Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18227


This item is only available as the following downloads:


Full Text
PARA A CAPITAI* C LITaRBS OWDE XAO B PAC VORTK
Por tres mezes adiantados............... 6000
Por seis ditoa idem................ l^^OOO
Por um armo dem................. 23,5000
Cada numero avulso, do mes-no dia......... (510
3A--FEE 1 DE
PARA DENTRO E PORA RA PROVDCIA
Por seis mezes adiantados............... 13(J500
Por nove ditos dem.................. 20(5000
Por nm anno idem................. 27 (00
Cada numero avulso, de das anteriores........... 100
Propricirafce tft Jttattoel Jtgurira be Jara Jtp*
Os Sr. Antede Prlnoe A C.
de Porls, So os nossos agentes
exclusivos de a anuncios e pu-
blieacSes na Franca e Ingla-
terra
TELEGRAMAS


h
I
I

i
i
ssbvico pastilla?, 2: sxabzo
RIO DE JANEIRO, 26 de Fevereiro,
.WU 8 horas e 15 minutos da noite. (Rece-
ido ao meio dia de 27, pela linba terres-
tre I! )
Fol escomido senador do Imperio
pela' provincia de *. Panlo o conae
tfeetro Antonio da Silva Prado.
RIO DE JANEIRO*28 de Fevereiro,
s 3 horas da tarde. (Recebido s 4 ho-
ras e 20 minutos, pelo cabo submarino).
S. M. o Imperador, que ae acba em
Peiropolia, fol all accommeltldo de
urna eonicstio bepalblca com accea
o febril.
S. M. suarda o lello.
Fol designada a va va civel da ca-
pital do Hai-miiiao para n'ella ter
exercicio o Juiz de direito bacbarel
don Harsano da Cotia.
Fol nomeado juiz municipal e
de orpboa do termo de S. Vicente
Ferrer. no Maranbao.. o bacbarel
I rbanu Santo da Costa Araujo.
Fol nomeado secretarlo da pre-
sidencia da provincia do Amaaonas.
o bacbarel Olymplo Xlemeyer.
Fallecen o ministro aposentado
do Supremo Tribunal de Jusiira,
conselbelro D. Francisco Balthaaar
da Sllvelra.
sSnTISO U Mim& SA7AS
(Especial para o Diario)
CONSTANTINOPLA, 27 de Fevereiro.
Os delegados blgaros ;contlnnam
a negociar com o aro eme ottomano
acerca da retirada do conaelbo de
regencia da Bulgaria.
PARS, 27 de Fevereiro, tarde.
O ore amento fel volado por ambas
aa camaraa.
ROMA, 27 de Fevereiro.
S. o rei conflon ao general de Ha-
bitan! a mlaao de formar nm novo
mlntaterlo.
O general decllnon da Incumben-
cia.
BUENOS-AYRES, 23 de Fevereiro.
Be iijuicm para boje deu-ae ape-
nas 1 cuno noto de cholera-morbus
e I bit*.
Ot- Santiago n -m terem-se dado
all iCiiiie) OS bitos ue cbolera.
ROMA, 28 de Fevereiro.
Fallecen o cardeal dacoblnl.
MADRID, 28 de Fevereiro.
O Sr. Bula Zorllla approveltando-
ae da amnlatla concedida peto troves--
ao acaba de voltar A Heapaaba. ,
Agencia Havaa, nlial em Pemambuco,
28 de Fevereiro de 1887.

ttSTRDCClO FOPDLAE
MEDICINA DOMESTICA
(Extrahido)
DA BIBLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
PARTE PRIMEIRA
TBCBVOIOOIA
( C o n t t n u a c o)
ChloroseDoenca que ataca especialmente ai
adolescentes do sexo temnino. caractericada
pela fliccidei dos teeidos por cor paluda ou terro-
sa da pelle, deseoramento da conjunctiva, do ap-
petite (malaria), palpitacG;s le coracAo, etc., era-
fim pelos signaei da anemia.
ChoreaDoenca de carcter nervoso que con-
siste em movimentot irregulares, involuntarios,
contiuous. Quar diser : o carcter apparente
desta doenca a desordem no sy eterna m me alar
de alguna orgAos.
Den-ae a esta doenca o nome de dancade S. Vito,
porque no scalo XV os habitantes de Ulm implo-
ravam em ama capella dedicada a este santo a
intervnolo d'elle como msio curativo d'ella.
Esta doenca ataca principalmente as raparigas,
coincidindu bastantes veces com difficuldade* ca-
tameniaes e ocasionada por emocoes vivas,
sustos, etc.
ClicaSegundo a -etymologia, clica deveri
significar : doenca do intestino colon. Porm com
esto nome coitomam-ae designar nao smente as
dores no colon mas em oatras viscera* abdominacs.
Assim, chamase clica biliosa on heptica s dr
producida por excesso de bilis on devida existen-
cia de clculos biliares ; clica espasmodica, a que
appxrece sem symptoma algum inflammatorio, etc,
Ao iavenenamento pelo chumbo tambem se chama
muitas vosea clica de chumbo, clica do pintores.
Igualmente se diz clica verminosa, cauca ute-
rina, etc., a que devida A existencia de vermes,
a que se revela por dores nterioas, etc.
CollyrioNo tempo de Hippoorates e Galeno
collyrio quera diser on representar um genero de
medicamentos solidos, de forma alongada e cylin-
drica, destinados a seren introducidos as nariaas,
as orelhas, etc.
Hoje a significacAo da palavra collyrio intei -
ramete diversa e muito mais limitada.
Por collyrio intendem-se todos oa medicamentos
solides oa lquidos qu- se applicam tpicamente
Bubre a conjunctiva.
Ha collyrios suecos e liqnidos, sendo estes varia-
dsimos na compoaicao e nos fns que com elles se
pretndelo alcanzar.
Coma Abatimento, prostracAo, em qne nm
doente Gca quando deixa de ser excitado, em cer-
tas dnencas. O coma ligeiro apenas ama espa-
cie de somnolencia ; quando profundo, denomi-
na-se carus. O coma pode ser somnolente, eu vi-
gil (especie de delirio).
CompresasPeca de curativo, que consiste em
um pedaco de panno sem costaras nem ourelas e
dobrado urnas pouc s de vezes sobre si. Applica-
se sobre as rendas en em lugares onde convenba
exercer compresso.
Aa ompreasas sao dispostas de diversos modos,
recebendo denominacoes differentes. Assim sao
qoadradas, qnadrangulares, circulares, recortadas,
em cruz de Malta, etc.
CompressoEsta palavra, em cirurgia, signi-
Sca a aceito exercida methodicamente pe i mi,
por compressas, oa por meios variados, sobre urna
parte do corpo, com nm fim curativo.
Pode a compresso ser';i mmediata ea mediata,
por exf rapio, sobre as arterias,quando se las di-
rectamente no vaso, ou por intermedio dos teeidos
que o cobrem.
A compresso exerce-se tambem por meio de li-
gaduras,Bobre um membro, por exemplo, inro-
lando-as, seguindo certas regras, em vjita d'elle ;
e mais oa menos forte, segando os fins thera-
p-'uticos que se teem em vista, etc.
CompressorOs instrumentos cirurgicos varia-
dos na forma e disposicAo, destinados a comprimi-
ris ervos, arterias veiaa e diversos outros orgoa
chamam-se compressores.
Sao ntilissimos e muito empregades em cirurgia
(por exemplo, para facer parar as hemorrhagias,
para o enrativo das aneurismas, etc)
As fundas hemiarias, destinadas centencAo
das visceras que sabiram para fra dos seus lu-
gares, nao sao outra coisa mas do que compres so-
res.
(Continua).
/ARTE 0FFIC1A1.
Ministerio do Imperio
Foram expedidos os seguintes avisos :
Em 16 de Fevereiro : _
QAo presidente da provincia do CearA ;
Em requeiimento que me foi presente, ped
Francisco Fernandos Risas ser admittido a pres-
tar na faeuldade de medicina da Babia, ipdepen-
dentemente dos preparatorios accrescidos, exame
das materias da 1* serie do curso pharmaceutico,
a que deixar de sebmetter-se o anno pastado por
motivo de molestia.
[ Afim de o facer constar ao interesando, commn
nico a V. Exc que indeferi o pedido, visto que es-
tando terminado o praso estabelecido no art. 662,
doa estatutos de 25 de Outnbro de 1381 para se
exigirem os novos preparatorios, pela razio alle-
gada nao posajvel dirpensar o snppiicante de
mostrar-se habilitado nos de qne trata o art. 372
8 2* para que possa facer extraordinariamente o
dito exame, qne igualmente dependera, em con-
formidade do art. 392, da previa apreaentacSo,
acompaohada de attestado do fonccion. rio com-
petente, de preparacoes feitae dorante o anno le-
ctivo nos laboratorios da referida faeuldade.
Em 17 de Fevereiro :
Ao presidente da provincia do Amasonas ;
Iilm. e Exm. Sr.- Acenso o recebimento do
officio de 21 do mez prximo paseado, em qne V.
Exc me commnica que, para execaco das me-
didas ordenadas por telegramma deste ministerio,
de 29 do mee antecedente, no intuito de prevenir
a invasio do cholera-morbus nessa provincia, fes
seguii para o rio Madeira, no dia 15 de Janeiro, a
lancha n. 7 da flotilba, afim de estacionar no porto
da Santo Antonio, levando em commissao o Dr.
Joao Moreira de Magalhaes e um auxiliar, com
instruccoes do inspector de bygiene, provisao de
desinfectantes e urna ambulancia de medicamen-
tos para o tratamento dos indigentes accommetti-
dos das febrds que reinam endmicamente naquel-
la regiao ; bam assim que para a fronteira de Ta-
batinga devia seguir no Jia 22 a lancha n. 6, com
um homem pratico, enoarregado de proceder s
desinfeccoes necessarias, nao tendo sido tambem
commissionado um medico para a mencionada
fronteira por haver menos probabilidade de por
alii penetrar a epidemia.
Em resposta declaro a V. Exc. que ficam ap-
provadas estas providencias.
Ministerio da lostlca
Em 14 de Fevereiro nao foi agraciado o reo Ma-
thias, condemnado ; pena de gales perpetuas, em
que foi eommutada, por decreto de 19 de Setembro
de 1863, a de morte, imposta em conformidade
com as decisoes do jury do termo do Limoeiro, na
provincia de Pemambuco. por crime de homicidio.
Por decretos de 19 de Fevereiro:
Foi exonerado, a pedido, o bacbarel Francisco
de Asis Becerra de Meneses, do lugas de juic
municipal e de orphaos dos termos de Canind e
Pentecosts, na provincia do Cear.
Foi declarado sem effeito o decreto de 24 de De-
cembro do anno pasaado, qne nomeoa o bacbarel
Benavides Mareira do Prado para o lagar de juic
municipal e de orphios do termo de Ponbal, na
provincia da Babia, visto nao ter aceito a nomea-
cio.
Foi reconducido o bacbarel Hermini Martina
Curvello, no lugar-de juia municipal e de orphaos
do termo de S. Francisco, oa provincia ce Santa
Catharina.
Fe removido, a pedido, o juiz municipal e de
orpbaos bacbarel Jos Calheiros de Bello, do termo
de Santo Antonio do Monte para o de Entre-Kios,
ambos na provincia de Minas-Oeraes.
Foram n ornea dos :
Procurador da corea, soberana e facenda na-
cional da relacao de Porto-Alegre, o d tsembarga-
dorda mesma retaca i Jos de Araulo Brusque.
Juicos muoieipaes e ds oipbos): dj termo de
Vigia, na provincia do Para, o baharel Antonio
Lopes de Meadjnca; do de Picos, na do Mara-
nbao, o bacbarel Artbur Bezerra deMenetes; dot
de Canind e Pentecoste, na do CearA, o bacbarel
Caetano Eatellisa Cavalcaote Pessoa : do de Ou-
ricury, na de Pemambuco, o bacbarel Aaterio Ma-
thias Pereira da Costa; do de PauloTAffonso, na
das Alagoas, o bacbarel Antonio Ceaanio Cardoso
Ayres; do de Sant'Aona de Maeac, na do Kio
de Janeiro, o bacharel Jlo Lopes Pereira, fieaado
sem effeiio a sua anterior nomeacia pata o termo
de 8. Jlo Baptista do Rio-Verde, na provincia
de S. Paulo; do de Santo Antooi j do Monte, na
de Minas Oeraes, o bacbarel Antonio Pedro de
Soasa e Silva ; do de Lages, oa de Santa Catba-
nna, o bacbarel Alexandre Jos da Costa Valente.
Por decreto de 7 do cosiente foi nomeado juiz
de direito da comarca d* ConstituicAo, em S. re-
lo, o bacharel Rufino Tavares de Almeida.
/ I
Por portaras de 17 do corrate, foi declarado
avulso o jnic de direito Fraucisco Xavier Rodri-
gues Can-pallo e vaga a comarca dj Rio Mara-
nbao, na provincia de Goyaz, para a qus! foi de-
signado por decreto de 20 de Fevereiro do anno
passado. visto nSo ter entrado em exercicio no
praso legal.
ninisterio da Agricultura
Por portara de 17 de Fevereiro foi exonerado a
sen pedido do lagar de engenheiro fiscal da estra
da de ferro D. Tberesa CfariBtina o engenbeiro
Carlos Lemaira Teste.
Por outra de igual data foi nomeado para o re-
ferido lugar o engenbeiro Joao Caldeira de Alva-
renga Messeder, percebeado os vencimentos que
lbe competirem.
A'a presidencias de provincia foram expe-
didos os aeguintes avisos :
Em 16 de Fevereiro :
Illm. e Exm. Sr.Estando prestes a termiuar
o praso da nova matricula de eacravos e arro'a
ment de sexagenarios, creado pela le n. 3,270,
de 28 de Setembro de 1885, chamo a attencAo de
V. Exc para o que se determina no art. 13, 3
e 4 do decreto n. 9517, de 14 de Novembro do
mesmo aano, acerca das relacoes dos matriculados
e arrolados. Expedir desde logo V. Exc. as suas
ordena as reparticoes enearregadas deste aervico,
afijo de que, dentro de doug mezes, depois de en-
cerrada a matrcula, remettam a essa presidencia
as ditas relacoes, destinadas a ser archivadas ;
cabeado a V. Exc, no praso designado no 4,
enviar a este ministerio um resuma extrahido d-
quelles documentos, segundo os modelos G e H,
annexos ao citado decreto.
Deug guarde a V. Exc.A. da Silva Prado.'
Em 19 de Fever iro :
Ulm. e Exm. Sr.A 30 de Marco prximo vin-
douro devr encerrar-se a nova matricula dos ea-
cravos em todo o imperio, bem como o trrolamen-
to dos libertos em racao da idade, nao havendo,
portento, praso suficiente para a orgnisacao e
pablicaco da estatistica, que se retere o 5*
art. 13 do regulamento n. 9517, de 14 de Marco de
1885, a tempo de ser apresentada a asaembla ge-
ral com o relatorio que terei de eujeitar-lhe na
sua prxima sesaao.
Convindo, entretanto, que o governo imperial
haja conhecioento immediatodos resultados geraes
da referida matricula e arrolameato, expeca V.
Exc. auaa ordena para qne, apenas ae efiinUBsl
encerramento de taes registros, remettam osrSge-
tes do aervico a essa presidencia a declaracAo do
numero de escravos matriculados e libertos arro-
lados, mandando autrosim organisar a relacao dos
dados que assim forem recolbidos e enviando- a
este ministerio com toda a urgencia. Deus guarde
a V. ExcA. da Silva Prado.
Ministerio da Guerra
Por portara de 10 de Fevereiro, foi dispensado
o capitao do corpo de estado-maior de artiiharia
Joao Carlas Lobo Botelbo do lugar de ajudante do
Arsenal de Guerra da provincia da Babia.
Por portara de 11 de Fevereiro toram no-
meados :
O capitao do corpo de estado -maior de 2a classe
Antonio Faustino da Silva para o lugar de com-
mandante da 2* companhia da Escola de Apren-
dices Artilheiros.
O tenente do referido corpo Pedro de Alcntara
Cesar Burlamaquo para o lugar de director da co-
lonia militar de Santa Thereza, na provincia de
Santa Catharina, sendo dispensado deste cargo o
capitao Antonio Faustino da Silva.
Por outra de 11 tambem do correte, toi nomea-
do Alonso do Xiemeyer para o lugar de praCicante
da Reparticio Fiscal annexa i Secretaria de Esta-
do dos Negocios da Guerra.
Foram transferidos : o tenente graduado do
3 regiment de cavallara, Carlos Augusto Pinto
Pacca para o 2* corpo da mesma arma, ao qual
ficar aggregado at abrir-se urna vaga do sen
posto, na qual ser incluido; do 6* natal bao de
infantara para o 11* da mesma arma, o tenente
Adolpho Franca ; para o 5* batalbio de infantaria,
o cadete do 18' da mesma arma Polycarpo Lopes
Teixeira; para o 2* regiment de artiiharia, o 2
cadete 2* sargento do 2 batalhAo da mesma ar-
ma Augusto Candido Caldas ; para a companhia
de infantaria da provincia de S. Paulo, o anspe -
cada do 10* batalhAo da mesma arma Severino
Jos Freir ; para o 10* de infantaria o 1 cadete
do 1* batalbio de artiiharia Pedro Ferreira de
Oliveira.
Por decretos de 19 do Fevereiros :
Concedeu se jubilacAo com todos os vencimentos
e mais a terca parte do respectivo ordenado, de
confurmidado com a imperial resolucAu de 27 de
Decembro de 1879 e art. 235 do regulamento ap-
aro vado pelo decreto n. 5,529 de 17 de Janeiro
de 1874, ao lente catbedratico da escola militar da
Corte conselbeiro Dr. Antonio Jos do Amaral,
coronel do corpo de estado-inaior de artiiharia,
visto contar mais de 30 anuos de aervico no ma-
gisterio.
Foram nomeadoa:
Para o curso superior da mesma escola : Repe-
tidor da 2* seceio o capitao reformado e tenente
coronel honorario do exercito bichar el Francisco
Antonio Carneiro da Cunha.
Para o curso preparatorio : protesaor da aula
de matbeniaticas elementares o 'i tenente de ar-
tiiharia Antonio Gabriel de Moraes Reg ; profes
sor da aula de trances, Joao Gottlieb Tbeodoro
Uflicker.
Foram nomeadoa o capitao do estado-maior
de artiiharia Jos Candido dos Res Monteneg o
e o tenente do estado-maior de 2* ciaste Fernando
Augusto da Silva Veiga, aquello para o cargo do
professor da escola de aprendices artilheiros e este
para o de profeasor adjunto.
Ministerio da Mariana
Em 15 de Fevereiro concedeu-se ao capitao de
mar e guerra reformado Felicio ds S Brito licenca
para residir em Porto Alegre, provincia do Rio
Grande do Sul.
Em 16 do correnta toi demitdo o mestre de Ia
classe reformado Jos da Silva Pinheiro do lugar
de patr -mor da capitana do porto da provincia
das Alagaa..
Em 16 de Fevereiro foi nomeado o capitao
tenente Francisco Carlton Otto da Silva para exer-
cer Interinamente o lugtr de instructor da escola
pratica de artiiharia.
Por titulo de igual data, foi nomeado Eurpides
Martina de Soasa para exercer interinamente o
lugar de secretorio da capitana do porto da pro-
vincia do Paran, percebendo lmente os emolu -
meatos que por lei lhe competirem.
O ministerio da marinna autorisou o presi-
dente da provincia do Maranbao a fretar extraor-
dinariamente o vapor Alcntara, para o aervico de
inspeccao dos pbarea, quando nao bouver no por-
to da dita provincia navio de guerra que se preste
a semelhante servir;.
Por decreto de 19 de Fevereiro foi reformado
a seu pedido, o omcial de fazenda de 2* claass da
armada em oficial de 1* classe, por ter maU de 35
anuos de servico, Francisco Teixeira de Oliveira.
toverno da provincia
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 25 DE
FEVEBKIRO DE 1887
Anglica Mara Roberto de Joans. Sim com or-
denado scinente-
Bernet & CNeg provimeoto ao recurso, pela
nataresa do imposto de gyro, conforme deciso j
dada por despacho de 11 do correte em recurso
semelbaate, de R de Druzins e C., e porqae nSo
procedente a allegacao de inconstitacionalidade
de urna lei para qne esta deixe de ser cumpriJa,
i
constitucional ou nao, a lei sempre lei emqnanto
nao revogada pelos tramites regulares.
CompanSfa The Great Western of Brasil Rail-
way Company, Fraga Rocha & C., Ismael Carnei-
ro Lina e Mello e Marinho Antonio Bettencourt.
Informe o Sr. inspector da Thesouraria de Fa-
zenda. n
Camilio Gonveia de Andrade.Prove por qual-
quer dos meros permitidos pelo decreto n. 1,950
de 12 de Julho de 1471, que reside no Brazil ha
maia de dous snnos.
Cosme Augusto Pereira Luz.Sim, com ordena-
do sement.
Bacbaref Diogo Carlos de Almeida e Albuquer-
que.Coacedo com ordenado 38 das e 52 com me-
tode do'ordenado.
Guilbermina Maria da Concei^So.Remettido ao
Sr. commsadante do Corpo de Polica para atten-
der quando houver opportunidale.
Iiulina Alcoforado Cesar de Meneces.Tendo
sido supprimida a escola a que a eupplicante se
refere na conformidade do art.'37 do Regulamento
de 6 de Fevereiro de 1885 e nao havendo, por isso
gratifi cacao inherente ao em prego a que alinde o
art. 4. da instruccoes de 17 de Janeiro do corren-
te anno, nao pode ella ser pereebida pela eupplican-
te. A grafificacao que a lei concede, a mesma
do emprego. e nao outra correspondente, pelo que
nS> bavendu emprego tambem deixa de haver gra-
tificado.
Ignez Barbalbo Ucha Cavalcante.Nao pode
ser attendida por informar o Thesouro Provincial
que occaaiona embarazo ao servico o que requer.
Juvioo E. de Limn Moura.O eupplicante foi
dispensado nesta data.
Joao Deodato da Silveira. ^Deferido em officio
ao Sr. brigadeiro commandante das armas.
Bacharel Joao Baptista Correia de O, i ve ir a.
Concedo a licenca na forma requerida.
Julio Feraandes Cascoux.Remettido ao Sr.
inspector s)o Thesouro Provincial para mandar
cumprir a inclusa precatoria, nos termos de sua
informacSo n. 427 de 16 do corrente mee.
Leonel de Sonza Ferrac Deferido com officio
ao Sr. brigadeiro commandante das armas.
Marcoliaa Januaro Pereira.dem.
Maria Amalia Cesar de Sonsa.Sim, com or-
denado ajnente.
Maria Francisca de Lacerda.Indeferido.
Miguel Joaquim de Carvalho Sera.Sim.
Marianna Augueta de Mello Rodrigues e outras.
rTendo sido supprimida a escola, a que aa sup-
licantes se raferem na conformidade do art. 215
do Regulamento de 6 de Fevereiro de 1885 e nao
na'endo, por isso, gratificaco inherente ao em-
prego a que alinde o art. 4 o das Instruccoes de 17
de Janeiro do corrente anno nao pode ella ser per-
eebida pelas supplicantes. A gratificacSo que a
lei concedei a mesma do emprego e nao ontra
correspondente, pelo que nao havendo emprego,
tambem deixa de haver gratificacAo.
As mesan*. Informe o Sr. inepector do Thesou
ro Provincial.
Sabina-Bnyerra dos Santos.Indetsrdo.
Thomac di Aquno Bezerra. Informe o Sr. Dr.
chefe de poscia.
- 26
Coriolane Paira e Mello e Izidoro Firmo Lqal.
Informe a Cmara Muuicipal de S Rento.
Alteres Francisco de Asis Ferreira MagalbSes.
Informe o Sr. commandante superior da guarda
nacional da, comarca do Recife.
FranciscrCordero Faleao Brasil.Concedo 30
dias com metade do ordenado e 60 sem venci-
mentos.
IoformeYSr. nlspector da Thesouraria de F*.-
aenda.
Jerenymo Tbeotonio da Silva Loureiro.Infor-
me a Cmara Municipal de Trinmpho.
JoSo Luis. Beda.NSo caso de abertura Je
creditc.
Jos de Carvalho Araujo Cavalcante.Remetti-
do ao Sr. commandante su erior interino da co-
marca de Bom Conseibo para mandar pasaar a guia
de que trata o art. 45 do Decreto n. 1,130 de 12
de Marco de 1853.
Bacbarel Jos Maria de Albuquerqne Mello
Remettido ao Sr. commandante da Escola de Apren-
dices Marinheiros para attender ao eupplicante nao
havendo inconveniente.
Virgilio Graciliano da Cunha Cavalcante.Re-
mettido ao Sr. commandante superior da guarda
nacional da comarca de Cimbres para mandar pas-
aar a guia de que trata o art. 45 do Decreto n.
1,130 de 12 de Marco de 1853.
Joaquim Francisco Ferreira.Informe o Sr. ins-
pector da Thesouraria de Fasenda.
Secretaria da Presidencia de Pemam-
buco, em 28 de Fevereiro de 1887.
O porteiro,
\ Franodino Chacn.
Expediente do Rispado
PBOTMENTOS
De 1 a 28 de Fevereiro
Provisao de vigario para a freguecia do Brejo
da Cruz, oa Parabyba, por tempo de um anuo, a
favor do Rvd. Emygdio Cardozo de Araujo.
dem, para a freguezia da Pedra, em Pemam-
buco, por tempo de um anno, a favor do Rvd. Jos
Procopio Pereira.
dem para a freguezia de Gurinhem, na Para-
byba, a favor do Rvd. Jos Cabral de Vasconcellos
Castro.
dem para a freguezia de Qupap, em Per-
nambuco, a favor do Rvd. Manoel Ferreira da
Rocha.
dem para a freguezia de Surubim em Per-
narabuc), a favor do Rvd. Antonio Alves da
Silva.
dem para a freguezia de 8. Jos do Rio For-
moao em Pemambuco, a favor do Rvd. Fraoeisco
Antonio Vianna.
dem para a freguecia de Alagoa Grande na
Parabyba, a favor do Rvd. Odilon Bemviado de
Almeida Albuquerque.
dem para a freguezia do Baique em Pemam-
buco, a favor do Rvd. Joo Ignacio de Al-
buquerque.
dem de cura da S de Olinda, a favor do Rvd.
eonego Jos Vas Guiterres.
dem de coadjutor para a fregueck do Cabo em
Pemambuco, a favor do Rvd. Manoel Perrira da
Cunha.
dem para a fregaecia de S. Joi do Recife,
a favor do Rvd. H-rculano Jos de Brito.
dem para a freguecia do Collegio em Alagoas,
a favor do Rvd. Joaquim Paulo Barbosa de S.
Joa.
dem para a frjguecia da S de Onda, a favor
do Rvd. Jds Gil Vac.
dem de aso de ordena a favor do Rvd. Ignecio
Francisco dos Santos, reaidente na freguozia de S.
Frei Pedro ConC/aUes do Recife.
dem h favor de Rvd. Joaq^m Pereira Freir,
residente na freguecia de Santo Antonio do Re
cife.
dem a favor do Rvd. Jos Francisco de Souza
Barbosa, residente em Bom Jardim
Idein.e de confessor, a favor do Rvd. Jos de
Lima e Silva residente em Garanhuna.
dem, idem a favor do Rvd. Jos do CoricSo
de Mara Castro, residente na Parabyba.
dem, dem a favor do Rvd. Manoel Elodio Fer-
reira, residente em Goyanua
dem, idem a favor do Rvd. Felippe Benicio aa
Fonseca Galvo, residente na Parabyba.
dem, idem a favor do Rvd. Manoel de Sant'An-
os e La, residente em Palmares.
dem, idem a favor do Rvd. Victorino de Sousa
Meudes de Paiva, residente na Escada.
dem, idem a favor do Rvd. Antonio Jos Bor-
res, residente na cidade da Areia, na Para-
byba.
dem, a favor do Rvd. Joao Carlos de Moura,
resiiprle na freguezia da Escada.
dem, idem e pregador a favor do Rvd. eonego
Manoel Jos Martina Alves de Carvalho, residente
na freguezia de S Joa do Recife.
dem, idem, idem, a favor do Rvd. Joio Ed-
mundo de Omena, reaidento em Olinda.
dem, idem, idem, a favor do Rvd. Firmino
Brant da Rocha, residente em Penedo.
dem, idem, idem, idem, a favor do Rvd. Jos
Paulino Duarte da Silva, residente em S. Jos de
Mipib, no Rio Grande do Norte.
.Portara reconduzindo por tempo indeterminado
na freguezia da Serra do Martina no Rio Grande
do Norte, ao Rvd. Jote Modesto Pereira de
Brito.
dem, dispensando do servico parochial por im
possibilidade pbyaica ao Rvd. Sebasti&o Joa de
Moraes Bello, vigario collado de Porto de Pedras,
em Alagoas.
dem, nomeando coadjuctor pro-parocho desea
freguezia de Porto de Pedras, ao Rvd. frei Pedro
da PurificacSo Paes e Paiva.
dem, annexando a freguezia de Curraes Novos
de Acary, ambos no Rio Grande do Norte sob a
regencia do parochn do Acary.
dem, annexando freguezia de Pedra Lavreda
de Picuby, ambas na Parabyba, sob a regencia
do parocho de Picuby.
dem, annexando a freguezia de S. Jos de Pi-
ranhas de Sonza, ambas na Parabyba, bi re-
gencia do paroch de Souza.
dem annexando a freguecia da Nossa Senbora
da Couceicao da S. Miguel, ambas no Ro
Grande do Norte, sob a regencia de parocbo de
S. Miguel.
dem, dispensando, a seu pedido, o Rvd. Jos
Paulino Duarte da Silva, do cargo de vigario da
freguezia de Nossa Senhera da Couceicao de Pao
dos Ferroa, no Rio Grande do Norte.
Reparticio da Polica
Seceso 2.' N. 198.Secretaria da Po
licia de Pemambuco, 28 de Fevereiro de
1887. -fllm. e Exm. Sr.Participo a
V. Exc. que foram recolbidos a Casa de
Detenc3o os seguintes individuos :
No dia 26 :
A' ordem do Dr. delegado do l9 districto, Joo
Ferreira da Silva, Jos Severino dos Aojos, Ja-
cob Flix Gomos, Leonardo Macario Ferreira da
PaixSa, por nao de armas defecas, e Lucio Perei-
ra de Souza, preso em flagrante por crime de fe-
rimentos levea.
A' ordem do subdelegado do Recife, John Duf-
fes, requisicao do cnsul ingles.
A' ordem do de Sauto Antonio, Antonio Jorge
de Oliveira, Jos Gomes do Naacimento e Vctor
Pereira do Gaa, per disturbios.
A' ordem do do 2 districto de S. Jos, Rogeria
Maria da Couceicao, por disturbios.
A' ordem do do Io districto da Boa-Vista, Au-
na Maria da ConceifSo, coohecida por Barata, e
Maria Amelia da silva, conhecida por Maria Da-
nada, por disturbios.
No dia 27 :
A' mioha ordem, Felippe Rodrigues da Silva,
Joio M 'ndonca de Oliveira, Jos Rodrigues Bar-
reto, Lu;z Joa Mattins e Manoel Das Correia,
por disturbios.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio,
Adolpho Joa da Costa, p r disturbios.
A' ordem do do 1 districto de S. Jos, Zfferi-
no Jos Spinola, per crime de* furto, 6~Pot Fran
cisco de Souza ou Francisco Anselmo da Silva,
por crime de tentativa de morte.
Pelo commandante geral interino da guarda
cvica foram remettidas esta reparticAo 2 nava-
Ihas, 9 facas, 2 caivetes, 3 compasaos, 4 estoques
e urna peraa de tesoura, anuas estas tomadas a
diversos deaordeiros.
O delegado de S. Lonrenco da Matta, em
officio de houtem datado communcou-me ter teito
remeaaa ao Dr. juiz de direito do 5 districto cri-
minal, do nquerito polieial procedido eontra Ma-
noel Gomes Teixeira, conhecido por Caj, por ter
ferido a Juliio Ferraz Daltro, no dia 22 do cor-
rente, no lugar Becouro daque'.le districto.
Em officio desta data participon-me o sub-
delegado 'lo 1' distrieto da Boa-Vista ter passado
o exercicio daquelle cargo ao cidadlo Joaquim de
Gusmao Coelbo, na qualidaoVde 1* supplente.
O Dr. juiz municipal do termo d Tacarat,
em officio de 14 do corrente, commnnicou-ine ter
o respectivo delegado no dia 8 tambem deste met
effectuado a prisAo do criminosa Marcelino Ro-
drigues Lmi, conhecido por Marcelino d: Quei-
roc, por mim all pronunciado no art. 192 do c-
digo criminal, pelos assassinatos praticados no dia
11 de Dezembro rindo no paveado de Jatob.
Communicou-'me o delegado do termo de
Palmares que no dia 21 do corrente, no lugar Ma-
nya! daquelle termo, Bellsrmino Felippe Damaa-
ceno, ferio gravemente com urna tacada a Manoel
de Souza Teixeira, actual presidente da cmara
municipal daquella comarca, por ter cate em c:m-
panhia do respectivo inspector de qusrteirSo e ou-
tras pessoaa procurado capturar ao referido Bel-
larmino, na occosiAo em que elle tentara aisassi-
nar a Luis Salgado de tal. O criminoso foi preso
em flagrante e contra elle prosegue aquella auto-
ridade nos termos da lei.
Anda participou-me o mesmo delegado ter-lhe
communicado o subdelegado do districto de Pre-
guica que na noite de 23 deatc mez e n'aqnelle
districto, Raymundo de tal ferio aLeopoldino Ma-
noel Francisco do Nassimeoto, com duaa f-.cad.is.
O criminoao evadio-se. Abri se o competente
inquerto e prosegue ae nos dentis termes da lei.
Participou-me o cidado Joaquim de Gon-
veia Cordeiru ter nesta data aasumido o exercicio
do cargo 'da subdelegado do 1* districto da Boi-
Vista na qualidade d.- 2 supplente.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azevedo, muito
digno presidente da provincia. O ehefe de
policia, Antonio Domingos Pino.
Thesonro Provlntelal
despachos do dia 28 de fevebeieo
de 1887
Jos Adolpho de Oliveira Lima e Antonio de
Lima Ribeiro.Certifiqoe-se.
Julio Fernandos CascAo.Junte-se copia das
informaces.
Contas dos eollectores de lpojaca o Floresta.
Haja vista o Sr. Dr. procurador fiscal.
Jos Elias de Olivoira e Hermeuegil lo Eduar-
do do Reg Monten oluform o cjutenciose.
Monte Po Portugus.Ao Sr. taesourciro para
os daridos fins.
Antonio Joayuim dos Santos Andrade, Maria
Francolina de Medeiros Cavalcaote, Bailar, Oli-
veira & C, e Marianna Augusta de Mello Ridri-
gues.Informe o Sr. contador.
Amelia Maria d % ConcecAo Ramos.Regstre-
se e facam se os aesentam>ntos.
Mirando ina Maria de Espirito-Sioto e Joaqui-
na Maria da Couceicao.Eulregue-ae pela porta.
Afljnao Femira da RjCQa Leal.Certifiqe-
se.
Senborinba Tibnrtina de L:ma.Inf re o Sr.
administrador do Consulado.
Inspectora geral da iBstrucco
Publica
DESPACHO DO DIA 28 D FSVEEEIBO
Francisco Wanderley JunDrAo delegado Ili-
terario para proceder nos termos do art. 138 do
regiment vigente.
Secretaria da inetruccjlo publica de Per-
nambuco, 28- de Fevereiro e 1887.
O porteiro,
./. Augusto de Mello.
DIARIO DE PEpAlglICP
RECIPE, 1- DE MARCO DE 1887
Noticias do Sul do Imperio
O paquete naoional Baha, entrado ante-hootem
do sul, tronxe as seguintes noticias, e as que cons-
tan) da rubrica Parle Officiai :
Bio-randa jo Sal
Datas at 13 de Fevereiro.
Dis o Zig-Zug de S- Gabriel:
< Ha poneos dias a Resistencia noticin que
quatro individuos foram casa de negocio do Sr.
Manoel Alfonso, estabelecido perto de Jaguary, e
que, depois de o amarraren), tinham-lhe saqueado
dinheiro, faxendas, etc.
Chega-nos gora ao coohecimento o seguinte:
ia para a estancia de S. Joao nm peSo do Sr. Doo-
clecio de Oliveira Pinto, quando, depois de trans-
pr o paaso de Combahy, foi atacado por quatro
bomens que o despojaran] do pouco dinheiro qne
levava, ueixando-j depois seguir o ceu caminbo.
Dis o pea > que eram bomens vem vestidos, mon-
tados em ca vil los gordos bem apparelbados, e que
um delles era um cohoclinho, que tem urna cica-
triz na face, por baixo de um dos olhos. Parece
que sao os meamos assaltantes da casa do Sr.
Manoel Alfonso, e talvez constituam o principio
de orna quadrilha de ladro a que fcilmente se
formar se aa nossas autoridades nao o impedirem
desde agora. .
No Livramento, um soldado do 18- batalhao
de infantaria, empregado no cordo sanitario, as-
saaainou a outro soldado com um tiro. O assas-
sino, nr occaeio de ser preso, ainda ferio grave-
mente a outro camarada.
O facto deu-ae na ala direita da linha, a duas
leguas deesa cidade.
Consta-nos qne o commandante da fronteira vai
mandar destacar mais qnatro officiaes para a li-
nha divisoria.
E' de lastimar que o pessoal de infantaria em-
pregado no cordao seja composte de pracas to
viciadas, pois o terceiro assasainato que se da,
no curto praso de done meces.
Para a lagoa dos Patos seguio o vapor Ja-
guario, levando o necessario pessoal technico e o
competente material para o baliaamento de alguna
canaes da mesma lagoa.
A ex-canboneira Araguary entrou no dique
na cidade do Rio-Grande e foi posta no plano in-
dinado para limpar os fundos.
A Araguary acha-se em perfeto estado e pode
ainda preatar muitos servicos.
Na capital foi atacado o 2- officiai de urna
das secedes da secretarias do governo, Sr. Ben-
jamn Villas-Boas, por um grupo de individuos
armados, ficando gravemente ferido.
Em S. Joao do Monte-Negro e na ex-colonia
D. Isabel teem-ae dado muitoa casos de varila.
At o dia 7 existiam recolbidos cadeia da
capital 373 presos, sendo : 318 sentenciados, 12
pronunciados, 8 em processo, 5 correccionaes e 1
alienado.
Diz o Mercantil que aos commandos das guar-
nieres do Livramento e Bag se tem apresentado
crescido numero de individuos, para, de acerdo
com as instruccoes da presidencia, de 2$ do mes
fiadb~pngajar-se para "o servico do cordo sa-
nitario.
Sansa Catharina
Datas at 16 de Fevereiro.
No mez de Janeiro deram-se na costa de
Santa-Catharina os seguintes naufragios :
O patacho nacional Marica, que sabio a barra
para Itajaby a 20 de Janeiro, em lastro de rea,
tendo aberto agua e sendo esta em grande quan
tidade, foi encalhado a 22, no lugar denominado
Capo do Meio, districto de Estreito, salvando-se
a tripolacao. O patacho portnguec Tupinambo.
que ia da Babia com sal, naufragou na noite de
26, na praia do Bojur, escapando a muito casto
a tripolacio. Eate navio esta va seguro na conv-
panbia io-Grandense.
Hia* fieraca
Datas at 17 de Fevereiro.
Na cidade de Diamantina roubaram da igreja
matriz a corda de Noa^a Senbora da Conceico e
a balancioba de S. Miguel. Foram presos diver-
sos individuos e verificou se que o roubo fra pra-
ticado por Jos Goncalves Ferreira, de 14 annos
de idade, tendo por cmplice urna sua irma de
nome Sabina. Ferreira fugio sendo presa a cm-
plice. A cora e a balancinha que forau: camaga-
das, e vendidas a tres ourives da cidade, foram
aporehendidas e entregues irmandade.
Ao Sete de Setembro escreveram de Gouva o
seguinte :
O co apresenta, ba dias, um phenomeno dig-
no de attencao. Das 7 horas e meia da noite em
diante distende-ae do lado do sul urna faixa de
vapores que parece medir 45*, dir-se-hia urna ne-
bulosa em sentido longitudinal ou enorme canda
de um cometa, cujo foco ainda invisivel. Co-
meca quaai no senith e segu ruma de L a O S O.
Com auxilio de instrumento observa-se em sua
extremidade oriental pequeos pontos luminosos,
talvez estrellas vistas a travec dos vapores. Ha
a notar-se : o phenomeno nao segu a mtreha re-
gular que se observa em toda a rego sideral,
isto nao se aubmerge no horiaonte : apparece
e urna hora depois some-ae paulatinamente seas
apparente deslocacAo do lugar em que se moa-
trou.
S&u> Paul
Ditas ate 19 de Fevereiro.
Sob o titulo Passeio funesto, eacreve o Dia-
rto de Saatos de 15 :
Em viagem de recreio sabio deate porto para
a Bettioga, na madrugada de domingo, o reboca-
dor Barhatena, conduzindo grande numero de ca
valbeiroa, eahoras e crianzas, amantes d pas -
seios martimos.
All ch-gadoa, emquanto se servia o almoco,
tres doa excursionistas, oa jovens JoSo Francisco
dos Santos Jnior, Godofredo Tavares e Beliniro
A. Ferreha tomaram urna pequea canea, e fue
ram-se mar fra.
A tres milbas mais ou menos diatante do re-
tocador, isto j na barra da Bortioga, que
perigosissima, devida ao granio mar, viroo-se a
embarcarlo, perecendo afogadoa o dous ltimos
salvando-se o primeiio que, maia feliz que seus
compaobeiros, ao vir i 43r d'agua agairou-se A
canoa.
a Este triste e inesperado acontecimiento poi
termo aos prazeres dos paaseiantca, que regrea-
sando cidade deram conheeimento do facto as
autoridades e aos parentes dos nufragos.
Para o lugar do occorrido seguiram houtem
no meamo rebocador a'gumaa peaaoas,'em busca
dos corjoa doa desventurados mocoa.
Urna cirnmatancia notavel:
Oa pais de Belmiro foram leval-o bordo do
rebocadur e ah fiteram as suas despedidaa da.
forma a mais notavel possivel.
Dizem-nos que de parte a parte oa abrac>a e
adeuaea trocaram-je de urna maaeira tal, que maia
pareca urna despedida de qnem se retirava para
lougiquas trras do que para urna pequea viagja
a poucaa leguas daqui.
Aqueles abraco o adeuaes, a bordo do 0arM-
cesa, foram os ltimos trocados entre filbo e paia
pois algumaa horas mais tarde o j .ven Belmiro
debatia-e contra aa oudaa revoltea do mar, endo
por fim tragado por este !
:


.'

I



1

Mas I
^^%L"



Diario dfc feraambacoTcr5-*fcira 1 de Sfar$o c 1887


hm
p




Taes manifettaeoe rain o prenuncio do de
sastre qoe Teio fenr uo in amo do corsci or pais
d'aquelle mancebo. "
_ Diaem a Wfc da capital que o Sr. VU-
coude do Pmhal dee'arou en rennio d directora
da corapauDia JKo-OIo que, teoda-se oonelaidoa
eouetrucvio dewaada de trro at Araraqaar,
extremo da linha no 'tronco, e t Jah, porto ter-
miii.l da liaba no ramal, Uto estando total-
mente apraveitada a couceteo faite poto decreto
imperial de 4 de Outabro de 186% raMactava
cargo de director e presidente da eewpaesaa, coa-
tinuando a exereel-a al qae ja eteito empes-
aado o seu BubstUuee. _
Tambem reniinosea o eaege de direeter o
Dr. Frncicea Ernest Xlalfcesro.
_ Foi designa'! da ti i correla, s 9
horas oamanha, pr- e*atBar-e, ae Cmara
Municipal, a apura?* da a*atfeeaU^a da eleicaa
de un senador ltimamente procedida.
_ A comptnbia da caallacao das aguas da
ctdade de Piracicaba principiou a faser trabalhar
as machina impulsoras col locadas no salto, daodo
as experiencias i'xcellentes resultados.
No da 14, no bairro da liba Grande, a 3
leguas d Ribeira Preto, Eugenio Alves da Oli-
veira, egociaota daili, aanamiitou coa uaa tuo
Manoel Nagucira.
Rio de Janeiro
Sob o titulo Industria Sacckarina escievoe o
Jornal do Cammtrcio de 19 :
Por coavite do Sra. Angelo Eloy da Cmara,
Malvino da Silva Kais, Hermano Joppert, Pedro
Gradee Antonio Ferraira da Silva, reuniram se
hontem 1 hora da tarde, no sali do Banco Io-
dnttr'B1 a Mercantil, diversas peasoas interesa-
das na lavoura de canoa e na industria Ataaea-
reira.
O 8r. commeodador Eloy da Cmara demona-
trou, eui brevo expoaico, que o prolongado e cao-
aideravel abatimento que tm soffrido os productos
da caima de asnear, os grau^e preju> JM*
perimeutadoa pelo iadaetriHO liajado muwdia-
temente a este ramo de trabalbo, a rama total
que amosca avultados expitaes oelle empregadoa
terna v..m necesaria a nn>a de todos os esforcos
para tvntarcra-so os roeios de evitarse matares
males. Occrreu a alguna intere-sad nessa in
dustria a idea de orgauasar um centro para o qoal
convirjam todos os esforcos isolados : para tor-
inar-ae este centro foi convocada a reuoio.
Em seguida foi constituida a assembla, sen-
do eleiu presidente, por acclamacao, o Sr. oom-
mendador Eloy da Cmara, que eonndoo par se-
cretarios os Srs. commsndadures H. Joppert e Mal-
vin> Ruis. '
L^a entao o Sr. presidente urna desenvolvi-
da demooatraco, nao e do estado lastimoso a
que teni ebegado a levonra da canoa e os preduo-
tos della procedentes, como tambem das bases de
un aaaociaco que promova o inelharumeuto e
cugranaeciravnto da industria assucareira.
. Aceitas pela naeembla estss teses, declaren
o Sr. presidente que eslava creda a associacao
Centro da induttrta e cemmtroio do assucar e of-
ferecu as seguiotes regras para serem observa-
da- como estatutos da sssociacao :
'ocio Compor ae-ha dos agricultores o
canoa, commissarios c negociantes, eegeabeiroa
mchameos e fabricantes de saucar, alcool e
agurdente, estsbelecimentos baresrios, adnnois-
tradores e rapitalista de engenhos centraea, pro-
prictarios de usius particulares, aotores on edi-
tores do livros e redactores dejoraae* que #c oc-
cupem da materia.
Direced Ser dirigido pof urna direetor.a
de cinco membros: presidente, viee-presidente, 2
secretarios, th^soureiro e vogaes.
Fundo social O fondo nccial se constituir
com a entrada de 50* de cada socio, e s<5 no Caso
de esgotado este fundo se recorrer a novas en-
tradas. .
FinePromover o engrandeoimnto ds indus-
tria assitcareira, servindo de centro as assoei0Vs
congneres j creadas e que se erearvm naa pro-
vincias. dirigindo-8e s soeied:ides commereiaee e
aaeiedades existentes as diversas proviaeia^
Os egreiantes d'esta praca redaraarao do
Centro as circulares para remetterem aoi seos
committentM, no eseriptorio do Centro da Lavou
ra e Commerdo, onde funecionar emquantomon
ta o seu eseriptorio.
" Por proposta do Sr. commeodador Chaves Pa-
ria, fieoa a adminis.raco do Centro compost dos
aeguiatea Srs.: .
Directores Angelo Eloy da Cmara, Malvi-
do da Silva Res, Hermano Joppert, Antonio Fer-
reira da Silva e Bernardo Belisario Soares de
Sonz:i.
Vogaes Bario do Rio Bonitoi Dr. Honorio
Augusto Ribeiro, commendader Pedro Gracie, Dr.
Ped* Oias Gordilbo Paes Lime, commendador
Joao Jos dos Reis Jnior, Dr. Januario Caodido
de Oliveira, Dr. Jos Artbur de Munnelie e Eu-
genio Wsgarmo Torres.
Para completar a administracio, f< proposto
pelo Sr. Eloy da Cmara, para vogal, o Sr. com-
meudad^r Antonio da Costa Chavas Paria.
Constituido a8im o Centro da industria e com-
tnercio de assucar, levautou-se a sesso.
A associacao que acaba de ser organisada po-
de prestar bons servicoi importantissima indos-
tria assucareira, que, como na reuniio de bontem
se disse, i foi e pode uinda tornar a ser nm dos
mais poderosos factores da riqueaa nacional. To-
d-, pois, somos, mais ou menos directaaieut"?, in-
teressados no seu desenvolvimento, e estamos con-
vencidos de que ella encontrar nao s garala dbe-
sao entre os lavradores do cauna, mas tambsm a
sympathia popular e a boa vontade dos peder
publicas.
Dadas estas condicoes, esehjuver, como e
Ue cir, perseverauca na administraco da mb-
cente aas-ciacao, a industria saecbanna pode ter
t^peranva de ser redosidos, se nao abolidos, es
impjstos que ooeram a oxportaco do assucar;
abanadas as tarifa para oa seu productos n9
principaes vias-ferreas, modificados os impostos
que paga o genero brasileiro nos mercados estrsn-
geiroa, e alargada a rea do seu consumo.
__ Na corte cometa:aro, na noite d? 19, osfes-
teios carnavalesco-, havecdo passeratas eXploadi-
das.
Rahla
Datas at 24 de Fevereiro :
Sao accordes tod::s as folhas em exalcar os m-
ritos do carnaval na cerreute aun i. Diz-tntad,
que esteve explerdido, e como j mais alli foram
fettas festas idnticas.
Nada maia referem as folbas diguo de nota.
Alatcoa
Datas at 26 de PeverBiro :
S2o destituidas de icteresse as noticias desta
provincia.
Noticias do norte do Imperio
O paquete Financc, entrado de New-Port-New,
trouxe do nort'i ante-hontem as aeguintes noti-
cias.
Parts
Datas at 20 de Fevereiro.
Apenas encontramos na Provincia dease dia a
ee a tropa :
. Repetem se nesta capital os conflicto entre a
forfa de linha e a polica.
Ante-bontem n ite esses conflicto assumi-
ram proporces a asustador as, pondo em sobresalto
moradores do9 lugares onde travou-se feia a
lucta.
A's oito horas um troco de 8 ou 10 pracas de
linha airgrediram a pat ulha do porto ao Bal, fi
cando um doa sida los, qun a compunham, grave-
mente ferido, vendo-ee o utro na necetsidade de
atirar se ao rio, j depois de muito vspaneado, pa-
ra eseapar 4 sanha das aggressores.
A's mesmas bora- truvon-se medonha I acta
o largo de Sant'Aoaa, ricando bastante eepanca-
das as praeas de polica.
Qaod> apresentou se o respectivo subdele-
gado, aeompanhado d* terca que requisitaca, j
as pracas de linha -jnbam dispersado.
Na praca da Independencia hauvo luda, pr-
ximamente de lugar em que permanece a aenti-
ssslla do th<"souro. fleando ferido o toldada de po-
lica Raymundo B-lroiro Alves.
< Com parecer *n ah o genertl com mandante
das armas, 16 offiaiaes e algumas pracas doexer-
cito.
] Terminado alli o conflicto com a priaao de
omi praca de linha, a cavallaria do orpo de po-
lica, o subdelegado d Sant'Anna o mais 16 pra-
ca d'aquelle corpo partirara para o largo de San-
t'Anna, onde d-poia c mpareeerara o Dr. ebefe de
polieia, commaudante do corpo policial e o capitio
Constancio, to us aflatada*
Surge eoto abi urna forc.a de linl}, ana fra
mandada expedir pelo commandante das armas,
roa o fim de prender as praca que promoviam
desordena e impedir a eootinuacio do coaflicto.
A (orea penefrou no largo de bayoneta cala-
da e a marche marche.
Nisto, o c>BMnandaute da corpo de polica in-
tima forca que fa^a alto, do que desattendi-
do ; eaviado-se antli a vox de sargento que a
comaiaad.va e qne maadava Ihe avaiiaaaA
8eguio-e oms cena horroro, qaeajslsWca-
Va verdadeira hecatombe.
A pracas de linha, em completa desordeo,
desacataren! o chefrf de polica, dan 'o cora o con
ee da arma no cavallo que era eiontado por aquel-
la Hutoiidade equ* fugio em desabrida
O mearan acontecen quanto ao commandante
de aadteia, autoridades e piscas da corpo policial,
qaa eachavaei no lacgo.
Ffcgirsai to*, p^raegnidos pele furor da
pravaa de lahs, amudo lsrgo es|etomene
deaavs*.
Ye toqoa 4a oUrim d* foro V Maha, fjrn
reaaaado paeaa eoaco as prscaada nsasm i forfa.
qu aaviaaa aguii*m diversa d*reeaSes. __
Oavo-e en tan que Ib affleirana, repetida *iva ao earc'uol
Pajco depea compaiaatu na tara o Sr. core-
nel MagalhSes, commandante do atalhao lo*
de infautaria, o qual fes ret.rar a torca para o
qo artel.
Meia hora depai destas occorienciae^aaaon
n'aquellc largo, em carro de prac, o 8r. Dr. che-
fe de polica, que foi apupado e vaiado pelo povo.
Anda depoi, coospareceu no qaartel de poli-
ciaoBr. general commaniante das armas, o qual,
sendo informado do desacato que soffrera o com
mandante e officiaes desse corpo, determinon ao
seu ajudante de crden que fizesse prender, tom
aen'inella vista, o sargento que commandava a
torca de linha no largo de Sant'Anna.
Dos diveso* conflictos sahiram feridos os sol
daioa de .polica Francisco Geraldo Pinto, Ma-
thias Gnilheime Franco e Ravosundo Belmira
Entre as pracas contundidas parcouce dar-
mis, ficaram mai maltratada as de nom-> Fran-
cisco da Canha e Silva c Mnnoel Simplicio Alt\.s.
Urna parte das aniraaes do piquete de eaval
laria policial ficaram feridos por golpes de sabr.
Estas oceurreneas, coraquanto se aoccedam pe
riodicamente, devido a rixas eotre as pracas de li
nha e de polica, todava, nao deixsm de deno'ar
afrouxamento da disciplina militar.
E' du nctr que achando-se montadas quasi
todas as pracas de polica, que acndiram eomofim
d* inanter a ordem, nao podessem fz?r frente ao
Hggressores, representand- a-aim um tristusimo
papel, em vista da superioridade de forc de que
disponham para fazer frente aos deaordeiros.
Compre confeBsar igualmente que.apparecen
do em rasis de um lugar des conflicto o Sr. ge-
neral commandante das armas, nao fai isso bas-
tante para que as pracas de linha refreassem os
nimos e eatraesem na i.rd-'m.
ogsfl K eab-
lor Wao Ferrax
irsii do Br. Affouso do Reg Barros ; fallando du
rante o acto da entrega diversos empregados do
Correic.
O saris esleve aoimailo e terim
da nabal de hoatcm.
t-'arlaneisto leveEm Ato
btdo i noite, o crcoulo trabalhador ^RS Ferrax
de Oliv.ira, foi levemente ferido no Jteito esqnerda
p r outro de nome Alle.luia, que se evadi.
Segundo allega o ferido, Alleluia estava a es-
tragar-Ib- n porta da casa e como Ihe observasse
ave tal na< devia e uo centinuasse a facer, elle o
Paila.
A res;iet'-i aatorWade tomou conhecimento do
aorrdoj,*nJ siile Ferra de Oliveira vistoriedo
aat Sr. BK J. i. Rosza.
anniiMNstrrlMFaaem hoje 16 anoos que
cata a ntatajt do tynno Lopes, dictador do Para-
' gaay, fi0t% eecomdo sargeni do Aquidabea,
te*a4Ku a gat-rra jue aquella rcpobliea me vetad
o HtmiI, a RcpuWica Argetina e a de Urugaay.
Tambem fasem hoje 212 annos que foi creada a
diocese da Babia.
E lazea igualmente 257 annos qoe o forte de
S. Jorge, em poder dos holandeses, capitulou ao
exercito portuguez, as lutas pela Restsuraco.
C'ompaiibin de EdiOeat,6en Hoje, ao
m-io dia, re in inse os accionistas da Cmipanhia
de BiiftecO'8, em assembla geral, ni respectiva
sede, para o flm de t juiarem onberirnento do rels-
tcrio e das cantas da directora, e ergerem n nova
commissao fiscal.
campanilla tmpttttrltr- Em assem
bla geral devem reunir se amauhi, ao meio da,
os accionistas desta companhia, no sato da As-
sciv'.-lo Commorciat Beneficente, pra tomarem
oonbecimeoto do relatono e das contas da direc-
tora. -
Irmandadc doNncramento de San-
to AntonioAmiuhJ, as 6 horas da tarde, de-
vem reuuir-se i m mesa geral os membros da Ir-
maudde do SantiSsima Sacramento da matriz de
Samo Antonio, para trataren de assmnpt < inters
sanie.
ImprcnauRecebemos ia4c6rte:
N. 3 Oo Brasil IUrutrado, tra sendo na 1
pagina o retrato do conjejbeir Jos de Alencar
os seo* traeos biograpbicos.
H 1, du 4." anaa, aa lUustrac,ao, alias im-
presso em Pariz, e trazendo expiendidas gra-
vurbs.
N. 1, do 7. anno, da t7to Medica, que
tras eate tnoraarro :
Uinie.i OpbtbalmnlogicH.Da tubercnlose oeu-
iar, pelo Sr. Dr. J. C. Bittencourt, pag. 1.
Pediat ia. D3 Ttiologie de selrose em pa
moral
tou
Queremos crer que a Sr. genr
te das armas muito custara agora readquirir o
prestigio moral, que por ana vez pcrJeo, u que
alias tanto se fus mister para que o seus com-
mandadoa dm dora em diante roelhores provas da
disciplina.
Durante o dia do bontem houve tentativa de
novas desorden, promovidas per pracis de linha,
em diversos pmi >a da cidade.
Em urna taberna uo largo da Plvora,esquina
da ra de S. Vicente, o Sr. c.ronel Majalhaes,
cominandaute do 15", fea prender e aes-irm-r duas
pracas do me no baUHio que e aehivam arma-
da de cacles.
. Depois doscoufiictos antehontem, a cidade fi-
cou completamente despolieiada, porqu,- foram re-
colhida ao quirtel toda s patrulha.
Disa-se bontem que uo seriara distribuidas
noite patruihas de polica, afiui de evitar se novas
desordena.
Haranho
Datas at 24 de Fevereiro :
As noticias desta provincia ucnbum lnteresse
fe m para HtviSTA DIARIA
A!Soant>le. ervimll Ani-n.)ii em.
ao meio dia e soii a presniem-i,. do Exm. Sr. Dr.
Jos Manoel de Barros Wandrley acb-ndo-ae
presentes apeua 8 Srs. deputidos, no pode bn-
ver sessio preparaturia.
O Sr. 1 secretario commuuicuu que mais 6 Sts.
deputa los achvam-se piomptos para tomar par-
te nos trabalhos.
O Sr. presidente declarou dissolvida a reuoiio,
convidando os Srs. deputados para comparecerem
no dia seguin'.e (hontem) afim de se poder faxer
a devida oommunicagao aoExm. Sr. Dr. presiden-
te da provincia.
Hontem houve sessao que a compareceram 12
Srs. deputadns, ocenpaodo a cadeira da presiden-
cia o Exm. Sr. Dr. Jos Manoel de Barro Wan-
derley.
Sr. presidente declarou que b.vendo apenas
19 Srs. deputados promptos para tomares parte
nos traOalhoe, ia ao conformidade com o artigo 10
do regiment interna officiar se no Exm. Sr. Dr.
presidente da provincia, communcando oo poder
ser hoje aberta a sessao ordinaria.
Em seguida levantoa-se a sessSo.
Os 19 depu'ndos presentes para os trabalhos
sao o Srs.: Drummmdi Costa Ribeiro, Gancal-
ve Ferreira; Rcgo Barros, Jo* Mmia, Julio de
Barros, Costa Gomes, Domioguea da Suva, Andr
Diss, Ralis e Silva, Barros Wnud-rliy, Barro
Barrete Juni.ir. Loarenco de S. Luis ce Audra-
da, Rosa e Silva, Augusto Frai klin, Prxedes Pi-
t utro, Gomes Prente e Baio de C*iar.
tifandeca de PernarntoucoPrestou
hantem juramento e deve assoinir h-je o exercicio
do cargo de inspector da Altaudega do Permnn-
buco o .^r. Dr. Ignacio de Barros Barreto, ultima-
mente nomeado para esee honr^O posta aduaneiro.
O Sr. Dr. Ignacio de Barrs teui tradiceoesqua
o bonram. e eatamas certas de que no desempenho
da funeco-' que agora Tai exercer confirmar
p'enwnente os scus t.nos de hornera intelligente e
Ilustrado.
Ferlmeiit liare Mandaram dizer d*
cidade de Palmare* qoe, a 21 de Fevereiro findo,
no-Ingar Marayal, Bellannino F.-.iippe Damasce
no ferio gravemente cO:o urna tacada a Manoel
de ^oirH Teiieira. actoal presidente da cmara
municip ti da comarca de Palmares, na occasio
en qiHi 'te acompanhadj de um inspector de
qcarteirao e de outras pessoas proeurava prender
o referido Bellannino quaudo tentava aasassinar
a Luiz Salgado de tal.
t) criminoso foi preso em flagrante.
Outro rerla>itoNo referido termo de
Palmanares, e na noite de 23 de Fevereiro findo,
no districto policial de Pregoica, Raymnndo de
tal ferio com duas tacada a Leopoldino Manoel
Francisco do Nascimento.
O criminoso evadio-se.
Bendtmentoa publico* A= seguintes
estaces arrecadaram em Fevreiiro:
Alfandega :
De 1887
De 1806
De 1885
De 1884
De 1883
Recebedoria Geral
De 1887
De 1886
De 1885
De 1884
De 1883
Consulado Brovincial :
De 1887
De 1886
De 1885
De 1884
Da 1883
709:246*886
657:127*024
624:067*377
984:275*233
679:840*638
48:753*960
48:966*226
49:118*110
77:279*749
66:141*941
< 183:573*650
127:712*076
173:108*078
151:811*018
105:114*646
Maaireatac&o Teve lugar hontem, pelas
6 1/2 horas da tarde, a manifesUco espontanea
que os empregados do Correo, fizeram ao seu di-
gno ebefe, o 8r. Alfonso do Reg Barros.
Partiram da roa Direita em vinte e tre carros.
em direceo ao palacete da ra da Aurora, onde
se achava postada a banda de msica do 14 ba-
talhao.
Ao chegarem alli veio o Sr. AKarxso do Reg
Barros receber seu empregados e ao aerem elles
iotrodnzdos no sali de honra, que se achava pri-
morosamente ornado, foi concedida a palavra ao
Sr. Jos Aflooso dos Santos Lima, que, em nome
de seo companbeiro e em phrases eioquentes
expoc os senlimentos de que todo estavam pos-
suidos e qoe os faxiam agir.
O Sr. Affanso do Reg Barros agradecea com-
movido, e convidou-os para um sarao dansante,
em que elle tomaram parte e a que se aasociou
urna escolhida e flua ociedade alli reunida.
O retrato a oleo, de meio corpo, de tamanho
natural; e juntamente eom elle fui entregue um
lbum rajo contendo es aomes dos empregados do
Correio, que tomaram aarte na manifesucio.
aimnluneamentef,ram entregues don mimosos
ramaluetes de fiares naturas s Exmas. Sras.
CoodeiM da Boa- Vista e aua digna fi'.ha. mii e
professor Qoy.io, pog. 27.
(.'orre3pouden.oa Sseientifiea.Cartas de Pars,
pelo Sr. Dr. Ch. Eloy, pag. 38.
Tbcrapeutica C Formnluric.Glyceroleo contra
as queiinaduras, psg. ,44.Collutoriu contra as
dareB d- dentca, p itr. 14. Tratamento da astbraa
mis enanfa. )-i^. 45.
ffoletim Bib.'iograptico, pag. 45.
B-Jotim NoticiosaHomeoHgem ao mrito, pag.
46Hein-airhoidas, Pendas no anus, pa. 48.--
Dy^pepaia. pig. 48.
S- sso cvica em komenagem ao senador Jos
Bonifacio de Andrade e Silva, em 8 de Dezembra
de i06. Folheto de 73 paginas, contendo os dis-
cursos do senador L)anta> e da consetbeiro Roy
BarOusa.
Um anno de imprensa, opsculo, de 219 rjk-
giuas, em que o Sr. Dr. Cyro de Aaevedo reuni
artigos seus publicadas na iinprcnsu de S. Paulo e
da corte, artigos que merecen ssr lidos e dstida-
mcn'e apreci:idvS
Agradecemos as remrttentes os mimos indicn-
dos.
Eperler,"-\'i domingo, 27 do corrente, o
almocreve Jur Jo-ujuim Britt >, mor.idor n lugar
Iratotio, de Bom-Jardun, lendo viudo a esta ci-
dade v n ior la e apurando a quaotia d .'56G i 00,
foi procurar urna casa no pateo do Mercado de S.
Jos ende dormisse ; mas chegando em urna casa
de vender comidas, no inr.sir.o lugar, c-ncontrou-se
com doiis j gadores das tres cartinhas, que procu-
raran] tentar o almocreve para o jogot e como elle
se recusasse a isto fizeram-no jogar a Tarca, I i rau-
do-Ihe da algibeira a quantia referid, e, depcU
de jogarem por algum tempo, declararam ao matu-
te que elle bavia perdido 89*000, cuja quaotia des
coutaram daquella, fazendo-lho entrega do res-
tante.
O pobre homem, vendo se assim roubado, pro-
curou o subdelegado do Santo Antonia, o Sr.
tente Miguel Nuues de Freitas, que desconfiando
ser uui dos jogadores o individuo de nome Ma-
rianuo Francisco de Souza Magalbies sahio.em
sua procura com o almocrev, eoeontrandV-o As 7
horas da noite ua ra Duque de~Caxiaa.
O Sr. te uente Miguel interrogan Jo Marianno,
este Qcgou-lhe o facto, o que fez com que ae re-
solvesse a dur-lbe urna busca corporal, encontran-
do a quantia roubada no forro do palitot; confia-
sandu entao Marianno-o facto.
O espertalbao foi recolhilo cadela para I
jugar as tres cartinhas e o dinheiro tai entregue
Qunti-m a seu dono que passou o competebte re-
cibo.
Foi preso'_) criado do Sr. Jos Fraocisco
Cameiro, qu furtou 50*000 de um estrangeiro
que estava em suu casa, conforme noticiamos na
lolha de domingo, foi preso no Peres, eol virtudo
da requisico do Dr. delegado do 1." districto ap
preheudenuo-se-lhij a quaotia de 26*000 que con-
fesaoo faaer parte da referida quantia.
Ja bavia gas'o 24*000, eom os quaes comprou
at a roupa era qi:e la vestido ua occasio da
prioil o.
O resto do dinheiro, foi bontem entregue pelo
Sr. Dr. delegado a seu dono que afinal nao per-
den todo.
Antes assim.
Inquerilo O delegado de S. Lourenco da
Matta, rmelteu ao Dr. juiz de direto do 5o dis-
tricto criminal, o inquento a que proceden contra
Mano 1 Gomas Teixcira, conbecido por'Oj, por
hav r ferido s Julio Perraz Daltio, no dia 22 do
corrente, no lugar Bezouro d'aquelle termo.
Citmpaattila iMilpnenluisdoru -Reuni-
r m-se huiiTem uo eacriprorio desta companhia,
hora annunciada, es accionistas em numero' do
425 leeoes, os quaes depois de haverem apreciado
as contas do auco findo em 31 de Dezeo xiino passado, eram-as por upprovadas; e pis-
ando a proceder a eleicilo dos funceionarlo para
o oiennio de 87 a 88 foi este o resultado:
Assembla geral:
Presidente Dr. Francieco de Assis Rosa e
Silva.
Vice- presidenteManoel Joo de Amorlm.
SecretariosAntonio Joo de Amorim e Carlos
de Moraes Gomes Ferreira.
CommissSo fiscalBario de Petrolina, commen-
dador Albino Jos da Silva e Julio Cesar Paes
Barreto.
DirectoresJoaquim Alves da Fonseca, Jos da
Silva Loyo Jauior e Antonio da Cuoha Ferreira
Baltar.
SnpplentesJos Ferreira Marques e Manoel
Jos Machado.
Arma defeaaa O commandante geral io-
terino da guarda cvica remetteu para a secreta-
ria la polica duas navalhas, nove facas, dous ca-
ivetes, tres compasaos, quatro estuques e nma
perna de thesoura, armas tomadas a differentes
desordeiros.
Re atorlo Recebemos e agradecemos um
exemplar impresso do Relatorio da Companhia de
Seguros Vi ritimos e Terrestres Indemnisadora,
apresentado assembla gerul dos respectivos ac-
cionista, bavida bontem
FalleclmeotoHontem a 1 bora da tarde
soecumbio de urna febre palustre o negociante
p rtuguez Custodio Francisco Martina.
Tinba, o fallecido peuca mais de40 annos de ida-
de e era um homem dotado de excelentes quali-
dades, que o tornavam estimado de todos quautes o
conheciam.
Aecessivel, franco, sisulo e caridoso, a sua
morte, no vigor da vida, causou profundo e verda-
deiro pezar a muitas pessoas.
Era socio dos armaxeas de assucar d Martios,
Cordeiro & C. e Martina, Oliveira & C. desta
praca,
Deixou o finada numerosa familia, cuja conster-
uacao extrema.
O cadver est depositado na capella do Cemi-
terio Publico de Santo Amaro, e ser dado a sepul-
tura hoje s 8 horas do dia, depois de regados oa
ultimo soffragio da igreja.
Tribunal do Jury do BeclfeAinda
bontem nao foi installada a Ia sesso deste tribunal
por terem comparecido 28 juises de facto.
Foram multadosem 20*, os que faltaram, sendo
sorteados mais os seguintes :
Fregum* do Becife
Ignacio Pedro das Nev,
reguea de Santo Antoni* *
Salmtiano Francisco Martinc
Autero Francisco de Assis.
Manoel Jsnuario de Arroda.
Dr. Manoel Francisco de Barros Reg.
Gustavo Alberto de Brito,
rtguezi de S. Jos
Heminegildo do Amaral Lemos.
Francisco Xavier dos Santos.
Mauoel Cesar Alves.
Freguesia da Boa-Vista
Manoel Pinta de Queiroz.
Joo Francisco de Oliveira.
Justino Casado Lima.
Jea Antonio de AraojoLivranteat.
Joe de Bauza Fariat.
Duarte Oarneiro d'A>sumpcio.
Flavie lee Santos Silva.
Frequea da Gratfm
FredctlW Uiysses Almeida AraHueraa.
Canute Jefe Ve||zo da rWv*.
Freguesia de Afogados
Avelino Galeno Coelho.
Joo Francisco de Amorim Lima.
eiratrd Ante-hontem, ao meio dia, foi en-
tregue ao Sr. tenente Adolpha Fernandes da Silva
Manta, em a casa de sua residencia, ra de S.
Jorge, o retrato que os 4 libertos Justina, Francis-
co, Luiz e Marcelina, recenteraente allomados por
aqnelle cav.ilkeiro, que exeree as fuccc8es de 1.
pratico da barra, mandaram tirar para cffetecer-
Ibe em demoustracao de agradec ment pelo eu
aeto meritorio.
Em nome dos libertos falln o Sr. Manoel Ar-
mando Lobo Gomes, 2* pratico, que proferio algu-
mas palavras commovidas 6 encomisticas do refe-
rido acto, respondendo o Si. tenente Manta, que
mimoseou cada um do* ofertantes com orna photo-
gtaphia sua offer-cenda todo os circomstaiites
am lunch, era quu foram trocadOT diversos brindes.
Theatro de Varledadea Teve lugar
no bbado ultimo n'estu theatro o beneficie da
actriz Regina Dnr.iii i. O artistas na saa maio-
na foram-se bem na interpretaba das seu pu-
pei-1. -
Houve grande cuchante no theatro, o que pro -
va aa sympathias de que goza a beneficiada, que,
por mais de urna vez foi chamada scena brin-
dada com algo presentes de valor.
A Evoluco-Publicou-se o u. 16 deste pe
rindi, que e diz orso da todas as elasses.
Ferhnenloa-Ni sabbado, s 7 horas da
noit", sah,r.im do Recife em paluscada os iudivi
dos donme Jo3 Joaqaim dos Santas, Antonio
Gorme, Joo Mauricio-, Miao-tl Maria, Jas C*ndi
do, dorieo de tal, Luiz da Franca, conbecida
por s'-tc legnas, Francisco de SaOza e Antonio de
Souza ; e, ebegaudo a uma taverna nova eira as
proximidades da ponte da Capun-'a, abi ficaram
a ah bb-ram a vale.
Dftpais de toncados travararn lata uns com os
utros, resultando sahirera feridos, gravemente
cam usa- tacada no hoinoplat*, Jos Jaqnitn dos
Santos e levemente cam ainl t ic ida na cxa An-
tonio Cosme.
Qoanio 9 -renoa a tcmpeStade, Icvurum os feri-
ius Mag lalelia. entr>- ni i i m ao Cbo -'lo des-
tacaincnco e pozerain-ae n andar da ra.
Todos os taes paudegos d moraciares na Tor-
re e na Magdalena.
Consta que Jos JoaqoirO dos Santos fai t-rido
por Antonio Cosme, An'.ouio de Sauz e Fraucis-
co dB Souza, que estavam armados.
Segredoa raimaE o titulo que o Sr
Claudio P. da Gama deu a nina wtlsa que cam-
po para piano e foi eiictada peta casa Vctor
Preale, successar, onde encontrada ven ia.
Monte Po don Tolomtartoa da i*a.
IrlaEsta sociedade conservar hoje basteado o
seu parvilho, por ser o dia auniversario do termi-
no da guerra do Paraguay.
Taaaratu Desta tocalidade e3crevcm-nos
em data de 16 do corrente :
A Hoticit mais importante que podemos dar-
Ihe a do resulta lo da elica de jurzes de paz e
vareadores, qu.-, hautem tez-ee uosta villa, sera o
tneaor incidente.
O poucos liberaes que existern aqu nao com-
pareceramAeleisio, nnturaimoiita p*ra mo darera
a conheccr a ana fraqueza.
Foram dadas as providencias necessarias para
para que o pleito correase com toda a liberdade,
como effectivamuntc suceedeu.
S deixau de vjtar quein absolutamente nao o
quiz.
Foram elcites veread-ares os seguiotes eonbo-
rog :
1." Jos Cavalcaute de Albaquerqoe.
2." Pedro Gancalvej Cavalcantc.
3." Antonio Prxedes de Barru.
4." Venaucio Ridriijues da Silva.
5 o Firmo Pere.ira Via naa.
6. David da Silva Casta.
7. BaMtao Jos d'e Carvaiho.
E pata juizea de pas os seuhores :
1. Manoel Corris da Graca.
2. Manoel Joaquim de Barros.
3." Joao Rodrigues da Silva.
4. Jos Manoel de Souza.
. Todos estes cidados, bem como os snpplen-
tes quer do vercadores, quer de juizes de paz sao
conservadores.
Um outro facta importante, que teve lugar
uestes ltimos das, a captura do celebre crimi-
noso Marcelino Cacimba Secca, primo de Cypria-
no de Queiroz, e que com este veio no gropo qua
assalt ju a casa do teoeate corcinel Cavalcante, de
saudosa mamona.
Easa prisao de ve-se a esforcos do delegado de
polica e commandante do destacamento Joaquim
Flix Bezerra Cavalcante, qua a fez nestas altu-
ras, aem vioiencia, o que taina o merecer de elo-
gios-
Dizem que o criminoso ainda lan;uu mo do
bacamarte, mas nao teve tempo de atirar, porque
os soldados polarain sobro elle, como a onc sobre
a sua presa.
Informam-nos que, alera da pronuncia do
ebefe da polica pelos ltimos acontecimentos em
que aquello criminoso tomn parte, est tambem
envolvido em outros procesaos, e por isso foi a pre-
senca da juiz municipal para ser interrogado, e
fea revelacoda de muito valor.
A comarca vai em paz, pelo menoa appa-
rente.
< As autoridades judiciarias sao incansaveis em
promoV'T a pacificaco della.
D z-m que alguna dos criminosos pronuncia-
dos pelo Dr. ebefe de polica, esto refugiados na
Serra Negra, comarca d Floresta.
Esta sorra o covil dos criminosos que infes-
tam o alto serto cujo numero augmenta quoti-
dianamente, tornando-se o terror das localidades
circu m visinhas.
O gaverno da provincia nao olba para isso ;
tarde se ba de arrepender.
Quando esse formidavel grupo se engrossar
mais e descer para as suas correras e para exsr-
cur vinganca, a forca publica com difficaldade po-
der dissolvel-o, gastando o governo muito dinhei-
ro e arriscando vidas preciosas.
Na visinha povoacao de Jatob, para onde
pretende mudar-se a sede da comarca, oo existe
'ainda templo ebristo, aonde se v adorar a Deas,
nao obstante ter uma popalaco maior ca mais do
dobro que a desta villa.
Al'.i vive-se sem religio, adorando-s- e res-
peitaodo-se nicamente o bacamarte a a faca de
ponta; por isso nao de estranhar o facto de um
grupo de malfeitores entrar s 9 hars da manbS,
em um povoado importante, onde se ouve censtan-
temente o sibilo da locomotiva e assaltar a casa
de um cidado prestimoso para matar c roubar.
S. Exc, o Sr. bispo nao dte descuidar ee
daquelle cantinho da sua diocese e deve mandar
levar qoelles povos o pao espiritual, para que
elles possam couhecer o verdadeira caramba que
devem trilhar.
Chamem, Srs. redactores, a attencio dos po-
deres competentes para esta comarca, digna de
melhor sor:e, que, com isto prestarSo relevante
se;vico i nossa provincia.
At "outra vez.
Seta de Oolnbro. Diatribuio-se hontem
o n. 3 desta quiozeoa, orgao da Associacao dos
Fancciooarios Provinciaes de Pernambuco, e que
est ao 5 anno de existencia.
Cobranra daa rendan e pagamento
daa deapezae. Com este titulo publicou o
Seis de Outubro o seguate artigo :
A situaco fioanceira da noaia provincia nao
do todo descoobecida do publico.
Sabe-se que embaracosa ella ; conhece-se que
os recaraos nao do paia solver o eompromissos :
nao se igaora que a airecadacao das rendas nao
corresponde ao preciso para pagamento prompto
de toda a despeza executada. Mas nao se tem co-
nhecimento intero do movimento de entrada e sa-
bida operado no cofre do Thesouro, nem se est
ao facto da aorama real da randa que se recebe i
da importancia exacta da despeza que ss paga.
Pota bem. Materia importante como esta, ma-
teria em que ee nao improvisa, mateiia em quo s
o*algansmos teem a palavra, Tamos estadal-a ten-
do a vista pecas officiaes e dados que ia colbem do
relatorio do Dr. inspector do Tbesouro.
Trataremos da arrecadaco a deapesa efectua-
das no' correntfe exerciio d 1886-^87, deterrai-
uaado as par mezem suas quantrase saldo da an-
terior com declaraco da estaeo arrecadadora,
para melhor apreciarse.
Observaremos, entretanto, que a cobranca das
col lectoras comprehende se na realisada pelo Tbe-
souro.
Julho de 18S6
Thesouro
Consulado
Alfandega
Despeza
Saldo 1
Agosto de 1898
Thesouro
Saldo anterior
C insolado
Alfandega
Despeza
Saldo
Selembro de 1886
Thesouro
Salda anterior
Consulado
AlfindtgH
Despeza
Sal o
Outhbro de 1886
Thesouro
Saldo anterior
Consulado
Alfandega
Dospeza
Saldo
Novembro de 1886
Thesouro
Saldo anterior
C maulado
Alfaudega
l'espeza
Saldo
Dezembro de 1886
Tbesodro
Saldo anterior
Consulado
Alfandega
Deepezi
Saldo
Jantiro de 1887
Thesouro
Saldo interior
Consulado
Alf indaga
Desper-
10:148*237
20:088*346
49:579*738
79:816*321
41:716*680
38:099*641
12:183*75
38:099IM1
16:905*194
87:115*847
------------------154:304*257
112:304*278
41:999*979
39:261*655
41:99!t*979
18:9*5*7*5
80:498*289
--------;---------180:715*658
157:162*710
23:552*948
39:840*915
23:552*94S
41:069*384
114:029*642
2t8:492*S89
196:782*103
21:710*786
19:4^3*123
21:710*786
22:145*689
197:899*604
-------------------261:179*202
247:138*867
14:040*335
41:197*203
14:040*335
91:527*009
168:520*969
-------------------315:285*516
314:291*007
991*509
85:265*806
991*009
37:127*95/
142:112*666
-------------------315:50'*933
281: 81*84 2
Saldo 31:216*191
Deten demonstradlo, pois, claro ter a arreca-
daco da renda provincial no primeiro semestre do
ex-rcieio vi^ nto ehegado qnantia de.........
1,070:390*154; caddiciooada a ella a mez do segundo semestre, que acha-se considera-
da na erposiclo sopra, temos que noa 8et mezes
d i ejercicio, .irrecaou-s imoortancia do......
1,384 895*578.
Por igual c- com referencia & despeza, conbeoe-
ae ter esta subido importancia de 1,069:395*615
no referido semestre; qual eneorpotada o do
mez scguinte, verifica-se que no dito rerano paga
ram-se despeza* na cifra de 1,353:660*487.
Da arrecadaco a'ludida cabe a Alfandega a
importancia de 839:756*755, ao Consulado a de
297:819*309 e ao Tbesouro a de 247:320*514
Taes s5 os recursos com que ha coatada a ad-
ministrasao at aquello temp) o cora elles t-in oc-
corriio ao pagamento d. desp^zas resultantes de
varias servioos.
E' certo qua oo sao bastantes para solver to-
dos os ampfo'missaa j eoi grao de soluco; mas
alguma Cousa se tem feito com esse resultada da
cobranza, qne eftect: /ament ha sido nesse perio-
do maito melhor que a do anno anterior eaV idn-
tico espago. >
fterinheni D'esta localidae nos remet-
teram o seguate em 24 do atez bontm findo :
E' esta a primeira vez que teabo a honra de
pedir aos Ilustres redactores do muito conceitua-
do piario para inserir na Revista Diaria aa se-
guintes noticias :
Em 2 de Janeiro do corrente anm teve lugar
a festa do glorioso S. Benediet;* erecta no con-
vento de S. Fraucisco desta villa. A Irmaudade
nao poicado camprir directamente cora o que pre-
ceitaa o seu Corapromisso, e para esta festa nao
ticar no rol das esquecidas, como tem acontecido
em va'as igrejas d'aqui, maadou a mesa regedora
soleui lisal-a no referido dia, e foi b -ra onc n-rida.
A 5" de Janeiro fai basteada a baudeira do
glorioso Santo Amaro. Esta tradicional festa
sempre ranito concorrida par todos os Seis devo-
tos quo affioem em distancia de 30 40 legaas,
apezar da cnse em que atraVessamcs e a grande
falta d-- meios pecuniarios, foi admiravel o fes-
tejo ; durante as noites de novenas foi grande o
numero de devotos.
Hauveratn diversas brinqnedos nao obstante
serena abundantes as cbnvag nas ultimas noites.
O dia da festa esteve bello. A Philarmonica
dirigida pelo seu professor Francisco de Paula V.
Glasaar, no desompaah de sen m?isterio attra-
bio a attenco dos espectadores ; tanto na mar-
cial como na orchestra nao hauvo falta alguma.
A' tarde percorreu as ruaa a hnagem do glo
-Oso Santo Amaro acompanhada em prociasao,
marchando om sua frente a Irmandade de N. 8.
dd Livramonto dessa villa e em seguida o squito
dos aodre^, anja-3, pallio, e finalmente a incan-
savel Philarmonica desempenhando diversas mar-
shas do seu repertorio.
A''noite hauvo ladainha ; depois d'clla um
bonito e variado fogo de vista entregue aoa cui-
dados do artista Martioho G. de Aranjo.
A' 7 de Janeiro compareceram os Srs. verea-
dares eleitos em 1 e 2 escrutinio, os quaes pres-
taran juramento de conformidade com a le; e
entre elles elegeram o seu presidente e vice-pre-
sidente, ficando composta da aegunte forma :
PresidenteTenente-coronel Honrique Laz d e
Barros Wanderley. (L)
Vice-presidenteTrajano A. de Mendonca. (C)
Nesta sesso o Sr. presidente nomeoh du-.s
commissea, sendo uma para verificar aa coutas do
procurador, e outra de fiscalsaco em todo muni-
cipio.
At hoje tem havido tres sessoes e eat desi-
gnado o dia 28 do correte para ter lagar a qaar-
ta. Diius permita que v continuadamente
assim.
< No dia 23 de Janeiro teve lagar a fusta do
glorioso raartyr S. Sebaatio da Barra, do Sen-
nbem deste termo. i
Neslo mcsino dia foi basteada as 9j horas da
noite a bandeira de N. S. da Coaeeicao desta
villa. /
Aa noveuas fora-aa agraiaveise animadas ; em
todaa houve noiteiros, cada um p ir sua vez quiz
m -.ls abnlhaotar su: noite ; realcandd eotre ellas
a dos negociantes que este anua pela primeira vea
deram am ar de sua graca. De repente fora
basteada uma pomposa bandeira que percorreu as
ras desta villa acompanhada de todaa aa rman-
dades.
Uma nuvem de enancas e mocas, todas ves-
tidas de branco, levavam cana ama um brando
eom a competente anterna de diversas cores, fican-
do por esta forma a iliaminmco sablise.
5 No dia seguate o umanhecer estavam as
ras eoibandtixadae, devido aos cuidados dos
activos procurado.es da referida noite Jos Eu-
genio Pacheco de Menezei e Jos Martina dos
Santos. /
O amanbeccr do dia 2 do corrente foi sauda-
do com uma Salva de 21 tiros acompanhada de
uma grande girndola dd toguetes, anoonciando
que era chefcado o dia da festa da excelsa Se-
nbora. j
A' 1 Ir horas entrn a testa, oficiando oa
Revms. parocbos desta fregnezia, o vgario Ge-
nuino Gomes Pereira. guardio do coaveuto de S.
Franejsc Frei Antonio do Coracao de Mara Mar-
tina e o vigrio do Rio Formoso Francisco Veris-
simo Bandeira que" contou o Evangelho, oceupan-
do depois a tribuna sagrada.
Desta vea a olrchestra foi anda dirigida pelo
professor Vasconce'.OB.
A' tarde sahio a excelsa Senhora em procia-
sao q-.e percorreu as ruta.desta villa, tendo um
acompaahaments agradavel em virtude de acora-
panharem todas aj irmandade*.
\
V.:
i. noite foi cantada ama ladainha depois fo-
ram queimadaa diversas pecas de fogosartificiaos,
tocando sempre no iatervalloa a banda marcial,
diversa peca doaeu inexgotayel repertorio.
Comparando-ae a festa do glorioao Santo
Amaro, esta foi mais animada o concorrida do
que aquella.
Houve differeotea diveitimentos durante as
novenaa ; fandangoa, pastoril, tivoly e cavallo-
raarioho, alem de muitaa aerenatas at o amanhe-
cer do dia.
Nao possa deixar de concluir dizeudo aigosjta
eco* sobre a ponte do Porto de Pedra.
Ha dona annos que estamos sitiados -por falta
d aquella ponte ; agora existe porco de madei-
raa para eata obra devemoa crer que o Sr. tenente-
coronel Miguel Prea, diligente e activo come
nao tardar a concluir aquella obra, tanto que o
son primeiro acto logo qoe foi empreiteiro, foi
mandar fazer um pasasdico.
As febres continuara bastantes animadas.
A Sociedade Philarmonica Serinhaense proce-
dju aua eleicao para nova directora ficando
assim composta :
Director,Major Jos Francisco A. Lias.
Vice-director.Professor Francisco Correia de
Mattoa.
1* secretario. Teoeate P. H. Duarte.
2o secretario,Manoel P. ae A. Lim*.
Thesoureiro.Capito Jos- Theotouio P. de
Albuquerque.
ProcuradorC. do H. Cavalcaute.
Directora dan obra de coaaerv*-
cSo doa portoBoletm meteorolgico da
di* 27 de Fevereiro de 4887 :
ro
Hora- I
|4
-' ii H~
6 m. 247
9 27-8
12 2905
3 t. 29-8
6 2800
Barmetro
Oo
75954
7603$J
76008
758ml6
75712
Tesao
do vapo
19.96
21.54
21.79
22.50
21.69
3
a
-o

87
75
71
3
Temperatura mxima30,50.
Dita mnima24,70.
Evaporaco em 24 horas ao sol: 6',1 ; .1 som-
bra : 4,2.
Chova0,n5chuvisoos durante 30 minutos de
madrugada.
Direceo do vento : E de meia noite at 12 ho-
ras da tarde ; E e ENE alternadamente, cam in-
terrupeo de NNE duran.e 6 minutos, at meia
noite.
Velocidade media do vento : 3,m16 paraegundo,
cora 8 horas da Calmara do madruga Ja e 3 ooraa.
das 6 s 9 da manh.
Nebuloaidade media: 0,75.
Expoai^o de camlnboa de ferro
etst Parir. As grandes companhias fiancezas
iie estradas de ferro dirgirara s folhaa de Pars
sta nata c-illectiva. que ameaca fazer abortar a
projecrada vxpusiea:
E' aabida qu-' uma unta toraou a iniciativa de
celebrar, era 1887, com uma i-xoosiciio especial em
V inclines, um congiesso e festas o cineoeufeuario
dos caioinua de ferro francezes. Teodo tentado
eatk junta ms uuia vez obter o concursa daa aeis
gr lindes conp nlias fraucezaa de estradas d1' ferro,
tivcram estas de rejeitar a oroposta, alia feita
nos termos maia cortezes, e periiatir na resolacu
de nao se associ&rem idea. Todas esto do
accordo era considera!' esta obra contraria nao s
verdade histrica, como aoa int posic' que se prepara para o centenario de 1789.
Em primeiro lugar, como ella j tinham obser-
vado, a i.inug.irai.-.ia do ser'ico dos camiuhos de
ferro fr>.ncczea remonta a poca ant-'i-ior a 1837,
c celobrar ein 1887 o eincoentenario das stas
viaa-ferreat, seria fazer penaar que a i ranea se
if-'ioi distanciar inui; pelas outras na;o-s, oque
uo real.
Por ouU'O lado uma cxposQo especial da udus-
tria dos caa.inh -s de ferro e de tantas outras que
a elles ae ligara, irganisada apenas dous annos
antes da giando mau'itcsiaco uduatr.al de 1839,
privara cata, accrescentarara aa corapauhias, de
uma parte dos seus uttractivos; aa aeii grandes
c o np.iiihias julgara do acu de ver reservar todos
os seus esforcos para as festas nacionaes do cen-
tenario.
Fioalraeute aa companhias recordarara que um
congreaso Bemelbante ao que proj teta a jauta do
ciiicoentenano foi instituido pela associacao inter-
nacional de Bruxellas, que, creada em 1885, tra-
balha desde entao regularmente com n concurso
doa differeBtes governoa iuter'essadoa e das admi-
nislracj -a de caminhos de ferro traucezes e es-
trangeiros. A Associacao Internacional decidi
que o congresso de viaa-ferreas se reunira em
Milao exactamente em 1887 e em 1889. Aa com-
panhia uo viiin como esta r ini.o ao hivia de
conciliar pelo que lhea toca a ellas, com o pro-
grarama da unta.
X ---i,s termos todas aa aeia companhias sem ex-
cepeo recusaram terminantemente tomar parta
na obra da junta chamada do cincoentenar9.
Babia e aidela de Toneae A baha
e aldeia de Tuogue, do sultanato de Zan-
zbar, sobre que veras o ultimtum do governo por-
tuguez ao sullo Bargasch ben-Said, ceta n-s li-
mites, que separam este sultanato, das possesso^a
porfugezaa.
Agora que ae vai agitar esta pequea qaestao
internacional, que natural se resolva sem o em-
preg i das armas, vera a proposito dizer alguma
cousa a reapeito do paiz de Zanzbar.
O Sald, ou soberano actual do paiz, Bargiach-
ben-Said, irmo maia novo e auccesaor de
Said-Meajid, morto em 1870,- seuhor ape-
na de Zanibar e de outraa ilhas principaes, bem
como doa diatrictoa limitados ua costa vizinha, que
oa inglezea oceupam e vigiam alguna pontos, para
tornarera mais efficazea algumas medidas contra
oa negreiroa.
Oa arabt-s, posto que em minoria, formam a raca
dominante
O numero dos habitantes da costa nao ^conbe-
cido.
Com relaco ilba, caja superficie de 1,591
kilmetros quadrados, os clculos variam entre...
100:000 e 200:000 habitantes, na maior parta ne-
groa.
Foi, por muito tempo, um dos principaea merca-
dea de escraves, mas a ameaca de bombardea-
meato acabou por constraoger o sulfilo a probiair
o trafica, que nao ae eserce agora aene claudean-
namente.
U tolaro, com a effige de Maria Tbere*a, a
moeda corrente e regula pela importancia de
2*V50, da nessa moeda.
A valia se o commercio licito em aiaia de lo mi-
lhoea de franee e na importaco, e maia 13 miiboes
na esportacao.
O movimento do porto de Zanzbar de 102 na-
vios, nao contando oa navioa de guerra francezea
e inglezea e aa peqnenaa embarcaeoes (dowa) que
uavogam com pavilhilo francez.
Sao eatea os prineipaes artigos do exportaco :
dentes de elephante, cravo pimenta de Zanzbar
que vai sauatituindo a pimenta da India, gomma
copal, pellea, urzella e szam".
O prfnif/i rendimento do sut^o consiste no
producto daa alfaod gas, qoe regula por uma sora-
ma aanual de 2,300:000 trances.
O exercito do sulto Bargasch-ben-Said compoc-
aede doua batalbSea com 6 ccmpanfils, um corpo
de horaens egcolhidoa, com daaa companhiaa de 60
homena cada ama, e dos cypiios, tropa irregular
deatinada a defender o littoral : total 1,400 ho-
mena. ,
A esqaadra comprehende am navio de vapor
com 12 pecas e 7 vapores mercantia, pertcncentes
ao sulto.
Eia os dados que podemos colher sobre o sulta-
nato de Zanzbar, com o qual Portugal tem agora
de discutir queatoes de limites.
Mllate*Eaectuar-se-.o:
Boje :
Pelo agente Martins, a 11 horas, na roa do
Imperador n. 16, de predios.
PeZo agente Burlamaqui, 1 1/2 hora, na ra
do Imperador n. 30, de um sobrado.
Pelo agente A l/redo Gumaraes, a 11 horas, na
caes-do Apollo a. 77, de cimento.
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, na roa Ba-
ria e Barros n. 17, da taverna ahi aita.
PeZo agente Britto, a 10 1/2 horas, na rna de
Pedro Affouso n. 43, de movis, loucas, minde-
zaa, fasendaa, etc.
fliaaaa fanebrea.Serio celebradas:
Hoje:
A's 7 horas na matriz da B i:-Vista, por alma
do Jos Hemeterio de Castro Amaral; a 7 horas,
no convento da S. Franeiszo, por alma de D. Anna
Baotiata Fernandes ; s 7 horas, na igreja do
Terco, por alma de D. Rita Fausta de Lemoa
Novacs.
i>*-.
L
i


.my
Diario de PenamkueoTrf*~feira
3
l
i
v
A' 7 1|2 horas, o* ordena terctira de 8. Frasr-
cisco, por alma do Maioel Antonio Santiago
lisatt
Quinta-laura :
A's 7 horas, no Espirita Santo, poe alma de
Beato Jos da Silva.
PMMttgelroft Chegados da America no
vapor americano Finance:
J. 8. Branao Piuheiro, E. T. Ely, Franklm (Jo-
aies Tillar. Autonio Gomes Villar, A. F. Mattos,
Antooio Dalzell.
Sabidos para o sol do mesmo vapor :
(iovan r'oreetfi, Dr. Manoel de Albuquerqde,
Francisco Das Costa, Dr. Lindolpbo Ernesto de
Alvares e ana senbora, Kidolpho G. de Meuezes,
Looreuca e Joseoh* (cnad-nK Bernardo da Con-
ceico Sampaio.
Casa de DeleneuMovimento dos pre-
sos do da 27 da Fevereiro :
Existiain presos 363, entraram 8, sabiram 2.--
Exiatem 369.
A saber :
Nacionaea 335, mulberes 13, estrangeiroa 15, es-
clavos sentenciados 6, dito de correccao 1To
tal 369. .
Arr*co*dos 335, sendo: bons 323, doeatos 13.
Total 336.
Movimento da eniermaria:
Tiveram baisa :
Luis Jos il i Silva.
Mari Amelia da Silva, conhecida par Mara
Damnada.
Lolirln da ParanEsta importante b
ferie, cujo premio grande 30:0OO0'JO, e hab
lita-se a tirar 15:CWOOJO, ser extrahida impre
terivclmente no dia .. de YLirco.
Achara-se expostos venda i.s restos dosbilhe-
;es na Casa da Fortuna ra Primeiro de Marc<
u. 23.
botera da rdr*eA 2 parte da 202 lo
teria da corte, cujo premio grande de 100:0tX>
ser extrahida no dia .. de Marco.
Os bilbetes acbam-se venda na praca da In-
deoendencia na. 37 e 39.
Tambern acbam-se venda na Casa da Fo -
tana roa Primeiro deMarco.
Br&ssde lotera da provinciaA 15 ,
e ultima serie desta lotera cu beneficio dos inge-
nuos d Colonia Isabel, cujo premio grande ------
240:000* ter extrahida no dia 7 de Marco, s 4
horas ia tarde.
Os blhetes acham-se venda a Reda da For
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Lotera de Macelo de 300iOO0*O00
A 6" partes da 15 lotera, cujo premio
grande de 380:000*, pelo novo plano, aera ex
trahida impreterivelmente no dia 1 de Marco ao
meto dia.
3ilher.es a venda aa Casa Feliz da praca da la
dependencia us. 37 e 39.
Tamberu achim-se venda Roda da Fortuna
na ra Larga Jo Rosnri > n. 36e na Casa da For*
tuia ra 1 de Marfu n. 23.
'recos resumidos.
Lotera do Cirio Par AA 12 parte des-
ta lotera ser extrahida no dia .. de Mar-
to.
Bilhetos venda na Casa do Curo, rna do Ba-
r) da Victoria n. 40
Tambem acham-se venda na Casa da For-
luia ra Primeiro de Marino n. 23.
Lotera de llBastieraen-A 6a parte
da 1* lotera desta provincia, cujo premio grande
600:000*000. ser extrahida no dia .. de
Mareo, impreterivelmente.
Os bilhei.es acham-se venda na Soda da For-
tuna, ra Larga do Rosario n. 36.
Lotera do Cear A lotera desta
provincia, cujo premio grande 4'j0.000000 ser
extrahida no dia 2 de Mareo.
Os blhete8 acham-se venda na Roda da For
tuna roa Larga do Rosario n. 36.
Tambem acham-se venda na Casa Flix,
praca da Independencia ns 37 e 39.
tgCenalterlo Publico Obituario do dia 27
corrente :
Mauoel, Pernambueo, 8 das, Boa-Vista ; con-
vulses.
SPbaoel Cavalcante do Reg Barros, Pernam-
bueo, 58 ann-.s, viovo, S. Jos ; iueufficiencia m.-
tral.
Maaoel, Pernambueo, Boa-Vista ; espasmo.
INDICARES IEIS
Medico
O Dr. Lobo Moseoso, de vclta de sua
viagem ao Rio de Janeiro, conntia ne
oxercicio de sua protissao. Consltuas das
10 s 12 horas da manha. Especialdades
eperacSes, parto e molestias de a-a horas e
monillos. Ra da Gloria n. 39.
Dr. Brrelo Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1. andar da casa
* ra li Baraoda Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Seta de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 2o.
0 Dr. Castro Jess tem o seu consul-
torio medico, ra do Bom-Jesus n. 23,
sobrado.
Dr. Gama Lobo medico operador e par-
teiro, residencia ra do Hospicio n. 20.
Consultorio: ra Larga do Rosario n. 24 A.
secusneoet de um jornal, na altara da Provincia f
Porventura alo loram atados ao poste da diffa-
macio, por muito dos aotuaes escrevinhadores do
alludido jornal, caracteres puros edfsbmetot, como
qs dos senadores Lua Felippe, Soares Brandio e
outros ?
Nio ha quem ignore e, portante, nao me devo
eo mostrar oaagoado cora os iatultoa de um jor-
nal, cojo nico progrmala deprimir de tudo e
de todos.
E' poie, rruito indiferente par mim que a Pro-
vincia me taca ensuras.
Mais 'a'de de crer que se lembre de dizer
que foi a paia&o pertiaria quem a levon a fa-
ser-me injustas secusacees.
Foi o argumento de que aervio-ee para justifi-
car o seo. .-.ctml procediuatuto para com o utimeto
amigo o prettimoso cke/e de seo partido, o honrado
senador Luis Felippe, que, em temos passadoj,
devia ter sido enforcado nos lampedes da praca
publica !
E' someote em atteneio ao retpeitavel publico
que eu vonho explicar o facto que alinde a Pro-
vincia, prometiendo ser fiel e exacto em minha
nsrracao. _
Estava eu em minha casa, que fica 4 beira da
estrada publica que vem dessa cidade e se esten-
de at a comarca de Itamb, no dia 25 do cr-
tente mea, quartdo s 7 horas da manha' appare-
ceu-me o Dr. Telesphoro de Araujo, em eon>p%-
nhia de um indivi iuo que, como j diese, nio co-
aheco, ambos montados a cavallo.
Inquir d'elle a razio que o levava a pastar to
cedo em minha porta, de caminho para a villa de
Ignarass, e tive ein resposta que graves assum-
ptos eleitoraes o obrigavam a pedir-me que lhe
ensinasse eom precis&o o caminho melb ir e man
curto para a casa do Sr. tenente Jos Matbias da
Fenieca, eleitor conservador e residente no enge-
nho Caei, do qual proprietuno ; accrescentan-
do que traxia para o mesmo tenente carta de mu
ta importancia.
Vem au caso dizer que o eogenho a que veoho
de alluir situado um qnarto de legua da casa
de minha residencia, havendo no oito d'e.'la ca-
rcinbo que a elle condus.
Comprehendi, desde logo, que o Dr. Telesphoro
tratava de obter o veto do iludido tenente Jos
Matbias, e, entilo, fingindo mostrar todo nteresse
pelo bom xito de seu plano, dise-Ihe que esta-
vam de sahida para a propriedadeUtinga,
urna legua, pouco mais ou menos, alm do enge-
nho que elle procurava, alguna soldados de poli-
ca, que ianj em basca de ans criminosos, dos
quaes me havia dado noticia o inspector de quar-
leiro Joao de Sooza, e que elle, se qutesse, po-
da acompanhalot, afim de nao perJer-se, como
elle tema.
LemOia-me bem que objectei-lhe na occatiio
sobre a possibilidade de ehegar elle um pouco tar-
de ao local da eleicao, respondendo-me qu, sendo
muito cedo (7 horas da manha), tinha mais de 3
horas s sua3 ordena para o negocio de que tra-
tava.
Aceitando o mesmo Dr. Telesphoro o offereci -
ment qua lhe fi do poneiro, seguio com o seu
companbeiro, e s 9 horas da manha dirig-me
para a villa de Iguarass, ouda demorei-me at
9 horas da noite !
Alli, ao meio da, ou pouco depois, ouvi notar se
a falta on ausencia do Dr. Telesphoro, o que sur-
prehendeu -me sobremodo.
Chegaudo, hora cima indicada, em miuha
casa, procurei indagar da raxo justificativa do
| nao comparecimeoto do mesmo Dr. e soube que
elle, nio tendo querido acompanhar-se da torja
pelo receio de que alguem o encontraste e o sqp-
poxesse presa, seguir caminho,^tendo sido encon-
trado, muito depois, as mediaces do sopra-men-
cionado engenho por um individuo, cujo nome nao
roa souberam dar.
Se bouvesse plano de minha parte em impedir
o Dr. Telesphoro de votar, tu dil-o-hia com fran-
queza e nio teria receio de que me fossem appH-
cada as penas da lei ; porque teda o reca so que
se me nio pode negar de dizer que recommendara
por pilberia forca, que, a seu pedido, acompa-
nbou-o; que em certo ponto dado, procurasae qual-
quer urna evasiva e d'elle se afastasse.
Tal, porem, nio se deu. e o procediraento do
Dr. Telesphoro em attrlbur-me um tacto, que, id
o teus correligionarios sao capases de praticar,
explea-se somento ao meu ver pelo desfijo que
tem S S. de tornar se conhecido, sqja de que mo-
do fr. / >
Sempre liguei importancia ao Dr. Telesphoro e,
tendo sido atteoddo por elle em urna pretensao
que tive, ha pouco tempo, no foro de Iguarass,
i tinha motivos para ser-lhe grato, prestaado-
lbe toda consideracio.
8. S., porm, vive esquecido, nio merece a at-
teneio de seus amigos, que, segando diz, nio ta-
bem dar-lhe o valor que tem, e, entilo, achou con-
veniente a seus fins figurar- se urna victima, um
martyr poltico !
Nio ser, de certo, por semelhante escada que
S. S. ha de subir e conquistar as sympatbias de
seus propros correligionarios I
Ah fica exposto o facto, sem a minima altera-
cio, podendo eu garantir ao respeitavel publico
que qualquer allegaoio contraria ao que fica mi-
aciosaineute descripta, mentirosa.
Aguardo a letura d Provincia e, se fr pre-
cie., voltarei sobre o assumpto.
Iguarass, 28 de Fevereiro de 1887.
Thcotonio Anerico e Souxa Magalhat*.
sempre a'ot pogou pelos meamos preces de seu
conttado.
Posto poreta aJJniar so Sr. Dr. Oviap Mar-
ques, que os anteriores foruecimentos nio deixa-
vam grandes lucros e jamis deixon-s* de cum-
pril-ot a risca, como te pooe verificar aelnt ter-
raos de entiega lavradot e asiignadot pela res-
pectiva junta do Thesouro Ftovineial.
Nio esso pois para o 8r. Dr. Otympio Mar-.
ques peusar em assnlto aot cofres pblicos. H. S.
porum excessn de xelo que nio quero clssifienr,
encherga ladres onde viles justamente nunca
existirn).
Defeitos de visio, e nada mais.
Recite, 28 d Fevereiro de 1887.
Manoel Ftrreira.
Assallij aos cofres
Pede-s ao Exm. Sr. presidente da provincia,
quando tiver de comprar-se nrdamento para o
corno de polica, mandar porem srrematacio o
fornecimento, pois ha quem o faca por menos qus-
renta por cento do preco do anterior e perpetuo
fornecedor.
Moralidade.
CIBUS&IAO SIRISU
Patrieio Moreira
riftclpalo de Prederico Mala)
Cofli^^p e operacoes das 9 horas da mauhi s
57*-RA DUQUE nE CAXIAS-57
N. 6. Em caaos de tsica too primeiro
segundo grao o poder curativo da EmuUno
de Ocott 8urprehendent".
As su a propriedodes sanativas e fortifi-
cantes e as suas virtudes balsmicas e cal-
mante fzem-se sentir immediatainente ao
princ:piw a tomar o remedio.
Ao* Kam. Sr. Preuldeote d'etita pro-
vincia. Dr.Cnefe de Folela e Con
talo Portugus.
No dia 8 de Mato de 1878, t 5 horas da ma-
Consultas das 11 horas da manh s 2 da on( foi bar|>iramente assassinado com dous tiros
tarde Especialidade : molestias e opera- '< de emboscada, o infeliz portugus Jos Francisco,
.oes 'dos orgios genito-urinarios do homem admuistrador dos trabalbos do proloog
e da mulber.
Dr. Joaqaim Loureiro medico e parteiro
Consultorio na ra do Cabug n. 14, 1..
andar, de 12 s 2 da tarde; reaidencia no
Monteiro.
O bachard Virginio Marques, encarrega
ae de quest3es civis, commerciaesj crimi-
naes etJDrphanologicas e defeza pjrante o
jury d'esta e das comarcas prximas. E-
criptorio a ra 1. de Marco 18. 1. andar.
Residenciara do Hospicio a. 83.
Drogara
Francisco Manoel da Suva <& ., dopo
itaiios de tods as especialidades pbarm
croticAs, tintas, drogas, productos chimics
e medicamentos homosopatitios, ra do Mr-
quez de jOlinda n 23.
Drogara
Faria Sobrinho &C, droguista,* por at-
t *jado, ra do Marquea de Olinda n* 41
Servarla a Vapor
Serrara a vapor cofficina de carapina
de Frauc8C=> doa Santos Maccdo, caes
da Capibaribe n. 23. N'este grande esta-
iielecimento, o primeiro da provincia neste
"enero, corapra-se e vendo se madeiras
de todas as qualidades, serra-se raadeiras,
de conta albeia, assim como se preparaui
obras de carapina por machinas e por pre
50 sem competencia Pernambueo.

PiiBHneOES 4 PEDIDO
V abdelecado do diatricto de Mari-
cotia, etat lcuarau', ao rctpel-
r^ttltave pitDlico.
" "Acab 1 de ser informado, por pes^oa habilitada,
que a Provincia de ante hontem, a proposito de
un. mmtiroto telegramma. expedido da estadio te-
legrsphea de Iguarass, aceusa-me de.ter com-
aqCLidsj i"" c>.rae, qual o de impedir qae o Dr.
Telespi'-r > Salles o outro individuo, cujo nome
igSoro. ti8*em iji leicao muaicipui 4 que pro-
eeMa-tG iij a 2i> do correle m.-x, nesta co-
fi -
la eaj^ii haljitiaii aos insultos do oryo cima
lado, e < evo dizer c*m franquex_que elle ponco
1-1 ineoin'.odain, eotre outras razes, porque, no
.-2er de k a eseriptor laoderno,ba censuras que
louvam e lonvores qie desacredium, conforma a
pessoa e o modo per que sin fetos.
Nio de h. je que a Provincia me vota oga,-
riaa, sendo oerUi qu^ o mau procedimento, como
siitoridade polieinl e como particalar, tem mereci-
do elogios d'aquelles que nio pactuam cora os
criroes e sabem dar o devido merecimento aos
iunecionarios pblicos, que cutaprcm os teot-de-
verea.
Mas, preciso ditel-o para miaba defeta, em
que pode prejadictr ao homem honesto e serio as

estrada d* ferro ue Pernambueo.
sse horroroso crme deu-te junto ao povoado
denominado Jaqueira, que era entio termo do Bo-
nito e hoje de Palmares, sem que at esta data te-
uhain sido punidos os assassinos, nio obstante sa-
ber-te de toute lmpa quem elles tio e exittirem
testemunbas maiores de toda excepcio, que, sendo
aqueridas, nio faltario a verdade a tal respeito.
Os criminosos, mandante e mandatarios, a ex-
cepcio de um que falleceu, acham-se o mandante
residindo junto a capital, e nella paeseando quasi
todos ot diaa, e o mandatario qae anda vivo, est
morando no termo de Palmares ou Bonito em la-
gar sabido.
S por amor jastioa, e porque ella deve ser
uual para todos, lovo este facto ao conhecimeuto
das autoridades supperoret, que estio na altura
de aser imperar a lei contra quera quer que seja,
a fim de que o sangue derramado pelo infeliz Jos
Francisco nio fique para sempre no olvido, e seus
assassinos combando da lei e da justiea.
Mande pois Sua Exc. o 8r. presidenta da pro-
vincia, ou o Sr. Dr. chefe de polica, srndicar dette
tacto e proceder as ueligeucias legues, qae garan-
te o descobriraento da veriade tanto tempo en-
volta ua capa de urna proteccio injasta.
Jos Francisco est ; edindo a Deus a panicao
dos seas assassinos, e nos, por espirito humanita-
rio, pedimos as autoridades jastsa._
Catende, 24 de Fevereiro de 1887.
Urna tutemunha.
Assalto aos cofres'
Sob eatc titulo, publcou o Dr. Olrmpio Marques
procurador da Thesouiaria de Fazenda no Diario
de 27, um artigo,acerca do fornecimento de caiga
dos paca o corpo de polica desta provincia.
No ajludido artigo, procurando defeuder ao ac-
tual arrematante, diz o Dr. Olynpo Marques, quo
o antecessor do mesmo arrematante fornecia. Bal-
cados razio de 55500 o par, sendo alit inferio-
res do que act-..u.-.-uie fornecids a ratio de
380.
S. S. versado como us sciencia econmica, sa-
be, que o preso est sujeito a continuas variacoes,
conforme o custo da mercadoria e de .ua materia
prima e maior precura.
Ora, custando ua poca do anterior fornecimen-
to em razio do cambio, mais quarentapor cento a
materia prima de que coufecciooa-e o calcado,
claro que para as condicoes preponderan les na
alludida poca era mus barato o preco de 52500
do que actualmente 3^800, notando-pe qae ocal
cado forneeido pelo primeiro preco era de bezerro
superior, e o 3*800 de vaqueta, conforme con-
fessa ta. S. \
A iutorinacio do Sr. alfares Alcntara possoan-
tepor a npmio do 5 meobrot da junta do The-
souro fit^iueial, que e eon.posta do.iospector, con-
tador, procurad r ti.cal, commandante a a major
do corpo de palieia, wndo que at 110 foruecimeu
to do anno prximo pasado fea parle da, respecti-
va junta b tinado tenente-cornnel Deelo de Aqoi-
no Fon taca, pestoa iutuspeito de S, b. c no en-
tretanto toi julgado de superior, qualidade o cal-
cado fornecido, cujo toi fabricado na minha offici-
na. Nio era fornecedor de aapatos para o corvo
de polica, mas simpleimejnte eocarregsdo da a-
bricacio delles pelo retpectivo fornectdot, qae
Pedimos venia ao Exm. Bispo diocesano para
fazer a seguinte pergunta :
Pode a Veneravel Ordem Tereeir* de S. Fran-
cisco de Olinda, em vista da cireular de S. Exc,
expdr esto anno a procssio do Senhor Morto,
qoaudo n2o pots'ie paramenta propria, assim
como a irmandade dos Passos, que alm de nio
ter tambem paramenta conserva jua igreja em es-
tado de ruina ?
Isto dse ja saber
Um devoto.
Advocado e professo de lingiias
O bachsrel Eduardo Alfredo de Oliveira tem
aberto o seu escriptorio de advogado i ra 1 de
Marco n. 4, onde tambem pode ter procurado para
leccionar o ingles, francez e allemio, pratica e
theoricamente, nos collegios e casas de familia.
3*8
On poeta* em todas as idades dedicaran)
elegantes eslrophes g'oria da mulhcrseus
hndoi e foimosos cabellos. A calvice era tida co-
mo grande mcala nos tsmpos antigos, e com mui-
to maior razio o dever ter uestes tempos moder
nos, quando o meio do o evitar, acha-se por assim
dizer quasi ao alcanc de todos; portanto, nao
demasiado dizer qae o uso frequente do fragrant
vigorador vegetal o Tonteo Oriental, conserva o
cabello em pleno vigor durante a vida, restitue-o
e o faz regenerar, quando por motivos de enfermi-
dade ou deleixo principia a seccar-se e a cahir, e
lhe d, se est secco ou spero, um grao do Orilbo
e flexibilidade que nenhuma outra preparacao
capas de prodntir on imitar.
Acha-se venda era todas as boticas e lojas de
perfumaras
Agentes em Pernambueo, Henry Forster & C .
ra do Commcreio n. 9.
As aristocrticas damas da clatse elevada pa-
risiense usam agora de urnas elegautes caixinhas
de porcelana com lindas miniaturas contendo con-
feitos que pareeem muito agradaveis pois os comem
com tal fruicio que pJe-se chamal-as de golosas;;
estes eonfetos, cojo emprego mas qae pruden'e
nio mais do que aPasta de Seiva de Pinho
Martimo de Lagaaaea qual como oXarope
nio s cura como previne os resfri&mentos e suas
consequencias.
Se a escrfula e a tsica fazem tantos estragos,
porque muitas vezes o estomago reoasa os ali-
mento) que recebe; o sangue torna-se pobre, as
digestet sao lentas e incompletas. Nestas con-
dicct ot mlico) nio hesitara em recorrer a Pep-
tona de Chapoteaut, nico medicamanto capaz de
impedir a invasio das duas terriveis molestias.
Gracas a urna alimentacio liquida, promptameat"
assimilavel, porque a Peptona Chapoteaut 6 a
carne de vacea digerida pela pepsina, o organismo
se fortifica, desenvolve-se e torna-se refractario a
contrabir temelhantes enfermidades.
Gollegio Meira
Leonor Porto
Ru.t de Imperador o. 4.>
Primeiro andar
Contiua a executar os mais difficeis
figurinos recehidos de Londres, Pars,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicio de costura, em bre-
Ividade, modicjdade em precos e fino
g osto.
Clnica medico-eirarca
DO
Dr, Alfredo Gaspar
.' EspecialidadePartos, molestias de senboias e
criancas.
JBesidencia Ra da Imperatris n.,4, segunde
andar.
a*~
A o publico (1)
O &. Bernardo Jos dos Santos, residente no
Cerrito, municipio de Pelotas, provincia do Rio
Grande do Sul, querendo prestar urna homenagem
verdad*, tornando publico at virtudee do pel-
toral d cambara, preciosa descoberta do
Sr. Alvares de S. Stares, de Pelotas, fez publicar
o eeguinte importantissimo documento, em diver-
sos jrnaes da referida provincia :
Levo ao conheeimento do publico mais um
triumpho alcancado pelo popular remediopel-
toral de rumbaradeseobeiia e prepara-
cao do Sr Alvares de S. Soares, de Pelotas.
favia seis anuos que urna tosse grava me
atormenta va dia e noite, fazendo ltimamente dei-
Ur j ahondantes esearros de sangue : os pulmoes
com certeza acbavatn-te i>ffeotaioe e eu tera in-
fallivelmeute de aoecumbir terriveltsica pul-
monar !
Um amigo tabtndo do mea estado, acoate-
Ibon-me o precios peltoral de cambar A.
e somente eom o aso da 12 vioros deste mportan-
tiesimo medicaraento, consegu curar-ma radical-
mente, sentindo me hoje forte e podendo j entre
gux-ma s lides da minha fazenda do Cerrito.
a D.pois dette caso, tenho aeonselhado a muita
gente o peltoral de cambar, e todos tm
colhtdo resultados importantes.
Actualmente ftz uso deste preparado, com
muito aproveitamento, minha filha Neufrides, que
tambera se aeba soffrendo 1.0 peito.
Fazenda do Descaneo, no Cerrito, 24 de Ou-
tohro de 1884 Bernardo Jo dos Santos.Re-
oonheco como verdadeira a firma supra. Em tes-
temunbo de verdade, o escrivio de paz IMdao
S. de Gouveia.
nicos agentes e depositarios geraes nesta pro-
vincia Franrl.ro Manoel da MI va, C
a ra Mrquez de Olinda n. 23.
Este collegio abri suas aulas desdo o
dia 15 de Janeiro prozimo udo.
Eosiaam-se n'elle todas as materias quo
coastituem o curso preparatorio as Facili-
dades do Imperio, sendo o pessoal docente
o mais habilitado que ae pode desejar.
Contina a funecionsr a aula primaria,
que poder reoeber alumnos da mais tenra
idade, pois dirigida por duas filhaa do
director, das quaes urna alurana do ter-
ceiro anno da Faculdade de Direito do
Recife.
Do dia 1. de Margo em diante abrirse
ba urna aula da lingua allem, em qae se
ensinar a traduzir e a fallar essa lingua.
O professor respectivo ser o Sr. Al-
germon Sidney Sobiefler.
Os estudantes, que quizerem frequentar
cata aula, pagaI-a-b3o separadamente da
mensalidade do Collegio.
O director do COLLEGIO MEIRA-
espera o mais decidido apoio dos pas de
familia, que desejam o real aproveitamen-
to de seus filLos, pois que tem sempre
tido por programma dar aos alumnos, que
lhe-sao confiados urna verdadeira instruc-
cZo a par de urna boa educacSo moral.
O resultado dos exames feitos no fim do
anuo passado o eloqnente attestado em
favor do COLLEGIO MEIRA.
Dos dezen'ove alumnos que foram su-
geitos exame, apenas DOUS foram mal
succedidos.
Recebem-se alumnos internos, meio-pen-
sionistas, e externos.
Ra da Imperatriz n. 63, 2. andar.
Recife, 26 de Fev.reiro de-1887.
O director,
Ascencio Minervino Meira de Vasconcellot.

Profesora de canto
Tendo resnlvido fixar residencia nesta
cidade, prupoe-se a dar liedes de cantoria
era i'asas particulares, prometiendo esfor-
car-se o raais possivel pelo aproveitamento
de suas discipulas, podendo ser procurara
ra do Imperador n. 44, 3. andar.
Dr. Joo Paulo
MEDICO
Especialista era partos, molestias de tenhoras e
de enancas, com pratica as principies materni-
dades e hospitaes de Pars e de Vieona d'Austris,
faz todas as operacoes obsttricas e cirurgicas
concernentes as suas especialidades.
Consultorio e residencia na ra do Bario da
Victoria (antiga rna Noval n. 18, 1 andar.
Consultas das 12 s 3 hora g tarde.
Telephone n. 467.
Consultorio medico*
cirurgico
O Dr Castro Jess, contando mais de 12 annoc
de escrupulosa'observacio, reabre eoosiltorio nes
ta cidade, ra do Bom Jetos (antiga da Crsu
n. -', l. andar.
llora de consultas
De dia : das 11 s 2 da tarde.
Dt noite : das 7 s 8.
as demais horas da noite ser encontrado no
titio travessa dos Remedios n. 7, primeiro por -
tio esquerda, alm 3 portio do Dr. Cosme.
Officina de eseufptor e enla-
Ibader em madeira
85-RUA DO BOM-JaRDIM87
POIVO
Encarrega-se de todas as imagent em
^qualquer tamanho, altares, tanctaariot, to-^
cbeiras, casticaes, jarras e sacias, bem co-
mo tarimbas faoerbrias, figuras allegori-
cas e serpentinas, tudo pertencente s di-
tas artes. Tambem se encarrega de pinta-
ras e pratas para imagens.
rande depitulto de redoasi e
plantas para a* neiniM
Aos incrdulos
Advogado
O bacharel Julio de Mello Filho tem o
seu escriptorio de advocacia ra Primei-
ro de Harco n. 4, Io annar, onde pode
cr encontrado drs 10 horas da manhS s
4 da tarde.
Hotel Gibraltar
Praca da Batalha. 108
{defronte do correio geral e estacao \ i
tdegraphica)
Este hotel muito se reeommenda aot via- / (
jantes pelo local em que se acha, } i
per! dos Jardios Theatros e os precos i \
de nospedagem sio mais baratos / l
do que em outro qualquer, com o mesmo j
tratamento
l'roprielarlo
FERNNDES &IRMAO
pwro
Dr. Coei Lei
Medico, parteiro e operador
Rezidcncia ra Bar&o da Victoria n. 15, 1- andar
Consultorio ra Duque de Cazias'n. 69.
D consultas das 11 horas da manna s 2 da
tarde.
Atiende para os chamados a qualquer hora
telephone n. 449.
Oculista
l
Dr. Barreto Sampaio, medico ocu-
lista, ex-chefe de'dioica do Dr. de
Wecker, d consultas de meio dia s
3 horas da tarde, no 1." andar da casa
n. 51 'raa do Bario da Victoria, ex-
cepto nos domingos e das santificados.
Reaidencia ra Sote de Setembro n.
34. Entrada pela rna da Saudade n. 25.
Dr. Mello Gomes
Medico cirurglo-partelro
Ra de Paulino Cmara (antiga da Camba
do Carmo n. 36), onde pode ser pro-
curado qualquer borado dia e da noite.
Consullas :10 ao meio da
Chamados por escripto.
Especialidades ;Pebres, molestias de peito e
das senhoras, syphilis e soffrimentos da urethra.
Acode a qualquer chamado psra fra da ca-
pital. _
Tambem pode ser procurado, de meio da s 3
horat, na Pharmacia do Povo, i ra do Rangel
n. 34.
3
{}
MEDICO HOMEOPATHA
Dr. Balthazar da Silveira j
1
i
Especialidadesfebres, molestias dat
criancas, dos orgios respiratorios e das
'enhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
or* da capital.
VINO
i)
}{
II
I!
.*
Todos os chamadas de vem ser dingi- ( 1
dos pbarraacia do Dr. Sabino, roa da
Bario da Victoria n. 43, onde se indicar
aua residencia.
Dr. Ferrtl/a da Silva, consultas
das 9 ao meio dia. Residencia e
eousultorio, u. 20 ruj Larga do
Rosario.
Dr. Carpir W
MEDICO
Tem o seu esoriptorio ra Duque de Caxias
n. 74, das 12 s 2 horas da tarde, e desta hora
era diaote em sua residencia ra da Santa
Cruan. 10.
Especialidadesmolestias ds senhoras e crian-
cas.Tolephone o. 326.
O abaixo assignado, atiesta e jura, ss
fr preciso, que soffreu muitos mezes de
rheutnatismo, -.omecado no pesclo e que
em poaco tempo estendeu se por todo o
corpo at os ps, fcando entrevado e ser-
vi i o por outras pessoas : tratou-se com es-
mero sem poupar nada, e, j desarrimado
com o muito soffrer sem esperanga de sa-
rar, resolveu tomar o Anti-rheumatico Pau-
listano, especialidade do pharmaceutico
Luiz Cirios e que felicidade 1 ba mais de
quatro mezes que nao sent o mnimo in-
commodol Desejaodo que o bem chegue
para todos, o motivo real porque d este
attestado.
Joaquim Diniz Valois.
S. Carlos do Pinbal, 22 de Dezembro
de 1885.
Depositarios Francisco Manoel da Silva
& C, droguistas, ra Mrquez de Olinda
n. 23.
LicOr depurativo vegetal ioiiro
DO
Medito Quintella
Este notabilissimo depurante que vem precedi-
do de tio grande fama infallivel na cura de todas
as doencas syphilitcas, escrofulosas, rheumatica-
e de pelle, come tumores, ulceras, dores rheumati-
cas, osteocopas e nevralgicas, blennorrbagas agu-
das e chronicas, cancros sypbilitieos, inflamis
coes visceraes, d'olbos, ouvidos, garganta, intes
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diathericos, assim como na alopecia ou qneda
do cabello, e as doencas determinadas per satu
racio mercurial. Dio-se gratis folhetos onde
encentrara numerosas experiencias feitatcom
especifico nos hospitaes pblicos e muitos ,
dos de mdicos e documentos particulares.
peeconto para revender.
Deposito em casa de Paria Sobrinhs & O
Rna do Mrquez de Olinda n. 14.
EDITAES
Cmara Municipal de Recife
iMinpeza publica da cidade
A Cmara Municipal desta cidade, em virtude
da le, que manda ser a limpesa da cidade feita
por arrematacao, recebe propostas em carta fe-
chada para o servico da referida limpeas, at o
dia 16 de Marco do corrente auno, as quaes de-
verio ser entregues pelos interessidos em sessio
da oiesma Cmara, do dia cima referido, de con
formidade com as bases qne abaixo vio publica
das: chaman lo-se especialmente a atteneio dos
concurrentes para a clausula XIV.
A arrematarlo do servico da limpesa publica
ser feita por proposta em carta fechada, nio
sendo permittido s nenhum concurrente arrematar
mais de ama freguczia, servindo de base para
cada ama, a quantia de oito contos e quinhentcs
mil ris annuaes.
II
O arrematante obriga se a executar o varri-
mento diario de todas as mas, pracas, beccos, tra-
vessts pontea, caes, rampas, emfim, toda a fre-
guezia que arrematar; a remover para os lugares
abaixo determinados todo o Ifxo, materias orgni-
cas e inorgnicas, animaes mortos, qualquer que
seis o tamanho, que enterrar, sendo indemnitado
pelos donos d'aquelles que forera reconbeeidoe, e
fiaalmente tudo quanto ae comprehenda na pala-
vra immundicia. Obrlga-se ainda o arematsnte a
providenciar sobre a ebstruccao das vias de com-
municacSo da estagnaeio e do escoamento das
aguas plaviaes, quando for possivel.
O servico principiar ao mesmo tempo em cada
fregoesia, meia noite, devendo terrainarjs S
horas da manhi, isto com rulacao s pontee, caes,
rampas e s ras designadas abaixo, podendo
porm, ser feito de dia quando as noites forera
cauvosas. A limpeza das demai roas poder co-
mecar das 6 s 10 horas da manhi.
IV '
Todo o lixo ser removido em carroca pnxada a
burro ou cavallo, e devem ser cobertas.
V
A ponte de Sant Icabel ser varrida pelo arre-
matante da freguezia de Santo Antonio, at da
Boa v*ista e Recife pelos reipectivos arrematan-
tes.
VI
No servico da remoco dos objectos que obs-
truam as ras, procos, caes e rampas nao se cem-
prebendem aquelles q'ie pertencerem a donos de
obras ou empreiteiros, a quem os fiseaes obrigaro
a retirar, a nem tio pouco a califa que da mesma
frma ser conduzida por elles para os lugares
anea Cmara indicar.
4 VII
Obrigs-te ainda o arrematante a arrancar toda
n ve^etacio expontanea que nascer entre oa sobre
o calcsmento e o passeio das ras, e bem arsim a
derrnbar todo o matagal que existir na freguezia
![iie arrematar, sendo que este serv:co poder ser
sito de dia.
VIII
Obriga-se tambera o arrematante a limpar e a
desiofeetar os mictorios e latrinas, lavando-os
com prepiracoes chimiess, trazendo-os sempre
aceiados interna e externamente.
IX
O arrematante se sapprir sua custa, de todos
os uteoclios necessarios para a boa execuco do
Btrvico.
O arrematante iocorrer na multa de 105, sem-
pre que- fr encontrada sem indicio de ter sido
lmpa, qualquer roa, travessa, beeco, largo, pateo
rampa, caes, uiictorio e letrina, que lbe ser des-
cornada no pagamento semanal.
XI
O arremarante que hoaver incorrido em cinco
multas, em provinieutn de recurso interpoeto pc-
rante a Camars, perder o contracto e o valor iia
Sunc'i sem direito aiuda a. ser indemnitado de
qualquer interesse ou perda, que piovier domes-
as contracto.
XII
O servido da limpesa publica, alm d fiscali-
sacao a qae est sujeito por parle do fiscal, a
quem corre o rigoroso dever de velar pelo cum-
prmento restricto dat presentes clausulas, ser
tambem inspeccionado pelo respectivo commista-
rio, que mpor maltas ao arrematante pela falta
de eoraprknento de dever, com recurso para a C-
mara, nao Boleado da decisib desta recorrer o
arrematante para qualquer autendade adminis-
trativa oa judiciaria.
XIII
At reclamscoes contra o servico da limpesa pn-
blica dsverio ser feitas par escripto Cmara oa
a qualquer dd^se'is membrot.
XIV
O arrematante prestar nina fiaaa de nm conta
de rit em dinheiro oa tpohces geraes oa provin-
ciaet,.pira garanta deste contracto, e a Cmara
s recber propottas daquellrt que houverem
depsiitado a ajuantia de 2004 em dinheiro, era po-
der do procurador, o que provario com o respec-
tivo recibo, na occasiio da entrega da propotta ;
sendo qne perder;) dita qtlantia, se acceit sua
propotta nio verem astigotr o contracto dentro
do prsso de 8 dias. c>>ntHdoe da approvacao do
prtidente da provincin.
A arreraatacio ser feita por anno finaneeiro
municipal, isto do 1 de Outubro a 30 de Se-
tembro ; sendo que o presente dever vigorar da
data, em que for approvsdo pelo presidente da
da provincia, at 3J de Setembro do corrente
anno.
XVI
A Cmara pagar ao arrematante, por semsn o servico de limpeza na respectiva ptoporcao d-
importancia da arrematacao annual.
xvn
As ras, que nio forera calcadas, serio limpaa
a ancinhu.
XVIII
Aa- propostvs serio entregues pelos-prepoten-
tes em sessio da Ctmata, designada pura eat*
fim, sendo preferido quem melhoret vantagens of-
terecer, e quera amia idooeidade tiver.
XIX
Terminado on interrempido o prazo do contrac-
to, nio teri a contractante direito a ser indem-
nitado de qualquer valor ou material, que nve-r
empregado no servico, cujo material findo o eoa-
tracto, perteucer ae contractante.
XX
O contractante nio pode abandonar o servico
que tiver arrematado, salvo era caso da forc*
maior pruvada, a jo izo da Cmara ; mas se o fi-
zer fra desta excepcio, nio s nio ter dire'itc
a indemnisacio tdguma, como tambem perder-
o valor da tianca em beneficio dos eotres rnuni-
cipa es.
LOGASES DESIGNADOS PARA N'ELLES DEVO-
SITAR-SE O LIXO DA CIDADE
Freoii ta dt Sanio Antonio.Praia de Santa
Rita.
Freguea da Boa-Vista.Hospicio.
Freguezia do Recife,Lado da mar pequea ao
noite da fortaleza do Brum, 100 bracas distantes.
Freguea de 6. Jos. -Nos alagados o scen-
te e ao poente da ra Imperial.
RAS QUE DEVEM SER VASB1DAS a' NOITE
Recife.Marquea de Olinda, .Bispo Sardinba,
Largo da Alfandega, Madre de Deas, Amorira,
Travessa da Madre Deas, Bom Jess, Commercio,
Torne, Thom de Sooza, Mncate?, Largo do
Corpo Santo, Vigario, Abren, Travesea do Corpo
Santo, Vitconde deltaparica, Bario de Triumpho,
Caes do Appollo e Brum.
Boa- Vista.Imperatriz, Conde d'u, Largo da
Santa Cruz, Ra da Santa Cruz, Conceicao, Bario
de S. Borja, Visconde de Pelotas, Vsconde de
G-oyana, Aurora, Visconde de Albuquerque, Hos-
pieio, Cae de Capibaribe, Pires, Formosa, e Becco
dos Ferreiros.
Santo Antouiec-Bario da Victoria, Cabug,
Praca da IndepaifUencia, Rosario (estreita), Rosa-
rio (larga), Ioiperador, Duque de Caxias, Primeiro
de Marco, Livramen'.o, Direta (parte), Penha,
Visconde de Inhauma, Pedro Affonso, Caes do Ra-
mos, Caas 22 de Novembro, Florentina, S. Fran-
cisco, Sol, Mf mezdo Herval (parte). Roda, Largo
do Paraizo, Pedro II (largo), e Coronel Suassuna
(parte).
S. Jos.hurgo do Mercado, Ra Direita (par-
te). Imperial, Vdalde Negreiros, Assumpcio, Lsr-_
go das CincoPontas, Mrquez do Herval (pane) e
Coronel Suassana (parte). S
Paco da Cmara Municipal do Recife, 4 di Fe-
vereiro de 1887.
Presidente.
Dr. Prxedes Gomes de Souta Pitonga,
Secretario.
Francisco de Assis Perra Rocha.
Editaln. 11
O administrador do Consulado Piovincial fas
publico a quem interessar possa, que, em cumpri-
inento da ordem constante da portara n. 590, ex-
pedida em "S do corrente pelo Illm. Sr. inspector
do Thtsouro, fica prorsgado at 15 de Mareo pr-
ximo vindouro a arrecadacio, livre de multa, dat
annuidadea e mais servicos da Recife Drainage
Compaoy, relativos ao primeiro semestre do exer-
cicio de 1886-87.
Consulado Provincial de Pernambueo, 25 de
Fevereiro de 1887.
F. A. de Carvalho Moura.
O cidadSo Erysio Alberto Silveira, Io jui*
de paz da freguezia da Boa-Vista, en
virtude da lei, etc., etc.
Faz saber a quem interessar posta que por
parte de Albeiro, Oliveira & C, me foi requerido
qae se admittiste a justificar a ausencia e incer-
teza do lugar da residencia da Mme. Blanche, o
justificando quanto bastasse lbe coocedetse carta
de editos para ser ella citada afim de vir a 1 au-
diencia dette juizo findo o prazo de 30 diaa con-
ciliar- coro os sopplicantes respeito do paga-
mento da quantia de 1:653*110 provenientes de
generot fornecidcs para o collegio Nossa Senhora
das Victoiiat, sito roa do Visconde de Caratra-
gibe n. 10.
tendo exhibido provas suficientes do quanto
allegava lhe mandei passar o presente edital de
30 dias pelo que cito a mencionada Mme. Blanche
vir na primera audiencia depois d'aquelle praso
psra o fim exposto, pena de revelia.
Dado e passado nesta freguezia da Boa Vista
aos 25 diaa do mez do Fevereiro de 1887.
Eu, Alfredo Francisco de Sonza, escrivio, escre-
vi, subscrevo e assigno.Alfredo Francisco de
Souza.
Elytio Alberto Silveira.
Mili le Dimito
De ordem do Exm. Sr. conselheito director in-
terino, de coutormidade como a/iso do Ministerio
di Imperio o. 4655 de 29 de Outubro ultimo, faco
publico que tica marca-io o prazo de seis mezes,
contados da data dette, para a inscripcio dos qne
preteiidercm conenrrer so lagar de lente substitu-
to deata faca Idade, que ae acha vago por ter pas-
sado a cathedratieo o Dr. Jos Joaquim Seabra.
- Pelo que todos os pretendentes ao dito lugar,
poderio apresentar-se desde j nesta secretaria
psra assigoar seus nemes no livro competente, o
que Ihes permittrdo taser por procurador, se es-
tiverem a mais de vinte leguas desta cidade on
tiverem justo impedimento.
Devem cutro sim ap'esentar documentos que
mostrem sua qualidade de cidado brasileiro e que
estio no foso de seus direitos civis e polticos, isto
, certidio de baptismo, fjlba corrida no lugar de
seos domicilios e mais o diploma de doutor ou ba-
charel por urna das tacuWades de direito do im-
perio, ou publica forma, juetifieindo a impotsibi-
lidade da apresentacio do original, e na mesma
oocaBo poderio entregar quaesquer documentos
que juigarem convenientes, ou como titulo de ha-
bilitacio, ou como provas de serviso* prestados ao
estado, 4 humanidade ou a seiencia, dos quaes se
ltu s passar recibo ; tudo de conformidade com oa
arte. 36 e 37 do decreto n. 1286, de 28 de Abril de
1854e 111 e seguintes do decreto n. 1568, ue 24
de Feveieiro de 1855.
E para que chegue ao conheeimento de todos,
maudou o mesmo Exm. Sr. eonselheiro director in-
terino, afixar o presente, que ser publicado as
foi has desta cidade e as da corte.
Secretaria da Faouldade da Direito 'da Recife,
28 de Fevereiro de 1887.
O secretario,
Jos Honorio Beserra de Menezes.
DECLARACE!
1* aecr lo Conxulailii Protrlttoial
S de F!ferero de 18*
Io becco da Ventura u. 1<>. Dr. Jos
Eustaquio Ferreira Jncbn.., uuia
caaa terrea nova arrendada por 240 Pag a decima do 2" semestre do corrente exer-
cieio em diante.
O lancador,
Jos de Pinho Borges.


'"^

'<





9-

4 MI L



. ?
M
%
i

4
Mario de PernaiubiicoTerga-feira 1 de Marca
Irsaandade de \om leahwt do Bo
arlo da aaatria do Corpo-Saoto
Mesa geral
Pelo presente convido a todos nossos irmaos pa-
ra M rennir em homo coosirtorio no dia 3 do cor-
rate pelas 5 horas da tarde afim de em mesa ge-
ral prooeder-se a eleioio para juis e ais alguna
cargos lagos por nao terem aceitado os que foram
eleitoa.
Recife, 1' de Marco de 1887.
O escrivo interino,
los Miguel dos Santas-
Baneo de crdito real de Pernam-
boco
Ea cumprinwnto dos 9" e 12 do art. 83 dos
estatutos e das disposicoes da le n. 3,150 de 4 de
Novembro de 1882, couvocamos o Srs. accionistas
a rennir-se em assembla geral ordinaria, no dia
15 de Marc0 prximo vindouro, *o meio da, cm
urna das sal da Associaco Commercial Bene-
ficente. afim de ibes ser presente o relatorio das
operacSfs do anno bancario findo em 31 de Desem-
bro de 1886, acompanhado do paree r da commis
sao fiscal e proceder se 4 eleioio desta e bem as-
sim do presidente, vice- presidente, 1- e 2- secre-
arios da assembla geral.
Recife, '28 de Fevereiro de 1887.
Os administradores,
Manoi'l Joo d: Amorim.
Jos da Sil\a Loyo Jnior.
Luis Duprat.
Gremio dos professo-
res primarios
Tendo annaido a direccSo do <}rcmio dos Pro-
fessores Primarios em virtude do disposto no art
59 de seus estatutos, convido a todos os associa
dos para se reunirem em assembla geral no dia
10 do correte ao meio dia, na sude da mesma
associacao, ^fim de se proceder a eleico do novo
conselho que deveri dirigir a mesma sociedade no
correte anno. Recife, 1 de Marco de 1887.
Vicente de Moraes Mello.
Companhia Locomotora Pernam-
Imperial sociedade
DOS
Artistas Mchameos e
Liberaes
De ordem do irmo director, convido a todos os
irmaos a rennirem-se em nosaa sede sexta-feira 4
do corrente, pelas 6 horas da tarde, afim de ter
lugar a assembla geral d.) mea prximo passado.
que deixou de funccionar por falta de nomei o,
devendo eeta ter lagar com o que comparecer.
Secretaria da Imperial 8ociedade dos Artistas
Mechaaicos e Liberaes de Pernambuco, em 1 de
Marcode 1S87.-0 I secretario,
Jos Castor.
Faeuldade de Direito
De ordem do Exm. Sr. eonselheiro director in-
terino faco publico que a resoluco do Exm. Sr.
eonselheiro ministro do imperio relativamente ao
adiamento da abertura das aulas da Faeuldade,
nao apraveita 4 inscripta de exames, cujo praso,
3uer seja para os ordinarios, qoer para os extraor-
inarios, deve terminar no da 15 de Marco pr-
ximo.
Secretaria da Facnldade de Direito do Recife
28 de Fevereiro de 1887. V
O secretario, y
JoseHonorioB.de Meo*ie.

COMERCIO
y.S'ia e-oniinerclal
SfA$6w OFFICIAKS DA JCSTA DOS COK-
KECTORKS
Recife 28 de Ftvereir de 1887
Ao<,es da companhia Loco no tora do valor reali-
sado de 100* a 30* cada urna.
Na hora da bolsa
Venderam-se :
20 acedes da companhia Locomotora.
'Jffereceram Vender Compra
100 letras bypothecarias 93* 91 50o
O uresiaente,
Antonio Leonardo Rodrigues.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
Hiiiimcnto bastearlo
BECIFE, 28 DE FBVEREIBO DI 1887
Os bancos mantiveram huje no bilcao as tabel-
las que aban reproducimos :
Do London Bank :
Sobre Londres, 90 d/v 22 1/8 e 4 vista 21 7/8.
Sobre Pana, 90 d/v 429 e i vista 433.
Sobre Hamburgo, 90 d/v 532 e 4 vista 538.
Sobre Portugal, 90 d/v 240 e 4 vista 243.
Sabr Italia, 4 vista 433.
Sobre New-York, 4 vista 2*290.
Do E/tglith Bank :
Sobre Londres, 90 d/v 22 1/8 e vista 21 7/8.
Sobre Paria, 90 d/v 4 9 e 4 vista 433.
Hcbre Italia, 4 vista 433.
Sobre Hamburgo, 90 d/v 532 e 4 vista 538.
Sobre New-York, 4 vista 2*290.
Sobre Lisboa e Porto, 90 d/v 240 e 4 vista 243.
'obre as principaes cidades de Portugal, 4 vista
248.
Sobre liba dos Acores, 4 vista 251. _
Sobre liba da Madeira, 4 vista 248.
Mercado de asmaear e aitodo
RECIFE, 28 OS raVBBEIRO na 1387
Astucar
As entradas foram pequeas.
Os procos, pagos ao agricultor, regularam :
3. bauo, por 15 kiks, de 2*000 a 2*100.
3.* regular, por 15 kilos, de 2*100 a 2*200.
X boa, por 15 kilos, de 2*200, 2*300 e 2*400.
3.* superior, por 15 kilos, de 2*500 a 2*600.
Branco turbina Usina Pinto, par 15 kilos, a
2*600.
Sosenos turbina Usina Pinto, por 15 kilos, a
1*900.
Branco turbina pulverisado, por 15 kilos, de 2*300
a 2*400.
-Sjmenos, por 15 kilos, de 1*600 a 1*700.
Mascavado, por 15 kilos, a 1*200 a 1*300.
Bruto, por 15 kilos, de 1*100 a 1*200.
Retames, por 10 kilos, de 840 a 1*000.
O mximo ou mnimo dos piecos sao obtidos
conforme o sortimento.
Algodo
Este artigo ioi colado na raxao de 6*100 a
6*150 por 15 kilos, o de Pernambuco e boas pro-
cedencias, em trra.
Companhia de Segaron Inrfetaniaa-
dora
Esta companhia eat4 pagando o dividendo de
suaa acfes relativo ao ultimo semestre vencido
em 31 de Desembro prximo passado, na rizo de
12*000 por aeco ou 12 0/0 ao anno, sobre o cap
tal effectivo.
Nio tendo se reunido no dia 29 de Janeiro em
assembla eral os Srs. Accionistas desta Compa-
nhia, sao novstneute convidados a se reunirem no
da 7 do corrente, as 11 horas do dia ao sen es-
critorio 4 ra do Viseonde.de Itaparica n. 7,
afim de ser presentada as contas do anno findo,
o parecer da commiss* fiscal e o relatorio da
udministracio.
Em virtude da le a sess&o gfunecionar com
qualquer numero de acciooutas que compa-
recer.
Escriptorio da Companhia Locomotora Pernara-
bucans, 1 de Marco de 1887.
S, Barros Barreta,
Secretario da adminitracio.
S. Gonzalo da cape I la de Santo
Amaro das Salinas
De ordem do Sr. presiden te dacommisso pro-
movedora da festa de S. Goncalo de Amaranto
da capella de Santo Amaro dos Salinas, declaro,
que pedio e obteve exoneracao do eargo de 1* se-
cretario e de membro da mesma commissao o Sr.
Manoel Horacio de Freitaa. cojo lugar ser preen-
chido pelo abaixo assignado e o de 2 secretario
pelo procurador o Sr. Pedro Antunes Ferreira.
Consistorio da capella de Santo Amaro das Sa-
linas, 26 de Fevereiro de 1887r
O 2 secretario,
Henrique M. Palmeira.
Colonia | Isabel
A 15.* serie (ultima) da 24.a parte das loteras
em favor dos ingenuos da Colonia Isabel, acba-se
exposta 4 venda,- para ser extrahida no d Marco vindouro, no lugar do costume, 4s 4 ho-
ras.
Thesouraria das loteras para o Fundo de Eman-
cipaeao e Ingenuos da Colonia Isabel, 26 de Fe-
vereiro de 1S87.
O thesoureiro,
Francisco Gongalves Ttrres.
Matriz de Santo An-
tonio
VENERAVEL IRMANDADE DO SAN-
TISSIMO SACRAMENTO
Pelo presente convido aos irmaos desta venera
vel irmandade, 4 compareccrem no respectivo con-
sistorio 4s 6 huras da tarde do dia 2 de Marco do
corrente anno para o fim de tratar-se de negocios
de interesse da mesma irmandade.
Consistorio, 26 de Fevereiro de 1887.
O escrivo,
Henrique C. brrelo de Almeida.
Companhia de segaros Aiuphi
trite
A direccSo em cumprimento ao art. 33 dos es-
tatutos d'esta compannia, convida os Srs. accio-
n'stas a reonirem-se em assembla geral, no salo
da Arsociaco Commercial Beni fcente no dia 2
do pn iiido Maree ao meio dia para ouvirem o
sen relatorio e o parecer da commirsao fiscal.
Igualmente p:oceder-se-ba a eleico de que tra-
ta o art. 40 dos mesmos estatutos.
Recife, 17 de Fevereiro de 1887.
Os directores
A ii'.onio .Marques de Amorim.
Manuel Jos da Silva Guimares
Joiquim Lopes Machado.
Nota* do Th<*.<>uro dilacerado*
O recolhiiaeuto de notas dilaceradas est sendo
feito na Thesouraria de Fazenda, as terc> s e
sextas-feiras, das 10 s 12 horas da maun.
SabslUuico de notas do Thesonru
Em 31 de M i r< vindouro termina o prnzu mar-
cado para r^eulhiineuto. em descont, das notas
de '2*000 da 5* estampa, 10*000 da 6 e 5*000
da 7*.
A substituicAo est sendo feia na Thesouraria
de Fasenda, nos das uteis, das 10 4s 12 horas da
manba.
Companhia de Bdlfleaeio
Assembla geral ordinaria
De aceordo com o artigo 31 dos ertatuto*
convidadas o* Sn. accionistas da Com
Edifieaco para se reuniris no dia lo
ao meio dia, na sede da mesma Coinpanbn
go de Pedro II n. 77, andar, afim de ouvirem
leitura do ral torio, bataneo e apreciaren! as con-
tas da directora, dUcutirem e upprovarem o pa-
recer fiscal, e anda procederem a eleico da nova
commiseo fiscal, nos termos dos arta. 21 8, e 88
dos mesuius estatutos.
Recife, 12 de Fevereiro de 1887.
Gustavo da Silva Antunes,
Director secretario.
U
Por esta secretaria sio chamados os prenles e
protectores das menores abaixo declaradas, para
at o dia 28 do corrente apresental-ss no collegio
das orphis, afim de serem abi admittidas, visto
serem as primeiras inscriptas no respectivo qua-
dro.
1 Carolina, protegida do Angosto Manta.
2 Illunrinata, filba de Mara Florencia Barbosa
dos Santos.
3 Laurinda, filha de Sincletica Lina de Vas-
concellos Araujo.
4 Mara, filba da mesma.
5 Adeluide, filha de Mara Jos da ConeeicSo.
6 Mara, filha de Mara Jos da Encarnafo.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recile, 8 de Fevereiro de 1887.
O escrivo,
Pedr Rodrigue de Sonta.
Lotera de 400contos
A grande lotera de 4000 contoa, em 3 sorteios,
fica transferida para o dia 14 de Maio vindoura,
imprutcrivelmente, nos termos do despacho do
Exm. Sr. presidente, de hoje.
Thesouraria das Loteras para o fundo de
emaocipacao e ingenuos da Colonia Isabel, 14 de
Dezembra de 1886.
O thesoureiro,
____Francisco Goncalvea Taires.
1 oni, aahia de Segaros Phealx
Pernambncana
Os senhores accionistas, nos termos do art ib
e para os effeitos do y do art. S7 dos estatutos,
silo convidados a reunirem-se cm assembla gera
ordinaria no dia 3 de Marco prximo, ao meio dia,
na sede da companhia.
Pernambuco, 16 de Fevereiro de 1887.
Os a iministntores,
Luz Duprat.
Dr. Manoel Gomes de Mattos.
Joao Jos Rodrigues Mendos.
Repartido das Obras Militares
De ordem do Illm. Sr. capilSo de engenheiros
Dr. Gregorio Thaumatmgo de Azevedo, encarre-
gado das obras militares desta provincia, faco pu-
blico que no dia 14 de Marco vindouro, s 10 ho-
ras da manha na Reparticio das Obras Militares,
no Palacio do Governo, se recebar propostas em
cartas fechadas dos negociantes ou firmas cdiu-
mercia<:8 desta praca, que quizerem contractar no
corrente anno o fornecimeuto s obras militares
dos materiaes constantes da relucao existente na
rcpxrticilo, 4 diipoeic des pretndanles, para
ser examinada nos das uteis, durante o expe-
diente.
ReparticSo das Obrxs Militares em Pernambuco
24 de Fevereiro de 1887.Jos Armando da Cu-
uba, 2* cad' te 2* sargento amanueose.
Companhia do Beberibe
Akaslerlmenlo d'agna
Prevne-se ao publico de que continua-se a pro-
ceder a limpesa dos aatigos eocanameotos e a
ligacao dellea aoa novo?, pelo que imprescindvel-
mente bavei4 frequentes, mas temporarias, nter-
rupcoes no fornecimenro d'agoa.
O publico deve estar certo de que se enspregar
toda a diligencia poasivel para q>ie o servioo seja
sempre frito com rapidez ; e qumi n der se.qual-
quer desastre ou houver desari -njo no servij,
serio tomadas promptas providencias para o mis
breve reparo.
Nao deve pais baver o menr receio de qual-
quer interrupcao grande, desde qne sao conheci-
das, como se tem annunciado, as causas.
Estes trabalbos sao para a eoncluso das obras
do novo abasteeimento d'agua 4 esta eidade.
Recife, 21 de Fevereiro de 1887.
Ceciliano Mamede,
Director gerente.
IEMANDADE
DB
N. S. da Conceipo dos
Militares
ea Kenal
ue ordem do vice-presidente, convido todos es
nossos irmod para se reunirem no consistorio da
nossa igrrja em mesa geral no dia 4 do corrente
(sexta-tera) a 6 horas da tarde, afim de se pro-
ceder a eleico para presidente e thesoureiro, em
virtude dos eleitoa nao terem aceitado. c
l-de'-i < de 1887.
Gereucio dos Santcs Teixeira,
Secretario.
I. -
dou and Brasilian Ba
Limited
Ra do Commercio a. 32
>auca por todos os vapores sobre as ca-
as do mesmo banco em Portugal, aeudo
ra Lisboa, ma dos CapellisUs u 75 Nc
Porto, ru& dos Ingleses.
Vapor americano Finante
Este vapor, chegado aute-hontem, irouxe
Estados Unidos, para esta praca
41 barra com loucinho.
640 ditos com banha de porco.
l'0 barricas com farinba de trigo.
100 canas com mazena.
160 ditas com kerosene.
200 volumcs com diversas mercadorias.
Sal;o aute-bontem mesmo para os portes do
aul, conduzinde :
Para Bahia :
12 toneladas de ferro.
500 saccas com algodio.
Para Ko de Janeiro :
100/5 com agurdente.
10 pipas com dita.
Encuna americana Edtvard JolirjMon
Est prompta a sahir esta escuna, conduzndo
8,100 saceos com assucar, paia New-York.
Paula da aifuuJeja
SkM KA DE 28 DE PETERKIBO A 5 DE KARfO
DE 18S7
Alcool (litro) 218
Algodao (kilo) 343
Aatucar refinado (kilo) 151
Dito branco (kilo) 131
Dito maacav.do (kilo) 067
Borracha (kilo) i6'i
Caceo (kilo) 400
Cachaca (litro) 077
Caf bou. (kilo) 460
Cafrestolho (kilo) 3*0
Carnauba (kilo) 366
Carocoa de alfodao (kilo) 014
Carvo de pedra de Cardifi (toa.; 161000
Couros seceos empichados (kilo) 585
Ditos salgados (kilc) 500
Ditos verdes (kilo) 275
Farinha de mandioca (litro) 050
Fumo re.io.h (kilo) 4u0
Genebra (litro) 200
Mel (litro) (.1411
Milbo (kilo) 040
Tabeados ue amarello (duela) 100/000
q-.iini Bernardo dos Res 4 C, 1 a Sulzer K.-.uf-
mann 4 C. 1 4 ordem.
Mobilia 32 volumes .nrdem.
Palles 47 amarrados ord Panno de algodo 40 fardos a Machado & Pe-
reira. 10 Ferreira Iru.ao, 10 a L. Ma.t & C, 82 4
rdein, 45 a Cramer Fr> y Bt C-, 19 a Luis Antonio
Siqucira, 7 a Alves de Brito 4 C, 20 a Rodriguoe
Lima sl C.
Piassava 50 oolbos 4 ordem.
Santos lugre portugu'z Temerario, chegado
em 27 consignado a Amorim Irma ce C.
Barricas vazius 1,142 -ib consignatarios.
Companhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Esta be Ice!,la em In5.>
CAPITAL 1,000:0001
SINISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de ISH-i
llaritituos..... 1,110:000^000
erreslres... 3K:OM$OO0
*Roa do Commerelo
COSTRA FOGO
i\ortb Brilish & Mercantile
CAPITAL
:OOO.OOo de libras sterllnaa
AGENTES
V doiuson Howic & C.
SEITUROS
VIARITIMOS CONTRA FOGO
Companhia Phealx Per-
nambncana
Ruado Coramercio n.
vonpisiui; D2 ECilROK
NORTUERX v
de EiOndren e tberdeeu
Pnlra Onanceira (Desembro IS85)
Capital oubsciipto
Fundos accumulados
Beceila nnniial 1
Da pretnioB contra fogo
De premios sobre vidas
De juros
3.000.000
3.134,34
577,330
191,000
132,000
O AGENTE,
John H- Boxwell
BL COUtfEililOCIO .\. 6 1* l.\B
CONTRA F060
riie Liverpool & London & Globe
Insurance mmm\
H.
Jmperiai
Companhia
DE
iEGt'ROS contra FOGO
EST: 1803
Edificio* e mercadorias
Taxat baixat
Prompto pagam^n/o de prejuitot
CAPITAL
Ra. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
N. 5Ra do C&mmercioN. 5
Babia, birca portuguesa Hercilia*, ebegadana
dos mesma data e consignad a Fereira Carneiru oe
Axeite de palma 40 caixas a Froga Rocha &
C.
Barrica vazias 2000 a ordem, 480 aos consig-
natarios.
Farinba do mandioca 560 saceos a Fraga Richa
&C.
Pipas vasins 50 a Pereira r'iu'o & C.
Piassava 320 pecis a Albino Joi dos San-
tos.
Mue.-iu, hiate nac'^nal tCamelia. chegado em
28 de Fevereiro, < ecusiguadu a Manoel Joaquim
Pasos.
Algi.do 279 saccas a Gomes de Mattos Trmilos.
24 a Cunha Irmos & C, 12 a Carneiro da Cuuba
o C.
Sal 17.940 litros ao consignatario.
Natal, biate n-cional Geriquily, chegado no
da 28 :e Fevereiro e consignado a Manoel Joa-
quim Pe;toa
Assuear 350 saceos a Pereira Carneiro 4 C.
Coaros salgados scese 224 a Prente Vianna
& C, 64 a H. Stolxemback 6c C.
Pellos 1 pacote aos mesmos.
Parabyba.hiate nacional Jo2o Valle, chegado
em 28 de Fevereiro e consignado a Manoel Joa-
quim Pest.
Algodao 400 saceos a Paiva Valeote & C.
Entradas de atanear e algodo
JU DB VBVB&BiaO
EjrraiDis
Ba.'Cteas .
Estrada de ferro de Ulin-
da......
ada de ferro de Ca-
ruav .....
Animaes .
.da de Ierro de S.
Francisca .
Estrada de ierro de Li
maetro .
5
1 26
1 26
1 4 2!>
90.334
533
11.333
12.955
89.442
2:.::o
226.U0
6.569
1.852
- 3221-
12.944
4.756
8.357
34.600
Importa vo
Portos do su, vap.r nacional Bahia, chegado no
dia 27 e consignado ao Visconde de Itaqui do
Norte, manifestou :
Carga do Rio de Janeiro
Aceite 25 barricas a Paiva Valeote & C.
Ceblas 58 saceos a J. F. da Costa.
Charutos 2 caixas a T. Just.
Couros 1 caixa a Marcelino Crus & C.
Chapeos 1 eaixao a Augusto Fernandos & C, 1
a Affonso Oliveira & C.
Calcado 2 caixoes a Pinto Alves s C, 1 s Costa
Campos & C. .
Caf 115 saceos a Jeaquicn Duarte Simes & C,
15 a Guimares ct Valente, 110 ordena, 561 a
Domingos Cruz & C-, 149 a Souza Basto Amonta
& C, 274 a Joaquim Ferreira de Carvallio 40 a fereira Carneiro & C-, 123 a Baltar Oliveira
C, 150 a Mendos Lima & 63 a Fernandos
Irmaos, 10 a Paulo Jos Alves & C.
Drogas 4 volumes a Francisco Uanoel da Silva
te.
Fumo 82 volumes i ordem, 50 a Sodr da Motta
& Filbo, 5 a Jos Antonio dos Santos, 22 a Joao
V. Alves Matbeus c C, 50 a Ventura Pereira
Penna, 8 a Soares de Amaral Irmios.
Feijao 50 saceos a Paiva Valente & C.
Fazendaa 1 volume a Domingos J. A. Gui-
mares, 1 o: dem.
Mobilia 8 engradados a Carlos.
Mercadorias 1 caixa a Boratelmann & C.
Pxpel pintado 2 caixas a Francisco Manoel da
Silva d C
Pimenta 5 saceos ordem.
Panno de algodo 8 faidos a Baltar Irmao & C,
10 a Ferreira Irmo, 10 a Laia Antonio Siqueira.
Saceos 6 tardos ordem.
Sola 2 rolos a Marccllino Cruz & C.
Vmbo 25 barris a Fernandes ft Irmcs.
Xar^ue 300 fardos a Sauadrea Brothers & C
Carga da Babia
Axeite 5 barra e 1 fr- oche crdem.
Chap .8 1 eaixao i. ordem.
Cbaiutos'l caixo a Costa Lina & C, 1 a Joa-
Vapor americano Finance ent.-ado de Nev-
Yi rk e escala 00 dia 27 e consignado a H. Foster
ce C. manifestou :
Amostras 2 rolume* ordem.
Agua florida 38 volumes a Prente Vianna & C.
Bxnha 150 barris a ordem, 100 a Joaquim Duar-
te Simes C, 100 ao consignatarios, 50 a Fra-
ga Rocha 4 C, 50 a Fernandes da Costa & C. 25
a Carvalbo C, 2.i a Alheiro Oliveira & C-, 15 a
Joao Ferreira da Costa.
Catalagos 1 caixa a-J. H. M. C. Kironel, caixas
vaziin nma caixa n Guimares Cardoso & C.
Drngas 11 volumes. a R tquyrol Frere.
Farinha de trigo 100 barricas a Paiva Valente
& C, 100 a Julio & IrmSo, 30 a Manoel Martina
Ribeiro. .
Ferragens 6 volumes a Albino Silva & C.
Grsxa 1 barrica aos mesmos, 26 a Guimares
Cardoso & C.
Kerosene 160 caixas a ordem.
Lona 3 fardos a ordem.
Livros orna caixa a W. Robilliard.
Machinas para descarocar algodao 14 caixas 4
Reia & Santos.
Miudeaas urna caixa a GnimarSea Cardoso &
C.
Maisena 50 eaixas a Joaquim Duarte Simes &
50 a ordem.
Oleo 26 caixas a Francisco Manoel da Silva &
C.
P4s de ferro 40 feixes a Albino Silva & C.
Perfumaras 2 cuixas a Patenta Vianna & C.
Remos 10 amarradas a ordem.
Retratos 1 caixa a A. Strein & C.
Relogios 1 volunte a A. Labertv.
T icidos 14 raixas a ordem, 12 a Luis Antonio
Siqueira, 8 a Rodrigue Lima & C, 8 a Machado
6e Pereira.
Tintas 10 barris e 3 caixas a Hermes de Sonsa
Pereira.
Toucinho 14 barris a Galmariea Re cha *C-, 6
a Joio Ferreira da Custa, 5 da Alheiro Olieira ce
C '
Ho lugar americano Edioard ram :
Para New-York, H. Fjrater *. C- 294 saccas
com 22,050 kilos de assucar mascavado.
Na barca uorueguense Res, carregnram :
Para New-York, F. Casoo fe Fho 400 suecos
com 30,000 kilos de assucar mascavado ; M. J.
da Bocha 300 saceos com 22,500 kilo da assucar
mascavado.
>la barca norueguense Ogir', carrea;aram :
Para New York, J. S. L yo Kilho 400 sacoi-s
com 30,000 kilos de assucar mascavado.
Para o interior
= Na barca nacional tdarianninha, earrega-
ram :
Para Pelotas, Amorim Irmo & C. 600 volumes
cotn 57,159 kilos d'< assucar branca.
No patacho ailemao Johinna, carregaram :
Para o liio Grande do Sul, Mia t Kezeode
100 saccas com 7,086 kilos de algodo.
No patucho suee-i Nordbon, carregoa :
Para Santos, F. A. d Aevedo lt'O saceos com
com ,000 kilos de assucar mascavado.
No hiate nacional S. Lourenco, carrega-
ram :
Para o Para, Amorim Irmaos 4 C. ICO barris
com 9,600 litros de agurdente.
No patacho portugus Fanny, curregarr.m :
Para o Par, Amorim Irmaos 6t C. 6 pipas cora
2,880 litros de agurdente ; B. Oliveira & C. 400
barricas com 24,400 kilos de assucar branco ; F.
A. de Az vi do 200 volumes com 12,025 kilos de
assucar branc>>.
No vapor nacional Bahia, carregaram :
Para Mauos, Amorim Irmes & C. 40 barris
com 3,840 litros de agurdente ; H. Oliveira 10
pipas com 4,800 litros de agurdente e ICO barri-
cas com 6,000 kilos de nssucar branco ; P. Pinto
& C. 45 b.rris com ,32ti litros de agurdente.
Para o Para, B. Oliveira & C. 200 barricas com
12.200 kilos de assucar branco e 50 ditas com
1,500 ditos de dito refinado ; A. R. da Costa 25
barricas com 2,275 kilos de assucar refinado ; P.
Marcha da Silva 100 barris com 9,000 litros de
agurdente ; V. de Itaqui do Norte 200 barris
com 18,000 litros de agurdente ; F. A. de Ase-
vedo 200 volumes cem 11,125 kilos d assuear
branco.
Para Marauhao, J. M. Diaa 6 caixoes com 146
kilos de rap.
No vuDor americano inanee, carregaram :
Para o Rio de Janeiro, P. Carneiro 4 O. 500
saceas com 33,36 kilos de algodao.
No hiate nacional D. Julia, carregaran:
Para Aracaty, Mata 4 Reanude 500 saceos com
faiinha de mandioca.
Companhia Franccza de Xavcga-
cao a Vapor
Xiinha quinzenal' entre o Havre, Lis-
00a, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santoa
0 nw Mi fle Pto
Com roa nd unte Chancerel
t' esperado da urop>.
at o dia 8 de Marco, se -
guindo depois da indispeu
su vel demora para a Ba-
bia. Hlo de Janeiro
e Nanlos.
Hiate brasileiro fom Jetus, algoao.
Hmte nacional Flor do Jardim, sal.
I jrar inglez Velly, bucxlbilo.
Lirgar inglez Minnia, carvao.
Lugar norueguense Courier, farinha de mandioca
Lugar inglez Manche, bacalbo.
Lugar inglez Retrevier. bacalbo.
Lugar inglez Lunic R. Wilee, bacalbo.
Lugar iuglez Nicanor, farinha de trigo.
Patacho inglez PlymovUi, bacaiho.
Patacho inglez S. Josep/i, bacalbo.
Patacho portuguez Temerario, varios gneros.
Distnelro
O paquete Bahia troaxe hontem do sul para :
Bernardino Lope Aiheiros 2:0004000
Francisco Goncal ves Toires 2:000*000
Martina Fiuza & C* 1:000*000
Hend me otos pblicos
Renda geral
D 1 a 26
dem de 28
mez de ricvaasrao
Alfandega
677:7o 14115
31:493.771
Renda provincial :
De 1 a 26
dem de 28
127.43S:635
5:60856(i
709:246;86
133:047*201
De 1 a 26
dem de 2d
Pe 1 a 26
Idm de 28
Toral
Recebedoria
Consulado Provincial
\uvio a carga
ExportacSo
bbcib 26 na ravESErao de 1887
Para o exterior
No vapor ingles Plestty, carregoa :
Par* Liverpool, J. H. Boxwell 577 saccas com
42,723 kilos de algodao.
Na galera logleaa Lorenzo, carregaram :
Para Liverpool, J. H. Borwell 600 saccas com
44,775 kilos de algodao ; N. Cabu 4 C. 550 sacets
com 49,3tt) kilos de algodo.
Na barca inglesa Dtmslajfnace, carrega-
ram :
Para Boston, J- Pater 4 C. 1,500 saceos com
112,500 kilos de aouca mascavado.
Barca nacional Marinho IX, Ria Grande do Su).
Barca nacional Marianninha, liio Grande do Sal.
Barca norueguense Vega, Bltico.
Barca norueguense Ooir, Estados-Uuidoa
Barca inglesa Diautoffuge, Estados-Unidos.
Barca noruega Bes,^New-York.
Brigue allemo Bruno & Mane, HIIuU.
Bngue norueguense Mira, Liverpool.
EseuDa dinamarquesa Exprs, Montevideo.
- scuua sueca JJorel'y, Rio Grauae do Sul.
Escuna allem Johanna, Santos.
Galera inglesa Lorenzo, Liverpool.
Lugar nac onal Loyo, Rio Grande do Sul.
Lugar americano Edward .Johnson, New-York.
Lagar nacional Zeo-uinha, Rio Grande do Sal.
-Lugar ingles Mo'mng atar, Santos.
Lugar nacional Tigre, Rio (>rande do Sul.
Patacho ingles WUsem S Jnseph, Montevideo.
Patacho ingl s -Igenora, Santos.
Patacho nacional Matinho VI, Rio Grande do Sal.
Patacho americano J. P. Latten, Rio Grande do
Sul.
Patacho portugus Fanny, Para.
Palbabote nacional S. Barlholomeu, Porto-Alegre
Patacho portugus Vertas, Lisboa e Porto.
Vapor inglez Sturgth, Santos.
Vapor ingles Plessy, Liverpool.
Vapor ingles Gory, New-York.
Vapor ingles PUssy, Liverpool.
Vapor ingles Fine Branck, Liverpool.
Vapor ingles Oorje, Halifax.
Vatios deseara
Barca nacional Zezxnha, vario gneros.
Barca norueguense At'no, carvio.
Barca norueguense Noatun, csrvSo.
Barcaca nacional ApresentacSo de Mario, gneros,
nacionaes.
Barcaca nacional Flor de Tatuamtnha, dem.
Barcaca nacional Semprewvo, idem.
Barcaca nacional Moema, idom.
Barcaca nacional Vxtoria Alagoanna, idem.
Barcaca nacional Boa Nova, idem.
Brigue austraco Piimm, varios gneros.
Escuna inglesa Bella Rota, bacaiho.
Escuna inglesa Percy, bacalbo.
Hiate aacional Joo Valle, algodo.
Hiato brasileiro Dem tt Qmrde, sal.
ue 1
Ideen
26
128
Reci/e Drainage
842:291*087
41:433*980
7:319*980
48:753*960
45:532*986
4:993463
50.526*449
36:3104625
2:857*865
39:168*490
Mercado Municipal de *. los
O movimento deste Mercado nos das 27 e 28
do passado foi o segoiote:
Entraram :
90 bois pesando 14,399 kilos, sendo de Oli-
veira Castro, 65 ; 1/2 de 1.* qualidade,
11 de 2* dita e 13 1/2 ditos particulares.
1218 kilos de peixe a 20 ris 24*360
46 cargas de farinha a 200 ris 9*200
14 ditas de fractas diversas a 300 rs. 4*200
20 taboleiroa a 200 ris
34 Sumos a 200 ris
Foram oceupados:
48 columnas a 600 ris
44 compartimentos de farinha t
500 ris.
41 ditos de comida a 500 ris
157 ditos de lgame a 400 ris
36 ditos de suino a 700 ris
22 ditos de tressuras a 600 ris
20 talhos a 2*
14 ditos a 1*
A Oliveira Castro 4 C.:
108 talhos a 1
4 talhos a 500 ris
Deve ter sidojarrecadada neate dia
a qoantia de
Rendimento de 1 a 26 de Fevereiro
Foi arrecadado liquido at heje
3]Preoos do dia :
Carne verde 160 a 480 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris idem.
Sumos de 560 a 640 ris dem.
Parraba de 200 a 320 ris a cuia.
Milho de 26/ a 320 ris idem.
Feijo de ffeo a 1*000 idem.
Roga-se aos 8rs. iir.portaderes de carga pelos
vapores desta linha,quciram apresentar dentro de 6
diaa a contar do da descarga das alvarengj .
quer reclamaco coneernente a volumes, que po-
ventm y. tenham seguido para os porto do anLafim
de se poderem dar a tempo as previdencia neces-
sarias.
Expirado o referido praso a companhia nao se
responsabilisa por extravos.
Par carga, patssgens, encommendas e dinheiro
frrte: irata-e com o
AGENTE
Aapsif. Labille
9 RA DO COMMERCIO 9
< OUI\MMi: DE nEMMA'E-
aiS HAHITDUBS
TJNHA MENSAL
0 paquete Oironde
Cornmaodarjte Minier
Espera-se da Eu-
ropa at o dia 6 de
Marco segura-
do depois da de-
mera do costme
para o Rio de Ja-
ro, tocando na
Baha
Lembra-se 103 senhores passageiros de todas
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Previne-se ao ssenhores recebedores de merca-
dorias que s se attender as reclamacoes por fal-
tas nos volumes que forera recouhecidas na occa-
sio da descarga.
Para carga, passagens, encommendas e dmbo ir o
ifrete: tracta-se cem o >
AGENTE
ignsle Labille
9 RA DO COMMERCIO-9
-r
DampfschirTahrts-Gesellscbafl
0 vapor Tijuca
E' esperado dos por-
tos d) sol st o dia 4
de Marco entrar no
porto segurado depois
da demora necessaria
para
Usboa e Uambnrgo
Para Carga, pi.-.:iguns, cncommciuas, dinhei-
ro e frete tr:icta-se com os
AGENTES
Borsteluiann & C.
RA DO COMMERCIO N. S
1' andar
LEILOES
Leilo de predios
: um.1 casa terrea na travessa da ra dos
Guararapes n. 6.
Urna dita prquena na roa Vinte e Qoatro de
Maio, junto ao chaf.ris da Companhia do Bebe-
ribe.
Manosdo norte a 5.
Girjndeda Europa u 6.
Cenrdo sul a 7.
Ville de Pernnmbucoda Europa a 8.
Tainarda Europa a 12.
Mondegodo sul a 14.
Valparasoda Europa a 14.
Montevideode Hambnr^o a 17.
ievada Europa a 24.
vios
Amandade fL.mburgo.
Apotheker Dirsende Santos.
Aricade Cardiff.
Aldwathde Terra Novtr.
Ameliado Rio Uraoiie du Sal.
Auriolade Terra Nova.
Albanade Cardiff.
Alranade Cardiff.
Bodade Cardiff.
Cometade Porto Alegre.
Cysoe^do Rio Grande do Sul.
Christiani Scriverde Csrdiff.
Diudado Rio Grande do Sul.
Enjettado Rio Grande do Sal.
ratede Hamburgo.
lite-de Tena Nova.
Eugeniade Terra Nova.
FrinchDT dn Rio de Janeiro.
Guadiauade Lisboa.
Glitnerde Liverpool.
Hapnasdo Rio Grande do Sal.
Idealde Londrps.
Jelantbede Santos.
J. G. Ficbt-do Rio de Janeiro.
Julios Sk'ikede Genova.
Joaquinado Porto.
Jos Genebrade Liverpool.
Lidadorde Rio de Janeiro.
Lili)nde Terra Nova.
Laviuiade Terra Nova.
Linda Parekdo Rio Grande do Sai.
Maia Ido Rio de Janeiro.
Marco Polodo Rio de Janeiro.
Marinho VIdo Rio G'ande do Sal.
Meta Sophiade Hamburgo.
Mariettado Rio Grande do Sol.
Metede Hamburgo.
Mayde Terra Ntva.
Nordsoende Liverpool.
Noruega Ainode Cardiff.
Oar Anniede Buenos-A y res.
Progressode New-Port
Rosa Hilldo Rio Grande do Sal.
Rolanddo Rio de Janeiro.
Reicrmdo Rio Grande do Sal.
Speraszsde Cardiff.
Vafeo da Gamado Rio de Janeiro.
Withelmine-de Hamburgo.

4*000
6*800
28*800
22*000
20*500
62*800
25*200
13*200
40*000
14*000
108*000
2*000
385*060
5:244*220
5:629*280
aladosaro Publico
Foram abatidas no Matadooro da Cabanga 90
reses para o consumo do dia 1 de Marco.
Sendo: 34 rexea per ten cea tes a Oliveira Castro,
& C, e26 aVversos.
Vaporea e navios esperados
varoass
Legislatorde Liverpool hoje.
Supervisorde Liverpool hoje
Tijocado sal a 4. \,
no vi ment do porto
Navios entrados no dia 27
New-York e escala19 1/2 dias, vapor americano
Pionee, de 1919 toneladas, commandante E. C
Baker, eqaipagem 56, carga varios gneros; a
Henry Forster Se C.
Rio de Janeiro e escala 7 dias, vapor nacional
Bahia, de 1999 toneladas, commandante Aure-
lias Isaac, eqaipagem 50, carga varios gneros;
ao Visconde de Itaqui do Norte.
Liverpool e escala21 1/2 dias, vapor ingles Ma-
riner, de 918 toneladas, commandante Jones F.
NevilL equipagem 87, carga varios gneros; a
Johoaton Pater 4 C.
Parahyba2 diaa, biate nacional Joao Valle, de
108 toneladas, mestre Francisca H. Canato,
equipagem 5, carga algodo; a Manoel Joaquim
Pessoa.
Babia12 dias, barca portuguesa Hertilia, de 344
toneladas, capitn Jos dos Santos L. Jnior,
equipagem 10, car ja varios gneros ; a Pereira
Carneiro & C. >
Navio sahido no mesmo dia
Santos e esealaVapor americano Fimnce, com-
mandante E. C Baker, carga varios gneros.
Navios entrados no dia 28
Santos27 dias, lugar portugus reweror, de
311 toneladas, capitao Jos Goncalves Casaca,
eqiiipeg>m 8, em lastro; a Amorim Irmaos & C.
Maco11 dias, hiate nacional CameJta, de 85
toneladas, mestre Monoel Antonio da Silva,
equipagem 5, carga varios gneros ; a Manoel
Joaquim Pestoa.
Rio Formoso e Tamandar36 horas, vapor na-
cional Giqui, de 228 toneladas, commandante
Soasa Lobo, equipagem 29, em lastro ; a Com-
panhia Pernambucara*.
Navios sonidos no mesmo dia
ManosVapor nacional Bahia. commandante
Aoreliano Isaac, carga varios gneros.
SantosEscuna iugleaa Agenoria, eapitao Josepo
Masson, carga assucar.
Krsuatdt (Bossia)Brigue noroegnense Mira, ea-
pitao C. Caristeasen, carga algodao.

r-
,, ..



y

i.
t
' -------------------------------------------------

Diario d<| PernambncoTerfa-feira 1 de Marpo de 1887
Urna dita dita ua folodadado, tambe* jonto ao '
novo chafara da misma companhi
Terca fclra, 1* de are
A's 11 h'.ras '
No armazero da ra do Imperador D. 16
0 agento Martius, autorisado pelo director-ge-
rente da Compauhi do Beben be, vender ein lei
lo as tres casas cima, que eL bem localisadas e
foram ha pouco reedificadas._________________
Agente Burlaiiiaqui
Leilo
De um sobrado ra de Mareilio Das,
amiga ra Direita n. 121
Terj-f>-ira 1 de Margo
A'a 11 1 [2 horas
Na loja da ra do Imperador d. 30
O agei te cima por maitdadu e Resistencia do
Exm. Sr Dr. juix de orphos a requ*rimento de
Antonio Luiz P-reira Duna, invenrar'ian'e dos
bens deixados por seu pai Candido Th^max Pere-
ra Durra, levar a leilo um sobrado de dois an-
dares e sotlo ru sciiih, ero solo proprio.
Os Srs. pretondentes desde j pudcro exami-
nar o referido sobrado.
Agente Burlamaqui
Leilo
TERQA-FEIRA, 1 DE MARQO
A's 11 horas
Na loja da ra d Imperador n. 30
O agento aciraa levar leilito diversas duziaa
de tacs e gartos e duains de coihervs para sopa
e cha, 3 relogius de a'gibeira perfeios, 1 inobilia
de Jacaranda completa. 1 c secretaria d* Jacaranda e cadeira, garrafas de es-
pecial licor de maracuj e utras de vinho de
caj, 1 grande e importante viveiro en .--misado
com vidros de cores, em cima de urna meza de ama-
relio, 1 dito meia-lna envernigudo com gaveu e
fechadura de camp, 1 armario de amsrello cos-
tado, com tros pratileiras e dous vivriros por
baixo, 1 banhfiro, diversos tpetcs para sof e
portas, l fiteiro ae folha dobrada com vidroa eoo-
tros objectos que estaro patentes no acto do leilo,
tudo ir
AO CORER DO MARTILLO
Leilo
De 31 barricas coro 150 kilos de cimen-
to e 47 ditas com 50 kilos, avariadas e
desembarcadas de bordo do navio Pinus.
Terca-fara 1 de Margo
A's 11 horas
Por ntervencao do agente
Alfredo (iuimares
\o arniazem d<> Caes do Apollo
n 11_____________
Leilo
Da &rraac2o, gneros e utencio* da (averna
sita ra de Mariz e Barros n. 17
Tcga-feirn 1 de Marco
A's 11 horas
O agente GusmSo autorisado far leilo per
conta e risco de quem pertencer, da armacio, g-
neros e utencilios da tavprna cima mencionada.
Em nm cu mais lotes vontade dos compradores,
garante-se as chaves livre de qualqoer onus.
' "
Vioho da Mourisca
Esse importante vinho de que nnico
importador Joao Ferreira da Costa;
puro de uva,' es< olhida a capricho, pro-
prio para mesa, pelo seu mereciuieuto tem
obtido a mc-lhor a.-eitacSo nos lugarts para
onde erh sido exportado: acha ae ven-
da a retalho ntr*estabelecimento dos Srs. Po-
88, Mendes & C.
HISTORIA
D E
VCTOR HUGO
Doce de caj secco
: Eui latas de das e ijuatro libras, assim cerno
latinnas com jalea e la'.s com doce He goiaba,
tem continuadamente para vender a prego comino-
do; ua ra doJBom Jess n. 35, armazem.
Attencao
Urna familia ofFerece aga^alho e commodos com-
j>a ti veis a urna ou duas raparigas honestas pera
s>' encarregarem de criancas : a tratar na ru-
Duque de Calas n. cG, lojs.
Grande vanlagera olfercce o lalho
de carne verde do ^oyo Porto
do larvo
RA MRQUEZ DO HERVAL N. 27
O freguea que coa>;ietar o numero de 3'-0 kilo-
grammas de carne, reL-rber urna nameracio para
cciresponder com a insior lotera que ento esti-
ver na ei re lacio d'esta cidade, e so couber a
surta fraude em dita uumeraco, o rousumidor,
ter, pelo espaco de 6 mezes 5 kilos de carne dia-
rios ; os consumidores, -Je 5 1 kilo, t terao o nu-
mero de kilos que d'antcs consumiam diariamente.
O conductor do feliz consumidor ser tambero
gatificado com 50/000.
N. B.Toda a carne ser entregue no talho aos
portadores dos freguezes.
lccife, 27 de Pevereiro de 1887.
Peitoral de Cambar (3)
Descoberta e preparacX^ de Alvares de S.
Soares, de Pelotas
Approvado pela Ennii Junta Central de Hygie-
ne Publica,aucwrisado pelo governo imperial, pre-
miado com as medalhas de ouro da Academia Na-
cional do Pars e Expcsico Brasilera-Allem2 de
1881, e rodeado do valiosos attestados mdicos e
de amitos outr< do rwssoas caradas do : tosses
simples, bronebites, asthma, rouquido, tsica pul-
monar, coqueluche, escarros de sangue, etc.
Pr. eos as agencias : Frasee 2500, meia
dusia 13,5000 e dusi 24000.
Preos as sub-agencias :Frasco 2*800, meia
dusia 15S0(i0 e dusi t 28*000.
Agentrs e depositxriiia geraos tiesta provincia
FRANCISCO MANOEL DA SILVA & C,
roa Mrquez de Oiinda n. 32
lOTERI
PARA
EDUCACO DOS INGENUOS
J<^Xv\.
Precisa-se
de alinbavadeiras e macbinistan : na camisarit
das esirellas roa Duque deCoxi-s a OS.
Cofres prora de fogo
g0 Carlos Linden trm dons novos em folha, e
vende muito barato por ser da caasignacao ; na
run do BarSo da Victoria n. 48.
losinheira e criado
Precisa-se, na ra do Sebo n. 26.
Ama
m
M
R_7*LS. a -
Leilo
--------Ai:
nenio Jos da Silva
Jnlia Ramos da Silva agradece do intimo d'al-
ma i: )ns as pessoas que se dienaram aciiiipa-
nhar o corpo de seu eJtronioso espjfo tua ultima
morada : e de novo ai convida para assistirem as
mi s que por sua alma manda reaar na igreja
do Divino Espirito Santo, na quinta-teira 3 de
M.-.r s 7 horas da maub, ficando assim mais
oma vez rternameute grata por este acto de reli-
Brio k caiidade.
Pn-ciaa-se de urna ama que cosinhc e durma em
casa : na ra da Imperatrix n. 86, 2* andsr.
Ama deleite
Precisa-se de urna ; no sobrado da ra da Im-
peratriz n. 49, 3 andar, para amamentar nma
enanca de menos de mez.
Cosinheira
Precisa se de urna cosinbeira ; na rna do Im-
perador n 42. _______________ _____
Sera competencia
lia
De fbiendas, miudezas, mobilias novas de jaca-
randa e po carga, 1 piano de Bord, 1 dito de
Jilsen; e outro de Pl vestidos, cadeiras de ainarcil", 1 eof, 2 cadeiras
de bracos e 12 cadeiras de jonco, 1 cama fran-
cezade Jacaranda, ccmmcdas e muitos movis
avulsos, iBpi-lhoa, quadros, jarres, loucas e vidro.
Ho ariDazem rua de P.dro Afifonso n.43
As 10 12- hora
Agente Britto
Leilo
De 1 piano completamente novo, do fabricante
B'ondel & Vignes, 1 cadeira para dito, camas no-
Tas de Jacaranda, mobilias, marqueioes, caixas
com velas stearinas furadas, lindas jarras para
agua, diversas resmas de papel de cores, bercos,
vistas do Rio de Janeiro, quadros, balancas para
cima de balcao. ditas para armazem de aesacar e
muitos outros objectos.
Qaarta feira, do corrate
A's li horas
No armazem da ra do Mrquez de Oiinda
n. 19
Por naerireacao do asente
Gttsmao
Leilo h Sarca ,iii,aiiiM
Por conta e risco da quem pertencer, ir a lei-
ISo, no dia 4 de Marco prximo, na cidade do Na-
tal, provincia do Rio Grande do Norte, em um s
lote, o casco, mastreacao, apparelho, veame, ao-
breselentes e mais pertences da barca noruegoen-
e Orant, que encalbra ao sahir a barra d'aqaelle
porto, onde se acha presentemente ancorada.
AVISOS DIVERSOS
Alnga-se casas a 8#000 no becco dos Coe-
Ihos, junto de ri. Goncallo : a tratar na ra d
Imperatriz n. 56.
AMA Prceisa-se de urna : para o aervico
domestico de urna casa de familia na tinturara
tranetza, ra de Bario da Victoria n. 58._______
= Precisa-se de um perfeito c^sirbeiro ; a tra
lar na ra do Brum n. 35.
Manoel Antonia Santiago Leas*
Beato de Freitas Guimares manda icaar urna
mista pela alma de sea compadre e amigo Manoel
Amonio Santiago Lessa, no dia 2 de marco do
correute anno, s 7 il horas da msuh, na ordem
3' de 8. Francisco, trigtssimo dia ae sen passa-
mento, pelo que convida os parentes e amigaos do
nesmo finado para assistirem, confessando se
grato.
Anna Hamii'a Pernande*
Diogo Baptista Feruandes, sua mullier e filha
conviaam aos seus parentes e amigos para assis- '
tirem a missa que por alma de sua presada mai,!
cogra e av, Anua Baptista Fernandes, mandato .
r. car no convento de 8. Francisco, s 7 horas da
manila, no dia 1- de Marco, setimofdiado seu pas
samento.
Rna Duque le Uaxlas n. 5
Receben um completo sortimenfo de fazendas
para os actos da semana santa.
COMO SEJAM:
Gurgurao de seda preta a 2000, 2500, 3O0O,
3J500 e 43. *
Setins prpto superior qualidade a 13000, l20O
1*509 e 1800 o covado.
Merino preto com duas larguras a 100, 800, 1$,
1*200 e I 400 o ovado.
Cachemira lisa e bordada a 2-iQ-0 e 20500 o
covado.
Reuda pre-.a hespanhola 40000, 50 c 60000 o
covado.
Manteletes de caiemira, etamyne e reuda, rica-
mente bordada a vidrilbo.
Pelerinas ultima uovidade.
Capas de casimira horddas a vidrbo.
Assim como um oimpleto sortimento Al guarni-
Soes bordadas a vidrilbo, para enfeites de vesti-
dos tanto de seda, como r-as-mira e merino.
Leqnes a Joani'a a 500 ris um.
MPORTAITE FABRICA KI!
para Vidreiros desaja -um Agenta. Ejdgenr-se
referencias.
Escrever DE"WAEL
Moa *roTlnce, n' 163. AJtTTJEBPXA IBelRlcai
DOMESTIC
SSo reconlieciuas ser as man
elegantes, as mais duravei
em todos os sentidos.
R
AS
circulares
estylo
08
com
rlir.
Tetephoie
Para pre^s, e
illuatracoca de todos
jain se
Domestic Sewing Machine it
NEW-YOR, U. S. A.
n. 158
COLONIA ISABEL
Aos 24 40:0008000
20-.000S000
10:OOOSOOO
5:000S000
Esta lotera* cuja 15.a serie da 24.a parte, ser extrahida
na segnnda-feira 7 de Marco, s 4 horas da tarde, no Consisto-
ro da igreja Conceico dos Militares, acha-se venda as se-
guintes casas:
Ra do Baro da Victoria ns. 40 e 43.
> Cabuga' n. 2.
> Rangel n. 2.
Larga do Rosario ns. 24, 36 e 42.
No mundo lotrico a nica que pelo seu plano mais vanta-
gens offerece aosjogadors, enoJBrazil, at hoje, anda nao achou
nenhuma outra que se approximasse em vantagem na distribuicao
dos premios, e para prova desta assercao pedimos a attenco dos jo-
gadores para a seguinte TABELLA comparativa dos referidos
premios distribuidos por esta lotera e as suas congeneres
lotera do gmo-par
D 70 \ de premio do seu capital.
dem do mu
68 3|4 "i dem.
B)EM DE ALAGOAS
73 314 |. dem.

-



.:
- >i




DEM
Menos de 81
?6 DEM DO PARAN'
DA COLONIA ISABEL
Distribue em premios mais de 85 1|8 l.
;

Precisa-se de nma ama para
na Nova, pbarmacia t. 51.
cosinhar : na
m Feijtto Vende Ge barato em grande e
pequea quantidade ; na roa de Hortas u. 17.
__ prteisa-se de urna cosinbeira para cata de
pequea familia ; na ra Daque de Caxia8 nume-
ro ai, loja.________________________________
Precisa se. de urna ama para cosinbar ; no
pateo do Terco n. 32.______________________

Alaga-se ama sala, um gabinete e um quar-
tof em lugar muito ameno ; a pessoa que nao ti-
ver familia e que quizer pernoitar fra da cidade,
sendo pessoa idnea ou mesmo estrangeira ; a tra-
tar no Caminbo-Nova u. 128.__________^__
Aluga-se o sobrado n. 21 ra da Unio ;
a entender-se na ra da Imperatri n. 19.
> Preetaa-ae. rom urgencia, de
erfeliaa coalarelraa. pasase al
SOOO diartoa, ua roa do Impera
Jor n. 5Q. 1.* andar.
Caixeiro fiara taverna
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14 annos de
idade, qae tenba pratica de molbado e d fiador
4 sua conducta, preferindo-ie brasileiro : na rna
Imperial n. 110.____________________________
Arniaj? o
Vende-se a arawcio da rna da Rangel n. 10.
0S000
Aloga-se a casa n. P roa do Riashuello na
BovVista, com 2 salas, 2 q' srtos, coeioha e qain-
tal ; a chave icba-se junto n. E, e trata-se na rna
. ia Guia n. 62 (Recifr).__________________
Ama
WOLFF
1.4-Bl DO
& c.
'eaite muito nheeido esiabelecia>eu-
to cncoul.tij- o respeitavel publico o ui**
variado conapleto aortimento de JOIAM)
recefiidas aempre- directamente dosi melho-
res fabricantes da Kurapta, e qu primara
pelo aun Alo ^orto do mundo elegante,
Ricaa aderreaa completos. linda* pulsci-
ras, alflnetea, voltaa de i tiro cravejadaa coa
br 11 han tes. ou p* rolan, aunis, eaealeta,
bol ora e outro* muitos artfgoa prop.-ioa
dete genero.
ESPECIALIDAD^
Em relegioa do euro, prata e niekelados,
para homens, aten hora* e meninos dos ma|a
acreditados fabricantes da Europa e Ame-
rica.
Para todos os artigea desta eaaa g-ran-
te-se a boa qualidade, assim como a inedicl-
dade nos preces qu sao sem eompetrueia.
- IV'esta oasa tambera eeneerta-ae qual-
quer obra e ouro ou prata e tamben rTia-
gios de qualquer qualidade que seja.
4Ra do Habug4
Precisa-se de nma ama
a tratar na roa de Pedro A
Praia).
ara cosinbar lavar :
io n. 5b (antiga da
\ llfll IX
240:0001000
NOVO E IMPORTANTE PLANO
INTRANSPBRIVEL!
Corre segunda-feira 7 de Marco
m-.
a^^ooooooooooooooooooooi
DE UIIUTO DE OURO DINAMIZADO
DO D' ADOJSON
0 MAIS ENRGICO E0 MAIS ACTIVO DOS RECONSTITUINTES
O ARSENIATO DE OURO se imp .1 todo aquelle que Cor cuidado.-', do sen bom estado deMde. Com dou$ granulos por
dia, volta o appctite, a fon;as augmenlau e urna adc perftita SflCOfd* rapidavin'.t um alado inquietador.
ANEMIA, ESGOTAK.Et.TG, MOLESTIAS iERVOSAS, MOLESTIAS DE SENIORAS
1 c'.o Ou.ro dynamizado ito Doutor ADDISON, resoJtaBdo da eoakinacSoile dous medicamentos heroicos,
aouriCi .1 TiBioa, Bronohites chronicas. Asma, Rheumattsmos chronicos e tedas as Molestias que
O Arseniat'o
combato victori4M
resnlto do Esgotamcnto do systema ucrvos.
Nao tem rival nos Enfraquecimento cao rosalto de loagao molestias, titas proprieadts tnicas e reguladoras da inner-
vacao torn3o-no superior ao Ferro coalra :: Anemia, as Flore.i brancas e as Nevraigias.
As Febres rin rosistoin ao sulfaUi |
O Araeniato de Ouro turna as mulheres
jovens e nutridas. Auxilia poderosaoiente o
atravessar a poca t3o to:uid.i da idado critica
e communica urna novajuventude.
Desconfie-ss da? Contzafac6es
eexija-seaVERDADEIRA ETIQDETXA
MARCA DE FAEHICA assim
como a assignatura
e a do Snr.
NICO PREPARADOR
<&^%Z>
Arseniato de Ouro.
Milhares de Doentes devem hoje sua
cura sos Granulos de Arseniato de Ouro
do D' ADDISON. Inminieros attestados fo-
r"io(la.i".-. citaramotatpsi alguos.
--------------*30-----------------
O FRASCO : 8 francos, em Frang.
EM VENDA NA
Pharmacia QSLXtf
31. rH RSifetlWH!. 618 W1X.
I>opo-itario jeral que manda "raneo contra
un mandato-postal.
DbMUKM rernatnbuem :
rBAsrcisco x. a siiva A c*.
* mi principes PtermtcUs la SraadL
A^aAAAAAAAaA'JAA'aa
.T-T.^ ~ "???


11' '
. .''"^


2
6
Diario ce Pcruaiutouc-Tcrta-lcira 1 de Marco de 1887
I
I

Tricofero de Barry
Garntese que fas nas-
eer ecrescer o cabelloanda
aos mua calvos, cura a
tintn e & caspa e remove
todas as impurezas do cas-
00 da cabera. Positiva-
manta impede o cabello '
da cahir ou de tmbranquo-'
oer, e infallrrelmeate o
torna espeeso, macio, lus-
troso e abundante.
Aluga-se barato
&at> dos Guararapes n. 96.
Ra Visconde de Itapariea n. 49, annasem.
Ra Corredor do Bispo u. 18.
Becco Campello n. 1, Io andar.
Largo do Mercado n. 17, loja com ga.
Largo do Corpo Santo n. 13, 2." andar,
frata-se na ra do Coinmercio a. 5, 1* andar
icriptorio de Silva GuimarSes fe C.
Alugs
ja-se
o 2 andar do sobrado n. 35 4 traversa de S. Jos ;
o 1- e terreo do de n. 21 roa Vidal de Negrei-
ros; o 1 do de n. 25 ra velba de Santa Rita ;
o 1 do de n. 34 ra estreita co Rosario ; tedoe
limpoa : a tratar na ra do Hospicio n. 33.______
Aliia-se
a cata terrea com 8 qnartos e com peona d'agoa,
toda reedificada, sita a ra de Santa Bita n. 89 :
a tratar na iua de Domingos Jos Hartis nume-
pa O.
Aluga-se
urna casa com commodcs para grande familia e si-
' tb arborisado : na pwite de Uchoa n. 10._______
Aluga-se barato
as casas do becco da ra da Palma ns. 12, 14,
18 e 10 ; a tratar na ra do Vigario n. 31, pn-
meiro andar.
, meiro a
Precisa-ae de urna ama que saiba cosinbar e
lavar, para casa de pouca familia ; na ra da
Aurora n. 139.
Ama
Precisase de duas amas, urna para cosinbar e
outra para lavar e esgaamar ; na travessa dos
Pires n. 5 (Giriquity). __________________
Ama
Precisa-se de urna ama par* todo servico de
casa de pouca familia ; na ra da Palma n. 29.
Ama
/
Precisa-se de urr.a atoa de meia idade ; ua roa
da Aurora n. 137.
Ama
Precisa-se de urna ama para todo servico de-
urna pssoa : na ra Velha n. 95.______________
Ama
Precisa-se de urna boa cosinheira para casa de
pouca familia, prefiere se escrava; na ra do
Riachuello n. 13._____________________________
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de dua pes-
soas ; na ra de 8. Joao n. 55._________________
Ama
Precisa-se de urna de boa conducta para todo, o
servico de casa de pequea familia: 4 ra da ma-
triz da Boa-Vista n. 3.
AMA
Precisa-se de urna amapara
lavar, eogommar e Eaze rmaia
alguna servico de easa de fa-
milia : menos comprar e cozi-
nliar : na ra do Hiachuelo n.
13. Peve darinir es rasa.
Ama
Precisa-se de urna ama para eos i n ha ; na raa do
Dr. Joaqnim Nabuco n. 3.______________________
Ama
Precisa-se de urna boa cosioheir, para casa de
peqnena familia ; a tratar no Cae* da Companbia
n. 2. Prefere-Be escrava e deve dormir em casa.
Ama
Precisa se de urna para casa de familia, 4 ra
do Cabug n. 3, 3" andar.____________________
Ama
Precisa-se de urna ama que cosate e engomme ;
na ra do Rangel n. 44, 2- andar.
\lllii

M I '' "
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a forn na
original usada pelo inventor eru
1829. E' o unioo perfume no raun-
do que tem a appro vaco oficiad de
ura Govemo. Tem duas vezes
:uais fragrancia que- qnalquer outm
t'lumodobrodotempo. E'muito
luais rica, suave u deliciosa. E'
milito ruaia fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel no
lenco. t' son Tacas mais refres-
cante no banio e o auarto do
doente. E' especifico contra a
frouxidio e debihdade. Guia as
dores de cabeca, os cansacos e os
desmaios.
lampe ie Tila ie Beiter No. I
*jrns db s-o. cpois de csal-o.
Cura positiva e radical de todas as formas de
scrofulas, Syphiiis, Feridas Escrofulosas,
AffeccSee, Cutneas e aa do Conro Cabel-
ludo com perda do Cabello, e de todas aa do-
encas do Sangue^Figado, e Bina. Garantes
que purifica, enriquece e vitalisa o Sanguc
restaura a re&ova o svstema inteiro. <
Sabao GniatiTO de Renter
Para o Banho, Toilette, enan-
cas e para a cura das moles-
fias da pella de todas as especias .
a ana todos os periodos. /
Deposito em Pernambuco casa de
Francisco Manori da Silva & C.
Profssora
*" Ua*, aanora coispeteatensente habilitada, pro-
r.e- ae a leccionar em cellegio e casa* particula-
res, aa secuint s materias : portngurz. francs,
rr usica e piano; a tratar na raa do Mrquez do
Serval n. 10.
300:0U0$>
Lotera de Alagoas
ExtraccaaTerea-felra
de Fevcrefro
Intransferivel
. B:,hetes venda na casa feliz, Praga
da In l"-ndoDeia ns. 37 e 39.
PHOSPHATOde FERRO
de
Pharmaoeutico, Doutor am Sciencias, Inspector da Aoadaaua
Approrad pcU Jauta de Higiene do Rie-da-JaMir*
Esta sohieao, que f de 1884), clara, lmpida, anloga a urna agua mineral ferruginosa
concentrada, o nico dos ferruginosos, que, assemelhando-se
composicao dos glbulos do sangue, tem a grande vantagem de obrar como
reparador e reconstituinte dos ossos e do sangue. Sem fatigar
jamis o estomago, sem enegrecer os dentes, sempre de grande van-
tagem para combater as dores de estomago, as cores paludas, a
anemia, a pobresado sangue, a leucorrha, a irregularidade
da menstruacSo e outras indisposi^oes a que estao sujeitas as senhoras,
as mocas na idade da puberdade e j creancas debis, anmicas e
sem appetite. .
Deposito em Paria, 8, raa TI 1 acuna a as princlpaes Pharmaolas e Drogaras.
I
Chapetona Victoria
4 praca da IndependeDcia ns. 36 a 40 lera e vende
Chapelinas francezas, finas e modernas
paia senhoras, pelo diminuto preco de
18$000 urna!!!
Precisarse de urna ama para engommar e ensa-
boar ; a tratar na ra das Cruaes a. 18, primeiro
andar. Dvo dormir em casa e prefre-se escrava-
Ama
Precisa-se de urna ama pera cusiabar ; a tratar
na ra das Cruaes n. 18, 2- audar. Deve dormir
em casa eprefere-se escrava.
Ama e criado
Precisa-se do u-ra anta de mjia idade para cui-
dar do menino, e de un criado : na Capung, ra
!de Dr. Nabuco n. 1G, casa de asulejo amarello.
m. Engommadcira
Precisa- ae de urna que engomme com perfeicio
ra do Mrquez do Hirval n. 10.____________
Sitio no
Arrenda-so animalmente am "om sitio cem bas-
tantes commodoo para grande familia, boa agua,
com arvon s fructferas e jardiui, c com sabida
para o rio, por pri-;s muito raaoaTel ; a tratar na
roa do Li vrauvnto a- 24.
Jalroph
_ oeira
Esse tb- canil nto de urna eficacia recoohecida
no beriberi e outras mclrsiias ero que predomina a
bydropesia, acha-se aodifictdo em sua nrppara-
eao, rracas a urna nova formula de um diitiDCto
medicu desta cidade, sendo qce eorneute o abaixo
assignado esi habilitado para prpparal-o de modo
a melhorar loe o posto e cheiro, 8*m todava alte
rar-!he ad proprirriad-s medicamentosas, qae se
conservan! etn a ui?m rictividadp, se nio maior
em vista do moda por quu elle tolerado pelo
eattmaga.
tnico 'lepoNilo
Na pharmacia Conc-ivj, A ra do Marqaei de
Olinda n. til.
Beicrra de Mello
KANANGAdoJAPAO
RIGAUD y C, Perfumistas
PARS 8, Roa Vivienne, 8, PARS
(A (AgU& de {Knng, a locio a mais refrige-j
rante, a que mais vigor d i pelle, e que mais branquea a|
cutis, perfumando-a delicatamente. G
(EKtrdO de (Kllng, suavissimo a aristocrtico,
perfume para o lenco.
QlSO de (Knllg, thesouro dos cabellos que abril-
hanta, faz crescer e impede de Cair.
SbOnte de (Kananga, o mais agradare! e macio,
conserva cutis sua nacarada transparencia.
I~S de (^liailg'fl, branqueaoatezdando-lheelagante
cor mite e a preservao da sardaa-
Depsito na$ principes Perfuman*
Em oaaa da todos os Perhuaistas e Cabelleireiros
da Franca e do Extrangeirc

PRBPABADO COM BSMCTHO
CH. "FA75T* Perfumista
PABIS, S, Eua de la. Paiac:, 3, PABISy
4os 1.000:000^000
200:000*000
100:0001000
mm\ LOTERA
DE 3 SORTEE
Em favor dos ingenuos da Colonia OrphanologicaUsabe!
DA
PROVINCIA. DE PERNAMBUCO
mm a u De Mi He 1887
0 thesoureiro Francisco Goncalves Torrcs
FNDICA!
ALLAN PATERSON &
N.44--R t do Brum--N. 44
JUNTO A E^ fifiAO DOS BOJiDS
Tem para vender, por prer mdicos, aa seguintes ferragons:
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
. CrivaoSes de drversoctamanhos.
Rodas de espora, dem, dem
Ditas angulares, dem, dem.
Bancos de ferro com serra circular
Gradeamento para iardim.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de Irados iuwpJom
Portasn fornalha.
Vapores de brea de 3, 4, 5, *> e 8 avalloi
Uaeadaa de 10 a 40 pafiagadas 4e paniiur
Ksdaa d'agua. syateaM!^andr.
t EctHiTegain-KK rlr (ion rertus. HMSoctampnto * **#*
trabaio i*ui pect'^ici" f preste*.



-

qoai
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
As Pilulas purlflcao o Sangue, corrigen? todas as desordems de Estomago b \
dos tntaetinos. i
Fortaleccm a ande das conatitafoes delicadas, e sao d'um valor incrivel para todas as enfermidades 1
pecaliareB ao sexo feroinino em todas as edades. Para es meninos asean como tambera paia aa |
pessoas de idade avancada a sua eficacia e incontestaveL
Cosinheira
2O#C0O
Paga-te 204000 por mea a orna perfV-ita osi-
nheira, para casa de pequea familix, preirnndo-
se de meia i Jade e que ej de, boa mora!, raa
do Pajamnd n. 19, passaado a poute do Chorm-
menino : qnaai nilo stiver em condieocs etcnsado
c apreaeotar-sf.
Adveigado
UominiCN F. d Soma Leo
Das 10 horas da manhS a 4 da tarde, raa
do Imperador n. 16,1* aadar.
HRflti
^aixeiro
Precisa-ae de um pequeo eom pratica de mo-
Ihados ; na roa da Florentina n. 32.
Tintar i iai
PABATINGIEA
barba e os cabellos
_ ata tintara tingu a barba e o caballos ns-
tantlica mente, dando-Ibes um* bonita cor
e naturai, inofensivo o aeu uso simples e
"''v'ende-ee na BOTICA FRANCEZA E BRO-
OARIA de Rouqupyrol Fre-es, aneceacorea de A
CAORS, raa do Bom-Jesus (antiga da Croa
n. 22.
Sitio
Alnga-at ni sitio com cas*, e outra boa easa,
ao Aternubo do Oiqui ; a tratar na ru d2.In>
aerador a. 60, leiaeiui andar.
Precisa-te de perteitas costureirae ; na ra da
Aurora n. 39, andar.
Anqninlias
Pelo diminuto preco tic 500, para senhoras 9
meninas.
(Jomp eto sortiineoto de faztnds e roupfc- tei-
taa,' pur presta (M>ratiotiuot : na ruu Dnque df
Casias n Si
__________MKjHDONQA & C.__________
Jovo i*orto d<> Daryo
Ra Joao flaca, avisa nos s>-us fr-guezes que j* se
acba aberto o su estabi-l.-cimento de carviio, e con-
tina a offre.-er as mptrnan vuutugens j bem co-
nkecidaa do r.ihlico.e pvt'> brnfo preco de 640 ris
a barrica; tambem lev no co .h- cimento de todos
qoe tem carne verde de 1 quflidade, portante oa
tregete prderao lser os eeus pedidor, que serSo
muito bem servido, n ului diato nx> fganlo
fretea.
Becife, 20 de ^everai-n He 1887.
Joao T Finta Lima
< I
/ i *
Para cosinliar
fc-ftsa-sc de urna
ama para eosih r,
mas quecos.nhc bem;
no 3. andar do predio
n. 42 da ra Duque de
Caxias. por eima da ty-
pographia do Diario.
)
Sssjti medicinas sXo preparadas smente no Estabeleciment do Profesor Holloway,
78, NEW OXFORD STREET (antes 533, Oxford Street), LONDRES,
G vendemsc em todas as pharmacias do universo.
' Os compradores s&o convidados respeiiosamente a examinar m rotlos de cada caa a Pos se nao toan a
direccao, 533, Oxford Street, ato falsificas.

i
mJ m& j^^) m' m. M. mhl a
JOSEPH KRAUSE : C. m
\cabam de augmentar o sea j bem conheeid
oiporiante estabelecimenio na Io
de mai'i'o n. 6 com mais
am saliw m i? dar Inxnosamcnte prepa-
rado e prnido de na expesi-
ffa tim dfspraia t% forte eetatrof!^
dos mais alamados a^HcaMes do
{nimio inteiro.
nonvlda, pois, as Exmas. faoiiiias, sens nume-
rosos amifffts e freMcaes a visitaren
o seu estebelccimente, aflm de
apredarem a graideza hM gosto osn qtt
uuo asanle a grande
tlespeza, o adornara, em honra
desta provincia.
. tVM BEfifO DAS 1 A'S BA H!S
m
i
I
m
f
tsto
GRAGEAS
FORTN
INJECCAO!
da ConaWsa, Cuinoa ft.1 H "/O'^n/ca e l'reservatftra
natuhtm eFerro, Bismutho^ ^fc.^ W m ? a. sem cansar
l/catrtto, Traoant/j/na, ** WLwKKtMKBkmkmWBMtwm accMeifie algiui.
A GRAQEAI M5P*" :oj*o as primeiraa qua obtiveram a approvacflo da Academia
de meimma (1880) .. ptarasa-M imm Hospitavaa. Curan aa molestias secretas,
mais rebelde/ & atigar o estmagos maia delicados.
A INJECQAo FORTN atanyre recomroandada como o complemento da medicacio.
ata raiMHiH i IHI K. da SILVA *<9S aat |
>W>M*a#*l
GPPRESSAO
TOS
UTiUIa-tErini
Asplrft-aeaf!
a expectoracao e
ASTHMA
NEVRJL&iAB
Jalo CltBOS ESrli,
aue penetra no pello acalma o symptoma nerroao, facilita
u funecoea doa orgaOs respiratorios.
4* J EIPIC, l, iiu S>-Uiare, em Pars
Dermtarv* em Xtn*m,*mi; jBMAt EMULSO
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fiffado de bacalho
COM
flypopbosphitos de cal e soda
4pprova gleae e aatorisada pelo
goTcrao
E' o melhor reoordio at hoje descoberto para a
tlalca broncbttea. caoropiiusa. ra-
cbttia. anemia, i ebtlltlado m eral.
deniio*, totttie rhroniru e nfT.-oc'
j<> pello e ua garganta.
E' muito superior ao oleo simples de ligado de
oacalbo. porque, alm d ter cheiro e sabor agr-
(lavis, posgoe todas as virtudes medicinaes e nu-
tritivas do oleo, alm das propriedadea tnicas
reconstituintes dos bypopbospbitos. A' venda nat
f rogaras e boticsa.
Deposito em Pernambnco
Preciaa-se de urna boa engommadeira e que
ensaboe tambem, para casa de pequea familia :
a tratar no Caes da Companbia n. 2. Prefirese
escrava e deve dormir em casa.
triada
Precisa se de um criada para o servico domes-
tico de casa de familia ; na ra do Mrquez do
Herval n. 10.
Aluga-se o importante sitio n. 36 ra do
Bemfica, na Passagem da Magdalena, caiado e
pintado de novo, com accommodacoea para grande
familia, tendo agna e gaz encanada ; traU-se na
ra Duque de Caxias n. 90, loja de fazendas.
Pinito tfe Riga
MATHUE3 ASTIN & C, receberam ultins-
mouto um completo sortimeeto desta madeira,
como sejam : praachoes e tabeas para aasoalbo,
da melhor qnalidade e de diversas dimenses, e
que vendern por precos commodos, 6 reducidos,
couonne oa lotos ; no armazem do caes do Apollo
o. 51, ou ra do Commcrcio n. 18, 1 andar,
Pastillas vcrmifiigas
de Pering
o meiboT especifico cuntra vermi'8 : deposito cen-
tral esa cata de Paria Sobrinho 6c C. na do Mar-
que* de Olinda n. 41.
Casas
Calad aa f pintadas
aJoga-aa a de n. 57 roa dos Guararapes, tem
corredor independente, 2 salas, 4 quartos, sotao
corrido, ciainba frx, quintal, cacimba, banbeim,
e preco eonrmudo.
MEfA-AOlM
Aluga-se a da travesea do Corpo Santo n 17,
por preco oommodo ; a tratar com Siqueira Fer-
raa 6c C, roa do Amorim n. 66.
Pechincha
Mantcig dinarr.arquera a 700 rs. a lata de
urna libra ; vende-se na casa de Antonio Duarte
roa da TJmio n. &4, Arthur Macees ra da
Aurora n. 85, Paulo Ribeiro 4 C. ra da Roda
n. 48, de priineira qwtlidade.
Pillas porgmivas e depurativas
de Campanha
Estas, pitaes, cuja j,repariieo puramente ve
etal, taa sido por mais do 20 annos aproreitadat
com os melbores resultados as seguintes moles-
tias : HtTeccSes da ,.elle e do figado, sypbilis, bou
Det, escrofliias, chagua inveteradas, erisipelas c
^ouorrhaa.
Modo de uaal-aa
Como purgativa: tome-se de 3 a 6 por dia, be-
sendo-Be apos cada dse um pouco d'agua aooca-
ia, cha ou caldo.
Cont reguladoras : tome-s um pilul.i aojantat
Estas pilulas, de invencjio dos pharmaceuticot
Almeida Andrade it Filhos, teem veridictum do
rs. mdicos para sua melhor garanta, tornanoV-
je mais rvcomineurliiv i, por sert'in um soguiv
purgativo e de pouca dieta, pelo que poden, ser
isadas em visgem.
ACHAM-SE t VENDA
ia dragarla de Paria Sobrinbo d>
H BCA DO MRQUEZ DE OLINDA 4)
Cozinheiro
Precisa-se de um cosiobeiro que saiba desem-
penbar a arte culinaria ; na ra larga do Rosa-
rio n. o.

.4*.
Criado
Precisa tn de i>in criado ; na ru da Aurora
numero 109.
Pre i\;i-se de duas amas, para casa de
familia e que sejam peritas : tratar na
ra do Visconde de Goyanna, sitio junto
ao Dr. Teixeira.

XARGPE
) !>:: HYPOPHOSPHITO DE CAL |
i Smpregados com tanto axi:o j)Ara cunr ai
.pLMiisica c as molestia. tuljerculosas.J
,'vendem*o -.nicamcnte cid frasco.i jucara-
oo com o nomo do doutoi Chlrcijix aobie
* lfv ,,
3ob a iBuoricia dos fiypopr'Opnttos a
Uosse diminuo, o appetite augmenta, a;
'as tornSc a Wr, 03 suores nocturnos
}
__rtuiiino iitj\,bvt. n^*-l COSSJIO,
e o doonTe goza de um bem estar desusado.
Ou mzopbotphitois que letSo a m.rcat
i8 'zanca dapnarmacu SWAIIX,}
12, 'ru Cr.>tghone. P*rlz, So o ti?it-i
ci rpronhi'riiina e recojor.ii. D' CHP.^HILL auo- da rf'coherfa
i *uti: prcpeddes curativa
l Precf. : 4 francos por frasco era T.ya.
Ouiilmii 'w j^-wwi P'icni.icjat. |
l>6?
a>S
a
Si.
r-r>
as
aasaa
as
b
PASTILHAS
De AMGELIM & MENTRUZ
9i

O Remedio tnas cff/ciz e
Segure que te terh descoberto ate
hoja ore eme'Jir ycnr brlgea.
RODRIAYOL

s^sb a^sb^sbam^s^sb>mam ft^sV a^aaba ^km\m\
Cosinheira
Precisa-se de urna cosiuheira para casa de fa-
milia : na raa do Aragp n 14._________________
Cha prcto superior
Receben o Carlos Linden nova remesa do cb
preto superior, e avisn mus seus freeuezes que
v na ra do Barao da Victoria n. 43, para se
snpprir,
H.ia Fanal de lemot Xo*ae*.
Joo Angosto Ferr.ir de Novaes, Edelgices
Theodomira Fencir de Novaes, Maria Clara de
Lemos S, Carmel) Frank da Costa e Sil e Fran-
cisco Xavier da Costa S, es pos, filhas e sa-
brinhos, agradecem cirdialmeate A todas s pes-
soas que se digniran) acompanbar os restos mor-
taes de saa presadiaeima capas, mi c ti, Rita
Fausta de Lemos Kovats ; e de novo convidara a
todos os purenres da fallecida a assistirem as
missas do stimo di que msodarn celebrar pete
eterno repouso de sua alma, ter Maico, s 7 horas da manba, na iz'"'y, do Terco,
por cojo acto de caridade e reig... w cinfessam
desde ji eternamente gratos.
Jos Hemeierto de Cairo Imaral
2osa Anglica de Castro Amaral. suas irmas.
conbado e sobrinbos, convidam a todos as seos
rentes e amigos para assistirem a miesa que
mandara reaar no dia 1- <* Marco, s 7 horas
da roanb na matrir da Boa-Vista, pelo deBC.a?_
00 eterno do seu sempre pranteado filbo, sobnnbc
e primo Jos Hemeterio de Castro Amaral, 2- an-
iversario do ten pasamento.


I

;\

*

;
!


V
I

>
si *
a


v
i
Mario de Pfernambnco-- Tcrfa-lcra 1 de Mareo de 1X87
Reiliii'cao absoluta de preco
Alpais de c8rc>, lisas, de prego de 600 ris o cavado, por 280 o dito.
Ditas aeoleboadas, de 800 rs.. por 440.
Etamioes de 15, tccido rendado, do 1,5800 o covado, per 600 rs.
Ditos do algodSo, de muito bom gosto, a 500 rs. o dito.
Creps de cores, de preco de 800 rs., por 360 o dito.
edrado.
Coutelines de corpa, tecido diagonal, de preco de 800 rs., por 360 o dito.
Panams de coTcs, tejido acolchoado, de preco de 1j520O o metro, por 440 o
Setnetss de cores, lindos padrees, de 320, 400 o 440 o covado.
phir, de qnadrinhos, a 180 e 240 rs. o covado.
Batiatcs de c5res, a 140, 160 e 280 rs. o dito.
Brigantinas de c6res, de preco de 700 rs. o covado, por 320 rs. o dito.
Merino preto, com duas larguras, a 800 rs o covado.
Atoalhado de lioho, I*vrado, a 15300 o metro.
Dito da Costa, de quadros, a 13500 o covado.
Dito da Costa, de listras, a l^-'OO o dito.
Brin9 de c6res, para cale;, a 260 o dito.
Dito pardo, H30, a 320 rs. o dito.
EsguiSfo, pardo, do linho, para vestuarios de enancas, a 400 rs. o covado.
Cambraia branca, bordad, a 5)J500 a peca.
Toalhas felpudas para rosto, de preco de 7,5000 por 50000 a duzia.
Ditas menores, 35600 a duzia.
Ditas grandes para banhos, a 105DO urna.
CnlcnSes para cama, a 5(5000 uin.
Cortes de casemira de cores para calcas, a 3000 um.
Guarda-p de linho, para senbora, a 10,5000 uro.
Dito de dito, para horaem, a 5,5000, 66000 e 8,5000 um.
Bramante de algodSo, liso, com 4 larguras, a 10000 o metro.
Dito d.> dito, trancado, a 1$100 o dito.
Bri-ii braneo de linho, qualidade superior, n. 6, a 2U00 o covado.
Cascrniras de cores, para costumes, de prego de 3,5000 o covado, por 10800
Costumes d banho de mar, para senhora, a 100000 um.
Ditos Ditos de dito, para meninos, a 50000.
Hapatos de banhos, para homens e seol.oras, de differentes precos.
Magnificas mallas americanas, para viagem, de 150. 200 e 250000 urna.
Saceos de lona p^ra roupa suja, de differentes tamanhos, por barato prefo.
Colchas brancas, de algodSo, a 10900 urna.
Completo sortimento de lindos cortes de casemira para calcas, casemira de
cures para costumes, panno, brins do cores e muitos outros artigos que serio lembrados
presenta d'aquelles que dos honrar com suas visitas.
Na antiga e acreditada loja de fazendas
DE
AMARAL & C.
(Junto do Louvre)
dito.
INJCQO DE GRIMAULT C
Preparad* oom as folhas do Matico
Approvada pela Jauta fEfgiene io Rio-de-Jaaeln.
Esta injecc&o preparada con as olhas do Matico do Per para a cura
da blennorrbagia, adquiri em pouco tempo urna reputacao universal por
ser a nica innocente, contendo apenas vestigios de ses adstnngentes, que
se encontrSo em outras em grande quantidade. Em poucos das ella acal
com os corrimentos mais dolorosos e mais rebeldes.
Deposito em Pars, 8, Ru Vivienne, 8
C*da frasco leva a marca de fabrica, i firma e o mello dajiost cas*.
Engommadeira
Precisa-se de nma boa eng'niraadeira, que en-
saboc tannVm, para cana de pouca familia, prere-
re-se eserava ; na ra do Ri-chuello n. 13.
Solicitador
Jos Ferreira de Panlu, provi-ionado pelo Tri-
bunal d* Relacio de Pemaiubuco, offerece-re a
Saem pr.cisar de tnbalhos inherentes ana pro-
ssao na cidade de Pesqueira da comarca de Cim
ores, or.de toi sua reBid ncia, e tamben: trabalha
as comroHS do Brejo da Madre de Dens, Carua-
r, 8. Beut i e Escada.______________________
Aviso
O bach;irl Eduardo Alfredo de Oliveira tem
aberto s> n ecriptorio de advogado k ra 1" do
Marco n. 4. "ude tamoem pode ser procurado para
leccionar .i ingles, francez e alleroc, pratica e
theorica i unte, nos collegios a casas de fami8.
__ Vende-se muito barato urna grande balanza
romana, propna para pesar gneros volumosos
at2,5(J0 kilos; assim tambera dous guiiehog pro
prioi para carene* e construrcS" de obra* ; a tra-
tar un roa !" Brum n. 67, frrafni de Manuel Pe-
reira di; Cosa.
ALOJA
Das listras azues
_ ra naque de Caxla* n. 61
TELEPHO.NEN. 211
Acaba de receber um lindo sortimento de fa-
zendas pretas para a qaaresma e um bonito sorti-
mento de tatendas de cores, gostos novo, s
uaes vende por menos qne em outra (aja. As
xmas. senboras que des.jsrm comprar taz.-ndas
lindas e mais baratas devem mandar ver primei-
ro na loja das Listras Aiqes as amostras e lista
dos precos de todas as fazendas par, certifica-
rei-se de que nao encentra faaendas tao Soas e
;io baratas.
Celluloid
Collarinhos e punhos
Para homens e senhoras e especwes
para viajantes.
Freqaentadores d theatros e bailes, sao os col-
larinhos qne nao se molbam com o suor, nao se
sujam com poeira e dora sempre impos paru usar
de 4 a 6 mezes.
Deposito da Ceuloide Novelty (S O.
de New-Yirk
Loja das Listras kmn
Ra Duque de Casias n. 61
TELEPHOSE 211
Allencao
Admlnlitricio-.PARU, $, loultrard Hontmrtn.
OAin>E-0RILLE.AlfC7elrmj>h*cas.doer..
5 dai ras d i gestiTa, Aslrncries Jdfl^ado e do tarO
otatraccoet >ictraef, oooero?J calculosas da bil.
HOPITAt.. Aflscc8edi viasdiiStiTMlncooiaio-
dt do enomafo, digertio diBcil, i.-ippsuorii,
fastTlgia! djipepna.
CfcLESTINS -ASecf los rM, ni.
eoncwcedas oorinas. jou-. JiabelCMl-^.ouru.
AOTUU VE.ABsc'eSo dos rio. ^ t****
eoaercda.oarln.isf'. 'iabst>, j!:.t nmnria.
EKIJA.-SE 0 WE 81 F'hTE 113 BOU
Pechinchas para acabar!
59 Boa DoattB ilB Calas 59
Nansocs cores firmes a 160 e 180 res o cova-
do. ; ..
Cretones claros e escaros a 240 ris o dito..
Fustoes com palminhas de cores a 240 ris o
to. .
dildem braneo finos a 320 e 400 ris o dito.
Popelinas com listras de sed* a 300 ris o
dito.
dem branca para Eimas. noivas a 500 ris o
dito.
8etinetas brancas bordadas a 5U0 ris o dito.
Sctins de cores, braneo, e preto Macj a 800 e
15 o dito.
Combraia de forro preta a 1 200 peca.
Esguies de linho de 10 jardas a 45 e 4S500 a
dita.
Madapolao pelle de ovo de 20 ditos a 6^500 a
dita.
Algodoes superiores a 33500 e 4 a dita.
Brim de cores, lindos padroes a 400 e 600 ris
o covado,
dem pardo superior a 360 e 400 ris o dito.
Angolas finas, coreg firmes a 560 ris o dito.
Cambrah branca bordada a 55500 a peca.
dem Victoria fina a 3*200 a dita.
Bramamos de algjdao superiores a 900, 15200
e 15500 o metr(.
dem de liabo puro, do melhor, a 25 o dito.
Lences de dito para esma de casal a 15800
nm.
CoIcIihs de ganga idem a 35 nma.
dem dem para sellei-os a 25500 urna-
Colchoes francezes, grandes, a 155 utn.
Ceroulas de superior bramante a 125 e 165 a
duz...
Meias ingleza, cruas, a 25800 e 35500 a dita.
Lencos brancos e de cores a 25 a dita.
Meias rara enancas a 25500 a dita.
Guardanapos bordados de linho a 25400 a dita
Camisas franeezas superiores a 36 a dita.
Cortes de meia casemira a 15800 e 2.5-
Idem de casemira superiores a 35000, 45500 e
65000.
Para a quaresma
Merinos preto, sortimento sem competencia,
precos de 15000, 15200,15500, 25000 e 25500 o
covado.
Grs de aples, verdadeiro de Lion, a 25500
e 25800 o covado.
Cachemiras preta com salpicos a 25000 o co-
vado.
Veradilbo lisos c bordados a 15000 a 15200 o
dito.
Mirtilhas brasildra a fii orna.
Fil de sede bordada a 25800 o metro.
Ficl.ue, idem, grandes a 75 um.
Cheviots superiores a 25500 e 35000 o cova-
do.
Csscmiras, pannos, Sedaos, merinos e todos os
artigos para o uso domestico >e encontra na acre-
; ditada casa de
Ca neiro da Cunta & G.
Vendas em grosso fiamos
deseontos /
9 Ra Duque de Cajtlas 39
Vende-se ou permutase urna casa terrea sita
na travesa do Falclo n. 12, com 2 salas, 3 quar->
tos, cosinba lora, grande quintal e cacimba, por-
tao dando sabida para a ra dos Usaos ; a tratar
na mesma com a proprietaiia, e esta fara todo
negocio por j ter o d-spacho do juiz, at para
botal a em leilo. podendo apresentar os docu-
mentos aos permutadores, desejaudo tambem urna
por troca, anda que eeja pequea, porm que es-
teja nova e bem construida.__________^^^___
A RevoluQo!
Resolvreu vender os seguintes artigos com
50 o/e de meaos do que em outra qual-
quer parte.
Guarnicoes de velludlho bordado a vidri'ho para
vestidos, a 75000 urna.
Tfets de cores a 300 ris o covado
Cachemira bordada a 15500 o covado.
Ditas pretas a 15000, 15200, 15400, 15600 e
15800 o covado.
Ditas de cores a de 900 ris e 15200 o dito.
Las mescladas. a 600 ris o dito.
Ditas com listriohas a 560 ris o dito.
Ditas com bclinbas a 600 ris o dito.
Ditas de quadrnhos a 400 ris o dito.
Lindas alpacas a 360 ris o dito.
Gorgurinas a 320 ris o dito.
Setim damass a 320 ris o dito.
Dito Macio a 809 ris i 15200 o dito.
Damase de seda a 15300 o dito.
Grsdenaples preto a 15800 e 25000 o dito.
Gaze com bolinhas a 800 ris o dita.
Fustao braneo a 400, 480, 560 e 800 ris o dito.
Velludilhos lisos e lavrados a 15000 e 15200 o
aovado.
Dito bordado a retroz a 25000 o dito.
Cambraia com salpicos a 65000 a peca.
Camisas para senhora a 305000 a duzia.
Ditas de meia pgra homem a 800 ris, 15000,
15200 e 15500 urna.
Fichs de la a 25, 35000, 45000 e 55000 um.
Hitos prateados a 25000 um.
Ditos de retroza 15000 um.
Linhos (seosezes a 200 e 240 ris o covado.
Collarinhos e punhos para senhora a 25000 um.
Ditos de cor, idem idem a 15000 um.
Cortes de casimra finos de 35 a 55000 nm-
Ditxs de la e seda para collete a 65000 um.
DitoB de cachemira de cor para vestido por 205
um.
Cachemira de c6r de 65 por 35000 o co/ado.
Damasco de cor a 700 ris o covade.
Punco da Costa a 15400 o dito.
Cortinados bordados a 65000 e 75080 o par.
Colchas bordadas a 55, 65, e 75000 urna.
Cretones finos a 320, 360 e 400 res o covado.
Chitas finas a 240, 280 e 300 ris o dite,
Zephiros finos a 500 ris o dito.
Setineta escoseeza a 440 ris o dito.
Ditas de qnadrinhos a 320 rs. o dito.
Chales de mirn a 15800 uto.
Diros estampados a 35000 e 45000 um.
Diios de cachemira a 25, 25800 e 45500 um.
Cobertores de 2 a 4550U e 65500 um.
EsguiSo pardo e amarello a 500 ris o covado.
Brim de linho de cor a 15200 a vara.
Dito prateado de linho a 1500C a dita.
Colchas de crochet a 85000 urna.
Aiquui'jaB a 15800 rs. urna.
LOTERA do ceara
400:000^000
LMRASFEIIVEL!
Corre quarta-feira 2 de Marco
Un vigsimo (Tesla importante lotera est habilitado a tirar
20:0O0$0O0
0 4B
Ilcnriqae da Silva Horeira
Carro de passeio
Vende se um em bom estado ; na Magdalena,
sitio do commendador Barroca. ______^___
Viveiro para passaros
e bonitos viveiros po
da venda ter o
don acabado com os passaros que possnia ; a ver
e tratar na ra do Imperado! o. 22. _____
Vende-so dous giaodes
pieco coDimodo, sendo o motivo
WHISKY
SOYAL BLEND marca V1ADO
Este ezcellente Whisky Escesse preferir
*u cognac ou aguarden.*; de canna, para fortifica!
1 corpo.
Vende-se a retalho non & lheres armasen*
nolhados.
Pede ROY AL BLEND marca VTADO cajo ncr
me e emblema sao registrados para todo o Brasil
BBOWNS & C, agentes____________
Importante sitio
Vende-se um grande sitio a margem da Estrada
Nova do Caxanga, freguezia de Afogadoe ; tendo o
mesmo urna casa grande de tijollo e cal, cacimba
com exeellente agua potavel, diversos ps de eo-
queiro, dando fructos e outras aivores as mesmas
condijoes, o qual se acha cellocado muito prximo
a estaco do Zumby (1* seceo da estrada de ferro
da Varzea). Trata-se na casa n. 20 da ra de
Santa Thereza desta cidade.
Liquidado por 6 das
NO BEM ACREDITADO ESTABELE-
CIMENTO DAS ESTRELLAS
1 m Dnp lie Caxias 156
Mudapolao
peca
Ba-Vista verdadeiro a 65500 a
LOTERA de alagoas
3OO:O0O$OOO
Esta acreditada lotera corre segunda-feira, 1 de Margo

.
'
i
INTRrVNSFllUVEl,
600:000$000
Esta seductora loieria corre egoeda-leira 28 de Fevereiro de 1887
Um vigsimo habilita a tirar 30:000|000
Os hillietes dcstas acreditadas loteras acham-se venda nr
RODA DA FORTUNA
36--Rua Larga do Rosario36
x
i

Sernardino Lopes Alheiro,


200:000^000
i HmumDuzo, u Ag 6:>
MOLME itC'-i'.CliLIN. 35, ru Taverna
Vende Ee a taveraa Sa ra de Febandes Vieira
n, 46, com poucos fundos e pr-pria para piinci-
diante. Na mesma offerece commodps para pe-
quea familia.
Cabriolis
Vende se deus cabriolis, eepdo nm descobert.
1'e] ouiro coberto, em perfeito estado, para um ou
doos cavalloi; i tratar ra Duque de Caiim
o. 47.
Algodo maica T nunca visto a 65000.
Cretone americano, qualidade especial a 240 rs.
o covado.
Zephir lisos a ICO rs.
Caiemira de algodao lindos desenhos a 240 rs.
o covado.
Sedas do JapSo a 200 rs.
Setins sottominos com listra a 320 rs. o eovado
(novidade).
Panno preto ingles a 25000 o covado.
AlgodSo com duas lasguras a 640 rs. o cor
vado.
Bramante de linho com 10 palmos a 25000 o
metro.
Leoccs de bramante a 25000 um.
Quaidanapos, bonitos desenhos, a 25000 a du-
zia.
Toalhas alcoxoadas a 25200 a duzia.
Espartilhos de linho ricamente enfeitados a
45000.
Meias inglezas para homem a 35500 a duzia.
Lencos de bretxnba a 15800 a duzia
Babeies para criase* a 15200 a dutia.
Plisss a 400 e 500 rs. o metro.
Leques assetinados a 15000 um.
Ditus a Joanita a 800 rs. um.
Cortes de fii6tao para collete a 15800 um.
Assim como muitos artigas croo s com a vista
poderlo avaliar a grande redcelo de precos, a
tambem eucontrarao a verdadeira estopa francesa,
especialmente para o bordado.___________
Bom \\ godo
Vende-se urna casa de molhados, propria para
principiante por ter poucos funHos : quem preten-
der dirija-se r.-nuavo da roa do L-na, em San-
to Amro das Satinas.
V ende- se
urna rede de pescar viveiro, bom estado, cora
18 bracas de comprimento e 4 de largura ; a tra-
tar na ra de Fernandes Vieir a n. 68.
Taverna
Vende-se a taverna bem laca'isads, sita ra
do Vis.ronde de I tapanca n. 13 (Recife), muito
afreguezada e propna para quali uer principiante,
isto em razio do seu proprietario querer retirar-
se para fra da provincia ; a trntar na mesma
casa-__________________________________________
Engeoho veniis
Vende-se o engenh i Mnrici, cot safra sem
ella, situado na tregu zia da Escads, distaute da
respectiva estaqlo um quarto de legos, podende
dar si-is caminbos por da, moente e correntej
tem duas casas grandes e 2 pequeas para mora-
da, e outra para tnrinh* com Suas perteocas, tam-
bem se faz permuta por predios nesta praca ; a
tratar na ra do Imperador n. 61, 2- andar.
EXTR4CC0 DA H* PARTE DA 1" LOTERA
EM BI1FCI0 DA SAT CASA DE MISEBICORDIA
Ouinta-feira 24 de Fevereiro
AO meio da
Esta lotera, por algara tempo retirada da circulac;ao, devido a grande guerra que
lbe promoveram, eomu do domDio publico, vem novamente tornar o seu lugar de
urna das ventajosas loteras do Imperio.
O agente pede ao respeitavel publico a sua benvola attencSo para o plano das
LOTERAS DO GRAO-PARA', por extenso publicado noo jornaes e impresso no ver-
so dos respectivos bilhetes. O plano desta lotera o nico que em 50.000 nmeros
distribue
uasi a quarta parte!
3 premia todos os nmeros cujos dous al-
1.436 premios, ou q-------^
Ainda mais : esta a nica lotera que premia toda
garismos finaes forem iguaes aos dos
QUATRO PREMIOS MAIORES
A SABER
100(5 s duas letras finaes do premio de.
60jJ s duas letras finaes do premio de.
50)5 s duas letras finaes do premio de.
400 s duas letras finaes do premio de.
200:000^000
40:0005000
20:0005000
10:0005000
Tambem sao premiados todos os nmeros das centenas dos quatro primeiros
premios. .
Alm destes, tera esta lotera grande quantidade de outros premios de bastante
importancia. E' tambem esta a nica lotera que garante quem comprar 100 nme-
ros de terminacSes uifiVrentes 32 1/2 % independente dos premios avultados que
poseatn sabir na xtraccao.
TODOS OS PREMIOS SAO PAGOS SEI DESCOSTO
A's extrac$5es s5o feitas em edificio publico e sob mais severa fiscalisacSo por
parte das autoridades.
Os bilhetes acham-se venda na agencia e em todas as casas, em Santos, S3o
Paulo Campias, Rio Grande, Babia, Cear, Maranblo, Para, Amazonas e em Per-
nambuoo rua Nova n. 40 CASA DO OURO.-
0 agente no Eio de Janeiro
Augusto iz Roete Montero Callo
23P .'; firuguapa-23
VINHO e GRAGEAS douor VIVIEN
Extracto natural de Figado de Bacallao
PREMIADO COH MEDALHAS DE OURO E PRATA
5>ela Academia ITaciozxal
Ordenados nos Bospitaes de Franca, America, Inglaterra, Russia, etc., etc.
Administrar so- forma mi* iacile agrdavel todos os ^ementosOTrajosdooJea;evitai^
assim o cheiro sabor nauseosos .reste; alera .l'lsso esu preciosa preparacftoteni nma
suerlorldade Incontestavcl sobro o Oteo^pordue podei ser usadaurante osgrtodes^^ores
ero ouanVo o uso daqneU iuiaossivel, tal 6 o eminente servlco prestado pelo Soasar
vivlum i a espcrlengta.tem confirmado o.bom xito d'este producto.
llglr a firma do Inventor tf vivia em duas cores ao redor do garfcalo de cada
garrafa com o 8eUo oa nlaa dos .Fabrica!.
AVAB/S SO, Boifletmrd < Strmtbtmrg, .S PASMA,
wnunnri------------------- -~ -^^ "
A' Florida
Ra Duque de Caxias n loa
Chama-se a attencSo das Exmas. familias par-
os precos seguintes :
Lavas de seda preta a 10G0 o par.
CiBtos a 1/000.
Luvas de pellica por 2/500.
Luas de seda edr granada a 2/, 2/500 e 3/
o par.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs., n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albuus de 1/500, a/, 3/, at 8/.
Ramee de flores finas a 1/500.
Luvas de Escossia para menina, lisas e borda-
das, a800el/o par.
Porta-retrato a 500 rs., 1/, 1/500 e 2/.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. um.
Anquinhas de 1/560, 2/, 2/5C0 e 3/ nma.
Plisss de 2 a 3 ordens a 400, 500 e 600 rs.
Espartilbo Boa Figura a 4/500.
dem La Figarine a 5/000.
Pentes para coco com inscripcSo.
Babadores com pintara e insenpees a 200 ra
EnchovMCs para batizados a 8, 9, e 12/000
1 eaixa de papel e 100 envelopes por 800 ris
Capella e veus para noivas
Suspencorios americano* a 2/500
La para bordar a 2/600 a libra
MSo de pupel de cores a 200 ris
Estojos para crochet a .$000 rs.
Bico de cores 2, 3, e 4 dedos
de largara a 3/COO, 4/000 e 5/000 a peca
Para a qnaresia
Galio de vidrilbo metro 1/-
Franjas de vedrilho a 1/,
Lava* pretas de seda e Escocia.
Franjas e galoes finos a 2/500, "Se 4/ o metr
BARBOSA & SANTOS
.
I
r^rr-r
"Novidade!
A fabiica Vendme, recebeu directamen
te de Ha vana, Cigarrilhos de la Bella Ha-
banera, em bocetinhas com 10 ditos cada
urna; ebamamoa attencSo dos fumantes
apreciadores da fumaca, e recoramenda-
mos tambem as senhoritas: venham ver
para comprar.
39-Baro da Victoria3 9
Aos agricultores cena-
dores
Vende-se o engenho denominado Palmeirs, na
comarca de Beaerros, nos limites da do Bonito,
com terrenos proprios para o cultivo de canoas e
plantacao de caf, com mais de 500 ps i plan
tados e dando Fructo em abundancia, pelo que se
conhece a apropriacao para este cultivo, com utr.
grand.- cercado p" dente do cercado do engenho, o qual mede mil
bracas qnsdradas, pouco mais oa menos, com
prebendando quatro grandes acudes com verten-
tes permanentes, abundantes de peixes, Com casa
de vi venda, alem de outras para moradores, ac-
crescendo que ambos os cercados sao teilos de
Talados, tem matas para serventa do eogeahp-
Vende-se por preco mdico, e quem pretender di-
rija-se ao Recife, a rna Direita n. 106, oa ao Sr.
alferee Joiquim Chrisrovao Pessoa de Mello, etr.
Lage Grande, que eolher infbrmacoes.


* -
Vacca
Vende ge urna vaec nova, casteada, com ama
magnifica besen-a marina ; r roa do Dr. Joa-
quim Naboco n. 3, Capunga.
Oleo para machinas
Superior qualidade, a 6/400 a lata em cinco
galoes; vende-se na fabrica Apollo e de seu
depsitos.
J


grT'j---
Diario ^PcrnambacoTcrva-fcira 1 de Margo de 1887
SCIBNCIAS
A salnbrldade los cdlUcios e
; das cidades
Senbores.Sem duvida, tendea, s ve-
zes, visto, na parado do ama antiga casa
ou junto a algnma velha cacada, a inge-
nua iinagem de ama mo que mostra, cora
o index estendido, o lugar para ondo de-
veis dirigir-vos. Votei aempre grande
aympatbia a essa pequea pintura, antigo
costume de noaaa patria, v
fiel tradijio da
Esse mesrao aco-
rnis
o que implica que ellea deven proteger a
saude. Est, porem, averiguado qu, para -.
damnos das in- augmentara de popula jo os gruam ratos
mecnica do solo exige menos bracos
medida qu.' se deannvolvera aa machinas,
fugir aa soffrimento
tsraperies, p
e as i
garantir
r"*
benevolencia naciona
timento, acompanhado de
penaamento, me guia quando aqui venbo
tranBpor maia um patamar da longa escala
que o cnsino que profeaao ha raaia de 30
annoa. Quero, pois, deaenbar a pequea
mo com o index eatendido no cannnho
que tentarei fazer-vos percorrer durante o
anno. Em verdade, no obstante a cor
rente, nao obstante a moda, embora em
outros paizes nao predorainam oa meamoa
costumes, julgo no aeja iato motivo de
mudar de habito. Demais tenho hoje urna
razio particular para, diante vos, insistir
sobre o plano de nossos trabalhoa do anno:
o objecto que noa occupar aioda muito
novo, embora d'elle j tenha eu ligeira-
ment9 tratado duaa vezea n'e8te amphi-
theatro. E' grande sua importancia ; ella
impoe-se e8ta cadeira por sua actualidade:
nlo deveia nada ignorar disao e deade hoje
devo dizer vos a que ponto voa conduzo.
Esta cadeira denomina 8e de comtruc
cSes civ8; tem por dominio os conheci-
mentoa que permittem estebelecer aquellas
construcjSes: maa de facto nao seria ella
um cadeira, 8to um centro de educa-
cao intellectual, ai a enorme materia que
constitue sua riqueza nao foase meldica-
mente distribuida.
Occupa o primeiro lugar do ensino a
theoria do8 proceaso8 do constructor, a
qual comprehende duaa series de conheci-
mentos, porquanto eatudam-ae oa mate-
riaes e os orgios dos edifioioa : os mate-
riaes, esse conjuncto de materias que o
constructor distingue na natureza oa na
industria, porque so dotadas de propie-
dades constructivas ; os orgeios dos edifi-
ct'cs.-aa combinacoes materiaea que per-
mittem conatruir organiamos eataveis e du-
radouros. Tudo isto comprehende a techm-
ca do constructor.
A aegunda parte do curao e o desenvol-
vimento do titutlo da cadeira ; o esludo
immediato das construeces civis, cajo pa-
pel classifieado e a constituido definida;
cuja utilidade fixa e aaaignala o carcter ;
cuja distribuijio e figura, de onde a fof,-
ma, so determinadaa. Em roa .pafivra,
nesta parte estudam-se o? educios e sua
composigeb. A materia cUsta seganda par-
te do curso singularmente rica e cenado-
rada CDglobadamente, paama a varie-
dade de aspectoa que apresenta. Basta,
f para coroprebendel-o, penaar na diversi-
dade de servijos que a sociedade exige
das Con8trucj5es o na quantidade de edi
ficioa que reapondem s nosaas necessida-
des. Este conjuncto complicado, maa
urna aiDplea diviso o esclarecer; conai-
derai de urna parte todaa aa oonstrucj5es
de
noaao trabalho,
poasljos encerrarnos em nossaa habita-
j5es aero reduzir aa oondijes favoraveis
noaaa existencia? Ha ver circumatancia
em que ato poaavel, outras em que o
no ? E' poasivel coahecer e defiair taea
circuraatanciaa ? Em piucas palavras, a
salubridade das habitajSes podu ser rea-
lis -da, regulada e administrada? Estabe
leuendo estas questSca, enuncio um pro-
blema apenas entrevisto pilas antigs so-
elevado-l edades e que hoja mais e raais ganha de
importancia. Tenho, entretanto, necessida-
do de mostrar vos por que este problema
da salubridade das habitaj3i8 desenvol-
verse cora aa pocas e quanto obriga a
responaabilidade do constru :tor : engsohei-
ro ou architecto. Nesse intuito, voa previ-
no, aerei levado alera do asaampto que me
occupa.
A marcha progreasiva do homem sobre
a trra mede se pelo augmento de aeu po-
pder aobre a natureza: sua seguranja,
aea bem estar, o alcance de seus esforcos
croscera com a extenso de aeu dominio
aobre ella. So o homem cooaegue ter um
lugar de residencia nos continentes, por
tel-os libertado dos animaea ferozea que os
oceupavam; se fixa-ae ao solo, se abi de-
para garantida a existencia era troca de
urna vida precaria, porque elle o apro-
pra a suas neeessidades o o cultiva ; se
fabrica instrumentos que abreviam aeu
labor, que minou a crosta terrestre e
S
de8cobrio os metaes ; se domina o mundo,

a
intellectuaes e oa centros econmicos
cida ies creseera ; a exteasZo toma propor-
j5es enormes ; e tnilboes de habitantes,
vidos de vizinhanja c nao cuidando de
espajo, preraem-se naa grandes capitses.
Sao inais rativeis os recursos econmicos,
intellectuas e moraes que a civilisajio ti-
ra dessas grandes reuni* do existencias ;
no entretanto, impunemente o sern
expor-so a perigos que o homem abi
coasome a vida ; a salubridade ah nota
velmentc reduzida e a saude ameacada, o
que cu npr-j absolutamente conjurar. Ca-
be ao higienista foroecer aqui as indica
j5es neceBsarias ; dever do constructor
fix ;r os meioa que restituirlo a salubrida-
de s agglomerac3es urbanas. Em breve
vos exporei os da ios fundamentaos deste
vasto problema, que serio objectoa de nos-
aas primeiras lij3es; maa comprehenderieis
mal o quadro do curso si desde hoje eu
nao spresentam om opposicSo diante vos,
as condigSas bygienicas que deparamos em
pleno campo e s que so impostas as ci-
dades.
Vinde com migo Eis-nos em urna des-
sas reg'5es como ha tantas em nossa Fran-
ja. Supponhamos ter viajado na direojao
sudoeste, approxiraando-nos do mar ; atra-
vesamos Vendme, Montoire, e nao longe
do Loire attingimoa localidade onde men
talmente desejo fazer-vos viver alguns ins-
tantes. O terreno accidentado por col-
linas cuja altitude nSo excede 155 metros,
c cujoa cimoa sao coroados por bosquetes.
Os declives suaves que bordara oa regatos
ondulam com ellea e vito procurar luz a
todos os horizontes. As aguas das gran-
des chuvas rolara aobre essas superficies
inclinadas, arrastando para o fundo do
valle e levando s grandes crrante o p
e os detritos do terreno ; os reiterados
aguaceiros penetrara o slo, que calca-
reo, areento e deade muito rico de humus;
e quando sao ellea muito abundantes, o ex-
cesso de agaa pecorre o sub-aolo e desee
at ao thalwcg, de modo que a superficie
do terreno conserva-se lavada e sempre
limpa, ao passo que a trra est sufiicien
temente, impregnada da hamidade neces-
aaria vegetacao.
A aldea em que estamos est situada a
sul e sob o vento de sudoeste, que bate a
i
Aqui a agua, por toda a plMfl Hite e
viva, est sempre limpa; o arflHr aem-
pre perfumado palo aroma da torra, era
trabalho; o hornera laborioso e desenvol-
ve os msculos. Tudo isto, senhorea,
constitue a vida do camponio que dispende
ua actividade em pleno ar ; a vida si
por excellencia.
NSo bastante transperiar-se o homem a
pleno campo para adquirir ura sitio favorave|
saude ; porquanto em noaao continente
ha muitas localidades amplamente ventila-
das e alias malficas vida. Mus tarde
teremos occasiaode conhecel-a8e de definil-
as. Innegavelmente a3 candiles de ex-
istencia que vos descrovi nao irapediram o
hornera de coVer das intemperies ; n3o sub-
trahirSo s molestias agudas, ao dispendio
da conatituicfto; porque so limitadas suas
foro os vitaes e numerosas as provan^as ou
accidentes qao ameacara sua durajao.
Boata-me, por hoje fazer-vos averiguar,
si nao comprehenier, quo o camponio ha-
bita cm raeio eminentemente propicio ao
desenvolvimento de sua energa e de sua
resistencia destraicao ; basta-me dizer-
vos : Lembrai esse pequeo colmo / lem-
brai como ahi se comportara o aolo, a at-
inosphera, a agua, o sol, a luz e o hornera
em trabalho ; e conaervai a palavra salu
bridade, que designa tudo isto e que a hy-
giene consagra ao conjuncto das circum-
staociaa com que ella quizera poder dotar
a vida de todos os horneas.
apropriadas ao servio de commumeasoes,
quer terrestres, quer maritimas oa fla-
vias, e, como consequencia, as pontea, oa parto reoonhecerea a
viaductos, os tunneia, oa canaea, os portoa, | que proaegue
por ter-lhe sorprendido oa aegredos,
forea do observal-o o por ter creado
8ciencia; se coaheco a immenaa reserva de
trabalho que o envolve na natureza, por-
que pode comprehenier e defiair os phe-
nomenos desta; se, para alliviar o corpo
de sua brutal tarefa e para libertar aeu
pensamento, inventa machinas, que sou
be asaenhorear-se das forjas naturaes.
Essa marcha gradativa, que tanta disse-
milhanga taz entre o hornera primitivo o o
homem moderno, se ter realizado pela
simples acelo dos individuos ? Nao o
acreditis, aenhorea. Da facto, o poder
de evolncao pertence completamente ao
conjnncto e coordenaco doa esforcos, isto
, aggregacSo social dos homens: o mais
antigo, o mais insignificante dos progres-
sos realisados e j fructo de urna aBsocia-! localidade. As casas, soladas nos gran-
j2o. Quando urna rocha d3 dous mil ki-Mcs jardins, tu um s pavimento terreo ;
los toi removida para diaute de urna caver-! por eutre aa aebes, vm se brilhar, como
na, para proteger a habitacSo ahi installa- laminosas palhetas, suas pequeas facha-
da^ porquo dezv bojBths uniram-se para das brancas; em torno as cepas da vinha
thTsefflpetfViar a tarefa; todo beneficio cora- descem em longas linhas sobre os flancos
mura sequencia de um accordo e de urna da enco3ta e patenteam na limpeza doa in-
aec5o collectiva. Itervalloa os vigilantes cuidados de ama po
Si verdade dizer que pela conquista da pulacSo forte e laboriosa,
natureza, o homem progredio, n3o menos
exacto additar que essa conquista effec-
tuou-se por ama serie de associa$3es con-
stituidos entre os individuos ; dupla obaer
vaco que afronta todas as criticas. Fa-
zei intervir os obstculos moraes, oa
que oa homens se suscitara na realisaco
de sua marcha progreasiva, a aelvageria,
a ignorancia, o medo, a crneldade, o
egoiamo, aa paixSaa, oa jerroa, oa prejuizoa,
o fanatismo; fazei intervir aa guarraa que
etc. ; conaiderai de outra pane oa edifi-
cios de carcter commum servindo peri-
dica ou constantemente da habitaco ao
hornera. Comprehendo nesta clasae as ca-
sas em que vivemos e 09 edificios em que
nos prendero, nossos deveres sociaes, nos-
sos usos collectivos : cmaras mnnicipaes,
casas de instrucco, edificios hospitalares,
repartijSes publicas, etc.
Esta ultima cla8ae de edificios leva-rae
directamente ao aasumpto de que tratarei
eate anno diante de vos. Observai que
elles se distinguen) dos primeiros em ter
por coodigo commum abrigar o homem,
FOLHETIM
faz m e desfazem imperioa, e por toda a
obra da aaaociaco
e desenvolve-ae entre oa ho-
mens. O gruji primitivo, as tribns, as
cidades, oa povoa cooquiatadorea, a8 tro-
pas nvasoras, as nacSes administradas
vos moatram as successivas apalpadellas
das maiorea e daS mais poderosas officinas
de civiliaaco que tenham existido : as so-
ciedades livres nessas contemporneas.
Asaim senhorea, que oa homena ap-
Quaes sao, pois, as condicSes de existen-
cia desses vinhateiros ? por que tanto vi-
gor de campo e to poucas molestias na
enoja ? Aqui, aenhorea, o ar sao ; o
que importa dizer qo"e, por entre a popula-
co dispersa em lsrgoa espacoa, oa impu
ros residuos gazosos da vid, o acido car
bonico que 03 pnlmoes expirara, os vapo-
res que desprendora-se da bocea oa da
Eielle, e outras emauacSes corpreas, sao
evadas pelos movimentos facis e repeti-
das da atmosphera e continuamente substi-
tuidos por oxygeno contido no ar. Com-
mumente os ventos purificados do Ocano
desempenham esta salutar tarefa, varren-
do os flancos das pequen-s collinas da lo-
calidade. Aqui os excreta solidos e lqui-
dos que se depSem sempre em volta das
habitacoes humanas sao arrastados pelas
chuvas auxiliadas pela declividade do solo,
ou queimados pelo oxigeno que a atmos-
phera depoe em um terreno de surriba e
Agora devo conduzir-vos cidade,
grande cidade. Convir fallar da posijo;
esmiujar oatrajoa? Sobre milhares de
hectrea, que cortam o valle, que compre
hendem collinas e encostns, alastra o solo
um iramenso relevo de pedra : no ha in-
tervallo onde se depara o menor tcsteiuu-
nho da natureza. Vede aa altas casas de
seis ou aete andares que so-disputara o ea-
pajo : si vos conduzo por entre as innume
raveis veredas qne as separara e que es-
te dem-se por muitas centenas de kilome
tros, teremos perdido todo o contacto com
a paizagera. Para lembrar-nos o pleno
ar do campo teremos apenas urna estreita
zona do co accesaivel vista si erguermos
a cabeja.
Olhemos para o chSo : o selo est reves-
tido de dura crosta, de que penosamente
arrancara ao, forja de brajos ou de ma-
chinas, oa detrictoa que as radiajSes sola-
res impedidas ou os movimentos de urna
atmosphera preguijosa seccam mal e que o
declive natural da superficie no mais ar
rasta. No estamos mais na aldeia : mi-
lh<5s de indivimoa aqui comprimera as ex-
istencias na mais estreita visinhaaja ; suas
moradas, alm de jnxtapostas, sobrepoem-
se ura as s outras.
Como dizia eu em outra occasio, a vida
as cidades em condicois miseraveis
o A proximidade das existencias corrompe
o ar, e por causas diveraa8, tira-lhe auaa
virtudes nece88araa ; aa reapirajoea e aa
transpirares conservara, na atmosphera
que envolve os centros populosos, acido
carbnico e vapores saturados de produc-
tos orgnicos, a que vm addicionar-se ou-
tros gazes no menos nocivos saude,
que se desprenden das aguas servidas ; o
ammoniaco das eatruraeira8 o da urina im-
pregna a lama e p eaparsos no ar pelo
vento ; oa combustiveia destinados, ao
tornara irapenefraveis ao ar os poros do
terreno ; de modo que o cidado vive so-
bre urna base que no s imperraiavel,
mas que desprende productos malficos.
Assira que, com ar impuro, agua imman-
da, luz interceptada, aolo corrupto, pare-
cera exhaustos osreservatoriosda saude pu-
blica.
Eis, pois, a que condijoes est submet-
tida a vida dos habitantes das grandes ci
dades; e entretanto, em aeu aeio que ae
fabricara as grandes molas da civilisajo, que
fazea-8e a descobertas e que se desenvolvera
assciencias; que as intelligencias requintara
e que as artes se Ilustrara; que as cons-
ciencias ae deaprendem a que a moral se
eleva; e que os homens se conhecem e
que ajustija ae eomprehende, a justija,
8enhores, amis bella conquista social. E'
anda na cidade que se trabalha muito
mais, si no tanto, do que no campo. As
sim mostra a civilisajo que sabe conser-
var s -us ha veres.
Como explicar tanta actividade na vida
e tanto alcance de aejo, quando fallecem
as condijoes mais necessarias saude ?
Seria impossivel fazel-o, senhores, si no
observassemos que o homem ura ser ex-
tremamente elstico: sua constituijao re-
siste ao enfraquecimento dos factores ex-
teriores da existencia ; soffre, mas reage ;
estiola-se parcialmente, porm, antes de
suecurabir e muito antes da ruina, transige
e adaptase insuffi-iencia do meio do
que dispoa.
Em ar impuro, com escassas radiajSes
solares, a urna luz indecisa, declina em
pono tompo a capacidade phyaica e retar-
da-se a actividade do corpo ; mas, ceaae
corpe menos robusto, urna intelligencia
menos attribulada pelaa aollicitaj3ea extor-
nas fortifica-so por si.
O vago e nebuloso pensamento tem tempo
para fixar se : fracciona-se, compara-se e
medi-se ; vem aps a reflexlo, filha do
longo repouso do corpo, ordena-o e o re-
solve em ideas definidas e Buperiorea; e
assim que, dia por da, e principalmente
gerajo por gerajo, fez-se o homem intel-
lectual das cidades como complemento do ho-
rnera corpulento dos campos, o homem social
secundando o homem da natureza. Esca-
sa relembrar quanto isto custa: na cidade
a inteligencia se amplifica, mas desappare-
o instincto; completam-se as relaj5es entre
os horneas, mas desfazem-se as da nature-
za; imp3em-se as artes, mas desapparece
cem as nossas pequeas cellulss as gran-
des Bcenas do mundo ; a sequestrajo tor-
na-se habito, mas porde-se o uso da loco-
roojo ; o gosto requinta, mas o appetite
diminue; a vista educase, mas aloanja
menos; o ouvido tornase msico, mas no
apprehende lougiquos rumorea; o olfacto
ganha em preciso o que perde em alcan-
ce.

proximam-se, aggremiam-so e mais e mais poroso. Aqui oa habitantes vivem sob a
ae comprehendem : seu iaeludivel desti-1 alternada influencia das radiaj5ss solares
no. D'ahi originam-se sociedades mais 0u das nuvens lumiooaaa que de todos os
e mais eataveis, mais e mais livres, mais i lados os envolvem ;
e maia, accordea, porquanto methodiza-se
tem a
actividade; e emquanto a explotajo
-
O flOBCUNM
POR
V
*
?a13 nm
=
QUINTA PARTE
o c-jSisi; be casamento
(Continuajo do n. 47)
VI
O Ifto e o gabinete
pelle corada e
com a solida elaaticidade que convm
complexidade de aeu papel phyaiologieo.
aquecimento oa illurainajo contribuem
com o acido carbnico, o oxido carbnico,
o acido aulphydrico, o acide salphuroso e o
tumo espesso; miasmas sera nome viajam
em torno dessas veredas adstrictas pro-
miscaidade.
Si corre um ribero na cidade, todos os re-
siduos ahi vio tere o envenenara; a lux dif-
cilmente penatra a atmosphera, apenas entra
as habitajSs, que se abrigara, urnas s
outras e impedera aeu curao salutar. Ad-
dtai a tudo iaao que o solo o reservato-
rio de liquidos que ahi formara ama ver-
dadeira pasta de mat-;rias orgnicas e que
Nada receies, responden D. Cruz.
Estes criados e criadas sabem que te amo,
e acreditara que o roeu poder grande so-
bre o espirito de Gonzaga.
Flor interrompeu-se e poz se a reflactir.
Ha instant s em que o acredito, pro
seguio ella ; acode-mo a idea algumas ve-
zes que Gonzaga precisa do miro.
Eo andar superior o ruido augmentava.
D. Cruz levantou-se e pegou de novo na
taja de champagne que tinb* collocado ao-
bre a mesa.
Aconselba-me, guia-me I dase Au-
rora.
Nada se perder se elle na verdade
precisa de mim exclamou D. Cruz.
preciso ganbar tempo...
Mas este casamento. Proferia mil
vezes a morte I
Ten tempo para morrer, minha que-
rida irm.
Como fisesse um moviment para reti-
rarse, Aurora reteve-a, pegando-lhe no
vestido.
__Vais abandonar-me ? dissa elle.
__No os ouve ? Cbamam por ram.
Mas. disse ella mudando de assumpto, j
te fallei do Corean da?
Nao, respondeu Aurora. Que Cor-
canda t
__O que me fez sahir daqui hontera
noite por caminbos que eu no conhecia ;
o que me conduzio at porta da tua caa,
esta aqui.
Na oeia ?
Naceia. Becordei-me do que me dis-
seste, deste singular personagem, que o
nico que tem estrada no quarto do tea
bello Lagardre.
Deve ser o mesmo 1 disse Aurora
la jural-o I Approximei-me delle pa-
ra dizer-lhe que, ae fosse preciso, podia
contar commigo.
E ento T...
E' o Corcunda mais extravagante,
que jamis tem abusado do direito do ca
pricho. Parecen no reconhecer-me; toi
impossivel arrancar lhe urna palavra. Es-
tava distrahido com aquellas damas que se
divertiam com elle e o faziara beber de-
masiadamente, a tal ponto que cahio para
debaixo da meaa.
Esto mulberes l em cima ? per-
gnntou Aurora.
Da certo, responden D. Cruz.
Que mulheres ?
Fidaigas, replicn a gitaniU em boa
f ; sao aquellas as parisienses que tinha
sonhado em Madrid. As fidaigas aqui
cntaro, ri*m, bebeni, praguejam como
mosqueteiros. E' encantador.
E ests bem certa de que so fidai-
gas ?
D. Cruz quasi se offendeu.
__Desejava muito vl-as; disse ainda
Aurora, sem ter vista, accrescentou ella,
corando.
E no deseja tambem ver o bello
marquez de Chrverny t perguntou D. Cruz
com um toro de gracejo.
Desejo, responden Aurora simples-
mente, desejava muito vl-o.
A gitanita sera lhe dar tempo para a re-
flexo, agarrn pelo brajo rindo-se, e le-
vou-a para a escada oeculta. AU, as duas
mocas estavam apenas separadas da festa,
pela eapessara da porta. Ouviam-se vinte
vozes que gritavaro, entre o tinir dos co-
pos e as gargalhadas.
Sitiemos o gabinete. Ao assalto ao
assalto I
vn
Eis ease temperamento daa cidades, que
se dira artificial si no fosse natural que
os homena ae reuniaaem em grupo8 sempre
crescentes; eia o cidado que, ao contrario
do camponio, faz-se transportar de carro
por toda parte, em voz de andar continua-
mente ; que conaome-ae em vigilias, em
vez de trabalbar durante o dia ; su vida
se estiola; adquire molestias ou enfermida-
des que o distingaem dos outros homens ,
mais ou menos anmico ou nevrpatha;
e muitaa vezes urna e outra cousa. Aqu
ve-se o homem fatigado, deagostoso, india-
posto : Beu sangue, privado de glbulos,
perdeu todas as virtudes de grande distri-
buidor de calrico e de aejo; all elle
causa pasmo pela excitajo de sea espirito,
instabilidade de sua vontade, incoherencia
de seu rgimen : os ervos monopolisaram
toda a energa com sacrificio dos mscu-
los; o apparelho director como um estado-
maior desesperado a conduzir soldados que
no ouvem. Ah I quanto pesado soffrer
e desolador contemplar essas miserias I
Ainda ha mais : os mdicos sabora que
determinadas molestias transportam-se de
de urna collecjo humana, onie exiatern,
a urna outra onde se propagam e onde di-
ziraam as populajSes; que outras so ad-
quiridas as localidades que as engendrara.
So as molestias contagiosas, cujo principio
o homem regenera: tai a varila; so as
molestias infectuosas, cujo principio o do-
ennte atacado no regenera, mas transmit-
i : como o cholera; so as molestias mi
asmticas, que no se transportan), que o
homem no regenera, que no transmitte,
mas que soffre : qual a malaria.
Os grandes centros habitades so meios
favoraveis propagajo deseas molestias
quando ellas se declarara. Todos vos, se-
nbores, conheceis a que medidas extremas
ento preciso recorrer ; porquanto todos
tendes ouvido fallar do abandono a que
so administrativamente aubmettidos os
qu&rteis ou lyceu8 quando invadidos por
urna epidemia ; a tebre typhoide, por ex-
emplo, que muitas vezes d causa a taes
sacrificios. Sabis tambem que descober-
tas gloriosas para a Franja tm desses fla-
gellos feito males de que hoje se pode on-
jurar urna parte. Neste momento, o ge-
nio do Sr. J?48teur leva a termo urna acen-
cia quo autoriza a esperanja de que ser
possivel preservar e homem das molestias
transporta veis ou transmissiveia.
Limitme a aasignalar eaaes males e
torno ao problema que propuz me a come-
jar: -Pode a salubridade das habitaj3es
ser regulada em urna cidade? Os factos
tm demonstrado o demonstram-o diaria-
mente em todos os paizes adraiaitrados :
a Inglaterra, oa Estados Unidos, a Alie
manha, a Italia tem visto crear-se e desen-
volver-Be verdadeiras insttuijSes que re-
gem a saude publica: mdicos, chimicos,
architectoa, engenheros, todos tm sua
parte definida na aejo protectora de taes
institujSes; no s a conaervajo geral
das cidades garantida pelas prescripjSes
da hygiene, mas as habitajSes so fiscali-
sadas quanto ao asseio e limpeza syate-
matca ; no s os bairroa alinhamse ou
cortam-8e de modo a facilitar a circulajo do
ar, bem como a dos habitantes, mas so
demolidos os quarteirSea infectoa e substi-
tuidos quer por novas construcjSes, quer
por jardins e prajas, que reatituem a sa-
lubridade .
Estas medidas, quando tomadas* em
grande importara verdadeiras revolujSos :
sao necesaariaa leis que permittam sua rea-
lisaco e rigorosas prescripjSes para trnal-
as efficazes ; porquanto tudo que se refere
salubridade s aproveita quando depen-
dente da condijo de nunca ser interrora-
pido.
Sem duvida, Paris avantajou-sa s ou-
tras capitaes no recente modo de dispr
ana viajo: suas ras, suas prajas, seus
jardins so admira veis recursos do circula-
jo. Infelizmente no se pode ter a mesma
linguaguem dianto o que vemos subsistir
naa habitajSas parisienses, que, na accep-
co hygienica do termo, no so limpas :
dispendem pouca agua e armazenam suas
dejecj3es, que por Beraanas e raezes, con-
servara sob tecto. Este estado e tantas
precaucoes omittidas tm feito perdurar
em Paria urna mortalidade auperior de
Londres, de Bruxellas, de Berlina, embora
estas cidades eatejam em condij3es nata-
raes interiores, s d'uquella.
Idnticas s precedentes seriara as con-
cluscs a que chegariamos comparando as
mortalidades das grandes cidades france-
zas e das grandes cidades estrangeiras :
quando attentamos no lento accrescimo de
nossa populajo relativamente de outras
najSes, impoaaivel no nos convencer-
nos de que, tomada pelos dous extremos,
mortalidade e decrescimo de naacimentos,
a proaperidade nacional eat profundamen-
te atacada.
(Contina,)
la laxar vmnlo
O Sr. de Peyrolles, representante pouco
acreditado do dono da casa, via a sua aa-
toridad j completamente descoahecida.
Cbaveroy e dous ou tres outros tinham-
lhe j perguntado pela sua orelha. Era
alm disto impotente para reprimir o tu-
multo.
Do outro lado da porta, Aurora, man
raorta que viva, lastimava amargamente ter
deixado o aeu quarto.
P. Cruz ria-ae.
Era preciso para aterronas! a outra cou -
sa muito differente daquillo. Apagou as
vellas que illuminavam o gaoinete, no por
ella, mas para que do sali nioguem pu-
desae ver a sua companheira.
Olha! disse ella, mostrando o buraco
da fechadura.
Mas a cariosidade de Aurora tinha pas-
sado.
.Vio deixar-nos por causa dessa ra-
pariga ? perguntou Cidalise.
Vale bem a pena accrescentou Des-
bois.
As marquez as tm inveja, disse em
voz alta D. Cruz.
Aurora espreitava pelo buraco da fecha-
dura.
Marquesas, estas 1 disse ella com da-
vida.
D. Cruz encolheu os hombros com nm
ar digno e disse :
* No conheces a corte.
" D. Croa 1 D. Cruz! queremos D.
Cruz 1 griUram no sali.
A gitanita teve um altivo e orgulhoso
sarasa.
__Chamara por mim murraurou ella.
Sacudiram a porta. Aurora recuou vi-
vamente.
D. Cruz eapreitou pelo seu turno pelo
buraco da fechadura.
Oh oh 1 oh 1 exclamou ella soltan-
do urna gargalhada, que boa figura fax o
pobre Peyrolles l
A porta resiste, disse Navailles.
Ouvi fallar, accresceaton Noce. Urna
alavanoa 1 urna tenaz
E por qae no ha de ser um canho ?
perguntou Nivelle meio acordada.
Oriol perda os sentidos.
Prefiro isso, dase Chaverny, urna
serenata.
Com copos, facas, garrafas e os pra-
tos, disse Oriol, olhando para a sua Ni-
velle.
Esta adormecen de novo.
E' encanrador o marquez, murraurou
D. Cruz.
Qual ? perguntou Aurora, approxi-
mando-se da porta.
Mas j no vejo o Corcunda, disse a
gitanita, em lugar de responder.
Esto promptas ? grita va neste mo-
mento Chaverny.
Aurora, que espreitava agora pela fecha-
dura, fazia todos os esforjos para reconhe-
cer o sea naroorado da calle Real de Ma-
drif.
A confuso era to grande no sali, que
no o pode conseguir.
Qual ? repetio ella.
O maia embriagado de todos, reapon-
deu desta ves D.
gritn o coro dos
Prompto, prompto
executantes.
Tnham-se levantado quasi todos, as mu-
lheres tambem.
Cidalise tinha um fogareiro sobre o qual
Desbois batia.
J mesmo antes de comejar o canto, ha-
va urna algazarra horrivel.
Peyrolles, tentando fazer urna observa-
jo, foi agarrado por Navailles e Gronne
e provisoriamente pendurado em nm ca-
bido.
Quem canta ?
Chaverny I Cbaveroy Chaverny
que canta.
E o marquez, atirado de mo em mo,
foi lanjado contra a porta.
Aurora reconheceu-o naquelle momento
e precipitou-se violentamente para tras.
Que ? disse D. Cruz, por que ea'
um pouco embriagado ? E' moda na cor-
te, fc' encantador.
Chaverny reclamou silencio com um ges-
to avinhado ; calaram-se.
Minhas senhoras e meus senhores,
disse elle, quero antes de tudo explicar-lhe
a minha posijo.
Houve urna apupada.
Nada de discursos I canta ou cala-te.
A minha posijo simples, apezar
de no primeiro momento parecer...
Abaixo Chaverny I Um refen col-
loquemos Chaverny junto de Peyrolles I
Por que quero explicar a miaba po-
sijo ? disse o marquez com a imperturba-
vel tenacidade da embriaguez ; que a
moral...
Abaixo a moral I
As circumstancias...
Abaixo as circumstancias
Cidalise, Desbois, Fleury, estavam co-
mo tres lobos em torno delle. Nivelle dor-
ma.
Se no qaeres cantar, exclamou Na-
vailles, declama versos de tragedia.
Houve protestos violentos.
Se cantas, disse Noce, consentiremos
que expliques a tua posijo
Juram ? perguntou Chaverny seria-
mente.
Todos tomtram a altitude de um Hora-
cio na scena do juramento.
Juramos 1 juramos I
Ento, disse Chaverny. deixem-me
explicar antes a minha posicio.
D. Cruz ria-ae a mais no poder.
Mas as pessoas que estavam no sallo
zanga vam-se.
Fallavam em ponderar Chaverny pelos
Serei breve, contiauava o marquez.
Demais a minha posijo muito clara. No
conhejo minha mulher ; por isso no posso
deteatal-a. Gosto das mulheres, em geral ;
, portanto, um casamento de ioclnajio.
Vate vozes ecoaram como um canho e
comejaram a gritar:
Canta 1 canta canta 1
Chaverny trou um prato e urna faca das
mos de Taranne.
Canta canta I canta I So simples
coplas ; attenjio para o es*ribilho.
Cantou, acompanhandoae com o prato :
Moja casada
Com dona maridos
E' censurada ;
Ea c rio dos dous appetecidos.
Mas se um rapaz com duas casado
Acho que faz peccado
Pois que a mulher pexa delicado
E casta mais que ama de X
Em Paria 1
Menos mal I menos mal! dsBeram
as galeras.
__Oriol conhece o cambio do da.
O estribilho 1 e estribilbo I
Mas, se um rapaz com duas casado
Acho que faz peccado
Pois que a mulher peixe delicado
E custa mais que urna de X
Em Paris !
Quem me d de beber ? disse Ni-
velle, sobresaltada.
_ Como acha isto, minha bella ? per-
guntou Oriol.
Que estupida cousa !
Brvo 1 bravo 1
No tenhas medo dzia pebre Au-
rora, D. Cruz que a tinha abrajado.
A segunda capia I Coragero, Cha-
*

verny
l
C/u*.
I
ps fra da ianella.
O secuto XVIII tinha tambem
veis gracejos.
agrada-
O marquez continan :
Aqui no banco
bora regente
ta dinheiro
icamente.
Oaviudo/este irreverente cornejo Pey-
rolles deu/um estcio to forte, qae se des-
prenden Ir si mesmo e cabio de braco no
meio do chao.
Meus senhores I meus senhores em
nome dolSr. principe de Gonzaga disse
elle levantando-se.
Mas ninguem o ouvia.
E' falso I gritavam una.
E' exacto! berravam outros.
__O Sr. Law tem todos os thesouros do
Per' na sua burra.
Fra com a poltica 1
Fra 1
No l
Viva Chaverny!
Abaixo Cbaveroy!
Amordacem-n'o !
Empi>lhem-n'o I
E aquellos senhores quebravam frenti-
camente os pratos e os copos.
Chaverny, vem abrajar-me gritn
Nivelles.
__ Menos iaao | protesten o gordo fiaasi-
ceiro.
Elle augmeatou-nos a cotaco, res-
pondeu Nivelle, fechando outra vez os
olhos : amavel este marquez. Disse que
a mulher custa mais que urna de X em Pa-
riz; ainda assim no muito caro. Os
homens so quintas arrendadas.
No gabinete, Aurora, com o rosto es-
condido entre as mos, dizia com a voz
alterada: ...
Tenho fri ; tenho fro at medula
dos osaos. A lembranja de uererem en-
tregar-me a semelhante homem...
Ora adens I disse D. Cruz, encarre-
go-mo de o tornar manso como um cordei-
ro. Aehas que no muito amavel ?
Anda leva-mo d'aqui 1 Quero pas-
ear o reato da noite a resar.
As pernaa vacillaram-lhe. D. Cruz am-
parou-o nos brajos. A gitanita era o me-
lhor cora jo que exista no mundo; mas
no partilhava de todas as repulaoes da sua
companheira. Era exactamente, aquelle o
Pariz, que tinha sonhado.
Anda disse ella, emquanto Chaver-
ny aproveitando um curt) silencio, pedia
com lagrimas nos olhos que lhe permittis-
sem explicar a sua posijo.
Deacendo a escada, Cruz disse :
Minha irm, ganhemos teropo, finge
obedecer, faze o que te digo. Prefiro casar-
me com Chaverny, a deixar-te neste eroba-
rajo I .
__Fara isso por minha causa, excla-
mou Aurora, n'um impulso de sincera gra-
tidio.
" De certo. Vamos, seja, VMto que iBto
te consola. Asaim que puder hvrar-me,
vrei ver-te.
Subi a escada rpidamente e brandm-
do a sua taja de champagne.
_ Certameate, murmurou ella, para
ser-lhe agradavel... oom este Chaverny
passa-se a vida a nr.
(Continuarse-ka.)
Trp. do Diario roa Duque de Caxiai n. 42.
.-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWUWKTHDI_4TT9IJ INGEST_TIME 2014-05-28T17:25:20Z PACKAGE AA00011611_18227
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES