Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18178


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AJ\J\0 L. NLUEKO 100
)L i
PARA A CAPITAL E LlWAItES OIDB -XJLO HE PAA POBTE
for tees metes adiantados............... 69000
Por seis ditos idem.........W.......:. 129000
for uta auno idem..................* 149000
Cada nunei-o avulso.......J^......... 9320

- DOW '>fI
SEGBKDA FLIRA 4 DE MIO DE 1874
.-

PAB.A l)i:\TBO E FaU DA PBOVWCiA
ISr tres mezes adiantados. -..........
for seis ditos idem.....*.....
Pbrnove ditos idem.......' ?. '.
Por urn anao idem. ...........
i Irflp 9B
CP7W
. "
...
. J79C99
PR0PRIEDADE DE MANOEL FIGUEIRDA DE FAR1A ft FILHOS.
t Sri. Gerardo Antonio Alvws & Fiihos, no Para; GougaiTea & Pinto, no Maranhao; Joaquim Jose de Oliveira 4 Filho, no Ceari; .|4tonio de leruus Braga, no Aracatv ; Joao Maria iuiio Chares, no Assu; Antonio Marquea da Silva, do Haul; Jose Justina
Pereira d Almeida, em Mamangttape ; Carlos Auxouciu Monteiro da Franca, aa Parahyba ; Antonio Jose (iomes, ua f|Ua da Penha; Be'armino dos Santos Bulcao, em Santo Antao ; Domingos Jose da Costa Braga, emHaiareth;
Autonio Ferreira de Aguiar, em Govanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar das A$&6as; Aires AC., na Bahia ; e Leite, Ceiquinho d C. no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
I'lMHI.
Govern* du |rovlnci*t
1874.
EXPEDIENCE DO DU 31 li kMMM) UK
1.' seec.'1'X
Officios :
Ao Exm brig.adeiro commandaule das ar-
mas. Km additami-nlo ao men offlcio de hm'.em,
e para satisfacao do que solieiU o inspector da
thesouraria de fazendi em oflicio de 3 uo corren-
te, sob n. 580, reconiraeudo a V. Exc. a expedicao
d suas ordens ao commandante da companh a de
cavaliaria, para que permitu a entrada no respe-
ctive quartet as pessoas que quizerem examinar os
cavallos qat teem de ir a pra.a uo lia IB du fe-
vereiro proximo vindouro.
Ao mesmo Para que po*si a t'.esounria
de fazenda effectuar o pagamenlo do swWo do ca-
pitao honoririo do exercito, Manuel ie Carvalho
Paes de Andrale Gouvi.aa, vencilo no ani de no
vembro proximo passado, europre que, segundo
solicita o respective inspector no ollicio junto pr
copia, seja remeliida aquella r-particao a compe-
tent? folha processada pelo batalhao a que se acha
o mesmo capitao adlido, vino Iralar-se d3 um
official em servico activo e arregimentado ura u;n
dos corpos d i exerciio. Sirva-se V. Exc pois, de,
nesse seotido, d.ir as suas ordens.
J.' secriio.
Actos :
O presidente da .provincia, a vista do offlcio
do Dr. chafe de policia n. 103 do 29 do corrente,
resolve exonerar do c.irgo de 1" sappl-mte do sub-
delegado do 1 districto de Gamelleira. o cidadao
Antonio Tavares Rodrigues L'rrra.
0 presidente d.i provineia, a vista do olBcio
do Dr. chefe de policia n. Ill de 29 do corrente,
resolve coneeder ao tenente-coronet Antonio Vi-
ctor Gornh a exoneracao, per elle pediaa, do cargo
de delegado do termo de Garanhans.
0 presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de policia, em offhio
n. 131 de 29 do corrente, resolve nomear para o
cargo de delegado do termo de Garanauns, o te-
nente Manoel Aprigio de Moraes.
0 presidenie da provincia, de couformidade
com a propjsta do Dr. chefe de policia n. 130 de
29 do eorrenle, resolve nomear para o cargo de
delegado do termo de Papacaca, o cidalao Joao
Cava'.canle de Albuquerque.
0 presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do commandante do 2 batalhao
de infantaria da guarda nacionai do service de re-
serva, e a vista Jo que informou o commandante
superior respective em ofHcio n. 7*0 de 20de no-
vembro proximo pa*sado, resolve nomear para te-
nente da 6* companhia do di o batalhao o alf*res
secretario do l* do mesmo servjgo Joaquim Mo-
reira de Mendonca.
Officios :
Ao Dr. chefe de policia. Providencie V. S.,
como acbar convuniente, sil)re o quo representa
u engenheiro fiscal da estrada de ferro do Recife
a Caxanga, no offlcio Junto em original, que de
vclvera.
Ao commandante superior do Recife. Com-
inunico a V S. para os devidos iins, i|ue por por-
taria de ho;e foi nomeado alleres secretario do 1*
batalhao do service 'le reserva deste municipio
Joaquim Moreira de Mendonca, lenente da 6" com-
panhia do 2 do mesino scrvico.. de conformidade
cem a proposta que veio anuex.i ao sea offlcio n.
740 de 20 de novembro proxim) pissalo.
Ao juiz municipal da"Eicada. Transmitlo a
Vmc. para seu conhecimento e tins convenientes,
a copia do oftlcio junto do presidente do tribunal
da relacao, quaoto a decislo do contliclo de jn-
risdici.ao susciudo entre ease iuizo c o de Santo
Antao. Igual mutatis mutandis, ao juiz munici-
pal de Sanio Antao
Ao commandante dj corpi de policia.-Fa-
ca Vmc. rejolher a esta capita! as tres praeas que
se acham destacadas em S Jos- da lioa E ri do termo da E'cada.
3." si'crSo.
Gfticios :
Ao inspector da Ihesonracla de fazenda.
Transmitto a esa thesonraria a inetnsa conta, em
duplicata. do gaz consumido no hospital milit.tr.
nos mezes de ontubro a dezembro do anno Undo,
para que V. S. mande pagar ;i ?na impjrtancia a
respecliva emproza.
Ao niesmo.Mande V. S. pagar a empreza
Ue illuminacao a gaz desta cidade a quantia con-
."tante das eoatas juntas em duplicata, em que in-
porta o c iisnmo do gaz nos qoarteia de cavalla-
ria, Hospiiio, Cinco Pontas e deposito da Soledade
nos mezes de outubro a dezembro de 1873.
Ao mesni).-Em aviso de 10 do corrente n.
214, commuoicoa o Exm. ministro do imperio, que
ficou approvada pela verba -eventuaes doexer-
ciciode 187* a 1873, o cre.dito de 13*261 aberlo
sob responsabilidade desta presidencia, para paga-
nj;nto da quinta parte do ordenado de secretario
da presidencia ao bacbarel Joao Diniz Ribeiro da
Cuuha, chefe dj se:cao desta secretaria, o qual
exerceu aquelle cargo, desde 21 de abil a 2 de
maio do anno proximo passado ; assim o comma-
nico a V. S. para os devi.ios efleitos.
Ao mesmo.-Deconformidadj com o que so-
licita o inspector do arsenal de marinha em ollicio
do 28 de Janeiro ultimo, sob n. 815, mande V. S.
adiantarao 1" enfermeiro da enfermaria de mari-
nha a quantia de 131060, afim de estar elle ha-
liilitado a occorrer de prompto ao pagamento das
despezas com o enterro de alguma pra<^, que ve-
nha a (aHecer na dita enfermaria.
Ao mesmo Mande V. S. pagar pela respe-
cliva verba a Domingos Francisco Duraea lerori-
ra parte da quantia 1:1734650 a que tern direito
como contraunte do service de caiadura e pintu-
ra da fortaleza do Brum, conformo o offl no do en-
aeuheiro das obras railitares de 29 do corrente,
sob n. 67.
Ao mesmo.Declaro a V. S. cm resposta ao
sell offlcio de hontem datado, sob n. 589 serie P,
que lica providenciado no sentido de serfranquea-
da a entrada ao quartel da companhia de caval-
laria as pessoas que quizerem examinar os caval
]) que tem de ir a praca no dia 18 de fevereiro
I'.roximo vjndonro.
Ao inspector da thesouraria provincial
Mande Vmc. abouar dous mezes de vencimentos e
.soldo aos segumtes destacamentus: da Gloria de
Goita, a um official e cinco praeas ; da Victoria, a
um official e doze praeas ; de Capoeiras, a um
..ncial e seis praeas ; da Colonia de Pimenleiras a
del praeas ; de Terra Nova, a sete praeas ; de
Goyanniub.'i, a seis praeas ; e da Vicencia, a um
official cinco praeas ; a contar do 1 de fevereiru
ao ultimo de abril, como solicita o commandan
to de p*>I-''i i '"u "flicio de oK <1 ? correata lob
n. ia
4.' tecfit
Aetos:
_ 0 presidfente da provincia, tm vista de pro-
posts do director geral da instruct;.*) publica, re-
solve exonerar Virginio Velloso da Silveira do
cargo de delegado litlerario de Tiuibaiiba, e no-
mear para substitai \o o cidadao Jose Francisco
de Moraes Vasconcelloi.
0 presideote da provincia, altendendo ao que
requereu Maria Isabel de Mello Moura, professo-
ra nomeiida para a villa de Taearatu', resolve con
ceder-lht! raais uma prorogacao de quatro mezes
paraeotiar no exercicio dareferida cadeira.
Offlcio i:
Ao Dr. inspector da saude publica. Em ad-
diiamento ao men offlcio de hontem, remetto a V.
o. i > es^iar-'triment > snoplementares, fornecidos
pela Santa Ca^a de Misei icurdia, para servirem de
jba-e ao> eaiuJ is a que procele essa injpectoria
em cumpriui;iito ao aviso do minisierio da fa-
zenda
Ao provedor ea Santa Casa de Misericordia
Auloriso o a eatregar a Thereza Maria de Jesus,
a menoi Balbina Cuslodii de Oliveira, que so acha
recolniJa ao collegio das orphas, meJiante as con
dii;o ts i;i:isiaiivt d,t ntt>fMj*o du mpeettttr nror-
domo de mez. a que se refere o offljio de Vmc. de
30 do corrente, sob n. 729
Ao juiz de pat presidente da junta de quali-
Qeacig, do volantes da parochia d) Booitu -Certo
dos m^tivos que iiupediraiu a junta de qua!iiicaca>
dos volantes dessa parochia de incetar os seus
trabalh is ua 3' d-m;hga do corrente mez, com>
deturmiua a lei, leuii a dizer>lbe que pro^eda a
nova convocacao no sentido de formir a junta na
2'domingi d- marfi proximo, cumpridas as for-
malidades legaes; seudo que oesta data offl.'io a
camara muaicipal a seinelhanle respeito,
Portaria :
_ A' camara municipal da villa do Bonito.
Nao tenio poiiJo funccioaar na 3' dominga do
corrente mez a junta de qu.ilili:acio dos votantes
dessa parochia, nesta dala determin) ao respictivo
presidente da juula que proceda a nova convoca-
cao para a 2' dmiiuga do marco proximo, cu:n
prindo a camara municipal da villa do lijiuij dar
execugao ao que prescreve a lei de 19 de agosto
de 18i6, a fazer que os juizes de paz dos demais
districtos que corapoem a parochia observera o dis-
posto no art. 19 da referida lei.
3." seccao.
Officios :
Ao engenheiro fiscal interino da estrada de
ferro do Recife ao S. Francisco. Em offlcio de
21 deste mez commuaica o Exm. Sr. ministro da
agricultura, comraercio e obras publijas haver re-
commendado ao eng.inheiro Manoel Buarque de
Macedo que seguis*e para esta provincia alim de
fazer entrega ao successor do mesmo engenheiro,
no cargo de fiscal dessa estrada de ferro, de TuJo
que e relativo a mesma estrada; o que commuui-
co a Vmc. para sua sciencia.'
Ao engenheiro encarregado das obras geraes
- Em aviso de 21 dssto mez orrmunica me o
Exm. Sr. ministro da agricultura, comraercio e
obras pjbheas que ineurabio o engenheiro Manoel
Buarque de Macedo de colher as necessarias in-
forma j3js sobre os melhoramentos materiaes mais
urgentes que por ventura reclame esta provincia,
e possam ser attendidos pelj goferno geral, tend >
em vista o mesmo engenheiro as obras que forara
autorisadas pelo respective rninisterio para a re-
constrnccao da rampa do fort a do MattJS e repa-
ros do caes da rua da Aurora, cujos orcamentos
carecem de re:tilica{.1o : e bem assim do installar
e dirigiro servieoda fi/calisacao dos trabalhos da
nova ponte da K u Vista, em quanto n governo
imperial nai uoineisro engenheiro a quem espe
cialmente sefa.-Jpmmettiijo este servico; o que
communico a Vmc. para sua s.-iencia.
Ao engenheiro Manoel doBuarque de Maco
Setento do tado qar.nto Vine. OXpOJ em 0m
do.
cio de honle n datado, eque anteriormente me ha-
via sido communicado em aviso do rninisterio dos
negocios da agricultura, commercio e obras pu-
blicas, de 2t do c.idente mez, nesta data passo a
dir conhecimento de tudo as estacSes compcten-
tes ; previno o de que a ordem de passagem ex-
pedida aos agentcs da companhia brasileira de na
vegaeao a vapor e relativa someate a Vmc, nos
termos do mesmo aviso.
Portaria :
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
navegagio a vapor expeeao suas ordens para que
o engenheiro Manoel rJuarque de Macedo tenha
passagem de re para a corte, a bordo de um dos
vapores dessa compaabia ; correndo a despe'a do
seu transport por conta do rninisterio dos negocios
da agricultura, C"minercio e obra* publicas.
EXPF.DIKNTE DO SECRETARIO.
1 SfCfUO
Officios :
Ao inspector do arsenal de marinha. -z S.
Exc, o Sr presidenie da provincia, tendo nesta
data despachado nos tej/nus do (inal de sua in-
formacao de 28 do corrente, sob n. 814, o reqie-
rimento de Joao Baptista Cabral, pedindo a admis-
sao de um seu tutelalo na companhia de aprcn-
dizes mariubeiros ; assim o manda communicar a
V. S. para sm direccao.
Ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, manda deciarar a V. S em resposta ao
seu offlcio de 29 do orrente, sob n. 815, que a
thesouraria de fazenda foi nesta data autorisada a
adiantar ao 1 enfermeiro da enfermaria desse ar-
senal, a quantia de 13/060, para occorrer de
prompto as despezas provenientes do enterro de
alguma praca alii fallecida.
2.1 secfao.
Officios :
Ao Dr. chefe de policia. De ordem de S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, transmitto a
V. S. o tiluto junto de nomeacao do delegado do
termo de Papacaca, de conformidade com a pro-
Iposta e offlcio de V. S.. n 130, de 29 do mez pro-
ximo passado.
Ao mesmo. OExm. Sr. presidente da pro-
vincia manda deciarar a V. S., para os fins con-
venientes, que nesta data foi exonerado do cargo
de 1 sopplente do subdelegado do districto de
Gamelleira, o cidadao Antonio Tavares Rodrigues
Lima.
A.o mesmo 0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda transraittir a V. S., para os de-
vidos fins o titulo junto de nomeacao do delegado
de policia do termo de Garanhus, de conformida-
de com a proposta de V. S., n. 131, de 29 do cor-
rente
Aojuiz de direito de orphaos. 0 Exm Sr.
presidente da provincia manda deciarar a V. S.,
que licam expedidas as convenientes ordens n-
sentido de que trata o seu offlcio de 29 de Janeiro
proximo passado.
Ao commandante do corpo de policia. De
ordem de S. Eic. o Sr. presidente da provincia
commuuico a V. S. que pela thesouraria provin
cial mandou se fazer o abono solicitado om seu
offlcio de 28 do corrente, sob n. 46,
5a jeccdo.
Offlcio :
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife a Caxanga. 0 Exm. Sr. presidente da
provincia man Ja deciarar a V. S., em resposta ao
seu offlcio de 2 do corrente, que nesta data se
offlciou ao Dr. chefe de policia para providenciar
no sentido de que trata o seu dito offlcio ; nao po-
dendo ser satisfeito o nedido que faz de trinta
praeas, por nao haver forca disponivel.
Bsltrao Oliveira & C- Iq,'orme o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
H.irao de Una. UeferiJo com o offlcio desta
daiaaoSr. inspector da lh-.s >uraria de fazenia.^
Uraz Mircclino do. Sacra ueuto. Iofonne o Sr.
inspector da thesouraria d ; fazenda.
Carlos Luiz de M igalmi-is. Nada ba a deferir
e.nquanto o supplicauie, amigaveliueute, ou por
deci^ao do podor jadi.'.ario, a quem coaapete co-
nrtecer da espeoie, uao so mostrar desligadu do
coniracio que em fevereiro do correntj anno effe
ctuou com Braga da Silva.
Tmeute coron:l Frederico Velljzo da Silveira.
- Forneca-? e.
Irmandade do Senlnr Bum Jesus das Dores em
Sao Goncalo da freguezia da Boa Vista desta ci-
dade. Joule a supplicante o orcamento organi
sado por inestre de offlcio.
Joao M>reira de Mjudouca.luforme o Sr. int-
pecto: da thesouraria provincial.
Joaquim Jose Valentim.Pase portaria.
Coronel Jose Maria Ildefonso Jacome da Veiga
Pessoa e Mello. -Forneca-se.
Jose Matnias da Fonceca. De'erido com o offl-
cio desta data, dirigido a thesouraria provincial.
Joao Leite do Rego Sampaio. Sim, nao havendo
inconvenlente.
JosJs Cearde Vasconcellos.Passe portaria.
Manoel Teixeira Cavalcaole. Deforido com o
offlcio desta data, dirigido ao Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
Maria Victoria Pinheiro Pyrrho.- ludeferido.
A mesma.ludeferido.
Manoel Pereira Leans. Sim, pagos os direitos
nacionaes.
Paula Seraphina dos Santos Lemos. Informe o
Sr. provedor da Santa Casa de Misericordia.
A mesma. luform) o Sr. provedor dt Santa
Casa oe Misericordia.
Pedro Francisco de P-ula Baptista. Passe por-
taria, sem ordenado
RepurtiQJSo da policia.
2." seccao__Secretaria de policia de Pernambuco,
2 de maio de 1874.
N. o69. -Illra. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidog a dotencao, os
seijuintes individuos :
A' minha ordem, Felippe Paes de Luna e Manoel
loaquim Pereira, vindos da comarca de Palmares
como seotenciados, a disposicio do Dr. juiz de
direito das execucoes.
A' ordem do subdelegado do Recife, o subdito
inglez James C. Lindsar, a requisi;oo do respective
consul.
A'ordem do de Santo Antonio, Beaedicto, es-
eravo, ate que se verifi joe a quem peiteuce.
Por offlcio de 4 de abnl ultimo, recebido hoje,
communicou-me o delegado de Nazareth que, as
10 horas da manha do dia 29 de maree, dos subur-
bios daquella cidade, Rodopiano Rodrigues de
Souza ferio gravemente c^.m duas facadas a Joao
Jo^c do Nascimenlo, sendo preso em flagrante ;
que o respectivo subdelegado procedeu ao com-
Detnie liiquBiiio e remefteu o ao >. iaimuDi.
cipal do termo.
Dens guarde a V. Exc Illm. e Exm. Sr. com-
nendador Henrique Pereira do Lucena. digno pre-
sidente da provincia -0 chefe de policia, Anto-
nio Frnncisco Crreia de Araujo.
mm"
DIARIOUEPERNVMBUOO
RECIFE, i
V>lieiui (le
USfAGBiM D.v SRBSinSBKBS, DO Ol\ '.' OB MUO
DB 1874.
Coium udid-i Autjuiu Gjines Neito. --Nos ca;os
oniiiscs, regulando as leu geraes em vigor provin-
ciaes, nao pode ser o supplicante attendido em
quanto nio forem obser^adasas formalidades do
ait. 1, 88 1 e 2 do dec n. 841 de 13 de outubro de
1831.
Antonio Jusliniano Barboza Lima. Passe por-
tam.
Tenente-coronel Antonio Francisco Paes de
Mello Barretto. -Deferido com portaria desta data.
Angelo Jansen de Castro e Albuquerque. Defe
rido com offlcio desta data a thesouraria de fa-
zenda.
Bacharel Amaro Joaquim Fonceca de Albuquer-
que. rsao tendo sido multado o supplicante, nada
ha que deferir.
DE MAIO DE 1874.
Sorgipe e tic lli-
goas.
No sabbado & tarde etiegou .10 nosso por-
to o vapor brasileiro Gei/ni'i, frozen to 'la-
tas : do Aracaju ate 25 do aliril, o d 5 Ma
ceio ate o pnmeiro do corrente.
SKRGtl'K.
Apeias encoutramos no Jornal do
Aracaju o seguinte :
ElTectuou-se no dia 19 de abtil, so-
gundo estava atiuunciada, a gramle regeta
de escateres a remos e a vela, inscriptos no
registro da sociedade Club das Regutas,
para as corridas.
u Foi uma das lestas maritiaias mais
pomposas, que tem sido feitas em nosso
porto. A noite houve partida muit) ani-
tnada e concorrida no pavilhao artnado na
alfandega.
guinte :
1* Escaleres de 2 remos. Inscre-
veram-se : Trovador, Republicano, Tigre,
Sapo e Luhtano. Ganhou o primeiro pre-
iiiin o escalur Sapo, dirigido por II.
Schramm, e o segundo o Republicano, di-
rigido por Antonio de Castro.
2a Escaleres de 4 remos. Inscre-
veram-se : Argonaula, UUramontano,
Pellicano, Orphett, Told Btiza, Cahype,
Hula Lilie Slnhd. Obteve o primeiro pre-
mio o Tola dirigigido pelo Dr. M. P. Gui-
maracs e o segundo, o Sinhd, dirigido por
C. F. do Nascimento.
*3* EsCaleres & v*la. In?creveram-
se : Cysne, Conflanpa, Meteoro, Trion, Pel-
licano, Polzinho. Ganbou o primeiro
premiro o Triton, dirigido por G. Ol'stie,
e o segundo o Polzinho, dirigido por H.
Schramm.
Kapto da baudeira. Inscreveram-se :
Ganganeli, Toto e Pato. Foi vencedor o
Toto, dirigido pelo Dr. M. P. GuimarSes.
ALAGOAS.
>'u dia 13 de abril falleceu, em Pias-
sabussii o professor publico Jesuino Ran-
gel da Silvei'a.
A variola teudia a decrescer era Pe-
nedo.
Sobre os assassinatos havidos na cida-
de do Pilar, de que demos sciencia aos lei-
tores por telegromma de Maceid, eucontra-
fnos o seguiute uo Jornal do Pilar :
Um caso horrivel, que nao ha e^om-
p'.ii na histbrm do; povos maU h.irhiros,
\X'i' na ni.tiiiia d> din 2S liflfar-loS U"
lucto da constornagao, toinado do surptcza
e tranzido de ddr por esse acontecimeiito
sem nome nos annaes do crime e da per-
versidade I
0 capitao Joao Evangelisti de Lima,
cidadao prestante & patria e .i farnilia, de
queen desveladochefe, acaba de ser assas-
sinado barbara e covardement9 por seus
dous escravos, d-'. nome Prudencio e Vicente,
que o acommetteram armado de faca e
cacete,.e, de emboscada, roubaram-lhe a
existencia Wo preciosa & sua fomilia e arnj-
goa I I .;
A' toios -is habitmtes dests cidade em
gorjrt,, tem causado profundo senti n mto
este acontecimento medonho qu1} veio fur-
taBTDOs a", vistas um amigi s ucero e dedi-
cid*; um cidadao laborioso n honrado.
a- Para maior d6r n5o lica abi a his-
torla borrorosa desl: ciine. Tambjn foi
a>sas.)itia la a e&pusi d> cipilio .1 >A > de
Lima, U. Josephs Martha de Lima, por
igud. maneira porque fOra seu esposo ; e
assim tivemos de vor passar as ruas desta
ci lade dous caixdiS que couluziam ao ce-'
niterio publico os cadaveres do esposie da
esposa 1
a Eride fazer do ver-se a rnaneira t'is-
te em qua se achavam essas duas victimas
do o lio e pervesidide daquello^ assassinos,
mutiladas, cobortas de tilbos profondiss-
mos, com espociali lade sobro a frontee so-
bre o rosto !
A penna tremo-nos entre os dedos ao
narrar tao luctuiso quanto inftliz aconteci-
meiito.
Nio saliemos mesmo a que attribuir
um facto deste, qua ido to dos sabem qtW
era o capitao JoSi de Lima, como senhor,
sempre amigo do sou escravo : nao sabe-
mos o que o faria com tamanlia impie-
dade victiina, qnando elle jamais fdra al-
goz I
Oh triste e desventurada condic^fio
buuiana quo nao saiba o homem o Qm a
que esta" destinado I
Altr s juizos de IVus !
Os esc:avos dopois de teren morto os
seiihores, arrombaram os hibiis, saquea-
ram tudo, e, montando a cavallo, evadi-
ram-se.
Sem Lompb e espaco para dannos aqui
as promenores deste facto horror so, 6
nosso fim derramar uma lagrtma de dOr e
c'ompaixao sobre a sepultura das victimas,
o peljr & policia que s:ja rigorosi no
cumpcimento dos seus deveres, que tudo
invide para appreheusao d<>s crtminosos.
\b tbeatro d > acontecimento, logo
que tiveram no'icw, corapareceram os Drs.
juiz municipal, Joaquim Telesphoro F. Lo-
pes Vianna, e Jofio Pedro de Aguiar, o
delegado de policia e di versos cidadaos con-
ceituados. .
a K-7-se o competenie corpo de de-
licto
Os corpos fordin encontra los, um, o
do capitao, na estribaria dos cavallos, 0
outro, o di> sua .esposa, logo ao entrar &
porta do sua habitaca<>.
Ate a bora em que escrevemos o
present-' bolhetim, nao sabnmos o rurao
quo to ma ram os assassiaos.
Diz-se, aponas, que Prudencio, um
dos escravos, e oriundo da fazenda Jure-
ma, para onde talvez tenha segui lo.
iti^i;
ASSEfflBLEA PROVINCIAL
SE3SA0 ORDINUUA EM 17 ABRIL.
PHBS1DENCIV DO SR. X.VSCtMEKTO I'ORTELLA.
Ao meio dia, achandose preaentes os Srs. Ba-
lis e Silva, Maaoel do Rego. Souza Leite, Lacerda,
Gaspar Drummond, J. Mello Rego, Toleatino de
i.'arvalho, Ucbua Uavalcnle, Tibureio de Maga-
Ihaes. Soares, Alipio Costa, Amwal, Gomes Paren-
te Firmino de Novaes, Tito, Goucalves Ferreira,
Oiyjnpio Marques, G. Gondira, Camboim, Peretti,
Travasso de Arruda, Portella, Oliveira Audrade,
Djri.o Cavalcaflte, An'onio Pauliao, Arruda, Pinto
Pessoa, Domingos Pinto, Goes, Cavalcante, Joao
Barbalho e Cunha Cavalcante," faltando os Srs.
Aguiar, Arconcio, Vieira de Mello e Feb'ppe de
Figueiioa. abre-so a sessio.
E' lida e approvada a acta da sessao antece-
dente.
0 Sr. 1"." secretario da conta do segninte
EXPEDIENTS I
Peti;oes :
De D. Maria Figueira de Castro, viuva, mil do
finado Joao Francisco da Silva Castro, alferes ho-
norary do exercito e do corpo de policia, pedindo
uma pensao. A' commissao de peticues.
De Christovao da Rocha Cunha Souto Maior, 2
escripturario da thesouraria provincial, pedindo
um anno de licenca com todos os seus convenci-
los para tratar de sua sauie. A' commissao de
petiyoes.
De Alexandre Bezerra de Albuquerque Barros,
solicitsdor na cidade da Victoria, pedindo paga-
mento de custas. A' commissao de orgamento
municipal.
De diversos moradore3 dos districtos policiaes de
Belem e colonia militar de Pimenteiras, pediudo a
ereacao dt uma freguezia.A' commissao de es-
tatisiica.
De Marcolino Rodrigues Pereira, alferes honora-
rio do exercito, e ex-2* sargento do corpo de poli-
cia, pedinlo que seja volada uma resolucio, auto
risando a sua aposentadoria. A' commissao de
forca policial.
Sao lidos, julgados objecto de deliberaclo, e vao
a imprimir os segnintes projectos :
' A commissao de legisla^ao, lomando conheci-
mento da pcticao ds Augusto Cesar Fernaades Ei
ras, arremataate do matadouro publico ejhtgando
procedentes as allegagSas do supplicante,? do pa
racer qoe se adopte o seguinte projecto de lei.
A asserablea legislativa provincial de Pernam
buco resolve :
t Artigo unico. Fica o presidente da provincia
autorisado a modiflcar, como for convenienie, o
coatrato celebrado com Augusto CsJir FernanJes
Eira*, para construccao do matadouro publico.
Dario Cavalcante. -2'. de Arruda.
o A commissao de petig&es, tendo era vista a pe-
liifii de J.iiiiii" Francisco de Assis, pedindo um
privilisgio por 20 anuos, para pb: ?i on por meio
de uma companhia, que brgshrsar, oslalicU-c t n"=-
la cidade carros de praca por um systems ucuuo-
mico, s;melhante ao seguido na capital do impe-
rio, mediante a isenjao de impostos provinciaes ;
considerando que esta assemblea ja attendeu a
esta necessidade publica, decretamlo na lei n. 506
de 29 de maio de 1861, a necessaiia antorisacao
para o respectivo conlrato com Joao Falque e An
tonio Mschado Gomes da Silva, o qual ja deye ter
ficado de nenhum effeito pela sua inexecuclo ate
a presente data, 6 de parecer que, em defenmento
ao supplicante, se adopte o seguinte projecto de
lei:
! A assemblea leg/islativa provincial resolve :
t Artigo unico. Fica o presidente da provincia
autorisado a contratar com quem melhores vanta-
ges offerecer o eslabeleciraenlo de carros de pra-
vas nesta cidade, com as condicoes ou clausulas
decretadas na lei u. 306 de 29 de maio de 1861,
podendo conceder ao coutratante iseocao de im-
postos provinciaes sobre os veliiculos da empreza.
Sala das cominissties, 17 de bril do 187i.Qtym-
pio Marque*.Domingos Pinto.
i A oomraissio de petic.>es, examinao Jo a peti-
cio em que o Dr. Felippe Sery Collago, arrema-
taute das impressoos precisas para as diversas re-
pariigoos provinciaes, no triennio de 1870 a 1873,
pede que e 4a assemblea Ihe mande pagar este ser
vice pelo preco de 3:3004 <00 annuaes, porquanto
foi ercado pela toesouraria provincial, viado elle
assim a receber a iraportancia de 2:100*000, vis
to ter contraiado esto servico por 2:808500J an-
nuaes : attabdendo que o supplicante com os do
cumeut is com que iuslruio a sua pelivao, provou
t|ue teve de fornecer muito maior nuniero de im
pressoes do que se tinha enlao contratado, em ra
zao da cobranci de diversos impostos novos ; que
liudo o eoutrato do su plicanle, foi o mesmo ser-
vice orcado pela toesouraria em 3:000*000 an-
nuaes o contratado pela presidencia com o Dr. Ma-
noel de Figueiroa Faria por 8:500*000, visto nio
ter havido quem a quizesse fazer pelo preco do or
camento, e de parecer que seja o supplicante de
1-nJo com o seguinte projecto de lei:
A assemblea legislative provincial resolve :
i Artigo unico. Fioa o presidente da provincia
autorisado a pagar ao Dr. Felippe Neryf Collaco, a
quantia de 2:100i000, de indemnisacao pelo ac
cre.'Cimo de servico que teve o in :.-ino doutor co
mo arrematante de impres.-oes para as reparticoes
provinciaes no irieonio de 1870 a 1873. Sala das
commissde.s, 17 de abril de 1874. Olyr.pio Mar-
ques.Domingos Pintn.
ORDEM DO DIA.
Enlra em a unica discussao o project; u. 27
deste anno, approvaudo as posluras da camara
municipal de Cimbres.
O Sr. Olympio Hnrqucit i -Peru apa-
Uvra.
0 Sr. Presidknte : -Tem a palavra o Sr. 01)m-
pio Marques.
0 Sr Olvmpio Marques : -Pec) a V. Exc. que
se d gne de mandar vir as porturas, de cuja ap-
provacao >e trata, visto que o projecto apenas se
refere a ellas.
0 Sr. Presidents : Mandei ver se for m im-
pressas as posluras. Em todo o caso, quando nao
teuham sido disiribnidas pelos Srs. deputados, eu
reiirarei o projecto da discussao.
O Mr. Ciaspar nruminond: ( Mao
devolveu o seu discurso.)
O r. Prectideiate : Devo ponderar que
ao por em discussao o projecto o 27 suppuz, que
estivessem imoressas as posturas a que elle se
refere, mas acabo de veriQcar que nao estio.
Nestas condicoes, iis, antes de resolver a ques-
la i de ordem, sobre o mode pOrque deve versar a
discussao, se englobadamsato ou se por artigos ;
na nrrmxim caso rnmn se tem Draticado ultima-
mente, e n) segundo caso como sumpie i prlU-
car-se nos outros tempos em qnc live aaaento
nesia assemblea, porque nao e agora occasiao de
resolver esta questao, me parece que nao podemos
deixar de retirar da discussao o projecto ate qae
sejam impressas as posturas, sobre qae elle versa.
( Pausa.)
Pondera me o Sr. 1 secretario que a pratica
tem sido prescendir se da impres:lo das posturas.
So assim e, esta e u discussao o projecto com as
posturas.
0 Sr. Tolextino : Sao somente impressas
quando soffrem emendas da commissao.
0 Sr. Presidente : Seguirei a pratica que
tem sido adoptada.
Contmua, pcrtanto, a discusiio
0 Sit. Gaspar Dhlmmoxd : V. Exc. resolveu
a minba duvida :'
0 Sr. Presidente : Agora vou resolvel a.
A discussao das posluras sera englobada, porque,
segundo me informam o Sr. 1 secretario e alguns
Srs. deputados, tem sido nestes ultimos annos esta
a pratica constante. Assim tem entendido a as-
semblea, e eu uao me julgo cm forca bastante
para seguir uma pratica differente, attentos' o
termos em que esta coocebida a disposiijao do art
1 da reforms regimental, feita em 1862.
Diz esta dispositjio que as posluras terio uma
so discussao, em que poderao ser emendadas, mas
nao diz se esta discussao sera engl bids ou por
artigos.
Recordo-me de que em principle da exeencao
dessa reforma regimental, a discussao era por
artigos e nao englobada ; mas esta pratica enlio
seguida, nao proseguio. A discussao no3 tres ulii-
mos annos tern sido englobada, eu nao tenho senao
que snjeitar-me a esta pratica.
Esta, portanto, em discussao o projecto com as
posturas.
E' lido,aprovado eentra coujunctamente em dis-
cussao o seguinte requerimento:
o Requeiro o adiamenlo da discussao ate que
seja impresso e distribuido o projecto. Ratis e
Silva.
O *r. Olj mpio Marquea : Sr. pre-
sidente, pela circumstancia de ter sido durante os
dous annos passados membra da commissao de
exame de posturas, alem do interesse que natural-
mente a materia desperta, estou mais_ ou meno3
preparado para ajuizar sobre disposicoes relalivas
a legislacao municipal: enlretanto, desejava ler
e estudar este projecto, tan to mais quanto estou
informado de que contem elle disposieSes excen-
tricas das attributes das camaras raunicipaes,
com infraecao da lei do 1* de outubro de 1828 ;
mas nao esiando elle impresso. nem tendo siJo
distribuido com antecedencia, de naodo a me ha-
bilitar pela sua leilura a dar um voto a respeito...
0 Si- Tolbntino de Carvalho : 0 projecto
esta impresso ;_ as posturas. sim, uio estio.
0 Sr. Olympio Masques : Mas o projecto que
esta impresso diz simplesmente; Ficam appro-
vaias as posturas da camara municipal de Cim-
bres. Estas posturas conteem 86 artigos. Ora,
como e possivel que a assemblea possa votar so-
bre 86 arflgos, sujeitos a sua aprec'acao, engloba-
damente, sem ter cada um dos Srs. deputados
lido todos esses artigos ? ( Apolados.)
E' absolutamente impossivel tomar uma deli
berajao a respeito.
Assim, portanto, nao me julgando habilitado, Ja
nao digo para votar, mas para dar a minha niao sobre o projecto, nemsendo possivel proceder
agora a sua leitura sem perdermos uma boa parte
do tempo da sessao que pode ser empregado em
objecto mais mil, voto pelo requerimento de nobre
deputado, que, segundo me parece, pede a impres-
sao das posturas.
0 Sn. Ratis e Silva : Sim, senhor.
OSr Olympio Marques: Para facilitar, ac-
crescento so requerimento do nobre deputado que
a impressao seja feita no jornal da casa. .
E' lido, apoiado e entra conjunctamente em dis-
cussao o sezotnte:
Additive. Ate screm impressas as posturas
no jornal da casa. Oympio Marques.
Ninguem mais pedindo a palavra, encerra-se a
discussao, e procedendo-se a vota;io, e approvado
o requerimento de adiamento com o additive off-;-
recilo. Fica, portanto, adiada a discussao do
projecto.
E' sem debate approvado em l" discussao o
projecto n. 25 deste anno, autorisando o presidente
da provincia a relevar a multa imposta aos con-
tratantes da estrada de Goyanna, e prorogando o
(prazo para construccao da mesma estrada.
Scgue-se a 1* discussao do project) n. 20, tarn
bem deste anno, autorisando o presidente da pro-
vlucia a mandar fazer uma rtstituicao ao contra-
tante da construccao do ediicio, em que devera
fuuectonar a assemblea provincial.
Mr. Canpar Drunmona- (Xao de
volyeu o seu discurso.)
E'lido, apoiado e entra conjunct a ofnte em dis-
sassao u seguinte requerimento :
a H-qaeiro o adiamento do profecto ate ser
ouvido o director das obras puld cas.C. Drum'
mond.
O Se. Tibarrio dc Ms*Ihii-H :-Sr.
presidente, acudindo ao apprllo que me fez o nobre
deputado pelo 3' ditiicto, para que eu esclareees-
se o seu espirito sobre duvida^ qoe tem arerca da
indemnisacao que pele o cont:atante das obras do
pace da assemblea, ei-me prompto a expesMler
tndo o queconber em minbis for;as, afim de satis-
fazer ao desejo do nobre deputado.
Quando em 1870 projectei o ediicio do par.) da
assemblea provincial, lancei mio dos prec mentares dos materiaes porque e-tavam enlio do
mercado. servindo est 's de b ise aos pr-c, is com-
postos do mesmo orvatnento ; ma-, passados tal-
vez 3 ou 4 mezes os maleriaes, mormenle a ea e
o lijdlo, subiram a um preco exorbitant-, o qual
se tem conservado ate hoje.
Quando confeccionei o ortjamento o preco do
tijolo variava entre 22 e 21*000 o milhsiro, posto
no desembarque. Calculei, portanto, o tijolo a
23^000 o milheiro posto na obra, qae esta muito
perto do desembarque. Dous ou 3 mezes depois o
preco d i tijoh foi se Rlevando e de tal maoeira
que, quando a obra comccava a tomar algum des-
envolvimento, chegou a 32*000, sem ontar com a
conduccao.
So ahi rai uma diferenca de 8 a 9*000 em cada
milhe.:ho de tij >lo, o que da no orcamento nm ex-
cesso de 7 ? 8 ontos, avaliados em 800 a 900
milheiros de tijolos os que foram necessarios para
e>~se edilicio.
0 Sn. Pi.vro Junior : Esses sao os ca'os oao
cogitados.
0 Sr. Tiburcio de Maqalhaes -Para os rasos
nao cogitados a praxe marcava uma verba de 3 a
3 por cento para eventuaes, segunJo a importan:ia
da obra, verba que eu de caso pensado supprimi.
nao s6 no orcamento do pace da assemblea, como
nas obras da reconstruct1) do theatre de Santa
Isabel: mas hoje reconheco que n*o devia le-lo
feito.
Essa verba servia para esses casos forluitos e
outros que nao se pod em prevenir em nenhum or-
camento, por mais minncioso que elle seja.
Como ia dizendo, os maleriaes subiram de pre-
co. A cal, cujo preco era de *0) a 300 reis o al-
queire, chegou a elevar-se a 80) reis. regnlanlo
termo medio de 600 a 700 reis.
Esles casos nao foram previstos no or.-amento,
nem eu podia prever que o tijolo que durante 2
ou 3 annos se conservou pelo preco de 22 a 25*000
o milheiro, sabisse em tio pouco tempo a 33*000
posto no desemharque. Eis aqui o motive e n que
(a KiiioAn ,~\ arnipn tint a ** >> .t. .4.
undamento.
Allega elle que nessa mesma epoca eu ftz o >r-
camento para o muro do jardim de palacioe para
a escola modelo. Nao e exaeto nesta sua allega-
clo ; houve ahi engano. Foi qnasi 2 annos depois
de orrar o paco da assemblea que eu fii o orca-
mento do eiifici i da escola moae'o e do peaticno
muro do jardim de palacio. Ja enlao os pre-;os
dos maleriaes estavam muito elevados, e por essa
razao reconheci que nao podiam os maleri?cs en-
trar pelos mesmos pregos porque estavam no outro
orcamento.
Quanto ao fiogimeni > e traballio exterior da
obra, eu disse em minha informalio qne o emprei-
teiro nao podia ajuizar da imporUneia dessa obra.
e que eu lambem nao p. dia fazer um jnizo i-xacto
e por i3so me aguardava para a conclusao da ot ra
Mas tendo sido teslemunha ocular da exeencao
da obra. reconheci que o preco porque o contra-
tante fez as pequenas empreiladas, dando elle todo
o material, foi superior ao preqo que en tinha or-
;.ado cntrando todo o material Sou o primeir. a
confessar esta circumstancia. Xao h:. erro de
calcnlo ahi, ha apenas uma apreciac'o deficiente
no preco deste trabalho. Ha mais um facto a ser
ponderado. e e qne a obra de fiogiraenlo de qual-
qur ediQcio mais ou menos imporlanie, como e
a do paco da assemblea provincial, preci?a de ofll-
ciaes perilos para a sua factun.
Accresse mais que : 9sas obras deviara ser fei-
tas >) ten po de verSo, mas o eontrtante tinha um
prazo flxo, dentro do qual devia concluir o editi-
clo, e purtante via-se obrigado a fazer as mesmas
obras durante o inverno e o verao. 0 que suecedeu
foi qne muitos trabalhos de flngimento de coraija
feitos durante o inverno, c.hiram pela accio da
chuva, nao obstanle terem sido protegidos por ma-
deramento e outros meios que se costumam em-
pregar para la I fim.
Alem disto o contraUnte teve prejnizo com o
desabamento de parte de timi cornija, par falta
de aitencao de um mestre pedreiro que tinha era-
preitado esse trabalho.
Todas estas despezas sao consideradas como
eventuaes, e por essa razao eu devia consigasr no
orcamento uma verbs de 3 a 5 por cento, que se
costoma dar para as eventualidades, a qual impor
taria de 6 a 10 coatos.
Eu a supprimi de caso pensado : mas se hoje
tivesse de fazer um orcamento para uma outra
obra tao importante como esta, nao deixaria de m-
cluir todas essas verbas que me pareceram ser por
demais nsquella occasiao.
Quanto a construcfio de caixilhos, jnnellss, etc.,
na occasiao em que dei o meu parecer, acerea de 2
annos, o contratante nao tinha aiada pnncipiado a
construir essas pecas, e nio sabia mesmo o seu
verdadelro valor, do qual veio ao conhecimento so
depois de estarem ellas promptas. U trabalho esta
bem feito e qualquer dos senhores deputados pode
ir examina-io.
So a colloeacao e ajustsmento das peyas. das
porta- ou lanellas com caixilhos custou ao con-
tratante 80*000 na verdade eu nao contei com
esta berba tao grande que ainda me parece execs-
si va.
O Sr. DowNeos Pinto : Quanto esta no orca-
mento f
0 Sr. Tibubcio db Magalhass : Nao posso ter
agora de memoria, masposso-l e alllancar que nao
e uma verba motto eievada.
0 contratante teve tirejuito na mao d'obra, por-
que posteriormente reconheci que ella tinha sido
mal orcada a viast*dos aju-tes parciaes qne elle
fez com dlnVrentes roeatres de carapinas, os quaes
afinal tiraratn peqneno- vencimentos diarios qoe
niio eici'deram de 11500 a 3*000 Ainte assim.
apezar de serem bsratss as empreiladas, eHe teve
um grande prejaiio, prejuizo qne so comeeou a
veriflcar-se 2 annos depois, porque ai*} sM so se
executaram as ooras grosseiras.
Qa.anto as eambotas da abohsaiwlsala das
secedes e outros trabalh >s que 'sin fa nao esUvam
feilos e de qne eu nlo os podia ajuizar com pre-
cisao, dei parecer lirmado na opiniao que ate Mttft
tinha sobre essa obra ; mas na execucao fi cono o
tra'.ialho foi executado e reooaHe:i que a exigeu-
cia que fazia o contratante tinha alguma razao
do er. _
Quanto as bandeiras do ferro, que foram collo-
cadas exteriormente nas porlas, ea tin ... caleulado
eomo que ellas viessem da Europa ; mas lendo o
contratante mandado Um agente seu a IVn para
fazer cooetruir o zimborio de ferro, o encarregara
lambem de examinar os precos das banJeirai 4*



-



3C
x.U/7
^iBlRde Pernambuco Segiyxua feira 4.--de Maio de 1874.
<*
:/
.//.
buscar, porquataba do pagar nao'sfas^esp Saluf" frffflF^Sr Wr*5Wffl?^Pl#IRIeffi
is dirfitos ad uMorem '
uirs eonveniente
do embarqnejtdjfljps dirtitos ad oHtorcm na al
fandega e belnWv sujeMar-it ao pwjuizo se
ellas chegassttiiltouraeno.s.iiaej>raaas. .Abap-
doDon, poriap9eft idca.e mandqu fazer aqui
as baodeiras.
Ainda assim ha 5 annos passados a fundieio
far a law bandciras pflp-nMttp nienar wreco, do
aue actnalmente; P JB"'lBtv*1r o astro en-
eareeeram ereio que H pot eooto.
0 Sr. Gaspab DrcMnmnd : 30 a 40 por
cento.
OSn Tiurr.cio M Hauauiaits : Ou 30 ou40
por cento.
Ap.'iar de ser mao d'obrnio patz inuito mais
cara Jo que aa Europa, o iioorratante preferio
wandar fazer afui as bandeiras para nao pngar o
frete, o> direin* ad wtof.'m e nao sujeitar-se a
c-pgarem qa&radas, como acontetca ao emprei
teiro das obras do theatre de Santa Isabel, que,
tendo traJdo da Europa am gradearaento de ferro
fundido e de excellent*: $os'.o, teve o desprazer de
"ver.cbegar a maior part* del'e quebrado.
O Sn. Domino >s PiSfo": E' mais coi
fazer aqsi essas obras.
0 Sb. Tibubcio de Mxgaliues : Dcsde qua i
obra foi feita no pan, o orcaraenM tornou-se deJj
ciente, porque o cns& della excode do du'dli ao
que foi orcado. al x,,
0 mesmo se dea em fofacao as quatro fugcras
que ornam a sa*a An- sessoes: liz urn calculn
approximado pi*- Talta de dados exac'os.
0 Sb. G.vsp.vk Biiiuimoxd: rrMas (cons-wrta quo
di^a) e ura -calculo em qoe ha urn sprejuizo
eoonrt*.
0 mi. TiaBaci) de Uaoalhai.- : a* Ha .prcjinzo.
ma* Rao e esorroe, naa ehega a 30 por cent).
O Sit. (JASi'.vn IJw;iiii.\;i' r Veja que o preco
das figuras e de'4:80&* fort-'.
O mi. tiatncis urn Ma.u.!i \eb : Nito, eenhor ;
fracos; 550* fortes, creio eu. Fram orcadas
supp mho q*t pat 1:000* ou :*0t* cada. area.
O Sa. Gasi'ab DncstanxD As estatuas, se-
gondo diea reelamante, sao da custo de 1:200.5
i.irtes, ao canibio de 149, aforai deapsus de em-
barque, counnissa direitos. etc.
0 Sh. Tmoaeio n Mwuniu Oeio qno alii
ha ergane.
O Sn. Ddminsos Pinto : Batiiocusta cada nraa
n; iis de :!.t) (Iji I
(Ua ouiws apartes).
(kaa. TmiiRcio ok Magalhabs :Se o dontra-
tante quizesso e?necular, podia waodar raeer as
estatoas e os leiios por um pro^o nuis barato. Ein
hi gar de manda-ias fazer por wn dos raelhores
aili>tas, como fea, podia e-pecular 6 procarar um
a*tista aiais modesto e aienos eaigeniu, com tanto
qoe as li^esse pur uienoj e eo contratante aufe
risse um luero maior. .
0 Sb.Dimingos (am: Ma tM mUlio nobre
diqjut i lo como director das obras publicas para
n impair.
(II* outro* aparies).
O Sn." TfBSaoioos Mac.u.haes : -As Hguras po-
di.in. sor feitas de uuia otitra qualiJade de
jiedra
0 SB. Do.vuniios I'isto : Dtj pedramulalinlia ?
0 Su. Tniuiu:io Dg MaoaliiSks : De uma pe-
dnt meuos oinsislcote e tnais facil de ser traba-
llnda.
i) >n Douisgos Phtto :Entao o nubre deputa-
d i ale ii6-aceitava.
0 Sii Tihurui) 03 Magalhaks :,V. Exc. deve
ouii^idepar qua 56 os olli>>s de mest're 6 que po
dem cinliaeer a differeuga eulre uma obraprimo
rosamente acabada e uma obra foita de carrega-
ca ). como se 0 Sit. DoHBiGoa Phito : -X'lo, senhor.
O Su. Tieuacin ok Jlj^yilfB :,.,, entretanto
qi|e a d.ll'-:ien;a de pFQfo e inujtas veies deciifdas,
conf irme a iinportancii da oSr.i e a mao do mostre,
p>rq;io 6 feita.
linla.) nao se paga ^i "bra pagase o noine c o
writ .> do artista.
O-Sa. Do.MiMiis Pi.nto: E paga se ao >bem
acabado Ua obra.
0 Su. Tim;iu:io oe M.'.u.u,iiai-.s :,A qbraefta
m:iil* be.ii) ac.ili.i'.lii,, tanto as cst ituas, ^conio o?
!'> ; mas o c.mtratanfe, podia obteI-|^,pHr..mi;nos
prcci V. Exc. sab'i qup fii em L'soiil diffe'ren-
tes qualidaJej do pedra; ha abipeJras rouito fa-
reis do serei'ii eai^luaias e era quad, attista. tra-
Italtia muito born e njjiis dopri'.'-.sa. S3o pedras de
Bui ealcareo menos rcsistehte, mais fazem se com
alias oSras de toja a, qaafid.iUi, embora, nio se-
b.:. Jc i5j granJe durae3a serein frage'ls como as
Feitas i:m pedras mais nonsi^teni^?.
0 Sh GXsi'AR Dkumuuid : A p'edra em' Lisboa
cnsli Itii e V. Exc. orcou em 10J000
.r ..... >u..,..., t^. rt ___.. j.
pedra e cousa, insigaitkante. a mao de obra e tudo,
e o bem acabado da obra.
Aja:llas pedras ina:^sas que svrvem do br.se
eotnranas da igrijja da I'oafia chegarapi aqui
p>T Si5 o metro CUbicp, cntretanto. qftc para a
que sendo a pedra ninitj in isor o prejo foi muito
menor em compara;aj ao volume.
Crefj que tenhi tocado em to Jos os pontos de
qu; >- occdpoa o nobre deputado. Se me esca-
pju algun-, o nobre deputado queira m'os lem-
brar.
PersuadjHpQ de aue Jusliflqaei 0 juizo, que fa
.ihis differente Jo qae fit ha dons annos, a
resj^ 11 Josia qnestSo
Agora paisarei a f.-izer ajgamas outras conside
ra';os
Xa) e prase estabelecer-je nos or?amentos ver-
ba par.i i. juroa do uiuheiro, que o empmteiro
aiianta para a faciara da obra, porque issc e.-ta
incl.iii i na verba ecentiiaes, que supprimi, como
ja disse
A) comoQar a obra a provincia pagou a !' pros
tagai', e ic.n pagj as uuiras gradualraento, de
inane BJeamaobra (Juauto as pre-ui;oes que yao sendo
pagas, a propor^p (|ue o tra'iailjp se eiccuta, a
tnesouraria provincial vai Jelu/inlo 10 por cento,
qua Beam em deposit > para o einpreil".iro receber
u n ann i Jepois da couclusaj da obra.

us oito pin- centod.j.%6awicmo qtie t#4tlHaf '
Seai,-.quellMe(n4J0 thdujairto, Jjojewcom mate
fprte. raiao, norqua nos ^ous aiyios dec^rri^;
como ja diua, acorapanltet diaria e minnciosa-
raentiS as"obrts, e^porMssfl estbu plenamente tfort-
vencido de que o coatratanle tern direito a in
demnijajjo qu^Mdc. urn veto quedo.u de cob-
scienci* OjflQffo fk o orcapienlo, paso'dizer qae
nao linna ijfc^t-riia ieiro conkecimanto do valor
de diversas pejas de rana ftbra tao fmpdrtinle,
De mais-SB^a o segainta : aqui na bro\iucja
ainda tfao se fizerrin du^s obras, qae i ntesmo
empreiteiro prinnpiasse e acabasse; cnso fosse
esta e a do roeatro, e quo nao excedessfm ao or
rsiuento. 0 g\ mnasio Tui orqado em ocBlo e tan
tos eecft-s, e gastmm-se quatrocemrae tantos.
0 Sb. G \spab Da*** xd : Por ewsa de obras
accre^cidas.
0 Sr. Tmuncio >k MA.r,A.i.HAes Alem di?so,
teve differenva no prejo dos uiateliaes, de um anno
p*ra outro c duranta o teaipo- am que foi coos-
truido. __ ___^________________________
0 SB. J. TIbulo Hkco :O gymhasio teve ac-
crescimos.
0 Sb. Tibi'rcw de Magalhaes : -Nio fallo des
gnlda lancadi n^sautoi pel* towmissSi resbec
tiva.
Arti I*l.V.<**rj16a '.art intimar v fehe^e
M<>ai'*RiBiBBfa BTpresi'lcii^.o.' prifi.ieia. SaVT b-
ih&ftf l/ii ijyyJjHjtvir 'a!b,!,r i,rji:cJ Art. 11. Cousiderada procedente a quoin, man-
dara a mminijjaft.a:-peciai auuprit u ^'nc aao
for compativuf eg* as d.spasiedes do presente ca-
wtulo, o qui acha detonniaadD nos arts 401
402 e \Q:i d*ngulamaBto ti. lift dc 31 de Janeiro
de l8t2.'
An. IJ. A' parte accttada 'lefconcoikra otermo
de2i horaapara offereeepo libeH', sob pena de
fioar pereBtpU a:cij, :.o reee de duus dias
para apreseetar a snaeoairariedade, proJutlr os
documettw de sua defcsa-, nomafr testemunnas,
sob pea* da reveli|.
Art. (a. No caso de treixaf o rfto correr a reWT-
lia^ o seu julgamento, Ine naineara
MefiAl%am
gravemenlo com duas facadas a Joaa/aB^da<^asj
rtsiWnto, tus su'urbios da ciJJei3d 5??retli ,'
W ptqs^c.ii flagranle, e tove IWirJPcoaveni are
a3sUi>i mquerito que a rcs^eiWTsjf-pK-ede.i.
Woyft piiblieaciio. AuJiVBtl* Acala-
nlie*.* luilu-irial acabaui da piitar, para ser
vhildidos a 56 >00 cada um, algonsBxemplares do
Enuiu publtco, obra destiaada, seRundo die o sea
autor, o Sr. Or. A. de Aluaeida, Oliveira, a mos-
trar o esUdo em quo spsja&na; e as reforhas que
exige a tastrac.-ao puMpa noBrasil. A obra di-
vide-sM'm 9 paries, aisim denoniuadas: vistaa
garaes, ad crgamsacao do ensmo -, de algumaa
miutuicoea aecessarias, do magisiario-,- dos
metWsdea da ensiao -, do material das escolas,
das bibliottaefcts p pulares, das de.-pesaa da ins-
irucQio-^ me mais de'familia,
E' ubra difna de aprBco e qae rccoraoifendanios
Pagadlna dc faxonda. Nesta esta-
n ne noiBeara o preMdente da jao pasam-se hoje as seguiiKes folhaa :
advogado, ao-qaal rometteri o fri- JusliA^I f-iosta*ia, eapitania do porto,
meitosBl-etBriocoiwdol.bella o do rol dasles- badoria. corraiB KerA: anBrftsadm da p^
temunlias, coocedendo-se-lno o prazo de um dia.
Aft. U. 0 Wbetto dsverassr offere
ses accresewws, failo das obras que fcram or-
radas. "*rZl
As obras da casa de detea^ao, qua. foram or,
das em duientos'e tantDS cuiitos, custar'
centos e tantoa-
0 Sr. r>)Mi.\Gos Pinto : Mas, provflU-se que
a gastoa tanto tijolo que se
de deteneao macissa.
tJt SB'. TrwiRcio bk' Mabaliiars : E verdada
que foi prova'do ter-se ga--to nos alicerces muito
raais ijjolo do qne era uecessario.....
OSr. J. MeLco f\fiao : ljtb provti qe os or-
carrrentos furam errados, mas aSo prova qne se
dessem iademntsacdes aos arremataates.
0 Sr. TropBcto de M)uSALnJES: Prova o se
gtiiate : que essas obras foram feitas pr-r diffo-
rentes c, ntraUutes, e qae se tivessenv'sido-feitas
de prlncipW a fim por um so, esle era digno de
ffliia indnnisa^'^, desde qtfe se: pru*s-e que o
occamenta eralmafSciente em viriude do au#
merito de preco dos raateriaes.
0 Sr. DmiKGoit' Porro ; NJo; desde que o
empreiteiro vi qn nab pode fazer a obra pelo
preco que comratou, deve rescindir o contraio.
O Sb Tniuncio be Maoalraes : Mas o emprei-
"teiro, ja tendo soffrido um prejuizo, quiz ver se
o resarcia acabando a obra, suppendo que os
materiaes descessem alguma cousa.
0 Sr. J. Mello Rego : Contando talvez com a
iudemnisaeao.....
0 Sr. Ti'nt-Rqo db Magalhaes : Base mais
uma razao. Dous oa tres meres depois de ter
eq, fejfpo orcamento do paijo da aFemb!6a, fiz o
do edWcio' do thealro, servindo-me das mesmas
bases ; e o que acohteceu ? Passados quatro
inezes a obra foi posta em hasta pnblica e nin-
guem' concorrendo, teve-se de aeeMar uma pro
posta elevando o orcamenlo a mais de 60:000i,
t) qae importa dizer 26 e 4 decinio9 por cento de
augmentb..
Um Sn. Deputado : E muito breve o contra-
tante vem tambmi pedir uma indomnisaeao.
O Sr. Tmcnclo be Maoauuib : Nao vem pe-
di-la, porqoc tem lacro 6Ullleiente, e mesmo por-
quo t nils as obras accrescida?,. que nao foram
prerisHa's nb orcamento, teem sld-^ pag s a parte.
Nao pole, portanto, e.-te contratante pertir uma
indemni-ajao.
0 Sb. Doatrxcos Tinto : -0 ferro nao subio ?
0 Sr. TibcrcW de Uxgalhabs :Subio.
0 Sb. Douingos Pinto : -.Ah* e.-ta uma base.
O Su. TmiMinto ds Magauiars : Elle pedio
mais 26, 1 (i|0, parque j.i entao o ferro tinha
curiierado a subir.
0 Sn. Tolentino be'Caiivalh. : Foi mais
cautelOso.
OSii. Tmuncio db Magauiaf.s : K.d mais can-
te'oso, porque, sendo a obra mais importante e
mais minuciosa, e convindo que i lie fo-se a Europa,
de-peza esea inqirovista, e desconliandci qae o
preco do ferro subisse em pouco tempo, compre-
hendeu que devia fazer uma proposla com o
augmento de GO contos do beia, de maneirn que
podesse fateel tone tuite; foe coaw o inde :
deixou uma"grande mafgem
0 Sn. DosUngos Pinto : O nobre depuiado
me podera dfzer emquaato montira as obras aj-
crescidas no p.n; > da asiemblea ?
0 Sn. Tiri'rcm de Mvgalhabs : -Nao posso di-
zer ; entre as obras novas e as^ supprimidas a
differenca talvez nao cbegue a lo:000i.
OSn. Domixgues Pi.nto : Mas estas ja foram
pagas ?
von. HDIHH.H) iv aiAiiAJiAfcS AlgUliias pe-
qnenas obras ja foram.
Sao estas, Sr. presidenie as razoes que entendi
dever expender para lervax ao espirilo do nobre
deputado, que me imtorpenou, a conviccSo de
que o mea voto 6 todo conscieoewso. (Mui.o
bem).
Si*, tiaopar Briioimonil : (Nao de
volven o seu discurso).
O Sr. (.onii-s Pareale s (Nao devolveu
o seu discurso).
Consnllada a assemblea, consente na retirada
do requerimento, peaida pelo Sr. Gaspar Drum
EBand.
Ninguem mais pedindo a palavra, en:erra-se a
discussio, e, procedeado-se a vota^ao, e rejeitado
o projecto.
Entra fioalmente em la discussao o projeclo n.
18 deste anno, autoxisaneo o presidenie da pro-
vmc?a a inandar admittir no gymnariii provincial
dous menorescomo alumnos gratuilo?.
Reconhece'-sd nao haver casa e liea a discussio
adiada.
0 Si. presiJente marca a ordom do dia seguinte
e IdN'anla a sessao.
Jldd'em ses
sao da assemblea a podew ser aceito ou nao pelo
seu presidente.'^' ~'-
Act, li Find,os os termos marcados no aru 12,
a" eMRflWaV) espeetal'tendS preVlamente maodado
^InuO n ooflBfalWe^apolWcOBc I Jiaa^?-
dla oara^n\Wa'rae^das part^6 1
podia faser casa fereo art. 403 de regulanwnto a:-H0-4fr-fri dwjit-
ntiro de I8ii, o que deve ser participado ao ac-
cu.-ador e testemuahas, alim le que compare
6a. ,.,,; j., toil! i
ArL 16,. Aberu a sessao pp dia iudicado, decla-
re 30-
esladade
.riauio, ea'.rea peuuitima presta^ao e a ultima
o emprei:eiro, para executar a ubra, que e toda
feitj, a dinbeiro porque os uosso? operarios nao
faze u o servL$,i il.j), tem dp umar dinheiro a
jaro, quo ua epaca actual c de li a 18 por cento
ao anno.
D'onde. Iirara elle o dinheiro para pagar esto
jdro, senao tem tido lucro nas obras que tern t'ei-
lo, io nao tem a verba eventuaes 1
!h uma outra soasiderapao que muito actnou no
men espirito e concorreu para que a comrbis-ao de
obras publicas eiaborasse o projecto qae ora se
ditcatc.
Chiando o governo estabeleceu o rgalamento
das obras publicas e nao quiz assamir a respon-
sabihdade da execaeao de ebrav teve em vista,
niaudaudo-as por em hasta puWica, quo aquelles
que as coniratassam Uvessem um lucro razoavel.
Ora, e debaixo deste pooto de vista que o arre-
imtante tem direito por equilade a essaindemni-
aaal 0 Sn. J. Mello Reg : Nao acbo esse argu
mi'nto procedente.
0 Sr Tib:aao de Magalhaes :... mormente
tendo se provado que duraole a execucao das
obras os materiaes sabirain de valor e bera as-
sim a mao de obra.
Ora. seogoverno nao livesse era visu pagar
trabalho dos cootraiantes, o que aooateceria 1
N i se sujeitaria, eomo tem feito em. casos identi-
cos, a pagar inderanisacoe*, q-iaado estas tomm
exaberamemento pro*adaa.
0 Sa GasbAP DiioMAto.NO : Mas, V. Exe:
nio me dirt aonde esta firmad i o direito a indem
aisa^lo ?
O S* Tibi.rci dk MA;A4.n.vES : na^quidade e
na jostlca.
. \-im. Sr. presidente, jase ve qae se eu re-
formei em parte o par^sr1 taeifei ha derc'a de
djus annos foi por ter diaTl&ie-itte 'aeornpanha'Ja
os tiabalhos, nor ter incsmfc da caso penaado, exa-
UHOado e verilicaJo oi.pr^cospMWue,' fofniejtas
as otiras, O cvntratanus ja pre^a, em virlude da
pratica que tinha, que t* wwoi oasmados no
orcamento nao chegavapi m+ axecocao da
obra ; mas, nao obstante,. coajo^iao queria enga-
nar ) govern j e desejava iumprir perfeilamente
o seu cojitfaLo, eJie concluio a obra, satisfazendo
a V*W 'S preceitos d'arte. eo'mi* pode quaiquer
yerili iar. Ja se v<5 por isso que cawcter de que
se itb,reBl8tjdo o euipFeiteiro ta execue-o das
obras e drgno de ser apreciado par beu; assemblea
e I" 11 g-jverno, e qua se Ihe deve eonceder uma
inlemnisaeao razoavel.
0 uobro depuiado,. que me: precedeu, leu so
uipa parte do pareeer que dej ha cerca de dous
aan-js,
0 Sr. Gaspar Dbummxvd :Fui lendo
por ponto
0 Sa. Tibuucio db JIauauiaes :-Mas flio lea o
nnaL uivez Ihe escapaase ; nio digo que o fizes-
^se de easo pengadc.
0 Sb. GAti>AB Dbpmmond : Mo foi de csq
Pe**i-'j; w V. Esc, quer, a leio.
O sr. Tibubcio db MagaihIes -N1o e preciso.
esse final, apezar da exposifio qua eii /az'a re-
rarab pfesidenke 0 seu objecto, e defoois dV^er o
do proeesso, comecara o debate pela acensa^to,
por parte Ao queixoso ou sen procurador, segBut
se a defeza pelo, accusado ou seu advogadq ou pelo
que liver side nomeadb, no casb da revelia.
Art. 17. C'-ncliiid-j q deu'lte verbal o prcsfdeate
raandara juntar ao processu capia da aeta do dia,
e fara os auto.-, coaclusos a eommissao para inter-
por o seu pareeer.
Art. 18. Apreseutado o pareeer com o decrelo
de suspensao u detnissSo/pas'sara pelos iramites
dos projectos de lei.
Art. 19. 0 decreto dp. suspensao, on demissi)
devera center, de accordu com o art. 6- da lei, de
12 de maio de 1810 : primeiro. o relatorio do fac-
to ; spgandn, a citacao da lei em que c magistra-
do esta- inenrso; lercciro; uma snccinU e,xposicao
dos fundainentos eapitaes da decisao tomada.
nrt. 20. 0 dccretOi de suspensao oa demissao,
depois de eseripto no proces'so pelo I.* se'cretVrio,
se.ra asslcnadj pelo presidenie e demais membros
da assemblea que forera juizes, dev'eado remetler-
se uma copia>aulneutica ao presidenie da provin-
cia para ser publieada, e mencioaar se minuciosa-
meute no acto da sessao' todo o cccorrido.
Art. 21. Todos os membros da assemblea sao
juizes coinpeteoiei para conhecer dos crimes, de
que trata este oapitulo, exceptuando se:
I." Os que tiverem com qualuuer das paries
parentesco em liaha recta, ascen^eute o Jescenden-
te sogroe genf.i; e em liutia col lateral, irmio, cu-
nhado, em qoanio durar cunhadia, e primos e
irmaos.
2.* Os que tiverem deposto no processo como
testemunhas.
& 3." Os qu'e tiverem com as paries liligio pro
posto antes da accusacao.
Art. 21 Se suscitar se alguma duvida a respeito
dos impediments de que trata o artigo qotaceded-
te, sera decidida pela assemblea, prccedendo uma
sc discussao na qual cada deputado potters fallar
uma vez.
Art. 23. Qualqnor depuiado qua for apresenla
do como testemunha podera ser dispensado, de de
for se declarar a assemblea que nada sabe db
a':t6 delicluoso, que possa esclarece-lo.
Art. 24. As lestemunbas, tanto da forraicao da
culpa, como do julgamento, serao inqueriJas na
sala das cominissoes pelo 'relator da cohamissao es-
pecial, e na presen>a dos demais meml'Mi d'esia,
qrre te'rab o direim de inqueri-las, podebdotam-
bem as me-uias ser c mtesta las p.qo accusado oa
sea advojado.
Art 23. Qaanlo os faclos allegados forem ca-
balfiienle provadis, por meio de docum?ntos, po-
dera (lisped ar se a prova lestemonhal.
Art. 26. Sa na sessao, de qne trata o art. IS,
aJgum deputado requoier que saja ioquerida de
nyve quilquer lesteinuqha, sera o seu requeri-
mento ^ujeitd a deliberaeao da assemblea, iude-
npnil0n'oment Hi x. a. nn \i\ aDDrotado
poderap fazer pcrguntas a testemunha kat>r J2
requerimento, o relator da commissio especial e as
paries. ,
Art! 27. Semp're qiii a coaimissao especial jul-
gar necessario o depoimeoto das testemunlias
communicara a assemblea, alim de officiar ao pre-
sidenie da provincia, upsealidi deordenar sua
ai'tucaca') a quaiquer auloridade, marcando se o
dia e I cal, em que'devem r.omparecef,oa man iar
fazer a notificaclo pelo porleiro da casa.
Art. 28. Todas as outras noufleacdes ou intima-
toes scrao feiUs pelo offlciaJ-maior, que servira
de esciivao em todos os termos do processo.
Art. 2!>. Have'ndo empale em quaiquer votacao,
prevalecera a-opini*o ma's propicia ao aceusado.
ArL 30. 0 presideule da assemblea p.dera clia
mar a ordem e mesmo prender em flagrante, au
tear e remetter a autoridale competente, quaiquer
pessoa es'.ranha a mesraa assemblea e que lenha
penetrado no seu recinto, em cumprimenlo das
determin'acdes do presents capitulo no caso de nao
guardar o resDeito e acitamento devidos, ou de
proceder cnminosamedte, em virtude do codigo
penal.
Art. 31. Todas as vezes qne a assemblea liver
ddconetitnir se tribunal dejastica, podera requi-
silar ao presidenie da proviacia u.aa gaarla, se
aissim o enlendor convenienle.
Art. .12. Se a assembles for adiada ou encerra
da, sem qae tenharcoftcluido o processo comeeadn,
devera fa e lo sem perda dc tempo, aos primeirus
dias da reuniio segnidte.-Dr. Manoel do Reg>.
ponto
Arti^os adilitivos o ro^iiucnto.
rArYTW-o i.
Do procesiO dos mayistrudos per.nte a atssmblen
prfinncial como tnbumai de jusliea.
Art. t. Sempre que esta assemblea houver de
proceder como tribunal de jusliea, cm conformida-
de do art. o- da lei n. 10b' He 12 de maio de 18i0,
lisarido de attribnicao que Ihe con fere o art 11
7" da carta de lei de 12 de agosto de 1814, devera
observar a forma do pro.'esso^ estabelecido no pre-
sente capitulo.
Art. 2. Quando for aprcsenta'Ja &lguma queixa
de responsabilidade contra quaiquer msgislrado,
nomeara logj a assembfea' uma conlmissao e pe
pe.cial de cinco membros para examina-la, e no
prazo improrogavel de tres dias dar o sett pareeer
a respaito, declarando se deve eu nSo sW aceiia.
Art. 3." A queixa devera satisfazer aos seguin
tes requisitos :
1." S'v dada contra um funccionario legal-
meote reconheci io cohlo magistrado e (,wxeroa
cm tenha exercldo jarisdic^So na provhuia.
| 2. Refetir-se a crime, a que e^tejam impostas
por leis antcriores as penas de saspeasio ou de
mi-sao, e qne tenha side porpetrado na provincia
3.* Ser asslgnadd pelp mielsoso ou por al-
gueiri a seorogo; no caso-de nao poder on nao sa-
ber escrdter, e acompanhada de documentor que
provera a existencia do delict), ou de uma decta-
racap coridudente da impossibilidade de apFesen-
ta-las, que piderSo ser dispensados se o crime es-
tiver prbVado pbif dbciimenios.
Art. 4 ApreSe'nlado o'par'ecer da conwnisBao,
sera disculido cbtno quaiquer ontro e a asse~mblea
resolvera se.alcelta on nao a^delxa.
Art o.* No caso aulrnJi'.iv), mahdara a asserri-
biea, por infornjedjQ. do 'p'rtflflenta da pfdvincia,
ou ilo prinielro secVelario, 'diiirf'v magistrado, re-
mottendo-llie cdpia da qiieiia 'k doi dpctraentos
cow declarajao das n lines do .q'rtelxosd^r'o'a'i tes
temunlias, iptiraaado-o, alim do qne'responda no
prazo improrqiijaySl de 8 dias, conta'dos do r'ebebi-
inenta da inlimaeao, e notlfi-.aridb-o ao mesmo
tempo para assisiir a lodos os iramite? d i pro-
cesso
Art. 6.* Decorrida o prazo. e dada a resposta ou
sem ella, ait casps de bao tf, la apresentado em
tempo, ou de naodevei" er ouytdo, segnndt o art.
160 do codigo ilo processo criminal, a co/rtrnissao
especial courdenara; o proewso,^ fizendo autoar a
queixa e todos b* dbeuriieiifos itTstractivos e pro-[Antonio BeofBnato, para estndar na aeadenwa das
reviSta diaria.
Vsseiuhlea provincial.'-Ante-hontera a
assemblea funccionou com 26 Srs. deputados, sob a
presidencia do Sr. Dr. Portella.
Approvada a acu da sessio antecodente, o Sr.
1* secretario deu conia do seguinte expediente :
OUlcios :
Do sacretario do governo da provincia, remet-
tenilo, por copia. o olDoio da camara municipal de
Buique, declarando apocrypha a repreaenla;a>i que
em nome da mesma camara pede annexacao do
municipio ao territorio da freguezia de Aauas
Bellas.-A' commissao deestatistica.
D i me3moi reaieiiendo ura projeclo de posturas
da camara municipal d^ Cabo.A' commissao de
p isturas.
Do mesmo, remetleodo, por cepia, o acto de 16
de jullio de 186S, relhtiVo ao calcamento desta ci-
dade. A qaem fez a requisite
Pelicoes :
De Uosalina Olympia Bazerra da Mello, profes-
sora deAguas BeHas, pedindo pagamento deorde
nados que cahiram em exjrcieios lindos. A' com-
missao de orcameuto provincial.
D* Joao Salviao de Souza I'elxe, ex-estudante
da escbla normal; pedindo para fazer exame das
mawrias do> anno.A' comiaissao de instruccao
pubiiea,
I'assando a ordem do dia, foi rejeilada a emen-
da apresentada ?m 3' di3c0.s.1o ao projeccttt-ii. 2
aestc anno, que regula o snbsidio e ajada de eosto
dos Srs. deputados, declarando o Sr. Gonftalves
Fcrreira ipe vptou pela emenda1,
EtBsepuiJd foram aoprovadps : em 3' disoas-
s5o o projeclo n. 29 deste armo, .qae approya o
contratjpara a e.-tradade ferro do Recife a Card*,
rd, coraum addflfvo do Sr/ttlippei de n^iieirta,
orando aobre a materia este Sr. e o SrVtiMJmeff Pa-
rente ; era 1*, sem debate, o de n 29 tarabem
deste anna, i|ue concede am subveicao annuil a
nadoria, cowai* gerai| empregados da
ferro. _
PruMumas.- Foram lidos naigreja do Ro
riarque servrdo aaatriz da freguezia de Santo
AaMBia, nrt dommn<> J de maio, os seguis-
tes:
t* dentdciacao.
Guilbermiop Rodngues da Fonceca, com Amelia
Luna de Barros Pinto:
L >'andrinp Luiz de Farias, com Felismina Ma-
ria dos Pra?re1f?
HermeaDtas Fernandas-, eom Candida Maria da
Cuuha Fenjandes.
Joao' DdmiBgoes da Silva I'idto de Almeida
Guimaraes, com Ignez doRego-Barros Guimar3es.
Manoer'Romoaldo i^aplista, com Hisliberta OJin-
d na da Cunda- Moreira.
Joarroim Paulino Niceas Muniz, com Hermina
do Reeo Costa.'
Alffres Doiningos Jose Ferreira, com Ainalia
Avelma Mkclel dft'Silva.
2. denunci*(o.
Laurindo Francisco da Silva, com Petronilis das
D8res.
Eugenio Francisco dos Santo*, ora Aurea Be-
nedicts da Coneei^ao.
Jose Diiarte da Silva, com Alexandria Maria
de Oliveira Mello.
3." denttociacao.
Dr. Francisco Gomes de Andrade Lira*-, com
Isabel da Cunha Beltrao da Aranjo Pereira.
Sebtrstiao Manoet ios Santos, com Alexandria
Victorina.
Antonio Soares Porto, cim Genoveva Maria do
Livrametehy.
Antonio Mendes da Silva, com Bellarmina Olin--
dina da Silva.
Join Firmino Nunes, com Amelia La lislao dos
Prazeres Galvao.
Maximiano dos Passos Alves, com Luzia Maria
da Conceii;ao.
Vniceto Firmino Ferreira Moura, com M&ria
Lins da Costa Wanderley.
Brasiliano Ferreira Albuquerque, com EufrozinA
Minervinda da Circumcisio Geraldes.
Manoel Thomaz Percira-do Rego, com Anna Rita
Marques.
Jo;e de Souza Ciuto Junior, com Vivina Eugenia
de Oliveira Coragem.
Alferes Francisiso Corrt \ do Matl03, com Maria
Emilia da Cunha.
Manoel Jose dos Anjos, com Aotonia da Silveira
Moura.
Jose Antonio Ferre;ra, com Carolina Maria do
Espirilo Santo.
Francisco Honor io da Silva, com Maria Fr.in-
cisca dos Prazeres.
Fraicisco Jose de Oliveira Junior, com Carolina
Maria da Conceicao Alcantara,
Loteraa -A que se acha a venda e a 98." a
benelicio da matriz da Escada, a qual corre no dia
6 do correnie. .
JLcal&o. Araanha (o), effectua o ageale
Rinio, o -leilao dos pianos, bai os, ferramenlas,
raoveii c mais accessories da offieina da pianos da
rua do Imperador n. 5'i, aqtiga casa de J.
Vignee.
Tambem hoje, eff:ctua o ageate Dias, por
ordem de uma fa-mlu que mudou para a eOrtev- q leilao de moveis e vidros como esla
annunciaJo. em o 1* an iar do sobra.lo da rua da
Aurora a. 79.
IIopiUU itoriufiueir..-Movimeiit clinico
do hospital ponugiiez do beoeflceocia em Pernara-
buco, durante o met de abril de 1874.
Ciiuica, da Sr. Dr. Pilaoga :
E\i-iiam lo, enlraram i\, sahiram ii-, fallen-
ram 7. <'-*" a.
.N. Is. Os fallecidos foram: 1 de caaero do
fun Jo da bjeca, 1 de luberculos pulmonaies e o
de febre amarella,
0 tuberculoso foi recolhido no ultimo periodo,
bem como os t'e febre amarella, dos quaes 1 durou
5 boras, 1 doze boras, 1 28 horas e os 2 30 horas.
Cllnica do ?r. Dr. Carlo*:
Existiam 13, cntraram 27, sahiram li, falle-
ceram 2, exislem 2i.
N. B. Os fallecidos foram : I de febre ama-
rella, l de amollecimento cer bral que durou
12 h ras- apenas.
Casa de detencao.Moviraent) da casa
le detencao do dia I. de maio de 1874.
Existiam presos 359, entraram at sahio 1,
exis'.em 36J.
A saber :
N?cionaes 287, rauiheres 9, estrangeiros 27,
:3cravos 36, escravas 3. Total 362
Al,.nentados a custa dos cofres publicos 29o.
Movimento da enfermaria no dia 1 do maio de
1874
Teve alta :
JiiSo dos Santos Teixeira.
PasKngetro*. Chegados dos portos do sul
no vapor Gequia:
A. L'da Silveira e Antonio Jose Marlins.
Cenaitci-io publicu. -Obituario do dia 30
do corrente:
Joao, partfo, Pernambuco, mezelf, Recife ; be-
xigas.
Jose Zambrotte, branco, Italia, 21 annos, casado,
Boa Vista, hospital Pedro II; febre amarella.
Manoel Francisco Pereira, branco, Bahia, 39
annos, solteiro, oolicia, Lioa-Vi:ta; infeecad pu-
rulenta.
Manoel Joaqnim da Santa Anna, ilha de Fer-
nando, 21 annos, solleiro, S. Josp ; letano.
Leopoldina, branca, Parnambaca, 5"meZes, S.
Jose ; convuls3es.
uj lteSre.AppellameTJcimingas sriria
_ Ja'Cu-
alia, sppeHada" I). Maria da Caaba* Sorfres Brab
ddo. ... .
AtfSr. discm'ia raja dor alotta .
Eiabaigos infriageqies.
Embarg'ante'Antonio'de SouzjBraz, embargado
Jose Alves Barbosa.
Do Sr. desrtinaarjja lor Almeida Albaquorqaa ao
Sr. desembargador MolU:
Appellacao civ,-].
Da Parahyba Appelianie Fradciseo Jose Pe-
reira, appeUado Maneel Daolas Correa de Goes.
Da Imperalri/.. Appellante Antonio Barrozo
Valenie, appellado Jose Furtado Barboza
Ao Sr. desembarajadiir Acdoli :
Appellay.a.o crime.
De Villa-Bella. -Appellante o juizo, appellado
Izidro, eseravo.
Ao Sr. desembargador Souza LeSo :
Appellacao civel.
Appellante Candido Marlins de Castro, appellad)
Jose Camaelle de AiboquoBqae e outros.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Accioli:
Appellacoes civeis.
Da Recife. Appellante Tasso Irmio, appellado
Joao Vasco Gabral ; appellanles Antonio Jose da
Suva do Brasil e obtros, appeltada a companhia de
Beaerite ; appellaale Antonio Valenlim da Silva
Barroca, appellado Antonio Moreira Dias, admi-
nistrador da ra,wsa de Sebasliao Jose da Silva, de
Maceio ; appellante Carlos Augusto Zanott, appella-
do- Dr: HobBTt) Calbeiro3 de Mello.
Do Sr.desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Domingues Silva:
Appellacao civel.
Do Recife.Appellante o Dr. curador geral, ap-
pellado Jose de Freitas Barboza.
Do Sr. desembargador Souza Leio ao Sr. des-
desembargador Louren!?o Santiago:
Appellacao crime.
Appellante a justica, appellado Benedicw, es-
eravo.
Appella;oes civeis.
Aiipellantes1 a companhia da trilhos urbano< de
Caxanga, appellados Joao Francisco de Carvalhd e
ontros ; appellante Joao. Gome3 de Oliveira Goe-
Iho, appellado Jose Franeiseo de Arrnda ; apellan
la Jose Dias Gulmaraes, appellado bicharel Joao
Ferreira da Silva Gnimaraes.
Revista civel.
Recorrente D. Fran isca Maria do Espirito San-
to, recorrido Joajuim Pereira Victoria e sua mu-
Iber.
Diligencia crime
Ao Sr. desembargador promotor da ju3tica :
Do Pilar.Appellante Antonio Joao Castro, ap
pellada a justica.
DISTniBUICOES.
Recursos commerciaes.
AoSr. desembargador Almeida Albuquerque :
Recorrente o juizo do jonimercio, recorridos Pe
reirado Melb & C.
Ao 3r. desembargador AccioK :
Recorrente o juizo do commercio, recorrido Joa-
qnim' Pereira Coelho da Silva.
Recursos crimes.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
Recorreate Venaucia Maria da Cunha, recorrido
Candido Feitoza.
Ao Sr. desembargador Accioli :
De Bom Jardim.Recorrente o juizo, recorrido
Francisco M. de Mattos Ribeiro.
Ao Sr. desembargador Domingues Silva :
De Palnreira dos laJios. Recorrente o juizo,
recorrido Ignacio Ferreira de Carvamo.
Ap Sr. desembargador Souza Leao:
De Macei6. Recorrente o jnrzo, recorrido Ma-
noel Sera fim Barboia.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago :
De Goyanna Recorrente o" juizo, recorrido
frei Joaquim da Santissima Trindado Co'deiro.
Encerr'ou-se a sessao a 1 hora.
Jar* 4ar I i anWri^cai Qpi%, era mister que
(osso renietiuU La riWM ^ kuaques, conviaco
Jue (i proponenje, e^nipfaasse eui reduzir o praic.
oprrvilolio aTTanfto-. Respon leu a camara Coin
a plauta, e ameV-e'lBiMlfci*', do de novembro
disse a S. Evk r-ijae a peaposta -do Sr. Figneirna
iuconteslavelmente offerece mais vantagens qne a
do outro proponente.
3. txc, d'poia de ourr partnlarmente aopi-
nii) de pessoaa eempete abril proximo llndo ao director das obras publif.-
a planta Jos kiosques, ordeaaofc-lhe qae infer-
masse sobre a convaniencia a ekganeia dos mes-
mos. Bsse funccionario respondeu em offlcio de
24, dizeaJ > qua nenhuma ubjeceao tinha a faxcr
quaato ao typo apresenlado, o qual segnndo esta
informado, e o mesm > adoptado na curie -.
A camara municipal prefereria uma proposla a
qne nao livesse aeompanhado o modelo dos kio.-
ques ? E' inadmissivel. Quando assim honvesse
acontecido (o que so por hypothese se admillei,
na occasiao de remetter a planta a S. Exc. teria
feito ob-ervacoes, caso as jnlgasse necessarian,
nolando-se quo labca este objeclu a camara diri-
giose a S. txc. em outros offlcios.
E agora I Nao vale mais a p"na tazer-se aulup-
sianoquediz a Provincia. Esta reconhecida a
causa pelos ffeitos do mal.
E' a touctira do poder que os desespera ; e o
gosto de menlir quo os degrada ante a opiniao.
Nao foi o anemalante dos kiosquesquem apt-
sentoo o piano a S. Exc, fui a camara municipal
quem o remeltea e por exigeacia de S. Exc, qu-
se eslivesse animado pelo a^odainento qne Ihe at-
tribuem os prooincianos, teria immediatamente
aulorisado o coalrato, cnio pedio a camara.
0 que e certe e que a camara ofDcion a S. Ext
em 22 de ontnbrodo anno passado, eo modelo dos
kiosques foi approvado pur S. Exc, felos os v<-
tudosacima refendos, em 28 de abril ultimo, isto i;
seis me:es e seis dias depois.
Tera S. Exc. procedido jem mais eertmonin,
como dizem os provincianos ; ou estes 4 qae na
teem ceremonia em menlir f
E os provincianos a laliarem em um erne -
monia'.
Isto naturalmente e porque hbuvemattoeaic-
monja no CuOtrato Mnnatj, que dizem os pad>ta-
nos, foi juslo, feito e approvado em 24 hora* Bo
gabinele presidendal naqoelles bous. tempos do
progreso da Vrfla Virosa.
Isto naluralmenle i porque hoove vuuta cue-
minia nj contraio Dratnntje. verdadeira ruina
desta provincia ; e ainda mais ceremonia deve !t
'avid.) na subsequent^ falsificacao delle.
Bans tempos aquelles !
Milagrosa ceremonia '.
E'doDroso cstar-se sempre a tocar era fenda--
alneias ; assim como o e eslar-se sempre a m> s-
trar as fjlsidades e aleivosias dos mintnos pro-
vincianos.
Iufeliz indole de erian?as !
Piis qne asfim o qaercra........... ^s-jmi
tenham.
Su'alma, sua palma.
r^^ry-.^.vr-*- Balauceie do Baxaca i o an uaoa'cial
le IVi-uititiliiico, cm 3f> de
aiuii -I.- m; i.
ACTIVO.
Accionislas....................
Letras descontadas............
Letras caucionatlas...........
Lettraa a receber..............
V'alores depositados...........
Despezas de installacao........
Dcspezas geraes..............a
Wviveis.............*........
Diversas contas...............
Caixa. .
PASS1VO.
Capital.......................
Fundo de reserva.............
Contas correnles por dinheiro a
juros......................
Contas correntes simples........
Letras por dinheiro a juros.....
Depositos da direcloria.........
Calicoes......................
DividendoJ....................
Doscontos.....................
Diversas contas...............
Lucres e perdas...............
4,200:0003000
U323:790^592
26:801^388
18:481*077
86:330^990
0.8II4.JO0
0:978*166
6:281*733
. 476:907*37!t
411:010*401
6,o6i:3995228
6,000:0005000
8:820*000
13i:6i6,5i60
33:923*410
7:033*510
24:000*000
34:439*490
0.1:367^000
93:954*471
173:391*561
42U526
6,564:399i228
S. E. A 0.
Recife, 2 de maio de 1874.
0 guarda livros,
Francisco Joaguim Pereira Pinto.
THE NEvV L0ND3N TbRASILIAN BANK LI-
MITED.
Capiral do Banco...........
subseriplo..........
pago...............
Fundo de reserva contra de-
1.000.000
900.00)
430.000
iO.OOO
'RHOMt.l Jt'UK;I.UUi
I HI III % L l>4 ItS I. i< io
eedera de accdrdo com 0 art, 400 do regalamenlo
n. J20 da 31 de Janeiro de I8
belias artti7e fiCob jdiade A veqiierimeoto do
Art. 7* Iqquirldas as tettemunhae, se as hou-
ver, e preparadp o processo da forma<;aj da eulna,
exigi'do pelo ant. 3"', a. commissio cmittira 0 seu
pareeer, opitiando se deve ou nao fer decrelada a
pronuncia
Art. 8. Aprasentadp 0 pareeer, sera dado para
a ordern do dia segumte passaq lo por uma s5 Jis
eussSa, fin lo 0 qoe, se for approva.b, sera traas-
eripto no processo, as.-im cofno a acTa da ses4o
em que a assemblea liver dclibera-lo aobre 0 mes-
mo ; e, eonclusos os autos a commissao, por des-.
pacho do presidenie, jplgaii ella proeedebte ou
nio a queixa, conforme a deliboracao da assem
blea.
Art. 9." 0 despaeao da Droijpdancia op improee-
dencia da qapixa sera remeftiaa. a oomraissao de
redaccSo para redigi-lo convelu'entemenfe, e sub-
mette-Io a apprQyacap da assemblea, sendo em se-
Sr. Melio hew, ate" .ser djscuilda a "lei de orca-
m nto, 0 projecto n. t$ da 1873, quo antorlsa a
coatrucglo dd lira? u'onle sobre 0 rio Ipojuca.
Eatrando na J*.parte da ordem do dia e con-
tinuaaio a 2-' discassao do oreamento provincial,
foi anprsvAdo o.art. 3* com seus par.-igraphos, de-
cJara.dJo ui Srs. Pinto Junior e Figneirfia que vo
tavam eontrao mesmo ariigo, e 'pem assim 0 art.
I" com seiis paragraphic e bin* emendi offereclda
pela regpait/iva eooimissao.
E nao nayeud>i. m*is jjflotero para v'otar, fof lei
vaalada. asSssap., no-
A ordem'-do dia para Jioja dV^on'mtia'^o da'
aptecedente- e mais 3* dracusslo- qptrajeclo ft. S3'
deeta anno. t
Jary do Recife. -Nio tuficefonoa no sab-
bado a fella do preciso numero d^ JBizes de facto.
FacadaH.-p^IasIO h'orat M'raa'mra de 29frito Santo,
do mez Undo, Roapiaq<> Rodrigues d'J Souza fefio I Ao Sr. desembargBcfor
SESSAO DE 2 BE MAIO Dt 1874.
PRESIDENCIA DO EX"*. SR. CO'NSELHEJRO CAE
tANp SANTIAGO. *
Se*Jfffcqr|H> Dr. Virftio Coelho.
As 10 horas d^manba, prespntes os Srs. des-
embargadjres'Ldureoc.o Santiago, Reis e Silva,
Almeida Amnquerque, Molla, vrvjenrador da co
n">a inlerino Accioli e Souza Leao, fallando eom
causa os Srs. desembargadores Domingues Silva e
Silva Guimaraes, p>r presidir 0 jury da capital,
abrio-se a se.-sao.
JCLSAMBnTO!.
Racorso commercial.
Recorrente 0 juizo especial do Recife, recorrido
Paulo Fernaades de Mello Guimaraes. Juizes os
Srs. desembargadores Reis e Silva, Lourenco San-
tiago e Accioli.Derara provimento para despro-
nuneiaT 0 reoowente.
Appellacdes crimes.'
De Aguas BellaaAppellants 0 juizo, appellado
Caidido Rol'rigues Libs. -A nbvo jury1.
Do A3ari. AppellaMe o pro notor, appellado
Jose Ferreira da silva. -iraprocedanle.
DePao de Aa3ucar.Appellaale o juizo, appel-
lado Joio Rodrigues Pereira Filho.A novo jurv
Da Misfrieordia. Appellante 0 j'pito, appellado
Agostibho de Araitjo Fnnceca.A nAvo jury.
Do Ico. Appellante 0 juizo, appellado Joacraim
Jose de Melb traproceieni*.
AppeUacoes' civeis.
Do Recife.-Appellante a campanhia Drainage,
appellado Joaquiftr Diss da Silva Guimar3e.-
Desprezados os embargo?.
DaJjoperalriz. Appejlanla Marcolioo Barbosa
de Miranda, appellado Manoel Pedro de-Oliveira
Desprezaran os emhargos.
Da Atalaya. Appellante Jose da Rocha Lins
Toledo, ap pell,'do Manoel Joai dj Freilas Junior.
Desprezados os embargo".
I Appellacao coinmsrcial.
Do Recife. Appellante Joaquira Jos6 Martin?,
appellado a administra?a*o da massa de Amorim.
Fragw,8lmts---1Si C. -CdaOPmaia a *tteU;i<
il.n patMOfiis.. ,
-rPo Sr-,.deiembargadur (Mfttujo Santiago ao
Sr. desembargador fleisj "e ffK-a :
Pu iuryde Ff6resta. Appellante LaureMlno
Lop>jr-Ua Siltn, Bpp*HiJo^ tfiza
Appellagio civei
Do Recife.Appellante Uvroo vAugnsto de Britb
CosU, appellada p. SeDhorinii* Gerraan'a d6 Espl-
preciacio do capital......
BAHIfCO DA CAIXA FILIAL EM PERN.VMBUCO EM 30 Dt
ABRIL DE 1874.
Actiro.
Letras desiiomados..........
Creditos diversos, oatros ban -
cos e caixas Qliaes.......
Caixa:
Em moeda corrente.........
Ite.........
Pqssiro.
Depositos:
tSra conta cor-
renie....... 368:236*330
Fix.03 e por
aviso. 686:801*960
creditos diversos, outros ban-
cos e caixas filiaes........
Letras a pagaf.
>
Rs...
S. E.-*0.
Pernaobucn, 2
de
maio di 1874.
IF. if. Billon,
Acct.
PARTE POLITICA
Almeida Albuqu"'?.rdiie
phi riiBo (o\>.i;k\uom
KECIFi-' 3 D* MAIO DE lW4.
OS H0MEN8 SlO DA'S ARABIAS.
i Informam-nosqueo arrematante dos kiosqoes
apresenton o piano dis mesmos ao Sr. Lucena
qae logo os apprifvou, Ora, o contrsrto tendo sldo
elto com a camara municipal, parece que era in
dispensavel qne esta ao meDos emittisse o seu pa-
fecer sobre os plados apresentados ; mas o Sr.
roceaa nio esi^ve por i*t4, 'e sem mais ceremonia
pbocedeu como de-costume.
rt S Extf. ti3b se cirrlge
Forte zeloadmibTstrativo I
Os Provincianos nio se corrigem I
Forte gosto pela mentira I
De duas uma : ou os provincianos mentem por
habito e condieao, e neste caso sao dlgnos de las-
limo e desprezo ; ou vivem coast an temeoie enga
zopados por q*tm. quer distrabir-se a oosta delles.
e nesto ewo-wJoi irns pobres iinbeoeii.
Triste condieao, malvada gente f
VejafK e admiratiy psndo reparo nas daiaj.
Aberto o concurso pela camara municipal i
o estttelpciwenavda kkieques nesta oidaae, a
ro*B'duas propostas, sen*) preferida
del1a,-ado- *ri Dr. Manoel Pidueiroa de 'Pr.
Ert;92 deOBidbro do aiin passado a camara
cfljciou ao Exm. .-'r. commendador Lucena, dnen-
dd-qhe, terrlo sido preferida a.proposla do Dr.
Wgaeiroa, pedia a approvacau e autorlsacao para
flrmar o rcspeotivo contraio.
RespoudcH s >?xe. em 25 do mesmo ops -qne, I rpios
No- abaixo a-signados, habitautes do termo dt
Pao d Allio, aiiesiamos em fe de verdade qae o ca-
pilao Camillo Augusto Ferreira da Silva, duranie
o trnipo que se acha nessa villa, na qnalidade d>
commandante do destamento de policia, tem apre-
sentado optima conducts, tanto civil como moral
e procurado desempenhar os seus deveres para
manuleiicao da ordem pnblica, merecendo a e-t -
ma e considerai;io d .s inesmos babitantes.
Villa de Pao i'Altao, 25 de abril de 1874.
Manoel Alves de Souza Cavalcante, subdelegado do
1. disirieli'.
Sebasliao Antonio do Rego Cavalcante, cama-
rilla.
Manoel Thomaz de" Albuquerque MaranhTo, 2.
juiz de paz.
Diugo Soares Carneiro de Albuquerque, rarr.a-
rista.
Jose Zeferino d > E-pirito Santo, secretario da ca-
mara municipal.
Bacbarel Francisco Xavier Rodrigues CaropeHo
3. supplunle do juiz rnunieipal.
Antonio Joaquun Caraello, 1.* supplenle do dele-
gado do termo.
Joao Francisco de Hollanda Cavalcante, l.'sop-
plente da subdelegacia do 2.* districto.
Lourenco de Hollanda Cavalcante de Albuquer-
que.
Jose Praxedes dos Santos Cavalcantn, proprie-
larlu.
Urbano Carvalho dos Santos, toucnte da guarda
nacional.
Jose Carneiro da Malta Silveira, tencntc da guir-
da nacional.
Manricio Francisco de Lima, 3." juiz de paz em
exercicio.
Jesnino Domingues Carne.i collector da eo-
marca.
Manoel Jose de Sanl'Anna Reia, p orurador da
camara.
Francisco Manoel Bezerra de Vasconcel os, profes
sor public-).
Antonio Barbosa da Silva Coutinho, proprie-
tario.
Joaquim Cavalcaule de Albuquerque, cummer-
ciante.
Jose Aolonio Mauricio, commerciante.
Henrique da Silva Moreira, commerciante.
David Moreira de Barros, comm-rciante.
Jos6 Gomes de Souza, commerciante.
Gaspar Jose de Lima, commerciante.
Mariiniano de Souza Landim.Cummercian'.e.
J !.-.' Ferreira de Oliveira, commerciante.
Joao Alberto de Souza Povoas, comraetciante.
JoselUymuudo dos Santas Lins, comraercianle
Syraphronio Francisco Pereira, commerciante.
Joao Paulo Nunes de Mello.
Joaquim Jose de Barros e Silva.
Antonio Bolelho Falcao, commerciante.
Joao de Deus da Silveira, prcprietario do hole!".
Jose Pinto do Suuza Kocha, commerciante.
J ise Francisco Mendes, agricultor.
Virginio Garcia de Souza Ramos.
Jose liuiino de Souza Ramos,proprietario
Manoel Augusto Pinto de Souto, commercianlt.
Antonio Apolinario Ferreira da Silva, professor.
Caetano Bessone de Assis Campos, coniador.
Jose Pedro Carneiro de Albuquerque.
- Antao Froncisco do. Naseimenlo, &innnerci..ai-..
2,324:49O*i60 Joaquim da Molla e Silva, delegado de poKeia.
Franci-co de Assis Melln.
Jose Felippe Santiago Junior.
Antonio Garcia do Anaaral Sobrinlio.
Manoel Martins aa Cunha Seabra, arlista.
Antonio Antnnea da Silva, proorietario.
Maximiano Jose Victoriano, arlista.
Prospero Danheissers, joaloeiro.
Jo.-e Joaquim Marques, coinaiercianle.
Ignacio Joaquim de Souza de Menezes Junior, 1.
sargento vago-meatre da guarda nacional.
Joao Antunes de Araujo Pinheiro, prcprietario.
Ba.-.harel Lourengo Bezerra Carneiro da Cunha.
Jose Nunes do Valle, proprietario.
Manoel Pereira da R.cha.
Olegario Jose Peixoto, proprieUrio.
Antonio Jose Victoriano, porleiro da camara ma-
nicipal.
Joao Bapiista do Espirilo SanW, proprietario.
Anloi.io de Sonza Rocba.
Francisco de Barros Barbosa, s;nhor do engenno
Vidtacio.
Francisco do Rego Medeiros.
Jose Franeiseo do Espirito Santo I'aiillu, arlista.
Antonio Joaquim de Sanl'Anna, a tista.
Joao dos Martyres Albuquerque Pimentel.
Manoel do Espirito Santo Barros. proprietario,
Joaquim Syndonio Cavalcante d'Albuquerqne.
Manoel Antonio Je Souza Menezes.
Severino de Souza M rateiro.
Capitao Francisco Osario de Mello.
Pedro Bezerra de Barros Lemos.
Estava sellado e roconbecido.
Attestado io Dr. juiz dc direito.
Attasto que o supplicante lem lido bom com-
portamenio. Villa de Pao d'Albo. 25 de abril de
1874.Pires Goncalves.
Attestado do Dr. protnotor publico.
0 Sr. capitao bonorario do exercito, coraoan-
dante do destacaraento de policia desta villa, Ca-
millo Augusto Ferreira da Siva, tem tido durante
o tempo que tenho estado como promotor public'>
interino desta ccpiarca, o meibor coraporumento,
qoer civil quer moral. 0 qne ludo aHasto em K
do men grao.
Pao d'Alho, iS d* abrrt de I7i.
0 promr pumicn iaterino,
yas(; dm t'na'a Teixtirm.
Attestado do waml'mmmandanle superior.
Aitesto qae nao we eonsta qae lenba proaadido
mal; tem tido boa eondarta civil e moral. Pao
d'Atho, 25 de abril de 1874. Luiz dt Alquqmr-
que Manmkao, comiaaadaate superior.
Attestado do Rvd. rigario pro parocto.
Aitesto qae o procedimeaw civil e moral do
sanpljcante naao desaboaans, sao dignos daencv-
e qaanlo a regencia do destacamento, nao
939:249 *740
1,174:269/340
390:980*980
1,233:038*490
1,265:343*770
3:908*000
2.52*: 490*560
ara
Fa-
am*


.


ae
5:
I
I

me consta nadaque o WMde indigno do comman-'nMMd'*' biMU,**''** 7|i* gipot ceflfo wrdiDfo.
- T d*e-Weaiano,S*f09por tilty Wfttf a;
Assucar branco, 2* sorte, 4J0GO a 4JOjO po*"lS
kilos.
PaeiA'Aito,
Qtynpio de\
i*OS.-*assiin o alBrmown/Wf/viiw/h
33 de abril Uo 1874.-Padre \loao
Sauza Lytq.pro-parreho. ,
Kstavsm "todos sellados com a ecmpetente es
tampilha.
,-----^------
Os uiartyre* <|ue leiant. I ma
Uvra mmn lyMpepticM :
SoTTreis martyrio, e sc os que sabem o que e
dyspepsia, p-Vdera comprehender vossos solTrimen-
tos. Agiti ha urn remedio a mao, immediato,
absolnto, irrfaHivel: o g-jal se acha por asslra di-
zer a ports de vo3sa3 casas. Esse remedio e a
salsaparrlllu de Bistol. Beveis conhece la Quem
ha, que nao tenha ouvldo fallar della Usai-a e
vos rireis da? indigestdes e de fodos os seus son-
comitantes e consequents. N'uma 3emana alli-
1ara o repleto depusito dasse perigoso material
que tamo vos traz atoraientado. a flalulencia,
a oppressao do #tomago, a (alia de actividade
tanto do corpO eoHicr do espirito, as vigilias e as
angustias duraate o dia, as dores de cabeca, as
naiiseai, as indescriptiveis sensac5es que acompa-
dtiam a uj-Jpepsis, e rtao ha nenbUma ontra mo-
lefitja, que nao aesapp'arBija qaal souibra passagei
ra. Jlrai-'lbe a prova, experimental a.
Cof.i.i;i;ii>
DA
Sanlissfma Triodaie.
Neste estabefeeimento de instruccao e educacao
de mefltoas, 5ob a direct >ria da Exma. Sra. D.
Philoraena Jersey, e suas Exmas. irmis D. Laiide
In* fcDBf-y e 1). Olindina^Jer.-ey, admiitetH se edu
*Hds* medHailtea pstufid mensal de W1J, em
mais cutra despezt", e aprendem: lingua nacional,
raglez, franoez e italiano, faltar, itcrever etraau-
zir j geographia, aritlimctiea, bistoria, piano, dan-
(a, musica e desenlio; toda a esuecie de bordadn-,
e os melliores prlncipios la reugfao ehfista No
interior do estabele^hnertto falln-se sdmente fran-
eez, e eincompativel o professorstodo sexo mas-
calino.
- ...... ,ju.j_m-
JUNTA DOS CORRETORES
Praca do Recife, 9 tie muio
ilo ISJJ.
AS 3-HORAS DA TARDE
cotaqoes officuxs.
Cambio sobre Lisboa a 90 d|v. 107 0|0 de pre-
mio, honiem.
6. de Vascoiiveilos
Presfdente.
A P. de Lemos
Secretario.
Ke .idimenM
idea : ctu
ALPAWEOA
no dia '. ,
2 .
31:273*840
44:25!) .5 297
75:533*137
U:-scarregam h'>j>s 4 de rnaio de 1874.
Barea franeezaSanto Andremercadorias para
alfandega.
Brigue pwtugnez Cotett pedras para o tra-
piehe Conceigaj, para despachar.
Barea inglezt Caldsrbank baealhao ja des-
pachado para o trapiche Conceioio.
Patacho inglez Gerdi eimento jadespaehado
para o 3* ponto, o deposito no trapiche
Cunha.
ALTERAQAO KA PAUT.V DO? PRIJQOS DOS GF.NBROS
SriflTOS A DIRKITOS DE EXPORTAQAO, NA SEMA.V.
BE 4 A 9 DB UMB DF 1874.
A'goll)em rama ou la 483 rs. o kilo.
Assaear mascavado 98 r.<. o kilo.
Aguardentecacbara 120 r.. o lilrn.
<3ari) de p*dra estrangeiro, tonelada metiica
204000.
CafOQO -de algodao 20 rs. o kilo,
(jriua animal em bruto 300 r?. o kilo.
Ali'andega de Pernambao, 2 de xaio de 1874.
0 I3 coDferehie A. C. de Pinho Rorges-
0 1 conferente J. Ribeiroda Cunha.
Approve Alfandega de Pernambuco, 2 de
rnaio de 1874.
0 inspec'or
Fabio A .'de Caroalho Bets.
H'.-PACHOS ABRIL DE 1874.
Para ps pnrm$ do 'Vlerior.
No brigue hespanh luna. earregou : P. Carneiro & C. 230 saccas com
10,232 kilos de algodao.
Na barca porlusjuoza llarmoma, para o Por-
to, earregou : T. A. Fonseca & C. Successores 409
saccs com 30,000 kilos de assucar branco e 352
duo? com 26,400 ditos de dito mascavado.
Na barca portugueza Nvvo Silencio, para o
Porto, earregou : H. L Reis 74 couros espicbados
com 318 kilos.
Para os portos do interior.
Para o Para, no brigue francez Brasileiro,
earregcu : P. Carneiro & C. 50 barris com 4,800
liiros de agnardente: A. Cordeir j 16 pipas com
3.840 ditos de dita.
Para o Porto-Alegre, na barca nacional An
trad,- Xeirs, earregou : Oliveira Filhos & 0. 317
barricas com 33,610 1|2 kilos de assucar branco e
10J ditas com 11,936 ditos de dilo mascavado.
Para Alagoas, tia bareaca Constancia, car-
3 : Snuza Junqueira & C. 3 barricas com 169
kilos de assucar reUnado.
CAPATAZIA
Kendimento de cti 1
'dn do dia 2 .
DA ALFAN'iKiiA
912*368
988*234
1:900*602
VOlAJYES HAHHJCP 4(8
Nf> dia 2 friaeira porta i'gonda porta Feraeira pona O'virta poita..... n i r 'be Ccnceica" 132 36 69 200
855
SERVJCO'MAflirftlU
viarengas lescarregadas ni trapiche da
alfandega :
No dia 1
No dia 2.......
Nn trapiche Oonceicio .

CEBElXmiA DE
RAES DE
^aodimento do dia 1
iiva do 4 a 2
REN DAS IJiTt
PERNAMBU'.:
RNAS GE-
1:788*930
633*600
2:422*530
OONSULADO PROVINCIAL
-Hnrt'.mento do dia 1 .
i ta :i -1. dia 2......
1:964*596
1:645*483
3:609*979
Itevi*ta conumcrcial
Da- semana de 23 de nbrtl a 2 maio
de 1874.
0 cambio sobre Londres. 90 d|v 25 1/4 23 1/2
23 3,8 e 23 3/8 do banco a 23 i|2 e",25 3[8 parti-
cular.
Dito sbbre Londres a 3 div e 25 do banco.
Dito sobre Paris, 90 d|v 373 r6is e 3 $\v
j77 e 378 r6is do banco.
Biter sobre Hambnrgo, 90 d|v 473 reis e 3 d|
480 r6ii oR. M.'do banco.
Dito sobre Lfsboa e Porto, 96 d|v 110 0/0 do
bamjo 107 0/q particular.
Dito sbbre Lrsboa e Porto, 3 d|V 112 0/0 do
banco. ,
Dito Sbbre 0 Rio'de Janeiro, a 15 e 30 d|v 1/2
por cento o 1 porednto de desconto.
Dito sobre BaMa a 15 d)v ao par.
Frete-ye algodio para Liverpool 1/2 e 5 por
cento por libra. ,, .,
Pretes'de assnear para Baonos-Ayres II 1/2
reales per barrica.
Dito do dito. para Montevideo 10 1/2 reales por
barnca,
Desoonios de lettras 10 a 11 O/o o anno.
Generos nncioqaes
Afwrdente, vendin'.se d3 58*000 a 50|000 por
pipa.
Algodao, 1- sorte, 8*000 por 15 kilos.
Dito de Maceio, 1" sorte, 8*600 por
Dito branco, i- mle, ,rff,3*700 a 3*800
por 13JIgs.
Dito branco, 3a sorte, boa, de 3-*$00 a 3*SoO,i
por 13 kilos.
Dito branco. 3*. sorte, rejpla*, de 3*300 a
3*400 por 15 kilos.
Assucar sormnoej ft|990 PwpSO por 15 kilos.!
Dito mascavado, flno, 2*300 a 2*400 por 15
kilos.
Dito mascavado, bom, a 2*200 e 2*230 por IS,
kilos.
Dito mascavado, regular, 2*100 a 2*150 poi 15
kilos.
'Dito mascavado, pnrgado, 1*600 a 1*400per 15
kilos.
Dito mascavado, americano bom, 1*750 a 1*800
por !o kilos.
Dilo mascavado, americano, r-egular, 1*550 a
15600 por 15 kilos.
Dito mascavado, Canal, 1*300 a' 1*350 por 15
kilos. -
Dito de Maceio, 1*850 por 15 kilos, posto a
bordo, fretede 40| por tonekida.
Dito da Para> yba, 1*30 por 15 kilos, posto a
bordo, frete de 40] por tonelada
Couros seccos salgadaa. Chegaram 550, e co-
Umos de 544j a 566 rs. o kilo. .
Cafe. -oSejh/elanda # couraos fle MOOO a
10*400 ds Hi kltosVfclttho.
Came secca do Rio Grande..Chegaram 152,175
kilos, e cotamos de 3*400 a 4^500 os (9 kilos, e
em deposito oercw Farioha de nundioca. Cuiamos a rolalho de
4*300 a 5/.000 o sjfecp.
Hllho.Chegaram '330 saccos, e cotamos i 70
rs. o kilo.
Sal do Assii. Chegaram '523 alqueires e co-
tamos a 1*500 o-alqueire.
OenOTos eltraiSgeiros
Arroz da Iadia Ubafaram .75 saeios, e co-
tamos a 2*700 os 15 kilos.
Azeile doce. Chegaram 25 barris, e Cotamos
de 2*tOO.a2*6G0 o^jalao.
Banna de p;>rco. Sera cliegada e cotamos no-
minal a 1*132 o kilo.
Batatas. Chegaram 1,100 gigas, das francezas
e 228 meias caixas, das poriugn'tzas, e cotamos
de 800 reis a 1*00'J a giga e del8*\)0J a.9*000 a
caixa.
'Baealhao. Chegaram 2,973 barricas, aindasem
preco feito, eotamos a retalho de 12*000 a
14*000 a barrica; em deposito cerca de 2,000
barrieas.
(ha da India. Chegaram 166 eaixas, e nao
constam vendas.
Cimenlo.- Cotamos de 8*500 a 9*000 a barri
ca nominal.
' ^"utt^^a^rtlriios'rttiitoraodrws.
r,10JA W COJafERClO' I: 34.
rUE UVERPdOL A LONDON A Ul.OI
INSURANCE COMPANY
SAUNWEROTOTfiERSA C
liCorpo Santo11
NORTHERN.
33 Deomedes
34 Edelberto
33 Felix J,
36 Fra
37 Fra
38 Gui
Albuqaerque.
Wo.
Capital.....
?ondo de reserva.
te,oo:eoo30oi
8,0fl0:000>00e
Ag&utes,
Mills Latham & C.
HUA DA CRUZ H. 38.
Sacca sobre este banco e suas ageocias nas se-
guintes cidades e villas ;
'Portugal,
t]
<{\\\
til
*fflBP*
jAtcos
Avoiro
Barca
Bircellos
Beja
Chaves
GoiolnjJa
Coura
Covilna
Elras
Exlremoz
Faiwilicao
Faro
Eigueira
Guarda
Guimaraes
iLados
Lamego
PiaheJ_
Ponte do Lima
I Perte-uiao
Porto
Povoa de Varziic
Ta vi ra
*annfia
Waina
Villa do Conde
Villa Real
Vlnhaes
Vfaeu
Villa NidarGewer*
Funchal ^
ooc
Fayal.
Banco do Mi oho.
Joaquim Jos6 Goncalves Beltra> <&, Filho sacam
por todos os vapores sobre
Anadia.
Aguida.
kAveiro.
Cebolas. Chegaram 390 caixa9, e cotaoios/da
6^000 a 7000 a caixa. li
Cerveja. Chegaram 150 caixas da fpanceza
e 10 ljarrn'.as da ingleza, e cotamos da.7*460 a
8*400 a duzia de botijas da Bass, Helhers Bell, j
Feijao. Rctolliou se de 9*000 a 10*000 0
sacco.
Farello. Cotamos Bominal a AflOO o sacco.
Fygos da China. Cotamos a 6*800 a caeca
de 40 cartas.
Farinba de trigo. Sem chegada, e cotamos de
24*000 e 25*010, a barrica da amerieana,. 29*000
e 33*000 a de Trieste ; em deposito cerca de
9,000 barricas
Genebra. Chegaram 50 meias caixas, nominal,
de 9*500 a 10*000 a caixa.
Kerozene. Sem chegada, e retalhon-se de
5*200 a 3,5300 a lata.
Louca. Chegaram 39 gigas, nominal 400 p?r
cento de premio sobre a factura.
Manleiga. Chegaram 223 barris e 340 meios
da franeeza, 14 caixas da ingleza, e eotamos a
1*699 o kilo da franceza e 2*178 o kilo da in-
gleza em lalas.
Massas. Chegaram 50 caixas, sera vendas.
Papd de pallia. Chegaram 200 farJos, nao
consta venda=.
Queijos. Cotamos a 2*400 os flamengos.
Toucinho. Chegaram 220 barris, e cotamos a
10*300 os 13 kilos.
Vclas stearinas. Cttegaram 100 caixas, e co-
tamos a 510 rs. o flr-o.
Vinagre de LisBof.'Chegaram 10 pipas e 50
barris, e cotamos de 115*000 a 13j*000, por
pipa.
Vinbo. Chegaram 91 pipas e 197 barris, do
tinto e 75 barris do branco, e cotamos o de Lisboa
de 313*000 a 223*000 o pips, c da Ftgueira
22-3*000 a 233*000 por pipa, e do branco Je
240*000 a 26'>3000 a pipa.
Dito do Estreito. Retalhou-se a 220*000 a
pipa.
GUEOS
MARITIMOS
CONTRA 0 FOGO
A companhia Indemnisadora, estabelecidi
aesta prat;a, toma seguros maritimos sobn
navios e seus carregamentos e contra fog<
jrn ediftoios, mereadorias e mobilias:
rua do Vighrio n. 4, pavimento terreo
u>
Aogosto F. tl (Hiveipa k C.
A easa commercial e bancaria de Aagusto
j.d'Oliveira & C, a rua do Co nrnercio ns
42, encarrega-se pata embarque de proJuctos o de todos o-
mais negocios de commissao, quer commer
claes, quer bancarios.
Deconta lettras, e toraa dinheiros a pre-
mio, compra cambiaes, e saca & vista e a
iao, a" vontade do tomador, sobre as se-
guintes pracas estraugeiras e nacioaaes :
Loudrc.Sobre o UNION Bawk of
LONDON, 0 LONDON AND UANSEAT1C BANK,
limited, e varias casas dei." classe.
Paris. Sobre os banqueiros fould
& C, MARCUARD ANDRE & C. e A. BLICOJUE,
VIGNAL & C.
Haniburgo. Sobre os Srs. ;oao
SCHU BACK & FILH'S.
Lisbon. Sobre as Srs. fonsecas,
SANTOS & VIANNA, e STEBASTIAO JOSE DE
ABREU.
Porto. 'Sobre 4 banco uniao do porto
O Sr. J0ACI PINTO" DA FONS^C*.
Para. Sbbre o banco" coimf.rcia-
do para, e-os Srs. francisco oaubencio da
COSTA & FILHOS.
Maranhao. Sobre o Sr. jose fer-
BEIRA DA SILVA JUNIOR.
Court's. Sobre os Srs. J. s. de vas-
CONCELLOS & SONS.
Uahia. a Sobre os Srs. harinhos & c
Rio de Janeiro. Sobre o BANCO
INDUSTRIAL e nercantil, banco nacional e
BASQUE brasilienne frani;aise.
COMPANHIA ALLIANQA
4eguros maritimos e terres-
tres estabelecida naiBahis
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0008000.
Toraa seguro de raerc&dorias e dittheiro
uco maritimo em navio de vela e vaporei
pera dentro e f6ra do imperio, a*im come
.ontra fogo sobre predios, generos e in
rondas.
Agente : Joaqoira Jos^ GoncaWes Mtrio,
foa do CommeTcjo n. 5, 1* andar,
Evora.
Fafe.
Faro.
Guarda.
Leiria.
Lisboa.
Bariellos.
Coiftibra.
Mirand'ella
I'enafiel
Beja.
Ghaves.
Elvas.
Amarante.
Guimaraes.
Covilha.
Meljaco.
Portalegre.
Areas-, de val de viez.
Celorico de Basto.
Caminha.
Mangaalde.
Ponte do Lima.
Povoa de Lanhosa.
Villa-Nova de Porlimio.
M*nsaj.
[fvar.
' Porto.
Taflra.
Regoa.
Vizeo.
(Figueira.
Lamego.
E-tarreja
Valenca.
Villa Real.
kibeeetr.** do Bastos.
C^stello-Branco.
EspozeOde.
Oliveira tie Azemeis.
Povoa de Varzim.
Vi anna do Gastello.
Villa-Nova dBiFamalicao.
Villa do Conde.
Was Hltas.
Madeira, S. Miguel, Faial e Terceira.
y'
OVIMIMiaiaO PfiBT^I
Navios tn trados n o dia 2.
Aracajd e porlos inlermedios 6 dias, vapor na-
ci>nal Giquid de 223 toneiadas, comwandante
Marlins, e.'juipagem 30, carga varios generos ;
a companhia Pernambucana.
Bahia 8 dias, brigue inglez Monarch, de 310
toneiadas, -capitao Lucas, eqnipagem 9, em las
tro ; a ordem.
Riode Janeiro 'I6ilias, nataoho alleihao Elise,
de 199 toneiadas, capitao A. Breekwoll. equi-
pagera 8, carga 0,000 saccos -com farinha de
trigo : a Phipps Broibrs & C.
Rio-Grande do Sul 37 dias, patadio brasileiro
Splc.hmedes. de 32i toneiadas, capilio Lourencn
r. Monteiro Junior, e-iQiiiagern s, i.*.?* 13 800
arrobas de canto ; a Silva Gaica i.
Navio sahi.lo no mesmo dia.
New York Patacho inglez W. A. ileney, capitao
Swene, carga assucar.
- Ri
na
Pelo prefente se faz'publico, a quem interes-
sar possa, que a Exma. commi.-sao do policia da
asserablea provincial oontrata a publicacao dos de
bates e do< annaes da raesma asserablea n? bien-
nio do 1875 a 187*5. Os pretendentes deverao
apreseotar suas propostas em carla feubada nos-
ta seurelana ate 0 dia 7 de maio proximo, vln-
douro, as II boras da manha em que se proce-
dera a abertura das roesraas.
Secretaria da S'Serabiea I. gi.-L.iiva provincial de
Pernambuco, 29 de abril-de (874.
0 olDciaLmaior,
Jo.-e Cardoso de Qut-iioz Foncaca.
GOitPANHIA
Phenixi l^erqainbucana.
titiinbs eni mftc
risio e llrialmente 1
Toma n
Jretes, dinhe
M*r natureza, era vapores
adorias.
de qual-
navios vi ela oc
O Dr. Francisco do Rego Baptisia, juiz subilituto
da provedria de capellas e residuos, nesta ci-
dade dc Recife, capital da provjneia de Pernam-
buco e seu termo, por S. M. imperial ^'constitu-
tional 0 senhpr. D. Pedro II, a quem Deu*
guarde.-ck*, el'.
Faco saber aos quo o'presente edit'al virem e
delle noticia tiverenr/qne flnda a priraeiraaudien-
cia deste juizo, se na de arrematar por venda, a
quem mais der, a ca?a.'ttrrea,*sita a estrada dos
Remedios, freguezia dos.' Afofados, medindo de
largura 3i palmos e 3 pbl^das, e de comprimen-
to 72 inclusive a cozinha, com 2 sallas, um gabi-
nete, 3 quartos, cozinha externa e um pequeno
quarto junto a esta,. solo foreiro^ tendo um quin-
tal com 87 palmos 'de largura, ei221 palmos de
comp'rimento, estarido era mao estado, avaliada por
1:000*000, enja casa A perleneebte1 ao -espolio de
Francisca'Sbbina de'Araujo, e vai a pra?a a re-
querimento do teslamenfeiro e in^entariante Dr.
lo.-t: Maximiano Alves Cavalcante ; e nao havendo
lancador queicubra 0 prego da ivaliaglo, se pro-
cedera na forma da lei e do eslvlo.
0 presente sera pubiicado pela imprensa e affl-
xado nos mgares do costume, cuja praca sera
effectuada nodia 7,de maio corrente, depois de
Qnda a respejliva audiencia.
Eu, Domingos Nunes Ferreira, eserivAo, subs-
crevi.
Recife, 30 de abril de 1871. EscHvao, Nunes
Ferreira. ,
Francisco-do Rego Baptists.
Ao sello 300 reis. Vi S. S. !ex-caasa.
Rego Baptisia.
FaOftldade de LMreito.
Rosullado dos eiameg tic scicnclaM
feltoM em 'fevcreiro < marro tie
1894.
Philotophia.
Approvados pleoamente.
1 Alvaro de Assis Osoritf Mendes.
2 Antonio Bafeilio Ferreira Barres.
3 Antonio Jose Ferreira.
4 Antonio Jose Freire.
5 Antonio Martins da Silva Porto.
6 Antobfo-'Sergio' Lopies Lima.
7 CfliltoOsorioiPorfirio daaiotta.
8 Speridiao Thenorio de Albuquerque.
9"Fraricisco'de Salles Rlbeiro Campos.
110 Honorio de Barros"Waflderley.
11 Jacimho Rios de'Paula Soares.
12 Joaqaim'Pedro Cavalcante de Albuquerque,
13 Jose Bomfacio dAS. Camara.
.14 lose" Cord*iro A. da Silva.
15 Jose da Silva Campos.
16 Josd Yieira Vaz.
17 Manoel Eflgenio da'Rocha Samico.
18 -Manoel Francisco do Rego Barros.
19 Manoel do NascimeHtd Castro Siva.
20 Miguel de^ngafBcfgfMtyalCfctello Branco.
2.1 Pedro da OnM(ialMiroMlelAlbuquerque,
'22 Sofronio Eutiquiniano da Paz Por'.ella.
23 ThomazCancio de Softta-Landim.
Approradns.
24 Ascendino. da Silva VJIIar.
95 Aarto-fidttardo Velozo Filho.
g6 AITredoTiiorelra Gotaes.
27 Antohic-Carloi da Castro *
28 Antenio Emygdio R>+ Madeira.
2'>-Antonio Francisco "-eiro.
30Cario Antoni- ^.^.Magajhaase ,Silva.
Bi. Daniel dflQ''
.., Aristarco
9 lldefonso Atigasio/de riltelra Azevedo.
40 J0A0 Carlos da-SHfaWMhiaTaes.
fpSI tSSSpt ribcha Filho.
43 Manoel Jase.ggaaiya-^^. 1
44 Marcolmo Dornellas Camara Junior.
4o Octavio-AMusio Mafalbies.
46 PedYoida KA ffnMmtL
47 Pedro Velbo'do Regd MeWo. J J
48 Raymnndo Nina Ribeiro.
a j"m r^ttrc"'ados 20, aen*> 5 com atesta-
ao de Joso Francisco Ribeiro de Souza, 3 do ba-
eharel Antonio ilerculano de Soaza Bandeira, 3
do bacharl Antopk) Golumbano gerafieo de As-
sis Carvalho, 2 do bacharel Francisco Jose Rabel-
lo, 2 do bacharel Ctcero Odon Peregrino da Sil-
y3. 2 do bacharel Joaquim Maria Caraeiro Villela,
I do Dr. Auguslo Carneiro Monleiro da Silva San-.
Uw, 1 do bacharel Jorge Dornellas Ribeiro Pessoai
e 1 de Juaqniin-da Cosla Diurado.
. Levantafam-se 4Jwr ter^ni sido ancoplrados co-
piando a*rovaescripia, 2 depois depois do terem
pnnapiaioa ^rovi esiriftae 2 depoiatde tirarem
0 ponto, mao cmiarece*am as cbamadas 8e 4 a-
pro,va oral.
Rhetarka. .
Approvados, cjm distjncgao.
1 Antonio Ferreira.de Mgllo oaaliago.
2 IWeardo Otympio Ferreira Barbesa.
3 Francisco LuizOsorio.
4 Firmino PaCbeCO Softres 'dl feilva.
5 (J ibriel Cercale* da'-Camara Goottim.
aft Jose Paulino'de Brrtto'Araajo.
7 Silverio Ferrtaodes de. Ar*ojo forge Filho.
8 Thomas iCnneio de Souza liaadim.
^_^ |Ap|irovados plenamente.
STTrodizio" Tidigal.
10 Amaro (Biweto de' Albuquorque Maranhao
Junior.
11 Aiuubal Aurolio Faleao.
12 Antonio Alvos da Sil^a Accioli.
3 Antonio Francisco de-.Magalliaes e Silva.
antos
4 i\ni"iiu) l!)i.i|i:ii;i.
15 Antonio Jose Leite Pereira.
K AiDiln 4e Castro -Madeira.
17 Constantino da g. Tavares.
18 Deodato Celin)) tnileta Bos 8
19 Elpidio dos^-Sautoslleis.
20 Epaminondas Francisco Nogueira.
"21 Entropio Pereira de Faria.
22 Frano'sco de Borja do Nacimenlo Feitosa.
23 Francisco Paulino de Ahieida Albuquerque.
24 tiraciano Xavier Carneiro da Cunha.
23 Honorio Moreira de CaTvalho.
26 Joao Antunes de Araujo Pinheiro.
27 Joao Carlos Ua Silva Guimaraes.
28 Joao d> Oliveira.
29 Joao,Taciaoo CarneiD de Albuquerque.
:ii> Joso Bonifacio da Sllwa Camara.
.11 Jose" da Rncha Lima.
3! Jose da Silva Campes.
33 lose Solano Carneiro da Cunha.
:)4 Lourenco Aristoteles Carneiro Leao.
35 LaunnJo Loocadio de Menezes.
36 Manoel Cyridiao Buarque.
37 Manoel Freire de Carvalho.
38 Manoel Valet Fi-rreira da Nobresa.
39 Manoi-I Rodriguos Leite toihuzeiro.
40 Miguel de Souza llorges Leal Castello Branco.
41 -Nile CaeUi Pereira tie Andrade.
43 Zozinio Z.naides da Camara Lima.
Approvados.
44 Alfro 1 j: Mena Barreto di Barros Fal'ao.
43 Alvaro Barbalho Ocnoa Cavalcante.
46 Amaro da Rorha Wanderley.
47 Antonio Clementino Ccemo Catanho.
48 Antonio EmygUo Ribeiro.
49 Antonio Ferreira de Novaes Mello.
30 Aotonj I.eodegario Castello Branco.
31 Antonio Luiz de Madureira Maeiel.
52 Anlonio-Plutarcho Bodrigues Lima.
Si Antonio Rndrigu-s Autran.
54 Auieliano de AHbuquerque Lima.
53 Bellarmiiio Alvares da Nobrega Pinage.
06 Carolino Ramos.
37 Daniel Oliveira Barros de Almeida.
58 Dooinedes Theodoro da Co? a.
59 Francisco Alves de Souza Carvalho Nelto.
60 Francisco Domingues da Silva Netto.
61 Francisco lraiano Teixeira.
62 Francisco Romano de Brito Bastos.
63 Francisco Santiago Ramos.
m |.>t ..:..... c,ri .io 65 Prancisco de bouza Dias.
06 Prancolino AugiTsto de Oliveira. .
67 Gabriel J we Bifbosa da Silva.
68 Herniino'.Moreira i'ias.
69 Henrique, Preira >'aia Viuagre.
70 Isnacio ua Costa Briito.
71 Israel Benjamin Nunes dc Oliveira.
72 Jatintho Ferreira da Silva.
73 Jaronvmo Soares de Alhuqnerque.
74 Joao ilermenegildo de Gouvea Moura.
75 Joaquim Rodrigues Villares.
76 Jose Antonio Moreira Dias Junior.
77 Jose Antonio Wanderley Junior.
78 Jo e Bfandao da Ho<-ha Junior.
79 Jose Cavalcante de r.aldas Alhuquer-iue.
80 Jose fkirnelio Leitao Rangel.
81 Jose Francisco dos Santos Almeida.
82 Jos6 Henriqu.'s de Salles Abreu Fillu.
83 Jo.-e Ignacio Pereira do Lago.
84 Jose Macnado da Motta Pimentel.
83 Jose da Rocha Cavalcante. *
86 Jose Pedro de Almeida Pernambuco.
87 Jose Tlieophilo Gomes de Mello.
88 Julio Angusto de Luna Freire.
89 Lc-poldo M:\rinho de Paula Lin-.
90 Luiz Barbosa da Silva.
91 Luiz Barbosa de Siqneira Maeiel.
92 Luiz da Silva Bratina.
9 Manoel Cabral de Mello.
94 Manoel Xavierde Moraes Vasconcellos.
93 Miguel Archanjo do Nascimento Feitosa.
96 Miguel Jose de Britto Basto*.
97 Pedro Francelino Guimaraes.
98 Pedro Muniz Leao Velloso.
99 Pedro da Rocha Cavalcante.
li 0 Ricardo Pereira de Farias Junior.
101 Rodolpho Albuqutrqne de Araujo.
102 Timoleao Peres de Albuquerque Maranhao.
103 Tobias Cesar de Andrade.
104 Toeophilo'Barbosa da Silva.
105 Tnriano Lins Meira de Vasconcellos.
Reprorados 16, sendo 5 com attestado do Anto-
nio Marques de Amorim, 3 do bacharel Innocen
cio Seralico de Assis Carvalho. 2 do bacharel Joa-
quim Maria Carneiro ViHela, 2 de Albino GoncaL
ves Meira de VasconcMlos, 1 -do bacharel Jose
Soares de Azevedo, 1 do -bacharel jesumo Lopes
de Miranda, 1 de Jose Francisco Ribeiro de Soouza
a 1 de Felix JoSiuim Ferreira de Carvalho. Le-
vantaram-se dabanca dos examea depois-de tereni
tirado 0 ponto 3, nao comDareceu a prova oral I,
e 8- nao coinpareecram a chamada.
Gcographia.
Ajiprovados com dfcHnccao.
1 Antonio Ibiapina.
2 Antonio Sergio Lopes Lima.
3 Nilo Cahete Pereira de Andrade.
Approvados planamante.
4 Antonio Martins da Silva Porto.
5 Antonio Pedro do Cysneiro Costa Reis
6 Antonio da Trindade Antnces Meira.
7 Artinir Se Barros Falclo de Lacerda.
8 Bento Manoel itibeiro Carneiro Monleiro.
9 Felippe Alves de Oliveira.
10 Felippe Lopes Netto.
11 Francisco de Salles Ribeiro Campos.
12 Francisco deSoaza Dias.
13 Franklin WashhMtoo da Silvan Almeida.
14 Guillierrae Aristarco.
15 Rermino Moreira Dias.
16 Joao Baptista de Mella Peixoto.
17. Joaquim*Alves de Lopao e Veras.
181 Minoel AnreiianodB Basmao.
19 Manoel Cvridiao Bualqne.
20 Miguel de Souaa Dorgea Laa! Castello Branco.
21 Pedro Nolas'eo dosvRei< Liina.
22 Raymundo Fernandas de Vasconcellos.
23 Rullno Augusto de Almeida Junior.
24 Sergio Floreniino de Pa;,va Meira. |
23 Silverio Feraao^es dr0 ABaujo. Jorge Filho.
26 Tarquinio P'-anliorde Soaza Amarantno Ju-
nior. *TS^.' T
11 IS^aM Uns:fe*ra..e Vasoontjellos.
*!* TittMloSoTNasweMnto Accioli Lma^iflw.
AfPiawdos.
130 AfroAizio Vidigal, .
WAnisio de Carvalho -Paiva.
3 Antonio Pereira da-Camara Lima F.lho.
Daniel Oliveira Barros 4e Almeida
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
41 Henrijot Cpi|u'ido Pdre)r( "'Mello,
42 Ignact) f-iairo*Barr
43 Jacinllio'fiiol Je Paula Soares.
44 Joaquim Pedro Cavalcante Je Albuqaeroad.
43 Jose Aogtasto de Sanaa Amafantho.
40 Jose Oarlos Maryoch Pires f afcoco.
47 losi (Javafcaareds Caldas Jlbaijnerjuft.
*8 Jj>se GcmjBS da Silveira Junior.
49 Jjs&qfeMUno de Britto Arlnio,
50 JosefWaro do Almeida PTOaJirfmeo.
51 Jose Solano Carneiro da Cunha.
Si LiiizAmonio Ferreira Gualberto.
33 Luiz Francisco de Paula Mesquita.
54 Luiz Gonzaga dj Almeida Araujo.
53 Manoel Caioiilo Ferreira Laudim.
56 Manoel Carlos Mavrinch Monfeiro de An-
drade.
57 Pa nlo Marlins Pereira Monleiro.
58 Tlieophilo Modesto Soares.
Forain reprovados tl, sendo 5 com attestado do
bacharel Joaquim Maria Carneiro Villela, 5 de
Jose Francisco Ribeiro de Souza, 3 do bacharel
Antonio Columbano Seralico de Assis Carualho,
2 de Albmo (fcajalves Mekafde" ?'Vasconcellos,
f do Dr. Eliza*'de'Sooza Martins', I do bacharel
Jps>Soares d& Azevedo, I do padre Joaquim Gra-
ian< de Araujo, 1 do bacharel Szeqoiel Franco
de Sa, 1 do bacharel Cicero Odon'Peregrino da
SIKa, 1 de Manoel Alves Viaooa.
Levaataram-se 9 da banca dos exames, depois
de terem tirado 0 ponto para' a prova eseripla;
na) compareceram a exame oral 6 ; e 15 as cha-
madas.
ffisluria.
Approvados cem nisliaeww.
1 layiae d Albaqaenrue Rosa.
Approvados plcnamenle.
Alvaro- de Assis Osorio Mendes-.
Annibil Aurelio Falcao.
Antonio Martins da Silva Porto.
Antonio Sergio Lopes Lima.
Arthur de Barros Falcao de Lacerda.
Francisco de AsiU Borges da Foneeea,
Franci.-co Lniz Osorio.
Francisco Pinheiro de Almeida Castro.
Francisco Romano de Brito Bastos.
Franklin Washington da Silva Alraci'a
Gabriel Jose" Barbosa-da Silva.
13 Gregorio Magno Bdrges da Fonceca Junior.
14 (win lien no Anstbarco.
15 Honorio de Barros Wanderley
16 Joao Baptistade Mello Peixoto.
17 Joao Pedro Bandeira de Mllo.
18 Jose llenriques Salles de Abreu FilhOi
19 Luiz Francisco de Paula'Mesquita.
20 II..umIp Romano Siappie da Silva.
21 Rufino Augusto de Almeida Junior.
22 Turiano Lius Meira du Vasconcellos.
Approvados.
23 Alfonso L">pes-de Miranda.
2V Afi'odisio Vidigal.
2-5 Antonio da Trindade Antunes Mendes.
26 Bazilio-da Silva Santiago
27 CyrilloOsorio Porphirio da Motta.
28 Diomedes Goncalves da Silva.
29 Ernerto Marques da Silva.
30 Felippe Alves de Olivaira.
31 iFeiix Joaqnira Daltro Cavalcante.
32 Francisco do Assis.
3.1 Francisco do Rtgo Toscano de Brito.
34 Francisco Ribeiro de Teive e Argollo.
35 Francisco de Salles Ribeiro Campos.
36 Ilerculano de Oliveira Torres Gallindo.
37 Jacinlho Rios ds Paula Soares.
38 Joaquim Pedro Cavalcante de Albuquerque.
39 Jose Bonifacio da Silva Camara.
40 Jose CorJeiro Alvim da Silva.
41 Jose de Meudonca M*lios Moreira.
42 Josti Pedro de Almeida Pernambuco.
43 Jose Vianna Vaz.
44 Manool Camillo Ferreird Lanlin.
'(.' Minoel Eugenio Ferreira Samico.
46 Manoel do Nascimento Castro e Silva.
47 Miguel Jose de Brito Bastos.
48 Miguel de Siuza Borges Leal Castello Branco.
49 Pedro da Cunna Carneiro de Albuquerque.
50 -Pedro Velho do Rego Mello.
51 Simphronio Eutiquiniano da Paz Portelia.
Foram reprovados II, sendo 4 com altestado_ do
bacOarel Antonio ColumCano Serafico de Assis Car-
valho, i do bacharel Joaquim Maria Carneiro Vi-
lella, 1 do bacharel Elyseu de Souza Martins, 1 do
padre Joaquim Grrciano de Araujo, 1 do bacharel
Cicero OJon Peregrino da Silva, 1 de Antonio
Marques de Amorim, e 1 de Jose de Souza Castro
Feitosa ; levanlaram-se da banca dos exames, de-
spots'de terem tirado 0 ponto para a prova escripta
3, e 1 do oral ; foi surprehendido copiando I,nao
comparecerani ao exame oral 3, e 28 as cha-
m.-idas.
Foram reprovados 29. sendo* 12 com- alteslad 1
do bacharel Raymundo Houoriirda Sika, i da ka-
c' arel Antonio Columbano Serai00 da-Assis Utr
vallio, 3 de Jose Francisco Ribeiro de Souza, 3 do
baebarel Joaqnim Maria Carneiro ViMla, I dofta-
eharel Jorge Dornellas Ribeiro Paasoa, 1 do Dr
Auguslo Carneir.'- Monleiro da Silva Santos, 1 d*
bacharel Cicero Odon Peregrine da 811*% 1 de Jose
Francisco do Hego Maia, 1 de Manner Jos* da Silva
Guimarass, 1 de Jose FerreiM e 1 de Horacio Mar-
tins Guimaraes. Lcantaram-sc da baacaidoa eia-
raes escriptos depois de ler tirado 0 ponto, 16
ra.3urprehendidos copiaudo a prsva escript.i


o Cardoso Avres.
de Aim
dos Santos,
31DeSdato r el*%*. *' Almeida.
!*' ..
35~Prancisco Alves de Souza Camlh1 Netto
S>BX!S3: ftaltao fle Almeida Abuquprqpe.
TT*, ,.
Approvados c^m dislinccao.
1 Francelino Augusto de Oliveira.
2 Frucluoso do Souza Dias.
3 Joaquim Alves de Lobao e Veras.
4 Pedro Francelino Guimaraes'
3 Silverio Fernandes de Araujo Jorge Filho.
Approvados plenamente.
6 Adolpho Accioli Wanderley.
7 Adolpho Alves Simoes Barbosa.
8 Aljredo Alves Simoes Barbosa.
9 Annibal Aurelio Falcao.
10 Antonio Eraigdio Ribeiro.
11 Antonio Luiz de Araujo Maeiel Sobrmho.
12 Antonio Pedro do Cvsneiro Costa Reis.
13 Archimedes Cavalcante de Albuquerque.
14 Arthur Oalrndo da .Silva.
13 Ctmstovao Breckeufeld Vielra da Silva.
16 Elpi J:o dos Santos Reis.
17 Epiuhanio Francisco deSarapaio.
18 Ernesto Marques da Silva.
19 Euclidos de Aquino Fonceca.
20 Firmino-Antonio Dourado da Silva.
21 Francisco B^rja do Nascimeuto Feitosa.
22 Francisco Paulino de Almeida e Albuquerque.
23 Francisco Pinlieiro de Almeida Castro.
24 Francisco do Salles Meira e Si.
23 Francuco de Souza Dias.
26 Ianacio de Arrula Beltrio.
27 Jeronymo Soares de Albuquerque.
28 Joao Alfredo deMedeiros.
29 Joio Clodoalio Monleiro Lopes.
30 Joao Ferreira da Silva.
31 Joao Pedro Bandeira do Mello.
32 Jos6 de Barros de Andrade Lima.
33 Jos* Bonifacio da Silva Camrra.
34 Jos6 Cordeiro.
35 Jose Libanio Lins de Souza.
36 Jose Maria drreia das Neves.
37 Luiz Antonio Vieira.
38 Luie Ignacio de Andrade Lima Junior.
39 Marcelino lose Lopes Filho.
40 Miguel de Souza Borges Leal Castello Branco.
41 Pelino Joaquim da Casta Guedes.
42 Raymundo Fernandes de Vasconcellos.
43 Raymundo Nina Riceiro.
44 Victorino de Paula Ramo3.
Aprovados.
45 Agostinho Ferreira Lustosa.
46 Alfredo Moreira Gomes.
47 Antonio Ferreira de Novaes Mello.
48 Antonio Francisco de MagalhSes e Silva.
49 Antonio Plntarcho Rodrigues Lima.
50 Bento Manoe! Ribeiro Carneiro Monteiro.
31 Carolino Ramos.
32 Carlos Bejlencourt
33 Cesario Antonio Cardoso Ayres.
54 Cincinnato Rodrigaes Ityllo.
35 Deomedes Goncalves da Silva.
56 Felix Joaquim Datho Cavalcante.
57 Francisco d'Assis.
58 Francisco Rotelhoc de Andrade Jumor.
59 Francisco do Carvalho Ooncalves da Racha.
60 Francisco Ribeire de Teive e-Argollo.
61 Francisco da Rocha Waaderlev.
62 Herculano de Oliveira Torres Galindo.
63 Jacint^o Ferreira da Silva.
64 Joao Capistrano Ribeiro de Souza.
65 Joao Joaquim Mendes da Rocha.
66 Joao Pompeu do Aadaade Lima.
67 Joaquim Pedro Cavalcaato do Albuq uerque
68 Jose Augusto de Souza Amarahtho.
69 Joso Berardo Carneiro jja Cunha.
70 Jose Cordeiro AJvim dieSilva.
71 Jose Comeho Lettao Rangel.
72 Jose Erne>to de Moraes Sarmento.
7.1 Jose Francisco de Siqaeira Salles.
74 Jose Francisco dos Santos Almeida.
75 Jose Goncalves de Albuquerque.
76 Jose Machado da Motta Pimentel.
77 Jose Paulino de Brito Araujo.
78, Lyadolpho IsUello Correia.de Aranp.
79 LuiZ Francisco Pi^la de Albuquerque.
80 Luiz Salazar da Veiga Pessoa.
81 Manoel Francisco do Rego Barros.
82 Manoel Maria Tavares!JIA Silva.
83 MigutLde Araujo do Ivascimento Feitosa.
84, Pedro iraijft Leao Velloso.
8sud Cavalcante de Albuquerque.
:86."jSdro *a Silva Camara.
87 Riymundo Pereira Castello-Branco.
88 Rodolpho de Arruda B?lttSo.
89 Tarquinio Braulio de Souza Amarantno
nior.
90 Telesphoro Gomes de Araujo Sal[e?.
91 Vicente Nunes Serra.
'92 Xisto Xavier da Cruz.
9. Nao compareceram ao exame oral 9 e 17 a
chamada?.
Oeonutria.
Approvados com distinccao.
1 Francisco de Sallos Meira #Sa.
2 Manoel Freire de Carvalho.
o Approvados plenamente.
3 Adolpho Alves Simoes B*rt>ua.
4 Agostinho Ferreira Lostosa.
5 Alfredo Alves Simoes Barbosa.
6 Alfredo Moreira Gothes.
7 Antsuia E,egdio Ribeiro.
" 8 Antonio Marlins da Silva Pbrto.
9 Antonio Pedro- de Cvsneire'Costi Bers.
10 Archimedes Cavalcante de Albuqeri|ue.
11 Bento Manoel Rvbeiro Carneiro MonCeirv.
12-Cirlos Biitencouvt.
13 Carolino Barros.
14 Cineinato Rodrigncs Rollb.
13 Eiplxinio Francisco Sampaio.
18 Pideiis de Oliveira Sampaio.
17 Francweo Borja do NasCimentb ftitos.i
18 Francisco Botelho de A drade J inior
19 Francisco Romano de Brito Bastos.
.20 Franco Soares da Silva R'etumba Junior
'21 Grancisco Je Souza Dias.
22 Francelino Augusto de ORvelra.
23 Frucluoso de Souza Dias.
24 Ilerculano de Oliveira Torres Gallindo.
23 lldefonso Augusto de Oliveira Azevedo.
26 Jayme de Albuquerque Rosa.
27 Jeronymo Sjaresde Altuquerque.
"28 Joao Ferreira da Silva.
29 Joao Pedro Bandeira de Mello.
30'Joaquiin Alves de Lob;io Veras.
31 Jose Antonio Wsolerley Junior.
32 Joscs de Barros de Andrade Lima.
33 Jose Bonifacio da Silva Camara.
34 Jose Cordeiro Alvim da Silva.
33 Jose Cordetro.
36 Jose Maria Correia das Neves.
37 Jose Paulino de Brito Araujo.
38 Luiz Antonio Vieira.
39 Luiz Ignacio de Andrade Lima Juuijr.
40 Luiz Salazar da Veiga Passoa.
41 Luiz la Silva Baraiina.
42 Manoel Aureliano de Gusraao.
43 Manoel Francisco do Rego Barros.
44 Miguel Jose de Brito Bastos.
43 Miguel de Souza B irges Leal Castello-Branco
46 Pedro da Cunha Carneiro de Albuquerque.
47 Pedro Francelin> Guimaraes.
48 Pelino Joaqaim da Costa Guedes.
49 Raymundo Nina Ribeiro
50 Romulo Romano Stepple da Silva.
51 Rufino Augusto de Almeida Junior.
52 Silverio Fernandes de Araujo Jorge Filho.
53 Thomaz Cancio de Souza LanHm.
54 Victorino de Paula Ramos.
Approvados.
53 A(rge) EJuardo Velloso Freire Filho.
56 Antonio Luiz de Araujo Maeiel Sobrinho.
37 .Antonn Pacitico de Lima.
58 Antonio Plutarcho Rodrigues Lima.
59 Arthur Orlando da Silva.
60 Augusto Leopoldo Rapozo da Camara.
61 Cesario Antonio Cardozo Ayres.
02 Firmo Antonio Dourado da Silva.
63 Francisco Epiphauio Conceives da Rocha.
oi Pranci-co Itaciano Teixeira.
63 Francisco Paulino de Almeida e Albuquerqu:.
06 Francisco de Salles Ribeiro Campos.
67 Gaslao de Aragao e Mello.
08 Gerciuo Ferreira de Lemos Rabello.
69 Ignacio de Arruda Beltrao.
70 Jacintho Rios de Paula Soares.
71 Join Capistrano Ribeiro de Souza.
72 Joao Clodoaldo Mcnteiro Lopes.
73 Jnao da Silva Relumba.
74 Joaquim Pedro Cavalcante de albu juerqa*.
73 Jose Alves Villela.
76 Juse Berardo Carneiro da Cunha.
77 Jose Brand io da Rocha Junior.
78 Jose Donato Gimes Torres
79 Jose Francisco de Siqaeira Salles.
80 Jose Goncalves de Albuquerque.
83 Jose da Silva Campos.
84 Juliao Thenorio de Albuquerque
85 Lindolpho Isbello Correia de Araujo.
86 Lradolfo Olympio dos Reis Carapel !o.
87 Luiz Francisco Pitta de Albuquerque.
88 Manoel Falcao de Azevedo.
89 Patncio Moreira da Silva.
9) Pedro Muniz Leao Velloso.
91 Pedro Nolasco dos Reis Lima.
92 Pedro Velho do Rego Mello.
93 Severiano do Rego Chaves Peixoto.
94 Thelesphoro Gimes de Arauj) Salles.
93 Vicente Nooes Serra.
Foram reprovados 21, sendo 8 eora uttetad> do
bacharel Raymundo Honorio d\ Silva, 2 do ba-
charel Antonio Columbano Seraphieo de Assis Car-
valho, 2 do bacharel Joaquim Maria Carneiro Vi-
lella, 2 de Jose Francisco Ribeiro de Souza, 1 do
Dr. Augusto Carneiro Monteiro da Silva San'.us,
1 do Bacharel Jorge Dornellas Ribeiro Pessoa, 1
de Albino Goncalves Meira de Vasconcellos, I de
Sebastiao Antonio de Albuquerque Mello, 1 ds
Horacio Martins Guimaraes, 1 de Antonio Jovin >
da Fonceca e 1 de lose Francisco do Rego Maia.
Levantarara-se 9 da banca dos exatnes escriptos de-
pois de terem tirado 0 ponto. 11 foram sorpre-
hendiios copiando a prova escripta, 2 nao compa-
receram ao examo oral, e 33 as chamaaas.
Secretaria da faculdade de direito do Recife, 13
de abril de 1874.
0 secretario,
Jose Honarit B: de Menezes
Edital n. 158.
Pela inspecloria da alfandega da Pernambuo se
faz publico, que acliaulo-se as mereadorias con-
ti las nos volumes abaixo raencionados, no caso de
serera arrematadas para consume, nos term )s do
eap 6 do tit. 2' do regularaento de 19 de setem
bro de I860, os seu3 donos ou consignatarios ds-
verao despacha-las no prazo da 10 dias, sob pen.i
de, findo elle, serem veodidas por sua conta. sem
que Ihes fiiue coupelvndo a'.legar contra 03 eai-
tos desta venda.
Trapiche Conceicao.
Marca L F 100 saceos com feijao, vindos d >
Porto no patacho p.>rtuga.z Lidador, entrado em
26 da manjo proximo passado.
Alfandega de Pernambuco, lde maio de IS/4
0 inspector,
Fabio A. de C. Reis.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
BE
\avea*lo oostciraa vapor.
DIViDENDO NONO.
Esta companhia paga o seu nono dividend5, i
razao de 3 0|0.______________________________
CofliDiinhia de cavallaria M&-
namnueo.
Tendo-se de comprar para remonU da cavalha-
da da mesma compaoaia alguns cavallos, sao ro-
.gadas as pessoas qua os possuirera nas eondicoes
do regularaento, pre(arihdo-se sempre os que fo-
rem eastrados, a coraparecerom no quartel da
mesmaCHnpanhia, afim de se tratar.
Quartel no Campo das Princezas, 28 de abril d?
1874.
Servindo de sacrejano,
Joaquim Fraucisco Gadelha
Alferes.
Ju-
i.onsulado provincial.
Per esta repartieao sa faz publico para sciencia
dos proprietaries de algumas ruas na freguezia da
S. Fr. Pedro GonoaJves; abaixo declaradas, quo J
dia 1 de maio vindouro principiara a ser cqntad
o prazo improrogavel de 30 dias para a *rrecad.i-
jio das iraportancias dos apparelnos, iifferenca do*
mesmos e canalisacao, cujas ''^ortancin- -"" '-'-
Sidas aRecife Drain*-- ,, f
aas-Maran" -*eC
B.<- ^aeOVmda.- ^
,.a Jesusv *
Gommeroio.
o Domingos Jose Bsriins.
Vigano thenorio.
-c D. Mara Cesar.



m
npHwmpwp
Qiuio de Pnambuco Segnada feii% 4?ffk^iQ^ W*.

Mime Bari-os.
Caes-do Apollo.
Travessa da CaiapeHo.
do Aitigu Porto.
DoafnfDS .k>se Martins.
Becco Lama
dos Maseatw.
Largo do-Corpo Santo.
Consulado Pnvincial, 29 de sbril de 1874.
< administrator.
. .4/i/ou/o Catneiro UarJuido Rim.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrate da saxua casa d<
yiserienrrfia do Recife, Manda fazer publico qu<
aa sala de saas sessdee, do dia 23 deebril ye-
las 3 bora* da- tarde, fm.de ser arrematadas :
quem maie vanlagens offerecer, pelo tempo de um
a trs annos, as rendas dos prtidios em sejmida
declarados.
ESTABELECIMEKTO DE CAR1DADE.
Travessa do S. Jose.
Casalerreao. il.......201*000
Rua de Santa Rita-
Idem n. 32 ........0*000
Idem n 34........216*000
Padre Horiano.
Idem D 49........337*000
Ciuco Pootas.
Casa terrea a. i I \.......3620300
Raa da Alegria.
Idem n. 31 ....... 371*000
Poote Veltia.
Idem n. 31........156*000
Raa de Antonio ft.;. mes.
idem n. 26........99*000
Raa do Vigario
1.* andar do sotrado o, 27. 325*000
iEoiaidera....... 375*000
PATRIMONIO DOS ORPHauS.
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. IS.......209*00*
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......42I/I0OC
Rua da Cruz
Sobrado a. II (fechado).....1:000*0%
| Rua do Pilar.
Caia terrea n. 100......241*000
Rua do Am-iint.
Idem ii. 31........122*000
Rua da Gain.
Idem n 29........201*000
Rua d is Larangeiras.
Casa terrea d. 17......361*000
Os pretendeute* deverao apressntar no acto da
arrematacao as suas fiancas, on compareeeren
aeompauhados dos respeetivos fladores, devendi
pagar alem da renda, o premio da quantia en
que for seguro o predio qua contiver estabeleei
mento commercial, assim eomo o servico da Mm
pea e precis dos apparelbos.
Secretana da santa casa da mfcericordia do Re
eife, 17 de mar^o 0 di 1874.
0 escrivao
____________Pedro Rodritpies if. Sauza.
Companhia perna ubucana
do nayrgacao costeira a
vapor.
De ordtm do conselbo da direcjao, cenvidc aos
Srs. accionislas da nova emissao de accSes desta
eompantiia, que somente realisaram a primeira
presta;ao de 20 [. sobre o valor subscripto, a fa-
zer jegunda entrada a mesma razio, denlro do
prazo de .10 dias, a contar de hoje, no escriptorio
do Forte do Maltos.
Recife. 21 de abril 1874.
Jhomas M. Connan,
Gerente interino.
THEATRO
M
SXKlk-m PEttlE
JEJIEMCIO DA SOGIEMjbii
Coraco Livre c IV]iu!ar
( A" rs de Marcilto Was )
Qiiai?ta-feira 6 de maio.
Depots que a orchestra tivor axuculado uma
ouwrtiwa.rwva d" i-u reperinrui, snbira pela ul-
tima vat a .so-na m important!) apiuratosu dra-
ma-iaero :
Santa Clolilde
RAIMA DE FRaNCA
Termmara o espectacolo com a ctaisiosa eome-
dta em am ado :
0 caixeiro da taveraa.
Principiara as 8 1|2 boras:
AVISOS ifi'4RiTIM0S7v
CMMKHIA
HE9SAGERIES 1UMTIMES.
I.inlia mrnsul
\i
\
Companhia Franceza dc Navcga
<#o a vapor
Linha mensal entre o
Havre. Lisbon, Pernambnco, Rio dc
Janeiro, (Santos, somente na vol
ta ) Montevideo, BnenosAj-res,
(com baldeaeao para oRosario)
STEAMER
t
Commandante Capelle
E' esperado dos portos do sol ate o dia 10 do
corrente, seguindo depois da indispeusavel demo-
ra para a Europa.
Lorn aviso previo, se poderasegurar lugares pa-
ra passageiros e praea para carga, para Lisboa,
Havre e Antuerpia, e por baldeaeao para todos os
portos do coDtinente : trata-se com
OS CONS1GNATARIOS
AUGL'STO F. D'OLIVEIRA & C.
12Rua do CommercioEntrada pela rn'
do Torres.
E-pera-se da Eu'opa do (Ha d eorrenn-.
em diante. iegukiilo dei>oi- d^ rteR>ra ii.- costume
para UneAti* A\tas. tovando na Btiliia, R{0 de
Janeiro t Montevideo.
Para fretw, eucuntmendaa e-hnssageiros : a lr->
tar rom
OS AGENTES
narisiiK-ii.ly A LnfcMIe
9 Hua do Comtnercio 9
0 leilao principiara 4s 10 l|2 boras.
Desde ja vesder ae ha em lolei, avontadedos
compraflores, trm grando sortimento de musicas.

Para o Araeaiy vai sahir com tnuita brevidade
o bem conhecido hiate Jodo Valle, para carga a
frete a traUr com JoSb Jo?6 da Cunha Lages, na
raa do Vigario n. 33, L" andar, ou com o mes
tre a bordo em /rente ao trapicbe Dantas.
Rio Grande 4o Sal
Para o porto acima ifguira com brevidade o
p.tacho nacional Africano, por ter parte do seu
carregamento engajalo ; para o resto da carga,
trau-se com Silva & Cascao, a rua da Cadeia nu
mero 60.
Rio de Janeiro
Para e indicado porto segue com poacos dia?
de demora a barca portogneza Feliz Uniao por
ter a maior parte de seu carregamento engajado,
3 para o resto que Ihe falto, traia se ronroscon-
eignatarios Joaquim Jose -oncalves Beltrao & Fi-
sho, a rra do Commercio n. 5.
400 saccosom arroi? desembarcados ulti-
mHrtiente
TERCA-fKIRA 5 DO CORRENTE
A's 11 horas.
Vo armazOm (o Sr. Annes, defronte da al-
fandega.
Q prepo>to do agente Pe>taua fara leilao, por
ennta e risco de quern pertcnier, do 200 saccos
com arror, desemlarrados ultimamerrte, os qoaes
serao vendidos em lotes de I a 200 ci vonlade
dos c<'inpr:idures; o mesmo preposto e.-pera a
concurrenci* dos Srs. vendelh5es
TKKCA-EEIRA 5 DO CORRENTE
AS 11 HOUAS DA MAKllA.
No. artnaaeni do Sr. Anne', defronte d'arfandega
compradores ; as pessoas que qouereci examinar
o balanco, podem dirigir-se ao escriptorio do mes-
mo prepos to, livre e deiembaracado de qualquer
OWM ^
QUINTA-FEIRA 7 DO CORRENTE
as 11 lioras.
0 leilao tera logarna referida taverna.
LEILAO
LEILAO
DE
uma victoria nova, com ar~
7-eiospara dous cavalbs
Terea-feirn A do corrente
A's 11 1,9 horas.
0 agente Pinho Rorges, competeotemente autori-
sado, vendera em leilao, no dia acima, uma boni-
ccivictoria de dous assentos, com arreios para 2
oavallos; a rua da Uniao n. 9, onde so effectuara
leilao de movels do Sr. Dr. Lufz de Carvalho.
LEILAO
Porto
Segue com toda brevidade a barca portngue-
za Hanmnia, por ter dous tercos da carga promp
ta : para o resto da carga e passageiros, trata-se
com os consignatarios Thomaz de Aquino Fonseca
k C. Sqccessores, a rua do Vigario n. 19.
Arraazens da companhia per
nambucana.
Seguros contra o Togo
A companhia pernambucana, dispondo de ex
cellentes e vastos armazens em sea predio ao for
te do Mattos, offerece-os ao commercio em geral
para deposito de generos, garantlndo a maior con-
servaeao das raercidorias depositadas, service
prompto, precos modicos, etc.
Tambem recolhera, mediante previo aceordo, ex
clasivamente os generos de uma so pessoa.
Estes arraarens, alem dc arejados e commodos.
sao inteiramente novos e asphaltados, isentos ii
cupim, ratos, etc., etc.
As pessoas que quizerem utilisar-se destes ar
mazens, pedorSo dirigir-ae ao es-Tiptorio da com-
VSBr !lernambucan.i. one anharaTi
ifm n/iT
Companhia Fidelidade
Wegruros mariiinaoM e (errestrcs
A agenda desta companhia toma seguros ma-
ritimos e terrestres, a premios razoaveis, dando nos
ultiraos o solo livre, e o setimo anno gratulto ao
segurado.
Feliciano Josd Gomes
genle.v
_________ol Una do Apollo 51
COMMilA
DE
LIMITADA
Maceio, Ponedo, Aracajn
e Hah in.
E' esperado dos portos do sul ate o dia 6 do
corrente o >apor Marquez de Caxias, o qual
seguira para os portos acima no dia seguinte ao
de sua chegada.
Recebe-se carga, passageiros e diaheiro a frete.
Agentes.
Antoaio Luiz de Oliveira Azevedo.
37Rua do Bom Jesus-57
Libras eslerlinas
Vendem Pereira Carneiro
& C.
_______ Rua do Commercio n. 6.
Companhia Allianca Maritima
Portnense.
RMPHFZA DE NAVEGA(,:.\0 ESTRE PORTUGAL E 0
BRAS1L.
BARCA PORTUGUEZA
DE
300 saccos com feijio de diversas qualida-
des, desembarcatJos uliimamente
Ter^a-feira 5 do corrente
As 11 horas da manhi
No armazem do Sr. Annes defronte da al-
fandega
0 preposto Ho agente Pestana fara leilao, por
ooata e risco de quern pertencer, de 300 sacco
com feijao de diversas qualidades, em nm on mais
lotes, a vontade dos compradores
TERQA-FEIRA 5 DO CORRENTE
4s 11 horas em ponto
no referido armazem.
DAS
dividas da tnassa falltda de Bastr.s iV Lemos,
QLINTA-FMRA 7 DO CORRENTE
Ao iiif io dia
0 agente Pinto levtra novam. nte a leilao as di-
vidas da massa fallida de Ra>tos & Lemos, seodo
que a,|iiellas que ubtiveram ulfertas no leilao do
dia I." do corrente serao deflnilivamr-nte venlidas
a qnem melrores "nr.iaiieis oit-rH-Nr. se.-vinio de
base as ^ITertas ohtfdas; o leilao sera e"eettlado
ao meio dia do dia aokia diio, ou escrfptorio-do
referido agente, rua ao Bom Jesus n. 43.
M
um predio e sitio morado em Santo Amaro
das Salinas, no pateo da igreja, cujo si-
tio foi do fallecido commendador Jcso
Candido de Barros
TERCA-FEIRA 12 DO CORRENTE
v A'S 11 HORAS DA MANHA
No sobrado da rni do.Marquez As Olinda
n. 37. j.naiciro andar.
.^0 agente Dias, c. mpetentc'mente aurorisadb por
mandado do Eim. Ifsembrrgad.r juiz de orpbaos
levara a ledao no dia e hora acima designados,
o predio mencionado, 0 pual contem andar terreo
e solea, duas frentes e Janellas era ambos os ot-
toes, 2 giaades salas e 5 quarto?, e com o acaba-
inento do assoalho na sotea (ica esta cjm accommo-
dacfrs dc um iniar, cozinha fora, quartos
criaJos, cacirnba, gallinbeiro, etc. elc.
0 sitio te ii viveiros, diirerentes arvores
tiferas e 6 i >du murado, tein dous portfies,
ile ferru.
para
fruc-
sendo
ii .
Leilao
fazendas avariadas
QUINTA-FEIRA 7 DO CORRENTE
as 1U 1| horas
Por interven?ao do ag nte *into.
Em seu escriptorio, rua do Bom Jesus u. 43.
LEILAO
Este nzvio rccebe carga e passageiros para Lis-
q6a e Porto, devendo sahir dertro em poacos dias,
visto ja ter parte do seu carregamento contra-
lado.
Agentes e contignatarios
JOSE' DA SILVA LOYO & F1LHO
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
%'avegaeffo costeira a vapor.
FERNANDO DE NORONHA.
0 vapor Mandahu, comman-
dante Julio, seguira pan
'or porto acima no dia S de
maio as 11 horas da manna.
Recebe carga ate o dia 4,
encomraendas, passageiros e
inheiro a frete ate as 10 horas do dia da sahi-
dad: escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
IEIL0E8.
'r'*
^r-j*r'
Obras militares
A* 6 de maio tera lugar na repartieSo das obras
publicas, ondedesde ja ?e acha oorsamento, a ar-
rematacao das obras necessarias no qaartel da So-
ledade, orcadas em 1:326*380.
Os pretendeotes devem apresentar se as 11 ho-
ras da manhs, munidos de suas propostas, em
carta fechada.
Pernambnco, 29 de abril de 1871.
0 encarregado das obras militares
________ Chrysolite F. de C. Chaves.
impauhia dos trilhos urbanos
do Recife a Olinda e Bebe-
ribe.
De or Jo i do presidente da
assemblea geral da compa-
nhia acima e convocada ex-
iraordinariamente dita as-
semblea para o dia 8 de maio
proximo faturo ao meio dia,
aliin de proceder-se a clei<;ao
de um membro da commissao de contas que serve
no corrente triennio, visto ter pedido destituicao do
cargo um dos actuaes membros, em razao de seus
afazeres e ter de retirar se para a Europa. A reu-
niao sera no lugar do costume.
Rcdfe, 30 de abril de 1874.
O secreiario
__________Luiz Lopes Castello Branco.
Sociedade Beneficente Luso
Brasileira.
Nap tendo-se reunido numero legal para a ses-
sao de hontem, de ordem do Sr. presidente, eon-
vido de novo os senhores >ocios para s= reunirem
terca-feira o do corrpnte as 6 horas da tarde em
sessao de assemblea geral, afim de se tratar do
relatorio, e do parecer da commissao de exarae
de contas : prevenindo aos bmsjum senhores que
a sociedade funccionara com o numero que com-
parecer.
SecreUria do conselho fiscal, 4 de maio de 1874
O secreiario,
Marcos Francisco de Paula Reis.
Pacific Steam M\0w Coinpao)
ROYAL MAIL STEAMER
LUSITANIA
sspera-se da Europa at6 o dia 24 do corrente, e de-
pots da demora do costume, seguira para Bahia,
Rio de Janeiro, Montevideo, BuenosAyres, Valpa-
raiso, Anca, Islay e Callao, para onde recebera
passageiros, encommendas e dinheiro a frete.
Nao sahira antes das tres horas da tarde do dia
de sna chegada.
OS AGENTES
Wilson Row e A C.
I*RUA DO COMMERCIO14
Porto por Lisboa.
Pretende seguir para os re-
fer idos pnrtos com poucos
dias de demora, a barca por-
tugueza Novo Silcncio, de I.* classe, capi-
tio Ferreira, por ter maior parte de sua
carga prompta, e para que Ihes falta passa-
geiros, para os quaes tem commodos : tra-
ta-se com os consignatarios Joaquim Jose-
Goncalves Beltrao & Filho, a rua do Com-
mercio n 5.
ADMJiflSTRACaG DOS CORBEIOS DE PER-
NAMBUCO, 1 DE MAIO DE 1874
Relai^ao da correspondent registrada (sem
valor) recebida de diversas procedencias
ate esta data, e que n8o tera sido ontre-
gue por ignorar se as residencies dos des-
tinatarios.
Antero Carneiro de Lacerda, Angelo Ferreira da
Silva, Clementino Jose Lisboa, Carlo Simoni, Fran-
cisca Felismina de Albuquerque Mello, Fabio
Faustino Fernandes da Silva, Francitco Octaviano
da Nobrega, Fructnoso Goncalves Teixeira, Hono-
m Lojia dos Santos, Henrique da Canha Rodri-
gues, Jose Ribeiro do Amaral, Jose Carles Teixei-
ra, Jose Joaquim Goncalves Baste*, Genoveva
Francisca dos Reis, Joaquim Vieira de Mello Jcise
de Oliveira Cavalcante, Jose Izidoro Pereira d^s
Reis, Jose Cavalcante de Albnqoercsue Uchda, Li'j
Falcio de Benevides, Lourencp Jose de Figueire-
do (2), Luiz Frederico de Barros Rego, Leopoldo
Latelma, Manoel Felix Gitirana, Maria Magdalena
Manpel Francisco Teixeira, Raymundo Fernandes
de Vasconcellos (2), Ricardina BenedicU Frasao,
Ulpiano Coelho Catanho.
0 official encarregado do registro,
Jose" Candido de Barros,
COM
PIEIFIC STEAM NAVIGATION
PANV
ROYAL MAIL STEAMER
PATAGONIA
Commandante C. c. Bronsli.
espera-se dos portos do sul ate o dia 10 de maio
e depois da demora do costume, seguira para
Lisboa, Bordeos e Liverpool, para onde recebera
passageiros, encoramendas, carga e dinheiro a
frete.
S. B.-Nao sahira antes das tres horas da tar-
de do dia da sua chegada.
AGENTES
Wilson Rowe A C
14RUA DO COMMERCIO-14
Agente* Dias
LEILAO
DE
moveis, ioucjas e vidros
SEGILNDA-FEIRA 4 DO CORRENTE
88 11 h ths da manhi
Em o primeiro and*r do sobrado da rua da
Aurora n. 79, junto & esta^So da via fer-
rea de Olinda.
0 agoote Dias, competeotemente antorisado por
uma familia que mudou de residencia para a cor-
te do imperio, levara a leilao, no dia e hora acima
designados, os mpveij e mais artigos alii existen-
tes
A SABER:
L'ma magnifica mobilia de mogno, gosto moder-
no, composta do 1 sofa, 2 consolos, tampos de pe-
pra, 2 cadeiras de brago e 18 ditas de guarnicao,
1 dita de jacaranJa, composta ue 1 sofa, 4 cadei
ras de bragos, 12 de guarnicao e 2 consolos, tam-
pos de pedra, 1 piano de armario, l guarda-roa-
pa, 6 cadeiras auslriacas, 6 cadeiras de juneo, I
mesa envernisada, 1 espelho com cablde, 1 san-
tuario, obra perfeita e muito bem acabada, 3 la-
vatorios envernisados, 1 quartinheira, 1 marque-
zao, 1 etager, 2 consolos, 1 lavatorio de ferro com
espelho, i candieiro de gaz, 2 pares de jarros
grandes, lanternas com pes de metal flno, casti-
caes de vidro, palmatorias com mangas, copos,
calices e oimpoteiras de vidro, 1 galheteiro de me-
tal, 4 garrafas de vidro, facas e garfos inglezes,
2 apparelho3 de porcelana para lavatorio. 1 dito
de porcelana brauca para janlar, 1 relogio de pa-
rede, jarros e bacias, e oulros muites artigos per-
tencentes a casa de fcmilia.
DE
10 caixas com champagne, desembarcadas
uliimamente
lerca-l'eira S do corrente
is 11 1[2 horas da manba
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
fandi ga.
0 prep >sto do agente Pestana fara leilao de 10
caixas com champagne, era ura ou mais lotes, a
vontade dos compradores
Terca-feira ft do corrente
as II 1(2 horas da man ha
No armazem do Sr. Annes, defronte d'alfandega.
LEILAO
DE
18 barriquinhas com bolachinbas america-
nas, desembsreadas ultimaraente
TERQA FEIRA 5 DO lORRESTE
ds il f|2 boras da manha
No armazem do Sr. Annes, defronte da alfandega.
0 preposto do agente Pestana fara leilao de !->
barriquinhas de bolachinha americana, desembar-
cadas uliimamente, em um ou mais lotes, a vonta-
de dos compradores.
TERCA-FEIRA S DO CORRENTE
as II : t\-> boras da manna
No armazem do Sr. Annes defronte da alfandega.
leilao
Grande
LEILAO
DE
moveis, louea, cristaes
e objectos de ouro e prata
Ouinta-lcira 7 do correule
as 11 horas da manha
na rua da I nj eratriz n. U, primeiro andar.
0 Illm. Sr. capitiotenente, Joaquim Nolasco da
Fontoura Pereira da Cunha, tendo de retirar-se
para a co-te muito brove, fara leilao, por interven-
5ao do prepostj do agente Pestana, dos objectos
seguintes:
Sila de visita.
Uma mobilia de jacaranda, com tampos de pe-
dra e encosto de palbinha, contendo 12 cadeiras
de guarnicao, 4 ditas de braco, 1 sofa e 2 consolos,
1 tapete para sofa, 4 pares de lanternas diversos
pares de jarros, 1 rice espelho oval, 1 Imdo relo-
gio de cima de mesa ; I r co piano de jacaranda,
1 guardavestidos de cedro, 1 porta-musica, di-
versos quadros a oleo e 1 lustre a gaz.
Primeiro quarto.
Uma cama de jacaranda, 1 toilette de dito.com
espelho e seus pertencas, 2 candioiros a gaz, 2 pa-
res de jarro?, 1 lavatorio, com pedra, tambem de
jacaranda, 1 par de lanternas pequenas para quar-
to, 1 tapete e 1 cabide.
Segundo qnarto.
Uma commeda de amarello, obra de Remigio, 1
toucador, 2 marquezas de amarello, 1 lavatorio e
pertascu.
Sala Uma mesa eUsliea para 16 pessoas, 12 eadeiras
de amarello, 2 ditas de braco, 1 Ma, 1 rico appa
relho para jantar, 1 guarda-louca, 2 aparadores
cum pedra, 1 quartiuheira e 1 lustre a gaz.
QUINTA-FEIRA 7 DO CORRENTE
nn rua da Imperatriz n. 3
AS II HORAS DA MANtlA
Pelo preposto do agente Pes
tana.
um
li-ti casa t r;u-se recoromenJavel por ter sido
sohdamente construida e a vantagem de ter agua
perto c p.irar os bonds proximo- a ella. Os pre-
tendenti* podem desde ja examina-la, e paraqual-
|uer esclareciiiiooto a rua do Marquez de Olinda
n. 37, escriptorio da agenda, onde tera lugar o
referido leilao
AVISOS DVERSOS
B

Leilao
DE
mindezas, perfumarias, fazendas e papel para
forrar casa
QUARTA-FEIRA 6 DO CORRENTE
as It lioras em ponto.
No l. andar da rua do Vigario Thenorio
n 11.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conla e risco de quem pertencer, de 26 duzias de
ceroulas de linho, 20 dnzias de perfamarias, 2 du-
z'as de porta-retratos, 5 duzias de cruzes de mar-
fim, 2 duzias de bct5es para punho, de metal, 3
ditas de ditos de marfim, com lettras, 2 ditas de
guarnicao para camisa, de metal, 3 ditas de ma-1
dreperola, 10 ditas de eollarinhos, 3 ditas de le-J
qoes de sandalo, 2 ditas de abotoaduras para co-
letes, 2 ditas de espelhos de mao, 2 ditas de gar-
rafas, com tinta encarnada, 2 ditas de brincos,
eraode quantidade de pecas de papel de diversos
gostos para forrar casas, e finalmente diversos
ehapSos de merino preto para homem.
QUARTA-FEIRA 6 DO CORRENTE
A's 11 horas em ponto
\o i. andar do sobrado da rua do
Vigaiio Thenorio n. II.
DE
uma mobilia de jacaranda, massica e quasi nova
I cama franceza tambem de jacaranda, 2 apara-
ctores de amarpiln, nnvos, I tapete quasi novo
forrode uma sala de visita, 2 commodas, 1 mar-
quezao e outros moveis que serao vendidos
ao correr do -marteUo
Sexta-feira 8 de maio
as II horas ena ponto
Por intervene^ do agente Pino
Rua do Ik:-: Jesus n. S\
Servira de base para o leilao as offertas obtidas
era particular pelos objectos acima descrptoa
sendo que a entiega se effectuara findo o acto d,
arrematacao.
om negocio.
Vende se ou arren'a-se o grande predio
de um andar e sotao, sito na rua do Bispo
Sardinha, proximo da igreja da Misericordia,
na cidado do Olinda, tendo duas ioas salas
do {rente, um salSo no sotao. sets quartos
espacosos e frescos, uma grande cocheira,
quintal todo cercado de novo, e com diver-
sos arvoredos, uma boa fonte d'agua, e
tendo az canalisado. Achandn-se prepara-
do com tod s os moveis indispensavcis a
uma grande familia, sera assim vendido ou
sera os moveis : a tratar nesta typographia
ou na rua da Uniao n. 49, sobrado, atraz do
patjo da assemblea.
AF.OIBGA
alfandega, armazem pintado
que curiosos acabam de deno-
J azigo
0 administrador disle estabelecimento, a bnj
dos iDteresses daquella lirma, vende a dinheiro a
vista :
Ratata', baratissimas.
Feijao mul; tinho muito claro e tenro, em sac-
cos, baratissimo.
Latas com cinco paloes de gaz, Devois, a 5J30O.
Arroz superior a 2$400 a arroba.
Caixas com 10 carta? de fogo da China superior,
a 6*200.
Manteiga franceza nova de 1874, da marca PLG,
a 740 rs. a liora.
Os mais generos que existem no mesmo estabe-
pecimento, faz se a elles precos proporcionaes
a|uelles declarados.
Aluga-se
a casa terrea com qrandts commodos para familia,
exlenso quintal murado e arborisado, e outras
muitas commodidades, no melhor local do pateo
da Paz, (Afogados) : a fallar ao sacristao da matriz
para re-la, e no Recife, tiatar a rua das Cinco-
Pc
I
Confronto a
de preto,
minar
Pontas n. 31.
Segundo e ultimo
Leilao
DE
uma faclura de loucas
SEGUNDA-FEIR.4 4 DO CORRENTE
ds 10 i[2 horas em ponto
No 1." andar da rua do Vigario Thenorio n. II.
ao correr do rnartello
Opreposto do agente Pestana, competentemen-
te autorisado, fara leilao, por conta e riscO de
quem pertencer, de 100 apparelhos para jantar,
com frizos, diversas duzias de tijellas brancas, com
pes, ditas de ditas sem p6s, ditas de sonpeiras, ditas
de nratos para forno, fundos e redondos, ditas de
compoteiras redondas, ditas de pratos razos, feilio
inglez, ditas de molheiros, ditas de cafeteiras, ditas
de pratos ovaes, com azas, ditas de leiteiras, com
tampos, ditas de ditas sem tempos e ditas de sala-
deiras, as qnaes serao vendidas a vonlade dos Srs
compradores ; o mesmo preposto convida a todos
os Srs. vendelboes, pois a occasiio e opUma
AO CORRER DO MARTELLO
SEGUNDA-FEIRA 4 DO CORRENTE
De
rua
uma casa na rua do Dique, antiga
das Carrots n. 23
Quarta-feira 6 do correntej
As' 11 horas em ponto.
NO l." ANDAR DA RUA DO VIGARIO THE-
NORIO N. 11.
0 preposto do agente Pestana fara leilao por
conla e risco de quem pertencer, de 1 casa terrea
na rua do Dique, antiga ma das Carrocas n. 23,
a qual tem os seguintes commodos: 2'salas, 2
qaartos, cozinha fora, cacimba e quintal todo mu-
rado, a qual foi avaliada em 3.0(0*000, e rende
300^000 annuaes, servindo de base a quantia de
1:800*000 offerecida no primeiro leilao ; os Srs.
pretendentes poderao examina-la, pois se acha
alugada.
QUARTA-FEIRA 6 DO CORREINTE
as 11 horas
no l. andar da rua do Vigario Thenorio n. II.
Grande e importante
uma latcha a vapor
Sexla-feir* 8 do correnfe
A's 11 hOras
Em frente a companbia Pernambucana
0 agente Dias, competentemente autorisado, le-
vara a leilao, no dia e hora acima designados,
uma lancba a vapor que se acha em perfeito esta-
do, e a machina prompta a funccionar.
Esta embarcacao que accommoda 23 pessoas,
nao serve para recreio, como condoccao de passa-
geiros para os vapares que fundeam no lamarao, e
mesmo para rebocar alvarengas com carga deo-
tro do porto.
E' de forca de 6 cavalios, e quando succeder fl-
car o caseo inutilisado, serve a machina para
qualquer ontro mister, taes como : serrarias, en-
genhos, etc., etc.
Os Srs. pretendentes podem desde ja examina
la, pois acha-se fundeada junto ao caes da mes-
|.raa companhia, onde tem de effecluar-se o referi-
do leilao,
CASA DA FORTIA.
AOS 4:000#000.
KIIRETES CARANTIDOS.
t rua Primeiro de Margo (outr'ora rua dt
Crespo n. 23 t casas do costume.
Acnam-se a venoa os felizes bilhetes garantidos
la 7" parte uas lotenas a benelicio da matriz
da Escada (98), que se extrahira na quarta-feira,
6 do mez vindoun>.
PRECOS-
Biihete in'.eiro" i*000
M-.iuLilhete 2*000
gM Mr^M 100(n0 PARA CIMA.
w. inteiro 3*500
M 1*750
____ Manoel Marlins Fiuza.
Prccisa se deuma pessoa para tomar conla
de uma taverna, que tenha bastante pratica e d6
fiador d>' t i. ioodaeta: uaruaDuqae de Caxias
n. 22. -
Escrava rozinheira
31
o^ooo
Precisa-se com urgencia
de uma 'perita cozinheira e
compradeira para casa de
uma pec^uena familia, pa-
gando-se a quantia acima :
a tratar no pateo do Paraizo
n. 28. l. 2. andares.
Agente Dias
LEILAO
\viso
DE
predios
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\avegacao costeira a vapor.
'ARAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO'^RACA-
cfarA,
Recebe carga ate o
ACARACU
0. vapor Jaguaribe,
commandante Julio,
seguira para os por-
tos acima no dia 7
do corrente, as 5
horas da tarde.
3 do corrente, encom
A's 10 1 [2 horas em ponto
i 1 andar da rua do Vigario Thenorio n. it
Leilao
mendas, dinheiro a frete e passagens, ate as 3 ho-
ras da tarde do dia da sahida
no Forte Oo Mattos n. 12.
sscriptorio
Lisboa e Porto
Vai sahir com brevidade a
Recebe carga e passageiros
I.ivio Soares.raa (te Torres n.
DA
offlcina de pianos da ru* do Jmperador n. 55, de
J. Rigas, antiga casa de .'.- Vig^
Em liquidaeao
- CONSTANDODB:-
Cfianos novos e usadbs, pertencaa para pia*>
mochos. cordas, musicas, macbinas para fazer bor-
dao, mogno, jacaranda em folba e moveis.
Dancoi para marcineiros, um grande sorti-
timento de ferramentas, reates de madeiras, para-
fusos.chaves.dobradicas, lixaeontros accessories.
Uma machina para fazer cerveja, 2 ditas para
lavar roupa, e muites outros objectos existentes
no armazem e primeiro andar do sobrado da rua
do Imperador n. 55
moveis, louijas, vidros, pianos 1 partida de
chapdos do Chile e 1 dita de feltro para
t'echar contas
QUARTA-FEIRA 6 DO CORRENTE"
A's 11 horas em ponto.
No primeiro andar do sobrado da rui do Marquez
de Olinda u. 6i
0 agente Dias, competentemente autorisado,
vendera em leilao deste dia acima dito, mobilias
de jacaranda, com tampos de pedra, ditas de faia,
ditas de amarello, secretarias, guardvlouca, me-
sas elasticas, marquezSes, marquezas, cama-* fran-
oezas, espelhos, 1 toilette de mogno, e muitos ou-
tros objectos, que estarao patentes no acto do lei-
15o.
t'traircom^Tite Por ^C^ do agente Mnto.
?o. I Terca-reira ft de maio
Leilao
DA
rmar,5o, 8pnros e mais utensiliosda ta-
verna .'ta ^ rua Imperial n. 153
QLTNTA-FtjRA 7 DO CORRENTE
A's 11 hor^B da manha
0 preposto do agente PbL'foa fara lelllo por
conta e risco do quem pertencer, da armacio, ge-
neris e mais atensilios da taveru.* slia a rua Im-
perial n. 153, em ura ou mais lotes, a vontade dos I
TEKCA-FEIRA 12 DO CORRENTE
is 11 horas da rnnha
Raa'do Marquez de Olinla n. 37, primeiro andar.
A SABER:
0 agente Dias, competentemente autorisado,
levara a leilao os seguintes predios :
Um sobradu na rua de Lomas Vaientinas n. 64,
de 2 andares e sotao, reeditkado nao ha muito e
com grandes accommodacdes em qualquer dos an-
dares, e alem disso duas lojas e.um sotao, com 2
salas e 3 quartos. Este predio posstle uma boa
escada de volta que se estende do pavimento ter-
reo ao sotao, de modo que ate este pode ser ala-
gado independenle.
Uma casa em a rua do Visconie de Inhauma.
outr'ora rua do Range! n. 19, com 2 salas, 2 quar-
tos, cozinha fora, quintal murado com cacimba.
Esta casa acha-se em perfeito estado, e e siluada
em uma optima rua commercial.
Um sobrado de um andar e sotao n. 17, a rua
de S. Jorge, outr'ora rua do Pilar, com a frente de
azulejo, com os seguintes commodos: 2 salas, 3
quartos, sotao com janellas para a? duas frentes e
loja, com 3 salas, quintal todo murado com cacim-
ba e portao.
Os Srs. pretendentes podem desde ja examina-
los, e para qualquer .nformaeao a rua do Mar-
Juez de Olinda d. J7, primeiro andar, escriptorio
o agente.
Aos Srs. proprietaries se offerece occasiao de
possuir predios que dao optima veoda, e que se
vendem somente em consequencia de ter o seu
dono transferido sna residencia para a Eurona.
0 Sr. Libani o i'residio de Carvalho, escrivao da
colletoria de >anto Antao, e cbamado ao Forte do
Mattos, armazem de algodao n. 26, a negocio de
seu interesse.
Aluga-se o sitio do tinado Dr. Jacintho pe-
reira do Rego, perto da estacio do Montei'o, com
excellente ca*a de vivenda, jardim e estribaria :
a tratar com Franasco Ignacio Pinto, na rua do
Bom Jesus n VI, I andar, entrada pelo becco
da Lingueta n. 9, ou na rua do Imperador n. 13,
segundo andar.
0 abaixo assignado, iancador da recebedoria
desta provincin, passa nesta data a proceder na
freguezia de Santo Antonio ao lancanento dos
impostos de fndustrias e proflssdes, da decima de
corporagiies de mao-morta e pessoal, para o exer-
cicio de 1874 a 1875. e pelo qne na forma da lei
devem os senhores inquilinos e locatarios dos pre-
dios que occopam era dita freguezia, exhibir os
respectivos recibos e contratos, aflm de ser tixada
a taxa com que cada um tem de conttibuir.
Recebedoria de Pernambnco, i de maio de 1874.
0 Iancador
Mantel Jos6 Soares de Avellar.
Aloga se a casa da rua do Passo da Patria
n. 18, com 4 quartos, 2 salas, cozinha fora, quintal
e cacimba, caiada e pintada de novo ; a tratar na
rua de Pedro Affonso n. 49, 2 andar.
Agente Dias
Eu abaixo assignado, tendo lido nesta folba
do 1 do corrente uma relacao de dividas activas
Ja massa fallida de Ba:tos & Lemos, annunciadas
para ir a leilao hoje t de mate, a mandado do Illm.
Sr. Dr. jaiz do commercio. por intervenclo do
agente Pinto, de 9373500, apresso-me em decla-
rar quo nada dove a referida massa, e faco o pre-
sente annuucio afim de que em tempo protestt.
Recife, I" de.maio de 1874.
Joaquim Goncalves Ferreira.
Joa juiin Antunes de Oliveira, Iendo no Dia-
rto de I'ernimbuco do I.* de maio deste aono, um
annuncio do leilao das dividas da firma de Rastos
& Lemos; nao se entendendo consegutntemente
com clle o debito que na mesma relacao vem era
frente do seu nome.
Recife, 2 de maio de 1874.
_ Jraquim Antunes de Oliveira.
Escrava cozinheira.
Aluga-se nma rtiulata para todo servico : a tra-
tar na Irja de Passo, roa Primejro de Marco nj
.1

"

f:
f
*


Diario do PMnambueo Segunda feira 4 de Maio de lf74.

.
Fdlor.
Precisa-se de um feitcr part sltto qne entenda
de rawnio : na run do Raag-.'l n. 37.________
VIGOR DO CMtfiLLO
f)o .n
i
oa
'
Ex-afinador das antigas e afamadas casas Pleyel & Here, o antigo director das cfflci-
casa Alphonse Blondel.
Tem a honra de declarar an respeiUvel puWiro desta cidade, que tern aberto sua easa de
etacertos e afraacSea de pianos, nualquer que seja o es'.ado do instrumento.
A mesma casa acaba de lefebet um-grande sortimento d* pianos dos melhores fobricanteti
ae Paris como Kravd Pleyel, Henri {fo-% e Alpkmse B/onrfcf) todos os pianos sihidos da casa
Obibaut sao garaotidos.
Compra-se e reeebe-se em tttxxi os piaaos usados.
Seguro e rdmirtivcl
RESTAURADOR E TOMICO
PM 0 CABELLO
Cwicorre para um hello per-
feHo penteado
Torna os cabeWos wacios, brandos e lu-
sidios, perfamando-os com um aroma de
especial dfcHcadeza, que l8o apurado tem
sido. _
MOFINA
Esta encouracado!!!
igna mole cm jpedra dura
Tunto da ate que a fura.
Roga-se ao Him. Sr. ignacio Vieira de Hell
sscTiviio na cidade de Nazareth desta provincia,
favor da vir a rua Duque de Caxias n. 36, a con-
lilnir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realtsar, peia terceira eteamada deste jornal, em
flng'-do dezenraro de 1871, e depois para Janeiro,
passou a fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio,
par este motivo e de novo chamado para dito
8 m, .pois S. S. se deve lembrar que este negocio
ie ma is de oito anno s, e qu and o o Sr. seu fllho s*
ichava nesta eidade. ________________
Aluga-se o andsr e o armazem do sobrado
da rua dos Burgos (Recife) n. II : a tratar na rua
da Praia o 20, com Jose Felidano Nazareth.
S3
slriicl'ir c iiliiiatlor tie pianos
Um do Lmperador
33
Hew
40 Una do Imperailor 49
Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos riais afamados autores,
como sao : Hera, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem wma quaffdade de pianos supe-
riores, mandados expressamente construir para este dim a-, o qajal os amadores dos
bans pianos so encontrarao nesta casa.
Ilecebem-se pianos usados era troca-
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avrsa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais complcto sortimento de materiaes para concertar pianos, como
sao: cepos, folba para os mesmos, cravelhos, para-fuses, castor, canrarsa. -cordas,
marfira, etc, etc.
49 mj.i norapiHRAiiOR
IMPERIAL
ATTE
Ha mats de umanno tugio
-ife, e se suppoe nella occulto, o escravo Jose, com
os slgnaes seguintes : cor preta, de altura regu-
lar, com.23 annos de idade, pouco mais on menos.
tem falta de dentes oa frente, sendo porem o sig-
nal mais sensivel uma escrescencia oa palpebra
que parece cegn de um olho : quern o capturar,
traga-o a rua Direita n. 119, ou Saodades n. 32,
que seta generosamente recompensado pelo seu
enhor.
Sr"-
IRAS
selecta e de umbigo
(Enxertadas)
Sapotizeiros
t sapoteiros de 11 palmos (em vasos) e de lodos
es tamanhos e precos mais commodos que dan-
tee ; assim como as jeguintes ontras plantas de
fructa e de ornato :
&c.
Abacati.
Acacia.
AriticuBi a pe.
Canelia.
Casuarioa.
Carolina do principe.
Condeca.
1 'oracao da India.
I :gueira.
i imbojant.
i rncta-pao.
Inga do Para.
Jambo.
Jasmim laranja.
Laranja da China.
Dila do ceo.
E outras planta* :
nra n. 23.
Laranja cravo.
Dita de doeelo Para
Dita branca.
Dita tangerina.
Lima da Persia.
Dita de umbigo.
Limio francez.
Dito doce, eosertado.
Oiticoro.
Palmeira imperial.
Parreiru.
Pinheiras.
Romeiras.
Rozeiras.
- Rozeda.
Ubaia.
aa Capunga a rua d a.Ven-
I^HGTOGRAPHI A.
LOPES
ESTABELECIME\T8BE PBIMEIRA ORBEM
Rua do Barfto da Vit ( ria n. 14, sobrado
(ANTIGA ITA NOVA)
Trabalhos premiados uaultima exposi^ao
DO
RIO DE JANEIRO
Acha-se montado sob as melhores -eor.dicoes ?e arte, e aberto k
concurrencia publica, este estabelecimento, o primeiro, semduvida,
desta provimia, no qual se liram n-tratos pelos melhons e mais
modernos s^stemas, empregando-se somente material de primeira
qual Jade, e garantindo se
Semelhanqa, nitidez e dura^aa
Trabalht-se todos os dias uteis e de guarda, desde as 10 horas
da manna as quatro da tarde, nao prejudicando o tempo de chart
ou nublado a perfeigao dos retratos.
Faz-se toda a qualidade_de copias, augmentando-as ou diminuin-
do-as. '&.-, ..~
18^000
Uma duzia de retratos de uma so pessoa, em cartdes para al-
bum.
Para os retratos esmaltados, eolloridos, grupos.fe augmentados ha
uma tabella de preeos.
Tiram-se retratos ate tamanho natural.
DE NOITE
Devedores.
Os pmpiiolarios da onnt(t rua do Impi rader n. 24, pedtin aos seus devodures
que lcu sido remissos, o favor de virem pagars us
di'bilos ale o dla 8 de abnl proximo viudourus
yvisam aos mesmo* que se at^aquclla data nio e e
liverem >aldos, frran seus domes npslfi j,:n:n
^c'111 Jir lifiL-rSc ;lf pess'a .'.L'nim.
?
^im%
PUNDIGA0D0 BOWMAN
sda'do mm .
.i.-.
r,r.{rr-
ch^^z)
-,<:;!"
caa-. vi>'U '. oeo e^t^b-.i-'.-iOC-iiv, tut
.ijreni o :ovo icrtimePtc
^ lorucM, qr.ecys
24-Roa doMarquezdeOlinda-24
Carina do beeco I.rj;o
Panicipa a sens frvguezes e amigos que mudou
o seu estabelecimento de retojoeiro para a mestna
rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e citna de me-
sa, dos melhores gostos e quali&tdes, relogios de
algibeira, de todas as qualidaiiea, patente^uisso,
de-ouro e prata dourada, foleado (plaquer), relo-
gios de onro. inglee, descutierto, dos melhores
fabricantes, cadeia de onro,plaquet e prata, lunetas
detod?s asqualidades, tudopor precos muito ba-
ratos.


IM 00 PASSO
DE
Gordeiro Shades & .
Acabam do receber pelo vapor Menioz a :
Hiquissimos Cortes de gorgurae de se da fisos'3
com listra* achamalotadas.
Ditos de linho para vestidos, contendo cada ear-
te, 0 necessarh) cpara sea enfeite, con w seja :
franjas, trancas, totdes, fivellas, etc.
Riquissimos chapeos para senhora, uli#Tna moda,
a rua Primeiro de Marco n. 7 A.______
Arrenda-se 0 engenho, Saltiiaho da fre-
guezia engenho e bom d'agua, dista duas leguas dos
portosde Tamandare e Rio Forme so, e tem
terras para safrejar 1,606 a 2,000 paes
annuacs: a tratar no mesmo engenho com
0 coasenhor Henrique Augusto Milet, ou no.
Recife com Leal & Irmao, rua do Marque z
de Otinda--n. 56.
Raa Duque de Caxias.
O Sr. Antenio Ribeiro Pontes, caixeiro a ma d 0
Duque de Caxias, queira vir a rua do Imperado r
n. 42, a negocio de mutuo iuteresse, islo por s *
igncrar sua residencia iemestica.__________
Escrav M\k
Precisa-se de nm caixeiro com bastante pra-
tica de taverna ; e que de fiador de sua condu-
cta : a tratar na ru a Velca de Santa Rita n. 50.
SM,S\ PAJIBllil&A
DE
RBSST0L
CURA OS CASOS MAIS DESESPERADOS
A SAFSAPAARILHA DE*RISTOL puri
;ica a massa do .sangue, expelle para fdra
todas as materias .fezes viciosas e impuras,
regula todas as secregoes, di vitalidade e
energia a todos os orgaos e di forca e ri-
gor ao systema afim* de poder raelhor resk-
tir a todos os ataques da enfermidade. E'
pois este um remedio constitutional. Elle
nunca distroe afim i\e fwder curar ; por^m
constantemente assiste a natureza. Portanto
m todas as doen^a* constitucioruies e em to-
das as molestias locaes dependente d'um es-
tadovkioso e imperfeito do sustema-em ge-
ral, achar-se-ha que a Saxsaparrilha de
Bristol 6 um remedio segvro e efiicassissi-
mo, possuiudo inestimareis e inoontestareis
vrtudes.
As curas milagrosas de
i^crofulus,
I'lcerus,
Cha^aN 11111 iga* ,
ENFERMIDADES SyPHILITfCAS
ERYSIPELAS,
RHEUMATISMO,
NEVRALGIAS,
ESCORBUTO,
ETC., ETC., ETC.,
que tem grangeado e dado 0 alto reuome
Salsaparrilha de Bristol
por todas as partes do unirerso, s8o tSo so-
mente de\idas d
UNICA tEGITIMA ORHJINAL
Salsaparrilha (ie Bristol
PHARMACIA .CENTRAL
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e de
elegantes modellu.", dos mais notaveis e bem co-
ntiecidos fabricantes; como sejam : Alphonse Bi-
dunel, Henry Hers e Pleyel-Wolff & C. : no Vapor
Francez, a rua do Baiao da Victoria, outr'ora No-
va a. 7. aprecos muitocomraodos.
Mobilia de vime.
i",adeiras de bah neo, de braco, de guarniccies,
so:as, jardineiras, mesis, conversadeiras e costu-
rciras, tcdo isto muito bom por serem fortes e
leves, eos mais proprios moveis para saletas e ga-
binetes 4e recreio.
No armazem do Vapor Francez, rua do BarSo
da Victoria n. '7. outr'oaa Nova,
Eerfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de toilete,
divina, tlorida, lavande, pis de arroz, sabonetes,
crosmelicos, muitos artigo deiicados em perfnma-
ria para presentes em frascos de extractos, caixi-
nhas sortidas e garrafas de dillerentes taraanhos
d'agua de Cologne, tudo de primeira qualidade
dos bem conheeidos fabricantes Piver e Coudray,
No armazem do Vapor Francez, a rua do Baric
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de differentes g;o*tom e
plaaatAzias.
Espelhos, leques, luvas, joias d'ouro, tesourinhas,
eanivetes, caixtnhas de costura, albuns, quadros,
e caixinhas para retratos, bolsinhas de velludo,
diu^le couro, e cestinhas parabracosde meninas,
hicotes, bengalas, eeulo, pencinez, ponteiras para
eharutos e cigarros, eseovas, Rentes, carteirinba de
madreperola,- tapete para lanternas, raalas, bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
pos, lanternas magicas,cosmoramas, jogos da gloria,
de damaa, de bagatella, quadros com paisagens
![lobos de papel para illumiuacoes, machinaa de
azer cafe, espanadores de palhas, realejos de vein.
aecordaos, carrinhos, e ber$os para eriancas, 9
outras muitas quinquilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode deaejar de to-
dos os brinqnedos fabricados em differotes parte9
da Europa, para entretimentos ^a* eriancas, tudo
I a prefos mais resua.idos que e possivel : no ar-
Jajazem dc Vapor Fianctz, rna do Barj< da Vic-
loria ciitr'ora Nova 0. 7.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Guilhorme. per>Miir.;
nieias perneiras para hoans, e meias peroeira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria u. 7.
Fugio 0 preto Joao,' que tem
offieio de funileiro.
."iii domingo 22 de mar(o. pelas 4 horas da tar-
do, fugio 0 preto Joao, idade 26 annos mais ou
menos, cGr fula, rosto redondo, estalura regular,
secco do corpo, falta de dous dentes na frente.
usa de bigode e pera, mas tem pouco cabello, le-
vou diversas pecas de roupa em uso, tambem usa
de um aniiel de pedra branca, tem offlcio de fu-
nileiro e quando bebe da para Callador ; foi cria-
do em Nazaretb, e alii aprendeu 0 offlcio, na loja
do Leocadio, a quern foi comprado; nao obstante
estar elle seneor Besses lugares, ha indicios de
qne anda nesta cidade : pede-se portanto as au-
toridades pcliciaes capitaes de campo a sua
apprebensiio e leva-lo a Jose Joaqnim Lima Bai-
rao, ao largo do Corpo Santo n. 2, qne generosa-
mente gratilicara.
Francisco Antonio Correia Cardoso vendo 0
seu nome enlre os doe .devedores da massa failida
de Bastos.<& Lemos, cujas dividas 0 Sr. Dr. juiz
do commercio mandou vender em leilao pelo
agente Fraccisco Ignacio Pinto, declara que nada
deve aos ditos Bastos & Lemos, como provara com
os documentor de quitacao existentes em seu po-
der. Recife, de maio de 1874.
Desappareceu ao amatmecer do dia 4 do cor -
rente, do engenho Serigi, comarca de Goyanna, 0
escravo de nome Jose Barges, mestre de assucar;
tendo os sigr.aes seguioles: cabra, idade de 3/t
annos pouco mais ou menos, boa figura, um tan to
grosso espadaiido, seado o signal mais visivel 1
gomma na jiiata do pe esquerdo : roga se a tod as
as autoridaues e capitaes de carapo, queiram a p-
prehender dito escravo e leval-o ao referido enf je-
olio, ou nesta praca a Oliveira Filhos A C^ lar go
do Corpo Santo n. 19, qne serao generosamej ate
recompeasades.
yrai-san 10
?ZfiT% ^ '-..-jores '> nVger. e
*:J!3U10 C iVP. dd
otu^!8t, qne ahi tem: dej-lo ludo sop^rior em qnali.lsd?
:clo pecs.)al pj verifioar.
ESPECIAL ATTLNgAO AO KGMKRO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
/aporea h rodas tragsa minb!)8 convenien^s pr a8 d^ereas
ircumstaDctia do* enhorei proprtetarios e psra deacarofar algodio.
ttoendas de eauna tX. 8 ,smaDhy9, ??*** mi
Uodas ^entadas 'Dl01S,e, '*"'e *
rai^as fie ferro fandido, batido o de cobre.
liembiques 9 ftindos ds alambiqaes.
ffia&hin limaa par* inandioci e rigodio.J Podeado lcdva
^a^UllAJ.OiUv/0 e para serrar tniJeira. f ser movidoa a mao
AnmKaa lpor agQ'* n9Wt
iVUlUaB de pateete, garamidas........ \on animae..
Todaa ai machinaa 9 m"d Pas qualqusr conCQrto *^. cti Tttm*x
F(?'/Witt.* dft fAlTO tem as m6lbore8 a miil bar,tas exiatei-'.ta no mer-
7*rfAVvi-mATif1oa ^ncurnbe-ae de mandar vir qoalquer ma.^oisaic a ?oa-
<>U\f\JlllUlX)Wld.o, Xii\B dos ciienie, iembrriiio-ihei a vaottgem delaierea
tai comprtspor intermedio de pessoa Bntendida, e qoe em qnaiqner nectwidafll pode
'Mt> prastar aaxilio.
irades ameritjanos e >-"* -**
RUA DO BRUM N. 52
^ASSAWDO O CHAFARK
&
FDNDICAO DE
K raa do Barao do Triumpho (rua doBnimJ ns. MM)a 104
CABDOSO & ffiMift
AO P11IJC0
O afcsixo assigtado julga nada dever a massa
fallida de Bastos.4 Lemos, e vendo seu nome e
fllho,sa relacao de dividas para leilao em ......
110*260, queira pois, essa administracao apre-
sentar-Jbe eonta ou qualquer titulo qne exacnina-
do, e convencido, quer pagar independente de lei-
lao.
Manoel Perejra Lemos.

>->OQSSeSMi -SXBSC?KHi
Oiflsullorio medico
DO
Dr. Murillo.
RUA DA CROZ 5. 6, ANDAR.
Rece.-u-chegado da Eurepa, onde fre-
qaentou os hospitaat de Paris e Londres,
pode scr procurado a qualquer bora do
dia ou da noite para objecto de sua pro-
fissSo.
Consulras das 6 horas da aaanbi as 8 bo-
ras, e do meio dia as duas 4a tarde.
Gratis aos pobres.
KSPECIAL1DADES.
Molestias de senboras, da pelie e de
rrianca.
Calcadt) francez
A 9$
Precisa-se de C00* a preraio sob hypo-
theca : a guem convier annuncie para ser procu-
rado.
Aluga ie o primeiro andar do sobrado da
rua Primeiro de Marjo a. 14, jjroprie para es
criptorio.
PENHORES
Na iraveesa da rua
dasCruzes il 2, pri-
meiro andar, dd-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
AVTSAM aos senhores de engenhos e outre s ?gricu]tores e ao publico em geral qua
continuara a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens e tr.achina S nc-
cessarias aos estabelecimentos agricolas, as mais mode nas e melhor obra ; e torn viudo
ao meroado.
VaporeS |de for^a de 4, 6, 8 e 10 cavnllos, os melhores quo tem vmdo ao meralo
LaluOiraS de sobresalente para vapores.
jlOeUCiaS lUtGiraS e meias moendas, obra como nun< a aqui '":-
LaiXaS [IUnuiaaS e batidas, dos melhores fabricantes.
CvOOaS Q agua com cubaje de ferro, fortes e bem acabarfas
tvOdaS dentauaS de todos os tamanhose qualidades.
RelogioS e apitOS p8ra vapores.
DOmbaS de ferro, de repucho,
AJaOOS de diversas qualidades.
Formas para assucar,grMdes-e wms:
VarandeiS deferro fundido, francezas de diversos e bonitoi
Fogoes ifrancezes p8ra leph. 0 caryjo, ova sup-: .
Ditos di tos para gaz.
Jarros de ferro fundido
Pes de fcirro
Machina
Vakrulas
-: para jardim.
para mesa e banco,
para gelar agua.
para bomba e banheiro.
Oorreias iiuglezas para machinismo.
Baneos e sofas com tiras de madeira> par i!jm
OoncertOS "^JHf ?m PromPtida qualquer obra on machina
sua fabnea bem montada, com grande e bom pessoai.
ttncemmenaaS raflndam vir por encommenda da Europa, qua!
^mum.dosme,horffenSirtsT^ia1^
hjasmachmas, e se responsabilisam pelo bom trabalbo das mesmn" *"*"
Ra do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns
___________F.UND I C A Q DE CARDOSO & IR
para : q^e tstiao
i.actiinistD"',
Laadrrs
asset) tu
100
M A
a 104
<.
Precisa-se de
rua Wreita a. 10.
batedores : na refinacao da
Engenho
Vende-se o engenho S. Pedro, sitnado na pro-
vincia de AJagoas, comarca do Porto Cal\^ a
menos de uma legoa distante do porto de mar do
Gamella, tem oxcellentes terras, matas, e safreja
regularmento 2,Cfl f&es : a tratar na rua do Vi-
gario b. 31.
ODILON
Premiados
DUARTE & IRMAO
ELLEIREIROS
na exposicao de 1872
RUA
DA
N. 10,200
Pede-se ao Sr. Josd Caetaao, da Amerxea Ulus-
trada, o favor de apparecer na rua Primeiro da
Marca n. 7 A, 1*andar, a negoeio de seu interesse
Aluga-se.um moleque de 18 annos
a tratar na rua, Priaieu"o de Marco n'
18.
Botuias para homem
Acaham de chezar grandes jacturas de botinas
de bezrro, de rnrdavao, de pelica. de duraque
com biqueira, de bezerro com botdes, e com il bo-
xes a 9jjW00 (a escolher) por ler vindo grande
quantidade por conta e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rna do Barao de
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senliora
BOTINAS pretas, brancas e de cores. ajWerente*
lisas, enteitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, braccos,
pretoa e de cores differentes, bordados,
SAPATOS de iapejes, chariot, castor e de Wan^a.
Para meninas.
BOTINAS pretas, branca* e de cores differentea,
lisa, eniV.'tadas e bordadas.
ABOTINADOS de di versa"* qualidad?*.
SAPATOS de Iranca portuguC^f6-
Para meninos. f
BOTINAS de bezerro. lustre e de corda'io,
\(^rinlia
Precwa-se de uma negrlnha de 7 al a annos,
para andar com nma menina : a tratar 0a rua da
Alegria a, 40.
Uma pessoa vinda daBahia, precisa fallar com
o Sr. Antonio Jose de Freltag, roga portanto o fa
vor de aooarecer a rua d Cruz o. 6, armazem.
IMPERATRIZ
N.' 82
ANDAR.
1.
Rr.4
I A
mpERATRB
N. 82
t. ANDAR.
Acabam de reformar o seu estabelecimento, collocando
ABOTINADOS esa^iatSes, de bezerro, de deversasi _
ollegio prticolar
DE
instruccao primaria para o
sexo feminino.
...P- f rancelina Dornellas Pessoa, achandose ha-
bilitada na forma das leis reguladoras da ins-
truccao publica da provincia, abrira no dia 1. de
mam proximo fuluro, na casa n. SI da rua do
Barao da Victoria, am eollegio, em que serao
recebidas alumnas pensionistas, meio-penslonistas
e externas, afim de se educarera religiosa e civil-
men'.e, de se instruirem nas materias de um com
pleto curso eleraentar, de se aplicarem a obras de
agnlna e bordados de todas as especies, o a tra-
balbar em floras, mediante uma razoavel remu-
neracao. Os Srs. pais de familias poderao desde
ja dirigir-se ao mencionado cnllegio, onde ser-lhes-
nao dados os necessarios eiclarecimentos e infbr-
macoos, e oude enconlrariio aberta a malricnla
para as edncandas.
Recife, 15 de abrli de 1874.
AJaga-se a sala e alcova da frente do ter-
ceiro andar do sobrado n. 70, a rua Duque de Ca-
xias : a tratar na loja.
ft*************
i conio s
* MEDIC0-CIRURGIC0 m
* do 8
jf Dr, Pedro d'Athayde L. Moscoso 2
PARTEIRO E OPERADOR
Boa do Viaconde de Albuqaer-Jt
A quo a. 39. da
2 ESPECIALIDADE *
Holeatfaa de senlioraa e 9
IlK'llillOM. S
Consullas das 7 as 10 horas da ma- *
nha, todos os dias.
Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar-
tas e sextas-feiras.
Os doentesquo roandarem os sens cha-
m roados por escripto at 10 horas da ma- m
g nba serlo visitados em snas casas. S
dieses poasiveis de bem servir ao puWico deata ili^aSSTi^BJa^^IS
quillo que ttr tendente a arte de cabelleireiro. V fl D "
Fazem-se cabelleiras tanto para bomens como para senhoras ------- rhi^v,.
coques moderns.mos, trancas, cachepeign, tecidos. desenhos em cabe! Ss ouarlrS^,'
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em eahaVr,l U*
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor mTmL. .
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa mSlZlI!Z2 "S?*
rinos de modas, e por isso pode vender 20 / menos Te nutrJ 7,T *"*"* 6 ?gU'
perttstoiwtraMfaoV^^ 0U,r0 <*m](l< 8"ant,nd5
Penteam senhoras, Unto no estabelecimento como fora ; vende-se rahplln- D~
porcao e a retalho e todos os utensilios pertencentes i arte de cabelleireiro

SAPATO-
quilidades.
tie tranga.
_ *'ga-ld 5 Joja n, 3 da rua da Imperairiz :
' na mesma rua 5. i:
0 Dr. Sartnento Filho mu-
dou-se para a rua da Aurora n.
andar ; entrada pelo oi-
Collegio de S. Sebastiao para
o sexo feminino
A abaixo as.signada scientiflca aos senbores pais
de familias e a nuem mais convir possa, que as
aulas de seu collegio continuam a funccionar em
a casa da rua Direita n. 36, 2* andar.
Manoella Augusta de Mello Rego.
carrocei-
Hospicio,
Aluga-se ou vende-se um escravo
ro, idade quarenta annos: na rua do
n. 81.
Na rua do Imperador
n.28
precisa-se fallar aos seguintts senbores
Mancel dos Passos Miranda.
Theotonio de Barros e Siiva
Kratcisco de Paula Borges.
rrancisco Antonio Pontua
AlLA i LdLIuI i Traspasso rfe casa.
l primeira cadeira da aula publica para o sexo I "Mf"ipi *-""
A primeira cadeira da aula publica para o sexo
feminino da freguezia de Santo Antonio, funcciona I Traspassa-se ate^ 31 de agosto nma grande eaea
no 2 andar da rua do Barao da Victorian 31 na povoacao deApipncr- e com mmmmm.
entrada pela rna das Flores. J dos : a tratar no andar do sobrado da tri
vessa da rua do vigario, n. I, escriptorio
r ,h SAQUES
Larvalho & Nogueira, na rua do Apollo
SO, accam sobre o Banco Commercial
Ie Vianna e suas agenctas em todas as ci-
lades e yillas de'Portuga., i vista e a prazo
por todos os paquetes.
a.
Came verde
i*e domingo 3 do corrente em diante bavera
carne verde a venda, sendo de quabdade : no
acougue novo da rua do Barao do Triumpho (ou-
?r ora do Brom) o. S7.
ILlEMhl




6
5l*iohdof?tt-nafii^uop .^eg^a 4eiM tfl+MtoMte&Xl.
Oe'*:eeO,J a 2:0C0j, mis. on menos, com hvpo
thecaera casas aqm na cidaJe: te dira quern da
nis rna3 da Imperatriz n. 38, loia, oa Imperial
numcro o.
Ilemviodo fugio.
Ho dia 21 do corrente fugio o escravo
acima, lendo os signaes seg^inlcs : idade *5
anaos mais ou menos, cdr fula, cabellos
carapmhos e um pouco crescidos, cabe?a
chata, estatura regular, um tanto magro, e
tem no rosto bastantes signaes do bexigas
usa de chapeo de couro, e levu calc.as e
camisa 4e algodaoimho : roga se a todas as
autondades e capitaes decarxpo, queiram
apprehouder dito escravo, e loval-o d ruada
Madrc dc Deus n. 5, -1. andar, das 9 is 4
hows da tarde, ou & rua da Imperarnz n.
A, < ."andar, que scrap recompcnsados.
CAM DA FiflF
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 20:000^000.
0 abaixo sssignado tem sempre expos to a ven
ea bilhetes da loteria do Bio., cuja extraccao an
aunciara re.'os jornaes.
Prepos.
Inltiro 24*000
Meio 12*000
Quarto 6*000
Manoel Martins Fiuza.
^Consuliorio Biedko-cirurgico jf
| A. B. da Sllva Maia. '
Rna do Visconde de Albuquerque n.
11, outr'ow rua da raatriz da Boa-Vista
n. 11.
Chamados : a quaiquer hora.- /
V Consultas: Aos poses gratis, das J as i
y 4 boras da tarde. }
Attcn Precisa se de uma sennora :jue cstoja habilitada
para ansinaro portnguez, francez, piano, eosturas,
berdadis. etc., etc., e que i|ii ira ir para nm en-
penho perto de uma das estates do Recife a S.
Fraocisr >, para ensinar a umas meniaas que ja
estao priaripiadas paga-se 1 000$, e gratitica-se
gwdaaudo : a tratar nas Cinco Pontas n. 82.
Arrenla-seo en^nbo Jussaral-grande, no
termo de rft.nnh.iem, o qual e.sta situado a legoa
e men ''a t -iicao da Escada ; e bom raoedcr com
agua, e do muito boa produ -cIo, tanto de canas
como de mandioca : a tratar com o proprietary
aVmesmo, n < ei'genho California, em Serinhaem
Ataya-se um preto para todo service, inclu-
rasi cozinh>, por t imbem enteider : a tratar na
preca do (*or;io Santo n. 17, 3 andar. .
Muita attencao
fiavenio rido sublrahida pu extraviada do po-
dei ;.i Sr. *D. Isabel Lucas da Silva, uma letra
de seu a eito, ua importanoia de 1:260*000 e
i;ic;-.i,i '-A) Sr. Manoel Soarcs Pinheiro, e isto
quando dUa kttra ja liavia sido resgatada pela
aceitaote, deelara-se pelo presente meio que mais
neahuni valor em semeibante tilulo, visto ja ha-
ver sido remida a obligate por ella represent*-
da, e qae por conseguinte de nenhum proveito
era para aqaella pessoa, em cuja mao porven-
tnra ella se ache, protestando se precede cnmi-
nalmente contra quern oner que tenhi sido o sub
tractor, to que de ma fe pretenda ulilisar-se da
Q-eDcionada lettra.
__HecIfe, 21 lie abril de 187';.
Aos paisde familia
A abaixo assignada faz lembrar aos ehefes de
familia, tanto daqni como de lora, que continda
com sua aa!i de mstrue-.Ao primaria para o sexo
faminino, ua casa de sua resideneja a rua do Ca-
' ja n. 16, oude ;ilem dos primeiros conheciraon-
D! ina n grammatiea r.acionnl, francez, musi-
i, piano c d tnja, paia para kao tem habeis mes-
!res, c qqaafb a trabalho de .igjllia, cusina toJas
as qn !id,i les do bordados, e tntre esse o de ouro
e o '' relevo, e tiahalbos de la e crochet de
i li lades, promette lode o disvello o. ca-
nli !.. com suaa alumna?, e ben assim todo o
a'.\> do camprimento do seu magisterio.
e info .:;!>, e afianca ^nmmodidade
v !
Nao se prestendo o pequeno espaco do armazem
n. 10 A, a rna da Madre de Deos, para nm abaste-
cidodeposito das diyersasmarcas 8e futno, qne o
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
diante aberto outro estabelecimento aob a mesma
deoominacao de
Arniiizem do fumo
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporgSes desetedas, e onde pode-
rao os senhores freguezes dlrffir>e, rertos de
3ue, como U6 aqui, acharao sempre a par da mo-
icidade dos precis, a maior sineeridade possiveJ.
Entre as differentes marcas de fumo da Bahia e
Rio de Janeiro, que tem sido annuaeiadan, aeaba
de c.hegar nma encommenda especial, e que mnito
deve convir aos seuhores freguezes. Conscienle o
aba.xo assignado de que nesta geoero de negocto
nao esta sem competidores, tin muito por evitar
qne tambejn o; tenha com relacao ao pequeno la-
cro que procaraw obter da dita mercadorta.
Jo&6 Domingue* do Carmo e SiWa.
&*&-#&&*$$&-*,.*
Q BACHAREL MIGUEL AMORIM 3
tdvoeaiio *
' Rua do Imperador n. 71. W
Erapreza do gaz
A enipreza do gaz tem a honra de annunciar ae
publxo que reeebeu uliimameate um esplendido
sortimento de lustres de vidro, candieiros, aran-
delas e globos, cujas amostras estao no escriptorio
a rua do Imperadur a. 31, e serao vendidos aos
seus freguezes pelo preco mais ratoavel possivel.
Precisa-se dj uma esc.a*i para cozinhar a
comprar : a trCtar' Aa' rtfa ''fimeiro de Marco n
23^_________________________i__________
Piecisa se do nma aiHa que saiba cozinhar
eengomn.nr: a tratar na praga do Corpo Santo
n. 17, 3' an jar.________
Afbga se uma escrava para todo serviijo de
casa : na rna do Imperador n. 50,3* andar.
Precisase de uma ama para cozinhar para
uma familia, composts de duas pessoas : a tratar
no pateo dv> Paraizo n. 28, 2" andar.
Precisa-se de duas amas, uma para cozinhar
e ontraf}ara lavar e engommar :-na rua'Pfcque de
axias-n. 22______ ^ _______
Na rua Neva n. 6 precisase de
uma ama qiie cozinhe com perfeicao,
para casa de homem solteiro.
AMI
AMA
Precisase de uma forra ou
S(era Va, i^a ra casa de fa mi'
a : a tratar na rua dr II ii -
tas n, 15, avu:n rua rHfriue da Gaxias n.tl I
Ami (^ ?eitp
Pfecisa-ie de^nma ama de leite sem (Mho na
rua'do Corovelto n. 129.

Fortuoata Fortes

ISADOOUKO
. iihetes garantidos
ao ; Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
il iixo assignado acabi de vender ids seu;'
bilhetes a sorte do 700^000 em nm
I ihe< de n. 4799, alem de outras soites
mrn r W*000 e 2:>-5'i00 da loteria qae se
irahir (97' ; convida aos possuidores
eceber, que promptamente-aorao pagna.
0 o .! i ibaixo assignado convjda ao respeits
vel pntilico para vir ao seu estabelecimento com
irar os muito felizes hillwtes.qn? nao deixarao de
irir quaiquer remio, eomo prow peios mo.mcs
a -ius
Ach ra-ss a veuda os muito lelires bilhetes ga
' 3a 7' parte da lev*ria a bf.neflcio da
matriz da Escada, que se extrahira no dia
6 de male vindcuro.
Enteiro 4*000
i*0O0
Os &0G3O00 para ciraw.
Intciiro 3O0
Meio 1*750
Recifv 29 de abril de 1871.
Joao JoiQitun do Costa Leite.
Precisa-se
de alngar uma preta escrava cit meia idade que
inra para vender a rua : a tratar na rua das
linco-Pont&iS n. 03.
A9 C0MMERCI0
Cs ab: ix i assignados declarant .que n'esta data
eixon de ser seu caixeirooSr. Antonio Jose de
onto. Recife, 30 de abril de 1874.
Pinto da Silva 4-Casclo.
Atteii^ao
O abaixo assignado, lend) no Diatio de Per
mambuco de 17 do CDrreate, um olBcio do presi-
denle da provincia ao juiz munic'pal do termo de
Bez>rros, acerea da liquiJagi) do espolio do pa-
dre l.'rz Antonio Percira de Brito, vem pelo pre.
seoto Jeclarar que a propriedade de nome Cumbe,
qae bu parte do mesmo espolio, Ihe esta penho-
rada por divida dos ante-possnidores da mesma
propriftjaie, e qae portanto des'lc ja protesta pela
> de seu direito, e justice anm'de em
temoo opp rtnno fazer valer sen direito.
Cidadu do Rio-Formoso, 14 de, abril de 1874.
Manoel Jose de Oliveira.
AiIENCAO
Constando aos abaixo assignado acharse nes-
ta praca o Sr. Manoel Fernandes de (larvalho, ren-
deiro dos engenhos Barra e Pregui^a, em Ma-
manguape, provincia da Parahyba, veem rogar ao
mesmo o obztquio de vir entender-se com os
abaixo assignados immedialamcnte sobre nejoei
tendente aas refcridos engeuhos. Rua do Amorim
37, escriptorio.
Tasso Irmaos 4 C.
Vicente fugio.
Eieas toaHdeijas
Para asamentos, irtes e baptrsm^os.
Qirem quizer obter uma;fcndeij!i rtcamente en
feitada, djrijase-aeonfeitaria do Campos
Ja mapkndo on indo encommendar, ja com-
prando alli-todos i etiWte?, cowwhdo'do seuuiu
te :
Bolos-finos para enfeitar.
DoCes saborosicsimos para -erifWfdr,
FignrasTtrHegOrrcas psra'ettfeiiar.
Papeis arrendados para enlelar.
Bebqoets para'not vos.
AHi
Hbcoritra->e sempre o segotnle :
FiambresJDglezes.
Budins '
Bolos
Pies de 16 finos.
Fatias de dito para parturieritesv
Pasteis em prowsao.
Filhds (sonhos fe mnlcma).
Doces em er.ldn, ralado e secco.
Bolachinhas de xaA mialidades.
(Sugar Walfers vanilla; para dietas-.
Gelea' 3e "mocoui, desTnfettada.
Amendoas, conleito?(-etc.
Cha verdideiro das CaWvanas.
Caf6 de *va. (verd tttfro).
Tutlo in* na
CONEEITARIA DO CAMPOS.
Attencao.
Precisa-se de-nm empregado 4e con0aBea,'qnt
d fiador a sua conducta, para tomar cohU da es-
cripMraQao e caixa, e mais sen;ii;o da ioja daHTn-
tnrana francezai rna da lmper>atrrn. 53 i a-quem
convter, dirija se-a'mesma.
tkfiidktjio'i^
fJ KM
Grande escala
m
0
porUs
LOJA DO PAVAO
KA
Rua da Imperatriz n. 60
Granadiua prcli OR 500 rs
covado.
O Pavlo veude gwiMiiiiNi'4pPdtat e fth-rada
pelo baratu pro^o de*OOTs O'co^lo.
aJlailnpoSao MMmIc
a|m*a
PARA IIQUIDAR
GAMISAS
FKANCEZAS .1 3^M0, i500
O Pavao vende
O Pav8o'*>r>de nm Kjmm* sOrtiMMIa <1-
camisas fraMdctas sAtnipeiie'KiB'al^dio.
2?000 e 2&to. #WascrJWp< de-9#tO!)a;d*000. '1'itas lfc.-JKJas *m'
p-QasH!e*W*I.'pol5(f en-jfina3 He 69000 a 0J?000: sssim com
evando vestida e em urn sac;o ruupa de algodao
branco e alguma mais ftna pertenCeate a um eai-
xeiro da caa d'onde fugio ; e natural da fregue-
zia de Sam'Anna do Mattus, diz scr livre, casado,"
e ter sido ciiado em companbia da raadrinba D.
Anna Luiza da Luz, de quem alias foi escravo :
roga-se, portanto, aos senhores capit3es de cafflpc
e auloridade-s policiaes a apprehensao do dito es-
cravo, e entrega-lo na cidade do Recife, rua do
Crespo n. 10, ao Sr. Joaquim Moreira Ruis, oana
ci la :e do Assfl ao Sr. Torquato Aoguato de Oli-
veira Baptista, que serao gtnerosamente gratifi-
cados.
{MHO
Gutave, cabelieireiro, a rua do Marquez de
Glinda n. 51, primeiro andar, precisa de um babil
official de barbeiro ; pagase bem.
Marcelino Jose de Brito, abaixo assigflado,
participa ao respeitovel publico t|ue tem dissoVvido
amigavelmcnte a sociedade que tinha na pharma-
cia, cita ao largo da matriz ae Santo Antonio, n.
II A, com o Sr. Jose Raymundo Ferreira deAraujo
Saldanha, ficando este inteiramenle desonerado de
todo o acllvo e passivo da mesma pharmacia, e a
cargo do annnnciante toda a responsabilidade dn
mesmo artivo e pas>ivo.
Outrosim, fazcerto ae respeitavel publico e vom-
mercio. quo se tein asscciado cmoutra pessoa na
mesma phnnnacia. cuji ttrma ^do hoje em diante
gyraraMarcplino ]ss6 de Brito & C.
Recife, 30 de abril de 1874.
Marcelino Josf de Brito.
Grande fabrico -de-marfijrtie
de Belvoys & Sampans
(.Inra) iFranca
Esta grande fabr ca execnla quaiqner encom-
menda- deste gin<>ro, cofno sejam : oroaltoefefo?,
cbamm^s, balcoe* eladrrlhos d* quaiquer ate-
re>a e desenho : o*coBcurren!es-deste genero po-
derao ver; precos correates, explio toes e irese-
bhos, e as encommenda.-' a- tratar em casa de Eel-'
ler & C, rna dn TtohifeUs n. 58.
Oozinkar e engommar.
Precisa-se aldgar tuna feScrava- que s"aiba eoer-
har e engommar ;6"bara casa M pbqoena ftimi-
ha : na na do Vigario n. 16, 1." andar.
g Advocacia,
-- advogaflo W f5rn da conrarca tto Bom rf:
.iiili Jardim in^umlw-se de proraevw eobran-,*^T.
., vas amigavel oaiindicialmenta^na mesmi a.-
'-J* comai-ca.
Boa sasa a. T
.Aluga-se no* CoeHias, eonfronte- ao bo:pital Pe-
dro II, assobr:idsd-i. independente de cutras cas,
grande quintal mu'rado, eochelra, qoartos para
cnados, commodos inilependcntss para duas fa-
mill -.-. porto de cmbarquee banhos satgados, sm-
lim e uma bella casa tk> campo para qnem qner
estar Hwe do rebofico dos carros,. prlncipalnMBte
dos pestilenios aop.ireilioe Drainage : a tratar na
mesmo lugar, em nma tav%ma di-frnato do-dho
bosnitaA
Quern precisar de um perito cozioheiro francez,
tanto para hotel como pasa particular : dtrija-se
aoh otel Bordeaux, (iara tratar.
Mohrado da rua r!o Marquez de
Olin a n. 95
As .pessoas qne teem iproeurado arrendar o
predio acjma. onde foi estabelecimento de lou?a
do finado Manoel Antunes Vleira.qUeiram apres-n-
tar suas propo^tas em.canas fechada*, no dia 9 de
maio proximo, ao meio dia, no armazem da rua
do cemmercio n 8, onde serao abort is ditas pro-
postas em presence de todjs os interessados. O
arrendamento e de todo o predio (armazem, dous
andares e sotao) ; os senhores pretendent-s, po-
r^m, podem fazer tambem propo^-tas de parte, se
melhor Ihes convicr. indicando os seus fiadores.
Reeife, 30 de abril de 874.
A professora publica I). Maria Candida de
FigucireJo, compet-intemente habilitada, se pro-
p5e a ensinar na casa de'sua residencia, a rua
Ireita do Rosario n. 24 1' andar, desenho e
musica.
Dalicdes de desenho nas quartas feiras e sab-
bad is do todas as semanas, das 3 as 5 horas da
tarde ; e de muMea as niesmas horas nos dias de
segnndas e qu intas feiras de todas as semanas.
A professora publica D. Maria Caodida""~de
Figueiredo, competentemente r abilitada pela di-
rectoria geral da mstruccao publica da licSes de
lingua fran>rcza, nas terras e se:cta3-fei'ras de'todas
semanas d^>* 3 as 5 horas da tarde, na casa de sua
resider.cia, a ma cstreita do Rosario n. 24, 1"
andar.____________________________________
NfiO ha mais cabellos
Curso de portuguez no col-
legio da Conceicao.
Obacharel Jorge D rnellas Ribeiro Pe3soa este
incumbido do referido curso.
Precisa-se de uma mulher que tenba prv
tica de vender na rua, prefere-se esorava; o Sr.
ou Sra. que quizer alugar, difijasa a rua de Pe-
dro Affonso, outr'ora rua da Praia n. 27..
Aluira-se
Da Torre um bom sili'o, om mniUis fructeiras e
com boa esi para grande farailia.
Una casa no m sino lngar, nova, com 2 salas,
3 quartos, cozinha e despensa, quarto para cria-
dos o bom qpinUI.
Uma dita dito dito nova, com 2 salas, 3 quartos,
cozinha, despen.-a e bom quintal.
Dnas ditas dito dito d to, pequenas, com 2 salas.
1 quarto, cozinha. e grande quintal.
^ tratar na Uapunga, porto do- Lacerr9j nv 3%.
O Sr. FrncJ?co barges d AbYea Marques
tenba a bondade do comparecer a rua de Marci-
lio Dias n. 45, das (5 as 9 horas da raanha, afim
de ter noticia do estado eta que se acha o inven-
tario dos bens do caSal de 'sen pai, 'fallecido era
Cururnpii, comarca de Guimaraes, provincia do
Maranhao._________________________________
Qnem, precisar de nm homem para cobran;a
dentro on fora da cidade dirija.se a travessa do
Duque de Caxias n. 4, cm carta fochada, com as
inina- s M. S. M.
S6 o n. 20
A'ruadoCrespMijadas
DE
'-I ji laiitui i\ c.
Junto a Ioja da esniiiua.
MK'l'Ii>S CHIMEZES,
Proprios para vestido os mais moJemos, pelo
dimlnulo preco de 280 rs. o corado, 6 pecbincna f,
DSo-Se araostr^s.
Fazenda fina e com bonitos padroes, pelo dimi-1
nuto preco de 320 rs. o covado, e pecchincha I
Dao-se amostras.
CHITAS COM I'AWQ M CRETONE.
Fazenda linissima, com irtfife podiSes, pelo di-
minuto pre?o de 3i0^f. o wvaBo, *6 se vendo,
6 pecbincna It Dao-tyJIniostra*.
LAS FSCOCTJA9
Compfeto sortimento de las escoceza?, e para
acabar se vende a 2i0 rs. o covado ; e pechinchal
Dao-se amostras.
CAS9A LINE. -restwlo-, prlo -bnrat-i^prer;o rJftrfae sWtirnenTo'desta ;llze,na-*ts, e tambem tea
!!hS!M5! Mf *!l!i,m*'*,i !m')Q :ti-rm *i ^d^'murto-iwa^rapletosortimetttadupoiibofteeoltarm^^^
pelo diminuto prejo de 200 rs. o eovado ; e pe- ru.. rn AUm t a u_i_ j T
fazenna-,' a 300, dfSOO'e 7">0W>. tanto de hnht> caino de aigodao, por pre?<^
ALPACAS PRKTM A'59Q, '6W E #0 RS.Iem conft.
O Pavio t,;m um 'grande sorfmvedto de Hparriihoj -a -8?r4, ^Wl r
alpacas pretas, que tftojifi )0, B**6'e 800 ft "OOO.
rs. o eovado. 6sirr> como granJe sorti-
mento de-cantoes, botnbazinas, princczas- O PaviSc vends um bonit*> sortimento pretas, racfinos, e ourras multas faaendis'espartilbos ffloderuos a 3C30-1, 4|t00 -
proprias para luto. j 5ff00*J, assrrn cor um bMr'to sort toer.v
Sedlnlias n 1N500. desaiasbrw.iras.'boTdad.is, a*5TJDCO eJO0
O Pavao vende sedaS com rrstHnh3s-deljewd''a/ (|e lasHiha 'de c6fcs a^COOO : i ye
cores a I5G00 o coveJo. Ditas com pal- ewncba.
HUnbas a 2?W00. Ditas- com toque de raofo
a I90QU e laMO. j CORTINADOS- BORATK)> P.'RA CAJIA I.
CAMBRAIA VICTORIA A 4G00, 45CO,! JANELLA5, DE 7TATK' 159W OI'AR
0C0O0 E-7J?00. 0 PavAover.de tHnj-Tamlc sertftnento d-
0 PaVSo vende um ranfJe sortimento h; eortmados'bOTdados, pr- prios para cr. *
Assim como um deposito de mais fazendas qow'cambraia Victoria e transparente com j**nU8S. Pe) barato pre^o do 7JSO00,8S000
sevendem por menos do qne em outra quabruef '8 1/2 varas cada pega, pelos-baratos pregos-j 10|$C00 ate 25^000, a -im c mo : eolts*
parte, Como sejam : de*se0, 450i>, 55000. ftj?000 e 7'OO0-' <" (kmasco de Ii mutt> flna dc 10&OQ0
Cortes de casemira de cores-'* 4$ ; e pechin- *^ V, "*"""."- v ; t^sh(utn ..j.
cna | a-pcija, assim cotiao, ditas da salpico braD- ,IWU caaa atna.
Idem de brim pardofino a 14o;.idm. | CO, a 7^)00, e peohincha. iM.wm,rc ,m ,k a4/v .
Colchas de fdstSo com ba ra, rauito urandesal tSOVAS L^ZJTvRtS \ 5rJ0 US. *AirMrtS ft i-,-00,. 2^000 ^ S*f5ou
4*.iideM k u -. ,. I 0 Pavao rerebeu pel.) ultimo vapor un! 0 lvao vende bramawes para !rr;6ts
Idem idem brancas idem idem, a .1 -. ; i-l^m. .. mPnt-> diis mii linens W/nh** ten(1 10 pal*rros-de Ur^ra, ser.do o if
Cobertas de chita adamascada linn, idem idem, eitDanie s ift menio ass rant, nn .astaiznhas, 4sVgi.0 2*0()>a vara e ft> Unh
a 3*590; idem. ',para festtlos, jendo transparentes com as 3r^^a ]Zn !1,^'"ra* e. '** n?r
Lemaes te bramante, idem itfem. a 23; idem.[mais delica'as cores; e modem-issimos pa-: *'-'?*tw' ^l,"e JWTara: e pech;
1 Toalhas aleoffhoadas a 04360 a Amh ; idem | aro,,s ue vendo p,)o bnrato'preco de 500 cIta-
Lencos de :a-s com barra a lf);0 a duzia ;'._ _' i. r-^-Lu. on
Idem i lem idem brancos abainhados a 25000 ; LIQUIDAt.AO DE R0L PA PA RA HOMENS.. 0 ^.^ Yeni> (>6rtc' ^ y ]
"iem. j 0 Pa^ao vende um granie s<;rtimento de _-i.c mm .^.a,.___^i_.. i vl
Idem em caixinl** muito lindas a 3,8500 a; ^nr,,q n,,a hnmM1,. Jnr) rHtots mmm. .f81^' ^S'?:*:.
dozii-.
Serouiv.*1 ie linho e algodao a i8$ a duzia.
Jiambnia Victoria flna a 3800a peca ; e pe-^res comorte pin.io ; assiiii umuo avui-i tfem vi j(J- ;cr^ dc 4-^j, ^,
chincha. tado smtimento d-i baf(as de ca'8n>irapreta, I raj.*.*) -*wi>, 99
Algobao.marca T largo a 4*500 e 5* a peca. ',]e cor, At brim ite cor e brjnco, e um
SS KnceSt! g& Brim pardo muito fino a 400 rs o- eovado ; e iqualidajfes.
pechincha. Tend tambem m bom &3rtiTiejito do 0 F'jvao reicVu
Cambraia transparent?, 0 que ba de mais flna !camisa5 faglezas e frjncezas ; assim como | das mais 1
* B^puslafde cores raodernas e car Hdos i-a-[de coronas de linho e de algodC, e'vwide
drde3- a 40O rs. 0 covado
bao-Dd amostras.
So o n. 20
.. tr< 1 1 ra da Silva.
A Ma (I!) LreSp:), IIJ a aS d pOrtaS i Acba se constantemente aberto
IjE ^sg do noite.
<"-.! ii-iikhuh: it c. i^_________.___________
cbincha I DSo-se amostras.
CrJITAS CLARAS
Cora bonitos padroes, que se wnde a 280 rs. 0
covado ; 6 peehiccha I Dao-se amo:-tras.
UOLLANDA.
llritn Hollanda, li3o, o qae ha de mais fino, pro-
prio para cBstOrtesde'lfomens e menibos e ves-
tidos para M6M; pop'aer muito flno e linho
puro, e se ven 'e pelo diminuto preco de 60 n.
0 covado; e pec iucba 1 Dao se amostras.
BRfflS BE CORES.
Brins de cores, linho puro, com bonitos pa-
dr5es e que se vende pelo diminuto preco de 360
rs. 0 covado ; e'pecnincha t Dao-se amostras.
GAMISAS DE CRETUNE.
Camisa- de cretone, 0 que ha de mais fiirs,
com linlos padroes b que >e vende a 40*000*a-
duzia e 3*500 eada uaia-, e'p*cchincha so se
vendo
I u Fvao venae um gr.in a.roopsr, pWq homenssendo patriots s^jecos, |t0 Je 5^ fi Q J ...
iditosfraks tamo deeasem.ra preta e deco-183s*;!n*comn: (j<>g
B. ^res,.comode p-mno ; assim como um avul- I1#. t.m villd,;.K) ^^ dc 45 [).
ESMERALDIIU A 800 US.
um h->;: :o si rl.r.v .
gtOlM e.mera>lM>fis r..m listrs-
de seda, sendo em cores c padroes as m,*
e graade pechincha 1 todas as roopas a ima menctonal;;s p^lo ba- j R^as qne tem vivJo a.i OMMode, propr *-
^ralis^imo preco., porqierer Iiquidar, r.a Ioja par ves tidos, e ver.de pela lifliiAil', -
20 ?da rna da Imperatriae. GO, de Felix I'erei- rr>de 8 PWAO, das Gboras da anaii ;*
ir. 60.
I BO 10 do
Junto a Ioja da evjjiia,.
CHtnlx-ioc-iiin-nio nclm-Hc aberto
ttan O borax da nmnliii as 9
iioiii Vende se tres vaeeas de leite, muito boas : j
ca Ca pnnga, no sitio Jo Jacobina, jcmtio ao chafa- i
ria n.' 25, por nao ter qnem aade com e'las.
rcebe-se nova remessa.'
MAM* JAPONEZA.
S6 : iii ...aa'pprovada pelas academies de
sei i, .econhecida superior a b)da que
ten apparecido t*S hoje. Denositc princi-
pal A rua la Cadeia 'do -Rijelw, %oje Mar-
quer de r>liadtf, n. 8i, 1. andar, e em
todts as DOtiea*'1? '"-flittis eliei-
Mk-o.
Precisa se fallar ao Sr. Claudio Iduburgo
Carneiro Leal, a rna das Truzes n *#f, das 10 ho-
ras da manha as 3 da tarde. ___________ ^
Da-se 900* a juros de 1 i/2 0/0, com garan-
tia de hypelheca em bem de raiz : nesta typogra-
phia se dira qnem da._____________________
Os abaixo assignados fazem tcienle ao pu-
blico ecom especialidade ao corpo dc cofrtmercio,
qne dissolveram nest 1 data a socitedade' que tinham
na taverna sita no beceo do Oampello n. 4, njo
activo e passivo fica a cargo do socio Albino An-
tonio da Rosa, e o soci > Antonio Gomes da Losta
Leite pago e salisfeito de seu capital e lu ros at6 a
presente data. Recife, 27 de abril de it*74
Antonio Gomes da Costa Leite.
Albino Antonio da Rosa.
CRIABO
Precisa se de um que seja de bom comporta
mento e que tenba prattca, para fazer as eora-
firas e 0 mais servico domeatico de casa de fami
la : na rua da Imperatriz n. to. primeiro andar.
Protesto.
AVISO
Precisa-se comprar ions esoravos, pedreiro e
carapina, papa se bem : a tratar na thesounm
das lotenas, a rua Primeiro de Marco n. 6.
Corapra-se- nm portao de ferro :
n 62.
na raa do
r
kM-L
Vende-se um ".erreno com (S3 palmos dv
frBtc 3 lrzeulos a tantos de fim-lo : a* Capun-
ga, -sitio d Jacobina n.' 25.
CiVFE' DE JAVA
0 unico verdadeiro ven*-
de-se na 'Cftnibitaria do
Campos
PASTILHAS PEITORAES
DE SUCCO DE ALFACE e LOURO CEREJA
Be (iRIIAIlT C'*, phamiarf-ulirn^ rm PtKIS
Todas as pastilhas pecloracs, ltoto (te grando rcputacSo. conteem opio e por consecninle sic
irritantos. OsdoAlfaceedeLouro-Ceiej.inuo contcmopiu. s5o aomesinotempo m."Iscalmantcf
que todas as outras e nao exercem aa-iio nciihuma irritantc nas criaueas nein nos aJultos
(.mao rapidamente a coquoluche. a tosse, os tiefluxos. o catarrho pulmonar, m irritacoc'
do peito, a falta de respira<;So, a alhiam a astluna e as rouquidocs.

9
APPROVADO PSiLA ACADIMiA DE HED1CINA DE PARIS.
Por todos -os vapores re- ^eo*-5w^-aCi{o''to "e '",0 J;l "a ***"anno9 '"' neBtan -*-"--r* *.
, Jjevom lo?o sert-ni accollii.las coin toda a benoTOtciicin. pel .S<-nlir>ros nediow, M prcpara-
gocs quo ineivcci-;!.) at disUneRo, eremoe fteter-llics um .ei-daddro service, extrahtml-.
o- sesumte do Uolelim da Atadomia :
A Academia julga quo 0 protoxalato de ferro Bprasentado polo doutor Girarl e
acstinailo a prsstar-os maioree serrtcosft thcrapeitUca. posto quo lem a propriedade dc nao
dar prizao dc ventre. c sendo quasi insuiso. e tornado com goslo pelos dooutes cura rdi-
calmcntc em doses de 10 a 10 cciitigraininas Uiarias. a clitDrose, a anemia, o hvsterismo e
todas as afiecQoes quo torn por origan a pobreza de sangue. .
Alem do que acabamos de dizer he elle uni regenerador heioicoe rapido das forcas perdidas
Madapolao fino
i
mm
Constando me qne 0 ncgociante da prac.a de
Pernambuco, Joaquim Jose Ramo?, ao ausentar-se
para a Europa, descontara uma ou mais lettras
qne se figuram aceitas por mini, venho pretestar
contra esse acto criminoso. e fazer publico *que
nao aceitei lettra alguma etmfavor de mesirioRa-
raos, e portanto falsas -sao todas as lettras que
se acharero aceitas por *im >em favt r do mesmo.
E para que chegue essa'noticia ao cafthedmento
de todos farei publicar 0 presente aos jornaes da
capital desta provmeia e da de Pernarrrtraco.
Eagenho Castanha Granle, J-'ude-abiil de 1874.
_________________Manoel ''avaleafrte de Mello.
Rogase soSr.Jaaqtffm Perelra'Ramos, one
tenba a bondade de comparecer a rua de Marctlio
Dias n. 45, das 6 as 9 boras da manha, -ou, -a se-
cretaria da santa casa de miseticerdia, a negocio
de sen interesse
VENDE-RE
a'taverna sita no pateo Ha ttibeira n, (t, a tratar
na mesma. Garante se a chave ao compador.
Vende'sr6iv,0(> telhas, 30 mil tljolos de al-
venaria batida, deseceis mil de ladrilhos qna-
drados, e 12,000 tijolos de tapamento ; assim
como, jarras de todas as qualidades, poles, quar-
tinhas e vasos para flores, tudo muito barato pa-
ra acabar : na olaria de Jose Carneiro da Cunha,
na rna dos Prazeres n. 60._________________
Vende-se papeis cem ^estalos para
sortes : ria rua da Cruz n. 6.
dPara Boivae,
Amaral Nabnco '& C. vfendem 'Iftftttes, ligas, fl-
nisdm'ay*r*ntitis de'es^aUo 'de Knhopara ea-
miaas, fronhas, de. laftyrintho 'Abbrdadas, capellaa
de larangeira, colcha dc/sWa "/'de fcrocbet, cortt-
nades par*."csttia"**lB'-';s hWdWos, 'tdio '-proprio
pan- casamentos.
Mez mariaano.
Amaral Nabnco 4 C.vendem' pasfifrras proprias
para incensar santuario e ladaintta domez ma-
ria n. 2.
Insiffnias ma^onicas.
Amaral Nabnco & C. v*dem InsMeas maconi-
as de differentes graos: no bazar Victoria, rua
do Bario da \ ictoria n. 2.
na rna do Crespo 11. 10.
l'ccasdc m:itlpolao fino c
largo, com toque, a 4*, 4*500,5* e 5*500,
fazenda superior e larga.
Alimenm de seAa de cores, tavra-
das e muito (inas, faiendo modernissima ^rj I
a SOOrs. 0 covado. y*
CanslAntt de tfuBio com toque s \
desujo, a I*b00 e2* cada trma,e pe- y j,
chincha, Isto s6"na Ioja n. 10, a-rna dn nj \
Crespo. ,*_Jl .
Na rua da Cencordta n. 2 vende-se na) ter- J"
reno ; e na mesma casa ba uma senhora qne sei '
offereee- para eosinar am flque paEdas est^gdes da vla-fgrrea. j
Declarjcao
Vendo 0 meu none entre os eevedorgs- a (irma i
dos Srs. Bastos'&'Laet&is, tteclnro que nada devo,',
e asminnascmltas se aoham de ha stMsSto salda !
das com aquelia firma. Beeife. i* de maio de I
1824.
Antonio Gomes N'etto
nos convalescentes, ou nas debilidades de complei?ao.
Dpposltos em 'Pernambuco : FERREIRA, MAIA e & ; M.-A. BARBOZA, e nas prin-
cipaes pharmncias de Portugal e do Brazil,
XAROPEeMASSA
da SEIVA
ipo PINHEIRO MARITlMOj
PHAR>UGE|iTlCO uBORDJiOS
I I llll Illl I III
A influencia qne ten os prlncipios resinosos do
pinheiro maritime sobre o pulmfto em todos 03
graos da tisica, he tao maravilhosa, que a medida
que desenvolve-se a sua accao, ve-se por assim
dizer o doenta voltar k vlda.
Nosso xarope fabrtcado com a sei\*a do pinheiro,
recolhida logo ao sahir da arvore. contera os priii-
eipios reeinosos com toda a soa cnergia e pureza ;
seu effcito he pois iinmcdiato e setrunv contra os
defluxos. oatarrho pulmonar, rou TISICA e o;n geral contra toilas as molestias do poitoi (|ualqueT quo soja o-'ii s- CIGAR ROS INDIO
__________
NNAB
Attenqao
Vende-se ikws negrintirai pecas, muito boniras,
sendo una com 9 annos, e
Augusta n. 155.
outra ds ?0 : na raa f

Vende-se
Cimento Portland.
Vtnhos engarrafad.-s
Madeira.
Sherry, de superor qnalidaie.
Porto, fino.
Cera em vetas.
Oldtom: naraa do Vif*rio d.*I9, 1 andar.
estrangoiro.
Paris .n'Amd-UJa, a *rua Du-
que de Caxias n. 59
de GRIMAUtT e C", pharmaceuticos em PARIS.
i Todos os especificos empregados ^t^hoje para aliviar da asthma c das molestias das vias
I reepiratorias, tem todos por base substamxas- toxicas que dcixao uin grande peso no cerebro
I if alem d'isto 6*to suinamcntc perniciosas a intetiigencia e a saudc em geral.
_As propriedades do principio activo do eanhamo de Bengala que contcm nossos cigarros
sao tao admiraveis, que apenas *e respira alguma lumaca. nota-se logo uma grande faclli-
dade em respirar, menor oppiessfio, em uma-palavra um alivio rapido, completo e moffensivo,
porque'os nossos cigarros nao content nenhum pVincipio toxico. S5o pois6tes cigarros o otuco
remedio certo que se possaacconselhar com confianca contra a asthma, catarrhos pulmo.
BJtr, nevroses, laryngite e em geral contra todas as molestias das Vias respiratoria*.
Depositos em Pernambuco : FBRRE1RA, MAIA a & ; M-A BARB0ZA, nas prin-
cipaes pharmacias de Portugal e do Brazil.
INJECCAO E CAPSULAS
^BGdEMt-ES ao MATIGO.]
GRIMArLT E CLA PHARMACEUTIGOo LrV. PARIS
SA injeoeao de MWico remedio essencialraente anodiho e conhocido, cura rapidamente as
lennorrhagias recentes, antigas e cbxonicas, sem dores, sem possibilidade alguma
e accidentes, e sem occasionar estreitaraento do aenhum geneco, nosto-que nio exeroa
nenhuma accao cptrosiva.
i As CApsnlAs de Matlco differem completamente de todas as oatras capregadasaW
hoje : as oapsulas do commercio oontem a copahiba liquida e causao epjoo, arrotos e vomitoa
porque dissolvem-so no estomago ; as nossas ao- contrario colwrtaseom Uma oapa de gluten
fpnncipip nutritivo do trigo) so se dissolve nos intestinos, e poe remedio immediatamente
em contacto com as vias urlnarias.
A Injecpao c as Capsulas constltuCm reunldas uma medicacSo energica e inoffensiva
a qua! -nao- resfste nenhuma blennorrhagia.
-I" I' I 'I I LI.,,. Ill ....,, I ^_^^
, II'.
riano : nobatar Victoria,'roa: do" Barae da Vic to- primeiro andar, aeaba de receber um eempleto
sOrthnentode oal?ados RstrangeiroS para "horDem a i
senhora, vrndo entre elles dm Undo sortime*atc*de '
elegantes chiqnitos, sapatinhos e botinas -para j
crianQas,-que tudo vende por precos razoavais.
r-
Yefde e;pyeto superior.
Preto a '3|(Mo o \/t 'Kiio
Verde a 3*5% f/j kiIo
Na rua *, Mattnez da Olinda n. W
("adtlga^a Cideia).

avana
i
mjtaWMs estedos-'faito* ipela
l., Bstas pilulassaq resultados da 40 annos de expe*fieftcias enfll
4-^^00 e ,' 5-1500 ''&i0^STm9'"*m>m***< towwa^ ,**+.,*****&
L. Podem loco os t^iium^ ^u^_.B 'a- -jj-tnm.m a miior fKmfiaaoa
tomarem con
oa de re
. ^ 'uS?demJl0?? 0fi oft's tttedlcot receital-as e os doeiu-,
Madapol6"es corn Wque ae ftvana, por mnito ba- J^os dp -0Dteremfrif#rwieiiTpo 0 teem posslbilidali^alfl
rato preco, em vista da qualidade ; assim como "em^ 0 mili3 compi^to dos cKenaas, ppturU*.'*Jmp_kBms,
f aias de la avariadas a 4* qttem pretender, 4nde ^rnpefles e molestias da pelle por muito graves qae^ejao.
iigeiro a rua da Imperatrir. n. 0; i para na0r ^ je __Depositos em Pernambuco-. FERREIRA, MAIA !C*; M.-A, BARBOZA, o nas prira

se arrepender.
cipaes pharmaciaa de Portugal e do Brazil,




awH^fwm?
zVwFrtrak-o.dp.Mliqo-.'n. 7 A...
Corded* Sifnoe0firO.
E' esla uma da* casas-mie hoje peflo com pri-
mazia offereceraos sens fregoes um vaniadisai-
mo sortimento do fazendas final para grande toi-
lette, e bam assim para uso ordinario de lodas as
classes, c por precos vaatajosos, das quaaa faz urn
pequeno resa mo.
Maodam fazendas as casas dos pretendentesj
parao qae tem pessoal neeessario, e dao amostras
mediaote penhor.
Cortes-aescda.dcprftfda* cotes.
Grosdenaples de todas as cores.
Gorgurao, hranee, lizo. de listras, preto, etc.
Setim Macao, preto e de cores.
Grosdenaples pwto.
Velludo preto.
i Granadine do seda, preta e-d<: cores.
Pbpelinas de lindos- padrScs.
Fi&do seta, branco-e preto-.
^icas basqninas de seJa.
Cisacoa de merino de cores, la, etc.
llamas brasilejras.
Cortes com cambraia brarfca com hnflss borda-
Ricas capellas e ma Mas para noivas.
Hi umssupo sor-timento de las, con listraa de
teda.
Cambraias de cores.
Ditas maripozns, branr*?, lizas e*ordadas.
Nanzuquet de liodos padroes;
naptisUs, padroes dsiicados.
Percal;ra* do quadras, pretos e feranoos, listras,
etc., etc.
Brins de linho de cdr, profiri*c oara vestidos,
com barra, e listras.
Hi."os cartes do vestido de, linho. c cites da
mesraa cor, ultima mod'
Ditos de cambraia de cores.
Fusllo de lindas cores.
Saias bordadas para senhects.
Camisas bordadas para setfaurasy de liulio e l-
godaa
Snrtimeoto de Itivas da wrrladeira fabric* 'de
Jouvin, para fccimens e senhoia*.
VestuaiHos para,uienin..s-
Ditos para Baglitpjp.
Chapeos para into.
Toainas e gnardanapos tdamascados de (mho de
edr{ para- mesa.
iolchasde la.
'".ortinndos bordadus.
Grande sortimento de camisas de liubo, lizas e
hordadas, para homens.
Meiag- de cores papa homens, meninos e metri-
a
Ditas- escoce7a.
Jowni-'t.i .sj.iimcpto'de chapeos de sot nar-a ho-
oiftas b Jtvineras.
Merino de eo*M para vestiaos.
Dito preto, fancad-v e dito da ^erao.
'Mlhadp.de linho e algodao para toal
Moaihadq pa/dii.
Damasco de la.
Brins de linho, branco de cures e preto.
Setim de lindas cores com lisiras.
Chales de merino de cures e pretos.
Ditos de easemira.
Ditos de seda pi eta e de cores.
Ditos de touqnirn.
Camisas de chila para homens.
Ditas de flanella.
Ceronlas.de linho e algqdao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras e conso-
t- Lenros'bordados.e de labyrintho.
Colchae de crochet.
TarJatana.de todas as cores.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana tiordados-
para cortes.
Espartilhos lisos, bordados.
Foulard de seda, liddas cores.
Meias de seda para senhoras e raenioas.
Ricas fachas de seda e la para senhoras.
Ri'-o sortimento de leqaes de madreperolas e-
<15S0.
Damasco de seda.
Casemira preu edecores.
Chitas, madapolao panno fino preto e azul, col-
larinhos, punhos delinho e algodao, gravatas, In-
vas de fio de Esenssia, 'apetes de tftdos os tama*
nhos, bolsas de viagem, peitos bordados pata ho-
mens, lencw delinho biancoe do cures, toalbas,
guardanaoos. etc., etc. ______
If barat.
D*rio>'a&''l%iHanfeueoi Segttnda ieiMr4P*tr>i&i#>& N?H
i
~W
IVi
Acr.ba
Rua da-Imperatrii a. T2y
Ml
de rocober.i um grande sortimeno
d
fazt'iidai pretas
i
A' run ln Cabugu n
Ob proprietaries'da. Predileeta,
A.
idlnito
resma
[ COSW SfiJA>V:
GROSDCNAPLE PRETO A, 15800. 1 LEWOS UlliNCOS V ^ 00.
Vende-se grosdeoaple p-eU> para veslido | YcuJe-s<: lcur;o$ braucos Iv os, a
Jda senboras, a 8O0, 2J>,*3^, 4, c 5 o 2^00 e 355 n duzia, ditos dp '
oovado. 55? e 05?0OO,a iidtla,
PANNO PTIETO'A 2?500.
Vende-se panno preto de duas taf-gurns,
para colzas e palitOts, a 2^50-, 35?, 3*00,
49, a G9000 o covydo.
CORTFS DE CASEMIRA PRF.TA K. 55?000.
Vende-se cortes deca;emim iircln para
calcas, a 5>, 6J>, 75? e BSOoO o coite.
MERINO' PRETO A 980tv
Yen lesemeriii6 preto tino, a 2??800 o
39000 o covado.
. BOMBAZ KATRETA A-1^500.
Vende-se bombaz na preta enfestada, a
15JS50O, 15?800tJ 2??0U0 o ovado.
ALPACA PRETA A 500 RS.
Vende se rfpaca preta flna, a 500, 6W,
8*0 rs. e 1?000 o covado.
FAZENBAS DE CORES E CAMBR.UA
BRANCA A 35?0,0.
Venders pe^as de -cambraia brenoatrans-,
'parente a3J?, 45?, 5??-e 6I?090, ditns <*e cam-
braia ta^ada, Victoria, a 35?, 39800, 49
Ie 5^00.
; CORTINADOS I^.RA CAMA A 1-69000.
Vende se cortinsdos bordados psra cams,
! a 1(59. 209, 259 e 308000.
CA.MBR IA DE CORES A 300 RS.
Vende-se camtraia de cores finss, miuSas,
I a 300, 320 e 860 rs. o cova CHITAS LARGAS A 200 RS.
Vende-se etiitas largas para vesti^os, a
a*9-, 320 e 360 rs. o covado.
BRAHANTE A 13800.
Vfende-se brnmante com 10 paliaos de
iiergo a f960O, 13800 e 29ou0 o metro.
MttDAl'OLAO A 39000.
Vende-se W^fiM de madapolao enfestado
fa 39000. Dito ingtez a 49500, 59'
'"55500, 69000, 79000 e 89600 a,pessa.
- CORT&kBGS PARA JANELLAS A 83000,
Vtnde-se o par de coptinados bordados.
j para janeHas, a 83 e 1090' 0 o^ar.
ALGODAO A 49000.
Vende-se ^e^as dealgodao, a iff, 59 <
63000.
CEROURAS A 1900ft..
Vende-se ceroulas de algodao, a 1900Q,
ditas fiwas de bramaiite a 19a00 e 23 cwte
uma
CARIISAS BRANCASA S9000.
Veode-se camisas braccas finas, a
23300, 39' e 49000,
B*fS DE CORES A -400 R9.
I Oe proprietarios'dki Predileeti, no intuito it
oon^vw o b(jn>. eooceito,.que.tifflji mereeMp dc
respeitavel pu^licp, dutia^ujndoi o sen estabeleci;
oiento dos mats qiie. bcgociam no, mesmo genere
veen^Sclentiflcar ac% sens bons freguezeSque pre-
a a 1111 a veniram aos sens correBpoadcntes nas diversss par-
s-aa d'Europa par a Ihe* en viareiu por todos os pa-
quetes os objectoi de luxo e bom gostp, qne sa-
|arn mais beni a^eitos pelas sociedades elpgantes
laqnelleg paiie's, vi9lo aproxinlar se o tempo df
i'esta, em quo o bello sexo dosta linda Venez*
25000, mais osteou.a riqiiaza, de suas toillates ; e Cu
iuho, a 49j ,mo. i* recebcssemjela paquew, france?. diyersp
'utigos da ultima moda, vcem patentear algnn.-
I'entre.elles qne se toman mais recommendavels,
v-perando do respeitavel. puWieo a costnBada
concurrencia.
Aderecos de tartaruga os. mais 1 in Jos qae teem
vindo ao mercado.
Albuaj com ricas capas de madreperela e d-
vcllado, send* diversos tamanhos e baratos pre*
os.
AderecosxQmpletos da borracha propries para
tuto, tarabem se vendem metos aderecos moito bo-
uitos.
Botfes ds-setira prmo_e de cores para ornate d
vesttdss de sethor*; uambem tom para collate
paJHot
Bolsas para senhoras existe um bHo sortlmen-
de seda, de palba, d chagrira, etc., ete, por
barato preco.
Bonecas d todos as tamanhos, taaio de lonos.
como de cera, de bocracjia e da massa ; cbAui^-
mos a atleocao das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as veas toroam-se as craaucas um pouco im-
pertinentes par Tatltav i de tun obteeto (jue as en-
iretenham.
Canjisas dt linho lisas- e com pertos bordados
para homem, vendom-se per preco commodo.
Ceroulas d% Kaho e de algodwc, de drrersos pre-
cos.
Gaixinhas com mu.vca, oqtie ha do mais liod-j,
cmhi dtslioos nas Umpas e ^oprios ^ara presea.-
Coques os mais odernos e de dffersos; forma-
Mb
I Chapeos para sefilioFa. RceeberaBi -Jin sortiroeoto
4 1/2
a 33,
Eng^aUoa em Mamamr
^ r

Vende-se os..seguintes :
Barra,
Pregui^a,
\'endeai se dons de amarello, envernisados, eoiw
' pouco nso, propHos para lija de fr.zendar, miude-
saV an outro qualquer negocio: para
ver n* rna
A tratar com seus proprletarios nesta cidade, '
e para intormacoes com Jeaqoira Pinto de Mm-;
relies Filho, na mesraa cidade de Mamamguape
Tassp IrmltoaVC-________
dalojperatnz, fabrica de cigarros d.js Srs. Ulysses
B Patrl^lo.. : ilrrnao e traiar com Pocas & C, rua EjareiU d-i
W'sario n. 9._______
CROCHES PARA O.ADKIRAS A 13o00.
Vcnde-se pannos de croctuipara cdciris,
a 13500 cada um, colchas de di o para
noivas.
MADAPOt-AO FRANCEZ A 73000.
Vcndc, se pecas de madanoldn franez
muit) lino, a 79, 89 e 109U00.
BRIM PAJIDO A 400 RS. 0 COVADO.
Vende so brim pardo para calcas, a 400
rs. o covado-
CORTES DE CASEMIRA DE 59000.
Wnde-se cortes de casemira de cores para
calcas, a 59, 53500 e G3000.
GROSOENAl'iE PRETO.
Vende-se grosdenap'e preto com
pimos de largura, a 53 o covado.
ESG*JIAO F1NOA2300U.
Vende se esquiao fino de liubo,
23500, 3j5 43 o metre.
CHITAS PAKA COBERTA A 280 RS.
Vende-se chitas para eoberta, a 280 e 400.
rs. o covado.
Rl.M BRANCO A I700O.
Vende-se brim-bnmco de linho, a 19,
13280, 13600 e 23 metro.
BRJETAMIA D LI1IO A 40 RS.
Vende-se bretaofca de linho, a 640 rs. ajdaaLiioa moda, laftto psra sehnera, como ?ara
no.
'FEANELLA. DE CORES A*00 RS.
Wnde-se flaneHa de cores, a 800 rs. a
covado.
COBERTORES 'BE A I.GOD AO A
Vende-se cobsrtorcs de peHo a 194*00.
Cdbertas de chiU a lc80i)e29 ditas en-
eft ia.iasv forradas, a 43, no'^azar ^acianal,
MM da Imperatriz n. 72.
CORTES DE CASSA % 39000.
Vcnde-se eortes de cessa n.iudas a 39
etda um.
GRAV/.TAS.PAJIA SENHQRA A 19*00.
Vende se ^gravatas para senhoras, a 19,
ditas para bomens a 5(iO*rs.
AlGODAO ENFtSTADO A 19CO0.
Vende-se algodao enfestado pans ienc6es, *;
1 \(\CHi a T,irk -OTa.
SrSdE MiSiMEKTO DER0UftlFE^ULvr**8edftd&CO,eSCtranCaS *T **
NAClONilL. Livws pare onvii; iia, ccm ca,(ws do madre-
erola, WSiilm, 6s-o e ve-Judo^ indo que na oV
Gf aades phinchas!
SO' ISA
3ULTANA DE PARIS.
linn 1 liu|tcratriz n. 54.
Manoel Ferreira de Oliveira, dono de?te novo
YENDE-SE
unja casa na villa de Barreiros, na rua do Co-
aercio, por preco modico : a tratar com Tawo
Irmaos k C. ________________________
Cintos e leques
Amaral, Nabuco & C. vendem cinUis de eonro
prelo e de cores aara senhora, de couro de lustre,
de bezerro e de borracha para raenino.^ e homens,
leques de tartaruga, marfim, madreperola alva e
nue acaba. de r ceber um completo sortimento de ebagria e seda e made,ra e seda pan senhora .
faVewUsfiaas de todasas qualidades, Unto de la, no Bazar Victor.a ma do Ba-ao da Victoria^1
como de linho. seda e algcdao, 0 qu ha de mais .
mnderrio c do melhor gofto, e porlanto connda' as .
Exmas. familias, amigas da economia doraestica, 1 Vende-se bonilas sedas de lindas cures pelo
a mm ou maodarem a SULTANA DE PARIS, e baratissimo preco de 1*500 0 covado ; veoram a
verao quicompram fazendas boniUs e baratas por e|ias aDtes qUe se acabem, na rua du Duqae d
Sedas a 1$500.
meuos i re^o qae jamais compraram.
Como sejam :
>opehnas de seda com listras mnito modernas a
i*a00oovado.
Setim Macao de diversas cores a 2*a00 0 covado.
Grosdenaples de todas as cores.
Pachas de seda para senh ra a 10*000 cada uma,
e gran le, poi'hincha! 1
Collates enfeUados para senbora, muito modernos
a 5*5 0 cada ura.
La-sinbas de cores em grande quantidade de 260
a 3^0 ts. 0 covado.
flecaa de cambraia tranjparente de 3*000, 3*600,
4*000, 4*i>00 e 6*000.
Dita Vic'.oria para todos os precos.
Gravatinha-' deseda para senhora a 1*000.
Chitas dc cores de 240 a .''.20 rs. 0 covado.
|
, menmt?.
I Oapellas simples e core veo pam noivas.
Caicas bordadas para iiieninas.
I Kmreineios- eelampados e bo^ados, de- Jindc*
j "*: 194OO.' Sscovas etectricas para denies, tem a>p"oprie-
*' dade de evkar a carie dos deases.
f ranjas de seda pretas e de cores, ew. ;-nde sortiroenlu -de diversfas larguras. e barato
preco.
VKta de aaste. <** j^rgpria. de setim e de cha-
"^lo'e, 4e dver*o larguras e bopitas cores.
Fachas de-goxgurao mnito lindas.
fc'i,i- artiiiciaes. A FrediMta prima em coc-
ervar, snque u bello e as flotes, aao-so para eofeite dos cbeflos, come
f^ambem para n>ato do.^xi^ido de noivas.
uis e de divwrsas cpres.
Gravatts deseda para feamem e ?<-:ihora.s.
l.acos d cacferaia e de seda de diversas coresv
Caxias n. 88, lop de Demetrio Bastos.
Camisas de cretone
as mais modernas quo tem vindo ao mt-readn, sen-
do lisas e com listras, e que se vende a 10*000 a
duzia e a 3ai:0 cada uma ; e pechincha.
Hollanda
Brim pardo liso, 0 que ha de mais fino, ?om am
toque de avaria, c qns. se vende a 480 rs. 0 cova-
do, fazenda propria do paiz por ser linho pnro,
applicada para costumes de homenc e de meninos:
o na rua uo Crjspo u. 20, loja das Ires p.^rias, de
] Gui'herme & C, juntu a j]a daestjuina.________
Farinha de roaudioca nova.
pens'dmaoio'coai krvaras a 4*600, 5*200 Recentemente chegada de Santa Calharina tem
'a 6i000 a peca, : P*" vender no trapiche Companhia, e |iara_trat
Dito francct com 20 isrdas a 5*600. | no seu escriptorio a rua *
GRANDE PECHINCHA II
Chapeos de sol de seda de todas as cores, para se- aos compradores qua cesejn
nhor*, a 4*t)f011
do Commtrcio n. 5, Joa-
quim Jose Gongalves Bellrao & Filhc. Adverfadn
aos compradores qua desejnndo ?<-r>!,Dr, vecdem
! mais barato do qne em qualquer outra pane, tan-
Ditos para hoinem, de 12 liastes, cabo de marlim e to em grandqs comp eai-p-.-qacnas porcoaa^
sedatrancada a 12*000, so na SULTANA DE -
PAJRSll
e bordados a 4*0
As unicas yerdadeiias
Bichas hambargucvia? qnr vera a ,=teure*oo
rnr Maroaez de uimda n. !
Oallwiohos de linho, lises
*QO0 e %*W0 a dotia.
BRIM DE ANGOLA II
Vaade-se brim de Angela verdadeiro, 0 melhor Jj arellO 110VO C
one tem vindo ao mercado pelo diminuto preijo
h 6i0 rs 0 covado, so na SULTAN \ DE PA-1 AlllllO DeqUCnO
115, a to:, da Imperatriz n 5V.-------------------- I Da ^.^ flaaiidade a0 ^^m de farinha
Vethde-9eplil6ts depamo preto, a 59, 79^ij
$& e 10#4M>9. Pentes defertaruga e marfim para -aUsar os e-
Vende-se plit6ts de-abaca preia, f, 39,^*)el'o; {eem-tawbept para tirer caapoi
330O e 49000. i tyt s>oast. Um, Wto spxt,imwito de madre-
cperola, marftn, 6sso edoarados portarato preco.
. Hyen^e-ee ealcas pretas do panoo, a 49 J Perfumarjas. Neste artigo esta a Predilecte beas;
Vende-c brins dee^es-pMaolcas, a 44KL, ^ -- ifln v p son m oav(1o flj.i^www. c-i.uihas dos selh(H-e,od0Fes, dos mais
"s-G in- Vende-se colletes pretos, aM, 39800. e
GRANADINAS ]t'!^
Granadinas de-seda pura, preta com listras
4e cdrese padroes os mais bonitos que tem
vindo ao mercado e que se vende pelo di-
rninuto preco de 500 rs. 0 covado, por ter
um pequeno toque de mofo, e fazenda de
29006 0 eovado ; e pechincha. Dao se
amostras.
Briiu kanco
Rrim br?nco muito fino, fazenda de
29o00 a vara, que se vende por 19400 a
vara, por estar com um pequeno defeito ; e
peehirrcha.
Dfctins ffuncews
ra*:o InSbi & C, na praca do caes
CHA ES A 800 RS.
VeiMte-se cbales de la a 800 rs., chales^e
merine de cores, a 29, 39:, 49 e 590.
-CObCH'AS DEOORES'A 29000.
Vende-se colchas deeores para csma, ^t
29, 39*00 e 45TOOO.
CHITAS DE GORES 4*60 RS.
Vende-se eh itas finas 4e ceres, a 360e 40Qi
rs. o eowade.
;, -fab^icaotes,.ILcufcin, ?ivr, Sciedde
afamada*-
Hygieaasa,
I Coadray, Gosjel e Rimei.; sao indispeosaveis paw*
1930,:29'iafe9.ta- .
Saiasi bondadas para -senhora, dgt
I49OOO.
Vende-se ceroulas. 1^, -
w.n Saias- becdidas para -senlKira, por coramed**
J^OUy. ij
Vepde-se-camisas brancas, a 2&, 29300, J Saaatiahe* ie la e de setim bordados,para b**~
3$ e 490OC. rJsados.
Vcnde-se ccmisas de-chitis, a 19400, 2tfi Tapete. Beseben a Predileeta um.bonito npf-
^;nn ;-aeto de versos tamaafcas, tanio pura sola c-
Vestimentas para, baptia;.do 0 que h?. de melhac
jgosto e os mais mod'rac-s rcebeu afredilecte
Metins francezes, iazenda muito fina, pa-
4-dries modernos, fazenda que jd se vendeu
por 500 rs, a 300 rs. 0 covado ; e pec bin
Vende-se um pequeno si .0 perto da esta-
f;ao do Salgadinho, tendo de frente 150
palmos, e de (undos mais de quatrocentos,
corn uma elegante casa dd taipa, acabada de
proxim e hm asseiad". tendo i sal s, 2
quartos e coziidia fora. 0 terrcno e pro-
pria (1 bom rfts (vlantagoes, tendo algumas
arvorcs de srueto, agua de lieber e tudo cer-
cado.
Para ver e mais ei plica rocs, no mesmo si-
tio aquf.lquerhora a entenJer-se com Tris-
tao Francisco T- ries, e para tratar, na the-
souraria-d s luterias, rua 1 de Mar?o
P. C._______________________________________
IE-SE
pes de sapoti, abacale, fructa-pin, romeira, figuei-
ra, larangeira cravo, parreiras, rozeiras, dhalias e
outras flores e frnctas, tudo per preco commodo :
na Boa-Vita, rua do Visconde de Goyanna, outr'o-
ra Mondego n. 101. ________________
Fazenlas e roupas muito ba^
ratas
Na loja de J. Porto, a rna Nova n. 11, troca-sa
por cobre ou m^m"i por sednlas, boas fazendas e
roupas fritas sem se olhar a Incro, somente para
vender muito. _____________
Vigor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vital Made primitiva e nat-
ural.
O Vigor do Cabello e uma preparacSo ao
meamo tempo agradavei, saudavel e efBcaz para
conservar o cabello. Por meio do seu uso o
cabello ru^o, grisalho, e enfraquecido; dentro da
pouco tempo revolve k eor que lhe 6 natural e
primitiva, e adquire o brilho- a- ftescura do
cabello da juventude; o cabello ralo se torna
denao e a calvksie muitas vezea> poato que u5o
cm todos os casos e neutralizada.
Nao ha uiula que pode re&rmar o cabello
depoia dog follicuios estarem destruidoe, e as
glandes cansadaa e idas, mais se ainda restarem
algums podem ser salvadas e utilizadas pela
applicaC3o do Vigor. Libre de essas substanciaa
deleterias que tornam muitas preparacoes de este
genero tam nocivas e desWuetivas ao cabello, o
Vigor somente lhe e. benaficial. .Em v*a da
suj.ir o cabello e o fazsr pegajoso, o coaserva
limpo e forte, embelliaando o, impedindna ^ueda
e o tornar-se 11190, e por consequinte previne a 1
calvicie.
Para uso da toilette nab ha nada mais a dese-
jar j nao con tendo oleo nem tintura, nap pode
manehar inesmo o mais alvo lenco de cambraia;
P*rdura no cabello, lhe da um lustre lusarioso,
e 1 m perfume muito agradfive).
Par* refonnar a cor da barba, e neoeeearjo
main tempo de que com o cabello, porem se pode
appressar o effeito, envolvendo a barba de noite
com um lonco molbado ec Vigor.
X
I>r. J. C. AYER & CA., LowclL MaSB^
E3tados TJnaaos,
Ghimicos fracttces i ^mrl.ulicoi.
CHUTAS I'RETAS A 320 RS.
A6MG4S DE G0ft8^. 800 RS. Vende-se -chitas pretas^finas, a-3M e 360
Vende-se alpacas (wias de ceres, a 50O, \ rs- '-wvaoo.
640 eSOOrs. o covada. T.AZINHA A 20O RS.
TAPETES A 49S08. Vende-ee lazinhas para wstidos.-a 900,
Vende e. "apetes para saJat, de divefsee 320, 400 e 500 rs. o covado. No Bazar
;tamanbo6,^ 49500, S9, 0J8 -e 89000 cade Nacional. rcada Imperatra n. 72, de Men-
"ura. !des Guimarfies & Irmaos.
de or -arclo pre,-,
^iialqaer botaa.
SO' ^ BARAfEIMYENHAM VER
'''. ( 1 M^- C.iuviofii "inn fk;>.-['jl/la fnvkQa n fi.1
para Bear a.i alcana*
Rua do -Caft>UjE*aii. 1
Afoga^oe.
Vende-se urns casa terrca, na rua d< >. atigne
n. !l23, concertada de novo e preco commodo : a
ifj'.rj" na rua de Cabuga n. 3 8.
Rua I.a de Mareo d. 1.
A Nova EsparaBca, a rua Duqae de Caxtas-n. 63,
apressa-se era coBvidar a seus'freguezes, com. es
!* fi kpecialidade ao bello sexo a virem apreciar os
Iohbo. [oommodos, como sejam :
XicdA renacKdo ana CneeiMlaa com PINAS BONBCAS mansas e cboronas.
ao por fiiim nM>aa que em outra. 60N1TAS E EKGRAGADAS vistas para stern*.
iaiiu-r iuu*te. cpios.
A saber : COMMODaS LATAS para grjardar cha..
Madapollo com-toque de mofo, pelo btrato pre- ELEGANTES BOLSAS para senhoras e menhm
?o de 4i-"00e :> -BONITOS VASQ6 com liua bania e chewoscf
Dito francez,iimpo e de superior qualidade, por eiractos. trazendo-caJa fiasco um none, uma ini
3^360, 6i000 e 6*SQ0. j eia! ou um distico.
Algodao marea T. largo, saperior qualidade, a; FINAS MEIAS D SEDA, vindo entre ella? cor
ISmf, 56, 5.t00 e 6,5(100.
Grande sorilmentods lazinhas degostos iateira-
mente escossese?, pelos pr^cs de 300,240,,2CO e
'tW ra.; so se vendo poder se-ha acradiiar.
Daptistas, lisas e com flores, fazenda, qne aem-
pre custou 400 e 800 ., estamos vendendopelo
preen de 350 rs, para acabar.
Ditas finas, padrdes malisados, a 400 e MBlMi
o covaa.
Cretone Irancez, escnros e clams, os mais Bo-
de carne.
vos rjue tem vindo ao mercado, a 480 e 560 rs. ,o
eovado.
A prove item em quant i nao se acaliam.cbapeos de
*ol da seda trancada (paragom.) 12 hasteas, inglazes
snperiores, pelo insigniflcante prec i de 8jS e 9/.;
sempre veademos por 14^000.
Ditos para^eflhora, de merino, a 3* e 3S0Q.
Para quern goslar.
A' Kova Esperanca a rua Uuque de Caviar a
63, ac;ba de recebr teuts e caixas para o jagp d*
Vqltafaue.
Para quoin s: ffrc das pernas.
do frdfUft da Victoria t. 2t
antfir.a Yianaa.
A' este grande estabelecimeiito tera che-
gado um bom sortimento de mactinas p&ra
custura, de todos os a,utores mais acredita-
do? ol-timamente na Juropa, cujas macbinas
por um anno, e tendo nm
A Nova Esperanca, a -rua Dnque de Caxias
63, aoaba de receber as, procuradas meias d bpr-
racha para quem solTre das percas.
FLORES ARTIFICIAES
A Nova Ef^eraDca, a rna Duqne de Caxias
^3, acabade raeeber nm liodoe rpmpleta soruV
Ditos de seda. cabo de osso a ft^OOO 6 pechia- met ^e florea artiAciaes das melhores que t|em, six) garanti,aae
eha. vinda ao mercado i rjerfeito artista para ensmar as mestnas, em
Ditos de alpaca de cores, forrados com ^a, A alias antes qse se acabem. ^ i quaver parte de6ta cidade, como bem as-
e o cabo fingindo bangala, o mais moderno que! GostllUT^ Dara CTiaiiqa. ,'sirfl concefba-las peJLo ton^o tambera d'uis
siaSSto6"chita* claras e eaanra* boa fa-1 A Mom EsperaBa, a rua Pqua,de Caxias o, ] armo' sem 4^R?5lioJ,*Su do.comprador,
tenda, para acabar, a 240 e 280 rs. o covado. 63, acaba de receber bopitos costumes para cnaac ;-Jieste esiabelecimento tambem ha pertenQas
Popelina de linho e algodao, gostos inteiramante' e esri se vendendo por precos razeaveis. g^ra ag mesrnas macbinas e se suppre qual-
"re^unoa i6|WOt't5ni,M 3 m "' CV*to' ?em' I AO& MEB-YOSOS 1uer Pe^ ue SeJfl necSsario- Estas ma"
PfCa^sa?de cretone, rraneeaaf, medernas a su-1 A N,,va bperaic*', a rua, Duiup da.Caxias, IctiM* ''ham com toda a perfeicSo de
periores a 3* e 3*500 63, recebpn um pequeno sortimente dfi anceu e 'nm e dous pospontps, franre e porrH toda
Ditas brancas a-2* e 2{300. pulseiras electricas, proprias para quem soffre do' qualquer costura por fira que spja, seus,
Ditas dc linho a 3*500 e 4*000. j pervos. i rirpcrm san>d spcumtp nnalirrade nara tra-
Tollha8 de linho i P,o a 7*6 e 8^000 a t ^r ~^ fW fggj f^ y^SfloK
e 50.5000, para trabalhar com 0 je sSo de
&05000,, TO9OOO, 100&000, 1109000,
1209000, 130J8OQ0., 190900f>, 2009060 e
[ 25C9000, emquanto aos autores n5p ha al-
terajfto de precos, eos, compradores poderao
yisj^ar &$B estabelecimento,, qne muito de-
verio gostar, pela varipdade de objfectos qnp
a 300 rs. 0 covado
-oba. Dao se amoslras.
Cretones de listr" s
Cretonesde listras, fazenda acolchoada, pa-
-drues muito lindos a 400 rs. 0 covado ; dao-
se amostras.
Madapoloes
Madapoloes com um pequeno toquo de
avaria, de 3|$500 a 53000 a pe^a ; e pe
chincha.
CHITAS PERCALES
Chitas percales avanadas a 240 rs. 0 co-
vado; e pechincha.
SO' 0
X. 20 da rua do Crespo
Loja das 3 portas
DE
Gulbcrise AT.
Jiuilo a loja. da esquina
Magnolia
Na loja da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
.io, encontrara sempre o respeitavel pnblico um '
completo sortimento de perfumarias finas1, objeetos j
de phantaaia, luvas de Jonvm; artigos de moda e
miudezas flnas, assim como modicidade nos- pre-
;os, agrado e sinceridade.
Auneis electricos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, aca-
ba de receber os verdadeiros anneis e voltas elec-
tricas, proprio3 para os nervosos. '
Meios adereqos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
c*eu um completo sortimento de
Meio* aderecos de lariataga.
Meios aderecos de madreperola.
Meios aderecos de seda bordados, (ultima moda)
e de muitas outras qualidades.
Botoes de acjo
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem
para vender os mudernos botoes de aco, proprios
para vestid-s.
Golinhas e punhos
das mais modernas que ha no mercado-; a ellas:
na Magnolia, a.rua Duque de Caxias a. 45.
Lenijos chinezes
A Magnolia, a rna Oaqne de Caxias n. 45,. re-
eeben uma pequena quantidade de lenoos de seda
MB&MSMA*
S. CARLOS
Vende-se ou arrenda-se o enpuho S Carlo-, ra;
Dao se Ipoinca, moente e corrente, com todas as obris
I em psrfeito estado de conserva^So, o muito Lom
d'agua : a tralar na travessa da rua Duqae de Ca-
xias n. 3, 1" andar, com Gabriel Antonio co Castro
Quintaes._________________________________
(Jia|M;rS para si.r.iior,.
A loja do Passo a rua Primeiro de !lar$a n.
7 A, recebeu pelo ultimo paquele, um riot sorti-
mento de chapeos para senhora, vkih.a moda e
vende por preco cemrnodo ______
Ultima moda.
A Magnolia, a rna Duque de Csxias n. 4a, re-
cebeu um liiido sortimento do bic: s da goipure
de cores, apropriados aos vestidos eh ques aa iz-
tualidade.
Calps de caseitiira \\\m a
n e mm
.Sao calcas que todos vendeiri por 12j, venham
comprarque vala pena, na loja da Rosa Bran:a
rua da Imperatriz n. 56.
Chitas a 200 reis
E' gwfte- pechincli!!
Venham depressa a ioja iia Itosa- Branca,
da Imperatriz u. 56.
rua
Salsa parrilba.
Nova remessa, excellente qualidade : vecde-te
na rua do Vigario n. 16, I3 andar
Panno de algodao da Baliia.
Vende de tolas as qualidades Jofto Rodrigues de
Faria : na rua do Amorim n. 33.
_________Fumos_________
Da Bah a e do liio, vende Juao ltudigues de Fa-
aa. rua do Amorim n. 33
Chapeos de sol de seda
a 7#000.
Gurgel de Amaral & C, a rua Prim^iro de
Marfq n. 20 A (esquina), vendem ehai-eos de so
de seda, fazenda superior e bonitos cabos. pelo
baratissimo oreco de "5
Para a boaconservaoao
>
DE
VOSSd CABELLO
duzia.
Ditas felpudas a 7*. 7*500 a 8*000.
Esguiio com 10 j^cdas, pe|o prcgo de 4/500 ; e
barato ccm effeito I
Cambraia* Victoria e transparente, fazenda fina,
a 3*500. 3*800, 4*000* 51 a peea.
Lencts decambiaia ccm barra de. cor, all, e
brancos a 2*.
Ditos de linho, abaf.hados a 3*600 e 3*800 a
duzia.
Grande sorttmealo de brins.de cores, padrOes
nervo
E
conomia
mestica
i""
lied*
Elle e um prewntfyo seguro e certo contra
a calvice.
Elle da* e restaura iforca e sanidade .i
cabeca.
chmezea, com fiadissiipos desenhos, fazenda intei- j Elle de prompto far cessar a queda prema-
-t tuna dos cabelles.
Leqmea
ramente nova.
de lustre aos ca-
Liqdoe leqpea de madreperola, de tartaruga, de
martim, de osso, e de muitas outras qualidafles:
recebeu a Magnolia, a rua Duque de Caxias- an-
mero 45.
Na rua l'rimeiro de Marco n. 1.
Coufr nte ao area de Sa^jp., Aatoqio, loja
Agoslipho Ferreira da Silva Leal & C.
dp eariiia a iin e HQA rtJ f Lanzinhas, gosto escossez, padrSes inteiramente
h semops para venderv como sejam : cadei-
SB^"^ ^-escla a 440 e m W&g^U^^ JJJ Jg"^/fe HnS"^/^
.^^n^SJT^\S^*yti^ m, -*. ^ eqre|a 320, 400a|cYi/nc. (aHas), ditas Mdnk costurei-
taz.e-te Dreca i4 r6|90covad. 18t0 so fe veudo! ,ra$ naoissimas, para senhora, despensaveis
bramante de linho, duas larguras pelo- Uvato Chapeoa de sol de seda, para homens,
preco de l*2(.0a vara,e someote para "aeajpar fparag/m) e com IShastasj "peh pMa de #t~e 9fr
Moitoa ontros artigos que deixalncs demeqcio- fazenda esta que sempre custou
camas
rtigos
nar para tAo m*ar; noiws Irejraeies.; maa qae
a vista- deites.estao. precentea
Dio-se amostras.
So o barateiro quer queimar
Para rival nao encontrar.
A* rna Primeiro de Marco n. 1, antiga do Cres*
po, do Agoslinho Ferreira da-Suva J.el S, C
^.
Liquidac;ao de moveis
Pof prco mui reduzidos, diversas mobilias e
cadeiras de jtiiarnicSo : vendeni. Cunba & Mania,
a rua do Marquez if- Olinda p. 23.______________
~Vendb-.se
uma raeil-agua na rna de vjlha o*b carjta Rita n
96, pela quantia de 700*, que rende 10/ mC?taes:
a iratar na rua do Socego n. 3i.
acaaaiv,
Na, rua Pnimeirq de Marjo
LqjA dp. barateirp.
Inglrzes' Dftr^ cWansas, de'todas as qualidades,
, qe-ferro para homem e crianc8S, capachos,
'espelhos dourados para, sala, grande's e pe-
fa
AttenQ^o.
A loja da, Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
'45, acaba de receber os scgutoleS artigos:
Manual de madreperola, tariaruga e marftm.
Ricos albua^ cam capa de madreperola, cha-
gwa, madeira, ve.ludo, couro, etc.
Lindas caixas com finbsimas perfumarias.
Ligas de seda, brancas e de cores.
Volias.de madreperola.
Pulseiras de madreperola.
Ricas caixas para costura.
Vestuarios para baptisado.
Toucas e sapatiabos de setim.
Modernos chapeos de sol de seda para senhoras.
Lindos.port;bouquets.
Gravatinhas de velludo, etc, etc.
D. 1.
fmvh kmmikm
quenos, ajmflrelhos de metal para ch4
j queiros com cabo de metal e de marJBm,
j dlio? avulsos, colheres de meta! fine, condiei-
,rospar sal's, jflr.ro,s, gv.arda-ccmidas de
I'arame, tampas para, co'brir prat,ps, esteiras
pg 'para forrar salas,lavatorios comptatos, ditos
a i my r*^vm%'\^ples.objectQsparatqflette, eo'utros mnt-
41 1/ I l!r lilHt0S-*-rty}.s 9U0 mUit0 devemagradar a todos
/' lit) |ij-^u6 v!5!t?irem. este grande estabelecimentc
"** ** ^ ftC^ft ^grjo dmdo as $ horts d8 ma-
De superior qualidade, e muito nova ehpeada di.a'/. l ^ .' i
pelo ultimo na-vk.; vead? se a rua do Brnm o'ft lift* ^ ,W LhM8 &***&i
armazem de assuear. | RUa do BaWbO d& VlCtOHa n.
I>
- Vende se nma canoa propria para capim ': a I
lr?'?r na taverna defronte da matriz do Barro. 1
n.
Vendem
Wilsoia, Rowe & C.
Em sen armazem 4 rna do Trapiche a. r4, o se-
guiote:
Algodfto azul americano.
Fio de veja.
Carvao de pedra de todas as qualidade*.
Tudo mnito barato.
Paeheeo & Az'evedo tem para vender tapioca
de Araruta de qualidade esporlal: em sen arma
tem na rua do Duque de Caxias n. .
Wilson Rowe 4 C. vendem no seu armazem i
rua de Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao azul amencano.
Excellente flo de vela.
Cognac de qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidadw.
File da* grande riqueza
bellos.
Elle doma e faz preservar. os cabeilos, era
qualquer forma ou posicao quo se dese-
je, n'um estado formoso, uso e macio.
Elle faz" crescer os cabeilos bastos e compri-
e os.
Elle conserva a pelle eo casco da cabeca
limpo e livre de toda a especie de caspa.
EUe previne os cabeilos de se tornarem bra-
cos.
Elle conserva a cabeea n'um estado de fr-
cura refrigerante e,agradavel.
Elle nSo i qcmasiidameiite oleoso, gordo-
rento ou pegadico.
Elle Mo. deita o menor cbeiro desagrade-
vel.
Elte e" o melhor artigo para os cabeilos da>
criancas. i
EUe eo melhor eo mais aprasivel artigo
para a boa conservagdo o arranjo dos ea-
liellos das senhoras.
Elte & o-unioo artigpproprio para o peotea-
do dos. cabeilos e barbas dos senboFes.
fJENBUl*' TOUCADOR DE SENHORA 38
rODE CONSIDERAR MO COM-
PLETO SEM 0
TOiMGO. ORIENTAL
0 qu.'d preserva, limpa, fortifica eaiormosea
O C ABELLQ-.
Acha-se venda nos estabelecimentos da
H. Forster & C, agentes. E em todas a*
principaes loia de perfumarias e beUcas.

r
j


8
jpiario de Pernambuco Segiiflda fefra 4 de Maio de ISli

IFFTERATURl
Algaaaas palnvras proannela-
das pel* arcehtapa de Tear*
per occsirt- do ordcio sole ni-
ne quo, pel* repn d'jlaaa do
Sr. de Metz, c elebron na ea-
pella da colonia de Mel Irav a
1 denovemhro de 189a.
Ha poueos dias, meus charts irmaos
cereavamos com nossas h omenagens, nossos
prantos e nossas preoes os restos mortaes
de ura grande home c.
Naquella numerosa rcuoido tdo nlenciusa
e taocoramavida o que dorramav* lagriiaas
as mais araargasera o homem erainente que
boje choraiuo*.
0 conde de Flavigni e o Sr. de Metz li-
uham vivido urn ao lado d'outro na mais
adratravei commuofaao de peosaiuent >s, de
sentknentos, de trabaihos, in^irados pelo
raesme amor de Deus, da humanidade e da
patria Para cominomofar digna m-iiKe es-
tas dua> exislencias ta ratafias e ar1a tier
facundas.,fiiluiiavuas quasi ao mesmc tem-
po par ui* mesmo golpe, ser-me-hia preciso
pedir emprestadas hs consternadas palavr&s
de David, chorando a morte- de Saul e de
Jonathas:~yy modo cecuferant fortes-
Israel .'
Como etes Lvomens podarosos nm obras
e palavras desapgarvceraui com l3o pqu i-
no intervallo e fufinipados pela mesma mo-
leslia ?
Icriangas prematurameflte culpadas nSo tl- Posso ao menos consolar o sou coragdo
nham familia, ou setinhatii pasconhecidos, partido pela dor de uma cruel separagao,
ests faltavam aos seus mais sagTados deve- diaonda af* consider >gao e a affeigao en
res ; deram-Ibes a vida physica mas iiJb *i- tr dH* Sram perfeHamente reciprocas.
vorara cuidado da dar-lhes a vila mO- PatMiteei os principaes traces da organi-
ral. aagao simples ecoraplota que o Sr. de Metlz
Eraineate organis dor, clle os constiUiid d^ra a esta colonia agrioola, que ba servi-
em familia era easas distincta*, sob a vigi- do de model) a outras muitas.
lancia, nio de um guards, (tudo quanto Uni nobre eslrangeiro, bom juiz nestas
tendia a lambrar a prisio era cuidadosa- materias, disse que a col n:a de Mettray e
menle bsnido) mas de um chafe escolhido, o Seu fundador, eram uma gloria para a
ou antes de um pai intelligentc e dedi"ado. Franca.
A sua vish, seu espirito e seu cor.*ao Uma obra como esta, fuodada por um ho-
pairavam sobre todo este conjunct) sem ne-> mem comoo Sr. de Metz ni morre nnnca.
gligenciar os detalhes: assemelhava-se a S6mente quem leve a felicidade de co-
Provid-mcia: governara com sabedoria e nhecer a actividade verdadeiramente pro-
chegava ao firn a* que se propunha cod digiosa doSr. de Metz, pod>-rd comprehender
brandura o firmezji suaviter etfortiter. que de trabalbos de ratelligencia, que de
Gragasaesta habil organisagSo, cstas po- devotaga), que de abnegagao, que de sa-
bres criangas eneontrarun em torno de si criftcios, que de longas e enfadonhas via-
os coidado?, os conselbos, os eocorajamen- gens, quo los, as terauras, e todas as do^uras da fa- ram precisas para montar, dirigir e conser-
Miili.i, da qual tao preinaturaaientc haviam var esta grande obra.
aido separadas. Nest a vida de almiravol labor, e de in-
Abandonadas por seus pais, cram estes cessaote solicitule passmielle 3V annos sem
infdliZei fatalrnente entregues & ociosidade camorecer I Frodigafrsou k sua obra sous
e a vagabundagem, e, pur uma consequen- di9, 9uas noites, sua saude, seu dinheiro,
cia quasi necessarra, a rapinagera, ao furto sem experimentar nunca uma hesilarj*o,
e a todosos habitos- viciosos que depravam nem um arrependiownto I
" corpo e o espirito-. \ Sabia elle que sua\ nobres v digoas filhas
0 seu bemfditor para realisar a sua bella.'olhariam, como a miHbor parfe da sua he-
minha carreira findod, e aguar'o a corda
da justiya que ojusto Juit pftftnetteu a sews
fitiis servos.
Mfus cbaros irmaos, esta confianga cliris-
tfl, qui consdou oSr. de Meiz, moribundo,
nao sera* illudidi.
Para que ella se realise sem demora,
unamvs nossas almas era uma forvorosa
prece.
Dotados, um e "Jatro. de uma physico
sympathico, e dosailractivos da bMlew mo-
ral viver.im estreita%noiite ligados, na>
foram separados na raorte : Ambo eina-
bilosetdecori in vita, tjunorle quoqut non
swU divisi.
Aindasoamem vosso; ouvilos, senhorfs,
esta tocauto palavra de i luspedida qua o Sr.
de Metz fez cahir com si "ws lagrimassobr,)
o luraulo, ainda aberto, de sou amig>: at#d
breve. Sena simplesmeute um desejo ?
Seria um pressentimonto ?
>'3o o sei. Era Cirtameute uma palavra
aff'ctuosa echrista, que n/io so* parece com
est^s Aileuses demos, fri,mente pronunci'a-
dos por homeus sem fe sobre as tampas dos
qu^ raorreram sem esperanga.
Os que riverain pratican lo o 3>nsve mor-
reram com a grvga dos Sa:raaeoWs e do
perdio divino, estes nao morrom completa-
mnte Trcam apeoas uma virfa fragil,
composta do fraquezas e dores p&r cutra
vida superior, de bemaven'-urangas. e eter
na. Elles vive.n e.n Deus" na memoria dos
bons, nas suas obras, qut lhes sobreviven
ni terra, em quanto no oeo sSo por ellas
recompensados.
Tal e, (tcmos a mais firme esperanga) a
sorte, digna de inveja, do Sr. de Metz.
Joven ainda obteve, por seus talentos e
por seu caracter um lugar elevado na hie-
rarchia judiciaria. Podia legitimamente
ch"gar ao grao mais elevado dtssa hierar-
chia, e nelle manter-se com esplondor.
Mas no exercicio mesmo d^ su^s func-
coes, que elle amava o exercia comarden-
te sa'tisfagao do public.), era elle diaria aeu-
te obrigido a julgar infelizes criangas culpa-
das antes de lereB attingido a idade de dis-
cernimento, mais pola iaenria, pelo aban-
dono ou pelos mdos exemplos de seus pais
do que por mSo precoce de uma uitureza
perversa.
Estas oriaii'.as quo a justiga devia puhir,
e sf.ore tudo corrigir. eram langadas nas
prisSes communs, misturadaa com os scele-
Sahiam deltas depravadas e parvertidas,
e bem depressa a ellas voltavam, nao para
exniar seus crimes, como queria a lei pe-
nal, mas P^a aprender a commettel-os, e a
Sccutal-os com mais haluhdade e auda-
cia.
Irvrsa : mefho?,ur o liomem pela terrae a
terra pelo hormtnos empregou resoluta-
meutj jios tr.ibiHios dos campus. Alii, cm
plenoar. sob os raios do sol, em trabalhoa'.existemna T
raivga, aquella quo eBe dispendcra com a
suu familia adoptive.
Oua4 teriasido o mo^ei desta ydiairavel
proportion*- os ds suas forcas, estas eritit*
gasse datHiavolvem livremente, e recobram
be.n deprassa a saiVJ? do corpo. Rcobram
tambem a saddo d'alma ; porque colloca-
dos em face- de J)eusK visivel em todas as
suas obras, sob a abobada dosce^wquere-
corda a gloriv de seu aator, em presenga da
providencia creadora, que se digna-aceitar
sua c dlobora$io para a manotengaoda vida
hurnaua, suas ideas se eJevam, sua-im A philanfropia? Nao, senhores: a pbi-
Ihut'ropia n3o prodnz obras 8efnelhan*es-, e
aeas emprehen ie, nao prosegue nellas. V6-
de-se talvsz dar owro pelo amor dos b/-
mcus : mas o snerifibio de si mesmo scV se
faz por amor de Dims-.
As boas o.brasaprisimam a Dims, e Deas-
se ioelina para aquelles- que as jtraticam, e
ce to-ou tarde om elle* se encontrara".
mgao se alargi^seu coragao se dilau, e a mds de um exemplo.
Confereneias lUterariaa.
IUSCURSO DO CONSKLUE1RO i BARKOSO, NA REUN1AO DE 22 DE MARQO DE
1874.
Miiihas s:nhora.A fraqueza do espirito
humano nfio I ie permitte comprehondor um
so objecto, seja elle grande ou pequeno,
debaiso de todos i. aspectoj, por t idasas
faces qic ^6 la offereoer d sua observagdo.
Ooem jamais pdde comprebender comple-
lanaauli a mimosa flor que derrama o seu
perfume n) prado, a caprichosa borboleta
que boija todas as flores, a lindo beija-llor
que libi Hies a todas o nectar do ealice?
Q-iera p6 le jamais complatamente eom-
prent-oder o astro que brilt;a nas Irevas- do
borsonte. o sol que enche de' luz todos-os
rnnndos, todos os espacos do firmamentoT
E qjem p6Je comprehender e cxpiicar a
muiher, mais mi nosa q*i a flor, inais ca-
prichosa qiue a borboleta, mais formosa que
o beija flor, mais brimante quo o asfro da
noite, m3is- esplmdi la que o- sol, ineflavel e
myjtenosa emo o anjoT
Se eo f6ra poeta, minhas- senhoras, i-Jea-
lisac-do na poesia. todos os swntimentos de
minjadma, poderia ciatar-vos, e talsisz
pudcsse dizer >s meus cantos- os segredi/s
de voss->xistencia; aaas aura sequer possiio>
todd; r-> talentos do p^ysiologista I...
Feliz nente para- mim, tenho o'sentimen-
to, fallo a HnKuagem do coraglo, a que a
niulher sabe melhor comprehender. E pa-
'rf ce-mo qae v6s metendescoraprehealido :
A ed >nia de Mettray disto tem fornecido- mas-se istesomen^ uma iDusio dte men
vida moral e rcligiosa eatra e circutu- em
suas almas para rehabilital-os e transior-
mil os.
Qjian lo ^ahem elles ddcofonia agricola,
babituadosjaosirabalhos do carapo, seu pre-
vilente director poderd sem difHciildide
preserval-os Jos perigos aas cidades, e asse-
gurar-lhes a perse manga; colaando-s no
meio lie popul'agoes ruraes, que-fazem a f(r-
ga e a honra do paiz.
0 Sr. de Met z, como um medico prudente,
que procura cambecer as causes do mal iu-
veterado que pretende curar, nao se esque-
cia de inierrogar, elle mesmo, os.-jo*ens cul-u
pados enviados d colonia agricola. < Jai
fizeste a vossa p rimeira commuRhao ? Fne -
quentaveis o e^lhecismo? Ouvias missai
aosdomingos ?
Asrespostas a estas perguntas eram ha-
bitualmente neg< tivas
(jue luz para l.odos que tem a*seo- carg( >
almas, padres, pais, mis, senbore*, direc -
tores de officini s e de outres estabeleci-
mentos 1
A ignorancia, a ignorancia religiosa so -
bre tudo, e a-causa funesta -Ma degeneragac ?
moral.
Assim, Sim pajrtilhar da opiuiao insensa-
te, dos que ensinam, que todas as criangjiS-
seriam anjos, que todas as donzellas modeLoj
de virtude, todos os soldados beroaa ihveai-
Esta ehaga social preoccupava um gran-
de numerode bons espintos, e sobre tudo
mauistratura qae mtlhor pole sondar a podereis encontrar faltas, e fraqu
ana nrofundidade. a. terete os remorsos paravingaUs,
0 Sr de Mrtz procurou remedio para
ella BOS seu> estudos profundos sobre os di-
verse* systemas penitencianos
longas vlagons: quando
snnlical-o.
Ei'e
e em suas
o encontrou nao
Sou, para apphcal-o em rennijciar sua
bella carreira na mag.stratura. El'e fo a
Tourenne para onde o chamava um am.go
dedicado o Sr. de Courteilles, que deve ser
SRSmAo com reconhecimento pela
?.nde partoque tevc. na fundagao,e na di-
recgdo da <:o!onia agnco a de Mettraj.
0 Sr. de Metz tinha observado que ostas
civeis, se soubessem ler, escrever e contar,
o Sr. de Metz queriajque seus queridos filhos.
recebessem o beneGcio da instrucfiao prima-
;ria mas queria tambem-que selhesdesse^|
antes de tudo, instrucgao e edueagao reli-
giosas e moraes.
A.tendei bem,religiosa emoral; por
nee a moral sem a re%iao e uma lei sem
sancgao sufficiense, um effeito sem causa
adequada.
Se c'uegardes a fazer bem comprehender,
amar, e praticar o synabolo do& apostolos,
o iecalogo, o evangelho, e .cathecismo,
uezas; mas
e o arre-
pendiracnto para apag.al-as : tereis a luz nas
consciencias, a paz nos coraeoes, a virtude
nas almas, a uniao nas familias, a ordem na
socieda ie.
OSrdeMetz comprebendia admiravelraon-
0 Sr. de Mattefbi sempreum homimi sim-
ples, e iirme em sua fe ; mas a sua Kcida
dia se manii'ajBtava na pratica das boas
obras.
Eu vo9 disse, senhores, que elle havia
fuudado a sua obra sobre a base da reli*
gi5o.
Assim,. quando seus filhos adoplivos ti-
nha-m mereeido, eta grande nemero, a feli-
dade de serein a imiltidos d santa commun-
liSo, viara-nod sua /rente na mesa da Eueba-
Vistia. Irto -nao era oastante p:posse e devo
dizer-vos d'aqoi para seu elogioepara vos-
sa edificaeSo, quevesse nobre- ami go, o-Sv.
de Metz, eommungava todas as-semanast
Era com o fogo senapre ardente do cera-
gdo divino que o Sr. de xMetz entretiuha em
sua alma a cbamraa da caridade, que apa-
gou-se na terra para ir brilhar eternamenle
no ceo.
Ai de nos. Elle jd nao existe-mais I Elle
foi morrer na capital qae tao generosamea-
te bavia deixado.
A Providencia quiz sem duvida poupar-
Hie o sott'nmento de uma separa^&o dolo-
rosissima, separando-o nesse moraento do-
loroso de sua familia adopUY*.
Todas estas-crianga* eonsternadas teriam
querido pen trar ate jwnto delle-j e ter-ite-
biam dito, como os disci polos- de S. >lar-
tinho a seu gradde poatifice:
Pai^ porque nos-deixae? A quemdei-
xareis vossos pobres frlhos deseonsolados-'.'
Cur nos, pater deseris, aulcui nos deso-
latos reliiiqui* .' \ us dos havete arrancado
aosdentes lobos vorazes: se formos lan-
gados fora do asylo,.que nos abristes, elles
se langarao no meio-do rebanbo despersado^
e devorarao os cordeiros indefezos.Inva-
dent enitn gregem tuum lupi rapaces.E,
o nobre raoribundo lhes teria respondido
corno S. "Martinbo.:
Nao vos abandono, querido filhos,
confio-vos a outro, cuja dedicag&o conhego,
e cuja ternura v6s mesmos.. jd tendes expe-
rimentado.
Sol) a protecgdo dos-homens eminentes
quo constituent o onselhoda colonia, sob a
direcgAo intelligente daquelle que foi o meu
mais antigo omeu mais diguo collaborador,
Gom a cooperagao dos chefes de familia,
t-; estas ideas do bom senso e da experiencia : j que formei, e que o meu espirito anima,
elle as provocava sem. cessar, as encoraja-1 Mettray prosperard, e preparard, para a
sociedade,. eidadaos-honcstos,. e paca o ceo,
LUCSSCIA SOa&U
MEMOmtS BE SlTlNiZ
va coin todo o seu poder na colonia.
Fereria a raodestia de um padre emineo-
te, se cu repetisse em sua presenga os lou-
vores que o Sr, de Metz tecia ao seu zlo in-
telligente e d sua dedicagao.
verdadeiros christaos, Meu coragao ficara
entre v6s.;: junto a Deus ssrei vosso inter-
cessor. Ate brave-. Combati como bom
soldada, e conservei intacta a minaa fe. A
fraco tspirit >, por bondade de>xai-m' cou-
servo",- ate que vos diga a minim derradeira
vra nosta tribune-.
Qxiai:do na minha ultima confferenci* d*s-
pedi-me de v6i coin-a-.esperanc.t deterain-
da a fortuna d voss preeiosa atlen'So, dei-
x'ei'-vos no gezo da suprema felicidade de
vossa vida : tinaeis feito o vosso casameato,
seguodo os vokos do coragio. Permittr qpe
eu vos sorprenda no meio da vossa lua th-
mel.
Penetrando- neste santaario de vossas Ven-
turas-, s-mto me tomadi- die um sentimento-
de proftioda trwteza. E' porque ao levan
tar o-veo do vosso santni:rio ea vejo uma
pegada, sinistra como ioscrip;a da porta
do inferno de Diante I 5 portico do Um-
plO da familia escreveu a iniquidade buma-
na pela mo de-sua victrnaa la6ciate ogni
speranza 6 voi- che entrate: 6 vos qae
aqui entrais, perdei toda a esperanga de
constituir um-5>milia 1 E' porque adiante
de v6s, primewo que vii* penetrou no vesso
lar o maior de todos os infortuaios com a
mais cruel de todas as- iniquidades, a degra-
daga* da natu-reza bumana, a ignominiada.
creatura feitaa imagen* de Deus, a escra-
video I
E' a escrv>a, a ininiiga (juc- a sociedade
vos- deu.que- vem correr as cortenas do vos-
so leito nupoil, que-sorprende a primeira
carieia.de amor de vosso esposo, a primeira
resistencia do vosso pdor nssstado, a pri-
meira lagrinaa, o primeiro so riso do vosso
abandono E' a escrava, qae com hid riso
brutal rasga o veo- dos mysterios do-hymt-
nfti na eutrada da> vossa camara nupcial I
E: nesse riso brutal vai muitas vezes, quasi
sempre, oana amea^a aos vossos direkos sa-
grados, a vossa digDidade de esposa, um in-
sultj d vossa cast idade, um desafio d vossa
virtude, um escaeoeo pungente aos. vossos
sonhos de felicidade 1
E e assim,.neus senhores, que a socieda-
de expia esse atroz attenJado contra os. di-
reitos da namoeza bumana. A escravidao
corrompe a familia e ataca a sociedade em
sua base. Sao imraensos os males dessa
instituigao n&fasta, qua como a. tunica euve-
nenada do centauro grupa-se ao. corpo so-
cial, e IhediUcera as cames, trisle legado
dos seculosda barbaria, contra o qual pro-
testa ha dezenove seculos a voz do martyr
divino do Calvariol
N5o basta quo possamos hojp dizer: no
Brasil ningnem mais nasce escravo. Oxald
que possamos dizer brevemenie: no Brasil
uingu.em e mais escravo.
Para v6s, minnas sanhoras, deve ser esta
:. ffjanoel Feruandeay Gtenzalez
OLINTA PARTE
LEONOR
[Continuagao do n. 109 )
XVII
DE COMO BRANCA AI.BINI TINHA MUITO DE
LUCRECIA.
Paulo encontrou fechada a porta da casa
de ReinalJo Albini
No entanto, obedecendo a mstrucgoes de
Branca, levantou a enormp aldraba de ferro
cinzeladoedeixou-a cahir com wrga so-
bre o martello.
Certamente o esperavam, porque a porta
abrio-se immediatamente e appareceu um
criado todo vestido de preto que pergun-
E' o cavalheiro d' \rnesteville ?
Sou, respondeu Paulo com alguma
impaciencia. .
Queira perdosr, senhor cavalheiro,
disse o criado interpretando mal a impa-
ciencia de Paulo ; porem sounovo na casa,
ainda que velbo ao servigo da familia.
Emqoanto dizia isto, fechava cuidadosa-
mente a porta
__Sirvo a tia raaterna da senhora Bran-
ca Albini,- proseguio elle atravessando o
vestib'ulo, e como todos os criados d'esta
morta foram presos por causa da de morte do senbor, e a senhora, sahn.do do
convenio n5o quiz ir para casa de sua Un
esta veio para -q-Ji o trouxe osse-.s som-
dores. Eis anui a razdo porque uao tenbo
a honra de o ponhncer.
Acabavam doso'dr as magaifiia'? escada-
rias tSo mal illuminadas como 0 vostibulo,
o aquella falta delui condizia perfeitamente
com o luto de uma casa, cujo senhor tinha
morrido nsPBoitf d: vespera.
Tor issomesmn, tudo aquillo pesava de
modo terriv.:! sobre a alma dc Paulo que
era o autor d'aquelle luto.
Chegados ao cioio das escidas^ o criado
que precedia Paalo attavessou urn magni-
fico portico de marmore branca, en'rou em
uma especie de ante-camara, atravessou-a
e, airindo uma porta,. dissa :
Minha senhora, estalaquio senhor ca-
valheiro de Aroestevilla.
Depois afastou-se para deixar passar
Paulo.
Este entrou.
0 criado fechou a porta.
Paub olhou em torno de si e vio-se em
uma sala sombria e mal illuminjda. 0(
tecto era de madeira lavroda, ennegrecido
pelo tempo, com ornatQ e filetes dourados
que quasi estavam da mesma cor que o
fundo, por serem muito antigos.
As paredes estavam cobertas de tapega-
rias roxas listradas de ouro que pjrecia t^o
antigo cora'b*io 9o tecto.
Sobre as tapegarias e entre as janellas,
guarnecidas decortinas de velludo roxo,
haviam retratos de familia que, pelos trajos
e o modo porque estavam pintados, forma-
vam uma galeria artistica que remontava
aos tempos mais remotos, pordm quasi to-
dos velhos, ennegrecidos e de differentes
formas e tamanhos
0 pavimento estava coberto por um es-
plendido tapete, que datava pelo menos do
seculo XIII.
Grandes cadeiras pretas com ornameotos
douralo> encimados pelo brazao da casa
alternavam com mesas enormes do mesmo
gosto o da mesma epoca.
Nos extremosda sala, entre duas portas,
cobertas tambem com reposteiros de vellu-
do. roxo bordado de ouro, viam-se dous
magnificos espelhos de.Veneza emmoldura-
dos de preto com filetes dourados collocados
sobre dous grandes consolos de mo-aico
com pes de bronze, tendo em cima dous
candelabros gothicos de ferro cinzelado, en-
crustados de ouro, com velas de cera cflr
de rosa e perfumada.
Entre os candelabros estavam tres bustos
antgos.
Do conlro do tecto pendia uma ea leia
doura 'n, d q ial est-.va preso um lustre de
icrro sem^laanto aos candelabros que esta-
a mais ardente aspiracio, o mais fervoroso
voto do vjss) coragao de mulher e de ci-
dada.
Forgoso 6, poiem, que en vos contemple
no-interior do vosso lar, esposa e mSi, dc-s-
viardo os olhos dessa imagpm negra, aue
ahi estd a perturbar-me o espirito, a enlu-
tar-ir e o coraglo.
Sem duvida vos ensinaram que a mulher
era destinada para fazer a felicidade do ho-
mem : ligando vos ao homem que deve ser
para v6s o companheiro de toda a vida, a
vossa missao consiste em fazer a sua felrci-*
dade. N8o sorc-is ftd'zes, nSo tereis desem-
peohado a iloce missao de esposa, se nfio fi-
zerdes a fel'cidade de vosso marido ; e para
i~to e preciso que comprehendais perfeita-
meute os vossos dJreitos e deveres. A igao-
rancia a respeito dos-seus deveres e o abuso
do seu poder, diz Mme, Bernier, faz;m per-
dcr a mulher, a mais Delia e a mais preeiosa
de swas qualidades, a de ser util. Abrin-
do 6 intelligeircia e ao coragao de voas) es-
poso 09thesouros- ineffaveis de vossa alma
Candida e pura, e imprinindo-lbe pela ad-
miragao C pelo amor o cunbo da verdadeira
superioridude morat vos sert-is1 glorilicadas
a felicida-Je da fjmHia e na prosper dado
da .lagao.
Tratando dos vossos deveres de esposa,
Hiinhas senhoras, u presumo que sois feli-
zes- no esta to conjugal que o vosso casa-
merrto uao foi o- resul ado de uma inclinagao
ios-senlidoi ou de umasorpreza da rmagi-
nagao-, ou de um-capriehoephernero d'avon-
tader qoe espoiastes um toomom, e nao o
rost>de u:n maiieebo furmoso, o habilOde
um efegante, a fortuna de um> nco, a com-
menda de nm cooinvodidor, ou o brazSo
s>^m hirtoria de um barSo. Fresumoquea
educagao'preparou o vosso esposo para ser
digno da- felici lado de p ssuir-vos, pira
oompreheoder e reBpefeaV os vossos direitos
ssgfados.
A primetra lei do casa men to. comi> o ins-
ti!i?o a civilisagSo chrisfd que emaucipou *
mulher, e a mais perfeita igualdada- de di-
feito eiitr-> os espososv A,uniao de duas
cceaturas liv.-es, que se associam pra se
aperfeigiiarem pelo amor, na) p6J^estabe-
liiceruma des-igualdade de direitos e- uma
auloridade qudsomente se exerce em pr ivei-
to do ho n.-ni. A igualdade nos deveres 6
o caracter nova-- e_ sublime,, de que Jesus
Cbrist^revostiooGasameuto, essa escola de
aperfetfoamento-mutuo, na phrase de Le-
?jouve^,.que e a fasae das almas e nao a
uniao dos cor^osy. o compSamento do ho-
mem pela mulher, e nao a consagra^ao' de
um direrto brutal sobre a pessoa desta.
Se a indissolubiliiJade do matrimonio' e,
como ditEegouve'.o sello supremo di insi-
tuigao ; se eo dadb de Deus- ma uniao de
suas creat-uras, a esperanga do infinno-ao
corag3o4os esposo9; sublime como um prio-
tipio de-eterua verdade ; s6 pt^le conserv^r
esse caraster augusto e s8nto na mais perfei-
ta reciprocidade de direitos o deveres. E'
cruel essa-'iniquidade social, que absolve-o
homem. eriminosov..pewque o quer, porqpe
procura o crime, para aondenme* a mulher,
cuja faka-nem sempre e" acto de uma von-
tade criminosa, & sim uma fjaqueza do sou
coragao-aff?ctuoss>'no meio do vacuo pro-
fundo do enfado e do aborrecimento de- ssa
solidao ;;qu-; nao-protura deliriquir, man e
sempre-o em toda a parte solieitada pela-ne
ilucgao e- pelo exeraplo.
E' tao eruel essamoderna iaiqu idade- so-
cial, como a inexor.ivetcondemmgaod*Su-
zana da-J*tblia.
Mascootempl.iij seahoras, a revutue^ao
operada pelo divino fundador do chrisiia-
uismo-l Suzana e a mulher escrava da so-
ciedade antiga, que ainda innocente podia
ser*coudemnada,. s.e contra ella" levanta-va-se
um t8Stemunho, ate mesmo do propriose-
ductor repellido. Vem Jesus-Christo, e aos
pes do Filho de Deus .. -^a-se a mulher
peecadora implorando protK.. j contra os
que a persegaem. Aquellequeu. v6s tem
a consciencia limpo. lance-lhe a piimeira
pedra: palavras sublimes que resgatam a
victima da iniquidade dos. seculos. Jesus
Uhristo nao absolveu um nrinie; eondem-
iiou o delioto da peecadora ; mascondemnou
tambem os seus algozes, coudemnou o cri-
me lo homem. Em nome de que lei ou
de que direito, porque principio, perante
que moral social ou diviua condemnais vtis
esta mulher, cuji falta e o vosso crime de
todos os dias?
Se o casamento e para o homem uma sim-
ples.associagao, quo tem por tim maater
certas conveniencias de eonvengio, deve s-
1 > tambem para a mulher, que uao pode
sacrificar o seu coragdo a deveres injustos e
odiosos, quando a reciprocidade os nao re-
veste de seu caracter elevado e santo. A
moral christd, que consagra pelos lac'os de
indissolubilidade a poreza e a dignidade do
casam.nto, nfio tolera essa moral social qua
decora com o titulo de conquista o crime
do bomern, para estigmaiisar com o ephbeto
de infamia a falta da mulher.
VARIEDADE
vam sobre os sonso os.
A sala, qae jd de si era enorme, tomava
proporgoes gigantescas pela falta de luz que
n'ella se notava
Uma mulher, elegante, vestida de peto,
com um capuz tambem preto na cabega,
como que para estar em barmonia com
aquelle salao tetrico, avangou rapidamente
para Paulo e pegou-lhe nas maos.
Tudo isto foi obra da gra-duqueza,
n4o e verd-de ? disse Branca, porque era
ella a mulher vestida de preto ; certamen-
te, Paulo, encontrou fechada a porta do
jardim.
Sim ; replicou o m'ancebs aproveitan-
do com avidez aquella desculpa que Branca
lhe apresentava ; vim trtnido de d6r por
que meu pai raorreu.
Jd sei, estive esta tarde em sua casa ;
mas sente-se Paulo, sente-s ~ meu lado ;
necessito ve-lo, ouvi-lo, para ,:editarque
nao estou so no raundo.
Tambem eu estou s6, disse Paulo.
0 homem nunca estd s6, nem a mu-
lher tem nunca parentes bastantes que a
a mem e a protejam. Ob I que noite bor-
rivel I Seu pai foi assassinado, talvez ?
Sim, envecenado, respondeu Paulo
tristemente.
Que mao infame e essa que fere, ma-
la e se occulta na sombra T Essa mao s6
pode pertencer a Lucrecia Borgia.
Prove-me que foi a gra-duqueza que
matou ct>;, pai e o meu, e vinga-la-hei.
Nao tenho outra prova senio uma sup-
posigao demasiado Gonvincente. A gra-
! duqui za ama-o com toda a paixSo da sua
alma de demonio, com todo o empenuo
' dos seus cincoenta annos. Nao ba nada
mais terrivel para o amor do que u'na mu-
lher velha, e quando essa velha se chania
Lucrecia Borgia ; os zelos sao capazes de
tudo. A morte de meu pai foi perpetrada
expressamente para que eu julgasse que
partia da sua m8o, Pauh.
0 mancebo es remeoeu.
Oh I t>8o trema, querido da minha
alma, proseguio Branca'; a duvida fugio do
meu espirit >. Sei perfeitamente que res-
peiiaria a vida de meu pai, por isso que
vinba reparar a-loucura que commetieu
arrastado pelo seu amor.
E' verdade; quando cheguei, aghoi
fechada a porta do jardim e como meu pi
estava moribundo voltei para casa resolvido
a escrever-lhe no dia seguinte, porque igno-
rava que tinha sido encerrada n'um con-
vento.
- Oh I nao voltarei para alb porque o
convento e um tumulo, porque a vinganga
nao pode partir do tumulo, e eu preciso
vingar a morte de meu pai.
A voz de Branca era lugubre ; no seu
rosto bavia o quer que fosse de terrivel e de
fatidico ; no seu olbar brilhava um fogo
sombrio que enchia Paulo de um vago ter-
ror.
Nao e verdade que me ajudard na
minha vinganga, Paulo?
Sim, respondeu machinalmeote o
mancebo.
Unamo nos, pois, disse Branca, seja
meu esposo. E' certo que me am a e me
respeita ?
Sim.
Pois se me araa, se me respeita, deve
cumprir um dever que contrahio volunta-
riamente. A respost* 6 demasiado grave;
medite, porque se quizer cumprir com o
sou dever, unir-nos-hemos immediatamen-
te. Antes da sua cbegada veio. o nosso
capellao, e a capolla estd prepara la ; no
caso de que recuse, retirar-se-ba o capel-
lao, apagar-se-hao as luzes, e ou tomarei
sobre mim s6 a vinganga da morte de meu
pai, e a vinganga da minha honra ultraja-
da. Deixo o s6 uma bora ; medite.
N8o, espere, disse Paulo pretendendo
deter Branca.
Deixe-me sahir ; nurao hora pensa-
se muito.
E sahio grave, lenta, fatidica, arrast ndo
a cauda do seu amplo vestido preto.
Paulo sentio fechar uma porta.
Vendo-se s6 romeppu a passeiar pelo apo^
peamenii> ; agitava se n'elle um turbilhao
eontaio ; peusava som pensar ; em torno
de si gy-avarn tres mplb-aps impossiveis
para elle :HLucrecia, Leouor e Branca.
Lucrecia fdra amante de seu pai.
Quem era Leonor ? Provavelmeute essa
Alexandrine que Lucrecia buscava, filha
talvez de Ariosto, e talvez sua irma ; com
tudo Arjosto dissera-lbe com ess^ inQex8o
persuasive da verdade, que n3o tivera filhos
de Lucrecia.
Branca era filha de um homem a quem
Paulo matara mas Branca igoorava-o.
Por outro lado, Paulo commetlera aquel-
le homicidio involuntariamente, n'um no-
mento de colera, e ate certo ponto nao se
julgava responsavel por aquella morte.
I'ar i elle, Reinaldo Albini mattra-se a si
mesmo como o imprudent* que se raata
com uma anna, que ndo sabe manejar.
Todavia Paulo amava aquellas tres mn-
Iheres,
Lucrecia que era para elle a divindade
terrivel, o ignoto, o grande, o imraenso, o
incompativel.
Leonor era o amor da alma, suave, cas-
to, tranquiHo, o am^r do matrimonio, da
familia, esse amor que se nao extingue,
porque se infiltra n'um ser, e forma parte
d'elle roodificando-o.
Branca era t amor dos sentidos, da ma-
teria, a embriagu.ez da voluptuosidade
Em'Lucrecia amava o terrivel, o infini-
tamente extraordinario.
Em Leonor a paz da alma.
Em Branca a formosura elevada a um es-
plendor maravilboso.
A verdade era, que quando se achava.
mais proximo de uma que das outras, essa
triumphava das outras duas.
AhSrn d'isso Paulo necessitava proteger-se
a si mesmo, armar-se contra o amor de Lu-
crecia^^ue er para elle um impossivel, e
contra o de Leonor, impossivel tambem.
Estava proximo de Branca, e Branca
triumphava.
Nao tinha decorrido ainda um quarto de
bora depois da partida de Branca, quando
Paulo se dirigio d porta por onde a vira
sabir, e bateu a ella.
Pouco depois a porta abrio-se e appare
ceu Branca.
Vinh8 transformada.
0 seu tMJD nradara 'Ie preto em bronco ;
era um esplendido trajo de seda e prat i,
Noscabellos que Ih^ cabiam Sob*ti os hom
bros, trazia uma cqrda do ^Vpnaste.
Ornava lhe o col'lo -m Collarde 'diaman-
tes e os bracoleteVerani das mesmas joias.
Branca e.Vda fascinadora e sifrria de um
nod'i divino.
Enpborvla latb^rig lin
Itesejo entreter os hitores por algum tem-
po a respeito de oma planta portugueza, oo
quasi portugueza, conhecida entre no; com*
os nomtes de Tarlago, Calapucia' tnenor.
Segundo as indicagdes que nos deu' Broterov
na sua flora Luzitimica, encontra-se na
Extremadora.
Recommndai-se em prrneiro lugar como
planta ornamental, porque f6rma, quando
se planta em .Bora terreno, nm arbusto cs-
pesso de dous-a tres pes deraltora, guar-
'neoido de folbas de um verde claro Mas
e da sRmente que eu quer i fallar, p)rque 6
de tal inineira oteosa, que algomis inlus-
triasdevem tirar p rtido della; comquanto
ate agora se nao empregue senSo na medi-
cina- O1 interior d> sement, que ^ dota-
manho da semente de uma ervilhaca (Vicia/
assem*-lin-9e ao sebonu d era, n ardecomo
a luz de gaz se se picarem as sementes com
um al inete, e as accenderpro dopois: 0 es-
tado adiantado em que se acba a chimica
e a tecunologia, fazem-me suppor que esta
substaocia oleosa da nossa Tarttgo pode-
rur ser erplorada vintajosamente, e apro-
witada para o oinmerciov
C'tmodencontrada em estado espontaneo,
no nosso paiz serd f-*cil obfrir uma grande
porgao desta semeote. Obtida esta, euacon-
S'dbaria a algins ciltivado'es euriosos que
ffeesseni preparar um enm e semeal-as
no principio de setembro No anno segom-
te, quasi na mesma dpoc^ oo ant^s deve
fazer-se a colheita, e como uma planta uni-
ea -ja" p-oduz um bom numuro da sementes,
alcangar-se-ba jd deste modo oma grande
porra), que poderra servir para s primei-
ras exper-en ".ias, quanto ao-futoro empre-
go daquella planta na industria.
Contenta -se com quasi todos osterrenos ;
s/wn-3nte haveria neeessidide der as seToesr,
e de eavar o tfirreno a vinte ecinco centi-
metaos de profundilade p^aoo mais ou
menos-.
Kmfim, no annode 1849, sw W. J Hoo-
ker complet va> as-notas daqaelles botanicos,
pelas-suas propriasobservacoes. dando uma
descripgSo exaeta do fructo e-d seuente, e
um desenhc da- planta creada; onde vegeta
expontan^a, bam como um dosenho do fruc-
to, da semente e-de rauitos objectos feitos
do seu- albumen^
O'Dr; Bertbold Seemann,. na sua Hislo-
ria popular das palmeirast quando falla
do raarfim, vgetal escreve nestes termos :
Em dezembro' de l847,..qun1o oudes-
cia o ri > Cnpksa, tive a felicidade de encon-
trar aquella plauta preeiosa, a qual encon-
trei tambem a>ais tarde n'outros pontos da
Daria.
O'genera Phytelepbas e unicamente in-
digena no cootmeute da Amerca meridio-
nal, onde se encootra entre o 9* grio de lat-
tude meriditaL e ent-e oe-70 e 79 grdos
de longitude occidental. Reside nos luga-
res- pantanosos, nas localidades humidas,
assim como nas prime ras encostas dos val-
les profundos, e ve-se nao s6 nos-pootos
pouco elevados, mas tambem nas monta-
nbas, a uma altura de mais de 3:090 pes,
como a Ucana. Entre os bespanboes eseus
descendeates e esta planta conhecida com o
nome de Palme de marpl, emquartto que
dio o nome de Cabeza de Negro ao fructo,
6 o de marfil vegetal d semente. Os indios
na margemdo Magdalena charaam a planta
Tagaa;. o? da costa.de Daria Anla ; e em-
Pun no Peru dao-lhe as nomes de Pullipun-
la e Uomero.
(CorUinuarse-ha.)
Paulo soltou. um grito de espanto. e le-
vou a mao ao coragao. Esquoceu tudo-;
nao vio sen3o aquella incomparavel formo-
sura e, cahindo de joelhos, juntou as maos
e exclaraou :
Amcvte I sou teu I
Branca, pegou-lhe nas maos e levantou-o.
Paula beijou delirante as mdos da jo-
ven.
Esta retirou-as vivamente, como se os
labios de Paulo fossem um ferro em braza.
Tinha a certeza quandame sepirei
de si, disse ella, que seria meu esposo, e
precisava portanlo vestir o trajo nupcial.
Mas para que cingio essa coroa de
cypreste, quando o seu trajo de boda e
branco ?
Nao bavia de casar vestida de pieto;
seria um mdo agouro. Esta coroa funebre
representa tao s6mente a dor que me op-
prime por meu pai cuja presenga teria
c iroado a alegria da minha uniio comsigo-
Siga-me ; sint)-meimpaciente por cbamar-
Ihe meu.
E pegando na mao de Paulo, levou-o pela
porta por onde apparecera, atravessou um
espago escuro e empurrou outra porta.
Uma grande claridade ferio os olffos de
Paulo.
, Do outro lado d'aquella porta estavam
duas alas de pagens vestidos de gala com
tocbas accesas na mao.
Por detraz dos pagens. e de ambos os
lados, estavam as ayas de Branca, e ap6s
ellas alguns criados com a libre" dos Albini,
que era azul e preta.
Quando Branca appareceu dando a mdo
a Paulo, os pagens pozeram-se em movi-
mento.
Ap6s elles seguiram as donzellas e atraz
d'estasos criados.
Depois de atravessarem a galeria alta do
pateo, eniraram na capella do palacio.
A' direiia do ajtar, estava sentada n'uroa
araode cadoira forradt de aluiofadas, uma
ancia que parecia paralvli a, completamen-
le vp-itida de preto.
Era Eupbrasia Alberti, tia matorna de
Branca, que permanecera, solteira ape/.ar da
sua muita formosura.
Conlinuar-seha.
T^T^D0 DIARIO. -RUA DUQIJE PB CAXUS

-
>
MUTIlHl 1
ILHWft___
j


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7EJY955O_7ADA1H INGEST_TIME 2014-05-28T16:59:37Z PACKAGE AA00011611_18178
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES