Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17976


This item is only available as the following downloads:


Full Text
n
i\
AM) L MHERO 139
PABA A CAPITAL E LVOAMBS 0\DK 8EPAGA POBTE.
For tres mezes adiautados................ CftOOO
tor Misditos idem..................125WOO
for am inuo idem ....,,....,.... 349000
Oda numero avulso......... "..."** $320
DIARIO DE
SABBADO 20 DE JIXH0 DE 1874
PABA DIVTRO E FOB A DA PHO YISCIA.
Por tres mezes adianUdos................ 69750
Por seis ditos idem................. 1S50
PorjioTeditosidem................. tOM6
Por urn anno idem.................. 97)000
PR0PRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA FILK0S.
. Gerardo Antonio AJvesA Filhos.no Par*, GoncalTe. d Pinto, no Maranhao; Joaqoyn Jose de QUreiradPQho. no Cewajjjiitoaio de Len.ua Bra*., no Aracatj ; Joio Maria Julio Chares, no Assa; Antonio Marqaes da Silra. Natal; Jos6 Justiao
Peraira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxoucio Monteiro da Franca, na Parahjba ; Antonio Jose Gomes, na Tit da Penha { Be'armino doa Santos Balcio, em Santo Antio ; Domingos Jose- da Costa Braga, em 3axareth j
Antonio Ferreir de Agoiar, em Goyanna; Joio Antonio Machaeo, no PUar das Alagoaa, Aires d C.na Bahia; e Leite, Cerqninho d C no Rio Janeiro-
PASTE OFFICIAL
Gavcrno da provincia.
nraxiKTE
DO MA 3 DK MARCO DE 1871.
/.* secgao.
Acts* :
0 presidente da provincia, atundendo ao que
reoaarea Francico Xavier dos Santos, resolve con-
ce4er-lhe licenca para ir ao presidio de Fernando
4a Noronha, afim de tratar do negocios de sea in-
teraese.
0 presidente da movincia, altendendo ao que
pereu Francisco de Magalhaes Couio, resoivo
ossjaHaMha licenca para embarcar para o pre-
ta*o4e f'ernanio de Noronha, no primeiro vapor
qae para alii seguir, leva n 1 era saa companbia os
gsaaro? constantes da relacao junta, assigna Ja pe-
!? secretario da pr-sidencia, os quaes nao poderae
ser desembarcados sem qae por parle do corn-
ate daquelle daqaelle presilio se proceda a
afim de verificar si ha sgnardenle ou outra
IBjtjM bebida espirituosa.
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
ms.Expeca V. Exc. as suas ordens, afim de
.joe da forca que vai destacar no presidio de Per-
aaado se apreseate amanha as 9 boras do dia na
iia de detencao nma escolta para conduzir aquel-
le presidio vinte e doas Sr-ntenciados.
Ao mesmo.A' vista do que expoz V. Exc.
ma sea oflkio de bjntem datado, sob a. 177, te
ako providenciado para qae. a contar do dia 4 do
corrente ate a volta a esta opital do vapor que
vai sagair amaolii para o presidio de Fernando
4a Noronha, seja a guard* do arson I de marioha
Ma pelas pracas da corapanhia de aprendizes ma-
rujkairoi e artifices. Quanlo a da casa de detencao
e> aio pole ella ser prestada,como propSe V. Exc,
pelo corpo de polieia, attenta a deflciencia de sua
terra, risto ser a existente actualmente no res-
pective quartet de trinta e tres pracas.
Ao mesmo. Tendo providenciado no senti-
do de ser presUda pelo corpo de polieia a escolta
4e orto pracas e om inferior, que deve conduzir
ao termo de Nazaretn tres criminosos qae vao alii
ser julgados no tribunal do jury ; assim o declaro
a \. Exc. em solucao ao que pondera em seu uili
a l desta data, sob n. 178.
Ao inspector do arseoal de marinha. -Man-
4s V. S. postar amanha as 9 horas do dia, junto
ao cies do Forte do Mattos, as embarcacoes pre-
i*.-, afim de transportarem ate a bordo do vapor
498 segue para o presidio de Fernando 22 sen-
leaoaios e a respeetiva escolta.
Ao mesmo. Tendo o 9* batalhao de iofan
Una de fazer seguir para o presidio de Fernando
4e Noroaha, no dia 4 do corrente, o deslacaxen-
ti qae vai render o do 2* da raesma arma, provi-
dsacie V. s. no sentido de ser a gnarda desse ar-
i feita pelas pracas das corapanhias de apren-
dze^ marinhoii*^ ^ ^niouco, wnm.^. ao r^t^ri
. *:.. .i a v,iita a este porto do vapor que vai
larjar para o mes ro presidio.
Ao comnandante do presidio de Fernando de
Karooha.Remetto a V. S. a inclnsa relacio no-
aaiaal dos sentescialos que seguem para esse pre-
stdLo e as respectivas guias, men is as de Jaoua-
rio Pires da Silva, loao Felix da Cruz, Jacintho
es:ravo de Pedro Jose de Barros) e Joao Carlos
Jose 4e Souza. A do I* ja se acha nesse presidio; a
4aa outros em tempo opportune serao remettidas.
Ao mesmo. -Faca V. S. voltar para esta ca-
pita! o? seatenciados constantes da relacio inclu-
sa par eopia, afim de serem snbmettidos a julga-
mato os tres ultimis, eos demais postos em li-
faardaae. conform.! solicita o juiz de direito da 1*
vara civ*l desta capital em officio de 2 do cor-
r?ate.
2.* secriio.
A ios:
0 presidente da provincia, attendendo ao quo
lotjuerea o tenenle cirurgiao do Latalbuo n. i da
^iarda nacional da capital do Rio Grande do Nor-
la Miguel F-rrei-a de Meilo, e a informaQao de
n>je data Ja. do respectivo commandante superior,
-(wo^ve, de cooformiJade com o disposto no art. 'to
4 decrelo u 1,130, de 12 de marco de 1833, desig-
batalbao de res^rva n. I da gnarda nacio-
aal deste municipio para flear a elle aggregado o
i; teaente-cirurgiao.
0 presidente da provincia, a vista do officio
i-j lir. cbefe
formidale com o art. t* do regolamento de 30 de
abril de 1873, nomear David Nunesda Silva, para
ox-rcer o lugar de collector provincial da comar-
ca de Villa Bella.
0 presidente da provincia resolve, de confer-
midade com o art. 1* do regulamento de 30 de
abril de 1873, nomear Alfonso Peixoto da Silveira
para exercer o lugar de collector provincial do
municipio de Ipojuca.
Officios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Transmitto a V. S. para os fins convenientes o in-
cluso termo de ex me procedidi pela comtnissao
nomeada paraconhecer das qualidades e qaantl-
dades dos raedieamentos destinados ao presidio de
Fernando de Noronha.
A > mesmo.Tendo o juiz substitul) da va-
ra de orphaos desta coraarca, banharel Jose Nico-
lao Tolentiuo de Carvalho, deixado no dia 1 do
eorrente o exercicio do seu cargo para tomar as-
sento na assemblea provincial; assim o comrauni-
co a V. S. para os fins convenientes.
Ao mesmo.Para os fins convenientes trans-
mits a V. S o inclnso diploma de habilitacio do
bacharel Jose Francisco de Goes Cavalcante ao
cargo de juiz de direito.
Ao inspector da thesouraria provincial.Pa-
ra os devidos fins comraumco a Vmc. que em 20
de fevereiro findo affirmei o contract celebrado
pelo regedor do gvmnasio provincial com o sabdi-
to francez Emile Uldaric ilazeron, afim de exer-
cer mquelle instituto o cargo de repetidor di lin-
gua franceta.
Ao mesmo.Constando do offlciodo Dr. cha-
fe de polieia, de 27 do mez findo, sob n. 290, que
pelo subdelegado do districts de Santo Amaro das
SaMms, fora apprehendida grande quantidads de
ferragens de lampeoes da antiga illuminacao de
Olinda, bom como duai caixas fechadas e uma
aberta com vidros para vidraca, objectos estes que
estavam no antigo quartel de cavallaria, recom-
mendo a Vmc. que mande po-Ias em hasta pu-
blic*.
Ao mesmo.Fornepa Vmc. copia do termo
de coatracto celebrado nessa reparticao com o s
cessionarios da emprezaLocomotora Pernambu-
cana -ao respectivo eageuheiro fiscal Dr. Chrysso-
lito Ferreira de Castro Chaves.
Ao me?mo. Communico a Vmc, para seu
conbeciment) e tins convenientes, queo archivista
da secretaria desta presidencia, Joaquim Pedro
Barreto de Mello Rego, renuuelou a26 do mez fin-
do o resto da licenca que Ihe fora coocedida, ten-
do na mesma data passado a tomar parte nos tra-
balhos das sessdes preparatorias da assemblea le-
gislativa provincial.
Ao mesmo. Mande Vmc. entregar, mediante
previa lianca, a masa regedora da innandade do
Santissimo Sacramento da matriz da freguezia da
Boa-Vista desta cidade, a importancia do beneficio
da ioteria extrahida era novembro do anno passa-
do a favor daquel'a matriz.
An mpamn__UoHitnlo a oompotonto lianja
mande Vmc. entregar a Manoel Maria Rodngues
do Nascimento a importancia do baneficio da Iote-
ria extrahida em dezembro do anno passado] a fa-
vor das obras da igreja da Santa Cruz, a cargo da
confraria do Senhor Bom Jesus da Via Sacra, co-
mo pede a respeetiva mosa rogedora.
Ao mesmo.Mande Vmc. entregar ao the
soureiro da reparticao das obras publicas, confor-
me solicita o respectivo chefe em officio de 2 do
corrente sob n. 38, a quantia de 3:900/, de que faz
menpSo o pedido junto, para occorrer a* despezas
com as obras a cargo da raesma reparticao duran-
te este mez.
Ao mesmo.Declaro a Vmc, que do confor-
midade com o disposto no art. 3 8 do acto d.e
24 de outubro de 1867, designei nesta data o ba-
charel Ayres de Albu (uerque Gams para exer-
cer o lugar de director da escola normal, no im-
pedimento do respectivo funccionario, quo se acha
com assento na assemblea provincial, passando a
occupar provisonainente o lugar de secretario da
mesma escola o professor Vicente de Moraes
Mello.
4.4 seccuo.
Aclos :
0 presideutc da provincia resolve nomear di-
rector interino da escola normal o bacharel Ayres
de Albuquerque Gama, e secretario interino da
mesma escola o professor Vicente de Moraes Mel-
lo,; ambos durante o impedimento dos respectivos
funccionarios.
de polieia, Je 2 do corrente, n. 303,
resolve exonerar do cargo de delegado do polieia 0 presidente da proviucia resolve nomear di-
1o termo de Itambe o capitao Antonio Gracindo rector geral interino da instruccao publica o ba-
4> Gusmio Lobo. charel Ezequiel Franco de Sa, durante o impedi-
0 presidente da provincia, de conformidado mento do respectivo funccionario.
i proposta do Dr chefe de polieia cm officio Officio :
l* 2 do corrente, n. 303, resolve nomear para o Ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
-arfo de delegado de polieia di termo de Itambe Accuso o recebimenlo do officio quo Vmc. me
actaal subdelegado do districto de Timbatiba, do dirigio em 28 de fevereiro findo, coramuaicando
aaesrao termo,lenente Joao Pires Ferreira. que a junta administrativa da Santa Casa de Mi-
O presidente da provincia, a vista do officio soricordia, em sessao de 26 do mesmo mez, resol-
I !>r chefe de pilicia. de 2 do corrente, n. 307, vera por unanimidade de votos do3 membros pre
ret v- coosiderar sem effeito a port>ria de 20 do sentes conceder-rae o titulo de irmao bemfeitor
-t: r-roximo Cnio nomeanlo o tenente Antonio da mesma Santa Casa. Extremaraente penhorado
Kraacisco Cordeiro de Mello para o cargo de dele- pela signillcativa attenrrio da junta administrativa
*i4o de polieia do termo de S. Bento. da Santa Casa para comigo, digne se Vmc. trans
0 presidente da provincia, de conformidade mittir-lhe meus sinceros agradeciraentos em tao
r*i proposta do Dr. chefe de policia.de 2 do subida prova de apreco.
ngrrcnte, n. 307, resolve nomear para o cargo de 5.* techno,
f sappiente do subdelegado do districto de Pi- Offi'.ios
Mateiras, Francisco Cordeiro de Mello. publicas.Tendo esta presidencia ajustado com o
O presidente da provincia, a vista do officio artista Remigio Kneip a construccao da balaustra
j Dr. chefe de polieia, de 2 do corrente, n. 307, re- da e gavetas de jacaranda, com tintejros e areei
sstaa axoaerar do cargo de 2- supplente do subde- ros para o recinto da assemblea legislativa provin
*-ado da districto dol'imenteiras,do termo do Bo- cial, pela quantia de I.-200J. ramda Vmc. lavrar
aitu. o etdadao tvdro Alvaro Mnniz Falcao. o respectivo termo do ajuste; devendo ter lugar
o pagamento depois de concluida a obra.
Ao Dr. oheie de polieia. Remetto a V. S. Ao engenheiro fiscal da empreza Locorao
wu.. ambuianeia de raedieamentos homeopaltiicoi toraPernambucana. Tran^mitto a Vmc. a inclu
apnariados ao trattmento da variola e dons tu- sa planta dos trilh dessa empreza, para os fins
tpillares contendo lympha vaccinica, parase- indicados em seu officio de 20 do mez proximo
rem eaviados ao delegado do termo de Barreiros, passado, sob n 1; devendo \ me. devolver a dita
-oaStrma solH'.ou V. S. em officio de 27 de feve- planta m. primeira opportunidade. Quanto ao ter-
reira a4o. mo do contracto, nesta data da se ordem a thesou
Ao me>mj. Referindo-me a parte diaria raria provincial para fornecer a Vmc. a respeeti
. reparticao, de 2 do corrente, n. 300, tenho va copia.
i dizer-Ihe em resrwsta que aguardo o resultado Portarias
iiiigeacias para a descoberta dos autores do 0 Sr. gereote da Corapanhia Peruambucaca
praticalo no dia 28 do mez proximo pissa- faca recebete transportar para o presidio de Fer-
. ma das Crazes, no escriptorio de Julio Izaac. nando de Norenha, por conta do ministerio da
Ao jniz de direito da Palmares. Remetto a justica. no vapor que para alii segue no dia 4 do
0 oftlcio do consul de S. M. Fidelissima. da- corrente, ossentenciados constantes da inclusa re-
ikJ-:: de 4 de entente, e a peticao donumentada do lacao, os quaes vao cnmprir sentenca no mesmo
sL-i-Jo porlug'jez Manoel Jose de Macedo, afim de presidio.
4. .afurme a respeito com a maxima brevidado 0 Sr. gereote da Companhia Pernambucana
P'-sjiveL mande transportar para o presidio de Fernando,
Ao commandante do corpo de polieia. De por conta do ministerio da guerra, no vapor que
Vaac saas ordeos, para que se apresente n,a casa para alii segue no dia 4 do corrente, os objectos
is tonariT ao dia 3 do corrente uma forca com- constantes da relacao junta, os quaes foram com
,. ita de oilo pracas e um inferior do corpo sob f prados pelo corrector geral Francisco de Miranda
mmanlo, alimde conduzir ao termo f Leal Seve, por conta da fazendi nacional.
raratk tres criminosos que vao alii serjulgad.. ) expedifxtb do secuetabio.
imaa^l d jary. is aacfSo.
3* secguo. Oificio :
a.dcs: Ao Exra brigadeiro commandante das armas.
0 presidente da provincia resolve, de confor- S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda de-
iliilr com o art. 1* do regulamento de 30 de clarar a V. Exc, para os fins convenientes, que
aari a> 1873. erear uma coliectoria provincial na por despacho desta data foram concedidos ao re-
caaurca de Villa Bella, comprehendendo os muni- cruia Isaias Bernardo de Oliveira oito dias de
O preaideatc da provincia resolve, de con- 2." scjao.
f ormtdade com o arL 1* do regulamento de 30 de Officios:
ahhi de 1873, nomear o promotor publico da co- Ao Dr. chefe do polieia.0 Exm. Sr. presi
aurca 4e Villa Bella, bacharel Jose de Barros deutc da proviucia mauda transmitlira V. S.| o ti-
Fraaeo para exercer o lugar de fiscal da respec-ltulo incluso da aomeagao do delegado de polieia
Tiva eodectoria. ?do termo da B.srnbe, de conformidade com a pro-
O prestdeate da provincia, resolve de eoa I posta de V. i>. de ? do corrente, n. 303.
Ao mesmo.O Exra. Sr. presidente da pro-
vincia raanda communicar a V. S. que acaba de
expedir ordeos no sentido de apresentar-se ama-
nha na casa de detencio a f irea necessaria para
eondutir ao presidio de Fernando de'Noronha, os
22 sentenciados de que trata o offlcio;de V. S., de
bontem datado.
Ao mesmo.O Bxra. Sr. presidente da pro-
vincia manda transmittir a V. S. o titulo incluto
de nomeacao do 2* supplente do snb lelegado do
districto du Pimenteiras, do termo do Bonito, de
conformidade com a proeosta de V. S. de 2 do cor-
rente, n. 307.
Ao coramandante superior do Racife. 0
Exra. Sr presidente da provincia manda commu-
nicar- a V. S. que por portaria de hoje datada de-
signou o 1* batalbao de reserva da gnarda nacio-
nal deste municipio, para ficar a elle aggregado o
tenente cirurgiao do batalhao n. I da capital do
Rio Grande do Norte, Miguel Ferreira de Mello.
Ao juiz de direito do 2* districto criminal.
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda accusar
o recebimenlo do officio de V. 5., de 2 do corrente,
remettendo a relacao nominal dos sentenciados qne
amanha devem legnir para o presidio de Fernan-
do de Noronha e as respectivas guias, raenos as
de Jantiario Pires da Silva, Joao Felix da Cruz, Ja
cintho (escravo) e a do sentenciado Joao Carlos Josi
de Souza.
Ao juiz de direito da Escada.0 Exm Sr. pre-
sidente da provincia manda accusar o recebiraen-
to do officio de V. S., de 27 do mez proximo findo,
participant^ que no dia 23 do dito mez proceden a
gaatificacao de jurados no termo de Gamelleira, e
que convocou para o dia 27 do mez de abril a 1*
sessao do jury do dito termo.
Ao juiz de direito do Rio Formoso. 0 Exm.
Sr. presidente da provincia manda accusar o rece-
biraento do officio de V. S., de 25 do mez proximo
tiido, participando que no dia antecedente abrio
e logo encerrou a 1' sessao do jury desse termo.
Ao bacharel Jose Nicolao Toloolino da Car-
valho, juiz substitute da vara de orphaos desta ca-
pital. 0 Exm. Sr. presidente da provincia manda
accusar o recebimenlo do officio de V. S., do do
corrente, comraunicands ter naquella data deixado
o exercicio das fnnc;oes do seu cargo para tomar
assent) na assemblea legislativa desta provincia.
Ao bacharel Franeisco Gomes Parente. 0
Exm. Sr. prendenle da provincia manda accusar o
recebimenlo de officio de V. S., de 2 do corrente,
participando ter hontem deixado o oxercicio das
f uoccdes do seu cargo de 2s promotor publico desta
coraarca para tomar assento na assemblea legisla-
tiva desta provincia.
Ao bacharel Jose Francisco de Goes Caval-
cante. Por esta secretaria se communica ao Sr.
bacharel Jose Franeisco de Goes Cavalcante que
acha-se na thesouraria de fazenda o seu diploma
de habilitacao ao cargo de juiz d-- direito.
3.* seegao.
Officios:
Ay iunccijr dathesoararia provincial.De
ordem do Exra. Sr. presidente da provincia, cora-
mnni.'O a V. S. que por portaria de hoje foi no
meado Alfonso Peixoto da Silveira para o lugar de
collector provincial do municipio de Ipojuca.
Ao mesmo.De ordem doExm. Sr. presiden-
te da provincia, communico a V. S., qara seu co-
nhecimento e fins convenientes, que por portaria
de hoje creou-se uma coliectoria provincial na co-
raarca de Villa Bella, comprehendendo os munici-
pios de Villa e Triurapho; sendo nomeados fiscal o
promotor publieo da mesma coraarca, bacharel Jose
da Barros Franco, e collector David Nunes da
Silva.
Ao mesmo.De ordem do Exm. Sr. presiden-
te da provincia, communico a V. S., para seu
conhecimento, que a 28 d > m ?, findo declarou o
agento fiscal dos ganeros agriculas da provincia
das Alagoas nesta capital, Jose Vicente Fernandes
Silva Gomes, que por ter de seguir naquella data
para a mesma provincia deixava em seu lugar o
respectivo ajudante Joao Gualberto Ferreira Nobre.
Ao mesmo.-Communico a V. S., para seu
conhecimento e fins convenientes, que desde o dia
14 do mez findo acha-se encarregado da arrecada-
cao dos emoluments cobrados pela seer, taria desta
presidencia o respectivo porteiro Antonio Francis-
co das Neves, por mim designado na forma do re-
gulamento de 3 de outubro de 1870.
4.' secgao.
Officios:
Ao Dr. Ezequiel Franco de Sa. Por portaria
desta data S. Exc. o Sr. presidente da provincia
resolveu nomear V. S. director geral interino da
instruccao publica, durante o impedimento do Dr.
Joao Barbalho Uchoa Cavalcante; o que tenho a
honradecommunicar-lhe para seu conhecimento;
convind* solicilar quanto antes ocompetente titulo
nesta secretaria.
Ao Dr. Ayres de Albuquerque Gima.S.
Exc. o Sr. presidente da provincia era portaria de
hoie noraeou V. S. para director interino da es-
cola normal, durante o impedimento do Dr. Alva-
ro Barbalho Uch6a Cavalcante, e para substituil-o
no lugar de secretario da mesma escola o profes-
sor normal Vicente de Moraes e Mello. Digne-se
V. S. de solicilar o competente titulo, fazendo
sciente da nomeacao ao referido professor Moraes
e Mello.
5.* secgao.
Officio :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.S. Exc. o Sr. preside ole da provincia
manda communicar a V. S., em resposta ao seu
officio de hontem, sob n. 53, que nesta se expedio
ordem a thesouraria provincial no sentido de ser
entregue ao thesoureiro dessa reparticao a quantia
de 5:9004000 para occorrer as despezas com as
obras a cargo da mesma reparticao durante o cor-
rente mez.
N. 134.-Pernarabuco.Reparticao das obras
publicas, era 7 de maio de 1874 iflm. e Exm. Sr.
Tenho a honra de formular as informacdes win-
pleraentares reclaraadas por V. Exc, era sua carta
de 4 do corrente, acerca do relatorio que live a
honra de dirigir a essa presidencia em 21 do mez
proximo findo, sobre a organisacao do pessoal in-
ferior, empregado no service da conservacao das
estradas.
Em primeiro lugar direi a V. Exc. que o nu-
mero de apontadores proposto e realmente o da
14, por con-oguinte comprehende os 6 guardas do
1 districto, havendo portanto, 8 nomeaooes novas
a fazer-se. Mas, no reUtorio de que se trata, eu
oxpliquei em doas lugrfres que somente 6 dos no-
vos apontadores se referem ao servico da conser-
vacao ; os 2 outros seriam erapregados na fisca-
isac.ao de trabalbos novos e importantes e em exe-
cucau no 2 e 4 districto* (Una e Goianna).
Nao se dove, pois, imputar o?so aagmenlo ao
systema proposto para a conservacao.
Ei o calculo feito segando V. Exc, rae pode :
12 apontadores.
Vencimentos mensaes :
6 apontadores do 21 classe
a 734000.............. 450000
Vencimentos mensaes :
6 apontadores de 1* classe
a 804003.............. 48OJO00
Grrtificacao raensal a 6
apontadores, obrigtdos
a ter cavallos, a 204000.
-
5c*io8de*f
classe a 454 2z3$000
i:880g0O0 1:880^000
Pelo systema do regulamento de 24 de fevereiro,
tal eual w acha formulado, ter-se-hia :
6 gaardas do 1* districto ou
cabos do I* slasse (art.
SI) a 754000...........
21 cabos de 2' classe a 354-
Gratificatao raensal (art. 82)
a 14 catos de 2* classe a
34000.................
450S00')
735JOOO
70SO0O
1:2155000 1:2251600
SJSfOOO
Segundiomeu relatorio.......... 1:9805000
Segundo o regilamento de 24 de fe-
vereiro....................... 1:2255000
Aug man t o nensal proposto......... 6250O0
Por anno......................... 7:500^000
Para fornular, com a precisao que deseja, com
razao, o Sr. inspector da thesouraria provincial, os
limites em iue os agentes poderao ser proraovi-
dos a classes supcriores, propooho os artigos
abaixo, era substituicao aos que foram insenptos
no meu rela.or o em 21 de abril.
Nelles igualmente comprobendo a modificaQao
que me ind.ea V. Exc, snbilituindo para es ca-
bos gratificacdaa arbitradas pela presidencia as
classes que a principio tinha proposto.
. (Nenhuma objeccao tenho a fazer contra essa
m'udanca de forma, que podera ter antagens ;
mas eu penso que, muito importa para attrahir
e eonservar boas trabalbadores, fixar algarismos,
limites de gruittcacao, a que elles podem legitima-
mania aspirar, trabalhando com zelo e assiduida-
de.
Art. 6* (accrescentar esta phra;e)0 numero
da apontadores de 1* classe nao podera exceder
defi.
Art. 7.' (novo)Os cabos de conservacao van-
eerio a ramsalidade de 33000. Seis mezes de-
pois de bois servicot, elles poderao receber uma
gratilicacao mcnsal de 5000, a qual podera ser
elevada a lOfOOO depois da 2 anans de exercicio
zeloso e issiduo. 0 numero dos cabos que rece-
barem ana gratificacio superior a 5000, nio po-
dera exceiar um terco do numero total.
A gralitiicao de eada cabo sera arbitrada pelo
presidente da provincia, sob proposta do director
das obras publicas ; elle a percebera na occasiao
dos pagaraemos mansaes ate qu- uma nova deci-
sio da presidencia intervenha, para reduzil-a ou
augraental a, se hoaver lugar, lenlo em attencao
o zelo e assiduicade do cabo.
Permitia-rae V. Exc. que observe quo, depois da
redaccao do raeu relatorio, ja live por vezes occa-
siao de ver cabos noraeados aceitarem essas fnnc-
cdes e poucos dias depois renuncial-as.
A orgaaisacao do pessoai fica deste modo esta.
cionaria.
ato. poo, com uma c mviccao raau compie-
ta ainda, sobre as conclusoes do meu relatorio.
Deus gunrde a V. Exc. Illra e Exm. Sr. Dr.
Henrique Pereira de Lucena, presidente da pro-
viaeia. Victor Fournie, engenheiro chefe.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA, DO DIA 18 DE fOMHO DE
1874.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo. Defendo
com officio desta data, dirigido a thesouraria pro-
vincial.
Bacharel Cypriano Fenelon Guedes Alcoforado.
Informe o Sr. provedor da Santa Casa de Mise
ricordia.
E. R. Rabello iC. Informe o Sr. capitao do
porto.
Floreneia Maria do Espirito Santo. -Entregue-se,
mediante recibo.
Padre Francisco Raymundo da Cunha Pedrosa.
Apresente o supplicante a sua provisao na se-
cretaria da presidencia, afim de ser regntrada e
ter lugar o pagamento dos devidos emolumentos.
Joaquina Maria do Espirito Santo. Concedo o
prazo de 15 dias.
Joao Maria de Medeiros. 0 supplicante enten-
da-se com a reoarticao das obras publicas.
Dr. Joao Maria Seve.Passe-se portaria
Manoel Pereira da C'inha. Passe-se portaria
concedendo a licenca com ordenado.
Pedro Goncalves da Rocha. A' vista da infor-
macao do regedor do gvmnasio, indeferido.
He parti otto da polieia.
2." secgao__Secretaria de polieia de Pernambuco,
19 de junbo de 1874.
N. 745.Him. e Exm. Sr.Participo a V. Exc
que foram hontem recolhidos a casa de detencao,
os seguintes individuos :
A' ordem do subdelegado do Recife, Jose, escra-
vo do Carvalho & Nogueira, e Thomaz, escravo de
Jose Velloso Soares, a requerimento dos senho-
res.
A' ordem do de Santo Amaro das Salinas, Ida-
lina, escrava, por andar lagida.
Deus guarde a V. Exc.-Mm. e Exm. Sr. com-
aiendador Henrique Pereira de Lucena. digno pre-
sidente da provincia -0 chefe de polieia, Anto-
nio Francisco Ccrreia de Araujo.
PERNAMBUCO,
REVISTA DIARIA.
17
3
Vencimentos mensaes :
7 cabos de 3* classe a
354000................
9 cabos de 2' classe a 403
120000 l:030g000
3458000
36op):>
Supplente do Julio municipal.
Por portarias da presidencia da provincia, de
do corrente, foram, exonerado do cargo de
supplente do juiz municipal e de orphaos do ter-
mo do Cabo, per nao haver aceitado a nomeacao,
Francisco Carneiro Rodrigues Campello; e no
meado em seu Ingar, sob proposta do respectivo
Dr. Juiz da direito, Luiz Francisco de Paula Ca-
valcante da Albuquerque Lacerda.
Telpgramma de Ifaceid. Em data
de 19 do corrente, dizera nos de Maceio :
Hontem, as 8 horas da noite, uma grande
multidao agg'omerou-se em frente a uma casa,
onde fazia conferenciaa religiosas um padre da
seita presbyteriana. 0 pnvo arreraessou pedras
sobre-a casa, mas nlo a pode invadir pela protnp-
ta presenca da autoridade e pracas policiaes. 0
chefe de polieia que estava em palacio, interveio
logo, fazendo dispersar os grapos por meios bran
dos, de modo qua uma forca de linha mais.nurae-
rosa que marchotj, reoolheu-se ao quartel sem
ser uecemrio o seu auxilio.
Paaaamento.Hontem deu a alma ao Crea-
dor, victima de uma congestio cerebral, o Sr. Joao
Licio Marqaes, antigo commerciante de nossa
praca, caracter diMincto e homem raulto aprecia-
do por sua nobreza de sentimentos. A sens dig-
nos fllhoi uosso3 sinceros pezames.
Vapor Parana. Segundo telegramma,
recebido hontem a tarde, do Para, largara d'ahi
essa vapor com destino aos portos do sal.
Correocten neceaaarlas.A lei do or-
camento provincial, hontem publicada, entre ou-
tros errqs, que mats tarde serlo corrigidos, contem
os s^gojntes que reclanam urgente emeada :
Art J6. 7.* 1004000 por escravo exportad) e
nao (im. ..
5 9. 44OOO por milheiro de charatos e nao
400 rs.
62. 4:0084 da contribuicao da corapanhia
Ferro Carril de Pernambuco e nao 44000.
j Art. 65. Onde le se Bezerros, diga-se Barrei-
, e os.
Dlario de PcrnaniEkueo. Sa chegar
hoje o vapor inglez Illimani, distribuiremos nosso
numero de segunda-feira.
Novas muslcaa. De Portugal acabam de
ctegar as edicoes de doas novas quadrilhas, deno
minadas Luizinhas e Nymphas, produccao do falle-
cido professor Lilioso, autor da muito apreciada
quadrilna Bemditas Ligrimas. Sao duas bellas
musicas de grata melodia e dignes de figarar no
repertono de qualquer das nossas leitoras.
Hoje, que e fallecido 0 autor, deixando 4 filhi-
nhos em extremo pobreza, 0 producto da venda
desses fructos das vigilias do pai, deve servir Ihes
de meios de snbsistencia, pelo qae rocommendan
do a compra das duas quadrilhas as pessoas cari-
dosa3, esperamos que nao seja infruclifera o ap-
pello.
Acha-se a venda na rua Primeiro de Marco, li-
vraria francaza, a 14 eada exemplar.
iiiHiimi.. Hlatorlco Pnllosophlco
I'eriiambucaiiu. Amanha reune-se esta
associacao em sessao ordinaria, as horas e no lu-
gar do costume. Ordem do dia: 1* parle : desen-
volvimento e discussao da these do Sr. Pacbeco
Soares : Quem foram Kan, Fithc e Schelling ?
exposicaode suas theorias. 2" parte : desenvol-
vimento da seguinte these do Sr. Bandeira de
Mello : A vitaiiciedade do senado harraonisa-se
com 0 principio da delegacao dos poderes ?
Jaidini da praca do Conde d'Eu.
Todas as noites ajaniara-se neste jardira varios
rapazei de manor idade, cujo procediraento e
digno de censura 0 divertimento desses raocos,
que parece que nao teem pai, on quem Ihes tome
contas, e quebrarem os ramos das arvores ja um
pouco crescidas quando teem alguma flor, ou
tjuebr-r ao meio as hastes das mais novas, qne
vao se pUntando em substituicao de ontras que
raorraram on que elles mesmos destrairam.
Nio havera alguem que possa confer 0 proceder
desregrado desses meninos, a quem seus pais dio
licenca para estarem fora de casa ate oito ou
nove boras da noite ?
Esperamos qne a polieia tome os sob sua tutel
la, uma vez que elles nao teem quem os proteja.
A continuar esse revoltante procedimento, nun-
ca teremos cousa alguraa, u_ue proporcione am
pouco de conforto a populacao desta cidade qne
apeoas agora vai comacando a gozar de certos
melhoramentos.
IVovo Atlaeneo. Na quinta-feira (18), as
II horas da manha, reunio-se esta associacao em
sessao ordinaria, sob a presidencia do Sr. Rodri-
gues da Costa.
Deixouse de passar a I* parte da ordem do dia,
discussao da these :-E' de necessidade a duali-
dade das camaras ? por nio ter comparecido 0
Sr. Assis Bezei ra, sorteado para discuti-la.
Passando-sc a 2* parte da ordem do dia, dii-
cussio do parecer da comraissao de revisao sobre
varias theses, foi approvado com excepcao do to-
fico quo refere-se a uma these do Sr. Esperidiao
Ulio, cuia ilisf^oc^rt f.\i odii-li, on con.^l'i^n
cia da hora achar-se adiantada ; orando os Srs.
Odilon da Cunha, Joao de Oliveira (I). Lopes Li-
ma, Juventimo Lima, Marcolino Junior, Rodrigues
da Costa e Argemiro Aroxa.
Era seguida sahio sorteado 0 Sr Rodrigues da
Costa para discussao da these, 0 qual escolheu a
seguinte :0 celibato clerical nao sera contrario
a razao, a liberdade e a sociedade !
Novo Parthenon Na quartafeira, reu-
nio-se esta sociedade, sob a presidencia do Sr. Ju-
ventino Themudo.
Depois de lida esera discussao approvada a ac-
ta da sessao antecedente, 0 Sr. 1 secretario deu
conta do expediente.
Em seguida, passou-se a discussao dos estatu-
tos. Oraram diversos socios. Findo 0 debate fo-
ram apprvados com alguns additamentos e sup
pressoes.
Por falta de tempo, foi transferida para a sts-
sao vindoura a 2' parte da ordem dodh.
Em ultimo lugar, a sociedade deliberou que as
sess5es d'ora era diante tivessera lugar nos dorain
gos, as 11 horas do dia.
Nada mais haveudo a tratar, 0 Sr. presidenje
depois de designar a ordem do dia para a sessao
seguinte, encerrou a sessao.
Congreggo Lltterario. Reunio-se hon-
tem esta sociedade sob a presidencia do Sr. Cor-
rea do Araujo.
Ordem do dia.-la parte.Discussao da the-
se :foi 0 classismo hid. impecilho ao progressivo
desenvolvimauto das linguas ? Oram os Srs. Car-
valho e Souza e Vieira da Silva.
2." parte.-0 Sr. Rosa e Silva deu desenvolvi-
mento a these : Havera necessidade de exeicitos
permanentes T Ficam inscriptos os Srs. Vieira da
Silva, Carvalho. e Souza, Silva Marques, Rosa e
Silva, Vieira da Cunha.
A pedido do Sr. Julio do Carvalho deixouse de
passar a 3* parte da ordem do dia.
Procedendo-seo sorteio, recatiio este sobre 0 Sr.
Vieira da Cunha que escolheu a these : 0 que
sera mais vantajosoa sociedade 0 imposto propor-
tional ou progressivo ?
Goyanna. -- Escrevem-nos desta cidade cm
data de 17 do corrente :
0 E' bem destitnida de factos importantes esta
missiva : apenas tenho a referir um que mais
pode interessar e que realmente. revela perversos
instinctos de quem quer que fosse 0 seu autor.
Eram 9 horas da noite da hontem, mando 0
negociante Antonio Pedro de Mello fechou 0 seu
estabelecimento e dirigio-se para sua casa no
pateo do Carmo desta cidade. A poucos passos
da casa divulgou dous vultos que a-elle se diri-
Sindo 0 chamavara. Receioso daquelle chamado
e dous homens, para etle estranhos. e com os
quaes nada, de certo, teria a tratar aquellas ho-
ras e em lugar mais ou menos deserto, apressa os
passos era busca da caea, procu-ando assim evi-
tar 0 seu encontro, raas, debalde, porque os in-
dividuos 0 seguiram ; e, apenas sobe a calcada e
bate a porta, e aggredido pelos sobreditos indivi
duos que descommunalmente dao Ihe cacetadas.
a A familia que dantro da casa ouvio os gritos
da victima, qae pedia soccorro, tomada de terror
e por uma impressao tal que nestas oecasioes cos-
tuma apparecer, demorou se em abrir a porta,
cerlamente por ser tal a confusao que nem isto
pf'de facilraente conseguir.,
c Outras pessoas, ontretanto correram era soc-
corro do aggredido, de maueira que os offensores
0 deixaram, e evadiram-se por um becco que flea
ao oino da casa, nao podendo ser encontrados
pelos que os perseguiam diligentemente.
c Foi talvez esta a felicidade do Sr. Antonio Pe-
dro ; pois qae os aggressores 0 esbordoavam
cruel inonte.
a Recolhido a casa, 0 Sr. Antonio Pedro, banhado
em sanguo, foram chamados os Srs. Drs. Bellar-
mino Correla e Ludovico Correia, jue, prestando
ao offendido immediatamenta os precisos soecor-
r >s medicos, deseobriram graves ferimeatos sobre
a regiao frontal e outros sobre diversos pontos da
cabeQa, uma grande contusSo sobre a mao esquer-
da, etc., etc., classificando, segnndo me consta,
graves os feriraentos.
9 A autoridade p licial tomou immediatamenta
conhecimento do facto, e procede as necessarias
diligencias para 0 descobrimento dos criminosos,
tendo feito hoje algnn interrogatorios, dos quaes
nada ainda se pode conhecer.
a Deus queira que as diligencias tenham um
bo -a resultado, pois a curiosidada publica s6 se
satisfaz quando se descobre os autores de um at-
tentado desta ordem.
J
0 Sr. Antonio Pedro de Mello 6 urn moco de*
boas qualidades, bem quisto e estimado aqui, e.
por rsto, tanto maior e a indignacao publica contra
os seus aggressores.
Chegou aqui e eatrou hontem no exercicio da
promotoria publica, o Sr. Dr. Sebastiao Cordeiro
Ooelho Cintra, promotor ultimamente nomeado. 'v
< As chuvas ten si do abundanlissiraas, de tal
sorte, qae ja tivemos de ver diversas enchentes
quer no rio Capibaribe, quer no Tracunbaem ; e
e opiniao geral que ha muito nao chove tanto por
aqui.
a A tranquillidaJe e a salubridade" publica nio
teem soffrido a minima alteracao.
t Ate a seguinte.
O ciar em "LondregvComo e sabido, 0
czar, na vespera de sua parti ia de Londres, assis-
tio a uma revista mililar em Alderskott. Forma-
ram nella 15.000 homens de infanleria, 2.800 ca-
vallos e 48 canboes, forca pouco considerave!
comparada com as qae 0 czar vio manobrar em S.
Petersburgo e Berlim, mas muito considerave! pa-
ra a Inglaterra, e tropa de primeira ordem, pois
nada se tern visto com mais garbo e aceio qae a
gnarda, as brigadas de eseocezea, os regimento&
de rifles e a cavallar a e a artilheria britannieas.
0 czar entrou no eampo de manobras, a eavaHo,
ao meio dia. Vestia 0 nniforme verde, bordado a
ouro, de general russo, e capacete com grandes
plumas que fluctuavam ao vento. O principe de
Galles, qne ia a sua direita, vestia 0 uniforme dos
rifles de Inglaterra.
0 duque de Cambridge, commandante em che-
fe do exercito inglez, 0 principe rnssiano Alexis,
e os principes ioglezes Arthur e Alfredo, seguiam-
n'o com nm magnifico sequito.
A princeza de Galles e a duqueza de Edimbur-
go occupavam am lugar de honra em coche des-
coberto, pachado por seis cavallos, nao tendo podi-
do assistir a rainha, por estar incuraraodada. De-
po s do iraperador Alexandre revistar todas as
tropas, tocando nessa occasiao todas as bra las de
musioa 0 hymno russiano. cemecaram as mano-
bras, siraulando um ataque de inimigos qae vi-
nham pelo valle, o que permittio a cavallaria fa-
zer evolucdes, em quanto a artilharia' fazia fogo
das collinas atacadas pelos escocezes e pelos
rifles.
A's manobras seguio-se um rancho, servido co-
mo em campanha as tropas, e.n quanto 0 czar e os
principes touavam 0 seu lunch no pavilhao prepa-
rado para esse effeito.
A's 4 da tarde os 20.000 homens aproximada-
mente qua tinnam formado, desfilavam diante do
czar com essa admiravel ordem lactica, que e o
orgulho dos inglezes.
No dia seguinte tiveram Ingar as manobras de
artilharia com noventa eanhoes Asmstrong era
Wolwich, almocando 0 czar com os officiaes da
artilharia. Depois sua magestade moscovita visi-
tou 0 arsenal- de Wolwich, 0 primeiro do mun-
do, e a noite assistio ao baile dado no palacio Buc-
kingham.
A imprensa na Ailenianlia.-A nova
i.i ,i imprensa, que acaoa ae ser proraulgada
pelo Monitor do unperio allemao. e incontestavel-
mente um progresso sobre 0 antigo systema qua
regia a imprensa em geral e sobretudo a imprensa
periodica. 0 imposto do sello sobre os jornaes e
outras publicacoes periodicas foi supprimido. Os
edi ore's dos jornaes da capital reuniram-se em
conferencia para deliberarem acerca do emprego
mais ntil qae devia dar-se as economias consid'e-
raveis que a suppressao do imposto do sello lbes
garante de hoje em diante.
Na conferencia resolveu-se por unanimidade :
I.0 Nao abater ao prego das assignaturas nem
dos annuncios.
2. Dar maior desenvolvimeoto aos artigos de
fundo, correspondents e folhelins.
3.a Augmentar os vencimentos dos redactores e
os ordenados dos correspondentas e collaborado-
res.
Diz-se que desde 0 1' de julho em diante, em
que a nova lei sera posta em vigor, apparecerao
so na cidade de Berlim mais dez novos jornaes.
Nas provincial annuncia-se igualmente a creacao
de um numero consideravel de publicacoes perio-
dicas novas.
Conflictoa com a Inglaterra. Esta
nacao tern- actualmente dous conflictos, um no
Chile, onde foi preso am marinheiro inglez, e ou-
tr 1 em Guatemala, onde 0 seu vice-consul em S.
Jose foi espancado por ordem da autoridade, mor-
rendo em resultado disso. A esquadra ingleza do
Paeiflco recebou ordem de ir para Valparaizo.
liOterla. -A que se acha a venda e a I04.a
a Leueticio da matriz de Palmares, a qual corre
hoje, 20 do corrente.
Casa de detencao.Movimento da casa
Je detencao do dia 18 de junho de 1874.
Existiam presos 337, entrarara 3, sahiram 4,
existem 336.
A saber :
Nacionaes 230, mulheres 8, estrangeiros 23,
sscravos 42, escravas 5. Total 336.
Aliraentados a custa dos cofres publicos 277.
Movimento da enfermaria no dia 18 de junho de
1874.
Tiveram alta:
Alexandrina Maria da Conceicao.
Thomaz Antonio de Gonveia.
Passageiros. Sanidos para 0 norte no
vapor Bahia :
Luiz Tagrarli, JoSo Calere, Caetano Proba, Vi-
cente Macai, 1 desertor da armada, Antonio Xa-
vier de Simas, Edraundo H. Sherman, Prlmo Pa-
checo Borges, Augusto G. e Silva, A. Moreira,
Aron T. Wgraf, Migoei T. Mello e 1 criado, lenen-
te-coronel Celestino E. Carneiro da Cunha.
Cenalterio publico. Obituario do dia 17
de junho de 1874 :
Manoel, branco, Pernambuco, 10 horas, S. Jose;
tetano dos recem-nascidos.
Joao Francisco Pereira, branco, Pernambuco,
22 annos, casado, S. Jose; phtysica pulmonar.
Urn p.'.rvulo, preto, Pernambuco, Santo Antonio;
ao nascer.
Luiza, parda, Pernambuco, 13 mezes, Boa Vis-
ta ; convulsdes.
- 18 -
Maria Joaquina, parda, Pernambuco, 24 annos,
Boa Vista, hospital Pedro II; ascite.
Thereza, preta, Africa, 90 annos, viuva, Boa-
Vista, hospital Pedro II; velhice.
Maria Ignacia do Sacramento, branco, Pernam-
bu:o, 22 annos, casada, Boa Vista, hospital Pedro
II; tuberculos Dulraonares.
Albma, branca, Pernambuco, 11 mezes, Boa
Vista ; dysenteria.
Maria, branca, Pernambuco, 17 mezes, Recife ;
convnlsdes.
Jose Perelti Seve, branco, Pernambuco, 36 an-
nos, solteiro, Boa Vista; phtysica.
LhitOMtA Jl'jVWUftia.
TRIBUKylL nv III I. VJ AO
SESSAO DE 19 DE JUNHO DB 1874..
PRESIDENCIA DO EXM. Sa. CONSLLUEIHO
CAETANO SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Ooelho.
As 10 horas da manha, presenter os Sr3. rJes-
embargadores Silvn Guimaraes, Louran^o Santia-
go, Almeid*. Albuquerque, Mofa, procurador At.
coroa, Accioli, Domingues Silva e Souza Leao,
leixanrtn de jamparecer 0 Sr. desemoargador ReiS
4 e SilfaTpor eur R* prsaideacia do --
lasAi"*" -'j, aurio-se

ytr
r
>


T
'T
MUI 3fl Oil/ it MM ft OUA8H^ario de Pernambuco
Becorreata'
esrriao
artargadar
JOLCAMB rso de fallencia.'
cspeWal do commerc'io, re-
de fiiivat RelatoE o Sr. de.<-
1 teados 03 .Srs. dese.mbar-
fxiores Aliawa,A4aaquerque e Soaza Leao. Re-
formara o m pens para c ilposa.
Racarreete 0 jaico especial, recorrida Francisco
Aatoato Pereftra. RelaUr-*) Sr. dasembargai
Dmmcims Silva. SodBdos 0* Srs. wse.-aharga;!
resSuaza Leio e Alawfca Albiuorfie. -Nao te
auram conhectraeata.
.vppeuaooes eria*2s.
De Alagoa-N'ova. jtyierlaatrfrancisco PeTcifa
4a S Iva, appellada a jastico. Atiado.
De beaerros.AppeaVnte 0 jaizo, appellate Fe-
lix iusttao Correia de Miranda, -Improcetonte.'
Da AuUya dappeaaaie Iaael Antouio Aveli-
aa,aapaMada ajpstii-a^laadou-se dar vista ao
r*a par 10 dias
O Sr. desembargader Accioli apresealou 0 pro-
'*i<* respoasablidade contra 0 Dr. juiz Je di-
roio interim) Austei-iiaea Correia de Grasto e cou-
?a*oa 0 triounal se, nil obstante terem as testa-
aHhas sido iniocrilTas sem ser toi sesao,na
orasa do g 2 do art. 101 do regulamento da rela-
<;io, podena oauaaar 0 processo seas terraos re-
culares, Bio fatendo elle questao dessa falta desSe
qae o denuncirto flcelarava-de^mr da apreseata-
i'io das mesmas Merauuhas.
Resuiv. a 0 trrbuuai .|ue Se pffls^gursse 'lies de-
mai- ir.nos Tislo achar-se 0 pri^esso de ceafor-
aidade com e art 100 do mesmo regulameat 1.
fta apgaida pas-ouo Or. BeortUrio a lee o pro-
- > e foi Jesigoada a sessao do dia 23 para seu
jutgaaMato.
PASSM8KS.
Da Sr. aaiaabargador Silva Gaiinar^cs ao Sr.
desembirpeJor Almeida Albuquerque ;
AppollacCes crimes.
Da I uperatrz. Apoellante 0 jui, appellado
J'i Fraccisco Baiao.
AppeUacAo civel.
Dj Cabo.Appellante 0 sapartateudente Ja es
iraia *e ferro de S. Francisco, appellado Francis-
co Ae frei Us Barbo-a.
Do Sr. desembarga lor L>:!rea;o Santiago ao Sr.
dessicbargador Almeida Albuquerque :
AppeJIaroes crimes.
Dj Recife. Appellante Aotoaio Maria Carneiro
Lea >, appellad.) Jose Rodrigues Oaiapello e outro.
'Jt Maaisnguape.Appellant* Gabriel Ferrei:a
'ira-ir.i, appellados Jose da Qosu Ferreira e
a
Da Inperairiz.Appellant* 0 juizo, appellado
Sattias AMonio Moreira.
Do St. deembargdor Almeida Aibu | jerque ao
St. desenlMrgador M- tia :
Appellacao civel.
De Aiafois.Appeiiaute Felippe da Cunha Lins
Xauraca, appellado Manoel Joaquim Daarte Gui-
rasrae*.
Ao Sr. desembar$rad<)T Aoeioli.
Appcllafoes crimes.
D*Artia.Ap,elianle ioao Gaidino das .N.'ves,
JiipelUda a jaslica,
ia As emblei. -Appelanle 0 juizo, appellado
Maajaaiaax Jom.
I)j Sr. desembargalor Djminguea Silva ao Sr.
teseiobargadjr Smaa Leao :
Appellar.ao crime.
ljBiloAppellantc Joaj Ferreira da Silva,
ajip-HlaJ.') o jaiao.
Appellacao commercial.
Dj Recife. -AppelUale Jwe Aotoaio Morira
! iea, Bjl>el: i.li a ct k.i ;' ia! do banco do l?rasil ;
anfB'liaate iosd Joa.mim da Cuaha & C, appellada
lania, v.ava de Joaquim do Albjuueraue
Jiello.
IX* >r desembargader S..uza Leao ao Sr. des-
tTitarjador Silva Gui:r Appe t;>;:io crime.
I] 'Ur. Piinpei ijJraj .Js Siqueira Torres
ojiru, ajpaUada a n-n;i.
Appe!u^j.:s civcis.
UpigiTites R-jj mIv i 1;., a-j;wllalj Antonio
'I! anla Cvaleaili ; a;vliaut- i.'anoel da
" -:i Slaugoric-i ;; ;> -liulo Ant mi > Amies iaco-
s Pir-s ; appall lie E.if azio de Ar u.la Cama-
tx, apj.-liado llMoel do Rego Gavalcanti Albu-
ms r i ;c.
Dififeaeia civel.
Ao Dr. curad >r mm
Do Sofaral.Ap'tellaute Anaro Furreira de Car-
*a!hj,appellada I;i:niib'us Ferreira de Carvallio
.'fh.
f]D R;:;: E n'argaute Josquim Francisco do
A*-|acr.iue Santiago e nawasa rooaur. da Coaccicao Cunha.
L..ue_.;^ .....,
as Sr. desil>argaidor promolor da jnstica :
lMJfMn o praoMXer, appellado -Manoel Paulo
ia S:!va.
A-Mgnon se dia para iulgaicento dos seguintes
Appellaclo civel.
De 3Ia6.App llanle !>. Locrecia de Araajo
mm, ppeHato P. Pmbfliaa Harii de Jesus e
Mi -.
D Balarito.AppeKaate herdeiros do Fraacisco
!>iBlo Camurca, appeHados iierdciros de Ma-
x..>ei Aataaio ia isoeka loaicr.
Appslia^Ses crimes.
Da hgiL Appellaue 0 promotor, appellado
Isoacio de Araajo Soua.
De iUo 1 \!!ii. Appe:iai:e Maaoel de Hallo
ralcao, appellada a juTti^-a.
MSIWIBUt^BS.
Appelia >s civeis.
I >. J-x-mb:.rgador Doraiagues Silva :
Da P.ectfc.--Appcllante bacbarel Luiz Rodrigues
ire?, appollada a Santa Caaac outros.
A Sr d -sembirgador Souza Leao :
t>- Barreiros.-Appellaiite Jouo da Silva Leite,
appehado Felisiano Lins Bairatte*.
A Sr. deseiiibargador Silva Guimaraes :
A^peilac 0 eamineretai.
Do Recite.Appellants J.>aquiis dos Santos Les-
'iippellado Saio Jo R-go Lima.
Ao Sr. deseoibargador Loiirencc Santiago :
Hi R-cife.A^pellaiites J.ise Jaeome Tasso e
i,uros, apptlladcs Ceciliano If. Alv*3 Ferreira c
'atros.
Ao Sr. desemlargador Almeida AUiuquerqne :
0 f-eci#L.Apptilante Fraoeisco Antonio Cor-
reia Cardozo, appellada a prela Maria Autonia.
Ao Sr. desembarador MoUa :
Do Recife.AfpelTante a adminiftracao dos re-
iihia>e.K'.os de Olinda appellado ios6 Dativo dos
P. BastoE.
Ao 5r. desembargader Accioli :
Do Recife.Appellaate Joaquim Rodrigues Ta-
le Xsllo, appellado Mil is Latham # C. ,
Sncerroc-se a sessao as 2 horas e I qu?.rto
da urde.
oi^Wk'V^^o
Presideobj.
ci.
197.63 i.U
?NGMS1| BANK OF RIO pE JANEIRO LIMITED:
Aclivo e passivo em 38 de fevemro de f874. tegeiido o"imuei&>.
actito. WfttWiVVm
9- d-
Dmhelro nos b
iitairosecm
x.........
Leitras a recede-
remeaicartcir.i,
0, deposits !a no?
ban qoeiros da
companhia.....
Outras divid-s^ac-
livas e .'aides
devedores.....
occasiSo do embarque d(\ vosse iono,
qunm n*i duvida&ieis adyTtur ce-nt a fra>
;i ale etb'ospw ffft* se. riraiii Aa pilkeria I
>iif, ruggtiuiot, a mao 'to Deus so mosi
Sabbado 20 de Junho de 18742
Si MW\A 1 0//i
L394.ol3.1110
12 7113.10
*
Ua,
.
2<0a7.22o.6.8
t5tMll
Capital :
Autorisado em......
50.000 accoes de
libras 20 etfla
uma, com facul-
dade deser aog-
raentado.......
Realisado l' por
ac;.io.........
DiviJas passivas
Quaotias quesede-
ve por contas
correotes e de
deposito.......
Lettras a pagar,
outras (livid .s
passiv s e saldos
doj credores....
baj: reciacao d > ca-
Siul conforme o
alanfo de 28 de
feveretro de 1873
Fando de reserva.
Reb te de juros
nas letras e sa-
ques por veneer
Gauhos e perdas
conforme a con-
ta jant.......
PASSIVO.
1.000.000.0.0 &^
S 000.0.0
io8.9ei.ia 1
LlftO.o79.40
Lo'J9.l83.l91
40.740.14.W
7L30W.O.O
iUs nioaos amparasse, quo d
desgragas nao teriara occorrido, nas circumstaa-
ias ""f ""a uoAAfibamos
os as
Gra
ima
a
_ eds
a"
Vetso,
da
forflps
pro
sit.
a boa direcnap de nossos ne;
cem atsd.iMes,n|tfkue
Dem, cHl weiajS Um
Se Deas nao dirige as cousas fiunanas, porqnc,
proTrawninr,"Hre dirlpls pieces,-eja Hie leuiles-
tes ac^o^s de gwoas i Tere* *csq a I
l'?n.;ae de tamboai dar pmkntmki mKa
A'quoHa que vos ve como vermas aue fortr
che'toS ft foraeldaaa.e ftnSll^RPf >'
Sim, cremus que Deuj nos ieve pro,
qtlfr-nos^o'queTemos o berh ft nossos 'ii
o b,em.de nossaDairia. eobara da^.huraa;
C^rrWs que *5fid>a (Totrtrrua^ -^S 4mai
aos outros, a doutrina d.o Evangelho, nos que
buscamos realisar essa doulrma, devemos ser agra-
pois, o p-iMifti pat a esse4Niraaak)s,a
vista as qunlidades das_te^jMlTaV* ptTn-
b da segunda, que e uMS'fflili do fina lo
..^ <*mieador Paulo do Atnorirrf- SJt&lo, dignis
^|J**jJ3n"tuo3a esposa do Illm. ^ri/^on|inendalor
jmagw;es Martias 1'oreira Mont^^^a qua! 6 bi-
os, aem appare-
jrmigar
iada do ieslameuto em quesuto.
SIo depoimeutos superioros a toda a txcepcao e
, assistencia do diaa Sr. Dr. &
cidade. ^,-
junho dM(874.
Daraahe'.Trcittutkacm.
rimeira te'-tmunha:
Sarros PimetHel, sotteiro, i#ade
desta prapinfia. agrieultor e moi
'Caclioeira Ijnda, dotermode Bai
unha jurada aos Santos Evange-
vro delles.ew que p dizer a verdade dfrque soubesse
e Ihe fosse perguatado e aos do costume dis^e
Mia. In
E seuflo iaquerida sobre a petieao iuiclal.
Dissftque sobre uma mesa na casa de vivenda
t engenho <]achoeira, ottde morara orraadocom--
WMjgtor enJjdor PajUe^JB AiaDrim Salgado, vio, elle les-
difHKirw maana, poPaaaB aamma vaa aberto o testamen-
com:nen(Ta-se apenas a policia.
Recife, 19 de'junho de 1874. ...
Josi Marianno.
5 (oxitoiuunliu de aaMilade a
memofia de, minim terna ir-
mH Elvira Olindina da Cunha
Cialvtlo ^f tcaweiro annivef'-
sario de seu infauto passa-
menta, aos
1894.
31 ale abril d
e
2 890.14.5
39.2913.1
1234.907.1LU
Conln de i;aii!ts e prda
lin-iii cat 93 do fcveiviro
DEVE.
no
dc
a ii no
ISJt
A dividenlo Je 12 s. por aocao
deelarado nela assemblea genii
ordinam de 28 de maio de 1873.
A divisao pel >s accionistas de par-
te da somma reservada contra a
depr-ciacao do capital.........
A soin u.i p.jtTescentaJa *o toads
Qde re;erva...
A sal lo levado i
Ddsallo e n 28 ^e
As despezas geraes na sele, e nas
saccursaes do Rio de Janeiro,
IVrnambaeo e Santo*, in ;luinJo
a reinniera^io dos direcLxes..
A devidendo pagoapor coDta d) se-
mes'.re Undo em 31 de agosto de
1873.......................
A rebate Je juros ms letras e si-
quo por veneer.............
A saldo que vai abaixo..........
s. d.
30.000 0 0
12 300 0 0
nao quiz coaflagrar a
mais caiiradas
.0............ 12.300 110 743 0 0 6 0
6*7 W 6 0
HAVER. levereiro 1873 63.743 6 0
27.040 0 11
10.0:0 o o
2 890
39.292
89 796
Da salJo que vem decima....... 10.743
De lucres t'.4aes em Londres, Rio
de Janeiro, Pernambuco e San-
tos, depois de prover pan os ju-
ror dos depositos, cividas mal
paradas, etc................
14
3
18
6
7L'.u33 12 5
Q"96 18
139 m
3 1
I B^li^h Bank of Rio de Janei-
ro l.i:ni>M!
Capiul subscripto S 1.000:000 em 50:01)0
accoes de 20 caua uma,
Com faculd.de de ser augmentado.
Capital realisado 5u0:000.
S*4e it banco, 13 St. Helen's Place, Bisbopgate
Sa-eet, Loadon E. C.
Btlatorio ojfeveeii) nos accior.islas em
27 4e Ki/o be 1874.
A direccAe submette coai muito prazer aosae-
-i(.aistas o fcalasco jnnto, mostrando o aetivo e
Ji' io baaco. e a c Eta de ganhos e perdas no
aeao iaaaeeiro Gido em 28 de fevereico proximo
pauam
P***}**o p*r* as dividaj ma< e duvidosas montam
a 79.053 12 s..5 d., de iiae La a dedaiir o reba
te jnros nas Imtras e saques por veneer e todas
aadepag da s^de e das suceuiaes no rio de Ja-
aer^ P^rnaraboco.e Santos, Ocaodo o lucro liqui-
r3? r 'J92 3s d ocluindo im saldo de
1U/W. 6 s. o d. qn fiwu do anno passado.
I.agoc se em dezeubro nm dividendo por coofa
s. por accao, na ^mportancia de 20:000 e
30.000 oi 12 s por accio, no dia 9 de junho
orcximo, peefatendo o liviiendo deste anoo 20s
par acr^o, eo 10 por cenlo i) capital realisado, h
J ae imposu?. Depois de prover para o dividen
por eoau ja pago, e para o pagamento de divi-
"|*9aeara m recommend a, ncara um saldo
Bliara* fast 3a. I d. ao eredito da conta de ga-
e perdas, o qal recoramenda a direccio aue
pae para eoata aora
^-A-9oaWu *e 'iftr* W:7*0 14 s. 10 d. ao eredito
*.ST?* *preeucao de eapiul, eicede Hbras
rrf7 '* *- d d- aa ae uai deprwiieeao ao cambio
* tKcorreaie do cambio ao Rio da Janei
de ferereiro proximo passado.
de reserra monta a libras 72:300.
W"e qae aegundo as disposicoes dos
axam o sen cargo nesta occaiao sao
eorge A. H. Holt e John Knowles, os
^^^aadHea lerafle nomer Qscaes para os 12
J St BctaSR, E. I
Saldo que vem de cima.........
Londres, 28 do abril de 1874.
Arthur B. White.
Wiliam Sevan,
Directores
Eiaminames os balan-^s rcmettidoa vo'as di-
versas succursaes, cuja exactidao e certaicada
pelos respectivos flscaes, o bem a-sim os livros
e c ntas da sede em Londres, e achamos o balaa-
co acima e a conta de ganhos e perdas, correcta-
mente feitos de conformidrde com elles. Os lu-
cres das succur.-aes no anno tindo foram calcula-
d >s pelos cambios correntes na data em que as
contas se fechar m. 0 cajiital empregado nas
suceunacs liguia nas contas a 27 d. o par do
cambio como d'antos, e a somma a eredito da con-
ta !e depreciacao do capital excede actma de
26:000, a quautia sufDciente para fazer face a de-
preciacao pelo cambio oorrente na data em que
se fecharam estas contas.
John Young,
Charles Henry Noble,
Morgan Yeateman,
Fiscaes.
PARTE POLITKA
Oa
Sra.
PARll>0 (\NRR\lROn
RECIFE, 20 DE JUNHO DE 1874.
A Procaicia n. 317, em seu arligo de fuudo, se
occupa de um nosso em que trautaudo de iuteres-
scs goraes, fazemos o inventario de varios servi
cos do actual minlsterio, e do partido conser-
vador.
No facto casual da nao apparicao da cokimna
era tres ou quatro dias, devido i maior nossa, c a nao haver artigos de :-ua parte
que merecessem aiteocao, quiz ver a Pecvincia
receio pela situacao.
Deixemos a Paowacia fantasiar o que qaczer, e
imaginar crises ; crises que ella no ardente
anhelo de empoigar o poder so pode enchergar.
Tendo a cooUanca da coroa e mereceado o
apoio da maioria do paiz, sane separar o joic do t igo, o raiaisterio actual,
^6 desejando o poder pa-a realisar o bem publico'
e rucommeadar-se a gratidao do pavo, julga-e
com forca sulBcieate para coctinuar etn sua politica
larga e patriolica.
Quern quer que estudasse o estado politico do!
paiz reconheeeria que divididws, como so acham
m ouu-os par(idos, emgrupos em que s.s indivi-
dealidades servem de principios, e em qee nao se
descobre homogeaeidade de idea-, impossU'el seria
achar quem melhor podesse queo parlid) ora no
poder dirigir a nao do estado, e saLsfazer at ques-
toes qae se agitato.
Se a todas essas facades so domiaa a s^de do
i>oder ; se cegos por elle, ludo sacrifitfam, e ante.
oada .reeaam, por certo qualquer $ae empolg^sse
o poder .em ve* de bem so mates produziria.
Gonfiados, pois, no bom senso e na razao, nanca.j
nos deu abalo as ficticias aJegrias dus fraoincia-
not; eomo sempre, nos rimos de seas irrisoriosi
telegrammas,alguns des quaes por debiiue in-]
ventadoa !
Acabados que foram outros {rabainos, podemoa.
voltar as pj.-micas da imprensa, taoXo mais por-
que, perdi'Lis as ecperaacas, voltaram os bomens
da Provinaa ao ataque ie.-abrido, as doulriaas
subversivas, a linguagem virulenu, a aos artigos
iacmvciiieiitc- em que tao eximios se mostram
esses publicistas de especie nova !
Se dizer a verdade e fazer epinicics, deelaramos
que o faremos seicpre. Se honrar o lioiueui pa-
triota que realisa melborameatos para o seu paiz,
e fazer idolo desse com em, nao sabemos o aue
seja idolatria !
Si u I preferimos o Sr. Rio Branw a liberals,
que se procJauoando taes, governam d..spo'.icamen.-
le ; e entendemoa que sao mais bberaes os minis
trou que acabam a escravidao, que fazeoi a lei di
refurma judiciaria, e da guard* naeioaai, do que
aquellss que como o Sr. Zacharias, ao pa3so que
se dizem liberaes, prnclamain-se chefes do ultra-
mootanitmo, isto e, da religiao do syllabus, ou
como egses republicanos, que seodo taes, enlendem
qae o melhor a fazer em prol da republica, e eo-
bri-la com a bandeira do santo-ofllcio I
Apoptai-nos, Srs. da Provincia, (papel) aoade
pela exageracao Incorremos no ridiculo T
Ah I em quanto isso dizeis, quantos, mesmo de
flosso lado, nao e riram do que diasestets per
daveis a Deus.
Se nisso h* WasfkeMia, so pode descobri-la a
ditosfl pate, que tern $)or iltosu condigiio ser libe-
ral, fonnindo a gteba 4e nobre suserano t
Se realmrtniralguem pode ter.ja aplrac5es'de
Satanaz, sois vos, liberdadeiros. Viis que pela
sele e ambicao do maiido nay recuais ante nada I-
Vos que tendes concitado *eveltas, v6s que tondes
as palavras tentadoras e hypocritas da sccpeote,
que capitaneais o bando i/ue ataca a casa do- So-
nlior e o collegio em queesta a infancia timida,
para depois irdes compungideiajdelttar-wi choro-
isos aos pes de 0. Vital, a quem logo
porque em vosw-proveito
provincia !
Dulcamaras polittcos. nio serao
as vossas dec amacoes diarias ?
Dizeis a;aso li dissestes tiontem, do que tendes dito sempre qtie-)
estais fora do poder? E no poder |orqde n4o-
procedete como presais quando em opaasijao 1
^ E' que vo=, lUieraeg janosj tendes auasearas.
Xa opposicao sois um I'rolbeu que. toica todas as
formas, que varia ao intiniio. No govirno aprn-
sentais a fera caiadura do despotismo, e ai I -do
povo I ai I do paiz !
Os manes dos Itaborays, dos Euiebios, dos;
Urugaays, nlo teem que indignar-se, antes sor-
riem-se aquelle que realisa hoje suas graodes
vistas, soas nobres aspiracSes I Elles terao, smi
o mesmo asco que de tj tiveram, vendo-vo^ os;
mesmos -liberaes sent criteria quaes fastes qaaa-
do elles f ram por vos iOsultados I
Hoje com respcito fallais desses illastres nome?,
hontem porem os instiluiveig, e eomo hoje an
hem-dlzeis que oram elles aulicos, etc
E' quo hoje o Sr. do Rio Rranco esti no poder
pelo qual o-pteiraet, e esses linados ja nSo podem
occupar Itnje o poder, o poder a unica cousa qae
aohel-iis, ii ;o para n bem do paiz, mas, vosso I
E como'deixar de fallar na let de 1830, sea
de 1871 foi uma conti.oua*ao dean ? Em 1830 o
partido c mservador acabou emfim o trafico, em,
1871 o nascimento do escravo. Se anbas as
Ids tendem a acalur a etcraviiao, se atnbas sao
Dims do uaiso pensamonto pelrtico, eooo deixar
de aprosenta-lasunidai 1
A lei de 183J nao fbi filiia da pressao estran
geira, nem isso dissemos, intrigantes grosseiros,
mas fallanJo nos insultos do esiraogufro, i/uizemos
lecordar o bill lAberdem. a iosoleacia do cruzeiro
iDglez, facto esses que nao podesteis, aem so-
bestcis repellir, e qae o partido o/insemder
sotibe ao depois converter em satisfacSos ao Rrasil.
ftn ceremonia e a vossa, meniifiJo ao paiz e
querrttido agora ostentar servioos qae n> tendes |,
Quando eaondepIeitiea8l*s>pela aboiicao ? Seria-
quando no parlamento o$ vossos siugulares repre-
?eotan:es em 1871, por espirito mesquiuho de par
tido se o^pozeram a molida ?
Mostrai-nos, antes diso, qnal o jornal vosso era
que aoresentastes a Idea, em qne sessao do vos-
sa? camaras diseutistes essa idea ? Qual dos
vossos que apresentou algum projectonesse sen-
uao i auniBuie n >s vossos nltimo= annos a-(aiu
do tbrono falloa na necessidade de tratar-se do
elemento servil, mas nem por issu vos import s
tes com ella ; e foi preciso queo governo actual
assnrnisse o poder para que essa idea se tornasse
lei I E' que o tempo era pouco oara rossos ar-
rtnqoi de familias I
E queirais ou nao, foi com o partido conser-
vador que acabou a guerra do Paraguay, seudo
que se vos levastes o paiz a e.-sa guerra, ella u:u
foi por isso menos continuada pelo partido con
servadur ate terminar com gloria para o Brasil.
De novo vos provocamos, dizei nos quaes sao
es?es trabalkos que ja tinhes preparado para a
libertyao do venire I Ja o dissemos, so em duas
fallas do throno foi essa idei suscitada, mas par-
tio ella da coroa ou de vos ? A nenlinma al-
tenr*o que destes a recommenda;.ao feita nas
fallas do t rono, n.is fazern suppor qua uao partio
de vos I
E--se sileacio de que acensais os ministerios
que se seguiram a esses a que alludis, nao indica
mais do que a gestacao, o amadurecer dessa idea,
esludou-se, preparouse terreno e a crysalida
transformou-se em borboleta, ou antes quando fji
tempo, vio-se illuminar o harisonte, e a luz do
astro novo, prosternarara se chorando, um rni-
Itiao de escravos, vendo sorrir Ihes a liberdade.
Sim, o Sr. do Rio Rranco toraouse, bem di-
zeis, o geueroeo paladiuo dessa idea, na qual
como nao podefs deisar de negar e o confessais
em.vosso artigo, Ihe resulta a gloria.
Sa ha degenenKao de costumes, a nos e ella
devida. Porque nao educais o povo, porque nao
Ihe easinais os vorladeiros prtneipios, a verda-
deira liberdade ? So poder, pelo poior, usais do
despoli subversivas, Ihe ensinals a anarchia e a desordem t,
E somos nos que parverteinos, que corrompemos I
liecordai-i'os de vossas facanhas eleitoraes e
para aao ir mais longe, ha pouco ainda, nessa
questao toda particular de vosso mesmo partido
na eleieao do cluh, o vo?so direjtorio quiz re-
produzi* as fa;.anhas aos vossos cabalistas, segu-
rameate.para que elios exercitassera sua de^treza,
vos qae nao deveis corroraper o povo, flue pro-
gais contra a corrupoao, pozestes um Barao ao
vestibulo a comprar votos para vosso candidato,
afirn ds que fi^se exeluidi aquelle que teve a
audacia de ex :ommang-ar vosso ehefe ultramon-'
tano, e teve a velleidtide de nao querer receber
o passe de vobso fIJalgo director e de vosso *ter-
no directorio 11
A vds, Srs. liberdadeiros, deve o Brasil seus
males, e sois tae by.poorita.s-, que enchendo as bo-
ehechas com as palavras progresse, liberdade etc.,
dizeis qne o poro nao out preparado para fer-
mu'as liberafc, e que precisa que vds Ihe apon-
teis os seas tvpre*etanntes a o tateleis. E vos,
que sois progressists, vedes com maos olhosi
qu*cto se para o doutrinarje esclarecer I
Paul gloria teade, a de fazer desordens o anar-
chia, a de fazer guerras oivis qae tanto nos teem
empewdo, essa gloria v. ssatoia.emos nao to-la
despertaojos.Eu voeto eiogio e vosta huttorm.
t
'iiBLISACCES A PEDIDfl.
to que havia feitu o mesmo comraeadaior, que
elle testrimanha e ootras pessoas, como fowem
Antonio Santiago Ramos, lerara esta testamento, o
qurtl seg'tndo elle testemunha onvie dizer pelo
uanjdade. me3mo commendador^nenhuma validade mais ti-
I'rtu -nns' "Hha, pols, declarafa'o testador a quem quize-se
ouvir, conforme ouvio elle proprio tesfemunha da
bocoa do testador, que queria acabar com qual-
qurardeigosto qnepodesse appefecer entre seas
herdeiros por caasa do dito testamento.
Disse mats qae este mesmo testamento foi fe-
cbado, depois da morte do tesudor, por seu filho
major Panlo de Amorim Salgado, qae na oecasiao
opportuoa o taz aotregar ao Dr juiz municipal de
Barreiros para ser cumprido, senJo qae foi porta-
dor Antonio Santiago Ramos, que isto mesmo de-
clarou a elle testemunha, assira como que o refe-
rido major Paulo fechara o dito testamento.
Disse mais que por ter JiJo o teslaraento a qae
ja se refario equa existia aberto e inutilisado so-
liais bre uma mesa na casa nova de vivenda do enge-
nho Cachoeira, pode aseevcrar que este mesmo
testamento e-o rme existe por copia junto aos au-
tosde Inventario dos bens do rlnado cimraendador
Paulo de Amotm Salgado, orocedido em Barrei-
ros.
Disse, flnalrhebta, que os facto} sobre que aca-
bava deaepor, sao geralmente conheeidos em Bar-
reiros.
A reqearimento do Dr. pronrotor.Disse que vio
b testamento i que se referio, quando o fallucido
commendador Panlo de Amorim Salgado se aenava
noengeoho Caeboeira, ja doeote.stndoem que ju-
nho deste mesowjanno, o referido comm.ndador se
retn-ara para o engenho Andre, por conv,to da seu
Bnoj tendo ahi morrido cm jan^rro do anno se-
guinte, que o motivo pelo qual sabe que este tes-
tamento fra de novo fecaado pelo major Paulode
>\morim Salgado, foi pxqae assiro Ih'o dissera
Antonio Saatiago Ramts, qua era escreveate do
fallecido cammandador Panlo, e qae sabia de to-
dos os seus negdeios, nao podendo, porem, dizer
igora de quem era a leOa >lo testasnenb), que foi
por elle testemunha lido.
Oisse mais qae entre os disposicoes testamenta
rkis, lembra-se donm conlodereis deixado a par-
da Cbrisu'nae outroa pardaOlympia,e a tercapa-
ra 0 major Paulo.
Disse alnda que na oecasiao era que o coramen-
dador Paulo retiron se do engenho Catrhoeira para
Santo Andre ja nao estava em aio perfeito de
suas facaldades.
Disse ainda qae o ongenho Gacnoeira perteace
ao termo de Barreiros, e o de Santo Andre ao do
Rio Forraoso.
Disse ainda que na opoca em que ella testemu
nha lea o testament) ja inutilisado, a pessoa da fa-
milia qae mais fraqaentava a casa era o major
Paulo, seodo q&e a lilha do tostadovO. Paula, ca
sada com o commeuda 'or Domingos Marlins i'e-
reira Montalro deixara de ser fre-piente por ier-se
OHidadoipara oengenho Pitimbd, da vHIa do Qaaa.
E mais nao disse nem Ihe foi perguatado : lido
o sea depoimento, achinlo conforme, as.-ignara
com o juiz a partes. Dou fe.
Eu, Heariqae Cecilia Barreto de Almeida, oscri-
vao, o escrevi. Miranda. -Raphael de Burros Pi-
.mantel. Barao de Tracuahaem. Franeisco de
rvalho S ares Branlao.-Francisco Gomes Pa-
rente.
Segunda testemunha (ioform&mo.)
D. Paula Francisca Paes Monteiro, casala. idade
33 naos, natural desta provincia, e aos costumes
disse ser filha do fallecid) commaodilor PaalO de
Am-iriui Salgado.
E senio inquerida sobn a petii;Io nicial.
Disse que sabia que o testamento que foi apresen-
tndo em juizo era o mesmo que foi feilo por seu
linado pai e pelo mesmo inutilisado com o dm de
morrer inte-tado como declarara a ella responden-
te, quo dito testamento se aohava de continue aber-
to sobre uma mesa, ou em uma gaveta no enge-
nho Cachoeira, que por rna;s dj umi vez eila res-
pondente o teve eutra maos e o leu, podenJo auir-
mar portanto, ser ella D mesmo que foi aprcsenta
do a:n juizo, e ja porque os lestamenteiros sao os
mosmos e as disposicoes quanto a legados sao as
mesmas, ja porque o destine da terca foi o mesmo
Disse mais aue o facto de tar sido aberto dito
testamento pelo testador com o fim de o invalidar
o nullificar, era conhecido por muitas pessoas, tan-
to assim qne uma vez era tjue ella respondente se
achava no engenho Cachoeira. chegara le liarrei-
ros um seu sjbrioho o Dr. Paulo da Amorim Sal-
gado e Ihe perguntara como succedia que em Bar-
reiros todas soubessem das disposi?03s tastamen-
tarias de sea pai, visto como de la tioha vindo o
seu filho Dr. Paulo da Amorim Salgado afflrman-
do isto ? Ao que ella respondente Ihe dissent que
no i era isto de estranhar, por quanto o testamento
se achava aberto e tinha sido ja lido por diversa?
pessoas.
Disse mais que nio sabia quem feiihara de novo
dito testamento e o apresentara em juizo para ser
cumprido.
A requerimento do Dr. promoter. Disse que al-
gnns mezes antes da morte de seu pai, e quando
elle ainda se achava no engenho Cachoeira foi que
leu o testamento que ja havia sido aberto por sen
pai.
Disse ainda que seu pai neste tempo, apezar de
ja se achar d ente, soffrendo de ataques, -todavia
ainda se achava no gozo perfeito de suas facul la-
des, sendo qne nos momentos dos ataqaes fieava
transtornado; eqne nio sabe prectsamente a epo-
ca em que seu pai foral evado para Santo Andre,
onde mora o major Paa'o, mis qae isto teve lugar
algum tempo depois de ter ella respondente se re-
tirado do engenho Cachoeira.
Disse ainda qua eram nomeados lestamenteiros
em primsiro lugar o major Paulo de Amorim Sal-
gado, en segundo lugar o coramendador Domin-
gos Martins Pereira Monteiro .e em terceiro lugar
Manoel de Amorim Salgado.
Disse ainda que esse tercair < testaraenteiro, qae
era seu irmao, ja havia fallecido ha alguns annos ;
e que entre os iegados lembrava se do que Ihe
era feito ua importancia de 8:000a, de um seu fi-
lho de nome Paulo ede igual importancia, e linal-
mente um outro ao Dr Paulo de Amorim Salgado
Netto, e qae o remanesceote devia ficar para o
major Paulo, alera de outro3 legados de pouco
valor.
E mais nada. disee-aem Ilia foi porgantado :
lido o sea depuiateuto, acjaulo coaforme, assigna
ra com o juiz, Dr. promoter e partes. Don fe.
Eu, Henrique Cecilia Barreto de A raeida, es-
criao, o escrevi.Miranda.-Paula Francisca Paes
Monteiro. Barao de Traeunliaem. Francisco
AniynJkas de Carvallio Moura.Fraacisco Gomes
Pareate.
0 seu perigrenar na terra
jd nao era necessario.
(CoNSiLiigiao Bastos.)
. | Qaerida irmi I
- Eis-me de joelaos diante deteu tomulu I
Ja vao tres annos que de mim partiste !
Ifes annos de soledade, tats seculos de sauda-
de I Sto t r^vl
E, nesses fres annos, mil vezes tem sido o ;eu
nome a minha ultima oracao, mil vezes lem sido
a tua campa o meu altar I
Morreste e morrestes aos quinze annos I
Sim I E teus quinze annos foram quize (lores,
quo se engaetaram em tua eoroa de vlrgera, qnln
ze manhai serenas da tua primavera de moga,
qumze paginas intimas do livro de minha alroade
mancebo I
Morreste 4
Foi mais uma palavra escripta pela mao myr-
rhada da fatalidade no seu livro, mas foi mais um
verbo, que eseapou da bocca do Eteroo-vem I
E foste I
Tu que na terra eras a Irmi da vi'rtade,'te fos'te
bapiisar no ceo -a irma dos anjo3.
Ah I bem doloroso ma foi o ullim > adeos/qua
me a tenaste, ja no carainho da etarnidade I Lem-
bras-te ? I
E bem dolorosa tem sido a aiiseacia desse anjo
que era o riso de nossa familia I Cre> ? I
E quanlas vezes, solucante seapre, ella tem ido
ajoelhar-te toda diante dessa alcova sagrada, onde
tu dorroes ? I I
E uao lem Jido repetirte o echo6 Qlha I., ir
ma I... neSse silencio lugubre ?
O ItarAo 4e Tracnubaeail ao pu-
blic*.
So inluito de caolinuar a im*irar o publico
acerea do srimiBoao piano pelo qual conwiguio-sft
privar a um meu fitbo menor, daconsideravel par-
te de sna heranca na partilha dos bens de eu Q
uado av<5 o comineodaaor Paulo de Amorim Sal
gado, usaado-s.-e de uai preteadido testamento ;
volte a imprensa para dar a pu'blicid>de w dous'
deaoimenlo* que se M-guem.
Por esta wi limllo-me a esses documoato' ;
rass continuando a iratar da ottenvao de outros'.
opportunamenla lornarei a ocouoar a.attencao.pu-
blicaeom outras prcvas dsquefle' .^d:daC^D>r> cri-
me.
Hei depCr paiento qua o Iribnnal da relacSo
deste dutri.to, vedando me, p^fo mado'peWne o
fez, o exame ,ue reqneri no tal preteatflao testa-'
meoto, abrio carainho por onde o enrne e esca '
paste a acjao da justica publica, dando azo a ana-
garemse irremissivelmente vestrgios impQi'tani-
simos delle, fazeado ao mesmo tempo gfl\% pre-
juizo ao direito de men filho.
Quero crer, entretanto, que ainda as autoridades
e tribanaes do paiz hio de fazer justica ao men di-
reito e jnterrouiper a impunidade qae ale agora
tem logrado o celebre crime de qae trato.
Hoje e o dia do leu passamento.
21 de abril I
Sempre que rapido volta o niez de abril, sem-
pre que surge a bora desse adeos, i u tomo uma
saadade, atiro-a a teu tumulo, trislea ardente pre-
se enc >minhando a Deus I
Aceita a.
Villa do Ouricury, 21 de abril de 1874.
' _____Argemiro G'huo.
QuestJEo de rajito.
0 Sr. quasi bncharel Levino Chacon, deu perfei-
ta idea de si nas poucas palavras que inserio no
Jornal d* Recife de 18 do correnie.
E' de uma impndencia era aiBrraar falsidades.que
almira. E'assim qua elle publicou ama certi-
dao, provando que minha irma foi baptisada no dia
17 de maio de 1866, qjando eu tenheem men po-
der uma do vigario Sobreira, em que attests ter
sido ella baptisada em 1863 Para o Sr. Levino &
a me;ma cousa. I
De tudo quanto eu disse eao o meu nrlijo publi-
calo no Diario da 17 do corrente, to pule o Sr.
Levino resyonder (apezar de dizer que nao rosprm-
dii) ao3 13 annos, que diz ter eu "Ifirmaio ser a
idade de minha irma.
0 Sr. Levino, julga ou faz que julga, escrever
para inseasatos.
Era preciso que eu fosse am insensato para a/fir-
mar ju-tameate o cOntrario daquillo que minlra mai
provara em juizo com uma certidao. Em primei-
ro Ingar aquelle affirmir e ^ra^a sua ; en nada
afflrmei a tespeito de idade. Em segando lugar,
n:io vio o Sr. quasi bacharel Levino a phrase geral
e indeflnida de que ru me servi, qaalifi-ando mi-
nha irma de cnanQa f Como pois nao compre-
bendeu aqaellea 15 annos I Eu podia dizer 'Ihe
qae a-juelles 15 annos referen-se a epoca, em qae
o seu mano provavelmente comecou a soduzir mi
nria irma ; ma> nao qaero. E">aque o senhor
finge igaorar, ea vou Ihe dizer o qae s5o os 15
annos que tanto o incoramodaram.
Quinze annos, Sr. quasi bncharel Levino,
Hla 13 UO 0:<< OjfiSi'oHL', uas ibo^ao, om igtta m-li
queiraam as Candidas azas em seductora tocna.
Quinze annos e a idade do devanear louco da
malher qne, escutando o doudejar da mente que
a chama c/(unc,i, e sentindo ao mesmo tempo o
palpilar dos entumecidos seio3 que Ihe dizem -6s
jam.15a, deixa-se ir apos a eacantddora voz da
primeira serfia que Ihe Irsongda o.< sentldos, e aca-
ba muitas vezes por afogar-se no mar da perdt-
(jao.
Quinze annos e a idade em que a moca nao tem
ainda 0 bastante discerniment > para couhecer a
distancia immensa que vai delta ao eafageste sem
nune que ihe preteude a mao, e nao duvida ligar
seu nome ao da qualquer quidam.
Quinze annos, a respeito de minha irna, quiz
dizer qne ella estava era estalo ainJa de nao po-
der resistir, como realmente nno resi-tio, as vis se-
dacjoes de sou mano. Sabe agora ?
Para responder a um hilheta que 0 Sr. Levino
me attribue, basta examina-h.
Do exame attento desse bilhete, ve se que 0 ob-
jeeto das nossas relacoas era peJir-me 0 Sr. Cha-
con um favor, 0 de ler uma vacca sua em meu si-
tio, favor qae eu coneedia.
Ura, onde fii que ja se estabeleceu ;omo regra
que a coocassao de um favor, signifiqua amisade
Inilma ?
Muitas vezes significa simples commise acao.
Esse bilhete junto a pessima redacjao daquelle
trecho JOOtrasm com o seu procedimento ante-
rior da carta (procedimento da card!) adiante
transcripta, escripta........., junto ainda ao tiro
vergonhoso que deu n'aula, bem mostra 0 grao de
atrazo do Sr. quasi bacharel Levino Chacon.
Recife, 19 de junho de 1874.
Jose Poppe da Silva btpes.
e a
t*tekhte,cM 4 **pe*aHofli*>!e receber os sa-
lu^iferos.aws do.s^rtifci.o d^.fa^moito a,.; -
veitou, pois de pftUiiptu, so reafc'ludaceu em sua
prbciorfa si\ide.
-No porto>da m, onde tiltmwm^bfe aportaracs,
rw 0 Rviiupidttuanslre fret -FMeh* recebido por
um numeroso conenrso de moradores desu fre-
guezia, entre os quaes se contava mais de cem ca-
valleiros, m-lnsico RvmpjToaa^Bano de Olivei-
ra, joadjutor deslaWregueifa, ei'ainitos cutros ci-
daaaos eminentes.e loJos^cmpaafiaram ao Rvm.
padre mestre ate a matrwfcoode deaositaram 0 an-
dor da Senhora da Miserieardia as pessoas qae era
procissao dingida pe'o Rffc. padre mestre, 0 con-
daziram; alii, em palavras claras e concisas, fez
0 Rvm. padre njestre sciaate ao povo 0 fim que 0
trazia a esta cidade. '
Todos se empenharam nos servteos neeessarios, '
e no dia seguiote pelas 3 horas e meia da tarde
uma grande latada, pulpito e altar ettavam prem-
ptos em frente da matriz.
Pelas 7 horas encelou 0 Rvm. padre mestre seus
trabalhos apostolicos, como havia promettido, e
luissionuu 20 dias, nns aaaai raiuou a inaiur in-
telligencia e s renidade na populacio desta cidade.
Consideravel foi 0 concurso de tieis, sem distinc-
gio de classe, sexo e idade, que, de tcdo3 os an-
gulos da freguezia, alRuiram pressurosos, pan ou-
vir as ediiicanles palavras do illustre e virtuoso
missionario, qne; como Terdtdeira luz do mundo
soube captarlhes a attencao.
Pessoa alguma das mais gradas desta cidad nao
deixou de ouvir ao docente missionario, e tod s
absortos 0 contemplavara.
Neste tempo de abnegacao varios actos de pic-
dade ti"eram lugar : mais de 1,400 pessoas fo-
ram ouvidae de coafissao: muito se disliniaiiram
neste sanlo exercicio os Rvms. vigarios do Apodv,
Antonio Dias da Cunha, Francisco Constancio da
Costa, Joao Urbino de Ollveira, coadjutor desta
freguezia, e vigario de Caraubas, Pedro Suar.es de
rreitas, que por urgente necessidade, :eve de vol-
tar a sua freguezia, ficando adstrictoj ao confeesiit-
nario, ate >a terminarem as rais-oes, 03 tres pri-
meircs que incansaveis se pre-taram dia e noite.
Varies concuhinatos, de eonformidaae com os
preceitos da igreja, se eonverterarn em legitimoBa-
triraonio.
A convite do Rvm. padre mestre e sob si:a di-
reccao se construio ura eemilerio e uma capi Ha,
tendo esta 60 palmos de fundo e 34 de freme, e
aquelle 1,0&J de circumferencia, obras t.i.las de
tijolo com aliccrces de pedra, em substitute a
outra de madeira, tendo suas paredes 2 palmos e
raeio de largura. onde nao havia uma pedra, um
tijolo, distante desta cidade 230 bracM, e do 1,
lugar mais par to d'agua, maior distancia.
As padras, que estavam em grandes rumas. ca
distaacia do cemiterio 150 bracas, foram -.ar;; alii
condnzidas para 0 mesmi lira, a que hora sa pres-
taram, por occasiJo das missCss do Rvm. padre
mestre Frei Seralim, em tins do anno de 1839, se
bem me recor Jo, quando, aletn deste, preslouiu-
tros relevantes servlcos as obras da matriz.
No dia 11 eslando promptas as cava* para os
fundamentos do cemiterio, pelas 5 boras-da tarde,
foi enndnzida .an alii a pedra de sua fundacao,
preparad.i e armada em uma padiola, que.pegaram
4 padrinhos antecedentemenle nomeados pelo
Rvm. padre me?!re, 03 Srs. Joaquim Nogueira da
Costa, Primeni.' Dn rte Ribeiro, Francisco Anlonio
Martins de Miranda, e Clementino de Goes Nogoei-
ra, todos negociantes estabeleciJos nesta cidade, e
depositada em lugar deslinado, seguio-se.o aeto
da bencao solemue da mesma, em que funscion:-
inos lodos nos saeerdotes, administrada pelo Rvm.
padre mesire, lerminada a qual tocou uma baaaa
de musica, e subiram muitos fogos ao ar.
Foi 0 primeiro acto que foi bem concorrido e
csteve brillwnta.
0 3r. unente coronel Miguel Archanjo Guilher-
me de Mello faz espontanea doacaa das terras de
?ua propriedade, quo por ventara comprehende-
rem as obras do cemiterio, a irmatidade da Se-
tihora Sania Luzia, orago desta freguezia, em
quanto nao for organisada a irmandadodo Martyr
Sao Seb?stiao, padroeiro da capella do cemiterio
a quem deverao per'-encer ditas terras.
0 Rvm. padre mestre, incancavel e desvelado em
instruir caridosamente nas dontrinas evangel.eas
a seus ouvintes, tambem 0 era como operano.
I'elas 5 horas da manhl, ao depois de ter ceie-
brado 0 incruento sacnficio da missa em frente
do povo marehava para as Marias, e coin elle, i-ar-
r.-gado de tijolo?, varios camlnhos dava ao cemi-
terio, ate alto dia, igual exercicio praticava das 3
boras e meia da tarde ate as 6 e meia, e peias 7
iflgjit.
auooy-
Unaa Ijreve restpoMta ao
m do Diario.
Tendo, em toda? as qaestoes do Club Popular,
combatido de viseira erguida, sempre com a res-
ponsabilidide demeu nome, n3o posso agora des
r a responder ao qne escrevea no Diario de 18
um anonymo, que pretended arrastar-me para nm
terreno, em qae tera a gloria de veaeer-me, por-
que sera 0 unieo contender.
Abandone 0 eseriptor a capa do anonymo era
que se envolven, se e eapaz ; mostre ser 0 qne se
inculcasocio do Club, e en nio trepidarei em
vir a imprensa, porque saberei com quem diseuto.
N3o me sera, entao, difflcll destrnir, uma por trma,'
todas as injdstas accusacdes que me in, e 0 falso
mode porque encaroa qaestSes, das quaes devia
(eutender mais um pouco, eomo soBlo do Clilb.
Se e cavalhdilrti que se prezs; se e socio do
Clab como se inculca, assigtte seu nome, e vamos
a discussao, porque nao a teraj.
Com phantasmas, porem, nao me oceapo, e 0
anonymo 6 utn phantasma, quando nao seja cousa
ainda peior.
Que venha, portanto, 0 socio do Club ; qae ve-
nha quem qoer, com a responsabilidade de seu
nome, porque me encontrara firme na estaoada ;
mas 0 anonymo, nao; porque e 0 salteador quo
Ao publico.
A publicacao que fez 0 Jornal do Recife de hon-
tem, sob a assignatura dos Srs. Paula & Mafra,
obriga-nos a vir a imprensa referir 0 que tem as-
timamente occorrido a respeilo do privilegio de
carros funebres e servico mortuario, que contrata-
mos com a Santa Casa de Misericordia.
Desde 0 da .era que deviamos entrar no gozo
do privilegio, pro.uovemos pelos meios judiciaes a
indemnisacao a qae nos obrigamos pelo contrato.
Antes e depois temos procurado a intervencao
de amigos para conclnir esse negocio. Disto pole
dar te-temunho entre outras 0 proprio advogado
ios Srs. Paula & Mafra, e os Srs. Jose Pinto de
Magalhses e Jose Domingues Maia.
h'.verdade qne ainda nio p >demos realisar 0
pagamento aqae esses senhores tem direito, por-
que a esse pagameoto querem addicionaro de. lu-
cros cessaotes ao que de mode algum nos pole-
mos sujeitar, pois que a lei n. 1,121, 0 regulamen
to respeetivo e 0 contrato nao estabelecam a obri-
gacio de pagar lucroj ce9santes.
l'rocura sa fazer crer que de proposito assim pro-
ccdemns. Nao ha tal : todos conhecem 0 nosso
contrato ; nao 6 elle tao vantajoso que possaraos
iademnisar estabelecimentos e lucros cessante ava-
llados em qaantia superior a do capital alii em-
pregado.
Esumos promptos a observar tudo a qae nos
obrigamos, nos termos do nosso cantrata ; apezar
disso, porem, estamos contentes em transferi-lo a
qaera quizer ser feliz e desde j.i nos compromette-
mos a nao pedir indemnisacJo de lucros cessantes.
Procnra-se desacreditar a erapreza, ehatrar para
ella a odiostdade publics.
Diremos tao som^nto qae por alguns annos fo-
mos os anicos qae nos encarregavamos de eater-
'ros e 0 procedimento de enlio e a melhor garan-
tia do nosso future, proceder e ao mesmotemoo a
mais cabal resposta, qua podemos dar a maledi-
cencia.
.Vaofomos os autore- da ide"a de privileges; a
oatr<79 qae nao a nos cabe essa gloria. En c.racar-
rencia publica nos apresentaraos; os Srs. Paula &
Mafra nao quizeram apresentar-se; e hcje grilam
que somos felizes privilegtadot, etc.
Se 0 negocio e bom porque nao con-orreram a
elle ? Se hoje 0 querem, inlemai5eT:-aos do va-
lor do nosso estabelecimento e estamos promptos
a trairsferir Ihes 0 contrato.
Agra & C.
Fui esta a horraa de condncta, adnatad* ,.. ia
Rvm. padre mesire. desde 0 3 dia de suas missoes
e com este exemplo "toio 0 povo 0 acompanhoa
ate ultimar-se 0 servico, fazendo assim screm
prestementaconJazidos para as obras do eemile-
rio e sua capella 130 milheiros de tijolos, e todas
as pedras e muitos outros materiaes neeessarios
.is ditas obra-- a excepcao de alguns milheiros de
tijolos, ennduzidos pelos carros.
As estradas abertas, uma na largura de 40 pal-
mos, e outra (a dos homen?) na largura de mais
de 100 palmos, nio coraporlavam com 0 numero
de trabalhadores do ida e volta
Rapresentava um magnifico painel, observ.iado-
se ao longe as duas estrad2s, sempre Cheies, uma
de centenares de senhoras, que carregadas de ti-
jolos na distancia quasi de 300 bracas, iesiila-
vam das Marias para 0 cemiterio, e outra cbeia de
bomens qua conduziam tijolos, e taugiam cargas
d'agua ao mesmo destino.
Eram em grande numero os carros que por sen
caminbo vinham ao cemiterio carregados da ma-
deiras, assim para cozinhar os tijolos, como para
a eoberta da capella.
Era um trabalho assiduo em que todos se era-
penhavam com vivo interesse.
Irresistival e a forca do example.
Neste louvavel empenho de meus parochiaaus,
muito se disimguiram os Srs. capitto Simao Ral-
bino Guilherme de Mello, negociaaies Joarroim No-
gueira da Costa, Francisco Antonio Martins de
Miranda, e criador Fraacisco Soares de Coato, es "
quaes, como administradores perseverantes, nao
se pouparam a in la mesmo dos rigores do soi, tra-
balhaudo ate de serventes: 0 Sr. "tenente coronel
Archanjo Ihes foi um bora auxiliar.
Para ocaorrer as despezas com pagamentos aos
ofBciaes de p dreiro, e carapina, assira tambem pa-
ra pagamento de mais da 100 milheiros de tijolos
e lelhas, como para sustento aos trabalha lores po-
bres, quo se achavam ompregados no3 trabalhos
do cemiteri >, abrio uma sabscripcao pelo Rvm.
padre mestre e por mim promovida no corpo com-
mercial e entre os habitantes desta freguezia, a
qual cm consequeneia da crise monetaria, deu em
resultado somante a quantia de l:903i, de que
restou a quantia de 3803, ja por mim despendi-
da com a compra de cal e de um portao para 0
cemiterio.
Pelas 5 horas da manha, no dia 24 teve lugar no
altar das missoes uma missa cantada, na qual func-
cionaram o Rvm. padre mestre como preste, an
Evangelho 0 Rvm. vigario do Apudry, e a Episto-
la 0 Rvm. coa Jjutor desta freguezia.
Exlwordiuario foi 0numero dos concarrentes a
missa, por quanto no espaco da latada ter-se hia
accommodado pouco mais de metada de seus on-
vintes.
Pel m 12 horas do dia administron 0 Rvm. padre
mestre 0 sacraminto do baptisrao coodiclonalmen-
te ao joven Oihon, ja, ba dias, preparado par 1 tao
louvavel fim, moco]de porte sincere, e que seapre
mostrou os melhores desejos para 0 calholicismo.
Allemia de nacao, corn seus 18 annos coTple-
tes de idade, r sidente nesta cidade, ha 2 anms,
pouco menos.
Esteve esplendido este importante acto, assira
pela belleza de saas cereraonias, como peta con-
triccao do uovo neophyto, e jabilo, qae se fazia es-
capar de saas faces.
A matriz -e ichava plena de conenrreates para
assistiremao seu baptismo, e todos, plenos de pra-
zer, se maravilhavam, ao oontemplarem tar.ia dis-
posicao em nm joven neste tempo do impiedade, e
corrnp^ao.
Pelas 5 112 boras da ttrde, sahio da matriz ama
procissao, em que se contavara 7 andores, bem
preparados conforraoos recorsos desu looaliJade,
na extrcmiiade da qual, e debalxo do p.iii mar-
^havam os Rvms. funccionantes da missa, pela
Vesm 1 ordam. conduzindo 0 Rvm- padre-mestre a
*lia com 0 Santis'imo Sacramento, percorreu
MiNHOOH em HONSUIO.
Pelas 8 horas e meia do dia 5 de agosto do an-
no findo, de volta da cidade do Natal, onde me
achava nos trabalhos da provincia, chczuei a esta
cidade, tendo por cotupanheiros 0 Rvm. Frei Fi-
dells Maria de Fagnono, missionario apostolico ca-.
puchinho, que a insUncias minhas, se dignoa vir
a esta freguezia, trazer a boa nova a seus habitan-
tes, e 0 Rvm. Francisco Constancio da Costa, qae
ainda deQuhado de febres intern:ittentes, yeio a es-
.as desta cidade, e pelas 6 Irf boras recolheu-
se a.matriz.
A musica, que preslou sempre bun3 servicos,
desempenhou bem seu papej nesta oecasiao, como
ua missa. 0 Rvm. padre-mestre, porem, acompa-
nhado de todos ads saeerdotes, subio ao tabiado,
que servia de pulpito nas missoes, 0 collocou a
Custodia com oSantissimo Sacramento era um :ro-
neto no altar, de:ant?mente illuminalo, canUdo
pela musica n- Tamtam eryo-execntada a ctre-
monia da sensacao e dada a oracio -Deus qui no-
bitlevantonse o Rvm. padre mestre, e pegando
da Custodia, dea ao povo a bencao com 0 Sacra-
mento, e voltando-se, para 0 altar, nelle depositou
a Custodia, que em segoida foi reverentemente
conduzida pelo Rvm. vigario do Apudy; que logo
recolheu e Santissimo Sacramento no Sacrario.
r
}
1 mm


Jii
L
->
J


I
I
r.4.
"

j
Jitori) fe ^IMQj^oD : Sabkado .2fc&nikilff & i&Ztl
*3
rocissao, sal
0 Bm. padre
cnnoon em
A t-5, pitas
Irii para o cemUerio aim oalra
sonants o inJi
nl pel'squatr.
all: ch'giaApaBepaftinHB. Ban jjh live.
neate, estando tudo disposto para a bonca o do si
i;vidu sglemni-
licadas.
ic8jfgpMtrada< am c
: i,rna, **,
d;i BellcST na pe
cia, como pela sa-
do;, transllaia.aio
ras de sous fadi-
* 4* #eaf *
pta somenle era
'ifaetirfffuVam'Ceoienarej delu-
*--, de vol'a recjiliiiiL imjtriz p las. 7 li2,lio
ras da noite. (? T *T *y
O Rvm padrejHa|e>.jDgp 5'. is de tec airifMlo; lgiMa*s palawas de ag*ado-
ftpealo a .-*** ooiotes pela respeit e atteuoao,
* K-i'4ia:*.to4)si3s cl.>s-reJ,ig.oips, e, a sua
Me* v4*m4o as m**-us, nab se e*Q043u de pa-
ir alodos, qae parsistissem em seus nobres scati-
.zc^a! v de eaiholieoa, e -manJou fuuilinente, que
a#r;4Uft ira**reuil>eala*, eouiohavia prometu'.lo, e fa-
te&d c.iJa nma por seu [urno, fez ullimaraeute a
kanaka das velas accesa* oo deieriuiDara
Presurae-se, que aecenderam-se qiais $e 6^000
Hepresentava urn quadro ni*raw'lli03 a diffisao
di* I jze, as qnass tanto brilhavam, que paretia
;;.- sa!.-iituido a obscuridade da nolle pelo ela-
di3.
falsa, com 03 coracoes expanftnlos d'ale;;ria,
rjri.im suas vista?, como toaadas de exiasii,
sara aiu-ile bello quadro
A--im **ainii u Rvra. misjsionprio apntpliea,
-',- ;.<-r.3jlo-*># Habaluoi, e retirou*3e, drfxnoJo
n'.iIWwhM;Wa4epontjrad.i por*seu tra-
.'.i ielicado, saudosa e pc^arosa unccio de
pal arras.
\ Jia 26, pelas o horas da malrugada, partio
pr.i o porta Ja Ha seado bem asaMBjnliii e
iegim>s ao naseer"Jo sol, e petas 11 da noi-
le -"nbircju em um escaler para a Barf a de Mos-
- i.. onde devia pan ii sul. no qul tiuha de seguir para seu
* nvento no Recife, tendo por companhiro o
Rraadaeo Constancio da Costa, que voltava a
larea paterniis na cidaie do Natal
A5-isti ao embarpie, e Gz raiuba ultima Sespe-
diia a t'.> iLastrcs hospcdes, abrajandoos, em sig-
i! la Bkinba eieroa gratidao, por tantos, e lao re-
I : :;ns; que, com promptidao, .e voniaie
'. jnaram prestar a m.us parochiano3.
"II"!) oadiutor os aonipauhiii pela mesma
.4) ale a Barra, com o fiiii de assistir alii a
irjue?, que realiaou se a 2 de setmbro.
r-imeate grat> aj? raeus amigos b 5, aoa meus Bvins. eolllegas eamigos, viga-
vigario Soares, padre Constancio, padre
L"iia*r-, f Cjm espacialid.i.de ao Rvm. F. P.; jul
: maj It r, uio J ixando ao clvido.as o;-
arw;cp.s nni$no!.iveM no tempo da* missSes,
apres.'n'-.ir lh-s,palo prelj, men prote-o de cxtre-
tiu la ree Blfciaiefito.
S Ti-vai f jrja aaaior me privoa de, cm tempo
; mo, cumprir com esw dever de gralidao,
aaeqaenria do se terem reinciJilo os males
-. 1- Qjtn ha innuniero annos soflro, a
. I in? ri'diizirem .ia triste estari) de raaras-
. '-,>.-r i da 7 niizes, lioje melhorado, gracas
f: -. v Tih ),se b^.n ijue ura tanto t trie, dar rot-
i : viusati?fa{Jo a quern tint) devo, dirigin
Dpreli, para qae tenha publicidade meu
I rolesto.
I! d* Mus-oro.SO deabril de 1871.
0 vigario, Antonio Jouqium H)lrigues.
\cgori s de Florcsta.
;_-.i < liJj un artigo di Prouincia (iornal) em
; te uj lermi de Floresta, o alferes Ma-
R de Jarros, aiem de muitas arbitrarielades
o c >m a -ttiJo, preoiera violeatimente a
.K ivier Je M.iraes, dechraado raais que im-
e 'ii) mandanie do assassinato de Mana
;i'a de ^a, ao tencn'.e-coronel Franc.sco Ca
de Albuquerque ; cumore-ine o dever de
1 -:.:ar ao publico, que, o procediment) do alfe-
i SI inoel R. de Barros. e exacto, pois querendo
:.itar, senaoem tudo, ao meoos em partc, ao
capita" Jose Joaquim de' Barros (que ao
ia liga f .i de pr^posiio escolhido e raanJa-
I c no delegado para Tacaratu, afira dc perse-
.- :. Francisco Vicente daCunlia Valpasso, s6
T es!e e ; politica naqnelle termo), entendeu que
nmetter vi deucias, supp ndo pro?tar por
f'lrina aignm servico ; noque enganou se
I ..laratDle, pois que apenas 'vieram ao co-
^rr-^nt'i do digno Jpresiienteda provincia se-
mtes (iccurrencias, este incontinente de
i i cargo de delegado, como consta em
Oario A" vista desta pruvidencia lao depromptoto
i ti'l) Exm. president', comoo accusar de in
l^;' I nte aoa abu-os praticados por suas autori-
'. i'.- F Eu mro no serlao, eonheco bem a juel-
- (scares, e teaho sido testemuuba de muitos
1 s ju>iica por S. Exc. distribuidoi era di-
'ali ieaa pan n. mear e deraittir a quern merece,
- n m tii poaco se tern negido a dar providencias,
Jo onhece que as reclamam com iostica, o
9R I i i n-.otivo a que alguns conservadores,
: I b B a petsegair seus adversarios polili-
lechain oeebrado inimigos de S. Exc.
|oaal i ii dinr-se que fm o lenento-c:ronel
.nii o randan'.e do assassinato Je Maria
Fraadiea deSa, e nata rai;eravel calumma que se
i .ira elle.
IMS, o tenei.te-coronel Francisco Gavaljan-
delegalo de jolicia de Tacarutu, perse-
- Saos e snbrmhos da fallecida Maria
s de Sa, por serein criminosos be morte,
i bsstou para .uefieasse toda e-sa familia ini-
arica dotenente coronel Cavahanie. Prevalecendo
circumstancia.^os inimigos domesraote-
;--:oronel (que sao hoje conservadores dissi-
-;, que ja foram liberaes e que tornsraoa
. spenas suba a politica), inventaram essa his-
i tar dito o escravo da fallecida Maria
- a de Sa, qae o tenente coronel Cavalcante
ndadj por elle coraraelter semelhante at-
. no intuito de o desprestigiar.
E" Hiuito sabido que Maria Francisca de Si,
- ibrinbn^ e lilnos tinham inlriga de morte
i familia de iw taea Marotos de Floresta, e
s-a intriga, que ainda conlinda com os pa-
- da fin da, tern sido a origeni de um grande
a.rner > de merles de parte a parle ; portanto,
ahores de semelhante invencio, perdem o
0 em promover a insinua^io doescrave,
p^irjij^ nio ha quern acredite que o teQeute-co-
r jnei Cavalcante seja capaz de praticar seraelhan-
a lilteral, e por too insnspeito para fazer
a air conservadores qae merec m
) leaMB coronel Cavalcante, bem longe de. pra-
a facto criiiinoso com que seu* desaffecto3
;ram marear a saa re,putafao, e um conser
taaW distincio, amigo dedicado, firme em sea3
- e digO'j de l:da con3ld?racSo o ju^liea.
Um liberal just iceiro.
Concilia^ao
. iriern do presrdente da socielale benefi-
Cmciliacao, convido a todos os sea* a=3ocia-
4 i- a cMnparecerem na sextafeira, 19 do cor-
reate. a raa de Marcilio Dias n. 31, pelas 6 e 1|2
was da larde, a negocio urgentissiiiio e de
i- alcance para a sociedade.
Uaia Pestm,
Seceotario adjuncto.
0 Nbvo Mundo
periodic* braslleiro, publicado
can \ea-Vark
ilooteiiio do n te chegado pelo South
A mtrica.
Texts.
L. >rd Derby : -*ipp)s biogjaphicos.
Topicos do Mez: -Aaituaeau politica no Brasil,
Brtados L'i-idos, Suissa e Hespanha. A fome na la-
lit e aa Asia Meaor.
A Franii : Caiae rainistexjal.
S iva pe'rspeettTa pofttica : 0 partido liberal no
Krasil
l-niiigracao nos Estados-Uaidos.
D.veriirnenlos pnblicos.
Xaaumento a me.naoria do poeta brasileiro Goo-
iaive- Dias.
0 Sr. Dr. A. H Leal:. o ideiador da estaiua
u a oMawria do primarro poeta maranhense.
j Fabrico da Orr^a : o sea preparo e distH-
taeaa.
Sriencia : TSaapira-Ganneaa : a snpposta frau-
le archeofctfica qae ooewma^ja Hidea.
A Antiguidade do Cavallo
[meate publicadas.
ftric
ac
cioOarlo portague
ras obraa recente
consolidacio cof
rado El Mund
Varnhagen e alguns criticos portuguezes
re
Chane.
ftrquez d'
Descripijao d1
de do Recife e seu tesmo. por S. M
hnp^ibr, a quern Dew^cte, Ifct'
t rwmfe^
i^testMnenxeirfl dos beniawe, ^waram
'mint9TW eiiiWmao-Lebp6W&' FWftir
Ribeiro, requereuiM pa,
blica a escrava lira
I
a,
de ttade, c55m"a1gainas!iaM1itac1Jej,c.qne-perlen(
cendoait.'UKBil'livtftatlAiliv-M>aliada e
W*W% aonuipdo a s^e|Iwple.iprtW
o pre^pie ft>mad ro qi^e 3lJfeo "
69, coavido a todos quanto quizetan 1^:
|-el)eHo uma ver. jadkiojamepte
durar toda a vida.
Nutriducuidadosameate com o tonico oriental,
elle durara para sempre. Nao pode perder sua
.'itaii'lade e furmosura, com unto que se appliqua
raizes, e fibras que d
Lragaa -rtdjgwa Suaa
ila. & ''"" -'
ravuras do numero.
Gra#s. "
0 t'onle DerlA ministrod.s nogocios estra
ros da Gran-Bretaaua. .. ^ -
Brasil : -Mjauaiento a GincalvasTO.-urtu-'oiaa
de dp Maranhao. !,* n i
0 Fabrico la ConeJ V-'M&We ura grande es
tabeiacimento.
Heidelbari: w eu* mdtott* eJmcLos e lugare* ro a moooipnnda -ac*aw,
do passeio. prpoirH?S?tWMl8,*t
0 Papa em Conaeiho : DipoaUQ'ce prosidiado a ''
um conselho.
Uruguay : Vista do porto a oidade da Monte-
video
EiUdos-Unido- : -Q pximeiro Buffalo (Bisao) da
estacSo. ,i I
Portugal: 0 Sr. Marquez -de Avila e Boli-*
Splhado umailp'omessa.
(m. Mi ttdmlro e distribuida gratuitarocnte
aos Srs. assignantes uma riquissima gravara en}
folha sparda, fntilulada -No Lagoobra cu3t03
a do grauoa rnerito artistico.
Assi^natm-s annual IQl.Livraria Franceza. '.
eir*
t'niiladn com as rabernit t !
As folbas teem o aeu lemae pftT| aahir,
(lores "teem um so verao db txijfeacia; porem d
:uUiv
do, deveri
lelhor de todos <4
este esti'mulante suave as
absorrem
A? seahoras nelle achafKo o |Belh(
prevehtiv >s contra as cans e acal vice, oulorgaa.
do-lhe3 alem disso ura formoso brilho as snas Iran:
cas e raadeixas; e para as suicas e bigodes doj
caralheiros, e" de todas as prepara^Ses a mai3 adf
raissivel e agradavel
, ^ItoeDte esf
tampiriia^a*JnaV salas "das'audieSJias 'dft respec|
^trvas ahtbrwades d> primerra :in>*aijcfa, ab^cy)
de V) dias, a eonfltr de noje.'
Os pr*tehaM4jtes, querWdo, podertto 'ver e ew>:
mtear* rtfetW*serTa;lna MSk^a'VeslOeaela o
precitado invent iriiale, a rua da Imperatfft'n,, W
E para coasiar, maolei passar 9 pr^sente^'que
sera afflxadojnas lugpres d> costumjjje publicado
pela irapraalaf l fi ,
"".lllafclrdtdal'WJIo, ex-valha
sem sello pxtatt3a, nesta ^adedp,R^ifedeJ,er|
tian^buco, ao'? II de idnno "otW, i-|8i, wH32P/f
Correia de Brito, escrlvSo, o fir esKrivfir bswjs
cr'avj. __ .
Francisco de Assis Oliveirq .yq;tot*t
O Dr. Sbatlao'do Ragj Barm j de Lacerda, juiz
de drratto aspqoial donalM*cio da eMade do
fteeife do P*rnat>aoo, por S. M iaiperial, i qae
Piusfoarda, ate.
Fa50 saber pelo prosente edilal, que no dia 30
do corrento mv, as II boras da manhi, na sala
das audiencias, devera ter lugar a reaniio des cre-
do r ?i dajna^sA Tald^ a- de 3trijoelda-SiT vt Kntes
parsfeV^
DOMfyiEBOIC,
JUNTA DOS CORRETORES
Praca d.t Recife, 19 de j tin ho
de 1894.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACOES OFFICtAES
Algodao de 1* sorte 7*8^0 por 15 kitos.
Algodao de Una 1' sorte 7^700 por 15 kilo.-.
Algodao d'i Rio Grande do None sem insjeci'ao
7 MOO por 15 kilas. hontem.
Assucar mascavado pargado 1*900 oor 13
kilos, hoa'.em.
Assucar bruto bom U700 por 15 kilos, hontem.
Cambio sobre Londrcs a 90 d[v. 25 Iji e 25 3|8
d. per U000, hontem.
i^ambio sobre 0 R.o de Janeiro a 8 d|v. ao par,
hontem.
B. de Vasconceilos
Presidents.
A P. de Leraos
SecretariJ
imiiwnin
dm do dia
AL.FAV.iKO a.
je did 1 a 18. .
19
357.9503593
27:6lU10i
385:5914699
fa.raassa, cerlOi 03 cfedpres de qua nao ser|p ad-
mttndo jJor procurator sem que este exhiba
procuracai, a jhal'riao'polera ser conf^rida a de-
vedor do fallid), Jo p'odendo ou'.roiim 'um s6 in-
divid'u'i representar dous diverges cfodore? e que ?a
ahavidi ocredor que corapareC;r coraoadherento
as resoIurSe? que tomar a rpaiorta do vplos do:i
credores'que'eompar-cerem, com unto que pa.n
;ct valjda a concordat*, e necessariq que sela poa-
cedida por nm numero tal'fle credofes^qda repre-
sehte pelo meno? a ra ioria deste3 em numero e
dous tercos valor de todos o- creditos sujeitos aoj
eileifos aa.conftordata.
'"E*para" que cheg'ne ao conhedmento de todos
nuadei fazer 0 prfisente que seta afflxado nos lu-
gare* do cojtnnie e publicado pela Srflpfensa.
Dado e pas'Sado riesfa'ddafeWi' Reeffe de Per-
nambuco, aoi 17 dejuaao'de #874. t \
"Ea, Fran :isco Xavier de S*uza llamos, elcrivao
interino.o subscrevi.
Recife, 17 de jiiaho de T87'i.
Sebastiao do Reyo Barros de Lacerda.
0 cidadio Joao Baptisia d> Rego, juiz de paz do
2,*aanode-ta freguezia, S. Jose do Recife, era
virtude da lei, etc.
Fafo saber aos que a presente earta de eJitos
vireoiou del la noticia tiverem, era como I). Aaoa
Felizarda de^ouza e Sdva, me fez p>r oscripto a
pelicio aqai copiada, do iheor seguinle :
Illm. Sr. juiz de paz do districto de ^os^-
D. Anna Felizarla Souza e Silva, dona da casa n.
30 do pateoTerc/), nesta cidale, por sen bastanie
procarador, auer cilar para a priniejra deste juizo,
velia, a Manoel Antonio Pegn, resiieute
Descanegara hoj 20 de junho de 187i.
Vapor inglez Fire Queen (atracado) merca-
doria3 para alfandega,
Barca ingleza Wenifrid mercadorias para
alfandega.
Barca franceza Fidelite mercadorias para al-
fandega.
Barca inglez 1 Invencible alensilios para a
einpreza do gar, para alfandega.
Patacho iuglez S. N.-Colly more kerosene,
breu, aguaraz e banha para 0 trapiche
Conceicdo, para despacbar.
Lug-r portuguez Cidral pelras para 0 tra-
piche Conceic3, para despachar.
Brigue inglez William bacalhao ja despa-
chad > para 0 trapiche Conceicao.
DE-PA OS UE EXPO!lTAi;AO NO DIA 18 DB
JONHO DE 1874.
Para os portos At exterior.
Na galera portugu^za Europa, para Liver-
pool, carregou : M. Lathan & C. 10i saccas com
8,120 1|2 kilo3 d? algodao ; A. Loyo 60 ditas com
4,712 1|2 ditos d dito.
No paiach 1 hespanhol Elvira, para 0 Rio da
Praia, carregon : A. Loyo 20 pipM com 9,600 I:
tros de aguardente.
Na barca portugueza Admiravel, para Lis-
boa, carregou : P. Barbosa & C 433 saccos com
32,623 kilos de assucar bianco e 315 ditos com
23,62>dito3 de dito mascavado.
Porn os porlos do interior.
Para 0 Rio de Janeiro, no brigue national
Isabel, corregou : Amorim irmaos & C. 300 sac
cos com 22,500 kilos de assucar branco.
Para 0 Maranliao, no vapor national Bahia,
carregon : F. P. de Macedo Bastos 15 barricas
com 836 kilos de assnear branco.
Para 0 Acaracd, no vapor national Ipojuca,
carregou: Fernandes & Irmiio 6 barricas com 707
kilos de assucar branco; A. F. das Chagas 1 pipa
com 480 litr s de aguardeate
Para Macao, na barca^a Riachuello, carre-
gou : M. P. Lemos 6 pipas com 2,880 litres de
aguardente.
Para Macao, na barcaea Dous Amigos, car-
regou : J. C. Figueira 5 pipas com 2,400 litros de
aguardente, e para Mossord, 20 ditas com 9,600
ditos de dila.
CAPATAZ1A
daadimento do dia 1
dm do dis 19. .
DA ALFANDEGA
a 18. 11:113*054
.... 414*633
11:527X687
No dia 1 a 18 .
No dia 19
^rimeira pom
tagonda pom
ferceira pom .
Quarta porta .
?iapicb9 Ccacetcao
VO1.0MES SAH1DOS
9,841
83
17
75
1,949
11,963
SERVfCO MARITIMO
l>rengas descarregadas no trap'ebe da
alfandega :
No ;dia 1 a 2 18 ....
No dia 19.......
Ho trapicbe Ooncelcio .
22
1
3
26
RECEBEDOR1A DB RENDAS INTERNAS GE-
JRAES-DE PEF.NAtt.3UC.
idiu.ento do dia I a 18 **2g#.331
dam do dia 19 W5I488
~43dWyS49
UONSULADO PROVINCIAL
Reciuneato do dia 1 a 1
'dem do die t9
8<:584>8i7
15:110;20l
"6:695*0I8
S!*?
mmmn do totn
Navio etUrado no dia 19.
Maranhao 66 dias, hiale national loven Arthur,
de 90 toneladas, capita j Sauza, equapajzem 7,
carga var.oa generos; a Antonio L. d Olweira
Azevedo & C.
tiatnot sakidos no memo dia.
New-York pelo Para-Hiate americaio John Bose.
capitao J. Ho well, carga assucar.
New York Patacbo mglez La Cayenne, capjllo
A. F. Barker, carga assucar.
Aracaty -Hjate bra3ileiro Nova Esperanc.a, eapjlao
Souza, carga vario3 generos.

lo e
e dd
^^De^Lfa'fe/ W'^'*|
" ima^raalf^do masalyria ap mere
wl WlMMrcittViAi' peloVesent
i 4e obse
WtRsdos
for mi-
e 84
de qu
este 1
oder
.0 po-
rpo)
0 craT
as rei-J
s ere*
sa.-fJaiHaiyadfl dB admioiriradaMft do &$$& ty^e-
1 #|dcDanUs. ,
-.------1 ^crpiaf la do. iribunaL do coaaifrajo t*."'
sgftrf.acer aanlweo, ifHejunbo de-i874.
rnier 0 offlcial raio|,
Julio Guimaraes.
Ibu%,
?ecr
iliuc5es
r^^fo^^Tairl?,
ftps?**
nversds
jviduo>epT'
qae sera n
foyao adlMTi
a fflamrta aos
dores que eomparecerem e u nun erj
sente dous tercos da totalidade da
:r^teria (az publioo, de confcrniid^.0
bvUnaJparte db^rago 461 dc eodigoeom-
raercial, que* nesla data fui regislrada a carta do
hiate naciona^ Jfjit* Esperanft, propriedade de
Barlholomeu Loarenco.
5ecretafia do friLaniil do cpramercio de Perf
narabuto, 18 de jBnho de 1874
0 official maior,'
Jaliff Guimaraes.
-fiOWHWi. ffMKHRIL DE
fechadas, devidameale-iaalliiiBP, ale 0 dia SO do
correaie umi, na qua Mtto. as aaftnaa afcena-
porante a iuaJa desta; mgajgaj-jga em preseo,.a
do3 prei^oaent-s, qae d6MiS|aMSiV'.lian.;a para
ga,-aatia das muitas em que" InBop'dtem a visla
de respcC.'lvo conlrato. .
Secrelaria da tisour..ria de P^jpHpiio, 8 Jo
:red
repre>i.
as do
oratona
nto d
:#,"HlpR*ser4
ixa'lo nos lu
^*cbeg"
.,SoncrerTfls
publicado pMiO:
gares do costume.
1874* Wvj- >-. um-i
crevente jurameaUdo^a esi
Eu, Mapoel'Sarta Roari
menu^((UiJrWiaf oeolwer**. 019C]
Sebastidodo He^ft ^ffa^j^ Laceria.
fiffal*tah0 d
a, es
crevi.
gues, do Nascij
Tt-rato 0 governo da provincia resolvido prohi
bir 0 tramsilo pnblico pela poute da Boa-Vieta, 0
traiectj dos carro* desta coiopanhia du.rajte 0
tenfpo'to'constrtiecSo da nova poute sera felto
pela rua do Im>era4or. pome 'de Santa Isabel e
rat da Aurora em direccao a# diversaa-linhas {
oemeg-rtab eeta tflteracao a vigorar de bjbje 20 da
correni* em aYanfe. >*" ^--. x **,;
Recife, 20 de junho da 1874.
.. 0 gerezjte,
G. A. Schmidt.

Bdital eom
Pela insp
se faz publico, que ach
udas ncs v lumes aba
30 4m
__ de Pernambue.a
o-se as mercadoria3 conj
mencionados, no caso di
terem'MTomavatfas para coha|Mp,9-aos0aaMol So
~ broj
veriq
de,
le que em acto concilialorio
a 1203000 da reada da mei
pena de re
aeste districto, afira de que era acto
pague-llie a quantia do
ma casa, e veucidos em fin? de abril proximo pas-
sado alem da renda que decorrer, e mais lhe do
dita casa desoccapada, visto que devenio pagar
seus alagueis no fun de cada mez, 0 nao tem feito,
dau lo se a supolicante 0 resultadi da conciiiacao.
Pede deferimento. E. R. M. Eslava uma estam
pilha de 200 rs., innuiilisada pela forma segninte :
Ikcife, 20 de maio do 1874. -Castello Branco.
E mais so nao coatiaba em dita peucSl, na qual
dei 0 despacho seguiote : Como requer por carta
do escrivao. Freguezia deS. do Recife, 23 de maio
de 1874. Joao do Rego.
Certiflco que para cumprimento do despatiio
supra dingi-ine a casa n. 30 a rua de Vidal de Ne-
greiros, cm a carta respectiva, para entregar ao
supplicado Manoel Antonio Pe^o, afi:n de 0 citar
para 0 dm de^Iarado ua peticao supra, para a pri-
meira audiencia, e nio a'fiz emrazao de en;ontrar
a referida casa fecliada e me informaram osvisi-
nho3 que 0 supplicado fechara a porta e se retita-
ra sem que me soube33em informar para quo lugar.
0 referido e verdado. Freguezia de S. Jose do
Recife, 23 de maio de 1871. 0 escrivao de paz, Jose
Goncalves de Sa.
Replica.
Illm. Sr. -Em visla da certidao do escrivao, dig-
nese V. S. mandar proceder a ciiagio edilal, com
0 prazo da lei, designando dia e hora para dar a
supplicante jusiiQcagao da au-encia e em lugar
incerto. Pede deferimento. E R. M.-Castello
Braaco.
E mais se nao continha em dita replica, na
qual dei 0 despacho sagunite:Justiflque, e mar
co 0 dia 10, as 4 horas da larde, na casa de mioba
residencia. Freguezia de S. Jose do Recife, 2 de
junho de 187i.Joao do Rego.
E mais se na.) contiuha em dito d63pacho, por
forca do qual a jusliQcante produzio suas teste-
munhas, e subiuio-me os autos a conclusao, dei e
proferl a seguinte senten.a aqui copiada do iheor
seguinte:
Era vista dos depoimentos dis testemunhas de
folhas a ftdhas, julgo jastifieadaa ausenciae incer-
do domicilio do justilkado Manoel Antonio Pego,
pelo que mando que se passe carta de edito com 0
prazo de 30 dias, atlm de ser citado 0 mesrao jus-
tificado com 0 requerido na peticao de fls. 3.
Pague a justifi-ante as custas. Freguezia de S-
Jos6 do Recife, ii de janh) de 1874.Joao Bap-
tista do Rego.
E mais se nao continha em dita senteuga aqui
copiada, por forca da qual 0 escrivao que esta es-
creveu, passou a presente carta de editos com 0
prazo de 30 dia?, pelo qual e seu theor se chama,
cita e bei por citado ao supplicado para que eom
pareca na primeira audiencia deste jnizo, por si ou
seu bastanie procarador, para se conciliar com a
snpplicante a respeilo.do que fica exposto. cuja au-
diencia sera a immediala depois do fmdo 0 refe-
rido prazo.
Pelo que, toda e qualquer pessoa, amigos, pa-
rentes ou conhecidos, 0 podem fazer scienle do
que acima flco exposio.
E 0 porteiro respectivo 0 flxara e publicara esta
nos lugares do costume e sera pubiicada pela fm-
prensa.
Dada 0 pas^ada nesta freguezia de b. Jose do
Recife, aos 17 de junho de 1874.
Eu, Jos6 Goncalves de Sa, escrivao, escrevi.
Jodio Baptist a do Rego.
Ao sello 300 rs.-V. S. S. ex causa.
Joao do Reg .
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Laterda,
juiz de direito especial do comuiercio nes -
ta eida.de do Recife e seu termo da capi-
tal da provincia de Pernambuco, por
S. M. imperial e constitucienal 0 Sr. D
Pedro 11, a quern Deus guarde, etc.
Faco saber que no dia 20 de junho do correaie
anno, as 11 horas da manha, na sala dos andito-
rios, devera ter Ingar a reaniao dos credores da
maBsa fallida de Paolo Fernandes de Mello Gui-
maraes para verificarem os creditos, deliberar se
acerca da concordata, ou formar-se 0 coatrato de
uniao e nomear-se admio'stradores a dita massa;
certos os credores de qrie nao serio admrttidos
por procarador sem que este exhiba proeuracio
especial, a qual nao podera ser cooferida a deve-
dor do fallido, nao podeado outro sim,um so indi-
viduo representar por clous flfversos credores, fi>
qae sera havido 0 credor qua nao comparecer
como adherente as resolucdea qae tomar a maio-
ria dos votos do* credores quepaia ser valida a1
concordata 6 necassarin qu,e seja eoncedida por
um numero tal de credores one represente pelo
menos a maioria desies em numero de dous ter-
cos no valor de todea os ereditos sujeitos aos effei
tos da concordaja. :
E para que ci>e.g8 _ao -eonhecimenio de todos,
raandei passar 0 present^, que era publicado pela
imprensa e alRxatlo bos lugares do costume.
Dftdo e'pafciado dfato efdade do Reeife de Per
Eu, Manoel Maria TWfrigaes do Nitftfenrtiio, cl
wbim
findo elie, seram vendidas por sua eonta, aem qu
Hats Uque eompetindo allegai contra os eil'eitos
desta von Ja':
Irapitke Ct*eoi.
Marca H L sem numero Ciiico baxris yindos
de- Lisboa no palocho portuguez Fttrdo, descarre-
gados em 10 de mareo de 1873. osignado3 a Hen-
riuue Leiden & G.
Idem A J A G sera namero. Uma caixa vinda
do~Portona barca portugueza Amelia <& Henrique,
idem em 21 idfeto,4gnobt.e a ciisignagao.
Ilem M seninufcrol-l Qiarelita e cinco ditas
vindas de Hardtfugioi flrlgia alemio Miranda,
de3carregadas em 30 da^bril de 73, consignadaj
a Moreira Monttiro Ci'C.
Idem S S *em num'efo. Dez barns idem idem
idem.
IdemDDns. 2,144 e 2.24J3. Duas barricas
vindas d,o Liiboa ya barca portugueza V.enaidora,
descarregadas em 30 de jultio de 1S73, cousigrfalas
-aunann Freres.
Idem Th. A Foaseca & S sem numero. Uma
caixa idem no vapor parlaguez Julio Diniz, des-
carregnda em 23 de agosto de 73, consignada a
Tbamas de Aquino Fonseca.
Idem ACS sera numero.. 30 volumes ideju
na'iaarca portugueza Nova Sympathia, desoarre-
gados era 27 idem a J. J. de Garvalho Uoraes.
Idem I C S sera numero. D:z dil >s idem idem
idea.
Idem idem sera namero. Dua3 canastras idem
idem idem.
Idem J H n.s. 1/27. Vinte e seto gigas de lou
Ca vindas de Liverpool no brigue inglez EduarJ
Herbert idem a ordem.
Idem circulo J J C Msem numero. Cincoenla
caixas idem no brigue sueco Ofans, descarregadas
em 10 de setembro de 73, consiinadas a ordem.
Idem S J sem nuaiero. Yiate e cinco gigas
cidra, vindas de Hamburg.) no navio holiandez
Etise, descarrajadas em 18 idem, a Moreira Mon-
leiro 4C. ...
Idem M sem namero. Ciaeoeata caixas idem
na escuna allema Miria, descarregadas em 15 de
outubro de 73, idem.
Idem P sem numero. Tres saccos vindos de
Lisboa na barca portugueza Nova Sympithia, des-
carregados em 27 de agosto de 73, consignados a
J. J. de Garvalho Morae3.
Idem J L M& C sem numero. Um pacote vtn-
do de Liverpool no patacho inglez Impulse, descar-
regado em 5 de novembro de 73, consignado a
Henry Forster & C.
Idem V G sem numero. Quarenla e cinco gi-
gas de louca iiem na barca ingleza Jane Marie,
descarregadas em 10 de dezembro de 73, consig-
nadas a Jonnstcn Pater Si C.
Idem diamante M J T S sem numero. Vinte
ditas idem idem a ordem.
Idem G A sem numero. Dez ditas idem idem
idem.
Idem R & I sem numeo. Quatorze ditas idem
na barca ingleza Dora, idem idem.
Idem F V P sera numero. Um arado vrado de
S Miguel nabaria portugueza Arabella, idem a
Franci-co Vieira Pacheco.
Alfandega de Pernambuco, 18 de junho de
1874.
0 inspector,
F. A. de C. Reis.
Sociedade Uniao Catholica
Pernambucana.
De ordem do Exm. Sr. pre3idente da Sociedado
Uniao Catholica Pernambucana, sao novameate
convocados todos os respectivos socios a so reuni-
rem em assembl&i geral, domingo 21 do corrente,
a uma hora da larde, visto nio se ter podido re-
solver nada na ultima sessao, por falta de nume
ro na occasiiio de votar-se sobro a materia discu-
*ida.
Recife, 19 de junho de 1871.
Jose Honorio B de Meoezes,
_________ 1.* secretario.________
SANTA CASA UA MlSElUCUUUlA'DU
RECIFI..
A junta administrate da Santa Casa de MUe-
ricordia contintla a receber propostas para 0 for-
necimenlo de carnes verdes a todos os estabele-
cimentos a seu cargo, duraote 0 trimestre de ju-
Ibo a setembro vindo.uro, ua sa!a aas sessSes, pe-
las 3 horas da larde do dia 25 do corrente.
Secretaria da Santa Casa da Mtsericordia
do Recife, 19 dejuoho de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodcigues de Souza.
CQffiPANHfA
DO
BEBERIBE
jp^ho de 1874.
0 2> escripturarlo, .
. Carlos Joao de
3 de secreUri,
ouza 'Correli.
CompanIiiaBfcI
Hijcur miHitlnos **r**ir^s
A agencia desta eorapaaata toma segarbsma-
ritimos e terrestres, a prettrim razoan**, daado nos
ullimos 0 solo livre, e' K'n> anno graiaHo a-.-
segurado.
FrtKtaBO Jose Gomes
Imperial Sflc^ad&r&p Ar-
tistas Meclwjia]?skQ.tibc-
raes. ........< <
10.
Teada resoiTfdo a sociedade proceder a eleir.i >
dos membros da dfrectoria aSe ha d; faacciuiiar
no anno social de 1874 a 1
rente, scientltco e tapi
que aquelles qae se ac
mensahdadea se
de c-nforitiidade-eeina
na referida eleic.au.
*,ffit*.
28 do ccr-
socios, par
irazados em suas
de poderem,
tomar parte-
1. ntos..tt.
No 4i* &> do corrente, pelas 14 aoras
da Tfianba', terd lugar no escriptorio da
cornpinliia, rua do Cabugd n. 1C', a arre-
aiaia^ao Jos dwiames o bicas, por bairro,
nSo se admittintla propostas que compre-
her.dam -nais de um blirro, e nesn por cs-r
paco maior jje .um^ouo. Os Srs licitan-
tes podem conspar. cer com seus fiadores ou
declaraQao dos mesmos ua mencionado dia,
ou antes no respectivo escriptorio, onde me-
lhor poderao itiformar-se das condicoes do
contrato d'arrematacao ; devendo ser esses
propostas em carta'fei.-ha'la. l>eclara-se aos
Srs. liciLiDce* que o "pagaaieoto scri'i feito
em sedolas.
BASES SOBRE AS QUAES SE DEVE
LANCAU.
Bairro do Recife.
Chafariz e bica do caes do
Apollo. Dito da rua do Bom
Jesus. Dito da praca de Pe-
dro I. Dito 0 bica do Forte
do Mattes................ 18:3009000
Bairro de Santo Antonio.
Chafariz do largo do Car-
mo. Dito dy Jargo de Pedro
I. Dito do largo do Para;zo.
Dito da rua do Marquez do
Uerval Dito da rua da Con-
cordia................. 23:o00s!000
Bairro da Boa Visla.
Cbafariz do caes do Capi-
baribe. Dito da rua d'Aurora
Dito da cidade nova de San-
to Amaro. Dito da rua do -
Principe. Dito do largo da
Soledade. Dito da c ixa d'a-
gua dos Pires. Dito da praca
do Conde d'Eu. Dito da rua
de S. lloncalo. Dito de San-
to Amaro da; Salinas...... 19:50-^000
Passagem da Magdahna.
Chafariz do largo do vivei-
ro. Dito entre duas pontes.
Monteiro
Chafariz dessa povoaQao.
Apipucos.
Chafariz dessa povoac^o..
Escriptorio da cornpanhia
19 dejuoho de 1874.
0 secretario,
Luiz Manoel Rodrigues Valeria.
SANTA CASA DA M1SER1COKD1A DO "
RECIFE.
A rllma. junta administrativa da santa casa di
Jiisericordia do Recife, manda fazer publico qut
aa sala de suas soss3es, no dia 18 de Junho pe-
las 3 horas da tarde, tem, de ser arrematadas i
juem mais vantagens offerecer, pelo tempo de ua
i tr;3 annos, as rendas dos predios em seguids
ieclarados.
ESTABELECIMENTO DE CAR1DADE
Travessa de S. Jos6.
Casaterrean.il.......201*000
Rua de Santa Rita.
Idem n. 32........250*000
Ciuco Poutas.
. asaterrean. 114......3621T50C
Rua da Viracao
Idemn 74.......241*000
Rua de Antonio Henri pies.
idem n. 26........99*000
Rua do Vigario.
I.* andar do sobrado n, 27. 325*000
Eojaidem........... 375*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Sonzalla velha.
Casa terrea n. 16.......809*00*
Becco das Boias.
Sobrado n. 18........421*000
Rua da Cruz
Sobrado n. 14 (fechado).....1:000*09
'Rua do Pilar.
Caia terrea n. 100......241*00C
Rua do Amerim.
Idem n. 34........11**000
Rua da Guia.
Idem n. 29........201*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto d;
irrematacao as suas nancas, ou compareceren
icornpannados dos respectivos Badores, devendc
pagar alem da renda, 0 premio da quantia en
pie for seguro o predio que contiver estabeleti
aento commercial, assim como 0 "Servico da \m
0 deposlro dercrrol;is'pr**w wnfra'.ar par.
preay IBM)
do
459;$6iM)
201^000
133j000
Beberibe,
Sociede Propagadora da
Instrucqao Publica.
Foi ir msferida a escola da instrue^ao primaria,
ereada pelo consemo de S. Jose, da rua Praia do
Caldeireiro para a de Dias Cardoso, outr'ora Cal-
deireiro, n. 24, onde os ioteressados se poderao
dirigir, das 9 horas da mauha as duas da tarde:
matricaila gratis para todos.
Esse conselho, apezar dos entraveU que tem en-
contrado, aada ha poupado para tornar uma rea-
lidade a gzandiosa idea da elucaeao do povo pelo
povo.
Amanaa ha .teuniio desse eonselho na ca?a e
hora do costume._______________
Juizo de orpbaos.
Segauda-feira 22 do corrente, find* a audiencia
do Ej|n. Sr. Dr. jsiz do orphios, ao meio dia,
ira a jpsaca pdr vedjla a casa n. UD.do pecco do
Xambia,' freguezia aa Boa Visla, com 25 palmos
de frerite e K5 de fundo, t sajas, 3 quartos, ebzi-
nha fora, quintal murado e sot3o, solo foreiro, e
sfrvira oe. nase para a arrematacao a qosnPa de
4:000*, por qaanto se aoha a casa avaliada no
inventario, procedido pelp dito jnizo. escnvSo Dr.
Pones,'dos betis Ho nrfaflo Claudino da S. Fer-
reira, sem onus para 0 montj.
fribunal do Oommercio de
Pernambuco
Esta secretaria faz publico que Tabor.Ua, Santos
Sebastiao do Rego ftorro-; de -Lacerda.. & C, nesta data foram adraitiidoi a raatricula na
0 rancho das pracas de
mestre do corrente anno, os ge:
seguinte* : arroz pilaflo, assu
do, a'.eite doee, bacalhao, safe
seeca, d|a v^dcjfitinhfif In
Vego'hdo se-
s ajriiueulicio*
iasyo relina-
csmf^o- came
leijao mu-
do Rio drfthreiro.

lalinbo, lenha, manteiga franceza? JRgs- de 172
grammas, ditos da lfi grammaa/Hin^nho de I.i<-
Boa, e vinagre ; os ijuaes deveraofier de primei-
ra q-.Talidade : as pessoas que pfeHenrfftrem dit
fornecimento, poderSo ?preseotll~^as -propostas
em carta-s fechadas, a secretartino^'efegnoilepo-
sito em 0 qaartel da 'SolenadeTTftPar roftora? da
manba do dia 22 do corrente.
Quartel do deposita de teuiUO na SoledeAi
em Pernambuco, 17 de jrjTrh'o'ST74.
6Mijlisadk Lyre,
_____________________AI few aeoratarie.
Nono batalhdo de mfimfowfcr.
0 conselho cconomieo deste BaUfhSo recebj
propostas no dia 22 lo corrente raft, 'ate* 'asti
horas do dia, para fornecimeulo .d.ps generos ali-
menticios, de I* qualidade, abaixo tjeelarados :
Arroz pilado.
Assucar maseavinho reflnado.
Azeile dxe.
Bacalhao.
Came verde.
Came secca.
Cafe em grao.
Farinha de mandioca.
Peijao mulatinho ou preto,
Lenha fadbai).
Manteiga franceza.
Massa para sopa.
Pao (kilogrammot)
Toucinho.
Vinagre.
E-te- generos serao recebido? pelos pesos e rae-
didas do systen?a melrico decimal francez, e-pottos
no (juartel p^r conta de quem os fornecer.
Secretaria do 9 batalhao de infanlaria, no Hos-
picio, em Pernambuco, 17 dc junho. de 1874.
0 tenenteFrancisco lgnaeib de Meirelles,
Secretario interino.______'
CO.NSELUO DE COM PIUS DO ARSENAL
DE MA1UNI1A.
Tendo havilo inconvenienies para os contrite*
hoje, conforms foi annunciado, acerca do forneci-
menlo no trimestre proximo viodouro de julho a
sftteinliro, de div rsos objectos para os navidsda
armala, estabeletimentcs de marioha e obras do
porlo, faco publico, de ordem do Illm. Sr. pre;i-
dente d) conselho, que acham-se iransferidos part
20 do corrente mez. em cujo dia deverao os pre
tendentes apresentar suas propostas al6 as tl
horas da manna.
Sala das sessoos do conselho de compr s
de nvriaha de Pern-mbuco, '8 de junhu
de 1874.
0 secretario
Alexandre Rodrigues dos Anjot.
Ponle da Boa-Vista.
Fazemos scieme ao respeitnvel publico que do
dia 20 do corrente em diante. fica prohibido u
transito de aokoaes c quaesquer vehicui s r*r
esta ponte, isto em con;equencia dos trabalho.*
para h nova de que somos empreiteiros.
Escriptorio a rua do Sol. 18 de junho de 187i.
Watson & Smith.
Aferieao de Olinda.
- 0 arrematante da afericap do municipio d;
Clinda, scientifica a quem inleressar, que em 0
ultimo deste mez, finda se 0 prazo marcado pan
as revisoes de pesos e m^didas do mesmo muni-
cipio ; assim como, a* lavernas e lalhos que ale
esta data nao avriram, estSo sujeitos nao so a
pagarem a dita aferieao, como tambem a revisao.
Olinda, 18 de junho de J874.
0 arrematante,
F. P. Advincula.
AD1UNISTRA AO DOS CORREIOS DE PER-
NAMBUCO, 20 DE JUNHO DE 1874.
Ualas a oxpeilir-se hoje (SO)
Pelo vapor national Mandahu, esta administra-
c3o expede malas para Mmanguape.
Recebem-sc jornaes, impressos, cartas a regis-
trar e cartas ordinarias ate as 3 horas, e estas ate
3 1[2 com porte duplo.
0 adnunistrador
Affonso do Rego Barros.
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Ra
iife, 17 de marco 0 de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues ie Souza,
Consulado provincial
Pela administrpQio do consulado provincial se
faz publico aos respectivos contributes, que do
1 de junho vindouro por diante comeca a correr
0 prazo de 30 dias uleis, marcados no artigo 21
do regalamento de 16 de abril Je 1842 para a
cobranca a bocca do cofie, do 2semestre dos im-
postos da decima urbana, 8 OjO sobre bens de mao
morta, e 60 rs. por litro de aguardente coasumida
na provincia, no corrente exercicio do iS73 a
1874, incorrendo na multa de 6 0/0 aquelles dos
contribuintes que os nao satisfizerem nesse prazo.
Cansttlado provincial de Pernambueo, 27 ds
maio de 1874.
0 administrador,
Ajttonio Carneiro Macliado Rios.
Armazeas da eompanhia per
nambucana.
S^guroa contra Coco
A eompanhia pernambucana, dispondo de ex
:eiientes e vaatos armazens am sea predio ao for
te'do Mattos, offerece-os ao eommercio em gerai
para deposito de generos, gasantindo a maior con-
^ervacao das mercadorias depositadas, service
prompto, precos mo.dico*, etc.
Tambem recolhera, medaante previo aeeordo, ex-
siusivameaie os generos de uma so pessoa.
Estes armazens, alem de areiados e commodos.
iio inteiramfpte novos e aapuaUados, isentos de
cupim, rates, etc., etc.
As pessoas que quixerem utilisar-se destes ar-
mazens, peierao dhriglr-se ao escriotorio da com-
panJiia pismT>uoaa, qae acharao com qaenc
tratar.
A thesoiaria do fazenda tendo de contratar
0 forrjecimento de objectos para 0 seu expediente
duraate 0 serpestra proxima futnro de julho a de-
lerobro, convida os pretendentes a apresentarem
%a secretaria dtunesma suas propostas am cartas
Finn
EIIPEl
Sabbado 20 do corrente.
\'s S 1|9 boras da noite,
0 muito bem aceito drama em 3 acts :
0 supplieio d'unia mulher
Terminara com a comedia em 1 act) :
PreclsA-se de uma niulher
para viajar
Domingo 21 do corrente.
A's 5 1| horas da tarde
0 drama sacra :
Milagres deSanlo 4ntoaio
a comedia em 1 acto :
Ima criaila impagavel
D'ora em diante, nos e.-pectacul(js a noite, ven-
der-se-ha a. posse dos caonarotts e entradas pan
os mesmos i If por pessoa
CIRCO EQUBTRE
NO
CAHM DAS PRINCEZAg
GOMWlfWiiSILEIRJ
DIRECTOR
Antonio Carlos do Gainio.
0 director tpm a honra de annaneiar * uvel publico que a eompanhia dsra o pnmeiro
especlaculo
Sabbado 20 do corrente
AS 8 HORAS UA NOITt;
Mgrj



1
Diario de Pernam^aoo gabb&do 20 de Junto da 1374.
11* da tarde.
faEpO DOS BILHEITKS.
itenJ 1*000
1*000
__, saludor do Egypto e Jerusalem :
Peroba, erioulinho de 9
aval aa diversos trabaih s ; o joven
, Joao Baptists, primeiro equestre e
m ao cavatlo em pello ; o jo-
lei Ales ; o artist* Norberlo
>; o artist* bahiauo, Henrique
praseiro paibacp e artisu penum-
fa.
1a WBapwbii, e gloria dos artistas
i sriawiiu eqoibbrista e herculeo
Ferreira de Magalhies
* aa mttm haran da nolte
E
Domingo 21 do corrente
sVfc If* haras 4a tarde
carp engajada e para a qua lbe falta, trata-sa
com os coosignatarios Joaquim Jose Goneahwa
Bellrto 4 Filho, a rua do Commercio n. S.
Libras esterlinas.
Vendem Augusto F. a'Oli-
veira & C*
Rua do Commerj^, D ^
AVISOS MARtTIMOS.
0.
Rio de Janeiro
mil* brevidade o brigae na-
ssrte de sea carregamento en-
que lbe fait*, trata-se com
Antonio Luiz de Oliveira Aze-
Jaaisn. 57.
ARACaTY
Va*
porto acima o bem conhecido
fas* do Jardim ate o lim da se-
snr ter pane do carregamento
t resto, a tratar n* rua do Viga-
rie a U,caa Joao Jose 4a Conha Lages, ou a
ara* saa amlrt, era Create ao trapiche Dan-
Rk> de Janeiro
porto segne com poueos dias
portngaeza Feliz Uniao por
de sen carregamento engajado,
Ike falta, trata-se com os con-
Jose '.oncaives Beltrao |&JFi-
n. 5.
de paqnetes in
gkzes a vapor.
Ate o dia 26 do cor
rente, espera-se da
Enropa o vapor in-
glez Boyne, comman-
dante F. Reeks, o qnal
depois da demora do
para Buenos- Ayres, tocando nos
Rio de Janeiro e Montevideo.
Rio-Gra^ae do Sul.
PATACHO
IK FRiXGIHCl.
Recebe earga a frete para o referido porto : a
tratar com Atnorira Irmao* k C
COMPANHIA PERNAMRUCANA
DE
\'avejaoilo eosteira a vapor.
MAUANGUAPK.
0 vapor Mandate,
commandante Mari-
nlio, seguira para o
pone acima no dia
SO do corrente, as 5
hr ras da tarde.
Recebe carga, encomuendas, passageiro e di-
nbeiro a frete ate as 3 boras da tarde do dia da
sahida : : es;riptorie no Forte do Ifattos n. 11
Maranhao.
Para o referido porto pretende segair com poa
ca demora o biate Olinda, por ter a maior parte
da carga prompta : trata-se eom os consigns ta-
rios Joaquim Jose G ncalves Beltrao & Filho, a
rua do Commercio n. S.
LEILOES.
LEILAO
DB
50 portas, 50 grades para ditas e 50 aros,
tudo dovo e de amarello
as ft boras em panto
No armaiem de agenda de leiloes da rua
(lo Vigario Thenorio n. 11.
Opreposto do agents Pestaua fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, dos objectos aci-
ma mencionados, em um ou mais lotes, a voniade
dos compradores.
SABBADO 20 DO CORRENTE
as 11 horas.
No armazem de agencia de leiloes da rua do
Vigario Thenorio n. li.
Mt
oa corrente espera-se dos portos do
inglez Neva, commandante West,
da demora do costume, seguira para
tocando nos portos de S. Vicente e
Leilao
jscfJbs de ouro e prata, me*-'
das para jantar, diversas
miudezas, transparentes
para janellas, 1 carro de 4
rodas para o servico da
alfandega, machinaa de
costura, camas de ferro,
louqa de porcelana para
almoco ejantar, crystaes,
relogios de algibeira, pa-
rede e cima de mesa, e
muitos artigos do uso do-
meat ico que seraovendi-
dos a torco de sedulas ve-
lhas
aocorrer do ma
Terea-feira 98 do corrente
as 11 horas
NA
FEIRA SEMANAL
.6-Roa do Imperador-U
ARMAZEM.
pelo agente Martins.
Agente Peslana
LEILAO
DE
30 baits de papal de embrulho, avariado
Terca-feira 9S da corrrate
Mil hv'ras da manhi
0 agent* Pinto fara leilao, par autorisajio do
gerenle do consulado de Franca, em presenc* da
seu cbanceller por conta e risco de qnem per-
tencer, de 30 balas de papel para embrolbo, vin-
d*s do Havre, avariadas a bordo da bare* franco-
za Santo Andre, aa sua ultima viagem a ede por-
to : o leilao sera effeciuado as 11 horas do dia
acima meneionado, em frente a porta do trapiche
Conceicao.
LEILAO
a, Crates, etc., trata-se na agencia,
-aa aa Caamercio a 40.
Para a Bahia.
o referido porto segne com brevidade o
Arthur, por ter grande parte da carga
par* o resto qne Ihe falta, trata se com
ooaagaatario Antonio Luiz de Oliveira Aze-
aa rua do Bom Jesus n. 57.
fKlAREUBS !(l I MS
COMPAMUA FRiNCEZA DE NAVE-
GACAO A VAPOR
LIVHA HKNSAL. EXTRE 0
awe, Lishoa, Pernauibaeo, Rio d>
Janeiro, iSuntos Kumente na vol-
aa) Montevideo, Uuenos-Ayres.
feoaa baldrarao para o Rosario
STEAMER
f OLE DE RIO DE JANEIRO
Commandante A. I'lenry
B^pera-ae do corrente, seguindo depois
da pr. eiaa dcatora para os
portos do ?ul de sua escala
a''"' n Rio da Prata.
DA
escuna nacional Georgiana, forrada de cobre e
prompia a navegar
SEGUNDA-FEIRA 22 DO CORRENTE
na porta da Aaaociacao Commercial
Os Srs. pretendentes podem desde ja examina-
la, na volta do Forte do Mattos, defronte do trapi-
cl e Loyo.
N. B.Vende-se tambem em particular, a tra-
tar com Tsso Irmao & C.
Retatiraroeute a Eretes, eacommeadas e pas-
satsro-. im
OB COHSKSATAaiOfl
.WQCStO F. Ddl.r EIRA & C.
1Rca doGoaimereioEstrada pela rnt
do Tor
ROYAL MAIL'STEAMER
E-pt-ra se da Europa ate o
dia 2t do corrente e prguira
psra B;.uh, R.o de J.neiro
Hi ntevi sco, Buen- s Ayres
Talpan is Arica, blaye Cal
ho, para < nde recihe a pas,
9Sjeiraa,eBoaBra'*ndas c aiabeiro a frete
-hira atit^s das trea boras da tar
' na efa
AGENTES
Wilson Rone & C
____: RCA DO C03I.MERCI0 -1 '*
OOHraNHA PERNAMBUCAitA
DE
VavrgaoRo eosteira a vapor.
V.XATAL, MACiO, KOSSORO', ARACa-
TT^aCiaA, ATOABCE ACARACU'.
0 vapor Ip juca
commandante Moura
- 'guira para os por-
tos acima no dia 11
do corrente mez, as 5
boras da tarde.
-pra ?.t^ o dia 2 do corrente, encom-
ro a fre <: t pns.-agens, ate as 2 ho-
ras da tarde do dia da sahida : escriptorio
ac_ It. XUUt* b. 12.____________
GOWAHHIi PERNAMBUCANA
DE
\av*jg;acao eosteira a vapor.
Fernando de Noronha.
0 vapor Jaguaribe, com-
mandante Julio, segui-
ra para o porto acima
no dia d julho proxi-
mo ao meio -dia.
Recebe carga ate o dia
30 de junho, encommen
aaa, pas^ajeiros e diabeiro a frete .->te as ii ho-
*as do dia da sahida : escriptorio no Forte do Mat-
QB. 11._______________________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
^lavegaeao eosteira a vapor.
aACElO, ESCAI.AS, PENEDO E ARACAJU*.
0 vapor Coruripe, comman-
dante Saniof, seguira part
cs portos acima ao dia 30 do
corrt-nte as 5 boras da tarde.
Recebe carga ate" o dia 27,
eneotnmendas, passageiros e
a frete *(} as 2 horas do dia da sahi-
>B0 Forte do Mattos n. 12.
a va-
De uma grande ca?a terrea, faltando repartir,
na rua do Lima em SaDto Amaro n. 34, tendo a
casa trinta palmos de largo e 90 ds fundo, um
quintal murado corn 00 palmos, pnxada f6ra
para cozinha, /endo mais denlro da casa porcio
de cal, lijolo?, alguma madeira e pedras para fazer
o eordao da calcada.
Segnnda-feira 22 do corrente
Pelo agente llartins.
Xo armazem da rua do Imperadjr n. 48, as 11
horrs do dia.
Os pretendentes podem examrar o predio, poii
a chave se .-cha na taveroa d. 32, junto ao refe-
rido predio.
igente Pestana
I
MMa,
100 eaixas com cebolas, marea I R L, desembar-
cadas uiiimamente
SEGUNDA-FEIRA 22 DO CORRENTE
As 11 horas em ponto.
No trapiche da Conceicao, largo da esca-
dinba.
0 preposto do agente Pestana fara leilao por
conia e risco de quem pertencer, de 100 eaixas
com cebolas novas, de.-ernbarcadas ultimamenle,
em um ou mais lotes, a voniade dos compradores.
SKCUNDA FEIRA 22 DO CORRENTE
as 11 horas em ponto
No trapiche da Cuneeieao, largo Ja escadinha.
Agente restana
DB
100 ancoretat com azeitonas, 10 eaixas em quar-
tos com sardinbas, 58 eaixas com figos, sendo
eaixas de 8 libras, 16 ditas com ditas, sendo
eaixas de 4 libras
Terca-feira 93 do corrente
A'S li HORAS EM PONTO.
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
i'andega
O preposto do agente Peslana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 100 ancoretas
com azeitonas, 10 eaixas em quartos com sardi-
nhas, 68 eaixas com figos, sendo em eaixas de 8
libras, 16 ditas com ditas, sendo em eaixas de 4
libras, em on ou mais lotes, a voniade dos com-
pradores
TERgA-FEIRA 23 DO CORRENTE
as 11 horas em ponto
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
_______fandega.
Agente Pestana
leilao
DA
armacjbj generos emais utensilios da ta-
verna sita & rua dos Martyrios n. 8
QUKSTA-FEIRA 25 DO CORRENTE
as i i horas da manha
Opreposto do agente Pestna fara leilao d'ar-
macao, generos e mais utensilios da taverna sita
a rua dos Martyrios n. 8, em um ou mais lotes, a
vontade dos compradores. O balanco acba-se em
mao do referido agente para ser examinado pelos
concurreutes do leilao.
QUINTA-FE1RA 25 DO CORRENTE
A's 11 horas.
Precisa-se de uma ama
ara cozinhar em casa de
pequena familia,. preferin-
do-se escrava : na rua do
Capibaribe n. 40.
Casa para alugar.
Aloga-ae nma propria part taverna oa ontro
qnalqner estabelecimento, na rua do Barao de S.
Borja, antiga do Sebo, n. 13 : a tratar eom Joao
Martins de Barros, rna d* Madr* de Dens n. n.
Accoes entre amigos.
Particip*-*e as pesaoaa qne ficaram com accSes
de um relogio de onro n. 68,784, a correr com a
terceira loteria do corrente mez, que por motivos
justoa, fica transferida para a priineira de julho
proximo.
Recife, IQdejqnbo de 1874.
Escravo Tugido

Fagio de Vill*-Bella o escravo de nome Jose,
caboclo, de 30 annos de idade, pouco mais on
menos, altura e grossnra reaulares, tern os peitos
abertos, cabeilo corrida, falla bem e com modera
gao; const* que veio para esta cidade com o fim
de aestar praca : pede-se, portaato, as auiorida
dea policiaes e capitaes de campo a apprehensao
do referido escravo, e entrega-lo aa Villa Bella, a
so* seaborn Carolina Cavalcante de Andrade, on
no Recife, loja de Goncalves, Irmao & C., a rna do
Livrameoto n. li, que serao com generosidade re-
compensados.
OAivo(ano
Aflonso de Albuquerqne Hello
inenmbe-se de promover ccbrancas amigavel
oo judicialmente, assim cooo de oulros negscios
concernentes a sua profissao, nos lugares proxi-
mos a linha ferrea, e nos ontros termos proximos
a eata cidade; para cujo aoxilio tern o annnn-
ciante solicitadores habifttados e probos, respon-
sabilisando-se no entanto pel* boa gestao e conta
do que Ihe for confiado.
Mediants modico honorario acode aos chmados
para diligencias oa consulus fora da cidade e do
termo e incumbe-se da defeza de appellacSes ante
o tribunal da relacao. Pode ser procurado de
meio dia as 3 horas da tarde em sea escriptorio
tpru* do Dnqne de Caxias n.37._____________
miLmmmmm
0 HNEXTMGUIVEL
eelebre
Florida

ii
'
i./

Bom
negocio.
Leilao
de navcz rio
por bahfaaa, liauitada
Maceid, Pen E' enperado dos portos
do ml aid o dia 2t do
corrente o vapor Marquez
dtC' xias, o qnal sanira
par* os portos acima no
dia seguinte ao da sua
chegada.
Receaeae carga, passageiros e diaheiro a frete
Agentes.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo.
________17Rna do Bom Jeons'- 57________
Ceari Hacau c H ;ss*rd.
si referido'? portos pretende seguir com
areridade o biate Rivvl, por ter alguma
DE
7 eaixas com peixe, 4 barrieas com c'garros (pa-
pel amarello), l factura de fogo, como sejam :
pistolas e gira ar>L para fechar contas
TERCA-FEIKA 23 DO CORRENTE
Ao meio dia cm ponto.
No l. andar da rua do Vigario Thenorio
n 11.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, dos objectos
acima menci nados para fechar contas, em nm
ou mais lotes, a vontade dos compradores
Terca-leiVa la do corrente
A'S 12 HORAS EM PONTO.
No primeiro andar da rua do Vigario Tho-
norio n. H.
~LlLA0~
DE
raoveis, loucas, vidros, crystaes, ouro, prata, bri-
Ibantes, miudezas, perfumarias e 1 eofre inglez,
prova de fogo
TERCA-FEIRA 23 DO CORRENTE
A's 111 {2 horas em ponto
No primeiro andar da rua do Vigario The-
norio n. 11.
0 preposto do agente Pestana fara leilao por
conta e risco de quem pertencer, de moveis, loacas,
vidros, cryPtaes, oore, prata, brilbantes, miudezas,
perfumarias e muitos outros artigos que se torna
enfadjnbo mencmna Jos.
TERCA-FEIRA 23 DO CORRNETE
as II l|t horas
No primeiro andar da rua do Vigario The-
norio n. 11.
Vende-se ou arren''a-se o grande predio
de um andar e soiao, sito na rua do Bispo
Coutinho, proximo da igreja da Misericordia,
na cidade de Olinda, tendo duas !. oas salas
de frente, um salao no soto, scis quartos
espa^osos e frescos, uma grande cocheira,
quintal todo cercado de novo, e com diver-
sos arvoredos, uma boa fonte d'agua, e
tendo saz canalisado. Achando-se prepara-
do com tod os os moveis indispensavtis a*
uma grande familia, serd assim vendido ou
sem os moveis : a tratar nesta typographia
ou na rua da Uniao n. 49, sobradb, atraz do
pagoda assemblea.
E' urgente.
Na rua da Uniao n. 49 compra se um
lenco, coin labyriotho ou grade, obra muilo
boa, para uma encommenda.
Na rua da Uniao n. 49 precisa-se fal-
lar, a negocio de seu interesse, com a Sr.a
Anna Joaquina Theodora, viuva de Ma-
noel Jose" Tavares, a qual morou em fins do
anno de 1873 na rua Imperial; assim como
se deseja fallar, tambem a negocio de seu
interesse, com a Sr.a Maria Delphiua, viuva
de Jofio Baptista de Luna.
agua
DE
MURRAY tv L1\M1\.
Uma pura distillagao das mais raras fL,
rt* dos tropicos. Conte'm, para assim ai-
zer, quasi o oddr odorifero das flores do
tropico da America, e sua fragancia e* quas
iuexhausta ainda mesmo por continuada
c/aporacSo e diffusao. N'este respeito t
iicomparavel a qualquer outro perfume
qne ha de veiula para :
UESMAIOS, ATAQUES NERVOSOS, DOR
DE CABECA, DEBILIDADE E
HYSTERICOS.
& um certo e ligeiro allivio. Com o bom
oh, tern conservado sua influencia para
cima de vinte e cinco annos sobre todos os
Ferfumes, nas Indias Occidentaes, Cuba,
Mexico, America Central, e do Sul e t\6s
,om toda a confian^a o recommendamos
como um artigo, pelo seu aroma muito de-
ticado, riqueza de odor c permanencia, nao
pode ser igualado. Tambem faz remover
da pelle:
ASPEREZAS, EMPOLAS,
QUEIMADURAS DO SOL,
SARDAS, E BORBLLHAS.
Sendo rcduzida com agua, se torna uma
excellente mistura para banhar a pelle,
dando um aroseado e cdr clara a complei-
jao nublada, sendo applicada depois d
barbear, evita a irritagao que geralmentt
occorre, assim como tambem garganteando-
se, o cheiro do cigarro desapparece, e me-
lbora a condicao dos dentes e gengivas.
Como ha muitas imitates, as quaes nao
possuem nenhumas d'estas propriedades,
deve-se tomar cuidado e contar s6mente o
o famoso perfume j cosmetico do sul da
America, cham
AGIA FLORIDA
DE
HURRAY fc UAVH.l.V
ivj acha a" venda em todos odrogu
perfumari as da moda.
sXi]spXi\MOiA
DE
RBISTOL
ESSENCE CONCEMTRABA
DE
ARISTIDE SA1SSET E. J. SOOM
Tratamento puramenie vegetal vefdadeiro puriScador do sangue. sem mercurio.
A Bsaearla de Caroba e um remedio hoje reconhecido como nm poderoso depu/a-
tivo e especial para cura de lodaa as moles lias que teem a sua origem aa imparesa do sangue,
como sejam : as mtlestias SYr-mLiTicAS, Boubaticas Escrofilosas, hheumatisho, Empinghis, Eas-
tros, Ulcbras, Erlp?5ks, etc. aia
Os prodigiosos elTeitos qne tern produzi o a Estteacia de Caroba, por toda pane
onde ella tern siao apropriadamente experimentada. a tem feito adoptar como um doe medkamsft-
tos mais segnros e mais energicos par* a eura de todas as molestias de natoreza fypniJItica e
boubatica.
A cada fraseo acompanba uma instrnecio para a maneira de nsar. *
Pomada anli-darlrosa
Contra as affecooes cotaneas, danhros, comichdes, etc., etc.
I'ngueulo dc lanilia
Para cura das boubas, nlceras, chagas antigas, etc.. etc.
UN1CAMENTE PREPARADO POR
ROnODAYROL IRHAUS, SDCCESSORES
Bolica Franeeza
22- -Rua do Bom Jesus 22
AMIGA RUA DA CRUZ )
3
PREPARADO POR
. BARTHOLOMEO & C.
Pharmaeeilieos da casa real de S. M. F. el-rei de Portugal
Premiados em diversas exposi^oes com o primeiro pre-
mio de sua classe.
0 xarope vegetal americano, garantido pubami nte vegetal, nao contem em sua composicao
umso atomo do ipio, e sim :6mente succos de plantas ndigenas, cujas propriedades btnelioas na
cura das molestias que pertencem aos orgaos da respiracao, tem sido observadas por longo tempo pe-
los medicos mais distinctos que ore^ommendam e prescrevem todos os dias no tratamento das bron-
cnites, tanto agudas como chronicas, asihma, tosses rcbe!des, escarros de sangue, pttysica no primeiro
grao e contra as irri!a>oes nervosas.
DEPfJSITO GERAL
34 Ruakirga do Rosario = 34
PfcRNAMBUi.0.
La faculdade de medicina de Paris, cavalheiro
da legiao de honra
UKIOA
SOBERANA E IIVFALi JVEL.
A bleunorriiagia, ou pargacao, e nma iullan.marao no c;,n
pane das vezes pela con mnaicaoao impura. Nao e uma affiet-ao
accidentes.-ecundarios. E" uma affeccio puramente Iccal. EflVctiv
muito lem sido applic do's interiormenu cor tra este mat, ties como a copah'iba, cubebas etc..
duzem effeito seoao eommnmcando as curinas algomas d;;B scat composieSee, que, pela ua i
atravez do canal, se toman, nma vedaddra InjeccSo.
Para que sera ateessario carrfgar o esimago crm e;s s preparajoes nauseabundas
da m iraI#cccasionada a major
:' lugar, como asyplis a
ii.t-L.il', os d edicamenUs que ha
nao i ro-
passagem
o repug-
. ,-----.. ....., ^...8. v. umuiv iiiu c.-s s prcnarai.oes
uantes ? para que e p eriso rat.gar os intestines com a sua aecao u ritante ? A resposta e simpki :=
^ae se tinha ainda descoberlo uma mistura que, inirodozida diierbmentc no
mos effeitos sem timer macs resultados.
Eslalos
para sorles, a 500 rs. o cento
Caxias n. 37, loja.
na rua Duque de
canal, pruduzisse osmes-
As irijecr.6es lao fa lada aie aqui, censecuem kzer parar \
purgacao, porcm pe a imiacao ccmccutiva que prcduam to canal, sao um- jnie-i? pirmsneDte cie
aperto, affeccao muito mais term-el qne o mat que se pretende enrar. Ei- aqni norque a maior pant
dos medicos, recusam, am ra;ao, de as emprf gar. v
Presentemei.te, este fundadotemor nao esisie. A injtc.ao que cos apresentamos ao publice,
qua conta dez annos de bons resultados nao im.rr. mpi os, nao e irritante. E' anti UleunorrhegicH
em toda a ester sao da palavra. Queremos dizer i a causa do m,.l, que ella destioe, decomponoo os
elementos da putgacao e tonifietndo a mucoza e as glandulas d'onde provem a sua origem. A. SUa
appl cagao nao e dolorsga, e se uma ligeiia impre sao se segue a sua intioduccao, essa impregsao
e depouca dura, esegue-lhe uma sensacao immedala e nao Cesafradavel 0 seu tratamento nao
pr- eiss de eenhum outro auxil ar para fazer ;.arar em muilo j-oi.co tempo as lurcacoes, ainda mais
rebeldes. *
Quasi tempre basla um so fraseo pa-a a cura, pois naj nos consta quo boavesie nure.-uao fue
resist sse ao emprego de dou-". "
SENHORAS
Ha muito tempoque asfluie- brancas, leneo iheas.cie. tem sido cmsideradas nas senhoras co-
mo causal, a coDstituicao anemica, que na lingnagem vulg r Ihes char am paliidas cures, quaudo el-
las sao ao conirano, a caus;. do enfnquerimenio e pobreza do ssngue. D'abi provem o erro que
mi.itos medicos commctlem ainda. de tratar do estado geral, em lugar docuidar do estado local, que e
a causa dos symptcmas t.eraes. Nay e lugar proprio este de traiaimos theoicau ente o facto que
avaaonos, mas icrednamos que basta aponta-lo para que,todo omodco consciencioso reconhe^a o
Grande feira
DE
mobilias, pianos, 1 lindo
guarda roupa, aparadores,
com pedra e sem ella, car-
teiras, bonitos quadros
douradosj com finas gra-
vura3, guarda louca, es-
tarrf- s paralivros, secreta-
iias de varios gostos, ob-
Um fogo inoffensivo, cbamado Voador, o qnal
depois de gyrar bastinte t mpn no chio, ergne-te
e perde-se no espaco, assim como lindissimas pis-
tolas de todas as cores, craveiros, rodinbas, etc.,
etc ; tudo preparado na antiga fabric* da viuva
RuQno, da estrada de Joao ae Barros : as pe*
soas qne quizerem faz r suas eneotnmendas. po-
dem leva-las ao armazem da bola amarella, hnica
ageneia dessa fabrica.
AO PUBUCO
0 supplicante qde teve honra de pnblicar do
Diario de Id do corrente. o festfjo qne costum*
fazer ama senbora, moradora na ma Imperial.
sendo o festejo feito por devocao, pedimos ao sup-
piu ante que nao continue a fallar, po s temo*
muilo qua uizer. Se o Exm. Sr. Dr. chefe de po-
licia e o Rvin. governador do bisp'ado quize.-sem
prohibir, nao preci.-ava o snpplicante ter digna
honra de fazer esta lembranca. Em quanlo elle
aiz.r que a devota fazia especnlacao em nome das
causas santas, para a praliea de itnmoralidade de
todo genero t! e nma grande ealuranla : por hora
ficamos aqui.
CURA OS CASOS MAIS DESESPERADOS
A SAFSAPARRILHA DE BRISTOL puri
fica a massa do sangue, expelle para fdr
todas as matcrias e fezes viciosas e impuras,
regula todas as secretes, d& vitalidade e
energia a todos os orgaos e di forca e vi-
gor ao systema afim de poder melhor resis
tir a todos os ataques da enfermidade. T
pois este um remedio constitutional. Ell>.
nunca distroe afim de poder curar ; porem
constantemente assistt a natureza. Portanti
em txlas as doencas constitucionties e em to-
das as molestias locaes dependent d'um es-
tado vicioso e imperfeito do systema em ge
ral, acbar-se-ba que a Salsaparrilha d>
Bristol e um remedio seguro e efficassissi
mo, possuindo inestimaveis e incontestaveu
vrtudes.
As curas milagrosas de
Hscrofulas,
Ulcoraa,
Chagaii antl^as,
ENFERMIDADES SYPHILI'i/CAS
ERYSIPELAS,
RHEIMATISMO,
NEVRALGIAS,
ESCOKBDTO,
ETC., ETC., ETC.,
que tem grangeado e dado o alto reuome
Salsaparrilha de Bristol
por todas as partes do universo, sao tio so
menle devidas i
affeccao. .Vis ccnvidamos a- pessoas que recirr nm a nos.-a injeccio, a servirem-se, de preferencia
a outra qua quer, da seringa direita, fo mada de um lubo de \iciro to qnal extrtmidade redonda
tem alguus onra>'os. Estas seringas tem sobre >s oolras a vantagem de abnr largamenle a vagita, e
por toda a mucoza em co: tacto cpm o flqmdo iniectado, ct ndijao indispensavel para a eura.
^Ua-nC"1>ore.s ^e ^^ ^a 1?sa jniecc^o lancadas n'nma quantidade d'agua sufflcieule para ea-
tacto
a seringa, hastam para uma injeccio, que Jleve ser repetida ties vezes por dia.
A nossn tnjeccuo6 propliylalica, isto e, owta o mal. Uma so inieccao basta, depois de '-
suspe.to, para por ao abrigo de todo o rec iode doenca.
m ?on-
neii^a.
DEPCSITC SJOB^ASIL
; BARTHOLOMEO k C.
34 = Rua larga do Rosario=34
PEnMMBOCO.
A influencia que tem oa principle* reainosos do
pinheiro maritimo sobre o pulm&o em todoe ob
graos da tisioa, he tao raaraviihosa, que a medlda
;ue desenvolve-se a sua accSo, ve-se por assim
!izer o doente voltar A vida.
Nosso xarope fahricado com seiva do pinheiro
recolhida logo ao sahlr da arvore, contdm oe priiH
ronnu-i c'P'os.r68'"0908 com toda a sua energia e pureza .
UtM.y,LIITICOHiB0RDKOS3 eu elfelto he pois lmraedlato e soguro co^trToB
_ ^^^^^^^^^^^^^"^^ defluxos, catarrho pulmonar, rouanidfles
zi>iCA e em geral contra.todas as molestias do peito, qualquer que seja o aeu estado.
CIGARROS INDIOS
DE CANNABIS INDIGA
de GRIMAULT e C, pharmaceuticos em PARIS.
, Jn^lnL^&^H'T emPrga(lo8 hoje para aliviar da asthma e das raolastias das vias
. .P._ j". tod08 Pr base SUB8TANCIA8 toxicas que deixSo um trrande peso no cerebro
e alem disto sao sumamente pernicioaas a inle.ligencia e a saude em geral.
Ali propriedades do pnncipio activo do cmhamo de Bengala quo contem nossos otearros
sao tao admiraveis, que apenas se respira a'gumr fumaca, nota-se logo uma grande facili-
aaae em respirar, menor oppresslo, era uma | alavra um alivJo rtpido, completo e inoffenslvo.
poitjue os nossos cigarros nao contem nenhum pn" icipio toxico. Sao pois estes cigarros o unico
remedio certo que se possa acconselhar com com" nc contra a asthma, catarrho* pulmo-
nar, nevroses, laryngite e em geral contra to.', s as molestias das vias resplratorlas.
Deposltos em Pernambuco : FERREIRA t IA C'; M,-A. BARJ0ZA. e nas prin.
apaes pharraacias de Portugal e Jo Braz.l.
1


'
I
t
i

1


k
T
Diano do pernambueo Sabbado 20 tie Junho de 1874.
\
o 4tcto, crioalo, do eor pwta, lem 22
Made, tonco mats ou meoos, de esta-
, mio tea bar Da, tern as costas corta.-
i atifoa castigat qoe seaYeo, lem sido vis to
as bandas da Encrnzilhada, Beb^Voe 5 no
: roga-j. todas as antorid.d-* e oaplties
-p a *u apprehensio, e tw^tte-lo \ rui
. Si, cpx t*j gwfwosere recompeu-
S. CARLOS
oiiimdMi o engeako & Carlos, em
correnie, com todas as obras
to de eonservaeao, e moHo bom
a tratar na travessa da ma Duque de Ca-
ll, t. I* atdar, com Gabriel Antonio de Castro
f C0MSULTQB1Q
MEDICO-CIRURGICO
_ DO fe
Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso I
PARTEIRO K OPERADOB *
> VlacHde ale Albnqner-j
nae .
ESPECIALIDADE
das 7 is 10 horas da ma-
dwwdiaa.
i ta da write, na* segundas, qnar-
WHtM haras.
i maDdarem os seas cha-
at 10 horas da ma-
i em suas casas.
juton das rums
* V'encora n. s (Capunga)
ceiecla e de umbigo enxerttdas a 3d
sapoteiros em vasoa, de i a 11
e at* ja com floras para dar fructo, alem
segnrates plan us de ornato e de fructo por
commodo.
Laranja cravo.
Dita de doce do Pan.
Diu branca.
Dita tanjeriaa.
Lima da Persia.
Dita de nmbigo.
Limao francez.
Dito doce, enxertade.
Oitiooro.
Palneira imperial.
Parreiras.
Pinbeiras.
Romeiras.
laranja. Rozeiras.
da China. Roteda.
eeo. Ubaia.
e ootras mrMas.
plantas : na Capunga a roa d a Ven-
15.
ape.
do priacipe.
da India.
Para a boa conseiracao
VOSSOCA BELLO
E! e am preventivo seguro e certo contra
a calvice.
3Ie 6i e restaura forca e sanidade & pelle d
cabeca.
' 3e de prompto faz cessar a queda prema-
ture dos cabelles.
FUe da" grande riqueza de lustre aos ca-
bellos.
FJle doma e faz preservar os cabellos, eir
qiialqner forma ou posicSo que se dese-
je, n'um estado formoso, liso e macio.
Ole faz crescer os cabellos bastos e compri-
OS.O
File conserva a pelle e o casco da cabec,a
limpo e livre de toda a especie de caspa.
Ole previne os cabellos de se tornarem bran-
cos.
Ole conserva a cabeca n'um estado de fres-
cura refrigerante e agradavel.
Ole n*o e demasiadamente oleoso, gordu
rent 9 ou pegadico.
Ole nao deixa o menor chciro desagrad
vel.
Ole 6 o melhar artigo para os cabellos das
cruncas.
Be e o melhor e o mais aprnsivel artigr
para a boa conservacao e arranjo dos ca-
bellos das senhoras.
Ole e o irVm artigo proprio para o pentea-
do dos cabellos e barbas dos senhores.
VF.MllM TOL'CADOR DE SENHORA SE
PODECONS1DERAR COMO COM-
PLETOSEMO
T0KIG0 ORIENTAL
> DB .1 presenra, limpa, fortifica eaformosea
O CABELLO.
Aeha-se A venda nos estabclecimcntos de
d. Forster & C, agentes. E em todas as
principles loia de perfumarias e boticas.
Grande fabrico demarmore
de Belvoys & Sampans
(Jura) Franca
Esta grande fabr ea executa qualquer encom-
eaila deste genero, como sejam : oraamentos,
ranaanV'. bakoes e ladrilhos de qualquer nato-
nza e desaobo : os concurrences deste genero po-
dnio ver, precos mrrcntes, explic coes e dese
ato, e as encommenda-i a 4ratar em cat-a de Kel-
t A; C, roa do Bom Jesus n. 53.
AVISO.
Nao se pretfando o peaarno cspar.; <*$ wv.ntw
n. 10 A, a rua da Maire oe Oaos.. ,iar* um kbatfr J
ci'lo depoffto das dlvp'as tii'.eas fjimi), |U8 o
at) ixo assignaito j-l-nejava >r, vti-<>c J'ora bap
dianle abt-no. "|tro ? ?iton.''jCtil') sob a rii^int
den' minav-to '
AllH;XB 00 KI'MO
V iua i*u A;EfiTu com todas as proporofes desejaJ.is, e node pode-
rto os senhores trefueies dlngir se, certos de qne,
como ate aqui, ch>rao sempre a par da modici
dade do preens, a malor sin':eridade possivel. Eo
ire as diflercntes marcas de fumo da Bahia e Rfo
de Janeiro, que tem sido annunciadas, acaba de
chegtr uma enaommeada especial, que muito deve
cobvir ao senhoreg fregueics. Conscie. le o abai
xo assignado de que neste genero de negocio nao
esti sem competidores, fari_ muito por evitar que
tambem o> teoba com relac,ao ao pequeno lucro
aorocurara obter da dita mercadoria.
Jose Demingues do Carmo e Silva.
ESGOMaDEIRA.
Lova se, e engoma se, com perfolfJO a
rua do Kogueira n. 18.
PIANOS.
0 Monte Lima
tem um oompleto sortimento de gallo e franjas de
ouro prara verdadeiros de todis as largoras,
abotoaderai douradas para olllciaes, canutilnos e
enfeites para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer far d amen to, como se)a : bonets,
talias, pastas, espadas, dragonas, charlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e duuradas para criado,
etc, asshn eomo, um completo sortimento de fran-
jas, galao fatso para ornameoto, eordao de la com
borla para quadros e espelnos (conforme o gosto
da eneommenda) tudo por muito menos preco que
en ontra qualquer parte : na praca da Indepen-
denda n. 17, junto a loja do Sr..Arantes._______
inui
FRANCESES
Vinho de tptlaino do Dr. Uroute. -
Este vinho preparado com optimo vinho de
Malaga e o melhor de todos os tonicos reconsti-
tnintes na convalescenca das molestias graves, e
se recommeoda para a cura dos padecimentos
do estomago e intestinos, febres de toda a espe-
cie, com o caracter intermitteute.
Vinho e varopp de lacto phosphato
de eat de Dr. LecoateRecommen-
dado pelos medicos como o melhor agente re-
coastfcuinte para favorecer a nutricio, a for-
macao dos ossos nas criangas e enriquecer o
saagve.
Vinlrat de Boldo e elixlr.da mesma
Itnla preparado por Fri mnu 11.
As folhas do buldo sao empregadas no Chile
-como remedio domestico, moito efflcaz, para a
cura dos padecimentos do iigado, de que e o
antidoto, como o quioino e das febres.
Vinho e elixir de :nio da Bolivia,
de Ctrimanli.Tonico fortiGrante, diges-
tivo e reparador das lorcas exhanridas.
Vinho de quina ferraginoso de Cirl-
niault. -i reparado com vinho de Malaga e
pyrophosphato de ferro o soda, cunstitue um
precioso agente therapeutico para a cura da
Chlorou, dos paHecimentos do estomago, po-
breza de sangne, chlorose e as diversas moles-
tias das senhnras.
Xorope de ebloral hydratado do Dr.
Iioronfe.- Os medicos aconselham com
successo contra a gota, as aphaigias, vertigens,
hystona, insomnia, epilepsia, nevralgias, tosse
asthmatica, coquelnche, etc
Creme de ftismutho de Cirimault.
Contra as gastrites, diarrheas, gas tralgias, dy-
senteria.
Xarope de bromurelo de polasaa de
t.rim;i(iii. a nil n-rvoso o appllcado com
opurao resultado no tratamento da gota e-rbeu-
matismo.
inga da India de Grimanll. Cura ins-
lantemente as (-nxaque:as, dores de cabeca,
nevralgias e dyarrheas.
Ferro de fiirard.Proloxoto de ferro. 0
melhor de todos os preparados de ferro para o
tratamento das molestias que reclamam e-ie
apente therapeutico.
Patilhasdemannlta clcCirinaanlt.
Empregam se como laxativas e purgativas
eontra.os catarrhos mucosos, falta de appetite,
catarrho pulmonar.
Oleo de flgado lie bacalhaO, ferru.
ginoso, de Crimauil.E' um meaica-
mento de uma efllcacia constante contra a
chlorose, pallidas cores, anemia, phtysica, todas
as molestias dos pulmo-s, lymphatismo, es
crofulas, etc.
PO ferro manganieo de Burin du
BiiisHon. Agradavel ao tomarse, dotado
de propriedade digestivas mui activas, e o re-
medio por exctlleucia, na leuchorrea, anemia,
gast algi etc.
Pagtilha de lactnto !e ferro de Bit-
rin da Biiissnii. Digestivas e optimas
no tratamemo das menstruacfies difflceis.flores
brancas e ti das a> affeccSes nervosas do tubo
digestlvo.
C'lj ronina Sccltcl. Lininiento muilo su-
l.enor aos cerotos, pomadas o unyuentos para a
cura das ulceraa e feridis de toda a especie.
C'npaulas de "prol de Ciriniaalt.
Sao reconnnendadas pelos niedicos para rean-
lansar a niun^truafao prevenir as colicas.dissi-
par as do es dos rins e aioda para as febres
inttermi'.entes rebeldcs.
Pilulas de podophylina de Ciri-
nauif. Para a cura Ue todas as molestias
do fiado, para combater as prisSes de venire
rebeldes, etc.
DEl'OSITO
NA
PHARMACIA
E
DE
omen
DROGARIA
n
34 RUA LA RCA DO R0SAR1O 34
Na rua Nova n. ."0, primeiro andar, n?ua
thesouraria das loterias, precisa-se alugar um
criado para casa de fat ilia
Candida Maria do Nascimento de.-eja muito
fallar com sua mauaFelippa Jaeob do Nascimento,
no becco do Torres.
CHABLE
36, Rua Vivienne, jy
IEMC1S SfBCIU
DEPURATIF
SAIVG
>nMiHD>i ioub is arnocoM
c T-mr*< mmya bo saimm.
I to.000 curu dM impim-
I lem.puslulas, herpti,
I I inonia, e allerf o, vi-
____________IrioMi do tongue, vt-
rm. our ... 'in ao *mng%e- (Xarope vegetal
n*Va>crir*llT*> frfeUei
tomao-se dous por
fiiii traeumenio DepuraUv* : 4
~~> imiiw BWlestiii.
| Este Xarope Gitraeto da
|rerro de CHABLE, eon
iraoe'diitamenie qual-
jwr wtmcm, rtla-
Tttfao, iebilidad*,
- jiuxot e Moms brancas das
- Eata iniece** beaiCDa empragaaM
it Citracto d* ferrm.
HinPaandaqlacBraamaaJaa.
PLUS OE
COPAHU
POHAOA ANTIHERPETICA
as tftcfesntfaneai t ttmixeet.
. VECETAES DEPURATIVAS
>!. eada frateo vrai aeeunpahadf
WN A08 SR8. MEDICOS.
Sirop du
FORGET
Corm
tmfthteku, irrHmct-
*>Mi;lM(aM
I Ml Para, i
bepositu botca Franutsza
22 Rna daGniz 22
).\ula particular de iiislrnecoo;
eleicnlr
Para o sexo feminino
A professora, infra assignada, tendo-
se habilitado na for ma da lei, pretende
no dia 8 deste mez abrir a sua aula par-
ticular na rua do Marouez do Herval, ou-
tr'ora da Cone rcii.i n. 139, onde pode-
ra ser procurada ; as alumnas, alem de
se iustrnirem nas materias que consti-
tuem a mstruc^ao eicmentar, se habilita-
rao na arte de agulha, bordados de todas
as especies, obras de li e de flores, me-
diante gratificacao razoavel.
S. Jose, 6 de junho de 187&.
Esmcnia Jenuina Dias.
Aluga-se uma boa casa com excel'pn'.es com-
modos a rua do Coronpl feuassuna n. 169 : a ira-
ar na mesma rua n. 171.
.Vcabatn de rliegar muito bons piari'-e fortes de
legantes niodelios. dfs ma; notaveis e bfm eo
nneeldu* '^briw.iesj tomo sejam : Alph>ne Bi
loa^l, Hcr.ry liers e Pleyel W.dff 4 C. : no Van*:
France*, aua do Itaiao da Victoria, oult'ori No-
va n. 7. prcc/'s muilo cuininodua.
Perfiimarias.
Finn- extractos, banhas, oleos, opiata e pus den-
iriNce, agua de flnr de laranja, agua de totlete,
divina, florida, lavande, pos de arroi, sabonetes,
crosmeticos, mnitos artigo delicados em perfnma
ria para presentes em frascos de extractos, eaixl-
nhas sorlid&s e garrafas de aifferentes tanwnbos
J'agufa de Cologne, ludo de primeira qualidade
dos bem conbecidos fabricantes Piver e Coudrav,
No armazem do Vapor Francez, 4 rua do Barao
da Victoria, ontr'ora Nova- n. 7.
Quinquilharias.
Artlgoa de ilifTerentea fgrnrntmrn e
thaBtaalaaa.
Espelhos, leques, Invas, joias d'ouro, teeourinbaa,
de memnas, ,M'w'***AA*AilUal t pr lrr madeira.
* ptUote. garantidu.
dita de eouro, e cestinbas para braces de roeamas,
chicotes, bengalas, culo, pendnei, ponteiras para
charutos e cigarros, eacovas, pantos, carteirinba de
madreperola, tapete para lanternas, malas, bolsaa
de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
pos, lanternas magicas.cosmoramas, jogos da gloria,
de damaa, de hagatella, quadros eon paisagens
globos de panel para illuminacoes, mi chile de
faier cafe, etpanadores de palhas, realejos de rete,
accordaos, carrinhos, e bercos para criaaeas, e
outras muitas qninquilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode deaejar de to
dos os brinquedos fabricados em differnles partes
da Enropa, para entretimentos das crianeaa, tudo
a preQos mars resumidos que e peeaivel: no ar-
mazem do Vapor Francez, rua do Bario da Vic-
toria outr'ora Nova n. 7.
Calcadd francez
A 9$
Botinas para homem
Acabam de cheear grandes jacturas de botinas
de bezerre, de cordavao, de pelica. de daraqoe
com biqneira, de bezerro com botSes, e eom ilho-
zes a 9$000 (a escolber) por ter vindo grande
quantidade por eonta e ordem dot fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, 4 rna do Barao dt
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores, diflerentes
lisas, enteitadas e bordadas.
SAPATINHOS de pnantasia com salto, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de tranca.
Para menlnas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes..
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
BOTINADOS e sapatSes, de bezerro, de deversas
qualidades.
SAPATOS de tranca.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Guilherme, penir
meias perneiras para homens, e meias perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rna do Barao
da Victoria b. 7.
Para noite de S. Joao.
Sortes francezas muito interessantes, hoje adop-
tadas nas melbores reunioes de lamilias.
RalOes aereostaticos de 8 a 10 palmos, para sol-
tar se facilmente com espirito de vinho.
(jlobos de panel de cores para illuminates :
vendese tudo muito barato, no armazem do va-
por francez, rua Nova n. 7.
Aii publico.
Os abaixo assignados previnem a quern interes-
sar possd, que niogueni faca negocio com n so-
brado da rua da Cruz do Recife n. 61, boje na
posse illegal do Sr. Ppreira de v.ello, visto ser dito
predio, por K-tampnto de si^u fallecido pai, Jose
i.aeiano Martins dos Santos, propriedade dos filhos
mennri's nesta epoca, como se pflde ver no carlo-
no du Sr. escnvao Brito, os quaes eram Jenuiao
e Floriana, ambos educados na cidade de Olinda,
e hoje' moradores a rua dos Pescadores n. 13,
freguezia de S. Jose, e que na ignorancia complela
de seus bens, eram repotadoj ausentes, pelo qu--
seu caridoso tutor Jaeintbo Silvestre Vicente veu -
deu-o ou fez vendido ao Sr. Pereira de Melh.
Jen'iino Pedro dos Santos.
Floriaoa Monica dos Santos.
Alegria sextupla:
Comer e beber,
Sortes tirar,
Fogos soltar,
E' ter prazer!
Mauifestacao franca
t
Dos acepipes ossabores,
Dos vinhos as alegrias,
Dos fogos as lindascores,
Do3 s-ntos os qnatro-dias:
E' um imm?a?o prazer
Que todos devem gozar,
Sem ter med j de peccar
E de ao inferno irem ter 1
Exposigao todo dia !
Entrada gratis e 8gua fria !
Vantgem ext"aordinac
2u OjO ii dinheiro
Realidade:
Venham ver se querem crer
A verdade do exposlo,
Quem n2o vier nio tem gosto
E tristeza ha de soffrer ;
Pois b facto : esta provado
Do Campos a ge: al fama
Ds vender bom e barato
Como se v<5 do programma I
Liberdade deescolha I
Igualdade nas qualidades !
Fraternldade nos-precos I
FUNDICAO DO BOWMAN
RUA DO BRDH I. 52
(Passando o chafariV.)
VF.DKJi *'iS W!"m d fo? uho e .'.,itr s ^r.clore*. aftsprtyti rr fctaiitno o Is'.jt -io uma vuiu a sea wubtieciaientj, ir wiia o u -o eonimu;i
onplat j qoe abi tem; seado todo iopriur em qoklidide e (ortidio; o qne can t ins
*I0 paiaoal poda-M veriflcar.
ESPBCIAL ATTENCAO AO NCMERO E LuGAR DE SUA FUNDigAO
7anorfti A rniina r^'acrnft do8^oai8 moJefQO yt<"naa eem u
1 V rOUOB (1 ttgUll manhos convenientei para at diveraa*
irenmsunciaa dot aenhorei proprietaries e para descarofar algodio.
W06Hd&S dft Oaniia de.tod08 0I {afnanh08, as'meltiorei qoe aqa:
Sodas dentadas p^e'>e'ap<>p-
raixas ie ferro fundido, batido e de oobre.
ilambiques e fandos de alambiques.
,v^ii%
Podendo'todos
ser movidoa a mio
'por agaa, vapor,
ou animaas.
TodaS at machinaS P^'^qoe aacoammapreciaar
?ai qualquer concerte d8 m,chifliMno' p1*^ "rMQmid0-
POjTUiaS dfl ffltTO tem melQOre< e miii b,r,U8 existantes no mer-
H!t1 Afimmanitaa Incombe-ie de mandar vir qaalqoer machioiamo i vod-
auuuiiUUOUUaaae ll(je ,jol clieates, lembrando-lhea a vaotagem de fawsrem
naa compru por intermedio de peaaoa entendlda, e qoe em qnilqner necestidade p6dc
las presUr anxilio.
Irados americanos iM,ro,nenu>- -w-
RUA DO BRUM N.
PASSANDO O CHAFARIZ
ODILON DUARTE k IRMAO
CABELLEIREIROS
Premiados na;exposicao de 1872
24-Rui do Marquez de Olinda-24
Eaqulna do becco Largo
Participa a sens fn-gnezes e amigos que mudou
o sen estabelecimento de relojoe ro para a mesma
rna n. 24, onde enconlrarlo um grande sortimento
de relogics de parede, americanos, e oima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios de
algibeira, de todas as qualida' t, patenle sniaso,
de ouro e prata dourada, foleado (plaqnet), relo-
gios de onro, inglez, descuherto, dos melhores
fabricantes, cadeia de ouro, plaqnet e prata. lunetrs
de tods as qualidades, tndo per precis muito ba-
ratos.
L0J\ DO PASSO
RUA *^ >M
aa!
I
IMPERATRII
N..82]
[Um ANDAR.
cvM\HCI.4/">
j------JBf.
RL'A
DA
h
^K^h

IMPERATR1Z
N. *82
1." ANDAR.
Attraccao!
Pyrotechnia I
Gastronomia I
28 Rua do Imperador 28
Armaiem do Campos
Extasis maravilbosos 1
Sorpreza e prazer
Ver para crer
Santo Antonio
S. Joao
S. Pedro
Sant'Anna.
Fogos:
Fabricantes peritos 1
Cores cambiantes 1
Vistas rntilantps I
Effeitos prodigiosos I
Resultados inoffensivos I
Prejos diminutos I
Generos:
Qualidades superiores I
Sabores agradaveis I
Cheiros embriagantes I
Propriedades excitantes
Influencias nutrientes f
Preco; resnmidos I
Importacao directa!
Variedade ecmpleta I
Verdade 1
Sinceridade I
Especialidades I
Raridades I
Cheshire condensed Milk.
Leite condensa^o oovo.
Cerveja de Noruega.
Keller & C.
Acabam de reformer o seu estabelecimento, colkrcando-o'nas'mclbores con-
dic$5es possiveis de bem servir ao publico deste illustre capital, e ds Exmas. Sras. n'a-
quillo qne for tendente a arte de cabelleireiro. ,
Fazem-se cabelleiras taato para homens como para senhoras, tupete, chignon,
coqoes modernissimos, trancas, cachepeign, tecidos, desenbos em cabellos, quadros tu-
molares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho im8ginavel em cabello.
0 estebelecimento edha-se provido do que ba de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europe, as suas encommendas e 8gu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 /<> nienos que outro qualquer, garantindo
perfeicSo no trabalho, agrado, sinceridade e pre$o razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
por^So-e a retalho e todos os utensilios pertencentes A arte de cabelleireiro.
IViBMAGIA NORMAL
DE
Gordciro Simocs A .
Acabam do receber pelo vapor Mendoza :
Riquisfimos cortes de gorgurao de seda lisos e
com lislras acbamalotadas.
Ditos de linho para veslidos, cont9ndo cada cor-
te, o necessario para sen t-nfeile, como seja :
franjas, trancas, totSes, fivellas, etc
Riquissimos chapeos para senhora, ultima moda,
a rua Primeiro de Marco n. 7 A-
3Q!s^QOi|K^^iX3t5 m
% Consultorio medico 8
* DO \j-
% Dr. 19urilIo. %
RUA DA CRUZ N. 26, 2.' ANDAR, Jf
Recem-chegado da Eurepa, onde fre- H
quentou os hospitaes de Paris e Londres, Ci
pode ser procurado a qualquer hora do rj
dia ou da noite para objecto de sua pro- f^
fissao. rj
Consultas das 6 horas da manba as 8 to* Q
ras, e do nieio dia as duas da tarde. j
'ff. Gratis aos pobres. )S
V ESPECIALIDADES. sfy
Q Molestias de senhoras, da pelle e -o. fy
\d crianca. 'jf,-
fi
Graiifica se a quem levar nas offohsas, oa fler
noticia cerla 'e uma trouxa de rocpa que desap-
pareseu no dia 22 do coi rente, da .staclo daSo-
ledade.
IS
DE
17
s
17Largo do Mercado Fublico
(A illicit ribeira d *. Jest',)
Acaba de ser aberta e acha-se a dispositjao do respeitavel publico esta nova phar-
macia e drogaria, completamente provida do indispenssvel a um estabelecimento dessa na-
tureza. sera exceocao de productos cbimicos e medicamentos preparados no estran-

tureza, sera excepcao de proauctos cuiraicos e meaicamemos prepa
trangeiro, tudo novo e o melbor possivel.
As receitas dos Srs. medicos serao sempre despachadas com a mais seria atten;ao,
e sempre sob as vistas do pharmaceutico que corapoe a nossa firma social.
As pessoas quese dignarem de honrar o nosso esatbelecimento com a sua conflan-
ca, podem estar certas de que serao constienciosamente senidas, nao so relativamente ao
que pedirem, como tambem a modicidade do? precos.
m>

CabeTleireiro francez
Rua do Marquez de Olinda n. 51
1. ANDAR.
Pedro Routier, official de cabelleireiro e gerente da casa de Gustave Hervelin, cabel-
leireiro francez; tem a honra de prevenir As Exms. Srs. familins que araba tie fazera ac-
quisigao de um perito official vindo ha pouco de Paris, o quol esta" bfbilitodo a desem-
peshar qualqier encommenda de sua arte, e se acba & disposigSo das pessoes que deseu
nrestimo se qneiram utilisar. Outro sim scienlifica que vm sen estpbi lecimrnto Pncon-
trarao sempre a Monitor dos cabelleit eir os, onde seacbam descriptos e desenbados todos
os penteados modernos, para soires, casamenlos, bailes etc.
Finalmente previne is raesmas excellentissimas senhoras, que ref ben um completo
sortimento de coques, cacbepsines, bandos, crescentes, etc., e vemle tudo pelos precos
abaixo mencionados:
Coque de cabello de 15?, -106 a :>0>u00.
Traojas de dito 10, i28 18 a 20S0( 0.
Cachepaine de dito 15, -2Q& a 30,5000.
Crescentes de dito 2C#, a 50$OCO.
rambem trcontrarSo um completo sortimento recebido ba pcoco, de cabellos de todas
as cores e comprimento.
N. 51.dlua do Marquez de OlindaN. 51.
p. n \ ,,,
* && l* \Jt i". is \i -m _
a casa terrea n 1 S3, na rna Vidal de Negi
outr'ora Imperial, com excellcntts commodos : a
tratar na rua Marquez de Olinda, at mazem nu-
mero ->'.
--.-- i
. i. ...,.
T|"fT* I '




.
Natravessa aa run
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de 01 "Q, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quatitia.
Na mesma ca sa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Cast.
Alugam-se
Aluga-se a ca& a. 149, perto da estec^ do Ca-
minlio Novo, na Soledade, com quintal e com-
modos para grande familia ; a chave esta junto
da casa n. 153 : a tratar no Recife, rua da Ca-
deia n. 3.
os armazens da travessa dos Exposlo* n. 18, e da
rua de Barreto do Menezes n. 8, aotiga rua da Ca-
cimbi : a tratar com o ministn. da ordem terceira
do S. Franeisco, no consi-'.orio da mesma ordem.
Aluga-se
o armazem e 3* andar com sotao, sito a rna da
Praia n. 59, tendo bastantes commodoi, e pintado :
a tratar na rua do Vigano n. 31.
Refinacao
Casa para jilug-ar
Aluga-se nma casa na ertrada d i Fncanamento,
muito perto da estaca de ParnamHrim, com 2
salas' 4 quartos, cozinba fora, cacimba de muito
boa agua e grande terreno com alguns arvoredos
JOaqUim r alltmO ( aValCante <* fructo : a tratar na praca da Independencia n.
Precisa-se de'batedorcs de assucar e que enten
dam bem : na rua do Range! n. 43. ____
Uma pessoa que deseja ser util a Jo qoim Pau-
lino Cavalcante, que desta provincia sfguto para !
Santos, e foi eacontrado no Rij, Ihe ofl'erece .-eus
prestimos e ate mesmo os meios de voJia para esta
cidade, e pede qne se dirija em carta para a ly-
Sographia deste Diario, enderec^da av Dr. Febx
e Figueirda.
39, ou na rua da Uniao n. 35.
I!
Theatro Saul > Aoliinio.
Ainda esta para alugar a lo]a d" sobrado n
41 da rua do Rang?!, a qual tern armacSO e pi
ta-se para qnalqn :r i?ejgMio : a trsfr m srm :. iregar em sen armazem, na irivetss diiMadre de
andar do mesmo predi". Deos n. If. Recife, 17 de juaho i? 1874.
Jnao Tavares Cordeiro & C. rogam aos Srs.
eredores de Fellppe Santiago de Almeida qneiram
jpresontar a> suas cootas ate o dia 30 do corren-
% para serem eonferidsa e attendidas no raleio do
' qnido apurado na taverna do Sr Alri.eida^aen-
liVimv*
Ua mais de nm anuo- fugio desta cidade do Re-
cife, e se suppSa nella oieulto ou ter secnido
para a provincia da Parahyba, o escravo Jo?e, com
os signaes segnintes : e6r preta, de a tnra regu-
lar, com 25 annos de idade, pou-o mais ou menos,
0 artista Flavio Wa.ndeck, tendo encon'rado na tem falta de dentes na frente, sendc porem o >ig
maioria das pessoas que convidou para c -eu be- naTmais sensivel uni> excrescencia na palpebra
aeflcio, grande desejo de que este fosse no thea ro qne pareco cego d- um illiii : quem o capiurar,
Santo Antonio, resolven, com a acquiu cencla do traga-o a rua Direita o. U9, on da Sau ado n. 32
respectivo emprezario, leva-lo a effoito .i / accordo que sera generosamenle recompen.-adu peio seu
com os desejos de sens amigos e protert-res, o smhor, e protesta-se d>ntra quem o tiver occalto
goal tera lugar quintafeira 23 d eonvnte. I pelos prejuizos.
1501000.
ESCRAVA FDhIDa
FnRii) da casa deseu senbor e--:rava Felic.?,
de cor parda clara, cabellos corrides ate 03 hom-
hros, baua, cheia d corpo, rostoreaocao, falta
Ihe um dente do l.vlo direito, foi ac. narh.
p r um homem (praca de cavallaria)o q. Ise chft-
ma Frauci.-co dc lal Vasconcellos, tai .Iiem pa,
da mesma cor da escrava ; coasta teren -cu
para oseita, d.nde sao ambos natu' .es ?coc:-
meoda-se as autoridades o capitaes d^' 3
apprehensao de dita escrava, rci. a a
Camboa do Carmo n. 3.
AdUAS MINKHALS NtflY'\: .,
Virhy-Cussd
Hreferlveris as de Vic-liy-Vi<-:-y
por gi>re.7i as nnicas que conservarn to is as sras
propriedades depois de transportadss.
Fonte S. Marie, 6 a mais efflcaz na anemia, r ,
albuminaria, na chlorosis, no empohrPCimuuK ..
sangne, e nas febres intermittentes. Os resulted
obtidos nas diabetes sao muiti Bfltaveis.
Fonle Elisabeth, nao se alters nunca eta mais
rica das aguns de Vichy em bicaibonato de s. da
em magnesia e recommendada pelos senhores me
dicos pela sua efllcacia nos engorgitamentos do
figado, do baco, nas affecQoes do estomago, do
rins, da bexiga, nas areias e na gotta.
FXIJA SE
o nome da fonte na capsnla
Vende-se em caixas e a reulho, no unico de-
posito
MARVACtA AMERICANA
b!
Forrezra Ifasa AComuauliiu
57 RUA MTQUE DE CAXIAS 57
Na rua da Uniao, casa n 55, pr -;-a se aia-
d- v
gar uma preta flel para 0 service fr vendas. Na
mesma casa fazie bolos de toda a qualidade.
Aluga-se
uma casa com tret quartos e um pequeno sitio, na
Livre < u escrava >
PreciBa-se de uma ama para casa de daas pes-
soas, pMerindo-se eseava : na travessa dos Ex-
posto t n. 16, 1* andar.
- AInga se a casa da roa do Nascente n. 20 :
Usa Forte : a tratar na rna da Ponie-Velna no-' a tratar na rua Imperial n. 217; a dita casa tem
nwro 8*. iimodos para grande familia.
Antes decasar-se
AppareQa... lembre-se daquelle dinheiro que Ihe
emprestemos quando o senhor com o maior jesui-
tismc nos recurreu. Estou que Vrac. ou quer ver
o seu nome por extent ou espera que o mesmo
que o enpregou skj o caixeiro decobranga d.;=>e
dinheiro para enm aquelje que bate noB.. I E
om o maior cynismo ainda lazendo que os omros
g: stem o seu dinheiro 'naqudla lista....! e Vme.
nella assignado 111______________________
Alugua-se
uma casa terrea 4 roa de S. Joao n. 43, era es-
tado de asseio, com gaze carohrone : a tratar
em Fora de Portas, rua de S. Jorge, rasa n. t53.
j. andar.
Vende-se um lindo casal de pavSes, sendo o
macho todo branco, e a feinea raj iJa. Sao bo-
ituos I na rua das Calcadas n. 38.
Hixeiru
Quem prerisar de um menino ; \ caixeiro dc
qualquer um negoiii., I'lrlfc; se a raca da Boa-
Vista n. 8.


/
Gafifci de ?t*iatob*te< Sabbado 20
ude \MiC
,... /OB
Barte d Trfumpbo (rua digram) iW.O'
CARDOSO dfc IRMAO
O
* TS\M aos senhoras de engenh* s e outros agricultures e ao publico em geral q
2IXjL?!.,8i*^"?:.f_P.an^ e A.mericatod"8 ferr.gens a macbina 8 ne-
qwe tern vindo
4, 6, 8 e 10 catallos, os melhores, que tern rindo ao raera 'o
vapores. m<
i todctts
&I
,1i
gios
has
ostamanhoseqiattdades.. q oJbittetf fof>;

<..
roq
:
tv fit
; estabelecimantos agricolas, as raais mode nas e melhor ohra
a*> tmdo
V^>OreS de fore*
teiras ^ ^ sobresalente para
ldaf ^teiras e meias moendas, obta corao nunca aqoi yeio '
IS lUQdidaS e batidas, dos melhores fabricantes.
^ a agua com cabaje de ferro. fortes e bem aC8badas
ls dentadas do todOS
^.TSaOS de diversas qualidades.
ftdias para aSSUCar,^^ peqnenas.
Trandas dc ferro fundido, fr8nceias dediversos
tgoes frncezes
%>s ditos
para
pars mesa a banco,
para gelar ,'gua.
para bomba e banheiro.
ftrrtin ii.giezas P,ra mactlinis......
ifcos e sofas com tjras de madeira) para jardim
JOTtOS crtam com promptidao qualquer obra on mactmt
sua fabnea bem montada, com grajp.de e bom pessoal.
>miUCUdaS ma,ld"r' vir por encommendadaluropa, qnalquar mhinaan
- !~ n P3ra quese c"rrefpontfoin com uma respeHavoI casa de Londres
cs.nas. o se responsr.bihsarn pelo bom trabalho das mesmas
Parao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FFHD1CAO DE GA1DO80 rl Empnezadogaz
!1 t;* 'V'Mamio gat tem s honra de at
*
arnnneiar ao
publico que recebeu uhlmamente aw esplendido
sertimento de lustres de vidro, candielros, aran-
Moll
a dura
fura.
_ Vieira de _.
jscnvao na cidade de Nazareth desta prorineia,
favor de vir* mi Duqae de Caxias n. 36, a con-
cluir ao^eUo-aeajwio qua S. S. e fcoop.rwnetteu a
reausar, pela tereeira ciaraada deste joraaL em
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou a.ftwerelrotf abiUde 187?; e nada eowi'prio,
a por estencrtfrro e de novo chamado pare dito
anjppoisS. S. ie dare lemhrar que esta negocio
le mais de oito annos, e quando o Sr. seu tlAho it
aehava nesta eldndftT A PATOfTlM
------------
delas e gjDMSi cujas amostras eslao no escriptorio
, i rua dpfffi^arador n. 31, e gerio vendidos aos
l .sens freguezes pelopjego mai3 razoavefpoiaivel.
' Prccisa-so de Baa ama de loite, escrava ou
tivre ; na rua do Imperador n. 52, 2* andar.
>---------------------------------W,-----------------_--------------J---------------------------------------
Ama dp leite
Precisa se d* nma am de leite sue st-ja moca
ssiid.'asffi.swa?.das ,uteria3ja
a ij
)ore o Banco Lammgynb
e vitmnaiMtiM^aAD (M&&&S d
dades e villas de Bprtugal, & vista e a aran
.por todos os m**sb BBXLBl
^r tod plunf bU
e bonitos gostes.
psra lenba e carve*, ebra aaiperior.

para gaz.
*rros de ferro fundido
Ft de ferro
Miehina
Talvulas
ardim.
ait,-
t* '* m iai <
so qa tet

Cmlb^9loAftaJfihaaOa)llk
soh^ejo Banco C^mm^vitf
Preusa e alngar nmn ana para comprar e
ajwdar a eotfnh&r psrn ea?a de pouca famllia : a
. tratar na roa do Jmperador n. 30.
>i '.'*
Procisase de uraa para casa
de pequena familin : a rua
Duque de Caxia?, oulr'ora das
Cruzos, p. 8.
Preeisa-se alugar uma escrava para vender
narua : a traiar no beeco^cTos Ferreiros n. 5,
bairro da B.ia-Visia/- '
---------------------jm.+ ,,

i
Ama de leite.
- Pre.-isa ae floftiti'^iS* ?Uw i a traiar na rua do Jlcndego
QHjWJoi^de Jlvro* art pe do arco du San-
i
A.
Jtua dor'
11, ontr-of
*- Predsa.w do oma ama para o serrfeo inter-
do peqnena famitla : na rua Imperial n. 102.
7-'PKecJ?a se;,it>,oma ama.para
zmliar: na rua da Iri)p?ratriz n. 40, scgun!o an-
ar.
Precisa se qpmpra'r uma nogn'nba de a,
10 aootlfiSiliUii^scje sadia e sate
cios: quem tiver a quj^^nder dirija-se ao
8. apdarrit-sta typogr.ipbia para tratar.'
- Mi |ra alufar, i rua da Aurora n. Co, urn
avo, criqulo, mojo, muito robusto e habilita-
QnMiaa-ae cte uma para co-
zinliar, para ca.-a de familia,
pagase bem : a tratar na
WM.flD-Bospicto a. 4ft ca?a trr*a de bolas ama
rellas na cornija.
mo^o, muito
per^j^o.
ngei
iho
PrMisa-se de uma ama para
casa de nma peqoxna fami,;ia : a
rua Baque de Caxias n. 54.
-----T^____
Pie.ija-sc de uoja ama
forra ou mesmo escrava, que
sajba Iarar e engtmnrar : a
tratar n-. rua de Horta* n. 13, ou na rua Duqne
de Caxias u. 111. m '
Je uma an\a para c.-zinhar:
'iWs n. Ji.
Aluga-se
commodos, fr
pel e todo be
cozinh.i, salel
tal; na rua
sotSo com bona
(orradas de pa>
ndo 7 quarto^
3 salas e quitw
langel n.?3 | tratar na the-
sonraria das loterias, com *nto6iJos6 P.odrigucg
de Souza.
Aluga-se uma escrava :
Triumphs n. 70.
na rua do BarSo do
AVISO.

Euabaixo assignado fafo sciente ao resfieita
vel pablico,. com especialidade ao corpo do com-
mercio, que nesta Jata tentio justa e conlratada
a compra da taverna do Sr. Manoel Joaquim da
Costa Fames, sita a rua da Cpncordia n. Ill, 11
vre e desembaracada de qnatquer onus : e quem
se julgar com direito a mesma, appareca na praao
de tres dins, a contar da data deite.
Recife, 19 de junho ia 1874.
Manuel Francisco Lopes.
0 abaixo assignado, re.poude ao Kvojs. mu
radores no convento do Caruo deita eidaik. as-
sigaantes do lihello, e.-tampado ao Diario d htje,
que, elie senlo d.ismiolado, prineipalmente pelos
Srs. que o brinJaram ooni a Kiva, mosmo assim
tem sabilo a!^ o praianto omamartlar de aroma-i
ticas fl ires a sua vida publica e particular, cooKr
sacerdcte e como homam social, Us liulia- vem repellir energicamenle as MM aaser
cdes, assim como ;- ......ilmn'mwli iaair.
eslo procedimento.
Becjf*, 19 de junho de Mii.
Padre Severino ios6 Villa Jbm.
Epgeolo em Seriehaem.
Vende-ae doas partes dc
engeako Novo, eito na Ire-
guezia de Serinhaem, distan-
te daestacao de Gamelleira
3 legnas, rnoente e correlate,
que safru'a cejrca; |e ,^00
paes, com optiraas terras,
movido a agua e bem ofeii-
dOj por preeo commode.- a
tratar ooni Dr. Felix de Fi-
gueiroa, a rua das CalcaAs
5. li, u no -araeoal ie
guerra.
Engenbos em -JaEamam-
t^H^pmi
guape
Vendese os- 'gegelHfea':
Barrn. h auaiilf
oPtttrici
A tratar ca seus praprirtsrMs aeata c
para informac5es com kat+ma/Wnlo de
(toi Piho ea meson eidade de larnrn
_______ ^3flO-*BBa0B.*.
111 "*.'ti iiw wah."*1-1 u ..'^
gapr
Ami
Precis-a-s.
aa rv do I
H Rua do Imperador 49
S ?"" n""l melhor sortiraento de pianos dos mala afamados autores
He, rieyel, Flap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos sune^
Yeade-se oraaaeaho: Si Paritjo, situado na pro-
nocia de Alajoas, comarca do Porto Calvo, a
men.* ae um' legoa dlstanlo' do: porto de mar do"
Gameua, tem oxcelle'ntes terras, matas, e safreia
regularmente 2.CO0 pies : a tratar na rua do Vi-
gario n. 31.
X.i rua air|i cisa se de umyfrnf. Arna wKi de ami ama que saibabom
, a cozinjiar e lavar, para casa de pequena
familia : CJ^cQ-Pontas n. o'>.
'ada.los expressamento construir para este clima,
-los s6 encontrar.lo nesta casa.
qualidade de pianos supe-
o qua! os amadores dos
. ~ Aluga-ie 6 tekeiro andar do sobrado n. 43
a m do Barao ad Victoria, com grandes com-
modos : a. ,tra4ac aa loja. it ioias do mesrao pre-
dio.
C0WLT0B10
Mefico-cirureico
-r Atugase o priroeiro andar cto so ado n. 47
da. rua da Imperatriz : a tratar no segi:. lo andsr
fio mesrao ^otu-ade.
barr-se pianos usados em troca.
" ertam-se e afinam-se pianos,
bem avi^a-se aos Sr.s.
concertadores de pianos
-mpre o aws complcto sortimento de materiaos para concertar pianos, como
z, Mba par. os mes-nos, cravelhos, parafusos, castor, camuwT coTs
* 1. It
if
Jr1-

49
,i,
irooucozmheira.
'''' la Viet in 11. primeiro
inheiro on cozinheira.
rom ba?'antes com-
' G ivanna n. 61: a
... ..

i BA Nkm
AOS 4:000,?000.
Pr-- '' ;c ioutroraruo.d:
0 *s M do costume.
n lo vendido no3 9eus fe-
:ut :.-.) u. 797 com 4:000,5, urn
- Fuiio do engenho Ajudante, freguezia da Es-
cada, no anno de 1872, o escravo Guilherme. com
os signals seguintes : pardo, com idade de 23 an-
nog poucomaisou menos, al'.ura ecorp-- regular
olnos grandes, cabellos cachiado?, pe> compridos
e seccos, ro.-to comprido, alguns signaes de bar-
ba, nanz comprido enm tauto arqueado umas
sardas pelo rosto, faz algum movimento no andar
desconfia-se que esteja. na cidade da Parahyba
P.oga se as autoridades policiaes e capitals de
camps a apprehensao de dito escravo e -r en-
tregue ao seu senhnr Emilio Pereira de Aranio
30o!ooonh Ajl,dan,e> R rece'ierao per paga
DO
Dr. Jo8i- Felix da Cunha Me
nezes.
Medico operador.
RUA ESTREITA DO ROSARIO N. 3
Da congultas todos os dias das 9 ho-
>i ras da manhi as 4 da tarde, dessa hora
B,J em diante aeha-se prompto para qual-
^?J quer chamado, era casade sua residencia
igi a rua da Princeza Isabel n. 4, junto a
Mt estagao dos trilhos de Clinda.
($ Das 7 as 9 horas da m'anha da consul-
^B tas gratis aos pobres.
* ESPEC1ALIDADKS
M Molestias svphiliticas, viadigestiva c fe I
iii bres. I
\m&\
Pugfiara oo engenho Ajudar.te. n-. armode
1870, os escravos seguintes: |. Franeisc, crioulo,
preto, com idade de 28 annos p ucu mais ou m
j nos.altura regular, corpo regular. olli..s grandes
e brancos, dantes perfeio, cabfUos carapinhadJs,
pes grossos, barba a cavaignac, bigode e pera,
uma cicattiz por cima do olho esquerdo. muito
conversador e risoano. 3. Antoni ,' e .bra, com
idado de 23 annos pouco mais ou monos, alto,
secco, olhi graudes e vermelhos, peuca barba,
cabellos um Unto sottos, denies perfeitos, pes
compridos c seccos, ambos comprados ao Barao
de Nazareth. Roga-se portanto aos capitaes de
campo e as antoridades policiaes a capture dos
mesmos escravos, visto haver desconfian.:i que
estao occultos na conarca de Pajeu dc Flores,
ou Rio de S. Francisco, que terao a paga de 6GO3
a qnem os le\*ar ao seu senhor no engenho Aiu-
dante, ao Sr. Emilio Pereira de Aranjo.

AVISO
Precisa -e comprar dous escravos, pedreiru %
carapina, paga se bum : a tratar pa Ihaaoararia
das itmriaa, a rna Priraeira de Mary a- 6.
Compra-Si um Vade-mecum Ao Dr. Saliiuo, en
ARNAA.
I
!/*;rj*s.
Leite.
Leite de vacea e de cabra, tirade k vista jo
comprador : a rua do Marqaez de Herval, antiga
da Concordia, n. 64.
Vends-se na rua doCummercjo n. 4. cerveja
.Nitruega, marc a 11 L :
Bitter Augutura.
Rum de Jamaica.
Sa. rua da
Alug.-.ra-.e -duas casas reedilicadas, sendo
uma na rua Imperial n. 13, e outra na rua do Co-
ronel Suassuna n. 103 : a tratar na rua Direi a
numero 8.


a i < n
v.\c -e acaboo de extrahir
li ires a virem receber na
Ktomesein deseento algnm.
io os Mixes bilhetes garactidos
fias a benefleio da igreja
._ial.ii3r.s (IOi-): ipe ntrabira no

BUS) Of
* iiOOo
Ms-ionilae^ 2*.300
^a )a.;\o de 1009000 ?ara Cima.
Bilu'-l"' icteir ajgOH
bm li'het? 1^750
Kamoel Martina Fiuza.
Xa rua velha de Santa Rita n. 57, prccisa-se
7i0iS, dous m. ios n. 323 com j a'ogar uma preU para vender com taboleiro.
-310 com 100J, e outra* sortes '"MWBWIiJIWr1 ift*Wl|iWH1fl'l
O Or. Jose dos Anjo Vieira de
Am ri 111.
0 bacharel Miguel Bernardo Viei-
ra de Amorhi, seus tios, irmaos e
cuDhado, mandam celebrar missa9
de requiem por alma de seu falle-
cido pai, irm.no e 9ogro, 0 Dr. Jose
dos AnjAs Vieira de Amorim, no
dia 23 do corrente, anniversario
de seu fallecimento, pelas 7 1|2 boras da manha,
no convento do Carm>, p ra 0 que convidam aos
sen' amigos e aos quo foram daquelle, afim de
assistirem a esse acto de caridade, pelo que into
sincerauente agrad<>cidus.
LnlSo, armazem de molhadns n.
56, sa dire quem toma 2 300$ a premio de I OiO
ao mez, pagaudc -se aiguns mezes o juro adianta-
do, com hypotheca em uma casa torrea nesta ci-
dade, livre e desembaracada, e de maior valor ane
essa quantia.
Precisa-se do duas amas, uaa para comprar e
coz nhar, e ontra para engemmar, que sejam am-
bas peritas : quem quizer dirija-se ao lerceiro
andar desta typograhia, para tratar.
fcjscrava fugida
i r fugida desde 17 de maio do cor-
ecrava Maria, cor cab.a, idade 26
al
Ml regular, magra, tan todo3 os
10s >em faita algama, cabelhs carapi-
11 aexJga no rosto e tem um
um poaco grande e estnfado
-. pr le um aotrax que ella teve,
las : istas na altura das pas,
, e elli tem 0 vicio de
da chin clara e dous chales
>*odo u;i: nellw e ou'ro novo de cor encar-
r5es talvez ella diga em
parte qu- e-tiver qae e" forra e troque 0
tem uma irma mnlaia, escra-
Riar.- moralor em Tigipio, onde foi
a escrava Maria, qoe esta fugida ahi
k ii;-ar, consta quo algucm tem ella aeon-
n sido visia nas ruas desta cidade.
s as anturilaJes policiaes e capi-
apo que a capture e leve-a a rua da
20, qce se gratificara.
E
Kio Tapado
Alugam-se estas propriedades, sitnadas passan-
do Olinda, e antes de ehegar ao Rio Doce : a trao
tarcomoseo pronriacario. 0 oommendador Tass
Proleslo
0 abaixo assignado, senhor do engenho Piedade,
,IendoI1agora 9e5enc'* qe 0 negociante Joaquim
in Ramos, ao fugir de ta praca do-Recife, de"ra
ao abaixo assignado como devedor a casa, de
uma lettra no valor de 5:000^ e como tal na0 6
desde ja protesta ser falsa a dita lettra e declare
que ninguem faca negocio com ella, por nao ser
sua assignatura. Outio sim, que 0 mesmo Sr.
Ramos Ihe ficou ainda devenio a quantia de
988^837, fmportancia da' venda de 96 saccos com
assucar qua ao mesmo Sr. remettera, cujo pro-
ducto nao recebeu, tendo sido vc ndido 0 dito as-
sucar, como consta da conta de venda em poder
do abaixo assignado.
Riheira de Gititoha, 13 de junho de 187i.
Antonio ]<(> de Melln.
Para escriptorio
Alugase a sala da frenle e dous quartos do pri-
meiro andar do sobrado a rua do Imperador n
81 : a tratar no pavimento terreo do mesmo.
/;
1 17 di cunente 0 escravo Luciano,
id annos mais ou menos, cm
riiiDtes : allure regular, edr preta,
-, pes inchados, cheio do corpo,
: de algodao azul de listras :
) apjtrehender e o entregar ao seu
Antonio da Silva Bastos, a rua do
mj?'~- n- *8, sera recompensada.
Aluga-se 0 armazem n. 9 da rua da Moeda,
com boas accommodacSes para deposito de algo-
dio ou ouros quaesquer generos : a tratar a rua
da Madre de Dous n. 5, l. andar.
Desappareceu.
Uma cabra preu com a barriga branca, mocha
e com uma orelha cortada : a quem der noticia
certa se gratificara, a rna da Concordia n. 64, .
andar.
ISeliiiiii'iiii.
Na refinaQao da ru Direlta n. 22, precisa se de
batedores : paga-se bons ordenados.
Precisa-se alugar duas pretas de meia idade
para vender na rua : a tratar na rua do Padre
Floriano n. 30.
Al
uga-se
11
om andar, ?ito na Ponte d? Uchoa,
commoioi, agoa, gaz, estribaria,
a quartos ton: a traur na rua do Viga-
Bolos
Pao
%'ha mais cabellos
braocos.
riNTUIllH JAPONEZA.
mi l :t..iapproTada pelas acad-amiaJ d*
4aaaavaa.s, reaoohecida s perior a toda laaa apfarMido ate hoje. Doposito princi-
pal i ru* da Cadei* do Recife, hoie Mar-
m *s Olimh, n. 1, 1.0 andar, e em
Mi as boticas e casas de caJaeUei-
enfeitados, cousa especial,
de 16, ditos.
rianaejas com b^mh0i de ujVirg05 g03tos
4ossenheresdonosdeholei5.
Para granges jantares, hinchs, etc.,etc.
Pecas para ceatro de mesa, ditas menure- para
dita ; estes trabalh s e todos is mais parUocentes
a arte de confeiteiro podem ser eocommendados
a rua do Imperador n. 8, porto da rua de S. Fran-
cisco, enoarrega-se delles 0 dono da
Confeitaria
que existio outr'ora, d^nominada dos
Anar;azes
a rua da Cruz.
Os doaos de estabeleciraentos de molhados, que
mandarem preparar flarabres em namero elevado,
t*rao um eerto numero preparado de graca.
Fa 7
* a"J 0 seu principal deposito no armazem Uniao
e Commercio, a mesma raa n 81.
Trabalhador.
freeiaa-se de urn na pharmada e drogaria de
iarthetowea & C, a rna larga do Rosario n. 31.
Afogados.
Pede-se a pessoa quo achou, ou comprou, ou
Le empenharam um relogio de ouro, com a mol-
la free*, liso e com am eachorrin c nas costas
que, querendo deixe carta Tecbada nesta typo'
graphia com as inicies A. P. S. para Ihe ser
procurado, pagindo-se todas as quaoto comprou.
0 abaixo assignado faz constar ao publico e
pnncipalmenle ao commercio, que vendeu a su*
taverna, sita a raa do Apollo n. 47, a Couto &
Azevedo : qurm se acn r com direito a mesma,
queira compareeer no prazode tres dia9, na meg-
ma. Recife, 17 de junho de 1874.
__________Francisco Domingues Carvalho.
VUAM AS &m
Jii bolos ?
Ja togas ? in sortes ?
Mo.
E' somente uma preveocJo para 0 proximo fu-
ruto Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro.
Si?ii....
E' na confeitaria do Campos que se dove pro-
curer tudo quanto e necessariu nara divertir se 0
moral e conforiar-se 0 physico. Isto 6 :
O espirito e a materia.
E seini; vijam
Alem de termo3 tndo prompto para que qnal-
quer familu mande nas taes ooitcs acima nomea-
das alii comprar 0 necesssario para festejar
liiia nolle inieira.
i'jTemos tambem accessorios pare 0 fabrico das
Sortes e do* bolos.
A saber :
Amendoas confeitadas.
Papeis picados com eslalos.
Folhas com versalhala nova.
Massa flna, s.ecca e alva, para bolos.
Duaentos mil ovos.
Manteiga hna.
Tudo IMo
Na confeitaria do Campos.
9-1 Imperador54
N. B.A confeitaria do Campos fornecera vasos
gratis, a quem comprar pelo menos as amo doas
para as sortes.
Para admirar.
rs
Popehnas de gosto 0 mais modeno qoe ha, de
!, por 1^ 0 covado. las de lindos padoes a 310
0 covado : so a rua Duque de Caxias n. 92.
Vende-sc quatro escravas, uma preta de 24
annos de idade, engommadeira e cozmhelra com
rauita perfei^ao; outra parda, de 20 annos de ida-
de, engumma c cozinha bem, de excetiente con-
ducta ; outra de 33 anoos, sadia. virida do raatto,
sem habilrdade; outre de idade 22 annos, pos-
sanie, com alguma habilidade, e vend -se por
K0& por ter uma filha livre, do idade de um
anno : no pateo de S. Pedro n. 26.
Toda attencjio 6 pouco.
Vende se o verdadeiro fumo do Rio Novo, des-
fiado em pacotes, para cachimbo e cigarro : na fa-
brica de cigarros, a rua estreita do Rosario n. 36.
Insignias m:iconicas
Amaral, Nabueo & C. vendem insignias majo-
nicas de differentes graos : no Bazar Victoriat a
rua do Barao da Victoria n. 2,
Nymphas e Luizinhas
Sao os nomes de duas lindissimas quadrilhas
brasileira*, para piano, cbegadas ante-hontem pelo
vapor Fire Queen, composicSo do professor Liliozo
des Santos : as quaes sa acham a venda na livre-
ria fraiictza, a rua Primeiro de Marco n. 9. Quem
quizer tooar na- noitcs de S Joao e S. Pedro duas
quad; i'.has C.e enthusrasmo, e ir em procure dellas,
por ser in pj ueos os exemplares._________
Vendese uma casa aio-.la em caixao, ao en-
trar r.a rua d-> CaUeireiro, iudo pela d- Santa The-
reza : a tratar ua rua da Assumpcao n. 72.
37, armazem d i Ta so lrmaaad>.
WftonRove & C. ve'bd'em no sen anBazso
made Commercio n. ti ;
verdadeiro panno de algo'dSo, axul aiwncaoo
Exceltente fio de vela. wy^p
Cognac de. qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra tie todas as quaUdades.
TACH4S TACHAS
BATIDAS FTJXDI1>AS
Qualidade superor
Systema novo
Mais barato do quem em qualquer outrjpart^
FuniHe^ da kmm
C. STARR & C, EM LIQJJIDAC.iO.
VENDED
uma ainaeao com caixilhos, tudo de 'ouro e em
bom estado, para loja de chapeos de sol, a qual ja
esta r'tihecida para ease ftm, ou para miudezas,
ou ooiro qualquer estabeleeimento, em a roa Di-
reita n. 83, jrarantindo se a mesma eas?; tudo por
preci muito commodo : a fallar nas Cinco Pontas
n. 31.
Atocao.
Lma letra de 1:179*740 porn6s saca3a em 30
de arosto do aono pr ximo passado, a dez mezes
de prazo, contra o Sr. Joao Mesdes da Rocha So-
bral, acha se oesencaminaada, pelo que preveni-
mis ao mesmo Sr. Meodes da Rocba somente a
nos devera paga-la : sendo oullo desde ja o seu
valor para quem iadevidamente possui-la.
______. Paieate Viaona di C.
Ill
Alogam-0 quatro armacens no caes do Ramos
e dous no becco do Carioca : a. tratar na rua da
Un;So n. 17, das 3 horas da tarde era diante, ou
depois de 10 horas da mapha, a rua. do Imperador
n. 67, andar.
CASA DO OURO
Aos 0
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nos seu*
nuito feiiaes biuietes a sorte da 700*000 em um
rceio bilhele de n. 2833 alem de outras sortes me-
nores de 40*000 e 20*000 da loteria que se aca-
bou de extrahir (103-> ; convida aos possuidores
a virem receber, que promptaraeute serao pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeita
vel publico para vir ao seu estabelecimento com
prar os muito felizes bilhetes.que nao deixarao de
tirer qualquer (remio, oomo prova polos me.-mes
annuncios
Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga
antidos da .) parte da loteria a beneflcio da
igreja matriz de Palmaros, que se ex^rahira no dia
20 do at rrente mez.
Precos
Inteiro 4*00t>
Meio 2*000
Oe 100$000 para einau
Inteiro 3*0O
Meio 1*780
Recife, 13 de fnnho de 1874.
loan Joaquim da Costa Leiit.
Admira
Popelinas de gosto, o mais moderno, de 2*, por
l*o covado; las da lindos padroes a 320 rs. o
covado : so na rua Duque de Caxias n. 92.
Lindas chapelinas chegadas pelo ultimo va-
por : na rua Primeiro de Marco n. 19, loja de
Jose Ferreira da Silva, successor de Santos Neves.
Para principiante.
Vende-se a taverna bem afreguezada, sita a
rua de Mariz e Barros n. 4, antiga do Cordoniz :
a tratar na mesma. 0 raotivo se dire aos preten-
dentes.
Vende-se dous ricos espelhos, novos, com
raoldure dourada e flores, de metro e meio de al-
tura e 90 eentimetros de largura : na rua larga
do Rosario, Bazar PeraambucaBO u. 30.
Vendem
Wilson, Rowe & C.
Era sea armazem a rua do Trapiche n. 14, o se-
guinte :
Algodio azui americano.
Fio de vela.
Carvao de pedra de todas as qualidades.
Tudo muito barato.
Sal do Assu
Tem para vender Joaquim Jose Goncahes Bel-
trao di Filho, a bordo do hiate Rival; e para tra-
tar, no sene'criptorio, a roa do Commercio n. 5.
ALERTA
Com o n. 43, a rua do
Queimado n. 43
Defronte do bcrco ao Peixe Frilo
ou Junta h loja da Uagnolia.
Clieg'iaejn : Cneffuena :
Lazini... > quadros pretos a 240 r<. o covado.
Ditas de quadros e de cores a 240 rs. o covado.
Grenadine de listras, a parisiense, a 160 re o co-
vado.
Poupelina de seda de furta cores a !* o covado.
Cambraia Victoria fina a 3*000 a peea.
Dita transparent a 2* e 2*300 a peea.
Lencos chinezes con versos a 1*800 a duzia
Chales de ch.ta a escocexa, por 2* um.
Chitas de cores a 240 e 280 rs. o ci.va.li.
Brim par Jo fin) a 409 rs. o covado.
Colchas para cama a 2* e 3i uma.
Leng6- 'e bramante a 2*.
Cobertas adamascadas forradas a 3* ama.
Meijs para homem. sendo de cores a 4* a duzia.
Toalhas mnito grandes o 5*500 a duzia.
Metins de listras a 360 rs. o covado.
Madapolao avariado a 3*300 a peea.
Camisas ingleza3 a 2* e 3^ nma.
Ditas de cretonc a 3* uma.
Aproveitem que estamos fazendo grande abati
mento, nunca menos de 40 por ceato. Dao-se
amostras com penhor.
Furtaram d. relojoaria a rua da Cruz n. 39,
26 relogios ja usados, sendo algans de ouro e ou-
tros de prata: quem souber oade existem, diri-
ja-se a mesma, que sera generosamente reeom-
pensado.
Alugaai-so
os dou9 excellentes armazen9, sitos a rua do Vis-
conde de Itapariea, outr'ora rua do Apollo, ns. 34
e 36, com fundos ate ao caes, muito proprios para
armazens de assucar ou prensa de algodao : a tra-
tar na rua do Marquez de Olinda n. 57, andar.
Taverna.
Vende-se uma bem afrezuezada para a terra,
em uma das melhores ruas da freguezia de Santo
Antjnlo ; tambem se da sociedade : quem preten-
der, deixe carta recbala nesta typograpbia, com
as iniciaes G M., para ser procurado.
Massa para bolos de S. Joao.
Vende-se a 500 r a libra : na rua do Rangel
n.42.________________i________________"
Cortes deseda
Com 21 covados a 40$000
Sem defeito alguni.
Cores lindas e de gosto apurado, primando .-
tre ellas a cor de perola, Bismark, lyrio, azul ae-
leste e outras. Apreveitem porque valem o du-
ple : na loja da America, a rua do Cabuga n. 10.
YENDE-SE
pes de limaeiro para cerca, de 4 a 5 pabnos de
altura, a quantidade que se queira: era i.'ias
Barras, sit.o de Jaciutho Soares de Meneze,. aa
villa de Gamelleira.
Lugar ameno
Club Popular.
Pede-se ao Sr. Dr. Joso Marianne que qoaode
quizer exercer qaalqjer vtogaztca sobre qualquer
socio do Club, nao ae preval*ca de zsriodicos que
se publicam em sna typographia, alteraodo aquil-
lo qoe ninguem Ibe autorisou.
Um soeio,
A quem interessar.
Offeree*e uma pessoa aabditada j>ara cobren
(jas de diversas casas commsrejaes Jentro desta
cidade do Recife, que 4a akoaa^ao idonea a sua
conducts: quem precisar dos seus services, queira
procurer na rua denomJnada 1.' de Marco n.81
onde encontrara a pessoa annunciante. I
CRIADO
Na rua do Impereder n. 38, andar, precisa-se
de um crindo que seja honesto e de bons costumes
Engomma se e lava-se com perfeieao, por
peea ouportnez : na rua das Trincheiras n. 19,
2* andar. Recebe-9e encommanda9 de boloa para
S Joao e S. Pedra.
Vende-se um terreno com 60 palraos del rentes
330 de fundo, no lugar denominado Afflictos, deita
para a estrada principal e fica pertu da segunda
e9tacao da linha ferrea, divide com uma proprie
dale de Jo9e" Braz da Silva, e 6 leehado pela fren-
te por um muro de 10 palmos, tendo um oitao
cercado : trata-se na casa de banhos do Recife.
Ninguem se deixe Wudircora qualquer tran-
aacrao feita em nome do abaixo aasiguado, visto
constar Ihe que alguem *e jiropde, ja a vender
casas, ja a exigir alugeis e ja auerendo dispor
de irestes, que aad4he perteuce, mesmo eon-
rraindo divida*, que por nada se responsabilisa,
o que 'far pubtico para evitar questoes.
Manoel Pereira Lemos.
Oifcrece-se uaa mijlher para ser ama em
casa de familia, para.cozioh.aj ; na rua de Hortas
n. 94.
Tranga loitra
Vende-se o estabellecimento de cabelleireiro
acima indicado, sito a rua larga do Rosarjo n. 24.
Possue 03 accessorios indjspensaveis a esse genero
do negocio, e garante-ae a caja : a tratar no an-
dar terreo do mesmo, loja de ourives denominada
Flor de Ouro.
Massa para bolos.
Vende-se massa para bolus da melaor que tern
apparecido, no largo do Carmo n. 4, e fogos de
tcdas as qualidades para S. Joao e &. Pedro, tu-
do por preco commodo.
Machinas para cortar fumo.
Vende-se em casa de Hawkes A : rua do
Bom Jesus n. 4.
irmazeui da es-
Irella.
Unico deposito de cal bran-
ca dc S. Bento e Jagua-
ribe.
R. 0 -Caes do Rani, s-N. 6
0 dono deste armazem de materiaes contreia
em grande porcao cal preta, p^Ia medida dos for-
nos, mediaate aju-te, maodaudo botar no lugar
competente, garantindu seriedade neste negocio.
Cofres de ferro
em casa de Hawkes 4 C, 4 roa da
Chafariz de ferro
em casa de Hawkes & C.. a rua da
Vende-se
Cruz n. 4.
Vende-se
Cri'i d. 4.
Cimento Portia**!
na rua do Vifario a. 10, primetr^
Vende ae um cofre de ferro superior, prova
de fogo : no Forte do Mattos, armazem n. 91
Livros de sortes.
Chegaram a livraria Popular, na rua Nova n. 59,
grande sortimento do livros e cartoea de sortes.
do verdadeiro
andar.
Las p;ra vestWo ae snhora, de 560 a 320 rs. o
covado.
Ditas idem do 64 a 3*0 ra. o eovado.
Ditas idem de 800 a 860 re. o wvdo.
Alpacas de cores muito largas, Unas, com listras,
de 1*400 a 700 rs. o covado.
Diias da 1**100 a 800 re. o eowdo
Ditas dt %l a iJOOO o c vado.
Ditas de 2*iOO a 4tO0 o-cowado.
Popelinas de 1*600, 1*800, 2*a80ors., 4*090,
14JC0 o covado.
Creton para ves4ido do sanhora.
.Meias iagleaas para sonb.*ra. de 12 a M 4uzia.
Grosdenaple (tret* per i*6*W,a*IW al* e cova-
do i de tudo s garante a boa qualidade a es-
tado,
Alem tUslM objeotos acalia aa ree*er am eoai
pleto sortimento de setim de todas as edtee, fno
vende pqr limltado preg#, asim muitos oaaros
artigos de raoua, cdmo seian): casacos de seda,
caseraira, chapeos a malawe Angot, borooae,
grampus para cabe^a de senora, e sodas eon lis-
tras para yestido de seajtoia a4*tit)ft o> aa
Sedinhas a lj?500 o cov.do.
Venham antes que ae acabp.m : na loja do Passo
a rua l. de Marco n. 7 A.
Sedas &' ijnaw o oovoao.
Vende-se bonitas setras Se listras' de lindas co-
res pelo baratissimo preeo de 4**80 o c.vado,
aproveitfljn xjue esta se aoabando aa rua do Du-
que de Caxias a. 88, loja de Detaetrio Oastos.
/

/
/;
p


DiiAS k&e*mmk>*bo ^ ^mto&o 20^8taOfld&l&
t
\

h
\
aua Prjmtire der-M*rco n. 7 A
CordetFe- Smades <& K" esta mat das easas que hoje pode com prl-
aaa ofltHueui at* san frogoetes um varlatHssi-
cadUHBMilo Ha fazendas finaa para .grande toi-
rtu, e ban assim jjara uso ordinario de todas a*
-uses, e por precos vantajosos, das quaes faz um
.'6JBLB0 resnm d.
Mian fazeadaa as casaa floe pretendentes,
-ara o qae laa.pessaat nacaesario, e dio amoslras
nwdiante panhor.
Cartes de seda de linda cores.
Grostfeaap'es de todas as cores.
xorgnrio brinco, Itao, de liftras, preto, etc.
*WaiM !, prelo e da cores.
irocdeaaplei. prelo.
Veudo preto.
Granadine ds seda, preta e,de cores.
Popelinas d ? lindos padrSes.
Fiio de seda, braaeo e preto.
^icas basqaiaas de seda.
~-isacoi de merino de cores, la, etc.
tixntas br.is leiras.
Cotes com tambraf* branca com lindos borda-
iUeas capailao e manias pare noi vs.
Kiqnicsupe sortimento de las com listraa de
ett.
CaaAraias da cores.
DrtasFiaaripozas, brancas, lizas e bordadas.
Xanusnies de lindos padrocs.
Baptistas, pad roes deiieadfrs.
Pertalira* d quadros, prelos e brancos, listras,
.<.. t-tc
Brias de Jinho de cor, prot>ri<> oara vestidos,
:> barra e lisiras.
Rices codes de veslido de linho, c cites da
xesma cur, ollima mod?
Dims de eambraia de cures.
Fas&i de lindas cores.
Saaas bordadas para -enhoras.
' jaawaa bordadas para seuboras.de linbo eal-
c -dart.
Sortimento ie Invas da verdadeira fabrisa de
v*in, par- Htrnens e senlioias.
''su-: jars meniou*.
nHv para hap&ato.
Chapevs par* uuo.
Toal&as e gnardanapos adamascados de n de
ijnra mesa.
Uiicbasdela.
Cmtinniuii borda Inade sortimento de camisas de liubo*, lizas e
. rdad.'.?, psra hoaiens.
Sleias de cCres para horoens, menlnos e meni-
t*
y.Us escoceia*.
daph-Vi so.umcutf decbapeos'de sol.para bo
I16JC e teoOCriS.
Merino *e c9* pen vestiaos.
yvo prfto, faa;ado e dito de vevao.
-*teado del oho e algodio para 10
^w^ibado pardo.
Caauico de la.
Srias ds linho, bracco de cores e preta
vtim de imdss cores certi listra*.
Chaies de merino de cores e praiaa.
Oilus de casernira.
Ditos de seda pi eta e de cores.
Ditas de P'U.juim.
".amisas de chita para homens.
Ditas de flanella.
Ursulas de linho e algodio.
Pianos de crochet j.ara sofa, cadeiras e eonso-
Leacos bordidos e de labyrintbo.
'Zcdenas de crochet.
Tarlataca dc todas as cores.
iUcos cartes de \"C>tidos dc tariauua bordados
re oortes.
EspaniJhos lisos, bordados.
Fuaiard de seda, iiddas cores.
Seias de seda para eeohoras e meniaas.
."iicaa facbas Reseda e la para senhoras.
Fuco KWtiaieaio de leques de njadrcperolas e
lianasco de seda.
< JissaHra prrta e Jecdres.
(Jhilas, madapolao pamo fiao preto e azul, col-
ariBhos, ].unhjs deiinbo e ..Igodao, gravatas, lu-
ii de fio de ErCossia, 'apetes dp todos os tama-
ifcfl*. bolsas dc vlapeiri. peitos bord.ido-i para ho-
XM, lencw de linho Lranco e de cores, toaibaa,
{rtaMt-js, Mb, etc.
I '
Vca-le-s** tim peqiienosiio perto da esta-
,io do SaigaJmho, tendo de frente 150
,*lmos, e de fundos mnis de quatrccentos,
>vb uva* el^nte csa de taipa, scabada de
pimiia e b*m assnada, tendo 2 sal s, 2
vaartjs ec izit:ha fora. 0 terreno & pro-
< b^m de plantafjflcs, tfiido algumr.s
srrores de jracto, agua de beber e todo cer-
ado.
rra vf-r e mais exp!ioa';6es, no mesmo si-
io a quaiquirhora a entender-se com Tris-
rrancisco T.-rres, e para tratar, na the-
inns d s loterias, rua de Mar^o
a. 6.
1
p(';'!ilH;'lta
lja 4a Rorbolofa, a run do 1.1-
mmpii* n. 3, eslM i|iicimi>ilo.
Chefseai frvgaetes antes qae as chammas de-
-'^1 tuio.
as para senhora a 3i.
; ditas a 2W0
'.l para botdar alia libra.
rif>iiin* bat 1 ad nh s a (Kj*>. rs a peca.
deo phifce, m-* a ."iCK) rs. 0 frasco.


Vigor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacSo do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
O Vigor do Cabbllo 6 nma preparacSo ao
' tempo agradavej, saudavel e efficaz para
o eabeflo. For raeio do sen uso 0
1 grimlho, e enfraqnecido, dentro de
1 letohre k cor que lhe e natural e
e adqnire o brilho e a fre^cura do
da juventude; o cabello ralo se torna
iso e a calvicie muitas vezes, posto que n3o
i todos oa casos e neutralizada.
ha nada que pode reformar 0 cabello
doe folliculos estarem destruidos, e as
1 TWitihfi e idas, mais se ainda restarem
ser salvadas e utilieadas pela
do Vigor. Libre de essas substancias
1 qae tornam muitas prepaxacoes de eate
> tarn aocivas e destructivas ao cabello, o
somente (he e beneficial Em vaz de
jar o cabello e o fazer pegajoso, o conserva
liaapo e fiate, embellixando 0, impedindo a queda
e torMr-se roco, e por conseqainte previne a
cafficje.
Para aao da toilette nto ha nada mais a dese-
t contendo oleo nem tintura, nio pode
1 o mais alvo lenco de eambraia ;-
> -eabeflo, lhe da um loatre luxurioeb,'
parfaae nraito agradaveL
Pr* wfaiTM cor da barba, e necessario
1 de qae com o cabello, porem se pode
r e&Vito, envolvendo a barba de noite
1 lenc/> molhado do Vigor.
FSXFAMBOPOS
Dr. J. C AVER & CA, LoweU, TAo&B*
, E*tados "Cnldos,
. v CMaiM Practice* e Ajwlj/tle*$,
^_ J-_ vaawjaj sk jpor
Magnolia
Nalojad* Maintain, a ma Danue de jUxiaa.a.
\3, encon\rara sempre 0 respeitavel pubheo ua
completo sortimenio de perfuaraVtas flnas, objectoi
dephDtasia, luvas de'Aavin, artigos de moda t
raiudezai finas, assirn como modkidadeinos pre^
,tos, agrado e sinceridade.
Anneis electricos
A Magnolia, a n Dnqae de Caxlas n. 43, aoa-
ba de receber os verdadeiros anaeis e voltas elee-
tricas, proprioa para os nervosot.
Meios adere(jos
A Pagnolta, a ma Duque de Casias n. W, re-
ceben um completo sortimento de
Meios aderecos de tartaruga.
Meios aderecos de madreperula.
Meios aderecos de seda bordados, (ultima moda
e de muitas ontras qnalidades.
Botoes de aco
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem
para vender os modernos bctSes de a;o, proprios
para wstidis.
Grolinhas e ptmhos
das mais modernas que ha no mereado ; a ellas #
na Magnolia, a rua Duque de Caxias 0. 15.
Lerujos chinezea
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
( cebeu uma pequena qnantiilade de lencos de seda
\ chineies, com lmdissimos desenhos, fazenda mtei-
ramente uova.
Leques
Lindos leques de madreperula, de tartaruga, de
martini, de osso, e de muitas outras qualidafles:
receben a Magnolia, i. rua Duque de Caxias nu-
mero 45.
Atten(jao.
A loja da Magnolia, i rua Duque de Caxias n.
45, acaba de receber o seguintes artigos :
Manual de madreperola, tartaruga e marfim.
Ricos alboas com capa de madreperola, cha-
gren, madeira, velludo, couro, etc.
Lindas caixas com nnissimas perfamarias.
Ligas de seda, brancas e de cores.
Voltas de madreperola.
Pu'seiras de madreperola..
Ricas caixas para costura.
Vestuarios para baptisado.
Toncas e sapattahos de setim.
Modernos chapeos de sol de seda para senhoras.
I.iodos port-bouquets.
Gravatinhaa de velludo, etc etc
Ultima moda.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
| cebeu um Undo sortimento de bices de guipurt
I de cores, apropriados aos vestidos cirques da ac
' tualidade.
PREDILECIA
A*, rua do Cabuga n. 1 \.
Os proprietarios da Preditecta, no intuito At
conservar 0 bom cooceito qrre teem merecido dc
respeitavel publico, distinguindo 0 sen estabeleci
mento dos mais que negociam no mesmo generc
veem scieutificar aos seus bons (reguezes que pre-
venirara aos seus correspondentes nas diversas par-
cas d"fiuropa para Ihes enriarem por todos os pa-
qaetee os objeetos de luxo e bom gosto, qae s-
jam mais bem aceilos pelas sociedades elegante?
iaquelles paizes, visto aproximar se 0 tempo dt
festa, em que 0 bello sexo desta linda \ ene
aiais ostenta a rtqoeza de suas toillettes ; e co
0 ja recebossem pels paquete francez dhrerso
artigos da ultima moda, veem palentear ;-.lgua>
d'entre elles que se tornam mais recommendaveia,
eeperando do respeitavel publico a costumada
concurrencia.
Aderecos de Urtaruga os mais lindos que teen,
vmdo ao mereado.
Albuns eom ricas capas de madreperola e d
vetiudo, seodo diversos tamanhos e caratos pre-
09
Aderecos eompletos de borracha proprios pan
Into, tambem se vendem meios aderecos rauito bo-
nitos.
Botoes de setim preto e de cores para cmato d
estidos de senhora ; tambem tern para collete
palitot.
Boteas para senhoras, existe um l.-eiio sortknen-
de seda) de paiha, de chagrin), etc., etc;, pur
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louca
como de eera, de borracha e de massa ; chama-
mos a attencao das Bxmas. Sras. para este artigo.
pois as vezes lornam-se as criani;as um pouco im-
pertinentes por falu de um obiecto que as en-
iretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordado?
iara homem, vendem se por preco commodo.
Ceroulai de linho e de algodao, de diversos pre-
CCS.
Caixinhas com musica, 0 que ha de mais lindo,
com disticos nas tampas e proprios para presen
to
Coques os mais modernos e de diversos forma-
tos.
Chapeos para senhora. Receberamum sortimentc
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
Caleas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindoi
Wenhos.
Escovas electricas para dentes, tem a proprie-
dade de evitar a carie dos dentes.
Praejas de seda pretas e de cores, existe um
4-ande sortimento de diver;as larguras e baratc
preco.
Fitas de saria. it" g"rgorao. de setim e de cd
ploe, de drversas larguras e tonitas cores.
Pachas de gorgurao mnito lrcdas.
Fi-r artificiaes. A Predilecta prima era con-.
orvar sempre nm bello e grande sortimento des-
as flo:es, nio so para enfeite dos cbtllos, comt
tambem para orcato de vesndo de noivas.
ilaloes de algodao, de la e dc seda, brancos, pre
os et de-diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
|. Lacoa de eambraia e de seda de diversas cores
para sennora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas pars
imk
Livros para ouvir missa, com capas de madre
perola, marfim, 6s-o e velludo, tudo que ha dt
bom.
Pastes de tartaruga e marfim para alisar os ca
belles ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola. marfim, osso e dourados por barato preco..
Perfumarias. Neste artigo esla a Predilecta bem
provida, nio so em extractos, como em oleos e
banhas doe melhores odores, dos mais afamado;
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosoel e Rimel ; s5o indispersaveis pars
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commode
preco.
Sapalinnos de la e de setim bordados .para bap
Usados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de salas.
Vestimentas para, baptisado 0 que ha de melhoi
gosto e os mais moderno f recebeu a Predilecta
de or ar. to preco, para near ao akance ,
uaalquer bulsa.

ARAE8- k
Acabmn de Xazer um g^anJo Hbalrmento nos prejos fie SU8S fazendas atten-
d en do a grande falta que ha h.-jo do diulioino,^ por isso creio que o.prer;o que vai men-
cionad.j agradara ao rcspeit \< I publico.
QIAl'l-OS DESOL DK SEDA A i?000.
Vende sc ch Rua do Cabugdn. 1
p4os de sol de seda para se-
nhoras e meninas a 48, rlitbs do alpaca fi-
nos com 12 astes a VQ, ditos de T.erin6 Je
duas cores a 53, dhosde seda para hon em
a $&, ditos tnglezes com li astes h 8JJ e 9$.
BWM lAr\DO A'JOO'rs.
Vend -se brim pardo escuro a 400 rs. o
covndo, dito de cores com quadrinhos a
500 rs o covado
OOftTES DE CvSEMIRA A 5.
Vende-se cortes de casemira de cores para
calca a )W>, e '69, ditos de dita preta para
calca a 4JJ, 5J>, (?>, e 7$.
RIU.M DE ANGOLA A 2$ 0 CORTE.
Vende-se cortes de brim de Angola para
calca a 2Jp, dito rnuito finos a 3J6.
ABER'IUKAS PARA CAMISAS A 200 UEIS
Vende-se nberturas para camisas a 206 rs,
ditas mais Cnas a 400 e 500 rs. drtas le
esgui5o a 1J?, ditas bordad.-s a 2J>.
(}HITAS A i40.
Vende-se chitas para vestidos a 240, 280
e 320 rs o covado, tern escuras e elates..
.MADAPOLAO A 35J.
Vende-se pecas de mad pidao enfestado a
38, ditas de dito inglez a irSOd. US, e 68,
ditas de dito francez fino a "5, 7^,00, 8JJ'
93000.
"TlOr.nFS A 1*500.
Vemle-se croche*s para cadeiras a 1(5300
cada am,
LABINHAS A 200 REIS.
VeDde -se. ferinhas para vestido a 200,
329,'frO0',e 800 rs. o. covado.
ALPACAS DE, CORES A 500 REIS.
Vetide se slpaca? Se cores 500, 640.
800 rs. o covado.
GRANftE'SORTIWEHTO T>E TAPETES A 4*.
Vende-se grandCjortimento de tapetes para
todosos tamaiihCs a'*f; 4*300, 5*,e 6*
cada Tim.
GRAflDE SORTIMENTO D,ROiiPA FEli"A
Ctiqte-Ae riacaJo pa*a tna^a.bo a 1)5000
e lClOO.
Cnlcas de briaipardo a 1*900, 2*. 2*500.
Calges de brim de Angola de cores 2*
e 3*, ir' -
Caixas de .casemira de cores a 5*oOO, 6*
e7.:
OrlQds do casemira preta a 8*500, 5*500
e .7*
Paiitots deiriscadoa 1*;
Paletots de alpaca de ceres a 2*.
Paletots de a faca^preta a 3*,- 3*500, 4* i
5*. :
E
0
-
r
-rr~



~\~
liiimigo acerrimo
a care&tiai
NA
Rua PriiU'iro dc .Hiif^.o n. 1
Outr'ora liiu do Cresp*, te do arc* de SanAo An-
tonio.
BAI'TtSTAS, temos BPMRM fortimente desta fa
zenda e vendemos muito barala, h 3G0 e
Chapeos dc seda.
Chapeos de sed"a para homem, jruprios depas-
f.fintrJL scios, formas moiemas e bem arms dos, com um
peqaeno defeito a W3< e 3^000, e peehincba e
esta se acabnndo ; na, raa do Cnespo n. 20( ion.
das 3 pottaa, de tiu(iher,ine i C jur4o a loja at.
Asonieas verdadeiras
Bichas hambmytezaa qr>p vem a este mereado
*st Mamuei/de vbnd u.M___________
"Mm to'barato
GtMStde^(M.ftbJaeaea 10/009 : ua,rua do
Barao da-Viaprja. 39^ outi^ra rua Nova, jola
de lerragens 36 SCUxa & Guimaraes. _______
400 ra.
o covado.
ALCASSIAXAS de bonitns desenhos e cofes B-
xas, a 400 rs. o covado. So no barateiro-, venhaai
apreciar.
METINS trancados, franceze?, fazen'la superiur
e de bonitos aos-tos, a 2i0 e 280 rs. 1 Quern tiva-
lisa?
CHiTAS de bons gostos e de cores flxas, a tW
e 260 rs. So aqoi.
LAZLNHAS escocczas, padioes bonitos, a 180 t
iOO rs.
DITAS de linho e las, padrCes inteiramente no-
vos, a 240 rs o covado, fazenda que custou sem-
pre 400 rs. So no barateiro !
CRETONES escuros e claros, fazenda superior a
400, 4iO 0 480 rs. o covado.
POPELINAS de seda e linbo a 900 e \i; apres-
scmse a mandar ver.
DITAS de linto e algodJo a 7C0 e 800 rs. o
covado.
MUM pardo trancado a 2C0 e.260 is. o covado. Neude-se por tanato prego aras de amarello
So no barat iro nara rotolas c ja*eTla, oom as dtrtrensoes munici-
DITO de cores, fazenda muito boa, a 500 rs. o Pes, asim como poitas p*ra rwartimentos, e
covado. todo novo, pois aioda nao foram servidos : para
(UMBRAIA transparente e Victoria a 34oOO:e ver o taatai, ,no iasgflio -ar >w n, U, e na rua
Extraoxdiiiar
ria baratria,
OBazw doL.SIodo lima \ovii2
quatendo reduiiro dtjppsito que tem .de.fazendas,
rasolveu vendfej os segnintes artigos com grande
redttccaodepregos. a Mbeiu
Cure des estfeitameBto d'urelra
pela facil applitai.ao das
SONDAS OUVAES
DE
GOMHA ELAST1CA
As mais modernas e (parfeofoadas de tod|s
as conhecidas
Wcoi-se
NA
PHARMACIA E DROGARU "
DE
Bartholomeu & C.
34- Rua larga do Ilosario 34
lacalhao de Noruega.
Acaba de cbegar nm pe^ueno lote de caixas
deste deseiado bscalhao : no caes da alf.-ciega,
arma.'eo; de Tasso Irmaos & C.
' jcOO-a peca Aonde tnu 1 .No baraieiio t
tiRAMANTE de linbo tie duas largu as, 1^200
a vara ; admira ? e exacto.
ESGUFAO de linho e algodao de 10 jardas, por
45(^00 I
DITO de linbo puro a 8^ a pica. Ao barateiro,
ao barateiro I
MADAPOLAO Trancez fazenda superior a 5JS e
6^ ; sempre custou 8|.
BOTIXAS para senhora, muito soperiores, a i#
e iioOO. Ss aqui.
TOALHAS alcoehoadas a 42500 e 5*000 a du-
7ia A pllas 3 pllns
CORTES de creton francez, bordados 5*500.
e6)ll
Ditos (uso da co. Ie) Je eambraia a 10*. Sem-
pre custou 15*.
SORTIMENTO de chapeo3 de scl de soda a It,
8* e 9*. Venham antes que se acabem.
DITOS cabo de marfim de superior qualidadej
a 11*500, para acabar.
DITOS i*ra senhora, a 3*500 1 Sempre cus-i
taram C* ; estao se acabando, venham a elles, a
elles t
GRANDE queima para acabar de camisas fran
eezas e inalezas, P'"ir tcdo o proo a 17*, 18*, 20*,
30*, 35*, 40* e 48* a duz a. E' no barateiro que
tem.
GRANDE sortimento de grosdenaple de cores,
a 1*, l*2C0 e 1*500 o covado. So no barateiro I
Quern ousa dizer. que nao e barato? por ctrto,
ninguem.
CHALES de casemira com listras, o mais mo-
derno que ha a 3*500 e 4*, fazenda que costa
em qualquer partc 6/. Venham a elles antes
.que se acabem I I Aoi omtpm 1
AK-ra detes, outros muitos ;rlij!0S que deixa-
mos de esHecificar. para nao massar nossos fre-
guezes, mas estarao patentes a vista d- s compra-
dores. Avista do exposl ficamos conviolo* de
que virio fazer acquisicau de boas faiendas por
pouco preco.
Ao barateiro I
Na rna do Crespo n. I.
Aogoslinho Ferreira da Silva LealC.
do Amorim n. 62.
Casa-fclerreiHrs teate^ bo M-
gaditfto.
Antonio Jos6 "Rodrignes de"Souza, na thesoura-
ria das loterias a ruatio Grespo n.", vende sua
casa de taipa e terrenos de sons silios no Ingar
do Salgadinto : a tratar somente eom o mesmo.
Machinas de descarogar
algodao.
Machinas de cortar fuma
Machinas a vapor.
Machinas para lifnpar iV'
cas. i
Deposito de ferro para
garrafas.
Macaco de estivar ou le-t
vantar pesos. f
Gemento Portland.
Salitre.
Limalha de feire franr
ceza. J
Esses artigos vendem-se
na rua -da Cruz n. 4, aiman
zem de Hawkes & V.

Traqnes chinezes
SvOOO A caixa
ISO rs. a carta
S6na rua do Bario da Victoria n. 39 (outr'ora
rua NovaJ, loja de ferragens de Soma & Guima-
ries; assira como reCebem encommendas de fogoa
proprios para os festeios das noites de Santo An-
tonio, S. Joao e S. Pedro, todos de boas qualidades
eprecos commodos, e tambem livros de sortiss,
baralhos. tarjetas, magicas. etc.
Sal do Ass,uT :
ST A bordo da escuna Georgiana, ancorada no
com Tasso Irmaos <& C.
Forte do Mattes : a tratar
M do to*) da Victoria n. 2
DR
Curaeir* Viaana.
A'este grande estftbaleoiraento tem che-
gado am bom sortimento de maihmas para
costura, de todos os autores mais acredita-
dos ultimamente na Europa, cujas machinas
&q ganartidns :por um.anno, & .tendo um
perfeito ar.tista para ensinar as mesmas, em
qualquer'parte desta cidflde, como bem as-
sirn coBcerta-ias peio tempo tambem d'um
anno sem despeodio algum -do comprador.
Neste esttbelecimeote,tambe ha pertencas.
paras mesmas machinas 'e.ae suppre qual-
quer pe^a que seja neoessario- Estas ma-
chinas trabalham com toda a perfeicao de
um e dous ,pospoiHus,. franzo e borda toda
quaiqMr cosiora por fioa. que seja, seus
precos.8iotJajsgumteqUiaUdadiB par* tra*
balhar a bwo de 30*000, 40CG0Q, 455000
e 505000, para Irabalha/icom o.pesaode.
80fO0, 90*000, LOO^OAQ,, 1105000,
liW(m, WMW, 15AWO0O, 200*000 t
250*000, emquanto aos-autorefi nao ha al-
teraoSo de-pregos, eoscompjadores poderao
risitar este estabelecixneate, que muito de-
verao gostar pela tariedade. de ohjectos que
ha 6attqa9-pacfctejdeB omo s*|am: oadei-
^iw para riagertti nrtJaftipafa figem, oadei-,
rasjMPa saias, ditai. 4v balau^, ditas pars
ortanoa {altaa), ditasi para :esooks, costurei-
iriqnisaMnas, par*i5ariK>ra, despeusaveis
para criaot*&.datedasaaqaaiidades, camas
de.feuro pwa hoecijaftgas, oapachos,,
eapettjos daunados para aala, .grandos- e pe-
quenos, apparelhos de metal para cha, fa-
queiros com ca* de metal & de marfim,
ait9 rmkos, tolbecaade metal fino, oondiei-
ros para sala, jarros, gaartld'-comidas de
arame, tampas'parar cdbth pratos, aateirasi
para forrar salasj lavalorkiB ooaootetos, ditos
simples, objeetos para teiktte, o-ootroa mui
tos artigos que muito devemagradar a todos
qoe tisiterem estefrande astebelacimanta
qae se acha aberto desde as 6 boras da: ma-
J&h& at^ as 9 -horas>-da,DOttteji
Rua do Barj&pi4a. Victoria n.
22.
t
liOJTA Btt PiVAO
Rua da Imperatriz n. 60
PARA LIQUID A R
>ranadina preta. a SO rs o
covado.
htvSo vendc granadina preta e lavrada
pelo barato preco de iOO rs o covado.
ALPACAS PRtTAS A 500, 640 E 800 RS.
0 PavSo tem um grande sortimento de
alpacas pretas, que rendea 500, 640 e 800
rs. o covade, assim como grande sorti-
mento de C8nt6es, bombazinas, princezas
pretas, merinos, e outras muitas fazendas
proprias para luto.
CAMBRAIA VICTORIA A 4*C0O, 4*500,
f5 0*000 E 7*000.
0 Pavio vende um grande sortimento de
eambraia Victoria e transparente com
8 1/2 varas cada pega, pelos baratos pre^os
de 4*000, 4*500, 59000, 6*000 e 7C00O
a pe5a, assim como, ditas de salpieo bran-
co, a 7(S'J00, e" peehincba.
CAM SAS PRANCEZAS A 2 3*000 E 3ff500.
0 Pavao vende um bonito sortimento dt
camisas francczas com peito de algodao,
2800O e 2*500. Ditas com peito de linho
de 3*000 a 6*000. Ditas bordadas muito
finas de 6*000 a 10*000: assim come
grande sortimento de ceroulas de linho e de
algodio, por preccs baratos, e tambem tem
completo sortimento de punhos e collarinhos
tanto de linho como de algodao, por preco?
em cofita.
CORTINA DOS BORDADOS PARA CAMA r
JANELLAS, DE 7* ATE' 25*000 0 PAH
0 Pavio vende urn grande sortimento dt
cortioados bordados, proprios para cama t
janellas, pelo barato preco de 7*000,8*000.
1C#000 ate" 25*000, assim como i colia
Je damasto de la muito Dna de 10*000
1?*000 cada uma.
BRAMANTES A 1*J?00, 2*000 E 2*500
0 Pavio vende bremantes para lenc,6es.
tendo 10 palnaos de largura, sendo o de
algodio a 1*800 e 25000 a vara, e de linh<
a **400, 2?8O0e 3*000 a vara: e pechio
cha.
Grande pechiicha a 4^000
e 5*000
CORTES DECASEMiRA.
0 Pavao recebeu uma grande porclo de
cortes de casimeras de cores para calt;as, e
vende pelo barato prt-go de 4*000 e 5JJ000
cada corte, na riia da Imperalriz n. 60, loja
de Felix Pereira da Silva.
ESMERALD1NA A 800 RS.
0 Pavao recebeu um lonito sortimento
das mais 11> gautes esmeraldinas com listras
de seda, sendo em cores e padrSes as mais
novas que tem vindo ao mereado, proprias
para vestidos, e vende pelo baratissimo pre-
^o de 800 rs. o covado, a" rua da Imperatriz
n. 60.
C Pavao queima as artigos
seguintes:
Cortes.de conibraia branca, transparente,
com, etifrites bordados de la a 5000.
Dit s todos brancos bordados a 12$0OO e
15C000.
Ditos muito jiqos a 25*000.
Bor.itas lansinhas para vestidos, com lis-
tras de seda, covado a 800 rs.
Ditas ditas transparentes e de muita fan-
tasia a 500, 640 e 800."rs.
Ciotos de :etim de todas es cores a 53000
Punhos com golliuhas de esguiao a 500 rs.
Sedinhas de cores, sendo de listras e la-
vrad8&* com toque de mcfo a 1*000.
Ditas de dita ditas sem mofo a 1*600 a
2*000.
Diversas lansinhas para vestidos, de 240
ate 500 rs.
Colchas de fuslao brancas para cama a
2*500.
Ditas de dito de c6r a 4*100.
ambraias brancas, abertas, para vesti-
dos, corte a 8*000.
Cortes de eambraia
enfeites bordados, de
65000.
Pecas de madapolao com pequeno toque
de-Maria a 4&500.
Ditas de algodaosinho muito encorpado,
com leve toque de avaria a 4$500.
Madapollo enfestado com 12 jardas em
perfeito estado a 3000.
Pecaa de madapollo com 20 jardas a
imo.
Brim pardo para roupa de homem e me
ninos, covado a 400 rs.
Cohertas de chita para cama a 2#5O0 e
3^000.
Bramante dc linho com 10 palmos de
lagura, vara a 2)56(0.
Atoalhado com 8'palmos de largura, vara
a 105.00.
Espartilhos brancos e de cores a 4# e
50000,
Cortes de casimira a 40 e 50000.
Especialidade
wliatio parilcaJnr, pur* qp^
uoino.
Acaba de chegar ao mereado alguas bemxiai
vioho do Atto Jjouroj asf eoia! e uaicmr^
paradody extracto da uva e i'entofc^
confeccao, sendo murto mais brando qze-n
goeira, o que o torna recomniehdavdf j "
que agrada ao paladar e oieftnvi-i a
tros viabos de pa^to.
Acha se a venija nos armazens de JcS;i-
drigues Mendes, Sonza Basto & C. e Fezsatimtm
CosU & C.
GRAMDIiWS
Grflnadinas de seda pura, preta osa hhmz
de cOrese padroes os mais bonitos -jt&Sem
' vindo ao mereado e que se vende &$&>&-
minuto pre^o de 500 rs. o cova4a,5p*w
um pequeno toque de mofo, e- facarit &
2*000 o covado; e pecbincha-
amostras.
Brim branco
Rrim br*nco muito fino,
2*500 a vara, que se vende por
iara, por e.-tar com um pequooo-dieiasst:.-
pechincba.
MetlDS Graocezfi
Metins fraucezes, fazenda nKiiia ^ut^-^gt-
droes modernos, faz nda quo ji** aaafec.
por 500 rs, a 3( 0 rs. o covado; i fe&m-*
1 cha. Dao se amostras.
Cretonesde listr
Cretonesde listras, fazenda ac !di>i!&j,.jai-
drdes muito lindos a 40o rs. o co7so;-w-
se amostras. :
Madapoloes
Madapoloes com um peque::o toqm ai
avaria, de 30500 a 55000. a peja ;4 $&
chincha.
CHiTAS PERCALE!
Chitas percales avariadas a 240 s. t #*~
vado; e peehincba.
SO' o
X. I da ruadoCrespa
Loja das 3 poitas
DE
Juuio a loja da csc|as&
,Para as noites de 8iftf& &&
tonio e S. Joao.
Amaral, Xabuco 4 C. acabam de restfrw *
pleto si riirr.ento de sortes frnncizas B
para brinquedo das noites de Snu:.) auei&&..
Joao ; e o que se conhece de Mais *y.agrlk o>
, apropriado para briacar-se ne>sat ncitc<.
Algodao azul
Algodao azul Smericaoo, o qae ha 4srt-f, s.
?20 rs. o covado : apruveitem, qae so e&ta^vac&ft-
do. Previne so aos senhores deeug'-ahot
Fustao bran co
Fustiio branco tranQadc, ptoprio par*aMaaai
de meainos, a 320 rs. o c vado, pecbii'..
veilem, que se e>:a acabaitdo
Vende- e a taverna-sita na rua C
Negre.ros'n. 21, Miiigo psieo do Terft .
na in es in a rua n. 16.
Triump'Iio da
&
3Lt*te*A
f-
iranca com bonitos
cor, com figurino a
Aid, azem pintado de preto
confronte 4 alfandega
Vende-se a retalho e a dinheiro, muito ba-
rato, para liquidar.
F> go chioez com lindas vistas para queimar em
salas.
Caixas eom 10 o.rtas de traquos stuwrloras.
Batatas por arroba.
Caixas ccn. lalas de o galoes de ga Devois.
Manteiga franco a P L G de 1874.
Arroz, cafe, cha, e mais generos de priroeina ne-
eeseidade, para os rieos.e pubres, coo ja indica-
ram, fazendo censotva ao administradpr-C.
Aos dignos ma Amaral, Kabnco 4 C. tendo rm vista a grande
0 pomposa lasta que; fatem os dignos maosm ao
padroeiro desta respeitavel oorpcsaqio na noitO' de
iS. loio, participam *09 mesmos Srs. majors que,
!aflabam. de receber insignias de, diversos grips, e
vendem no batar Victoria, rua do'Bario da victo-
ria n. 2. .
. i ... i .--------- ;'j;j i|). "II i
Salsa parruha.
Nova remessa, excellent* qualidade ; vode S
na rua do Vigario n. 16, 1 andar.
uma casa na vHla de Barreiros, na rua do Com-
tercio, por preoo modteo: a- tratar earn TaK
rmaos 4 C___________________ ______
Armagao de amarello
Veude-se uma armacao de amarello. envidraca-
da, com balcao.-por commodo preco : a tratar na
rui do Crespo n. SO, loja das tro porta*.
BSBU
Em tem pos modernos neni.um ctimt&oc
mento ope uromaior rcvoluco no aaii
curar auteriormente era voga de^BM
mm\h w mwmf-
TANTO >"0 TJlATAMItfl-d
DA
Tosse, CrupG,
Asthma, Thisica,
Rouquidao, Res i m a.
Bronchites,
Tossc -Convulsa,
Doresde Peito,
Expectura^ao de Sangu*..
Como em toda a-grande serie -i manjan
dades da Gur^anta, do Pciim
Or^AuM da espM-a^-ao. -?.--:: Qk0-
atormentam e fazem soffier a !il .
A maneira antiga de curar consi&ik ^ssst-
mente na applicacuo h!o vesicalotij^, safe-
grias sarjar ou applicar exteriormeSSe as-
guentos fortissimos compostos Je ..-jf4b-
cias vesicantes, afim de pioduziroai
cujos differentes modos da curar, uisasr
senao enfraquecer e pobredoente, contribui io por o^a :j3kh
d'uma maneira mats fa .'. e certa dm ss-
fermidade a destruic^iu inivitav^ 4s ss
victima I Quam difli i eate e pok >
admi ravel do
Em vez de irritar, mortiiicar e cauzfr
ditus sofiriinentos ao do^nte,
Calma, modifica e sua visa" a
Allivia a irritai^ao,
Desenvolvo cacnteni(iuieut<>,
Fortifica o corpo
e faz c,om qpp o-systema
.desaloje d'uma maneira prompta e n
ate o ultimo vestigio da enfermidade.
melhores votos em medicina da Europa,
antes dos coljegios de medicina de Barba.
tesuficam serem exactas c verdadeiras este
reiai;0es analogicas, e aleui disso a riencia de milhares de^essoas da AassaaoR
flespanhpla, as quaes i.rnm curadas oaat
RKITQRAL DE ANACAHUITA!
Deve-se.uiotar que esto rcmedia se
inteiramente isento de venenos, taate
ines, qodbo vegetaes,, emi-juanto qu
destes ultiraos, e p4rticularmente
quo sao dadoASob a .forma de opio, e
do hydrocianico, fofmim a base da
parte dos Xar,opes> Xf>^ os ?uaa *
<}ihjien(e se eogana a wdulidade da
fclioa. A cojaposi.^0 dc anacahuia
ral aoba-se linda e curiostimente engaraWa.
e francos da. medida !e ccrcaJfe auia
quatulho cada um, e co..io a dose
tema e so d'uma eolher pequena. Ififc
geralnieute 4 applica^ao dam on 3m
ices-ipaM.fl efiettna0o do ; /lalquer
Awia-aea v,faida las *s
H. Brostecs, & C., a^;. ^
Unices agentes nes'.rt r ovinqia
0. D, Coyle, rua.4o C,.cmercioa.3



/
^5t
8
Oiario de Pernambuoo Sabbado 20 de Junho de 1874.
ASSEMBLEA GEBAL
CIMtRl DOS SRS. DEPUTADOS.
MSCTSSAO DA FALLA DO THRONO.
(Con inuarao.)
Seibera o que quero em politica e nio
nio para mile quero e dcvo ir. I'or
parte diantd de un fact) tao...ex-
nanc, ccmoseria a dissolucao nova-
s cuaoeduia ao gabinete 7de marco,
de ir, mio grado racu, para onde
nw tevay^m os o MOBtecMMatos, ou teri i
de al heir os direitos polricos (muito bem)
ede werns patria sera patria (muito bem).
^nmo caso eslarao os opposicionistas
curvaraos sempre respeitosds, nda que. jk sibilidade de se unirem para fin's poUtocos
eu o disse em outre occasiio, succedemos homens quese prezam. A historia do re-
da legislature passada. (Muitos
Os partido; veridm decretada a sua mor-
te. e corn ellj Umbe a decretada a aboli-
C*o complet, do systoma representativo
consMuetonal. (Muito b,m ; muitos apoia
dk Rio set como o parti lo liberal conside-
taru a ioJuvaw no seulido de sua assjn^io
ao poder neste inouieoto, mediante a disso-
luc*> desta camara. A regular-me pelas
affirmecoes de muit-is de seus homens po-
litico', e pelos principios quo tern sustenta-
do. Mo pvi:-:n certamenta ergue.r-se agora
ao poder por :nei da d ssolucao, sobretu-
do quando esta nio 4 dada para consu tar-
seopaiz aobre um piano politico ou sobre
a reaiisacao de uma idea do pirtido
0 Sa. Mai.timio Campos da um aparte.
O Sa. Paulino dk Souza : Qualquer
dcstasduas s i'ucocs torn o inconvenient.) de
lazer-sea eleicao depois de uma crise po-
litics per um >ysteraa eleitoral p)r todos
repeIIH<\ que a expeKencia tern demons-
trado nao dar outra expressao senao R da
force official 'Apoiados).
Rest* a terceira soIu$ao, unica que se
pode verificsr sem preteric,So- dosprintipios
cj s* sterna representativo, sera abofo das
iostituit;oe> mstitucionaes. Esta snlucio,
que tentio sugg-rido desde 187*, 4 a uniao
do paatido ronservador (muitos apoiados ;
muito bem', mediante a organisac^o-denovo
ministerio mui:t>s apoiados), que sem re-
sentir-se das divergencias actuaes, sem os
errcs do 7 de marco, d*. a todo o partido
garantias (muito bem) e realise com o- con-
curso de tod-s a politica conservadora.
Ma ito* apoiados ; rauito bem.)
O nobre ministro- do imperio, em uma
das ultimas sessdes, jvrgunrou A opposioao
qul o um programma politico, em nome
de que principios queria asmllar o poder.
I'm Sa. Uepitado : E' pr->ciso frisar
beai a phrase.
O Sa. Paulino de Sogza ; NSo julgo
sereaso 4e, por mim e por meus am rrpellir o que ha de injurioso na expressie
" > nob-e ir.in:slro, nem Ihe retaliarei que -
a unica ide* e cont-mar a ser ministro.
^wito bem. j
Respeitando as instengdes de todos, obser-
: que a opposi^io conservadora nio e um
orti'lo politico distincto dos outros conser-
idors qie sustntam o gabinete, os quaes
^rbem nao formatn partido diverso com
. adicdes, ideas e aspiraroes diflferentes das
no partido conservador a*quella geracio vi- gimen representatiro abi esta* para
gorosa que salvou efortaleceu a monarchia. i que os lacos dos partidos politicos aio so
(Muito bem, muito bem.) senSo os grandes principios, as teodencias
(Ouvera-se it portas do sallo da camara'socles pelas quaes se earaeterisam, eque
muitas vozes que raclamam admisslo no se referem a interesses tao eleados como a
recinto para assistirem ao debate. Pausa.) estabilidad* das instituicfies e o progresso
Os deputidos da ultima legislature dis- politico da nacSo.
solvida sooberam haver se prudentemente Nos partidos politicos, aiada dos paizes
na siiuacAo apertada era que os descrevi; os mais adiantados na pratica do systema
cumpnram o seu dever; forara tieis is constitucional, notam-se matizes de opinifio
tradicOese aos prin ipios de seu partido. e variedades no modo de consider*rein os
(Apoiados, muito bem). mesmos partidarios este ou aquelle ponto
Poucos conseguiram romper at^ aqui as especial da doutrina, esta ou aquella ques-
liuhas quasi invenciveis da influencia official t8o soperveniente no andamento da socieda-
Em nome d'elles e logo ao abrir se o pri- de. Pertencem ao mesmo partido os no-
meirodebata politico desta legislature, di- meoa que, divergiudo embora em um ou
rigi aos conservadores que se sentam nos outro ponto, sobre esta ou aquella solucao,
bancos ministeriaes estas palavras : acbamse unidos pelas mesnias tradicoes'
A unica barreira, senhores, que ainda pelos mesmos principios fuodamentaes pe-
bqje entre nds e v6s se levanta e o minis- las mesmas aspiraf&es.
erio sacrificaodo a uuiao do partido A sua E' o que me parece acootecer ainda hcje
conservagio. no partido conservador, em cujo lejo n5o se
.nnumeras vezes observei a mews arai- d outra divisao senSo a que rsiulta da
gos, e disso podem dar testemunho alguns permanencia do ministerio, qtfe de um lado
se tolera, e que os mens amigos e eo'eom- delle* presenfas nesta case, aue antes de
batemos, pelo damn que tem causadb ao tudo deviamo* acautelar a drVisfio e enfra-
parlido a qoe todos pertencemos (moitbs quecimeiito do partido conservador, evi-
irpoiadosda opposic5oj, pelos prejuizosque tandoqMnto pudessemos a lutv enfre i-
teu> Irazido aos negocios- publicos, pela des gos politieos que uue contra os oetros fos^
l-'alifide eom qoe tem eomproraettido o* sem nelia-animados- p".lo ministeno...
systema constitutional representativo. ( A- (fSenhores. o'minsterio vai-sa ni
-- -- -----t.MV..UVW uw vw-|/iv-i vu^-1- i-v W.MC03D, o-tmij ua uonioae-
waentes pode tomir conta da administracao, ra^ao odo o territorio que uma vez se ti-
porquo e*tao sob o labeo de accusagoes
ignominiosas. lancedas polo gabiaete que fez
seu o procedimento do seu delegado.
Um Sr. Depltado :NSo disse isto.
0 Sa. Paulino de Souza :Disse mais,
segundo as palavras que lefo no resumo da-
do pelo Jornal do Commercio. Depois de
bistoriar os factos exclamao orndor:
M*s por que razSo f.ctos desta ordem
tem prjduzido a agitagSo na Baliia e dado
vesse acbti.do i sua sombra- Burlou-se a
ultima negociagao.
Os Iratados de paz e de limitea entre o
Paraguay e a ConfkleracAo estdo ainda por
celebrar, como diz a f's.'Ia do throno. A Con-
fedenigao ji quiz promuver a relirada da
divisao br,isilira estacionada no Paraguay,
procura ganbar tempo e espera ensej
(a de 27 de setembro da 1870) fixou a
despeza ordioaria em 8-5,741:2620158.
_j lavo-
ravel para a roaliaacao de seus pla'nos : o
-------- -----Brasil faz concessdes sO"re concessoes, com-
lugar a lancar-se sobre o partido conserve- prometto-se cada die mais, emprega no mo-
dor dajuella provincia o raaior estyma que mento todos os meios d\) eriiar am rompi-
sy
poiados; muito bem.
A presenca de ua> gabiaefe formado sem
Senhores, orainsterio vai-se e- nds fi-
camos : o ministerio e"transitorio, cparlido'
conservador epermaneme. Interessa-lhe
tyma q_,
e possivel arrpgar-se a um partido politico ?
E' o que nao p6de penetrar..
Por ora nao-lhe e possivel explicar o
facto extraordinary de qualidcar-se todo um
partido importante eomo uma reuniao de
gente que vive de escandalos...
Nao 4 de pequeoa 4nsideratjao um
tal insulto ao partido eonservador da Ba-
hia : se 6 immoral, o qoe sSo os senadoros
e deputados sabidos do sero delta ? w
O illustre cidadao a que me rtfiro nao e
um onulor novel a quem escapem' pofivras
que n8o queria dizer, mas- um botoem
adeslrado na tribunal cuja expressao e sem-
pre discreJa e medida, sempre proferida-
com rettexao e criterio 0 ultimo periodo
do seu discwOT PreOro regenerar-me-
na opposigaw. ver n> peter meus adversa-
disiinccSo do conservadores de um e outro a' scisao porqoe na lotta intestina do- parti-
Iado, sem prevencdea da respera acharia do^ queelle padeachar oondiooes de-vida.
auspicioso acolbimento em todo oportido e.O partido conservadbr, uitdo efjrto^nio
reunindo grande numero de adhesoes, teriaipodb apoia-!o, vendo ear sua persistencia a
a forga, de qu& caroc o 7 de marcpv Pa \ ruina da situaca*; a condetnne^ao de suas
governar constiacionalmente o pair e para tradigdes, o sacriScio de sues aspiracoes e
rea>lisar os melboramentos que a legis!a$ao de seus principios:
as.
'Muitos apoiados.) Somos todos
de
re.kmia. (Muites apoiados da opposir^ro ;
muito bem.)
A diguidade do caracter pessoal, a posi-
^3o po-itica de representante da nagSo- nao
co senre que eu poasa julgar aqui quem
quer que seja entVudado a este ministerio.
Mo ba aqui homens de alguem, nao ha
homens dos ministros, que so a estes que
estao acompanbem e sustentem. Nos todos
conservadores, que aqui estamos, sowos
homens de ideas, homens do partido e nao
A solueao que beje propouhofica prova-
do que 6 o mesmo vote por mim enunciado
em todos-os tempos;-
(Augmenta^se-o svscurro fore-do recinto:
0 Sr. presidente interino deixa- a cadeira ao
Sr. vice-presidente.)
Sou obrigado, Sn president*, fazer
uma pauoa, porque as-vozes que ouvimos>jbham ahado.
is portas desta sala eonstrangem-a attengao
de todo o auditorio (apoiados, e mesmo a
mim perturbara o fio-d* discourse. Sento-
brado pangentc de indigrracao, qee assis
denota quaoto de Gheia ataga trasbordava.
(Muitos apoiados, mufto bem)
Levantaodo o- de!ote acia*a dos irrteres
seede pirtido, outros de ontem a mais-ele-
vada fazem-me recuur ante idea de quil-
soKdferiedade do partido conservador com o
gabinete 7 de roargu.
Eatre n6s, os deputados reeleitos da le-
gisiatara dissol*rida, e & ministerio do 9r.
Viscoodb do Kto-Branco ergue se o decreto
de 22^ de maio da 1872 com a postergac
da inflbencia parlamentar....
0 Sn^ Ferrefra- Vianka da"-om aparte.
0' Swv Paoliho'de SotZA-: Diz bem c
ineua bonrado amigo,eom a reeordacao
romp i
mento, mas flea sempre no mesmo e nada
adianta. Eis o estado de nossa politica no
Rio da Praia. 0 nobre presidente do con-
selho, na forma do costume, nao ata nem
desata.
Vacillates, mcerlezas, enormes despezas
militares e a guerra sempro imineote, ets
o que offerecem-nos- como resuftado a s-
bedoria etino diplbmatico do nobr presi-
denfledo conselho,oresponsavel por quanto
nestes ultimos 20 enoosteraos feite-no Rio
da Prata.
0 nobre ministro aunuueia-nos guerra
sempre rmminente...
Um Sit. Deputado : Ha dous aunosi
O Sr. PavlinodeSors-a : Diz bem o
nobre deputado. Ha dous annos a guer-
ra cstava jii'a rebentar e fci um dos preftx-
rios, a soffrer ftmtas humilhafoes, e um 'os da dissoluciode 22 de maio, porque so
S. Exc. podia faze-la ou eta'-la.
Ndo a fez, porem, nem ainda evitou-a e
aiola-ba pouoosdias no relatorio da fazen-
da animncii que ella pode dar-se a cada'
memento.
iivaliando a despeza do corrente oxerci-
cio em 17,831:561^; diz o relatorio dos ne-
gocios- da f zende, paginas IV :-
Accresce a isto a continuagflodas des-
pezas-extraordinariasda marinbaeda guer-
ra (notai bem estas palavras qua vou ler)
sem conccisdo de fundos especiacs, eomo se
Veteran durantesguerra do Paraguay. Por
mais quecuste ao governo des\tar4davul-
tadas tommas !a- qoanto montam- f) dc
nossas apphcaQoe* productivas, Sorgoeo lhe
podemos deixar de festejar a solmjio unica me, portatorateque se restabelefa o si-
capaz de fortalocer a situa^ao politica fun- fencio fora do recinto,- (O'Sr. presidente
dada pelos esforcos de todos nds, que o Sfaz signal da'-assentimeo** e o-oradar sen-
actual ministerio tern feito tudo por levar a fat-sej
decadencia. (Muito bem; rauito bera.) (Depois d* ahjuns rainutos de interrup-
Nao e de bejj* que assim penso, senhores, jjsao, franqueadas as pertes do sail ao pu-
e a prova de mioba sincerkiade ahi sta' nosjbJico nellas aggiomerade, iunumeros espec-
A'nnaes do parla meuto. Ptevi em tempo tadores entraio no recinto- e sileoeiosamente
-jservadorr?, temos a mesma politica, as
smas tradi'.oes no passado, os mesmos
i ipios uo presente, as mesmas aspira-
-ca mesma sorte no futuro. (Muito
Sc na opposirao ba variagao quanto ao
aodo de considersr a reforms eleitoral, por
rs ou quatro que nao querem como eu
TO*ro a eleijao directa, conta talvez o.lado
"->\?rnista muito maior numero que aacei-
i e vota contra o project > d confusao elei-
t-ral, aqui trazido pelo nobre ministro. Se
T:este' bunco ha quem seja mais ardente e
Taostre maior z*lo catholico, eu nSo acredi-
Urei, senao depois de se pronunciarem,
que os digoos sacerdotes sustentadores do
2abinet" approvara o procedimento deste na
quest*) religiosa ; sera que elles o digam,
eu nio acreditarei em sua adhesSo a politi-
ca que deterrainou o proc Jos bispos e rem consternad) a igreja -
>ao mini?tros. 'Muito bem.)
' Vozts : Nao podem, nem devem.
'Ha di versos apartes ; o Sr. presidento
^"ns attengao.)
OSa. Paulino de Souza : ->o seio do
prcpri gabion vejo o nobre presidente do
oonselbo, grio-mestre da magonaria, ao
lado do h.mra lo rainistro da guerra, que
lerantnu aqui contra mim e.n 1869 grande
escarceo. so porque sustentei que os prela-
jos brasiieiros nao deviam deixar suas dio-
ceses e passarem a paizes estrangeiros, sem
sciencia e annuencia do governo imperial ;
do honrado ministro da guerra, que era o
manteoedor da independencia absoluta do
-copado perante o governo...
| Sr. Demtado i Que tomou a si a
causa dos jeuitas e das irm3s do caridade.
'Apo. los,1,
(t Sa. Paulino de Souza : ... e6 hoje
,pem abre aos bispos a porta do carcore ;
excessiva religiosidade e obediencia ortbo-
4ox, nSodeixara- de condemnar como he-
retica a seita dirigida no Brasil pelo chefe
io gabinete, de que faz parte ; elle, que
nio quer e nem pode querer senao o que a
igreja crce manda crer.
0 S*. Ministro da Guerra : 0 que
u quero e a soberania nacional, sou bra-
Ueuo primeiro que tudo.
r.ruzam-se alguns apartes ; q Sr. presi-
te reclama attoiicSo.)
O s. Pauliso de Souza : Quanto A
>nna eleitoral, vejo ainda no seio do mi-
jrio, na mis completa divergencia o
. e ministro do irapefio, que nos troaxe
4<:io projocti eleitoral que todos conhe-
e unido a S. Exc. !8o inttmamente,
q-.j:se confundem no mesmo corpa o Sr.
d. -tado CV.rrda de Oliveira, signatario de
ui;. .tarocer da commissao, no qual se de-
clara que o projecto de elei^do directa por
: apresentado em 1870 offerece asmaio-
res -unlageiit polilicas, consulta todos os
itiL.iites c retpeita todos as direitos. (Muito
here, ha varios apartes).
< "S-,. Ministro do IaPERio : U aqui
ex- -Lo.
0 r-ii Paulino de Souza : Por mais
r'.ados que sejam os partfdos, 6 im-
P>lk!'. A conseguir de seus membros tSo
ititaira e completa uniformidaJe de ideas,
Jue todos pensem como cada um sobre os
iversos interesses e occurrencias sociaes.
EsUbeiecer como condicSo indispensayel
da exJsteacia dos partidos o accordo previo,
uausono e unanime daquelles que os com-
piem sobre tcdas asquestoes de qualquer
ordem que por Ventura se agitem na socie-
Jade ou oella se possara le van tar, .ss:n 1:--
cKpancia em um apice sequer, serta con-
ijue outra solooSo nao teriamos senao a que
vos proponhu, e fallo nesta parte com a
autoridade de quem tem por si a coherencia
do procedimento anterior.
O Sr. Presibsote do Conselho : Peep
a palavra.
0 Sr. Pauliso dk Souza. : Vos todos
vos recordais da iuta vigorosa aqui trsvada
em 1871 no seio de uma caraara unauime
de conservadores. Separavam-nos as id6as ;
uns, e eotre estes noe achei eu, davam aos
interesses estaveis da lavouaa e do com-
mercioatemorisados o apoi que lbes ne-
gava o ministerio, duclarando-se alids eoa-
servador, e que i;ao podiam encontrar tao
pouco no partido liberal adbesao ao plane
apresentado da reforma servil; outros sus-
tentavam com Grmeza a proposta do gover-
no. Acredito que os aissidentes de entao
prestaram importante service- A monarchiaj
e ao parttlo cooservador, mantendo nas
lik-iras dos partidos constitucionaes aquellas
importantes classes que representam forcas
vivas e poderosas e formam em grande
parte o elemento conservador de nossa so-
citdade.
No aono seguinte, aceita por todos- a lei
da emancipacSo servil, vi a meu lado con-
tra o gabinete os mais tstrenuos defensores
dessa medida, os quaes por amor delta ha-
viam na sessio ant srior sustentado o nobre
presidente do conselho e seus collegas.
Constituidos em maioria, n6s os vencidos,
da vespora sera recriminacOes, uera despei-
to, estendemos a mSo aos vencedores, nos-
S)S amigos politicos, de que s6por aquelle
molivo estiveramos desunidos. S6aente
nao podiaraos apoiar o ministerio por nao
merecer a coiifianQa de nosso partido.
Orgao da maioria que se oppunha, em
nome do partido oonservador, a continua-
r;ao do 7 de raarco, justiucando o voto de
c-'usura que lhe propuz a 16 de maio de
1872, aqui me onunciei nos seguintes ter-
raos :
0 partido conservador esti unido,
com as rnesruas ide"as, com as mesmas as-
pirates.
Se ha divergencia, e em um unico poD-
to, no modo de considerar o ministerio,
que entre uns e outros conservadores da
mesma lei politica se interp5e como ele-
mento de discord i a, que uns tolerant que
viva e a outros nao pode inspirar confian<;a.
c 0 miuisterio apparenta que tem um
partido seu e outro contra si nas fileiras
conservadores, e pruclama a scisSo. 0
que se nota 4 no seio do partido conserva-
dor uma opposioao vigorosa que nao pode
sscriGcar a individuos esta siluatj-ao politica,
que nao pode ser conivente, consentindo
que se comprometta ainda mais, quando ja
tanto se tem eomproraettido, o partido a
que todos pertencemos.
A victoria parlamentar alcangada a 21 da
maio de 1872 pelos deputados conservado-
res da legislatura passada, foi inutilisada
pelo decreto de dissoluc^o aqui lido no dia
seguinte. Aquelle triumpho nao era o de
uma idea, n8o era a condemnacao de uma
medida de governo ; significava o direito
que o partid j conservador queria roassumir
de governar com os homens de sua confian-
Qa (apoiados ; muito bem), de nuo tomar
a responsabiUdade da administracao senio
vendo a frente delta os verdadeiros repre-
sentantes de seus principios pMiticos. (Mui-
to bem ; rauito bem.)
occupam tod* oespace-fira do estrado em
que se sentam-os Sr. deputados.)
O-Sr. Preshwnte :Oorador pode con-
tinuar o seu rhecurso
O'Sr. Pavuko de Socza : Intelizmeute,
senhores, a uuiao do partido conservador
ndo se pode operar sofihos auspicios do mi-
nisterio 7 de marr;o ouja deslealdade pare
com osseus eorreligicoarios, cujps erros do
todo a sorte deram causa a" separa^ao quo
desejamos remediar.
Os debatea-oqui boaidos- sobre negocios
provinciaes tem mostrodo qual: a politica
interna do gabinete e qual a posi^ao em qpe
tem ella eollecado o partidn conserva-
dor. Os meus ho nrados colleges, q ue tra -
zem recentes as iaapressdes dos ultimos
aeontecimeotos das provinciaSy hio de di-
zer, como alguns ja. comecaraa, o que nel-
las se esta*. passando.
Referir-me-hei a dous factos unicos, que
de mais proxima data e oceorridos com ci-
dadaos muitos coubecidos, tem a notorieda-
de do momento.
Chegando da Bahia o Sr. eonselheiro Arau-
jo G6es, todos u6s aqui ouvimos. da sua
propria.bocca a>confirmafaoda iacorapati-
bilidade em que se schava com o- presiden-
te que deixara administrando sua. provincia.
Esta incompatibilidade politica subia de
ponto por envolver tambem questao de
honra para o digno magistrado e para seus
amigos 'politicos da 'Bahia. Figurou-se a
todos que o Sr. conselhairo Goes nao seria
Hovaraeote presidente da casnara se o gover-
no opprovasse o procedimeato do Sr. com-
raendador Cruz Machado.
No dio 6 do coarento o gabinete apresen-
tou o Sr. Araujo Goes para presidente da
camara dos deputados ; era a reprovac.ao
dos actos do Sr. Cruz Machado. Assim o
deviam entender todos e assim o entendeu
o Sr. Araujo Goes, como demonstra a re-
nuncia que fez da presidencia da camara
logo que o governo fez publicaraentesius,
por approvacao expltoita, os actos do ex-
presideate da Bahia.
0 gabinete, que particularmeute adopta-
ra a causa de cada um dos imcompativeis,
tomou a parte de ambos em publico : fal-
tou ao Sr. Araujo G6es, approvando o pro-
cedimento do Sr. Cruz Machado no dia da-
quelle abraro cruel dado pelo Sr. ministro
do imperio, prenuncio da demissao que,
forcoso lhe foi conceder ao Sr. Cruz Ma-
chado, a quem tambem faltou. 0 ministerio
sustentou os dous oontendores e sacriiicou
a ambos; o Sr. Araujo G6es teve, por sua
honra, de deixar a presidencia da camara,
o Sr. Cruz Machado foi exonerado da presi-
dencia em que pratioava actos meritorios no
conceito do governo.
Outro exemplo illustre 4 o que occorreu
com o distincto senador o Sr. barao de Co-
tegipe, chet'e de partido, notavel por eleva-
dos talentos e services, amigo particular do
Sr. presidente do conselho.
Cumpre nao esquecer que o Sr. barlo de
Cotegipe auxiliou este gabinete por muitos
modos, nosdias arriscaios de 1871 e 1872
ser vio -lhe muitas vezes de amparo e pro tec-
cjio (muitos apoiados), foi ate antehontem-
um de seus sustentadores...
0 Sr. Freitas Henriqoes :Ainda 6.
0 Sr. Paulino de Souza :Nao conhego
outra opiniao dos homens politicos senio a
quo revelam na tribnna e na imprensa
~ apoiados). Se pore o, o nobre deputado,
0 governo constitutional do Brasil e mo- que me interrompe, estd autorisado a fazer
narchico representativo, elementos estes in- declaracoes ou a rectiflar as palavras do il-
separaveis pela mesma constituicio. No lustre barfio, recordar-lbe-hei quaes ellas
dia 22 de maio de 1872 achavam-se esses sio...
elementos destacados e postos pelo nobre I 0 Sr. Freitas Henriques :0 discurso
presidente do conselho em frente am do do Sr. bar Jo de Cotegipe nio e de opposi-
oulro. Collocou-nos o bonrado ministro c3o, (Ohlohl)
uamaisse'ria e<-fQiciiva difficuldade em que 0 Sr. Paulino de Souza :Nio sei, nem
por minha parte, me tenbo achade em: me cumpre inquerir se S. Exc. vota contra
minba vida politica. ou a favor do governo ; nao e esta a ques-
Eramos o elemento representativo que tio. 0 honrado senador ha de votar se-
reivindicava sua influencia nesta forma de gundo lhe dictar a sua illustrada conscien-
governo e queacabava de obL-r o seu pri- cia.
meinj tiiuuipho : ^imo*, traziJo pelo nobre! 0 que importa para o caso 6 aapreciacSo
mnilstri a arena para rechagar nos, oole- qae faz do estado do partido conservador
mento monarchico, que acatamose sempre de que e* chefe na Bahia.
abracaraiaos como o grandQ principio, b Alii, disse o illustre bario, estao as cou-
do scrificio de tao distiuetos amigos poli- |teinsid, em atton^ao as circumstancias dos
peos, qpe-a nosso-lado na vesparo se ti- !Estados visinhos,yrowr com wi-g&ncia i
eonservocao da paz do Imperio pela effi-
oiencia de seus meios de defeza.
Que politica c-esta que nada- raeolve,
traz-nos em continue sobresalto, sempre na
vespera da guerra e sem faze-la nem evita-
la !
Nos ulUnnos dias- do anno passado um va-
por brasikiro 6 dehdonas aguas de- Buenos-
Ay.res, para- de sea; berdo retiraf-se am
official paragaayo, que vinba a Montevideo
a servijo die seu governo. Felizmente o
commandaate do paquete Cuyaba, bomem
de honra e de energia-, resistio, e com au-
xilio de representaoto do Brasil e-do ebefe
de nossa esta$ao naval no Rio da Prata,
pdie garaotir a seu bordo a seguraa^a de
Rivurola, que cbe^ou incolume a^seu des-
tinow Se acaso, antes de resolvido, fosse
trazido o negocic* a'deliberaQlo do nobre
presidente do conselho, estaria talvex ainda
indaciso, eomo suocede com outras- gravis-
simas questoesr qua estao a seu. cuidado.
(Apoiados).
Esta mesma-quest3o pende ainda quanto
a parte essenciai, pois queo governo ar-
gontino, desimpedindo o vapor. Cuyabd,
fe-h).por concessao especial para o caso. A
junsdice,5o das- autoridadss argeatinas so-
bre os nosso* uavios em transito nas aguas
da> republicav e-sustentada era sua raaior
latitude por aquelle gowrno, e a garantia
dabandeirabrasileira aos que vein a bordo
do nossos na.vios...
0 Sr. E'jfra/.!o CoRaiiA : Apoiado ; isso
e o essenciak
O.Sr, Pxuli.xo de Souza .. poderd,
sor obtida por concessao, sera objecto de
uma negociacao, seyrado Ieu> uo relatorio
dos negocios estrangeiros.
Senhores, a guerra e hpjo a maior cala-
midade quo pode cahir sobre a Brasil e para
evita-la devem-se empregar todos o> esfor-
50s, e-de todos estes 0 mais efficaz e-adop-
tar-se uma politiaa firmeeresoluta. Apoia-
dos ; muito bem).
E como nio bastasse tio rude gotpe da-
jdo na inflbencia desta camara, veio- o mi-
bisterio, do fira da ultima sessao, attentar
pontra a nossa maio importante prarogati-
jjVa, fazendo aqui voter linnostos e daspezas
[iniciadas- no senado. Se ootros e tawtos e
Jio graveo metivoa nao heavesse, bastar-
|ne-bia sole atteatedo, paco- eu nuneo le-
Vantar a eondemaai.ao do actual miutste-
rio. (Apoiados ; muito bera).
Era urn debate too generieo como opoj
ftua natureza o- do .voto de gragas, ^81'. po-
'derei assignalar os-depleraveis resultados da
politica ministerial: nas relacoos exteriores,
pas questoes doo-rnteresses.&oanceiros,. nos
outros services mternos e na direc^io da
jjpestio religiosa que ate hoje ahi estd'.som
solugao, sem outros effeitos a nao serem
attribulaeoas 4 igreja.brasileira, constorna-
Cio e temores iconsciencia catholica, bu-
tailhaQio para o poder civil. (Apoiados,
muito bem.)
P050 permissao a camara para tocar,.ain-
da quo rapidamente, em. todos estes impor-
tantes assuraptos.
Os resultauos conheeidos da politica do
gabiaete no Rio da Prate, inquietarn prot'un-
daraente a todos que conhecera a estado a
qpe levou naquellas paragens os negocios
exteriores do Brasil a direc^ao dada pelo
nobre presidente do conselho.
A vantagem unica quo pudera esporar 0
imperio, da guerra com 0 Paraguay, era a
realidade do nosso direito de livre navega-
eio dos rios e o franco accesso.de nossos
navios i provincia de Mato-Grosso. Para
conseguil-a tivemos de forgar o passo de
Humana* de destruir aquella formidavel
fortaleza a. 300 leguas da foz do rtio da Pra-
ta. Foi a nossa esperanija que, desarma-
das as margens do rio como. se estipulara,
nem. um obise pudesse mais achar 0 transi-
to dos navios. brasiieiros. Pesados e dolo-
rosos forara os sacrificios impostos ao pa-
triotismo brasileiro naqualla luta.
0 Brasil alii vio succumbir com mil de
seus mais. robustos e valentes filhos, aug-
mentou enormeraenta a divida publica e,
alem do que produziram os emprestimos,
despendeu 0 raelbor de trezentos mil, con-
tos, producto de impostos e papel-moeda.
Deraoliose Humaita, mas a Confederacio
Argentina fortiBca arma pouco aciraa da
foz do Rio da Prata a ilha de Martim Garcia,
chave da navegacAo dos tres rios Uruguay,
Parani e Paraguay; viola assim a letra ex-
pre53a dos tratados que haviam neutralisa-
lisado essa ilha nas raaos do governo orien-
tal, a cuja fraqueza Mra arrancada, isto ao
passo que o plenipatenciario argentino, sob
0 pretexto de nao ter sido approvado pelo
congrosso, oppunoa-se 4 insercio no trata-
do do paz da clausula do protocullo que ve-
dava, ao Paraguay fortificar as raargens do
rio, clausula alii incluida para ssguran^a
do Brasil.
E que a ConfederaQio, cuja politica, nio
de hoje, mas de longa data, tende absorver
0 Paraguay, nao quer, successora deste,
achar-se presa pela estipulacio que aceitasse
seu anteoessor.
Nio contente com isto, 0 negociador ar-
gentino sustentava como direito proprio da
CoufederaQao e nio concessao de tratado o
dominio sobre a ilha do Atajo ou Cerrito,
que antes da guerra estava incorporada no
territorio paraguayo e fora deixada sob de-
posits e guarda das forcas brasileiras que
constantemente a occuparara. 0 plenipo-
tentiary brasileiro concordava por parte do
governo imperial na cessio da ilha do Cer-
rito, novo ponto a fortificar 00' rio com
prejuizo do transito dos navios brasiieiros,
dado 0 caso de guerra entre 0 Brasil e a
Confederate
Note-se que emquanto assim nos des-
acautelavamos e faziaraos todas as conces-
sdes exigidas, 0 governo argentino reprova-
va os ajustes de seu negociador que acei-
ta ra na questao de liraites a linha do Pyl-
coraayo, ate a qual chegara 0 governo pa-
raguayo sob a presto de circumstancias
por demais notorias para que sobre ellas me
deraore, linha esta que abrangia muito me-
nor irea de territorio do que a do Bermejo,
pretendida era vao durante muito tempo por
seus mais ambiciosos estadistas. 0 pre-
texto da repulsa do governo argentin) era
a occupagio pelas tropas argeotinas da Villa
Occidental que ficara fora da lrnhi do Pyl-
comayo e onde tremulava sua bandeira.
0 Brasil podia ver arriar na ilha do Cer-
rito 0 pavilhao imperial para em seu lugar
levantar-se 0 argentino. 0 governo brasi-
leiro convinba nisto, mas 0 argentino n8o
tolcrou que a bandeira de Maio s'hisse d'-
Que differenija ^ntre o papel que repre-
sentamos hoje no Rb da Prata e a posicao
em que nos nchavamos quando em 1852 0
nobre presidente do conselho alii foi ter
pela primeira vez 1 Eramos entao os de-
fensores, outra vez fundadores da naciona-
lidada oriental, 0 Paraguay nosso aliado. 0
exercito brasileiro levava a bandeira liber-
tadora daquelles povos, caja liberdade cons-
titutional iamos restaurar, 0 nome brasilei-
ro era entre elles querido e respeitado (apoia-
dos, muito bem). 0 que vemos hoje ? 0
Paraguay exhausto e despedacsndo-se, fa-
cil presa de nunca esquedda cobiQa, 0 Es-
tado Oriental fraco e indefezo, sujeito a rail
contigencias, a C-jnfederaQio Argentina tra-
zendo-nos, segundo o nobre presidente do
conselho, sob aaraeac,a da guerra que netn
se faz nem se sabe evitar. (Muito bem).
0 exame de nosso estado financeiro, qual
0 descreve 0 nobre ministro, incutiu-me
dolorosi oouviccio, que siuto ter dj enuna-
ciar. Se as rendas publicas nao continu-
rem em progressiva prosperidade como
receia a falla do throno, e f6ra de duvida
que, mais avultadas como se vao tornando
cada dia as despezas, teremos necossidade
de reforgar os impostos ou de retro",eder
na marcha da alguns molhoramentos ji
iniciados.
E' real men te estupendo 0 augmeuto que
tem tido as despezas publicas nestes ultimos
annos Em 1867 a despeza ordinaria vo-
t.ida na lei do orc,amento n3o excedia de
68,530:3 a I#091.
Em 1870 a lei do orcamento (a de 27
de setembro), consignando avultada som-
raa para pagaraento dos juros das diver-
sas dividas contrahidas por raotivo da ul-
tima guerra, elevou a despeza votada a
85,741:2629158, mais 17.000:000^ em
sua maxima parte a despender com 0 ser-
vigo obrigatorio de juros.
Eis que sem 0 mesmo motivo de accres-
cirao, ao raenos naquella esc la, 0 anno
passado elevou-se a despaza votada a
98,250:168)5 e na proposta apreseniada
8 do corrente mez 0 ministerio pede para
despender 108,484:05396351
Comparado o pedido deste anno com
a quanta votada em 1870, nota-se um
augmento de cerca de 16,000:000? na
despeza ordinaria, da qual estlo elim'nadas
as quantias exigidas p r services espeeiaes
e pelos armamentos extraordinarios que por
veutura sefacam.
Nio e Dorera so men to islo. A lei que
regeu os exercicios de 187071 ( de 28
do junho de 1870) autorisou despezas na
somma de 83,326:7189590 ; a que regeu
0? exercicios de 187172, de 1*7873
Pois bem, a despeza no exercicio de 1870
1871, elevou-se (sea c-.ntar os deposi-
tos) a 100,074:292*76 > no exercicio de
18711872 a loi.80J;8i9448 ; no exer-
cicio de 1872-1873 a 1211,009:1309453.
0 exercicio corrente para que se fixa a des-
peza em 98,250:168*. segundo o* ealenloa
do relatorio, ba de despender (17,831:50191
Apresento apenas estes algansmos sem
docompor 0 raorahsar as parcollas, por nio
caber isto na presente discissio. Em tem-
po serlo aprecisdos. O meu iutemo, tra-
zendo-os hoje i consideracAo desta ougusta
camara, 4 firmar a seguinte proposigAo : 0
volo kgislativo do orgamento e uma iuys-
tificacio f oa actuaes ministros despondem
quarrto qoerem e eomo qoerem. A
lei do orcamento nada vale, eomo Dio vale
tudo o que & Je voto legisFati-vo neste paia.
(Apoiados, muito bam do oppoaicAo).
Eu, porem, nao posso deixar de recla
mar, embora chime era vao> porque a na-
530 esti pagando pesad.is impostos. E co-
mo para alguns dos decretados durante a
guerra concorri com o meu voto, attentas
as upgenci .s do momento, cumpro o mais
rigoroso dever protestando contra a mi
spplieacio das oontribuicbes, cjue extincta
a guenu-, deveriam ser alliviadas-. (Muitos
apoiados).
E' uma destas a-dimiaui^ao de imposto
da exportacAo, aqui'proposta pela dopBta^ao
do Rio de Janeiro, o- qual recahe sobre 0>
pro luctor Agricola, operario quasi que ex-
clusive da riqueztr nacional. (Apoiados.)
A lavoara, se figura1 m> Brasil o que na'
fabula era 0 monte Alias- e ella, como ji
se disse. o gigante qoe oamga sobra seus<
bombros o peso todo'deste vasto imperio.
(Muito bem.)
Agora em sen relatorio o nobre ministro
propoe reJuzirde 2|, os diraitos de e%por-
ta^io, unicamente sobre eertos artigos do
menor producto, como 0 algcdao...
O'Sr. Carnbiuo da Cu.vha :O assucar.
O-Sr. Pali wo de Souza-:... e estende
o Savor tambem ao assucar, aao deixa todo
0 peso sobre o-cafe, que doe producjoes
ageicolas a que domanda emprega de maior
capital pelocusto dejtrabalO' e pre^o de ter-
renes adequadoa e tambeo a que maiores
rondimentos di ao thesouro.
Deixando a grade lavoura sofc o peso da
sobrecarga, com que foi rafer^ado por mo-
tivo de guerra o- imposts de exportacao,
para, eaptar 0 favor de uma- clause impor-
tantissima, acena-lbe 0 nobre ministro com
um engodo, qua S. Exc bem sabe nao ser
beneftcio se nao para um eu outro.
Re&ro-me A parte do relatorio dos nego-
cios da fazenda, em que o nobre ministro,
ja de ante-mao esquivando-se & reiteracjio
dos nossos esforgos para ditntauir-se 0 im-
posto addicional sobre toda a friporta^ao,
acooselba como cpusa nova a -tao pVeconisa- *
da e nunca ellectuada crea^ao de bancos
de credito rural.
Mio mo opponho, antes desejo afunda-
c,a detaes estabetecimentos: s6nio posso
admittir que 0 governo tire do tbesouro o
dinbeiro que alii levamos, nos contribuin-
tes,. e os contribuintes quo aqui represen
tamos, para dil-o a esta ou aquella erapre-
zr., intervindo a favor dos bancos planeja-
iV.s, nos contratos feitos por particulares.
F/ realmente de pasmar, senhores, qua
aesteanno de 1874. e perante 0 parlamen-
to illustrado do Brasil, o ministro da far
zenda venha enunciar a idea de se pagarem
pelo ihesouro publico os- juros de dividas
de particulares.
r um absurdo economico que em. ver-
dade sorprende ver sustentado pcY um ho-
raem da esphera intellectual do nobre pre-
sidente do conselho.
Esta promessa de fundos para pagamen-
to do juros a emprezas- particulares de cre-
dit ) faria crer qua o theesouro reg orgita,
de dinheirj, se, infelizmonte, a roalidad&
nao ostivesse patente a todos, publico e no-
torio, como e, estar o nobre ministro fazeu-
do pressao sobre 0 comaiercio e sobre as
industrias, desviando dellcs os capitaes que
0 Ihesouro procura no mercado monetario
com a anciedade de apertada urgoucia.
(Apoiados e apartes.)
Todos sabera que 0 thesouro estd pedin-
do dinbeiro aos capitalistas, a quern paga 0
juro de 6% adiantado, com prejuizo do cre-
dito do Estado, cujos titulos de divida, ven-
cendo menor juro proporcionalmente a seu
valor real, e sendo emprego perraanente de
capital, nao podem deixar do ter baixa,
quaado sob a mesma garantia do Estado a
nobre ministro recebe dinheiro por curto
prazo e com premio nominalraente igual,
porem realmente maior. (Apoiados.)
Mo posso neste debate apreciar os alga-
risriios do relatorio da fazenda, pelo jogo
dos quaes se figuram os saldos annnnciados
pelo nobre presidente do conselho. Quaes
elles sejam, qualja folga do thesouro assas
revnla 0 faoto que ha pouco referi e n5o
pode ser contestado.
Senhores, as despezas progressivamente,
crescente, os impostos de guerrra conserva-
dos em paz e mal chegando para fazer-lhes
face, 0 thesouro fazendo pressao e absorven-
do os capitaes disponives, tiso estado fi-
nanceiro a que nos trouxe a gestao do no-
bre ministro, a quem tenho a honra de
dirigir-me.
E se a guerra pode sobre^ a cada instan-
te, como diz S. Exc, que perspectiva para
as financas do Brasil, confiadas ao zelo e
cuidado do nobre presidente do conselho ?
Se mais nao pode fazer, tranquillize-nos
ao menos 0 governo pelo que diz respeito a
conserva$ao da paz, principal condicao do
engrand^ciroento desto paiz. (apoiados,
muito bem.)
Desejaria tratar de alguns dos importan
tes servicos a cargo das repartieoes do im-
perio, da justica e da agricultura, mas os
respactivos ministros ainda nao se dignaram
de enviar i esta casa os seus relatorios.
- O Sr. Eufrazio Correia:Contra 0 pre-
ceito da lei.
0 Sr. Paulino de Souza : A lei expres-
samente determina que aid o dia 15 de
maio sejam prosantes & assembled geral le-
gislativaos relatorios era que se nos expde
0 estado da adminisUac&o publica e se dao
os motivos justificativos dos actos dos dt-
versos ministerios. 0s dias que tem exce-
dido nao tem sido sufiicientes para 0 cum-
priraento desse dever.
(Continuar-se-ha.)
TV. ;) MIA1M-; -;:: \ OUQtS 0E CAXiAi.
i
f
V
*


d
j:
f

i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIS7OLMZQ_NUO93M INGEST_TIME 2014-05-29T17:33:12Z PACKAGE AA00011611_17976
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES