Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17952


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-J-
fe

jr Liui-iiiiEJifl m


=5

PAMA A tiFTA.VLFtBKN OSE XI SE PAGA FOR'CB
........... 5000
. ...... i^OOO
*M........ 23,5000

Por Irea aiczes adan ta 09.
"Por seis ditos dem.
Por um anno idem.
Cada numero fcvul|o, do*Aes<4 di.
-
.
4100
n
DE JNHO DE 1681
PARA DEITRO PORA DA PliOFISCIA
Por seis raezes adiantados............
Por novo ditos idem................
Por um anuo idem................
Cada numero a valso, de das anteriores..........
1305OG
200000
270COO
0100

.

I
Pvoftxthaht he Manoel Xtgucra he Jara 4 Xtlljos
,
Os Hm. Atateda *rlose*& C
4e Parla, *1 j ow njasoj* agentes
ex.clu.tvo* Jo aaj).i)cios e pu-
blioacjs na tfraufa e'ligla-
terra
TELEiRMMAS
sw:$ mmm s: subid
KIO ,)E JANEISO, 13 de Junho, 1
hora e 35 minutos da tarde, (ttecebido
s 2 horas e 35 minutos, pelo cabo subma
rio).
O* dopnladoN du norte luniMiran
pela abollco to impoolo de expor-
laro obre o a*urar.
O goierno rcsulveii aflnnl aquies-
cer a lito Juila preleoro.
1UU DE JANEIRO, 18 de Junho, s 3
horas e 35 miuutosda tarde. (Recebido as 5
horas e 35 minutas, pelo cabo submarino).
Mo limite boje sessao na Cmara
los Uepulados.
im sessao do Senado de bonlem
o Sr*. Ji'runvinii Jone Telxelra J-
nior. 4ftono Celso de tsis Figuei-
redo o l.iir.iyeiit- Itodrigue ron-ira
apresentaram um projerfo aulorl-
sauia os bau'om a emllilrem bilbe-
H's ao portador, pagavels em moeda
corrente do palz c sob garanta em
apollce* gernes.
Uouve promocu no exercito.
tado de equilibrio ; ete equilibrio deotr.es- queri-
do entrara no turbilhao vita! ; p.em euto em li
berdade as f irgas vivas, que- a ahi possuiam no
catad) d*. t usa)*; e o naoriraentos atmicos com-
municanio-Bo gara o meio exterior inanifestam-8-'
sob os aspectos de movimento mech mico, de calor,
e' de tlectricidade. 0 calor orgnico, fcil de ve
rficar, cenhecido de todos. As correntes el-
ctricas foraui de'sc-bertas nos msculos, nos vasos
cap.liares, e em quasi todos os tecidoa vivos.
Qaando augmentara os txercicios dos orgos,
por cxeraplo, do tecido muscular nos esforcos bra-
Caea, ou do tecido nervoso nos trabalhos intelle-
ctuaes,augmenta o consumo dos mateiiaes ali-
mentares, 8saim como a qu ;ntidade de calor do
organismo) pela maior actividade das accoos cb-
micas t ffectuadas do corpo.
E, agora que estudamoso pheaomeno vital, na
breve resenha do3 seus caracteristicoa,poderemos
condensar em urna di fnicao simples a idea de
vida ?
Urna infinidade de definico-'B se tem dado ; mas
nao podemos oeeupar-aos a passal as todas em
revista.
E.iumeraremoa penas algumae.
Claudio Bernard, gostava de insistir em que a
vida a m irte, por 8ao que toJa a manifestacao
vital acompanhada de gasW e deatruieao.
' Nunca (diz elle) a mesma materia serve duas
veres. 0 gasto molecular sempre proporciona-
do intensidade das msnifestacoea vitaes. A vid.
a mor te.
Herbert Spencer d a geguinte definicao : A
vida o coutinuo accordo entre as relacoes inter-
na? e as relato s externas Perfeitainente ver
dadeira, tem o grave inconveniente de pairar as
elevadas regio js da philoaopbia abstracta, cima,
do campa dos factoa, muitoa dos quaes ficam por
ella esquecidos. Ao mesmo tempo, pelasaa gene-
ralidade vaga, pede ser a>plicada|a alguna pheuo-
in< u s da chimica minerul.
Letourn au, define a vida : um duplo mov
ment d couiposicao e de decomposico continuas
e simultaneas no se i o de substancias plasmticas
ou de elementos anatemicos figurados, qui\ sob a cante Paranagu.
Por mais tres mez:s, com o ordenado a
quo tiver direito, ao bacharel Agostinho de
Carvalho Das Lima, juiz de direit> da co
marca de Caruar, na provu.'i. de Per-
nambuco ;
Por igu>l tempo, tambora com o orde-
nado a que tiver tt*er direito, ao bacharel
Jos Vicente Taoajura Guioiaraes, juiz
municipal e de orphos do termo de Ma-
racas, na provincia da Baha.
Por igual te jipi, tambem com o ordo-
nado a quo tiver direito, ao bacharel Jos
Climaco do Espirito Santo, juiz municipal
e de orpbaos do termo de Santa Victoria
do Palmar, na provincia do Rio Grande do
Sul.
Ministerio da Guerra
Apreseutaram-se hontem na repartiyao
do ajudanta general o capitao honorario do
exercito, picador do Io regiment de ca-
valiaria, Marcolino R)^rigues da Costa, por
ter coacluido a licenja concedida, e o te-
nente honorario do exercito Francisco Go-
mes da Silveira, viudo do n:rte.
Mandou se desligar, atim de partir para
Minas-Geraes, o 2- cadete Aristteles Af-
fonss Roriz. "
Permit'io-se que o tenento reformado do
exercito Laiz Pereira de Medeiros Vas
concellos resida na provincia do Rio Gran
de do Sul.
Concedeu-s? p'rmisso para usar do dis-
tinetivo de 2- eadete ao soldado do 1* ba-
talhSo de urtilharia Jos Theophilo Caval-
1 ?Wr1fl a I"?*,4"
un
(Espacial par* o Diaria)
LONDRES, 17 de Junho.
s r. si as para o jublleu de S. n a
rainba Vielorla J comecaram em
loda luglaterra.
Telegramman do Afgbaniatan an-
nuaclam que rebentou urna aedlco
militar entre as tropaM da guarnico
de Herat. A revolta tomou grande*
prupurrCi'K e menie depolN de um
sangrento combate pande ser com-
primida
BERLIM, 18 de Junho.
O ludo de S. ii o imperador .ni
merme apreoenta ligelra melbora.
RIO DE JANEIO, 18 de Junho, s
4 horas da tarde.
O nuucio apollic<> u'enta corle
parti boje para a Europa a bordo
do paquete MATTEO URUZZO.
S. ii o Imperador recebeu boje a
viMia da comminso do parlamento
l.rasl.iio
LONDRES, 1S de Junho. ^
A ditcuss. iloi Eacmoa iull non com-
sana tendowido declarada acabada
a dci Horas, lodo* os depatadoa Ir-
landeses (Home rulerm) ablram da
sai* das A Cmara dON Communa adoplou
lodo o artigo do cobbcitioh iull desde
o artigo seis.
Agencia Havaa, lial ero Pernambnco,
18 de Junho de 1887.
ii.rta ecia desse mevimento intimo, funecionam em
conf rmidade com a aua estructura.
A melbor de todas aa defiuico'8 parece-nos tai-
vez a definisjseguinte, recentemeote apresentada
pelo profesaor de zoologia da Escola Polytechnica
de Lieboa :
Vida a troca c instante com o meio ambien-
te, de substancias cbimicamente definidas, d'onde
resultare decomp sicoea e recoiopoaicopa auccesai-
vaa dando lugar a p rmanencia, com produefao de
movimeutos particulares diversos.
(Cont7iua)
JARTE OFFICIA
1HSTRCC10 POPULAR
BIOLOGA
(Extrahido)
DA BIBLIOTHBCA DO POVO K DAS K8COLA8
A VIDA
(Cntinuagao)
A substancia viva, formada de substancias col-
loides, contendo saea, etc, etc., eatabelece un con-
tinuo movimento de troca com o meio ambiente,
recebendo d'elle urna grande parte dessea saea e
gases, que vao combinar-se com as substancias
colloidea.
As molculas de oxygenio atmoapherico pene-
trando continuamente no interior dos organismos,
oxydando Ihe aa molculas, dissociando-as e des-
aggregando-aa, eatabelece a perpeiuncao d'aqu-lle
movimento, por isso que uo fim de um tempo maior
ou menor ter deetruido a nubatancia do corpo,
produiindo assim a corrente osmtica que trai d
exterior no vos materiaes. E-tea, depoia de aof-
rerem modifieacoea cbimicas preparatoria!, ficam
em um estado tal que se identincam com a materia
do corpo vivo, e aa tu->s molculas vao tomar o
lugar das que foram destruidas.
Sabemos que, a pbyaica, aubatituindo as anas
grandiosas generaliaavot* philosophicas a pa-
favr* forca ( desprovida d realidade) pela pa-
lavra movimento, demonstrou igualmente que
todos os diversos movim pos se tranaformam una nos ontros. Aasim, naa
combinacoeae reaccoeacbimicaa iucluidas na gran-
de lei das torcas pbyieaa, produtem-se igualmen-
te transtorma^'S do mov ment atmico em equi-
valente calorfico, luminoso, elctrico etc.
Os acta mais importante! da machina anima.
aao oxydaces e combuate, Os alimentos ingeril
dos representara syatemaa de molculas en um es-
nlnisterlo do imperio
Por despacho imperial de t do crrante
mez.
Concederam-se as honras de conego :
Da cathedral da diocese do Para ao pa-
dre Manoel Raymundo Alves, vigario en-
commendado da freguezia de Santo Anto-
nio de Gurupa, da mtsma diocese e pro-
vincia :
D do Olinda ao padr<) Floriano de Quei
roz Coutinbo, vigario da freguezia de Nos-
sa Senhora Rainha dos Anjos de S. Mi-
guel de Taip, da dita diocese e provincia
da. Parabyba ;
Da cathedral da dioceso da Fortaleza,
ao padre Vicente SalaZar da Cunha, pres-
bytero da cathedral da mesma diocese.
Por decretos de 6 do corrente:
Fez se merc do foro de fidalgo caval-
leiro da casa imperi; 1 ao eDgenheiro civil
Miguel de Teive o Argollo; e de mojo fi
dalgo cjm excrcicio ao Dr. A meneo Mon-
teiro de Barros.
Fe i nomeado cavalleiro da orden de S.
Bento de Aviz o 1.- tenente da armada
Joaqui.il Pedro Alves de Barros.
Hnisterlo da fustlca
Por deeretos de 11 do corrents fo-
ram exonerados, e pedido: do cargo de
chefe de pslicia da provincia do Espirito-
Santo, o juiz de direito Francisco Rodri-
gues Sette.
Dos lugares da juiz rauuicipal e de or-
pbaos: do termo de Porto de Moz, na pro-
vincia do Para o bacharel Joao Evangelis-
ta de Souza Franco ; dos de Campo-Maior
e Una <, na do Piauby, o bacharel Anto-
nio Geraldo Teixeira ; dos de Viamao, e
Gravatahy, jia de S. Pedro do Rio Grande
do Sul, o bacharel Joao Theophilo de Mar-
sillac.
Foi removido, a pedido, do termo de S.
Antonio da Estrella para o do Rio Grande,
ambos na provincia de S. Pedro do Rio-
Grande ,do Sul, o juiz municipal e de or-
pbaos, bacharel Joao Jacimho de Men-
donca.
Foram nomeados: chefe de polica da
provincia do Espirito-Santo, o juiz de di-
reito Oidimo Agapito da Veiga Jnior.
Juiz de direito da comarca de Paracan-
juba, na provincia de Goyaz, o bacharel
Tito Livio Vieirs Dortas, juiz substituto
da 1.a vara civel da comarca da capital do
Para, o bacharel Joao Evangelista de Sou
za Fran :o.
Juizes municipaea e de orphSos: dos
termos de Campo Maior e Unio, na pro-
vincia do Piauhy, o bacharel Thomaz de
Ara Lea o ; do do Rosario do Cattete, na
de Sergipe, o bacharel Jos Cupertino Dan
tas ; do de Benevente, na do Espirito-San-
to, O bacharel Jos Horacio da Costa : do
de lguape, na de S Paulo, o bacharel Joa
quim Prado de Az-tmbuja j do de L-'g -s,
na de Sauta Calbarina, o bacharel Aotonio
Mim-rvino de Moura Soares Filho: d>a
de ViamSo e Gravatahy, oa de S, Pedro
do Rio Grande do Sul, o bacharel Manoel
Coelho dos leio ; do Catalio, na de Goya '.,
o bacharel Severo Conjalves Pires : do d
8anta Luzia, ua mesma provincia, o ba-
charel L-antro Paulo Antiguo.
Por portaras de 3 do .mrrent :
Concederam-se tres mezes de li:enra,
para tratar da laude, ao juiz municipal e
de orpbaos do termo da Floresta, n pro-
vincia de Pernambuco, bacharel Jos Mau
ri io Borges Jnior, com o ordenado a
que tiver direito, na forma do art. 2.-, |
I.- do deereto n. 6857 de 9 de Marco do
1878.
Foi transferido para a companhia de in-
fautaria do Espirito-Santo o particular do
10 de infantaria Jos Avelino Freir Ga-
meiro.
Foi nomeado o 1* tenente de artilharia
Fran isco de Paula Borg-ts Fortes para
exercer interinamente as funcco.'S de al-
dante do corpo de alumnos desta escola,
durante o impedimento do respectivo aju-
dante, tenente do corpo de estado-maior de
2a classe Francisco Vctor da Fcnsesa e
Silva.
Por decreto de 11 concedeu-se troca de
corpos entre si aos capitaes Gelazio Ser-
vulo Alves de Araujo e Jereuiias de Souza
Carij, este da 4a companhia do 5 bata-
lhao de infantaria e aque'le da 6a compa
nhia do 9 batalbo de mesma arma.
Foi transferido da ti-' companhia do 4o
batalhao de infantaria para a 6a compa-
nhia do 15 da mesma arma, o capitao
H>rtencio Fortunato dos Santos.
Teve demissSo do servigo do exercito o
alferes do 20 batalhao de infantaria Joao
Jos de Brito.
Mandou-se reverter Ia classe do exer-
cito o 2* tenente aggregado arma de ar-
tilhari Adriano Severiano de Miranda,
visto lia ver sido, em inspe .c3o de s: udc,
julgado prompto para o servico do mesmo
exercito.
Foi nomeado para exercer o lugar de
quartel-mestre do Asylo de Invlidos da Pa-
tria o alferes honorario do exercito Firmi-
ii3 de Souza Pinto Barreto.
Governo da Provincia
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DA 17 DK
JUNHO DE 1887
Vigario Augusto Franklin Moreira da
Silva.Remettido ao Sr. inspector do The-
souro Provincial, para attender ao pedido,
nos termos da sus iuformajSo de 27 de
Maio ultimo, n. 641.
Coronel Augusto Ootaviano de Souza.
Informe o Sr. inspector do Thesouro Pro-
vincial.
Bacharel Caetano Maria de Faria Ne-
ves. Id;m.
Fielden Brothers.Deferido com o of-
fcio desta data ao Thesouro Provincial.
Francisco Salles do Nascimento. -Infor-
ma o Sr. inspector da Thesouraria de Fa-
zenda.
Bacharel Feliciano do Reg Barros Arau
jo.Iuforme o Sr. Dr. juiz de direito da
comarca do ('.'abo.
Genuino da Costa Borba. Passe porta-
ra concedendo a licenca pedida.
Isabel Francisca Monteiro de Quintal
Barros. Sim, mediante recibo.
Joaqun Marinho Barges. Providen-
ciado, em vista da informaySo do juiz.
Joaquim Verissimo do Reg Barros e
Jo2o N- pomuceno da Silva. Informe o
Sr. inspector do Thesouro Provincial.
Jos Guedes da Rocha Moreira.Pas-
se portara concedendo a lietnsa reque
rida.
Bachareis Jos Francisco de Farias Sal-
les e Joaquim Rnxo Lima. Deferido com
o officio desta data a Thesouraria de Fa
zenda.
Miguel Ribeiro Pavao.Aguarde a con
ces8n do crdito solicitado pela Thcsoura
ria de F-z>-niia.
B-charel Paulo de Amorm Salgado.
Requeira ao oollector competanle, nos ter-
mos do *rt. 4 e seas parsgrapbos, do d-
ereto b. 9.602 de 12 de Junho de 1886.
R.y.nundo B rnar'o L*Serre. Sejam
entregu-s, mediante recibo.
Secretaria d* Preaidenoia de Pernara-
bu.K), 18 de Junho de 1887.
O porteiro,
F. Chacn.
2* aeecio. Palacio da Presidencia de Pernam
buco, em 17 de Junbo de 1887.0 presidente da
provincia, oa cant*rmdadv do art. 2*da lei n.
1900, de 4 do corrente mee, reeolve npprim'r do
corpo de polica os poitoa de capito-cirurgiio e
teueute-eirurgio, ficaudo eztinctoa eaaes lugares
e creado um w-rvico medico policial na capital
par o qual determina que se observe o seguiste :
Keguiameuto
Art. 1." O servico medico policial do Recite
dente da provincia sobre proposta do chofe de p li
cia.
Art. 2.* Sem embargo de haver mdicos da po-
lica, podero aa autoridades chamar outroa qm .-
quer, para o servifo medico-I gal, de conformida
de e no o que disp^m os arts 135 do Cdigo do
Piocesso, 258 e 259 do Regulum nij u. 120, de
31 de Janeiro de 1842.
Art. 3.o Incumbe aos mdicos da polica :
i Acudir a todos os chamados das autorida-
des paliciaes ou judiciariaa do termo da capital, a
qualquer hora do da ou da noite, pira o servico
medico policial.
2.' Examinar oa ^ff.-ndidos ou os cadveres
que Ihcs iorem apreaentados pelas d tas autori-
dades, e descrever, com tolas as auas circums-
tanciae, quanto nellca observarem, afim de ser la-
vrado o auto de corpo d; deiieto, vistoria e exime
cadaveiico, com ua formalidades da lei.
3. Ministrar oa primearos soecorros aos fu
ridos aujeitos a seu exam:-.
4.a Examinar quaesquer substancias solidas
ou liquidas, que pelas mesmas autoridades lb.s f>
rem mandadas apresentar, para verificarem si sao
toxicas ou nao.
5 Fazer oa exaicea occasionados pea exhu-
maclo de cadveres, nos qua s se teuba d) veri-
ficar a causa immediata ai morte.
t.0 Inspeccionar ob individuos que pretende-
rem se alistar com pracaa na guarda civica, car-
p de polica e coupanhia de bembeiros que tem
de ser creada, bem como nos casos de reengajamen-
to das mesma3 pracas, liceny i e baixa do aervico
per motivo de molestia.
I 7.* Comparecer alternadamente, um cm cada
dia, uo quartel de polica, para verificar sealgu
ma pra?a deve ter guia para recolhimeuto ao hos-
pital cm que sai tratadas e maia exames reclama-
dos.
8" Auxiliar uo que depender de sua piofis-
sao, s autoridades policiaes pira o d tcobrimeiito
doacrimes.
Art. 4." Cada um dos mdicos da polica ter
a gratificaca de 1:5 0 annuaes, qu.) ser paga
monsalmente, mediante attestado passaao pelo
chefe de pihcia.
Art. 5. Os mdicos da polica, nos impedimen-
tos, que nao excedam a 15 das, dara> substituto,
de approvacao do chefe de polica, o sendo hceu
ciadoa perderao a gratificacia, que, uesse caco,
competir ao3 interinamente n lineados pelo prcai-
deute da provincia sobre propoata do Dr. chele de
polica.
Art. 6. No caao de requisifai das autoridades
policiaca, corrers a expensas dos mdicos da po-
lica as despezas de transporte a que der lugar a
mesma requiaicao.
>, parm, a aua presenc* for '. t- nuinade. a re
quermento da parte, a eata peitencer a obriga-
ca i de dar-Ibes transporte e do Ba'iatiaer todas as
domis despezas.
Pedro Vicente de Ateved.
2.a s-cea > Palacio da Presidencia de Peroam-
buco, em 17 de Junho de 18i7O presidente da
provincia, nos termos do Keguiameuto desta data
que creou o arviei medico policial desta capital,
resolte nomear para preeucber easea lugsrea oa
Drs. Joa Joaquim de Souza e Belehior da Gama
Lobo, com todaa aa obrigacocs e vantagens do
mesmo regulamento.Pedro Vicente de Atevedo.
Repartlco da Polica
2* seccao. N 547 -Secretaria de Po-
lieia de Pernarabuco, 18 de Junho de 1887.
Illm. e Exm. Sr. -Participa a V. Exc.
que) toram hontein recolhidos Casa de
Detenc&o os sguint'.s individuos :
A' ordem do subdelega lo da freguezia de
Santo Antonio, Antonio Francisco da Sil-
va, Manoel dos Re< Sant'Auna, Paulino
Victoriano da Silva, Vicente Ferreira Geae-
rco e Iguacia Maria da Conceigao, por
embriaguez e disturbios.
A' ordem do do I- d9tricto da freguj
zia de S. Jos, G.nerino Alves Rodrigues
e Antonio Marinho Cordeiro, por distur
bios.
A' ordem do do 2- districto, Margarida
Maria da ConeeigSo, por disturbios.
Participou me o delegado do torma de
Nazareth, em of -io datado de 16 do cor-
rente, que no dia 6, tambem deste mez,
foi preso requisijao do Dr. juiz de di-
reito da comarca de Lambe, o individuo
de nome Jos Mauricio, pronunciado no
art. 269 do cdigo criminal.
O subdelegado do 2- disti icto da fregue-
zia da Graa, communicou me ter em data
de hontem feito reraessa ao Dr. juiz de di
reito do 4- districto criminal, do inquerito
policial procedido contra Antonio Jos do
Espirito Santo, por crime de ferimentos na
pessoa de Galdino Nicomedes da Cunha.
Participuu-me o subdel-gnle do l' dis-
tricto de Gravat, ter no dia 15 do cor-
rente prendido o individuo da nome ma-
noel Francisco Dias, por estrr pronuncia-
do no termo de Taquaretinga, por crime
de furto de cavallos.
Communicou-me o subdelegado do 1
districto da Boa-Vista, ter nesta data feito
remessa ao Dr. juiz do direito do 4' dia
tricto criminal, dos inqueritos policiaes pro
cedidos contra Joao Baptiata Aotuoes do
Mello, preso em flagrante, na ocoaoiao que
tentbra furtar um s.cc.o com 31 1(2 kilos
de fumo da fabrica Apollo, e Jjaquim An
tonio de Araujo, por crime de ferimentos
na pessoa de Ermelinda Maria da Concei-
yao.
Deus guarde a V ExcIllm. e Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azovedo, multo
digno presidente da provincia. -O chefe
de polica, Antonio Domingos Pinto.
Em 6 do corrente ooncedcu 89 licenca : aera tena por dona mdicos nomeadoB pedo pres-
lAlliJ Dt. gthj|Aj|PCO
RECIFc, iy L)E JJNHO 187
Parabens agrie Itura
H intem a 9 hjraa e 3i minutos da tarde tive-
mos p r coaunuuicaco telegraphica a segainte
imp rtaatusima uoticia :
i t9u d'patadoe do Norte intiitiram pela aboii-
<.ao dt tnpoito de exportacao sobre o assucar
m O go vento resoloeu afinal acquieicer a tojutt*
prelmco
E'' medida, que se noa annuucia, que uo noB enga
namoB em aasurar, que, urna ve* realisada ba d.
exercer Bobru toda a vaatiaaima regio do Imperio
e especialmente na do Norte, a maia subida e Ba-
tatar influencia na industria do cultivo da canoa
do assucar.
Foram finalmente attendidas, aeno todas, ama
grande parte das aapiracjs da lavoura do nort-,
foram finalmente cordados do mais completo erito
os ingentes esforc>3 da AssDciar;ao Commereial
Beneficente, da Associ.i;.i) Commercial Agrcola,
e da Socelade Auxliadjra da Agricultura, Ee
condados pela cooperacao da mprensa.
Parabena agricultura.
Tinhamoa razao, quando, apreciandi o treiho do
Relatorio do Ministerio da Faienda, que se re-
fera ao imposto sobre o assucar, e denunciaud) os
motivos em que o govenu se baseava para nao
supprimir esse imposto, dissaraos :
Nao de 7em apezar dista desanimar es nossos
agricultores, pois ao certa, que mediante a iuter-
ven^ao do goveruo podiam faeilmeute conseguir
ao menos a dimnuica do imposto, ui deixa de
8er exacto, que a este respeito quem pronuncia a
ultima palavra a repreaeutaco nacional.
Em quanto o corpo legislativo nao decidir a
preteocao dos agricultores, parece nos que milito
ha amia a esperar do patriotismo dos nossos re-
pieeentantes, cujos esforc n s.'rao cirtamsnte cm-
pregados na onsecucao deate desidertum, que
exprime urna das maia urgentes necesaidadea da
lavoura do norte.
Aguardemos os factos.
E oa factos viera agjra confirmar, que a euei-
gia e patriotismo pe:o b;m publico continuara a
animar e dominar as vitsas da nosaa representado
nacional.
Os deputados do norte acabam cortamente de
impor-se admiracao e applauaos do paz, alean-
cando dn govrno o recoahecm'uto dajustca, que
fundamenta a pretenyao da lavoura.
D-'Ve ter sido preponderaute ua realisayao de
tao benfica rsoluca a insist nsa da deputaco
de Pernambuco, a provincia, que nesta queaao
trabalhou e camiohou sempre na vanguarda de
tedas as outras, como o seu mais pujante arauto.
Resta anda multa conquista a fazer nesse ter
reno afim de serem completas as medidas, que silo
necesarias ao eugr.indeeimeu'o e prosperidade da
industria aercola e eapecialm nte Ja lavoora da
cauna.
Sirva-nos o triumpho agora a'cancado di aui-
rai9io ao trabalho para anda esm maia perse-
veaii, a e atlinc cogitarmoa da realiaa^o de tedas
as aspirares partieularea noaaa industria.
Do patriotismo da representacao e governo na-
conaea nao podemos duvidar, os factoa o demons-
trara.
0 Diario de Pernambuco continuar a cumprir
0 seu dever e mantem a esperaneja de, orno hoja
repetir anda com o enthusiasmo e satisfacao, que
inspira a r.alisaco d toda ideia grande e ge"
neresa pela qual se luta e batalha-se, as eeguintes
palavras :
Perabens agricultura.
noticias do Mu
Pelo paquete inglez Mtndego recebemos hontem
as noticias ahaixo, alera daa offieiaes, que publica-
mos ni seccao competente, e da carta do uoaso
eorrespoodeote da corte, inserta sob a rubrica
Interior.
Pai ifi en e Blo da l'ral a
Folhaa de Bucaoa-Ayres e Moatevilo at 3 c 4
de Junho :
No da 1 abrise, com a aolemmdade do costu-
me, o cougrea30 nacional do Chile.
Segundo a meuaagem do presdeute da repbli-
ca, aa rendaa or linarias produziram em I896 a
quantia de 38.116,07045 pesos; as despezas no
mesmo anno impertaram em 34.098,37^,39 pesos,
do que resultou o saldo de 3.017,6il.6t peses.
Em 31 de Dczembro de 1886 existaos em cofre
11.453,654 pesos; em 30 de Abril do corrente
anno su io a 12.274,537 pesos o saldo existente
em caixa. eduzndo-se desta importancia a
somraa de depositas pertencentes a terceiro e
2.000,OJ pesos correspondentes a 200.000 lib.ab
recebidas por autecpaco, restoa um saldo nao in-
ferior a 8.000,000 pesoB.
Na mesma data de 30 de Abril, a divida iuterna
do Chile importava era 48 890,066,39 pesos, e a
externa em 34.601,260pesos ouro.
O comraercio de imp rtacao e exportaco^ que
em 1885 importou era 91.357,256 pesos, elevou em
1886 a 95.22tf,156 pesos. Nesse anno foi a ex-
portagao de 51.239,149 pesos e a importacao de
43.980,007, excedendo aquella a cata 7.250,142
pesoa.
Aa rendaa do exercicio de 1883 foram oreadas
em 36 OOJ.000 pesos e as de8peza8 em..........
32,529.736,83 pesos.
Exiatem uo Chile 862 escolas publicas com 123J
preceptores, 78,810 alumnos matriculados e urna
frequenca media de 47,780 alumnos. Tambera
exiatem 532 escolas partieularea com 750 precepto
re prximamente e 27.860 alumnos matriculados
e urna frequeucia calculada de 20.000, de modo
que o numero total de eacolas chega a 1.610 com
1 982 preceptores, 196.670 alumnos matriculados
e uuia frequenca media de 67.780.
Anuunciava-se urna nterpellaco, no conzresso
argnntmo, aoerc* daa oceurreacaa dadaa em Tu-
cuman. onde foram encarceradus os jorua'istas da
oppoBico, por terem reproduzidj o artigo de um
paaquim que ae publioa em Cardobi, muito inju
rioao para o governador e os miniatroa da provin
cia do Tucaman.
A varila e a diphtheria coulinuavam a tazer
eatragos em Buenos Ayrea.
Cambacerca cedeu aoa eatabelecimentoa de ben
ficencia os vencimentoa que Iba competiam com
presidente do nanea.
A' assemblea geral da Repblica Oriental do
Uiuguay euviou o poderexecutivo uaa mensagem
pediuiio HUtonaacao para negociar um empreatimo
de 20.001,000 de pe=o, mouda nacional, destina
do ao reognie u convereo da divida interna con
solidada de 1886 de 1 e 2' aeriea, deatinando-ae
a obras de utmdade publica oa a obj'Ctos repro-
duenvjs o aatdo reauuaut- da uperaca .
emoreatimo era a 7 >/., sendo 6 / dejaros e
1 /. de amurnaacaa accumulativa, segundo a pro-
poata apreaeutada pelo banco ingle do Rio da
i'rata, era seu nome e no de um ayndicato de Lou-
"rs. ...
_ O Jornal do Commerao da corte publicou oa
a-guiuie> t- legrammaa :
Buenos-Ayreo, 6 Je Jnnbo.
.O jorual d opposice, til Centor, em um artigo
atTbre a poltica exterior do Brasil, manifestare
ce ios de qu- a regeucia da princex imperial D.
Isabel s^ja urna causa de difiieuldadea entre o
Braad e a Repblica Argentina.
Eata opiuiu singular nj aobou eobo em ne-
nhnm outro diario.
Buenos-Ayre, 7 de Junho.
A rounieipahdade da capital resolveu emittir
um empreatimo nacional de 85 miinoes de pesoa,
para acabar os grandes trabalbos necessarios i
aalubridade publici. A impreoaa m-stra-sege-
ralra^utc favorivel a este decUao.
Buenos Ayr.s, 8 de Junho :
Acaba de ser firmada em Loadres urna compa-'
nhia que tem por fim eatabelece urna linha frrea
no territ .rio daa Miascs.
Pi-rniticus viudas deste lugar, sabe-s;1 que
reina entre 18 comsiissfirs argentinos e braz lei-
ro o maia completo accordo, gizan 'o todos W 1
eaule.
Buenos-Ayro, 9 de Junho :
O general D. Julio A. Ro.-a, ex-presideote da
republc", apresenta se canlidatonas prximas
eleicoes sen.t riuts.
Montevideo, 10 de Juulio :
O overno urugayu decidi qu" a Repblica
Oriental fo-se offieiaimentc representada na Ex-
posicao U liveraal de Pars, em 1839.
A abertura dos crditos neceasaiios para este
fim ser brevemeute pedida s cmaras.
Baenos-Ayres, 10 de Juuho :
Consta qu; o governo decidi augmen'ar a es
quadra, consagrando cada anno uvultada quantia
acquiscao e coutruccao do novos vasos de
guerra.
Montevideo, 11 de Junh*^
A subscripco ab rta para fornecei ao novo
corpo de bombe'ros o material n-eessario foi
proaiptameute coberta. Va; ser enommendaie o
material
Buen os-Ayrea, 11 de Junho:
II n'em ao meio dia um bando de ndvidu:s
desconh cdos ni lo.ildale a'acou, em Baha
Slanca, a succursal do Bsaco Nacional. For&m
repellidcs p los empregados, havenlo diversos fe
ridos.
A luha telegraphica submarina va Galv s
ton acha-se interrompida
Hio l.raiidc du Mal
Datas at 7 de Junbo:
0 -Sr. Otto vi,n Bergan, arrendatirio de u:na
chcara do Dr. Miguel Barcellos, na Cost 1, de
Pelotas, foi na noite de 29, em aua pr. pia resi-
dencia, assaltado por tres ba .ddos, que lhe des-
carregaram dvtrsos tr-s, um d a quaes produzio
fermento grave.
Oa malfciteres nao for.,111 c-nhecidos e o atten-
tado attribuido idea de roubo
Na tarde de 26, diz o Diario, o Sr. Jac io
R.'t'uff, 6ubdito portuguez c empreado no lan-
chao da mi'sa de rendas, foi cm urna canoa mar-
gtm .rieutal pira all r.eeb'r tr.s trabalhidores
que i.im empregar-se ua xarqueada do Sr. Z feri-
no Moura, e dep as o'e embarcarem, :.o largar a
canoa, esta'virou-se perecendo Jacob/: os trea pas
aageiros.
No dTa seguinte foram couduzdos o^ cadavtjs
dessea uU-lizes para a villa de Artigas sepulta 1-
do-se t: s no cemterio daquella villa e o de Jacob
t i transportado pi.-a JaguarSo.
N da 28. s 8 horas da noi., a bord 1 do
vapor Mirim, surto uo porto de Peloras, estavam
os cabos de esquadra Custodio Jos Vieira itama-
Ibo e Lnure.ieo Jos o'ardosc, ambos pertencentes
a nma forfa do 17" batahao d-1 infantaria qu-' de
Jaguarao segua para o Uo Gr.ude.
Ou por altercar'} de palavras ou pir simples
brincadeira, ac mtcseu que o caoo Cirdoao dea
um empurrao em Ramnlho e este cabio ao rio S.
Gonzalo, de onde nao foi possivel tiral-ocm
vida.
O cadver apparecen houtem e sendo recolhido
ao necroterio, foi sepultado no ceiniterio piblic,
depos das formalidades legaes.
Na villa de Santa Cruz, 110 dia 14 do passa-
do, foi preso eui t igrante deiieto de tentativa de
estupro em una a 15 de nome Marcolna Wach-
ter e le morti as p'jsoia do capitao Vasco Af
fonso de Audrade Nev e Ghristovo Z m, o in-
dividuo de uome Joao Raymuudo le Oiiveira, que
coas.-guio evadir-sc do poder da praca policial
que o couduzii para 3 quartel da secei.
__A alf.iudega da cidade do Rio Qrundc renleu
no mez nudo 172:792*199.
Em igual mez o auno passado l78:Sl>ri >>.
aun 18 ag^ra 6:076/1787.
A mesa de rendaa arrecadou 34:002871, mais
agora 14:005*381.
Apreseutou-ae ao trbuual da relafao, afim
de defeuier-ae do proceaso de reapou3"bilidade
que Ihe f i instaurado, o Dr. Melchiades Garca,
ex juiz muuicipal de Santa Victoria do Palmar.
Diz o Echo do bul que a varila eat fazen-
do mutas victimas era Jaguarao.
Era Alercte falleceu no dia 14, em casa do
Sr. Antonio Nuues Auhaia, moraor no 2o distri-
cto, um individuo Je nome Joa dos Santos Mar-
tns, completamente deaconheciis aa localidada.
Em -eu poder foram encontrados papis que
provavam sei elle o chefe de urna quadrilha de
bandidos que assolava o munipio de S. Burja.
A alfandega da capital rendeu no mes fiudo
219:3385016. *$ -S
rlleceram era Camaquam D. Auna Pinto do
Figueircdo, em Pelotaa D. Francisca Martiu.z Fa-
bres, em Santa Maria da Bocea do Monte, Felippe
Siderauer na idade de 90 annas, um dos priraeiroa
imraigrantea allemiica e chffe de grande e respei-
tada familia ; em S. Leopoldo D. Bertha Rudel
esposa do Dr. Rutel, e as Pedras Brancas cou-
taado mais de 7(J aonos, o capitao Polycarao Joa
Vlachado, que preatou bou3 ser vicos na revclucSo
da provincia, e d-ixiu 33 filhos todos vivos, tendo
o ultimo 6 mees de idade.
K:inl 1 Camarina
Datas at 4 de Junho :
Do S. Beuto escreveram Folha Livrt o
seguinte:
. Na dia 2 do corrente, nesta villa, um pobre
hornera dinamarquez, levado talvez por algum
desgasto, quiz por termo sua existencia, a rvin-
do-ee para ise > de um pequeo machad, com c
qual aeparou do braco a iniio esquerda com diver-
sos golpea. .
Foi eucoutiado no lugar qae procurava suici-
dar-se, bauhado em eangue e completamente em-
briagado, teudo junto a si o machado e urna gar-
rafa.
A autoridade policial ompareceu ao lugar e
procedeu ao competente corpo de deiieto, mandaudo
conduzr o infeliz para o barraco da colonia, onde
f ,1 feta a amputaco do braco. O estado do do-
eute grave.
_ Ni -m do Araquary pardeu-se o hiate
Gl ria. eui couaequencia do ultimo temporal.
N> bouve perda de vida.
No Lyceu de Ai tea e Oficios da capital ina-
tricularam-aa de Janeiro a Abril 59 alumaoa,
sendo 45 Jo sexo mascoliuo e 11 do feunnino.
Falleceram : na capital, Ara Ferreira Ra-
mos e D. L.ura Emilia Nunea do Maro e, em
Joinville, na idade de 81 annos, o a'lemo JoJo
Beck.
Paran
Dats at 1 de Junho :
O Detenove de Uezembw de I do corrente re-
fero o s^guiut :
. D ..niu-o 29 Jo passado, ua cata de Francisco
L .mo-rdo, 0.1 Uo >e S Fraueiae., me se acha-
vam, travaram a de razoes, e d*hi a vas de facte
js idivilung Amonio Maria e Frauciuco Naceira,
doque. resu'toUB.hir aqu lie Kr*vm uto fendo,
receb nde ua cabeca divors s golpe de nlha-
. Reeorrende a diversas pharraacias aoa de
sr peuad.), noohum dos Sra pharmaceUUSOB
animou se a isao attendendo gravidale dos feri-
meutoa, que recatnavara a presenc* de um m-
IC.A88mdBenganado,dirigio-8la Sr brigaduro,
delgado d- soKeia, pediud. Ihe qu a vial do ca-
lad era que se aehav.., h .uve.s a tomar provi-
dencia, relatando por essa oocaaio tudo quan
ae havia paoB*do. __j._
. Esta autoridade responder qus nada poaia
f aer por nao tor medico a aua disposicao, que
afsmi I-


-
Diario de fernambncoDomingo 19 de Junho de 1887
V
portanto, se fosee medicar e voltssse no da se-
guate para fszer-se o respectivo corpo de de-
licto.
Em to aflictiva ntaacao,.e quasi a esvair-se
em sangue que jorra, tentou ainda recorrer ao
Sr. subdelegado de polica, o que efectivamente
fea cem o mesmo insuccesBO, e e pobre offendido
teria perecido ee nio fosse socorrido pelo Dr.
Jcs Gomes do Amaral, que cem todo o desvelo o
Siedieou.
Eis mais ou menos o histrico de que se
pasflou e nos foi narrado por pessoa intereesada.
__Fallecen em Guarrapuava o coUector Candi
3o Marques de Azevedo Porto.
wymm
Temos jornaes at 2i do pateado.
O chefe de polica, qoe tinha ido Meia Ponte
yndicar das violencias e atrocidades1 commetf idas
na lavra do Abbade, voltea a capital, constando
que foram prenunciados como mandantes do eri-
ales alli commettidos o major Jayme e seus filbos
Joo, Sizenando e Frederieo e o Sr. Rubem Perei-
ra da Silva; sendo remettides ao tribunal da
relacio os documentos que provan. a compartid
paco do Dr. Luiz Jayme, jai de direito interino,
aaquelles crimes.
Falleceu na capital Jos Jacintho rialbo.
Mlnat .rrae*
Datas at il de Junho -
A cmara municipal de 8. Jco d'EI-Rei
deliberou mandar tirar o retirar o do Dr. Se-
veriano Reiende, deputado e pieaidente da as-
iembla,em attencio aos muitos servicoB por elle
-restados ao municipio.
Fallecer no Bomfim o vigario Fracisco Noguei-
'a Penido.
tt. Paulo
Ditas at 11 de Junho :
O Sr. Jos de Campos Salles, fazeuieiro no
annicipio d Campias, reuni os seu6 escravos,
em numero supe ior a SO, e prcmetteu dar Ibes a
herdade sob a clausula de Ihc prestaren servicos
t>or mais quatre annos.-
O Sr. Jos Antonio Martius Laacazas, faspndei
ro no municipio de Campias, libertou todos os
3eue escravos, que erarr 50, eom a condic&o de o
:ervirem ainda quatro annos.
O capitio Jos de Vaseonsellos Bitteneourt,
fazendeiro em Casi Branca, rejeitou do eommen-
dador Antonio Jos Correia 70:0005 pela sua eatra
de caf de.te aono.
No Amparo o importante fazendeiro Francis-
co de Paula Camargo coneedeu liberdade a b'3 es-
lavos com a condico de o servirem por espaco
e annoa.
Aqueile cdado comprometteu-se a p*gar a
i* ia um dos libertando desde o dia 3 de Maio de
1888, 1000 mensaes aos hotnena e s mulheres
5/0O0.
No dia 7 na capital fizeiam grve os mar-
triantes, unindo-se a elles os tripeiros.
O administrador do matadouro, vendo a gran
de revolta plae jada requereu o auxilio da torca
subliea ao r. ebefe de polica, que compareceu
logo cem 30 pracas e dirigndo se aos reclamantes
pssiJmtnte conseguj acalmal-os.
Com as providencias tomadas em tavor dos gre-
?8tas por aquella aut ridsde, tiles tomaram nova-
aiente os seus trabalhos sem continuarem a recia-
arar.
No kilmetro 171 da via-ferreaMegyana, entre
as estacocs do Atterradioho a da Lage, no dia 8, o
aaebinista di> tr>-m de cargas que sahira s 7 ho-
ras da manhii de Casa Branca, debrucaudo-se da
janella da locomotiva para examinar o braco da
machina, cabio de cabeca pura baixo, ficando gra-
vemente feido.
O trem parou logo, e voltou para Casa Branca,
cenduzindo inteiiz, cujj estado muito melin
droso.
Lemos no Diario de Sorocaba :
O Sr. tentte Beato Joc Ribeiro, importan-
te fazendeiro deste municipio, foi no dia 3 do eor-
reute victima de um terrivel desastre, que se deu
coin as seguintes circumstancias :
Indo elle a urna rocada examinar o servieo
iccnteceu o cava!lo que montava eapantar-s e
desebedeeer ao fruo, atirando-o sbreos galh s
ae umn perobeira cortada de fresco.
Um galbo de m- deira do doze centimetres de
comprimento e vinte tete milmetrcs de groseur-.
oenetrou na sutura fronte masillar iutere6sando
es mcsDios ossos e o etbmoid, desviando o olho
esquerdodo dentro para fora.e penetrando tarnbi m
aa cavidade craneana, Dan deixaudo quusi ponto
algum em qus se r.udesse peai cem o ferro, efle
ecendo por isso grande difficuldade e r.sistencia
oera a suaextracec.
Um camarada que se acbava na rccasiac, pc-
gouoom os dentcs urna pequea lusca de madura
que ficra de fra e puxando-a foitemtnte cort u
se pela resistencia que apresentava, em vista da
prcfundilade em que se aehava.
O t)t. Ignacio P' reir d Retha, que foi a toda
a pressa chamado para prestar os seccorros eirur-
gicos ao cff' uiido, cciiseguio com : astante diffi
luldade.xtrahir tqu.lle immengo cstiepe, servin-
do te psra isso de urna p oca do dentista, vis'o
semo outros 'nstrumiutes cr.m impotentes. Au
liliou-o o Dr. Paulo Bourreul, medico assisteute
lo euKimo.
O olho foi rednzido ao lugar, tendo havido
'Strangulacao dos msculos interno?, sendo o deen
le subujettido a um trutamento completamente an-
tisptico.
Diz o Sr. Dr. Pereir da Rocha que o seu es-
tedo gravisjiio, sendo de t. mer-se urna menin-
2 i-encephalite.
__ Appareceu em Campo Largo, villa vislnha do
Sorccaba, a varila.
__FallfC^u tm Sorocaba o fazendeiro capitao
Btnto Jos Bibeiro.
__ O Jornal do Commercio da corte publieou os
aeguintes lelegramniao :
S. Paulo, 10 Je Juuho :
Respondo ao seu U-legramma.
Nao ttm fundamento algum o boato de ter ba-
tido em quaiquer ponto des.a provincia insurrei-
<;? o de escravo.
Sant s, 0 do Juuho :
Os boatos sobre a sublevado do escravos fm
'.HOipiuas sao muito contiadietnos.
As ni ssa ntormacoefl nao permit'cm at agora
cenfirrear as noticias quercteberum algumas casas
toremereiaes.
8. Paulo, 10 de Jm.ho :
O boatj sobre sublevacao de escravos em Cam-
pias prtce falso, l agora. Nao consta de l
nenium novidi.dade per aqui,
Rio de Janeiro
Datas at 12 de Junho :
- S .'ore a saude de Sua M;.gtstade o impera-
dor diz o seguate o Jornal do lommercio :
. Su* Mag.-stade cootini a passar bem. Paa-
leiou antes do alruOC) e depois, at s 3 horas da
tarde (de 6) aeompaiihudo do Visconde de Ni
Sarao da Motta Maia, indo S-i'ido e Floresta.
Visitaran) Sua Magestade os conselheiros Por-
tella, Duarte da Azevedo e Lima e Silva, e Baraj
ie Ibituroua.
Sa \laiestid-pissoa liout'in (7; bom Pa?-
seiou a p de manb e de carro depoie do almoco,
um oompanbia do Viseonde d Nioac o do Barau
da Motta Mai. Recebeuo Bario de Cotegipe.
Sua Magpsf ido contina a passar bem. Hon-
lem (8) paaaeioa cora Sua Alteza a princeza impe
rial e fihos at Fioreat., indo k Cscala Ga-
riella, e tomou cat ua casa do Sr. Baro de Es-
ragnaJJe, administrador da Floresta Acompa
aharam Sa* Magestade os Srs. Visconde de Nioac
t Biro -U Motta Maia.
> Sua Magostado contina a passar bem. Pas
eiou a p houtem (9) de manha com o Visconde
de Nioac e Brao da M tto Maia.
Dop ,is do almoco passeiou de carro at
Mesa do Imperad r e Vist Chinez'., cem Sua Al-
teza a princeza Imperial, acompanbado daq elies
semanarios e do ejns'lheiro Albino Alvareoga.
Sua Alteza o 8r. C-nde d'Eu e seus filhos O. Pe-
dro e D. Luiz acornpaubaram o imperador ca-
vallo.
Visitaran) Suas Magestades e Altezns as Sras
toudessa da Estrella, D. Amanda Diria, D Ma-
ra Avellar Tosta, conaeiheiro Doria, Viscoode de
Araruama e Bar de Ururahy.
Sua Mai;e8iade c.itioa a pasaar bem. Pas
seiou h'intem(lO) antes e depois do altnoco, sabiudo
k 11 kam regreesando a p.lacio s 2 1/2 da
tarde. Acompanharam Sua Magegtade --na* Al-
tezas nnperiae e seus augustos filbos, Bario da
Motta Maia e Viscoiide de Nioae.
Muius p- asoas torara h utem palacio visitar
8 cozopnmenur Sna Mageaiade e Altezas.
Sna Altezas deseem boj da Tijuca par a
eidade, n bul imperial, s 7 horas da mauba a
8u- Magestade coutiua a ptsaar bem. P
teiou as' do almoc i at as 9 boraa da mu.ha ('le
11) eom os Srs Bario de Motta Maia e Viacuude
de N-e.
Nio sahio depois por cansa do mo tempo.
Houve despacho, c>mparecendo os Srs. Bario
de Cotegipe, Bario de Mamar, Mae-Dowdl e
Joaquim Delphino.
Militas pesaoas visitaram Saas Magestades.
No dia 9, pouco depois das 7 horas da ma-
nb, fundeou no porto o paquete francs Oironde,
trazendo a seu bordo Suas Altezas imperiaes. O
uavio esta va embandeirado em arce, e foi logo cer-
cado de muitas embareacoes, entre as quaes urna
barca, em que tstavam o presidente da provincia
do Rio de Janeiro com o seu official de gabinete, o
director das obras publicas da provineia, o com-
mandante e (ffiealidade do corpo policial e mnitos
funecionarios pblicos.
Apenas fundeou o paquete as fortalezas e na
vios salvara* e a banda do osrpo de polica tocn
o bymno nacional.
Forasn a bardo comprinsentar Suas Aluzas im-
perito : o pocipe D- Pedro, os 8rs. Bario de
Cetejripe, presidente do conselho; Bario de Ma-
mor, ministro do imperio ; conselheiro Castrioto,
ministro da marinha ; desembar^ador Coelbo Bas-
tes, chefe de policia da corte ; veadores Testa e
Frankli Doria com suas senn. ras, Bario da r|e.
nha e sua familia, Bario de TJsff, Condado Ae-
zur, conselbeiro Tito de Mattos, Dr. Martins Pi-
nh sanee, mordomo de Sua Alteza Imperial, general
Miranda Rgo, capitao de mar e guerra Stepple,
Dr. Silva Costa e sua familia, Visconde da Silva,
coronel Deschamps, conselbeiro Sampaio Vianna,
o ajodante-genral da armada, chefes de divisoee
e seus ajudantes, Dr. Albino de Aivarenga, Conde
da Estrella, Visconde de Figueiredo, conselheiro
Dodsworth, oguarda-mr da Alfandega. commen-
dador Wilscn, Dre Paes Lerae e sua senhora, de-
putado pidre Joo Manoel, Bartolini, Dr. Arthur
Teixeira de Macedo, o guarda-mr aposentado
Gervasio Nunes P.res, representanteB da imprensa
e outras pessoas. f .
Suas Altezas Imperiaes embarearam s a 1/2
hnras na galeota imperial a vapor, que estava As
suas ordene, bem como a galeota imp3nal a re-
mos.
Durante todo o trajecto at ao caes do Arsenal
de Marinha, foi a gal-ota rodeada "le lanchas a
vapor e de escaleres, os marinbeir.s das embarea-
coes da armada subirs s vergas para saular a
Sua Altes Imperial, e salvaran) as fortalezas e
os uavios de guerra naeionaes e estranr;ciros.
A's 8 horas e 18 minutos desembarco Sua Al-
te a Imperial aeompanbada do seu augusto esposo
e filhos, faz-.ndo as devidas continencias as fjr;as
postadas no caes di Arsenal e tocando o hymno
nacional as bausas de msica do batalhao naval e
do corpo policial da provincia. ,
Esperavam alli S. A. ImperiaI utL& commissao
da lima, cmara jiunieipal composta de 9 veres-
dores, cujo presidente indo ao encentro da Augusta
Princeza disse :
. Senhcra, a cmara municipal da corte congra-
tula se com o povo pelo feliz regresso da Vossa
Alteza Imperial capital do Imperio.
Acbavam-Ee tamb. m lo arsenal alguna mera-
bros do cerpo diplomtico com o seu decae, oSr.
Internuncio Ap' stolico, ministres da guerra, da
justica, da fazenda e da agiicultur, conselheiros
de Estado, bispo e vigario geral da dioeese, sena-
dores, depotados, conselheiros, ajudante general,
titulares, membros do corpo consular, presidente
da provincia do Rio de Janeiro, director da lecre-
taria da marinhn, inspector geral de hygiene, ei-
rurgio-u.rdo exercito e s> u assistente, magistra-
dos, director da estrada de ferro D. Pedro II, sa-
cerdotes de ordens regulares, secular --se comosan-
dante da corv ta hollandeza Van S*yk, comman-
r.autes dos eorpos da guaruicao da corte e da poli-
ca da pr'vincia, muitus offieiaes de mar e trra,
ebetes de diversas reparticoes civis e militares,
commissoee de 8 ciudades beneccentee, scientific .,
luteranas e da Commeraorativa da In-iep-ndencia
do Imperio, multas familias, numerosas pessoas de
todas as classes scciais e repr-sentantes da iin-
pien^a diaria e peiiodica.
A's 8 1/2 Jepois de Suas Altezas terem ido com
primentadas por muita das pessoas presentes, en
trarsm em um carro da casa imperial, que sahiu
pelo portio do arsenal e passando pelas ras do
H.ifpicij e du Conceicio dirigio-se p.ra o largo de
S. Francisco de Paula.
Alli chegaiido Suas Altezas e seus augustos fi-
lhos f.pear-m-ee, entraram na groja de S. Fran-
cisco de Pau!a,e fizeram craco na capella d San-
tissimo Sacramento
Em teguida dirigiram-:e para a ist^a; dos
bonds da C'onipauhi* de S. Christovo c entraran,
no bond da casa imperial.
Nesta occasiio a 8ra. D. Balbina F.e que fa
zia parte do grupo de sent ras que abriram alas
junto do bend durante a passagem de Suas A^te
^ae, entrefecu j rincza imperial um ramo de vio-
letas em neme da Companhia dt S Christov >.
No bindtmaram lugar, alimdu Suas Altezas
c eeus filhie, c Principe D. Pedro, de Cotegipe, do Mamar e de T. ff, conselh-iro
'k.i k ni Doria e sua senbora, destubargador Tes-
ta e sua r l.i ra e a directora da companhia.
A's 9 1|2 parti o bond com mais 4 especiaes,
eonduzndo senb ias, cificiaes superiores do exer-
eito e da armada, venadores, representantes da
imnnnsae ou'rus muitas pe*ao&a
No portao do quartel ao Io batalbae de infanta
ra estava toda a cfiicialidade e urna guarda d'
honra, toesndo ento a banda de msica do mesmo
corpo o bymno nacional.
Suas Altezas durante o trajecto at Raiz da
Sorra, na Tijuca, foram saudados com gyrandolas
de foguetes e tires de morteiro. Mnitas ras tsta-
vam embandeiradas e das janellas do- vanas casas
de sobrado choveram flores deriolbados sobro o
bond.
Na Raiz da Sorra, Suaa Altezas apep.r.m-se, sea-
do recebides por per S M. a emperatriz aconipa-
nhada do Sr. Visconde de Maracaju e por muitos
tenbores e s'nhoie.s.
Entrar.do entao no carro da casa imperial segui-
rn) Suas Altezas tm companhia de S. M. a m
peratriz para o palacete da Bua-Vista.
A' partida do cario o povo proremjreu em vivas
familia iirperial.
Junto ponte da Estrada Nova abriram alas as
aluuiuas da Escola Mixta de Nosso Seuhora das
Dores, tendo cada alumna nao mo um galbardete
verde e amarello. Achava-se tambem alli urna
( inrai tso da Sociedade Protectora da Infancia
Desamparada.
O edificio da Companhia de S. Christova na
ra do Visconde de Itana estava elegantemente
decorado eom handeiaas e galhardetes de varias
corcB e passagem de Suas Altezas subiram ao
ar muitas girndolas de foguetes.
A JSstrada Nova Ja Tijuca uchavam-se tambem
i'nbandeirada em varios pontos,principalmente em
frente Oa residencia do Sr. engenboiro maj >r
Kieitas, onde a ra se achava c berta de folbas de
manguearas e crguiena-te arcos de flores o folhas.
Na pedreira da estrada foram rebeotadas 21 mi
as e no alto da Boa-Vista sub ram ao ar nume-
rosos fugeles. Estava igualmente alli a ra Cu-
bera de foihaa.
A's 10 1|2 chegaram Suas Altezas ao palacete
sendo recebido entrada do portao por Sua Ma-
gesrade o Imperador,arompaubado dos semanarios.
Bario e Baronesa de Escraguolle, e empregadoa
da casa imperial.
Em volta do gradil do palacete achavam se
muitas senhoraa e senhores, moradores do lugar,
que atiraram fl res deafulhadas sobre Suas Alte
zas e seus augustos rhos.
Depois de eompriraentarem aspossoas presentes,
retiraram-se Suas Altezos em companhia de Suas
Magestades para o palacete.
Daraate. o dia estiveram embandeirados os edi-
ficios publicas, sociedades e -'Igueoaa casas com-
m-reiaes, e noite llumioaram-se aquellos edifi-
cios, piacas e casas particulares.
__Eis a resenha d>s trabalhos da Assc- oblea
Geral Legislativa :
No senado, do dia 6, depois do expediente e de
approvados alguna requerimentos de CummissSes
da casa pedmdo informavO"S, O Sr. Viriato de Me-
deiros justifican um requenmento relativo a estra-
da de trro de Cantagallo ; oraram os Srs. Baro
de C tegipe e F. Octaviano, sendo o requ. rimen
to retirado a pedido de seu autor.
Sobre o requerimeuto apxesentado pelo Sr. Sil
veira Martius, relativamente a negocios do Rio-
Grande do Snl, orou o Sr. Bario de Minor, of-
f -r.-c -u.lo as iiiformaco-s p-- lidas.
U Sr. Atlonsj Celsojusiificou outro requenmen-
to coDcernente a obras da estrada de ferro de Pe-
dro II; orou o Sr. Ribeiro da Luz, a quem res
penden o autor do reqoerimemo, sendo este afinad
approvalo-
\ presenten outro r qoerimento o Sr. Visconde
de Pelotas, pediudu informac.des ao ministerio da
guerra. Por ter pasaado a hora, adiou-se oapoia-
uieiito para a sessio segn>uta.
Na ordo m da dia foram aoprovados dous reque-
rimeatos caja vutaci- fie .ra adiada e sobre o pro
jecto determinando que se nio pagario congruas
aos Tiganos estrangeiros, oraram os Srs. Visco)-
de de Paranagui, fundamentando um requerimen-
to de aJiam- ntu por 80 das, Cirreia, Bario de
Cotegips Siiveira Martins, fiaaado a discussio
adiad prlaSWa.
Na amasa des diputados, depois das actas e
do excediente, o Sr. Ferreira Vianna fundamentoo
o projecto que ltimamente apresentou dando no-
va org-uisacao ao systema da ele icio senatorial.
O Sr. Carneiro da Cuaba apresentou urna emenda
ao projecto concedendo licenca ao Dr. Janseo Fer-
reira, jais dedireito do Maranbi). A discussio foi
encerrada e adiada a votacio. Foi encerrada a
discussio e approvado o art. i* do projecto defi-
xs^So das furcas de trra para o segundo semes-
tre de 1888. Sobre o art. 2' oraram os Srs. Al-
fonso Celso Jnior, Ribeiro da Luz (ministro da
gnerra) e Aff-.nso Penna. Encerrada a discusso
ficou adiada a votacio por falta de numero. Fo,
encerrada a discussio e adiada a votacio do art. i
So. Na discusaao do projecto de reforma de ad-
miaistracao local, orn o Sr. Ferreira Vianna. A
disciisbo ficou adiada.
No dia 7, no senado, depois da leitura do expe-
diente, foi apoiado e remettido coamista) de
legialacio o prejeets do Sr. Godoy sobro a divisio
de coenarcas da provincia de S Paulo.
Apoindo e posto esa disenssio o requerimento
apresentado na sesso anterior pelo Sr. Visconde
de Pelotas, orou o Sr. Ribeiro da Luz, prestando
as intormacoes requeridas, declaraado-sa aatufei-
t.i o autor do requerimeuto, que foi approvado.
Na ordem dodia continaon a discusao do rt-
querimento do Sr. Visconde de Parauagu adian-
do por 30 das o debate da proposicio da cmara
e da emenda substitutiva do senado relativas ao
pagamento das congruas dos vigarios estrangei-
ros e oraram os Srs. Leio Velloso, Franco de 8
e Bario de Mamte.
Rejeitado o requerimento, proseguio a discu-
ti, orando os Srs. Correia e Taunay, e ficou
adiada pela hora.
Na cmara dos deputados, depois dn acta o do
expediente, foram approvados os projeetos conce-
dendo licenca ao Dr. Jos Jansen Ferreira Jnior,
ao desembargador Serapiio Ensebio Antunes, e
os ars. 2o e 3o do prejecto fixanio as fjrcas de
trra p .ra o 2e semestre de 1888.
O Sr. Paseos Miranda requereu e a cmara con-
cedeu dispensa de intersticio para que o projecto
entre boje em 31 discusso.
Contiuuou a 3* discusso do projectu de reforma
municipal, sendo apoiadas duas emendas dos Srs.
O ympio Campos e Costa Aguiar. Oraram os Srs.
O'ympio Vallado e Audrade Figueira. A dis-
cusso fie u adiada.
No sead i, no da 8, depois de urna re. tificacio
do Sr. Taunay sobre os resumos do seu discurso
da vespers, o Sr. Viriato de Medeiros reau informaeoec ao ministerio da justica ; o requeri-
meuts foi apoiado, posto em discusao e sein de-
bate approvado.
Na ordem do dia contiuuou a discussio sobre a
proposicio da cmara dop deputados e projecto
substitutivo do senado relativos a congruas de vi-
garios estrangeiros. O Sr. Viriato de Medeiros
apresentou emenda, que foi apoiada e posta con-
juntamente em discusao. Oraiam os Srs. Siquei-
iii .Muidos o Lafaye'te, que mandou mesa urna
emenda. Encerrado o debate, foi approvado o
projecto substitutivo do senado, salvas as emendas
los Srs. Viriato oe Medeiros e Lafayette, que
tambom foaam approvadas.
Sobre a proposicio da cmara dos deputados
relativa ao p.ovimtnto dos otcios de justica as
provincias o.-aram os Srs. Candido de Oliveira e
Leo Velloso} ficando a discusso adiada pela
hora.
Na cmara des deputados, depr.is da acta e di
expediente, o Sr. Rodrigo S.lva (ministro da agri
cultura) presteu as uforinacoes pedidas pelo Sr.
Afo so Ceieo Jnior, em relaeao a trras do pa-
trimonio de S. A. a princeza D. Isabel.
Foram ap ua i > dous rejuerimentoa do mesmo
seohjr e do Sr. Alfredo Cuaves, pedindo infoima-
eo-s ao governo.
Failarum sobre expediente 08 Srs. Se'oastio
Mascarenbasc Affonso Penna.
Na 3a disusto do prejecto fizando as torcas
de trra para o 2o semestre de 1888, orou o Sr.
Jos Pjm(.j.
Foi encerrada a discusso e approvado o pro-
jedo.
Contiuuou a 3< discusso do projecto da refor-
ma municipal.
Oraram os Srd. Bulbo s Carvalho e Alfonso
Ponua.
A discusso fie-cu adiada.
No da 10, no senado, depois de approvada a
redaccae das emendas proposicio da outra c-
mara relativa s CoDgruas do vigarios estrangei-
ros, o Sr. Bario da Estancia justificou um reque-
rimeuto sobre negocioB de Sergipe, o qual sem
debate foi approvado.
Na ordem do dia, oraram sobre a proposicio da
cmara dos deputados que re-gula o provimento
dos offieos de justica as provineias, os Srs. Af-
so Ceiso, Baro de C.tegipe, Saraiva, Silveira da
Motta, Dantas, Soares Braado, Ribeiro da Luz,
Affonso Celso (2* vez), Dantas e Aff'n60 Celso
p. la ordem, apresentando emendas. O Sr. Silvei-
ra da Motta apresentou um r quei itnento de adia-
mente at que as emendas fossem impressas.
Ap duo -*e 01i,-eira, McJra de Vasconcellos e Silveira
Martins, ficando a discusso adiada pela hora.
Na cmara dos deputados, depois da acta e do
expedieute, o Sr. Pasaos Miranda fundamentou
um projecto para a creaco do novo bispado do
Amazonas.
U Sr. Araujo Ges enviou mesa urna repre-
seuta(o da cmara municipal de S. Salvador da
Babia, pedindo isencio de direilos.
Fallara m anda sobre o expediente os Srs. Hen
riqu Salles e .ftunse PeuDa.
Na ordem do dia, na discusso da proposta do
governo fizando a 'brea naval para o 2o semestre
de 1888, oraram os Srs. Joaquim Pedro, Miranda
Bibeiro, Affonso Celso Jnior, Mac-Dowell (mi-
nistro da justica.)
A discusso ficou adiada.
Fmalm-nte, no dia 11, foi apreserataJt a se-
guiute mocio as6gnada por todos os Srs. senado-
es que comparecern) sesso :
Que se 'anee na acta que o tempo decorrido
nao tem diminuido a admiraco e o recouheci-
meuto do senada, aos bravos que ka 22 annos co
lheram para a patria immarc ssiveis lourose reaes
vau'ageus, no glorioso triumpho alcancado na
memoravel batalha naval de Riachuelo.
O "r presidente, adherindo mordi, declarou
que achando-sc- esta approvada pelo numero das
asBigatura?, sel i a inserida na acta.
Em seguida o Sr. presidente communicou o fa'.
lecim.nto do Sr. cenador Chichorro da Gama,
manifestando, em nome do uado, o prctundo
sentimento deste, por to infausta noticia. Ora-
iam no mesmo sentido os Srs. Viscoude de Para-
uagu, Cliriatiano Ottoni e Correia. Foi unni-
memente resolvido, a requerimeDto.do Sr. Viscon-
de de Parauagu que se tevautaese a sesso, lan-
caudo-se ua acta um voto de pezar, e que o Sr.
prea idete uomeassa urna commissao para assistir
ao enterramento.
Na camura dos deputados nao houve sesso.
o Sr. tenente-coronel Simplicio da Caoba Braga,
que era maior de 60 annos.
Recasou sa a tomar os medicimentos qoe lbe fo-
ram receitados, com o fim de combater a accio do
veneno.
Na villa da Aldeia foi encontrado, ao amanhecer
do dia 23 do paseado, m irto dentro de urna ca-
noa am pescador de nome Jos de tal.
Esse individuo era dado ao vicio de embriagues
e dorma quusi sempre dentro da referida cauda.
O 8r. subdelegado da fregoezia tendo conheci-
mente do facto compareceu e mandou proceder ao
neceasario exame, pelo qnal se conbecea que a
morte foi davida asphixia por submersio.
Aqwella aattridade continua va as demsis dili-
genoiaa.
O 8r. capitao Jos Francisco de Araujo, digas
subdelegado de S. Pedro, tea ama desc berta im>
portantissima de am celebra /maestro de Sergi-
pe que, ha ja algum tempo, vivia aeosbacar os in-
cautos. Chama-s Fehsmino Teixeira L.bo, o tal
financeira. Munido de urna lista impressa onde
se leem 41 nmeros salteados, e de 8 dados come
caajogar. A lista tem 26 numeres premiados,
algans des quaencom premies de um cont e tan-
to o 15 branco8.
Como fcil de ver, tal perspectiva attrahe e
arrasta oe incaatos. Feita a parada, que de 2*,
Iancam-se os dados que nunca poderio dar com
binacoes equivaUntes aos taes nmeros premia-
dos, e contina a pandega, de modo que em me
nos de 10 minutos esvasiam-sa as algibeiras
alheias, como succedeu hontem, s 7 horas da
noite, ao Duarte, na venda do Sr Magalbea, on-
de foi capturado o tal Feliemino com 167 ga
ohos a'um abrir e fechar d'olhos. O Sr. subdelo
gado de 8. Pedro prendeu-o, procedea a nterro
gatorio, fazendo restituir aquella quantia a saus
donos e obrigando-o a assignar ucaa declaracio
era que comprome"ia.-so a abandonar tal meio de
Vida, naqu lia freguezia.
Falleceu o Sr. conego Hilario Florencio de
Araujo, vigario coilado da freguezia do Pilar des
tu Cdpital.
Fallececam tambera oa Srs. Luiz Sibinodos
Santos, so icitader do foro, e a Sra. D. Guilher-
mioa Anglica dos Santos.
AlagoaM
Da tas at 17 de Junho.
Fr a prorogada a Assembla Legislativa Pro-
vincial por 8 das.
O o)r. Moreira A Ivs, presidente da provincia,
teociona fazer urna excurso cachoeira de Paulo
ATjuso,! ogo que encerrar-se a Assembla Proviu-
dal.
Deixra do pubiiear-se o jorual Gaztia do
Povo.
Fallecer na capital o capitao Francisco Bezer-
ra Montenegr >.
Babia
Datas at 14 do flueote :
No dia 6 passaram por esta eidade Suas Alte-
zas a tereuissima princo-za D. 1= -b I, o Sr. Cunde
j'tii e seusfiih-s os principes D. Luiz, D. Atlonso
e D Pedro.
A's 9 horas da manb desembarcaran) Suas Al-
tezas acompanbados dos Sis. conselbeiro presiden-
te da provincia e Dr. secretario, maree bal coin-
mandante das armas e mais autoridades civis e
militares.
Fez a guarda de honra no arsenal de marinha o
16* batalbo de infantaria.
D'ab seguiram Suas Alre%is para a matriz da
Conceicio da Praia, onde ouviram iniaaa.
E'ii seguida partiram em urna carruagem para
a B>a-Viagea>, onde percorreram o novo Asylo de
Men licidade.
Do Asylo seguiram Suas Altezas para o palacio
da Viztoria, onde almoctram.
Depois do almoco Suas Altezas receberam mui-
tas pessoas que os foram compnmeatar.
A* 2 horas da tarde toram Suas Altezas a prin-
ceza D Isabel n o Conde d'Eu passeiar na Barra ;
e d'ahi regressando emeaininl'aram-ae para o pa
lacio, onde foi servido am lunch, depois do que se-
guiram para embarcar.
A's 4 horas da tarde parti o Oironde.
No dia 7 assumio o commando da escola de
aprendices mannheiros, o Sr. 1 tenente Leoncio
Rusa, ltimamente nomeado para aqueile cargo.
Fallecen a Exm Sra. D. Mana Augusta da
Silva Lima, duna filha do Sr. commendador Jos
Lopes da Silva Lima.
A's 4 horas da tarde de hontem, na ilba de Ma-
r, Josepba Mana da Cooceicio receben diversas
facadas vibradaa pelo sea amasio Jo. Athanasio
que foi pr so em fl grante.
O o&eusor, logo aps a perpetraoio do crine,
tentn suicidar-se por meio deum tiro.
Em melado do mes passado, em Alagoiahas, o ca-
boclo de nome Francisco, trabalhador do ramal do
Timb, assaseioou com um Uro de garrucha o ga-
nhador Joaquim da Valentina.
Suicidou-se, ingerindo urna substancia toxica,
Correspondencia do Diario de
Pernambuco
IO DE JANEIRO -Corte, 11 de Juoho
de 1887.
Suomario Chegada da priaceza imperial.Re-
cebimento que teve. oupposta cou-
fereuci i de Sua Alteza com o Sr.
presideute do conselho. Bjatoa de
casameuto do priucipe D. Pedro.
Ainda ni) foi apresentado o podido
de .icene i para a f iagem do impera-
dor.Trabalhos do pirlam >nto.O
que occoireu no senado eom o pro-
jecto da cmara, sobre congruas aos
vigarios eacomrueudaaos. Oiver-
gencia de opinio entre o Sr. Mam-
le e Cot-gipe.Cjmmentarioa daop-
posio. Como o negocio foi resol-
vido com urna emenda do Sr. Li-
fayette. A proposico volcar a
Cmara Provimeuto dos oScios do
justica pelos presidentes de pro-
viuei.i.
Est liuilin -nte recolbida aos patrios lares a
princeza imperial, to nuc..aumente eaperada. O
Gtrondt foi pontual, entrando no porto s 7 b iras
da manb do dia 8, orno htvia sido auuu ca I ;
mas aem aer acumpanhado pelos dous encouraca-
dos que haviam sido designad a para ir un rece-
bel oa em Cabo-Frio, seguudo noticiei-lhes.
1 uve alteraco neosa parte do programma, por
que, por telagrajitna expedido da Bahia, soub -se
que i quelle vapor chegaria Cabo-Fro As 2 ho-
ras o, i noute, e d'alli para aqui regulara a sua
mareba, amaraniio-se. quan'o b-istasse, para en-
trar no porto hora desejada.
Do desembarque e do ree bimeato de Suas Al-
tezas, assim como de sua ida para Tijuc i, d> os
jornaes minucio.-a descripcu, sendo destas a mais
detalhidi. e completa a do Pai:. Previno, porm,
ao Ieitor de que nao dove dar valor maior do que
i.erece a conferencia que esse jornal noticia ter ti-
do a princeza, em seguida tos primeiros cumpri-
mentos recebides a burdo, a sos coro o Sr. Ba'rio
de Cotegipe, no silo dos pasang ir;s, por cerca
de quinze minutos. Eaaa conferencia, te tal nome
merece, nao passou, por urna parte, du meros eum-
primentos e felicitaoes dirigidas pelo presidente
do conselho a augusta viajante que regr- ssava, e
por outft, de repetidas perguntas pedindo iufor-
ma(oes a cerca do estado de sade do imperador,
a natureza da molestia e todas as circumstaueiaa
ligadas a esta.
Compreh nde-se que o primeirocuidado da prin-
ceza fosse inteirar-se e esclarecer-se circumsta u
ciadamente sobre a sade de seu pai, e para isto
teve de procurar lugar onde estiv-sse mais em li-
berdde, affaatada dos importunos e curiosos. Ca-
da um de nos sabe, oa pode av liar as indagavo.-s
e inquiricoes a que desee a curiosidade de quem
regruesa de longa viagemem cocdnoos taes.
O Sr. Cotegipe teve, como Ihe cumoria, de res-
ponder a tudo, referindo e explicand cerno poda
o que se deu.
Foi disto quo- constou a con erencia, a que se
tem procurado dar outro motivo o que, bem se v,
seria mal cabido ua occasio.
Suas Altezas, seguiudo sem demora para a Ti -
juca, alli ficaram installudos em urna casa nobie
tr-'Uteira a da residencia imperial, que Ibes foi
t-recida pelo respectivo propnetario, e hoje de-
vem ter deseido, recolheudo ee detiuitivameut ao
palacio Isabel, na ra de Guanabara.
J que fallu da chegala da princeza, vem
pello dizer que na sua seccio denoticias raras,
fui o Jtrnal do Commercio referencia um tanto li-
geira a ajustes de casamento, promovidos ,e\o Sr.
Conde d'Eu, do principe D. Pedro com a prince-
za Helena, filha do Conde de Pariz. Si> se p le
por em quanto saber que grao d- veracidade baja
uesta notici i, alias verosmil, i robora anda puu-
so houveHsem jornaus da Europa, aqui trausen,)-
tos, annuuciado prujectos de casain nt i do prin
cipe filbo do re Humberto, da Italia, com aquella
princeza.
O que verdade, porro, e isto sei por nforma-
coes particulares colhidas por caoualidnde, qu -
ltimamente se tem feito preparativos e decora-
V--'S, no palacio qae foi da princeza L'opJduia e
nara ah tem sido passadus q.i .dros o ubjectos
lirio qae o prin.-ipe i). Pedro ttuha nos seus ap -.-
aentos do palacio du S. Christovo; o pela bocea
pequea, l por entre oa empreados mus nti-
mos, diz se o,ue o principe val com o imperador
para a Eurupa doude voltar casad*, mas nao se
san com quem.
Quinto viagem do imperador, tod*s a teetn
como certa, sabido como o parecer dos mdicos
a resp-it i, utas o certo que por ora nao consta
que Sua Magestade teuba eom uuui ado a sua re
solacio aos ministros para aue saja solicitada a
uecessana licenca das e-amaraa.
H je, sabbado, lev. m ter ido a Tijuca levando
papis assignatura imperial os Srs. presidente
do conseluo, ministros do imperio, da guerra e da
justica. E' pjSBvel que ihe teaba sido fe a a
esperada communieacio, qae, rasoavelroeute nao
de vi a ser feita aulas do regresso da princeza.
Passemos ao quo tem occorrido u > parla-
mento, comee iudo pelo Senado, onde, ultimainen'e
eu-se um facto, de que a opposico tem procura-
do tirar partido com alguma vantagem.
Trarava-ae de urna lesolueo remettila da c-
mara dos deputados ha 7 oU 8 anuos, dispondo que
nao sejam pagas cougruaa aos vigarios estran-
geiros, senio depois de pr&vada falta absoluta de
clrigos nacionaeee imp.iBsibilidadeJecolUl-oa por
taita de concurso. fieme tt id o desde eotioditi
resolueo commuaia de negocios euoieaiaatioos,
esta na sesean de 1846, sendo ralaioi o Sr. Cor
reaqoe em taea materias i ragalista apreso a
ton osa projecto sube itutivo, quo, aliu de coutev
a probibioio absoluta de serem uemeadoa vigario.-
encjmmouJadm sacerdotes eatrangeiro re^nlava
o modo pelo qual devenn es bispos, ^overuidnres
do bispado e vigarios capitulares fas :r as propon
tas para beneficios.eoelesiastioos de qae trata a
le de 28 de Setembro de 1828, e escatvlecia re-
dendo g governo expedir carta de aprsenteoio ao
vigario que estiv. r servindo esm provisto de on-
commendado, se, decorrido o neeejsaf 10,iedhp>
para qne a proposta ebegass ao sea conheenen-
to nio a ti vase recebido; e sempre 'qw nSo4o-
vease propost, o goveruo proeedera do meaipo-
modo. Em caeos especiaos, justificados pelos bis-
pos oa quem auas vesea fizer, dizia ainda o %ddita
vo, a proposta poder conter dous nomos, ou se,-
mente um ; e quaudo eoativer tres dever deca;
rar o motivo da preferencia do primeiro sobra
seguudo aome, e deste sobre o terceiro. Nao'se
couform ;ndo com a proposta o gbverno mandar
abrir novo eonears>, devendo dar a sua docisio
dentro de dous meses d pois do renebimento da
proposta.
Tal em resumo o substitutivo e tal vez j co-
nhecido do Ieitor pela leitu.a dos jornaes levados
pelo paquete paseadoqae com e projecto da c-
mara fo dado para a ordem do dia de 24 do pas-
sado, protavelmente por falta de materia.
Oa porque os ministros nao tivessem tempo de
estudar a ordom do dia e combinar entre si o que
se devia fazer, ou porque, sendo o trabalbo do
Sr. Correia, que um dos melhores amigos do
governo, suppuzesaem que nio havia couaa que
duvida fizes8e, nao prestaran), ao que parece,
grande atteucio ao .caso, e o snbstitutivo trra
silo votado at sem discusso, so o Sr. Muir dw
Vasconcellos, achanda que se tratava de materia
importante nio tivesse provocado o governo a dar
a sua opinio, e pedindo so Sr. ministro do impo-
cio que dissesae que providencias tm tom ido
para fazer cessar os abusos a que tem da do lugar a
nomeacio de vigarios encommendados.
Foi o Sr. Mamor prompto a acudir tribuna,
declarando de que o governo aceita va o substi-
tutivo da commissao tal iual estava, ou com algu-
ma emenda su^gerida pela aabedoria do Senado.
Q-iauto aos vigarios eucoauneudados, recordando
oa embaraces e luctas em que o gaveras se tem
achado com os bispos e leudo um largo trecho do
que a r speito ponderou no seu relatorio, e a que
ajuutou comineo tari 'S, disse :
* Mas eumprehende-se que o remedio heroico c
decisivo a adapcio do prejecto que se discute.
A um aparta do Sr. Meira, respondeu que em-
quanto o poder legislativo nao tomar um i deciso,
nao pagara congrua a vigarios estrangeiros, sal-
vo o caso de faltar absolutamente padre brazilei-
ro, e qae avista da reluctancia d,s bispos em
mandarem abrir coucurso, com llegicous quu sao
uina peticio de priocipios era improsciudivel
que o bracVforte do poder legislativo nterviease
e fixasae em 1- i os principios oue de vero vigo-
rar.
Em coucluso, repeta : o governo acceita
sem restric-yoe.- meutaes o proje.-to substitutivo,
rerervando-se todava o direito de adoptar algu
ma emenda qoe s' reeonliecer aer conveniente. >
OSr. Siqueira M-udes fez varias cous;dera-
^es, apreseuteudo umi e;neuda, que foiro;eita-
da, bem como umi sin do Sr. Lima Duarte :
e o suostitutivo foi approvado.
O Sr. C'tegipe, que havia-ae retirado logo n
o'onieoo da Hcj. na i oSiistiu dicusaiv), uein
VOtaCa.
OSr. M iC-L>-wi!l, que muito sabido cu ci-
uoues, p >z as m .a ni cibera q'ianio soubc de
apprjvacido substitutivo da coininiss.io dj se-
nado.
O Sr. C>*eipo ni) z tanto, mas tambero ai
ricou sati-fit" ; c na coaf rencia de miniatr 3 qu i
s seguio tratou-se da qu- ato
O que ahi ee passm al. ee sabe. Sendo, po
rin. dada a materia pira a orle-a da dia, i m o>
liseiss', ni s si.io de li li crente, o Sr. Par-
ii igu maiiifest-u iuvi lat acciea di c-uv-ni
do substitutivo, que lh-; pa'ecia urna Ici de coer
ci e provocacn, agora que 03 bispos, como se
v do que acaba de praficar o de Pernambuco e
de mmifestar s-* ao propris orador o do liio de
Janeiro, mostram a tendencia em que est i nosso
episcopado de recorrer ao concurso para provi-
m-iito dis vigaranas ; accresc-jo.d > quo li i dispi-
sicoos no substnutivo exorbitantes e contrarias
ao concilio tridentinn ; p-lo qao aprewntaYa um
requerim uto de adiamanto por 30 das, uliin de
dar tempo m governo para boro eliminara nova
ph ise da qucst't .
O Sr. Cort uo concordando com o adiamen
to, justifico i enn largueza oadditivoj aceito
pelo senado, mostrando que nel'c nao bavii pro-
vocacio, sendo que estapirtia antes do episcipado
que, com violaco d> direito canonizo, qivpres-
creve a uamovibilidadu dos parochos, nomeava
de preferencia vigarios encomineudadus, obstinan
do-se em nao abur concurso.
Tomiuem B.guida a palavra oSr. Citegipe,
observando que nao 3e tratava de crticas religio-
sas, que todos teem no senado, mas de remediar o
estado actual das cousas, pelo que nao era de
admirar que arrastada pela importancia do as
sumpto h uvesso o Sr. Cjrri apres nt ido e jus
tifiuad'i como acabava de faz t o que Ihe parece
que c uv.n ; declara que nao duvidaria votar
pelo project i, mas tem muitas duvidaa quinto ao
substitutivo apr.'Sentaio pela com'nisso ( lesta
fazem paite os Srs. Siarcs Branio o Viriato).
Kestriugiudo a qu tto ao mil que ae procura
remediar, entra no exame dos diversos ij do
additivo, mostrando que una sao ociosos e outros
couteem providencias j to nadas, e quo as innova
constitucm medidas coercitivas, at certo
no dia 28 do passado na villa de obiqne-Chiqae, gras para os concursos em praso Uetermuiada, po
oes
ponto inconvenientes, pirque negocios de creuga
e religio ni se resolvem f-orea ; no seu enten-
der os bispos acham justiticaco na falta de pa
dres brazileiros baoilitados em numero suilici-nte
para o provimento das parocbas, e nem possi-
vel tel-os em pouco tempo com a precisa educa
c,i ; nao ha meios de obrigar, e nem so p 1 os
brazileiros a seguirem a carreira ecclesastiea ;
ni di-ceses como a de Cuyab, em que s ha nove
padres. Dabi a ueeessidade de reconer aos pa-
dres estrangeiros, aos quaes o orador nao in-
tenso, eumtanco quo veuham ao nosso paz movi-
dos pelo desejo de propagar a f e o eusino reli-
gi >so.
Continuando ne3ta ordem de coasideraeuoea e re-
f-rndo-se s boas disposicoes de Sauta S, cen-
c.lu- que, daudo-se esta boa inteligencia entre o
Estad) e a igreja, au pode aquiesssr a que seja
ella perturbada pelo substitutivo, e por isso, ainda
que eom muito pezar por divergir do relator da
commissu, cujia opioioes costuras abracar, nao
lbe dar o seu voto.
Como se v, o Sr. Cotegipe teve o cuida lo de
referir-se somonte ao Sr. Correia e nao ao seu col-
Inga do imperio, por cuja pasta correm os nego-
cios eecle8iasticoa.
O Sr. Silveira Martina, tomando a palavra, no-
tou desdo logo a divergencia de opinioos entre o
Sr. presidente do conselho e o Sr. Mamor, que em
n >me do governo b.ivia aceitado a emenda substi-
tutiva. Quanto queato em ai, acha quo a mo-
lida netucas, desde que reconheoeram aoa bis-
p .s o direito de suspensa > ex informata conscien-
Ua, oque tira a iuamovibilidade, uu tem aprimiti
va importancia; por isso de opinio que se pro-
rooVa o divorcio cn're a igreja e o Estado, cvnja-
i'es que vivem mut" mal: concorda coro o que
disso o Sr. presidente do conselb i acerca dos bis-
pos, que si> homens emi leutes, e siguas *t vi-
roes verdadeiram inte eminentes. Coherentes com
a su i t, elles ni olham pira nacionalidades:
catholici quer dizer universal, e tal urna das
grandes qialidadee da igreja Entretanto, vota-
r pela eroeuii. substitutiva.
Na sesso s guinte, continuando a discusso, fi-
zerain ligeiras rerl xoes os Srs. L>io Velloso e
Parauagu, aqueile contra o adiameuto, que ua la
adiantava era seu entender, e este a favor. To
mou a palavra o Sr Franco de S, qne falloa lar
gamente, j sustentando o additivo o ji tornaado
salieute a divergeucia q ie se havia manifestado
ao seio do gabinete, e fizeodo a c rafroutaco dos
dlzeres d > Sr Mamor com os do Sr. Cotegp ;
aqueile aceitn o additivo em uorae do governo, e
estt repellio-o era todos os pontos.
Nii se enmpreheude, ou lera o orador, cam >
possa sur possivel a coutinuaco do uobre miis-
tro do imperio no ubiueie, depois de ter ido as-
sim exa >t rado pelo nobre presidente do conse.bo.
A pusico de S. Exc. no ministerio insustenta-
vel: S. Exc nao p >i aceitar o adiameuto, era
abandonar o projecto, depois de anas cathegorieas
declarado-a. Ni deseja a retirada do uobre mi-
uistru, urna VHSquesenioretire todoo miuisterin, o
que reputa til a causa publica ; m*s, continuan-
do este e permauecenio a m-aroa p ditiea, fas ro-
tos para que contm i o nobro mimstr >, que t un m
a si a tarifa do saneamento desta capit.l; mis
por amor do prestigio do poder publico, j tiu
abatido o por bem de S Exc. mesmo, enteade que
a nao desistir o Sr. presidente do conselho de. sai
o.lima i sobre o additivo, o uobre ministro nao po-
ds continuar a aer seu c nnp inheir j : ama posi-
qo iasustestavel. *
Neate seutido fes amda outras cnnsideracdes.
Responden lo, o Sr. Mamor charo u a attenco
do Senado sobre alguna pomos do sea anterior
discurso que aceitava o projecto reservando-so o
direito de apreseatar emendas, ou cooeordar com
as que fossem aceita, pelo Senado ; o adiamanto
^o prejadicava a materia, que assim poderia ser
melhor ostudada ; tanto mais que queato hoje
j oatra, porque depois quo o orador pronauciou
aqueile discurso, J dous prelados declararara que
VJo^brlr concurso; nio pois, impoasivel que
.deasndos 30 das do adiamanto proposto, aenao
todos os prelados, pelo menos a maior parte, tenha
igual procedimeato.
. Continaojado, disse o orador, em resposta s
pergantas do Sr. Franca de S :
/- Prgantou em primeiro lugar como poder o
ministro do imperio Bustentar-se com o presidente
do conselho, depois da divergencia das opinioes
entre noi
8. Exc nao teve a bondade de esperar pela
minha resposta, e foi logo respondendo a si mea-
mo, e disse que a miuha opiniio no muisterio
era insuetentavel.
Sr. presidente, qaando me proauncici nesta
casa sobre o aasumpto, eu teria talvez sndado me-
lhor diaendo : o swntftto do imperio ou o seoador
pelo Amazoaas aceita o projecto, e nao dizero
governo aceita o projoeto.
Mas, senhorea, como o Senado 8e recordar,
fui apauhado dn sorprezo, porque entrando em
discusso esse projecto, o nobre senador pelo
Piauhy levantou-se...
O Sr. Candido de OliveiraEu nunca louva-
rei o capitao que diaaereu nao cuidei. O pro-
jecto estava na ordem do dia. Esaa deaculpa nao
serve.
O Sr. liaro de Mamor (ministro do imperio)
Mas eu nao sou obrigado senao a dar a des-
culpa quo eu entender dever dar (riaadaa), e nio
aquilio que os uobrea senadores indicarem. Peco
que me ouc/am.
Como dizia, fui apanhado de sorpreaa : o no-
bre sen idor pela Parahyba declarou que nao con-
tinuara a discutir o projecto aem ouvir logo a
roiuhi opinio. Eolio levantei-me c disse que a
opi-no do governo era a aeoitacao d> pr.ij -oto do
nobre sonado' pelo Paran como base para a dis-
cusso. (Est aqui no meu discurso), tanto que
tarab-im declarei que o governo aceitara as einen-
daa que o Senado em sua sabedoria deliberis*
apresentar.
< Fillei em nome do governo. verdade, e por
isao digo que melhor teria foito se tivesse fallado
em ame do ministro do imperio ou d& senador
pelo Amazonas.
O uobre presidente do conselho pronuiiciou-
se hontem, como o Sonado ouvio, contra o proje-
cto ; mas tamb-ra ouvimos que S. Exc, ao con-
cluir o seu discurso, disse quo votava pelo
adiamanto, e que depois na discusso era pos-
sivel qu i o conveucessem, porque Cuufessava
que nao rinha dalo muita attencio ao projecto,
por -.rer qu i se tratava do da Cmara dos Oopu-
tadoa.
Ora, pergunto, o nobre senador nao admitte
.ue posoa haver pro entero uto um accordo, quo
eu poiea harm misar as miabas opinioes com as
do nobre presidente do c uiselho ou elle as suao
com as iniuh is ?
O Sr. Meira ie VaseaucjilosSd retractan-
do se.
0 Sr. Birlo Je \! imor jmiuistro Jo imperio;
Ni', aenhor ; p.-nso, o contrario, que inanten-
]Ue aq li disso, nao llavera necessidado de
retractar-i i ero du miaba par'e uero da do hou-
rad presi lente do conselho .
iHi dit entes ar artes.)
O ou; aro. Mauteiibo o qu disse aqu, como o
i Sr presidente do coue no mantera a sua opi-
nio. Mas se per lafelieidade nao pidesso tu
ol,-.--.,- a um aceordo com o nobre presidente do
llio d; uroa roaneira digua de S. Exc. e do
.. ir, os honrados senadores compreh uJcui que
i solucio seria fcil e honrosa para ambos.
O Sr. Meira do Vasc nceilos Fazomos-lbe
juSfil,'!. I
. Piuc deu-io votico do requerimento do Sr.
Parauagu, que foi rejeitado.
Seguiram-ae com a paiavra os Srs. Curr i e
1" in i>-, que sustentaran) o additivo.
Devo aque observar que o Sr. Cotegipe, que
uesae da tiuha i !o Tijuca visitar o Imperador,
nao esteve presente seasio.
No dia immediato, praaeguinlo a discusso, ia-
cert-eia o Sr. Lafayettj no dehite eom p.lavr&s
Je couciliaco, achauli que i additivo com ligei
ras modtficicoes poda ser aceito, eem receiai
os rev irendos b spos, pe i execufao da lc, deixem
Vagas as pirocliiis do Brasil. Soria isso enorme
grvame para n consoiucia Jeases prelailos, prin-
c:pa'm'nte qn.indo reflctiss'm que em tal coo-
rlicto t'-em contra ai nio t o direito civil como o
cannico.
C-iiclulo man laudo mesa um.i emenda sup-
pressiva dos SS l' e ; isto : d) que autori-
sava o givoruo a expedir carta de apresentaco
ao vigario encommend 111, qu la lo uao lh.- i
reroe;tidas no devido tempo as pr postas resultan
tos do coueursiso e do que autorisava, na fjlta de
coacarreates, teudo sido aberto emeurso, a apre
seutaco de tres sacerdotes ciiissidc id m pe os bis-
os, e caso nao houvcrse pi' >p ista, fazer o gov r-
uo a apresentaco.
O Sr. Viriato tamb on api s :nl tu um i cm la,
estabelecendo recurso ciroi du suspe sao ex-
informata consciencia, a qual foi approvada, beic
como a do Sr. I.ifay ut', ficando assim terminaia
por emquanto a questo. Digo por emquanto.
porque o que ficou do additiv i, a i es' de aecor-
do com n que o Sr. Cotegipe expoz.
Resulta disto qae, como a proposicio da Cama
ra ful iniciad-., a ella tora do voltaro que foi udu
ptado p--lo Siiiado, e Lili nao projecto e emenda
sepultados n is pastas das commusoes, at qua
outro ministerio v desoor'.iu il-os. O actual, com
certeza, uae ir novarocate I cantar a queato na
Cmara.
Depuis Jaquella votaco, tora o Senado se oc-
cupado coro outio projecto, t uub-m ido da Cimi-
ra, que passa para os presidentes de provincia o
provu nento dos otficios d-j tatica. O debate tem
fmado largas prupuic'e, e servio de opportu-
nidade para o Sr. Atouso Celso apresentar um
aubstitutiv i, que uro longo projecto de 35 arti-
gos, contendo todis as ideas por elle eroittidas em
um folheto qu foi pub iripto aib a for-
ma de p ireeer da cojami >. -le qu e lo ra mem-
ore, en-'arrog.ida pelo Muisterio t^ar .uagu de
apresentar uro plan; de reforma da airoinisti .
provincial.
Nease p'aao, do qual divergi o Sr. A. de Si
queira, membro da roes ni commisi que tam-
bem eaerevea outro project uao s sao iat rprc-
tadjs, como reformados varios artigoa do ae,
dicioaal.
Ni; roo rota terapi para biitori.)
havida, e me ios para r te.ur-.ue sos tr ibaihos da
Camama d casio.
Est'. marcada para 17 do raez vindouro a
eleicao senatorial par i pr._ r J i v-iga dei-
xada peio Conde de Baepeody, o ainda nao co-
nhecida a chapa definitiva dos conservadores.
HbvLSTA DIARIA
luloriiluile policial. "or portara ia
presidencia, de 17 do eorreute c propona do Dr.
chufe de polica de '6, foi ex nerado Francisco
Xivier de Si, do cargo dj 1" auppleato do delega-
do do tomo de TaCarat.
Liceuca. Por portara da roesma data foi
concedida ao promotor pub. co da comarca de Bom
Conselho, bicharo-l Augusto C'sar Pe re ira Caldas,
dous m-zes de licenca com o vencineutos a que
ti ver direito, d ira tratar do sua aade.
loopeclaria le bygiene publica.
Por S. Exc, o presidente da provincia e de con-
tormidade coro o art. 14 do regulamentj erpedids
eom o decreto n. 9,554, de 3 di Fevcreiro de 1886,
f i designado o m.unbrj da inspectora d bygiene
publica, nesta capit l^r. Augusto Seraphim da
Silva para servir o o d inspector durante o
i.npedimeuto di Dr beas Vaz de Oliveira, que
Se aeh i n os i de 1 c iica.
Loieria -E' j', couhecido tudo o quo se tem
passaJn relativa nente grande lotera de 4,00#
eoutos, de que thesuureiro, o teuente-corsnel
Fraueisco (ioucalves Torr s.
Depois de aliada por maia do urna vez a ex-
triccu a mesma lutnia sem qae u th"soureira
podesse conseguir realizar uos pras s marcados a
respectiva extraccio, foi pir S. Exc. o presidente
da provincia ordeuada a liqui laco.
Pelo Ihesmro Hisv acial foi desiguada urna
eo omiaso para tomada de eoutas dessa lotera,
m vos coustautes dos documeutoa, que ero seguida
publieamos.
I npo.-ta"tes interesses se acham depenlentes
dessa lolen* e, quaudo uo seja por outros moti-
vos, basta o que se prende aos direitos dos porta-
dures d-a bilhates vendidos para que a adminia-
iraoo provideacie, empregaado os meios nec sa-
nos para que a lei seja curopri ia e nio sejam, le-
sados ua que coufiaram na propria lei e babilita-
. am se ne concurso dos jugadores da lotera.
I IUS1K1 >


Diario de P^raanibocoDomingo 19 de Junho de 1887
/

Eis os documento

bueo
..ijfc temos noticia de revolta de eseravos na
N. 666. Tbesouro Provincial de' Pernam- provinit.
Em 14 de Junho de 1887. Illm. e Exm. Fugiram todos os eseravos da tsenla do oa-
8r.Partioipo a V. Exc qu.-, apreseoteaio-ae uoJp*Uo Ouarta em Campias.
respectiva tbesouraria a commissao etfcarregaoa] k. C-lcula.se existir nesta cidade 2,000escra-
de liquidar a grande leUria em favor dos inga- vos.rugidos.
nuos da Colonia Isabel, deelarou-lhe q thsdhrei-
ro, conforme consta do incluso offieio de 7 do o
rente, da referida commissau, que nada tinta c
oor-
com
o Thesouro, porquanto as suas contat, so, toa visas
de ser prestadas em juizo ; e tendo-lhe jjsta iiv.
speetoria oficiado id 8, offieio sob n. 827, pediifta
os motivos que determn .rain o procediment* d*
qu9 se trata, at esta data nJo obteve- reaposta ;
pelo que V. Exc. resolver como julgar conve-
niente. Deus guarde a V. Exc. Illm. e Exm,
Sr. Dr. Pedro Vicenta de Asevedo, muito di^no
presidente da provincia. inspector, Antonio
Witruvio Pinto Bandeira e Accic'.i de l'ascon-
cellos. ,
Thesonro Provincial de Pernambuco, ( d-
Junho de 1887. .
. Iilin Sr.Nao toado a commissao abaixo as
signada podido cumprir o que foi pjr \ t>- crJe-
nado na portara de 10 de Maio ultimo, com rea-
tomada d>is coatas da grande lotera de.....
4,000:000u00 pelas razos coustautes Je seus offi-
cios de 14 e 16 do referid* mc-z, cabe levar ao co-
uhecmeoto de V S., que teado h je se aposen-
tado para o fim alluJid na respectiva thesouiana
das loteihs, foi dito pelo tbesoureiro que uo ti
nha que dar coutas no Tbcscuro ; porqo into as
suas contas s haviam de sor prestadas em juizo
e por sao nada poderia foruecer eoncernente ao
deseinpcnho da ineuipbeacia da referida com-
missao.
N asa emergencia, apressa-se a commissao em
comaouniear a V S. o occornde, a6m de que se
digne de providenciar a respeito.
Deus guarde a V. S. Illm. Sr. Dr. Antonio
Witruvio Pinto Bandeira Accioly do Vasconcello ,
dignos inspector deste Thessoro.O Io escriptii-
rario, Joaqun Lucillo de Siquetra Varejo.O 2
escriturario, Augusto A. Paulino da Silva.
Recebedoria fierlTermina no dia .'0
do correntc a cobranca, sm malta do 2." semes-
tre do imposto predial do exercicio crrante (1886
1837).
Descuido caroConsta-nos que o Sr. ge-
ueral CUriudo, ao presidir o conselho de forneci-
mento, pela primeira vez depois que assamio o
commando dai armas desta pr^vim i, verificou
iue os consolaos qu teem funecionado de Ouiu-
bro de 1881 at 7 d; Den moro do anuo findo, ul-
timo interior su a presidencia, deixaram de dar
cumorimeuto circular du Ministerio da Guerra
de 2*0 do Agosto daquelle anno, que alterou para
menos as tabellas de Jistribuiclo de gneros s
pracas e da forragem aos uavalloa do Estado, re-
sultando da falta da fiscaiis icao em servico de
tanta importancia, segundo calculo feito por alto,
a sabida de cerca da 3:0U0, illegalmeut, dos
cofres pblicos !
O Sr. commandanlc das armas, diz o noaso in-
formant den de tudo conhecimento presidencia
e mandou, com autorisai- i da uieema, por em
execuco a tabella de 18S4.
Se este descuida do primeiro con3elho que fua-
cionou depois de recebida a circular de 29 de
Agosto, passasse desapercibido ao Sr. general
Clarn io, como passou aoa s--us antecessores de
1885 para c, at quando continuara o Estado a
serprejudicado em mais de 1 ;000/000 por mes ?
aicabuuiloft Pedein-uos moradores da
roa Yiute e Qiatro de Maio, que reclamemos do
subdelegado da freguezia de S. Jos providencias
no sentido de acabar com uina malta de vadios, i
que all se reunem todos os dias, fazeudo alga-
zarras e deiputando de um modo to inconvtnien j
te, que as familias se vem privadas de chegar s nistr.cao da companhia
TaubatYlO de Jauho.
Aqu nao houve revolta de eseravos, nem cons-
U qoe a honvessoem fazendas do municipio.
- CompanhlaferroCa rllPassageiros,
rtme eato habituados a tranaitar no pequeo bond,
fojo pon'o terminal era na equina da ra Por-
nfosa poJem-noa, que reclamemos do digno geren-
te providencias no geatido de continuar esse ser-
vij i a ser feito, e mi d'an es, e nao como est
sendo agora, voltaudo o 6ond da ponte Santa
Isabel.
Ah fica a reclamaclo, mas p irece nos que a
alteraeao deas servifo foi motivada pelo transito
que agora fazem pela ra da Aurora os bonita da
linha da Magdalena e Fernaud'-s Vieira.
Seis de OulubroR'cebemos o n. 10 des-
|e j iraai, orgo da Associafao dos Funccic; ros
Provinciaes.
Sempre interessaute o bem cscripto.
Agradecemos.
v^IjiberJaileEm attenclo a carta pastoral
do nosso bispo ducesano sobre o Jubileu Sacerdo-
tal do Santo Pidre Leao Xill, acaba o Exra. Sr.
Dea) Dr Jop.quim Francisco de Fanas, de con-
ceder na vclha cid Je de Olinia, lberJade, sem
onus ai/um, ao seu nico escravo de nome Cons-
tantino de 29 annos de i.iade.
S. Exc assim procedeuJo iut^rpretou perfjita-
mente os ceatiinentos da religiao e cardade e
mais ainda, deu, em virtude do cargo elevado que
oceupa na cathedral, um brilhante exeicplo de ad-
besao a justsimo if-pelo que tez o Exm. Sr. D.
Jos ao clero e aos fies.
<|ui- dentadura Hontem foi recolhido
Casa de etcnjo um guloso de nome Germano
Jos de Sant'Anna, por te; na campia do Poco
da Pauella, arrancado a dente urna boa parte da
orelha direita do menor Jos
Vapor Camfllo. Este vapor ebegar ao
uosa i porto boje e seguir para o norte logo que
receber as malas.
Jrteunie* eclae* Ua hoj.; as segain-
tes:
Do Gremio Recreativo F-.miliar, as 4 horas da
tarde, em sesslo da assembla geral, e em segu
da haver recrcio, ra do Imperador n. 19, Io
andar.
Da Sociedade M 'dica, hora e lugir do costu
me, i>ara ser \otida a redaeclo dos respectivo?
tstatutos e deliberir-se aobre a eleicao da admi-
oistraco.
Dj Monte Po Popular Pcrnarabucano, s 10 h>-
ras da mauh, para leitura di relatorio e balan-
cete do 1' semestre.
Experiencia nuticaL-ss nD Jornal
do Commercio da ente :
A borio do paquete nacioaal Camillo ancorado
na Siude, reuoiram se houtem numerosos convi-
dados, entre os quaes algumas familias da nossa
b'a sociedade, para um pisseio fora da barra,
realisado com o fim de exeperimentar as eondic5es
do navio, depois dos importantes reparos por que
passou.
Ao meio-dia o Camillo sarpou e, depois de pe-
qu-na vo!ta dentro da bahia. trangpoz a barra com
direeclo lba Rasa ; na altura, ponm, da Copa-
cabana, to incommodada3 cst^vam al guias das
convidaaas qu* forcoso.loi v^ltar, com grande pesar
das outrae, que alegremente dansavam quadrilhas
e poikaa exeeutadas pela banda dimusicr-s alie
ma"8
F i servido uu lauto lunch.
Duraute o passeio, es representante* da aJmi-
Marisco n. 7, da armacao e utencilies do deposi-
to ahi sito.
Pelo ayente Martina, s 11 horas, na ra do Ria-
chuelo n. 9, de bons e importantes moris e
piano.
Mi*a* fnaebre. Serio celebradas :
Segunda-feira :
A's 8 horas na matriz de Santo Antonio, pela
alma do Dr. Francisco Alves da Silva; s 7 horas,
na greja da Soledade, pela alma de Silvino do
Seg Pacheco; s 7 1/2 horas, na matriz da Boa-
Vista, pela alma de D. Mara Coelho Melra.
Terca-feira :
A's 8 horas, na matriz de Corpo Santo, pela
alma de D. Amelia Neves Rodrigu.-s.
Quarta-feira :
A's 7 b iras no convento do Carino, pela alma de
Joe Mara de Alencar.
PaisaagelroMChegados dos portos do sul
do vap >r inglez Bioniego :
Augusto dos Santos Fon.cea, P. de Miranda
Souza, sua senhora e urna irmS, S. H. Red, Bel-
larmino Vieira Machado, Manoel de Siqueira Ma-
Guilhermioa, Pernambuco, 4 mezes, S. Jos;
athrepsia
Julia Maria da Conceica, Pernambuco, 12 an-
nos, solteira, Becife; tubrculos puimonaies.
Joa Angelo da Silva CosU, Pernambuco, 50
annos, casado, S. Jos ; endocardite.
Isabel Henrqueta Ingles de Sonsa, Para, 25
annos, solteira, Boa-Vista ; tubrculos pulmona-
res.
INDICARES IE1S
galhes, Leonardo da Silva, Miss Conolly, e Piato
Le i
itc.
janllas das habitado-s. Ordinariamente s con-
tendas por meio de pitavrada seguem-ee as bri-
ga3 por pancadaria, o que traz em continuo so-
bresalto os habitantes da ra.
O subdelegado de S. Jas eertamsnte na> cnu-
sentr, que cm seu districto con'.inuem taes va-
gabundos a proceder de um modo to iuconve-
Theatrowil-ije no theatro de Santa Isabel j tracto est.va a cargo da Companhia de Liverpool,
d a companhia lyrica da Sra. Xagh-'l a opereta j pertence hoje nova empreza Norte e Sul, da
rorum iiicausave-9 em
obsequiar os convidados.
A's 2 horas da tarde estava o Camil'o tundeado
no lugar donde partir.
Entre os convidados achava-se a itEeilidade
da corveta italiaaa Aincrir.o Vespucio.
O paquete Camillot que o veibo vapor Cervan-
tes, um dos <{ue faziam o servico da liuba subven-
cionada at Montvido, quando o respectivo con
Sinos de Corneville em 3 atos e 4 quadros e
pelos principaes artistas S3i executado um acto
do concert.
No theatro de Santo Antonio representa a
compnnbia do Sr. S ares d Medeiros o drama de
grande espectculo em 5 actos Urna desordem
no alo mar.
SabvenciioNa forma do contracto foi au- ,
torisado o pag.ment da quantia de 13:276j"260
Companhia Brasileira de Savegacao como sub-
veneno correspondente s 5,322 milhas navegadas
pele vapor Bahia, na viagem em que naufragou
entre as provincias da Parahyba o Pernambuco. j
Testamenlo O tinado senador Aut na
Pinto Caiehorro da Gama d^ixou testamento, que recta, c m dous e.xos de manivella. As carvoeiraa
foi abeito no dia 11 do coTcnte nojuizo da pro- I carregam H>0 toneladas,
vedoria onde foi apres- ntado pelo Sr. conselheiro Tem tres guinchos vapor e tres escotabas.
qual gereute o Sr. Claudio S. de Vicenzi.
E3te navio, que foi construido em Ni w-Cistle,
em 1871, u^s estaleiros de Audr w Leslie & C,
tem as seguintes dmenso.'s :
Comprimento 2511/2ps
Boca 29 1/2 .
Poutal 17 1,4
Forca nominal IbO cavallos.
dem effectiva (>00
Lotacao 1130 toneladas
C liado 7 1/2 ps
vasio e leva 13 toneladas de pesociocada
po!legada de immersao.
A machina do svatina Compound, acc) di-
Franklin Doria.
O tostamento ao foi dado pab'icidsda. Uui
amigo, porm, que sabe, disse que o primeiro tes-
tam nteiro o Sr. Vise inde de Paranagu c o se-
gundo o Sr. conselheiro Doria.
Sao principaes herdeiros os sobrinh s do fina-
do. Tambern foi contemplada com importante le-
gado a filha doSr. Viaconde de Aracaj. Entre
outros legados, ha um de 20 apo'.iees para a ordem
de S. Francisco de Paula.
Ht* llueca o de tama Pelo ministerio da
agricultura foi expedida a seguinte circular aos
directores das estradas de ferro do norte do impe-
rio : j
Attendendo s precarias condicoes da indus-
tria assucareira as provincias do norte do impe-
rio, resolveu o goveruo imperial, no intuito de au-
xiliar tao importaste ramo de actividade nacional,
que cousttue o maior factor daquella riqueza
publica naquella tacha do imperio, que d'ora em
diante sej* cobrado as estradas de ferro do Es-
tado, as provincias da Baha, Alagoas, Pernambu-
co e Cear, o transporte da canoa, quaalo desti-
nada como materia prima a qualquer usina central
ou eagenho particular, pelos preeos abaixo men-
cionados :
Por tonelada, kilmetro, 20 ris, sendo a3 ex-
pedifoaa ignaes ou inferiores a capacidade de um
vragoa. Para as expadives que cooipletarem a
capacidade de 2, 3, 4 e 5 ou mais wagons, se fa-
rSo respectivamente os abatimea'.os d^ 20, 30, 40
e 50 por eento sobre a taxa de 20 ris aeima fi
xada.
Deus guarde a Vmc.-Rodrigo A. Silva.
obre o Sr. naque de ase. Diz o
Paiz da corte, de 8 do corrente a seguinte noticia :
Tendo o governo imperial resclvido nao pro-
rogar a lceu(ja com que se ach na Europa o t>r.
Duque de Saxe, foi essa resoloco cominunicada
Suu Alteza, afim de que declarasce ao governo se
tencionava fizar a sua residencia fra do imperio.
O Sr. Duque de Saxe declarou que era essa a
sua tencao e nomeou um procurador bastante para
ajustar nesta corte com o governo, nio s a entre
ga do dote de sua fallecida esposa como a garanta
da inalienabilidade do capital e tudo o mais que se
acha estipulado na convencao matrimonial.
Declarou mais o Sr. Duqne de Saxe que os
seus filhos D. Pedro e D. Augusto, tendo sido edu-
cados e sempre residido no Brasil, desejavam per-
manecer no imperio, pelo que pedio que Ihes fosse
conservado o direito garantido nos arts. 109 e se-
guintes da constituido aos principes da caea im-
perial, de receber alimentos e urna dotaeo por oc-
casio do seu casamento.
Quanto mjortaoeii do dote garantido sua
fallecida esposa, pedio que fosse paga em ouro na
praca d Londres, conforme o padrao moneta-io de
1600) por oitava de oiro a 27 d sterlinas por l
-/Ja O governo est estudando as bazes d'essc
ajuste.
0 eseravos esta M. Paula.Lemos no
Paiz, folha da lrte, de 11 do correte o seguinte:
i. Tendo hontem circulado nesta corte insisten-
tes-boatos de sublevaeao de eseravos em S. Paulo,
telegraphirnos aos nossos correspondentes n'essa
provincia, pedindo-lhes informa^oes a respeito.
< Em reaposta recebemos os telegrammss que
tiblicamos ni respectiva seccSo, pelos quaes co-
nhecero os Uitores que taes boatos procederam
da fuga de eseravos de urna fazeoda do mnoioipio
de Cumplis.
Consta taccbfm dos telegrammas que os fugi-
tivos iam em procura de asylo ou de abrigo na ci-
dade de Santos.
Sao estes es telegrammas :
8. Paulo, 10 de Junho.
Aqoi nada consta de revoita de eseravos de
que nos diz havr noticia na corte.
< Teem fgido eseravos de algumas fasendas, e
esta noite mnitos eseravos da fszenda do Sr. Pe-
dio Egydio, do municipio de Campias, desapoa-
rseeram 4'alli.
Consta que os fugitivas eeguiram para San-
tos.
Saot. s, 10 de Junho.
O casco de ferro, convz e obras exteraas de
teca.
Tem espacias accominoda^o's para passrgeiros
de Ia classe, e o salo de refei^ao, que est sobre
o con vez, elegantemente adornado.
O Camillo, como dissem,os, piss.u ltimamente
por importantes reparos, tanto ia machn'* como
na caldeira, feitos oa offijina dos Srs. Couto S.nall
4c C.
As cmaras e silo foram de aovo prep irados
pelo pintor Frederico Steckel, de modo que o na-
vio apresenta o aspecto de inteiramente novo.
A Companhia Brasileira acaba de fretar o Ca-
millo para substituir o Cear em quanto nao che-
gain os novos vap,res encommendados.
E' de esperar que as condico '8 actuae3 cm que
se acha o Camillo, oa passageiros do norte se ucha-
rao lao bem como em qualquer d;s outros paque-
tes da companhia.
A marcha uo navio, na experiencia de hontem,
realizada com todas as condicoes favoraveis, foi
de 10 1/2 milhas por hora
A linha norte sul estabelecida pelo Sr. Claudio
S. de Vincenzi, veio preencher urna lacuna que
exista n i navegasao costeira a vapor uiat u i>
viagens directas entre a provincia doRioGraode
do Sul e as da Bahia e Pernambuco com mamfes-
ta vantagem para o commercio em geral. A ex-
periencia destea ltimos seis mezes tem demonstra-
do que a idea foi bem acceita, nao s pelo encurta-
mento do tompo das viagens como tambern pela
notavel econtmia c vautageas que resultara da
8uppresso das baldeares.
Directora da* onrasj de cunserva-
eo don porto*Bolotim meteorolgico de
dia 17 de Junho de 1887 :
Horas 5 "2 o O 3*3 g2 5 o 60
6 m. 9 12 3 t. 6 i2-6 24'-2 25'5 261 25-6
Barmetro a
0
6i">38
762>26
7620.
760 "95
761ml6
T.m'io
do vapor
17,57
18,12
20,15
20,00
19.35
T3
o
A
3
K7
79
S
SO
8')
Temperatura mxima 60,25.
Dita minima22\5.
Evaporario em 24 horr s ao sol : 3*,9 ; som-
bra : 2",4
Chuva3>,3
Direcga i do vento: SW de meia nuite at 7
horas e 19 minutos da manliS (com interrupedea
de Ss W e WSW); S at 8 horas e 14 minutos
da manlia ; SSW e SW alternados (com interru-
pV'oes de WSW) ; S at meio da ; v.-.riavel entre
S e SE at 2 horas e 53 minutos da tarde ; S at
9 horas e 4 minutos da tarde (com interruptor
deS'Ee SSW); at 10 oras e 50 minutos ; SW
WSW alternados at meia noite.
Velo-idadc media do vento : 211,13 por segundo
Nebuiosidade media: 0,74.
Boletim do porto
3-2 a a. Di i Horas Altura
P. M. B. M. P. M. 17 de Junho a 18 de Junho 146 da Urde 8-24 219 manh 2,18 0,75 2,">19
liCtiart*iUeciuar-se-aao:
Segonda-feira:
Pelo ngenU Guamo, s 11 horas, ra Imperial
n. 151, da taverna ahi sita.
Pelo agente Martina, s 11 horas, ra larga
io Rosario n. 33, de movis da mesma casa.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, ra do Brum,
de 1*0 sancas de al^udo avariado.
Pelo agente Britto, s 10 1/2 horas, no becco do ao Jos ; dysenteria.
Sabidos para a Europa no mismo vapor :
Miss Beatrice Dowsley, Joaquim Duarte Villa-
Nova, Manoel Alvarez Pitlo, Camillo Rodrigues
Alonso e Mr. Robinson.
Chegados do sul no vapor fraucez Vi Me do
Cear :
Antonio Vasquez Lpez, fre Man el do Espi-
to Santo Coutiuho, Hermenegildo de Britto Cu-
nta, Paulino Marques, Schmidt J. Paul, Catel
Eluard, Weaaer John e Bonifacio Ribeiro dos
Aojos.
Cana de DetencoMovimento dos pre-
sos da Casa de Detenco do Recife no da 17 de
Junho :
Existiam 356 ; entraram 8 ; sahiram 17 ; exia-
tem 347.
A saber :
Nacionaes 315; mulberea 7 ; estrangeiros 14;
escravoi sentenciados 3 ; dem processados : ;
idem de correceo 6.Total 347,
Arragoados 307.
Boas 294; doentes 13Total 307.
Movimeoto da enfermara.
Teve baixa :
Manoel Juvencio de Oliveira.
Teve alta:
Bente, escravo de G il vil i Cavaleante.
Lotera do Cira-ParEis es premios
da 1' parte da 10' lotera do Gro-Par, extrahida
em 18 do correte:
615 120:000*000
16175 30:O0./O00
5557 12:000*1.00
4>6 6:00 O00
16)77 3:000*000
Estilo premiados C"m 1:500*000 os seguintes
nmeros :
8858 12158 13582
Estilo premiados com 600*000 is seguintes :
2335 3393 7948 8747 17609 19374
Estao premiados com 300*000 os seguiutes :
2645 3351 5217 5619 7136
11013 12999 14073 172d6 17295
Approximacoes
614 1:5005000
616 1:500*100
16174 600*0.0
16170 600*0 0
5 56 150*)00
55L8 150*000
Os nueros de 6'1 a 620 estao premiados com
150*000 i.i.-iusive o da sort i grande.
Os nmeros de 16171 a 16180 es'ao premiados
cora 90*0JO inclusive o Ja sorte de 30 contos.
Os nmeros de 6)1 a 700 estSo premiados com
90/COJ.
Os nmeros do 16101 a 16200 estilo premiados
com 6' *0 0,
Os numeres terminados i-m 15 estao premiados
cora 60*000.
Os nmeros terminados em 75 estao premiados
cum 60*000.
Todos 03 nmeros terminad >s em 5 e 6 estao
preciados eoin 3'i*<)00 excepto 03 terminados era
15 e 75.
Lotera do CearEsta acreditada lote-
ra :ujo premio maior de 15:000*000 ser ei-
trahida no da 22 do corrente.
Os bi befes acham-se venda na Roda da For-
tuna ra Lirga do Rosarie a. 36.
Tainb'm acbam-se a venda na Cass. Feliz na
prae,a da Ijlependeocia ns. 37 e 39 e na Casa da
Fortuna ra Primeiro de Marco n. 23.
Lotera da provincia No dia ..
do corrente, s 4 horas da tarde, se extrabir a
7 loteras, em beneficio da matriz da Boa-Vista
do Recife e, no consistorio da igreja de Nossa
Senhora da Couocifo dos Militares.
No raesmo cousisrorio estarlo expostas as ur-
ane as eapherasa apr. cisca) do publico.
Lotera da corteA 204' lo cria da cor-
te, pelo novo plano, cujo premio grande de....
30:000000 ser extrahida no dia .. do cor-
rate.
Os bilhetos acham-se veuda na pra$a da In-
dependencia na. 37 e 39.
Tambera acham-se venda na Casa da For-
taaa ra Primeiro de Marco n. 23, de Martins
Fiuza & C.
Lotera do rao Para-A 1 sei ie da 11
lotera desta provincia, pelo novo plano, cujo pro-
mio grande 100:000*000, ser extrahida no dia
22 de Junho.
Biihetcs venda na Casa do Ouro, ra do Ba-
ro da Victoria n. 40 de Joio Joaquim da Costa
Leite.
Tambera achum-sc venda na Casa da For-
man ra Primeiro de Mare;o n. 23, de Martins
Fiuza & C.
Lotera da provinciaA 7 lotent em
beneficio da matriz da Boa-Vista do Recife, ser
extrahida ao da .. do correte, a 4 horas da
tarde.
Oa bilhetes garantidos acham-se venda na
Casa Feliz na prca da Independencia ua. 37
e 39.
Tambera achara ee venda na Casa da Fortuna
ra Primeiro de Marco n. 23 de Martis F.u-
za&C.
Lotera da ParahybaEsta loleria cujo
premio grande de 20:000*000 ser extrahida no
da 23 de Junho 's 3 horas da tarde.
Oa bilhetes acham-ae venda na Casa do Ouro
ra do Baro da Victoria n- 40 de Joao Joa-
qnim da Costa Lete.
Tambera acbam-se venda na Caaa da Fortuna
rua Primeiro de Marco n. 23, de Martins Fmza
& C-
Lolerla do Espli ito-Santo-Esta lote-
ra cujo premio grande 60:000*000, ser extra-
hida no dia.. do crrente.
Os bilhetes acham-se venda na Roda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Tombem acham-se venda na Casa Feliz na
pra(,a da Iudependenf ia ns. 37 e 30 e na Casa da
Fortuna ra Primeiro de Marco n. 23.
Lotera da provincia do Paran
A 16a lotera desta provincia,pelo novo plano, cu
jo premio grande de 15:000*000, se extrahir
no da 21 de Junho.
Bilhetes a vonda na Caaa da Fortuna, ra
r'rimeiro de Marco numero 23, de Martina Fiu
za & C.
Lotera de Alagoas A 18 parte desta
lotera, pelo novo plano, cujo premie grande
de 10:000*000, ser extrahida no dia .. do cor-
rente a 11 horas da manh.
Oa bilhetes acham-se venda na Casa Feliz
praya da Independencia ns. 37 o 39.
Tambera acham-se venda na Casa da Fortu
na ra Primeiro de Marco n. 23, Martins,
Piusa aC, esa Esmeralda, ra Larga do Rosa-
rio n. 24.
Lotera de S. Paulo Eata importante
lotera cujo premio grande de 10:000*000 ser
extrahida uo da 20 do correute.
Oa bilhetes acliam-se a venda ns Esrp?ralda
rna Larga do Rosario n. 24 A.
Censiterlo PublicoObituario do dia 17
de Junho:
Pedro, Pernambuco, 11 mezes, B6a-Vista ; gas-
to entente.
Mana, Pernambuco, minutos, S. Jos ; fraquesa
coogeuita.
Antouia Maria da C^nceicio, Pernambuco, 40
anuos, solteia, Ba-vista; tubrculos pulmona
res.
Luisa Jovita, Pernambuco, 45 annos, viuva,
S. Jos; hepatite.
Elisa de Souza Goncilves, Pernambuco, 35 an-
uos, solteira, Olind ; byatero epilepsia.
Francisca Mana da Couceicao, Pernambuco,
50 annos, solteira, Recife; febre typhica.
Urna crianca do sexo masculino, Pernun.buco,
Afosados ; ao nascer.
Manoel Silvestre de Souza, Pernambuco, 16 an-
nos, solteiro, Recife; bronchite.
Joaquina Benedicta, frica, 80 annos, solteira,
Hdicoso
O Dr. Lobo Hoscoso, de volt?, de sua
viagem ao Rio de Janeiro, conntia De
oxeroicio de sua profissao. Consltuas das
10 s 12 horas da manhE. Espeoialddes
eperayoes, parto e molestias de sen horas e
meninos. Ra da Gloria n. 39.
Dr. Barreta Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1." andar da casa
a ra ia Barao da Victoria, n. 51. Resi
dncia rna Seto de Sotembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
O Dr. Castro Jess tem o seu consul-
torio mlico, ra do Bom-Je3us n. 23,
sobrado.
Dr. Gama Lobo medico operador e par-
teiro, residencia ra do B. de S. Borji n. 2(3.
Consultorio: raa Larga do Rosario n. 24 A.
Consultas das l horas da manir s 2 da
tarde. Especialidad e molfistias e opera-
res dos orgaos genito-urinarios do homem
e da mulher.
Dr. Joaqaim Loureiro madi -o i p .rt >ro
Consultorio na ra do Cabug n. 14, 1.-
and r, de 12 s 2 da tarde ; residencia no
Monteiro.
Dr. Seve, raedbo, parteiro e operador,
ra Princeza Isabel n. 7.
Consultorio Homwopatico
O Dr. Miguel Tkemudo, medico ho-
rccBopatico, tem o seu consultorio ra do
Barao da Victoria n. 7, 1." andar, onde
d consultas diariamente da3 12 s 3 ho-
ras. Cha nados por eaeripto a qualquer
hora do dia ou ia noite.
O Or. Uarroft Ciuimaraem
Pode ser procurado no esjriptoro dcste
Diario das 11 horas da :nanh2 s 5 da
tarde, todos os dias.
Proiualor publico
O l.o promotor publico, Dr. Freitas
Henriques, mudou-se da ra da Aurora
para a da Uniao n. 5.
titulo w
Do eleitor
Art. l.o E' prohibido ao eleitor, sob pena de ser
eliminado da qualifieaco por dez anuos:
I Pedir de qvalqurr modo, recompensa de qual-
quer genero pelo voto.
II Pedir eu mandar pedir de qualquer modo o
voto de outro eleitor para qualquer candidato.
Paragrapho nico. O eleitor s pode votar no
distrieto e seeoio em que estiver nltimam.nte
qualificado, embora nao tenha sido eliminado de
precedente qualifieaco.
{Contina).
Tiiesonrarias das grandes
loteras
O Tribun .1 da RilacSo dove estar eon
tente.
J estao produzinlo cffoito as doutrinas
do accordo proferido no habeas-cerpus do
Sr. Francisco Goncalves Torres.
Este erapregado doolara formalmente
que nSo obedece mais a seu chefi Prefere
entender se com a Relacao.
Esta .estatuto qua o emprngado de Fa-
zenda nao responde perante as leis fiscaes
senao por dinheiro publicoisto 6, aquello
que se arrecada para occorrer s depezas
necessarias existencia do Estado e que
pelo contribuinte pag > obligatoriamente e
por forqa de le, (textual) e nunca pelo
que estiver as caixas de depsitos, ou
por doiicSes ao Estado, ckuc.o'.'s, lote-
ras, etc., etc.
O Thesouro, entretanto, quj ainda se
rege p r lei que nao ple ser revogada
ppa Relacao, obrigado a rezar por ou-
tra cartilha.
N'estas eoncSes, o Sr. Torres qu^r
antes se haver iom a Relajao.
fi faz bem.
Manoel AgoBtinho Pontee.
oDefiidorM
Dr. Cemeotino M squita Wanderly.
JoSo Bento Montero da Franca.
Bento de Souza Mira.
Gaspar Jos de Mello.
Manoel de Souza Rocha.
Vicente Lieioio da Costa Campello.
Indio Antonio Jos de Souzs e Silva.
JoSo Martins Pontos.
Francisco Antonio do Oliveira e Silva.
Barao de Araripe.
Barao de Sarinu&em.
Heleodoro Can Jilo Ferreira Ribello.
Oueen's Milee
On Iii.siIh.v CI'mi. inat. a ubMcrl-
ptiou vrill be opened ut tbe I.ondon
A Brazilian Uaiik lo Inaugrate a
Bcueiuic- i Seclety. tbe objert of
%v.ii to dlstr-MMt'd EU'-iMhi'i'M or tbe llri-
listb eoiuaiunity.
Donaliouw vilI be thankrully re-
celve] : and tiiose who denire to bc-
come nembem ot tiie Kociuly are
rcquenied Kiiiiliv. to wenil ia tlieir
"ame to tbe Uank.
Ilute* are in coume of pr<-pai-aiion
and a mectius; wili be called ivliem
by are rcailj
Ao paiilico
O Dr. Milet mudou seu esjriptorio d-^
advocada para ra do Duque de Casias
n. 50, 1. andar.
Hrowftn
Francisco Manoel da Silva & .. i, .o.
iiUiios de todas as especialidades pbarma
oeutioas, tintas, drogas, productos chitnics
ej Jiedicamentos homoeopaticos, ra do M r-
qu^z de Olinda n 23.
Drogara
Paria Sobrinho & C. droguista por atta-
cado, ra Mrquez de Olinda n. 40.
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de carapina
de Francisco dos Santos Macado, caes
de Capibaribe n. 23. N'este grande esta
belcjimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra-se e vende se madeiras
de todas as qualidades, serra-so madeiras
de conta alheia, assim como se preparara
obras de carapina por machinas e por pre
yo sem competencia Pernambuco.
PLBLICACOfeSA PEDIDO
Aditamento e reforma da lei
eleltoral
Offeree;o Aasembla Geral Legislativa a ae-
guinte reforma o'eitoral.
Recife, 7 de Junho de 1887.
Afionso de Albuquerque Mello.
IITCVO I
Da habilitago para ser eleitor
Art. 1." Podem ser qualificados eleitorcs os ei-
dadlos braeileiros que, tendo 21 annos de idade e
com domicilio de mais le dous anuos eui cidade,
villa ou povoado, sujeitos dcima urbana, sou
berem ler, eserever e contar pelas quatro opera-
coes rudimenties praticamente.
Art. 2.o A respeito dos que tivercm outro domi-
cilio, prcvalecern as disposi^es e excepfoes da lei
eleitoral em vigor.
Art. 3. Exceptuam-se :
I. Os que a lei qualifa eleitores por titulo
de arreniameato, quando este for de parte de um
predio rustico.
Os que se aeharem qualificados por titulo de
srreudamento nestas condiydes, ser) eliminado*
na primeira revisao, assim como os que tiverem
sido qualificado por falsa allegarlo ou falsa prova.
2.o Oa magistrados, os juisss muuicipaes o
substitutos, como todos aquelles a quem sob qual-
quer futura den minaclo possa compotir julga-
mento no processo da qualificafao.
3 O ministro de qualquer religiao ou ceita
religiosa.
I.0 Os que de publico sustentarcm a supre-
maca do poder espiritual sobre o temporal.
| 5." Os que de p'iblicj eombaterem os prioci-
pios da existencia de Deus e da immortal ida le
d'alma.
TIHCLO II
Da qualificacSo
Art. 4.* A prova da capacidade litteraria preau-
me-se feita quaado essa capacidade for inherente
profissao do qualificando, segundo a apreciacao
do julgador.
Art. 5. Pora deste caso a prova de saber ler e
escrever ser a peticao escripia e assignada pelo
qualificando, segundo a apreciacao do mesm i juizo
e certificado do exame publico do conbecimento
pratico da arithmetica, annunciado por editaes e
pela imprensa onde a houver. O dito exame ser
feito pelo delegado littciario e dous examinadores
Dor este nomeados, sendo sempre um o professor
do lugr, quando nao houver impoaaibilidade.
Art. 6.o Aos documentos da qualifieaco, acom-
panhar a prova escripta deste exame, pela qual o
juiz de direito pode alterar o julgamento dos exa-
minadores.
Art. 7. Estas provas serao aasignados peos
examinadores e espectadoresque o 'quizerem fazer,
para o que o delegado litterio os convidar.
Art. 8 Nao permettido requercr a qualifiea-
co de oufreiD, ainda mesmo antorisado por oro-
curafo, nem mesmo ser portador da peticao de
terceiro.
Art. 9." O qualificando ao receber do juiz de
direito o recibo de sua peticao documentada, as-
signar o seu nome em um livro aberto, encerrado,
numerado e rubricado em todas as suas tolhas,
pelo presideute da cmara municipal, e remettido
por este ao juiz de direito pelo temi da qualfica-
yo, 8endo-lhe d volviao ao fim dc33e tempo.
txtt. 10. As assignaturns d s qu>ilifii-andoa serao
lancadas no dito livro por ordem numerie, sendo
o numero escripto no priocipio de cada liona, para
ficar em frente de cada aeme.
Dever o numero do qual fie-indo a r mencio-
nado pelo juiz de direito em seu despacho peti-
9o em presenca da parte.
Art. 11- A allegaco falsa de domicilio do quali
ficando, assim cerno a de sua identidade, ser pu-
nida com a pena de um a dous anuos de priso e
inhabilitado perpetua para ser eleitor, como pon
exercer qualquer fune-cao ou cargo publico.
Art. 12, o fim de cada semana durante o tempo
da qualifieaco, o juiz de direito far publicar por
edital os nomes dos qualificandos com os seu* nu
meros e domicilios, e pela iroprensa onde a hou-
ver. .
Art. 13 Nenhuma autoridade ou reparticao pu-
blica pode dar attestado ou certido paia a qualifi
cacao eleitoral quando a peticao nao for escripta
e assignada pelo proprio qualificando. Nao basta
que se allegue ser a bem de direitos polticos ;
necessario que declare que para o peticionario se
qnalficar eleitor.
Eu e meii parete intitulado, que
nao *ei. ni wurgio efe algum cano
de e*goio.
A Provincia coi sua secjao Questd.'s
Particulares e na eJiao de hoj traz um
conjunetode estultas sandijes qu", me pa
recera, sao prjducjo de algum cerebro
vermfugo e o que mais adrairou rae, por
estar firmado pilo tinento apellao Dias
Fivitas que arvorjuss en meu pxrente !
Declaro que ao uni .o capellao cora qu;m
entretenho rc!ac3S e de quera sou prente
o padre Assis de Th?s3.
J escrevi una indigaacSo e hjntera ap-
pareceu no Bintculo, como protasto vivo
ao individuo qui serviu-se do meu noraa
para viajar. Talvez este individuo quizess-i
aproveitar-se do raeu nome pira obter raa-
nifesti.1,0's, mas, fique elle imeirado de
que t-legraphe aos de classe dizendo nao
t;r seguido, como pretenda.
NSo preciso para tratar-rae ter .ilta em
qualquer qu3 sejao hospital a antes isto
de ve acontecer a o meu honrado parent) o
alvorado defensor.
Risun teneatis. Basta por ser bastante.
Reoite-19 6-87.
Major A- A. Leal.
Agradecimentc
A 1 imilla do inditoso academizo
Do-
mingos Elyscu do Ara*nl, ferida pila mais
acerba dGr, por velo exhalar, longe dos
seus, o ultimo suspiro, resta-lhe entretan-
to corao nica consolayao a noticia de que
encontrara no lar domestico do philantro-
pieo Sr. major Claudino de Araeida, um
agasalho verdad-.iramente paternal.
Assim e quo seus irmstos, abaixo firma-
dos, nao podera deixar de dar expanso
aos sentimanto3 de indeleve! gratidao, em-
bora convictos de quo vao ofender assim
os elevados dotes raoraes de to conspicuo
virao e da sua distiocta familia,
D'gno so, pois, o mesmo Sr. major
Claudino e sua cariahosa familia, aceitar,
embora c de longe, do Rio Graade do
Sul, os nos303 mus sinceros vat)s de gra-
tido, pelo desvelo paternal o carinho ex-
tremoso, que prodgal30U ao iafeliz irrao,
na hora suprema de sua agona e deceno.
E, tanto raais inteus3 se torna essa gra-
tidSo quando sabem que a maledicencia
da um desconhecido o magoara, retribuin-
do-lha gratuitamente cora raisoraveis ques-
tiunculas os servidos quo s o 1-jvara o
pedido de sau filho, p, quo s a gratidSo
eterna de urna familia iut-ira, pode com-
p rasar penis. C-ss^, pois, a raalevol* in-
justiga; e sejam cumpridas as ultimas von-
tades do nosso sempre chralo irmlo, sa-
cratissimas para nos, ora aqudle mesrao
respeito e acatamento quo nos mereceu
sempre em vida.
Porto Alegre, Rio-Grande do Sul, 20
de Maio de lb87,
Irineu dj Amoral.
Etslvina Olivia do Amaral.
Idalina do Amaral.
170 Rdrigues Cjrreia.
I lylia do Amaral Rodrigues Correia.
Partido conservador
Teado de proceder-s no dia 7 do prximo mez
de Julho a eleico de um veaeador para preen-
cher a vaga deixada pelo fallecimento do verea-
dor Antonio da Silva Ramos Neves, os abaixo
assignados reBolveram apresentar ao eleitorado
deste municipio o cdadas Demetrio de Gusmao
Coelho, c pedem o concurso de todos os amigos
em favor dessa candidatura afim de que possi
ella triumphar.
Recife, 15 de Junho de 1887.
Francisco do Asss de Oliveira M teiel.
J. J. Ferrera de Aguiar.
Francisco do Reg Barros de Lacerda.
Ignacio Joaquim de Souza Leo.
Mauoel Cltmentino Caraero da Cunha.
Dr. Joaquim Correia de Ar&ujtf.
Jas Osorio de Cerqueira.
Olympio Marques da Silva.
Miguel Jos de Almeida Pernambuco.
Dr. Antonio Joaquim de Moraes e Silva.
Jos da Silva Loyo Jnior.
Eleico
Da irmandade do Santissmo Sacramento
da matriz de S. Jos
Juiz
Antonio do Carmo Ferreira.
EscrivSo
Jovin B irral da Fonseca.
Thesoureiro
Manoel Bento Pieheiro.
Procurador geral
Francisco Lopes Uruimaraes.
Procuradores
Manoel Florencio de Moraes Pires.
tgua Florida de Hurrn.v e Canutan
191
Por fem duvida alguma alcanjiu um perfeito
succi'sso neste paiz, o qual nao tem exemplo nos
annaos do toucador. A sua grande e vasta popu
laridade inteiramente cbscurec : e Oem de lado a
dos mais fiuos perfumes importados da Allemaaha.
Franca e Inglaterra. Essa sua popularidade nc
se dever tanto attribur a causa da sua compara-
tiva b iratesa, mas sim lo somante sua intrnse-
ca superioridade. Q lalquer um tecdo impregna di
da mesma exhala a fragraucia das floren as mais
odorferase delicadas do tnpico. O seu delicioso e
deletavcl ar.-ma, tao fresco e refrigerante qua!
aquclk- que dimana e se diffunde dos mimotos b>
tdos de rosis "sp^rgidos e carregados pelo inatuti
no orvalho d'aquelle paiz, cuja rica e picante at-
mosphera e justamente celebrada (auto pelo poeta
e ou o p do historiador.
Ainda mais, o seu aroma nao se evapora ou s.
desvanec', autes pelo contrario, elle parece imbuir
s e entranbar-se cada vez mais uas dobras d.o leu
co, c mo se se bouvesse incorporado em cada um>
fibra de 9du Jelicad.i tecrio.
Dissolvida u'agua torn>i-s' una almir ivcl pre
para9'Io para euxigoar a bicca, servindo d' pre-
a rvatlvo aos deoles e as gengivas. dando umex-
cellenta e aromtico gosto ao p.ladar d pois de se
haver fumado e ao mesmo t m o um adaiirive:
ra-io para suavisar a ir::ti,a) da pelle depuis de
se haver feito a barba
Como oauantu contra as falsificacdos, observe-
I se b'om que os nomes de Lanman & Kemp veuhaic
I estampados em Ittras transparentes no pap
vrinho que serve J envoltorio a e-ida g irr i i
Eac-utra se .4 venda em todas as pharmacias
drogaras.
Agentes cm Pernambuco, llnry Forster & C.
ra do Commercio u. 8.
A.o povo pernanabu-
cano
Era terapos de S. Joo
uina m^sa ser reputada
incompleta, so nao tive
cangica e bolo, mas tudc
feito p lo Z icarias.
George SaSD.
Ora visara rau3 senhores,
Minh.i senboras tambera
E' o meu maior anhelo,
Que todos passassera bera.
C por mira, sompre rlocnte,
Sem vorita le c comer ;
ilagro, triste, pensativo,
Sem gosto j p'ra viver.
Urna thysica fatal,
Dessas quo vera s carreiras,
Penetrou sera raais aquella,
Dentro s minlias algibeiras.
Sei quo n3, meus bons leitores,
Possuis remedio tal,
Que s tomando urna dos1,
Uebello tamanho mal.
Fazei-me mil en rammenias
Da bolos de S. Joao,
De cangica, papos d'anjos,
E de pastis com cydr&o
De semedo, [ios d'ovos,
De pHo-dd-l, bom bocado,
Empudas, pastel* de nata,
Toucinho do co. nevado...
Fazei-ine mil encommendas,
Para qualquer bapt3ado,
Para bailes, casaraentos,
Doce p'ra ser exportado.
Fazei-me mil encomraenda
P'ra mezas organisar
Em tudo da minha arte,
Me tratis de procurar ;
E veris que n'ura momento,
Da mais sublime expansao,
Levo a thysica da algibeira,
Para fra a caeh.co 1 !. ..
Os mcus ttulos de nobreza,
Meus !Gro3 de tidalgua,
Sao servir da melhor forma
Minha Innrada freguezia.
Eia, pois, meus bons fr-guezes !
B;.te a porta S. Joo.
Batei me tambem a ella,
Dai m?, pois, este alegrao.
J nao sabis onde muro ?
Nao possivel Sabis.. .
itta Augusta (antiga de Hortas)
No numero ^yOitenta e Seis. .
Ahi, no primeiro aidar,
A's ordena das senhores,
Acharis todo inHrinho,
Vo8so servo
Zacaras
86--RUA DO CORONEL SUA.SSUNA.~3ti
Externat
Franjis -Anglals
19 Ra do Hospicio 19
L'enseignement comprend :
Le portugais, la lecture, la calligraphie,
l'arithraetique, l'bistoire Sainte, la geogra-
phie, l'histoire, tous les travaux d'aiguille,
le franais et Tangais theoriqua et prati-
que. ,,
Lecons particulires de fran9ais et d ao-
glais. On recoit des 112 pensioonaires.
*


'***-
Diario de Pernambuco---Domingo 19 de Junho de
loo-1
l/ma naveo escara encobre a cansaco constante sei* que o somno pareja
luz do sol 4a nossa exienc.ti
A' incerteza da vida junta-se o roysterio
tenebroso da morte Em quanto que, po-
uma parte, esse primeiro grito infantil que
nos annuncia que outro ser acabado unirse
nossa especi, inspira urna alegra profun-
da, por outra part* trememos do espanto no
ouvir o bater horrivel das azas do anjo ex-
d-Tminador A voz omnipatente da in
fluencia suprema que govirna o universo
decretou nosso destino, a sentenca fatal foi
pronunciada e tolos os homens estilo con-
demuados a morrer !
Sem duviJa alguma, a morte inevita-
vel. N3o potemos, porm, retrdala?
E' esta urna que tio que seria de urna im
portaneia inealculavu'l, ainda se tratasse so-
mente de ganbar urna hora de vida, pois,
animados d'esse sentimento sublime que se
chama nstinoto, estaos serapre resolutos
a dar b.talha com um valor indomavel ao
nosso inimigo mortal em favor .lo glorioso
privilegio la existencia Aquella senti-
mentj a voz espontanea da natureza, e o
nossj dever consiste om obedecer. Va-
mos, pois, a ver; possivel retardar a
more ? Indubitaveliucn^e o pois que o
mun lo est sujeito a certas leis, e quera
as stuia convence se que n'ellas se cora-
prehenie a dita possibilidade.
Os qU3 so acham dota'os do valor e
oizo neeessarios para se cobrirem com o
escudo que a pr pria natureza lhes propor-
ciona para este effeito, poJerJto repeir os
ataques incendiosos do inimigo da vida, at
que as facilidades vitaes vao poaco a pou-
jo -ii) duadoncia em una volhico malura
e ditosn, e at que o anno da luz se lhes
apresc-nti com aspecto risonl.o e sem ter-
ror, para os conduzir, como n'uma visao
deliciosa, a essa regiao resplandecente que
brilha mais alm das trevas do sepulchro.
O destruidor toma diversas formas, mas
d a preferen -ia a de um inimigo moral qu
devora actualmente aa p rtes itaes da so-
ciedade moderna. M .rtyr'uou j e mar
tyrisa ainda quasi todos os habitantes de3te
pas.
Que inimigo este ? Quer o leitor sa-
oer se tamban victima da crueldade
deste tyranno ? Pergunte a si proprio se
atormentado por algum dos symptomis
que vamos enumerar: dores d& cabeca,
das costas e das espaduas; falta de appe-
tite; ac.-uiuulagao de urna lama viscosa,
espessa e pegajosa em roda das gengivas e
dos dentes, sentindo-se simultneamente
um sabor dcsagradavel, especialmente pela
manha* tristeza dcscahimento ac pa-
nhados de somnol cia; ave: s vezes a sen-
sacao de urna caiga pesada no estomago,
e outras, debilidaie? na be ca do inesmo
orgao, nao haver.d "isfac) alguma em
tomar alimer.'o; .spjcto tristinho e cor
amarellenU dos ol >s ; estado fri e pega-
joso dan ro3os e do ps ; urna tnsse secca
ao principio, aomp hada, porm, iepois
de urna ejrpectora$a-* de cor esverd-iada ;
proporcionar descanco algum; enervacao,
irritac&o e mos presentimentos; deliquios
e vertigens ao levantarse de repente ; pri-
sao de ventre; estalo socco, e veces, ar-
dente, da cutis ; condicao espessa o em-
botada do sangu escassez e cor muito
tinta da urina, que deposita um sedimento
depois de pe-manecer por algum terapo em
repouso; devolucjlo frequente do aumento,
urnas vezes com gosto acido, e outras ve-
zes algum tanto doce; palpitacSo do cora-
gao; manchas apparentes nos olhos; en?-
tavel prostraco e debilidade do paciente.
Todos estes symptomas costumam pre-
sentar se por seu turno Acrediti-se que
quasi urna terca parte da nossa populacho
est aflfectada da dita enfermidade em al-
guma das suas variadas formas Como
rera geral, 03 mdicos se equivocara a
respeito da natureza desta doenga, cujo
verdaleiro nome dyspepsia ou indigev
tao; enfermidade que se cura infallivel-
mente por raeio do Xarope Curativo da
Mai Seigel. Este medicamento teta obtido
em ambos os hemispherios urna reputado
justificada incontestavelmente por sua=
grandes virtudes. Vende-se em todas as
bonicas, e pharma"ias e na casa dos pro
prietarios, A J. Whit, (Limited), 35, Far-
ringdon Road, Londres, E. C, Inglat erra
EDITAES
Importante declararn (3)
As virtudes do PEITORAL DE CAWBAR.*
de J. Alvares d S. Uoarea, de Pelotas (Rio Oron-
da do Sal) vantajosam<'nte empiegado e a toda
as molestias do appan Iho respiratorio, nao sao
!i j,: postas cui d ivida por muitos Ilustres filhos
da sciencia.
O.babil inedieo Sr. !>r. Carlos Marchan!, de S
Gabriel, escrtvcu ha poucoo eeguinte ao autor
do preparado :
* O ae*i xarope pectoral de cambaba' tem-me
(elto multa falta, porque quasi nunca o encontr
no seu deposito d'a:|ui. Tenho-a aconselbado na
rninh clnica e com elle tenhi tirado resultados
importantes no tratan) e.nto das molestias bronco-
pulmoiwes.
Jaizo dos Feitos da Fazenda
Nacional
Kiciliao Reg Barros
Perante o Exm Sr. desembargador juia dos fei-
tos d i fazenda, Jos Manoel de Freitas, se ven-
der em praca publica, no dia i* de Julbo pro-
x :n i*vi(id'air-i, pelttg 11 h.-r.is da manha, depois
da audiencia, os bens seguintes :
A casa terrea de tijil) e cal, sita ra do
Tambii n. V5, tregaezia da Boa-Vista, ten io a
me;ma porta e jan II. na frente, 2 salas, 2 quar-
tes, cisinha fra, q'iintal murado, e mais 1 qua to
cond^uo a cas*, e cacimba mcieira, avahada por
1:900|000.
Urna outra casa terrea de tijolo e cal, sita ra
Imperial n. 292, freguezia de S. Jos, com porta
e i -i] lia na frente, 2 salas, 2 quartoa, cosinha
fra, e mais 1 quarto contiguo, quintal e.u aberto,
avahada por 1:200000, todas pert. ncentes A
musa fallida de Joo Francisco Paredes Porto, e
penhoradas para pagamento do impostes devidos
fdzeuda n.cional pelo mesmo filudo e custas.
R-cite, 18 de Junho de 1887.
0) solicitador da fazenda nacional.
Luiz Machado B .telho.
l Seeco. Secretaria ia presideueia de Por-
nambue', em 17 de Junho de 1887.
Por esta secretaria se faz publico, de conformi-
oae com o art. 157 do regulamento annezo ao de-
creto n. 9120 de 28 de abril d 1885, o edital abti-
zo transcripto pondo em concurso com o prazj d"
6J -ii is os oliijios de eserivSo do jury e execucoes
criminaos do ujvo termo de Gorrentes.
Pedro Francisco Corrcia de Olivcira.
Out.-as declaracoes importantissimas de mui-
to, liatinfos me lieos, comprovam vfilii smente as
virtudes de tai preci030 medicamento.
O leitor poder aprecial-as no opsculo que
. iiipauha cada frasco e qu: vende 33 na sgen
i. h cargo dos Srs. Francisco Manoel da Silva
i L* rui Marque de Oliada n 23.
Frasco 23jH), raeU doria 1H*000 e duzia 245
A a^.-n'.'i enva n q i ai pjlir coad C3S ii
I prefas para as vendas por a".aeado.
Collegio de Nos&a Se-
nliora da enlia
Para o sero feminino
Funcciona
Forx.^sa.
ra da Aurora esquina
COMERCIO
idvogado
(Foro civil c ecclesiastleo;
Bacharcl Antonio Ldlis o Sonza
Pont* s.
Ruado Imperadjr n, 37 /. andar.
0 D". Joaquim Curdeiro Uelh: Cintra, juis d
direifo da comarca de Garauhun9, da pruviucia
de Peioambueo por Sua Maguatade a quem
Dcus Guarde, ete. etc.
Faz saber aoj quio presente edital virera c del
ie n ti.ia tiverem, e a quem iuteressar possa que
achando-se em e,ocurso i)s offieos de joatica do
novo termo de (Jorrantes, creado pela lei n. 1423
de 28 de Maio de 1379, os quacs na aiucucia da
!e especial ar.b sua criaca > c divislo e em face do
artigo 108 da lei n. 207 de 3 de Dezembro de i841
que rege a materia, sao os de escrivo do juiy e
das cx-'cucoes criminaee; convido ais prctendentes
Hos respectivos 'tfi;i sa norcsentarein seus reque
rimeat'S dentro do prazi de 63 das a contar da
data .!.> presente edital de accordi com a lei que
regula a materia.
Outru sim faz mais saber tamb-.'m ao3 preten-
dentes que seus cq-jerimentos devem vir instrui-
dos e coia o disputo do deeret) n. 827G de 15 de Outu-
bro de 18S1, e mais formalid-i-les i xigiias ni art.
14 do citado i creto, ist) lo decreto u. 817 da
'1) de Agosto de 1851.
E para que uhegue ao coubeeimeuto de todos
maadei passar o presente que ser affixiJj no lu
.; .; mais publico d cjsfcm: e d-Ile se extrahi-
! copia para ser remettida o Exm Sr. presi-
dente da provincia, para o fim indicado no art. 157
1 i de reto n. 9420 Je 28 le Abril de 1885, com
dejlaracao do dia da alir-co e pubeacao do
presente elitul eque ser certificado pelo portei-
r dos Roditorios como determina o art. 153 do
do ti'.- i) decreto de 23 de Abril de 1885.
D-ido < passado n'sta ulla de Correntes k.-s 28
Ua "M i M io de 1887.
Eu Francisce de S. L. Jnior, eserivo interino
ii ja y o cacrevi. Joaquim Cord-dro Coclhi C n-
tra.
E nada a.ais so cont nha era dito edital aciiia
copia -i.) do proprio original aiquil rae lep^rto e
dou f.
Eu Francisco de cuza L. Jnior escrivio inte-
rino d i j'iiy o escrevi e assigno.
Certitico iiir.ia que pelo p TELERAMHA
Servido da Agencia Ha vas
LIVERPOOL, 17 de Junho.
ASSCAR: Mercado bailante ncll
to. precoN Orine*.
O de Pernambuco n. U. vende-Ne a
l I i por quintal.
ALGODAO : Tranace6ei regala-
re*. precoM iii-m Huoleniado*.
O FA1S de Pernambuco ende te
a 5 15/18 d. por libra.
Vendeu-se boje dorante o dia cer-
ca de IOiOOO ranino.
NEW-YORK, 17 de Junho.
ASSUCAR:Mercado puuco activo,
preco mu O FAIR REFIN1NG de Pernambaco
vende-oie 4 9/lfi cent, por libra.
Agencia Havas filial em Pemambuuo,
18 de Junbo do 1887.
Mercado de Bueno* Ayre
ULTIMA DATA30 OE MAIO DE 1887
As conditoes do mercado importador em Bue-
nos Ayres ainda cao haviam melhoradj na segunda
quinzeaa do mes du Maio.
A apathia que se tinha notado na primeira
qninzena, cm virtude da incerteza que presenta-
ra a Bl?a na marcha do valor do meio circulan-
te, ainda mais se acentuara na segunda, ante o
aspecto da ba xa di ouro, que produzira a paraly-
saeao na venda de mereadorias.
Os comprador? retraofram-s, esfera de no-
vas declintces nometalico, que se se effectusssem,
occasionana a baixa do preco nos artigos de con-
umo geral.
Semelhante estado de cousas fizeram augmen-
tar ainda nrais o deposito de mercadjnas na pra
ea de Buenos-Ayes.
Os remettenteB precisam redusir suas remessas
para all, pois se o iiao fizerem diffieil ser a pra-
ca sustentar-se.
O Cf do Brxzil, upesar da baixa do ouro, con-
servava-se em Buencs-Ayres mui firme, em razao
de noticias enviadas do Rio de Janeiro tobre no-
vas altas no mercado.
As vendas foram de 1.000 saccas mais ou mi-
nos e p-idiam ter sido maiores se a^guns possuidi-
resn^o tivessem se retirado do mercadi, na espe
ranfa de melhores presos.
Oa obtidos na quincena por 10 kilos e despacha
do, foram : Lavada, m/n 7.50; Saperijr e fino,
7 e 7.-.0 ; Bom e regular, 6.80 e 7.
Mercado do Blo de Izneiro
ULTIMA DATA 11 DE JNHO DE 1887
CAFE'
Deposito no dia 10, tarde, 120.936 saccas.
Nao foram declaradas vendas no dia 9.
Durante a semana veaieram so 20.807 sac-
cas, que inclu m 15.118 de 11.
Cotava-se p.-r iO kilos :
Qualidades Por 10 kilos
Lavado....... 9/530 101880
Superior fino..... Nominal.
1.* boa....... Nominal.
I.* regular......161010 a 101150
L ordinaria......9i>-00 a 91910
3.' boa....... 91460 a 91670
'.'.' ordinaria..... 8920 a 926 J
Deposito no dia 11, de tarde, 111.000 saccas.
. JTELEQRAMMAS
DA ASSOCIACAO COMMEBCIAL PASA NOVA-YkRK
( expedido em 11 de Juubo de 1887, de manha)
Cafi
Existencia verificada .
Entradas no dia 10
Eutradas em S .ntjs .
Estado do mercado .
Cambio s^bre Londres, parti-
cular .......
Frete por vapor .... 30 c.
Precoa :
a regular, 10*150 por 10 ki
lo', despezas
vapor ....
2. boa, 9*650 por
d pezis e fr- te
e frete por
10 kilos,
por vapor
A' tarde
RIO DE JANEIRO
Vendas para os Estados-Uni-
dos durante a semana .
Vendas para a Europa e ou-
tros paizes durante ase
m:.na.......
Embarques durante a semana
para os Estad' s Uaidos,
em navios d". vela .
Embarques durante a seui para os Estados Unid >,
tm dous vap.r. s.
Embarques durute a semaiia
para a Europa e mais pai-
zes .......
Frete para os Estados-Unidos
por vapor. .....
Frete para os Estados Unidos
ve'a.......
Vapores 4 carga para ob Es
ta s-L'iiid s.....
santos
Existencia ce manb .
Entradas durante semana .
Vendas para os Estados-Uni-
dos durante a semana .
Vendas para a Europa duran-
te a semana.....
Embarques para 03 Estados-
Unidas duran'e a semana .
Embarques para a Europa
durante a semana .
Vapor carga para os Esta-
dos Unides.....
Estado do mercado
Prec,o do good average
25 5/16 c. pir Ib.
24 1 1 c. por Ib.
16.000 saccas
13.000
bO.COO
38.0(10
4.100
30 ce 5 0,0.
15 shill.
1
140.000 sace
29.000
10 000
20.0o0
6.oro
32.000
Estavcl.
9*: 50
Lisboa e Porto .
Principaes cidadea
gal. .
[Iba dos Acores
lilla d i Madeira
NV.v-York .
'36
de r*ortu-
238
213
246
243
2 250
Morcado tle aawttcar e alKoilo
RF.CIFE, 18 DE JUNHO OE 188
Astucar
A cola^ao deste producto, para o agricultor, re-
gula aos algariemos seguintes, por 15 kdjs.
itraneo, os melhores que
apparecm no mercade,
regulain
le
3.* s i te boa .
3 regalar .
Hj:ni los e bilxjs
S !. 'I .1 .
\l*CiVrtd)
Bruto ....
Reta ue
me foi entregue a certido da afiixacao do edital
retro, do iheor seguinte:
Jacintho Alves de Mello, porteiro dos auditorioa
desta villa de Correles em virtude da lei etc.
Certifico qua afiixei na porta da cmara munici-
pal desta villa hojs, o edital convidndoos preten-
demos aoa officioB de justica do novo termo de
(J< rreutes de que trata o mesmo edital.
O referido verdade e dou f.
Correntes 28 de Maio de 18870 porbsfro dos
auditorioa, Jacintho Alves de Melli.
E nada mais se coatinha rm dita certido ci-
ma copiada do proprio original a que me reporto
e don l.
Eu Francisco de Souza Leo Jnior, eseriva
interino do jury o escrevi.
EdttT7l7
De ord^m do Illm. fir. Dr. inspector fago pu-
blico que no dia 23 d) crrente, ir pruca pe-
rante a Junta da Fazenla Provincial, o torneci.
ment da al'mentf de Detenco, relativo ao trimestre de Jalho a Se
tembro prximo viuduuro, servindo de baso a diaria
de 420 ris.
Secretaria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, 17 de Junho de 1887.
O oficial,
Lm lolpho C impeli.
~~ Edital n. 18
De orden do Idm. Sr. Dr. inspector faco publi-
co, que no dia 23 do eorrente, ir praca, perantr
a junta d fazmda provincial, o fornecinv nto des
medicamentos e utensilios uccessarioa i nferma-
ria da Cusa de Detenco, durante o semestre pr-
ximo vindeuro de Julho a Dezembro, servind) d'
base es prejosdo respectivo f.riculario.
S'.cretaria d> Thesouro Provincial dj Pin-im-
b.ico em 17 de Junho de 1887.
O cfficial,
Lindolfo Compeli.
Edital n. 19
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector fajo pub
co, que no dia 23 d > corrate ir praca perante
a junta da fazenda provincial, o servif: d-i i lu-
mnaco de Iguarast, c. rrespoadente ao semes-
tre prximo futuro de Julho a D. zembro, serviu-
dj de base o preco de 77 rs. por cada lampeo.
Secretaria dj Thesouro Provincial de Pernain
buco cm 17 de Junho de 188/.
O ( ffieial,
Lindolfo Compeli
Edital HT20
De ordem do Il'm- Sr. Dr. inspector ta;o pu-
blico, que uo dia 23 do corrente ir raca pe-
rante a juuia da fazenda provincial, o serveo da
luininayo de Ctruar, correspondente ao temes
tro prximo futuro de Ju lio a ezembre, servin-
do de base o preco de 99 rs. por cada lampeo.
Secretaria do Thescuro Proviucia! de Pernam-
buco em 17 de Junho da 1887.
O t ffial.
Lindolfo Campe'lo.
Nabuco un aero 15 aa Capuoga tregaezia
da Graga tero a tcestna casa autao con ter
rago na frente o grdame de ferro e por-
t3o com trez janellas de trente, ;tres ditar
no oitSo, iluas portas, duas salas, quatro
quartos, sotSo em salo, grande quintal
tnurado, cacimba propria, 3 quartos. no
quintal sendo utn dos quartos ero paredo
faltando a coberta e o njesmo predio edi-
ficado de novo faltando alguas reparos,
aiede de frente 6 metros e 80 centmetros
e de fundo 20 metros e 15 centmetros
Paliada por 3:00041000. Cujo predio vao
a praga para pagamento das excuses que
por este juizo raove. Joito Gongalvcs de
Souza BeirSo contra Gandido Gonjalves
Tones. E nao havendo langa'lur que cu-
bra opr$c da avali-aeai pelo valor desta
I'aranhos Monte
i Iiperi -I Or lem
2200 a 2400
11910 a '100
11700 a U8ki
1500 a 1;m
1^30) a 140'J
U040 a 1100
90) a 11000
700 a 8)'J
I
Alyodo
Ni; houve b.jo trausac^-es deste producto.
C ta-se nominal de 6S00 a 690J o de 1 sor-
te do serto.
Entrada* Ue assncar e alzodo
MEZ DE JCHUO
Assucar
EutraJas
Barcadas .
Vap Tes.....
Via-ferrea de Ci'.ua-
Animaea.....
Via t'rr. a de S. Francisco
Via-ferrea de Limoeirj .
D;.3
1 17
17
17
16
17
fili"a ominerel.a.1
COTA^'SbS OFF1CIAE8 DA JMTA DOS COB-
UECTORES
Recite 18 de Junho de 1881
Apolices da divida publica de 5 0|0, de 1:000*000
a 90 ca la urna.
Oarubk sore Para, 60 d/v. com 2 0/0 de des-
cont.
Ja nbio sobre Londres. 90 d[V. 22 3|1 d. por 1,
do banco.
Na hora da bolsa
Vend ram>se :
10 aplices geraes.
Antonio Leonardo Rodrigues.
U secretario.
Eduardo Dubeux.
Entradas
Somma.
Algodo
Saecj
15.906
i 320
634
18.489
791
37.140
Das Saccas
Barcacas...... 1
Vapores...... 1
Via-ferrea de Caruar 1
Auimaed...... 1
Via-lenea de S. Francisco 1
Via-ftrrea de Limceiro 1
Somma.
16
16
18
18
16
a 17
1.276
2.428
129
3.192
1 428
2.093
10.552
Hollnenlo banrario
h::c,fe, 18 DB JLNIIO DB 1887
PKAgA DO RECIPE
A Na oficial dos bancos foi ainda boj > a de Ciuriuhos e pelles
22 1/2 d. sobn Londres. G 'uros verdes
Despacho* de exporlaco
HEZ DE JCNHO
N' a i/ artigus t-eguiu'es :
Pera Jora do Imperio
Agurdente
Algodo .
Assucar .
Bagos de mamona .
Borracha .
Carocos de algodo.
Cocos (fructa)
A' tarde o Internacional saceou a 22 3/4 d., re-
cusan io .-.e os outros bancos uc-mpanlul-j
Em papel particular fizeram-se transaccoes u
22 13/16.
PRAQ V DO RIO DE JANEIRO
Os bancos mant veram tfficialmente a taxa de
22 3/4 d. sobre L>o1res.
Ao fechar, poim, o Internacional ta cava n 21
d.
As tabellas expostas aqai foram estas :
Do Intermacional :
129.000 saccas
7.OJO
6.000 *
Muito Irra?.
Lmdres .
Pana. .
Italia. .
Hamburgi
PortuKal
New-York
90 d/v vista
221/2 22 1/4
422 426
, , 426
523 528
236 238
2250
Do Lobdob Bank :
Londres.
Pana. .
Italia. .
Hamburgo
Portugal
New-York
90 d/v vista
221/2
422
523
236
22 1/4
4'6
426
528
238
2250
22 7/8
e5 0/3
Do Ebolisu Bahk
90 d/v vista
Londres .
Paris. .
Italia. .
Hamburgo
22 1/2
422
523
22 1/4
426
46
-'28
l)oce .......
Fariuha de mai.dii.ca .
Ipecacuanha .....
Ouro velho.....
Prata velba.....
Queijo do serto
Para dentro do Imperio
Agurdente.....
Algodo ......
Assucar......
Chapeos de palbt de car
naba ......
Cera de carnauba .
Cocos (fructa) ....
Doce.......
Espaa Jures.....
Qraxa......
Milho.......
Oleo de mocot ....
.'leo de ricino ....
Palha de urieury .
Peonas de emi ....
Pr- parados de jurubeba
Rlr6. ......
Sebo.......
SoU.......
Vr.ssouras de pulha de car-
nauba ......
Viuho de jurubeba .
9.738 litros
750.392 kilos
2.572.373
52.CO0
1.713
113.350
20
106.836
2.200
165 kilos
20 saceos
34 kilos
4 .
10
16 .
230876 litros
53.043 kilos
1.420.995 .
12 ferdos
300 kilos
29.250
1.015 kilos
10 .
400 .
232 saceos
-. 60 kilo;
1.400 .
80
102 .
6 volumes
258 e 1/2 kilos
1.120 ..
2.505 indos
2 atados
13 volumea
O Dr. Tilomas G.ircez
negro, eorainrndaJord
da Rosa, juiz de direito especii 1 do ruin
raercio da cidade do Rocife, por S. M
e Imperador etc.
Faz sabir saber aos q'ie o pres-ute
editil virem ou delle no'.icia tverem que
se ha de arrematar cm basta publica deste
juizo com as form .lida lea e pregues do
eslylo depois da respectiva audiencia do
dia 7 de Juliip prximo futuro o bem se-
guinte : Urna eaBa terrea sita a ra do Dr.
para canegaren Natal, c>m dsstiuo a Liveron-I
uigjdao a 7/16 e 5 0/0.
\avlos a rargn
Eati cendo J.sjacbaios os> seguintes :
Barca njrueguense Stanley, assucar, pata M.jii-
treal.
Burea noruegacuse lleras, algod1, para o Bd-
tieo.
Barca inglesa J. B. D., carosis de algodo, pa-
ra Liverpool.
L-tnr iuglez Flora, assucar, para os Estudos-
Uoidoa.
i'atacho nacional Maria Augusta, assucar, para
Montevideo.
Vapor nacional Camillo ( chegar), varios gene-
roa, paw os portos Jo nurte.
Vapor niglci Orator, divers >s artigo?, para Li-
verpool.
Vapor nacional Jaguaribe, varios gneros, para os
portos do sul.
Vp.>r francs Ville de Cear, couros, par* o Ha-
vre.
Vapor iuglez Neto, a'godo, para o Bltico.
ttavto A dexcarsa
Brigue allerao Hoffnung, vnnos geuero?.
I'area nacional Mimosa, xarque.
Escuna norueguense Reform, xarque.
Lugar inglez Viola, bacalho.
Lugar ii- cioual Zequii 'ia, gorduras.
Lugar naci.nal Vieira, varios gneros.
Lsriir noruegueus: i liristina Elysaleth, cirvo.
Lugar allm.i Gazelle, trigo.
Lugar nacional Jiarinho VII, xarque.
I'atacuo pjriuguez D- Elysa, varios genero*.
Patacho nacional ooven Correia, xarque.
Patacho nacional Rival, xarque.
Vapor inglez Osseo, carvo.
Vapor austraco Zchy, varios gneros.
Pauta da Alfanilefa
SkMAMA DB 20 A 25 DE JUNBO DB 1887
Assucar brauco (kilo) .... 126
Assucar mascavado (kilo) 066
Alcool (litro)....... IoO
Arros com casca (kilo) .... 65
Agurdente e...... 0o6
Algodo (kilo)...... 400
Assucar refinado (kilo) .... 145
Borracha (kilo)....... 11066
Couroa seceos salgados (kilo) 500
Couros seceos empichados (kilo) 585
duros verdes (kilo)..... 275
Cacao (kilo)....... 400
Caf restolho ikilo) ...... 320
Carnauba (kilo)...... 366
Careces de alfodo (kilo) 014
Carvo de pedra de Cardifl (to.) 1.A000
Caf bom (kilo)...... 460
Cachaca (litro)...... 707
Fariuha de mandioca (litro)". 035
Fumo restolho cm rolo (kilo) 400
Fumo restolho em lata (kilo) 5 0
Fumt bom (kilo)...... 720
Fumo em foi ha bom (kilo) 720
Fumo em folha ordinario (kilo) 400
euebra (litro)...... 200
Mel (litro)....... 040
Mu (kilo)....... 400
Taboados de amarello (duzla) 100/ 00
ser t'eita a arrematado, na forma da H
en vigor.
E para que chegus p.o conheeia ento ds
todos sepassou o presente edital que s-r
publicado pela imprensa o ffixado no lu
gar do costum >. Dado e pass ido nesta ci
dade do Re.fe do raez le Juulio de 18S7.
Eu Jos Fr -i k'ia de Alencar Lim o
subserevi.
Ihomaz Oarcez Paranhos Mont meg^o.
0 Dr. joaquim Cirreia de Olivcira Andrade, juiz
de ilireito privativo de orphos c ausentes nesta
com rea do Recite, p-r S. M Iinp rial, a qu-in
Deus guarde, etc.
F..Z saber hOo que o presente edital virem on
de le tiverrm noticia, que no dia 21 de Junho
do corrente anno, depiis de preenchida3 as forma-
lidades da lei e do esty'o ir praca a quem mais
der, prestando fianca idoaea, o .rrendament por
tres naos, do sitio denominado liiro. situado
na freguezia da B 'a-Vista, e m pirto da madei-
ra na entrada, todo murado, can diversas fruetei-
ras, urna b>;i i de capim, um viveiro de apanhar
peixe, um grande caes de ljalo e cal, com eseada
le pedra e Cal, deus jardins com canteiros para
fl ir s, urna cas i ic baiih > tambem Je I j I > e cal.
can tanque d-manuore, bimha de ferro, urna
I nascente d'agua, coeheira, estribara para dea ca-
v.llos, um pequeo terra^i s'bre columnas de ti-
jilo. sitio, cija casa ce viveuda de sobrado de
um nd ir com s.t> c mirante, tem 98 palmos de
frente e 49 do fu lo, nove portas com verandas
de ferro na fente e eiuco em c-da (ito, tro.- sa-
las, i;m 3alo para jan"ai-, qnitro quartos, cosiuhi
fra e um querto externo ai pente, tres quarto-
ex'eriioi ai cscente, sendo circuiad de tj'oe
cal, uta* sala, uai q larto ca;oto, oito jjiiellaa
em quartos io pavim u'.o terr o ; annexi a este sitio
um outrj murlo Jo lal-i dipi.ute, ip>n-is se-
parado Jo outro fitio p um i ccrc* d>* ivpiuho,
eini fi ic eiras, e -. -. -'iib.ria, e- ii : :;. ncim-
b, tauquee qua rt>s a a ..'..>>, galinhtir >, casi
i.-rea |i,.ra vivenn on sota, terraco na frente,
tres salas, uina saleta e un quirt u soto
E v .- i i -\ o -u i-, ti .irento do -Pul i > sitio
a :\'^i ii:n -i! Jo c inneud. 1 ir J s; Antonia
Pinte, iaventariaute do esp.lio do sua lin.la fo-
gra i). Cli ir. lina Tti'odor* da Silva, ii con-
f.rmi lade co:n a opiaio le U loa 03 interessa o>
e di Dr. car i 1 ;. ge i al.
E para constar man.lei pissar o preseut que
ser publ-i o pela imprensa e affixado no lugar
.io eostun e.
Darlo i. na-?-il) nesta cilade do Rrcife aos 16
1 Junho de 1837.
Eu. O:..vo Vutonio Fe. reir, cscriv, o fub-
screvi.
,! i | ai Coireia de O iveira Audra i".
Dt^LARACOFS
Banco .de Crdito Real de Per-
nambaco
De cotjfcrmidade com os arts. 47 e 48 dos esta-
tutos d este Banco, a admiuistraco e commisso
fiscal -procedirao, no dia 22 do corre ute, ao maio
Jtlia, em urna das salas d'Assoeiaco Cotxmeieial
BenVficente, ao terceiro sorteio das letras hypo-
thecariaa emittidas pelo Banco, que teem de ser
amortisadas, e relativas a 1> o 2* series.
O Biaco dehberou premiar as 10 primeiras le-
tras d'aquellaj que forem soiteadas.
1) 1 H al fr nquead i a qumquer accionista.
!'ernambuco, 18 de Junbo Jo 1887.
Os administradores,
Manoel lodo de Amorim.
Jos da Silva hoyo Jnior.
Lu Uuprat.
Gabinete de Iieitura Inntructlva c
Kecr. aiivii (amellelrenne
L)e ordem d i coDseiho desta scciedade, convido
r.os eenhires socios pira coirparecr-'m na sede
di int'sioa scc'edade na primeira d o i n i 11 _r < do mez
de Julho prox:mo vindoure, afim de pioc. der se a
elcico da nova directora que tem de funecinar
no ar.no social de 15-87 1888.
O 2- .-ecrelario.
Joo Pelix Cavaljante.
(ompanhia de eiiiflca?o
Asiem'o'i geral extraordinaria
Couvida-ee a- s sentiores accionistas u ;c reuui-
rem em vs de Junlu cjrrcote, ao meio riia, na sede s eial, ao
largo de Pedro II a. 77, afim de proeeder-se a
eleico da directora, geteute, presidente e secre-
tarios da assemb;ca geral, de cor.tormidade com
os estatuios ltimamente approvadis.
Recife, 11 de Juabo de 1887
Gustavo Antunes,
Director secretario
liontc Pi Pupa lar Per
nambucano
Assembla g ral
De.'(ndo ter lugar domingo 18 j crrente, s
10 horas Ja tnanb.l, a le tura d> rdatorio e ba-
le do 1" s-'uieatr', conformen 4' do art. 22
dos estatutos, convido a tod^s os socios para esta
reunio.
S cret.ria da sociedade Monte Pi Popular Per-
namboeano, 16 do Junho de 1887.
<) 1 secretario,
Benjimin A. Jos la Ponseea.
The Oiieens Jubilce.
Ti' British Consulate
,v *li 21 11 iostant.
will be dosel ou Tues-
-embli geral x*rnnrdiuarH os noc n!ti3 da
CoMPaXHtA dk El iFlCacZo, afim de o'cced' r^ in a
vleiciln cia dir-c' nia, gerente, presidente e eeere-
tario da ass"inb:i era!.
E.j; marea-Ij o dia Io di Ju ho prximo, para
a reu.uo ) i assembla geral da Companiiia r>0
Uebf.h be, que tem dir tom :r COnhecim uto da ges-
to los negocios da inc.-in-i compaubia no anno
iccial finio.
U r-.:culiii.ueu*o de Notas Dilackkad.vs Jo The-
souro, faz-sera Thbsocbabia db Pazenda, nas ter-
cas e sextas-feira, das 1(1 ;s 12 lloras da manhV
As notas do Thesouro de 2J0X) da 5.a estampa,
5000 da 7.' e 10*1)00 da 6.a, seri substituidas
na Thesouraria de Fazenda at o fim do mes de
Juuho eom o descinto de 2 0/0, o qual ser eleva-
do a 4 0/0 a contar do 1." de Julho a 30 de Se-
zeuibro do corrente p.nno.
lliipOI'ttH'fi.l
Brigue allemo Hoffming eutrado do Rio
da Prata em 17 do eorrente e consignado a Perei-
ra Carneiro & C manif'ifou :
Farinha triga 41o sa-cs.
Farello 4GIS saceos.
Milh 1 155 ditos ais co'nignitario.
RECAPITOLACA 1
Para o xtcrijr .
Para o interior .
Se toma .
DO
ASSCCAB
2.572.373 kilos
1.420.995
3.993.368 .
Frelamenlo
Foi fffectoado o do patacho ingles Favourite,
Dividendo
Esto sendo pagos os seguintes :
O 1. do Banco de C'hedito Real, razao de 4*
por aeco ou 10 0/0 do valor realizado de cada
urna.
O pagamento faz-se na s le do banco, das 10
horas da manha s 4 turas da tardo dos das
uteis.
O 78." da Companhia do Bebbbibe, ua p'oporco
i; 5*000 por aeco ou 10 0/0.
Os intereesados devem ir ao escriptorio da cotn-
panhia, das 10 horas da manha 1 da tarde, aos
s a Libados.
A 16.a distribuiclo das cau'ellas de juros cor-
respondentes ao semestre findo em 31 de Dezem-
bro do anno passado, da companhia Gbbat Wes
tbbh of Bbacil Raa.wi.r.
E' no escriptorio central da companhia, das 10
horas s 3 da tarde, que se effeclua o pagamento.
Memorial
Em 22 do correte, ao meio dia e un urna das
salas da ArscciacSo Commercial Beutficeute, pro-
cedero a administraco e c enmiaso fiscal do
Paco de Cbedito Real ao terceiro sorteio das let-
tras hyp'-theearias emittidas pelo mesmo Banco,
rel'tivaa 1* e 2* series que teem de ser amorti-
sadas.
As dea primeiras que forem sorteadas seropre-
nisdas
No dia 27, ao meio da, devem reunir-se em as-
Barca ineleza Owo entrada de CardifF. na
mesm data econsiguila a WlUou Sons & C,
manifestou :
Cirvo de pedra 816 touelalis aos consigna-
tarios.
I-:\;orl.ic:'i<
BfcCirB, 17 1>K JL'NUO DE 1887
Para o exterior
No vapor inglez Oratcr, carregaram :
Para Liveipoo, J. Pater 4c C. 2,000 saceos
eom 150,00J kilos de assucar mascavado.
Na barca norueguc-nse Heros, carregaram
Para o Bltico, Borsttlman & C 350 saccas
com 25,654 kilos de algodo.
No vapor franeez Ville de Cear, carregou :
Para o Havre, A. de Lemos Araujo 801 saccas
cora (i i,14 I k loa de algodo.
No vapor franeez Eguateur, carregaram :
Para Bordeaux, Manoel 4s C. 1 caixa com 12
kilos de doce e 12 garrafas eom 10 litros de
agurdente ; J. Fuerstenberg 4 kilos de ouro ve I
lho e 10 ditos de prata velba.
No vapor inglez Jf ndtgo, carregaram :
Para Lisboa, P. Carneiro c* C. 20 saceos com |
1,500 kilos de acucar branco ; J. M. Dias 1,350
saceos com 101,25'J kilos de assucar braneo, 150
ditos com 11,250 ditos de dito miscavauo, 700
ditos com 52,500 ditos de dito branco c 300 ditcs
com 2*2,500 ditos de dito mascavado.
Para o interior
No vapor nacional Camillo, carregaram :
Para o Para, B. Oliveira & C. 60 barris com
5,760 litros de agurdente.
= No hiate nacional Deus te Guie, carregou :
Para Aracaty, A Guimares 10 barricas com
1,175 kilos de acucar branco.
No hiate nacional Correio de Natal, carre-
garam :
Para o Natal, Valen te A Irmo 3 barricas com
180 kilos de assuca mascavado c 3 ditas com 180
ditos de dito branco.
Dlnbelro
BECEBID3
Pelo vapor inglez Mondego, do Rio de Janeiro,
para :
Manoel Teixeira & C. 2:000*000
Reatlimeatos pblicos
HEZ DB JCNHO
Alfaniega
Companhia do itebe-
ribe
Couvida-ae e.os seuhires acci quistas desta com-
panhia a reunir a se em aas -oblea geral ordina-
ria, no dia 1 de Julho prximo viudouro, como
i- ein os estatutos, ifi n de tomar conhecimer.'o
da gesto dos negocios da c mjauliia no anno
Boeial preximo findr. A reu o f-r lugar no l
and r da casa n. 71 da ra du Imperador.
Rcife. 15 de Junlu de 1887.
Ccciliano Mamede A. Ferreira,
Director gerente.
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina,
Director ecretario.
De 1 a '7
[e-a 18
liedle Drainage
4:835*502
134*904
4:S70J906
*.-i.u.to Hiinirlpal de *o%
O movimento deste .Vlercado uo da 18 de Jjubo
.i o se^uinie :
Kntraram :
40 bois peainlo 6,131 kiios, Beodo de Olivei-
ra Castro, 27 ditos de Ia qealidade, 1 de
dito de 2* e 12 ditos particulares.
Renda gersl
O 1 a 17
dem de 18
Renda proviueial
De 1 a 17
dem de 18
412:363*190
4:310992
54-7041159
7:893302
451:680182
62:5!i7461
De 1 a 17
dem de 1S
Oe 1 a 17
dem ce 18
Recebedoria geral
517.277643
24.377*556
1:163*131
Recebedoria p.uoincu
25:510687
48:132*960
2:741*459
50:874*419
486 kilos de peixe a 20 ris 9*720
t-0 cargas de farinha a 200 ris 16*000
3J ditas de fructad diversas a
300 rs. 9*000
10 taboleiros a 200 ris 2*000
21 Sumos a 200 ris 4*200
Poram oecupados :
24 columnas a 600 ris 14*000
22 compartimentos de fariuha a
500 ris. 11*0C0
23 ditos d- comida a 500 ris 11*500
87 1/2 ditos de legumes a 400 ris 35*000
19 ditos de suino a 700 ris 13*303
11 ditos de tressuraa a 600 ris 6*600
10 talhos a ii 20*000
8 ditos a 1* 8*000
A Oliveira Castro & C.:
54 tainos a 1* 54*000
Ueve ter sido arrecadada nes'ts dita
a quantiade 214*720
Rendimento dos dias 1 a 17 3:579*140
Foi arrecadado liquido at boje 3:793*860
Precos do dia :
Carue verde de 28i a 400 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris idem.
Sumos de 560 a 640 ris idem.
familia de 2 i<> a 249 ris a cuia
Milho de 260 a 320 ris idem.
Feijo de 640 a 1*200 idem.
iataiiurn Publico
jjjForam abatidas ul Matadouro da Cabanga 117
rezes para o consumo i > dia 19 de Junho.
Sendo: 84 rezes pertenceotea Oliveira Castro,
Ac C, e 33 a diversos.
Vaporen e navios esperado*
VAPORES
Principe do Grao Parada Babia hoje.
Camillodo sul hoje.
Equateurdo sul hoje.
CearJe Hamburgo hoje.
Aymordo sul amanh.
Vilie de Pernambucoda Europ a 21.
John Eiderda Europa a 22.
Manosdo norte a 23.
Nevada Europa a 24.
Autorde Liverpool a 25.
Parado sul a 27.
Tdgusdo sul a 29.
Aa vaneedo sul a 30.
Julho
Financede New-Port-News a 8.
NAVIOS
Armidade Londres.
Anne Mariedo Rio Grande do Sul.
Blanchede Terra Nova.
Camesdo Porto.
Erutede Hamburgo.
Guadianade Lisboa.
Katalina le Terra Nova.
Leanderde Terra Nova
M-irinho IXdo Rio Grande do Su .
HovimcaCo do porto
Navios entrados no dia 18
Bueno8-Ayres e escala18 dias vapor in-
glez Mondego, de 1,464 toneladas, com.
mandante t. M. Hi kr, equipagem 73,
carga varios gneros ; a Adamion Howie
Santos e escala 7 das, vspor franeez
Ville de, Cear, de 1699 toneladas,
commandante J Simonct, equipagem
42, carga varios g-eros; a Augusto
Labille.
Cardiff41 dias, barca inglesa Osseo, de
de 568 toneladas, capitSo Jobo Ander-
sod, equipagem 10, carga carvo da
pedra ;
Wilson Sons & C
Navio tahido no mesmo dia
Southampton e escala-Vapor inglez Mon-
dego commandante a. M. Hi kr, c*r.
ga varios gneros.

i^ESTl


H
Diario de PernambucoDominco 19 c Jnnho de 1887

\
>
)
'
i


w
Arsenal lo Guerra
O coDK'ho econmico da companhias dapren-
dzes artfices o operarios militare, precisa pon
iractar para o ultimo semestre do cjrrtnteanno
os artigos seguintes, todo di' primeira quilidade :
Assucnr branco rufintdj de 1 soit-, kilo.
Dito maecavinho reinado, idem.
Aletria, idem.
Arroz, idero.
Azite doce, litro.
Bolachinha de araruta. kilo,
'.i aihio, idem.
Cbi hysun, idem
Caf t m grao, idem.
Carne de xsrque, idem.
.ru verde, idem.
Gwvio vegetal, banica.
Doce de goiaba, kilo.
Prinha de mandioca, da trra, litro.
Feijo mulaiiuho, litro.
Fmetas, laranj.s on bananas, ama.
Fra;:go, um.
Q..II111I1 urna.
Lenha secca de boa qualidade, ach.i.
Mautiig inglesa, kilo.
Dita francezn, idem.
Uarmelada, idem.
M*cairo, "nieta.
Paca de 125 graumas kilo
Pes de ICO grarraa k lo
B Jachas kilo
Queij flitnengo, um
8al, litro.
Toueinbo, kilo.
Viuh, uo Porto, garrafa.
ViiiHgr. do Libbi, litro.
Verdura, urna
Grasa p".rasip*to, lata.
Escova pura lustro, urna,
iabao, kilo
Velas de spermacc-te, iibra
.. .1 i do 011ro de bezerro, 15) pires.
Liragern, mgoiniiiadi. concert c pregimento
de botos, oui blusna de brim pardo 011 tirdetas,
Salean do brim branco, ditas de brim pardo, la-
.agem, concert e pr;g*aiento de botoea, un ca-
t trancase <1 algodiosinh, camisolas de
brim pardo, ditas de dito oran-o, para eufrrnn-
. calcas de brim parlo, coroula?, cobertas do
. cobertores de la, frondas, leucos, loncos,
Iuvms (p-.ro.-), meias (pares), tochas de mesa, di-
ras de rosto, citas demaie barretes.
-. pjdtr c-'iicorrer ao forneeimentos annun-
1 i .3 pel> couselhj qnoui hibilit.r se prviam a
e, eihibii.Jo um reqoerimento dirigido ao n.-smo
Ihs, docum uto que privo h.ivrr pgo coro.'
negociante estabel-cidj o imposto de casa c-ra-
rncrcial relativo ao ultimo s;mostre vencida.
s pr ponentes deverao apes:nt.r suas pro
aOtas netta secretaria at as 11 horas d nu-
:.l..i J< du 2 d> corrente, sendo t.es pr pistas
rtas feeh-idV, coaj declaracio
sp-pesa de sujeitrr-se as seguiutoa coudieoos :
i > Nj easo de nao asaigaarein o contracto pi
gara) a multa -c des por cento.
2* Seudo recusado pela con nis-ao os g- eros
itractados, mandar-se-ba comprar pelo pre$o
ao m-rcado, (cando o contractante obrigado a
ideinnisar, isto 6 t tres veses, dopoii d > que
i resjnidiJo o con racto, d ign lo o e m'r -:
tan te a multa de 200
Secretara do Arse-ial de Guerr.i de Pernsmbu-
. im 15 d; Junbo de 1887.
O secretario,
Jos Francisco Ribeiro Mchalo.

DO
BRASIL
Capital
dem realzado
20.000:000
8,000:0004
A caixa filial dWe Banco fuuecionando tem
porarumeute roa do Commercio n. 38, saca,
vista ou a prazi, centra os sjguintcs correspon
denles no estranjoira :
Ljorlres......... s/N. M. Rothschil & Sons.
phrig.......... De Rothschild Frres.
Hamburgo.......\
fjerlim..........( Deutsche Bank.
Br Frankfurt s/ Main)
Antuerpia.......
Roma....._......
(ion jva.........
Napol-.s.........
Miii e mais 346
CKadea de Ita-
lia...........
MaJrd..........
Barcelona.......
Cdiz...........
Malaga.........
Tarragouc......
Valencia e nutra?!
.'idades da Hee I
panha e Ibas i
Canarias......,'
Lisboa.........\
Porto e m.iis ci-f
dades de Por-/
lugal f ilhas... '
Bnenos-Ayrea.... )
Montevideo......)
Nova York
Banqno d'Aavers.
Banc Genrale e suas
agencias.
Banco Hipotecario de
Espaa e suas agen-
cias.
B meo de Portugal
suas agencias.
Eng'.ish Bank of the R-
ver Pate, Limited.
G. Auisirk & C.
Compra taq'ies sobre qu dquer praca do impe-
rio o dj estrangeiro.
Recebe dnbeirj em cmta corrate de inavi-
mento com jur. s a iazao de 2% so auno e por le-
tras a brazo a juros convenc .uados.
gerente,
Wiiliam M Webcter
COMPANHIi DE EDIFICA^
O escriptorio d'csta
conipanhia a cha-se
iuiiccionando no lar^o
de Pedro II, n. 77, 1.
anda:.
Imcumbc-se median-
te contrato a paga-
mento cm prestares,
de construcfdcs e re-
construefes de pre
dios, cojos projectos e
ornamentos sejam ou
nao confeccionados
pela companhia.
No cscriptorio se cn-
contraro sempre, as
amostras dos produc-
tos da fabrica a vapor
do Taquary, tcnd< sem-
pre a venda: tijolos
massi^os de alvenaria,
ditos para ladrillios,
diversos formatos, te-
Ihas romanas, trance-
zas, de capote com en-
caixe, de crista; canos
e curvas de diversos
dimetros, ornatos va-
riados e tijolos fina-
dos de diversos forma-
tos.
Para vendas c en-
coniendas, no escripto-
rio central,__________
R unio medica
De ordem do I.'r. presidente sao convidados os
Srs. mdicos e pharmaceuticos para a renniao que
ter lugar no da 19 do corrente, no mesmo lugar
< hora afim de votar-se a redacca > doj estatutos e
delib ror-se sobie a eleicSo da administracao.
Recife, 17 de Jnnho d* 18S7.
Dr. J. M. Cario,
Secretario interine.
Thesouraria de Fa-
zenda
De ordera do Illm. So inspector, faco publico
que cm eumprimento d s disposto no art. 118 do
rezulainento que baixon com o decreto n. 9370 de
H de Fevereiro de 1885, os procuradores por
tempo i limitado para o recebimeato de jaros ds
Doliera diverao apresentar certido de vida de
teua coostituintes no acto He reclamaren! o* juros
rola ti vos ao corrente semestre.
Thesouraria de Fazenda de Pernambuco, 14 de
Juuho de 1887.O secretario,
L. E. Pinheiro da Cmara.
Alfandeg.ide Pernam-
buco
EDITAL N. 33
Teodo o actual exercicio de 18S6-87, Ue vigorar
at u dia 31 de ezemiro do corrente anco, por
ordem d> Itlun. Sr. L)r. inspector se faz pubi:co:
que esta reparticio receber no dia 20 do aodan-
te, a 11 h.ras da oanh, propostas etn cartas f-
chalas, s-Iludas e assignadas, para o fornccimen
tu durante o semestre do Julb.) a Dezembro, de
todos os art'gis n'^essarios para o servido de es-
pediente a cargo das secedes, bem assim de todo
o in U rii.l deatiuado ao aervico da guarda-mona
de accn lo com a relar;ao seguinte ; podendo as
intimas propostas ser por pwtes ou em su tota-
li.iade :
A-'i i raz, litro.
Azeite do toco, idem.
Dto do e, idem.
Dito de poixe, idem.
Dito d.- carrapato, idem.
Alcatro da .Su^cia, ideei-
An-;horole3, kilo.
Almagre, idem.
Bree, i iem.
Briuiao da Russia, metro.
Brm, idm, idem.
Lito smeiicauo, dem.
Baudeira nacional de 2 pannos, urna.
Dita dita de 3 paoa.-s, umi.
Cr, k lo.
Ci ra ami.rella, idem.
Cbumbo em pasta, idem.
Cab de Imho, idun.
Dito mamiha, idem.
Dito de Ca.o, idera.
Crrente de firro, idex.
Cal de Jagnaribe, alqoeire
Dita preta, idem.
Cioquea gal .anisados, um.
Ditos maiuree, idem.
Cadernaea bronseadas. po legada.
Ditos Cadarco branco de algoda i, peca.
Espiito de vinbo, litro.
Estopa delmho americana, kilo.
Dita, dita uaeional, idem.
Dita d : algodo, idem.
Fio de dito, i iem.
Dito de vella, idem.
Polha de metal, dem.
Fileles de todas as cores, metro.
Porquetas galvanisadas, urna.
K-rirn- (gaz), la'a.
G min laca, kilo.
L;uha branca e alcatroada, idem.
Lona larga, metro.
L i. esmeril, duza.
Dita de pape', dem.
Merlim, kilo.
Mialhar, dem.
Uleo de linhaca, litro.
Ocea kilo.
Piassava, idem.
Pregos ele metal pin t'ir- de navio. dem.
Dito, dito, d.ta Je lancha, dem
i it* de cobre, grande batel dem.
Dita pontas de Pars, maco.
Pe de ferro, urna.
Phospboros, m co.
Remo.) de faia, metro.
Sola, meio.
5i bo em bexi^s, kilo.
Socaute zinco, kilo.
Dito de tozos, idem.
Sabao, kilo.
Taxas de ferro, i Iem.
Dita de cobre, dem.
Tijollo para meti'Sj um.
Tiuta brinca zinco, kilo.
Dita preta, kilo.
Dita verJe, idem.
Veruiz, litro.
Vassouras, duzia.
Zareo, kilo.
MADEIRAS DE DIVERSAS QUALIDADES
Taboas de cedro de 1 pollegaia, urna.
Ditas pao carga de 1 dita. ;dem.
Dita?, dita dita de 3(4 idem, dem.
Ditas, dita dita de 1[2 dem, idem.
Ditas, dita d.ta de 54 idem, idem.
ditas de louro de 1 idem, i !em.
Ditas de pinho di 1 idem, idem.
Tirante de eyeupira, um.
PAus curvos de dita, idem.
3- Secco, 13 de Junho de 1887.
O chefe,
Cicero B. de Mello.
Aviso
O Londoii & Brasilian Bartck, lirnited,
recebe dinheiro em conta corrente simples
com os juros de 2|0 r.o anno, capitalisa-
dos de 6 em 6 meaesJunho o Dezem-
bro.
K"C"-b tambem dinheiro em deposito,
com aviso previo de 30 dias, ou fixo a pra-
zo de 3, 4, 6, 9 e 12 mezes, as taxas de
juros, que forem convencionadas entra aa
partes.
As ctnas j existentes, vencendo juros
por differeitc.8 taxas, fcam sem alterado.
Recife, 24 de Maio de 1887.
W. H. BUton.
Santa Casa de misericordia do
Hecife
-,:\'a secretaria da Santa Casa arrenda-se os se-
guintes predios :
Ra d> Bom Jess n. 13, 3- sudar.
dem dem n. 44, 1' andar e loja.
dem do Vigario Thenorio u. 22, 1 andar.
Id-m idem n. 25, sobrado.
dem do Marques de Olinda n. 53, 3- andar.
Me:,- do Apollo n. 24, 1- andar.
Lie 'i da Moda n. 45.
I peni idem n. 47.
I iem idem n. 4 J.
dem idem n. 37.
dem da Lingeeta n. 14, 1- aodar.
Becco do Abren n. 2, 2- andar.
Secretaria da Santa Casa de Misercordia do
Recife, 25 de Maio de 1887.
O escrivao intarino,
Fraceijco Gomes Castellaa.
Proioig Mto da estrada le far-
ro e Pnico o estrada
da [erra do Socifo a Oroar.
Dj rrdem do lllm. Sr. director, faco publico que
a partir do Io de Julhj prximo, vigorarao nestas
estradas as seguintes dispo3icoes relativas ao se-
guro e indemnisaco de mercadorias, bagagens,
animaes, etc.
Os upeditores e viajantes tem a faculdade de
declarar, ne acto do despacho, o valor, segundo o
qual, querem ser indemnisados, em caso de perda
ou avaria de sua mercadura bagagem e an icaes.
Ne?ae caso cobrar-se ha, alai do trete e de-
mais taxas if2 0/0 do valor declarad) para as ex-
pedicoes de mercedorias em geral ; 5 0/0 para as
bagagens e 2 0/0 para animaes.
A importancia do valor declarad) ser pago em
caso de perd total G aomente urna quota propor-
porcijual a p rda, se Ceta for a pe as parcial.
Dj mesmo modo, em caso de avaris, a indemni-
sacao ser paga proporciona Imeute a importancia
da av .ra verificada.
Em ne^hum easo a indemnisacao pode exceder
no daino e realmente soffrido pelo expeditor, em
conseiiuenca de perd i ou avaria e ser, neste ca
sd, redusida A importancia do dimno.
Qu mto ais objectos nio seguro-:, a estrada nao
responsavel svuao at a importancia de, 500 reis
p ir kil igramma de merendona e 1.00 por kilo-
gramma de bagageus ou cucommeuda perdida ou
avariada, sem qne em noubum caso, a iodemmsa-
c; possa ser superior ao valor da cercador.a, ba
gagem ou pncommeuda perdida ou avariada.
No easo em qu urna mercad >ra, etc., deeenca
minhadi for achada, a estrada dar uviso ao des-
tinatKno, que ter, durante 15 dias, o direito de
reclamar a entrega, devendo restituir os 3/4 da
ndeinnisaeao, qu lhe tiver sido paga.
A raercadoria, etc., avariada ficar pertenceudo
a estrada.
Quaada a mercadera foruiar um todo tal, que a
avaria de urna parte o deprecie ou inutilise, a in-
demnisacc a pagar ser calculada por arbitra-
mento.
As cUusuLs do rresponsa'iili lade cu limtacao
le responsabilidade estabelecidas nestas coudicoes
regulamentares nao podeio ser invocadas pela
estrada si se provar culpa ou dolo par parte do
peascal da estrada ou defeito^ de seu servij.
Nette caso, as indemuisacoos a pagar sero re-
guladas pelo Co igo Comuic rcal.
A di ciaraco do valor das mercadorias, as no
tas de expedicso nenhuma significado tem deede
qua nao for paga a txa do sguro.
Secretaria Uo Prolongair.ento da Estrada de
Forro do Recife ao f. Francisco e Estrada de
Ferrj do Recife a Caruar, 13 de Junho de 1887.
O secretario,
ManoeX Juvencio de Saboya.
Sania Casa de Misericordia do
THEATRO
HOJE -DOMINGO -HOJE
Espectculo organisado pelo actor
i om o concurso da companhia dramtica
Soares de Medeiros
da qual faz parte a 1.' actriz ingenua brasileira
D. ISOLINA MONCLAR
Grande novldade (heatral
Recita em favor do actor
Jos Coimbra
POYAL AIL STEAM PACKET
COMPANV
O paquete Neva
E' esperadodaEuropanodia
24 do corrente, seguind.
depois da demora necessaa
ria para
Lltiu.a reproseutucao do drama martimo em 5
actos, ornado de dansas populares, cancoee do
Uouro, msicas originaes
ImadesordemnoaltviDar
Bahia, Rio
vdeo e
TTULOS DOS ACTOS
l.o acto Levantar ferro
2. dito No alto mar
3." dito 0 testamento falso
4.o dito Queimada viva
5.0 dito 0 vingador
A msica original de planteado muestro AL-
VARENGA e indiada pelo professor ANTONIN
MARTINS.
Toma parte toda a companhia.
A'S 8 HORAS.
o i de l
Lia le
A Illma junta administrativa deeta Santa Ca-
ca con'rata com quem m^lhores vantagens offe.c
cer, o tornecimento dos gneros abaixo declarados,
[ara o consumo dos estabelecimentos seguintes,
durante o trimestre de Julho a Setembro do cor-
rente anno: Hospital Pedro II, dito dos Lazaros'
dito de Santa gueda, Hospicio du Alienados, Ca-
sa dos Expostos e Collegio das orphas :
Aletria kilos.
Arroz, idem.
Agurdente, litros.
Aceite dece, idem
Araruta, kilos.
Assucar de 1', 2a e 3* sorte e turbinado, kilos
Bacalb", id ra.
Banha de porco, idem.
Batatas, dem.
Cha, idem.
Caf em grao, idem.
Carne secca, idem.
Cebla, cento.
Farinha de mandioca di provincia, ltrcs.
Fejao, dem.
Fumo do rio, kilos.
Gaz, lata.
Dito inoxplosive, idem
Vlilho, litro.
Manteiga franeza, kilos.
Putassu, id- in
Pao e b liacbck, dem.
I iem, idem para o collegio das oruh s (em Olinda)
dem.
Rap, ilenq.
Sabo, idem.
Sal, litros.
Tapioca, kilos.
T. ucinho, idem.
Vtilas de carnauba, idem.
Ditas steariuas, mayo.
V'iiiho br neo, litros.
Dito tinto (figucira), idem.
Dito do Porto, idem.
Vinagre, litro.
As propostas dev rao >cr spresentadas na sala
de suaa sessoes, en cartas fechadas, devidamente
srlladi.s, at s 3 horas da tarde do da 21 do cor-
rete, uoclarondo os propouentes sujeitarem se a
urna multa ele cinco por ce oto sobre o valor total
do forneciment), se uo praso de trrz das nao com-
parecerem secretaria da mesma Sauta Gasa para
assigiiar os respectivos centrados.
Secretaria da Snt Casa de Misericordia do
Recite, do Junho de 1887.
O cecrivao interino,
Francisco Gomes Castellao.
THEATRO
lili LYR1C& ITALIANA
OE OPERAS E OPEfiEAS
eupreza NAGHEL
Iliroefaii-I.l \l. MILONE
HOJE
Domingo, 19 de Junho
A popularissia opera cmica em 3 aetos e 4
quadros, msica do maestro R Planquette :
Os Sinos (le Coraeville
No inteivallo do 1 ao 2" acto, cantnr-se-hi
um
Explendda intermedio cencer'o
1.Aria da opera
I
para meio-soprano, pela Sra. M Dalla Porta.
2.aAria da opera
Lucrezia Borgia
para soprano, cantada pela Sra. T. Baatelll e
em seguida GRAN DO da mesma opera, entre
soprano e tenor p la Sra. T, BasKelll e V.
Bracbl.
Alta novidade!
A distinctissima pianista Sra. ERMINlA
TECCHI, que faz parte da companhia,
incumbe-se de reger a orchetra no interme-
dio concert.
A'si H hars?
Bonds para todas as linbas e trem para
Apipacos.
Capital do Banco.......
Capital real3ado.........
Fundo de reserva.......
A contar desta data e at



ult
l.OOO.OCO
500,000
oo,ooc
erior reso-
IU5S0, conceJer-se-ha juros de dous por
cento ao anno, sobre ou salios do. dinheiro
depositado em conta corrente de raovimen-
to no mesmo Banco.
Recebe-so tambe a dinheiro em deposito
a juros por p-rioi'os determinados, ou su-
jeito ao aviso pivio de triota 'Mas para ser
retirado, mediante as condicois de quo se
dc.r cjnhecimcnt > aos i iteressados.
Pernamcuco, 23 de Maio de 1887.
ienry K, Gregory,
Gerente.
l'atifie Stcaffl .dtigation Cooipan\
STRAITS OF MAQELLAN LINE
Paquete John Eider
Espera-se dos portos do
sul at o dia 22 de Ju-
nho seguindo para
a Europa depois da
demora do costume.
Este paquete e os que dora
em diante seguirem tocaro em
Piymoatb, o que facilitar che-
gareni os passageiros com mai
brevidade a Londres.
Para carga, passagens, encommendas e din-
heiro a frote tracta se com os
AGENTES
vvlKoi woos A C, Limited
N. 14 RA DO COMMERCIO N 14
CHARGEIRS M\m
cao a Vapor
Linha quinzenal entre o Hjvre, Lis-
boa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
O nw Tille ie Prmico
Conmnniunte Chancerel
E' esperado da Europa
at o dia 21 de Junho, se-
guindo depois da indispen
savel demora para a Ba-
bia. Blo fie Janeiro
e Hanto.
Roga-se aos Srs. importadores de carga p'Ioi
vapores desta uha,queiram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvareng: yin!-
quer reclamaco concernonte a volumes, qus po-
vntm b tenham seguido para os portos do sul,afm
de se poderem dar a tempo as providencias neces-
sarias.
Expirado o referido praso a companhilo n se
responsabilisa por extravos.
Para carga, paisagons, encommendas e dinheiro
a frete : trata se com o
AGENTi".
Auguste Lbil ie
9 RA DO COMMERCIO9
II
DampfschiTfahrts-GeselIschan
O vapor Cear
Espera-se de HAMBURGO,
por LISBOA, e AZORES at
.0 dia 19 do corrente, seguin-
do depois da demora neces-
saria para
Rio de Janeiro e Santos
Par a passageiros e carza a frete trata-se com os
CONSIGNATARIOS
Borstelmann & C.
RA DO COMMERCIO N. S
1' andar
< OMPAMlE~ DES 1ESAK-
II iem haiutihe*
LINHA MENSAL
O paquete Equateur
Commandante Mac
E' esperado dos portos do
sul at o da 19 do corrente,
seguindo, depois da demora
do coatume, para Bordeaux,
tocando cm
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos senhores passageiros de tdat
as elasses que ha lugares reservados para ests
agencia, que podem tomar em qualqner tempo.
Fas-se abatrnoste de 1 f % em favor das fa
mlias composta de 4 pf ssoas ao m"t.os e que pa-
garem 4 passagens inteiras.
Por excepcao os criados de familias que torna-
rem bilhetes de prfia, gosam tambem d'este abati-
mento.
Os vales postaes b se dao i.t e dia 17 pagos
de contado.
Para carga, passagens. encommendas e dinbctr
* frete: traefa-so com o
AGENTE
Angoste Labille
9 RA DO COMMERCIO 9
r uflti
de Janeiro Monte
Buenos Ayres
Para paasagens, fretes, etc., tracta-se n, os
Consignatarios
Adamson lio wic & C.
S. 3- RIJA DO COMMERCIO N. 3
1- andar
Oonianhla Uahlaoa de navega-
cao a Vapor
Macoi, Villa Nova, Venedo, Aracaj,.
Estancia e Bahia
O VAPOR
Principe do Gro-Par
Comtnandante J. F. Teixeira
Segu impreterivcl-
mente para os pnrtos
cima no dia 22 de
Junho, aa 4 horas da
tarde. Recebe cargf.
nicamente at ao li2
dia do dia 22.
Para carga, passagens, encommendas e dinhei-
ro a frote, trata-se na
AGENCIA
7liua co Vivario7
homilas Alvos Malkeus
'IL'I!
Segunda-feira 20 do corrente deve ter lu-
gar o leilao das saceas com algodo .variadas e
desearregadas de bordo do vapor ioglez Neto, s
11 horas, no armazem da ra do Brum, pco agente
Pinto.
Tendo sido legalmentc condi mnado por nave-
gavel o lugar allcmao Gazelle, ser brevemente
vendido em leilao ror ntervencaj do agente
Pinto, bem eomo os seas sobresalentes.
Le'lo
Da armayao, balanfa, pesos, medidas, to-
fre de ferro, candieiros, eccanament e
registro de gaz, existentes na taverna
sita ra Imperial n. 151 pertencente
a massa fallida do Ju,n Benito RoJri-
gues.
Segunda feir 20 de Junho
AS 11 HORAS
O agente Gusmo, antorisado por maulado dj
Exm. Sr. Dr. juiz d diieito do commercio ea
rrqueriraeuto do Dr. curador fiscal da massa falli-
da de Juan Bunito Rodrigues, fui'; 12o ""o qne
cima fica declarado, garantindo-ee as chaves da
casa.
Comna-ui^ia Sra-Ileira de Xave-
aeo a Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Manos
Commandante tenente Chiilherme Wad-
dington
E' esperado dos rtos do
norte at o da 23 de Junho
e depois da demora iudis-
pensavcl, seguir para os
f-rng do sul. (Inclusive o
da Vict.jrii.)
Recebe tambem carga para Santos, Santa Ca-
tbarina, Pelotas, Port) Alegr- e Rio Sul, frete rnodic .
Para carga, passgens, encommendab a valores
trata-se mi agencio
PRACA DO CORPO SANTN 9.
PORTOS DO NORTE
O vapor Cornil I o
Commandante o Io tenente Carlos An-
tonio Comes
E' esperado dos portos do sul
A. at o dia 19 de Junho, e
seguir depois da demora in-
'|v dispensavel, para os portii
fw do norte at Para Jsmeate-
Para carga, passagens tuconoendas e valares
tracta-se na agencia
PRAQA DO CORPO SANTO N. 9
COHI't\IIIl PEB\iBl'CAKA
DE
NavexaeSo costeira por vapor
fORTOS DO SUL
Macei, Penedo e Aracaj
O vapor Mandahu
Commandante Estoves
Segu no dia 22 dt
Junho, lis 5 horas da
tarde.
Recebe carga at t
dia 21.
Enominendas, passagens e dinheirus frete at
a 3 horas da tarde do dia 22.
ESCRIPTORIO
Ao Caen da Companhia Perr.ambu.cana
n. 12
O vapor A.dvance
E' esperado dos portos dt
sul at o dia 30 de Junho
depois da demora necessaria
seguir para
Haranho, Para. Barbados,
l hoin 1/ e Mew-Vork
Para carga, passagens, o ie m nendas .dinheir
* trete, tracta-se com ~>:
O paquete Finance
Espera-se de >i ror;
Nevis. at o da 8 e Julho
o qual seguir :epj'i d.
deuiwj ae0983*ri. p'ia
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, e encommendas tradu-
je com os
AGENTES
Ilenry frrstor & C.
N 8 RA 1/0 COMMERCIO -N. 8
/ anda
COMPANHIA PRBNAMMVCA sjA~
DE
.%avesaco Costeira oor Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara
caty, Cear, Acarahu e Camossim
vapor Jaguaribe.
Commandante Baptista
Leilao
Do 160 saceas coui
feijo
eorrenfe
Segnoda feira, 9o do
A's 11 horas
No trapiche Anncs, defronte da AlfinJega
Agente Modesto Baplist'j
Leilao
Dos movis do hotel da ra Lirga do
Rosario n. 33.
Constanda de mesas grandes d lour?, ditas
cem pedras de cor, bancos grandes, 19 uuchos,
3 aparadores, armaras envidracados, espclhos
grandes com moldura deuraua, fiteires, quadros,
jarros para fl.-res, relogio de parede. 1 prensa pura
caj, 1 cartelra, otngers, diversos artigos para fu-
mantes, papel de cor, alguns cbjectos para pre-
sentes e sortea para S. Joao, Jouc-i, vidroe, trem
de coaiuLa e mutoj outroa objectos.
Segunda faira 20 lo corrente
A's 11 horas
POR INTLRVENCO DO AGENTE
Martn
Leilao
De cerca de 110 saceas cera
averiado
Jeod
,- JNjg -_t>^ Segu no dia 21 do
te-*T^^* 54^ Junho, s 5 hor.s
iM ^a^-da tarde. Recel"
Kflcarga at o dia 20.
Encommendas passagens e dinheiros a frete at
As 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRIPrORIO
Caes da Companhia Pernamb'iraia
ti. 12
Vapores nacionaes
(NORTE E OUL)
Ro fie Jaaeiro, uitos, BtoGfli-
fie. Pelotas 6 Porto-Aleare
Vapor Aymor
Espera-se ..at o
dia 20 do corrente
do Rio de Janeiro
e seguir depois
|da demora do cos-
tun.e para os por-
tos cima indicados.
Recebe carga, encommendas e passageiros para
os meemos portos : a tratar coii
PEREIRA CARNEIRO & Cr
N. 6.-RUA DO COMMERCIO N. 6
1- andar
.an*
ttegtiuda-fclra 90 de fundo
A's 11 horas
No armazt m dos herdeiros do Visconde lo Livri-
mento na ra do Brum
John Cbadirick c^pitao do vapor ingles Neto
ancorado no noaso porto, faz leilao por autora -
(3.0 e em presenca do cnsul do Sua Magtsladc
Britanc, com 1 ceng i do Sr. r. inspector da Al-
fandega e cora assistencia do empregado da mes-
ma repartcao para o Om ncmeado, por interven-
cao do agente Pinto e p-r couta e risco de quem
pertcneer de cerca do 110 saceas cum algodo
avariado, salvadas e dcscarr gadis de berdo do
referido vapor e depositadas no armazem dos
berdeiros do Visconde do Livnmento :i raa do
Brum ende se efsetu r o leilao s II horas em
ponto.
Leilao
Agente Britto
Da armasSo, utencilios e gneros do depo-
sito sito na travessa do Plata ou boceo
do Marisco, ti. 7, so correr do mar-
tello.
Sagunda feira 20 do coi rente
A's 1 1/2 horas
Agente Pestaa
Leilao
De urna importante "caaa terrea sita ra
de Lomas Valentinas n. 34, outr'ora do
Fogo, pertencent-f ao aventario de Ro-
dolpho Maraede do Araaral.
O agente Pertana, autor'aado por maudfdo do
Exm. Sr. Dr. juiz de < rph >s, com assiotencia do
mesmo, o a requerimeuto de Valeriano Ji s Vi-
tal, vender a fxcellente casa terr'-a cima men-
cionada.
Quarta-Jeira, 22 do corrente
A'S 11 HORAS
No armazem ra do Vigario Tenorio
n. 12
Na mema occosio vender o mesmo agente s
iu,i- casas terreas sitas jaeama ra ns. 29 e
31, tendo cada urna os commodos seguintes : 2 sa-
las, 2 quartos, coBinha e quintal, rendendo cada
urna 14000 meusaes.
Leilao
De bous e importantes movis e um piano
Sendo :
Lina importante e elegante mobilia de Jaca-
randa tendo 12 caderas de guamico, 2 litas de
bracos, 2 ditas de balanco, 1 sofii e 2 consolos
cjm pedra marmor.
Uui pinio di? armario, 2 cadeiraa americanas
(de fantasa), 2 pares de farros fin ps, 2 poltronas
estufadas, 1 toillet, de Jacaranda, l dito dt noguei-
ra, 1 Uvatorij de dito, 1 importante cama frau-
ceza de Jacaranda, 1 dita de amare'lo, l gusrda-
vestidoi de amarillo, 1 guardaroupa, 1 cabide de
column?, 2 ditos de parede, 1 toillet de mogno,
1 columna coro pedra, i bonitos etagers e 1 can-
toueira.
Urna banca com estante para escriptorio, 1 es-
tsnte ab.'rta com 2 gavetas, 2 espberas para es-
tudo de geographia, 6 cadeiras, urna meia mobilia
de carvalbo, entalhada constando de G cadeiras.
1 sof e 2 b-iii.' -.-
Urna mesa elstica de amarelle, 2 lindos apara-
dores de amarello, 1 guarda-louca, cadeiras avul-
sas, 1 dita de bracos, de Jacaranda, 1 sof de jun-
>, 12 cadeiras de ditJ 1 mesa qU'idrada de ama-
rello, 1 importante relogio de pande, 1 sof de
mogno, 4 quadros grandes com molduras doura-
das, 4jarniutiras pendentes para flores, 2 fruc-
teiras, 4 ganaras do crystal, bandejas, garlos e
colheres de metal e m ni toa outres movis e objec-
tos de nso de urna familia.
4|n irla felra do corrente
A'S 11 HORAS
Na casa da ra do Riacbuello n. 9, junto
a casa do rooradia do senador A!v Barballio Uchoa Cavslchntn.
O agente Martins fnr Klo por eonla de urna
Ilustre familia que se r :irou d.'stii provincia,
dos importautes movis i1 mais objectos existen-
tes em diu casa, os quaes te tornam recommen-
daveia pelo bom estado em que ae acham._______
Leilao
O AGENTE JOSNUNES
competentemente auterisado por alvar de G do
corrente mes, do Dr. juiz manieipule do commer-
cio do termo de Trahiry, ns Cear, Jacome Conha
Freir, far leilSo no dia 29 do corrente, s 10 ho-
ras da maafaa, na enseada do Par-Cur do mesmo
termo e em presenca do dito juiz, do caico e mais
pertences do vapor Cear, da Companhia Brasi-
eira de Kavegaco Vapor, naufragado naquelle
lugar e abandonado pela meema companhia.
Cear, 10 de Junho de 1887.
AVISOS DIVERSOS

Alnga-se casas a 8<0G0 no beecn dos Coe-
hos, junto de S. Goncallo : a tratar na ra da
'mperatriz n. 56.


n
Diario ie PeryanifeiKw-- Domingo 19

na Preciea-se de urna
Cabag a. -i. terceiro andar.
na ra
do
__ Os abano useignados mudaram o seu et cri-
ptorio de advocado e solicitador, da caa n. 88 i
ra do Imperador para a de u. 69 meema ra,
sala da frente.
Man.el Joaquim Silveira.
Joo Caetano de Abreu.
Alugu-se a enea n. Pass>-ge_ da Mag-
dalena, passando a pona grm:+ coui muito bons
commodos iuttiuoa t externos, com agua encana-
da e sitio com .alguna .rvoivdos, cuja casa acha-
se concertada, caiad* < pintada ; a tratar com o
ommendador Albino Jos da Silva, ou na ra
velha de Santa Rita n. 14, sobrade _________
__ Precisa-so de ama ama que eotinhe tein e
compre ; na ra da Roda n. 20.
Precisa- se de urna ama qu" entenda de al-
gunas costuras e .que faja alguna serviecs de
casa ; na ra da Florentina n. 1U.
Recebe -so incoe incurias de bolos e cangiaa
para os das de S. Jo, e S. Pedro, e vende-se ex-
cellente maasa pnri b.los, p>r preco muito m-
dico : ra Matrir da Boa Vista n. 3.
AMA~Precisa-se de urna para casa de famif
compta de tres pessoas : tratar na ra do Ca-
pitn Lima, im Saut> Amaro d>is Salinas junto k
refiuacao. _______________________
" Aluga-se a casa do pateo de S. Pedro-novo
em Olinda, muito fresca e grande ; a tratar na
ra do Mrquez do Hi rval n. '23. Na mesma casa
offereee-so urna professora para primciras lettras,
flores, msica c piano.
Prccisa-se de una ama para casa de pouca
familia, e tambem ua mesma casa tem para alu-
gar-ae um escravo pardo, de 17 aunos, muito pro-
prio para criado ; trata-se na ra Nova n. 14,
colli-gio de Santa Luza, andar.____________
Precisa se d* urna ama ; na ra Bella nu-
mero 35._________ ________
Na engenhoca Uemfioa prccsa-se de empre-
gades : a tratar na mesma, ra Real da Torre
numero 21. __________
D-SC trra para aterros ; na ra da De
tencao n. 31.
Frecisa-so de urna ama para lavar e en
gommar em casa de familia : na ra do
Riachuelo n. 13 se dir.____________________
Caixciro
Preciaa-se de ua eaixeiro com pratica domo-
hados, de 12 14 annes, que d fiador de sua
conducta ; a tratar ua ra do Visconde de Goy-
anna n. 62 _______________
Snenles k carrapato
Ccmpra-sc graudes c pequeas quantidades :
ua drogara de Fn neisco M. da Silva & C, ra
do Mrquez de liu la n. 23.
O Vigor
do
Cabello
do
Dr. Ayer.
Preparado Sob
Bases Scientiflcas
E Physiologricas,
para o
Toucador.
Ulcilfiio
Tinturara franceza no largo de S. Pedro
numero 6.
Tinge se e limpa se com a maior perfeics toda
qualidade de estofo e tazeudas em precos ou em
obras, chapeos de feltro cu de palba, tira-so o
mofo das fazi ndas, e tedo o 'rabalho feito por
mei) de aperfeicoado machinismo.
0 Vigor do Cabello
Do Dr. Ayer.
Devolve, own o brilho e frescura da juventude, ao
cabello grii-alho u br.-inro un rica cor natu-
ral, eastanbo ou iiret", como s deseja. Pi lo seo
uto, ao cuco claro i u rOxo pode dar-se urna cor
esenr. e grosura ri> cabello Uno, cniqu.iuto qne
frequenteraentcenraacalvicie, porim nem sempe.
Impeilc a queda do cabello, estimulando o dbil c
enfermo a creseer rigorosamente. Rcjirime o pro-
Sresso e cura a tinhu e caupa, curando miasi todas as
t>eu9as peculiar- > 11 [Cl an< f>. Como Cosmti-
co para aformoscar o cabello iln- Senhoras o
Vigor nao tem rival; nao conten azdtc ou Unta al-
gum, torna o cabello suave, brilhante e sedoso na
apparencia, e coniniuuica-lho um perfume delicado,
agradivel e peraianei.te.
l'IlEI'AKADO PELO
DR. J. C. AYER k CA.,
Lowell, Mass., K. lT. A.
A' venda as principas pharmacias e drogaras.
AVISO
Os fpgos do artificios preparados na an-
tiga fabrica da viuva Rufino proprios para
as ncites de Santo Antonio e S. Joao, ven-
derr-se nicamente no caes Vinte Dous de
Novembro, armazem da Bola Aroarella
In. 36, pelos precos da fabrica; ceste ar
*razem haver venda lindos craveiros,
pistolas de todas cores c tnjannos, rodas
simples e sing las, foguetinhos, estreli-
nhas, etc., etc.
Casa c arma (ao
Aluga-se n Varea, era fronte a esta^ao da es-
trada lie ferro, urna casa eom armaeao propria
para estab lecimeoto de mol hados : a tratar na
ra da Imperanz n. 56, loja.
Xarope de cambar: guaco e bal-
sane de Tol
reparado pelo pharrnaceutico J>e Francisca
Bittencourt
' um poderoso preparado para tcdis 68 affe-
;es dos orgaos reapiatorios, como catarrho pul-
monar, asthma, coqueluche, brinehite, pneumo-
na, tisiea, etc., etc.
Cada frasco 1*000
Deposito na Pharmacia Central, ra do Impera-
dor n. 38. Pernambuco.
Seieiies 3e carapato
Compra-se na fabrica Apollo ra do Hospicio
numero 79.
Arrendamiento de en-
Josi- Hara de .Henear
Mauricia Maria da Conceiciio, Jos Mauricio
de Alencar, Candido Mauricio de Alencar, Domin-
gas de Sillos Ferreira de Alencar, Florencio
Mauricio di Alencar, Luis de Drummond e Anna
de Alencar Drummond, mulher, filhos, ora e grn
ro de Jos Maria de Alencar, convidam a todoa
os perentes e amigos do finado pra assistirem as
misaa8 qne pelo seu eterno repiuio mandam ce-
lebrar no dia 22 do correte mei, no convento de
N. S. do Carmo, pelas 7 horas da manha, 1 an
niversario de seu infausto paassmento, e desde j
80 ccnfi ssam auminnmiTitc agradecidos.
foaquli Pantaleo de Barros e
MI a
Antonio Secuodinode Barros e Silva, Jos Mo-
reira de Barros e Silva e Joo Baptista de Barros
e Silva, teridos pela irrepsravel perda de seu tio e
amigo Joaquim Pantaleo de Barros e Silva, man
dam rezar urna missa no dia 22 do corrente 15 de
sen pasaamento na capella do engenho RibeirSo,
as 10 horas da manb, e para ese acto de re I i -
gi5o convidam os seus amigos e prente e oa do
nado, agradecendo desde j aos que comparece-
r.
lili I a
genh
*)
Amalla Kevet* Rodrigue*
" Francisco Eustaquio Rodrigues, Gertrudes da
Silva Neves e Adelaide da Silva Neves, reconhe-
jidos aos amigos e parentea que acompanharam
ao ceraiterio publico os restos mortaes de sua
sempre lembrhda mulber, filha e irm^, Amalia
Nevrs Rodrigues, convidan, aos meamos para as-
sistirem as miasas que por alma da mesma terao
lugar na terca-feira 21 do corrente met, pelas 8
horas da manha. na matriz do Corpo Santo e ca-
pella do p: voado de Apipucoa.
Mari:. Coeiiio Melra
Ascencio Minerviio Meira de Vatconcellos e
seus filhos convidam os seus parentcs e am'gos
e bein assim os alumu d collegi > Meira, para
as missaa que mandam resar no dia 20 do corrente
mes, s 7 1/2 horas da manha, na atriz da Boa-
Vista, por alma de sua estremecida mulher, mi,
Va e madrasta, e desde j se confessam summa-
u-ente gratos a todos aqueilea que quizerem pra.
tica esee acto de emrdude ehrist, bem como aos
que eempareceram ao enterramento da mesma fi
nada, qne teve luear no rlia 14 do corrente.
Dr. Franrlur *ln da Hilva
Io anuiveraario
Pedro Bezerra Cavalcante Maciel manda cele-
brar urna missa ua matriz de Santo Antonio, a
8 1|! h- ras da manb do dia 20 do crrente, se-
gunda feira, pela a!ma da sen presado primo e
amigo, Dr. Francisco Alves da Sirva, e pura este
acto df rel'giSo convida os par utes e amigua
seus e do mesmo fiuado, pelo que mxi'o agradr>
eer.
niilTino do Reg Pacheco
Anna Aleii ndrina de C-.mpos Pacheco e feus
lhoa menores, agradecem de todo seu cornejo a
todas aa peas i-is que se dignaram conduzir ao ce-
miterio pubiieo os restos miraes <*e seu s mpre
lembrado e cherad i esposo e pal, Silvino do Reg
Pacheco e de novo rogam o caridoso obsequio de as
sistirem a missa do stimo dia que se ba de cele-
brar na igreja de Nussa Senhora da 8oltMde po-
las 7 horas 4a manha, 4gundi-f'ira. 20 do cor-
rente e comagram sua eterna gratido a seu to e
padrinho o Rvm. conego vigario SimJo de Azeve-
do Campos e aos Srs. Antonio Pertira Lopes e
Kenj Arrenda-se o importanto engecho Santo Aodr,
sito na frfeguezia de Una, comarca do Kio Formo-
so, quatro logoas de Barreiroa, perto de embar-
que ; esse engenho. que um ptimo engenho
d'agua, e um djs melbores da provincia, alem de
outras vantagens que cfferece, recommenda-se
pela fertilidade e eztensSo de sua* trras, que tem
capacidade para safrnjar mais de 4,000 pae, e
pelas suas ezeellentes obras de pedra e cal, inclu-
sive urna magnifica cn-a de vivenda : quem qui-
zer dirija-se ra d) Imperador n. 40, armazem
de mercearia.
LEITG NATURAL
(elva)
DE
ALVELOZ
CONSERVADO LIQUIDO SEM ALTERARSE
O ALVELOZ, planta da famili das euphorbia-
eeas, que habita os iiosa^s sertoes, boje reconhe-
cido como um verdadeiro especifico para destruir
as epitheliomaa ou cancroides, facilitando a reno-
vacuo dos teeidos atacados, e trazeodo afinal urna
Cura completa, eetn outro tratamento que a appli-
oacao tpica de sua seiva (vulgarmente leitt) como
caustico.
SSo numerosos es casos de cura, alguna dos
quaes j levados ao conhecimento do publico, em
diversas publicacoVe, pelos Ilustradas clnicos
desta capital o no estrangeiro, os Sra. Drs. Alci-
biades Velloso e liandeira, e optirr.03 resultados,
tambem fotamobtidos as feridas e as ulceras
chronieis de carcter eyphirfticas.
DEPOSITO GERAL
Pharuiacia e Drogara de Barlho-
lonieu l C. Successores
34, Ra Larga do Rosario Pernambuco
l'hiir aria central
Ra do Imperador n 3S
Jos Francisco Bittencourt, antigo pharmaceu
tico da pharmacia franceza ra do Bario da
Victoria u. 25, avisa a seus amigos e freguezes,
que se acba na pharmacia cima, onde espera
continuar a merecer a confianza que felizmente
depositaran) em seus trabalhos protesaionaes.
Repblica
JJAluga-se barato o 1 andar da casa n. 9 ra
o Hospiti.1 Pedro II (lu ;ar dos Coelhos) com 5
quartos, 3 salas e cosinbs, cuja casa presta-ae
para numerosa familia ou para estudantes, muito
fresca, vista magnifica e prxima dos banbos sal-
gedos ; a tratar na casa immediata.
Mestr (I msica
Pessoa bastante habilitada, offereco se para
leccionar qualquer sociedade marcial, dentro cu
fora da capital, obrigando-se a sahir com a mes-
ma, conforme o contrato qua convencionar : quem
precisar dirija-se casa do professor Marcelino
Cleto, ra do Jardim n. 19.
A. qem interessar
possa
Previne-se a quem se julgar credor de i'i acis-
co de Sv>usa Duarts por qualquer titulo, para que
00 pracode 80das, a contar da data deste, apr-
sente suas ccnUs ra da Uoio n. 54, para
serem conferidas. Recife, 11 de Junho de 1887
Antonio 8. Duarte Ferreira.
Camella
Compra-se em grande ou p quena porglo ; na
ra larga do Rosario n. 34.
DES
Oleo de Figado de Bacalhau
do _Or DTJCOUX
lodo-Ferruginoso ce Quina e Casca de Laranja amarga
1 1 1
Este medicamento fcil de tomar, nao provoca nauseas,
e decheiro agradavel. PelatJua composi^ao, possue todas as
qualidades que lhe permittem combater :
a ANEMIA, a CHLOROSE, as AFFECCES do PEITO
a BRONCHITE, os CATARRHOS", a TYSICA
a DIATHESE ESTRUMOSA, ESCROPHULOSA, etc.
Em vista do seu emprego fcil, da sua accao multplice e
segura, da economa para os doentes, os mdicos receitam-n'o
de preferencia qualquer outro medicamento similar.
DEPOSIIO OBRA_ :
PARS, 209, ra Saint-Denis, 209, PARS
VENDE*-SE EM TODdS AS PK1NCIPAES PHARMACIAS DO UNIVERSO
CONFIAR DAS F A U S I F I C A C O S E IMITACOES
k FLORIDA
Kua Duque de Caxias n .03
ADMIREN
A. Chave <\o Futuro, uovissimo livro de sor-
tes, h 200 rs., vende-sa equi.
Bonit.s quadros oleograp'iicos, a 5^000 o
par.
Um jogo da gloria, a 1000.
Anquinha8 a l->;'"00, uma.
Lindo fiortirnento <> cadea de laque ame-
ricana.
Lindas pulseiras ameri.anas, de 5$, ~t,
9^ o par.
dem de ^, 2,$ e 3 o par.
Limlos broches de plaqu emeric.no a 4-
dem desenbando uma thesoura, um peixe,
a 2)5 um.
Lindas guarnir/i.'s pura ti ilet, a 12;5-
Guarni^ocs parat .>isa, plaqu americano,
garantidas por dez onnos, a 4$ uma.
Carteira3 para dinbeiro, cora repartimrn-
: b, 1)9 a 105.
Iiicro pan tr.is, mareando os i.- z s 'ie
no tiro a ezeuibro.
Lindas p si ur;, cb grln, pclliec
vellu lo
BARBOZA
Lindas rapellas com veos, para iioiva, de
8<5 a 150.
Ramos de flores de laranjeir?, de 13500 a
2500.
Bulcas para menina, da 35, 45 e Go\
Meias para senliora a 10$ a duzia, com
palmas de seda.
Len?is de linho em lindas caixas, a > a
duzi .
Chapelinss da setim para br.ptisado, a v
Sabonptcs de diversas qualidades.
Para tcilel :
Agu i Florida.
dem Celeste,
dem Divina.
dem Uoa
Pos de airoz Florida
dem dem Osea.
. ... ;
. ..
i _!ii G ik 1" t. :
Pura o i neo :
Essencia Kit-.i Sanglay.
I',- Ixor
I i Ai a I! uqu E? p 5
& .SANTOS
Licenciados pela Inspectora de Hygiene do Imperio do Brazil.
Cura rpida e certa pelo
ARSENIATO OURO DYNAMISADO
do DOUtOr A. DDISOJV
da Cblorote, Anemia, Kxlae as Molestias do Systema nervoso, mesmo as
mal rebeldes, Molestias chronicas dos PulmSes, etc., etc.
As maiores illastracSee medicas tm atte6tado o poder caratiro deete medicamento deolaram-n'o :
o primeiro e o mais enrgico dos reconstituinlet.
O FRASCO : 6 FRANCOS (El* FRANJA) yj
Todo frasco que nao trouxer a Marca de Fabrica registrada e aassigndtura>-i*i'"t' r*Mt*n**
deve ser rigorosamente recusado. _ZS--^ 'eS'e
ARIS. Manuela OBJbnr, n_ Socbeoboaart, 3a. "iS Producto
Deposita/ios em Pernambuco: FRAXC" 31. da sin A C".
IXULr
20 RA PRIMEIRO DE MAR^O 20
(J ',nto ao Louvre)
Merinos de cores com duas larguias, a 800, o covado.
Cachemires da listras para vestidos, alta uovidade, a 400 rs o ovado.
Percalas de cores, a 240 rs., o covado.
Esguiao pardo de linho, a 380 rs., o covado.
Carabraia bordada, a 55500, a pea.
Cretones de cores, de 280 a 400 rs., o covado.
Zephyre8 de core, a 200, 240 e o20 rs., o covado.
Setinetas lisas e lavradas, a 360, 400 e 440 rs.. o covado.
Alpa;s de cores, lisas, a 280 rs., o covado.
Grande sortiraento de las para vestidos, por barato prego.
.Bramante de linho, coro 10 palmos, a 15900, o metro.
Bramantes de algodo, a 800 e 15400, o metro.
T'ano da Cobta, a 15100, o covado.
Velbutinas de cores, 800 rs., o covado.
Pechinchas em madapoloes, oproveitem !
Atoalhado branco, muito largo, a 15300, metro.
Lquca transpareiit's, ultima novidade, 25500, um.
Espaitilhc3 para sunhora, a 551>00, um.
Bordados tapados, finos, de T>00 a 5000, a p> $a.
Cortinados bordados, a (55500 e 85000, o par.
Lpnce8 d bramante de linha, inuiti encorpilos, a 35000, um.
Cobertas do ganga, forradas, a 35000, ur_*.
Chambres para homem, a 55000 e 65000, um.
Toalhas felpudas para banhus, a 1550), uma.
Ditas ditas para rosto, a 35500 c 55000, a duzia.
Lindes fLh8, de renda do linho, a 25001 e 25-0, um.
Ditos, ds la, completo sortiraento.
Camisas da linbo para homem, s*m punho e sem collarinhos, o que vera de
roelhor a est-3 mercado, a 545000, a duzia,
Ditas de 13, a 55000, uma.
ColleteB de flanella com meia manga, a 35500, um.
Ditos ie dita sem mangas, a 35000 um.
Completo sortiraento de croulaa, collarinhos, gravatas, meias para homens,
crianjas e senhoras, por menos presos que era outra qualquer parte.
PARA OS MORES AGMC.LKS
AlgodSes do Rio, de 1.a qualidado, a 320 rs., o metro, om porco faz-Be o
desmonto.
Ditos da Babia, braneos, n 320 rs., o metro.
Ditos brincos, lisos, a 35000, 45000, 45600 e 55000, a pega.
PARA ACABAR
Mallas americanas para viagem, a 105000 e 155000, uma ; baratissirao !
Tara iianlm do m\
Costumes para hooiens, a 85000, um.
Ditos para srnhora, a 105000 um
Ditos para meninos, a 55000, u_.
Sapatos e b< leas para o mesmo ri:n.
Telephonc n 158
AMARAL & C.
Wfl Fiilra tecj
Especial, tem o Ribeiro ra larga do Rosa-
rio ; elk, antes qne ge acabe.
Prepara se comidas
com todo o asseio e por menos 20 0/0 do qne m
ontra qualquer parte ; no pateo de 3 Pedro o. 6,
primeiro andar.
INJEGTION CADET
.ura certa em 3 das sem outro medicamento
ATtawVIrterU
la ni wmtms
__IJMsM*
i.-ij^.iinic&MErao ae um gusto agradare], adoptads com rnu>de exit ha
Kr
lis de ao id_m pc!os melhores Medios d Parte, cu oa Defiuteo; trip*, To$,
* flMSMfl C_J'VT_' '~"~ ~* *"~ '--* ** -** v___ __>______ _>-___
*ru**m am tm*m. d_ V_* wmurim t rtf
FarBllo Os caroco de aicoaao
a 408 rs. a arroba
Cbcgcu a primeira remessa do precioso i*relio
de careco di> algjdSo, o uns barato de todos oa
alimentos pura animaea de raca cavallar. vacum
suino, etc. O carne/) de algodSo Uepuis de ex-
trahida a casca e todo o oled; o mais rico ali-
mento que se poJe dar a = auimies pira os forta-
lecer eeogordar com admiravel rapidez.
Nos Estados-Uuido di America do Norte e na
Inglaterra elle em n-gudu (eom o mais felll re-
sultado) de preferencia ao inilho e outros farellis
que sao mui'o mais caro e nao cao de tanta sus-
tancia.
A tratar no Recifeo Largo do Cor-
po Santo. 1" andar
Pcitora l de Cambar
(5)
PREQOS
as agencias : frasco 2500, 12 duria 13 t
duzia 240O0.
as sub agmcias : frasco 2800, li2 duzia
15000 e duzia 284000.
Agentes e depositaricj guraes em toda a pro-
vincia Francisco M. da Silva & C, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
Bi.hetes garanlidos
23-RA PRIMEIRO DE MARCO-23
Da Ga lotera da provincia e 19a parte das
concedidas era beneficio da matriz de
Itamb vendtram Marlins Fiuza & C. os
seguintes premios garantidos :
6230 5:0005
7125 50,0
Acham-se venda os afortunados bi-
Ihetes garantidos da 7a lotera da provin-
cia c 14a parte das concedidas em bene-
ficio da matriz da Boa-Vista, que se ex
trahir quando ffir annu.iada.
PRECOS
1 intiro 3500
1 t?r$o 15000
i:r. por^u tic 1004000 para
cima
1 inttiro 25700
1 terco 900
Pilulas porgativas e lepuravas
de Campanil
l.jtaa ilutas, cuj prepar-C i '.meute ve'
^etfcl, tei-m e i i pr mais de i aisi: .- ... roveitadat
com os meihores rt.-ultad^j na-t..'!ros moles-
tias : afl'ecQocj da ,clle e dn figado, tiypbilis, bou
>oes, escrfulas, i'bag a invi lera las. i lysipelas e
jonorrbas.
nodo de uinl-a
Como purgativas: 'Jinr-se de 3 a i) por dia, ie
oendo-se aps cada dse um pjuco d'agua adoca-
da, cb ou caldo.
Como reguladoras : tome-se um pilula ao jantar
Estas pilulas, de invenco dos pharmaceuticoE
Atocida Andrade & Filhos, teem veridictum dos
Srs. mdicos para sua nvlhcr garanta, tornndo-
se mais recrmrr.ciiilaveis, por serem um seguro
ourgativo e de pouca dieta, pelo que podem ser
asadas em viagem.
ACHAM-SE A' VENDA
*-a droaria de Fnrla Mobrinho *
'U -KUA DO MRQUEZ DE OLINDA 41
Ao publico
a'uaixo asignado declara ao Illu>. Sr. Dr.
juiz de dirc'tj da comarca de O inda c ao piblico
que eontiLii i a ass;gnar se Jaeintho Dionizio Oj-
mes dj Rcgo c nao Jaciuthj (i unes o qua'ificaram jurado. Oliuda, 18 de Junho de
1887.
Pordeu-sc
urna pulseira de curo com .'.'. bud
ter sido ao saltar do bond da M i_- lalm i, na ra
do Imperador, ou d'ehi at o mercad.' S. .1 :
gratificas? u quem a tiver achado e lev :-a .ua
do Imperador n 83, 1 andar. _
Te
lesframma
O Sr. M I', de A. 8. venha dar cumpri r ni
ana palavra na ru* do Imperador n "">.
trario o publico ver s.-u noine per extenso
jirnaes desta eidade, o a razao por que.
.;}
Um
Preciea-sc o'e urna ama pura eosinbar a i
boar a tratar na ra da Ponte Velha n. I'j
Ana
Preciia-se de urna ama que saiba cosinhar : t
a tratar na ra da Amizada n. 10, Capung,
Ama
Preciaa-s de uma ama p ;ra tod:> eervio
casa de familia : a tr-.tar na ra do Ba
Victoria n. 7, 2- andar.

PASTILHAS
De ANGELIM & MENTRUZ
Garanle-se a chave
Liquida-te o resto de calcados e brinqmdos da
loja d. 16 da ra 'o BnrSo da Victoria, e g-ran
te-se a chavo a quem comprar oa Gteiros.
i riado
Prfciea-se de uc; criado : a tratar na ra de
Payaand n. 19. Pas^agem da Magdalena.
fMflDdWEfci
53 LYSSt P.OY, _.*nr-oit-ers (Frwii
miIsPROUST, Sao07- & Genrs
ROOlAVItOL IKERES
mmm
~9 Medalha de Ouro na Expsito universa) 1878 W"
^ pATtis C Mr r ll 1* PAHIS #"
" BRDEOS fFRANQA) W~
-Q Deposites tm todas as tenda de Comestioles. 0-
ttfottM^teoeMiMt
i Portme enaotioo ac Vlnbsc ia eo)a
deK'Jo................olOOr_M.i -^ *
' Saacic -c< .Henei*Cc^-n" a 100 fresen COO fe
!FnrfUD!orratcKl< . 3enc!ailel_amr.'i IcTa'ia. o '.Otrueoa 6O0ft
Dcposl'_03 em Prrnamb-.ico:
"H_ :. rv. _I. Ja ETI.VA. 9, ~
lU-!! -1^11
Previne se a quem interesssr possa que
n3o pode t r lugar o arrendamento em
basta publica do engenho Gongagary, con-
for.ne fra annun"iado no Diario de Per-
nambuco de hoje, visto como ioi provida a
carta tcstemunhavel interpesta para o Ve-
nerando Tribunal da RelacSo, por Vicente
Antonio Noveiino ; estando tambem o teito
sujeito a decis2ode um aggravo interposto
pelo mesmo Novelino.
Recife, 1G de Junho de 1887.
Angelo Raphael Peregrino.
_M i




'

-

Diario de FenuuulmcoDominga 19 de Junlio de 1887
Algft-se barato
Ba Visconde de Itaparica n. 43, armazem.
' Ra Connei Suassnna n. 141, quirto.
Ra de San* Amaro n. 14, luja
Boa do Tambii u. 5.
Ra do CsUbouco n. 4, loja.
rrt.-se na ra do Commercio n. 5, 1* andar
itript-Tio de Silva (iiimsrfas & G. ^^^^^
Ama
para cosinbar, precisa sede u m roa
quim Na buco n. 3, Cspunga.__________
da Jo,
Alujase
Ama
^r-jei a -3e ii i a i a >*' ; >'l'
prar ; no pateo de 8. Pedro n. 17, 1- andar.
Ama
PILLAS
DI
JURUBEBA
BARTH0L0M0 a C
Pharm. PenambuGO.
Curio a Anemia, Florea branca
tuna esta enm sotSo, edificada a moderna, com
aceommodwco para familia, sitio pequeo, entre
as duas estacoes Juqueira e Tamarineira.
l I II
Uma casa nova em frente do Sr. Thom, propna
para pequea familia, entre Jaqneira e Taman-
aeira ; a tratar na ra Primeiro da Marco d. 25,
loja de joias. _____^^_____
Aluga-se
o grande sitio Tacamoa, no jalgadinho, com bas-
tantes trras para plantacoese muitos arvoredos :
uem pretender dirjase fabrica Apollo, ra do
qi
H
Precisa-se de uma ama cesiobeira
Aurora u 103.
na ra da
Prec'8a-se de uma ana que seja boa cosinhei-
ra ; a tratsr na roa do Marques de Olinda n. 34,
armazem.
Ama
ospicio.
Aluga-se
a lo'a n. 24 da ra da Imperatiiz. cem commados
para familia e grande oficina : a tratar na ra
do Coronel Susssuna n. 204. __________
Aluga-se
o armaiem do sobrado n 16 da roa do Bom Je-
ss, fregoezia do Kecife, e a casa terrea n. 12,
na travtssa da ra d* Cincordia, freguesia de
Santo Autooio ; a tratar na ra de Marcilio Dias
. 32, lija de miodera.
Alusra-sc
um sitio prximo a estaco .io Caldeireiro, com
casa e commodos paia grande familia, jirdim c
muitos fruotos, agua e coebeira ; a tratar na ra
do Livramento u. 22, loja.
Enjilli (iiliidy
Arrenda se per c-ino ennos o cogenho aciraa,
situado ua comrca > '' uito, mente e corrente,
t;m todas as snas per! cas, pode sifr?jar para
oais de 1,500 pues, dista ok esfaco de Catende
legea e me.ia ; a tratar na ra do Imperador n. 61,
segundo andar. ______^^
Precisa-fe de uma ama para cosinbar, para casa
de dus pessnas ; na ra do Livramento n. 22,
segundo andar.
Falta de Memtrnaeio
k Peblltdaflea e Pobre de aa
Snei
, Eacigir a aasignatur* .
Cabriolets
^?
Vndese dous cabriolet3, sendo um descobert
e outro coberto, em perteito estado, para nm ou
uoua cavalloi; tratan roa Duque de Csxiaj
n. 47.
Grando sortimento
DE
Fues e sorles
para os festejos das noites de S-into Antonio, S.
Joio e 8. Pedro.
Ultima mriiMt
Massa para bolos
O que ba de melhor neste genero; vendem Bra-
ga Gomes db C ra do Marques de Olinda nu
mero 50.
Hdame
a rknve
Ama
Precisa-se de uma ama para cosinbar em casa
de familia de duas pesaos a ; na ra Duque de
Caxias n. Si.
AMAS
Precisa-se de duas uma para cosinhar {[e outra
para lavar e engommar : na ra da Uaiao nume-
ro 13.
-%
Precisa-sc de uma nma de meia idade e de bons
eostumes, para cosinbar e lavar para duas pes-
soas ; qnem pretender dir ja-se ra do Apollo
n. 43, 2' andar.
Cosinhcira cscrava
Preciea-se do um cosinheiro es-.-ravo, p8ra uma
casa de pequea familia ; a tratar no caes da
Companbia n. 2, escriptorio.
(apunta
Aluga-se a casa da ra da Am.'sade n. 32, com
iioucos commodos, e barato, tem quintal grande e
cacimba ; a tratai na roa n va de Santa Rita u.
14, sobrado, das 5 hora* da raauha ao recio dia,
e das 4 horas as 6 da tarde.
ti
Precita se de um criado eserseo, para orna casa
de pequea familia ; a tratar no caes da ompa-
nhia n. 2, escriptorio.
Procurares
Livros de procuracocs ; achm-ae venda na
Livrana Econmica to p do arco de Santo An-
tonio.
LOTERIADE S.PAULO
Sorte grande
10:O00$000
MYIDWm EM DECIMOS
A' venda: loja da Esmeralda ra Larga
do Rosario ". 24 A.
Extraec,o a 20 de Junho.
vlreMoa tu
do tullir o
Este engracido e espirituoso 1 vi o de sortee
para os tres festivas dias de Santo Antonio, S.
Joao e S. Pedr vende se na Livraria Parisii-nse
ra de Imperudor n. 75.
Por 200 r. eacontrario oa que se quizerem di-
vertir um livro para dar bous gargalbadas.
H b alo, em Olinda
Paesageoe em carros para Iguaraes, Goyanua,
Itamb e Pedras de Fogo, na provincia da Para-
hyba, 'ios dias de sabbado ; e em ojtro qualquer
dia ou noit'1 a qnem fritar ; ni s sabbudos segu
o carro o mais tardar es 5 b*ras da tarde, na oo-
cheira da ra d S. Sebastia. n. 18-A, no Vara-
dour. junta a loja dos Sra. italianos Francisco
Nigro 5r C ; serao bem servidos o? passageiros
tem e.i u'oioa p:ra pernoit.rem oo ^uardarcm as
soas bagagens como segu anca. Olinda, 14 de
Junho de 1887.
Jos Goncuives do Andrade
Ven de-se por precos muito rasoavast e faz-se
grande differencaem porcSo.
61, Ra do llamo da Victoria 61
Loja do Soii/ji
Livrament & C.
vendem cimento port'and, marca Robins, de 1
qualidade ; no caes do Apollo n. 45.
Wan nuil
PARA TINGIRA
!) rhaeosenhellos
Terreno
.V*VERi*4iL ,
Nm PERFUMARA Fxtn-fina m
OOpYtOPSS col ftfM
HH.......COBTl8PSISJoJAPJO!pd,u.. .CORYLOPSIS*JAFlt
b^.....* CORYLOPSIS do Jil MUMMi,. uCORYLOPSIS de JiPil
i*.THCim.;3RyL0PSIS': JAPiO I Ka........aCflRYLPSISd JAPI
> CGBTLOPbS k IktiQ i tnm......h CO B YLO P S iklt
P3* "Vyrflv" t^7
Esla tintura tinga a barba e es cabellos ins-
tantneamente, daodo-lbea uma bonita cor
e natural, inofensivo o Beu uso simples e
rpido.
Vende se na BOTICA FRANCEZA E DRO-
GARA de Rouqueyrol Fre*es, sticeessores de A.
CAUlis. ra do om-Jcsus (antigH da Cruz
a. 2?
assucar
SOLUCAO COIRRE
Eligir 0 filo
rnamt.
ao chlorAydro-f*!OSphato de cal
o doa reconatltulntea adoptado por todos os MeTcoa da '.
eral, Anemia, CMorosu, Tutea, Cachexia, BtcrofUltu, SxiehitUm, DKr.jM
, Crescimen itfleil Sat enancas. Falito, Vytptftiai.
ttU, COIRRE. Ji-,J. rute C4r_ese-lidi. JgatajH trtelMM Fkt
LOTERA do ceara
15:0001000
BXTSAGCilO INSTR&NFFBRI7EL DO 12." SOBTBIO DA r LOTERA
Qaarta-f$ira, ZZ do corrent$
Os bilhetes desta acreditada lotera
achani-se venda as seguintes casas: Roda
da Fortuna, ra Larga do Kosario n. 36;
Casa da Fortuna, ra Primeiro de Marco
n. 23; Casa Feliz, prca da Independencia
ns. 37 e 39.
Telegramma e lista mi dia da extracto
A REVOLUAO
0 48 a Ra Duque de l.axas
Chama allende das Exms. familias para um espendido sorlinienl
de fazendas Anas qne vendem por presos sem competencia
Lionayse, f; zenda transparent, b rdada, a 16(5000, peca.
Orgdnis borbadas a seda, ultiraa ooda, a 18dOO, peja-
Etamine bordada a retroz, novidade, 8 l0)j000/ peca.
GuamicSes de velu lilbo borladas a vedrilho, a 6i5000, uma.
Faile, lindo padrfJeg, a 500 ra., covado.
Amor da China, Azenda de novidade, a 400 rs., dito.
Cachemiras prets Suas, a 700, 900 e 10200, dito.
Cachemiras brrchf, ultima moda a l(J5O0, dito.
Liados damasses de seda, a Io00, dito.
Ditos ditos do algodao, a 320 rs., Hito.
Cmbralas bordadas, a 50500, 6d000 e 70000, pe$a.
Dita adamascada, a 120000, peya.
Setins lizas, finos, a 800, 10000 e 10200, covado.
As Exmas. noivas
Setim branco, fino, a 10210, 10400 e 20000, covado.
Alpaca branca lavrada, a 500 rs., dito
Setineta lizas o lavradas, a 500 e 600 rs., dito.
Orando sortimento de fazendas finas, chita*, madapolSes, algnddas e muitos
utros artiges qtte se vn-fem por precos sem competencia.
Henrique da Silva Mweira
Apparellub econmicos para o cozimen
t9 e cura. Proprio para engenhos peque-
nos, sendo modict* eia prefo e ef-
fectivo em opcraeS.
Pdese ajuntar aos engenhos existentes
do systema velho, raelhorando muito a
qualidade do assucar c augmentando a
quantidade.
OPERAQO MUITO SIMPLES
Uzinas grandes ou engenhos centraes,
majhinismo apereir>oado, systema moder-
no. Plantas completas ou machinismo
separado.
Especiticac5es e informacoes com
Browns C.
5RA DO COMMEBCIO5
Tinta preta
IN ALTERAVEL
a
(oiiimi'trm
PHARMACIA CESTUl L,y
38 Kua do Imperador 38
Pernambaco
Serve para eseripturacu mercantil e d tres ou
quatro copias de uma vez
^^^^ .----- ~
lltima novidade de fogos
e sones
Offerece-se aos amadores, para os festejos das
noites de Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro, um
completo sortimento destes artigos, que vende-se
por precos muito razoaveis, e faz-se grande diffe-
renc em poredo ; na ra do Itangel n. 2, e ra
estreita do K>sario n. 23.
AS MES DE FAMILIA
Para remediar a fraqueza das enancas, dol
volver suas forcas, seu crescimento e preser-
val-os das molestias communs idade tenra,
os principaes Mdicos e Membros da Academia
de Medicina rcceilan, com grande exito. o verda-
deiro Racahout dos rabes de Delangrenier,
de Pariz. E>tc alimento milito agradavel com-
Siosto de subslancias vegetaes nutritivas e
ortilicantes, se espalha por loda a economa
e em vista de suas pronriedades analpticas,
melhora a compo 3ue crio, e re?taura as forcas enfraquecidas
o estouiago.
Depsitos em todas as&adesdo BroaHledoPfttl^al.
VENDAS
= Vende se a tirverna da ra da Detencao n.
35, livre e deseuiDarav''da de qualquer oous :
quem qnizer dirij <-ee ao mesmo estibelecimento,
que achara eom quem tratar.
Boas lacas deleite
Vende-se na Cipunga,si'io do Deboureq, onde
poder ser vista.
Vende-se
na Cateto-i do Cnimo n. 10, especi"' massa psrH
b I >. secea e DVilhH i*.
Assucar refinado
Vende se na refinaria da run do Coronel Suas-
6ii'i ii. 7, em arrnb*H p ir preco commodo, e em
kilos, 1 sorte a 240 ra, 2 200 rs. e 3 160 rs.
______ T- leqhjne348.
Vende-ae ura terreno confronte a estaco do
Principe, estrada de Joo de Batrcs, com 90 pal-
mos de frente e bastantes fundos, e eom alicorees
para 3 casas; tratar na ra d'Apollo n. 30, pri-
ciro andar.
eitura para senhoras
Broches mkelados e dourados a 20G0.
B jnit as grampas dourados a 500 ris o maco.
Esplendido sortimento de galoes de vidrilho.
Grande variedade de leques de setim, a 440CO.
Frisadores americanos psra cabello a 3000 o
maco.
Setas de phantasia para cabello.
Bonita colletfSo de plisss a 400 ri*.
Brincos, imitacio de brilbante, a 500 ris.
Aventaes bordados para enancas a 2(XX).
Chapeos de fuslao o setim para criancas.
Sapatos de meriu e setim idem, idem.
Metas brancas e de cores, fio de Escocia.
Pomada de vazelina de diversas quididades.
Sabcnetes fiuos de vazelioa e alface.
Extractos finos de Pinaud, Guerlain e Lubio.
Lindas bolsas de couro e velludo.
Pichs de 13 pura senhora a 1J8O0.
Sapates de casemira preta a 2000.
Tesouras para costura, de 400 ris a 3000.
Pac-tes de p de arroz a 3(0 ris.
Fitas de todas as qualidades e cores.
Immeii8a variedade de botoes de phantasia.
E mi I bares de objectos propius para tornar uma
senhora elegante, e muitos outros indispensaveis
para uso das familias, tudo por precos admiravel-
mente mdicos.
Na Graciosa
RA DO CRESPO N. 7
Dnarte A C.
Pflcicte
Vcnde-se um imprtante sitio em terreno pro-
prio, entre o Salgadinho e a estaco de Duarte
Cciho, eorr boa casa de morada tendo commodo
para grande familia, cacimba, muitos coqneiros.
lurangeiras, piubeiras, rom-iras, limeiras. man-
gueiras, cajueiros, com um grande parreiral e
uma ezcellente baiza de cup'm, alm de um gran-
de espuco para plsntacoes e criacao de animos :
a tratar no rmasem da ra do Bom Jess n. 49.
Sobrado a vender-se
Vende-se o sobrado n. 8? ra da Aurora, em
frente a ponte de Santa Isabel ; qnem pretender,
pode entender-se com o corrector Pedro Jos Pin
to, na praca do Commercio.
Negocio volante
Vcnde-se um cosmorama grande, com vistas e
movimeuto ; a tratar na ra da Imperatriz nume-
r, -._______________________________
Pr suato de Laroego
Novo, chegado ltimamente, tem o Ribeiro. e
vende por lfbCt o kilo
Apreveitem
Lotera da Provincia
Ser breve aiiniineiado o dia da cxtracfo
a 7.a lotera em beneficio da matriz da Boa Boa
Vista do Rceife, no consistorio da igreja de &
S. da Conceifo dos Militares, onde se achara
o expostas as urnas e as espheras arrumadas
em rdem numrica apreciadlo do publico.
grageas de Ferro Rabuteau
Latinado do Instituto de Franca, Premio de Therapeutica
O emprego em medicina de Ferro Rabuteau baseado na Sciencia.
As Verdadeiras Grageas de Ferro Rabuteau sao recommendadas nos casos de
Cniorose,Anemi,Pa^'(itsCo>,e6%C<>rrmei Fraqueza das criancas, Dtpauperamento e Alterando do sanyue em consecuencia >ie
fatigas vigillias e excessos de toda a natureza. Tomar 4 6 grageas dor dia.
.Ve Constipando nem Diarrhea, Assimila^ao completa.
Elixir de Ferro Rabuteau recommendado as pessoas que nao podem engulir
engulir as grageas. Um calix de licor aos repastos.
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente para as enancas.
ii-ji Urna explicado detalhada acompanha cada truco.
Exigir o Verdadeiro Ferro Rabuteau de CLIN & Cia, de PARS,
encontr em casa dos Droguistas e Pharmaceuticos.
que se
^
FUNDIUAO DE SIDOS 1BRONZB
DE
Vende-se por barato preco
pular da ra de Hortas n. 24.
o hotel Centro Po-
Pechinchas!!
Vende-se
nm bom esUbilecimento de mclbados ra da
Imperatr'Z, bem ufreguezario ; a tratar na mesma
mi. n 23, com Francieco Cardosj da Silv Pinto.
rina$o
Vende se urna completamente nova, que pres-
ta 8'- p-rn qnmqoer negocio ; tratar ua ra de
dantu Th H7 n. 30.
Vende-se
i m h bti'y em perteito es'ado, com coberta d
tirar e b tur, com cmv-H > ou em elle ; na fabri-
ca de car'os ru de J,.n do K Klureutilia, p-r prer; biratn
Panorama de Lk boa
I in 164m
Vende-se n Livrria Ei^. neniio a roa do
Crespo, e na ljtho);raphia di Mnuoel Joiquim de
Miranda ra Duque d- Chuhh.
Pre^u 24000.
S3o as seguintes que se liquidam na anti-
ga casa
CARNEIRO DACU.-HA
CACHEMIR \S auomanas, lindas fa-
zendas para vestidos a 400 e 480 o covado.
MERINO'S de cores lindissimas, duas
larguras a 800.
FUSTKS brancos o de cores a 240,
320 e 400 rs.
E!AMI>JES com palmas de seda a
800 e 900 rs,
SETIN maco de todas as cores a
800 < 1<5000,
CRETNES finos a 240, 320 e 360 ra.
Ex ellente escolba.
FAILES modernos a 400 e 440 rs.
PANNOS para mesa, novos desenbos, a
1,5200, l400e 1,5800 o covado.
SARGEL1NS diagonal, todas as cores,
a 240 rs.
BRAMANTES de 4 larguras a 90 0
lt500 o metro.
IDEM ce linho puro, 4 larguras, 2000.
BORDADOS de cambraia a lOOO a
peja.
MAQAPOLOES pelle de ovo e ameri-
canos a 6*200 e 6*510.
ESGUIES para casaquinhos, 12 jardas
45000 e 4*500.
CASEMIRAS para roupas de enancas
a 800 rs. o covado.
IDEM diagonal e de cores, 2 larguras,
a 2* e 2500.
CORTES de fustlo para coletea a 1* e
1*300.
IDEM de casemira a 2*500 e 3*000.
CAMISAS ingl'MB a 36*000 a duzia.
GUARDANAfOS de linho a 3*000
a duzia.
LENCOS de setinetas, finos, a 2*500
a duzia.
MEIAS cruab para homens a 2*500, 4*500
e ri^OOO a duzia.
CEROULAS bordadas a 12* e 18*000
a duzia
CROCHETS, gurnisSo para cadeiras e
sof 8*000
GRINALDAS e veos para noivas a 9*
e 12*000.
CAMISAS para senhoras a 06* e 48*
a duzit,
Sortimento completo de todas aa fazen-
das proprias para uso domestico.
Dao (.mostras.
Aa vendas em grosso tm o descont da
praca.
49Ra Daqne de Ce Caxias59
WHISKY
-OVAL BUEND marca ViADO
s.ate exuetieute Whisky Escesse -env
w oognse ou u^uarden^ de carina, par rortitic
i*po.
"Vende-e?- a retalbo no tu ibres nrmuseut
uui hados.
Pede rK.>YAL BLEND marca VIADOcujon
oe e emblema siu registrados para todo o Brsjrt
BKOWNS t. C, agentes
LUZ M CRIZ DESQUITA
66--Bua do Barlo do Triumpho60
(Antiga do Brum)
Neste estabeleeimento encontrarlo os
Srs. agricultores e seus correspondentes
todos os objectos tendentes a ag cultura,
como sejam:
Machinas para fazer espirito, de destil-
lar e restillar, alambiques do antigo e no-
vo systema com esquenta g*arapa, serpenti-
nas e carapuc,as, tachas, tachos; bombas de
bronze, de cobre e de ferro, de aspirante e
de repuxo, para agua, niel e g*arapa, tor-
neiras de bronze, de madeira e de todos
os tamanhos, canos de cobre, chumbo, fer-
ro, de todas as dimencoes, cobre picado,
fundos para alambiques, repartideiras, pas-
sadeiras e escumadeiras de cobre, de fer-
ro g-alvanisado rmelas, e len^es de co-
bre, bombas, continuas, sinos de i libra at
110 arrobas, sola ingleza e do Rio, culi-
nhos patentes e de lapis.
Fazem se concertos de todas as qualida-
de e com toda presteza eperfei^ao apresos
mdicos
i
Vendem-so a prazo ou a dinheiro com
descont.
rese
irj..M*-BFJL*
iU
ALUUO
re!c< iikm um
unm-Mifia- ane penetra no pello acalma o sy mu tocia aurvoso, fadU^ vi
a expectoracao e avortsa as ronoooes dos orgts respiravoros. ^
Vari"- -a* -itwafn em cut de S. MSTIV. p, saa wLakBirc. eu Fa*w
PHARM4CIA PIMO
i>k
S.PINHO & C.
51Ra do Baro da Victoria51
Esta pliarmaci recentemente estabelecida acha se em condc5-;8 de satisfazer
com prompiiaAo e escrupulosa fidelidade as exigencias dos Srs. mdicos e do publico
em geral, que encontrar n'ella um completo e novo sortimento de drogas, medtoa-
mentos, e productos chimioos, pharroaeeutioo nacionaes e estrangeiros, garanndo-se
modicidade de precos.
r UEGfVEl
1




8
Diario de PernambHcoDomingo 19 de Junho de 1887
'
ASSEHBLEA GERAL
(INAIll DOS PITIDOS
SESSO EM 6 DE JUNHO DE 1337
O Sr. Ferreira Viaona, (movi-
manto de attene : Sr. presidente, ca-
-be-me justificar o projecto, que offcreci
Cmara, reformando o modo do organisa
cao do Senado c dar. i o outr.-s providencian
no sentido de fortaleecer a influencia e o
predominio, que deve tero ramo temporario
do poder legislativo na poltica do Imperio.
Fal-o-ei succintament-, por nao ter o
tempo, que seria indispensavel para felo
por outro modo.
O projecto nao meu. Ae.hei-o em um
espolio. O autographo est estrgalo; fal-
tam-lhe alguns artigos, quo nao posso in-
terpretar c eiu cuja diligencia me acho.
Logo que o consiga, tral-08 ei a Cmara.
Entretanto, os nobres deputados podem
muito bou ir eupprindo as lacauas que,
aou o primeiro a reconliecer, tora o projec-
to. NSo satisfar, estou certo, ao espirito
msis aiiantaao do partido liberal.
Nao tenho, felizmente, precon jeitos ; pos-
so entrar em accordo com o nobres depu-
tados, a rospeito das ideas novas; que tra-
gam, e das lacuoas que preencbam no pro-
jecto.
Nao foi elle elaborado, j o disse, por
mim; mas eu o adoptei, e, no conbeeen
do o seu veHadeiro autor, possuo outros
da mssma procedencia, que terei o prazer
de offerecer Cmara em tempo oppor
tuno, e entre lies raais releva um, que lm
por fim regular as relayS'B dos ministros
com a cora, constituiado verdeiramente a
presidencia do oonsclho.
Desde muito tempo que no meu espirito
ha inquidaeao sobre o modo porque fune-
cionam os tres altos poderes do Estalo :
as duas Camar-s e a cora.
Esta preoccupaeao nao s rainha, mas,
posso sem temendade dizer, dj paiz intei-
ro. A apparen.ia qua est na Constitu
jao nao a realidade que se sent na pra-
tica do governo e, eDtrc as formulas adop-
tadas e as effectivaraente executadas, ha
tanta differenya, como de um vivo para o
seu cadver. A cora assumio urna auto-
ridade iuconveninte para a seguranca da
monarchia e incompativel com as liberda-
des publicas e as insiituicocs livres que
nos808 pais tinham adoptado.
E' preciso nao confundir o tunecionario
com a funecao, o ente perecivel com a ins
titucao, poi sua natureza imperecivel.
O partido conservador, onde elle o e
abe'sel-o,-na Inglaterra,-teve necessi-
dade, para salvar a monarchia, de desfa-
zer-so dos mos fuuccionarios e sujeitar
principes abdieac' forjada, ^para qua
uSo levassem comsigo as iusiituicSes tutela-
res da Inglaterra. Per tres vezes, na his-
toria d'aquede paiz, o partido conservador
coroportou-se assim.
N'este seculo, creio, nao ha ninguem que
ouse aeelarar-se idolatra de urna pessoa,
a ponto de Bacrificar-lhe instituicoes caras c
tutelares de um povo sua ambicao, acs
seus exeessos.
Parecendo que os acontecimentos nos
chamam aos tnsaios de terceirc governo,
ao meu amor pelo paiz afigurou-so conve-
niente sus atar estas quesiSsB, at ver se
possvel cortar busos, restringir influencias
exorbitantes, emfim, resUbelecer no seu
lugar esta bella e fecunda forma de gover-
no monarchico e constitucional.
Ninguem imputar eo medico a enfermi-
dade que tile estuda e procura cugar.
A minha responsabililadc pessoal no
averno o paiz nenhuma, feliznante para
raim. Portanto, posso, com a licenca des-
ta augusta Cmara, fallar de espirito des-
preo'cupado e sem acommodar recordacS'
de um passado de convivemius ainda as
mais indirectas.
As theorias do governo parlamentar
saheru mais dos precedentes e dos factos,
do que propriaroente de um systema pre-
concebido. Ninguem coraprehenderia esta
machina, pela sua descripclo sracnte ; s
.uizar com consciencia, assistindo ao seu
iunceionuraento. A verdade histrica
undamental : que este governo assenta
na soberana popular, na autoridade da
opiniSo, no movimento incesaante dos in-
teresBes ; finalmente, nessa activdade nao
ioterroropida, que cousttue a vida de um
povo. Assenta na resistencia que a liber-
dade ciosa opp3?, todos os dias, s inva
s3es dos usurpadores, dos interesses aris-
tocrticos ou olygarchicos, que sempre se
formam em urna socielaie, com o andar
dos tempos, e, priniipalmente, com o des-
envolvimento da riqueza.
Essa resistencia nao deve affrouxar ; e,
ao mesmo tempo que ella se opera, deve
s r acompanhada do impulso, isto da
aeclo; e a aeco e a resisten:ia devem
estar principalmente na representacao na-
cional, ato na Cmara dos Depatados.
E' aqui, que deve estar o eixo do governo
comtitteional ; a sua deslocacjlo correspon-
de a urna revolucilo ; e urna transforma-
do da nossa forma do governo, ou essa
revoluco venha do povo, se fra possivel
empredendel-a, ou venha dos ambiciosos, o
quo mais fcil de acreditar.
Desde que tive a honra de tomar parte
nos trabalhos desta Cmara, ouvi queix.as,
a principio mais raras, depois continuas e
naa's fundadas, contra a preponderancia
que, do .acto, asaumia o Senado na poli-
tica do paiz.
A cmara dos deputados resentia se, cam
justa razao, das emendas que o corpo vi-
talicio fazia em prejectos de sua quasi pri-
vativa competencia, alargando deepozas,
creando novas, o at votando prorogayoes
do um orcamento inteiro, de um exercicio
para outro, sem a previa discussao e vo-
tjgao da Cmara. A Cmara dos Dapu-
tados resentio se e quas exprobrava ao
S-nado, pela intervengo que elle tomava
na administrac^o propriamente dita do Es-
tado, as miuu as com que tratava os
actos do governo, que mereca o nteiro
apoio da Cmara, e finalmente as censu-
ras que fazia as votajoes da Cmara na
veritieayao i!e poderes de seus membros,
em que lbe caba toda a responsabilidade.
O Senado insisti no seu procedimento com
contumacia, embora cobrindo cora veos le-
ves e transparentes de urna condescenden-
cia s explicavel pela cortesa.
O Sr. Coelho Rodrigues : Um delega-
do sendal.
O Sr. Ferro ira Vianna : ltimamente,
o.oin sorpreza de todos os que professam
respeito por esta forma de governo, o Se-
nado transpoz todos os limites e, talvez
pirque sentio o governo desamparado, des
fechou um golpe de Estado, subordinando
clamantes, cerno ao de excesso de abas
do poder por parte da administraoao.
Os Srs. Joao Peni Jo e Joaqun) Pedro :
Apoiado.
O Sr. Ferreira Vianna :Demonstra-
rei que, si a indisciplina, tilo bem acousa-
da pelo nobre daputido a que me retiro,
se manifest u para determinar, como Je-
terminou, a crise, ella proceda da prete-
rido e falta de ordem hierar-'hiea, por
parte do gov.rno, no modo d 1 querer pu
nir a officiaes de merecimento e de nota-
veis ser"yo3 no exer^ito.
O Sr. Joaquim Pedro: -Apoiado:
O Sr. Ferreira Vianna : Senhoras. a
obediencia, mais restricta que eu conhejo,
a da vida moaasti.a, e all nao incom-
pativel, netn com a consciencia, nem com
a dignidade hamaca.
Para ser obdecido, principalmente ne
cessario sabr mandar, a obodiencia ven
da propria orden e da forma por que ella
c promulgada.
Nao justo levar o homem, cuja virtu-
de e a obediencia, at extremidade da
bumilhajao, e, sempre que so impoe fra
dos casos disciplinares e com rigor desu
sado, urna ordem, aquello que a recebe
nao se julga, f*omo devera julgar-s?, um
funcionario, mas urna creatura passiva e
reduzida a mero instrumento.
O Senado, com o seu golpe de Estado,
poz o gabinete debaixo de sua protaccSo
(apoiodos), o que qu;r dizer, seuhores, que
a Cmara dos Deputado3 fisou sem aquella
dignidade e predominio que deve ter, e
nunca abandonar, as queatoes que inte-
ressam seguranja e estabilidade do go-
verno a quem apoia.
O Sr. presidente do conseiba nao quiz,
depois de armado com a opioio do Sena-
do, ouvir a Cmara dos Diputados O
voto da Cmara, sobre o assumpto, indi-
recto, e foi promovido pela mojao apresen-
tada por parte da opposijao.
O Sr. presidente do conselho disse, pe-
rante a Cmara, e exactament) sobre
este pinto que chamo a vossa attenjao,
que o acto era administrativo, e, portan
to, da incompetencia do Senado, o que so-
bre elle o g iverno nada tinha que ouvir a
Cmara, a quem caba, entretanto, o di-
reito de o censurar e at do accusal-o.
Mas, que aeco activa poderia fijar
Cmara, para aecusar o gabinete, por um
acto, que havia sido exaltado no Senado
como'de acrysolado patriotismo T O Sena-
do que deveria ser, ozs: ltimos termos, o
juiz da causa e aecusacao contra o gover-
em adoptar doutrna onderanada pela pro isto a mpossibilidale inveujivel de sub-
pria experiencia do paiz, o que nao se mitter as provincias ao governo da admi-
presta ressurreijao que lbe quer infun- nistrajao central, sem forma nem figura
dir a administrajao publisa. constituconaes.
Sr. presidente, estes assutnptos exigem Lisonjea-me poder assegurar ainda ao
poder exeeutivo a imposic5es j teitas no, tinha prviamento, pelo seu louvor, es-
pela impreusa e renovadas verbalmente | cusado todo o procedimento por parte da
no proprio Senado, collocando a autoridade
publica debaixo io sua protecsao, depois
de subordinal-a a obediencia passiva de um
simples instrumento.
Este golpo de Estado do Senado fez-me
estremecer, e corr pressuroso a vir apre-
sentar as mitos de V. Exc Sr. presiden-
te, o projecto que, quando nao servisse
para melhorar as nossaa condijSS polti-
cas, ao menos teria o mrito de ser um
protesto lavrado na Cmara dos Deputa
dos de boje, para ser lido e estudados
pelos nossos sujeessores de amanba.
O Sr. Joaquim Pedro : Muito bem.
O Sr. F,rre;ra Vianna : O ministerio
ficou coacto, S-. presidente, tao coacto,
que lhe faltou a voz para ao menos acei
tar ad referendum o convite que se lhe fa-
zia n'aquella extremidade
O Sr. Coelho Rodrigues : O pensa-
mento do Senado, ah, foi mais conserva-
dor lo que usurpador.
O Sr. Ferreira Vianna : Sempre de
accordo, como estou, com o nobre deputa-
do pelo 11." districto da provincia do Rio
de Janeiro, aceitei, como palavras ungidas
de patriotismo e de verdade, aquellas que
proferio, e que se tornaram memoraveis
em todos os tempes, proposito deste inci-
dente.
Si hoever tempo o accasiSo, examinarei
o f ido sob outro aspecto, estudal-o-bei
em suas origen, e demonstrare Cma-
ra que a situacao em que se vio collocada
a administracao do Estado foi devida, n3o
tanto ao espirito de desobediencia das re-
FOLHETIi
JOSLARONZA
POR
JACQES DI FLOT E PEDRO MAEL
CU1BTA P .4 B T E
A 1* 1: 1 s 1; i i 1 \ i
^Cjntinuacjao do n. 13*!
II
Elle hesitou, nao querendo levar a men-
tira mas longo.
Quer um juramento ? Com que d-
reito ?
Carmen humlhou-se, supplice.
E' verdade. Nao tenho esse di
reito.
Entilo appellando para toda a fascinaco
do seu olhar, para todos os encantos do
seu sorriso, ella murmurou :
Olhe I faja o que quizer. Entreg-
me sua discricao
Maximiliano, entilo, comeyou a interro
gal-a o mais hbilmente que pode.
Estou na Australia, disse elle gra
vemente, a negocio, vim disputar a minha
heranca a nm inglez que nao cochego, um
Sr. Lewis Jubb. Nunca encontrei esse ho-
mem. Foge de mim, mas opp3e-se s rai-
nbas reivindicacoes. Talvez possa auxiliar-
me.
Se o co estivease mais claro nesse mo-
mento, Arband poderia ter visto Carmen
corar.
Mas a cor azulada do crepsculo occul-
tou esse rubor.
Ella respondeu :
- Em que posso auxilalo T
Nis'o. Emquanto eu sigo Jubb, pas-
to a passo, um outro homem, seu conbeci-
Camara dos D?putado3.
Assim, senhores, so o governo entrar de
acord com esta olygarchia que se esta
formando, que j se manifesta e preoecupa
o nosso espirito, si o governo se combinar
com ella e si trocarem entre si mutuos
apoios, pergunto: qual ser a influencia
real e effectiva da Cmara dos Deputados ?
O Sr. Presidente:L^mbro ao nobre
deputado que est dada a hora.
O Sr. Ferreira Vianna : Nao caso de
urgencia?
O Sr. Presidente:Nao porque esto
em discussao les annuas ; e n-nguem fica
mais contrariado do que eu, creia o nobre
deputado, em deixar de ouvir a S. Exc.
REFORMA DA ADMINISTRADO LOCAL
Continua a 3* discussao do projecto n.
178 do 1869 reformando a administrajo
local.
O Sr. Ferreira Vianna: -Sr.
presidente, o proj -oto da reforma da admi
nistrajao local, emendado, como foi. pelo
governo, nao pode merecer o voto favora-
vel da Cmara.
Os oradores que me precedern, em
geral, sustenteram os principios consagra-
dos no projecto preterido pela votagao da
Cmara. Parece, portanto, que a Cma-
ra, reassumindo a autoridade que deve ter
na laborado de urna lei tao importante,
nao est resolvida a consentir que o pro
jecto passe e seja remettido ao Ssnado as
coadices om que ficou, com as emendas
apresentadas pelo nobre ex-deputado, ac-
tual ministro da fazenda
Felicito Cmara por esta resistencia
muito raais medtacSo do que loitura.
Os livros de que se podem socorrer os
legisladores braziluiros, referen-so a insti-
tuic3es, que nai ten semelhanja prxima
cora a qua nos escrevemos na nossa legis
lucilo fundamental.
Foi e tem silo empenho arrojado, teima
sem resultados pratijos, harmonisar prin
cipios extrah'dos da democracia norte a a 1
ricana, com os consignados na constituios
do imperio.
O pensamento director da lei constitu-
cional foi muito diff rento do adoptado pos-
teriormente pela reforma que constitue o
acto addician >1.
Acredito que essa refusao de duas esco-
las differentes na raesma constituicao,
um trabalho que nao se pio fazer fcil-
mente, e ha de determinar fatalmente um
grande conflicto no paiz entro as liberta-
des provinci es o locaes e o espirito cen-
tr.lisador da administracao g-ral.
A Cmara dev > atteni ;r para r-sts facto,
tilo fecundo em consequincias.
O que nos temo?, em relayao ao poder
provincial, con3 ;rado na reforma, f-
ra de duvida, urna coufederagSo oceulta
de Estados, com o nome le provincia.
O emprestimo, feito da organisajao dos
Estados, eacontra no p z luca cjm prin-
cipios de doutrna inteiramente opposta.
A historia poltica e ad ninistrativa do im-
perio, depois daquella reforna, d em tra
eos salientes, conflicto estabek- ido entre
o governo geral e as provincias : estas,
querendo manter e fortalecr suas liberd -
des, e aquella, tentando reluzil-as e sujei
talas.
O acto interpretativo do Acto Addicio-
nal, o primeiro testemunho de3to movi-
mento, e projecto quo se discute, patroci-
nado pela autorida le Jo governo,
urna prova menos certa de igual
nbo.
Nao creio, Sr. presidente, que a polti-
ca ceotralisadora possa levar a elcito a
8iippre8s5o do Acto Addicional, nim amor-
tecer o espirito de autonoma e o fervor
de independencia das provincias, apezar dos
seus soffrimentos, pec> licen9a para dizer,
e de sua pobreza. A ca 11 ara nao podo
esquecr o faoto estrondoso da
do3 irapostos, decretados por
cial nos termos constitueionaes,
Corte, em presenca do corpo
pela paler exeeutivo.
A Ca-nara tambera nao pode escurecer
a impressao que esse facto de usurpacao,
de illegalidade e tyrania fez todas as pro-
vincias e na propria Cmara dos Srs. Da
putados, onde o governo tinha influencia
e predominio pela sua maioria.
O gabinete nao pode resistir ao descon
tentameuto que este attentado pmluzio, ",
reconhecendo o ministerio qui nao davia
proseguir na obra da absorpcao dos im-
postas provincia', sentindo que lhe falta
va o terreno que suppunha j seguro para
esta conquista, resolveu se a conterapori-
sar, por proneasas que nao se reatisou, e
a consentir que as provincias, apezar do
acto legislativo que declarou inoonstitucio-
naes todas essas les de impostos carrega-
dos sobre a importacao, os restabeleees-
sem como condicao de vida ou, antes, de
govarno imperial a resistencia que a cama
ra dos Diputados opp3 um projecto, qu
p3a a mao sobre as liberda ie3 e franque-
zas municipaes.
A obra, pirtanto, de quebrar tolas as
forjas polticas e administrativas do paiz
o sujeit.il-as era u n feixe acco o pres-
8ao do governo, pelo menos, extempor-
nea. Nara !iS provincias, era s.'us repre
se-'itantes, nem os municipios, nem os s;u3
interesses, se affrouxarara tanto ou desf*!
laceran}, a ponto de polerera s:r pre3a3
primo capinte. A obra precisa de mais
pajijncia da partj do artista. A nacSo
anda respira o parece resolvida a vender
muito caro esse decreto de prorogativas
indisp:nsaveis b>a e li^.'e g'si^j ie seus
neg icios. Entretanto, Sr. presidente, seria
urna tomeridade, senao affouteza de miaba
pirte, confiar excjssiuaraeato nessis resis-
tencias, pirque exhuberaacia de for5s
que o gaverno concentrou em si e o desli
gamento, senao depress.lo djs atareases
rnuniiipaes e provinaaes, as dependen :ias
que as cousas e os homens sofram p;lo
regi.nem da centralisacao que aos acanha e
eufraqueoe, tudo me faz estremecor, para
que nao abu3o da confiangu nis opposieo-s
que acabei de mencionar.
A oaraara corapreheode qual ser a in-
flaenein desto principio, em relaoSo a toda
a poltica.
Os muni iipio3 e as provincias tero
grande peso na balanca poltica, por con-
-correrera na organisacSi do Senado.
Os candidatos s eleicj.'S loca"3 e pro-
viociaes, cada da menos attrnhcntes, ser.lo
a flr da provincia ou do municipio E O
senado, certo da sua origen, us;r de sua
brea moral para que ao monas nao se re-
pita o attentada quo vos lerabrci, que tan-
to imprajsinau cmara e ao paiz ; e. ou-
tros de inteira absarpc*o e aniqailaraento
da autonoma e das lib'rdades loc A oi'ginisacS) do senado, Sr. presi len-
te, un ponto delicado. V. Exc. nao ve
era mim un fcil reformador, nem 'un in-
novador temerario : ant's me confasso um
piuco retardatario e s m3 d"ixo m iver
pela experiencia.
A organisajlo do sonado reclama a at-
tencao ds cmara o do paz nteiro, por-
que para aili de ficto sa transtario a im-
portaneia e o predominio pdti.'O, com pre-
juizo completo da cam ra dos Srs. depu-
tados.
O nosso sena o um fypo nico, sem
igual...
O Sr. Joao Peaido : Apoiado.
O Sr. Ferreira Vianna : em parte
alguma. Um esiriptor, Baragar, que an-
dou pelas revisis de Fringa, en certo
tempo, a dar intorniac3es sobre a contitui-
nao
empe-
, -~---- por que tunccionavam os p
nos individuos, as corpreo;s collectivas, I peders do Estado,-dava sabedoria
como nos poros. Falta nos educacao p di- 1 d() ^p.-ra^or o monop>lio do gaverno c a
tica para real.sarmos esta tor.-na de gover- j (-re.c.o do imperio. E' vereale ncontas-
no, que convem perfeitamente actividade I tave| e a:ore8ce
da um povo, que quer avancar com os in-
ntarei, incontestada.
O elemento raais vivo a efficaz, que op-
teresses permanentes que recelara das no- erou esU rdVOlU55o pacnoa de absorp-
suspensao
lei provin-
feita nesta
legislativo,
do, Jos Laronza, s^gue-me a pista. Nao
o negu ; j me confessou que est ligada
: o destino desse houem.
Sin, disse Csr-nen resolutamente.
Tenho urna duvida. Quem sabe se
essa Laronza nao est s ordens desse
Jubb. Pelo que me disse, pelo que me
contaram outros, sei que elle um pirata,
um bandido, s ordens de quem o paga...
Carmen interrorapu-o bruscamente :
Nao prosiga ; por ah vai mal. La-
ronza nao pago por ninguem. Trabalba
por conta propria.
Entilo, perguntou o dsutor, quasi
com dureza, ento por que o solta as mi-
nhas pegadas, como o cao na pista da ca
5a '
Ella levou a mao ao coraco e deixou-se
cahir.
Eu o saba, murmurou ella. Isto de-
via acontecer. Na sua opiniao, fu nao
passo de urna creatura vendida que o an-
da espiando !
Maximiliano nao se deixou entarnecer.
E que quer que cu creia ? Quando
vem me fallar de paixao, quando promet-!
me fidelidade e amor, eu sei, mesmo pela
sua bocea, que se presta aos desejos e aba
ice s ordens detse miseravel que a en-
va E quer que eu corresponda a esse
amor, que me entregue a essas oaricias que
en.obrera urna traicao ?
Ella l^vantou se.
Os seus cilios despediam faiscas, os seus
labios r-stavam trernulo3.
Quando fallou, a voz sahio-lhe rouca do
peito.
Ento, julg .-me infame, e pensa que
represento o mais abominavel dos papis ?
Insulta-rae e quer urna prova.
Ella acalmou-se a por entre solucos :
Pois bem 1 vou dar-lha essa prova.
Estou aqui s por minba vontade. V.i sa-
ber tudo e eu raorrerei, porque elle nunca
rae ha de pardoar a trayo.
Do repente, Maxirailuno vio um grupo
de cavalleiros, que chegavara a galope.
Carmen deu um grito de terror.
Fujamos, diese 1 lia angustiada.
E, mostrando o grupo, que se approxi
mava :
Alli 1 all I.. Est vendo T Sao el-
les
O doutor gritou ao cocheiro :
Para tras, o mais depressa que pu-
dor.
O cavallo parti na diaparada. Carmen,
de olhos dilatados pelo susto, encostava-se
a Arband.
Maximiliano tirou da cinta ura revolver
de seis tiros. % '*?
Vamos ver, disse elle framente.
Por maior que fosse a volocidade do ca-
vallo, nao poda escapar aes cavalheiros,
que vinham redea solta.
Era evidente que nessa estrada deserta,
um ataque era cousa muito factivel. Ain-
da nao se viam as prmeiras casas de Ri-
chmond, e o Yarra-Yarra corra ao lado do
caminho.
O cocheiro parou o carro.
Era um homem robusto, um irlandez de
olhar calmo.
E' intil, dUse elle a Maximiliano,
tentar fugir. Defendamo-nos. Elles sao
tres, mas nos temos coragam.
E elle mesmo tirou do bolso um revol-
ver.
Os cavalleiros chegavam.
Deixando Carmen no carro, Arband sal-
tou na estrada.
Que querem ? perguntou elle.
Urna voz guttural respondeu-lbe :
Essa mull t.
Nesse caso, arreda I ordenou o mo-
yo em voz de trovao.
Em vez de pararem, os bandidos avan-
carara.
Maximiliano e o cocheiro fizeram fogo ao
mesrai- tempo.
O homem para quem Arband apontou
abri os bracos e cabio.
O outro ficou era baixo do cavallo, que
rodou,
Mas o tereeiro, passando junto ao carro,
segurou pelo braco Carmen desfallecida, e
erguendo-a coioo se tosse urna critraya, sal-
to 1 a cerca da estrada e dis^arou campo
fra.
O francez oeu um rugido.
Correu para a cerca, afira de tambera
sltala-
Nesse momento estendeu-se um braco;
ella sentio una dV auda na cxa.
O cavalleiro desmontado tinha-se arras-
tado at elle, e agarrando-lhe na perna f--
rio-o com a faca.
A bata de oouro attenuou o golpe.
Maximiliano deu urna risada urrivel :
- Ati I ah 1 o veneno da eupborbia 1
iissn elle. Si o que isso Tu te tra
histe sem resultado
E, segurando o miseravel pelos cabellos,
fes-lhe soltar os milos.
fezi contra urna morte inevitavel ; e essas
leis, que aqui foram darrogadas, pretorio
do se todas as formas constitucionaes, com
verdadeira tropela (apoiados), vigorara
preaenteraeote as provincias, cora acquies-
cen :ia tacita da administracao central.
Se o facto da usurpayo me eatreraeceu,
o da resistencia reanimou rae, o nSo posso
duvdar de que, apezar de tudo, as provin-
cias ainda estSo no cso de ofterecer, o
effectivaraente offerecem opposiyao ao pla-
no de absorpcao de suas prerogativas e
franquezas.
Fico lisngoado cm fazar esta Ceclara-
1;lo, porque oeste mesmo lugar pradissa
ao ministerio de entao o qua depois vieram
o reconhecer e verificir seus successoms,
Depois, ajuiado pelo cocheiro, que es-
tava sao e salvo, forana levantar o outro
asaltante.
Maximiliano entao tirou do bolso a mas
sa do velho brabmane. Nunca se separou
della. Cortou um pedaco, que engulio.
Por ultima preoauyao apanhou a faca do
assassino o exarainou a com attencao. A
lamina tinha as iniciaes J. L.
Agora nao ha mais duvida I Lewis
Jubb e Jos Laronza sao cumplicea. Eis
aqui 11 na faca igual que tomei de outro
assassino em Pariz.
E, dirigindo-se ao cocheiro impassivel :
Conhece essa gente ? perguntou.
O automadonte sarrio fleugraaticamente.
Oh senhor, pens que sao convic-
tos.
Convictos ? Mas s era Sydney que
os ha.
Elles estilo em toda a parte, senhor.
Esta a sexta vez que isso me acontece
Nao me assusta mais.
E a polica ? perguntou Arband
espantado.
O oocheiro deu urna risada :
A polica ? Era Malbourne ? Entao
o senhor nao conhece ssa trra.
E essa moca, untao ? Est perdida ?
Quer me parecer que sira, respondeu
o irlandez.
Maximiliano, profundamente contristado,
entrou no carro e voltou para a cidade.
Foi apr;8aoiar a sua queixi no dia seguin
te, porque aquella hora ninguem lhe pres
taa attencao.
Logo que o doutor sahio do lugar, ap-
parecerara na entrada tres homens.
O dia custou-nos caro, Ned I disse
urna vi z surda.
Sim, capitao, rpspondeu outra voz.
Mas, sa essa francez damnado oahir-me as
raaos, encarregome de o fazer pagar tudo
de moa vez.
Entretanto, elle mandou para o diabo
dous dos nossos raelhores homens, especial-
mente- esse infeliz Bob.
E, debrucando-sa sobre ura dos cadve-
res, ac-rs ent"U :
Olba l aqui est elle. Pobre rapaz !
Esse doutor sabe peg*r em urna pistola.
Olhe aqui, Ned. A bala nao se desviou.
Penetrou -ntre as duas sobrinoelhas.
Damny my eyet praguejou o ame
ricano. E' verdade. Eu nao gostaria de
ser vit. vis de um atirador deesa forrea.
Cbamou o tereeiro personsgem e, em um
yao de todos os poderes em um, fui a es-
colha das senadores O senado actual, ex-
ceptuando cinco m seis casos, composto
de deputados, que sahirara destes bancos
para oceupar aquelle3, transformando as
sim aquella corporacao era verdadeira pro
raocao de deputudos.
Fazer concorrer, Sr. presidente, para
nomeayo de senadores o eleitorado com a
vontade regia, um principio bastardo, co-
mo dizia o Conde de Cavour, que vicia o
vidades.
Urna certa indifferenya, quasi criminosa,
da parte do cidadSo no que pertence ao
seus negocios peculiaris e aos do sei im-
perio, nao Sr. presidenta, urna tenden-
cia natural, mas producto do ura governo,
que confia de mais na sua autoridade, na
forja, na providencia e nos seus recursos.
A intolerancia, que ne pode ser estra-
nba omnipotencia, opprime, sufocca e
abate todas as resistencias.
Sara, pois, Sr. presidente, d muito 'corrompe as institigSashberaes ^
bora coosalbo e melhor aviso, qua o go { EsU e8colha, exercendo-se sobro urna
verno se desprendesse dessa tutella inax- ] |8ta t(.ploe de elaiSao provincial, faz pras-
oravel. e se preparasse para ser observa ss0 80hre os homans polticos os mais in
dor atiento da vida, dos esforcos, do era- fluente3) cuja autoridade, entre nos, nac
penho do povo, em surgir desae abatimeu- a|canca 0 Imperio e se reduz circums-
to, em reformar se dassa indiffarenca, cor- cripCa0 de urna provincia. Alargando a
rendo os mcos inevitaveis dos erro da rpre3entacao do senado, como faz o raeu
inexpariencia dos que ainda d5o sabem projecto, dividnlo o Imperio era tres par
govemar se. te8j a i,irluencia da politicagem sobre c
Nao me inquieta Unto a absorpyaj ad- eleitorado independ-nte, inamovivel, per-
mmistrativa, qua se effactua por essa petU0| como eu o figuro, ser quasi nulla e
contrehsajao, porque o mal raparavcl, qUanto basta para que se levante este pe-
como o^resfriamento do amor da localila- 80 iusupportavel sobre a conscien-ia e so-
bre o espirito dos homens pblicos do
de, da dedijagao pela provincia, do intv
resse vivo p la p.tria. U.n povo mal go-
vernado pode lavaotir-sej mas, aquelle
que abdicou de boa vontade em alguna
homens o dreito da o dirigir, 3er muito
difflcil alcangar essa regenerajao.
No proposito, que offereii a esta au-
pis
Esta esaolha urna dependencia que
trz muitos males e nechura beneficio ; que
colloca o candidato e seus amigos na even-
tualidade .le correr os riscos de urna elat-
gusta cmara,, no sentido de reformar o gao, depenienlo o seu resultado do ca
modo de organisacao do senado, providen- prcho, da vontaio de urna s pessoa.
ciei como me p.\receu man conveniente ao Os preteridos murmurara o alguns se
levantmento da autonoma, do prestigio, exaltara, suscitan lo iuimigos e resistencias
da f >r$a moral, erafira dos municipios e contra o governo.
das provincias, cuiiferindo aos represen A porta do senado tem sido s vezes e
tates do povo, taes como, os juiz-3 de paz, caminho do Dimasco para os convertidos
os vereadores e os deputado3 das asssm 1 e o de per ligio para 03 qua nao se accom
bl.s pro inciaas, o direito de concorrer raoda-n.
para a eleijo de senador.
EaUoelei, assim um vinculo, qua ha de Esta a^tribugao nao foi exercida sem-
estretar no municipio o garmon do po ler j P cora justiga; em alguns caaos, levan
administrativo com o sealo, a oxpressao tou clamores cujos ecos amia perdurara.
mais alta da autrordade legislativa.
Vinculei igualmente, ao senado a pro-
vincia e todos estes juizes de p-quana ju-
risli 'cao, de modo que se poieria dizer
que o senado, asaim coraposto, velada pda
independencia, pela autonoma, pelas pre-
rogativas erafira, pela execucSo do Acto I
A 'dicional.
E' lit3l ao cidadSo prestar se ao stg-
ma de coatiauadas recusas.
Eu nito fallo por mim, fallo pela voz pu-
blica.
Continua.
abrir e fechar d'olhos, os dous corpos, de foram a causa da sua condemnaeao a vinte
pois de consciencosamente revstalos, fo-
ram laucados no Yarra-Yarra.
annos de prisao com trabalho Concluido
o seu tempo, ella diapunha se a pr-se
Requiescant disse o hespaohol com testa de urna das quadrilhas de con-.'iotos
uraa risada ; e accrescentou : que atfiigera a Nova Galles do Sul, quan-
Felizmente, a inulher nao trahio, co-.do o banqueiro Lewia Jubb, que conliecis
mo eu receiava. 'os homens, deu-lbe o t command de urna
Ab I quanto a isso, estou certo, disse i pequea flotilha armada para garantir o sen
vivamente Ned rlobson. servico particular no porto de Sydney.
Ah dase o outro, voc toma lhe a
defeza cora muito calor.
Os tres boraens retiraram se tranquilla-
mente, protegidos pelas trevas.
Maximiliano foi obrigado a adiar a sua
partida por oito dias.
As pesquizas, perfeitamente inuteis, a
que a polici-. procedeu, obrigarara-o a de-
morar esse tempo.
Afinal, no nono dia embaroou no vapor
para Sydney.
III
de soleas
corraegao,
que
a no
O vapor que Stephan tomou em Malbour-
ne acabava pilero de Sydney. Logo que a flararaula :
Avistado foi icada no raastro da altan-
dega, urna embarcacao largou do molh. e
dirigi-", forja de ramos, para o navio.
Sea homens a tripolavam : quatro remei-
ros, ura patiilo, que esta va e m p ao le
rae, e ura individuo de soigas regulares,
vestido cora a maior
lugar de bonra.
- Voc vio o aignal, Jamea ? pergun-
tou este o patria do escalar.
- Vi, Sr. Harry, o tal sujeito est a
bordo, ae uo perd*u o vapor. Ura velho
lobo da mar como eu, nao se engaa.
- All right, meu caro Sa insist, foi
porque o huur..do Sr. L -vm Jubb nao per-
ada urna filia. Voce e eu pagaramos ca-
ro, sa nao nos eabissemos bem deste ne
goio. Cuitado com o leme, Jamas, o pa-
iro est eo.u o oeulo assestado para c.
Por tod* a resposta, o patro rangau os
dentes. Era ama espacie de colosso, com
pescoyo de touro. As partes do seu busto,
que a camisa rota dmxava ver, tinham a
pelle es rara o dura uorao a de uratubaro.
Se alguera lbe tivesse erguido a ca:nis ,
teria visto a marca infamante dos convic-
tos. James, ex-raarujo da marinba de
guerra ingliza, tinha ido parar as gla.
Alguraus cabecas quebradas pelos seus pu-
nbos teraiveis, algumas faoadas entra as
costellas aos soldados de sua Magestade,
O Sr. Harry tambera figurava na lista
dos fjrgados que a Ioglaterra encarregou
de colonisar a Australia. Nao era, porm,
partidario da violencia. Nao teria feito mal
a urna raosca, esse exeellente Harry. Ou
tr'ora solicitador, tinha sido banido da so-
ciedade ingleza por ter coramettido urnas
falsiricac'S que cansar-in a ruina de al-
guna bancos importantes de Londres ; quan
do largou os grilhSes, escolheu a rreir
diplomtica australiana e offereceu os seui
servicos ao potentado da trra, aquella que
os convictos chamavara a sua providencia
o banqueiro L wis Jubb.
Sempre que se ,tratava de urna miasat
difficil e ao mesmo tempo delicada, Jame
e Harry estavara juntos. O Sr. Hirryex-
perira-ntava primairamente a braudurs, a
persuasao, o Jamas assistia calado ; mas
quando o seu camarada nao consegua na-
da, James tomava a palavra, bata, que-
brava, aangrava e suppriraia, se nao che-
gava a urna composico.
__Recapitulamos, master James ; eu per
gunto pelo Sr. Dr. Arband. Nesta occa-
mao, sou o boteleiro que 03 Srs. Wliatsos
& C. p -ra <3posicao dassa rspcitavai
cli-nte. Offarcco ao Sr. Arbar, I u ispita-
(ida te na casa mais commoda da nossa ci-
dado. Dou lhe a entender que todo3 01
gentlemett vilo para a minha cas:-, que te
uno reeorameadacao especial a seu respei-
to, e que em ueuhuma parte fijar t5
cerne ora nossa casa. Espero sahir-me
bera. Entretanto, voc sabe as instruc-
y3es. Sa o dontor duvdar, hesitar, em
summa, se recusar os meus servidos ha d*
forjosaraente aceitar os seus.
(Continuar te-ha)
Typ. do Diario ra Daqae i Guias n. 42.



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2YYYIXJ2_DEAURI INGEST_TIME 2014-05-29T17:53:24Z PACKAGE AA00011611_17952
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES