-
geiro, povodo da provincia da Parabyba, contou
a diversas p. ssoas d'esta cidade, que um aeu
amigo natural o'aquelle logar lora morto por do
raio.
Nao nos ehegou ao conhecimento o nome do
tallecido nem a data em que se deu o facto men-
cionado.
Seta de Oulubre-Publicoo-sc on. 4, do
5* anuo, do Seis de Outubro, orgu da Associacio
dos Fanccionati >s Provinciars de Pernambueo.
Paquete BabiaSegundo telegrama re-
cebido pela estacao telegraphica tarrestie, sabio
hontem tarde da Babia, para o norte, o piquete
nacional Bahia: pelo que s no dia 18 tocar cm
Pernambueo.
Juiz de dlrcltoNo da 18 do corrente,
embarca para a visiuba provincia da Parabyba a
Dr. Goncalo d-_> Aguiar Botto de Menezes, juis do
direito da comarca de Cajaseiras.
Agradecendo-lbe a visita que nos fes, des'ja-
mos-lbe prospera viagem.
RelaloriuAgradecemos o mimo que nos fi-
seram do um ejemplar impresso do relatorio do
Banco de Crdito Real de Pernambueo, houtem
lido em asserabla geral dos respectivos accionis-
tas.
A Hada I lia* traes* Recebamos o n.
196, de 15 do c.rreute, desta revista de modaa,
que se aubacreve na Livraria Fluminenee, ra
do Barao di Victoria n. 9.
Carece cuidado Iuformam-uoa que o
predio do 3 andares o. 32, da praca Coode d'Eu,
est com um dos oitoes desapruinado o ameacan-
do ruinas.
Chamamos para o faeto a attencao da Cmara
Municipal do Kecife, quem cumpre mandar exa-
minar se o facto real, e obrar em consequen -
ca.
OlindaIaformam-nos dessa cidade que o en-
carregado do chafara da ra do Amparo um
, homem rieboso e brignento, que vive constante-
mente armado e provocar desordens, usando de
urna liuguagum immoral, que ofrende a vizinhanca
do dito chafara.
Chimamos para csse facto a atienen > do digno
Sr. gerente da Coinpanbia Santa Tbereza, o qual
sem duvida Ignora esses factos, e de quem espe-
ran! os interesados providencias que faean e.o-
sar o abuso.
Larapla.O individuo de nome Jos Anto-
uio da Silva, que tem sido procesando maia d'uma
vez, entrou hontem tarde, no eatabelecimento
dos Srs. Vieira & Silva, ra da S. Francisco, e
pedio a um caixeiro, agurdente, da qual se ser-
vio em um copo de vidro.
Achando este bonito, foi conduiiodo-o sem a
menor ceremonia; mas, sendo isto visto pelo cai-
xeiro Ricardo Guerra, eotendeu este que davia
perscguil-o. Jos Antonio contrariando se com a
testeaiunba de ra gentileza, atirou porm o copo
no rosto de sea porseguidor, que sahio ferido na
egiao fronto-temporal esquerda. Preso o offenstir
em fl igraute delicto, foi levado s presenca io sub-
delegado de Santo Antonio, que, depois de fazer
lavrsr termo de flagrancia, o mandou para a Casa
de Detenco.
Ricardo Guerra foi vistoriado pelo Dr. Souza,
que declarou leve o ferimento.
Im basa lello E' o que faz hije, na
ra do Hospicio n. 10, o agente Pinto.
Esto all bjna movis, finas crystaes e porce-
lanas, bem como outros objectos uteis urna casa
de familia.
Ferimente grave e suicidio.Em 6
do correte, no sitio Pides do 1.* districto do ter-
mo, de Quipap, Joiquim deGes ferio gravemente
Antonio Lopes Frazae, que com elle tivera urna
altresela,,
Interviodo na luta parr apa* igual-a Joo Gon-
calvez de Oliveira Q ilotas, foi asea sainado por
Frazao, que f-i preso em igrante, evadindo-se
porm Joaquim de Ges.
Directora das obras de conserva-
ra o doa porto*Boletim meteorolgico do
di* 11 d Marco de 1837 :__________________
S.

Hora* o 9 -o SS2
%%*
H
6 m. 267
9 281
12 299
3 t. 29'8
6 28-3
Barmetro
O
753-82
759-51
768"92
75751
757m71
TVaaao
do vapor
22.25
28.59
23.04
1.66
22.05
8
o
33
92
83
72
72
77
Temperatura mxima31.
Dita mnima24",75.
Evaporaijo em 2i horas ao sol: 4,"4 ; som-
bra: 29.
Chuva5,ral.
Direccao do vento : ENE do meia noite at 11
horas a 45 minutos da manh, com interrupeo de
5 horas de calmara ; E a ENE com iotervallos de
NE at 8 horaa c 12 minutos da tarde ; NE at 9
horas e 29minutos da tarde ; ENE at meia noite.
Velocdade media dovento : 1,">60 por segundo.
Nebuloaidadc media: 0,64
Prorlnma de cassmfulo -- Foram
'..Jos os segiiintes no dia 13 di corrente na matriz
da Boa-Vista :
Basilio Narbal Xesk th eos Mara do Carmo
Lsite.
Manoel Fcrreira Barbosa com Mara de Jess
Braga.
^JAntonio A'vcs de Oliveira com Mara Francis-
ca do Reg Falco.
aAod AlboEscrevem-nos em 12 d> cor-
rate :
> Enceamos a presente, noticiando qne o car-
naval, aqu foi de ponca importancia, porm, tor-
ra i nou em boa ordeno, nao bsveudo nm so facto
desugradavel a lamentar.
Ao amanhecer do da 23 ds Fevereiro fiado,
.notamos que os ttulos das mas, qne de ordom da
Illma. Cmara Municipal foram mudados ere-
criptos recentemente, estava ra de todo iautilisa-
dos, tando sido borrados com tinta encarnada.
Com pezar noticiamos esse facto indigno, pro
nrio de quem nao teve a mnima eduacio e nem
t m juizo. .A Cmara, teudo sciencia do faeto,
p-r parte do fiical' officiou polica para proce-
der de conformidade com a le; e no aabbado 26
foi procedida a competente vittoria p-jlo subdele-
gado, Io anpplente cm exercico, do 1* Jistricto
ueste tarmo
No sabbado, 26 de Fevereiro findo, s 6 ho-
raajiii tard, faliecsu o Rvd. vi^ari* collado dea-
ta frejaezia, padre Jos Kirfino Gom'S Tacbeeo,
viotima do padecim neos, que ha inuito oaecom-
mettaram. O ou cadver foi depositado na igre-
ja matriz desta cidade, doirle rev lugar o aabi-
nento no domingo, 27, s 5 horas a tarde, depois
noonmend ido solemnemen'e, sendo aeompa-
uhado pelas irarandades do Divino Espirito Sao-
f, Ssntw-imo Sacramento, Nossa Sen hora do Li-
vramento, Nossa Senhora do Rosario e pela so-
ciedade pbilarmonica Pao d'Alhense. que tocou o
luneral e con iuzido ao cemitero publico, onde, na
capelli, tevo lugaro memento solemne; depiisdo
que fui aeonltado. Paz ana alma
No dia 28 nao foi iuaUllada a 1 aeasao do
jurv deste termo por fa.ta de numero suffisieate
J -joiaes de facto, porm, no dia 1 de Marco cor-
rete, compareoeudo numero legal, funeconou o
tribunal, eob a presid'.*noia dojuiz de direito, Dr.
Antonio Joa de Amorim, oceupanlo a cadeira da
acoitaacio o nromot.r publico interino, Dr. Mar-
colino Ferreira Lima, e funeeioruindo^o escrivo
interino do jury, Francisco Antunio Brayner de
Sja-ta Rangel : depois d i qu, entrou em julga-
aonto o rj Joaj Podro da Costa, neurso uaa pe-
jias de artigo zS9 S > cdigo criminal, sendo coa
demnado no grao mximo do moamo artigo : ap-
udo da senteuea o alvogado.
No dia 2 foram jaleados os reos Blanoel Vi-
e "Ferrvira e Wauqel Lanrtndo do Monte, ia-
os as pi-nas do citado artigo: fjram aaadem-
s: o primeiro no grio metfia-e o segundo no
mnimo do referrro art>go.
No da 3 foi julgado o reo Pedro Jos Viei-
ra, incurso as pe laa do artigo 19 da lei da refor-
ma judiciaria, sendo desclassificado para o artigo
10 | 4o do cdigo criminal, foi abaolvido.
No dia 4 eutroa em julgameuto o reo Joio
Francisco da Silva, incurso naa penas do artigo
193 do cdigo criminal, foi abaolvido.
No dia 5 nao fraccin>u o jury pir taita d
numero, em raza) deter chovido copiosamente;
e no dia 6 nao tuncciouou por aar dia santificado.
No dia 7 foi julgado o reo Antonio Vieira da
Silva, ocurso as ponas do artigo 193 do cdigo
criminal, sendo abaolvido.
No da 8 entrou em julgamento o ri Pedro
Antonio Tavares, incuso naa penas do artigo 193
do cdigo criminal, foi coniemuado no grao m-
ximo do mesmo artigo, sendo appellado pelo pre-
sidente do tribunal.
a No dia 9 foi julgado Manoel Jos do Nasci-
ment >, vulgo Manoel Davi 1, incurso as penas do
artigo 193 do cdigo criminal, foi desclassificado
para o artigo 19 da le da reforma jadiciaria
sendo condemnado no grao medio deste artiga.
No dia 10 foi oceupada a cadeira da accosa
cao pelo promotor publico tffictivo Dr. Joaquim
Pedro Cavalcaote de Albuquerque, e foram julga
dos os reos, Joaquim Jos dos Alijos, Amaro dos
Aojos e Joao dos Arijos, incursos as penas do art.
205 do cdigo criminal, aendo absolv dos.
* Nao havendo mais processos preparados, foi
encerrada a sessio.
Patrocinon todas as causas, durante essa ses-
ea", o advogado tenenle Jos Francisco PaesBar-
retto.
Nydia 2 do corrente por proviso do Exm. e
Rvm. Sr. Bispo Diocesano, foi nomeado vigaro
desta friguesia, o Rvm. coadjutor, cooego Augus
to Adolpho Soares de KustWdter. Foi urna jo-
meacao acetrada que fea S. Exc. Rvma.: felici-
tamos, por sso, ao nosso vigaro.
Na igreja matriz desta cidade, nes dous do-
mingos passados, a T horas da noute, tem bavJO
serinao pregado pelo Rvm. vigaro, que continuar i
durante a quaresma, a pregar nos domingos, s
meslas h iras.
No da 4, s 10 horas da mai.hu, ehegou bas
tan te agua no rio, prova do que tem chovido muito
para o centro da provincia.
No dia 6, domingo, no lugar denominado Pe
tiibuziuh) deste termo, JoSo Alves de tal ferio a
Antonio Gomes Coutinho, eradindo-ae aps o cri-
me.
O delegado de polica, a quem se apreseut u
o rtfenddo, fSl-o vistoriar, abrindo a tal respeito,
o respectivo inquerito, que, segundo nos consti foi
remettdo ao juizo competente.
Pomos infirmados de que o club Ensaio Ora
matico Pao d'Alhense se aguarda para dar espec-
tculo ao depois da quaresmt.
Acabam tambera de nes informar, qua, no da
25 do corrente, ser iustallada nesta cidade urna
ncedade dai.cante, sob o titulo de Recreativa
25 de Marco .
Do nsaltado daremos noticia.
A ord-.'in publiea vai sem nenhuma altera^ao
e a polica bem disciplinada, grac is ao auti.rida-
dos polciaes deste tesmo, qne sao enrgicas e bem
sabem cumprir os seus deveres.
E basta de ccete.
Cl lade do LlmuclroE.crevem-no em
10 do correntu :
E' apenas para dar fiel cumprimento ao en-
cargo que pesa sobre meus hombros, e para o qual
faitim-rae os precisos couhecimeatos, que Ihe es-
crevo estas liabas. Contesso, entretanto, que sinto
pollular em mea seio o arder doentbusiasmo todas
as vezes quo lanco mao peana para dizer al u-
ma eousa acerca do torro onde resido actualmente
digno de fazer parte do movimento ascendente da
sociedade moderna.
f Depcis da ultima que Ihe enviei, nada houve
por aqu que p>asa merecer o qualficativo de no-
vidade. A paz nVstes ultimes das tem est^ndi lo
suas benficas az,as sobr^ este slo, preservanlo-o
assim do ardentissimo sol da desarmoaia que tudo
cieata e definha, defiuha, drizando em troca o des-
guato e o descrdito.
Depois de muito esperarmos cliegou finalmen-
te o invern ; mas, apesar de haver tilo um aco-
Ihimeiito geral eenthusiastico, bateu aplumsgem e
fu cahir c'outra regio. Permita Deus, porm,
que elle tome breve.
Na quaita fura, 2 do corrate, t a tranquilla
margem do rio Capibarib: despertada pela grita-
ri i do povo, que reunido e cheio de praz-ir brada-
va alegremente: temos agua, ahi vem a cheia,
gri cas a Deus, e isto ao son de vivas e foguetes ;
e en que anda nao tinba apreciado a vinla da
chei i, movido pela curiosidade fui tambera apre-
ctal-a.
Era liado o espectculo que se tinba diente
da vista; realmente tioha graca verrse aquelle
leito espacoso do rio, que era s nfinte"area e onde
se transitava a p enchuto, cobrr-se de repente
d'agua, e mais graca tioha anda ver a direccao
que a mesma tomava, descreveado aqui e alli cur
vas e quebradas, ora subiudo, era deseando, e le-
vando em sua corrente urna iufinidade de hervas,
arbustos, etc.
- No da seguin.e psla manhl a atmosphera fe-
chou-se completamente, e urna forte chuva acora -
panhada de trov.-s e relmpagos cabio sobre a
trra, huuiedecendo-a bastante, o que veio encher-
nos de esporanQas ; mas, estas dissiparam-se por-
que chuveu apenas um dia e at hoj-i nada mais;
tendo nos em troca sofirdo um forte calor.
As duas cadeiras publicas d'csta cidad", isto
, a da ruada Matriz,'regida pelo professor Fer-
reira doa Santos, e a da ra de S. Sebaato, regi-
da pelo professor Porto Carreiro, continuara, bon
ra aos esforcos dos dignos funecionarios que as
regem, anmadissimas, contanda a primeira uns
70 alumnos de matricula e 60 de frequencia, e a
segunda 53 de matricula e 40 le frecuencia, o que
vantagen para o ter .-eiro mez dj exercico; sen-
do mais que exiatein duas nulas part: ulare* alias
bem trequentalas; oque prova, que a exeepvao
de alguna vampiro, o povo limoeirense busca a
pertectibild de !
Consta nos que o professor da ra de S. Se-
baato, Jos Augusto Porto Carreiro, pretende
inaugurar ama escola nocturna para os individuos
que nao podem frequeutar a diurna. A. escola
dedicada especialmente aos descalco*, isto o pro-
fessor abre as pirtas da mesma a permitte que ve-
ntea onda nm aprender com aqaella roupa com que
vio ao capa, lenba, agua, etc.
Realmente digna de louvor esta idea a qual
j foi posta em pratica.cm Bom Jardimpelo digno
vigaro d'alli, e agora ci uos que esta cidade ir
gosar de to salutar medida.
Poi com grande pesar que tivemos aqui a tris-
te noticia da donisso do breqoista da va-ferrea
desta cidade Manool da Silva Araujo, assim como
a do Reg, chefe do trem da mesma hoha.
Empregados attene'ioaos e moralsados, sem-
pre souberam grangear a estima geral de todos os
passageiros do trem e especialmente dos habitan-
tes deeta cidade.
Nao houve quein nao sentase tao triste caso.
U* 5 anuos que era Manoel de Araujo empre
gado desta Imha, era aasiduo e nuoca desgostou a
ninguam, soubemos o movel da demisso; mas,
tambem sabemos que o caso foi diminuto e nao
houve nenhuma victima a lamentar-ae; portanti,
pedimos e esperamos que o digno gerente da mes-
ma linlia, equitativo a bondoso como raentrega
aos dous pas de familias aew antigs tugaros.
A oidem publiea cmserva-se tranquilla.
11 >je abri se a 1> sesso do j iry desta oda-
de, de eujo resillado Ibj darei scwuicia.
At para o mes. >
A laduntria da reloj arlaO Chamber
of Commeroe Journal publicou um artigo sobre a
industria da rtlojoaria em Franca, que foi repro-
ducido immediatumente por muitos jo'uaes econ-
micos de Inglaterra, /autos transcrevel-o, por o
ju'garmos interessante:
Ha p jucas pessoas em Inglaterra que facam
idea da parte que toma a Franca na fabrcacio
dos relogrs e outres inotrumentos do mesmo gene-
ro. Os segantes dados nao daixarao da ter al -
goma importancia.
Besaocon, na antiga provincia da Fiaacbe Cra-
te, o centro da relojoaria francesa. Em 1876,
fabricaras*) alli 418.754 relogios, dos quses
296.763 do prata represeotavam um valor de 23
milhes de francos. Esta pioiuccio qne, am
1846, era apenas de 54.192, tesa augmentado gra-
dualmente, e, em 1838, atttngia a 501.602 /elo-
gies.
E' do 15.000 o numero das pessoas que em Be
sanQ.n vivem rt'esta industria. Os relogios de Ke-
sancon, gracas as suas qaalidsdes, conquiataram
quasi todo o mercado fraaoea, que, d'autaa, ara,
n'uma Urga escala, tributario da Snissa : porisso,
a importaco suissa oo tem feitosenao diminuir.
Besanfon tem ama escola de relojoata-eau ob-
servatorio destinado eepecialaiunte fixacao oxic-
ta do tempo, e que um grande auxiliar para o%
fabricantes d s relogios. As pacas de maebinismo [
sao fabricadas, mas nao aperfeicoadas, em Beau-| Vista ; hemoptyae.
court, Montbliand, Sebmaotat e arredores. Urna creauga, Ptrnambuco,
Em 1876, estas lucalidados.fabric*r*m 1.440:003 Lmorta.
machinas da relogios de algibeira, e 400.000 de
ostras qualidadas de relogios. Beaaeort fes
640.OTO machinas, no valor de 1.500:000francos ;
Selaucourt, 215.000, e nm grande numero de pe-
queninas rodas, no valer de 700.000 francos;
Moutbliard tes 18.000 pecas; as immedaces
de Santa Suzauna coustruiram-se 30.000 caixaa
d msica ; o total da producco eleva-je a nove
milhes de francos.
O que Besancon nao aprovoita mandado para
a Suissa; quasi tolas as machinas de relogios sSo
compradas por Pars e Mores.
A p.pulica empregada na reloioaria, cojo cen-
tro Besancon, compSs-oe de 40.(KX) pessoas, e
coinprt.h-11 le Vi jrieau, os Monteheroux, Gras, os
Faucdes, .VUaue, Busaey e Rosureux.
Clus s e seos arredores, com prximamente mil
operarios, fabrica machinas, rodas, cylindroa, re
moutoirs, tambores de relogios, etc n'um valor
superior a francos 1.500.000, que pala maior
psrte ao expedidas para a Suasa. Cluses tax
urna esco'a de relojoaria, cuja reoutacSo exccl-
lento.
Trois-Fontaines faz vidros de elogiosem quan-
tidade bastante pora frnecer o inundo iuteiro; o
oseu valor pode ser calculado cm 1.200 000 tran-
cos.
Nos caaloca trancezea mais especialmente occu
pados na fabrcacio de relogios, encontramos Mo-
res com urna popularn operara de 6.000 pes-
soas; a prudaccao aanual sebe a 4.000.000 fran-
cos e consiste em 40.000 relogios de Comt e
20.000 reguladores.
Mores tambem um eentro de fabrcacio de
oculos.
Em seguida temos Saint Nicols d'Aliermont e
e Dieppe, cuja produccao se eleva a 1.500:000
francos e d trabalho a 950 pessoas.
Depois, vem Pars, que conta tantos relojoeiros
distinctos, e que fabrica os chronometros da ma-
rinba, os reguladorea, os relogios de differentes
qualidades, e de ultimo acabamento os relogios
franceses, conhecidss em todo o mundo.
Pars faz tambem molas,,'agulbas, mostradores,
apparelhos elctricos, etc. Pars o grande mer-
cado da relojoaria francesa e tem urna escola que
proraette vir a ser urna das melhores.
Em resumo, calcula se era 57.500.000 francos a
pro tueca i annual dos priucipasa centros de fa-
brcacio da relojoaria francesa.
lua caaa de aaie andares, eos
New-York.Como os proprietarios da grande
metropjIc cummercial do norte da America pagam
muito caro os terrenos, procuram tirar das cons-
truccoes todo o partido poaaivel, edificando anda-
res e mais andares.
H i cm New-York multas casas que ten oito e
nove andares e recentemente foi construida urna
com oiize e dois subterrneos.
Est situada n'nma das melhores mas da cida-
de, cercada de tramways e do caminhos de ferro se
reos e os seus materiaes sao farro e podra. A fa-
chada de linhas rectas, severa, quasi triste, ape-
sar do asp -cto geral producir notavel impressio
de gracioaido.de.
Tem cm cada andar quatro grandes habitacoes
com gabinetes, dormitorios, salas de recepcio a de
familia, quarto de banbo, de criados, cosnha, des-
pensa e urna sala especial para fazer geladoa.
T- ra tambim cada um* das babitaeo.'s um cofre
de ferro para guardar valores e joiaa, telephju j,
tubos acsticos, luz elctrica e de gaz, agua, etc.,
e o aqaecimento de toda a casa faz se, no invern,
com ama machina central e os competentes appa-
relhos de transmisuo e conduccio. Ha quatro
escadas muito commodas e quatro ascensores aper
teicoados, que trabalham com toda a seguranza,
tanto de noite como de dia.
Existe tambem no edificio urna grande cosinh.
geral, assim como deposito de earvo, lenba, asei-
te, etc., para fornecimento dos aquilinos qas qusi-
rsm, com um augmento de 10 por canto sobre os
precos do mercado.
As habitacoes do quarto, quinto e sexto andar,
sao mais caras, eustando cada urna 2:2504000
por anno, entrando no preco os ser pie >s de aque-
cimento, luz, Hgaa, celepboao, etc.
O cuito total do predio foi de mais ie 930 con-
tos de ris a as raudas .importara annualmente
em 72:0034000, de maneira que o proprietario re-
cupera em menos de 13 anuos o capital despendi-
do na construccio.
AteilAea Kttectaar-se-hao:
lioje :
Pelo ajenie Pinto, s 11 horas, na ra do Hos-
picio n. 10, de movis, loucas, vidros, etc., etc.
Pelo agente Modesto Baptitta, s 11 horas no
traplrhe Barbosa, de farnha de mandioca.
Amaohi :
Pelo agente Burlamaqui, s 11 hiras, na rus do
imperador n. 22, de parta do enganho Brum.
Pelo agente Stepple, s 11 horas, na roa do
Imperador n. 22, da predios.
Pelo agente Martin*, s 11 horas, na rus de
Rangel n. 58, de movis, loucas, vidros, etc.
Sexta-fera :
Pelo agente Burlamaqui e O tumao, sil horas,
na ra do Imperador n. 30, de assucar mal e
agurdente.
-Pelo agente Martin, s 11 horas, na ra do
Bario da Victoria n. 21, Io andar, de movis e
loucas.
Pco agente Pinto, s 11 horas, na travessa
do Corpa Santa n. 23, de coaros.
Mlaaaa fnnebres.Serio celebradas:
Hoje :
A's 8 horas, no Paraso, por alma de Antonio
Ignacio do Kego Medeiros ; s 8 horas, as ma-
tnzes de Santo Antonio, Bja-Vista, e Graos, por
alma do Dr- Carolino de Lima Santos.
Operario cirnrsjcssFoi prateada no
hospital Pedro II, no dia 15 do corrente, a se-
guirte ;
Pelo Dr. Malaquias:
Talha bypogastrica polo proceeao de Gyon, in-
dicada por calculo vesical, que pesou 150 gram-
mas.
Caaa de Uelencao-Movimento dos pre-
sos do da 14 de Mareo :
Existiara presos 355, entraram 14, sabiram 24
Existem 815.
A saber :
Nacionaes 313, muiheres 7, estrangeiros 14, es-
era vos sentenciados 6, ditos de eorreccao 5To-
tal 345.
Arracoados 314, sendo: bons 293, doeutes 15
Total 314.
Movimento da enfermara:
Teve baixa :
Antonio, escravo de Francisco Cadete.
Teve alta :
Antonio Joa Corii.
Lotera da rftrteA 203* lotera da cor-
te, pelo novo plano, cojo premio grande de....
30:00000 ser extrahida amaufai 17 de Mar-
Francisco Rodrigues dos Santos, Portugal, 63
annos, casad i, Varsaa ; dilataeio artica.
Manoel, Pernsnrbiico, 8 das, 8. Jos ; ttano.
Um tato, Pernambueo, Recite ; pala subde
legado.
Um feto, Pernambueo, Boa-Vista : palo subde-
legado.
co.
na praca da In-
da Fo>-
Os bilhetes acham-se venda
dependencia ns. 87 e 39.
Tambem acham-se i venia na Casa
tuna ra Primeiro deMarco.
Lotera parra o rasado lie emane!
pac io A15" parte desta lotera cu jo premio
grande de 6:000*000 era extrabida no dia 18
de Marc/o, s 2 horas da carie.
Os bilhetes acham-se venda aa Roda da Fot
tuna ra Larga do Rosario n. 86.
CeuMerlo PublicoObituario do dia 13
do crrente :
Josepha Mara da CoaceicSo, Pernambueo, SO
annos, soltura, Boa-Vista ; anemia.
Francisca Candida de Vaz, Pernambueo, 42 an
nos, viuvs, Boa-Vista ; tubercalos pulmonares.
Domiugoe Pe reir dos Santos, Pernambueo, 45
ataos, Oleirn, Boa-Vista ; euterite.
Innoceocio Lapas, r*arabyba, i'J anuos, soltei-
ro, Boa-Vists ; para'ysia geral.
Mara Francisca do Carmo, Pernambueo, 40 an
no*, viuva, Boa-Vista; caero uterino.
Francisca Ismenia da Costa, Bahia, 30 annos,
casada. Boa-Vista; diarrha.
Jos Alves, Pernambueo, 50 anuos, casado, Boa-
Vista ; anasares.
Mara, Pernambaeo, 2 moa?*, Boa-Vista ; es-
pasmo.
14-
Anoa Mara da ConoaicJo, Parahyba, 94 annos,
solteira, Gracs; tubrculos pulmonares.
Simplicio, Pernambueo, 10 das, Santo-Antonio ;
ttano.
Theraza Mara de Jess, Persambuco, 60 au-
nes, solteira, Santo Antonio; tubrculos pulmo-
nares.
Anastacio Gomes do Nasoimento, Pernambueo,
70 annos, casada, l?i-Vista.; laryngite.
Rosalina Mara dos Praseres, Alagoas, solteira,
Boa-Vista; dyarrhs.
Joaquina Mara d* C-neeicao, Parnsmbuco. 40
anus, viuva. Boa-Vista ; Lneeco palustre.
Manoel Aveliao, Parabyba, 3) annos, solteiro,
Boa-Vista; dianha.
Fabiio, Pernambueo, 20 anuos, solteiro, Boa-
Boa-Vista ; nasccu
CHROHiCA JUDICIARU
Tribnaal 4a Helado
SESSlO ORDINARIA EM 15 DE MARCO
DE 1887
PRR8IDBKCU DO BXM. SB. COS8ELHEIRO
QOINTINO DB UIRA5TDA
Secretario Dr. Virgilio Goelho
A's horas do costme, presentes os Srs. desem
cargadores em nume.-o legal, foi aborta a sessao,
depois de lida e approvada a acta da aaieeedente.
Oh tribuido t p sajados os ?.:itt>i deraa-ee os
seguiutes
JULGAMENTOS
Habeas Corpus
Paciente .
Pranciaeo, escravo. Conoedeu-ae a soltura,
contra o voto dos 8rs. desembargadorea Monteiro
da Aadrada, Tavaws de Vasconeaos e Pires
Ferreira.
Ke'urs) eleitora!
Do Limoeiro Reeorrento Luis Jos da Silva,
recorrido Jos Vieira de Mallo. Relator o dr,
conselheiro Qaeruz Barros.Deu se provimento,
unnimemente.
Recursos errmes
De Taquaretinga Reeorrento o juizo, recorri-
do Joo Francisco do Nasoimento. ttelator o Sr.
de.erabargador Toscano Barreto. Adjuntos os
Srs. deseinbargadore8 Pires Ferreira e Buarque
Lima.Negou se provimento, unnimemente, e
utandou-se resp insabilisar o subdelegado Daniel
Pereira Campos.
De AreiaKdcorrente o juizo, recorrido Ga-
briel Cavalcante de Albuquerque. Relator o Bt.
desembargador Monteiro de Andrade. Adjuntos
os Srs. desembargadorea Alves Ribeiro e conse-
lheiro Qaeiroi Barros. Dou-se provimento, una
oimemeute.
Do PenedoRicorrenta o juiso, recorrido Alto
ni Joa Pereira. Relator o Sr. desembargador
Alves Ribeiro. Adjuntos os Srs. desembargado-
res Tavares de Vasconoellos e Busrque Lima.
Negou-se provimento, innimemente.
Aggravos de petico
Do juizo da orpbosAggravante Joaquim An-
tonio de Olivaira, aggravado o joiso. Rilator o
Sr. desembargador Alvos Ribeiro. Adjuntos os
Srs. desembargadoress Toscano Barreto e Pires
Ferreira.Negou-se provim-nto, contra o voto do
relator.
Da provedora do RecfoAggravante Jos de
Souza Carreiro, aggravado o juizo. Relator o Sr.
desembargador lavares de Vasconeallos. Adjaa-
tos os Srt>, desembargadores Buarqne Lima e
conselheiro Queiroz Barros Negou-se provmen
to, unnimemente.
Appellafdes crimes
De Macei Appellanto o juizo, appeirado Al
cides omiciano de Oliveira. Relator o Sr. des
embargador Pires Ferreira.Coufirmou-ae a sen-
tenca, contra ts votos dos Srs. desenbargadoros
Pires Gonoalves e conselh iro Queiroz Barros.
Do CaboAppellante o ju zo, appellados Bras
e Francisco. Relator o Sr. deaembagador Pires
Ferreira.Mandou-se a novo jury, unnimemente.
Appellacio ommercal
Da ParahpbaAppellautes Raposo & Filao,
appellada D. Canuda Cavalcante de AlbuquTqua
Pereira. Relator o Sr. desembargador Pires Fer-
reira. Revisores os Srs. conselheiro Qieiros
B irros e doa -rabirgador Buarquo Lima.Foram
desprezados os embargos, unnimemente.
PA3SAGEN8
Do Sr. conselheiro Queiroz Barros so Sr. des-
embargador Buarque Lima :
Appellacio crime
De CamaragiboAppellante o juiso, appellado
Flix Beserra Montenegro.
Appellacio commercial
Do RecfeAppellautes Ernesto & Leopoldo,
appellado o curador fiical da maesa fallida de Fe
lx Gomes Coimbra.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
Appellacio civel
Do RecitaApoeilante Joaquim Monteiro Gue
des Gondm, appellalo Virginio Horacio do Fre-
tas. T
Do Sr. desembargador Buarque Lima ao Sr.
desembargador Toscano Barreto :
Appellaces crimes
De Aguas BellasApellante Luiz Gomes dos
Santos, appellada a justes.
De S. Jos do EgyptoAppellante o promotor
publico, appellado Pedro Vieira da Silva.
Appellacio civel
Do RecfeAppellante Mauoel Silvestre Fer-
reira Bastos, appellada D. Josepha da Rocha Pe-
reira.
Do Sr. desembargador Toscano Barroto ap Sr.
d-ssembargador Oliveira Maciel :
Appellacio crime
Do RecfeAppellante o juizo, appellado Jos
Antonio de Mara.
Appellaces civeis
De 8. Joo Appellante o collector das rendas
geraes, appellado Joaquim Martins de Paria Cas-
tro.
Da AtalaaAppellante o juiso, appellado 5a-
tyro, escravo de Vespasano Lopes.
Do 8r. desembargador Pires Ferreira ao Sr.
desembargador Monteiro de Andrade :
Appellaces crimes
De P4o d'Alho Appellante Francisco Antonio
Gomes, appellada a justica.
DeGoyaunaAppellante Pedro, escravo, ap-
pellada a justiea.
De Bom JardimAppellante Joa de Saat'An-
na do Nascimento, appellada a justiea.
Appellacio civel
De S. JoioAppellante o juizo e os eseravos
Mara a outros, appellado Firmino do Fretas Ca-
valcante.
Do KecifeAppellante Matbias Lopes da Cos-
ta Maa, appellado Antonio Casemiro de Goaveia.
Do Sr. desembargador Pires Goncalvas ao Sr.
desembargador Monteiro de Andrade :
Appellacio crime
Do Catle do RochaAppellante Joio Pereira
Cabral, appellada n justica-
O Sr. desembargador Pires Goncalves como pro-
curador da corda e promotor da justiea interino
deu parecer nos seguintes feitos :
Appellacio civel
Do Recite Appellante Eduardo Alexandre
Burle, appellados Jos Antonio Pinto e outros.
Do Sr. desembargador .Monteiro de Andrade ao
Sr. desembargador Alves Ribeiro :
Appellaces crimes
Do Catle do Rocha Appallaato o promotor
publico, appellado Manoel Pedro do Nascimento.
Do PiancAppellante o juiso, appellado Va-
lerio, escravo.
De CaruarAppellante Manoi-1 de Barros e
-Silva, appellada a justiea.
Do Sr. desembargador Alves Bibeiro ao Sr
diaembargador '"avares de Vasaoueellos :
Appullaccs crimes
Do Catle do Ro.-ha Apipbanle Fluctuoso
Francisco da Silva, apaellada ajoatkp.
Do BuiqueAppellante Antonio Jos Ferreira,
appellada a justiea.
Da EscalaAppellante Pedro Flix Antonio,
apabilada justiea.
De Itambs--App9laute Manoel Antonio dos
Santos, appellada a justiea.
Do Sr. desembargador Tavares de Vasconce-
los ao Sr. conselheiro Queiroi Barros :
Appellacio civel
Do Bocife--Appellan!e a coafraria de -Nossa
Senbora do Lvrameato, appellados Case miro Fer-
oandes & C.
DILIOESCIAB
Com vista ag Sr. cesemoargador promotor in-
terino da justiea :
Appellacio crime
De TaquaretingaAppellante o promotor pu-
blico, appellado Antooio Heoriq'je da Araujo.
Appellacio eivel
De Garanhuus--Appeilaute Autonio Pereira da
Silva, appellalo Antjuio Vcuanuii Pereira Ma-
cei
' Com vista s partes :
Appellaoao com aercial
Do RecfeAppeltentes Gomes & Pereira, ap-
pellado Jos Soires FirnandOB.
OI8TBIBTJTC<38
Recursos e'o'toracs
Ao 8r. conselheiro Queiroz Barros :
De Caraai R:corrent. D.-. Ejoao Carnoi-
ro Cavalcante di Albuquerque Lioerdo, recorrido
Jos Mirsbsau dj Mello Mar xc
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
Do Penedo--Recrrante Emygdio Soares de
Albuquerque,.reeorrido o juiso.
Ao Sr. desembargador Toscano Barreto :
De CaruarRecrrante Dr. Esterio Carneiro
Cavalcante de Albuquerque Lacarda, recoirido
Dr. Ricardo Porsira de Faria.
Aggravos de peti^io
Ao Sr. conselheiro Queiroz Barros :
Do cirel do Recfe Aggravante Antonio da
Silva Ferreira Jnior, aggravado Luis Pereira de
Faria.
Ao Sr. deaembargador Buarque Lima :
Do eommercio do ReciteAggramntes Ferrei-
ra Guimaries x C, aggravado Miguel Larci-
prete.
Appellaces crimes
Ao Sr. desembargador Alves Ribeiro:
Do Lmoero-- Appellante o juizo, appellado
Joaquim Jos de Sam'Auna.
Ao Sr. desembarcad jr Tu varea a Vasconeellos :
Do LmoeroA pallante o promotor publico.
ippellado Manoel Alexandre de Mello.
Ao Sr. conselheiro Qieirot BaiTis :
Do BrejoAppellanto Sebast.o Jos dos San
tos, appellada a justiea
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
De Vertentes--Appellanto o juizo, appelisdo
Manoel Francisco Xavier.
Ao Sr. desembarg idor Toacano Barreto :
Da Parabyba--Appellante o juizo, appellado
Ma>-tnbo Francisco Pereira.
Ao Sr. desembargador Dclfiuo Cavalcaute :
Da Parahyba--Appellante o juizo, appellado
Jos Theotonio Duarte de Souza.
Ao Sr. desembargador Oliveira Maciel .
De AJaga do Monteiro--Appellante Sebastian
Jos da Rocha, appellada a justiea.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
De Alago i Nova--Appellante o juiso, appella-
dos Fel8miao Meudes de Queiroz, Victal Meles
de Queiroz e outro.
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
De Goyauna Appellaate o ja*o, appellad i
Frederico Ferreira MendesGuimaries.
Encerrou-sG a sessao a 1 1/2 hora da tarde.
INDICARES OTIS
Medico*
O Dr. Lobo Moscoso, de
viagem ao Rio de Janeiro,
oxercicio de sua profissao.
10 s 12 horas da manhl.
volta de sua
conntia no
Consltaas das
Especialdarl-s
i!perac5es, parto e molestias de 8"0horas e
neniaos. Ra da Gtaria n. 39.
Dr. Barreto Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1. aojar da capa
* ra '> Barao da Victoria, n. 51. R'?t)i
dsneia ra Seto de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudaio n. 25.
O Dr. Castro Jess tem o seu consul-
torio medico, ra do Boni-Jeaus n. ''i,
sobrado.
Dr. Gama Lobo medico operador e par-
toiro, residencia raa do Hospicio n. 20.
Consultorio : roa Larga do Rosario n. 24 A.
Consultas das i 1 horas da maoha s 2 la
tarde. Especialidade : molestias e opera-
v8es doa orgios genito-urinarios do homem
i da mulher.
Dr. Joaqain Loureiro mdico e parteirr
Consultorio na ra do Cahug n. 14, 1..
andar, de 12 s 2 da tarde; residencia no
Monteiro. .
Dr. Virgilio Tavares de Olivara, r
consultas ra do Rangel n. 35, 1." andar,
iod pJo ser procurado das 11 horas da
nanh s 3 horas da tarto, dos dias nteis.
Especialida le molestias internas. Gratis
aos pobres.
Ciiiimilliiriii llnime ijintlr
O Dr Miguel Themudo, medico h i-
mceopatico, tem o seu consultorio ra Barao da Victoria n. 7, 1. andar, onde
d consultas diariamente das 12 s 3 ho
ras. Chamados por ese-ripio a qoalqu r
hora do dia ou na noite.
orgao, poU que esses, ios quaes nos referimos,
foram perietos bastardos do sufragio popular, en-
traram para o Parlamento ob e subrepticiamente,
com diplomss falsos.
O do Dr. Bcnto Ramos ti legitimo, tao poro
ro limpo como o qne mais o fbr.
E' igualmente talso que o honrado fir. Cockles,
subdelegado da Nova Crus, em Iguarass, man-
dasae espancar o Sr. Joaquim Pereira Je Alba,
querque.
Tal espaacamento nao se deu, como confessa a
propra J'rovineia, nao porqne o impedase o 8r_
Jeronyrao do Andrade Lhna, roas porque taes vio-
lencias nao esto nos hbitos pacficos, nos costa-
mes brandas do honrado Sr. Cotk'es.
E' possivel que o Sr. Cockles tenfca feito ir i
sua presenca o Sr. A'buquerque; possivel mesmo
que o teuha prendido. So o fez nao foi se mo-
tivo; e elle ha de Vir -dsel-o na imprensa. Por
ora nao podemos contestar in tintine esse facto.
O que, porm, contestamos, era faca dos sntece-
deutes do Sr. Coekles, peraotc a houradez do seu
carcter e se suas uorinas de proeeder como au -
toridade zellosa e bttn intencionada, qoe o sub-
delegado de Nova Cruz teolia dado ordem ss
pracas do destacamento par* eapaiicur o ir. Albu-
querque. _
laso formamos prori ser falso, afBrmiun-s ser
urna mentira, urna calumnia da Provincia, porque
taes factos nao se coadunara com os sentimentoj
elevados, com os nebres intuitos do hourado sub-
delegado de Nova Cruz
Actualmente nao se espines niogucm em Igua-
rass. Esse regiinem foi do trinpo d .a iioeraes-
N'esses famlicos lempos, os mandos d'aquella
aldeis, bem coobecidos da Provincia, mandovam
por no trono e espancar s tortas e s direitas.
Que o diga, para nao citar ontras vctimas, o ex-
juz de direito da comarca Dr. Martina Pereira.
Felizmente esses temos passaram. Na i ha au-
toridades polciaes, em toda a comarca de lgua
rass, que sejam capazes de taes arbitrariedades e
violencias.
Poda, poB. a Provincia mentir seu bel-prazer.
Nnguem acredital-a-ha, porque todos sabem que
a sua devisa mentir e mentir tempre
Abistotbles.
O bacharel Virginio Marques, enoarrega-
sc de queatoos civis, o.umerciaes, crimi-
oaes e orphaaologicas e d-'feza porante o
jury d'esta e das comarcas'prximas. Es
criptorio a ra 1." de Margo 18. 1.* andar.
ResiJencia-r.ua do Hospicio n. 83.
Drogara
Francisco Manoel da Silva A C.. dopo
jitavios de todas as especialidades pharmk
ceticas, tintas, drogas, productos chimict
r i medicamentos homceopaticos, roa do Mr-
quez de Olinda n 23.
iirornrln
Faria Sobrinho & C-, droguistas por at-
tacado, roa do Mrquez de Olinda a. 41
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de caraptha
de Francisca dos Santos Maodo, caes
de Capibaribe n. 23. N'eate grande eata-
belecimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra-se e vende se madeiras
de todas as qualidades, serra-so madeiras
de conta alheia, assim como se preparara
obras do carapina por machinas e por pre-
go sem competencia Pernambaeo.
PlfiL.aCOES A PilItiO
Sempre a mentira
O orgao da oposicao, que melhsr se poderia
chamar orgao da mentira, uao perde vasa em atri-
buir actos mos aos seus adversarios, comtanto
que disso finja tirar proveito, embira contra o
preeeitos da moral.
Todos os dias traz a Provincia pelo menos urna
mentira, e ha dias em que as suas columnas vem
pejadas i'essM dilectas filhaa do sea bestanto.
Hontem trouxe ellaa Marajona duas grossas
mentiras: urna para malsinar o Dr. Beato Ra
moa, Ilustre depuUdo geral pelo 11 districto; a
ontra para deprimir do subdelegado do Nova Cruz,
o Sr. Francisco Cockles Teixeira do Amaral.
Quem conheco o Dr. Bento Ramos, sabe que
elle um homem prudentsimo, de carcter conci-
liador e honesto, e como tal incapaz de desacatar
i quem quer que srja.
N2o ha, pois, quem poasa trepidar em qualificar
de mentirosas as seguintes linhas que hontem pu-
blicou h Proumeia.
Indo criado d i Dr. Miguel Barros bascar urna
carga d'agua em urna cacimba de uso publico, o
proprio Dr. Bento Ramos derramou a agua das
ancoras e depois de altercar com o criado, mandou
por elle dser ao seu amo que o desacatara publi-
camente.
O Dr. B;uto liamos uo deseen, nem descera
essa baizeza, uao obstante todo quanto tem prati-
cado em Bom Cons-.-lho o treiego juia municipa
Jr. Miguel Bairos. um juiz sevabj^mente politico>
e que p >r espirito partidario capas de grandes
desatinos.
A' esso juiz melhor cubera o qualifieativo da
bastardo da magistratura do que ao Dr. Bento Ra-
mos o de bastardo representante desta provincs.
De todos quantos homens tem representado Per-
nambueo no Parlamento, nenhum mais legitimo
do que o Dr. Bento Ramos. A sua eleicao pelo
11 distriett. tem sido sempro fTpontanea e hon-
rjsms'ma. Outro tanto nao podem dizer os ami"
gos da Previneia em rdacao alguna dos repre-
sentantes das ideas de que case pape'ucho se dia
Qneste do seguro do brigue
< I IlI'i
AO ILLM. SR. DK. ANTONIO ( LODOADO DK
SODZA
A Companhia Indemnitadjra nao pide deixar
pis?ar svn refip.is'a oque insto Jornal de 13, fez
publicar S. S. com relaea > ao celebro naufragio
d.; brigue Unido no porto de Penedo.
Com quanto S. S. so dirigisse a Um accionista,
que eutendeu publicar um trecho do relatorio da
direccao que tra'a do assumpto, e com o que tan -
to S. S. iucommodou se, todava se S. S nao fises-
se publicar tambem a sentcnca proferida no juizo
commercial, do Rio de Janeiro, cm opposicao a
que esta companhia aqui obtuve, proferida pelo ia-
tegerrimo juiz subst tuto do eonunercio, hj* des-
embargador da RelacSo da Fortaleza, o Exm. Sr.
Dr. Adelino Antonio Oe Luna Freir, por certo
nao viria a Companhia por sua ves molestar a S.
S. a quem desde j pede desculpe.
Fique certo S. S que Um accirmitla, que inti-
mo amigo de S.S. nai tevo em mente, quan i > fez
a alludida publicacao. crear apinio e prevenir o
animo dos hnralos desembargadores que no Tri-
bunal da Kc'acao tem de julgar a questio, e sm
patentear ao publio o escandaloeo naufragio, pois
que S. S. que do foro, melhor do que niuguem
est habilitado a saber quanto sao doutos estes
d. :euiburladores, para se dex-.rein levar por fu!
sas opinoes.
So a questao debatida no Iii j de Ja.miro fosso
instruida com documentos eoir.o os que a Compa -
nhia ndemnitadora provou o sen direito, por cer
to o resultado seria outro, e depois iguora-se aqu
o motivo da questo alli, porque todo o valor do
carreg ment qne foi considerado e provado ex-
cessivo ua impoitancia de 130:000^000, fieou se-
guro na Baha e aqu, salvo se sobre o casco e
o frete, e se assim : o coso de dser se o Unido
perdeu-se com todos os sacramentos.
Com o devido respeito, pede vena a Companhia
Iademnisndora a S. S. para Ihc dizer que uao se
aBja tanto, porque a nossa causa tem ainda de
serjulgada por provectos 5 doutos magestrados,
ficando entretanto desde ji S. 8. certo de que a
Companhia lodemnisadora acatar com todo o res-
peito o resaltado, qaalquer que elle seja, que n'a-
queile Venerando Tribnaal obtiver esta magna
quest", para a companhia mais de moralidaie do
que dedinheiro.
Anda a Companhia Iodemoisadora pede liceu-
ca a S, S. para lho diser (o que S. 8. bem sabe) qne
Be as ompanhiaB Prevdente e Nova Permanente
do Rio de Janeiro, tvessem comprovado o sea di
reito, como squi a lodemnisadora o fez com do-
cumentos irrtfiltaveis, e qoe constando dos autos
foram admittidos pelo juiz julgador na primaira
ius'ancia, entre el les o de fl i. 326 que prova que
o Uniao logo que ehegou do Rio ao Penedo, des
pedio toda a sua tripolacao o de fl-s 212 que pro-
va que a nova trpolacao em vez de ser engajada
pelo armador, como Ihe competa, o foi pelo; car-
regadores, que nem ao meaos a matriculou, como
era de obrgacao os de fli. 255, 263 verso e 266
verso, que provam que a nova trpolacao, quando
entrou para bordo do UniSo. estava elle j dees-
cotlhas fechadas e lacradas, o de fli. 320 que
prova qne o Unio qne se deatinava nma via-
gem de longo cureo (para o Havre) nao levara
pi loto, sendo apenas encontrado um contra mostr,
que segundo coofeseou, nao entenda de nutico,
os de ib. 255, 2C3 verso a 267 que provam que o
oaufrngo do brigue Unio foi com antecedencia
projectado, prepaiado e execntado peloarromba-
meoto f.dto ao mesmo navio, clsro est que outra
seria a seutenea dada pelo juiso commercial do
Rio de Janeiro, pois que s pela falta de provas
que o r.spectivo juiz f undamrntou-a, como se v
da pubcaclo de S. 8.
Eacusado diser-9e que todas estas manobras
foram feitas para dissimular a fraudado carrega-
mento de 10:000 touros, que em lugar de sereno
embarcados erara eondnzida para nma ilha parto
de onde estava tandeado o Uni&o, conforme se v
dos dooamentos ds fls. 196 a 200, alm de outros
que constara dos autos.
Seja porm, como fr, S. 8. de ve esperar sem
veame o veredictum do Tribunal a que est su-
jeita a questio, ficando seiente desde ji S. S.
para sua completa traaquillidade e para qne nSo
continu a ser iiyustu que a sentenca que a
Companhia ndemnitadora, obtve, e cora a qual
parece tec S. S. se desnorteado um piuquinho L\
fundada na mais completa justiea e imparciali-
dad?, dignas de um carcter illibad", de quem a
proferio, p' lo que n" estava 8 8. autorisado
dizer o seguate, que consta das suas razes de
apoellacao :
' Nada vaieu aos appellaiites !
Parece que o deslino t:nha asaentado que
de vamos ser vonoidoa ... tomos vencidos I
O resoltado, porm, nao no3 surprehendeu,
parque, -- -nos permrttdo dzcl o i desde que
os autei subiiam a conclusao para julgamento
final sentimo-nos faUlmente dominados pela
idea de que seriara os appeilantes ondemnados,
nao obs*tte o sea bom direito .
E' esta a unioa resp^sta qne a Companhia n-
demnitadora em aomenagem a S. 3. Ihe d res-
peito deste assumpto, que sem duvida tem feto
por rautas vezes a sua consciencia de homem
honrado, orno estreme-er, mas que a sua pro-
fissao de advogado nao pode abandonar.
Recfe, 14 de Marco de 1837
O director,
oaqtim Alves da Fbmeca.
Di.



>

Medico, partelroe .per*d?'Lj
Rezidencia ra Bardo da Viatort-t.. 15,1 andar
Consultorio ra Duque de Caxiasjn. 53.
D* consultas das *1 bow d manhl as 2 da
^Altead- nara os chamados a qnalqner bors
telephone n 449.
TT
*f


Diario de PernanibucoQuarta--fcira 16 de Marco de 1387

*

Ferro-va do LloeIro
No dia 9 do correte, aleen de oatros objecto3,
despachei na estacio do Brum, como bagagem,
dous sabiis da matta, passaroa que eu os tinba na
estima de man da 30/ cada um.
Apenas cheguei na eataco do Limoeiro, o meu
- rmeiro cuidado foi ir a baga?em receber os meas
passsros, que vinham em gaiolas de madeira no -
vas e muito seguras.
N'esta occasiio encontrei apenas um breqnista,
-que me entregoa as gaiolas urna eom pastaro e
outr vasia.
Perguntei-lhe pelo passaro, e elle daseme que
nao sabia ; depois, porm.disse ter fgido em va-
lm; e ebegando neisa occasiio o Sr. Braga, che-
id da estacio, disse-me com todo o cynismo que a
companhia receben 6*1 rs. por cada passaro, mas
que ni) se reaponsabilisava por eiles.^deixando
ntender-se que os empregados da liaba frrea do
Limoeiro, tcitamente esto anterisados a subtra-
hir todos os passaros que tenham de ser remetti-
dos pela estrada de ferro.
O desapparecimento rpido do chefe do trem,
jnuito significativo, s me pareccu ter sido para ir
esconder o passaro.
Instei com o chefe da estacio para o mandar
chamar, e este respondeu-me que ja se nnba ido
embora e nao-sabia, resposta que so re relava con-
luio entre elles.
O desan-aojo foi tal na estacio, que, na porta
alo tinha um s empregado para receber os bilhe
es de pasaagem. M-< foi mister, depois de tu lo,
ir procurar o chefe: da estacao para entregar os
meus na importancia de 80 e tantos mil ris, oito
passageus tnteirs e urna meia passagem.
Su > comento estes f&cto'.
L-moeiro, 13 de Marco de 1887.
Emulo de S. Costa.
Ao publico
Sempre prompa em deprimir do honrosos pre-
dicados do subdelegado de Nova Cruz, comarca de
Ixuarasa, tenante Francisco Cockles Teixeira de
Craujo e Silva, vem a Provincia de boje com
nina noticia inexacta cerca de factos all occor-
ridos en um dos dias deste mer, em que s poe em
ecena a ferocidade do carcter de tio digno em-
pregado.
Eis o facto :
Joaquim l'easoa propositalmente recusando se
obedecer a um artigo do regulamento do Porto,
tumo* aquel a autoridade que elle viesse a sua
presenca, exhibir sua matricula, coito canoeiro
que ; entretanto nessa occasiio proenrou resistir
a ordem, pelo que resnltou serpr^so e remettido
i-.ra a cadeia de Iguarass por 24 horas, passa-
das as quees foi loga posto em liberdade.
Joaquim nao tem ainda posioio para se oppor
crdem legal emanada do Sr. subdelegado, qne se
lem sabido cellocar na attitude correspondente ao
coaceito de que sempre goaa.
Pebre canoeiro, sem eatimulos, Pessoa instigado
p^r meia dnsia do imprudentes, se tem tornado
odiento, detractando at da vida privada do te-
nante Cockles.
Relativamente ameacas contra tal individuo,
de que se prcvaleceu o tal orgio, nada accrescen-
taremos senio que Pessoa cohiba-se de valentas
c bem assim em recalcitrar desobedecer as ordene
superiores.
Eis a verdade que nic podia deixar de ser tes-
temunbada pelo .
Imparcial.
Recife, 15 de Marco de 1887.
Atten$ao
Responde-se a Um mteressado que por tan
tas vexes se tem patenteado no Jornal do Recite
d'esta cidade, que para enmprir com oa seus de-
veres, as autoridades judiciarias da Escada, nao
precisan de suas advertencias, nem tio poueo, que
lhes eatejam ensinando como devam elLs proce
ceder no inventario do finado Jos Luis da Silva
Potte. Iodubitavelmente essas respeitaveis auto-
ridades poderio, em eu tempo, deacriminar o faleo
de verdadeiro, O embate da sincerdade sem o
uxilio de qaem quer que teja.
8e eare interessado tanto ae intereeia por aquelle
inventario, apreeeote-se de viseira erguida, assigue
o si-u nomo bo cartel <'e sen desafio, maa nao,
como o cao que ladra la, ou infame que se oe-
culta no escondrijo immundo do anonymo, para
atraesalhara quem nunca proceden como ello,
pois, ambes, na esphera em ue gyram, sao bas-
tantemente conbecidos nSo so na Escada como na
cidade do Recife.
Nao portanto com bravatas ou com as astu-
cias do vil covarde, que ella se desembaracari das
ti as em que est emmaranbado.
I-to lbe affirma.
O verdadeiro interessado
Professora
Urna senhora competentemente bal cada, pro-
ooe-se a loccionar em cellegios e casas particula
'es, as seguiotes materias : portngus, francs,
msica e piano ; a tratar na ra do Marques do
Uerval n. 10.
COMERCIO
BiKa commerclal
COTA9OES OFP1CIAK8 DA JUNTA 008 COB-
HKCTOBE8
Recife, 15 de Marp de 1887
'ambio sobre o Rio de Janeiro, 60 d/v. com 2 3[8
010 de descont.
Cambio aoore Santos, 60 d/v. com 2 3/8 0|0 de
descont.
Jambio sobre o Rio Grande do Su I, 90 d/v. com
4 3 1)4 0/0 de descont.
O prndente,
Antonio Leonardo Rodrigues.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
ovimcnto bastearlo
RECIFE, 15 DE MASCO DE 1887
Os bancos mantiveram hoja no balco a taxa
de 22 1/8 d. sobre Londres, de accordo com as ta-
bellas seguintes:
Do London Bank :
Sobre Londres, 90 d/v 22 1/8 e 4 vista 21 7/8.
Sobre Pars, 90 d/v 429 e vista 433.
Sobre Hambnrgo, 90 d/v 532 e 4 vista 538.
Sobre Portugal, 90 d/v 240 e 4 vista 243.
Sobre Italia, 4 vista 433.
ore New-York, 4 vista 2*290.
Do Engih Bank :
*obre Londres, 90 d/v 22 1/8 e 4 vista 21 7/8.
Sobre Paris, 90 d/v 429 e 4 vista 433.
Sobre Italia, 4 vista 433.
Sobre Uamburgo, 90 d/v 32 e 4 vista 538.
Sobre New-York, vista 2*290.
Sobre Lisboa e Porto, 90 d/v 240 e 4 vista 243.
Sobre as principaes cidades de Portugal, 4 vista
248.
Sobre liba dos Acores, 4 vists 251.
Sobre Una da Madeira, 4 vista 248.
Mercado de aoNurar c algodao
SECIFE, 15 DE MA8C0 DE 1887
Astuear
Forsm rrguLres as entradas.
(Jeta se ao* algarismos seguiotes :
.').* baixo, por 15 kilts, de 2*000 a 2*100.
3 regalar, por 15 kilos, de 2*100 a 2*200.
.1 > boa, por 15 kilos, de 2*200, 2*300 e 2*400.
.">. superior, por 15 kilos, de 2*500 a 2*600.
Bisoco turbina pulverizado, por 15 kilos, de 2*300
a 2*400.
Sjxenos, por 15 kilos, de 1*600 a 1*700.
Isbcavado, por 15kilos, a 1*200 a 1*300.
Bruto, por 15 kilos, de 1*100 a 1*200.
itetames, por lo kilos, de 840 a 1*000.
O mximo ou mnimo dos piteo sao obtidos
: irme o sortimeuto.
Algodao
1 prego do algod&o baixou para 6*200 a 6*250
15 kilos, o de Peruainbuco e boas proceden-
em trra.
Frelasmento*
tusram-se os seguiotes :
i'ataeho norueguenso Seform, para carregar as-
; aqu, com destino ao Rio Grande do Sol ou
totas, a 260 res por 15 kilos. ,
Pao d'Alho
Manoel Gomea Pinto tem procuradlo dos eon-
senhores da casa n. 9 4 ra da Matris, cidade de
Pao d'Alho,"- para vender, receber o preco e dar
quita cao.
Qaem a pretender dirija sa 4 ra do Prdre
Floriano n. 32.
Viscoode de (iiararapes
Atiesto que tenho nm mulato queja tendo sof-
frido 4 4 annos de Beribre, e estando muito incba-
do, e cansado, appliquei-lhe o Cajurubbi em do-
ses regulares, ficon do todo restabelecido, e tem
passado sempre bem.
Tenho nm outro que sonra de astbma, com o
mesmo remedio eati inteiramente curado, e sei
que outras pessoas que sofiVerao da mesma mo-
lestia de asth sa estilo curadas e com o mesma re-
medio.
E' o quo posso affirmir sobre o Cajrubba, e
ato por me ter pedido urna pessoa de minha ami-
sade.
Engenbo Velho, 9 de Marco de 1887.
Viiconde de Guararapfs.
A firma est4 recouhecida par tabelliao pu-
blico.
Collegio Neira
Est.- collegio abriu Bas aulas desde o
dia 15 de Janeiro prximo passado.
Ecsinam-se nelle todas as materias qu
cunstituem o curso preparatorio as facul
daJes do Imperio, sendo o pjBSoal docente
o maia habilitado quo se poda desejar.
Contina a funecionar a aula primaria,
quo poder receber alumnos da ruis ten-
ra idade, pois dirigida por rfuas tildas do
director, das quaes urna aluinna do ter-
ceiso auno da faculiade de direito do Ri
cife.
Do dia 1.* de M>rC em diante abrir se-
ba urna nula da lingua allemS, em que se
ensinar a traduzir e a fallar essa liogua.
O professor respecjivo ser o Sr. Alger
non Sidney S.thiener.
Os estudantes, que quizerem frequentar
esta aula, pagal-a-iiSo separadamente da
monsalidade do collegio.
O director do colijG'O meira espera o
msis de idido apoio dos pais de familia,
que desejam o real apnneitamento de seus
tilbos, pois que tem sempre tido por pro-
gramos dar aos alumnos, que lbe sao con-
fiados urna verdadeira iastruccSo a par do
una boa educacSo moral.
O resultado dos exarues 'feitos no fira
do anuo passado o eloqueate atestado
cu) favor do COLLEGIO MEIBA.
Dos dzenove alumnos que foram oujeitos
a exame, apenas douf foram mal suicedi
dos.
Recebem-se alumnos internos, meiopeu-
sionistas, e externos.
Ra da Iraperatriz n. 63 2 andar.
Resife, 26 de Fevereirode 1837.
O director,
Ascencio Minervino Meta de VatconceUot
N. 7. A EroulsSo de Scott omelhor re-
medio at hojo descoberto para a cura da
tsica, bronchites, escrfulas, anemia, ra-
chitis e debilidade em geral ; tambem e
um curativo infallivel para os defluxos
tosse chronica e affecjSas da garganta.
Preparatorios
O abaixo assgnado, antigo profassor do collc-
So-Iioo Jess -o maia acreditado de Alagoas,
:cioiih nesta cidade em casas de particulares ou
d sua residencia. Pode ser procurado na ra da
Concordia n. 73.
L Lavenre W*
:i2:s5:aasfiisiA
Patricio Moreira
(Ex diacipulo le Frederlco Mala)
Consultas e operaces das 9 horas da manha s
4 da Urde.
57RA DUQUE DE CAXIAS-57
Barca noraeguense Noatum, para carregar al
godao em Guarapes, a 3/8 e 5 0A) por libra.
Barca inglesa Mlnnia, para carregar assncar
em Mace', com destino aos Estados-Unidos, a
17/3 por tonelada.
Entrada* de asaltear e alatoddo
JTEI DE XECO
ETSADAS
Barcacas.....
Estrada de ferro de Olin-
da......
Estrada de ferro de Ca-
ruar.....
Animaes.....
Estrada de trro de S.
Francisco .
Estrada de ierro de Li-
moeiro .....
1 4 12
1 4 12
1 4 14
1 4 15
1 4 11
1 4 12
29.464
2.200
4.852
4.860
13.460
4.714
1.708
2.266
57
5.066
2.885
2.384
59.550' 13.366
arca nacional vega
Devo sabir hoje para Bltico, levando 2,720 sac-
cas com algodio.
late nacional 8. Lourenco
Deve sahir hoje, levando para o Para 285/2 bar-
ricas com aseucar branco.
Vapor lacles tnaandalc
Sahio hontem para Liverpco', com a seguinta
2,083 laceas com algodo.
5,400 saceos com caroeos de algodao.
Barca Boraeiuease KlkuadasDnd
Saho hontem, com destino a Bltico, para onda
levou 2,880 fardos de algodio.
Encuna Hueca Loreley
Seguio hontem para Porto-Alegre, com o carre-
gament seguinte : -
40 saceos com assucar branco.
460 ditos com dito masca vado.
550 barricas com dito branco.
75/4 ditas com dito dito.
200 ditas com dito mascavado.
5 saccat com algodio.
Vapor nacional tUquia
Segoio antehontem para a liba de Fernando de
Noronha, com o carregamento seguinte :
1 barrica coas assucar branco.
3/2 ditas com dito dito.
68 saceos com dito mascavado.
43 saceos com caf.
480 saceos com farinha de m indioca.
78 fardos com xarque.
2 birricaa com bolacha.
12 saceos com milho.
9 ditos com sal.
33 caixas com sabio.
44 latas com fumo.
0 esleirs para eangalha.
24meio de sola.
idvogado
O bacharel Julio de Mello Filbo tem o
seo esoriptoro de advocacia ra Primei-
ro de Margo n. 4, Io annar, onde pode
ser encontrado
3 da tarde
drs 10 horas da manha s
alista
Dr. Ferrara da Silva, consultas
das 9 ao meio dia. Residencia e
consultorio, n. 20 ra Larga do
Rosario.
Ao publico (1)
O Sr. Bernardo Jos dos Santos, residente no
Cerrito, municipio de Pelota, provincia do Bio
Grande do Su!, querendo prestar urna buinenagem
4 verdade, tornando publico as virtudes do pel-
(oral de cambar, preciosa descoberta de
Sr. Alvares de 8. Soares, de Pelotas, fes publicar
o seguinte importantissimo documento, em diver-
sos pi-naes da referida provincia :
L"vo ao conbecimento do publico mais um
triumpho alcancado pelo popular remediopel-
toral de cambardescobeita e prepara-
cao do Sr Alvares de S. Soares, de Pelotas.
flavia seis annos que urna toase grave me
atormentava dia e noite, fazendo ltimamente dei-
tar j abundantes escarroa de sangue : os pulmoes
com cortesa achavam-se affectalos e eu teria in-
fallivelmente de suecumbir 4 terrivel tsica pul-
monar t
Uin amigo sabendo do meu estado, aconse-
ibou-mc o precios > pclloral de cambar,
e somente com o uso de 12 vidros deste importan-
tissimo medicamento, consegu curar-me radical-
mente, sentindo me boje forte e podendo j4 entre-
gar-mo s lides de minha fazenda do Cerrito.
D. pois deste caso. tenh> aconselhado a milita
gente o peitoral de cambar, e todos tm
colhido resultados importantes.
Actualmente faz uso deste preparado, com
muito aproveitainento, miaba filha Neufndes, que
tambem se acha soffrendo do peito.
Fazenda do Descanco, no Cerrito, 24 de Ou-
tubro de 1884 Bernardo Jos dos Santos.Re-
conheco como verdadeira a firma supra. Em tes-
temuoho de verdade, o esurivj de paz Roldao
S. de Gonveia.
nicos agentes e depositarios geraes nesta pro-
vincia Frastclaco Manoel da Silva A C
a ra Marques de Olinda n. 23.
Dr. Joao Paulo
HBDICO
Especialista em partos, molestias de senhoras
de crianzas, com praticn as principaes materni-
dades e hospitaes de Paris de Vieana d'Austtia,
fas todas as operaces obsttricas e cirurgicas
concernentes as suaa especialidades.
Consultorio e residencia na ra do Bario da
Victoria (antiga ra Nova} n. 18, 1 andar.
C.insultas das 12 as 3 horas ds tarde.
Telepbone n. 467.
\
Officina de esculptor e enta-
Ihadorem madeira
85 KA DO BOM-JaRDIM87
PORTO
Encarrcga-se de todas as imagens em
qualquer tamanho, altares, saacluarios, to-
eheiras, casticaes, jarras e sacias, bem co-
mo tarmbas fanerarias, figuras allegori-
^ cas e serpentinas, tudo pertencente 4s di-
tas artes. Tambem se encarrega de pintu-
ras e pratas para iinagcus.
brande deposito de redomaa e
planbas para as aema
Profesara de canto
Tendo resolvido fizar residencia nesta
cidade, propo^-se a dar lines de cantoria
em casas particulares, promettcnlo esfor-
car-sn o mais possivel pelo aprovoitamento
de ssiis discipulas, podendo ser proeuraJa
ra do Imperador n. 44, 3." andar
anco de Crdito Real
At o da 31 do corrate mes de Marco, devem
os accionaaa de Banco de Crdito Real aWer-
nambnro resliasr a fereeira entrad* do valtr no-
minal de anas asycVs, aa raza* de 10 0/0, levan-
do-a 4 sede do banco, *na rna do Commercio n.
34.
Calxelros despacbasKes
No praso de 15 dias, contados de 9 do torrente
mes de Marco, os caxeiros despachantes da Al-
tandega devem apresentar-se na 3. seccio deesa
reparticio, afim de renovarem suas flaneas, sob as
penas do art. 163 da cons*lidacio das leis das Al-
fandegas e mesas de rendas.
Notas do Tuesouro dilaceradas
O rccolhimeoto de notas dilaceradas est sendo
feito na Thesoararia de Fazenda, as terets e
sextas-feiras, das 10 as 12 horas da manha.
Subatltaicfio de molas do Tbesoaro
Em 31 do corrente mes termina o praso mar-
cado para recolhimeuto, sem descont, das notas
de 2O00 da 5* estampa, 10/000 da 6* e 55000
da 7.
A substitnicio eat sendo feita na Tbesouraria
de Fasenda, nos dias vitis, das 10 as 12 horas da
manhi.
Paula ds Aifandesra
sksaaa de 14 a 19 ds kaioo di 1887
Alcool (litro) 218
Algodio (kilo) 353
Assucar refinado (kilo) 151
Dito branco (kilo) 131
Dito mascavado (kilo) 067
Borracha (kilo) 226S
Cacao (kilo) 400
Cachaca (litro) 077
Caf bom (kilo) 460
Cafrestolho (kilo) 320
Carnauba (kilo) 366
Careos de alrodio (kilo) 014
Carvio de pedra de Cardifi(tox) 16*000
Couros seceos epichados (kilo) 585
Ditos salgados (kilo) 500
Ditos verdes (kilo) 275
Farinha de mandioca (litro) 050
Fumo restolhj (kilo) 400
Genebra (litro) 200
Mel (litro) 040
Milho (kilo) 040
Taboados de amarello (duzla) 100/000
Kiportjco
sem 14 di masco di 1887
Para o exterior
Na barca inglesa Danstqffnage, carrega
ram :
Para Boston, J. Patsr & C. 4,000 saceos com
300,000 kilo de assucar mascavado.
Na barca noraeguense Eikunidatund, carre-
garam :
Para o Bltico, Boratelmann C. 80 sardas
com 16,252 kilos de algodio.
=-- No lgai nglet Boland, carregou :
Para New York, M. J. da Rocha 1,000 saceos
com T6.G0J kilos de assucar mascavado.
o vapor americano Finance, earregaram :
Para New York, Abe Stein & C. 14,050 pelles
de cabra ; H. Stolzenbaoh & C. 600 pellos de
cabra.
Advogada e professor de Hopas
O bacharel Eduardo Alfredo de Oliveira tem
aberto o seu escriporio de advogado 4 ra 1* de
Marco n. 4, ondo tambem pode ser procurado para
leccionar o ingles, francs e allemio, pratica e
theoricamente, nos collegioa e casas de familia.
Tambem para a commedidade dos estudantes
e empregados do commercio, resolveu abrir -nm
carao nocturno daa ditas linguas. A tratar no
escripturio cima referido.
Clinicamedico-clrurca
DO
Dr, Alfredo Gaspar
EspecialidadePartos, molestias de senhoras e
criancas.
Residencia Ra da Imperutrix u.J4, segunda
andar.
Dr. Mello Gomes
Medico clrvrgi&o partelro
Ra de Paulino Cmara Cantiga da Camboa
do Carmo n. 36), onde pode ser pro-
curado qualquer horado diae da noite.
Consultas :10 ao meio dia
Chamados por cscripto.
Especialidades ;Febres, molestias de peito e
das senhoras, syphilis e soffrimentos da urethra.
Acode a qualquer chamado para fra da ca-
pital.
Tambem pode ser procurado, de meio dia s 3
horas, na Pharmacia do Fovo, 4 ra do Rangel
n 34.
:*
MEDICO HOMEOPATHA
Dr. Ballhazar da Silveira
Especialidadesfebres, molestias das
> riancas, dos org.ljs respiratorios e das
'enhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
fon da capital.
8
AVISO
Todos s chamados devem ser dirigi-
dos 4 pharmacia do Dr. Sabino, 4 ra da
Bario da Victoria n. 43, onda se indicar
sua residencia.
Curso terico opto h illiu
DO COLLEGIO
O director deste estabelecimento, avisa ao pu-
blico, que, psra propagar o goato peiu cstudo Has
linguas, abriu um curso de allemio, oade os alum-
nos poderao npprender esta Magua tanto pratica
como theoricamente.
A referida cadeira regida pelo Dr. Eduardo
de Oliveira, que tendo residido quatro annos
e meio no mui conhecido collegio BRE DEN-
STEIN, na Suissa, achase perfeitamcute habili-
tado, par bem desempenhar essa incumbencia.
Aquelles que quiserem se matricular no dito
corso, queirain entender se com o director do col-
legio, ou com o Or. Eduarlo Alfredo de Oliveira,
na ra 1 de Marco n. 4.
Jos Ferreir da Cria Vieira.
Leonor Porto
Rna do Imperador u. 4 5
Primeiro andar
Contina a execatar os mais difficeis
figurines recebdos de Londres, Paria,
Lisboa e. Rio de Jaueiro.
Prima'em perfeicaode coatura, em bre-
I vid de, modicidade em preco e fino
g osto.
Dr. Comira lio
MEDICO
Tem o seu escriptorio 4 ra Duque de Casias
n. 74, das 12 4s 2 horas da tarde, e desta hora
em diante em sua residencia 4 ra da Santa
Crns n. 10.
Especialidadesarolestias de senhoras e crian-
5as.Tolephone n. 326.
aaaimmmMmmmaaaaMaaaBaaaamaamamamamma
Para o interior
= No pata 'ho nacional Marinho 6*, earrega-
ram :
Para Pelotas, P. Carueir* & C. 175 saceos com
13,125 kilos de assucar branco.
Na escuna nurueguense Reform, earrega-
ram :
Para Pelo-as, 401 barricas com 37,920 kilos de
assucar branca e 5u ditas com 5,254 ditos de dito
mascavado.
Na escuna sueca Loreley, earregaram:
Para Porto-Alegre, Amorim Iruiios & C. 5 sac-
cas com 362 kilos de algodio, 200 barricas eom
21,517 1|2 kilos de assucar branco e 50 ditas com
5,486 ditos de dito maseavad.
No patacho ioglez S. Joseph, earregaram :
Para Santos, Maia & Resende 500 saceos eom
30,000 kilos de assucar branco e 1,300 ditos com
78.0UO ditos de dito mascavado.
No vapor nacional Pernambuco, carrega*
ram :
Para o Rio de Janeiro, J. dos Santos Lages
10,000 cocos, tructa ; J. L. de Barros 5,000 cocos,
fructa.
No vapor americano Finauce, earregaram :
Para o Par, Baltar Oliveira 4 C 200 barricas
com 12,000 kilos de assucar branco ; P. C de Al-
cntara 300 barricas com 17,550 kilo de assucar
branco ; F. de Moraes 10 pipas com 4,800 litros
de agurdente ; M. J. Al ves 40 pipas e 50 barr 3
com 23,700 litros de agurdente.
Navio carga
Barca inglesa Dunstaffuaqe, Estados Unidos.
Brigue allemio /. G. Fichte, Montevideo.
Brigue allemio Bruno ds Marte, Hull.
Galera inglesa Lorenzo, Liverpool.
Lugar ingles Boland, New-York.
Lugar nac onal Loyo, Rio Grande do Sul.
Patacho noruegu use Reform, Kio Grande do Sal.
Patacho ingles S. Joseph, Santos.
Pataeho dinamarqus Aimr, Montevideo.
Patacho ingles Plymouih, Santos.
Patacho nacional Marinho VI, Rio Grande do Sol.
Patacho dinamarqus J. P. Larsen, Bio Grande
doSuL
Palhabote nacional i. Bartholomeu, Porto-Alegre.
Vapor ingles Vol, Bai.ico.
Vapor ingles Herichel, LiverpooK
\avto* & deseara
Barca norueguenso Progress, carvio.
Barca inglesa Christiai Scrivey, carvio.
Barca dinamarquesa Arica, carvio.
Barca hespanbola Francisca Villa, carvio.
Barca norueguense Speranta, carvao de pedra.
Escuna inglesa May, bacalhio.
Eeouna nacional Marietta, varios gneros.
Escuna inglesa Bella Rosa, bacalhao.
Hiate nacional Adelina dosAnfos, varios gneros.
Hiate nacional Apudy, sal.
Hiate nacioaal Aurora II, varios gneros.
Hiate brasilelro Dais te Guarde, sal.
Hiate naeioual Flor do Jardim, sal.
Lugar nacional Maia 1, varios gneros.
Lugar norueguense Alrana, carvio.
Lugar ingles May, carvio.
Lagar norueguense Ideal, varios gneros.
Lugar ingles Aureola, bacalhao.
Lugar inglez Lame R. Wilce, bacalhao.
Patacho ingles Buda, carvio.
Vapor ingles Plato, varios gneros.
Vapor austraco Tibor, varios gneros.
Vspor nacional Strgipt, varios gneros.
Consultorio medico
cirurgico
O Dr Castro Jess, contando mais de 12 anno
de escrupulosa observacao, reabre consaltorio nes-
ta cidade, i roa do Bom Jess (antiga da Crus
n. 28, {. andar.
Horas de cnsul (as
De dia : das 11 as 2 da tarde.
De noite : das 7 4s 8.
as demais horas da noite ser4 encontrado no
sitio 4 travesea dos Remedios n. 7, primeiro por -
tio 4 esquerda, alm 1 por cao do Dr. Cosme.
Oculista
Dr. Barrete Sampaio, medico ocu-
lista, ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, da consultas de meio dia s
3 horas da tarde, no 1.* andar da casa
n. 51 4 ra do Bario da Victoria, ex-
cepto nos domingos e dias sintifacados.
Residencia ra Sote de Setembro n.
34. Entrada pela ra da Saudade n. 25.
Medico
Dr. Antonio Cavalcante Pina abiio o su con-
sultorio medico-eirurgico na cidade de Nazareth,
ra do Payssnd n. 5, onde pJe ser procurado
pira os misteres de sua profissio.
EDITAES
O De. Joaquim Correia de Oliveira Andrade, juiz
de direito de orphios e ausentes do Recife e
ten termo, provincia de Pernambuco, por S. M.
o Imperador, a quem I 'eus guarde, etc.
Faca sabir a quem iateressar possa, que tendo
se arrecadado por este juizo o espolio de Saly
Wolff, que nio dexou testamente, sio chamad.s
os seus legtimos sacceesores a se habilitaren) 4
heraoc*, peraute este juizo, nos termos do art.
32 do regulamento n. 2433 de 15 d> Junto de*
1859.
E para constar mindei passar este edita', que
ser publicado pela imprenea e affixado no lugar
do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 23 de Fevereiro do anno do nasci-
mento de Nosso Senhor Jess Cbristo de 1887.
Eu, Luiz da Velga Pessoa, escrivio, o suba-
crevi.
Joaquim Correia de Oliveira Audrede.
2' seccio.Secretara da presidencia do Per-
nambuco, era 12 de Marco de 1887.Do ordem
do Exm. Sr. presidente da provincia e em obser-
vancia do dispusto no art 171 da regulamento
annexo ao decreto i. 9,420 de 28 de Abril de
1885, faco publico que, por portara d'esta data,
foi romeado o Sr. Neneso Carlos Soares Vilella
par servir provisoriamente os officios do 2o ta-
oelliio do publ.co, judicial e notas e escrivo do
crime, civel e execuywos cveis do termo de Bom
Ciusclho.
O secretario,
Pedro Prancco Correia de O'iveira
Ia pra^d,
De ordem da Illin. Sr. Dr. inspector se faz pu-
blico que 4s 11 horas do dia 18 de corrente mes
si-rao vendidas em praca, no trapiche Conceico,
as merendonas abaixo declaradas :
Marca AH&C e contramarca 1H, 1 caixa n
5,342-A, vinda de Hamhargo ni vapor allemSo
Rosario, entrado em 17 de Setembro de 1886,
cootendo 77 k'los de cartoes cortados, abandona-
dos aos direitos por Alberto Hensehell & C
Marca Eli I. 1 caixa n. 43, vinda de Havre
no vapor trances Vdle de Maranhao, entrado em
25 de Janeiro de 1886, conteudo 63 espartilhos
de tecido de elgodio com avaria, abandonados aos
direitos por Francisco Petrocelli 4 Irmio
8* seccio da Alfandcga de Pernambuco, 15 de
Marco de 1887. O chefe,
Cicero B. de Mello.
Juizo dos feilos da fazenda
P nacional
Esekvao Reg Barros
Perante o Sr. Dr. juis substituto dos feitos da
fazenda ae vndenlo em praca publica no dia 18
do corrente, depois da audiencia, os bens seguin-
tes :
Urna casa terrea n. 15 sita nos Coelhos, fregue-
sa da Ba-Vuta, partenernte a Luiz Antonio Pe
reir, avallada por 1:5 '0000.
Um dita tambem terrea n. 10 sita no becco do
Espinheiro 4 ra de Nones Machado, fregnesia da
Graga, pertencente a Marcelino da Silva Lima,
avahada por 400,1009.
Doaa ditas pequeas ns. 26 e 28 na travesea do
Bande.-a e roa Imperial, fregneza de 8. Joe.edi-
Rendlmeatos publico
SdtS DS MABCO
Al/aniega
Renda gera Oa 1 a 14 dem de 15 Renda prov Del a 14 dem de 15 (e la 14 dem de 15 1 : 351:1181106 36:2054421 387:3234536 72:5671594
nsial : 66 8424009 5:7254585 Recebedoria Consulado Provincial Reoije Drainage
453:891/120 51:5324983 8:0384035
De 1 a 14 dem de 15 59:6714018 25.6764390 1:992/899
Oa 1 a 14 [dea d 15 27:669/289 33:4424710 5:8864102 29:2784812
ficadas no terreno foreiro de marinha n. 169 A, per-
tencente a Manoel Cypriano Ferreira Rebollo, ava-
liadas ambas por 200/000.
O dominio til do terreno de marinha n. 169 sito
4 ra Imperial, travesea do Martina da fregnesia
de S. Jos, eutr'ora pertencente a Francisco Jos
Martina da Costa e hoje 4 viuva de Thomaz An-
tonio Coimbra, avaliado o dito dominio til em
1204000. jsf
Urna casinha com um terreno ao lado, n. 304 na
rna Imperial, freguezia de S. Jos, sendo o terreno
da casa foreiro de marinha com a numeaco de
224, pertencente aos herdoiros de Ziferino Amaro
dos Praseres e avahados o terreno ao lado e a co-
staba em 250/000.
Todos estes bena tio vendidos para psgameoto
das execucoes da fasenda nacional contra os seas
possnidoresjacima indicados.
Recife, 6 de Marco de 1887.
O solicitador,
Lus Machado Botelho.
OEGLAR1G0ES
Lotera de 4000 contos
A grande lotera de 4000 coates, em 3 sorteios,
fica transferida para o dia 14 de Maio viudonra,
impreterivelmentf, uns termos do despacho do
Exm. Sr. presidente, de hoje.
Tbesouraria das Loteras para o fundo de
emancipacio e ingenu >s da Colonia Isabel, 14 de
Desembrj ds 1886.
O thesoureiro,
Francisco GonualvesTeirea.
Alfandega dePcrnain-
buco
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector, se fas
sciente a todos os Srs. caixeiros-despacbantes
que, em face do art. 169 da consolidaco das leis
das alfaedegas e mesas de rendas, devem, no pra-
so improrogavel de 15 das, a contar da data do
presente edital, se apresentarem n'esta seccio,
aflu de renovarem snas fianzas, sob pena de su-
jeitarem-se ao que dispoe o art 163 da citada
consolidaco.
3 seccio, 9 de marco de 1887.
O chefe,
Cicero B. de Mello.
VEisERAVEL CONFRARIA
DS
Sania Rita de Cassia
De ordem do conselhn administrativo desta ve-
neiavel confraria, convido a todos os irmios da
mesm.i, para que, paramentados com seus hbitos,
eomparecam no consistorio da nossa igreja pelas
2 l[- horas da tarde do dia 18 do corrate, afim
de aeompanbarem a procissio do Senhor Bom Je-
ss dos Martyrios. para a qual fomos convidados
pela respectiva commsso administrativa.
Consistorio da veoeravel confraria de Santa Ri-
ta de Cassia, 15 de Marco de 1887.
O secretario interino,
Manoel Bandeira Filho.
Arsenal de Guerra
De orden do Illm. Sr. major director, distribae-
se costuras nos dias 16, 17 e 18 do corrente mez,
4s costureiras de ns. 431 a 450, de conformidade
com as disposicoes dos annuncioa anteriores.
Seccio de costuras do Arsenal de Guerra de
Pernambuco, 15 de Marco de 1887.
Flix Antonio de Alcaatara,
Alteres adjunto
Banco de crdito real de Pernam-
buco
Nos termos dos artigos 5 e 6 dos estatutos,
sio convidados os Srs. accionistas 4 realisar at
dia 15 de Abril prximo, na sede do Banco, 4 ra
do Commercio n. 34, a terceira entrada de 10 */c
valor nominal de cada aceao.
Recife, 14 do Marco de 1887.
Os administradores,
Manoel Joio de Amorim.
Jos da Siha Loyo Jnior.
Luis Duprat
Companhia de edificacao
C anmunica-se aos senbores accionistas, que por
deliberacio da directora foi resolvido o recolhi-
mento da sexta preatacio, na rasio de 10 0/0 do
valor nominal das respectivas acedes, a qual de-
ver realisar-se at o dia 12 de Abril prximo
futuro, na sede desta companhia, praca de Pe-
dro II n. 77, 1- andar.
Recife 12 de Marco de 1887.
Gustavo Antunes,
Director secretario.
Vapore enavio* esperado
virosas
Mondegodo sul hoje.
Pernambucodo norte hoje.
Financedo sal boje.
Montevideode Hambnrgo amanbi.
Parado sul amanhi.
Rosariode Hambargo amanhi.
Alliancade New-Port News a 18.
Girondedo sal a 21.
Villa de Rio de Janeiroda Europa a 21.
Bojav8tade New-Jork a 22.
Nevada Earcpa a 24.
Bahado norte a 26.
Espirito Santodo sol a 27.
avos
Amandade Hambargo.
Apotbeker Dirsende Santos.
Aldwathde Terra Nova.
Ameliado Rio Grande do Sal.
Albanade Cardiff.
Bernardas Godelewasdo Rio Grande do Sol.
Cometade Porto Alegre.
Cysnedo Rio Grande do Sal.
Cameliade Terra Nova.
Diadado Rio Grande do Sol.
Enjettado Rio Grande do Sal.
ratede Hambargo.
lite-de Tena Nova.
Eugeniade Terra Nova.
Evorado Rio Grande do Sal.
Guadianade Lisboa.
Glitnerde Liverpool.
Hapnusdo Rio Grande do Sul.
Helenede Hambargo.
Jolanthede Santos.
Joaquinado Porta
Jos Genebrade Liverpool.
Li dadorde Rio de Janeiro.
Mareo Polojo Bio de Janeiro.
Marinho VIdo Rio Grande do Sal.
Meta Sophiade Hambargo.
Metede Hamburgo.
Malpode Brunswick.
Mary-do Rio Grande do Sal.
Moss Rosedo Rio de Janeiro.
Nordsoende Liverpool.
Noruega Ainode Cardiff.
Onr Anniede Buenos-Ayres.
Rosa Hilldo Rio Grande do Sal.
Sophiade Santos.
Vareo da Gamado Rio de Janeiro.
Withelminede Hambargo.
Mercada Municipal de doa
O moviinento deste Mercado uo dia 15 de Marco
I foi 0 seguinte :
Entraram :
421/2 bois pesando 6,134 kilos, sendo de Oli-
veira Castro, 19 ditos de 1.* qnalidade,
12 de 2 dita e 11 e 1/2 ditos particu-
lares.
264 kilos de peixe a 20 ris
68 cargas de farinha a 200 ris
19 ditas de fractas diversas a 300 rs.
11 t able ros a 200 ris
15 Sainos a 200 ris
Foram oceupados:
24 columnas a 600 ris
25 compartimentos de farinha
500 ris.
22 ditos de comida a 500 res
761/2 ditos de legomes a 400 ris
18 ditos de suino a 700 ris
11 ditos de tressuras a 600 ris
10 telos a 2/
7 ditos a 1/
A Oliveira Castro &C:
54 talhos a 1|
2 talhos a 500 ris
Deve ter sido arrecadada ueste dia
a qnantia de
Rendimento dos dias 1 a 14 2:802/420
Foi arrecadado liquido at neje 3:001/900
Precos do dia :
iCanie verde 280 a 480 ris o kilo.
jCarneiro de 720 a 800 ris dem.
Sainos de 500 a 640 ria idem.
Farinha de 300 a 240 ris a caa.
Milho de 260 a 320 ris idem.
Feijao de 640 a 1/000 idem.
Movimento do porto
Navios entrados no dia 15
Liverpool e escala18 dias, vapor ingles Pate,
de 1,084 toneladas, commandante H. W. Ja-
mes, equipageaa 29, carga varios generss ; a
Saunders Brothers & C.
Macao5 dias, byate nacional Adelina ios An-
jos, de 85 toneladas, mestre Manoel Francisco
Monteiro, equipagem5, carga varios gneros ; a
Manoel Jos da Cunba Porto.
Trieste e escala36 dias, vapor austraco Tibor,
de 893 t-meladas, commandante L. Morovich,
equipagem 27, carga varios gneros ; a Johns-
ton Pater C.
Navios sahidos no mesmo da
LiverpoolVapor ingles Amandele, commandante
W. L'eak, carga varios geueros.
Parabyba Hyate nacional aurora 2, mestre
Maneel Duarte da Silva, em lastro.
5/280
13/600
5/700
2/200
3/000
14/400
12/500
11/000
30/600
12/608
6/600
20/000
74000
54/000
1/000
199/480
i
A



Diario de PernanibucoQuarta-feira 16 de Marpo de 1887
Manta Casa de Misericordia do i ompanhia Santa Thereza en
;
j
^
>
I
Reclfe
A Illma. junta idminisfrati va de.-U Sinta Casa
contracta oom qnem melhores vantugona offerecer,
o fcrnecimentu dos geueros abaixo declarado],
para o consumo dos estaboleeimentus seguate!,
durante o trimestre de Abril a Junho do corrente
anoo : Hospital Pedro II, dito tt Lisaros, dito
de Santa gueda, Hospicio de Alienados, dsa dos
Expostos, Asylo de Mendicidadc e Collegio drs
OrphSos.
Aletria, kilos.
Arros, idem.
Agurdente, li'ros.
Azeite doci>, idem.
ArarnU, kos.
Bacalhao, dem.
Banba de porco, idt m.
Bitntas, idem.
Cha verde, idem.
Caf cm grao, idem.
Carne secca, idem.
ebalx, cent.'.
Fariuba de mandioca da provijeia, l;trj.
Peijilo, idem. t
Fumo do Ro, 'l.
6az, lata.
Dito incxplosivel, idem.
Milln, k.lo.
Mnnleiga francesa, idcn.
Potassa, idem.
Pao e bolacha, idem.
Dito e idem para o Collegio das Orphas (em
Olinda, idem.
Rap. idem.
Saba), idcai.
Sal, litro.
Tapioca, kilos.
Toucinho, idein.
Vil .a de carnauba, idem.
Ditas stearinas, masso.
Viuho branco, litro.
Dito tinto (figneira) idem.
i;o do Porto, idem,
Vinagre, idem.
As propostas de verlo ser a presentadas na sala
de suas ses-ei, cm carias fechadas, debidamente
selladas, at a 3 horas da tnrde do dia 22 do cor-
rente, declarando os proponeutes sojeitarem-se a
um multa de 5 '/, sobro o valor total do toroeci-
nenio, se no praso de 3 dias, nao comparecer, ns
para assigaar os respectivos contractos.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 15 de Marco do 1887.
O efcrivSo,
Pedro Rodrigues de Souta.
presara do abasteclmento
d'agua e de luz cldade de
Olinda.
Assembla geral
De ordem do Sr. presidente da assembla geral
e por nao ter o 8r. secretario eleito acceito o cargo,
convoco a assembla geral dos Srs. accionistas
para o dia 24 do corrente, afioi de ser lido o jul-
gado o elitorio e o parecer fiscal e apreciadas as
contas do anno fiado, e subm* ttida a cousideraclo
dos Srs. accionistas ama mocao do Sr. presidente
da directora.
A sessilo ser aborta ao meio dia n'um dos sa-
ldes do edificio da Associac&o Commercial, para
case fim delicadamente cedido.
Recife, 9 de Marco de 1887.
O gerente,
A. Per eir Simet.
toinpi'ihia pe nambucuna
DE
.\ ivegavo costelra por vapor
Pelo presente sao convidados os ssnhorcs acsio-
uiitas a rcnmrem se i:a sede da companhia, no
dia 23 do corrente, ao meio dia, afim de Ihes ser
apresentada o relatorio e bataneo do anno findo, e
elegercm a commissaj de ezame de contas e con-
seibo de direecJSp.
Rcife, 5 da Marco de 18o7.
Manuel Joao de Amorim.
P.P.Saanders Brothers r. C
Arthur B. Dallas.
W. W. Robilliard.________________
Loteras para o Fundo de Eman-
cipado
A 15.a parte dectas luterias achn-se exp ata
venda para ser extrahida sexta-feirs, 18 d i cor-
ernte, ao meio dia, no cons.stirio d* igreja da
igreja da Cunceiyio dos Militares.
Tfaesvuraria das loteras para o Fundo de Emiu-
cipaco, 12 de Marco de 1887.
Francisco Goncalvts TVrrcs.
j
Ealrada de ferro do Ribeiro ao
Bonito
De ordem da directora sao chamad .s os Srs.
accionistas desta empresa, para no prazo de GO
diae, a contar do h je, recolhercm ao London &
Brasilian 1 .nk, a 5* entrada de 10 0,0 de suas
ao-oes, nos ter nos do irt. 9 2 dos estatutos.
Recife, 9 de Marco de 1687.
O secretan,
Jcs Bellarmino Pereira de Mello
J
COMPAMU
Abastecedora ci amia e
gaz em Olinda
AVISO
Aos Srs, consum-
midores de agua e gaz
da companhia, que em
seus pagamentos se a-
<*ham em atrazo, lem-
bro o presente artigo
do regulamento ap-
provado pelo governo
a de Agosto de
1873, e que se acha
copiado no verso das
contas entregues.
O pagamento da
importancia da agua ou
gaz fornecido em cada
mez, se far naprimei-
metra quinzena do mez
seguhtte e na sita falta
poderd a Companhia
interromper o respeetivo
mpprimento.
Kscrip torio do ge-
rente, Olinda 3 de
Marco de 1887
A. Pereira Simes.
t OWI*4\.IIi: DES MESSAKK
RES haiutihen
LINHA MENSAL
0 paquete Gironde
Coromandante Minier
E' esperado dos portos de
sul at o dic 21 do corrente,
seguinde, depos da demora
do costume, para Bordeaui,
toc&ndn em
Dakar e Lisboa
Lembm-se aos senhores passageiros de tudas
as classes que ba lugares reservados para est*
ag-ucia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimeuto de 15% em favor das fu
milias composta de 4 pessoas ao menos e que pa-
garen? 4 passagens inteiras.
Por excepcSo os criados de familias que toma-
ren) blhetes de proa, gosain tainbein d'cste abati-
mento.
Os vales postaos e se Jilo st dia 19 naj
de contado.
Para carga, passagens, cncommendas dinheir:
a frete: 1i a1ta-se com o
AGENTE
4ugnsle Labille
9 RA DO COM EROIO-9
Compc^r Uraillelra de Nave
gaco a Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Para
Commandante o Io tetunte Carlos An-
tonio Gomes
' esperado dos portos do sul
at o dia 18 de Mare<, e
seguir depois da demora n-
dispenaavel, para os portos
do norte at Mantas.
Para carga, passagens, encommendas e valeres
tracta-se na agencia
PRACA DO CORPO SANTO N. 9
PORTOS DO SUL
O vapor Pernambuco
Commandante o capit3o de fragata Ped o
Hyppolito Duarte
E' esperado dos v,rtos do
norte at o dia 16 de Mar
co e depois da demora m-
dispensavcl, seguir pars
os po-t/>s do sul.
Recabe tambem c*rga para Santos, Santa Ca-
tbarina, Pelotas, Porto Alegre e Rio Grande d>
Sul,frete modic .
Para carga, passgens, cncommendas e valores
trata-se na agencia
PRAQA DO CORPO SANTN. 9
lleTs^tes M\ Brasil S. & .
0 yajor Aluno
Leilo
De 44
sancos cora arroz, desembarcados
do vapor Mariner
Quara-felra, ltt do corrate
A's 10 horas em ponto
No trapiche Jos Luis.
Agente Modesto Baptista
Leilo
De 846 Baceos com arioha de mandioca,
descarregada do lugar Courier
Quarta-feira 16 do correte
A'e 11 horas
No trapiche Barbosa
Modesto Baptista
spera-se de New-Port
News, at o da 17 de Mar-
co, o qual seguir depois
da demora necc&saria para a
Babia, Bio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encommendas e dinbeiro
frete, tracta-se com os
AGENTES
llcnry Forster & G.
N 8- RA DO COMMERCIO -8
1.- anda
De
Leilo
movis, Ioucas,, e vidros
Arrenda se o sitio das Jaquciras, cjm gran-
de casa de vivenda, todo cercado e mais tres pe-
quenas no tnesrno correr, servindo perfeitameote
para pensio ou Hotel : a tratar no mesmo sitio.
Aluga-se o 2- andar do sobrado n. 5 da ra
do Padre Piona no, c ui bons commodos, gas, sala,
e quartes stucidjs ; p-ra ver, a chave estaa
loja, e para tratar no caes do Humos u. 26.
Vende-se baralo duas grades de ferro, tendo
12 palmos de altara e 5 I|2 de largura ; 8 tratar
no acongue do pateo do Terco com o 8r. Oarindo
Graciano da Silva, das 2 horas s 6 da tarde.
mr
Ama
Precsa-se de urna ama para cosinba, para casa
de familia de duas pessoas ; na ra Duque de
Caxiaa n. 81, 3- andar.
S 4 *I I
pertences : trataj
= Vende-se nm buhar c
na ra do Bom-Jess n. 43.
Aluga-sj por 8/000 a casa n. 22~a~Encru
silbada de Belcm, est caiada e pintada, t.-m
quintal e cacimba ; a tratar na ra da Imperatri i
numero 56.
Aluga-se o andar do sobraio n. 129
ra Direita: a tra'ar na Cambda do Carmo nu-
mero 2
Precisase de urna
tratar na ra Nova u. 57.
sma para cosiphar ; a
Precisam-se na Livraria Fluminense ra do
Baro da Victoria n. 9.
Engcnimadeira
Precisa-se com urgencia na raa da Soledade n.
94 (Principe).
Herebedorla de Peraambnco
Matricula de escravos
O Ada inistrador da recebedoria fas publico qne
fin la-=e no dia 30 do corrente mes o praso para
a nova matricula e srrolamento dos escravos exis-
tentes ueste municipio, devendo os donos e pos-
suidores dos mesmos apresentarem at aquelle
dia as relacoes em duplicata contendo e nome do
escravo, nacionalidade, sexo, filiaeio, oeenpacao
ou servico em que fr empregado, idade e valor,
alm do nnmero da ordem da matricula anterior,
sendo o valor dado por extenso pelo senhor do es-
cravo on seu legitimo representante, nao exceden-
do o mximo regulada pela iaade do matriculando,
que ser tambem escripta por extenso conforme a
segninte tabella :
Escravos menores de 30 annos 900*000
. de 30 a 40 800*000
> de 40 a SO 600*000
de 50 a 66 400*000
de 55 a 60 > 200*000
O valor das escravas ser regulado pela mesma
tabella com o abatimento de 35 / dos precos
nella establecidos.
A nacrip(3o para a nova matricula ser feita
a vista das lelacoes, que servirio de base a ma-
tricula especial on de averbaco ffectuada de
conform dade eom a lei de 28 de Betembro de
1871, ou de certidlo da mesma matricula, ou a
vista do ttulo de dominio quando contiver a ma-
tricula do escravo.
NT.o s-rao dados a matricuU os escravos mtio-
rs de 6J annos, serio porm inscriptas em arro-
lameu'o especial.
Serao considerados libertos os escravos, que no
praso marcado nao tiverem sido dados a nova ma-
tricula.
Pela nscripcZo on arrolamento de cada escra-
vo pagar-ss-h 1* de emolumentes, coja impor-
tancia ser destinada ao fundo de emancipseo
depois de satisfetas as despezas da matricula.
Recebedoria, 2 de Marco de 1887.
Alejandre de Souza Pereira do Carmo.
HOYAL HAIL STEAM PACKET
COMPANY
0 paquete Mondego
e!pei..j-
do sul no dia 16 de
corrente seguinlo
depois da demora
neceasaria para
m. Vicente. Lisboa. VIg e Son
thampton
Reducqao de passaqens
Ida Ida e volta
k Southampton 1* classe t 28 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Para passagens, fretes, etc^ tracta-se com os
^CONSIGNATARIOS
Adanisim Howie & C.
Eatin-Siiitaisci
lanprsckirkbrts-SeselIscha
O vapor Rosario
Espera-se de HAMBURGO,
por LISBOA, at o dia 17 do
corrente, seguindo depois da
demora neceasaria para
Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encommendas e din-
beiro a frete tracta-se coa os
CONSIGNATARIOS
BorstebnanB & C.
RA DO COMMERCIO N. S
i* andar
tOPtMIl*
PEB\AliaiC>
DE
NaTegacao Costelra oor Vap-ar
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarahu e Camossim
O vapor Pirapama
Comaiandante Carvalho
Segu no dia 22 de
corrente, s 5 horas
da tarde. Recebe
ga at o dia 21
Encommendas passagens o dinheiros a frete at
s 3 horas da taide do dia da sahida.
ESCMPTORIO
Caes da Companhia Pemambw/iia
__________ n. 12 _____________
CHARGEURS REUNS
Companhia Franeeza de Xavega
fSo a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, LU-
a, Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro e
Santoa
0 vapor filie (lo Ro ie Janeiro
Commandante Fonesnel
E' esperado da Europa
ateo dia 21 de Marco, se-
guindo depois da indispen
savel demora para a Ba-
bia. Ro de Janeiro
e auto
Roga-se aos Srs. iinportadares de carga p 'tus
vapores desta linha,queiram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvarengai. qaai-
quer reclamacao concernente a volumes, qu5 po-
vfntui a tensare seguido para os portos do sul,afin>
de se poderem dar a tempo as previdencias neces-
sarias.
Expirado o referido prase a compancia lso se
responsabilisa por extravos. _
Para carga, passagens, encommendas e dmbeiro
a frtte: trata-se com o
AGENTE
Angoste Labille

9 RA. DO COMMERCIO 9
Companhia Haitiana de navega-
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedc, Aracaj,
Estancia e Bahia
0 vapor Sergipe
Ccmmandante Pedro nm
-y k Segu impreterivel-
mente para os portos
cima no dia 17 de
Marco, as 4 horas da
tarde. Recebe carga
'nicamente at o 1 i
dia do dia 17.
;_,Para carga, passagens, encommendas e diabei-
ro a frete, trata-se na
AGENCIA
7Ra do Vigario 7
Domingos Alves Hathens
SENDO:
Urna mobilia de pao carga com pouco uso, teado
12 cadeiras de guaruico, 5 ditas de bracos, l sof
2 consolos com p dra, 1 bonito candeiro do gas,
4 pares de jarros, 4 quadros oleograpuia, 1 meza
c m estante, 2 cadeiras de balanco do Jacaranda.
2 cadeiras para barbeiros, 1 mesa redonda ,de ja-
caranda com pedra,, 1 lanterna, 1 tapete, 1 com
moda preta, 1 dita de amarello, 1 espriguicadeira
e 2 almofadas.
Urna cama francesa, 1 lavatorio com espelho, 2
inarqoezoes, 1 cabide de colunna, 1 dito de pa-
r.'de, 1 meza grande de amarello, 2 aparadores, 1
sof de amarello, 1 gnarda-louca, 8 cadeiras
de amarello, 3 candieiros de parede, 6 mezas,
1 berco com colxao, 1 cama francesa de amarello
com colxo, 1 encarado grande para meza, 1 quar-
tiuheira de amarelle com quartinha e outros muitos
movis.
Quuina feira 17 do corrente
AS 11 HORAS
No 1 andar do sobrado n. 58 da raa do
l'angel
O agente Martina autonsado por urna familia
que mudou de residencia far leifoo dos movis e
mais objectos existentes no referido sobrado.
Ao correr do martello
Leilo
LELUES
.
Quarta-feira 16, deve ter logar um grande e va-
riado leilo de movis, quadres, vidros e muitos
autros objectos no sobrado grande da ra do IIjs
picio u. 10, em que fanecionoa o collegio de Nossa
Senhora das Victorias, sendo parte d aquelles ob-
jectos pertencentes aquelle collegio e maior parte
diversos u para all transportados.
Agente BiirIamaqT
Leilo
luinta-ielra, 11 do eorrenle
A's 11 horas
No armazem ra do Imperador nv 22
De nma parte do eogenho Brum da freguezi*
da Vanea, no valor de 12:559^212.
O agente acias, por mandado e assisteacia do
Exm. Sr. Or. juis de orphos, rcquerimetito da
viuva do finado Dr. Graciliano de Paula Baptista,
vende em leilo a referida parte do engenho
Brum, da freguesia da Varzea.
Agent Pinto
Leilo
De um sof, 2 cadeiras de bracos e 6 de euarni-
cio de junco preto, 2 capiteis, 5 mappas, 2 pares
de cortinados, 2 figuras de gsso, 2 almofadas, 3
quadros, 6 plantas, 4 garrafas, 1 licoreiro, 1 lote
de louca para cb, 1 aparador grande com arma-
rios, 3 consolos de amarello, 6 cadeiras de guar-
ni(o, 6 lavatorios com bacas, objectos pertencen-
tes ao Collegio de Nossa Senhora das Victorias..
Quarta-feira 16 do corrente
A's lf lloras
Agente Pinto
No sobrado da ra do Hospicio n.
10
Grande e variado
Leilo
De nma excellente mobilia de Jacaranda a
Luis XV, com 1 sof, 4 cadeiras de bracos, 2 con-
solos com pedra e 12 cadeiras de guarniese, 4
lindos jarros, casticaes e mangas, 4 escarradeiras,
2 cadeiras de balanco, 1 meeiuha redonda e tape-
tes'de sof,
Urna cama francesa, 1 toilet e lavatorio de ma-
deira igual, 1 guarda-vestido, 1 commoda, 1 meas
de cama, 1 marquesao, 1 cabide.
Uu a mesa elstica, apparador, 1 guarda-Iouc*,
12 cadeiras de guarnieflo, 1 lindo relogio de
parede, 2 mesas, tudo novo, de gosto e bem con-
servado.
Um lindo apparelho de porcellana para jantar,
1 do para cb, 1 porte licor, compateiras, copos,
clices e muitos outros objectos de casa de fami-
lia, tudo bom.
tnarta-fclra. IG do corrente
Agente Pinto
No sobrado grande da ra do Hospicio a. 10,
por occasio de um outro leilo de mobilias de
june, de amarello, de Jacaranda, mesas elsticas,
guarda-loucas, mesas, cadeiras e muitos outros
movis de casa de familia.
O leilo principiar s 10 horas em ponto, por
seren muitos os lotes.
LEILO
De movis, 10119a, vidros, candieiros gaz
e objectos de electro-piate.
A saber :
Um piano forte, coberts e eadeira, nma molilia
de Jacaranda, 4 casticaes e maogas, 1 mesa re-
donda, 2 espreguicadeiras, 1 tapete, cadeiras de
balanco, 4 quadros, 3 pares de cortinados, jarros
para flores, 1 mobilia estufada e 2 espelhos.
Duas camas francesas, 1 marquesa, 6 cadei-
ras, 1 cabide, 1 lavatorio, 1 guarda-vestido, 1 com-
moda, 1 b-rco, guarnices para toillet, porta-
luvas, cantoneiras.
Urna secretaria de Jacaranda, e um armario
grande.
Urna mest elstica, 1 guarda-louca, 2 aparado-
res torneados, 1 quurtioheira, 3 bandejas, 18 ca-
deiras, 1 relogio, 2 apparelhos para cb e jantar,
copos, clices, 1 galheteiro, mesas, cadeiras e
miitos outros movis de casa de familia.
Quarta-feira, 16 do corrente
A's 11 horas '
No sobrado da raa de Hoipio'o n. 10
Por occasio do um outro leilo que sl deve
ter lugat.
De dous sobrados, sendo um de 3 andares
n. 25 ra do Livramento e outro de 2
andares ra dos Martyrios o. 144
tilinta feira, 11 do corrente
A's 11 horas
RA DO IMPEUADOR N. 22
O sgente Stepplc, por mandado e assi tencia do
Exm. Dr. juis de direito privativo de orphos e
ausentes a requerimento de Joao Goncalves de
Sous8 Beiro, pertencente ao espolio de Joo Ma -
ri-i Ferreira da Cunba, levar leilo o sobrado
de 3 andares n. 25 ra do Livramento, em solo
foreiro, rendendo mensalmente 165j.
Em seguida o mesmo agente vender outro so-
brado de 2 andares n. 141 ra dos Martyrios,
junto igreja, rendendo mensalmente 106j ; as
chaves acbam-se na ra Direita n. 112, primeiro
andar, para qualquer pretendento examinar.
Os Srs. pretendentes desde j podem examinar
es ditos predios e para qualquer informaco o mes-
mo sgente as dar.
AGTE8~BRLAMARQUfE~QU3MO"
Leilo
Sexta-feira, 18 do corrente
A's 11 horas
Yo armazem raa do Impera
dor n. 30
De assoeares mel e agurdente
Os agentes cima por mandado e assistencia do
Exm. Sr. Dr. jais do Commercio, a requerimento
do Visconde de Campo Alegre e outros, vender-Jo
em leilo o que se segu: 10,800 kilos de assucar
de 1* qualidade, 320 de segunda, 15 tonelladas de
*H u*> a- w /# w wpn....., ,* ...*. _
agurdente, 20,000 ditos de mel, cuja venda ser
ffeetuada pelas respectivas amostras, e a entrega
pelos referidas agentes na Fabrica Central de
Santo Ignacio no Cabo, precedendo as formal
dades da lei: vender mais 38 toneladas de assu
car bruto, grande quantidade de assucar rtame
em 5 tanques, litros de mel em 2 1|2 tanques, 187
saceos de assucar, 40 ditos de 60 kilos, 81 pipas
de agurdente, que sero entregues aos compra-
dores com as meemas formalidades ao engenho
Central Bom Gosto, em Palmares, mais arrobas
de assucar de 13 depsitos 466 saceos de sssncsr
de 50 kilos cada nm, 52 ditos de 80 kilos, 15,000
kilos da assucar ensacado, litros de mel em 2 tan-
ques, ditos de agurdente em 4 cabos grand s, no
engenho Central Cuiambuca, e finalmente 250 sac-
eos de assucar branco, 180 saceos desssucar mas-
cavado, 50 barris de agurdente, 1,000 litros de
mel de 10,000 de 2* existentes na Fabrica Cen-
tral Firmeeana Escada, tudo ser entregue de con-
formidada com as respectivHS amostras, correndo
as despesas do frete por eonta dos compradoras,
sendo o leilo efiertuado como cima tica dito
ra do Imperador u. 30 pelas amostras que esta-
ro a vista dos Srs. compradores.
Leilo
De urna caiza triangulo CV dentro e B em
baixo, n. 272, com 12 duzias de corda-
vio preto e 21 duzias de carneiras ama-
rellas, descarregada com avera d'agua
do mar, de bordo do vapor frsncez Ville
de Pernambuco, entrado em 9 do cor-
rente.
Sexta-felra, 18 do corrente
^4' 11 horas
No armazem da trave3sa do Corpo Santo
n. 23
O agente Pinto, levar a leilo por antorisace
do Sr. cnsul de Franca em presen? de sen dele-
gado e por conta e risco de qnem pertencer a caixa
cima mencionada, avariada d'agua do mar.
Em contlnuaco
Urna caixa marca OR&C, 1954 com 40 duzias
de marroquim tambem avariada e descarregada
de bordo do vapor francs Ville de Cear.
Leilo
De movis, espelhos e louf a
Constando de orna mobilia de pau-carga com
lampo de pedra, 1 espeiho, 2 quadros, 2 pares de
jarros, 1 cama francesa de Jacaranda, 1 dita de
amarello, l marquesao, 1 guarda-vestidos de ama-
rello, 1 commoda, 1 lavatorio com pedra, 1 cabide
de columna, 4 etageres, e 2 cadeiras de balanco
de junco.
Urna mesa elstica de 4 taboas, 1 mcblia preta,
1 apparador grande com pedra, 2 ditos de colum-
nas, 1 guard-lonca pequeo, 1 mesa grande de
jantar, 1 taboa e 2 cavaletes para engommade, 2
venesanss com caixa, louca de jantar, vidros e
muitos outros movis.
Seita lera, 18 do corrente
A's 11 horas
No 1. andar do sobrado n. 21 da ra do
Barao da Victoria
O agente Martios competentemente autorisado
por urna familia far leilo dos movis existentes
no referido sobrado.
AO CORRES DO MARTELLO
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a 8*000 no neceo dos Coe-
Ihos, junto de 8. Goncallo : a tratar na ra da
Imperatris n. 56.____________________________
Precisa-se de um perfeito CDsicheiro
tar na ra do Brum
un perl
n.35.
a tra
AMA no largo do Corpo Santo n. 19, 2 sndar
precisa-se de urna ama boa cosinheira e que dur-
ms em casa. __________________________
Aluga-se o 2- andar do sobrado n. 7 na
Passagem, com agua, prreo commodo; a tratar no
mesmo, com Loureiro & C.
Aluga-se na ra do Imperador n. 39, o 1
andar arm- zem ra Vidal ce Negreiros u. 20;
o 2' e soto c loja do mesmo predio; a tratar
com Luiz de Moraes G.-mes Ferreira.
COSTUREIRA Offieteee se ama nerita
para toda qualidade de costuras, t para casa de
familia ; na ra do Raogel n. 5J.
. Aluga sea casa terrea da ra dos Martyrios
n. 162, com grande quintal murado, e tambem o
2- andar da ra larga do Rjsario n. 37, esquina,
d fronte da igreja ; a tratar no pavimento terreo
deste, loja de ccbelleireiro.
~Z Precisa-se de urna ama que saiba lavar, en-
gommar e cosnhar para urna pessoa, ua ra Velha
n. 45.
Vende-se
Preclsia-ae com urgencia de per-
feitaK. Intil sprcsenlar ne nuo ea-
lamiu neana condlccOeR, pagase
bem. Atelierde nallame Fnnnj, ra
do Imperador n. SO I o andar.

fr-

- n
Pfa.'-falgi
: :.
. : -.
H5 -; -f>
Amsnh, 16 do corrente, as igrejas matrizes
de Santo Antonio e L'oa-Vsts, s 8 horas d ma-
nh, mnndam celebrar mssas pela alma do finado
Dr. Caroliuo de Lima Sant s o Dr. Joo Juvencio
Ferreira de Aguiar e padres Dr. Manoel Goncal-
veB Soares do Amorim e Julio Maria do Reg
Bnrros.
O estab Icciaicnt j de
da Casa-Forte n. 48 proprio para principiante,
por diepor de poucos tujdos ; trHtnr na mesma.
Ama
Precisa-se de nma ama para comprar e cos-
nhar, psra casa de pequea familia a tratar na
roa de Marcilio Dias n. 64, 2- andnr.
Ama
Precisa se de urna ama para cosinbar em easa
de pouca familia ; na ra da Imperatriz n. 86,
egundo andar.
Or. j Isabel Wandirley de Lima Santos e o msjor
molhados sito so largo | Joaqum Aurelio Wanderley, viuva e sogro do
finado Dr. Caroiino de L:ma Santos, convidam
aos prente, collegas e amigos do mesmo, para
assistirem a mssa do stimo dia de seu falleci-
men'o, a qual tcm de ser celebrada na matris de
Santo Antonio, s 8 horas da m u.hu de 16 do
j correte, e desde j se confessam eternamente
. grates por mais csse caridoio obsequio.
Aproveitam ainda a opportunidade par mani-
festar em publico o mais profundo recenhecimento
todos quantos to espontanea e desinteressada-
mente Ihe prestaram sus bons servicos, desde
Itamb st esta cdade, na penosa ifermidade a
que saecumbio, e bem assim aos que o aeompa-
nbararo ao ultimo jazigo.
O
DE
WOLFF
N. 4-D1 DO
& c.
'--N. 4

^ es le milito < onhecido eMlaleleeimcn-
to ene>ntriir o respeltavel publico o mais
variado o completo sortimento de JOIA9
receidas sempre directamnie dos suelho-
res ftbrlcaotes da Europa, e <|ii priman)
pelo apurado goMo do niund elegante,
Ricos adereeas completos, lindas pulsci-
ras, a 1 linetes. voltas de ouro eravejada* co u
brllbantes, ou perolas, atinis, cacoletaa,
*--'*-- 1 m uijH -irS*i- .>..!.
deste genero.
ESPECIALDADE
Um i-elogios do ouro, prata e niekelados,
para bomens, senhoras o meninos des mai*
acre-litados fabricantes daEmepse Ame-
rica.
rara todos os artlgos des!a casa gran-
te-se a boa qualidade, assim como a mediei-
dade nos preces que s&o sem compete acia.
" Vesta casa tambem concerta-se qual-
quer obra de ouro ou prata e tambem reo-
slos de qualquer qualidade qne sejo.
4Ra do Calinga\
C4JLRLBEBA
PREPARADO VINHOSO DEPURATIVO
1PP17A0 PE JONTA DE HYGIENE PUBLICA DA &0RTE
Autorisado por decreto imperial de 20 de Junho de .883
Composctoft de Firraino Candido de Figueiredo
EMPBEOADO COM A MAIOE EFFICACU NO BHEMATISMO
DE QUALQI/EB TATUEEZA, EM TODAS AS MOLESTIAS DA PELLE, KAS
LECCORRHEAS OU FLOBES BBANCAS, NA ASTBMA
bbonchites (molestias das vas respiratorias), nos. soffbimentos
OCCASIONADOS PELA IMPCBEZA DO SANOCE E FINALMENTE
AS DD7FEBENTES FOBMaS DA STPHILIS
PropagadorA. P da Cunha
As importante* curas, que este importante medicamento tern produzido, attea-
tadas por pessoas da-elevada posigSo social, fazem com que de toda parte seja elie
procurado, como/efjn?hor e mais enrgico depurativo do sangue.
Deparar/o sargas, como eondicJto de ama circulado benfica e efficaz, eis eti-
que consiste pmncipaloiont!; o meio mais seguro de conservar a sale e de curar ss
molestias que a impureza do sangue occasiona.
O Cajrubba, pela sua ac5ao tnica e enrgicamente depurativa, o medica-
mento que actualmente pode conseguir esae resultado sen prejudicar nem alterar as
faticcSes do estomago e dos intestinos, porque nito contera substancias nocivas, apesar
do vigor depurativo dos pro a uc tos qu-3 coaslitu9m a baso principal d'este medicamento.
As militas curas qus tera feito, estilo comprovadas pelo testemunho dos dis-
tinctos e conhecidos cavalleiros que firmara os attestados, que este jornal tem publica-
do em sua seccSo ineditorial.
Deposito central, Fabrica Apollo, ra Hospicio 79
venda eso nailsa p^srmarlm do Brasil e do esiranseiro

C mor ose, A emia Catharro pulmonar, Bronchite chronica,
rro da Bexiga, Phtisica, Tosse convulsa, Dyspepsia, PaUt>u,
Catharro da Bexlga,
Pras stminaes, Catharros antigvs e complicados, e
B*ndrrd amala. T. o PAmix. asi prt-aelpaes nsmsclss.




i
I
I
I
4
Otario de Perttambucoq,uarta-fera 16 de Marfo de 1887
iSS

Tricofero de Barry
Garante se que faz nas-
oarecrescer o cabelloaioda
sos niais calvos, cora a
tinb e & caspa e Temove
todas as impurezas do cas-
co a eabeca. Positiva-
mente impede o cabello
de cabir ou de embranquc-
cer, e infallivelmente o
toma espesso, macio, lus-
troso e abundante.
Aluga-se barato
/tua dos Guararapes n. 96.
Ra Visconde de Itaparica n. 43, armazem.
Ba do Tambi n. 5.
Ra do Viscondo de Goyanna n. 163, com agua
e gas.
Largo do Mercado n. 17, loja com gaz.
Largo do Corpo Santo n. 13, 2. andar.
TraU-se na ra do Commercio n. 5, 1" andar
criptorio de Silva Gnimaraea ft C.____________
Alug
a-se
o 8* andar do sobrado n. 35 traveesa de S. Jos ;
o 1- e terreo do de n. 27 ra Vidal de Negrei-
ros ; o 1- do de n. 25 ra ve!ha de Santa Rita
o 1 do de n. 84 ra estrella o Rosario ; todos
limpos : a tratar na ra do Hospicio n. 33.
Aluga-se
o segundo andar do soSrado n. 17 no largo do
Corpo Santo, muito fresco e com cmnmodos para
grande familia ; a tratar no 3- andar do mesmo.
Alip-se
urna casa com commados par1 grande familia, e
itio arborisado ; na Ponte de Ucn6a n. 10.
V/AIkinV
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no raun-
do que tem a approvaco oficia! de
uta Govemo. Tem duas vezes
raais fragranciaquequolquer outra
e dura o dobro do tempo. E' muito
meis rica, suave o deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
milis permanente e agradavel no
lenco. aoaa razas mais refres.
canto no baDbci t> nc enalto do
doente. E' especia; contra a
firouxidao e debilidade. Cura as
dores de eabeca, os cansacos e os
desmaios.
Xarope Je Vida e Reiter No. 2.
Alusa-se
a loja do predio ra do Mrquez do Herval,
traviesa do Poeiobo n. 33, propria para estabele-
cimento couxnereial ou officina, per ser de esqui-
na ; a tratar no la-go do Corpo Santo n. 4, pri
metro andar.__________________
Ama
Preeia:se de urna cosiuheira ; a tratar no largo
do Coi po Su tifo n. 17, 3- andar._________
AXTES DS TJBAIr-O. DSPOIS DI CTSeX-4.
Cura positiva e radical de todas as formas de
ascrofulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Affc9es, Cutneas e aa do Couro Cabel-
ludo com perda do Cabello, e de todas aa do-
encasdoSangue^Figado, e Rins. Garntese
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangos
restaura e reno ya o sy stema inteiro. 4
Sabao Curativo de Rener
Ama
Precisa-se de urna boa cosineeira para casa de
pocca fanilia, prefere se escrava; na ra do
Riachnello n. 13.
AMA
Precisa-se de nina am apara
lavar, engoiumar o faze rosis
alguna serviros do casa de fa-
milia : menos comprar e eozl-
nliar : na ra do machuelo n.
13. Dcvc dormir em casa._____
Ama
Precisa-se du urna boa cosinheir, para easa de
pequea familia ; a tratar no Caes da Compaabia
u. 2. Prefere-se escrava e deve dormir em casa.
Ama
Precisa se de urna para casa de familia, ra
do Cabug n. 3, 3 andar.__________________^
Precisa-s.' de duas > mas sendo urna para gommar e outra para andar coa criaoeai : a tra-
tar i ra do Livramento n. 24, 2 andar.
AMAS
Precisa-se de diversas, tratar das 8
horas da maona s 8 da noite, Da ra das
Floree n. 18, porta larga.
Para o Banho, Toilette, enan-
cas e para a cura das moles-
tias da pella de todas as especies
no todos os periodos.
Deposito em PerDambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C.
Jalropb
Manipoera
E.-sj medicamtnto de nma eficacia rccoi.becida
no beriberi e outra molestias co que predumiaa a
bydro pesia, achate ir.ooiucido em suu prepara-
cao, racas a uina nova formula de um distiacto
medico desta cidade, sendo que tmente o nbmixo
asaigimdo t-at habilitado para prrpaial-c. deanodo
a me Inorar lbe o gcslo e ih-.iro, m todava alte
rur-lbe aa propriedad.s medicamentosas, qae ae
conservan com a me;mu actividade, se nao maior
en) vista o modo por que elle tolerado peta
es t. mago.
f iiico depoailo
Na phiirmaci* Concricau, na do Marque* Je
Ulinda n 61.
Bfr.t'.rra Jo Mello
" Vi?

_fSRllRrtl!
TODAS A
Ama
Preaisa-se de urna ama para casa de pruca f*
milis, para cosinhar e tngtminar : a tra'ar na
ra do Cspitao Lima n. 32.
A ni a
Precisa-se de urna ama para servico int. rno de
de familia ; na ra dos Pires o. 35.
preto
to superior
Receben o Carlos Linden nova remesa do cha
preto superior, e avisa aos seas freguezes que
v na ra do llario da Vietoria a. 48, para se
supprir,
ij Arrenda-seouvende-se
um sitio com algnns arveredo ds tracto, planta
de capim e ortafices, ra de S. Miguel n. 148 :
qnem quizer dirija-se raa da Imperatriz n. 13,
loja.
Pechincha
Mantciga dinamarquesa a 700 rs. a ata de
urna libra ; vndese na easa de AotoaiolDuartc
ros da Uni3o n. 34, Arthur Maev.es i roa da
Aurora n. 85, Paulo Ribeiro & C. ra da Roda
n. 48, de primeira quilidade.
Urgencia
Precisa ae sem demora fallar con o Sr. Anta-
nio Vctor de S Maneto, roa d j Raegel nume-
ro 65.
Criado
Precisa-se de um bom criad i ; no bjtel do Ca-
minbo Novo n. 118-C.
CURA CERTA
de todas *s Affecpes pulmonares
, CAPSULAS
g^CREOSOTADASVjg
H/do Dr. F0URNIER1
nicas Premiadas
, Ht tipoticm dtf'rn em 17S
!* nilUBI
Todos aquclles que soflre
lo peito, devem experimentar
las Capsulas do Dr. Fournier.
UepotUrios em Hrnsmbam :
I. ds SILVA 4 O.
MOLEStiSfesVIASRBRIAS
SMM
Catorro chroaco ta bsx'.ga,
ttfitanSa do cmrci de trttn,
Moiesias a prstata,
/zconlnsr.cte a rias,
reta na urina, etc.
. 5WWN, Pharniaceutico-Chimla,
k fm, *?. a-ia aawanag, pars
Vende-se
a taveras *i*a 4 rea de S. JoSo n. 17, com nma
baitn uraMcto e genero?, tambeiu se faz negocio
com armecj : a tratar na oiesma.
N. sooiooo--
Pedo se ao S Antonio Coelh) Ribeiro Bams,
man* sat cf^sar m wait o n.
tSAOOU ; j msia qu leaiio, quando na.....
beo sabe os te
A j;ia.
VERMIFUGEC0LME1
CHOCOLATE com SANTONINfl
oruLrra sn attrstr u louugm
* ?esssUfacoiriNBmei.lU pela
tuuter painel e ciserri{ Ejtiflr s luitntturi : m
fa^a^cmar-rmt. hnMtta.nairM.iusn.Ti1
Professor de msica
Gabritl Archangelo de Azercdo, professor de
msica, propSe-se a leccionar em casas particu-
lares por precoa mdicos a arte que prefcsn, pu-
dendo ser procurado a ;na do Caldeireiro n. 12,
1- andar, ou a roa do Jardim n. 19, fabrica de
calcados. Tsiepbnn* 122.
IPILULAS DIGESTIVAS DE PANCREATINAl
de
Pharmaceutioo de 1* Clatee, Fornecedor dos ospitae de Pars
A PancreatinaLempregada nos bospitaes de Pars, o mais poderoso t
digestivo, que se conhera, visto como teru a propriedade de digerir e^,
toonar .ssioiilaves rea siaente a carne e os corpos poidnrosos, ):is"~jl
Ilpij laini'iu o pito, o ainido e fectilas.
I') l.>,::: i. !' i; : SC,a :'.
cansada intolemncia dos aflwn,toSJ ."-It^ra ;rui, <'ii]t
aiaus;;'> 'j >-on pa.strtco, inflainiMCaO, OU ulcera;C.;-.s i'i e^iuttaS) '>u''
do iiiiusUMM, 3 a Ti -.I m ri Pancrsatir'a ae Deircsn-i-i'i'^iis d> ts*
mida, sempru alcancaiu os Bioafaoras resultados e sao por isso prc3crptasj
pelo mcilicos contra as seguintcs afeccOos :
Falta Ct appctite. \ Anemia. \ Gastral;;i^D.
Ms flffje>.us. Diairrher.. > Ulosra-j-us r-.-c-t-:-
Vmitos. Uyscntoria. j Ezieriiiida do ;,_,
Flatulenoii estom~coi Gstrites. { Bmmagi'.^.aento.
Somnoleti-iadepoi ..!" comer,bvmitos c.oj:.: j.'.i'.a";-:: a r-'-- ''"
fMUP.~.Z7W% fE7T^l en; fras.:milios com a ,os.- do a -', jilia-jg
rail.i/.iniiis ili ;ioi ib roniida. Hi
Em esa di USFI*Sl-^ r.utor da Pontana, PABIS, c
Suspensorio milleret
Elstico. sm CordOu
Para evitar aa Cssirsf c&e
Eligir a marta ae InrtmMr imprimida
rm toda mmntmrit.
Meiaa para Tarima*
DEPOSt I
FUNDAS MILLERET
TaaaiM ISuoawlgwlia < ZJE OOJtJZtXC, mucomor
A Oasa Milleret nimli a
nuu Fala* anatmica* t,
mat PtssMtoa invitirei*, par, \
eonltr ai henda e qutbradurat ai mati
SMBfe
ermnus ra i biika i a dubim.
40, roa J.-J. Roiumu, PARS
DEPSITOS KM TODAS AS" MUNCIPAES PHABMACIAS

EMULSO DE SCOTT
de
PURO
OLEO
-DE- a*
FIGADO DE BCALHAO
COM
HYPOPHOSPHITOS
DE CAL E SOPA,
Tdo agradavel ao paladar como o leite.
O grande remedio para a cura
radical da TSICA, ESCBOFULA,
AN2EMIA, BACHITIS, DE-
BILIDADE EM GEBAL e todas
enfermidades consumptivas,
AJimenta^ao racional
daa mes, criancas, amas t convalescentm
Por uto 3 VHOHPHA TMXA FuW-re*.
PAR1Z, 6, A Tenue Victoria, PAniZ.
veposiUrios aa Ptrm-nbuoo : FilAN" M. da SILVA A C.
PILULAS
JURUBEBA
BARTHOLOMEOtC1*
ftitrm. Ptrnambuco
l Curio as SeaSes, e todas as rebrea j
\ intermltteatea.
\ If ANUOS DE SUCCESS0!
*v?0.'r si a*sdcPiSLt\arsi/
Alnga-se mallo barato _
Casa din 8la, 2 qa.irt-.ip, cacimba, f gao, ap-
parelbo e quintal, roa do Dique n. 2 {mtr'ora
raa dai Carreteas).
Sitio c.ai casa p> ra familia, arvoredos, todo
morado, rus de 8. Miguel o. M9, em Afogadca.
Casa com 5 quarlot, "2 talar, quintal e portSo
ru. de S. Jorg n. 26, porto da eetncao do Li-
mociro ; a tratar naroa do Santa' Thereta no-
mero 38.
DOENCASdo ESTOMAGO
DIOE8TOE9 DIIPFIOBIS
Dyspepsins, Gastralgias, Anemia,
Pirda de Appnlite, Vmitos, Diarrhea,
Debilidade das Ciiancas
CURA SKOURA B RAPIHA PELO
ELIXIRGlREZ
TNICO-DIGESTIVO
com- Guiia, Cozu e Pepsina
Adoptado era todos or. Hospitaes
ME0ALHA3 AS EXPC:C(ES
PARS, t la Bruyre.M, e em todas ts Phanmciu.
enancas como nos
as
tanto as
adultos.
Nenhum medicamento, at boje
desooberto, cura as molestias do
peito e vias respiratorias, ou res-
tabelece os debis, os anmicos e
os escrofulosos com tanta rapidez
como a Emulsa de Scott.
A venda, nos principaes boticas
drogaras.
Deposito em P-rnambuco na rirogHra <] Framiaco Manoel da Silva
& C, ra do Mrquez de Olinda n. 39.
XAROPEd reinvillier
Laureado pela Academia de Medicina gQ
*ms
Cara/fte/ro da Legiio de Honra
^I'alTOd.CAL OrS^-^'
O hosphsto de o a substancia mineral mala abundan! 3 do organismo e toda ves que sna
quanUdade normal dlmlnue resulta urna arroccao orgnica grne.___%1^,.mm A,a m m iMl
Mais de cinco uiil cura-i. a mor parte jb.ti..Vada pelos Vrc-feasores e M^lcoi das Fa^g*?
Izerao com que o Xarope rfo Mf ReinvUller fosse ciassiucaao
forao oblidas ultfmarnente e fiz
omb espeemeo mais seguro coa^ra a Tsica pulmonar, ^g*""3tS5S!S
InrtilHliat, f""1"^ da Orsanlamo. l' \aiou- lo Bfiacilur aaiiiiiarxauo
srtoente as crlancM fa^
Dsr-)i^>: Paarmaoia vmgWQTJE. S, Plaoa da U Maqdelalne, aTAJUS
Em Pernambuco : FMtAK- .V. da SIL VA a\>C*,t M priado Utrnaclw a DrotM*.
4 mm.
*?**.?+**, ja*asJL^sfu^bA lj3OD1-0
IttlS A SANTUS, t. n i> cbudo Jg!aD dadiira8 Macfciaa* luerlravas para descarocar *lgod.1o, esto vendendo a
11*000
por serra, com 4 /0 de descont, a
lina do Miirqnez de liniia n 56 A
Precisa-se
MUr com o 8r. pngeoheir.i da com|..aubii Dral-
ug-, Dr. Ai.tonio VicMr d-- KA Barroto, paraac-
goj-ii #;'e ii i_'n i >..!! 'o ht j; I n G5.
losiuheira
Preeisa-ag de im.s coeiobtira ; oo sbralo n.
-., du Conde &'., 2 andar.
Itt FlLf-iOL
aMTAMTiuiCA i nabaraa.
Sft aa ftdro, sea ptapaim^Sa
Di FiLLIOft,
1 aotAMpmdvw
anaces
aua Cor primirJTk
***<*t>r,\ n ruin rrUIOl, *7, ro Tiriem, Pisa
la f*rna*Ui.iCt>: WULW M. aa glLVA
Superior carie de seriao
Vende-se >i >.:mazopi te Fi-'.i'C'fen Car-dso as
Silva Pinte, a i-es 4* I*ej i .tris rs. S3 e31, e
grrerop d- 1 r.1liJaW m. Pian
Vcuide-ie oo> u- patava ferao i, aviar Sesd : a
Uaae- u* tu. da U,U a. rj, tatdar, das 7 as
D iio/ji i Bjin'i.". h 4 4 6 4* tarde.
de sinos
DE
LUIZ DA CRUZ MESQUTA
66Ra do Baro do Triiimpho66
(4n(iga do Bftjm)
Neste est-ibelecimento enootrarao os
Srs. agricultores e seus correspoiidentes
todos os ohjectos tendentes a agricultura,
como sejam :
Machinas para fazer espirito, de destil-
ar e restil'ar, alambiques do antigo e no-
vo sjstema com esquenta garapa, serpenti-
nas e carapu^as, tachas, tachos, bombas de
bronze, deeobr*e de ferro, de espirante e
de rcpuxi., para agua, mel e garapa, tor-
neiras de bronze, de madeira e de todos
os tamaitos, canos de cobre, clmmbo, fer-
ro, de todas as dimensoes, cobre picado,
fundos para alambiques, repartideiraf, pas-
sadeiras e escumadeiras de cobre, de fer-
ro gahranisado, arrudas e lences de co-
bie, bornes c)i)*inuas, sinos de llibra at
110 arrobas, sola ing'cza c do Rio, cadi-
nhos patentes e de lapis.
Fazcm se concertos de todas as qualida-
dcs ccom toda presteza eperfei^o apresos
mdicos,
Vendem-se a prazo ou a dinheiro eom
desc mto.
Sabiio de alcatro
Acaba de reeeber nova riir.easa des'a sabao
medicinal, cuja taita oeste mercado tem sido tao
sencivi'i ; c*sa de /tferino Martina & C-, pra^a
do Conde d't u n. 18.
CAY & MARTIN
romeeor de Su Utjuttde i faiiSa 9* laftitam,
do EttrcHo e ,"t SarlHku briUnnlot.
0AAIXA BRiuiANTE LIQUIDA
GRAIXA^pastaNCTUOSA
OLEO jara ASSZIOS
E tMoasMHMiurlo Mrsn Ktailsate* SI eSrl
aajtadiSM '
DEPOSITO GKRAL EM LClORES :
7, High Ilolbom, 97
raiK- LHinni",
Para
f'rccisa-sc de urna
ama para cosinhar,
mas qae cosinhc bem;
no 3. andar do predio
n. 42 da ra uqiu de
Caxias. por cima da y-
pographia do Diario.
Cosinheira
sojeao
Paga-fe 20000 por mez a nma perfeita 0331-
nli ira, para casa de pequena familia, preerindo-
se de meia idade c quo aeja de boa mora!, raa
do Paysand n. 19, pasaando a poute do Chora-
menino : quam nao estiver em condicoeaaeuaado
a presentar-so. ^___^_____________
SS^*5
f.^
r<7; toduei floree que >,>
? lolegua bigancie V ~
FRANGIPANNI
Opoponaz -a- Fsldlua
Oarlsalma ? Oeradla
Vende-te em lodoi
^4* ai Perfumariat >Ps'
^1. iDrogariai .rA
^^25d Stre*>^
U.Eee
Redcelo absoluta de preco
Bramante de slgodSo, eom 4 l-rguras, a 1^000 o 1<$100, o metro.
MadapolSes, s 4*000, 4*500, 5*000, 5*500, 6*000 c 8*000, a peSa.
Algociofis, a 8*200, 4*000, 5*000 o 5*500, a petf.
Cretones escuro8, de superior quali lade, a 320 u 360 rs., o cov,:lo.
Ditos dars com novos dcsenbos, a 280, 300 e 320 rs., o covado.
Percales ds coros, fz*rjda superior, a 240 iu., o covado.
Sotinetas, lisas ts* rio9g:ni,a 320,. 3-50, 400 e 440 rs.. o corada.
Creps do cores, de prryo de 800 ra. o covado por 360 o dito.
Coutelines de cores matizadas, s 360 rs., O dito.
Lioons de cures clarss e esourss, a 500 rs o ovado.
Batistes de cores, a 140, 160 e 300 rs. o dito.
Etaaioes do 13, tocido rendado, de preco <4e 1*800 o cavado, por 600 ts. o dito.
Alpaiss de cores, lisas, de preco da 600 rs., o covado, por 280 rs., o dito.
Grande sortimento He lis para vestidos, s 200 e 240 rs., o oovido.
Cambraia branca, bordada, a 5*500, a pega.
Pao da Costa, de listras, a 1*200, e cerado.
Dito dho, de qusdros, a 1*500, o dito.
Atoalbado branco, de linlio, a 1*300, o metro.
Brins de cores, para caiga, a 260 rs., o covado
foguiao pardo, para vestidos e vestuarios ds criancas, a 380 r., o dito.
Brim branco de linho, superior, a 2*000 e 2*100 0 dito.
Casemiras de corea, para costurues, a 1*800, o dits.
Cobertas de dous panno?, forradas, a 3*000, urna.
Lnc'ies de braman*, a 2*000, um.
Colcbas brancas, a 1*900, urna.
Chambres para hornern, a 5*000, 6*000 8*000, um.
Toalbas felpudas para rosto, 3*500 e 5*000, a duzia.
Ditas para banlus, a 1*5 J'.>. urna.
Espartilnos finos para senfcora, de todos os nmeros, a 5*000, um.
Bordados tapados, a 500, 600, 800, 1*000 1*500 e 2*000, a pee.
Fi -lis, de hnho. rendadas, a 1*000, 2*00U e 2*5 0, um.
Ditos, dn la, felpudos a 5*000, um.
Magnificas mallas, para viagero, de 15*000, 20*000 c 25*000, traa.
Saceos de lona para roupa suja, de differentes pregos.
Costumes do banho de mar, para senhora, a 10*000 um.
Ditos de dito, para homens, a 8*000.
Ditos de i asa, para meninoa, a 5*000.
tilstfat para o meprno m de differentes tamanhos, a 2*503, 0 par
'ara a quarcsina .
Isvrines pr ios, .i 800. !*200, 1*500 e 2*000, o covado.
Dito B*wetBidG, a 1*200, o dito.
Sa pret.>, a 1*00', o dito
Sedas prctas, 1800 2*000, 2*100 e 3*000, o dito.
Cheviots pretos e azues, a 3*000, 4*000 o 4*500, o dito.
Panno preto fin, a 2*500 3*000 e 4fJ000, o dito.
Lindos cort-s do cbsemiras coro listras d* seda, a 10*000 c auitoa outns arti-
gas que s poierio ser lrbrdos preseoga d'aqutlles quo nos lmr com suna
visitas.
APEO YEXTKM!
\ ra Primeiro de Marco n. 20
sJUNT0110sL01]%
AMARAL & C.
A




1
,
w -
e
Thtam
XbRDPEdeBLAYN
___________ tMjm.ntnhf*
c -rrTa^iVaaaiaiaaa de um gusto agradaTal adoptaos com '^^aS*^***.
f^iteao ajaaaaTSoe memores Medlc^ds Par\s, cj *f -JX'.
rvm ai Oa-iaaSa, CMmri MilaaMSr. *ralaaaai mmnmt. tm vsaa*ta^^
-^


1
Diario de PcrnambocoUnarta-fcfra 16 de Mar?o de 1887
Anla mixta particular
Guatwroin* Pies Djrsella de Lima partiaipa
o publico que es abtrta a sua aula particular
nixta de rostrocco elementar, desde o da 15 de
Janeiro do corren* anuo, a ra Direita n. 0, 2-
andar. N mesaia ensw*-*e amanea, tasto vo-
cal como instrumental.
B
nuil
PARATINGIB A
barba e os cabellos
taTinura tinge a barba e oa cabellos ios-
taataneamente, daudo-lhes uma bonita cor
natural, intfenaivo o sin uso simples e
"v'endt-se na BOTICA FRANCEZAE DRO-
GARA de Rooqueyrol Frates, successore* de A
CAORS, roa do Bom-Jesu (antiga da Crui
n. 2?___________________________________________
Ao comnicrcio t s re-
partifdes publicas
O abaixo asaignado declwra a quem interessar
potsa que nao se respor.sabilisa por quiilquer
cocpra ou debito coi truh.do rm nome da firma
Tarares Martms ft C. a oSo ser p"i bilbete asaig-
nado oo por si pr.'pn -, e bem assim s o intimo
abaixo asaignado poderi eobrar qualqner impor-
tancia devilla mesma firma, < ui quaiquer repar-
tieo publica.
u Recife, 8 de Marco de '.887.
Minoel Tcrares da Costa Martina.
ViiKin

Na vaccaria da engenboca Bemfica ra Real
da Tcrre n. 23, precisa-ae de um habilitado.
Sitio
A'uga-se um sitio cora casa, e outra boa casa,
no Aterrnbo do Giqui ; a tratar na ra do Im-
perador n. 50, fereeiro andar.
Solkilador
Jos Ferreira de Paula, provionado pelo Tri-
bunal da Relicao de Pemambuco, iffeiece-e i
qotm precisar de trs balboa inherentes sua pro-
atsaao na eidade de Pesqueira da cc-marca de Cim
bree, onde foi sua resid ncia, e tamben: trabalha
oaa comarcas do Bn jo da Madre de Dcus, Cama-
r, S. Benti e Eacada,
Cosinheira
Precisase de ama boa cosinheira ; na ra da
Aurora n. 137.

VINHO /
PPEPTIGO/
7DoD.rVia de PARISV
Coattndo o* trtm tormentos
da digestiio :
Pipan, Diutsn a Pigereilin
Cardalsla, Oastrodynla, i
Oaitralfia. Calmbru da ato-1
, Convaleaoan-
> Strasbourg,
depepeti, vende-se, grande ; a tratar na
da Moeda a. 'J, ou ni ru da Soda samero
taverna.
roa
11,
XAROPE
VINHO deJURBEBA
BARTHOLOMEO & C
Pkartn. Permmbuco
nicos preparados de JURUBEBA re-
cornmen dados pelos Mdicos contra aa.
I>o*aoaa do a*tnafo, I*lf*o lasa
c Xateatlnoa, Vera* do Apptlt,etc.
1S jnnos ie boa ixio!
EXIGIR A. ASenONATTTR/.
Ao publico
Couslando ao abaixo a sienxd > que aeu irasio
MaDoel Ferreira Pontea, fallecido no dia 16 do
mes pr< zimo pasaad \ por arranjos particulares,
fizeram testamento por el e, pois publico e no-
torio que dito =i-u irmfto scffria ba tempoa desar-
raigos as {acuidades inteiectuaea ; se tal facto
se den, nao trm tfteitos jurdicos, j pela incapa-
eidade de testador, que sempre foi bom irmaV, j
pela ausencia do abaizo asaignado ,e dos mais
irrr's existentes na Europa ; por tudo isso o
abiixo asaignado protesta pela nnllidade do tes-
tamento, faxendo valer sena direitos em jaiao
competente.
Recife, 11 de Marca de 1887.
Henrique Ferreira Pontea.
Vrfocipede
Por barato preco vende se um velocpedo novo,
de tres rodas, para menino de 12 annoa, en troca-
se por ulro, embora nsado, porm menor, para
urna crianca de 8 annos ; a ver e tratar no depo-
sito do cat Java, a roa do Viseando de Inhama
numero 41
Fabrico de assucar
Apparelhcs econmicos para o coziraen-
ta e cura. Proprio para engenhos peque-
os, sendo mdico em preco e ef
lectivo em operaco.
Fode-ae ajuntar aos engenhos existentes
do systema velho, mslhorando muito a
quadade do assucar e augmentando a
quantidade.
0PERA9A0 MUITO SIMPLES
Usinas grandes ou engenhos centraes,
majhinismo aperfeicoa.lo, systema moder-
no. Plantas completas ou macbinismo
separado.
E8pec.ificac.oes e inferraacSes com
Browns C.
5RA DO COMMERCIO-5
Precisa-se de nma boa engommadeira e que
ensaboe tamben, para casa de pequea familia :
a tratar no Caes da Companbia n. 2. Prefere-ae
escrava e deve dormir em casa.
Engommadeira
Precisa- se de ama boa engommadeira, que en-
sate*, tambim, para casa de pouca familia, prete-
re-se escrava ; na roa do Riacboello n. 13.
,11111 Mili
Ra V de Marco b. 6.
Parti.ipam ao respehavel publico que, tendo augmentado seu
*stalt-leciinento de JOIAS com mais nma scelo, no pavimento terreo,
com especialidades em artigns de ELECTRO-PLATE, convidara as
Exmas. familias e seus numerosos fregueses para visity seu estbale-
cimento, onde encontrara o um riquiasi/no sortimento de joiaa de ouro e
prata, perolas, brilbantes e outras pedras preciosas, e relogioa de ouro.
prata e nikel.
Os artiges que recebem directamente por to^os os vapor slo
executados pelo mais afamados especialistas e fabricantes da Europa e
E8tad.is-Undos.
A par das juia* de tubido vwlor achar2o urna grande v.iriedade
f'e objectos de ooro, prata e electro pate, proprius para presantes de
casamentos, bj-ptisados e nniversarios.
ero em relayao ao prf90, e nem qnalidade, oa objectos cima
mencionados, encontrarSo concurrencia n'esta praja.
VENDAS
Vende-te dnas exeellentes casa na eidade
da Eacada, sita ra do Commercio, bem cena-
trnida de podra cal; a tratar nesta eidade do
Recife eem Antonio Pereira Lopes, ra do Ale-
crim n. 74, e na eidade da Eacada coas Alfredo
8* Conipamhia. ^^^^
Vmde-se ama carroca piopria para cavallo,
com t>Jos acus utensilios : a tratar aa rutvPeito
Afronto n 47.________________________ _
Pechinchas para acabar!
59 Hu BBQttfl B Gaxiss 59
Nansoes corea firmes a 160 e 180 ris o cova-
do.
Cretonas claros e cacuros a 240 ris o dito.
Fustoes com palminbas de cores a 240 ris o
to.
dildem branco finoa a 320 e 400 ris o dito.
Popelinas com listras de seda a 300 ris- o
dito.
dem branca para Ezmaa. naivaa a 500 ris o
dito.
Setinetaa brancas bordadas a 5! 0 ris o dito.
Sstins de cores, bramo, e preto Macao a 800 e
lt o dito.
Combraia de forro preta a 14200 peca.
Esguies de liuho de 10 jardas a e 44500 a
dita.
Madapolao pelle de ovo de 20 ditoa a 6/500 a
dita.
Aljrodoes superiores a 3/500 e 4# a dita.
Brim de cores, lindos padres a 400 e 500 ris
o covado,
dem pardo superior a 360 e 400 ris o dito.
Angolas finas, corea firmes a 560 ris o dito
Cambraia branca bordada a 5/500 a peca.
dem Victoria fio* a 34200 a dita.
Bramantes de algodao superiores a 900, 1/200
e 1 /500 o metri.
dem de linho puro, do melhor, a 2/ o dito.
Lences de dito para cama de casal a 1/800
nm.
Colchas de ganga dem a 3/ ama.
dem idem para sellei'os a 2/500 urna*
ColcbSes franceses, grandes, a 15/ nm.
Ceroalas de superior bramaote a 12/ e 16/ a
doxia.
Meiaa inglesas, croas, a 2/800 e 3/500 a dita.
Lencos brancos e de cores a 2/ a dita.
Meiaa rara enancas a 24500 a dita.
Gnardanapos bordados de linio a 2/400 a dita.
Camisas francesas superiores a 36 a dita.
Cortes de meia casimira a 1/800 e 2/.
dem de casemira i-uperiores a 3/000, 4/500 e
6/000.
Para a quaresma
Merinos preto, sortimento seto competencia,
preooe de 1/000, 1/200, 1/500, 2/000 e 2/500 o
covado.
Oros de aples, verdadeiro de Lion, a 2/500
e 2/800 o covado.
Cachemiras preta com salpicos a 2/000 o co-
vado.
Veludilbos lieos e bordados a 1/000 a 1/200 o
dito.
Mantilhas brasileira a 5/ ama.
Fil de sede bordado a 2/800 o metro.
Ficbns, idem, grandes a 7/ nm.
Cheviots superiores a 2/500 e 3/000 o cova-
do.
Casimiras, pannos, Sedans, merinos e todos os
artigoa para o uso domestico e encentra na acre-
ditada casa de
Carueiro da Cunta 4 G.
Vendas cm grosso danos
degeontos
9 Ba Duque de Caxias 39
THESOURARIA DAS LOTERAS
PARA
0 fundo de emancipado e ingenuos
LU.A.
segrate:
PLANO
5,ooo bilhetes a 45ooo
Imposto geral de 15 l0, sello, beneficio
e porcentagem .
Cofre
Vende-se nm importante cofre do fabricante
Milners, sem ter defeito ; a tratar no pateo do
Panizo n. 16, esquina da ma de 8. Francisco.
Alteiicao
1 premio de . . (.'OOO^OOO
1 ... l:oooooo
1 ... ...... 5oo$ooo
1 . 2oo-Sooo
5 > a- looHooo 5oo|ooo
8 . So-iooo 4oo|ooo
16 ... 2o#ooo 32olooo
55 . , lo|ooo 55o$ooo
916 > * 5-5ooo 4:58o-3ooo
l,oo 4 14:o5o$ooo
/ 0 thesoureiro.
Francisco Gongalves Torres.
Vmde-se oo permutase nma casa terrea 'sita
na travessa do Falcao n. 12, com 2 salas, 3 qnar-
tos, eoainba tora, grande qnintal e cacimba, por-
tio dando aahida para a roa dos ssos ; a tratar
na meama com a proprietaiia, e esta far todo
negocio por i4 ter o despacho do jais, at para
botal a em leilao, podendo apresentar os docu-
mentos aos permutadores, desejando tambera urna
por troca, ainda que se ja pequea, porm que es-
teja nova e bem construida.
Oleo para machinas
Superior quahdade, a 6/400 a lat em cince
galoes; vende-se na fabrica Apolle e de aeur
depsitos.
Doengas $e?vosa8
RADICALMENTE CURADAS COM 0
_
A REVOLUTO
0 48 ra Duque de Caxias
Chamamos a attenco das Exmas. familias par um explendido sortimento de
'axendas que vendemos por pre5os sem competencia.
VER PARA CRER
Guarnieses de veludilbo bordadas a vidrilbo, 7000, uma.
Cachemiras pretas, 1^000, 1,5200, 1,J400, 141600, 1*800 e 24000, o covado.
Ditas de cores, 900 rs., 1(5000 e 1*200, o dito.
Dita broch bordada a la e seda, 1*500, o dito.
Lindas I2s mescladas de seda, 600 rs., o dito.
DitaB ditas com listrinhas de seda, 560 rs., o dilo.
Ditas ditas com listrinhas e quadrinhos, 400 rs., o dita.
Ditas alpacas lavradas, 320 rs., o dito.
Setim damass, novidade; 320 rs o dite.
Dito dito com listriohas, 320 rs., o dito.
Dito Macan, 800 rs., 1*000 e 1*200, o dito.
Dito preto, 1*200, 1*400 e 1*800, o dito.
Merin-setim preto, 1*500 e 1*800, o dito.
Grs de aples preto, de 3*000, 3*500 por 1*800 e 2*000, o dito.
FustSo branco, fino, a 400, 560 e 800 rs. o dito.
Dito de ror, phantasia, a 320 rs o dito.
Colchas bordadas, a 2*500, 3*500, 50000 6*000 e. 7*003, urna.
Gaar.iijSes de crochet, 8*500 e 12*000, uma.
Cortes de caxbernira para vestido, 20*000, um.
Pannos e eolerinhos para senhora, a 2*000, um.
Fechs do 13, 1*800, 2*200, 2*800 4*500 e 6*000, uro.
Ditos de peluda, pretos, 6*000, dito.
Voludilhos lisos e bordados, 1*000, o covado.
Ditos bordados a retr&z, 2*000, o dito.
Leques de pao, muito finos, 500 rs-, um.
Ditos dito, 1*000, 2*000 e 3*000, um.
E muitos ontros artigo* gue se lembrarSo na presenoa das Exmas familias.
Henrique da Silva Moreira.
Armaf.
SEGUIN
Acurovado rla A-oacLexniai "^ MAM M MMBNTA ANUOS Dat Xf*KRIsINCIA
Vinho de uma efficacia incontesUrel como Antiperiodico para cortaras Febre*,
e ceno Portilloaiite as Contt^eemcaM,DMl^a*U do "*
Falta de Men$ruacdo, Inappeteneia, DipeMoe* dlfflcei,
Enfermidadem nerras, DebUidade.
't>ba*macia O. 8EQUIN, 378, ra Saint-Honor,.PARS
Depositarios em Permhibvm FRAN' M. da SILVA*C.__________
gsMl#sl#aT*a## *"* ^a^a^W%%t^>m^a^a^s*a#%sma^sm*i
BROMURETO LAROZE
X:A.ROEE SE3D.A.TIVO
da Cucu d Laranjts amtrgn
com BROMURETO de POTASSIO
APPROVADO VJO.Jl JUNTA DK HYGIBNB DO BBAZIL.
O
Vende-se a armacio da ra daRangel n. 10 ce-
dendo-se a casa ao comprador._______________
Venda do terrenos
Vende-se em irrandea e pequeos lotea oa ter-
renos do sitio que na estrada aos Aflictos rica
junto a capaila e defronte da estacao da linha
frrea do Arraial : qnem os quizer comprar diri-
ja-se ao Pr. Portella em aeu escrrptorio ra do
Imperador n. 65, 1 andar, ou casa de sua resi-
dencia, nos Aflictos.____________________
A LOJA
Das Listras Azues
DE
Jos Augusto Das
RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Telephone n. 221
Receben grandes pechinchas de fazendas
Jias e do lindos gostos as quaes vende pelos
seguintes precos:
PERCALINAS de lindas cores a 240 ris.
MERINOS PRETOS e de todas as cores infes-
tados a 800 ris.
8ETINS PRETOS e de todas aa cores a 800 e
1*000. ,
E8QUIAO pardo enfebtados para vestidos a
400 ris.
BRIM pardo liso fino para toupa de meninos a
350 ris. ,.
LAN8 ESCOS8EZAS lindos padroes a 160 ris
CHITAS muito finas a 240 ris.
FU8TAO de lindas cores matiaadae (fantaaia) a
200 ris.
POLARDINA de lista imitacao de seda a 360
ris (fantaaia).
CORTINADOS BORDADOS a 6J, 7,1, 8*.
COLXAS DE DAMASCO com borlas de seda
GRINALDA8 com ricos veos de Blond de seda
a 84, 104 e 12*.
LEQUES DE SET1M brancos bordados para
coi vas a 1$.
LEQUES A JOANNITA com esmalte ul tima
novidade a 500 ris.
BRAMANTE FRANCEZ com 4 larguras a 900
1 320 e 2*. .
MADAPOLAO AMERICANO igual aa ver-
dadeiro camiseiroa 6f.
ALGODAOZINHO a 2*600, 3*200, 4*000 o
5*000 a pec, do melhor.
SARGELIM FRANCEZ largo de qnalquer cor
a 240 ris. tnn m
RIELAS de uma s cor para meninos a 400 ris
(qualqner tamanho). ___
CAPAS DE LA para meninas a 2*000, para
senhora a 4*000.
E outras muitas tazendas existentes de alta no-
vidade que se vendem muito barato.
As Exmas Sras. que nao poasem vir aa loja
queiram pedir as amostras e listas com precos mais
baratos de qualqner faxenda desejada.
Loid flas Listras Azne s
naoturfi
*0MUt{__________
Pl* w Pctassio tto
,_e, como todos os productos
feitos n este estabelecimento, de
nma pureza absoluta, condicao indis-
pensavel para que se obtenba efl'ei los
astotJTOsi e amoy sobre o sys-
tema aervoeo.
Dissolvido no Xarope Laroxe de
Cascas de laranjas amargas, este bro-
murelo umversalmente empregado
e exclusivamente receitado peloe mais
celebres mdicos de todas as facul-
dades para combater com certeza :
as affeccoes nervosas do coraclo,
da vias digestiTas respiratorias,
aa neuralgias, a epilepsia, o hyste-
rico, a danoa da S. Guy, a Insomaia
das crianzas durante a denticSo, em
nina palavra, todas aa affeooBea
nervosas.
Ne momo deposita acha-se i nda os seguintes rTotfuctos^di Vff. LAROZE:
XIROPE LAROZE
..urta^UTOmCO, NTHIERVOSO
Coaln u Oa^rites, Baatralglas. Dyapopeta, Doras e Calmbras XAROPE DEPURATIVO' aT^cr^lOOURETO DE POTASSIO
CaMra m atto:cPo eaorofulosa, cancerosas, Tumores brancoa, Atldaa aa aaBOa*.
Accidentas vphlllticoe secnndarlo e tardarloe.
XAROPE FERRUGIN0S0.d^"^t;PR0TO-IODlJRETO*FERRO
a r-- Chlorc-Anemia, Cares paUldas, Flora branoaa, RaoalUasa*.
t/dU m Wat u ssu gtofuUs i gmt
Par, J.-P. LAROZE e C*^ Pharmaoctitioo*.
1, miC BIS UOHS-StlMT-PtOL, 2.
COLONIA ISABEL
2 de Narco de (887
Tendo o Exm. Sr. Ministro da Fazenda por acto de 7 de
Fevereiro ultimo, prohibido a extracpo de loteras por series,
acha-se exposta venda a 8.a lotera para o Fundo de Emancipa-
cao, que ser extrahida no dia 18 do corrente s 2 horas da tar-
de no consistorio da igreja da Conceico dos Militares, sob o

2o:ooooo y
5:95oooo
14:o5o|ooo
VBde-s em toda i parta
Aos 1.000:000$000
200:000*000
100:000|000
LUDE LITEIIIA
DE 3 SORTEIOS
Em favor dos ingenuos da Colonia Orphanologica|lsabel
DA
PROVINCI i DE PERMMBUCO
Bitnctb a 14 it lio lo 1881
0 thesoureiroFrancisco Gonpalves Torres
A' Florida
Ra Duque de Caxias n. IO
Chama-se a att as Exmas. familias par-
os pretos seguintes :
Cintos a 1*000.
Lu vas de pellica por 2*500.
Lavas de seda cor granada a 24, 2*500 e 3*
o par.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs, n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albuas de 1*500, 2*, 3*, at 8*.
Ramea de flores finas a 1/900.
Luyas de Escossia para menina, lisas e borda-
das, a 800 e 1* o par.
Porta-retrato a 500 n., 1*, 1*500 e 2*.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. um
Anquinhas de 2*, 2*500 e 3* orna.
Plisss de 2 a 3 ordena a 400, 500 e 600 rs
Espartilbo Boa Figura a 4*500.
dem La Figurine a 5*000.
Pontea para coco com inacripcao.
Enchovaes para batisados a 8, 9, e 13*000
1 eaixa de papel e 100 envelpes por 800 rii
Capella e veas para noivas
Suapencorios americanos a 2*500
La para bordar a 2*800 a libra
Mo de papel de cores a 200 ris
Estojos para crochet a 1S000 rs.
Bico de cores 2, 3, e 4 dedos
da largura a 3*000, 4*000 e 5*000 a peca
Para a paresia
Leones para menina a 200 ris.
Linha para machina a 800 ris a dnsia, (CBK)
Bordados com dois dedos de largara 600 ris,
3dedos 808 ris, 4 dedos 1*200.
Cambraia tapada.
' Galio de vidrilbo metro 1*.
Franjas de vedrilho al*,
Lavas pretas de seda e Escocia.
Franjas e galoes finos a 2*500, 3*e 4* o meto
Alta novidade
Leqaes transparentes a 3*000
dem preto a 2*000
Lindos Broxea a 3*000 1*000 e 500 ris
BARBOSA & SANTOS
>a^sss^^sjssossaswwws)pssis000>a^s^^ssjssssssssas^
SABONETEdeALCATRAO
rama a Tonxrrs, os saraos s cuidados a du b ca aseas
\tjmrm, 9*>r****>lru antUcptU, 6 o mala effleas para a
MOLESTIAS DA PELLE
SAPO CARBONIS DETERGENS
i com o SAPO CARBONIS DETBH&ESS aflm de prottffthet contra
o SKABPO, VARILA av FEBRE ESCARLATINA
Estas SABONETES sao recommendados pelo Corpo medico lnteiro porosa
MOLESTIAS EPIDMICAS e CONTAGIOSAS e u adapiis a
MiRCA DB PABSlOa. H06 BNVOLDBUM "OS flS ___
33sveadto oataml "W. "V. "WHIORT C O*. Soiath-wsvrlc aVOHDMM
mrm Pernambuco Fran" M. Isa BTLSVJk. Se -y>.
**tt*
--------------

Bt
assM
Viveiro para passaros
Vende-se dons giaodes e bonitos viveiros po
pieco commodo, sendo o motivo da venda ter o
dono acabado com os passaros que possuia ; a ver
e tratar na roa do Imperado! d. 22.___________
Cabriolis
Vende-se dous cabriolis, sendo nm descoberto
e ontro eoberto, em perfeito estado, para no oo
dous cavallos; tratar ra Duque de Caxias
n.47. ______________________________
WHISKY
OYAL BLEND marea V1ADO
Este excellente Whisky Eacesaes preferir*
ao cognac ou agurdenle ae canoa, para fortificar
corpo.
Vendese a retal ho nos o> Ifasres arma tena
nolhados.
Pede ROY AL BLEND marca VIADO cajo ao-
me e emblema sao registrados para todo o Brasa! i
_________BBOWN8 & C, agentes__________
Pinlio de Riga
MATHUE3 AUSTIN & C, receberam ulm-
manto um completo sortimento deata madeira,
como aejam : pranchoes e tabeas para assoalho,
da melhor qualidade e de diveraaa dunensdes, e
que vendem por preco commodo, e redusidos,
coutorme os lotea ; no armaaem do caes do Apollo
n. Bt, oa 4 rus do Qommereio o, 18, t- andar,
Doce de caj secc
f Em latas de duas e auatro libras, assim coma
latinbaa eom jalea e latas com doce de gpiaba,
tea conUnusaamente para vender a proco eoraaao-
do; na roa d{Bom Jeras n. 36, rmaseos-
i*
l
w

m


8
Diario de Pcruambuco--Juarta-lcira 16 de Marjo de 1S87
LITTERATb
JOCIXDA BEKTilER
POB
MARIO UCHARD
XII
(Continvaro)
Sa o incoraroodei, tornou o Sr. Cha
vreau, fo porque entre os seus papis en
contrei um indicio raais segn... Esse
indicio, dase, consultando a *ua nota, con-
siste na minuta de um contrato de casa-
mento, que data apenas de vmte e inte
annos, entre Joio Theodoro Gurin e Cla-
ra Amelia de Graudval...
Erara mea pai o minha inSi, dase
Roberto.
__ Nesse caso, tornou o tabellio, sero-
pre armado das suas notas, o senbor o
herdeiro em linha recta da Sr. Adolphina
Maximiliana Talia Gurin, Condessa de
Coudray, fallecida em seu castello do la
Grange, coramuna de Guitry-le-Grand, a
17 de Fevereiro ultimo.
Roberlo recebeu esse choque, pensando
que estava sonhando :
Eu, herdeiro ?... exclamou elle.
_ K' verdade! acresaentou o Sr. do
Chevreau, pelo menos provavel, seguu-
do a opioo do mpu collega, que rao en-
carrea de procurar es descendentes da di-
ta senhora... Tambera p.le ser que se
trate, simplesmente, de algum legado.
Em todo o caso, o senhor chamado, e.
salvo o caso em que algum prente roau
prximo do que o senhor so a presento...
Mas a esse respeito o senhor sabe mais do
que eu.
Realmente, tornou Roberto, que senta
o calor subir Ihe a cabeca, confesso qua
ignora completamente o qua me pergun-
ta!... Tudo quanto sei, nSo passa de
recordares pouco definidas do temp> da
minha infancia... Ouvi fallar, verda-
de, de urna tia d' meu pai, pessoa de ca-
rcter diffiuil e singular, segundo as mi-
nhas recordag3es e brigada cora todos os
seus, bavia vate annos j naquelU poca.
Io-noro mesrao so meu pai a coubeeeu.
Quanto a mira, havia de admirar-mo mili-
to se ella tivessa noticia da minha exis-
tencia.
turas... Sabiam aai^ havia mais da trin-
U annos,, a dita senhora como dizia o la-
bello, viva no seu castello, Aurora cv
raegoo a calcular o que olla polia ter gas-
to.
*.' sobremesa, as ecoaomias subiam a
o> Oboes.
E inda, accrescen'.ou ella, n.lo lhe
pego couta dos coelhos, nem do galliohei-
ro... E todos Sbbsm que isso d muito.
Roberto, a principio atordoado, mas vol-
tando a si, pensou mais framente sobre a
pouca probabilidade de tantas esperanzas.
Era muita fJi< iiade cahir lhe aseim do co
tal testamento !... Entretanto, resolvou ir
Tours no di seguinte. Quando procura-
va com Rival algum nome de amigo ou
conhecido, que o pudesse auxiliar 14 :
01 lia disse Rival, se o tea castello de
Lagrange perto de Luynes, justamente
l que mora muitas vezes o almirante Ber
thier, um amigo de teu pai. Deve ter
deixado l a niha joven herona, herdeira,
dizora, por parte de rafli, da tres ou qua-
tro milboes... Entretanto, poders acen-
der nova chamraa.
Ests tolo I exclamou Roberto. S
juero obter iaformagSes dessa tabelliio.
Pretenlo estar de volta noite.
No da seguinte pirtiu de manha, mais
perturbado do que quera parecer, s no
seu wagn. Roberto nieditiva, calculando
as probabilidades reaes que lhe poda dar
o seu grao do parentesco com essa Gurin,
que tal vez nem desconfiasse que illa viva.
Tudo quanto se lerabrave, confusamen-
te, de urnas complicacSes de familia, data
tava da sua infancia e limitava-so Qa con
versas em casa do pai, a lamentagSea que
ouvio muitas vezes sobre a delapidagSo da
fortuna inmensa, feita sob o directorio pelo
sou cilebro trisarf Gurin... um dos qui-
nientos- .. AJulphiua Gurin, irmi do seu
avo, Uni ficado s lt<-ira, at a iiade de
ti uta e sete anuos, com um milhilo e cera
mil fransos do dot3. sorama fabulosa na-
quello terapo, um bVl'o dia casou, a des-
peito de todos os seus, com um certu coa-
Je Adhmar de Coudray muito mais mojo
do que ella. .. o que produz'o um rompi-
raento, que nunca mais solcou se... Mais
lardo souberara, com differenga, que os
Coadrys viviam era Florencia, e depois que
a condessa volcara a Franga.
Depois, diss, mais nenhuma noticia.
E' verdade quo nassas recordagSes na-
da havia de rou'to favoxa 'el a direitoi do
herdeiro ; entretanto medida que se af*s-
va de Pariz, Roberto senta urna impres-
sao singular. Como se presentase nes3a
quo sal vou a sua coraraMa e depois ou-
tra, sen importarse com a le nem com
as autoridades.
Como assm ? perguntou Roberto,
que coraprehendeu que o boteleiro do Cys
ne bronco anda estava no comego da ana
historia.
Senbor, tornou o hornera gordo, na
minha qualidade de conselheiro municipal,
eu se as cansas. E' preciso dizer-lhe que
as inundagSas medias nao soflfremos mu
to, especialmente aqui; porm, mais para
baixo, para o lado de Guitry, a planicie
alirga-se e a cousa toraa-se grava, quando
a agua muita. Os engenheiroj resolve-
ram f-zar urna tapagem 5 o conselho geral,
a cambra o os ministerios aadaram metti-
do3 nisso... Os fundos foratn votados...
mas ha formalidades, planos, estudos, o n-
miss3es, ha onze annos que trabalbam nis
so... Por outro lado, preciso dizer quo
na sua communa, o Sr. Sarrazia organi-
sou, como na Amerien, ama sociedade coo-
perativa do trabalho, elle adiantou a fer-
ramenta e o machiaismo para as suas cul-
r8.. Emfim, elles tm urna coramisso
co.uo os socialistas, o sea maire diz lhes
qae o sel government. O anno paseado,
estando o Loire j alto, eis qae annanciam
quo vai haver periga. O Sr. Sarrazin nao
hesita : rene toda a sua gente, com os da
communa de Cbanfouru, diz-lhes que ten
tres das para salvar os seus campos e que
elle responde por tudo, se quizaren) ajudar-
89 uus aos oatros.'
Elles o ouvera... senhor, com a sua lo-
comovel para traasportar a trra, em tres
das ,'j tres noites fizeram um aterro de
qaatro metros de altara, que repeli as
aguas para o outro lado. O trabalho resis-
ti s o terapo nocessario... porm elles aca-
rara a secco. Mas faga idea se a prefeitu-
ra gritn, porque isso nao sa foz sem es-
tragos em trras de particulares, a estrada
de Vauvray ficou perdida...
E longe daqui a barraca ? pergnn-
tou Roberto, sufiiccnteniente informado
sobre os negocios da coramuna de Guitry-
le-Grand.
Tres pequeos quartos de hora, acom
panhaedo o Loira... mas vinte minutos to-
mando um carro, que posso mandar pre-
parar.
Recsbendo esta respost, Roberto pz-
se a caminho a p, a despeito da aroeaga
do muita chava, que o estalujadeiro aanun-
ciou de ver cahir dentro em pouco.
Seja como fr, a minha raissao hje vigg9m de um dia nova entrosa na sua vi-
.
1
lmita-se a avisal-o da cemmuneacjlo que
me fizeram o da inforrascEo que me fo
pedida, segundo documentos relativos
sua familia, que ainda existem neste car-
torio e pelos quaes pudo fcilmente saber
a sua morada...
E, entlo, que devo fazer a respeito ?
perguntou Roberto.
Vou informar o meu collega do re-
sultado das pesquizaB qu'j elle confiou-noe,
tornou o Sr. Chevreau. Agora, resta-lhe,
estando devidamente avisado, estabelecer
os seus dreit)s escrevendo ao Sr. Poin-
sinet Larose, tabellio em Tours, que lhe
informar sobre a heranca. A menos que
o senhor prefira ir a Tours, o que seria
mais expedito, pois a viagera t>penas, de
quatro horas.
Segurei os seus comelbos. E j
que toi o tabellio da minha lamilin, peo-
lhe que rae guie, ficanJo sendo o meu.
Quero crer que a sua partida imme-
diata pode breviar este negocio. Nesse
caso eu lhe dara urna carta para um dos
mcus excellentes amigos o Sr. Serrazn de
Corbires, que mora justamente na com-
muna de Guitry-le-Grand.
A noticia extraordinaria levada por Gu-
rin avenida de Villiers, quando fo jl
mocar, causou fclli urna dessas emo^oes
vivas, contra as quaes nada prevalece. A
conversa sobre Chiistiana fui esquecda
nessa manha... Urna heranja, trras, um
castello '... Intimo era casa dos Guiia,
Rival, mais velho do que Roberto, tiaha
recordares unis precisas de cortos nego-
cios de familia, em que seu pai tomou
parte ; recordacoes das queixas ennuncia-
das mais de urna vez, da celebre ta, vol-
da, pureca-lbo, vagamente, que essa es-
perance do um lance de fortuna, que po-
da dar-lhe Chrstiana, aracacava os dous.
Fosse como fo3se, era isso umi suggesto
ftil demais do seu espirito inquieto, para
durar muito. Comquanto a soubesse de
cor, leu a ultima carta de Londres.
Abram
XIII
abram !...
o co desfaz-se
em agua I...
Da facto, a estrada estava inundada ;
urna chuva, acorapaahada de rajada de
vento, cihio de reponte, abalando as faias
como grandes pennachos. Era baixo cor-
ra ra as aguas lodosas do Loira.
Apanbado de imprevisto, Roberto Gu-
rin csrreu para e habitac&o mas prxima,
Chegando Luynes o sea primero ca- ^ ^ ^ ^^ fe(had de^
dado fo. perguntar onde era a morad i do | ^ abBndoIUM&_ ra umi4 e8pfcie de pa.
ser urna dc-
,o muro pro-
,o garDo uanuaoiava um personagem ira | ^ ^ ^ ^^
portante do lugar. Cansado de bater, e ningaera responden-
- Sr. Sarrazin?... Lia na b.H.ca .. chamado, Roberto estava resol-
Elleem.tre de Guitry-le-Grand, respon- ., ___ ,___t_
7 o i,j. vido a trepar para urna pequea loggia
decaa- he. Passou por aqu esta manha de K /.. i
,i ^ x____! formando urna janella reentraat*', quo, pelo
aaao ioi perguniar onae era a moran i uu ,- ,-,__
o j r. s .,.,., to, abandonado... tra urna esp
Sr. Sarrazin da Corbires, ao estala adeiro ,___ ___ r
.ni l i___:;i vdhao a italiana, que pareca s
do Casne branco, hornera eorio e jovial, i r
. "* '. 8 ,J pendencia de um parque, cuj
cuio garbo uanuaoiava um peraonngera m | f __ ______.____ .. '__;.
volta de Tours. Mas Ifl o senhor nego-
ciante, nao perca seu terapo inlo oflkrecer
lhe 03 seus artigos... Porque elle um
tuorio, tan'D quanto original.
E' mot,o? E' Tvlho?... perguntou
Roberto, estimando encontrar um estalaja-
deiio tigarella.
Oh n5o muito moco I tornou o
lionera, quo pareca nlo minos satisfeito
por poder fallar. Este ve quasi triata
anuos na America, fui l que fez a sua
grande f.irtuna, venlendo couros, animaos,
tudo, emfim, comquanto engenheiro. Pa-
roco que a vida foi-lhe ttm pouso dura ;
dizora mesrao que foi fuzilado em urna re-
voluto no Mxico.. E' o que explica
seu carcter na administracao dos negocios
da communa. No departamento sabe-se
que elle mandou passciar o prefeito, a en-
gonharia e a gente das pontes e calcadas,
a propos to do seu dique, na ultima inan-
dacSo. O ministro nao so atraveu a sus
pendi-1-o quando est-.ve e:n Pariz .. e ha
taram-lh5 a mente... Arriscaran coojec- doai unnos que isso dura... O que certo,
FOLHETIH
O OORCNDA

J
POR
SEXTA PARTE
o issisauia: do mm
f(]uiitinuaQao do n. 59)
I
menos, poda offerecer-lhe um abrigo quan-
do por felcidade, foi salvo do to grave
attentado contra a legalidade, por ara ra
do interior que o prevenio em terapo de
quo viahaalgaem em seu soocorro.
j Espere, Lambert; l vou I disse nma
voz joven, que soava com timbre de oaro.
Quasi ao mesrao tempo ouviram-se pas-
aos ageis e a porta abrio-se bruscamente.
Urna menina alta, cujo ar do distinecao
rev lava urna senhora, apparoeeu nolimiar.
Ah disse ella, admirada do ver um
estranho. pensei que ora o cartoiro !...
NSo, miaba senhora, respoadeu com
singelesa Roberto, un tanto admirado e
ainda apanhando chuva.
Oh I mas entre assira mesrao, deixa
passar esta pancada!... Comquanto j
S'ja tarde I acrosc.-utou em tora serio: O
senhor parece um ro mythologuo cono di-
ra rsula.
A Sra. rsula me lisoogaaria, minha
senhora, e eu agradece a inugem, replicou
Roberto, entrando era um vestbulo atra
vaneado, que deaunciava caso nao habi-
tada. f.
Diante de urna cortezU correcta, que
ella reoonheceu ser da ra.lhor sociodade a
monqa tambera faz urna reverencia do
melhor estylo.
Sa jamis-a idea da um Puck de saia
podia ooeorrer a alguem, era cortamente
em favor da creatura original, que pareca
muito s tsfeita, com se fra um aooate
cimenta importante, com o p*pel liospita-
l.iro que Iha caba do repente. Dezesete
annoa, de ar vivo, csbelLs em desordem,
neai faia nem bonita, mas do tez brilhar.te,
a despeito de um pouco tostada pelo ar do
campo. Ella estava nesse momento em que
acaba ocreeciraento presagiando j a moja;
mas, sob O desenvolv ment de gragas es-
tudadas de fresco era urna educacSo supe
rior anda se adivinbavo os impetos de
utta'crianca a que nada sa negava, de en
volta com um ar de diatinegao nativa Gran
das olhos pardos, atrevidos, tiohain o ver-
dadeiro olhar de pagara, que contraatava
singularmente com, a affectagao do ares de
senhora, que ella nao podia deixar de to-
mar em semelhante aventura.
Comquanto pouco tmido por natureza,
em presenca dessa menina snaquella casa,
Roberto ficou por um momento embarazado.
Estou confuso, minha senhora, por
apresentar-ino em estado tilo lastimoso...
A culpa nSo e sua! respondan ell
do tora ceremonioso cora qi so recebo urna
visita... E, so quer ntrar na sal* para
esperar que passo a borrasca ? ..
Agradego muito a sua bondado ao-
cresoentou ella cora outro cimprimento, ao
qual ella correspon leu cora segundo mer-
gulho gracioso; depois, elle a acompanhou
at ama porta, que ella abri.
Quando ao entrar:
Sacuda-so um pouco I disse ella.
Com essa phrase de situag&o, ella dou
u.ua graude risada.
A sala, um tanto em desordem, mas
alegre como urna verdadeira sa'a de cotia-
ge, dava para o parque. Um piano de
Erard, divans do sola; aqui e alli, espa-
lliaJas ao acaso no chito, cobarto de es-
teira da Mtnilha, punas de almofadas,
moda oriental, amontoJas nos cantos;
tudo revolava a coramoddade elegante de
un pavilbao da verao em desuso.
O senhor est em casa do Sr. almi-
rante Berthier disse a menina, com um
(omziuho de oraphaae miJulado com toda
a corteza para deslumhrar logo o hospede;
sente-ae.
E, sera a menor malicia, ella oil'oreceu
lhe urna cadeira dejardira.
-r N3o sei como desoulpar-me desta in-
vasao minha senhora... respondeu Gu-
rin, sera afastar se das formas da mais
extrema disorgao.
Mas n&o era isso que exiga a ourosi-
dado de menina, o ella o deu a entender.
E eu sou Jocunda Brthier, filha do
almiranta 1 tornou ella com certo sorriso
expreasivo, accentaando as palavras de
a comprebender.
Roberto ficou um pouco admirado, ou-
vindo o nome dossa joven heroina de tres
ou quatro milhojs de doto, qae Rival ti-
nha Ibe indicado :
Ah perdao, minha senhora I... f as-
oondeu elle cora vivacidade. Eqaeci-iBe
de apresentar-mo a mim mesrao : cham-
me Roberto Gurin.
Ah !.. E mora por aqui perto T...
Nao, minha s a ahora, chego do Pa-
riz, respondeu Robarlo.
Houve ainda um silencio profundo, pa-
recnJo que a menina Jacunda achava o
sea hospede ara pouco lacnico Repetio
uns bera! bara !...
Mas como Roberto naopestanejasae, ella
parecen tomar urna resolugao, e, continu-
ando :
Estes aguaceiros8lo realmente insup-
portaveis! accresonntou ella, como de seu l
pandc-3e de urna falta pessoal. E' o yento
de oeste quo sopre e entra na nossa bacia
do Loira, era consequeocia de deprossSes
sbita no mar... Mas isso dura pouco..
especialmente quando ha ao raesmo tam-
po descargas de elactricilade, tornou ella,
estimando que ura grande trovSo apoiasso
a sua sciensia de filha de almirante.
Cora effeito, minha senhora, a borras-
ca j passou.
Oh! nao digo isso para apre Ainda est chovendo muito. e eu esti-
mo poder offerecer lhe, pelo menos, um
abrigo.. rsula o M-rtoa este 14 em
cima, na bibliotheca, onde fokoa por as
cousas um pouco era ordem... to Miguel
to peuco amigo da ordem, que posso as
segurar que nao pequeo trabalho de
classifioar a sua collecgao...
Ah o Sr. seu tio tem una collecgao T
respondeu Roberto, psra dizer alguma
cousa.
Muito bonita '.. Da antiguidades'
E o senhor, sem duvida, vem a Touraioe
simplesmente por passeo ?
NSo, minha senhora, venho a negocio.
Importante ?
Muito importante.
Cont me isso '
Um pouco confundido por esta curiosi-
dade estonteada, Roberto quiz pagar na
me8raa moeda.
Venho por causa de urna berenga,
minha senhora) responden elle franca-
mente. -
Com essa simples resposta a menina
mostrou se consternada :
Ah! meu Deus! dissa ella. Mas,
entao, o senhor ha de achar a minha per-
gunta extremamente indiscreta....'Pensoi
que o senbor falliva como tourise, de...
alguma pesquisa nos archivos destes cas-
talios veihos... e entilo...
Nao precisa desculpar-ae, minha se-
nhora 1... Pelo contrario, sou eu quem
do ve psdir-lhe pvrd&o. por ter feitoama
oonfidencia de interesse puramente pessoal
NSo, sonhor, nao senhor... fui eu
quem fez mal! exclamou ella vexada.
Asseguro-lhe que nSo, minha senho-
ra.
Eu digo qno sira 1 Mas isso ha de
ansinar-me a nao ser tao curiosa 1 Agora,
que vai o senhor pensar.
XIII
Vendo-a quasi seriamente contrariada,
Roberto deu-se prssa em protestar de no-
lSo de Tours... que nSo conhego, e pre-
tendo veltar araanhS.
Ah! ... o seu tabellio est em
Tours?..
Sim, minha senhora, mas vim dirigi-
do, aqui a ura certo Sr. Sarrazia. que
tambera nao conhego ..
Esse certo Sr. Sarrazin de Corbires
mea tio 1... respondeu a menina Jocun-
da em tom de irona magestosa.. O Sr.
Miguel Sarrazin, mairede Guitry-le-Grand
e uoerabro do conselho geral... accrescon-
ton, accentuando as palavras.
Ah! perdSo, minha I tornou vva-
mento Reberto, confuso por se t:r extra-
viado novamente... eu ignorava... Tra-
go urna carta para o Sr. sea tio.
Oh I isso entilo outra cousa I ex-
clamou a menina Jocunda, tornando a to-
mar os seus modos amenos. Devia ter
dito isso quando eatrou... Mas o senhor
enganou-se batendo neste pavilhlo, onde
meu pai, a vezes mora, e que apenas
urna dependencia do castello da Barraca...
cuja entrada no fira do muro do parque,
tomando esquerda, na estrada.
Mil agradecimentos, minha senhora,
e pego mil desculpas 1 disse Roberto, le-
vantndo-se, porque tinha cessado a chuva.
Onde vai ? perguntou ella.
Vou acorapanhar o mur do parque...
at a volta... esquerda...
NSo vale a pena 1... Temos ca-
minho mais curto pela canigada. Eu vou
leval-o. Venha por aqu I... accrescen-
tou ella, abrindo a porta que dava para o
jardim.
O tempo tinha clareado, bruscamente.
Roberto acomp nhou-a.
Marton I... Marton !... chamou a
menina Jocunda.
A urna jauella do primeiro andar appa-
rencia logo urna camponeza de uns qua-
renta annos, que ficou boquiaborto de es-
panto, vendo um estranho.
Hein 1... De onde vem elle ?...
dissa ella em voz alta.
b,' um sonhor de Pariz, ama que
vem procurar tio Miguel I... Eu abri-
vo7por dema8,rcom ama ollidez natural, Pr* pequea... Dize a rsula que
' n __ -ciii- __ voto nara o oastellc

1
O qaart* do regente
Gonzaga sacudi a cabega e disse tilo
baixo que o regente mal pdie ouvir :
Estamos habituados, Vossa Alteza e
eu, a atirar o ridiculo sobre as cousas do
coragSo. NSo tenho o direito de me quei-
xar ; sou cumplice ; mas ha sentiraen-
tos. .
Bem, bera, Felippe I iuterroaapeu o
regente; ests apaixonado per tua rau-
lher ; urna bella e nobre creatura. Rimo
nos diseo algumas vezes, verdade. quan-
do estamos bebados, mas tambora uos ri-
os de Deus. .*
Fazemoa mal, prncipe, interrompou
por seu torno Gonzaga, altarande a voz.
Deus vioga-se.
Coraodizes isso I Tens alguma cousa
a dizer-me T
Muitas coasas, principe. Corametto-
rara-se dous assasinatos no meu pavilhSo
esta noite.
O c^valheiro Lagardre, aposto I ex-
clamou Felippe de Orleans, sentando-se ;
tizaste mal, se tal fiz-ate. Felippe con
firmaste as miabas desoonfiangas.. .
iba somno. As sobrancelhas
iara-se-lhe emquanto olhava para Gon
, que se ergueu. A sua bella eabec*
asa admirare! exprsalo de altivos.
Desconfiangas I repetio ello, como se
nao tivesse podido reprimir o seu primeiro
moviiu nto.
Depois accrescentou com urna exoressao
concentrada:
Voasa Altez i desconfia de mira ?
E' verdade, replicou o regeate de-
pois de um certo silencio, tive desconfan
gas. A tua presong afasta-as, porque
tens o olhar de um hornera leal. Procura
Jissipal-as com as tuas palavras : escu-
to-te.
Vossa Alteza faz-mc a graga de di-
zerrae quaes foram as suspeitas que te ve T
Velbas e novas.
As velhas primeiro, se Vossa Alteza
sa digna de consentir.
A viuva de Nevera era rica ; ta eras
pobre ; Novers era nosso iruoao.
- E nSo uevia por isso casar-me cora
a viuva de Nevera ?
O regente reeostou-se outra vez e nSo
respondeu.
Principe, proseguio Gonzaga, bai-
xando os olhos, j disse ; temos escarnec
do muito ; estas cousas do coragio sara
mal entre nos.
Que queres dizer ? explica-te.
Quero dizar que, se ha na minha vi-
da urna acgSo quo rao deva honrar, esta.
O nosso querido Nevera morreu nos meus
bragos, bera o sabe, j o disse. Sabe tam-
bera que eu estava no caatello do Caylua
para quebrar a cega teiraosia do velho
marquez, irritado contra o noso Felippe,
que lhe bavia tomado a filha. A cmara
ardente de que lho vou fallir daqui a pou-
co, j me ouvio esta manha como testerau-
aha.
Ah 1 intarrompeu o regente. Dizo
rae qual foi a sentenga proferida pala c-
mara dente. Eaae Lagardre nAo foi
mort > em sua casa ?
__ Se Vossa Alteza me tivesse deixado
pros"guir. .
__rVosegue, proseguo. Procuro a ver-
dade, procuro a verdade nicamente.
Gonzaga inclinou-so com frieza.
Por isso, replicou elle, fallo a Vossa
Alteza R-^al, nao como ao meu principe,
mas como so mea juiz. Lagardre nSo
foi morto esta noite era mha casa: fo
Lagardre quem raatou esta noite em i-
que tranquillisou a menina. Ella, entSo
voltou a rsula e Mentn, que faziam ba-
rulho por cima da3 suas cabegas... Elle
assentia em silencio.
.** Oonfesae que est me achando taga-
garca !... disse ella de repente fitando-o
com os seus grandes olhos.
Acho, minha senhora, que me faz a
graga de salvar-me do embingo do urna
indiscripgSo... So nSo fosse a senhora,
eu teria raorrido afogado na estrada... e
cora a minha heranga no bolso 1 accres-
centou, rinlo.
Algum prente que tinha aqui na
trra ?
Achando graga nessa nova pergunta,
Roberto nSo hesitou.
__Una tia av, minha senhora, respon-
deu elle. a. Baroneza do Coudray. Mor-
reu ha tres meses...
Oh 1 a Baronesa do Coudray I
A senhora a conhecia ?
Oh 1 nao !... disso vivamente a me-
nina Jocunda, tomando, sbitamente, um
arzinho de altivez, como ao s esso nome
a magoasse.
Roberto, por sua voz, ficou um pouco
penalisado. comprehendendo quo se tinha
desencaminhado e tinha cahido era cheio
sobre alguma discordia de provraeia.
PerdSo, minha senhora I tornou ello,
inclinando -se, como para desculpar-se de
algum descuido.
Dessa vez, foi a menina Jocuuda quem
foi em seu auxilio.
Oh 1 senhor, os deamandos e o pro-
cedmento da Sra. do Coudray foram de-
vi loa-a urna diapo8gSo de espirito, cuja
responsabildade nSo lhe pode alcangar...
accrescentou ella oom urna gravidade be-
nvola, quejulgou de melhor effeito...
Entao vem morar no castello com os Bois-
desnier T
Confesso que nSo sei absolutamente
nada tornou Roberto, corao'querendo lo-
go dealinar do toda a eomplicidade com es
ses Boisderuier, a que a menina Jocunda
pareca dar tSo pouco aprego. Sahi esta
njsnhS de Pariz, a chamado do um tb 1
nha casa o fninceiro Albrat e o Sr. de Gi-
ronne.
Ah disse pela segunda vez o re-
gente. E como estava Lagardra era tua
casa t
Creio qao a Sra. princesa poderia
diz -r a Voasa Alteza, respon leu Gonzaga.
Toma cuidado essa urna santa.
Easa deteata seu marido, principe 1
pronunciou Gonzaga cora forga ; nao ta
nho t naa santas que Voasa Alteza cano-
nisa
M ircoa ura ponto, porque o regente sor-
rio em vez de irritar-se.
Vamos, vamos meu pubro Felippe,
disse elle, fui tai vez um pouco severo, mas,
bera vs, ha escndalo. E's ura granda fi-
dalgo ; os escndalos que partera da cima
fazem barulho, tanto barulbo quo abalara o
throno. Sinto o, eujque me sonto perto della
Contiuuemos. Dizes que o teu casamento
com Aurora do Caylua foi urna boa acgSo,
prova-o.
NSo aera urna boa acgSo, replicn
Gonzaga com um calor perfaitamente re-
presentado, cumprr a ultima vontade da
um moribundo ?
O regente ficou de bocea aborta a olhar
iara elle. Houve entre elles um longo ai-
encic.
- NSo ousars mentir a essa respaito,
muraurou afinal Felippe d'Orlaans, nantir-
me. Acredito-te.
- Felippe, replieoa Gonzaga, Voasa
Alteza trata-rae do tal modo, que esta en
trevista a ultima entre nos. As pessoas
da minha cas;i nao esto acostumadas a
ouvir, raesmo 03 principes de sangue, fal-
lar-lhes como Vossa Alteza est fallando
S me reata defenderme das accusagSes
levantadas contra mim, e direi adeus para
seinpre ao amigo de minha iufancia, que
mo repellio quando uu era infeliz. Vossa
Alteza acredita me, quanto basta.
- Felippe, murmurou o regante, jus-
tifique-, e, palavra ver se sou seu
ara-go-
. EatSo, disse Gonzaga, sou necusido f
Como o duque d'Orleans ficasse calado,
Gonzaga continuou com aquella digotdade
calma, qae tSo bera sabia fingir quando
era preciso.
- loterrogue-me, Vossa Alteza, res-
ponder Ibe-bei.
O regente reooieu-se um instante e
disse:
Assisti j aquello drama sanguinolen-
to quo teve lugar nos fossos da Caylus ?
Assisti, responden Gonziga ; defend
o V0830 amigo e o meu com risco da minha
vida. Era o meu 'lever.
Era o seu deve. E raceb;u o seu
ultimo suspiro?
- Cora aa suas ultimas palavras, prin
cipe.
Que Ihj pe lio ella? des-jo sabsr.
__A minha intengSo nSo en occultal-o
a Vossa Alteza Real. O nosso desgranado
ami'O disse-me, repito textualmente as
suas p->livras : Casa com miaba inulher,
para seras o pai de minha filha.
A voz de Gonzaga nao ,tremou ao pro-
nunciar esta mentira impa.
O regente estava absorto naa suas re-
flexoas. No rosto intelliganto e pensativo,
va aa-lho a fadiga ; roas os veatigioa da
embriaguez tintura desapparecido.
Fez bem em cumprr a vontade do
moribundo, disse elle ; era o aeu dever.
Mas porque calou essa, circunstancias du
ranto vinte annos T
Amo minha mulher, respondeu Gon-
zaga sem hesitar ; j o dissa a Vossa Al-
teza.
E era que polia esse amor fechar-
lhe a bocea ?
Gonzaga baixou os olhos o chegou a
corar '
Era preeUo accuaar o p3 de minha
mulher, murmurou elle.
- Ah disse o regente, o aasassino foi
o Sr. marquez de Caylus ?
Gonzaga curvou a cabega e soltou um
suspiro. Flippa d'Orleans fitava nolle o
seu olhar vido e penetrante.
So o assassino foi o Sr. marques da
Caylus. proseguio elle, que ten a censu-
rar a L->gar1ere*
minha
vende
Aquillo que se censura, na
trra, ao bravo cujo e*tvlete so
para comraetter ura criso
O Sr. da Cuylas coraprou a espada
dessa L'gar!cre. ?
Sim, meu sonhor. Mas esse papel
subalterno s durou nu dia. Lagardre
trocou o contra essa outro papel activo qaa
representa obstinadamente ha dez lito an-
nos. Lagardre roubou por u* conta a fi-
volto para o castello para o levar.
Bem e o teu guarda-sol ? diasa
Marton, quo atuava a menina Jocunda.
Nao preciso delle, tu o levars 1
E' isso 1... Sou eu sempre que 1-
vo... Que crianga I
Mas a ra nina j estava debaixo da
sombra da arvorea. Com o olhar animado
e ar serio, como quem estava muito pro-
oceupada com o papel que desempenhava
nessa celebre questao da heranga do Cou-
dray caminhava apre3sadamente, como so
receiasse que chegando tarde, eneontrassa
d8Bpados os direitos do herdeiro.
Vendo que Roberto nao estava ao facto
das cousas ella deu-lhe informag38s. Ella
ficou aabendo que fortuna da ana tia ayo
era considerada < como urna das muito
boas da torra.. Entretanto, as vnhas
proxima8 do Petit Mulot estavam phyllo-
xeradas... Qauto no castello, a des-
peito do seu ar grandioso, era um edifi-
cio delapidado... visto o estado era que
a condessa o tinha deixado havia muito.
No fira do caminho, que dava para um
jardim inglez muito bonito, cujas moitaa
de lilazes estavam floridas, Roberto Gurin
vio a Barraca, bonita casa do ssculo XVII,
de pedras embutidas nos tijolos, augmenta-
da por construogSes recentes, com um goa-
to de estylo raro, unindo a commodidada
midorna reina arabitectur* de campa-
nariosinho. Edificios separados iqdicavam
ara modo de viver sumptuoso.
Depois de atravessar o jardim, sempra
quasi eorrendo, a me ana subi oa degroa
de urna eacada exterior, abi estava uai
criado velho era pequea libr.
Meu tio ? perguntou ella.
__O Sr. Sarrasin est no seu gabinete,
minha senhora.
Ella tornou a caminhar, atraveosando
varas salas. Roberto acompanhava-a com
diffimHale. Chegando a ama porta,
abrio-a e entreu como um turbiihao.
__Mau to, o Sr. Roberto Gurin, her
deiro da velha do Coudray .. dissa ella,
qua8 sera foleto.
(Cantinu'a)
Iba do Aurora e os pipis, provas do seu
naso i ment.
Que pretenden, entao houtera, paran-
te o tribunal de familia T interroropeu o re-
gente.
xMeu aenhor, raplicou Gonzaga, aor-
rindo amargamente, agradego a Deua ter
permittido este interrogatorio. Julgava-me
cima destaa perguntas e era a minha des-
grana. NSo se podo subjugar aenSo o ini
migo que 8e apresenta ; s se pode redu-
zir a nada a accusagSo que so formula ;
tanto raelhor Forgou rao j a accender o
facha, da verdade nastas trovas qua a mi-
nha piedado coajugal se recusava a Ilu-
minar; vai forgar-rao agora a descobrir o
lado bora di minha vida, o lado nobre,
chrstSo, modestamente dedieado. Retri-
bu o nal com o bam, mea senhor, pa-
cientemente, resolutamente, e isto dorante
perto de vinte aonos. Dadiquei-me noite e
dia a ura trabalho silencioso, palo qusl ar-
risque! muitas vezas a minha existencia ;
gastei a minha fortuna immonaa ; fis cal-
lar a voz seductora da rainha ambicio_;
de o que ma restava da torgas e de moci-
dade, de ama parte do meu sangue.
O reg-nte faz um gesto do impaciencia.
Gonzaga proseguio :
Acba quo mo elogio, ni) verdade ?
Ouga, pois, a minha historia, principa.
Vossa Alteza, quo foi o melhor amigo, meu
rraio, como foi o amigo e o irraio ue Ne-
vera, ouga-mo attentaraente, imparcul-
rae:!tJ. Escolho o por arbitro, nio entre-
mim e a snhora prnceza, Deus me livre
disso ; contra ella nio quero ganhar pro
cessos ; nio entre mim e essa aventnreiro
Lagardre ; oonsidero-rao muito alto para
collooar-mo cora elle oa raesraa bslanga ;
mas entro nos dous, meu senhor, entre os
dous sobreviventes dos tres Folippas, en-
tro vi, duqu* da Orleans, regento de
Franga, temi era uas mi os o poder qaaai
real pira vingar o pai, para proteger ali
iha, e mira, FeHpfta dd Ojnagf aempre
fidalgo, oio tendo para t* 4upl*- e santa
missio senSo o meu oragio e a minha es-
pada Tomo-vos por meu arbitro, e quan-
do tiver con jluido perguntar vos-hei: Fe-
lippe da Oideaaa, so a v oa a Felippe
de Goaaaga quo Felippe de Novers ap-
plaude e sorri 14 dt cima aos ps de Deus!
II
O eftale
O boto era ousado, o golpe bera dirigi-
do : acertou. O regente de Franga baixuu
es olhos sob o olhar eervero do Gonzagn.
Este adestrado naa Iutaa da palavra, ti-
nha previamente preparado o seu effeito.
A narragio que ia fazer nio era ura im-
proviso.
Ousar dizer, murmurou o regente,
que faltoi aos deveres da amisade ?
Nio, raou aenhor ; replicou Gsnzar
ga; forgado, como aou, a dotender-ma, vou
apenas comparar o mau proced ment com
o vosso. Estamos fciw, Vossa Alteza Real
nio tora que corar.
Felippe d'Orleans, reouperara a calma.
Conhecerao-nos ha muito, prineipe,
disse elle ; adianta se muito ; tome cuida-
do 1
__ Qerer vingar-se, 'perguntou Oonza-
ga, olhando o do frente, do affaoto de qua
de provas ae nosso irmio depois da sua
morte ?
Se tiver razio, replicou o regento,
taz-ae-lhe-ha justiga; falle.
Gonzaga e^pers-va raais colera.
A calma do duque de Orleans t'ez-lhe
perder ura rapto oratorio cora quo muito
cootava.
* Ao meu amigo, proseguio elle entre-
tanto, ao Felippe do Orleans, que me es-
estimava hont^ra e a quem eu muito que-
ra, teria contado a minha historia em oa-
tros tormos; as circumstancas era quo
nos acharaos, Vosaa Alteza Real e eu
ura resumo suocinto e calmo, que preciso.
A priraoira couaa que devo dizer, qm
esse Lagarlare nio s ura espadanchim
dos mais perigosos, mas tambera um ho-
rnera intelligente e *stuc080,|capaz deseguir
urna i lea de ambigUo durante muit03 an-
uos, nio rocuando diante de nenhura es-
forgo para conseguir o aeu fira. NSo posso
acreditar que tivesse desdo o principio
i.a da casar com a herdeira do Nevera.
Para isso, quando passou a froateira, tirha
que esparar, quinze ou dezeseis uneps;
era muito. O sou primeiro pUno f-i sem
duvida aljuraa exigir algn enor-i res-
gate; sabia que Nevers o Calvas erara ri-
cos.
(Coiitimtar-$e hqA
Typ d i Otario raa D t, M


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EB72JFBA6_IXP5FK INGEST_TIME 2014-05-28T17:02:58Z PACKAGE AA00011611_18240
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES