Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18195


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMi\0 L. AIUMERO 117
!
.
PABA A CAPITALS LVG4BGS 0\DK tf.lO SB PAG A PORTS.
for tres motes adiantados................- 63000
for seis dibit jdem................. 12>000
Por urn anno idem..................848000'
<*da numero avulso................. 5320
DIAMO DE P
SEGlNbA FE18A 25 DE MAIO DE 1874
PABA DENTtftO B FOR A DA PBOVINCIA.
for tres mezes adiantados..............
Por stfis di*08 idem.............
Por no?8 ditos idem .-.......
Por um tiiPO idem................
CPTM
. IP
10VMO
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA FILHOS.
fin. Gerardo tetomo Alvesd filhos, no Par*} GoncaJvea d Pinto, no Maranhao; Joaquim Jose de Ou>eiradKlb, bo Cear*t jtwfcnio de Lemm Jtnga, no Araeatj ; Joao Maria ialio Chaves, no Assd; Antonio Marque* da &',!o0 ^t*1 io*
Pereir* d'AImeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, aa Parahyba ; Antonio Jost* fiomee, na filla da Penha; Be'armino dof Santos Bulcio, em Santo Antto ; Domingo* Jose da Costa Brafa, em Baaare*.^ 5
Antonio Ferreira da Aajuiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, nePilar das AkxOas j Ahes AC.,01 Bahia: e Leite, Cerquinho 4 C. no Rio de Janeiro.
PASTE OmCIAL
Governo da praviacia.
KXPEDIKNTE BO DIA 11 l>~. FiSVKBEiao DE 1871.
J.' tecfao.
Offlcios :
Ao Exrn. brigadeiro commandants das ar-
" mis. Coramunico a V. Exc, para seu conheci-
mento e direccao, que par portaria de 19 de Ja-
neiro ultimo, resolvi prorog.ir por dons mezes a
licenca coacedida, para tratar de sua saude, ao
major boaorario do exer-.il>, ajudante de orJens
desse commando, Jose Bonifacio das Santos Mer-
gulhao.
Ao mesmo. Pode V. Exc, como propoe
em seu offlcio de haateai datado, sob n 132, re-
metter para a cOrte, com destine a algum dos
corpos existenles na guarnigao do Rio Graude do
Sul, o soldado da companhia d < cavaliaria, Jose
Bernardino Torqualo certo V Exc. de que nesta
data providencio acerca do I seu transporie no
vapor Cruzeiro d-> Sal, esperudo d j norte.
Ao mesmo. Sirva se V. Exc. de m.iu Jar
par em liberdade o reeru.a Zaferrao Velloso di
silveira, que provou iseu.ao legal.
Ao mesmo. Teado o medico do bospieio
de alieuados, segundo consu doolBcio do provedor
interiao da Santa Casa de Misericordia, de hontem
aatado, dado alia ao sulJalo do 9" bair.lh o de
infantaria, Candido Pereira do Kego, visto julgil-o
reslabelecido da alienagaa mental de que eslava
sollrendo, e for* por isso m;.n u Jo recolber a jnello
hoepicio, sirva-se V. Exc. de dar suas ordens p tra
que o referido soldado seja dalli retirado.
Ao inspector do arsenal de m-iriuha At
tendendo ao que me requererain Teixeira, Cbaves
dr. (1, emprezarios dos carris de ferro para trans
porle de mercadorias nesu cidade, autoriso V.
S. a mandar fazer nas offlcinas desse arsenal,
medianie inderanisacaa feita pelos mesmos empre-
zarios, alguraas pecas de ferro de que precisa
rem.
Ao mesmo. Annuiudo ao que solicitou o
inspector da tbesouraria de fazenda em offlcio de
II do correate, sob n. 07i, serifl t, recorainendo
a V. S. que providencie no seutido de ser entregue
aqaella thesoararia a quantia de 134060, abonada
por adiantamenlo ao 1* euferraoiro desse arsenal,
-em dezembro do anno p issado, para occorrer as
despezas com a inhumaeaa d: algumas pragas que
fallecessem, na mesma eufermana, afim de poder
ser realisado o novo adiantaineuto autorisado por
esla presidencia.
Ao capitao do poiio. Concedo a autorisa-
cao que em seu oiDcio de 13 <1j corrente, sol) a.
21, solicila V. S. para m in Jar imprimir e euca-
dernar <|uatro livros de talao de 203 folaas cada
urn, para recolui.nojlo das male is iin^osias por
eesa capitania o documentos que se entregam as
partes.
2 secsao.
Aclos :
O presidente da provincia, a Tista dapro-
posta do Oi-: chefc de policia em olficio de 12 do
corrente, n. 210, resolve exonerar, a pedido, o
cidadao Pedro Ferreira de Almeida do cargo de
sublelegado do 1 district) di terno de S. Binto.
0 presidente da proviucia, de conforinidade
com a proposta do Dr. clufe de policia am o:li-
cio de 12 do correuie, n. 210, resolve nomear o
cidadao Jose Maximiano C)rdeiro de Mello para
xercer o cargo de subdelegado do districlo de
S. Bento.
0 presidente da provincia, a viua da pro-
posta do Or. chefe de policia em oliicio de 12
do corrente, n. 210, resolve exonerar, por nao
terem prestado juramduto, o 2 e 3 supplcn-
tes do subdelegado do 1 districlo do term > de
S. Bento, Joaquim Dautas de Olivoira e Claudio
Galuraby de Azevedo.
0 presidente da pnvincia, de donformiJade
com a proposta do Or. chefe de policia em
oQlcio de is do coireute, o. 210, resolve nomear
para OS cargos do 2* e 3 supplentes do subdele-
gado do 1* districlo do Urmo de S. Bento, na
ordem em que v,i, ollocados, os cidadaos so-
guintes:
Joao Victor Xivier.
Joao Ferreira dc Almeida.
0 presidente da provincia, a vista do offlcio
do Dr. chefe de policia, de 13 do corrente, n. 219,
resolve exonerar o alferes Antonio Joaquim de
Barros Lima do cargo de sublelegado do districlo
de Capoeiras, do termo do Benito.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. Sirva-se V. S. de
iaformar-me acerca da malena do incluso offlcio,
que me devolvera, do consul de S. M. Fideiissima,
interrogando os soldados de quo irata, os quaei
acham-se presos no qaart jI do corpo de policia.
Ao ju de direiio da coniarca da Ouricury.
Remetlendo iucluso por copia o offlcio do Dr.
cbefe de policia, de 11 do corrente, n. 201, acorn-
panhado de outro, tamljeiii por copia, do dele-
gado de policia do termo do Ouricury, faznedo
ver a proteccao esoandalosa, prestada pelo pro-
motor publico dessa comarca ao criminoso Qui-
rino Pereira d'AImeida, tenbo por lim recommen-
dar-lhe que informe a respeito, ouvindo o dito
promotor.
Ao .." promoior publico da capital. De-
clare a Vine, para os devidos fins, que lbe in-
cumbe, bem como ao 2* promotor, funccionar
alternadamenle como auditores do corpo de poli
cia ; devendo a gratificacao marcada pela assem-
blea ser igualmeote repartida por ambos.
Igual ao 2* promotor publico da comarca da
-c&pital.
Ao promotor publico do Booito. Const^n-
d > da parte diaria da reparti -;io da policia, de 12
do corrente, n. 207, que no dia 21 de Janeiro
proximo passado. na povoacio de Capoeiras, dessa
comarca, Antonio Luiz de Almeida, (erira com
punbaladas a Antonio Pimentel e a Jose Jeronymo,
pracas alii destacadas, recommendo a Vmc. qua,
cos termos da lei, prosiga contra o delinquente,
trazeado ao meu conhecimento o resultado do
.procasso.
Ao comman iaule do corpo de policia.
Pode Vmc engajar, senlo idoneos, no corpo sob
o teu commando, os paisanos Manoel das Dores
Galvao, Manoel Justiniauo de Siqaeira e Maaoel
A juiliuo de Lima, dos quaes trata em seu offlcio
de 11 do corrente, n. 71.
Ao mesm). Teulo diferido a petifao do
furriel da 8' companhia do corpo sob o seu
commando, .Manoel Haymuodo da Cunha, pode
Vmc. conceder-lhe a licenra de 2 mezes por ells
Bolicilada.
3" !ec}So'
Acto :
0presidents ui pro/.i^-ii, teulo cm vista a
proposta do losptctor di ihssouraria provincial
cm oflicio de 11 do correnlo, sob n. 83, resj|>re,- di
conformidade com o art. 10 do regulamento de 30
de abril do anno passado, nomear o cobrador da
coliectoria do municipio de Panelfas, Francisco
Antonio dos Santos, para e.vercer o lugar de es-
crivlo da mesma coliectoria.
Offlcios:
Ao inspector da thesottraria de fazenda.A
Manoel Henrique Pereira da Silva mande V. S. pa
gar, sobresponsabilidadedesUt presidencia, a quan
tia de 40*000, por que contractou elle o anno pas
sado com o engenbeiro das obras geraes os tra
balhos de exploracao do caes da rua Aurora, vis
to como, segundo declara' o mesmo engenbeiro,
acham-se concluidos aque.les trabalhos
Ao mesmo.-Tendo nesta data ordenado a
-r
reducQao do destacameoto do termo da Escada a |
5 pracas comuaaodaJas iwf um sargenl); assim ov
co nraanicj a V. S. tpara os fins conveniences.
Ao loesitio. Maude V. S. pagar ao eaixa da
compauhia do Beberibe, Corbiuiauo de Aquino
Fonceca, a quantia de 7)i600, coostante da couta
junta ern duplicata, provaniente d'agua consumida.
no hospital militar duraote o trimestre de outu-
bro a d ;zembro do anno passado, como declara o
respectivo director em offlcio de 11 do corrente,
sob n 125.
Ao mesmx Nesta data recommendo ao
inspector do arsenal de marioha a expedicao das
convenientes ordeus, no sentido it ser entregue a
essa Hi isouraria a quantia de 13*060, abjnada
por adianiameato em dezembro do anno pa>sado a)
1 enfermeiro da enfermaria daquelle arsenal, con-
forme solicitou V. S. em otflcio de 11 do cor-
rente, sob n. 674, serie F, all in de poder ser rea-
lisado o novo adiantaraeulo autorisado por esta
presidencia.
Ao mesmo.Autoriso V. S., em vista de sua in-
forraagio da 12 do correuie, sob n. 683, ierie F,
a mandar pagar a Cardoso 4 Irmao a quantia de
1:1804000, proveuieute di dilTeren^a hivida enire
a de 5:0OJiO00, em que calculou o inspector do
arsenal de marinha a compra d; um martello a
vapor, que man-lei effeciuar por offlcio de 20 do
mez tindo, e a de 6:183*000. por quanto se real!
sou a referida c inpra, coaforme se ve do conhe
cunento em duplicata que devolvo.
Ao mesmo. Declaro a V. S., para os devi-
dos QiiS, que ao e i prom-Mores publicos desta
capital incumbe funccionar alternadamente como
auditores do corpo de policia, e que a gratificacao
que Ihes compete deve ser repartida por ambos..
Ao inspector da thesouraria provincial.A'
vista da informacao, ioelu>a por copia, do admi-
nistrad.tr inlerino da casa de detencao, com data
de 10 do corrente, pode Viuj. mandarlhe feme-
cer o livro solicitad) pelo Dr chefe de policia em
offlcio de 16 de Janeiro ultimo, para o lanfamento
de entrada e sahida de presos, contendo 300 folhas,
eon 56 centimetres de comprimento e 39 centi-
metros e 2 millimetros de largura, riscado, nume-
rado e com os dizeres impressos.
Ao mesmoNos termos de sua informacao de
1 do corrente, sob n. 71, mande Vmc. indemnisar
ao thesoureiro inlerino da reparticao da policia,
Candido Autrail da Matta e Albuquerque, a quan-
tia de 25*000, constante do recibo junto, despen-
dida pelo delegado do termo de Penedo, provincia
de Alagoas, com o transpose em canoas ale Pi-
ranhas, da escolta que seguio para Cabrobo con-
duzindo criminosos, como se ve do offlcio do Dr.
chefe de policia, de 2o de novembro ultimo, sob
n. 1939.
Ao mesmo. -A professora da 3' eadeira de
Santo Antonio do Recife, Maria da Assumpcai de
Luna Almeida, foi multada pela directoria da ins*
truccao publica em 30*00). que recolhera a >s co-
fres dessa repartifao dealro do praso de 20 dias,
sob pena de serem cobrados executivamente ; o
que eomiiuoico a Vmc. para seu conhacimento e
devidos fins.
Ao mesmo.Nos termos da informaci) de
Vmc, de 5 do corrente, sob n. 73; defiro a petieao
de Joie Augusto da Araujo, arrematante do cusleio
da illuminacao publica de Goianaa durante o anno
passado, permittindo que elle continue a supprir
aquella illuminacao ate d mnitiva arreinalacao, sob
o preco por que esta for realisada ; e no caso de
nao haver quern a contracte pelo preco da arre-
matacao anterior.
Ao mesmo.Transraitto a essa thesouraria,
por copia, para os fio3 convenientes, a portaria de
innovajao do contracto da estrada do Recife a ci-
dade da Victoria, de conformidade com o art. 31
da lei n. 1115, de 17 de junbo do anno passado.
Ao mesmo.Em vista das informacoes do
director da instrucpao pub.ica e dessa inspectoria,
de 19 de novembro e 27 de dezembro ultimos, sob
ns. 335 e 570, deferi a petifio do professor publico
da Varzea, Franc.sco da Silva Miranda, em que
pedB o pagamento dos venciment03 que nao rece-
beu, por ter deixadooexerciciodesde a inlimacao
da pronuncia no process-) a que respondeu por
queixa de Antonio Maria Carneiro Leao ale o jul-
gamento, que Ihe foi favoravel. Cumpre que Vmc.
mande effectuar esse pagamento, segundo as pre-
scripcoes legaes.
Ao mesmo. Por acto de hontem removi o
3* escriplurario da secretaria desta repartifao, An-
tonio Francisco das Neves, para o lugar de por-
leiro da secretaria da presidencia, e o serventua-
rio deste lugar, Silvino Antonio Rodrigues, para o
que exerce o referido Neves ; o que comuuaico a
Vmc. para os devidos Gu?.
Actoj
4.' secrSo.
0 presidente da provincia resolve conceder
exoneracao de delegado litterario do 1* districts da
freguezia de Nossa Senhora da Graca da Capunga
ao padre Augusto Franklin Moreira da Silva, e
nomear para substitui-lo o bacbarel Joao Vicente
Pereira Dutra.
0 presidente da provincia, sob proposta do
director geral da instruc ;ao publica, resolve exone
rar de delegado litterario de S. Vicente o capilao
Manoel do Rego Cavalcante de Albuquerque, e
nomear para substitui-lo o capitao Jeronymo Leo-
poldo de Araujo Pereira.
0 presidente da provincia, conformando-se
com a proposta do director geral da instruccao pu-
blica, resolve exonerar de delegado litterario do
districlo de Cruangy o major Antonio Vaz da Silva,
remover para esse districlo Jose Francisco de
Moraes Vascancellos, ultimamente nomeado para
Timbadba, e nomear para igual cargo em Timbau-
ba Antonio Jose Bruin Junior.
Offlcios:
Ao director geral da inslraccao publica.
Tendo em vista a informacao dessa directoria, de
12 do corrente, sob n. 55, deferi em despacho de
hoje o requerimento do professor de Cruangy, An-
tonio de Menezes Cysneiro Bandeira de Me To, pa-
dindo remocio para a eadeira da povoac,ao de Una.
Ao mesmo.Junto remetto-lhe o titulo de
nomeacao do bacaarel Joao Vicente Pereira Dutra
para delegado litterario do 1 districlo de Nossa
Senhora da Graca da Capunga, em substituicao do
padre Augusto Franklin Moreira da Silva, que ob-
teve exoneracao. Tenbo assim respondido o seu
offlcio de 12 do corrente, sob n. 56.
Ao mesmo.A eite acompanha o titulo de
nomeacjiD do capitto Jeronymo Leopollo de Arau-
jo Pereira para delegado litterario de Sao Vicente;
tendo sido exonerado desse luxar o capitao Ma-
noel do Rego. Cavalcante de Albujuerque, segundo
propoz Vmc. por offlcio de 13 do corrente, sub
n. 59.
Ao mesmo.Devolvo a Vmc como pede em
seu offlcio de 12 do corrente, n 57 a representa-
ea> documeatadi da camara muai;ipal.d:i villa de
Triampbo contra o respoctivo profaiwr, Jdrouymo
Tneotonio di Silva Lmreiro, pira os lias cons-
tantes do referido offlcio.
Ao mesmo. Fico inteirado de ter Vmc. mul-
tado em 30* a prefestora publica da 3' eadeira de
Santo Antonio do Recife, Maria de Assumpcao da
Luaa Almeida, pelos motives constantes da porta-
ria que remetleu-me por copia. Nesta data com
munico a thesouraria provincial para os devidos
fins.
Ao mesun. Tend) approvada as propostas
oootidas em seu offlcio de 13 do corrente, sob n*.
60, remetto o titulo de nomeacao de Antonio Jose
Brum Junior para o cargo de delegado litterario
do districlo de Tirabaiiba, visto em portaria. de
hoje haver removido para ieaal cargo em Cruangy
Jose Francisco de Sloraes Vasconcojjos^ era conse-
quencia da exonoracao do major Antonio- Vaz da
Silva.
Ao Dr. inspector da saille publica.Oim o
ffl-io de V. S., de 13 do corrente, recebi a reracJo
dos 171 iniivilaos que fir.im vaccinados do dia
10 de outubro a 30 de n)vombro ultimas par !B-
guel G)mes Pilbo, nom^do pr essa reparti c4o>vs*>s que perminam manter o regimen de-equi-
vaccinalor gratuito em Vgua Fria. R^eomiDendo
a V. S. qne em mau uoine transmitta ao referid)
Miguel Gomes o< louvores de que se tornou mere-
cedor por servitfo la; importante, prestado como
maior desinteresse o patriotismo.
Ao roesm>. RemMto as infor.na55?3 minis
iradas pela proved ma da Santa Casa de Misericor-
dia, e que foram solicitadas pirV. S em offl;io de
5 d) corrante, sobre o p-.s-.oal occupalo nos esta-
belrcim-mtos pios a cargo da Santa Casa, q-nali-
dade e qualidade das fazenlas foraecidas a esses
estabalecimeatos; afim de pider essa inspectori*.
satisfazer ao que ezigio o ministerio da fazenda em
aviso de 30 de novembro ultimo.
Aj provedor da Santi Cisa de Misericordia.
-Achando se o soldalo do 9 batalbao de infanta-
ria, Candi Jo Pereira do Rego, reslabelecido da alie-
nagao mental, que soffna, segualo declara Vine
em seu offlcio de hontem datado, sob n 716, expe-
ct ordeo3 aa briga leiro ommaadante das arm s
para qua fagi reti'ar o referido soldado do bospi-
cio de alienados, on le se ach >, vlsto ter elle obti lo
alia. Fica assim respjndid) o seu citido offlci).
Portaria:
A' frimira muiiiipal da cidile de Olinla.
Approvo a arrematacaa, a que proceleu a camara
municipal da cidade de-Olinla, do imposto sobre
mascates e boseteiras pala quaniia de 75*. Auto-
riso a mesma caurara a cobrar por administrajao
os impostos sobre capim de planta ; de 320 reis
por carga de peixe ; e a por em praca com o aba
te da quiuta parta o de 60 reis por pe Je co.ju:i-
ro,' que ja esteve em hasta publica sab a base de
1:002*000. F.stanl, proxima a abertura da as-
semblea provincial, a ella submotterei o artig.) de
postura, que me enviou a referida camara. Quan
to a approvacao, que pad;, para o coatraeto de ar-
rendamento de um lerreno devoluto com II pal-
mos da frente e 267 de (undo na rua do Bispo On-
tinho pela quantia de 1*100 annuaes, cumpre que
a camara declare si o prec) de 1*100 e por cada
palm), ou si por tolo o terreuo, cuji dascripqao e
importancia local deve igualmmt) msneiomr.
Fica assim respondido o clfl^io da 5 do cor rente.
BXP2MSMTE DO SKCllET\!WO.
/.* secgao.
Offlcio :
Ao Exm. arigadeiro comm mJaute das arraas..
-De ordem do Exm. Sr. presidente da provincia,
conmunica a V. Exc. qua nesta data se expadio
ordem a thesouraria de fazeada, no sontido de ser
paga ao caixa da companhia de Baberibe a quan-
tia de 73*600, proveniente d'agua consumida no
hospital militar durante o trimestre de outubro a
dezembro ultimo; conforme solicitou V. Exc. em
offlcio de 11 de corrente, sob n. 125.
2' setqao.
Offlcios :
Ao Dr. chefe da policia.0 Exm. Sr. presi-
dente da proviucia manda co.nmunicar a V. S.
que por portaria de hoje foi exonerado o alferes
Antonio Joaquim de Barros Lima do cargo de sub-
delegado do district) de Capoeiras,d) term) do Bo-
nito, a vista do offlcio da V. S., de 13 do corrente,
n. 219.
Ao mesmo. 0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda comrauuicar a V. S., em resposta ao
offlcio de 10 do corrente, sob a. 197, que nesta
data expedio ordem a t lesouraria provincial, no
sentido de ser fornecido ao alministralor interino
da casa de detencao um livro para entrada e sa-
hida de presos.
Ao mesmo. De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, communico a V. S, para seu
conhecimanto e devidos fins, qua nesta data so ex-
pedio ordem a thesouraria provincial, no sentido de
ser iaderanisado o tnesoureiro interino dessa re-
particao da quantia de 25*00), despendida pelo
delegado de Penedo com o transporte, em canOas
ate Piranhas, da escolta que seguio para Cabrobo
conduzindo criminosos, conforme se vi} do offl;io
do V. S.,de 25 de novembro ultima, sob n. 1,939.
Ao commandant) do corpo de policia. 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda commu-
nicar a V. S. que por despacho de hontem data-
do coacedeu a Manoel Raymundo da Cunha, fur-
riel da 8* companhia de corpo sob o sen comman-
do, 2 mezes de licenca para tratar da sua saude,
com vencimentos na forma da lei.
3." seccao.
Offlcio :
Ao inspector da thesouraria provincial. De
ordem do Exm. Sr. presidente da pnvincia, com-
munico a V. S. que, em vista de sua proposta de
11 do corrente, sob n. 83, foi nomeado nesta data
o cobrador da coliectoria provincial do municipio
de Panellas para exercer o lugar- de escrivao da
mesma coliectoria.
DIA 22 DE MAIO
DESPACUOS DA PRESIDENCIA, DO
DE 1871.
Companhia Recife Drainage. Junte a suppli-
cante a coota especiflcada dos concertos, cujo pa-
gamento solicila.
A mesma.Junta asupplicaate a contados cou-
ceitos, cujo pagamento solicila, especlficando-os.
Bacharel Jose Baptista Gitirana.Deferido com
o offlcio desta data a thesouraria de fazenda.
Jose Soares de Azevedo.Passe-se portaria con-
cedsndo a licenca pedida, com todos os seus venci-
mentos.
Joaquim Gomes de Albuquerque.Sim.
Joaquim Rodrigues das Cotias. Providenciado
com offlcio desta data ao Dr. inspector da saude
publica.
Laurentino da Rocha Freire.Indeferid >.
Lanrentinoda Rocha Freire. ludeferido.
Padre Manoel Ferreira dos Santos.Junte o sup-
plicante o seu titulo de coadjuctor.
Padre Manoel Elodio Ferreira.Junte o suppli-
cante o seu titulo do coadjuctor.
Thomax de Aquino Lopes.Informe o Sr. com-
mandante do corpo de policia.
2.
Beparti$iEo da poliela.
seccaoSecretaria de policia de Pernambuco,
23 de maio de 1874.
N. 6i9.-IUra. e Exm. Sr. Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos a casa de detencao,
os seguintes individuos :
A' ordem do Dr. juiz de direito da primeira va-
ra, Gaspar escravo de Jusrina Leila da Costa, sem
declaracio do motivo.
A' ordem do subdolegado de Santo Antonio,
Thomaz Antonio Pereira, por embriaguez.
A' do dos Afogados, Joao Francisco de Vaseon-
cellos, le quern iratai em minha parte diaria de
liouism, pur crime de. teatativa de mono.
Deus guardo a V. Exc. lllm. e Exm. Sr. COfll-
aieudador Henrique Pereira de Lucena, digno pre-
sidente da provincia. -0 chefe de policia, Anto-
nio Francisco Correia de Araujo.
colhenot o-que
IMS Joraaes e carlas recebidos
segue:
riUNQA.
A siiuac.ao politic* da Franca continu* isvieeisa.
0 governo parece, pore a, dispwtu a abandoaar
os projectos absolutos e a procurar novos co Co no
DliRIOUBPBRlliMBUOO
RECIPE, 26 DE MAIO DE 1874.
Wotiolas da Earopa.
Hontem, as 10 horas e meia da raanhii, fuadea
ram po lamarao os vapores inglezes Neva e Lnzi
t'inia, procedeotes da Earopa, com iatas de Lis-
boa ate 13 do corren,ts.
vocos e de subtendidos, tao perigoso para o paiz.
Havera talvez alguraa difflculdade, porqoe uma
fracgt) do partido legilimista se mostra decidida
a reclainr do goveruo primeiro. e em segundo
tngar da assambI6a naciona', unrainterpretacao da
lei da prorogaeaa dos podere- presideneiaes, que"
deixe formal e incantesiavelmeute o caminhodes-
embaracido paa uma restauracaorealisia, mesmo
antes da expiracao do prazo de sete annos de pre-
sidencia eoneodidas ao marechal Mac-Mahon.
Eatretanto aJornM dos Debates, nao aceila kn-
leirameaie o com nuuicado que Ihe foi dirigido- pelo-
miuistro do interior, relativamente ao3 compromis-
sos tornados coin a direila legilimista, por occasiae
da VMaeto da le. da 20 de n ivembro.
0 jornal da c 'njuuecio dos centros sobre o terre-
uo republicaoo, fat notar, com razaoltque esle com
municado liberta simplesmenta da rasponsabtlida-
de o du me da Brogiie, e o visconde de Harcourt,
mas qua nao dasinente de raoJo algum o facto
das com;iromissoi tonados.
A Union observa que nao sao unicaraenta os
Srs. rte Broglie, e de Harcourt, as pessoas au
torisadas a quern allude o Sr. de la Rocueite na
carta a L'Esperjna ia Peup'.e, que a) Sr. de la
Rachette compete agora rasgar o viio o dizer a
vordadj pura; pois se adiantoa mu.to para poder
recuar.
0 negocio da nova delimitagio da diocese de
Metz e de Nancy, termiiou-se diplomaticameote
entre a governo francez e a curia, roiuaua.
Alguns jornaes fallara.u de uma participagao do
go/erna aliemao nesie as^umoto, mas 6 um erro
mmifesto. 0 governo imperial aliemao nao tern
represent ites no Vaiicano: e, alem disso, pelos
termos do tratalo de Franclort, dapois da publi-
cagao das ballas oblidas pela Franca, os porme.D-
res da execuci) devem ser regulado* par commis-
saries allaraaes e francezes.
0 marechal Mac-Mahon vii fazer uma pequena
excursao de caracter inta'ramente militar a Saa-
mur Dit-se que a sua passagem por Tours, pas-
sara uma revbta as lrajas e collocara a primeira
pedra na edlQcae&o da um quart I. Espera-se que
por essa occasi.Va pronunciara um discursa, que
se espera com anciedada, pois na actual situacao
uaa podera deixar de alludir as questoes polilicas
que prendem a attencjio publica.
Prapirava-so tudo para qu; o presidente na
reabertura da asse.nblea legislativa enviasse uma
mensagem politica; mas por issa mesmo diz-se
qua os ministros concordaram em na) haver men-
sag.-i.;i, para uaa dascoutentar uma outra fraccao
da maioria.
Na-a 6 pois provavel que o que se reeeia fazer
por occasiai de una mensagem do chefe do es-
tado a assemalea, se faea sob pretexlo da cons-
-J I,-'ccaa ue um quartet.
Dizem de Paris que o governo tenciona apresen-
tar as leis constitucionaes log) na abertura da as-
semble* nacianal.
Nas reunioes da comimssao permanent^ nao se
torn passado cousa da impartanci).
SUISSA.
Por occasiao do plebiscita do povo suisso houve
uma brilhanle ovacao feita pela populacao do I'o-
ml, Berne, no conselho federal.
0 Sr. Brunner, tamaa lo a palavra era nome do
povo de Berne, dirigio uma allocugao ao Sr.
Schonk, presidente federal, que Ihe respondeu fa-
zenda a historia das longas Iotas que precederam
0 cumprimenio daobra patriotica da reformacons-
titucional, o os beneficios que della devem resul-
ts para a republica.
Di jai para o futuro, disse o Sr. Schenk. a
a Helvecia regenerada sabera provir a sua forca
aquelles que nao procuram o seu apoio no seio
.< da patria e do povo."
. c Ella fara prevalecur a seu respeito nma re-
ef solucji i que o povo hontem tomau pela sua vo-
1 taQ*).
Procedeu-se no dia 26 em alguns cantoes suis-
sos a renovagao dos seus grandes-consalhos.
Em Berne as eleigoes foram quasi exclusiva-
menia liberaes
No mesmo dia o povo da Genebra era chamado
a votar sobre dous projectos do lei, um, moditi-
cando a organisacao aiministrativa da cidade de
Genebra, e o outro relaiivo a organisacJo da igre-
ja protestante% Estas leis teem sido adoptadas por
uma maioria de 82 votos. Outros dous projectos
fixando a maioridade politica na idade dos 20 an-
nos e augmentando os vencimentos dos membros
do conselho de estado, foram rejeitados.
Afflrma-se que o papa vai fazer eoncessoes a
Suissa, afim de a.isolar da Allemanha, no raovi-
mento anti-nltramontano.
ITALIA.
0 Sr. Miughetti mioistro das fiaangas da_ Italia
talha ate o vivo para ter razao da opposigao nas
questSes financeiras.
0 imposto sobre a riqueza mobiliaria que forma
um dos elementos mais importantes do sea sysle-
ma, linba sido complelamente desnaturado pela
coramissao parlamentar.
0 ministro conservou-se firme e depois de uma
discussao animada, o parecer da commissao foi
rejeitado por 157 vclts contra 104, e oprojecio mi-
nisterial foi adoptado por 156 votos contra 101.
Houve algumas abstengoes.
Publicou-se um decreto ordenando'.a execugao
da convencao concluida entre a Italia e a Suissa
para uma delimitagao de fronteiras.
Achase actualmente reunido em Roma um ver-
dadeiro congresso de prelados francezes : estao
naquella cidade os bispos de Versailles e de Or-
leans, os arcebispos de Cambray, de Bordeos, com
0 sea coadjuctor o Sr. de la Boiderie; os prelados
francezes sao poriadores de ricas offertas para o
dinheiro de S. Pedro.
Eram esperados no Vaiicano o arcebispo de Pa-
ris e o de Bourges.
Na Italia ha preoccupacao por este gosto subito
de viagens que se manifesta entre os membros do
alto clero de Franga; julga-se, pordm.qne esta via-
gem tern menos por object) o novo reino transal
sino do que a restaaragao dos thronot de Hespa-
nha e de Franca, estes dous Deis alliados de sua
sant dade.
Afflrma-se que o sanlo padre dirigira cartas
a differentes soberanos e entre estes ao imperador
da Prussia.
I INOLATEBIlA.
Passou se na camara dos lords de Inglaterra am
pequeno incidente qae nao podemos deixar passar
desapercebido.
Ainda que tiresse terminado em poucas palavraS,
na,) deixa dc tr grande importancia.
Tratava-se Je, sob appirencias inoffensivas, es-
tabelecer um preeedeute, que daria um golpe
mortal, mais larde c do modo mats direct'), uma
das maiores conquistas do liberahsmo sob o miaiar
terio Gladstone.
Todos sabem que e lei Forster sobre a ednca-
cao elementar quaesquer que sejam suas imper-
feigoes, tende a dous fins : a litaertacao da 1ns-
trucgao de todo a influencia religiosa sectaria, e a
sua grataidade qae, so com ella se pode conse-
guir toroal-a obrigatoria.
Lord Sidmouth, nobre carapeao do obscurantis-
mo, pergunlou se o governo nao tencionava apre
sfntar algumas emendas a lei de Forsler, e per-
ncittir nos districtos ruraes, onde q systema das
1 school boards nao deu resulladqs, voitar us escolas
snstaotadas-pelascoatribuigdes voluatarias.
corollano podia ami afceracao das escolas.
Esia palavra*: systema voiuntario para as es
colas pole parecer seductor, mas nao lem outra
significa;-ii) na realidade qae o entregar nas maos
do clero a edocacao priawria a prolongacao deste
abuso delestavel que perimtlc aos paisa liber-
dade de deixar seu-- fllnos em crassa ignoraacia.
A school board' e exactaraente a nega^ao desta?
duas cousas : conselho livreraeDte eleito por_todos
os recenseados ; tem na sua ma a a direcyio da
educagao para as localidades em qne existe e mu-
nidos de poderesde que se compeaetroo, faz pro-
curar por todo os sens epe;iores as cnancas a
quem os pais nao- dao instruccao elementar, obriga
as se teem mejos de pagar a presto;4o minima da
escola, e se sao> muito pobres para se poderem im-
por um sacrificio de alguns reaes por semana, n-
ra do orga'nento da rommuoa o qae e uecessark)
para fazer face a esta despeza.
Com elle nan ha dcsculp-v ; a ignorancia deve
fatalrnente desa(>parecer.
Oduque de Richm)ml, um dos homens mais
aatorisados do partid) conservador, e o represen-
taute -do ministacio na camara dos lords, recisou
claramenie a empenhar o govern) na seu la da
reaccao, para onde o queria arrastar lord Sidmou-
th, deoJarou que nem os seus collegas nem elle
acbam se na intengao de raodillcar a lei de Forster
no sentido indicado pelo seu nobre amigo.
Deve-se fe.icitar o governo pe a sua moderacao
e pruiencia de comporiameato a este resLeito.
A luta eatre os operarios agricolas e os seus
patrees nao toma um aspecio salisfactorio.
Dos dous lados se engolpham na luta, e em lu-
gar de procurarem terminal-a, e procurar na con-
ciliagao um Cm rapido ao mal qae acarreta a
suspensSo do traaallio dos campus, cada am dos
adversarios nao ve a salvacao, seoao na ruina do
outro partido.
E' ma politica, mas ainda e mais para estig-
matisar da parte dos rendeiros, porquo deviam
ser mais illustrados qae os lavradores.
Estes 'eem o enthusiasmo ere lulo da ignorancia.
Muiios apoiam se em uma prophecia de 1771,
que Ihes proraette para este anno o triurapho do
aldeao sobre o proprietary. Noutros ha uma idea
fixi deque e impossivel achar a Origem : imagi-
nam que o triumph-) da Uuiao Ihes assegura a pos-
se de cinco ou seis acres de terr-mo por caboca e
3ue assim se acharam campletamente libertados
o dominio de rendeiros. E' facil comprehender
que com taes ideas os trabalhadores, ui j estao dis-
po-tos a recuar.
Entre os rendeiros, apezar das bravatas de al-
guns, o a .-cOrdo n i-j i tao complete como entre os
trabalhadores. No Suffolk especialmente natani-
se hesitacoes que poderiam bem terminar por con-
cessoes. Em inuitos sitios os proprietaries recu-
sam-se a seguir os seus rendeiros no caminho da
expulsao; alguns mesmo tomam o partido dos o-
perarios ; e cita se um grande proprietario dos ar
redores de Newmarki que tencionava despedir um
dos seas feilores por ter despedido os operarios
qae pertenciam a Uniao.
Era ja tempo, para inleresse de todos que ter-
minassem estas ontestagoes e esta attitude de um
cerlo numero da proprieiarios e de um feliz prog-
nostico.
0 Times felicita um dos grandes proprieiarios
dos conlados, em que os operarios.agricolas foram
despedidos pelos rendeiros, por ter animosamente
acolbido o pedido de elevagao de silario por uma
resposta afflrmativa.
0 Times sustenta alem disso uma tbese qae tem
tiinto de verdadeira como de hourosa. AfDrma
que o proprietario nao tem nada que perder com
a elevagao do infeliz chefe dos operarios agricolas
que durante seculos tem feito a riqueza agricola
da Inglaierra. Qae de bOa ou ma vontade e preci-
so tesolver-se, e que seria muito mais digno allron-
tar animosameote os inconvenienles da occasiao,
do que obslinar-sa em uma luta ruinosa e inutil.
Lord Derby, respondendo a lord Russell dis-
se que julga precaria a manutengao da paz; mas
nao ve no futuro perigo de guerra proximo com
a Inglaierra; e que fara tudo o que estiver ao seu
alcance para manter a paz.
Telegrarama de Londres de 11, diz ter termina-
do a greve dos operarios das minas de carvao de
pedra.
HOIXANDA.
As nolicias de Sumatra sao sempre cantradicto-
rias conforme ellas chegam de Penang ou do
quartel-general neerlandez de Atchin.
A Gazela de Penang da as lulas oiTemivas dos
Atehinezes proporcdes mais serias do qae o con-
fessam as uoticias offlciaes.
No dia 11 deabril e nos seguintes, am corpo
de 8000 indigenas teria feito contra os intrincheira
mentos de Atchin ataques saccessivos que haviam
sido repelhdos, mas com pardas sensiveis para os
hollandezes.
Por oulro lado um despacho de Atchin, de 25
de abril, annuncia que o grosso do corpo expedi -
cionario devia partir no dia seguinte para Java,
deixando uma forte ga&rnigao em Atchin, sob as
ordens do coronel Pel, o que de certo nao indica
serios receios para a defeza da nova conquisla
neerlaudeza.
A camara neerlindeza discute am projecto
de lei, de miciativa de um merabro da esquerda
avangada o Sr. M. Van-Hoaten, prohibindo o tra-
balho nas manufacturas as criancas de menos de
doze annos. Grande numero de oradores tomou
parte nos debates ; todos concordavam com o priu-
cipio, mas a difflculdade do projecto, era a obri-
gagao imposta aos pais ou tutores de enviarem a
escola as criangas a quem as fabricas Beam fe-
cbadas.
Os meios de os obrigarem e de estabelecer a vi-
gilancia, e qua fallam como eu em toda a parte
para se conseguir o ensino obrigatorio.
0 Sr. Van-Houton devia ter dado explicagoes so-
bre esta parte da sua proposta ; nao sabemos ain-
da se estara disposte a retirar a sua proposta como
Ih'o pediram os seus collegas, e em especial os Srs.
Mackay e almirante Fabius, ou se consegoio le
vantar as objeccoes, quanto a introdnecao pelo
menos parcial da instruccao obrigatoria na legis-
lacao.
RUSSIA.
0 segundo lilho do imperador da Russia o grao-
duque Wadrair contrahio esponsaes com a duque -
za Maria de Mecklembourg Schwerin. .
A princeza couta 20 annos e o grao duque 27.
0 casamento sera celebrado no mez de julho.
Preparam-se grandes festejos em S. Petersbargo.
0 czar parlio no !. de maio para Allemanha,
onde chegou no dia 3
0 imperador Alexandre] acompanha dos grios-
duques sens irmaos, e seus sobrinhos vao a Slu'.t-
gard para assistirem ao casamento da gri duque
za Vera, com o duque Eugenio de Wurtemberg
no dia 8,
0 prineipe de Gotschakoff, chanceller do impe
rio, nao acompanhara a imperador ate Inglaterra ;
depois das festas de Stuttgard partira para uma
das cidades de aguas na Allemanha, como 6 seu
costume, e onde fara uma demora prolongada.
GUECIA.
A nacao helenica parece ser, senao ingovcrna-
vel, pelo means incapax de ter um governo que
lenha probabilidades de duracao.
Os roinisterios sucoedem-se em Athenas,^ ao
contrario do proverbio; todos se parecem uns com
os outros; nascidos de uma caballa de ambicdes
pessoaes, cahem no dia seguinte sob uma caballa
tao repressivel como a primeira, para se elevarem
novamente alguns dias mais tarde ao poder.
A scena muda, e muda muius veses, mas ap-
parecem sempre os mesmos adores em sCAi*.
Srs. Bulgaria eon os amigo* e ate smm
auxilio de seus inimiios, derruba o Sr.
gis; em seguids o Sr. Bulgaria cede a sea
talvez a am dos seas asaifM de boalesa.
As ultima* nolicias de Albenas auauociatn (]
todo o gabinete deu a soa demissao.
E' effectivamentt nm triste especlaculo m a
Grecia offerace a Earopa qae a liaha cereatw de
tan>as sympatbias I...
Km consequeneia da deiaissio pedida pelo ga-
binete Bulgaris, o rei Georges recorreu a am an-
tigo chefe de gabinete o Sr. JUimis qae decfinoa
a inissao em favor do Sr. Couraauadouros.
Era possivel qae o Sr. Couiaound aaros oaa-
guis& encontrar collegas que desejassem toraar
parte na admiaistracno do paiz, pais qae as atabi-
g5es aao faltam, mas de certo nao encontraria
maioria na mesma camara qaa aiada aao ba muit
teiupo Ine retirou a confianca e in cahir o gabi -
neie por elle presidtdo.
Os allimos telegraiumas dizain que o Sr. Ou-
moundonros aao conseguira foraar mintsterio
apezar do Sr. Zaioiis lbe tar prometbdo sea
apoio e o dos seus amigos.
O Sr. Ziimis foi de novo convidado pelo rei a
formar o gabiaele ; se este naufraga, v se a coriia
na iiecassidade de a encarregar de di**olucaa das
Cortes, ou de tornar a chanur o pracadeale gabi-
nete.
Telegraramas de & dizem qae a camara dos 4e-
putados foi dissolvida, e que e determinaram a*
novas eleigoes para o I* de julho.
Veremos se a Grecia coasegue um governo
que dure mais de am semestre.
A1XEMAMU.
Ha muito tempo qua opiaiao geral aa Alle-
manha reclamava a unificagio de direito civil para
todos os paizes do imperio.
Uma lei imperial, votala pelo conselho federal
ci pelo parlamento, decretoa a redaccao de am co-
digo civil uaiforme e fui nomeada uma comotiffac
para propor o piano e o method*) An tr
que esta immensa obra vai neeesskar.
Esta commissao, que acaba de apresaatar o
relatorio, propoe por coaseqaeocii, qae a
missao imperial qae for eacarregtda da redaccio
do odigo civil, lenha por iataito, atlendendo a i
codigos exisleates, ou preparados aos diversos a-
tados de confederagio, codilicar o novo direito ci-
vil aliemao de um modo conforme aos lateres
do imperio, e aos progresses da sriencia.
Esta coramissao sera f rmada de jansooasalto*
eminentes, practios e professors* de direito ; coa-
por-se-ha de tres secgoes : a de redacc>\ a 4e
conferencia, e a da critica. A grande eaaaadasia
podera reuair a si commissoes especiaas, para de-
terminadas questoes. 0 ante projecto de eoaige
sera pubiicado com um relatorio, e eommunieada
aos governo* que o fario examiaar por commiasdas
adhoc; os resultados deste exaae brio o objeeio
de um relatorio da graade cooatatosao, a emal
depois dis modificacoas qae tiver julgado neetaaa-
rios, propora o codigo emendado em segaada lei-
mra ao conselho federal.
So depois desta prova deeisiva e ode o aoro so-
digo :>vil sera apresentadu ao parlamenl .
0 Conselho federal do imperio aliemao liaha
de dar o seu parecer sobre duas lets recentenw-
te votadas pelo parlamento ; a lei relaliva aos bis-
pos, e a da imprensa. Esta ultima tinha sido
emendad*, por conaentiroenlo do governo era ma.-
las das suas disposi;oes principaes.
Estas mudancas foram adoptados pelo conselho
federal, de modo que nada se oppoe a que esta*
duas leis glo imperial.
A camara dos deputados da Prussia adoptoa
em segunda leitora o projecto de lei qus prohibe
aos funccionarios do Estado partieipar coin1) fan-
Jail,res ou administradores nas sociedades p r
acgoes ou em commandita para eaprezas iadas-
iriaes que necessitelto de uma autorisagao do go-
verno.
A publicagao dos docuinenlas diplomatic)* rela-
tives ao concilio do Vaiicano e sobretuio a earta
recente do coade de Araira ao eoaego DoelUnger*
descobriram uma divergencia de opiaioes bastaate
accentuada entre o governo prassiaao, e
antigo representante em Roma, o conde de
A imprensa offleiosa de Berlira Irata
men'.e o conde de Arnim, e accusa o nao so de ter
estado em desaccordo cem a politica do imperio da
Allemanha n'uma das questoes mais importantes,
mas ainda de ter faltado, pelas suas publicagoe*.
aos sens deveres dioloraaticos.
Dizia-se qae a primeira conseqaencia deste
c ndalo extra-diplomatico, teria a demissao do Sr
de Arnim do sea posto de embaixador eta Cosu-
tantinopla, para o qual este diplomat* ha via ulti-
mamente sido nomeado.
0 Sr. d' Irnim foi convidado pelo sen governo
a dar explicagoes sobre a carta qae elle cjcraena
ao abbade Doellingers, e cuja publicagio parece
ter causado uma certa irriugio nas alus regioe*
polilicas do imperio.
A volta do coade de Arnim de Paris a a
preseaga deste diplomat* em Berlim, da um* aova
animosidade a polemics de que elle e o ebjecie
por parte da imprensa governamenlal. Etta len-
do-o atacado fortemeate, o coade de Arnim din
gio a Gazetta de Spener detada de 1 de roaio.
nma carta de rectificagio sobre todos os iaeiden
te* do confliete entre o chefe responsavel da
* politica religiosa do imperio, e o sea tabordi-
nado o embaixador da Allemanha em Paris.
0 Sr. d'Araira, afflrnu que aao foi die ejaesa
tomou a iniciatira das publicacdes politica* qae
deram lugar a polemiea actual, mas qaa se vie
obrigado a intervir pessoalmeate para esclarecer o
publico sobre o sea procedimento.
A Gazetta de Spener aceitaudo a ligao, oWap
prova porem a linguafera do embaixador qae Mm
parece ser uma alia tao pesscal ao cbancailer da
imperio.
Dizem telegraphicamente de Berlim, qne o mi-
nistro dos cultos declaroa estar de accorde eota
Sr. de Bismark, em malena de politica
tica.
Esta declaragio parece ser relativ* at
tlvas do conde d'Arnim.
Publicamos em seguida o discorso i
rador Guilnerme, no encerrameato da re*ebjtUg
alUmao.
< Seahore* : A aessao qae vai
4s mais importantes sessSes dos psrlasaetilos aa-
teriores pelo alto valor dos sea* rstaHalsi leg>-
lalivos.
A lei mais importante feita com o
enrso, deve, segundo as inteacoes do*
confederad.as astegnrar de um modo
exercito alemaoesta orgaaisagao qne
defeza da nossa patria e a pax **> Eau
c Para consolidar a estabilidadt aa
lituig3o, e assim de fuadar o daaen/olTi
osaai novas institaicdes acsaaaes obre a
de um accordo mutuo, o* goveraos eontedai
consentirara era que o regulamento deaatliv* a
legal de effeclivo do exercita em tempo de pat.
que elles vos baviam snbmettido e euj* approvals >
julgavam aecessaria, flcasse reservadu para o f i
turo.
c Fizeram esta cancettao com a firm
de que a discussao regular do orcaiaeato
e o desenvolviraento progressive da
constitucional daria ao paiz e ace parlametuot fa-
turos a conviecao, qae para attagarar aa aaar-
cito aliemao, nma organisacao tetida, ciafjraM a
sua missao, e indispensavel ataaaarar aetear*-
viujenla constante e uniforme das forca*
s
C ILEGfE


(
km aa
-
e de esubelrasrnmrUasrteFrt-wirr a-tfscOTsto
dos orcamcntos annuaes. f y Vftff*n
ToudeajrittgW-ostido om afan o vosso con-
curso patrioTOAgfiu-a afastc.r "os defeitos, demons
trados peId'WHfencia,- disposijees 4egaes sobre
as pens6es rinha. > -j
t Agrade'co vfls pela solicitude de que acabais
de dar uma nova prova em favor d'aquelles que
combatendo pela palrja, aarificaxani aua forcas
e a sua saiide. ^
A regularisacip da eircnlacao fidociaria na
Allemanha, encoawon grandos difflciftfades nos
resultados raulliplos que a pasiado nos been.
Pelo vosso coOcorso, eoneeguimos eoaciliando
a? divergency, eslabelecer uin rvgulamentp, n"-
ID ,-f mtu ,A, rtW de Parnambneo S^nda feira 25 de Maio & ^> (
e 0 general
npp^'lW.'
ter^ido'ccn;|J-rtvei,
goes oecupada* pelo
baniander bastantes. bare
OHHR'J/i J 0/7 A
flt) prmcipio bs-t
iha mai--
ncnuv
nirnigo.
ffifkWlW0], ',()*',v,'rn)v' -ue 60 assignations. rosV''' -----------
pxc^WHWJ****^*-. ,e* ^-iHmeniu d,>s MilHcripiurf/'* ..u*.a*'..d> projeeto do urcamq
g^jp*.
as fxce
pela inlroduccao de n.n papelmoeda, r ,., tropas repnbhcanas.
...us eheioe defend,*. M*> .rt'WP primonso
o adversary a fcsdobrar as n> ,-.'< e S
punba-se era moviajeato--p. --s 1|Q^8> *>8rraP.>
cac> com elle. Desde -f4- lll'a* f*8 co -"V,
graphar para Mart J w piuia t
vam as suas po=: -nd que os carlfsav) abandon*
e que a d'-' :^de vangoarda e ala do -& L-eiena tiaoa tornado po erta.
os reduclos por tanto tempo ipr .se de tO'
rv
. .10 Rio
,.- o.-ta^-fiitis, t!
aj Tnom.u Ribeiro.
* ^aW; ;:"n:)i Jj dassi"~
* Von> e ?u* reme-'sa para
ciado 0" leom sii0 ",uit0
para lodo o imperio, nos limiies pen. -
sileracoes da nth eWcia .- ,.a0i,r^as eon
pela suppra^a de -' .. vulencia, ilelm como
uos valores ^a0S os ob^tacalos resnluntes
er* uanciarios emitlidos por cada paiz,
_ colhido com falisfacao em todas as regioos
,, -4os negocio".
Para oulras questoes ainda lenles, de accordo
com o ctrrrset*i3 federal, dado ntjvos deseuvr^
rnentos a legislacao, e as mstituigoes do ;
rial
Serrano p--' .aceessivais as
e eats'* atntonto fada di-
.lO-rnaior subre Portn-
*f
0 apoia e o concurs j que a pol'
or mim, de aocordo com os gove'
os action entre to?, nas n'
coulirmam a minha confi*
allemi, sob a protect**- :"Q&
muns se encammt1'
dades, e que a
para ciilt.v
tuaes e
jgrMB
nperlo.
.ioa seguida
.nos confedera-
imas deliberar;oes,
. m que a patria
das suas instrtutcoes om-
.i para urn futuro de felici-
cluropa vera nos nossos esfor^os
-r as ndssas fon;as tnoraes, int^llec
maieriaes um penhor da paz e do pro
^ a5segurad> da sua avtfisaHin.
Dftop^u me de vos com um sentimenfa de
recontu'cimonto para com Dens, que me ooneedeo,
'epiij de ama grave diifl;(, reanir-vee hoje em
'orno de mim. .-
aw^ro ttufr.Ri.v.
A lei sobre os eovent>R levanton oa camera
Si^s depntados em Vieuns, vivas ttetftHfeQei, em
qne tinoi parted minlstro do-; c*s.
Tratava-se sobretudo das-eneds apreseniaiiaS
pelo depntado Fivx e sens parWhrtos, e tendcetes
a prohibir o tabelecimnnT de ovas orrtcns re-
liwflses, a fuRdaeSio de convewtes e a admissie de
padrea estrawgeires as fauc^oes #e snperiores.
0 Sr. Stflmeyer, dedaron eSlas emendas inad-
ruis'iveis ?ara o governo, o ^Ue nao 'mpe-lio a
samara de as ado'ptar por urns grande msKoria.
IMfReilinente so eomprehende a oppoisigao do
minisfro a disposicoss qn<\ m difmitiva nSo sao
mais qe o eorollarw logic? das oirtras leis con-
fes-ioeae?, e nao constiluem um* innovacao
real.
Affiifa qne esperadi aipDblica^So-^a bvro -ver-
meJoo an'trohungaro, foi para o poblico uma
verJadeira deccjtrao.
a auscnoia completa do todos os documentor
pAinico* nasta olleivjao quando ha um anna a
H leSOffl de uma silta imimftaiicia, parecen exee-
der os limites larfl au-triara. -E*te fileniio mesnto e interpretado
o'lim sentidd ponco favoravel, qaer a politica Jo
gobineie, quer a ?iuceridade das suas inlenrSos.
EiCa primeir*iiiuress"nde desaporrtamont? desap-
pareeera de ^erto (Haute das explieaco s que o
coade Andrassy, seri sem ihirida obrigado a dar
m Sifo das delegacy's sohrn o j*ont" que tem para
a nplaMe um interesse mailo iftais elevado que as
jue.-toes pcramente commercial
- v camara dos sanh iMsj a adopton o projecto
reli'im a bnuhoehr.
H.i Huafria vai ser brovementel-submettido a
'amara nrs projeeto de reforma eleitoral e deve-
se notar tide este projeeto, obra do Sr. Ilitto. que
ja esbofoo os trac is fundamentaes, deve encontrar
um bom aculm'inento junto a esquerda m.igyare.
Hi pois lagar de Wieiftf altamenie a oppuel^ao
de Pestli de comprphen+;r que ja passon o
tempo das (feTcstflee csterois. e que impnTla metier
OBtadaiBeiKe ma a obra para curar as feridas
Mfas no rein < de Sarit'i E-tevio pela sua arise ao
mesiH i tonpu linmc-ira e agric.ila.
iHepois do sonlio lavonto dos magyares de
terjii! un pxcrcit) na;imU, vem que de am Mv-
c i n;i/ional indcpcB-JeMe do de Vienna. Esta ul-
ti i i.o.-tituii;ao
rigir o sen mat
galete.
t 0 Uni&rs prv
cias um despar1- ^jHcava nas soas ultimas nti-
flrmanlo < .10 de Bayunna de 2 de maio, con-
naratp ,ae os casiista's por si nnsmos abando-
cer' as suas posicCes de Abanto, ;>ara se con
^irarem n'uma tef uda4iala tueotas eaMsa. #
I A capital e_as principaes cidades da Ifospa-
- nha nao cessam d"e festeiar a cefebre vlctona;
sendo tal o enthnsiasmo de alguns que constde-
ram as operacdes feitas nas cordilheiras da His-
caya,.uina Wa/er/oo sem sangue, uma batalha
monumental que deu fira aos inimlgos, sem com-
tudo deixar aquelles fraguedos cobertos com o
sangue de nicionaes.
Nao c>ks ponera. asstm ; ajc4a agora esta
em principio a grande guerra civH ; pois e claw
que o exercito carlisa quo se compttjliu de perto"
de 40,000 taoroens nao retirou para ser licencia-
do, c sim para contindar a su-tttftar os principis
de que 4 campeao.
Sucoedeu o queen previ na minha ultinw.
X)s movimenios do 2." cotp?, pela entrada de
Ratmaseda, de corafrinaclo com (^utros corp'w.do
eserCrto, nzcram ver ao im'migo uma retaguarda
cortada, a que elle se nae quiz etpor ; optaado
por ctma Tetlrada airosa, na nvlhor otdeifl,
cnardando para mais farfleumadesaffronta-solom-
ne oa uma derrola.hoarosa, R' certo (|ue oprin-
ci.oe pretendente cohtiniia a cons"emr levantada a
sua bandeira.
( Actoalrhente e Concha commandante So exer-
cito. Serrano, icompanhado de TOpetB e o sen
estadomaior, partiram para Madrid. Ao chega-
rem a Somurrostrp, foram recebidbs com as inai.o-
res derrionstrafoes de enthUsiasmo, e felicitados
por todas as autoridades, fazendo as 6'ooras do
estylo os navlos degnerra surtos atlu Em Madrid
o enthusiasmo toeou as raias do delpio Arcos
triumphacj, par^das, serenatas de m'rihares de mo-
sicos, flores, divertimentos graluitos, illoininacSes
.publicas dcrante Ires dias, cortejo nopalacij do
<;overno, onde entraram mais de 10,000 pessoa?,
dnrando mais de G horas I E incrivel o que se
passou I
< Entratanto os fundos hespanhoes nio subi
ram. 0 grande thcrmometro da temperatara po-
litica conserva-se estacionarlo. A que Sera isto
devijo *f
0 ;erto e qae, na propfia noite em queo illus-
tre vencelor de Bilbao chegu a Madrid, houvc
um conselhe de mihistros para ser resolvida a
crise fiifftlsteria! ha tanto tempo aRnuriCiada.
"s earlistas retiraram-.-e para as Amesenas,
por Guipuzcoa, c esperam em Estela o exercit) de
Concha p ra jogarcm a segunda partida.
Parece que querem faz>r em Estella o que
planearam em Abarfto. 0 faitd e que r(3o foram
vencidqs ; mas eederam. Itetrogradaram e ver-
dade; ma3 conservam-se em eitado de causar
grandes cuidados. E' a opiniao geral.
t Das diversas aprecia{fles sobre o inesperado
acoate:-imento, da retirada (Turn exercito forte,
e bem fortiiicado, se couclue que entenoilos mi-
litaifei dSo a esfe feito urn graide valor, como
prova da pericia do general Elio e outros chefes
earlistas s.olvndo touo o exercito, e material de
guerra, com muit p-mcas perdas. A' vista do
iluportanto piano do general Cuncha, as forfas
inferiores do exercito republicano e a sua nurae-
rosa e podefosa artilheria, a proteceao e concur>o
da esquadra ; tudi aronselhava a pfecaucao to-
inada pelos carlista?, eviiando sefem envolvidos e
cortados na sua tao extensa linno do defeza : nao
sendo, scjuer, perseguidos na sua retirada. I).
da eommissio aos
typos de vinhoa. %nviiios de lodos os
fans.
^*<&Bi-> tfibunaf de justica miliiar decidio
na sua,. seisin de honiora ^oaftrmar a smtenca do
cor^seltio ii gnerta aos rtos da teatativa de revol-
ta ; sendo 'p. postos em liberdade os re os que ha-
\im sWo absolvldos recomBwodanflo ao poder
moderator os r?*j caja scDtoa^a Li confirraad*.
E' presidente o general visconde de Leceia, e
Vi'gaus, os uaneraes Palmeirim, e Fava, e contra
atmirantesiose Bernardo da Silva e Joaqnim !<>se
Afflrma-se q_ue o cond.e de Jiagalhles, tam-
bem accusaao de implicado na tentativa da re'vol-
.....ent* ujovincial, na
jplfle *5nccroeute ao art. 83, o ruiaijqj approvaJo
$di ejf:ite
-,Bsas cmon-
li classi(icarr di *lH.l litiv.is as disp)si^ois g;rfa3l\ mesmo or-
a exposr fainento, e sobre ellaa oraraiu os Srs. Mello Rego,
Pinto Pessoa, Tolentino de Carvatho e Olyrapio
Mimises, asatdo aAnol appnm*as as de as. 6 a
91 e rejefta* a de n. IW.
0 art. 18 foi approval com uma enlenda, Mean-
j |ara ser discutida eppwrnaamente uma uetra
1118 Coraram stibre sutn malerias os Sr*.
contfM'a>>irlis>cai.:ta)>ealaT:y at
apre-
dias
as cUssi-
numerosos
pontos do
:u
ir
ympio MaraBes.
'"""'" -"" debate
Reiko Uo|o Oly ,
(1 57 foi a*provado sem ''debate ; o 88 foi a
vado dapoi* de orarer* ol Sfs. PorteBa e Eello
Rego, seH&ejeitado uk rei|ueTimeoto do Sr. Por-
tella, pearMbque fossil destiiado ifo.projecto o
artigo ; o M foi tamoeH approrado, com urn Mb-
strtutivo, orando sobre elle o Sr. Portella ; e sem
eehate forara approvados os aru. 3% 51 e 'it.
Finatoieete entroa emeliscussio o art. '33 e Ad-
pois dw sf% apr#se(W*fe divws eme*hs, t*- gsdo hoflwm^Tft'a vfagem entre Southampton e
!m a >ervieo financeiro jiara to
do* paiz.-s da mon r-chia ; tem uma succursal I Carlos', em_EsteMa," Afroa'aa ou em "ontro'quaiquer
at 1 esth, que infoliziiieut- nao den nnnca resal- PonI>, est.i i frente rTum exercito numeroso, pole
aados deuaroravi.'K
Os nwionalistaj hangiros pozeram sna es;ieran-
fa Ho lioro ininislr i das linaneas, o Sr. Glivczy,
e!oe eniimentos patrioiicos the inspiram toda a
ccOin?a.
u Sr. Gbyczy e um almistrador habil e con-
c:enciiso que empreheadeu levantar as llnan-
dent:;. Deolaroii umaconferenciadopartido Deak,
qoo mesmo consideranJo a creagao de um banco
nangaro como vantajosa para os inlere-ses do
rein j, nao julga o momen'to chegado para o fundar,
- io esta modida nao sera possivel senao depois
do rest .beleciment > do credito publico, e da sup-
liressSn .lo papel moeda.
Alum disto nao occultou aos seus anaigaa que
fann mat ein oonsiderar esta medida como uma
! > urea para curar lodos os males de qup solfre o
ijaiz.
_.>'o da segumte oSr. Chycty fezigual declara-
gio Esta liiDiiouso am faaer Janajir na aeta esta
declararao por nnia or Jem do dia votada por 13V
votos contra 77.
A snu;oo)!ii!ssf!o d.-.s leis ecclesiasticas opton
un:inime;ne:itj pela inslituieio do casamento ci-
vil obrigatorio.
0 uiuiatra d:scuitos alherio a esta delibe-
r.;."iii.
O ;onJe de AnJrassy daclaroa na delegaeao
haajgara que as relates com a He-panha conser
varao o sea aotu.il oavactar ofTieioso ate e fundar
um governo deQnitiwi naquelle paiz.
Tl'llULIA.
Meacionam as noiic.as de Omstaiitinopla um
project! de eotapromissoqae a l'ona propez ao
armer.i'.i-cathjIi.Ms, aiim de por um teriuo as suas
diaeencdes. A> base- do accordo entre hassounis-
!as e kupelianitas deveriu ser as seguintes, se-
f iado .is inte;;; ies i g'>vrao oltomauo
Bleicao iij patrtarcbada Sicilia pelo povo opelo
ilero ; direit i do governo de revugar o patriar
eha ; ncineaoao dos ar;ebispos e dos bispos pelo
po opeloclero; os eleitores, porem, deverao
acclamar tres noaoes que serao apresentados a
Porta para esta escolher entre elles; adminisara-
cao dos bens commuuaes Delo ministerio do Ex-
taf; e finaiiueote prestaijao por parte dos prelados
de um juramento de fidelidale ao governo.
Allies de proper as duas seitas armenio-catho
eat da Turquia o uffuaoftMi que deve Jecidir
i questao, o.grao visir fez tentaiivas para us em-
; -uhar em terrainar a sua contendi por meio
!e um compromisso.
A conferencia que teve Ingar entre os delegados
das duas comraunidades tiio deu resultado algum
; >=!tivo.
Os armenios romanos p.-etende:n que filhos sub-
missos do papa Qquem na igreja em quaoto se
formun com os seus ensinamentos ; n que,
I r Lonsequencia conservam exclnsivamenle o dl-
retto as propriedades, fun'.fac8es, escohs, edificios
'ulto, d'antes possuidos em cominum.
Oj dissidentes pelo contrario protestam contra
as novas usurpa^Ses do Vaticano, lundanlo-seso-
fire os cireitos secnlares e garantidos da igreia
cth.olica do Orieote,e repellem toda a ingerencia
!.; Santa S6 na organisa^ao da adminviragao da
imoDnnidade catholica
PerdSda a wciencia, o gr'io vizir deflpedio as
[iar<'s em litigio e declare que s6 o governo se
fari.i jniz da coisrenda.
Qaaoto a proiecQao que te_ iavoea da parte da
Franca., parece qae a Porta e-ia no llrme proposi-
invocar o traiado de paz a=signdo depois da
rra da Crimea que n.-ohibo as potenciae es-
trangefras exereer um pr, tfr'torado qual pier *o-
bre os subiito3 turcos, sob pretexts de feligiao.
EERVIA.
0 priMipe Milan da Servia chegoa a Constanti-
nopla no dia :! de abril, e fez immediatameote
:.na visita ao suitio.
Dirigto-se depois a Sublime Porta onde toeebeb
imprime.tos do grao vizir e de todos os mi-
II10B.
itmu.
'Jomo se nao fosse sufflcjenle a fome de que se
causar por muito tempo grandes e poderosos em-
barajos.
Os carlistaS mostram ter em Franca am apoio
altamente importante e consideravel. sendo isto
demonstrado pela maior vigilancia que as autori-
dades francezas comegaram a exereer na fr.intei-
ra, logo que as tropas liberaes entraram em
Bilbao.
A in apezar das noticias -.fReiaes dizerem que se teem
apresentado bastantes insurgentes a autoridades
liberaes pedindo para gozarom da amnistia.
Em Castslla Nova, as forcas do brigale;ro
Callcja, compostas de 800 infantes e 180 civallos
unidos a rolumna do brigadeiro Garbaya, alcan-
caram no dia 3 do corrente a facjao do'c.ibecilha
Valiente, em port) Monsarto, batendo-a fortemante
depois de 6 horas de fogo, corn perda de ol ho-
mens. 83 prisioneiros, muitas armas, mnnicoes e
cavallos.
Esta guerrillu, era o terror dos povos daqnelles
contornos.
Em Aragao o cabecilba Mario foi ignalmonle
"; i.meacada a India, accrescera agora os rceios
do uma guerra de religiao.
Ha qouco a sidade ie Bombaim foi pei turbada em
oeia da revolta de afguns manometaiMS,
por canst da publica^ao de uma broehura contra
Ma borne', us fanaticos voltararn sen** furores
contra os porsi.
.Hoje, a !uti e um kurrashee contra os cliris-
taos. 0 que ha para receiar 6 que os miiiometae
no-;, tend>> ganho nma especie de Victoria, sd nao
tornem ainda mais arrogantes, e aao ponham Ifr
miles as soas pretencCes.' '
1IESPAMHA.
;obre este pair esereve nosso correspondents da
Lisbda :
< Cartas recebidas de Biscaya narram porrce-
mteressantes sobre a primeira Jornada das
batldo pela columtia dj brigadeiro D-S|iii|oi.
Na Andaluzia e Extrema'lura, foi alcancada a
facr;ao PojuN't, composta de 40 inlantes e 83 ca-
vailos, sendo batida eompletamente pela colum-
na do capifcio Crame. Na serra de Montancher,
foram tamoem batiJas e dispersas outras partidas,
cu;o eabecilha s- desconhece, j>elas forcas do te-
nente Siena, do regimento Mmfesa. Teem-se apre-
sentado alguns soldados, ao gnvernador militar de
Badairtz, al'un de nozar do indulto decrelado.
Na Catalunha. os earlistas em presenga do
?eu infeliz resoltado, no norte, desanimaram. Mais
tardo reunirain todos os partidos ; e fortes d'uns
7,00) homens, sob o commando de D. Aff.-nso de
Este. irmao do pretendente, foram eompletamente
batidos em Grandllusaner e Prats, sendo desaloja-
dos de todas as posicdes, e perJend > maitos inor
ios e prisioneiros. Comeoou, pois, este principe a
sua campanha por um revel. Se fosse bem sue-
cedido, de certo daria muito animo as faccoes
earlistas da Catalunha e a todo o exercito de D.
Carles, que tem enfraquecido poJerosamento pelos
innumeros revezes qne tem eoflrido ultinnmente.
Em Valencia nao loom os rebeldes s;d i mais
felizes; pois nos dllfjrentes recontros que tivcram
coin as iropas liberaes, foram serapre baud is e
dispersos.
a villa do Daets esta bloiuoada polas fon;a<
do pretendente.
Sanies eoniinda preso em Aibocacer.
Pelas ultimas noticias lelegraohicas recebidas
em Lisboa, sabe se qne em relacao a crise nada ha
resolvilo, nem cousa aluuma se sabe de positivo.
As versdes porem sSo variadissimas.
- Dizem uns que se formara um gabinete pre-
sidido por Caslellar e composto de elementos re-
publi;anos; dizem outros que sera Topetj o pre-
sideate do conse ho, formando-se um gabinete de
conciliacao. Dizem outros finalmente que se for-
mara um gabinete homogeneo, composto de
elementos constitucionaes, sob a presidencia do
general Zavala.
-A ultima ver sao e a que parece mais realisa-
vel nas actnaes circumstancias e que a cri^e se
resolvera aem mudanca alguoia na consUaicao do
gabintte.
Acerea do norte nib ha novidades i:npor-
tantes.
0 marqaez del Daero ooutiouava em Bilbao.
Os earlistas apresentaram-se em grande numero,
como diz a Gacetu. Oulros jjruaes dizem qns o
aspinte das f^rr;as aarllsMa nao d dos melhofes
que estlo desmoralisados e iesanimadus ; que
para os-animar eua 0 pretendente em Ditrango.
com (jraii-Je parte desuas forcis.
0 gov^roador de Biscaya publicou um edital
prometttndosufcmetter a cocselho de guerra todo
o individuo que in'endi.ir on atacar a proprie la-
parlisolar; esta nieJidb e determinad.-i pela
n*eessilade de obstar as grave-* desertions ijue
havia em Bilbao eomo represalias.
Q eapitio general do Cilalooha prohibio as
assocJades tie-yrevitias, seado mettidos em" con-
seiho de guerra como perturbodVires da ordern pu-
blica os que ?. ella pertencerera.
_ Acerea da derrota do D. AflbtM na Gaaaiaaha
nao ha rnais noticias, senlo de ter entraJo o geue-
ral SabaUs na Cotalunha e de terem silo conside-
raveis as perda* d>os earlistas do eombate de Prats
de Lkifanjes.
i'ORtWGAL.
- A altenca*) palilica occupava se com ai pro-
xlmas eleicoes.
*- No?9o correspOBdente Je Lisboa -e-ero*! em
13 do corrente :
Continua na ordero do flia, mas ja no periodo
de decadeneia a quosSo snscltada ntre a com-
misaSo central 1 de dezembro, e algnns porrugao
zes e brasileiros residentes no Ria de Janeiro.
Per um dos paquetes qne sahem hoje vaika;
t.', se acha tribunaes etiuHr'sV jtngaTO.
No roxiaio outtmino, vai trabalhar.so campo
de'raaaobras de "nmcos, 35 legoas distaate de
tisboa.wna divisie do exetcilo.
Para semelhante fim ji o Sr. mlmstro da guerra
foi aq suas ordens.
Continoam os exercicios ue arajaiefia na po
lygono em Veadas Novas. Esta alii uma forca
proximamente de 400 homens, compreheadendo
duas baterias montadas e uma ie raontanfca. Os
exercicios darain 3 mazes.
Fazem-se corti grjnde aetiv dado exprfriencias prdprias para estudar as pe
Krupp, detennioando a veleadade inieial o?
projetis, o se estudam as principaes .vantagfc*^
que sem4hante artilheria pode prestar ao exercite
portuguez.
Actual'rnente todo o exercito esta arm ido com
.as armas de carregar pela culatra. Ab'rangeado
os dotts sy'stemas RicfurJ, para car;3dorts e arti-
Iharia; e Snider-Uvatler, para infanteria e Caval-
iaria. Todas estas armas foram modilicadas rias
nfncuias da rfifeccao geral d'artifheria.
As fiind'roes neVfe uotawl estabele.'-imento teem
SrogreJido admiravelinente, teridt'so obtido os me-
lores/esu'ltados.
URIm'amente fundirans-se 8 pejas de 15 centi-
metrds.
Foi hontem erttfejue umabateriado systems
Krupp ao regimento de aftilheria n. 1.
Eatrou no porto de Lisboa o uovo vapor da
marifiha brasileira, Madeira, qUe o governo im-
perial ma'tidou construir na lnglaterra. FT para
transporter tem a machina da forga de 250 Ca-
vallos. E' eleg'a'rfte e pafeee preeneber o Bin
a quo foi deainado.
PArece ter-se encoalralo um grande desfal-
Ojue no cofre dos depositos dos valcres inveataria-
dos e liqnldados no cdnsulado hespanhol da cida-
de do Pofto. 0 goveruo sespahhol suspeadeu ja
este funccionario. 0 alejnce'dlzem qae iraporta
rt'uhs 20 cohtos de reis
Faila-se no Sr. Salgalo, tenento coronel de Ca-
vallaria, chefe de uma das repartigoes do ministerio
da guerra, e qua brevemeate vai ser proraovido a
coronel. para substltdfr n Sr. general Macedo e
Couto, ho governo gerI da India (Jortirgneza.
0 governo sanecfsodu a reSolUQao do governo
civil acerea das visita- da policia do porto.
Ficam pois'limitadDS a conferencia em terra
da's listas dos passagoiros com os respectivos pas-
saportes. Um duplicado destas listas sob a res-
ponsabilidade dos capiiaes ou dos consignatarios
sera enviado paracs eonsuladjs dos p<.rtos a que
se dosnnam os navbs.
A praga de Li-boa ficou s.otisfeita com esta ro-
solUfio.
Pdlo respectiv.o minisicrio. foi con:luido o re
gulamenlo das quarenienas. Vai ser apresentado
aos ministerios da mahnha e (azenua, atlu do se-
rem ouvldos e darem a sua opiniio. Parece que
sao su;jprimidas algamas disposifdes altamente v<
xatorias do actual regulamento qnareotenario.
0 governador militar da Importante praca de
guarra porlugueza de Val'enca do Minho, situada
na fronteira hespaohola, felicitou pelo telegrapho^
o governo do Midril, indo no dia immediate o
governador mffitar de Tuy agradeeer a Valenca
a^uella Qneza da autoridade portugueza.
Esta nomeado o Sr. Jose Maria Lobo de Avi-
la, para o cargo de governador do Macao e Timo.r;
ficando o actual governador o Sr. visconde do S.
Januario, com a missSo de embaixador junta ao
imperador da China. Todas as despez is feitas com
a emboixada sahem dos cofres de reeefta da pro-
vinci''.
t Foi ordenado, pela rcparticaocompetente. que
proceda, com a maior brevidads, a confeecao
Ti'Jcando-se nao haver
foi levanlada a sessao.
mais numero para votar-
se
ib s projectcs e orfamentos, para a construcgao de
do ni phardes, um no porto grand" da Iha de S
Vicente, e outro na de Santo Antao, no archipelago
de Cabo Verde. E' sobra tudo, humanitario seme-
lhante scrvico ; pois evitam-se com asuaexecu-
gaj os continuos naufragios que se dao naqucilas
ilhas. A proposta de semelhante construccao. foi
apressntada pelo actual governador geral, o Sr.
Caetano de Albuquerque.
Foram agraciaiios: com u titulo de
visconde de Arcosello, Jo8 Cnrvalho, proprietaria no Brasil; e com a
commenda de Christo, Andre de Aquino Pe-
rcira, subdito brasileiro.
Foi elcito sjcio correspon leate da noa-
dernia re I das sciuncias de Lisbua por vo-
taij.io unanime da 1" classe Krnesto Renan.
Votaram os seguintes ooze acadomios: Jose'
Vicente Barbosa du Borge, presidente da
clwsse, Jo'se Maria Latino Coelho, secretario,
Tnomaz do Carvaiho, autor da proposta,
A!var.n,'8, Arantes,Bernardino Antrnio Go-
mes, Daniel Augusto da Silva, Jose Horta,
A. Vicente Lourenc), Carlos llibairo e Fran-
cisco H >rtl. 0 parecer era eScripto pelo
Sr. Latino Coelho.
Pa. te hoje no .Veva com destino ao Rio
ile Ja.ieiro, onde vai tomar assento na s-
sombled geral legislaiiva, m^nsehor Joaquim
Pinto de Campos, levando como brinde ao
sen paiz o magnifico livro Jerusalem.
llao de alii recebel-o, os quo do veras
nmam o seu paiz, com a estima c couside-
racflo que merece, e qae entre n6s con-
quistou das pessoas mais gradas da nossa
sociedade.
Entraram em nosso porto a 29, pata-
cho Mondeyo, do Maranhao, e barca Jovcn
Adelaide, do Para ; a 2, vapor Braganza,
do Maranhao.
Sahir m do noseo porto: a 30, bar-
ca Lifjeira par.i o Pard; a 6, brigue Lima
para Pernambuco j a 7, vapor Jerome, pa-
ra Para\ Maranhao e Csar^ ; lugre e^i 10
Cidral para Pernambuco.
Acha-se d carga para Pernambuco o
br guo Voador Mondego.
'< 0 lugre Cidral levoa : 97 pipas e 127
barris de vinho, 25 ditos de vinagre, 39 de
azeite, 100 do toi3inho, 850 saecos de l'a-
rellos, 9li pi.'dras Je cantaria, 12 volumes
M&T^0*>Moltmlk^ Por porta/ia da
presIdenciaTia pfavtrjcia; de 23 do corrente, foi
aoBieado o tidadao Joaquim Antonio Cordeiro de
Mello, para o cargo de subdelegado de poficia do
*. district de Itamae.
TlicHouraria provisu-ial. Por porta-
taria da preiideacia da provincia, de 22 do cor-
rente, foi nomeado o prepsrador do museu do
gyRHMsto-fvevincial, Fftp>e-E>ttk> Meana da Cos-
ta, para o lugar de 3* escripiurario da thesoura-
ria proClbciSf.
.fifrmaiawlo proviacial, -Por p otaria da
presidencia da provincia, de. tit do corrente, fei
noraeadoBianor da CuahaSduto-Maior, paraexer
oer ipterinamente o lugar de preparador do ra*
sou dogymrJaslo provioofsl.
A ordem do dia para hoje e a da antecedent?.
< lul Popular. Comecou hontem a pro-
ceder-.-e a eleigao de nova directoria para ise
club ; a abeitura dos trabalhos suscitdu-so nma
dessas questdes naturacs em taes occasides, a
qual, nao obsUfne torhar-se calorosa, for, com
pouco, acalmada e resolvida de raddo satiSfaotorio
a arabos os fados pleltearfte's.
Depois de 6 horas da tarde, conefuio-se a apu
ragao, dando o segftinte rcsultado para a eotn-
p'osfcSo da mesa:
Br. Perreira Jacobifta.
Dr. Beirort.
Dr A. Clodoaldo.
Or. Hoaorio Ifermeto Cdrfeia de Brito.
Antonio Pefeira de Souza.
Em consequencia da bora adianlada em que
c.'BcIuiram-se ds trabalhos e da geral fadiga, o
Sr. presidebte tranj'erio para 6 dofflingo 31, a
eleijao que deve eleger os membros qde teerfl de
funccionaf no aiiho de 1874 a 1875.
Jury do IleriTo. -Poi convocada a Sessao
do jury do Recife para o dia 5 de jnnho, sendo
presfdente o Exih. Sr. desembargador Lourenjo
Santiago. m
Inccudio. No sabbado, cerca de rheia noi-
te, deram as igrejas da. cldade do Recife, sign?.-
de incendto, que se ateara no armatem de genel
ros de estiva dos Srs. Ferraz 4 Pereira, na triveSSI
da Madre de Deus, esqnina da rua de Mariz e Bar-
ros.
Bem que baststite adiantado, quando foi desco-
berio, e lavrando n'um armazem cheio de mate-
rias de prompta corabustao, o incendio Gcoa lioii-
tado ao armazem onde se atelou, graeas as acer-
tadas [iroviJcncias dadas pelo Sr. subdelegado da
freguezia do Recife, Auxiliado por diversas peo-
SOAf.
Tan'.o o predlo como o armazem acham-se se-
guros este no valo: de 15:|OOOJ na companhia
Alliincd, do Porto, e aquelle na co.npinhia In-
demnisadora.
Os damhos cau-ados nao sao de grande impor-
tancia.
Ao lugar conCorreram div'efsas autoridades, for-
ga de linha ede policia, prestando ervigo as bom-
bas das esta^des pnblica'.
Diuuciro. 0 vapor Joguirtbe trouxe 'para:
t *j at.
38J.....
o:Ui.,...
8.9.-S3____
1:946.....
7:493~...
2:508.....
10:2)8.....
6:780.. ..
JM
Ns. Pesetas.
ftaffl.....: ido:oio
2'fO...... 80:00 I
8:656...... 30.0*)
838...... I0:03o
622...... 3:000
6:081...... 3:000
12:758...... 3:000'
14:148...... 3:000
11:483...... 3:000
1:915...... 3:600
Para asul at* inaperioCom
dos em nosso porto, levo* o Neva t\l
ros ; e com 19 reeebfcfos aqui levon o
387 passagelros.
DcputatataiH ferae*.Nos dous vapores
inglezes, q*e segcriram hoaaam para o sul, forani
os Srs. Dr. t>nacio Joaq*im de Souza Loio e ntoa-
senhor Joaquim Pinto de Campos, depulados por
Poraamfemio.
0 Tapor inglez Neva, che
Gomes de slattos & Irrh.io 23:8985000
Silva & AlVes 3:942*000
Fraga & Hocha 2:500*880
Antonio Alberto de Souza Aguiar 2:500*000
Januari) Jose da CostJ 2:2005000
Pernando Gomes da Silva 2:150*000
Josd Duarte das Neves 2:001*000
Antonio da Silva Pontes Guimiraes- 1:300*000
Cnnha Irmao's 4 C. 1:0003000
AITredo Garcia & Irmao 776*000
Tasso Irmao 109*000
Meuron & C. 378*810
Francisco Manoel da Silva 357*000
Joio Ramos & Machado 292*000
Jose da C. do Olivelra Figueiredo 100*000
li'imiiiilade de Wantisslmo Sacra-
mento da matrix da Boa-Viata. As
10 horas da in mha, reuaida esta irmandade em
numero superior a I'iO irmlos, constituida a mesa
geral, hi lido um oflkio do e-crivao .Simplieij da
Cruz Ribeiro, em que participava deixar de com-
pirecer por motto plautivel, remettendo nesta
occasi.lo o livro das notas para os fins convenien-
tes.
Em consequencia, o juiz designou com appro
vaijto geral o irmao mesario Ernesto Vieira de
Araujo, para exereer na occasiao o lugar de escri
vao, passando logo este a lavrar a acta da sessao
da mesa geral, concerneote a elei;ao, que proce-
deodo se, deu o seguinte, quasi por nnanimiJade
de votos ;
Juiz Tenente-coronel Antonio Carneiro Mi-
chado Rio?.
Escrivao Dr. Francisco Femira Martins Ri-
beiro.
Thesonreiro Josd Candido de Moraes.
Procuradores Joaquim de Gouvera Cordeiro,
Joaquim Vilella de Castro Mariz.
Mesarios Jo3o Francisco Antunes, Wenceslao
Machado Freire Pereira da Silva, Francisco Mar-
tins Rapozo, M)d?sto do Rego Baptists, Elisio AI-
belto Silveira, Lourenr^o Pereira Mendes Guima
raes, Manoel Antonio Teixeira de Albuquerque,
Manoel Antonio Viegas, Ernesto Vieira de Araujo,
Joaquim Claudio Monteiro, Jose Luiz Macedo Ca-
valcaute, Marc^lino Josd Pupe.'Herculano Silveira
Bessone, AIvaro Pereira de Sa, Manoel'Tavares
d'Aquir.o, Manoel Luiz da Veiga.
(iovcrnqdo blspado. Por provisoes de
20 e 21 do corrente, foram nomeados : vigario en-
commendado da freguezia de Nossa Senhora da
Conceicao de Matta Grande, nas Alagoas, o Rvm.
conego Lniz Josd de Oliveira Diniz; coadjuctor
pro-parocho da freguezia de S. Miguel de (poju-
ca, o Rvm. Frei Augusto da Immaculada Concei-
cao Alves ; e coadjuctor da freguezia de Santo
Antonio do Recife, o Rvm. Thomaz Ccdlho Es-
tima.
Importante capturaEserevem-nos do
Rio Grande do Norte :
Conslando em 12 do corrente ao Dr. chefe de
policia desta provincia, por informacao do com-
mandan ee do vapor Cururipe, que pela Ponta do,
Mel coofronte as Ureas em Mossoro, vogava uma
baleeira com quatro hsraeos, aquelle distiocto ma-
gislrado, a quem fez especie a noticia, s.em perda
de tempo expedio por uma barcaja ordens termi-
o nosso porto em 14 e rp"los dias, .-cuJu de l.is
boa por S. Vicente, demoraadose neste porto 14
horas, era 10 e meio. E' uma das melhores via-
gens quo tem feito os vapores da linha de Sou-
laamptoa.
Telegram ma* rommerclaeo. Veio
sabbado o seguinte do Rio de Janeiro, em data
de 33 do corrente :
GamWo stfbre Londres bancario 34 7/8, parti-
cular 24 3/4 a So d.
Pelos vapores Nrr.i e Lnzitanin vieram hon-
tem os seguiat.es :
c Londres, 12 de maio.0 a godao subio 1/16
sjli-c os prefos de 7 1/2 a 10 o de Pernambuco,
de 7 3/8 a 7 7/8 o da Parahyba, de 7 1/2 a 8 1/2
o de Viaceid, de 8 a 10 o de Maranhao, de 7 3/4 a
9 1/2 o do Rio Grande do Norte, e a 8 1/8 o do
Coara. 0 assuear Irouxo aos;precos do 20/ a 23/
o branco, e de 14/6 a 20 o mascavado. 0 cafe
Gnne aos prefos de 64/ a 87 o do Rio, e de 77/ a
87 o de Santos. A'ncwles ds Foster.
Londres, 12.Algodao cahio com al(a de 1/16
sobre os precos de 8 |/4 Pernambuco, Ceara e
Maceid, 8 Parahyba, 8 3/4; Maranhao. Assucar
frouxo aos preeos de 23/6 a 24/6 feranco, 20/ a
21/ louro, 16/6 a 19/6 mascavado de Pernambu-
co. O cafe aiuito calmo aos pre^js de' 70/ a 38/
do Rio, li/ a 78/ Bahia, e 70/ a 76/ Ceara.Pinto
Letleti SobrtMhos.
ttenero* de estiva.-0 Neva trouxe :
eha 23 caixas a Tnomaz de Aquino Fonceca 4 C;
manteiga 60 volumes a Fernandes & Irmao, 10 a
A. M. M Bastos, 30 a Lebre, 50 a Costa Amorim & C, 71 a
J. Pater, 10 a Silva Guimaraes; queijos 21 caixas
a Corga, 6 a J. J Alves, 17 a Lima & Silva, 32 a
Rosa & KUho, 17 a Fernandas da Crnz, 23 a Sou-
za Bastos 4C, 27 a Beltrao 4 F.lho, 17 a J. C.
Braga, 10 a Lebre, 45 a A. F. do Carvalho, 33 a
Cardoso 4 Martins, 16 a >sta Amorim 4 C, 3 a
or Jem.
Vapor Ceara.Sahio hontem a tvrde da
Bahia para o nosso porto pelo de Maceid. Deve
aqni chegor no dia 37.
Tranaporte Madeira. -Este navio da
armada brasiloira eo.lrava no port-ode 8. Vicente
quando dahi sabia o Neva. Deve tocar aestes
d+as no nosso porto.
Santa Casn de Mitserirordia. 1 -r-
ca-feira (36 Jo corrente), manda a junta adminis-
traiiva desta corporacao celebrar, na sua igreja,
uma missa de Requiem com Memento, entoando os
canticos sagrados as educandas da casa dos ex-
postos, pela alma do cemmendador Antonio Joa-
quim de Souza Ribeiro, que falleeeu em Portugal,
leginlo 2:O0O*0jOaquelle tslabelecimenlo e......
8:000*000 ao hospital Pedro II.
Arremaiai'iM-N proi iiu-iaes. Perante
a junta da thesouraria provincial, vao a prai;a. na
quarta-feira (3 de junho): a obra da bomb? para
o p voado dos Monies, avalia la em 1.980*000; o
fornecimento de alimentos e dietas, e medieamen-
los e ulensis para a casa de detencao ; os roparos
da ponle do Trapiche, orjad >s em 1:630*00J.
lurinprudeneia*Sob esta rubrica ence-
tamos hoje era nossa oitava pagina a publicagao
do decrelo n. 3,59 de 18 de abril ultimo, creatido
nas capitaes das provincias caixas economicas e
moales de soccorro, e mandando execnlar o res-
peclivo regulamento.
Anniversario. -Hoje d o dia anniversario
da proc!ama$ao da;indepen lencia da Republic a Ar
gentina no anno de 1810.
Vapor tfaguaribe. No sabbado, pela
manna, chegou e?te vapor, procedente da Granja
pelas escalas, trazendo datas do Ceara 14, do Rio
Grande 21 e da Parahyba 22 do corrente.
Pela presidencia da provincia do Ceara fii
nomead > o engenheiro Dr. Antonio Goncalves da
Ju?ta Araujo engenheiro fiscal da estrada de fer-
ro de Baturile
No dia 12 inaugurou-se na capital a sociedade
das caixeiros, Qcando a direc<;ao assira compo-ta :
presidente, Manoel Franci;co de Azevedo Janior ;
se:retarios, Antonio Cyril! o Freire e Antonio de
Freiias Guimaraes Sobrinho.
Leraos no Cearense:
Domingo ultimo (I2j teve ingar, no eonsistorio
da Se, uma reuniao, convocada pelo Revm. cura.
padre Jose Lourenco, afim de tratar se da attitu-
de a tomar na actual questao religiose.
Compareceram perto de lo I pessoas
a Exposto o rim da reuniao, foi lida para ser as-
signada uma representacao que. deve ser dirigida
a assemblea geral, contra o gabinete, e especifica-
damente contra o mioirtro Joai Alfredo.
0 Sr. Dr. Soares, inspector da thesouraria pro-
vincial, em um violenlo discurso qualilicou de im
moral, frouxo e corrompido o governo; conlem-
nando como h'retica a doutrina do placet, disse
qne se ella viesso a pre vai ere r. cahiriamos no
absolutismo e o imperador proclaraar se-nia o pon-
tiflce do Brasil.
Seguio-se na tribuna o Dr Jose Avelino, que
combateu as invasdes uitrara..ntanas, prnnuncian
do-se pelo casamento civil, registro civil secnla
risacao dos cemiterios, etc., etc.
t Occuparam-se da que.-tlo outros oradores, in-
clusive o Revm. Ant.nino Pereira de Alencar, qne
opinou pela modificatao dj alguas trechos da re-
presenta^Jo, qae censiderava inconvenientes, pelo
que recusou-se assigna '.a.
Nada se decidio n'essa reuniao, em conse-
quencia da confusio em que se levantou a sessao. o
Uma carta do Pereiro diz o seguinte, em data
de 30 de abril :
0 povo d'esta villa acha-se na maior conster-
nacAo com a peste das bexigas, que vai era pro
gresso.
t Ate agora terao3 a lamentar 12 victimas, e
ficam ol dopntes. Eotre os niortos contain-se a
mulher e uma filha de Raymundo Fiuza. A ca-
mara pedio providencias ao governo, e hoj'e fazem
24 dias e o portador nao voltou ainda.
Do Rio-Grande do Norte nada recebemos.
Leraos no Jomal da Parahyba :
3. Exe. o Sr. presidente da provincia, por
portaria de hontem datada, acaba de annullar a
eleigao a que ultimamente se proccdeu na villa
de S. Joio para juizes do paz do distrieto de Ba-
talhao, ultimamente creado.
Por cornmnnicacao do cominaodan'.e do desta
camento da villa do Pilar, capitao Joio Alves Pe
?I|js*i# liftat^i-^aeV. AW&iPdo eorao te pefiria
PP'Pi^ *o*oeVMMeieoelettiBJd.
i:^)0 j)eiWSoSr. Frafleiec) Pr*a Cayakaa* d-
1 Vlbnq.ierqae, thesonreiro da eeeie.laJe, Jen u
brcVe di?eurso, attinente ao as*umpt.\ o qual tt
plicoa bem claramerite o bje*i de se.nelkawe
demonstracao publica, segulnJo se logo am *er?
do Sr. Manoel Pacheco Borges, q,o abanl -u ia-
inestuas ronsideracdes.
< A encheaie foi geral, e em todas as ph\-
saias ie divis** a ceaapieta aaagria da testt, CTT-
rendo bem o eaeectaasU.
Oneaiordaa pe*Meee. Lenoe e
Correio do Ank :
Existe na fatenda do Arraial desle mnnn
e ainda no uso de stas facuMaeVs paroleins, nm
papagaio com a idade de 29 annos. Esta ave
nasceu na serra do Cod, do nranieipio de Saata
Anna do Mattos, em 1844, e foi dada de araaeeBe
a finada sogra do Sr. Dr. Ignacio Dias o> Laearda,
a Exma. Sra. D. Maria Hermelinda d
Cabr I, por sua raii a Exma. Sra. D. Angela Gar-
cia d'Araujo Freire, lambem ja fallccida.
c prta idade ja se the vao -inveileudu se de^'^
(des pbysicas, a ponto de ler oa dose bico setn d -
reeeSee oppostas transversaes.
\oia linlta le vapere*. Lemt^ I r
3.-W
3:000
3:000
3:000
9^)03
3:000
3:000
4 recebi
passagei-
Luzitnnt i
nanles para a captura de taes viajantes, que desde I reira Lima, dirigida a S. Exc o Sr. presidente da
de drone a 3 eaixts com poleame.
.votieia* la Aneerica
Por via de Lisbda recebos a sagutn-
ESTADOS UNIDOS.
L'm telegram.na de Washington annuncia
que y governo mexicano aceitbu h media-
ndodas Esudos Unidos para o restabeleci-
mento das relat'oes diplomntibas entre o
Mexico e o? outros p.tizes coin quem estao
ainda inierrornpi Ia5 as regifies olfi:iaes.
RSVlSTA DIARIA.
operacSes railitares qne obrigaram oa cariistjs a resposta da comfliissSo a acta' dos sui'scriptores
.nandonar as suas nosifjoe? a roda de Bilbao ; Idaqaella cidade. Pgtre os 80 vogaes da fomrais-
OWenillN-a jiravlneial. Aotehonlem a.
assemblea fanccionou com 26 Srs. deputados, ?oh
a prtsidencia do Sr. Dr. Aguiar.
Approvada a acta da sessao anterior, o Sr. I"
secretario leu o 3eguinte expedienle :
Uma peticoio de Manoel Jobs dos Anjos, ex'praca
do corpo depclicia, pedindo o pagamentc-da quae-
tta de 602*800, a que tem direito por ter raarcha-
do para a campanha do Paraguay.-A' eommissio
de or^amenlo provincial.
logo se Ihe tornaram saspeitos.
Eram os enrainosos fugidos ultimamente de
Fernando de Noronha, de que deu noticia o seu
Diario de 16 deste mez.
a No dia 2! chegarara a cidade do Nalal, re-
mettidos de Macao, ern virtude de tao acerladas
providencia*, Francisco Jose de Freitas, condem
nado a 14 annos de prisao com trabalho, Manoel
Lopes ViJal, a 2 i annos com trahallio. Damiao
Teixeira, imperial mirinheirb, a 20 ann>s com
trabalho e Cosme Bezerra. sol dado do 4 batalhao
de infanteria, condemnado a carrinho perpetuo,
acorapanhados da bjleeira com 4 remos e ami boa
vela.
E' mais um a^signalado servi^o quo a?ab.i de
prestar o activo eifTusirado Sr. Dr. Jose Antonio
Corre'a da Silva, i|oe lemse tornado notavi I em
sua administracio polieial, e^pargaudo e^ta pro-
vincia do cresefdo numero de facinorosos, que a
ini'e--tavam, CaU'sando geral sobresalto na popu-
lacao.
a E tanto mais importaocia merece esta dili-
gencia, quanto e forcoio confe.ssar^ que seria ella
talvez improlima, se te desse aos fugitives tempo
iara internarem-se pel^s sort^Bs, isto e, so o Dr..
lo'rrda da Silva, em quem todos reconheeem gran-
de somma de tino policia!, aguarJasse communiea-
cdes alBciaes.
No dia ;n qne chejou nesta cidade a uoticii
da fuga, jfcx-s fiigitivos estavaaoipre* I
Louvocos a jjuem sabe as-im dedicar-se ao
pub icg servicoi djeaempeohaudi de mod.) tao sa-
tisi'aMorfo''otf'pesadds'o raenndFds*i3 deve res tin.
cargo qe lbe (bi'lonaJdo.
m Ao ir. Dr. Corraa da Silva enviamos as nessa's
felicitajoas.
a Servijos desta ordem s3o por.sj bastantes para
recoinmenda-lo a gratidio publica.
l.oiciia de Madrid. -Relac&o dos nume-
ros mais premlados na ex'.racjAo verificfida hoje
provincia, consta que se acham inteiramente de
baraiados os coutos dos ladrSes de cavallos e cri-
minosos, que impnncmeatc iufstavara aquella? pa-
ragens.
Hoje, a autoridade e a lei. a seguranea indivi-
dual e do propriedade sao al.i devidaraeate aea-
tadas.
t 0 Pilar de hoje nlo e o d hontem.
t S. Exc o Sr. presidente da provincia foi bem
inspirado, quaalo coinmelt-u tao importante ?:n
vifo a reconhecida activilade do capitao Joao Al-
ves que foi nelle efflcazmente anxihado pelo digno
delegado do termo, teneflte coronel Manoel Perei-
ra Barges.
Foi preso pelo capitao Joio Alves Pereira Li-
ma, commandante dJ detjacamenio da villa do
Pilar, e se acha recolhido a eadeia publfca desta
capital, o celefire criminoso de tentativa de mortf
e famoso ladrio de cavallos no termo de Pedro?
do Fogo, Manoel Fecreira da Nobrega, que trazia
em continuo sobresalto a popjulacao laqu lla vil-
la.
t Teve lugar na noite do 17 lo corrente, o es-
pectaculo em grande galla, qne a sociedade dra-
roatica partumlar, denominada -Santa Cruz, of
fereceu ao puMico desta capital, cm signal de
completo regozijo pelo born acolttlmeoto, com qae
fora recbiJa pela poD'ola;5o de.-t.i cid.i le a bi
jiova'de ter o governo imperial coftceiid) a flan;a
Jos juros ate 7 por cento, garanUJos pela no.-sa
asspmbRo regfslaliva, sobre o <*apltdl maxim de
3,000:000*000 para a constrajeao do estrada de
fer.ro ConJo d*Eu, nesta provin ia.
Previameote convidados S. Exc. o.Sr. preii-
deate da provincia e S. Exma famiiia pelo digno
director da mesma socfeaadj > Sr. Praocisco J^i
do Rosario, e alii chegindo as 8 e mefa, S. Exc.
levantou vivas a Sua MagesMde o Imperador, a
Cearense:
Inlormam-nos que as dias importanles ci- .-
Denis, Cronan e Cflllere Preres, de Nantes, re-
voram estabelecer uma lin' a de vapores, qne i-
hindode Saint Nazaire, loqueni do Ceara, Mara
nha.i, Para, ao semi Jo de e-tr e*t*f a* relar
co.nmerciaes entre essas provincias e a Franca,
o 0 prianeiro vapor ji devfa terdlbelo.
Nostes ires'primeir m mezes terete** trm
uma viacem por mez.
Faremos votos pela realisarao desta ieri
taole aoti eia..
E*erivM do* atroseHie*. 0 escr
JwC Mariano esta de seraaeoa. Carterie ra
Bella, loja do sobrado n. 37.
Proclamas.-Foram lidos na irrvja 4f. !
sario, que serve de m.ilriz da ftrgoraia Ie v
Antonio, no doming 2V de maio, os seg*ii:"
tes:
1 dennaciariii.
Lufz Rr-biTto d.i Espirito Saai^ MatueiTa. r n
Pergenrina Maria do Espirilo Santo.
JoSo AfTon*} de Mello, com Maria Kraecisr* Ir
Jesu*.
Eduardo Firmiflo da Silva Filbo, cm F.T
Gon^lves Torres.
Jose Martins Perreira, com D.nau de aiIotit-
que Mello.
Trajano de Freitas Bezerra. eem Anlonia leeta
do Espirilo Satfto.
Mathian, liberto, africano, com Smh'.riti i 4'--
ria da Conceicao.
Lniz do Rego Albuinerqne, com Maria F.-ir -
ca Alves da Coneeici >.
Antrnio Avelim Teixein, com Gnimermma M.-
ria Duarte.
lolo Gnilherme las Neves, com Pranceliei A -
ves das Neves.
2.* dennnciarJo.
Jos* Caetant de Oitvefr., com I*ah*-l A:ct -
drina de Santiago PernHra.
Estevao Jose Coelho, crn Amelia Franri a
Alves.
Francisco Candido do Amaral, eeee Pa*tit a
Augusta Fernandes Barros.
J ise Joaquim de Sant'Anna Lobo, com At r,
Florinda da Silva Meleiros
Antonio Francisco dos Santos, rom Ca!harna
Maria da ConceirAo.
Sabino Baptista da Poaceca, com Liberal* Mar<
da Coneeirao.
Manoel Jjaquim da Cosa, cm Mar;.
de Souza.
Alexandrino Ayres ia Silva Berenjrer, ^fn
Emilia Joaquina Jaymes.
3.J dennn'iaeio.
S^miao Joaqnim d1 Olrveirj, afneam
com Hermina Maria dos Prueres.
Augusto Francisco dos Reis, com Gn Ihernvt. I
da '^onceirio Basins.
Raphael Arehanjn Rodrignes e Strva, e
dida Bernardina EvanzHista.
Manoel Martins Gomes, com Maria J"<; le
S.'breira.
Martiuiano Isidoro da Trindade, com 0 leada
Carolina Guedcs.
Augnsto Castro Monteiro, com Maria >i \:
Castro Monteiro
Major Guilhermino Paes Barreto, com Marcotiaa
Guilhermina de Souza Castro.
Loteriaa qne se aeha a venda iiK
a beneflcio da igr-ja de S. PraaMtoee le -
nhScm, a qual eorre no dia 29.
Casa it* detencao.Movimemo Jum
Je detencao do dia 22 de maio de 1874.
Existiam presos 340. entraram 4, sahiram
existem 337.
A saber :
Nacionaes 239, ranlheres 9, etrngeir 2 -.
escravos 4l,escravas 5. Total 337
Alijientados a enstt dos cofres imbhr ."
Movimento da enfermaria no dia 33 de ;i.
1874.
Tiveram baixa :
Germano Lopes Frazio, febre.
Jo^e Viclorio de Barros. i Jem.
Jos6 Francisco dos Santos, i Jem.
Tiveram alia :
Francisco Antonio Per ira.
Domingos, escravo sentenoiado.
Manoel, escravo idem.
PaMMa^eiroH. 0 vapor nacional Jae*
be, chegado do norte, ironxe os seguintes :
Manoel A. Pereira, Nieolao Pnngeton. Jose Ro-
llno de F. S Kangel, Joio da R. Faria, D. Heer:-
qnes R. Cao, Joaquim G. do Amaral Yalem**. '<*
Felippe de Carvalho, Antonio A deS. Mariiis
Antonio Joaqnim Seve. 1 filho menor e I escra
Daniel Antonio dos Reis e sua senhora, Pedro R.
Freire, Jose Joaquim Dias, Manoel M. da Kr-a,
llonorio Jose da Silva, Marcelino P. do< Anja*,
Mathens Jose da Cosla, Ismael Francisco S Fran
Cisco Felezoh, Antonio Pereira de Paries, lele A.
V. Barca, Manoel B. de Sonza, Thomat C B if-
Antonio L. da Silva. Jose S. de Holland*, Aoi
P. de Oliveira, Antonio L. de Sonza, Lniaa Fran
cisca do Espirilo Santo, Sabtna Maria de Oliwirs,
Francisco G. N. Lacava, Panlo Jose R >*hfm,
sua senhora e 7 escravos, Luiz Jose Soar-
Macedo, um escravo e uma menor lilerla, t*nent
Emigdio Francisco de Sonza Magalhaes, sua -
nhora e um criado, nm desertor e duas pracas ie
policia, nma escrava do Dr. Aleebiaies ed5 escra-
vos a entregar.
Chegados da Europa no vapor inglez \>r* .
J. Howe, E. Perkins Josepha CLery. A. (Jirrtm.
George Pellons, B. Jones. Alfredo I. Terrall.
Henrv G. Holder, Thomaz F. Holder, Manotl J
Machado, D. Margarida J. F. Machado, Arrhfral
Je G. Brown, N.ircizo J Nello, Antonio!. >-
reira, Joaqnim N. Junior, Jnan A. Garrido, S-l-
vano R. da Costa, Antonio Manso. Francisco \
Sobral, Antonio R. AnJraJe, Angelo Saniini Au-
gusto, Guerra, Joio Pedro Pinheiro e Doming -
Euner.
Vindos da Europa no vjpor ingle: !:.-
lania :
Joao Ciristiani, Lucie EL, Raymunlo A. Salazar,
Caetano L. Salazar, Svmpbronia, Anloni I
Maria Rosa, J. Gongalves, Jos-1 Pereira Reft,
Francisco Correia, Manoel A. Jacirrtho, Domine>><
Ferreira.Jfanoel Josi* Lonrenco, Manoel Pran~sc >
Je Souza, Ernesto D. da C. Amorim, Mariano
Tasso M. Braga, Georgiana J. Fernandez e Aifreso
Prisco Barboz.i.
Ceaaiterio pnblire. Obitnario do dia 22
3e maio de 1*74 :
Antonio lldefonso M-reira, branco, Peieegii.
C8 annos, viuvo, Santo Antrnio ; gastrj i*ljs:ioa'.
Anna Baptista do Livramer.to, parda, P-^^eef-
bu.-1, 30 aun s, sjlteiri, S. Jose : eaenexia syedn
litica.
Vnlpiano, branco; Pern mbneo, 1 anno, 9awo
Antonio ; tuberculos mesentericof
Alelina Maria Vieira 1: Brit-, branca, rereirr-
buco, 21 annos, solteira, Boa-Viata; tobercet>-
pnl n mares.
Maria, branca, Pernambuco, 6 dias, S. Jesd : es-
pasmo.
J so, pardo, Pernambuco, 2 tr2 a**oa. B-1* V.*-
11 : ivpho.
a sua Magest.\de o
familia iinperfal, aos distine'os concesslonarios 1a Srs. desembargadores Silva Gninvaris,
empreza e a mesma. sociedade -- Santa Cruz, fin-1 Sila e Souza Leao.Neg^u-se wmlaiWWe
rBPOXIC.I /! IrViHBL
I llilli V VI. II1 RKI>1< l
SESSAO BE 21 DE MAIO DE t8;.
I'M SlllEXCIA BO EXW. SR. COMSf.UIKInO CAE-
TANO MRIMI.
Sevetario Dr. Virgilio CoeOm.
As 10 horas 1* manna, presentes ea fee. de*-
ernhargadorcs ?ilva Goimaries, Looreeone
meida Alhuqi'.^jne, SI'itU,
OTrH interim. AcciHi, Dom*ifes
Leio, a*rfo s* a ses?5o.
rCLG\W? -T.TS.
Aggrav.js de pctlclo.
Aggravante Joaquim Alves Barboea.
I
1
>


1
9htk

1*
Aggravanle Fortauata, por sea cnrader. Jnues,
cs Srs. desombargadores Silva Guimaraes, Seoza
Lm e Almeida Albnqaarqae. Xe|ocf sa provi-
memo.
Aggfavants B. ARina. Poppe Upes. d3 Silva.
Idizes os Srs. dasembargadores Laareapa Saatia-
go, Motta e Almeida Albuquerque.Deram pro-
vimento.
Aggravanta Joao Francisco lie 'Araujo. Juizas
03 Srs. desembargadores Almeida Albuquerque,
Dgmiugues Silva e Lourenco Santiago. Deram
prOTrmeato.
Aggravanle akido de Oliftda. Juizes os Srs.
desembargadores Almeida Albuquerque, Silva
GuimarSes e Accloli. Negou-se provimento. -
Aggravaolo Joaquim Antonio ie Carvalho. Juuej
os Srs. qesembargadores Mitta, Souza Lead e Silva
Guimaraes.Negoa-se provimenlo.
Aggravanle Erotfto J. de Avila Mello. Juizes os
Srs. deseaaafjjadores Motia, A^ciali e Almeida
Albuquerque. -Deu-se provimento.
Aggravanle Jo.se Monleiro Torres de Caslro. Jui-
zes, os Srs. desembargadores Motta, Accioli e Sou-
z\ Leao. Negou-se provimenlo.
Aggravanle Luiz de Paula Lopes Juizes os
.re! desembargadores Aociob, Silva Guimaraes e
Molla.-Deu se provimenlo.
Aggravanle Jose Antonio Moreira Dias. Juizes
os Srs. desembargadores Accioli, Souza Leao e
Lourenoo Santiagu. -Negou se pro-iuieuto.
Aggravanle a compannia Drainage. Jujzes os
Srs. de embaigadores Aciioli, Leurenfo Santiago
e Souza Leao. Negou-se provimenlo.
Aggravanle Dr. Jose Antonio d Figuoicsdo. Jui-
zes os Srs desembargadores Domiugues Silva,
Lonrenso Santiago e Almeida Albuquerque.Dou-
se provimeutp.
Aggravate Rodriguas Ferreira 4 C. Juizes os
Srs. desembargadores DomiBfuea Silva, Souza
Leio e Almeida Albu juerque. Deu-se provimenlo.
Aggravanfu commandadpr Antonio Gomes Net-
to. Juizes os Srs. desembargadores Domingues
Silva, Motta e Almeida Albuquerque,-Deram pro-
vimento.
Aggravanle Jose Monteiro de Siqueira. Juizes
os Srs. desembargadores Sjuza Leao, Silva Gui-
maraes e Motta.- Negaram provimenlo.
Aggravos de instrumento.
De Maceio. -Aggravanle Doraingo3 Jose, de Fa
ria. Juizes os Srs. desembargadores Souza Lean,
Silva Guimaraes e Accidli. -Negaram proyimento.
De Uamauguape.Aggravante Manoel Francis-
co Corga Junior. Juizes os Srs. desembargadores
l.dureuco Santiago, Almeida Albuquerque e Do
mingues Silva.-Deu-se provimento.
Aggravanle Corga 4 Irmio. Juizes os Srs. des-
embargaiores Silva Guimaraes, Motta e Souza
Leao.Deu-se provimento.
Recurso de fallencia.
Ueccorrenteo juizo, recorrido Manoel Jose" Mon-
telro Torres. Juizes os Srs. desembargadores Do-
miugues Silva, Aecioli e Lourenco. Santiago.
Nio tomarara conhecimento por nao estar o recor-
rido preso.
Recursos crimes.
De Palmeira -Becorrente o juizo, recorrido Joao
Vicente Ferreita. Juizes os Srs. desembargadores
Sauza Leao, Domingues Silva, Lourenco Santiago
o Accioli. -Improcedenle.
Becorrente > escravo Roberto, recorrido o juizo
do Recife. Ju'ues os Srs. desembargadores Domiu-
gues Silva, Souza Leao e Lourenco Santiago.-Im-
procedente.
Da Atalava. Recorrente o juizo, recorrido Luiz
de Oliveira Feitoza. Juizes os Srs. desembargado-
res Silva Guimaraes, Accioli, Lourenco Santiago e
Domingues Silva. -Improcedente.
Carta testemunhavel.
Dc Goyanna.-Aggravanle Relmiro Jose Gon-
.alves. "Juizes os Srs. desembargadores Almeida
Albuquerque, Domingues Silva e Lourenco San-
< ago.Deram provimento.
Habeas corpus.
Concederam < rdem para a sessao de 2 de junho
fuluro ao paciente o preto Jose.
PASSAGEN'S.
Do Sr. desembarga lr Lourenco Santiago ao Sr.
Jesembargador Almeida Albuquerque :
Appella^oes civeis.
Do Recife.Appellaute Fdiciana Maria Olympia,
appeilado Antonio Moreira Reis ; appellante
Tbereza Adelaide de Siqueira Cavalcanti, appella-
ii Maria Francisca Bandeira de Mello.
Ao Sr. desembargador Motta :
Do Bonito. Appellantes Francisco Antonio Soa-
:'fg e outros, appellado Vicente Ferreira Padilha
Calombi.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta :
I)) Itecife. Appellante Carlos Leclerc, appelia-
dos Joaquim Bernardino Ferreira c outro.
Do Acaracd. Appellante Antonio Gomes de
Albuquerque, appellado Manoel Ferreira de Pi-
lil'.O.
Do Kecife.Appellante Agostinho Ferreira Ju-
nior, appellado Emilio Pereira de Abreu.
Do Sr. desembargador M)tta ao Sr. desembar-
gador Accioli :
Appellacoes civeis.
D'Area. -Appellaute Joao Jose de Oliveira, ap-
pellado Joao Victormo das Neves.
De S. Joao. Appellante Francisco Jose Pereira,
appellado Manoel Dantas Correa de Goes.
Do Recife. Appellante Ignacio Pedro das Neves,
appellado Manoel de Mesqui'.a Cardozo.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar
gador Domingues Silva:
Da Fazeoda.Appellante o juizo, appellado Car-
les Ernesto de Mesquita Falcao.
De S. Bernardo.Appellante .Raymundo Carlos
la Silva Peixoto, appellado Manoel Herculano da
Cunha.
Do Recife.Appellante Joanna, por seu cura-
dor, appellado Polycarpo Jos6 Layme.
E)mbargos infringentes.
Kmbargante AnlJBio de Souza Braz, embargado
! i-''' Alves Barbosa.
Appellacao crime
De Oaricury.Appellante Agueda Maria de Je-
sus e outro, appellada. a justi$a.
Do Sr. dejembargidor Domingues Sil ;a ao Sr.
-.lesemhargalor Souza Leao ;
Appellacoes crimes.
De Pao d'Alho. Appellante Manoel de Mello
Falcao, appellada a jusiiea.
Da Atalaya.Appellante Manoel Andre Avelino,
appellada a justi^a.
De Bom ionselfto. -Appellante o juizo, appella-
! liaurentino B zerra Leite.
Dj Traipii. Appellaute o )uizo, appellado Apri-
io Rodrigues de Aluuquerqus.
Do Inga.AppelUnte o promotor, appellado
Luiz Ignacio dc Araujo Souza.
Appellacao commercial.
Appellante Jose Itibiano de Oliveira Sicupira,
appeliados Beltrao Oliveira & G.
Do Recife.Appellante o visconde de Suassuna,
appellado3 Francisco Luiz Cavalcante de Albu-
querque e outros.
Do Sr. desembargador Souza Leao ao Sr. des-
embargador Silva Guimaraes :
Appellacao civel.
Da Paraliyba.Appellantes D. Antonia Gomes
da Silveira e outro?, appeliados bacbarel Dar.o
Gomes da Silveira e outro3.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
feitos:
Appellaeoes civeis.
Do Recife.Appellante Antonio Barrozo Valen-
te, appellado Antonio Moreira Dias, curador da
massa fallida de SebastiSo Jose da Silva ; appel-
lante a preta Maria, appellada D. Maria da Concei-
(;io Soares Brandao ; appellante Corbiniauo de
Aquino Fonceca, appellado Luis Cleraentino Cir-
neiro de Lima.
Do Ipii.Appellantes Adeodato Ferreira de Sou-
za e outros, appeliados Antonio Raymundo Pires
<5 outros.
appellacoes crimes.
De Nazareth. -Appellante o juizo, appellado Jo-
se dos Santos Ferreira.
De Villa Bella.Appellante o promoter, appel-
do Izidoro, escravo de David Bernardino.
Do Limoeiro. Appellantes Antonia Maria de
Jesus e outros, appeflada a j jstiga.
DISTRTBL'HjOES.
Recursos crimes.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago :
De Mamanguape.-Recorrente o juizo, recorrido
Dr. Manoel Juvenal Rodrigues da Silva.
Ao Sr. desfimbargador Almeida Albuquerque :
Da Atalaya.-Rtijrrente o juizo, recorrido Jos6
Alves da Sllra.
Appelkicoes crimes.
ASr. desembargador Silva Guimaraes :
De Citoaragibe. -Appellante Alvaro Jorge da
Sim Louveire, appellada a justifa.
Da Atalaya.Appellante o juizo, appellado Pe-
dro Correa Camaratuba.
De Buique. Appellante Joao Vicente Ferreira.
appellada a justica.
Da Parahyba. Appellaato o juizo, appellddo
Antonio de Azewetio Meira. i.
D,e Cifitob^.- Appellante Francisco Barbosa da
Lea/>, appellado Jos Rodrigoes Campello.
'Da CmDeralhz,^AppeH^be o jtrtw, appellado
Hatbias AntontolfW-eira.
De Maaei6,4opellan^e o iuiro, appeyado Jo^o
Tatti. ciqiip. "^ '
DMamang%spe.-Appeirante G*lki*l ferreira
Carvalho/ajjp'gfiittd Jo*d* Costa Ferreira.
Dfc Patoi. -Appeflaote o junto, appellado, Cle-
mentino Barbosa da Silva.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
De Mamanguape. -Appellante o pramotpr, ap-
pellado Gabriel Archanlo Rodrigues de Metlo.
De Bezerros. Appellante Manoel Quintino de
Freitas'. appellada a jnstija.
Do Triumpio.Appellante ojuiso, appellado Ri
cirdo Roberto de Lnna.
DdGampina.Appellante Francisco de Paula
Barreto, an'pella*o Jose Corrta de Amorlm.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Da Parahyba.Appellante Antonio Francisco de
Lemos, appellada a justica.
Da Victoria. -Appellante o juizo, appellado Car-
los Jose Vergosa.
De Maceio. -Appellante Barnabe Pereira da Ro-
cha Calhoiro, appellado Paulino, escravo.
De Mamanguapj. -Appellante o juizo, appellado
Manoel Jose Ferreira de Gusmiio.
Ao Sr. desembargador Domingues.Silva :
De Palmeira dos Indios.Appellant* e appella-
do juntamente o juizo e Antonio da Kucha. Fir-
miano.
Do Cabo.Appellaute o Juizo, appellado Luiz
Eugepio Vieira
DeCaruariiAppellante o juizo, appellado Jose- miQcatUpor uiu donode plaria flaflu^lalqcalidade,
o qua! para fazertalbas e tijolos fez excava^Ses na
osirada e carr^gou o barro,'
Paco da camara municipal do Jiwife, 6 de
maio le 1874.-J4 lfar tYeire Gameiro.Ap-
provado.
0 Sr. Rcgo Karros requereu qu.e s solicilas^e
da assemblca provincial a consiguac*i de uina
quota no orcameuto provincial e a rospactiva au-
torisac;\o para a conlinuawp da estrajg do Luca e
fa dura da uina ponte na canibOa dos liemedios, oa
direci;ao da i.'strada dp Bongy, coipo ijediJa de
ioterese publico.Approvado.
But oonsequencia da retirada para a Kuropa,
do Sr. vereador Neves, a tratar de su.a saJe, ui-
ram alteradas as comoussdes desta camara, das
quaes fazia parte o mesmo Sr. Neves, as quaes fi
caram compostaa do modo segqintc :
Policia. -Thebdoro Silva e Loyi Junior.
Ediftcacao.Rego Barros e Cunha Guimaraes.
Pettcoes.Gameiro e Cesario de Mello.
Saude. MVisceso o Gameiro.
Gemitcrio dm eMade.ThfeetJere Sjlva e Rego
Barros.
Ditos de fdfa- -Cesario deMell) e Souza Leao.
Matadouro.Moscoso e Gameiro.
Wantio de arvores.Loyo* Junior e Cesario de
Mello.
-Negocios judieiaes.-Cuoha Guimaraes e Mos-
coso.
Foram despachadas as petiQ5e3 seguintes :
De Antonio Baptista de Araujo, Augusto Pires
dos Santos, Antonio Ignacio Heitor (i), Ffanccis-
co Joaquim da Costa, Francisco Carolino do Sa-
cramento Vidal, Gustavo Jose do Regoj" Gollher-
tne Augusto do Atbayde, Jose Antonio -Pereira
Guimaraes, Jose Elias de Moura, Jjsc Lopes Dias,
Jose Maria Barbosa, Jos Rodrigues de Souza,
Joao de Oliveira Saraiva, Jose Marcelino Goncal-
vos Salguejro, Joaqujm Jose da Costa Fajbzes, Joao
FernahdesRj-nosJde Oliveira, Jose Joao de Amorim
Junior, Luiz Jose da Costa Amorim (2) Manoel
Bosques, Martri Mafla da Conceir;ao, Manoel Jose
de Mattos, Rica/do Pantaleao da camara San-
tiago.
Nada mais havendo, cncer;ou-se a sesslo as 2
e meia horas da tarde.Eu, Francisco Augusto da
Costa, secretario, a escrevi. Tlteodcro Machado
Freire Pereira da Silva, pro-propresidente.-yox
Maria Freire Gameiro.Bellartnino do Rego Bar-
ros.Jose da Silva Loyi Junior. Joao da Cunha
Soares Guimaraes. Dr. Pedrode Athayde Lobo
Moscozo.
I)e Lajbrobg. -Appellant!
Siiva, apMlada a Jastija.
Ad Sr. desembargsdor LoarenQo Santiago -.
Do Reflfe.Appellante Aatonio Maria Gameiro
Bulino Pereira.
Do Bonto. -Appellante JoJo Ferreira da Silva,
appellada a justnja.
Ao Sr. desembargador Souza Leao:
De Bom Jardim. Appel|ante. Luiz de Barros
Campos, appellada a justica.
Da Anadia.Appellapte o juizo, 3pDel(*do Ma-
noelFerrein Barbosa.
Da Pesqueira Appellante o juizo, appellado Jo-
se VitatTno da.StJva.
De Bom Jardim. -Appellantes Vicente Ferreira
de B/ito e oulros, appellada a justica.
Aggravos de pelicao.
Ao Sr. desembargador Souza Leao :
Do Recife. -Aggravanle Joao Mauricio Vieira do
Mello.
Appellacao civel commercial.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes:
Appellante Rosa Adour, appellada a companhia
de seguros Liverpool & London.
De Olinda.Appellante major Francisco Jose
Silveira e sua mulher, appellada a camara muni-
cipal.
D'Area.Appellante Manoel Valerio dos Santos,
appellado Florenlino Antonio do Sobral.
Ao Sr. desembargador Lourengo Santiago :
Da Limoeiro. Appellante o juizo, appellado
Clemente Jose" de Franca.
Do Recife. Appellante Bellarmino Alves de
Aroclia, appellado Manoel, africano, p.or seu cu-
rador.
Appellacao commercial.
Appellante Joao Quiriuo de Aguillar & C, ap-
pellado Tasso & irmao.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
De Mac-eft. -Appellante herdeiros de Antonio
Bento Barbosa, appeUado Antonio Bento de Arau-
jo Lima ; appellantes Vicente Alves Moreira c ou-
tro, appellada D. Silvina Fernanles Je Souza.
Do Recife.Appellantes Mnria Antonia de Fa-
ria e outro, appeliados Adolpho flecb e outro.
Ao Sr. desembargador Motta :
Appellacao commercial.
Do Recife. -Appeltanto Rosa Adour, appellada
a companhia de seguros Liverpool & London.
Do Recife.Appellante Adamson Howie & C,
appeliados o- curadores fiscaes Je Manoel Jose
Monleiro Torres.
Ao Sr. desembarga lor Aceioli :
Appellacao commercial.
Appellante Jose joaquim da Cunha & C, appel-
lada D. Libania, viuva de Joaquim de Albuquer-
que Mello.
Da Fazenda.- Appellante o juizo, appellado Jose
Rodrigues Cousa.
Ao Sr. desembargador Domingues Silva :
Do Recife. -Appellante Manoel da Costa Mange-
ricao, appellado hacharel Antonio *' nnes Jacome
Pires.
Appellacao commercial.
Appellaute Rego 4 Silva, em liquidacio, appel
la Jo Antonio de iiollanda Cavalcanti.
Ao Sr. desembargador Souza Leao :
Do Kecife.Appellante Leonidas Tito Louroiro,
appellado Jose Ricardo Coelho.
Da Fazenda. Appellante Alexandrina Maria
Perpotua de Jesus, appellada a fazenda.
De Souza. -Appellante Goncalo de Moura Korai-
ne, appellada Maria Antonia Tiiomazia de Aquino.
Encerrou-se a sessao as 2 horas e 3 quartos.
CMUfRJI MUNICIPAL.
SESSAO EXTRA0RD1NARIA EM '6 DE MAIO
DE 187i.
I'ilUSIDENCIA DO SB. REG) E ALBUQUERQUE.
Ao meio di i, presentcs os Srs. Gameiro, Theo-
dore Silva, Rego Barros, Cunha Guimaraes e Sou
za Leao, ahri .se a sessao, e foi lida e approva-
da a acla da antecedente.
Leu se o seguinle
EXPEMKNTK :
Urn offlcio do Exm. presidente da provincia, re-
mettendo dons exemplares impressos dos regula-
mentos dos trilhos urbanos do Recife a Caxanga e
do Recife a Olinda e Beberibe. -A' commissao de
policia.
Outro do mesmo, ordeuando a camara que in-
forme com urgencia quaes os suppleules dos, jui-
zes substitutos das seis varas de direito desta ca-
pital, que prestaram juramento.-Que so salisfaija.
Outro do mesmo, autorisando a esta camara a ef
fectuar o contrato para a construccao de kiosques
nesta cidade com o Dr. Manoel de Figueiroa Fa-
ria.Inteirada o que se communique ao propo
nente.
Uma informacao do enaenheiro desta camara,
acerca das obra's construidas pelo barao do Livra-
mento na continuacao do caes do Apollo.Ao fis-
cal para proceder de conformidade c*m as pos-
turas.
Outra do procurador, acerca da petic8o de Jos6
Maria Barbosa. Indeferio-se.
Outra do contador, sobre a exigencia do secre-
tario da assemble! provincial, se'v -do a resolu-
cao da mesma assembles, ped. nformacjio a
respcito do pagarcento de custas "Jaes, espe-
cialmente decretados nos tres ultiin. ">rcamentos
para certos empregados. Ao advoga*
Urn offlcio do mesmo, trazendo ao conhecimento
da camara, que havendo somente na verbaobras
novas -a quantia dejl: 1522167, e'sendo necessario
despender se mais pela me3ma verba a quantia do
4:0002000, pede providencias no sentido de se dar
a autorisacao respectiva. -Inteirada e que se peca
autorisacao ao Exm. Sr. presidente da provincia.
Um parecer do advogado a re9peito do paga-
mento de custas, pedida por Jose Maria Ribeiro.
A' commissao de custas judieiaes.
Um offlcio do gerentc da companhia Recife Drai-
nage, em resposta ao do 3ecretario desta camara,
dlzendo que nao se deprehende do contrato
daquella companhia a obrigac.ao de fomecer agua
aos minatorios pubheos sem previo accordo entre
as paries.A' eommissao de edificaoao.
Um offlc'.o do fiscal da freguezia de S Fr. Pe-
dro Goncaives, dizendo que em virtude da ordem
desta camara procurou verificarse os carroceiros
da companhia Recife Drainage, linham matricula,
e pelo gerente da dita companhia Ihe foi remelti-
da uma nota, que dizque gozando ella de isencao
de tolos os direitos provinciaes e municipaes, foi
resolvido, ha tempo, pelo chefe de policia, que a
companhia apenas tinha de remetter para a se-
cretaria de policia, os nomes dos carroceiros em-
pregados no servic), participando-lhe sempre que
houvesse altericao no passoal, a vista do que esta
veritieado que aquelles carroceirps nao teem ma-
triculas, pelo que pede providencias. A' commis-
sao de policia.
Um offlcio do fiscal da freguezia da Boa-Vista,
participando que,em virtude da disposi(io do ar.
52 das posluras em vigor, apprehendeu diversos
animaes, que vagavam pelas ruas daquella fregue
zia, aos quaes nao achou dono, pelo qne os pas-
sou a disposicao do juiz de ausentes. Intei-
rada.
P,elo mesmo fiscal foi remettida uma relaQao das
muitas impostas do dia 29 de abril a 3 de maio
dei87i.Ao procurador.
Uma informacao do fiscal da freguezia de S.
Jose, acerca da peticSo de Jos6 Lopes Dias, con-
cedeu se a licenca, de conformidade com a dispo-
sicao do art. 198 das posturas.
Um ofS'Mo do mbsmo, participando tersuspep-
dido pof oito ilias ao3 trabalhadore3 Felippe Eneas
da Costa e Luiz Jose Fernaudes. In'eirada.
Um offlcio do fiscal de Nossa Senhora da Graca,
participando que em consequencia das grandes
chuvas, se abrio um buraco juuto ao caes da
Pqnle do Uchoa, qoe n5o sendo promp(amente re-
parado, pode damuiflcar o dito caes.-yqe se offl-
cie ao Exm. Sr. presidente, coramonicando seme-
|h-*nie fecto e pedindo providbuciis. (
Uma mwvfijapao do fiscal da fregntzia-dos AfQ-
gads4 acerea da pecio de Rteirflo Panlalcio fla
Ca&ian, Santiafp.-foSeierio-se 7^e!*o.
: Fbi apresenSap o-aqgujrift patear r
A commissao de poHcia, a qrom fo?nresen(e
{offlcio da nova camara municipal da vHwdVJa*-
oatio, dirigido a camara desta cidade, para que
"e suas orient afrm de ser recolWia aos cpfres
aquella camar* a qaapti* de oitocenMs e'o*> mil
reli (80S200O) correspondente ao imposto de *fb-
ri;3B3 das duas Ire^ileziaa, que cornpSe o actual
mmicipio de Jaboatao ; tendo examinado com
loda a, attencao as intormacoes dadas pela eonta-
doria e pelo advogado desta camara; e bem assiin
informando-se lambjm do ex-afor)dor Flavio Fer-
reira Catao, e a commissSo de parecr;que a refe-
rida camara de Jaboatao seja reatitnida a quantia
do qualrocentos mil reis (VODgOOO).
a Paco da camara municipal do Recife, 6 de
maio de 1874. Tluodoro Machado Fran Pireira
da Silva. Approvado. >
Foi submettido a camara o requerimento se-
guinle :
i Requeiro que o engenheiro desta Illm." ca-
mara, examine o estado actual da esir*d da iu-
gar denoininado Tahjuary na lorte, infcrme
quaes as causas qua tern oecasionado o arromba-
mento de um eano feito por tun Joao de tal, alii
morador, para cwiduzir agua do Jur do Zumby
para o barrelro' de sua olaria, e que. verifique se
a estrada publica alii, delafiorada pela enphenle
do^rio Capibaribe, (if ha, anterjormiH9 sjjjo dam
rysucACOEs a peoids.
lleliioi'ijJiioiilo* dc I'l'i'iiiiinbui'u.
CO.NTHATOS DE ESTRADAS DE FERBO.
VII
Em nossos desalinhados artigos sntecedentas
demonstramos como o Exm. Sr. presidente desta
heroics provincia oramendador Henrique Pereira
deLueena, logo que tomou posse de sua admiois-
tracio desenvolveu a maior actividsde e encrgia
em inforinmrse das mais urgenles do suas neces-
sidades para applicar-lhes os mais efflcazes reme-
dies ede mais prompto elleito : fteou provado a
luz meridiana que S. Exc. com sua vigorosa e fe-
cunda intelligencia e incansavel solicitude lem
feito em pouco mais de um anno muilo mais do
3ue poderiam esses aiacados de .preguica ou in-
oleneia realisar em uma eternidade se por tairo
tempo lhes fosse c.ncedido dirigir o leme desta al-.
taneira embarcagao.
0 Exm. Sr. commendador Lucena concebeu o
vasto e luminoso piano da colonia agricola para
remir os desvalidos orphaos do triste e medonno
captiveiro da ignorancia e ineptidao a que esta-
vam condernnados. Esta ella fundada e suas ohras
progridem por maoeira digna deadrairacao.
Chegando a conhecer o pessimo estado do ma-
tadouro pubiico desta cidade, vasto foco de morti-
feros miasmas, obteve da palriolica assemblea pro-
vincial autorisacao para contratar a construccao
de um outro, em tudo igual ou melhorda Eurapa.
Acha-se elle c^ntratado sob as mais propicias
condivoes e prcstes a realisar-se.
Emprehenden a construccao de um vasto elifi-
cio para o asylo de mendicidade, e o seu primeiro
raio delle se acha quasi concluido.
Conhecendo a irremedial falta* que se esta sen-
Undo por uma casa com proporooes para nella se-
rem recolhldos os alienados, fallou a religiao e dos
coracjies humanitanos tern obtido as maiores
provas do santo espirilo que vela pelo. nosso
povo.
Offerecendose occasiSo de augmentar os recur-
sos par a esse monumento celebrou o contrato do
servico funebre, que ordenado por uma lei em
1811, flcou em mortorio at6 que S. Exc. veio de-
sencava-lo de sob as ruinas do mais prejudicial
esquecimerrto.
Cada dia da benefica administrapao do Exm. Sr.
commendador Lucena da motivo sufflciente para
uma pagtna que sera lida com interesse no pre-
sente, e com o devido e indispensavel reconheci-
mento no future: occupando nos somento dos
principaes factos, dfiixaremos a historia de outros
ados administrativos para aquelles que por sua
corapetencia na materia possuirem melhores habi-
litacoes para aprecialos sob as devidas formas.
Permitta-se-nos agora que tratemos de outra
materia.
E' CDm bastante escrupulo que vamos nos aven-
turar a fazer uma resumida analyse dos contratos
das esiradas de ferro de Jaboatao e de Limoeiro,
e terminareiuos por conlrasiar as alteracoes feitas
pelo Exm. Sr. Lucena e as differences que deltas
resultarara para o pnblico o para a provincia, o
que de tranfeendoncia e coDhecer-s*, quando se
trala de rnelhoramentes pubticos.
Ninguem ignora os prodigies que em toda parte
do mundo tern engendrado as cstradas de ferro, e
as atten^Sos que por esse motivo tern ellas mere-
cido de todos os governos; e tal e a torrenle de
prosperidade que deltas brota e os interesses qne
arrebanha, que pode-se dizer qne a estrada de
ferro boje e a mats nobre preoccunacao de todos
os espirilos illustrados e que prestam attencao ao
desenvolvimento dos meios capazes de engrande-
cer o paiz.
As esperancas bem fundadas que temos de que-
as esiradas de ferro concorram para animar a'
nossa indostria, o nosso commercio e a nossa agri-
culture da mesma forma e com a mesma certeza,
com que o tern feito em toda* as oulras panes do
mundo, devem levar-nos a envidar todos os es-
farcos e fazer todos os sacrifices que sejam capa-
zes de abrir novas viae de eotnmnufcacao e trans-
porte rapidos, afim de que possamos superar as
djfflculdades que tanto nos tern acabrunhado por
todos os lados.
Era justo que S. Exc, achandose preoccupado
com os negocios de importancia que tinha de re-
solver, nao deixasse de uldar com toda circums-
pec^ao djquelles que mais interessavam a provin-
ce, qner na actualidade quer no futuro : come era
de suppor, o Exm Sr. Dr. Lucena teve de passar
muitss horas do dia eda noile pensando no modo
mais conveniente de reeolver as questoes de alto
quilate que estavam indecisasa fespeito da estra-
da de ferro de Limoeiro, eda^outra de Ja*oatao.
Nao temos desejode jrrogar cens.uras a nenhn-
ma das pes9oas que Hgu'ram on tem figuxado nes-
(as Degociaccie3; relaeoes de iutiuia amisade e
mesmo de proximo parettesco nos levnriara a pas-
sar em silencio certos facto.', se narrando >s aeon-
tqcimeotos nab nos visle'mos forfadbs a respeitar
asconveniencias,porem.majs que i.ujo a ver-
dade (
for* esse pqderoso mntivo nao podemos deisap
de fazer oraa'sracera, amtta que bem penosa de
trabaldo tenham apresentado, quarrdo a anmedade
dos habitantes daquellas paragens per onde tern
,611a de espalhar seus benefieios, parece ja rancada
e prestes a desesperar: 6 para sdntir qac aous
tKulares abastados figurando em primeira ordem
nestas duas empreras nao lentikm consegoldo
dDSvanecer.esse maq presagio,qpe os que querem
adevlnbar o futuro tem sonhado a respeito de tao
imporiantes commettimentos.
rot na presidencia do- Sr. senador Frederico
de Almeida e Albnquerqne que o contrato da
estrada do J^imeeiro foi posto em p^ac' qo'prazo
marcado foram recebidas eete proposia?, algumas
das quaes tao semelbantes, que leva/ram o Exm.
presidente de ntio a mandur annuociar nova
praca, a i|ual coinpareceram, alem do a4gnns con
currentes a primeira, o Sr. barao da Sotedade e
outros, sendo-a proposta desfc julgada a mais
favorawel. 0"l!xi. presidente da provioeia, poreut,
julgando qu* poderia obter maiores favjires para
a provincia a para o pnblico, entendeu eooveoi-
ente propor aos concurreotos o.ura> base* alem
das qoe ja estavam nas prnpostas. Algam espi-
rilos malignos- eaxerf aram nes'se* escruyitos de
S. Esc. um cevio ze!o pelas fronMiras rta pro-
vincia da Parahyba ; mas n6s estamOs eowren-
cides qne sbmente- o bem pnMieo reoccupava o
amm.o bem inteneionado de S. Else.
0 Sr. parao da Soledadu, Undo por sen procu-
rador o Exm. Sr. Dr. Igiacio Joa^nim- de SosMa
LuSo, depois de ben preeachidae todas aa>r-
alidades lega-es, nao olMtante acekou sera res-
tricgao pern escrupulo as novas bases, e foi cele-
brado o contrato ei 16 do julho de' 8f0,. sok a
presideacia do Exn>. Sr. desembargador Francisco
de Assis Patdica Kc-jha, estipulando-se nelle que
d Sr. barao da Soledade rmiumsiava o direito die
fazer qualifier reclaH^a^ao oupe.diiio em rtiaqat>
ao mesmo contrato. utter u presidencia, ijiter a ae-
semlHea provincial, assim como que rec*tQO* a
garanlia tie jaros.
Reconbeeeudo pouco depois que o contrato na-
quellas condicoes era inexequivel, recorreu a as-
semblea provincial, a qual desejando que tivesse
prompto andamento tao promeUedcra empreza, e
apreciando as razoes apresehtadas pelo con|ra-
tanto e tnleveade que aqueUas elausulas seriam
um motivo para nunca se fazer a estrada, de-
liberou se a facultar autorisacao ao presidente-
para relorma Io.
Pelo Sr. cohselheiro Diogo Velho, foi sanccio-
nada essa lei, porem S. Exc. nao (eve tempo em
siia curia administracao para estudar, como era
de seu desejq, a refu'rma do contrato, e por isso
nao se eflecluou ella naquelle tempo.
Tomando posse da administracao o Exm. Sr.
Dr. Manoel do Nascimenu Machado PortellaHfo-
ram feitas as alieracSes constarites do termo la-
vrado em 13 de jullio de 1871, e que foram de-
poja app.rovadas pela assemblea provincial, as
quaes foram siiffluientes para o Sr. barai da So-
ledade promover o andamcato da empnaa : bal-
dados.porem, sens boos desejose louvaveis esforcp3
em obter que a ametade das acr;oes de sua empreza
fossa lomada no Rio de Janeiro, e a outra ame-
tade nesta provincia, teve de recorrer a praja
de Londres a ver se realisava a encorporagao de
uma companhia que se inenmbisse da execu^ao
da obra, ou um emprestimo sob condicoes favo-
raveis. .
Para isso ara precise njo so obter da provin-
cia a garantia de juros para o iapital necessario,
como que fosse essa garantia reforcada pelo go
verno geral.
E' provavol que estas lenbam sido somente as
diffic.uldades que tem acompanhado esta empreza,
e a impossibilitdo de iniciar os trabalhos da es-
trada lao anciosamente csperados e tao despja-
dos It
0 Exm. Sr. Dr. Lucena teve de tomar sobro
seus h imbros t3o difflcil encargo, e sabeodo quanto
tem sido proveitoso em S. Paulo o expediente de
dar garantia as estradas de ferro, lerabrou em
seu relatono a assemblea provincial a conveni-
eucii de seguir aquelle exemplo, ou no caso de
o emprezari) nao realisar o seu contrato, conce-
der-se autorisacao para ssr feita a obra por conta
da provincia, toraaod)-se as precaucoes para
tanto iniisp.insaveis.
Se o contrato da estrada ie ferro de Limoeiro,
depois alterado, nao tinha a seu favor garantia de
juros de qualidade alguma, nao era do reparar-
se que elle fosse um pouco oaeroso, ou deafavo-
ravel aos interesses da provincia : mas logo que
elle soffria a mais traoscendente das alteracoes
e obtinha da assemblea provincial a garantia de
sete por cento de juro sobre o capital supposto
necessario para sua total execu;ao, era muito justo
que elle fosse modiflcado em proporcao desses
favores, e coube ao Exm. Sr. commendador Lu-
cena a gloria de prestir um servico, cuja gran-
deza nao podemos encarecer.
Ficou em consequencia dos ajustes estipulados :
1 que a provincia garanteria o juro de sete por
cento por cada kilometro de estrada cujo valor
em hypothase alguma ex^ederia de 50:0J000J ;
o como toda a extensao da estrada esta calcu-
lada em cem kilometres, e claro que a garantia
de juros tera por limiie a quaniia de cinco mi-
contos ao maximo, e nao sete mil como se propal
lava que estava calculado ; 2 que os juros so
seriam cootados por cada secQ.io depois de aberta
ao transit) publico, e pur ultiui) que logo qiie a
empreza rendesse mais de sete por cento, 6 ex
cesso seria applicado a amortisagao das quantias
que a provincia houvesse dado a tilulo de adiau-
lamento, e bem assim dos respectivos juros.
Vd-se pelo que Oca expbsto que provavelmunle
a provincia nao tera de pagar juro-, porque pre-
venio-se essa hypothese com o augraento da tarifa
dos frcies e passageus, o que se pralica em toda
pane, e aiuda ha pouco procedeu por igual forma
0 g iv'-rno geral em relacao as esiradas do sul, a
quern teve de honrar com sua garantia.
Alem disso pelo contrato primilivo era licito ao
einprezario : 1.' occupar o leito da estrada; 2."
ficar uo lim do prazo com a propriedade da estra
da e suas pcrleucas para vendel a ao governo pro-
vincial a prazo ou titutos cqmo se convencionasse;
3." reduzir a. tarifa depois qne o rendimento liqui-
do excedesse de 12 |,.
0 Exm. Sr. commendador Lucena conseguio :
1 que se procurasse ouira direc^ao a e;trada e
que se enderecasse ella por terrcnos de mais uber-
dade, e assiin livrou-se a estrada de rodagem da
occupagao da estrada de ferro; em 2.* lugar que
ficasse toda a empreza no fim do prazo perlencen
do a provincia sem indemuisacao algu na, para o
auc combinou se que logo que ella rendesse mais
e 11 |o seria applicado 1 ci., para fundo de amor-
lisacao; e em 'A. lugar que se reduzisse a tarila
logo que a enpreza rendesse mais de 11 |, o que
certamente e de uma vantagem inapreciavel.
Alem disso no contrato primitivoera o empreza-
rio obrigado a dar anuualmente a quantia de
2:4003000, para pagamenlo do ongenheiro fiscal
da estrada; pela innovagao feita pelo Exm. Sr.
Lucena foi elevada essa quantia a i:8Q0j00O.
Tem-se feito muitas censuras iajustas e desar-
razoadas ao Exm. Sr. commendador Lucena, por
ter cedido uma grande porcao de terreno de ma-
rinha na praia do Brum ao Sr. barao da Soledade
para nelle serem edificados a estacab terminal e
os armazeos necessarios ao trafego da estrada.
Pelo art. 27 do contrato primilivo era o governo
obrigado a coder os icrrenos de marinha que fos-
sem necessarios para a estrada, seus ramaes e
obras. Em todos os oulros cootralos tainbem se
acha eelipulada igual condiciio. E' precise por
tanio entrar nesta magpa queslao de hysope que
tanto tem dado que fallar e feito gemer os prems.
Ninguem uesta terra ignora que, ha muitos annos,
se prowngou o caes do arsenal de marinha na di-
reccAo da forlaleza do Brum : nunca honve quern
se lembrasse de desejar taes terrenas porque para
pouco ou nada podiam eHes servir. Assentado
que.fosse pelo Sr. barao da Soledade que a estajao
terminal da estrada do Limjeiro'ficasse no bairn
do Recife, pedio elle ao Sr. presidente da provincia
o desembargador Franc sco de Farias L?mos por
aforamenlo aquelles terrenos, S. Exc, concadeu os
submettendo ao governo imperial a approvac3o do
seu acto quanto aos tercqnos que (fcavam sob as
baterias da fortaleza do Brum. Havia essa pre
tencao percorndo os tramiteslegaes, e so faltava a
agsignatura do Exm. Sr. commendador Lucena
que havia succedido ao Sr. desembargador Farias
Lemoi quando alguem qne desejava por algum
obsuculoa empreza do Sr. barab da Soledade, ou
per mero capricn.-, lembrou-se de oderecer ao
Exm. Sr. commendador Lucena a quantia de trjn
la contos de reis pela parte principal do terreno.
E' lacil de acredltar que qualquer localidade por
rqais insigoilicante que seja adquire grande valor
logo que'seja esootnida para estacao terminal de
uma estrada do ferro de grande monta : assim o
area! que nunca havia sido ambicicnado por nin-
guem, agora que ia ser occupada pela estacao da
estrada do Limoeiro, a mais esparancosa da pro-
vjneia, se mostrava cubtcada.nio fosse senao para
le\-antar barfeifas a reaifsa^an datnella'hnnohan-
te empreia.
Est.ando ja coneedido o terreno ao Sr. barao da
Soledade nao era posslvel drt-o a outro : taab^m
dteaalomar o alrltre de mudar a estacao para ou-
ira qualquer parte, em cbjo caso ojerreno flcaria
s*m o valor que lhe dava a collocacio nelle da es-
ta ji terming da estrada.
Cpnsideraudo, porem, o Exm. Sr. commendador
Ltieena qoe d terreno esrava attesjado e cercado
de caes em uma grande extensao, o que devia tra
zer grande economia ao emprezario nas dras que
houvesse de construir, lez-ltie ver que elle devia dar
alguma iodemnisacao por aquellas bemfc*orias.
Ofa, imagina-sebera qu*(fuem espera um favor
sem empxegar capital ou fazer s-aerificios, nao fi
qtae muito satisfeito, tendo de os faier : foi isso que
acenteceu, porque o Sr. barao da Soledade, reeu
saodo-se a prlncipia a jusa reclamacao do Exm.
Sr. Lucena, veio-a reconheeer qoaato ella era
fundam'entada, e de seu motu propriooffereieu a
quaniia de 40:0096Q0 para auxilio das oiras do
o asyto dos alienados ; e fertamento para 09 zoilos
e para- aquelles cujo- unico empenho Cent sido des-
acredJ-ir essa e.-f irrado commettitnento e embara'
cal-o por todos os modos, nao podia ter essaqnes-
lio mais few desenlace.
Sabeuics de fOnte muito segura que a resolncao
do Sr. barao da Soledade foi toda espontauea e por
isso mui digna de louvor.
A vista do que lica narrado, se nao com rauita
minudenciav ao menos com muita verdade, e pa-
tente que a-os esclarecidoh'e energicos- eslbrcos do
Exm. Sr. commendador, Lucena, devemos ver rea-
lisadosimportnntes benefieios a favor da provincia
e de seus habitantes com a innovacao do contrato
da estrada do Limoeiro : os quaes reduzen-se
principalmenSe aos seguintes :
!. Ficar 0 feito da estrada de rodagem desera-
baraeadoe livre.
2.* Ficar a empreza com todas as suas obras,
terrenos, trens, etc., etc., pertencendo a provincia,
no fim do prazo, sem indemBtsaeto alguma.
3* Ser obrigada a empreza a indemnisar a pro-
vincia da garantia de iuro, que por esta for paga,
logo que seus luros attingirem a 7 *|0.
4. Pagar a quantia de :80WW6O ao engenhei-
ro fiscal, quando pelo contrato primilivo estava es-
tipulada a quantia de 2:400JO1").
5." Seguir a estrada uma direccao mais ee-ono-
raica e conveniente, nao so porque chega ao si
tnrmioio, sen precisar de construir ponte=, como
porqne atravessa terrenos uberrimos e ja occupa-
dos por um grande numero de engenhos.
6.' PoJer 0 governo reduzir a tarifa, logo que
lucro liquido exceda de lf|,.
7.e fiualmente. Ter-se ohtido uma dadiva de
quarenta contos de reis para a construccao do asy-
lo de alienados, obra de absoluta necessidadc para
a provincia.
Sem querer encarecer 0 merito do procedimeoto
do Exm. Sr. commenlador Lu:ena, dizemos que
poucos sao os factos das mais proximas adminis-
tracoes, que sejam caracterisado* por um empe-
nho tlo decidido em acertar e superar as diffleul-
dades, das quaes parecia nao se poder sahir sent
insano trabatho.
Coube a S. Exc. essa grande honra : coube a
S. Exc- dar desenvolvimento a grandes interests-
da provincia : ella lhe sera reconhecida.
Corapare-se com a administracao de S. Exc. 0
Sr. commendador Lucena, muitas das que Ihe an-
tecederam e cite-se um so facto que se asseroelhe
a algum dos praticados pelo nobre e esforcado lis
Iho da provincia de Pernambuco.
Recife, 8 de maio de 1874.
A. de A.
p-li
Guranhuiis.
Sob esta cpigraphe foi publicado, na PM'incia
de 13 do corn nte mez um artigo, que so agora
pude ler, nao tendo, por isto, acudido urn- cedo
com a resposta.
Naquelle artigo sou eu ceusurado por ter de-
nunciado, na qualidade de promotor, a Miuricio
Jose Vianna pelos crimes de desobediencia e re-
sistencia, e a Joao Paz de Barros por crime de in-
juria.
Se 0 articulista estivesse bem informado a res-
peito dos factos criminosos, porque Toram denun-
ciados aquelles iudividuo3, ou, ao menos, se co-
nhecesse 0 depoimento das teslemunhas do inque-
rito policial, certamente nao se teria occupado
com miulia pessoa; por islo nao p)sso deixar de
dizer algumas palavras no intuito de deraonstrar
a improcedencia da arguica) que se me faz.
Quando entrei no exercicio do cargo de promo -
tar de Garanhuns, a 14 de abril, recebi do ex-
promotor Dr. Angelo Jansen, um inquerito poli-
cial, do qual conslava que um inspector do dis-
trict) da Palmeira, tendo notificido, por ordem do
snbdelegado do uusmj districto, a Miuricio Jose
Vianna, para conduzir um ofH;io, nao sei para
onde, foi aquelle inspector desobedeciio por Mau-
ricio, que, recebendo por isto voz de prisSo d>
tal inspector, eppoz lhe resistenc'a, travando com
elle uma renhida luta corpo a corpo, ate que aft
nal foi preso, depois qua 0 referido subdelegado
auxiliou 0 inspector.
Preso Mauricio, quando era conduzido para a
cadeia da povoa;a>, acompanhado tamb-'m pelo
subdelegado, sank) Joao Paz de Barros ao neon-
tro deste, 0 cobrio de injurias pnr ter prendido
Mauricio, chegando ate a convid.i-lo para H10 ir
tomar uma faca que tinha fora da bainba.
Ora, 0 promotor, quando tecaba um inquerito,
e obrigado a dar denuncia, aiuda que 0 inqueri
to contenha somente iadicio3, sob pena de ser res-
ponsabilisado.. Como podia eu, por_ conseguiule,
deixar de denunciar Mauricio e Joao Paz, enccr-
rando 0 inquerito.muitas provas.
Em vista do ejposlo, ninguem dira que eu me-
re;o censura por ter denunciado ajuelles indivi-
duos; ale mesmo 0 articulista. se nao esta de ma
fe, se arrependera de ter me feiio aquella cen-
sura.
" Nao quero tomar a minha conta
subdelegado injuriado, a quern nio
e ella injusta, elle que se defenda.
Disse 0 arliculisla que so ea m* atrevi acredi-
tar em Bumbi, que i ; excellente empregado
para mim.
Com pole ser assim, se eu nunca vi Bumba,
nem tiro com elle relacao alguma, nem, ao me-
mos, sabia que e elle 0 subdelegado denunciado
por crime de furto de cavallo 7
Vi, pois, 0 articulista que nao foi verdadeiro
(permitta quo Ih'o'diga ) avaneando aquellas pro-
posicoes.
Naquelle artigo sou chamado promotor de Pe-
dro Ctjaves. Qae sigoifica isto ? Tera 0 capitio
Pedro Chaves poder de fazer promotores Ainda
eu nio cqhhecia 0 capitio Chaves e a minha n>-
meagao estava feita.
Devo declarar ao articulista que em Garanhu i<
nao estou tratando senao dos iateresse3 da jusii-
5a ; por conseguiule dsixe em socego quern nun-
ca Ihe offenleu ; pois que tenuo consciencia dc
nao ter ainda otfeudido pessoa alguma.
Fmaimente, previno ao articulisca qua nao vol-
tarei a explicar actos que forem arteiramente
adulterados.
Recife, 22 de maio de 1874.
PrancMCO Caraciolo de Freilas.
a defeza do
conheco; se
Agrrfciritiira e cuiumercio da
proviucia.
I
Capital, bracks, e facilidade de transporte, eis
a triplice necessidade, cuja satlsfacao nao pode
ser por mais tempo retardada, para qne a agri-
cultura nao definite.
Falla-se sempre e ate boje sem resultado na co-
looisacao estrangeira. Seria hoje demaiiada sim-
plicidade esperar que 0 brac,o estrangelro venha
de prompto imprimir novo movimento a agricul-
tura.
Sem que se deva excluir absolutamenle a pos-
sHoilidade e conveniencia desse suprimento de
forca, nao 6 licito encaTa-lo Como mediatamente possa ser empregado.
Aproveitar melhor'o traQO nacional, forcar os
yadios a trabalbar, e regular por uma let de lo-
cacao es services que 0 operario presta ao agri-
cnltor e a modo que sejam garantidns entre este
e aquelle, e 0 que cumpre, e sem demora, fazer,
sem que de modo nenhum se descure do aprovei-
tamento do restante braco escravo. A nova ge-
racoo dos ingenues, filhos das escravas, suppnra,
mas ao daqui In muitos annos e supprlra efncaz
mente a falta de braeos uteis a favoura, se 0
descuido em a educafSo conveniente nao fiser
dolla antes um elemento de perturbacao do qoe
de forca na produccao.
Sua accao se fara sontir nesta provincia quasi
que ao mesmo tempo que a da colonisacao es-
trangeira, que pela immigracao ten die vir quando
a facilidade dos transportes e das communicacfies
e a garantia dos dueilos mdividuaos forem uma
raalidade e nao apenas. nominaes.
A {JGillflaia dos lransp?rte$ podera e
ser muilo outra qne "0 6, se as esiradas de
ferro do Reoifo a S-^.o Aotio e do Racii* a Li
rnoeiro, ha tantos aanos oaalraudas, nio estives- 14000, boMip,
X ajnda em tal ejiado, como w agora foi Camoio sobre 0 Vw
raladaa, e $1 a do Recife a S. Franciwo uo
CaMoa aos parafy.-asto
piocorar adiuHar de sua projtsda e seoapre
nacao.
Se estas tres pnaim aMerias.
toda a extensao dc seas pr.^sctsdj* I
forniacio rapda se operara nas
micas da provincia e a U-ruiia4c 4oi
per*srer retribuira amplameate a i
pitaes a empregar em tao 1 ssignala Jo
a agricul tort.
Mas arada assim o remadio a' Us 1
quanto urgeiMe, e a neceasMatV tfe
men m os males qoe orihrnssbf a
K do posreroso auowio 4ms eagmiii sjaaa mim
cipal se nao exclusivamonli. Ins isis, fwmp a
sorte da agriculture para 1
vida ate que etnfjsjsja a*'
e mais ui-ms braVos e da vmc
dicoes favoravess.
Sabe-se quarts esta a mvowa
para com a praca, o- muilo ssn a esta
taotio os apuros ea que soon crisa, qse
vai, tera de ver se pMo
fijiVu de pedtdos para dovm su^n
capiiaes pelas eaigancias ds rsaMi) r
baixa no prero dos product > isjriaslsa.
Em acjao dos credit kymutkitmn*
faga d-aorar, e 0 qua- snis, qm tudo arge.
Abriodo t oMe a uovos suparssw stu. a lavoora.
iiabilita-m-ha a solver M nao taab, grama) **
do debito a praca. ftnaswla esta se-mi sswsms soa-
baracada, para affroour a chse per me smssa
aquella m.ios- hsmililada a augoeMar aeaoorar
a produccao:
Os favores ootorgados a Baa *> Bra*A par>
beneficiar a agricokura do Xio de Oiviro sisrt-
da de Minas e S. Fai^a. i^-nem-s* ''.v>ti.-is mi
raesmo ou a ouaras bauc.s que n- .1 pr<>-.iasia
se proponbam a exercer uaerac5es mo rasao
agricola...
Os poder** gerae* qae atteodam para os jasaw
redam is da lavocra, e tanto qaanto ea
couhcr as provincias, nao deseorem tao imsc
Unla assuinpto.
Venha 0 remedio- eusquaato 3 lamae, qmm >-
pois...
II
Em traeos largos esbocam is a sitcaeao 2a la-
voura e o que fazer em sea ben*-fiei.
Nao e menos precaria sen* 1 nais afflict.-*.* a
situacao do commercio.
Sua accao intermedia colloca 0 na dajMatea
cia da lavoura, soffre com esu, prosper* aes-
envolve se, se ella, cotapaabaya >.!, ostcnta se
fesliva e salisleia.
A grande soouna de capiui s por empressiaw a
agricullura nao pode ser rec4aida e pasta ao
jogo 01 dinario do movimenio commerctal.
Os altos direitos de exporUc-io, qae tanto aas-
ram os productos clnu' s, ahi tera sido aaati-
dos apezar dos justo* e repeuaos reclames do
commercio, que por sua vex sente os seu* trisae*
elleit)-, snffrend 1 conslaates prejuizos na rxpor-
tacao As elevadas laaas duplas, geral e are-
vinciai, produzem efft-ilos lao peraiciosos qae sul
se comprehende como apezar deltas aiaaa la
movimento na exportaca-i
Os mercados consumidor.-* cad* am mate se
restringem, tanto para o algodao bw para a
assucar.
E tudo isto colioca 0 comatercio desta praca
em situacao desvantaj,-!
Com a baixa do pr.-eo > gin ts de esptr-
lacao, c"nsequencia Maaata de todas esta*
causas 0 productur por aw v-z c msusadar. eabo-
cado an dilncullade de solver os seas debito*.
aetiva 0 ommercio para 0 imprevMto, >.ll-reeea-
do lhe perspectiva de triste < lauMataval fu-
ture
E' nesta situacao c p r f Tea de causas Uo
complexa3 cabusivasque o commaMa mosara-
se torturado por uma ai.....-i e de cosse-
luencias incalculaveis, mormente seroa araaaa-
cia e crilerio nao forem cuu-idarada- e atte
das as reclainacues que a' i ?urg.m para
attenuados os males presenter 0 preve
futuros.
Dahi a necessidade de cnicnd'Tea-se os ta-
mens uue extrcium essa u.bre prolisMo. c cooa-
hinarem nos meios mais ade<|uadoa aos iateat
do maior numero.
Accordar em certas repra- cimmuns a veade-
dores e compradores para q m a garaatia aev;-
da a aquelles se harraoni- com 1 postcao ex-
cepcional destes, tal < na setaaiiaala umi
principaes necessidades a a'ten-ler. Firaaria a
harmonia e a ordem, d q 1 ni; pode pre
air pora 0 j'-go regular ti > aaaavrnto cj
cial.
Na triste alternativj
sujeitarem-se a abettura .. meia
jui:i proprio e dos se;- t 1 de
a propria situa.-iio e in...- aggra/al-a com 1
compromissos, a aaaaaa aae I Ju\.
commerciante bonrado.
E a ii temos a pri'i! :i -: -;r. 11-.: '.1 com o c irtej 1 maast 1 aa circuniamaas
mais c inhecidas pur.
E ahi vai a d'mir.i na Ii |indaci J. u ny-ur>.
qua assim tarde 00. stunti I. ju lad m>-
ra correspmler a c- de civl r. fifaai
em lodo caso 0 devedor 11a p coeaaar-
ci 1 prirado de uma f mtc it n'.r-i
Couhecilas e geraes MS 1 si .1- '. -jm-
pre, que o remedio -e,a to 1 pr ci>' 1 1 |i
nai deixe quebrar nem in
moinento, um saiia al aaassa .t 1 is .-e'aeaea
que entre si preniem os c nn 1.
Facilitar quint) se pjsss os accurJ 1
em uue os ahatimeotoi e as proro^ic' Ji-c
zos deixem aberto ao c inwaerciaal qn> i*n
sal) pagameuU, e naces-ilil- in
por milt 1 11 inunifesta la saja, an s-r ataas
encarecida.
E' por semelban' h i.is pra^i* a*
mais acreditadas se nuinrjiii os aaVsilos i\*
grandes crises porque tem ; i-<.l >
E" por ella que aaHa praca p .J
0 mais prompto restabcl'-nnmi' d> creals
lado, a garantia contra a aerea de craeiies 1
e a conserracao desse estalieleciiati <
em que 0 m iviment > iai operaci** aere
encontra element-) para eu desearolcimeato.
Se em oulro< poizes, aa ea mn n mm-. air
cesso das fallencias acba s>> despnaaM
tej) de condicoes, qae unto o d.iUcultam. r
tard.tm entre nos, ni 1 c muito qae, u-a.ilidi
liberdade, que a lei l.r.i-il-ira garanie ao* a*rm
dos amigaveis, s.jam e-t'- le prof : .
gados p tra conjurar 0 gr.ni-ini > mil sjae
com perseveran^a sobre ami gran 1 clssse
Nas grandes crises a medida regulad >ra d ar-
cordos amigaveis e perder quant > m*nor r garan-
tia tanto maior d > qu- Ma Mftl c assarw a.ail
ou perdido.
Para que a pjrda in>nir e a giraaua ii
perdida seja maior, nao se poJe are.-cabrae
proiuplidlo ao accordo.
Seja este tao prompto quanto a urgeasia qae a
determina, que u In cmlo 1 11 vilsiaerciaal <
credito -conlinuara em sua beaefica e ell -az 1
alentando o commercio. | habilitaaJo a resarcir
dias propieKM a somiua a sacnaoos feito* na
sente :onjunctuxa.
Se assim succeder, ten o cosaaareie ea fata
ro proxim Urga e .npens^ci) do crnai saesesH.-.
doce consolacao de haver vencido cm aggravat a.
laalaaaarrilka de Bristal
Por certo esaaco de tempo brilharaa a seaoara
de desesperados e tneodaze* embus 1
salsaparnlha- d'uma frauduleata natureaa, p.irea
a sua existencia fiuiou logo aae sa aaraseat u m>
mundo este grande e^pecilio Pel* esaaco d
annos eonseculivos tern marcbado sabre rastse
naufragados dos competidore* eaooaasSeaas, ea^a
existencia tem sido Concorde com
paraveis triumphos. Tem
raoleslia donde quer e e ea qua
se achasse, e sua cirreira tea
as curas as mais admiravois, qoe tanto laava
fama tarn dado a arle de earn As es -mfalas, a*
afeccoes do figado, as febre* inicrsaiiuala a
mittentes, a dyspepsij. a nevralgia I
fermi.tades ulcerous e eaacerosas,
suos maravilnosas proprieiaies, rea a
certeza com que 0 effeito segue a eava
rea
xSFs
JUNTA DOS CORRETORES
Praca d afcuHV), de aaaia
de tHJ4.
AS 3 HORAS DA T4RDF.
corafoas ornaaaa.
Algodao ae sorte 8#ittpor 13 tjOrt*. aaa^a.
devera.4 Algodao de Hossoro I* sorte *2-*> p* i-i
kilos.
&mbio sobre Loadres a 10 afv. Ifl a. **
Jaasiro a 13 ap, Ist
OrO de deKonto.
r
j


Diario de Peratirbuoo Segunda feira 25 de Maio da IfiTdL


R. de Vasconeellos
President*).
A P. de Lemos
Seeretario.
\LPA"rKt)*
He .dimemo do di? I a 22.
>dra do dli 21 .
360.959iG14
18:3924618
579352*232
Descarregam h<>|e 25 do maio de 1871.
Vapor inglex Gladiator (atracado) mercado
rias para alfandega.
t'at icho allemao Go/harm* mercadorias pa
ra alfandega.
Patacao allemao Njcetaas ~ mercadorias para
alfandega.
PaUcho emamarquei Kiltie raercadorias para
alfandega.
Vapor inglex Neva (esperado) mercadorias,
bagagens e amostras uara alfandega e
trapiche Ceaceicao.
Patacao hollaudex Cornelia Abramina fari-
nha ja dessachada para o 8* ponto.
Bare* austriaca Due Frateli farinha ja des-
pachada para o caes do Apollo.
Palhabote amerieano John Moee farinha
brea ji Patacho ioglez La Cayenne farinha ja des
pachada para o caes do Apollo.
Patacho ingiez Nereut farinha ja despachaia
para o caes do Apollo.
Barca ingleza Zagda machinismo e ferro ga
despachados para o caes do Apollo.
Patacho inglex Belle baeamao ja despachado
para o trapiche Gonaoieao.
at-TsaAQAO vk pauta nos rV.R;os_ dos geneg;
StmiTOS A DIREITOS DK KXrORtACAO, If A SMAWA
oe 25 a 99 dk maio ok 1874.
Algodao em rama ou la 188 -rs. o kilo.
Carrij de pedra estrangeiro, tonelada metpiea
sUno.
Caroco-de algodao 20 rs. o'kilo.
Grina animal em bruto 300 rs. o kilo.
Alfandega de Pernambuco,2ll de maio de 1874.
0 coiiferenie -Jose Anaaacio do Outeiro.
0 1" cjirferente Manoel A. R. Plnheiro.
Approvd. Alfandega de Pernambuco, 23 -die
maio de tW4.
0 'inspector
Fabio A. de Carvalho Reis.
I in port Rf if o.
Vapor national Jagu rite, "entrado dos portos
da norto em 23 do corrente e consignado a com
patfhia pernarnbacana de navegacao costeira por
vapor, manifeston :
Algodao 208 saccas a Luie Antonio Slqueira,
132 a Lnii J t. da Costa, 43 a Gomes de Mattos
Irmaos. 29 a Arruda Irmaos, 31 a Henrique Sa-
raiva, 25 a J. U. Graff & C. Arroz 2 saccas a
Feraandes 4 Innio.
Carne 31 garajaos a Canha irmaos & C. Gouros
salgados 125 a Fcrnandes 4 Irnaai, 135 a J. U.
Graff 4 C, 35 a ordeni.
Maehinas de costura I caixa a Parente Vianna
rt C.
Queijog I barrica a Cunha ^rmios & C., 1
Braga Gomes & G.
Sola 423 meios a Moraes Irmaos, 214 a Luiz
Goncalves da Silva & Pinto, 210 a Gomes de Mat-
tos frmaos, 32 a ordem.
Barca austrica Due Fratelh, entrada de Tri-
estre aa raesma data e consignada a PSipps Bro-
thers & C, manifestou :
Aco 50 eunhetes a Parents Vianna 4 C.
Farinha de trigo 2,356 barricas aos consigna-
tarios.
Bolhas 10 saccos a ordem.
P83PACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 22 1)6
MAIO DE 1875,.
Para os portos do exterior.
Na barca ingleza Bella, para Cronstadt, car-
regou : M. Lathan 4 G. 430 saccas com 31,875 1;2
kilos de algodao.
No patacho hespanhol Esperanto, para Bar-
cellona, carregou : P. Carneiro & G. 124 saccas
com 9,410 kilos de algodao.
Na barca portugueza Alegria, para o Porto,
carregou : T. L. Soares 30 siecas com 1,722 kilos
de algodao : para Lisboa, Moreira Halliday & G.
4 barricas com 141 ditos de assucar branco e 2
caixas com 16 litres de aguardente.
No brigue sue:o Qerda, para o Rio da Praia,
carregou : Amorim Irmaos 4 C. 380 barncas com
40,248 kilos de assucar branco.
No lugar hollaudez Jeanne, para o Rio da
Prata, carregou : B. Oliveira & C. 60 barricas
com 4,071 kiloa de assaear brance.
Para os portos do interior.
Para o Rio Grande do Sul, no patacho na-
tional Eduviges, carregou: F. R. Pinto Guimaraes
378 barricas com .12,292 kilos de assucar branco e
10 ditas com 1.094 ditos de dito rmsjavado.
Para o Rio Grande do Sul, no patacho na-
tional Africano, carregou : J. B. Moreira 3 bar-
ris com 180 litros da aguardente.
Para o Rio de Janeir.0, no vapor national
C. Dosal, carregou : P. Vianna (5; C. 2 caixas com
100 kilos de docc.
Para Macao, na barcaca A. las Anjos, earre-
Sou : G. de Maltos Irmaos 1 barril com 96 litros
e aguardente : para o Natal, \. Gordeiro 12 vo-
lumes com 978 kilos de assucar branco.
Assucar branco, 2* sorte, 4*000
kilos.
a 41100, oa 15
J" sorte, fino, de 34700 a 3|800,
3* sorte, boa, de 3^6(0 a 31690,
regular, de 3/400 a
a 3*200, por 13
Dito branco,
por 15 kilos.
Dito branco,
por 15 kilos.
Dito hraneo, 3* sorte,
3*450, por 15 kilos.
Dito branco 4" sorte, 3*100
kilos.
Dito sornenos, 2*700 a 2*730, por 15 kilos.
Dito ouscavado, lino, 2*300 a 2*400, por 15
kilos.
Dito mascavado, bom, a 2*200 e 2*230, por 13
kilos.
Dito mascavado, regular, 2*000 a 2*050, por
15 kilos.
DiUi mascavado, ameticaao bom, !*800a 1*830,
por '5 kilo.-.
Dito mascavado, ameHCauo, regular, 1*600 a
1.5650, p.r 11 kilos.
Dilu iua?cavado, Cinat 1*330 a 1*400, fiov
15 kilos.
Entiaram 17,281 saccos.
Gouros seccos salgados. Entraram 296, even-
deu-se a 566 o kilo.
Aguardente. Gotamos a 38*000 a pipa.
Game secca salgada do Rio Grande do Snd, de
3*600 a 4*200.
Era deposito 65,080 -arrobas.
Dita dita do Rio da Prata, de 3*500 a 4*'4fO.
Em deposito 20,000 arrpba<.
Cafe. Chegaram mas 155 saccos, c vendru-se
de 8*500 a 9*300.
Em deposito 2,000 saccos.
Alpiste.Vndeu-se a 4*200.
Genoros estrangeiros
Bacalhao. Gbegou urn carregaraente com
2,700 barncas, e mais da Cathanoa 50 caixas, quo
se vendeu a 16*00tt 17*000.
Em deposito 7,500 barricas.
Farinha do trigs 5,064 barricas. Ghegarara
hoje, 4,060 das quaes 1,704 sao da Babia e reta-
lha-se:
Hungria de 31*300 a 32*500.
Trieste de 28*300 e 29*U00.
Richiraond de 23*000 a 23*000.
Balthimore de 23*000 a 24*000.
Milho. Ghegaram 100 saccos, nominal fle 70 a
80 rs. o kilo.
Feijao. Sera entrada*, do exterior, e reta4fca-se
de 7*000 a 9*000.
Arroz da India Chegaram 125 saccos,e ven
den se a 3*000 os 15 kilos.
Manteiga franceza. Ghegaram 265 barrw, ven-
das de 1*851 a 1*917 o kilo.
Dita ingleza. Chegaram 185 barris e 3fi5j2 ;
ainda sem vendas.
Dita ingleza.Em latas 23 caixas.
Banha de porco.Ghegarara 603 barris, vendas
de 938 rs. a 1*020 o kilo.
Toncinho. Chegaram 120 barris, venias de
10*000, 10*300 a 11*600.
Sal. Chegaram 798 alqueires, e vendeu se a
1*200.
Velas stearinas. Chegaram 399 caixas, e co-
tamos a 510 rs. o maco.
Azeite doce. Chegaram 120 barris. e cotamos
de 2*400 a 2*450 o galao.
Sardrahas.Em lata nominal 280 rs. as latas de
um quarto.
Ciraento. Chegaram 30 a barricas, raercado
supprido e cotamos de 8*500 a 9*000.
Gebolas. Chegaram 2i5 caixas, e cotamos de
3*600 a 6*300 a caixa.
Batatas. Chegaram 902|2 caixa?, e cotamos de
6*000 a 7*000.
Phosphoros. Chegaram 40 caixas; cstavam
a chegar nominal 2*550.
Fogos da China. Chegaram 50 caixas e cota-
mos a 6*900.
Cerveja. Chegaram 999 caixas da Noruega.
Dita.-Chegaram 175 barricas da ingleza.
Sem vendas realisadas.
Louca ordinaria nominal 380 por cento de pre-
mio sobre a factura.
Kerozene. Chegaram 2,900 caixas e retalhou
se de 5*400 a 5*500 a lata.
Canela.Nominal a 730 rs.
Bolachinhas. Chegaram 130 barricas, sem
vendas.
Breu. Chegaram 300 barricas, sem veadas
nominal 14*0 0
Maisene.Chegaram 130 saccos, sem vendas.
Pimenta da India. Chegaram 10 caixas, sem
vendas; a relalho 540 rs.
Fumo em lattas. Vendas de 12*000 em rolos
e 12*500.
Farello. Vendas a 4*101 o sacco.
Passas. Chegaram 32 amarrados, sem vendas.
Cha da India. Chegaram 119 caixas, sem ven
das ; mercado abundance.
Vinagre.-Vendeu-se de 110*000 a 123*000.
Vinho. Chegaram 30 pipas, 232(5, 9|10 e 118
caixas, e vendeu se :
De Lisboa, a 220*000.
Da Figueira, de 2?0*000 a 233*000.
Oo Estreito, a 2I2**(;00 a pipa.
dietas aos presos pobres da casa de dettncio, bo
trimestre de Jafho a setombro proximo vindouro,
servindo de base & arremataclo os precos da> ta-
bellas ahaivo transcriptu.
DiETAS.
Sniitrfu 1 3W).
2 400.
3 640.
4-40.
a 5-400.
Sera lamhem foraeci la aos pre3os oein, na im-
pviriauria de 110 rs., ety quanlo esti or.ada, o
alinjcD ua inesma pro^urcao
E para constar, se manvlou fazer pablico pelo
presenie joraal.
Secretaria da tlieseuraria provincial, 13 deinaio
de 1874
0 official maior,
Micuel AIT commercial deve ser feita pelos credores, m eon-
voco afim de qua se reunam no dia 26 jeste roez
as 11 horas, na sala das audienoias. C^astas pagas
pela massa. Por editaes pubiique se esta sentea-
ca e faca-se 4 convocacin des credores. Recife,
19 de maio de 1874,Seo(iao da Re/o Barros
de Lacerd*.
E para que cacgue ae conheciraente de todos
mandei facer preseute, fae sera afflxado nos In-
gares do costume e publicado pains jornaes.
Dado e passado oesta -cidade do Reaife de Per-
nainbvco, aos 22 de maio de 1874.
En, Francisco Xavier de Souza Ramos, escrivao
irHenoo, subscrevi.
Sebattiao do ffteao Barros de Lacerda.
Edital n. 163
valheim da rfe S. Bento de Avis, condecorarte
com a mediriliK a
Ordiyn a ci ronei do estade inaior d.-. t' classe ecouiHuu-
dante soperior da tiuard* national do ara&ioipw
do Recife, p t S. M. o laaperador, etc, etc.
Faco saber |ue. de eoatformidade com a lei a.
2395, de 10 deete.xibro do anno proximo passado,
e disposables ^osteriores, Teunir-se- ha o cooselho
de revista da gnarda nacienal deste monicipio, ne
dia 24 do corrente mez, pelas 9 boras da maoba,
oo paco daeamara municipal.
K para qae chegoe ao conhecimeato de todos,
mandei casero presente edital, qut sera pabiicado
nos joruaes desta cidade.
Quartel do commando superior da guarda na-
cioaal de-atunicipio doftecife, 13 de maio de 1874.
Antonio Gomes Leal.
P.da tafteelnria da alfandepa se intima, de con-
_ |irniidadf. com o a*. 359 do regulameoto das al-
tla ordem* 4] coo ten do ver-
Antonio Guiii'-s Ceal, <: t;hri8to, nincial 4a imperial i4mii O Him. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial maada fazer pnbhco que no dia 3 de junho
proximo vindouro perante a junta da mesma the-
souraria ee ha de arrematar, a quern por menos
tizer, o Vornecimento de medicamentos e ntensis
precises a enfermaria da casa de detencao por
tempo de um anno a cootar do 1." de julho do
corrente anno, a 30 de junho de 1875, servindo de
base a lieitacao os preeos conslantes das respect!
vas tabellas.
As pessoas qne se propozerem a esta arremata-
cao eomparecam aa sala das sessdes da referida
junta no dia acima indn-.ado pelo meio dia.
E para constar se mandou fazer publico pelo
presence joraal.
Secretaria da thesouraria provincial, 15 de maio
de 1874.
0 official-maior,
Miguel Affonso Ferreira._____
imz, viudos de Liserp
    <-niradaem'6 de ae embro do anao Kir rel-los desta reparlicao in prato d.; nito dias
    -oi> pna de, -tinda die, se paatedef nos tsrmos du
    reioridu artigo.
    Alfandega de Pernambuco, 21 de maio do 1874.
    0 inspector,
    Fabio A. de Carvalho Reis.
    Edital n. 165
    Pela iaspeetoria da alfandega se faz publico, que
    is 11 horas da manha do dia 27 do corrente se
    ha de arrematar, a porta desta repartfcao, livre de
    Tkreitos, a polvora abaixo deeiarada, annunciada
    a consumo por edital n. 152, e qne nao foi despa-
    ehada deatro do prazo marcado.
    Fortale/a do Burito.
    Marca diamante Moraes 200 barris
    de 4* com polvora, vindos de Lon-
    dres aa escuna ingleza Perteve-
    ranee, descarregados em 18 de se-
    tembro de 1873, pesando liqnido
    legal 2,312 kilos, avaliados por 3:308*210
    Idem idem 1-250 ditos idem idem,
    pesando liquido legal 2,890 kilos,
    avaliados por
    I em 50 ditos idem idem avaria-
    dos, pesando liquido legal 578
    kilos, avaliados por
    Alfandega de Pernambuco, 22 de msio de
    1874.
    0 inspector,
    Fabio A. de C. Reis
    4:1324000
    661*230
    Edital n. 162.
    0 Him. Sr. inspector da thesourai ia provin-
    cial mauda fazer publico, quo em cumprimento
    da ordem do Exra. 3r presidente da (rrovincia,
    de 28 de abril proximo passado, perante a junta
    desta thesouraria se ha de arrematar no dia 28
    do corrente, a obra dos reparos de qne precisa a
    poote do Trapiche, orcados em 1:630* com > de
    claram as clausulas abaixo mencionadas.
    As pessoas que se propozerem a esta arreraata
    cao, eomparecam na sala ds sessdes da referida
    junta no dia acima indicado, pelo meio dia.
    E para constar, se mandou publicar o presente
    pelo jornal.
    0 offlcial-maior,
    Miguel Affonso Ferreira.
    Clausnlas espeeiaes para a arremataclo dos re-
    paros urgentes da ponte do Trapiche :
    4.
    Os reparos da ponte do Trapiche, serao execu-
    tados de conformidadc com as preseppedes do
    respective oreamento, na importancia de 1:650*.
    2."
    0 arrematante dara eemeco as obras no prazo
    de oito dias e as concluira no de um mez mez, a
    contar da data d assignatura do contrato.
    .V
    0 pagaraento sera effectuado em tres prestneSes
    iguaes, e na proporcao do servico pxecutado.
    4.'
    Em tudo o mais que nao estiver especificado
    nas presentes clausnlas. se observara o qie dis-
    p5e o regulamento de 23
    anno.
    de fevertiro do corrente
    CAPATAZIA
    Handimento do dia 1
    dm dc dia 23 .
    DA ALFANDEGA
    a a.
    14:062*626
    289*234
    VOLUMES SAH1! .'-j
    No dia 1 a 22......
    No dia 23
    Primeira per a.....
    Segunda purt* ...
    Ttrceira porta .
    Qnarta porta......
    fiapicne GcaceicJKi
    14:351*860
    22,447
    128
    46
    85
    985
    23,691
    SERVICO MARITIMO
    U'arengas descarreeadas no trapicbe da
    alfandeca :
    No dial a 22..... 38
    No dia 23....... 5
    Mo trapicbe Jonceivio ... 1
    44
    RSCEBEDORIA DE RENDAS LNTi RNAS GE-
    RAES DE PER.NAMBGC
    ttandiraenio do dia I a 22. 40:521*843
    dwndod'a 53 1:992*860
    42:514*703
    GON'SULADO PriOVTNdAu
    Kendimeito do dia 1
    dem do dia 23
    a 22
    74.088*778
    2:005*614
    76:094*392
    RECIFE DRAINAGE,
    rtendiraento do dia I a 22. .
    idem do dia 23......
    5:618*418
    158*312
    5:776*730
    Revista

    Da sernana de
    iiiiiituerrial
    18 a 23 de maio de
    1874.
    0 cambio sobre Londres, 90 dias 23 1/4 23 3i8
    25 1/2 23 1/8 e 2o d. por 1*000.
    Dito sobre Paris, 50 dias 378 rs. o franco.
    Dito sobre Lisboa aPorto, 90 dias 108, 109
    e 110 por 0/0 de pren.10.
    Dito sobre 0 Rio de Janeiro, a 15 dias drv 3|4
    J/2 por cento de desconto e a 8 d|v a par.
    Apolices provinciaes de 7 por cento 920 rs. por
    1*000 pmicular.
    Ditas da divida provincial 7 por :ento ao par.
    Descontos 10 por cento ao anno (boas Armas).
    Generos nacionaes
    Algodao, 1' sorte, 8*400, 8*30) e 8*000 por
    15 kilos.
    Dito de Maceio. 1* sorte, 8*800 e 8*600 7 8 3
    por cento.
    Entraram esta semana 1.844 saccas.
    Dito dito raeiiano, 8*300 e 8*100 7i8
    cento. v
    Dito dito 2* sorte 7*200.
    Dito dito R. rafngo 6*300.
    Dito de Goyanni ; Aracajii wm inspoccio
    7*500.
    Pito da Paraoyba, 8*40f>.
    j por
    rtimMENTO DP POBTD.
    i\avios cntrados no dia 23.
    Acaracu e portos intermedios7 dias, va-
    por nacional Jaguaribe, de 459 tonela-
    das, enmmandante Julio Gomes de Sou-
    za, equipagem 32, carga differentes
    generos ; a companbia Pernambucana.
    Triestre06 dias, barca austriaca Due Fra-
    telli, de 394 toceladas, capitio Pietre
    Cordich, equipagem 13, carga farinha de
    trigo e outros generos ; a ordem.
    Navios sahidos no mesmo dia.
    Liverpool.Brigue francez Mines deSoum/t,
    capitao B. Lelanchon, earga assucar e
    algodao.
    Barbadoes.Patacho ingiez Dante, capitao
    E. Martin, em lastro de areia.
    Santos.Hiate portuguez DUigente, caj itao
    A. F. da Trindade, carga assusar e ou-
    tros generos.
    Navio er.trado no dia 24.
    Southampton, Lisboa e S. Vicente\t
    1/2 dias, sendo do ultimo porto 5 12
    dias, vapor ingiez Neva, de 1655 tonela-
    das, commandante E. West, equipagem
    116, carga fazendas e outros .genoros ; a'
    Adamson Howie & C.
    Liverpool e portos intermedios18 dias,
    sendo do ultimo porto 11, vapor ingiez
    Luzitania, de 2420 toneladas, comman-
    dante W. H Thomas, equipagem 101,
    carga varios generos; a Wilson Rowe & C.
    Navios sahidos no mesmo dia.
    Barcelona.Brigue hespanhol Barceld, ca-
    pital M. Fonrodona, carga algodao.
    Lisboa. Escuna portugueza Aguia, capi-
    tao Pedro A. da Fonceca, carga assu-
    car.
    Rio da Prata.Galeota hollandeza Jeanne,
    capitao 0. Kroon, carga assucar.
    Callaoe portos intermediosVapor ingiez
    Luzitania, commandante W. H. Tho-
    mas, carga a mesma que trouxe dos por-
    tos da Europa.
    Rio da Prata e portos intermedios.Va-
    por ingiez Neva, commandante E. West.,
    carga parte do que trouxe da Europa.
    EDiTAES.
    Victor Fournie,
    Enge-heiro chefe.
    Confcrme,
    Miguel A. Ferreira.
    0 Dr. Sebastiao do Itego Barros de Lacerda,
    juizde direito especial do commereio nes-
    la cidade do Recife e sou termo da capi-
    tal da provin'cia dc Pernambuco, por
    S. M. imperial e constitucienal 0 Sr. D.
    Pedro II, a quern Deus guarde, etc.
    Faco saber que no dia 30 do corrente rnez de
    ratio, as 11 horas da manha, na sala dos auJito-
    rios, devera ter lugar a reuniao dos credores da
    msssa fallida de Pereira de Meilo & C, para sa
    verificarem os crediios, deliberar-se acerca da
    concordata, ou formar-se 0 contrato de uniao, e
    noraear-se admlnislradorcs a dita massa, certos os
    credores de que nao serao admettidos por pfoca-
    rador sem que este exhiba procura;ao especial,
    a qual nao podera ser ronferida a devedor dos
    fallidos, nao podendo, rutro sim, um so indi-
    viduo representar por dous divers 15 cifedore?, e
    que sefa bavido 0 credor que nao comparecer,
    como adherente as resolufoes que tomar a maio-
    ria dos votos dos credores que camparecerem, com
    tanto que para ser valida a concordata e neces-
    sario que seja concedida por um r.umero tal de
    credores que representera pelo a maioiia delles
    menos em numero de dous tercos no valor de to-
    dos os creditos sujeitos aos effeitos da concordata.
    E para que chegue ao conhecimenlo de iodo3,
    mandei passar 0 presente, que sera pubheado pela
    imprensa e afflxado nos lugares do costume.
    Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
    nambuco, aos 15 de maio de 1874.
    En, Manoel Maria Rolrigaes do Nastimen'.o, 0
    subscrevi.
    Sebastiao do Rego Barros de Lacerda.
    Ao sello 3c0 rs.V. S. S. ex causa.
    Barros de Lacerda.
    0 Dr. Alexanire de Souta Pereira do Carmo Ju-
    nior, juiz substituto dos feitos da fazenda nacio-
    nal desta provincia de Pernambuco, etc.
    Faco saber a todos que este virern. que no dia
    29 do corrente. na sala das audiencias, pelas 11
    horas do dia, se vender;! em praca public*, a ca
    sa terrea n 70, sita a rua da Impratriz, com 3
    metros e 10 centiraetros de largnra e 22 metros e
    90 cen'.imeiros de comprimento, avaliada por ..
    4:000*, epenhorada a Francisco M.ua O'trles, pa
    ra pagaraento do que deve a fazenda nacional.
    E para que chegue ao conhecimento de
    todos, mandei passar 0 presente que 'sera-
    publicado pela imprensa e aflixado nos lu-
    gares do costume.
    Recife, 4 de maio de 1874.
    Eu, Jose Francisco do Rego Barros, escrevi.
    subscrevi.
    Pereira do Carruo Junior.
    Edital n. 166
    Pela inspeetoria da alfandega se faz publico, que
    no dia 25 do corrente, as ll horas da manha, a
    porta desta reparticao, e ha de arrematar, livre
    de direitos e snjeito ao imposlo da capatazia, uma
    caixa de marca C G & C n. 70, vinda de Hambur-
    go no navio Ellida, descarregada em marco do
    anno proximo passado, contenao 40 kilos de brin-
    quedos de papelao on de madeira, para criancas,
    inteirarnente avariades, no valor de 22*400, e
    abandonada aos direitos por Carvatho GuimarSos
    & Companhia.
    Alfandega de Pernambuco, 22 de maio
    de 1874.
    0 inspector,
    Fabio A. de Carvalho Reis,
    A caraara municipal desta cidade. tendo de
    demolir o sobrado a rua do Amorim h. 19, que
    foi nllimamenle desapropriado, e vender a quern
    mais vantagens offerecer, todos os materiaes do
    mesmo sobrado, convida pelo presente aos pre-
    tendentes a comparecerem no dia 27 do corrente,
    pelas 12 horas do dia, no paco de suas sessdes,
    correndo dita demolicao por contt do arrema-
    tante.
    Pago da camara municipal do Recife, 20 de
    maio de 1874.Manoel Joaqum do Regoe Albu-
    querque, presidente.Francisco Auousto da Costa,
    secretario. _______________
    0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
    cial manda fazer publico para quem interessar
    possa, que foi transferida para o dia 3 de junho
    proximo vindouro a arremataclo da obra da bom-
    ba para o povoado dos Monies, avaliada em.....
    1:980*000.
    Secretaria da thesouraria provincial de Per-
    nambuco, 22 de maio de 1874.
    0 official-r.iaior,
    Miguel Affonso F.rreira.
    0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
    cial manda fazer pnblico qne no dia 3 de junbo
    proximo vindouro, perante a junta da mesrr a the-
    Isouraria, vai a praca para ser arrematado per
    quern menos to?r o fornecimcato da alimentacao e
    0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Laceraa, juiz
    de direito especial do commereio desta cidade do
    Recife de Pernambuco, por S. M. Imperial, que
    Deus gnarde, etc.
    Faco saber pelo presente edital que acha-se
    aberta a fallencia da lirma social desta cidade Aze-
    vedo & C. pela sentenca do theor seguinte. Avista
    das peticdes de folhas duas, seis e da que nesta
    data me foi apresentada eom o balanco e sera jun-
    ta a estes autos, tendo Azeredo & C, estabelecidos
    com loja de fazendas a rua da Imperatriz desta
    cidade, cessado seus pagaraento?, hei por deeiara-
    da a abertnra de sua fallencia, datando-a de 8 do
    corrente mez. Nomeio curadores fiscaes aos cre-
    dores Monhard, Mettler & C, que prestarao jura-
    mento. Ao invenlarlo se proeedera i mmediatamen-
    te com o depositario quo for por rain noaieado el idem,
    para a nomeacio, qne segundo oart 812 do codigo Idem Antonio Sherit-Um dito idem, idem, idem.'
    Pela inspeetoria da alfandega de Pernambuco,
    >e fat publico que, achaodo-se as mercadorias con
    tidas nos volumes abaixo mencionados no caso de
    serera arrematadas para consumo, nos terraos do
    cap. 6" do tit. 3 do regulamento de 19 de setem-
    bro_de I860, os stus donos ou consignatarios de-
    verao despacha-las no prazo de 30 dias, sob pena
    dc Undo elle, serera vendidas por sua conta, sem
    que Ihes fique competindo allegar contra os effei-
    tos desta venda :
    Armazem n. I.
    Htrea A 4 M n 7.-Uma caixa vinda do Havre
    na barca franceza Rioul, descarTegrda em 28 de
    agoslo de 1873 e coosignada a Amaral & Motta.
    Idem M F F contra marca C 1 & C ns. 9 a 14.
    Seis ditas idem, idem idem, a Manoel de Figueirda
    Faria.
    Idem C H F n. 186.Uma dita idem, idem em 2
    de setcrabro, idem a Frederico Herbst.
    Idem J L M contra marca C n. 113.-Uma dita
    idem, idem a J. Lopes Macbado A "
    Idem P C & C ns. 102 e 103.Duas ditas vra-
    das de Hamburgo no patacho allemao EUse, des-
    carregadas a 15 de setembro de 1873 e consigna-
    das a Pereira da Cunha A C.
    Idem P A A n. 3,705 Uma dita vinda do Havre
    na barca franceza Saint Amhr, descarregada em 3
    de outubro de 1873 e coosignada a Pacheco & A-
    zevedo.
    Idem J L M & C n. 125.-Uma dita idem, idem
    a J. Lopes Machado & C.
    Idem S It It C n. 53.Uma dita idem idem em
    6 idem a Silva Neves & C.
    Idem J L M (Si C n. 126 Uma dita idem, idem,
    em 7 idem, a J. Lopes Machado & C.
    I lem S N & C ns. 114 e 150-Duas ditas i Jem.
    idem em 8 idem a Silva Neves A C.
    Armazem n. 2.
    Marca J C M. n 53. Caixas vindas de Liver-
    pool na barca ingleza Hermione, descarregadas
    em 27 de setembro de 1873 e consignadas a J. J.
    de Carvalho Moraes.
    Idem J CM n. 87. Ditas idem, idem era 29
    idem.
    Idem J C M n. 4 Ditas Idem, idem em 3 de ou-
    tubro idem.
    Idem C H F n. 210. Uma caixa vinda de Liver-
    pool no vapor ingiez Arbitrator, descarregada
    em 26 de agosto de' 1873 e consignada a F. Her-
    h:t.
    Idem B A. Cn. Quatro ditas vindas de Livjr-
    pool no patacho ingiez Nancy, descarregadas em
    30 do agosto de 1873 e consignadas a A. F. Ra-
    mos.
    Idem C I & C n. 1.033|l,007, 1,0391012. 1,013,
    1,0I6|I,017. Doze ditas idem, no vapor ingiez
    Zeline, descarregadas em 2 de julho de 1873 e
    consignadas a Costa Irmao A C.
    Idem duas letras atravessadas n. 2,001. Uma
    dita idem, id Idem "A F C u. 257.Cincoenta ditas idem, idem
    a A. F. de Carvalho.
    Idem M M & Cn. l.-Quinze ditas idem, idem,
    em 3 idem a Moreira Monteiro A C.
    Idem triangulo R D nos lados n. 110.Uma
    barrica idem no brigue ingiez Robert Anders,
    descarregada em 8 e consignada a Recife Drai-
    nage. ,.
    Idem triangulo T no centro e R D nos lados n*
    210.Uma caixa idem, idem idem.
    Armazem n. 3.
    Marca quadro J J C M e 73 no centro n. 7.
    Uma caixa vinda de Liverpool no vapor ingiez
    Lalande, descarregada em 5 de agosto de 1873 e
    consignada a Tb. Christiansen.
    Idem S B & F contra marca D n. 17. Uma
    dita idem, idem a Silva Barroca A Filhos.
    Armazem n. 4.
    Idem V C contra map.-a D n. 30 1)2. Uma
    barrica vinda do Havre no navio francez Feli-
    cio, descarregada em 20 de setembro de 1872,-
    ignora-se a consignacio.
    Idem V C n. 30.uma dita idem, idem, idem.
    Idem M M ns. 592 e 593|596. Cinco ditas
    idem na barca franceza Jean Baptiste, descarre-
    gadas em 24 de setembro de 1873 e consignadas a
    Matmiao Barroso de Mello.
    Idem triangulo P V no centro.-Uma dita vinda
    do Havre no navio francez Felicite, descarregada
    em 28 de setembro de 1873, ignora-se a consigna-
    ojio.
    Sem marca e sem numero.Uma caixa vinda
    do Have no navio francez Saint Louis, des-
    carregada em 16 de dezembro de 1872, ignora-se
    a consignacao.
    Marca C GUma dita vinda do Porto no navio
    portuguez Olinda, descarregada em IS de de-
    zembro de 1872 e consignada a Cunha Irmaos.
    Idem \V M M 0 n. 20. Uma barrica vinda
    de Liverpool no navio ingiez Rosalie, descarregada
    em 26 de dezembro de 1872 e consignada a Saun-
    ders Brothers A C.
    Idem C G A C n. 27|28.Duas ditas vindas de
    Hamburgo no navio allemao Elegante, descarre-
    gadas em 21 de Janeiro de 1873 e consignadas a
    Carvalho Guimaraes & C
    Idem diamante G G no centro.Uma dita vinda
    de Liverpool no navio ing'ez Empreza, descarre-
    gada em 3 de marco de 1873 e consignada a Car-
    valho Guimaraes & C.
    Idem A P BUma dita idem, idem, idem.
    Idem B A B n. 50. Uma dita vinda de Li-
    verpool no vapor ingiez Albion, descarregada
    em 8 de marco de 1873, ignora-se a consigna-
    cao.
    Idem T S N ns. 85,86, 87 e 88.-Vinte caixas
    vindas do Havre no navio francez Fidelite, des-
    carregadas era 14,16 e 19 de abril de 187* e con-
    signadas a Silva Neves & C
    Idem B FUma barrica vinda do Havre no
    navio francez Guilnerme Tell, descarregada em
    de maio de 1873 e consignada a Tb. Chris-
    tiansen.
    Idem B F ns. 3,423, 3,426 e 3,430. Tres ditas
    idem, idem.
    Idem D & B ns. 9,547, 9,549, 9,550 e 9,548.-
    Quatro saccos vindos do Havre no navio francez
    Veridiana, descarregados em 13 e 14 de junho de
    1873 e consignados a E. A. Silveira.
    Idem M contra marca M n. 162.Um sacco
    idem, idem em 17 idem a Maturino Barroso de
    Mel la
    Idem C D M FentonUm erabrulho, viado de
    New-York no navio nacional Jaboatao, descarrega-
    do em 9 de agosto de 1873, iguora-se a consigna-
    cio.
    Idem H Forster & CUm dito idem, idem,
    Td>m C G A CVinte e nove caixas vindas de
    New-York no navio Flora Gordel, descarregadas
    em 20 de agosto de 1873 e consignadas a Carva-
    lho Guimaraes A C
    Idem B J & C Uma dita vinda do Havre ao
    navio francez Raoul, descarregada em 29 de agos-
    to de 1873 e consignada a Barros Junior A C
    Idem B I 4 C. contra marca L & V- Tres dius
    idem, idem, idem.
    Idem B J A C -Uma dita idem, idem, idem.
    Idem B J4C, contra marca L 4 V Viate e
    quatro ditas idem, idem e.n 4 de s.u.-.ubro idem,
    idem.
    Idem B J 4 C, coutra marca L 4 V Viute^e
    uma ditas idem, idem idem.
    Idem S N & G, ns. t8, 123 e 38/39. Quatro
    ditas vindas de Hamburgo no navio allemao Freed,
    descarregadas em 10 o 12 de sriembro de 1873 e
    consignadas a Silva Neva* 4 C.
    Idem a 4 M, n. 7. Una dita idem, i.lem a
    Arr.iinio A Moreira.
    Idem P V A C, cjntra marca C M 4 G.. i
    957.-I'm fardo Idem, id- n a I'l-'t it<* Vu
    Idem P i) 4 C, ii- Kit 4 < Dm- caixas
    idem no naviu alle.ii.i i fhw, idwu em 15 idem a
    Pereira da Cunha A C.
    Idem SNA C, a*. 159 e 21.-Duas ditas idem
    no navio allemao Brilhante, idem era 30 idem a
    Silva Neves 4 C
    Armazem n. 5.
    Marca C 4 M, contra marca F, a*. 32, 33, 29,
    30, 3t, 34, 35 e 36.Oito caixas vindas de Liver-
    pool no vapor ingiez Student, descarregadas em
    25 e 26 de setembro de 1873 e consignadas a G u-
    nha 4 Manta.
    Idem J A A 4 C, n. 1,632.Uma dita idem no
    vapor ingiez Lalande, descarregada em 30 de ju-
    lbo de 1873 e consignada a Joaquim Antonio de
    Araujo 4 C
    Idem B, n. 32. Uma dita idem, idem, ignora se
    a consignacao.
    Idem J A 4 C, n. 102.- Uma dita idem, idem
    em 31 idem a J. de Almeida A C.
    Idem P 0, contra marca L D, n. 4,561.Uma
    dita idem, idem em l de agosto de 1873 a Francis-
    co Gancalves de Oliveira Sobrmho.
    Idem S B, contra marca D, n. 19.-Una diu
    idem, idem em 5 idem a Silva Barroca 4 (\
    Idem diamante A A M no centro C R not la Jos
    n 11 Uma 4ita vinda de Liverpool no vapor in-
    giez Zeline, descarregada era 30 de junho de 1873
    e consignada a Amaral 4 Mntta.
    C G 4 C, n. 62.- Uma dita idem, idem, idem a
    Carvalho Guimaraes 4 C.
    Idem C-I 4 C., n, 1,008.Uma dita idem, idem
    a Costa Irmaos 4 C-
    Idera dous coracdes atravessados n. 2,i02.Um
    encapado idem, idem em I de abril idem a E. A.
    Silveira.
    Idem C I 4 C, ns. t.014 e 1,015.-Duas caixas
    idem, idem a Costa Iriraos 4 C.
    Alfandega de Pemamboco, 16 de maio de 1874.
    0 inspector, Fabio A. de C. Reis.____________
    Edital n. 164.
    Pela inspeetoria da alfandega de Pernambuco
    se fas pnblico, qne achando-se as mercadorias
    contidas nos volnmes abaixo mencionados no caso
    de serem arrematadas para consumo, nos tcrmos
    do capltulo 6.* do titnlo 3.* do regulamento de 19
    de setembro de 1860, os seus donos on consig-
    natarios deverao despacba las no prazo de 30 dias,
    sob pena de, findo elle, serem v-n-lidas por sua
    conta, sem que Ihes Dqne competindo allegar con-
    t ra os effeitos desta venda.
    Armazem n. 6.
    Sem marca, sem numero. I caixa vinda dc Ney-
    York no vapor americauu -Merrimack, descarrega-
    da em 1 de setembro de 1873, ignora-se a con-
    signacao.
    Marca C G 4 G e L P A C, n. S9. I dita idem
    do Bordeaux no vapor francez Rio-Grande, des-
    carregada em 5 de setembro de 1873, consignada
    -i Carvalho Guimaraes & C.
    Idem PS 4 C e A L, n*. 2,162 e 2,163, 2 di-
    us vindas do Havre ne vapor francez Ville de Ba-
    hia, descarregadas em 22 de setembro de 1873 e
    consignadas a J Lopes Machado.
    Idem idem n. 2,193. I dita idem idem a Amaral
    4 Motta.
    Idem a A F n. Ii9. 1 dita idem idem a Cunha
    A C.
    Idem idem n. 155. 1 dita idem idem idem.
    Idem A 4 M n. 8. 1 dita idem idem id m.
    Idem C 4 C n. 2o8/260. 3 ditas idem idem idem.
    Idem idem n. 264. 1 dita idem idem a F. G. de I
    Oliveira Sobrin^o.
    P S A C e A L n. 2115. I d;ta idem vapor fran .
    eei Ville de Santos, descarregada em 25 de ago*-
    to de 1873 e consignada a Pinto da Silva A Gas :
    cao.
    Idem S N A C ns. 104 e 105, 2 ditas idem
    Man, a Silva Neves 4 C.
    Idem W & S hj 87 e 88. J alias vindas de'
    Southampton no vapor ingiez Neva, descarregadas
    era 23 de agosto de 1873 e consignadas a Wal-
    fredo A Souza.
    ca par exeeoea* do
    to Soare" da Motta, eoaotra D
    Baakes de Miranda e sea aurido
    ves de Miranda Gotonraea
    E para qne chegae aa
    maadei publicar a
    ooatame.
    Oliuda, 4 d* maio i* 1*74. Ea Jaao
    miro da Coata M<>nf>ir. fecrivaa,
    Urtfino AmfHmttt C^vilrttnte dk
    '!" '_
    BECUiUCOEt.
    Armazens da companhia per ?
    namhucana.
    Hogmrnm emnt. tff
    A cnmiuahia i-rnanV.ii.-.,ii,, lliiiili de m.
    mi a A (' =*'l',SB,rt "*' rmasctM em sea prsais aa hr-
    . --J > do Matt ,s. <.rr,.r.rr- .v mrnrnia
    para de|-uMlo da gynerii-, g^r.-auad-i a
    servacao das nvrolor.i d^posKaaas,
    prompto. preens modieos, etc.
    Tana raadkera, aaediaaas prevwaeeordn, t-
    ;iusivamenle ns generos de uma sa |
    Este^ armarens, alim a> arjvl* e
    4*0 tuieiraint nte novas e aspli
    cupim, ratos, air., ete.
    As pessoas ijua |uizerem utilisar-M aaam ar-
    mazens, pederao dingir-m ao escriajtone da eaaa-
    panhia pernarnbacana. one aefcaraa emu aaaaa
    traur. _________________________________
    Vice-consulado de Italia em
    Pernambuco.
    Os subditis italianos Dc Salva D. Pr
    Calanorio Viceoti, aqaelle natural da'
    e este de Diamanf, ao -nnvidados a coniparace-
    rem parante rato vice consulado de Italia, a Mfo-
    cio que Ihes diz resptito _________
    SANTA CASA DA MISKHIlXHtlUA DO
    RF.r.IFF..
    A Hlma. jnnu ad{r.iu:>;rativa da saau casa da
    Kisericordia do Recife, maada fater pobiH qoa
    ia sala de suas -e-sfx*?. no dia 21 de maio ;--
    las 3 horas da tarde, lem. de ser arr*iiaataalaa a
    nem mais vantag-n.- offerecer, pelo tempo da a
    i '.r.-s annos, as ren^as dos prediof aaa segvida
    W-larados.
    KSTARELECIMENTO DE CARIDACE.
    Trave-sa de S. Juse.
    CaaaMrraat.il.......jofj
    itua Uc Saata Rita. .
    dem n. 32......
    Idem n 34 ....
    Ciur Poatas.
    asa terrea n. 114 .
    Raa ia Alfgria.
    dem n. 31........37l*fr)
    Ponte Vetha
    idem n. 31........l-~4d*W
    Rua de Antonio Heah<|oes.
    idem n. 26........S*ftW
    Rua do Vigario.
    1.' andar do sobrado n, 27. 325*0o)
    E'jaid-*m.........375*nna)
    PATRWONIO 'JOS ORPHAOS.
    Rua da S-->nzaf!a velha.
    ^isa terrea n. 16.......2BljWM
    Bwce das Boias.
    -->brado n. 18.......ISI/not
    Rna daCmx
    robrado n. 14 (fechadj).....1.'.<*#
    ;Rua do Pilar.
    QMM terrea n. i . Rua do Am'rim.
    Idem n. 34........I22*!>10
    Rna da Gnia.
    Idem n. 29........;*l*ri)
    Una i > l.-.ringeiras.
    Casa terrea n. I* .... ;>!*
    Os pretendentes deverao apreMatar ark da
    irrcmatacio as suas iianraa, on on-.- m
    icoirpannados di rep*rtivos tiadnm, I "venoa
    oagar a'em da renC* n j.rernio da quanua aaa
    pie for segnro o predio qne cootiver es'ib^> -
    nento commercial, aim como o sarrieo da nm-
    o*za e prec" dns ap,i.i'3lhos.
    Secrv-taria da "ta -asa da miserienrdia dc *"a-
    ;;re, 17 de marv t> a- t8T4.
    O a!enviV>
    .'/- Rodrituet de &**!;.
    COMPANHIA
    DO
    BEBKRIBE
    0 caixa desta comp.-nhia o Sr ft,
    Idem S N 4 C e A L n. 1/20. 20 ditas vindas ,. _
    francez Mendoza, descar- n!an0 a Aquino l.-nsccn. acha-se aUori-
    de Bordeaux no vapor rrancez Mendoza, des.-ar .
    regadas em 7 de julho de 73 e consignadas a Sil- [",P,8*r. n0 seacnpHn,
    va Neves 4 C.
    Idem M P B n. 387. 1 dita vinda do Havre no
    vapor francez Ville de Rio de Janeiro, descarrega
    da em 23 de julho de 1873 e consignada a Fran-
    cisco Goncalves de Oliveira Sobrmho.
    Idem C A N n. 12. 1 flita idem idem a Carva-
    lho & Nogueira.
    Idem S triangulo n. 49. 1 dita idem idem, a J.
    de Carvalho Moreira.
    Alfandega de Pernambuco, 22 de maio de 1874.
    0 inspector,
    Fabio A. de C. Reis.
    0 Dr. Luiz Ferreira Maciel Pinheiro, juiz
    substituto do juizo especial do commer-
    eio, nesta cidade do Recife de Pernam-
    buco, por S. M. I., que Deus guarde,
    ete.., etc.
    Faco saber aos que o presente odital.virem, qne
    por este juizo pendem uns autos de execucao de
    sentenca entre panes, a saber : comojexequente a
    companhia do gaz desta cidade, e como executa-
    dos o Dr. Praxedes Gomes de Souza Pitanga, tes-
    ta rnenteiro e inventari?.nte do (main Manoel Luiz
    Viraes e tutor dos berdelros menores, e mais her-
    deiros do mesmo, o Dr. Joao Jose Ferreira de
    Agniar, e para pagaraento da mesma execucao foi
    penhorada a qu-~*>'ia de 750* pertencente aos her-
    deiros do mesr ".do, cuja quantia se acha em
    poder do refr Dr. Pitanga, cuja penhora foi
    acensada em ..ancia do dia 15 do corrente mez
    pelo solicitad . procurador do exequeote, como se vd no rcqueri-
    menW.
    Requerimento em audiencia.Aos 15 de maio de
    1874, nesta cidade do Recife, em audiencia do Dr.
    juiz substituto da vnra commercial, pelo solicitador
    Rodolpho Joao Barata de Almeida, foi accusada a
    seguinte penhora feita em dinheiro. pertencente
    aos berdsiros do linado, c requerido que ficassem
    assignados os seis dias a penhora e dez aos credo-
    res incertos e que se desse es^ripto e edital ao por-
    teiro do juizo, o que foi deferido pelo juiz, prece-
    dido a pregao do estylo. Extrahi o seguinte do
    protocollo das audiencias e junto o seguinte man
    dado e procuracao.
    En Francisco Xavier de Souza Ramos, escrivao,
    escrevi. Pelo que chamo, cito e hei por cita-lo aos
    credores incertos do mesmo executado, para qne
    dentro dos referidos dex dias se apr sentem neste
    juizo, requerendo o que for a bera de sen direito
    e justica.
    E para qne chegue ao conhecimento de todos,
    mand. i passar o presente edital, qne sera afflxade
    nos lugares do costume e publicado pela imprensa.
    Dado e passado nesta cidade do Recife de Per
    nambuco, aos 16 de maio de 1874.
    Eu, Francisco Xavi.r de Souza Ramos,
    escrivao interino, subscrevi.
    Luis Ferreira Maciel Pinheiro.
    Thi?nrio n. 19
    0 -ii 'livi |n lo
    30 Ja arrii do a
    de :->"i00 nor apolice :
    rua do Vic
    4m 10 Matai a* 3 da t*
    i ii "omjianhia, fin \ -.m
    it. nte anno, na prorxj
    previtw-ae ao -
    acciomstas que n pngamento a r--ii-
    ero moe-ln le nthn
    Fscriptono da companhia do Bttaaam,
    to Jo maio 1c I8T4.
    0 secretario.
    Luiz Manoel Ro-1riyuet Yah:
    Tela rec^bedona de rendan
    se faz ;er:o qne e ncsk- mez dc main oae lean de
    ser pago. sem multa, o imposlo ps*.*l. rU
    ao 2.* semestre do exercicto correMe de 187 .
    74, dep.iis do que era pago on a ir., u
    por cento,
    ftecehedoria de Pern.mbucn, 7denuio de !>".
    0 administrador,
    Manoel Crntiro de Snnu Laee* i
    Olinda.
    3 Dr. Delfino Augusto Cavalcante dc Albuqoer-
    que, official da imperial ordem Rosa, juiz de di-
    reito e do civel da comarca de Olinda, por S M.
    o Imperador que Deus guarde, etc.
    Faco saber que por este juizo se ba de arrema-
    tar por vonda, findo os dias di lei, em praca, a
    11, 18 e 25 de junho, por quem mas der sobre a
    avaliacao da proprielade deir-mimda Mangabei-
    ra, sita nosta cidade a rua do Bom successo n...
    cuja avaliacao a seguinte :
    Um sitio n.... : rua do Bom Successo. com casa
    de vivenda de pedra e cal -, sobradada pela
    (rente, por cujo lado tem 5 jaiiellaa, 3 saias 1
    de jantar, cozinha f6ra, 3 quartos, 3 lojas, es-
    cada de pedra e cal. pelo lado do sul, ten-
    dodito sitio frente murada com p rt.io de fer
    ro, poco d'aguatpolavl ebastantes arvorcs de frnc-
    to, cujo silio com su is terras proprias vai encon-
    trar peb i'undocor.) terras das barreiras de'.Vossa
    Senhora do Monte, e divide pelosjados com ou-
    tros terrenos que Ihe servem de divi.-a, earaa de
    arvorea nuiva e marco de pedra, cuja proprieda
    de descripta e avaliada por 4:000*000, vai a pra
    Hospital militar
    0 hospital militar desta provincia roalr.iia.
    quem meilures vantagens offerecer a laxnda -
    cional. para o trimestre que tem de findar as >
    de junho do corrente anno, os geaeros ahraeai<-
    cios abaixo mencionados nara die las do* doaar
    e racoes de seas einpregados :
    Aleiria, kilns
    Ararnta, ilem.
    Arroz do Maranhi idem
    Aaaoaar rciinadn, idem.
    Uatitas inglezas, idem.
    itolachas, idem.
    Biseoutos, idem.
    Ctfe em caroc i, idem.
    Dito moido, i.lem.
    Carat verde. idem.
    Dita sccn. Idem.
    Dita de pom, idem. .
    Ctia perola, idem.
    Dece de roiaba, idem.
    Parinha aa mandioca, litre
    Feijio preto on mniatmho, idm.
    Gallioha, uma.
    I.enha, achas grandes oa torns.
    Leite. litro.
    Manteiga ingiezi, kiln.
    Macsrrao. idem.
    Marmelada. idem.
    Ovn, um.
    Pies, kilos
    ^al grossutrxn*
    Tapioca, kilos.
    Toncinho de Lisb a, idea.
    Vinagre de Li-b >a litro.
    Vinho do P>rt->, litro.
    As pessoas que quiieroa faasr dit-i hrtHfias -
    ;o apresentem suas propestas aa Ncrataria da
    dito hospital no dia 2". do corrente. pfia* M bra
    da min^a: advirtiadn sequealeaa detsaaarar -
    nhuma pronosta sra .nais aceita, aaa lado* -
    generos devcm ser de prmeira oaaRdadr,
    -.almsiitt ']L no peso da carae fit se ardir
    deve corner mais da quinta parks em earn.
    Hospital militar de Pernambuco, It dc mai *
    1874.
    O escrivao ianrmi,
    Joaqniiii Pinto de AMtaHa Im-
    Oompanhia Fidelidade
    tm

    *eifar mariiiHM e
    K agencia desta ivrapaahia
    ritimos e terrestres, a premiv* riiiaaam,
    atti -so "f'' livre, e c settms
    luauraaa
    MMMH
    ,1 Rua lo Ap
    :.llo 51
    Luso Brasileira
    L. ordem it direcsoiia n
    aocios qne as essoes da actoM
    I gar ais qaanas ftins, i% 7 horas 4a
    L.
    f
    }
    ...-. in i -


    Dforio de Peftiambuoo -- Segunda feira 25 de Maio de 1874
    0 % ettas comparecer afiitlles dos Senhores asso*
    eiados que por veetara qoeirim apreciar os tra-
    bathos sociaei. Outro slm todo 9 qualquer nego-
    cio coneernente aoi destinis da associacXo, e que
    for da competencia da dlrecteria, nodcra ser en
    deregado a Praca do Compwrfiu n. 2, 1 andar.
    fteeife, 20 de maio fie 187V
    Rodriguos da Co?ia,
    t' secreurio.
    23S
    *atili CSSm de tttserieoiMlitt
    4o Recife.
    A Junta admmislraitva Mi Jabfa Case, em scs
    sao de liuutom, reswlvanij manJar ceiebrar tuna
    missa de refttiem con Memento^ caouda pelas
    educaadas da casa dos exjjostos, por alma do com-
    meodador Antonio loaqaim de Soara Ribeiro que
    ralleceu em Portugal, Icgando a quantia de KOOOf
    aquelle estabelecimento, e a de 8:060* ao hospital
    Pedro H ; e devendo a missa celebrar se na igre
    ja de Nossa Senbora do Paraito, pelas 8 horas da
    manha do dia 26 do corrente ; para esse aelo
    convida, de ordem da mesma junta, ao's parentes
    e amigos do falleeido, e a todos os roordomos da
    Santa asa.
    SecjeUrla da Santa Casa ie Misericordia do Re-
    ar. 21 de maio de 1874.
    0 esciivao,
    PeWro Hodngna de Sd.
    COMPANHIA PfMMBUCANA
    be
    WatrogaafSo coste Ira a vapr.
    M*CF,t6, ESCAUS, PENEDO E ARACAJi:'.
    0 vapor MandakA, com-
    mandante Mariaho, segtii-
    r i para os portos acmia
    no dia 30 do corrente as
    5 horas da ta.rde.
    Recebe carga ate 0 dia
    29, encommendas, passa-
    geiros* diaheiro a frete ate as 2 horas da tarde
    do dia "3a sihitta : escripwrio no Forte do Mat-
    tel n. 11_______________________________
    OBHftLNHIA iTllASlllIllA
    DE
    MVtGACAOAVAPOR
    Portom do ami
    c&\;xay\c> no s\3ia
    Commandante Gotlhf rme Wa-
    dlaagdon.
    E' esperado dos portos
    do none ate 0 dia 26 do
    corrente e seguira para
    os do sul depois dade-
    mora do costume.
    l*orm do norte
    Libras eslerlins.
    Vendem Augusto F. d'Oli-
    veira & (*
    Rua do Oinnn-nio n '4 2.
    IEILA0
    Libras cslcriiiias
    Veudem Pereira Cariieiro
    & C. !g
    Rua do Comraercio n. 6. 23
    ----------------------------------------------------------- j2*
    Para o Rio-Grande do Sul M
    Varcial, por ter ccntratada grande pane da sua
    carga ; para o restante trala se com E. R. Ribei-
    lo & C., a rua do Commercio n. 18.

    Patacho Arroyo-Grande*.
    Para este navio, recebe se carga 4 frete para 0
    Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Trata-se eom
    Silva & Cascao. a rua do Marquez de Olinda n. 60.
    N.i dia 2 it Ju:iho. a-, II boras da jianh'i. lulw
    liaac, com cm dnx'jnhorts a fci&esM -lo I) 1 '
    tie Caxia* n 3, prr iuiermicao do acentc Martin*.
    iri leHitu dos (isuhnrca consumes das mat< la?
    abai\ 1 Iwisiruas. vao'.,,ia> c DM rcliraiaii-. a
    Kkfe) r {
    Cautelas.
    Ns. I80J, 1303, 1563, 1604, 1673. 1803, 1835,
    11896, 181-1, 1936, 2028, 2030, 2143, 2192, 2234,
    ; 2zo, 2269, 22*2, 2303, 2313, 2339, 2342, MM,
    12397, 2448, 2434, 2483, 2339, 2362, 2605, 2607,
    2612, 2614, 2617, 2627, 263S. 2632, 2676,
    2687. 5691, 2693. 5700. 2703, 2712, 2715,
    27J4, 2729, 2730, 2733, 2734, 2736, 2750,
    2760, 2765, 2766, 2772, 2773, 2779, 2780,
    2797, 2807, 2820, 2822, 282S, 2833, 2842,
    2838, 2839, 2861, 2864, 2863, 2869, 2872,
    2894, 2896, 2899, 2900, 2909, 2916, 2918,
    2936, 2937. 2954, 2959, 2969, 2933. 2972,
    2978, 2373, 2988, 2993, 2998, 3009, 3013,
    3023, 3i>86, 3032, 3041, 3045, 3049, 3055,
    3030, 3065, 3084, 3087, 3099, 3101, 3103,
    3112, 3117, 3122, 3126, 3128, 3129, 3132,
    3134, 8165, 3tW, 3i68, 3171, 3176, 3033,
    e 747. cujas cautelas podem ser reformadas ou
    resgatadas ale 0 bater do marlello.
    LEILOES.
    Leilao
    Em oontitiuaqao
    BE
    FAZENDAS
    roiwdezas e perfumarias
    Pertencentes massa fallida de Pereira -de MeMo
    v& G., a rua do Bom Jesus o. 63
    Hoje -
    is 11 horas da manb&
    0 a^ente Pihho Barges vendera uiildilto, despacho do Him. Sr. Dr. juii de flweiio especial
    do comraercio, e a requerimento do Sr. *curador
    fiscal da massa fattida de Pereira de Mello & C,
    as seguintes fazeidas : algodao azul, 'brins de li-
    nho e algodao, brilhantinas, chales de metim e de
    ganga, de diversos gostos e qualidades, chales de
    merino, lengos de ea>a, de seda, cambraia para
    fnrro, Victoria, camisas ingieoas, francezas, com
    peitos de liahe, camisas de flanella, gorgorao de
    Vende-se ou rrenda-se o grande predio
    de urn andar e sotao, sito na rua do. Bispo
    Coutinho, proximo da igreja da Misericordia,
    na cidade de Olinda, tendo duas toas salas
    de frente, um salSo no sotao, seis quartos
    espafosos e frescos, uma grande cocheira,
    quintal todo cercado de novo, e com diver-
    sos wvoredos, oma boa fonte d'agua, e
    tetw'.o gaz canalisado. Achando-f e prepara-
    do com tod s os meveis indispensaYcis a
    ima grande famrtia, sera assim vendido ou
    s m os movers : a tratar nesta typographia
    ou na rua da Unifio 49, sobrado, atraz do
    ipa^o da assemblea.
    Aluga-se 0 segundo andar do sobrado da
    rua de Hortas n. 12, uma casa e sitio 00 Chacon,
    perto da estacao, eom muitos arvoredos ; vende-
    s^mdaTp^hTmens e^hor^ 0ESCI" "?,i0 ?'xas AftSS m bem ^
    E' esperado dos pcrtos do siil ate 0 dia 27 do cor-
    rente e seguira para os do none depois da de-
    mora do costume. ,
    Para carga. encommendas, valores e passagen*,
    trata-se no scriptorio.
    7-RUArx V1GARIO-7
    ___________Pereira Vianoa & C.___________
    PAR) OPORTO.
    Seguira brevemente a barca portugueza Alegria,
    por ter eagajada a maior pane do seu carrega-
    aento. Para o resto e passageiros, trata-se com
    E. R. RabeHo fc C, a roa-do Commerek) .-48,
    ou com o oapitaa.
    i onapanhia de ntwegacS* a va-
    por baliiaaa limitacla
    Maceid, Penedo, Aracaju e Bafaia
    L I E' esperado dos portos
    ^^Al^xta^. do 5ul at^ dia do
    ___ corrente 0 vapor' Danias,
    0 qua! sahira para os
    portos acima no dia se-
    -guinle ao da sua che-
    gada.
    Resebe-se>rarga, passageiros e diaheiro a frete
    Agentes.
    AntoBio Luiz de Oliveira Azevedo.
    ________57Rua do Bom Jesus57
    Rio de Janeiro
    Para e indicado porto segne com poucos dias
    de demora a barca portugueza Feliz Uniao por
    ter a maior'pane de seu carregamento eogajado,
    1 para o resto que Ihe falta, trata-se rom os con-
    vignatarios Joaquim Jjse l- odcalves Beltrao & Pi-
    sfco, a ri'a do Commercio n. 0.
    1853.
    2890.
    2927,
    2975,
    3016.
    3039,
    3108,
    3142,
    avisos DVERSOS
    Bom
    negocio.
    ?UNDICA0 DO BOWMAN
    RUA DO BRD1 I. 52
    ri*?vb.saiido 0 C'lialarizi
    PKDEV v,Ks -t**vre ^ r'igrnb', u on';s lei.^al*' .**, Wf p*>'
    io'mo ., *yot d*j rjiip. \isiti a su el?toieciR.cnL.,, put vj,reu. o ww -of..taeut.
    itDrletj qco abitatn; %io peisoM po ESHEGIAL ATTENgAO AO NUMERO E LuGAR DE SUA FLNDfOAO
    "^fi*irtio A _ftJQ- rt'off-to doe maia oio'.ernos ysiema eem la
    ! ftnUiB"; O lUllUJ U Itg UH manbos coovenieotes pira aa divenas
    ircataaUDciaa do* aenhorea proprietarioa e para deararo^ar aljjndio.
    Sloendas de oanna jy w um*Mt >w< m
    Sodas dentadas p*1"*1* ^*-
    Taixas de ferro fuudido, batido e de cob.re.
    ilambiqnes 9 fandos de alambiqaes.
    WftfhiniBmrtfl para mandioca u algo^Sn,! Podcndo" todo*
    -tJilU18UiUB e para cerrarmadeira. I aer movidos a mio
    Rnnihfla ipor agaa vapor'
    'Muiuao de patente, garantidai........ loo animaes.
    Todas as maehinas 6 m"de qne ,e "***preciMr
    Fas qualquer concerto de m,cbi3i8mo'a pr6C0 a,ni rMnmid0-
    FormaS dfl ferPO tem a$ m*"30rft* e m>l* b,r*us exiateotea no mer-
    PnnnmmanrlQO Incambe-ae de maaJar vir qaalqnar machinismo i von
    QiUUUllIlliOJUUttO* tade doi clientea, lembrando-lbe a vaotagem de faiereir
    on compraa por intermeclio de pessoa eDteodida, e qne em qoalqoer ner. alidade podt
    aa prestar aoxilio.
    irados americanos e iD,trD^venl0, arico"
    RUA DO BRUM N.
    PASSANDO O CHAFABiZ
    ^*5%

    MD
    Rsqtiinat dm hn
    I'arlicipa a >rti> n i gtK-m r A
    o sen <'t*beki.iii.'i.!<> i< trt ,w rTpva |
    rua n. 24, end* cr.et mraia de rek gic.< dr |^red-, aa* jfcja* eaaa* *f *-
    sa,dos meiheres prtm qojj^^,,, ratnfxn da
    rta, liifc^.-
    de tida?
    l-raia & algibeira,
    de ouro
    Fabricantes aMt
    de iiid-- ts qnal
    ratos.
    4a>le>, Ui V < .
    r.
    "=*'
    \m\ bo nm
    0-rfeiro Slpies ( L
    la h
    imtmm
    oleos, e8seucias e extractos, no-armazem n 63,4
    rua do Boca Jesus.
    SEGUMPA-FEIRA U DO CORRENTE
    Agente Dias
    Novo leilao
    BE
    um optnno predio sitio murado em "Santo
    Amffro das Saltoas, ne pateo da igreja,
    cujo itio foi do fblleoido com meodador
    Jose Candido cVe Barros
    TERCA-FElA.2 DE MAIO
    A's M Jaoras em ponto
    No primeiro andar do sobrado da rua de Marquez
    de Olinda -a 37
    0 agente Dias, ompetentemente autorisado,
    yor despacho do Exm. desembargador juiz de or-
    phaos,de 19 do corrente, levara novatnente a lei-
    lao, -no dia e hora acima designados, o predio
    mencionado, o qual contem andar terreo e'sotea,
    2 (rentes e janellas em ambos os oitoes, 2 gran Jes
    salas e ^quartos, com o acabamento doassoa-
    Iho na^otea Qca esta com accommodacoes de um
    andar, cozinha fera e quartos para criados, cacim-
    ha, gaUioheiro, -etc., etc.
    0 sitio tem viveiros, differentes arvores fructi-
    tas, para repartimenio de casas ; cotnpra-se um
    predio de um andar, com quintal, nas ruas da
    Imperaira, General Victorino, ou Aurora ; assim,
    tain bem se dira-quern da 20 000*000, sob bypo-
    theca : tudo a 'tratar no primeiro andar do so-
    bradeda rua de Hortas n. 12, das 9 as It horas
    da manha.
    Aluga-$e a casa da rua do Marquez do Her-
    val, <|ne Qca defronte do chafariz das Cinco Pon-
    tas, torna-se boa por ter boa vina e ser muito
    fresca. nova, etembons commodos : a tratar na
    rua do Negueina n. 29.
    ATTE1A0.
    0 abaixo astignado, tendo obtido o conoenso de
    aeus credores, vende o eu estabelecimento de
    mold ados, sito a rua do Barao da Victoria n. 61 :
    quem pretender compra-lo. dirijaseao mesmo es-
    tabelecimento. Becife, 22 de 4naio de 1874.
    Antonio Eloy Rodrigues da Silva.
    Atten^ao.
    Sabiri com brevidade o patacho portu-
    guez Lidadcr, por ter quasi toda a carga
    prompt*; pera a que Hie falta e pasEagei-
    -cs, trata-se com E. R. Rabello &-f...i
    f-ua do Comraercio n. 48.
    Heal cwijpaiihia de paquetes in-
    lezesavapor.
    No dia 23 do corrente espera-se da Eoropa
    o vapor icglez Neva, commandante G. Parkes, o
    qual depois da demora do costume seguira para
    Buenos Ayres, tocando nos portos da Bahia, Rio de
    Janeiro e Montevideo.
    No dia.29 do corrente espera-se dos portos do
    sol o vaper inglez Douro, commandante Thevaites,
    o qual depois da demora do costume seguira para
    Southampton, toeando nos portos de S. Vicente
    Lisboa.
    Para ^assagen*, fretes, eta, trata-se na ageocia,
    ua do Commercio n. 40.
    AVISO
    ?elo v.apores desta companhiad^o-sebilhetes de
    1" clasaeipara o Havre e Cherbourg pelo preco
    de 30.
    A loja das seis portas em frente do Livraniento,
    nio se esquecendo dos sens (reguezes, continiia a
    vender barato : granadina de boniios padroes, co-
    vado a 240 rs., chitas para coberta a 240 e 280
    - rs., ditas para veslidos a 240 e 280 rs., madapolao
    SiS ferro lfrancez' fi"--com 20 viras a**500' dit0 nl {rin'
    Esta casa 'tcroa-se recommendavel per ter sido jc8za4*' 3*''6* e 7 solidamente construida e ter a vantagem de ter Arrenda-seo armazem n. 11, sito a rua no-
    agua perto, e pararem os Donds proximo a ella Iva <5e Santa P'ita> 1nal Pr *ua extensao offerece
    Os pretendeates podem desde ja examina la, e ""'"'"odos para o guese quizer fazer : a tratar
    para-qualquer ioforma<;ao a rua do Marquez-de "3a rua da Camb6a;do Carmo n. 7.
    Olinda n. 37, escriptorio do agente, ente tera lu- \ PAninhoiro
    gar e referido leilao. _________ L^OZlIllieira
    LEILAO
    Precisa-se de uma cozinheira para casa de fa-
    j milia de duaspessoas : na rua da Uniao n. 4J7. .
    mm as mmn.
    ditos de fundo, com as seguintes coramodidades :' m p /\ m a
    isalasgrandes, 1 terraco. 5 quartos, 1 cozinha, 3 Jji lAIYAC f I') UlPIlK 7
    quartos fora, mnrada, com portao para o rio, e ca-* IVJillkS tlO iiUI IC9
    Tialnaila a oar O
    \ao.
    DE
    i duas grandes casas terreas na povoacao de
    Apipucos (reedificadas ha pouco tempo)
    Uma eaaa n. 19, com 32 palmos de frente e 95
    nalisada a gaz.
    Uma outra n. 17, com 32 palmos de frente e 95
    de fundo, com as seguinies commodidades : 2 sa-1
    Jas* 6 quarto?, ^ sala. para engommar, cozinha, 2 E' somente uma prevenQio para o proximo fu-
    quartos Tora, 1 dito, e murada, com portao para o "to Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro.
    Tio.
    EERCA FEIRA 46 DO CORRENTE
    Ao \mk dia
    Por nlcrvoncio .da agente Pin ho
    Borses
    Em : -u escriptorio, a rua do Bom Jeaus n. 53.
    Osre. pretendentes podem desde ja examina-
    minar as referidas casas, e alguns eclarecimen-
    tos o spctaie esta autorisado a dar.
    ?m\\t Steam Navigalioa Compai)
    BOYAL >MAIL STEAMER
    f _
    -Espera-sedes portos do sul ate o dia 7 de junho,
    c seguira para QtwmmL tocando em Lisboa e Bor-
    deos. para onde recebera passageiros, ncommen-
    das, carga p diabeiro a frete.
    S. B.Sao saiaica anlat das tres boras da tar
    ,3e,.do dia da sua hegada.
    OS AGENTES
    WlhHW Row A -C
    14RUA DO COMMERCIO14
    Para.
    dra o indicado porto pretende seguir
    xiai a possivel brevidade o patacho portu-
    guez Azwura, por ter a maior parte de seu
    carregamento engajado e para o resto que
    ihe fa ha trata-se com os consigoatanos
    'ici'juirn Jose Goncaives Beltrio de Filho.
    6 rua do Commercio n. 5.
    M
    moveis, kucas, vidros, cry?' -, ouro^ pra-
    ta, briltatite, miudezasj! 'jmarics, fa-
    zendas, .vinho Xerez, ftmix Rordeaux,
    Porto, e uma hurra prove "de fogo.
    rerca-feira 26 do corrente!MaD,eiga fina' *.
    A's li horas aa manha |Na eonfeitana do Campos
    F. na confeitaria do Campos que se deve pro-
    curar tudo quanto e necessario para divertir-se o
    moral e confortar-se o physiso. Isto e :
    O <-Mpii'to e u maUeria.
    E senil i vejam
    Alom de termos tudo prompto para qae qual-
    3uer f?.mili mande nas taes noites acima nomea-
    as alii eomprar o nesesssario para festejar
    I ma noile. inteira.
    Temos tambem accessorios para o fabrico das
    ffortes e do bolM.
    A saber :
    'Amendoas confeitadas.
    Papeis picados com esulos.
    Folbas com versalhada nova.
    Massa ina, secca a alva, para bolos.
    Duzentos mil ovos.
    ODILON DUARTE & IRMiO
    CABELLEIRE1R0S
    J?remiados na;? exposicao de'1872
    Aratwm do rtc I i i v-l ;"
    Riqui*in>o< eaflH 4* r rguiao
    com listras ajateaat ladtaa.
    Ditos de Ifcli.i para ve.-nl v r.iit'O-1* ea^i
    te, o ncc Iran jas, traticas.' ioe\ frveUas, rtc.
    RiqoissinK>s obapec? p:.ra **&> altwa *,
    a rua Prim-an de Maro n. 7 A.
    m
    RUA
    DA
    IMPERATRIZ
    H. 82
    %9 ANDAR.
    RLA
    DA
    1MPERAT&T2
    N. 8i
    t. ANDAR.
    Acabam. d reformer o sen estabelecimento, coliocend o-o7nas"me)bores- con*
    iic^Oes possiveis. de bem servir ao publico desta illnstre capital, e ds Exrnas. Sras. n'a-
    quillo-que fOr tenttente a arte de cabelleireiro.
    Fazena-se cabelleiras tanto para homens como para.-smh-cras, tupete, chtgnon
    coques modernissimos, trancas, cachepeign, tecidos, desenJjos em. cabellos, quadros tu-
    muleres, flores, bouquets e todo e qualquer trabalbo imaginavel em. cabello.
    0 estabelecimento acha*se provido do que ba che-melhor "nos mercados estran-
    geiros, recebe dirwetamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
    rinos de modas, por isso pode vender 20 */o nsonos que outro. qualquer, garantindo
    perfeiijao no trabelho, agrado, sinoeridade e preQO razoa^eU
    Penteam senhoras, tanto no estabelecunento como fora -, vende-se cabellos em
    poredo a ret&lho e tedos os utertsilios pertenceotes & arte de cabelleireiro.
    PH.4iLM.4Cli NfflMAL
    #
    DE
    JIIS1S ELLIS 1>E MOITO
    17Largo do Mereado Publico17
    (Antiga riheira de Jose,)
    Acaba de^er aberta e acha-se a disposirao do respeitavel publico esu nova phar-
    ftp. macia e drogaria, completamente orovida do indispensave! a um estabelecimento dessa na-
    #K
    ifto
    IVa vrave.s8a ila rua
    dasCniKCH n. 2. nri-
    meiro anoar. da-se
    dinheiro sobre pe-
    wtnm dc two. pra- ;J
    * la e brilhr.ntes sej
    qual Tor a (;iiantia.
    Na inesma can
    corapra-sc os mes-
    mos lnctuer cpe^Iras.
    Furtar^iii da casa J. n< R< r d '
    do da 11 para 12 Jj corren'A nn a troata t
    roupa lavada, a qual c,: Uadka d vrrsas r*'
    ra homrm e mtom*, U-n, mm b-alha* 'hmr -
    etc. Asdit.-.- f* u-fn a ,.,..,, v AOmm_
    raes: quern J I.. j r noti a .;iriu-.-c a 4ita c
    que sera fratitkad r a
    Thenorio
    **Imperador4
    tureia, sem excepcao de productos ehimicos e medicamentos preparados no etran-
    rj traogeiro, tudo novo e o melhor possivel.
    As receius dos Srs. medicos serao sempre despachadas com a mais seria attencSo r
    ^eempre sob as vistas do pharraaceutico qne corapOe a nossa lirma social. m^
    As pessoas quese digoarem de bonrar o nosso esatbeleciment com a =U3 conflan- 'Xrf-
    $a,.podem estar certasde que-seiio conscienciosamente servidas, nao so relati'vamente ao **.
    'Sff- que pedirem, como tambem a-modicidade dos prcos. &}'
    REDDGfAO DE PRGQOS
    FABRIGAS M CHAPEOS DE SOL
    i
    i
    ir. liurill*.
    RUA UA T.rZ N. S6, AXTUf<
    Hpcem-chora-?- da Borcpa, indc
    ni^nton ? h -|it -. p.,... |
    pode sfr prnrartdfi a qaalonn ba-
    in ouda unite para 'h;ri.. d* ca .-
    fissao. ''
    Consul:.- A..' 6 born* !:. Tan! > j. 9 h
    ra% e d.i me<> dia 1< dni da tard
    Grafif aoi p 'bre
    PPWlAlfl'ADES
    . d'i Di'll*
    rrian^a. r
    I
    i
    1
    i
    I
    MANUEL & HAESTRALI
    Rua 4 Baraa da Victoria n. 23
    ESQUIJJA DA CANBOl DO CARMO
    E
    ManoelCavaiLante dc8d Aj-
    buquerquc
    tap ?e a Mta nhr: norador no Pngmh. T--
    baiinga. provmcia da Panhvba. o obMMakt t- r
    ao escriptorio da Praaenra da Cost* M*ai r-a
    daCriu o.ao.1* andar
    ao Hosario o 16 alr.j
    qtio sabem cnxioh-tr < r-.
    rapir >j-
    Xa rua larga
    dna' escrava?, parda--.
    gommar : e na mema -aa ha u
    propoe a ser criadi.
    No J..andar da rua do Vigario
    n. 11.
    O.preposto do. agente Pestana iara leilao, por
    eonta risco de .qaem perteneer, de 1 mobilia de
    jacaranda a Luu XV, eom tampo de pedra, 1
    piano .ingle;, de .jaearanda, 1 guarua louca, 1
    guarda roupa, meeas elasticas de 3 -t 4 taboas,
    coramodas e meiaa commodas, eadeiraa avulsa? e
    cabides, ijcartinheira*, consolos, mesaa redondas
    e muitos outros artigo* de moveis. Uma factura (J^ lima Derita COZ*inh.eira e|*)ercorrendo ** Pncipaes fabricae.
    Chamam a attend dos senbores logistas para visitarem sens estabelecimentos e a*
    Rua Duque -de Caxias n. 64.
    s fjroprietarios destes estabelecimentos participam ao rspeitavel publico, e a seus
    freguezes que teem sempre .m complete e variado sortimento de chape"os de sol de to-
    das as quaiidades etamanhos; tendo resolvido fazer reducjao nos precos dos mesmos
    Eserava cozinheira
    Precifta-RP Com mMm&ii le ach*m-f era condicOos de pederem vender mais barato q'ue em outra qualquer parte'
    ^Ulll ^rgeuoiJvistorecebarem t ,~ Fagi0 i1* Faia Carnt: de Vacca. pert^r.. .*!
    Migjcl, de idade d: 30 anno*, crioulo baixo Jv.
    so, pes grants e jba:^, pouca b.rba, e o mZa, -
    he no qneixo uma ..Xcreaeeocia,e lew follow :
    uma marca branca que nnnca empr, Urceu,;,
    mente da nnnna uueimadora : qarm 0 ,4 r
    yc_o a diu praia de Carne de flw ao nwiT
    Joao Ribc.ro Campos e YaMoareiloa. ea2!r i
    mesmo escravo, que Mtisfaia ao conduci.r t
    Recife, ao Dr. T>Mo Utpvm OHsSTSSmV.
    emG-.yanna, a) negocian;e Maooel B?rboT,
    deiro, que todos t.-tao iocambidot de laser m
    mc pagament?. "^
    Na rua estreita do Kosari3
    n. 28
    Encintra so uu grande sortimeato de afM
    unto nacionaes como e>trangwroj.
    de mindezas. como aejam : cortes de vettidos, bo
    iSl; Soutf8^f&tt^-C0BVnB pm oasa de
    - artigos
    '''SacabS^o0' uma Pe(lueBa familia, pa-
    prata e brilhaotes, de uma loja que
    eonta de seu dono e seus eredores, con
    Rio 0rande do Sul
    Seguiri em poucos dias o patacho portugaez
    Jud.iA : para o rento da carga, trata-se e- m Pe-
    reira Vianna A C, a rua do Vigario b. 7.
    0
    Rio de Janeiro
    !>r ciocal Isabel, ttsfi) parte de sen earregamento en-
    aj:' i ; e para o/esto que Joe falta, trata-se com
    o seu ^oDsignatario Antonio Luiz de Oliveira Are-
    z&i. rtia do Bom Jesus n. 37.
    brinco,, botoes para punbo camisa, anne. dTea: g^O-Be a quantia aCima J
    itUTJS UpAA deebcri[haiQ?esP a tra*ar no Pa^ do Paraizo
    ae acbarao patentea jao acto do Jeilao. ri 9ft 1 9 QnHarAQ
    Ter?a.reir do corrente
    ?e I I h;r9rla mnnh3
    HO f.' ANDAR IU RUA DO VIGARIO THE-
    -N0RI0 N. 11.
    Pel* preposto di
    anal
    m
    Dove guir (m poucos dias a escuna" prtn
    bue;:a Ayuia ; pr.ra a carga qua Ibe falta, trMa-ae
    com E. R. RabeMo & C. a rua do Commercie "
    48.
    a.
    leilao
    Lisboa e i'orli
    Val sahir com brevidade a veleira barca Lisboa.
    Recebe carga e passageiros: a tratar com Tito
    Livio Spare*, rua do Torres n. JO,
    DO
    sitio dos AtSictoe os. 7 e 9, com 600 palmos de
    frente e 1,700 de fnndo, com duas casas de pe-
    dra e cal, chaos proprios, S cacimbas, arvoredos
    e baixa para eapim.
    Do sobrado e sitio na C^punga, rua das Crioulas
    n. 26, em cnaos proprios, em que residio o Sr.
    Albuquerque, com grande easa de pedra e cal,
    quartos fora, sitio com cerea de 1,000 talmos de
    frente e 2,(00 de fundo, com arvoredos, viv?;ro,
    i Moimbas com boa agua de beber
    QUIKTA-FEIRA 28 DO CORRFME
    A\ ft hora*.
    por interveucao do agente Pinto
    Em seq ^acriptorfo, ma do Bom Jesus n. 43.
    AJuga-se para ania uma
    parda de mais de 40 annos,
    arente Pes-1 que sabe engommar, la-var.
    cozinhar e eomprar: na rua
    doHospiciou. 33.
    AlUga-se o V andar do
    sobrado n. 47 da rua da Ira-
    peratriz: a tratar no 2 an-
    dar do mesmo sobrado.
    w*ta dos precos e boas qualidades dos artigo, ndo deixario de eomprar.
    d Cobrem-se e conoertam-se chajpeos de sol de lodes as qualidades, com
    e f/ecos modicos.
    CASA DO OURO
    Frascos.
    tonuando haver uma pessoa que tem uns fras-
    cos grandes de vidro com tampa, para vender,
    se ain la os tiver e quizer fazer negocio, podo
    , tratar na rna do Rangel n. 9, padaria"
    I ,"", Al?ea-*e uma c*" terrea, nova, no princT
    , pio da Estrada nova, muito perto dos bonds : B
    , tratar no mesmo luga', primeiro sitio a direita,
    rJcpois da primeira bomba
    Cabelleireiro francez
    Rua do Marquez de Olinda n. 51
    1/ ANDAR.
    Pedro Routier. official de .^b^Ueireiro e garente da casa de Gustave Hervelin, cabel-
    leireiro francez; tem.a honra de prevenir a's Exms. Srs. familias que acaba de fazer a ac-
    quisi-.ao de um perito official viodo ba pouco de Paris, o qual esli habilitado a desem-
    pentiar qualquer en-jo nmen'la prc*!irno^6e queiram utiliesr Outro sim scienlilica que em 6eu estabelecimento en con-
    tra rao sempre a Monitor dos cahelleireiros, ondeseacham descriptos e desenhados todos
    os penteados modernos, para soir';>\ casamentos, baptisados, etc.
    Final.nente previne a's mesmas excellentissimas senhoras, que recebeu um comnleto
    soriunento do coques, cacbepaines, bandos, crescent^?, etc., 9 rerjde tudo polos m-em*
    abano mencionados: ^"^^
    Coque de cabello de 159, *W a 800000.
    Tnncas de dito -> 10, 180 iSjr a 20^(000.
    Caehepaine de dito 15^ 20.J a 30^000.
    Crescentes de dito 206, 50^000
    rambernCHcontrarlouincompleto sortimento repebidoba pouco, de cabellos detodas
    as cores e cojapnmeoto.
    N, 51,^-Ru do Marquez de OlindaN. 51.
    '* Aen

    Ao4
    Bilhetes garantidos
    Rua do Barao da Victoria (outr\
    n. 63, e cata do costumt
    O abaixo assignado acaba devMder .-,
    oiuitofelizes bilbetes a sorte de 70oSL^
    bilhete mteiroden. 483 e um nwST.
    nores de 40*000 204000 dx lLS? *
    acaboudeextrahir m-r^^JSlA'
    J-J vu-em rec^ber, qnt ^SSSZA
    0 mesmo abaixo assigaado convkU ao mono
    ve! publico para vir ao sen M*baaeaZartooam
    2nmSoaqW P^e^:,0, COm ""^ '*" ~~'
    Aeham-se a venda os mnito leium booMw ga
    'antidos da 2 parte da iuria a oeoaaVir V
    igreja de S. Francisco de Seriabaem. qmt aa erin
    mra ao dia 29 do orraote oaas.
    Oe 1
    Intei-c
    Meio
    Inteiro
    Meio
    Recife, 21 de maio de 1874.
    ______Joao Joatum
    4*000
    2)00
    el
    3M0O
    44790
    Alnga-se 0 a. mazem da roa
    iMarguea de 01 in J1 n. 5 : a tratar
    n.62.
    da Ccut Lute
    roi
    ^.~ ^V*-*8 ala e aleova dm frtoae do vr-
    celro andar do sobrado n. 70, a na Dmo* o> u-
    xos: a tratar na loja. ^^ ^
    J



    Jitfb d& Farttaafeuotf **i Sefpimfe' fefra ^'talftft & IfiftL
    Bua I.0 de Marco n. 23
    Acs 20:0t0$M0.
    O abaixo asslgnaJo tem sempre exposto a ven
    da bilhetes da loteria do. Rio, cuia extraccao an
    tanetara peros jornaes.
    Pwegos.
    Inteiro 14*000
    Mek) 12*000
    Quarto c*000
    ' Manoel Marlins Fiuza.
    PREDILECIA
    A' ran do Cab u^a n. 1 A.
    Os proprietaries da Predilecta, no iutuito de
    ctaservar o bom concerto qua teem merecido do
    respeitavel publico, distinguiudo o sen estabeleci-
    eeato dos mais que negociaca no mesmo genere
    Teem scientificar aos sens bons freguezes que pre-
    Tenij*m aGS seus eorFe3pondentes nas diversas par-
    fas d Europa para lbes enviarem por todos os pa-
    quetes os objectoi de luxo e bom gosto, que se-
    jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
    daqueftes paixes, visto aproximar se o tempo de
    Jesta, em qne o bello sexo desta linda Veneza
    aais ostenta a riqueza de suas toillettes ; e co-
    mo ja recebcssem pele paquete francez diverso
    artigos da ultima moda, veom patentear algnns
    d entre elles que se tornam mais recomraendaveis.
    esperando do respeitavel publico a costumads
    foncurreacia.
    Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem
    Tiodo ao mercado.
    Altans com ricas capas de madreperola e di
    veltudo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
    03
    Aderecos completes de borracha proprios para
    K.fc, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
    nitos.
    Botoes de seiim preto e de cores para ornato de
    vestidos de senhora ; tambem Vem para collete
    paCtot.
    Bolsas para senhoras, existe um bello sortimen-
    de seda, de palha, de chagrin), etc., etc., por
    barato preco.
    Bcnccas de todos os tamanhos, tanto de tones
    corao de ceYa, de borracha e de massa ; chama-
    mcs a attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
    pois as vezes tornam-se as crianjas um pouco im-
    pertinenles por falta de nm objeclo que as ed-
    trel-mham.
    Camisas de linho lisas e com peitos bordados
    para homem, vendem-se por preeo eommodo.
    Ceroulas de linho e de algodao, de diversos pre
    v'os.
    Caixinhas com musica, o que ba de mais lindo,
    com disticos nas tampas s proprios para presen-
    ce
    Coque3 os mais modernos e de diversos forma
    los.
    Cbapeos para scnhora. Receberam um sortimento
    ta ultima moda, tanto para seuhora, como pars
    meateSi
    Capellas simples e com veto para noivas.
    Calces bordadas para meninas.
    Enlremeios estampados e bordados, de Undo*
    IraifWlwin
    Escovas electricas para denies, tem a proprie
    tiade de evitar a carie dos dentes.
    Frahjas de seda pretas e de cores, existe nm
    .j-ande sortimento de divercas largnras e baratc
    preco.
    Furs do raria. d g-*rguraj. de sotim e de cha
    .-jv if diversas larguras e fcouitas cores.
    Pachas da gorgurao muito lindas.
    Pi '-- artificiaes. A Predilecta prima em con-
    .< sen !>re um bello e grande sortimento des-
    ' nao so para enfeiie dos cbelios, come
    pan oreato de yestide de noivas.
    : algodao, de 13 e de seda, brancos, pre
    !e niversus cores.
    ;at de seda para homera e senhoras.
    I reru ie cambraia e de seda de diversas core?
    -. hi ora.
    iu teda de cures e brancas bordadas part
    -
    pan ouvir missa, com capas de madre
    . :.rflu', os-"' e velludo, tudo que ha de
    . s do lartaruga e nurfioi para alisar os ca
    a laml ;.; para lirar caspas.
    pet. Dm bello sortimento de madre-
    . iiiarnm, 6tso e doarados pur barato preco
    .:i.:'.ri:.s. Kesto artigo esta a Predilecta berc
    :-o so em exiractos, corou em oleos e
    a DeHhores odores, dos mais nfamadc-
    "iver, Sociedade Hygienica
    ; sao indispensaveis pars
    Nao se preslfa^o^ pequeniJ Apaco _
    D;j A' rna ^a "a^re de Deos> Par* Bn abaste-
    cidq deposito das diversas rriafcas de famo, (Jne o
    abaixo assignado almejava ter, acba-se 4'ora em
    diante aberto outro estabelecimento sob a mesma
    denomina^ao de
    Armazem do fumo
    A' rua do Amorim n. 41
    com todas as proporcSes desejadas, e onde pod*-
    rio os senhoies freguezes dirigir-se, certos 4e
    Sue, como ate aqui, acbarao sempre a par-da mo-
    icidade dos precos, a maior sinceridade possivel.
    Enire as differentes marcas de famo da Bania e
    Rio de Janeiro, qne tem sido annunciadas, acaba
    de chegar uma enconjmenda especial, e que muito
    deveconviraossenhores freguezes. Consciente o
    aba.xo assignado de que neste genero de negocio
    nao osta sera ccfcipetidores, fara muito por erilar
    qne tambem os tenna com relacSo ao pequeno la-
    cro que procurara obter da dita merca*oria.
    Jose Domingues do Carmo e Silva.
    V
    IOFlFA.Jr'r^^
    ft
    BACHAREL MIGUEL AMORIM
    Advogado
    Rua do Imperador n, 71. 9
    Empreza do gaz
    A empreza do gaz tem a honra de acnunciar a
    publico que recebeu ultimamente n esplendido-
    sortimento de lustres de vidro, candieiros, aran-
    delas e globos, cujas amostras estao no- escriptorio
    a rua do Imperador n. 31, e serio vendidos aos
    seus freguezes pelo preco mais razoavel possivel.
    , Est4 encoiHWjado 1 !
    Agiamble u pedra dura
    Tanto da at* que a ffura.
    Roga-se ao Him. S'r. Ig'nacio Vieira de Mali
    jscrivao na cidade de Nazareth desta provincia,
    favor de vir 4 rua Duque de Caxias n. 36, a con-
    clnir aquelle negocio qne 9. 8. se comprometteu a
    realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
    8ns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro
    passon a fevereiro e abril de 1872, e nada enmurio;
    d por este motivo 6 de doyo chamado para dito
    dm, pois S. S. so deve lembrar qne esto negocio
    de maia de cito annos, e quando o Sr. seu nlho se
    icnava nesta cidade.___________
    SAQUES--
    CanralboA Noguenra, na rna do Apollo
    e. 20, accam sobre o Banco Commercial
    ie Vianna e suas agenciaa em todas as ci
    dedes e "villas de Portugal, & vista e a prazo
    portodoios paqaetea.
    AGU.4S MiNElUES N.U'CRAKS
    Dr. f
    Vidn'-ilnssel
    Sobrado da rua do Harqaez de
    Ollnda n.
    As pessoas que teem procurado arrendar o
    predio acima, onde foi estabelecimento de louca
    do finado Manoel Antunes Vieira,qtteiram apres^n
    tar snas propostas em carta3 fechadas, no dia 9 de
    maio proximo, ao meio ilia, no armazem tferua
    do commercio n. 8, onde serio abertis ditas pro-
    postas era presenca de todoe os interessados. 0
    arrendamento e de todo o predio (armazem, dons
    andares e sotao); os senriores pretendentes, po-
    rem, pedem fazer tambem propostas de parte, se
    melhor Ihes convier, indicando es sens fladorse.
    Recife, 30 de abril de 1874._________________
    Aloga-sepor preco razoavef, a loja doobra-
    do n.4l da rua do Rangel, a qua* tem armagSo
    presta-se para qualquer negocio : a tratar no i.*.\
    andar do mesino.
    Piecisa-se de uma ama.que saiba.cozitihap
    e engommar: a tratar na praca do Corpo Santo
    n. 17, 3 andar.
    Precisa-se de uma ama para eozinhar para
    uma faniilia, composta de duas pessoas : a tratar
    no pateo dd Paraizo n. 28, 2* andar.
    PreCrri vein ax -1 i a *
    por serem as unicas que conservam lodas as suas
    propriedades depois de transporladas.
    Forte S. Marie, t mils eMc&z na anemia, na
    albumlmaria, na cblorosls, no- Cmpobreeiroento do
    sangue, e nas febres intermiymtes. Os resultados
    obtidos nas diabetes sio maJti ola*-is.
    Fonle Elisabeth, nao se allera- nunfta e t a mais
    rim das a^ms de Vtthy an biearOsAVto efcS'.da
    em magnesia e re'eerrimeOnada pelos senhores me-
    dicos pela sua ellieaeia nos engorg4tame/KD do
    figado, do ba^o, nas afleecSes db e3tomagv dos
    rins, da bexiga, nas arcias e na gotta.
    EUlJA-SE
    o nonr-e-da- r*nte na uswila
    Vende-se em caisas e are^lho, no unicf>4e-
    posi
    PHAR4IACI* AlftERtCANA
    el
    FerrHra Mi t Comnanliia
    57-imAWJQUH BE CAXIA9-57
    ilLTtlWO
    Medico cirurgico
    BO
    ?r. Jose Felix da Cnnha Me- 1
    neses. r-k
    Medico operador.
    RUAESTREITA DO ROSAR10 H. 3. R*
    Da consultas to dos os dias das 9 ho- E
    ras da manha as 4 da Mrde, dessa hora gj
    em Oiante ama-e prompto pira qaal- b^
    quer chamado, eovcasa de sua residencia ra>
    .a rua da Princeza Isabel n. 4, junto a r%*>
    estacao dos trilhos de Olmds. ?.
    Das 7 as 9 da manha da consnllas gra- *>
    | -tis aos pobres. wl
    ESPECIAJ.IOADES
    Molestias syplrihiieas; viadigest/ra e fe- 9f
    0 3r. Antonio Ribeim Ponies que 6 car.ceiro
    a raa Duque de i:a-xiaa, e- covidade pela segnada
    vez a vir a coufeitaria do Kampos tratar de nego-
    cio- de matu ioteresse, visto qite nao se-sabe sna
    residencia drtmwtiea.
    ' -'' J.?! I. I li----rrii----mil ...-----------------------_
    tii^iiimadeira.
    Owrece-se nnia boa engonmadefra, que lava e
    engorama por prc coraraodo e com perfeicao a
    trjlar na rna do VUcoade de Goyanna p. 33.
    oluga-se uma lojiaha no becco lapadi> da
    niatriz de Sauto AjiUoia, propria uara peqaeia
    K$r$ dojnry4d| caixeiy
    ,ou,
    - Aiuga se ou vende ae a easa terrea da ru.a?
    dos Praneres n. 2ft': a tnrtar na raa *> Bom Je-
    sus n. At, 1 andar.
    tea, Loubin, !'"-
    ray, Gosuel e Rim
    as bordadas para senhora, por commode
    .- fP. .
    latinnos de 13 e de setim bordados ,para bap-
    .....is.
    Tapetes. Receben a Predilecta um bonito sorti-
    .. liveraos tamanhos, tanto para sofa co-
    Dlrada de salas. *
    Vestlmentas para, baptisado o que ha de melhor
    3 m.iis moderuo s recebeu a Predilecta
    -Je or ar^to preco, para dear ao alcance
    roer balsa.
    Rua do Cabngan. 1
    A TM" A Preeisa-se de uma ama
    ^m '? /^ para andar com uma crianca
    -.i--m--4-"---*-^- e para o mais serviijo domes-
    tico de pequena familia : trata se no Passeio n.
    60, cu na rua da L'niao n. 67.
    \ AT A Precisa-se de
    AJJlxl ga n. 2 B.
    uuia : a rua do Cabu-
    Precisa-se de uma ama para coii-
    nhar, para easa de familia : a tratar
    na rua do Ho de bolas amarellas na cornija.
    AMA
    Ama deieite
    Pre-eisa-se de uma, sem fllho : na rua dos Gua-
    rarapes n. 48.
    A rrv\ Pr:cisa-se do uma para eozinhar : na
    xxtlltt rua do Rangel n. 9, padaria._________
    Ama dp leite
    Precisa-se de uma ftm;, de leite que seja moca
    e sadia : a tratar na ihesouraria das loterias, das
    9 huras da manha as 3 da tarde.
    Aluga-feuma boa easa com excel lentes coin-
    modos, a rua do Coronel Suassuna a 1&9 : a tra -
    tar na mesma rua n. 171
    J4HHI !)\S PLiSTAS
    A rua da Ventura n. tS (Capunga)
    Ahi se encontram :
    Larangeiras celecta e de umbigo enxertadas^ 3 j
    Sapoliseiros e sapoteiros em vasos, de J all
    palmos o at6 ja com flores para dar frncto, alam
    das seguintes plantas de ornato e de-frncto por
    preco muito eommodo.
    10^200
    ftao r;'j. v- lhaco por uma qnantia tao diminu-
    , qui m oao pode pagar champagne, nao offerece.
    _________________A sombra da Paraen-e.
    R"ga se ao Sr. Joaquim Pereira Ramos, que
    a lion.lade de compareccr a rua de Marciho
    !. 'jo, das 6 as 9 horas da manha, ou a see
    i da santa easa de misencordia, a Degocio-
    p seu iuteresse.
    Precisa-se de um eneadernador : na rua da
    ^upj'3 n. 20,. 1 andar.
    t
    Vtteii^ao.
    parecea nn dia 6 de novembro do anno
    ;...:. i j eserave Benedict), pertencente aoabai-
    ;o as-igoado, com os signaes segnintcs : cabra,
    Jlto, 37 annos de idade, falta de alguns dentes
    aa fr'n!-, falla baixo e compassado, tem um'dos
    deck.s pollsgares sem carapuca, olhos pequenos,
    ea e nariz regulares, e natural da cidade de
    Sosza, provincia da Parahyba, foi comprado a
    Antonio Leite Maria de Muraes em 1802 : pde-
    se- is autoridades policiaes e capitaes de campo
    a apprehensao do dito escravo. gratificando-se ge-
    nercsamente a queni j levar era Olinda a rua 27
    ii Janeiro, oulrora Paei> Castelhano n. 9.
    Barao da Tacaruna.
    Abacati.
    Acacia.
    Ariticum a pe.
    Canella.
    Casnarina.
    Carolina du principe.
    Condeca.
    Coragao da India.
    Figueira.
    Flamboyant.
    Fructa-pao.
    Inga do Para.
    Jam bo.
    Jasmim laranja.
    Laranja da China.
    Dita do ceo.
    Ubaia e outras mvitas.
    Laranja cravo.
    Dita de doce do Para
    Dita br; lu-a.
    Dita langerina.
    Lima da Persia.
    Dita_ do umbigo.
    Limao francez.
    Dito doce, enxertado.
    Oiticoro.
    Palmeira imperial.
    Parreiru.
    Piuheiras.
    Romeiras.
    Rozeiras.
    Rozeda.
    I'Laia.
    Pede-se a pessoa a quem lor offerecJcfa uma la-
    ta de uanteiga cum 2^lilras, o favor de appre-
    hended e leva-li a S^njo Amaro.das- Salinas a
    averria da Joaqurm Bar*oa de Oiireira, que se-
    ra gratiGcado, por difa lata ser roubadn de um
    carro que a conduzia no dia 31 do corren, as 7
    boras da noite._______
    Precisa se aluga- uma preta para vender
    bolos, paga-se iem r no pateo do Terco x 63.
    Preeisa-se .alugar ,uni escravo
    servico
    para todo o
    a tratar na rua DireHa n. 69, padaria.
    B Aluga-se uma escrava para todo servico d-
    easa : na-roa do Imperador n. ,30, ^erceiro an
    Ciisa para alugar
    A junta admini.-trativa d.> Hospital Portoguez
    de Beneficancia em Pernaiuhuco, aluga o predio
    da rua do Commercio h. 17, ape acaba de reedi-
    ncar. r
    Prelere-se- qoem alogne o predio todo. > ta aluga.pateialmente o armatem, o pnmeiro-an-
    dar e o segaodo an(3ar, e destfes na falu de laca-
    tario para e todo dos andares, aluga separado? os
    pavimentos da rna do Commercio e os do Ifedo
    do mar.
    Os pretendentes obterao eseHtrecimcntos para
    a3. suas propostas, do pfovedor. a rua Primeiro
    de Marco n. 13-ou do secretariat na rua do Com-
    mercio n. 34.
    As propostas- serao eniregoes ao provedor a>&
    25 do corrfnle ao meio dja, quando su ao aber-
    tas na referida ca\a.n. 17 da rua dij r.mmercio.-
    Hospital.Pwriagp.ejde IleneR^eaeia, a Je maio seio^'ttMmaT n^Jer^ebenT^^dV com
    I.pequeno dtfeito a 2|500 e 3JO00,
    f Nrifcai-se vkiij
    Vender tao barato romo na raa On
    ue de; Caxias n. o, loja de At
    meida Dnarle A C.
    Os donos deste estabelecimento, estando resolvi-
    dos a cbamarem a atlencao do publico. com espe-
    cialidadc as donas de easa e pais de familia para
    economisarem, teem resolvido vender todas as pe-
    chinchas pelo ensto, o que so se vendo pode se
    acreditar.
    Cambraia transparente Rna, com 8 l|2 varas,
    pelo baratissimo preco de 2/1800.
    Cretone, o mais moderno que tem vindo ao mer-
    cado, a 360 rs. o covada.
    Chita trangad.i, fazenda mnito fina com 4 pal-
    mos de largura, a 340 rs. o covado.
    Nao e barato, madapolao francez por 51300 e
    0J> a pega T
    Cambraia de ceres, padroes modernes, a 240 e
    260 rs. o covado.
    Digarn se nSo e baraHsaimo, lazinhas modernas.
    faieoda de gosto e de U aura, a 300 rs. o covado?
    Lencos de linho, fazenda flaa, em ana linda
    caixinha, a 'J.
    Algodiolinho de 3i400-e4# a peca.
    Chapeos de sol de seda trancada eom eabo de
    marfim de bons gostos, que ae'ralmcnte vewfena a
    161, por 12&
    Metins daros, fazenda, superior e de lindos pa-
    drees, a 260 rs. o covado.
    Ckius. iiBM >UO,lift(iWOno eorao^
    Cambrais aberlas, rmiiio finas e bonitas, a If
    a peca.
    Baptistas finas de gostos, a 380 rs. o covade.
    Quem nao vira comprar ?
    t;amisasingleias, peito de linho, qne nunca ven-
    deu-se por me^oa 60^ veademes por 381.
    JFetins escuros de Rstras a 300 rs. o cavado.
    Convidamos a uma experiencia.
    Dao-se amostras da adas esUs fueadas. e man-
    dam se nas casas.
    Ifcjirilafiio
    Grande escala
    S6 o a 20
    A rua do Crespo. hrja hs 3 porlas
    c.
    e par i
    epalfcilia-
    a Mf a.c
    Silva G-uimar^es & C.
    e Praca do COwpo Santo mn. o
    Tem para vender em seii escriptorio o seg-
    uinte :
    Vinhos ftnos do Porto eas ancoretas e eaixas de
    uma duzia.
    Dito mu9eatel db Donro,era eaixas.
    Dito Malvazia idem.
    Dito CarcaTellos. branco, i in eaixas.
    Cera em velas e bugias.
    Pregos do Porto.
    Fecbadoras- de broca e lisas.
    Chapeos de seda.
    Cbapdos de seda para homem, iroprios de-pas-
    Lm Dnjirat,
    Searetario.
    Villa de Failures.
    Ludnvina Augusta Xavier da HMa, profesrora
    particular, provisionada pela instraeciio publica
    da provincia, nas materias de primeiro grao do
    sexo-femiaino, aviea ao respeitavel public?, e com
    espeeialidade aos pais de familia, que no dia 1."
    de maio do correBte anno, abrio nnia na villa de
    | Palmares, ond alem das materias estatuidas por lei,
    se propoe a ensinar com perfeifao costnra cha,
    marcar, labyrintho, bordar, trabalhos de la, cro-
    chet, missanga, Ceres de panel, panno, canulilho
    e massa. A mesma professora promette muito es-
    mera2>se pelo bom desempenho de sou raagis-
    terio.
    Sitio par^i alugar
    Aln^se o sitio do coiumendador Rabello, no
    Traspassa-rse ale, 31 de agoslo uma graade easa
    na povoagao de Aplpucos e com muilos comrao-
    dos : a traar not f* andar do sobrado da tra
    vessa da rua do yigario, n. 1, e^erjp^rJo,
    Os curadores Oseaes da massa Tallida de Ja-
    cintho Shnoes de Almeida convidam aos respecti-
    vos credores para que no prazo de 8 dias enn j LaIdiren-o : quem o pret-nder, dirija-se a rua do
    tados da data deste, apresentem seus titulos na Commercio n. 48, 1" andar.
    rua estreita do Rosario n. 23, priraeh;o andar, das
    10 horas da manha as 3 da, tarde, aura de serera
    devidamente coufendos.'
    Recife. 16 de maio de 4874.
    ALTA NOVIOARE
    Calcado para seuhora e menina de Saiim lure,
    enfeitado, com fivulla e biqueira'chegado pelo
    ultimo vapor de Europa, e vendem baratissimo
    na loja da rua do Marquea de Olinda D. 40, a el-
    les antes que se acabem.
    CAS4 CAiADA
    Rio
    E
    Tapado
    . e pechineha e
    esta se acabando : na rua do Crespo n. 20, loja
    ;daS 3 portas, de Guilherrae C, junto a loja-da
    esqujna.
    HB
    P
    AS,
    AVISO
    Praeisa-se comprar jbus escravos, pedreiro e
    caracina, paga so bem : a tratar na thesouraria
    das loienas, a rua Primeiro de Marco n. 6.'
    Cpmpraseum Vade mecumioDr. Sabino, em
    meio uso : nesia lypographia se achara com
    quem> tratar.
    nesta tjpograpbia .i' folbeto dos Quadros
    Historkos da.- guerra do Paraguay, con-
    tendo a vista da rendigao do Uruguayana.
    Alugam-se estas propriedades, situadas passah-
    d.a Olinda, e antes ue chegar ao Rio Doce : a trao
    tar com oseu pro nrietario. o rommendador Ta*i
    E outras plantas : na Capunga a rua da Ven
    ura n. 2?>. ______
    AOS 4:000^000.
    BILIIETES GARA\TW>0S.
    9' ?'? % Primeiro de Mar$o (orUt'ora rua di
    Crespo) n. 23 t casas do Qostutne.
    Oabaixo assignado, tendo vendido nos sens fe-
    fisei Lilhtt-s um inteiro n. 3978 com 200/1, um
    meio n. 3'il'.i com 1004, e outras sortes de 405 e
    20 da loteria que se acabou de extrabir (100,)
    eonvi&a aos possuidores a virem receber na con-
    formitfade di costume sem desconto algum.
    Acliam-se avenda os felizes bilhetes garantidos
    -.i 2j i itte das lotenas a beneflcio da igreja
    de S. Fratfeiseo de Serinhiera (I0l), que se extra-
    hira :.a s.Oxta-feira, 29 do corrente mez.
    PREQOS,
    Cilhete inteiro 4i000
    Maio bilbete 2*000
    ttM FOiigiO-DE 1009000 PARA CIMA.
    ilillwjts inteiro 3*500
    Meio Mlhete 1*750
    Manoel Martins Fiuza.
    Desrpparecen hontem, das 6 para 7 horas da
    .lone, da easa n. 28 da Baixa Verde da Capunga,
    pardinha livre, de nome. Francisca, com idade
    nr11 :>--- 12 annos, natural das Alagoas : quem
    vti'ia alii 6d a levar a dita easa, sera
    iecompens^do.
    Oliudina de 4lbsi(|iieiaiji!o ?Bara-
    uhiio Piparle.
    Antonio Jo=6 Daarte, Jos6 de Al-
    buquerque Maranhao Du-irte, Te-
    inoleao de Albuquerque Maranbao
    Duarte, Maria Amelia de Alhoquer-
    que Maranhao e Maria Caelanadfc
    Albu'iuerque Maranhao agrodeeera
    a todas as pessoas que acompanha-
    rarn ao seu ultimo jazigo o cadaver, de suajcasa
    di esposa, raai e sogra, Oiia'dina de Albuqnefque
    Maranhao Duarte ; e de novo convidam as mes-
    s pessoas e a todos as pareetes e amigos da
    Preiisa se comf-rar uma tvegrinha de 9 a
    10 annos de idad>', que ssja sadia e sem vi-
    cios: qaem tivc-re quizer vender dirija-se ao
    3. andar desta typographia para tratar.
    Ha para alugar, a rua da Aurora n. 65, um
    escravo, ciioulo, uiuco, muito robusto e babilita-
    do para qualquer Serneo.
    d (\imwi\\\v\ > n;ili# i^ii'iirnriPA V
    vmAL
    *
    Chapeos de sol de seda, cabo de marfim, sendo
    para senhoras e meninas, a 2*500 e 3* um ;
    aproveitem que estao se acabando : so na leja das
    pechinchas, na rua de Queimado n. 43, defronte
    da pra?a da InJepeodeocia.
    Vende-se tambem a loja de funileiro, bem
    afreguezada, da rua da Imporatriz n. 79 : a tratar
    na mesma.
    VENDE-gE
    % Cons*ifi(r- BiedkHinirgico %
    V DE j/j
    % A. B. da Silva Maia.
    "8
    COZIMIElttO
    a tratar na loja
    Precise-se de um cozinheiro :
    n. 60, no caes 22 de Voveoibro.
    % WULTORIO |
    m -VEDIG04IRUBGIC0 |
    0 ;uo &
    ^5 Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso 2
    S PARTEI.'.O E OPERADOR
    > Hun do Vi onde de Alliuquer-jp
    ciue 11. 39. A
    ESPECfALIDADE
    MolcBtiaa de senboraj) e &
    meninos. ^i
    Consultas das 7 at 10 hpras da ma-SSj
    nha, todos osaias. Qf
    lL Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar- k
    25 tas e sextas-feiras. W
    J&. Os doentesque mandarem os seus eha- Wt
    I g& mados por escripto at 10 boras da ma- ~m
    C nha serao visitados em suas casas. W
    Lozmhar e e^gontmar.
    Precisa-se alugar uma escrava qne saiba eozi-
    nhar e engoramar ; e para easa de pequena fami-
    lia : na rua do Vigario n. 16, 1." aifdar.
    ttua do Visconde de Albuquerque
    * li^ontr'ora rua da matriz da Boa-Vista
    m M?
    if Chamados : a quaiquer hora. \3
    O Consultas : Aos po es gratis, das 2 as fi I Goyaz
    Ob 4 horas da tarde. F) I Pomba,
    - Aluga-.^e na Cidade de Olinda, rua do Am-
    paro, uma boa easa para mnradia. o tendo no ga- ^ ^\
    binete da d.ta easa uma annacao de taverna : a
    pessoa que a pretender, dirija-se ao oitao da Se
    n. 15.
    uma machina de costura. ora caixinha, do antor
    Grower : na rua Imperial n. 72.
    Frederico Sodre da Cunha
    1 Motta
    > W\ estabeleci
    U W|ManiA i
    estabelecido com armazem de fumos, a, rua de
    Uarros, autro'ra Cordoniz n. li, sob sua
    firma individual, oiarece aos seus freguezes os
    fumos abaixo deelarados, a saber :
    Rw Novo, Daniel, Minas,
    Descalvado, Barba Sena, Virgem,
    Parahyba, S. Paulo, em rolos, em latas.
    Garante se as qualidades e a modicidade nos
    preens.
    Qlferece-ae uma mnlher de boa conductalj
    para fazer oompanhia a uma familia, e tambem j
    presta-se a alguns servicos : quem della precisar,
    dirija-se a Boa-Vista, rua da iraperatriz n. 4i, 1
    andar.
    1
    m
    0 abaixo assign ,do, pelo presente declaro",
    que nest? data foi page da qnantia de 925*000 que
    Ihe era deredoro-Sr. alanoel Jose' da Costa Cabral,
    cujo debito constava de ama letra aceita nelomea-
    mo senbor, v/mcida em .l3.dQ.eorrenie mez, a.qual J5
    letra se havia perdido. como.por annuncios o tia- j jjK
    via declarado o mesmo abaixo assignado, e como I'
    tenha sido.pago, far a presente declaracao, afim de
    que fique de nenhum vigor a^ita letra, caso que
    em algum tempo apparepa. Afogados, 15 de maio
    de 1874.
    ______ Joaquim Alvej de Carvalho.
    Tin
    il"|a-se
    Ver.de-se o engenho S. Pedro, situado na pro
    vmeia 4e '.lagoas, eumarca do iorto CaJvo a
    aien-s ,,,- m* lagpa distante do porto de m* dq
    4* VMAna m ..l_.ll
    Sera cerlo que o professor da 5.1 cadeira da
    freguezia da Boa Vista abondooa tedps os dias a
    aula para ir estudar preparatories, .deixando a
    mesma entregue a qm raogo de nome Herculano,
    que nenhuma copfianca insptra aus-pais dos alum-
    0 Sr. director geral da iostruco nnblica que
    syndique do facto. ^^ H
    o sobrado de um andar com sotSo, sito a rua-do
    Hospicio n. 65, com bastantes commodos : a tra-'
    tar na rua do Vigario n. 31.
    Na rua do Imperador.
    Aloga-se um excellente armazem, pintado de
    novo e p >r preco muito eommodo : a tratar na '
    mesma rua n. 28.
    e^-TmfOksmwnf&Sr. ^ej_ W***^Z1
    reguui-ucu.e 2.CO0 pws: a: tratar na 'nu do Vi-
    Pede-se ao sympathico actor P^naite, o favor de
    levar a scena no espectaculo que Jem' de dar na
    ^ide da Escada, em beneQcio da mesma -matriz
    garganta e o Sr. Domingos fora do serio.
    Muifas etco.deuses.
    Ojeimttafia
    Nao ha mais cabellos
    brancos.
    wmm mm.
    $6 e tjjjiea approvada pelas academias de
    sciencias, recouheeida superior a toda qne
    tejtn_appitftcido ate i^oje. Beposito princi-
    pal i rua. ,4a CadeLa do Rotate, keje Mar-
    .auW-cU OliAfilf, n. M. l' -dflr, e
    todas as boticas e **_a < ^M^brfWr
    ExcefleWe oceasia
    Pa/a q- rico e para o pobre
    O.Miaiux Uri-<-a^ |ura &
    com 400 paiMMks de Tnudo w
    a I.OOOe SfiOr.4. W
    Relalbamrse os grandes terrenos que W
    circumdam a eslacao da Boa-Viagem So.
    saoterveaos proprios, detembajracaSos -e "
    cortados por tres estr.das : a Teal a de ft
    ferro e que segne ,da es^aj^q para.a Mk
    Boa-Viagem, e fleam -mui proximos ao C
    no Jordao. M
    jfii A commodidade do preco, a facilidade ift
    ^ do transporte de raaleriaes pela .via fsr- X
    %!; rea, a pruximidade de madeiras e, sobre &
    yOL tudo, o prinlagio .de viajar gratis no va- A
    ^ por pelo espaco de 10 annos, a quern edi- S
    ficar proximo a esta estarad.'tudo Isto 6 de ft
    0 incontestavel vantagens e deve animar tt
    S os pretendentes, os quaes desde ja se po- X
    R-dera dirigir, nos dias uteis, I rua do Im- ft
    0 pcrador n. 48, e aos dprnrages c dias j0i
    2 santos, na estacSo da Boa Viagem, onde 25
    se enontravo pom Tristao Francisco ft
    Torres, encarregado pejo proprietario a &
    fazer aualquer negpcio.
    m
    AIERTA
    OBARATEIRO
    Sim rival.
    Confronts ao aroo^ de Sai>to
    Antonio.
    Os proarietarios deste estabelacimeoto, tende
    adoptado o systenja (ainda nao conhecido de Ten-
    der barato para vender muito) panicipam a todos
    os seus freguezes erj geral, que eslao veudeoJo
    saas fazendas com 30 por cento meaos que es
    ou tra qualquer paxte, por isso coovida os a uma
    experiencia.
    CuajvuoM dc al.
    Grande sortimento de chapeos de sol >4e sada,
    cabo de Osso, finginio inarfiiu, paia senhora, pot
    3*000.1
    3' grande pechincba, a elles aates que se aca-
    bem.
    Sortimento de chapeos de seda para homem, su-
    periores, por 6*500, 7*500, 8* e 9* I
    Ditos de cabo de marfim, seda trancada ( Para-
    gon*) superiors, por 124, fazeada que em qual-
    quer parte ca.-ta 18. So. viudo ao barateiro .
    llv.j>iiau;i>.
    Guegou esta nova fazenda para veslidos, o mais
    moderuo que ha, tendo bonitoa desenhos c- aores
    f.xas, a 400 rs. o covado.
    iv" desenganar, so o barateiro '.
    Corfce* de catian.
    Omais moda*no nesta f:vienia, com barro, tem
    o barateiro e veade por G* o corle, sempra cus
    tou 10*. Venham apreciar.
    CiorgotcaO- de- cores.
    Ibmos bom sortimento desta lazeuJa, do tadas as
    'cores e de cordao ; ajsira como, popelinas Je co-
    res, fazenda que eu6ta em qualquer parte 2*800,
    n6s vtndemos por t*iOO e 1*4(K3 o covado; nin-
    gnem deixara de comprar um vestido de soda por
    tao pouco dioheiro ;; por certo que nio I Venham
    a ellas.
    lletiae CradtccaEes.
    Grande sortimento de raelim, queimamos a 260,
    280, 300 e 320 rs. o covado.
    Cltitas claraj* e scuia..
    Grande p rcao de chitas Claras e escuras a 210
    e 280 rs o covado I E' exacto ? e, que eu vi.
    Brim aardo.
    E' boa qualidade e vendemos a 260 rs. o cova-
    do. EstSo se acabando.
    Cutapius frajM-eaai*.
    Completo sortimeuto de camisas para 17*, !8*
    e 20* a duzia.
    Ditas de linho superieres qualidades-a 36*, 40*,
    44* e oO*, tendo uma porcao bordadas I
    Ditas dc cretone superior por 30*. a duzia, sem-
    pre custou 40*. Venham apreciar o queima !
    BatAuag pa|*a Heulutras.
    Temos grande porcao e oflere.'eoaos aos nossa-
    freguezes por '3 e 5*, f b I que pechincha es-
    tamos convictos de que ninguem diixara de com-
    prar em razio de preco t;V) resumido. A ellas ^
    l.a/inlia-
    Para acabar, nos vendendo por 220 rs. o
    covado, leado i aitos gostos intciramente esco-
    cezes.
    Alem destes artigos tems bom sortimenW de
    faze'pdas inglezas, suissas, francezas e all8n)ies,.
    como se>am : baptistas coa barras e matizadas,
    granadina, chitas, cretones, meuns, alpacas, las^
    maripoza, etc. etc., tudo por pouco dinheiro.
    Na
    mm*
    Jaala a lata da
    ."rrijrs CHWEZEsr
    Proprios para vutido;, os mate modenot, nao
    diminuto prego de 280 rs. o corade, e pecMaaa
    Dao-se amostr-s.
    ORGABDVS DE C01ES.
    Fazeada fina e coa boailos padroa, peto Mat-
    mi lo preco de 320 r>. o covado, e airrhiaai
    Dao.se amostras.
    CHITAS CUM PIMMJ l>t CHE90NE.
    Fazenda finissima, coa Hadnt poeMea, meh *-
    minuto preea de 3*8 r>. e covado, so se
    e pechincha I Dar-te aaosm-
    LAS. KSTiir.i-ZA*
    Complea sqrtiaeoie dr as
    acabar se vende a 240 n. o ton
    Dao-se amosms.
    CASSA LAW.
    Grande sortiraentb deeta furuk, coa os
    boniius padrues an tem vtndn e eae v<
    pelo dimkiulo prejo de 200 rs. a covado ; ~k pr-
    chiacha I D4o-e- amostrae
    CHWAS CI.VHAf
    Can bonitos padroes, que se \-t
    wvado ; i pecbiccha 1 Dao-se
    WLUWAA.
    Orjo) HoUandx, iijo, o que at > i
    prw para costumes de henaa* a,
    ti*>$ para senhoras, par ser muito iao e baat
    purft, e se ven 'e pth dioinuo prega M0r<
    o covado; e pectiincha 1 Dao se srooalna
    BKO'S-M C(ioh.
    Brios de cores, linhe puro, com boaBes pa-
    droes e que se vende pete diminuto prep de MO
    . o ocvado ; e peepmeha J Oae-se aaadflas.
    CAMISAS It CRiTO.IK.
    Camtss* de cretone, o n ha e maia ?.
    com licdeB padrfias t as n vaoe> a MBe>
    duzia e 3*500 cada uma e pecbipcha so s-
    vendo
    Assim como am deposito de mais faseadM one
    se vendem p< r menus do qae em ootra q
    parte, cozoo sejant :
    Cortes de casemira de oores a 44 ;
    cha I
    Idem de brim pardo lino a IJJIrt; idea
    Colchas de fusiio com ^jrra, atato
    4* ; idem.
    Idem idaa Lraacas, idem idea, a
    Cobertas de chita adanjiscada Una,
    a 3*500 ; idem.
    Lencces-de bramante, idem idem, a 2*
    Toalhas alcochoadas a S-^SBO a dn^ia
    idem
    tier
    j idac.
    . idem
    Lencos de ea-sa com barra a 1*000 a duia
    idem.
    Idem idem idem braucos ahatnhades a 2*410
    idem.
    Idem ea caixiubaa muito lindas a 3A58U
    duzia.
    SeB-elij- < linho c *tgoa>e a 18* a duzia
    Cambraia Victoria fina a 3*900 a peca e m.
    chincha.
    Algodao marca T Iarn a UM e 5* a peca
    Madapelio lino a 4*800 a peca.
    Madapolao francez muito ihw a 6* a pe^a.
    Brim pardo muito Gno a 400 rs o covado ; e
    pecliuicha.
    Cambraia tran/parente, o qne ha de mais toa
    a 6* a pejn.
    Baptistas de cores modena e rna Hedoi pa-
    droes a 400 rs. o covado I grande pechiacha
    Dao-se amostras.
    S6 o n. 20 .
    A' ma Jo Cres{o, lj 4* 3 purtt>
    DE
    1.1 II llllt Ml C.
    Joule a loja da eiKgaiav
    O cxtaDrierlmrnle aeba-ite artert*
    da a horas da mneM as 9
    __________aoraa da. nolde.
    Panno de algodao da Bahia.
    Vende de tolas as qualidades Joao Rodrignea de
    Faria : aa rua do Antrim n. 33.
    Fumos
    Da Eah-a e da Rio vende JoSo iJjdriguet de Fa-
    aa, rua do Amorim n. 33
    G42
    de primeirn q>iadfdade
    No a*aiazem de J. I>imingi>s do Carm
    rua do Amorim n. 41, vende-se em trossr. e
    retalha o melhor keraaeoe, da bem acreditada
    marca de Henry Forsl-r 4 C. i;arantindo-ca qna-
    lida armazem tem para vender us depositos com tor
    neir~.se muito asseiadp.", para casas de farnili-
    ldje eadftBB.
    Rua 1. de Marco n. 1.
    A To
    ft!"
    Para as noites de Santo An-
    tonio e S. Joao.
    Amarai, Nabuco k C. acabaru d receber com-
    pleto sortimento de sortes francezas e allemaes,
    ,para brinquedo das Jioites de Santo Antonio e &,
    Joao ; e o que se conhece de mais engra^ado e
    a|-ropriad i para brioear-se nessas noites.
    Aos dignos maQons
    Amarai, Nabuco & C. tendo im vi.-ia a grande
    e pompos.t lesta que faaem os dignos macons ao
    padroeiro deata respeitavel oorporacio na noite de
    S. Joao, partieipam aos meemos Srs. macons que
    acabam de receber iasignias de diversas graos e
    wehdem no bazar Victoria, rua do BarJio da Victo-
    ria n.-S.
    Vende-se
    pes de sapotas de udo* os lasunbos, d p:ai i.
    qcaJMade, o tempo (i propri? para planta-L,: n*
    rua do Hospicio n. 75.
    Engeiilio em Serinhaera.
    Vende-se dnas partes do
    engenho Novo, sito na fre-
    guezia de Serinhaem, distan-
    te da estacao de Gamelleira
    3 leguas. moente e corrente.
    que safreja cerca de .^,000
    paesr corn optimas terras,
    movido a agua e l*ni otaa-
    do, por preco comnwdo: a
    tratar com Dr. Felix de Fi-
    gueiroa, a rua das Calcadas
    n. 14, ou no arseoal do
    guerra.
    CHITAS
    covado.
    Pacbeoo & Azevedo tem
    . para vender tapio-
    ca de araruta, qualidade especial, em seu armazem
    pa rna Duque de Caxias n. 29.
    Salsa parnlija.
    Nova remqssa, excellente .qualidade ; vende-se
    na rua do Vigario n. 16, 1 andar.
    Caea terrea.
    Aluga-se a da rua de S. Joao, defronte do por-
    ao do gaz, com 6 quartos, cozinha fora e grande
    1 quintal : a tratar a rua de Pedro Affonso n. 8
    a 2*0 rs. o
    So na rua do Queimado n. 43, deir. nte da praca
    da Independenri.v
    Sa aa loja dao aeehliMlUM.
    Chitas pretas e de cires cum salpicos de core*,
    sendo rouilo boa. a 240 rs. o ovadoj
    Aiaoveitero freguaatf.
    Engenhos em Mainam-
    Apotices a juro de 8 0|0
    Vende-se no escripiorio de Josi, Apgusto de
    Araujo, na obra do mercado.
    Vende-se
    uma taveina afreguezada, com poucos fundqs, pro-
    pria para principiante : na rua da Santa Cruz nu-
    mero 17.
    Vendem se quatro casaes de pombas mariolas.J
    par tttiBte .de sou vslor : na rua do Brum n. 22.
    on rua do Vigario d. 26.- \
    Lerveja
    Vende sp cerveja preta de superior qualidade
    Jiarca Barclay $ C, e tambem brarjea, marca
    ass. ambas vindas de Londres : na rua do Com-
    mercio n. 22. armazem de Edward Fenton.
    um se^gundo andar em muito boa rua, a qaem pa-
    Sosariobnenglloria8 : Wr n "alrgado
    As unicas TertJadejraa.
    i
    guape.
    Vende-se os sefotntes :
    Barra,
    Pregalfa,
    A tratar com sens proprietaries nesta cMade,
    e para irrformacdes com Joaquira Piote de Ba-
    rdies Filho na mesma cidade de
    _____ Tasso Irmaos A C
    Vende-se ou aluga se a easa
    frente da matriz do PApa da Ps
    proprio, dous Jados auradoa, alg
    commodos para grande familia,
    sete quartos, dous grandes terraces,
    e mais duns quartos aara aravos .- a
    Olinda *ua do Paeo Catteihaio.
    C fie Vasconcellos.
    Sal ,do Afsq
    A hordo uo hate i*mMm4m nu.
    coataate aotrapiche Bar ben : ataftar
    piito a bordo, on com Aatoaio Alberto
    Aguiar a rua do Amorim n. CO.
    term ea
    ~
    3
    j


    Kir^-J^rftfem4io!)- *>atik fete '**?&* "*V74.
    Uua Ptjnwirp
    .
    U Nar6 n. 7 A
    DR
    Cordeiro Simdes^rC,
    E' 'e3ta UmT da ; caias '(jiic note VoiJe com nn
    mil* d!TeheW8fa6s Mas MgWes um vaTla'df&i-
    a c sortimento de fazWdai Unas para gvadde Kn-
    -eite, e be,o assim. para uso ordioaiio de todas at
    classes, e ,pc)r precos vautajosos, das quaes faz am
    pequeno resume
    Mimttm ftrzehftis as casas no* ''pretehdetft&s
    oara o que tem pessoal necessario, e dao amoslPas
    medtante petahor.
    Cortes da seda de linda cores.
    Grosdeaaples de todas as cores.
    Setim MaeaVpPeto e de'O&Ws.
    Grosdenaples pretc.
    Vellado preto.
    Granadine de sed.a, 'preta e^de cores.
    Popelinas de Hndos padroes.
    Fil6 de sedti, brafcco ft preto.
    "Mcas basquinas de seda.
    '.isacos de merino de cures, la, etc.
    Manias brasilerras.
    Cortes com cambraia branca com Ifndos'borda-
    Rleas "arJdW e toantas para Tiotvaa.
    i'.ijuisstQio sortirudnto de las com listras de
    ieda.
    Camhraias 3e cores.
    nitas raaripoias/bVanras, Itas e bordadas.
    NafizuqtfeS'do Hndos pftilroes.
    BftptiiUSj padfws deacndos.
    Percaliraa d quaJros, prctos e brancos, listras,
    etc., etc
    Brins de'linho de 'cor, probrfns uara veslidos,
    com barra e Hslras.
    Rkos cones tie vestido de linho. r *ites da
    raesma cor, ultima mod*
    Oitos de cambraia de cores.
    Fustae de Ffcdfts CoYes.
    SalaslwrdBdas pws'Serlhbres.
    Camisas bOrdBdas para .-cubora?, *e Im-ho e al-
    <:i)dan
    Sortimento do luvas da verdadeirx (abri:a de
    . ouvin, para liom^ns e senhoras.
    VeSraax^ r*r* miiniM.
    ^to? para hcp&>ad.
    Glwpeos oar* aiio.
    Toainas e gazrdanapos adaraascados de linhe-de
    r.para mesa.
    OotehasHle .
    Cortinados foordados.
    Grande sortimento de-camisas -de iniho, lir.ts e
    t>crdadas, para homens.
    Meias de cores para homeoe, meninos e teetii-
    s
    Ditas eseocez.
    fjowi^'Aa so.iimeDtf> de cbapeos tie sol par* too-
    kmcs. b Miifloras.
    Meriso d? *Nfe* psra vestidos.
    Dito preto, tran;ado e diso de verao.
    ->;tia.1i-d -lHin)-e-alg**o para toal
    Moathaila pardo.
    OamasVTo'de'ra.
    Brins de linho, branco de cores e preto.
    Setim-d* aadas -tores ceai-iitfras.
    Chaies de merino.de cores e pretos.
    Ditos de casemira.
    Ditos de seda preta e de cores.
    Ditos de louquim.
    Gsrmisas'-de chita para hbmens.
    Ditas de^flBnalla.
    Ceroulas de linho e atgodao.
    Fannos de crochet para sofa, cadeiras -c conso-
    I.encos borda'do? e de'labVrintho.
    Colertas de crochet.
    Tarlatans'de todas secures.
    Ricos cortes de vestidos de tarlatana 4ordados
    ara cortes.
    Espartiihos lisos, bordados.
    forllard-tle seda, litfdas cores.
    Meias de seda para euhoras e meninas.
    Ricas fachas de seda la para senhoras.
    Rico sortimento de leques de madreperoias e
    t)?SO.
    Damasco de seda.
    Casemira preta e de-e&res.
    Cbitas, madapolao panno flno preto e aaul, col-
    ;j.rinhos,.punhos deliaho e algodao, gtavatas, la-
    vas de fio de Escossia, 'apetes de todos os tarna-
    ohos, bolsas de viagetn, peitos bordados para ho-
    mens, lengas de Mnho branco e de cores, toalhas,
    iruardanauos. etc., etc.



    msmm u boa-vkia
    pretu AOO rs. o
    covailo.
    0 Pavao vende granadina preta e lavrada
    pelo barato proco de 500 r? o covado. ,
    MailapolAo enfestatlu a 35O0O ^ami^as InfoGlH cdm heito de^lg-dao,
    ftua
    GranaiHna
    eratiiz
    n.
    PARA LIQUlDAil
    CA.MISAS lRA>"Ci:ZAS A 25000,
    3^000 H 3V500.
    asoo-
    ' 0 PafcSo *e"hde ttra btiriito' ?Vrtimento dt
    a fieca.
    0 PavSo veodo pegas de madapolilo en-
    feStado, pelo barato prego de 3J000 a pwja.
    Ditas sem ser enfestado, 'cem 26*jardi8S, a
    5^000. Ditas com Si jardas multo boa
    fazenda, -69000, 69500 o 79000.
    ALPACAS PRETAS A 500, 6Vo E SOO RS.
    0 Pav8o tern um granide sortithent;o de
    alpacas pretas, quo veailea 500, 640 e 800
    rs. o covado, assim 'coma graaJe sorti-
    mento de cantdes, bombazinas, princezas
    prtas, merin<5s, e outras' muitas faeendas
    proprias paraluto.
    Sedinhas a f?0.
    0 Pavio vende aedas com lirtfinaas de
    ' tores a 196*0 a covado- Ditas com pal-
    ! miobas a 29000. Ditas'com toqe de mofoJ
    a 19000 e 19400.
    CAM BR.ilA VICTORIA A 490OO, 49500,:
    69000 E 79000.
    O Pavao betide um graode sortrmento 4e
    cambraia Victoria tranpareata com
    8 1/2 vatas cada peja, pelos baratos preops.
    de 49000, MWO'i, 59000, 900O e 7e*O0
    a pe^a, assim como, das -de salpico IwaD-
    co, 7#0O, & pecbiQcba,
    NOVAS UVPI .A 560 RS.
    0 Pawo recefeeu pelo"ultimo vapar uu
    i elegante s'Tt'meRto das nuis lindas lsicnhas
    para vestidos, sendo tFansparentes com as
    mais dclicadas cores, moddrn'ssimos pa-
    droes, que vende pelo 'barato prece de 560
    rs. o covado, i rua da Imperatriz b 60.
    LKiWDACAO DEROOPA PARA HOMENS.
    0 Pavao vende um^rande sortimento de
    roupas para homens,endo palitots saccos,
    ditos fraks, -tsnto de casemira preta e de co-
    res, como do panno; assim como um avul-
    tado sortimento da-(wri^as do easternira preta,
    de cor, de brim de cor e braaco, e um
    grande sortimento de colletes de todas a
    qualidades.
    Tendo tambem ra bom sortimento de
    camisas inglezas e ;(rancezas ; assim come
    de ceroulos de linbo e de algodio, e vende
    todas as roupas acima mencionadas pelo ba-
    ratissimoprego, porqoerer liquidar, na lojia
    da ma da Irnperatrizn. 60, de'Felix Perei*
    ra da Siiva.
    Acha-se constanVem ent abcrto
    4s$ denoite.
    E" barato.
    Vende-se um pequeno sitio perto da esla-
    rfio do Salgadinbo, temio de freate 150
    palmos, e de fundos mats de quatrocentos,
    ci>m uma elegante casa dd taipa, acabada de
    proxim t e bem asseiada, tendo 2sai s, 2
    ouartos e cozinha. fdra. 0 terreno e pro-
    prio o bom de plaotacoes, tendo algumss
    arvores de iructo, agua de beber e todo cer-
    esdo.
    Para ver e mais eiplieacoes, no mesmo si-
    tio a qualqoerhora a entender-se com Tris-
    i;io Francisco Torres, e para tratar, na ttae-
    souraria d^s loterias, rua 1. de Mar^o
    I!. 6.
    2^000 e '2"5500. Ditas" com pi-Ho'de linbe
    de 3^000 a 69000. 'Ditas bordadas muito
    firtas de ^9010 a 109000: assim como
    gi-ande sortimento de ceroulas de linho e dt
    algodao, por'pre^os baratos, e tambem tem
    complete sortimento de punhos e collarinbos
    tarito do linbo c6mo de" algodao, por pretos
    em crjnta.
    Esnartfflios SrSOO, J^OOO c
    0 Pavao vehde um bbtiito' sortimento dt
    espartilhosrrrodernos a 3550P, 4 59000, assim como um bonito sortldVehto
    desalas bfancas.bofdadas, a 59000e 69000, Mss Inais finM a 400 e 50() rS-
    e dttas de lagmba' de' cttes a 39000 t pe- '.eSfuiao a ,^ A{as -bordad*s- a 29.
    aiNDiS GUIMARAES Acabgmfflo'ftjzier m gande ebatiraenio nos promos de soas fazendas alteu-
    demjoa grande falta que b* boje de dinboiro.Vpor tsso ocio.qu o p*e^o que vai men-
    ciorradj ngradaraub respeitivel publioo.
    paronte-a 39, 49, e 59, dita Victoria Upada
    ClIAiWlOS DE'SOL DE SEDA A 400, a Ui ,. -
    Vende-se chapdos de sol de seda parase-, TROCHES A '19500.
    nhoras e menines-a 49, ditos de alpaca fi- Vende-se croebes para cadeiras a 1^500
    ^nos-com'ifilastes a'49, ditos de rfierin6 Je c.da um.
    da3-co#es!a*9,' ditos de seda para homem LAZLNUAS A 200 REIS.
    a 09,'dit^s ingtewsoom 12asles a 89 e 99- Vende se lazinbas para vestido a 200,
    RR1M PARDO A 400 rs. 32', 400, e 500 rs. o covado.
    VtBdvue brim paido escaro a 400 rs. o ALPACAS DE CORES A 500 REIS.
    ovado, dito de cores com quadnnho* a ] Vende se blpaeas de cores a 500, 640,5
    500 rs. o-eovado 800 rs. o covado.
    CORTES -DE C*SEMtRA IA"'59. GRANDE SORTIMENTO DE TAPETES A 49.
    , Vende-so cortes de caeemira iraJca'* 59, e9, ditos de dita preta para
    calce a'49.'ft,-69,e'79.
    BRIM DE AIRyOtA A 29 0 410RTG.
    Vetwle-se wes de brim de Angola para
    calca a 29, dito muilo linos a 39>
    ABfiRTURAS *>ARA CAMISAS A 200 REIS
    Vende-se sbeTtares para camisas a 200 rs,
    le
    {mm run
    50 por ceato meLOs
    do valor
    Frerico Pinto & C, tendo acakado cu oS-
    cina de alfaiate, t. in um graiide sortisVni'o da
    ; calcas de care mira de cor, brim l.raaco !(,*
    linho de cdr, colletet de casemira, fotgattn, ilia
    branco ede ror, Iraquej de panno, cauiaaari. aae-
    , rino e alpaca>; tudu obras de tact iwanaada, a*
    Suaes vend, in a dinhiiro coa SO p<.r ocusto: na rua do Marqcwc de Oliaca W,
    loJj______________________________________,
    WilK>n Howe dt t~ veadeaa bo sec affcf
    rua de CotuiMreio n. 14 :
    verdadi-iro paaoo de aifodio azol am
    Excellente no dc veto.
    Cognac de 1* qnalidade
    Vinbo de Bordeaux.
    Carvao de Pedra de todas as qnalidadaa
    diincha.
    CORTlNADOS ROrtdADOS PARA CAMA k
    JANELT.AS, DE 79 ATE' 25$8O0 0 PAR
    0'Pavao vende um grande sortimento 'dt
    cortinados bordados, propries para cama -
    janellas, pelo barato preco de"79000,8900O,
    l'b^OOO ate 259000, assim como : cbltei
    de damasco de la muito fica de 10900O
    129000 oada uma.
    BRAMAirWS A i-9800, 29&00 E{,S|ft6o.
    0 Pavao Vende brarhaeites para le**6fes,
    tendo 'ft palntos de largiira, sendo o dt
    algddSo a 19800 e 23000 a vara, e de linhc
    a *SieO.,"29800 e 39000 a Vara: 6 pectin-
    cha.
    todos os Umanbqs a 49, 49500, 59, e 69
    oada um.
    GRANDE SORTIMENTO DE ROUPA FEITA
    NACIONAL.
    | Calcas do riscado para tr&baiho a 1^000
    e 19400.
    Calcas de brim pardo a 19900,29, 2}500.
    Cilsos de brim de Angola de cores a 29
    e 39.
    now mstn
    de linho.
    em camisas
    Vende-se camisas injleias d<> liibc. tamta i-
    nas, para liomem. p -lo baratissitno priea 4e 3M
    a duria ; qnem dnvidar vtnlia ver e coaaarar
    na rua do Dnque de axias n. W. It
    metrio Bastos.
    D*-
    CHWAS A-240. CaJ^as de casemira de cores a 59500, 69
    Vende-se chiles para vestidos a'240/-28O|e *9-
    e 32l) rs o covado, tem escuras e clans.
    MADAPOLAO A 39.
    Vende-se fhtcai de mad polao enfestado-a
    35, ditas de dito-inglez a 4JT-50O. *4, e 69,
    ditas de dtto-francez fino a 79. 79-00, 89,
    99000.
    C.ASSAS A 39.
    Vende-se cortes de ass3 para vestidos a
    39000.
    CUITAS PARA COBERTA A 260.
    Vende-se ciiita para (Obsrta a:280e366
    rs. o-covado.
    ALGODAOZltiHO A 39.
    Vende-sc pe<;a$de algodaozinho a 39000,
    ]-35l<0,;49,'49 560,-59.
    CA-SEMIRAS A 59606, 69000 E'79000 ,. BIUMANTE A I9e0.
    0 Pavao vende cdrtes de rtsemhtas par* \*nde^ bniate com 10_pa mos de
    calcas, sendo padrocs modernos, pelo bera- '; ^ ^e0 re<;tro' d,t0 ****
    topre^o de 59000, 09000 e 79000 a c6rte, '
    Vende se um piano de armario, de (~>4ai
    Collard. inRlea.: na rua do An^l do Brsaa,
    CaUias de casemira preta a 39500, 39500 da igrej> do wur n l\.
    Farello novo e
    Milho pequeno
    Da melhiT qualidaOe no arn.ai>.m Je
    de trigo de mas Irmao* SC^ na ;-rar*do
    do Atiolh.______________________________
    Piano
    assim como : pannos pretos dos elbore
    qoe tem vindo ao mercado, de 49800, 8c*-
    509000.
    -ESMfiRALDINA A 800 RS.
    0 Pavfto recebeu um bonito sottimeiito
    das mais elegantes esmeraldinas com listras
    de seda, sendo em cores e padroes o* meis
    novas qBe tem vindo ao.mercado, proprias
    para vestidos, o vende pelo baretissiroo pre-
    Qode86d rs. o coutdo, & rua da Imperatriz
    n. 60.
    u:i.en e do PAVA0, das 6 horas dM HMBaW
    GRANADLNAS I
    Grafladinas de seda pura, preta com listras
    de cores e padroes os mais bonitos que tem I V*x jij^-V4i .
    vindo ao mercado e que se veade pelo di- j IvJfftilO'PiPil
    minuto prcgo de 500 rs. o covado, por ter: t i.aiugcinr.
    um pequeno toque de mofo, e fazenda de Farifi 11 Amef lCa, a Hia Dll-
    covado; e pechincha. Daose! _____i_ /-_ -,-.
    F j que de taxias n. o9
    29000 o
    amostras.
    Brim branco
    Sitio
    e casa
    Vende-se on aluga-se o sitio no Arraial, travessa
    do Acnde n. 5i, casa com comm d s para grande
    familia, eneanamenio d* agua para dentro de casa,
    caciraba e banheiro, e diversas fructeiras; torna-
    sij recommendavel pela diminuta distancia das
    entaoocs do porto de Agua, Monteiro e Casa Ama-
    PiHa*: a tratar na rua Nova n. 23, loja.
    Armacao deamarello
    ,Vende-sfi uma armarao de amarello envidra^a-
    di, com balcao. por commndc preco : a tratar na
    ru-i do Crespo n. 20, loja das tres nortas_________
    Vigor do Cabello
    DO
    Dr. Ayer.
    Para a renovacao do ca-
    bello, restituicao de sua cor
    e yitalidade primitiva e nat-
    ural.
    0 Vigor do Cabello & uma preparacSo ao
    mesmo tempo agradavel, eaudavel e efficaz pars
    c'onservar o cabello. Por meio do sen uso o
    cabello ruco, grisalho, e enfraquecido, dentro,de
    jjouco tempo revolve a cor que The 6 natural e
    primiva, e adquire o brilho e a ftescnra do
    <'.abello da juvenitade; o cabello ralo se torna
    < in todos os casos e aeiitrabzada.
    Nao ha nada que pode reformar o cabeUo
    ilepols dos folliculos estarem destruidos, e as
    glandes cansadas e Idas', mais se ainda restarem
    ilgu-ms podem ser salva^las e utilizadas pela
    applicacSo do Vigor. Libre de essas sttbstancias
    fmero tarn nocivaa e elestruotivae ao cabello, o
    igor somente lhe e beneficial. Era vez de
    iiujar o cabello e o fazer pegajoso, o oonserva
    iimpo e/iorte, embelbzando o, impedindo a queda
    o tornar-6e rue/), e por consequinte prevme a
    calvicie.
    Para uso da toilette nao ha nada mais a dese-
    jar; nao contendo oleo n'em tintura, nSo pode
    maochar mesmo o mais alvo lon^io de eambraia;
    jierdura no cabello, lhe da um lustre luxurioso,
    |i um perfume muito agradavel.
    Para reformar a cor da barba, 6 necessario
    mais tempo de que com o cabello, porcui se pode
    appressar o efFeito, envolvendo a bafba de noite
    torn um lenQO molba4o r.o Vigor.
    PREPABADO POB
    Dr. J. C. AYER & C\.t Lowell, Mass.,
    Estados TJnidos,
    ChlmleoB fraotievs e Analyticct.
    YTC^Pe; era -por
    Rrim brinco muito fino, fazenda de
    29500 a vara, que se vende por 19400 a
    vara, por estar com um pequeno defeito ;
    pechincha.
    Melifis francezes
    Metins francezes, fazenda muito fina, pa-
    droes modernos, fazenda que \i se vendeu
    por 560 rs, a30rs. o. covado; e pechin-
    cha. Dao se amostras.
    Cretonesde listens
    Cretonesde listras,fazenda actdchoada, pa-
    droes muito lindos a 400 rs. o covado ; dao-
    se amostras.
    Madapoloes
    MadapolOes com um pequeno toque
    avaria, de 3o00 a 59000 a peca ; e
    chincha.
    CH1TAS PERCALES
    Chitas pereales avsNtfdos a 240 rs. o
    vado; e pechitKba.
    SO1 0
    .V *0 4a rim do Crespo
    Loja das 3 portas
    DE
    Oitilierne 4C.
    Junto a loja da esqulna
    primeiro andar, acaba de receber am completo
    sortimento de calcados estrangeiros para hotnem e
    senbora, vindo entre elks um lindo sortimento de
    elegantes cbiquitos, sapatinhos e botinas para
    riancas, que tndo vende por precos racoaveis.
    de
    Pe-
    co-
    A Nova Esperanca, a rua thiqiie de CaxiM n. 63.
    apreesa-se em convidar a sens fregueres, eom es-
    peeialidade ao bello sexo a virem apreciar os se
    guintes artigos expostos a venda e todos por prec!
    comraodos, como sejam:
    F1NAS BONECAS mansas e ehoronas.
    HONITAS B KNGUAfADAS vistas para stenos
    copios.
    COMMODAS.LATAS para guardar cba.
    ELEGANTES BOLSAS para senhoras e'menina*
    BOSftOS VASOS com flna banha e cheiroso
    extractos, trazendo cada frasco um nome, nma ini
    oial ou um disiico.
    PINAS MEIAS DE SfiDA, \1ndo entre ellas coi
    de earae.
    Para ((item goslar.
    A' Nova Esperanca a rua Duque de Caxias o
    63, acaba de receber tenlos e caixas para o jqge di
    Voflarette.
    I'ar.'! qiH in % ITre das poruas.
    A Nova Esperanca, a ma Dauue de Caxias
    63, acaba de receber as ^rqnuradai mcias de bor
    fa'cha para qiiem spffre das bernas.
    FLORES artificiaes
    A Nova Esperanca, a ma Doqne ^ Casias
    63, acaba de receber um lindo e completo sorti-
    mento de Acres artificiaes das mdhores que terr
    1 vindo ao mercado
    A ellas antes que se acabeoi.
    Costumes para crianqa.
    A Nova Esperanja, a rua Duque de Caxias a
    68, acaba de receber bonitos costumes para criaags
    e estf ?e vendendo por precos razoaveis.
    BAZAR
    Rna do Barao da .Vicfwia o. 22.
    DE
    Carneiro Vianna.
    A' tste grande estabelecimento tem che-
    g'ado um born ortimento de macftinas para
    costura, de todos os autores maip acredita-
    dos ultimamentena Europa, cujas machinas
    sio garantidas por um anno, e tendo um
    perfeito artiste nam ensinar as mesmasy em
    qualquer parte aesta cidade, comb ,bem as-
    sim concerta-las pelo tempo tambem d'um
    anno eem despendio algu'in do comprador.
    Pieste eetabelecimento tambem ha.perten^aj
    para as mesmas machinas e se suppre .qual-
    quer pe^a que s'eja necessario. Estas ma-
    chinas trabalham com tdda a perfei^So 4e
    um e dous pospontos, fxarrze e" borda toda
    qualquer costura por fijia que seja, seus
    precos sao da seguinte quslidadc : para tra-
    balber a mao de 30&000, 40*000, 45>000
    eSOJOOO, para trabalhar com o $6 sao de'
    805000, 90000, 1005000, |ltJ^Q00,
    1205000, 1305000, 1505060,.2005*000 e
    2505000, emquanto sos autores n8o ha al-'
    tera^So de precos, e os compradores poderfio
    visitar oste estabelecimento, que muito de-
    verao gostar pela wariedade de Qbjeclor que
    A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias d
    : 63, racebeu um pequeno sortimento de anneis e
    , pulseira* electricas, proprias para quem soffre do?
    nervos.
    Vende se uma escravu'jnoca e sadia : na rua
    A$o Duque de Caxias n;24.
    45
    ALGODAO EiSVESTADO a 000 RilS.
    Veride-'se agedao enf-stailo a 900 rs. o
    metro, graMM pretas a 400 e 500 tweada
    uma.
    CHALES t)i: iA'A 8W) JtElS.
    ende-9e''Ch#le*deMa de qurtdros a 800
    rs/-ditos de meciito a 25, 35, 45', 65-
    QMJWmtfJ Dfi CBHA A< 15*00.
    Verrlese c<*er:as--feilasde chita a 1^5800,
    tmmm
    CORTINaDSS rARA 1ANEI,LA A 75-
    Vende-se oottinsdos para janeRaa7|5e
    85 o par.
    GOLCHAS m CORES A 25-
    Veode^se celcb?de cores pwa cama a
    5, e 30500, ditiis ftMMAOS l'ARACAMA A i4jl.
    Vende'se oortinatlos bordados para cama
    * 145, 165 e 205.
    COBKteFOttES BE FE1.LO AHMOO.
    Vendese eobertores do pell. a 15200,
    ditos soperiores a lf$8C0.
    Ci.VBRAlA RRANAA 35.
    Vende-se pecasde cambraia branca trans-
    ___________.______-_----- ..... ... !!
    Magnolia
    Na kja da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
    43, encontrara sempre o respeitavel publico um
    completo sortimento de perfumarias finas, objeotos
    dephanusia. luvas de Jeuvin, artigos de moda e
    miudezas finas, assim1 cos, agrado e sineeridade.
    Anneis electricos
    A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 4a, aca-
    ba de receber cs verdadeiros anneis e voltas elec-
    tricas, proprios para os nervoaos.
    Meios aderecos
    A Magnolia, a ma Dnque de Caxias n. 45, re-
    cebeB um compteto sortimento1 de
    Meioa aderecos detarteraga.
    Meios aderecos de madreperola.
    Meios aderecos de seda bordados, (ultima moda)
    e de muitas ontras qualldades.
    Botoesde a AMagrolia, a rua Duque de Caxias n. 43, tem
    para vender os modernos botoes de aco, proprkts
    para vestides.
    Golinhas e punhos
    das.mais modema? que ba no mercado ; a ellas:
    oa Magnolia, a rua DiKjue de Caxias d. 43.
    Leneos chinezes .
    A Magnolia/a rua Duqoe de Caxias,n. 45, re-
    cebeu uma pequena quantidade de lenijos de seda
    cbinezes, com lfndissimos desenhos, fazenda intei
    ramente ciova.
    Leques
    lindos leques de madreperola, de tartamga, de
    martlm, de osso, e de muitas outras quatidafles:
    recebeu- a Magnolia, a raa Duque de Caxias u-
    mero 43.
    Attencao.
    A loja da Magnolia, a raa Duque de Caiias n.
    45^ acaba de receber on ^gnintes artigos :
    -tfsiraaldemadreperola, tartarnga e marflm.
    Rioos albun.^ com capa..de madreperola, cba-
    gren, madeira, veiludo, couro, etc.
    Lindas caixas com firrnsirnas perfnmarias.
    LgMde seda.brancas ede ceres.
    .Vnltas-de nradtapeHrfa.
    Pnlseiras de madreperola.
    Ricas caixas para eostnra.
    Vestuarios para bapftsado.
    Toncas e sapatintros de setim.
    %!6demos abapebs de sol de seda para jenboras.
    Lindos port-b.
    Gravatinhas de yelludo, etc., etc.
    para <
    Para noivas.
    Araaral (bdMMO A; C. veodetn I Hi
    nissimas abertura.< de sajaMa de liJi
    misas, fronhas, iW Ubu.uUio c I i
    de larangeira, colclta de seda oe crurhet, earii-
    nados para cama e leoj. s b .rdaJo?, tud praaria
    para casarr.entos.
    Insignias ma Amaral Nabuco & C. vtndom kaanaa aicaa
    cas de differentes prao* : no auar Vet >ria, raa
    do Bario da trktarti n. I.
    A loja do Passo a raa Priaeiro dc Mar?, a.
    7 A, receben pelo ultimo paqu?te, wn ricj mento de cbapeos para seuaor^, ultima '.*
    vende pir preco contmi-do______________
    e W.
    Palitots de riscado a 15-
    Paletots de alpaca do cores a 25-
    I'alttots de a paca preta a 35, 35500,
    e -55.
    . Paletots de panno preto a 55, G3>, 85, e
    105000.
    Pah tots de casemira de cores sem defeito
    a 45.
    Cerooli.s de algodao a 15. ditas de bra
    mant- 15500.
    Camisas de chta de cores a l,->280, e
    10400.
    . Ditas braucas com peito de cores a 25-
    Ditas braneas finas a i>, -2*500. 35 e 45.
    D-ites ftnas de riscadinho francez, a 35.
    Ditas tie cretoue a 35500.
    Colletes de casemira de cores a 25, 25500,
    35e45-
    Toda esta roupa se vende assim barato
    para liquidar.
    BRIM BRANCO A 15.
    Vende-se brim branco a 15 a vara, dito
    fine-a 15400 o 25.
    ESGU1AO FINO A 25.
    Vende-se esguiao de linhj fiuoa 25000,
    2$500 e 35 a vara.
    FAZENDAS PRETAS PARA LITO.
    Merind preto fino a 2^500 o covado.
    Bombazina preta lina a 15600 e 25 o
    covado.
    La preta fina a 500 rs. o covado.
    Ghita preta lisa e com (lores a 210 e 320
    rs,fo oCvado.
    Alpaca preta a 500, 640 e 800 rs. o
    vado.
    Cantao preto para luto a 152' 0 o covado.
    Sarja de la preta propria para calcas a |
    640, 800 e 1*200 o covado.
    Outras muitas fazendas pretas que seven-'
    dem barato. no Bazar Jiacional, rua da Im-jPara OS lOgOS do S. Ante
    peratriz n. 72.
    \endem
    Wilson, Rowe Em seu armaaem a rua do Tiapichc a,
    guinte :
    Algodao azul amcricaixi.
    Fio de vela.
    Carvao de pedra de todas as qualidauc?.
    Tudo muito barato.
    Ultima mo'la.
    A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. '*. re-
    cebeu um lindo sortiment) de bi it : aa
    de cores, apropri.-wiws aos vestidos ti ffie# at-
    tualidade.
    CHA'
    Verde e preto superior.
    Preto a :<*000 o 1/1 kilo.
    Verde a 3*500 o Na rua do Marques de OlinJa n. >0
    antiga i'a Cadeia .
    Aos Srs. fosnieieiros
    8^RUA DO BARAO DA VICTORIAN
    vendem Lvra & Vianna os seguiates cal
    ha sempr? pam vender, como sejam : cadei-^ados'.
    ras para viagem, maias para viagerp, cadel-r* gj de tran" marc* ras para selas ditas de balanco djVts para! DiI09'd3 ^ ,deITli Kjen^iem par li$00.
    crianca dnuasj, ditas para escolas, costufet-j djios de uasimjra preta, para homem, dazia
    ras riquissimas, para senhorn. despensaveis 18jr00.
    para ericas de todr.s as alidades, camas JJ^J'Sj,^^lA
    de.terro para..hoj&tm.e cn&ngas, Gapachos,
    espelhos dcurados pr.ra. sala, grandes e pe-
    q'uenos, apparelhos de metal para chi, fa-
    aaqirgs com cabo de metal e de marfim,
    ditos avulsos, ccdheres de metal lino, condiei-
    ros para sala, jarros, guarda-comidas de
    arame, tamp8s para cobrir pratos, esteiras
    para forrar sales, lavatories completes, ditos
    simples, objectos para toilette, e outros raui-
    tos artigos que muito devemagradar a todos
    que visjtarem este grande estabelecimento
    que se acba aberto desde as 6 horas da ma-
    nna ate as 9 horas da noute i
    Rua do Barao da Victoria n.
    22,
    finos, duzia
    par 1-4800.
    para memoes, dOa 31. par 2J e
    4A500.
    Bolinas cordovao de Pulak, para bomem a 10*1.
    Ditas de bezerro i lem, id?m, Idem 104.
    Ditas de vsqneta para menirfo a 9} e 6f.
    Ditas ingletas, idem, idem, 84 e 6t-
    Ditos gaapiados para senhora is e 5p.
    Chiquitos inglezcs para cria;a tlje jjSOO.
    VENDE-SE
    nma easa na villa de Barreiros, na rua do Com-
    icrcio, por prec/) modico: a tratar com Tassc
    Irmaes 4 C _______________
    Tinta preta para escrever
    Vende-se tinta prela (ingteza) para escrever, eu
    potes grandes e pequcnos: na ma do Q>mmercic
    n. 22fcarmazem.
    NOVIDADE
    Grande liquidacao de
    Rna do Livraaiento n. SO.
    Lazinhas dc bonitos padroes de 160 a 240 rs.;
    alpacas de todas as cores e boa fazenda a 240 e 400
    rs. o covado ; chitas escuras e claras a 210 rs ;
    baptistas modernas a 280 rs.; precales finas a 320
    rs.; nretins de todas as cores e de boa qualidade
    a 240, 280 e 320 rs.; carr.braia de cores a 210 rs.
    o covado ; chapeos de veiludo e palha para senho-
    ra a 44 I vestidos para menino se baptbar a 34 I
    muscelina de cor muito boa fazenda a 280 rs.;
    chitas roxoS a 200 rs.; ditas pretas a 200 rs.; ma-
    dapolao a 44, 34300, 54800 e 64 a peca ; dito
    francez a 34, 64 e 64500; algodao a 24300, 44,
    44300, 34 e 5$500 a peca; toalhas para rosto a
    360 rs. ou 44 a duzia ; diias felpudas finas a 800
    rs. cada uma ; cortes de casemira a 44SO0; ditos
    de brim branco e de cores a 800 rs., 14 e 1IK00;
    ditos de brim de linho brancos e de cores a 24;
    aJgoJao azul a 84 a peca, com 41 c 42 jardas! I
    damasco de la com duas largura* also covado I
    leneos de cassa pequenos a 700 rs. a duzia 11 da-
    zia de leneos de linho, com uma bonita caixinha
    por 243001 I cambria branca fina a 34, 44 e
    it300 a peca ; bamburgo proprio para toalhas,
    lencoes e ceroulas a 360 rs: a vara I algodao azul
    e m ^sclado proprio para escravos a 160 r. o co-
    vado ; coletes de casemira preta e de cdr a 24300 I
    ditos de brim de cor a 24; leneos brancos a
    14600 aiduzia ; meias finas para senbora a 44 ;
    e outros muitos artigos a vontade do comprador.
    ChegHeni antes qtie sc acabc.
    Nao duvidem.
    SM 45
    Rua do.Qiiciauado n. -A3, dcfi-an
    e da pracu da Indepeucia
    Venbam ver como se queima
    Cambraia trarrsparente, fina, a 24800 a peca.
    Dila Victoria, fina, a 30 idem.
    Baptists de linho muito larga a 400 rs. o co-
    vado.
    Chitas pretas com salpicos a 100 rs. idem.
    Ditas de cores, benius, a 9i0rs idem
    Carabraiaa de cores, miudmhas. a 210 rs. idem.
    Brim pardo fino a 360 e 400 rs. idem.
    Lenses de bramante a 24 um.
    Cobertas de chita adamascadas a 34300 e 44000
    nma.
    Golchas de cores a 24 uma.
    Mussulina branta a 280 rs. o covado.
    Percales finas de jnadns a '. 20 rs. idem.
    Madapolao fino a 44 e 84 a pe-.a.
    Dito francez, fino. a 64 Idem.
    Algodao T a 84500 e 4|5(0 idem.
    E tambem outros objectos, per precos qoe ad-
    mira, e para apurar dinheiro Se o 43.______
    S. Joao e
    S. Pedio.
    Limal: a de aco.
    Limalha de aco d'agulha
    Lima!! a de ferro.
    Limalha de retire
    Limalha de zir.co.
    Salitre refinado, harbanle e aaaafta.
    Artigos todos de primeira >,u
    Vende so muito bmta
    KA
    Pliarmaciu c !roi; ;ria
    DI
    BARTHOLOHEl <$ < .
    34-Rna Larga do Rosari-i '!'..
    Especial idade
    Viiiho particular, puro |pe-
    nuiaa.
    Acaba de chegar ao mercado algun- i arris da
    viDho do Alto Donro. peeial e uaica-n.Mitc pre-
    parado do extract" da uva e iseato de nv ;jr
    confeccao, sendo muit> mais braaJ, aai -i Fi-
    gueira, o auc o torna recommenJav-i H
    que agrada ao paladar e prefer! vel a lad
    tfos vinfros de pasto.
    Acha-se a venda nos amazens de W
    drigues Mendes. S..uza Basto &("'... Fera .
    Cosu & C.

    SALSAPinilLH \
    DE
    RBISTOL
    k Barateiro!!!
    Grande hquidacio de camisas inglezas, fracce-
    zas.suissas. de todas as quatidafles ego;tos a 154,
    174, 184 a duzia B' para admir.-r.
    Sortimento completo de cami-as de iinho com
    pequenos deffeitos por tao pouco dinheiro! I faz
    mister virem apreciar o grande queima ; a ellas
    a ellas.
    Chapeos de sol de seda para semV ra a 34000 I
    dar-se ha o caso que nao acreditem I
    Metins francezes, escuros, brtneados a 210 rs. o
    covado, nlino! ac bando, estamos fazendo grande
    abatimento.
    Sonarua Primeiro dc Marco n. 1.No B*r"
    eiro. _______
    Vende-se na iltaa de S. Miguel it ahjueires
    dejterreno e uma parte em um sonrado : traur
    na rua Imperial n. 118.
    CURA OS CASOS MAIS DESERTER A DOS
    A SAPSAPARRILHA DE BRISTOL farv
    fica a massa do sangue, expcl'.c para fc-ra
    todas as materias e fezes viciosas e frnpuraa.
    regula todas as serrecfies, da vitalrdade a
    energia a todos os orglos c da f-irra e vi-
    gor ao systema aian de poder melh'.r rea-
    tir a todos os ataques da eirfenuiuade. E*
    pois este um remedio corutitwional. Elk
    nunca dlsUroc aflra do poder curar ; poriai
    constantemente assiste a nalureza. 1'ortaota
    em todas as doenr,as eonHituciomMt eem la-
    das as mokstias locoes dependmte dm m-
    tadovicioto e impe+feilo do systema t n. gt-
    ral, acbar-se-ha que a Sxisacarrilia M
    Bristol e um remedio soguro e uffitamw
    mo, posstrindo inf-stima\ets e ineootesuvaii
    vrtudes.
    As curas milagrosas de
    liwrrofulas.
    I Iccrus.
    C' kaaaa an 1 i#ran,
    ENFKRMIDADES S^'HlLFn'CAS
    BRSinU0,
    RHF.l'MATIS.wo,
    i\EVRAI.".'\S,
    BSCOnB TO,
    ETC., KTC... t< ..
    que tem grangeado e dari o alto raaadaa
    Salsaparrilhn le Bristol
    por todas as partes do i varao, aao flaa *.
    mente d> \m i
    UN1CA LEGlTI-r, :0*KUUL
    Salsaparrifho PHARMACIA CESWAL


    r
    v..
    8
    X
    D^ario de Pemambuco Segunda feira .25 de Maio de I8T4
    VAMEDADE
    j ueenstown. d as nu n d is estabelecitnentos de natagio
    MOVIMRNTA MAiTiatft tpdnMT.t B"llas uma das experiencias mais in
    OHM rOMAH WETERRESTtX teressantes. Tratava-se do ensaio, feito em
    "JIEPm ,872or,eAlf1*f'm ?0S diver80i P01*103 Prei>n^ de alguraas" pessoas de'wmpeten"
    ^ HFRAGIO.-No dia 15 de abril foi en-
    ,conlfaVdo :*m, *l'Jon0' ha Ut. u: "* 50'
    e Ion*. 0. 6 W ^lo. YaPr ,n,ez Vay.
    o vapor francez Anc *ae ,J em 8em
    de New York para o ,,avre' ten,.d<> 8 a
    10 pesde agua nas fornadL.'* nos Pa'6*,de
    carvao, e foi rebocado para o ,n,)rl? d Ply-
    mouth por aquelle vapor e rials' y. .B*rr!f
    pedindo os salvadorcs 20' ,0 Jo Js -,n'ltjm-
    Disagao pelo salvamento. j
    Urfn |'nbansidVomf>i^^ co>n o ptopjMfannlc* 65,0o0 navios com 21 milhdes de tern privilege na Belgiea, Franca
    < n i? T V^ Cede.rele p0r ^oa0|tond!,,jM- A mannhe merca.ite ingleza terra, Adeoanba e em outras nico* As
    o seu interesse n este salvado. A somt. compde-se hoje de 37,000 navios
    nav . raarinha mercante compu- de urn apparelho, ou para melaor expli-
    ;m?!-Hofi'n,nnJT de^(h8M.c;Mse8' c. d na especie de\estOario de traier
    demabdeOO toneladas. Oi caminhos de por ci.ua do ordinario, que nio cau o
    7 rePresent*vain ,e^XplOMSao U08 ni,nn incoMmodo e que se haSis!
    18,23) kilometros e 3,009 em construe- comas vestes mascu'inise
    cao.
    femininas, ten
    , do por fj n t mar insubmersiveis as pessoas
    ."?T0 entraram nos pertos bri- que USirem della. Esta uUl invents > jd
    rer-lbe-ha paga dous tatCj pelos segur do-
    es da Franga e Inglate. ra, e o outro tergo
    pela companhia que n'esta porporgao se se-
    gura a si mesma.
    Falta ainda tratar com o dono do segun-
    do vap r que ajudou ao reboque o Barry:
    ospera-se chegar com esta ao inesmo resul-
    tado.
    Feitoistoo America pirtird para o Havre,
    com a sua carga so em parte avariada Eu-
    tio d"scarregado e ciitrando in doca, se co-
    nhecerd qual a causa di agua qie fez.se
    foi rouibo, ou lesdo, ou simples desconjun-
    tamen.o por terem cabido alguns rebites das
    places.
    Algumas folhas francezas d'aceordo a opi-
    nido publica vivamente excitada pelo nan
    fragi) do America, roquerem um escrupu
    loso inquerito sobro as cjasas d'esta siiiis-
    tro. Sue essivameiito e em poucos dias pe-
    roce/am 'res grandes p:quetes fran:ezes
    trans.itia iticos, o Europa o Vilte du Havre
    e 0 .1 rnerica.
    Estes Ires navios todos t attain na Ingla-
    terra, em New-Castle, passadopela opera^ao
    dc aloiigameiito, o um quarto navio 0 Fran-
    co., acaba de sahir dos estaleirjs inglezes de-
    pcis da uina identica transformagao. A
    companhia de seguros o Lloyds, tinha-os
    qualilk-ado todos quatro da 1* classe.
    Estes desastrcs, porem. exigent u n miu lo
    inquerito para seguramia do publico, e cre-
    dito de uma grande compan'iia de navega-
    5S0 transatlantics largameutesubsidada pe-
    lo governo.
    dos
    QB96M.
    registra- exnerieucias foitas deram os melbores resul-
    KAUFRAGIO DO EUROPA.Os jornaes
    inglezes publicam o relatorio seguinte do
    cornmandante do vapor Egxjplo, que aciba
    dechtijar a Queenstowa, sobre a perda de
    um paquete a vspor francez 0 Europa, que
    teve lsjgar a 4 do corrente :
    IDd-se d vista um vap ,r a pouco m is ou
    men .s 8 milhas de distancia para su leste
    arvor 0 tiro de
    perigo.
    Amainamos as velas e fazemos rota para
    0 soccorrer. Reconbecemos que 0 navio
    em perigo 6" 0 paquete a vapor francez o
    Europa e que tain a bordo outra tripola-
    (80.
    Pedem-me lhes en vie uma cbalupa para
    coramunicarem comigo.
    Chega a chalupa, com effeito, e prolonga-
    sa com 0 Egypto, tendo a bordo Mr. Buck,
    printiiro officinl (segundo) do vapor Grecia.
    Aquelle official diz-meque, a -2 de abril,
    uma hora da tarde, so avistou um vapor
    ao sul, navegando como el.e para Nova-
    Yoik. Aproximando se, vio que igava um
    pavilhao de per go, pe limlo auxilio prom-
    ote. Dada resposta ao seu signal, fez segun-
    do, assim coneebido : Vamos a pique.
    Teudo-uos aproximado at^ ao alcance da
    voz, pedio nos quo descessemos a"s nossas
    cbalupas para salvar 05 passagairos. Pela
    sua parte o Europa poz a n;do as suas ch :-
    Iup.-is, por um mar cavado de noroeste. Ape-
    zar do tempo, conseguimos no entanto trans-
    port.-r'para bordo do Grecia todo 0 pessoal
    do Europa, passageiros e tripola3o, com-
    f l9-,0jom. rels,r'jr- A nport5to tados e ve-sa que 0 apparelho attinga per-
    f. de 35^,000 boras sterhnas e 250,000 4 feitamante todos os ftns para que i desti
    expi^rtdc^o. A esquadra consta da 416 ua- nado.
    vios, JW vapore*, 54 blindidose 55 de ve-1
    la. Os navios a vapor moutam 5,216 ca- EXCENTtllCIDADE INGLEZA. N) tri-
    nhoos. Dwde 1871 possne a Gr5 Bretanha h\itl de policia correccional de Westmins-
    mais de 24,000 kilometros de caminho de tor (Londres) compareceu William John-
    ferro em explaracSo. son, major em disponibilidade, accusado
    1 de impadir o transfto em lugar publico,
    EXPOSI^AO DE LONDRES.Le-se era promovendo ajuolamanto de povo. 0 ic-
    um artigo quo 0 Standard de Londres pu- cusado fardalo con 0 seu uoifurme militar
    blica a :erc > da axpo3t'tiao internacional, 0 e armado com uma enorme vassoura varna
    seguinte : ,a rua na proximidade do palacio do parla-
    Dirigindo-nos para 0 ediGc'o Albert mento. Todos os viand mtes paravam a
    Hall, deparamos com bello* especimens de contoraplar estas ingularidade, e a agglome-
    photographias 0 gravuras, assim como de fa?o de gaote fui tal que a policia teve de
    outros productos anisticos. Na galeria su interyir para obrigar 0 improvistdo varredor
    perior a colleccAo ethnologica esta* ainda e ratirar-se,
    incompleta, o Sr. Scrivener, que- e 0 em-1 0 accusado apresentou m> juiz um ca-
    pregado por parte das alfandegas, io meio deroo de papei manuscripta, dizando que
    de um montao de cascos e garraf,is, em n'aquella exposigao estava a soo defeza. O
    quanto que os cxpositores fazem quanto j"'z nao to noo coiihecimento do documen-
    Ihes e" possivol para dar uma apparencia to offerecido por tratar de objaeto estranho
    inimada a* regiao subterranea, e.n que os 4 accusagao, e perguutou ao accusado se
    dire tores da exposiga> os collocaram. Aslelle se obrigava a n3o- repetir a pratica de
    massissas paredas estio admiravelmenta .actos, que excitav9na' a curiosidada publi-
    limpas. Nao ha urns teia de aranha era-car e impediam o livre- transito dbs ruas
    todo aquelle recinto, nem 0 menor signal Ideclarando que com es^a siraplas prorarssa'
    de hun.idade Se exceptuarmos a baixao accasa lo podia ir em1 paz e livre.
    architecture, tudo alii e vasto, coraquanto, O accusado respond-;!* : que s6se-eom-
    o lugar n8o tivesse sido destiuado ao tim proroettia a na> praticar cousa alguma*ille-
    oara quo serve. Portugal manda 25,00Jjgal r que tmba uma pretenc^o justissimi
    garrafas de vinho, alem de gran le numero ha muito tem.jo apresentad, e que ainda
    de cascos do mesmo producto. Entre ou- "
    tros ha uma pipa de vinh> do Porto rigo-
    rosamente genuino. De Hespanha temos
    um especimen curioso de um vinho ordiaa-
    rio, que nunca foi mandado para aqui.
    Ha 120 pequenos barris que.se diz conte-
    nds a idea das sociedades
    vas, nao deixara" de serlilo eom interesse
    0 seguint,-, qua traduziinos de uaa folha
    estrangeira :
    0 congrf sso annual das sociedades coo-
    peratives uiglezas, teve lugar este anno na
    segunda-feira de Paschoa em Halifax. Es-
    tavfe prasentes 200 representantes de di-
    versas associagoes, vindos de todos os pon-
    tos do Reino Uuido. Presidio ao congreso
    0 Sr. Brassey, membro do par!ameo'.0/que
    abrio a sessSo por um discurso moiio nota
    vel, do qual tomamos os seguiules perio-
    dos :
    E'
    rem v naos todos di versos no gosto, com. que Ihe assistia.
    nao tivera solugao e que re';orrara aquelle
    raeio. de varrer a rua umforraisado, para
    ohamar a attiogao- dos membros do paria-
    mento sobre a sua pessoa, e- por esta forma
    obtet um despachc-;: que na exposigSo que
    apresentou ao juiz estava prowdo. o direUo
    preli'.udendo ao todo 400 pessoas, sem que
    occ-jrresse 0 menor incidente. A gente de
    bordo partio com a uuiea roupa que absn-
    donou 0 convez depois de todos estarem
    salvos.
    As 7 horas e 30 iniautos da noite, 0 c*-
    pitao ThoHiaz, os seus officiaes, 0 maclii-
    nisti em chefe do vapor Grecia tiveram uma
    consalta, na qual sa decidio quo se dirigis-
    sem a bordo do Europa para lhe fazerem
    uma inspect;ao geral.
    Fez-se a visita, e vio-se que as fornalhas
    estavam ainda acesas, mas que 0 vapir es-
    tava partido, e havia seis pes de agua no
    com aortamento da raaquiua e no paiol do
    carvao: a agua chegava '] as laminas do
    compartimento das fornalhas, s'mdaram os
    outri>s compartimentos e achou-se um pe
    d'agua no da pdpa, e pouco mais ou menos
    a mesma quantidade no da proa. Termi-
    nada a inspecgao, voltaram para bordo do
    Grecia, e annunciaram ao capitao Tho
    maz 0 resultado da sua visita ao Eu-
    rope.
    0 capitao resolveu entao fie r toda a noite
    ao lado do navio em perigo.
    A 3 de abril, as quatro horas da manha,
    os mesmos individuos voltaram do novo a
    bordo do navio abandonado, e acharam que
    a agua tinha augmentado consideravelmen-
    te n^i camara da maquina e nos paioes;
    fizera-n 0 seu relatorio ao capitao Thomaz
    que entao decidio continuar a sua viagem,
    tendo que alimentar a bordo mais de mil
    pessoas.
    0 official Bu.'k. segundo do Grecia, 0 4'
    official o doutor Mr. Guire, e trinta homens
    da triploatjao offereceram-se voluntariamen-
    ta pan toraarem conta do Europa e fazerem
    quanto po.-sivel afim de 0 conduzirem a
    um portoqualquer, fazendo jogar as bom-
    tjas constantemente.
    A. 4 de abril, (e" 0 capitSo do Fgypto que
    faila agora ( eu chego d vista. Fizeram-me
    um signal a perguntar-me se quoreria rebo-
    car o Europa.
    Mr. Buck 0 segundo do Grecia informou-
    raii que se eu lhe enviasse alguns dos meus
    homens para 0 ajudar a preparar os meios
    de reboque, elle esperava poder saltar o na-
    vio.
    Anuui dquelle peJiJo ; lancei immedia-
    tamunte as minhas cbalupas ao mar, e man-
    dei p.issar dous calabres para bordo do
    Europa. A operagao deu optimo resul-
    tado.
    ln:';dlados os calabres, tornei a pdr-me
    em ir trcha, de vagar ; mas ao Qib de al-
    guns mtantes, tendo que supporter toio 0
    peso Jo reboque os dous calabres quebra
    nm-Ku [.or estar 0 mar muito grosso com
    uma ventania forte bastante, tenlo 0 baro-
    xnetro descido cousideravelmentecom indica-
    gao de nuio tempo
    . N'esta sHuagdo, decidi-me a recolher a
    bor.io todos quantos se achavam no Europa,
    operaga.) que se fez sent incidente.
    Quindi Mr. Buck deixou 0 Europa, ba-
    via dozoitn pes de agua no quarto da ma-
    quina e nos pai6es, oito no compartinen 0
    da pro's e ties-node pOpa.
    quanto 0 grao de diffarenga deva ser muito
    pequeiio entre elles. A julgarmos pala pro-
    va q e fizemos, sao todos muito agradaveis,
    e teem uma linda cor de rubim
    Como especio da ann?xo ds ade^as de
    vinho, ievemos mencionar un angulo mui-
    to interassante no quadraute de 16ste, em
    que 0 Sr. J. A. Fladgate, ou segundo 0 ti-
    tulo qua tern em Portugal, o Sr. barao da
    Roeda, expoe um modelo que comprehends
    12 acres da sua propriedade na margem do
    Douro.
    a Alem de grande numero de videiras e
    arvores, 0 modelo co nprehende a casa de
    habitagao do proprietario, a dos operarios,
    os armazens de vinho e de> azeite, as pren-
    sas, lagares e adega*. a casa do bicho da
    soda, etc. Asuperficie do modelo e" cober-
    ta de terra da quinta, sendo todos os por-
    menores indicados muito distinctamente.
    Ha timbem um modelo de um barco do
    Douro, e modelos e photographies de va-
    rios objectos, que teem relagao com a pro-
    ducgao do vinho e do azeite no Alto Douro,
    e alem disso um mappa excellente de que 6
    autoro Sr. J. J. Forrester.
    Pelo que respeita As a degas, a sua
    abertura e adieda para 0 1 de maio.
    TRATAMENTO NAS AMPUTACOES.
    Ld-se o seguinte em uma folha estrangeira :
    Na academia de sciencias de Paris foi
    lid i pelo Sr. Alfonso Guerin uma memoria
    sobre a influencia patogenica dos fermentos
    nas enfermi 'atles cirurgicas, e sobre um
    novo methodo de Iratamento nas chagas de
    amputagao.
    A memoria do Sr. Guerin tem summa
    iir.portancia.
    E' sabido que todas as enfermidades
    cirurgicas, a mais terrivel e a chamada
    doenga contagiosa, conhecida pelo nome
    de infecgao purulenta de pyohemia, e a
    que se pode chamar com razao 0 typho ci-
    aurgico. Para essa enfermidade sao fataes
    e maior parte das operegOes cirurgicas, a
    routo de que durante a guerra de Franca
    e6 se salvou um amputado por cada trinta,
    d os medicos preferiam antes deixar correr
    sos feridos a atrevida probabilidade de um
    curativo operado pelas forgas da natureza,
    do que expo-los a uma morte quasi inevi-
    savel. Porem, se essa affecgao, que apre-
    tenta a maior parte dos symptomas das fe-
    bres paludosas nao p6de curar-se sem duvi-
    da por causa da obsorpgSo repentina dos
    miasmas ou fermento, pode-se ao meuos
    prevenir 0 desenvolvimento e 0 contagio.
    Os miasmas nao sao mais do que fer-
    mentos que se multiplicand ale ao infinito
    nos focos de infecgao ; e tendo descoberto
    0 Sr Pasteur que 0 ar filtrado atravez de
    uma capa de algodao em rama ficava isento
    de fermentos, o Sr. Guerin teve a idea de
    applicar uma espessa capa de algodao so-
    bre as feridas da amputagao, e desde 0 dia
    em que principiou a usa-la vio curarem-se
    todos os amputados que teve occasiio de
    operar. 0 algodao, retido por uma forte
    cempressa, que impede ao ar infiltrar-se
    entre 0 membro e 0 envoltorio protector,
    mantem em redor das feridas uma tempe-
    ratura suave que e muito favoravel para a
    cicatrisagao. A compressa com 0 algodao
    deixa-se estar durante 25 ou 30 dias ; com
    ella 0 pas. ao abrigo dos fermentos, nao
    soffre nenhuma decomposigao putrida, e
    naturalmente 0 pri.n.iro resaltado e ver os
    enfermos sem febre, comer com appetite e
    nao experimentar nenhuma dor, nem ainda
    nos vebiculos de transporte.
    Ojuiz condemnou- 0 accusado a presta*
    umafiangada 10 libras para> n*o perturbac
    a ordem publica por espacj.0 de tres mezes.
    A ESTATISTICA DOS CONVENTOS NA
    AUSTRIA. Ha actualrnente na Cisleitha-
    nia, nada menos do que 25 ordens- reltgio-
    sss de homens e 27 ordens de'mulheres,
    contando 464 mosteiros e 290 canonicatos.
    Em 1851, pouco antes da reacgSo coh-
    cordataria, havia 417 mosteiros e 152 ca-
    nonicatos com 6,379 monges e 4,361 reli-
    giosas ; actualrnente ha 7,290 mongfs e
    6,001 religiosas, 0 que forma um total do
    13,291. Este calculo 6 feito pela estatis-
    ticade 1871.
    Desde 1851, o numero- dos eonventos dos-
    jesuitas tem augmentado consideravelmente.
    Nao havia entao senao *, com 16 membros.
    e em 1871 contavam-se 37, com 527 mem-
    bros.devendo accrescentar-se boje os jesuitas
    banidos da Allemanha.
    As ordens tiliadas dos jesuitas tambem
    tem augmentado seusivelmente.
    Em 1851 os de Loyola nao tinham um
    unico convento de homens, nem de mu-
    Iberes, e actualrnente existent 11 eonventos,
    com 205 habitantes.
    Os franciscanos, ordem mendicante, tem
    110 eonventos, ou mais dez do que em
    1851, e 1,451 religiosas, havendo n'estes
    um augmento de 176.
    Os benedictinos, em numero de 1,003
    occupam 21 esplandidas abbadia*, e sao
    no numero o mais ricos proprietaries de
    Austria.
    Os irmaos ignorantinos e as irmas, que
    apenas tinhim algumas casas antes da con-
    cordata, possuiam jd em 1871 : os irraaos
    7 eonventos e 93 religiosos, as irmas 49
    eonventos e 567 religiosas, sem contar uma
    alluviao de outros estebelecimentos, escolas,
    etc., sustentados pelas classes mais protegi-
    des.
    0 Tyrol 6 relativamente mais infestado
    pelos padres ; ha alii um monge e uma
    freira por cada 367 habitantes 1
    A baixa Austria possue 140 eonventos.
    Na Bukovina, n2o ha mais do que um raon-
    ga por cade 10,290 habitantes.
    Na Silesia havia 6 mosteiros e 13 eon-
    ventos. A Moravia tem 55 eonventos, e a
    Gallicia 136.
    quasi desnecessario damonstrar 0
    notavel desenvolvimonto qua torn tornado a
    nosst organisagaa cooperative. 0 numero
    tie ass iciegoes qua harem Inglaterra, c >m
    prehendeudo o paiz do Galles e de 74G e o
    de associados eleva se a 300,587. 0 capi-
    tal era acgdes e, em numero reJondo de 70
    milhdas de francos, e as transacg6es tarn at-
    tingido a a 275 milhoes. lando um bene-
    ficio Jiqiido de cerca de 20 milhdes de
    fraQCuS. Estas sommas eiiormes provam
    suffijieutemente que o principi da coope-
    ragao, applicado ao onsumo, a distribui-
    gao de generos pelos associados, 4 de uma
    applicagao facil e produz uma graade di-
    miuuigiio nas despezas domesticas.
    Da distribuigaocooperativapasso & pro-
    ducgdo cooperativa, 0 ramt mais interes-
    saote da moviment >. Um dos probleraas
    sociaes mais iinportautes e tambem dos
    mais diTi.jois da epoca acha-se na distribui-
    gio equitativa dos lucros entre 0 trabdho,
    0 capital e 0 talon to, isto e, a fceuldade
    mventi.,t que cria, e oespirito daorgani-
    sgao q-is sabe conduzir m neg?cio.
    Eis porque eu tanto desejo ver conse-
    guida 0 axperiencia do principio de coope-
    rav-aj adaptado a" industria productore. Fm
    uina fabrics cooperative. 0* productores
    reunem as daas attribuigoas, as duas fune-
    gdas- de capita-listas e de operario Alii nao-
    surgiriatn das^jualdades entre osopererios-
    e qua4quer inoSviduo que elle taxassem
    de monopolisedor. E' pois alii que se po-
    daria r-gular com a maior e^uidiide.a re-
    rauueragao do trabalho, e ossalarios dados
    serviriwn de padrto para delerminar qual e
    verded'iiremente o selariw justo em qual-
    quer rjrau de industria. K isso 0 qjte falti
    em todas-as quest5 seus operarios : um padrao estabelecido por
    um tribunal imparoial. A producgfio coo
    perativa em lar^a escala poderia dar-nos
    esse pa kao.
    0 cougresso durou tres dias, nos quaes
    houve nova audieneias, em qne se disvuti-
    ram todas- as format de cooperagao.
    cooperaU-jverno, sobre proposta das thasourarias de
    - fazenda e informagao do consolho fiscal.
    Art. 4.# Cada depositante receberi da cai-
    xa economica, para seu titulo de credito,
    uma caderneta, que seri rubricada por um
    dos directoros e cooteri ianpresso na pri-
    meira folha 0 resumo dos artigos deste re-
    gulamento, cujo conhecimento mais interes-
    fer eos contribuintes.
    A mesma caderneta sera" assignada pelo
    thesoureiro, e ao lado de sua assignauirs
    assignr.td tambem 0 depositante ou quem 0
    representar. So esta nao soubor escrever,
    far-se-ha declaragao desta circumstancia.
    (Modelo n. 11
    MAC ^0BIO. 0 Times of India conta
    que no dia 16 de margo morreu em Calcut-
    ta, na idade de 143 annos, um venerando
    mahometano. Como era padre da sua re-
    ligiao, nuncase tinha casado, e natural-
    meote e considerado hoje como um santo
    entre os mahometanos. Centenares de pes-
    soas, pertencentes a todas as castas, assisti-
    ram aos seus funeraes. .0 caix8o foi cober-
    to de flores, e as rues por onde passou foram
    todes regedas. De aldeias distantes 10
    milhas, foi gente eucorporer-se ao cortejo
    que conduzia 0 venerando velho a sua ul-
    tima morada, que era um jar im situado
    f6ra da cil:de e oseolhido por' r!|-.-
    prio.
    ToJaS is Cribus cwtiinram-se ptra -jit
    ja erguido um tumulo oo s.tnt;.
    EXCELLENTE DESCOBERTA.-
    NOVA ESPINGARDA ALLEMA.-O go-
    verno alleinao acaba de substituir a espin-
    garda de agulha, que fOra reconbecida in-
    ferior a Chassepot. A nova espingarda al-
    lema e, segundo se diz, muito leve, pois
    pesa 36 sete libras, comprehendendo a
    bayoneta ; 0 cartucha e" tambem mais leve
    que os ac'.uaes, de modo que cada soldado
    pode trazer 100 carges ; 0 alcance e de
    800 motros, com uma precisdo e uma ra-
    pidez de tiro bem superior ds da espingar-
    da de agulha. 0 unico ioconveniente que
    tem a nova arma 6 ser menos mortifera,
    por^m um soldado ferido e posto fora de
    combate tao bem como um morto, e a
    presteza com que uma guerra termina, n8o
    perraitte rece:.ar que um ferido possa tornar
    a entrar curado nas fileiras.
    A CABE^A DE BISMARK. 0 Ftooro
    publica um documento curioso : e 0 exa-
    me fren^logico do craneo do grande chan-
    ctller do imperio allemao. Diz assim 0
    documento:
    0 caracter dominante do craneo do
    LOCOMOCAO EUCTRO-MAGNETIGi.-
    Refere uma folha estrangeirav que na Ha-
    vana fez:sa um ensaio de loeomogdo elec-
    tro-magueiicj, veriuoad> na fundigao do
    Sr. Lambden. por D.Jose Ctmacho, oeeu-
    pado ha muito tempo na inwngeo de um
    motor electro- megueiico appltvevel ao& ca-
    minhos de- ferro urbanos. Consistio a ex^
    periencia em averiguar a forgade attnac-
    g3o de um- elemento essencial do referido
    motor, istoe, de um electro-itnan inven-
    ,tado pelo Sr. Camacho, o qual offerece mui-
    ta superioridade de forga tie- attracgao d
    dos electro-imans eommuns. Consiste 0
    novo electro iman era- uma se>ie de electro
    imans concentri^os^ habilmente dispostos
    para produeir a maior forga de attracgao
    possivel. 0 ensaio- deu 0 mais brilhante
    resultado, deixendo satisfactoriamoute re-
    solvido o grande problema de eeouomia do
    despeza nos motores electro-magneticos.
    POPULACAO DE LONDRES. Por um
    trabalho recentemente forraulado dcerca de
    populegdo de Londres, ve-se que 6 de
    3.356V073 hsbitantes a populagdo d'essa
    capital. A superficie da immensa metro-
    pole e de 132 milh:s quadradas. 0 carso
    do Tamisa e franqueado por 17 p ntes e
    limitado parcialmente por exceltentes caes.
    As eminencias da parte norte extreme, ultra-
    passam as de Roma. O consumo quoti-
    diano de agua e de 514:269 toaeladas me-
    tricas. 0 valor das propriededes subraet-
    tides a imposto annual e de 20 milhoes de
    libras sterlinas.
    Nas 53 semanas do ultimo anno houve
    121:400 nascimentos ou 2:285 por se-
    mana. Os falleciraentos foram em numero
    de 76:634 ou 1:416 por semana. 0 ex-
    cedenta dos nasoimentos e de 14:466 ou
    839 por semana. Esta differenga corres-
    ponde ao croscimento calculado de popu-
    lagao estd na ordem natural. Todavia e de
    notar que ha constantemente uma emigra
    gao de gento nascida era Londres.
    Sr. de Bismark e uma rotundidade com-
    plete : dir-se-hia uma bala de canhao. Nao
    se ve cavidade alguma nem a mais leve pro-
    tuberancia.
    Esta conformagao indica a presenga de
    ddses iguaes de todas as faculdades boas
    ou mas, que se equilibram mutuamente
    sem nunca se dommarem. Julguei ver
    uma ligeira protuberancia no ponto onde
    Gall colloca a temeridade, porem como nao
    pude distinguir rebaixe algum no ponto da
    prudencia, deluzo d'isso que se 0 grande
    chancellor se ve inclinado com freqaencia a
    tentar alguma cousa temeraria, a pruden-
    cia contem-n'o no mesmo tempo.
    Esta rotundidade do craneo tera-ff no
    tado em alguns homens que tem mostrado
    pro-jo equilibrio mais perfeito de todas. as facul-
    dades iutelloctuaes como Napoleao I e 0
    famoso bandido inglez Jack Shepport.
    AS SOCIEDADES COOPERATIVES.
    gora qua se -estd propalar.do muito entr*?
    J0R1SPRDDEWCIA
    MINISTERIO DA FAZENDA.
    Decreto n. 5594 de 18 de abril de
    I9#4L
    Convindo estender as provincias os bene-
    ficios que se tem colbido da caixa econo-
    mica e do monte de soccorro, fundados nes-
    ta eorle em conformidade da lei n. 1083
    de 22 de agosto de 1860:
    Hei por bem, de accordo com 0 pensa-
    mento da citada lei de 1860 e a de n. 1507
    de 26 de seterabro de 1867, em seu art.
    36, 1, crear nas capitaes das provincias
    caixas economic as e montes de soccorro, ob-
    servanio-se para esse fim 0 regulamento
    que com este baixa, assignado pelo viscon-
    de do Rio-Branco, conselheiro de estado,
    sen'ador do imperio, presidente do conselho
    de ministros, ministro e secretario de estado
    dos negocios da fezenda e presidente do tri-
    bunal do thesouro nacional, que assim 0
    tenha entendido e faga executar.
    Palacio do Rio de Janeiro, em 18 de
    abril de 1874, 53. da independencia e do
    imperio.Com a rubrica de S. M. 0 Ira-
    perador.Visconde do Ria-Branco.
    CAPITULO I
    DAS OPEKACOKS da caixa economica.
    Art. 1.* A caixa economica creada em
    cada uma das capitaes das provincias, em
    virtude da lei n. 1083 de 22 de agosto de
    1860, art. 2*. $ V e 14 a 16, e da lei 11.
    1507 de 26 de setembro de 18t>7, art. 36,
    1*, tem por fin receber pequenas'quan-
    tias, fructo das economias das classes menos
    abastadas, a juro nunca maior de 6 /, an-
    nualmente, e capitalisar esse juro no fim
    de cada s-m -stre do anno civil, asseguren-
    ') a garantia Jo governo imperial a Gel
    r. 31.1 ;i.;a 1 do qae pertencer a cada deposi-
    tan", qusn lo elle o reclame:- n^stermos do
    present'! roguJamenlo.
    Art. 2. A caixi ecou,m:ca podera Lor
    caixas filiaes i-as cidades ou villas dj inte-
    rior, cujas necessidades 0 reclamarem.
    Art 3. A tna do juro dasquantias de-
    pesitadss so_d fixada annualmente pelo go-
    Art. 5. A caixa nao receberi senao en-
    tradas de 19 ou de multiplos desta quautia;
    noo podendo exceder de 309 as entrcgas
    fe las em cada semana pelo mesmo deposi-
    tante.
    Art. 6." Logo que as quantias deposiladas
    na caixa perfizerem, com os respective* ju-
    ros, a soama de 4:OOt??, so esta impir-
    tancia continutrd a veneer premio ; deveu-
    do 0 excedente ser conservado em deposito,
    sem juro, eioqaanto nao for reilamado pelo
    depositante.
    Art. 7." E' permhtid> no depositante re-
    tirer em qualquer tempo toda ou parte da
    quantia depositada e seus juros, pr. venind.*
    aogerente, com antecedencia ao menos de
    oito dias, se a importancia, que qaizer reti-
    rar, exjeder de 100.
    0 gerente poderd remitter aquelfeprazo,
    quando jolgar que nao ha nisso inconve-
    niente.
    Art. 8.* Qtiando qaalquer pessoa tiver
    de- effectuar pela primeira vez 9 dep< sito de
    alguma quantia-, o guardt-livros deve.i ex-
    tribir de livro de taloej um conhecimento
    por elle assignado, mencionan lo o none do
    depositante, sua id.tde, estulo, profusao-,
    naturafiiiade, moradia, quantia depositada e
    o numero da_ caderneta qie lhe couber, e O
    dara ao mesmo depositante para apresenta-lo
    ao thesoureiro. Lte,. reeebendo a impor-
    tancia do-deposito, a lau^ari na cadferneta,
    que rentetteri, bem comoo mesmo cooheci-
    utento, que tambem assipjari, ao referido
    guarda-liyB>s para qae;-depois da declarer
    no'primeiro daquelles doeumentos o livro
    e folio da respactiva conta'corrente, o entre-
    goe'fto depositante, arshivawio 0 conheci-
    mento. (Modeto n. 2).
    Art. 9. Para continaaeao dos deposkos
    proceder-se-h de conformidade com o arti-
    go aotecedente; so mencionando-se, porem,
    no eonhecimeatoo none do depositante, a
    quantia depositada e o numero da caderne-
    ta, ua qual tarabem se nfio repedira a decla-
    ragao do livro e folio de eoata corrente.
    Art.. 10. Para- realiser-s* a retirada de
    qualqiier deposit,.0 guarda-livros-eitrahird
    um conhecimento de livro de takVs, confor-
    me o modalo n,3# para d vista deUe 0 the-
    soureiro effectuar a entrega.
    0 depositante, aoreceber a-qaaotia, as-
    signariou alguerai a seu rogo,.se naosouber
    escrever,. nao so 0 mesmo- conbeeimento,
    comoolengamento feito in oaderaeta, qua
    Hie serirestituida pelo guarda-hvr&s depois
    de feita-a competeute escripturagdo no livro
    do contas oorreutes.
    . No caso de reuVar-se totla- a quantia em
    deposito, a caderneta devera". ser arcbivada
    pelo guarda-livros.
    Art. H. Psra o-deposfto 01a retireda de
    quantias pertencentes ao pesulio dos escra-
    vos, de que trata 0 art. 48 do regulamento
    que baixou. como decreto n. 5135 de 13 de
    uovembro de 18-12; deverd preceder autori-
    sagSo do juizo de orphans-; e no conheci-
    mento e que se refere o ert. S9 do presente
    regulamento, bom como na respective couta
    corrente, far-se-ha tambem mengao do no-
    me do senhor ou possuidor do escravo.
    Art. 12. As quantias quj forem deposita-
    das na caixa economica, ou defies retiradas,
    deverao ser immediatemente-langadfts ne co-
    derneta e escripturedes no livro de contas
    correntes.
    Art 13. O1 thesoureiro assignard com o
    guarda-livros os langamentos- de deposito ou
    entrega, 0 com 0 depositante os do rttirada,.
    que se fizerem nes cadernetas.
    Art.. 14. Nao se ellectuara retira la de
    quantia alguma sem que as addigoes langa-
    das na caderneta sejam previamente roiifiwi
    das com 0 livro de contas correntes, deven-
    do 0 empregado, que fiaer a conferencia,. es-
    crever e assignar a verba de conferencia.
    Art. 15. Nao se effectuard entrega alguma
    de quantia depositada senao ao proprio de-
    positante, ou a seu legitimo procurator, re-
    presentente ou herdeiro; e no caso de du-
    vida sobre a identidade de pessoa, deverd
    ser esta reconhecida por uma ou duas pes-
    soas que fagam fe.
    Art. 16. A caixa economica, que abona
    a sens depositantes 0 mesmo juro que lhe e
    garsntido pe!o governo, comegard a conta-
    lo desde 0 dia seguinte ao da entrada do de-.
    posito, e 0 fard cessar, no caso de retirada
    total, desde a vespera do dia que para ella
    for fixado.
    Art. 17. Ndo se abonard juro algum ao
    depositante que saldar sua eonta dentro do
    primeiro mez em que ella tiver comego ;
    nem em caso algum se computarao nos ju-
    ros as quanties inferiores a 100 rs.
    Art. 18. A importancia das entradas dia-
    rias sera remettida para a tbesouraria de
    fazenda, quando as operagoes do monte de
    soccorro, se para isso houver autorisagao, ou
    as retiradas da caixa economica, n8o exigi-
    rem 0 seu emprego. As remessas serao fei-
    tas no dia seguinte ao das entradas, acom-
    panhadas de guia cortada do livro de taldes,
    e assignada pelo gerente e pelo thesoureiro
    (modelo n. 4), dando a thesouraria d dita
    caixa conhecimento em forma.
    d eaixa aooooaaka aerao
    Ibesouraria de fazenda <
    dario ser alii emprefadas ata*
    estado.
    Art. Ji o governo garaatte as
    remattidas para a thesauraria de
    juro nunca maior de ', m
    o dia de sua entrada naquella
    e a capitdisagao desae juro do
    semestre do auno civil. As kmbi
    que forem reclamadas pela caixa
    ca, na forma do art. 23, riiaitu ia
    jura ; assim como nao o veocerio, paU taw-
    sou rari a, as quantias que (jre
    para 0 monte de soccorro not 1
    19.
    Art. 23.. Se a importancia daa
    em qualquer dia nlof-ir sufiicieate |
    correr ds retiradas, o gereote tofecitara da
    thesouraria de fazenda, por bmm V<
    a quantia que for neccssaria para
    a differenc-i.
    O offieio serd acovpanhado de reqiwai-
    gao do thesoureiro, qoe deverd cer
    tie de livro de tildes. [Moielo a. 5.
    Art. 24. 0 depositante qua peraW a
    ca.lern ta deverd logo participal-o 4
    etvmiomica, e aununciar a perda na gseta
    de maior circuiagio. Da aviso tomar-se-aa
    nota na respective co'.ta corr- eae, para qee
    cesseaa todas as operagoes de entrada a $a-
    hida nm relagao i mesma coaNaw Se pas-
    sedos 1% dias nio appir.-c- r oolite
    mento, nem houver sospeita contra a
    dade da perda, o gerente dard parta* ea> c-
    corrido ao e-tnselho li cat, para Mte aean lar
    passar norm- caderneta, cobraaaaV-a* M de
    emolumentoa.
    Art. 25. E' expressam'.nt-j proftubi4 ao
    dep .sitante faxer eaten las ou qoaeatjanjr al-
    teragoes no text-i da caderneta: qoiasdo
    alguma se apresenta em fjrm qtie aaetiw
    suspeiti de franda, serd 1 li ciiimalniiiai
    nota la na respective conta co.T.-nte, anapji:-
    dHido se todas ae-operacoes rclatiras rae>
    na caderneta, em quanto 0 donotnio se jna-
    tificar perante 0 conselho fiscal, qual a
    gerente deverd immwdiatanteote dar roaato
    ci mento do occorrido.
    Art: 2C. Se o dono nio ae jontinjear no
    prazo da 8dias, seri eocerrada asoa coJta
    sem oabwno de juro ; cniatprindo ao conic
    lho nesolver sobra o deauaw de one Java
    dar-se d- caderneto.
    ( Oontinuar-te-nm.
    AGRICQITDRA
    Cetlearfaaai
    njpnjnjk
    Os asjlos agricoias da> Suisaa peiem
    servir de- modelo ao mundo aaaetro.
    A familia e a propriedade. eientenio*
    eonhecid-is nos colonial-bottaadezas ; aiolBS
    bazes rnoraes sobre quo se efervam aa nuti
    tuigao belveticas. Estes ulanulutiniotaa
    tem tantos pontos cemmoaaK que b*ta a
    descripc.ao- de um.
    Tratava-se de ir ao- fbndo da questic, ou
    por outra de segurar 0 toueo pelas pot>ta<
    tratava-ae de procurar deatrvtr a aaeodicidp
    de hereditaria, con-agio social qoe ecajaa-
    dri e propaga a miseriav nao pela fun la
    ceo de vastos deposites, pete eaapiLgo
    soccorro reiativo de algun> naiinares de va-
    gabmnlos, mas pe o esuide* pacieote at-
    tento de pequenos grupo* d aaeninos po-
    dendo sao someote receaer edut-agao. ioa-
    em a pr, lissao
    Art- 19. A importancia diaria dos depo-
    sitos poderd passer de caixa economia para
    0 monte de soccorro, no caso de nio ter este
    fundos sullicientes para as suas operagd -s,
    se 0 governo assim 0 autorisar; devendo a
    passagem realisar-se no mesmo dia por meio
    de guia, como a de que trata 0 artigo an-
    tecedente.
    0 conhecimento qoe fdr expedido pelo
    monte de soccorro serd re met ti do d thesou-
    raria de fazenda, que escripturara" a sua im-
    portancia em receita, como Remessare-
    cebida da caixa economia. e em despeza,
    comoSupprimentoao mesmo monte de
    soccorro; extrahindo a thesouraria conhe-
    cimento em forma, que serd tntregue d cai-
    xa f conomia para os deridos effeitos
    *Art. 20. A' margem dos couhecimentos
    em forma pissados pela thesouraria de fa-
    zen'a, deverao nntar-jeoa nu.icros da ver
    ba e da pagint do livro em quo aa tizar o
    langamento da sahida do dinh-iro para a-
    quella repartigSo e do supprimento ao mon-
    te de soccorro ; e d margem do inesmo lan-
    gamento se nctarao 0 numero e a data do
    conhecimento.
    Art. i|. Todas as qumlias pertencentes
    ainda e sobre tudo aprpnder
    industrial ou agricola.
    Pestatozzi eia o ibiciador.
    Fe leoberg e Wehrli segutraa seus Lafuo
    sem tetaor.
    Se a cfeat.ao d'HbUyl, perto do Berne,
    bastoti para a gloria-de' FeHenberg, l^brli
    mostrou 0 qua p<>Jem o eseaapto, a virtude
    teu?z. o sacru'u-.t; rnodesto, constituiti Jo--
    duraula 24 annos 0 anugo e pai de seas
    discipui s, trabalhando no meio defies, ca-
    vando a terra, maneij.tndo a cnarrua, vesti-
    do 0 alinentado tomo os colonos, fairwalu
    tanio on mais do que eJles, dando era Am
    sou noute d ua systewa de educacao juao>-
    me nte celeb re boje, o methodo Wehrli.
    Pestalozzi desanimm muitas vexes, princi-
    paltnente no principio.
    Em 1799 elle escrevia de Staoz ; dnaaertu
    ainda uma vez de um son ho: ainda nona *e>
    vejo raiuba obra destruida, e minbaa aVra5
    enfraquecid.-s, despendidas em rao.
    Mas, por mais impoteute, e por mais
    esteril que ten hi sido o meu ensaio, todo
    coragao philantropico terd o praaer de part
    elle prestar attengio, e de meditar sobre os
    motivos, que me fazem crer que en uoa
    futuro mais feliz, a posteridade reatard ae-
    guramente o fio de minhas esperaiicas ao
    ponto em que teve de abandonai-o
    Con t in u a fazendo renexoet, so are ardvo-
    lugao, e conciue, dizendo:
    Tenbo feito conbecer. tanto quanto e
    possivel, minhas antigas vistas sobre a eda
    cagao do povo, principalmente a Legr^nd
    (depois membro do directorio suisso a
    quemasexpuzem todos os seus dntalhea. Nao
    so tomou elle interesse no negocio, contu
    julgou comigo, o qua era preciaa abaoluia-
    raente d republica uma reorajaantnoaa eorn-
    pleta do s_\ sterna de educagio, e tea aos
    de accordo neste ponto ; que o melhor aaaio
    de favorecer o desenvolvimento do povo, e
    dar uma educagio completa a am boat nu-
    mero 'de individuos tornados entre os mem
    n /s dos mais pobres do paiz, com a coudi-
    gdo de que esta educagio nio oa tire da ana
    classe, e antes a ella os prenda mais ir me-
    mento.
    Pestalozzi escrevia estas linnaa aonuts
    dias depois das scenes sanguiao|onts da
    revolucao franceza : suas ideas sao pois mui-
    to oonservadoras, e nada pet-dam pelo lado
    buinanitario que as leva.
    O ponto capital, queaard realiaado Mais tar-
    da por Pestalozzi apparece jd claraaaeote neata
    carta : a educacao dot orphdot DaaVao / Ea-
    educagio exercida sobre grupos restrictoa,
    deva produzir effeito sobre 0 phraico e so-
    bre 0 moral, former a alma, faaar cull'ra
    dores e cidadios.
    Instruir sdmeote sem dar uma pronssao e
    dar armas ds paixoea a:as, deaeuvolvero
    amor proprio e a inveja, fazer crer am ap-
    tidoes para tjdc.e-parur da simplici lade
    de uma vida sobria e laboriosa.
    0 trabalho dos campus e eascucuiiueute
    moralisador.
    Elle ensina 0? meniuos a ii-rem pariencta,
    a terra nao pfadaa de rep- ne : 0 seutiii.eiito religioso e a resignacao, aa
    chuves fee in 1 laiites, as geadas, as borrasc^
    sao a manifestagao de>um poder superior.
    (Continuar-se Ua.'
    ivp~jv> UAI'.H). -!v'A :-:t. .. 3:
    LH
    j



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9HS7PJCH_26XMNB INGEST_TIME 2014-05-28T18:29:50Z PACKAGE AA00011611_18195
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES