Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18237


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AHNC LIIII-- NHEBO 58
PARA A CAPITAL E UGIBF.1 O^RK SAO E PACA PORTB
Por fres mezes adantados............... 61JOOO
Por seis ditos idera.......... ...... ii'iJOOO
Por utn anuo idem................. 235000
Cada numero avulao, do mes-no dia. ....... (5100
DIARIO DE
12 BE HABQO DE 1881
PARA DENTRO E PORA DA PROTOICIA
Por seis mezes adiantados..............
Por nove ditos idem.................
Por ura anno idem........Y ...... .
Cada numero avulso, de dias anteriores..........
13500
200000
27.JC00
0100
RNAMBUGO
Proptie>a>f Ir JElanorl -ftguetra be Jara i S^os
lf
,
J
l
I
.
*
l
9
l

f
f
i
I -
j
1
I *
Os Srs. Aenede IVInee de Pars, & oa nossos agentes
exclusivos de sonancias e pu-
blieacSes na Franca e Ingla-
terra
TELEGRAHMAS
botijo s inwiL ui
(Especial para o Diario)
BUENOS-AYRES, 11 de Marco.
Foi boje Ignalndo ana easo novo
de cholera- mar bu e bitos O)
ROMA, 11 de Marco.
Ka Cmara dos Oepntados da Ita-
lia esta terminando a dlscostio de
mi Interpellaco dirigida ao go-
bern.
Corre o boato de que O. Carlos na-
que de nadrld. val toser brevemen-
te ama vlagem a Amrica do Sal.
PARS, 11 de Marco.
Olr.F. de Lesseps parti para ner-
um.
Ko Arsenal de nrest honre ama
exploaao de mllate, resaltando al-
gumas victimas.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
11 de Marco de 1887.
IHSTBDCCiO POPDLAR
MEDICINA DOMESTICA
(Extrahido)
DA BIBLIOTHBCA DO POVO E DA8 ESCOLAS ,
PARTE SEGUNDA
noKXCAS MBOICAS
(Cojtnuat&o)
Bscarlatlaa
Por algam tempo jnlgava-so que a belladona
era on preservativo contra a escarlatina. Hoja
est demonstrada, ao que parece, a inutilidade do
emprego de tal substancia com eate fim.
O tratamento da escarlatina, na parte que
conveniente qae os nossos leitores conhecam, limi-
taba a mui pouco, .. '.'
Basta npplicar aos febricitantes os cuidados by-
gieucos qne ja apoutmos para as ontras dnas fe-
bres eruptivas e dar da gargarejos levemente ads-
tringentes para combater a angina.
Declarada a escarlatina, sempre neceasaria a
intervenclo do medico ; s elle dever combater
as complicacoes desta doenca (as veaea to gravus !)
lUMiido nao baja podido evital-as.
SnppresSes de transplraco. Bron
cblte
Sabeio ji os leitores qae am dos meios, qae o
organismo tein para se desembarazar de certns
P'O lucios tesultanles dos procesaos ntimos da nu-
tricio, a transpiracao cutnea.
O saor o resultado desta importante tunelo
Este liquido, cuja composico (em 100 parte*) de
'Ja d'agua e 1 de residuo solido, tem sido analysa-
lo e compoe-se dos materiaes seguales :
(10.000 gram.)
Agua................... 9955,73
Sudor tos alcalinos (*).... 15,62
Cblorrto de sodio......... 22,30
Lactatc.i al .-alios........ 3,17
Chloreto de potassio...... 2,44
Urea.................... 0,43
Materias gordas.......... U14
Outrossaes (sulphatosphos-
pbates alcalinos, etc.)... 0,16
Pela tabella precedente se comprehende a im-
portancia desta fu ocelo.
A qoantidade, e at certo ponto, a qualidade do
suor varia com o genero de alimentario, e com o
mida de vida dos rudividous ; influenciado pelo
ejercicio, pWa t-m pera tura ambiente, etc., cano se
estada em Pbysiolngia. O qae, porm, nesta oc-
caaiao, cumpre faier bem eomprehendw, que a
t. auepiraclo cutnea urna (ncelo importante,
indispensavel a vida, e que da suppressio, da soa
brusca mterriipcao, nascem incommodo* e doeocaa
gravea.
^Para vermos que importaucia tem a transpira-
cao na vida animal, basura apontarmos urna expe-
riencia que se tem teito coro aninaea, e que con-
siste em revestir-lhe a superficie cutnea com ama
substancia que impeca a transpiracao (com vernis,
por exemplo), e v-se que o animal nao resiste, por
se lhe haver supprimida esti va de sabida a pro-
ductos que devem ser eliminados.
Natuialuieute ha sempre em maior ou menor
quantidade de transpiracao cutnea, e sndacao ou
excrecao de saor. 8<> esta fncelo interrompida,
dii-se haver uipprcstao de transpiracao.
Sao diversas e variadas as causas da suppressio
de tranapiacio. Um individuo acaba de faser
utn exercicio qualqaer (de andar, por exemplo),
ente o corpo em transpiracao, pira de repente,
expoe-se a urna corrate de ar tria, e experimenta
ama suppressio de transpiracao.
A suppressio de transpiracao pode ter por effei-
to doencas variadas. Vulgarmente emprega se a
a palavra constipado para designar o esta lo em
que se acha o individuo em qae a transpiracao foi
supprimida. A coitttipacao pode mamfestar-se sob
formas diversas segundo as eircamstaucias e dis-
posices iudividnaes. Ti-em os diversos iudivi-
dous, em era!, um orgio ou apparelho qne o
fraco e que responde, sempre de modo indentico, a
causas diversas de doenca. Aasim tal individuo
tem ama criae sempre qae se expe a ama crente
de ar fra ; tal outro 6 atacado d broochite sempre
que se soj<-ita i causa cima exporta. Uns sio
aujeitos a pleuresas ; outros a diarrhaa ; estes a
pneumonas ; aquellos a atsques de rhenuiatiamo ;
etc.
Do qae acallamos de dixer se eonclue que a sup-
presso de transpiracao nao em si propriamente
ama doenca. mas caos de doenca s diversas.
Um dos effeitos ma< coiamnna da sappressio de
trsuipiracio a bronehite. Na hnguagem vulgar
bastantes veses a bronehite tomada como y-
nonymo de suppressio de transpiracao..
Vejamos pois o que til faser quando se ma-
nifestam os primeiros signaes da sappressio de
() Acido ludorico. se coasnou a um acido aso-
lado particular, encontrado so saor; esta anido
se lcalis forma os sudorstM alcalinos.
traaspiraclo, e como so pode no comeco combater
e s veses faser abortar ama bronehite.
Em primeiro lugar deve haver todo o cuidado em
evitar aquella causa de doenca. Assim conve-
niente que nunca nos exponhamos a correntea de
ar, quando estivermos suados, especialmente se a
transpiracao fr devida a exercicio violento.
Costuma mauifestar-se a suppressio de transpi-
cao por urna sensaci j especial r!e restriamento em
todo corpo ; o saor como qae se secca de repente ;
ha treqaentes espirros; vem depois ddr de cabeca,
mal estar geral ; e, segando o lugar para onde a
causa dirige o tiro, assim apparecem symptomas
diversos
Quando tem qae vr a bronehite, o individuo co-
meea psr sentir coryxa, angina guttural, ardor na
garganta; espirra a miado, sent correr agua pelo
nariz. Vem depois am ardor mais profundo, re-
ferido parte posterior do peito, atrs do externo.
O appetite deaapparece; pronuncia-se um certo
mov monto febril.
(Continua.)
?ARTE OFFICIli
Belaco dea privilegios concedidos
dorante o anno ie 188C de qae
trata o artigo SS do regnlamento
n: 8.8SO. de SO de Besembro de
188.
H. 1. Patente 306. Decreto de 2 de Janeiro.
George Maltby Hathawaya.Melhoramentos na
maneira de suspender ajela ou pingente dos brin-
cos.
N. 2. Pat. 307. Dec. de 2 de Janeiro. Joa-
quina Qoncalves BarrosaMachina a que deno-
minoa Branidor Barroso, destinada a bruir
caf
N. 3. Pat. 308. Dec. de 9 de Janeiro. Nathan
Blum (boje Joio Baptiste Isoard & C, por trans-
ferencia feita por aqaelle).Porno mecbanieo pa-
rallelo, a qae deaominoa Forno Universal. *
N. 4. Pat. 309. Dec. de 16 de Janeiro. Per-
cival Evaritt.Aperfeicoamentos em balancas oa
machinas de pesar.
N. 5. Pat. 310. Dec. de 16 de Janeiro. Char-
les Mackey Taylor.Syatema aperfeicoado de ir-
rolbar garrafas.
N. 6. Pat. 311. Dec.de 16 de Janeiro. Frie-
drich Cari Qlaser.Processo destinado a anpli-
car directamente, por meios mechanicos, moldes,
sobre estofos, tecidos metallicos ou oatras mate-
rias semelhantes.
N. 7. Pat 312. Dec. de 16 de Janeiro. Her-
mana Joseph George Mol e Jos Gonoalves Val-
le Brandio Filho.Apparelho dertiaado a dar
aviaos de incendio, a qae denominaram Avisa-
dor de incendie.
N. 8. Pat. 313. Dec. de 23 de Janeiro. Ja-
les Weiricb.Processo e apparelho destinado
extraccio dos metaes existentes nos mineraei e
nos residuos aoriferos e aaro-argentiferos.
M. 9. Pat. 314. Dec. de 23 de Janeiro. Claro
Ribeiro Mareondes.Machia* de descascar caf,
a qae denominoa Descascador Econmico. *
N. 10. Pat. 315. Dec. de 6 de Pevereiro.
Macedo 4 Filhos.Apparelho denominado xa Autouatica Brasileiras destinada i lavagem
de latrioas de barro e outros vasos de esgoto.
N. 11. Pat. 316. Dec. de t de Pevereiro. Ma-
thias Goseaives Ferreira,Placa de nomenclatu-
ra d'.uroa e nocturna, para direeco de bonds e
aonuucins noetnrnos. J
N. 12. Pat. 317. Dec. de 6 de Fevereiro.
Quilherme Me. Hardy.Melhoramentos introdn
sidos em machinas de beneficiar caf.
N. 13. Pat. 318. Dee. de 6 de Fevereiro.
Marcos de Lacalle. -ystema destinado a prepa-
rar, no vacuo, caf un grao, conservaudo codas
as soas propriedades aromticas.
N. 14. Pal. 319. Dec. do 6 de Fevereiro.
Henry Adama e William Adams.Aperfeicoa-
mentos otrodusidos nos tubos de tiragem para lo
comotivas e tambem applicaveis a outros usos.
N. 15. Pat. 320. Dec. de 6 de Fevereiro.
Wilhelm Ijorenx. Projectis compostos.
N. 16. Pat. 321. Dec.de 6 de Fevereiro.
Joh i Red.Sypbio automtico, destinado A la-
vagem de receptculos, encanameatos de esgoto,
mictorios, etc., a qae denominoa Sypbio R;id
Decreto de 6 de Fevereiro. Joio Conrado En-
gelberg e seus filhos Evaristo Conrado Engelberg,
Pedro Alberto Engelberg e Olipio Conrado En-
gelberg.Meiboranentos introducidos no ventila-
dor de caf, a que denominaram Apartador de
pedrat privilegiado por carta patente n. 194 de
13 de Desembro de 1884.
N. 17. Pat. 322. Dec. de 13 de Fevereiro.
Frederick Wiliam Arampton.Aperfeicoamentos
as cercas de rame e no machinismo para fabri-
eal-o.
N. 18. Pat 323. Dec. de 13 de Fevereiro. Ed-
mond Julieu Bateras secundinas elctricas.
N. 19. Pat. 324. Dec. de 13 de Fevereiro Char-
les Bastou e Alexander Ro'herham.Aperfeicoa-
mentos em combustores de bydrocarbone, para
lampadas oa fogoes.
N. 20. Pat. 325. Dec de 13 de Fevereiro. Lu-
cieu Hensscken.Nova combiuacao explosiva es
pecial para a exploracio de minas e pedreiras, a
denominoa Porynitro-cellulose.
N. 21. Pat. 326. Dec. de 13 do Fevereiro. Pe-
dro Faber e Henrique Faber.Machina destinada
a moer cauna, a que denominaram Moenda do
Prugresso.
N. 22. Pat. 327. Dee. de 13 de Fevereiro. Dr.
Charles Berthaod e Domingos -los Freir.Nevo
ystema de distillacio dos lquidos alcoolicos,
obtendo pir meio do ar urna concentracio e recti-
ficacao dos alcools.
N. 23. Pat 328. Dec. de 13 do Fevereiro. Hen-
ry Keuner Cassel.Processo e apparelho destinado
i extraccio do uuro e outros metaes de seus mi-
ueraes e de oatras substancias. .
N. 24. Pat 329. Dec de 20 de Fevereiro. Jo-
haon Trebentscheck -Syatema de apsrfeicoamento
em caetas e lapixeiras.
N. 25. Pat 330. Dec do 27 de Fevereiro. Cal-
latino Marques de Scusa.Systema de caxas iso-
ladas dertiuadas ao transporte de carnes e peixes
congeladas a grandes distancias.
t. 26. Pat 331. Dee. de 27 d Fevereiro. Sieg-
frid Sigismund Schudler, Machina a que deno-
minou Oleofieador Continuo de Scbindier.
N. 27. Pat. 332. D c de 6 de Marco. Antonio
Jos do Couto e Manoel da Silva.Porno deuomi -
nado Forno Continuo Econmico.
N. 23. Pat 333. Dec de 6 de Marco. Jos de
Freitas Bibeiro.Carros a qne denominoa Car-
ros de mascateacio para a venda de fasenlas e
objectos de armarinbo.
N. 29. Pat 834. 3ec de 13 de Marco. Atha-
nase Chucha.Systema de espingarda e pistola
de gaorra, a que densmnou Systema Chucha.
N. 30. Pat 335. Dec.de 13 de Marc<. Jos
Moreira Ventura Jnior,Apparelho industrial, a
que denomnou Batedeira Mecnica, destinado
a bater doces de qualqaer qualidade.
' N. 31. Pat. 336. Dec. de 13 de Mar;o. O mes-
mo.Appaielho deuominado Coador Mecnico *
destinado a coar fructas para o fabrico de doces.
K. o. Pat 337. D;c. de 2U Je?Iarc.>. ttasua
Geovam.Apparelho destinado fabncacio do
acido sulphurico.
N. 33. Pot 338. Dec de 20 de Marco. Vic'or
Van de Putto.Descascador de caf em eoeo, de-
nominado Descascador Smout.
N. 34. Pat 339. Duc de 20 de Marco. Ed-
ward Benest Sbavr BenestApparelho auum*
tico deiintcetante para latrinas, mictorios, etc
N. 35. Pat 340. Dec de 27 de Marco. Perci-
vsl EverittAperfeicoaineutos em apparelhos de
fiacalisacao para bilbstes, eoupons, tickets.
N. 36. Pat 341. Dec. ds 27 de Mareo. Jeon
Pierre Serve.Systema de tobos metallicos, de
todos os gneros, para caldeiras.
Decreto de 27 de Marco. Evaristo Conrado En-
gelberg.Melhorament introduzido no descasca-
dor He arros, a que denomnou Descascador
Evaristo Conrado. > privilegiado por carta pa-
tente de 13 de Dezembro do anno de 1884 de
n. 193.
N. 37. Pat. 342. Dec. de 3 de Abril. Joio
FrickApparelhos a qual denomnou Propulsor
de Finidos .
N. 38. Pat. 313. Dec. de 3 de Abril. Morris
N. KohnNovo systema de carros ou wsgens de
estradas de ferro, destinados a botequins, cafj oa
restsarants.
N. 39. Pat. 344. Dec. d? K) de Abril. Adrianas
Florus Drousbergvao der binden Apparelho para
seccar caf e outros graos.
N. 40. Pat 345. Dec. de 10 de Abril. Dr. Au-
gust Joseph Georg KernerProcesso destinado a
endurecer resinas, blsamos.
N. 41. Pat 346. Dec de 10 de Abril. Manon
Afionso MartinaApparelho automtico de lava-
gem de letrinas.
N. 42. Pat 347. Dec. de 10 de Abril. Francis-
Pinto BrandioProcesso destinado ao fabrico de
vinho de uvas, passas e oatras materias cbmica.
N. 43. Pat. 348. Dec de 17 de Abril. David
Rattray Malcolm Aperfeicoamentos intreduzidos
as machinhas de trancar.
N. 44. Pat. 349. Dec de 15 de Msio. Santos
Marau & CompForno destinado a incinerar lizo
e residuos de toda a especie de casas particulares
hoteis, estalagens, etc., so qual denominaram
Forno da Hygiene Domestica .
N. 45 Pat 350. Dec Jde 15 de Majo. Gustav
BenhrnsApparelho destinado a filtrar are outros
fluidos.
N. 46. Pat. 351. Dec. de 15 de Maio. Gnilher-
me Finnie KempSeccador a vapor destinado a
seccar arroz em casca denominado Victoria.
Dec. de 15 de Maio, Samuel WilkesMelhora-
mentos introduzidos na machinajdenominada Des-
cascador de arros Wilkes privilegiada por carta
patate de 3 de Outnbro de 1885 de n. 266.
N. 47. Pat. 352. Dec. de 15 de Maio. Edmond
JulienSystema completo de trcelo elctrica e
apparelhos apropriados.
N. 48. Pat 353. Dec de 15 de Maio. Ernest
LelievreMamadeira de vidro,
N. 49. Pa\ 354. Deu. de 22 de Maio. Edmund
Louis ZalinskiEspoleta elctrica para bombas
explosivas ou torpedos.
N. 50. Pat 355. Dec de 22 de Maio. Santos
Mara & CompApparelho de limpar chamins,
a qae denominaram Limpador de Chamin >.
N. 51. Pat. 356. Dec de 22 de Maic Bernardo
CaymariProcesso destinsdo conservacao das
materias orgnicas animaes ao ar livre.
N. 52 Pat. 357. Dee. de 22 de Maio. Santos
Mara & CompBrazeiro com grelhafundida con-
junctauente coa a caixa respectiva, ao qual de-
nominaram Brazeiro Econmico .
N, 53. Pat 358. Dec. ds 22 de Maio. Charles
Tbomai Masn JniorAperfeicoamentos introdu-
zidos em machinas de descarocar algodio.
N. 54. Pat 369. Dec. de 22 de Maio. Santos
Mara & CompFogareiro ao anal denominaram
Fogareiro Econmico .
N. 55. Pat. 360. Dec. de 22 de Maio. M. Hipp
Systema de relogio regulador elctrico.
N. 56. Pat. 861. Dec. de 22 de Maio. Real Pi-
erre PictetAperfeicoamealo na fabricaclo e no
emprego de liquides volatera.
N. 57. Pat 362. Dec. de 22 de Maio. Joseph
Ubertin Processo destinado i fabricarlo de
papel compoeto de substancias fibrosas, palhas,
feno e madeiras de qaalquer especie, cortieas e
trapos.
N. 58. Pat 363. Dec de 22 de Maio. Hetor de
Cordoville, Luiz Pamplona Corte Real e Hurten-
ci de CordovilleApparelhos que denominaram
Repulsor Mecnico destinado a evitar desas-
tres as linhas ferro carris e vias-ferreas, appli-
cavel aos bonds e is locomotivas.
N. 59. Pat 364 Dec. de 22 de Maio. Leones ae
CombettesAppareclho elctrico podendo servir
de poste (reU.it) telepbonico e destinado a mpric
mir oa despachos teles pbonicos sobre ama tira
qae se desenrols,
N. 60. Pat 365. Dec de 22 de Maio. Dr. Gai-
Inerme Jos Teixeira.Melhorament bygienico t.
qae denomnou Habitacoes para calor.
N. 61. Pat. 366. Dec. de 12 de Juoho. Ri-
chard Herbert LapageAperfeicoamento em appa-
relhos de freio continuo.
N. 62. Pat 367. Dec do 12 de Junho. Jnliio
Honorato Aristides Leterre.Apparelho telepho-
nico destinado a reprodasir em som alto as pala-
vras, por meio de um simples phonographo e a re-
gistrar as inesmas palavras em urna fita qae se
desenrola.
N. 63. Pat. 368. Dec de 26 de Jauho. Fran-
cisco Xavisi Oliveira Medeses.Systema de trc-
elo por accumuladorea elctricos.
N. 64. Pat 369. Dec de 17 de Julho. Ral
Pierre PctetAperfeicoameotos nos apparelhos
trigorineos.
N. 65. Pat 370. Dec de 17 de Julho. Henry
Renner Cassel.Processo e apuarelhs aperfeicoa-
dos para o tratamento de metaes, ligas e especial-
mente mineraes aurferos pela electrolyse.
N.66. Pat 371. Dec de 17 de Julho. Jos
Ferrara.Melhoramentos do processo da fabrica
ci de marmore artificial, ladrilhos econmicos,
estatuas e ornamentos de architectura.
N. 67. Pat. 372. Dec de 24 de Julho. Jos
Guardilla.Um novo e aperfeicoado descascador
de caf com diseos circulares.
N. 68. Pat 373. Dec de 24 de Julho. Augusto
Guattarri.Apparelhos e procseos de prodcelo
de desenos OU figuras em relevo sobre madeira,
imitando a escriptura por ustio, ou pela accio
csmbmada do calor e da preasic
N. 69. Pat. 374. Dec de 24 de Julho. Eli
Frairer.Um novo aperfeicoamento em processo e
apparelho de calcinar os mineraes contando me-
taos preciosos.
N. 70. Pat 375. Dec da 24 de Julho. Jos
Guardioia.Um .novo e aperteicoado descascador
de caf cylindro cnico.
N. 71. Pat 376. Dec de 14 de Agosto. San
tos Mara.Um novo systema de moldar na areia
de fundir, por meio de placa, o ferro, o bronae e
os outros metaes sujeitos a tuaio.
N. 72. Pat 377. Dee. de 14 de Agosto. Henri
Tbeophile Baeschlin.Um novo prodacto frigor-
fico.
N. 73. Pat 378. Dec de 28 de Agosto. Ja-
cintho Mooteiro do Nascimento.Apparelho de-
nominado < Motor automtico.
N. 74. Pat 379. Dec de 28 de Agosto. Ber-
nard Cbarles.Molly.Aperfeicoamentos em appa-
relhos para amalgamacio do ouro e outros metaes
preciosos.
N. 75. Pat 380. Dec de 28 de Agosto. Johan-
nes SpieLAperfeicoamentos em machinas de pe-
trleo e gas.
N. 76. Pat 381. Dec de 28 de Agosto. Antn
Cari Spsiiuer.Registro d'agua aperfeicoado.
N. 77. Pat 382. Dec. de 88 de Agosto. Emile
Feiix Guerin.Un aovo systema de soathos sem
rregos.
N. 78. Pat 383. Dec. de 28 de Agosto. Jos
Polono.Machina destinada a eutalhar madeiras
a togo.
N. 79, Pat 384. Dec. de 4 de Setemmv. Jjs
Pedro Alves. -Procesoo destinado a refinacao de
banha do porco para osos culinarios.
N. 80. Pat 385. Dee. de 4 de Betembro. Luis
Antonio Comolly.Processo destinado i utilisacio
do vapor contido as tinas de seren para a ex-
traccio da gordsra as xarqueadea.
N. 81. Pat 386. Dec. de 4 de Sstembro. Dr.
Antonio Pereira dos Santos Leal.Segurador
brasil al re
N. 82. Pat 387. Dec. de 4 de Setembrc. Jos
Eduardo Marcadante.Apparelho ao qual deno-
minoa Indicador Urbano, destinado a vulgari-
sar os annuncios de qualquer especie.
N. 83. Pat 83. Dec. 388 de 4 de Setembro.
Francisco Berrini. Um novo producto destinado
a atesr com facilidade o fogo, intitulado Piri-
lampo. *
N. 84. Pat 389. Dec. de 18 de Setembro.
Mayer 4 C.Aperfeicoamentos em caldeiras de
vapor.
N. 85. Pat. 390. Dec de 18 de Setembro. Hen-
ry Gudson Chapin.Aperfeicoamentos em appa-
relho e mechanismo Dar tratamento da canna.
N. 86. Pat 391. Dec. de 25 de Setembro. R.
V. Kroger de G. Eisenbach, firma social compos-
ta de Reinaldo von Kroger e Gecrg Eisenbacb.
Um freio automtico de segaranca applicavel a
qoaesquar vehculos de vas-terreas, a qae deno-
minaram Kroger Eisenbach. '
N. 87. Tat. 392. Dec de 25 de Setembro. R.
V. Kruger & G. Eisenbacb, firma social composta
do Reinaldo von Kroger e Georg Eisenbach.
Um elevador para planos inclinados, a qae deno-
minaram Kruger & Eisenbacb.
N. 88. Pat 393. Pee de 2 de Outnbro. Corina
Portugal Marques de Campos.Processo destina-
do fabricacio da braza cbmica.
N. 8*. Pat. 394. Dec. de 2 de Outnbro. Gui-
lherme Greenhalg.Novo systema de dormentes
de ferro, em substituicio dos de madeira empre-
gados actualmente.
N. 90. Pat 395. Dec. de 9 de Oatubro. Manoel
Pereira de Ase vedo Jnior.Systema de can- isas
hygienicas e econmicas, para uso da marinha.
N. 91*Pat. 8%. Dec. de 16 de Oatubro. Ana-
tole Edokard Decoufi.Urna machina de fabri-
car cigarros.
N. 92. Pat 397. Dec. de 16 de Ootubro. Per-
reur-Lloyd & Es ti ve.Pilha primaria de longa
duracio.
N. 98. Pat 398. Dec. de 16 de Oatubro.An-
toine Edouard Peyrnsson. Aperfeicoamentos nos
accumuladorea elctricos.
N. 94. Pat. 399. Dec de 16 de Oatubro. Ho-
ward Devenish Pearvall.Aperfeicoamentos em
apparelhos hydraulicoa para elevar oa comprimir
agua en outros lquidos, oa para comprimir oa es-
gotar ar oa qaalqaer outro as.
N. 95. "Pat 400. Dec. de 16 de Outubro. Sal-
vador Troise.Nova applicacio do papelio, de-
nominada Telbado econmico e hygienico.
N. 96. Pat 401. Dec. de 16 de Outnbro. Hen-
rique Barrett.Melhorament ntrodosido na fa-
bricacio de rolhaa e tampas de rosca para fras-
cas, botelbas, garrafas, boies e oatras vasilhaa
semelhantes.
N. i7. Pat. 402. Dec de 9 de Novembro. John
Seid.Pglaometro automatice, denominado Pul-
sometro geid. *
N. 98, Pat 403. Dec de 9 de Novembro. O
mesino.Apparelho destinado lavagem de re-
ceptoslos, encanamentos de esgoto, mictorios,
etc., denominado Lavador Universal. *
N. 99. Pat. 401. Dec. de 9 de Novembro. Au-
toine Blancafort.Novo processo para decompor,
sem auxilio do ar atmospbenco, os vapores d'agua
e dos hydroearbureos reunidos e sabmettidos i
alta temperatura.
N. 100. Pat. 405. Dec de 9 de Novembro. Ma-
noel Antonio Balmaceda.Machina para torrar
caf ao ar livre, denominada Torrefactor Bal-
maceda. *
N 101. Pat. 406. Dec. de 9 de Novembro.
Padre JoaquinTlgnacio Ribeiro. Apparelho de
direcelo dos balees para navegacio do ar.
N. 102. Pat. 407. Dec. de 9 de Novembro.
Carlos Fleming Hargreaves. Novo systema de
tornos.
N. 103. Pat. 408. Dec. de 9 de Novembro.
O mesmo.Novo systema de caldeiras para eva-
poraclo e concentracio de qaalquer liquido, para
ocpedr transbrdamenos i fazer circular liquides
em ebulicio.
N. 104. Pat 409. Dec. de 9 de Novembro.
Manoel Antonio Balmaceda. Novo descascador
de caf denominado Descascador Balmace-
da >.
N. 105. Pat. 410. Dee. de 9 de Novembro.
Simn May.Aperfeicoamentos na fabricacio de
sapatos e chinellss.
N. 106. Pat. 411. Dec. de 9 de Novembro.
Francisco Trotta.Sytema de monumento fu
cerario.
N. 107. Pat. 412. Dec. de 9 de Novembro.
Manoel Pereira de Azevedo Jnior.Boaet by-
gienico eeconomco, destinado ao uso da mari-
nha.
N. 108. Pat. 413. Dec. de 27 de Novembro.
Charles Tmotbe Maxmihen Valerand de Bange.
__r-ystema de obturacio hermtica de canhoes de
carregar pela colatra.
N. 109. Pat. 414. Dec. de 27 de Novembro.
O mesmo.Reparo de canhlo sobre o eixo e com
fre>o hydraulico.
N. 110. Pat. 415. Dec. de 17 de Novembro.
O mesmo.Systema de canhoes com freios bic-
rneos.
N. 111. Pst. 416. Dec. de 27 ds Novembro.
Bario Roland Onffroy de Vares.Systema para
tornar as materias incombustiveis preservadas
da accao dos insectos nocivos, da humidade e an-
tros estragos.
N. 112. Pat. 417. Dec. de 11 de Desembro.
Jos Joaqnim de Car val bo Bastos.Machina e
respectivo processo para fabricacio do gas extra-
hido do carvio de pedra, a qae denomnou > Gas
hydrocarbenico .
N. 113. Pat. 418. Dec. de 11 de Desembro.
Ernest Costey.Systema destinado ao fabrico de
phosphoro de pao e de cera.
Dec. de 24 de Desembro. Manoel Affonso
Martina.Melhoramentos introdusidos no appa-
relho automtico de lavar latrinas, privilegiado
por carta patente n. 846 de 10 de Abril do tor-
rente anno.
N. 114. Pat. 419. Dec. de 24 de Desembro.
Francisco Marques Teixeira.Parificador econo-
nomco do gas Iluminante, destinado a parificar a
las do gas.
N. 115. Pat. 420. Dee. de 24 de Desembro.
Manoel Lima Cmara.Tanques eollocados em
barcos oa chalanas e destinados conservacao de
peixe vivo.
N. 116. Pat. 421. Dec. de 24 de Desembro.
John Red.Sypbio automtico para lavagem de
receptculos, encanamentos de esgotos, mictorios,
etc., a que denomnou Syphio de Gotto
N. 117. Pat. 422. Dec. de 24 de DesenAro.
Manoel Affonso Martina e Jos Lima de flattes
Lobo. Apparelho automtico e com fechador
para lavagem de latrinas, mictorios, encanamen-
tos, etc, denominado Apparelho CeeuiopoUU .
N. 118. Pat. 428. Dse. de 24 de Desembro.
Frank Gotto. Apparelho de lavagem de latrinas,
encanamentos de esgotos, mictorios, etc.
Decretara de Estado dos Negocios da Agricul-
tura Cosamercio e Obras Publicas.Direetoriado
Commeicio.2.* scelo, em 31 de Desembrojde
1886. Confere.A. J. Cattano Jnior.Coa-
forme.Alfredo Bo*ha.
G ver no da Provincia
PAULA que Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco
no dia de sua installaeo t de Marco de 1**3, dirigi
o Em. *r. presidente da provincia Ar. Pedro Vicente de
Azevedo.
(Continuado)
CORPO CONSULAR
Durante a micha administrado deram-se no corpo consular as seguintes al-
racoes.
Foi concedido Exequtur Impirial a norneacSo do Sr. Jlo Jos de Amorira
para Consol da Blgica.
O Sr. 0 lirado Wacfaimam cnsul da Dinamarca em 28 de Novembro do
anno prximo, passou a gerencia ao Sr. Alfonso Gondret.
Foi expedido Exequtur Imperial a nomeacSo do Sr. Joio Baptista Morei-
ra para cnsul de Ia classe de Portugal, nesta provincia e aeu districto, que compre-
hende as da Parabybi e Rio Grande do Norte.
Foi expedido Exequtur Imperial a nomeacSo do Sr. Jarge Francisco Luiz
de Bradi para cnsul da Repblica Franoesa.
Tendo 14 do mez prxiroo findo fallecidi o Sr. Sally Woff encarregado da
Repblica Dominicana, assumio a gerencia o Sr. Sr. Sumuel Wolff segundo as instruc-
coes recebidas do cnsul Miguel Wolff qne se acba na Europa.
CASA DE DETENCAO
Este importante estabelecimento, qne um dos principaes da provincia, nao
pode deixar de merecer a vossa attenclo.
Construido com toda solidez, est, entretanto, por falta de conservacao e cui-
dados bygienicos, bem longe de poder accommodar o grande numero de individuos, qua
all oxistem detidos, excedendo, constantemente, sua lotacSo.
A coberta do ediffisio acba-se deteriorada. Exige reparos, si nSo comple-
ta substituicio, o pavimento de muitas cellulas, as quaes nota-se falta absoluta dea
movis e objectos mais indispensaveis para o nso dos presos.
E' por isso lastimavel o estsdo da maioria destes, principalmente dos que
nSo podem, com recursos proprios, supprir as faltas, que resultara da inobservancia,
n'essa parte, do respectivo regulamento.
O poder publico tem contrabida a obrigacSo de prover aos desvalidos, do
que Ibes fr imprescindivel, para sua commoda subsistencia ; entretanto, n'aquelle esta-
belecimnto nSo raro vel-os at mesmo privados da roupa indispensavel, para decente
abrigo do corpo e repouso deste durante as horas do som no.
A isso accresce a alimentado, a falta de exercicio, a agglomeracao de presea
em certas cellulas, especialmente as que est2o mais expostas, durante u estaco cal-
mosa, aos raios ardentissimos do sol e humidade, que em muitas outras c per-
manente .
D'ahi resultam males incalculaveis, aggravados, alias, pelas exhalacoes me-
phitieas dos peesimos apparelhos de sgoto e do calor, quasi aspbyxisnte, durante a
maior parte do dia.
Con von bo em que haja impossibilidade de extioguil-os de prompto, mas in-
contestavel qua alguos podem ser remediados, urna vez que sejam adoptadas n'esse in-
tuito as neceasarias providencias.
Como mais urgentes, direi mesmo inadiaveis, considero as que tiverem por
objectivo os reparos e saneamento do edificio, e a reviso das tabellas de raeoes, ac-
tualmente distribuidas aos presos.
Ha tambem urna outra instantemente reclamada, cuja adopeo contribuir, nao
s para diminuir a despez feita com o custeio ordinario do estabelecimento, mas tam-
bem para melhorar a sorte do detento. Rfiro-me ao restabelecimento ds officinas,
que por longo tempo deram proveitosa oceupacio a nSo pequeo numero de operario,
aperfeicoando-os em diversos misteres.
Com a cessacjlo dos trabalhos, augmentou, desde logo, a classe dos desvali-
dos, a quem a provincia sustenta, sem auferir o mnimo proveito, concorrendo, sii,
para manter o estado de ociosidade, em que vive a quasi totalidade delles.
Estou convencido que em visU do baixo proco do salario e do modo, por que
o estabelecimento poder adquirir a materia prima, os sena artefactos estar So em con-
dices de concorrer vantajoaamente com os similares das fabricas particulares, baveodo
at razio para affirmar-se que olles serilo preferidos, como a experiencia o demonstren
durante o tempo em que fuccionavam as officinas.
O restsbelecimento destas de reconbecida utilidade publica: e anda ba pon-
eos annos essa Assembla consignou, para tal fim, o crdito de 15:000,5000, que pare-
ee-me nao teve outro effeito seno de figurar na le lo orjamento, entao em vigor.
Comprehendeis que indispensavel a decretaco dos recursos necessanoa,
para que eu possa com a vossa valiosa coadjuvacSo, realisar, ao menos em paita, o
melhoramentos, de que, urgentemente, precisa a Casa de Dete^So.
CADEIAS
Das 51 existentes na provincia s-neote 19 tem, segundo informa o Dr. che-
fe de polica, as precisas conds3es hygienicas e offerecem commodos e seguranca aos
presos n'ellas rocolhidos.
No intuito de remediar a esse mal, tenho autorisado, constantemente a tran-
sferencia conforme os recursos locaes, das que se acham em taea circumstancias para
outros predios, que melbor possam prestarse quelle fim.
T '-" CORPO D POLICA
Comp3e-se de 850 pracas e est seb o oommando do tenente coronel Manoel
GoncalveB Pereira Lima, que cumpre seus deveres com intelligencia e actividade.
Em vista das constantes rcquisicSes de forja e urgencias do servico policial
parece-me indispensavel augmentar o corpo, ao menos com urna companhia, anda que
para isso seja preciso diminuir o sold, que percebem as pracas, actualmente exis-
Nao fiz isto, apesar de autorisado pela le n. 1875, do anno passado, art. 2,
por nlo o permttir o estado dos cofres provinciaes.
A medida deve er usada com outras em relacio disciplina e instruecao do
00 Nao digo que as pracas de polica sejam bem remuneradas, mas atttndendo
o preco, pelo qual se est pagando os trabalhadores em geral na provincia, creio bem,
que aproveitando essa circumstancia, poderemos fcilmente augmentar o numero de pra-
cas de polica, sem accreacimo de despeza. O corpo est sempre completo, nio falta
quem queira ser soldado, e at com empenho. Nem pareca uto extraordinario; ha
falta de trabalho, as industrias sentem-se esmorecidas com a baixa dos preces da pro
duccao, nao se procura augmental-os, nem buscar em f ntes estranhas, s ate agora
conhecidas, as commodidades da vida.
Entre os amitos pretendentes pde-se escolher os melhores, de mais geito a
aptidao para o aervico. Nao redaair o corpo de polica a um viveiro de vadlos, mas
amoldar os deaoocupados a urna oceupacao honesta e decente, empregando para ato
perse veranea e vontade. .... _^
Convindo regularisar a disposisSo da forca policial pelo interior da provincia,
simplificando ao mesmo tempo o expediente, distribu uhimarnente, de accordo con o
Dr. obela de polica, a forca por comarcas, na forma da tabella em seguida transcripta :
Olinda ....--
Iguarass
Goyanna.......-
Itamb
>*-

r
Timbaba ,
Limoeiro .
Bom-Jardim
Taquaretinga .
Nazaretb
Pao d'Alho
Jaboatio.
Cabo
Escada .
Victoria .
Rio Formoso .
Palmares
Barreiros
Paneilas.
Caruar\
Bonito .
Beserros.
Brejo .
Pesqueira
Garanhuns
Bom-Conselho .
Buque .
Aguas-Bolla .
16
16
30
14
10
16
14
18
30
30
10
24
20
24
2U
44
12
b
i0
10
10
15
2
18
12
20
13


p .
%


I
t PernambucoSabbado 12 de Mareo de 1887


r


i
j *
\
I
712
Deste rameo,, litando cada destacamento setoum s rommaado prest
aos delegados a fovea, qsre f6r neoessaria nos povoados e> sabdelegacias, um qualqner
circumstancia extraordinaria, poder-se-ha reunir era um ponto dado da comarca forja
suficiente, para reprimir qualquer ltemelo na ordetn publica.
Por acto de meu antecessor, de 13 de Agosto, do auno passadoy ase termos
do art. 72 do regulamento de 8 de Novembro de 1873, foi rosolvida a substituiclo na
tabella de fardamento. das sobrecasacas de panno azul por blusas de igual faeenda,
attendendo commodidade das pracas e economa :
A 27 de Setembro se fez, por arrematado, no TheBouro Provincial quatra
contratos de fornocimentos, sondo o 1.* oon Diego Augusto dos Res, para-1,700 parea
de botinas, a 3(J800 o par: o 2." com Simplicio da Silva Coelho para 850 bonets, ao
prego, cada um, de 1,5440 ,. 1,700 blusas de' briin pardo a 30579 ; 3,400 calcas do
mesmo brim a 20180; 850 calcas de panno aaul a 8030; 850 blusas do mesmo panno
a 1*J199; o 3." com Jos Cordiro dos Santos para 850 grvalas de lastro sr506rs.
cada urna ; o 4." finalmente com Rodrigo Carvalho & C. para 33 bandas de 12 pura,
para inferiores a 40960, e 850 mantas de 12 a l#4T0.k
A 28 de Janeiro ultimo, estando terminado o primeiro prazo dos forneci-
mentos, reuni se no Thcsouro o conseibo, de qne tratamos arts. 70 e 71 do regula-
mento do corpo de polica e resolveu aceitar as prestacS-is do 3. e 4. contratos,
adiando o recebimento de 850 botinas do 1., por lhe parecer que a materia nao. era
igual contratada, e que corumunicou-me, bam como o facto de nao ter comparecido,
nem dado explicacSes de sua falta o interessado no 2. contrato, que o principal.
Euq vista d'isto tornei eieetiva a multa, em quo incorreu este ultimo contra-
tante, na importancia de 3:2045350, a qual segundo participou-me o Tbesauro foi re-
colbida a 23 de Fevereiro, sendo rescindid* o seu contrato:
como o interessado do 1., Diogo Augusto dos Reis, me requerssse exame
de pessae competentes sobr<> a qualidade de sua mercadoria, na forma da clausa 2.a
de seu contrato, deliberei, por acto de 19 do mez findo, depois de ouvir o Thesouro,
que achou conveniente o exame, encarregar de mandar procedel-o por ama. commissao
composta do director do Arsenal de Guerra, o procurador fiscal da Tuesouraria de Fa
zenda e um chefe de scelo do mesm> Thesouro, a qual reunindo-se a 24 de Eeve'
Sr. inspector da Thesouraria de Fazenda para
providenciar.
Ao 1 secretario da Assembla Legislativa
Provincial.Do ordem do Exai. Sr. presidente da
provincia transmit a V. 8. o incluso documento
afim de aer jonto ao balanco da Cmara Munici-
pal do Cabrob, enviado com o mea oficio n. 18,
de 10 do crreme mes, e beta asiim o orcameato
da receita e desp-za para o exerricio de 1887 a
1888 da Cmara Municipal de Petrolina.
EZPKKEHTB DA DA 19 DB HVCRBIBO DI 1887
Actosc
O pcesitstacsrdH provincia, de eonformidade
coro a proypsrirdD DK chefe d polica, em oficio n.
7 de lrtd correte mez, resol ve exonerar Agos-
>bo Feetvir dfa.*ihlva do cargo de subdelegado
d* dittres de Saato Antonio das Batatas, do ter-
os* de & JatV do'B^ypte ; e nomear para snbstt-
tail-o llbaaBe de Aquiao Pereira.
O isHsdroueds provincia, attendendonrn*
retro*reo"Dfogo AfirgnirSS dos Rais? rettttveTronresr
urna commissao, composta do director do Arsenal
de Guerra, maj:r Antonio Vilella de Castro Ta-
uares, commandante do corpo de polica teueote-
coronel Manoel Goncalves Pereira Lisia e procu-
rador fiscal interino da fazenda geral bacbarcl
Ojcopio Marques da Silva, afim.d*i,.reunido*, pe-
las 11 horas da manha do di 24 do correte mez
no referido arsenal examinanarem o calcado torna-
cida ao mesmo corpo pelo mencionado Diogo Au-
gusto dos Res, e declararen) em seu parecer se o
dito calcado igul ou superior amostra, que
servio de base ao contracto entre elle celebrado e
a fazenda provincial, o se est em condicoes de
ser aceito. A commissao, para fundamentar o sen
pareoei, poder ouvir a opioiao de profissionaes.
Fiseram-se as coinmuiiieaces.
O presidente da provincia, tendo em vista o
exposto pelo inspector do Thesouro Provincial em
oficio n. 489, resolve considerar sem effeito a nj-
meacao de Torquato Florencio da Silva para o
cargo de escrivio da collectoria do manicpio de
Flores, por nao tel-a aceitado, e nomear paraex-
ercer o referido o cidadao Alcides de Siqueira
Campos.Communicou-se ao Thesouro.
O presidente da provincia, tendo em vista o
exposto pelo inspector jo Thesouro Provincial, em
oficio de 14 do corrate, n. 437, resotve conceder
a Adolpbo Targino Accioly a exoncracao do car o
de collector do municipio de Garaohans, e nomear
para sobetitiil-o o cidadao Jos Paes da Silva.
Comrannicuu-se ao Thesouro.
Oficios ;
reir, no Arsenal de Guerra, onde lbe foi presente a amostra do calcado e os 850 pare.j in^^C0^f ^*^d"o
do fornecimento, cbamou sua presenta a trea peritos profissisnaes e el-as examinar, titulo .A pniicia Matando em que se acc
um por um, cada par, ebegando todos conclusa unnime: 1. que o calcado em
alguns pares superior, o em geral igual amostra; 2. que duradouro ; 3. que dao
valor de 4#000 a cada par ; 4. que julgam o calcado em condicSes ce ser aceito
para o corpo de policia, devendo ser recusados nove pares, por defeituosos.
Mandei ainda ouvir o Thesouro sobre este exame, para deliberar.
Quanto aos fornecimentos do contrato ja rescindido, representando-raa o com-
mandante do corpo ser urgente urna providencia inmediata, notando que algurnas
pravas, nem mesmo podiam prestar ser vicos devido quasi nudez em que se achavara,
encarreguei por oficio de 29 de Janeiro, nos limites do contracto rescindido, de com.
prar administrativamente na praca as mais nacessarias pocas de fardamento.
Dando-me conta da incumbencia, o commandante declaroa-me, por oficio de
15 de Fevereiro, nao lhe ser possivel encontrar fernecedor pelo prego do referido con-
trato, pois a offerta que teve do commerciante Joiio Rodrigues de Moura, al n do
prego ser mais elevado, (sobrecasaca.de panno azul e calcas a 310000, blusas de brim
* 40990, caigas a 50199 e bonet com vriola a 107OOj, ainda nao se conforma va com o
acto referido de 13 de Agoste, que substituto por blusas as sobrecasacas.
Nestas condicoes, comprebendendo que nao ser possivel conseguir o forneci-
mento pelo pre^o do contrato rescindido, tanto que o contratante preferid pagar a mul-
ta carregar com prejuizos ainda maiores, mas tendo obtido do Arsenal de Guerra
as amostras e precos des fornecimentos ao exercito, que nao peior servido que a po-
licia, natural que se tiver de autorisar o forneciinento administrativamente, recorra
quelle estabelecimento.
Entretanto, para nao deixar d tentar ainda a concurrencia tanto mais quan-
do terb me apparecido directamente propostas mais ventajosas do que obtove o com-
mandante do corpo, determinei a 28 de Fevereiro ao Thesouro que abrase nova con-
currencia, permittindo o forneciinento em prasos rasoaveis, sob garanta e fiscalisagao
immediata.
Por contrato ou administrativamente, irapossivel attenier a esta necessi-
dade publica com a presteza, que o caso requera.
Niogucm tem prompto e guardado em casa, para quando o corpo de polica
ven ha a precisar, blusas, caigas e mais pertences proprios do soldado.
E' de grande conveniencia para o servico publico regular o servigo dos mdi-
cos do corpo. Pouco tem a fazer; o corpa, est quasi distribuido em destacamentos,
e nos casos de enfermidade as pragas ou sao tratadas em suas casas ou vSo para o
hospital.
Todava, se attendermos que ellos sao chamados aos servigos da policia pro-
priamente, como os exames cadavricos, autos de corpo de delicto e outros, vemos que
nao Ihes sobra tanto tirapo sem oocupago. E, deste modo, sao antes mdicos da po-
licia que do corpo. Cumpre regularisar esta, facto; preferivel e preciso mesmo que
sejam chamados a estas occupagSes, e assim melhor ser desde logo, conservando em-
bora suas actuaos funegoes. em relegan ao corpo de policia, supprimil os de figurar all
com postos militares, igualar seus ordenados e deveres como medico de policia, sendo
expedido para esse fim o necessario regulamento.
(Continuar-se-ha )
delegado de Pao d'Alho.
que me
com o
aucusa o
EXPEDIENTE DO DA 18 DE FEVEBEIH0 DE 1887
Acto :
O presidente, da provincia, de eonformidade
com a proposta do Dr. cnefe de policia em oficio
n. 1155 do L6 do correte resolve nomear para o
lagar vago de subdelegado do '' districto do ter-
sa) do Rio Formoso o actual 1 supplente, Domin-
gos Francisco da Silva Sussuavaaa, e para o la-
gar destd Joao Flix de Deus.
Oficios:
Ao ministro plenipotenciario em Londres.
Dd eonformidade com as ordena em vigor envi a
V. Rxc. o balanco di receita e despeza da estra-
da deteiro do Rec.fe ao Limociro, relativo ao mez
de dezeinbro do anuo lido, acompauhado do com-
petente deser.volvimento e de copia da acta da
sessao em que os commissarios do governo liqui-
daran! as respectivas contas ; e bem assim a de-
monstracao concernente liquidacao das do se-
mestre de Julho e o menciontdo mes de Dezem
oro Reitero a V. Exc. os meus protestos de ele-
vada consideracao.Communicou-se commissao.
Ao inspector da Thesoararia de Fazenda.
Sirva-se V. S. de mandar pagar aos interesados,
depoi de esgowdo o prazo do art. 44 do regula-
mente de 13 de Novembro de 1872 os valore* de
3 escravos, contantes da inclusa relaco, liberta-
dos no municipio da Gloria de Goit, por conta
da 7a quota do fundo de cuancipacao, em audien
cia do respectivo juiz de orphlos, do 1 do cor-
rente. -Communicou-se ao juiz de orphaos.
Ao mesmo.Envi a V. S. um exemplar ia>
preaso do aviso do Ministerio da Agricultura,
Commercio e Obras Publicas, sob n. 14 de 19 de
Janeiro ultimo, afim de que se sirva dar d'elle co-
nhecimeuto aos encarregados dos servicos da nova,
matricula dos eseravos e arrolamento dos libertos
sexagenarios, recommendando-lhes a fiel obser-
vancia do que se acha expendido em dito aviso,
na parte que hes tocar.
Ao mesmo. Paia conhecimento de V. S. e
fias convenientes remetto-lhe copia do aviso de
8 do eorrente, n. 476, expedido pelo Ministerio do
Imperio, coneedendo o augmento de crdito de
951*500, solici.ado pelo diiector da Faculdado de
Direito.
Ao mesmo.Remetto a V. 3. copia do aviso
de 3 do eorrente, n. 406, expedido pelo Ministerio
do Imperio, afim de que seja observad* a deter-
jninaco constante do mesmo aviso e que versa
obre ama demonstracao minuciosa de despezas
do referido Ministerio.
Ao mesmo. Tendo em vista a iniormacao
prestada por Y. S em oficio de 16 do eorrente,
n. 95, autonsj-o a mandar pagar a quantia de...
120*, proveniente de duas ancoras de ferro com-
pradas para as amarracoes nos baixos das Roccas
d que trata a conta junta. Communicou-se ao
Inspector do Arsenal de Marioha.
Ao mesmo.Autoriso V. S. a mandar pagar
- a qoantia de 35960, proveniente da despeza feita
1 com o enterramento do soldado do 2 batalbao d
infantaria, Jos Saturnino Barreiros, deqae tra
ta a centa junta e sobre que essa inspectora pres-
tou a iaformacao de 15 do eorrente, sob n. 92, com
a qual estou de accordo.Commuaicea-se so com-
mandante das armas.
Ao juiz de dir6ito da provedoria de capellas
e residuos.Em resposta ao oficio de V. S. de 25
de Janeiro findo, cabe-me dizer-lhe qne nao ha
razao algama para ser recusada a competencia
consular do Sr. Vicente Nones Tavares, que na
sua qualidade de chanceller, alm de ja le gen-
do ama vez o consulado de Portugal nesta pro-
vincia em epocha anterior, se acha novameate
Com o mesmo encargo, com pleno assenso do gover-
no imperial, como consta dos avisos do Ministe-
rio dos Negocios Estrangeiros, de 10 de Marco de
1883,9 de Outubro de 1885 e recentemente de 8
do eorrente.Communicou-se ao chanceller.
Circular:
Aos juizei de orphos da provincia.Re-
metto a Vine*., para as fin* convenientes, o in>
presto junto, d'ondeeonsta o-aviso circular n. 14
de 19 de Janeiro ultimo, em. que o Exm. Sr. mi-
nistro da Agricultura. Commercio e Obras Publi-
cas declara qne para certeza e maior seguranca
dds direitos eonf-ridos aos sexagenarios pela le
ni-3270, de 28 de Setembro de 1885, deliberou que
Ibes sejam entregues polos juizes competentes,
por occasio da formalidade especificada no 4
do art. 11 do decreto n. 9517, de 14 de Novem-
hro de dito anno, ttulos probatorios da liberdade
conferida em consequencia da idade.
Opportunamente sero distribuidos os alludidos
ttulos.
Ao coronel commandante superior da guazda
nacional da comarca de Bom Conselho.Declaro
a V, S., para os fias convenientes, em resposta ao
seu oficio de 6 do eorrente, que con vem designar
outro dia, afim de qne sejam fielmente campridas
as ordena do governo imperial, attinentes ao ser-
vico de qualificaeo da guarda nacional.
Ao director do Arsenal de Guerra.No in
teresse do servico publico, preciso que Vmc. me
iuforme poique preco pode ser feita admuistrati-
vamente nessa Arsenal cada blusa e calca de pan-
no azul, blusas e calcas de brim pardo escaro, e
bonets com virola, para o corpo de polici, sendo a
fazenda da qualidade da qne se eostama fornecer
para o exercito.
Portaras :
De vendo ser remettiio a esta presidencia,
nos termos do art. 77 da lei n. 1221, de 21 de Ju-
nho de 1885, o balanco da receita e despeza da
Cmara Municipal de Petrolina do exercicio que
termiaou s 30 de Setembro do anuo passado ao
qual acompanharilo os documentos comprobatorio*
da despeza de que fizer mencao, devolvo mesma
Cmara o que foi (enviado com o seu oficio
de 15 de Janeiro findo, afim de ser organisado
outro de accordo com a citada lei n. 1221, art. 77 ;
isto am balanco que comprehonda a receita e
despeza qne actaaram no exercicio que prineipiou
no Io de Ontnbro de 1885 e terminou em 30 de
Setcmbio de 1886.
O Sr. gerente da Companhia Pernambacaoa
mande transportar gratuitamente r, at o Cea-
r, no vapor qne segu amanb para os portos do
norte, a Albino Rodrigues da Silva, providencian-
do igualmente sobre e. volta do mesmo opportana-
meate.
O Sr. agente da Companhia Braailcira man
de dar transporte at a provincia do Jeara, por
conta do Ministerio da Fazenda, ao ex-3* escrip-
turario da Thesoararia de Fazenda desta provin-
cia, removido para igual emprego na Alfandesa
d'all, Lui Vieirs Perdigo.Communicou-se
Thesoararia de Fazenda.
EXPEDIENTE DO SECBETABIO
Oficios:
Ao qasrtel-mestre general do exercito.De
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia trans-
miti a Y. Exc. a* inclusas ioformacoes, por copia,
prestadas pelo delegado decirurgiao-mrdo exer-
cito e Ia cirurgio eniarregado da enfermara mi-
litar, as quaes vieram annexas so oficio do briga-
deiro commandante das armas, de 14 do corrate,
sob n. 83, acerca dos medicamentos e mais objec-
tos remettidos da corte, pela reparticao a cargo
de V. Exc
Fica assim satisfeito o despacho de 12 de Ja-
neiro findo, exarado no oficio que devolvo da re-
particao do quartel-mestre general, de 11 do mes-
mo mes.
Ao juiz de direito do 2* districto criminal.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda com-
municar a V. S. que nesta data exarou o segainte
despacho era cada um dos seos dous oficios data-
dos de 16 do eorrente, sobre a presenc de empre-
gados da Thesoararia de Fazenda, no dia 22 do
corren e, na sala das audiencias para o fim indi-
cado no* mencionrdos oficios: Remettido ao
Ao inspector da Thesoararia de Fazenda.
Commnnco a V. S. para os devidoa fias, que por
aviso de 4 do eorrente, declarou-me o Exm Sr. mi-
nistro da fazenda, ficar approvado o acte desta
presidencia nomeando, de eonformidade com o dis-
poeto n. 5- art. 76 da conaolidacao da* lea das
alfandegas e mezas de rendas, sobre proposta do
inspector da alfamlega e informacao dessa The-
sonraiia, o 1 escriptnrario Vasco da Gama Lobo
para exercer interinamente o lagar de Thesourei-
ro da mesma slfandega, por ter sido demittido o
serventuarie eff.ctivo, Eugenio Marques de Amo-
rim e nao haver quem prestasse flanea ou cau-
can.
Ao mesmo.Tendo vista a informacao
prestada por y, S. em oficio de 17 do correnre,
n. 98, autoriso o a mandar pagar a qnantia de...
1473800, proveniente do forneciinento de objectos
para o custeio das baleeiras da reparticao da Sau-
de do Porto.Communicou-se ao inspector da
Saude do Porto.
Ao mesmo.Do accordo com a informacao
do conselbeiro director interino da Faculdad de
Direito de 18 do eorrente recommendo aV.'S.
que mande pagir ao empreiteiro das obras em exe-
cuelo na mesma faculdad, Constantino Alves da
Silva, a quantia de 3333 '3 por conta daquantia
de 1:333333 correspondente a ultima prestacao do
respectivo contracto, visto ser a parte que fica
por pagar superior a importancia das obras por
execatar.Communicou-se so diiector da Facul-
dad.
Ao mesmo.Sirva-se V. S. do mandar in -
demn8ar aos iotoressados os valares de 4 escra-
vos constantes da inclusa relaeao libertados em
audiencia do jais de orphaos do termo de Floresta
de 16 de Deeembto ultimo por conta da 7" quota
do fundo de emancipacao.Commanican-se ao juiz
de Orphaos.
Ao commandante da escola de Aprendices
Marinbeiros.Mande Vmc. admittir nessa Escola
se estiverem em esndicoes os menores Joao Fla-
visno Alvesde Carvalho e Anacleto Alves de Soma,
ex-edneandos da Colonia Izabel. (-
Ao procurador dos Fe i tos da Fazenda Pro-
vincial.Seiente do que Vmc, expoz no sen oficio
n. 356, de 9 do eorrente, recommendo-lbe que, em
vista dos motivos indicados no oficio, junto por
copia, hoja expedido o 5- jais substituto, pro-
ponha qnem substilua ao solicitador Phi omeno
Getulio Corris de Aranjo, se por ventura o traba
Iho a cargo dos deus solicitadores dos Feitos da
Fazenda Provincial nao poder ser desempenhado
smente pelo que est incompatibilisado.Com-
municou-se ao 5- jais substituto da comarca de
Recife.
Ao director do Arsenal de Guerra.D Vmc.
suas ordena para qne seja attendida a solicitxco
do Inspector da Tbesouraria de Fazenda no oficio,
junto por copia, de hontem datado u. 102, com re-
ferencia ao fabrico, nesse Arsenal, de csixotes
apropriados para e remessa de dinbeiros em notas
declaradas, substituidas e em eobre do aatgo pa-
dro ao Thesouro Nacional t caixa de amortisa-
cao.Communicos-se ao Thesoararia de Fazenda.
Ao inspector do Thesouro Provincial.Ac-
ensando o oficio de Vmc. sob n. 424, de 9 do cor-
rente, cabe-me declarar-lhe qne de accordofcom a
sua informacao'por oficio n. 260, de 8 de Novem-
bro de 1884, que correcta, pois onde a lei nao
distingue nao licito ao interprete destinguir, fies
sem effeito a ordem desta presidencia a esse The-
souro dada em oficio de 5 de Dezeinbro de 1884
Ao bacharal Celso Tertuliano F. Qaintella.
Approvo a de8gnacao de Marcionillo Machado da
Cuuha Pedrosa feita por Vmc. para substitnil-o no
cargo de Secretario emquanto vstiver na Regedo-
ria desse Instituto.Communiuou-se ao Thesouro
Provincial.
As commandante do corpo de policia.Man-
de Vmc. reforcar, desde j, com seis pracas o des-
tacamento.da oidads de Goyanaa.Communicou-
se ao Dr. ehefe de policia.
Ao Thesouro Provincial. Accusar.do ooffi
ci de Vmc. sob n. 424 de 9 do eorrente, cabe-me
declarar Ibes que, de accordo esm a sua informa-
cao por oficio n. 260, de 8 de novembro de 1884,
que correcta, pois onde a lei nao distingue nao
lcito ao interprete distinguir, fica sem effeito a
ordem d'esta presidencia a esse Thesourodada em
oficio de 5 de Dezcmbro de 1884.
Ucao para a de Cinco Ponta* a igual numero de
praea* que se recolhem a esta capital.
O Sr. gerente da Companhia Pernambacana
mande transportar gratuitamente e a pri na pri-
meira opprtuoid>ide para Mossor, a Cndida
Umbelioa de Almeida e duas Gibas.
EXPBDIEKTE DO BOBaTABIO
Oficio* :
Ao Dr. chefe de policia.O Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S. que
expediram-se ordena no sentido de ser satisMta a
ana requecao em oficio n. 167, de hoatem da-
tado.
Ao Dr. juiz de direito de orphos Mentes
da comarca, do Recife. De ordn do Exm. S
presidente da provincia transmiti a V. S: psra.
seu contoettoento, copia do teiegnwsma do Midi.
tero dosfclfegocios Estrangeiros^d hontem data-
do, relaSvo a urreeadacio da hSMMfi A aabdto
portugghsHAitono Corrcia.d fhwuncaMsa.
aWSrsecretario da AnnsMUs Proviiter>t:^-
De ordem do Exm. Sr. presidente da provincia
transmiti a V. S, afim de ser opportunamente
subinettido aubmettido consideraos* desja As-
sembla, o offieio por copia, de 7 de Janro fiado,
em que a Cmara Municipal de Leopoldina de-
clara os-motivos pelos quaes deixa da remetter no
tempo competente o balanco de sua receita e des-
peza d exercicio de 188586 e orcamento para
o de 1887-88. H
EK ADDtTAMEKTO AO DO DI 19
Acto :
O presidente da provincia, tend em vista
os oficios do juix de paz presdante da junta d
alistaroento militar da parochia de Santa Anna
de Leopoldina, e do jais municipal do respectivo
termo, de 28 e 30 de Janeiro findo, dis quaes se
verifica que o 3." supplente do subdelegado em
exercicio do 2." districto da Volta, Francisco Cy-
priano deOliveira. detado de comparecer s aes-
sea na qualida ie de raembro da mesma janta
em motivo justificado, resolve, de couformidade
eom o 8 3. do art. 122 do regulamento n. 5,881 de
27 de Fevereirc de 1875, impor ao dito Olivera a
multa de 50^000Commuuicoa se Thesjurana
de Fazenda.
Offiefo* :
Ao brigadeiro commandante das armas.
Sirva se V. Exc". de expedir suas ordens no sen-
sido de ser apresentada ao Or. chefe de polica
urna torca de 20 prucas de cavallaria, uos das 21
e 22 do cerrente mes, afim de eoadjaval-o ua ma-
nutencao da ordem publica por occa*io dos fes-
tejos carnavalescos.
Ao inspector da Tbesouraria de Fazenda.
Declaro a V. S., para os fins convenientes, quo,
segando consta d participaco do brigadeiro
commandante das anuas, da bontem datada, 89b
n. 3, falreceu, a 17 do eorrente, o alfares secre-
tario do 14. batalbao de infamara, Jos Alipio
Bezerra Cavalcanti.
, Ao en'eubeiro das obras militares. Auto-
riso V. 8., vista d* sua informacao n. 1^7, de
o do corrate, a mandar collocir novo encana-
ment d gaz no quartel da companhia de caval-
laria, em subatituicao do que se acha estragado,
devendo a respectiva despeza, oreada em 119*100,
correr por conta do crdito de 5:294J808, conce-
dido pela ordem do Thesouro Nacional, de A de
Novembro do an-oo prximo p.iasado, para reparos
d* cocheira do mesmo quartel.
Inciaso remuttolbe o orcamento apresentado
pelo gerente da empresa do gz.=Coramuircoa-se
ao general commandaute das armas O Tbesou-
raria de Paseada.
Ao mesmo. Nao haveado crdito para a
dcsp.-zi com a pablicacao do cdital chamando
concurrentes ao forneciinento d materaes para
as ebra militares, devolvo a V. S. as 3 copias do
mesmo edital, qne vieram annexai ao sea oficio
u. 9 J, de 21 de Dezeinbro ultimo, afim de que faca
um simples aununcio e remetta-me para mandar
pubtieai-o no Diario de Pernambuco, commani-
canio aos proppnentes para apresentarem suas
proposta* de accordo cjtn aquelle edital, que rhe
ser previamente mostrado ua reparticao a sea
cargo.
Ao juiz de paz, presidente da junta de alis-
tamento militar da parochia de Santa Anna de
Leopoldina.De-claro a Vmc, em resposta ao sea
oficio de 28 de Janeiro fiado, que, segundo consta
da informacao do cnefe de policia, de 17 do cor-
rente,u. 102, foram dadas us oecesiarias ordens
no sentido de comparecer a sossoes da janta
de listamento militar dessa parochia a respectiva
aatorid&de policial.
EXPEDIENTE DO SBCBETABIO
Oficio :
Ao commandante das arma*.De ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia, communco a
V. Exc, psra c* flus -oonveuieutes, que ao Minis-
terio da Guerra foi remetid > o requermento do
oficial do 14." batalbao de nfantaris, Francisco
Genuino Simdes, de que trata o oficio desse com-
mando de armas, de bontem datado, sob n. 93,
de vendo o referido oficial pagar na Reparticao
dos Crrelos o respectivo porte.
A' ordem do do 2 districto de 3.'Jos,
Zef-.rino Barbosa de Albuquerqus, por dis-
turbio!.
A' oriem do do lo districto da Afoga-
dos, Amelia Francisca da Conceigao, por
offensaa moral publica.
Oommunieou-me o delegado do tormo d
Villi Bella em offieio datado do 27 do mes
passado ter prendido o celebre criminoso
Francisco Jos de Souzi Gruabraba, prj
nuQciado por or me de morte o turto de
civalhs em diverso termo* desta provin-
cia.
O delegado do termo de Pao d'Alho em
offi:3 de hontem, psrtoipeu-me 'ter na-
jquelU data *eito remessa so Dr. promotor
public.y da comarca por intor.nedo do Dr.
juiz municipal, do inquerito policial proce
dido contra Joao Alves de tal, por ter te-
rido a Antonio Gomas Coutiobo na tarde
do dia 6 do eorrente no lugar Petribuai-
nho daquell; termo.
Deas ga*rdea-V. ExcIllm. o Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azevedo, rauito
digan presidente da provincia. O chefe ep
policia, Antonio Domingos Pin'o.
Thesoaro Provincial
DESPACHOS DO DIA 11 DB MARCO
DE 1887
Candida Rosa de Albuquerqne Lessa. -
Certfiqne-se.
Offi;io do Dr. procurador dos faitos.
Informe o contador.
Pret do corpo de policia. Examine-se.
Mara Frmina do Albuquerque. R-
gistre-se fagam se as notas.
J, J. Alves de Albuquerqne, Jos de
Azevedo Mara Silvs,TJrbano Jos Caraeiro,
offieio do Dr. procurador dos feitos Lauria
& C. Isabel Xavier Peixoto da Albuquer-
que Joaquim Candido de Oliveira Marques,
Joiquim Pereira de Almeida e Josepha
Mara da Concoicao. Informe o Sr. con-
tador.
Offisio do Dr, procurador dos feitos.-
Informe o Sr. Dr. administrador do Con-
sulado.
Joaquim Janoario Pereira de Brito, Ely-
8o Clementimo Bezerra e Nic.ts da Silva
Gusma"o. .\o Contador conten ioso para
conb'-cimeuto e ao contenciosopara oa.vi-
dos os.
Pret do corpo de polieia. Paguo-se.
Padre Manoel Pereira da Cruz. Apos-
tillada a provisao a registrada, volte.
Medeiros Silva Martina. Ao con-
tencioso para cumprir o despacho da junta.
brando varia, muidas tendententes a melhorsr
carars.ina,,1CIP'0'~A' """**> de egocw.de
Urna peticlo de E '.ardo Morsas Gomes Perrei-
h, requeren lo privilegio por lOanneS para a fun-
dacioe creaco de um monho v^m,* de.tinado
a moer aos de trigo e preporar farinha, com
sencao do todo. o. imposto, provineiaes e mnni-
cipaes, obriggndo-se a receber 10 orphos de 18 a
lo annos. A' commissao de eoustituicao e por*-
HVlST DIARIA
A' jauta cla8aificadora df escravos do muoi-
cipio do Racife. Tendo ouvido o inspector da
Tbesouraria de Fnzenda acerca da classificacao
por copia annexa, ao offisio ae Vmc. de 24 de
Novembro ultimo, e sobre a qual prestou essa
junta os esclarecimentos constantes do da 14 de
Janeiro, remetto-lhe as informacoes dada: a res-
peito, quer por aquella reparticao, qaer pela Re-
cebedoria de Rendas Geraes Internas geraes, afim
de qne sejam revistas quanto antes a dita classi-
ficaco, com exclnso d'aquelles escravos que te-
nbam perdido o direito libertacao, no* termos
do aviso circular do Ministerio da Agricultura,
Commercio e Obras Publicas da 19 de Janeiro de
1883, e outras ordem em vigor, publicando-se
para isso o devido edital; certos de que j vai
muito demorado o servico da applicacao da 7.a
quora do fundo dd emancipacao, nesta comarca.
Ao fiscal da Companhia Recife Drayuage.
Seudo a Companhia sob a fiscalisacao de Vmc.
isenta do pagamento dos impostos geraes, confir-
me o decreto n'. 1110, de 24 de Setembro de 1860
e devendo ser, nos termos dss ordena em vigor,
determinadas pelo governo imperial as qaantida-
des necessarias ao custeio em cada ann3, declaro
a Vmc. que cumpro ser observado cada condicao
pela dita Comptnbia enderecdo ao Ministerio da
Fazenda, por ineio de urna relaeao visada pelo
fiscal do governo encaminhada por esta presiden-
cia.
' Pica assim respondido o seu oficio de 17 de Ja-
neiro ultimo.
Portaras :
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco sirva-se de mandar
transportar gratuitamente, em carro de 3a claase,
da estacan de Agua Preta a esta capital a duas
pracas do corpo de policia que foram coaduzmdo
presos para o interior da provincia.
O Sr. superintendente; da estrada de ferr
do Recife ao S. Francisco sirva-se de mandar
transportar gratuitamente em carro de 3 claase,
da estafa* das Cinco Poatas a de Gamelleira a
seis pracas do corpo de policia qne vio destacar'
no termo de Barreiros ; e igualmente dsqoella es-
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 10 DB
MARCO DE 1887
Antonio Manoel do Nascimento. Defe-
rido com o offieio o Sr. brigadeiro comman-
dante das armas.
Augusto Zharas de Geg Telles.
Informe o Sr. inspector da Thesoararia de
Fazenda.
Antonio Jos Correia. Informe a Sr.
inspector da Tbesouraria de Fazenda.
Companhia pematnbucana. Aguarde a
conceasSo de crdito que boje solicito da
Assembla Legislativa Provincial.
Companhia Toa Great Weatenof Brazil
Rallwy Companjr Limited. dem.
Companhia pernambuesna. dem.
Bacharel Domingos Jos Marques. In
forme o Sr. Dr. juiz do direito da prove-
doria de capellas e residuos da comarca
do Recite.
Francisco Romano Bezerra. Deferido
com o offieio de hoje dirigido o Sr. ins-
pector da ThoBourara de Fazenda.
Padre Gervasio Antonio Nogueira.
Sim, para gozar nesta provincia.
Ignacio Alves da Cuuha Sonto Maior.
Passe portara coneedendo a licenga.
Joao Carlos Cavalcante de Albuquerqne.
Informe o Sr. juiz de direito da comar-
ca da Escada.
Jos Raphael Soares de Azevedo- O
caso nao de accumulagSo, impossivel
pela incompatibilidado dos cargos, mas do
simples substituigao e portante applicavel
nao o art. 7. mas os arts. 1.* e 3.- das
instrucgSae ds 17 de Janeiro do crrante
anno.
Dr. Joao Bastos de Mello Cromes. Re-
queira a Tbesouraria de Fazanda para re-
la ciouar o debito nos termos da circular
n. 36 de 30 de Janeiro de 1871.
O mesmo. Nao caso de abertura de
crodito.
Dr; Manoel Arvellos Battas. Sim.
Mara Zulmra de Barros Lima.Sim,
mediante recibo.
Coronel Thomaz Alves Maciel. A ida-
de declarada na matricula especial de 1872,
presume-se certa, e nao pode ser alterada
seno em sentenga paseada em jnlgado,
anterior a data da lei n. 3270 de 28 de
Setembro de 1885. E quando assim nao
fosse o documento junto nada prova em
favor da pretengao do supplioante.
Se retara da Presidencia de Pernam
buco, em 11 ae Margo de 1887.
O porteiro,
Francelino Chacn.
Reparticao da Polica
Secgao 2.'N. 246.Sacretaria/naTo"-
licia de Pernambuco, U de Margo de
1887.-Dlm. e E*m. Sr.Participo a
V. Exc. que foram hontem recolhidos
Casa de DetengSo os seguntes individuos :
A' ordem. do subdelegado do Recife,
Antonio Cmara e Joao Mendos, por dis-
turbios.
AMemtla Provincial. Punccionou
hontetn sob a presidrucia do Eiu. Sr. Dr. Jos
Manoel de Barros Wanderley, tendo comparecido
29 Sre. deputados.
Foram lidas e approvadas sem debate as actas
da sesso de 4 e das reunioss de 5, 7, 8, 9 e 10,
orando pela ordem, logo api a leitura da primeira
e Sri Jos Mara.
O Sr. secretario proeedeu a leitura do se-
fainie expediente:
r Um oficio do secretario do governo, remetiendo
4(1 exemplares impressos do relatoro que, a 31 de
Janeiro ultimo toi dirigido pelo inspector do The-
Bouro Provincial ao Exm. Sr presidente da pro-
vincia.A distriboir.
Outro do mesmo, dem, o orcamento da receita e
despera da Cmara Municipal do Brejo, para o
exercicio de 1887 a 1888.A' commissao de orca-
mento municipal.
, Oatro do mesmo, idem, o balanco da receita e
desposa do exercicio de 1885 a 1886 e o oreament)
para o de 1867 a 1888 da Cmara Municipal de
I tamb. A' commissao de orcamento municipal.
Oatro do mesmo, idem, o bataneo da receita e
despesa de exercicio de 18*5 a 18S6, e o orcamento
para o de 1887 a 1888 das Cmaras Mnnicipaes de
Cabrob < Boa-Vista, e bem assim o orc*mento da
de Granito. A' commissao de orcamento muni-
cipal.
Outro do mesmo, idem, o balanco da receita e
despesa do exercicio de 1885 a 1886 e o orcameato
para o de 1887 a 1888 da Cmara Municipal de
Aguas-Bel las. A' commissao de orcamento mu
nicipal.
Oatro do mesmo, idem, o balanco da receita e
despesa do exercicio de 1885 a 1886 da Cmara
Municipal do Brejo.A' commissao de orcamento
municipal.
Outro do mesmo, idem, o balance da receita e
despesa do exercicio de 1885 a 1886 e o orcamento
para o de 1887 a 1888 da Cmara Municii! de
Limoeiro. A' commissao de orcameato munici-
pal.
Oatro do mesmo, dem, o balaceo da Cmara
Municipal de Cabrob, e o orcamento da receita e
desposa para o exercicio de 1897 a 1888 da Cma-
ra Municipal de Petrolina.A' commissSo de or-
camento municipal.
Oatro do mesmo, idem, por copia um oficio da
Cmara Municipal de Leopoldina, em que declara
os motivos pelos qaaea deixa de remetter no tempo
competente o balanco da receita e despesa do exer-
cicio de 1885 a 1886 e o orcamento para o de 1887
a 1888. A' commissao de orcamento municipal.
Oatro do mesmo, dem, o balaaco da receita e
despesa do exercicio de 1885 a 1886 e o orcameato
para o de 1887 a 1888 da Cmara Muoicipal da
Gloria do Goit. A' commissao de orcamento
municiual.
Oatro do mesmo, idem, o balanco da receita e
despeza do exercicio de 1885 a 1886 e o orcamento
para o de 1887 a 1888 da Cmara Muoicipal de
Villa-Bella. A' commissao de orcamento muni-
cipal.
Outro do mesmo, idem, copia de am oficio da
Cmara Municipal do Altinbo, relativo a approva-
co provisoria do Cdigo de posturas, e de seu or-
camento para o exercicio correte. A's commia-
Boea de postaras e de orcamente muuicipal.
Oatro do mesmo, idem, por copia o oficio da
Cmara Muoicipal de Correales, em que pede ap-
provacao do Cdigo de posturas que foi enviado
esta Assembla com oficio u. 185 de 29 de Junho
de 1885.A' commissao de exame de postaras.
Oatro do mesmo, idem, um projecto* de posturas
da Cmara Muoicipal de Aguas-Bellas.-^A' com-
missao de exame de postaras.
Oatro da Cmara Municipal de Muribeca, ro-
metteodo copia do orcamento da receita e despeza
para o exercieio de 1887 a 1888, acompanhado dos
balancetes e recibos.A' commissao de orcamea-
to municipal.
Outro do mesmo, remetiendo o balanco da re-
ceita e despeza do exercicio de 1885 a 1886 e o
orcamento para o de 1887 a 1888 das Cmaras Mu-
acipaes de Floresta e Buique.A' commissao de
orcamento municipal.
O Uro do mesmo, idem, o balanco da receita e
despeza do exercicio de 1885 a 1886 e o orcamento
para e de 1887 a 1888 da Cmara Municipal de
Flores.A' commissao de orcameato maaicipsl.
Oatro do mesmo, idem, o orcamento para o
exercicio de 1887 a 1888 da Cmara Maniaipal de
Taqaaretioga. A' commissao de orcameato mu-
nicipal.
Outro do mesmo, idem, o requermento por copia
do baeharel Joao Baptista Regueira Costa, acom-
panhado das informaces do inspector geral da
Iustruccao Publica e Thesouro Provincial, em qne
solicita a concessao do premio de qne tratam os
arts. 56 da lei n. 369 e 120 da regulamento de 6
de Fevereiro de 1885.A' commissao de instruc-
cao publica.
Outro do mesmo, idom o balaaco da receita e
despeza do exercicio de 1885 a 1886 e o orcamento
pars o de 1887 a 1888 das Cmaras Mnnicipaes
de S. Bento e Nazareth.A' commissao de orca-
mento muuiaipal.
Outro do mesmo, transmittindo o orcameato pa-
ra o exercicio de 1887 a 1888 da Cmara Munici-
pal da Victoria.A' commissao de orcamento mu-
nicipal.
Outro do mesmo, idem o balanco da receita e
despeza do exercicio de 1885 a 1886 e orcamento
de 1887 a 1888 da Camafa Maaicipsl do Recife.
A' 'commissao de orcamento municipal.
Oatro da Cmara Municipal de Muribeca, lera-
Outr de Ambrosio Francisco de Barr
requerendo aer nomeado para o lugar
comtnia desta Assembi*. A' commissao
licia.
Onlra ne Candido Alberto Soir da Molla, pro-
pietario das casinhas ns. 8 a 12 ra do Tam-
bi, requerendo sencao do pagamento de anooi-
.dades das-referida casiobm A' commissao de
orosmento provincial.
Oalra de Antonio Texeira Pimentel, ex profes-
sor interino, requerendo qae se submetta dis
iuss.Io um parecer adiado, en que o mandan con-
templar no quadro dos professores efectivos.A'
commissao de iostrucao publica.
Ootra de Joao Affonso de Albuquerque, guarda
mU?^'?l-n8.PMrnt8do' querendo o pagamento
ie 145#70 decineo meses de ordenado. ^=A* com-
missao de orcamento maoicipd.
Ootra de Franciseo Candido de Medeiros, con-
tratante da barreira Couceiro da estrada de Pal-
',,lS?.*B'nt0' '["rendo a inderansacio de
i:l)UU#, ou innavacao do contrato por mais dona
anuos.A commissao de orcamento provincial.
Outra de Abdias Bibiano da Cuuha Salles, apo-
sentado do Consulado Provincial, requerendo ser
pago da ditferenca dos seos vencimentos, que dei-
xou de receber em virtude da lei n. 1179, at ser
posta cm execuco a de n. 1435.A1 commissao
do orcamen provincial.
Outra de Manoel Gomes dos Sintos, requeren-
do autonsacao Cmara Muoicipal de Naareth
a eotrar em .iccordo com elle acerca do que resta
a pagar de sua divida. A' commissao de orea-
ment municipal.
Outra de Pauoa Marcellna da Almeida, pro-
fesaba publica da Estancia, requerendo a gratifi-
eacao de mrito por 15 annos de effectivo exer-
cicio.a commissao de iostrueco publica.
Foi a imprimir, sob n. 2, um proj.cto julgado
objeeto de dehberacao, transferido a sede da co
marea de Taoaral para, a povoacao de Jatob,
que nca elevada villa.
Oram pela ordem os Srs. Costa Ribeiro, Rosa e
Silva, Pr.xedes Ptaoga e Goncalves Ferrera.
Passou-se a ordem do dia.
Foram eleitai seauintes commissoes :
Coalas e despezas proviociae=Srs. Hercalano
Handeira de Mello, Francisco de Assis Rosa e Sil-
va e Joib Atvrs- Beserra Cavalcante.
Commercio, agricultura, artes, e.tradas, aave-
gaca.>, colonisacj e obras publicasSrs. Joao de
^*Gavalcant*de Albuquerque, Constantino Ro-
drigues Lu de Albuquerque e Rogoberto Bar-
bosa da SiIvh.
O Sr. Jos Maria propos, sendo approvado, que
o Sr. presidente nomeasse as demais cotnmisaes
orando pela ordem o Sr. Drummond.
O Sr. presidente uomeou as segaintes coin-
missoes :
Redcelo de leis-Srs. Gaspar de Drummond
fr ilho, Ignacio de Barros Barretto Jnior, Joao
rraneiseo de Ama ral.
lustruccao publica o estabelecimantos proprios
a proraovel-aSrs. Joao do Reg Barro-, Fran-
cisco Antonio Kegueira Costa, Augusto Pranklin
Moreira d* Silva.
BitHtistiea e diviao civil oecclesiastic*Srs.
Jos Zeferino Ferreira Velloso, Autonio Victor
Correia, Joao Alves Beserra Cavalcante.
Justiea civil e criminalSra. Sophrono Euti-
quiia*d%.PAPorfett, Pedro Gaadiano de Rs-
us B Silva, Jos Djuiingues da Silva.
Negocio* eertesiasticosSrs. Angosto Franklin
Moreira da Silva, Dr. Mauool Goncalves Soares
de Am >rim, Julio Mana do Reg Barro*.
Exame da* pesiaras, representacea e negocios
de cmaras mnnieipaes Srs. Manoel Rodrigues
Porto, Augusto Coelho de Moraes, Maooel Gon-
calves Soares de Amerim.
Rendas mnnicipaes, orcamento e exame da cou-
tasSrs. Joao do Rogo Barros, Manoel Rodrigues
Porto, Joao Francisco do Amaral.
Sade publicaSrs. Prxedes Gomes de Sooza
Pitanga, Joao de 8 Cavalcante de Albuquerque,
Augusto da Costa Gomes.
Petcoe8Augusto da Cos'a Gomes, Julio Maria
do Reg Barroi, Jos Zeferino Ferreira Vel-
loso.
LegislacaoAntonio Jos da Costa Bbero,
Sopbronio Eutiquiniano da Pas PorteJI a, Jos Do-
mingues da Silva.
OrdenadosSrs. Aotono Goncalyes Ferreira,
Viscondo de Tabatioga, H rcalano Bandeira de
Mello.
Fxacao de forca policialSrs. Gaspar de Dram-
mond Filho, Pedro Gaudiauo de Rits e Silva,
Luis Antooio de Andrade.
Sncerrou se depois de orar o Sr. Jos Maria a
dscusso do parecer n. 60 de 1885 (oficios de jus-
tiea de Limoeiro) sendo rejeitado um requermen-
to do mesmo Sr. deputa lo de adiamento da dis-
cujto per 48 horas e nao se rendo votado por
falta de numero oatro do Sr. Jalo de Oliveira,
tamben) de adiamento, mas por 24 herai.
Adion se 1 dscusso do projecto o. 8a de
1885 (revogaco do art. 3 da lei n. 1,859 de 1885
e reatabeleciio o jaiso de pas da Padoba na fre-
guezia de Cruangy).
A ordem do dia : continuacao da antecedente
e mais 1 dscusso dos projecto* ns. 74 e 80 : 2"
do de n. 34 e 3> do de n. 5, todos de 1886.
AuturiiladcN pollciaeNPor portara da
presidencia da provincia, de 10 e proposta do Dr.
chefe de polieia, de 7 do eorrente, foram Hornea-
dos :
2 supplente do subdelegado do 1 districto do
termo de Barreiros, Sergio Ribeiro de Araujo
Bel trio.
3- supplente do referido subdelegado, Lsoosdio
Trajano de Mera Lima.
Tribunal do Jury do BeeircFnnc-
cionou hontem este tribuaal, sendo jaldado o reo
DsmiSo Cosme de Azevedo, pronunciado no
art. 205 do cdigo criminal, por haver em 25 de
Dezembro de 1882, no Peres, ferido a Joao Jos
Baptista do Nascimento.
Promovea a defesa o Dr. Luis Drummoud, e o
reo foi sbsolvido.
O oficio do presidente do tribunal ao ius-
pector da Tbesouraria foi communicaodo haver
dispensado apenas um jurado, e nao como foi pu-
blicado aos demais empregados naquella reparti-
cao qae teem sido assiduos.
Teatro anta ImabelEl Hermano
Baltasar, linda opereta cmico Bufa dos festejados
maestros Estremera e Caballero, foi a peca eseo-
Ihida pela Companhia de Zarzuellas He*panhoIa
para dar a sua 3' recita, que teve lagar oa noite
de ante-hontem.
Pouco conhecido era no nosso publico o libreto
da opereta, bem como a msica, que, alm de ser
pura e caractersticamente hespanhola, se afasta
um pouco das da mesma procedencia que costuma-
vam escrever autores mais antigos.
Apesar dsao, o publico comprehendeu bem a
nova transicao do estylo dos autores, o que se
prova com e opioiao geral dos espectadores que,
manifetaram-se em favor das bellezas que em s
contm a alludida partitura.
O libreto nao passa verdade, de nma comedia,
porm, comedia cheia de graca e espirito onde
teem nm papel importante os quiprcs.
D. Juan, o seminarista travesso e apaixonado,
teve como interprete a Sra. J. Pl, que conhece,'
como o publico, que nao aquelle persouagem
parte em que urna boa typle possa mostrar o sua
vos. Apesar disso, porm, a graca com qae ella
cautou, mereceulhe os applausos que teve ao duetto
com Igaes e no coro concertante, dos seminaristas,
A Sra, M. Saeauelles esforcou-se por bem can-
tar a sua parte de Ignes, e at certo ponto os seus
desojo* foram eatisfeites, notando-se, porm, qae
taives, por ser nova ainda no palco, a sua vot
como a sua parte dramtica, resentio-se de um
certo acaahamento, qae com am poaco de estudo
pode ser corregido. '
A parte de Angustias foi pela Sra. A. Saea-
uelles cantada com alguma felicidade e graca,
sendo a ves que melhor podemos apreciar a ana
vos, qne, se nao prima palo volume e extensao, ,
entretanto agradavel, acrescendo qae bem com-
preheodea essa artista o tyoo que desempenhava.
D. Braulio toi a parte qae coube ao Sr. Ramos
e mais ama ver esse artista mostrou-se um bom
cmico, j na parte dramtica, propriamente, j
as poucas vezes qae cantou, merecendo grandes
applausos pelo modo por que cantou oTango
de Vera Cruz, cuja msica e acompanhamento
de grande belleza e capaz de reviver o corsea
de qualquer D Braulio.
As demais partes, inclusive a doEl Hermano
Baltasar, sao de pouca importancia musieal ;
Jm
i



--------
Diario de fenambnooSabbado 12 de Mam de 1887
i
pelo que ponas
diremos que estiveram rega-

L
%
I
i
-'y
,
f
Os coros faran anda, como as anteriores re-
citas, regularmente cantados e bem ensatados,
chamando a arfRwco do publico o da referida
partitura, nao s pela belleza da msica, como
pela expreas&o que Iba derara os cantores o coro
dos seminaristas no acto final.
*<>< iitro Commerclal Agrcola
asociaco, em it do crrante, dirgiu o se-
telegmmrai ao Sr. presidente do conselho
itros:
tacao Commerciai Agrcola de Pernam-
9 da Marco de 4887.
A' 8. Ezc. o 8r. presidente do conselh) de
ministros
Contina a crlse, ainda mais grave, filo ha
reaarsos. A safra grande, mas os pteos sao bai-
xoaj. Apezar d'ieto escasseiam os compradores pela
dfficuldade de operacoes camoiaes.
O Banco do Brasil deizou de rcmetter dinhei
ro ; o caldo do Tbesouraria escasso ; e os bancos
agieses nao tomam saques agora sobre a costa.
P-Pedimos h V. Exc. 'remedio para este estado
pois do contrario tudo se abysma.
Transaccoes seguras nao ha quemas faca por
falta de meio circulante.
Bardo de NazarethPresidente ;Francisco
Faustino da Bnto Viee- presidente;Sebastio
Manoel do Reg Barros Ia secretario -.Joaquim
Salgueiral-2" secretario .
* Companhia de Zstrauellaa. Vlm da
l,n>56 por segando.
Veloeidade media do vento
Nebuloeidade media: 0,36.
Villa de lgaaraNii -Escrevem-nos des-
ta localidade em data de 9 do crrante mes :
E' bem espinboso e arduo o cargo de missi-
visU!
Obrigado, muitas veses, a aaer a Sel narra-
lor03amente certos typos, elle arrisca-se ser mor-
dido p ir cies damoados, resaltndo-lhe d'ahi a
necessidade de eacrerer extraordinariamente, mo-
teando a peuaa no maravilhoso invento de Pas-
tenr.
Poi o que rae aeontaeeu, ha poueos das,
proposito de algumas dentadas que me deram na
Provincia.
* Peliamente, en nao aintu enfado em escrever,
faltan io-me apena as habilitacoes e etcrvglor.
Cocfesso a miaba iucorrscso de parases, mas
nem semore san o autor dos defeitos que se en
contram em miabas missivas.
Os seus compositores attribuemme s veaee
sandices de grande peso a se nao fr a certeza de
que falta-Ibes o conhecimento do mal e a directa
intenco de prateal-o,j eu taria abandonado a
trela.
Sei que ha o recurso da errata, porin eu nao
gosto de servir-me d"elle, seno em casos muito
excepcionaes.
* Consta ter deixads o exercicio do cargo de
juiz substituto, o Dr. Telesphoro de Araujo.
Asaim me exprimo, por informacio de peasos
tigo 205, Manoel Muniz Falco, por eraae de
furto do avallo, art. 257.
< Est pronunciado : Jos da Costa Gomes, no
rt. 257, por criare de furto de cavallo, teado sido
preso em flagrante deliets no dia 19 de Fevereiro
do anno asado, .remanido o inqnerito a su
promotoria em 22 do referido us, denuuciado sin
13, despachada em 25, distribaida em 8 de Maio,
designado dia para a inquericao das testemunbas
em 6*de Jalao, para o dia 14 do mesmo ana.
Tendo comparecido smente duas teslemo-
nbas, foi novamente designado o dia 15 de Ou-
tubro, por despacho de 11, e finalmente, concluido
o summarii, em 29 de Novembro.
Esto denunciados: Jos Bernardo de Sonsa,
por cr:me de tentativa de morte, art. 193, combi-
nado com o 31, p'eao em flagrante, em 30 de Se
tmbro, remettido o inquerito em 14 de Outubro
do anoo passad.i, denunciado a 10. despachada a
petico em 22, icsignado o dia 26 para a forma-
co da colpa.
Tendo comparecido apenas quatro testemu-
nbas, foi novamente designado o dia 4 do carrate
para a inquericao da ultima.
ao avassauar a Franca para dominar lego a fin-i Barrete N*gou se provimento, unnimemente.
ropa, -tirando, oartido de tudo, tiproveitando se de
todas as forcas, de todas as vontades e de todas
as abuegoces, jogaado eomo se fossem outras
tantas pecas d'uma partida de xadrez com as ideas,
os povos, as -ligiSes e os governas, e utilisando-
se do bomem com ama destreza e urna brutalida-
de *ncsmparaeis.
Estes comeos promettem urna analvse curioss-
sima e quasi non da historia do primetro imperio.
Esses intsrviewers dos peridicos tomaram por
assaito a casa do historiador philcsopho. Taine
explicoa que a obra cuja publicarlo principia ago-
ra a primeira parte de uro estado coasideravel
qua occapV tres tomos, e que so chamarOri-
gens das instituces contemporneas. E' a con
tinuaeo e resaltante da?Jrigens da Franja
contempornea.
Para sua uova historia, Taine seivio-se de
ama multido de materiaes e documentos comple-
tamente inditos e desconocidos.
O trabalbo que teve que faaer foi enorme. Dar
delle urna idea e dado segainte :
Napolsfts'eecreveu 80.000 cartas, dos quaes nao
Jos Sevenno de Franca, vulgarmente co- foram publicadas.mais que 30.000, que sao as que
opereta o Foathdo da Rioja, da qual publicamos i fidedigna e nao porque, firmado no Diario Official,
impanhia de zar- julgue ter 8. 8 forjadamente deixalo o referido
hontem o entrecho. leva boje a compan
sueltas a opereta o* cmico em quebradeira, texto
de Costa e msica de varios maestros.
Eis o entrecho do acto nico dessa opereta :
Acto chicoScenario d'um theatroSilvestre,
o encarregado do theatro, contracta quatro artis-
tas que, depois de terera corrido seca e meca, sem
obterem resaltado algum dos seus trabalbos, oa-4
cargo.
s A remoeSo antiga, o Diario dea d'ella no-
ticia, ha muitos das, mas por c difficil era sabei
sm queparavam a modas, porquanto S. S. resi-
de de muito longa data n'essa ci-iade, onde, se
gundo consta, tem escriptorio de commissoes.
A informacSo dque fallo pois, simplesmen
rem dar quatro espectculos de zarzuellas. I te baseada em nra offi-M) d> meaoi" dootor para o
Cbega o alcaide e depois de muitas asociras I juiz de direito desta comarca, o qa-il foi vistu na
qual d'ellas a maior diz que o povo eati caneado I agencia do correio.
de ouvir sarzuellas e e quer operas italianas. "
artiras, apeaar de nao saberem nada do italiano,
promettem satisfazel-o. O alcaide pedo para fa-
serem umensaio diante d'elle. Os quatro combi-
nam entre si ama mistara salina de todas as p (,'as
por elles representadas e saem com Silvestre, atira
de receborem as roupas para o ensaio.
Volta Silvestre e dis j ter entregue a roupa.
O alcaide recommenda-lhes que baja ordem
no ensaio.
MutacaoSilvestre prepara a acea emquanto
os artistas vestem quatro distarces, que tudo sero,
menos roupas de theatro.
Os artistas representan! urna moxioifada em
italiano macarrnico e sarzuellas hespanholas.
O ignorante alcaide, que urna cavalgadura,
tica satisfeito do ensaio e assegura-lhes um gran-
de triumpbo no primeiro espectculo .
Divomo mititar e exerescloSabe-
mos que, amanha, pelas 4 horas da madrugada
edo-larg) d> Hospicio, marchar S. Exc. o 8r.
Qeatral Commandante das Armas com urna bri-
gada composta da 14' batalbo de infantaria e
eompanbia de cavallaria, para Beberibe, onde s
8 horas ouvrr missa toda a forca na igreja da p>-
voacao.
Durante o dia haver exercicios, por escalas,
de tiro ao alvo, e, tarde, de fogo, por compa
nli i as de guerra.
O batalbo campar na lioha de tiro ; e a
compauhia uo lugar em que o fez no primeiro
exercicio. Sa&indo da cidade, a brigada marcha-
r, seguudo todas as regras de tctica, como se
estivesse em paiz iuimigo.
Jurr da EscadaFoi iostallada a 1* ses-
so do corrate anno, no dia 2 do andante sob a
presidencia io Dr. juiz de direito Jos Mara Moa-
coso da Veiga Pessoa.
Entraram em julgaroento :
No 1 da 0 reo Felippe (Jomes dos Santos, pro-
nunciado no mximo do art. 193 do Cod. Crim.
Foi iiiiiolvido, tando por advogado o Dr. Sergio
Hygino. Era segundo julgamento
No 2 dia, o reo Francisco Salles de Sant'Ann i,
pronunciado no mximo do referido art. Fui ab-
saivido, tendo por advogado Dr. Sebastio do Reg.
Era segundo julgamento.
No 3' dia, o reo Francisco Antonio do Nascimen-
' to, pronunciado no art. 205. Foi absolvido por
perempe^o, tendo por advogado Hermogenes Ca-
valcante.
No 4 dia, Oenerino Jos dos Santos, pronuncia
De semelbaate documento, conduiram maitos
e com algn fundo de rasao que o hon;m batera
a bella plumagem.
Antes de sabir, deu elle prova de sea bom
senso e da grande importancia, que tinha entre
nos. Pelo qae taramelou elle n'essa cidade e cons-
ta de jornaes, quizeram mettel-o no tronco e se-
vicial-o brbaramente. Que horror !
Bonito assumpto para as sociedades abolicio-
nistas !...
Est verificado por documentos irrecusaveis
que tuio n2o paasou de nma natranha de qaem
anda a^regoando que o tutor fugio-lhe, prejudi-
cando-o em mais de cem sontos de ris !
Lembra-se de um telegramas falso que oeujo
expedio desta vi lia, no dominio liberal, communi-
cando ao presidente da provincia que Goyanna
esteva em revolucSo ?
< Pois tire d'ani e do mais, as ligicas conse
quencias da habilidade do oco.
O tal impedimento de voto foi tudo calculado
e somante para produz'r efiero.
Se houvesse plano de tirar ama vinganca, de
fazer urna injuria ao Dr. Tolespboro, outros mai-
tos meios, sem duvida mais bem combinados, se
offertceriam sos seas desaflectos e d'elles nao po-
derla S. R. escapar.
< As pessoas que soffreram perseguicSes do tres-
loucado juiz substituto, qok j Moaaso, sabem to-
das, sao de ndole pacifica e de sentimeatos n>-
bres.
A cousa tem fcil i'xplicacio e eu l'ha darei
em poucas patarras :
Na siluaco pasia 1 i. o ex-delegado de poli-
ca, coronel Vieira da Cuoha, irmao do Baro de
Itapissuma, prenden em dia de eleico para de-
purado geral e deteve por espaco de nove horas,
na casa de purgar de seu engenbo, aa eleitor
conservador, de nome Jofio Domingos Gomei,
tentando faa?r o mesmo com outros, o que nSo
conseguio por ter falbado a armadilha.
O caso foi ceminentado chistosamente e nao
hoave te|:-rrammas para o Tempo nem artigos de
fundo e n-m queixas.
Agora,-o partido libera', que nao perde occa-
sio de passar licoei oa quinao em seas adversa-
rios, mandou figurar por um de seus mulbures
instrumentos um facto igual, para delle (do facto,
nhecido por Jos Oachoeira, por crime de feri-
mentos leves, art 201, preso em flagraute no dia
12 de Junho do anno paseado ainda, remettido o
inquerifo a 15 do mesmo mez, denuuciado a 20,
despachada a pe ti cao a 7 de Julho, desigado o
da 7 da Agosto para ter lugar a inquericao.
Nao tendo sido cumprida a diligencia por nao
ter sido assignad > o mandado, foi euj 30 de Ou-
tubro. designado aovo dia ; depuzeram duas tes-
temunbas e nao bouve mais despacho algum,
Theotonio Correia de Amcriin, pelo crime de fur-
to de cavallo, art. 257, preso em flagrante no dia
2 de Outubro, remettido o nqaerico a 19, de-
nunciado a 20 do citado mes, e marcado o dia 9
do crrante, para ter lugar a inquericao.
J-rio Chrispinian j de Souza, pelo crime de
ferimentos eraves, &rt. 205, preso em flagrante no
dia 3 de Setembru, remettido o inquerito a 16, de-
nunciado a 21 desse mez, despachada a petico a
i de Outubr-, e tendo deposto smente tres tes
temuuhas, foi novamente marcado o dia 8 do cor-
rente para a inqaercSo das outras.
Antonio Bernardo de Soaza, pelo crime de
ferimentos graves, art. 205, preso em flagrante s
10 de Janeiro dsste anno, remettido o inquerito
a 16 de Fevereiro, denunciando a 19, despachada
a peticao a 22. sem qae se honvesse marcado dia
para a oquenco das testemunbas do summario.
Delmioa Mara da Coueeicao e Bernardina
.Vi. do Nascimento, pelo crime de homicidio, ar-
tigo 193, presas no dia 21 de Outubro do auno
Dassado remettido o inquerito a 22, deunnciado a
21, despachada a 24, marcando o dia 12 de No-
vembro ; ainda nao foi o formaclo da culpa co-n
cuida.
Domingos M. da Conceioao, pelo crime de tenta -
ti va de morte, 193:034, denunciada a 28 de No-
vembro ; aind i nao depoz nenbama testemanha.
< Alm desses encoutrei ainda mais os procesaos
de reos ausentes : Jos Luiz da Bocha, salto por
habeas-corpus, denunciado por crime de ferimentos
graves, a 29 de Novembro, caja inquericao foi
marca la para o dia 2 do carrate (boje).
Manoel Hoares dos Santos, denunciado a vin'e
e seis de Outubro, pelo crime de furto de cavallo,
artigo 257, despachada a petieSo a 12 de Peverei -
ro prximo passado, marcando o dia 5 do corrente,
para a formacao da culpa.
Bernardo Aleixo e Jos Aleixo denunciado
plo crime de ferimentos gravee, srtigo 205, no dia
13 de Novembro, despachada a petico a 16, para
ter logar a inquericao a 16 de Desembro ; nao foi
cumprida a diligencia e fot de novo marcada, em
12 de Fevereiro, o da 7 do jrrente.
c Bel I armio Gomes da Luz. seos filbos e An-
tonio Cstita, denunciados por crime de tentativa
de morte, 193:134, no dia 13 de Maio, despachada
a petico a 6 de Julho; ainda nao depoz testemu-
nha alguraa.
Jos Roberto de tal, denunciado pelo crime de
ferimentos graves, artigo 205, denunciado a 21 de
Janeiro, despachada a 19 de Fevereiro; ainda n3o
depoz nenhuma testemanha.
Manoel Pereira de Araujo, pelo crime de de-
floramento, artigo 219, denunciado a 28 de Novem-
bro, despachada a peticao a 30, marcando o dia 16
de Dezembro para a formacSo da culpa, que nao
jase v...) mamar algum le te, isto tirar I
gum resoltado.
E o membro deseeu at o de gaiato galn, es-
peran io o aceao de seas amos para atirar-se lou-
do no grao mxime do art. 193 Foi coudemnado j co e furioso sebre o activo subdelegado de Mari-
a 14 annos de priso, tendo por advogado Dr. I coto, Theotonio Amando de Souza Cavaleanti.
Francisco Lins. Ni eleicao municipal de 25 do otas prximo
No 5* dia, o reo Herculano, liberto, pronunciado passado, coube a victoria ao partido liberal,
tambem ni art. 193. Foi coudemnado a 14 annos
de priso, tendo por advogado Hermogenes Caval
cante.
No 6 da, n reo Jos da Rocha Guedes, pronun
ciado no mxime de art. 192, por ter aasaasinado
ao engenbeiro Franciscs Das de Arruda Falco-
Foi condemnado a pena ultima, tendo por advoga-
do o Dr. Francisco Brederodes.
Club liitserarlo Pinto alaisslorSob a
rice-presidencia da Exma. Sra. D. Carolina Fai
cao tunccionoa esta sociedade no dia 10 do cor-
rente, presente um numero legal de socias. Lida
e discutida, foi approvada unnimemente a acta
da sesso antecedente.
Sendo proposta para aocia cffectiva a Exma. D
Genoveva das Trevas, foi approvada a proposta, e
se achando na ante-sala a dita aocia, a Exma
Sra. presidente nomeou as Exraas. Ds. Anna de
Oliveita, Julia Marques e Francisca Meirelle,
:)<.ra a acompanharem, sendo sandada em chegan
do ao recinto, pela oradora do club.
Nada mais bavendo a tratar, a Exma. Sra. viee
presidente designou oara ordem do dia 17, prxi-
ma reunan, discusso de theses.
Victima do keroseneAnte-hontem
tarde, em trras do engeuho Done IrmSos, distric-
to policial de Apipucoa, urna enanca de 4 annos
de idade, de nome Mara, filha de Cosme Barreto,
cabo da conservaco da ferro-va de Casanga,
procurando, na ausencia loa pas, acernder rogo
com o auxilio de um pouco de kerosene, infltm-
mou-se este liquido, entornando se por sobre a in
felis, que ficcu toda queimada.
Entre dores atrozes a pobre crianca falleeeu
hontem pela manha.
A polica tomou conhecimento do facto.
Reunles ciaeaHa amah as segnin-
Ka
Da Uniao Co.omercial Beneficente dos Merciei-
ros, ao meio dia, para assumpto importante.
Da Irmandade de Nossa Senhora da Las, ao
meio da, em mesa provecta, para assumpto de in-
teresse.
Gremio don Prufemiore Prlm
rosEsta sociedade proceden na quinta-f jisa,
10 do corrente, eleico do novo conselho que de-
ve dirigil-a no presente anno, dando o resultado
segainte:
Presidente, Jos Luis de Franca Torres.
Viee-presidente, Hermelino Elysea da Silva
Caneca.
Io secretario, Antonio Candido Ferreira f*e-
eleito).
2o secretario, Manoel Pereira da Silva.
Orador, Augusto Jos Mauricio Wauderlej.
Thesoureiro, Vicente de Moraes Mello (re-
eleito).
Conselheiros, Francisco Carlos da Silva Frago-
so, Cynllo Au.usto da Silva Santiago e Christo-
vo de Barros Gomes Porto.
Coamisso de ptoteccao, D. Sofa Guillermina
de Mello, D. Tboreaa Emilia de Souza Gomes e
D. Isabel Francisca de Quintal.
Coafereacla O Club Ayres Gamaeflectua
amanha, 13 do correte, sua 2* conferencia. O
acto realisar-se-ba em um dos saloes da Escola
Normal, s 10 horas da manh.
O conterente ser o Sr. Dr. Porto Oarreiro, so-
cio honorario do mesmo club. A entrada fran-
queada ao publico.
nirerluria dai otras de ronsrns-
cao toa portoBoletim meteorolgico do
ai* 10 de Marco de 1867 :
a I
B-S o
= o
Horjs
- O BC
3-
H
~
6 m. 23'9
9 294|
l 3!)31
3 t. >-l
6 2*1-1
Barmetro
0
75943
76047
760"19
758-24
lrt'oOJ
fiaaoperatura mxima31,50.
Dita miaima23,90.
Evaporaco em 24 horasao.ioi: ,"^); sem-
ixa: 3,1.
Chuvanujla.
Dtsecg&o do *ento : SE 6e meia uoite at ti, Joe jugquin, ae Sausa, porairime de morte, arii-
horaa e 59 minutos da manha ; ESE at 2 horas e
7 minutos da tarde ; E at meia noite.
Modifico o osa p -nsament, quanto ao modo
de emeuder das cousas politicaa.
< Qu mJo o governo nao tem o elemento offi -
cial e os seus amigos fogem na hora do co.nbate,
allegando frivolidades, elle nao pode vencer.
Aqu, apesar da grande maioria do el- itora
do comervador, venceram os adversarios, e a ra-
z:"u est em que de um lado comparecer 'a todos,
e Je outro faltaram muitos.
O triumpbo foi muito festejado com foguetes
efrucias. Nao houve excesso por causa do Jtan-
dre.
U jury est funecionand-i. Foi convocado
para aitc-houtem. m>s a' hoje ainda nao hoave
casa, por falta d juizes de facto.
O fogaeleiro promotor, estando de porio
muito cheio e recelando r ao fundo, deu parte de
doentc.
Fallar em publieo negocio mais seno, de
mais gravidade, e o homem nao resiste a taes
cousas.
O Dr. juiz de direito nomeou interinamente
para substituir o interino, ao professor publico da
puvoacao de Tabatinga, Alberto da Silva Mi-
randa.
c Ha dous processos preparados. Nao ha cer-
teza de serem julgados, porque os reos nao teem
advogado, e o da Cmara Municipal, obrigado a
defendel-os, porque sao pobres, t serve para
receber o ordenado.
E' um homem integramente iautilisado por
molestia incuravel, c que, residindo a duas leguas
de distancia desta villa, s vem a ella a carro,
em dias de eleicao, votar com os liberaes.
Creo, porra, que, por taita de defensores,
os criminosos nao deixarao de ser julg ados.
Adens.
Bom-alarulmEscrevem-nos em 6 do coj-
renie :
'.penas poeso euvar-lhe hoje o complemento
do que disse na mioba missiva passada, acerca da
sorte e cond cao dos presos da cadeia desta ci-
dade.
O Dr. promotor publico recebeu o officio cuja
copia j Ihe remetti, do juiz da direito, proeedeu,
depois da visita meosal a cadeia, a um exame nos
cartorios e apresentou ao Dr. joiz de direito um
relatorio, numrico, que por carioso deva ser lan-
cado na publcidade. afim de ficarem todos sa-
bendo como cumprida a leu
Despende a provincia com o sustento de cada
um dos presos 300 rs. diariamente ; e isso ae es-
paco de meses produz urna boa soroma ; quesera
economisada, se houvesse mais resneito ao precei-
to legal, e menos negligencia por parte da justica
encarregada da formacs da culpa aos indi-
cados.
Desses intilizes um, de nome Joo Cbriepi-
niano % Souza, preso em 12 de Setembro do armo
passado, e at hoje conservado na cadeia em
colpa formada, requeren ao Dr. jais de direito
Castelio-Branco habeai corpu. e consta que obtuve
ordem de soltura.
Junto a esta vai copia do relatorio do Dr.
promotor Hercilio, para que o publique sejulgar
conveniente.
Pormotorla publica de Bom Jardim 2 de Marco
1881.
Tito. Sr.Communieo a V. 8-, que, honten.,
acompanhado do delegado de polica e do r apec-
tivo esenvao, proceda visita a cadeia publica da
cidade. na forma do arf. 150 do regulamcnto de
3-1 de Janeiro de 1742, e em seguida aun demo-
rado exame nos cartorios do escrivo do crime,
como me t"i recommendado por V. 8. em seu offi-
cio de 26 do mez prximo nudo, de cujo resultado
passo a nformal-u detidamante.
Acham-se recclbidos a referida cadeia 19 in-
lividuos, inclusive 2 mulberes.
Desses tsto cumprindo aentenca : Mauoel
Alves do Monte e Jos Joaquim Correia, por cri-
me de furto de cavallo, art. 357 do cdigo crimi-
nal. Manoel Jos Bautista por crime da morte,
rt. 193.
Estao appellados, miado sido remettidos os
processos para o Superior Tribunal : Valen tim
Francisco Duarte, por criase da roubo, art. 269,
Jos Francisco de Paula, por crime de morte,
rt. 193. *
Vo a novo julpameoto naproxma sesso :
gu 198, Francisco Jos dos Santos e Autoniu Joa-
quim Alves, por crime de ferimentos graves, ar-
teve lugar ainda.
Juveaal Francisco Pereira e Jos Francisco
Pereira, denuociados pelo crime de tirada de preso
do noder do official, artigo 120, rt dia 10 da No-
vembro, despachada a oeligo no dia 18, marcan-
do o dia 26; depoteram Ite^einonh .a,e nao hou
ve mais drspaaao.
Domingos Ferreira Antonio, denunciado relo
cfllU %!TuxRuictdTtfl*^r,laprudencia, artigo 19 da
lei da reforma judiciaria, no dia 10 de Janeiro do
anno passado,despachada a peticao a 1 de Mar5o ;
ainda nao foi marcada a inquericao.
Lipecino Francisco de Paula e seu cunhido
Alexsndre de tul,denunciados por crime de roubo,
artigo 269, no dia 12 de Novembro de 1885 ; roce-
bida a petico a 13, cuja foimaco de culpa aada
nao foi concluida.
Vicencia Maria da Conceico, seu Slho Manoel
e seu sobrinbo Joo, denunciados pelo crime da
damno, artigo 266, desde 1885; est o processo
na coocluxo do juiz municipal-
Joaquim Mulong, pelo c me do artigo 201,
ferimento leve, est tambem no poder do juiz, e
denunciado desde o anno de 1885.
Leonardo de tal, denunciado pelo cciine de ho-
micidio, artigo 193, desde o dia 8 de Janeiro do
anno passado, despachada a 1 de Margo, designan
do o dia 13 de Abril; tendo deposto 3 testemu-
nbas, nao houve mais despacho algum.
" Bellarmino Aires de Souza, denunciado pelo
crime de tentativa de morte, 193:034, remettido o
inquerito a 19 de Fevereiro do auno passado, no
dia 20, despachada a petico a l de Marco ; ainda
nao depoz neuburaa tes tem un ha.
Severina, escrava de Manoel Gomes Barbosa,
denunciada por crime de morte, artigo 193, no dia
16 de Novembro da 1835, d-apachada a petico a
18 do mesmo mez i anno, denoseram 5 testemunhas
a 26, e nao bouve mais despacho algum.
Vicente Ulno e Manoel de Campos, denuncia
dos por crime de morte, artigo 193, no dia 22 de
Novembro, despachado a petico para ter lugar a
inquericao no dia 29 deDesembr; ao se passou
mandado.
Jos Laurentino, Jos Barbosa,Severianoe J -
ronymo de tal, oeuunciadoa pelo crime do tnrto de
cavallo, artigo 257, em 10 de Agosto de 1885, des
pechada a petico a 27 ; nao foi at hoje cumprido
o mndalo de eitae.a< das testcinuub ts por affll-
encia de servieo.
Joo Francisco de Arruda, denunciado pelo
crime de furto de cavallo, artigo 257, no da 29 de
Setembro de 1885, despachada a peticao a 2 da
Outubro do mssmo anno; depaseram apenas duas
testemunbas e nao hoave mais despacho.
Em tempo declaro a V. 8. que nao perde co-
Iher iuformacoes sobre o proeesso de Jos Joaquim
Raymundo, denunciado desde o anuo passado, por
crime de estupro, por se achar dito proeesso na
esneluzo do juiz municipal, e que o motivo alle-
gado pelos funceiooarios rasponsa',eis pels demora
ia concluzo dos summarios dos reos cima men-
ciouados, quasi somprc afflaeacia de servico.
> Aproveito a epportunidade para faaer sciente
a V. S. de que, nesta data, vou dirigirme ao juiz
municipal do termo requere ido-lhe, anda urna
vez, que forme sem demora a culpa dos reos pre-
sos e passe em seguida aos ausentes.
Reitero a V. d. os raeus protestos da elevada
estima e consideraban.
D.'us guaide a V. S.
Illm. Sr. Dr. Francisco da Cunha Castello
Branco. Muito digao jnix de direito-de Bom Jar-
dim.
O promotor publico, Hercilio Lupercio de Souza.
Um aconleclmeolo IliterarioUrna
obra de Hcnrique Taine aempre acontecimento
que deixa na sombra a todos os demais : e Taine
comecou ha dias a publicacu de um livro novo.
Litteratos e philosophos, historiadores e escrip-
tores, nao s de Franca, mas de todas as partee,
se acham em commoejio. Difficilmeut* prodnziria
urna obra do maamo Dumaa ou de Sardou a meca-
de do efleito que, no mundo litterario, produzio o
annuucio da que Taine publica nm trabalho novo.
O novo escudo tem por themaNapoleo Bona-
parte. Aos olfaos de Taine nao tai Napoleo mais
do que um descendente director dos condottieri
italianos do aecnlo XV, um Malatesta, um Sforsa,
um firacco em uiaior escala que estes tjrranetes.
Para Taiue, o hroe d'Anaterltz fui por seu espi-
rito e sua inteligencia, por sua estructura moral
e mental, o berdeiro daqueltes aventureiros milita-
res, ambiciosos sem freio, que iauuniaram cem
veztts de sanano aos principados e as repblicas
italiaaas.
as prrmeiras paginas de sua obra, anisas que
at ago a se tem publicado, Taine nrostra a B >ua-
parte, ambicioso t imbem sem escrpulos, general
da Convenefio depois de ter estedo a ponto de
sjI-o da-SBCgoes, sem outra perspectiva de termo
a sua carrea que o cadaf.ilso ou o throno. souhan-
trata de reunir Taine. "Damais disto", recebeu urna
multido de memorias e de docum-ntos secretos
qus consatrayam muitas familias e que teem o
maior iutffesse.
Com semelhantes elementos se comprehende
que Taine tragar um quadro soberbo e original
do grande conquistador de nosso scalo e de sua
obra ; e isto explica a emocao produsida no mun-
do litterario e philosophico pelas primeiras pagi-
nas.
CeilAAMEftectuar-se-ho:
- Hoje :
Petomvn'e Peilana, s 11 horas, no armasem
da ra dW Vi gario n. 12, de predios.
Pflo agente finio, s 11 horas, na travesea
do Corpo Santo o. 23, de fazenlas, miudezas a
ama aruiaco.
Telo agente\ Gutm&o, s 11 horas, 4 ra ds
Mrquez de Olinda n. 35, do estabelecimeuto abi
sito.
Peto agente Alfredo Guimaracs, s 11 horas no
armazcm do Annes com caixas de massas alimen-
ticias.
Peto agente Pinto, s 10 e 1/2 horas, na ra de
Pedro Affonso n. 43 de fasendas, miudezas e mo-
bilias
Segunda-feira :
Pelo agente Utepple, s 11 horas, na ra do
Imperador n. 22, de predios.
Terca -feira :
Peto agente Pestaa, ao meio dia, na ra do Vi-
gario n. 12, de predio.
Mlaaaa fnebre.Serio celebradas :
Boje :
A'a a horas, na matriz de Santo Antonio, por
alma de Amalia Augusta da Fonseca Arroda.
=- Segonda-feira :
A's 9 horas, no courento de Santo Antonio de
Ipojusa, por alma de D. Maria Anna do Reg Ca-
valcante de Albuquerque; s 7 horas, na capella
de Beberibe e as 8 horas na matriz da Boa-Vista,
por alma de Jos Pedro Rodrigues da Silva ; s
8 h iros, no matriz do Cabo, por alma de D. Maria
Anna do Reg Cavalcante de albuquerque : s 8
horas, na macnz.de Santo Antonio, p>r alma de
Jos Joaquim Goucalves de Barros Jnior.
Terca-teira :
A's 8boras, na matriz de Santo Antonio, por al-
ma do couseihairo Jos Q/nintino de (astro Leo ;
s 8 horas na Ordem Terceira do Carmo, por al-
ma de Geaeitindo Belisario da Vasconcellos ; s
6 horas, naontriz de Santo Antonio por alma de
Jos Lus Qencalves Penna.
Quartawira :
A's 8 aoraajuo Paraso, por alma de Antonio
Ignacio do riego Medeiros.
Cana de- DetemcoMovimento dos pre-
sos do da 10 de Marco :
Existiam presos 349, entraram 6, sabiram 3
Existem 352.
A saber :
Naciooaes 318, mukheres 8, estrangeiros 16, ee-
cravos sentenciados 6, ditos de correceo 4To
tal 352.
Arracoados 317, sendo: bous 303, doentes 14.
Total 317.
Movimento da enfermara:
Teve baixa :
Franciso de Lomoi Vascoacellos.
!..<< ra da carieA 203* lotera da cor-
te, pelo novo plano, cujo premio grande de....
3 1:0 X)#UOO i era extrahida no dia .. de Mar-
co.
Os bilhetes scham-se venda na praca da In-
deoeudencia ns. 37 e 39.
Tambem~achau>-se renda na Casa da For-
tuna ra Primeim deMarco.
Cemtlorio aubllno.Obituario do da 10
de Marco :
Mario, Pernambuco, 1 anuo, Boa-Vista ; eclam-
psia. ,
Francisco, Pernambuco, 9 mesas, S. Jos ; en-
tente.
Maria da Visitaco Leopoldina Carvalho, Per
uambuco, 35 annos, solteira, S. Jos ; tubrculos
palmousrcH.
Paulo, Pernambuco, 42 dias, Santo Antonio ;
convulso es.
Clarindo, Pernambuo, 6 mezas, S. Jos ; con-
vulaoes.
Matheus Alve Ferreira, Pernambuco, 70 an-
uos, viuvo, Boa-Vista ; leso cardiaca.
Antonia Maria da Conceico, Pernambuco, 25
annos, casada, Boa-Vista ; tubrculos pulmona-
res.
Anna Rosa de Oliveira, Rio Grande do Norte,
31 annos, casada, Recife; tubrculos pulmona-
res.
Dr. Carolino de Lima Santos, Baha, 45 annos,
casado, Greca : ictericia' hemorrhadar.
Rufino Felippe Santiago, Pernambuco, 19 an-
nos, solteiro, S. Jos; tubrculos pulmonares.
Pedro, Pernambuco, 10 dias, S. Jos ; espas-
mo.
Adelade, Pernambuco, 1 anno, Santo Antonio :
e.itero oolite.
CHRONICA JDICIARIA
Tribunal da llel.i?o
SESSO ORDINARIA EM 11 DE MARCO
DE1887
PEFSIDEiCIA DO EXM. 8B. CON8KLHEIRO
QUINTINO DE MIRANDA
Secretario Dr. Virgilio Coelho
A's horas do costnme, presentes os Srs. desem
barga dores em nume ro legal, foi aberta a sesso,
depois de lida e approrada a acta da antecedente.
Ui-tnbuiJoj e pascados os feitos deram-se os
seguintes
JCLOlESTO
Habeas corpus
Paciente .
Jos Valeriano do Rgo Barreta.Negou-3e a
ordem, unnimemente.
Ke-'ursos eleitoraes
De uricuryRecurrente Benjamn Beltro de
Aleuaar, recorrido Mauoul Marinbo Faleao. R< -
lator o Sr. desembargador Oliveira Maciel.
Prejudicado.
De M iceiRecorrente Jovino Moyss do Rio
Maguaba, recorrido o juizo. Relator o Sr.lesem-
bargador liveira Maciel.Dan se provimento,
contra os rotos dss Sis. desembargadores relator
Tarares ds Vasconcellos e Pires Gongajves.
Recursos crimes
Do ReciieRecorrente Marcelino Goncal ves de
Azevcdo, recorrido Manoel Luz- dos Santos. Re-
lator o Sr. desembargador liveira Maciel. Ad-
juntos os Srs. desembargadores Buarque Lima e
Alves Ribciro.Nao se tomou conhecimento do
recurso, unnimemente, por nao ser caso delle.
De Palmares Recorrente o juizo, recomido
Manoel de Souza Teizeira. Relator o Sr. conse-
Iheiro Queiroz Barros. Adjuntos os Srs. des-
embargadores Delfiuo Cavalcante e liveira Ma
eiel.Oeu-se previmento, unnimemente.
Do Recife'Recorrente o promotor publieo, re-
corrido Nicanor Bandeira de Mello. Relator o Sr.
desembagador Pires Ferreira. Adjuntos os Srs.
desembarga lores Monteiro de Andrade e conse-
Iheiro Queiro? Basro*. Conrerteu-a3 o julga-
mento un diligencia.
Aggra-vo de petiyao
Do Recifa Aggravante padre Manoel Jos
Lrip-e da Miranda, aggrarado o consol de Portu-
gal. Relator o Sr. desembargador Ol i reir Ma- i
ciei. Adjuntos os Srs. dasemaargsdoree Delfini.
Claveteante e Tavarea de Vasconcellos. Negou-
se provimento, coutra o veto, em parte, do Sr- .
desembargador Tavarea de Vascoucellos.
Do RueifeAgsravsntes Pedrosa ee C, ag-
gravaia D. Florinda Gomes Pedrosa. fielator o
Sr. de-mbHTgdor Olireira Maciel. Adjuntos os
Do RecifaAggravante Jos Esoat, aggravados
Albino Amorim & C. Relator o Sr. desembarga-
dor Monteiro de Aodrade. Adjuntos os Srs. des-
embargadores lavares de Vasconcellos e conae-
Iheiro Queiroz Barros. Negou-se provimento,
unnimemente.
Prorogacio de inventaro
Inveutariaute D. Maria Honoria Martina.
Coosedeuaoo prazo pedido.
Appellaco commerciai
Do RecifeAppcllante Joo Holms, appellados
Caaemiro Fernandes & C. Relator o Sr. desem-
bargador Pires Ferreira. Revisores os Srs. des-
embar6adore8 Monteiro de Audrade e ^rea Gon
5aires.Dasprezados os embargos, innimemente.
Appellaces cireis
Da Afcigas-Appellante Dr. Manoel Vetorioo
da Costa Barros, appellado Jos de Barros Arau-
jo. Relator o Sr. desembargador Pires Ferroira.
Revisores os Srs. desembargadores Monteiro de
Au Irado e Pires Goocalves.Retermou-ae a eeo
tenca contra o voto do relator.
Do RecifeA apellante Mauoel Cardoso Jnior,
appellado Luiz Manoel Rodrigues Valenca. Re-
lator o Sr. desembargador Pires Goacalves. Re-
visores os Srs. [desem bargadsres Alves Ribeiro e
Tarares de Vasconcellos.Nao se tomou conhe-
cimento dos en.bargos de [fls. 186, unnimemente,
e toram Jesprezad-is os do appellante contra o ve-
to do Sr. desembargador Alves Ribeiro.
i'iiiimiiiMH
Do Sr. desembargador Buarque Lima ao Sr.
desembargador Toscano Barreto :
Appellacoes crimes
Do LimoeroAppellante Franeisco Antonio da
Silra, appellada a justica.
Do BuiqueAppellante Joo Martina de Oli-
reira, appellada a justica.
Do Sr. desembargador Toscano Barreto ao Sr.
Joeemaargador Pires Ferreira :
App'llayao crol
Do RecifeAppellante Dr. Manoel do Nasci-
mento Poutes, appellados o conselheiro Silrerio
Fernandas de Araujo Jorge e outros.
Do Sr. desembargador Olivera Micel ao Sr
desembargador Pires Ferreira :
Appellacoes crimes
Da Pao d'AlhoAppellante Francisco Antonio
Gomes, appellada a justica.
De GoyannaAppjllante Pedro, eacraro, ap-
pellada a justica.
Appellaco commerciai
Do Recifeapellante Autonio Ferreira de
Carralbo, appellada D. Francolna Maria dos San-
tos e seus filbos.
Appellacoes cires
De S. JoaAppellautes o juizo e Jos, Justi-
no, Hearique e outros escraros, appellado Fran-
cisco de Freitas Caralcante.
Do Cabo-Appellauto o coronel Francisco Ma-
noel de Siquera Cavalcante, appellado o Baro
de Ararpe.
O Sr. desembargador Oliveira Maciel como pro
motor da juetica ad hoc deu parecer na
Appellaco crime
De PalmaresAppellaote o promotor publico,
appellado Sergio de Siquera Campos.
Do Sr. desembargador Pires Ferreira ao Sr.
desembargador Monteiro de Aodr*de :
Appellaco crime
Do Catle do .ocha. Appellante o promotor
publieo, appellado Manoel Pedro do Nascimento.
Do Sr. desembargador Monteiro de Andrade ao
Sr. desembargador Alves Ribeiro :
Appellacoes crimes
Do Catle do Rocha Appellante Franeisco
Fluctuoso da Silva, appellada a justica.
Da EscadaAppellante Pedro Flix Antonio,
appellada a justica-
De Itamb Appellante Manoel Theotonio dos
Santos, uppellada a justica.
Do BuiqueAppellante Antonio Jos Ferre.ra,
appellada a justica.
Conflicto de jurisdieco
Entre os jui*es de orphos das comarcas de Ja-
boato e do Recife.
O Sr. desembargador Pires Goucalves como pro-
carador da corda e promotor da justica interino
deu parecer nos seguintes feitos :
Appellacoes crimes
De C.ruarAppellante Joo Joaquim de Me-
nezes, appellada a justica.
De Bom JardimAppellante o juizo, appellado
Ciernen ti n o Lina de Araujo.
Appellaco civel
Do Recite -Appellante Jos Soares do Amaral,
appellados os berdeiros de Francisco do Reg
Poates.
Do Sr. desembargador Alves Ribeiro ao Sr.
desembargador '.'avaras de Vasconcellos:
Appellaco crime
De Nazareth Appellante o jaiso, appellada a
justica, reo condemnado Francisco de Lyra Bar-
bosa.
Com vista ao Dr. curador geral e ao Sr. des-
embargador procurador da eora :
Appellaco civel
De Porto CalvoAppellaote o juiso, appellado
Constantino Gomes Ferreira, senhor do escravo
Antonio.
Cem vista s partes :
Appellacoes commerciaes
Do ReciteAppellaote Francisco Antonio de
Oliveira, appellados Bernet & C.
Du RecifeAppellantes Pereira Ferreira & C.
e Francisco de Paula Pinto, appellados os mes-
mos.
De PalmaresAppellante o major Antonio Pe-
regrino Cavalcante de Albuquerque, appellado
Carlos Liuden.
DISTRIBUI95E8
Aggravos de petico
AoSr. desembargador Alves Ribeiro :
Uo RecifeAgerravante Joaquim Antunes de
Oliveira, aggravado o juizo da orphos.
Ao Sr. desembargador Tavares de Vascoacellos :
Do RecifeAggravante Jos de Soasa Carrei-
ro> aggravado o juizo da provedora.
Appellacoes crimes
Ao Sr. desembargador Alves Ribeiro:
Do PenedoAppellante o juiso, appellado Jo-
i Aureliano de Mello.
Ao Sr. desembar .-ador Ta vares do Vascoacellos :
Do Ourieury Appellante o juizo, appellados
Rogaciauo Lopes de Maeedo e outros.
Ao Sr. conselheiro Queiroz Barros :
De^ GravatAppellante o juizo, appellado
Firmino Francisco dos Santos.
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
Do Plane Appellante Jos Themoteo Rodri-
gues, appellada a justica.
Ao Sr. desembargador Toscano Barreto :
Do CaboAppellante o juiso, appellado Flix
Anto.
Ao Sr. desembargador Delfino Cavalcante :
De Bom JardimAppellante Joaqaim de Albu-
que Gandra, ppellados Joo Barhosa da Silva e
outros.
Ao Sr. desembargador Oliveira Maciel .*
Do Traip- -Appellante o juizo, appellados
J010 Caetano e outros.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
De GaranhunsAppellante o juizo, appellado
o menor Jos, fiibo de Marcolina de tal.
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
Da VictoriaAppellante o juizo, appellado Pe-
dro Jos Goncalvea.
~ Denuncia
Ao Sr. conselheiro Queiroz Barros :
De Antonio Nunes Cajarana contra o bacharel
Altino Rodrigues Pimenta, chefe de polica de
Alagdaa.
Appellacoes civeis
Ao Sr. desembargador Tarares de Vasconcellos :
De Ar-mApp-liante o juizo, appellado Fran-
cisco Airares da Oliveira, senhor do escravo Ma-
noel Vicente.
Ao Sr. conselheiro Queiroz Barros :
Da Nazareth Appellante Claudico Barbosa da
Rocha Lima, appellados Joaquim Cavalcante Pina
e Joo Cal-aleante Piae.
Eucerrou-se a sesso as 3 horas^da tarde.
pbalo, Da ausencia de seu amo a pnrtir para
luropa, era o rompimeoo com os-Srs. Luis Fe-
BBsT A- de Siqaeira, Ulysses Vianna e todos os
Troeraes escrarocratas de impossivel converso sob
a gloriosa bandeira do aboiieienissso em qae o Sr.
Nabueo intransigente oda fedesaca, d'oude s-
pera a si. Iva cao do povo brasileiro.
A tudo o rei do norte sujeitou-se, vindo falla a
chamado de seu poro, tribuna, de re e candidato
ao imperio, frsMw/erwajido e em camnridor de or-
dens do Sr. Nabueo, deixando se aasim montar por
elle, seu hucephalo, renunciando p ir tanto aquellos
altos ttulos, aquelles altos graos.
Mas ainda presente o amo, cerno o rei bucepha-
lo comeca a oampanha do abolicionismo, da federa-
?o [dos lioeraes, da idea contra os liberaes da
paaca?
Muitos das nao sao paesa los daquelle solemne
compiomlsso, e o orgam do rei bucephalo, a i'ro-
v'mcia rompe eai om estrondoso, pomposo elogio ao
Sr. Luiz Felippe, o ditinct> chefe do liberal par-
tido de quern tudo se espera em bem deste poro,
como por estes ou outrus termos se exprime o tal
orgam de tal paitdo.
E o Sr. Nabueo nao v isto ou finge nao vl -.
e ainda rem aa sua segunda centerenca cem a
sua idea da confede. aco, cujo projecto por tantos
collegas seus e deputados outr'ora, foi assignado.
Dessa rez, porm, nem o rei bucephalo rem
falla, nem o sea poro e chama !
Como isto, pois, em que ficamo9,com que cun-
ta o Sr. Nabueo ?
Ab meu charo doutor bem sabe eomo eu o
aprecio e estimo, e per isto o lamento. A sua pa-
larra pouco compararel entre os contemporneos,
os seus sentimentos patriticos, lancam aqu se-
mentes que nao brotam, por qae cshem s^bre duro
lagedo. Vo oavil'O por sus eloquente palarra,
como se concorre ao theatro a ourir um granda
cantor. Nao ha quem se preocupe de idea algo-
ma, nem mesmo do abalielonismo, que s exlten-
se sob os auspicios do governo.
Aqu tudo governo, por que s ba urna idea,
=po que s o governo pode dar a gente adaca-
da, nesta trra sem industria fra do commercio,
que nao nosso, nesta trra de miseria.
O seu bucephalo nao como o de Alexandre que
s po' elle se deixava montar. Se elle emquanto
homem tinha maahas nao as perdeu, tranforma-
do em bucephalo.
Se nao andar com muito cuidado para saltar f-
ra de aeu dorso no momento do penga, elle o atira
lama, se disto tirar algum patritico proveito,
patritico ao modo de nossa trra.
O 8' u bucephalo, Sr. Nabueo, nao se drixa mon-
tar por todos (porque enlo nao seria bueepbalo),
mas nao ha nm s Alexandre para elle. Em um
instante o Sr. Nabueo o monta, e elle com toda a
bumildade o recebe em seu costado, fazendo, todo
atrapalhado mil protestos de guerra contra os li-
beraes da panca, e em pouco esta guerra comeca
por um cortejo estrondoso ao inimigo. Nao x o
Sr. Nabueo, que nao podia ser de outro modo, sen -
do elle o primeiro pancudo, o primeiro patriota
moda de nossa trra ?
Nao, Sr. Nabueo, nao ha aqu idea que preste.
Nem abolicionismo quando o governo o nao aopra,
nem federaco monarebica, que nao d pao nem
patota ; nem mesmo a repblica, onde todos sao
republicanos e niuguem quera repblica.
Aqu nao ha homem sem homem, Sr. Nabueo, e
por isto V. Exc. e foi deputado quando homem
quz e depois quando o Sr. Rogoberto brigou com
os seus.
Nerr idea, nena palavra eloquente d triumpho,
alm dos applausos e admiraco.
) eleitor ,|uer emprego ou etoprego melhor, ou
cargo. E' preciso ir casa d'elle e pedir, rogar,
metter empenho, ou fazer se irapor pelo chefe
nao chefe pela idea, mas chefe que da emprego.
A's suas conferencias, Sr. Joaquim Nabueo, nao
vai nem a terca parte dos eleitores, e os que l
vo para ouvir a bonita palavra, mas nao para
apreciar a ida.
A federaco, pois, nao far partido, nem idea
alguma com que se possa tentar a propagauda.
S ha urna idea que latente no sentimento de
todos, que a de nacionalisar o commerci, pelo
qual se escoam pura o estrangeiro todo o sueco
do trabalho desta trra, d'onde resulta a miseria
geral, a falta de todas as grandes e pequeas in-
dustrias, a falta de meio de vida a toda a gente
mais ou menos educada, a gana aos empregos p-
blicos, a neepssidade de cralos e multiplical-os.
a vasta ladroagem que pollula de todos os lugares
desta trra.
Mas aquella idea, se toca a todos os sentimentos.
falta ao poro a creucada possibilidada da sua rea-
11 sacio, e aos homens da palarra a foica para
afrontar as potestades ou a crenca na rerdade da
cousa.
Na nossa trra s sao possires os dous partidos
liberal e conserrador, ha muito tempo iguaes em
tudo e por consegu uce em iia nem pi inc:pio.
orno duas companbias de iateressea mutuos, am-
bas com o fim de explorar, cada um por ana vtz, a
nao do Estado.
E' s o que rale a pena seguir, um destea
dous partidos indifferentemente, especulndole
smente a respeito do meio e do ensejo por onde
se possa achar melhor entrada.
Obedecer ae ebefe pura ser chefe, ou do parti-
do ou da fraeco, ou sesso do partido, do logar,
segundo as conuicoes, forcea e aspiracoes de cada
un>; ter ou tomar homem para ser homem, da
constante pratica.
Se seguro interesse aconselha, pde-se sabir de
um para o outro partido com armas e bagageu?,
porque ellas lhe pertencem e depois tornar a pas-
ssr-se se for do patritico interesse do cada um,
de positivo patriotismo, no que nao ha desar al-
gum, pois alm doerrare humanum est, os nossos
dous partidos nao ao mais que duas companhias
de iuteresses mutuos, e se a nbos sao de igual mo
ralidade ou immoralidade, nao pode soffrer critica
seno dos inrejosos, aquelles que procurara seu
melhor interesse em um ou outro dos nossos dous
nicos renes e patriticos partidos.
Nao cont, pois S, Exc. com a lealdade de seu
bucephalo, que, j esmorecido com a sua candida-
tura ao throno do imperio, se deixar mais um
poucc seriamente car ilgar pelo Sr. Luiz Felippe
que est em posicio de lhe franquear largos hori -
sontas, pelos quaes o mea ex-re possa expandir o
seu grande patriotismo a moda da trra, no qual
elle alias o modista de maior forca.
Recife, 10 de Marco de 1887.
Affonso d"Albuquerque Mello.

Srs. desembargadores Pires Ferreira e Toscano
piiimcwes a mroo
O Dr. fos Harianno
XXII
Vira o que?...
Morra o qae?
' tudo duvidoso.
Est tudo obscuro.
Niuguem se entende, nem se sabe em que se cieia.
O re d> norte, candidato unieo e infallirel ao
throno do imperio, como se julgara Massaniello e
com .ella todos os seas dedicados, deixou-se ceval
gar pelo Sr. Joaquim Nabueo em pleno auditorio
de uro m nenio eommissio popular, transfermar-se
de re do norte em rei bucephalo.
A'cainpauha que devia commandar o ex rei, ora
Aos incrdulos
O abaixo assignado, atiesta e jora, 3a
for preciso, que aoffreu muitos meses de
rheumatiami), jomejado no pesclo e que
em ponco tempo estendeu-se por todo o
corpo at os ps, ficando entrevado e ser-
vido por outras pessoas : tratou-s* com es-
mero sem poupar nada, e, j desanimado
cora o muito soffrer sem esperanca de sa-
rar, resolreu tomar o Anti-rheumatico Pau-
listano, especialidade do pbarmaceutico
Laiz Cari is d que telicidade! ha mais de
quatro roezes que no sent o mnimo in-
oommodo! Desejando que o bem chegue
para todos, o motivo real porque d esta
attestado.
Joaquim Diniz Volis.
S. Carlos do i'itihal, 22 de Dezembro.
de 1885.
Depositarios Francisco Manoel da Silva
$ C, droguistas, ra Mrquez de Olinda
n. 23-
N. 4. Todos os ue tm tomado Emuls&o
de S'jott, reconhecem a sua superioridade
sobre os outros remedios empregados at
hoje para a cura da tisica pulmonar, escr-
fulas, racbitis, anemia e debilidade em ge-
ral. As suas rirtudes sanativas e reoonsti-
tointes sao maravillosas.
Espero que nao faltes amanhS (13)
ao espectculo no Isabel!... Eu l
estarei, p> ra admirar mais atten-
tarnente, as tuas gregas e encantos
{ >raturae8 !
Recife, 12 de Marco de 1887.

i

'*
V '
"-*
/


I

I

U*v '

-
r~S^'


Collegio Meira
Esta collegio abra tau aulas desde o
dia 15 de Janeiro prozimo passado.
Eosinam-se nelle todas as materias que
ctMMtUuem o curso preparatorio as t'acul-
dades do Imperio, sondo o pessoal docente
o mais habilitado que se pode desejar.
Contina a funecionar a aula primaria,
qae poder receber alumnos da mais ten-
ra idade, pois dirigid por duas filhas do
lirector, das quaes un. alumna do tor-
30U0 auno da faculdade di direito do Ri-
Cfe.
Do dia 1." de Margo ero diante abrir se-
ba urna aula da lingua allemS, eno que se
ensinar a traduiir e a fallar essa lingua.
O professor respecjivj ser o Sr.- Alger
son Silney Sshiefler.
Os estudantes, que quizerem frequentar
ceta aula, pagal-a-bio separadamente da
iDcnsalidade do collegio.
O director do collegio seiba espera o
mais decidido apoio dos pais de familia,
' que deiejam o real apro* eitamento de seus
oS) poia que tatu sempre tido por pro-
gramla dar aos alumnos, que lhe sao con-
fiados urna verdadeira iustruccao a par de
ama boa educag&o moral.
O resultado dos exames feitos no fin
do anuo passado o eloqueate attestado
em favor do COLLEGIO KEIRA.
Dos dezenove alumnos que foram sujeitos
a exame, apenas dous foram mal sucedi-
dos.
Rfc.ebem-se alumnos internos, meio-pen-
Kiouiatas, e esteraos.
Ra da Imperatriz n. 63 2.- andar.
Rscife, 26 da Fevereirode 1887.
O director,
Aicencio Minervino Meta de VasconceUos-
Aa jovens que vem tossir seos queridos avs
com dolorosos acceasos de aetiima, sem saber como
aluvial-os, estimarlo sem duvids, saber que me-
diante osCigarros Indios de Grimault & C.,o
taque cesea em pouco tempo, pois estes cigarros
alo compostos com o cannabis indio, a planta
mis efficas as enfermidades das vas respirato-
rias.
Agradavel no tic a para os que
solrem
N> soffre maia centestaco o? bons resoltado
da electricidad, e por isto bem antorisados expo-
moa a venda com a maior confianca os bera co-
nuecidos anneis elctrico cfpeeiaes para oevralgiaa
enxaquecas, os quaes vruJem-se a 44000 os dou-
rados e a 24*00 os nickelsdos.
Tambem as prodigiosas medalhas elctricas que
teem feito grande revoluco no mando civilisado
E pira ns innocentes enancas um indispensavel
colar elctrico para facilitar a dentico. Realmente
um martyro para as carinhosas mies quando
veem as pobres enancas estorcerem-se na mais
homvel ddr das convulcoes. Deve-se prevenir o
mal antes 'elle vir.
Vendem-se na casa de confianca de Pedro
utunen A C.
63 RA DO DUQUE DE CAXIA8 63
idvogado
O bacharel Julio de Mello Filbo tero o
sea eseriptorio de advocada roa Primei-
ro de Margo n. 4, Io annar, onde pode
er encontrado drs 10 horas da marina a
3 da tarde-
> de PernambacoSabbado 12 de Marco de 1
BrpreBdeaa malla a~eate t () Todos estes bens to vendidos para pagamento
O acreditado negociante o Sr. Emygdio Pinto das execucoee da fasenda nacional contra os seos
Oliveira, agente consalar de Portugal, resi-
dente em Santa Victoria, Rio Grande do Su!, re-
raettea ao descobridor do PeUora'' de Cambar
Sr. 8. Soares, ama importante declaraco assig-
nada pelo Sr. Vasco Jos Pereira d'Avilla, que
ha longos annos soffria de ama grave enfermida-
de pulmonar, sem ter mais esperanza de corar-se
ltimamente, aggravando-ae seas soffrimentos,
recarreu aquello precioso mdicamente, e nao foi
preciso mais qae alguna frascos para o corar ra-
dicalmente .
Este prodigioso resaltado, qae sorprenden a
omita gente, corre divulgada em todos os folhetos
annezos a cada frasco do peinral de Cambar.
Uoicoa agentes e depositarios em Pernambaco,
Francisco Manoel da Silva & C, roa Mrquez
da Olinda n. 23.
Dr. Guillo Me
BUna do BarSo da Victoria a.
14. andar
A proprieta na deste estabelecimento, j bastan-
te coahecido pelos trs balboa all ejecutados com
meatra e boro gosto, como tambera pela Ibanesa e
cavalbeirismo qae costama-se dispensar qaelles
qae dignam-Be de honral-o com a saa visita e
confiaaca, previne ao publica qae, com a aeqiiis-
cao que fez de machinas as mais aperfeicoadaa,
est o mesmo estabelecimento em candicoes de
tirar retratos inalteraveit por precoa inferiores
aos dos que teem ltimamente viudos dos Esta-
dos -Unidcs, e assim qae um retrato de meio ta-
manho natural tira-se pelo custo de 154000.
O atelier. modificado e reformado como acaba
de ser, tornou-se o mais perfeito possivel para ilis-
trbuico de luz, de modo qae pode-ge trabalhar
sempre, com bom eu mo tempo, de 9 horas da
man ha as i da tarde.
A.essas crcnmitancas acerescc ser o pessoal
lechnico habilitadissimo e delle fazer parte o pho-
tographo-heepannol D. Joaquim Cnulas de Cas-
tro que trabalbou nos meibores estabelecimentos,
desse genero, em diferentes paizes da Europa, e
a respeito de quem j" os diversos joraaes desta
provincia trataram.
Do qae fica dito v-se que est o referido esta-
belecimento em condicoes de exeoutar com pericia
quaesquer trabalhos de photographia.
All encontrar-se-ha sempre ezpostas venda
grande numero de vistas de alguna edificios
pblicos, pracas, ras desta cidade u seus arra-
baldes.
Preparatorios
O abaizo assignado, antigo prcf >ssor do colle-
gioBoa Jesso mais acreditado de Algoas,
lecciona nesta cidade em casas de particulares oo
na sua residencia. Pode ser procurado na ra da
Concordia n. 73.
L. La venere W-
EDITAES
dedico, parleiro e operador
Bedeneia ra Bario da Victoria n. 15, 1 andar
Consultorio ra Duque de Caxias'n. 59.
DA consultas das 11 horas da mano* as 2 da
tarde.
Attende para os chamados a qualquer non
telephone n. 449.
GOMMERCIO
Bla eommerclal
COTACOES OFFIC1AES DA JCXTA DOS COB-
KECTORES
Rtcife 11 de More de 1887
Letras hypothecarias do banco da crdito real de
Pernambuco da 2a serie,
1004 a 92*000 cada orna,
ifescoute ae letras, 10 U/0 ao anno.
do valor de
Ka hora da bolsa
Venderam-se :
36 letras hypothecarias.
0 presidente, >VJ
Antonio Leonardo Rodrigues.
O secretario,
Eduardo Dabeux.
Hoilmenio banrarlo
BXCirE, 11 DE MABCO DE 1887
Os bancos abriram hoje com a taza de 22 1/8 d.
obre Londres, qae hontem haviam adoptado.
Cerca de 2 horas da tarde, porm, estabelecea o
London Bank a taza de 22 3/16, conforme a ta-
tabella qae abaizo se v.
O Enghsh Bank manteve a meama taza de 22
J/8.
Fcram estas as tabellas :
Do London Bank :
Sobre Londres, 90 d/v 22 3/16 e vista 2115/16.
Sobre Pars, 90 d/v 428 e vista 432.
Sobre Hamburgo, 90 d/v 531 e vista 530?
Sobre Portugal, 90 d/v 240 e vista 242.
Sobre Italia, vista 432.
Sofcre New-York, vista 2*280.
Do Engliih Bank:
Sobre Londres, 90 d/v 22 1/8 e viata 21 7/8.
Sobre Paria, 90 d/v 429 e vista 433.
hubre Italia, vista 433.
rtobre Hamburgo, 90 d/v f 32 e vista 538.
Sjbre New-York, vista 2*290.
Sobre Lisboa e Porto, 90 d/v 240 e vista 243.
Sobre as priucipaes cidadea de Portugal, vista
248.
Sotare liba dos Azores, vista 251.
Sobre liba da Maueira, vista 248.
creado de assacar c Igodo
BZCIPE, 11 DE MABCO OB 1887
antear
As entradas continuaran! a ser regalares.
Os precot, pagos ao agricultor, nao soffreram
MCeracia, regulando anda a seguate* tabella :
baizo, por 15 kilos, de 2*000 a 2*100.
-;. regular, por 15 kilos, de 2*100 a 2*200.
-! boa, por 15 kilos, de 2**00, 2*300 e 2*400.
: superior, por 15 kilos, de 2*500 a 2*600.
i (canco turbina palveriaado, por 15 kilos, de 2*300
a 2*400.
S ..ceos, por 15 kilos, de 1*600 a 1*700.
.Mascavado, por 15 kilos, a 1*200 a 1*300.
ilruto, por 15 kilos, de 1*100 a 1*200.
Kciramoi. por la kilos, de 840 a 1*000.
O mximo ou mnimo doa tuecos sao obtides
vnforme o sortiineuto.
.1 uizo dos feilirS da fazenda
nacional
E8crio&o Reg Barros
Perante o Sr. Dr. juis substituto dos feitos da
fazenda se vendeao em praca publica no dia 18
do correntc, depois da audiencia, ot bens segua-
te :
Urna casa terrea n. 15 sita nos Coelbos, fregue-
za da Boa-Vista, per'encent a Luiz Antonio Pe
reir, avaliada por 1:5 '0*000.
Um dita tambem terrea n. 10 sita no becco do
Espinheiro ra de Nunes Machado, freguesia da
Graca, pert^ncente a Marcelino da Silva Lima,
avallada por 400*000.
Duas dita pequeas ns. 26 e 28 na traveasa do
Bandeira e ra Imperial, freguesia de S.Jos, edi-
ficadas no terreno lorein de inarmha u. 169 A, per
tencente a Manoul Cypriano Perreira Rabello, ava-
hadas ambas por 200*000.
O dominio til do terreno da inarioba n. 169 sito
tua Imperial, travesa do Martina da f.eguezia
de S Jos, eutr'ora perte.icente a Francisco Jos
Martina da C ista e hoje viuva de Thomaz An-
tonio Coimbra, avaliado o dito dominio til em
120*000.
Urna casinba com um terreno ao lado, o. 304 na
ra Imperial, tregaeaia de S. Jos, seado o terreno
da casa foreiro de mariuha com a nameacao de
224, pertenceiite aos herdetros de Zeferino Amaro
dos Prazeres e avahados o terreno ao lado e a co-
sinha em 250*000.
Encuna ingleza Nelly Harlasad
Se hoje, com o seguinte carregamento para
Porto-Alegre:
1,070 saecus com assucar branco.
40u ditas com dito inascavado.
Kniradaa de aaancar e aigodo
MBS DE MABCO
posauidores cima indicados.
Eecife, 5 de Marco de 18S7.
O solicitador,
. Luh Machado Botelho.
luizo dos feitos da fazenda Ma-
elosial
O eicrivSo Reg Barros
O Dr. Jos Manoel de Frailas, desembar-
gador honorario, official da imperial or-
dem da Rosa e juis privativo ,dos feitos
da faseada desta provincia de Pernam-
buco, etj.
Fac> saber a todos qae o presente virem e
aelle liverem noticia que no dia 18 do correte
mez pelas 11 horas da manh, depois da audien-
cia e 'perante cate juizo se vender em praca pu-
blica a casa terrea n. 3, sita ra do Livramen-
to, perteneente a capaila de Nossa Senhora dos
Prazeres de Onararapes, avahada por 4:50*006,
peohorada para pagamento da fazenda nacional e
custas.
E para constar mandei publicar o presente
edital.
Becife, S da Marco de 1887.
Eu, Jos Francisco do Reg Barroa, escrivo o
escrevi.
'__________________J MdeFreat.
O Dr. Julilo Tenorio de Albuquerque, juis
municipal e do commercio do termo do
gnito, par Saa Magesfade o Imperador
a quem Deas guarde, eto.
Faco saber aos que o presente edital virem e
delle conbecimento tiverem que fiado os das da
le ser levada a praca por arrendamento de 5
annns oengenho de fazer assucar denominado Gu-
landy sito ueste termo, moente e corrate com to-
das as suas pertencas, mattas, serradores, etc., e
pertenceote a Antonio Francisco da Silva Vital e
sua mulber, sendo a renda annual de 300*000,
contarme lora avaliada, porezecaco commercial
que contra as mesmas move e ueste juizo Joo de
Asevedo Pereira, para pagamento da qoantia de
6:197*728, valor do meama czecucao; devendo os
pretendentes comoarecerem competentemente ha-
bilitados com es seus fiadores.
E ai apparecendo licitantes ser arrendado
com o abatimento da le. *
E pira que chegue ao conhecimento de todos
m-ind-i pasear o presente, que vai por mim assig-
nado, affirado no lugar do costme e publicadj
pela imprensa.
Dado e pispado nesta vi'la do Bonito, aos 4 de
Marco de 1857.
Subscrevo e assigno o escrivo Sergio Clemen-
tino de Souti-m.ior e Albuquerque no impedi-
mento do escrivo coirpanheiro.
Jolio Tenorio de Albuquerque.
Estava sellado oom urna estampilha de 200 ris
lefraknento inutiliaada.
E mais se nao contiuka era dito edital aqui bem
e fielmente copiado do proprio original ao qual me
reporto e don f.
Snbacrevo e 9sigoo. Bonito, 4 de Marco de
18S7. O escrivo, Sergio Clementioo de Sonto
Maior e'Albuquerque, no impedimento" do escri-
vo couipanheiro.
O Dr. Jos Antonio (Jorreia da Silva, juiz
de direito do civel da comarca de Olin-
da, por Sua Magestade o Imperador u
quem Deas gusrde, etc.
Paco saber aos qae o presente edital virem ou
delle noticia tiverem, que por parte de Prente
Viauna & C, me foi dirigida a petico do thoor
seguinte :
lllm. Sr. Dr. juiz de direito do civel.Prente
Vianna & C, credores hypotliecarios (ie D. Joa-
quina Rodrigues de Moraes por si e coma succes-
sora de sua filha D. Hara Francisc-i de Paula
Moraca e de Francisco Xavier de Moraes que se
acha ausente em logar incerto e nao sabid >, pela
importancia de 3:(i00*00. alm dos juros, confor-
me consta da escriptura publica que se acha jau-
ta aoa aotos de seqnestro feit.> no predio hypofhe
cado, escrivo Dr. Caldas, requereui a V. 6 que
se digue mandar citar os supplicados para dentro
de 10 das, qui lbe sao aasignados na pnmeira
audiencia, allegarem ai ezcepcoes e def-:za que
tvemri e os relevem desse pagamento, sendo, no
caso cvntrario condeinuados a pagarem a qoautia
indicada com os juros e custas ; e fcan lo Ligo ci-
tados para toJs os termos da aceao, al final, sob
pena de revelia.
Otirrosim, reqoerem os supplicantes' quj seja
destribuida por ueptuiicueia do escrivo Dr. Cal-
das e qae se proceda a justificaco da ausencia do
supplicado Francisco de Moraes para ser citado
por editos.
Farinba de mandioca (litro)
Fumo restolho (kilo)
Geuebra (litro)
Mel (litro)
Milh-j (kilo)
Tabeados de amarello (duzls)
050
400
200
040
040
100*000
Pedem a V. 8. deferimento.E. B. Me.
Olinda, 2 da Marcj de 18S7,Eaieva de Oli-
veira.
Estava sellada na forma da lei. ;
E mais se nao continha em dita petioio aqui
copiada, depois deo-se o despacho do theor se-
guinte :
Destribuida. Como requer, designando o es-
crivo dia para a jastificac.n
Olinda, 3 de Marco de 18S7. Corroa da Sil-
va.
mais nao se confiaba cm dito despacho aqui
b;in e fielmente copiado.
Depois do qae se va a destribnlco do theor
seguinte :
A Dr. Caldas. Olinda, 3 de Marco de 1887.
O destribuidor interino, Demetrio Amorim.
E nada mais continha dita destriboico, aqui
bem e fielmente copiada.
Depois do que se via a certido do theor se-
guinte :
Designio da 4 do corrente para a inquirilo
das testemunbas do juatifi;anto.
Olinda, 3 de Marco de 1887. Em f de vera-
do. O scrivo, bacbarel Francisco Lina Cal-
das.
Nada mais continha dita certiao aqui bem e
fielmente copiada.
Depois do qoe leudo os justificantes produzido
suas testemanhat, qoe depjzeram conveniente-
mente acerca de allegado na petico aqui tran-
scripta o respectivo escrivo fes sellar e preparar
os autos, qae conclusos, profer a sentenca do
theor seguinte ;
Vistos. Julgo provada a ausencia do justifica-
do em lugar incert i e m-nidi que seja cicado por
edital, com o praso de 30 das, como foi requerido
a folhas.
Custas ex-caosa.
Olinda, 7 de Marc> de 1887. Jcs Antonio
Cjrreia di Silva.
E nada mais eontinha em dita sentenca aqui
bem e fielmente copiada e transcripta dos men-
cionados autos, e por torga da mesma e respectivo
escrivo fez pasear o presente edital, -pelo qnal e
eeu theor, chamo, cito .; hei por citado o referido
Francisco Xivier de Moraes para no praso de 30
dias comparecer ante este este juizo, por si ao
por seo bastante procurador allegando e provan-
do todo qoanto fer a bem de sea direito e jas-
tica.
E para qae chegoe ao couhecimento de todos,
mandei pasear o pres-nte edital qae ser publica-
de pela imprensa e affizado no lugar do costu-
me.
Dado e passado nesta cidade de Olinda, aos 7
de Marco de 1887.
Eu, bacharel Francisco Lins Caldas, escrivo,
o subscrevi.
Jos Antonio Correia da Silva.
O Dr. Thomaz Grarcez Paraohos Montenegro,
commendador da Imperial Ordem da Rssa e
jais de direito especial do commercio desta ci-
dade do Recife capital da provincia de Per-
nambuco, por S. M. o Imperador, a quem Deus
guarde, etc.
Faz saber aos que o presente edital virem oo
delle noticia tiverem qae por parte de D. Arceli -
na Xavier Carneiro Campello, lhe foi dirigida a
petico do theor aegoiate :
lllm. e Ezm. Sr. Dr. juiz de direito especial do
commercio.D. Arcelina Xavier Caroeiro Cam-
pello, credora de Francisco Tonmaz de Barros
Campello, Antonio X*vier Rodrigues Campello e
Joaquim Tbomas de Barros Campello acuitantes
da letra junta na importancia de 500/ ; e porque
esteja a prescrever dita letra quer a suppli jante
protestar para interromper a preacripcao toman
do-se por termo o seu protesto, que ser, intimado
por editaea aos snppiicados visto se achar m em
lugar incerto e nao sabido. Requer portante a
V. Eze. que se digno de marcar dia e hora para
justificar a ausencia dos suppHcadoa e feita a ci-
t cao seja entregua a supplicante a letra junta fi-
cando copia. Pede a V. Eze. deferimentoE B.
Me. Recife, 5 de Marco de 1887__Jos Lago.
Sellada legalmente.
E' o que se continua rm dita petifo na qual
lia-se o despacho seguinte :
Como pede, designando o escrivo dia. Reci-
fe, 7 de Mar^o de 1887. Montenegro.
Em virtade do despacho fra futa a distribui-
co do theor seguinte :
A Ernesto Silva.Oliveira.
E' o que se continha em dita diatribuico aqui
copiada, depois via-se o termo dj protesto do
theor seguinte :
Aos 8 de Marco de 1887, em mea cartorio, pe-
rante mim e as testemauhas afra assignadas
comparecen a supplicante por mu procurador Jo-
s Lago e por este foi dito que reduzia a termo
o protesto constante da petico retro, que ofiere-
cia como parte d-fte, em que assigna. Eu, Er-
nesto Machado Freir Pereira da Silva. Jos
Ignacio* PailDa 4 Lago.Antonio Barbosa Cor-
deiro.Iunocencio Garca Chaves.
E mais seno continha em dito termo de pro-
testo, depois via-se qoe tendo a justificante pro-
duzido suas teatemuohas, que deposeram conve-
nientemente acerca do allegado na petico aqui
transcripta; o respectivo escrivo faseodo sellar
e preparar os autos me os fel-os conclusos qoe
nelles via-se a sentenca aegninte :
Vistos. Hei por justificada a ausencia em logar
incerto dos justificados e mando que eliei sejam
intimados poreditaes como prazo de 30 dias do
protesto de folhas para iaterropco da prescrip-
co do titulo de tolhas. Custas ex-caosa. Reeife,
8 de Marco de 1887. Tbomaz Garcez Prannos
Montenegro.
E mais seno continha em dita sentenca aqui
bem copiada. Em vista da mesma o respectivo
escrivo fez passar o. presente edital pelo qual e
sen theor chamo, cito e hei por intimados os jus-
tificados ausentes para que comparegam ante esto
juico dentro do praso de 30 dias, allegando e pro-
vrndo tudo qaanto f6r a bem de seu direito e jus-
tica.
E para qae chegae ao couhecimento de todos
mandei passar o presente edital qoe ser publica-
do pela imprensa e afiizados nos lugares do cos-
tume.
Dado e passado nesta cidade do Recife capital
da provincia do Pernambaco aos 8 dias do mez
de Marco de 1887.Subscrevo e assigno-Ernes-
to Machado Freir Pejeira da Silva.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
O Dr. Joaquim Correia de Oliveira An-
idrade, juiz de direito privativo de or-
pililos e auseotes, nesta comarca do Re-
cife seu termo, por Saa Magestade Ira
perial o Constitucional o Senhor D. Pe-
dro II a quera Deus Guarde, etc.
Faco saber aos qne o presente edital virem oo
delle tiverem couhecimento que no dia 15 do cor-
rente, depois da audiencia deste juizo, na respec-
tiva sala, ir a praca para ser arrematada por
quem mais der urna casa de tapa, sita a roa da
nw-riz de Bberibe, n%36 do valor de 1:000*, que
servir de base ao preco da arrematsco.
E vai a praca a reqaerimento de D. Thereza
Emilia d Sonza Gomes viuva do finado Eustaquio
Antonio Gomes.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa e affizado no lagar do costnme.
Dado e passado nesta cidade do Recife, capital
da provincia do Pernambuco aos 7 de Marco de
1887.
Eu, Manoel do Nascmento Pontea, escrivo o
subscrevi.
Joaquim Correia ce Oliveira Andrade.
BEGLARACOES
sacos
Barcaeas.....
Estrada de ferro de Olin-
da ......
Estrada de ferro de Ca-
ruar .....
Animaes.....
Estrada de ferro de S.
Francisca .
Estrada de ferro de Li-
moeiro.....
1 4 10
1 10
l 10
1 11
I 8
1 8
i J
25.209
2.200
3.812
3.860
17.992
2.904
56.007


1.700
2.266
57
2.460
1.274
1.562
9.319
Aloodao
Eara artigo con'ioa a ter otado a 0*300 por
!.' kilos, o de Pernambuco e boas procedencias,
< iu ierra.
Paiarho axIleaaM VilbeMn Josepb
no hontem ir. drstijo a Montevideo, para
onde levou a carga seguinte :
' saces* um assacar branco.
litas am dito dito.
.tas son dito dito.
Calielro despachantes
No praso de 15 dias, contados de 9 do correntc
mez de Marco, os caizeiros despachantes da Al
tandega devem apresentar-se na 3.a scelo dessa
repartico, afim de renovarem suas flaneas, sob as
penas do art 163 da consihda^o das lea das Al-
fandegaa e mesas de rendas.
Banco te Crdito .Real
A' 15 do corrente mes de Marco, ao meio dia
e em ama das salas da Associacao Commercial
Beneficente, devem reonir-se os accionistas do
Banco de Crdito Real de Pernambuco, em aasem-
bla gersl, para o fim de tomarem conhecimento
do relarorio das operacoes do mesmo banco no au-
no findo em 31 de Dezembro e do parecer fiscal, e
procederem elcico da nova commisso fiseal e
dos presidente, vice-presidente e secretarios da
assembla geral.
Xotaa do Ttafssuro dilacerada*
O recolhimeoto de notas dilaceradas est sendo
feito na Thesonraria de Fazenda, as tercas e
seztas-feiras, das 10 s 12 horas da manh.
JsalItBscsao de saetas do Theoonro
Em 31 do corrente mez termina o prazo mar-
cado para recolbimento, sem descont, das notas
de 2*000 da 5' estampa, 10/000 da 6 e 5*000
da 7.
A substituido est sendo feita na Thesourana
de Fazenda, nos dias otis, das 10 a 12 horas da
man ha.
Pauta da Airandega
SkMOA DS 7 A 12 DE MABCO DI 1887
AIcool (litro) 218
Algodo (kilo) 343
Assuear refinado (kilo) 151
Dito branco (kilo) 131
Dito mascavado (kilo) 067
Borracha (kilo) 1#26S
Cacao (kilo) 400
Cachaca (litro) 077
Caf bom (kilo) 460
Cafrestolbo (kilo) 320
Carnauba (kilo) 366
Careos de alrodo (kilo) 014
Carvo de pedra de Cardifi*(toa) 16*000
Coaros secse e pichados (kilo) 585
Ditos salgados (kilo) 500
Ditos verdes (kilo) 275
Importadlo
Barca dioamarqneza Ariga, entrada de
Cardiff, eos 11 do correte, e consignada
a J. Pator <& C. manifeatou :
Carvao de pedra 591 too&lladas or-
dem.
Barca noroeguense^ Chrittian Scriver,
entrada de Cardiff na mesma data, e con-
signada a Wilson Sons & C, manifeatou:
Carvao de pedra 913 tonelladas or-
dem.
Cter nacional Rogerio, entrado do Rio
Grande do Norte, em 11 do corrente, e
consignado a Manoel Joaqnim Pessoa, ma-
nifestou :
Assucar 300 soceos a Pereira Carneiro
4C.
Cter nacional Jaguarary, entrado do
Rio Grande do Norte, em 11 do crrante,
consignado a Manoel Joaqnim PesBoa, nia-
nifestou :
Assucar 500 saceos a Pereira Caroeiro
d c.
Eiportaco
SBCtn 10 Da MABCO DE 1887
Paro o exterior
No vapor ingles Armndole, earregaram :
Para Liverpool, Rodrigues Lima & C. 619 sac-
cas com 41,830 kilos de algodao.
Na barca noruegaense Vega, earregaram :
Para Liverpool, Borstelmann & C. 500 fardos
com 36,181 kilos de algodo.
Na barca inglesa Dunstqffnage, earrega-
ram :
Para Baaton, J. Pater & <"!. 3,000 saceos com
225,000 krWa de assucar mascavado ; Julio & Ir-
mi 200 sacos com 15,000 kilos de assucar mas-
cavado.
Na barca noroegaense Ogir, earregaram :
Para New-York, J. S. Loyo & Filho 398 saceos
com 29,850 kilos de assacar mascavado ; F. Cas-
can & Filho 304 saceos com 22,800 kilos de assu-
car mascavado.
Na barca norueguense Etkuridasund, earre-
garam :
Para o Bltico, Borstelmann & C. 300 tardos
com 56,689 kilos (Cd algodo.
= Na barca inglesa Beta, earregaram
Para Halitaz, J. Pater 4 C. 2,000 saceos com
150,000 kilos de assucar mascavado.
Para o interior
No patacho inglez S. Joteph. earregaram :
Para Santos, Maia t, Rezende 1,200 saceos com
72,000 Kilos de assucar branco e 2,000 ditos com
120,0014 ditos de dito mascavado.
No vapor ingles StarUgM, earregaram :
Para Santos, S. Guimares C. 60 saocas com
4,54^ kilos de -lgoda.-
Para o Rio de Janeiro, V. da Silveira 100 sac-
aos com 6,000 kilos de assucar branco e 900 ditos
com 54,000 ditos de dito mascavado.
No vspar francs YUle de Pernambuco, ear-
regaram :
Para Santos, P. Carneiro & C. 1,000
com 60,000 kilos de assucar mascavado.
Para o Rio de Janeiro, M. ka. Torres 2 caizas
com 90 espanadores de penna.
Na escuna sueca Loreley, earregaram :
Para Porto-Aleare, Amorim Irmoa & C. 425
barricas com 40,765 1|2 kilos de assucar branco e
150 ditas com 17,156 ditos de dito mascavado.
No patacho dinamarqus Mercurio, earrega-
ram :
Para Pelotas, Viuva de Manoel F. Marques &
Filho 400 barricas com 40,803 kilos de assacar
branca
No vapor nacional Pri:tcipe do Grdo Para,
earregaram :
Para Babia. Andrade Lipes & C. 50 saccas com
3,726 kilos de algodo ; Amorim Irmos & C. 600
barricas oom 69,390 1|2 kilos de assacar branco.
No vapor nacional Ciara, earregaram :
Para o Para, J. S. da Costa Moreira 25 barri-
cas com 1,722 kilos de assucar branco; J. da Sil-
va Caroeiro 100 barricas com 5,000 kilos de assu-
car branca.
Para Maranho, V. de 11aqui do Norte 30 pipas
e 150 barris com 27,900 litros de agurdente.
No hiate nacional S. Lourenco, earrega-
ram :
Para o Para, Amorim Irmos & C. 335 bsrricas
com 18,412 kilos de assucar branco.
No hiate nacional Joo Valle, earrega-
ram :
Para Maco, E. C. Beltro & Irm3o 1 barrica
com 110 kilos de assacar branco.
No hiate nacional Gcriquity, earregaram :
Para o Natal, E. C. Beltro & Irmo 6 barricas
com 360 kilos de assucar refinado e 1 sacco com
75 ditos de dito branco.
.'Vaviosi a carca
Barca norueguense Vega, Bltico.
Barca noroegaense Oqir, Estados-Unidos.
Barca inglesa Dunsloffuage, Estados-Unidos.
Brigue ailemo Bruno & Marte, Hull.
Escuna sueca Loreley, Rio Grande do Sul.
Galera inglesa Lorenzo, Liverpool.
Lugar nac onal Loyo, Rio Grande do Sul.
Patacho ingles S. Joseph, Santos.
Pataeho dinamarqus Amor, Montevideo.
Patacho ingles Plymouth, Santos.
Patacho dinamarqoez Merour, Kio Grande do
Sal.
Patacho nacional Marinho VI, Rio Grande do Sal.
Patacho dinamarqus J. P. Larsen, Rio Grande
do Sol.
Palhabote nacional S. Bartholomeu, Porto-Alegre.
Vapor inglez Stargth, Santos.
>a\vion descarga
Brigue ailemo 1. G. Fichte, farello.
Barca dinamarquesa Anca, carvo.
Barca hespanhola Prancitea Villa, carvo.
Barca norueguense Sperarua, carvo de pedra.
Barca norueguense Noatun, carvo.
Escuna norueguense Reform, zarque.
Escuna inglesa Bella Roa, bacalho.
Hiate brasileiro Deus te Guarde, sal.
Hiate nacional Flor do Jardim, sai.
Lugar nacional Maia, varios gneros.
Lg^r norueguense Alrana, carvo.
Lugar inglez May, carvo.
Lugar noroegaense Ideal, vsrios gneros.
Lugar ingles Aureola, bacalho.
Lugar ingles Nelly, bacalho.
Lugar ingles Aftnro'a, carvo.
Lugar inglez ueste R. Wtlce, bacalho.
Patacho inglez Buda, carvao.
Lotera de 4100 contos
A grande loteria de 4000 contos, em 3 sorteics
fica transferida para o dia 14 de Mao vndoura.
impreferivelmente, nos termos do despacho do
Ezm. Sr. pce8ideu'.e, de hoje.
Tnesouraria das Loteras para o fundo de
en>H.'>eipaci> e msenu 'S da Colcnia Isabel, 14 de
Dezembrj do 1886.
O thesoureiro,
Francisco Gon^alvesTeires
Estrada de ferro de Ri-
beiro ao Bonito
De ordem da directora su chamados es Srs.
accionistas desta Empreza, para no prazo di; 60
dias. a contar de boje, recolbcrem ao London &
rt.asiliim Biink a "> entrada de 10 o/, de suas
acedes nos termos do artigo 9o 2 dos Esta
tutos.
Recife, 9 de Marco de 1887. .
O secretario,
Jos Btiarmiao Pereira de Mello.
IKMANDADE
DB
N. S. da Luz
De ordem do irmo juis e de accordo com o art.
27 g 1, convido aos irmos provectos a compa-
recerem em nosso consistorio no domingo 13 do
correte, ao meio da, para em reonio de mesa
provecta, deliberarmos sob assumptos de intereese.
Secretaria da irmandade de N. S. da Luz, 9 de
Marco de 1887.O secretario,
Antonio Ignacio Brando Juoior.
da
Rendiineotos pblicos
MES DK MABCO
Alfandega
Renda geral :
D 1 a 10 dem del' 240:4634513 40;143a340 280.606*853

Renda provincial : De 1 a 10 47.732J 58S dem de 11 5:317*051. 53:0191637

a?3:656*490

De la 10 dem de 11 Recebedoria 32:0124144 3:6894745
35:7014889
C De 1 a 10 [d*u> de 11 onsalado Provincial 18:878/481 6614473
19.5394954
De i a 10 [dea ae 11 Becife Draiitage 15:6324842 5:3994541
21:0324385
Mercado Municipal de S. Juie
COIPANfllA SANTA
Abastecedora
gaz em Olin
AVISO
Aos Srs. consum-
midores de agua g-az
da com panhia, que em
seus pagamentos se a*
<*ham em atrazo, lem-
bro o presente artigo
do regulamento ap-
provado pelo governo
a 12 de Agosto de
1873, e que se acha
copiado no verso das
contas entregues:
< O pagamento
importancia da agua ou
gaz fornecido em cada
mez, se far naprimei-
meira quinzena do mez
seguinte e na sua falta
Ipoder a Companhia
interromper o respectivo
supprimento.
Eseriptorio do ge-
rente, Olinda 3 de
Marco de 1887
A. Pereira Simes.
Recebedoria de Pernambuco
Matricula de eseravos
O ada inistrador da recebedoria faz publico qne
finda-ae no dia 30 do corrente mez o prazo para
,a nova matricula e ir ruin ment dos eseravos ezis-
^on'es neste municipio, devendo os donos e pos-
auidores dos meamos apresentarea at aquelle
dia as relac,oes em duplcala contendo e nome do
escravo, nacionalidade, sexo, filiaco. oceupacao
oa servico em que fr etnpregado', dade e valor,
alm do numero da ordem da matricula anterior,
sendo o valor dado por extenso pelo senbor do es-
cravo ou sen legitimo representante, nao exceden-
do o mximo regalada pela ioade do matriculando,
que ser tambem escrpta por extenso conforme a
seguinte tabella :
Eseravos menores de 30 anuos 9004000
de 30 a 40 8004000
de 40 a 50 6004000
de 00 a 55 4004000
de 55 a 60 2004000
O valor das escravas ser regularlo pela mesma
tabella com o abatimento de 25 % dos precoe
nella estabelecidos.
A inscrir.cjlo tara a nova matrcula ser feita
a viata das lelacoea, qae serviro de base a ma-
trcula especial oo de averbacao effectuada de
conformidade com a lei de 28 de Setembro de
.
Dianelro
O vapor Ceard tro.ixc do sul para :
Francisco Ribraro Pinto (iuimares 5:0004000
Francisco Oonealves Torres 4:0004000
O mesmo paquete leveu para:
Parabvba 8004000
Cear 30:8004000
Maranho 21:75*4710
Para 8004000
O movimento deste Mercado no dia 11 de Mar-
co foi o seguinte:
Entraram :
32 bois pesando 4,690 kilos, sendo de Oli-
veira Castro, 19 e 1/2 ditos de 1.* quali-
dade, 3 de 2 dita e 9 e 1/2 ditos particula-
res.
1764 kilos de peixe a 20 ris 354280
71 cargas de farinba a 200 ris 144200
10 ditas de fractas diversas a 300 rs. 34000
12 taboleiros a 200 ris 24400
11 Sainos a 200 ris 24200
Foram oceupados :
24 columnas a 600 ris 144400
24 compartimentos de farinha a
500 ris. s>4000
21 ditos de comida a 500 ris 104500
78 ditos de legumes a 400 ris 814200
18 ditos de saino a 700 ris 124600
11 ditos de tressuras s 600 ris 64600
10 talhoa a 24 204000
3 ditos a 14 34080
A Oliveira Castro & C.:
54 talhoa a 1 544000
2 talhos a 500 ris 140C0
Deve ter siejo arrecadada neste dia
a quanuade 2244780
Rendimento dos dias 1 a 10 2:0044420
Foi arrecadado liquido at baje 2:2294200
Preces do dia :
Carne verde 160 a 480 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris idem.
Sumo* de 500 a 640 ris idem.
Farinha de 160 a 240 ris a cuia.
Milho de 260 a 320 ris idem.
Feijo de 640 a 14000 idem.
Vaporea e navio esperados
raroaas
Tamarda Europa hoje.
Paranaguade sal hoje.
Sergipeda Babia amanh.
Mondegodo sol a 14.
Pernambucodo norte a 15.
Financedo ral a 15.
Platode Liverpool a 16.
Montevideode Hamburgo a 17.
Parado sul a 1?.
Rosariode Hamburgo a 17.
Alliaucade New-Port News a 18.
Girondedo sul a 21.
evada Eurcpa a 24.
Espirito Santodo sul a 26.
Babiado norte a 27.
t """
SAVIOS
Amandade Hamburgo.
Apothekec Dirsende Santos. *
Aldwathde Terra Nova.
Ameliado Rio Grande do Sal.
Albanade Cardiff.
Bernardos Godelewasdo Rio Grande do Sal.
Cometade Porto Alegre.
Cysnedo Rio Grande do Sol.
Christiani Scriverde Cardiff.
Caledooiado Rio de Janeiro.
Cameliade Terra Nova.
Diudado Rio Grande do Sol.
Enjettado Rio Grande do Sal.
Erutode Hamburgo.
lite de Tena Nova.
Eugeniade Terra Nova.
Evurado Rio Graode do Sol.
Guadianade Lisboa.
Glitnerde Liverpool.
Hapnus do Rio Grande do Bol.
Helenede Hamburgo.
Jelanthede Santos.
Joaquinado Porto.
Jos Genebrade Liverpool.
Lidadorde Rio de Janeiro.
Marco Polodo Rio de Janeiro.
Marinho VIdo Rio Grande do Sal.
Meta Sophiade Hamborgo.
Mariettado Rio Grande do Sal.
Metede Hamborgo.
Malpode Bruoswick.
Marydo Rio Grande do Sol.
Moss Roasdo Rio de Janeiro.
Nordsoende Liverpool.
Noruega Ainode Cardiff.
Our Anniede Buenos-Ayres.
Progressode New-Port.
Rosa Hilldo Rio Grande do Sul.
Rolanddo Rio de Janeiro.
Sopbiade Santos.
Vareo da Gamado Rio de Janeiro.
Withelminede Hamburgo.
Hovimento do porto
Navios entrados no dia 11
Cardiff54 dias, barca dinamarquesa Arica, de
383 toneladas, capitao A. L. Hansen, equipa-
gem 10, carga carvo de pedra ; ordem.
S. Vicente7 dias, vapor ingles Vol, de 883 to-
neladas, commandante William Jeukios, equi-
pagem 20, em lastro; a Borstelman & C.
Rio Grande do Norte 3 dias, hyate nacional
Corrodo Natal, de 40 toneladas, mestre Joo
G. de Moura, equipagem 5, carga lenha de man-
gue ; a Fraga Rocha te C.
Rio de Janeiro24 dias, barca inglesa Freuchvry,
de 324 toneladas, cani'o V. E. Smith, equipa
gem 10, em lastro; a W. W. Robilliard i C.
Rio Grande do Sul-36 dias, lugar ingles Linda
Parfc, de 342 toneladas, capitao Thomas Skin-
ner, em lastro ; ordem.
Rio de Janeiro35 dias, logar nacional Maia, de
439 toneladas, capitao Jos Mara de Pnho,
equipagem 10, carga varios gneros: a Antonio
de Oliveira Maia.'
Navios sonidos no mesmo da
MacoHyate nacional Joo Vae, mestre Fran-
cisco Honorio Canato, carga varios gneros.
Baha e escalaVapor nacional Principe do Grao
Para, commandaoto Jos Fernandos Teixeira,
carga varios gneros.
Pelotas-Logar nacional Tigre, capitao Ordener
Jos Carneiro, carga assacar.
MontevideoPatacho ailemo WiUhdme Jtseph
Ho C Hille. carga assacar.
1
i

I

- '".^t TLJW
H


Diario de PernambucoSabbado 11 de Marco de 1887
5
)
t *
>*
Je jertidJo da nmni macricla, on a
de dominio quando cuntiver a ma-
[fccravo.
dos a matricula os escravos eslo -
os. serio porm iuscriptos em arro-
ial
uisiderados libertos na eeravos, que no
prazo aarc.do nao uverem sino d .ios a nova n>-
tricula.
Pela ioscripvi ou arro lamento de cada escra-
vo pagar-sf-h* I He emolumentos, caja impor-
tancia ser eatiiiau* ao funao de en.aucipHco
depois de satisfeitao a* despejas da matncu'a.
Reeebedoria, 2, do Mirco dn 1887.
Alexandre de Souza f ereira do Carmo.
THEATRO
DE
Estrada de ferro do Ribeira ao"
Bonito
De ordem da directora sao chamados os Srs.
accionistas dosta empresa, para no prezo de 60
diis, a contar de hfje, reeolherem ao London ft
Brxsilian Bink, a 5* entrada de 10 0(0 de suas
aeces, nos ter nos do r.rt. 9 2 dos estatutos.
Recife, 9 de Marco de 1887.
O secretar!,
Jos Bellarmno Pereira de Mello.
Sania Casa da Misericordia
lo Herir
Antonio Ignacio do Reg
edeiroa
A junta administrativa da Santa Cisa, no da
16 do corrente, trigsimo do falleciroento do sen
ex-vice provedor e irmo beinfeitor, commendador
Antouio Ignacio do Rao Medeiros, far celebrar
pelo repouso de sua inw, na igreja de N. S. do
Paris, telas 8 horas da manha, urna u.i.-.-u so-
lemne de rquiem, canta la pelas eduoandas da
casa dos ex jos tos.
Para tao piedoso acto, pede o comparecimento
da Exma. viuva, filbos, pareotes e amigos de fina-
do, assim como o de tudos os membros da junta e
du irmandade.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 9 de Marco de 1887.
O escri vilo,
Pedro Rodrigues de Souza.

Repartido das Obras Militares
De ordem do Illm. Sr. capilao de engenbeiros
Dr. Gregorio Thaumaturgo de Azevedo, encarre-
jado das obras militares desta provincia, faco pu-
blico que no dia 14 de Marco vindoure, s 10 ho-
ras da manha na Repartilo das Obras Militares,
oo Palacio do Qoverno, se receber propostas em
cartas fechadas dos negociantes cu firmas cjm-
merciaes desta praca, que qnizerem contractar no
corrente anno o fornecimento s obras militares
dos materises constantes da relacao existente na
repartidlo, disposic'i dos prctendentes, para
ser examinada nos das uteis. durante o expe-
diente.
Reparticao das Obras Militares em Pernambuco
24 de Fevereiro de 1887.Jos Armando da Ca-
oba, 2 cadete 2 sargento amanuense.
Sociedade
Ilnio Commercial Be-
nefleente dos Mer-
cieiros
Assemblu geral extraordinaria
Nao se teudo reunido em 6 du correte
numero suficiente de socios, para se re-
solver os assumptos de importancia apre
sentados pelo director, os quaes enlendeu
o Sr. presidente ser preciso maior numero
do que o que dispon o additivo creado ao
art. dos estatutos, de novo sao convidadas
os Srs soccb acompsrecerem na sede so-
cial, domingo, 13 do corrente, ao meio-di,
atim de definitivamente se deleberar sobre
o cima referido. (
Marco de 1887.
M. Capitdo,
1. secretario.
EMPREZ4 ARTSTICA
GRANDE COMPANHU DE ZARZUELLAS
HESPANHOLA
Director de scena
D. Valentn Garrido
Maestro-d rector
D.
Sabbado, \ do correte
4.a Recita
Grandioso espectculo
de gargalhadas
Subir scena a divertida e original zarzuella
cmica em 2 actos, letra do Sr. Olano e msica do
diatincto maestro Oudrld, denominada :
Postilln PERSONAGENS
L i barrneza del Olmo, vie-
ja e joven............. Sra. Pl.
Baptista, criado de........ Sr. Garrido.
D. Flix.............___ Sr. Manso.
El conde del Arco........ Sr. Ramrez.
El marqner de Alvaro.surdo Sr. Duran.
D.Rufo, maiordomo...... Sr. Ramos.
Juana, posadera.......... Sra. Saeanelles (A.)
Un teniente,............. Sr. Ruis.
Un posadero sordo........ Sr. Jordn.
Un lacayo............... Sr. Monleon.
Un aldeano.............. Sr. Gil.
Un notario............... Sr. Snchez.
Aldeas, aldeoes, soldados, criados e coro geral.
Scena no reino de Fellppc v
Era seguida represintar-sc-ha a festiva e or-igi
narili8sima fantochada lyrico-dramticamacar-
rnicabuffa em 1 acto e 2 qnadros, msica dos
mtaveis msestres Beilini, Meyerbeer, Gonnod, e
arranjada pelo Sr. Mangiagalli, intitulada :
IDMNISMNM
Companhia de Seguros
martimos e terrestres
EstaoeleSda em l*ft&
CAPITAL 1,000:000
SDilSTROS PAGOS
Ate 31 de dezembro de 1SS-1
Haritimos..... -3,1.0:000(000
Terrestres,. 316:000(000
4i-Rua do Commerelo
H
Companhia Santa The reza em
presarla do abasteclmento
Tagua e de luz cidade de
Ollnda.
Assembla geral
De ordem do Sr. presidente da assembla geral
e por cao ter o Sr. secretario eleito acceito o cargo,
convoco a assembla geral dos Srs. accionistas
para o dia 24 do corrente, fflm de eer lido e jul-
gado o lelitorio e o parecer fiscal e apreciadas as
contas do anno fiado, e subtnettid a consideradlo
dos Srs. accionistas urna mocSo do Sr. presidente
da directora.
A sesso ser aberta ao meio dia n'am dr>s sa-
lces do edificio da Associscao Commercial, para
esse fim delicadamente cedido.
Recife, yde MarcJ de 1887.
O gerente,
A. Pereira SimSet.
Sanco de crdito real de Pernam-
buco
Em cumprimento dos 9 e 12 do art. 83 dos
estatutos e das dispoaicoes da lei n. 3,150 de 4 de
Novembro de 1882, convocamos os Srs. accionistas
a reunir-se em assembla geral ordinaria, no dia
15 de Marco prozimo vindouro, o meio da, em
urna das alas da .sociacao Commercial Bene-
ticente, afim de Ibes ser presente o relatorio das
pemees do anno baen rio lindo em 31 de Dezem-
bro de 1886, acompanbado do parecer da commis
sao fiscal e proceder-s a eleico desta e bem as-
ilm do presidente, vico presidente, 1' e 2" secre-
tarios da assembla geral.
Recife, 28 do Fevereiro de 1887.
Os administradores,
Manoel Joo de Amorm.
Jos da l\a Ley Jnior.
Luiz Duprat.
Por esta secretaria sao chamados os psrentes e
protectores das menores abaixo declaradas, para
at o dia 28 do corrente apresental-aa no collegio
daa orphis, afim de serem abi admittidas, visto
serem as primeiras inscriptas no respectivo aua-
dro.
1 Carolina, protegida de Augusto Manta.
2 Illumiuata, filba de Mara Florencia Barbosa
dos Santos.
3 Lanrinda, filha "de Sincletica Lins de Vas-
concellos Araujo.
4 Mara, filha ja mesma.
5 Adelaide, filha de Maria Jos da Conceico.
6 Mara, filha de Mara Jos da Encarnacao.
Secretara da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 8 de Fevereiro de 1887.
O escrivao,
FsaVa Rodrigues de Soma.
\ Gomicc Tronaly
Personagens
Antonina................ Sra. Pani
Rafael.................. Sr. Mansoni
Salvatore............... Sr. Garrido.
Bou faci................ Sr. Doranni
El alcaide .............. Sr. Ramos.
Silvestre................ 8r. Jordn.
, S Hora*.
Haver treus pai a Apipucos e Olinda, e bonds
para todas as linbas.
Ha ver trera p ra Caxang pago pelos
passageiros.
&.' Recita
Domingo, 13- de Margo
Subir scena a sublime e vutoriada sarzuella
em 2 actos, original do reputado poeta Campro-
don, msica do notavel maestro Arricia s
MARINA
PERSONAGENS
Marina................ Sra. Pl.
Teresa.................. Sra. Saeanelles (A.)
El capit&o Jorge......... Sr. Manso.
Roque, contra mestre...... Sr. Darn.
Pascual................. Sr. Garrido.
El capito Alberto....... 8r. Ramrez.
Um marineiro............ Sr. Ruiz.
Pescadoras, pescadores, aldt-ils, marineiros e
coro geral.
*.A divertida sarzuella comico-bufia em um
acto, tradusida do francs por Amalfi, msica do
festejado maestro Offembacb, denominada :
La Soire k Cachupn
Personagens
Emilia.................. Sta. Saeanelles (M.)
Simphorosa.............. Sra. Duelos*
D. Canuto Cacbunia...... Sr. Garrido.
Kaltbacer Centellas....... Sr. Mansa.
Heflro, gallego e ingles.... Sr. Darn.
D. Telesphoro Fcrragaitae. Sr. Ramos.
O Sr. Duque............. Sr. Snchez.
Convidado, senhoras, ca7albeiros e coro geral.
Vn 8 hora,*).
PRESOS
Camarotes de 1 ordem 12/000
dem de 2 12*000
dem de 3' 8*000
dem de 4 6*080
Galeras 2*000
Cadeiras de Ia ordem 3*000
dem --e 2" 2*000
Plateas 10OO
Paraso *5C0
Os bilhetes vendemse no theatro.
Xota llavera trens para Apipucos e Olioda,
e bonds para todas as linhas.
Terfa-feira, .5 de largo
lauaida zarzuella de costnmei
B\RBERILLO
LAV-PIS
A rouito applauaida zarzuella de costnme bes
panhes :
Brevemente : As grandiosas zar-
auellas Tempestada, Duas Princesas, o
Madgyares e Msica Classic.
Companhia pe nambncana
DE
XaTegaco costelra por vapor
Pelo presente sao convidados ua senhores aceio-
niitas a reumrem-se na sede da companhis, no
dia 23 do correte, ao meio dia, afim de Ibes ser
apresentads o relatorio e balanco do anno fiado, e
elegerem a commisso de exame de contas e con-
seibo de direecSo.
Recite, 5 de Marco de 1887.
Manoel Joo de Amorim.
P.P.Sannders Brothers & C.
Arthor B. Dallas.
W. W. Robilliard.
(JOMPANHIA
Jmperiai
DE
MEDIROS contra FOCO
E8T: 1803
Edificios emtreadorias
Taxas baixat
Prompto pagamento de prejuttot
CAPITAL
Ra. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
N. 6Ra do CtmmercioN. ;
AGENTE
Hignel Jos Alves
N. 7RA DO BOM JESUS-N.
Segaros maritlsssoa e (erreafrea
Nestes ultimo a uuica companhia Beata praca
que concede os Srs. scgnradis sempeode paga
ment de prtmio fin cada sti.-ao anuo, o qae
equivale ao descont de cerca Ai 15 por canto
avor dos secumdos.
l.'s Son aud Uraiiiat> Ba
Limited
Ra do Commercio n. 32
kjocca por todos os vapores sabr aa ca-
as do mesmo banco em Portugal, sendo
m Lisboa, ra dos Capel lis tas n 75 No
Porto, ra dos Inglezes.
SEGUROS
MARTIMOS contra fogo
Companhia Phenix Per-
nambucana
Ruado Commercio u. 8
conPAivek~m Mf.imh
NORTHERN
de tiOndrea e tberileeii
Poaleaafluanrelra (Dezembro I88B)
Hanirg-SBUuiBrttsciB
DamprschiflTahrts-Gesellschalt
O vapor Paranagu
E' esperado dos por-
tos do sul at o dia 12
de Marco e seguir de
pois da demora neces-
isara para
Lisboa e Hamburgo
Para carga, pasagens, encommendas, dinhni-
ro e frete tracta-se com os
CONSIGNATARIOS
O vapor Rosario
Esperase de HAMBURGO.
por LISBOA, at o dia 17 do
corrente, seguindo depois da
demora necessaria para





3.000,000
3.134,34a
577,330
191,000
132,000
Capital oubsciiptc
Fundos accumulados
Beeella nunuai i
D premios contra fogo
De prcraios sobre vidas
De juros
O AGENTE, -
John H- Boxtcell
BA COMHEKOOCIO M. SO AND4R
S1G0B0I
contra mm
hc Liverpool & London & Globe
INSURANCE COMPANY
tete BrotnBrs y
COMPANHIA DE SEGUROS
CONTRA FOGO
\Torlb British & Hercantile
CAPITAL
I.OOO.OOo de libras sterlinas
A GEN 7 ES
\(I.unisn liow ic & C.
MARTIMOS
COMPANH1E DES HENN.lijE-
RES HARITIMES
JNHA MENSAL
0 paquete Gironde
Commandante Minier
E' esperado dos portos do
sul at o dic 21 do corrente,
seguindo, depois da demora
do costume, para Bordeanx,
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos senhores passageiros de tudas
classea que ba logares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualqner tempo.
Faz-se abatimento de 15 % em favor das fa-
milias composta de 4 pessoas ao menos e que pa-
garem 4 pascagens inteiras.
Por excepeo os criados de familias que toma-
ren) bilhetes de proa, gosam tambera (i'este abati-
mento.
Os vales postaes s se da at dia 19 pag o
de contado.
Para carga, passagens, encommendas > dinbeiro
a frete: tracta-se com o
AGENTE
ognste
RA DO COMMEROIO-9
Labille
HOVAL AIL STEAM PACKET
COMPAil
0 paquete Tamar
E' esperado da Europa no dia
12 do corrente, seguinde
depois da demora necessa
ra para
Macei, Baha, Rio de Janeiro e Santos
0 paauete Mondego
Ees
iperado
do sul no dia 14 de
corrente seguinio
epois da demora
ecessaria para
S. aTccnle. Lisboa, vigo e Son
fhampton
Reducc&o de passaqens
Ida Ida e volta
A Hontharoptou 1* classe 28 42
Camaroteb reservados para os passageiros de
Pernambuco.
r*ara passagens, fretes, etc., traca-e com os
CONSIGNATARIOS
Adamson liow ic & C.
Companhia Babiana de navega
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, 1-enedo, Aracaj,
Estancia e Babia
0 vapor Sergipe
Ccmmandante Pedr Vigna
Jffij^-
E' esperado dos ooriof aci
ma at o dia 13 de Msrco
e regressar para os mes-
mos, depois da demora docos-
tume.
Para carga, passagens, encommendas e dinhei-
ro a frete, trata-se na
AGENCIA
7Ra do Vigario7
Domingos Alves lathens
Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encommendas e
beiro a frete tracta-se com os
CONSIGNATARIOS
Borstelinann & C.
RA DO COMMERCIO N. S
1' andar
din-
Imied States Mail Brasil S. 8- C.
0 paquete Finance
E' esperado dos portos do
sul at o dia 15 de Marco,
depois da demora necessaria
seguir para
Maraoho, Par, Rarbados, S.
Thoniaz e .\ew-Vork
Para carga, passagens, e encommendas tracta-
4e com os
AGENTES
0 vapr Allanca
Espera-se de New-Port-
News, at o dia 18 de Mar-
co, o qual seguir depois
da demora necessaria para a
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encommendas e dnhetro
frete, tracta-se com os
AGENTES
Henry Forster k C.
N 8- RA DO COMMERCIO -8
!. anda
pellas e residuos, a requerimento dos nteressa-
dos, levar a leilo 7 casas terreas em sdIo torei
ro, tendo cada urna 1 porta e 2 janellaa, 2 salas,
3 quartos, corredor independente, cosinha fra,
quintal morado e cacimba meeira, sendo que a de
o. 20 tem orna pequea suta.
Os 8ra. pretendentes desde j poden! exami-
nar ditas casas epara qnalquer informa cao o me-
mo agente dar.
AGENTE >" STA NA
Leilo
e urna ezcellente casa terrea, sita roa de S
Miguel n. 59, nos Afogados, completamente
nova, tendo 2 salas, corredor independen.. 4
quartos, coiinba, quintal morado, com cacimba.
TERQ V-PEIBA, 10 DO CORRENTE
A'a 11 bjras
No armacem da ma ao Vigario Tenorio n. 12
O agente Pestaa, competentemente autora ido.
levar a leilo no dia e hora cima mencionados,
a refs.ida casa, que, pelo seu bem estado de con-
servaco, t rna-se recommeodavel.
Leilo
De um sof, 2 cadeiras de bracos e 6 de guarni-
o3o de junco preto, 2 capiteis, 5 mappas, 2 pares
de cortinados, 2 figuras de gsso, 2 almofadas. 3
quadros, 6 plantas, 4 garrafas, 1 licoreiro, 1 Jote
de louca para cha, 1 aparador grande com arma-
rios, 3 conaoloa de amarello, 0 cadeiras de guar-
nifo, 6 lavatorios com bacas, objectos pertencen-
tes ao Collegio de Nossa Senhora das Victorias.
Ter$a-feira 15 il corrente
A's lt horas
Agente Pinto
No sobrado da ra do Hospicio n.
10
Bahia, Rio e Santos
Q yapr anstriaco Tibor
4
' esperado neate porto at o
dial4 de Marco,scgaiadode-
' pois d demora necessaria
j para os portos cima.
Recebe carga e encommendas a frete mdico
tractar com os
Consignatario
JOHNSTON PATER & C.
RA DO COMMERCIO N. 16
Agente Pestaa
LEILA0
Das e^cellentes, casas terreas Bitas Ilha
de Carvalho, ontr'era ra Bella ns- 34,
36, 38 a 40.
TERCAFEIRA lo DO CORRENTE
A's 12 horas em ponto
No armazem da ra do Vigario n. 12
O agente Pestaa, 'autorisado por mandado do
Ezm. Sr. Dr. juic de residuos e cpelas, levar a
leilo, no dia e hora cima mencionados, em pre-
senta da mesmo Sr. Dr. jais, as exccllentes casas
terreas abaixo deacriptas, pertencentes ao inven-
tario de D. Anna Zurik Ramos :
A saber:
Urna excelleote csa terrea Bita liba de Car-
valho, outr'ora BelU, n. 34, tendo 1 porta, 2 ja
nellas, 2 salas, 3 quartos, corredor independente,
cosinha fra, quintal murado o cacimba.
Urna dita mesma Ilha n. 36, com rs meamos
commodos.
UoJfc dita si.a meema Ilha n. 38. com os mes-
mos commoitos cima.
Urna dita mitior n. 40, com 1 porta e 3 janellaa
de fre te 2 salas, 5 quartos, corredor independen-
te, cesinba frt, quintal murado, e urna dita sita
ra de Lommas Valentinas n. 4, com bastantes
commodos para familia.
Todas essas casas sao cta nedra o cal e achara-
se livres e desemfep.racadao de qualquer ouue.
Leilo
De
846 saceos com farinha de mandioca,
descarregada do lugar Courier
Quarta-feira 16 do corrente
A'e 11 horas
No trapiche Barbosa
Modesto Baptista
iEilES
Terca-feira, 15, o de differentes movis, no so-
brado da roa do Hospicio n. 10, c. Ilegio de Nos-
sa Senhora das Victorias.
Sabbado 12, o de uzeadas, miodesas e movis
no armasem da travessa do Corpo Santo n. 23.
Agente Pestaa
Leilo
de duas partes de ama casa terrea de po-
dra e cal sita Estrada de Joao de
Barros n. 6 J
SABBADO, 12 DO CORRENTE
A's 11 horas em ponto
>o irnasen da na do Vitarlo i 1$
O agente Pestaa, competentemente autorisado
por mandado do Exm. Sr. Dr. juiz de orphos e
ausentes, vender a quem mais dr, as duas par-
tes da casa terrea sita A Estrada de Joo de Bar-
ros n. 6 J, pe tencentes a docs orphos.
Leilo
de fazendas, miudezas, urna arinacjto in-
gleza, dous h'tiros, mesas para fazen-
das, jarros e outrus amitos movis
Sabbado 12 do corrente
A's f 1 horas
Agente Pinto
Traveasa do Corpo Santo n. *3
Leilo
Em fontinua^o
Da armacq envernisadM, balr-j, registro, en-
cansmento de gas e caudieiro, 1 fiteiro enveruisa-
do e envidracado, 1 dito com espelho, 1 cofre de
ferro. 2 armacoes inglezus, 1 dita com armario,
chapeos de sol para homem e senhoras, leques, lu-
vas, diversas miudesaa, restos de fazendas e ami-
tos outros objectos existentes na luja de fazendas
sita ra do Mrquez de Oliuda n. 35.
SABBADO, 12 DO CORRENTE
A'a 11 horas
POR INTERVENGAO DO AGENTE
Gusmo
Leilo
Agente Britto
Fazendas, miodezas. mobilias de amarello e pao
carga, camas, marqoezoes, commodas, 2 pianos de
Bod e Pleyel e differentes movis, louc, s, vidros,
i candieiro de gaz carbouico, espelhos,jarros, qna-
dros, eateiras de sala e muitos cutros artigos, roa
de Pedro Affonso n. 43.
Sabbado, 12 de Marco
A's 10 1/2 oras
Leilo
De 1,002 caixas cora masase para sopa
HJE, 12 DE MARCO
No anrazem do Sr. Anaes, ditronte da AJ-
fandega
O agente Alfredo Guimaraes, autorisado polo
Illm. Sr. cnsul da Italia, levar a leilo 1,002
caixas com massas averiadas, desea fregadas de
bordo da barca dinamarquesa Julios Ikuke .
na sa ultima viagem de Genova a este porto, as
quaes serao vendidas em um ou mais lotes,
vontade dos Srs. compradores.
Leilo
De 7 casas terreas ns. 20, 22, 24 26, 28,
30 e 32, sitas ra Bella, amiga liba do
Car ve loo.
Segunda-feira 14 do corrente
AS 11 HORAS
No armazem da ra do Imperador r4^H
O agente Stepple, por mandado e assistencif de
Extp. Sr. Dr juiz de direitJ da provedotia de^
+m
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a 8'Jt/0 no becco dos Coe-
Ihos, junto de S. Goncuo : a tratar ca ra ds
Imperatriz n. 56.
= Precisa-se de um perfeito cosicheiro ; a tra
tar na roa do Brum n. 35.
AMA no largo do Corpo Santo n. 19, 2 andar
pre.isa-se de urna ama boa cosinheira e que dur-
ma em casa.
Arrenda-se o sitio das Jaqueiras, com gran-
de casa de vivenda, tode cercado e mais tres pe-
quenas no mesmo correr, eervindo perfeitameote
para penso ou hotel : a tratar no mesmo sitio.
Alnga-se o 2- andar do sobrado n. 5 da roa
do Padre Floriano, com bons commodos, gas, sala,
e quartes stucados ; pra ver, a chave est na
loja, e para tratar no caes do Ramos n. 26.
Vende-se barato duas grades de ferro, tendo
12 palmos de altura e 5 1(2 de largura ; a tratar
no acougue do pateo do Terco com o Sr. Clarindo
Graciano da Silva, das 2 horas s 6 da tarde.
S Alnga-se o 2- andar do sobrado n. 7 na
Passagem, com agua, prreo commodo; a tratar no
mesmo, com Loureiro C.
Aula mixta particular
Guilhermina Pires Dornella de Lima participa
ao publico que es' aberta a sua aula particular
mixta de instrneco elementar, desde o dia 15 de
Janeiro do corren'e anno, ra Direita n. 60, 2*
andar. Na mesma ensina-se a msica, tanto vo-
cal como instrumental
Professora de canto
D. 1 hereza Levy, tendo resolvido reassumir a
sua profissa, offerece-se para leccionar canto as
casas particulares, podendo ser procurada na
Pharmacia Central n. 38, roa da Imperador.
Precisa-se
de ama senhora de meiu dade e boa conducta,
para servir de gov ruante no um eiipeobo porto
da cidade ; a tratar n.i tu* fia IrDp'THt.nz n. So,
CAJIRUIEBA
PREPARADO VINOSO DEPURATIVO
Approvado pela junta de bygiene publica da corte
tuiorUniio por decteto imperial
de SO de Junio de 1983
Composicao de Firmino C. de Figueiredo
Empregado com a inaior < fues'ia no rheumatismo
de qualquer naturez.i. em tonis as molestias da
pelle, as leucorrheas m tij.es brancas, na
asthma, branchites [a&lfs'iaa daa vii respira-
torias), nos soffrimentoJ nccHsionados pela im-
pureza do eangne e nna.inente naa differentes
formas das typhilis.
r A \\ b
As importantes curas que este importante m-
dicamente tem preduzido. attestada pnr pessoas
de elevada poeicSo social, fazem eom que de toda
parto seja elle procurado, como > nelhor e mais
energieo depurativo do mangue.
Depurar o sangue, como oondicji.) v urna cii-
cula^o benefiea e elficas, fis e> it conaiste
principalmente o meio mam segura "ie conservar
a sade e de cura% as molestias qi:: i impureza
do sangue oceasiona.
O oajurubebu, pela su aceito tnica e enrgica-
mente depurativa, o medicamento que actual-
mente pode conseguir esse resultado sem preju-
dicar nem alterar as fanecoes do estomago e dos
intestinos, porque nao conten sabitaneias noci-
vas, apesar do vigor depurativo dos productos
que constituem a baa principal deste medica-
mento.
As muit"s rnrnn que tem feito, esto c-otnpro-
vadaa pe" te^rcionnho ice distinctos e conbectdos
cavalleiros qnK firmad oa attestadop, que este
.ornal tej publicado em ana aeccao inedirorial.
Deposito central, fabriea
Apollo, roa do Hospicio 19
PESKAMBUCC
\i(ilices pvinciaes
Na ra de Maris e Barros n. II. compra-s at
tres contos de res.
Os proprietarios es-
to preparados para
supprirem coke (car-
vo) por pre^o mode-
rado, entregando-se o
mesmo as casas das
pessoas, que corapra-
rem de 10 saceos para
cima,e tambem se ven-
de em saceos avulsos
na Fabrica do Gaz ou
na ra do Imperador
n.29. 1
O carro cokesem
duvida nenhuma um
perfeito desinfectan-
te ; na sua combusto
nao faz fumaba que in-
commode, e nenhuma
outra substancia soli-
da combustivel pode
ser comparada com o
mesmo em economa
efficienciae limpeza.
E tambem especial
para qualquer fogo,
forno, ou caldeira a
vapor que tenha cha-
min.
Vende-se do mes-
mo modo alcatro
(Tar) em latas, bar-
ris, etc., etc., que de
grande valor, espe-
cialmente nos climas
quentes, como este
para perservac,o do
ferro, da pedra, lij-
los, ladrilhos, asphal-
tos cu para effeitos an:
ante-septicos.
Outro &im, ha a ven-
da, por prec,o muito
diminuto agua de
amonio, que o me-
lhor preparado para
destribuio das sali-
vas, forangas, tem a
mesma benfica e di-
recta influencia sobre
a vegeta gao supprin-
do o mais salutar ele-
mento fertilisante.
Qualquer informa-
p de presos e par-
ticularidades se obte-
ro na fabrica do gaz,
no escriptorio ra
do Imperador n.29 e
pelos ns. telephonicos
39 e 40.
Ama
Precisa-se de ama ama de boa conducta, pera
cbs* de moco solteiro ; a tratar .na ra Angosta
n. 258, Inverna.________________
**a
Caixeiro
Precisa-se de um menino com pratica de taver-
na, de 12 a 14 annos, que d fiador sua con-
ducta, prefere-e
Novo n. 91.
brasileiro ; a tratar no Caminho
Cienexlndo Btellaarlo de Vaa-
concellos
Primeiro anniversario
Anua Bernardina Rio Vaseoncellos convida
aeus parentes e amigos e do seu prnnteado espoto
Genezindo Belisario de Vasconcel! tirem as missas que manda celebrar por alma do
mesmo finado, na ordem teroeira de N. S. do Car-
ino, terca-feira 15 do corrente, s 8 horas da
manha, T anntvers&rio do seu passamenco, con-
fessando-se eternamente grata todas 4| pbsoaa
que se digaarem assistir a este acto de renfvio a
caridade.



Nr.
i
>


6
Diario de Peroambuco-- Sabbado 12 de Mai-fu de 1887
Aluga-se barato
xtaa dos Guararapes d. 96.
Roa Viaconde de Itaparica n. 43, armazem.
Raa do Tambi n. 5.
Ra do Visoonde de Goyanna n. 163, com agua
Largo do Mercado n. 17, loja com gas.
Largo do Corpo Santo n. 13, 2." andar.
TraU-se na ra do Coinmercio n. 5, Io andar
tcriptorio de Silva Gui maraes & C^___________
lllg.
a-se
o andar do sobrado n. 35 travetsa de S. Jos ;
ole terreo do de n. 2? ra Vidal de Negrei-
ros; o 1 do de n. 25 ra velha de Santa Rita ;
a 1 do de n. 34 i ra estreita to Rosario ; todos
iimpos : a tratar na ra do Hospicio n. 33.______
Aluga-se
i sobrado de azulejo n. 82, no Caminho Novo,
maito fresco pela posic&o, e tero commodos bas-
tantes, est em estado de limpeza, que o preten-
dente nao precisa fazer despeza para morar.
Aluga-se
o segundo andar do sobrado n. 17 no largo do
Corpa Santo, muito iresco e com commodos para
grande familia ; a tratar no 3- andar do mesmo.
Alua-se
urna casa com commodos par grande familia, e
sitio arborisado ; na Ponte de Ucba n. 10.______
Aluga-se barato
a lojinba n. 117 da ra de Marcilio Dias ;
tar na ra de Rotario u. 31, 1* andar.
tra-
Alosa-se
a loja do predio ra do Mrquez do Herval,
travessa do Focinho n. 33, propria para estabele-
ciaoento commercial ou officina, por ser de esqui-
na ; a tratar no largo do Corpo Santo n. 4, pri-
meiro andar.
Aluga-se
o segundo andar do sobrado ra da Guia n. 62
caiado e pintado ; a tratar na loja.
Ama
Precisa se de urna ama que saiba cosinhar
lavar e engommar, para casa de homem soiteiro :
a tratar das 4 horas da tarde s 6 da tnanh.5, na
Baixa Verde, sitio n. 6.
Ama
Precisa-se de urna cosinheira ; a tratar no largo
do Coipo Santo n. 17, 3- andar. ____
Ama
Precisa-se de urna bou cosinheira para casa de
pouca familia, prefere se escrava; na rna do
Riachuello n. 13.
AMA
Precisa-se de urna amapara
lavar, engommar e faze rotis
alguna ser coy de casa de fa-
milia : menos comprar e cozi
nliar : na roa do Riachuelo n
13. Devc dormir em casa.
Ama
Precia-se de urna boa cosinheir, para casa de
pequea familia ; a tratar no Caes da Companhia
j, 2. Prefere-se escrava edeve dormir era casa.
Ama
Precisa se de ama para casa de familia, rna
do Cabug n. 3, 3o andar._____________________
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar era casa
de pequea familat ; na ra da Isiperatri n. 86,
segundo andar.
Amas
Precisa -se de duas mas sendo urna para en
gsmmar e outra para andar com enancas : a tra
tsr ra do Livramento n. 24, 2 andar.
Amas
Preeiea-se de duas amas nma par* eosinhar e
comprar, e outra para engommar e fazer mais
servio domsticos de essa de pouca familia ; em
Fernandas Vieirs n. 1.
Cha preto superior
Receben o Carlos Linden nova rerapssa do cha
preto superior, e avisa aos seus freeuezes qoe
v na ra do Bao da Victoria n. 48, para se
aapprir,_______________________________________
Arrenda-se ou vende-se
i:m sitio eom alguna arvoredos de fructo, plasta
de eapim e ortalices, ra de S. Miguel n. 148 :
qnem quizer dirija-se rna da Imptratriz n. 13,
loja. __________________________________
Pechincha
Mantciga dinairarqueza a 700 rs. a ata de
urna libra ; vende-se na casa de AnionioiDnarte
i ra da UniSo n. 54, Artbur Macr.es roa da
Aurora n. 85, Paulo Kibeifo 4 C. roa da Roda
ti. 48, de primen-* qu-ilidade.
agencia
Precisa se sem demora fallar com o Sr. Anto-
nio V'.tftf oV ai Jios-rau, a ru dj
:;oosoo
Quero ti ver esta qnantis e quiter dal a a juros,
mediante urna rypjihfea de maior valor ou boa
garanta, apparec.i na botica do pateo do Carino,
que li se dir quem qu-?r.__________________
Precisa-se de urna boa en^ommadeirs e que
easaboe tambem, para casa de pequea familia :
a tratar no Caes da Companhia o. 2. Prefere-se
esjrava e deve? dotmir em casa.
Cosinheira
Precisa se ae urna ama pan casiniar e com-
prar ; as rus do Arsgao n. 14.
Tricofero de Barry
Garntase que fas as-
esr cresoer o caballo anda
aos znais calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
todas as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva-
mente impede o cabello
de cahironde embranquo-
cer, e infallivebnant* o
toma espesso, macio, lus-
troso e abundante.
Agua Marida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvacao oficial de
un Governo. Tem duas vezes
mais fragrancia que qualquer outra
ednraodobrodo tenipo. E'rcnito
mr-is rica, suave o deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
mais perr^nente e agradavel no
lenco. St aaa 79zas mais refres-
cante no bano e &o -uarto do
doente. E' especifico contra a
frouzidao e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cansacos e os
desmatas.
Jarope Je Viia Je Reiter No. I
*jb dx re AL-o. narois de sav*.
Cura positiva e radical de todas as formas de
Bcrofafas, Sypbilis, Feridas Escrofulosas,
Affec^Ses, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas as do-
encas do Sangue^Figado, e Rins. Gnrante-ss
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangus
s restaura e renova o systema iuteiro. 0 4
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian.
Su e para a cura das moles-
as da pe le de todas as especies
em todos os periodos.
Deposito em Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silva l C
Professora
*" Urna senhora competentemente habilitada, pro-
poe-se a Irccionsr em collegios e casas particula-
res, as seguines materias portugus, francez,
msica e piano ; a tratar na rna do Mrquez do
Herval n. K).__________________________________
Jalroph
Manipoeira
Esse tnrfaumevto de uma eficacia rr-conbecida
no beriberi e outras molestias era que predomina a
hydrapcaia, aeaa-ee modificado em sua prepara-
cao, orracas s uma nova formula de um distincto
medico desta cidade, sendo que somonte o abaizo
assignado est habilitado para preparal-t de modo
a nielhotar lhe o gosto e cheiro, sem todava alte
rar-lbe as propriedades medicamentosas, que se
conservan com a mesma actividade, se nao maior
em vista do modo por que elle tolerado pelo
estrmago.
1. 11 ico depoMito
Na phsrmucib 'J 'iic-iciiu, 4 ra do Mrquez de
Olinda n 61.
iii'ierru de Mello
Gmt&eim
20*000
Paga-se 20f000 por mez a uma perfeita c:si-
nb'irn, pora casa dV pequea familia, prefcnudo-
se de meia -iade e que *eja de boa mora!, raa
do Paysand n. 19, pa asando a poute do Chora-
menino : quaui nfo esliver em eondi^oes escusado
apresenUr-se.
Sabao de ahlrao
Acaba de reeeber nova remessa deste sabio
medicinal, cuja tana w'it-- mercado tem sido tao
seocivel ; cara d- /eferiuo Martins C-, praca
do Coade d'r u n. 1S.
Para cosinhar
'Ulliliie de uma
ama para cosiuliar,
mas que cosinhe bem;
no 3. andar do predio
n. 42 da ra Duque de
Caxias, por cima da y
pographia do Diario.
En^offln^eird
Precisa-se de uma baa engommadeira, que en-
saboc tamban, para casa de pouca familia, prete-
re-se escrava ; na ra do Riachuello n. 13.
Criado
O Dr. Barros Carneiro, medico, residente ra
Duque de Casias a. 88. 1- andar, precisa de um
criado para o sen consultorio e servieos de ru,
provando o seu eompcrtimento. Aproveiri a c-
casio para prevenir so publico que deapedio desde
dia 6 do con-ente o seu criado de nouie Sergio.
ir
Ume pessoa que por nece.sidade tem de rt-ti
rar-se at o fim deste mes para fra da provincia,
vende por 1:3OUUO0 acusa terrea n 24 da roa
do Nasccnte, fregnezia de 8. Jos, com 3 quartos,
quintal, cacimba, cosinba fra, edificoda a mod<-r-
na, em bom estado, livre e destmbaracadn : a
tratar na ra do Caldeireiro n. 50, at as 8 horas
da mauba ou depois das 4 da tarde, e tora acetas
horas no cartcrio do Porto Carreiro.
Para o Ro de -Janeiro
lima senhora branca de bom comportsment,
drsi jh fazrr uma viagem ao Rio em companhia de
alguma familia, offerecendo-se como ama : a pes-
soa que precifar dirijx se a ra do Ruorrel n. 25,
qne entender-ae-ba oro a mesma senbora.
Professor de msica
Gabritl Archangeio de Azevedo, professor de
snusu-a. pnife-n- lecci mar eco casas particu-
lares por preses mu icos a arte que professa, po-
drndo ser smeurad, i ras de Caldeireiro n. 12,
1 aadar, ou a ra do -'ardim o. 19, fabrica de
calcados. Telepbone 122.
MMsVM
nomm_
A LA REIKE DSB FJ-E JRa
Ramalhetes Rovos
L. T.P/VERem PAMS
Mascotte
PERFUME PORTE-BONHECJR
Extracto de Corylopsis do Japo j
PEBruWF.8 EXQUISITOS :
'01: i:rt ".:: O:* StODS dtl Bsnijajc
CC a .'. Chuso
ttapliariia 1. AaatraJivi
v. '-' tfelAutrobd blanc u-oo".a
Bouqast de l'amit-Vvnite Rose cf K>zanl k Poly.lor oriental |
Brise de Nice Boncruet ae liedlo as ?rs, etc.
ESSENCIAS CONCENTRADAS (^2SD OAUDADE EXTRA
'^pasitos as prncii-oes Feriumarias, Phariuaoias o uabetluieiXM u"
EMULSO DE SCOTT
de OLEO PURO
DE 0
FIGADO DE BACALHAO
COM
HYPOPHOSPHITOS
DE CAL E SODA.
T&o agradavel ao paladar como o leile.
O grande remedio para a cora
radical da TSICA, ESCRFULA,
AN2EMIA, RACHITIS, DE-
BILIDADE EM GEEAL e todas
as enfermidades consumptiTas,
tanto as criancas como noi
adultos.
Nenhnm medicamento, at hoje
descoberto, cura as molestias do
peito e vias respiratorias, ou res-
tabelece os debis, os anmicos e
os escrofulosos com tanta rapidez
como a Emulsao de Scott.
A venda as prindpaes boticas <
drogaras.
Deposito mu Pemasnbii'-n na drogara de Frin;*:o Manuel
& C, ra do Mrquez de Olinda n. 39.
Gotta, Rheumatismo, Dores
SoLugo do Doutor Clin
ai/reirfo da Faculdade da Uedicina de Paria. Premio Montfon.
A Verdadeira Solugo CLIN ao Salicylato de Soda emprega-se para curar:
As Aflecr;6es Rhenmatismaes agudas e chronicaa, o Rheixmatismo gottoso,
as Doces articulares e musculares, e todas as vezes que necessarlo calmaros
soflrimentos occasionados por estas molestias.
A Verdadeira Solucao CLIN o melhor remedio contra o Rheumatismo,
a Gotta e as Dores.
1123 Umi explicgo detalhada acompanha cada frasco.
Exigir a Verdadeira Solucao de CLIN & Cie, de PARS, que se encontra em
^______________________casa dos Droguistas e Pharmaceuticos.______ _^
?.~.. EESCJ^F.CCii.3. SaODl.0
BIS & SANTOS, teB* obtido agrande redu9cSo noa pre5os das ver-
dadeiraa nachinas merieairas para descaro^ar aJgodao, eslo endendo a
i #000
T Yense-M em toda isirts
por serra, coro 34 / de descont, a
Ra do Mrquez de Olinda n H A
S-9
*<******W>******>********^*
DE ARROZ SIMN
Satoonot Oreixi Simn
preparados com glycerina, para a toilette diaria, contra
as influencias perniciosas da atmosphera e para dar ao
rostro : Frescura, Mocidade e Macieza.
f.:USTBAL AS NUMEROSAS IMITACOES.
J. SIMN, 86, Eue de Prowace, PARS
PWNCIPAES PHAaBACIAS, PERFUMERAS ET LOAS DE CA6LLEREIROS.
DOMESTIC
Sao recoaheciaaa ser as mal'
elegantes, as mais durare!
em todos os sentidos.
AS US
Para prpcoe, e circulares com
lustracoes de todos 08 estylo rtir
j;nu Be
Dooiestie Sewing Machine C
NEW-YOR. U. S. A.
Tetephoue n. 1S8
COLLARES &0TER
Oim
agM
-1 iutt aMdsmw t muUv^*
CONVS7LBEB
1 tai ttaua a usnt sis aami
*0 CO'^LARES Rr^B.coahssidas ha mais
I de 2S UMSmi, as I reslmeate u cresofas*** CON VULSfilk
fajuamm* me- msimn lempo m -------------------------- Pmsi evitas ar tbilittliayln a*
\elocipede
Por barata preso vende se am veloeipede novo,
de tres rodas, para memao de 12 annos, eu troca-
se por utro, embora usado, porra menor, para
uma enanca de 8 anuos ; a ver e tratar no depo-
sita) do cat Java, sua do Viscoude de Iubama
numero 41.
Jise Luz donfalves Penm
D. Hermelindu Rosa Penna e Jos Luiz Gon-
calves Pcnna Jnior, mulber e filho, agradreem a
todas as pessoas que se dignaram tcompaobar ao
cemiterio os restos mortaes do seo sempre chora-
do marido e pai Jos Luis Gon^alves Penna e de
dovo convidara para assistirem a missa do 7- dia
que tere, logar s 8 horas da maahtt de terca-tei-
ra 15 do rorrete na matriz de Santo- Antonio.
Desde j antecipam atus agradecimenios per
este acto de religiao e caridade. '
Conselkelr* Jone Ausatiao de
t Aftlru l.t :i>
Leoncio Quinrino de Castra LeSo, Etelvino de
Castro Leo, D. Eponina Martins de Castro Le3o,
Manoel Jcs Martins, Leoncio Quintino de Cautro
LeSo Filho, Manoel Jos Feruandes Binoe e Joao
Bernardo do Ke^o Vainica, filhos, geuro e netos
do con8elheiro Jote lluinlinu de Cautro
Leo, nandaiD resar missas na matriz de Santo
Antonio, s 8 horas da maulla de terca feira 15,
stimo dia do su falleciineuto; para esse fim
convidsm aos parentes e amigos do finado para
assistirem a este acto de religio, contessando-se
desde j penhorados.
HISTORIA
D E
VCTOR HUGO
PILULAS
Ferruginosas
DB
JURUBEBA
&Ca
BAHTHOLOMEO
Pharm. Permmbuco.
Curio a Anemia, Flores brancas,
Falta de Menatruap&o,
\is Debilidades e Pobreaa de sangnejj
, Eacigi r a aasignaturs
yjg,l/%9rtrt-C*_t_\j

Marn auna lo Regs Cavalranie
de Aibnqaeraae
Florentino Csvalcante de Albuquerque e seos
filhos, Clarindo Hermeto Lins, seus irmaos e cu-
?hada, D. Mara Isabel Rufioa Ferreira, Manoel
Joaquis do Roes Uarreto e sua mulber, Joao Ru-
fino Ferreira Filho e sua muiber, agrudecem do
intimo d'alma todrs as pessoas aue se dignaran
acompsuhar ao cemiterio da cidade do Cabo os
restes mortaes de sua muito presada esposa, mi,
prima, cunhada e irma, Mura Auna do Reg Cs-
valcante de Albnqaerqne; e de nova convidara a
todos os seus parentes e amigos assistirem as
missas do stimo dia, qu mandam resarna ma-
tris da mesma cidade, no dia 14 do cjrrenle, pelas
8 horas da manh.
don Juuqulm (.ounilu'. de Barro*
fuallor
Jos Joaquim Goncalves de Barros e sua mu-
lber profundamente compnngidos pelo falle cimen-
to de sen filho Jos, convidara a todos os parentes
e amigos para assistirem as missas que iaro ce-
lebrar na matriz de Manta An'omo, seganda-feira
14 do corrente, s 8 hras da manila, stimo dia
da noticia reeebida do reino de Portugal.

Jos Pedro Bodrlgnea da Sllrn
Antonio JuveDcio Kudrigu s da Silva e sua mu-
lber, Dr. Manoi-l Juvenal Rodrigues da Silva e
sua mulher (ausentes), Dr. Tristo Henriques
Costa e saa mulber, cordialmeote agradecem
todas as pessoas que acompanbaram o cadver
de seu presado irmio ecunhado Jos Pedro
Rodriguen da Milva. sua ultima morada,
e de novo convidara aos seu? parentes e amigos
para ouvirem as missas que mandam resar no dia
14 do correte, stimo do seui passamento, s 1
horas da manh, na capella da povoaciio do Bebe-
ribo, e as 8 horas na matriz da Bea-Vista ; pelo
que desda j se confessam gratos aos que concor-
rerem a esta acto da xtaridude.
Amalla ausunia da Fonseca
Arroda
Manoel Jaauario de Arrula, seus filhos, pas,
irmsa e uohados, convidam seus amigos para
assistirem a missa que por alm de sua pranteada
esposa, rali, noca, cunbada e irma, Amalia Au-
gusta da Fopscca Arruda, mandam celebrar no
dia 12 do corrente, na igreia matriz de S-uiio An-
tonio, s 8 horas da asaba. 1' aniversario de
teu passamento, de cujo caridoao favor se con-
fessam eternamente gratos.
Falsificares
Para evitar falsifica^oes o.-rn referencia ao co-
ohecido PEITORAL DE CAMBAFA, deve exi-
girse este prepxrado com a firma do auetorAr-
vares de S. Soares em rotulo circulando a ro-
Iha do frasco e a n arca da fabrica nos involtorios,
rulada pelo n.me dos agentes e depositarios,
genes em Pernambuco Francisco Manoel da
Silva & C, ra do Mrquez do Olinda n. 23
Chaves perdidas
Qurm achou uma argola com chaves, perdida
no bairro do iteciie, querendo entregal-as, ser
gratificado. No escriptorio Je .-te Diario se indi-,
cara quem as perdeu.
Fabrico de assucar
Apparelhos econmicos pira a cozimen-
t- e cura. Proprio para engenhos peque-
os, sendo mdico cm prceo c ef
lectivo em peraeao
fode-se ajuntar aos engenlios ixistjntea
do systema veliio, raelhorando muito a
quadade do assucar e augmentando a
quantidade.
OPERAgAO MUITO SIMPLES
Uzinas grandes ou engenho3 ce atraes,
ma^binismo aperfeitjoalo, fysteraa moder-
no. Plaut-.s completa ou maclunisiio
separado.
Especitcaijoes e infonrmeos cotn
Browns V.
5RA DO COMMERCIO -5
Aluga-se uma casa cm Apipucos com bastan-
tes commodos e por precio mdico : a tra'ar na
ruadoRangel n.-81-A._________________ _g
Professor
Ensina portugus, francs e ioglcz theorieo e
pratico, em casas particu'ares e collegios na ci-
dade ou uos arrubaldep. Inormscoesna livra-
ria Fluminense e no Atheneu Brasileiro.
lo coramercio e s re-
parti$oes publicas
O ubaizo assignado declara a quem iuteressar
posea que aso se responsabilisa por qualquer
compra ou debito cootrahido em norae da firma
Tavarea Martins & C. a nao ser poi bilhete assig-
nado ou por si proprio, e bem asaim o mesmo
abaizo assignado poder cobrar qualquer impor-
tancia devida neama Grua, em qualquer repar-
tiilo publica.
Recife, 8 de Marco de -M7.
.YHuoel IVv;ues da Costa Martins.
Yende-se
a merciaria da estrada do Arraial n. 72, que foi
do Marianuo, prjpria pan qualquer principiante
por ter poucos fuados o pequeo emprego de ca-
pital em vista da armacao da casa e todos os uten-
silios ; a tratar na mesma. O motivo da venda
se dir aos prctendentes.
de p-peri, vende-se, grandes ; a tratar na ra
da Moeda n. 9, ou na ra da Boda numero 11,
t-a yerna.____________________________________^^
Hara Amia do Reg Cavaicante
de Albuqaer|De
Varia do Rogo Barros convida a todos os pa-
rentes pessoas de sua amizade para assistirem
a uma missa de stimo dia. que manda celebrar
por alma de sua parenta, comadre e amiga, Ma-
ra Anna do Uego Cavalcante de Albuquerqae,
na igreja matriz da Boa-Vista, seguuda-feira 14,
r 8 boras < p r este acta de religio e caridade
desde j se coaiessa grata.
flWIFf* i--.i^**
INJECTION CADET
fm certa em 3 das sem outra medicamento
J> 9 JPAMMM
PILULAS TJ GUILLIE
molestias
do Figado
e do Estomago
PILULAS <** PAUL GAGE
Phar"*de 1* clase, D'em Medicina de la Facoltade de Pars
DVCO PROPRIETJRIO ('ESTE SEDIC1MERT0
PARS, 9, raa de BreneUt-St-Germin. PARS
Estas Ptalas contcm d^Haito de um pequeo volume aspropne-
dades looi-purgaii vas do elixir Gullll, o quai remedio conbecido,
ha mais de sesenta anoos, por ser um dos mais eeonomicos.eosao
Purgante c Depurativo.
ESCOlFUl as FALS1FIC4CES. exigir IS LEGITIMAS PILDLtS G1U1 ireparailai por
Depositarios em Pernamlruco : FRAN M. da SILVA e
v m&
Febres
Epidmicas
Fluxes do peito
molestias
das mulheres
e das Criancas
PiCL G1GE.
c*.
.iiim uiiiE k
Ra i* de Marco 11. 0.
Participara ao respeitavel publico qu, tendo augmeniado seo
eatabeleciineuto de JOIAS cora mais u:n t seccao, no pavimento terreo,
com especialidades em artigoa de ELEOTR J-PLATE, convidam as
Exroas. faiBias e seus numerosos freguezes para visitir seu estabele-
ciuieo'o, onde encontrarao urn riquiasirao sortiioeoto de joias de ouro e
prata, perolas, brilhantes e outra pedrea preciosas, e relogios de curo,
prata e nikel.
Oa artiges que recebara directat--v.u- por todos os vapor silo
exe-jutados pelos mais afamados especialistas e fabricantes da Europa e
Estados-Unidos.
A par das joiai de subido valor acbarao uma grande variedade
de objectos de ouro, prata e electro pate, proprios para presentes da
casamentos, baptisados e anniversaries.
Nem eiu relar-ao ao preco, e era quadade, os objectos acwna
mencionados, encontrarao concurrencia n'eata pra$a.
|

1
I
4
*

i
l



**


IMar-fo
LUIZ
66-
Neste
I
I
I.

. -*
de sinos
DE
DA CRUZ MESQUITA
Ra do Baro do Triumpho66
(Anliga do Bren)
estibelecimento encontrarao os
Srs. agricultores e seus correspondentes
todos os objectos tendentes a agricultura,
como sejain:
Machinas para fazer espirito, de destil-
lar e restiPar, alambiques do antigo e no-
vo systema com esquenta garapa, serpenti-
nas e carapucas, tachas, tachos, bombas de
bronze, de cobre e de ferro, de aspirante e
de repuxo, para agua, mel e garapa, tor-
neiras de bronze, de madeira e de todos
os tamanhos, canos de cobre, chumbo, fer-
ro, de todas as dimenses, cobre picado,
fundos para alambiques, repartideiras, pas-
sadeiras e escumadeiras de cobre, de fer-
ro galvanisado, rmelas e lences de co-
bie, bombas con*inuas, sinos de 1 libra at
110 arrobas, sola ingfeza e do Rio, cadi-
nhos patentes e de lapis.
Fazem-se concertos de todas asqualida-
des ecom toda presteza cpcrfei^o apresos
mdicos,
Vendem-se a prazo ou a dinheiro com
descont.
Allenco
Vende-te ou permutase urna cw terree sita
Da travesa do Falco n. 12, com 2 alas, 3 quar-
tos, coainha tora, grande quintal e cacimba, por-
to dando sabida para a ra dos Casos ; a tratar
na mesva cora a proprietaria, e esta teri toda
negocio por j ter o despacho do joi, at par
butal a en leilao, podendo apresentar os docu-
mentos aoa permutadores, desejando tamben urna
por troca, ainda que sefa pequea, porm que es-
teja nova e bem construida.


yOleodeFigadodeBacalhau
do T>' JT3X7COX73K:
lodo-F&rruglnoso de Quina e Casca b Laranja amarga
n> i ------------
Este medicamento fcil de tomar, nao provoca nauseas,
e de cheiro agradavel. Pela sua composicao, possue todas as
qualidades que lhe permittem combater :
a ANEMIA, a CHLOROSE, as AFFECCES do PEITO
a BRONCHITE, os CATARRHOS, a TYSICA
a D1ATHESE ESTRUMOSA, ESCROPHULOSA, etc.
Em vista do seu emprego fcil, da sua accao multplice e
segura, da economa para os doentes, os mdicos receitam-n'o
de preferencia qualquer outro medicamento similar.
DEPOBrro awii -
PARS, 209, ra Saint-Denis, 209, PARS
VCNDEH-SE EM TODiS 1S PMNCIPAES PIURaUCIAS DO UlVERSO
DESCONFIAR DAS FALSIFICACES E I M I T A C O E S
hu
iFOIE
a.
|>ntraui'
svK
s%

*:4
ORIZA LACTE CREME ORIZA ORIZA VELOUTE
aos Consummidores
PERFUMARA oriza
PARS 207, Ra Saint-Honor, 207 PARS
OS PRODUCTOS DA PERFUMARA ORiZA L.LEGRAND
deveni wu euecee e favor publico :
1* tt ciliai tuntilMt nn su i 2' 1 su fuHdafi liilttriTtl i
lis tiirlnM, i i utiase at tes ttrtom.
MAS SE IMITA OS PRODUCTOS DA PERFUMARA ORIZA
Mi attlngr BO MI aria da delicadeza pertelco
C_ A apparencia exterior {testas imitacSes sendo idntica ao Werda-
l_v detrs Producto Oriza, os consummidores devero se
#, precaver contra este commerc tllicto e considerar como
Ww^_ contrafacedo qualouer producto de qualidade inferior a
^*SV vendido por casas pouco honradas. _*<
SAVON ORZA -VELOUTE
mena do Catalogo Ulnstrado pedido franqueado.
Leite puro

Qnem precisar de leite puro e boa qualidade,
das 8 J|2 horas em diente, queira appnrccer 4 ra
do Imperador n. 81, ufim de contratar a quanti-
dade e'preco.
Balanza decimal
Compra-ee urna j servida : Da ra do Vigario
3. 31, 1 sudar.
Atten^o
Grande e variado sortimento do movis de jun-
co, ricas mobias com encost de palba, cadeiraa
torneadas eem assento de madeira e com ps Ihrnha,
cadeiraa para crianca jantar mesa e para escola,
todo vende-se mais barato do que em outra qual-
quor parte : na ra estri ita do Rosario n. 23.
.*
Quinina dePelletier
ou das trez firmas
O Sulfato de Quinina Pelletier
preferido por todos os mdicos, por
ser inteiramente puro, contra as
Enxaquecas, as Neuralgias, os
Accessos de ebre,contraasfebrea
intermitientes e paludosas, a
gota e rneumatismo, e os suores
nocturnos. Cada capsula, da gros-
sura de urna ervilha,contm 10 centi-
graaimas de su "ato, e nella l-e
PELLETIER. Est-Cpsulas tem
ac^ao mais prompta e mais
segura do que as piluJas e
confeitos, e engolem-se mais facil-v
mente do que as hostias.
Deposito em PARIS,8,RaViTieniie
as principies Phtrmaoiu Oroisrits
Cofre
Vende-se um importante cofre do fabricante
Milners, sem ter defeito ; a tratar no pateo do
Paris* n. 16, t-sqajjna da ra de 8. Francisco.
MiEiro
Na vaciar ia da engenhoca Bemfica ra Real
da Torre n. 23, precisa-se de um habilitado.
Sitio
Aluga-se um sitio com casa, e outra boa easa,
no Aterrinbo do Giqui ; a tratar na ra do Im-
perador n. 50, terceirc andar.
Solicitador
Jos Perreira d Paula, provisionado pelo Tri-
bunal da Relacao de Pernarubuco, tffei ece-re a
quem precisar de tra balboa inherentes sua pro-
fissao Da cidade de Pesqueira da comarca de Cim
brea, onde foi sua resid neta, e tamben: trabalba
as comarcas do Brejo da aladre de Deus, Garua-
ra, S. Bento e Escada.
VENDAS
Vende-se duas excellentes casas na cidade
da Escada, sita i ra do Commercio, bem cons-
truida de podra e cal; a tratar nesta cidade do
Recife com Antonio Pereira Lopes, ra do Ale-
crim n. 74, e na cidade da Escada com Alfredo
& Companhia.
Armaf o
Vende-se a arras cao da ra daRangel n. 10 ce-
dendo-se a cata ao comprador.
Superior carne de serlao
Vende-se no rmaseos de Francisco Cardoso aa
Silva Pinto, ra da Imperatriz os. 23 e 34, e
gneros de Ia qualidade por preco mdico.
A levoluco!
Resolveu vender os seguintes artigos com
30 /0 de menos do que em outra qual-
quer parte.
Guarnicops de velludilbo bordado a vidrilho para
vestidos, a 7*000 urna.
Tafetaa de edres a 300 rls o eovade.
Cachemira bordada a 1*500 o covado.
Ditas pretas a 1*000, 1*200, 1*400, 1*600 e
1*800 o covado.
Ditas de cores a de 900 ris e 1*200 o dito.
Laa meacladas a 600 ris o dito.
Dita* com liatrinhas a 560 ris o dita
Ditas com belinhas a 600 ris o dito.
Ditas de quadrinbos a 400 ris o dito.
Lindas alpacas a 360 ris o dito.
Gorgurinas a 320 ris o dito.
Setim damass a 820 ris o dito.
Dito Macas a 800 ris e 1*200 o dito.
Damass de seda a 1*300 o dito.
Gradenaples preto a 1*800 e 2*000 o dito.
Gas com bolinhas a 800 ris o dito.
Fusto branco a 400, 430, 560 e 800 ris o dito.
Vellodilhoa lisos e lavrados a 1*000 1*200 o
eevado.
Dito bordado a retroa a 2*009 o dito.
Cambraia com sal picos a 6*000 a peca.
Camisas para senhora a 30*000 a dusia.
Ditas de meia para homem a 800 ris, 1*000,
1*200 e 1*500 urna.
Fichs de 12 a 2*, 3*000, 4*000 e 5*000 um.
Ditos pratemdoa a 2*000 um.
Ditos de retroza 1*000 um.
Linhos f seosezes a 200 e 240 ris o covado.
Collarinbos e punhos para senhora a 2*000 um.
Ditos de cor, dem dem a 1*000 um.
Cortes de casinira finos de 3* a 5*000 um.
Ditos de la e seda para aslete a 6*000 um.
Ditos de cachemira de cor para vestido por 20*
um.
Cachemira de cor de 6* por 3*000 o covado.
Damasco de cor a 700 ris o covado.
Panno da Costa a 1*400 o dito.
Cortinados bordados a 6*000 e 7*000 o par.
Colchas bordadas a 5*, 6*, e 7*000 urna.
Cretones finos a 320, 360 e 400 rit o covado.
Chitas finas a 240, 280 e 300 ris o dito,
Zephiros finos a 500 ris o dito.
Setineta escossesa a 440 ris o dito.
Ditas de quadrinbos a 320 rs. o dito.
Chales de mirin a 1*800 um.
Ditos estampados a 3*000 e 4*000 um.
Ditos de cachemira a 2*, 2*800 e 4*500 um.
Cobertores de IS a 4*500 e 6*500 um.
EsguiSo pardo e amarello a 500 ris o covado.
Brim de linho de cor a 1*200 a vara.
Dito prateado de linho a 1*000 a dita
Colchas de crochet a 8*000 urna.
Anquinhas a 1*800 rs. urna.
0 48 roa Mu de Gaxias
IIeuriqne da. Silva Woreir
Yiveiro para passaros
Vende-se dous glandes e bonitos viveiros po
pieco commodo, sendo o motivo da venda ter o
dono acabado com os passaros que poseuia ; a ver
e tratar na ra do Imperador n. 22.____________
Pechinchas para acabar!
59 Rna Dnaae de Caxas 59
Nansocs cores firmes a 160 e 180 rts o cova-
do.
Cretones claros e escuros a 240 ris a dito.
Fustea com nalminhas de cores a 240 ris o
te.
dildem branco finos a 320 e 400 ris o dito.
Popelinas com listras de seda a 300 ris o
dito.
dem branca para Ex mas. naivas a 500 ris o
dito.
Setinetas brancas bordadas a 500 ris o dito.
Setins de cores, branco, e preto Macio a 800 e
1* o dito.
Combraia de forro preta a 1*200 peca.
Eaguides de linho de 10 jardas a 4* e 4*500 a
dita.
MadapoISo pelle de ovo de 20 ditos a 6*500 a
dita.
Algoddes superiores a 3*500 e 4* a dita.
Brim de cores, lindos padres a 400 e 500 ris
o covado,
dem pardo superior a 360 e 400 ris e dito.
Angolas finas, cores firmes a 560 ris o dito.
Cambraia branca bordada a 5*500 a peca.
dem Victoria fina a 3*200 a dita.
Bramantes de algodao superiores a 900, 1*200
e 1 *50U o metre.
dem de linho puro, do melhor, a 2* o dito.
LenccSes de dito para cama de casal a 1*800
um.
Colchas de ganga idem a 3* urna.
dem idem para selleiros a 2*500 urna-
Colchoes franceses, grandes, a 15* um.
Ceroalas de superior bramante a 12* e 16* a
dsaia.
Meias ioglezas, cruas, a 2*800 e 3*500 a dita.
Lencos brancos e de cores a 2* a dita.
Meias para criancas a 2*500 a dita.
Guardanapos bordados de linho a 2*400 a dita.
Camisas francesas superiores a 36 a dita.
Cortes de meia casemira a 1*800 e 2*.
dem de casemira superiores a 3*000, 4*500 e
6*000.
Para a quaresma
Merinos preto, sortimento sem competencia,
precos de 1*000, 1*200,1*500, 2*000 e 2*500 o
covado.
Grs de aples, verdadeiro de Lion, a 2*500
e 2*800 o covado.
Cachemiras preta com salpicos a 2*000 o co-
vado.
Veludilhos lisos e bordados a 1*000 a 1*200 e
dito.
Mantilhas brasileira a 5* tima.
Fil de sede bordado a 2*800 o metro.
Ficbus, idem, grandes a 7* um.
jJCbeviots superiores a 2*500 e 3*000 o cova-
do.
Casemiras, pannos, Sedao, merinos e todos os
artigos para o neo domestico >e encontra na acre-
ditada casa de
Ca iieiro da Cunta & C.
THESOURARIA DAS LOTERAS
PAR4
0 fondo de emancipaciio e ingenuos
33 .A.
COLONIA ISABEL
i de Mareo de 1887
Tendo o Exm. Sr. Ministro da Fazenda por acto de 7 de
Fevereiro ultimo, prohibido a extraeco de loteras por seres,
acha-se exposta venda a 7.a lotera para o Fundo de Emancipa-
cdo< que ser extrahida hoje 12 do corrente s 2 horas da tar-
de no consistorio da igreja da Conceico dos Militares, sob o
seguinte:
Vendas em grosso damos
descont*
59 Ra Duque de Caxas 39
EXP0SITIOS ^ UN.* 1878
LO PUm HAUTCS HCOKPBMSES
OLEO. QOIHA
E COUDRAY
tHULatlTEnitPRADOPRAAF0(tMOSUUDflC*IELL0
Recommendamos este producto,
considerado pelas celebridades medias,
pelos seos principios de quina,
mis poderoso regenerador que Mcoahece.
I"
Artigos *Recommln dados
perfumara de LACTEINA
la-iii-'irr pal CsMrUtSM ladieu.
GOTAS CONCENTRADAS para o lenco.
ACHIA DIVINA dita agua de sanas.
ESTES AITISoTaCHAmIe NA FAB.RICA
pars 13, m 'Eigkei, 13 .pars
DUsaMii a todas u PerTSmarias, Paarmacias
s Cabellereiros da America.
I....................
PLANO
5,000 bilhetes a 45ooo
Imposto g-eral de 15 |0,
e porcentagem .
J
sello, beneficio
2o:oooooo
5:l)5o3ooo
14:o5oooo
1
1
1
1
5
8
16
55
916
premio de
l,oo4
looooo
5oooo
2o^ooo
loooo
oooo
0 thesonreiro,
Francisco Goncalves Torres.
6:oooooo
l:ooo|ooo
5oo$ooo
2ooiooo
5oo|ooo
4oo|ooo
32o?ooo
55olooo
4:58o|ooo
l^:o5o$ooo
amm
\rtigos para as excellenlissimas senhoras
Capa sde cachemiras com vidrilhos de differentea precos.
Sedas pretas, lisas, superiores, chegadas ltimamente a 2#800, 2^200, 5400,
3*000 e 3*500 o covado.
Ditas lavradau a 3*200 e 3*800 o covado.
Setins pretos, Usos, a 1*000, lrjl200, 1500 e 2*000 o covado.
Etamine de seda, tecido aberto, a 400 o covado.
Cachemiras bordadas a 1*800 o covado.
Merinos, bem pretos, a 800, 1*200, 1*500 e 20000 o covado.
Dito assetinado a 1*200 o eovade.
Setineta franceza, lisa, a 500 rs. o covado.
Lavas pretas, de seda, de 3, 4 e 6 botoes a 2*000, 2*500 e 3*000 o
par.
Artigos para horneas
Cheviots pretos a 3*000, 4*000 e 4*500 o covado.
Casemiras diagonal de 2*300, 2*500 e 5*000 o covado.
Panno fino de 2*500 a 6*000 o covado. Aproveitem !

4' ra Primeiro de Marco n. 20
AMARAL & C.
ios 1.000:0005000
200:000^000
100:000^000
A' Florida
Roa Dnque de Caxas n lo*
Cfaaoia-se a attenco das Ezmas. familias par
os precos seguintes :
Cintos a 1*000.
Luvas de pellica por 2*500.
Luvas de seda cor granada a 24, 2*500 e 3*
o par.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs., n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albuns de 1*500. 21, 3*, at 8*.
Ramos de flores finas a 1*500.
Luvas de Eacosaia para menina, lisas e borda-
das, a 800 e 1* o par.
Porta-retrato a 500 n., 1*, 1*500 e 2*.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. um.
Anquinhas de 2*, 2*500 e 3* urna.
Plisss de 2 a 3 ordena a 400, 500 e 600 re.
Espartilho Boa Figura a 4*500.
dem La Figurine a 5*000.
Pentes para coco com inscripcSo.
Enchovaes para batixados a 8, 9, e 12*000
1 eaiza de papel e 100 envelopes por 800 ris
Capella e vena para noivaa
Suspeocorioa americanos a 2*500
La para bordar a 2*800 a libra
Mi de papel de cores a 200 ris
Estojos para crochet a .$000 rs.
Bico de cores 2, 3, e 4 dedos
de largura a 3*000,4*000 e 5*000 a peca
Para a quaresia
Leques para, menina a 200 ris.
Licha para machina a 800 ris a dusia, (CB K)
Bordados com dois dedos de largura 600 ris,
3 dedos 800 ris, 4 dedos 1*200.
Cambraia tapada.
Galao de vidrilho metro 1*.
Franjas de vedrilho a 1*,
Lavas pretas de seda e Escocia.
Franja* e galoes finos a 2*500. 3*e 4* o metr
BARBOSA & SANTOS
LOTERA
uiiii
DE 3 SORTBIOS
En favor dos ingennos da Colonia OrphanologicaUsabel
DA
- PROVINGi DE PERNAMBUCO
ExtrflCQG a 14 fle fle 1837
0 theseurciroFrancisco Goji-jalves Torres
Oleo para machinas
Superior qualidade, a 6*400 a lata em cinco
s; vende-se na fabrica Apollo e de seur
tos.
% vigor para todos
DOEirgAS
ESTOMAGO, FIGADO e INTESTIN
VINHO E XAROPE DE JURUBEBA
BARTHOLOMEO & C*
PRA>M. PRRNAMBUCO
nicos preparados de xuruoeb approvados peta Academia de MetHma, el
[ recommendados pelos Mdicos contra, aa Molestias do Estomago, Parda % Appa-1
Ule, MgeMoM dHDcels, Dyspepsra e todas as Molestias do rifada, e do Baee.l
[na Diarrhea cNrontea, na Hydfooesla, etc.
CT7IDAXSO OOiU AS FALSIFIOAgESI
EXIGIR .*. ^s^fe-tfli
Bom negocio
Vende-se urna casa de molbados, prepria para
principiaste por ter poneos fundos ; quem preten-
der dirija-se refinace da ra do Lilia, em San-
te Amaro das Salinas.
Cabriolets
Vende-se dous cabriolets, sendo um descobertu
e outro coberto, em peridto estado, para um ou
dous cavalles; i tratar i ra Duque de Carias
n. 47.
Doce de caj secco
Em latas de duas e quatro libras, assim como
latinhaa com jalea e latas com doce de goiaba,
tem continuadamente para vender a preco commo-
do ; na rus do Bom Jess n. 36, armasen.
WHISKY
BOYAL BLEND marca YUDO
Este excellente Whisky Eseessea preferiva
ao cognac ou agurdente de canna, para fortifioa/
9 eorpo.
Vende-se a retalho nos aa Ihares armasen
akolhados.
Pede BOYAL BLEND marea VIADO cujo ao*
ate e emblema sao registrados para todo o Braa.
rm t c, i
BBOWN
C, abantes
Pinho k Riga
MATHUES AU8TIN & C, recebtram ltima-
mente um completo sortimento desta madeira,
como sejam: prancboea e tabeas para assoalbo,
da melbor qualidade e de diversas diaaasies, e
pe vaodem por precos comundos, e redoaidoa,
conforme os.lotes ; no armasen! do caes do Apollo
n. 51, oa ra do Conunercio o. 18, Ia andar,

*

N
' -

l
. c
i -.: P
sjsjsj



s

Diario de PcrnambucoSabbado 12 de Muryo de 1887
LTTRATM
v
JOCUNDA BEBTBIER
POB
MARIO UCHARD
-*)-
V
Continuacco)

- Nao! mas urna folha hontem fallou para te diatrahir... OIba, justamente eil-a-
nisso. E domis, a couaa era faoil de!... Ella va ficar admirada,
prever..
Christiana nao m creatura...( Oh! nem palavra ta presenga dalla,
' ama artista... ama estroina.
gada, como lo!, na alta sooiedade,

'loesa hora do verdadeira agona, relem-
brara-se ao mesmo tempo de tudo quanto
se passou nesse anno t2o cheio de praze-
ree, de confianga o de projectos adora-
Igt O amor exaltado de Christiana, os
seas protesto de criaos, o roysterio das
suas revelabas nessa vida mundana, era
que elb j era sadada como grande ar-
tista Tinham marcado para o seu casa-
mento o dia depo9 das suas estras...
Que romance singular e encantador, unir
entao 83 suas jo veos glorias e linear
chusma um s nome !
IV
Ral Rivol, pintor de taknto, o confi
Fdente supremo que Roberto Guriu traba
;escolhido, era para elle quasi um irmao
"Estando estreitamente ligadas suas fami-
lias, a sua camaradagein de infancia ti-
nha soldado entre elles urna dessas aroisa-
des em que, por assim dizsr, tudo era
comraura, at as ideas mais oppostas. R-
vol, cinco annos mais velbo e approximan-
do se dos trinta, nao era am hornera in-
significante. Alto, magro, de rosto expres-
sivo, com a sua barba aparada em ponto
Henriquell, tudo nelle respirava a reso-
luco de ama natureza bem equilibrada.
Filbo de um corrector de fundos e pos-
suindo unsquarenta mil francos de renda, o
seu lado fraco era a ambigao de crear para
si urna fama retumbante ; a isso sacrifica-
ra tudo. Depois de perder, como diza, os
seus melhores annos no becco sem sabi-
da acadmico da ra de Bonaporte e as
casas dos pontfices da pintara oficial ,
teve o seu caminho de Damasco; o aojo o
tinha conduzido para o lado das bellezas
do genero irapressionista. Nao se perdeu
all ; e para accantuar a sua temeridade,
assignava as suas telas, nem sempre des-
providas de talento, com o nome de Bento
Rivol, ao nome de Ral, com que o af-
fligram, pareca lha faltar truoulencia.
Com um coracao ardeut.-, original e pou
co se importando com a sociedaue, por um
rasgo de generosidade romntica tinha ca-
sado com ama simples operara, sob o
pretexto quo ella er t bella e boa ; e tinha
se dado bem. A sua casa da avenida de
Villiera, o seu gabinete de trabalho, eram
o sanctuario tumoltaoso dos adiantado da
arte.
Comquanto Rivol anda estivesse dor-
mindo, Jasmim, o criado, que conhecia
Robarto, deixoa -o entrar no quorto do pa-
trio.
Oh s tu ? exclamou Rivol, brusca-
mente despertado, entilo que horas sao 1
Nao sei, replicou Roberto, os pon-
te iros do teu relogio marcam dez horas e
meia.
Dez horas e meia 1... Tu entao s
somnmbulo ?
Preciso fallarte, respondeu grave-
men'.e Roberto, levanta te.
O tom e a inflaxao dessas poucas pa
lavras impresaionaram Rivol.
Tens algui" duello ?.. lissa elle,
dessa vez, serio ?
. Sira I
| Com quera ?
Cora a fatalidade estupida que tudo
Christiaua deixa-rae... vai ca-
rege.
tar. ..
Com o principe
Tu o s abias V
Cbermetet ?
Lau-
que a
embriagara, voces tra vivido am pouco
como loncos, e esbanjaado em um anno
ama boa naetade do teu capital... E' sem-
p.e a carta da Perichole ou de Manon
Lescaut: Mea caro amante, eu te ado-
ro. .. mas...
Mas a desgranada ama-me.
Sira/... ella amata... ou ella
a>oou-te, pelo menos com todo o tapeto de
uma louquinha... Mas que fazer?...
Est te acontejeudo o qae devia aconte
cer.
Achas a sua infamia muito simples,
e a debculpas...
Nao, explico o caso tolo !... Tolo
como tudo quanto se pode esperar de tolo,
com o contacto dessa sociedade de btir-
guezes. O golpe duro.. mas espero
que ests resolvido a rasistir cora cora-
gem.
E' o que vou fazer! replicn phleog-
maticamente Roberto : por isso venho d-
z=r-te adeus e eniarregar-te do que deixo.
Partes ?
Mato roe.
Rivol pulou na cadeira.
Heiu ? disse elle.
Ha projectos qun por absurdos escapam
a toda a discusso. Rivol ficou como ator-
doado.
Ests doudo? tornou elle,
Porqua respondeu Roberto, estou
farto, nada mais .' .. rter loucura acabar
de uma vez com uma vida de que estou
cansado?... com uma sociedade em que
todo podridao, covardia, villana ? ..
Eu estou acabado, gasto, desesperado. E
uma vida falba.. desfago rae della !.
Oh oh disse Rivol, encarando-o, a
crise aguda ... Se comegas a fazer a
poltica intervir as historias de mulheres,
onde iremos parar ?... Nao serei eu quem
faca o elogio dos temp03 em que o sent-
mento viril do bello as artes vilipendia
do pelos aleijados privilegiado! do gover-
no e do Instituto, que vera a natureza gri-
salba segundo a palheta do tio logres...
mas ainda ha quera lute e v avante.
Qua tenho eu com isso ? disse Ro-
berto, eacolhendo os hombros.
Como ? que tens com isso ?... Nao
est m essa !... Queres desertar em ple-
na batalha?... Bom bom accrescentou
elle notando um gesto impaciente da Ro-
berto, vais me responder com a astucia de
Christiana... Poisbem! vamos ao fundo
do negocio. Ella a priraeira a pregar-te
ama peca, cedo demais para que tu zom-
be disao. Mas, afinal, tu nao casas com
ella .' Porque, comquanto nao digas nada,
evidente que um bello dia l chegariaa.
E' ella quem arrebenta a corda... Isso
entao nao nada?...
Pois tu ias cahir na tonco irreparavel
de ser o marido de ama prima-dona...
com todo o cortejo de desgostos ligado ao
eraprego '... Esses casamentos sao casa-
mentes de luto, bons para principes reinan-
tes .. ou para tenores em camisas de
mei.s de seda, que dSo a rplica dos ditos
... Ests te vendo, a ti, horaem serio, se-
gurado a tua mulher, carregando os seus
ramalhetes, por entre os transportes de
um povo idolatra... que tira-lhe os cavat-
ios do carro ?... E quando a tua diva te
proporciona, ella mesma na occaai&e de
sahires da camisa de onze varas em que
tao dploravelmento te uietteste, gritas,
quexas-te, gomes!.. Quando escapas de
ama destas !...
Oh I... tea serraSo faatil! dia
se Roberto. Eu amo-a!... Tu nao podes
comprehender-me.
Tu amas tu amas!... Ea m os ai o
nao bou de pao... Mas, com os diabos,
esse desespero acaba !... E at recemeca,
conioutra.. depois decerto tempo Tena
eu te peco !... diaso Roberto vivamente.
O que acabo de confiar-te s a ti confio '
nao esquecaa 1...
No mesmo momento abrio-se a porta ;
entrou ama creatura aoberba.
Trajando ara vestido japonez de setim
azul celeste e bordado de ramageas de
oaro o seda; os seus cabellos, de um cas-
tanbo escuro, soltos, cahiam Ihe at cin-
tura.
Oh o mea Rbsinho !... disse
ella em voz cheia e jozen como ara sor-
riso da primavera. Se vens almocar, te
mos lag03ta e maxilhdjs gaizvdos.
Apollo!... que alimento... excla-
mo a Rival levantando os bracos para o
g-
val peosava no mi
o prender ainda que fosse precia* featutran-
FOLHETIM
0 flORCUNM

POR
0
QUINTA PAUTE
3SI3AI; 3S CASAMENTO
amigos!... E Aurora e eu aqu estamos
co ; esta Aurora nlo s noj arruina co n
festina, mas ainda deshonra a minha me-
sa!...
Obrigada I.. replicou ella, foi Vir-
ginia quem trouxe tudo isso do mercado
esta manh..- Vae ver essa agosta de
seis francoj e viva... estava coraici!...
c}iria atraz de mim na cosinha.
A Sra. Rival, em solteira, Fanny Bo
dard, que o marido cbamava: simplona*
por causa de suas simplicidades frequentes,
porm ruis particularmente Aurora por
causa da sua frescura, tinha vinte ancos.
Nascida na miseria e mortos os seus pais,
achou se s aos doze annos as ras era
Montmartre. Urna prima velba accolbeu-
a e pl-a coso aprendiz em casas de uma
modista celebre.
A,os dezoito annos, bella, de um typo
de rara distinc;3o, era coatraoiestre. Ri-
val tendo a encontrado em um baile cam-
prestj, apaixonou-se por ella como artista.
Mas, coraprehendando logo que havia feli-
clade nessa virtude modesta, casou con
ella.
Alta, esbelta, de elegancia nativa, como
uma patricia ; as suas formas desde o cal-
cinbar at a nuca, eram as de urna esta-
tua, e d-llas nlo tinham pouco orgulbo ;
casada havia tres annos, nao tinha outra
iia no mundo senao h da vida no gabina-lo grupo
te de trabalbo do mando ; sera nenhuma Mundo.
iastruccao, mas de iatelligencia viva, clara
e recta, tinha um genio soffrivelmente ori-
ginal. Desses dous coracSes verdadeiros,
desses caracteres facis, apaixonadoB am-
bos pelo mesmo ilal de independencia,
reaultou um casal de camaradas, em que a
ternura nao era menos profunda por havur
liberdade de lioguagem. Vi vendo ara
para o oatro no seu meio limitado de ami-
gos, nao se importando com a sociedade,
eram felizes, amavam-se.
Robirto com ellas estava como era fa-
milia.
O effeito tragio mais poderoso na vida,
com certeza o drama do mando.
A despeito da natural alegra de Aurora,
qaefallava por tres, o al mogo a que Ro
berto assistia iadiffirente, orno ura dos
ltimos trabalbos da sua existencia terres-
tre, estava particularmente, triste. A sal*
de jantar de estylo flamengo, com suas ve-
lhas credencias authenticas, a sua loaca e
os seus vasos de estanho, com quanto es-
tivesse Iluminada pel sol. nSoecboava ne-
nhuma risada. O criado servia assiduo e
ando no tapete sem ruido Mesmo Rival
estava pensativo, nao qua, por am mona-
te admitase, qae as cousas pudessem ac \-
bar como Roberto tinha resolvido. All
estava, tinha tomado a resolucio de impe-
dir que esse desesperado louco realisasse
o sea projecto; mas, conhecia a fundo essa
joven natureza vibrante, calorosa, prompta
para todos os impulsos de ama imaginaco
de poeta. Saba que era capaz de um
acto de loucura theatral, no delirio da pri-
meira hora... Sa o deixasse entregue a
a si, a eaae paroxismo de raiva louca, fcil
de. tomprebender sob o estoicismo altivo
que elle affectava, se o deixasse por am
momento, sabia que elle estava em peri-
gl-o.
Rasultava dessa prooecupacito ura espe-
cie do aborreciraent i que a presenca da
mulher augmenta va. Pelas poucas parases
banaes trocadas em voz baixa entre os
amigos, poda quasi suppdr-se qae era am
quarto de doente.
, Vamos at o cemitario? disse Auro-
ra de repente, como acsmpanhaado um
enterro.
A phrase cahiu tao a proposito, que Ri-
val quasi teve ura sobresalto.
- Ora, sabara, tornou ella, que nao es-
tilo muito alegres hoje D que serve ter
nm almico deste^?...
Cala-te, minha filba, disse Rival, e
deixa Robarlo socegalo; ests vendo que
nao tem vontade de rir !
Ali I pobre Roberto que te sueca-
dea ?
i Nada! respoadou elle!
Mas fazer Aurora calarse e impedil-a
de parguntar, depois de despertar a sua
curi is iade, era empenho intil, tanto mais
que ella estimava Roberto.
Ests doente ?.. Continua o teu
caiporismono club?... Escreveram algum
artigo contra ti ?
Elle tem o caiporismo de estar ao la-
do de uma tolioha insupportavel que o as-
sassina com as suas perguntas exclamou
Rival querendo por fim conversa. Est
aborrecido!. .. Ainda uma vez, cala-te?...
Nao vs que ella nao quer responder.
Sim I repliciu ell>, sbitamente contris-
tada, nao preciso que elle o diga para que
eu o veja... A sua tristeza, accrescantou
dita co n um suspiro de condolencia, nSo
um recem-nascido que nos traz parabapti-
sar, sei-lhe o none... e conheco a madri-
nha e tudo...
Basta !... cala-te.
Oh! cortamente, calo-rae, coatinuou
ellla placida, cora os dous coto vello i era ci-
ma da mesa e o queixo apoiado em uma
das mitos. Bam sei do que coavem e do
que nZo coavem fall ir. Nao a mim que vi
do Puget : a Quatro Parte do
Entlo pansas qae sou alguraa enan-
ca ? replicou Roberto.
Absolutamente!... E, demais, am en-
fermo atacado de um delirio extravagante
que preoiao vigiar e tratar... Oh nao
discutamos '....
Sei tudo qnanto vais dizer... Mas, o qae
te declaro isto : Sou teu amigo, estima-
mo-nos... J trocamos outr'ora muito
murto e entre nos nonhuma violencia eon-
ta... Alna dsso sou mais forte do que
tu... E ainda que eu tenha de chamar a
guarda ou de met ter-te em ama casa de
loucoa. .
Ola! 3S0 cert disse irnica-
mente R'val cabido em um divn na atti-
tude de um fulminado.
E' asaim mesmo !... Podes olhar
qae nunca deixa d.; dar aquella dos dous
que mais raedo t n de ser abandonado...
Nem defeado, aera aacuso Christiana...
Ella esplendida, sobarba... modelo do
mais puroa... ama deusa, uma w.lkirie...
mas uma tola,, p>r te livar a osse esta-
para a
casando
para mira...
Entao achas que anda nao basta !...
E quan lo venho procurar-te, a ti meu
amigo, ou como dizs, meu rmelo, ta, por
Ha cinco replicou Rival que conhe-
cia o systema para fazal-a descarrilar.
Sim, isesj caro, cinco s* quizares,
pra os amadores que tem muito espaco as
suas galeras... accrescentou ella com
umt irona sobarba Penaas que vais me
fazer engulir essa ?.. Naaoido em Mar-
selha era 1622 ?...
Quera ?
Puget (Pedro). Est gravado ao pe-
destal .
Ah tornou distradamente Rival,
estimando ama diversao tao completa.
Mas Aurora continaou :
Ddpois dsso, se imaginas que nao
sei que a Suecia est ao lado de Russia...
anda que nao ra'o tivesses dito o outro
dia !... Nao digo qua nlo ha Russas boti-
naa... Mas nao sao mulheres para nos...
L faz muito trio... sem fallar no habito
de fazar a gente morrer debaixo do kiout,
como no painel de Cuacart... Roberto
bom demais para ella... E se elle quizes-
se s me onvir !
Uma jura formidavel de Rival, que ati-
rou a mesa o guardanapo cora o ar resig-
nado de um vencido, fez Aurora parar
bruscamente.
Subamos para o gabinete de traba-
lbo, disse elle haixinho a Roberto, que o
seguij.
VI
57)
(Coutinnacao do n.
xm
A uHotsnuiura tli contracto
A desoonifcmga nascera no espirito do
regente.
De volta da sua visita ao Palacio Real,
a Sra. princeza de Gonzaga encontrou em
casa muitos amigos. Toda aquella genta
que lhe tinha aouselhado a nSo acensar o
principe, perguntava-lhe o que tinha de-
cidido o regente com relaco ao principe.
Gonzaga, que tinha o iostincto de uma
tempestado prxima, nao desconfiava, en-
entretanto, de todas estas nuvens que se
amontoavara no seu horsonte. Era tao
rico e to poderoso !
A historia daquella noite contada no dia
seguinte teria sido fcilmente desmentida.
Rir-se-biam do rama de floras envenena
das; isto era bom para o tempo de Brin-
viiliers ; lir-se-biam do casamento tragico-
comico, e, se alguem quizesse sustentar
q assassinar a sua joven mulher, com certe-
za, ningaem acreditara. Historias para
adormecer crianzas.
Effectivamente, a tempestado nao so-
prava dalli. A tempestado vioha do pala-
cio de Gonzaga. Aquelle longo e triste
drama de dezoito annos de cat-amento fjr-
cadp ia ter talvez um desenlace.
Alguraa cousa mexia se por detrs dos
pannos pretos do altar onde a viuva de
Nevers mandava dizer todas as manhas o
oficio dos mortos. Eotre aqaalle luto sem
exemplo am pbantasma se ergua.
O crirae presento nlo teria encontrado
crdito por caos daquella multidao de tes-
temunhas, todos cmplices ; mas o crirae
passado, por mais profundamente qae o
enterrem, acaba sempre por quebrar a
tampa do tmalo.
A Sra. princeza de Gonzaga respondn
aos seus Ilustres conselheiros. que o Sr.
regente tinha indagado da circamstancia do
seu casamento e do que lhe preceder.
Accrescentou que o Sr. regente tinha-lhe
promettiio fazer fallar esse Lagardre, ain -
da qae fosse preciso recorrer foro.a.
Langarara-se 8obre este Lagardre, com
a secreta esperanca que a luz viria delta ;
porque todos sabiara ou dcsconfiavam
que essa Lagardre se envolver na scena
nocturna que vinte annos antes tinha abor-
to esta interminavel tragedia. O Sr. de
Machault prometteu seus agoazis, o Sr. de
Tresmes seus guardas, os presidentes os
seus malsias. Nao sabemos o que um car
deal pode nesta circurostaocia; mas, final-
mente sua eminencia offareceu o que tinha.
Srestava a esse Lagardre aguentar-se.
Perto das Anco oras da tarde, Magda-
lena Grard veio procurar sua ama, qae
estava s, e entregou-lhe um bilbete do
chefe de polica. Este magistrado annun-
ciava princeza que o Sr. Lagardre tinha
sido assas8nado na noite precedente, quan-
do sabia do Palacio Real. A carta terrai-
nava por estas palavrus :
t Nao acuuse sea marido.
A Sra. princeza de Gonzaga passou o
resto da n tre nove e dez horas, Magdaleua Giraad
voltou cora um novo bilhete. Este era de
uma letra desconhecida.
Tinha sido entregue por dous descono-
cidos, gente de m catadura, muito pare-
cidos cora dous mata-mouros. Um alto
e insolente, o outro araavel e baixo.
Esto bilbete recordava Sra. princeza que
o prazo de vinte e quatro horas concedidas
ao Sr. da Lagardre, pelo regente, expira-
va naquella noite, s quatro horas da ma-
nila, lutormava a Sra. princeza que o Sr.
Lagardre estara a esta hora no favilbo
qua servia de caa de recreio ao Sr. do
Gonzaga. Lagardre em oasa de Gonza-
ga ? como ? E aquella carta do chefe de
polica que annaauiava a sua tnorte ?
A princeza ordeuou qae preparassem a
carraagem. Subi para o carro e mandou
que a couduzissara ra Pavd S. Antoi-
ne. ao palacio de Lamoigaon.
Urna hora depois, vin-e guardas france-
zes, coramandados por ura capitao e qua-
tro offiaes do Chatelet, aorapavam no
pateo do palacio de Laraoignoo.
Nao nos esquejamos de que a festa da
da pelo Sr. principe de Gonzaga tinha por
pretexto am casamento : o oasamentj do
marquez de Cbaverny com ama joven des-
conhecida, a quem o principe da va um do-
te de cincoenta mil esaudos.
O noivo tinha aceitado, e sabemos que o
Sabas qae nao te deixo disse Rival
era tom decidido, quando, afinal, fisaram
sos, e que nao sanes daqui sem me dares
a tua palavra qua nao fara asneiras.
Roberto encolheu os hombros.
Bom I bom tenho onde agazalhar-te.
O teu quarto aqu eat sempre prompio.
tua vez, queres tambem aggravar a minba
8crta.com o teu quinhao de traicao, de
amargores!., de cobarda '...
Bom bora podes inaultar-me t nao
te acanbes !.-. Est no programma da si-
tnaclo. E's infeliz, ests desesperado, louco,
tomado de vertgem... Mas se eu estivesse
no teu lugar e ti vase a idea de a tirar-
me do alto das torres de Notra Dame tu
havias de o impedir nao assim ?
Nao, eu juro!... Se estivesse soffren-
do come eu...
Pois justamente por causa do mo-
do por que soffres, que eu nao quero te
largar. Ests embriagado pelo desgosto e
nao ests no tea juizo...
Assim, parece, porque contei comtigo,
como hornera que tera alma.
Anda!... Desembucha!... acercasen-
tou Rival, passeiando pelo gabinete.
Houve ara momento de silencio.
Olha tornou Rival collocaudo-sa em
frente delle, queres que te faja uma pro-
posta ?
Qual?
Para convencer-me, e para que tu
tambam fiques convencido de que nada
mais te resta do que fazer saltar os mi-
los ? Se uestes oit) dias me declarasses
qae ests satisfeito...
Entao rae dars lcenca ? replicou
Roberto cora um sorriso amargo.
Mas, animal, se daqui at l Chris-
tiana, que, provavelmente ainda te ama e
que est com a cabeca virada... voltasse
desolada... Se, se at l, o seu casamen-
mento se desmanchasse...
Roberto ainia encolheu os hombros sem
responder.
Mas Rival comprehendeu, que tinha to-
cado na uaica fibra sensivel que ainda po-
da vibrar.
E isso nao sera para admirar.' con-
tinuou elle. Como se estas mulheres do
diabo nao estivessem a cada momento a
jogar esse jogo de maltratar o coraco...
por amor da arte-'... Qaem te diz, que se
loases procural-a amacha ou depois de
amanha... Ou antes, se nao te movesses
durante tres dias, domo ura finorio que o-
nhece essas astucias... quem te diz que
nao a veras surgir, uma raanli destas,
em tua casa, e fazer, por sua vez, o papel
do desespero e o mais ?...
Porque, emfira, ella te disse isso ho
mera... provavelmente impellida pela ta...
E' preciso saber sa hoj'e ella nao est der-
ramando todas as lagrimas que tem ?
Tem-se visto destas derivac5es sbitas t E,
afiaal de contas, nada prova que a tia nao
esteja te armando algura lago para apartar
mais o n entre voces, parecendo sacrifi-
car um bymiaeo glorioso, que pode n5o
passar de simples iaca... Pareoe-me que
revela habilidade, metter na ratoaira am
priacipe russo. Has de estar muito adiau-
tado, quaudo, como Romeo, que tambem
foi muito precipitado, tiverea cortado o fio
dos tens dias '.., Djmais a mais, temos
visto desses rebatea falsos de rompi raen tos,
do... Abracem-se !... Posto que,
futuro, a minha opiniao que,
com ella, fars urna asneira, porque a sua
vida de theatro ha de a&sorabrar-te... Por-
qu, com as viagens de S. Petersburgo
L radres e da Haspanba America, nao
ters tempo do trabalhar para a gran-
do arte.., que, afi tel de coatas e antes de
tudo o verdadeiro, o nico fira da crea-
cao do hornera.
Rival, passeando no gabinete, entusias-
mado com o seu discurso, de raaos nos bol-
sos, poda continuar por muito tempo a
desenvolver as suas theorias sobre o alcan-
ce social do deseuvolvimento socialista.
Roberto nao o ouvia. Se realmente ella
ainda o amasse ? Contradieca > singular,
de toda a argumentacao de Rival a censa-
ra ao seu casamento com Christiana era o
que mais o tinha irritado. Ouvindo outro
accusal-a da perversidade que o matava,
qoiz defeniel a. Com o encarnicaaento
da illuaao das paixdes cegas, agarroa-se,
bruscamente, idea de uma explicagao su-
prema. Nao poda acontecer, realmente,
que naquella momento Christiana estives-
se soffrendo como elle por causa do rompi-
mento ? Voltando de ama illusao enga-
adora, achando-se sbitamente face a fa-
ce com o iaolamonto, com o abandono
brusco, sobretudo no desassocego em quo
deviam tel-a mergulhada as palavras ter-
rivais cora que a tinha deixado, se emquan-
to elle all estava, ella tivesse ido procu-
ral-o !... se ella o estivesse esperando em
casa della!
ICoidinua)
VARIEDADES
Madrigal
AO DE. FRASCIS60 X. DE PAES BABBETTO
Coracao, porque saltitas
Inconstante, bandoleiro,
. Qual se fras um catitai,
Petit maitre tao loireiro,
Quando vs qualquer mocinha
Feiticeira, bonitiaha ?
'

< Sou phalena 1 sou do ar.!
< Tenho azas tao sublis !
t Meu vi vervoar, voar I
c Furto s florea o matiz,
O pe fu me e a gentileza,
c O calor- uatureza I
Coracao, porque essa ardor
Com que bates em meu peito,
Qual fugace beija flor,
Na inconstancia tao affeito,
Ante a camelia e a rosa,
A esponja e a escabiosa ?

Foi hontem meu bargo a rosa,
Deu-me hoje o seio a bonina,
Amanha a esoabrisa
Ou a flor da tangerina.
Ser mea nnho d'amores,
Como o serlo oatras flores -

Porque me fazos criangas,
Orabrincando na eir,
J na aala, j na dansa,
Beijando-a loura, a trigueira. .
Coracao, porque, traquinas,
A ser to vario me ensinas ?
"
zdes para nlo temer a recusa da noiva.
E natural que o Sr. princip3 tivesse to
mado antes todas as precaugSes, para que
nada retardaase a unio projectada.
O tabelliSo real tinha sido chamado.
Assim como am padre, um verdadeiro, es
perava na sachristia da Saint-Magloire.
Nao se trata va de um simulacro de bo
das. Era um casamento valido de que pre-
cisara o Sr. de Gonzaga, am casamento
que dava ao eaposo o direito sobre a es-
posa, de tal modo que a vontade do esposo
poda tornar indefinido o exilia da esposa.
Gonzaga dissera a verdale.
Nao gostava de sangue.
nicamente, quando os outros meios fa-
Ihavam, o sangue nao forgava nunca a re-
cu ar.
Por ura instante, a aventura daquella
noite teria sido mal saceodida.
Tanto peior para Chaveroy.
Mas assim qae o Carcunda se apresen-
tou, as coasas tomaram uma face nova e
melhor. O Corcunda era evidentemente
um hornera a quem podiam pedir tudo.
Gonzagt julgara-o em am olhar. Era um
destes entes que fazein da melhor vontade
pagar humanidade a injuria da sua pro-
pria miseria, e qae guardara ranoor aos
homens por eausa da cruz, qae Deas col-
Iseou como um fardo muito pesado sobre
os seus hombros.
A maior parte dos coronadas sao
mos, pensava Gonzaga: os coronadas
vingam-se. Os corcundas t o umitas ve-
zes o coragao cruel, o espirito forte, por-
que vivem oeste mundo como em pais ini-
migo. Os corcundas nunca te n compai
xao. NSo a tiveram com elles. Celo, o
escarnoo idiota ferio-Ibes a alma com tac-
tos espihos, qae em torno della formou-se
um calor protector.
Chaveroy nio valia cousa alguraa para a
missao indicada.
Obrverny era um louco ; o vinho torna-
va-o fraco, generoso e valante.
Cbarerny seria capaz de amar sua mu
iher, de ajoelhar-ae dianta dalla depois de
lhe tef batido.
O Corcunda, nao. O Corcunda s da-
ra uma dentada, mas uma dentada mor-
tal.
O Corcunda era ara verdadeiro sobado.
Quando Gonaaga chamou p:lo ub -lliao,
todos quizeram mostrar salo. Oi-ol, Al
bret, Montaubert, Cidalise, precipitaran!
se para a galera, passando por Cocardasse
o Paseepoil. Estes aeharam-se sos am ins-
tante no paristyie de marmore.
Meo relbo, diaso o gascSo, a noite
- Irra interrompeu Passepoil, os oa- to, uma das mais lindas flores da nossa
Sr. de Gonzaga jolgava ter as suas ra-l nio acaba sem aevoeiro..
taventos andam ro ta.
Com a br:a I s oto cocegas as
roaos, e tu ?
Safa ha muito tempo que nao dau-
saraos, raeu nobre araig.
Era lugar de entrar nos aposentos de
baixo, abrirara a porta exterior e descerara
para o jardira. Nao havia vestigio da em-
boscada dirigida por Gonzaga diante da
casa. Oa nossos dous bravos foram at
cerca, onde o Sr. Peyrolles tinba encon-
trado, na vespera, os cadveres de Salda-
uha e Faenza. Nao havia ninguoni.
O que Ihes parecou singular foi que a
pequea porta que dava para a trayesaa
estava completamente aberta.
Na travessa nao havia pessoa alguma.
Os nossoa dous bravos olharam um para o
outro.
Ola, nao foi, entretanto, o Pariziense
que fez isto, murmurou Cocardasse, visto
estar l era cima desde hontem noite.
Sabes l do que capaz I respondeu
Passepoil.
Ouvir&m como que um ruido confuso do
lado da igreja.
- Fica ahi, disse o gascao ; eu vou ver.
E esgueirou-sa ao longo o muro do jar-
dira, emqaanto Passepoil fazia sentinella
pequea porta.
No fim do jardim ficava o (cemiterio de
Saint Magloire.
Cocardasse vio o cemiterio cheio de guar-
das franoezaa.
- E entao, meu velho, disse "elle, quan-
do voltou, se dansarem, a orohastra nao
faltar.
Durante este tempo Oriol e seus com-
panheros entraram rpidamente no quarto
de Gonzaga, onde o Sr. Griveau, o mais
relho tabeiliao real, dorma tranquilla raen
te sobre um sof, janto de um aparador,
ondosa aohavam os restos de uma exuel-
lente ceia.
Nao sei porque o noaao secuto se revot-
ta contra os tabellies. Os tabelliaes sao
geralmente homens habis, sadios, bem nu-
tridos, de oostumes muito pacatos, engra-
gados era familia, e dotados de urna rara
seguranga de vista no whist. Comportam-
se bem mesa ; a corteza cavalheiresca
refugiou se nelles ; sao ama veis com os
velhos ricos, e de cert* poaco fraucezss
usara tio bem como ells a gravata branca,
amiga dos culos de.uoro. Nao rem mui-
to longo o tempo em quo a reacglo se ha
de tazer. Toios hSo do ser forgados a
coovencar-se de que um joveu taballiio
louro, grave e torno no seu porte e cujo
ventre, co mocando a oresoer nao tenha
ainda adquirido todo o sea desenvolvimen-
civilisago.
O Sr. Griviau mais velho tabellio real
e do Chatelet, tinha a honra de ser alera
dsso um servidor delicado do Sr. priacipe
de Gonzaga. Era ura bello hornera de qua-
renta annos, gordo, corado, risonho, e que
fazia goato ver.
Oriol pegou-lhe n'um brago, Cidalise no
outro, e ambos o couduziram ao primeiro
andar.
A presenga de um tabellio causava
sempre um certa estremecimento em Ni-
vello : sao ellas que dao forga e valor s
doagoes entre vivos.
O Sr. Griveau, homem de boa socieda-
de, cumprimentou o priacipe, as Beuhoras
e os homeos. Trazia comsigo a minuta do
contrato j preparada : nicamente o nome
de Chaveroy estava no comeco da minuta.
Foi preciso rectifiar isto.
Por couvite do Sr. de Peyrolles, o Sr.
Griveau seutou-se em ama pequea meas,
tirn do bolao a penna, a tinta, a raspa-
deira e comegou a preparar-se.
Gonzaga e a raaioria dos convivas ti-
nham ficado em torno do Corcunda.
lato demora muito t disse elle, diri-
gindo-se ao tabellio.
Sr. Griroau, disse o principe, rindo-
se, comprehende a iaipacieuaia muito oa-
toral destes noivos.
Pego apenas cinco minutos, Alteza,
replicou o tabellio.
Esopo H estatou o seu gibao com a mo,
e aeariciava com a outra oa liados cabellos
de Aurora.
Exactamente o tempo de seduzir ama
mulher 1 dase elle.
Bebamos I exclamou Gonzaga, visto
que temos tempo. Bebamos ao feliz byme-
neu I
Desta vez a alegra pareca querer nas-
cer de todo. A inquietagao desapparecia ;
todos se seutiam alegres.
D. Cruz encheu o copo de Gonzaga.
A sua falcidado disse ella, bebendo
alegremente.
A sua falicidade I repetio o circulo,
riodo-se e bebendo.
Obrigado I disse Esopo I, nao ha
aqui algum pjota hbil para compr o me'
cpithalamio ?
Ura poeta u n paeta queremos am
poeta I
O cr. Griveau collocou a penna atraz da
orelba.
Nao sa pie fazer tudo ao mesmo
tempo, disse elle com vos discreta e mei-
ga quando acabar o contracto, riraarei al-
guias copl s de improviso.
Ai de ti 1 se me firmasse
N'uma p donzelta ou flor !
Se por tolictr parasse,
Caricias no amor,
E 0 can saco roubaria
Os matizes da alegria !...
Em 22 de Abril de 1885.
Olympio de Araujo.

O Corcunda agradoceu com um gesto
nobre.
Poesa do Chatelet, disse Navailles,
madrigaes de tabelliSo. Neguera que
esta a idade de ouro !
Quem pensa em negar? respondeu
Noce ; as tontea vilo produzir teite de>
amendoas e vinho espumoso.
as rosas, accrescentou Cboisy vo
nascer sobre os cardos.
Visto que os tabelliaes fazem versos !
O Corcunda empertigou-se e disse com
orgulhosa satisfago:
E' eutretanto a proposito do meu ca-
samento que fazem todo este espanto 1 Mas,
coatinuou elle, Acaremos assim ? E entao, a
noiva nao esta preparada. Cea, com a bre-
ca tenho vergonha I nSo estou peoteado f
os mcus punhos esto amarrot-dos.
O vestido da noiva, accrescentou o
Coreuoda ; oavi fallar de um vestuario da
noiva, minhas senhoras.
Nivelle a Cidalisa estavam j no gabine-
te contiguo.
Viram-n'as apparecer inmediatamente
com o veatido. D. Cruz tomou a direcgo
dos preparativos.
Depressa, disse ella, a noite passa !
Precisamos de tempo para o baile.
Esopo II tinha um espelho oa mao e am
pente na outra.
Minha querida, disse elle a Des-
bois, em vez de responder, d-me rma pen-
teadela no cabello por detras.
Depois voltando-se para Navailles.
E partence-me, continuou elle, como
os Srs. ao Sr. de Gonaaga, mena queiidos
filhos, ou antes sua ambicio. Como o que-
rido Oriol pertence ao sea orgulho, como
esta linda Nivelle ao sea sei vico, como to-
dos ao seu peccade capital I Minha bella-
Fleury, arranja-me o lago, pego-I he.
__Prompto 1 disse naquella momento >
Sr. Griveau ; podem assiguar.
Escreveu os nemes dos noivos ? per
guntou Gonzaga.
Ignoro-os, respondeu o tabellio. ^
Tea nome, amigo, disse o principe.
Assigoe, Alteza, continuou Esopo II,
conrura toro rpido; assignem tambem,
roeus senhores, porque espero que me fa-
rio todos essa honra. Esoreverei eu proprio
o mea nome ; nm nome exquisito, quo
far rir.
- Que nomo ser o delle ? disse Na-
vailles.
Assigne, Alteza, assigoe, dsixaria o
punhos por presente de noivado.
*.
^ tContinuar-se ha.)
i
t
i
Typ. do Diario roa Doqne de Caxias a. i.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EB3Q705TO_IK5I32 INGEST_TIME 2014-05-28T17:42:01Z PACKAGE AA00011611_18237
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES