Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18176


This item is only available as the following downloads:


Full Text
rk
V
ANNO L. MJMEKO 98
>
i
i
i

, -
PARA A CAPITAL K LIGABES OlDE WlO SB PACSA PORTE.
Por tres raezes aJiantados................ 69000
Por seis ditos idem..................12*000
Por um anuoidem................. 349000
Cada nuraero avulso................. 9330
SEXTA FEIRA 1 D MAIO DE 1874
PARA DEMTROIB FRA DA PROV1NCIA.
Por tres mezes adiantados................ 69750
Por seis ditos idem........"......... 13$5o0
Por nove ditos idem.................. 909260
Por urn anno idem............. 279000
\
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA ft FiLKOS.
U St*. Geraxdo Antonio Alves d f ilhos, no Par*; Goncalves d Pinto, no Maranhao; Joaquim Jose de Oliveira d Filho, no Cear*; Antonio de Lemus Braga, no Aracatj ; Joio Maria Julio Glares, no Assd; Antonio Marqaes da Siira, no flatal; Jose Justine
Pereira d'Almeida, em Mamanguape j Carlos Auiencio Monteiro da Franca, us Parahyba ; Antonio Jose" Gomes, na Villa da Penha; Be'armino dos Santos BulcAo, em Santo Antio ; Domingos Jose da Costa Braga, em Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar.em Gojanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar das Alagdas; Aires d C, na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no Rio de Janeiro.
PABTE OFFICIAL
Governo da provincia.
EXPEDIENTS DO DIA 29 OK JANEIRO DE 1874.
1.' seccao.
Officios :
Ao Exm brigadeiro commandante das ar-
inaa. Em cumprimento ao aviso do ministerio
da guerra, de 16 do corrente, sirva se V. Exc. de
mandar inspeccionar de saude as pragas do 2
batalhao de infantaria e 3 de artilharia, constantes
da relacio, que a reparticao ao ajudante general
cnviou a V. Exc. com otficio datado de 10 de
dozembro ultimo.
Ao mesmo. Para cumprimento do aviso
do ministerio da guerra, de 17 do corrente, sirva-
se V. Exc. de informar sobre o incluso requeri-
mento e mais papeis, qua me serao devolvidos,
relativos ao tambor do 3* batalliao de infantaria,
Manoel da Silva Camillo, o qual, allegando ter
veriflcado ser praca em 1861 na extincta eorapa-
obia de artifices desta proviucia, pede que pelo
3 batalhao da mesma anna, ondu passou a ser-
vir quando foi tranferido, Ibe seja passada a cer-
tidad de seas assentameutos.
Ao director do arsenal de guerra. Ramet-
to a V. S., para seu conhecimento e devidos effei-
tos, o inclnso exemplar do Dtarto Official, em que
vem publicado o decreto n. 5,520, de 7 da corren-
le, fixando o numero de pega3 d; fardamento que
devem receber em cada anno, os aprendizes arti-
fices dos arsenaes de guerra.
Ao cummandante do presidio de Fernando
de Noronha. Receba V. S. opporlunamente,
cesse presidio, onde vao cumprir as senlengas, a
que foram condemnados, os reos Joao Ignacio
Martins Maia, Manoel da Silva Lima, Manoel Pe-
reira de Figoeiredo e Jose Gongalves de Gouveia,
contorme determina o Exm. ministro da guerra,
em aviso de 15 do corrente.
2.* seccao.
Ados :
0 presidents da provincia resolve declarar
sem effeilo a portaria de 15 de outubro proximo
passado, que nomeia o bacharel Manoel Antonio
da Fonseca Mello para o cargo de promotor pu-
blico da comarca de Villa Bella, visto nao ter elle
tirado o respective titalo.
0 presidente da provincia resolve nomear o
bacharel Jose de Barros France para o cargo de
promotor publico da comarca de Villa Bella,
0 presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr, chefe de policia, em oitl ;io
o. 126, de hontem daiado, resolve nomear o cida-
dao Antonio da Silva Florencio para o cargo de
1 suppleute do delegado do Caruaru.
0 presidente da provincia, a vista do otficio
do Or. chefe de policia, n. 126 de bontem daiado,
resolve exonerar o tenente Francisco Rodrigues
Porto, do cargo de delegado do termo de Caruaru.
0 presidente da provincia resolve nomear o
bacharel Joaquim Theotonio Soares d'Aveilar, ad-
minisrador interino da casa de detencao.
0 presidente da provincia resolve exonerar
(1) cargo interino de adminislrador da casa de
detengao, o bacharel Pedro Gaudiano de Ratis e
Silva.
0 presidente da provincia, attendendo a que
na villa de Jaboatao, creada pel a lei n. 1,093, da
24 de marco de 1873, ja se ach i eleila e funccio-
nando a respecliva camara, e que segundo infor-
ma o juiz de direito da 1* vara civel foram alii
apurados 177 jurados, resolve, de conformidade
com o disposto no artigo 31 da lei n. 261. de 3 de
dezembro de 1841, e 1 do decrelo n. 276 de 24
de marco de 1843, crear no rei'erilo municipio de
Jaboatao foro civel com conselho de jurados, fi-
cando annexo, ate ultima decisao, ao do Recife, a
cuja comarca ainda pertence.
Officios :
Ao commsndante superior da guarda nacio-
nal da Boa Vista. Mande V. S. substituir por
outras, mais morigeradas, as pracas que se acham
destacadas nesse termo. ( Petrolioa.)
Ao commandante do carpo de policia.
Mande Vmc. substituir por outras as pragas do
corpo sob o seu commando, que se acham desta-
cadas em Rezerros, fazendo pnnir, na forma do
regulamenlo, aquellas, que commetterara os actos
de indiscipliua, a que allude o oQkio do delegado
daquelle termo, junto por copia.
Ao mesmo. Pode Vino, engajar, sendo
idoneo, no corpo sob o seu commando, o paisano
FraDcisco Jose de Amorim, de quein trata o seu
offlcio n 41, de 27 do correote.
Ao subde egado do distrieto de Timbaiiba,
Baldoino da Silveira Villa Secca. Recebi o offl-
cio de Vmc, de 23 do correnle, em que reitera a
communicacao, que me fez em data de 10, sobre
a variola que abi grassa intensamente, e remelto-
Ihe 2' via da resposta que dei aquelie offlcio, onde
vera Vmc. as providencias tomadas a semelhante
respeito. Resta dizer-lhe, que em 23 remetti ao
Rvd. vigario dessa freguezia uma carleira homtuo-
patbica o as ccmpetent9s instructs, devendo em
breve ahi chegar o pus vaccinico.
3.' seccio.
Acto:
0 presidente da provincia resolve nomear
cobrador da collectoria de Cim tires o cidadao Bri-
tualdo Bezerra Caralcaute.
Officiot:
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Traoamitto a V. S.. para os fins convenientes o
incluso termo, por copia, do exarae a que se pro-
cedeu na pbarmacia do presidio de Fernando de
Noronba nis niedicameatos que para a mesma
pbarmacia foram remettidos no vapor Giguid.
Ao mesmo. Mande V. S. pagar, a quem
;'! m03lrar aut risado, a impoitancia constante da
folba e prtt juntos do destacamento da villa de
Garanbuns, como solicita o respe^tivo comman-
dante superior em seu offlcio do 12 do corrente,
sob n. 8.
Ao mesmo. Mande V. S. pagar ao enge-
nneiro director datobras publicas geraes, Antonio
Vicente do Nascimento Feitjsa os vencimentos que
Ihe competirem, visto ja ter apresentado o relato-
rio annual das obras a seu carg >.
Ao mesmo. Communico a V. S., para sea
conhecimento e direccao que, segundo coasta de
offlcio do brigadeiro commandante das armas,
datado de 26 do correnle, sob n. 88, a pharmacia
do hospital militar principiou a funccionar nesse
lia, cessanJo portanto, o contracto celebrado com
n pbarmaceutico Joaquim Ignacio Ribeiro para o
! ruecirueato de medicamentos.
Ao mesmo. Teudo ne>ta data junificado
as falias do Dr. juiz substitute da provedoria de
capellas e residues da comarca do Recife, bacha-
rel Joaquim Correia de Oliveira Andrade, a contar
ii 9 :' ''-'f'1 do an:n proximo pa?sad>>. ;,te
29 do cuii eiiti, vi-tn i,t ilt ix 1 i \fivi,-w dosse
cargo, |>i>r ;:itiv. de nwlentii w\\n u onnmu-
nico para >i-ii conliecim-inlo e fins conveniento.''.
Ao nii.'.-iuo.-Communico a V. S. para os pe
vidos tins, que nesli data deferi o requerimento
de Tibarcio dos Santos Portogal, como adminislra
dor de su mulher Marianna athauazia Moreira,
no qual pede licenca para vender uma parte da
casa terrea a rua do Passo da Patria, freguezia de
S. Jose desta cidade, edincida em terreno de ma-
rinba.
Ao mesmo. -Mande V. S pagar ao carpina
Manoel Ramos de Souza, a qumtia de 27*000,
constante da cooia junta um auplicata, iraportan-
eia da collocacao de xxan\ linna na coberta do
quartel do Hospicio, em substituicio de outra one
estava partida, como solicita o engenheiro das
, obra^ militares em offlcio de 26 do corrente, sob
!n. 66.
| Ao inspector da thefouraria provincial. -Man-
de Vmc. pagar ao padre Jo;^ Modesto Pereira de
Britto, ou ao seu procurador, a quantia constante
dos ducumentosjuatos em que importou o aluguel
da ea-a, que serve de cadeia do lermo do Exii.cor-
respondente aos mezes de julho a dezembro do
anno find", como solicita o Dr. chefe de policia em
offlcio de 24 do corrente, sob n. 117.
Ao mesmo. Communico a Vmc, para seu
conhecimento e fins convenientes, que por porta-
ria desta data exonerei do cargo de chefe da 5 *
seccao o bacharel Manoel Barbosa de Araujo e do
de admini bacharel Pedro Gaudiano de Ratis e Silva, nomean-
do para substituir ao l, o bacharel Francisco da
i.unha Castell** Branco, e ao 2 o bacharel Joaquim
Theotonio Soares de Avellar.
Ao memo.Pague Vmc. ao tenente-coronel
Jose de Muraes G imes Ferreira, a quantia de....
7:448i760, constante do certificado junto d) enge-
nheiro chefe das obras publicas, visto ter con-
cluido o 6 lancodi estrada do Cabo, nos termos
do respeelivo contracto.
Ao mesmo. Remetto ^ Vmc, para os fins
convenientes, copia do acto desta data, pelo qual
foi transferido a Teixeira Chaves 5r C, ilrma com-
mercial de que fazem parte o Banco Industrial
Mercantil do Rio de Janeiro, Antonio Augusto Tei-
xeira e Tito Chaves Barcellos, o contracto para col-
locacio de carris de ferro nas ruas d >sla cidade,
destinados ao transporte de bagagens e mercado-
rias, e nao ao mesmo Banco, como declarei em
meu offlcio de 26 do corrente.
4.' seccdo.
Actos:
O presidente da provincia resolve exonerar
do cargo de chefe da 5* secrao da secretaria da
presidency o bacharel Manoel Barbosa de Araujo.
O presidente da provincia resolve nomear o
1" official da secretaria da presidencia, bacharel
Francisco da Cunha Castello Bran o, para exercer
o lugar de chefe da 5* seccao da mesma secreta-
ria, vago pela demisslo do bacharel Manoel Bar-
bosa de Araujo.
Officios :
Ao Exm. presidente da provincia do Rio
Grande do Norte. -Com a inclusa copia da infor-
macio prestada pelo director do arsenal de guer-
ra, respondo ao offlcio que V. Exc. se servio de di-
rigir-me em 17 do corrente, solicitando brevidade
na remessa do fardamento branco, destinado a
companhia de infantaria dessa provincia.
Ao mesmo. Additando o mea offlcio desta
data, cabe-me communicar a V. Exc. que no vapor
da companhia pernambucana, que tern de seguir
para ahi, no dia 31 do corrente, sao remettidos
para essa capital doze caixdes e am volume con-
tendo os artigos de fardamento mencionados na
relacao junta, com destino a companhia de infan-
taria dessa provincia.
Ao commissario vaccinador provincial.Ha-
ja Vmc. de remetter com urgeneia a 9aoretaria
desta presidencia, os tubos de pus vaccinico, de
que tratam di versos officios que Ihe ten ho din
gido, especialmente os que deverao ser forneci-
dos ao subdelegado de Timbaiiba.
Ao juiz de paz mais votalo da freguezia de
Sant Anna da Leopoldina. Reierindo-se o meu
offlcio circular de 25 de agosto ultimo, aos juiza-
dos de paz existentes nessa freguezia e nao aos jul-
gamento3 havidos. como entendeu Vmc. ; recom-
mende-lhe que com toda a brevidade remetta-rae
a relagao exigida na referida circular.
Portaria :
A camira municipal da villa de Jaboatao
Transmilto a camara municipal da villa de Jaboa-
tao copia da portaria desia data, que crea foro
civil e conselho de jurados nesse municipio.
5.' seccao.
Acto :
O presidente da provincia, tendo em vista a
portaria de 26 do corrente, que permitlio ao ma-
jor Bellarmino do Rego Barros, a transmissao do
contracto para collocacao dos carris de ferro nas
ruas desta cidade, destigados ao transporte de car-
gas e bagagens, ao Banco Industrial e Mercantil
do Rio de Janeiro, declara que o mesmo contracto
fica transferido a Teixeira, Chaves & C, firma
commercial de que fazem parte o mencionado
banco, Antonio Augusto Teixeira e Tito Chaes
Barcello ; ficando em pleno vigor as demais con-
dicoesda tin la portaria.
Offlcio :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.Remetto a Vmc, para os fin3 conve
nientes, copia do acto desta data, pelo qual foi
trao-fendn a Texeira, Chaves A; C, firma com-
mercial de que fazem parte o Banco Industrial e
Mercanlii do Rio de Janeiro, Antonio Augusto
Teixeira e Tifo Chaves Barcellos, o contracto para
collocacao de carris de ferro nas rua desta. cidade,
destinados ao transporte de bagagens e mercado-
rias : e nao ao mesmo banco, como declarei em
meu offlcio de 26 do corrente.
Fortaria :
0 Sr. gerente da companhia Pernambucana
mande conduzir para a capital do Rio Grande do
Norte, por conta do ministerio da guerra, no va-
por que tern de seguir pira alii no dia 31 do cor-
rente, 12 caixdes e um volume, contendo farda-
mento destinado a companhia de infantaria da-
quella provincia, os quaes serao remettidos para
bordo pelo director do arsenal de guerra.
EXPEDIENTS DO SECRETAR10.
1.* seccao.
Offlcio :
Ao director do arsenal de guerra.S. Exc.
o Sr. presidente da provincia manda communicar
a V. s,em resposta ao seu offlcio de hontem da-
tado, que Qcam expedidas as convenientes ordens
para serem conduzidos a capital do Rio Grande do
Norte, no vapor que proximamente para alii se-
5air, 12 caixdes e um volume, contendo artigos
e fardamento destinados a companhia de infan-
taria daquella provincia.
i' seccdo.
Officios :
Ao Dr. chefe de policia.0 Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S., que
foram expedidas as convenientes ordens, no senti-
do de que trata o sen offlcio n. 103, de 22 do cor-
rente.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidento da pro-
vincia manda declarar a V. S., para os devidos
fins, qne por portaria de hoje foi exonerado do
cargo de adminislrador interino da casa de deten-
cao, o bacbarel Pedro Gaudiano de Ratis e Silva.
Ao mesmo. -De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, transmitio a V. S. o titalo
junto de nomeacao do cidadao Antonio da Silva
Florencio para o cargo de 1* suppleute do delega-
d i do tsrmo de Carmrd.
Ao iii">..n. 0 Kxui. Sr. presi-leuto da pr>-
viuda tnaudiT declarar a V. S., pnri o* devidos
fln>, que por portaria de hoje foi nomeado para o
cargo de adminislrador interino da casa da de-
tencao o bacbarel Joaquim Theotonio Soares de
Avellar.
- Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. que fleam expedi-
das as convenientes ordens, no sentido de que
trata o seu offlcio n. 124, de 28 do corrente.
- Ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
ideate da provincia, communico a V. S. qae as
thesoararias de fazenda e provincial ettao autori-
sadas a pagar ao tenente Jose Modesto Pereira de
Brito ou ao sea procurador, a quantia de qae tra-
ta V. S. no sea offlcio de 24 do corrente, sob n.
117.
Ao commandante superior de Bora Conse-
lho.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, communico a V. S. que neste data leu-
se ordem a thesouraria de fazenda para pagar a
importancia do pret, a que so refere o offlcio de V.
S. de 12 do corrente, sob u. 8.
. Ao juiz de direito da I' vara.0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda transmittir a V. S.,
copia da portaria deua data, que crea foro civil
n termo de Jaboatao.
Ao juiz de direito de Villa Bella. 0 Exm.
Sr. presidente da provincia manda declarar a V.
S., que por portaria de hoje foi nomeado o bacha-
rel Jos6 de Barros Franco promotor publico dessa
comarca, ficando de neuhura effeito a portaria de
15 de outubro proximo oassado, que nomeou para
esse cargo o bacbarel Manoel Antonio da Fpuceca
Mello.
3.* seccao
Offlcio : {
Ao inspector da thesouraria provincial.De
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
communico a V. S. para os fins convenientes, que
nesta data foi nomeado cobrador da collectoria de
Cimbres o cidadao Britualdo Bezerrra Cavalcante.
espach03 da presidencia, do dia 29 de abril
de 1874.
Antonio Machado Pereira Vianna. Passe por-
taria.
Amada de Barros Cavalcante Lins. Informs o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Antonio Vicente do Nascinento Feiiosa. Defe-
rido com offlcio desta data a thesouraria de fa-
zenda.
Padre Antonio Fraire de Carvalbo. Deferido
com offlcio desta data a thesouraria de fazenda.
Antonio Joa juira Pereira de Oliveira. Preju-
dicado.
Basilio Jose da IIora.Nao ha que deferir.
Candido Augusto Paeheco.- Passe portaria.
Casimiro Lucio Tavares. Deferido com offlcio
desta data ao Sr. commandante do presidio de
Fernando de Noronha.
Cassiano, escravo de Edaardo Carneiro Leao.
0 supplicante dirija-se ao Dr. juiz de orphaos,
que 6 o competente, nos termos da lei, para pro-
videnciar sobre o que requer.
Padre Francisco Alves de Abrante. Deferido
com offlcio desta data a thesouraria provincial.
Francisco Luiz Wanderley. Informs o Sr. di-
rector das obras publicas.
Bacbarel Joao Francisco de Arruda Falcio.
Informe o Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Juaooa Maria do Rosario.Indeferido.
Joio Baptista Rodrigues. Passe portaria.
Maria Emilit Pat.Informe o Sr. provedor da
santa casa de Misericordia.
Maria da Conceicao de Jesus.De-se.
Manoel Vicente da Cunha Junior.^Passe porta-
ria concedendo a exoneracio pedida.
Miguel de Queiroz e Amaral. Seja nomeado
o supplicante para exercer provisoriamente o offl-
cio de primeiro tabelliao e mais annexos.
Teixeira, Cbaves or CEncaminhe se.
Thomaz Jos6 das Neves.Dfi-se.
Vicente Ferreira Nobre Pelinca. Informe o Sr.
Dr. chefe de policia.
Vicente Licinio da Costa Carapello. Seja o sup-
plicante nomeado para exercer provisoriamente o
offlcio de solicitador de ausente3, capellas e resi-
dios.
ll>|mriii-iio 2.' seccao__Secretaria de policia de Pernambuco,
30 de abril de 1874.
N. 561.-Mm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
3ue foram bontem recolhidos a detencao, a or-
em do subdelegado de Santo Amaro das Salinas,
Iz.dro, escravo do padre Lino do Monte Carraello
por suspeitas de andar fugido.
Segundo comraonicou o subdelegado dos Afo
gados, em offlcio desta data, no sitio de Marcolino
Joaquim da Silva, naquelle distrieto, amanheceu
hoje eoforoado o pardo Simao de lal ; verijican-
do-se da vistoria e mais diligencias a que se pro-
cedeu a tal respeito, haver sido a morle o resulla-
do de um suicidio.
Por officios de 21 e 26 deste mez, commuoicou-
me o delegado do Bonito que, na noite do dia 18,
no lugar Boticaba, do distrieto daquella villa, Jos6
Severino assassiuou com um tiro de pistola a
Francisco de Paula Carua, sendo em seguida preso
pelo subdelegado do distrieto do Bom Destino, do
termo de Palmares ; que, na noite de 20 para 21,
em terras do engenho Acucena d: Baixo, daquelle
termo,- Alexandrina de tal assassiuou por raeio de
asphvxiamento a uma sua filha de um anno de
idade, ferio gravemente a outra de dois annos,
enterrando a primeira no tcreiro da casa de 3ua
residencia; apenas soube do facto, dirigio se ao lu-
gar, ecapturou a dclinquente ; fez exhumar o ca-
daver e procedeu a competeoto vistoria e mais
diligencias, das quaes verificara haver Alexandrina
praticado semelhantes attentados em consequencia
de accessos de alienaQ&o mental, de que soiTre ha
tempo.
Em data de 27, communicou-rae o delegado da
Escada,que no dia 14, em terras do engenho Liber-
dade, de propriedade de Mignel Rodrigues Esteves,
um escravo deste, de norae Silvestre, ferio grave-
mente com uma foice a um seu parceiro de nome
Venancio, e tendo se evadido para as mains do
engenho Pantorra, do lermo do Cabo, alii suicidou-
se por raeio de estrangolamento ; que sobre se-
melhantes factos procedeuse as competentes via-
torias e mais diligencias recemmendadas por lei.
Deus guarde a V. Exc. -Illra. e Exm. Sr. com-
mendador Henrique Pereira de Lucena. digno pre-
sidente da provincia 0 chefe de policia, Anto-
nio Francisco Correia de Araujo.
DIARI0DEPERNA.MBUC1)
RECIFE, i.' DE MAIO DE 1874.
Notictasi do sul do imperia.
Hoatem, pelo manha, chegou o vapor americaao
Ontario, trazendo datas: do Rio da Prata 19, do
Rio Grande do Sul e do Parana 18, de Santa Catha-
rina 20, do Rio de Janeiro 25 e da Bahia 28 de
abril.
Eis o que colhemos de jornaes e cartas:
republica do chile.
Nolitias da capital dizem que foi alii bem re-
cabido a principe de Saboya.
REPUBLICS DO PARAGUAY.
Barreiro renunciou o cargo de ministro dos no-
focios estrangeiros e foi substilullo por Eugenio
rlarte.
0 consul argejotiim, Dr. Gallegos, a q'im tfm
cassado d exequatur, per.nanocia em Asiiunpcno
como medico das tropas ar^entiuas.
Dizia-se que o Sr. Joao B. Gill e apresentado ciu
didato a presidencia da republica.
BIO DA PBATA.
Ainda nao poderaos dizer com certeza a quem
coube a victoria nas eleicoes de 12 do corrente;
os jornass, as cartas e os telegrammas, serviado-
se dos mesmos elemenlos, proclamam vencedor
Mitre ou Avellaneda, conforme pertence a este ou
aquelie pirtido quem eovia as noticias. Assim a
Tribuna, de Baenos-Ayres, diz positivamente que
o Dr. Avellaneda sera o future presidente da re-
publica, por isso qae triumpharam seat amigos
em Cordova, Entre-Rios, Cornentes, Santa Fe, Men-
doza, Tucuman, Salts, Jujuy, Santiago e Catamar-
ca, ao passo que a lista de eleitores mitristas so le-
vou vantagem em Buenos-Ayres, S. Juan e talvez
em Rioja e S. Luiz.
Ao mesmo tempo, pordm, um telagramma publi-
cado pelo Telegrapho Maritimo de 16 do corrente,
assegura que a canlidatura Mure triumphou por
122 votjs, em S. Juan, S. Luiz, S. Tliiago, Rioja,
Buenos-Ayres e Catamarca.
Postoque seja di.'Hcil descriminar a verJade pe-
rante tao positivas asser^oes, parece-nos que nao
podem in ti.'iv.t inteiro erelito as noticias da Tri
bum. Sustentou este periodico ate a ultima hora
que Avellaneda vencera em Bueues-Ayres, e agora,
como vi nos, ja indue esta provincia no numero das
favoraveis ao general Mitre. Contempla em seu
calculo Jujuy, que se acha em completo eslado de
anarchia e on.e, por isto, e natural que nao se fi-
zesse eleicao, e rinalraente conclue dando a victo-
ria a Avellaneda apenas por 4 votos.
Tudo nos leva, pois. a acreditar que a candida-
tura do general Mitre foi preferida pelo povo ar-
gentino.
Ja corria e:n Buenos Ayres boalos de novas fal-
sificacSes de registros. Reproduzin Jo esses boatos
o periodico La Pampa em um artigo energico. cha-
ma para este assumpto a attencao do presidente
Sarmienlo, sobre quem. diz, cahira inteira a res-
ponsabilidade de taes falsificacdes.
Se effectuar-se a falsilicacao, diz La Pampa,
desta vez o Sr. Sarmienlo, apezar das suas baione-
tas, nao sea capaz de center a reacQio que ba de
raaoifestar-so em Baenos-Ayres contra os seas
dous protegidos.
_ Se se falsifkar esta eleicao, so para a revolu-
cao poderemos appellar.
Com que elementos conta o Sr. Sarmienlo,
zombando ironicamente ao ver desfilarem os seus
soldados ?
t Conta lo heraos por alto, porque 6 esta uma
questao que deve ser expendida com calma ao Sr.
Sarmienlo, para que se convenca qae os governos
de repress*!) de fon;a sao bons para a Rioja ou Ju-
juy, mas que nao podem susteutar-se em Buenos-
Ayres, sob pena de se produzirem os factos que ja
se estao dando.
< A consciencia de que o Sr. Sarmienlo quer
legar sua persoaalidade ao novo governo, euc-rus-
taudo-a com as baionetas do exercito de linha ?
Pois bem ; vamos delinear Ihe o quadro dos factos
que se hao de dar, se prosoguir em talsificar a von-
lade do povo, apoiando-se em tropas de linha. 0
poro levanlar-se-ha, nao sabemos contra quem,
mas levantar-se-ha pelo menos contra a falsilica-
cao.
t Em Buenos-Ayres pode-se armar 5,000 ho-
mens em menos de duas horas. Em dous ou tres
dias 3,000 paisanos da companhia do sul poJem-se
apresentar as portas de Baenos-Ayres.
a Nao sao calcnlos lisongeiros os que fazemos,
26,000 cidadaos inscriptos, que vao fazer-se matar
nas pragas para defender seus votos, podem facil-
mente dar 10 on 12,000 homens armados, decidi-
dos a vir pugnar pela soberania de Buenos-Ayres
ultrajada, destruida por falsjficaQao e por interme-
dio das for^as nacionars.
< 0 que oppora o Sr. Sarmienlo a tudo isso,
para tornar pratico o seu governo de repressao e
de fores, que tantos prodigies tem feito, conforme
assegurou em seu ultimo discurso? Mil homens
de linha, os canhdes Krapp e as metralhadoras
que aqui tern ? Os homens de accao unido^ a essa
for;a de linha ? Os policiaes ? 0 balalhao da
guarda provincial ?
Como se ve, annuncia-se francamente o rompi-
mento da guerra civil : cumpre, porem, levar em
conta a facilidade com que os nos303 visinbos ini-
provisam.
0 pouco caso com que o periodico citado faila
da forca de policia, parece justificado, porque re-
produziam-se diariaraente os roubos e assassina-
tos, escapando quasi sempre os autores destes cri-
mes a accao da Jastfea.
A provincia de Jujuy, como dissemos, achava-se
anarchisada : um grupo do revoltosos dep"Z vio-
lentamente o governaior Bustamante e metteu-o
em uma prisao ; o presidente da legislatura, te-
mendo igual sotte, retirou-se para a provincia de
Salta e dalli solicitou a intervengao do governo na-
cioaal, afim de restabelecer a ordem e a autonda-
de legal; o presidente Sarmienlo, porem, orde-
nando que fosse posto em liberdade o governador
Bustamante, nao julgou opporluna a sua interven-
cao, e pedio esclarecimentos.
Durante o primeiro triraestre do corrente anno,
entraram en Buenoe-Ayres 18,001 immigranles,
sahiram 3,010, ficando, portanto, na republica...
14.991.
Fora apresentado na camara do3 deputados um
projeeto autorisando o governo a levanlar no exte-
rior um emprestimo de 4,600.000 pesos fortes a
juro de 6 0|0.
Aonunciava se para o mez de julho a inaugura-
cao da estrada de ferro de Chascomiis a Dolores ;
ia iniciar se a construccao da de Tucuman, e o
governo recebia proposlas para a que deve diri-
gir-se a S. Juan.
O senado e a camara de representantes em
Montevideo deviara reunir-se no dia 19, para dis-
cutirem o projeeto de lei sobre a liberdade de
emissao.
Do Standard, de Buenos-Ayres, transcrevemos
os seguintes trechos da fal la do presidente Jovel-
lanos, por occasiSo da abertura do congresso em
Assumpcao :
< Concluimos, felizmente, tratados de paz, com-
mercio, navegaclo e extradicao com o Estado
Oriental, por intermedio do respectivo ministro ple-
nipotenciario, acreditalo especialmente para este
fim em Assurapcio; estes tratados esperam a vos-
sa sanc-ci. i.
c 0 honrado ministro argentino, general Mitre,
foi encarregado por sea governo de celebrar tra-
tados semelhantes; iniciaram-se as negotiates da
maneira a mais lisongeira; mas pouco depois, in-
terromperam-se; 6 de esperar, eotretanto, que re-
c.mecem e fiquem as duas republicas em situacao
amigavel e fraternal.
a Nossas relacoes com o Brasil continuam a ser
as mais cordiaes possivel Uma passageira diver-
gencia, rclativamenle a questao de limites, foi re-
solvida satisfactoriamente, e a deraarcagao das
fronteiras vai sendo feita com tanta rapidcz que fi-
cara concluida neste anno.
c As elevadas qualidadei do Sr. conselbeiro Gon-
dim, plenipolenciario brasileiro, e do Sr. Dr. Sien-
ra Carranza, ministro do Uruguay, merecem uma
favoravel mengao da nossa parte
a As recentes perlurbagoes da ordem publica
foram, como sabeis, dominadas, gra?as a attitude
dos chefes das forcas alliadas; e agora podomos
ter a esperanci de qae rnpidamente ae consolila-
ra a ordem de cousat-estabelecidas.
Relativamenle a questao chilena public-am as
folhas de Montevideo o seguinte:
< 0 governador de Punta AreHas ehegou n) dia
2^3 mar; > ao rio Santa Cruz, a bordo do vapor
OcUicio; m.ui.i iii desein'oircir im destacamento
de tropas chiienas a trezentos metres daeapittnia
argentina, construida em dezembro ultimo. Na
capitania achava-se um efflcial de nome Bricht e
am marinheiro.
sua missao era tomar posse daquella regiao em no-
me do governo cnilano, mas que tinba ordem de
eviUr conflictos.
a Maada em seguida construir uma casa de ma-
deira, para nella se accommodarem o destacamen-
to e ilgumas familias procedenles da penitenciana
de Panta Arenas.
< 0 official Bricht tomou passagem a bordo do
vapor cbileno para Pont* Arenas, de onde devia
seguir para Bueno3-Ayres.
Em Montevideo coutiauava a crise commercial,
e nenhuma medida ainda se adoptara para remo-
ver suas causas ou attuauai--lh.es os effeitos
0 Banco Navia soffrera no dia 13 uma corrida ;
mas, sendo pago promptamente todos o- bilhetcs
que Ihe foram apresenlados, em breve se restabe-
leceu a confianQa.
Os av9ntureiros Bergar e Palmer tinham inva-
dido o territorio da republica, a frente de 80 a 100
homens, mas erain perseguidos por forcas orieu-
taes em numero superior; no resurao das noticias
do Rio Grande, que damos em seguida, vai des-
envolvidaraente narrado este facto.
Chegara a Montevideo no dia 16 o encouragado
brasileiro Mariz e Barros.
0 Sigh public.m o seguinte telegramma de Bue-
nos-Ayres, em 16 do corrente, as o 1(2 horas da
tarde :
<( As noticias recebidas das provincias desvane-
ceram todas as esperancas dos mitristas.
a 0 club Alcina-Avellaneda fara um manifesto
ao povo dando por terminada a luta presideiuial e
proelamando Avellaneda presideate da republica.
c A casa do club esta toda embandeirada, e ahi
far se-ha esta noite uma grande mauifesta^to.
a 0 ministro da guerra retirou-se hoje doenle
de 3ua reparticao.
Fez aqui grande irapressio o facio de ter pas
sado era freute de Corrientes, aguas abaixo, um va-
por, ao qual fizeram fogo quando avistaram. Sup-
poe-se ser brasileiro.
Eis as noticias commerciaes di ultima data :
a Montevideo, 17 de abril.0 carabio sobre Lon-
dres esta a 51 1|2 e 51 5|8 ; sobre Franca a frs.
4.45, e 5.46 sobre o Rio de Janeiro a 94430 por
libra eaterlina.
Houve movimento regular no raercado de ex-
porta^ao De generos do Brasil venderam-se pe-
quenos lotes de assucar da Rahia de li 10 c. a
2 j 35 c. e divorsas partidas de mate de 24 10 c. a
24 60 c. despachado.
BIO-GRANDE DO SUL.
Fori inaugurada no dia 14. as 10 horas da ma-
nha, a estrada de ferro da capital a S. Leopoldo,
vencendo-se em 1 1[2 hora a distancia entre as
duas cidades.
Inaugurara-se tambem a 13 a estajao telegra-
phica do Alegrete, transmittindo-se alguns tele-
grammas para Porto-Alegre.
Le se no Diario de Pelotas :
a Podemos afflrmar que se acham excavados na
barra 1,676 metres, incluindo nesses 450 a 500 de
area consistent^, difficullosissima de exeavar, co-
mo i n u i to a ;or tad a mente preveniram os officiaes de
marinha, que por ordem da presidencia examina-
rara os respectivos trabalhos em julho do anno
passado.
cluidoa que sejam os trabalhos a que agora se pre-
cede, torna-se depois muito mais facil o Goal de
todos elles.
Era Sant'Anna do Livraraento a variola ang-
mentava de inteasidade, havendo nos snburbios
grande nuraero de alacados. A villa achava-se
quasi deserta. Eram repetidos os actos de phi-
lantropia e cai idade em favor dos infelizes que
delles careciam.
A loja Estrella do Sul, de Bage, deliberara fun-
dar, como a Fraternidade, uma casa de caridade,
para cujo fim ja se havia feito as precisas reu-
nifies.
A 5 inaugurara-se alii a enfermaria de carida-
de, com toda a solemnidade.
Um correspondente de Deutsche Zeitung com-
municara-lhe que tres das freiras ailemas que em
S. Leopoldo dirigem um instituto de educa^ao de
meninas, vao ser transferid.s para Santa Cruz,
afim de abrirem alii outro'estabelecimenlo do mes-
mo genero.
Refere o Rio-Grandcnse, sob a epigraphe Minas
de Lavras.
a Acham-se nesta capital diversos individuos
vindos de minas de ouro em Lavras, quo dao sin-
gulares noticias sobre o que ahi occorre.
Todo o pessoal que havia foi de^pedido, com
unica excepcao de 23 homens, que tiveram ordem
de Gear, procurando, porem, trabalho nas imme-
diacies, porque ate este momento ainda nao se
achoa ouro, e pelo que parece nao ba scquer es-
pcranga do acha-lo, sen5o em terreno de alluviao e
em sigoificante quautidade.
Nao podemos garantir isto ; mas o quee certo
c que os trabilnos pararam e que foi dcspelida a
raaior parte do pessoal que veio de Europa. >
Sao estas as noticias da fronted i oriental, se-
gundo refere o Commercial da cidade do Rio-
Grande :
Confirma-se a noticia de ter Palmer iovadido
no dia 4o Estado Oriental com cento e tantos ho-
mens de iufanteria e cavallana, entrando pelo lu-
gar denominado Francisquito.
t Palmer marcha com direccao ao Rio-Negro,
naturalraente no iotuito de incorporar-se a Nico
Coronel. 0 Sr Bresque, chefe politico, com o co-
ronel Angelo Muotz, seguio em perseguicao dos
revoltosos, acompanhados de uma forei de3C0
homens.
A estas noticias deveraos accrescentar as se-
guintes informacoes.
Esteve hontem no escriptorio desta reaccao
Joao Valentino Rubira, que tendo no dia 5 do cor-
rente, de passar do Estado Oriental para este lado,
pela picada de Joao Alonco, foi ahi sorprendido
por uma forca de Palmer, que neste lugar estava
acampada, e "cuja genteo obrigou a seguir reanido
a mesma for^a ate" o Cenluriao, tendo-se-lhe dado
armamento, etc. No segundo dia pela raeia noite,
Rubira, sob pretexto de que o eu cavallo se acha-
va cansado, foi deixando-se Gear atraz, e aprcvei-
tando-se dessa feliz opportunidade, pode fugir,
passando-se para este lado, acompanbado de um
allemao, que tambem vinha desertado da mesma
forca.
< O mesmo Rubira, informoa-nos qae a forca
de Palmer, compunba-se de cento e tantos homens
de infanteria e cavallana, que vinbam armados e
municiados, trazendo essa gente nos chapeos di-
visa preta, com a seguinte inscripcao em lettras
amarellas : convencion nacio.val, assim como nas
bandeirolas das lancas.
a Referio tambem que Palmer obriga a todos
que encontra a servir, declarando que vai derro-
car o governo oriental. Mauduca Cypriano, esteve
em conferencia. com Palmer na mesma occasiao
em que o nosso communicante achou-se detido no
acampamento revolutionary.
Nas for;as de Palmer, existem escravos, e
pelos sigaae* dados, parecem ser os que fugii am
de uma xarqueada de Santa Isabel. A marcha
de Palmer para o Rio-Negro e pela linha divisoria
da fronleira.
< Foi-nos dirigida hontem, (11) por pessoa djg-
na de intefro credito a seguinte communicacao,
constante de uma earla escripta de Taquary ( Es-
tado Oriental) em data de 9 do correnle :
E' esperado no Cerro-Largo, Man luca Cy
priano, qae dizem estar em Francitquito, deste
lado, corn sua r.muiao de montoueiros.
Ficava no Cerro, como commandante, Felix
Teixeira, com uma partida, mas ante hontem, tinha
sahido da villa, por causa da vmda do Man-
duca.
A gelo Muniz e Bresque, fizeram suas reu-
nides, e seguirain a raarchas acceleradas, com o
intuito de bater Manduca Cypriano, que se achava
em Vrancisiuito, mas Muniz, pela ma nova tactica
de. guerra, dizem ter tornado a direcgio do Rincao
do Kamirez, afim de explorar as mattas; systerna
de guerra desta paiz, fugir nm do outro
As forces de Muniz, eompanham.se de 170 a
180 homens, que desertavam nas marchas. Aqui
estiveram acampadas as forcas de Muniz, ante-
hontem, e arranjaram se de cavallos empreslados,
e creio que nao carnearam como pensavam.
a Constava a ultima hora, que as avancadas de
Manduca com as das forcas do governo, tinham-se
chocado na linha de Assegua, segundo participa-
cao do commissario Domingos Maltos.
< A .ratio de saber que Muniz, agarrou a forca
de Palmer, de sorpreza e Ihe matou seis homeps.
Palmer, escapou-se com a cavalhada de sua gente
e os deixou a pe. Esta noticia foi dada por uma
pessoa que veio de Assegua, onde teve lugar o
combate.
Falleceram : era Pelotas. o respeilavel anciao
Mancio Jose Meirelles, D. Beroardina de Souza
Nett.o, o fazendeiro Joao Manoel de Carvalho, a
esposa do Sr. Bernardino Carvalho de Oliveira eo
alleres JoAo de Deus de Oliveira, Glho do fazen-
deiro Jose Raphael de Oliveira ; no Rio-GranJe, o
subdito porluguez Custodio Alves da Silva, que
fora pa trio dos osealeres da alfandega, e na en-
fermaria da cadeia da capital Joao Ferreira Bica,
que fora preso a 30 de novembro de 1868, e es-
tava cumprindo a pena de 7 annos de prisao,
PARANA
Encerraram-se no dia 15 os trabalhos da
asserablea provincial.
Inaugurara-se a 5, a illaminacao publica da ca-
pital.
0 Iris Pqranaense suspendera a sua publica-
cao em fins do mez passado.
0 provedor de saude do porto de Paranagua
resolvera declarar em quarenlena as embarcacoes
procedentes do Rio de Janeiro.
Falleceram: em Paranagua, a bordo do vapor
CMeron, o passageiro Felicio Fernandes, subdito
italiano, e na capital o tenente reformado do exer-
cito Francisco Xavier de Assis.
BIO DE JANEIRO.
Por portaria de 18 de abril foi conceditlo
um mez de licenca ao engenheiro Antonio Plaeido
Peixoto do Amarante, chefe de seccao da commis-
sao encarregada de estudos para o prolongamento
da estrada de ferro de S. Paulo.
Por portaria de 23 foi nomeado o engenhei-
ro Emilio Carlos Jourdan, para o lugar de aja-
dante da commissao de trabalhos da estrada de D.
Francisca, em Santa Catnarina.
0 decrete n. 5,595 de 18 de abril, autorisa o
credito supplementar de 1,088:3404842 para as
despezas do ministerio da marinha, na rubriea
Forga Naval,do exercicio de 1873 a 1874.
Por decretos de 18 de abril foram promo-
vidos na arma de artilheria os seguintes officiaes :
Para coroneis:
0 coronel graduado Jose Angelo Moraes Rego,
por anliguidade.
0 tenente coronel Floriano Peixoto, por mere-
ciraento.
Para majores:
0 major graduado Francisco Antonio de Moura,
por anliguidade.
0 capitio Augusto Faasto de Souza, para o es-
tado-maior, por merecimento.
Foi transferido para o corpo de estado-maior
de artilheria o tenente coronel commandante do
3' batalhao da mesma arma, Joao Evangelista
Nery di Fonceca.
Passou a aggregado, por exeeder do quadro, de
conformidade com o art. 9* do piano que baixoa
com o decreto n. 5,596, tambem de 18 do corrente,
o tenente-coronel do corpo de estado-maior de ar-
tilheria, Ayres Antonio de Moraes Ancora.
Foram nomeados para os lugares de comman-
dante e fiscal dos differentes corpos da arma de
artilheria, de conformidade eom o piano de orga-
nisaQao, approvado pelo decreto a. 5,596 acima
cilado, os offlci.es seguintes :
1." regimento.Commandante, coronel Manoel
Deodoro da Fonceca.
Fiscal, major Francisco Villela de Castro Ta-
vares.
2." regimento. Commandante, coronel -Seve-
riano Martins da Fonceca.
Fiscal, major Francisco Antonio de Monra.
3." regimento.Commandante, coronel Floriano
Peixoto.
Fiscal, major Joaquim Antonio Ferreira da
Cunha.
1.* batalhao. Commandante, tenente-coronel
Carlos Antonio Pereira de Macedo.
Fiscal, major Manoel Jose Pereira Junior.
2.* batalhao. Commandante, coronel Mancel de
Almeida Gama Lobo d'Eca.
Fiscal, major Antonio Jose da Costa.
3." batalhao Commandante, tenente-coronel
Joaquim da Costa Rego Monteiro.
Fiscal, major Joaquim Jose Pereira.
4. batalhao.Commandante, coronel Jose An-
gelo de Moraes Rego.
Fiscal, major Felicio Paes Ribeiro.
Por titulo de 21 de abril foram nomeados
agrimensores :
Clemente Rath, Carlos Moreira do Abreu e Theo-
dore Kleine.
Pelo ministerio da jastica, foi remettido, em
21 de abril, ao presidente do tribunal do coramer-
cio da corte, para informar com seu parecer, o of-
Gcio do presidente de Pernambuco sobre davidas
suscitadas pelo juiz de direito da vara commer-
cial do Recife, a respeito do prolesto de uma le-
tra recolhida por sua ordem ao deposito publico.
Lemos no Jornal do Commerciu :
c Cahio hontem (24) as 6 boras da manba, so-
bre a Tijuca, uma tormenta tao violenta e devas-
tadora, como talvez nunca se tivesse visto nesta
capital. Os estragos causados por essa eoxurra-
da, ou antos manga d'ogua, como querera alguns,
san consideraveis, quer nas estraaas, quer nas
obras dos encanamenlos d'agua, e quer nas cha-
caras e casas de toda a circumvizinhanca. Seria
longo narrar os destrocos que se encontram por
toda a parte, e que rnasi transformaram esse
ameno arrabalde em um monlao de ruinas. Ar-
vores gigantescas derribadas, os nos com pie ta-
mente cheios e carregando comsigo tudo quanto
encontravam em sua passagem, jardins e pomares
destruidos, rnuralhas e ponies arrebatadas pela
correnteza, casas inundadas ou desmoronadas,
emtim am verdadeiro cataclysma.
a 0 espaco comprehendido desde a rua de D.
Alfonso, no Audaraby-Pequeno, ate a estacao ter-
minal dos bonds, tornoa-se imraenso rio, subiado
a agua a dous palmos acima do terrene, levando
depois o escoamento deltas todo o aterro que exis-
na naquella rua. Ahi houve grande invasao ds
peixe, tendo nos visto am alum de mais de um
metro de comprimento, pescado dentro de uma
casa da rua de D. Alfonso, distante 175 bracas
da margem do rjo.
Na estrada nova da Tijuca foram destruidas
varias ponies, ficando completamente impedido o
transito, tanto para carros como para animaes,
principalnente acima da caa do Sr. Paridant.
a Na estrada velha a agua deacia a jorros, le-
vando adiante de si troncos de arvores, pedras
immensas, moveis, etc Ahi tambem flcou iuter-
rompido o transito em diversos Jugares,
s Os encanamenlos de agua e de gaz foram ar-
rancados de sous lugares, seudo grande porcao do
canos earresados pela correnteza.
c Os agudes e caixas d'agua da meia encosta da
serra ficaram obstruidos de pedras, barro, troncos
e tudo quanto encontrou em sua vertigiuosa ear-
reira a grande massa de agua qne se preci-
pitou per todo o valle do Andarahy, cuja estrada
e ruas adjacentes estao intransitaveis.
< 0 Sr. major Freitas, engenheiro do 3" distrie-
to, com a actividade e zelo que o distingueoi, ex-


L
(_jaBT\


%
-ail
^_
_.
a lit.
-L
25*
de Pemambuco SkiStta fcira 1 de Haio de 1874.
mmu
u/fi
yoadiate' so* Sadie, pwiin* oste^mtftas h^feniRrcM, e MB *e* (m1?'fyi,*M" ras com agua ata a cmture, erprogiWli*J baltiadores nifMah'-'.ruccae dosaeutiw, restabe- lUseoga obiida.
-1- 4 fcoras da1 iitarem .rare
lecento, a mi
municKjao e#W ifcts das eocnnamentos geraes.
nao podeado^mMrO mesmo, quanto .10 tesceiro,
porque esta tad>, djjstruido, eui-consequeaeia G
queda do urn paredle que susteBtava 0 alerroda
estrada.
Os extraordiaairio*estrte^'caiuad)s em riffle-
rentes chacaras sao iwidos, em grande par-te, ao
trasbordamento do rlo de S. loao-
o E' da maior coftveuienaia qpe seja aignaao en
earregado da limpeza de*te no, oquowfajam
as obras indispeattiveis para coate le no sen
leito.
o A pontfl do Amortm, no Andarafcy, foi tain-
loem levada pela conreiite.
i'ara cumula de'-tadas essas desgTacas temos
a lamenlar a paroa d'e-algumas vidas, D. Emilia
Castro Meaczes, do 13 anno* da i lade, filha do Sr.
desembargador Maaoel Elisiario de Castro Menezes,
foi arrastada pelas guas, desde sua rasa, quanto
proaurava salvar-se em companhia de seus pais ;
ncajlayer da_ infejiz rpenina f>>i encoutrado em
Ireiita a estagSodos 6an esarava do Dr.^Bezerra da Menezes, e am menino
cujo come ignortinos. "Par ora-sio estas as mor
ics, *jue 110s coustam, haveado probabllidadus
de qu.-, livessem morri lo outras possoas. 0 Sr.
desembargador Castro Menezes e sua seobora es-
lao gravemente feridos, e achara-se hospedados no
hotel d j commercii).
Sentimos dizer quo quaalo amisera menma
caMo e comeeou.aser arrastada pela enxurrada,
estassm quasi Cefronte Castro Menezes alguos homens que nao ousaram
:i(f n:i'.ar a agua para salvar uma vida aiuda em
U.r.
>' Correu hoolem na cidade 0 boat) de que to-
ri dostraida a oatxa d'agaa silua la na estrada
velaa. Vimos, porero, uma carta do Sr. Dr. Mo-
raes Jardim quediz 0 Mgainte':
Acabo de chegar da Tijuea, para onde segni
Jogo que live noticia dos acouiecimentos que alii
sederam ; felizmonte, nan e exaeto que as nossas
caixas d'agua tenham sido destruidas ; por sua
soli.la constrac'.ao podaram resistir a cnorme mas-
sett leito ; llr.aram, sim, obstruidas e isso foi cau-
sa de que 0 abasiecimento d'agua fieasse inter-
nKopiilo por algumaa horas. Os acndes e caixas
etlio agora coitpletamenle limpos e funccionando
r^guIarmcn!o.
a As esiradas sofferam muito, e creio nao ser
agerado a-valiando a dcspeza que so tera A$ fazer
para 0 seu concerto cm mais do 60:0O0i. Pare-
. 1 iaerivel que uma chuva, quo apenas durou
2 1/2 horas, produzisse os effcitos qua observei.
Tudo me faz aceitar como causa do phenomeoo.o
ter-so parlido uma tromba, apezar de nao ter ob-
tido a este respeito informaries bem precisas.
HefrtTinlo-so a dolorosa perda da filha do dns-
embargador Caslro.Menczes, awre^ceuta acarti
c.tada :
a 0 pobre pai esa louco da dor ea infeliz mai
parade pivsa do delirio.
t Dma cirta de am amigo, moradar na Tijaca,
e cscripta do manha, diz-nos 0 srguinte :
Ne:n bonds, nem carro* podem tran-itar ; os
trill>)s esiao cobertos de areia e do pedras ; us
estrxgos sad imoieusos, arsmlos exc.ava;5js na
c-t.aia uovj, muros eahidos, pilastras do gas e
1 :.-.i'i;;.n..'iito arrancadas e qoebrados.
a A estrada nao pormitto 0 transit), as excava-
voes Icvjram a mawr parte das sargoias e fizo-
raw iiurac.is dequatro acinco palmos de pro
f-uid:d id*. Nio se poJcm calcular os prejoizos,
mas pt-rsuadomn quo nem 2.I0:(KK)J ohegarao
pan os quo se deram dcsde 0 comeco da estrada
u >va ate ii alto da Boa-Vi-ta.
fta commucica^ao dirigida pelo alferes com-
maud ante do dcstaeamento da Tijuci ao Sr. com-
mandants do corpo p dicial extratiHiies 0 seguinie :
trrandis p-'dias rolavani arrastada* pela corrente;
d'fseHibargador Castro Meneze< a agua, entrand)
I -i 1' fnnioj, subio ate a altora da eiaco palmos.
h^! 1 lu.iar, em qualro haras, Mroouse complela-
reento ditL-rente do que era. 0 Sr. desembarga-
d >r Cairo Menezes <^ sua nmilier foram salvos
coai grau le diffkuidad-t pelos emprggaJas da co-
cnoira do Sr. tenente I'lacido. As aguas foram
laaias, que, abrindo grandes baraus, amiacavam
ri-^er desar.ar estaesia;io.
?2 Nao podemos adiantar oulro? pjrmenores,
porquc 0 es'ado em que se acha a Tijuca nao nos
j 'rmiui0 colher maiores informa^e*.
j Hoe bairros de S. Clcmente e Jardim cahio
tambem copiosa chuva, que alagou quasi todas as
chaearas e inundvu al/umas bimb.
A alfandega rendeu de I a 2i deabril.....
2,7o:i:87oS297.
El9 as notbias commerciae? da ultima data :
Nao b iuvc hoje cotajOes oflliiaes.
0 mercado de cambio, m istrou se pou:o as-
tiv 10 ex'.remimente frouxo.
a Os bincos retiraram a taxa de 25 3/i d. sobre
Loadrcs e so aeeJtaram olfjrtas de som.nas insig-
aificantea a 23 3'8 d.
Nada se kt em soberanos.
a As apolices geWwM de 6 por cento continua-
ram a apresentar lirmeza ao preQO de l:0i03 a
uinheiro. Negj.-iju-se urn lote insiguilicante de
a,idi-es proyin^iaes a ratio de l:0I0ia dinheiro.
s No :u 'rcado de ac$9aV aponas nos constou a
wula de d 111s totes das da eompanhla da? minas
d '.:ro e c ijn! do snl do Braail a SOS cada uma
a dinhew.
c Nada se fez hoje em cafe.
imiiA.
a lii Ujiii-o saguiram para a corta os senadores
e 4eputado8 a assembloa geral : Saraiva, Cotegi
p, Perreira Franco. Innocencio G623, pai c lilho,
Henrique Jorge e Mekteiro.
0 cambio sobre Londre
A alfandega rendea de 1
533:446^329,
ssrgi-!:.
Tinli pedidd dijpen-a do cargo do chefe de
I :ia inU'riaa 0 Dr. Alexandre Pinto Lobao, foi
ptla pre-i l:'p.:ia daprovineia dosignado para exer-
cerc-s'cargo o Ur. Casemiro de Senna Mado
reira.
!.e:;i is no jornal da capital :
No dia 19 le abril falleccu in prormsia de
Ser^ipe 0 corouel Domingos Dias CjcIIio e Hello,
ljarao ae Il.tporanga. Contando novj ita e ddfl*
asaos, deixa 0 linado um nome venerando e uma
mcirmria honrosa na historia dj paiz.
Era um benomerito cidadao, de urn eoraclo
1. .nfazcjo e chcio de virtudes, do que deu pro-
vas atnda nos ultimas momimtos de sua existen-
ca. determinando que 0 seu ;adaver fosse oondu-
zilo pjr seis amigos, c sem mais pompa alguma,
e jue assistisee somente 0 vigario de sua fregue
ria aos ultimos soccorros sagrados prestados a sua
.. ib 1, e qua a quantia que tivesse do ser despendi-
a 11m estabelecimfnto de caridade ou di.-tribuida
com as donzellas desvalidas.
a 0 seu calaver foi sepultado no d!a 12 as 3 ho-
ras da tarde, na capella de uma das suas fazen-
das denominaia Cottegio, onde repousam os
restosMBartaerdai sous ant-passados, depots do
Cto da encommendacao, que dira feito na m^iriz
da villa de Itaporanga, lugar de sua residencia e
duasleguas dislante daqucHa capdla.
A seu enterro concorreu um immenso E:ame-
rod>; p"ssj}3gradas de todos os porit)s da provia
cia, onde pode chegar a noticia de sua morte.
Pai de uma prole distincta, chefedeuma das
mais illustres la nilias dtqvelta prjvincia, o coro-
iii-i D -iiiiiig-s Wn deixa dignos socee*sores para
fazerem n'-'peitar a sua vcneranda memoria.
0 harto de Itaporanga era u;n dos mais abas-
tados fazendeiro3 daqaetla praviacia. Oceupou
' I -i os cargo*, provinciaes de eleicao popular.
tou njtaveis servicos ao sett paiz como
dio e como militar. Era fl lalgo cavalheir) d"s >-t-
a imperial e condecorado com 0 offliialata da
. com 0 habito da mesma or Jem e com a de
Caristo.
regulava 2'i i|8 d.
a 27 do abril....
:.i
airarao.
ASSEMBLEA PROVINCIAL
E-viarB elft ciiraiu-n. naunteipal di>
Cinabros.
CAflTULO I.
Da edilcaqao.
t. l. Niuguem podera editioir, reedificar ou
I r nas villas ou povuaprs do muniripio sum
Piv;a licen;a da c^mara, dando 0 liseal a eordca-
cio re-j-.e^tiva : Os infractores ineorrerao na multa
d#.: :. -1 ma reis ena. dernoli ao da obra a sua
custa. se cstiver fora do aliuham* nto.
Art. 2' Em t.idas as casas do morada oa nago
cio sera* feitas caleadas aas freates, estis serao
ciadas toib* os aonoi, eaiuiillaj concertadas,
sempre quo Ji-{) cara^am, daatr) do prazo marca-
do pelo fiscal : sob peaa do cnco rail r6is de
mnl'
Art. 3." Todo aquelle que obtivor licenca para
TO a ou beco sera>rciMca(kh> t-caiadx
Art. 5.. Ninguem pedera ifejer uxcava.s, bu^.
racos e oatulh^mepbis, nas ru^s sem licepcada
camara, sob peua dd ciac* mil r6is do multa, e
ser desfeito qual/jer testos trabilhss a sua
custa.
xpm;u> 11.
ftf ipmtcia municipal.
Art 6." Niugnem peiera abrir loj ou estabele-
cimento de qimquer aaturexa dentro dcslo muni-
cipio sem licette* da camara, sob peua de dez mil
reis de multa.
Art. 7. Nile se psdera conscrvar estabelecimonto
algum aberto depot's das 9 horas da noite, sob peua
de cinco mil re"ts de multa.
Art. 9* Xingaem pidera veaier bebida3 alcoo-
licas a escravos sem bilhetes de seus senhores, sob
pena de cinco mil rejy de mufta.
Art 9." Todos os commerciintes, quer vendam
era suas casas, quer nas feipas, aferirio annual-
meate seus pesos e medidas p'-lo padrAo da eaini-
ra, sib pena de cinco mil r6s de multa.
Art. 10. Todo e qualquer qua tiver em seu esta-
belecimento pesos 0 meJidiis falsificidas, ou que
nao forera do systema metrico decimal, ineorrerao
na multa de dez mil reis.
Art 44. Os mascates e boceteiras incorrarao na
inesraa do art. 10.
Art 12. As afericoos serai feitas de Janeiro a
niarco e revi-tas era agisto e sotimbro.
Art. 13. E' prohibido aos donos de bolandeiras
amontoar oi caro^os de algodao em lugar que nao
djsle i|uinhentos metros das povjac3M,rfu n'aquel-
les fogare) cujas aguas correrao para as fontes
potaveis, sob pena de dez mil reis de multa.
Art. li. Os animaes que cowduzirem. generos as
feiras, logo que focem doscarregados serao retira-
dos para lugares cm quo nao embaraeom 0 Jran-
sito pulilico, sob pena de dous mil reis de multa.
Art. 13. E' prohibido 0 atravessamsnto ou com-
yr.i do gonoros, que vcem as feiras, por atacados,
seja irara retira lisourevende los na mesma feira,
poJ-;ndo, porem, fazer L-to depots do trcs horas da
tarde, sob pena de dous mil reis de multa ou tres
dias de cadeia ao comprador e vendedor.
Art. 16. Os mascates e boceteiras nao podorio
vender sens generos sem licenca annual da camara,
sob pena de dez mil r6ts de multa.
Art. 17. Fica prohibido 0 briaqueio de entrudo
por qualquer modo que seja nas ruas da villa e
povoacoes do municipio, sob pena de cinco mil reis
de multa on tres dias de cadeia.
Art. 18. Fica prohibido deatro das villas c po-
voa;3es do municipio dar-se tiros com arnn de
fogo e roqUeiras, sob pena de qualro mil reis de
multa e dous dias de cideia.
Art. 19. E' prohibido ter-se cles suites dentro
das villas 0 pivoacoes do municipio, sob pena de
dous mil reis do multa, e serera moitos os
sies.
Art. 20. Nioguom podera vender polvnra de bar-
ril e fogjs do artiflcio snjoitos a cxplosao, ou fa-
lirica-los dentro das villas e pivoacSes do muni-
cipio, sob peua de vinte mil reis do multa, podendi
porem e-:abelejer-se um djpo.-iio fora, a nao me
n is dc quatropentos metros das villas e povoa
COJS.
Art. 21. 0 taverneiro ou* qualquer pcssoi que
permittir cm sua casa ajunlamentos nicturnos con
alaridos c vozerias, perturb in lo 0 socego public),
soffrera a mnlta de dez mil reis e qualro dias do
cadeia.
Art. 2*. Nao se poderi tapar, mudar ou impedir
uma estra la geral, ou caminho particular, c mes-
mo v.-redas ja transitait<, sem previa luenca da
camara, aiaJa in !s:ii) para abrir outras, ombora
por lugares mais commodos, 0 em caso algura se
toTem part fontci ou agnahv, sob pena do d?z
mil reis do multa 0 de restabelocer 0 caminho an-
tigo a sua cu-ta.
Art S3. Ate 0 fim do m:z de julln do cada
anno tera j os proprietarios rocadi as estradis que
passarem c;n sua- terras na iargura do trinta pal-
111 is as geraes, e d; qiinze as menos trausitadas,
sob pena de cine 1 mil nils de mulia por cada m,;z
que deixarcin d:; ser :o;adas.
Art. 2i. Os liscaes da camara no mez de agosto
veriikara) quaes os proprietarios quo deixaram de
cumprir 0 disposto no artigo anterior, e laes im-
pora a respectiva multa.
Art 23. Nao 3e podera prifenr nas ruas, pr.v
cas e lugares puMicos palavra obcenas, ou fazer
gestos que offendam a moralidade, publica, sob
pena de oito dias de cadeia.
Art. 2G. Ningucm podera ter agougue senio
aonle nao bouver da camara, e Drecedendo licen
ca de-ta, sob pena do dez mil reis de multa.
Art. 27. Nioguam podera conscrvar nas ruas e
pracas das villis e povoacoes tto municipio ani-
111 aes, ou qualquer objecto que prive 0 transit)
publi;o, sob pena dequatro mil reis de multa
Art. 28. Ninguem podera lanjar nos actides e
iguanas publicas animaes mortos, lixo, fazer cur-
tumes, deitar tiaguis ou qualquer consa que pas-
ta corromper as aguas, sob pena da dez mil reis
de mulla e cinco dias de cadeia.
Art. 29. E' prohibido ter nos estabelecimentos,
feiras e ar^ougues pe;os de pao ou da pedra, em-
bora com 0 peso legal, sib pena de cinco mil reis
de multa e inuiilisacao do peso.
Art. 30. Ningucm polera matar ou osquartejar
rezes nas villas e povoacoes do municipio, senio
nos lugares designados pela camara, sob pena de
dous mil reis de multa por cada rez.
Art. 31. Ninguem podera matar rezes denies
ou can;adas, ou esfolar e esquarte^ar para consu-
mo as que apparccerem mortas, sob pena de dez
mil teis de multa e dei dias de cadeia.
Art. 32. 0 fiscal, logo qae p r qualquer pessoa
Ihe for exlgido 0 repeso da carne ou generos vca-
didos no mercado ou cstabelecimentos do munici-
pio, 0 fara e achando diirerenga, multara 0 infrac-
lor em ci ico mil reis e obrigarl a complotar 0
pe.-o.
Art. 33. Fica abolido nos acougues das villas e
povoacoes do municipio 0 uso do macltado, e es-
tabelecido 0 serrate : os infractores suffreriio a
multa le quatro mil rdis.
Art 3i K prohibido pesc.ir nos ayudes e ria
chos de servidao pqblica, exceptuaudo-se a pesca
foita a anzol, sob pena do cinco mil reis de multa
e cinco dias de cadeia.
Art. 33. E' prohibido cacar era terrenes alfteios
sem licenca de seus donos, sob pena de oito dias
de prisao.
Art. 36. E' prohibido 0 us) do fogo a que cha-
matn busca-po nas villas e povoacoes do munici-
pio, salvo com licenca e em lugar designado pula
autoridade policial, so!) pena do trcs dias de prisao.
Art. 37. 0 escravo que for encontrado nas ruas
das villas e povoacSes do municipio, depois de dez
boras da noite, tem bilhete de seu senhor, sera re-
colnido a cadeia, soffrera doze palmatoadas e ser-
Ihe-ha raspada a cabeea ou pagara dons rail reis
de multa.
Art 38. Os moradores das villas c povoacoes do
municipio sao obrigalos a enservarem limpas a
enxada as frentes de suas casas ate 0 mei) da rua,
sob pena da dous mil reis de multa
Art. 39. Fica prohibido 0 uso de faca de ponta,
bacamarte, Dtstola, punhal, facio, sovellas, com-
passos 0 canivetes de mdla dentro do municipio,
salvo aqucllas pessoas que por forca do seu em-
prego ou afficio as devam usar no exeraicio de
suas funccdes.
Art. iO. Nuiguera podera estabelecer curtumes
e salgadeiras dentro das villas e povoa;o;:s do mu-
nicipio, senao na di.-taneia (!e qua'.rocentos me-
tros, sob pena de cinco mil reis do multa.
Art. 41. Niogppm podera cortar midoira3 em
terrenos publicos ou particulares sem licenca dos
donos ou administradores, sob pena do d3z dias de
prisao.
Art. 42. Todo aiuelle que vender generos de
qaalquer oatnreza falsifieados ou corr imoidos, sof-
frera cinco dias de prisao e dez mil reis demnita
aieio da perda do genero.
Art. 43. Ffca prohibida a veada de aguardonle
nas feiras do municipio tin purcao raenor da qua-
tro Irtrofl : os infractores soffierao dous dias de
prisao.
Art. 44. To-Ja easaque vender aguardonle a re
lallic liea &u/eita ao iniposto de dez mil r6is an-
nuaes.
Art. 45 Todo aquelle que vender aguirdente a
individuo ja embriagado, stiffreca dous dias de ca-
deia e dou3 nl reis de multa.
CAPITl'LO III.
Da criatno e planlacuo.
Art. 16.0^ terrenosdeste municipio sioem garal
desliaados a criacao : exceptuando-sc a serra do
Uruba am toda a sua exMnla), a ferra do Acaby,
a coraecar na fazenda do Sacco au- a serra>da Ma-
nicoba e passando por Mandacaru', Alagoa, tla-
cimba da Dentro e da lianisoba em diante por
Pedra Armada, Sttio, Pedra d'Agua, Uananeira3
e Alagoa ,- a serra do Uroj: olio e a doSapa!
Art. 47. No? terreni.s aci.-na meaeionados s6*se
podera ter gado vaeoum- e cavallar eta cercados
que offeregam toda seguranga. %
Art. 48. Os donos do animaes nestos lagares sao
respousaveis pelas deitruicOes qrie soffrwu 03 plan-
ladores e ineorrerao na multa de cineo mil rejj
pir call aniMJd que f*r approheulidj tu la-
vouras
Art .'reason travcs-i"u< qan tt>ti'iam
por R 11 em^aiar a passag-i.n il k atwmaesHn, pri-
a*, newo teitai |>or nfiem <* into-
raise n*. pUatm^jijs 0 dem sec vapates in 0.0-
pelir a pa^ag^aijilt criigSo.
Art SO. Na > Se podera maltratar com tiros, pan-
cada*, caes, ou d"e qualquer raede os animaes que
fjrem ewJontraJus uas piaalMties : os itfractores
alem d.i ro Ires dias do cadeia.
Art. SI. Qaam oncoatrar animaese:a suas plan-
ta^das toniaado duas oil mais terfemuahas, os con-
duzira pat a 0 cunal da camara e eir.rega-hs-ha
ao fiscal.
Art. SI. Os terrenos na> especiRcados no art.
46 servirao para a criagao do gad), e os que nel-
les fizerora plantag5)s, os derettderao com cercas
feitas por tal modo que impecam a entrada do
gade.
Art S3. V estes plantadores nao aproveitaa
disposicao do art 6, salvo provando que 0 gado foi
de proposit0 posto em suas lavoura3.
Art Si. Niuguem podera tirar couros de ani-
maes que forera encontrados mortos senao com li-
cenca de seus logitimos dinos, excepto 0 seu va-
queiro, sob pena de dez mil reis de multa e ciii-,j
dias dc cadeia.
Art. S5. Tolo aquelle quo derrubar anjicos ou
manig)bas, nos terrenos de criacao e nao onter-
rar ou queimar as folhas immeiiatameute, alem
da responsabilidade em que incorrer pelo dam 11
causa lo, lica sujeito a multa de cinco mil reis e
cinco dias de cadeia.
Art. 56. Nao se podera pir fogo nos terrenos
alhaios sem licenca deseus dono-, nem tnesmo nos
proprios sem as devidas cant:llas, para evilar pre-
juizo de terceiros : os in'raclores pagarao dez mil
rs. de multa alem da responsabihdaaYgpelo damno.
Art. 37. Os criadores alem do ferro de seu uso
particular, ferrarao os animaes do lado C3querdo
com as lettras iniciacs da freguezia a que perten
ce : a camara designara essas lettras.
Art. 5S. Os animaes que forem encontrados,
nao sendo conhecidos os seus dmos, mas tendd a
marc 1 da freguezia, nlo poderSo ser arrematados
como bens do evento ou auscnle, sem que sejam
afflxalos editaes avisando a apprehensao durante
nove ita dia*.
Art. 39. E' prohibido criar pcrcossoltos dentro
das villas e povoagdes do municipio, sob pena de
quatro mil reis do multa, salvo se forem abando-
nados, porquo neste caso serao vendidos era pre-
gao na porta da camara, e 0 seu prodacto reco-
Ihido ao cofre da mesma para suas despezas.
Art 00 A disposicao do artigo antecend<-. e ex-
tensiva aos porcos que forem encontrad is nas foa
tes, cacimbas e aguadas que tem serventia pu-
blic.
CAPITULO IV.
Do cemiterio.
Art. 61.0 cemiterio publico esta sob a adminis-
tragao da camara.
Art 62. Os enterros serao feitos das seis horas
da manna as seis da tardo.
Art. 63. Nenhum calaver sera recebido no ce-
miterio sem a guia do procurador da camara.
Art 61. So podera ter lugar a abertura das ca-
tacumbas, dous ainos depois de fechadas, sendo
adult), 0 am anno parvulo ; salvo por ordem da
autori lade, sob pena de cinco; dias de prisao ao
infractor.
Art. 65. Nao se abrira sepultura em lugares oc-
cupalos por outros cadaveres sena 1 depois de dez-
oito inczes, mas sendo de epidemia so depois de trcs
aunos, sob pena de daz dias de cadeia ao in-
fractor.
Ar. 66. Marrendo alguma pessoa de repente, 0
dono da casa onde se dor a morte, communicant
logo a atttoridade policial mais proxima, afioi de
que esta provideneie como for de direito, sob pe-
ua de cin^b dias de prisao.
Art. 67. De cada corpo que for dado a -sepultu-
re no chio do cemiterio, recebera 0 procurator
mil reis, salvo sendo tao p br que nao 0 possa
fazer, e 03 que forem sepultados em catacumbas
da camara, vinte e c nco mil reis, sendo adutto e
doze mil reis,sendo parvulo; send), pir6m, as ca-
tacumbas feitas a custa dos parentes do morto, re
cebera cinco mil nils por cada corpo que nellas
se der a sepulture, senlo de adulto, e tres mil
reis, sendo de parvulo.
Art G8. 0 procurador da camara tera um li-
vro aberto, numorado e rubricado pelo presidente
da camara, para ii;llo se fazer c laoca nento do
obituario.
Art. 63. 0 encarregalo do cemiterio tera cinco
por cento d) reuJimento do niesino.
Art. 70. O re i li ujut 1 do cemiterio 6 destlnado
a Conservacao e melhoramanto do masmo, sendo
sua receita e dcspeza escripturada em livro es-
pecial.
Di.sposiciies (Ucersns.
Art. 71. Os fiscaes terao dous por cento das
multas qua impozerem e qua forem rec-bidas.
Art 72. Tolas as infra rcoes destas posturas se-
rao p.vadas por duas lestcmunhas que assigna -
fao 0 termo lavrado pab fiscal, 0 partes quando
as nooveretn : sendo remettidas ao procurador da
camara.
Art. 73. 0 gado- qua d'ora em diante for solto
ueste municipio, para refazer, fica sujeito ao im-
posto da quatro centos reis por cabeea, excepto
sendo do pasto.
Art. 71. Os animaes cabrum, ovellram e suiao,
que forem encontrados sem dono conhecilos, serio
apprehendidos, preeeJenlo edilacs por oito dias, e
0 producto liquido rccolhido aos cofres da ca-
mara.
Art. 73. Pur cada machina de descarocar alg>
dao, pagara 0 proprietario mil reis, e a que for
movida por animaes, sando fora das villas ou po-
voacoes, dous mil reis, e senio dentro, quatro mil
rii;3 annualmenle.
Art. 76. A camara fornecera aos_mercada3 me-
didas aferidas para a arrccadagao da taxa de
cento evinte reis por carga de farinha ou legumes.
Art. 77. Todo aquelle que, obrigado a pagar al-
guma taxa sobre objectos nio especificaios nes-
tas pos.uras, nao o fazendo, pagara 0 du.lo da
taxa deviia.
Art 78. 0 imposto da afericao sera pago pela
seguinte tarifa : por cada terno de medidas, r.tti
cinco litros mil reis, embora nao completes, e
pela de maior capacidade duzentos rets por cada
uma. Por cada balanga, incluindo os pesos ate
dous kilogrammas. mil e quinhentos reis, e du-
zentos reis pbr cada peso que exceder. Por cada
metro quatro centos reis, ludo annualmente.
Art. 79. Todo aquelle que abrir casa de nego-
cio, seja qual for sua natureza, em qualquer parte
do municipio, pagara por licenca para isto seis
mil reis, e na coutinuacao quatro mil nils annu-
almenle.
Art. 80. A licenca para vender poivora era da-
posi'.o?, ou casa de ttegocio fora das villas e ;oo-
voagpes, sera concedida mediante 0 imposto" de
trinta mil reis anuuaes.
Art. 81. Os estabeleciraentos de casa de bilhar
ou de outro qualquer divertimento de que se au-
fira lucro, ficam sujeit03 ao imposto do seis mil
riiis para ser aberto 0 de quatro mil reis annuaes.
Art. 82. Ninguem podera vender ou permutar
iforamento feito a camara, sem i]ue raostre estar
quites cora a mesma, em todo caso sera respon-
savel pelos foros devidos aquelle que tiver a
posse ao tempo e 11 que for cobrado, assim como
0 imposto do laudemio pela transmissao da posse.
Art. 83. Ningucm podera ser foreiro a camara,
sem dar liador idoneo.
Art. 81. A Camara cobrara, alem dos impostos
ja uspectlicabs, os seguintes :
l. Da cada engeahoca, se cobrara ires mil
reis.
2." Da cada mascate, sets mil reis.
3.' De cada boceteira, tres mil reis.
i.' Da licenca para edlficagao de predios,
dous mii reis.
g 3." Por carga de aguarJcntc, quinhsatos reis.
6." Por cada carga de bacalhao, carne de xar-
quo e assucar, trezajito- e vinte niis.
8 7.' Por cada repeso, cein reis.
3 8.* Dizimo do gado ov.-lbum e cabrum.
g 9." Por cada cabaga de gado ya:cum, qui-
nhentos rois, duzentos' reis por suino, ovelhutn e
cabrum que se curtar nos agoucues ou particula-
res, podeudo os talhadores utiJisar-se do cutral
da camara.
Art 83. E' prohibido a venda de facas de pon-
ta, e punhaes, nas feirxs do municipio, sob pena
de cinco mil rdis de raultt 0 cinco d*as da cadeia.
Art. 86. Ficam revogadas as dispoiicSes emcon-
trario.
Pago da camara municipal de Cimbres, em ss-
sio ordinacia de 10 da Janeiro da I87i.
0 president^ da eamara, Salyro Ferreiia Lette.
Thomas Aloe* do Riqo M.icicL- Leonardo Be-
znrr.i Siijtuira Candm. maaoel Vicente Fir-
reira Canulo.
atppflBfrtAaaacia d4 ses** antacflletle < Sr.l the**:
-.ari.daconud-i s^uiute.MfftHUM : 1*4*>. sar.a'-m* ryiU^,
I -w* do sorifl:io
RBVISTA -MARIA.
Amsemblea pis>vinof.L Hootam a as
cionou com 27 Srs". deputadiis, 1* a
0 Sr. Dr. Aguiar. '
emblc
presidencia do
di g-we&o dtpro-,
Um i"-;randi qwaEsni. SKwpi-Jcnw da"
^K a uma bora da tarde V#va2 Imneoi,
imain-r.....' -p -li -I quo teratffciapreseutasal-.
gtms actos legislalivosa sanccao.Archive-se; e 0
outro remelteiidj uma represeatacao da camara
municipal desta cidade, pedrndo quvta para ser
aberto 0 cxnal enire a bomba da estrada de Joao
do llanos e apouto d 1 Baduro.--A's commissoos
de orgamaato municipal e saii io publics.
Foram lidos'e approvalo-. doas pareceres :
Um la commissaido in?true.'.ao publica, opinaa-
do para que aajam a loptados os projectos ns. 34 e
43 do ?.nuo passado, 13 de 1872, 8'J do 1871 e68
de 1S5S; e oilro das commissioas de obras publi-
cas e ore.araento provincial inJeforindo a petijao
dos c i.r.raUnles da estrada de ferro de Palmares
a llebedouro: e consiJerado objecto do delibera-
eio 0 uiandal 1 impri nir um prujecto assignado
polo Sr. Dr. Maaoel do llego, marcaado liraites as
frog 1 v.ia* do Afogados e Jaboataa.
0 Sr. Portella, obtendo a palavra pela ordem,
discorreu sobre as informagoes qua padio acerca
do cofltrato celobradt> pela presideucia da Paraby
ba com Marcolino de Soaza Travasso.
Sendo 1 hora da tarde, o Sr. presidente pedio
ltcenga ao orador para iuterrompe-lo e coividou a
commissao uuinoa Ja para lovar as rosulugoes da
assembloa a sancgao, a desempenhar 0 seu man-
date.
Pr. seguinJo a Sr. Portella 0 estando concluida
a li oa do expedieuie, 0 Sr. presidente fa-lo senlir
aooradpr, qua requereu e obteve urgoucia para
coutinuar no sail discurso.
0 Sr. Vteira do Mello, obtendo a palavra pela
ordem, declarou quo a commissao de que ere or-
gio, havia curaprido sou dever e que 0 Exm. pre-
sidenta da provincia dissera que havla de tomar
os actos da assembloa na davida considera-
gao.
0 Sr. 1 secretario leu um offlcio do sccretario
do governo da provincia, coramunipanda 0 acto
pelo qual S. Exc. 0 Sr- presidente. resolvera proro-
gar os trabalbos da assemblfia ate 0 dia 13 do cor-
rente.
0 Sr. Portella, a vista de votagao da assemblea,
proseguio no seu disaurso, que concluio as 2 horas
da tarde.
Passaudo a ordem do dia, foi approvado em 1"
discussao, depois dc oraieni os Srs. Olympio Mar-
quer, Dario Cavalcante e Mello Kego, 0 projecto n.
43 desta anno, autorisando raoditiaagoas no contra-
to do matadouro publico.
E submettido a 3' discussao 0 projecto n.4 tam-
bem des to anno, que supprimo o o'.Baio do 2 ta-
belliao do notas do termo de Cabrobo, oraram.os
Srs Oliveira Andrade, GondimeOlympio Marques,
depois do quo foi levantada a sesjao, por falta' do
numero para delibcrar.
A" ordem do dia para hoje 6 : I* parte conti-
nua;,ao da antecedeet c 3' discussao d) projecto
n. 29 desta anuo; e 2' parte, 2* discussao do or
gamento; provincial.
Collcetoria provincial. Por portaria
da prestdencia da provincia, de 28 do mez findo,
foi uomead) o alferes Iztdoro Cavalcante da Albu-
querque para 0 lugar dedbrador da collectoria
provincial do municipio do Brejo.
Instruccitu i.ulHca. Por portar.ia da
prosiuoncia da provincia de 28 do mez ultimo, foi
noraevla Urania Nympha da Silva, para reger iute-
rinamenta a cadeira do saxo forajpinjo da freguezia
da Mur'meca.
Auinriiiailes policinei*.-Por porlarins
da presidoncia da provincia, do 28 do mez ultimo,
foram exonerados: do cargo de 1* supphnte do
subdelegado do distriato do Idebedouro, do termo de
CaruarU, Feb'ciano Zaaobio de Torres GallindO. de
igual cargo do tc district) do termo de Itambii,
lose' Henrique de Mendonca; e nomeados Claudino
Juso de Araujo e Manoel* Tiiomaz de Azevedo e
Silva, este para preencher a vaga deixada pejo
primeiro, a media para 0 mesmo lim com relacao
ao segundo.
Solicilatlor il -niit-!la>. -Por porta
ria da pres'ide'ncia da provincia, dc 23 do mez ul-
timo, viaento Liciaro da Costa Campello foi no-
meado para cxercer. privisorianoente 0 lugar de
solicitador do ausentes, capellas e residuos desta
cidade.
Oftlcios le JUMtica.Por portaria da pre-
sideucia da provincia, de 28 do mez Undo, foram
prnvi*oriamente norneados Miguel Francisco de
Queiroz Amaral e Raymundo Florentino dos San
tos, este para 1* labelliao do publico, judicial e no-
tas, eserivao do civel, orphaus, ausentes, capellas
e residuos do termo do Triumpho ; aquelle para 0
mesmo lugar do termo de Iagazeira.
Terms t Agoas-BcElas.Por portirias
da presideucia da provincia, de 29 do corrant, fo-
ram nomeados provisoriamonta para exercerem os
ollicios: do 1' tabelliio do publico, judicial c no
las, 9 escrivSo de nrphaos e mais aonexos, Jose
Faustina Matioho Falcao ; e de 2" tabclliao do pu-
bheoj judicial e notis, 0 eserivao das exeaugiies ci-
reis e mais annexos, Lourenco Pinteiro da Costa;
ambus no termo da Aguas-B^llas.
i.H-y do E*ccife.-Comparecentes 38 juizes
de fai:o, deixou, culretauto, de haver julgamente,
por dt..r-se imptdiraento do 2 promoter adjunto,
qua (evia funcaionar, attenla a circumstancia de
ser e le aparentado com 0 Exm. desembargador
presiiento do tribunal. Officiou-sa a respeito ao
t prtoiolor publico, ctija resposta motivou a no-
meagSo do bacharel Migue. Bernardo de Amorim,
como promoter ai hoc. Sendo adiantada a hora,
ficou para hoje 0 julgamente que davia effactuar-
se en ao, e 0 qual e 0 de Marcolino, escravo, ou
Joao de Oliveira e Silva, proaessado por crime de
roubo.
uiforcatlo.-Amanheceu honlem euforca-
do, no silio de Marcolino Jose da Silva, n dis-
tricto do Afogados, um homem parlo, de nome
Simao de tal; das investigag5es empregadas a
respeito, veriftcou-se terse dado alii um sui-
cidio.
Assassinalo.Na noite de 18 do mez fin-
do, Jo?e Severino matou com um tiro de pistolla a
Francisco de Paula Corua, no lugar Boticaba, da
villa 'do Bonite. Fi pre.-o na oceanic 0 delin-
quentp pelo subdelegado do districto de Bom Des-
tin >, do termo de Palmares.
Artoa dc loucnra.-En terras do cnge-
nho Agucena do Baixo, do termo de Bonito, na
noite do 20 para 21 do mez ultimo, Alexandria
de tal'matou oor asphyxiatnento a uma sua filha
de um anno de idade, e ferio gravemonte a oulra,
de duus annos.
Constando 0 occorrido a autoridade local, esta
cumprio 0 seu dever, do que resultou ser encon-
trado 0 cadaver da primeira crianca sepultada
proxiipa a casa de Alexandria, e verificar-so quo
tics atientados foram filbos dos acces-ns de alie-
nacao mental, de que ha muito padece a des-
gracada mai.
Fcrlmento grave.-Era terras do enge-
nho liberdade, propried:-de de Miguel Rodrigues
E>tev33, no districto da Eseada, um escravo da-
quelb, do nome Silvestre, ferio gravemente, com
um gjolpe de foice, no dia 14 do mez findo, a um
seuTparceiro de nome Venancio.
Cot seguindo evadir se, ganliou as matUs do
cngeqho Pantorra, do termo do Cabo, e ahi ma-
tou- si por estrangu'amento.
Echo l cemos 0 3." numero desse periodico instruelivo.
SiiU.^tituii-ao do notas Por tilogram-
ma dd Exm. Sr.* ministro da fazenda, em data de
hontetn, ao Sr, inspector da thesouraria desta pro-
vincia. foi declare to oue 0 prazo marcado para 0
recolhimeoto 0 stibstiloigao por igual valor, das
netas de>2j e 50J, da quarta estampa, fui proro-
jrado .-.to'31 de dczembro do corrente anno.
Ou*cii*o doNul.-Este vapor da couipa
nhia Brnsileira, estava annuueiado na corte pare
sahir hoja para 0 norte doimperia, tooando no
porto da Victoria, da provincia do Espirit 1 Santo.
Santa Casa deMigerirot-ilia do Re-
cifeNo corrente mez de maio servirao de mor-
domos nos diversos estabelccimentos a cargo de*ta
corporagao os mesmoog senKores que serviram no
mez de abril.
.Ilex Hiiiiauno.-Priucipia boje nas igrcjas
de S. Pedro, do -Carmo, S. Franeisco, Penha,
Graga, Kadte de Deus, Gloria e Paraizo, nesta
cidadif, e Carmo, S. Pedro, Seminano, S. Fran-
cisco e Sonta llierezi em Olinda, 0 exercicio da
salutar devogio do Mez da Maria.
Declaracao* Nao fui de vigario encom*
mendado, e sun do addido (creinha) a matrix de
Afogaios, a nomeagao &u ronovagao leita pelo
governo do bispado, por provisiio d; 23 do mez
la abril, a favr do Stbasliao Tayaros do Oliveira,
quo nio e.ssccrdtte.
CJiti#re!is. I^Hemno.- Itentera (30),
reuai'i-so esta. sociedade sob a presidsucia da Sr.
Pacheoo.
i 1 a palavra ao Se. Sihra, Marques, para
discutir a ilieto para.quo foisorteado : T-in j ts-
titicagf.o 1 moitaudaia occasionala pela intole-
raneia religiosa? temara parte na.di*cu:sao os
Srs. B>sa a Silva e MorairA Alves.
E:n segnida procedeudo-ir. ao gorteio, foi sor
nma
MMuttlaW
869 893*222
1,192:440*541
18:910*439
20:209 jioiO
77:5095870
74:936 si 15
127:677i038
114:7325036
noMeada pplo podor exe,cutiyo ou upia ma?islrai
t'ir* el-ctiv.
iu:r n cMlUdo. II >ja, i\i 11 horas do
dia. bavura sessao-de*ta sociedade, 110 lugar do
costume.
Pagaiioria de fazenda. Nesta estagao
pagam-seboja as seguintes folhas:
Presideucia, facuidade da direito, relagl), prats
e folhas dos oVciaes e thesouraria.
niiiiieiro.-<) vapor Onlario trouxa para :'
Wilson Rom A C. 60:00di000
A. lose llodrigues de Souza 20:0o0a000
Polycarpo Joed Layme 9:000J000
Augusto F. de Oliveira & C 6.000000
Manoel Scares Pinheiro 4:000*000
' 0 vipor Ceard levou de nossa praga para :
Maeeio 134:0005000
Bio de Janeiro 191:503*150
sendo desta parcella 185:0G0i pare 0 thesouro
nacional.
0 vapor Cururipe levou para a Parahvba
12:000*.
KcndimcntoH.No mez de abril arreca-
darara as seguintes e3tagoes :
Alfandega
Em igual mei de 1873
Capalazia
Em igual mez de 1873
Recebedoria de rcudas inlernas
aeraes
Em igual mez do 1873
Consulado provincial
Em igual moz do 1873
Jlisfori [iiiiria. Recebemos e agradece-
mos 0 2 volume das ttemorpu para a histmiado
ectincta estado J1 ilaranhao, collagidas e annola-
das pelo Exm. Sr. senador Caudido Mendes de
Almeida, que em I860 publicou 0 primeiro vo-
lume contendo a Wstoria da companltia de Je-
sus, no estado do Maranbao, pelo padre Jose de
Monies.
Traz este I' volume uma erudita introducgao
do illusirado maranlicnse ; a relacao summaria
das cousas do Maranhao, pelo capitao Simao Esta
cio da Silyeira ; duaumeutos concerncntes a Bent<>
Maciel Parcnte, d>matario da capiiania do cabo
do Norte; Jornada do Maranhao, por Diogo Cam-
pos Moreno ; primeira exploracio dos rios Madeira
e Guapore em 174'.', por Jose Gonaalves da Fouce-
ca; doscobrimeut-) doTio Amazanas, pelo padre
Acuna ; occupagao hollandeza no Marauhao; ex-
cerptos da obra Vida do aposlAtc) padre A nlo-
nio Vieiru, por Andre de Barros; relacao da rais-
sao da Sarra de Ibiapaba, pelo padre A. Vieira ;
re agio annual dos padres da coinpaqhia de Jesus,
polo padre Femiio Guerreiro ; e aiuda outros do-
cumentos e inemorias.
Qaem podo avaliar a importancia desta longa
enumoracao de bras, umas degconhecidas e outras
rarissimas, compreiiende 0 scrvigo immenso que
ao. paiz, e espccialmente ao Maranhao, I'iauhy,
Para e Ceara (que antigamente forraaram a capi-
iania do Maranhao), acaba de prestar csse dis*
tiacio e illutrado senador.
ncoatuatibilidades.-0 miuisterio da
justiga, em 17 de abril, dirigio a presidenaia do
Fiauhy 0 seguinte aviso:
Him. e Exm. Sr.Em 31 de Janeiro do 1372
o juiz de direito da comarca de Oairas, ne viucia, representou ao goveruo imperial contra 0
factu de serem exercidos os cargos do juiz muni-
cipal suppleute e dclegado da policia do termo da
mesma comarca, por um tio da mulliar daquclle
magisirado. Oavida sobre 0 assumpto a secgao
da justigado conselho de esudo, houvo por bem
S. M. 0 liuperado; mandar declarar a V. Exc. que
alom do ser incompalivci 0 cargo de suppleute de
juiz municipal com 0 do delegado de policia (lei n.
2,033 de 2) do selembro de 1871, art. l*Tg 4),
nao podem cxercer esses cargos no districto da ju-
risdi'oao dq um juiz de direito, os sous pare ites
con-anguiiieos ou sliius dentro dos graos iadicados
naOrd. liv. 1, lit 79, 43; porquanta, 0 supplen-
te do juiz municipal e 0 delegado de policia, a vista
dos arts. 8* e 10 da citaja lei, cooperam no pre-
paro dos pneessos criraipacs, de que conuece 0
juiz de direi 0 em virlude (Ib recurso ex-oflicio ou
appellagao, e a rei'erida ordenaga.0 e applicavel
aos julgadores, sogundo a doulriaa do aviso n.i
266 do 13 de dezembro de 1833, expedi formidade com a imperial resolugao de. 7 do dilo
mez e anno sobre cousalta da secgao da jus-
tice do conselho do estado. Deus guardo a V.
Exc -Manoel Anlonio Duarle de Azevedo.
Recurso de habeas-corpua. Na
mesma data 0 referido ministerio expedio 0 se-
guinu Avisj .ao president* da provinaia. do Espi-
rito Santo :
a [lira. 0 Exoi. Sr.0 antecessor de V. Exc,
transmittiudo por copia, com ooQJcio n. 8 de 22
da fevereifO do anno passado, 0 do capitao do
porto dessa provincia, e oque em resposta Ibe di-
rigio acerca de uma ordem; de habeas curpus do
ji.iz de direito da comarca da capital para ser
aprosentada 0 raenar Galdino, remettido pela pre-
sideucia com destino a corapanhia de aprendizes
marinheiros, e bem assim a ordem de sultura do
mesmo menor expadida por aquelle juiz, cousultou
se cabia no ca-o 0 recurso de habeas-c rpus. S.
M. 0 Imperador, a quoin foram presentes os refa-
ridos papeis, visto 0 parecer da secc-ao da justiga
do conselho de estado, houve por bem decidir que
0 recurs.o de habeas-corpiv, com a extensao que Ihe
deu a lei da reforms jtidiciaria, aproveita aos in-
dividuos obrigados a se aUsYarem uas companhias
de aprendizes marinheiros, porque para esio fim,
e contra as disposicoes dos regulamcntos de taes
companhias, que devem ser compostas de memo-
res volunlarios ou contratados a premio, c orphaos
desvalidos enviados pelas autoridades competanles,
pode alguem soffrer violencia que importe cons-
trangimeuto illegal em sua liberdade. Daus
guardo a V. Exc.-Manoel Antonio Duaite de
A zcredo.
ecisao eleiloral.0 ministerio do im-
perio expedio os seguintes avisos, 0 primeiro em
13 e 0 segundo em 16 de abril:
1 Ulna, e Exm. Sr.-Sendo ouvida a secgao dos
negocios do imperio do conselho de estado, sobre
0 ollicio dessa presideucia de o de maio do anno
Undo e papeis que 0 acompanharam, conceroentes
ao processo das eleigSes feitas em duplicata para
vereadores e juizes de paz nas freguezias de Sobral
e de Santo Antonio e Aracaty-assii, em setenibro
de 1872, bem como sobre a represcnlagao que ao
governo imperial dirigiram 0 coronal Joaquim Hi-
beiro da Silva e outros contra as decisoes proferi-
das pela mesma presidencia sobre as referidas
eleigots, foi a mesma seccao de parecer em con-
sulia de 13 do mez findo ; 1". Que nao devo pre-
vakcer tanto a elei.gao leita na matnz da fregue-
zia da Sobral, sob a presidenaia do juiz de paz
mais votado desta freguezia, Diogo Gomes Parente,
como a que realisou se sob a presidencia do juiz
do paz do districto da Meruoca, Alexandre Mar-
ques de Araujo, na capella do llosario da mesma
freguezia; a i" pur se/ evideatementa iu.possivel
que, com a devida re^ularidade, se fizesso a 21
enamada da 3,093 votantes das 9 ate as 5 K noras
da tarde do dia 10 do setenibro, e a 3\ de cerca
do 2.730, das 9 ale 1 hora da tarde do dia II,
como se declare nas proprias actas; a 2- das ditas
eleigoes, nao so pela illegalidade do lugar em que
foi feita.como pela incompetemia do juiz de paz
de freguezia diversa que a presidio, visto que acha-
va-se desimpedida a ;aalriz e em exerciaio de suas
funcgoes uesta como presidente da mesa, paro-
chial, que alii se organisara, 0 1 juiz do paz com-
potente ; 2. Que das duas eleigoes da freguezia
de Aracaly-assu nao pode sub:istir a que se diz
foita na matt iz sob a presidencia do juiz de paz
votado em segundo lugar, Salastano Julio de
Souza Campeli), porque, alem das duvjdas fun-
dadas qne so apresenlara sobre a realidada de tal
eleiga:, temella 0 vicio sub.-taucial de haver ppe-
sidido aos respuMivos trabalhos aqjellejuiz do
paz, nao estan lo impedido 0 mais votado, mas, pelo
coatrario, uo effeclivo exerokio de suas funcgoas
presid^ndoa mesa parochial quana mesma matriz
organisou ; 3J. Que deve prevalecer a ouira el-i-
gao feita na matriz, competentemente presidida
pelo juiz de paz mais votado, Mananno Cavalcante
llocha, e cujo processo correu regularmente, sen-
do insignifiaantes alguns defeitos que se uolara na
radiPfao das actas, porque nao impc-rlarn a omis-
sao ou traasgressio do prescripgoes essenciaes da
lei. E S. M. 0 Imperadcr, havendo por bem
par sua imtnediata resolugao de 11 do corrente
mez conformar-so com este parecar, assim 0
maada deeiarar a V. Exc. pare os devidos. effei-
tos. Dt'us guardo a V. Eac.-Joao Alfrcdj) Cor-
ria de OHvei. a.-Sr. presidente Ja provincia do
Ceara.
(oaai,u de niai'iulia. Fui espedido
0 teguiate i.vis ;
3 liimsterio.d.is ,-i'goci.is da mari-
hha.-Uio de Ji;uir>, 29 de abr;il da 187*. Illm.
0 Exm Sr. Sua MagesAad 0 Ini;..-r.iJ..r, a quern
foi presenie 0 offlcio. n 7 de 16 .'. .j..; > alit-
iua V. Exc. remetleu.o do capitao do
p.rl 1 de i'ar.;iagua, eonsuitiulo : 1. Sa na pro-
vincia era que a unica repariigao subordinada a
este ministerio 0 a capiiania do porto, pode 0 res-
pective cho.'.' exercer as attribuigoes dos inspecto-
mT*iVi1?iomTfitfti* if
Sd'e e4l sor ouvhIo iffi
do, prejio que sa.dastina em
port) no com-
?es marinheiros,
instruegao
Itu.i a moradia
do1 common Janto da inesim sanitaria, mas ainla
a respeito ilo outras u ata po.-sam in-
teressar; 3" finalmente, se oengenhoiro, encarre-
5ado da levantar a planta diquello predio. davera
osempenhar este servi;,o dc accordo com 0 capi-
tao do porto. Maada deeiarar a V. Exc, para 0
fazer constar aquelle offlgi il, quanto ao primeiro
quesito, que, nas proviactas 00 le nao ha arseuaes,
nao tem os c .pities de port 1- oairas atlribuigoes
altim das quo estao definldas no art. 6 do reguia-
mento de 19 do maio da 1846 ; quanto ao segundo
e terceiro, que, em taes provmcias, eslaodo as com-
panhias de aprendizes marinli iros sujeitas a auto-
ridade do capitto do porto, dave esta sempre ser
ouvido em todo3 03 negoiios relalivos as mesmas
companhias, e consegniutemente sobre a'orgaaisa-
cio do plantas e coastruccao de obras a que allu-
de Daus guarde a V. Exc. Joaquim Det/ino Ri-
beiro da Laz.Sr. presidente da provincia do
Parana.
Unidade dos ratholtcog. Diz trma
carta de Londres :
Continuara na Allemanha os esforgos para es-
tabeleccr-se a unidade entre os vclnos catholicos
e a igreja grega, e os prioeipios sobre que tem de
vers"ar essas negociagoes foram fortnulados por
ambos os lidos deste modo :
t l A divindade de Cristo ;
2 Christo funlou a igreja ;
3" As fontes a consulur sSo as escriploras
sagradas, as doutrinas dos conselhns ecameaicos,
as ligoes dos padres da igreja indivisivel (tradic-
gao queconcorda cora a oscriptura sagrada).
4* Criterio, a declaragao de S. Vicente Liri-
neusis a Q'iod semper, quod ubique, quod ab om-
nibus credit um est.
0 melhodo hislonco 6 0 escolhido.
CoKseiiii) Niipreino militar. Ac'ian-
do-se presentes os conselheiros do guerre duque
de Caxias, Biltoncourt, barao de Itapagipe, do La-
mare, visconde de Santa Tiereza, barao da Gavea,
Saares de Andrea, barao de Angra, conselheira
vogal Beaurepaire e desembargadores Camara e-
Lisboa, foi aberta a sessao no dia 24 de abril. Li-
da e approvada a acti da antecedente, julgaram-io
os seguintes proccsso3: do alferes U;rminio Pau-
lo Castello Branca, condemnado a sen mazes, do
prisao em uma fortaleza; dos so'.dados Leopoldino
Pereira Nunes e Joao Correia ^Jobre, condemnados,
a um anno de prisao ; Severiano BaptisJa.dog San-
tos, Theodore Rodrigues da Silva e Germano Af-
fonso, condemnados a seis mezes de prisao ; Jose
da Costa Faria e Manoel Miguel Ji Silva, condern:
nados a dous mezes da prisao ; Joao Francisco
Pispo, condemnado a doas annos de trabaihos pu-
blicos ; Manoel Cosmo de Souza, condemnado a
cinco annos de prisao com trabalho, e Franaisc)
Jose Ribeiro, absolvido.
TeIt*8i;rai>lio mubtnarino. 0 Ambas-
sador partio para laglaterra, afim de preparar se
para assistir a immersao do novo cabo directo qqc
nesie verao deve ser collocado pelo Farad iy entre
este paiz e os Esttdos-Unidos. No dia 2i da abril
0 Gomes scguio para Santa Cathariua, onde vai
comecar a langar 0 cabo dessa provincia paa 0
Rio-Grande do Sal, e para 0 Chuy, voltando depois
para 0 Rio do Jmeiro. E-pexa se que denlro da
13 dias e-lara 0 cabo langado ate 0 Ciuy.
CuudecoraoOes cstrangciras. Pelo
marechal presideate da repubiica franceza foram.
coadecorados cora 0 grao de offlciaes da ordem da.
Legiao de Honra, os Srs. chefe de esquadra barao
oe Angra, e deputalo D,- Jose Maria da Silva Pa-
ranhos Junior, ecom ograadacavallieiros di mes-
ma ordem os Srs. Bernardo Rolrigues de Faria, e
Trajano Angus'.) de Garvalho, este.uliiaip; djreelor
interino das construcgSes navaes no arsenal fc ma-
rinha da corte, e aquelle chefe de sec.iio disecra-
taria de estaio dos negocios da marinha.
Pacific Steam Navigation Compa-
ny. Lemos n'uma corresponaencia da Lch-
dres :
o Nas contas apresentadas por esta compacqia
se achara a razao pela qual abandonou as parti-
das semanaes, substituindo-as, per viagens -de 15
em to dias.
t No arao passado efjectuaram 45 viagens, re-
dondas do Liverpool, Valparaiso e Callao, coinpri-
hendendo 1.000,000 de millias, cujo producto re-
presentava ea dinheiro:
Fretes..... 608,000
Passagens ....-' 373,000
Malas......23,000 1.090,000
A despeza era com tudo ... 1.057,00J
53,000
Accrescentese a depreciacao dos
navius....... 103,000
leado 0 Sr. Pacheco, qus cscolhea a seguvcte>res de arsenaes; 2 Se, no caso alllrmativo, vislo
Prefaz 0 prejuizo total de d 156X00
t Consla que actualmenta diverso3 vapores
da corapanhia eslao uosarmados, ao passp qi.e
se encommendaram outros que se aehara aos ts-
taleiros.
o Veremos, pois, se a diminuicao no numero de
viagens converteraos prejuizos do 1873 em lucres
para 0 anno de 1874.
Enlretanlo, por outro lado, o servigo da com-
panhia para a costa occidental deixou em 31. de
dezembro de 1873 um saldo a favor de i'i,0Q0 .
As accioos da corapanhia cahirara consideravel-
mentc.
Durante 0 anno de 1873 o Brasil teve 0 lucro
do todos os fretes de C3rregameate em seu pro-
veito, a custa tanto desta, como de todas as outrss
emprezas inglezas de navegagao a vapor. Tal van-
lagem nao pode entretanto produzir continuada-
mente os mesmos lucros.
c Oeve-sc tirar uma outre ligao dos akarisuKs
acima mencionados, isto e, que a participagao nos
direitos postaes nao substitue os sub-idios fixes
que sao de vantagem mais real.
f Temos agora no poder um governo c mi dig-
posigoes mais libcraes, e entre seus deveres estara
0 da prompta reconsideragio das ccndigSes em
que devem assent3r as comraunicacSes facets e
expedidas com aquelles paizes.
Pode bem ser que 0 governo brasileiro sej*
solicito afim de conaorrer tambem pare esse pro-
posiio.
I.c>u-ria--A que se acba a venda 6 a r*S.- a
beneficio da matriz da Eseada, a qual corre no dia
6 do maio.
i-ootao, Hoje, effectua 0 agouti- Marlins, as
10 horas e meia da manha, 0 leilao da laverna d >
paleo do Carmo, esquiua para a rua do Goyonel
Suassuna.
Casa det deteneao.Movimento da casa
de deteneao do dia 29 de abril de 1571.
Existiam presos 361, entrou 1, sahtram 3,
exis'.em 359.
A saber :
Nacionaes 283, mulher,es 9, e.-traageiros 26,
escravos 36, escravas 3. Total 339.
Aitmentados a custa dos cofres publicos 2S6.
Mqvimeuto da enferraaria no dia 23 de abril de
1874.
Tiversm baixa :
Francisco Antonio, diarrhea.
Benc-Jicto Gomes da Silva, samas.
Domingos, escravo de Maaoel Baplista, anemia.
Tiveram alia :
Joaquim AWes de Almeida.
SeLa-liao Correia da Rocha.
Roberto, escravo, sentenciado.
Feliciano, escravo, idem.
Manoel, escravo de Manoel Pires Gajvao.
Passageiro8< Sahidos para os portos d->
norte no vapor Bahia, em 28 de abril.
Augusta Gomes da Silva, Francisco Gomes Mar-
ques di Foncaca, Fr. Woellkerf, R. V. llu;
Firmina Maria da Conceigao, Antonio I. Martins,
Affonso I. da Silva.
Sahidos pare 0 sul no vapor Ceard, no dia
29 de abril.
Antonio F. Porto, Nicolao Toleniino da Costa,
Marcionillo Gomes Coutinho, Joao E. da C:
Jamas Me-, Davim Gomes Ribeiro, Adolpho Drefuz,
Natliaa Kieein, Jose Manoel Baptista, Veaceslao
Jose Baptista, major J. de ;Bairos Bezerra e dous
irmaos, Antonio J ise Almeida Cota, vigario Auto-
nio da Pureza Vasconcellos, Firmino Casado L'ma,
Dionizio Rodrigues de M. C.aHro, Antenio Teixeira,
Jisii Joaquim da Fonte Guioiaries, Galdino Jose
de Miranda, Antonio Joaquim de Faria, Francisco
Antonio Gil, Jose Pinto Monleiro, Manoel Soares
Teixeira, Salvador Gongalves da Silva, Paulin
Jose da Silva, Christian! de Almeida, tenente-co-
r.n:l Alexandre AUgusLo Frias Villar e um sol-
dado, Olympio M. PesUna, Pedro Nolasco do Rgau
Lima, .do Zenba, Anteoio AugustoP-.-
!a Silva, o. Emilia Maria da Conceigao,
n^, uii|>erial aiariaheiro Joao Pieto Frre
Esuieria de Arllsur, Antonio Fera
Isaac e sua familia, D. Maria Agued;-
um filno, Julia Augusta da Silveira Li
Jc*a F. da Cunha, Fredor^co.IiivoM, sua mai
manores, D.MiriiUos* da Li;
AnuraJe, Dr. Jonas P. de Fig
oieiro e uma escrava, Fr.;
Re'golo sua familia, Dr..Jo-e Bernardo Galvao At:
coforado, Adolpho Alaoforado e am escravo, Es-
levaoLuiz Marlins, Henriet Caraeiro Monteiro,2
1


\


T"
Dia-rio 4&P&ndmimc6 Sexta feLra I ^ Maio tie 18*4
.r
..
I'
I
ap
fllhos*o I criado, Loira d Maraohao, Joao
marinluiros Haftoel Fausiino Ferreira,
Joaquim BoMWio, Antoeto Jesft da Costa, Joatfuu*
Tavares, l)^^^H*iartins Rayrauodo AfrodniO'
Soares, soldado'BeCavallaria Francisco Ant mio
de Araujo e o desertor Manoel Marques Cavatean-
te, Idetfonso R- da Silva, Manoel Francisco .4a
Silva, Andre de Abreu Porto Sobrinho, 9 recru-
Us e 110 escravos a entregar. '
Saviiloa para os portos do sal uo vapor
Gastno d'Orleans :
Pedro Saares do Alhupterque, Jose Bmio oe
Carvalho Couto, Francisco Jose da Costa, Jose Ar-
seaio, Joao Baptisla da Souza, JoIj Agel, Luiz
Orico Vfcento Bario, Antonio Jose Cassola, D.
Emilia de Mendonca e Guilherme Morcira.
Saaidos para o sul no vapor Ipojuca
Antoaio Oscar Tavares da Costa, Maria l-rao-
cisca c'a Conceicao, Candido Alves Machado, su*
seouara e urn criado, Clementa Antonio da Suva
Araujo, Domingos da Silva Torre*, sua sanhora,
irmfc, cunhada e 3 criadas, Theodora I3rasa;jh e
Frederioe aufusto Ferrcitt de NciB.es.
S#iilbWpmri oe p Cururipe : jk w
Padre Antonio -rrare de Carvalho, Joao II. do
Medeiros, Lonreirtr Brat e Domingos, italianos,
Antonio Jacome de* Almeida, Jose F. e um compa
nheiro, Philadelphia *iros do*'Santos, Felix Joso
dos Santos, Maaoel TfeenvleQ, Candido Jose Gor-
gonio, Jo do Rego Mello e sua senhora, Lino Leocadio R.
Bragae Francisco Jose da< Chagas.
Chegados dos portos do sul no vapor ame-
ricano Ontario:
Joao C. do Oliveira Pelagio e Giovanico Anto-
"'
Cemilcrlo publico. -Obituario do dia 98
do corrente:
Maria, branca, Pemantbuco, 3 mezes, Graca ;
eonvulsoes.
Joao Francisco da Silva, pardo, Bahia, 36 annos,
solteira, Boa-Vista ; ptatysica laringea.
Domingas, escrava, preta, Pernambuco, 12 an-
no?, Boa-Vista ; anazarca.
Maria, preta, Pernambuco, 3 mezes, Recife ;
convulsoes.
JoSo, psrdo, Pernambuco, 10 dias, s. Jose ; cs-
pasroo.
Archimedes, braneo, Pernambuco, 6 raezcs, Boa-
Vista ; variolas.
Joac. escravo, preto, Pernambuco, 18 annos, sol-
teiro, Santo Antonio ; c nges lao cerebral.
Concordia, parda, Pernambuco, 8 meres, Gra-
ca ; denticio,
Severinc, pardo, Pernambuco, 3 mezes, S. Jose ;
eclampsia. "
Manoel Joao Luiz, oardo. Alagoas, 19 annos, sol-
teiro, Boa Vista, hospital Pedro II; variolas con-
flucntes. _
Florentina Maria da Conceicao, preta, Pernam-
buco, 36 annos, solteira, Boa-Vista, hospital Pedro
II ; anazarca. -
Balbina Quiteria dos Santos, parda, Parahyba,
30 annos, solteira, Boa-Vista, hospital Pedro II ;
phtv.-iea tuberculosa
Jokob Thalman, braneo, suissa, 42 annos, sol-
lelro, Bua Vista, hospital Pedro II ; variolas con-
llaentes. .
Alexandria Alvesde Mello, parda, Pernambuco,
25 annos, solteira, Recife ; variolas.
Philomena, branca, Pernambuco, 7 mezes, Boa-
Vista ; convulsoes
29 -
Lncas Barreto Qpdlhq da Silva, preto, Africa,
62 annos, casado, S. Jose ; ascite.
Marianna, preta, Africa, 70 annos, solteira,Gra-
ca ; phtysiea.
Ambro'zina, branca, Pernambuco, 4 mezes, Re-
cife ; entoro colite. .
Manoel Vicente Ferreira, pardo, Goyanna, 38 an-
nos, casado, Boa-Vista; uydropiria.
Francisco Luiz Correia, preto, 2o annos, casa-
do, Boa-Vista, hospital Pedro II; hemorrhagia.
Joao Henriques de O'.iveira Barbosa, braneo,
Portugal, 32 annos, c:i*3d). Boa-Vista, hospital Pe-
dro II; febre amarella.
Ijnacia, escrava, preta, Pernambuco, 40 annos
s Jbse; entente oolite.
J.j.io /.i..- r.nndiiii, braneo, Portugal, 50 annos,
arysi*.
**n os aossfts desefos delude ver, -* as suas fOr?a, e
ri4ParfteSfii*af, o tempo M eXcesriva'TjeTJte dthiWrtt
sej r We o hoi
Pofrirms porim assetflrar^e *> estobtfwltnen -; (Jtftab naopdda mJis taz To.
tnsiqtt teefh Senifeftattirflemn, *So Wtt W) Wes^*
Importaneia a coftsideracao, 6^j
smtAmm.
pro-
fun-
Boi-Vista; paraTys
Antonio Marlins, pardo, Pernamw
solteiro, Recife.; con^estao cerebral.
vi annos.
i "klKTID3 CaHSBB VA3>a2
HECIFE, 1 DE MHO DE 187i.
PIPAUOTES.
Os homens da provincia sao impoga-
otit! ll<>ja dizen umi oiusa, aminhaoutra,
segunJo o inlluxo da lua e veiito, mas
.i.'inpre com o odioso, csta sabtdo.
IS'um dos numeros passado5 tratanlo da
voita do tenonte-coronol Frias, quasi entoara
Tc-Ikwn, diioa lo qae isso importava um
cheque no actuil presidonte : o governo
imperial mania o ho nom p3raa Bahia, o
a Pravincia a. 280 a dizer qua o acto e fi-
Iho de vinganga de S. Exc. I Quando
perdera essa gonte esse vezo de faltar a ver-
dade, e ver as cousas corno ndo sao ?
Vinganra de quo... Os homens das vin
/angas j-lgam to los por si I
Na> couteams com essa incoherencia, eil-os
agora com a menlira e intriguinha pueril,
prstinhos de que gostam muito.
0 illustrado chefa da rop-uticao das obras
publicas, em carta official, dd o seu lucido
parecer sobre a eliiicacao do asylo, Gin No-
glHfffa : n'jsse parecer nao ha materia para
segredos, e effectivami-nte na carta uao poz
.I1 e uota alguma do confulencial!
Em falta, porcm, d.) miteria, ate inven-
to3S servem, e os horriens qua an'lam a caga
*ie Wat de aranha, e que vivem de invencoes
tionhos, querem ver so fazem fortana "Nao
pegam porem as bichas, pois a carta os
desmente o ja sao conhecidos por demais
esses creaiores de canario, esses saltadores
de gul'jus.
JBUCAC9E81 mim,
Jose Bernardo Galvaa Alcoforado, relirando-se
para a corte a tomar assenio na camara dos depu-
tados, deixa encarrega los de sens negocios em 1
lugar a sen filho Jose Bernardo G. Alcoforado Ju-
nior, em 2- e 3 a seus irmaos Cypriano Fenelon
Gaede Alcoforado. e Canlido Casemiro Gnedes
Alcoforado, e em 4* o Sr. Jose Camello do Rego
Barros, ficando os dous primeiros encarregados das
eausas em quo 6 advogado.
Recife, 29 de abril da- 1*74.
Jose Bernardo dalvao Alcoforado
Antonio Borges da Silveira Lobo, tabol-
liai publico judicial de notas, tendo obtido
do digtio Exm. Sr. presidente da provincia,
dezo:to mezes do licence para tratar de sua
saule, que se achava gravemente compro-
mettida, e reassumindo o seu officio, vena
pelo presente agradecer niio s6 a seu ami-
gos, como a todas as pessoas que se digna-
raJ de preferir o seu escriptorio em sua au-
sencia, e espera dos mesmos e do respe;ta-
vel publico, que se dignem de continuar a
dispensar-lhe a sua confianca e coa-Jjuva-
rao, pelo que se confessa grato. Pode ser
procurado em seu escriptorio a rua do Im-
perador n. 12, das 9 horas da rnanriS is
6 horas da tarde, nos dias uteis, e em sua
casa a rua do Coronel Suassuna n. 161, 2
andar.
aWieitioramentoB de Peraambnro.
Asylo de alienados.
DeveYamos de ter principiado nossa tarefa por
fallar do primeiro melhoramento de importaneia
e proveito para o publico, a que deu verdadeiro
impulse o Exm. Sr. Dr. Henrique Pereira de Lu-_
cena, muito merecedor da nossa gratidio pelos
esforcon que tem feito ena prol desja provincia, de
que somos lllhos.
Bern quizeramos intelrar aos nossos leitores do
slido actual de iguaes estabelecimentos nos
mo parallelo de .
metecem mains oatros, da parts dos governos
daqaelles paizes.
Em algnns paiiw, por cireffmstancias espe-
ciaes, a mencicidade e a vagabondagem teem sida
consiieradas como crimes que 'sio punidos com
severas penis : na Europa essa ausieridade nao
pode causar admiracao, porqua sabe-se *te que
ponto ohega alii a falla de meios de subsistencia
que soffre grando pane da populacao.
Parece que foi a Franca quern aventou a idea
de fuuilar asylos publieos com o tim de acabar
com a vagabundagem : foi Luiz XVI quern man-
do u construir os primeiros, serti qualidades nem de
prisSes nem de hospitaes. Uma experiencia de
pouco temuo fez perdar logo a esperanca de que
medrassem taes estabeliecimentos: arevoiu^ao aca-
bou com elles.
Diversas foram as providencias que em differen -
tes tempos foram tumadas para assegurar sua
prospendado e todas ellas nenhum resuliado
vtitoso foroeceram. Em consequencia disso
daram'se estaleiros ondo deviam de ir trabalhar
aquellesqueeaotlvessera mdostfe sabsisttr e sup-
primiraaa-se os asylos.
' Esla stippress3o' aniquilou a penalidad^ da lei
contra a mendieidade, e alcando o eolo os mendi-
gos por toda parte, viram-se- as proprias villas e
cidades na collisao de.crearem com afeus proprios
fecersos ea9as de reTnglo a trabnlho para elles.
Nao sendo soccorridos pelo governo, murtos des-
ses deposiloa desappareccran( e os poucos .jae fi-
catam tiveram sempre de lutar com mnhme-
ras diffleuid-adeV'CWisa principal de ma pouca
importaneia, como a principio dissemos. Nao e
porunto na Europa a pliata qua tnais tenha me-
dradi). ,
Passareraos a fhzer uma succinta narragao dos
fact os qoe se teem saccedidir relativamente ao
asylo de raendiefdfcde desta prorincfa.
Manda a imparcialidade coi* que conUmo3 a'
liistoria dos acontecimentos, que nos remontemos-
a uma epoca que, por serum pouco afastada, nao|
ileve cahir em esquecimento. !
Em sessao cxtraordinaria de 31 de maio de
1856, da Associaeao Commercial Beneflcente, lra-|
tandose da applicacao que se devia dar aosal-1
do de 5.333 joOJ, que Qcara do tratamento dos in-
dividuos atacados do cholera-morbus, o negociante
Autonio Valentim da Silva Barroca propoz que
fosse elle applicado para a fundacao de um asylo
de mendieidade ; c nao sendo sna proposta appro-
vada, foi substituida por outra em que se venceu
qae fosse elle applicado a compra de accoes da
companhia de beberibo para ser o renJmisnto
d'ellas cntregue aos estabelecimentos de caridade.
As ideas grandiosas podem ficar sopiiadas por
algum tempo, porem nao sao susceptiveis de
morte.
Devese ao magnanimo monarcha, o Sr. D. Pe-
dro II, com razao appellidado o primeiro patriot a
do Brasil, a reanimacao desse beHo pensamento
que uma simples casualidade lizera demorarse em
passageiro olvido.
Com efletto Sua Magestade o Ioiperador em sua
viagem a esta provincia mostrou o caridoso dese
jo do que as sommas que houvessem de ser gastas
em feUejos que se projectavam para a sua recep-
cao, fossem empreg.idas na fundacao de uma casa
de soccorros para os indigentes.
A Associaeao Commercial tomnu sobre seus
hombros esse nobre empenho, e em pouco tempo
realisou em subscripcio entre sous raembros a
somma de com centos de reis, que depositou em
uma casa bancaria para nao Bear improductiva.
Em 31 do outubro de 1859 convocou uma re-
uniao das oommissfies encarrpgadas de promover
assignaturas para a inauguracao Jo asylo, eachan-
do-sc presentes 47 subscriptores, sob a presidencia
do Sr. Antonio Marques'de Amorim, declarou este
que o motivo da reuoiio era dar-lhes parte do re-
sult^do do trabalho da commissao qne por ella
havia sido encarregada de promover c esludar o
mellior meio de realisar a fundacao do asylo de
mendieidade, e lendo a commissao demonsiradu
em seu parecer que o meio mais facil era faze lo
nr. sndar terreo do hospital Pedro II, foi esse pa-
recer aperovado ; e era seguio o er. nr t-viiosa
requerea que a mesma commissao que lao zelosa
se havia mostrado no cumprimento do encargo de
qua acabava de dar conta, fosse incumbida de dar
todos os pa-sos precisos para a dita inauguracao.
Em 10 de novembro do mesmo anno de 1859
ofll-.iava a administracSo dos estabelecimentos de
caridade a Associaeao Commercial, declarando-Hie
que se achavam a sua disposicao os dous saldes
do andar terreo do hospital para nelles se fazer a
inauguracao provisoria do asylo, o que sendo
aceito por esta ultima, levou ella ao conhecimento
do Exm. presidente da provincia que ia reduzir a
titulos de credito as fuSnliaS arrecadadas, afim
de, com os juros, coadjuvar a sustentacao dos
men lie;..s.
Sua Magestade o Imperadr com effeito, logo
depois do sua chegada a esta provincia, dignou se
de inaugurar o asvlo em um dos saloes do hospi-
tal Pedro II, se nab fallia a memoria, no dia 2 de
dezembro de 1859 ; porem ainda nao havii a am-
pulheta marcado a hora propicia em que os ne-
ces-itados, os incapazes de trabalho e mesmo os
osiosos deviam receber os soccorros da benelken-
cia de seus protectores.
Em 1860, sendo nomeado presidente desta pro-
vincia o Sr. senadir Ambrvisio Leitao da Cunha,
procurou informar-se do estado em que se achava
o asvlo da mendieidade, e sabendu que nao era
possivel com a quantia de com contas de reis ar-
recadada pela Associaqao Commercial fundar e
sustentar um estabeJecimento de tanta importan-
eia, tratou de dar andamento ao que com tao min
goados recarsos era pos-ival obter, e prevendo
que nenhum outro edificio nesta cila'de se podia
prestar lao facilmente- a fundajae do asylo como
o hospital Pedro II, deliberou que a Santa Casa
entrasse em um accordo Cum a Associaeao Com-
mercial, em consequencia do que trocaram-se di
versos offtcios entre uma e outra dessas importan-
tes assemblers de cidadaos prestanlcs, e nomea-
ram-se commissoes para tratarem deQnitivamente
do modo mais cooveniente de serem recebidos os
infeltzes mendigos no andar terreo do hospital e
alimentados promiscuament3 pela Santa Casa e
pela Associafio Commercial; assentando-se afinal
que independente de contrato se obrigava esta a
entregar a Saul a Casa os juros vencidos e a ven-
eer, da somma jaarrecadada e ua que se fos:e ar-
recadando, e a Santa Casa incumbida de rceolher
os mendigos e trata-los, obrigaado-se, alem disso
a Associagao Commercial a fazer cessao a Santa
Casa de todas as camas, colchdes e roupas que
baviam remanecido da outra applicacao benefica
e se achavam cm deposito em uma das sslas da
ihesma Santa Casa, embora nao houvesse necessi-
dade del es paraos mendigos.
Esso accordo t'iapprovado pelo Exm. presi-
dente da pr.vincia em 26 de outubro de 1860.
D'ahi em diante comecou a ser effectuaflo o reeo-
lhimento de algnns mendigos, que entao ate em
magotes percorriam as rua3 desta cidade.
Effectuada essa boa medida o recolhidos alguns
mendigos, muitos com medo afugentaram se para
outras paragens em qae pensavam que nao seriam
incommodados ; mas, sendo insufuciente nao s6
o soccorro prestado pela Associaeao Commercial,
como as salas do hospital, preciso foi qae se pro-
curassem outros recursos, afim do poder susten-
tarse a instituicao, que ja havia lutado com tan-
tas difflculdades.
Fai a asserablea provincial quem veio dar mao
benevola e protectora a essa enfesada e valeiudi
naria casa de btaeficencia, mandando construir
novo edificio, para.o quo creou um iraposto pela
lei n 777 de 11 dejulho de 1867.
Em 25 de marco de 1870 foram transferidos os
mendigos das salas a* rez do chao do hospital
Pedro II para a casa de Santo Araaro, cuja com-
pra havia sido muito censurada n3o s6 pelo pre-
qo, que pareceu a alguem muito sobrepujar o va-
lor de edificios pessimamente construidos, ecuja
grande parte havia cahido por terra, como por
ser a Iocalidado de tao ma qnalidade e atormenta-
da dos mosqaitos, que de ua proximidade foi re-
movida a companhia de cavallaria por nao pode-
rem os cavallos resistir as angustias diurnas e
noctornas causadas pelos molestadores insectos.
Depois de feitos os reparos necessarios no p
vilhao de Santo Amaro, que nao ameacava desmo
ronar se, foram transferidos os mendigos para -ahl
no dia 25 de raarco de 1870.
Alwletados 80 a 90 individuos de amboj os se-
xos em uma sala terrea e outra superior, em que
apenas havia espaeo e ar para talvez sd a metade
desse nuraero de individuos, ahi permaneceram
ne3se mal seguro pavilhao, sem tem outra oc-
cupaclo quasi senlo earner e dormir, pois qae
nnnca se procurou aproveita-los em qualquer ge-
nero de trabalho consentaneo as suas foreas, sem
que se cuiflasse com energia da construeeio do
novo edificio, 6 qual, alem de efferecer amplas at-
coraaioiacSes para assistencia dos recolhidos, fa-
FdT ainda. o Ex'ra SV. comrrtetidaiar Dr. H
que Pereira de Lucena, qua velo dar impulso a
esta fmportantissiina eonstruecao, mandando, logo
que tomou conta da administraeao, fazer os p&-
nos e plaatas do novo edificio, e assentanlo a
sua primeira pedra em 25 de dezembro de 1872,
sotemnidade osta que foi brilhanfemenle appara-
tosa, apezar de ser o dia de Natal, e estar toda
a populacao fora da cidade.
E' dlgno de observar-se a presteza a a solidez
com que se tem feito essa obra, qae ja apreseata
parte de *ua belli perspectiva, e em pouco tempo
promelte substituir as acanhada3 salas era quo se
acham esses infelizes, que tem so tornado digios
da proteccao publica.
0 Exm. Sr. commendador Lucena n5o quiz mais
procrastinar essa construocio, e se nao fora o im-
pulso por ella dado, ainda estariaolla no rol dos
possiveis, at6 que um dia o abatimonto dos cor-
rcidos fectos e da3 frouxas paredes, qual outra
armadilha, aehaUsse a maior parte dos mendigos.
Ha nesta nossa abencoada terra um pugillo da
individuos petfeitamente caracterisados por uma
qnalidade que os especifica a os toroa inteiramen
te distinctos do rcsto da sociedade ; elles traba
lham secretameate em seus antros para apurarera
cada vez Bate o seu desgracado insltneto, e fazem
sobrehumaho* esforpos para se terteWB -conha-
cidos e evitados dos outros': e essa turba que
nao lera merecimento e nem procura tc_lo. <
como nao o fern nem p6de ter, faz a mais crncnta
guerra ao merecimerrto alheio, aquetleS qtte o teem
e trabalham torn todas as suas forcas para o ad-
quirircm ineessantamente c nao o perderem.
E esta classe que ttd< trtvtta, que tudo censu-
ra, que tudo acha Tn50. qtta reprova no dia se-
guinte -aquilte qao ondoosift'a o dia antecedeate,
que ralada do tavejft e raortificada porque nada
e capaz de fazer, raivosa e despeitad*, atirs-se so-
bre o filho amigo d sua provineia que os maiores
esforcos tem feito em prol dos mdhoraimetttos
della enao pensa noite e dia senao qo seu en-
gnradeciniento
Recife, 21 de abrit de 1874.
I'liaYltCI.i D.fH AI^ACIOAS.
Depois de uma cruel onfermidade, que resistio
aos maiores esforeos da medicina, desprendeu-se
dos liames da vida, hontem p las 10 htras da ma-
Sr." Dr. Luis Romulo Peres
JijPfTA UOS COtRETORES
Prnce do Recife, SO de abril
AS 3
de 1894.
HORAS DA TARDE
Wloaao de Maceid V sorte 83600 por 15 kilos,
posto a bordo a frcte de 7[8 e 5 0|0,
hontem. .
Assucar de Maceid 1*850 por 15 kilos, hontem.
Assucar bruto bom 14600 por 15 kilos, hontem.
Assucar-Canal IjiOO por 15 kilos, boje.
Aguardetrta-oB-l a pipa, hoje.
B. de Vascoeeilos
Presidente.
A P. de Lemos
Secretario.
ALFANDEGA.
Readimamo do dia 1 a 29. .
6*m do dia 30 .
818:783*791
2l:lil;i31
869.895*222
nha, a alma do Exm
de Moreno"
Doze dias apenas haviam decorrido que S. Exc.
deixara a atmiaistracao desta provincia, e prepa-
rava-se para reiirar-se a corte, quando uma en-
fermidade, de que ja ha tempos sentia ligeiros
svmptomas, mais forte o atacou, levando-o ao leito
da dor.
Estava S. Exc. hospedado erri casa do Exm. Sr.
Dr. Felippe de Mello Vascon;ellos ; ahi vio os
progressos que a molestja fazia ; e, cereado de
numerosos amigos, teqilb sempre a cabeceira os
melhores medicos da capital, que esforcavam-s--'
em coaibater a teaaci lade do mil, fui, entretar
peiorando rapidamente, ate que exhalou o ultiu.
suspiro.
0 iliastra moribund i entregou seu espinto nas
maos do Creador com aquella paciencia e resigna
cao do justo /
Um anno e quafro rnfzes administrou o Exm.
Sr. Dr. Romulo a provineia das Alagoas :_ coose-
gaindo, com louvavel solicitude e patriotismo su-
perar as diffleuldades quo encontrpu, e desetnpe-
nhar os arduos deveres de sua posi.-ao.
A provincia das Alagoas deve a S. Exc. o mais
distinclo reconhecimeiito pelos relevantes servi-
cos que preslou a causa de sea engrandecimento
moral e material.
Mas, apos tanto esforc-o, o cruel soprO da morta
veio apagar aquella existencia pttciosa 1
Altos ju.zos de Deus !
Em inomentos de tanta angustia, ante esse cor-
po hoje sea! vida, so nosresla deplorar tao sentida
e immen-a perda, e rogar a Miserieordia Divin:
que tenha aquella alma na mansao dos ju-tos.
(DoJorn'if d'is Alagoas)
Descarregam hoja I3 de maio de 1874.
Vapor ingle'z Lalande fesperado; mercado-
rias para alfaadega, o deposito no trapi-
che Cunha.
Patacho ingles Gerda cimento ja despachado
para o 3* poBto.
Barca franceza Jntrepide Corse ferro e raa-
chinismo ja despacliados para o 3 ponto.
Brigue portuguez Cotete pedras para o tra-
piche Conceicdo, para de3pachar.
Hiate nacional-Dws te Guie genero3 nacionaes
psra o armazem do Avila.
Barca iupeziCalderbank -bacalhao para o tra-
piclie Coaceicao, para despaohar.
ImportiieSo.
Iriate narional Deus te Guarde, entrado do Ara-
?nty em 29 do eorrenie e consigaado a Bartholo-
meu Loarenco, manifestou :
Algodao 200 sacias a Perdigao, Oliveira & C.
Cera de carnauba 6 saccos a Games de Maltos
Irmaos. Chape .s de palha decarhaiiba 2 pacotes
a C. J. dos Sanlos Callado. Couros salgados 389
a Gomes de Maltos Irmaos.
Esteiras de carnadba 43 molhos com 1,073 a
Gomes da Mattos Irmaos, 14 ditos com 550 a
Francisco Alves Coutinho, 10 com 2-:0 a C. Jose
dos S. Callado.
Gomma de mandioca 37 saccos a David & Fer-
nandes.
Hordes decarnaubi 2i0 a Jorge J. Tisso.
Penna do ema 1 jaixa a Gomes de Mattos Ir-
maos.
Ripas do carnaiibi 400 a Jorge J. Tasso. Rodi-
nhas de ferro 2 a Antonio A. de S. Aguiar.
Sola 312 meios a Augusto M. Machado, 300 a
Gomes de Mattos IrmS'is.
Ve'as da carnauba 6 caixas a Antonio A. S.
Aguiar.
o*-- ------------
Patacho nacional Arroio Grande, entrado do
i Grande do Sal na mesma data e consignado
Silva & Cascao, manifestou :
'Cebolas 2,000 resteas,
Graxa em bex*s:as 2,599 kilos,
Sebo coado 20 barricas com 1,910 kilos, a
ordem.
j dv0IfVra 4 C, i rua do CommeTcw ns
42, enc|irTP-8e -'de execugaOf de orrJens
para etate*, mais negocios de eommissae, quer commef
cfaes, quer bancarios.
Deconta lettras. e toma dipbeiros a pro-
mio, compra cambiaes, e saca a vista e a
jazo, a voutade do tomador, aobre as se-
guintes pra^as estrangeiras e naetonaes :
Ijondres. Sobre o ojjicki bask of
COMPANHIA ALLIARA
scguros maritimos e tenea-
tres estabelecida ua Bahia
em 15 de Janeiro em= 1870
CAPITAL 4,000:0005000.
Toma seguro do mercadorias e dinheiro
ico marilimo em navio de vela e vaporei
para dentro e f6ra do imperio, assim eomt
u>ntra fogo sobre predios, generos e fa
rondas.
Agente: Joaquim Jo96GongalvesBeltrao.
-us do Commercio n. 5, 1* andar.
COMPANHIA
Pliemx Pernaoibucana.
Toma riscos maritimos em mercadorias,
fretes, dinheiro arisco efinalmento de qual-
quer natureza, em vapores, navios va ela on
barcacas, a pt^mios mnito modlcos.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Segura coaira-fogo
THE UVKRTOOL 4 LONDON & GLOk
INSURANCE COMPANY
Acutes
SAUNDERS BROTHERS* C.
11Corpo Santo11
esgniao, do es-
IjOitAo.
o agonio Barreto fara leilao de diversos objec-
tos, por coata o risco d'uma v3o quo o persegue
dia e noite, afim do !ciloeiro..fazer a reetituieao dos
objectos quo tem sido subtrahidos, o nao podendo
serem arrematados todo3 de uma so vez, sera di-
vididd em diversos lutes quo irao sendo annancia-
dos.
0 dito leilao tera lugar em frente da casa do"
mencionado leiloeiro, no dia das Almas, e o pro-
ducto liquido sera applicado era missas para as
mesmaa almas, em restituicao dos objectos subtra-
hidos para poder alimpar a consciencia elastica
do mesmo leilooiro.
E para que chogue ao conhecimento de todOs,
vai puhlicado pelojornal.
l.-Da loja de fazenda 6.030$, queb a frandu-
hnta.
2.Um mnlatinho torro, querid) reduzir a
escravidao, pelo que levou deraissao do corpo de
policia.
?.Patota do lasquinet, OOOiOOO do compa-
dre.
4.-Uraasedula de50)|00D deum matato dos
sul
a. -Um por cento do dinheiro d'orphaos.
6.Um carneiro.
7.Uma bengala de pnnhal.
8. -Uma tnesoura lina.
9.Dous caaivetes linos.
10.Um leque.
11.Uns lencos brancos
polio.
12.Um reciho de 2008-
13.Ura rioo annel de brilhante, do espolio.
li.Uma porc$o de louca de porcelana, mar-
ca C.
15.-Uns cdrtes de vestidos (lao;.
16.-Una porjao de mindeza*.
17. Qiatro jajros.
18.-Uraas colheres de prata.
19.DilTerenles pecas de ouro, aderegos, anneis,
pulseiras com bri'hantes, voltas e outras pecas, no
valor de 2:0005
20.Um livro de Horas Marianna, encadernado
em velledo verde.
21.Tres vaccas de casta turina, no valor de
450*000.
Os objectos do segnndo leilao seriio em tempo
opportuno publicados.
0 leiloeiro.
(Do Mimicipio).
DA
Siintissima Trindade.
Neste estabelecnuento de instruccao e educarao
de meninas, sob a directoria da E. Philomena Jersey, e sttas Exmas. irmas D. Laude-
lina Jersey e D. Olindina Jersey, admiltem se edu-
candas mediante a pensao raensal de 40S,_ sem
mais cutra despeza, e aprendem: lingua nacional,
inglaz, francez e italiano, fallar, escrever e tradu-
zir ; geographia, arithmetica, historia, piano, dan-
Qa, musica e desenho; toda a especje de bordados,
e os melhores principios da religiao christa. No
interior do estabelecimento falla-se somente fran-
cez, e e incompativel o professorato do sexo mas-
calino.
Curas assomWosas f<* |h As disseccoes fcitas reeentemente nos hospitaes
de Paris, provam que os tuberculos dos pulmoes
podem ser cicatrisados de um modo permanent?,
curando-sfi a phtysica. 03 casos referidos foram
de pessoas que annos antes haviam padecido de
enfermidade3 dos pnlmoos, e que ao depois morre-
ram por outras causas.
Os bolotins offlciaes dizem que foram curado3
de uleoracAe dos pulmoes mediante o uso cons-
taute do oleo ouro do figado de bacalhao. Po-
rem toda a difficuldade consiste em poder se al-
caear este inapreciavel especifiso. Torna se, pois,
da maior importaneia, que o doente saiba. que o
oleo puro medicinal de figado de bacalhao, de
Lanman di Kemp, se acha isento de impurezas,
conformo o indica seu nome. Compoeso elle do
reparos necessarios no pa- principio saluti(ero e vital, que se encontra nos fl-
gados saos do bacalhao que acaba de ser pescado.
Na sua composicjto nao entra a mais leve particu-
la de materia estranha. E' claro e puro e acha-
se isento de ranco, qne geralmente caraclerisa
aquella que immerecidamente sa appellida oleo
de figado de bacalhao.
0 norae da casa que o prepara e uma garantia
mais que sofflcionte da sua excellencia, e tanto o
cemmercia como o publico podem conuar nelle
com toda a seguranga.
Barca iugleza Calderbank, eatradi de Terra
>iva e:a 30 do corrento e eon?ia*da a Johnstuu
l'ator & C, manifestou :
Uacalhao 2,973 barricas aos consignatarios.
D.SPA;HOS DE EXPOitTACAO .NO DIA 29 W
ARRIL DE 1874.
Para os portos do exterior.
Na barca ingleia Georg Caning, para o Ca-
nal, carregou : H. Schmmetlau & G. 190 saccas
com 13,862 kilos ds algodao.
No navio hespanhol Marian % para o Rio da
Prpta, carregon: B. Oliveira & C. 35 barricas
com 3,728 kilns do assucar braneo.
Na barc.i portugueza Victoria, para o Porto,
carregou : A. J. Alves da Fonseca3 volumes com
48 litros de aguardente; Correia & C. 1 caixa com
30 kilos de doce e 1 barrica com 44 ditos de assu-
car refinado : para Lisboa, P. Carneiro & C. 118
eouros salgados com 1,416 kilos.
No lugar portuguz Julio, para Lisboa, car-
regou : Carvalho & Nogueira 40J saccos cum
30,000 kilos de assucar braneo.
No navio portuguez Lisboa, para Lisboa,
earregou : A, de Barros & Ferreira 1 caixa com
iS kiios de doeo.
Para os tortos do interior.
Para a Uahi >, no vapor nacional C i, i, car-
regou : A. Loyo 200 saccos com 15,000 kilos de
assucar braneo.
Para o Porto-Alegre, na barca nacional An-
drade Neces, carregou : Oliveira Filhos & C. S00
barricas com 32,573 l|2 kiles de assucar braneo e
100 ditas com 11,761 1|2 ditos de dito mascavado.
Para Maceio, no vapor nacional Ipojaca,
carregou : M. da S. Faria & C. 1 barril com 96
lilros de alcool e 1 caixa com 29 kilos de doce :
para Penedo, V. C. Lopes 1 barrica com 60 ditos
de assucar refinado : para o Aracajd, P. Moreira
& C. 2 barris com 96 litros de aguardente.
Para o Aracaty, no vapor nacional Cururipe,
carregou : J. Maia Sobrinho 3 barricas com 330
kilos de assucar branoo ; J. Ramos & Machado 4
ditas com 248 1|2 ditos do dito refinado : para a
Parahyba, J. R. Nogueira Lima 1 barrica con 60
ditos de doce.
Para o Para, no brigue francez Brasileiro,
carregou : J. C. do Rego Ponies 60 pi^as com
28,800 litros de aguardente.
Para a ViBa da Penha, na barcaca Gratidaj,
earregou : B. F. Guimaraes 2 volumes com 137
kilos de assucar braneo e 9 ditos com 1,920 litros
de aguardente.
Para a Villa da Penha, na barcaca uniao do
Nwle, carregon : D. F. Sobral 1 barrica com 75
kilos do assucar braneo.
CAPATAZ1A DA ALFANDRGA
rtendimeato do dia 1 a 29. 18:232*439
'dam do dia 30 678JO00
Capital..... 20,000:0003001/
/undo de reserve. 8,000:00000(
Agsntes,
Mills Latham & C.
RUA DA CRL'Z N. 38.
BUNCO COMMERC AL U BRABA
Jorge Tasso
Sacca sobre e:te banco ( ! suas agencia; nas se-
guiutes cidade3 e villas :
Portug al.
Amarante Lisboa
Anadia Melgaco
Arcos Mirandella
Aveiro Moncao
Barca Pena-fiel
Barccllos I'inhel
Beja Ponta do Lima
Chares Porte-mao
Coimbra, Porto
Coura Povoa de Varziic
Covilha Regoa
Elvas Ta vira
Extremoz Valan ;a
Famalicao Vianna
Faro Viila do Conde
Figffeira Villa Real
Guarda Vinhaes
Guimara63 Vizeu
Lagos Villa N. da Cervaira
Laraego Fava Funchal 1.
18:910^439
VOLUMES SAII1DOS
Na dial a 29......
No dia 30
?nmeira porta.....
iegunda porta.....
Terceira porta.....
Juarta porta
Piapiche Conceicao .
30,074
150
52
427
559
31272
SERViCO MARlTiMO
U>aracgas descarregadas no trapicie da
alfandeea :
No dia 1 a 29......
No dia 30.......
da trapiche Conceicao -
74
74
ftKCEBEDORIA DE REN DAS INTi RNA3 GE-
RAES DE PERNAMBUCt
aendimento do dia 1 a 89. 70:056^123
dem do dia 30..... 7:4534747
77:5094870
CONSULADO PROVINCIAL.
Hendiment* do dia 1 a 29. 126:3245576
Idem no dia 30..... 1:3524482
127:6774058
SEGUROS
maritimos
CONTRA E0 FOGO.
\ companhia Indemnisadora, estabelecidt
aesta praca, toma seguros maritimos sobr*
arftios e seus carregamentos e contra fogc
am edificios, mercadorias e mobilias: n
raa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Augusto F. Oliveira k C.
A casa commercial e bancaria de Augusto
Bineo do Minho.
Joaquim Jose Gougalves Beltrao & Filho sacara
por todos os vapores sobre :
Anaaia.
Aguida.
Aveiro.
Beja.
Chaves.
Elvas.
Amarante.
Guimaraes.
Covilha.
MelgaQO.
Porlalegre.
Areas de val da vez.
Celorico de Basto.
Caminha.
Mangualde.
Ponte do Lima.
povoa de Lanhosa.
Evora. Monsao.
Fafe. Ovar.
Faro. Porto.
Guarda. Tavira.
Leiria. Regoa.
Lisboa. Vizeo.
Barcellos. Figueira.
Coimbra. Lamego.
Mirandella. Estarreja
Penaflel Valenca.
Villa Real.
Cabeceiras da Bastos.
Castello-Branco.
Espozende.
Oliveira de Azemeis.
Povoa de Vanim.
Vianna do Castello.
Villa-Nova de Portimao. Villa Nova de Fa.nalicao.
Villa do Conde.
\as ilkas.
Mjdeira, S. Miguel, Faial e Terceira.
LONDON, 0 LONDON AND HANSEATIC BANK,
limited, e varias casas de 1.' classe.
Paris. Sobre os banqueiros fould
& C, MARCUARD ANDRE & C. e A. BIACQUE,
VIGNAL & C.
Hamburgo. Sobre os Srs. joao
SCHU BACK & FILH S.
Lisboa. Sobre os Srs. fonsecas,
SANTOS & VIANNA, 6 SEBASTIAO JOSE DE
ABREU.
Porto. Sobre o banco uniao do porto
o Sr. JOAQUIM pinto da fonseca.
Para. Sobre o banco commercia-
do para, e os Srs. FRANCISCO gaudencio da
COSTA & FILHOS.
laranhiEo. Sobre o Sr. jose fer-
aEIRA DA SILVA JUNIOR.
Ceara. Sobre os Srs. J. s. de vas-
CONCELLOS &S0NS.
Bahia. Sobre os Srs. marinhos & c.
Rio de Janeiro. Sobre o banco
industrial e mercantil, banco nacional e
BANQUE BRASILIENNE FRANCAISE.
^SVirVtENTO OS mMU.
matacSes segaiiWes: custrio 9z ITOnlE^& po-
blica da cidade de fioyanna ; obradus *>aro da
bottfbau. t'no 7 labfo da estridaido Sul; obra
dos reparos da coberta da casa jfftffftycapy *
obra dabomba para o povoado draaMBBS.
Seeretaria da thesenrarla providciM de Permm-
fcneo, 25 de abri! de 1874
O ofTfeial-mator
Miguel Affattstv Ferreira.
Pelo pre-ente se faz publico, a quem interes-
sar possa, qne a Exrna. commissao de policia da.
assembler provincial contrata a publicarao doe de-
bales e dos annaes da mesma assemblfia n) bien-
nio de 875 a 1876. Os pretendente3 deverao
apresentar suas propostas em carta fecnada n*-
la seeretaria ate o dia 7 de maio ptouppyjn-
douro, as 11 horas da manha 6tB que Be prore-
dera a aberiura das mesma*.
Seeretaria da a-semblea feglsIaTrva provinckd de
Pernambuco, 29 de abril de <874.
0 offlcial-tnaior,
Jose Cardoso do Qoerrez Feoejea.
DI
Natios er.trados no dia 30.
Assii6 dias, hiate brasileiro Deus teguie, de 155
toneladas, eapifao Jalles, equipagem 9, carga
algodao e outros generos ; a Bartholomtu Lou-
renco.
Rio de Janeiro e Bahia 5 e meio dias, vapor
americano Ontario, de 3,451 toneladas, com
mandante Slocum, equipagem 79, carga cafe e
outros generos : a Henry Forster k C.
Bahia7 dias, patacho inglez Spring Bird, de
176 toneladas, capitio Hassel, equipagem 9, em
lastro; a Keller & C.
Havre 44 dias, barca franceza St. Andri, de 268
toneladas, capltao Hamel, aquipagem It, carga
mercadorias ; a E, A. Barle 4 C.
Terra Nova28 dias, barea ingleza Calderbank,
de 182 toneladas, capiiao Alexandre Taylor,
equipagem 10, carga 2,973 barricas com baca-
lhao ; a Johnston Pater & C.
Bahia12 dias, patacho inglez Chcriol, de 114
toneladas, capiiao Nelson, equipagem 8, carga
madeira ; ao mesmo capitao. Veio refrescar e
seguiopara New-York.
Navios sahtdos no mesmo dia.
CanalBarca ingleza Netherlon, capitao Couch,
carga assucar.
Ceara a portos intermedios Vapor brasileiro
Cururipe, cOmmandante Santos, carga varios
generos.
Aracajd e portos intermedios Vapor brasileiro
Ipojuca, commandants Moura, carga varios ge-
neres.
e w-York, S. Tbomaz e ParaVapor americano
Ontario, commandante Slocum, carga a mesma
que trouxe dos portos do sul.


?DITAES.
0 HUn. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que foram transferidas
para o dia 7 de maio proximo vindouro as arre-
VcdcwycI confraria de SnntftRa
de Cassia do-Recife
De ordem do nosso irmao regeder con?Nto
todos os irmaos desta veneravel eor.Traria, para no
dia 3 do maio vindouro, as W horas f'am^atia,
reunidos no consistorio de nossa ijjrcja. prd^edWr-
se a eleigao do novo consulho administraiivo, eo->>
detefminam o art. 32 I" e art. W m nosso
eomproraisso u >i.
Consistorio da veneravel corsfrnria dc Santa
Rita de Cassia, 29 de abril de lf>7i.
Dumingos Jc-se Feireira.
_________________ _____ Secretario.
Pela admiuistraeao dos curreios desta pro-
vincia se faz publico que se acha marcado o prazo
de 30 dias, a contar aa preserrte data, para o con-
curso de uma vaga de praticante. 0 concurso tera
lugar na mesma administraeao, e constara de
exercieius da caligraimia e crfliographiia, arJhrae-
tica ele.neotar. compreiiendendo o uso do systema
metrico e nogdes geraes de'geg*aphia, de coufor-
midade com o ariigo 38 do regulamento de 12 ds
abri de-1835. 0 conhecimenlo das lingoae es-
trangeiras dara direito a preferencia Os ewnfi-
datosdeverao provareom certidao nia leYSftfrne-
nos de 18 annos, nem mais de 30 annos de idaiR,
e apresentar certilieado medico de boa saude,
cumo disp3emo3 y 1 e 2 do art. 40 do predito
regulamento.
Administrate dos correios de Pernambuco,
21 de abril de 1871.
0 admiuistrador
Atfooso do Rego Barros.
COMPANHIA PERMMBUCANA
BE
\uvegciio costcira a vapor.
UIViDEXDO NONO.
Esta companhia paga o seu nono dividends, a
razao de 3 0|0.___________________________
0 abaixo assignado, lancador da recebedo-
ria de rendas geraos. era virtuda do art. 37 do
deereto n. 2,5b'l de 17 de marco de (8(50, previ-
ne acs habitantes da freguezia de S. Frei Pedro
Goncalves do Recife, que uo dia 1." do proximo
mez da maio do corrente aano, principia a fazer
otaUjgamenW d)3 impostos da industrias epro-
fissSe?, nas soguintes ruas : Marques de iia 1 a,
Bispo Sardinha, Barr-to Henezes, Vigario Theno-
rio e outras, e para fixar a collecta se faz mister
qae os donos da estabelecimentos e locatarios es-
tejam muniios de contfatos, recibos de valor lo-
cativojf, para, a vista dalles lixar a cllecta de ac-
ccr.lo com o suora.lilo art. 37.
Recebedoria, 30 d3 abril de 1871.
0 lancador,
Manoel Antonio Ribeiro.
onsulado provincial.
Por esta reparliQao se faz publico paraSciencia
dos propiietarios d.! algumas ruas na freguezia da
S. Fr. Pedro Goncalves, abaixe declaradas, que tl>
dia 1 de maio vindouro principiara a ser coatado
o prazo improrcga.el de 30 dias para a arreead.i-
cao das importaocias dos apparolhos, differentia dns
mesraos e canalisafao, cujas impotlaneias sao de-
vidas aRecife Draiuago C*
RuasMarqaez de Olinda.
o Bora Jesus.
a Commercio.
a Domingos Jose Martins.
Vigario Thenorio.
i D. Maria Cesar.
Mariz e Barros.
c Caes do Apollo.
Travessa do Campello.
do Antigo Porto.
Domingos Jose Martins.
Becco Largo.
los Mascates.
Largu do Corpo Santo.
Consulado Provincial, 29 de abril de 1871.
0 administrador,
_______Antonio Carneiro Machado Bios.______
Luso Brasileira.
De ordem do Sr. presidente conyido os senh reo
socios para comparecerera a sessao de assemslea
geral, domingo 3 de maio, as 11 horas da manha,
alim de se tratar da leilura do relatorio," e do ba-
lancete do Sr. thesoureiro.
Seeretaria do conselho Qiscal, 30 de abril de
1871.
M. F. Paula Reis,
____________2 secretario, servindo de 1.*
Companhia de cavallaria de Per-
nan)i}BCL.
Tendo-3e de comprar para reraonta da eavalha-
da da mesma companhia alguns cavallos, sao ro-
gadas as pessoas que os possuirera nas condicoes
do regulamento, preferindo-se sempre os que fo-
rem castrados, a compare^erem uo quartel da
mesma cjmpanhia, afim de se tratar.
Quartel no Campo das Princezas, 28 de abril de
1874.
Joaquim Francisco Gadelua
Alferes.
SANTA CASA DA M1SE1UCORDIA DO
RECIFE.
A Hima. junta administrativa da santa casa da
liisericordia do Recife, manda fazer publico que
aa sala de suas sessdes, no dia 23 de abiil pe-
las 3 horas da tarde, tem, de ser arrematadas a
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em seguida
aeclarados.
ESTABELECIMENTO DE CARIDADE.
Travessa de S. Jose.
Casaterrean.il. ....... 201*000
Rua de Santa Rita.
Idem n. 32........85040TO
Idem n 34........216*000
Padre Floriano.
Idem n. 49........207*000
Cmco Pontas.
Casa terrea n. 114......362ff50O
Rua da Alegria.
Idem n. 31........371*000
Ponte Velha.
Idem n. 31........156*000
Rua de Antonio Henriques.
idem n. 26........99*000
Rua do Vigario.
l.-andaT do sobrado n, 27. 325*000
Eojaidem.........375JOTW
PATRIMON10 DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16........ 209*00'
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......42i*0O>>
Rua da Cruz
Sobrado. n. 14 (fechado).....1:000*090
JRua do Pilar.
Caia terrea n. 100......24t*00ts
Rua do Araerim. ^_
Idem n. 34........122*0ft
Rua da Guia.
Idem n. 29........lOlJCOt*
Rua das Larangeiras.
Casa terrea n. 17 >......361*0tx)
Os pretendentes deverao apresentar no ac:
orrematacao as suas flancas, ou compa1
icorapanhados dos respectivos Liadore3, d -
pagar. alem da renda. o preraio da c"
pie for seguro o predio qua oontign
tuento commercial, assim como o s:
peza ft precos dos apparelhos.
Seeretaria da santa casa da miserieordia do Ra-
aife, 17 de marco o de 1874.
0 cscrivao
Pedro Boirigues is Sauza,


I-

r
2i
>


Diario de Pernambuco Sexta feira 1 de Main de 1874.
m
I



Companhia pernanbucana
do navegsc&o costeira a
vapor.
De ordm do conselho da direcjio, cenvidc aos
Srs. accionititas da nova emis companhia, que somente realisaram a prlmeira
prestacao de 20 f. sobre o valor subscript, a fa-
zer segunda entrada a niesma razao, deairo do
prazo de 30 diaa, a contar de hoje, no escriptorio
do Forte do Mattos.
Recife. 23 de abril 1871.
Jhomas M. Connan,
Gerente interioo.
Annazens da companhia per
nambucana.
Scguptw contra fog*
A companhia pernambucana, dispondo de ex-
cellentes e vattos armazens em sea predio ao for
te do Mattos, offerece-os ao commercio em geral
para deposito de generos, garaniindo a maior con-
servacSo das mereidorias depositadas, servico
prompto, preeos modieos, etc.
Tambem recolhera, mediante previo aceordo, ex-
clnsivameate oa generos de uma so pessoa.
Estes armazens, alem de arejados e commodos,
sao inteiramente novos e aipbaltados, isentos de
enpim, ratos, etc., etc.
As pessoas qua qnizerera ntilisar-se destes ar-
mazens, pederao dingir-se ap escript-no da com-
panhia peroambacana, que aclia: com querc
tratar.
Setima represeatacio do importante drama na-
tional :
Nuoes Maehado
ou
A heranp do comlemtKido.
Terminara o espectaenlo com a segunda repre-
sentacao da applaudida oniedia em 2 actos, es-
criptapelo actor Peoante, e por ello dedicada a
illustre classe caixf iral, dennminada :
viva ji mm MUNICIPAL
D0HI10 BOS CWIIROS.
A's 5 horas.
Santo Antonio
KHPRKZA
Companhia Fideluiade
WepfuroH maritimoi e lerr.-. ires
A agencia de.-ta companhia tonia segur'S ma-
ritimose terrentres, a premios razoaveis, damlo nos
nltiroos o solo livre, e o setima anno gratuito ao
segurado.
Feliciano Jose Gomes
gente.v
51 Rna do Apollo 51
Luso-Brasileira
Conselho fiscal
Comraooieo aos senheres socios que a sessao
annnnciada para boje, ficou transferida para do-
mingo 3 do corrente met.
Secretaria do censelho fiscal da sociedade be-
neficente Luso-Brasileira, 1* de maio de 1874.
M. F. Paula Reis
' 2* secretario, servindo de 1.
Obras militares
A' 6 de maio tera Ingar na reparticao das obras
publicas, onde desde ja se acha o or ameoto, a ar-
rematac,ao das obras necessarias no quartet da So-
ledade, orcadas em 1:326*380.
Ospretendentes devem a presenter se as It ho-
ras da manha, munidos de soas propostas, em
carta fechada.
Pernambnco, 29 de abril de 1874.
0 encarregado das obras militares
_____________Chrysolite F. de C. Chaves._
0 lancador da recebedoria, abaixo assignado,
tendo de proceder do t* de maio em diante, na
fregnezia da 3oa-Vi?t, o lancamento para os im-
postos de indusiria e profissao, pe-soal e decima
addicional, comer-ando pela rna da Imperatriz, pra-
ca do Conde d'Eu, etc., previne aos.senhores lo-
catarios dos predios da referida freguezia, que
tenbam a mao os respectivos recibos e contratos
de arrendamentos, afire de que a vista delles pos-
sa-lhes ser fixada a quota dos sobreditos impostos.
Recebedoria de 1'ernarabuco, 30 dc abril de
1874.
_____________Flavio Goncalves Lima._______
Companhia dos trilhos arbanos
d Recife a Olinda e Bebe-
ribe.
De order do presidente da
assembled geral da compa-
nhia acima e convocada ex-
traordinariamente dita as-
sembled para o dia S de maio
proximo futuro ao meio dia,
aGm de proceder-se a eleicao
de urn membro da commissao de contas que serve
no corrente triennio, visto ter pedido destituicao do
cargo urn dos a*.luaes membros, em razao de seus
afazeres e ter de retirar se para a Europa. A reu-
niao sera no lugar do costume.
Recife, 30 de abril de 1874.
0 secretario
Luiz Lopes Castello Branco.

Sabbado 2
\'m 8 li boras da nolle,
E
Domingo 3
A' ft 119 horas da tarde.
Unas Micas *
representacoes do drama em 5 actos, original fran-
ccz de Lambert Thiboast:
A REPVBLIC A DOS POBRES
Denominacao dos actos.
l.*-0 segredo do gnlheta.
2.0 pavilhio d'Armenonville.
3.-Os passaros da rua.
4."Rosa priraavera.
5A moeda de ouro.
0 espectacu'o de sabbado terminara com a co-
media em 1 acto :
I ma experiencia
e o de domingo com a comedia popular :
OS IRMAOS DAS ALMAS
DA
ENCRUZILHADA.
SOCIEDADE PARTICULAR
RECREIO DRAHATICO.
Sahhado 2 de maio.
Subira a scena o drama original brasiieiro em
3 actos:
ISABEL
ou
A Orplisi Paranaense.
Dando fim ao especlaculo a sempre applaudida
comedia em um acto :
A crda sensivel.
Principiara as 8 horas em ponlo.
Depois do espectaculo havera trem.
4VIS0S MARITHNOS.
Sociedade Monte Pio Santa
Cruz
De ordem do conselho director, convido a todos
os socios a cornparecerem aos actos festivos que s
nao de celelirar no dia 3 de maio proximo vindou-
re em honra do nosso padroeiro.
A's 8 1/2 horas di raanha celobrar-se ha missa
na igreja de >'. S. do Carmo ; em seguida tera
lugar a ses3ao magna de anniversario na sedc da
associacao, rua do Fmperador n. 73, 3 andar.
A's 7 horas da noite havera seio solemne de
iniciafao.
A entrada sera franqueada aos visitantes.
Secretaria do Monte Pio Santa Cruz, 27 de abril
de 1874.
0 i" secretario intenno
Francisco da Silva Miranda.
Seccao 2". Secretaria da presidencia de Per-
nambuco, 29 de abril de 187i, Por esta secre-
taria so faz publico, de conformidade com o 2
do art. 1* do decreto n. 4,668 de "> de Janeiro de
1871, que foi nomeado pravhoriamente para exer-
cer o ofDcio de 1' tabelliao do publico, judicial e
notas, escrivao de orphaos 3 mais annexos do ter-
mo de Aguas Bellas a Jose Faustino Marinho Fal-
cao, interinamente provido no mesmo otflcio.
0 secretario,
Joao Dints Ribeiro da Cunha.
Secgao 2*. Secrc.aria da presidencia de Per-
ambuco, 20 de abril de 1874. Por esta secreta-
ria se faz publico, de conformidade com o 2* de
art. 1 do decreto n. 4,66$ de o de ;aneiro|de 1871,
que foi nomeado provisoriamente para exercer o
offlcio de 2 tabelliao do publico judicial e notas,
escrivao das execucoes civeis e mais annexos do
termo de Aguas Bellas a Lourenco Pinteiro da
Costa, interinamente provido no mesmo offlcio.
0 secretario,
Jo'io Diniz Pibeiro da Cunha.
Irmandade do Divino Espi-
rito Santo.
Oirmao procurator geral, em cumprimento do
disposto no art. 68 do icompromisso, convida aos
irmaos, membros do couselho fiscal, a reumrem-se
em nosso consistorio, domingo 3 de maio, pelas 9
horas da manhii, aflm de dar-se execucao ao dis-
posto no art. 97 do mesmo compromisso.
Secretaria da irmandade 3) de abril de 1874.
Jose Ignacio A villa.
Procurador geral.
Companhia Franceza de Navega
Ctlo a vapor
Linha menscd entre o
Havre. I.ishna, Pernambnco, Rio dc
Janeiro, (Santos, somente na vol
ta ) Montevideo, BuenosAyres,
(com baldeacao para oRosario)
STEAMER
Commandante Capclle.
E' esperado dos portos do snl ate o dia 10 do
corrente, seguindo depois da indispensavel demo-
ra para a Europa.
Com aviso previo, se podera segurar lugares pa-
ra passageiros e praca para carga, para Lisboa,
Havre e Antuerpia, e por baldeajSo para todos os
portos do continente : trata-se com
OS CONS1GNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA 4 C.
12Rua do CommercioEntrada pela rn*
do Torres.
THEATRO
' JHPREZoJJMA PENANTE
Sabbado 2 de maio.
Recita em favor do autor.
Sexta representacSo do lindo e freneneticamente
applaudido drama historico em 1 prologo, 4 actos
e I epilogo, original brasileiro do Sr. Dr. COrte-
Real:
Nuoes Maehado
ou
A heraiH'ii do coademnado.
Terminara o espectacnlo com a representacao
da jocosa scena coraica pelo aclor Penan le :
Um jesuita na garganta
Principiara as 8 1|2 horas.
DOMINGO
A's 5 boras da tarde. i
PaciOc Steam Navigation Compao}
ROYAL MAIL STEAMER
LUSITANI'A
e-pera-se da Europa ate o dia 24 do corrente, e de
pois da demora do costnme, seguira para Babia,
Rio de Janeiro, Montevideo, Buenos-Ayres, Valpa-
raiso, Arica, Islay e Callao, para onde recebera
passageiros, encommendas e dinheiro a frete.
Nao sahira antes das tres horas da tarde do dia
de sua chegada.
OS AGENTES
Wilson Howe A C.
14^RUA DO COMMERCIO14
PACIFIC STEAM NAVIGATION COM'
PANY
ROYAL MAIL STEAMER
PATAGONIA
Commandante C C. Brough.
espera-se dus portos do sul ate o dia 10 de maio
o depois da demora do costume, seguira para
Lisboa, Bordeos e Livt>r|ool, para onde -c*r>era
passageiros, eucommenda, carga e dinheiro a
frere
N. B.Nio sahira antes das ires horas da tar
de do dia da sna chegada.
AGENTES
Wilson Howe A C
14RUA DO COMMERCIO-14
Rio de Janeiro
Para e indicado porto segue com poncos dias
de demora a barca portugueza Feliz Uniao por
ter a maior parte de sen carregamento engajado,
s para o resto qne I he falta, trata se com os con-
eignatarios Joaqnim Jose Goncalves Beltrao & Pi-
sbo, a rua do Commercio n. 5.
Para o Aracaty vai sahir com muita brevidade
o bem conhecido hiate Joao Valle, para carga a
frete a tratar com Joao Jose da Cunha Lages, na
rna do Vigario n. 33, i.* andaf, ou eom o mes
tre a bordo em frente ao trapicbe Dantas.
Rio Grande do Sul
.Para o porto acima seguira com brevidade o
p.lacho nacional Africano, por ter parte do sen
carregamento engajado ; para o resto da carga,
trata-e com Silva & Cascao, 4 rua da Cadeia nu
mero 60.
Libras eslerlinas
Vendem Pereira Carneiro
& C.
Rua do Commercio n. 6.
Lisboa e Porto
Vai sahir com brevidade a veleira barca Lisboa.
Recebe carga e passageiros: a tratar com T
Livio Soares, ma do Torres n. X).
Compauhia llliuneu llaritlm
Portnense.
EMPREZA DE NAVEGAQAO ENTRE PORTUGAL E 0
BRASIL.
BARCA PORTUGUEZA
856*460
3:000*000
250*000
i .207*000
278*000
780*000
150*000
145*832
&258*590
600*000
77:9JO*695
117:757*732
570*000
4:245*350
116*260
1:9441*460
4:928*464
231*000
2:9324720
34:036*337
210*000
26O*CO0
Antonio loaqolm de MDrses>e*ilva
Manoel Pereira Lamego
HermenegiWo Angnsto N. Ylanna
Francisco Jose Magalhaes Bastos
Joao Pernaodes Ramos detMiveira
Joaquim Loeio Monteiro da Franca
Francisco Leopoldino de Gasmao Lobo
Miguel Seraflm de Castro Tiunes
Jose Antonio de Mattos
Joaquim Aarlio Wanderley
Jose Teixeira Basto
Pacbeco Si Mendes
Jose Goncalves de Carvalho Moraes
Izacc & Pedro Chares
Manoel Pereira Leinos & Filho
Faria & C
Joaqnim Antunes de Oliveira
Francisco Jose da Costa
Jose Saporite
Camillo Pinto de Lemos
Pedro Jo.-c da Costa Castello Branco
Adriano Hamiro an Albuquerque
Hoje
0 agenfe Pinto, antorisado por mandado do Illm.
br. Ur. iniz de dlreito especial do commercio, le-
vara a leilao as 11 horas do dia acima di to as di-
vidas da massa fallida de Bastos & Lemos, em
um on muitos lotes, em sen escriptorio, rna do
Bom Jeans n. 43.
Da
antiga e afreguezada taverna do pateo do Carmo,
esqnina da rua do Coronet Suassuna n. 2
Garante-se a casa ao comprador do estabe-
lecimento
A's lO 1| boras.
0 agente Martins fara leilao d'armacao, gene-
ros e mais pertencas da taverna acima, a qual se
acha muito bem localisada e afreguezada; os pre-
tendentes poderao examinar o balanco na mesraa
taverra.
LEILAO
DE
moveis
Este nzvio recebe carga e passageiros para Lis-
qda e Porto, devendo sahir dentro em poucos dias,
visto ja ter parte do seu carregamento contra-
tado.
Agentes e consignatarios
JOSE' DA SILVA LOYO & FILHO
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
A'u vegacito costeira a vapor.
FERNANDO DE NORONHA.
0 vapor Mand'ihu, comman-
dante Julio, seguira para
o porto acima no dia 5 de
maio as 11 horas da mama.
Recebe carga ate o dia 4,
encommendas, passageiros e
inheiro a frete ate as 10 horas do dia da sahi-
dad: escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
LEILOES.
Leilao
DE
118 caixas com macarrao, 80 ditas com aletria e
11 ditas com fig os, tendo cada caixa 95 latas
Hoje
A's 11 horas oa raanha
No armazem do Sr. Annes, defronte- da al-
fandfga.
0 preposto do agente Pestana fara leilao por
conta e risco de quem pertencer, de 14 8 caixas
com macarrao, 80 ditas com aletria e 11 caixas
com figos, tendo cada caixa 95 latas, em um ou
mais lotes, a vontade dos compradores, sexta-feira
1 de maio, as 11 horas da manha, no armazem do
Sr. Annes.
Ao meio dia em ponto.
SENDO:
mobilias de amarello, ditas de sip6, 1 guarda-Iou-
ca de amarello, 1 guarda-roupa, mesa elastica,
1 excellente piano de mogno, 1 toilette, 1 com-
moda, secretarias de jacaranda e amarello, ca-
mas francezas, 1 grande espelho, consolos, com
tampos de pedra, aparadores cadeiras avulsas,
i lavatorio, com pedra, bercos, relogios de cima
Je mesa e de parede, venezianas, machinas de
costura, masas redondas e muitos outros mo-
veis qne serSo vendidos ao correr do martello
pelo agente Martins.
\o armazem da rna do liupe-
rader n. 48
LEILAO
DE
30 caixas com cebolas novas, desembarca-
das ultimaraente
Hoje
As 11 horas da manha
No armazem do Sr. Annes, defronte d'alfandega-
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 30 caixas
com cebolas novas, desembarcadas uliimamente,
em um ou mais lotes, a vontade dos compradores
sexta-feira 1 de maio, as II horas da manha. no
armazem do Sr. Annes.
s>
LEILAO
Porto por Lisboa,
Sk
Pretende seguir para os re-
feridos portos com poucos
dias de demora, a barca por-
tugueza Novo Silencio, de 1.* classe, capi-
tao Ferreira, por ter maior parte de sua
carga prompta, e para que lhes falta passa-
geiros, para os quaes tern commodos : tra-
ta-se com os consignatarios Joaquim Jose"
Goncalves Beltrio mercio n 5.
Para
Para o indicado porto pretende seguir
com a possivel brevidade o patacho portu-
guez Azurara, por ter a maior parte de seu
carregamento engajado e para o resto que
lhe fal'a, trata-se com os consignatarios
Joaquim Jose Goncalves Beltrao ft Filbo,
v rua do Commercio n. 5,
DAS
Dividas activas da massa falli-
da de Bastos rt Lemeg, na im-
portaueia de 334:898^959,
asaber :
Joao Pinto de Lemos Junior 2:601*583
Bento Jo-e Fernandes Barros 428*630
Fortunato da Costa 50*000
G. C. Solvi 23*520
Bellarmino de Barros Corri?a 393*333
j Jose Maria Gaio da Silva 336*680
| Caetano da Costa Moreira 526*626
Manoel do Amparo Cajii 679*800
Francisco Sergio de Mattos 327*525
Siqueira 4 Pereira 623*920
Hyppolito da Silva 8:427*190
As>ociacao de colonisacSo 100*000
Miguel Jose de Almeida Pernambuco 1:135*070
Joaquim Francisco deAlem 1:985J237
Manoel Luiz Viraes 2:065*998
Bernardino Domingos Moreira 1:390*519
Marcolino Jose Goncalves Fonte 117*890
Antonio Joaquim de Vasconcellos 1:513*616
Rocha & C. 799*996
Jose de Sa Leilao Junior 3:378*316
Joaquim de Lemos Ferreira 4:626*037
Dominico Costa 119*950
Fortunato Simoes Carneiro 341*829
Silva Couto & C. 66*140
Manoel Buarqne de Macedo Lima 1:661*120
Sebastiao Lopes Guimaraes Junior 194*770
Jose Joaquim Coelho 100*000
Gongalo Barros Pimentei 250*000
Viuva de Manoel Joaquim Ferreira 2:791*012
Manoel Jose Ferreira Gasmao 692*600
Antonio Maehado Gomes da Silva 179*200
Antonio Vicente do Nascimento Fei-
toza 200*000
Hospital Portuguez 626*012
Fratolli Sechino 57*120
Manoel Figueiroa de Faria 2:568*313
Casal de Joao Tavares Cordeiro 22:437*766
Antonio Gomes Netto 400*000
Antonio Freire de Mattos Barreto 157*250
Frederico Lopes Guimaraes 4:000*000
Antonio Fernando Ramos de Oliveira 577*460
Francisco Antonio da Silva Cavalcante 300*000
Bandeira & Barboza 180*000
Luiz Borges de Cerqueira 489*187
Manoel Gouveia de Souza 352*282
Monteiro & Maehado 6*320
Jose Antonio Magalhaes Bastos 129*910
Manoel Ribeiro Basto 1:000*000
Manoel Joaquim de Mattos 671*000
Francisco Pinto de Lemos 452*900
Andre de Abreu Porto 6*320
Lopes Irraacs 84*000
Luiz Gomes Ferreira 802*320
Joaquim Goncalves Ferreira 937*500
Francisco Antonio Correa Cardozo 3:193*750
Francisco de Paula Pereira 400*000
Joao Pinto da Cofta 1:237*040
Adolpho Curio 132*125
Jose Thomaz de Aguiar Pires Fer- aac
reira 170*000
Joaquim Dativo Telles de Souza 50*000
Manoel Goncalves da Silva Junior 200*(O0
Francisco Jose Alves de Albuquerque 25*000
Jose Maria Cesar do Amaral 40*000
Lima & Martins {22^400
moveis, loucas, vidros, pianos, 1 partida de
chapeos do Chile e 1 dita defeltro, para
fechar contas
SABBADO 2 DE MAIO
A's 11 horas em ponto.
No primeiro andar do sobrado da rua do Marquez
de Olinda n. 64
0 agenle Dias, competentemente autorisado,
vendera em leilao deste dia \cima dito, mobilias
de jacaranda, com tampos de pedra, ditas de faia,
ditas de amarello, secretarias, guarda-loucas, me-
sas elasticas, marqnezoes, marquezas, camas fran-
cezas, espelhos, 1 toilette de mogno, e muitos ou-
tros objectos que estarao patentes no acto do lei-
lao.
Agente Dias
LEILAO
DE
moveis, louqas e Vidros
SEGUNDA-FEIRA 4 DO CORRENTE
as 11 h. ras da manha
Em o primeiro andar do sobrado da rua da
Aurora n. 79, junto & estacao da via fer-
rea de Olinda.
0 agente Dias, competentemente antorisado por
uma familia que mudou de residencia para a cor-
te do imperio, levara a leilao, no dia e hora acima
designados, os moveis e mais artigos alii existen-
tes
A SABER:
Uma magnifica mobilia de mogno, gosto raoder-
no. composta de 1 sofa, 2 consolos, tampos de pe-
pra, 2 cadeiras de braco e 18 ditas de guarnicao,
1 dita de jacaranda, composta de 1 sofa, 4 cadei-
ras de bracos, 12 de guarnicao e 2 consolos, tam-
pos de pedra, 1 piano de armario, 1 guarda-rou-
pa, 6 cadeiras austriacas, 6 cadeiras de junco, 1
mesa envernisada, 1 espelho com cabide, 1 san-
tuario, obra perfeita e muito bem acabada, 3 la-
vatories envernisados, 1 quartinheira, 1 marque-
zao, 1 etager, 2 consoles, 1 lavatorio de ferro com
espelho, 1 candieiro de gajk 2 pares de jarros
grandes, lanternas com pes de metal flno, casti-
Qaes de vidro, palmatorias com mangas, copos,
calices e compoteiras de vid.w, t galheteiro de me-
tal, 4 garrafas de vidro, faoas e garfos inglezes,
2 apparelhos de porcelana para lavatorio, 1 dito
de porcelana branca para jantar, 1 relogio de pa-
rede, jarros e bacias, e outros muitos artigos per-
tencentes a casa de fomilia.
LEILAO
DE
200 sacoos com arroz, desembarcados ulti-
mamente
TERQA-FEIRA 5 DO CORRENTE
A's 11 horas.
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
fandega.
Q preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 200 saccos
com arroz, desembarcados ultimaraente, os quaes
serio vendidos em lotes de 1 a 200 e a vontade
dos compradores; o mesmo preposto espera a
concurrencia dos Srs. vendelhoes
TERgA-FEIRA 5 T)0 CORRENTE
A'S 11 HORAS DA MANHA.
No. armazem do Sr. Annes, defronte d'alfandega
te antorisado, fara leilao, por conta e risco de
quem pertencer, de 100 apparelboa para Jantar,
com frizos. diversas duzias de tijellas brancas, com
Sis, ditas de ditas sem pes. ditas de soupeiras, ditas
9 pratos para forno, fundos e redondos, ditas de
compoteiras redondas, ditas de pratos razos, feitio
inglez, ditas de molheiroa, ditas de cafeteiras, ditas
de pratos ovaes, com aza, ditas de leiteiras, com
tampos, ditas de ditas sem tampos e ditas de sala-
deiras, as quaes serao vendidas a vontade dns Srs.
compradores ; e mesmo preposto convida a todos
os Srs. vendelhoes, pois a occasiSo e optima
AO CORRER DO MARTELLO
SEGUNDA-FEIRA 4 DO CORRENTE
A's 10 lj2 horas em ponto
Xo \. andar da rua do Vigario Thenorio n. 11.
Leilao
DA
offlnna de pianos da rua do ImpcradV* n. 53, de
J. higas, antiga casa de i. Vigces
Em liquidacjio
CONSTANDODE:
r.l ianos novos e usados, perunjas para pianos,
mochos. cordas, mnsicas. machinas para fazer bor-
dao, mogno, jacaranda em (olba e moveis.
Dancos para marcineiros, nm grande sorti
timento de ferramentas, restos de madeiras, para-
fusos, chaves, dobradicas, lixa e ontros accessorios.
Uma machina para fazer cerveja, 2 ditas para
lavar roupa, e muitos outros objectos existentes
no armazem e primeiro andar do sobrado da rna
do Imperador n. 55
Por intervencuo do agente Pinto.
Terca-feira & dc maio
0 leilao principiard as 10 li2 horas.
Desde ja vender se-ha em lotes, a vontade dos
compradores, um grande sortimento de musicas.
leilao
DE
mindezas, perfumarias, fazendas e papel para
forrar casa
QUARTA-FEIRA 6 DO CORRENTE
as 11 horas em ponto.
No 1. andar da rua do Vigario Thenorio
n 11.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 26 duzias de
ceroulas de linho, 20 dnzias de perfumarias, 2 du-
z!as de porta-retratos, 5 duzias de cruzes de mar-
fun,'2 duzias de bctoes para punho, de metal, 3
ditas de ditos de martini, com lettras, 2 ditas de
guarnicao para camisa, de metal, 3 ditas de ma-
dreperola, 10 ditas de collarinhos, 3 ditas de le-
ques de sandalo, 2 ditas de abotoaduras para co-
letes, 2 ditas de espelhos de mao, 2 ditas de gar-
rafas, com tinta encarnada, 2 ditas de brincos,
grande quantidade de pecas de papel de diversos
gostos para forrar casas, e finalmente diversos
chapeos de merino preto para homem.
QUARTA-FEIRA 6 DO CORRENTE
A's 11 horas em ponto
\o I." andar do aobrado da rua do
LVisario Thenorio n. II.
Segundo e ultimo
De uma casa na rua do Dique, antiga rua
das Carrogas n. 23
Quarta-feira 6 do corrente
\s' 11 horas em ponto.
NO l." ANDAR DA RUA DO VIGARIO THE-
NORIO N. 11.
0 preposto do agente Pestana fara leilao por
conia e risco de quem pertencer, de 1 casa terrea
na rua do Dique, antiga rua das Carrocas n. 23,
a qual tem os seguintes" commodos: 2 salas, 2
naarto. enwnha ftn, t!b.o ijuuu.u iuuo mu-
rado, a qual foi avaliada em 3.010*000, e rende
.100*000 annuaes, servindo debase a quantia de
1:800*000 offerecida no primeiro leilao ; os Srs.
pretendentes poderao examina-la, pois se acba
alugada.
QUARTA-FEIRA 6 DO CORRENTE
as 11 horas
no 1." andar da rua do Vigario Thenorio n. 11.
Grande e importante
Leilao
DE
uma mobilia de jacaranda, massica e quasi nova
1 cama franceza lanibem de jacaranda, 2 apara-
dores de amarello, novos, 1 tapete quasi novo,
forro de nma sala de visita, 2 commodas, 1 mar-
qoezao e outros moveis que serao vendidos
ao correr do martello
Sexta-feira 8 de maio .
as 11 horas em ponto
Por intervencao do agente Pino
Rua do Bom Jesus n. 5.,
Servira de base para o leilao as ofiertas obtidas
era particular pelos objectos acima descriptos,
sendo que a enttega se effectuara lindo o acto da
arrematacao.
Leilao
DE
uma f net lira de loucas
SEGUNDA-FEIRA 4 DO CORRENTE
&s 10 Ij2 horas em ponto
JJo 1. andar da rua do Vigario Thenorio n. 11.
ao correr do martello
0 preposto do agente Pestana, competentemen?i
avisos DVEBSOS
Os filhos e herdeiros
do commendador Manoel Fi-
gueiroa de Faria, tendo visto
em uma relagao de dividas
activas da massa fallida de
Bastos & Lemos, que devem
ir hoje a leilao por mandado
do Elm. Sr. Dr. juiz do com-
mercio, e por intervencao do
agente Pinto, contemplado o
nome do finado pai delles pe-
la quantia de 2:568$313, co-
mo um dos devedores; apres-
sam-se em declarar a quem
convier e para que ninguem
ao depois se chame a igno-
rancia, que tal divida e ficti-
cia, como ser& opportuna-
mente provado,. pelos meios
cabiveis, e em juizo compe-
tente. Recife, 30 de abril
de 1874.
Bom
negociOt
Vende-se ou arren^a-se o grande predio
de um andar e sotao, sito na rna do Bispo
Sardinha, proximo da igreja da Mhericordia,
na cidade de Olinda, tendo duas toas sales
de frente, um salAo no sotio, seis quartos
espagosos e fros;os, uma grande cocheira,
quintal todo ctrcado^de novo, e com diver-
sos arvoredos, uma boa fonte d'agua, e
tendo kbz caualisado. Achando-se prepara-
do com tod s os moveis inrlispensavefs &
uma grande familia, serd assim vendido oa
srm os moveis : a tratar nesta typogrspbia
ou na nu da Uniao n. 49, sobrado, atraz do
paco da assembles.
A. F. COBGA
Confronte a alfandega, armazem pintado
de preto, que curiosos acabam de deno-
miuar
Jazigo
0 administrador dtste estabelecimento, a bem
dos interesses daquella flrma, vende a dinheiro a
vista :
Batata', baratissimas.
Feijao mul; tinho muito claro e tenro, em sac-
cos, baratissimo.
. Laias com cinco galoes de gaz, Devois, a 5#30G.
Arroz superior a 21400 a arroba.
Caixas"com 40 cartas de fogo da China suptrior
a 6iim.
Manteiga franceza nova de 1874, da marca PLG,
a 740 n. a libra.
Os mais generos que existem no mesmo estabe-
lecimento, faz se a elles precos proporcionaes
aquelles declarados.
(M DA FORTIA.
AOS 4:000|:000.
BILBETES GARANTIDOS.
I' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua do
Crespo) n. 23 e casas do costume.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantidos
la 7* parte das loterias a beneficio da matriz
da Escada (98'), qne se extrahira na quarta feira,
6 do mez vindouro.
PRECOS.
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
BM PORgAODE 1009000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
___________Manoel Martins Fiuza.
Precisa se de uma pessoa para tomar conta
de uma taverna, que teuha bastante pratica e de
flador dc sua conducta: na rna Duqae de Caxias
n.22.
Proteslo.
Constando-me que o negociante da praca de
Pernambnco, Joaquim Jose Ramos, ao ausentar-se
para a Europe, descontara uma on mais lettras
que se ligoram aceitas por mim. venho protestar
contra esse acto eriminoso, e fazer pnblico que
nao aceitei lettra alguma em favor do mesmo Ra-
mos, e portanto falsas sio todas as lettras que
se acharem aceitas por nim em favcr do mesmo.
E para que chegue easa noticia ao conhecimento
de todos farei publicar o presente nos jornaes da
capital desta provincia e da de Pernambuco.
Engenho Castanha Grande, 24 de abril de J*''1'
Manoel ^va'-"'^ UB Mel|Q-
__Tendo rf'- 'ouir no dia 1" de maio os ter-
reuos de santo Amaro das Salinas, que medelam
entre o cemjterio inglez e a camboa da Tacaruna,
alim de serem dados a inventario pelo fallecimento
do major Jose Joaquim do Rego Barros, pede-se
aos interessados por aforaraenlo ou por outro
qualquer titulo documents Is '.) horas da manha do referido dia
a rua do Lima n. 38.
Recife. 38 de abril de 1874.
Aluga-se 2 casas novas na Capuuga, com
varios commodos para tamilia: a tratar no mes-
mo lugar a rua das Crioulas n o, ate as 9 horas
da manha ou dessa hora em diante no Largo do
Paraizo, venda n. 14._______________________
Aluga-se um moleque de 18 annos
a tratar na rua' Primeiro de Marco
18.
Agradecimento.
0 abaixo assignado, eapitae e preprietario do
patacho portuguez Adelina, naufragado na praia
do Gaibd, termo Jo Cabo, na madrugada do dia
19 da corrente, ftltaria ao mais sagrado dever se
nio viesse do alto da imprensa agrade:er aos dig-
nos cavalneiros qce tamo o obsequiaram depois
do transe o mais doloroso da vida bumana, qual
o donaufrago prestando-lhe tudo quanto nn-
manamente e possivel.
Recebam pottanto os Illm?. Srs. Drs. juiz mu-
nicipal Candido da Silva Freire e Joao Gonzaga
Baeellar e suas Exmas. familias, o agradecimento
do mesmo abaixo assignado e de seu tripolantes,
comogralidao eterua. *
Bicife, 30 de abril.de-1874.
Francisco Icaii de Abreu.
Precisase aiugar uma preta fiel para ven-
der na rua : qnem a liver, dirija-se a rua do
Principe n 32, que achara com quem tratar.
100$ de gratificacao.
Engenho Santos Mendes.
Fugio no dia 20 de de dezembro de 1873, do
engenho Santos Mendes, comarca de Nazaretb,
fregnezia de Tracunhaem, a escrava Maria, creou-
la, 50 annos de idade, pooco mais ou menos, bai-
xa, grossa, cor preta, rosto alquebrado, pes sec-
cos e espanados, dedos curtos, sendo os dous
grandes mais compridos, ja tern cabellos brancos,
canellas Una-, tem dous signaes cabelludos no
queixo, gosta do beber aguardente e assistir a
sambas, anda fingindo-se donda, e e bem ladina :
a pessoa qne entregar esta escrava ao seu done
que e o Sr. do engenho acima Laurenttno Gomes
da Cunha Pereira Beltrao, ou no Recife, largo do
Corpo Santo n. 19, !. andar. sera recompensa-
da com a quantia de 100*._________________
Luiz Pereira Goncalves da Cunha, retiran-
do-se para Portugal no vapor Boyne, pede desenj-
pa a todos os seus amigos de quem se nao pode
despedir pessoalmente. Outrosim, deixa encarre-
gados de seus nogocios em primeiro lugar aos
Srs. Soares Leite Irmao, era segundo ao Sr. Fran-
cisco d'Oliveira Leite Guimaraes, em terceiro ao
Sr. Joaquim Ferreira Diniz.
Recife, 28 de abril de 1874.
Luiz Pereira Goncalves da Cunha.
A professora publica D. Maria Candida dc
Figueiredo, competenlemenle babilitada, se pro-
pde a en?inar na casa de sua residencia, a rna
estreita do llo-ario n. 24 1 andar, desenhc e
musica.
Da liQoss de desenho nas quarta? feiras e sab-
bado? de todas as semanas, das 3 as 5 horas da
tarde ; e de musica as mesmas horas nos dias de
segundas e quintas-feiras de todas as semanas.
Proteslo.
Fugio no dia 5 de marco proximo pasado a es.
crava prta, de aome Auta, idade 48 annos, baixa,
(.cheia do corpo, com falta de dous dentes na fren-
te ; presume-se estar acoitada nor alsuem, pelo
que roga-se a quem souber de dita escrava, ap-
prehende-la e leva la a casa do procuradordo se-
nhor da me?ma escrava, a rua Primeiro de Mar-
co n. 7 A, ioja, que sera .recompensado : desde
ja protesta-se proceder com todo o rigor da le
contra quem liver acoitado a referida escrava, ad-
vertindo-re tambem que esta escrava se intitula
chama-8e Jo^ephina Maria das Pores.
Aluga-se por preco razoavel a Ioja do sobrado
n, 41 da ruadoRangel, a qual ja tem armacao
e preila-se para qualquer negocio : a tratar no
2* andar com o proprietario do mesmo.
Pergunu se ao thesoureiro interino da ir
mandade de Santa Cruz, qual e o artigo do com-
promisso, que lhe faculta o assignar com o secre-
tario o convi'e para a reuniao da mesa geral ?
Sera para ?e tornar mais conhecido f
Isto deseja 0 palheta.
A professora publica D. Maria Candida de
Figueiredo, competentemente babilitada pela di-
rectoria geral da instruccao publica da licSes de
lingua francezi, nas terras e sextas-feiras de todas
semanas das 3 as 3 horas da tarde, na casa de sua
residencia, a rua estreita do Rosario n. 24, !
andar.
ftegrinlia
!







~\
i
Precisasf de '.tma negrinha de 7 a 10 annos,
para andar com uma meniua : a tratar na rna da
Alfgria n. 40,
f_ntwr
*+



I
<*.
Diario de Pernambuco Sexta feira 1 de Maio de 1874.
Precisa-se
de am trabaltaador part padaria, porem que en-
tenda perfeilaments do trabalno do pao qua 6 to-
Bientado com ferment" de cerveja: a Iratar na rua
do Conde da Boa-vista, antiga do Caminho NuVe,
n. 91.____________________
TeSlor.
Precisa-se de ura feitcr para sitio que enlenda
do mesmo : na rua do K;.pg-'l n. 37.
VIGOR DO (MHO
DE
Seguro e adniiravel
HESTAURADOR E TONICO
PAIN 0 CABELLO
Concorre para um be lo e pr<
feilo penleado
Torna os cabellos raacios, brandos lu-
sidios, perf'nmando-os com um aroma de
deKcadeza, que Wo apurado tem
cial
MOFINA
Esta encouraqado!!!
Agua mole eaa pedra Aara
Tanto da ate qne a far*.
floga-se ao Illm. Sr. lgnacio Vieira de Hell
warWao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a ma Duque de Caxias si. 36, a con-
cluir aqnelle negoeio que S. S. se eompromettea a
realisar, pela terceira cbamada deste jornal, em
flnsde dezembro de t871, e depois para Janeiro,
fou a'fevereiro e atril de 1872, e nada cumprio,
por este motivo 6 de novo chanado para dito
flm, pois S. S. se deve lembrar quo este negoeio
da mais de eito annos, e quando o Sr. sea nlho s*
schava nesta eidade.
Curso de portuguez no ool-
legio 4a Conoeicao.
O bacharel Jorge Dornellas Ribeiro Pessoa este
incombido do referido curso.
Collegio prlicular
DE
instruccao primaria para o
sexo feminino.
D. Francelina Dornellas Pessoa, achando-se ha-
bilitada na forma das leis reguladoras da ins-
truccao pnblka da provincia, abrira no dia 1. de
maio proximo futuro, na casa n. 51 da ma do
Barao da Victoria, um collegio, em que serao
recebidas alamnas pensionislas, meio-pensionistas
e externas, alim de se edacarem religiosa e civil-
mente, de se instruirem nas materias de um com
pleto curso elementar, de se aplicarem a obras de
agulha e bordados de todas as especies, e a tra-
balbar em Hares, mediante uma razoavel_ remu-
ncidcao. Oo co puts (lo fvuiniitto pnitprao desde
ja dirigir-se ao mencionado collegio, onde ser-lhes-
bao dados os necessarios esclarecimentos e infor-
macoes, e onde encontrarao aberta a matricula
l ira as edocandas.
Recife, 15 de abril de 1874._________________
Aluga-se o 1* andar e o armazem do sobrado
da rua dos Burgos (Recife) n. II : a tratar na rua
da Praia n. 20, com Jose Feliciano Nazareth.
Ha mais de um anno fugio desta cidade do Re-
cife, e se suppoe nella occulto, o escravo Jose, com
os signaes seguintes : cor preta, de altura regu-
lar, com 25 annos de idade, pouco mais ou menos,
tem falta de dentes na frente, sendo porem o sig-
nal mais sensivel uma escrescencia na palpebia
que parece cego de um olho : quern o capturar,
traga-o a rua Direita n. 119, ou Saudades n. 32,
que sera generosamente recompensado pelo seu
senhor.
Manoel Camillo Pires Falcao tendo deixado
o lugar de tabelliao intense, que exerceu ha 18
mezes menos 12 dia?, por ter se apresentado seu
proprietario, nao pode deixar de agradecer aos
amigos e ao publico em geral a deferencia que para
comigo tiveram, procurando-me para passar sua
escriptura e mais papeia, do que serei eternamen-
te grato._____________________________________
Aluga-se uma escrava com duas crias,
a qual tem babilidades : a tratar na rua
Primeiro de Marco loja n. 18.
0 Dr. Joaquim d'Aquino Fonceca, a*
rua do Hospicio n. 33, pede ao Sr. Manoel
Fernandes de Carvalbo, residente na estrada
do Rosarinho, o favor de lhe vir fallar a
f espeito de negoeio de interesse de ambos.
LARAMIRAS
selecta e de umbigo
(Enxertadas)
Sapotizeiros
e sapoteiros de 11 palmos (em vases) e de todos
ob lamanhoe e precos mais commodos que dan-
tee ; assim como as seguintes outras plantas de
fructa e de ornato :
Abacati.
Acacia.
Ariticum a pe.
Canella.
Casuarina.
Carolina do prjocipe.
Cdndeca.
Corac5o da India.
Figueira.
Flamboyant.
Fructa-pao.
Inga do Para.
Jambo.
Jasmim laranja.
Laranja da China.
Dila do ceo.
E outras plantas :
nra o. K.
Laranja cravo.
Dita de doce do Para
Dita branca.
Dita tangerina.
Lima da Persia.
Dita de umbigo.
Limao francez.
Dito doce, enxertado.
OitieorO.
Palmeira imperial.
Parreiras.
Pinheiras.
Romeira?.
Bezeiras.
Rozeda.
Ubaia.
na Capunga a rua d aVen
m
1 rastes.
Compra se c vende-sa trastesnovos
e usados no armazem da rua o Im-
perador n. 48.

_*
Precisa-se de um eaixeiro com bastante pra-
tica de taveroa ; e que de" fiador de sua condu-
cta : a tratar na rua \relha de Santa Rita n. 60.
Precisa w da quantia de 300/ a juros de 2
0|0 ao mez,e por e?paco de seis mezes a um anno,
dando-se garantia a contento da uessoa que fizer
esse negoeio : quem pretender, deixe carta fecha-
da ne;ta typographia, com as iniciaes W W.W.
Preven(jao
Tendo Basks 4 Lemos fallida em 1862, e a ra-
zio social Rocha & C, fsubelecida a rua da Ca-
deia n. 8, creada em 1876, nao 6 com estes que se
entende o debito de 729*996, incluido na Hsta
para lcil?o amanbs.Agente Pinto
I
33-
. id?
Cinslrndor e iifiuadur de jiianos
l\ua do Imneradoi
33
Ex-alinador das antigas e afamadas casas Weyel & Herz, e antigo director das offlci-
aa casa Alpbonse Blondel.
" Tem a honra de declarar ao respeitavel publico desta cidade, que tem aberto sua casa df
concertos e afinap5e do pianos, qualqner que seja o estado do instrumento.
A mesma casa acaba de receber um grande sortimenio de pianos dos melhorcs fabricante>
de Paris, como Erard Pleycl, Hear I Herz e Alpkonse Blondel) todos os pianus sihidos da easa
Dbibaut sao garantidos.
Gompra-se e recebe-se em troca os piano* usado*.
49 Rua do Im
Devedores.
Os proprietaries da Confailaria do Camp s, a
rua do Impurador n. 24, pedem aos seus devedores
3ue tem aiilo reraissos, o favoF de virem pagars us
tbiios ale o dia 8 de abril proximo vindourot
avisatn aos mesmos que se ale" aquella data nao e e
liverem aldos. vmo seus nomc< neste jornas-
.-em di.-liiu-yai) dt pess'a algunia.
&3S&
FUNDICAO DO BOWMAN
RPADO
Ha nesle estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos mais afatnades autores,
como sSo : Hera, Pleyel, P!p, etc. Offerece-se tambera uma qualidade de pianos supe-
riores, roandados expressamente coostruir para este clima, o qual os amadores dos
bons pianos so encontrarao nesta oasa.
Recebera-se pianos usados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avrsa-se aos Srs.
concertadores de pianos
qua ha seropre o mais compfcto sortimento de materiaes para concertar pianos, como
sio: cepos, folba para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc
49 RUA DO IMPERADOR 49
PHOTOORAPHIA
IMPERIAL
LOPES &C.
ESTABELECIMENTO DE PRIMEIRA ORDEM
JBifa do Barao da Victoria n. 14, sobrado
{ANTIGA RUA NOVA)
Trabalhos premiados ua ultima exposicao
DO
RIO DE JANEIRO
Acha-se montadesob as melhores condieoe* f!e arte, e aberto &
concurrencia pub'lica, este estabelecimento, o primeiro, semduvida,
desta .provincia, no-qual se liram retretos pelos roelhorts e mais
modew.os svstemas, empregando-se somente material de primeira
qual dade, e garantindo-se
Semelhanca, nitidez e dura^ao.
Traballu-se todos os dias uteis e de guarda, desde as 10 horas-
da manhS ds quatro da tarde, nao prejudicando o tempo de cbuva
ou nublado a perfeicSo dos retratos.
Faz-se toda a qualidade de copias, augmentando-as ou diminuin-
do-as.
8$000
UBM duzia de retratos de uma s6 pessoa, em cartdes para al-
bum.
Pom os rotrfns osmaltados, colloridos, grupos, e augmentados ha,
uma tabella de pre$os.
Tiram-se retratos ate tamanho natural.
EXPOSICAO DE NOITE
LICOR DOS MONGES BENED1CT1N0S DA ABBADIA DE FECAMP
Este celebre licor tao
appreciado do publico
ao ponto de se encon-
trar hoje em todas a9
boas mezas, tanto no
Restaurante como no
jantar domestico; no9
grandes hoteis como nos
salaes dos principes, por
isso e elle tamben o ob-
jecto de nnmerosas imi-
tacSes, cuja maior parte
de falsa provehencia.
Como termo final de
garantir aos consomma-
tlores cuidadozos am
producto puro, exquisito
e essencialmente hygie-
nico, contra estas lalsi-
licacoes detcstaveis de
man gosto e nocivo, &
saude, dainos retro o
modelo da garafla e mais
acima o dos sellos e le-
treiros que envoivem o
verdadeiro licdr benedie-
tino.
OBSERYACAO IfflPORTANTE.
Recommendamos particularmente ao publico em geral, o exi-
gir o letreiro acima, qui 6 sempre poslo no fundo das garaffiu
desde o 1** de Outubro de 1872 que tem a assignatura de
A. LEGRAND aine, director cerau.
N. B. Em tempo* d epidemia o BENEDICTINO e um preservative*
oerto; am grande nomero de eelebridade* medical tem dado O
certiflcado bem formal.
Drponlto serai t A. LEGRAND ainr, em t^*rattt%t (Franca).
Deposito geral em Pernambuco, A. REGORD.
INJECCAO e CAPSULAS
VEGETAES ao MATICO^
GRIMAULT E C,A PHARMACEUTICOS EM PARIS
A injeccao de Malieo romedio essencialmente anodino e conhecjdo,' cura rapidamente aa
blennorrhaeias recentes, antigas e chronicas, sem dores, sem possibilidade alguma
ae accktentes, e sem (jeeasionar estreitamento de nenhum genero, posto quo n5o exeroe
nenhum accSo corrosiva.
As Capsulas de Matico difierem completamente de todas as outras empregadas aM
noje : as capsulas do commercio contem a copahiba liquida e causSo enjSo, arrotos e vomitos
porque diseolvem-se no estomago ; as nossas ao contrario colierras com uma capa de gluten
(pnncipio nutntivo do trigo) so se dissolve nos intestinos, e poe o reraedio tmmediatamente
em contacto com as vias urinarias.
A Injeccao e as Capsulas constituent reunidas uma medicacSo eDergica e inofiensiva
a qual nao resiste nenhuma Kennorrhagia,
PLESTIAS de PEL^
PIliUtAS
do Doutdr GAZENAVE
notaveis estudos feitos pelo
especialmente ao tratamento daa
Estas pilulas s5o resultados de 40 annos de experiencias e
illustrc Doutor Cazenave, no Hospital de 8. Luiz consacrado esn
molesUas da pelle, o t
Podem logo os SKrs medicos receital-as e os doentes tomarem com a maior confianca,
aeguros do obterem em pouco tempo e sem possibilidade alguma do recahida o restabeleci-
mento o mais coinpleto dos eonmas, prurigos. empigems, tinha e em geral de todas aa
eropcoes e molestias aa pelle por mm to graves que scjao.
Depositos am pernambuco. FKRBEI&A, MaU ed:- M-A. BARBOZA, 9 DM PrilK
dpaes pharmaciaa de Portugal e do BrazU. wea, ^ lum fw
24-Rna doMarquezdeOlinda-l\
Esquina do beeco l-ar^o
Participa a seus fregnezes e amigos que mudou
o seu estabelecimento de relojoeiro para a mesma
rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios de
algibeira, de todas as quahda'ies, patente suisso,
de ouro e prata dourada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro, inglez, descuberto, dos melhores
fabricante?, cadeia de ouro, plaquet e prata, lunetas
de tod?s as qualidades, tu Jo por precos muito ba-
ratos.
LOJA DO PAISSO
DE
Cordeiro Simoes & C.
Acabam do receber pelo vapor Mendoza :
Riqnissimos cortes de gorgurao de seda iisos e
com listras acbamalotadas.
Ditos de linho para vestidos, contendo cada cor-
te, o necessario para seu enfeite, como seja :
franjas, trancas, botoes, fivellas, etc
Riqnissimos cbapeos para senhora, ultima moda,
a rua Primeiro de Marco n. 7 A.
Arrenda-se o engenho, Saltinho da fre-
guezia de Una, moeote e cor rente. Dito
engenho e bom d'agua, dista duas leguas dos
portos de Tamandare e Rio Forracso, e tem
terras para safrejar 1,600 a 2,000 paes
annuaes : a tratar no mesmo engenho com
o consenhor Henrique A ugusto Milet, ou no
Recife com Leal & Irm&o, rua do Marquez
de Olinda n. 86._______________________
Rua Duque de Caxias.
0 Sr. Antonio Ribeiro Pontes, eaixeiro a rua do
Duque de Caxias, queira vir a rua do Imperador
n. 42, a negoeio de mutuo interesse, isto por se
ignorar sua residencia domestico.
Escravo tugido
Desappareceu ao amanhecer do dia 4 do cor
rente, do engenho Serigi, comarca de fioyama, o
escravo de nome Jose Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes seguintes: cabra, idade de 30
annos pouco mais ou menos, boa figura, um tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal mats visivel 1
gomma na junta do pe esquerdo : rogase a todas
as autoridades e capitaes de campo, queiram ap
preiieuder ditu escravo e leval-o ao referido enge
nho. ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, largo
do Corpo Santo n. 19, qne serao generosamente
recompensados.
PENHORES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e briihantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
eompra-se os mes-
mos metae&epedras.
Precisa-se de
rua Direita n. 10.
batedores: na refinacao da
Engenho
Veode-se o .engenho S. Pedro, situado na pro-
vincia de Alagoas, comarca do Porto Calvp, a
menos de uma legoa distante do potto de mar do
Gameila, tem oxcellentes terras, inaias, e safreja
regnlarmente TftOO paes : a tratar na roa do Vi-
gario n. 31.
\. 10,200
I'ede-se ao Sr, Jose Caetano, da kmerua Bins-
trada, o favor de anparecer na rua Primeiro da
Marca o. 7 A, t* andar, a negoeio de seu iateresse
(Passaiulo o oti'.asiZ.)
>up.\f AS ***& it*' -J "s'-nbf ortro* .gricol n s, t ;^;:.;.fcadorei de m
..uismo o favo. de o^* '..** sau ataheieuUiciiUi, v*r. verem o tiuvo lortimeiitc
omelet) qne abi tem; Made tcdo soperior em qualidsdo e (orudio; o que com ins
accio pessjal pode-se verifioar. -
KSHECIAL AlTE.NC.lOAO NUMERO E LUGAR 1>E SUA FUNDICAO
.T-.^-* ~~An Jtn/.Tin dos mais modemos gysietaaieem l-
V apOreS 6 rOdaS d'agUa manhQ9 convenieotes para as diversaa
trenmatancias doa aenhorea proprietario* e para deacarocar algodSo.
Sloendas de canna 8 um,ch08'a8;nie!core8 q0,qaf
Rodas dentad&s p ^
raixas de ferro ftmdido, batido e de cobre.
llambiques e fundos de alambiques.
tfnAhinietMna para mandioca e algodio.l Podendo'todoi
liaotillllSIIiOS e para cerrar madeira. ser movidos a mao
nnmLa. /por agai, vapor,
^UllluaS de patente, garantidai........ loo ammaes.
rodaa as machinas ^ *" T"
Pas qualqner eoneerto ** 'w -"*
Formas de ferro -..*- *
I?n/>f\nmianrloo Incrjmbe-ae de mandar vir qnalqoer machiniamo i von-
aJIUUmlUOilUtia. ta(je doa clientes, lembrando-tbes a vaotagem de fazercm
aas comprai por intermedio de pessoa entendida, e que em qualqoer Deccaudade pode
a prestar aoxilio.
Irados americanos e inrtroBMtM **
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFAMZ
FUNDICAO DE FEKRO
4' raa do Barao do Trinmpho (ma do Bruin) as. 100a 104
CARDOSO & IBMAO
AVISAM aos senhores de engenhos e outros agncultores e ao publico em geral que
continuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferrsgens e machinas ne-
cessarias aos estabelecimentos agricolas, as mais modemas e melhor obra qre tem vindo
ao mercado.
VaporeS !de forca de 4, 6, 8 e 10 cavallos, os rcelhores que tem vnado ao merado
UaldeiraS de sobresalente para vapores.
MoendaS lnteira-S e moias moendas, obra como nunca aqoi Teio.
TaixaS jfundidaS e batidas, dos melhores fabricantes.
RodaS d'agua com cubaje de ferro, fortes e bem acabadas.
ElodaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
RelOglOS e apitOS para vapores.
tSOmbaS de ferro, de repucho.
aJLaUOS de diverses qualidades.
Formas para assucar,grandes epequenas.
VarandaS de ferro fundido, Trancezas de diversoa e booilos go>tes.
cOgOeS tranCezeS para lenhae carvao, obra superior.
DitOS ditOS para ga2.
Jarros de ferro fundido para jardim.
Ires Qe ierrO para mesa e banco. .
Macnma para gGlar agua.
V aiVUlaS para bomba e banheiro.
Correiasinglezas para machinismo.
tSanCOS e SOtaS com tires de madeira, para jardim.
OoncertOS concertam com promptidao qualquer obra on machine, para o que teem
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOmmendaS mandam vir Pr encommendada Europa, qualqr machmismo,
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londres
com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
litas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.

*-
ODILON
CA
Premiados na
DUARTE & IRMAO
LLEIREiROS
exposicao de 1872
r
RUA
DA
IMPERATR1Z
N. 82
!. ANDAR.
Acabam de reformar
RUA
r>A
IMPERATRI7
N. 82''
1." ANDAR.
Uma pessoa vmda da Bahia, precisa fallar com
o Sr. Antonio Jo;6 de Freltas, roga portanto o fa-
vor de aoparecer a raa d Cruz a. 6, araiazem.
Aluga-se a sala e alcova da /rente do ter-
ceiro andar do sobrado n. 70, a rua fluque de Ca-
xias : a tratar na loja,
* CONSULTORIO S
I HEDIC0-CIRIRGIC0 S
m DO
^ Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso S
PARTE1RO E OPERADOR
f(Buu ao Vinrondr de Albuqaer-jp
s
que ii. 39.
ESPECIALIDADE
Holestla* de sentaoras e
mrninoH.
Consultas das 7 as 10 boras da ma-
W. nha, todos os dias.
0 Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar-
S tas e sextas-feiras.
W. Os doentesque mandarem os seus cha-
mk mados por escripto at 10 boras da ma-
^ nba serin visiiados em snas casas.
mmmmm mm**mm-. m
I"
O" Dr. Sannento Filho mu-
dpu-se para a rua da Aurora n.
61. 1." andar ; entrada pelo oi-
tao.

tt
i
*
o seu estabelecimento, colJocando-o'nasVmelhores con.
diccSes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e is Fvrna^ w
quillo que fdr tendente a arte de cabelleireiro. as* D *"
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tuDete chirnion
coques modernissimos, trancas, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadrStS'
mulares, Jlores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello
O estabelecimento acha-se provide do que ha de melhor nos mercados estran-
ges recebe d.rectamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas eftS-
rfeo.de modas e por isso pode vender 20 /. menos que outro qualquer garanfi
perfeicSo no trabalho, agrado, sincendade e pre^o razoavel. Brauunao
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fdra ; vende-se cabAlta n,
porijJo e a retalho e todos os utensihos pertencentes & arte de cabelleireiro. era
Collegio de S. Sebastiao para
o sexo feminino
A abaixo assignada seientidca aos senbores pais
de familias e a quem mais convir possa, que as
aulas de seu collegio continuam a funccionar em
a casa da rua Direita n. 36, 2 andar.
_____________Manoella Augusta de Mello Rego.
Aluga-se ou vende-ae um escravo earrocei-
ro, idade quareota annos: na rua do Hospicio
' AIM PUBLIC*
A primeira cadeira da aula publica para o sexo
feminino da freguezia de Santo Antonio, funcciona
no 2 andar da rua do Barao da Victoria n 31
entrada pela rua das Flores.
Na rua do Imperador
n.28
precisa-se fallar aos seguintos senhores :
Dqmingos Martins de Barros Monteiro
Joao Vaz de Oliveira. ^*
KSLS^f0 ^ Lima f^azaretb).
Manoel Pereira Brandao
Manoel dos Passos Miranda.
Theotonio de Barros e Silva
Francisco de Paula Borges.
Francisco Antonio Pontua
SAQUES
Carvalho & Nogneira, na rua do Apollo
9. 20, accam sobre o Ranco Commercial
de vianna e suas agencias em todas as ci-
dados e villas de Portugal, & vista e a oraio
por todos os paquetes.
Traspasso de easa.
Traspassa-se ate 31 de agosto uma grande casa
na povoacao'de Apipucos e com muitos commo-
' dos : a tratar no 1* andar do sobrado da tra -
vessa da rua do vigario, n. i,escriptorio.
Bonifacio Ma.ximiano de Mattos, tendo man:
dado buscar no engenho Paulista, pelo caboclo
Jose, estatura regular, gordo, barba pouco fecha-
da, tres rezes, o Sr. Joaquim Cavalcante lh'as ea-
tregou; o portador de posse das rezee as vendeu '
e desappareceu : portanto, roga se a quem delle
noticia sonber, a vir ao annunciante. que ficari*
grato.
h


____________

6
Jikm de Femambueo Sexta feira I de Maio de le74.
De l-.OOC'J a 2:000ji, m:s oa menos, com hypo-
tnecaem cisas aqui na eidale: se (lira quern da
nas rua* c'a lmperatriz n. 38, loia, oa Imperial
numcro S.
-----------------------------------------,__,_________________
Fugio de 12 para 13 do currents mez, do
engenho Macaranduba, da freguezla de Agua-
Preta, o escravo Migael, da 37 annos de idadc, e
os sigoaes seguintes: preto fulo, baixo, secco, per-
nas finas, pes secco?, pouca barba, olhos peque
nos o bom irivos, marcas mu.to antigas de acoites
nas nadegas. Este escravo foi comprado em in-
lho do anno proximo passado a D. Rita Maria Fir
mina de Almeida, no Recife ; e" natural de Naza
retb, roi do Sr. Antonio Xavier de Andrade, do
engenho Cute, dicomerca de Itambe, e depois
do br. seralim Anselrao Pereira de Lucena, no no-
voado truancy. Ha toda probabilidade de estar
nos Remedies, ou em Cruangy, pois elle disse a
aiguem quo la para urn ou ontro lugar, onde e"
baqumno. Riga se as autoridades policiaes e ca-
Pilaes de campo a apprereasJo do dito eseravo.
Quern o appreheuder queira levar ao Sr. Genuino
Jose da R,.sa, no Recife, rua da Praia n. 43, ou
na estacao de Agua Preta, ao Sr. Ernesto Arcelino
ae uarros franco, que sera generosamente recom-
pensado.
ilcmvindo fngio.
No dia '21 do corrente fugio o escravo
scioia, ten'Jo os signaes seguintos : idado 25
annos raais ou reenos, cdr fula, cabellos
carapiiiiios e urn pouco crcscidos, cabeca
chata, eslalura regular, um tanto magro, e
tem no ro.-to bastantes signaos de boxigas,
usa de cbapeo de couro, e lev ,u calgas e
caniisa ite .-ilgodfiozinho : roga se a todas as
autoridades e capilaes de can po, queiram
appreheuder dito escravo, c leval-o & rua da
Madrede Deas n. 5, 1. andar, das 9 a"s 4
horas da Urde, ou a rua da lmperarriz n.
4, i." andar, que serao recompensados.
Rua V de Marco n. 23
4os 20:000$000.
0 nbaixo nssignado tem sempre exposto a ven
bilheies da luteria do J'io, cuji
A ConsDltorio niciiico-eirardco &
i DE b %
A. B. da Silva Maia. ft
I
Rua do Visconde de Albuquerque n. a
II, outr'ora rua da matriz da Boa-VisU M
n. 11. S/
Chamados : a quaiquer hora. ffi
Gonsultas: Aos poites gratis, das 2 as
4 horas da tarde.
%

Precisa-se d 3 unra escrara para cozinhar
comprar : a tril.tr tia raa i rkneiro de Marco n
2J.
Piensa-se de nma ania
que saiha cozinhar
eeDfrominar: a tratar na praca do Cerpo Saoto
n. 17, 3 .in lar.
Ama
63
uja extracfao an
)cioi jornais.
Preco?.
InU-iro SiiOOO
Meio 124000
Quarto r.^OOO
Manor! Marlins Fiuza.
Meiif&o.
Pi"' i le nma senhora one esteja habilitnda
para ensinaro poituguez, francez, piano, costuras,
LurJaJ <. etc.. etc., e one queira ir para um en-
genho peito do tuna das estacSes dj Recife a S.
Franc: ', [ i ensinar a tunas meninas que ja
estao principiadas, pnga-?e 1 000& e gratifica-se
gradaan-lu : a tratar nas Cisco I'ontas n. 82.
Arrenta-se_o en.-fnlio Jussaral-grande, no
lermo de n Itaem, o qual esta situado a legoa
i i la es! .a ) da Escada ; 6 bom moclcr com
le muito boa produccao, Unto de canas
io de mandioca : a tratar com o propnetario
flumes no, n .mg-mho Cilif'-r.ia, em Serinhaem
All ga-se um preto para todo scrvico,
N3o se prestando o pequeno espaco do armazjm
a.1" A, a rna da Madre de Deos, para um abaste-
cido deposito das diversas marcas de famo, que o
ahaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
diante aberto ontro estabelecimento sob a mesma
denominagao de
Armazem do fumo
A' rua do Amorim n. 41
com todas as propor^Ses desejadas, e onde pode-
rSo os senhores freguezes dirigir-se, certos de
que, como ate aqui, ac-'iarao sempre a par da mo-
dicidade dos precos, a rnaior sinceridade possivel.
Enlre as difTerentes marcas de fumo da Bahia e
Itio de Janeiro, que tern sido annunciadas, acaba
de chegar uma encommenda especial, e que muito
deve convir aos senhores freguezes. Consciente o
aba xo assignado de que neste genero de negocio
nao esta sem competidores, fara muito por evitar
qne tambem oj tenha com relacio ao pequeno lu-
cro que procurara obter da dita mercadoria.
Jos6 Domingues do Carmo e Silva.
*& BACHAREL MIGUEL AMORIM
tdvosado
Rua do. Traperador n, 71.
ft$*ff-8&*tt*aHtf**
Empreza do gaz
A empreza do gaz tem a honra de annunciar ao
pnLlico que recebeu nltimamente um esplendido
sortimento de lustres de vidro, candieiros, aran-
delas e globos, cojas amn?tras estao no escriptorio
a rua do Imperauor n. 31, e serao vendidos aos
seus freguezes pelo prcgo mais razoavel possivel.
Precisa-se de
uma ama para
cosinhar e fazer outros me-
nores servi^o de casa de
pouca familia, preferindo se
escrava; naru doCapibari-
be n/^jO.
Aluga se uma 'escravn para todo servico de
casa : na -rua do Imparador n. 50,3* andar. '
Offence-se uma ama para casa estrangeira
ou brasilelra : na rna da Paz n 36.
Preci*a-se de uma ama para cozinhar para
uma familia, composU He duas pessoas: a tratar
nopateo (to Pawizo n. 28, 2 andar.
Precisa-se de duas amas, uma para cozinhar
e outra para lavar e engommar : na rua Duque de
axias n. 22
AMA
Na rua Nova a. 63 precisa-se de
uma ama que cozinhe com perfeicao,
para casa de homem solleiro.
Alnga-se o 2" and3r da casa n. 56, a rna
Duque de Gaxiae : a tratar na uesraa rua n 79
Icja._________
Grande fabrico demarmore;
deBelvoyscfc Sampans
(Jura) Franca
Esta grande fabr ea executa quaiquer encom-
menda deste genero, como sejam : ornamento*
chamines, balcoes e ladrilhos de quaiquer natu-
reza e desenho : os concurrents deste genero po-
derSo ver, pregos correntcs, expliccSes e dese-
nhos, e as encommendas a tratar om casa de Kel-
ler & C, rna do Bom Jesus n. 89.
Cozinhar e engommar.
Preoisa so alugar una escrava que saiba cozi-
nhar e engommar ; e para casa de pequena fami-
lia : na rua do Vlgano n. 16, i. andar.
Advocacia.
iw liaehnrel Tbomnx Cltavcs &"-
--; advigado no f)co da comarca do Bum
7" Jardun inoumbe se de promover cobran- *
. i-asamigavel ou Jndicialmente na mesmi iS
m comarca. IS.

FAZEHDAS BAffifTAS
KM.
DO PAVAO
NA
Rua da lmperatriz
?*
Constando aos abaixo assignado achar-se nes-
ta pract o Sr. Manoc-1 Fernandes de Garvalho, ren-
diro dos engenhos Barra e Pregnica, em Ma-
matiguape, provincia da Parahyba, veem rogar ao
tnesmo o obzeqoio de vir cntender-se com os
abaixo assignados immediatamente sobre negocio
lendente ass referidos engenhos. Rua do Amorim
37, escriptorio.
Tas?o Irmaos & C.
Ricas bandeaps
Para asamentos, bailes a baptisados.
Quern quizer obter uma bandeii* rioamente on-
feitada, dlrija-se a Corifeitaria do Campos
Ja mamianJo ou indo encommendar, .ja com-
prando alii todos os enfeites, constando do seguia-
te :
Bolos finos para enfeitar.
Doces sain Tosissiuios para enfeitar.
Figuras ailegoricj para enfeitar.
Papeis arrendados para entei ar.
Bouquets para noivos.
Alii
Encontra-se sempre o seguinte :
Fiambres inglezes.
Budins
Bolos
PJes de 16 tioos.
Fatias do dito para parturientes.
Pasteis em profusao.
Filhos (sonh's de mnlvina).
Doces em calda, ralado e secco.
Bolachinhas de mil qnalidades.
(Sugar Waffers vanilla) para dietas.
Gel6a de moeolo, desinfectada.
Amendoas, confeitos, etc.
Cha verdadeiro das ('aravanas.
Cafe de Java (rerd deiro).
Tuilo Isto na
CONFEITARIA DO CAMPOS.
inclu-
tratar na
resi cozinba, por tambem entender :
I'l'-'C-"' '> i' j S:-nto p. 17. 3' andar.
Muita attcacao
Havendosido subtrabida ou extraviada do po-
dcrda Sr. D. Isabel Lucas da Silva uma letra
tfp sen ajeilo, na importancia de 1:2605000 e
ficc '. Sr. Man el Soares Pinheiro, e isto
i Itllra ja bavia sido resgatada pela
lara-se pelo presente meio que mais
. era semelhante titulo, visUi ja ha-
bi v;;"ii por ella rej.resenla-
" consi mini i de nenhura proveito
3 !! jess a. mi enja uiio porven-
sstando se proceder cnmi-
i :ra quern qn r que tenha sido o sub-
b r, i u qne de ma fe pretenda atilisar-se da
lira.
. U do abril \- 1874.
p.,!-. Co i'amil a
assignada faz lerabiar aos chefesde
daqui ,1 fora, que contintia
1 de ins true., ao primaria paraosexo
1 :asa de sua residencia a rna do Ca-
' -:i n. 16, i nde \^:i', dos primeiros conhecimen-
:a prammatica nacional, francez, musi-
ca,pi i j-i. i> para iss3 lent habeis mes-
tr -. oto a tr g tlha, ensina to!as
- !: les de bordados, e tutre es;e o de ouro
relevo, c trahalhos de la e crochet de
d lades, promette todo o disvelio e ca-
rinho-para com suas alumnas, e b< m assim iodo o
no cumpriroento do seu magisterio.
ternas e int< n -. afianca comnudid..de
D : ite.
___'_____________Fortonata Fortes.
SA DO OURO
Mom 4L-.iQ?>&-3
Bilhetes garantidos
Vicente fugio.
Na noite de 13 para li de marco do corrente
inno fugio o mulato Vicente, escravo, de 20 anaos
de idade, bonita Bgura, barba e cstatura regular,
ev;.ndo vestida e em um sac:o roupa de algodao
branco e .ilguma main Una pertencente a um cai-
xeiro da eaa d'oade fugio ; e natural da fregue-
zia lie Sam'Anna do Maltos, diz ser livrc, casado,
e ter sido criado em companhia da madrinha D.
Anna Luiza da Lnz, de qu.rm alias foi escravo :
roga-se, portanto, aos senhores capiiacs de campc
e autoridades poli-iaes a apprehensao do dito es-
eravo, e entrega-lo na cidade do Recife, rua do
Crespo n. 10, ao Sr. Joaquira Morcira Reis, ouna
ciiade do Assu ao Sr. Torquato Augusto de Oli-
v.ira Baptistft, que serao generosamente gratifi-
cados.
i i ova
Rita do BarSo da Victoria -outr'ora
n. 03, e casa do costume.
0 abaixo assignado acaba de vender nis sens
nuito fclizes bilhetes a sorte de 700^000 era um
1,1111-' 'o n. 2799, aiera de outras sortes
menoresdo iO^OOO e 203U00 da loleria que se
acabi 'ir.'liir (97';; convidaaospossuidores
a vir. her, que promptamente serao pagos.
0 h, i>aixo assignado convida ao respeiu
vel pnbli. ra vir ao seu estabelecimento com-
orar
tir
annuncios
A.
"anUuva u /- pinie ua loiena a Denencio cia
igreja matriz da Escada, que se extrahira no dia
0 de maio vindouro.
Inteiro 45000
Meio 2*00-0
,1d0?0 para cimu.
Inteiro 3^500
Meio |f 780
1 29 de abril de 1874.
_____ loSo Joaquim Hi Costa Lett,'
Gu-tave, cabellelreiro, a rua do Marquez de
Oliada n. 51, pnmeiro radar, preeisa de um habil
official de barbeiro; paga so bera.
- Na rua do Canuga n. li, ha um bom copei
ro, escravo, para alugar-
Ao publico
0 abaixo assignado, como procurador de Joa-
qnim Jose" I! mos, lendo neste jornal um protesto
assignado pelo S-. Manoel Cavalcanie de Mello,
sobre uma letra de seu aceite, pede ao respeitavel
publico quo suspeuJa seu juizo ale que receba de
dito Ramos 03 esclarecimentos que mandou pedir.
Recife, 28 de abril de 1871.
_________________Joaquim Francisco Bastos.
- Psta fugida a Sserata mulata, Maria, de 24
annos, baixa, corcunda, cabellos carapinhos, rosto
compiido e falta de dentes, p6< malfeitos e dedo3
todos iguaes, toma rapf, e muito mentirosa, cos-
(uma a dizer que e livi e, e quo e casada com um
inglez empregado no Cambrone, de nome Henri-
que, por quern tem sido seduzida ; ja tern sido
admitlida de ama cm casa de familia com o nome
de Rosa. Protestase com todo o rigor da lei con
tra quem a tiver occulta : quem a pegar, leve-aa
rua da lmperatriz n. 6, que sera tem recompen-
sado.
----r..... ** >w auu cstauuiCLIlIieaiU COin-
orar os m ti i feliz bilhetes,que nao deixarao de
tirir quaiquer ,remio, como prova pelos me^mes
"-nuncios
icham-so a vonda os muito felhes bilhetes ga-
itido, da 7- parte da loteria a beneflcio da
D<
CavallariH
Precisa se fallar com o Sr. tenento Roma, no
Intel de Apipucos, a negocio do seu particular in-
leres se
Da se sociedade em uma taverna bem afregue-
zada.auma pessoa que tenha inteira pratica do
molhados, que nao seja crianija, enlrando eom al-
.gum capital: para informacoes, na rua de Santo
Amaro n. 2.
0 abaixo assignado tendo juslo e coniratado
comprar uma casa ttrrea no lugar da Cabanga n-
24, pertencente a Antonio Moreira Porto e sua mu-
Iher D. Anna Francisca Leonor, livre e deseraba-
racada de quaiquer onus, quem se achar com
direito a mesma casa, annuncie no prazo de oito
dias. Recife, 29 de abril de 1874.
_______________Manoel Francisco de Souza.
Marcelino Jose" de Brito, abaixo assignado,
participa ao respeilovel publico que tem dissolvido
amigavelmente a sociedade que tinha na pharma-
cia, cita ao largo da matriz de Santo Antonio, n.
11 A, com o Sr. Jose Raymundo Ferreira deAraujo
Saldanba, fieando.este irit.-iramente desonerado de
todo o aclivo e passive da mesma pharmacia, e a
cargo do annnnciante toda a responsabilidade do
mesmo active e passivo. -
Ontrosim, fazcerto ae respeitavel publico evom-
raercio. que se tein associado com outra pessoa na
mesma pharmacia. enja firma ?de hoje em diante
gyraraMarcelino Jose de Brito & C.
Recife, 30 de abril de 1874.
__________________Marcelino Jose de Brilo.
0 abaixo assignado faz sciente a quem in-
teressar possa que ietirou-so da seciedade que ti-
nha na pharmacia n. H, a rua do Cabuga ; que
gyrava sob a firma de Brito & SalJanha ; fieando
o socio Marcelino Jo:e de Brito responsavel por
todo o passivo, segundo a escriptura de distrato,
as notas do tabelliao Porto Carreiro.
Recife, 22 de abril de 1874.
_____________Jo;C" R. Ferreira de Araujo Saldanha
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e de
elegantes modellos, dos mais notaveis e bem co-
nhecidos fabriC3ntes; como sejam : Alphnne Bi-
donel, Henry Hers e Pleyel Wolff & C. : no Vapor
Francez, a rua do Baiao da Victoria, outr'ora No-
va n. 7. a precos muito commodos.
Mobilia de vime.
Cadeiras de balanco, de braco, do guarnicoes,
sofas, jardineiras, mes.-^s, conversadeiras o costu-
reiras, tr.do ist > muito bom por serem fortes e
leves, eos mais proprios moveis para 3alctas e ga-
binetes de recreio.
No armazem do Vapor Francez, rua do Barao
da Victoria n. 7. ontr'oaa Nova,
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de toilete,
divina, ilorida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
crosmeticos, maitos artigo delicados em perfnma-
ria para presenf.es em frascos de extractos, caixi-
nhas sortidas e garrafas de differentes tamanhos
d'agua de Cologne, tudo de primeira qualidade
dos bem conhecidos fabrieantes Piver e Coudray,
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Qumquilharias.
os phantazias.
Espelhcs, leques, luvas, joiasd'ouro, tesourinhas,
caniyetes, caixinhas de costnra, albuns, quadros,
e caixinhas para retratos, bolsinhas de velludo,
dita'de couro, e cestinhas parabracosde meninas,
chicotes, bengalas, oculo, pencinez, ponteiras para
charutos e cigarros, escovas, pentes. carteirinha de
madreperola, lapete para lanternas, malas, bolsas
de viagen.s, venesianas para janellas, esterioco-
pos, lanternas m3gicas,COs!aOramas, jogos da gloria,
de damas, da hagatella, quadros com paisagens
globos de papel para illuminacoes, machinas de
fazer cafe, espanadores de pallia?, realejos de veio,
accordaos, carrinhos, e ber^js para criancas, a
outras muilas qiiinquilharias.
Brinqucdos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de to-
dos os brioquedos fabricados era differntes paries
da Europa, para entretimenlos das criangas, tudo
a precis mais resuiridos que e possivel : no ar-
mazem do Vapor Francez, rua do BarSo -da Vic-
toria outr'ora Nova n. 7.
0 mmmmnnmm m*m
Boa casa n. 7
Aluga-se no3 Coelhas, confronte ao hospital Pe-
dro H, assobradada, independente de cutras ca3as
grande quintal murado, cocherra, quartos para
cnados, commodos independentes para duas fa-
r PARA LIQDIDAR
Uranadina preta a 500 rs o CaMISAS FIUNCEZAS A 2d"000, :500'
oovaaa. 33000 E 3?500.
0 Pavao vende granadina prta e fcvrada
pelo baratu pro^o de &00 rs o covado. 0 Patio vende urn bonito sortimento de
Madapoiaa eafcst4a 89*00 camisas francezas com peito de algdao, a
a peca. i 25000 e 2JJ500. Ditas com peito de linbo
_ ; do 35000 a 6j?000. Ditas bordadas muito
OlavSovcndo prcas .fle .nwdapol^rj en-'finas tie G*W-0 a 1^000: ttsma como
festado, pelo barato preQo de 35000 a pega. grande sorliaieato de -oeroslas de liubo e de
Ditas sem ser enfestado, oem 20 jardas, a \ algsdio, pot paeyea Jjawrtos-, e tambem tem
>0. Ditas com 24 jardas muito boa completo rtiBaiode putJaftSJe collarinhos
milias, porlo de embarque e banho3 salgados, em-
fim e uma Delia casa do campo para qnera quer
ivre do rcbolico dos carros, principalmcnte
fazenda, a 6JJ000, 63500 e 730O0.
| tanto de lintob t de algorJSo, por precos
dos pes ilentos apparelhos Drainage : a tratar na alpacas pretas, que vendea 5'>0, 649 e 800
ALPACAS PRETAS A 500, 6i0 E 800 RS. j em conta.
1'avao tem um graude sortimento de, Espai>tilhas a 3^50)0^ 1JOOO e
mesmo lugar, em uma
hospital.
taverna defronte do dito
Ahiga-se
na Toeum bora sitio, com muitas fructeiras e
com noacjsa para grande familia.
Una casa no mesmo lugar, nova, com 2 salas,
3 quartos, cozinha e despensa, quarto para cria-
dos e bom quintal.
Uma dita dito dito nova, com 2 salas, 3 quartos,
cozinha, despensa e bom quintal.
Duas ditas dito dito d to, pequenas, com 2 salas.
I quarto, cozinha e grande quintal.
A tratar na Capunga, porto do Lactrre, n. 32.
0 abaixo assignado faz ver ao publico ^ n
corpo do comraercio que por motivo de incommo-
das deixou desde o dia 31 de janei pruximo
passado de ser caixeuo interessado il Sr. Jose
Francisco Paredes Porto em sua Ii.ja d fazendas
sita a rua da lmperatriz n. id, que uuava sob
a firma de Paredes Porto & C, fiea.-i
satisfeito de seus ordenados e intcresses.
Hecife, 30 de abril de 1874.
lo-pago e
Joi6 Tbornaz da Silva.
.-m-jjfc1 j>-'t^vjiFy:rn>
mm

\mo
rs. o covado, assim como grande sorti-
mento de cantoes, bombazinas, princezas
pretas, merin6s, e outras muitas fazendas
proprias para luto.
fteriiithns a fl^OOO.
0 PavSo vende sedas com listrinhas de
cores a 15000 o covado. Ditas com pal-!cmncha-
minhas a 2g>000. Ditas com toque de mofo
a 1&000 e 12400.
CAMBRAIA VICTORIA A 49000, 49500,
0^000 E 7JJ000.
0 Payao vende um grande sortimento de
cambraia Victoria e- transpareote com
8 1/2 varas cada peca, pelos baratos precos
de 43JO0O, 45J500, 55000, 65000 e 78000
a pec,a, assim como, ditas do salpico bran-
co, a 7#000, e pechincha.
0 Pavao vende urn bonito sorlimeato de
espartilbos moderuos a 3550'.'-, 4^000 e
5^000, assim como um bonito sortimento
desaias brancas, bordadas, a 59000 e 65000,
e ditas de lasinba de cflres a 35000 : e pe-
KOVAS LAZ1MIAS ,A 5G0 RS.
0 Pavao recebeu pelo ultimo vapor uu
elegante s >rt mento das mais lindas laiznhas
para vestHos, sendo transparentes com as
mais delica^as cores, e modermssimos pa-
droes, que vende pelo barato preco de 500
rs. o covado, a* rua da lmperatriz n 60.
UQUIDACAO DE ROUPA PARA HOMENS.
0 Pavao vende um grande sortimento de
Precisa-se comprar dousescravos, pedreiro e r?uPas Pnra ^ornens, sendo palitots saccos,
carapina, paga se bera : a tratar na thesouraria j ditos fraks, tanto de casemira preta e de co-
C0RTIN'A?>0S BORDADOS WRA CAMA E
JANELLAS, DE 79 ATE' 255000 OTAR
0 Pavao vende urn grande sortimento de
cortinados bordados, proprios para*ama e
janellas, pelo barato preco de 179000,89000,
106000 ate" 255000, a<*im como : colxas
ce dnmasco de la muito fina de 1050CO
1-29000 cada uma.
das lotenas, a rua Primeiro de Marco n. 6.
Compra-se um portao de terro
angel n. 02.
na rua do
\ir.
vmnt.
Art!:
Liquidacao
EM
Grande escala
So o n. 20
A' tun doCresp>, Ijja das 3 partas
res, como de panno ; assim eimo um avul-
tado sortimento dacalcas do casemira preta,
de cor, de brim de cor e branco, e um
grande sortimento de colletes de todas as
qualidades.
Tendo tambem um bom sortimento de
camisas inglezas e francezas; assim como
de ceroulas de linbo e de algodao, o vende
todas as roupas a ima mencionadas pelo ba-
h)
A
francez
9$
Aluga-se
a casa terrea com grandes commodos para familia,
ext-n o quintal murado e arborisado, e outras
man,, couiraodidades, no melhor local do patec
Oa ...-. ,!,gados) : a fallar ao sacristao da matriz
par* vela, e no Recife, ttatar a rua das Cinco-
P I 31.
Ffeo !ia mais cabellos
braocos.
naTUBJIIIM JAPOMEZA.
S sciencUs, recouhecida superior a toda que
Pi> r eido ate" hoje. Deposito princi-
'' Cadeia do Recife, hoje Mar-
qaei de Uhn4ft, u. 51, l.o andar, e em
todas as hoticas e casas de r^bellei-
reiro.
Cozinheiro francez.
Quem precisar de um perito cozinheiro francez,
tanto para hotel como pasa particular : dirija-se
aoh otel Bordeaux, para tratar.
Precisa-se de uma mulher que tenha pra-
tica de vender na rua, preferese escrava;o Sr.
ou Sra. quo quizer alugar, dirija-sa a rua de Pe-
dro Alfonso, outr'ora rua da Praia n. 27. "
FUliaO DO BOWMAN"
0 engenheiro Albert'Gbouy,retirandose tempo-
rariamente para Inglaterra no ,-apor Boyne, e nao
podendo pela presteza de sua viagem despedir-se
pessoalmentt de tolas as pessoa* de sua amisade,
o faz pelo presente, pedindo-lhes desculpa dessa
falta involuntaria e efferecendo alii o seu presti -
mo aquelles que delle se queira utilisar.
Sohrado da rna do Marquez de
Olin n n. 95
As pessoas quo teem procurado arrendar o
predio aclma, onde foi estabelecimento de louca
do finado Manoel Aotunes Vieira. queiram apres=n-
tar suas propostas em cartas fecriada no dia 9 de
maio proximo, ao meio dia, no armazem da rua
do commercio n. 8, onde serao abertis ditas pro-
postas em presenca d-3 todji os interessados. 0
arrendamento 6 de todo o predio (armaiem, dous
andares e sotao) ; os senhores pretendent^g, po-
rem, podem fazer tambem propostas de parte, se
melhor lhes convier, indicando os seus Qadores
Recife, 30 de abril de (871.
Botinas para homem
Acabam de chezar grandes jacturas de botinas
de bezerro, de enrdavao, de pelica. de duraque
com biqueira, de bezerro com botoes, e com illio-
zes a 9^000 (a escolber) por ter vindo grande
quantidade por conta e ordera dos fabrieantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rua do Barao de
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de c6res. diflerentes
lisas, enleitadas e bordadas.
SAPATIXHOS de phantasia com sal'.o, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de tranca.
Para meninas.
BOTINAS prefts, brancas e de cOfes dilTerentes,
lisas, enf&itadas e bordadas.
ABOTINAD )S de diversas qualidades.
SAPATOS de iranca portuguezes.
Para meninos.
BOTIXASde bezerro, lustre e de cordavao,
f BOTINADOS e sapat5es, de bezerro, de deversas
qualidades.
SAPAT09*de tranga.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Guilherme, pen.*rr
meias perneiras para homens, e meias perneita
para meninos.
No armazem do Vapor Fraacez, a rua do Bario
da Victoria n. 7.
AttenQao.
.*PieSisa'se de ara emPreailo de confianfa, que
de fiador a sua coniucta, para tomar conU da es-
enpturaeao e caixa, e mais servico da loja da fin-
turana franceza, rua 4a lmperatriz n. 5o : a quem
convier, dirija-se a mesma.
(.1 il !ll Illli: il- C.
JlEinto A loja da esquiua.
METINS CHINEZES,
Proprios para vestido, os mais moJernos, pelo
diminuto preco de 280 rs. o corado, e pechincha I
Dao-se amostr^s.
OUUANDVS Dfi COHP;S.
Fazenlafina e com bonitos padro:?, pelo dimi-
nuto prc$o de :i-20 rs. o covado, e pccchincha !
Dao-se attostras.
CHlfAS COM PANNO DE CRETONE.
Fazenla liuissima, com lindos podioes, pelo di-
minuto prcgo o> 3JO rs. o covado, so se vendo
e pechidrtia I OSo-se amostras.
LJS FSCOCEZAS.
C'.impltfo sortimento de las escocezas, e para
acabar se vende a 2i0 rs. o covado ; 6 pechincha'
Dao-se a*ostras.
CASSA LANE.
Grande sortimento desta fazenda, com os mais
bonitos padrdes que tem vindo e que vend- se
pelo dimiauto prejo de 200 rs. o covado ; e pe-
chincha Dao?e amostras.
CtilTAS CLARAS.
Com bsnitos ,padroes, que se vende a 260 rs. o
covado ; pechiocha 1 Dao-se amostras.
UOLLANDA.
Brim Hollanfla, liso, o que ha de mais fino, pro-
pno para costumes de homens e meninos e ves-
HJos par* senhoras, por ser muito fino e linho
puro, e se ven ;e pelo diminuto preco de 560 rs.
o covado; e pechincha I Dao-se amostras.
BRINS DE CORES.
Bnns e cores, linho puro, com bonitos pa-
drocs e jjiie se vende pelo diminuto preco de 360
rs. o covado ; e pechinoha I Dao-se amostras.
CAMISAS DE CitETONE.
Camlsar de crctone, o que ha de
BRAMAXTES A 1JJ800, 2^000 E 2?500.
0 Pavao vende bramantes para lenc6es,
tendo 10 pabnos de largura, sendo o de
algorlSo a 19800 e 25000 a vara, e de linho
a 295*00, 2-*800 e 3-3*000 a vara: e pechin-
cha.
CASEMTRAS A 5JJ000, e^COd E 7JJ0OO.
0 Pavao vende x6rtes de casemiras pars
calr;a5, sendo padrdes modernos, pelo bara-
to preco de 52000, CJ000 e 7?000 o corte,
assim como i psnnos pretos dos melhorei
que tem vindo ao raercado, de 4JJ000, 8? e
105000.
ESiKHAUBfTHl A800RS.
0 Pavao recebeu um bonito sortimento
das mais el> gantes esmeraldirws com listras
de seda, sen io em cores e .padroes as mais
novas que tem vindo ao mercado, proprias
S rna iflT' P^.T^rer liquidar, n a loja para vestidos.e vende pelo bnrntw&oprc-
?, A,\ \\ ^ 'Za' Fe',X Pere" ? de 80 rs" covaflo & rua dalntiKritriz
ra ua oa/a. j, q
as6 ^Cehna0^econstantefncnte 8bert0 -no do JPAVAO, das 6 horas da manl.a
esiraBgcifo.
Paris n'America, a rua Du-
que do Caxias n. 59
primeiro andar, acaba de reccber um dfefepleto
sor!i;nento de calcados esirangeiros para homem e
senhora, vindo entre elles um lindo sortimento de
elegantes chiquitos, gapalinhoa e botinas para
Criancas, quo tudo vende por preros razoav, U.
I CAFE' DE JAVA
0 unico
de-se na
Campos
verdadeiro ven-
con'feitaria do
,'
-tawwadui
Panno de aleodSo da Bahia,
Vende de tolas as qualidades Joao Rodrigues de
i rua do Amorim n. 3:;.
Faria : na
Furaos
Da Bah a e do Rio, vende Joao Rodrigues de Fa
a a, rua ri" Amorim n. 33
Salsa parrilha.
Ncvaremessa, excellent-) qualidade; vende-se
na rua do \ igario n. 1H, 1 an lar
Com avaria
A 4^000, 4^500 e 5#500
Madapoldes com toque de avaria, por muito ba-
rato preco, em vista da qnaliilade ; assim como
saias de lii avariadas a 45 quem pretender, ande
ligeira a rua da lmperatriz n. 60, para nao ter de
se arrepender.
Per todos os vapores re-
cebe-se nova rei.iessa
Madapolao fino
%
E
e vendo a iOiOOO a
e pechincha 1 so se
com lindos padroes o que
duzia e 0^500 cada uma
vendo
Assim *omo um deposito de mais fazendas que
se vcndeai per menos do que em outra quaiquer
parte, cobio sejam :
Cortes 'do casemira de cores a 4$ ; 6 pechin-
cha 1
Idem de brim pardo fino a U500; idem.
Colcha* de fu.-iao com ba-ra, muito grandes a
45 ; idem.
Idem Hem brancas, idem idem, a 3i ; idem.
Coberwte de chila adamascada fina, idem idem
a 3$o00; idem.
Len.oes de bramanle, idem idem, a 2/ ; idem
ToalhaS alcochoadas a 5^500 a duzia ; idem.
Len^os de sassa com barra a l^OdO a duzia ;
idem.
Idem 14dm idem brancos abainhados a 2.3000 ;
idem.
Idem erh caixinhas muito lindas a 3500 a
duzia.
Vende-se 6<>,000 telhas, 30 mil tijolos de al-
[venaria batida, deseceis mil de ladrilhos qna-
mais fin?s, | drados, e I2.0G0 tijolos de lapamento ; assim
Seroulas #e Irnho e algodio a ^Sj a duzia
chincha.
(.'arabraia Wot'orta fina a 3<800 a pe>a ; &$*
como, jarras de todas as qualidades, poles, quar-
tinhas e vasos para flores, tudo muito barato pa-
ra acabar : na olaria de Jiso Carneiro da Cunha.
na rua dos Prazeres n. SO.
Paris, 38, Rua Vivleane, D
IHiLHH MEDEC5X SPECIAL
DAS EIirERUIDADAg DBS SEXDABS, AS AFFECfOB
CITAXKAS. F ALTBRACOFS DO SAHeBE.
130,000 curas das impitt-
I gens,putlulas, herpes,
I sarna, comixoet, acri-
| monia, e'alUrcOts, vi-
___\ciotas do sangue, vi-
rus, e ulleravoes Uj sangue. (Xarope vegetal
seuimcrcurio).epnr! Trffl.n
i\iiM biiivebaes tomao-se dons por
iemana, seguindo o tractamento Depuralivo : 6
empregado nas mesmas m!stia.
I Este Xarope Citracto de
ferro de CHABLE, enra
limrae'diatamente qual-
a ra Pecas rte inadoitoiAo fino e t
largo, com toque, a 4 J, 4o00,55 oo^o'OO, Q
fazenda superior e larpa. Q
Alpnran tie iteiia do cores, lavra- m
das e. muito Unas, fazendo modernissima *
a .*;00 rs. o covad". W
Camisas do llniio com Mqne %i
de sujo, a 1*;>00 e%i cada uma, e pe- Q
chincha, isto so na loja n. 10, a rua do ty
Crespo. 2?
VENDE-aE
a taverna sita no pateo daRibeira n. II, a tratar
na me-ma. Garante se a chave ao compador.
DEPURATIF
.in SAIVCr
quer purgacao, relm-
e debiUt
Uma mulher do boa eonducta offerece se para
ama de casa de homem soltefro e servico interno,
pois cozinha bem : em Fora do Portas, rua dos
Guararapes n. 77.
Precisa-se
de alugar uma preta escrava de meia idade que
sirva para vender ; a rna : a tratar na rua das
Unco-Pontas n. 93.
AO COMMERCIO
Qs abaixo assignados decteram qne n'esta data
deixou de ser seu caixeiro o Sr. Antonio Joe de
Souto. Recife, 30 de abril de 1874.
Pinto da Silva & Cascao. *
Aiianta-sc ate a qnantia de 4004 a um escravo
cozinheiro para sua alforria, e ir pagando mensal-
mente : a tratar na rua Imperial n. 91.
Algodao mWea T larfo iij%0 e 54 a peoa
MadapolaoHno a 41800 a neea.
MadapolSofrancez muito 'ftno a 6< a peca
Brim pardo muito flao a 400 rs o covado ; 6
pechincha.
Cambraia-transparente, o que ha de mais floa
a 6J a peca.
Baptistas de cores modernas e com lindos pa-
droes a 400 rs. o covsdo e grande pechincha I
Dao-se amostras.
So o n. 20
A* rua do Crespo, iiya das 3 portas
DE
CiLII.nERVE c.
Junto a loja da esquini.
O ('.lahelccimcnlo artlft-Be nborlo
das O horaa da manliu as 9
Hora* da nolle.
PLUS DF.
CO PAH LI
^jxacao, c ..
>K,jnmis e litres Uraiteal Sat
iwrtfi Es|a.lW(;ol)eBttna enflrecMk*
mm e xroje teasorroiaaajPomadaqueascuraemfflft.
POilADA ANTIHFRPETICA
Contra: nas affeccoes cu'.aneas e PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
do caable, cada frssco vrai acettmpaaada
de um folbeto.
AVISO AOS 8RS. MEDIC08.
I Cars ealtrrhos (SUM
I eequetuc\ei, irrila(6es
nervoiai sat dos bron-
chios e lodai as doenfT-.
I do peilo: but* o dsenle
ma colhe rchdea deste larope D' Fobgit.
Dr. (BABU m Parti, na vivieue, M.
Calfas de casemira Unas a
78 e 8S000.
Sao ealj.ns que todos vendem por 120, venham
comprar que val a pena, na loja da liosa Branca,
rua da lmperatriz n. ob\
Chitas a 200 reis
E' grande pechiiiefea
Venham depressa 4 foja da Hosa Branca, rua
da lmperatriz n. 56.
TTEri5I0.
\ ende-se a muito acreditada taverna sita em
Santo Amaro das Salinas, a rua de Luiz do Itego
n. 40, defronte da capella do mesmo nome, pre-
pria para principianie, com commodos para fa-
milia : a tratar na mema taverna. ou na rua do
Rosano da Boa-Vista n. 51, taverna, que acajaj
com quem tratar.
#***? Verdadeiro*
GRAINS Y* GRAOS DE SAUDE]
*SnuV \%(todoutor frahck.
:DrP0RGET:
Deposito bot'ea Franceza
22 Rna da Cruz 22
Vende-se
a taverna e pad&ria da Ponte^de Cchoa n. 37 : a
jratar na mosrha,.
S* st vhA>
Camisas ingleza com peito "bordado a 38*003 a
duzia so na rua do Duque.de Caxias n. 90t loia
de Almeida, Drjftte 4C, '
DO DOHTOB WIUIAI 10RTH
*" relltulr vroereNiTamente aoa oabetlm
Ellasnbstitnj
Mtitulr progreniTamentF ao>
a sua con HUBmn

Bom .mo InTiUWtf dsrit o MtfoaU MJW
Sopenorllide lncOBftittTd; MnrMl* HaMMd*.
TOff.
fc P#**mun, A.
FABIS
I
dn. doctenr I*
FbARCX /Jf melhor e o mais
/J* ntil dos purgantes cod-
"?i^^^i* aecidos. Kaaaer*-
******* MM flalaca( bem
exlatem 4'eate me-
dleampnlo.Eiigir,
I alem da assignatura wn tinla vebbielha j
da A KOUViasBB, 0 lttreiro, aMi junto,
feito em 4 OSES.
Paris, pharmacia i.eroy, 13, rna d'Antin.
Deposilo em Pernambuco, A. RECORD.
em 4-Cores
PHOSPHATEdf.CAL
GELAT1NOSO
deLE ROY
0 PIOSPHATO BI CAL GIIATINOZO DE IER0T
em naaa acfa* (beraper.tica muito
paarraza sobre ot indirlduos affeclados de
enferrnidades nos Oiiore de uma eonstituifHo
dibit. Forna-se indisBeBsarel para as criancas
~em ajuda e fortiAca a ctescenca.
_ de um gesto nA^i agradayel e de uma di-
gestfo faeil. Preco dJfJWeo: 3 traneos.
a quem ajuda e fortiAca a ctescen(a.
E de um goslo n.*..o a(
isMo facil. Preco do
Patis, phatmaeia'LEROY, IS, rn d'Antin.
*
aL
Bepoeito en Pemamtaw, A. REGORD.
i



N.


*~


Diajio dfi Jteifcaaifcueo Sexta feira i de Maio a&6 1W4.


4
>
fazendas finas

Rita Primeiro do War^o
UK
n.
7 A.
Cordeiro Simoes cfc C.
E' esta uma das casas cJBe ,,0Je PO'le com pri-
mazia offereoer aos seas treguezos uui variaJUsi-
tuo sortimenlo de fazendas finas para grande toi-
lette, e bem asslm para uso ordinario ae lodas as
c(ases, e por precos vanlajosos, das quaes faz um
pequeno rjmo.
Mandarn fazendas as (rasas dos pretendentes,
para o qae tern pessoal nccessario, e dao amostras
mediaate penlior.
Cortes de seda de finda^ cflres.
Grosdenaples de todas as cores.
Gorgurio branco, lizo, de listras, preto, ets.
Setim Macao, .preto e de cores.
Grosdenaples pre to.
VeHndo preto.
Granadine de seda, preta e(de cores.
Popelinas do Kudos padroes.
Fild de sedq, branco e preto.
"Mcas basqiiions do seda.
" sacos de inerin6 de cores, la, etc.
Santas brasileiras.
Coitcs com caaibraia Lranca coin lindos borda-
resina
Rua da Imperatriz n. 72
MENDJiS GUIMAMES
Acaba de receber urp grande sort.men'o
it IMAOS
fie fazendas pretas para qua-
COMO SEJAM
de
Ricas capcllas e manias para noivas.
Riquissimo sortimenlo de las com listras
ate.
Cambraias de cores.
Ditas maripozas, brancas, lizas e bordadas.
Naozuques de lindos padroes.
Baptistas, padroes deifcados.
Pereal;r>* cU> quadros, pre tos e brancos, listras,
etc., etc.
Brins de linho de c6r, pronrine oara vestidos,
com barra e listras.
Ricos cortes dc vestido de linho. c eites da
niesma cor, ultima mod?
fljlos de caiiibraia de cores.
I-ustao de lindas cores.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas para senhoras, de linho e al-
godao.
Sortimenlo de luvns da verdadeira fabrica de
Jouvin, para liomens e sen!.mas.
Vestaarios para menim*.
n;ios para r-aptiiado.
Chap6o> [tira wio.
Toainas e gtiardanapos a Jama-cades de linho de
c6r, para mesa.
Colchas de Id.
Cortinados bordados.
Grande sortimento de camisas de linho, lizas e
tooruadas, para hoaiens.
ileias do cores para honieus, meninos e meni-
a
Ditas eacoeezas.
Corppiet.i strlkncRto de chapeos de sol nara ho-
mens e senhoras.
Merino de cjivs para vesttauo.
Dito preto, trancado e dito dc rerao.
' 4,tDaihadj pa-do.
Oamasco de la.
Brins de linho, branco. do cSres e preto.
Setim de lindas cores com tistras.
Chales de merino de cores e pretos.
Ditos de oa?ernira.
Ditos de seda pi eta e de cores.
Ditos & touqnim.
Camisas de chita para hemens.
Ditas de fhnella.
Ceromlas At linbo e algodao.
Pannos de crochet para sofa, eadeiras e conso-
;: Lencos bordados e de. labyf itttho.
Colchas de crochet.
Tarlatana tie todas s ron*.
Ricos eorte> do vestidos de tarlatana bordados
para cortes.
Espartilhos lisos, bordados.
Poulard de soda, liddas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Ricas fachas de seda e la para senhoras.
ilro sortinn'Uto de leques de madreperolas e
osso.
Damasco de seda.
CasemlrS preta ede cores.
Chitas, madapolao panne finn preto e azul, col-
larinlios, punlios deliuho o algodaa, pravaias, lu-
vas de fio de Ksciissia, 'apetes dc todos os tama-
nhos, bols.'i? de riagem, pcitos borSatfo? para ho-
mens. lencjs do linho branco e de cores, toaftae,
gr.ardanapos. etc., etc.
GROSDENAPLE PRETO A 1$800. ].VM.OS BU'iM'.OS A 2?!'00.
Vende-se grosJeoaple preto para vestido j VrnJe-se lencos brancos li- (is, t. -2^000,
de senhoras, a 15W>0, 2J, 33>, ty, c 55 o 2$500 e 3fl a .iuzin, ditos de linho, a 4??,
covado. 59 e CpOtiO a duzia '
PANNO PRETO A 2J500. CROCHES 1'ARA CADKHUS A 1^300.
Vende-se panuo preto de duas larguras,' Vende*se psnoos de croeM para c.-.dein s,
para calcas e palit6ts, a 2?S50i, 39, 39500, a 15500 eada uin, colchss de di o para
49, a 69000 o covado. noivas.
CORTES DE CASEM1RA PRF.TA ,f 59000. MADAPOLAO FRANCEZ A 79000.
Nnio.
Vende-so um poquonosi io perto da esta-
e.ao do SaL'.-.lii.do, ten do de f rente 150
palmoff, e ile fundos mais de quatrocentos,
corn uma ftlef^aitte caaa de aipa, acabldM de
r rios > c tziuha f6r. 0 lerrcno e pro-
pri) n bom arvores >!e inn u>, agua de beber e todo cer-
aado.
Para vcr a maia explii^irjos, no mesmo si-
tio a quaiquerbera a enleoder-se com Tris-
tao Eranoisco 'i' rres, e para iratar, r,a the-
sooraria d s lutcrias, rua 1." de Marco
v. e.
Vende-se cortes de casemira preta para
calcas, a 59, 69, 79 e 890u0 o corte.
MERINO' PRETO A 2980.'.
Vende-se raerin6 preto fino, a 29800 e
39000 o covado.
BOMBAZ NA PRETA A 19500.
Vende-se bornbazna preta enfestada, a
19500, 19800 e 29000 o covado.
ALPACA PRETA A 500 RS.
Vende se alpaca preta flna, a 500, 640,
800 rs. e 190OO o covado.
FAZENDAS DE CORES E CAMBRAIA
BR\NCA A 390C0.
Vende-se pecas de cambraia brancatrans-
' parente a 39, 49, 59 e 69000, ditas de cam-
braia tapada, Victoria, a 39, 39800, 49
e 55000.
CORTINAD03 PARA CAMA A 169000.
Vende secortinados bordados para cama,
a 169, 209, 259 p 309000.
CAMBR IA DE CORES A 300 RS.
Vende-so cambraia de cores finas, miudas,
a 300, 320 e 360 rs. o covado
CHITAS LARGAS A 200 RS.
Veride-se chitas largas para vestidos, a
240, 320 e 360 rs. o covado.
BRAMANTE A 19600.
Vende-se bramante com 10 palmos die
largo a 19600, 198C0 c 29500 o metro.
MADAPOLAO A 39000.
Vende-se pecas do madapolao enfestado
a 39000. Dito inglez a 49500, 59 >
55500, 69000, 79000 e 89000 a pessa.
CORxINADOS PARA JANELLAS A 89000,
Vende-se o par do cortinados bordados.
para janellas, a 89 e 10901 0 0 par.
ALGODAO A 49000.
Vende-se pecas de algodao, a 4$, 59 e
09000.
CEROURAS A 15000.
Vende-se ceroulas de algodao, a 19000,
ditas finas de bramanto a 19500 e 29 cada
uma.
CAMISAS BRANCAS A 29000.
Vende-se camisas brancas finas, a 29,
29500, 39 e 49000.
BRINS DE CORES A 400 RS.
Vende-se brins de cores para calcas, a 400;,
e 500 rs. 0 covadn.
CHA ES A 800 RS.
Vende se chales de la a 800 rs., chalesde
merin6 de cores, a 29, 39, 49 e 59000.
COLCHAS DE CORES A 29000.
Vende se colchas de cores para cama, a
29,39500 e 45000.
CHITAS DE CORES A 360 RS.
Vende-se chitas finss de cores, a 360 e 400
rs. o covado.
ALPACAS DE CORES A 500 RS.
Vende-se alpacas finas de coes, a 500,
640 e800 rs. o covado.
TAPETES A 49500.
Venie-se tapetes para salas, de diverse*
tamanhos,-a 49500, 59, 69 e 89000 cada
um.
1 '-

fee de sapoti, abatnte, fructa-pXo, romeira. figuei-
ra, laran^'cira cravo, parreiras, fozeiras, dhabas e
oulras flures e fru-ias, tuio por preco comraodo :
ca Boa-Visla, rua dj Viscon'do lie Goyanna, outr'o-
ra Mondego p. 101, _____________________
Fazendas c roupas muito ba-
ratas
Na loja de J. Porto, a ma Nova n. li, troca se
per cub:.' r,u mesrop por seduias, boas fazendas e
roupas f.ii.is sem se ulhar a loerp, someuti' para
vender muito.
Fillulas Catharticas
de Ayer.
Para todos os effeitoa d
um remedio laxante.
Kao ha segnramente, unj
remedio tam nniversalments
procurado como um cathar-
tico on purgante, e nenhum
ontro tern sido tfio usado em
todos os paizes e por todas as classes, como cstas PlXT.tr-
1.A8, suaves mas efficazes. A razao 6 evidente, formao
um remedio muito mais certo t elScaz que nenhum outre.
Aquelles que 03 teem ensaiado sabem que se teem curado
pelo sen uso, os que nao os ensiuarao sabem qne sens amigos
e yisinhos se leem curado, e todos conhecem que o resnltado
tirado uma vez, se tirara todas as vezes, e que as PIIIF-
liAS nunca filhao por consequencia de erro on negligencia
na =ua compo9itao.
Temos milhares sobre milhares dc certificados referentes as
distinctas cur.is q^ue hao effectuado estas pillulas, nas moles-
tias que em seguida mencionamos, porem sendo taes curas
conhecidas em toda a parte aonde teem penetrado, des neces-
tario 4 publica 1-os aqut. Adaptadas it todas as idades e a
todas as condicoes, em todas a.', climas, nao contendo calom-
f lano nem outra qnalquer droga deleteria, ellas podem ser
tomadas por qoakjuor pessoa com toda seguranca. Sua
capa d'assucaras conserva sempre frescas, e as torna gosto-
f as ao palladar, sendo tambem puramente vegetaes, nao po-
dem resultar effeitos prejudiciaes Be por acasoTorern tomadM
cm qoze desma-iada. O papcl que serve de cobcrta para
sada vidro leva dircccoes minuciosas con relacio as secuin-
tes molestias <|ue as PJIIPXXS CATHAJITICJ.S rapi-
d amen to. curio. Para a Dysptpiia on Indigesiao, ZHs-
JJIeenria, J,mgulAez, Falta rf Appetite, devem ser
jmadas em dose moderada a fim de estimular o estomago e
restablecer suns funccaos saudaveis.
Para as Dot-ncan do Figado v suas diversas P)-mptomas
Knxaquecas BUiouu, Dor de Cabeea, Jetericia, Col-
teo BiHoto, e Febres Billosai, devem se tomar tambem
moderadamenle em cado caso, para correger a accto violada
ou remover o obstaculos qne a causSo.
Para a Z>i/senteria ou Diarrhea, i gefalmento bastantS
uma dose pcquefia.
Para lUieutuatUmo, GUta, Arrtimt, Pmlpilaeao d
Coracao, Dorrs nas iXhargat ou eoitaa, devem ser
tomadas conti nuadamente, tXi alterar a accao do* orgfio*
disregulados, de sorto qne a molestia di?appareta.
Para a Hgdrvpesia e TnchaclSet Hydioplcat, t precis*
timo-1-as frequeiitemente e em porcoes assas grandes para
produzir o eteito de um purgativo drastico. Como Diget-
tleo para o Jantar ou comida, toma-se uma t'duas para
(Tomover a digestio e ajudar o estomago. Uma ou duas to-
adas de vez em quando, estimulio ou estomago a obrar sau-
davelmente.
Qnalquer qne se acha regulirmente bom, tomando uma
ou duas d'estta pillulas se acliara, muitas vezes, decidida-
niente nulhor, por razio que eilw purificam c restaurfio 0
apporelho dlgestivo. '
Vende-se pegas de madapolao fr.mcez
muit) fino, a 79, 89 e 109U00.
BRIM PARD0 A 400 RS. 0 COVADO.
Vende so brim pardo para calrjas, a 400
rs. o covado.
CORTES DE CASEMIRA DE 59000.
Vende-se corles de casemira de cores para
calcas, a 59, 5=5500 o 69000.
GROSDE.NAl'i E PRETO.
Vende-se.grosdenap e preto com 4 1/2
palmos de largura, a 59 o covado.
ESGUIAO FINO A 29000.
Vtnde se esquiao fino de linho, a 29,
29300, 3(5 e 49 o metro.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se chitas para coberta, a 280 e 400
rs. o covado.
BRIM BRANCO A U000.
Vende-so brim branco do linho, a 19,
19280, 19600 e 29 o mt tro.
BRETANHA DE LINHO A 640 RS.
Vende-ic bretanha dc linho, a 640 rs. a
vara.
FLANELLA DE CORES A 800 RS.
Vende-se flanella de cores, a 800 rs. o
covado.
COBERTORES DE ALGODAO A 19400.
Vende-so cobertores de polio a 19400.
Coberlas de chita a irSO ) a 29. ditas en-
ci^rna ias, forradas, a 49, no Bazar Ztacional,
rua da Impr-ratriz n. 72.
CORTES DE CASSA A 39000.
Vende-se cortes de cassa n.iudas a 39
cada um.
GRAVaTAS PARA SENHORA A 19000.
Vende so gravatas para senhoras, a 19,1
ditas para homens a 5(0 rs.
ALGODAO ENFESTADO A 19CC0.
Vende se algodao enfestado ptra lenf;6es,
a 15000 a vara.
GRANDE SORTIMEKTO DE ROUPA'FEiTA
NACIONAL.
Vende se pallets de panno preto, a59, 79,: ^rmola'
85 e 105000.
Vende-se palitots de alpaca
A' rua do Caltuga n. 1 A.
0s proprietarios da Iredilecu, no intuit* dt
conservar 0 born conceito que teem merecido dc
respeitavel pjablico, dislinguindo 0 scu estabeleci-
mento dos mais qne negociam no mesmo genero
vtem seieniificar aos seas bons freguezesque pre-
ven^ram aosseus pocreapoudentes nas diversas par
cas d"Europa para lnes enviarem por tgdos os pa-
queles os objecioi de luxo e bom gosto, qai se-
jam mais bem acuilos pelas sociedades elegante.-
iaquelles paizes, visto aproximar se 0 tempo de
iesia, em que 0 bello sexo desta linda Veneza
mais osteau a riqueza de suas toill. ues ; e co
mo ja recebessem pels paquete francez diverso
artigos da ultima uioda, veem patentear algons
J'entre elles que se torbam mais recommendateis.
.'-IwraiMlo do respaitavel publico^i costumada
coacurreneia,
Aderecos. de Urlaruga os mais lindos que teem
vindo-ao mercado.
Albuns com ricaa C8pas de madreperola e d
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
OS
Aderecos completes de borracha proprios pars
into, tambem se vendeni meios aderecos muito bo-
oiios._
llqtees da setim preto e de cores para ornate de
vestidos de seuhora ; tambem tern para coUete
palitot
Bolsas para senhoras, existe um bello sortimen-
de seda, de palha, dc chagrira, etc, etc., por
harato preco.
Bonecas de todos os umanhos, unto de louca
como de cfira, de borracha e de raassa ; chama-
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as crian^as um pouco im-
pertinentes por faita de um obiecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peiios bordados
para homem, vendeta-se por preco conimodo.
Ceroulai de linho e de algodac, de diversos pre-
cos.
Caixinhas com musica, 0 que ha Ue mais lindo,
com dislicos nas tampas e proprios jiara presen-
ts
Coques 09 mais modernos a de diversos forma
109.
Chapeos para senhora. Heeeberani uui sortimeato
da ultima moda, lante para seuhora, como para
meninas.
Oapellas simples e com veo-para noivas.
Calcas bordadas para meninas.
Eniremeios esiauipados e bordados, de iindui
d^senhos.
Sscovas electricas para denies, tern a proprie-
dade de evitar a oarie dosdentes.
Fraujas de seda pretas e de cores, exiate nm
grande sorlimento de divercas lorgui as e barato
prego.
Filas de saria. Ao jrgnr3o. dc setim e de cha-
osaln'o, de divers.* largnras 6 bocitas cores.
Faunas dc gorgurao muito lindas.
Fun* arlinciaes, A Predilecta priina em con-
ervar sempre um bello e grande sorlimento des-
as flo:e9, nao so para enfelte dos c.bcllos, como
tambem para oroato de vestido de noivas.
Ga!6es de algodao, de la e de seda, brancos, pre-
10s e de diversas cores.
Gravatas de seda para homem c senhoras.
I,aco9 de cambraia e de seda de diversas -cores
para sennora.
tugas de seda de cure.- e brancas Imrdadas para
n..iva.
Livros para ouvir missa, com capas de madre-
perola, marfim, 6s-o e velludo, tudo que ha de
39500 e 4J000.
Peates de tartaruga e marfiin para alisar os ea-
preta, a 39, beilos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimenlo de madre-
perola, marfim, ftsso e dourados por barato preco.
Vende-se calcas pretas de panno, a 49, Perfumarias. Neste ariif^ e>na a^Predilecte bem
rX ~v> o-N'inn provida, nao so em: extractos, como cm oleos e
bfr, /9 e bvGUU. bunhasdos meiborea-odores, dos mais afamado*
Vende-se colletes pretos, a 3$, J9o00 e fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienic*,
453OO. Goudray, Gosnel e Rime! ; sao indispensaveis para
Vpnde-so ceroulas a lA 19500. 29 e a fesla-
las, a 13, 'taw, w o, gajaj Lordad4S p,,,, senhora) ror commodt.
brancas, a 2,5, 29500,! f
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap-
I tis-ados.
ceroulas,
3^000.
\'ende-se camisas
39 e 49000.
Vende-se ccmisas de chits, a 19C0, 2,5 Tapetea. Recebeu a Predilecta nm bomto sorti-
X. ; mento de diversos tamanlios, tan-to para sofa co-
e d;>U0U. 1 mo para emrada de salas.
CHITAS PRETAS A 320 RS. Vestimentas para, baptisado 0 que ha de melhor
gosto os mais modernc s recebeu a i-redilecta
Vende-se chitas pretas finas, a 320 e 300. de or ar.to prejo, para licar ao aicance
rs. 0 covado. j quakmer bolsa.
lazimia A200RS. Rua do Cabiigan. 1
Vende-se lazinhas para vi stidos, a 200,-------------------:------------------.--------------------
320, 400 e 500 rs. o covado. No Bazar AfoffadoS.
National, rua da Imperatriz n. 72, de Men-' vende-se uma casa terrea, na rua de b. afigue
des Guimaraes dtlrmaos. n. 153, concertada de novo e preco commodo : a
---------------------------------------------------------tralar na rua de Cafcnga n. 2 B._____
SO' 0 BARATEIRO
NA
Rua 1. de Marqo n. 1.
Coafpftntc o arco dc Sauto An-
tonio.
EHta vendendo 8ua fazendaa com
30 por cento menos que em outra
qualquer parte.
A saber :
Madapolao com ."oque de mofo, pelo barato pre-
co de 400 e oi
Dito francez, limpo e de superior qualidade, por
3/500, 6/000 e 6*500.
Algodao raarca T, largo, superior qualidade, a
4/56(1, 55,5/500 e 6/000.
Grande sorlimento de laziohas degostos inteira-
mente escosseses, pelos prices de 200, 240, 2C0 e
440 rs. ; so se vendo podt-r se ha acreditar.
Baplistas, lisas e com flores, fazenda que sem-
pre custou 400 e 800 rs., estamos vendendo pelo
preco de 320 rs, para acabar.
Ditas finas, padroes nialisados, a 400 e 440 rs.
o eova -o.
r.retone francez, escurcs e claros, os mnis no-
vo9 que tern vindo ao mercado, a 480 e 500 rs. o
covado.
Aproveitem em quanto nao se acabam,chapeo9 de
sol de seda tranr;ada (paragom) li hasteas, inglezes
superiores, pelo insignificante preco de 8/ e 9/ ;
sempre vendemos por 14/000.
Ditos para senhora, de merino, a 3/ e 3/500.
Ditos de seda, cabo de osso a 4/000, e pechin-
cha.
Ditos de alpaca de cores, forrados com seda,
e o cabo fingindo bengala, o mais moderno qne
ha, a 1/500 e 2/ I
Sortimento de chitas claras e escuras, boa fa-
zenda, para acabar, a 240 e 280 rs. o covado.
Popeljna de linho e algodao, gostos mteiramente
novos c'de cores bonitas a 800 rs. o covado, sem-
pre custou 11400.
Camisas de cretoue, francezas, modernas e su-
perior a 3/ e 3/500
Ditas brancas a 2/ e 2/500.
Ditas de linho a 3/310 e 4/000.
Toaihas de linho do Porto.a 7/500 e 8/000 a
duzia.
Ditas felpudas a 7/, 7/500 e 8/000.
Esguiao com 10 jarda9, pelo preco de 4/300 ; e
barato com effeito I
Cambraia9 Victoria e transparente, fazenda fina,
a 3/500. 3/800, 4/000 e 5/ a peca.
Lencc9 de cambraia com barra de cer, a 1|, e
brancos a 2/.
Ditos de linho, abauhados a 3/600 e 3/800 a
duzia.
Grande sortimento de brins de cores, padrBos i
prsprios para meninos de escola a 440 e 500 rs.
o eOTado.
Botinas para senhora, pretas e de cores, por 4/
e 4/500, tete por termos grande quantidade, se
faz este preco.
bramante de linho, dua9 larguras, pele barato
^reco de 1/210 a vara, e" somente para acabar
Muitos oulros arligos que deixames de mencio
nar, para nao roassar nossos freguezes; mas que
avista delles estao presentes.
Dio-se amostras.
So o baraleiro qner qudayir
Para rival nao onconlrar."
A' ma Primeiro de Marco n. I, antiga
po, de Agoetinho Ferreira da Sir*a J-eal
Engciilios em Mamam-
guape.
Vende-se os seguintes :
Barra,
Pregnioa,
c Putricio.
A tratar com sens proprietaries nesta cidade,
e para informacSes com Joaquim Pinte de Mei-
relles Fdho, na mesma cidade de Mamamguape
Tasso Irmios *t C.
Grandes
SULTANA 1)E PARIS.
A'
Una Manoel Ferreira de Oliveira, dono deste novo
estabelecimento, scicntifica ao respeitavel publico
que acaba do receber um completo sortimento de
fazendas Gnas de todas as qualidade?, tanto de la,
como de linho. seda c algodao, p que ha de mais
moderno e do melhor gosto, e portanto convida as
Exmas. familias, amigas da economia doraestica,
a virem ou mandarem a SULTANA DE PARIS, e
verao que compram fazendas bonitas e baratas por
menos i reco qne jamais compraram.
Como spjam :
Popelinas de seda com listras muito modernas a
1/800 o covado.
Setim Macao de diversas cores a 2/500 o covado.
Grosdenaples de todas as cores.
Fachas de seda para senh ra a 10/000 cada uma,
e gran In pechincha t I
Colletes enfeilados para senhora, muito modernos
a 5/5' 0 cada um.
La-inhas de cores em grande quantidade de 260
a 5'X) rs. o covado.
Pecas de cambraia tranjparente de 3/000, 3/600,
4/000, 4/500 e 6/000.
Diia Victoria para todos os precos.
Gravatinhas deseda para senhora a 1/000.
Chitas de cores de 240 a "tO rs. o covado.
Pecas de madapolao ccrn 20 vara9 a 4/600, 5/200
e 6*000 a peca.
Dito francez com 20 jardas a 5/600.
GRANDE PECHINCHA 11 !
Chapeos de sol de seda de todas as cores, para se-
nhora, a I'O'O!!
Ditos para homein, de 12 hastes, cabo de marfim e
seda trancada a 12/000. so na SULTANA DE
PARIS I I
Collarinhos de linho, lisos o bordados a 4/0
3/000 e 63000 a duzia.
BRIM DE ANGOLA t I
Vende-se brim de Angola verdadeiro, o melhor
que tern vindo ao mercado pelo diminuto preco
de 640 rs o covado, so na SULTAN X DE PA-
RIS, a ma da Imperatriz n ol.
GMMMNAS
Granadinas de sed3 pura, preta com listras
de cOrese padroes os mais bonitos que tem
vindo ao mercado e que so vende pelo di-
minuto prec.0 de 500 rs. o covado, por ter
um pequeno toque d>; mofo, e fazenda de
25000 o covado ; e pechincha. Dao se
amostras.
Vendem se dous de amarello, envernisados, ccm
pouco uso, proprios para lja de fazendas, miude-
sas ou oulro qualquer negocio: para vef na' rua
da Imperatriz, fabrica de cigarros%:s Srs. Ulysses
& Irraao e tratar com Togas 4 C, rua Estreita do
Rosario n. 9.
VENDE-SE
uma casa na villa de Barreiros, na rua do Com-
*ercio, por prejo modico: a tratar com Tasso
Irmans 4 C
Cintos e lequcs
Amaral, Nabuco & C. vendem cintos de couro
preto e de cores para senhora, de c mro de lustre,
de bezerro e de borracha para menmes e homens,
leques de tartaruga, marfim, madreperola alva e
queimada, lisos e lavrados, de chagrin, madeira,
chagrin e seda e madeira e seda para senhora :
no Bazar Victoria rua do Raiao da Victoria d. 2.
Scclas a 1$500T
Vende-se bonitas sedas de lindas ciires pelo
baralissimo preco de 1/500 o covado ; venham a
ellas antes que se acabem, na rua do Duque de
Caxias n. 88, loja de Dcmetrio Ba.-t a._________
Camisas de cretone
as mais modernas que tem vindo ao mercado, sen-
do lisas e com listras, e que se vende a 40/000 a
duzia e a 3/800 cada uma ; e pechincha.
Hollanda
Brim pardo liso, o que ha de mais floo, com um
toque de avaria, e que se vende a 480 rs. o cova-
do, fazenda propria do paiz por ser linho pnro,
applicada para costumes de homens e de meninos :
so na rua do Cr.'spo u. 20, loja das Ires purtas, de
Gui herme & C, junto a lnja daesquina.
Farinha de mandioca nova.
Rccentpmente chegnda de Santa Catharma te"m
para vender no trapi\:he Companhi.i. < para tratar
no seu escripterio a rua do Cflfemercio n. 5, Joa-
quim l'is.6 Gonjalves BeltrSo & Filho. Adv.;rtiado
aos cornpradores que desejacdo acabar, vendem
mais barato do que em qualquer' outra parte, tan-
to en; grandes como em peqnenas ponffies.______
As unicas verdadeiraa
Bichas iiamburgueza? qn'' vem a e-teuiercaiJo'
ru; Marquez ^e .)!:&<.: :,.
Farello novo e
Milho pequeno
Da melhor qualidade no armazem de farinta
de trig" de Tasso lrmaos do Apolh. ^^_____
s. c
lllVIiilOiUJ
\\m do Barao da Victoria n. 2*2.
DE
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias a. 63, j
apressa-se em convidar a sens fregutzes, com es .
pecialidade ao bello sexo a virem apreciar 09 se i
guinte9 artigos expostos a venda-e todos por precot
commodo?, como sejam :
FINAS BONECAS mansas e choronas.
BONITAS E ENGRACADAS vistas para sterios
copios.
COMMODaS LATAS para guardar cha.
ELEGANTES BOLSAS para senhoras e meninas'
BONITOS VASOS com fina banha e cheiroso?
extractos, trazendo cada frasco um noxe, uma ini-
cial ou um distico.
FINAS MEIAS D SEDA, vindo entre ellas coi
de carne.
Para quern gosto.
A' Nova Esperanca a rua Duque de Caxias d
63, acaba do receber tentos e caixas para o jogo d
Voltarelte.
Para pen s Ore das perm
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias
63, acaba de receber as procuradas meias de bor
racha para quera soffre das pernas.
FLORES ARTIFICIAES
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias
63, acaba de receber um lindo e completo sorti-
mento de flores artificiaes das melbores que terr
vindo ao mercado
A ellas antes que se acabem.
Costumes para crianca.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n
63, acaba de receber bonitos costumes para crianca fleste estabelecimento tambem ha perten$as
e esla se vendendo por prego? razoaveis. para as m^mas machines e se soppre qual-
^"VOSftS iqierpe^a que seja necessario. Fstas ma-
A N.va Esperanca, a rua DuqTTe dc Caxias n. j chinas trabalham com toda- a PWtode
63, racebeu um pequeno sorlimento de anncis e um e dous pospontos, frante e borda toda
pu'lseiras electricas, proprias para qaem soffre do; qualqueT costura por firia quo seja, seus
nervos. I precos s5o da seguinte qualidade : para tra-
|Lalhar a mao de 303SOOO, 40000, 45?K)00
'e 50JJ000, para trabalhar com o pe" s5o de
80f000, 908000, 10050BO, 110*000,
1268000, 1308000, 1508000,2OOJWO0 e
2508000, emqoanto aos autores nao ha al-
tera^So de precos, e os cornpradores poderfio
visitar este estabelecimento, que muito de-
ver3o gostar pela variedade de objectos que
ha sempre para vender, eomo sejam: eadei-
ras para viagem, malas para viagem, oadei-
ras para salas, dttas de balanQO, ditas para
crianija (altas), ditas para escolas, coatorei-
ras riquissimas, para senhora, despensaveis
Carneiro Viaoaa.
A' este grande estabetetimento tem che-
gado um bom sortimento de machinas para
costura, de todos os autores mais acredita-
dos ultimarnente na Europa, cujas machinas
sao garantidns por um anno, e tendo um
perfeito artista para ensinar as mesmas, em
qualquer parte desta cidade, como bem as-
sim concerta-las pelo tempo tambem d'um
anno sem despendio algtrra do comprador.
Economia do-
mestica
de
Na rua Primeiro de Marco n. 1.
Confronte ao arco de Santo Antonio, loja
Agestinho Ferreira da Silva Leal & C
ianzinhas, gosto escossez, padroes inteiramente
nos, pelo diminuto preco de 200, 240 e260 reis
o covado.
Baptistas lisas, finas, e de c6res a 320, 406 e
440 reis o covadn, isto s6 se vendo !
rsto Chapeos de sol de feJa, para uemens, inglezes para crian^as, de todas as do Cres-
&C.
acabar.
Na rua
Primeiro de Marco D. i.
Loja do baraleiro.
PBEPABADAS POB
JT. C. Ayer & Ca., Lowell, Hass~
"VBJNDK SK POR
E.V.
Liquidacao de moveis
Por precos mui reduzidos, diversas mobitias e
eadeiras de giiarnifao : vendem Cunha & Manta,
a rua do liarquez de Olinda n. 23.
| Vendc-se
j uma meia-agua na rua de velha de Sanla Rita n
ifff, pela quantia do 700/, que rende 10/ mensaes: I Vende seumacanoa prcpria para capim :
Ja tratar na rua do Socego n. 31. tralar na taverna defronte da realm do Barro.
Farinha de mandioca
DE
posto mm
De superior qualidade e muito nova, chegada
pelo ultimo navio : vende-se a rua do Brjjm n. 93,
armazem de asiucar.
espelhos dourados para sala, grandes e pe
quenos, apparelhos de metal para chi, fa-
queiros com cabo de metal demarfim,
ditosavu-lsos, colherosde metal (ino.condiei-
ros para sala, jarros, gnarda-comidas de
arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar salas, lavatories completos, ditos
simples, objectos para toilette, e outro* mui-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
que se acfaa aberto dVde as 6 boras els ma-
nha ate' as 9 boras da noute b\
Rua do Barao da Victoria n.
22,
a! branco
Rrim brrnco muito fino, fazenda de
28i)G0 a vara, que se vende por 18400 a
vara, por estar com um pequeno defeito ; e*
pechincha.
Melins francezes
Metins francezes, fczenda muito fina, pa-
droes modernos, fazenda ^ue ja se vendeu
por 500 rs, a 300is. o covado ; e pechin-
cha. Dao se amostras.
Cretones de listras
Cretonesde listras,fazenda acolchoada, pa-
droes muito lindos a 400 rs. o covado ; dao-
se amostras.
Madapoloes
Madapoloes com um pequeno toquo de
avaria, de'3^500 a 5-J000 a pega ; e pe
chincha.
CHITAS PERCALES
Chitas percales avariddas a 2'0 rs. o co-
vado; e pechincba.
SO' 0
X. SO da rua do Crespo
Loja das 3 portas
DE
Gnheme 4 C.
Junto a loja da esqutua
Magnolia
Na loja da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
io, encontrara sempre o respeitavel publico nm
completo sortimento de perfumarias finas, objectos
de phantasia, luvas de Jouvin, artigos de moda e
miudezas finas, assim como modicidade nos pre-
cos, agrado e sinceridade.
Anneis electricos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 4o, aca
ba de receber os verdadeiros anneis e voltas elec-
tricas, proprios para os nervosos.
Meios aderecos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu um completo sorlimento de
Meios aderecos de tartaruga.
Meios aderecos de madreperola.
Meios aderecos de seda bordados, (ultima moda)
e de muitas outras qualidades.
Botoes de aco
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 43, tem
para veBder os modernos botSes de aco, proprios
para vestidos.
Golinhas e punhos
da9 mais modernas que ba no mercado ; a ellas :
na Magnolia, a rua Duque de Caxias b. 45. _
Lencos chinezes
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu uma pequena quantidade de lencos de seda
chinezes, com hndissimos desenhos, fazenda intei-
ramente nova.
Leques
Lindos leques de madreperola, de tartaruga, de
martlm, de osso, e de muitas outras qualidafles:
recebeu a Magnolia, a ma Duque de Caxias nu-
mero 45.
Attenc,ao.
A loja da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
45, acaba de receber os seguintes artigos :
Manual de madreperola, Urlaruga e marfim.
Ricos albuns com capa de madreperola, cha-
gren, madeira, velludo, couro, etc.
Llnda9 caixas com finiisimaa perfumarias.
Ligas de seda, brancas e de cores.
Voltas de madreperola.
Pu'9eiras de madreperola.
Ricas caixas para costura.
Vestuarios pare baptisado.
Toacas e sapatinhos do setim.
Modernos chapeos de sol de seda para senhoras.
Lindos port-bouquets.
Gravatinhas de velludo, etc, etc.
Vende-se ou arreu la-se o eng>'n!i > S Carles, em
Ipojuca, moente e current*, com t >d.is as obras
em'perfeito estado de conservaeao, e muito bom
d'agua : a tratar na travessa da rua Du |ue da Ca-
xias n. 3, 1" andar, com Gabriel Autnio de Castro
Quintaes._________________________
Libras sifflinas.
Vcndese no escriiitorio da cpmpanliia Pheuix
Pirnambucana.

Caibros de maugiie.
Vende-se 700 do 40 p.-lmos : a b(rdo da bar-
caca Tret Irmftos no caes do Ramos.
CfeflfeoS para
souhoia.
A loja do Passo a rua Primein de Mar^o n.
7 A, recebeu pelo ultimo paquete, um rico scrti-
mento de ehapeos para senhora, ultima moda e
vende por prego commodo. __________
Vendc-se um sitio com 60 palmos de largura
e 300 le fundo, no Lecco do Espinheiro, tendo
uma casa de laipa, com cozinha do pedra e cal e
duas mcia-agui? ; em uma das quaes ha uma
taverna, a qua! vende so juntameute com omesmo
sitio : tratar no mesmo.
Ultii
ul
Vendem
Wilson, Rowe & C.
Em seu armaaom a rua do Trapiche n. 14, o se-
guinte :
Algodao azul americano.
Fio de vela.
Carvao dc pedra de todas as qualidades.
Todo muito barato.
Pacheco & Azevedo tem para vender tapioca
de Araruta de qualidade especial: em seu arma-
zem na ma do Duque de Caxias n. 29.
Wilson Rowe & C. vendem no seu armazem
ma da Commercio n. li :
verdadeiro pantfo de algodao azul americano.
Excellente flo dc vela.
Cognac de 1 qualidade
Vinfco de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as quaiidadaa.
ma moila.
A Magnolia, a ma Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu um liudo sortimento de biejs de guipure
dc cores, apropriados aos vestidos chiques da ao-
tualidade.
W
Lindissimas jarras e rcsfriadeiras com film:
vende se a rua i rimeiro de Marco n. 19 (antiga
do Crespo)._______________ <
Vende-se uma taverna no Nhntairo por de-
tra; da refinagao, bem afregueza'' pna para
qualpucr pnnrpianie : a tratar a* ma.
Chapeos de sol uo seda
a 7#000."
Gurg.l de Amaral & C., a rua Primeiro de
Marco^n. 20 A (esquina), vendem chapeos de so
de s'.da, fazenda superior e bonitos i. baralissimo oreco de 7^
Para a boa conserva qao
DE
VOSSO CABELLO
m 9mtr.
i
Elle e um preventivo seguro e cerl. c::itra
a calvice.
Elle dd e restaura forga e sanidadc Z pelie da
cabe^a.
Elle de prompto faz cessar a queda premat-
tura dos cabelles.
File da* grando riqueza de lustre ctos ca-
bellos.
Elle doma e faz preservar os cabellos, em
qualquer forma ou posicfi'o que so dese-
je, n'um estado formoso, liso e macio.
Elle faz crescer os cabellos bastos e compri-
e os.
Elle conserva a pelle eo casco da cabe^a
limpo e livre de toda a especie de caspa.
Elle previne os cabellos de se tornarem bran-
cos.
Elle conserva a cabec^i n'um estado de fres-
cura refrigerante e agradavcl.
Elle nao e demasiadamente oleoso, gordu-
rento ou pegaditjo.
Elle n3o deixa o menor cheiro desagrada-
vel.
Elle 6 o melhor artigo para cs cabellos da
crianr^as.
Elle e* o melhor e o mais aprasivel artigo
para a boa conservaeao e arranjo dos ca-
bellos das senhoras.
Elle e o unico artigo proprio para o pentea-
do dos cabellos e barbas dos senhoras.
NENHUM TOUCAUOR DE SENHORA SE
PODE C0NSITE1UR COMO COM-
PLgTO SEM 0
TONICO ORIENTAL
o qiwl preserva, limpa, fortifica e aformtsca
O CABELLO.
Acba-se d venda nos estabelecimentos de
H. Forster & C, agentes. E em todas as
priucipaes lojas de perfumarias e boticas.
1




8
Oiario de Pernaffibuco Sexta feira 1 de Maio de 1674.
I1
LITTERAPfRA.
Snet
DOLCE Jl'EDA TUA MANO... AlfCO MORTE
(Silvio Pellico. Trag.)
Fineza s6 se paga com fineza,
0' estrella 0' meu iris de bouanga,
Cuja imagem n3o nsco da lerabranga
Oade indolevehnente vive presa I
Como pois na raais h'orrida incerteza
Meconservas, burlanio-mo a esquivanga ?
Como pois tao insolita esperanga,
Tamanha ingratidio, tanta fereza?
Ou leda, ou triste, ou branda, ou oppressiva,
Ah Decide, decide a minha sorte I
Qua na dura illusio nao mais eu viva !
Venha embora mortal, certeiro c6rte...
Pois, como sabes, 6 formosa esquiva,
Dolce me da tua mano... anco la morte.
Disser estas pslavras, qtie ora engendras
Como te apr*zterio retrocedido
0 curso os rios, fugirio os lobos
Das ovelhas e os caes das fracas lebces.
Bustard o urso o mar e o phoca o monte.
DAPHNIS.
1873.
Francino Cistnontano.
Soneto.
(l0 1TAL1AN0, DC PETRARCA.j
Oade o original de gra valia
Estava, d'onde copiou naiura
Esse rosto de tanta formosura
Em que nos quiz mostrar quanto podia ?
Que Nymph a, ou Deusa, jd soltou urn dia
Tran$ is d'ouro tao fino a brisa pura ?
Que coragio possue tanta candura,
De minha morte causadora impia ?
Inda nao vio belleza, realmente,
Quern seus olbos nio vio ; nem como grata
Ella os sabe volver suaveineute.
Nem sabe como amor nos cura e mata
Quem nao sabe como ella docemente
Suspira, c falla, e se sorri, e trata.
1873.
Francino Cismontano.
Egloga. (.)
(do italiano, de torquato tasso.;
DAPHMS.
Quererds tu, o Sylvia, sempre longe
Das delicias sem par de Cythere*
Consumir toda a tua mocidade ?
Hem ouvirds de mai o doce norae,
Nem ao redor verds alegremente
JJrincar a tenra prole ? Ah, eu t'o pego,
Muda de opiniao, minha louquinha !
SYLVIA.
Outra do terno amor siga os Deleites,
Se 6 que no terno amor algum existe.
Praz-me a vida que levo. Me divirto
Cuiiando do arco e settas, acossando
As f.ras fracas o vencendoas fortes
Nos combates ; e, como nao me faltam
Frechas na aljava nem no bosque feras,
Nio receio que faltem-me prazeres.
DAPHMS.
Insipidos prazeres, certamente, .
Insipida existencia, que te agrada
Tao s6 porque Outra nao lograste ainda ;
Assim outr'ora a gente primitiva
Quando ainda era o mundoingenuo e simples
Julgou doce alimeuto a agoa e a glande ;
E, a agoa e a glande agora o aliraento
Unicaraente sao das alimarias :
Poique so descobrio o trigo e a parra.
Talvez que, se uma voz siquer lograsses
A millesima parte das delicias
Que urn amoioso coragio desfructa,
Dissesses suspirando arrependida:
Perdido e ; com effeito todo o tempo
Que em a mar nao so emproga. Oh meu passado!
Que solitarios dias e que noites
Solitarias em vio hei consumido;
Podendo-os empregar nesse commercio
D'amor, que quanto mais se nos duplica
Tanto mais agradavel se nos torna 1 >
Mu!a de opiniao, minha louquinha I
Que o arrepender-se tarde nada vale.
SYLVIA.
Quaudo eu arrependida suspirando
""' <*\ Vid. L'.lminta.
Conhego a cabeguda mocidade.
Qual tu es, tal eu fui. Assim eu tinha
A cinta e o rosto, louros os cabellos,
Vermelha a bocca, as faces delicdas,
As faces onde a purpura da rosa
Co'o candor do jasmim se misturava.
Era meu maior gosto (e hoje 6" qae vejo
Qu5o louco que elle era I) armar raeus lagos,
Euvisca-los, afiar farpoes nas pedras,
Das feras espreitar o rasto e a furna.
Entao, si casualmeme algumas vezes
Via mirar-rae cubigoso amante,
Baixava logo os oltt"S vergonhosos,
De acanbamento e pejo ; o meudonaire,
Pur isso mesmoque agradava a outrem,
Ghegava a aborrecer : como si acaso
Em requestada sr, em ser querida
Tivesse, Delia Sylvia, alguma culpa.
Porem o que e que o tempo nao consegue ?
6 que d que n3o consegue com seus rogos
Amante puninaz, Del amante T
Fui venciJa, corifesso ; e s6 humildes
Supplicas, rogos, lagri/ias suspiros
Do terno vencedor as armas foram.
Mostrou-me uma so noit3 em seu 9ilencio
0 que ainda n3o tinham me raostr&do
Do l.rga experiencia larg/s dias.
Entao me censurei c a minha cega
Simplicidade, e disse suspirando :
Toma, 6 Cynthia, a bozina, toma o arco ;
Teu cult reuuncio e as tuas aras.
Assim, espero ver o terno Amintas
Urn dia conseguir domar a tua
Cruel rusticidade, e embrandecer-te
0 coracjio de mannore ou de bronze.
Pois nao e tao bonito ? E si elle to ama,
Armado nao e de outra ? Acaso pensas
Que com teu odio alguma cousa perde?
Porventura te rede em gontileza?
Ah 1 Si 6s filha de Cidippe, progonie
Do Deus famoso deste Hlustre rio ;
Filho elle e de Silvaao, que descende
Do celebrado Pan, Deus dos pastores.
Mirando-te no espelho de uma fonte.
Has de ver que nao e menos formosa
A Candida Atnarillis ; elle entanto,
Despreza os seus cannhos e procura
Os teus rigores. Imagina agora
(E oxala que debalde o imagines I)
Que, arrufado comtigo elle alfira busque
A que o agrada mais e mais o estima...
Como entao ficards? E como vd-lo
D'outra nos bragos pertencendo d outra,
Tio feliz a zombar de ti sorrindo ?
Da mansa ovelha ? Da novilha o touro T
E da pombinha o bombo? Corno 1 julgas
Estagio propria de odioi, dasavengas,
A lougi primivera, que risonha
Convida ?-amar a bumanidade inteira,
E os mesmog |animaes Ah nSo reparas
Como todo o creado ora se enleia
Nos salutares lacos amorosos ?
, Olha aquelle pombinho como meigo
Beija arrulando a companheira ami^a ?
Escuta aquelle rouxinol saudoso,
Que vai de arvore era arvore catitando'
i Eu amo, eu amo I E sabe se o ignoras,
Que a mesraa serp? doixa os seus venenos,
E corre anciosa ao cubigado amante.
Os tigros por amor levar se deixan,
Ama o leaosanhudo; sd tu,|fera,
Mas do djie as feras todas, deste modo
Negas abrigo a amor dentro em teu peito.
Mas porque de ledes, tigres e serpes,
Que sao seusiveis, fallo? Timbem araara
As arvores. Repara com que extremos
E com quantos abragos repetdos
Se enrosca estreitamente a hera ao tronco.
0 abete ama ao abete, o pinho ao pinho,
0 salgueiro ao salgueiro, o freixo ao freixo ,
E uma faia por outra arde, e suspira.
0 robre, que tSo rigido parece
E tosco, sente em si o migo iofluxo
Da amorosa paixao; e tu, si acaso
Conhecesses amor, comprehenderias.
Seus tacitos suspiros. Pois preteodes,
Por nao amar, ser menos do que as plantas?
Muda de opiniao minha louquinha !
SYLVIA.
Pois bem. Quando das plantas os suspiros
Ouvirem -se. .. entao sim de araar en folgo.
DAPHMS.
SYLVIA.
Faga Araiotas de si e seus amores
0 que bem the aprouver, ame & quem queira
Comtanto que nao me ame; pouco importa;
Pois meu nao pode ser, senao n'o quero ;
Nem quando fosse meu, d'elle eu seria.
DAPHMS.
D'onde tanto rancor ?
Do amor d'elle.
SYLVIA.
DAPHMS.
Oh 1 Lisongeiro pai de cruel filho I
Porem quando jamais de mansa ovelha
Fero tigre nasceu ? Ou tu me enganas,
Ou a ti mesma...
SYLVIA.
Seu amor odeio,
Que odoia^a uiiuha honra. Ameio-o emquanto
Requeria de mim o que era justo.
DAPHMS.
Desoja-te elle o que p'ra si deseja,
Escolhes o peior.
SYLVIA.
Cala-te, ou muda
De conversa, alias cale-me.
DAPHMS.
Ora vejam I
Vejam so que hizoneira \ que doidioha f
Porem dize-me la : se outrem te am3sek
Tratarias assim os seus affectos?
SYLVIA.
Assim hei de tratar a todo aquelle
Vil seductor da minha virgindade.
A' quem chamas amante, e eu inimigo.
DAPHMS.*
Julgas, pois, inimigo o bam. caxneiro
i
Zombastii das razoes e dos conslhos,
Que discreta te dou ? Oh insensivel,
E surda ao brndo amor 1 Pondera, entanto,
Qjeviri tempo em que hasdearrepenler-te
De nao tel-os seguido ; muito antes
De fugires as fontes, onde a raiiido
Te rairas de ti propria enaraorada,
Mesmo ante3 (quem sabe) de 8S fugires
Para que encarquilhada te n5o vejas,
Isto ha de succeder-te, nem s6 isto
Te agoiro,que, comquanto seia graiide,
E' mal universal. Nio te recordas
Do que ante-hontem Elpino, c- sabto Elptno-,
Contava a formesissima Licori,
Que sd co'os olhos nelle pdde c*que elle
Deveria poder nella co'o canto,
Se dever era amor acaso houvesse ?
Elle dizia entao (erm presentes
Os grandes amadores Bato e Tirsis)
Li na gruta da aurora, em cuja eatrada
Le-se : Longe daqui, profano vulgo f s
Elle dizia entao, baseado nesse
Que celebrara as armas e os amores
E que ao morrer o seu condao legoihlhe ;
Ha no Averno uma lobrega espelu.nca
Que fetido vapor contiuuo exhala.
Das medonhas fornalhas do Acheronte
Ahi puuidas sao eternaoaente
Em martyrios, em lagrimas, em trevas-
As crudis, as ingratas, as esquivas.
Pois ahi digno asylo se prepara
A' tua feridade, e e rauito justo
Que esse vapor as lagrimas arranque-
D'aquelles dnros olhos d'onde, nunca
Arrancal as poderi a piedade.
Segue, segue teimosa, o ten alvitre.
SYUU.
*ue fez Licori entao ? Que respondent-Ihe
Q tudo isto ?
DAPHM9.
Quel Do proprio fado
Nao curas, e do alheio saber queres?
Co'os olhos respondeu-lhe
SYLVIA.
Porem eorao
; Responder ella pode s6 co' as olhos*
DAPHMS.
A' Elpino elles disseram co' um sorriso :
o 0 coragao e nds te pertencemos.
Mas nao deves pedir, que ella nan pode
Dar-te mais. Ah que tanto bastaria
Para merce completa ao casto amante,
Si tao fidis julgasse aquelles olhos
Quao lindos, e si em tudo fe Ihes Jesse.
SYL-VIA.
E porque tal nao fez T
DAPHMS.
Ora, nao sabes
0 que escrevera Tirtes, quando louco
Ewou nos bosques, tanto que movia
FOLHETM.
MRUS OE S1T4N1Z
POR
O. Ifanoel Fer aandez y Gonzalez
QLINTA PARTE
LEONOR
XV
MA CART A DE MICHELOTTO. 0 QUE SOOBE
E 0 QUEN.VO SOUBE FRANCISCO BUOTTI.
UM ESTUPIDO OUE ERA UM YELHACO E QUE
CORRIA COMO CM GALGO.
(Coutinuagio do n. 108 )
Desde'quando f
Ha um mez.
A quem ?
A um cavalheiro francez, ao Sr. Pier-
re de 3oncamp.
Esse cavalheiro deve ter familia ?
F.' possivel, porem ignore
0 que ? n8o o sabes, tratante En-
tio u.n bom mordomo ignora tudo quanto
sojai necessario para o bom andamento dos
negocios de seu amo?
IJi poosei que bastava terera-me dado
o dinheiro da renda, e quando o recebi
dei ordem aos dous criados que guardavam
a quinta para que.entregassem as chaves e
se retirassem, trazendo o inveutario dos
aioveis assignado pelo Sr. Pierre de Bom-
camp.
Tens ahi esse inventariot -
Sim, seahor, bem sabe que 6 uma
garantia.
Mostra-m'o.
Giovianni foi a um artaario
via alguns magos de papeis.,
em que ha-
tirou um e
mostrou-o a Buotti.
Cora effeito no urn do inventario, que
era immenso, lia-se a seguinte assignatu-
ra : 0 cavalheiro Pierre de Boncamp.
A letra, porem, nao era de Michelot-
to.
Com os demonios, pensou Buotti,
aquelle patife de Michelotto nao se esquece
de cousa alguma. Dize-me, proseguio elle
em voz alia, o Sr. Pierre de Boncamp e
velho, mal encarado, em suraraa e um des-
tes homens que fazera medo ?
E' exacto. Parece ter cincoenta an-
e veste tao mal o seu fato de fidalgo que
ninguem ha de dizer que o 6.
Tem uma cutilada na face esquer-
da?
Sim, senhor, respondeu o mordomo ;
eu, porem, nao estranhei isso, porque um
gentil-homem p6de rauito bem receber
uma ferida n'um duello ou era carapa-
nha.
Ou n'uma taverna.
Um fidalgo I
JTem razio, disse Buotti e depois pro-
seguio, fallando corasigo mesmo:
Os diabos me levem se o tal gentil-
homem nao era Andre' Spata.
E levantou-se, dizendo:
Sinto rauito que a quinta esteja tio
bem arrendada porque, como estou velho,
queria deixac o servigo e retirar-me para
alii. Adeus.
A poms Buotti tinha sahido entrou um
criado e disse:
' Sr. Giovianni, o Pedro que mo.*a pro-
ximo a Cento vio'esta manhS cliammas para
os lados de Ferrara c verificou que a quin-
ta Florida estava nrdendo.
Giuviauui. nao o,uiz ouvir raais uada,

A piedade e o riso ao mesmo tempo
No circulo das Nyrapbas e Pastores ?
Cousas dignas do riso nio 'serevia,
Bem que irrisorias cousas s6 fizesse.
Nas plantas escreveu, cresceu co'as plantas
0 brando metro, e assim li n'uma oVellas :
'Spelhos do coragao, olhos faljizes I
Bem reconhega em v6s vossos engmos,
Mas em v3o; que ao fugir amor me veMa.
SYLVIA.
Aqui tagarollando passo o tempo...
Nem me Iombrava que era o grande dia
Prescripto, em que devemos ir & caga
No Eliceto. Ora pois, se queres, Ika ;
Que f u veu primeiro & fonte prodilecta
A pooira e o suor lavar, em qu6 hontem
EovolvL-me, acossando veloz corsa,
Que p;gando matei.
DAPHNIS.
Sim, eu te espero; ,
E talvPzm*smo qae me banhe A fonte.
Mas vou, tambem, primeiramento & casa;
Pois ta > tarde nao e, como parece
Nao mo demoro, espera em tua granja.
Do que interessa mais que a cagae a fonte,
No entanto, cura ; e, vamos que o ignores,
Na ignoraucia persisle : e ere nos sabios.
Agosto de 1873.
Francino Cismontano.
O elephants e ocamello.
APOLOGO.
V.lho elopbante ura dia
A'-aso adoeceu,
E temeroso logo
Kj caraa se metteu.
Molestia de perigo,
Leitor, nao era, n8o;
Nem cousa de cuidado,
Num do complicagao.
Simrles, ou passageiro
Incoramo lo, talvez
FI itos, ou enchaquecas,
Oj mal d'esse jaez...
No entanto, o esmorecido
Q ladrupede a gemer I
Ja parecia morto,
Ou prestes a morrer 1
De araigos e parentes
Cercado entao se vio,
Aos quaes chamar-lhe fossem
Um medico ftedio.
?em o doutor Camello,
(Afamado doutor I)
Que seu visinho era,
Na rja morador.
Grave e sisudo entra
Como doutor que e\
Do ieito moribundo
Vai se sentar ao pe.
Toma ao doente o pulso,
Pergunta-lhe o que torn,
Ou o que sente,asculla-o,
Torna a ascultsl-o bem.
De fora a lngua manda-o,
Fufconclusao, deitar;
Depois... faz curta pausa,
E poe-se a receitar.
Remedio tal foi esse
Quo apenas o tomou,
O misero a canella
De subito estirou.
Mao grado nossa, quantos
D'estes n3o temos n6s,
Q'lematam, o ainda em cima
Cobram dinheiro ap6s I ?
Famosos Esculapios I
No seu direito estao...
Dar vida, certamente,
Nao estd oa sua mao.
1873.
Francino Cismontano.
O sapateiro e o bilhete.
APOLOGO.
Havia antigamente na provincia
Um mestre sapateiro
(A' quem de remenddo chamava o vulgo
Pauperrimo, 6 verdade,
Mas honrado ate alii. Bora como o grego
Diogenes na pipa,
Assim mettido em sua vein a tenda
Entre teas d'aranha,
Viam-n'o todo dia na tripega
Co'o tirape s voltas,
A's voltas co'o cerol e co'o martello
Batenio serapro a sola ;
E co'a sovella, que jamais deixava.
sahib desalentado e pouco depois montava
a cavallo acompanhsuio por dous criados
e toraava para a raargem esquerda do
P6.
E' inutil, dizia Buotti encaminhando-
se para a praga de Santa Maria, Michelotto
desappareceu e para nlo deixar rasto, quei-
mou a quinta onde viveu ura mez e quem
sabe, talvez largasse o ft go & propriedade
so pelo prazer de fazer mal.
Quando chegou & praga de Santa Maria
vio muita gente parada a porta da casa de
Reinaldo Albini.
Na casa estavara postados aleuns soldados
do grao duque.
Buotti abrio caminho por entre a mul-
tidao, gragas & respeitabilidade que lhe
davam as c5s, e.ao seu aspecto nobre, che-
gou ate* os soldados que o conheciam dema-
liade.
0 que fazem aqui ? perguntou elle.
Oh I respondeu o soldado, aconteceu
umagrar. !e desgraga e o gr8o-duque esta en-
furecido.
Entao o que foi ?
Esta manha um dos pagens do Sr.
Reinaldo Albini foi acordal-o & bora do
costume e nao o encontrou nem na cama
nem no qaarto, procurou-o por toda a
casa e enconlrou-o morto com a espa-
da na mio, na sala que conduz ao jar-
dim.
A porta estava apenas cerrada ; o pagera
correu, cheio de horror, a dar parte ao
Isyndico que chegou logo e prendeu todos
jos criados, excepto dous, um pagem e uraa
j donzella que n&o appareceram.
Pois esses sao os unicos que sabem
o que succedeui
0 grlo-duque, proseguio o soldado,
a quem se deu parte do acontecido veio
aqui iramedutameate, porque estimava
muito o defunto, e jurou pela sua corda
n3o descangar ate encontrar o homici-
de.
E* muito justo, respondeu Buotti; o
Sr. Reinaldo Albini era ura excellente fi-
dalgo e sua alteza tinha razio em o estimar
muito. Porem, vou at6 & igreja de Santa
Maria, por quem tenho uma grande devo-
gio e nio esquccerei nas minhas oragdes o
Sr. Reinaldo Albini. Adeus.
E, despedindo se dos soldados, passou
por entre a multidio dizendo corasigo mes-
mo :
E' preciso andar depressa.
Dalli a pouco entra va pela porta princi-
pal da igreja de Santa Maria e, sera
se demorar, sahio pela porta do claus-
tro.
Ao sahir, soltou uraa exclamagaO de ale-
gria.
Acabava de ver um mendigo sentado jun-
to is pilastras do portico.
Oli, Pandolho 1 disse Buotti, defbis
de se ter certificado de que nio estava nin-
guem na rua, levanta-te e escuta. 0 men-
digo levantou-se e olhou estupidaraente para
Buotti.
Ate" agora, disse este, tens me servido
seaapre bem.
0 que tenho que fazer, Sr. Fran-
cisco.
E' preciso encontrar uma donzella
chamada I'e'.ippa e um pagem chamado
Gualterio, que do. casa do Sr. Reinal-
do Albini, onde scrviam, por causa
do assassraato de seu amo; 4 iudispen-
savel que os no'ssos esbirros os prendam
antes que os esbirros do grio-duque os
encontrem. PSe toda a gente em cam-
po.
Hio de ser encontrados, respondeu
aquelle, hoaiera que parecia estupidQ e. cujo
Furando e refurando. .
0 ser tibalhador nio lhe valia,
Pois quo nio o deixava
Um caiporismo chroni :o; d'est'arte,
Mal grangear podendo
0 pio de cada dia, sem que aunca
(Por mais que se esforgasse)
Podesse prosperar, ei-lo que azda....
Mas, quedea lhe occorre !
A' seu velbo visinho certa somraa
Emprestada peilindo,
Ura biloete comprou ; e, ji sonhando
Talvez c'o o maior premio,
Entrou a planejir o quo faria
Se por sorte o tirasso,
Entio deliberou deixar o officio,
Que renlia tao pouco;
E tu lo, incont nente, pdz no bico
Da sua cliara Eva...
Eis chega o dia da eitracgao, eis logo
* No fito domingueiro
0 carunchoso mestre li so enfronha;
E, todo impertigado,
Vou ver correr a roda da fortuna ;
(Diz i cara metade)
Como pois urge. de.du ji, senbora,
Fique de sobre-aviso:
Si a sorte grando mo sahir por sorte,
Eu voltarei a carro.
Ao ver-rae, todos estes cacarecos,
Que s6 servem de entulho,
Quebre, queime; pjrquanto tenciono
Reformar esta casa.
Olhebem: naolheesquega... Istodizendo,
Raspa-se porta fora.
Ao lugar da eitracgao ei-lo que chega,
E, todo esbaforido
Rompendo a multidao, vai collocar-se
Na frente, bem na frente I
Ainda assim, n3o satisfeito, vede-o:
Ld trepa-se n'um banco,
Que muita gente tendo ja" em cima
Biparte-se c'o o peso ;
$ no apertao, qual g^nipapo omJStre
Cahindo, uao sei como
Quebra uma perna 1 Pio circumstante,
Vendo-o tao mallratado
Sem se poder erguer, um carro aluga
E para a casa o envia ;
Que elle nao tinha nem real no bolso.
A flatulenta raestra,
Que muito esperangosa a espera sua
Najanella ficara,
Mal que o a vista o cabo da vassoura
Em punho, e nas panellas
E ferramonta e trastes fez os cacos,
Tudo atirando ao fogo.
N'sto, apoiado no uombro do cocheiro,
Sob a impressao ferrivel
Do bilhete fatal, ques>hio branco,
Do carro sahe a custo
0 mestre inalifeciss mo gemendo.
Ah 1 Quanto e eerto o adagio 1
Atraz do apedrejado as pedras correm!
Cada qual se conforme
C'o a sua sina. Porfiar c'o o fado
ET arcar c'o o impossivel.
1873.
francino Cismontano.
YARIEDADE
TBATAMENTO DA PHTYS1CA.A aca-
demia de medicina de Paris, refere o Temps,
recebeu na sua sessao de 24 de margo a se-
guinte coramunicaga" :
Dous medicos da ilha do Syra, os Srs.
Zalloni e Paraschevas, convencidos de que a
phtysica e uma doenga, procuraram o anti-
doto entre os ag ntes antisepticos.
Depais de ensaios de numerosas subs-
tancias ficaram sorprendidos com os resul-
tados que di o emprego de sulfato de soda.
Fizeram, pois, d'elle um ensaio especial.
Os resultados sorprendentes que obti-
veram estao consignados em um relatorio
dirigido por elles d sociedade medica de A-
thenas :
Tomamos, dizem elles, trinta e dous
doentes, enjas atfecgoes datavam de 4 a 9
mezes. Dezenove dessos pbtysicos eram de
primeiro grio e os ruidos respiratorios esta-
vara circumscriptos aos lobulos superior e
me"dio, sobre as duas superficies do pulmao
esquerdn. Nos outros doentes, em segun-
do grdo, a anscultagio indicava uma lesao
rta parte anterior do pulmao somente, i ex-
cepgio de quatro individuos, que tinham as
duas superficies dos 16bulos superior e me1
dio atacados por diante e por detraz. Em
tres individuos, do terceiro grao, os sy npt)-
mas eram medonhos, e, alem di-so, um
delles tinha tuberculos de primeiro grao na
superfioie posterior do pulmao.
Todos estes doentes foram tratados pelo
sulfato de soda, por meio de doses variando
entre metade e um quarto do drachma gre-
go (de 1 a 2 grammas) dissolvidos em 4
ongas de agua, com ad Jigao de uma meia
onga de xarope atomatico. Uraa colher de
bora em bora.
a No fim de oito dias, e sobre tudo de
quinze, a tosse e as expectoragoes tinham
olharse animou mostrando uma vasta in-
telligencia; aquella aniraagao, porem, pas-
sou com a rapidez do relampago e a phy-
sionomia voltou i expressio estupida que
lhe servia de mascara.
Nao e difllcil para voces encontral-os ;
naturalmente recolheram-se em algum Iu-
panar. Quando os tiveres encontfado faz-
lhes crer que os queres auxiliar na fuga,
leva-os para os lados do P6 e entrega o se-
gredo da aventura o rio que, como sabes,
guarda admiravelmente estes negocios. Vai
e nio percas tempo.
Faz-me perder ura bora ganho, Sr.
Francisco ; estava aqui para servir os amo-
res de certo galan...
Pois eu estimo bem ter-te encontrado,
cahiste do ceo. Adeus e mios & obra.
Ouve. quando tudo estiver terminado diri-
ge-te a Piaseta e assobia tres vezes debaixo
dasjanellas da minha casa. Se o negocio
nio se tiver ultimado, se houver alguma
contrariedade, assobia duas vezes. Ate a
vista.
0 mendigo afastou-se dalli e Buotti con-
tinuou o seu caminho para o palacio du-
cal.
XVI
DE COVO PAULO SE ENCONTROU EM UMA SI-
TUAgAO COMPLETAMENTE DESEMBARAQADA
k RESPEITQ^, DOS CLTIMOS SUCCESSOS, PO-
RtM MUITO CRITICA A RESPEITO DE AMO-
RES.
Em vio Affonso de E'ste procurou saber
quem tinha sido o assassino de Reinaldo
Albini.
T'jrturou cruelmente os crijdos que en-
controu, porem estes uada poderam dizer,
porque oadasabiam.
Os unicos que podiam ter revellado al-
guma cousa, isto 6, Felippa e Gualterior ti-
uham fugido,
diminiido consideravelraente, os sympto-
mas de calefrios e da febre tinham decresci-
do tambem, a respiragio era raais facil e o
appetite voltava. As melhoras eram mais
ou menos rapidas, segundo a affacgao era,
mais ou menos recente. Os doentes do
primeiro grio, foram curados em dous me-
zes. Os do segundo grio, que tinhim os
dous puhndes aff.ctados, experimeutaram
melhoras ao cabo de tres semanas ; e de-
pois de um tratamento de tres mezes uns fi-
caram curados e outr>s entraram em conva-
lescenga. Um dos doentes do terceiro grio
deixou nos. Os dous outros estio ainda
em tratamento. 0 seu estado tem melbo-
rado muito.
Taes sio os factos : as garaotias de sa-
ber offerecidas pelos observadores, a divul-
gagio leal que fazem do seu remedio, pare-
ceu-nos de natureza a provoear a verifica-
gao dos bo.-nens competentes. Assignalam-
se tambem os effeitos excellentes obtidos no
tratamento da phtysica por um vegotal afri-
cano, o silfium, que se encontra na Tuue-
zia e na Algeria, port a faltam nos a este
respeito indicagOes previas e vordadeiramen-
t scientificas.
FORCAS CARL'STAS. 0 Univers des
Pans, jornal ultraraontano e carlista, pu-
blica o estado dos exercitos carlistas no nor-
te de Hespanha.
Segundo as folhas de Madrid, ha exage-
ragao no algarismo de 36:000 bomens, que
laes concede o jornal ultraraontano, e que
os classified assim :
A divisao navarra tem II batalhdes, seis
pegssde artilherii e 300 cavallos.
A divisao de Guipazcoa 8 batalh63S, duas
pegas, um esquadrao e quatro partidas ?o-
hntes
A divisao de Biscay a compde-se de li
batalhoes, um esqua irao e quatro pegas.
A de Alava, de seis batalhdes em forraa-
gaO, e a de Navarrete ou de Santauder, de
cinco batalhoes e alguns cavallos.
As pegas no sitio de Bilbao eram : 8 de
montanha, 11 morteiros e 16 p'^gasde36, e
24 de 16. E os batalhois alii reuni-
dos, 31.
MINAS METALICAS. As ultimas noti-
cias da California dio-nos detalhes sobre a
producgio raetalica dos estados e territorios
da costa do Pacifiico durante o anno passa-
do. Parece que o total foi de........
14,450,000 das quaes 5,5+0,000, foram
emouroe 8,910,000 em prata. Nestas in-
cluiam-se 250.000 da Colombia ingloza.
As outras proporgdes foram : California....
3,605,000 Nevada 7,050 000, Oregon...
275,000 Washington 42,000, Idaho......
470,000, Montana 780,000, Utah 980,000,
Arizona 10,000, Colorado 815,000, ,eno-
vo Mexico 173,000.
0 total mostra um augmento de.......
2,000.000 sobre 1872, e 2,800,000 so-
bre 1871.
A California produzio menos de............
200,000 do que em 1872, porem Ne-
vada den um augmento de 2,000,000 ,
Oregon, Idaho e Montana decahiram um
pouco, ao passo que Utah e Colorado aug-
mentaram consideravelraente sua produc-
gio.
PAPEL MOEDA.Parece que ficou per-
feitamenteestabelecido, pelos votos o Jiscur-
sos em amhas as camaras, elevar-se a emis-
sao do papel-moeda nos Estados-Unidos. No
encerramento dos balangos do thesouro em
21 de fevereiro, data do ultimo relatorio,
esta emissio consistia de 381,330:3270 de
greenbacks que nao haviara siio recolhi-
dos, e 348,648:6059 de notas do Banco Na-
cional.
Naquella epoca 25 e 1/3 milhoes das re-
serves haviam sido postos em circulagao, o
total da emissao do pap?l era pois de cer-
ca de 730 railboes. Calcula-se que o aug-
mento projectado elevard este total a 800
milhoes, sendo 400 milhoes de cada especie
o que rnotivara a emissio de 70 milhoes
mais em papel.
Os greenback reserves sera > entao
recolbidos, mas o cpngresso ver-se-ha em-
baragado na decisio d j modo porque teri de
fazer a divisao dos 50 milhoes entre as di-
versas secgoes do paiz.
0 NOVENTA E TRES:Victor-Uugo, se-
gundo dizem os joruaos estrangeiros, nao
conseute que seja vertido em allemao o seu
recente livro. A este respeito La Polilica,
jornal affonsista diz, o seguinte :
Saibam os nossos leitores que Victor
Hugo prohibit" que fosse traduzida em alle-
mao a sua obra Noventa e Tres. Por esse
motivo o imperador da Allemanha es:reveu-
lhe um bilhelinho offerecendo lhe devo'.ver
os 5:000 milhoes de francos da indemnisa-
gao deguerra, e pedindo-lhe perdio. Julga-
se que Victor Hugo nao aceitari.
Tem graga, mas bem se vc que a obra
nio agrada li muito ao j irnal affonsista.
Os esbirros do grio-duque tinham-ospro-
curado inutilmente.
Cbegaram tarde, porque os esbirros da
gri-duqueza tinham encontrado os dous fu-
gitives rauito antes.
Pouco import* onde tinham sido encontra-
dos estes dous pequenos personagens da
nossa historia.
0 resultado foi que alguns dias depois o
P6 arrojou a uma das margens os seus ca-
da veres.
Eelippa estava degollada.
Gualterio tinha tres punhaladas no pei-
to.
0 P6 tinha guardado o segredo*
Quando disseram ao grio-duque que o
rio tinha arrojado os cadaveres dos unicos
criados de Reinaldo Albini qua podiam re-
vellar o nome do matador, mandou procu-
rar'aquelles que os tinham morto.
0 resultado, porem, foi o mesmo.
Branca podia revellar tudo, porque, pelo
menos devia suspeitar quem era o assassino
de seu pai; porem nio se lhe perguntou
cousa alguma, porque na vespera do as-
sassin a to tinha sido levada para o con-
vento.
E' certo que Branca devia accusar Pau-
lo, porem, ou duvidou e teraau perdel-o,
ou tove a certeza e quiz vingar-se por si
propria.
Fosse como fosse, o grio-duque teve de
se content ir mandandu fazer umas magru-
ficas etfiuiss a R^inallo Albini e rogando
a Deus que casti^asse o seu matador.
a
-^
V
-
V

a
(Continuar-se~ha.)
TVP. DO DUUIO. -RUA DUOvUB DE CAXiaS
^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDBKIMN5H_1LC608 INGEST_TIME 2014-05-28T15:16:18Z PACKAGE AA00011611_18176
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES