Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17972


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AWO L. NUMERO 135
'X
PARA A CAPITAL K LlbARG** OVDti ft'AO SB PAG A PORTE.
Por tres mezes adiantados................ 6|K)00
For seis ditos idem..................125*000
for am anno idem..................24JJ000
Cada numero avulso................. 9320
TERCA FE1RA 16 DE JUNHO DE 1874
PARA DE.1TBO K FORA DA PROVl.liCIA.
Por tres mezes adiantados.............
Por seis ditos idem................
Por nove ditos idem..............
Por um anno idem................
9750
189500
209250
279000
PR0PRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA ft FILH0S.
fas. Gerardo Antonio AWes A Filhos, no Par*; Goncaltes & Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose de Oliveira d Filho, no Gear*;, Antonio de Lemm Braga, no Aracatj ; Joio Maria Julio Chates, no Assd; Antonio Marqaes da Silva, Natal ; Jose Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na ParahyBa ; Antonio Jose" Gomes, M.^B* da Penha; Be'armino dos Santos Bulcio, em Santo Antao ; Domingo* Jose da Coata Braga, emHaxarethx
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar das Alagdas; Abes d C.,na Bahia; e Leite, Cerqninho d C. no Rio Janeiro'
PARTE OFFICIAL
Gaverno da provincia.
EXPEOIIXTE DO DIA 2 DC. MABOO DE 1874.
1.' secgao.
fceto :
__O presidente daprovincia, atiendendo ao que
reii Jlaniel G mes da Cruz, rosolve conce-
6 r-fce licenja para ir ao presidio de Fernando de
>, rooka, no vapor que para ali seguir, levando
ua companhia os generos constantes da rela-
junta, a-isi^nada pelo sccretario da presidencia,
"" qaes nao poderio ser desembarcados sem que
r farte do commandante d'aqnelle presidio se
vifsdi a exame, afira de se verificar si ha aguar-
d?ate oa outra qaalqaer bebida espirituosa.
CScios : .
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
'-i.~ Sirva se V. Exc de nomear uma commis-
aa deditts medicos ede um pharraaceutico mill-
lar que dirija-se a casa commercial de Manoel da
S n Farias & C. a rua do vigario Tenorio, afim
, verificar as qualidades e quautidades dos
E^dieamentos que vio ser remetlidos para o pre-
- 1. de Fernando de N ,ronha.
Ao mesmo. -Sirva-ie V. Exc. da mandar por
e libertade o recruta Antonio Pereira da Silva,
M provou isencio legal.
Ao mesmo.-Q_ueira V. Exc. expedir suas or-
dtas no sentido de ser apresentada na casa de
d-t-ncao, no dia 5 do corrente, uma forca de 1"
Lahicamp sta de 8 pracas e ura inferior, para
c alaiir com toda seguranja, do termo de Naza-
us eriminisos Jesuino B?z*rra de Menezes
Bitalha. Vicente Jose da Costa e Manoel Paulo da
S.lva; os quaes tem le responder aojury d'aquelle
*"_ ao mesmo.Declarando o Exm. Sr. ministro
da gaem. em aviso de 20 de fevereiro ultimo, que
fi9 approwda, mas reduzida a dous mezes, a li-
cenca de tre mezes concedida por esta presidencia
M alf-res ajudante do 9* batalhao de infantaria
L*ocalio Alexandre da Conceiijao, para tratar de
a.j, sande; assim o communico a V. Exc. para os
li_.- convenientes.
Ao mesmo -Para curaprimento do aviso do
u-a-terio da guerra de 20 de fevereiro ultimo,
i saude o soliado refonnado do exercito Thomaz
d' Aquino Rosa, declaraudose no respectivo ter-
m- si esta elle impossibilitado de prover os meios
d s subsistencia.
Ao meimo. Transmitto a V. Exc. os inclu-
aw papeis, qie me serio devolvidos, do exvolum-
iario da patria Jose Pedro Velloso da Silveira, afim
d* que, em cumprimentodo aviso do ministerio da
jrierra, de 19 de fevereiro proximo flndo, faga ave-
ngoar si a referida praca na qualidade de guarda
Ciciona! designado para o servico da guerra mar-
b a volnntariamente, oufoi a is30 compellido pela
vjloriladc compelente.
Ao mesmi.A' vi?U do olllcio junto pjr co-
M qual o director do arscaal de guerra da os
>t;vo3 pelos quaes ainda nao foratn fornecidos os
looa alvos pedidos pelo 2' batalhao de infantaria,
l"ira exercicios da3 armas a Combliine, sirva se V.
Etc de expedir as necessarias ordens, aura de que
fm pane do mesmo batalliao sejam ali recebidos
ditos alvos. .
Ao mesmo.Transmitto os inclusos papeis,
uj- me serao devolvidos, refereates ao ex-volunta-
r. I da patria Eugenio Jose Martins, afim de que V.
xc. infjrme si essa pra?a, sendo designada para
: net da guerra coino guarda nacional, seguio
r.taneamente para a campinha, ou si foi a isso
-Tangido. .
Ao capiuo do porto.Commumcando o br.
Lath Antonio de Siqueira, consul da Belgica nesta
pr viacia, em offliio de 28 de fevereiro ultimo,
r reaisamido o exercicio das funijoes do seu
ergo : assim o declare a V. Exc. para seu conhe-
Ao consul da Bjlgica. -Pelo ofGcio que na
. de 23 de fevc eiro ultimo dirigio me o Sr.
\ntmioda Siqueira, consul da Belgica nesla
pr^vincia, liqnei inteirado de haver regressado de
ua viagem a Europa, e reassuraido o exercicio das
iun-;5s do seu cargo.Communicando esta oc-
rarrencia as e?tacoes eompeteOtes, aproveito a
ii para rcpetir ao Sr. consul da Be'gica as
- ra*cn de minlia perfeita estitna c distincia con-
- Mracao.
2." sec;u<>.
',5 '
O presidente da provincia, attendendo ao que
reu o bacnarel Caspar de Vasconcellos Me-
hm do Drummond, promotor publico dj cotnarca
ia ITliriil. resolve prorogar por mais um mez a
;a que, na forma da lei, Hie foi concedida por
rt.Yia de tO de Janeiro ultimo.
0 preidente da provincia, attendendo ao que
l inereu Joao Baptista Teixeira Cavalcante, escri-
vio de orphaos da coraarca de Iguarassd, resolve
aaiar Ihe mais 6 mezes de licenca na forma da
lei, para tratar de sua saude.
Officio?:
Ao Exm. presidente do tribunal da relai;ao.
>.gundo aviso do ministerio da justice, de 16 do
mez proximo passado, foi por portaria da mesma
I concedida a Affonso Jose de Oliveira a exo-
neracao que pedio do Ingar de amanuense da se-
crHaria dessa relarao; o que communico a V. Exc.
para seu conhecimento e tins convenientes.
Ao Dr. chefe de policia.Coramunicando-me
Sr. Luiz Antonio de Siqueira, consul da Belgica
eia provincia, haver regressado de sua viagem
a Europa, e reassumido no dia 28 de fevereiro ul-
tier., o exercicio das funccoes do seu cargo; assim
'aroaV S. para intelligencia.
Ao 2 promotor publico da comarca do Re-
cde.Con-Undo da parte diaria da reparticao da
r. jlicia de 28 do mez proximo passado, quo na tar
lie do dia 27 do dito me:, no lugar=Remedioslo
di^tricto da Magdalena, o portuguez Joao Maria
Ferreira Affonso assassinou a Jose Clemsntino da
tt_>nceicio, recommendo a Vmc. que de a compe-
*cte dennncia e prosiga nos termos da lei con'.ra
ininoso.
Ao promotor publico de Santo Antao.tons-
tuudo da pane diaria da reparticao ii policia, do
di* is de fevereiro proximo passado, que a 19 do
mesmo mez, no lugar denominado=Boeiro=do
> de Santo Antao, hauve uma luta entre duas
lias, resulundo a morte de Manoel Severino da
K.-vira e varios feriramtos graves em outros in-
diridaos, recommendo a Vmc. que de a corape-
MBla deuuncia e proraova o respectivo processo
L'.ra os autores 5e taes crimes.
Ao commandantedo corpo de policia.Sendo
lacorrigivel, e nao convindo ao servico do corpo
-ob o seu conmando, a praga de nome Ricardo Jose
iV-corra, pode Vmc. dar lhe balxa, como solicita
. -eu offlcio de hoje datado.
3.' secgSo.
Ado: ....
0 presidente da provincia. attendendo ao que
reauerea o bacharel Gaspar de Vasconcellos Me-
nezes de Drummond, fiscal da colleitona do mu-
nieipio da Escada, resolve conceder-lhe 30 dias de
Lceo* a com vencimentos na forma da lei, para
tratar de sua saude nesta cidade.
Oflieios:
Ao inspector da thesonraria de fazenda.
Nao tendo o bacharel Joaquim Francisco de Arm-
da. juiz municipal e de orphaos do termo do Li
raoeiro, assnmido o exercicio das funccoe3 do seu
cargo, no dia 23 do mez proximo passado, quando
:erniinoa a Kcenja, de qoe estava gozando, por ter
I (omar assento na assemblea legL-lativa desta
provincia ; assim o communico a V. S. paia os fins
convenientes.
Ao mesmo. Para os fins convoniontes com-
munico a V. .v que hontein deixou as funccoes do
cargo de 2' promotor publico desia comarca, para
toraar assonto na assembled legislativa desta provin-
cia, o bacharel Fraueisco Gomes Parente, sendo
na mesma data substituido pelo respectivo adjuoc-
to, bacharel Manoel Joaquim da Silveira.
Ao meimo. Tendo o 3* escripturario da
coatadoria do marinha, Antonio Pedro da Silva,
actualmente em ommissao no arsenal de marinha
desta provincia, sido removido para o da Bahia,
onde vai servir segundo foi determinado no aviso
de 13 de fevereiro proximo lindo, sirva-se V. S. de
mandar abonar-lhe a quantia a que por lei tiver
direito para os preparo- de sua viagem.
Ao mesmo. Declaro a V. S., para seu co-
nhecimento que nesta data foi nomeado fiscal da
estrada de ferro do Rec fe a S. Francisco, o Dr.
Chryssolito Ferreira de Castro Chaves, e ajudante
interino do fiscal da mesma estrada o Dr. Ernesto
de Carvalho Paes do Andrade, os quaes exercerao
esses cargos durante o impedimento do engenheiro
Felippe de Figueiroa Faria. Igual ao inspector
da thesouraria provincial.
Ao mesmo.Declaro a V. S. para seu conhe-
cimento, que o engenheiro fiscal interino da estra-
da de ferro do Recife a S. Francisco, Dr. Felippe
de Figueirda Faria, deixou o respectivo exercicio
para tomar assento na assembliia legislativa pro-
vincial, segundo coramuuicou-me em offlcio do 1"
do corrente sob n. 27. igual ao inspector da
thesouraria provincial.
Ao mesmo. Nesta data defiro a petifSo de
Teixeira Chaves & C., proprietaries da emproza
" Locomotora Pernambucana permittindo-lhes o
uso do terreno nacional solicitado, entre o quartel
das Cinco Pontas, o os de marinha concedidos ao
Dr. Bento Jose da Costa, como so ve da planta jun-
ta que me sera devolvida, afim de alii ser edifica-
do o predio destmado para deposito dos carros da
mesma empreza ; o que declaro a V. S. para nos
termos da sua informa;ao de 19 do mez Undo, sob
n. 739, serie F, mandar lavrar o competente ter-
mo, ate que a tal respeito resolva o thesouro na-
cional.
Ao mesmo. Siguudo o aviso do ministerio
dajustica. de 16 do mez proximo passado, foi por
portaria da mesma data "concedida a Affonso Josd
de Oliveira a exoner.irfio que pedio do lugar de
amanuense da secretaria do tribunal da relacao
desta provincia, o que a V. S. communico para os
fins convenientes.
Ao mesmo. Transmilto a V. S., para os fins
convenientes, as 9 orden3 juntas, sendo 3 do mi-
nisterio da guerra e 6 do thesouro nacional.
Ao mesmo. Mande V. S. pagar a quem se
mostrar competentemente autorisado, a importan-
cia constante da folha e prets juntos em duplicata
do3 vencimentos do destacamento da villa de Ga-
ranhuas relativos ao mez de Janeiro findo, como
solicita o respectivo commandante superior em of-
flcio de 20 do corrente, sob n. 16.
Ao mesmo. A" vista da folha e prets juntos,
em duplicata, mande V. S. pagar a quem se mos-
trar competentemente autorisado, os vencimenl03
do destacamento da villa de Petrolina, relativos ao
mez de dezembro do anno passado, conforme soli-
citou o respectivo "commandante superior em offl-
cio de 25 de Janeiro findo.
Ao mesmo. Transmilto a V. S., para os
devilos fins, a inclusa portaria de nomeacao de
Francisco Guedes da Silva para agente do correio
da estacao d'Agua Preta.
Ao mesmo. Declarando- o Exm. Sr. mi-
nistro da guerra em aviso de 20 de fevereiro
ultimo ficar approvada, mas reduzida a 2 mezes,
a licenca do 3 por esta presidencia concedida ao
alferes ajudaute do 9' batalhao de infantaria, Leo-
cadio Alexandre da Conceicao, para tratar de sua
saude.; assim o communico a V. S. para os fins
convenientes.
Ao mesmo. Communieando-me o Sr. Luiz
Antonio de Siqueira, consul da Belgica nesta pro-
vincia, haver na data de 28 de fevereiro ultimo
reassumido o exercicio das funccSes de seu cargo;
assim o declaro a V. S. para seu conhecimento e
afim de o fazer constar ao inspector da alfandega.
Ao mesmo. Communico a V. S. para seu
conhecimento e fins convenientes, que nesta data
deferi a peticao d) bacharel Quintino Jose de Mi-
randa, juiz do direito da la vara civel desta cida-
de, considerando abonadas as faltas por elle dadas
de 3 a 6 do mez findo.
Ao mesmo. Transmilto a V. S. a folha e
prets juntos em duplicata, que me remetteu o bri-
gadeiro commandante das armas com offlcio de 2
do corrente sob n. 175, afira de que mande pagar
os vencimentos dos offlciaes, pracas e calcetas em-
pregados no deposito de recrutas, conceruentcs ao
mez de fevereiro ultimo.
Ao inspector da iresouraria provincial. De-
claro a Vmc, para sea conhecimento o fins con-
venientes, que Felix Ramos Lieuthier foi nomeado
para exercer interinamente o lugar de engenheiro
da reparticao das obras publicas e nao elTectiva-
mente como por engano declarou-se na portaria/J
de 26 do mez passado.
Ao mesmo. Tendo-me declarado o juiz de
direito da comarca de Olrada em offlcio de 26 do
mez findo nao ter alii eneontrado quem se quizes-
se encarregar do fornecimento de alimentacio aos
presos pobres da respectiva cadeia, recommendo
a Vmc que providencie para que semelhante for-
necimento seja feilo em dinheiro pela collecloria
daquella localidade.
Ao mesmo. Tendo o engenheire fiscal da
ra de lastrofflo primaria dosexo femenino da vil-J -0 Exm. Sr. presidente da provincia manda ac-
la de Ingazeiia, durante o impedimento da respec- f cusar o rocebimento do offlcio de V. S., de 23 do
liva prof' ssora. Imai proximo passado, communican lo nao ter as-
0 presidente da provincia, attendendo ao que Isumido naquella data o exercicio das funccoes do
requereram us professores publicos de instruccao seu cargo, quando terminou a h'cenca de que esta-
primaria, Miguel Archanjo da Silva Braga e Bono-
nio Rosa de Lima Leal, este da cadeira de Lage
Grando e aquelle da de Goianninha, e em vista d >
informacao do director geral da instruccao publi-
cs, de 24 de fevereiro findo, sob n. 65, resolve eon
ceder Ihes que permutem entre si as respectivas
cadciras.
0 presidente da ppovincia, attendendo ao que
requereu Maria Emygdia do Almeida Monteiro,
professora publica de instruccao primaria da ca
deira do sexo feminino de Gravata de Jaburu, e
em vista da informacao do director geral da ins-
truccao publica, resolve removel a para a da cida-
de do Rio Formeso, vaga pela jubilacao da pro-
fessora Maria Isabel Lins.
0 presidente da provincia, attendendo a pro-
tosta do director geral da instruccao publica, de
26 de fevereiro findo, sob n. 70, resolve nomear
Bernardina de Oliveira Cavalcante Macnado para
reger interinamente a cadeira de instruccao prima-
ria da povoacao da Venda Grande, durante o im-
pedimento da professora effectiva.
0 presidente da provincia, conformando-3e
com a proposta do director'geral da instruccao pu
blica, resolve nomear Maria Luna de Albuquer-
que para reger interinamente a cadeira do sexo
feminino da Barra de Serinhaem, durante o impe-
dimento da professora effectiva, visto nao ter sido
acceita por Maria Pinheiro de Figueiredo a nomea-
cao ultimamente feita para exercer esse cargo.
Offlcios:
Ao Exm. presidente da provincia da Ba-
hia.- Tenho a honra de accusar o recebimento do
offlcio circular de V. Exc, de 13 de fevereiro fin-
do, ao qual acompanharam dous exemplares ira-
pressos di colle:caodas leis e resolucSes dessa pro-
vincia, sanccionadas no anno proximo passado.
Ao inspector da sadde publica. Mande V.
S. preparar e remetta a secretaria desta presiden-
cia uma carteira de medicamenlo3 homeopathicos
polychrestos em tinturas e globulos, acompanhada
de um tratado pratico da applicagio de taes raedi-
cament03, afim de ser enviada ao Rvm. frei Fidelis
Maria de Fognano, que se acha na colonia Isabel,
onde grassa a variola e febres.
5." secgao.
Actos :
0 presidente da provincia resolve nomear o
ajudante interino do fiscal da estrada de terro do
Recife ao S. Francisco, Chryssolito Ferreira de
Castro Chaves, para exercer interinamente o lu-
gar de engenheiro fiscal da mesma estrada, duran-
te o tempo em que estiver com assento na assem-
blea provincial o engenheiro Felippe de Figueiroa
Faria, e nomear para o de ajudante interino o en-
genheiro Ernesto de Carvalho Paes de Andrade.
0 presidente da provincia, rectificando o en-
gano que se deu na portaria de 26 de feveaeiro
ultimo, resolve declarar que o conductor Felix Ra-
mos Lieutier foi nomeado para exercer interina-
mente o lugar de engenheiro da reparticao das
obra3 publicas, e nao effect!varaente, como se ve
da citada portaria. >,
0 presidente da provincia resolve nomear Da-
miao Cavalcante Ponce de Leon para exercer ia-
terinaraente o lugar de conductor da repartic.ao
das obras publicas, vago pela nomeacao de Felix
Ramos Lieutier para exercer tambem interinamen-
te o cargo de engenheiro da mesma repartiQao.
Offlcio :
Ao superintendents da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco.Rcitero a Vmc. a minha
ordem contida em offlcio de 28 de outubro ultimo,
no sentido de serem transpor.ados gratuitam'ente
no3 carros dessa estrada de ferro os materiaes o
objeclos destinados a colonia denominada Isabel
em Pimenteiras, que forem despachados com esse
destino pelo Rvd. prefeito .la Penha ; devendo o
excedente de cem kilogrammas gozar da vantagem
offerecida pela 13.* condlcSo do decreto n. 1030,
de 7 de agosto de 1852.
Portaria :
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
navegacao a vapor mandem dar passagem para
a Bahia, por conta do competente ministerio, ao
3.' escripturario da contadoria- de marinha Anto-
nio Pedro da Silva, que foi removido do arsenal
desta para o daquella provincia, e bem assim a
sua familia, composta das pessoas mencionadas na
relacao junta.
EXPEDIENTS DO SECRETARIO.
2." secgao
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.S. Exc o Sr. pre-
sidente da provincia manda communicar a V. S.,
em resposta ao seu offlcio de 28 do mez findo, sob
n. 299, que nesta data se expedio ordem a thesou-
raria provincial no sentido de ser paga a conta,
qae veio annexa ao cilado offlcio.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda communicar a V. S. que acaba de
expedir ordem, afim de serem apresentadas na
casa de deteneao 8 pracas de 1." linha e 1 inferior
para conduzirem ao termo de Nazareth os crimi-
nosos de que trata o seu offlcio de 2 do cor-
rente.
Ao commandante superior de Itambe.0
Exm. Sr. presidente da provincia manda devolver
a V. S. o offlcio incluso, afim de que venha assig
nado.
Ao commandante superior de Garanhuns.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia, communico a V. S., em resposta ao seu offlcio
va gozandoj por ter de tomar assento na assem
blea legislativa desta provineia.
Ao bacharel Manoel Joaquim da Silveira.0
Ex;*. Sr. presidente da provincia manda acmsar
o recebimento do offlcio di V. S., de hoje datado,
participando ter hontem assnmido o exercicio das
funccoes de 2.* promotor publico desta comarca.
Ao presidente do conselho de qoaliffcacSo
da parochia de It Albuqueique.0 Exm. Sr. presidente da provin-
cia mandi accusar o recebimento do offlcio de V.
S., <1e 28 do mez proximo findo, participando ter-
se naqualla data concluido o trabalho do conse-
lho de qualificicio dessa parochia.
Ao commandante do corpo de policia. S.
Exc. o Sr. prosidente da provincia manda commu-
nicar a T. S., em resposta ao seu offlcio de 28 do
mez findo, sob n. 97, que nesta data se expedio
ordem a thesouraria provincial no sentido de ser
indemnisado o quartel-raestredesso corpo da quan-
tia indicida no citado offlcio.
4.' secgao.
Offlcios:
Ao 1. secretario da assemblea provincial. -
N. 3. Dj ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, remetto a V. S. uma colleccao das de-
ci35es e leis do imperio do Brasil, de 1872.
Ao mesmo.N. 4.De ordem de S. Exc. o
Sr. president* da provincia, transmitto a V. S. para
terem o convsnienlo destino os inclusos originaes
das resolucoes de ns. 1,109 a 1,127, sanccionadas
no anno proximo passado.
Ao mesmo.N. 5.De ordem de S. Exc o
Sr. presidente da provincia, remetlo a V. S. para
serem presentes a assemblea provincial as inclu
sas resolnc5e3 de 4 de maio e de 3, 5 e 9 de ju-
nho do aeno passado, que nio foram sanccionadas
pelos fundamentos nellas declarados.
5.* secgao.
Offlcio:
Ao adminislrador dos correios.De ordem
de S. Exc. c Sr. presidente da provincia, commu-
nico a V. S. ?ara seu conhecimento que nesta data
remetteu se a thesouraria de fazenda a portaria
qne nomea Francisco Gomes da Silva agente do
correio da esncao de Agua Preta.
Ao engmheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife a CaXanga.S. Exc. o Sr. presidente da
provincia mania declarar aV. S. que fica inteira-
do de haver oultado essa companhia na quantia
de 50/, conforme communica em offlcio de 22 do
mez ultimo, sot n. 103.
Ao engenheiro Chryssolito Ferreira de Castro
Chaves.-De ordem de S. Exc. oSr. presidente da
provincia, declaro para seu conhecimento que nesta
data foi V. S. nomeado para exercer o lugar de
fiscal interino da estrada de ferro do Recife ao S.
Francisco, durante o tempo em que estiver na as-
semblea provincial o engenheiro Felippe de Fi-
gueiroa Faria.
x Ao engenheiro Ernesto de Carvalho Paes de
Aiidrade.Decla-o a V. S., de ordem de S. Exc.
o Sr. presidente da provincia, que nesta data foi
V. S. nomeado para exercer interinamento o lugar
de ajudante do engenheiro fiscal da eslrada de fer-
ro do Recife ao S. Franciso.
Ao Sr. Felix Ramos Lieutier.-Por portaria
de 26 do mez do fevereiro ultimo foi V. S. nomea-
do para exercer interinamente o cargo de enge-
nheiro da reparticao das obras publicas, vago
pela aposentadoria de Manoel Lourenco de Matlos,
e nao effectivamante, como por engano se declarou
na mesma portaria; o qua communico a V. S.,
para seu conhecimento e de ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia.
Piicas & CSim.
Pereira Vianna & C Requciram ao Exm. pre-
sidente da Parahyba.
Thomaz de Carvalho Soares Brandilo Sobrinho.
A' vista da informacao das obras publicas, in-
deferido.
i.
Reparticao la policia.
seccao__Secretaria de policia de Pernambuco,
15 de junho de 1874.
N. 720.Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc
que foram recolhidos a casa de detanQSo, os se-
guintes individuos:
No dia U do corrente, a ordem do subdelegado
de Santo Antonio, Felix, escravo de Jose Eugenio
da Silva Ramos, a reqnerimento do senhor.
No dia 13, a ordem do subdelegado do Recife,
o raariiimo francez Labedens, a requisijao do res-
pectivo consul.
No dia 14, a ordem do subdelegado de Santo An-
tonio, Jose Francisco Pereira di Silva, Manoel
Francisco do Nasciraento e Elias Jose Moreno, por
embriaguez e dislurbios.
A' ordem do da Boa-Vista, Nazario, escravo de
Joao Jos6 de Paiva, a requerimento do senhor.
No dia 19 de maio ultimo foram recolhidos a ca-
deia da villa de Ouricury, Antonio Marinho Ribei-
ro, teraente Antonio Jo=e Barbosa Bahiano e Do-
mingos Alves de Castro, pronunciados &\i como
incursos nas penas do art. 205 do codigo cri-
minal.
No dia 24 foi recolhido a mesma cadeia Reinal-
do Goncalves Torres, pronuneiado alii como incur-
so nas penas dos arts. 129 g 1 e 8, 130 ft 5, e 140
do citado codigo.
Na noute do referilo dia 21, no lugar Gravata,
daquella comarca, Miguel de tal, assassinou com
4 facadas a Francisco Alves de Deus, logrando eva-
dir-se. Sobre semelhante facto o deiegado de po-
licia procedeu nos termos da lei.
A's duas horas da tarde do dia 12 deste mez, no
engenho Araripe, da comarca de Iguarassu, Joao
Jose Vieisa, conhecido por Jose Mulatinho, assassi-
nou Manoel Joaquim de Sant'Anna e Francelino
Francisco Rodrigues, ao primeiro com uma facada
e ao segundo com uma cacetala. 0 delinquente
logrou evadir se, e o deiegado de policia procedeu
aos corpos de delicti e inquerito policial, que ia
remetler ao respectivo Dr. juiz municipal.
Das oito para nove horas da noute do dia 14, em
um dos becios da rua Imperial do 2 districto de
S. Jose, desta cida le, Antonio de tal, conheaido por
Antonio Crioulinbo, ferio a Jose;Fernandes de Al-
meida, conseguindo evadir-se ; o respectivo subde-
legado esia procedendo nos termos do inque-
rito.
A's oito horas da manha^do dia 13, a ma das
Aguas Verdes, da freguezia de Santo Antonio, des-
ta cidade, falleceu repeutinamente Martinho de
Oliveira Borges, declarando os facultativos que fi-
zeram a vistoria que a morte fora o rcsultado de
uma coogestao pnlmonar.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. com-
mendador Henrique Pereira de Lucena, digno pre-
sidente da provincia -0 chefe de policia, Anto-
nio Francisco Correia de Araujo.
DIARIO JDE PERNAMBUCO
RECIFfe, 16 DE JUNHO DE 187V.
/^quartel.
w E' provavel que ate o fim de junhoescreve a
folha ja citada, estejara concluidas as paredes ex-
teriores da parte que se acha em construccao, qu
mede de frenle 60 meiros.
t Essa iraportante obra projectada e comecada
pelo tenente-coronel Jose Chrindo de Queiroz, e
actualmente durante sua ausencia dirigida pelo en-
genheiro caoitao Erico Rodrieoes da rvi sem duvida um dos primeiros e mais notaveis mo-
numentos da provincia.
0 ltacoatidra, folha que so publisa na cidadd
de Ilacoatiara, que ha cousa de um mez era villa
de Serpa, da as seguintes noticias:
a Houtem.as 10 horas e meia da noite, o snbditd
portuguez Joaquim Pereira da Silva Castro, ferio
gravemente ao seu corapatriota Joaquim Jose da
Costa, que esta em perigo de vida.
c 0 diligente deiegado de policia, apezar da au-
sencia da forca publica, deu tao acertadas provi-
dencias, que reoraentos depois deste acontecimen-
to foi o criminoso captnrado. >
a 0 commercianle Joaquim Jose Pinto de Fran-
Qa, sempre prompto a concorrer para os melhora-
mentos desta localidade, onde elle tem os mais
charos penhores de seu amor, e seus interesses
enraizados, resolveu fazer a sua custa um bello
porto de desembarque, com^uave escadaria, cuja
obra ja se acha completa. Um Ul acto, ainda
mais louvavel partindo de um estrangeiro, e digno
de todo3 os encomios.
A collectoria das rendas provinciaes de Ser-
pa, no trlmestre dc Janeiro a marco e pelas seguin-
tes verbas, arrecadou 63:2863115, sendo
Direitos de importacio
sobre bebidas
Emolumentos
Multa
1:911*844
99*000
40*000
3 7-
Somma
adlicicnaes
50:380/278
42:431*122
12:854*99::
65:286*11.";
DESP.YCHOS DA PBES1DENCIA, DO DIA 12 DE JLX1IO DE
1874.
Padre Antonio RuDno Severiano da Cunha
Deferino com offlcio desta data a thesouraria de
fazenda.
Andre de Abreu Porto. Passe pirtana, conce-
dendo a prorogacao pedida.
Felinto do Rego Barros Pessoa. Informe o br.
inspector ea thesouraria provincial.
0 mesmo. Informe o Sr. regedor interino do
estrada de ferro do Recife a Caxanga, communi- ,je n a0 mez fiaij0 sob n. 16, que nesta data se
..J. -# ..^-;.lrtn.,;r. n.M f.rfinlr. An 99 An mat'' .___ _. __ .._____.__!.nJ, ....
cado e esta presidencia em offlcio de 22 do mez
flndo, que multara a respectiva companhia na quan-
tia le 50* por ter eneontrado a rnachina que pu-
chava o trem de passageiros, sera o foguista ; as-
sim o declaro a Vmc. para seu conhecimento e
fins convenientes.
Ao mesmo.Nao tendo sido autorisado, nem
sendo de absoluta necessidade, o augmefflo de obra
feita pelo arreraatanto do 4 lanco da estrada de
Muribeca, Tnomaz de Carvalho Soares Brandao,
mas concorrendo de alguma sorte aquelle augmen-
to para tomar mais solida a obra do referido lan-
co, segundo opina a reparticao das obras publicas,
auioriso Vmc. a mandar pagar ao mesmo arrema-
tante a quantia de 300*000, soraeute.
Ao mesmo.Providencie Vmc. para que seja
indemnisado o quartel-mestre do corpo de policia
da quantia de 20*000, proveniente de ajuda de
custo abonada ao tenente daquelle corpo Antonio
Francisco Cordeiro de Mello, quando seguio era
diligencia para S. Jose da Boa Esperaaca, no ter-
mo da Escada.
Ao mesmo. Mande Vmc pagar ao capitso
Antonio Augusto Maciel a quantia de 100*003,
constante da conta junta, em que importou o alu-
guel de um seraestre, vencido em dezembro ulti-
mo, da casa que no termo de Barreiros servio de
cadeia ; conforme solicita o Dr. chefe de policia em
offlcio de 28 do mez findo, sob n. 299.
Ao mesmo. Communico a Vmc, para seu
conhecimento e fins conveniente3, que o bacharel
Antonio Goncalve3 Ferreira deixou hontem o exer-
cicio do lugar de chefe da 3' seccio da secretaria
deta presidencia, por ter de tomar parte nos tra-
balhos da assemblea legislativa provincial.
4.' secgao.
Actos: .
0 presidente da provincia, comornundo-se
com a proposta do director geral da instruccao pu-
blica em offlcio de 13 do mez proximo passado,
=ob n. 58, resolve nomear Candida Guilhermina. de
Almeida Barros para reger interinamente a cadet-
mandou pagar a quem se mostrar autorisado os
vencimentos do destacamento da villa de Gara-
nhuns, relativos ao mez de Janeiro ultimo.
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Tacaratii.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda accusar o recebimento do offlcio de
22 de Janeiro ultimo, com que V. S. remette o
raappa da guarda nacional sob o seu commando
superior.
Ao commandante superior da Boa-Vista e
Ouricury.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
manda communicar a V. S., para seu conhecimen-
to, que nest: data se expedio ordem a thesouraria
dc fazenda, no sentido de serem pagos a quem se
mostrar autorisado os vencimentos do destaca
mento da villa de Petrolina, relativos ao mez de
dezembro ultimo ; como solicitou V. S. em offlcio
de 25 de Janeiro do corrente anno.
Ao juiz de direito de Palmares.S. Exc. o
Sr. presiden'e da provincia manda communicar a
V. S., para os fins convenientes, que por despacho
de2 do corrente foi concedido ao bacharel Joaquim
Ferreira Chaves Junior poder entrar em exercicio
do cargo de adjunto do promotor publico da co-
marca de Palmares, independentomenle de titulo,
que devera tirar e apresentar no praso improro-
gavel de 15 dias.
Ao juiz de direito da comarca da Olinda.
S. Exc o Sr. presidente da provincia manda de-
clarar a V. S. que nesta data se expedio ordem a
thesouraria provincial, no sentido de ser feito o
fornecimento do snsiento dos presos pobres da ca-
deia dessa comarca pela respectiva collectoria ;
conforme solicitou V. S. em offlcio de 26 do mez
findo.
Ao bacharel Joaquim Cordeiro Coelho Cin
tra.0 Exm. Sr. presidente da provincia m.vada
accusar o recebimento do offlcio de V. S., de 26
do corrente, em que pafticipa ter reoe'bido naquel-
la data a comrnunicacio de sua remocSo do Crato
para a comaroa de Garanhuns, desti. provincia.
Aq bacharel Joaquim, nw&co de Arruta.
gvmnasio.
Padre Jenuino Gomes PereiraLegalise o sup-
pllcanle o attestado que exhibio, afim de ter lugar
o que requer.
Jacintha Avelina da Cruz. Prejudicada.
Joao Pacheco de Medciros. Requeira em ter-
mJose Francisco Paes Barr to. Passe portaria
concedendo a licenca pedida.
Jos6 Antonio Cesar de Lima.-Indofendo, deven-
do requerer ao governo imperial o que lhe pare-
cer mais conveniente. .
Padre Vicente Guedes Pasheco.Dinja se a the-
souraria de fazenda. if,,Q
Bacharel Joaquim Ferreira Chaves.Informe o
Sr. Dr. chefe de policia. ....
Jose Pedro de Souza. Nada ha que defenr ao
supplicante em vista do que informa o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
Martinho da Silva Costa.Aguarde o suppli-
cante a expedicao do regulamento da rastruccio
9 Manoel Correia de Araujo.- Deferido com offl-
cio desta data, dirigido a thesouraria de fazenda.
Manoel Vicente do Nascimento Veigas.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Manoel Figueiroa de Faria & Filhos.Dinjara-
se a thesouraria provincial.
Sebastiao Antonio de Albuquerque Mello.Pas-
se portaria concedendo a licenca pedida, com ven-
cimentos, na forma da lei.
Antonio Jose de Moraes Sarmento. Passe por-
taria concedendo a licenca requerida, com ordc
nado.
Alfredo Gibson. Informe o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
Anna Candida de Luna Freire.-Ao Sr. director
da instruccao publica para deferir, nos termos de
sua informacao de 12 do corrente, sob n. 177.
Barao da boledade.De-3e.
0 mesmoRemettido ao Sr.director das obra3
publicas para attender ao que requer o supplicante-
Bento Jose da Costa. De-se, para o quo seja
remettido 4 thesouraria provincial.
Balbina Leopoldina Lopes. Indeferido.
Frederico Cesar Burlamarque, Mathias Tavares
de Almeida e Arruda Irmaos. Informe o Sr. en-
genheiro chefe da reparticao das obras publicas.
Francisco Cavalcante de Lacerda.Seja escuso.
Padre Herculano Marques da Silva.- Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Joanna Antonia de Souza. Informe o Sr. Dr.
chefe de policia. ,
Johnston Pater AC- Informe o Sr. engenheiro
chefe da reparticao das obras publicas.
Bacharel Joao Carlos de Mendonca Vasconeellos
Passe-se portaria concedendo um mez com or-
denado e outro sem elle.
Justiaa Maria da Conceicao.-Oererido com offl-
cio desta data ao provafor da Santa Casa de Mise-
ricoruia. ,
Joaquim P/;s da Silva Guimaraes. Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Maria Jose Cavalcante de Lima. Deferido com
offlcio desta data, dirigido a thesouraria de fa-
zenda.
Olymopi da Silva.Informe o Sr. engenheiro di-
rector das obras. nn.wfeas.
creditos
1873
Noticias do iiorte do iiujterio.
Amanheccu hontem em nosso pDrto o vapor
brasileiro Ceard, trazendo datas : do Amazonas 27
de maio, do Para 6, do Maranhao 8, do Ceara II,
do Rio Grande 13 e da Parahyba 14 do cor-
rente.
AMAZAX.VS.
Continuava em seus trabalhos a assemblea
provincial legislativa. .
Na discussao da lei do orcamento provincial
consigoaram 03 illustres Lycurgos a somma de
14:000*000 para a acquisi^ao deuma typography
official.
Na sessao do 11 de maio a assemblea, por uma
mocao assignada por 12 de seus membros, des-
titu'io de seu presidente ao coronel Francisco An-
tonio Tapajos. .
A colleccao das leis da provincia tem sido
augmen;ada com a3 seguintes resolucoes da
assemblea, sanccionadas pelo presidente da pro-
vincia : ...
N 2S3, de 23 de abril, elevanJo a villa de
Serpa a catliegoria de cidade, com a denorainacao
de Itacoatiara; .
N. 284, de 25, marcando era 1O300O dianos o
subsidio dos deputado? a as3emblea legislativa
provincial para o biennio do 18761877 ;
N. 285, de 28, approvando o acto da presidencia
permiltindo a-Companhia fluvial do Alto-Amazo-
nasa transferir todos os seus contratos a-Ama-
zon Stean Navigation Company, Limited ;
N. 286, de 30, augracntando diversos
da lei do orcamento do exercicio de
18-74; ... .
N. 287, de 1 de maio, elevando a cathegona de
vllas, com as denominaQoes de Cudajas e Coary,
as freguezias de Cudaja3 e Alvellos ;
N. 288, tambem de 1 do corrente, autousando
a presidencia da provincia a melhorar a apo-
sentadoria do professor publico padro Torquato
Antonio de Souza. .
0 coronel Porto-Carrero passou o commando
das armas, de que foi exonerado, ao tenente-co-
ronel inspector das fronteiras, Josa Clannlo de
Queiroz.
Apresiiencia daprovincia aposentou, por
acto de 23, o tenente coronel Aristides Justo Ma
vignier no lugar de inspector do thesouro publico
provincial. .
0 dia 24 de maio, anniversano da glonosa
balalha do Tuiuty, foi dia de grande gala em Ma-
naos. Benzeu-se alii um estandarte para o A" ba-
talhao de artilheria a pt\ 0 Commercto do Ama-
sonas descreve assim esta festa :
o Teve lugar com toda a solemnidado as nove e
meia horas da manhi de 24 do corrente, oitavo
anniversario da iraportante batalha de Tuiuty em
que as armas brasileiras levaram de vencida as
hostes paraguayas, a bencao da bandeira do 3" ba-
taltiao de artilheria a pe.
c Offlciou no. acto o Rvd. padre Dr. Santos
reira. ...
t 0 templo do Senhor regorgitava de fieis e
crescido numero de offlciaes de terra e mar,
como de cidadSos qualificados, nacionaes e es-
trangeiros. ... i
a 0 batalhao fez a guarda de honra, sal-
vando com 21 tiros, apos a bencao quatro pecas
do pat que de arlilharia estacionadas na frente do
templo. ......
t Entregando o padre Santos Pereira a bandeira
ao official, que a devia conduzir, pronunciou uma
pequena e eloquente oracio.
Terminado o acto religioso, dirigiose S. Exc. o
Sr. presidente da provincia, Dr. chefe da policia,
inspector das obras de fortificicao nas nossas fron-
teiras e grande numero de convidados ao quartel
do 3* batalhio que se achava brilhantemente de-
corado, servindo alii um lauto banquele em que
aquelles tomaram parte.
Continuava a variola a dizimiar a populacao
da frontaira de Tabatinga. Ja ahi havia chegado
o Dr. Aprigio commvssionado pelo governo ua
provincia para prestar soccorros medicos aos va-
riolosos. ... .
daqiaa'^
Pe-
0 commendador Alexandre Paulo de Brito
Araorim convocou uma reuniao de commercian-
tes para o dia 20 do corrente mez, alim de lhes
ser apresenlado o projecto da organis3cao de um
banco de descontos.
Apparecera a variola no Ayapua, enja pepu-
la.-a ) ia sendo dizimada.
No dia 15 deste mez comecou a publicar-s-
em Manaos ura periodico sob o titulo Actualidade,
orgao do partido conservador.
PARA.
Alem do que narrou nosso correspondenle
da capital, na missiva que hontem publicamos,
encontraraos nos jornaes o que segue :
__A alfandega arrecadou no mez de mai..
381-8945409, que, confrontado com o rendiment;.
de igual mez em 1873, na importancia de..
323038*786, apresenta uma differenca para mais
de 61:855*713.
A lei do orcanento municipal, publicada
pela presidencia da provincia, fixa assim as des-
CamaYa de Belem 236:002*760
deCameta 19:610*000
de Santarem 14:18o*99G
de Macapa 3.930*000
de Obidos 9:830*424
da Vigia 4:400*880
de Braganca 9:309*380
de Breves I5:597#500
de Mcnte-Alegre 5:270*00u
de Muaua 4:813*300
de Mocajuba 1:735*000
de Bavio 2.400*000
de Cu'rralinho 2:210*1)00
de Meigacj 1:950*000
de Portel 1:6705000
de Oeiras 1:633*910
de Faro 2:910*000
de Gurupa 5:0905000
de Alem.iuer 3:400*000
de Villa-Franca IrMMOOO
de Some 4:090*000
de.Monsaras 4:110*000
de Ourem 2:030*000
de Boa Vista 2:290*000
de Porto dc Moz 5:050*000
de Ciotra 1:010*000
de S. Miguel do Guama 1:380*000
As camaras de igarape-miry, Cachoeira, Chaves,
Mazagao, Moju, S Caetano e Vizeu, qua nao re-
raetteram seus balances, relatorios e orcamento?,
regnlaram a sna despeza pela fixada na lei n. 80O
de 13 de setembro de 1873.
Em Soure foi julgado o proeesso em qua
era autora a justica pnblica e reos Juliao Amador,
Bento Amador, Justino Amador e um escravo,
Faustino, mandantes e mandatarios do assassinato
do capitao Manoel Jose de Mello Fr-ire Barata
Durou deus dias a sessao do Julgamento. O jury
condemnou a gales perpetuas Juliao Amador (pai)
e Bento Amador ; a 40 annos de gales Justino
Amador ; e absolveu o escravo Faustino, que foi
logo posto era liberdade.
Nao apreseDtando a cadeia de Soure as neces-
sarias condicoes de seguranca, voltaram os reos
para a cadeia da capital, na canhoneira da mari-
nha de guerra Henrique Dias, que os conduzira.
Fallam ser julgados mais dous reos foragidos,
cumplices no assassinato.
Nos cofres da thesouraria provincial ficou, a
31 de maio, um saldo de 42:159*018.
Lemos no Diario do Gram-Paid :
Os preparos para a imraersao do cabo do Pa-
ra estao ja concluidos. Esse cabo tem de ser col
locado entre o Para e Demerara, na colonia in-
gleza da Goyanna, tocando provavelmente em pon-
tos da Goyanna franceza e hollandeza. Es^era se
que os paizes, a quem pertencem estas duas, dem
auxilios pecuoiarios.
t Em Demerara o cabo ligar-se-ha com a rede
telegraphica da companhia das Indias Occiden-
taes e o Panama, e fieara, portanto, em coromu-
nicacao com as linhas dos Estados-Unfdos e da Eu-
Esse3 preparos effectuar-se-liao com o auxilio
comraum nio s6 da companhia Telegrapho Brasi-
leiro, que os promovou, como da companhia da
America Central e da companhia do Telegrapho
Brasileirp Occidental, todas ellas em proporcoes
iguaes. 0 cabo ja esta prompto a sendo embar-
cado no vapor Hooper estando tambem pa;o, ou
palo menos o dinheiro prompto para p'ga lo ale a
quantia de* 100.000. A directoria da Compt-
nh'.a Telegraplio Brasileiro Occidental pede aos
seus accionistas o adiantamento desta Q"*"'1* Pr
um anno, garanlido o reembolso com i
juros, iicando reservado a compauhia, se lhe apro-
ver, o direito de eraittir accSes, com o jura> de ,
0/0 na importancia de 100.000 afim de ream-
bolsar a companhia Ceniral. Amencana.B
HAHANHAO.
__i^a a33ernblea provincial discutiara-se dous
projectos, creando as novas comarcas do Pinhei-
ro e do Allo Hapecuru.
_. Fallecera na capiul o Rvm. conego Januar;o
Daniel aomes de Castro.
HAUHY.
_ Fallecra o coronel Franci^0 p ^ .
reia. w
Lemos na Opinion Causer- '
Ante-hontem, 10 v udora :


tarde, uma -'-
^ maio, oelas 5 horas da
. e,randola do foguetes annunciou quo
...ava do oulro do rio o Rvd. capuchinho Fr. Sc-
. Vio adiantadV 3 obras am^-^ fron_ i rafim da Catania, ha dias esperado nesta cidade.
teira, estando poncluida a pareo^ da frenle dp I Immediatamente S. Exc. o Sr. presidente da
i*J


r
DifcWO de Pornambuco Ter nroTiacit sahio *' encontro do illnstre missions-, sidenle 4a proviaci*, 0 Or. <*efe de policia Ma-
rio, transpond#> Purnahyba m vapor Para n/i#tfi&
4M o gerenw da companhia havia ccdido para u
fia de traze-lo a old lado.
A's 8 e meia boras da nofle ja Fr. ScraGm
eslava h> interior da igreja matriz, danio gracas
ao OoMtpoleate pela sua prospera viagera e pela
das qoatrocentas e tantas pessoas queo acompa-
nharatn de Caiias aie qwi.
C'.ega1o qoe (oi a igreja e depots da orajao de
gramas, o veoerando apestolo d'rigio-se ao altar-
nor e d'ahi entoou a SaJce Haaha, alteruando
-om o immenso povo, _ue o conteraplava, cbeio de
religloso rcspeito.
Em segaida, al^om a vox, e fez uma (alia tie
siagela. quio tocante.
< Eu vim, dose ele, trazer a paz aos homeas
do riauhy, mas Ue somente aos homens de bea
vootade; aqneHa mesma paz que os anjos em s\-
Toroto de alegria, entoando festivos hymnos, an-
nuaciaram aos pastores quando nasceu o Rede i p-
tor do muado; aquella Eiesma paz que Jesus
Christ oa occasiao de separar-se de seus araad.s
draeifxrios e*e faaer-lhes suas dcspedidas, iegou-
Ihes sob coadicao de traisn>itiirem-n'a a posteri-
dade : aquella mesma paz que Elle, o Divine Mes-
ire, deu ao tnundo, porem, nao como o mundo
costuma da-la won qmmodo mundus dot, eg) do.
ooWs,Baalmenle aquella mesma paz que seu an -
tecessor, Fr. Dorolheu, do saudosa memoria, ja
havia desejado e pcdido para os chrislios desia
it j vine a.
Tea Jo assim revelado o o'jeelo de sua mis-
>io, o rirtaoso eapuchinho pedio que aeolhessem
benignamente ao taimilde filho de 5. Fraucisc..,
vagaodo por esla terra em bus:a das ovelhas Ires-
lri-iikadas do aprisco do >enbor,- a elle que nao al
oejara oa ra causa senlo a gloria de esmagar a
fydra da impie lade, onde quer a encontrasse.
c Depois resou oSenher Deus, misericordia ;
abeocoou a tnultidao e retirou-se a descancar
das fadigas do dia ao aposeato que o Exui. Sr. La-
menh.t Ihe havia preparado em palacio.
h'r. Seran.u 0 uiu padre lusiruidu o inuito co-
nhacido oo paiz pela sua dedicacao sem limites a
causa da religiio e da humaoidade solTredora.
Eile pertenee a esaa agnerrida milicia aesan-
tMvarfes, de religiosos Franciscan .'S, cujas heroicas
\irtudcs, abnegacao sobreuatural, earidade inliuila,
Cnaieaubriand cant)U, como so elle sabia cantar,
uo seu unmortal Genio d) Christianismo.
pur Fr. Seralim bob sertoes de Pernambuco, Pa
rahyba, Ceara, Alagoas, RioJJrande do N rte sao
tx'.'ii conhecidos.
ce\ha.
X.i mez dc maij a via-fe:rea de HaturitC
rcaiea 1:1^0*180.
0 vapor inajez Usbonense, sahido no dia 3
la oomotd para Liverpool, Icvou : 3,971 sascas
algaiia, 2,it00 saceos com assucar, 10,(X0 ki-
l.isde ossos, 1,447 kilos de couros salgados el
firdo cam borracha, pesauao loda acarca 106,615
k.l .
No Ipa grassavam co:n iuiensiJade tebreg
paiaaeiaaaa.
r.i; onAMir.
K:ii 13 es:reve nosso corresii.ndeutJ do .\'a
ial :
I'.t ado de o do corrente. 5. Exe. o Sr. pre-
>iJ:ii*-' da provincia, resolveu exonetar, do cargo
*le aroiootur publico di comarca de .Maioridade, o
lucn.i.-el Aharo Fragizo de Alfeaqaerqaa, e no-
meou para sabstituil u < baeharel Juaijuiui l"er-
reara Ctwvea Filho.
X i dia i .1 > mez passado, a bordo da cseuna
noel Caldas nsm-UoiScha-je cxeroeaie ctq iugar
o Dr. JoamtSI M ireira L ma, juv. municipal rt^st*
capita!, eniqaaTrto rjega 'i l>r. jui* de direilo e\
Wla-, Glanftmo Bezerra Gavalcante, iittd para ta(
lim lora designado pels presideo :ia, visto nao ter
querido se encarregar do Iugar o Dr. Souza Mar-
lins, jsis de direito desxa comarca, sobre <{uem
recahira em primeiro iugar a de.-ipr\acAo V
f Palleceu, no di* 7 do currente, em Cabo-
Branco, ondo residia, e sepuiton-se_ no oemiterio
pubiico desta capital, Severiano Antonio da Gama
u Mello, lenle jubilado da cadoira de latim do
Lyceo desta cidade, na tdade de 61 aanos.
a 0 (allecido, homem de qualidades superiores,
gozava de gerai conoeRo, e era por todos devida-
mente apreciado.
Foi nomeado provedor da Sant.-. Casa de Mise-
ricordia o comniendador Lindolpko Jose Ccrreia
das Neves, lugar que ja occapa ha Ires anno?, e
no qual se tem dtstiaguido pelo seu zelo e dedi
cacio ao service de tio importanle estabe'lsci-
mento.
Foi raais urn acto que p.rova a justica e im-
parcialidade com qae procede S. Exc. em'lodas as
causas.
" Teve lugar no dia 4 do corrente, na igreja do
Collegia, a festa e procissao de Corpus Ckrisii,
percorrendo esta-is principaes mas da cidade.
" Os dous actos foram bastante concorridos, e
preparados com a deceacia devida.
a S. Exc o Sr. presidente da provincia, por
portaria de 6 do corrente. de conformiUade com a
recommendacao contida em aviso circular do mi-
nisterio da agricullura, commercio e 'obras pu-
blicas, de30 de mar^o preterito, ncmeou commis-
3des para toaas as comarcas da provincia, com-
postas dos respectivos juizes de direito e muni-
cipaes e dos presidentes das camaras manicipaes
para promoverem com actividade a creacao de
escolas pralicas, nas mesmas comarcas, que se
destinem ao ensino elementar de tudo o que en
lende com a cultara do solo e serves da
lavoura.
" A nossa alfandega rendeu de i a 11 do cor-
rente 7:394,5734.
' 0 algodao vende-se : a 486 reis o kilo do de
1* qualidade, a 420 o da 2% e a 353 reis o da 3*.
" 0 assucar bruto vendeu se a 80 reis o kilo.
Estao a carga os navios : allemao Nicoldns,
e o inglez Brave, ambos para Liverpool.
[if;
i,i:n.,

ASSEMBLE4 PROVINCIAL
iiac.'o:!al Georgiana, surta no purl) de Macao,
. raeaJeate do Para, urn tripuiaate die nome Ma-
i Al.es da C'istH Lima, iravumlo-se de razoes
o:n o seu eaaarad i Uaooel Goqcjflves, deu ne-te
U'ua treineu la [a>*ada, que o pu{ em risco de
iJa.
.< 0 nffea*or fii preso em fligrant' delieto e em
p U':.'- dias estava de prueesso iastaorado com a
tJ.-vi.la |ir.imncia.
ii E ii Pio dos Ferros, um ial J i-e ittrai, s>sa--
-m u a u -Inienie a sua infeliz mul'ier Benta ue
i .1, no di.i i de ni.iio ultimo.
A' solicitude e zelo do Dr. juiz municipal res-
pertifii, j.-mnymo America Rapozo da Cainara, ?e
de na eranqa pane o deseobrimento do facto e
. ariaao Jo eriminoso, que em seu interrogal .rio
MKitessoa o crime.
Pelo ten.mle rjereales Pindahira de Garvalho,
4dt'galo de poticia de Moss ro. foram proses ul-
limai'.iente os rcos Manoel Jose de Souza Diniz e
Klyz.-o, escravo, aqiclie pronunciado em Mossoco
por crime de ferimenlos graves e esle senteneiado
lo l'-r::i t de Poinbal, de cuja BadOia se eva.iira
nn outros uo dia 18 de fevereiro do corrente
anno.
A 3 do corrente chegou a e.-ti capital de
volta Jo --ua eommissfto ao liioral d > none da
|.rovin;i.i ate o rio Morroso, o capilio do porto
Jjm- Aveliiio da Silva Jacques.
PARABTBA
Bin data de Ii do corrente escreve nosso
oorrespondente da capital:
rXrmaii de nma vcz nos tames manifestad)
a respeilo dos impoi Unles servwos prestados ,ao
paiz por S. Exe. o Sr. [)-. Silvino Elvidio Carneiro
a Canha, quer como presidenle das proviocias
d i I'.ii Grande do None, Alagoas e Maranhao,
.nde exhibio rempre com muila dislinccao
f.xubirantes provas de seu taltnto administrativo,
carando de lodos os ramus do service pubiico
c an grande inte.-esse, lino e circum espeetalidale da iostrneeAo publica, que tern c-imo
;:ie atir..hi io de preferencia maior grao de inle-
r. -se e coidados de S. Exc. ; quer desta provin-
i3. onde, ignalmeota, e apezar das grandes diffl-
euldades fioanceiras, prosegue S. Exc, desen-
mhrendo semprs .i sua ineleedivel actividade e
perspicacia com felizes resultados.
o i'or mais de uma vez, dis^emos, e nao nos
pesara a mao para escrever e repetir sempre as
inesmas palavras em homenagem ao iiluslre pre-
sidente, que com tanta bnnra e dedicacao vai
exercendo o dillicil e elevado cargo, que lhe fora
digna e mere:idamen!e cenflado.
A vida publica do bomem, que cumpre reli-
-am nte com os deveres do cargo que se Ine
f.onfia, e que faz desse cargo um sacerdocio. um
prcceito sagra'do, e quasi uma pena a que elle se
iinpue; mais uma pena que nobilita e immor-
ulisa a quern a soffre.
E' o caso era que e considerado entro nos o
Exm. Sr. Dr. Si:vino ( a parte alguns iniraigos pe-
queninos de S. Exc.) pela sua assiduidade e me-
ihoio de trabalbo, intelligencia, boa fe de seus
actos e affabilidade com que a todos recebe e
laila.
E' S. Exc, fmalaente, um obreiro incansavel
ao progresso, para quem a maior virtude, gloria e
re;ommendacao 6 o trabalho.
Quando foi, que ja se fizeram nesta cidade
com o dinheiro e auxdio dos paiticulares obras
tao impjrtanles, uma sequer I como as quo se
estao construindo por iniciativa e e-forcos de
S. Exe. ?
' Nunca I Essi gloria coube pela primeira
vez ao Exm. Sr. Dr. Silvino. Es3as obras ence-
tadas por S. Exc, so^e serem importantes e de
reconhecida ulilidade, sao ao mesmo tempo dis-
pendiosas, o que faz subir de ponto o increment
e servicos de S. Exc.
" Se a da malriz, o seu cr<;amento elevase a
mais, Ulvec, de iii0:000*000i se a da escola a
3o:000*000, e nenhuma dellas ainda paralysou a
falta de recursos. S. Exc. os vai sempre encon-
irando, porque, a par do ioteresse e grandes van-
tagens dessaa obras, tem sabido empregar os
meio3 legitimos, quaes os que fallam e dominara o
coracao, exaltam e elevam o pensamento: lieli-
j'mo, Instruca*.
" Os bomens sinceros e iraparciae*, aquelles
que desejam de coracao o engrandecimento e
firosperidade desia provincia, fazem justica ao
merito e civisrao de s. Exc.
_" Cumpre ao governo, portanto, naoosquecer
tao iroporlanies servigos, galardoando o merito do
honrado e lllaslre presidenle, poraue de outro
modo empecerja o esiimulo que faz do func-
cionario pubiico um servidor exemplarmente
zelozo.
" A distinccao, quando os servicos e o merito
abundance sempre necessaria.
" Reappareceu, depois de longos seis mezes de
enenbacao oa antes de tremenda quebradeira o
Detpertador, orgSo do partido liberal desta pro-
vincia.
" A reentrada desse orgao na scena politics,
pela sua linguagen menos polida e respeitosa,
enio mteiramente inconveniente e reveslida de
' odio, nao promeue disenssaa seria, por nia ser
ella possivel, no terreno em que a querem 6as-
tentar. ^
"0 insiiHo e a diffamacio so podem esperar o
uespreao de todos ; e eii a razao porque foi tao
mal recebido o Despertador, ate pelos seus pro-
Brios amigos. e
" A discassio peuoal e de todas a mais peri-
gosa, e quasi sempre arrasta trisfee conse-
queneias. ^
" Eta consequencia de haver entrado, no dia 9
v^Jo corrente, no gozo de oma licenca de dou* me-
2?s, gae |he fur concedida por S. Exc, o Sr. pre-
SESSAO ORDINARIA EM 9 DE MAIO.
raRSIDENCIA DO SR. FERREinA DE AOL'IAR. -
Vinte ii inutos depois de meio dia, achando-sc
prentes os Sr. J. M:llo Rego, Lacerda, Tolen-
(mo de Car>alhn, Souza Leite, Pertlli, Manoel do
Rego, Alipio Co-la, Soares, Uehoa Cavidcante, Ti-
Imrcio de Magaihaes, Pinto Pesso.', Gmcalves
Perreira, Travasso de Ar ud.i, Vicira de Mell >,
Felippe de FigucirO', Cunha Cavalcaote, Nasci
monto Purl l!a, Firmiaj Ai N-ivaas, Camboim,
Amaral, Oiympii Manque*. Arr da,Joae B-nbaHio,
G6-S Cavalcaole, Gnnes Pareu e, Ui^veira AnJr -
de, DarioCavai.anle e Ayuiar, faMando sent cau-
sa partieipada os Srs. Domiogos Pinto, Tilo, Ar-
eoneio, Antonio Pau ino, Ga par de Drummond.
G redes Gundim e Ratis e Silva, abre-se a s.issao,
E' lida e approvada a aet* da sessao aiiioce-
denle.
0 Sr. i' secretario de Ura na) haver -xpe-
diente
o a r k m no o i \.
I'rlmcirn pule.
8ao success!vamente ap.irovados cm I' disjus-
sao o |>roj^;lo n. oi desta anno, maroando limites
eiuie as tivgu-zias de Afoga'ose JaboalAo ; v.
em miiea di-cussao o de n a'J, de (873, approvan-
do as postures da cannra municipal de Pauellas.
Entra e.n unica discussao a projecto o. 27, des-
te anno, :s;i,jimv.-ihIo as posluras da camara muni-
cipal de umbra*
O Wr. Oij iii]>io MRrqiieH : ;r. presi-
denle, uas posluras proposlas pela camara munici-
pal do Cintbres, e sujeitas a appiova^ao desta as-
semble.!, noto algumas d.sposi^'oes que sao e^cen-
tricas das attribuigdis das camaras manicipaes ;
oulras inuteis e ouirasque nao sao opporlunas e:u
um uroje-to de poslura, mas sim nos orcamealos
mumcipaes. Por isso vou mandar uma emenda
snpprimindo os art*. 23, 21, 35, 41, i-'i, ii, oi,
o7, 58. 61, 67, 69, 70, 71, 73, 73, 7i, ;a, 80, 81,
82 e 8i.
0 Sr. Camboim :Seria bom acabar logo com
as posturas (apoiados).
0 Sr. Olvupio Marqi i:s : Eis a-jui as razoes
que tenho para isto.
0 art. 23 que e o primeirj, cuja suparcssao pe-
co, diz o^seguinle : (lej
Ate o um do m.z de julho de cada anno, te-
rao os proprietaries rocado as esiradas que pas-
sarem em suas terras, na largura Je 30 panaoj
as geraes, e de 15 as menos transitadas, sob pena
Js 33090 de mulla por cada mez que deixarem de
ser rocadas.
Ora, pergunto a qualquer dos nobresdepulados,
se semelhante disposicao pode vigorar ?
Em primeiro Iug3r, a3 camaras municipaes
niio podem estabelecer em seus municinibs um im-
posle que consiste em fazer um servijo" de tal or-
dem, como aorir esiradas geraes com a largura dc
30 palm os ou esiradas menos transitadas com a
largura dc 15 palmos.
Diversas resolucocs imperiaes, sobre parecer do
CDnselho de eslado, tem decidido que as camaras
municipaes o que compete e prohib r que as ser-
vidSes dos caroinhos publi :os sejam embara^adas
pelos proprietaries. Isto sim pole a camara fa-
zer, m s nao forcar os proprietary a abrir es-
iradas. E" ura imposto e um imposto onerosis-
simo.
0 Sr. Viehu de Mello : -De 30 palmos de lar-
gura ? I
0 Sr. Olvmpio Habqdgs : Sim, de 30 pal-
mos.
0 Sn. Vieira os Mello :-E'uma cousa extra-
ordinal ia.
0 Sr. Cuxih Cavalcante^-E'sonicate rocar
as estradas.
0 Sa. Olympio Marques :Rica las ou abri-las
6 um imposto, e imposto consistc'nte na prestacao
de um service, que pole ser rauito oneroso e q'oe
nao esla nas aitribuicoes da camara municipal
decrelar.
0 Sr. Gbnha Cavalcaxte :Mas e costume ro-
carem-se a9 estradas.
0 Sr. Olympio Marques : Ha a este re3peito,
como ja disse, entre outras a opiniao muito cscla-
reciJa e fuodamentada da consulta do c nselho de
estado de 22 de setembro de 1862, sobre a qual se
firmou a resolucao imperial de 13 ds outubro de
1862, constante do aviso de 21 de oulubro do mes-
iii i anno, decidindo que disposigSes municipaes
obrigando os proprietarios de terras, 'pr onde
passara estradas, a conserva>;ao dellas, e susci;ar
antigas obrigacoes imposta3 aos sesmeiros, que, por
vexatorias e pesadas, cahiram era desuso, alem de
equivalerem a ura tribulo consiste em servicopes-
soal que naoesta nas faculdades das camaras mu-
nicipaes decretar.
Antes de passar ao art. 24, devo responder a
am aparte do nobre deputado pelo 4 districto,
que me diz aue sempre nas posturas so inantum
esta disposicao.
Desde que eu fa^o parte desta assemblea e tem
sido por uma ljgislatura, tenho pertencido a com-
missao de posturas, e em todas as posturas sobre
que hei dado parecer, tenho riscado os artigosque
mencionara este tribulo. Se alguns aateriormeu-
ie passaram, nao foi com o men voto, nem com a
ruinlia annuencia ; pelo eonttario, como mera-
bre da commissao de po3turas, fui sempre muilo
cauteioso, principalmente a este respeito.
Alii eitao os pareceres por mim assignados, on-
de se vera que todas as posturas que .foram sujei-
tas a apreciacao desta casa foram ernendadas era
muitas de suas disposicdes.
Arl. 24: (le)
Este ariigo se prende ao outro. Accresce ainda
mais uma circumstancia ; do modo porque esla
redigido o arligo, o proprietario pode ser inultado
em mais de 30^ pela primeira, porque a mulla e
de 54000 por mez, quando a camara so pode mal-
tar em 30^000 e duplicar nas reincidencias. Este
arligo, pois, nao pode ficar.
Art. 35: (I*)
E* prohibido cajar em terrenos alheios sera li-
cenca de seus dooos, sot) pena de oito dias de pri-
sao.>
Ora, a camara municipal nao e competent'? para
proteger a proprielade particular, nem regular o
modo porque o proprieiario deve zelar sua pro-
priedads. Se a caca pertenee ao dono do terreno,
so a elle compete eoneedsr oa negar permissao
para a caca ; por consequencia, isto nao e objecto
de postura.
0 Sn. Cchoa Cavalcante :Esta claro que e
quando nao houver consenlimento.
0 Sr. Olympio Marques : -Entio e desnecessa-
rio. 0 que a camara pode prohibtr e capar-se nas
cidades, not povoadoi, porque d'ahi pode resultar
damno an pubiici; ma3 nil proaiWr que pu na
minlia yrnjritd.Al* c.nHint.i aa-i p- nl inli
vidn i xen'.n ocir; i-n ni-.
ISri rpwlf ioi md.vUu.j re."isll;r lun nroprie-
dade ipiaMi q'K-r 'jne v-nha c.^r n II i sum sua
licenca, nao pruciaa do noslur* da camara.
Ari. 41 : (!e) a Niaguem podera corur madei-
ras em terrenos publicos eu particulares sem li-
fien.;a d 10 dias is) prisi>.
"E-ta ud meatni caw; oom isto 6 objoeto de pos-
tura
A legislacio gerai d i paiz e que regula a direito
de proprijBdade, n mantem e o fax res oitar.Alcm
de qu-, a pena de 10 dias de prisai s6 pode ser
i-.&mminaaa 09 reiacidencias.
Ari 43: (lej .t Fica proliibida a veada de
aguardente nas f.-iras era porcao men r de i litros:
os infractoros etc.
Nao vej i racao para esta restricts). Pois quem
liver a sua carga de aguardente para vender nas
feira?, ha de ftc r privado de vende-la a retalho ?
Nao vajo razaa para isio.
A a^uardenie nao e genero de 1* necessidade.
0 quo a camara pode fazer e determinar, para
na-i diCDcullar o abastecimenlo dos geaero.s de ali-
mentacao publica, quo estes nao se veadam nas
feiras nor alacado, atim de impedir que se de o
monopolio ou atravessamsnto; mas nio pode fa-
ze, lo em relacdo as bebidas espiriiuosas, sao geueros di 1* necessidade.
Art. 44 : (le) a Toda casa que vender aguar-
dente a reialho, fica sujeiti aos impostos de 105
annuaes.
Ora, este imposto esta ja decretado pela assem
blea provincial como renda provincial; e o im-
posto sobre casas que veodem bebidas espirituosas.
Pode ser que haja alguma convenieucia nesta me-
dida, eu entendo que nao, mas em todo o caso nao
e a postura o lugar proprio ; isto devia fazer parte
do orcamento municipal.
0 Sr. J. Mello Rego : Mas, se a medida es-
liver na postura, sera respeita la.
0 Sr. Olympio Marques : -0 que diz respeito a
reci.iia e despeza das camaras municipaes, faz par-
te do orjainento municipal; nao se decrela em
postura r>-ceita de camaras municipaes.
Art. Si : (le) c< Ninguem podera tirar couros de
animaes que forem encontrados moilos seaao com
licenca de seus legitimos donos, excepto c sen va-
|ueiro, sob pena etc.
Ora, hem se vd que tambem isto nao e oljecto de
postura; nem a camara pode probibir ou conce-
der que alguem tiro o awe dos animaes mort03,
i|ui! nao forem de sua propriedade.
Art. 57 : (Id) Os crjadores, alem do ferio de seu
nzo particular, ferrarao 03 animaes do lad* esquer-
do om as lettras iniciaes da freguezia a :jue per-
tenee : a c mara design -.ra cssas iettras.
l-to tambem 6 uma disposi;.ao absurda. 0 cria-
dor nio 6 obrigalo a assigoalar 0 seu galo como
fern quo a camara designar.
0 Sr. J. Mello Reo da um aparte.
0 Sr Olympio Marques : Seja como Sir, 0 cria-
dor assignalara 0 seu gado como lhe confer, e nao
ha de a33ignalar 0 gado om 0 ferro que a cama-
ra designar.
AMm disto, nem se estabelece pena para as in
fraccojs. E'uma disposicao inutil. Aquelleque
nao assignalar 0 seu g3do como ferro que a ca
mara designar, 0 que sofTro? nada.
E' do interesse do criador assignahr 0 seu,gado
com 0 ferro que elle proprio adoptaem sua fazen-
da para nao se confundir com 0 gado de seus vizi-
nhos 1st) succede nos sertoes, onua 0 gado e
criad) promiseuaraente. Se 0 proprieiario nao 0
assignala, snjeita-se a er apprehendido 0 gado
como bem do events; mas alem de fazer 0 signal
proprio da sua f.izenda oque indica raeaproprie
d.idc e sua. ha de fazer mais do lado esquordo um
outro tign.il com 0 ferro que a cannra desig-
nar ? Nao comprehend), nem vejo a necessidade
dist>.
Art. 58 : (id) Os animaes que forim euiontra
dos, nao sen o conhecidos seus donoa mas tendo
a ma re 1 da freguezia, nao p derio ser arrematados
como ben j de evento ou ausentc, sent que sejam
afflxadns elitaes avisando a annreheflsao duran e
90 dias.
Ora, sabe-se qua 0 que regula c deSne 0 que
seja bem d evento e Je auseutes eo reguUmeulo
de 9 de maio de I8i2, regulament> geral que na)
solTre exeepcio em nemum municiSio.
A samara, pois, nS) pode decre:ar por meio de
posturas, 0 que seja ou nao bem do evento, Unto
mais quanto o hem do evento nao e renda munici
pil. e sim renda provincial.
Um Sr. Dkputado :De maneira que esta a ca-
mara rcviigando uma lei.
0 Sit. Olympio Marques :Sera duvidi quo re-
voga uma lei geral.
oiuiu* ratios 7 Se 0 cemitorio 6 da
nrapriAdade
(larti-'ulaa, e se 0 veu proprieiario n c. m-erva?
s ili li>t i" Se 0 uobre rte,rjia 11 mrt po le garan-
Art. 61 : (id) a 0 cemiterio pnblico e3ta sob"n
administracio da camara.
E' preciso saber se 0 cemiteri) e ds camara ;
porque"fca lugares en que os cemiterios perten-
cem as camaras, sao sua propriedade, mas em al-
guns lugares sio propriedale de irmandades, cm
outros sao annexos ou dependencias das raairizes,
e em outros sao feitos por particulares para 0 uso
do public1, nao devend> portanto estar sujeitos a
uma adminisiracao estranha.....
0 Sr. Cunha Cavalcante : Isto e verdade.
0 Sr. Olympio Marques : -... e muito menos se-
rem os seus ."eiidimenios applicados em ben ficio
de qualquer oulra pessoa ou mesmo -corporacao,
visto como 0 service foi leito a custa do pubiico,
gratuitamente.
Eu nao estou suCQcientemente informado a este
respeito, mas tenho. noticia de que esse cemiterio
nao pertenee a municipalidade; foi feit) por um
missiouario e pelo povo gratuitamente. Ora, se &
assim, a sua adminisiracao nao pode ficar perten-
cendo a eamara. E' preciso. pois, saber so 0 ce-
miterio pertenee a camara; porque se nio perten-
cer, a sua adminisiracao nao lhe pole caber e mui-
to menos pode ella receber os lucros dos enterra-
mentos, como se estabelece no artigo seguinte.
0 Sr. Uciioa Cavalcante : Entao a quem de-
ve pertencer a administracio ? Por certo que a
camara.
0 Sr. Olympio Marques : Nao senhor, porque
lhe ha do pertencer ? A lei de I de outubro at-
tribue a camara a escolha dos lugares onde devem
ser construidos os cemitenos e a decretacao de
posturas relalivamen'.e ao raodo dos enterraraeu
tos; .porque este servico tem toda a relacio com
a salubridade publica ; mas quando 0 cemiterio e
le propriedade particular, 0 que tem a camara com
elle ? Snppoaha-se que 0 cemiterio e em uma fa-
zenda, n'um engenho, e que e feito pelo respecti-
ve proprietario : que tera a camara com a sua ad-
ministracao ?
0 Sr. Gonqalves Febreira :Se fosse assim, a
camara nao fallaria no cemiterio.
0 Sr. Olympio Mabquss : Eu nao affirmo, te-
nho apenas informacSes; e desejava que alguns
dos nobres deputados do districto ou dos merabros
da commissao de posturas me dissesse se 0 cemi
terio pertenee a 'camara. Se lhe pertenee, a sua
admraistracio e 0 seu rendiraento natural e legi-
timamente Ihe corapetem; mas se nao lhe perten-
ee, nada tem que ver com a mesma administra-
cao.
0 Sr. Goes Cavalcante : Quem deve admi-
nistrar 1
0 Sb. Olympio Marques :Isto sera objecto de
outra deliberate. A camara que proponha al-
guma cousa a este respeito, que explique melhor
0 negocio, alim de que a assemblea possa tomar
uma decisao.
0 Sr Firmino de Novaes :Mas, tendo sido es-
le cemiterio feito por um eapuchinho e pelo povo,
p6de-ae considerar particular I Entendo, qae
nao.
0 Sr. Olympio Marques : -E e da camara ?
0 Sb. Firmino de Novaes : A administracio
deve pertencer a camara. Quasi todo* os cemite-
rios do centro da provincia sio feitos por esse
modo.
OSr. C. Camboim da um aparte.
OSa. Olympio Mabques :E'a meiraa cousa;
tanto faz diier a camara que 0 cemiterio e seu,
como dizer qae tem a adminisiracao e os rendi-
raentos provenientes dos enterramentos feitos no
mesmo cemiterio.
Em todo caso entendo, que este artigo por ora
nao pode ser approvado ; a camara gae proponha
depois 0 que calender melhor, afim de qae a as-
semblea possa deliberar.
0 Sb. C. Camboim :E qnem e" qae ha de adrai-
nistrar 03 enterramentos'.'
0 Sr. Olympio Marques : -Oa enterramentos se
regalara pelas posturas da camara ; e nao e pelo
facto da camara adminislrar 0 eemiterio qae ha de
dear privada de executar as suas posturas. E as
qae regulam 0 servico dos enterramentos e cons-
tarn dos art.s ; 63, 64 e 65 e outros deste capitu-
lo, estas nao so snpprimo como approvo ; mas a-
quella qae diz respeito a administracio do cemite-
rio e a pereepcao do rendimento peto servico doa
enterramentos, eontesto, emquanto nao for melhor
informado.
0 8h. Firmino de Novaes:E quem conserva
este cemiterio?
0 Sb. Olympio Mrquues : Os nobre deputado
sabe se e 0 vigario quem 0 conserra T Se ha algu-
ma irmrndade que 0 conserra, oomo aeonieoe em
0 nobro ite,uta 11 m no
bmiterio e d* ciiu.r.i, dia-lh: omen
0 S. '"nMiN 1 n Xv\K3 :-Se cemiterio es-
livessu ewuia engenho, poderia dar-se a hypotlie
se qae 0 nobre deputado ligura; mas sendo em
ami villa nao.
0 Sb. Olympio Marques :0 cemiterio nanca 6,
nem pode ser, dentr > da yilla, sem infraccio das
leis de bygieno publica ; 0 cemiterio 6 sempre
afastado do povoados e villas ; portanto, pole ser
collocado em nma propriedade particular.
Se ninguem me informar, maniarei unoa emen-
da suppnmindo 0 artigo que se refere ao cemiterio
0 aquelle one desreta 0 imposto sobre enterramsn-
tos e seputturas; a camara depois qua informe
melhor a assemblea. Art. 71: (Id)
a Os fiscaes terao 2 por cento das muitas que
irapozerem e que forem recebidas.
As camaras qao p6Jem pagar aos fisoes por meio
de poroentagens ; nem seria isto conveniente.
0 unico empregado das camaras municipaes
que recebe como remunerajao de seu trabalho
uara porcentagera sobre a arrecadacao e 0 seu
procurador.
A lei do 1 de oulubro autorisa as camaras a
marcar vencimeitos ou gratlfieacoes aos seus em-
pregados; nio me parece, portanto. estar este ar-
tigo no caso de ser approvado.
0 Sn. Goes Cavalcante:E isso daria lugar a
muitos abasos por parte do fiscal, que multaria a
torlo c a direito para ler a porcentagem.
0 Sn. Olympio Marques :Art 72 : (Id)
a To las as infra-cOes destas posluras serao pro-
vadas por duas testemunhas que assignarao os
termos lavrados pelos fiscaes e paries, auando a*l
houv r. j>
E-ta dis)03ie5a e illegal. 0 molo de se lavrar
0 terme das infraccdes de posluras esta. decretado
na lei de de outubro. Esses termos sao lavra-
dos pelo fiscal e pelo porteiro ou secretario da ca-
mara ; por consequencia em uma postura nao se
pddo tirar do secretario e do porteiro a atiribui-
cao que Hies e privativa, para decretar no) ou'ro
modo de lavrar cs termos de infraccao.
Art. 73 j (le)
0 gado que d'ora em diante for solto ne3ts
municipio para refazer (lea sujeito ao imposto de
400 rs. por cabeca, excepto sendo do pasto.
Sr. presidenle, leuho duvidas quanto a compe-
tent* ia da camara para estabelecer o imp j. to de
que trata este artigo; e, como acabou de oavir a
assemblea, um imposto sobre 0 gado de outros mu-
nicipios,.que for se refazer no municipio de Cim-
bres; e um imposto deeraudo sobre a c-eajao do
gado. A lei do l" dc outubro nrescreve ;is cama
ras que protejam aos criadores ora lugar de one-
ra-lo3.
0 Sr. C. Camboim : Os criadores nao soffrem
com Isto ; quem paga e 0 conjumidor. N;s pos-
turas da S. Qento, existe igual disposicao.
0 Sn. Olympio Marques :Se e 0 consumidor
quem paga, ainda melhor. A proteccio que a lei
geral manda uuo as camaras deem aos readores,
nao e em beaeficio defies, mas em baneficio dos
coasumidores, porque sobre estes e qua veoin re-
cahir todos os gasus d proJuecaooa da criagao
do gajo.
Alem disto, 0 servico d > abastecimrato do galo
entre nos ja esta muito onerado de impostos ; e dj-
vemos attender que a nossa provincia nao 6 aquel-
la que e" raelaor abaste ida de generos a imenticios,
principalmente em relacao a carnes verdes. (Apoia
dos.)
E' preciso nao onerar a inJustria da criacao do
gado.
Accresje que as camaras municipaes nao tera
cjinpueucia para laocar estes tributos pessoaes.
A quest.io da co npetencia e enfio pode deixar de
s.?r muito importanle.
E-tou informadi de que esta medida e proposta
para um fun, que reconhego ser justo; que e pro-
curar a camara crear na rend 1, coin que poss
executar um servico qui e uigente nente recla-
mado no municipio : cercar a serra onle se fa-
zem as pianucoes.
OSa. Fiimino de N'ovves : Nao 6 so por ist>.
0 Sn. Olympiq Marquss : -Me dizem qui c pa-
ra cercar esses lerrcn is.
0 Sn. Firmino de Novaes :Os terrenos onde
se solu este gad), perteaeera ao patriraonio da
camara e dos ausentes.
OSr. Olyih>io Marques :0 que pertenee a
camara, segundo estou in:'ormado, e a serra, 0 lu-
gar das plaula&ies, da cultura; e a camara quer
munir-se dc fundos para fazer um granle ccrca-
do, circulando a serra afim de privar que 0 gado
que se solta no tempo da secea, ;e quenatural-
mente procura 03 lugares frescos, invaua as plan-
tagS^*. Acho que 0 intuito da canara, se 6 exac-
to 0 que me informam, e muito justo, muito no
bre, inuito digoo d'ella; e um beneficio real que
pretende fazer ao seu municipio.
0 Sb. Amaral: E como seoppoe a isto ?
0 Sr. Olympi>-Marques : Nao me opponho ;
procurarei auxiliar a camara para qae faca este
beneficio aos plantalores do seu municipio ; raas
nao posso deixar de contestar a couveniencia da
decretaca* deste imposlo. A camara procure ura
impost) menos onoroso e que esteja nas suas at-
tributes crear.
0 Sr. Auvbal : Ma3 uma vez que esta casa
sanccionar esta imposicio, sera ella legal.
0 Sr Olympio Marques :-Eu nao teria duvida
em deixa-lo passar, attendenio ao lima que s des-
tinado; mas entendo que nao so convira diminui
lo, coma acautelar a sua extinesto, logo qua este-
ja concluido 0 servico que a camara pretende fa-
zer, dec.-elanlo-se ainda que seja elle exclusiva-
mente applicado ao mesmo servico.-
0 Sr. Joao Barbalho : -Entao ja nao faz ques-
tlo de competencia.
0 Sr. Olympio Marque* :Faco, ma3 como me
parece que a maioria da assemblea adopta a idea
da camara, |attendeudo ao lira que ella tem em
vista.....
0 Sn. Goss Cavalcante :E este imposto esta
no orcamento municipal.
0 Sb. Olympio Marques :.. .em todo caso, po
rem, nao pode elle ficar nas posturas ; deve fazer
parte do orcamento municipal, em cujo projecto
a se ctn incluido, segundo informa 0 nobre de-
putado que 6 membro da respecliva commissio.
Por consequencia subsistem as razoes da emen-
da que 0 supprime; 0 por o:casiao do orearaento
municipal se tratara da competencia da camara
para pereebela e de regular a sua pereepcao.
Art. 74 : (16) Os animaes cabrum, ovelhura e
suiao que forem encontrados sem dono conhecido,
serao apprehendidos. precedeodo editaes por 8
dias, e 0 producto liquido recolhido aos cofres di
camara
Esta disposicao 6 illegal, e nao esta na compe-
lencia das camaras municipaes decreta-la. E'
nio so uma espoliacao da propriedade particular,
como ainda nao havendo dono a esses animaes,
sSo elles considerados bem do evento; constituem
renda provincial, como e expresso no ja citado
regulamento de 9 de maio de 1842 e acha-se de-
cidido pela resolucao imperial de 13 de outubro
de 1862, tomada sobre consulta da secgao do im-
perio do conselho de estado de 22 de setembro.
Art. 75 : (le) c Por cada machina de descarocar
algodao pagara 0 proprietario !#000, e a que fdr
mo vida por animaes, sendo fora das villas ou po-
voaoSes, 2*000, e sendo dentro, 4*000.
A observacab que tenho a fazer a respeito deste
artigo i a mesma que fiz a respeito dos outros que
decretam reoeita da camara. Isto tem seu lugar
proprio no orcamento municipal.
Alem disto 0 imposto, como esta a qui marcado,
e exagerado e oneroso; constitae um imposto di-
recto sobre as machinas de descarocar algodao,
que estiverem fora dos povoados. Dentro dos po-
voados comprehendo, mas fora, onde nao se in-
commoda os vizinhos, onde nao ha 0 menor eraba-
raco ao transito pubiico, ou 0 menor receio
quanto a salubridade publica on a coramodidade
dos habitautes do municipio, nao ha razao nenbu-
ma qae ju-tiii iue a creacao deste imposto.
0 art. 81 resente so do mesmo defeilo e a de-
cretacao de um imposto sobre casas de bebidas ;
deve it para 0 orcamento.
0 art 82 diz: (Id) (Ninguem podera vender on
permutar aforamento feito a camara, sem que mos-
tre estar quite com a mesma, era todo 0 caso sera
responsavei pelos foros deviJos aquelle que liver
a posse ao tempo em que for cobradj, assim como
0 imposto do laudemio pela transmissao da
posse.
Esta disposicao, aldm de illegal, e desnecessa-
ria; porque 0 que reguja a transmissao da pro-
priedade e'Bjthitenticada e a legislacao geral, e a
lei de 20 de junho de 1774, cujas disposi^oes sao
muito favoravel ao proprietario do solo on somen-
te direclo em favor do qual a pensao ou foro, como
onus real, que e constitue credito hvpotbeeario,
divida privilegiada; e 0 decreto de 5 de daiembro
de 1849, irapoe ao venledor a obrigacao de pagar
0 laudemio.
0 art. 84 esla no mesmo caso ; de algnoi outros
qae gupprimo: e uma se'rie de paragraplios, esla-
belecendo ua receita da eamara. Tambem nao e
Por todas esUs razoes conf-cciouoi a emmlaj
suppn-ssiva destes artigo*, e aeere-Mvnt.trei mais
.s dous artig.M que ss refere a re.il 1 ad.ni
ni>irac*) d-* cemiteri.). N4.1 In ino-ivenienU t-nv
ficu isto parao anno.
Se a eamara provar que 0 eeiiiterio 6 de sua
propriedade ou que aquedes que 0 fizeram 0 en-
tregaram a sua administragao, esla ella no seu di-
reito, percebendo um lucre pela administracio.
Maud) mais uma emenda ao art. 48, qua diz :
(le) Os donos dos animaes nestes lugares sao
responsavei* pelas destraijSas que sjffrerem os
plantadores, e incorrerlo na multa de 5i009, por
eada animal qae for apprehendido na lavoura.
Isto nao e proprio de uma postur3, mas objecto
ja regulado pela legislacao geral.
Todo aquelleque causa damno a outrem e su-
jeito a reparacao. Por iss3 supprirao as palavras
que estabelecem esta respomabilidade, porque sio
inuteis.
' Ao art 50 offereco um substitutivo. Diz 0 art.
50: (Id) Nio se poderi maltratar com tiros,
pancadas, caes ; ou do qualquer raodo os animaes
que forem encontrados nas plantacos, etc.
De sorto qae pela redaecao da postura nio se
pode maltratar de modo algum, a qualquer animal;
raas pode-se maltratar os caes, uma vez que nio
seja a pancadas oa a tiro.
Nio ha razao para isso e nem eu vej) era que
assente esta disposicio toda desfavoravel aos cae3
(riSo) apresento um substitulivo que diz assim":
(le)
Ao art. 53 offereco uma emenda; porque 0 jor-
nal publicou que este arligo se refere ao art 6.".
quando deve referir-se ao art 48.
0 art. 56 diz: (le) t Nao se podera pOr logo em
terrenos alheios sera licenca de seus dooos, ne n
masrao nos proprio-, sem a's dev.das cautelas, para
evitar prejuizo de terceiro : 03 infractores, etc
Ora, quanto a por fogo nos terrono3 alheios nao
6 a camara competente se nio para prevenir os
effeitos que esle acto possa produzir.
Redijo 0 artigo do modo oue se evitem esses
maos effeitos (Id):
Substituo finalmente 0 art. 80 pelo segunite :
(le)
.Diz 0 art. 80 : (Id)
'A venda de polvora fora das ciiadei e das vil-
las ja e industria muito onerada de impostos pro-
vinciaes, omo a a-sarableasabe. Por consequen-
cia a camara que receba um impost) pela venda
da polvora nos lugures qae designar e aos infrac-
lores imponha entao uma malta de 3030'JO, que 6
qoanto ella pede pela simples licenca.
Sr. presidenle, peco desculpa a V. Exc. e a casa
por ter occupado por tanto tempo a sua altemvlo ;
mas creio que nio 0 fiz debalde (apoiados). A le-
gislacao municipal e important1, imporlantissima ;
e muitas vezes ha alii disposicdes que estio em con-
tradioa) com as leis geraes do paiz e mesmo com
a legislacao provincial; sio disposicoes inuteis,
iuexeiulveis...
0 Sr. IUnosl do Rego:E vexatorias mesmo.
OSr Olympio Marques:... e vexatorias
muitas veezs.
E' preciso prestar altencio a ellas. Durante 2
annos que fui membro da commissao de posturas,
em geral nao passava um projecto destes que nao
fosse emendado.
0 Sn. Amakal : -Mas passaram muitos com dis
posicoes identteas,
0 Sb. Olympkil Marqubi :Nao passaram, por
que, por mais pequeno que fjsse, nao houve um
que nao fosse emendado. Mas agora vejo que vem
a assemblea ura projecto de po.-tura com cento e
tantos artigos e se dia: aficam approvadas a3 pos
t :ras de Ial camara. b Nio pode ser assim, deve
por forca haver alguma cousa que precise ser
emendado.
Nao e 0 meu fira fazer censura a commissio.
Sei que e um iraualho Ineommodo, e que ha
muila cousa que escapa. Eu mesmo. apezar d)
cuidado que tenho...
0 Sr. Tolenti.no de Carvalho -Da prevencao
que tem.
0 Sn. Olympio Marques:... da preven;io
mesmo que tenho, com relacao as postura- de ca-
maras, deixo as vezes escapar cerlas disposi^oes
iaconvenientes; mas aquillo que posso corrigir
com ospoucos recursos intallectuaes de que dispo-
nho (oao apoiadosi, von corrigindo.
Mando, portanto, a mesa as emeudas.
Sio lidas, apoiadas e entrain conjuactamente em
discussao as seguintes emendas :
SuppriTarase os arts. 23.24, 33, 41, 43, 44,
54, 87, 58, 61, 67, 69, 70, 71, 72, 73, 7i, 75, 80,
81, 83 e 84.
a Ao art. 48 snpprimam-se as palavras :serao
responsaveis ate as palavras: -plantad res e -
0 art 30 redijase assim : Nio se podera
maltratar por qualquer modo es animaes ( 0 mais
como no artigo.)
a Ao art 53 : em lugar de-d) ari. 6Jiga se :
do art 48.
t 0 art. 56 redija-se assim : Nio se podera por
fogo em qualquer lugar do municipio se nao com
devidas cautelas para evitar ( 0 raais como no
artigo.)
Substitua-se 0 art 80 pel) seguinte :Nin-
guem podera vender pclvora senio no> lugares de-
signados pela camara e precedendo licenca : pena
da 30/ de mulla.Uayques da Silca.
O Sr. Amaral: -Sr. president*, tendo 0
nobre deputado que aoba de sentar se, -feito lar-
gas consideracSes para mostrar a esta casi que as
camaras municipaes nao podem legislar ou delibe-
rar sobre conservacao de fbrestas, de estradas e
caminhos vieiraes, de cemilerios publicos, de dam-
nos soffridos na lavoura pelos agricullores, sobre
creacdes, e outros assumptos a que se referem 03
artigos, cuja suppressao elle pede ; e nao podendo
eu deixar do sustentar 0 direito que sempre ze re-
conheceu nas municipalidades para legislarem so-
bre taes assumptos, rejueiro a assemblea que me
conceda 0 adiaaientc do projecto por 48 horas
para, e'tudando a materia, responder satisfacto-
riaraente ao nobre deputado.
E' lido, apoiado e entra conjunctamente em dis-
cussao 0 seguinte requerimento :
Requelro 0 adiaraento por 48horas Amaral.*
Ninguem mais pedindo a alavra, encerra-se a
discussa). Procedendo sa a votacSo, e approvado
0 requerimento do Sr. Amaral, licando, portanto
adiado 0 projecto.
^ Entra em 2' discassio 0 art 1 do projecto n.
36 deste anno, suppriraindo as agencias liscaes de
outras provincias estabelecidas nesta e autorisan-
do 0 presidenle a supprirair igualmente as ereadas
por esta provincia nas suas limitrophes.
O Sr. j. Mello Uego justitica e manda a
mesa 0 seguin e requerimento, que e lido, apoiado
e entra conjunctamente em discussao :
a Requeiro 0 adiamento da discussao por 48
horas./. Afe//o Rego.
O Sr. Tolemlino Ue Carvalho : -Sr.
presidenle, pretendia oppdrmo ao requerimento
do nobre deputado e tiaba razoss para fazelo. V.
Exc sabe que a assemblea esta trabalhando em
prorogacao, que estas sio concedidas quasi que
unicamente para aquelles trabalhos de maior im-
portancia, como 03 orcamentos provincial e munici-
pal, e que trata-se de ura projecto importante,
como tambem 0 nobre deputado aciba de reco-
nhecer ; que a casa ja 0 approvou sem debate em
2fi.-S:i!)- rend, ,-:ii |il(. s,j;,; Ullr. in cstabeU'^:iment.>s de com-
nie cio em gr.i>i), e 30 pur cenlri sohfe a rcn la em
quo so ach.trein os eslabeleci n- n'-is ''e co niner-
ein a-ratal kt, .irmuens do al^odV), fabricas de
rape, casas de klrvg-U, bulica-, aruiazeiis do vendtr
madeiras e outros materiaes, e de photographia,
salvo a isencio creada pela lei n. 590, ale mesmo
quanto ao augment** deste impe*lo; vigoraado
a ultima parte do 25 do art. 43 da lei u 852
Ttbwcio de Magaihaes. T. de Arruda. Joao
Barbalho. Pinta Pessoa. AUico Leite. G6ts
Cavalcante. -Amaral. -Cunha Cavalcante.Cam
boim.Alipio Costa.Gomes Parcnte. Joaauim
de Arruda.
" 32 do art 15.-Em vez da 1.000* por casa
de compra e venda do escravos, diga-se -200.
Figueiroa.
*;Art 15 43.-fSubstitaa se 1.000/ por joa-
lheiro que mascatear na provincia, nao exeeptuan-
do aqnelles que liverem estabelecimenlos collecta-
dos era algum lugar e destacarem seus objeetos
para serem vendidos em oqtros em que nao este
jam os meemos estabelecimenlos.Alipio Costa.
Altico Ixite.-Manoel Perett'i.Joaqmm de Arru-
da.Tiburcio de Magalluies.
" Art. 15 S 60. Era vez de 200/000, diga-se
500/.
" 6i.Era vezde 5 por cento, diga-se10 por
cent.).
" 38.Substitua-se 3/ por escravos resideu-
tes nas cidades, villas e povoados, nio empregados
na agricullura, excoptuantlo-se os possuidores que
tiverera um so escravo.Tiburcio de Magilhdes.
Pinto Pessoa.Joao Barbalho. T. de Arruda.
AUico Leite. Alipio Costa. Joaquim de Ar-
rifla.
* Arl. 15 I
.1 maral.
61.Em vez de 80/, diga-se 150/. -
la discussao e por con3equeocia reconhecsu taci-
tamente a sua utilidade....
0 Sr. J. Mello Reco :A ulilidade.
0 Sr. Tolentlno de Carvalho :... e conve-
nience.
Parece-me, pois, que 0 adiamenti do projecto na
presente discussao 6 uma protelaeao.
0 Sb. i. Mello Rego :Mas se eu declaro qae
nao e protelacao ? Entio tambem pode se dizer
que a sofreguidao, com que se quer que 0 projecto
passe, 6 para nio haver espaco sumciente alim de
que a materia seja esclarecida.
OSa. Tolentlvo de Cabvalho :Nio e sofre-
guidao, porque 0 projecto passou em' 1" discussao
" Additivo ao art. 15. Sobre cada guindaste
assentadu nos caes publicos desta cidade 100/.
Alipio Costa.Pinto Pessoa.Cunha Cwalcinle.
T de Arruda.-U. Cavalcante.Dr. Mmoehb
Reg). Tiburcii de Magaihaes. C Camboim
Amaral.FigueiroLJnaquim de Arruda.Viei-
ra de Mello.
" Ao art. 13 2.*Em luear de 3 por cento, di-
ga-se 2 3|i.
" Supprima-se 0 4.*
" Ao 7."-Em iugar de 100^000, diga-se -
50/000.
" 19.-E.n lugar de :e a eidade e villaate
0 fim do mesmo s, diga-senas cidades e villas; e
nas povoacdes do3 construidos de pedra e cal e co-
bortos de telhas.
" Supprima-se 0 21.
"0 ii substitua-se pelo seguinte :30/ por
venda da escravos, exceptuados os menores de 5
annos que forem vendidos com suas raais; f 3 p>r
cento ao respectivo valor, quando a venda for em
parte, e sobre a differenca do preco nas perrautas.
0 imposto de 30/ sera duplicado quando a ver. la
for feita por procurador.
" 23.Accrescenle-see accesso depois de
jubilacio.
" 26". -Era lugar de S3 por cento, diga-se -20
por cento.
" Supprima-se: -e de descoato3 -; supprimam-
se mais as palavrasagencias ou. Em lugar de
5005 por ca-a, etc, ale 0 fim, diga-sa500/ pr
esiabelecimenlo ou escriptorio na cidade do Re-
cife, em qua se ageocie a venda de poivora; 50/
por casa em que se vender esta a retalho e 10
por pequenos depositos fora da cidade.
" 30.Supprimam se as palavras 15/ ate
0 fim.
" 32.-Depois de leilao, diga-se-1000/ ;or
cada caixeiro ou corrector, etc.
" i 38.Suppriraam-se as palavras e5/ ate
0 fim.
' 39.Accrescen!e-se : na cidade do Recife
e seus arrabaldes.
"S 41.Accrescenle-se: exceptuada* as carro-
cas de conduccao d'agua potavel.
" 0 i2 substitua-se pelo seguinte :8 por cen-
to sobre 0 valor do capim veulido na cidade di
Recife.
" Ao 8 do mesmo art. 13, accrescenle-se :
ficando fu.e'io ao imposto sobre tibaco fabricado
e rape imported) para consumo em barricas,
fardos ou outro qualquer iuvotac.ro.jf. da Silca.
O Sr. Xasciniento l'orlclla pede ur-
gencia para se inlerromper a ordem do dia, alim
de pro-eguir a 2J discussao do orcamento muni-
cipal, ficando adiado por 48 horas 0 orcamento
provincial, sendo neste intervallo publicadas uo
jornal da casa as emendas oflerecidas na present-?
sessio.
Consuitada a casa, decide pela afflrmativa.
Fica, poitanto, adiada a discussao do orcamenlo
provincial.
Entra em discuss".) 0 artigo 4 do cream-.....
municipal.
O Sr, l'Viiitjic de Figueiroa requer quo
a votacio em lugar de ser feita por paragraphs,
seja por artigos, salvo quando a algum desses pa-
ragraphos furem offerecidas emendas.
Consuitada a casa, decide pela afflrmativa.
Sio sem debate successivamente approvados os
artigos 4 ale 29, sendo tambem approvado 0 se-
guinte :
Additivo a despeza depois do artigo 26.
A camara municipal de Goyanna-fica auto-
risada a despender com as seguintes verbas a
quantia de 5:663.4523.
Ordenado do secretario 800/Oii)
Idem do continuo e porteiro. 390/00;!
Idem do fiscal da cidade. 3003000
Idem do de Nossa Senhora
100/000
50/000
100/000
100/000
Idem do de Goyanninha. .
Idem do de Tejucupapo .
Idem do de Ponta de Pedras
Idem do administrador do
raaladouro.........
9. Idem do advogado da ca-
mara ..........200/001)
10. Porcentagem do procurador
na razao de 6 % do que arrecadar .
111. Divida do exercicio de 1872
a 1873 .........
1 8 12. Agua e luz para a cideia .
13. Custas em que decahira
justica publica, inclusive as que sao
devidas ao escrivao Joao Jose Moreira
de Aguiar........
a 14. Expcdienteeassignalura do
jornal official........100/030
8 15. Jury e eleic.5es .... 100/COO
16. Carativo dos presos pobres. 200/000
< f 17. Aluguel da casa de merca-
do da cidade........120*000
a 18. Idem da de Nossa Senhora
do Op.......... 96/000
a 19. Idem da de Ponta de Pe-
dras .......... 48/000
20. Obras municipaes e aceio
dasruas.........750/00O
21. Eventuaes.....iOezuOO
60/Ooi)
450/000
889/323
400/000
400/000
5:663/523
Goes Cavalcante.Amaral.Lacerda. a
A discussao fica adiada pela hora.
0 Sr. presidento designa a ordem do dia se-
guinte e levauta a sessao.
aqui 0 lugar o,;.mP"teote,
inunicipar
mas sjm 0 orcamento
na terca feira e hcje 6 sabbado ; tem decorrido,
portanto, tres dias.
0 Sa. J. Mello Rego : Ja dei a razao porque
nao pude esludar a materia; so b >je pude obter
os documentor.
_0 Sb. Tolkhtino de Carvalho :-Repito que
nao e sofreguidao da minha parte. 0 nobre de-
putado pode fazer 0 sea estado e na 3* discussSo
oppdr.se ao projecto.
Mas nma vez que 0 nobre deputado nio so re-
quer, como pede por favor qua se lhe conceda 0
adiamento, ea nao voa ate" 0 ponto de negar am
favor ao nobre deputado.
Ninguem mais pedindo a palavra, e encerrado 0
debate e approvado 0 requerimento do Sr. J. Mello
Rego, ficando, portanto, adiado 0 projecto.
Prosegue a votapao em 2" discassio dos para-
grapho, qae deixaram deser votades na sessio
anterior, do art I' do projecto do orcamento mu-
nicipal e sao todos approvados.
E seui debate approvado 0 art. 3* cam todos os
seus paragrapbos.
A discussao fica adiada pela hora.
Segunda parte.
Continda a discussao do art 15 do proiecto a
45 deate anno, orcando a receita e fixando" a des-
peza para 0 wercielo de 1874 a 1873.
REVISTA DIARIA.
Minigtcrio da agricultara. Por te-
legramraa de hootem autorisoa 0 rninisterio da
agricultura ao Exm. Sr. commendador presidente
da provincia a despender a quantia necessaria com
a construccao do passadico entre os bairros de
Santo Antonio e Boa-Vista.
Collectoria provincial.Por portaria
da presidencia da provincia, de 12 do corrente,
forara exonerados Jose" Clemente Bezerra e Pedro
Alexandrino Correia de Mello, este do cargo de
cobrador, e aquelle do de escrivao da collector ia
provincial do municipio de Limoeiro.
Por portaria de 13 do corrente foi nomeado
Estanislao Gomes de Abreu e Mello para 0 lugar
de escrivao da collectoria provincial do municipio
de Limoeiro.
Jury do Recife.Foi hontem snbmettido a
julgamento 0 reo Joao de Deus Eufraslo, prenoa-
ciado no art. 201 do codigo criminal, por ferimen-
tos leves pratlcados na pessoa de Bernardino de
Oliveira.
Teve por advogado 0 Dr. L. E. Radrigues
Vianna.
Em vista da decisSo do respectivo conselho, foi
julgada perempta a aceio eoBtra elle intentada
pela justica publica.
Aaaaaainato.Na noite de 24 do mez fin-
do, Miguel de tal matou com quatro facadas a
Francisco Alves de Dens, no lugar denominado
Gravata : logrou evadir-se. A policia teve conhe-
cimento flo facto e prosegue nos termos da lei.
Outron.A's 2 horas da tarde de 12 do cor-
rente, J0S0 Jose" Vieira. conhecido por Jose* Mnla-
tinho, assassinou a Manoel Joaquim de Santa Anna
e a Prancelino Francisco Rodngues, no engenbo
Sao lidas, apoiadas e entram conjuoctetneute emjAraripe, ao primeiro com uma facada e ao segun-
discussao as sejniqte? emendas : Jdo com umacaceuda : evadio-se,



t i
(i
I"
r
1
1]
'A
M\





M
w


fkmo de E&tmjn&UGO Ter^a Mm 16 A po|jcia prced>'ii aos corpos da delicto e in-
queriio.aftm d remcluMisa jnizo cjiupstenio.
toriiueniu. Das 8 para as 9 boras da
noite do dia li do mez liado, em am dos beccas
da raa imperial', do i. districto de S. J.>?<5 desta
cidade, Antonio de tal, conhecido por Crioulinho,
ferio a Jose Fernaades de Al'neida, conseguindo
evadir-se o delinqueflte.
IMnhciro0 vapor Jaguaribe levoa de nos-
sa praca para Maceio 69:200/.
0 vapor Ceard trouxe para :
Joi6 Rodrigues do Soaza 4:185*180
A. Hyvernat & C. 4:000*000
Souia Baslos A C. 1:741*000
J. Krauze AC. 1:350*000
Joaquim Jose Goncalves Beltrao &
Filho 1:310*008
Souia Junjueira & C. 1:133*340
Joaquim Geraldo do Bastos 1:103*240
E. A. Barle 4 C. 732*000
Jose Adolpbo da 0. Lima 725*000
Jose Ferreira Carreiro & C. 698*0 JO
Barros, Ms-ndes 4 C. 478*8i0
teleiramma ramliinl. No dia 12
do correntc o cambio sobre Londres era cota-
do, na praca do Rio de Janeiro, a 25 1/8.
Vapor Bnhin. -Este navio, da companhia
brasileira, sahio da Bahia para o nosso porto no
domiago (14) a tarde, com escala pelo porto do
Macei6.
Estrada de ferro do Recife ao S.
Francisco. Esta via de communicario, no
proximo findo mez de maio,
Renden 65:811*670
Despendeu 37:722*936
DaQdo de sal Jo em prol da garaii-
tia de jaros 28:088*714
No masmo mez transilaram ni linha 14,389 1/2
passageiros ; e foram transportados 56,128 kilo-
grammas de bagagem, 5:056,612 kilogrammas de
mercadorias e 437animaes.
Raa mercadorias estao comprehendidas 1,316
saccas de algodao, pesando 104,809 kilogrammas,.
e 40:932 saccos de assucar, pesando 3:119,560 ki-
logrammas,
A despeza foi 57,32 por cento da receita.
Clu!> Popular.'No domingo procedeu es-
ta sueiedade a eleicao do conselho deliberativo que
tem de funccionar no anao de 18741875, sahiu-
do eleitos os Srs:
Dr. Joao Francisco Teixeira 182
Dr. Eslevao Cavalcante de Albuquerque 182
Dr. Jose Eustaquio Ferreira Jacomna 179
Fortunato Jos6 Thoraaz 179
Dr. Antonio Oodualdo de Souza 179
Carlos Eduardo Muibert 179
Dr. Gervasio Rodrigues Carapello 178
Guarino de Sonza Peixe 178
Joaquim Claudio Monteiro 178
Manoel Thoraaz dos Santos 178
Theodoro Antonio de Jesus Borgei 178
Francisco Anastacio da Cruz 177
Francisco Joaquim Correa Esteves 177
Dr. Paulo Jose de Oliveira 177
Ulysses do Rego Rangel 177
Lauriano Jose da Costa 177
Manoel Anselmo Correa de Figueiredo 177
Manoel Ferreira Rabello 177
Antonio Ferreira da Silva Soares 176
I'rbano Nunes Machado Antunes 176
Jo Jo Januario Pinto de Azevedo 176
Manoel dos Santos Pimentel 175
Joaquim Jose dos Santos Araujo 175
Joaquim Teixeira Peixoto Filho 175
Wenceslao Machado Froiro Pereira da Silva 174
Obtiveram votos raais os Srs. :
Dr. Jose Mariano Carneiro da Cunha 149
Dr. Jose Joaquim de Almeida Nobre 147
Major Francisco Antonio de Brito 146
Francisco Fauslino de Brito 116
Manoel Joaquim de Castro Madeira 145
Jose Jjaquira da Costa 145
Dommgos Soriano Cardim 145
Dr. Antonio Justino de Souza 144
Juviniano Jose de Albuquerque 144
Dr. Antonio Estevao de Oliveira 144
Arphelim Jose da Costa Carvalho 143
Antono Francisco de Laccrda 143
Andre Avclino da Costa 143
Joaquim Jose de Santa Anna Lopes 143
Alexandre Antonio d3 Arruda 143
Caetano Salustio Coelho 143
Thiago Manoel Vieira 143
Baptista da Silva Praxedes 143
Joao Cardoso Barreto 143
Antonio Macario de Ass is 143
Antonio Cyriaco Villas Boas 142
11 r.iienegildo Severiano Goncalves 142
Joao Duarle de Faria Tibau 141
J^se Maria Accioli 140
Bellttmino Alves Arouxa 140
Terii girio naufragio I Do S. Jose da
ka Grande, ao sul desta provincia, nos escre-
vem o segninto, em 25 do passado :
a Srs. ratacfows.-Constando-me hoje, pelas 6
horas da tarde, quo diversos Pescadores deGamel-
lelra (praia de I'ernarabuco) e de Peroba (Alagoas)
viram nos dias 18, 19, 20 e 21 do c arrentc, muitos
pipeis e jornaes no mar, de fora, e nas pedras do
arrecife, o qne apaoharam alguns masses de jor-
naes e de cartas datadas do 11 d) corrente, da Ba
hia ; ioformeime de alguns, que disseram-me ter
apanhado cartas, que leram e inutili3aram-se, bem
como jornaes em macos perfeitos e outros feitos
pc-dac s. A' rauito custo pude obter tre3 nume-
res do Correio da Bahia, em perfeito estado, dos
uuae3 lhes remetto am.
Em vista dosses destroQ03 dove-se suppor que
tenoa havido o naufragio de alguma pequena
embarcacao, que conduzia mala do correio da Ba-
hia para agenda da costa dessa provincia, e que,
I -vi ida em consequencia do mao tempo, perdeu-
se de encontro a praia. Aguardemos noticias dc3-
sa provincia
"So-io Parthenon.-No domingo reunio-
se esta sociedade em sessao extraordinaria, sob a
presidencia do Sr. Bernardo de Mendonca. Pro-
ceieu-3e a eleiqao da nova directoria e obteve-se o
resultado soguinte : presidente, Juventino ; 1 vi-
c 3-presidente, Juviniano; 2 dito, Seabra Junior;
I* secretnrio, Bernardo de Mendonca, (reeleito);
2' dito, Feliciano, (reeleito); orador, EsperidiSo,
.(roeleito); thesoureiro, Gurjao Sobrinho.
Em seguida, foi eleita uma commissao, compos-
ta de tres membros, para rodigir os estatutos.
Rua da 1'iiiuo. Moradores desta rua se
n)s queixam de um visinho que possue uma gran-
de malta de caes, que incommodam alta noite com
latidos, e que moraem a aquelles que tem a infe-
licidade 'do passar perto dessa casa. Ssria bom
que o Sr. Cscal por alii desse um pas3eio.
"Xoxo nun ao. -A' livraria franceza acaba
li chegar o n. 44 deste jornal, qua se publica em
New-York, contendo as materias mencionadas no
annuncio publicado no lugar competente.
Poco da Panella. Desta freguezia nos
escrevem o seguinta :
Srs. reiaclores. -Padimss-lhes como urn ob-
sequio muito especial a inserijio das seguinte-s li-
nhas era a sua conceituada Revista :
Depois da suspensio e demissao do coadjuctor
Vicente Ferrer, fteou esta freguezia quasi qae ace-
phala quanto ao culto religioso.
c 0 padre Juvoncio Verissirao, nomeads para
substitair .iquelle, morava no Recife, e vinha aos
domingos dizer missa; e o mesmo acontece com o
actual coadjuctor que o e tarabem da freguezia da
firaga, e raora nao sabemos se na Capunga ou no
Recife.
< Os inconvenientes que resultam de uma tal
accamalacao e ausencia da freguezia, sio patentes
e graves, pois que, nao podendo o mesmo coadjuc-
tor acudir de prompts as necessidades dos Oeis, as
vezes extremas, Scam estes privados do santo con-
forto espiritual, e principalmente da missa, como
acontecen hontera (14).
Muitas pessoas concorreram a matriz, e de
li'.lde esperaram pelo padre, qae nao pdde compa-
recer.
< Ora, este e3tado de causas n$o devo conti-
nuar, e casta a erer que quando se mostra tanto
zelo pela religiao, e fulmina se peaas severas por
uma mera questao de opas, abandone-se assim
uma freguezia importante pelo numero de habi-
tantes, nao se curando de dar-lhe um director es-
piritual, que Dossa bem exercer suas fuaccSes, re-
sidindo nel !a. *
Poveado de vilianta. Escrevem-nos
dessa localidade :
No dia 7 do corrente, trasbordando o rio Si-
rigi, em consequencia da copiosa chuva do dia an-
terior, e qaerendo. ir a povoajao uma escrara do
Sr, Manoel de Oliveira, do Trigaeiro, que vinha de
Morojozinho, fallou com o dono de am dos edehos
que estavaa margem, e embarcou-se; por6m, o cd-
eho,cedenda a graude forca da correnteza d'agua,
virounoBDeio dQrio, ainfeliz desappareceu, e
ate o presente nao sa sabe de sea cadaver. A
policia estf. lazendo o sea dever.
Coteria. A que se acha a venda 6 a iOi.*
a benefieio da matriz de Palmares, a aual corre
dia 20 do corrente. *
Casajle detencap.-MoYttiWBto da casa
de detencao do dia 14 de junno de 1874
JxJfta Vtetdi 312, entraram V.extstwi 346.
Wacionafl 3G5, mulbera* 8, estrtojviros 24,
dicravos 45, escravas 4. --Total 340.'
AtjtBMitados a custa dos cofras publicos 273
HoHpitnl iwilugiiex.- Movimmto das
enfermarias ni seniaaa de 7 a 13 4e Jiinho da
1874.
Existiam 34, entraram 12. sabiram 16, fleam eo
traumeto 40.
Entra de semana o Sr. mordomo Francisoo Ri
beiro Pinto Guimaraes.
Hospital Pedro II. 0 movimento deste
etabdecimento, de 8 ao dia 14 de *junho foi o se
guinte:
Existiam 395, entraram it*, sahiram 40, falle-
ceram 12, existem 389, sendo :
Homens 250 c mulheres 139.
Advertencia.
Foram visitadas as enfermarias nestes dias:
A's 8, 9, 81i2, 81j2. 7 1|2, 8 1^ pelo Dr. Bel-
trao ; as 1 1/2, 1 Ii2, 1 li2 2 1/2 pelo Dr. Sar-
mnto ; as 9, 9, 8 l|), 10 l|2, to, 12, pelo Dr. Ma-
la, | in as; as 9, 8 I [2, 8 i\i, 9, 9, 9, 10, pelo Dr.
R. Vianna.
Fallecidos.
Manoel Moreira da Silva, tuberculo pulmonar.
Joaquina Francisca Alves de Luna, dysinteria
chronics.
Joaquina Maria da Conceicao, tuberculose pulmo-
nar.
Jose Thomaz de Oliveira, variolas confluentes.
Jose Joaquim, epilepsia.
Maria Josepha da Paz, variolas hemorrhtglcas.
Antonio Jose da Silva, variolas confluentes,
Bartholomeu Hennques de Araujo, dita.
Delmaraouro Barbado, febra araarella.
Manoel Co Mho de Bulans, cachexia.
J'lse Lourenco Pereira, hepato splenite chronics.
Jose Lopes de Oliveira, variolas confluentes.
PassogeiroSChegados dos portos do nor-
te no paquete brasileiro Ceard :
Dr. A. C. do Albuquerque, I. B. Pacbeco esua
senhora, P. A. da Costa, A B. de Oliveira Goodira,
P. I. Dantas, Rozendo J. da Silva Rosa, F. G. Pe-
reira, Jacintho S. e sua senhora, J. Hllensternis,
G. Arispe J. Fontela. 1 escravo, Joaquim M. Madei-
ra, Prirao Pacbeco Borges.
Seguera para o sul :
Coronel Hermenegildo de A. P. Carreiro, sua se-
nhora e 4 filhos, 2 tenente A. A. Cesar, J. Fernan-
das, Joao C. do Espirito Santo, sua senhora e 1 fi-
lho, B. Lourenco, 3 pracas de raarmha, S. Santos,
capitao M. B. de A. Junior, tenente F. de A. Sam-
paio, Euctides P. Barros, A. J. Malaqnias, M. D.
da Silva, J. F. Ferreira, Dr. L. B. C. Menezes e 7
criado3, J. S. de Sant'Anna, engenheiro Dr. Henri-
que Hargrenes, Thereza Maria da Conceicao, 34
recrutas e 64 escravos a emregar.
Sahidos para o sul no vapor americano
South-America :
J. T. P. Magalhaes, A. F. Damon, H. L. C. da
Silva, A. G. F. Lima.
Sahidos para o sul no vapor Cururipe :
Jo-6 Antonio Nones, Dr. Augusto E. de Cas tro
Jesus, Mancel Monteiro da Silva.
Sahidos para Maceio no vapor Jaguaribe :
Laopoldina Fruncisca de Jesus, Antonio Pinto
Junior e 1 criado, D. Alexandria Pereira de Ma-
galhaes e 2 sobrinhos, capitao Jose Goncalves Tor-
res, Felix do Miraes Bandeira, Antonio F. Jorge.
Ccmitcrio publico. Qbituario do dia 13
de junho de 1874 :
Hermina Tirsilia de Souza, branca, Pernambu-
co, 34 j>nnos, s^lteira, S. Jose; congastao cere-
bral.
Amelia, branca, Pernambuco, 7 mezes, Boa-Vis-
ta ; convulsocs.
Manoel Jose Ferreira Domingues, branca, Portu-
gal, 40 annos, casado, Recife ; febra puerperal.
Jos6, pardo, Pernambuco, 1 mez, S. Antonio ;
entente".
Bartholomeu Henriques de Aranjo, pardo, Cca-
ra, 29 anno?, solteiro, Boa-Vista, hospital Pedro
II; variolas confluentes.
Dulmamouro Barbado, branco, Italia, 32 annos,
solteirro, Boa-Vista, hospital Pedro II; febre ama-
rella.
Manoel Coelho Bulhans, branco, Pernambuco,
64 annos, solteiro, Boa-Vista, hospital Pedro II;
cachexia paludosa.
Antonio Jose de Oliveira, pardo, Alagoas, 19 an-
nos, solteiro, Boa-Vista, hospital Pedro II; variolas
confluentes.
Marcolina Maria da Conceicao, parda, Pernam-
buco, 60 annos, viuva, S. Jose; gastro enterite.
Martinbo de Oliveira Borges, branco, Ceara, 36
annos, casado, Santo Antonio ; apoplexia pulmo-
nar.
Luiza, .branca, Pernambuco, 8 meze3, S. Jos6;
convulsoes.
Francisca Xavicr de Jfsus, parda, Pernambuco,
32 annos, solteira, Recife; tuberailos pulmoaa-
res.
Joaquim, pardo, Pernambuco, 10 mezes, Graf a;
vermes.
Henriqueta Maria do Espirito-Santo, branca,
Pernambuco, 40 annos, casada, S. Jo30; pericar-
dite.
Bunedicta Maria do Espirito-Santo, preta, Afri-
ca, 83 annos, viuva S. Jose ; gastro enterite.
Marcellina, parda, Pernambuco, 3 mezes. Boa-
Vi;ta; congestao pulmonar.
Bernardina, parda, Pernambuco, 2 annos, S.
Jose; bexigas.
Jose Lopes de Oliveira, mandado pela policia,
hospital Pedro II, mandad) pela policia.
Jose Loureifo Pereira, pardo, Pernambuco, 26
anno3, solteiro, 3oa-Vista, hospital Pelro II; hepa-
to splenite chronica.
Adolpho, branco, Pernambuco, 13 mezes, Re-
cife ; denii.'uo.
Alfredo, pardo, Pernambuco, 9 mezes, Santo
Antonio; convulsoes.
tSROXIC'A SVmcURlL
Tribunal de commcrclo.
ACTA DA SESSAO DE 11 DE JUNHO DE
1874.
PRESIDENCY DO EXM. SB. CONSELHEIBO ANSELMO
FRANCISCO PERETTI.
A's 10 horas da raanha, presentes os Srs. de-
putados secretario Olinto Bastos, Lopes Machado,
Alves Gucrra e o Sr. supplente Sa Leitao, S. Exc.
o Sr. conselheiro presidente abrio a sessao.
Lid a, foi depois appro vada a acta da sessao pro-
cedente.
EXPEDIENTS.
Offlcios :
Da presidencia da provincia, communicando ter
a 9 do corrente autorisado a companhia transatlan-
tica de Hambargo a estabelecer uma agenda nes-
ta cidade. Foi enviado para a secretaria para
os devidos effeito?, tendo de ser depois archi-
vado.
Do superintendante da estrada de ferro do Re-
cife ao S. Francisco, respondendo ao do tribunal,
de 1 do corrente. Foi mandado para o archivo,
aflra de extrahirse o necessario para a informa-
cao exigida pelo ministerio da agricultara.
Da companhia pernambucana, sati3fazendo a
exigencia deste tribunal, ontida no officio de 1
do corrente.Foi mandado archivar para os fins
conveniente3.
Do gerente da companhia Recife Drainage, tam-
bem dando os esclarecimentos pedidos em officio
de 1 do presente mez.Mandoa-se para o archivo
para os devidos fins.
Do conservador do comraercio de Maceio, par-
ticipant nao ter sido no mez de maio proximo
passado preparado livro algum naquella conserva-
toria.Para o archivo.
Foram distribuidos 03 seguintes livros :
Diario e copiador de Alfredo Gibson, diario dej
Jose Marcelino da Rosa & Filhos, dito de Manoel
da Silva Santos, copiador de Manoel de Mesqaita
Cardoso.
DESPACHOS.
Requerimentos :
De Jose de Sampaio Coelho, pedindo transferee
cia dos livros sellados e rubricados para a firma
de Sampaio & CDeferido, trazendo os livros para
as necessarias declaracdes.
De Figueiredo 4 Irmao, para dar-se-lhes por
certidao a nomeacSo de sen calxelro Francisco
Tavares Bastos.De-se-Ihes.
De Joao do3 Santos coelho, solicitando baixa em
a nomeacSo de sea ex-caixeiro Jose Sabioo dos
Santos.Do se a cortidao requerida.
De Antonio Dias da Silva Cardeal, requerendo
certidao da nomeacSo de seu caixeiro Joao Fran-
cisco da Silva.De-se a certidao requerida.
De Angelo Dias da Silva Cardeal, tambeui para
dar-se-Ihe certidJo da nomeacao de sea caixeiro,
registrada em 1873.Como pede.
De Machado 4 Pereira, pedindo eliminacao em
a nomeacSo de seu ex-calxeiro Manoel Beringel
de Vasconcello3 Castro.Na forma requerida.
De Jose Antonio Moreira Dias, para dar-se baixa
em a nomeacao de seas excaixeiros. visto ter o
sapplicaute acabadd com o estabelecimento.
Ca20 requer. _.
De Francisco da Costa Ponte, para registrar-se a
nomeacJo do seu catxelro Manoel Martins de Sou-
za -Formule a nomeacao pela maneira legal.
De Vicente Ferreira de Albuquerque Nascimen-
to, submettendo a registro a nomea^o da sen
caixeiro Vicente de Assis Tavares.-Registre-se.
De Joao Baplista M ntelro o Antonio fraOCiscp,
Praca da Sika, apresenlaado para-fegistfiti'-sop
contrato social jinlo.Vfeta ao Sr. desembargaJoT
Cscal.
De Cunha-frmSos. satisfazendo ?UWecer fiscal
com relacioaoart. / do seu contrato.Na forrafc
pedida.
De Duarte Antonio de Miranda, enmpriado o
disposto no art. 2.* n. 7 do decreto n. 4,503, para
ser registrado o seu contrato.r-JVista ao Sr. des-
erabargador fiscal.
De Joaquim Lopes Maebado e Francisco Diap
Rodrigues Saraiva, trazendo para regi:trar-se p
contrato social que celebraram.Vista ao Sr des-
embargador fiscal.
COX 0 PABECER FISCAL.
Pett?598 :
De Miguel Jo>o da Motta, brasileiro, juntando
sua certidao de baptismo em original a peti.ao em
que requereu ser noraoado corretor geral. 0 tri-
bunal resolveu que ficasse adiada ate Qndar-se o
praso marcado para o preanchimenn da vaga dc
corretor, e qae* entretanto fosse curaprrao o pare-
cer fiscal na parte relativa as estampilhas qae
deixarara de ser inutili-adas.
De Bartholomeu Lourenco, pedindo rarta para o
hiate national Nova Esperanga.Como requef,
satisfeitas as exigencias do parecer fiscal.
Nada mais havendo a despaehar, S. Exe. o Sr.
conselheiro presidente encerrou a sessao ao
meio dia.
1MBTIDO COYiERViftOU
RECIFE, 16 DE JUNHO DE 74.
0 governo pessoal faz o que
quer. Estamos em pleno regi-
men absolute) de facto.
Continuam as alicantinas dos nessos impagavels
provincianos contra o governo pessoal, que nao os
chama ao poder, de accordo com os brados da
opiniao que nao cessa de indigital-os como os
aaicos salvaderes do paiz.
A entrega do poder aos liberaes e a dissolucao
da camara eis o brado a repercutir-se do Prata
ao Amazonas.
fnlerroguemos porera a esses publicises e logo
conbeceremos a Impotencia, em que actualmente
se acham para realisarem qualquer medida de
interesse social c de bem publico, divididos e reta-
Ihados mesmo na opposicao, quando deveriam es-
tar unidos, se algum principio lhes servissc de
bandeira a sua aleatoria politica.
Com effeito, se se trata da questao religiosa, a
qual teem elles attribuido a maxima importancia,
o que vemos n63 ?
Silveira Martins, o tribuno do povo, o defensor
das liberdade.', o patriola distiacto, em manifesto
antagonismo com o velho fanatico, proclama a
separacao da igreja do estado, emquanto que os
proumcirtnos pleiteam pelo stain fWO de relacSes
eutre o estado e a igreja. -
Esse velho que, na phrase daquelle moco fogoso,
nao passa de um ultramontano fanatico, aliieja o
predominl^ de Roma, stigmatisa o recurso a co-
rOa, o }us\cavenii e adora o syllabus quo elle de-
nomina Por oOTro iado o (^astellar brasileiro, o Paulo do
Apostulado, o conselheiro Nabuco, sustenta as tem-
poraliflbies e voa pelos processos e encarcera-
mento's o*bs bispos.
Se orh'a'mos para o chefe de pallia, Souza Fran-
co, na phrase do vigoros > Silveira Lcbs, senador
de antes quebrar que torcer, amelle importante
chefe de pallia, abertamente pronuncia-se pela
manutencio das leis con3tituidas em relagao ao
^atholicismo.
Agora se consideramos o deploravel estado era
que se acha o pfetenso partido liberal desta nossa
tem de Pernambuco, mais embaciado e o quadro
o mais lamenlavel o espectaculo.
Cora effeito, o partido liberal dividido, meio a
meio, parte o Club Popular expellindo do
seu seioo velho fanatico Zachariai de Goes e_Vas-
concellos; parte os prorincianos do barao de
Villa-Bellapredispostos a aceitarem por chefe
qualquer dos proeminentes liberaes dacorte, desde
que for este chamado ao governo do paiz pelo
pessoal poder ; e por tanto, desde logo repeilem
e detestam Ganganelli, que mais afastado se acha,
senao irapossibilitado de quaesquer probabilidades
para a governacao do estado.
Nesta situagao lastimosado partido liberal, como
poderia o Imperante, obliterando todo o senso
politico, chamar a direccSo do paiz esses antago-
nistas do liberalisms, quando ate na opposiQao,
que sempre reune e associa os combatentes, estio
a so degladiarem.do modo mais odioso e deplo-
ravel ?
E porque o mesm Imperante interprete fiel c
infallivel da opiniao, mantera o ministerio, que a
maioria d s camaras sustenta e applaude, ahi
surge a gritaria contra o governo pessoal, que
cada vez mais divorcia-se da nacao, influencia
occulta, que ludo paralysa neste imperio, que ter-
giversa sobre todas as reformas liberaes, que tilth
de todas as asplracoes do Brasil.
Causa tristeza, com effeito, ver o desnorteamen-
to desses homens, a desvirtuarem todas as ideas, as
mais salutares o que formam a base de todo o
nosso editicio constitucional 1
iEo ministerio vivera mais doze mezes, anno
e meio, tanto tempo emGra quanto quizer o go-
verno pessoal I
Dest'arte escrevem para o povo insciente e qne
nao comprehendendo e mechanismo do nosso sys-
tema politico, alimenta-se alinal de falsas crenqas
e acaba por attribuir a responsabilidade de alheios
males ao poder inviolavel e irresponsavel I
Argumentadores de ma fe que sao esses provin-
cianos, pois bem sabem apreciar todas as bellezas
de nossa forma de governo representative, e a
respeito da qual alias ja se dignaram consignar as
palavras seguintes, mais ou menos, se bem nos
recordaraos :
o Que codigo politico podera, neste terreno
avantajar-se ao nosso ; que oulro contem disposi-
coes mais araplas e_ garantidoras e que consagram
as liberdades pubh'cas.
Porque pois esse habito odiento de barafustar
as ideas mais justas e deprimir do que e immacu-
lado?
Sabem todos, que so aos ministros cabe a res-
ponsabilidado dos actos do poder e qae o Impera-
dor. no exercicio dos que dizem respeito ao mode-
rator e igualmente irresponsavel, sendo que 6 per-
feitaraente exacto o que afllrraais, a saber :
e A dissolucao e arraa exclusiva do poder rao-
derador; a charaada do successor dos gabinetes,
tambem.
Mas essa superior e magestatica attribuicao,
que a constitnicao sabiamente conferio ao sobera-
no, nao pode ser exercida, senao dentro dos limi-
tes da razao constitucional, isto e, o Imperador nao
pode chamar para o governo do paiz a quern bem
the aprouver, pois qae ahi esta o infallivel cor-
rectivo na camara temporaria, no senado e na
propria opiniao publica, que nao 6 dado illudir ou
sopitar impunemente.
Nao lhe e indifferente on de puro arbitrio
chamar Saldanha Marinho, Zacharias ou Silveira
Martins; pois que a opiniio e o indefectivel tlier-
mometro e a regra invariavel do poder.
O gabioete actual (esta isso na consciencia pu-
biica) 6 a representacio mais fiel e authentica da
vontade do paiz.
0 Imperador, conservando esse patriotico mi-
nisterio nao faz o qae quer, mas o que deve a
na^ao.
O J or na do Recife.
Um telegramma enviado desta cidade a Nacao,
na cdrte, relativamente a pugna travada no Club
Popular entre os associados, den largas ao Jornal
do Recife para urn estirado artigo de redacgao, que
realca mais pela linguagera disfarcada e maliciosa
do que pelo ensino de moral politica, que incul-
con ter por fim.
Este artigo, pois, carece de um ligeiro com men-
tario, e o faremos em poucas palavras, comecando
por afflrmar o qae com simulacio, quiz negar.
E' fora de duvida que no Club Popular^ por
occasiao da eleicio do novo directorio, travou-se
luta, e luta renhida, agitada e de notaveis esfor-
cos : 6 fora de duvida qae a atteacao publica des-
ta cidade, precavida do qae ia succeder, esteve
dnrante as primeiras eleicoes inteiramente voltada
para aquella associacao. Os polilicos de todos os
partidos, por mera curiosidade uns, por empenho
na luta outros, todos anhelavam saber por qae
Iado snrgiria a victoria.
Assim, e visto que o telegramma allodido trans-
mittio para a Nacao uma noticia no todo moldada
pela verdade do facto que se passava.
Nem mesmo tratando o Sr. Correia de Brito por
escrivao deslisou-se da verdade, porque esse cida-
dao eflectlvamente exerce o offlcio de escrivao. e
nenhum rebaixamento ou desmoralisaoSo lhe
resultara por ser como tal denominado.
Por aer esorivio 6 Sr. Correia de Brito eja
nada desce da coasideracao em qae deve ser tide,
asm deixa de ser apreciado, do qae & prova o ja
ter sido eleMo deputado geral, e. ser agora victo
rioso no Cluj> Popular.
-Vio sio os c7Jf|us QU0 nobilitam os individup*,
sao Wtes qae cUvm 3qurte.
Mai d j que liter dos ftttos am racio de nobili-'
tagao.
0 telegramma nao falloo WH setam-thcSo del
povo pelas mas, e menos en? ailferaclo da ordem'
.publica.
0 Jornal do Recife pHanlasia, p/etenfeudo pe*-
scrular intengSes; mas .nao podera eonfeslar que
a rwimeira eleicio leita a>) Club PtyUitir correa
aziUda o demasiadamonte acalorada ; o linUlto
ftlli esteve imineote. Toda esta cidade o sabe.
Mas, p-rguntamos, a qae veie o rmjlaino do
Jornil do Reciftl Entre o qne diz o telegramma
o o que elle assevera, qae dnferenca se pode no
tar, a nao referir em termos amplos ciaros o
mesmo que aoticioii o telegraairaa, da undo coa-
ciso, em duas ou tres linhas 1
0 telegramma diz:
Grande agitacao no Club Popular. 0 e3?rivao
Brito darrotou o bario de Villa Bella.
0 Jornal do Recife affirms :
a Se a el icao do Club importou em uma decep-
cao a iUustre chefe, nao toi senao pela franquoza
cem que.S. Exo. auxiliou em publico a Candida-
tura do Dr. Almeida Nobre que tao vivamente se
pronunciara, afflrmando o liberalisrao do conse-
lheiro Zacharias, quando foi este excluido de socio
benemerito de Club. E o liberalismo do sabio
conselheiro se resume no syllabus, qua e a con
demuacao da libardade, da indepondencia e da
soberania das names.
0 telegramma diz, que o Sr. Correia de Brito
derrotou o Sr. Villa Bella, o Jornal do Recife asse
vera que o Sr. Viila Bella soffreu uma decepQao
porque auxiliou com franqueza e em publico a
eandidatnra do Sr. Dr. Nobre, sobre quem triuni-
phou o Sr. Corraia de Brito.
Digara, pois, os leitores se ha ou nao perfeita
eonforinidade nos juizos ?
Se ha, a reclamagao do Jornal do Recife nao
pode ser considerada senao como uma confirma-
i.'il.i. que maliciosaraenle quiz fazer do juizo emit-
tido no telegramma.
E", pois, o caso de dizorposicoes francas, jogo
claro, cartas na roe'a. 0 publico tem o direito de
saber se os naipes e as figuras sio as mtsmas.
Nem as meias palavras da Provincia, perdidas
no espago da sua Chronica sensaborona, nem as
phrases sybellina do Jornal Recife satisfazem
as exigencias da opiniao publica.
Mas nao param no topico traose ipto as argucias
do Jornal do Recife; no epilogo e que esta a cha-
ve do enigma, ei-lo :
Essa decepcao, por6m, nao p6de de facto es-
bulhar o illustre barao do poslo om que foio/p-
cialmente collocado pela sumid ide, que dominam o
partido, e no qual poleria S. Exc. ser conllrmado
pela opiniao popular sob duas condicfles: primei-
ra alargar e delinir o programma do partido; se-
gunda tomar em tempo o bom aviso de a frenle
3a cruzada democratic*, propagandista, educado
ra, que o club com louvavel e rauito meritorio
empenho instituio e desenvolve.
0 club popular ainda nao e todo o partido
liberal ile Pernambuco. Quando o for algum dia,
como deve e ha de ser, entao os directorios serao
a expressao do sea voto formal e nao uma tra-
diccao official (este gripho e do artigo) cjmo acoa-
teco ainda agora...
A divergencia profunda em que esta o clvb po-
pular, com o director.o liberal, o Sr. Correia de
Brito com o Sr. Villa Bella ; e patente nestes perio-
dos qu-* alh ficam Iran crip'.os. Dellesse vi5 que
o Sr. Villa-Bella e chefe official, e nao chefe real
e de escolha do partido liberal; que nessa posiQii
foi collocado, nao pelo apoio do seu partido, o sim
pelas sumidades que o dominara ; que so podera
csnstituir-se chefe legitimo so alargar e delinir o
programma de sua bandeira e tomar o bom aviso
de fazer caminho a cheiia pelo club popular; qae
o partido liberal quando for o que deve ser, e nao
o que e, tera directorios legitimos differente3 do
-dual, qu? e acenas umi tradiccao official; final-
meute que o club nue, ainda nao' c partido liberal,
o ha de ser um dia, quer queiram quer nao.
Ora, i v\sta disto e conveniente, e leal que se
pretenda ilkidir a opiniao publica, disfarcando uma
divepgen:ia politica que nem mais o disfarce sup-
posto, que nem ao menos se pode assemelhar a
brazeiro coberto pelas cinzas ? |
Nao, e precisoj jogo franco. Nao adiantassem
tanto a marcha ; se andaram de mais, 6 licito qua
o publico s?iba as milhas qae daitaram.
A divisao no seio dos liberaes de Pernambuco,
podera desapparecer, mas e fora de duvida quo esta
feita : duas ban leiras o dividem -uma a do sylla-
bus do Sr. Zicharias mesclada com o stalu quo do
Sr. Nabuco, outra, a da cruzada democratica pro-
pagandista educadora qua. em nome do club po-
pular hasteou o Jornal do Recife.
Por conseguinta scjam claro3 tantos os homens do
directorio official edominador, como osdemocralas
do club ; o publico anceia por franquezas, e revol-
ta-se contra as myslificacoe3.
0 Sr. Correia da Brito, forca 6 confessar, tem
por si a coherencia, emquanto o directorio aga-
chou-se na capoeiragem era rela?ao a grande ques-
tao que o lavou ale a praca publica.
0 Sr. Correia da Brito teve, no club a victoria
que a tenacidade couquistou, o directorio a derro-
ta que a dubiedade propagou.
Esta 6 que 6 a verdade.
Mas ib'M iWite&2Jte<,fflte** nuaio valor qai Ait a este exarae de sa- fiaS.. novos trinaipfrcs, / por meio da todas a*
!1 inS '
dagoes k mm&
oioad,'.
Xt
Illm. Sr. Dr. delegado dffs?i termo.-Leonidas
Th i Loureiro vBm reqaerer a V. 9. se digne man-
dar certiflcar : !.?, se a requeriraento derto pro-
ceden-se perante esta delegacia algum exarae de
sauidade nos feriraentos nae Ibe foram caosados
por Maria Isabel da Concefoao em dezembro do
1873 ; *.. no caso, qual o ttrcsr delle.
Nestes termos pede a V. S. deferimentoE R.
M.Leonidas Tito Loureiro.
Certifiquo. Re:ife, 28 de maio d 187i.-De-
mocrito Cavalcante.
Frcderico da Castro Carvalho, escrivlo da delega-
cia da capital, om virtu le da lei, etc.
Em virtude do despacho supra, certifico, quan-
to ao primeiro quesito, afflrmativamente. Ao se-
gnndo, por^in, deixo de satisfazer, era razao de
haver sido o dito exame, logo que foi concluido,
reraettido ao subdelegado do 2. districto de S.
Jose, visto nio ter a parte qne o requereu procu-
rado, nem tambem pago as castas. Don fe. Re-
cife, 29 de maio de 1874. -0 escrivao, Frederico
db Castro Carvalho.
Ei3 aqui doas escrivaes certiflcando cousas di-
versas.
0 escrivao da delegacia de policia certifica que
se procedeu am exame de saoidade e que tal
exame foi reraettido a subdelegacia de S Jose, o
escrivao desta autoridade, pelo contrario, certifica
qae tal exame de sanidade nunca la chegou II!
Pinalmente a*ii estao os Srs. Drs. Cysneiro, An-
drade Lima, Ferreira Alve3 e Ferreira da Silva, e
o pharmaceutico Alfredo Calumby, que attestam a
gravidade do3 ferimentos que soffri.
Bem sei dos recurso3 de que dispSe o Sr. Dr.
Fonceca ; mas nao quero mais do que o cumpri-
mento da lei.
A mulher qae tentou contra minha existencia
nio pode o nem deve ficar impuno.
Recife, 15 da junho de 1874.
Leonidas Tilo de Loureiro.
Nao pretendia me occupar de nonham modo
com a questao de rapto de que ullimamente se
tem tratado na imprensa diana desla cidade:
Fez me, porem, mudar de proposito a ma-
neira cerao a miin se refare o Sr. Dr. promotor
da comarea de Igu rassii do seu relatorio.pubilcado
em o u. I3i deste Diarij, sob a rubrica Parte of-
ficial.
Enganou-se S. S. quando afflrraou que eu e o
Sr. Erneslino, fiscal da freguezia de S. J je, foraos
vfstos as 8 horas da noite de 7 do corrente a per-
corrarmos em am carro a villa de Iguarassii a ti-
tulo de passeio.
Enganou se ainda quando affirmou qai retira-
mo-ao3 d'.lli a mandado do digno Sr. Dr. juiz de
direito da comarea.
Caegu ina iodicala. villa acompanhado, nio do
Sr. Ernastino, mas sim do guarda fiscal Biptista,
das 4 as i 1|2 da tarde do deprecitado dia, e to-
manlo immediatameote o hotel do Sr. Vicente, la
nos demoramos ate^ a3 7 hor.is da noite, que f >
ram justamente aquellas em que, em particular e
em palavra3 obsequiosas que jamais esquecerei, o
intcgro raagistrado a quem tenbo alludido inque-
rio de mim o motivo que levava-me a semelhaote
loc ilidade, sendo que, havendo-Ihe ea entao raa-
nifestado o prop sito de retirar-me sera deten-
Qao, S. S. buscou deraover-me da intencio ein-tou
para que me demorasse.
E' grande erespeitosa a attencao que me me-
reco o predict a Sr. Dr. juiz de direito.
Mas, isto na.iobstante, deixei de attende lo, e
antes di 7 horas e 1|4 ja estava a caminho junto
com o Sr. Baptista com destiao a esta capital, no
masmo vehiculo que nos havia levado.
Era, portanto, absolutamente irapossivel que ti
vasse sido eu visto e com o Sr. Ernestine a prin-
cipio no hotel do S\ Viconta, e as 8 horas da noi-
te a transitar pelas ruas da villa como- ao Sr. Dr.
promot ir aprouve dizer.
0 quo deixo escripto e a pura verdade, que to-
nho fc, sera coafirniada pelo proprio Sr. Dr. Her-
mogenes Socrates Tavares de Vasconcellos, em cu-
ja in'.egridado muito conflc.
Recife, 15 de junho de 1874.
Custodio Manoel Theodoro.
Joaquim Antonio da Araujo, commerciante es-
tabelecido nesta cidade, a rua do Harqoez de
Olinda, d clara que nao foi elle e sim outro de
igual nome, quem tomoa parte e foi mortalmente
ferido na luta que altimamente houve no engenho
d'Agua, em tguarassii, conforme a parte do pro-
motor daquella comarea, publicada hoje neste
Diario. Recifa, 15 de junho de 1874.
lasses do mundo civilisaftt, sem outra fecommen-
Ja;ao mais do que a sua ifttonteslavel excefian-
cia. Nenuuraa senhora, a qtiar traja eapargido al-
guraa9 gofas desta deliciosa essetfeia florida sobre
o seu lenco, ou haja nsado.a mesma n'um estado
de diluigio, eomo am cosmelico, por certo he-
sitara um so iustante em perfeitamente coincidir
com as senhoras e senhoritas da Amertea Iftspa-
nhola ; as quaes a tem usado para mais de 20 an
nos, mediante uma comfltta excluiao dte fodo e
qualquer eutro perfume.
JUNTA DOS CORKETORES
Praca do Recife, t. de junlao
de 1S94L.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACSbS 0FF1CIAES.
Cambio sobre Londres a 90 d|V. 25 J|4 e 25 3{9
d., e do banco 25 1|8 d. por f*000, sab-
bado. i
B. de Vasconcellos
Presidente.
A P. de Lemos
Secretario.
ALFANDKGA.
Readiraenw do di* I a 13.
'dam do du 15 .
275:98** 883
17.9064191
293.98rfOSo
Descarregam hojn 16 de junho de 1874.
Lugar portuguez Cidral vinho, vinagre e*
azeite para deposlto no trapiche Cunha.
Vapor nacional Ceard generos uacionaes
para o trapiche Companhia.
Escuna nacional Ceorgiana generos nacio-
naes para o trapiche Cunha.
Patacho iuglez S.N. Collymore Tjkerosene pa-
ra depesito no trapiche Vieira.
ALTSBACAO NA PACTA DOS PRBQOS DOS GBNEBOS
SUJE1TOS A DIREITOS DE EXPORTACAO, NA SEMANA
DB 15 A 20 DB JUNHO DB 1874.
Algodaoem rama ou la 496 rs. o kilo.
Assucarmascavado 91 rs. o kilo.
Carvio de pedra estrangeiro, tonelada metrics
Caroco -de algodao 20 rs. o kilo.
Crina- animal era bruto 300 rs. o kilo.
Alfandega de Pernambuco, 13 de junho de 1874.
0 1 conferente -J. Ribeiro da Cunb.a-
0 1 conferente-A. C. de Pinho Borges.
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 13 de
junho de 1874.
0 inspector
Fabio A. de Carvalho Reis
ImportactEo.
Vapor nacional Ceard, entradj dos portos do
norte em lo do corrente e consignado a Pereira-
Vianna k C., manifestou :
Carga d > Para.
Banha 50 barris a Joaquim Jose de Azevedo.
Calcado 1 caixa a Monte'ro, Gregorio & C. Cha-
peos do Chile 3 fardos a Pedro M. Mauiy.
Carga do Maranhao.
Sola 1,416 meios ao3 consignatari)s.
Tapi ca 18 paneiros a Jose C. Braga, 18 a Fran-
cisco Goncalves Bastos eSa.
DEiPACHOS DE EXPORTACAO -NO DIA 13 DB
JUNHO DE 1874.
Para os portos do exterior.
No brigue francez Solidor, para Liverpool,
carregou : J. F. Ferreira 200 saccas com 17,695
kilos de algodao.
Na galera portuguaza Europa, para Liver-
pool, carregou : E. J. da Motla 104 sacca3 com
8,102 kilos d3 algodao : para o Canal, Keller & C.
394 ditas com 28,561 dilos de dito.
Na barca portuguaza Admiravel, para Lis-
boa, carregou : A. Loyo 400 saccos com 30,000
kilos de assucar branco e 300 ditos com 22,300
dit03 de dito mascavado.
Para os portos do interior.
Para o Rio de Janeiro, no brigue nacional
Isabel, corregou: Carvalho & Nogueira 600 sac-
cos com 30,000 kilos de assucar branco.
Para o Penedo, no vapor nacional Jaguaribe,
cairegou : Macario Netto 1 barrica com 60 kilo*
de assucar branco : para Maceid, M. A. Barbosa 1
barril com 90 litros de alcool.
Leouidas Tito Loureiro noSr.
Dr. 1' promotor publico.
Em resposta ao Sr. Dr. Fonceca, offereco a con-
sideragao do Exm. Sr. peesidente da provincia e
do publico a leitora das seguinies pecas offl-
ciaes :
Subdelegacia do 2" ditricto da freguezia de S.
Jose.-Leonidas Tito Loureiro, vem reqnerer V. S.
se digne mandar scientificar: 1 se pola delegacia
deste termo foi a esta subdelegacia reraettido al-
gum exame de sanidade nos ferimentos que lhe
foram causados"por Maria Isabel da Conceifio, em
dezembro de 1873; 2" no caso que sim, qual o
theor delle. ,
Nestes termes, pedo a V. S. deferimento.Reci-
fe, 30 de maio de 1874. Leonidas Tito Lou-
reiro.
Informe o escrivao. Subdegacia do v districto
da freguezia de 3. Jose, 30 de maio de 1874.Sou-
za Lima.
Illm. Sr subdelegado. Em cumprimento ao
despacho de V. S., exarado na peticao snpra,
tenho a informar, qae tendo esta subdelegacia
requisitado ao Dr. 1" delegado da capital, um
corpo de delicto quo lhe constava ter sido por ella
feito na pessoa de Leonidas Ti'.o Loureiro, e a
requerimento deste, afim de remettelo ao Dr. 1"
promotor publico, que assim o havia requisita-
do, foi dito auto entregue ao referido Dr. pro-
motor, por haver este pessoalmente ido busca-lo,
segundo communicou o mesmo Dr. delegado a es-
ta subdelegacia.
E' e que tenho a informar a V. S.Recife, 1
de junho de 1874.0 escrivio, Olympio Sebas-
tiao de Hollauda Chacon.
Com o devido respeito vem o supplicants pon-
derar a V. S., qae o escrivio nada scientificou do
pedido de sua peticao retro ; portanto o suppli-
cants requer a V. S se digne mandar rectificar o
pedido.Leonidas Tito Loureiro.
0 escrivao satisfaca em termos o que requer o
supplicante.Subdelegacia do 2 districto de S.
Jose, 2 de junho de 1874.Souza Lima.
Olympio Sebastiao de Hollanda Chacon, escri-
vio da subdelegacia da freguezia de S. Jose do
Recife, em vistude da lei, etc.
Certifico em cumprimento ao despacho proferido
na peticao retro, que consta do archivo desta snb-
delegacia, ter sido requisitado ao Dr. delegado da
capital, um corpo de delicto, feito a requerimento
do supplicante em sua pessoa, perante aqaella de-
legacia, afim de ser remettido ao Dr. 1* promotor
publico, qne assim havia requisitado a esta sub-
delegacia. Ainda consta do mesmo archivo ter si-
do pelo dito Dr. delegado entregue pessoalmente
ao referido Dr. promotor publico, o snpracRa-
do auto de corpo de delicto. E mais nao ^cons-
ta. 0 referido e verdade ,.e doa ti.Recife, 2 de
junho de 1871.0 escrivao, Olympio Sebastiao de
Hollanda Chaeoo.
Deste documento se ve qae o Sr. Dr. promotor
publico recebea am auto de corpo de delicto.
Quanto ao exame de sanidade, publiendo pelo
Sr. Dr. promotor, tenho a dizer qae se fosse elle
verdadeiro, atnda assim nao provava, qae os fe-
rimentos qae soffri eraui leves.
Primeiio, porque os perites ahi declaram qae
os fertmentos nao ostavam carados e que eu aia-
da nao podia andar.
Segundo, porque tendo declarado os Srs. Drs.
Pitanga e-Gysneiro qae os ferimentos produziram
grave inoemmodode sa4de, na epoca que ixi
ter-se-feito o exame de sanidade, a io podkamos
Medicos Drs. Alves e Soaza conheca r se da facto
houve grave incotnaodo da saiide.
Consegointemente o Sr. Dr. pre.motov nao se
defendeu e iujoria-me naado m>a chamma ca-
0 Novo Mundo
pcriodico brasileiro, publicado
em New-York.
Conteuda do n 44 chegado pelo South
America.
Texto.
Lord Derby :Traco3 biographicos.
Topicos do Mez: Asituacao politica no Brasil,
Estados Unidos, Suissa e Haspanha. A fome na In-
dia e na Asia Menor.
A Franca :-Crise ministerial.
Nova perspectiva politica :0 partido liberal no
Brasil.
Immigracao no3 Estado3-Unidos.
Divertimentos publicos.
Monumentoa mamoria do poeta brasileiro Gon-
ealve Dias.
0 Sr. Dr. A. H Leal: o ideiador da estatua
erectaa memoria do primeiro poeta maranhense.
0 Pabrico da Cerveja: o seu preparo e distil-
lacSo.
Sciencia :Shapira-Ganneau : a supposta frau-
de archeologica que occorrera na Jadea.
A Antiguidade do Cavallo.
Segrelos da Longevidade.
Litteratura : 0 grande diccionario portuguez
de Fr. Domingos Vieira, e outras obra3 recente-
mente puhlicadas.
La America Illustrada : a sua consolidacio com
o muito acredilado jornal illustrado El Mundo
Nuevo.
0 Sr. Varnhagen e alguns criticos Portugueses :
carta do illustre historiador brasileiro.
0 Papa em Conselho.
Notas em geral.
Vocabulario da Lingua indigena Guana, ou
Chane.
0 Marquez d'Avila.
Descripcio de gravuras do numero.
Gravuras.
0 Conde Derby, ministro dos negocios estraagei-
ros da Gran-Bretanha.
Brasil:Monumento a Goncalves Dias, na cida-
de do Maranhao.
0 Sr. Dr. A. H. Leal.
0 Fabrico da Cerveja .Vista da um grande es-
tabelecimento.
Heidelberg : os sens mdhores edificios e lngares
de passeio. ,. ....
0 Papa em Conselho:0 pontifice presidindo a
um conselho. ...
Uruguay :Vista do perto e cidade de Monte-
Estados-Untdos: -O praneiro Buffalo (Bisao) da
estaoie. .... n .
Portugal: 0 Sr. Ma*quea de Avila e Bela-
ma.
Sellando uma promesea.
Com este namero, 6 distribaida gratuitamente
aos Srs. assignantes oa riquissima gravura em
fotha separada^ intituladaNo Lagoobra custosa
e de grande merito artistico.
Assignatara annual 10*.Livrana. Franceta.
CAPATAZ1A DA ALFANDEGA
rtendimento do dia 1 a 13.
dem do dia 15 .
VOLUMES SAK1DG3
No dia 1 a 13 .
No dia 15
fruneira port*.....
Jegunda porta.....
Terceira porta.....
Qaarta porta......
fiapiche Ccflceicao .
8:541*816
465*42*1
9:007*236
6,972
7.-;
19
76
7,142
SERVigO MARITIbJO
u>*renga3 descarragadas oo tr3picLe da
alfacsdega :
No dial a 2:13 ....
No dia 15........
Vo trapiche Cunceic
RECEBEDORIA DE RENDA^ INT^RNASGE-
RAES DB PERNA2BUC-
iendimento do dia t a-13 29:468*i3H
idem do dia 15 -..... 4:808*402
34:276*810
CONSULADO PROVINCIAL,
Rendimeato do dia > a 13. .. 34:048*37;>
Idem ao dia 15....." 9j9U*2zO
63:962*59S
MOVIMENTO DO
'0
Navio entrado.no dials.
Para e portos intermedios 8 dias e 12 horas.
sendo do ultimo porto to horas, vapor nacional
Ce*rdi de 1,539 toneladas, commandante Joa-
quim de Paula Guedes Alcofo*ado, equipageni
65, carga differentes generos ; a Pereira Vian-
na & C.
Natnos sahidos no mesmo dia.
Aracajii e portos intermediosVapor nacional Cu.
ruripe, commandante Santos, carga differentes
generos.
MaceioVapor nacioaal. Jagmnbe, commandante
Jalio G. da Silva, earga varios generos.
EMTAES.
iumniador pelo, facto-M r*r peto meu i-l Amertea Sul e;Mexico depwiwrewu
yato- lasTDaispeTfumariase-agixas eheirosas
Pede-se ao Blm. Sr. subdelegado ou a quem
passa competir que laacem suas vistas para dou3
estradeiros hespanhoes qae sem piedade algauaa
vivem illudindo a bomanidade com charulos de
contrabando, segundo dizem elles, pelos quaes pe-
dem o preco de d*z mil reis o oento; mas que
nio val nem. am mil reis ; por eonseguinbe. pre-
judicaado assim as eaaas de porta aberta que pa-
gam sens respectivos impostos a mesmo aquelles
qae o fabricam, cam o que sustenlam suas nume-
irosas famiUas.. .
i Lin prejudicado.
Agua tie Florida de Murray 4t
L Ja la vai esse tempo em> qae por meio de bem
elaborados e engenhosos] annancios nos jornaes
publicos, se ateancava o erapalmar-se e introdu-
zir-se um artigo inferior a aceitacao publica. As
esseoaiaa ordinarias ds uma emanacao acerba,
fabriaadas-de oleos baratos, sao hoje emdiauni-
versainiente rejeitadas em despeito de todas as
impreesas certidoes comprovativas ; am quanto
qae este admiravel e riqulssimo perfume e cos-
metico, eomposto e extrahido por ama raspeitavet
a responuvel flrma de raras e'deinadas tiores
eplantas naturaes, e sobremanelra estioaao na
***,-a todas
vai gran-
Edital a. 1T6.
Pela inspectoria da alfandega se intima aos iio-
nos ou consignatarios dos volumes com amostras,
cuja relagSo acha-se afflxada a porta da raesma
reparticao, para virem. despacba-los no prazo de 30
dias, sob peaa de, ftndo elle, serem vendidos por
sua conta, sem qae lhes fique competiado allegar
contra esta veuda. .._,
Alfandega de Pernambuco, li de junho-de 1874.
0 inspector,
F.ihia A. de Carvalho Reis.
0 desembargador Francisco de Assis Oli-
veira Maciel, official da imperial ordem
Rosa cavalheiro da de Chnsto, e juiz
priva'tivo de orphios e ausentes da cida-
de do Recife e seu termo, por S. M. o
Imperador, a quem Deos guarde, etc.
Faco saber aos qae este virem, qae o bacaare!
Francisco Ferreira Martins Ribeiro, inventarianto
e testamenteiro dos bens que ficaram por fallec
mento de seu irmio Leopoldo Ferreira Martins
Ribeiro, reqaereu-me para veader em hasta pu-
blica a escrava Izidra, parda, crtoala, de 25 annos
de idade. com algamas habijitaaa3, e.que porten-
cendo ao espolio inventaflado, tot avaliada em
1:000*.
E, pois que, annuindo a semelhante pretencao^
pelo presente firmado no que wpoe oaecret0
f
i

)

T-



Diario de Pernambuco Terca feira 16 de Junho de 1874.
1889, convido a todos qaanto quizerem lancar so-
bre a mencwnada escrava, a apreseniarem suas
propostas em cartas fechadas competentemente ea-
tampilhadas. naa salas das audieneias das respec-
tivas autoridades da primeira inatancia, no prazo
de 30 dias, a eontar de hoje.
Os pretendentes, querendo, poderao ver e exa-
minar a referida escrava, na casa da resid encia do
preeitado inveiitariante, a rua da Imperat riz n. 86
E para constar, raandei passar o preseote, que
sera afflxado nos lugares do costume e publicado
pela imprensa.
Dado e passado sob men signal e sello, ex-valha
sem sello excausa, nesta cidade do Recife de Per-
nambttco, aos 11 de junho de 1874.En, Floriano
Correia de Brito, escrivio, o fix escrever e subs-
crevo.
Francisco de Assis Oliveira Maciel, -
Olinda.
<) Dr. Del6no Augasto Cavalcante de Albnqner-
que, official da ordem da Rosa, e juiz de direito,
orphaos e >n?entes da comarca de Olic.da, por
S. M. o imperad >r, a quem Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presents edital viiem, que
no dia 18 do correnle met, a 1 hora da tarde
( depois da aadiencia), sera arreraatado por ven-
da am sitio em Paratibe, estrada da Hirueira,
perteaoente ao espolio do finado Bellarraino Perei-
ra Beringuer, avaliad" por 500*, o qual vai a pra-
;a a requerimento do Dr. curador do mesmo
espolio.
E para que chegueao conhecimento de todos,
maodei ilBxar o presente no lugar do coslnme e
publical o pela imprensa.
Olinda, 9 de junho de 1874. Eu, bacharel
Francisco Lins Caldas, escrivio, o escrevi.
Delfino Augusto Cavalcante de Albuquerque.
Edital n. 179
Pela inspectoria da alfaadega se faz publico, que
nao ten Jo Mo arrematados 10 barris, inarca A J D
ns. 135/144, conteido verniz, pertsncentes a Anto-
nio Jose Dantas, e annunciados a leilao j>or edital
n. 174, se trausfere a mesma arrematacao para as
11 Loras da manha do dia 18 do corrente, a porta
desta reparticac.
Alfandega de Pernambuco, 15 de junho de 1874.
0 inspector,
Fabio A. de Carvalho Reis-
ricordia do Recife precisa contratar o fornecimen- que aquelles que se acham atrazados en suas
to de pao e bolacha que teem de consumir todos
o < estabelecimentos pit s a sen cargo, no trimestre
de julbo a setembro, e recebo propostas na sala
de suas sessSes, pelas 3 horas da tarde do dia 18
do corrente.
A junta administrativa da Santa Casa da Mise-
ricordia do Recife precisa contratar o fornecimen-
to de assuear reQnado, que teem de consum r to-
dos os estabelecimentos pius a seu cargo, no tri-
mestre de julbo a setembro, e recebe propostas na
sala de suas sss oes, pelas 3 horas da tarde do dia
18 do corrente.
A junta administrativa da Santa Casa da Mise-
ricordia do Recife precisa contratar o forneciraen-
to de carne verde que teem de consumir todos c s
estabelecimentos pios a seu cargo, no trimestre de
julbo a setembro, e recebe propostas ha sala de
suas sessoes, pelas 3 horas da tarde do dia 18 do
corrente.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia
do Recife, 8 de junho de 1874.
0 escriv5o
Pedro Rodrigues de Souza.
.Consulado provincial
Pela adrainistrpcao do consulado provincial se
faz publico aos respectivos conlribuint-s, que do
1* de junho vindouro por diante eomeca a correr
o prazo de 30 dias uteis, marcados no artigo 21
do regulamento de 16 de abril de 1842 para a
cobraaea a bocca do cofre, do 2 semestre dos im-
postos da decima urbana, 5 0|0 sobre bens de mao
morta, e 60 rs. por litro de aguardente consumida
na provincia, no corrente exercicio de 1873 a
1874, incorrendo na multa de 6 0/0 aquelles dos
contribuintes que os nao satisfizerem nesse prazo.
Cansulado provincial de Pernambuco, 27 de
maio de 1874.
0 administrador,
Antonio Carneiro Machado Rios.
DECLARACOES.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Hlina. junta administrativa da santa casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
oa sala de suas sessdes, no dia 18 de Junho pe-
ias 3 horas da tarde, tem, de ser arrematadas a
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de ura
a tree annos, as rendas dos predios em seguida
declarados.
ESTABELECIMEN'TO DE CARIDAOE.
Travessa de S. Jose".
Casaterrean.il.......201*000
Rua de Santa Rita.
Idem n. 32........250/000
Ciuco Pontas.
asaterrea n. 114......362ffuOO
Rua da Viracao
Idemn 74........211/000
Ponte Velha.
Idem n. 31.........156/000
Rua de Antonio Henriques.
idem n. 26........99/000
Rua do Vigario.
!. andar do sobrado n, 27. 323/000
Eojaidem.........375/000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......42I/0OC
Rua da Cruz
Sobrado n. 14 (fechado).....l: 000/09
IRca do Pilar.
Caia terrea n. 100......2'aI/OOC
Rua do Amerim.
Idem n. 34........122/000
Rua da Guia.
.'dem n. 29........201/COC
Rua das Larsngciras.
On terrea n. 17. ...... 361/00C
Os pretendentes deverao apresentar no acto d;
arrematacao as suas tiancas, on comparecerea
*companhados dos respectivos Qadorcs, devendc
pagar alem da renda, o preraio da quantia en
quo for seguro o predio que contiver estabcleci-
memo commercial, assim corao o servico da lim
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re
cife, 17 de marge o da 1871.
O escrivio
Pedro Rodrigues de Souza,
Armazens da companhia per
nambucana.
Seguros contra o fogo
A companhia pernambucana, dispondo de ex-
jellentes e vastos armazens em seu predio ao for
te do Mattos, offerece-os ao commercio em geral
para deposito de generos, garantindo a maior con-
servaeao das mercadorias depositadas, service
prompto, precos modicos, etc.
Tambem recolhera, mediante previo accordo, ex-
clusivamente os generos de uraa so pessoa.
_ Bttta armazens, alem de arejados e commodos.
-ao inteiramente novos e aspbaltados, isentos dc
cupim, ratos, etc., etc.
As pessoas gue quizerem utilisar-se destes ar-
mazens, pederao dirigir-se ao escriptorio da com-
panhia peraarabucana, que acharao com quem
tratar.
A thtsouraria de fazenda tendo de contratar
o fornecimento de objectos para o seu expediente
durante o semestre proximo futuro de julho a de-
zembro, convida os pretendentes a apresentarem
na secretaria da mesma suas propostas em cartas
fechadas, devidamente selladas, ate o dia 20 do
corrente n.ez, em que serao as mesmas abertas
porante a junta desta reparticSo e em presenca
dos pretendentes, quo deverao prestar fianca para
garantia das multas em que incorrerem a vista
| de respectivo contrato.
Secretaria da thesouraria de Pernambuco, 9 de
junho de 1874.
O 2. escripturario, servindo de secretario,
_____________Carlos Joao de Souza Correia.
Obras militares.
Convida-se as pesscas que se quizerem encarre-
gar dos concertos das 2 escidas do hospital mi-
litar, orgados em 385i50, a se apresentarem com
suas proposes na reparticao das obras pnblicas
a 18 do corrente, pelas If horas da manha.
As propostas devem ser cm cartas fechada; e o
orearuento e" enconlrado na mesma reparticao.
Pernambuco, 11 de junho de 1874.
O engenheiro das obras militares.
Chryssolito F de Castro Chaves.
mensalidades se ponham em dia, aflm de poderem,
de conformidade com a constitnicio, tomar parts
na referida eleigio.
O secretario.
P. P. do Santos.
Juizo de provedoria.
Por este juizo, escrivio Gnimaraes, vao a praca
por venda, no dia 18 do corrente, finda a aadien-
cia do Dr. juiz snbstiluto da provedo-ia, as divi-
das activas descriptas no inventari > da finada Ro-
sa Maria Francisca, casada que foi com Jose da
Costa Bispo, e a requerimento deste. Os preten-
dentes encontrarao em poder do porteiro dos au-
ditors a relacao dos devedores e suas quantias
Recife, 13 de junho de 1874.
O escrivio ioterino,
__________Joio Tibarcio da Silva Goimaraes.
Tecdo-se de contratar o fornecimento de ca-
pim, farello, mel e railho para a cavalbada da com-
panhia de cavallaria, para o 2* semestre do cor-
rente anno, convido aos senbores que se quizerem
propdr a fornecer os generos acima mencionados,
a'compareceri-m na secretaria da curnpanliia, no
dia 17, as 10 horas da manha, com suas propostas
fechadas, advertindo qne o efcpim sera pelo precu
de cada kilogrammo, o inilho, mel e farello ao li
tro ; nao se aceiiando proposta com cendicao.
Quartel no Campo das Princezas, 15 de junho de
1874.
Jose* Joaqnim Coelho.
Commandante.
. Prioeipiara as 8 lii horas.
O benenciado espera do publico a mesma bon-
daile qne tem dispensado aos outroa que a elle
recorrem.
Havera trem ate Aplpucos.
THElTRO
SANTO ANTONIO.
EMPREZA
viceiStb
0inla feira 18 de junho.
Beneflcio do bailarino hespanhol D. Jose Perez.
Comedia drama em 3 acots :
Para o Rio Grande do Sul e Rio de Janeir
recebe-se carga a frete no veleiro brigne naciona
Arroio Mallo, navio de 1' classe : a tratar com
Stlva & Cascao, i rua do Marqnez de Olinda n 60.
Rio de Janeiro
Para e indicado porto segue coin poneos dias
de demora a barca portugueza Feliz Unido por
tor a maior parte de seu carregamento engajado,
s para o resto que Ihe falta, trata-se com os con-
eignatarios Joaqnim Jose Goncaives Beltrao & Fi-
sho, a rra do Commercio n. 5. .
Para.
Segue em poucos dias ao porto acima a barca
portugueza Arabella, pode ainda receber alguma
carga a frete : a tratar eom Antonio Ferreira de
Almeida : na rua da Madre de Deus.
CONSELHO DE COMPRAS DO ARSENAL
DE MARINHA.
0 conse ho contrata no dia 18 do corrente mez,
a vista de propostas recebidas ate" as 11 horas da
manha, e sob as condicdes do estylo, o fornecimen-
to no trimestre proximo vindouro de julho a se-
tembro, dos seguintes obiectos de fardamento:
ait
Para aprendizes artifices.
Bonets do uniforme, bonets do servico, blusas
de brim branco, blnsas de algodao azul, blusas
de panno azul, calcas de brim branco, calgas de
algodao azul, camisas de algodaozinho, cobertores
de la, cobertores de algodao, cintos de couro bran-
co invernisado, calcas de panno azul, ealchos de
linho cheios de palha, fronbas de algodaozinho,
lencos de seda preta para gravatas, lengoes de al-
godaozinho, sapatoes, saccos de guardar roapa,
travesseiros de linho cheios de palha.
Para artifices avulsos.
Blusas de panno azul, blusas de algodaa azul,
calcas de brim branco, calcas de panno aznl, ca-
misas de algodaozinho, cintos de couro branco in-
vernisado.
Para imperiaes marinheiros, aprendizes ditos e
marinhagem.
Bonets de panno azul ferrete, calcas de panno
azul ferrete, calcas de flanella aznl ferrete, cami-
sas de panno aznl ferrete, camisas de danefla azul
ferrete, camisas de panno azul ferrete, camisas de
brim branco, calcas de brim branco, calcas de al-
godao azul, camisas de algo.lao azul, colehoes de
linho cheios de palha, cobertores de 12, fardas de
pan.10 azul ferrete, lencos de seda preta para gra-
vatas, sapatoes, saccos de lona de marinhagem.
Tambem contrata o conselho no mencionado dia
18 do corrente mez, a vista ignalmente de propos-
tas recebidas ate as 11 horas da manha, o forne-
cimento aos navios da armada e estabelec'mentas
de marinha, no dito trimestre, de bois vivos com o
peso de 8 a 9 arrobas e de pasto para os mesmos,
assim como de cimento e carvio cok.
Sala das sessdes do conselho de i-ompr -s
de marinha de Pernirabuco, 13 de junho
de 1874.
0 secretario
Alexandre Rodrigues doe Anjos.
Passo a
Li-Perez :
Os estroinas.
dous pelo beneficiado e si
El Torero c Mageleua.
dous pelo beneficiado e sna senhora
Neste passoa dous estreara a Sra. Li-Perez,
qus pela primeira vez dancara em publico, pelo
qae pede que a desculpem das fa Has que possa
cemmetter.
Terrainara o espectaeulo com a comedia em 1
acto :
Os medrosos.
Princioiara as 8 i|2 horas.
0 beneficiado pede a protecrao do lllustrade
pnblico desta capital.
AVISOS MARITIMOS
DE
Hospital militar
0 hospital militar desta provincia contrata, com
quern melliores vantagens offerecer, para o tri-
mestre de 1* de julho a 30 dc setembro vindouro,
os generos alimenticios abaixo declarados, para
dietas dos doentes e raroes de sens empregados :
Aletria, kilos.
Aram la idem.
Arroz pillado, idem.
Assuear refinado, idem.
Batatas inglezas, idem.
Bolachas, idem.
Bolachinha de araruta, idem.
Biscoutos, idem.
Cafe em carojo, idem.
Dito moido, idem.
Carne verde, idem.
Carne de porco, idem.
Came secca, idem.
Cha perola, idem.
Doce de goiaba, idem.
Farintia de mandioca, litro.
Feijao mulatinho, idem.
Galliaha, umn.
Lenha em toros, cento,
Leite, litro.
Macarrao, kilo.
Mauteiga ingleza, idem.
Marmellada, idem.
Ovo, um*
Paes, kilo.
Sal grosso, litro.
Tapioca, kilo.
Toucinho de Lisboa, idem.
Vinagre de Lisboa, litro.
Vinh i do Porto, idem.
Todos os generos sao de primeira qualidade e
no peso da carne nao se admitte mais do quinto
de osso na porcao que se pedir.
As pessoas que qoiserem fazer dito fornecimen-
to, no rt fendo trimestre, apresentem suas propos-
tas fechadas na secretaria do mesmo hospital,
pelas 10 horas do dia 17 do corrente.
Hospital militar de Pernambuco, 12 de junho
da 1874.
0 escrivao,
Avelino Pereira da Cunha.
Companhia Fidelidade
Segurog maritimos e terrefttres
A agencia desta companhia toma segnros ma-
ritimos e terrcMres, a premios razoaveis, dando nos
ultimos o solo livre, e o setimo anno gratnlto ao
segurado.
Feliciano Jose Gomes
Agente.
51 Rua do Apollo 51
0
Mili-
no
2RIBE
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A junta administrativa da Santa Casa da Mise-
ricordia do Recife precisa contratar o fornecimen-
to dos generos abaixo declarados, que teem de
consumir os estabelecimentos pios a sen cargo,
exceptuando o hospital Pedro II, no trimestre de
ju ho a setembro vindouro. Recebe propostas na
saia de soas sessoes, pelas 3 horas da tarde dia 18
do corrente.
Aletria, kilogrammo.
Aguardente, litro.
Azeite doce, idem.
Arroz, kilogrammo.
Bacalbao, idem.
Banha de porco, idem.
Batata, idem.
Cha bysson, idem.
Cafe em grao, i em.
Carne ,-ecca, idem.
Cebolas, cento.
Farinha de mandioca da terra, litro.
Feijao, idem.
Farello, idem.
Fnmo do Rio, kilogrammo.
Gaz, lata.
Milbo, sacco.
Manteiga, kilogrammo.
Potassa, idem.
Rape, idem.
Sabao, idem.
Sal, litro.
Tapioea, kilogrammo.
Toucinho, idem.
Velas de carnarjba, idem.
Veias stearinas, majo.
Vmagre it Lisboa, btro.
Vinhotinto, idem.
Vinho branco, idem.
A junta administrativa da Santa Casa da Mise-
IN'o dia 17 do corrente, pelas 12 horas
da manha, tera* lugar no escriptorio da
compsnhia rua do Cabuga" n. 16, a arre-
matacao dos chafarizes e bicas porbairro,
nao se admittindo propostas que compre-
hendam mais de um bairro, e nein por es-
pago maior de um anuo. Os Srs. licitan-
tes podem comparecer com seus fiadores ou
declaracao dos mesmos no mencionado dia,
ou antes no respectivo escriptorio, onde me-
lhor poderao informar-se das condic,6es do
contrato d'arrematac,ao ; devendo ser essas
propostas em carta fechada. Declara-se aos
Srs. licitantes quo o pagamento sera" feito
em sedulas.
BASES SOBRE AS QUAES SE DEYE
LANCAR.
Bairro do Recife.
Chafariz e bica do caes do
Apollo. Dito da rua do Bom
Jesus. Dito [da praga de Pe-
dro I. Dito ebica do Forte
do Matto................. 18:o00?000
Bairro de Santo Anlonio.
Chafariz do largo do Car-
mo. Dito do largo de Pedro
II. Dito do largo do Paraizo.
Dito da rua do Marquez de
Herval. Dito da rua da Con-
cordia.................. 23:500.#000
Bairro de S. Jose".
Chafariz do largo da Ilibei-
ra. Dito da rua de Vidal de
Negreiros. Dito da rua Im-
perial. Dito da entrada da
Cabanga. Bica no extremo
da ponte dos Afogados..... 28:0163>000
Bairro da Boa Vista.
Chafariz do caes do Capi-
baribe. Dito da raa d'Aurora
Dito da cidade nova de. San-
to Amaro. Dito da rua do
Principe. Dito do largo da
Soledade. Dito da caixa d'a-
gua dos Pires. Dito da prac,a
do Conde d'Eu. Dito da rua
de S. Goncalo. Dito de San-
to Amaro das Salinas...... 19:5020
Passagem da Magdalena.
INSl'ECCAO DO ARSENAL
MARINHA.
Faz-se publico que em data de 12 do corrente
foi vistoriado o vapor Jaguaribe,d& companhia per-
nambucana de navegacSo costeira, e a commissao
julgou-o em estado de poder continuar no servico
em que se emprega.
Inspeccao do arsenal de marinha de Pernambu-
co, lode junho de 1874.
Francisco Jose Coelho Netto,
____________Inspector interino.
Tendo n6s annunciado que a ponte
da Boa-Vista seria hoje fechada para comeco
das obras da nova de que somos emprei-
teiros, fica suspeuso aquelle fechamento ate
nova ordem, isto por accordo coin o Exm.
Sr. presidente da provincia.
Escriptjrio a rua do Sol, em 15 de ju-
nho de 1874.
Watson & Smith.
____________________Empreiteiros.
IRMANDADE
do SS. Sacramento da matriz da Boa-Vista.
Em virtude do disposto no art. 37 do compro-
misso, convido a>>s nossos dignos irmaos, tanto da
mesa rcgedora, cujo mandato esta a expirar, como
da novamente eleita para reger a irmandade, no
anno compromissal de 1874-1875, a se reunirem
no dia 18 do corrente, pelas 7 horas da noite, no
eonsistorio da matriz, afim de effectuar-se a posse
da nova mesa regedora.
Consistorio da irmandade do SS, Sacramento da
matriz da Boa-Vista, 13 de junho de 1874.
0 juiz-Antonio Carneiro Machado Rios.
0
Rio de Janeiro
pretende segnir com muita brevidade o brigue na-
tional Isabel, tem parte de seu carregamento en-
gajado ; e para o resto que lbe falta, trata-se com
o seu consignatario Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, rua do Bom Jesus n. 57.
<.< tllltl I ItS HRI M*
COMPANHIA FRINCEZA DE NAVE-
GAQAO A VAPOR
LINHA MENSAL ENTRE O
Havre, Lisboa, Pernambii co, Rio dc
Janeiro, (Santos somen e na vol-
ta) Montevideo, Buei OS Ayres,
(com baldeacao para o R isario)
STEVMER
YILLE DE RIO DE J/NEIRO
Commandante A. Flc or/
Espera-se da Europa ate 24
do corrente, seguindo depois
da precisa demora para os
portos do sul de sua escala
ate o Rio da Prata.
Relativamente a fretes, encommendas e pas-
sageiros, trata-se com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA 4 C.
*2Rua do CommercioEntrada pela rne
do Torres.
Rio Grande do Sul
Seguira em poucos dias o patacho portnguez
Judith : para o resto da carga, trata-se ccm Pe-
reira Vianna Si C, a rua do Vigario a. 7.
Rio-Grande do Sul.
PATACHO
IK FRAHCISC&,
Recebe carga a frete para o referido porto
tratar com Amorim Irmios & C.
IiKILAO
DOS
salvados do vapor Pqtengi
Quinta-feira 17 do corrente
A's It hora*.
Em o ultimo sobrado no ediflcio da companhia
pernambucana
Por intervencao do agente Dias, qne competen-
temente autorisado levara a leilSo, no dia e hora
acima designados, os referidos salvados, a saber :
portas de camarotes, grades, portadas, guards co-
pos, caizilhos, frente de madeira para camarotes,
caixSes para Iavatorios, 1 escada de portalo, 1 es-
pelho, 1 mesa redonda e 55 portas de pinho ame-
ricano.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
.liuvesacilo costeira a vapor.
. MAMANGUAPE.
0 vapor Atandahu,
commandante Mari-
nho, seguira para o
porto acima no dia
20 do corrente, as 3
horas da tarde.
Recebe carga, encom nendas, passageiros e di-
nheiro a frete ate as 3 horas da tarde do dia da
sahida : : s:riptorio no Fort* do Mattos n. 12.
LEILOES.
armacao, generos
verna n. 61 da
ria
DA
e mais pertenc.as da ta-
rua do Bar3o da Victo-
Pacillc Steam Navigation Compam
ROYAL MAIL STEAMER
Espera-se da Europa ate o
dia 21 do corrente e seguira
para Bahia, Rio de Jsneiro
Montevideo, Buenos Ayres
Valparaiso, Arica, Islay e Cal
lao, para onde recebera pas,
sageiros, encommendas e dinheiro a frete.
Bf. B.Nao sahira antes da.s tres horas da tar-
le do dia da sua chegada.
AGEN'TES
Wilson Rovve & C
14RUA DO COMMERCIO14
as It horas.
0 agente Martins fara leilao para liquidar, d'ar-
macSo, generos e mais pertenQas da taverna acima,
em um ou mais lotes, a vontaue dos compradores.
Leilao
DE
17 barricas com genebra, com 48 botijas
cada barrica, 24 ditas com 72 ditas cada
nma e 5 latas com 123 kilos de tinta de
imprimir
Hoje
A'S 11 HORAS EM PONTO.
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
fandega
0 preposto do agente Pestana fara leilao por
conta e risco de quem pertencer, dos objectos aci-
ma mencionados, em um ou mais lotes, a vontade
dos compradores.
Terca-ieira IB do corrente
&s 11 horas em ponto
No armazem do Sr. Annes, defroonte da al-
fandega.
Chafariz do largo do vivei- 000
ro. Dito entre duas pontes. 459|$690
Capunga.
Chafariz da rua das Per-
nambucanas............. 601JJ200
Monteiro.
Chafariz dessa povoajSo. 2010000
Apipucos.
Chafariz dessa povoacio.. 1380000
Escriptorio da companhia do Beberibe,
9 de junho de 1874.
0 secretario,
Luiz Manoel Rodrigues Valenca.
Pela thesouraria provincial se faz publico
que em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, de 3 de marco ultimo, tem
de ser arremalado no dia 18 do corrente, peran-
te a junta da mesma thesouraria, 101 armaches
de lampeoes, 101 bombas para azeite e 101 gan-
chos de ferro, achando-se parte dezses objectos
em mao estado.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 13 de junho de 1874.
0 official -maior,
________________Miguel Alfonso Ferreira.
ADMIATSTRACAO DOS CORRE10S DE PER-
NAMBUCO, I5DE JUNHO DE 1874
Relacjio da correspondencia registrada (sem
valor) recebida de diversas procedencias
ate esta data, e que nSo tem sido ontre-
gue por ignorar-se as residencias dos des-
tinatarios.
Antonio Gomes Leal, Berthe Leitenberger, Ber-
nardino Candido de Carvalho, Constancia Bellar-
mina de Souza Lins, Domingos da Silva Barros,
Fernando Lobo Leite Pereira, Francisco Antonio
da Rosa, Goilherme Raymundo da Costa Leite,
Joanna Porcina das Neves, Jeronymo Jose Telles,
Joao de Barros Silva, Jose Soriano de Souza, Jose
de Barros Simoes, Jose Alves Barbosa Junior, Jose
Antonio de Souza, Jose Cruz, Jos6 Bernardino da
Rosa, Jose" Goncalves da Silva Brito, Jose Antonio
Saraiva Sobrinho, Jose Maria L. da Motta, Luiz
AfTonso Pereiia Rangel, Maooel Pessoa de Siqueira
Campos, Migael Bernardo, Manoel de Carvalho e
Silva, Octaviano Angusto de Figueiredo, Victorino
Lopes da Costa, Jacintho A. das Neves.
0 official encarregado do registro,
Jose" Candido de Barros .
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
.I'avcgnctlo costeira a vapor.
PARAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACA-
TY.CEARA, MANDAHU E ac'aracu'.
0 vapor Jp juca
commandante Aloura
seguira para os por-
tos acima no dia iz
do corrente mez, as 5
horas da tarde.
Recebo carga ate, o dia 20 do corrente, encom-
mendas, dinheiro a frete e passagens, ate as 2 ho-
ras da tarde do dia da sahida : escriptorio
no Forte do Mattos n. 12.
COHPA.liDIA BEIASILEIRA
DE
NAVEGACAOAVAPOR
Portos do nolle
Agente Pestaiui
LEILAO
DE
300 baniras d"im baealhao, vindas >.!a Ba-
hia pelo vapor Julio Dittiz
as H Isoras em ponto
na ports do trapiche Conceic5o
0 preposto do agente Pestaua fara "leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 300 barricas
com baealhao, vindas da Bahia no vapor Julio Di-
niz, em um cu mais lotes, a vontade dos Srs.
compradores
TERCA-FEIRA 16 DO CORRE.NTE
s II horits cun ponto
no trapiche Concei^ao.
Agente Pestana
Grande feira
DE
mobilias, pianos, mesas elas-
ticas, aparadores, quarti-
nheiras, 1 casal de cana-
rios do imperio, transpa-
rentes parajanellas, guar-
daroupa, cabides, camas
francezas, carteiras para
escriptorio, objectos deou-
ro e prata, relogios de al-
gibeira, miudezas, copos
para agua, cadeiras de ba-
lanQo, quadros diversos
espelhos, 1 banco demar-
cineiro, com ferramenta,
grandequantidade detras-
tes avulsos e immensos ar-
tigos do uso domestico,
que serao vendidos
ao correr do marteUo
Oainla-feira 18 do corrente
11 horas
NA
FEIRA SEMANAL
IG-Rua do lmperador-l(
ARMAZEM.
pelo agente Martins.
LEILAO"
DE
aaoveis, lou^as, vidros, pianos, chapeos do
Chile, ditos de fcltro, e diversas miude-
zas para liquida^ao de contas
QUINTA-FEIRA 18 DO CORRENTE
A's 11 horas em ponto
IgO agente Dias fara leilao, por conta e risco de
quem pertencer, de mobilias de jacaranda, guar-
dasroupa, guarda-louca, commodas de jacaranda,
secretarias, mesas clasticas de 4 e 6 taboas, di-
versas obra3 de marcineria por acabar, 9 jogos de
pedra marmore para consolos, 1 dito para jardi-
neira, porcjio de parafusos para guarda roupa,
vidros para epelhos, marquezoes, marquezas,
bergos, bancas, cadeiras para pianos, ditas secre-
tas, consolo3 de amarello, Iavatorios, cadeiras de
balanco, ditas de braco?, santuarios, de jacaranda
cabides, qoartioheiras, e rouiiosoutrjs artigos que
estarao patentes u tacio d No armazem n 6S rui da Cruz1
as
ADMINISTRA AO DOS CORREIOS DR PER-
NAMBUCO, 16 DE JUNHO DE 1874.
Halas a expedir-ge hoje (io)
Para os portos do sul, pelo vapor nacional
Ceard.
Recebem-se jornaes, impressos de qualquer na-
tureza, e cartas a registrar, ate 2 horas de tarde,
cartas ordinarias ate 3 horas, e estas ate 3 Ij2,
pagando porte duplo.
As cartas e jornaes que se dirigirem ao Rio da
Prata, pagarao previamente, aquellas a taxa de
300 rs. por 15 grammas ou fracgao de 15 gram-
mas, e estes a de 40 rt. por 40 grammas ou frac-
cao de 40 grammas, na progressao estabelecida
nas tabellasC e D-annexas as instruccoes do !
de dezembro de 1866.
0 administrador,
Affonso do Rego Barros.
Commandante interino A. Izaac.
E' esperado dos portos
do sul at6 o dia 17 do
corrente e seguira para
os do norte, depois da
demora do costume.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
[VavegaciXo costeira a vapor.
Fernando de Noronha.
0 vapor Jaguaribe, com-
mandante Julio, segui-
ra para o porto acima
no dia 1" dt julho proxi-
mo ao meio dia.
Recebe carga ate o dia
30 de junho, encommen
das, passageiros e dioheiro a frete ate as 11 ho-
ras do dia da sahida : escriptorio no Forte do' Mat-
loi n. 12.__________________z_____________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
tfavegacito costeira a vapor,
MACEI6, ESCALAS, PENEDO E ARACAJU*.
0 vapor Coruripe, comman-
dante Santos, seguira para
os portos acima no dia 30 do
corrente as 5 horas da tarde.
Recebe carga ate' 0 dia 27,
encommendas, passageiros e
dinheiro a frete ate as 2 horas do dia da sahi-
da : escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
hotel das columuas, da rua das f.arangei-
ras n. 30
QUARTA-FEIRA 17 DO CORRENTE.
&s II horas da manha
0 agente Martins fara leilao de todos os moveis
do. nu.el acim?, constando do uma mesa elastica,
bancas, cadeiras de amarello, gua da-louca, apa-
radcrc?, lonja de mesa, trcm de cozlnha e bem-
feitorias; achando-se tado novo e tem tratado.
Garante-se a casa ao com^radsr do cstabeleci-
merto.
DE
13 ealxas torn i?<> grrozns de plios-
Itoros
QUINTA-FEIRA IS 1)0 CORRENTE
as i 1 horas ia manha
No trapiche da companhia.
0 agente Dias, competeaicmente autorisado, le-
vara a leilao, por conta c risco de qpera perten-
cer, no dia e ho ra acima designados, os phospho-
ros acima mencionados, avariados a boido do na-
vio dinamarquez Faveur, em fua recente viagem
para esle porto.
LEILAO
DE
fazesidas avariadas
Fire
DE
moveis, miudeza?, perfumarias, ouro, prata, bri-
lhantes, 86 globos para candieiros a gaz, 20 cai-
xas com massas para sopa e 1 cofre inglsz, pro-
va de fogo
QUARTA-FEIRA 17 DO CORRENTE
as It horas eni pouto.
NO 1. ANDAR DA RUA DO VIGARIO THE-
NORIO N. 11.
0 preposto do agente Pe-tana fara leilao dos
objectos acima mencionadas
QUARTA-FEIRA 17 DO CORRENTE
ds 11 horas em ponto.
\o 1. andar do sobrado da rua do
Vigario Thcnorio n. II.
Imperial Sociedade dos Ar-
tistas Mechanicos e Libe-
raes.
Tendo resolvfdo a sociedade proceder a elelcJo
dos membroa da directoria que ha de fanccionar
no anno social de 1874 a 1875, no dia 28 do cor-
rente, acientifico em tempo a todos os socios, para
THMTRO
Santo Antonio
XJQJUA
i t;
Quarta-feira 17 de junho
Benofido do bilheteiro do theatro.
0 importante drama- em 5 actos e 6 quadros
Companhia de navecaclEo a va-
por hahiana. llanitada
Maceid, Penedo, Aracajd e Babia
E' esperado dos portos
do sul at6 o dia 24 do
corrente o vapor Marquez
deCaxias, o qual sahira
para os portos acima no
dia seguinte ao da sua
chegada.
Recebe-se carga, passageiros e dinheiro a frete
Agentes.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo.
87Rna do Bom Jesus57
Agente Pestana
LEILAO
a bordo dos vapores inglezas Oberon,
Queen e A rbitrator
Sexla-feica 19 do corrente *
A's 11 horas da manha
No primeiro andar do sobrado da rua do
Bom Jesus n. 53, 1. andar.
A SABER:
0 agente Pinho Borges vendera em leilao as fa-
zendas avariadas acima declaradas, por conta e
risco de quem pertencer.
Madapolao, cambraia Victoria, regutas e outras
muitas fazenda?.
Leilao
Libras esterlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rna do Commercio n. 42.
Ceara, Macao e Mussord.
Para os referidos portos pretende segnir com a
possivel brevidade o biate Rival, por ter algnma
carga engajada e para a que lbe falta, trata-se
com os consignatarios Joaqnim Jose- Goncalves
Bellrio 4 Filho. a rua do Commercio n. 5.
DE
uma factura defogo especial, vinda do Rio
de Janeiro, a qual sera" vendida em um
ou mais lotes, & vontade dos Srs. com-
pradores.
Quarta-feira 17 do corrente
AS U HORAS EM PONTO.
No primeiro andar da rua do Vigario The-
norio n. 11.
O preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, dos fogos se-
guintes :
IS duzias de pistolas de 12 tiros.
15 ditas de ditas de 10 ditos.
IS ditas de ditas de 8 ditos.
IS ditas de ditas de 6 ditos.
IS ditas de ditas de 4 ditos.
IS ditas de ditas de 3 ditos.
IS ditas de ditas de 2 ditos.
15 ditas de gira-sol, com bomba.
15 ditas de dito sem bomba.
QUARTA-FEIRA 17 DO CORRENTE
As' 11 boras em ponto.
No 1. andar A rua do Vigario Then&rio
n. 11.
ao correr do marteUo
DA
escuna nacional Georgiana, forrada de cobra e
prompta a navegar
SEGUNDA-FEIRA 22 DO CORRENTE
na porta da Agsociacao Commercial
Os Srs. pretendentes podem desde ja examina-
la, na volta do Forte do Mattos, defronte do trapi-
che Loyo.
N. B.Vendese tambem em particular, a tra-
tar com Tissg Irmao & C.
WISPS OVFBSOS
Senhores bispos.
Encontram-se retratos novissimos do Exm. Sr.
Bispo do Para, na pbotographia Villela, a rua do
Cabuga. Idem do Exm. Sr. Bispo de Pfrnambuc*
e de Sna Santidade Pio IX.
ATTICAO.
Agente Peslana
Ha mais de ura anno fugio desta cidade do Re-
cife, e se suppSe nella occulto on ter seguide
para a provincia da Parahyba, o eaeravo Jose", com
os signaes seguintes: eOr preta, de a tora regu-
lar, com 25 annos de idade, pou :o mais on menos,
tem falta de dentes na frente, sendo porem o sig-
nal mais sensivel nma excrescencia na palpebra
que parece cego d-* um olho : quem o capturar,
traga-o 4 rua Direita o. 119, ou da Saudade n. 32,
que sera generosamente recompensado pelo sea
senho'r, e protesta-se contra quem o tiver occulto,
pelos prejnizos.___________________________
Permuta-se um sitio, uma legoa distaste des-
ta cidade, eom nma casa que tem 2 salas, 2 quar-
tos, cezinha e grande terreno, por -outro das mes-
mas proposes, pouco mais ou menos, qua n2o
diste desta cidade ma's de mei i Ifgoa, dando-ae de
volta ate 1:500*, valendo: a tratar no becco
Ouvidor, offlcina de corrieiro. -
I
i




i


V

Diuio So P&rnambuou Terca feira 16 do Junho de 1874.
{assado o
l, tern 22
Fagio no dia 1 de abril proximo
ascravo Benedicto, crioulo, de
annos de idadj, (.ouco raais ou meads, e de esta-
tura regular, nao tem barba, tem as costas corta-
das de antigi castigos qne soffreo, tern sido visto
para as bandas da Eocfuiithada, Beberibe e no
Recife: roga-.'e a todas M anton 1 -dw 6 eapi>a.
deeampo a sua apprehensaa, e remetleio ;i roa
Direila n. 2i, qne er.i'j generosatcer.te recantpen-
saios.
S. CAftLOS
Vende-se on arrendse o engenho S. Carlos, em
Ipojuca, moecte e corrente, com todas as obras
em psrfeito estado de conservaeio, e maito bom
d'agua : a tratar na travessa da raa Duque de Ca-
xiu a. 8, 1* andar, com Gabrrel Antonio de Castro
Quinttas._______________________________
COPElttO.
Um rapaz poriuguez, chegado ba pouco, daado
fiador a soi conduct* : a tratar na rot do Range!
B. I, taverna.
Bolos de S. Joao.
Na rua de Santa Rita Velha n. 73, preparam-se
bok proprios deste dia, com loda delicadeza, per-
feicio e commodo preco.
ALUGA=SE
o terceiro e quarto andares do predio da raa do
Bario do Trmmpho, antiga do Brum, n. 84.
Aluga-se uma boa casa com excellentes com-
modo* a rna do Coronel Suassuna n. 169: a tra-
ar na mesma raa n. 171.
*
| ENCAHW.\(;JO
" GSMM0GR4PHI flMf. RC1AI f
Kir tRtt.1 .1 fr'i
N. 37 Han V,qw .h &! . M
Noste a.-t; Iio1'cK'.icnt'j w\y.erD\-:
Ml Ij'ia Ift-u'irt, iiii<-J*.? .. peHfti;0,
dcsde o Dials siirples ate os mais pri-
morosos trabalhos de selime e vrllndo.
Pauta-se e risca-so papel para livros
em branco, tanlo para n eoranwrcio, comn
para reparticSes publicas, numera se, li-
vros, cxecuta-se tuao quanlo e relativo a
gammographia.
Miranda & Irmlo, inunidos de boas
niachinas, bons artistas e excellentes ma-
teriaes, julgam-*e habihtados para servir
Dsatisfactoriamente as pessoas qne quize-
rem trabalhos lao perfeiios como os qua
Tem do estrangeiro.
ENGOMADEIRA.
Lava-se, e engorna se, com
rua dn Noguefj-i n. 13.
perfi-igJo
,
)
/

Aloga se o armazem da rna do Torres n.
8, proprio para deposito, escriptorio on qnalqner
estabelecimento : a tratar na rna do Marquez de
Olinda, casa n. 1, segundo andar.
AVISO.
MEDICO-CIRURGICO I
DO 0
Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso 2
PARTRIP.O R APRRinnit
i
turn, do VUconde de Albu quo n. 39.
ESPECF ALIDADE
Molestiaa de aenhorai e
menlnos.
Consnltas das 7 as 10 boras da ma-
nha, todos os dias.
Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar-
tas e sex:as-feiras.
Os doentesqne mandarem os sens cha-
mados por escripto at 10 boras da ma-
nna serao visitados em snas casas.
M'MM'&&
. *
Na raa velha de Santa Rita n. 57, precisa-se
alngar nma preta para vender com taboleiro.
Casa para alugar.
Na raa do Nascente, qne Gca por detraz da raa
Imperial n. 227, aonde se podera tratar.
Cozinheiro ou cozinheira.
Na raa do Bario da Victoria n. 14, primeiro
andar, precisa-se de um cozinheiro ou cozinheira.
Cozinheira
Precisa-se de uma cozinheira para casa de fa-
milia de dnas pessoas : na raa da Unilo n. 67.
JARDIM DAS PLANTAS
*5 (Capunga)
3*
n.
A rna da Ventura
Ahi se encontram:
Larangeirat celecta e de nmbigo enxertadas a
Sapotiseiros e sapoteiros em vasos, de 1 a 11
palmos e ate" ja com flores para dar fracto, alem
das seguintes plantas de ornato e de fructo por
preco mnito commodo.
pe\
Abacati.
Acacia.
Ariticum a
Canella.
Casuarina.
.Carolina do principe.
Oondeca.
Coracjto da India.
Kigneira.
flamboyant.
Fructa-pao.
Inga do Para.
Jam bo.
Jasmim laranja.
Laranja cravo.
Dita de doce do Para.
Dita branca.
Dita tangerina.
Lima da Persia.
Dita de umbigo.
Lim5o francez.
Dito doce, enxertado.
Oiticor6.
Palmeira imperial.
Parreiras.
Pinheiras.
Romeiras.
Rozeiras.
Rozeda.
Ubaia.
Ubaia. e ootras mvitas.
E ontras plantas : na Capunga a rua da Yen-
ara n. 25.
Laranja da China.
Dita do ceo.
:*.,1
W<
ww-mm
i.y.<
i
Trastes.
i
Compra se e vende-se trastes novos .;'
e usados no armazem da rua o Im- '^5f
perador e. 48
m
Aluga
-se
o sobrado de um andar, sito na Ponte de Uchoa,
com bastantes comraodos, agua, gaz, estribaria,
oocheira e quartos fora: a tratar na rua do Viga-
rio n. 31.
Chapeo de sol
Nio se querendo fazer em pnblico uma vergo-
nha ao senhor..., que em a noite de 7 do correnie
(domingo) estaudo em uma reuniao familiar na
rua de Hortas, dahi levou um chapeo de sol de
seda, novo, de cabo de marfim e castao de metal
branco, que nao Ihe pertence, roga-se-lhe o obse-
quio de restitui-lo ao seu dono, podendo faze-lo
nesta typograpbia, aGm de ficar esse facto em per-
pelno silencio, o que se garante ao dito senhor
f Aula particular de instruct
elements
I) Para o sexo feminino


A profo: sora, infra assignada, tendo-
se habiliialo na foima da lei, pretende
no dia 8 deste mez abrir a sna aula par-
ticnlar na rna do Marquez do Herval, on- '
tr'ora da Concordia n. 139, onde pode- \
5

I
pode
ra ser procnrada ; as alumnas, alem de
se iustruirem nas materias qne consti-
tuem a instrnccao elementar, se babilita-
rao na arto de agulha, bordados de todas
as especies, obras de la e de flores, me-
diante gra:iGcaQao razoavel
S. Jose, 6 de junho de 1874.
Esmenia Jenuina Dias.
I
Para escriptorio
Aluga-se a sala da frente e dons quartos do pri-
.-neB-o andar do sobrado u rua do Imperador n.
81: a tratar no pavimentd terreo do mesmo.
Aiuga-se o segundo andar do sobrado n. 86,
sito a rna de Lomas Valentinas, com os commodos
seguintes : 2 salas bastante grandes e frescas, 3
quartos, cozinha fora, quintal canLrvw.'.*
rna de Hortas e cacimba
*e mais os !. e 2. and
dos..?xP09tos nJftff^om commcdos parapequma
iamiiia:qneijp>^etender dirija se 4 rna Nova n. 17,
a*JNRCra com quem tratar
NSo se prestando o pequeuo espaco do armazem
n. 10 A, a rna da Madre de Deos, para um abaste-
cido deposito das diversas marcas de famo, qne o
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
diante aberto outro es abelecimento sob a mesma
denominacao de
ARMAZEM DO FUMO
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporcoes desejadas, e onde pode-
rio os senhores fregnezes dingir-se, certos de qne,
como ate aqni, ach-rao sempre a par da modici-
dade dosjirecos, a maior sinceridade possivel. En-
tre as differentes marcas de fumo da Bahia e Rio
de Janeiro, qne tem sido annunciadas, acaba de
chegar nma encommenda especial, que mnito deve
conviraoa senhores freguezes. Conscieote o abai-
xo assignado de que neste genero de negocio nao
esta sem competidores, fara mnito por evitar que
tambera o^ tenha com relacao ao peqneno lucro
que procnrara obter da dita mercadoria.
Jose Domingnes do Carmo e Silva.
***- m0m i^
m, BACHAREL MIGUEL AMORIM
B Advogado ?
Rna do Imperador n, 71. $9
Sitio para alugar
Aluga-se o sitio do commendador Rabello, no
Caldeireiro : quem o pretender, dirija-se a rua do
Commercio n. 48, 1* andar.
0 Monte Lima
tem um completo sortimento de galao e franjas de
ouro e prata verdadeiros de todis as larguras,
abotoaduras douradas para offkiaes, canutilhos e
enfeites para bordado. TamBem se encarrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, charlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas para criado,
etc., assim como, um completo sortimento de fran-
t' as, galao falso para ornamento, cordio de la com
>orla para quadros e espelhos (conforme o gosto
da encommenda) tudo por mnito menos preco que
em outra qualqudr parte : na pra;a da Indepen-
dencia n. 17, junto a loja do Sr..Arantes.
Joao Joaquim da Costa Leite, cautelista das lo-
terias da provincia faz sciente ao publicd, que
mudou o seu estabelecimento para a mesma rua
do Bario da Victoria, casa n. 30.
V*ANOS.
\'\.!".itn I-, i-liwr liiuito lions plain s foiles e de
.n>.ii-.i< BmdwUo*, dus ritaii uot.weU e btin en
niwidvs 'iibrtcaw ; ewiaw aciaun ; Alph>n-e Hi
li i: I, H.-iii > Hers e Bc'jW W. ill A. C. : n- Vap:.i
ri.iiiiTi. a-na lid llatlo .la Victoria, OUtf'ira Su
-a i). 7. ;. i rcr s liiuitu CuUlUMjdoa.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
irifice, ngua de flor de laranja, agua de toilete,
Jivina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
crosmetleos, muitos artigo delicados em perfntna-
ria para prusentes em frascos de extractos, caixi-
uhas sorUdas r garrafas de differentes tamanbos
d'agua de Cologne, tndo de primeira qualidade
dos bem conhecidos fabricantes Piver e Coudray,
No armazem do Vapor Francez, a rna do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
4r(Igros de cllfferentes gosto* c
phautuzins.
Espelhos, leques, lavas, joias d'onro, tesourinhas.
canivetes, caixinhas de costura, albuns, quadros,
e caixinhas para retratos, bolsinhas de velludo,
dila.de couro, e cestinhas para bracos de meninas,
cbicotes, bengalas, ecnlo, pencinez, pontelras para
charutos e cigarros, escovas, pentes. carteirinba de
madreperola, tapete para lanternas, malas, bolsaa
de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
pos, lanternas magica,cosmoramas, jogos da gloria,
de damas, de bagatella, quadros com paisagens
!;lobos de papel para illuminacSes, machinas de
azer cafe, espanadores de palhas, realejos de vek),
accordaos, carrinhos, e bercos para eriangas, 9
outras muitas quinquilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade qne se pode desejar de to
dos os brinquedos fabricados em differntes partes
da Enropa, para entretimentos das criangas, tndo
a pregos mais resnmidos que 6 possivel: no ar-
mazem do Vapor Francez, raa do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova n. 7.
Calcado francez
A 9^
Botinas para homem
Acabam de chegar grandes jacturas de botinai
de bezerro, de cordavao, de pelica. de duraqne
com biqueira, de bezerro com botoes, e com ilho-
zes a 9(51000 (a escolher) por ter vindo grande
quantidade por conta e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rua do Bario dc
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores, diflerentes
lisas, enleitadas e bordadas.
SAPATIN'HOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cures differentes, bordados,
SAPATOS ae tapetes, chariot, castor e de tranca.
Para naeninaa.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTIN'ADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranc.a portuguezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
ABOTINADOS e sapatoes, de bezerro, de deversas
qualidades.
SAPATOS de tranca.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Guilherme, pernwr.:
meias pernciras para homens, e meias perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7.
FRV^CEKES
.-nao para a
agua. Aluga-
fes do sobrado sito a rua
Boa
Alngam-se qiatro armazens no caes do Ramos
dons no becco do Carioca : a tratar na rua da
Uniao n. 17, das 3 horas da Urde em diante, on
depot de 10 horas da manha. a rna do Imperador
n. 67, 1 andar.
Na rna .Nova n. 80, primeiro andar, noua
thesourana its loterias, preclsa-se alugar nm
criado para eaua de Camilla______
Da-se terra bem eS.trumada para plantacd,se
Ba obra qne se esta a fazer u'.a rna do Leao Coroa-
do (outr'ora Mangueira).
Vlnlio de (iniiiibio do Dr. Lccontc.
Este vinho preparado com optimo vinho de
Malaga 6 o melhor de todos os tonicos reconsti-
tuintes na convalescenca das molestias graves, e
se recommenda para a cura dos padecimenlos
do estomago e intestinos, febres de toda a espe-
cie, com o caracter intermiltente.
Vinlio e xarope de laclo pltospnato
de cal do Dr. I^econlcRecommen-
dado pelos medicos como o melhor agente re-
constitute para favorecer a nutricSo, a for.
mac.ao dos ossos nas crianc.as e enriquecer o
sangue.
Vinho tie Boldo e elixir.da mcania
planla preparado por Frinaault.
As folhas do boldo sao empregadas no Chile
como remedio domctico, mnito tfflcaz, para a
cura dos padecimenlos do figado, de que e o
antidoto, como o quinino e das febres.
Vinho e elixir de cacao da Bolivia,
de Cirimault.Tonico fortificante, diges-
tivo e reparador das forces exham idas.
Vinho de quina ferfnginoso dc nianlt.treparado com vinho de Malaga e
pyrophosphato de fcrro c soda, constitue um
precioso agente therapeutico para a cura da
Chlorou, dos padecimenlos do estomago, po-
breza de sangne, chlorose e as diversas moles-
tias das senhoras.
Vorope de chloral hydraiado do Dr.
Lccontc.- Os medicos e aconselham com
successo contra a gota, as aphalgias, vertigens,
hystona, insomnia, epilepsia, nevralgias, tosse
asthmatica, coqueluche, etc.
Creme dc bismatho dc feriniault.
Contra as gastrites, diarrheas, gastralgias, dy-
senteria.
Xaropc dc bromurejo de potassa de
Cirimault.-Anti nervoso o appllcado com
optimo resultado no tratamento da gota e rbeu'
matismo.
Inga da India de Cirimault.Cura ins
tantemente as enxaque:as, dores de cabeca,
nevralgias e dyarrheas.
Ferro de Ciirord. Protoxoto de ferro. 0
melhor de todos os preparados de ferro para o
tratamento das molestias qne reclamam este
agente therapeutico.
Pastilhas de mannita de Cirimault.
Empregam se como laxativas e purgativas
contra os catarrhos mucosos, falta de appetite,
catarrho pulmonar.
loo de figado 'e bacalhaO, fcrru.
KiiKuso. de Cirimault.E' nm medica-
mento de nma efflcacia constante contra a
chlorose, pallidas cores, anemia, phtysica, todas
as molestias dos pulmo.s, lymphatismo, es-
crofnlas, etc.
Po ferro manganico de Burin du
BuisNon. Agradavel ao tomar-se, dotado
da propriedade digestivas mui activas, e o re-
medio por excellencia, na leuchorrea, anemia,
gast.-algi., etc
PaKtilha dc lactato de ferro de Bu-
rin du Bulsson. Digestivas e oplimas
no tratamento das raenstruacoes difflceis, flores
brancas e todas as affeccoes nervosas do tubivf a
digestivo. j i
Cijconina Michel. Linimento muito sfa-
perior aos cerotos,pomadas e unguentos >\ra a
cnra das nlceras e feridas de toda a
Sao recommendadas pelos jaiidicos para reira-
IftT^ar a menstruaca^. -p're"venir as colicas, dissi-
par as ' iottermiientes tebeldes.
I'iluiax de podophyllna de Ciri-
mault. Para a cnra de todas as molestias
do fixado, para combaler as prisSes de venire
rebeldes, etc.
DEPOSITO
NA
PHARMACIA, E
DE
DROGARIA
BarluOlomen & (..
34 RUA LARGA4D0 ROSARIO 34
Feitor
Precia-se de nm feitor: a tratar na rua do
Bom Jesus n. 45, segundo andar.
Alcgria sexlupla:
Comer e beber,
Sortes tirar,
Fogos soltar,
E' ter prazer I
Manifesta^ao- franca
Dos acepipes ossabores,
Dos vinhos as-alegrias,
Dos fogos as lindascores,
Dos santos os quatrodias:
E' um immenso prazer
Que todos devem gozar,
Sem ter medo de peccar
E de ao inferno irem ter I
Exposigao todo dia 1
Eotrada gratis e agua fria !
VanUgem ext^aordinaria
20 0[0 d dinheiro
Realidade:
Venham tar se querem crer
A verdade do exposto,
Quem nSo vier nio tem gosto .
E tristeza ha de soffrer ;
Pois e facto : esta provado
Do (ampos a geral fama
De vender bom e barato
Como se ve do programma I
Liberdade de-escolha 1
Igualdade nas-qualidades I
Fraternidade nos-precos 1
Attrac^ao!
Pyrotechnta f
Gastronomia I
28 Rua do Imperador 28
Armazem do Campos
Extasis maravilhosos I
Sorpreza e prazer
Ver para crer
Santo Antonio
S. Joao
S. Pedro
Sant'Anna.
Fogos:
Fabricantes peritos I
Cores cambiantes I
Vislas rutilantes I
Effeitos prodigiosos I
Resultados inoffensivos I
Precos diminutos I
Generos:
Qualidades superiores I
Sabores agradaveis I
Cheiros embriagantes t
Propriedades exciftBtes I
InfluenciasL^iOmentes I
, ,. Prejos. r^amidos 1
Importacao directa I '
Variedade completa! /
VeriVade I
- ,., fvioceridade I
Especialidades 1
Raridades I
H
Cheshire condensed Milk.
Leite condensado novo.
Cerveja de Noraega.
Keller & C.
Aluga-se
o armazem e 3 andar com sotao, sito a raa da
Praia n. 59, tendo bastantes commodos, e pintado :
a tratar na rua do Viga no n. 31.
0 tenente Pedro Bezerra Cavalcante Macioi
acha-se encarregado de algnmas cobraacas. di
armazem de molhados de Sr. Bernardino Campos
a se offerece para outra qualqner cobranca'
sendo nesta cidade e seus snbnrbios : pode ser
proeurado nesta.typograpbia, ou ha raa ettreita
do Rosario n. 36, andar.
Moleque
Precisa-se alngar nm moleque de 10 a IS annos
n8? ioj rM : *,ra,ar M raa A"ra"
FUNDICAO DO BOWMAN
RUA DO BRUM H.
o chafariy/)
ir.'.'1 % '*C\ : u" ^i>-8,
ti v.. jortituiati
o quo coal a in>
(Pa8sando
i'LDEV. aOS sef.ures de .iaifcEo [*\ot da oiu* visiu a >u aatilieieciuicu^, par. \c;n. o
ooijlei'j qne ahi tem; aendo todo aoperior em qoalidade a fortidlo
*ecio pessoal pode-8e veriflcar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAH DE SUA FUNDICAO
T apurOS O rOUaS U a^Ua maDh08 C0D.veniente para ss divenas
orcDmsUnciai dot lenhorei proprietaries e para descaro^ar algodio.
ttoeildaS d Canila de.todoa oa tamanh08> a;melhorei qoe aqm
Sodas dentadas p'-'"^^"'por.
raixas de ferro fandido, batido e de cobra.
ilambiques e fundos de alambiqnes.
IffflnVllnicmna Pra mandtoci e a!god5o,l Podendo; todoi
HaMumuuiuuB eDaraierrarmideiri. laer movidos a mio
Bomb as .. .por ?gcl vaPr
fvauuao d paleota. garanUdu.^..... jca ammaes.
rodas as machinas e mn de qD* w c08toma precim-
Fa qnalqner concerto de m,chifli8mo' aPre mni re,Qmid0
Form aS A A fAWO tem M meword> e ms^' Varans eiiaten'ea do mer-
KnPOTTim ATlHflft Iocamba-M de maadar vir qaalqaer machiDismo i von-
uuuuuiUiDJiUaOi tJ(je jol ciieQ^g, lembrando-Ihes a vantagem de fazerfim
ai eomprai por intermedio de peisoa entendida, e qce em qoalqaer oecesiidade p6de
bee prestar aoxilio.
irados americanos e in,lromeDto ,8ricola,
RUA DO BRUM N.
PASSANDO O CHAFAMZ
ODILON DUARTE & IRMiO
CABELLEIREIBOS
Premiados na^exposi^ao de 1872

rua *a
I
IMPEMTRIZ
N.k82]
!. ANDAR.


RUA
DA
IMPERATR1Z
N. 82
l. ANDAR.
Acabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-ornas"'melhores con-
diccfies possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e is Eimas. Sras. n'a-
quillo que f6r tendente i arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, chignon,
coques modernissimos, trances, cachepeigD, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
0 estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e flgu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 /o menos que outro qualquer, garantindo
perfeijSo no trabalho, agrado, sinceridade e prego razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porcSo e a retalho e todos os utensilios pertencentes a* arte de cabelleireiro.
" OOOMi *
*w
c^


PHARMACIA NORMAL
DE
1
JOSK ElilAS HE MOUlil &
17Largo do Mercado Publico17
(Antiga ribeira do S. Jose,)
Acaba de ser aberta e acha-se a disposiclo do respeitavel publico esta nova phar- ss?
macia e drogaria, completamente provida do indispensavel a nm estabelecimento dessa na- A|
tureza, sera excepcao de prodncto3 chimicos e medicamentos preparados no estran- ^H
trangeiro, tndo novo e o melhor possivel. ,f&
As receitas dos Srs. medisos serao sempre despachadas com a mais seria attencao,
e sempre sob as vistas do pharmacentico qne compoe a nossa firma social. J ^
As pessoas qne se dignarem de honrar o nosso esatbelecimento com a sua confian- >JS,/
ca, podem estar certas de que serao conscienciosamente servidas, nao so relativamente ao /Srx
que pedirem, como_tambem a modicidade dos precos.
^
m

Cabelleireiro francez
Rua do Marquez de Olinda n. 51
1. ANDAR.
Pedro Routier, official de cabelleireiro e gerente da casa de Gustave Hervelin, cabel-
leireiro francez; tem a honra de prevenir is Esms. Srs. families que aceba de fazer a ac-
quisicjio de um perito official vindo ha pouco de Paris, o qual esta" babilitado a desem-
penhar qualquer encommenda de sua arte, e se acha a" disposic.ao das pessoas que deseu
prestimo^se queiram utilisar. Outro sim scientifica que em seu estabelecimento encon-
trarSo sempre a Monitor dos cabelleireiros, onde se acham descriptos e desenhados todos
os penteados modernos, para soirees, casamentos, bailes etc.
Finalmente previne is mesmas excellentissimes senhoras, que rerebeu um completo
sortimento de coques, cachepaines, bsnd6s, crescentes, etc., e vende tudo pelcs pregos
abaixo menciooados:
Coque de cabello de 189, 20^! a SO^COO.
Trances de dito U9t 120 189 a 20^0( 0.
Cachepaine de dito 189, 200 a 30,5000.
Crescentes de dito 200, a S(i$0C0.
lambed ^rcontrarfio um completo sortimento recebido ba pcuco, de cabellos de todas
js, cores'e coriyprimento.
N. 81.Rua do Marquez de OlindaN. 81.
AO PUBLICO
Estalos
2^-Rua do Maiflnez do Olinda-24
Esquina civ becco Largo
Panicipa a sens frpgnezes e amigos que mudon
o seu estabelecimento <1<: rclojoc ro para a mesrca
rua n. 24, onde tncontraiao um grande sortimento
de relogics de parcde, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos c qualidades, relogios de
algibeira, de todas as quahdai'es, patente suisso,
de ouro e praia dourada, foleado (plaqnet), relo-
gios de onro, inglez, descuberto, dos melhore*
ubrteantes, i-adeia de cum, plaquet e prata. lnnetts
de tod?s as qualidades, tudo por precos muito ba-
ratos.
loja do nm
DE
Cnrdeiro Simocs & C.
Acabam do receber pe!o vapar .Vendoza :
Riquissimos cortes de gergurao de seda lisos e
cum listrns achamalotadas.
Ditos de liuho para vestidos, contendo cada cor-
te, o necessario para seu enfeite, como seja :
franjas, trancas, loiuc, livellas, etc.
Riquissimos chap^os para senhora, ultima moda,
a rua Primeiro dc Marco n. 7 A.
1
I
8
CoDsoItorto medico
no
Dr. W.-.ivlllo.
RUA DA CRUZ N. 26, ANDAR.
Reeem-ehegado da Eurcpa, onde fre-
quentou os bospltaes de Paris e Londres,
Sode ser proeurado a qualquer hora do
ia on da noite para objeeto dc sua pro-
Gssao.
Consultas das G horas da manhi as 8 ho-
ras, e do meio dia as duas da tarde.
Gratis aos pobres.
ESPECIALIDADES.
Molestias de senhoras, da pelie
erianea.
e de
I

Gratifica-se a quem levar nas offlelnas, ou d^r
noticia certa ie uma trouxa de roupa que desap-
pareseu no dia 22 do corrente, da estaeao da So
ledade.
a casa terrea n. 1 i3, na rna \idal de Xcgreiros,
outr'ora Imperial, com excellentes commodos : a
tratar na rua Marquez de OliaJa, aimazem nu-
mero 52.


K"a travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
n.eiro an^lar, da-se :
f-nW.
m
'!>
dinheiro sobre pe- |
nliores deouro,pra- \%
! para sortes, a 500 rs. o cento
< Caxias n. 37, loja.
Aluga-se
na rua Duque de
Nao valena a pena responder a um aviso do Sr. *
Agostinho P. Rafioso, inserto no Diario de Per-
nambuco n. 10$ de 13 de maio proximo passado,
em qne previrie ao publico para nao fazer negocio
comigo sobnT uma letra de sen aceite, por mim uma casa com tres quartos e um pequeno sitio, na
sacada. da^quantia de 1:000/, sendo qne ha nma Casa Forte : a tratar na rua da Ponte-Velha nu-
outia de iftoi, procedonte do mesmo negocio, ven- uiero 8i.
cida em 49 daqnelle mez, por ser aquella letra,______________________________________
como es^a outra, proveniente de um ajnste de | Pede-se ao caixeiro, que no dia 12 do cor-
contas ;que tem de ser veriflcado em jnizo, se nao rente, veio com nm bilhete do Sr. Dr. Benigno M.
aljeg^s'se o Sr. Raposo nSo saber ler nem escrever. L- Sicopira, a pharmacia Oriental rua estreita do
E' f/sta a unica circumstancia que me obriga, em Rosario n. 3, bnscar nm caixao com a direcgao
att';nfao ao pnblico, dizer simplesmente ao Sr. Ra- para o Passo de Camaragibe, e que par engano Ihe
P'3o, que e no tribunal competente que eu espero foi entregue, o obseqnio de manda-lo restitnir
qjte elle prove se bonve dolo ou ma fe neste ajuste quanto antes, para que seu dono nao lance mao
du contas, a se este dolo ou ma fe partio de quem de meios que ihe sera desairoso.
So sabe ler nem escrever, ou de quem sabe as- I-----^r---------:-----z-----------------------------
Jgnar seu nome. Depois disto o publico ouvira "~ at)a,xo ^s'Bnado participa ao publico e ao
umahstoria enrta e cerU, a fara entao uin jnizo corpo do commercio que o Sr. Bernardino Alves
tambem certo de quanto 6capaz qnem nio sabe Ferreiraderxon de fazer parte da firma, Duarte
\ ta e brilhantes, seja '
\M qual for a quantia. .
Na mesma casa |
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
150^000.
ESCRAVA F06IDA
Fngio da casa de sen senhor a escrava Felicia,
de cor parda clara, cabellos corridos ate os horn-
bros, baixa, cheia do corpo, ro?-to redondo, falta-
lhe um denle do lado direito, fol acompanhadr.
p r um homem (praca de cavallaria) o qual se cha-
ma Francisco de tal" Vasconcellos, tambem pardj,
da mesma cor da escrava ; consta terem segnido
para o sertao, donde sao ambos naturaes : recom-
menda-se as autoridades e capitaes de campo a
apprehensao de dita escrava, remettendo-a a
Camboa do Carmo n. 3._____________^
AGUAS MINERAES NATURAES
DE
Vichy-Cnsset
Preferlveis us d VicHy-Vicliy
por serem as unicas que conservam todas as suas
propriedades depois de transportadas.
Fonte S. Marie, e a mais efflcaz na anemia, na
albuminaria, na chlorosis, no empobrecimento do
sangue, e nas febres intermittentes. Os resultados
obtidos nas diabetes sso muitJ notaveis.
ricadas aguas de Vichy em bicarbonato de s<.dz
em magnesia e recommendada pelos senhoresi me-
dicos pela sua efflcacia nos engorgitamentos do
figado, do bago, nas affec?5es do estomago, dos
rins, da bexiga, nas areias e na gotta.
EXIJA SE
o nome da fonte na capsula
^^sa em caixas e a reulho, no umco de-
Venu>
posito HMACU AMERICANA
pba. cb
(tCompanliia
Fciieirn Maia CAXIAS 57
57-RUA DUQUE DL--------------'
Ferreira deixou de fazer
Antonio de Miranda & C, desde o dia 30" de mar-
50 do corrente anno, hcando todo 0 activo a pas-
sivo da mesma firma a cargo do abaixo assignado,
e desligado 0 Sr. Bernardino Aives Ferreira de
toda a qnalqner responsabuidade. Recife, 15 de
junho de 1874.
_____________Dnarte Antonio de Miranda.
m7i. S*?"*h um "nao c.asal de Dav5es. sendo 01 as 3
macho todo branco, e a feoea rajada "
mtos t na raa oa* Cal^adas n. 38
r
e qu
ler nem escrever. Recife, 5 de junho' de 1874.
)ot6 Bezerra de Barros Cavlcante.
^ssa fallida de Joaquim
Jose Gomes de Souza.
adminiatradores da massa fallida de Joaquim
los,| Gomes de Souza, convidam aos respectivos Cw\ ItlPd aIimTAP
credWes para apresentarem os sens titnlos, afim voaa put aiugm
s^^fim classiflcados, a dizerem acerca da venda Aluga-se uma casa na estrada do Encanamento,
emjeiSQo dos debitos a referida massa : dirigirem- muito perto da estac^o de Parnameirim,
H)uque de Caxias n. 46,1* andar, das 10 salas, 4 quartos, cozinha fora,
la tarde. l boa agna a grande terreno
Abreu & Wens, em liquidacao, l da fructo : a tratar na |
Administradores. 139, ou na ma da Unlae
com 3
cacimba de muito
com alguns arvoredos
a tratar na praca da Independencia n.
Antes de casar-&- ^me
Apparec.a.... lembre-se daqnelle dinheiro qu.
emprestenios quando 0 senhor com 0 maior jesui-
tismo nos recorreu. Estou que Vmc. oa quer ver
0 seu nome por exten?o ou espera que 0 mesmo
qua 0 empregou sej 1 0 caixeiro de cobranca desse
dinheiro para com aguelle que bate no B...! E
com 0 maior cynisnw ainda tazendo qne os outros
g; stem 0 seu dinheiro naquella lista....! a Vmc
nella assignado / f '
Loja.
Alnga-<>e a loja do sobrado a rua de Marcilio
n. 79, muito propria para qnalqner estabe-
lecimento : a tratar na raa Duque de Caxias
n.53
Escriptorio.
Aluga-se a sala da frente do primeiro andar do
sobrado da rua do Duque de Caxias n. 58, bas-
tante fresca a bem collocada para 0 fim qua se
deseja : a tratar na loja.
I MB
A


>*"
6
Jianc FUNDICAO DE FEKHO
4 roa do too fa Triompho (rua do Bnim) ns. 100 a 104
CARDOSO IEMA0
AVISAM aos senliores do engenhos e outrcs agricultores e ao publico em geral quo
continuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens e machinas ne-
cssarias aos estabelecimfntos agricolas, as maismodemas e melhor obra qoe tern vindo
ao mercado.
n^j0^8 de f0r$a de *' 6' 8e ,0 caTaUo8 ^elhoree quetem vmdo ao merado
OaldeiraS de sobresalente
Moendas inteiras
Xaixas fundidas
para vapores.
e mcias moendas, obra como nnnea. aqni veio.
e batidas, dos melhores fabricantes.
KodaS d agua com cabaje de ferro, fortes e bem acabadas.
Rodas dentadas de todos os tamanhos e qnalidades.
Relogioseapitos para vap0Pes.
BombaS de ferro, de repucho.
AradOS de. diversas qnalidades.
Formas para assucarJgrandes e pqaenas.
Varandas de ferro fundido, franceias de diversos e bonitos gostes.
POgOeS irancezes para lenha e carvao, obra superior.
Ditos ditos para gaz.
Jarros de ferro fundido
Pes de ferro
Ma china
Valvulas
para ardim.
para raesa e banco,
para gelar rgua.
para bomba e banheiro.
Correias inglezas para raachinismo.
ISanCOS e SOiaS com tiras de madeira, para jardim.
ConcertOS concertap com promptidao qualquer obra on machina, para o que teem
sua fabrica bem montada, com grande e bora pessoaJ.
EnCOmmendaS raan(Iam vir por encommendada Europa, qualqner machinismo,
para o que se correspondent com uma respeitavel casa de Londres
? com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentai
fetalmachinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Bnim) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & I R M A O.
IT
Eeta encouracado 11
!
A(d mole ein pedra dura
Tanto da *K quea fura.
Roga-se ao Iliin. Sr. lgnacio Vieira de Hall
ascrivio na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, a con-
cluir aquelle negocio que S. S. se compromettea a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
dos de dezembro de 1871, e dapou para Janeiro,
Empreza do gaz
A empreza do gaz tem a hoora de acnunciar ao
publico que recebeu ultimamente um esplendido
sortimeato de lustres de vidro, candieiros, aran-
delas e globos, rajas amo-iras eslao no escriptorio
J a rua do Imperador n. 31, e serao vendidos aos
sens freguezes pelo preco mais razoavel possivel.
. Precisa-se de uma ama de leito, escrava on
livre : na rua do Imperador n. 52, V andar.
Ama dp Ieite
Precisa-se de uma ama de leite que seja m
iapois para Janeiro, e- sadia : a tratar na ""
passou a fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio; 9 boras da manha as 3 da tarde.
e- sadia : a traiar na thesouraria das loterias
moca
s, da
iritt ^:JJl*rjt? P"' f"!..-Precisase alugar uma ama para comprar e
8m, pois S. S. se deve lembrar qne este m
de mais de oito annos, e quando o Sr. sea
aetaava nesta eidade.
pcio
lOM
ajudar a cozinhar para casa de poaca familia
tratar na rua do Imperador n. 30.
;, SAQUES
Carfalho d Nogueira, na rua do Apollo
b. 30, accam sobre o Banco Commercial
de Vienna e suas agencias em todas as ci-;
dades e villas de Portugal, i vista e a prazo ]
por todos os paquetes.
Gonsultorio medico-eirnrgico
A. B. da Silva Maia.
Rua do Visconde da Albuquerque a.
11, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
n. 1L
Charaados : a quaiquer hora.
Consultas: Aos pom es gratis, das J is
4 boras da tarde.
ATTENCSO
Precisa-se comprar uma negrinha de 9 a
10 annos de idade, que seja sadia e sem vi-
cios:. quern tiver e quizer vender dirija-se ao
3. andar desta typographia para tratar.
Am51 Aluga->e uma para cozinhar:
XA_uia DireiUn. 93, !. andar.
na rua
Aluga-se
nma ama que saiba cozinhar e engommar prefe
rindo-se escrava : ua rua do Imperador n. 28
armazem do Campos.
Ha para alugar, a rua da Aurora n. 65, um
escravo, crionlo, mogo, muito robusto e habilita-
do para qualqner servico..
Rua do Imperador
Ha neste estabelecimento o melhor soriimento de pianos dos mais afamados autores,
como sao : Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
r-::85, mandados expressamente construir para este clima, o qual os amadores dos
U'Sis pianos so encontrariio nesta casa.
Mecebeni-sc pianos usados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
<-,.5 ha sempre o mais completo sortimento de materiaes para concertar pianos, como
*>: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
ruarfim, etc., etc.
A ISO MTOEl SIOR 49
Engenho
Vende-se o engenho S. Pedro, situado na pro-
viocia de Alagoas, comarca do Porto Calvo, a
menos de uma legoa distante do porto de mar do
Gamella, tem oxeellentes terras, matas, e safreja
regularmente 2.C00 paes : a tratar na rua do Vi-
gario n. 31.__________^__________
Ataga-se o terceiro andar do sobrado n. 45
a rua do Barao da Victoria, com grandes cora-
modos
dio.
a tratar na loja de joias do mesrao pre-
- Precis*- se de uma ama para comprar e co<
zmhar: na rua da Imperatriz n. 40, segundo an
dar.____________^_
Precisa-se de uma para co<
zinhar, para casa de familia
paga-se bem : a tratar na
rua do Hospicio n. 46, casa terrea de bolas ama
rellas na cornija.
AMA
Amn k Precisa-se de uma para cozinhar
-tt-LIld. rua do9 Pires 34
na
AMA
Precisa-se de uma ama para
casa de uma pequrna famiia :
rua Duque de Caxias n. 5i.
Pieuisa-te de uma ama para
casa de rapaz solteiro : a tratar
na rua do Lima n. 4, em Santo
Amaro das Salinas, oo na rua da Praia n. 42.
AMA
AMA
Cruzes, n. 8.
Precisa-se de uma para casa
de peqnena familia : a rua
Duque de Caxias, outr'ora das
Precisa-se de uma ama
forra ou mesmo escrava, que
saiba lavar e engomirar :
tratar a\ rua de Horlas n. 15, i u na rua Duque
de Caxias n. 111.
AMA
aPrecisa-se de uma ama na rua Direiia n. 10,
reOnacao.
O Sr. major Luiz Paulino Vieira de Mello,
escrivao do Limoeiro, tonha a bondado de mar.dar
on vir a rua do Cabnga realisar o i:e<:ocio V. S. fez em confianca.
Aluga se o primeiro andar do s^ rado n. 47
da.rua da Imperatriz : a tratar uo segundo and.-.r
do mesmo sobrade.
Cozinhar e engommar.
Precisa-se alugar uma escrava que saiba cozi-
nhar e engommar ; e para casa de pequena fami-
lia : na rua do Vigario n. 16,1.* andar.
Aviso.
..a rua larga do Rosario a. 16, veade-se um
iaaode armario, com cxcellentes vozes e de pou-
aso, e uma ftanta da eban >, apparelhada de
com 3 ehaves, e do melhor autor.
-- Offerece se um criado para
' 'CO
Roga-se & pessoa quo comprou, ou to-
mou do penhor, talvez ha mezes, uns objec-
tos do prata, como talheres, etc., obra do
Porto, com as iniciaes P. A. S. em cadeia,
que querendo res!ituil-os ao seu proprio
dono, de quem foram subtrahidos nao mui
recentemente, e s6 agora conhecida essa fa-
copeiro ou para
externo do uma casa, dando fianca a sua ltf, dirija-se em carta fecbada com aauel-
!t^WSS!ffiS.* rUa da Pw,,e I,as iniciaes f rua d0 Cabug* n. 7, loja de
ounves, que garante-se boa recompensa.
v-jb3
Os abaixo assignados fazem sciente ao publi-
- qae ucsta data dissolveram amigavclmente a
lade que nesta cidade gvrava sob a Crma
S Haymundo Borges da Costa & Irmaos,
Besado todo activo e passivo do respeitivo nego-
a cargo do todos.
Cidade do led, 31 de maio de 1873.
Jose Raymundo Borges da Costa.
Raymundo Borges 'da Costa.
_____________Jose Joaquim Borges.
Aloga-se uma escrava para todo o servico :
tar na raa da Gloria n. 146.
Ha uma ama de leite, escrava : quem preci-
.--?d:rija-sea rua Gloria^n. 154.
Alusa-se para casa di familia uma escra-
nnfca de 13 annos, com principio de cozinha e
cab servico do casa : na rua de S. Jorge n. 74.
Aluga-se uma casa na Capunga com commo-
>3 para familia, a tratar no mesmo lugar a rua
das Crioulas n. 8.
CASA DA FOHuIA.
AOS 4:000*000.
BILHETES GARANTID0S.
i rua Primeiro de Mar$o (outr'ora rua dt
Crespo) n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seus fe-
.ie8 billietes um inteiro n. 797 com 4:000/, um
ratio n. 2833 com 700/, dous mei03 n. 323 com
-K)3, nm meio n. 3510 com 100/, e outras sortes
f*** e 20* da loteriaque se acabou do extrahir
(1U3), convida aos possuidore3 a virem receber na
ronfurmidade do costume sem desconto algum.
Aeham-se a venda os felize3 bilhetes garantidos
da 31 parte das loterias a bene9cio da igreia
ffiairiz de Palmares (iOi"), que se extrahira no
abbado, 20 do corrcnte mez.'
PREgoS,
Bilhete inteiro 4/000
Meio bilhete 2/000
m PORgAODE 100^000 PARA C1MA.
Bilhete inteiro 3/500
Meio bilhete 1/750
Manoel Martins Fiuza.
Rua de Beiuflca n. 'H. na vas-
sagein da Magdalcna
Uma senliora franceza, discipula dos melhores
professores de Paris, deseja dar licSes de piano,
canto e francez : a tratar na sna residencia" aci-
ma iodicada.
Fugio do engenho Ajudante, freguezia da Es-
cada, no anno de 1872, o escravo Guilherme, com
os signaes segnintes : pardo, com idade de 25 an-
nos pouco mais ou menos, altura e corpo regular,
olhos grandes, cabellos cachiados, pes compridos
e seccos, rosto comprido, alguns signaes de bar-
ba, nariz comprido e um tanto arqueado, uma3
sardas pelo rosto, faz algum movimento no andar,
desconfia-se que esteja na cidade da Parahyba.
Roga se as autoridade3 policiaes e capitaes de
campos a apprehensao de dito escravo e ser en
tregue ao seu senhor Emilio Pereira de Aranjo,
no engenho Ajudante, e receberao por paga
30O/CO0.
Uledico-cirurgico
DO
Dr. ncaes.
Medico operador.
RUA ESTREITA DO ROSARIO N. 3.
Da consultas todos os dias das 9 bo-
ras da manhs as 4 da tarde, dessa hora
em diante acha-se prompto para qual-
quer chamado, em casa de sua residencia fj^
a rna da Princeza Isabel n. 4, junto a ^,
estagao dos trilhos de Olinda. i)
Das 7 as 9 horas da manha da consul- ti6ti
tas gratis aos pobres. W*
ESPECIALIDADES g^
Molestias syphiliticas, via digestiva c fe a^
bres. &
Fugiram do engenhe Ajuianie. no anno de
1870, os escravos seguintes: 1. Francisco, cr.uulo,
preto, com idade de 28 annos p> uco mais ou me-
nos, altura regular, corpo regular, olhi.s grandes
e brancos, denies perfeitos, cabellos carnpinhados,
pes grossos, barba a cavaignac, bigode e pera
uma cicatriz por cima do olho esquerdo, muito
conversador e risonho. 2. Antonio, cabra, com
idado de 25 annos pouco mais ou menos, alto,
secco, olhos grandes e vermelhos, pouca barba,
cabellos um tanto soltos, dentes perfeitos, p6s
compridos e seccos, ambos comprados ae Barao
de Nazareth. Roga-se portanto aos capitaes de
campo e as autoridades policiaes a captura dos
mesmos escravos, visto baver de>confiancs que
eslao occultos na comarca de Pajeii de Flores,
ou Rio de S. Francisco, qne terao a paga de 600/
a quem os levar ao seu senhor no engenho Aju
dante, ao Sr. Emilio Pereira de Araujo.
Fogos artificiaes
A camponeza, loja de miudezas de Carapello
Galvao & C, a rua de Marcilio Dias n. 82, recebe
qualquer encommenda de fogos e por pre^os mui
commodo; prevenindo ao respeitavel publico que
ditos fogos sao fabricados pelo bem cohhecido
artista brasileiro, Lino Joaquim de Santa Anna.
iilencao.
M. B. V.
Bom
negocio.
Pergunta-se ao Sr procuradur e 2* thesoureiro,
quando annnncia V. S. o programma da festa do
Orago, que tanto sacrificio tem feito V. S., e diz a
todos que 6 festa superior, com tanto que seja
apreciada a musica de sua composicao, cantando
V. S. um solo e um dueto; desejamos saber qual
o nome ou titulo desta composifao; pobre igreia.
Deseja saber o seu amigo
__________________A alma da vinva.
O abaixo assignado tendo de retirar-se tem-
porariamente para o interior da provincia, deixa
como seus procuradores, encarregados de todos
os seus negocios a seu pai o Sr. Antonio Jose de
Souza e ao Dr. Innocencio Seraphico de Assis
Carvalho.
Recife, 13 de junho de 1874.
________Angnsto Ocuviano de Souza.
Alugam-se duas
uma na rua Imperial n.
ronel Suassuna n. 103
numero 8.
casas reedificadas, sendo
13, e outra na rua do Co-
a tratar na rua Direiia
Vende-se uma casa terrea n. 17, a rua de S. Pe-
dro Martyr, ou Ladeira da Ribeira, em Oliada,
chao proprio, oiloes dobrados, tendo 38 palmos de
frente, 50 ditos de fundo, quintal em aberto, em
forma triangular, a situacao e sufflcientemente
vantajosa, para qualquer estabelecimento por ter
tres frentes : quem prelender pode procurar em
Olinda, na supracitada rua a Luiz Pinto, e no
Recife a Antonio Francisco, na botiea da praca
da Boa-Vista do Joaquim lgnacio Ribeiro, que di-
rao quem se acha compctentemente habilitado pa-
ra effectuar essa venda.
Ainda esta para alugar a loja do sobrado n
41 da rua do Rangel,a qnal tem armacSo e pres-
ta-se para qualquer negocio : a tratar no segundo
andar do mesmo predio.
I
Precisa-se do duas amas, uma para comprar e
cozinhar, e outra para engommar, que sejam am-
bas peritas : quem quizer dirija-se ao terceiro
andar desta typograhia, para tratar.
CA*V
Aluga-se a casa n. 20 da rna da Conquista, na
Boa-Vista, a chave esta na casa junto n. 5 : tra-
ta-se na Recife, rua da Cadeia n. 3.
Vende-se ou arren-'a-se o grande predio
Coutinho, proximo da igreja da Misericordia,
oa cidade de Olinda, tendo duas. loas salas
to frente, um salSo no sotao, seis quartos
espacosos e frescos, uma grande cocheira,
quintal todo cercado de novo, e com diver-
sos arvoredos, uma boa fonte d'agna, e
tendo gaz canalisado. Achando-se prepara-
do com todos os moveis indispensaveis i
ama grande familia, sera assim vendido ou
sem os moveis : a tratar nesta typographia
oo na rua da Unido n. 49, sobrado, atraz do
pa$o da assemblea.
Antonio Francisco M. de Mi-
randa.
i.i'i?AIex*Iia,n5 !*"* ae Carvalho Miranda,
Jd. Tih* M- de Miranda e Anna Julia de Mi-'
Pr^5c?UuerVgen5 H filna d0 fiDad0 Antonio
Francisco Martins de Miranda, fallecido no dia 9
do correnle, agradecem a todas pessoas qne se
n assistir aos nltimos suffragies qne se
CASA CAIAM
E
Rio Tapado
Alugam-se estas propriedades, situadas passan-
do Olinda, e antes de chegar ao^Rio Dooe : a trao
tar com oseu proprietario. o comjnendador Tass
-- Desappareceu no dia 12, d*> ioder do abaixo
assignado, duas lettras da quyutia xje 5Q& cada
uma, acaitas nor Josd Bruno \ Sue as tiver em seu poder, pqde entregalas a rua
o Fogo n. 33, visto Achar-sff aceiiante preve-
nido e flear desde ja sem nenlyum effeito qualquer
transaccao que com as mesm?s facam.
Recife, 13 de Junho de 187&
____ Laurindo G^roes de Silva.
Aloga-se por 25/000 me^aes uma preta de
meram aos restos mortaes daquelle finado no dia *a condocla, lava bem e engoi'Pma liso, entende
10 (In mrronlo na in^n.4. A- r___.- nnnpfl Alt p{\7\r\hi nnnin <.uMilhll ...
10 do corre_nte,na igreja doCarmo, e aprovei-
tam a occasiao para de novo as convidar a assis-
tirera a missa de setimo dia, que mandam rezar,
7 horas da manha, do dia 16. na mesma '
Nao ha mais cabellos
braocos.
K4 MflMlli JAPONEZA-
e umcaapprovada pelaa academic de
mmeiu, reconhectda a perior a tod* que
* tpparecido at^ hoje. Deposito prtoi.
ii rua da Cadeia do Recife, hole Mar.
de Olinda, n.8i, l. andar, e em
botfeav e casas de ctbellei-
Marccliua MariodaConcei^aT
Manoel do Nascimento e Silva, Izidio Pio de OU-
veira, Ireneu Brancacio da Silva, Faustino Manoel
de Siqueira, Justina Marcelina de Alcantara Fe-
Iismina Loduvina de Jesus e seus filhos, agrade-
cem cordialmente a todas as pessoas que se dlir-
naram acompanhar ao cemiterio publico, os res-
tos mortaes de sua presada mai, sogra e av6 Mar-
celina Maria da Conceicao, e pedem o favor de
assistir as missas do setimo dia qne terio lugar na
matru de S. Jose, sexta-feira 19 do corrente nm,
fl antecipa seus agradeclraentos.
pouco de cozinha, porem emuitovMbil para o ser-
vico interno : quem prechar, direla-se a rua de
Paysandd n. 33 C, esqqina do hosrA'tal portognez.
Alugna-se
nma cisa terrea a ra* de s- Jo ". M em es
taaode asseio, com gaz e cjunbronaV a tratar
em Fora de Porlw, rua de S. Jorge, cask1*- *63,
* andar.
' ^*JS?i
D. Emilia G. de Moraes Ferreira e lds6 de Mo-
raes Gomes Ferreira, fllhos e netos, agradacem
a sens parentes e amtgos, one se dJgnarata assis-
tir ao esterro de sna enteada, inn? e tla'Emlfla
Gomes Ferreira, e pedem-lhe o obsequio de as-
fr !* que se tem de rezar, quinta-foira
sjpS&cL8 horas da iDbi'ao w ren-
rava.
Precba-se de uma para o servico de ama casa
mas qne safba vender doces na rta; a tralir
aa travessa dos Expostos n. K, f afc
Aos Srs. Dr. chefe de poliW
yem as mmm.
Ja bolos ?
Ja fogos ? Ja sories 1
E' somente uma prevencao para o proximo fu-
ruto Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro.
Sim....
E' na confeitaria do Campos que se deve pro-
curar tudo quanto e necessario para divertirse o
moral e conforiar-se o physico. Isto 6 :
O eepirlto e a materia.
" E senao wjara
Alem de termos tudo prompto para que qual-
quer familia mande nas taes noites acima nomea-
das alii comprar o necesssario para festejar
lima hoUc ioteira.
SiTemos tambem accessorios para o fabrico das
Sortes e dos bolos.
A saber :
Amendoas confeiladas.
Papeis picados com estalos.
Folhas com versalhada nova.
Massa"Bna, secca e alva, para bolos.
Duzentos mil ovos.
Manteiga fina.
Tudo isto
Na confeitaria do Campos.
2-1Imperador34
N. B.A confeitaria do Campos fornecera vasos
gratis, a qaem comprar pelo menos as amoodoas
para as sortes._____-______________
CASA DO OURO
Aos IrOOOjOOO
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume
O abaixo assignado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes a sorte de 700*000 em um
meio bilhete de n. 2835 alem de outras sortes me-
nores de 40*000 e 20*000 da loteria que se aca-
bou de extrahir (103'j; convida aos possuidores
a virem receber, que promptamente serao pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeita-
vel pcbUcp para vir ao seu estabelecimento com-
prar os muito felizes bilhetes,qu9 nao deixarao de
tirar quafqutr premio, como prova pelos mejmcs
annuncios
Acham-se a venda es muito felites bilhetes ga-
'antidos da 3' narte mv.leteria a beneflcio da
igreja matriz de Palmares, q^e se extrahira no dia
20 do corrente mez.
Precos ^v.
Inteiro 4*000 V.
Meio 2*000 ^--.
De 100:000 para cima.
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Recife, 13 de junho de 1874.
___________JoSo Joaquim da Costa Leite.
Alberto Forster Damon
vai ao Rio de Janeiro, dei-
xando na sua ausencia, como
procuradores de sua casa
commercial, Matheus Austin
& 0., aos Srs. William James
Haynes eNicolao Hartery.
Aluga-se o segundo andar e sotao com bone
commodos, fresco, salas e alcuva forradas de pa-
pel e todo bem preparado, contendo 7 quartos,
cozinha, saleta para engommado, 3 salas e quin-
tal ; na rua do Rangel n. 73 : a tratar na the-
souraria das loterias, com Antonio Jose Rodrigues
de Souza.
Attencao
Furtaram na noite de 27 para SB de fevjrelro
ullimo, do cercado do engenho Santos Mendts, os
tre< seguintes animat-s : um burro todo preto,
grande, com a sarneia ralada de cangalha e um
calo, com dous no espinhaco e ignorando-se o fer-
ro do mesmo; outro de cor mellado sujo, de meio,
6 estradeiro, tem signaes de cangalha, uma das
juntas dianteiras & mais grossa, e as vezes man-
queja ; e lioalmenle uma ourra de cur caitanha,
muito nova, com um calo de cangalha em nm dos
encontros da pa, fucinhe e rodas dos olhos bran
cos. Os dous uliimos teem o seguinte ferro Q
i|uem os apprehender, ou der noticia certa no
mesmo engenho ou na praca do Corpo Santo n.
19, no Recife a Oliveira, Filhos & C, recebera a
gratificacao de 150*, on 304 por cada um. Recife,
3 de marco de 1874.
10 0^0 00 de gratigcacao
Engenho Santos Mendes
Fugio no dia 20 de dezembro, do engenho San-
tos Mendes, comarca de Nazareih, freguezia de
Tracunhaem, a escrava Maria, crioula, SO annos
de idade, pouco mais on menos, baixa, grossa, eor
preta, rosto alquebrado, pes seccos e espanados,
dedos curtos, cabellos brancos, canellas finas, tem
dous signaes cabelludos no queixo, e e bem ladi-
na : a pessoa que entregar esta escrava ou ao sea
dono, que e o senhor do engenho acima, Lauren
tino Gomes da Cunha Pereira Bellrao, ou no Re-
cife, largo do Corpo Santo n. 19, 1 andar, sera
recompensada com a quanua de 100*.
Toda atlcncao.
Desappareceu da rua estreita do Rosario n. 41,
terceiro andar, o moleque de nome Jorge, com
os signaes seguintes : idade de 10 annos, bem
preto e tem uma cicatriz na testa, junto do cabello.
0 moleque levou vestido, ama camisa de algodao-
zinho b'ranco, umo calca de panno aznl velho com
remendos e um chapoo de palha de camaiiba.
Roga-se as autoridades policiaes e a quem delle
souber que o apprehenda e o leve ao lugar acima
dito, isto e, donde elle fugio. Julgase que o mo-
leque esta aeoutado em algum lugar desta ci-
dade.
Aloga-se uma escrava :
Triumpho n. 70.
na rua do Barao do
(Jaixeiro
Precisase de nm menino de boa conducta : ;
tratar no Progresso do caes 22 de Novembro nu
mero 38.
nretcgE
e
AVISO
Precisa-se comprar dous escravos, pedreiro e
carapina, paga-se bem : a tratar na thesouraria
das loterias, a rua Primeiro de Marco n. 6.
Compra-seum Vade-mecumdo Dr. Sabino, em
meio nso : nesta lypographia se achara com
quem tratar.
Compra-se uma casa terrea bem construida
quo tenba bom quintal, chJo proprio, e que sen
preco nao exceda de 5:000/, na fre{
to Antonio ou
Carmo, botiea.
Boa-Vista
reguezia de San-
a iratar no pateo do
Compra-se uma cabra (bichc) que tenba bom
leite : na rua Duque de Caxias n. 87.
9 ..
s.
Engenho em Seriohaem.
Vende-se duas partes engenho Novo, sito na fre-
guezia de Serinhaem, distan-
te da estaqao de Gamelleira
3 leguas, moente e corrente,
que safreja cerca de 3,000
paes, com optimas terras,
movido a agua e bem obra-
do, por preco commodo; a
tratar com Dr. Felix de Fi-
gueirda, a rua das Calcadas
n. 14, ou no arsenal de
guerra.
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os seguinte* :
Barrd,
Pregnlca,
e Patricio.
A traiar com seus proprietaries nesta eidade,
e para informacoes com Joaquim Pinto de Mei -
relies Filbo na mesma cidade de Mamamgoape
Tasso Irmaos & C
Espeeialidade
Vinlao particular, puro e ge-
nuine.
Acaba de chegar ao mercado alguns barns de
vinho do Alto Douro, especial e uaicamecte pre
parado do extracto da nva e isento de qualquer
confeccao,.sendo muito mais brando que o da Fi-
gueira, o que o torna recommeliaavel-peio muito
que agrada ao paladar e preferivel a todos ot ou-
tros vinhos de pasto.
Acha-se a venfla nos armazens de Joao Joe*" Ro-
drigues Mendes, Souza Basto & C e Fernandes da
Costa & C.______________________________
Bacalhao k INoruega.
Acaba de chegar um pe^neno lote de oixas
deste desejado b-calhao : no caes da alfandega,
armaiem de Tasso Irmaos k C.
CIS it A
DE
CARNAUBA.
De qnalidade superior : na rua do Amorim n.
37, armazem da Taso Irmaos 4 C.
DVMDE
Baratissimo!
Papel oitavo, liso, pautado, e para luto.
Lindas secretarias, contendo :
50 folhas de papel.
50 envelopes.
Prec<)-1*000
100 folhas de papel.
100 envelopes.
Preco2*000
0 papel marcado gratis com as iniciaes do com-
prador.
Livraria fra nceza.
Wilson Rowe & C. vendem no seu armazem
rua de Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao aznl amencano.
Excellente flo de vela.
Cognac de 1" qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qnalidades.
Popelinas moderns a 800
rs. e IS o covado.
Leite.
Leite de vacca e,de cabra, tirado a vista do
comprador : a rua "do Marquez de Herval, antiga
da Concordia, n. 6i.
Vende-se massa para bolos
Pedro n. 26.
no pateo do S.
Vende-se
Cruz n. 4.
t'ofres de ferro
em casa de Hawkes & C, a rca da
Vende-se
Croz n. 4.
Chafariz de ferro
casa de Hawkes & C, a rua da
em
Por este preco so na loja da Ame-
rica a rna do Canugd u. lo.
Dao-se aniostras.
E' harato.
Um vestido branco de cambraia Una por 3.
S>ias bordadas a 5* que valem 10*.
Alpacas de linho e la com listras de gase, boni-
tas, por commodo preco.
Mad polao francez, superior, peca 6*.
Bramante de 4 larguras, muito bom para leu-
coes a 1*600 a vara.
Crelone francez para colchas, lindos desenhos,
cores garantidas. covado 400 rs., e fazenda d-.
1S000.
E' ver e comprar, na rua do Cabuga n. 10, loja
da America.
Vende-se na rua do Commercio n. 4, cerveja
Neruega, marca M L :
Bitter Augustura.
Rum de Jamaica.
Vende-se
bouquets de flores de c&a,
brancos e de cores, para bolos,
a todo preco e de muito bom
gosto, tambem de cravos
brancos,velas enfeitadas com
flores de cra, para baptisa-
dos, por bar a to preco: na rua
do Livramento, loja de c6ra
n. 36.
TACHAS TACHAS
BATIDAS FUNDIDAS
Qualidade superior
Syslema novo
Mais barato do quem em qualquer outra parte
NA
FundiCuO da Aurora
C. STARR & C, EM LIQUIDACAO.
Armagao deamarello
Vende-se uma armacao de amarello, envidraca-
da, com balcao, por commodo preco : a tratar ua
rua do Crespo n. 20, loja das tres portas.
Na rua do Marquez de Olinda n. 35, se di-
ra quem vende nma loja, muito bem localisada,
com uma armacao muito boa.
Vende-se a padaria da rua Imperial n. 204, a
qual se acha bem afreguezada, tanto para a praca
como para o mato, e montada com os melhores
ntensilios, e o molivo da venda se dira ao compra-
dor : a tratar na mesma.
Attencao
Para noite de S. Joao.
e governador do bispadoJ
*nmT,.f ?ti,r?ar a Prohio das sSarnaes
com o titulo de nocenas e festejos a S Joao
ziam-w na rua Imperial. '
Nio seria somente a liceuea que ella pretenfle I),08 '^U9 ^'er "uesmo estabrecimen^"por"que
ma' ^ ,*1quem w 'O'e'esse, arenovacito da*-' *.*I!m*c^ f 0 abaixo assignado faz sciente ao respeitavel-1
publico que tendo por noticia qne o Sr. Joao da
Silva Santos pretende vender o estabelecimento
da rua de Vidal de NejreirM, outr'ora Cinco-Pon-
tas n. 148, que nao podera vender senao 03 gene-
fortes francezas muito interessantes, hoje adop
tadasynas melhores re unities de familias.
BaloSssaereostaticos de 8 a 10 palmos, para sol
tarse facilmeiRta com espirito de vinho.
ii Globos de papeY Jv ^Ores para illumiua/^fifC,
vende-se tudo muito baratc^zuv^rmczem do va
por francez, rna Nova n. 7.
matscomriatadorasseenas deeseandalo esac
glo ; tena ainda oomo sempre fol, a embri
furorCnme roMrando *wMfc em tod'
Especulaeao em nome das cousas sanfas
prattca de iamoralidade de todo genero. de
todos e crimes, deve aeabar por uma vex,
4e pdlfcla e autond(fes eedesiastieaa
WeJtca, que pretende para MuShr/tarti
deira pe^a rua, qaa assim Sr
bceaslao de graves attentados 9 de
names, Asatmesperam
VutMmordores da.fMHarna.
tas e pipas, esta hypotheeada ao Sr. Francisco Joti
4a Costa Ribeiro, por the ter fornecido a quantia
prectea para ia constrnccao da dita armacSo e mais
perteacas e ficando 0 dito Sr. Santos pagando-lhe
0 juro de um por cento ao mek; e como 0 Sr.
Santos ainda nan cumprio com 0 sen compromis-
so do principal e juros desde setembro de 1872
a esta parte, nor isso vem prevenir ao publico a
ao corpo do commercio, que ninguem se engane
com a armacao e pertenoas.
Recife, 13 de juuho de 1874.
repug I Conlb !. procurador do Sr.
I pTanefecb tose da Costa Ribeiro, .
Antonio Sal do Assu'
A bordo da escuna Georgiana, ancorada no
Forte do Mattos : a tratar com Tasso Irmaos & C.
Mobilia
Vende-se nma linda mobilia de jacaranda, mas-
8ico, entalhada, por muito commodo preeo : a
tratar na travessa da matriz de Santo Antenio
marcmena de Jo5o Cancio.
Para principiante.
Vende-se a taverna bem afregueiada, sita a
rua de Mariz e Barros n. 7, antiga do Cordoniz :
a tratar na mesma. 0 tnotivo se dira aos preten-
dentes.
Tamancos do Porto-
Vende-se tamancos do Porto proprlds para o,
iaverno : na rua da Somalia Nova d, l.
Vendem
Wilson, Rowe & 0.
Em seu armazem a rna do Trapiche n. 14, o se-
guinte :
Algodao aznl amencano.
Fio de vela.
Carvao de pedra de todas as qualidades.
Tndo muito barato.___________________^^
Sal do Assu
Tem para vender Joaquim Jose Goncaives Bel-
lrao & Filho, a bordo do hiate Rival; e para tra-
tar, no sen escriptorio, a rua do Commercio n. 8.
ALERTA
Com o n. 43, a rua do
Queimado n. 43
D ofr on I e do becco do Peixe I-'rllo.
ou Junto & loja da Magnolia.
Cheguem Cheeuem t
Lazinhas de quadros pretos a 240 rs. o covado.
Ditas de quadros e de cores a 240 rs. o covado.
Granadine de listras, a parisiense, a 160 rs. o co-
vade.
Ponpelina de seda de furta cores a It o covado.
Cambraia Victoria lina a 3*000 a peca.
Dita transparent^ a 2 e 2*500 a peca.
Lencos chinezes con versos a 1*800 a duzia.
Chales de chita a escoceza, por 2* um.
Chitas fle cCres a 240 e 280 rs. o covado.
Rias -^ardo fino a 400 rs. o covado.
Colchas parriflma a 2* e 3* uma.
Lenc6es de bramatfte A W-
Cobertas adamascadas foiHjdas a 3* uma.
Meias para homem. sendo de c*Ces a.4* a anm-
Toalhas muito grandes o 3*500 a du3-
Metins de listras a 360 rs. o covado.
MadapoISo avariado a 3*500 a peca.
Camisas inglezas a 2* e 3* uma.
Ditas de cretone a 3* uma.
Aproveitem qne esumos teendo grande abati-.*
mento, nunca menos de 49 por cento. Dao-se -
amostras com penhor.
\
em camisa^ de linho.
Vende-se camisas inglezas de linho, acne 'fi-
nas, para homem, pelo baratissimo preco *kr35"*
a duzia; quem duvrfar venha ver e comprar :
na rna do Duque de Caxias -a. 88, loja de Df-
metrio Bastos.
f
n
-
c


?
1



'"V "IJI
"
"
*)P
mm
*
I
r*
I
i ]
i
i'
4
'
Dimo vie Pern*buG0 t- Tsr^a feira 10 de Juuho ;o> JU4.
!>E
fazendas finas
Ru Pripiairo do Marco n. 7 A
DE
Cordeiro SimoescfcC.
K' esta uma das casas que boje pode com pri-
mazia offerecer aos seus freguezes urn variadissi-
ncsortimento do fazendas finas para grande toi-
lette, e bem assim para uso ordinario de todas as
classes, e por prt^cos vantajosos, das quaei fax am
pequeno resnmo.
Maudam fazendas as casas dos pretendentes,
oara o que tem pessoal necessario, e dSo amostras
mediante penhor.
Cortes de seda de lindas cores.
Gcosdenaples in todas as cdres.
Gorgurio branoo, lizo, de listras, proto, etc.
Setim Macao, preto e de cores.
Grosdenaples preto.
Velludo preto.
Granadine de seda, preta e^de cores.
Popelinas de lindos padroes.
Kilo de seda, bianco e preto.
Aicas basquinas de seda.
Ctsacoa de merin6 de cores, la, etc.
tfantas brasileiras.
Coites com sambraia branca com lindos borda-
Ricas capellas o mantas para noivas.
Riquissimo soitimento de las com listras de
eda.
Cambraias de cores.
Ditas maripozas, brancas, lizas e bordadas.
Nanzuques de iindos padroes.
Baptistas, padr5e deiicados.
Percalira* d* quadros, pretos e brancos, listras,
'.c, etc.
Brins de linho de cor, pronrine oara vestidos,
torn barra e listras.
Ricos cortes de vestido de linho. c eites da
icesma &5r, ultiroi mod?
Ditos de cambraia de cores.
Fustao de lindas cdres.
Saias hordadas para senhoras.
Camisas bordadas para senhoras, de linho e al-
codin.
Sortimento de luvas da verdadeira fabrica de
nvin, para homens e senhoras.
Vestuar' para meninos.
^iicw para bapUado.
Chapeus para ano.
Toalhas e guardanapos adaraascados de o de
r.para mesa.
Colchas de la.
Cortinados bordad- s.
Grande sortimento de camisas de linho, lizas e
arirdadas, para hcmens.
Meias de cOrcs para homens, meninos e meni-
i
Oitas escocczas.
Comri'sto so.timeu> de chapeos de sol para ho-
mea e seahoras.
Merino de C'Jris psra vestidos.
Dito preto, trancado e dito de verao.
"nlhado del nho e algodSo para to
Atoalhado pardo.
Damasco de la.
Brins de linho, hranco de cores e preta
Setim de lindas cores com listras.
Chales de merir.6 de cores e pretos.
Ditos de casemira.
Ditos de seda preta e de c5res.
Ditos de touquiru.
Camisas dc chili para homens.
Ditas de flanella.
Cereulas de linho e algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras e conso-
Lencos bordados e de labyrintho.
Colchas de crochet.
Tarlatana de loclas as cores.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana bordados
ara cortes.
Espartilhos lisos, bordados.
Foulard de seda, liddas cores.
Meias de seda rv.ra senhoras e meninas.
Ricas fachas de seda o la para senhoras.
Rico sortimento de leques de madreperolas e
isso.
Damasco de seda.
Casemira preta e de cores.
Chitas, madapolao panno fino preto e azul, col-
arinhos, punhos delinho e algodao, gravatas, lu-
a de fio de Esccssia, lapetes de todos os tama-
Qhos, bolsas de viagem, peitos bordado3 para ho-
mens, lengos de linho branco e de cdres. toalhas,
guardananos. etc., etc.
E' barato.
Vende-se urn pequeno sitio perto da esta-
do do Salgadinho, tendo de frente 150
palmos, e de fundos mais de quatrocentos,
corn nma elegante casa de taipa, ecabada de
proximo e bem asseiada, tendo Ssal s, 2
quartos ecozinha f6ra. 0 terreno e pro-
prio o bom de plantagoes, tendo algumas
srvores de >ructo, agua de beber e todo cer-
".sdo.
Para ver e mais explicates, no mesmo si-
tio a qualquer bora a entender-se com Tris-
tao Francisco Torres, e para tratar, na the-
souraria das loterias, rua 1. de Marco
ATTEND
a pcehineha
A loja da Borboleto, a rua do LI-
vramenlo n. 5, estil queimando.
Cheguem freguezes antes que as chammas de-
vorem tudo.
Botinas para senhora a 3i.
Ditas ditas a 2*500.
La para bordar a 41 a libra.
Entremeios e b;.badmhos a 600 rs a peca.
Oleo philocome a 500 rs. o frasco.
Vigor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
be!lo, restituicao de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
O Vigor do Cabello 6* uma prepaiacSo ao
mesmo tempo agradavel, saudavel e efficaz para
conservar o cabello. Por meio do seu uso o
cabello ruco, grisalho, e eniraquecido, dentro de
pouco tempo revolve a cor que lie e" natural e
primitiva, e acquire o brilho e a frescura do
cabello da juventude; o cabello ralo se torna
denso e a calvicie muitas vezes, posto que nab
em todos os caeos e neutralizada.
Nao ha nadu quo pode reformar o cabello
depois dos folliculos estarem destruidos, e at
glandes cansadivs e idas, mais se ainda restarem
algums podem ser salvadas e utilizadas pela
applicacSo do Vigor. Libre de essas substanciag
deleterias que tornam muitas preparacoes de este
genero tarn nocivas e deatructmts ao cabello, o
Vigor sdmente Ihe e beneficial. Em vee de
Bujar o cabello e o fazer pegajoso, o conserva
limpo e forte, embellizando o, impedlndo a queda
b o tornar-se mjo, e pox coasequinte previne a
taivicie.
_ Para uso da x)ilet0e aJk> ha nada mais a dese-
jar; nao contendo oleo nem tintura, nao pode
manehar mesmo a mais alro lenco de cambraia;
perdura no cabsBo, Ihe da urn lustre luxurioso,
e um perfume muito agradavel.
Para nsfonnar a cor da barba, 6 neeessario
mais tempo de que com o cabello) porem se pode
appreeaar o effiito, envolvendo a barba de noite
cem um len90 molhado no Vigon
PREPAHADO FOB
Dr. j. C. AVER & OA* IiOweU, Slasfc,
3Satados TJnidos,
ChfmUxis Practical t Analytic**,
,r. v:eni>e be for
, Magnolia
N.1 i -ja da Maguoiia.a rua Duque de Caxia^ a
io, ei:ci.uii ara sempre resueiuvei pabiico um
completo sortimeato de [wrfumarias finas, objectos
dephantasia, luvas de Jouvin. ailigos de moda e
miudezas Unas, assim corflo modicidaJe uos pre-
cos, agrSdo e sinceridade.
Anaeis electricos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, a&a
ba de recebcr os verdadeiros anneis e voltas elec-
tricas, proprios para os nervosos.
Meios adereqos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 15, re-
cebeu dm complete- sortimento de
Meios aderecos de tartaruga.
Meios aderecos de madreperola.
Meios aderecos de seda bordados, (ultima moda
e de muitas outras qualidades.
Botoes de ago
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem
para vender os modernos bot<5es de aco, proprios
para vestidos.
Golinhas e punhos
das mais modernas que ha no mercado ; a ellas:
na Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45.
Leneos chinezes
A Magnolia, a rua Daque de Caxias n. 45, re-
cebeu uma pc-quena quantidade de lenco3 de seda
chinezes, com lindissimos desenhos, fazenda intei-
ramente nova.
ues
Leqi
Lindos leques de madreperola, de tartaruga, de
martini, de osso, e de muitas outras qualidafles:
recebeu a Magnolia, a rua Duque de Caxias nu-
mero 45.
BAEATEIRO DA BOA-VISFA
Uua da [mperatriz n. 72
DE
MKiXDES GU1MARAES Acabmn de fiizcr um gratidii abatimento nos pre^osde suas f.izendas atten-
dfiido a grande falta que hainje do dinheiro,^ por isso creio que o preco que vai roeo-
cionad i ngradara1 ao rcspeitivel publico.
CHAl'ICUS DKSOL Mi SKUA A '.JJOOO.
Vende se chapeos do sol de seda para se-
nhoras e meninas a 4J>, djtos de alpaca li-
nos com 12 astes a 4, ditos de r.orin6 de
duas cores a 59, ditos de seda para homera
a G3, ditos inglezes com 12 asles a 89 e 9.
BRIM I'AUDO A 400 rs.
Vend' -se brim pardo escuro a 400 rs. o
covado, dito de cores com quadnnhos a
500 rs o-covado
CORTES DE Ci.SEMIRA A 59.
TROCHES A 19500.
Vende-se orochda para eadeiras a 1)9500
cada um.
LAZ1NHASA200REIS.
Vende se Itainbas papa Testido a 200,
320, 400, e 600 rs. o covado. v
ALPACAS r>E CORES A 500 REIS.
Vende se alpacas de cores a 500, 64ft, J
800 rs. o covado.
GRANDE SORTIMENTO DE TAPETES A 49.
Vende se grande sortimento de tapetes para
Vende-se cortes de casemira de cores'para {todos os tamanfaos a 49, 49500, 59, e 69
calca a 59, e 69, ditos de dita preta para' cada um.
cairn a 49, 59. 69, a 79.
Attencjao.
A loja-da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
45, acaba de receber os seguintes artigos :
. Manual de madreperola, tartaruga e marfim.
Ricos albuns com capa de madreperola, cha-
grrjn, madeira, velludo, couro, etc.
Lindas caixas com finiisimas perfumarias.
Ligas de seda, brancas e de cores.
Voltas de madreperola.
Puiseiras de madreperola.
Hicas caixas para costura.
Vestuarios para baptisado.
Toiicas e sapatinhos de setim.
Modernos chapeos de sol de seda para senhoras.
Lindos port-bouquets.
Gravatinhas de velludo, etc, etc.
Ultima moda.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu um Undo sortimento de bicos de guipnre
de cores, apropriados aos vestidos chiques da ac-
lualidadn.
PREDILECiA
A' rua do Cabnga n. 1 A.
Os proprietarios da Predilecta, no intuito it
conservar o bom conceito que teem merecido dc
respeitavel publico, distinguindo o sen estabeleci-
mento dos mais que negociam no mesmo generc
veem scientificar aos seus bons freguezes que pre-
veniram aos seus correspondentes nas diversas par-
;as d'Europa para Ihes enviarem por todos os pa-
quotes os objectos de luxo e bom gosto, qne se-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
aaquelles paizes, visto aproximar se o tempo de
fesia, em que o bello sexo desta linda veneza
mais ostenta a riqueza de suas toillettes ; e co-
mo ja recebessem pela paquete francez diverso
artigos da ultima moda, veem patentear alguns
d'entre elks que se tornam mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a costumada
concurrencia.
Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Albuns -com ricas capas de madreperola e d
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
os
Aderecos completos de borracha proprios para
Into, tambem se vendem meios aderejos muito bo-
oitos.
Bot5es de setim preto e de cores para ornato it
estidos de senhora ; tambem tem para collete
palitot.
Bolsas para senhoras, existe um bello surtimen-
de seda, de palha, de chagrim, etc., etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louca
como de ct"ra. de borracha e de massa ; chama-
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
pertinentes por falta de urn objecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordado?
para homem, vendem-se por preco commodo.
Ceroulaa de linho e de algodao, de diversos pre-
cos.
Caixinhas com musica, o que ha de mais lindo,
com disticos nas tampas e proprios para presen-
te
Coques os mais modernos e de diversos forma-.
los.
Chapeos para senhora. Receberam um sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capellas simples e com ve"o para noivas.
Calais bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindoi
lesennos.
Escovas electricas para dentes, tem a proprie-
dade de evitar a carie dos dentes..
Franjas de seda pretas e de cores, existe um
grande sortimento de divercas larguras e barato
preco.
Fitas de saria- r*e gcrgurao, de setim e de cba-
nplote, de diversas larguras e bonitas cores.
Fachas de gorgurao muito lindas.
Fi. rti artificiaes. A Predilecta prima em con-
ervar sempre um bello e grande sortimento des-
as flores, nao so para enfeite dos cbellos, como
tambem para ornato de vestido de noivas.
(laJoes de algodao, de la e de seda, brancos, pre-
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Laco3 da cambraia e de seda de diversas cores
para senhora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
ooiva.
Livros para ouvir missa, ccm capas de madre-
perola, marfim, 6sso e velludo, tudo que ha de
torn.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marnm, 6sso e dourados por barato preco.
Perfumarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
Erovida, nSo so em extractos, como em oleos
annas dos melhores odores, dos mais afamados
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hyg^ienica,
Coudray, Gosnel e Rimel; sao indispensaveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de saias.
Vostimentas para, baptisado o que ha de melhor
gosto e os mais moderno s recebeu a Predilecta
de or arato preco, para Bear ao alcance
qualquer bolsa.
Rua do Cabugan. 1

Cora dos estreitamento d'uretra
pela facil applica;ao das
SONDAS OUYAES
DE
. GOMNA ELAST1CA
As mais modernas e aperfeirjoadas de todas
as conhecidas
Vendem-se
NA
PH.ARMACIA E DROGAR1A
DE
Bartholomeu & C.
34 Rua larga do Rosario 34
Gorgorao de seda.
Gorgorao de seda em cortes para colete e em
peca para vestidos, fazenda inteiramente Gna e se
vende pelo diminnto preco de 3,000 reis o covado:
na rua do Crespo n. 90, loja das tres portas de
Guilhernw AC, jantoi loja daesquina,
BRIM DE ANGOLA A 29 0 CORTE.
Veude-se cortes de brim de Angola para
calca a 29, dito rnuito finos a 39-
ABERTUHAS PARA CAMISAS A 2O0 BEIS
'Vende-se aberturas para camisas a 200 rs,
ditas mais finas a 400 e 500 rs. ditas de
esguiao a 19, ditas bordadas a 29*
CHITAS A 240.
Vende-se chitas para vestidos a 240, 280
e 320 rs o covado, tem escuras e clarss.
MADAPOLAO A 39.
Veode-se peijas de mad polao enfestado a
39, ditas de dito inglez a 4J-o00. 50, e 69,
ditas de dito francez (ino a 79, 73-00, 89'
99000.
GRANDE SORTIMENTO DE ROLPA FEITA
NACIONAL.
Calces de riscado para traba'.ho a 10000
e 13400.
Calcas de brim pardo a 19900^23, 29500.
Calcas de brim de Angola do cores a 29
e 39.
Calcas do casemira de cores a 59500, 69
e 79.
Calcas de casemira preta a 39500, 59500
e .73
Palitots de riscado a 19.
Paletots de alpaca de cores a 29.
Paletots de a paca preta a 39, 39500, 49
59.
t
O.BARATEIRO
Chapeos de seda.
lmmigo acemmo
a carestiai
contra
NA
Rua Priaiciro de Marco n. 1
Outr'ora rua do Crespo, defron-
tc do urco de Santo An-
tonio.
BAPTISTAS, temos grande sortimento festa' fa
zenda e vendemos muito" barata, a 360 e 100 rs.
o covado.
ALCASSIANAS de bonitos desenhes e cores II-
xas, a 4C0 rs. o covado. So no baraleiro, venham
apreciar.
METINS trancados, franceze3, fazen-ia superior
e de bonitos gostos, a 240 e 280 rs. I Quern riva-
lisa?
CHITAS de bons gostos e dc cores fixas, a 210
e 260. rs. So aqui.
LAZINIIAS escocezas, padroes bonitos, a 180 e
200 rs
DITAS dc linho e las, padroes inteiramente no-
vos, a 240 rs o covado, fazenda que custou sem-
pre 400 rs. So no barateiro I
CRETO.N'ES escuros e claros, fazenda superior a
400, 410 e 480 rs. o covado.
POPELINAS de seda c linho a 900 e if,; apres-
sem-se a niandar ver.
DITAS de linbo c algodao a 700 e 800 rs. o
covado.
BRIM pardo trancado a 260 e 280 rs. o covado.
So no Lai a! iro I
DITO do cores, fazenda muito boa, a 500 rs. o
covado.
, CAMBRAIA transparente e Victoria a 3*500 e
S jbOO a peca I Aonde tem ? No barateiro I
BRAMANTE de linho de duas largU'ae, U200
a vara ; admira i e exacto.
ESGUIAO de linho e algodao de 10 jardas, por
4*000 I
DITO de linho puro a 8/ a peca. Ao barateiro,
ao barateiro I
MADAPOLAO francez fazenda superior a Of e
6* ; sempre custou 8*.
BOTINAS para senhora, muito superiores, a 45
e 4*500. Se aqui.
TOALHAS alcochoadas a 4*500 e 5*000 a du-
zia. A ellas, a cHas.
CORTES de creton francez, bordados 5*500
e 6* n c
Ditos (uso da co; te) Je cambraia a 10*. Sem-
pre custou 15*.
SORTIMENTO de chapeos de sol de seda a 7*,
8* e 9*. Venham antes que se acahem.
DITOS cabo de marfim de superior qualidade,
a 11*500, para acabar.
DITOS para senhora, a 3*500 I Sempre cus-
taram C* ; estao se acabando, venham a elle3, a
elles I
GRANDE queima para acabar de camisas fran-
cezas e inglezas, por todo o preco a 17*, 18*, 20*,
30*, 35*. 40* e 48* a duza. E' no barateiro que
tem.
GRANDE sortimento de gro3denaple de cores,
a 1*, 1*200 e 1*500 o covado. So no barateiro !
Quern ousa dizer que nao 6 barato ? por certo,
ninguem.
CHALES de casemira com listras. o mais mo-
derno que ba a 3*500 e 4*, fazenda que custa
em qualquer parte 6/. Venham a elles antes
que se acabem 11 Ao torn torn 1
Alem destes, outro3 muitos srtigos qne deixa-
mos de especilicar, para nao massar nossos fre
guezes, mas estarao patentes a vista dos compra-
dores. Avista do cxpost ficamos convictos de
que virao fazer acquisicao de boas fazendas por
pouco preco.
Ao barateiro I I t
Na rua do Crespo n. 1.
Augostinho Ferreira da Silva LealC.
Chape"os de seda para homem, t roprios de pas-
seios, formas modernas e bem arms dos, com um
pequeno defeito a 2*500 e 3*000, e pechincha e
esta se acabando : na rua do Crespo n. 20, loja
das 3 portas, de Guilherme & C, junto a loja da
esquina.________________________________
Asunicas verdadeiras
Bichas hamburgueeas qne vem a ete mercado
ru? Maroue.z Muito barato
Caixas de fogoj chinezes a 10*000 : na rua do
Barao da Victoria n. 39, outr'ora rua Nova, jola
de ferragens de Sonza A Guimaraes.
ios Srs. fogueteiros
Para os logos de S. Antonio
S. Joao e
S. Pedro.
Limalia do aco.
Limalha de ago d'agulha.
Limalr a de ferro.
Limalha de cobre.
Limalha de zinco.
Saiilre refioado, barbante e enxofre.
Artigos todos de primeira qualidade.
Vende-se muito bar8to
NA
Pharniaeia e drogaria
DE
BARTHOLOMEU d C.
________34Rua Larga do Rosario34.________
Casa e terrenos baratos no Sal-
^diiib!).
i Antonio Jose Rodrigues de Souza, na tbesoura-
ria das loterias a rua do Crespo n. 6, vende sua
; casa do taipa e terrenos de seus sitios no lugar
do Salgadinho : a tratar somente com o mesmo.
* nacun
BAZAR 1IV1SAL
Rua do Barao da Yicloria n. 22.
DR
Machinas de descarogar
algodao.
Machinas de cortar fumo.
Machinas a vapor.
Machinas para timpar fa-
cas.
Deposito de ferro para
garrafas.
Macaco de estivar ou le-
vantar pesos.
Cemento Portland.
Salitre.
Limalha de ferro fran-
ceza.
Esses artigos vendem-se
na rua da Cruzn. 4, arma-
zem de Hawkes & C.
Traqnes chinezes
39000 a caixa
ISO rs. a cart a
So na ma do Bar Jo da Victoria n. 39 (outr'ora
rua NbvaJ, loja u*e ferragens de Souza & Guitna-
rSes; assim cemo recebem encomraendas de logos
proprios para os festejos das noites de Santo An-
tonio, S. Joao e S. Pedro, todos de boas qualidades
eprecos commodos, e tambem livros de scutes,
baralhos. tarjetas, magicas, etc.
Pesos e medidas decimaes.
Vendem-se no armazem de Hawkes & C, ma
da Crui n. 4.
FAZK.\iAS BARATAS
Caiiieiro Vianna.
k' este grande estftbelecimento tem che-
gado am bom sortimento de machinas para
costura, de todos os autores mais acredita-
dos ukimameiite na Europa, cujas machinas
sao garantidas por um anno, e tendo nm
perfeito artista para ensinar as mesmas, em
qualquer parte desta cidade, como bem as-
sim concerta-las pelo tempo tambem d'um
anno sem despendio algum do comprador.
Neste estabelecimento tambem ha pertencas
para as mesmas machinas e se sup pre qual-
quer peca qua seja necessario. Estas ma-
chinas trabalham com toda a perfeicSo de
um e dous pospontos, franze e borda toda
qualquer costura por fina que seja, seus
pretos sio da seguinte qualidade : para tra-
balhar a mao de 303000, 409000, 459000
e 509000, para trabalhar com o pe" sio de
809000, 909000, 1009000, 1109000,
1309000, 1309000, 1509000,20090Q0 e
2509000, emquanto aos autores nSo ha al-
teracfio de precps, e os compradores poderao
visitar este estabelecimento, que muito de-
verSo gostar pela variedade de objectos que
ha sempre para Tender, como sejam: cadei-
ras paraviagem, raalas para viagem, cadei-
ras para saias, ditas de balanco, ditas para
crnw (At8| ^s P'Wa esc0las costarei-
aas riquisgimas, para senhora, despensaveis
para criancas,dejpdas.asqualidade?, camas
de ferro para homem e criancas, capachos,
espelhos dourados para sala, gwmdes e pe-
quenos, apparelhos de metal fewa cM, fa-
Jueiros com caho de metal e de marfim,
itos avulsos, colheres de metai fino, conrEei-
roi para sala, jarros, guarda-comidas de
ararae, tampas para cobnr pratos, estewas
para forrar saias, lavatories completes, dftos
simples,, objectos para toilette, e ou^bos mui-
tos artigos que muite detemagradar a todos
que TisHarem este grande estabelecimento
que se acha aberto desde as 0 boras da ma-
nna ate as 0_noras da nonte a
Rua do Baiao da Victoria n.
33.
MMA m* PAVAO
NA
Rua da Imperatriz n. 60
PARA LIQU1DAR
Granadina preta a 500 rs. o
covado.
0 Pavao vende granadina preta e lavrada
pelo barato preco do COO rs o covado.
ALPACAS PRLTAS A 500, 6*0 E 800 RS.
0 Pavao tem um grande sortimento de
alpacas pretas, que vende a 500, 640 e 800
rs. o covado, assim como grande sorti-
mento de cantoes, bombazinas, princezas
pretas, merinos, e outras muitas fazendas
proprias paraluto.
CAMBRAIA VICTORIA A 49C00, 49500,
g 09000 E 79000.
0 Pavao vende um grande sortimento de
cambraia Victoria e transparente com
8 1/2 var8s cada peca, pelos baratos pretos
de 49000, 49500, 59000, 69000 e 1:000
a peca, assim Como, ditas de salpico bran-
co, a 7(5ioOO, e" pechincha.
CAMISAS FRANCEZAS A 20000, 29500
39000 E 3500.
0 Pavao vende um bonito sortimento dt
camisas francezas com peito de algedao,
25000 e 29500. Ditas com peito do linhc
de 39000 a 69000. Ditas bordadas muito
finas de 69000 a 109000: assim como
grande sortimento de ceroulas de liuho e dt
algodao, por precis baratos, e tambem tem
completo sortimento de punhos e collarinhoi
tanto de liuho como de algodao, por precos
em conta.
CORTINADOS BORDADOS PARA CAMA 1
JANELLAS, DE 79 ATE" 259000 0 PAR
0 PavSo vende um grande sortimento dt
cortinados bordados, proprios para cama t
janellas, pelo barato preco de 79000,8ZC000,
10)5000 ate 259000, assim como : colxa*
ie dnmasco de la muito Una de 109000
129000 cada uma.
BRA-MANTES A 19800, 29000 E 29500
0 Pavao vende bramantes para lenc6es,
tendo 10 palmos de largura, sendo o dt
algodao a 19800 e 29000 a vara, e de linhc
a 29400, 29800 e 39000 a vara: e pechin
cha.
Grande pechincha a 4$000
e 5$000
CORTES DE CASEMIRA.
0 Pavao recebeu uma grande porcSo de
cortes de casimeras de cores para calcas, e
vende pelo barato preco de 49000 e 59000
cada corle, na rua da Imperatriz D. 60, loja
de Felix Pereira da Silva.
ESMERALDINA A 800 RS.
0 Pavao recebeu um bonito sortimento
das mais tk-gantes esmeraldinas com listras
de seda, sendo em cores e padroes as mais
novas que tem vindo ao mercado, proprias
para vestidos, e vende pelo baralissimo pre-
co de 800 rs. o covado, a" rua da Imperatriz
n. 60.
C Pavao queima os artigos
seguintes:
Cortes de combraia branca, transparente,
com enfeites bordados de la a 5o000.
Dit s todos brancos bordados a 12^000 e
159000.
Ditos muito ricos a 259000.
Bouitas lansiiilias para vestidos, com lis-
tras de sed8, covado a 800 rs.
Ditas ditas transparentes e de muita fan-
tasia a 500, 640 e 800rs.
Cintos de setim de todas es cores a 59000
Punhos com gollinhas de esguiao a 500 rs.
Sedinbas de cores, sendo de listras e la-
vradas, com toque de mofo a 190OO.
Ditas de dita ditas sem mofo a 19600 o
29000.
Diversas lansinhas para vestidos, de 240
ate 500 rs.
Colchas de fustao brancas para cama a
29500.
Ditas do dito de c6r a 49C00.
Cambraias brancas, abertas, para vesti-
dos, corte a 89000.
Cortes de cambraia branca com bonitos
enfeites bordados, de cor, com figurino a
6900O.
Pecas de madapolao com pequeno toque
de avaria a 4^500.
Ditas de algodaosinho muito encorpado,
com leve toque de avaria a 4$500.
g? Madapolao enfestado com 12 jardas em
perfeito estado a 3000.
Pecas de madapolSo com 20 jardas a
i5C0.
Brim pardo para roupa de homem e me-
ninos, covado a 400 rs.
Cobertas de chita para cama a 20500 e
30000.
Bramante de linho com 10 palmos de
lagura, vara a 206GO.
Atoalhado com 8 palmos de largura, vara
a 10500.
Espartilhos brancos e de cores a 40 e
50000,
Cortes de casimira a 40 e 50000.
Casa tcrrea.
'-'*
JAZIGO.
Arnazem pintado de preto
confronte aalfandega
Vende-se a retalho e a dinheiro, muito ba-
rato, para liquidar.
Fogo chinez com lindas vistas para queimar em
saias.
Caixas com 40 cartas de traques superiores.
Batatas por arroba.
Caixas ccn, latas de 5 galoes de gas Devois.
Manteiga (ranceia PLGde 1874.
Arror, cafe, cha, e mais generos de primeira ne-
cessidade, para os ricos e pobres, conto ja indica-
ram, faiendo censnra ao administradorC.
Cortes deseda
Com 21 covados, a 40$,
sem defeito algum
Cores ltodaa*da gosto apw^wfcaodo. entre
has, a edr de pk> Biamark-Lyno, azul celeste
e outras. Aproveitem, porque valem o auplo: u
Ipia da America, a rna do Caboga n. 10.
_ Alnga-se a da rua de S. Joao. defronte do poc-
tao do gaz, com 6 quartos, eozinha fora e grande
quinlal : tratar a rua de Pedro Affoose 8.
GRANADLNAS
Granadinas de seda pura, preta com listras
de cores e padroes os mais bonitos qoe tem
vindo ao mercado e que se vende pelo di-
minuto pre^o de 500 rs. o covado, por ter
um pequeno toque de mofo, e fazenda de
29000 o covado ; e pechincha. Dio e
amostras. '
Briin branco
Rrim brjnco muito fino, fazenda de
29500 a vara, que se vende por 19400 a
vara, por estar com um pequeno defeito ;
pechincha.
Melius francezes
Metins fruncezes, fazenda muito fina, pa-
droes modernos, faKcnda que jd se vendeu
por 500 rs, a 300 is. o covado ; e pechin-
cha. D8o se amostras.
Cretonesdelistrss
Cretonesde listras, fazenda acolchoada, pa-
droes muito lindos a 400 rs. o covado ; dao-
se amostras.
Madapoloes
Madapoloes com urn pequeno toque de
avaria, de 30500 a 59000 a peca ; e pe-
chincha.
CHITAS PERCALES
Chit8S percales'avariddas a 240 rs. o co-
vado; e pechincha.
SO' 0
X. SO da rua do Crespo
Loja das 3 portas
DE
(iolherme 4C.
Junto a loja da esquina
Para as noites de iSanto An-
tonio e Si Joao.
Amaral, Nabuco & C. acabam de receber com-
plete siriimcnto de sortes francc-zas e allemaes,
para brinquedo das noites de S.mt > Antonio e S.
Joao ; 6 o que se conhece de mais engra^ado o
apropriado para Lrincar-fe nessas noites.
VENDE-SE
uma casa na villa de Barreiros, na rua do Com-
iercio, por pre^o modico: a tratar com Taste
'rroaos A C_____________
Vende-se tambem a loja dc fur.ileiro, bem
afregnezada, da rua da Imperatriz n. 79 : a tratar
na mesma.
E muito barato
Cortes de gorgorao dc seda para collete?, em
perfeito estado, a 2$ : vendem Goes & Basto!, a
ma Duque de Caxias n. 88.________________
Calf ados baratos.
Loja (Id Aranks.
Botinas de pellica inglezas com salto,
para senhora 5,000
Ditas de dita, francezas, com salio a
Luiz XV, para senhora, a 3,000 e 6,000
Ditas de duraque de cor, canno alto,
a 3,000 e 0,000
Ditas de duraque preto, para se-
nhora 3,000
Ditas de duraque, gaspeadas, de ver-
niz, canno baixo, a 3,000 e 4,000
Ditas de duraque, gaspeadas, crdi-
narias 2,000
Ditas de brim branco, canno alto 4,000
Ditas de brim branco e duraque,
para meninas 2,000
Sapalos de duraqus de cor, para se-
nhora 3,000
Ditos de chigrin, idem 3,000
Botinas de cordovao, para homem 6,000
Ditas de bezerro, solla forte, ingle-
zas 8,000
Praca da Idepcndencia ns. H, 13 e 13
Algodao azul
Algodio azul americano, o que ha de melhor, a
320 rs. o covado ; aproveitem, que se esta acaban-
do. Previne se aos senhores deeugenlios.
Fustao branco
Fustao branco trancado, proprio para vestuarios
de meninos, a 320 rs. o c jvado, pechincha; apro-
veitem, que se esta acabando
VBBBASSS !OT omm
0 INEXTWGUIVEL.
Florida
Aos dignos mac/ms
Amaral, Nabuco S^C: tendo em vista a grande
e pomposa testa qne fazem os dignos macons ao
padroeiro desta respeitavel corporacio na noite de
S. Joao, participant aos mesmas Srs. macons qoe
acabam de receber insignias de diversos graos, e
vendem xto baiar Victoria, roa do Barto dtTW-
ria n. i. ', .
Salsa parrilha.
Nova remessa, excehente ouaBdade; vende?
na roa do Vigario n. 16, 1* andar.
agua
DE
HURRAY ft LAV1I.VV
Uma pura distillagfio das mais raras flo-
r rer, quasi o oddr odorifero das flores do
tropico da America, e sua fragancia 6 quas
inexhausta ainda mesmo por continuada
e/aporacSo e diflusao. N'este respeito e"
iiicomparavel a qualquer oatro perfume
qne ha de venda para :
DESMAIOS, ATAQUES NERVOSOS, DOR
DE CAREgA, DERILIDADE E
HYSTERICOS.
t um certo e ligeiro allivio. Com o bom
on, tem conservado sua influencia para
cima de vinte e cinco annos sobre todos os
perfumes, nas Indies Occidentaes, Cuba,
hfexico, America Central, e'do Sid e nos
com toda a confianoa o recommendamos
como um artigo, pelo seu aroma muito de-
hcado, riquera de odor e permanencia, nSo
Sode ser igualado. Tambem faz remover
a pellc:
ASPEREZAS, EMPOLAS,
QUEIMADURAS DO SOL,
SARDASJ E RORRULHAS.
Sendo reduzida com agaa, se torna uma
excellente. mislura para banhar a pelle,
dando um aroseado e cOr clara a complei-
5S0 nublada, sendo appScada depois dt
^ajhear, evita a irrita^ao que geralmente
occorre, assim como tambem garganteando-
se, 0 cheiro do cigarro desapparec e me-
lbora a condicae dos dentes e gengivas.
Como ha oruitas imita^oes, as quaes nSo
possuem nenhumas d'estas propriedados,
deve-se tomar cuidado e contar somente 0
0 famoso perfume e cosmetico do sul da
America, cham
AGIA FLORIDA *
DE
HURRAY ft LAWMAN. .
S* achn 6. venda em todos odrogu
perfumari as da moda.
1
L JFi
1
i


8
Jiario de PernftinbtiOO Terya feira 16 de Junto d* '1874
iJTTERATDRA.
Estado actual das priaftea da proviucin do Pernambuco.
RESP.STA AOS. QUES1TOS PROPOSTOS PELA DIRECTOR!* GERAL DO MIN1STERIO DA JUSTIQA.
(Gontinuacta.)
Este systema dc eclificfi^flo esta sendo Gbservado na construccdo da grande pe-
nitenciaria d.j Berlin (Strafgefangiu'ssbu Berlin) dostinada aos dous systemas peniteo
ciarits, aplaudidos p lo Congresso de Londres..
Para melhor compruhensSo do meu pensamento s8o annexes a este trabalho,
ama vista phot -graphic* construct na capital >\o. Imperil) Allcmao.
Sendo a mail 'iyai da Caza de Deten$io, composta de pr6sos vindos
das Comarcas do ,n: rra'serem ;qui detidos ate que sejam reclamados para
responderem a joey o q lesnezis di eonduecao, e inconveniente da demora
uos julganoeulos,. Conv.>ria muito, que em alguma. cidades do contro da
construissem pequenas prisSes ccllulares
gar das cadets em uso.
Emi vez de uma cadeia ma construida cm cada villa ou cidade, bastariao seis De-
queues detencoos em pontos miis centraes e de facil commuoicacdo com os terraos ou
comarcas visinhas.
Parecerd a prinnira vista que imp>rtaro taos prisoes em grandes quantias 5 mas
se railectirmos uiu pouco sobre as sominas que temos despendido, e que annualmente
despenderaos com cons'ruicco?s, concertos e reparos das pessimas prisoes propostas,
ainda mesmo, que custem maior somraa do que a precisa para as cadeias projectadas,
autonsadas, em via de construcgao, e em reparos nas diversas comarcas, e que nao
correspondem ao Gm para que sao creadas
Para os condemnados d penas superiores d 5 annos, "e d
processos I reos presos, jamais se conseguird dar reme-
logo :malei por molivo de, honra.
A' um individuo, preso ha poucos raezds, por tor dado uma punhahJrJa em seu ami-
go e companheiro de oflici j, e que allegava motivo de honra,\ perguntei en, em que
consislia este motivo, e a resposta foi : porque convidando-o, perante alguns amigos, d
beber um copo de vinho em uma taverna, elU regeilara 0 contrite, dizendo que ndo
provincia se
com cipaciJade para 50 individuos, em lu-
nuando a instauracdo de novas
dio a* tao clamorosa injustija.
Tlcpugna e horrorrea, que depois de dous, tres e raais annos do prisao, de mil sof-
frimentos, (ate* de degredo em Fernando) se diga d um infeliz : ide-vos ; sois innocente I
E senrto a liberdade individual um direho tao sagrado, como 0 direito de propricda-
de, ndo terd a sociedade 0 dever de indemnisar o cidadao dos prejuizos, que lhe liver cau-' era bebado !
sado uma injusta detencdo, como 0 iudemnisa pela desapropriacio da sua propriedade, Outro matou um companheiro e amigo intimo, porque em brioqaedo lhe deYa pu-
por utilidade publica? _-. blicamente uma tabicada, tendo jd 0 adverlido, de que ndo queria brinquedos, quejul-
Ouiro inconveniente do mal apontado, 6 a lmpunidade dos reos afiancados, cujo qava oflensivos d% sua honra I
numero e" bastante elevado. J
Mandando a lei, 00m toda justica, dar preferencia aos rdos presos, e sendo 0
numero destes muitosuperior ao dosjulgamentos pelo jury, a consequencia e, que ndo
sao julgados os reos aflhnsados, e os seus crimes irdo prescrevendo, e elles ficando im-1
punes. ; d()
Somente conheco um remedio : e* a creacao de Tribunaes correctionaes vermanen- i
les, compostos do tres mag.strados, A cuja a.cada pertencam todos os crimes aftan^aveis.' circam^ffi;^^
..np I*"SZ'Z^t f ^^arTt2ES!: I ^ T F-nC,p, de,d,re,l \ Erafi:n- raiseria P^l^a, hit* & tohMn e proJeccao aos presos que
T^JiSSS^'AZTJS^^ nossas pris^, aban >no em que se acbam muJs ^,cujS pais^por
a
Em seguida a estes elementos do crime vem a cmbriaguez,
em certas classes da nossa sociedade e tornando-se habitual.
NSo punindo o Codigo Criminal a embriaguez, e pelo contrario
quo se vai generalisan
consideraodo-a
& prisJo- simples o tempo da prisao preventiva, qu, excedeu 0 prazo e.tabelecido para' pobreza ou raak|^ na^ ^^^ d(J am io mais tud falta -de instruc.
forma5ao da culp*, ou que se coute de*de a data da pronunc.a. | ^0 da mu,herf ^ d, fsmilia sa0 M VJ ^ ^ ^ ^ ^ tambem
_ gale temporaria 011 por
YKia, temos 0 Presidio de 1-ernandode Noroaha, que convertido, como 6 de necessidade,
erainma. PciiKonciaria Industrial e Agricola. sob o regimen ou systema Anglo-Irlandez,
poderi rivalizar com as melhores prisoes da Eur 'pa.
a tpaballto industrial 0 agricola, que se institulr, se n3o cobrir todo o seu costeio,
aliviara muito os ofres publicos, que presentemento despenlem sommas consiiera-
veis sem nenhum proveito, nempara os infelizes alii a.nontoados, e nem para a socie-
dade.
Seal a oon4ruc*0 de uma prisao cellular n'aquelle Presidio, com capacidade para
8U0 Con k111:1.1 los, cntendo, que improficiii serd qualqucr reforma.
Nao e util 110m conveniente qua, f6ra das horas do trabalhj, e da instruc^ao profes-
sional, mjral c religiosa, se conservem os presos en commum, e na promiscuidadee li-
berdade em qm actualmente vivem.
A maior parte delles vive em cazas proprias ; alguns em companhia de suas mulhe-
res legitimas e filhos : e outros com suas barregas, levadas d'aqui quando para alii
parlio, oa mandadas buscar depois db Id chegados.
Muitos tornam-se agricultores, ou vivandeiros : outros creados dos empregados, 00
aggregados dos ncgociantes.
Ao rancho geral ou aldeia, como chamam d um grande barracSo em pateo cercado'
somente S3 rccolhom alguns desprotegidos; e que alta noito sahem & commetter attenta-
dos contra a vida e contra a proprioiade de moradores da ilha e de seus proprios cempa-
nheiros.
A guarni^iio da illia, composta de soldados desertores e de incorregiveis do nosso
exercito (gente de proposito escolliida p3ra o servi$o daquelle presidio ) de nada vale,
se antes nao serve ptra augmoutar 0 mal.
Com taos elementos imposivel e colher bons resultad^s, e s6 miserias devemos es-
perar
Estabolecida a penitenciaria devera deapparecer d'alli as mulheres, e os- vivandei-
ros uma das ciuzas productoras dos males que acabrunham aquelle Presidio.
0 regimen militar, a que desde 0 comec,) foi elle sujeito, nao produzio os effeitos
d^sejados e esjieradcs.
A experiencia tem sido mais que sufficiente para bem conhecer-se da sua inefli-
cacia.
Cumpre, pois, submcttc-lo ao regimen civil, e sujeitar os condemnados d um me-
lhor systema psnal.
Todos estes melhoramentos, que considero uecessarios'para remediar os males d'ag-
glomerjcao dos presos, nao devem ser rcalistdos sem uma autorisagao do poder leg isla-
tivo geral, sem uma aalteragao na egislagao criminal, no sentido do harmoniza-la com
0 systemi penitenciaria que for adoptado.
Como jd disse em principio, a provincia ndo tem forgas, e quando as tivesse, ndo
dove tomar a s; tao pezado encargo, embora 0 Acto addicional, conceda d seus legislado-
res, poderes para legislar sobre construgao de cazas de prisao, trabalho, correccfio e
regimem deltas.
A experiencia torn mostrado, que no regimem das prisGas, ou nos systemas peni-
iiaeiartos adop:ados por um paiz dove haver unidade de pensamento, uniformidade de
Systema ; C s6 uma lei geral p6de isto conseguir.
E' esta a i gem-se por disposiioss do poder legislativo geral, concorrendo, em alguns paizes, as
31unicipalidades, ou os departamentos com a despeza paracertos e deterramados serviQOS :
nSo legislan, porrim, sobre 0 regimen interno e nem sobre os systemas adoptados.
27
(tuantos presos existem actualmente na Caza de Detengao ? Quantos condemnado&
a prfsao simples? Quantos d gales? Quantos & morte? Quantos. prouunciados ?
Quantos indiciados ? Quantos correccionaes ?
0 movimoolo desta Caza faz oscillar 0 numero de presos 4 ella recolhidos de 320 i
330 diariamenle.
Servindo ella, como jd disse, de simples detengao ou prisao preventiva, de caza
de correccao, de penitenciaria, de deposito de presos de differeotes provincias com des-
tino ao Pre=idio de Fernando, de deposito de crirainosos do interior desta provincia,
emquanto nao sao rectamados para serem julgados, e ate" de asylo do alienados, ha
diariamente grande movimento de entradas e sahidas de presos ; e por isto, para respon-
der com exactidao d este quesito tomei por base 0 movimento do dia 30 de abril ultimo
e que com pequena differenga e 0 mesmo do dia de hoje.
Existiam 358bomens 346 mulheres 12. Condemnados d prisdo com trabalho
6,=d prisao simples 47d gales temporaria 7 gates perpetua 4d morto 3 (appel-
lados). Condemnados sem declarao,ao da pena 52. Em processo 40 : pronunciados
7_Sentenciados e appellados 46dotentos sem processo 17.
Homens sentenciados.............. 109
Ilomens pronunciados............-. 3 .
Mulheres pronunciadas.............4
Homens era processo. ,........45
Mulheres em processo.....,........1
Senteuaiados appellados.............43
Homens em prisdo preventiva ou simples detentos......26
Nos paizes raais adiantados era civilisagdo ndo se consente, que um infeliz condem-
nado A morte se conserve por muitos dias na incerteza de sua sorte. Ndo se lhe prolonga
0 martyrio moral.
Entre nos jazem annos|atrados na prisdo miseros comdemnados & morte, d espera
da decisao dos recursos interpostos.
Alguns tem aqui enlouquecido, outros morrido, e, Gnafmente, outros estdo no pre-
sidio de Fernando a espera da decisdo de sua sorte.
Nesta casa existem tres condemnados d morte. aguardando a decisdo das appella-
cdes impostas das sentencas, que & esta pena os coihfemnaram.
Da relagao junta consta os seus nomes, trtbuiiaes que os conderanaram, data* das
sentengas e das appellacdes.
Nao se julgue, pois, que carreguei as cdres do quadro, nem que sou pesimista.
Julguei necessaria toda a franqueza e lealdade neste trabalho, para que, patente- o
mal em toda a sua hediondez, se lbe- applique remedio heroico.
Quanto instruc^So des sentenciedbsj 6 ella- nulla.
Na rasa das observac^es da relacio nominal* dos condemoadbs meaciono a conduc-
ta de alguns que, ou por suas maldades, ou por bora comportamentor se tem tornado
mais notaveis.
Considero merecedores da Munificencia Imperial, pela conducte exemplarissiraa que
tem tido, dedicagdo ao traboBio, os seguintes condemnados:
AnlonioGandolfi, condemnado por fallencia dq.uatro annos e seis rnezes de prisdo
com trabalho, por sentence de juiz do commercio era 17 de ootubro de 18-70.
Manoel Joaqutm do Bomfvm, senteneiado pelo jury desta eapilal em 4 dc maic de
1867, diqaatorze annos de prisao por crime de morte.
Manoel Louren$o, escravo dos herdeiros do co7onel Henrique Pereira de Lucena,
condemnado pelo jury-desta' capital em 185S d galos perpetuas por crime de- morte.
A vid, que temlevado Da>prisao, attesta oseusincero arrependimento. Nunea
deu motive-nem d ser reprehendido I E' da*uma pacienciaj e de uma resign-aao sem li-
mites.
:
Ha algous reincidentes ?
Ol'liciatmente nada consta d esste respeix), pela razao que expua-no principio da mi-
nha resposta ao quesito anterior.
Nao posso dizer, por tanto, qpantos condemnados reincidentes- estlio aqui recolhi-
dos : posso, porem, por conhecimento proprio e por informacoes particulars, allirmar
que quasi um tereo dos presos recolhidos sdo reincidentes.
Ha presos, que contam as suas entradas- nesta casa- por dezenas.
Alguns individuos, por mim defendidos no jury de9ta capital (quando era eu estus
dante do 3." anno do curso juridico de Olinda) tem cumprido quatn> e mais sentenga-
durante a minha admiaistragao, e sempre peto mesmo crime, furto.
30.
sdo em todas as partes do raundo.
Alem das causas apontadas, concorre tambem para o augmento do* crimes nesta
cidade o grande numero de indrvrduos procedentes de quasi todas as provirjeias do Ira-
perio, 0 que, tendo cumprido sentences no Presidio de Fernando, 8qui ficara semofficio
e ni maiscompleta peaaria.
Pernambuco tera-se tornado, assirn, o recepftoulo da gente peior das outras-provincias*
Quaes as-causas prmcipaes dos crimes aessa provinoia ?
Mulheres, idem idem.
Escravos condemnados.
Ditos appellados. .
Ditos p-ohuociados.
Ditos em procasso. .
Ditos, simplas detentos,
Escravas dctilas. .
Total.
1
7
3
5
3
17
358
28
Mande uma relagao nominal dos condemnados, com declara$5o dos sexos, ida-
des, crimes, penas, juizos das condemnagSes, mora'.idade ou com portamento, (se mdo,
soffrivel, bom ouoptimo) tempo do cumprimento da sentenga, instrucc,do.
Ndo posso salisfazer completatn^nte d este quesito por falta de dados ofliciaes.
Ao sentenciado recolhido a esta Caza apenas acompanha uma ordem de prisao, em
que se declara 0 norae, lugar d'ondo vem, 0 crime, e a pena & que foi condemnado.
Em geral a forma da ordem da prisdo e, pouco mais ou menos, a seguinte :
0 Admiaistrador ou quern suas vezes fizer, recolha a essa Caza, Fulano, condemna-
do p?lo jury de tal parte, por crime de.
Raras vezes se declara a natureza e durac,do da pena.
Um grande numero entra sem declara$8o alguma.
Ha quasi treze annos que dirijo este Estabelecimento, e ndo me recordo de ter re-
cebtdo uma s6 inforraacao sobre algum condemnado, qu^r com relacdo d sua conducta
e moralidade antes do crime, quer quanto aos motivos da sua condemnado. j
Supponho mesmo, que entre n6s ndo costumam os presidentes do Jury emittir jui-
zos sobre os motivos das condemnagoes. _
Tambem ndo se segue aqui osystem usalo nas melhores prisoes, que visitei na
Europa, denominadocomptabilidade moral do presoio qua! junto um modelo.
i.' para lastimar, pelas suas tristes consequencias, a morosidade desesperadora que
se not* no andamento dos processos e julgamentos deQnitivos dos reosl
Entretanto 0 Codigo Crimipal disp5e, que 0 tempo da prisdo preventiva (0 espaco
decorrido ate" 0 julgamento definitivo) ndo seja levadq em conta ao sentenciado I
Presentecafinte, causa horror dizel-o, existem nesta Casa, & espera de julgamento de-
finitivo, de individuos, que jd passaram na prisdo 0 tempo do raaximo das penas, em
qne incorreram por seus crimes 1 _
0'ilros esperam annos e annos pelos seus julgamentos definitivos <
Para ptovar que ndo exagero citaroi um exemplo.
Juao Jcse\ escrauo de Joaquim Antonio dos Santos, preso nesta Capital e recolhido
a prisio em 24 de margo de 1855 por crime de morte (ha 19 annos) ainda nlo foi defi-
nitivamente julgado.
Bespocdeuao jury, e tendo sido 0 seu processo annuflado pelo Tribunal da Rela$ao,
ate esta data ndo se lheinstaurou outro processo.
Has chcumstancias deste, pouco mais ou menos, se acham outros, como se yeri na
relacdo junts.
1 Antes le comecu a actual sec^ao do jury desta Capital existiam, accumulados no
respectivo MTtotio, 80 processos d espera de juIgameDto. Alem destes, alguns, que por
appellacoes tinbam subido ao Tribunal da Relacio, estavam julgados no sentido de se-
rem submettidos d novo jury.
Ndo hivendo mais de seis sessdes do jury por anno,, e julgando-se em cada sessdo,
lermo medjo, oito processos; devendojmuitos red's serem novamente julgados em virtude
de protesta; por noTO jury, e em rosultado dos provimentos dos appellacoes, e conti-
As mesmas que os originam em todo 0 Imperio e que sdo.
1/ FAtTA DE INSTBOCCAQ.
Ndo se poderi seriamente contestar que ha falta de sufficiente instrucgao no povo
brasileiro.
Excepedo feita da classe mais elevada da nossa sociedade, que dispGe de certos
recursos, as- outras jazam na ignorancia.
Limitar-me-he\ & apontar para 0 quadro estatistico do movimento desta prisao no
anno passado. Delia se verd a enorme differenca entre os presos que sabam ler (e isto
mesmo mal em sua maioria) e os-que sdo analphabetos. De 2:814 presos apenas 421
sabiam ler.
2.a FALTA DE INSTRUCCAO aELIGIOSA.
0 povo brrsileiro a doptado de espirito religioso, e facilmente se deixa. dominar pela
religido.
Mas ndo torn sufficient kistruceao religiosa, porque della se nao tarn cuidado seria-
mente.
A culpa tem-na aquelles dquem compete este dever.
Os que tem obrigagdo de cuidar na educacdo religiose ou espiritual do povo nao
desempenham esta obrigac.do, como deveriam.
Os Curas d'aima (salvo raras excepQoes) cuidara de tudo, menos da instrucgdo reli-
giosa dos rebaahos, qne lhe^sdo coafiados.
Ou por pobreza de entendknento, ou por culposa negligencia deixam-nos, neste
poato, entregues a mais completa ignorancia.
Em geral os Vigaiios das freguezias do interior de nossas provincias, especialmente
dos nossos sertdes, conversam mais com suas ovelhas sobre cousas mundanas, sobre po-
litica e mais que tudo sobre elei$5es, do que sobre cousas espirituaes, sobre os verdadei-
ros principios da Religidode C hristo !
Lido, ha quasi treze annos, com presos vindos do interior desta ede outras provin-
cias, e tenho tido occasiao de estudal-os por este lado.
Horrorisa ouvil-os sobre religiao 1
Ndo se pdde descrever 0 grdo de sua ignorancia nesta materia 1
Ha preso, que estd intimamente convencido, de que trazendo ao pescoQO uma certa
oracdo milagrosa, p6de matar sem receio das penas do Inferno, e mesmo da perseguicao
da justic,a 1
Um destes me disse, que ndo tinha 0 raonor remorso de haver assassmado a rau-
lher, porque se considerava apenas, um instrumento da vinganja do Deus I
Outros declaram, que nao fizeram mais do qu obedacer a vontade do Ente Supre-
mo, manifestada por sonhos 1
Sobre 0 Santo Sacrificio da Missa, tenho ouvido d diversos presos do alto sertdo opi-
nioes as mais absurdas, e das quaes ndo ha forga tiral-os, pois^ouviram-nas repetir,
desde que comecarara a ter uso de razdo.
Acreditam, v. g. que a Missa mandada celebrar por alma de um horaem em per-
feito estado de saiide (e que elles denominamMissa de corpo presente) serd de funes-
tissimas*consequencias para elle. Si for valente tomar se-ha cobarde ; se rico, pobre ;
se feliz com a mulher a filhos, infeliz; emfim, s6 terd.desgra^as d lamentar.
E 0 mais e\ que com tal convicjdo fallam, que ate procuram juslificar estes absur-
dos, citando exernplos de pessoas, dizem elles, que ficaram desgracados, somente porque
0 Vigario da sua freguezia, inimigo politico, querendo vingar-se, celebrou uma Missa
por ellas 1
E 0 que esperar de entes taes, quando dominados por uma paixao ou desvairados
por samelbantes iddas ?
3.* OCCIOSIDADE.
A occiosidade, em qae vive uma parte da nossa populagao, tambem concorre para
a perpetfagao dos crimes, especialmente os que dizem respeito d propriedade.
Habituado 0 homem a ndo trabalhar, porque neste abencoadd paiz a natureza nao
exige grande esforco para se viver com sobriedade, logo que as paixSes delle se apos-
sam eil-o d atirar-se na carreira, que lhe parece mais facil e commoda para a satitfagao
de seus desordenados desejos ? Eil-o pelo menos, ladrdo.
4.'0 jogo.
0 vicio do jogo, que entre n6s tem tornado largas proposes, constituindo quasi
que uma profissao, e" um elemento poderoso do crime contra a propriedade.
Tem sido 0 jogo a origera da perdicdo de muitos jovens, I lhos fan ilias, de artis-
Para prewnir os crimes lutam as^autoridades-com' a auzencia de meios de acgSo i
limitam-se apenas d puuil-o?, e, para isto mesmo conseguir, necessitam veneer muitas
difficuldades.
As principaes sdo :
1.* Proteccjo dada aos criminosefs por grandes proprietaries-, que Ihes dao asylo em
suas fazendas, muitas das quaes inacessiveis d autoridade.
2.a Negligencia da maior parte dos agentes policiaes, que nao percebendo nenhama
recosnpensa por seus trabalhos entendem que devem tambem limitar os seus esforcos^
3.a Obstaculos creados peFa lei da reforma criminal, que cercando 0 cidadao de
muitas garsntias contra a prepotencia da antoridade, de alguma sorte prejudica a-sua
accdo contra os grsndes criminosos; que. nos nossos sertoes facilmente encontram pro-
tectores.
Em algumas localidades beradifficil or (senao quasi impossivel) encontrar teste-
munhas. que se animem a jurar eontra audazes criminosos, que, por ndo terem sido
presos em flagrante delieto ou dentro de um certo praso, nao 0 podem ser sendo depois
da prononcia, e por isso podem assistir d formagao da culpa, e tomar vinganca de seas
perseguidores e das teslemunlias, que contra elles depozerem.
A knpunidade os- acoroQoard, e animard a outros.
4.a A ma organisafSo e insufficiencia da forija policisl faz com qae n8o possa ella
prestar 0 necessario ausilio d autoridado na captura dos oriminosos, e muito menos na
preven^ao dos crimes.
Disseminado pelo interior da provincia em pequenos destacamerrtos, 0 que preju "
dica a discipline ; composto, em sua maioria, de homens sem as qualidades nccessaaias
e indispensaveis em um agente da seguranga publica, de pouco ou nada vale 0 Corpo
de Policia desta provincia, como elemento preventivo do crime.
A autoridade superior, encarregada de velar na mur.utenejio da ordem e de garan-
tir a seguranca individual e de propriedade, pdde considerar-se, como que abandonada
no oceano dos males quo nos oppriraem, e quasi' sem meios de salvaejto.
Sem a reforraa do actual Corpo de Policia, que deve ser composto de hamens
moralisadissimos e bem pagos : sem-autoridades artivas, intelligentes, e remuneradas ;
fmalmente, sem a creagw de uma boa policia secreta e sem outros meios de acedo, e*
injustice responsabilisar a autoridade superior pelo augmento progressivo dos crimes en-
tre n6s.
Nao se p6de conseguir os fins sem 0 emprego dos meios. Sera elementos de pre-
vencdo n3o se pdde prevenir os crimes : sem fonja publica e sem bons agentes ppliciaes
difficilimo so torna a captura e punicao dos delinquentes.
Repito, ndo sou pessimista, digo apenas 0 que sinto, e 0 qpe sentem todos, que
examindo com sangue frio e imparcialidade 0 estado desta provincia com relaQao ds
cauzas dos crimes, a fraqueza d'ac^ao da justice, e a quasi impotencia da policia en-
tre n6s.
31
Que influencia torn a pena. nos condonados ?
nosos que cumprem pena ?
Tera-se obtido correcQa dos crimi-
Nenhuma influencia moralizadora exerce 0 actual systema sobre cs presos.
Nem ao menos se recoramenda pelo lado da intunidagdo.
Posso, a vista do que tenho antsriormente expendido, dizer que,, se alguns pr&sos
se tem rccoraraeadado pela sua bda conducta, n3o tera sido isto devido aos benificos
effeitos de prisao.
Sao homens, que cahirdo no crime levados por uma allucinacao, ou por um mo-
mento de furor, e que, arrependidos sinceramente, tera tido a forca de vontade de ra-
sistirem .a tantos elementos desmoralizadores, como os que os cercam na prisdo.
Em geral, a prisao nao causa impressdo desagradavel aos que sdo della recolhidos.
Causa um certo encommodo ver 0 cynismo com que para ella caminhao os delin-
quentes I
Muitos chegao com a satisfagao e alegria de um viajante, qne entra em uma hos-
pedaria confortavel para descangar da fadigas da viagem 1
Presos ha, que dizem achar-se melhor nesta caz3 do que nas suas, pois nao preci-
zam trabalhar para comer, tem quem os trate, quando doentes, tomao banhos, conver-
sam diariamente com os amigos, e dormem d vontade !
Para a claise dos occiosos a vida 6 perfeitamente suportavel.
Infelismente tenho visto assassiaos entrarem com as vestes o rados, ainda tinctas
do sangue de suas victirnas, assoviando, zombando, e, estendendo-se na barra da prisao,
dormir tranquillamente I
Um destes, (ainda me simto empressionado ao lembrar-me) Manoel Carlos dos San-
tos, matou as seis horas da tarde do dia 22 de marco de 1850, junto ao Gymnazio
Provincial, com onze punhaladas, un a infeliz mulher com quem vivia amasiado: foi
preso emflagrante, teado as maos e 0 peito banhados de sangue.
Entrou nesta caza com ar prazenteiro e cigarro na bocca ; recolhido d cellula, pe-
dio que lhe dessem 0 que comer ; e, pouco depois, deitou-se & dormir, como se cousa
alguma lbe porturbasse 0 espirito Nem procurou lavar as mdos tinctas ate os pubos
do sangue de sua victima I
No dia seguiute, ds sete horas da manhd.-vesiteiona cellula : Ainda dormia pro-
fundaraente 1
Despertando-o, perguntei-lhe Como pode V. dormir tranquillamente, depois de
ter assassinado a mulhor com quem vivia, e que tdo extremora se mostrou quando V.
esteve aqui prSzo, ha pouco tempo ?
Rcspondeo-me, esfregando os olhos com as mdos ensanguentadas. Dormi bem,
pprque ndo tenho remorsos: matei aquella mulher, porque jd me estava aborrecenda
com seos demasiados carinhos t!
Esta tera continuou nesta caza ate 8 de maio de 1866, quando foi remettido para
Fernando. Durante a estada aqui teve pessirao comportameuto, tentando por varias
vezes sublevar os companhsiros com 0 Gm de escapar.-se. da prisdo.
0 systema de prisdo em commum perverte em vez de raoralizar. E' nestas prizSe"
tas, de commerciantes, de empregados publicos, que, allucinados por semelhante paixao que muitas vezes se premeditdo e planpejan^ gwndes^ crimes
e faltos de meios para satisfazel-a, atiram-se loucamente na carreira dos crimes.
Nesta cidade ha em abundancia casas aonde, noite e dia, se reunem estes infelizes,
dignos de commiseraQdo.
Nas ruas da cidade vagabundeiam individuos, de todas as classes da nossa sociedade,
sem que se saiba qual a sua profissdo ou meio bonesto de vida.
Trajam com elegancja, despendem diuheiro d maos cheias, vivem vida foigada e
milagrosa.
E quando algum curioso impertinente procura saber da origem de tanta felicidade
sem trabalho, deixando escapar algum mao juizo, ndo falta quem os defends, dizendo
seriamente :Fulano vive do que Iherende ojogo I .
De alguns, que vivendo na miseria, de repente se apresentara capitalistas, se diz
sem a meuor reservad a resultado do barato que elle lira no jogo.
Quer isto dizer, que ba jogo prohibido em casa de taes individuos e que de cada
partida percebem elles uma certa quantia, a que na linguagem dos jogadores,se chama
tirar barato.
Contra este cancro, cumpre que reajamos com todo 0 rigor, f)eis, que ^rdo-se ma
nifestan^o, cada vez mais graves, as consequencias deste mal.
Si persistirraos neste systema d responsabilidade serd nossa, serd da sociedade.
Vem a proposito citar as palavras de um membro importante do Congresso peni-
tenciario de Londres, que assignalando os medonhos effeitos do contagio do vicio nas
prizOes era commum, exclamou :
E' a spciedade a responsavel, em grande parte, pelos crimes que se commet-
tem ; porque e nestes lugares malditos, onde ella reune os malfeitores, que um
a. grande numero de crimes se preparam de anterado.
32.
Que influencia exerce sobce os presos 0 actual systema de prisdes ? Ndo serd pre-
ferivel extinguil-as do que conserval-as, como as temos ? Qual e a vossa opinido ? -
A transformacdo de nossas prisdes, e por conseguinte do systema em voga, e de
urgente necessidade, se quizermos salvaguardar a sociedade de um future bem pouco h-
5," Uzq d armas detezas. songeiro com relacdo a criminalidade.
0 uso d'armas defezas, e um mal entendido poadunor, de que facilmente se oei-1 ^&Q basU der e condeomar o delinquente : a civiUsacio
xa possuir 0 nosso homem do povo, que por qualquer motivo frivolo
os crimes no Brasil I
estar da sociedade exigem mais do que isto.
offendido em seus brios e em sua honra, concorrem para os crimes no orawi 1 j Como -& diss0 cumpre regeaerar 0 crimtnoso,
Desde a tenra idade se habitua 0 homem do povo, a ver trazer, e tambem a "MTiente utU & < e & eUa> e nSo como um flagello
como objecto indispensavel, ate" como enfeite, uma faca de ponta, ou pun bat, que peios { ^Q ,Qr jegisiativ0 campre vir em auxilio do executive, concedendc-dhe os meios
lwlor,d f 'peconiarlos, e as autorisagOes para a adop?ao dos melhores systemas e transformacoes
das actuaes prisdes
ornamentos e qualidade do metal indica 0 grdo de importaacia do seu possuidor
Quem anda armado ndo se considera mofino, e ate* so reputa deshonrado
moderna e 0 bem
e restituil-o 4 sociedade como um
concedendo-lhe
niofez uso, quando um malcreado ou imprudente lhe dirige um insulto, ou mesmo
simplesmente uma grosseria.
Por qualquer motivo, por qualquer pilheria se da" uma facada. >
E quando se interroga alguns destes valeutoes, autor de um assassiuato, responds.
(Continuar-se-ha.)
^**
1YP. DO DIAPIO. -RUA DU

1



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECAE7FEHJ_5FSH8B INGEST_TIME 2014-05-29T17:33:36Z PACKAGE AA00011611_17972
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES