Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17857


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1 '

AMO L. MM'KO 24S
*
PAR A CAPITAL B LUOABBS OUDE 1'iO SB PAGA PORTS
Por Ires uwaes adiaatados
For seis ditoc idem
For am anno idem
Cada numero avulso
6000
129000
149000
9330
N <. Gerardo Antonio AJtssA Filho*, no Para*; Goncaives
d Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose de Oiireira d Filho, no Ceari j Antonio de Lemm Brajja, no Aracatj ; Joio Maria Jnlio Chr <*, no AuA; Antonio Marques 4a Silra. Natal Jose Joatiae
Pereirs 4'Almeida. em Mamamjaape ; Carljs Aaxencio Monteiro da Franca, wa Parahyba ; Antonio Jose Gomes, na tills da Penha; Be'armino dos Santos Bulclo. em Santo Ant* ; Domingo. Jose da Costa **, emffazaretb,
Antonio Ferreira de Aguiar. em Goyanna; Joio Antonio Machaeo. no Pilar das jfcgoas : Alves d C.,na Bank i A. Xavier Lehe d C. d Rio Janeiro-
=
PARTE OFFICIAL
Qavertio da n-ruvincia
F.XPEDIK.'ITE Dl DIA 15 DB fUiflSO DE. 1874.
I.1 SiCgao.
Officios :
Ao Exti. hrigadelro commandante das ar
mis. Tendo seata data, de aceordo com a sua
ir.form3f*o, sob n. 460, deferiio o requeriraento
*m quo o capita i do It' btalhao de iufantaria,
i'raucisco Antonio de Sa Barrelo Junior, pede per-
raissa > para ho demurar uesta provineia, a espera
da decisao do governs imperial acerca la troca de
')rpoque requereu com o eaprtao d 0- da mes-
ci anna, lose Linguist:J d declare a V. Exc. para os fins eeaveaiantea.
Aomeonorrn3'ci to a V. Etc. para os fins
onvenientes. copia do officio qua com a data do l
'to corrcnto dirigio-uie o Exm. vicc-presidente do
Maran'io, coiniiuaioand) haver o lensote do 2*
natalhao de infantaria, Francisco Miguel de Sau-
za, quo so a;ha aaijaella |irovincia no gos.o ta li
caafa, so apreseatado na citada data, e =id- ad
-lido ao 5* batalh.a> da mesma anna, era eouie-
nuoncia de h.-iver dado parte de doente, o que ve
r-flca-se da iusp-jC'.a > Ue saude porque passou.
Ao inspector do arsenal de marinha. De-
voivendo o requeriroento dirigido a essa inspec
loiia por Jojo Vi-eniede Saoi'Anna, aulonso V. S.
aos terinos de sua iutorrnacao da 12 do corrente,
cb 16 a manlar alia ar na companhia de apren
ditos artifices, n:i vaga exislente, o mea'T Arthur,
idho do sapplicante.
2* ifxao.
Officios:
Ao jommandante do corpo de policia.Ten-
do sido hoje julgadi e ultima instancia o in:lu-
90 processo instaurado contra o soldado da 2" com-
panhia do cor de policia, sob 0 sea commando
I'uQno Alves da Siiva^remelto-o a Vmc. para jue
J3 cumprimento a re9pectiva sentenca
Ao mesmo. -Nao tendo Vmc, como informa
es .-fflcio de >2 docorrsnte, n. 85i, nada a op-
i.or a< requisiQoes das praeas. do Curpo eob seu
commaaio, IJ -if m-o Clemeate de Albuquerque
Meilo Didino de Oliveira Barcellos, Joio BaptatU
Peierrae Jos6 Cmillo de Fijaeiredo, pode dar
lies a baixa rms solicitaro, logo que liadaram o
sea eagajameiito.
Aoijuiz munlsipal de Ipojuca.Em raapoata
a) sea officio cle 8 do corrente mez, pedmdo a re-
(uessa dos model:s dos mappa*estati"tic t.-ata o decreto n. 3 375 de 30 de dezembro de
1565, vist i que os nao encontrou no arcbivo des
*> juizo, p ra cad3 foram elles enviados em tempo
ompetente, declaroa Vmc. que nao ba mais no
a.'Cbivo da secataria desta presidencia os modelos
da que se trata e por iaso deixo de reraette-los.
3.* secQ&a.
Officios:
Ao inspector da th'.-ouraria do fazenda.
Uande V. S. pagar a pen se raostrar coropeten-
.emeate aatorisado, os vencimentos da- praras
-.acadas na villa de Pasjueira dorante o mez
:? maio ultimo, ua sonformidade dos prets e fo-
'(-:.is mclusas, nimetiidas pelo respective eomman-
cams superior em officio do V do ccrreoje.
Ao aassnta. Tendo em vista os inclusos
prets, mande V. S. pagar a quam semostrar com
I.-.-tentemenle autonsado os vencimentos das pra-
cas de guarda nactonal destacadas em Campinhos
cio municipio da Tacaratu' desde 16 de ftvereiro
a'e 30 do abril ultimo9 ; segundo solicitoa o res-
i ; -tivo eominanlan:e suporior em effkio datadc
Ao mesrao. Confermaado-mc com a infir-
v.acao do br gi teirj commandaaic das armas da-
t&da de 27 de raaio nltimo, e com a da contado-
ria dessa repanicao mencionadi em seu offlcio de
it do corrente, sob n. 747 sene G, autoriso-o a
v.anJar pagar ao pharmaceutico Carles Luiz de
Magalhaes os veocfmentos relatives aos dias de
csreo deste anro em que por autorisacac do com-
Lrandante das armas servio de coadjuvante ao
jMiarraaceutic > At bospital miiitar.
Ao raesmxTransmilto a V. S. para osfins
oavenientes as inclu-as notas do gaz consumido
Jarante o mez de maio ultimo com a illuminarac
co:- quarteis do i e 9 jatalhdes dc infantana,
C3posito de reerotaa, companhia de cavallana e de
h-rarios militarc.'; e bem assim do hospital mi-
btar.
Ao me-tmi.Para os fins cenvpnienle3 com-
iiunico a V. S., que a 1 do cerrente entrou no go-
ao da licenca do trcs mezes com vencimentos, que
lae foi cancedida p>r purlaria de 16 de maio pro-
ximo pas>ado, o )oiz municipal do termo do Ilio
Formoso, bachare) Jos-: Juliio ftiguelra Pinto de
Sonp.
Ao inspector da trte^ouraria provincial.At-
i-sndendo a sua informa<;ao datada de iU do cor-
rente, sob d. 282, aatoriso Vme. a mandar indera
nisar ao secretario da relagao dicorte da quaiitia
de 254680 pnveniente de custas relativas a uns
aotoa em que fsi recorrente a fazeuda provincial
e recorrido Antonio Jose de Figaeiredo.
Ao mesmo. Communico a Vmc. para os
Jias convenientes qne em face da terminante dis-
I^sicao do art 47 da lei n. 852 de 5 de janho ds
1S68, neguei por d- paacho de hoje provimento ao
reeurso que dasdecisGas denegatorias do indulto
da Ifi n. 590, icteniaram para es!a presidencia
Andrade & Meilo na petigio a que se refere o of
ficio dessa tfjesoararia de 10 do cerrente. sob
a 245.
* i'XrClO.
Acto:
O presidente dapnvincia, tendc em vista o
officio do proved' r mterino da Santa Casa de Mi-
.ericordia de 3 do c^rente, sob n. 934, resolve no-
:; ar para mordomo suppleate da mesraa Santa
'^sa no proximo biennio de!874a 1876 o Rvd.
Pr. Antonio da Canha Figueiredo, em lagar do
irroao Antonio Pire9 Ferreira, qae declaroa nao
poder aceitar a nometejfa) em consequencia de sens
iccommodos ic sauoe.
Cifflcios :
dale da Victoria,
com a indusas
sonraria provincial
dstalo de 13 de abril ultimo,
iu '-irmacoes por copia da the
)o lUcal da collectoria desse
municipio, cuinasqii^s me eunformo.
Acto :
O preaidente
que requereu An Ire
da coQstruccao da o
vista a inf'mnac.Vi de
de que i-onclua toclai
a csta presidencia q
nas obras do pr^Jio
verm na cidade de
tu Imeute ao pequen
traviados,
de mid)
: eviiar se
TERCA FEIRA 27 DE OUTUBRO DE 1874
PARA DK.VI BO B FOBA DA PROVINCIA.
Por tres meies adiantados..............
Por seis ditos idem .
Por note ditos idem .
Por nm anno idem.
PROPRIEDAOE DE MANOEL FICUEIROA DE FARIA ft FILHOS.
secgao.
(a pnvioeia, attendendo ao
le Atin.-u Porto, co!itrac'aot>-
nte do Tahyba, e lendo em
engebheiro chefe da repar
ti?ao d*s obras publidas, de lido corrente, sob
n. 108, resolve prorojar-lhe por mais seis mez-s o
prazo marcado para (onclasao da dila ponte, aSm
as obras supplementares a
Es a sera apresentada nas de-
osta Cunstruccao.
vidas estafoea.
Officios :
- Ao eugeuheiro das obras geraes.Constando
le os materiaes compralos
ue serv b de paiacio do go
1 )linda, o qual se deslina ac
se itiaano, estio send > ex
recommend o a Vmc que provideneie
Ao presidente d i junta de emancipate de
do Rio Formoso.Era res-
c, datado de 5 do corrente,
iresidencia fornecimento de
lara os trabalhos tlessa jun
io ha verba para esse fim,
ecravos do municipi
posta ao offici i de Virj
em que pede a esta
tinta, papel e pennas
ta, de^aro-lhe que n
ou a camara muuicip^
de faze la a -u. custa.
EXPKD1BNT
2.
Officios :
Ao commandante)
a V. S. que p ir officio
tido de ser paga a irad
da nacional d stacada
ao commandant^
De ordera de S. Exc. 1
declaro a V. S. que p >
semelhante damno.
e a despeza e lao insi| nilcaute qae amesmajanta
nao deixara certamente
: 00 SECRETARIO
$fcgao.
superior do Brejo.5. Exc.
o Sr. presidente da piovincia mauda commanicar
dnsta data expedlo as ne-
cessarias ordens a the: uuraria de fazenda ao sen
ortancia dos prett da guar
duraute a mez de raaio ul-
timo na villa de Pesqi eira, na conformidade de
seu offlcio do (> do cor rents.
nperior de Tacaralii.
Sr. presidente da provineia
officio desta data mandou-
se pagar pela tnesour^iria de fazenda os venci-
mentos das praeas de gfurda nacional destacadas
* Campinhos, desde |i6 Je fevereiro ate 30 de
mi lade dc .-eu officio da-
ximo passado.
I commandante do bata-
Acional do municipio de
r. presidente da provineia
imenu do offico de V. S.,
em
abril ultunos. na conr'
iado de 31 de maio p
Ao tenente-coron
Ihao n. 49 da guarda
Ouricury. -S. Sxc. o
mauda accusar o rece
dalad.i de 27 de may proximo Undo, em que
cotnmunica ter naqut la data reassomido o ex-
eretek) do commaado Io balalhao de infantaria
n. 49 da gnarda naciom 1 desse municipio.
Ao juiz muoicipa e de orpnaos do Rio For-
mo'o. 0 bxm. Sr. presidente da provineia manda
accusar o recebimento do officio de V. S., do l"
do corrente, commaaicindo ter naquella data en
trado no gnzo da lieenia que Ibe foi concedida a
16 de maio proximo passado.
Ao 2* supplentt d
de Bezerros. 0 Exm.
cia manda acensar o
V. S de 7 do cenvnt' ,
quella data assumido o
municipal desse termo,
xou de comparecer na
vindo polo vapor ISO a 7 O Idem.
SIrcado dn imear aniniado.
New-York tl tuintiio subre !,<-
ires 4-SS. Ouru BIO. Cafe do
Bio fair aSS 1/J, e coon h 1 l/ cents
por libra. Alfodao mediano UPLanbs
a 14 / cknts pur libra i aa ebe-
K'tiiuM de hoje aoa porius aaaerloa-
nom elcianue a vlnle e eels mil
fardoss.
Liverpool I. Meroado de ilo-
dao frouvo ; iinderam -se olto mil
fardoM. Mt'iidii fiso da America do
Sui t o fair de Pernambuco a 9 15/16
o de Santos a 1 i e o de Ma-
ceid a H d. por libra. Mercado de
UMMucar animado.
Antuerpla Si. ^ercado de cafe
quieto. e os pieces inalterados t
o de Santos bom brdinario de -lit a
49.
Hamburgo i. Mercado de care
Slrme i o eacolhido de Santos a 84.
Havre 2 1. Ha boa procura mo
mercado de care, mas poucas trans-
accoes se tern felto por causa de
serem altos os precos pedldos ; o
do Rio bom ordinario de 99 a 0*
francos.
Marselha 84. Mercado de eafe
flrme. com boa procara ; o do Rio
boom ordinario ; 103 francos.
Rio de Janeiro 28.Cumbio subre
l,ondres 2 3/8 a 11 bancario.
c 941 5/S particular.
Haliia 2. Camblo sobre Londres
36 / bancario, e 2 9/laS 5/8
d. particular.
08 ind.recta na Iota eleijoral. aceitando de ante- cado gravados no solo de toda a repubiica por nu-
miu.o pronuuciamento da maiona legal, qualquer numeutos e obras do utilidale; na raente dc vos-
sos Whoa, no derramamento por todos e por igual
em urn exercito
Ipao obstante os meios reprovados posies em dos rudimeolos da instruccao
jogo, e a accao coersiva dos" governos eleilores
naS pnivincias, nao obstante as fraudes inauditas
e notorins commetiidas com o concurso do poder
offlci 'I, e as violencias da forga publica nos comi-
cij(t disantoriiei e desarmei aos qae, tendo me
bonraa>cbm seus suffragios, queriam lancar se ao
terreno da ac;3o declaranJo publicamente em no-
cue do patriotismo,que a peior das vo:ac5es le-
gaes valia mais qne a melhor revolujao.
Esta declaraQio concihadora. que era a acei-
tac;io do resnltado ostensivo da eleicao p esidencial
com todes os seus vieios, qae assegurava a p do
presento edo futor>, qua confiava a solucao de
todas as garantias a acclo paciQca da opi-
niao publica n> terreno da constituicao, nao foi
acelta. v
entao em exercicio.
Offlcio:
Aos agentes da
vegacao a vapor. S.
Sr. presidente da provia
Irecebimento do officio de
communicando ter na
exercicio do cargo de juiz
e que oo mesmo dia dei-
riHa, aiim de ter lugar o
consolho de revista da | uarda nazional, per ter
reeebido ja tarde a con munica^ao do 1 sapplente
jujz tnnnicipal do termo- A^UAaan Pernambneo.
sccgao.
ci mpanhia brasileira.de na
Exc. o Sr. presidente da
provineia mauda declarir a Si. Ss. que fica ir.tei
hnje dos porlos do norte,
horas da tarde para os do
nacional Cfiro, conforme
communicam em seu o Qcio desta data.
rado de haver chegado
e seguir amanha a? 5
sul do imperio o vapor
Repartiuiln
secjaoSecretana
Ao director iaiermi da instrac(lo publica.-
'(.ado, em vi ;a dp tormo de inspeccao a que se
:t3bm3tteu o professor rcmovido para a cadeira d i
Lapa de Itambe, Francisco da Silva Miranda, de -
lerido seu requerimento, concedends Ihe o prazo
Ue trrata dias coniados desta data para entrar no
io.-pectio exercicio assim o communico a Vvtnc.
para os fins convenientes.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
Kemetto por copia a portaria d^sta data em
que noroeei o Rvd. Dr. Antonio da Canha Figuei-
r&do para lObstitair ao irmao Antonio Pires Fer-
reira, noraeada mordomo snpplente dessa Santa
Casa para o i>;ennio proximo futoro, & que decla-
roa nao po^er servir ncssa qoalidade era conse-
i.uencia da seas incommodos de saudc. Fica as-
3.m respoadido o offhio de Vmc. de 5 do corren-
te, sob n. 93v
Ao presidente da camara municipal do Rio
. .r/nos'. Lin renposta ao officio qne Vmc. me
os estragos qae as chuva3 torrenciaes tem causado
bcs aterros das pontes dessa cidade, e solicltaodo
providencias para qaa a reparti;ac da? obras pu-
Mica* faca os reparos necessarios, tenho a diter
^ae sendeessei concertos da compelencia da'ca
mara municipal, a essi corporacjio cumpre man
dar faz^-'.os, o qua failmente realisara attenta a
pcquena importucia da obra.
Portaria :
A' nam.a -a jff da Vidtoila
"*e oof3;!. idea! da 6!-
que foram hontem
os seguiutes individuos
A' urdem do subde
Hermino Jose Francis
Cisco da Silva, por em riaguez e disturbios.
Deus guarde a V. E.\
mendador Henrique Per
sidente da provineia
wo Francisco Cmreia
da polioia.
e policia de Pernambaco,
21 de oiittbro do 1874.
N. 1312.Illm. e Exn. Sr.-Participo a V. Exc.
rei olnidos a casa de deten^ao
egado de Santo Antonio,
Trigueiro, e Jose Fran
Illm. e Exm. Sr. cora-
eira de Luccna, digno pre-
cbefe de policia, .4nfo-
ie Araujo
ammoMmmtifr
(AGENCIA TELEGRA1 HIC.V HAVAS-REVTER.
Vl,rMfcJ ^S 8M^M*
I.ondres 35 de outubro. A Subli-
ma I'uria oitumSiia recusou acce-
de r aos pedldos Teitos pelos gover-
nos da Austria, < la Vilimaniia e da
Russia, para a conclusao de uni
tratado com essus poteneias acer-
ca das provineia I da Rounaanla.
% %mM%ik%s%%ii.% Ms. tm^H
i.uudieM SU. O prlneipe Napo-
leao. Olbo do One do Imperador \a
poleao III. res pi ibllcar uma car ta,
na qual eondemi a a polltlca reac-
clonarla do paitldo Imperial em
Franca.
1^>.^^\ 1,
e de Hespanha
^\%*!bfc^-
Paris 2. -Os governos de I'runca
cuncoi rlaram mu
tnamente em estubelecer actlva vi
prilancia nos ua rlos dessas duas
nucOeM, Jifliii de
qae de armas e
carllstas.
jvltar o desembar-
icdes para
i.ikIiob s. Cbekaram, proceden
tea do Brasil, os vapores inslezes
U1NH0, BUEN04-AYR 18,
Kio de Janeir
hontem os vapotes
RAIZU. SENEGAL, e
te nmcricauo 01
para New-York
eseala.
Rabla 3tt. Sunio
KARAI.DI; e take
fruacM VILLE DE
hoje o vapor
amanha o vapor
^10 DE JANEIRO, pa-
anno dc Isn,
a SS.
Ilrme
qanlldiidc. xiitilo
R(CO, toi veftMl !-:
JOHN ELDER
3d. Cbecaram
FRANCE, VALPA-
EIBN1TZ. O paque-
TARIO saliio boje
pelos portos de
ra o sul do imperio.
NOTICIAS 4 HUfERCIAES.
Londres 34. < ensolldados de S
3/4. Fundos bra
do anno de 1N6S.
O/O, FOR ACCOUNT, am
sileiros de & O/O, 1
a 99 i ditos do I lingua .? de S O/O, do
it 85 | ditos ar
geutlnos d 6 0,0, do anno de IS*I,
: Mercado |C cafe continna
; o carregai nento, de superior
pelo navio PORTO
h 85/ -:> cvr. e o
(AGENCIA AMERICANA.)
Marlrid 25 de outubro.0 almirtnte To-
pete foi accommettido de uma congestao
cerebral. E' rnuito melindroso o estado do
iltustre enfermo. Corre queo governo cou-
vocara" as cdrtes brevemen o.
Paris 25.E' conhecido j4 o resultado de-
finilivo das eleigoes rjepartarnentaes. Sahi-
ram eleitos 36 moaarchistas, 35 republica-
iios, e 15 bonapartistts.
Bah a 26 is 8 h. e 35 m. da manh3.
Chegou o vapor francez VILLE DE HIO,
procedente da Europa por Pernambuco. Sa-
hio hontem a garopeira ROZEIRA para
Pernambuco, carregada de farinha da man-
dioca.
Rio 26 4s2 h. 60 m. da tarde.Sahio
hontem para Pernambuco o patacho hollan-
dez ANNA MARIA. Sshiram hoje : o pa-
quete americano ONTARIO para Row-York
pelos portos do norte, e o patacho bespaohol
Babia 26 is 3 h. e 20 m. da tarde.
Cambio sobre Londres 26 1/2 20 0/16 ban-
cario, 26 5/8 particular. Sahio o vapor
G0N(,ALVES MARTINS, que Yai ate Per-
nambuco.
Kio 26, a*s 4 h. e 40 m.Cambio lirmo
e sem alteracao. 0 paquete que saho para
o norte no dia 1 de novembro 6 o PARA'.
y Para- 26, is 4 h. e 41 m. -A TRIBUNA
do dia 20 trouxe um artigo em qne o Sr.
D. Luiz I, ret de Portugal, e grosseiramente
injuriado com os epitbetos de bebado, de-
vasso e outros do j^ual jaez. 0 consul
portuguez nesta piofincia dirigio no dia 22
um officio ao presfiiente da provineia, re
clamando contra semelhante ultraje. Acei-
tando a reclamacao, o presidente ordenou
aopromotor pubiico no dia 21 que Gzesse
processar o editor d.iquelle periodico pelo
erime deinjuria contra o soberano de uma
nacflo amiga, e alem disso pa rente da fa-
milia imperial. Julga se que o procedi-
mento desta autoridade sera" de accordo
com o procedimenio do presidente. O.e-
gou hoje o paquete nacional PARANA',
que regressa amanba para o norte. Tam-
bem chig.>u, procedente de Cabo-Verde, a
gaiera portugu^za A UDA CIA.
INTERIOR.
RIO DE JA.I'b'laO
16 DE OUTUBRO DE 1874.
0 vapor innlez Galileo irouxe-nos hontem folhas
de Baenos-Ayres ate 9 e le Montevideo ate 10 do
corrente.
A revolur-ao qae rompea na Repnblica Argenti-
na esta agora organisala, tendo <> general Bartho-
lomen Mitre tornado a direccao do movimento e o
commando em chefe das forcas revoltosas.
A demora de Mitre na colooia parece ter sido
determinada peta necessidade de e^perar-se ate o
dia 1% do corrente, em que o Dr. Avellaneda do-
via tomar posse do cargo de presidente da Repu
blica Argentina, e que fdra marcado para o levan-
tamento em todo o paiz. A ipaccao, porem, em
que por alguns dias se conservarara os revoltosos
comecoa a ser consijerada como signal de fra-
queza e a espalhar o desanirao. Resolveu, por-
tanto, o general Mitre enenrtar o prazo de-
signado e no dia 8 do corrente pubiicou o seguinte
manifesto:
Como homem pubiico de antecedent.-- conhe-
cido*, como candidam a presidencia na ultima elei-
cao e como cidadio qne tem e aceila sua respon-
sabilidade moral perante o povo, devo a rneus con-
cidadaos uma explicacao da attitude quo deiibora-
damente as-urao, em presenga das circumstancias
solemnes em qne se enconlra a repnblica.
< M& ha de ser permittido recordar por este mo-
tivo a meas coocidadios que, favorecido pela for-
luna em oome da liberdade, e honradj pelo voto
livre e uoanime d i* povos, jamais usei da victoria
nem do poder senlo no interejse do bem coramu n.
Qne entreguei o raando-upremo em' toda a sua
plenitude ao eleito pela maioiia. deixando a nacic,
unida pela primeira vez, em paz e liberdado,
tnumphante no exterior e prospera no interior.
Qjo retirado a vida privada, sem ambieao e sem
rancores, someute abandonei meu retiro nos mo-
mentos de perigo, quando o povo e o governo pe-
diram rneus conselbos on meus servicos, crendo
ter correspondido a .ua confianca era taes occa-
sion. E por ultimo, que a sinceridade de rainha
palavra jamaia foi posta em duvida, nem ainda por
meus inimigoa.
t Com estea antecedentes, nao pensava nem de-
sejava ser candidate a presidencia da repubiica
no futuro periodo constitucional, como declarei,
quan-lo rainha candidatura foi prueiamada popu-
larmente, achando-me ausente do paiz Aceitei,
porem, a candidatura em honra da liberdade do
suffrario, que via compromettido, aspirando nni-
camente ao trinmpbo do voto popular. Asiiai
mesmT ra?ab!tfre do qu3lqner particinacaodlretf?.
Os que se dizem vencedores aspiravam nao so
ao triumpho iipmedato, senao tambem a sua
perpetna^ao no poder, pelos raesmos tneios fran-
dulentos erapregados por elles dorante a luta
eleitoral.
Cin*equente com este prop sito, os poderes
puWi SM comhinadoi fijeram-so solidarios da frau-
de, excluiudo aos verdideiros representantes do
povo, e aceitando em seu lugar aos representantes
de uma falsificacao inaudita, oor ninguem neuada
e por todos confessada. Os poderes falsos, que pri-
v&vam do direiio de suffragio a maioria dos cida-
dios, foram conlirmados.
t Desde es*e raomento, o diroito de suffragio,
fonte de toda a razio e t>do o poder nas dem >cra-
ciai, ficou supprimido de facto. A reno pjderes publicos se fiou, nao ja a accao tranquilla
df> voto das maiorias, mas sira ao registro falso, a
fiau-le eleitoral, a forga dos governor eleitoies con-
jurdos. e a efflcacia dos meios offl :iaes postos ao
servigo desta iaijuidade, erigida em sy-*tema per
mancnte de governo. Mo era a annullac-io da
primeira das liberdades publicas, da qual emanara
toda? as oulras; era a exclusao do uma parte
consideravel do povo de toda partioipacao directa
ou indirecta na cau>a publica ; era o entnrona-
mento de uma oligarchia official, que nem ao me-
nus represent* a maioria, compo-ta do partidarios
sBin eonsciencia, que consideravam o poder como
uma propriedade exclusiva delles e que declara-
vam licitos todos os meios para conserva-lo, ainda
a despeito da vootade popular.
a Era a ngacilo dos direitoi naturaes dos ho-
mens reunidos era sociedade, a derogagao do sys-
tem repuolicano, a violacao da constituicao cm
sua parte fundamental, cerranlose deste modo
por uma provocacao e uma murpaeao todas as
vias legaes para a solncao pacifica das ques-
t6es d iateresie commam, sera esperanca seqner
de poder appellar ao recurjo de uroa ma oloi-
cao legal.
t Assim foram collocadas as questoes, que de-
viam resolver-se pela opiniao epelo voto, no terre-
no dos fatlos, as qnaes so poderiam ser corrigidas
por outros factos, tornando impossivel por ouiro
meio a reivindicacao dos direitos usnrpados e das
tiberdades publicas supprimidai.
besile esw swrmrnto a revolncio, rontida alii
entao pelo patriotismo, teve sua razao de ser
e sua bandeira, e peaetrou profundameute nas
consciences, sem qne ninguem se oc.-upassc de
COBspirar
Cbamado, nao so pelos que tinham sustentado
minha caadidatura, mas tambem pelos quo Ihe
baviam felto upp isiyae. para por-rae a frente dos
trabalhos revolucionarios, coutestei negando-me a
isso ; porem declarando ao mesmo tempo que a
revolucao era um direito, um dever, e uma ne-
cessidade, e que, nao executa la com poucos ou
com mo tos, ainda que nao fosse mais que para
proteslar varonilinente coii as armas na mao,
seria um opprobi, que demonstraria, que eramos
lacapazes e indignos de guarlar e de mereeer as
liberdade* perdidas. D'darei mais que, produzi-
do o facto, cu me collocaria a frente da revoluQao
em toda a repnblica, para dar-lhe significado e
cohesao nacional.
Uma s6 condicao puz a csta aceitacao. e foi que
em nenhum caso a revolugao se faria para corrigir
a eleicao, boa ou ma, que se havia effecluado no
sentido de favorecer minha candidatura que con
siderava eliminada deflnitivamente, e qu^, reivin-
dicadas as liberdades do povo argentine, me seria
permittido declarar que rainha vida publica havia
conclnido para sempre.
o Desde este momento, os elemeutos que deviam
produzir a revolucao se condensaram espontauea-
inenle. A revolucao, quo estava uas consciencias.
foi um facto irrosiotivel, irrevogavel. Todos a sa-
biam e so a ignoravam os poderes officiaes conju
rados com os partidistas, o que mostra o seu iso-
lamento, e a forga de populandade com que con-
tava a revolucaj.
0 facto se produzio, e del a meus com pro mis
sos, a voz imperiosa de minha couscieucia, e ao
cumprimento dos deveres sagrado* que me i in puz,
aceito e assumo sua responsabilidade, declarando
hoje, como an^s, que a revolucao n>s condigoes a
qne haviamos chegado, era um direito, um dever
e uma nece-sidade, deplorando que tao dolorosa
extremidade se haja prodi os factos e os poderes de facto, qne sao sua c nse
quencia, so pos.-am ser corrigidos pelos factos.
a 0 povo, comprenendendo-o assim, re-pondeu
ao appello anooymo dos primeiros que levantaram
valentemente as armas em norae da constituitao
vio ada, e dos direitos conculcados.
Ate a maior parte do exercito nacional, que se
havia rebaixado a cathegoria de mola govornativa,
e com que se conuva para opprimir o povo, poz
suas armas ao servigo da revolucao. E ?hi ondr
a revolucao nao so produzio aind't, ella germina
em todos os coracoes e seu grito vibra em toda a
repubiica, na guarda nacional, e ate nas paredes
dos calabougos choios de presos so pelo delicto de
ser susjeitos, de araar a verdade das instltuicdes,
a liberdade do suffragio, o aspirar a queda dos go-
vornos eleilores, e dos poderes de facto, producto
da fraude eleitoral.
Em presenga deste grande movimento de opi
niao viril da minha patna devo declarar ainda que
se assim como 6 poderoso e astegara o triumpho
olle tivesse sido debit e isolado, eu teria aceito
igualmente com todas as suas consequencias, se
3uer como protesto que salvasse nossa dignidade
e povo livre ; porqoe estou resolvido a acompa-
nhar at.'- a ultima o ultimo que sustentar sua
bandeira.
< Se, cmio tenho fe, o povo argenlino reivindi
ca nesta occasiao seus direitos. usurpados, espero
jue meus concidadaos me reconhecerao e direito
de declarar que minha vida publica terminou pa
ra sempre cumpnnio a9hn a unica condigao que
puz ao autonsir a revoluglo com men nome e
aceitar sua respoiuabilidabj unto proprios e es
traulios. Vosso compatriota, Bartholomeu Mi
Ire. o
Profunda deve ser a eonviccao do general Mi
tre nas accusagoos que articula para trocar suus
bab tos de homem do governo pelas vicissitudes
dos cheftnde revolugio.
Como nao laltam trai lores nestes raomentos dc
crise por que passam os povos. parece que Sar-
miento teve eonhecimento antecipado do manifes
to Je Wiire, visto como quasi simultineamente c -m
este apparecia em Bueuas-Ayrea a pruclaraagao
seguinie:
. Concidadaos.------Espcrava eu dsixar o hon
roso postj de chefe da nagito sera diHgirvoa de
uovo a palavra.
Sji-'-anaos ball havia'ata-
mor-lisado e disciplinado quo os defendesse con
tra iniimgos exteroos sem razao de ser se appare-
ce-sem; em um nome e em nm credito acimi da
nossa valia, sendo aqueile. como 6, maicr do que
o de muitas poderosas nacoes.
a Erros e omk-5es devem ter-io misturado com
esta somma de bens alcangados, porque nao e pos
sivel exigir te sejam os governos a supremi jus-
tiga ou a suprem. sabedoria.
Esperava proval o com os factos do modesto
posto da vida privada; o que ahi fica e um gover-
no estabelecido como instituigio e nio como ajun
lamento de p.-ssoas, para t'.do aqueile que de ho
|e avante reuna os vossos suffragios que nem sem-
pre recahirao soure o mais digno, pois e e.->ta tam
hem acondigao e a dilficuldade na vida das na-
goes.
a Em algamas o governante nasco com o direi
to de governar e nao bid perecido os povos por
seus defeitos oo por seus vieios seuao quando fa
lham as instituig5es.
.\ao me estava reservada, coratudo, a rec im-
pensa apos meio seculo de fadigas, de lutas, de
viagens, e de estudos, de levar o povo, de que fa
go pane, a encamiuhar setts act is e rounir sua?
forgas para dar a si mi-smo instituigoes rogularos
sem adormocer no pre.-tigio hontem de um, de ou-
tro hoje, de tercelro auiauha.
Uas, meio seculo de dura experiencia de cau-
dilnos tem provado que eses pretendidos predes-
tina los para o governo caro fazem pagar ao povo
os beneffcios dados.
Concidadaos. Teades visto e tocado. A'
sombra das instituigoes ja Armadas, nos segredos
li s gabinetes de huineus que hao protendido ser
govurno legiiirao do paiz e reputado como erro on
maldade d8 vo-sa parte o eljger outro mindaiarin
que nao o proprietario perraanente do governo, na
tenda de campanha de dous ou tres chefes pussui-
dores da riqueza e do proprio credito qua haviam
conquistado por meio da liberdade da imprensa,
estava-se a urdir uma conjuragao qne propunha
se rectificar o voto do povo, approvado, sanccio-
nado e proclamado em virtude da lei, vo-so uoico
estandarte, posto que nem sempro seja perfeita co-
mo nada o 6 uette mundo.
t Goocidadaos. 0 governs via aproximarem
se os successos e proparado burlou a ultima ten
lativa dos inQraos caudilhos que de poncho ou de
casaca vao se deixando ficar na retaguarda da
marcliu pacifica do povo que caninha em busca
de melhores destin' s que n3o os de servir de pe-
destal a ambigoes pewoaes.
o Para conseguir os seus fins tem os conspira
dords appelladu para um meio que vos peco ful-
miueis com o odio o com o desprezo que merec-e
toda a acgio vil; porque do contrario seguirao vos-
sos filhos a toleraneia cynica que faz perigar a vi-
da da sociedade e da familia e por seus vieios in-
h0r^^daZsanhelSorSo n^o S6 ^o SZ1 t IS I ff=Z
*2fiBLM-- P-- -n.agando o sen^i^^^^S^^J^
de tacto, conift nos mesmo roeofiffcftemos (nvor-
no legitimo daiuelfa narao o pnncipe Araadeo, qua
cleo da conspiracao em nome do suffragio popular
impedirain fraudulentun nte a passagem da lei s>
eleigoes que desde 1858 propunha corrigir utabo-
sos eleitorae, declarando taes senhores e paMiea
mente os mesraos abjsos como ute i e nrrmi
rios.
" Cassts da administrapio do general MAre qae
este nunca prupoz nem jamais apoiaram os nas
partidarios, proje to aJgum de lei qua live* em
mira evitar, corrigir e castlgar as fraudes nem as
violencias das eleipoes. Coasts, igualroenu-, que
sob tal admmistracao foram deimtti los alto* fuoc
cionanos por nao cegnirem opiniao do governo
nas eleigoes popularei. Porq"e vem, enlao ago-
ra, queixarem-se dos Iruclos da sua propria otra'
A tarefa pertence-vos agora, a vos qoe havei*
experimenlado o quanto vos tem cusudo o abuso
Fazei lei eleitoraes, sem espirito do partido ; dj
a vossos adversanot meios de represtnlagio, mes-
mo em miuoria, deixai-os, so pudereu triumphal
nos comicios, pois vos custara com nnlbiWs cada
sen anoos remediar perversidade das lets quo
tern sustentado um partido pessoal como arma
par* mandar ou para recuperar poder.
E" um goveino de facto, o que vem ~"
a Coubepi a fe<-nndidade das phrases qno so
convertem era axiomas no bocca dos eslereu en
nifisfujmni.
As socieJades hnmanas nao podera vivor uma
bora sem governo. Aj monarchias esubeiecsram
uecessores hered-tarios ou regeutes por lei, atim
de que nao caduque o governo.
As republicas estabdocerain o \ ice presidents
desiguaudo os presidents do scoado e da camara,
para proverem era taes eraergencui.
Se por aecidentes da vida e pelas rev. IncOot
na forma dos governos on por a-pirar uma colmia
a nidependencia e inlerrompesse a tranimissic
regular do poder pubiico, o governo que sacce-
desse seria nncessariament- um governo de facto,
?, nao obstante, todos Ihe deveriam obediencia.
As sentencas que proferem os juizes, sob nm
governo de facto, sao sampre obrigatorias e irro-
vogaveis por outros poderes qaa succederem.
< As nagoes estraageiras recoabecem esses
governos quando lomain formas regalares, sem
faltar a amizade qne on ser vain com a potencia.
cuja autoridade desconhecorara. Mas, antes disso.
nao os hostilisam, nem os destroem, por strem
governos de facto.
A junta gorernatica que surgio de uma umao
celebrada a S5 de raaio de 1810 era fSSSfiss de
Jacto, governou o paiz ioteiro e perseguio d
morte os que conservavim-se fieis a is oomos sati-
gos reis. E' esta a origem de nossa exisleocia como
nagao. 0 general D. Bartholomeu Mare, em coast*
quencia de uma balalha, foi presidente provisorm
deluclo.e givernoa pacificamento a repubiica, sen-
do obedecido por todas as provioeias, ate qne am
congresso regular, o povo quo nao commetie frau-
des depois de um* batalba decisiva, coostitoio
presidente o vencedor.
Os gabinetes europeus occupam se actoalmeo-
te de

crdih, shuioit gua-riiinrtza e sujaiianoo a. wr
rivel provanga da'guerra vias ferr as, telegraph.is
e tudo quanto estendia sobre o vasto territorio da
patria os beneOcios da civilisacao, como ate do
nuncio este outro crime que nos ha de cobrir pa
ra sempre de vergonha, qual seja a traigao a ami-
*ade,que tal foi o unico meio deque langaram
mao para successo do seus pianos iuiquos.
a Coucidadtos. Eu eotrego oin norae da mo
ral huraana, da amisade trahida, entrego a >xofra
cao de todos os pies otes que lerein estas minhas
ultima- palavras, agora e para sempre, os nomes
de Ignaclo Rivas, Miguel Arredondo e ErasmoObli-
ga lo a quom (iz tenenle coronel de marinha e dei
o commando de uma c,inh as suspeiias que nasciam da traigao qua meditava,
introdujio se na casa particular do presidente Coin
recommendagao de um respeitavtl amigo que ali-
angava a sua honradez e convencido de que o pre
sidenle nao participava das descoufiangas publicas
e im'srrou se agradecido, apertn Ihe a mao e pro
testaodo sua honra e sua fiJelidade ao governo de
sua patria, pa:tio em seguida para desempenhar
a honrosa eommissao que Ihe era confiada.
i Com a mao aiuda quente da despedida do pre-
sidente correu a dizer aos c njurados; preclude-
raos o golpe que todoo piano ja esta conhecido pe
lo governo, e trahindo o amiito e corapanheiro de
armas se atirou no silenciu da noite e na quietacao
das aguas do rio com am as as canhoneiras que
uos teriam posto em granJes difflculdades com o
bloqueio, se o suceesso houvera coroado a sua
empreza.
Ha um Deus, porem, qua vela pelos povos e
ca-tiga a traigao; uma canhonoira ensalhou e
frustrou-se o crime.
0 trai dor souba da bocca do presideute cheio
de confianca o estado das cousas, e a conjuragao
tio ardilosamente tecida precipitou-se, sacrifican-
do a metale de seus pianos.
o 0 general Rivas abandonou seu posto sem que
fosse charaado pelo governo e abusando da amisade
do que o havia mantido como general em epocas
de desprestigio, recusando Ihe bstinadamente a
baixa que solicitava, algou se gratuitamente e sem
que fosse qompellido como interraediano para uma
reconciliagao entro o presidente e o general Arre-
dondo que estava fora do servigo activo por faltas
no seu comportamento que alias nao mancbavam
a sua honra de miiitar.
c Excitando Rivas as sympathias pelo enfermo
que deitava saogue e pedmdo apoiado em ontras
miluencias amigas. permissao para partir para o
campo no empenbo de recuperar a sua saude lo-
grou sob a garantia do abraco qne apertou o pre-
sideute e o general em nome de sn s aoligas re
lagoes e campanbas inuitares, iogrua ioraar se ap-
lo e encontrar occasiao de ir seduzir Ivanuwski,
outro amigo de Arredondo, tao cheio de confianca
eomo o presidente na honra albeia como na pro-
pria.
0 dedo da Providencia se mostrou tarabom
justiceiro.
" Oamigo traidor teve de sor assassino de Ivano-
wski, o filho da Polonia, nosso tambem porque ba
via regado mais de uma vez o chao da patria com
o seu generoso sangae, foi morto em seu leito, nio
no campo da balalha esse glonoso sepnlchro do
soldado.
* Concidadaos. Detenho-me por bonra do meu
paiz na relagao de tao feio- actos.
" Um general assassinado, nm.< canhoneira rou-
bada, tal tem sido a grande conjaracio.
" For detraz : estao fortunas aniquiladas, espe-
culadores arrmnados ou insaciaveis, e ontr-s mi-
serias bumanas, que sSo a consequencia des nos-
sos proprios progressos e das paixoes que a pros
peridade anima.
" Milhoes se tem gasto para eleger ou impor o
governante que promette reeinbulsal-os ; porem,
sereis vos, 6 concidaos, que haveis de pagal-os
com juros dobrados, c assim tambem vossos filhos,
as cMu-equencia.- da moral ultrajada.
" Quaes sae os pretextos ou os ssotsVos rcaes
para unto desastre, que nos faz rctroccdor meio
seculo ?
" A fraude das eleigoes ?
" Con-.ta da oleigao tcita era 1852, e dirigida na
cidade de Buenos Ayre-pelo coronel D. ftmholo
meu \Iiire, orgauisa t ir dos trabalbos eteitoraes,
que a mesmao^p-z, s .b a -ua direcgSo, none mil
votos aos -ous bH e quiuhoatiis quo favoreceram
a polilica dodiieci r Di jui/.i.
,: C X ta do liar: ,'ura do
BueujMAyrec ,.. ^a^ fr>sai o aa-
x
na>
oilo
mas
o era de facto.
Dest'arte, ainda que fosse um governo de facto
o que vai succeder-me, como com escarneo 4a
verdade pretenle qnalifical-o a ambigao dos qne
se eleraram serapre ou pela fraude eleitoral ou
por vias de facto, e foram governos de facto, 161.
cidadaos p&cificcs e loavados, deveis-lhe acaUmeo -
to e obediencia, deixando que os revoltosos, sob
sua unica respoasaViihdade, ensanguenlem o seio
de sua prospera e feliz patria com as desordens da
guerra, para e>tabelecer o governo de facto da
espada e obter, depoij do triumpho, o voto esoon-
laneo e unanime das povcacoes WrMSiaa, atterra-
dss e despojadas de seus bens. 0 bello ideal dos
revoltosos t a conqnisla, concidadaos.
c fK'ieme n'alma ter de dizer verdades Uo
cruas a face de todos os que ouvein pronuociar o
nome da Repnblica Argentina.
Uma vida inteira de luta, as fafji com a
injustice e sempre com as paixoes e intere>ses da
caudilhos populsres, devia acabar no retiro do
lar domesli -.o e nio angarianJo iainiigos postha-
mos, agora que o punhal envenonado e manejado
por amigos contra Ivanuwski e por indifferenles
contra o presidente.
Mas se nao pode, como foi men c nslante de-
sejo, deixar-vos am governo constiiuido e flrroad <
era sua propria essencia, como devo ser, seat o
apoio dos que souberara croar psra si sasteotaca-
los pessoaas e associados no paciflco comraercio de
governar; creio que vos deixo am poro constiiuido
em nagao homogenea, dispotto a viver em pas, a
raaoter a autoridade, se bem que nao esteja esta
nem em maos de sanios, nem de saotot.
Ao simples rumor da conjuragao. ao primeir
aviso do leleurapho, 60,000 argentiaos pegaria
em armas. Buenos-Ayres esia de pe com todo o
sen poder ; Santa Fe e 6.000 horaens acham-se
em actividade, trabalhando honradsmenle para
que nao triumphe a desordem. Entre-I'.ios, qae
era o palrimonio de uos caudilhos locaes,
lutou debalde contra Jordan.
< Doze mil bomens estao em armas ha
dias. contra um inimigo per ora invisivel,
defendendo a nagao, que veem em toda a parte a
que sentem pulsar em seus proprios coragoas.
C rrientes, Cordova, Tucamaa, atendoza o as de -
mais provincias qae estio em armas, pedem or-
dens ao presidente, e este nao sabe qnaes as qne
deve dar, porqoe nao conhece como tratdorts
seuao Rivas. Arredondo o Obligado. e seas satis
gos sinceros de hontem.
Concidadaos que sabeis ler, fazti constar aos
ultimos campooios do mais longinquo ponto do
nosso territorio, que o presideote da repnblica
Ihes agradece a attitude nobre qae aisumiram ;
e que e a elfes que compete desarmar esses ener
gnmenos, qne, como loeomoUvas sem cooductores,
orrem sobre os trilhos levando por toda parte a
destruigao.
a Algnmas palavras de congratalafio devo a
tropa de lima e a marinha.
a Os cbefes e officiaes, qae tentaram sedasir
com o bnlho do ouro para conspirarem contra a
sua patna, pozersm o presideote de posse d
Gos da trama ordida.
As forcas arrebatadas ao governo. foram on
pelo assassinato de Ivanowski on pela traicio de
nm chefe. Arredondo fagi > da trente de snas
forgas e achou habil e digno do sen taleato mi-
iitar o assalto da inlefeza cidade de Cordova, Ri-
vas anda pelas povoacoes mais proximas da capi -
tal, perguntando anciosamente o que se pass*
em Bueoos-Ayres ; qae forcas reune o governo e
quem trahio os traidores I Os tripoUotes da
canhoneira Uruguay recusaram servir o traidor e.
desarmados, voltam de Montevideo para reunir-tt
aos marinbeiros fieis a sua patria.
Soldados I As terriveis lei* militares qaerera
qae o tambor inooceote seja complice n crime de
traigao do sen chefe.
D. Bartbelcmea Mitre nio pode dar vos or-
dens. porque pedio sua baixa e aa acha desptds de
todos es privileges de sea posto. E' traidor qaeta
(be obedeco espootanoatnente, por iso qae ella --
tualmente nao tem nenbuus litnlos nom se eba
incumliido de neoltuau commissio para exercar
0 commando.
a Rivas, Obligado e Arredondo tambem nio po-
dera dar- vos ordens, porque I imlissn aio os ss-
carregou de nenhuma oommissio MSbusa swvor-
oo, ucm mesmo o governo revUnctoaasla. ajns
i.-- ..' -;.a ..-.auiisdo ucui ta tefi-


txt i,i i.miiih :id v.

\ i
________
tnar, segundo qnerem as left da juierra, e 6 difcilo
das genus. Assumirara a posic5i lie cbett* de
bandos, de ajdtoaiBore-; quo ejlji i a mercd de quem
s apprehenfler. .
Conr.id.fMos! Seja'minlta ultima'palwaum
conselho siamro. Conservai vos fieis ao governo
do vosso [>a|c, seta ouvir as suggesldes /le t/a-
palhces politicos e miliiares, oa de especoladores
P'ltrioteiros, que esperam poder caipalmar o the-
souro publico.
a E' boa a trilha (fie segnimoa, sem guerras.
sem revoluctaes, som estremeaimentos. As estra-
das de fcrro vos stfwrao, esaiuan o nio forem
de.-truidas oelos vaallos ; o ttlegrapho transmit-
lio ao governo uaeionSl o ao povo do Buenos-ay
res o peusamenlo iwifornia de todos o> argeniiaos
liberdade coin governo, com .a*, com rasti-
It] i pi mi 4
a Diio isto ao povo nas coudicdes em que elle
se acha acuiataente, aem que ninguem o oppri-
ma, careco dizer aos meos immigos algumas pala-
was que mo sao imposlas pelos deveres de mcu
cargo.
(i Fiz o que estava em minhas maos para prate-
gelos centra os seus proprios dcsaliuos, Depois
disso posso com a abncgaelo do sacrincio.reeo-
Iher-ina a mioha residenria de molesto cidadao,
nade esperava gozar o descan.i mereeido. onde
lalvez encon're o pnnbal que nunca.raereci.
< Conciaadaos, guarda* naoionaes do toJa a
republic*, soldados do exercilo 1 susleulai o novo
presidente D. Siclan wellanela. Este e hoje o
maior triurapho .fa i! -publica Argentina Consi-
deraiu-o fraco, foil il"cei-o. Nib e so soli as dra
gafiSi ou na gri'a d*s sympaihias populares que
su en contra in a firmeza e a energia.
Triumphal ilestti rewita nssTm provareis ao
testa da America c a Etropa qae soisigiiai povo.
uma nacjio, e nao tin i!'-,rao do .vnbiroes.
t De-pede s? da vos e dcseja vos ventura c
acerto. 0. /' Surmifiifn.
Boanos-Ayros, miuibro 8 de 1871.
Hepr."lmimos i ,t >r..i;:'V!!e estes documentos
portise os julg.vn is da grande intercsse para a
ap.-eciacao exact i das carols que dc'erminaram o
Ri^Timeuto r^v.ilr.c! u;:.'i' di Republica Argentina.
P.r igual motivo dam is i-.n segnlda a carta que
MRi-ral Rivas iHrigii a)';pre Exin. Sr. D. D.uiing.is F..ustin> Sartiiient >,
v.i-j eslmiad) presi)" u Li cun slttertcao a
carta quo me dtrigib c-nn data .le 88, 6 a qual te-
nho a tionra d6 respiflder.
E' corto o que da qua o generr I Arred>n!o.
<> eoruoel B-irgei e eu teal) p>r chele o g'-nerai
Mi'ri?, e'tavatuos comprometiHOs a apolar o par-
tid) tmctooaiista pHra d'rrubir u presidantc elett.
querda Montevideo. por _latio*Ji e couinmn, u.-r^.js Ujs g.r-.Hles As duas
ai estes dous genera, s nao sao de ori_am dias tiu Amonca e qua sera mantidj sem esfore;(chcgul^ a esta
ina e ia V. S. me hav a dito o q ie e hoje soinpre que uina polmea aggressiva, obstuiada oulprimentado pc
ealidade : se foem dms arc-ntinos, va fei- acaahada nao seempeiihe em suscitar eutre eJles ira^ao offleiat
u
pcli frande e pefu sutwrno.
N'ao sao o orientae us
queime os seus navios
p.: Je estar bern. Manterei
terior, at1, que nao tenha V. depois de esta recebi
da, praticado actos de utilidi le ou ubUdo qualquer
vaotagem. .
0 general Velia cliegon com o genera] bainza,
de Pern&mbuoo Ter,a feira 27 de Outubro d6 1874
it
;!! 1 //*
.i .- ">-- -
=
aa material, Q japti ao mital, aTu e?!a o a?ra"i- na< rrTT^is ffidprocas, compro-nettenda ou ..lie'
a fc eu at_i b*o*1 i. I ,i, I randi eosn damn 0 curral llivas com as fore/is de Hnija jjs* to* a^artrnwn le fratenn late q w os h\
tem osliomen* no campo o initts qne cotyiga noju; si*(tm.ii*o queseexplica peli ifc
reusir e os reenrsos que 60s. a obttr quer da cam- <" Tlseiit," '.; ilioma, Ai reli.iao, 11-; fu ort:
paflha, querda Montevideo. ; por Bt.*ie*.s exouununs Mbrc-M ijjs
.M
argenti
uma reali
to; mas dous orientals f km aoo o desfaieurto go- aiitagjuwino> arMictal. >
vernos, aieandc a gaerra, e horrivel, e intole- De cotiferiBldade com estas pal mas dj novo
raTel Ifrnsideute, dUia-le que seriam breve nenle no-
i Poder-se-hia tamhem so iportar se fosse cousa meados tres ministros, am para o Paraguay, oulro
de oito dias; mas, criao ia lee ter visto e julga- pra o Budo Oriental e flutro pan o Hio Je la-
do, nao e assim. E' o conioco de uma guerra, nairo, am deconcluirem loda* as questoes pen-
uuerra formal e por cons *uiQte de destruiclo. deotes.
E-lradw de ferro, telegraph creiito, comtnerelo, 0 noft mioi.-teno ja estiva nrgaoisado ; cornpu
tudo *ia destruiJo ou cmb: rafiado. uha-se do gumta niodo .|!interior, Sauuao Irloo
E qua! sera o resultado t 0 da guerra do Pa- do ; guerra, Adolpl.o Alsuta ; lelaeoes exteriorM
raouay que se la fa8er em Ires mtwm a que qua Fela Friaa; fazeuda, Santiago Cortines; initrae-
tro annos depois estavamos aiuda a pelejar? Per- (jiopublica, Oaesuno Legaiiainon.
doara o pa.z este atteutado r Sei qua Uao cou.pra- Acluudow o _>':/*'*,_''"e^"'^"0
do espingardas a Ouerencio: porem wi lemos... Chile, serviri latcnaaoeaiona reparticao Jos ne-
30,000 soldados, iiue sabe>. n5o se^mprivrlsam. g.jei-->etrn_eirw o wr. tamo.
Sei ,jue estio para coraprar Iffl navio, o que prova Uout.nuavain em Buenos- Ay res as pruoes e U-
.nirt teremos Urea I ma nhara a"' *lio f ec jlhidjs a ca leia u os ulltin >s dias,
1 0 rio e nos? nao obsi snte a canhoneira de entre outros, o corM Fartuiwo Frtres, GMrjto
Obliaado Nao urdari ern c mvencer se di-s,<. Mertrau e lo estrangeiros, subre os qnaes recaniam
Mum da saaUoneira compr; remos quantos navios suspeitas de serem fabnea-tes de borabas /Or-
de guerra quairamos. Sere nos vencidos ? siui. __
Assim principiara todas is guerras c csta o e Antes do dsixar a presideacia ftrmou Sannien-
apparentemente, porque nin genera! com razao ou to urn decreto declarando desertorcs do exercito
4m ella quer ser preeidente e teve de principio naci.mal, e_aomo taei eliramados do quadro, tudos
ilous generaes taxados de urientaes, e qne toma-' os generaes, clief-s a ulllciaes da nacao que toma-
ram como proprio pleito qns Dio Hies dizia res- ram parle u* rebslliao armada contra as atrtori-
e[1 !' ii.nl--- constiluidas eaosque ato aquella data nao
Conheco as miohas ideas neste caso, sabe que se tivessem apresentado.
os defeodi ambos conUa r validades que podem' Cilno sobre o porto de Buenos-Ayres urn vio-
serv r' lambem de Uanleira mje. I lento temporal que causou vanos simstros. 0 va-
Sabe so que o goverao i e Monlevileo sympa- por de guerra argH'.uio Paw. a garrou,. baIroou
Ihisa com Milie. e qua o comprom tlera ainda com outra embarcagao, abno agua a a truolacao
mail, assim lambem o cara:ter da V. Nao Inia, lave de encalbal o; o goverao, porem, snspeiua-
uois guerra, uma vez que a revolucSo falh >u. Nao dj alguma traicao, u*nJou racoiher a pruao ^
'e compromelta i-m quanto Houver remedio. Naa respeclivos commandante e machinists.
por contendas em qua uasj Itelativamente aos movimentos das forcas tanw
;, minln promeaia an- do governo comj dos revoltosos nada podemos di-
i como partio Arredoh.lo para S. Luiz; D. j sos que encontrou uaquella cidade, augmenUra
Emilio e*la em crande peri.) de morH. pesto que [ as -uas (orgas com os tumms que oella pOJe ob-
de bo.n semb!aute.-Sau, Sarmknto. n let e sahira .-in busca de llivas, que aancava ?o-
Po'uca "conrianc* podemcs.ier nas nolicias dos bre BueuosAyre-om a.OOU hoinens. 0 coroqel
.cmbates todos do pequeia imoirtancia, qua se; Kocca, p-rem, afflrmava o couirario, dedarand>
travaram entre as forcas re -olDsas e as do gover- |por urn lelegramina ao governo que aquelje gene-
cooforme' a pioiadencia de taes rioti-
> sao a onentaes os qae f.izem rate movir
mento. E' n povo argeitino eui mas33 que que-
cj:i i ii-! r ;> (oberatiia populsr.
i( Sos oriealaes, s>mo, como sempre, sust->nta-
Hores da lei e tfa jastira, pe!as quacs derramamos
nosso saiiK'!rf h i ii annos.
Jama s tiva a idea do rebellar-rae contra o
governo Je V. Esc.
N?m men parti.lt tinha e-ta nropo-ilo conn
fcaie d8 seu rbeedimeoto.
Lainento qua us sticcessos se tenbam prccipi-
ladoe tine este movimento.teoha lido lug.fr em
seu pen d ; u na v>z quo assim suect lou ponha
a man sobre :ua eensciencia o resppnia ma :
q:Ki| i) caminbu qua devia segoir ?
a Dov.a ea ser o inrtramehto que destratsse as
esji'ran.a; Jo povo e de mcu partMo ?
oanearia sobre mim o qnanQjatiyo d.i traldor,
ro'o qtie'm.'ns amig >s me enatbemattisaTiam, bor-
rand) urns vida dRaerificio*, posta sempra ao
>ro;o Jo p wo arwntmo a de ?ua liberdada t
Xi', Sr. prc-iiento.
a n.".\i re

ridor i.vmo r-^p nl> a) clmvulo
da h irira e do dover, derramafido men P3!igua e
s.-.jniir-anlo Rnn*ra vida. se iK-cessario f.ir, em
p,rv;.) d' i: Ti-tit.ii.a > e do pov-J que a sus.eata,
e a qu-iii sirv i.
i Esta foi >e:npre minnahan-l^m, e ebvtto em
suas dobras cahirei coin e!la do pufctd do boors
qae me for designad'.
Escnsj r sjiouder ao que V. Use. drz rel^ti-
vaniente aos elument is do govcruo os couheco
e s-*' aprrcialos.
i D-ixanlo as in respcndida sna carta com
a siaci'.ndade do amigo e a leatdida dj cavalheiro
iBanffestandoIhe que qual-juer qua Seja o resul-
laio da nc?sae:npreza, sempre sera sea verdalei-
re amigo o general hjnacio Rivas.
P-ta, poi, a Repnbltea Argentina a braco> com
r,.na treniauia revoiii.-ao, enjo deseotaee nao pode
ser previsto. Lnpussival lambem e calcnlar os
elemeoMa de que ell a dlspo*', porqua se sao con-
sidemvpis ? ouvir os qns a favorecem.. sao nnllos a
dar sa credhd as versoes espalhadas pelo goverao
arg, ..lino.
A' salKii do Oattleo, corrla sob SfJQteVlfleO que
o gen-r.il Mitre d-ix.ira Colonia, onde, coma ais-
semas, so woscrvara por e*p*co de alguns dias
em companhfa de muitos amigos qae haviam con
segui 11 aicapar a persagaicao, e fSra collocar se
a frer.to de va xerctw do 8,080 bomstts, natural-
inente o le llivas.
0- telejrrr.mas qm hontem publicamos fal'am
jur c--.e exercito a ca-
pifil.
Uit-ii tarabara osmasmoj daspic!ns qua o Dr.
AvellineJa tomara posse do governo do dia 12,
oada ioformfndo sobre as deswdens qae geral-
inento se r^c-.-iivam nesse dia na propria ca-
pital.
Aiii h:.vi cerca de 1^000 tiomons de tropa de
linba e (la gaarda oaeionM Saspeitava-se, po-
;;'fh, da' li lehdaoe dessa geu'.e.
0 governo argentino nao descancava na expedi-
<;i i das provide'ucias qne Ibe pareciam necessaiias,
e. cnbora ja tivesse empregado meJidas arliilra
i:ii, nao satisfizera ao Dr. Alsina, qua se empe-
iiiura em mvedilo a praticar vi dencias contra
os initristas proses, o que provoaaria liorriveis
represalias.
Depois da rrnhida discusslo, Alsin".,-como sabe-
mos, apres-.ii''.'U sua rcnuncia do cargo de com
maadame em clufe da guarda nacional, declaran-
do no ulFicio, que a lal respetto escroveu, que com
0 m.iior pezar se tinba convencido, pelo qne ouvi-
ra ao presiuente Sarmiento e ao governadcr Bar-
ros, que elle nao podia ua actualidade prestar a
sua palria os serv cos que Ibe pareciam necessa-
rios para a salvacao do* estado.
Parece qne o Dr. Alsina desejara concentrar em
suas mi is a dictadura a tornar-se o arbitro supre-
mo da situacao. Aqueiles dous principaes magis-
traJos recuaram quando Ihe perceber.m o inlento ;
era, tarde, pcrem, para esquivarem-se a sua dorai-
nacio. Alsina e inuito eslimado peL.s ma-sas po-
pulares, e os homens de accao, como sao chama-
dos seus parti ianos na general, lad", esperavam
apenas um signal didle para sa ertregarem aos
raaiores excossos. I'.' natural que agora no go
verno de Avellaneda, disponha Alsina de maior iu-
flueucia.
Em Buenos-Ayres reinava i maior compressSo:
so se pubiicavara os ornaas tivoraveis ao governo,
e estes mesfnos, snj*itos a censura previa, so da-
vam 83 noticias que o governo quern quo corres-
sem; os t.-legrammas eram H>pe policia, be n como at wrtas partimlares: os cila
daos soapeitos tmham ordem da nao sahir de suas
casas;sob penade priiao : repetiam-setodos os Jias
as buscase datengoes arbitrarias: lodos quimtospo
diam.illudir a vigilan:iapolicial fugiam .ara o ter
ritorio orieolal.
Como era natural, a situacao oommereia! toroa
ra sa desastrosa: os pagamentos faziam se com
graiide difflculdade, pagavaquera podia ou queria ;
os bancos n,io desconlavam ; o dinbairo bho linba
preco fixo ; a maior parte das casas da eommercio
conservava.m-se feciiadas e fallavase jaem algu-.
mas quebras importantes.
A carta de Rivas, que aoima publkam^s toi ros-
posta a segnlnte :
a Buenos Ayres, 2* de selemi>ro.General Rj-
vas.Escrevi-lbe hontem oa ante-hoolein a carta,
que ja deva ler reeobido, e qae junto p Hoje lenho apenas a accrescentar o soguiate :
Foi, ao qua parc^e, arrastado a aceao por n/ii
plaoo do revolucao qae so devia esulaf depois do
dia IS de outubro. Mitre a V..8. estavani aceor
des em olJerccer suas e?padas ao governo actual,
por nao quererem ?er tornados como rebelies,
cbamando gocerno de facto o qua ai comarar.
Bribnega tambam apreientou-ma vebementes pro-
testos nesse senlido,
Ainda assim, coitavam que era tuna-troea qae
ea operuria emoiio dias, por isso qae n5o doseja-1
vam a guerra civil.
Euiretanio abor'ou o piano por MM acci-
denues, e foi mister preeipitar os aeootociir.aa-
tos.
0 gotetbo, qae estava prevenido, impedio,
quando maa nao seja, que se abalasse sua bi.se.
- Nao ibe faiitrei das ,'urcas de que dispomos, para
que nao pense que procuro encarecel-as. A ques
tao aciia-se nduida a isto : Arredonao no Rio
Cuarto com 780 homeni, pedindo a 8. Luiz homens
e eavauos. Nao- avaa;ara porqae se sicba em villa
Maria un exercito, que tern, aos flamws Cordova,
Cozrieates, Entre Bios, Santa F4 a toda a tropa
liaba cjac esta ncss&i prariD^ias. Eis qaaoto
no, porque,-----------_ rl--
cias, assim fica a victoria de um ou de oulro la-io.
Segundo osultimo.s boletiis publkados em Man
tevi Ida a chegala do Qaliki, o general Arredondo
entrara sem resistancia na i idaiie de Cordova ; Ju
io Rocca para alii se dirij ia a dar-lhe combate.
Desmeatia-se a noticia da norto de general D'a
nowski, que apenas f.'.ra pn so, como so it da ser
gainte carta de Arredonio, que nao deixi d(
intarai-e :
Mercedes H de selemb-o.As forcas de liniw
lesla frooleira augmentadas pelos habitantes de S.
Luiz, Mculoza a Rio Cuarto liveram de sublevar
zer com certeza.
Arredondo, como saberaos, entrara em Cordova
sem encontrar resiiteneia. Uiziam os revoltosos
que esta general, depois de apoderar-se dos ro*ur-
ral nao podera encorporar se as forcas de Rivas
s. nai fazeaao cem laguas palo deserto, piraevi
tar eocontrar-se com o mesmo Rocca pie, diz elle,
tern ja um exercito bem orgamsado do 3,000 ho-
meos.
I'ara opporse a marcha do general Rivas acaa-
va .-e o coronel Luiz M. Campos, a freate de 8,00
bomens a pequena distaueia da capital, oudo havia
10,OOJ homeus.
As noticius reccbidas das provincias eram, nos
lokgrammas, favoraveis aj guvcruo; em nouha-
ma dellas enconlrava a revolucao apoio, a mes-
mo relativamentd a Entre Rio. dizia toque Lopez
stamanha porque chegar |.qui
presldeole af;m da serem p: es is os ctte
ammaadam. Realisada a
ter lugar a 12 do oatubro,
do exercito e conQir.im m-1
Nao houve luta, por isst
nelo furam presos em seus
uma ordem do Jordan estava disposto, nao a aunliar Mitre, mas
las que as
ublevaQao, que devia
homearain-ma general
commanlo.
que Ivanowski e Pa-
Ldtos e flcar.vn inoom-
municaveis, senio entregua ma guarda a um ofli
ciil do intaira coofianga.
ne'i a RacoJo, que e lava
derasse de P.o:c.i, e creio qi
nos atrai^-iou, cacarreguei
pelo teleg.apho que 'o-a e
Sarmiento perca a cabeca, p)is soi quo effaito jiro-
duzirao ncile c tas nr.ticias.
March i a incorporar-ine a ilacedo.e so Rocca me
escapar, irei a Cirdov.t, a e fi-m qua chegue o
dia 12, alim de unir mo aos S.UOO boiues que os
Taboados so co.nprometter i u a p>r as eiohas
.Jo mesmo tempo ordo-
(dinnosc, qua se apo-
e o tera fait' se nao
o tambern da .'.v.sar
e fazilaio, para qua
ore ens.
Nko bavera balalbas, fc
mez de outubro cstarei en
abrarar os amigos.
0 sjfoael Rorges renun
e fOra subs ituido
direita coiumanJaJa
do cenlro, composla
Iachado.e da infauta
di-'isao da csquerda,
sob o commando de
do pelo governo ar-
ubas e gaarda nacio-
de Buenos-Ayres o
a 8 leg.xas de
bntre as forcas d\ di
sui div!;a),
Campos.
0 exercito do Rivas, gegiiLOO sa dizia, c
assim composto : divisao da
pelo coronel Uurga ; divisao
de ca'allar'a, as ordans da i
ria, as de Sebastiao Ca^ares;
com forcas das tres armas,
nivaa.
Por decreto iz 7 foi nome^
gentino chafe das farcas do 1
nil mobilisada da guarnicS
coronel Viejobrieao.
Na campanha de Buenos-.Ayres linnam-se dado
alguns encontros sem couse: aencias serias
No dia 6, houve em S. V* eoto,
Bueuos-Avres, um combate
visao do Casares e o batalhio 5" de liuha e o 3
rcgiraento de cavallaria. Dikiam os mitristas quo
estas forcas linliam silo derrbiadas.
Rivas acbava-se entre Ch^scomus e a capital c
detivera urn trom do caminho de ferro do sal que
levava muui^oas e armamento eaviad: per Sar-
miento para as forcas da Cainpanba.
(is rflvnltosos tiuham se aj jderado do um peque-
aspartar o president}
Sarmiento'para a ilha de Ca
Desappareccra ds Buen
Henrique Romero Genienez.
Em Bueaos- Ayres reinav|a ja
enlr os governos federa
Constava que Lopez Jurdtira
Bios e sublevara a provitci i.
Era Montevideo creou-se
antes qae t.rmino o
Buenos-Ayres, para
ara o commanJo
par Luiz
de
M.
apachay.
-Ayres o jornalisla
a deiin'.eiligencia
provincial.
entrara em Entre

ira club Luso-Brasilei
esidente o commenda-
tosa canhoneira Icuhy
a Braeoaot, queja alii
ro para qae foi escolhido p
dor Eusebio Jose Antunes.
Segnira para Buenos-Ay
afim de reunir-se ao Brasu
se achavam.
0 gov.ruo oriental enviaia algumas forcas paia
Coloaia aGmdeevitar quant) poasivel infracjoes da
oeutralidade.
No dia 25 do passado
Paraguay Juan B. Gill e v
liriarle.
Depois da eleicJo grand
dirigiram-so precedidos de ima baada do musicaa
easa do presidenta elaito. Alii fizcam discursos,
felicitando-o, os cidadaos J. Decoud, padro Malz,
Brizuela e Dr. Maehain. ) presidente agradeccu
asseguraudo que cumpriria strictamente os defe
res sagrados qae a carta (un Jaraental impoa ao
primeiro raagistrado da re[ ublica.
- 2C -
cleito presidante do
cc-prasidente Virginiu
numaro da cidadaos
Pelos paquetes Otiiuqa e A-'4*HiM tivemos
houtemfolhas de !Juenos-.-.yros ate it e da Mon-
tevideo ate to do correntt
Poucas noticias de car; cter positivo podemos
adiantar relali^amenta a evolujao na Republica
Argentina, visto camo aio polem mereceriotaira
fa as ver.-oas daJas, quer pelas folbas de Huanos
Ayres, todas favoraveis av governo, quer oelos bo
latins mitristas espaluadoi em Montevideo
Ha, porem, um tactoqia nao sofirocontestacao
e qoe ja comecava a ii fluir dasfavoravelmenle
para os revoltosos no amra > dos seus proprios arai-
!;os de Montevideo a pro ravelcnaote com maior
orca nos daquelles que s s eonservaram em Bue-
nos-Ayres : e a demora, c u antes inac. w dos re-
voltosos. Disse-e a priiiaipia como Rivas nao queriam romper era hostilklades
emqaanto Sarmiento foss< presidente da Repabli-
ca- Argentina. Uttimamer te allegava-se qua a de
mora eraaevida agrande obnvas que tioham ca
ludo desde o dia It e que haviam impossioiliado
warcha das forcas qae se ooeamiafcara para
atacar a capital. E' certo, entretanto, que o g*na-
r^l _j;re ainda na manbi de t4 se achavam Co-
Ionia, de onde, segaado tin teiegraramada altiraa
hora, saliio na tarde daqxelle dia.
Em Bueaes-Ayres real! ou-so pacifiearaante, no
dia marcado pela oonsiitai.So.a posse do bovo
presidente Dr. Nicolao Aellaneda. Wrign ella
nesa occasiao ao cong-es; o uma mensa)TBm que
por demais longa, nao tra iscreemos aqm, dwta
eando della os segaintes t echos relativos a politi-
caexierna: .
* No que respeita is mssas relates axtenores,
repnto iouUI declarar qae i &s dultivarei dnrante
men goverao, obserrando o mesmo e=pinty de
Jealdade e de jastica do quo detf provas o governo
anterior. Esta regra de (irado&M ja uma tra
di_o nacionat: e a Araeii a nao igaora que le-
ramos ate o sacriGcio a fl telida2a a nossos pactos
internar.ionaes.
a Devo, em embargo, (iser-vos que o ebegado
o momesto de pdrtermo is questoes aebre liraites
qae ainda tomos pen leal s com as uacsaas visi-
uhas. Jaforaw cllaa diiem das loraioowneate pos
altimos annos, e o' terreno ?e aa^a nreparatJo para
soluc5e3 definiuvas. Pens) qua o mesmo prposi
Co aoima aos governos <.*.' qbelks povos i o,
porqae a cantinua
lntrodazT f eceios,
a aproveitar-se da opportunidade para levar avail
te o seu procediraenio Jo compieta iudependencia
da lueilaprovincia.
Espalhara-sa o boato da que a canhoneira I'm-
guay e o vapor Pavoa se tinham passado paraos
revoltosos.
Como testamento politico do seu governo o pre-
sidcutc Sarmiento publicou em data de It o seguin-
le decreto :
Aft l. Todos os general s, chafes e offlciaes
da nacao quo to ma ram parte na rebel'.iao aroiada
conira as autoridades consiituiJas, e os que ate
esta uala se nao livorem apreseulado, .-era; consi
derados como desertores do exercilo nacional, e
coma la -s nscados da li.-ia militar, pcrdendo todos
os direitos eiseogoas adquiridos e Ucaudo suja.tos
em todo o tempo a accad de um conselho de goer
ra que os julgara.
Art. i'O commandaote geral las armas en
viara ao minislro da guerra a lisla nominal do to-
dos os art'gos coaipronenJidos no artigo auleca-
den to.
t Art. 3. Comrauniqae-se, pablique-se e de-se
ao registro naciou.il. Sarmieah. .W. de ijuinza.t
No dia IG rebentou em Bueucs-Ayres um forte
tempo'al, que reconscrvou Iwnlt-m todo o diae
augiiieiilou a none causaudo prejuizos eaonnes.
Sossobraram varies navio', send) o mais irapor
tante o vapor Jo guerra argentino Pmnpa, que se
achava em frente ao molha das Calaliaas, a qua
garrou soriam 10 boras da manba.
P.Tles telegraphicas, hontem mesmo recebidas,
mis annuueiam aue o commanJaoiie o o l." macbi-
uista do I'umpa foram presos no quartel do Retiro,
par haverem suspeilas do nao torero cimprido o
seu di-ver na occasiao d > sinistro. Vai abnr se in
querito e respouderao a conselho de guerra.
Ja se sabe que viraram tarabem os palhabr.tes
argenliuos Florid* Mentor, Maria Luiza, jJUuiia
Adelaide e Cutaltna.
Perdoram-se tambern muitas embarcagoes pa
qoenas.
Sabe so ja que, alem dos grandes prcjuizo3 ma-
leriaes, ha perda de algumas vidas.
A baroa araericana Hats Harding, garrou.
Em frente doestaleiro de La Tojo, garrou tara-
bem o pontao Dumas.
0 palhaboie Juti foi lovado pela correnlo ate
a restiuga ao Cerro, e^taodo complelamente perdi-
do em Picdras Blancas.
Estes ultimo* desastres tiveram lug r ante-hon-
tem a no.te era que a lampeslade redobrou da fu-
ria, nao se sabendo ainda qua novos males causa-
ria era Buenos Ayres.
Em terra, houve alguns prejuizos. tahio, por
excmplo, umacasa, qua se achava em construe-
Bao, a os bonds foram iotercepiados pelas chuvas,
a hora que o povo sauia dos theatros. Na calls
del Rio-Negro, desabou grande parte do ediGcio,
que se estava levantando para esiacao da liana
ferrea central
Ha por muitos outros portos avarias da pejaeoa
monta.
0 riocontinda agiiadissimo.
Por decreto do hontem foi dada a demissao do
consul oneatal era Buenos-Ayres, ao Sr. Mitre y
Vedia. senlo nomealo em substituicao D. Emilio
Rodriguez.
Parece que a politica nao foi estranha a esta
mudanca consular. Talvez qua no proprio noire
de consul demittido csteja a chave do enigma.
Hoje deva principiar aqui na caraara dos depu-
lados a discussao do or<;ameuto de despeza.
Corriaem Montevideo, a ultima hora, qae Arre-
dondo achavarse viola leguas da capital, a qae Rt-
v.i, tcudo travado combate com Luiz Campos, o
derrotara completamente.
No ^stado-Oriontal fOra approvaloo parecer da
commisiao especial, propondo diversas reducjoes
no orcamenlo.
Tinham rennaciado seus lugares os deputados
Drs. Lapldo e Blanco; foram chamados os respec
tivos supplenies.
Pedira exoneracSo de sea cargo o chefe de po-
licia da capital Henrique Pereda, sendosnbslitaido
pelo tenente coronel Eagenio Fonda.
Fora tambam eionerad) o- consul oriental n3j
Republica Argentina, Mitre y Vedia.
Dizia-se quo o vapor Montevideo fora comprado
pelos revoltosos, que o flestinavam para deposito
de carvao.
PtlWicara-se na colonia uma refutagSo ao ma
nifestode Sarmiento: sua redacclo era attribuida
ao general Mitre.
Annanciando a chc,a la de S. Exc, lit o mesmo
jorn.il : ,
:0>afor>ne era esporadi chq_BO-*csu capita.1
a Sr. ministr.) da jn-tiga conseUieira ^laaoal An-
tautb Daaria de Azavedo.
b .Vs dnas horas a um quitoT'ttblh S.Exo.
a ostaQao da Luz onde WreaebiJo a cuia*
por muitos amigos, a'.em da demons-
que Ihe fo ipreparada.
n Na estacio havia grande nuraero da pessoas,
entre homoas a senhora*, indo estas ao encootro
da faiu Jia di S. Exc.
< Acorapanhado por seas amigos eadonrado
res, aeguiaoSr. uiiaistro a pe aid a casa de sua
resideucia ao largo do Cirmo, disponsando o pi-
qaale da cavjlaria qua devia acoaapaanal o.
t Chegado.a casa foi Uie orfereefco por algous
a.nigos ua iauto baaqaete, ao que nos c-nista,
oiile Ji versos e calorosM briades foram dirigidos
a passoa do intelligent; estadista brasilairo qae
sera duvida tem coucorrido para dim nuir a forca
da contralitacao dos nagocios public os no pan,
cjflparaodo para a erea;io da unn tribunal de re-
la^o nesta provincia.
. Dasde que S. Exc. chegou a estacao ate tar-
miuar-se o oanqueta, *ubio ao ar granda numero
<_. _jnio!o da fogaetes.
o jPs 8 e meia boras da niita appareceu o Sr.
couselheiro no ttieatro, aonda assitlio a uma pe-
quena pane do especiaculo, sendo a sua chegada
ao camuota saudado corn o hymno naciraal.
Cousta-nos qua o Sr. minislro da justica da-
mofur-so ha algum Uinpo nesti capital.
< i'.i.i)jruaoiutara. s a S. Exc
0 Diirlo de S. Paulo, orgao con^ervador, deu
ooaiaso(is;jpllntes linbas da recupgia do illus-
ire i.iiuistru :
C tgou a esla capital o lixai. Sr. mmistro da
jilsli.a, eonselaeiro Duar.e de Azavedt, com sua
'y.xni.. umiha.
A sua recepcao foi a Uadu;. ioo Gel e exacta
das svuipalbias, Jo quoo rodeiam quautos o co-
iWieaaui cou; particular, o raais ainda da gratidao
que taai dotyortalo o seu zela iafaligavel nos na-
gocios pubheos, a essa actividade intelligeale que
o eucaminaa de servioo em scr?i<}>, dedadicasao
em dodieacao, a bem da oiusa do pragresio-do
paiz.
As paixoes polilicas calaram S3 ante a prasen-
ca daqueile, que lam esquecido de qua segue uma
politica para solenbrar-se de ijua deve-sa a pa
iris.
A capiul pagou cmi saa bella e esplendida
manifestagao a bomcuagem do leconhociraanto de
quo Ihe b devediira a provincia, qua lam tao bn
ihantemeute representado.
UniraiB-se todos em-am sentiment)so-homen?
de. to:o6 os credos politics, horaeos alhoioi as
luUs, naeionaes e estraageiros ; a mesmo idea
os imoeilia a essa saulacao oaisoaa.
vate uil> essa axpressao unanirae da appro-
vacao com quo a provincia metnara a agradece os
acios do seu rapresaaUuto, uma da BOM maw
Iuzente3 glorias.
E vale muito essa voz daquslles que lam colhi
do afrueio de sau devuiaraaato, quando applaude
o e raaaiiaa-lbfl o rigot para novos esforeps.
Quando vollar a twnar de novo aanAa do seu
posto de bowa, levara o Exm, Sr. mmistro da
iustica essa inequivoca prata deque nao tem sido
astenl o sou afm, e da qae nao lani-se dasvelad..
por uma r*.wmaia iagrata. E; em maio ae novas
lutas quo as paixues polilicas nao deixarao Je
ergui-r como obstaculos aseustrabalhs-, essa lem-
bran--.a aucjmentara a pajanQi na hora do enlhu-
-:.- ia e su=tentj|-a-ha oas boras dodesanimo.
As It horas a 20 minutos partio para o alto da
serra am trem especial, coodurindo Ss. Exes. 0s
Srs. presidenta da provineia B chafe de policia.
manes amigos a parenies do Sr. coaselhetfo Duar
le, e a baada de umsioa da Eaterpe ; chegando este
tram ao alto da serra, sabio pouco lepois o qn*
condazla S. Exc.
For simples, mas jrandiosa pelo3 sanlimentos
qae expriraia, a mamfastacio trocada ahi antra S.
Exc.e OS innumeros amigos queo foram asperar:
vi-ivalaimta commovidj), o Sr. eonselheiro Duar-
le abrac/ja a todos com e.-sa cordiahdade que o
cara-n'isa. __,
Seguiram cnlao para estaao da Luz, onie uhe-
garam as 2 boras e 13 miautos, fazendo as honras
deridas a 5. Exc. a guarda e um piquete de caval-
laria, alfi postados para esse Bm.
E:i todas as estacoes da linha subirara ao ar
granda quantidada do gyrandolas. iatermediadas
da salvas de bateria e de borabas fulminantes col-
locadas.nostrilhos; a estacao da Laz achava-se
elegaotemeate adornada de baodeiras e arcos de
mum. .
Siodignos dos maioras encomios o supennten
denla la estraia da ferro, o Sr. U. M. tox, o chefo
do Uafago, o Sr. Araujo Costa, e o respectivo en
ganhMi-o, pelo modo Docouo se assocmram a e*?a
nan'!fcsta<;ao geral. O.Sr. superintende ita Fox le
vou o sea cavalheirismo ao paste 4e conduzir da
Santos o trem em qua-tinha S. Exe., senio o qua
levava ao alto da serra o Sr presidente da provia
cia e mais amigos dirigido pelos S:s. \raajo Co-ti
e engenheiro da com anhia
A-) lesemharcar na esUgao da Luz, foi S. Exc.
recebi.*> por extraorJinaria raultidao quo prema
va-se no recinto e fora da esta.io, notando so
avaltado nuraero de amigos qae o aguardavam alh,
bem como os educandos arUfices umformi-alos a
as raeninas do serainario Gloria, que, vestidas da
br .eco a conduiidas pelas direcloras e mestras
as irmas da S. Jos6, o recaberam debaixo de uma
chuva de flores.
Resolveado S. E d.-ne;a, bi acompanhado de numerosos amigos e
povo, sendo na passagem saudado por senhoras
me das janellas graciosamente ihe atiravam Jlores.
Ao chegur a casa, reprodaziram-se as maniiesta
c5es, snbindo ao ar novas gyrandolas a salvando a
artilberia qua se achava no largo do Carmo. ^a
porla da residencia de S. Exc. estava postada uma
guarda de honra, qae faz as devidas connnencias,
e ao saguio a banda de musica da socidade Lyra
Pmlistana, queospontaneamente concorrera aqueJ
ia festa. ,. .
A'* 5 horas foi servido um dahcalo e profnso
ianur, olferecido a S. Exc. pelo presidente da pro-
vinab, o Ioal prolongou se ate as 8 horas da norte,
com oranda anima?ao e eothusiasmo.
F"izeram-se diversos briodes acorapaahados de
lindos e eloquenies discursos; deatreelles de.-uca-
remos 03 saguintes: _____
Bos Sr?. eonselheiro Martim Fraoeiseoa Dr. pre-
sid-m!e ;1a proviaora ao *r conselaeiro Daarie;
Do Sr. PauloB_.dk) ao mesmo; .
Do Sr. conselHelro *batt* pfotmcia de b.
Paul representada pelo seu dizoo presidentei ;
Do masrao a. ir. eoasethe.ro Marhaa iranmsco,
como representaiw da cacgregaeao da facul
DoSr. eonselheiro Martira Francisco a Exraa.
familia do Sr. eonselheiro Duarle;
Do Sr. Dr. Dutra R'jdrigues ao sr
3amas'mo aoSr. Dr. presidente da provioeia ;
uo mesmo ao Sr. Dr. chefe de policia ;
Do Sr- coronal Paulo DoLGno, em, norae da itn
pron'sa da provincia, ao Sr. coaselueiro Wjfi
como jornalisla, consuramado parlamentar e ais
tincto esudista; __ -_ Ani
Ro Sr. Dr. president* da provincia ao Sr. com-
meodador Felix Coutinno; _fcIlS _.,,
Do Sr eonselheiro Duarle ao Sr. Dr. Paulo fcg5
dio, como representante da asserob'.ea provin
cial ; .
Dv maseao a camara municipal da capital repre-
sentada nas pesaoas dos Srs. Dr. Ernesto Marian-
brigadeiro GuimarJes, tenentes-coroueis Bento
eonselheiro
O Sr. eomsellaelro Duarle de Ase-
vedu
Cum as honrosaa de noostracSes de apreQo qae
a imprensa de S. Paulo tem mereddo o nosso oii-
tiacto am'go e illustro mimstro, 'egistramos aqui
com prazer os testemunhos de respeito e alia con-
jideracao qua a S. Exc. tem sido tributados por
varias classes a cidadaos dos inns Mtamente col-
locados.
a riea e adianiada provincia oto podia deixar
da sau Jar no ministro da justica am fllho illustre
c cldadfto emioente qua fez direito, por qaalitiea-
dos seivir;js, por seu selo infatigavel n'alta admi-
nistragao, e por saperiores dates deespiriio. a li-
gufar na priiaeira lila dog homens notaveis do
sea paiz
0 Correio Pauiislatto, orgao das ideas radicaes,
destiaou a viagem de S. Exc. as aegamtes linhas:
c Deva hoje ehegar a esta capital o Exm. Sr.
eonselheiro Manoel xntonio Daarie de Azevedo.
k Qi 88I1S amigos praparam ihe, ao que nos
consta, brilhaoie recepeao.
* Gomquauio defendainos principios e dooiri-
nas radicatatenta oppostas as one S. Exc. professsa.
bao podemes deixar da confessar qaeoSr. con-
it Iheiro Duarle de Azevedo ( um brasileiro muito
distineto, e qae, bo alto posto que occupa, reaes
services tem prestado a provineia de S. Paolo,
nomeadamente pelo raafto que concorreu para a
inuacao dest^ C"Hr0Ver3ias lende 3 cre''v*<> da rela^ao, servico em pel" 10s1 P-
!eio, antipat lias Pa desconGan^as' viocia Ihe deva sor agralceida. i
coramendador Canli-
DO,
Jose Arves Pereira a Brags,
nhoeDr. Panlo Eydio;
Do mesmo ao Sr. eonselheiro Ramalho ;
Do Sr. Dr. Paalo Egydio ao Sr. Dr. presidente
da provincia ;
Do mesmo ao Sr. oorone! Paulo Del lino ;
Do Sr. coaselheiro Martim Francisco ao Sr. Dr.
Joao Mositeiro;
Desteao mesmo Sr. eonselheiro ;
Da Sr. Dr. Datra Rodrigaes as senhoras pre-
aaajfjtoo *
Do Sr. oonselheiro Duarte ao Sr. bario de Tres
Rios ;
Do mesmo ao Sr. barao da Silva Gameiro,
Do Sr. Dr. Dutra ao Sr. Dr. Trigo de Lou
Do Sr. Dr. Paulo Egydio ao Sr. coronal Bollo-
Do. Sr. Dr. Datra ao Sr. Dr. Rego rreitas ;
Do Sr. eoa^eibeiro Dnarte ao Sr. brigadeiro Car
nairo Leao; < .
Do 8r. Dr. Paolo Egydio ao Sr. coionol Gabriel
Caotinho;
D* Sr. Dr. Joao Mon'.ciro ao Sr. eecretario da
policia;
Deste ao Sr. eonselheiro Duarle;
DoSr. conseRjeiro Duarte ao Sf. Fox, sopenn-
landenje da estrada de ferro^ d ao Sr. Araujo Cos-
ta, chefe do trafego;
Best., por si o pelo Sr. fox (ausebsW, ao gover-
no-do oaiz, tao dignamante representado pelo il-
lustre Sr. eonselheiro Duarta de Asevedo;
Do Sr. Dr. -Joao MoM.ro *o Sr. Dr. Joao Theo-
rloro Reicbert;
D.Sr. consolUatro Duarte ao Sr. Dr. chefo de
p.lieia; f
Do me-ma ao Sr. commenJad,or Sa Rochi;
Do Sr eonselheiro Martim Francisco ao'Sf. Dr.
Dulraltilrigues.
Terninatido c m o brinla daboara lcvan'.ado a
S. M. o Imperador pelo Sr. oonsaiheiro Doarta.
Findo o jantar, dirigio-se S- Exc. pars o iheatro
Provisorio a assistir ao ospectaculo para qua fora
convidado, sendo ainda ahi muito fastejado ,-r
seus amigos.
Assim terminaram as festas com qua a capital
brilhaateraente acolhea o illustre minislro la Jcs
tica.
Por nossa parte e com toda a effusao qae fell
citamos a 3. Exc. pela justa e espleadila mani-
festaijao de apreco do quo foi objecto.
No dia immediate, li, escroveu o mesmo
jornal :
t Era a noticia qae hontem paWleamo* sobre
as festas feital par occasiio da chegada do Exm.
Sr. eonselheiro Duarle de Azevedo, iuaorremos
em falta qae' nos apressanjos em rectificar, nao
s'6 por dover da .jnstf$a, eomo tambam porque
omitlimos o name de alguns dislinctos > iv,ila ir ,<.
que graciosamente conorreram para o maior
brilhaotismo daquellas festas
0 jantar foi olferecido pelo Exm. Sr. presiden-
te da provincia a mais alguns membros quo qai
zeram dar uraa prova de sympathia, apre;a a
consileracao em qua teem o Exm. coaselheiro, 03
quaes sao os seguintes : Monseahor Joaqaim Ma
noel GoncalvoJ de Andrade, eonselheiro Vicente
1'iros da Motta, con*elheiro Joaquim Ignacio Ra-
malho, b irao le Tres Rios, barfu la Silva Gamai-
ro, comraendidor 5a Rocha, Dr. Clementa Faleae
de Sauza Filho, coramendador Joaquim Fernandas
Cintinho, tenente-coronel Benlo Jose Alves Pe.
reir, Dr. Antmio Pinto do Rego Freitas, Dr-
Francisco Aurelio de Souza Carvalho Dr. Theo
doro deSraza Carvalho, Dr. Theodora Raxherl,
capiiao Antonio Bernardo Qaartim.
Conorreram lambem para o melhor resaHado
possival das feslejos o Sr. eogenheiro fiscal Dr.
Manlonca, providaaciindo iutelligantemaala nas
allribuicSas a seu cargo, a o Sr. capita) ajudanie
da ordens, Antonio Rodrigues Vellosa Piinenta
qua esmerou se no dasempanho das co:a:nis:o;s
de que foi encarragado, com aqatlla avadiaacao
quo todos Ihe reconhecam.
No mesmo dia escreve o Diario de S. Paulo :
S. Exc. o Sr. eonselheiro Duarte do Azevalo
foi hontem cainpiraentaJo pa'.as seguiutes com
missoos :
c Da camara municipal e thesouro provincial,
semia esta represeatada pelo respeetivo iaapeetor
a mais emprega-los ; proferiolo nasta occasiio
um dlscurso o Sr. Dr. Victorino Caetano id Urito,
procurador Gscal do mesmo thesouro ; coinmaa-
danla e ollleiaes do 2 bataibao da guards nacio-
nat ; major e olQciaes da campauhia da aava lar:a
da inha, a offlaialidada do corpo policial.
Eatreat o mas-no jornal no dia 15 :
c Contioaaram hontem as manifesta;Oes de
aprc.) e considerapao f m que ?; tida o Extn. jr.
cousei'ia.ro Daarlo de Azevedo.
t A coogregacSo dos lentes da facullalo de
direito desta capital resolveu, por uoauimidaJe da
otos, sob propo-t. do Sr. Dr. Dutra RiJrigue?,
euviarlhe uma commisslo para felicitalo par sua
chegada.
A commissao, composla dos Srs. conselheiros
Ramalhae Martim Francisco a do Sr. Dura B-v
drigues, dirigio so hontem a presenca do Exm. Sr.
eonselheiro Duarte de Azevedo, profennlo o Sr.
conselneiro Ramalho a seguiute sauda^ao :
c Rim. e Exm. Sr. A congregacao das lentes
da faculdade de direilo de S. Paulo nos envia em
commissao para, em seu aome, felicit iriaos a V.
Exc. por sua prospera chegada a capital dasta
provincia
o Faltaria a congregacao ao seu dever para
cam um dos seus membros awia p oomiuentes,
por sua alta IllnHiawlOi relevantes saraeaa ntesta-
dos ao paiz e ao magisterio, sa nao manilastisso
sulemnemente, ne-ta occasiao opporluua, a censi-
deragao qua tributa a pessoa de V. Exc.
a A commissao, interprete fiel do pensamaata
da congregacao, qua sempre soube devidamente
aauilatar o robusto talento o valiosos seeftc s
presudos as leiras por V. Exc, cumpre com a
maior sati'facao am dever que exige o reconho-
eimento da verdade, e os seuiimeuios de adnesao
e sympathia que manteem as carporacoes em
todas as classes da sociedade, e espera que V. Exc.
aceite benigno esta demonstracao de mnito apreco
e consideracio em que a faculdade de direito de
S. Paulo torn a pe-ioa de V. Exc
c 0 Exm. Sr. ministro da justica re.-pondeu uos
segointes lermos : .
t Senhores. Agradecendo a felicitacao que |
se digna dirigirme a congregacao dos lentes 4a
faculda.de de direito de S. Paulo, por minha che
gada a esla capital, desvanefo-me com a idea de
que tambern perten.ia essa nobre corporacao.
A tal circum>tancia, que me aitraho a sym-
pathia dos collegas, nao ao mou poaco mere^i-
mento, nem aos pequeuos servigos que hei pras
tado ao paiz, devo a honra qne mo faz a dout.
congregacio da faculdade de direito, incumbindo-
vos da larefa, que com tanta delicadeza acabais
do desempenhar.
o Esla honra e accrescentada pelo meu sabio
mesire e amigo, o decano da faculdade do direito,
que, encarreganio se de dirigirme a pa'avra
com expressoes de obsequio, raostra que guardou
sempre no seu eoraeab gonerosj o affecto eon
que tratava aos seus discipulos.
c Peco vos, senhores, que a illuslrada congr?
gaeao dos lentes da faculdade de direilo deis tes-
tostemunho do meu profundo recouhecimento.
Os empregados e lypographo3 da_nossa offi-
cina eoviaram hontem uma coramlssSa de seus
membros ao Sr. conselheiio [Duarte de Aze-
vedo, como ao antigo c constaate redactor deste
lornal, para felicitar a S. Exc. era nome da
impreosa, de que elle foi representante, e da clas-
se oporaria, que o nobre ministro alliviou das ve-
xames da gaarda nacional, que tanto a conslran
giam no servico quotidiano.
0 Sr. eonselheiro Duarte de AzeveJo, abra$ando
eoramovido os membros da commissio, mosiroo
sa muito agradecido a mamfo.-tacae que Ihe faziam
os seus compnuhetros de trabalhoda imprensa.
Alem destas coramissSes foram tambern hon-
tem comprimentar aS. Bxe. o seereUno e-em-
pregados da secretaria do governo ; o director ge-
ral e empregados da instruccao publica, e o seere-
larto e mais empregados da secretaria da policia,
fazenlo o digoo secretario uma breve, porem. elo-
eaenie allacuiSo, tornanlo salientes os serviQos
prestados a daese pelo nobre Sr naim9tra, a es-
pecialmente a reparUcao da poiicia desta cidade,
qne seaeha agora oe-fe ae deoeada qae ara para
cse)awe. "* '
f S. Bac. ebeio de wcenhecioaento, a_radeoeu
estes maaifestacoes.
I>e Diamo de 16 : ,_'! _
" Alguns amigos do Sr. eoBselheiro amarte de
Azevedo reaairam-se hootem, a6 boras da tar-
de, no saUo da Coacordia Paulistana, para deli-
berarem sobre o meio pratico de darem ao mesreo
Sr. eonselheiro uma raanifestacao de apreco.
" Presidio a reuniiO o Sr. desembargador '.a
viao, sendo para isso unanimemente acclamado.
" Diversos cavalheiros toraaram a palavra e
debateram largameote a idia, ma todos no senti-
do deelavarem o mais possivel a pretendida raa-
nifestacao. '
" Afinal accardarara em sar olferecido a 6. E-::.
um baiie e uma prenda do miis subido valor, nas
fercas da subeeripcao quo se devia promover.
^-Prevaieceu a idea re ser a prouda auia
escrivaniaha torn lodas as suas pertencas.
" Mssou a reudiaa a nomear uaa eommis*io
para premover a snbsorjpcao, eacarregar-sa d
bail-' eoaaprar a proa da a.u deva ser oBereej.
da, Gcando a mesma commissao coroposu dos are.,
desembargador Gaviao, coronel R.dovalho, barao
da Silva (faftalro/Dr. Prattas e major flsraedieto
A. da Silva. ___. _______i
" hrteteda* idea de priaeipiar a seibeeMp^o
pelos cavalheiros preseotes, as assigoattiras ele#a:
ram-se logo a Giaco contos da tcis.
" Sendo tao* numerosos como sio os araigaeaa
S. Exc, certaraeole a subsertpoto ? etasaaa-
grabde somma & a manifestaeao de qne se trsta
seraesplendida e compativel com a distiaecao de
qoe 6 merecedor o Sr. oonselbeiro Duarte de
Azevedo." _
Depois das transeripcoes qne ahi Beam, a au
foma esta habllittda a juizar, com pleso conhe-
citneolo de causa, se torn puro caraeler offleial as
manifestacoes com que o 8r. Duarte de Aaaredo
'tem sido honjado pur seus cemprevincianos, ou,
se, esporitaneas e hontoslsajimas, devsm deixar ou
nao ao espiFito do ilUutro paulista a mais grata
e duradoura impreseao.
(.\fao.)
' aaM^Maa)aap^eaMMsaB.i^>a)Bjj
'ileiro Ctiwii e irg.fi Av>nama. trazem'.o data'
to Kin Ja 1'iatV 17, Ju Rio Grande d 6a\ II,
rtca
DURIOD PERMiMBUij
RECIFE, 27 DE OUTUBRO DB t87V
\otioiuM do anl do itnperlo
Ghegarain hoptem pela manbS os rapcres br:
il
MinaeGeraes 18, flo S. Paulo 17," do Rio ds Janei-
ro *). da Bahia li c de MaeauS K do corrente.
A!e-n do <|iie J.unos sob aa rutiritas IiUeriir <
Recista Diana, tw;outramos nos joroaes o que -
goe :
HEP" 3L1CAS DO PAaFKO.
Tiaba chegado, a Lima, via Jo d Europ\, o S:.
Stock**, encarragado .iaeoll.*a_w do cabo te-<-
grapbieo eutra Pana nae Paito.
Em breve, poie, as'.e gfaade melhoramento bra
cart toda a America do Sal.
No dia 26, a meia noile, sentio-se em S. Thiaev
do Chile um tremor de terra. Nao teve desaslro-
sas oonsequencias.
Dave saber-se ahi, qua hi tempos, o intendeni'
de Santiago do Chile. D. Beujamin Vienne Maken-
na, concebeu a idea Je represenur a fra-ermdad.'
dsrepublicas am ricanas, por meio da esculpurs.
adornanio com estataas eotoaaaaa, um aaasaaa pu
blico, representand'i cada uma dellas a capital ds
cada um Ja jueilcs t.-tados.
Fni ni dia 18 J. m passado, qae se iaangu
ron a primeira, a de Caracas, capital de Ven'"
zueU.
Nasse mesmo dia, deia inangurar-se a estatu-.
repra:eutando Bueaos Ayras: mas nao succ- !e
assim, por am facto realmente estranho.
Quando deu a bora para ler princi Jo a cercoK.-
nia, observoa-sa qae n.io e.-fava presaate aaaasasa
d s argeniinos c.uvidad)s para a aalejjalaaaaa.
Nem o minislro pienipoiauciario o Sr. Fria. nem
o Sr. Serralaa, <>ncarregado direct.inienlrt P'la me
nieipalidtle de Baanos Ayres para a represei
naquella fasts, ne:n se |oer o secratario da saga;*
argentina ahi se achava I
Tmham se ralirado todo? Ja cilade !
Pole julgar-se a imprest, des gralaval ji-
este facto causon entre o povo qua assistia a sa- .
leraaidade. Reave um estrecimaato geral de ir
digna^in, e o deseerramento dae.-talua ficou ad;a-
do. -
Julga-se que a q nttao de limit's peni-ote en
tre as republicas Ciilena e Argentina foi a easa
Jesia manifesiacV\ qae Bar si vala a anlilli>e d
inagnanuna Idea Jo Sr. Mack-ana, qua iJi-alisar.
a paz, o amor, a lr'ernidaie I
A camara ds deputados ehilena liaava ii-cuun
do a lei s>bre pspal sellalo e c mtr;buicaa .'
recia.
A Rislori gaohon no Cnile 100:003*90 >, hvr^-
de (lespetas, em vn>:e reprasenlaco*, da um doc
iner.to para aiiestar a prosiwridada a lasjaeaa da-
quolla repnblica, e tambern o sau am ..- pela art<-.
o qua e prova eviJanle, inconlroversa do eu pr -
gresso.
no D.V PRAT A.
A agencia tekgraahica amoricana re:eb?u
os scguintss despachoj :
< Montevideo tC. -As noticias que hoje aqm re-
tillOisWI de Buanos-Ayres, d;io aquella cidada ee
inai >r estado de agita .io, pelos rec-ios d^ quo sjsaa
parfs das forcas quo a" defendc ?e pasa-se para
r-lidies. Cousiiv.i qae as ha*eae rebel i a*, em
maOdaaaa por Arreilmdo, Itivas e Itorges e ba.-
viam reuui lo dfbaix > da diret-^i) d > general Mi
'..-'>, para ell'ectuareiu a sua marcha .-obre a cid*
Ja. Diz-se tamtam que a vapor de guerra /'"
a a canhoneira L'rajnsatj se ptaaaaasa para os la-
beldes. O novo governo ti-m chamaJo as aisaa
lodos os naaioaaas e nuVivca reinunera^ao aaa es
'.rangeiros qua se queiraro alistar. A'gums aui-
ridades do exercit i tem pedilo a sua demissao. i
ministro da guerra amea.m Iszer passar a filei: i
aqueiles olflciaes qna se racusarera a cumpnr com
o sea dever, defenJenJo o govern-) legal. Ouln-
me-bdas de rigor tem si Io lomada-. O ultim > d-
cret) assignado pelo ex-presidente Sarmiento. rra-
da riscar do quadro o exercilo todos os ehefts '
ofiioiaes qua town Mnssslo parle na revolucao, mao-
dando sujeilal-os a um con?elho de guerra. O go-
verno deita republica roeebeu uma intiinac*> |ssra
nao conseoiir nos preparatives que aqui eslao U-
zenJo os eomroissariis da revolucio. Estes ja
corapraram mais o vapor UonteoMa e team ten-
acquisicao de armas e canhoos. Chegaram lianUi.
doai vasos da esqr.adra brasileira ; as eo.vti.
Vital de Olveira e lielmontr. H >j> eatrou da Hi'
o vapor francoz Gironde. N >s uliiioos dias sab>
ram para o Brasil 40,100 qu nUes da xarque
para a Havana G.tOJ quintaes. Ficam embarean-
da tbl. 10U quinlaas, soado 8i,500 para o llrasil *
5fto_90 para a Havana. As ultimas veudas f ifam
realisadas a 48 raster. >
17.As noticias qne recebemos esta tard-> d--
Buenos-Ayres, dizem que o general Mitre se aeb'.-
va ja a frente de lado o exercito rebeLie. I^re
que Sarmiento sera oomeado commandaate d-
forcas qua defandem a cidade. Constava que Mrs
com este proposilo quo o govern > naaii measa
gem que tinha publicado, havia praposio o ex-pr.
sidente da confeJerar;ao para o poslo de geoer*'
Diogo Alvear foi noraeado para represeounle da r-
publica juuto aos governos da lngla'ena e lti.
Oatros decretos teem sido publica Jos a-eiland >
demissao de vanos fuocciouarios a escolnenda ."'
Iros para os sutftiituir. 0 coronel Py (oi aaaaaaJ
".oramandanta da esqaadra. Di >go Lafoenta tot e -
colhido para substiiair o capitio do porto de Bm
nas Ayres. Para eommandaole da ilha d- Martim
Sarcia, foi nomeado Bustillos. I'm dos eraigi a i
qae veio hontem do Buenos-Ayras, coaia qua a
lor-;as rennidas no ponto estralegio de Moroo i
nhaia demonstrado a iaten.ao da reunir-se aos re
beldes, logo que olios so approximassem da cidade.
0 goveuio, ten Jo pouca contianca nos ofBciacs, t -
nh mandado iransferir algnos delies para S. Vi-
cente. Continuavam as pnsdes dos individaos c--
nhecidos como miiristas. Aqui cnegaram hoje at-
gons expatriados, eatre tiles P.aoson. Os commis-
sarios da revolucao inaSant de grandes wmo.-
para a acquisi^ao de todos os recarsos qua lacai
comprado. Esperase aqal o ex-muiistro Tejed"-
qua, segundo so diz, vera eacarregad. da um i rai-
sao' especial junto ao governo dasta rapubir >.
Coasta qao pedio passagem a bordo de um aav
de guerra brasileiro. a
Em 30 do mez findo escreveram do depart-
manto do Cerro '-argo :
Os gados desie departamsnto estao, como o
to raras vezes aeontece neste tempo, tem al esia-i
de magreaa, qua por isso teem roorndo muito*
Ha qaera diga que a peste tem tambam feit >
mui'.as victimas, mas geralmente a niawreza a *
causa de tanta raortandade.
u Os campos estao bem empaslados; tem cbavi-
do maito neste met, o qae lara meliiarar um pou-
ca tempo o estado do gado.
0 tempo vai agora um tanla fresco, mas is-
nlo obstara qua engordem.
.1 Dizem qae em todo o Estado Oriental a ma -
groza do gado e mnito grande, e qae so mais lard,
isto t, de favereiro em dunte, comecarao as sr p..-
a abaitecarem os mercados de PeloUs, MoaUvide...
etc. O* fasaodeiros coaUm ja com precos ir atad
res para os primeiros gados, de 30 a 10* par ca-
beca I
mo eaawH t>o asjt.
Era Pelotas, segundo refere o Diario, o Sr. 1*'
Bento de Campos foi casualtnente ferido no dia K
com an tiro de revolver, por sen genro Antoa-
Amaro da Silveira, re-peitavel xarqneador daqae'-
la lidade,
Felizniente a bala foi exlrahida no mesmo dia
o it. Jose Beato ?e aeha fora de perigo.
Escreveram do Jaguarao coajmunicando qua f -
ra cobardemente apniibatsdo v cotnmissarie do 4- -
partamentode Taqoarerabo, Bonifacio Tapado, p-;
om individuo de nome Cornelio Amarillo, que sk>i>-
evaiir-se. Os ferimentos sao consideradoa gra* -
stmes.
I,ese na Revista de a. Gaonel:
Para gloria da policia brasileira sabe-se quo
os salteadores de D. Fedrito, passando a frouleii x
para o Estado Oriental, foram alii completaroeoie
debar.dados pelo chefe polite, on cou>a qae o ra-
Iha, do Taquarambo, raorrer.Jo Wes dos saRaad .
rs' e dispersanda-se o rcalo. Se elles pader^i
repassar a linha virao reorganisar-se a sombra da
impnn)dade de que poran aqui o crime e os cn-
minosas.
Constava qae havia sido fanJo mortalraentc na<
pemtas do Arroio Halo o capilao Manoel Rodrigiip
do Macedo, vulgarmentc cochacido pelo appelh>-
uliSo.
Di;. o Diario do Rio-Grande : .
* Na correspondeocia de Rage para o Diana av
Pelotas, !e se o segainte : _--, t,,
< Segundo noticias qne tiva do ^^en^*'
uaquelle maoiapio aucada a qaadnlba ***;
dos que lanloTal causou am divwaosi logns -
tanto panico espalhou aos hawuntes da Mp
^ A policia encontroa os malovolos sobre asa
cerco de ararae, oade matou dous. pegon traa* o
rohto qae era mais tres, sa escapoa, passaadaaar*
?SrfDw,elo os^mmiiciplo. tt
^ToSffi-iio se i.note ootra qradrdba com o res-
to oue'Y'i d^ersado, como 6 do presamir, pa *
ZmfacrbKw e se- iaottm em ^ueo teapo. -
6 iff.
-- Datas ate 12 de seteaikn.:.
Na scerelaria do governo tiuha-ae proeadMa aa
men-eamen^ l-1 toda a pr x;nei3, dando *

'" '
f
\
>\


*
>
.
1
\

capital
no
gauiie iv"
liflTSt
do hoine
' fora maito'festejada aa
da oom indeoeadeaci*.
IWtecerno o aoneao Vicsote Jbs#V*ira, natural
da provfoeia b Mttto Grosso, s o eapillo Francis
c4ote de llaeroe.
S. PAULO.
No dia 16 do corrente eliegara a capital o
Sr. eoode d'foi, acompanha do do Sr. crada da
Barral; fji de Petropolis, percorreado algumas lo-
ealidades do norte da provincia. Devia seguic a
17 para Caiapinas, com direcgao a Sorocab*. Sui
alleza fo: hwpedado em palicio, e foi recebiJo, a
uma legua de disuocia, polos presidente, iniaiitro
dajastiga e chafe de poltcia.
A variola eontiauiva a lavr.^r com intansi-
dade en S. Rojue e Sorocabj, sendo extraordina-
rios os estragos causados.
, A iliCidade Ue Ca npiaas de 12 da a seguin
U noticia :
a Uur.en, pelas 8 haras da noita, desabou to-
tajaaeate a archibancada do circo eqijeslre impro
visado a TvU D.rcita, esquiua da rua Formosa.
Corca de mil pessoas foram precipitadas em vio
leota queda, nao liaveado, que nos cousie, a la
inantar raorte alguma Sabemos, porem, qua ea
tie o graude numero de pe.ioi3 contusas ba al-
guraas gravjmeate feridas. A confasao e terror
que succejera aa desabaaieato, n.u deu lagar a
qua so padosse avoriguar i> carlo o naraero da
maltratados,
0 Sr. conselheiro Djarta da Azevedo, mi-
nistro di jastico, tmha sido recebiJo na capital
com a*_maiores demonstracoas de edima e de eoa-
sideracab. 0 presidente da proviacia offorecara-
Ihe Qin jautar, a que assisliram as pessoas mais
gradas da cidade, e, a noite, a compaabia dra-
matica dera um espectaeulo no theairo em ap-
plauso a chegada de S. Exc.
As divvrsas rapariicoes pablicas e outras cor
pora-oas, eqtre as qrnes a faculdada de direito,
tiutiara enviado conimissoes para ca nprimenta
'rein o mesmo Sr. courelbeiro. Brevemeole dar-
se-bia am esplendiiu aaile, sand) Ihe nassa ocea-
siaa olTarecida uma rica escrivaaiuha de prata. Os
.orgaoisadores dest festa assigaarara como come
;o de subic.-ipcao, oa reuni&o em que resolvaram
essa deannstragio da apre.o, qjanlia maior de
eiuoo cantos da reij.
No dia II, tinham silo ea-'erradas as aulas
da faculdade da d'rei'o. Os actos daveni coraecar
no dia 26.
Fora entregne em uma das salas da teal-
dole, no dia 13, ao Dr. Francisco Justino Gon-
calves de Atilrade o retrato que o corpo acaJe-
m:co randa-a fazer para Ihej ser offerecido. Fi-
zaram distawoj aualogos ao ?.?lo, os lentes con-
seihwros Mar in Francisco o Dr. Looneio de Car-
nlho, e o ; ;al.'.ni;o Frds la Cruz, em nome de
s'eus collaga-;.
as reuias proviaciaes arrecadalas nos ulti-
nns da? aoncH fiaanceiros foram :
1861 a 1831, t,8:33i#i: 186 a 18GJ,
l,030:3oo407i; I8t3 a I86i, 9J8 8i8/i8i ; 18Gi
a 1865, 1.30):0J')JO.)5 ; 1865 a 1855,..........
1,173:381*0)0; 1856 a 1867, Ii)j::j3l3908 ; 1867
a 1863, l,W?:857*928 ; 1863 a IS57,________
2,085.-086*6!3; 1869 a 1S70, 1,0)3:113 ;861 :
1870 a 1871, 1,120:097^613.
Di: o Gjiis'ltucimil de 10 i>. mejna loeali-
d.idc :
B)Btom, psroccasiSo de se ooaclair o Iravi'
'torito e cobort) de forro J) graade edificio do
guomitro, foi polo gcreale Ja i-.apreza, o Sr. co-
ronal Joaquim Qiiriuo, offerecido um copo d'agaa
aos trabalhad res que sc a-'havam e.nprega
doa na-sc importante surv,';). Trocaram-se ea.
ta) eothusIasUcos brial;?, sealo saudados os
trabahadtfes polo mosiiio Sr. coronal Quiriao, e
este pir s?Hes; bam assim os Srs. eagonheiro Nor-
nnthoa, e Alfredo Asuelles, fjra.n di mosma mi
Ddira ardsa-temBUta saoJados.
Constooos .jua a empreza eavida os mai3
tmergi;o< ssforgos, e lodasui vig rosa doli:agso,
{ara maugurar a illamiaacaj ao fun do correnle
aaso.
**
^!
OhiM P FmMtMui*f I* ffef(ja 4*M' 2f tf^'^tt^i^ &> m*
fcl flaia rlova ornahtsacao a' secrcliria da eslido
^soegooios do iiiiperio, aqoal floou assim coas-
I'luii-:
FOi eata repariicjio dividida em tras directorial
ioJapeodoaiwealre si, e immttdlafamento subor-
diaadas ao miuUiro.
A diredona IraWa do una e relitiVo a as-
semblia geral, asetelcSe's, a aireet9fia (faral'cle
etatistica a ao reiulro civil; a hygiene e soo-
corros publicos ; as atiributcSes e compatencia do
coosclbo da estadb, das asjembloas proviaciaes,
ios presideales de uroviacia e das camaras muni-
cipaas ; e a oulrof asiumptos especiflcado3 no re-
golamento.
Fica ex^roendo d, lugar de director o conselheiro
Fau?to Augb^o da Agnlar.
Foi nomeado fib-director o bacharel Manoel
Jesuino Ferreira, official da secretarra.
A z*1 directoria iratara do que for attinebte a
insirucfao public; e aos negocios eccleslasticos.
Para o lugar da lirector foi nomeado o Dr. Joa-
qnim la de Camm>s da Costa de Medeiros e Al-
buquerqua, chefe de seccao da reparti;ao de es-
tati-tica, a para o i e sub direc or o Dr. Domingos.
Jacy Uontairo, 1 c iflcial da secretaria.
A' 3* director a il carlo pertencenlo os negooios
da easa imperial, ; s mere is bonoriflcas e pecu-
niarias, as naturaliiacoa*, a ineorporacao de so-
cledades e approvagao de seuseita'utos, a orgini-
sacSo do orcameoti geral, a coatabilidade do mi-
nislerio do imperic e as desapropriacdes por uti-
lidade publica.
Para o lagar do director foi nomeado o bacha-
rel Joao Pedro Carralbo de Monies, chefe de sec-
5S0 da secretaria 1 >e-ostado dos negocios estran
feiros, e para 0 di! sub-director, 0 bicharel Joao
aveacio Ferreira d 3 Agaiar.
Em vez das dua classas da primeiros e segnn
Jos offlciaes creou se uma so classe de officiaei,
qua ficou composta dos Drs. Joaquim Pinto Netto
Machali, Eugenio \ugusio de Vfraoda Monteiro
de Barros, Arlidofi Augusto Xavier Pioheiro, Ni-
colao Mid03i, Joao 'arnandes Valdex, Pedro Gue-
des de Carvalho, (lalduino Imo Coelho, Candido
Augusto CoeHio da Rocha, Dr. Luis de Almeida
da Araajo Givalcan i e 0 bienarel Joao Franklin
da Silvaira Tavora.
A classe dos am tnuensas fiem composta de
Gailherme Kodrigai s de M .ura, Jose ftibeiro Sar-
raeato Juaior, Aotoaio Ferreira Dias, Hoaorio Luiz
Vieira Souto, an oak Felizardo Cupertino do
Amaral e Joaquim Qorgus Caraeiro.
Foi extincta a classe dos praticantes.
Ficaram addidos os chefes da secgio Joaquim
Xorbarto da Souza t Sil 7* e Joao Baptista Caloge-
ras, 0 2" offl;ial Manoel Jos6 de Camp^a Porto, 0
amaauenso Duarte ose de Puga Garcia e 0 con-
tiauo Fraacisco Hi;!ki> de Azevedo Foaceca.
Foram aposeatadi sol" official Luiz Jose Mar-
tias Rocha, e os ataaueoscs Joao Daniel Duane
da Cuaha e Jose Mtria Ramos de Almeida.
Por decretos 1 e 14 do corrente :
Cmceleu-se ao b-igadeiro Jos6. de Miraada da
Siiva Reis, a ex^nerigao que pedio do commando
das armis da provi nia de Matto Gresso.
Foram nomeadoj:
Director do arsan; I de guerra da proviacia da
Bahia, 0 mijordoorpo da estado maior da arli-
ihiria Felieio Paes \io -.iro.
Capellao teneota id corpo ecelosiastieo do ex-
-mm
corpo
ercito 0 padre Fraijcisco dc Paula Araujo Lo-
bato.
Concedeu-se refoima ao teaente aggre
iJiz 0 At emu
E' do prosumir
to dimio'ula no
ibres, qu daviam
bram aealiumn ou
que a cilneiU do cafe saji
anno qua vem, visto qua as
ter apparesida em sstambro,
muito poucas, a assim os Srs.
fazenlairos dovem tratar do plantar outros gene-
103 para aao librarem se aao excederem a racaita
-om a despes.a. t,
Em Santos reunira.m-se 6a diractores da praja
.1. eoinnercio e elegsram os Srs. : commendador
.\ico!io Vergueiro, presiJeale ; RarSo da EnbartJ,
vice-pre3idea'.e ; Or. Coebraao, sacretario; e Azu
reoi Costa, theaoareiro.
Nocia 0 Diario de Santos :
f Aeha-se oeste porto 0 i>albabJte amaricaco
A. W. Smith, que trazenlo aiversos goaeros para
. ita praca, Umbam torn a so a b)rdo c vai de3-
i:arregar 13 lagobs para coalacijao do aterro
do leito da e traia da ferro do airle, que, tenio
ileligar esta proviacia a do Rio da Janeiro, per-
'.-orread) aait area da 45 legaas, mais oa ma-
aos, atrave-l-.nlo algamas cidades a e 0 poato da
Cachoeira,Ji|ae ligi a de !). Pedro II, abranga
Lao ; cjmo a vi-ta m gai'in uo soberba rio Parahyba ;
js eacarregal)5 da dir3c;a.i e reme33i de todos
M materiaas sao os commerciantea desta praca os
Srs. Duiley Miller S; Kenowe's.
Fallecera, id capital, D. Francisca Amalia da
Araajo Sacel), viava dj brigadeiro Fraacijco &i
i'.iu'a Macelo. Tiohi 74 ainoj de idile, e era
-.ainra geralnanto estimada ;);las suas virtudes.
Do Cer.stitucional dc Cainpioas trauscreve-
., :s o seguinta :
* Em terras da fazeada ii > Sr. M. Ferreira Zim-
I :es, a legua e meia desta c.dadc, 0 a 300 metros
da estacao da B;a-Vista, ua i.alia ferraa do Oa;te,
foram descobertai pelo ioleiligenle Sr Sampson,
einpreileiro da 1' aeccio d-juclla estrada, duas
j icas e cxler.sas minas, uma das pedras vulgar-
ir.ante conliecldas com 0 uoma de lag s de Iiii, e
Ira de pedras de ferro.
<( Ja foram ambas cuidid saraento cxaminadas
s eogeabeiros Drs. Lobo e Si, esomo-: iafor
idos qui com muitj favoravol proauaciamento.
A conviie do proyrk-tarij fomos ao lugar, e,
u.i ira Qio eepeciaiista, aos possuimos de ver-
Madeira admirai;a a prazer, ao reconhecer que
Tiieontramos em 0 nosso prcprio muaxipio, e em
tao cominoilas condi;oes de transporta para esta
i ide, aquillo ijue a troco de iuaumeras difilcul
l-orlaodo do.-i municipios visiahos.
- c As ciiamadas lages de lift estao apenas des-
c.bertas na cannda superior, mas pessoas qua ja
irabalharam nas pedrciras do Sr. Mesquita, em
t ii, a^scvt'rim qua as do Sr. Zimbrcs sao lie em
i a do iguaes; e aisim e iuii.iliva a vaatagem que
- la descoberta crea para a aossa cidade, facili-
;ando-lhe 0 embellezamento, sem oaero-os dispea-
d;os, ao mesmo tempo que e mais uma foota de
readaa augmentar a import:.a:ia do muaicipio.
: 1 As peJras de ferro, qaaato a no3sa incompe-
l^acia nos permitte jalgar, ;.lem da parecerera
da melhor qualidade, estao acamadas em condi-
Cues muito vaalajnsas, pois estendem-se em sen-
t'Jo vertical, enifolhas da uma a seis pollegada.s
do espessuri, e adlieriudo umas as cutras sem
<:lueao de oatiauiJale do seotido longitudinal,
da modo que se pode cbter lages de maior ou ma
Dr dimensao, conforme a pressao da alavanca,
ifitroduzida nas fulhas, abranger maior oa man r
.-pa;o, dacdo se assim a laga a dimansio de.o
1 da.
Alem disso a exlrac<>) 3e torna facilima, por
i~o meemo que a9 camadas correm, como ja ilis-
seoiae, em sentido vertical, sobre 0 solo ; ao
t isso qne 39 lages 'de Itii >e estendem, como se
|j', em seatido horisontal, ao que por cerxo dif-
I salts a desk cacao ; sjbrelevando ootar que as
is que tralamos acham se quasi a flor da terra.
Vimos ao ponto chamados da Jacaba grades
i-.uralb.as-era alguns booiros, constraidas cotb
essas pedraj, e nao so nos pareceu, como os tra-
I llhadores nos asseveraram. que ellas se preitam
optimamen'e a taes construscSes, como lambem
,;ra 0 calgament) de roas, tastadaj e oatres mis-
teres. Informam-nos qae 03 Srs Drs. Lobo e Sa
as eonsideraram de tao aoroveitavbis prestiroos,
I j: declararam ao digoo proprietarie, que efie
ncm coabecia 0 que possuia, visto que sao ellas
da facil entraccao, dunssiioa em coosutencia, e
I reaiin-se perfeilaraeato a liga. do ciineito i
evaL
*oAssim, pois, ceflbaci las como estao as supo-
rioras qualidades das duas iedreiras, e a eilrema
laeibdftde de soa extraccjio e conduc^io, aprovai-
-a'i> a tofi-ns as edifica^oas e melboramaotos da
liostticktide,. om uma cjDidefi.vel reducsiada
Ea, & evidoate qua s^oiimos 0 maior prazer,
ado uma tao impoiti.aie e proveilosa dej-
1, maxims quanJo a ,-iua freitta se acha ua
naKlUceate e iucaasavel amigo do progresso, cesi-
niado entrs n6s ha muitos annos, onefe da uma
ausnrou farailia, e verdadeiro amigo do muui-
1 vio, ao qual tern coajagraio a sua existeacia e
;!os, 1 al e 0 Sr. U. Fefreira Zimlves.i
RIO M JANEIRO.
Pelo decreio n. 5,859, de 6 de junbo ultimo,
arma da cavallaria
rederico Rodrigaes de
0 a
on
que
bntinuar no servigo, e decoa-
formilade com a prineira parto do 1 do art. 9
veira V-reza, visto soffrer molestia iocuravel
0 torna iniapaz do c
da lei 0. 6i8, de 18
Foram concedilas
da proviacia de M;ii
do agosto de 1832
ao capitao da guarda nacional
)-Gro990, Jose Pinto Gornes,
as honras do posto ( e capitao do cxercito, em at-
t'>D(.io aos bons ser\
proviacia, durantea
Por portariu
Da 10, tambem do corrente, maodou se
icos qua prestou na referida
campanha do Paraguay.
ficar
em effoito a do 11 cje agosto proximo finio, pela
quel foi nomeado Cuiillo Antonio dos Santos para
0 lugar de ajudanto do pe
a de apreadizes artifice3 do
provincia do Para.
servir inlerinamenlo
dagogo da compauh
arsenal do guerra ii
Da 12:
Coucedeu-se ao tdoente-cor-mel do corpo de es
tado-maior de artilliaria Francisco da Costa Rego
Monteiro a exonera$
rector da colonia mi litar do Itapura.
Foram concedidos
ven:imento?, ao pro
d) curso preparatory
CarK.s da Oliveira G
Porteiro e fiel de
tar da corte 0 alferei
de Sergipe
Manoel da Silva Ro?
De IS : Foi transf
lhao ie infantaria, 0
it Brito.
Consta-nos qu
doira de Mello, offlc
0 que pedio do lugar de di-
dous meres de licenfa, sem
essor da aula de porluguez
da escola militar Antonio
liimaraes, para tratar do d>
goci6s de sea interesse, e no gozo da qual devera
entrar depois de com luidos os exames dos alum-
nas do dito curso.
Foi transferido do
a compaabia da ir|
p-
batalhao de Infantaria para
esma arma da proviacia do
Piaubyo alferes gnduadoJoi) Migoel M^ndes.
De 13. foram noneados :
ardamento do hospital rnili-
hon rario do exercito Eloy
.Martins dos Santos lacomo.
Ajud inte de orde is da presidencia da provincia
0 capital do 16 batalhao de infantaria
Junior,
trida do 12 pira 0 it bata-
alferes Jose Ignacio Xavier
1 0 bacharel Jeronymo Ban-
al da directoria geral da es-
talistica, foi noraeadb para 0 lugar de chefe de
seccao, e 0 amanuen ie Joao Evangelista de \e-
Filho e 0 bacharel Luiz*IIen-
npo-, para os lugares de of-
ulo da barao da Souza Qaei-
grandeza, ao senador Fran-
greiros Sayao Lobat'
rique Pereira Je Ca
ficiaes.
Por despaino de ii do corrente
Fez se merc6 do ti
roz, com as honras d
Cisco Antonio de Soi za Qaeiroz.
Foram nomeados
Director da acaderiia imperial das Bellas-Artes
0 conselheiro Antoiii Nicolao Tolentino :
Inspector de sadd > pablica da provincia da Ba-
hia 0 Dr. Luiz Alvans dos Santos.
Lento da caleira da pathol jgia externa da fa-
culdada da medicina da Bahia 0 oppositor da sec-
gao das sciencias cii urf(ica3 da mesma faculdade
0 Dr. Domingos Carl 8 da Silva ;
Vica-presidenle da provincia do Piauhy 0 coro-
nel Manoel Igoaco le Araujo Costa, para servir
em segundo lugar.
0 tenente-corotel Jos6 Francisco de Miranda
Filho, para servir en 4.", passando 0 4.* vice pre-
sidente, teaeate-joro lei Augusto di Cunha Cas-
tillo Branco, para sarvir em terceiro lugar.
Ordcm de S. Benxo de Act's.Cavalleiros: os
capitaes da arma de infantaria Joio Pedro Xavier
da Camara, do 3." bat ilhao ; Jeronymo Fernandes
da Silva do 19 e Fr ,nk!in Topinamba Marimbon
do da Triudada, do K.' ; 0 cipitao do 2. batalhao
de arlilbana a re 'raucisco de Paula Pereira
Fortes, e 0 aggregado a mesma armada Segismuo-
do Cicero de Alencar Araripe.
Ordem de Notso BenAor Jesus Chri*to.C*vn-
Ibeiro : 0 conego Fr, ncisco Marques de Almeida,
parocho collado da regaezia de S. Francisco das
Clugas, da cidade da iirra, na provincia da Bahia,
pel is relevantes ser icos prestados ao estado e a
religiao.
Foi permiltido qui, sem embargo do lapso de
tempo, se passe ao D Caadido de Azeredo Coati-
r.li >, carta dc conmenlador da ordem da Rosa,
de que teve raerci p ir decreto de 2 de dezembro
de 1834.
Foi coaceJido ao bi gadeiro Jose de Miraada da
Silva Rais, a exoneiacao qne pedio do cargo de
presideate da provineii da Matto-Grosso.
Foram naturalisad s os subditos porluguezes
Aatooio Joaquim .Penirade Seixas, Manoel Ferraz
Tbeod ro Marjal da S ilva ; e os subditos inglexes
David Petterebadwiel, Jose Uakar e John Has-
lam.
Por decretos d ii lo corrente :
Foram removidos, a pedido, os jukes muuici-
paes e de orpbao? :
Bacharel Joao Lo[es de Agaiar Silva Muritiba
do termo de Saquaiema, n* proviacia do Rio
de Janeiro, para o da capital da provincia das Ala
g6.s.
Bacharel Tbeotonit Raymnudo de Brito, dos
lernios reanidos de (achoeira e Mansaras para 0
de Soure, todus na pi iviocia do Para.
Fjram nomeac.os uizes municipaes e de or-
pbaos :
Bacharel Beroardim 1 de Senna Costa Feitosa, do
termo de Bag6, na irovinern da S. Pedro do Rio
Grande do Sab
P.aGharel Joao Polyi arpo dos Santos Campos, do
termo de Aleoqae, na proviacia do Para.
Foram reconduzido 1 no lugar dejuiz municipal
e de orphios :
Bacharel JoJo Gonalves de O'iveira, do termo
da Mogy-mirifla, iu pi jvincia de >. P*ulo.
1 Bacharel Mane el A nes Jacoma Fires, do (ermo
de AguafPreu, oikprsiuoeia ia Ptmsutoazj.
Bacharel Francitc* Xavier dos Rais Luboa, do
termo do Code, a.\ proviacia do Maranhio.
D-oi desigaado0 i. asalbaa dtfreservada guar-
da nacional da provide** de Peroambuco,. para a
elle ser aggregado < major commandanteda 1."
\
socjao do bliiJM)" de reser\1i da' Vroititefa'do
Jjlia Graude dbKrorlB, Affonso de Fatrfa d> Albu-
(luer^u-J Maranha >.
Foi leformado a.pedido :
Evansto A^ftliJ Lcfpes de" Sroja. major aju-
daata de ordeas' ao cftmraando superior da"c3pi 81
aa'tilrOvin'cia do Fara, no posto.de teneote-co-
Fec-se merfci*to'*erventia vltalicla dos r/fflcTos
para qae forafn provisoriamente nomeadds pelo
^ue fofam provisoriamente nomeados pelo res-
pectivo presideate,:
A Faustina de. Castro Morelrt, dos de tabelliao
Sescrivao de Ofrffljbs do termo (ft S! Francisco,
a proviacia do Maranbau.
A Joio Barbosa Ferreira Sampaio, dos de ta-
belliao e escrivJo das executes'ctvels 0 crimes e
de capellas e residuos do termo de Iiapicun'i mi-
rim, na mesma provincia.
Por decreto de 14 do corrente, foi nomeado
2*ctrnrgiao do corpo de saiide da armada 0 Dr.
Manoel Carneiro Botelbo de Mattos Guerra.
Por decreto da mesma data foi cuntedida
ao 2.* teaente Antonio Augusto da Costa Lacerda
a demissao que pedio do servi;o da armada
Por decreto de 14 do corrente foi cencedida
a Joao Carlos de Almeida e Albuquerque a apo-
sentadoria qua petuo ta lagan* do tbesoureiro da
alfandega da capital da provincia da Parahyba.
Por decretos de igual data toram nomea-
dos :
Carlos Augusto de Almeida para 0 lngar de
thesoureiro da alfandega da capital da provincia
da Parahyba e Raymuodo Nonato da Silva Athay-
de para 0 lagar de thesoureiro da thesouraria de
Mi nas Geraes.
Por titulos de 13 do corrente -foram habilitados
para exercer as funccdes de .agrimensores Sebas-
tiao Edmondo Von Saporsky e Augusto Heerem.
Foram copcedilas licencas :
A Vicente Ferreira da Silva, administrador do
patrimonio da Nossa Senhora da Lapa da fregtie-
zia do Pilar, proviacia de Peraarnbuco, para afo-
rar a Jo.-e Ignacio Moreira, ou a quem mais der, a
propriedado denominada Grumatad, sita na pro
vincia do Rio Grande do Norte.
Da tres mezos com ordenado, ao juiz de direito
da comarca da Barra do Rio Negro, oa provincia
do Amazony, bacharel Felippe lion oato daCunha
KenJoea.
Prorogou-se :
Por dous uiezes, com ordenado, a eoocedida ao
juiz municipal e de orphios do termo de Cuyte,
na provincia da Parabyba, bacharel Frederico I'e-
regrino Carneiro Monteiro.
Por tre3 mazes, tambem com ordenado, a do
iuiz municipal e de orpbaos do termo de Nos sa
Seahora da Coacoic,iio do Arroyo, na do Rio Gran-
de do Sul, bacharel Joao. Joaquim Ramos e Silva.
Por quatro mazes, com ordenado, a com qne se
acba 0 juiz de direito da comarca do Rio Parana,
na proviacia de Goyaz, bacharel Francisco Ma-
chado Pedrosa.
0 total apurado, na dircctoua geraide esta-
tistioa, at6 17 do correilte, era dc 8,695:679 habi
tantas em todo 0 imptrio.
Lemos no Jornal do CommSrcio .'
"_0s Srs. cende de Ipanema, visconde fle Maua,
baroes de Aalarah* e de Mesquita e outro3 capi
til stas e negociaotes desta praM, pediran pordao.
a S. M. 0 Irr,peralor em favor do coronal Jose joa n
da Cunha Telles, Condemnadi a am anno de pri.
sao com traballtn, por crime de bin^a-rota. "
" 0 paiuete City of Pekin, pertenceote a Paci-
fic M lit Steanship Co e destinado a navegar.ao
cntre a Chiaa e S. Francisco da Cilifomh para 0
tran=por!e de coolies, entrou hontem era nosso
p*rto com 21 dias de viagam de Nova-York.
" E' comrnandado por S. P. Griffin e vem to
mar carvao, devealo seguir para S. Fraacisci peb
Estrcito de Mjgalhae3.
" 0 seu comprimento total e de 423 pes a a lar-
gura de 48 pes e 9 pollegadas; a tonelagem de
registro e de 3,080 tonelidas, calaodocarregado 20
a 24 06s d'agua ; o diamotro da helice e de 20 p(5s
e 3 poliegadas; a forca das machinas e 2,230 ea-
vaflos.
" Tendo sido construido nos estateiroa de Ches-
ter, n) Pensylvania, tem accommidicoes p^ra 13Q
passageins de re e 1,800 de prdi.
" Traz 20 passageiros de re ,e 1,470 [onaladas
da carga.
" 0 vapur franccz Strreno, da companhia fJear-
geurs Heunis. qne sahio ante h ntem (13) 33 3 bo-
ras da tardo para a Europa, encalhou as 7 p meia
horas da noite na Ponta da Galheta, das Hhas de
Marica, e momcatos depois estava com 0 coavez
cheio d'agna.
" Acudir :rn logo varios pSscaiores nas sua<
lanchas e onoas, osqua-'s conseiiuiram, ni) ~em
bastanta diificuldade. saivar tolas as yc-su*! quo
se achavara a bordo, levaodo as para terra.
" Um desses Pescadores, de nome Joao'Feman
des, morador no Cajii, sahio da ilha na madruga-
da da mesma noile e veio Inzer aos Srs. J. P
Martin, Pittee & C, consigoatario3 da reforida
companhia, um bilhete escripto a lapis, em quo 0
Sr. Tnomas, comraandanta do Moreno, narrava 0
occorrido.
" Os ditos consignatarios providanciaram logo
para que os rebocadores Pocifico e Gamo seguis-
sem sem demora para 0 lugar do sinistro, afim de
prestarem os soccorros possiveis c trazerem os
passageiro' e tripolantes do vapor naufragado.
" As 4 horas da tarde de hontem regressarara
03-rebocadores, vindo no Gamo 0 cominaodante
Thomas e os nove passageiros do vapor.
" A tripoia;5o ficou na iiha.
" Tenio declara-lo 0 Sr. Thomas que lanto 0
casco como 0 carregsmentodo Moreno se acham
completamente perdidn, segue hoje para alii a
canhoneira franceza Forbin, bvanlo 0 agente
consular de Franca nesta cidade eo commandant*
do Moreno, que vao lavrar 0 termo tie abandono
do vapor.
" No seu regresso a Furbin trara a tripolacio.
" A capilania do porto tinha mandado sa'hir
hontem 0 transporte Bonifacio ; ran a vista das
declaragoes do c immanlanle do vapor naufraga-
do, fleou esta sahida adiada para hoje.
" 0 Sr. Thomas n4o 3e cansa de elogiar 0 pro-
cedimento dos Pescadores.
" Em quanto eslivemos a bordo, diz elle,
nao ponparam esforijos para saivar nos, e era terra
abrigaram-aos em sua" palho^as e pozeram a nos-
sa dieposicao tud. quant) possuiam, e que bem
pouco era Um defies, principalmente, que salvou
uma senhora com um seu Clho de menor idade,
deu provas de inexcedivel dedicagao. "
t A bordo do Cotnpaxi, cntrado de Liverpool
no dia 16, veio o distincto'geologo am ricano .Sr.
Charles Frederico Hartt, lente da uaivcrsidale de
Cornell, que pretende fazer uma excursao scienti-
fica nas provincias de S. Paulo e Mraas Graes.
1 Traz em saa companhia, como aiulantc, dous
engenheiros americanos e 0 bras leiro Elias P. P.
Jordao, que acaba da concluir os seasestudos ,na
referida universidade, raostrando serapre muito
talento e applicagao. >
t Reuniram-so hontem (13) em assemblea ge-
ral 60 accionistas do Banco do Srasil, representan-
do 17,106 ac<;6es, para.deliberarem sobre 0 pare-
eer da commissao de exame de contas e proceder
a eleii;So de um membro para o conselho direc-
tor.
c Posto em discussao 0 parecer foi unanime-
meate approvado.
1 Procedendo-se ao sorteio para ser desigaado
igual 0 membro do conselho dantre os tres que
contavam igual antiguidade, que iinlia de ser subs-
tituido, recabio a sorte no Sr. visconde de To-
cantins.
a Em seguida feita a chamada para se proceder
a eleiijio do novo membro para 0 conselho, foram
reeolhidas a uraa 37 cedalas represeotaado 197
votos,' cuja apuraclo deu 0 seguinte resulta-
do:
Dr. Manoel Marques de Sa 122 votos
Militao Maximo de, Souza 68
Dr. Francisco Belisario S. Souza 7
1 Foi proclaraado membro do conselho 0 Sr.
Dr. Manoel Marques de Sa. 0
0 Sr. George Earl Church, presideate da com-
panhia da estrada de ferro, de Madeira ao Mamo-
rS, telegraphou de Londres em 13 do corrente, as
2 horas e 53 rainutos da tarde, a am negociante
desta praca, a seguinte noticia :
A quesiao suseitada entre a companhia da es-
trada de ferro do Madeira ao Mamore, e a Public
Works Constructions Company, relaiivamento ao
deposito de 660,000 feito por aquella companhia
para a construc;ao da estrada, foi amigavel e mu-
luamente rasolviJa, desislindo as paries da accao
j u d iciar ia qne- havtam in ten ta d 1.
a As obras da estrada vio em breve comectf e
ea pouc* t-rapo fieara concluida esta importante1
linha ferrea estrategica e eoeaiDerciaL
I A alfandega da cdrte artefadou de. 1 a 19 do
corrente 2jWt;384*38.
I -r Eis as neUciaa, commerciaes da uliiaaa
dU:
t 0 mexcadQ. ,d> camhio caoser-voo/sei. q> mee-
mo estado"de sabhjado, notaodo-ia ainda ejCiisez
da letcas paiticulare's. '^
< EHectuaram se traasaccOea rejgjafes sobre
Londres a 26'til d. panel baucario epeauoaas- a
26 9i 16 e 26 5|8 d. parlftalar.
Nade se fez em sfflterVWte.
a As apulices geraes Se 6%, liveram peqaeno
mdtmeate,'a 1:040* a dioheiro.
) nTercadu de ac.5es apenas se aegociaram
Bads- lbles das do Banco do Brasil a 231$ a
dirinTOOj
As veddas de cafe foram regulares e a; de as
sucarpequenas para connmo.
Fretou-se umntvio para carregar cafe, com
destino a Cape Towu e Port Elizabeth, a iOO por
inleiro. **ii
BUn\.
A corvata brasileira Vital de Olioeira flton
a 19 do corrent) para 0 Rio de Janeiro, alira de
entrar no dique para revlitar 0 (undo.
Foi nomeado promotor pufclico de Alfcobaca,
OBaeharel Benign) Tavares de Oliveira.
Pelo vapor inglez Boyne vao ser remettldos
para Paris 060 kilogrammes de amethlsta.
-- No dia 20. is 2 hbras da tarde, eoilocou-se
a ultima pega do mouumbnto erigido pelo corpo
commercial, na Praca de Riaebuelo, em odmme-
moracao dos nossos feftos d'armas na campanna pa-
raguaya. 0 aeto foi effoctaado em presence do pre
sidente e algnns membro9 da Associagio 0)mmer
dal, e presenciado pjr grrnde coueurso de
povo.
. TT-A *lfan te 142:101*186.
ALACOAS.
f" J1 depntado provincial obteve maioriade
votos 0 Sr. Dr. Leile Oiticica, nos oollegios, Palmei-
ra, Peoedo, Anadie, Caruripe, AlagosU e S. Mi
(fuel.
toram removidos: 0 baoharel Jovino Antero
de Lerqueira Maia, da prjmotona de Camaragibe
para a de Penedo, e 0 bacharel Joio Marinho Car-
neiro de Albuqaerque, derta promotoria para
aquella.
REVISTA DIARIA.
Jury do Recife. Comparecendo hontem
39 juizes de facto, ficou 0 conselho de sentenca
assim composto : Dr. Jose Austrege3ilo Rodrignes
Lima, Sabino Jose de Almeida, Antonio Gorae3 Ta-
vares, Rodrigo Jacome Martins Pereira, Carlos Pin-
to de Leioos, Dr. Alexandre Jose da Costa Valeu-
te, Simplieio da Cruz Ribeiro, Tuomaz de Figne:-
rddo, Jos6 Alves Barbosa Janior, Manoel 3os Saa-
tos Araujo Mello, Dr. Henrique de Athayde Lobo
M)scoso, Antonio Jose da Silva Brasil.
Entrou era julgameato 0 reo Joao Luiz Neporau-
ceno, pronunciado no art. 193 do cobgo criminal;
tendo por advogado 0 Dr. Antonio Justino de Sou-
za, f ii absolvido. 0 Exm. Sr. desembargador pre
silente do Jury appelhu para 0 tribunal da rela-
cao.
ingf Unto medico. No pago da camara
muuicipar do Recife, inaugurou se essa utilissima
aisociaclo a0 dia 2o do corrente.
A'3 l21ioras da maahi, prusentes muitos socios
do in;Iituto, os Exuls. Srs. presideate e comraan-
dante das annas da provincia, e gfande numero de
pessoas, das mais gradas da capital, teve comejo
5 ado, proferindo 0 Sr. Dr. Cosine do Sa Pereira,
ua qualidade de seu prosidente, um eloiuetlte dis-
curso com 0 qual loruou patenle, os fins do" in3ti
tuto medico. Em seguila conbe. a palavra ao Sr.
Dr. Malaijuias A. Gougalves, relator da commissao
de redaccao, 0 qual proceleu a leitura do relatorio
dos trabalhos bavfdos durante 0 corrente anuo aca-
demico.
Seudo coaceJila a palavra a quem mais quizes-
so usar della, oraram os telatores de commissoes
ie assecia^Sai, que alii se fizeram represantar.
a's 3 boras da tarde encerrou-se a sessio.
Jury de Isjuarassii.Sob a presidencia
do respectivo juiz de direito funccvonou esse tribu-
nal nos dias 20 a 23 do orrente, quasi que sem
iulerrupgao, para 0 julgamsnto das pessoas com-
pliiidas uo crime do Eogenho d'Agua, dessa co-
marca, no principio do corrente anno.
Depoi3 dos respectivo* debates pr6 e ontra, lei-
tura do prooess-i, e audiencia de diversas testemu-
uhas, em vista Jas respostas do conselho jnlgalor
foram aosolvidos: por unaaimidade de votos os
reos Jos6 Chacoo, Americo Chacon, Levino Qha;on,
Custodio Mauoel Theodore, Alpieri, Jose Poppe,
Joao Francisco e os escravos Luiz e J >-'; Congo ;
e por maioria do votos Coroelio de tal, Bernardiuo,
e 0 escravo Virgoliuo.
0 Dr. juiz dc direito appellou da d -cisao para 0
tribunal da rela;ao, qaaato is absolvigoes da Jose
Chacon.e coroelio ; seudo. apezar itio, solto em
cuutiacuii o pnmeiro, pjr ter sido a absotvii;au_iJui
ainmmi Jade.
Wsivio encaliaado. A's 4 boras da ma-
nha da doimugo (25 do correotc) eacalbou na pon-
ta de Senr-amby, ao sul do porto de Galliuhas, 0
brigue inglez Dundee, perteaceate a praga do Yar-
mouth, na Nova Escossia, do qual 6 commandante
William K. Moore. Esse navio ia da Bahia para a
Europa, com carregamento de pao Brasil, jacaran-
da e outras madeiras. 0 lugar em que encalhou
e perigoso, por ter pouco fuado e esse mesmo de
pedras
Apenas conston aqui 0 sinistro, seguirara para
0 local as lauehas da alfandega e da praticagem da
baira, indo nesta 0 Sr. ajudaote do pratico mor.
Para a Uuropa. Com 0 recebidos em aos-
so porto, levon 0 vapor Aconcagua 7i passageiros.
Ksporlacao tie eiscravos. 0 vapor
Ceard trouxe "do norte 3'J escravos, e recebeu em
uosso porto 91, que prefazem 0 numero da 130.
0- desta provincia pagaram de imposto 9:100 >.
Dintaelro 0 Vapor Ceard levou de nossa
pra;a para :
Maceid 1:900^000
Rio de Janeiro 147:520^000
sendo desta p ireeila 140:0304 para 0 thesouro na-
cional.
ttocicdade Propagadora da Ins*
trurrsto Publica. -Na proxima quinta-feira,
pelas 6 horas da tarde, continu.ra a assemblea
gerrnl de sa associa;ao na discussao da reforms de
seus eslatutos; a rua de Pedro AffODSO 11. 29.
Para ahi sao convocados todos os associados.
'i'ransrersencia. A Imperial Sociedade
dos Artistas Mechaoicos e Liberacs tramferio sua
scde para 0 2' an Jar do predio n. 63 da rua da
Imperatriz, e continuam a ser nos dias de 3a feira
as sessoes ordioarias dessa associafio.
Kxposicao provincial. Sexta-feira ul-
tima, 23 do corrente, reuniram-se os membros da
commissao de exposicao de Pernambuco, era ses-
sao ordinaria, sob a presidencia do Exm. Sr. Dr.
Nasciraento Poilelra, comparecendo os Srs. Barao
do Livramanto, Dr. Rufino de Almeida, Dr. Lobo
Moscozo, Carlos Mulbert e Felippe de Kigaeiroa.
Resolveu a commissio subdividir por parochias
as comm'usoes muniaipae3,.e organisou aquellas
pela segiinte forma :'
S. Frei Pedro G.n^alccs, do Recife.
Os Srs. :
J.nqnim Lopes Machado
Francisco Romano Stepple da Silva.
Jose da Silva Loyo^Jonior.
Jo.-e Vellozo Soares.
Joao Carlos Bastes de Oliveira.
Sanfo Antonio, do Recife.
Os Srs. :
Manoel Antonio Viegas,
Joao da Cuaha Soares Ouiraarae3.
Joaquim Olintho Bastos.
Manoel Goncalves Agra.
Francisco da Silva Rego.
S. Jose, do Recife.
Os Srs.:
Jose Luiz de Souza.
Juvencio Aureliano da Cunha Cesar.
Vicente Alves Machado.
Pedro Ratis da Silva.
Amaro Jose dos Prazeres.
Boa-Vista, do Recife.
Os Srs. :
Thomaz Carneiro da Cunha.
Joaquim Dias dos Santos.
Francisco Tjnacio P nto.
Antonio Leonidas Durville Silva.
Rufino Manoel da Cruz Cousseiro.
Graca, da Capunga.
Os Srs.:
fLrtk Gowjaives da Silva.
'Dr. Bento Jose da Costa.
Joao Ramos.
Luiz Jose da Silva Goimaraes.
Francisco Carlos da Silw*- Fragozo.
Samo>, do Poco.
St>s. :
lot* Onmingues Codeceira.
Jose Frauetsco do Rego.
iFranclsee Marcalino do Amaral.
lAntomo-da Rocba Accioli Llns.
Antonio Jose Silva do Brasil.
Pz*> frAfwA*.
Os Srs. :
ntonio ValenUovda^Silva Baitoca.
iarao de Naza/flJU.
larmino do Rego Barros.
'ranclsco Carnairo Ma.cKada Rios.
ose Lucio Llns.
*G
Suribfca.
Os Srs. :
Jbfce' thermal Plres Sarftaffo Pcrtella.
[Augusto de Sa e Albuquerque.
JcsS Caetauo de Albuquerque.
Dr. Joaqnhft'Etvlrie de Moraes CartsRm.
Manoel Carneiro Leao Junior.
Santo Amaro de Jaboalao.
Os Srs. :
Barao de Morenos.
Jeronymo de Soaza Leao.
Dr. Jose de Piuho Barges.
Jose Fernandes Monteiro
Jose Francisco do Rego Barros.
Ca6o.
Os Srs. :
Barao de Tabatinga.
Barao de Jaboalao.
} Jos6 Paulo do Rego Barretto Filbo.
Dr. Adelino de Luna Freire.
S. Pedro Martyr de Olinda.
03 Srs. :
Barao da Tacaruna.
Laurentino Jose de Miranda.
Jose Joaquim Antunes.
Francisco Sotero de Figueiredo Castro.
Hemeterio Joie Vellozo da Silveira.
Iguarassu'
Os Srs.:
Barao do Rio Formoso.
Joao Francisco do An aril.
Dr. Antiuio Trislao de Serpa Brandao.
Francisco Cavalcante Jayrae Galvao.
Pedro Jos*5 Montenegro.
Para o Pyaubv. No dia 7 de novembro
0 vapor Pirapama, da Companhia Pernambucana,
seguira ate a Araarragad, no Piauhy.
A viagem d'este porto ate aqnella effectuar-se-
ha em 8 ou 9 dias.
A's pessoas que desejarem ir para aquella pro-
vincia, devera aproveitar semelhante opportuni-
dade, chegando a seu destino, com maior prestesa,
eeeonomla, uma v z que a-Companhia tem esta
belecido modicos fretes.
O Sr. Duarte dc Azevedo. Este illus-
tre cidadao, digno ministro dos negocios da Jnsti-
ca, do gabioete de 7 de marco, acaba de receb -r
um esplendido acolhimento na|provincia de S.
Paulo, para onde foi em proctfra de melhoras a
sua saiide.
Dando ccnta das manifeslagoas de apreco fcitas
a S. Exc. pelos paulislas, a Sacao, da cflrte, fe
um apanhado das noticias d'aquella procedencia
sobre tal assumpto, apanhado que hoj6 traoscro-
verars sob a rubrica interior, chamando para
elle a atteneao dos nossos leitores, que ahi verao
que, sem distincgao de cores politicas, foi 0 illns-
tre ministro recebido por todos era S. Paulo, com
esplendidas saudaeSes c verdadeiras provas da
aprego deferida3 ao sea talento, illustragao e
servigos.
aieiuento.-Um amigo do Exm. Sr,conse-
lheiro TrMao de Alcacar Araripe mania celebrar
no dia 18 (quarla-fcira), na igreja do convento de
s. Francisco de ta cidaie, pelas 8 horas da manha,
uma missa e memento por alma da finaia D. Anna
Tristao de Araripe, mai do dito conselheiro; e
para assistir a tste acto de caridade convida aos
amigos e parentes do mesmo seobor.
.\ Recebenios e agradeeeraos 0 relatori > d'e3sa cor-
poragao apresentado na sessao de 17 da setembro
ulti no pelo seu 2* vica-presidenta 0 Sr. Luiz
Olympio.
MephlHtopiielesi. Veio hontem pelo
vapor Ceard, 0 a. 17 d'esse apreciavel jornal.
Vem elle repleto de lindas e iuteressantes gr.v
vuras e de deleitaveis artigos.
Coniimii a assignar-3e a 21 jCOO por anno e
1!000 por semestre.
Porto de Liverpool. Ficaram a sahir
para Pernambuco: a 17 deoutubro, vapor Newton;
a 10. navio Jeanne Mane; a 14, dito Clementina ;
e a 30, dito Fidelity.
L.i Saison, Chegou 0 0. 18 d'esse jornal
de raodas parisienses, corrtspondenle a 16 de se*
terabro ultimo, acompanhado do respectivo sup-
plement em porluguez, e de um linlo e interes-
sante figurino colondo. Assignase em todas as
livrarias a razao da 11^000 por anno, com a eoV
gao em portuguez.
litcenca seas ser por motlwo de
molest ia. Era 8 do correnle, o romisterio da
justiga exaedio 0 seguinte aviso ao da fazenda:
. Ulm.e Exm. Sr.-Em aviso do 1* de setem
bro uliimo pedio V. Exc. a opioiao deste rainiste
rio relativamente a reclamagio feita pelo iuiz mu-
nicipal do termo de Ararnema, bacharel Candido
Alves Duarte e Silva, por Ihe ter sido impugnado
n vunr-iirwnl.-i rrlulivn ao t^Tinn d.1 llRenca flUe elle
ubtove da presidencia da provincia do Rio de Ja-
neiro, afim de tratar de seus interesses. Devol-
venlo Inclusos 0 requerimento e mais papeis qne
acompanharim 0 cltado aviso de V. Exc, cabe-ma
declarer que, na conforraidade do art. 4* do decre-
to 0 247 de 15 de novembro de 1842, r-6 compa-
tem veucimentos aos empregados publieos hcen-
ciados pelo presidente de provincia, por motivn d
molestia, e neste caso nSo )eus gaarde a V. Exc Manoel Antonio Duar-
te de Azevedo.>
incompatiuilidades.- O ministerio da
justiga, era 8 deste rnei, dirigio a presidencia de
Minas-Geraes 0 seguinte aviso:
Ulm. e Exm. Sr -A este mini-teuo toi reraet-
tido pelo do impewp 0 offlci 1 que V. Exc Ihe diri-
gio era 13 de agosto.ultireo, sob n. 51,submetten
do a eonsideragio do g-iverno imperial a solucao
dada por essa presidencia a segainte conulta da
camara municipal do Uba: Se em lugar do corrmel
Joao Alves de Araujo Rogas, nomeado para 0 car-
go de supplente do juiz municipal, depois de haver
exercito ode juiz de paz, devia ser dejde hgo ju
ramentado 0 immediato em votos, on somente no
caso em que 03 tres actuaes juizes de paz se achas-
sem irapedidos em qualquer causa. Era resposia
declaro a V. Exc. que, havendo incompatibilidade
entre os cargos do juiz de paz e snpplente de juiz
municipal, como decidio 0 aviso do 2i de setem-
bro do anu6 pss3do, a aceltacio do segundo dos
referidos cargos imports- a rennncia tacita do pri-
meiro, e ceste caso deve a camara mnnicip'l ju^a
mentar 0 supplente immediato em votos, para qne
esteja serapre preenchi la a lista da quatro juizes
de paz, conforme presereve 0 art. das in-truc-
g5es annexas ao decreto de 2 de dezembro de 1831,
a que se refere 0 aviso n. 138 de 14 de maio de
1870.-Deus guarle a V. ExcManoel Antonio
Duarte de Azevedo.
Vencimentos a sulsstitutos de co-
marcasegpeciaes.- Ao presidente da pro-
vincia de Pernambuco 0 ministerio da justiga, en
8 do corrente, dirigio 0 seguinte :
Illm. e Exm. Sr. Foi presente a S. M. 0 Im-
perador 0 offlciode V. Exc. de 11 da abril proxi-
mo findo, sob n. 55, com referenda ao reqaeri
mento en qua 0 bacharel Adolpho Siqueira Caval
cante pede-lha sejam pagos Venciracntos pelo
tempo era que esleve era exercicio do cargo de 2*
supplente do substiluto dojuizo dos feiios da fa-
zenda des- nhor, conformando se, por sua iramediata resola-
cao de hontem, com 0 parecer da secgio de justi-
ga do conselho de estado, em censulta d^ 29 de se-
tembro ultimo, manda declarar a V. Exc, que ao
supplente era effectivo exercicio do lugar de juiz
substituto da comarca especial competem sOm-mte
os emolementos pelos actos que pratlcar e a gra-
tificagio que 0 dito juiz substitato deixar de per-
ceber -Deus guarde a V. Exc.-Manoel Antonio
Duarte de Azevedo. t
Preeedeneia entre lentes e oppo-
sitores.0 ministerio da marinha, em 6 do
corrente dirigio ao director da escola de marinha
0 seguinte aviso:
Por iramediata resolugao de 30 do mez pro
ximo findo, S. M. 0 Imperidor conformando se com
0 parecer da seceao de guerra e marinha do coo*
selho de estado, sobre 0 reqaeriraeoto de Antonio
Jos6 da Rocha, professor de desenho dessi escola,
houve por bem mandar declarar 0 seguinte : Que
q referido professor, no exercicio do magisterio,
p6de usar ao unirorrae de cipitio da guarda na-
cional, em vez do de 2' tenente da armada, que
tambem lbe pertence pelo seu actual emprego. Ou-
trosim, que em virtode do qne fica determinado, e
sem prejuizo do que dispSe 0 reguJaraento relati-
vamente aos lentes e oppositores, 0 dito professor
tera preeedeneia entra os da me3raa categoria, por
isso que esta deliberagao jastiflca-se com 0 precei-
ta da lei, quo estabelece a preemineacia das raaio
res paienies no concurso official entre os militares.
0 qaea V. S.oomraunico para 03 devidos effeitos
e com relacab ao oQicio dessa directoria, n. 818,
d&Sflle outabro do anno passado.D ens guarde
a VrS.Joaquim Delfino Ribeiro d-t Lit:.
Creayito dejulzo municipal.0 de-
creto n. 5,768, de li do corMnte creou 0 lugir de
juiz municipal e da orphiqs do termo d3 Aleaiuer,
ua provinefado Para.
Separacao de termos.-O decreto n.
5,769 de 14 do corrente separou do termo de Li-
uhares 0 de No7a Almeida, aa provincia do Espi-
rite Santo, 0 creou neste, reuaido ao de Santa
Cruz, 0 lugar de iuiz manicipal e de orphios.
Habllltac&e ao cargo de jniz
do direito. -Pefa UStHnli da Jdsllfa pa*si-
ram-se aos bachareu Joio da Cuttha Pereira Br!-
trio e Jose Cardoso da Cdoba, dfpfomis de habli-
tagao ae cargo de juix de direito.
FogHem ecooosnlens. -Odecreto n. 5.751
de 23 da setembro concedeu privilegio, por 10 an
nos, a Ant >nio Lucio de Medeiros, para mtroda-
zir meliioramentos da saa inv,ngao nos fo|Sas
economic.is denominados do Economia dnpla ea
que se refere 0 decreto u. 7,199 de U de Janeiro
de 1873.
Prraiitt aos voliinlarion da pftlr-ia.
0 governo imperial, no period > de 1870 at*} a
p/eseote dat-, tem despeudido com o piaainento
do premio de 300J a lo,383 voluntarint da patri,
ja escripturados, 4,614:90 j. Pago a 8^820 prar i
que regressaram a cOrte incorporadas, 2,6iG:0"(u
idem a 5,281, idem a S Pedro do Snl, 1,589:1004 :
idem a 450 a Matto-Grosso, 135 000* ; idem a *?
pragas avulsas que obtiveram deferimeuto em nr
tude de processo da I' secgio, 2i8:7001
Decisao eleitoral.-O ministerio d>ira-
perio, em 3 do corrente, declarou ao preside 11' Ja
provincia do Paraua ter silo confirms! > a act>
pelo qual annulloa is trabalhos da jant 1 de juali-
ficagao de votanles da freguzia de S. lose d5
Cbrislianismo, em razio da preterigio da prccaitos
essenciaes da lei na orgiouagao da mesau
junta.
Conaelno supreme militar-Nas ses-
soes de 15 e 17 do correnle foram julgados detiai
tivamenle os seguiotes processes :
Exercito. -I. sargento Agostiobo Pinto Correia
de Lacerda,aceusado do cr-.ue deinsuoirdinseio.
e coodemnado a ser arcabuzado, foi. reform j fa a
senlenga, pira fmporem aord) a pern dc galci
perpetuas. Soldados Manoel do Rego Pereira. ae-
cusado do crime de foga de presoi, nl > .
vido em conselho de guerra. foi coirfrroada a
s-.ntenca. Cypriano J ise da U .c!:a. accasa'i d)
crime de eiObriaguez e aineaga, e rr.ademnalo a
ser arcabuzadi, f annos de prisiio >n trihalii 1. Luiz 11 i;'n ,i da Sil-
va e Niculao Pinto de Crqueira, acca^ados 4oeri-
rae da furto, sendo absolvido em conselho de goer-
ra, foram c niinnn i:- as senteojas. Laic J n-
Carolino c Anionio SalJaoha de Lima, accusad s
do crime da ferimant t reciprocal, seodo condem
nadoore) Antonii Sillaaha de Lima, a pent de
carrinho perpetou e reo Luiz Carelino. ni
pena de cincoenta ;a:.e:.das deespada de prancba
e a seis mezes 'ta pri-S0 com trabalho, fci refor-
mada a senteuga para condemnarrm a cada am
dos reos em um aao 1 de prisaoeom trabalho. Ae
tonio Jose dos binds, accusado de I* ds>eirv
simples, ceaJerain i > era quatro mezes de pr.-'a).
foi confirraadi a sen'.eoca. Inaoceacio Jose Fideti*,
acensado de I" tfesercia tiinples, crademnalo en
seis mezes de prisiio, f-ii r >nfirmadi a sentenca.
I0S1 Paulo dos Sant.s, accusad) -e 1* tesrrfit
ag^ravada, c nlemnado a um anno de prisio, foi
coafirmada a sentenca. Cesario Ant-.-nio iVtenao.
accusado do mesmo crime e coniemnado a mes-
ma pens, foi conQrmada a senlenga. Satarmew
Josii da Costa, accusado do mesmo crime e ecu-
derauado a mesma pena, foi confirmaia ,a senten-
ga. Antonio Firmiano, accusado do crime dn t*
desergao simples, e condemnado a djos anaos tie
prisao com trabalho, foi confirraada a senteoga.
Galdino Lino do Espirito Santo. Manoel Evang--
li.-ta, Gongalo Frandteo, Virpilio Jo-c de Sant An-
n>, Antonio Igoacio da Silva e Raotiro Jose Valen-
lim, accusado de i* desercao simples, e eondem-
nados cmO.tczes |da prisao, for.ua confirmadas
a3 seniengas. Antcni 1 Gougilve- Ferreira, accusi
do do inasi-.o crime, e conderaiialo cm i uieic- de
prisao, foi coaSrmala aseoenga. Tambor J a>
Isiming'..- da Costa, accu condemn ido a 2 mezes de prisao, foi cntirmada
a sentenca. Corneta JoEj Autouio do Epinlo, San-
to, accusado do mesmo crime, e cm 1. mmdo a
doas mezes de prisiio, f i c 1 ri:nn.!a a c.nttj||BL
SollaJo Joajuim Peieira da Silva,accoaate d' ''
desergao simples, 0 eeademe 1 a is aim is de
prisao, fi cunfirmada a senlenga. ^olJadtte: Mi
guel Ferreira Biltencoart, arcusilo de 2 d
gao simples, e condemnado a d us unos de pri-Ti .
foi confirmada a senlen;a. Aatoaiu le SaSB II ir-
lins, accusad do mesmo crime, e :oudemiudo
mesma peoa, foi confirmada a tenteafa. Xau >
Gougalves da Oj-ta, accusadi do in in crime,*
condemnado a um anno de pri. v. bi e^nfirmad*
a seaienga. Joao Villar d 1 Cataw Liberal, acca
sado de 1* desercio ggravad., e lonlemnalo a
seis mezes de prisao, foi coalrwnda a seateafs
com a dtclaracao, porero, do ser sppl'Ctla a
a pena d.- quatro mezes par ser a d-w/u aggra
vada. II >mem Bom Ferreira d Castro. acasMC
ie 1' desergao aggravad 1, e c>-uJeran>do a am aa
no de prisao, foi confirmada a teat
i,-.,ii,i,. n.'Tiejal de fazenia iJrst Angus"
Goncalves Pires, accusado do crime jij |*ecoiai<
condemnaio era seis m-'zas d 1 de ex
prego, foi reformada a sentciy 1, para imporem 3
reo a pena do ser expalso d 1 sei vie 1 '
Imperial marinheiro, Jorge D f-nsir, aesKatVi d
crime de homiciJio, e cmdemoado cm : .1 ana
de gales, fci reformada a senlen;a era cine > a:
de prisao com trabalho.
Siinremi) Tribn-tal dc ,3:xa:if:%. -Ni
sessio de Ii do Currenle :
0 Sr. Piuto Chichorro expo? n; fun I it ,1: ,
e contra da revi-ti civel n 8,"77, d .1
rel.cao do Maraohao.--i! -c ncntes, a aeeta Mari*
do Emirito Santo, seus lilh a oat W, p r an taj-
rad.^r; reorrido-*, \ntonlo Ferreira d> Anv*d<
J>aqaim Pedo Monteiro Augu-to J la S
Peit 1 a exposi>.ao, passon i>3 au! s ao Sr. r
ro Mario ni.
0 Sr conselheiro Cer^aei.-a expoz os da re ist
civel n. 8.581, da rdaei> de Peraaiabaeo. It- r
rentes, Francisco Luiz dos Saa*. .s e sea filu> M.
no Lniz doa SaeKM recorr do, Dr. e :r11 p
ral. Feita a oxpo-irio, passou 03 aaba ao Sr. r in
selheiro Barbosa.
Na 0patio de 17 foram dktribaiiis at r vis-
tas civeis :
N. 8,593. Pernamtuco. R. Ilmriiue Li in .'
C, R. Augat-j Krugg Sr. Chichorro.
N. 8,594. Pernambue). p R. 1> Maria AI >
de Mello, 2" R. os admin slr.il.res da misa ralii
da de Antonio Peiro de Hello. Sr Marhni.
KatprestiiMo l>raaitc-iri u Imte
Commercio, do R; > de Janeiro. .''.'.Llica nit"
telegramma de seu corresp rad :.'; :
Paris 13. 0 novo emprestimo aca-i'
de 5 /. sera reemittido em novembro proxui
turo pelos banqueiros ItaphaM e Eiiaaaer a
coin as condi,5:s u-uaes em taes opera
quantum dessas condi>;oes ainda nao e bem c
cido.
Capellas satortaarlas. A i Srs. Amaral, Nabuco & C, acaba do eh gi' u 1
esplendido sorlimenlo ua lindasieaaataatilUi a
tuarias, proprias v ira as f'slis da* la4 h e OT-
namentagio de to nil's e c^irumba* d
lerio publiw, no dia 2 do noverabro viad
A' loja e sita na rua do Barao da Victor.a c. 2
(aoliga rua Nova.)
Proclainaeu-Forara ni dia 25 lido gurates, na igreja da fossa Senho/a do Rosario.j
serve aclualinenta de matriz da frcgaazia d.' I
to Antonio.
I.* denunciacio.
Candido Jose Joaquim de Sant'Anna, com I
Fraucisca da Trindade.
SiuuoJudaTuaJeo, com Francisca Maria M E -
pirito Santo.
Manoel Cleraento da Costa Santo, com Cecilia Aa-
gasta de Olivtira Sialos.
Carlos Joao B Leclere, COBB Virginii F',
J .aqnim Can lid 1 da Silveiia Cai vllio, coin la-
ria Marlins da Silva.
Bacharel Franci-o Amynthas de Cirvall. I
ra. com Maria Felieiaaa Goncalves da Rocha.
Domiugos deSmza Monteiro, com Amelia Ca-
valcante Bitlencourt Lacerda.
Mano I Franrisco da Costa Jaaiur, com Joan .
Francisca dos Sant is.
Jose Zefanao de Sant Anna, ora Faustina B,?t >
de Sant'Anna.
Francisco Soares de Figueirelo, com Rita Mir.,
do Espirito Sant".
Paulo Pereira SimSs*, com Tbereza de Jose*
Azevodo Vuuin.
Manoel Jjse Ferreira, com Francisca de Ass*
da Cunha Figueiredo. .
Jose Francisco Cleto com Joaauuaa Jovina d-i
Siqueira. .
. deonnciagao.
Jos6 d? Paria Maoiel, cora Maria Aioalia da loo-
Leonardo Joao Miguel ds Vscon:ollos,coai Can-
dida Salvina Maria da Conceigao.
Francisco Angu*io Paes Barrato, coa Maria Isa-
bel Rutlna da Menlonca.
Quirtno Jose da Saat'Aaaa,com Oiaoia It*>
Corrda de Franca.
Joa-) da iilva Gairaaraes, com Anna Seats*
Menetes.
Ernilio Pereira da aUmu, earn Amelia Res*-de
Ltmos.
Manoel Joaqu'ravde Mello, coat Jeaejnsaa Matto
Icisca da Silva.'
J/ deaajjeiacao- ...
Aatoalo Jjaaahn Perreire, eom !%'*
aaBrafa.

.------------
.-.r-



Jama do Fernamtau** Tarqa teira 27 de Outubwr de 1874.
com Ruflna Maria
Clementina de
Jos* Joaqnim de SanfAnna,
Joaquioa da Annouciacao.
J io Baptists Aires, com Joanna
Lima Hello
Jose Joaquim Coeltao Barboza, coraUrabelina Ma-
ria Pereira.
Joao Justioo tie Sonzi Freitas, com Joanna Bap-
jsta da Pnrifleacao Rodrigues.
Joio Cbrisostomo da Trtndade Moura, com Ro-
jalina Silvi'ria de Barros.
Alferes Francisco Evaristo de Sonzi, com Ger-
.rudes Maria Vieira da Silva.
Amaru de Souza Pessoa, com Igoez de Almeila
t^j1*-
Lotcriao do Bio de Janeiro Resu.
nv> da lists da 19* loteria \53t) em btnencio da*
obras do hospital da Misericordia da cGrte, extra
ni ii a IV do corrente-i
*. juo.................... ao.-oioaooo
N. 1034...................... IO:iiO04000
N 8J...................... 4:0003000
N. 2046...................... 2:0004000
St. 1498 e Vi7Vr.nooj a cada urn.
Ns. 1228, 1725, 4052 e 5378 -800* a cada am.
Ns. 123. 162*. 1664 1962, 2323, 4744, 5087,
5201, 5918 e 5962-2001 a cada am.
Ns. 617, 912, I3s0. 1752, t9i0, 2080, 2104,
2105, 31V*. 3296, 8542, 388V, 4009, 4121, 43l9,
5049, 5203, 5256, 5913 e 5918 1001 a cada urn
Ns. 61, 109, 142. 170, 409, 449. 502. 529, 608,
609, 705, 753. 772. 820, 886, 1091, 1238, 1240,
1251, 1257, 1325. I33i, 1*43, 1626, 1633, 16.79.
1695,2044,2116,2510,2544, J78I, 2789. 29 2,
2926, 2939, 3009, 32l6. 3248, 3320, 4739, 37i0
3798. 383V, 3840 4083, 4333, 4381, 4409, 4528.
4583. 4891, 4974. 5 46, 5239, 5263, 5436, 5480,
3564 e 5944 401 a cada mn.
Rhsqido da listi da II' lotcria (208) em be*
Of flcio da estrada de ferro de Cantagallo, extrahida
a 19 do corrente :
S, 32i...................... 80:00-1*000
N. 540...................... 10:00 ifiOOO
N. 5608..................... 4:0004000
S. 5629..................... 2:0001000
Ns. 4540 e 5899 l:00il a cada nm.
Ns. 177. 3169, 5393eo969 80='* a cada ma
Ns. 2057, 2376. 27*3, 3300, 3838, 3862, 4422,
4750, 4770 e 56'5 2001 a cada urn.
Ns. 10, 594. 75V, 1092, .397, 1523, 2365. 2771.
2884, 3017, 3'33. 38J7, 3914, *2I6, 4367, 4397,
4751, 359, 5120 e 5609 1001 a cada am.
Ns. 153, 207, 283, 387, 413, 740, 813. 924. 988,
1118. 1128, 1174. r.38, 1477, 1512, 1586. 1631,
1776. 2094, 2097, 216S. 2t8l. 2213, 2349, 2761,
2917, 29*4, 2960. 3016, 31-16. 3231, 3366, 3761.
38'4, 3880. 3941, 3971, KU6, 4442, 4557, 4687,
4761, 4795. 4872, SO 9, 31 '3, Si-4, 5170, 5199,
5216. 6370, 5420 5494, 3530, 3640, 5735, 5780,
5874 e 5895 401 a ca uoterla. A beneflcio da igreja de S Goncalo, qua corre no
dia 29 do corrente.
Leilao. Hoje cffeclua o agente Dias o se-
gundo i; ullimo leilao, por inandado do Illm. Sr.
Dr. juiz especial do commecio, doi generos de es
tiva existcntes em o arnmem n. 12 da traveisa
da Madre de Deus, peitenceotes a massa fallida
de Joio Tavares Cord iro A C
Hoje (27) eflecttia lambent o agente Pinto o
leilao dos vmhos e mais ubjectos do armazem de
iornecimentos de navios du falleeido Eduardo Tur
pin, a9 10 l[2 horas, no armazem da rua do Com
mercio n. 24.
Casa de detent? uo.Movimento da casa
de detencao do dm 25 do outubro du 1874 :
Existiam 316, eturaram 3, sabiram 0, exis-
tem 319.
A saber : nationals 248, mu neres 7, estran-
geiros 27, e-crsvos 37. -T. tal 319.
Alimentadus a eu-ta d A saber Sans 2!>5eMifrrmue 14.Total 269.
Hospital PorluKuez de Reneliceu
clu. Movimeato das enf-rm<.nas do dia 18 a
24 do corrente t
Ficaram em tratamento 35, entraram durante a
senana 1, sahiram curados 7, falleceu I, exi.
tern 37.
Eutra de .- Ribeiro.
Passage!ros.. Cbgados dos porto3 do sal
no vapor i>ra>ileiro Cenrd :
Antonio F. da R-cha, Marci lino F. Rosa, Dr
Raymond > T. Costa e sua seuoura, a. R-gul j, pa
dre Autonio de A. Cav,ilcante, ii. Rnggen, Dr.
Fortanato A. da Silva, sua familia e 2 eacravos, 1
prara da armada, 4 praras, 1 cabo e 1 preso. Dr.
Silvio P. Ferraz, corunel Pedro C. VieiFa, Elidio P
B., Joaqnim V. da Silva, Francisco C da Stl*a
Costa, Autonio T. de C Valeote, Jose P. Monteiro,
S. F. de A. Jorge Fslho e sua senhora, Manoel
Branco, Jose F. Maebado.
Dr. Jo-e L. SiKa Junior e sua senhora, F. M. da
Conceican, I praca da armada. Dr. A. i Uenedo,
3 fllhus, 2 n-"tos 3 criadan e 3 escravos, 1 ex pra-
r;a, D. Maria L. BUn el fiho, F. G. R>chiw||e
P. Pa hece, 3 pra;a^ do exercito. Dr. Joao G. il.
Bacs Ur e sua seuliura.
Cbegadus do sol no vapor inglez Aconca-
gua :
Guiiherme O^hsenbein e W.lliam Gaha.
Snhi i is para euftopa ni vapur poituguez At-
meida Gu, ret :
Maria Kvangelista. Maria Laiza, Joaqnim de Sou
za Pedro-o, Maooel Dias Marii is, Minoel Pavao da
Lim., Joaqmin Pereira, Autonio J. Per ira, Jordao
Josu de Oiivura. Jo^f; Guedea da -ilva.
Sahidos no vapor irglei D uro
P. rtina Lopes de Orveira, Mixime Laborde,
Erari.tu Juliduo de Sa Augu-tj Eiras, Herman
ScuiK-ik, J. P. Aco^ta e sua teohora, A. R^iins,
Olto Wet/tE, Doming >s Autonio Garcia Lopes.
Ceiniterio pu'iltco. -UDiiuario do dia 24
do cji rente : ,
Amelia, braoca, Peroambncd, 1 anno, Santo
Ant-oio; couvulsois.
Malbias, nret-i, Africa, 70 annos, solteiro, Boa
Visti, bos.ital PedTu 11; e'.tei'ito rhronico.
Manoela, parda, Piiuambuco, 30 minutos, San-
to Aniunio.
Jjau.uim Abanasiu Guedes dos Santos, branco,
Peroambnco, 20 anuos, stlieiro, Bja-Visia ; pui
tulas b< niurrliagicas.
Quiiena .-aria dos San os, parda, Pernambueo,
58 aunos, solleira, B jj-Vista, moleitia no co-
racao.
M ria, branca, Pernambuco, 8 dias, S. Jose;
tetano.
Doiningos Ferreira Maia, branco, Portugal, 53
aDnos, soiteiro, Boa- Vfe4a ; moleslia no coraijio.
Joao Mauoel R"di igues, brauco, Portugal, 72
annos, casaio, Bja Visia ; anazarca.
Aotonio de \raujo, preto, Africa, 42 3nnos, soi-
teiro, s. ii.*e; tetano trauinatico.
Francisco, brauco, Peruambuco^." dias, Boa-
Vista ; cspasmo.
- 25 -
Joao, pardo, Ptinimbuco, 7 dias, S. Jose ; es-
ps.=mo.
Jeronymo Florencio Luciano da Co9ta, branco,
41 annos, soiteiro, Boa Vista, -sylo; anemia.
Felix de Inob dos Saitos Hrzerra. branco, Per-
nambuco, 13 ->nnos, S. JvsO; frbre incephalite.
Francisca Maiia dos Praterea, parda, Pernam-
buco, 17 annos, sulteira, Recife; tubercnlos pul
roonares.
Francisca Maria da Conceic*", parda, Pernara-
uuco, 34 annos, solteira, Boa Vi.-la, asylo; bepa
tile.
Anguslo Vital, bracco. Franca, 44 annos, casa-
do, Boa-Vi.-ta, hospital Pedro .11; cychose no 6-
gadu.
Romana Maria do Espirito S naaahuco, 40 annos, solleira, Bos-Vista, hospital
Pedro II; variolas.
iHKONIi I JliWCWRUL
TRIrlll \al si \ iti:i> vr i'
SESSAO ESPECIAL EVt 26 DE OUTUBRO DE
1874.
PRESIDENCY DO EXM. SR. CON'SELHEIRO
CAETAHO SANTIAGO.
Secretario Dr. VirgUio Coeiho.
A's 10 boras da manlia, pre-entes os Srs. des
embargadores Beis e -ilva, Almeida e Albnqaer-
qoe, Accioli Souza Leao, abrio so a sessao.
Em segaida o Exm. Sr. coaselbeiro presi lente
fez o rniaiorio dos agt;ravos de peti^ao, qae forain
julgad. s por cite e os adjuatos sorteiades na ulti-
ma sesa.
N. 76. Aggravantea Monteiro A Cruz, aggra-
vados o juiz do eommercio. Jaizes os Srs. des
embargadores Rein e Silva e Accioli. Deo se
provimeuto ao aggravn.
N. 77. Aggravante Migo>-l Pires Branco, ag-
Savad D. Emilia Jusepnina Perreira de Mira.
io se tome u eoubecimeuto do aggravo por nao
estar a especie em oaestao comprehenJida em,
Mobum dos casos declarados oos paragraphos 12
e 13 da ord. livr. 4 til 96, ciiado no paragrapbo 7*
io reg. de lb de marf i de 1841
Aggravo de instramento.
N 10 Comarca d'Aroia. Agg.-avante Pio de
\"a>eouceHo? Mello, ag'ravadx Braga Gomes &
C Juizes os Srs. desenbargadores accIoi e Seu-
sa Leao.Nao se tomoa eoobecl)nento do aggravo
por oao ser caso delle.
ijnez
Eneerronse a aessio k aoa
tarde.
d meia bora da
c oiu uerclo.
M D i OUTUBRO
DE
Tribunal do
ACTA DA SESSAO DE
, i74:
CBESIDKNCIA DO KXM. SR. CONStLHKIBO ANSUJIC
FRANCISCO EBRKTtl.
A's 10 boras da manna, pre entes
putados secretario Olinlo Ilastoa
AlvesGuorra, e o Sr. supplente h Leitio, S. Exc,
o Sr coaselneiro presideuie ab io a sessio.
Lid*, foi depois approvals a a< ta da sessao pre
cedente, com a declarac^io de
buidos os seguintes livros : -D
A C, copiador de Carpmteiro F
dito de Fernandes da Costa 4 C,
r.lves da Silva k Pinto.
KXPED1SNTB.
Odlcio do secretario do triuuial do commefcio
da capital do imperio, acompat hando a relacao
dos coimuerciantes inatriculados naqaetle tribunal
durante o mez de setembr proximo passado.0
tribunal mandou archivar.
Distribuiram-se os seguiates litres
Diario de Soares Braga rino It I.-mao.
DSSPACHOS.
Requerimontos :
De Julio de Mello Salgado,
para escripturar n > livro diarn
os Srs. de-
Lopes Macbado.
terem sido dutri
an i de Sa Leitao
lho iz Sobnabot,
dito de Luiz Gon
Vopiador de Seve-
pidindo permissao
k qoe servio a ex
iincta finna Fred ;rico Piuti & C -Sim.
De Joajuim Severiauo Noguei a e Joaquim Jose
de Meira Lima, solicttando trar'ferencu do livro
diario que servio a firma Niguuira a Filho para
a de Nogueira & Lima. Na fon ta requerida.
De Joao Vaaco Cabral, requerendu certidao da
baixa pedida por Lourenco Gaipar Bastos, em a
uomeacio de Antonio Cavalcaule A Mioli.Passe
se a certidao pedida.
De Bento Aagasto da Silw,
gistto a procuracao annexa qud
riraBi-(isi .Iuforma a se
plicante
tado.
De Domingos Antonio Soares
de Oliveira, apreseuianJo ur i
lontrato social. Vista ao Sf
fiscal.
De Manoel Jose Ferreira Jan
leiro, casa Jo, de 29 anno* de i t de, estabelecido e
doinuyliado na capital do Cearj, impetrando ma
tncula de commercian.e. -\'ista
gador fiscal.
De Joaquim Carneiro da Cista Filho, cidadao
brasileiro, casair, de 33 annos
liado e etauelecido
rendo matncula de
desembargador fiscal.
lufortnauao da secretaiia,
relatives ao depo-ito que fez
guros ludemnis^dora no Ban
submettendo a re-
Ihe passaram Pe
bretaria se o sup-
e commerciante fallit o e nao rehabili-
t raga e Jose Lopes
egistrar se o seu
desembargador
or, cidadao brasi-
ao Sr. desemoar-
de idade, domici
na capital do Ceara, reque-
cora.nerci; nto.Vista ao Sr.
(obrindo os papeis
companhia de se-
i Commercial de
1'i-ru imiiiico e na casa de Ai gusto Frederico de
Oliveira & C.-0 tribunal ficou
Da mesma, em cum.jnruent
trmunal, de 19 do corrente, p
de Thomaz de Aquino Fonsecal
ageutes da companhia Indemnis tdora.0 tribunal
mandou enlregar o recibo pedico, attenta a lufor-
mai;ao.
Da mesma, declaranio cbi
declaracao feita por Antonio Fr mcisco dos Santos
V C, para a nomear;ao do Urceiro arbitro das
ouvidas que houvereiu no seu
do, de couformidade coin a iul
taria.
COM 0 PARECliB 1IS>:AL.
Petic;io
De Manoel Antonio Pires, I^enrique Rodngues
& Cao, Franciisco Jose Pir-s
H.niero, registro do couirato
sua socidade. Uegistresn, no
to n 4,394.
Nao navtndo mais n da a de
Sr. conselheiro presidente encer
boras e 3(4 da mauba.
uleirado.
i ao despacbo do
( fendo na peticao
4 C, succesores
cootrato.Deferi-
rmacao da secre-
Manosl Kodrigues
da prorogd^ao de
termus do uecre-

Si
\ lllm. camaru lujuuicipal do
Reclc.
Corre como cert- e e propalallo pelos Srs. mar-
chaules que a Illm.' muuicipd i< ad'e desta cidade
c ii sua sessao de amauha ft*), cousenlira que
os e.-cravo voltem para uliiar sprues no m>rca-
do. Quern como nos counece i qumto ganhou a
:oi:n.-uaue coin ser in ijjj ua Couviveucia com
iiomeus livres, os escravus ; 'a in c.oiuj n6s co
uliece o quanlo loi util, loruar >e urfci o que era
counecido como luero nao: nao pole oallar aute
o saber queprocura se lev ver ) autiiio estado de
atr^zj em que viviam os que fai in profissao
dessa arid.
N6-, purem, qqe ccnhecemosl dos sentimentos
nobjvs e clevadus da Lim." inui icpalid .de, esia
uios ouvcucidos que, ape fcr uu csjueikuineiitus c
vauijlurias dos Srs. mm-naules, uao terao. elles a
Mltolacau uo seus desrjos, d ao coutrai io a saoia
d culiticucia do dulibeiado e cou\cuieucia*d Uadi; eui quo viveinos.
Esperaaios e conliam s Eos ^
8n. redactores.Acbbauau o|e
rio de Pernambco ae hoje, uin
uicado, cm que &e puuiicam
ullrusivos a probidade, bourse
so iriuao Dr. Francisco R inglies
Uireilo da comatca de P.i Io i.ai
Caui.iiu aos ,iuderes couip'-leuti :
quadas, conduceute^ a ac; i.-o^.io dos arbilrios e
iiijastujas. do que e accusado ufc
uescouiuiuual e incouvcui.-ute,
ion n-i o couforme penmitir^m
o que passauius a escrever-lhe,
ire lodus os fsclarecimeuios. pret
neoessarHM a pulvensar uo net* s
sacdes, que lne sao leiias pelo S
Oliveira.
a-siiii, pedimo- ao pubiico sdnsato, aos nomens
inleiligentes e buurados a .--uspi a.-ao de seu jmzo,
Uu S' u cuuceito a rcspeilo, ate
clarecimeutos.
Recife, 26 de outubro de 187fc.
A.
M. 188 Agua de I ioIda de Mur-
ray e Lanman. -Mala e ai u lb excellr-ule e
original agua or cneiro para
aliamenie tern sido exhibida e ei
us ,oruaes publicos da Ain-nca
sa teiu vendido lautas imitaee^
tendemos roe foi para gu.irdaij
seraelhantes imposigfies, qae
artigo geauini, depois de u b
na mats de 20 annos nas repub
Cuba e brasil, c mecaram nao!
f*ctural-o para esle mercado,
os mais j.i ac ma menciouados.
imp 'gavel artigo ja comecuii a sir popular, e e de
esperar qua aqui em brevis vcuba supplantar e
leve a pal na, como ja o fez na
lodos os perfumes e essencias
nos costuina vir da Europa E
dos os respeitos, quaodo uac superior aos mais !i
nos extracios que nos vein do e trangeiro.
C8MME8C&
JUNTA DOS rAJ.lHLToKES
Praf a do Recife, G
de INJI
AS 3 HORAS DA T
COT A COES OFT I 2a pachar, S. Exc
uu a sessao as
*:
is. camanstas.
*
lrr em sen Dia-
arligo OU CuiUiUU-
facios allameule
no alidade de BOS-
Selle, juiz de
vo, e em que re-
jirovid<-u:ias ade
Uiua inaueira lao
pruteslainus ue-
^.i-riis forQas, para
pe imdu nos iinns-
Sus, e ducuujeuloS
o honveis accu
. Joaquu Alvos de
a via da desseses-
F. R. Selle,
tou. ador, que tao
horlada por lodos
do Sul, e da gual
neste paiz. Ea-
o putiluo contra
proprietari.is do
Vere u mtroduzido
icas hespanholas,
somente a inanu
did i lambem para
Este excellente e
ainenca do sal, a
ijiais custosos que
le e igual em to
de outubro
4RDE.
None em
a bordo
plnrua
a fret>
Algodao do itio Grande do
7*250 por 15 kilos pus o
de I!|ld o fi 0|0.
Assucar bruio ameneano 2i050 por 1*> kilos,
sabbado.
Cambio -sobre Loodres a 90 d(V.
co 26 12 d. por U.
L'ambio sobre Lisboa a 90 d|vj
mio, do banco.
Cambio Mbre Lisboa e Porto
da premio, do ban^o.
ambio sobre o Porto a 90 d|
mio
lambio sobre o R o de Jaaeir< a 30 d|v. 1 OrO e
3i4 0(0 de descent .
Dito aobre dito a IS d|v. t|2 i)]0
les'ontodd letras 10 11 0| Cambio sobre a Babia a 8 djr. tfi'ofi de pre
nuo, do banco, sabbado
ti. ae vasa
26 u|8, e do ban
103 0[0 de pre-
a 3 d|v. 106 0(0
101 0(0 de pre-
de dasconto.
ao anno.
4.LPANPK0A
leaomaaio do dia t a 24. .
4o to dii 26 .
-396:869.968
35.847*6u7
632:417*566
Uescarregam hojo 27 de outubro de 1874.
Baraa ingleza- Hernionevarios generos para o
trapicbe Conceicao, para despachar.
ImportaeSo.
Vapor iog'ez Douro, enlrado dos porlos da Eu
ropa em 23 do corrente, manifeslon :
Amostras 21 volumes divers os
Batatas 50 caixas a Andre H. Pinheiro. Bis-
contos 1 caixa a H. Nuesch.
Camisas 1 caixa a Keller A C, 1 a Cramer
Frey & C
Cauus de ferro 2 volumes a I. G. IGamble. Cha
10 meias caixas a Paulino Jose da Costa Amorim
Si u, 36 meias di as a ordem, 10 e meia caixas a
Joio M. de Barroa Filbos & C. Cbapeos 2 caixas
a Sdbino Juse de Almeida, 2 a Von Schsten & C,
2 a Joaquim M. da Cruz, 3 a Cramer Frey & C,
Conserva 4 caixas a H. Noesch. Couros I jaixa
a Theodore C.irisliansen. Cotilarii 1 caixa a Men-
des, Lobo & C Castaulias tO caixas a Manuel
T. da CosU, 10 a Domingos Joaqnim Ferreira
Cruz, 10 a Bernardo Lima & C, 15 a Leao, Rocha
& C.
Figos 1 caixa a Leao, Rocba & C. Froclas 10
caixas a Lima & Silva.
Joias 1 caixa a A. Hyvernal & C
Livros 1 caixa a ordem, 1 a Silva Cardoso 4
Pessoa, 2 a Eduardo Fenton, 2 volumes a Wal-
fredo A Souza, 2 a De Lailbacar & C.
Machioistno 4 caixas aos consigaatarios, 1 a
Carloso & Irmao. Marcadorias diversa< 1 volume
aos consignatarios, 1 a ordem, 1 a Mattos Lemos
4 C, 1 a A. Pinto da Silva, I a uend.s Azevedo
& C. MacAs 1 caixa a Luiz Jose da Sitva Guima-
raes, 3 a Pocas a C Meias 1 caixa a Cramer
Frey 4 C, 2 a Parente Vianna a c. Medicamen-
tos 3 volume.- a Ferreira Maia Si '"
Molas 3 caixas a Alfredo Gibsou.
Oojecios para gas 1 caixa a D. P. Wild & C-
Ditos de prata 1 caixa a T. Gamber. Ditos para
e.-cripierio 1 caixa a Joaquim Monteiro da Cruz.
Qjcijos 21 caixas a A. Francisco Cor Magalhaes 4 Irmao, 32 a Beltrio 4 Filho, 35 a
D. Joaquim Ferreira Cruz, 8 a Jose J. Alves, 10 a
Silva Guimarars & C., 17 a Joe Correia Braga, 32
a Jose Marcelino da no a 4 Filbos, 23 a Joaquim
Jose Leitao, 45 a Antoaio Ferreira de Carvalho, 35
a Fernandes da Costa & C, 3o a Cardoso Si Mar-
tius, 23 a Souza Bastos & C, 16 a Paulino Jos da
Costa Amorim & C, 5 a urge Tasso.
Sanguesugas 1 caixa a Jose T. Leito Ba>tos.
Tecidos 24 volumes a Mills Lalhan 4 C, 35 aos
consignatarios, ttO a Cramer Frey & C, 42 a Kel-
ler & C., 8 a E. A. Burle 4 C, 53 a j. Tnousom &
C, 8 a ordem, 13 a Goucal>es Irmao 4C, la Mo
nhard Mettler C, 3 a Silva Birroca & Filnosw3
Moreira Halliday 4 J., 3 a Olmtho, Jardim & C.
Uvas 1 caixa a Luiz Jose da Silva Guima-
rae?.
Vinho 1 barril a Bloxhaa, 2 caixas a Joao A.
Thorn.
Barca ingleza Imptrador, ontrada de Baltimore
em 26 do corrente e consignada a Matbeus Austin
4 U mamfeston:
Fariuna de trigo 3,530. barricas aos consig-
natarios.
Vapor nacional Ceard, enlrado dos portos do sul
na mesma data e consiguado a Pereira Vianna Si
C, manifestou:
Carga do Rio de Janeiro.
Brinquedos 1 caixa a Atilio Regalo.
Cigairos t5 barricas a ordem.
Cafe 50 saccos a Alfredo Alves & C. Cevada
10 barricas a A. E. da Silva t;am3es. Cravos de
ferro i barnca a companhia de I'.-rro Carrtl de
Pernambuco.
Fcrradura 2 barr cas a masma Fumo 25 cai
xas e 10 rolos aoscoosigaatarsos, 10 volumes a
Bourgard& C, 5 caixas a Joaquim B. dos Reis, 1
caixa a hae C. Paes Barreto, d to 9ui folha 3 tar
dos a Jose Tavares Carreiro 4 C.
Livros 2 caixas a De Lailhacar 4 C, 1 a Wal-
fredo 4 Souza.
Mas^a de tomate 4 caixas a Antonio A. Ja
:ome.
Carga da Bahla.
Colla 5 saec-is a Beltrao Si Filhos. ChamtOS 9
caixas a Leal & IrinSo, I a Ainsro Gomes da Sil-
va Ramos. Cnapeis d9 sol 6 caixas a Oliveira 4
Irmao, 1 amadanie V.rgima Falque, 1 a E. A.
burlr& C.
Gaiiali- 9 Caixas C-hti.'p Pray Aj C.
Oojecios para photograpbia 1 caixa a or-
dem.
Rap6 1 caixa a Meuron & C.
OE r-ACHOS I'l- BXPdKTtCAO'NO DIA 24 D
OUTUBRO DE 1874
Parn (is porlos dn SOltrTWr.
No vapor portuguez Almeida Gnrrclt, para
Liverpool, carreijou : M Peruanoes 75 sacea* com
5.185 kilos de algodao : para Lisboa, E. R Rahello
4 C. 100 saccos com 7.500 duos de as-ucar bran-
co e 153 couros saiga los com l,8!6 kilos ; J. T?
Peixoto Filho 4 barrens c nn 212 ditos de as-ucar
li'auco e 1 dila coin !I2 ditos de farinoa ; F. N. ii.
Ferreira da Costa 1,601 couros salgados com
19,2.2 kilos.
No vapor inglez Douro, para Montevi eo,
carreg. n : J. J G. Batriu & Filho 530 barricas
com 35.595 kil> No brigue portugu-z Jrmmpho, para o Por
to, carregou A.G.Costa 2 barricas cm 118
kilos de farmha ; T L. Scares 301 couros salga-
do* com 3,6i2 kilos, e 40 saeds com 2,717 di.os
de algodao.
Para os voriot to tueriur
No vapor nacional Cervantes, para o Rio de
Jan:iro, c*rregou : Amorim lrm..os & C. 15" sac
cos com 11.250 kilos do assucar brauco ; J. F. da
.rfjsta 13 ditos com 8,475 ditos de dito; A. F.
Biithar Sobrinho 400 Ditos Com 30,000 ditos de
dito ; F. R. dos Sanios I barrica com 40 abaca
chis : para Victoria, P. Vianna & C. 20 s. ccos com
1,5 H) kilos de assu:ar branco : para a Babia, D.
A. Maheus 25 ditos com 1,875 ditos de duo.
Para o Rio Grande <)o None, no hiate nacio
nal A. dus Anjos, carregou: Fra*a Si Rocha 17
volumes om 1.209 kilos d assuear refinad", 2
saccos eom 147 ditos de dito bracco, e 2 barris com
192 litros d3 aguardente.
rtendimento de 1 a S3
Idem do dia 24
3:96242*0
32*960
Generos de Rendimento de 1 a S3 4:570*002
Idem do dia 24 546*780
3:995J1M0
CAPATAZIA
dam c!o dia 27.
DA ALFANDKfiA
a 24. 11:106*505
308i5ii7
VOLUMES SAW DOS
Mo dia 1 a 24.....
Mo dia 27........
*rimeira poru .
Uganda porta .....
"?rceira porta .
fitpicne Ccnctiyao .
11:414*772
27,695
38
33
2>
150
87,936
SERV1CO MAR1T1HO
ti>arngaa descarregadas no- trapicbe da
alfandega.
io dia 1 a 24.....
*o trapicbe Concalcao
56
2
1
59
tBCEBEDOKJA DB RENDAS INTERNAS GE
RAES DE PERNAMBUC*
tesdimento do dia 1 a 24 55:623*959
Um do dia 27 2:744*97
58:368*886
CONSULADO PROVINC1A,
Rendimento do dia I a 24. .
dem do dia 27 ....
81:716'008
10:303*168]
62:019*176
nceilos
Pr nidente.
P. do Lt mos,
lecretano.
RECIFE DRAINAGE
Reodintento do dia I a S3. 11:383*519
Idem do dia S4...... 684*151
11:967.770
Farinha de trigo, etc.
Rendimento de 1 a S3 5:820*243
Idem do dia 94 397*468
5:116*782
------ 6.217*711
Rendimento de I a
Atn do dia 24
Fumo, etc.
S3 2:740*567
364*105
Vinagre, etc.
Rendimento de 1 a S3 639*913
'dem do dia 24 *
3:104*672
639*918
23:289*221
Tbesonro povincial de Pernamnco, 26 de ontu
>ro de 4874.
0 escrivio,
Joao Carneiro M. da Silva Santos.
Banco do Minho.
Joaqnim Jose Gpnealves Beltrao Si Filho sacam
por todos os vapores sobre :
\uaoia.
Aguida.
Aveiro.
ieja.
Jhaves.
Slvas.
\marante.
iuiraaraes.
xivilha.
Uelgafo.
Portalegre.
Arcos de val de vez.
Celorico de Basto.
Caminha.
Mangualde.
Ponle do Lima.
Povoa de Lanhosa.
Evora. Monsao.
Fale. Ovar.
Fara Porto.
Guarda. Tavira.
Leiria. Regoa.
Lisboa. Vizeo.
Barcellos. Figueira.
Colmbra. Lamego.
Mirandella. Estar reja.
Penaliel Valenca.
Villa Real.
Cabeceiras de Bastos.
Castello-Branco.
Espozende.
Oliveira de Azemeis.
Povoa de Varzim.
Vianna do Castello.
Villa-Nova de Portimao. Villa Vova de Famalicao.
Villa do Conde.
Nu llhas.
Madeira, S. Miguel, Faial e Terce'ra.
Companhia Indemaisadora
do Porto.
CAPITAL 2."00:0000000.
Thomaz de- Aquino Fonceca 4 C, successors
agenies
Est< companhia toroa seguros maritimos e ter-
restres, dando nestes o septimo anno gratis aos se-
garados.
ua do Vi^urio n. 19.
SEGUKOS
Hariliioo e conlra-logo
GOMPANEIA
Phenix Pernarabucana.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
conlra-logo
Seguro
'UE LIVERPOOL 4 LONDON 4 GLOI
INSURANCE COMPANY
Ageutes
SAUNDERS BROTHERS d C,
11Corpo Santo11
;mo CdiinKJiil deBrsga
Jorge Tasso.
37Rua do Amorim37
Saca qnalqu-r quantia a piaan nn a vita so
ore e-t- Banco >" uas respectivas agendas nas
segumies cidades e villas de Portugal, ilhas adja-
cenles e Hi-panha, a ?aher :
Portueal
Amarante.
Anadia.
Arcos.
Aveiro.
igueda.
Arco de Baulhe em ca-
beceiras de Bastos.
fjiirca. .
Barcellos.
Ileja.
Iraganca.
Chaves.
i^iiimbra.
Coura.
''ovilna.
Castello Brauco-
Caminha.
El as.
E-treraoz.
E ora.
Esposende.
Famalicao.
Fhto.
Figueira.
Ffe.
Tnomar.
Tavira.
Torres Novas.
V Jenca.
Vianna.
Villa do Conde
Villa Nova da Cerveira
llltas.
Funchal.
Hespanha
Madrid.
Barceilona.
Vigo.
Puenteaveas
Guarda.
Gnimaraes.
Gooveia.
Lagos.
Lamego.
Lisboa.
Louie.
Melga^o.
Mir ndella.
Moncao.
M.- Ilia.'..:.
Mnnte ni6r o velho.
Oliveira de Aremeis. -
Ovar.
Penaliel.
Pinhel.
I*i nte de Lima.
Portimao
Porto.
Povoa do Varzim.
Port'Alegre
Povoa de Lanhoso
Regoa.
Silves.
San^) Thyrso.
Villa Real.
Vinbaes.
Vizeu.
Villa da Feira.
Villa Pciuca de Aguiar.
Villa Real de S. Antonio.
Moimenta da Betra.
Rigem HO, carga differences generos ; a Wilson
owe 4 C.
Terra Nova-37 dias, escuna ingleza Gratia, de
156 toneladas, capitao G. Fillmore, equipagem
8, cargt bacalhao ; a Johnston Pater & C
Baltimore-55 dias, barca ingleza Imperador, de
287 toneladas, capitao A. H. Simontoo, equipa- '
gem 9, carga farinha de trigo; a Malheus Aus-
tin 4 n.
Bahia 11 dias. escuna nacional Antonio, de 116
toneladas, capitao Manoel Antonio de Jesos,
equipagem 10, carga farinha de roandioca e oo-
tros generos ; a Beltrio 4 Filho.
Navios sahidos no mesmo dia.
Portos do sal apor Qdante J. Goncalves ; carga varios generos.
Liverpool e purtos intermedios Vapor inglez A-
conc'igua, commandante Vearer, carga a mes-
ma qua ironxe dos portos do sul.
Hampton Roads Paiacho inglez Bonito, capitao
Le Gallees, carga assucar.
E0 Fayal.
Cadiz.
Orense.
Corona.
Badajiz.
SEGUROS
MARITIMOS
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecidi
i sta pri;a, torna seguros .naritiraos sobri
tavios e seus carregamentos e contra fogi
'in edificios, mercadorias e mobilias: in
-na do Vigario n. 4, pavimento terreo.
gompanhiTallianca
jeguros maritimos e terreb
tres estabelecida na Bahi^
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0005000.
Torna seguro de mercadorias e dinheiro
,co maritimo em navio de vela e Tapor
ttrt dentro e f6ra do imperio, assim com<
,ontra fpgo sobre prodios, generos o fa
ondas.
Agente : Joaqaim Jose Goncalves Beltrio
a doCommercio n. 5. landar.
vlOVIMENTO DD PORTC
) Hr. S;bastiao d'> Kogo Bartus de Lacer-
da, juiz du direito especial docommer-
ci, nesta cidade do R-cife de Pertiam-
buco, por S. M. Imperial e Conslitucio-
nal, etc., ftc. i
Fzqo saber pelo presente, que no dia 27 deste !
mez, as 11 boras da manba, na sala dis audien- |
cias devera ter lagar a reuniao dos credores da ;
massa fallida de dzevedo 4 C, para se veriftearem .
os creditos, deiibcrar se acerca da c.ncord ila on
fo' mar se contrato de uniao, e nom--iar se admi
niitradores a dita mas.-a, certoa os credores de que
nao serao admittidos por procurador sem que este
exhiba procuracao especial, a qnal nao podera ser
conferida a devedor do fallida, nao podendo, oulro
sim, urn s6 individuo representar por dous diver-
sos credores e que sera havido o credor que nao
comparecer como adhereute as resnlui;oes que to-
mar a maioria do volos dos credores, que compare
cerem, com tanto que para ser v*lida a concorda-
ts, 6 necessario que seja concedida por numero tal
de c edores. que represeute pelo menos a ra ioria
deste" em numero e dous tercos no valor de
dot trilhon urbauoo du Beetle
a Oliudu Beueribe.
De ordem do presidents
da asaembiea. geral da com-
panhia acima, sao eo*mda-
dos os accionittas para iw-
nirem-se (no lagar do costu-
me) em sessio ordinana on
------------Hr' dia 31 do corrente, ao mr>
dia, alim deassistirem a apresenUcio do reiatori >
e contas dos n-go-ios da companhia no anno a
expirar, e sobre uma e ontra cousa deliberar.
Recife, 22 de outubro de 1874.
0 secretario,
Luiz Lopes Castello Branco.
Irmandade das almas do
Recife
Tendo-M no dia de novembro de proceder-a*
a eleicio los novos funccionarios que devem r-
gera mesma irmandade no ,-nno compromisr.il on
1874 1875, pelo presente convido a todon os ctta-
ris>imos ir.na >s a comparacerem no consistorio oa
mesma ir > andade, na matrix do Corpo Santo, no
referido dia, fa 10 horas da manha, para presta-
reu seu Mk
Consi-torio da irmandade das alma*, na matr1 ,
21 de outubro de 1874.
0 eserivao da irmandade,
Joaqnim Cavalcanie f'e H. Albuqnerqae.
lnspec;ao de saude do portu de Pernarahuc',
5 de outubro de 1874.
Por ordem do Illm. Sr. commendador Dr. Pe-
dro de Athayde Lobo Mocc*o, faco sciente qo-i
os navios i|aa liv.rtm de earregar eonros verde*
on outra 'jaalquer substancia qoe exhale mio
cli-iro, ou descarregarem carvao de pedra, nao o
podcrao fazer senao no aocoradooro, perto 4o
pharol, e que nenonma reclamacio sera attendi-
da para deixar de ser cumprila esia trdem a
prelexlo de ser p quena a carga on descarga.
0 qne se faz pnblico aos senbores iooot on
cuu*igoat^rios de navijs, para a devida execu^aV,.
0 seeretarin,
F>;li-i de Cantaiice Ja Silva Lobo
todos os creditos sujeilos
data
aos effeitos da con :or-
SANTA
CASA
WO
DA Mis^RiamiiA
RECIFE.
E para que cbegue ao conheoiment de o j uA Hlrna jofia admiuuira-.iva daSaott Co
i v j e J-..I M'.sencordia do Recife, raanda fazer pnblico qo
todos, mandei faznr o presente edital, que n^sa]ade suas ^^0 dia 22 de outubro, p*-
Sera-aftixado nos lugares do costume, epubli-1 las 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
cado pelos jurnaes.
Dado e passado nesta cidade do Recife
de Pernambuco, aos 9 dfes do mez de ou-
tubro de 1874.
Eu, Ernesto Mcchado Freire Pereira da
Silva, escrivao, oescrovi.
Recife, 9 de outubro de 1874.
Sebaslido do Hugo Barros de Law da
A camara municipal desta cidade do Recife,
pelo presente coovida a todos os seus mnnicipes
para que concorram com o maior numero postivel
de produclos e specimens da induslria nacional.
p if occasiao da ahertura da expoaicio, qu tera
lugar nesta provinca em o mez de abril vindouro,
atiin de ser repn-sentada convenientemenie entre
suas irmas, e o Brasil na exposicao de Pnil del-
phia, que sera maugurada a i9 do abril de 1876,
mediaule o esforco de lodos os brasileiros, devida-
menie apreciado no eslraogeiro.
Pa co da camara municipal do Recife, 23
de outubro de 1874.
H. /. do llego Albuquerque,
President**.
Francisco Augusto da Costa,
SncretHrio.
0 Dr. Pedro Camelli Pe.-sua. |uiz de direito do
civel da sogunda v^ra nesta cidade uo Recife
escatermi, capital da provincia de Ptroam
buco, por S M. imperial e c-mrttucional o Sr.
|i. Pedro II, a quern Ileus guarde, etc. etc.
Faco saber pelo presente, que fiodos os dias
da Iti e pra>;as successivas se tiao de arremalar
por venda a qu>-m mais drr, depois da audien
cia respnctiva, os bens seguintes :
1 aruiacao de madi-iia de louro, avaliada por
200A ; 1 esoelno Bum mnldura dourada, por lOa ;
1 candieiro a gaz e 2 arandcllas por t7<000
4 banqo nhas ordmanas, p..r 2* ; II ctiapeos de
baeta, para houiem a 5 rs 5'ioUO ; 40 bunets
p.ara iuDinns, a 4(10 r* R& ; hH i-hap^os para se-
nhoras immiuos, a 5 d-dos a 3J0 rs. 2745:0; 148 gr.ivai,8. a 20o rs.
295600; 154 mt-lros deal iaca de cores a 200
rs. 3n*800; l0> paie. de luvas de p-llica, esira-
gadas, a 40 rs iiii 0 ; 20 parts ne uir-ias para
inenmas, a 200 r~. 4* ; 6 pares d sapat-i ae se
tun, e-'.r--p. d'i<. a 2 chi'a, a 160 rs. 204*00 ; 70 dilos do cambraia, a
20i r- lo'aiO" ; 4 saias co > barras de cores, a
U500 rs. 64 ; (7 ehaies de la. a 24 744 ; 17
pentes senhora. a 500 rs 44 ; 48 col eies de brim, a 200
rs. i>a80i ; 5 c.-ac .s para senhora, a 24T I0J ;
10 paletots de bruu. a 14, H'4 ; 2 caixas de bo-
loes ptra cnllete, 14500 ; 3 manias do linho para
cavallo, a t&, 34 ; 3 baioe- para senhora, a i0'
r., 600 rs. ; 4 chalos de enita, a 5'JO rs. 24 ; 7
pahlot- pretos de alpaca, a 500 rs. 34300 ; 2 ca-
sacas pn-tas para homem, a 24 44 ; 9 gravalas
a 200 rs 1 800 ; 28 lencoi bcrdai a :12B r-. 84860 ; 106 p-. res de luv de pelca, a
40 rs. 4-260; 3 fuu.us para ehapeo de h mem,
a 100 rs. 6ii0 rs. ; !2'i gravalas, a 100 rs. 124 ;
4 macos de dvellas pa a Cuilele, HO rs. ; 54 m-
tros dn tarlatana do cores, a 320 r. 174280 rs.;
42 ditos de lilo de algodao, aSliO rs. 2U ; 10
ailos de lit s prelos, a 300 rs. 54 ; 38 ditos de
beta de c6re< a -I ).i rs. 17450* ; 46 ditos de
aUodiio azul, a 400 ra lt>4'i(Hi ; ,u guardaoa
pus de algodao, a 100 rs. 14; 32 tnetros do
cambraia aberta, a 400 is. I2480o ; 16 ditos ver
des, a 320 rs 51I2U ; 21 ditn Ue mussutina bran-
ca, a 400 rs. 8.4HO; diversas caixa- vazias, in-
clusive umas para pentes 3 ; 0 > metro* do cam-
braia piutada, a 240 l>. 174600 ; 269 aitos de
la em relalho de divers>is tamanhos e cores', a 200
rs. 53480(1; 6 ditos ne seda mofada, a 500 rs.
34H0O ; 10 dilos de flanella branca a 14 04 ; 1
Caixa com peilo- de casaens para snhora 6* ; 5 ineiro- de brim ver
de, a JXIO rs 24500 ; 82 dito! de gui.iti preto, a
200 rs. -64400; 9i ditos de sarg-lim de cores,
a 200 rs. 184:00; 2 palet >ts de briin; a 14 23;
4 pares de sa pains para menmos, a 500 rs 2s ;
1 eseada do loiiro 24 ; 6 goiinhos para senh.ira,
a 2 0 r-. 14200; 16 meiros de camtT.-.ia em re-
talbos de diversas qualidades, a 200 rs. 34200;
1 porcio de casa cas e paletots e^-trauados, para
bamem, 104 ; 2 medilas de metro, 34 ; 1 tmtei-
ro do louca, 300 rs. ; 26 petas de lita de algodao
2^600; 9 espelhos csiragados 360 rs.
Os qnaes n-ns sao perlt-nceutes a Themistocles
Canuto de Aguiar, a quern for-.ru penhorados por
Francisco Antonio da Rosa, a cujo requer.mon-
to vao a praca.
B para que chegue a notieia ao conhecimento
dequem iuteressar possa, passou se eJitai na
forma da lei.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos
12 de ou ubro de 1874.
Eu, Guilherme Augusto de AtabyJe, escrivao,
0 e-crivi.
Pedr> C nw'h Pes n
qnem mais vantageos offereccr, pelo tempo de nm
a tres annos, as rendas do? predios em sefro'tla
declarados.
ESTABF.LECIMENTO DE CARIDADE.
Riia das Cal^'adas
Idem n. 36........BMM
vidal do Xeg-Jros.
Casiterrean. 114......362(K;
Idem n. 94.........:iul#*X'*
Una larga d: Hosario.
V andar e ioja n 24 A. 3104 *. andar n. 2 A.......4O800rt
1.- andar n. HA. ... 231*000
Uua de Autonio Henriques.
lasa terrea n. 26...... W*0u-i
Largo da Campina.
i.demn 11 (fechada)..... 120400.'
Rua do Coronel Saassuna
I* andar do s brado numerc 94 386*0"'
PATR1MOMO UllSOBPHAOS.
Rua di Moeda.
Casa terrea c. 21 fecbada;. \00*OiK>
Bec?o das Boias.
Casa terrea c. 18. : 421*'Vm
Rua da Lapa.
Casa urrean. II.......202*0X0
Rua do Amorim.
^obr.do de 2 3ndares 0. 23 GOSdPO.'
Casa terrea n. 34......St*x
Ruar do Bsgr-s.
Casa t-rrea n. 21.......t53*00O
Rua do Vigario.
^ andar do gebrado n. 27 WljMO
! andar do mesmo..... 2icjOfX>
Loja do mesmo.......300*00:
Rua do Encantatiiento.
5obrado de 2 andares n. l3(fMda). 1.400*000
Rua da Sen7a!;a vslha
Idem n. 16.......209*00
r.ua da fJot*.
Casa terrea a. 25.....209*<*0i;
idem n. 29......201*000
Rua daCrc
Sobrado de 2 andaros n. *.2 (fecbada) MoJMO
idem u. 14. ........ 6o0*O0f'
Rta deS. J >ge
'.as* terrea n. 100 (fecbada) 24l*iK*i
idem u. 103 ... ... 207*o*'':>
Rua do Ampar., iOlinda)
Casa tercea n. 13 (fechada).... 2i0*0if >
Os prutendeutes (leverau apresentar uo acto da
irrematacaio as -uas Ham;as. rm compareeareu
icou.pauhados dos respoctivr!< rtadores. devendo
p^gar alem da rccda, 0 premio da qu-mtia et)
|ue for seguro o predio (V'.v umtivcr estabel-1--
Bento wmmerehd, assim cxi 01 0 serrtp) da H**-
peta e preeps dos
Seereuna Mtserieotd a I
:ife, 17 Jo si. L
0 t.-envi--,
Pedrn Roilrig-.-t Hf hut
(.o^jiiiiliii Fiitt'ltiljulf
egiiroiv uawrftiiuos e i-rrca*tr*Mi
A agencia desta earafoaliia touia seguro ma
i:im s e terrestres, a pmrnwa razoams, danci
aos ultiinos u 96J0 !:vre, e 0 setiUM anno gratoit"
10 segurado.
Sua do Visconde le Ilaparicr., an'.'ga do App I
11. 51.
Feliciano latd Soar**,
k Agente.
Thumtiz kk Aquino Itoeeea k L
Sjicccssores
AGENCIAS PROVINCIAES
Liquidos espiritooaoe.
Hendlmento de 1 a 23 3:9791718
Idem do dia Si 235*900

Bacalhao, etc. ,
4:2141918
<
Navio snhido no dia 26.
Rio Grande do Sul Hiate amencac 1 Frank
Howard, capitao Aoderson, carga a mesma qoe
trouxe de New York.
Navios enlrados no dia 26.
Riede Janeiro e porto* iaierraedios -Vapor na-
cional (bard, de 1,999 toneladas, commandan-
te Qubdros Junior, equipagem 39, carga varios
generos ; a Pereira Vianua & C.
Rio de Janeiro e Bahia 6 dias do primeiro porto,
31 horas do ullimo, vapor ingle; Aconcagui, de
0 Dr. S^basUao do it.-gi 0.1 ...- .i^ u>cc..., jua
Oe direito especial do rommercio, nesia cidade
do Rmfe de Pernambuco, por S M. 0 Impera-
dnr, a quern Deus guarde, etc.
Faco saber pelo presente que nos termos do
ait I* do decreto n 1,693, de 13 de setembro de
1869, dentro do prazo de 30 dias, coutados da pu-
blicacao deste edital, recebera sl< jmzo propostas
por cartas fechadas para a arrematacaq. pur vmda
da e-crava de nome Andr za, cor preta, com 22
annos de idadade, uouco mais ou im-ihs, avaliada
r>-r 5004. Penhurala por execugao de Joaquim
Salvador Pessoa de Siqueira Cavalc-nte contra
Salvador de Siqneira Cavalcanie : arhaudo-se dita
escrava em puder do depo-dano p rticular 0 Dr.
Adolpho Pereira de Burgos Ponce de Leon, qne e
morador na rua das Trincheir s.
E para qne cbegue ao conhecimento dn todos,
mandei pa-saro presente, que sera publicado p. la
impreosa e fflM*> nos lug*res d.i costume. Ci-
dade do Recife, 23 de outubro d- Is74.
Eu, Manoel Maria Rndrigues do Nascimento, es-
crivao, 0 nbscre 'i.
Sebosti&o do Sign Barros de Lacerda.
si:cam oor lodos 0^ ra ores, store as scguiett*
ora"as :
Lisboa. Reeoa.
Porto. O aves.
Braga Villa Flor.
Vianns M.r-.i -li-da.
Visenj Alijd.
Guarda. Favaios.
i>iimbra. Bragaorj.
Guimaraes Lamogo.
Rio de Janeiro.
Na rua do Vigario n. 19.
atUCAB4CUt3
. mais cidades e .
2,639 toneladas, commandante J. Vearer, equi-1 pare Galixa e llbas dos Ac/Ores.
Carvalho A Nogueira
saecam qoakmer quantia, a vi.n n a prazo, por
todoa os psquetes, sobre Lisboa, Portd e todas as
cidades e villas de Portugal; assim como,
Santa Casa da Hisericordia d< Recife.
A junta administrativa eonvida pelo presente a
pessoas que se acham a dever renda de predios e
mensali lade d pensionista-, para qne no pra*i
de 13 dia< tra'.em de said r 05 ;-ens debilos. visi-.
quo se dentro desse prazo o nao lizerem, sera elh
a seu pezar, obrigada a intentar a comp-fote v.-
cao contra ca la urn delles, fazecdo publicar S'C-
nomes por este Diario.
Secreiaria da Santa Ca

Recife, 16 de outubro de 1874.
O escrivao,
Pedro Rndrigues de Snuza.
Construct ao da ponle para altan
dega da proiiuela do I'ara.
Da ordem do Illm. Sr. inspector da ihesourar-*
de fazeoda desta proviocia, se faz pubiico qoe et--
ta em cuocurrenuia a consiruc^ao da poow pe*-
maneote desti ada a descarga de mercadorias n
alfan iega desta capital, conf> mento respectivo, qne se acham Ha secreiaria da
junta da m^-sma thesnurana, 9 podorio ser con-
sultados pelos pretendentes ; cujas obras (<>ram
mand-'iaas executar pela ordem do tbesonro na-
cional. n. 73 de 11 de -gosId Undo, no total <4*>
299:359*400.
Os pretendentes, goer desta provincia, qner d^
do Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco, Ceari
Maran io. deverao apresentar snas propostas em
car las fechadas, as qnaes serao abertas em ao>-
ao da iunia de 17 de dezembro do cad-nitt aoso.
Tbesou'ana de fazenda da Para, 19 de setam-
bro de I8"i. Raymundo daSilva e Caaba, seer-
rio da junta.______________________________
A camara municipal da cidade de Oliaaa
faz constar qne os toros de terreno* perteB*ot*
ao seu patrimonio, e been assim o* liu Imimo-< oj-
vi-los pela transmJssio do dominio util doa ra
terreaos sitaados no muuicipio do Rfe, <
ser pagos a esU muhicipa.ida.le, de cooformt Hoe
com 0 dispust > no ar igo 39 da M prrmaciai *a.
11S6 de 15 d>* jooho do corrente anno, qoe
nheeea o direito desia mnoioipahdaos sobre 1
terrenos, e isto em virtude da oonsulla do i
de estado de Si de m.rco de 1607
Fnco da camara municipal da Otisda, IS or
ootobro de 1874.
Barlo da Tacarnna,
Prealoante.
Maroolino Dias do Araojo.
Secretarfo.
?


I I <.
* 4
.'
I
1 .
r*

Uiano de JfernamDugo.. Terqa teija 27 06 Oujtabro de la74.
iBstiluh lircheoliigcicti e Geogra-
phic* hm :ubucan'o.
Havera sessfto ordinaria quinla-feira, 29
do corrente outubro, pelas 11 horasda ma-
nbd.
de com-
ohoem no dia
1.* QuestoVs adiadas. .
2.* Parecen;s"t> tn.iis tr.ibalhos
missoes.
3. Palestra litlerari.i.
Secretana do lnsUluto, 20 de outubro dc
1874.
J. SOARES d'AiEVKDO,
Stcretario perpetuo.
Moate-Pio Portuguez.
Pela seeretaria desta sociedad!, manda novamen-
lo a directoria convidar aos socios a se reunirera
em assemblea geral, domingo de novembro as 10
boras do dia ao e do Gabioete Portuguez,
para se prooeder a eltxgao aaaua, eomo determi
na o artig.i S6 dos esututos, e por er este o se-
gundo coavite, sera cooslituida a assembles com
o namero de soct s presente*, de eoaformidade
com a ultima parto do artigo ?l dos refendos
estatutos.
Secreuria, 26 de outubro de 1874.
0 t. secretary,
^_________________J. X. Vieira Ligo.
Obras militares
A 317 do corr nte. ao meio dia, sera aberta a
concurrencia para a execucao das obras e coacer
tos do qaartel das Cioeo Pootas, na importaocia
de 1:344*970 : os pretendentes apresentem-se na
reparticao das obras pobffcas, onde se acba o or-
camento, maaidos de saas propostas em carta fe-
chada. Recife, 19 >te outubro de 1874.
0 eogenbeiro das obras militares,
_____________Ghrymdito P. de Castro Chaves.
Irman lade das -tlma* erecta
na matriz de Santo Anto-
nio.
De ordem do nosso irmao juiz convido no*so3
irmaos a reunirera se na qaarta feira, 28 do cor
rente, pe.las 5 noras da tarde, oo consist irio da
irmaodade, aiira de oroceuer-se 4 eleicio da mesa
regp'iora. do aaao cnroproraiss.il de 1874 a 1875.
Consistorio da irmaadade das almas, erecta na
matnz de Santo Antonio, aos 26 de outubro de
1874.
Francisco Perrelra de Novaes Filbo,
___________________Escrivai.______
Pela mesa So consulado provincial se far
puhlio qoe no dia 10 i > current* mez, ao meio
dia, a p >rta desta reparticao, se ha de arrematar
20 btrnc.s com cerveja oacional, apprehendidas
a Joao do iNacimento Moraes, pelo conferente,
Fraicisco Borges Leal, ra-dindo 320 htros, e ava-
lir.oas. segutuo a paata seraanal, na quanlia de
1154200.
Consulado provincial de Pernambuco, 2i de ou-
tubro de 1874.
0 administrador,
__________Aptooio Carnfiro Machado Rios.
-rr- T.-rcateira 27 do corrente, Unda a au
diencia do Sr. Dr. juiz de direito da primeira va
ra civel, se>a venduta em ha-ta pubhea, a casa
terrea a -na das Crioolaa n 22, freguezia de N.
S. da iiraca,': m 30 pahnos de fivnte e 52
de fond". 1 poria e 2 jaoellas, 2 saUs. 3 quar-
tos ci'zinh i i xt-rna, quintal murado com alvo
redos fri.rtifrr.is o qual ten) 41 pa>mos de lar-
gora e 180 de comprimento, com 2 qoart s, pa-
ra eriados, cnziuha meieira e com copiar, tudo
em bum estado, e pennorada p.>r execucao de
Manoel Fru'tuoso da Silva contra Jeronymo Del
sne, poi 3:200*000. por e ter d duzido a 5." par
te a.i valor de 4':O0OJ, por qaauto fni a mesma
casa avaliad.i. islo pur nao ter apparecido lanca
dor a primeira orara.
Libra> eslerlinas.
Vendem Augisto F. d'Oli-
veira &V.C
Rua do Com nni n. H.
mado, I armar o. 1 lavatorio, I par de quartinhas,
I cadeira de deacanco, trera de eozlnha, panellas,
cacarolas, aatadeirasj chaleiras, i Ic.
LEILAO
<:OMPA.\UlA PI:iL\AViBUCArSA
E-
^v.^a^iio -4i^i-ira a vftj*>r
Macoio, tscslas.
Recebo carga ale
sageiros e dinbeiro a tre
de do dia de sua sabida
Mattos n. 12.
Para IJsboa.
A barca porlngaca Peteira Borges, capitao An
tonio Alfredo Borges, reo be carga e passageiros:
a tratar-se com Silva Gait laries & C, praca do
Corpo Santo n. 6, segnnd< andar.
''jnff'l:! e A? MCiij'i'.
0 v;i[ior Mt.iidtJiu,
comtnandante M-ri-
nho, segnira para os
por tos acima.nj din 31
do corrente as 5 flo-
ras da tarJe.
30, enco n.inendas, pat
e ale as 3 b<>ra. da tar
escriptorio no Forte do
PA
arma^ao, rui das Cmito^m n. |, esqninl d dc S. J-iji'.
IHME
0 sgeole Martins fara leilao d'armacao, gene-
ros e perlencas da taverna acima, eni urn on
mais loies, a vonlade dos cumpradores.
.!'.* Ilhoas doH*i acima.
Barca Santa Maria ao Para
Ji tem eogajada a maio parte da carga meto sr
para o dito porto ; e paia o resto traU-sjeo cf ea
seas consignatarios Amori n IrmSos a '-
4 II % IK.II I \H REUlilS
COMPANHIA FRifiCEZA DE NAVE-
GAQAO A \VAPOR
LINHA MENSAL ENJRE 0
Havre, Lisbda, Perrni'm
Janeiro e
>uco, Bahia, Rio de
Mntos,
STEAMER
VILLE DE RIO
Cumntaniliinte
Segue viagem hoje 24 a
os portos do sal de saa m
Para fretes, encommend
se com
OS CONSlGltATARIOS
AUGUSTO F. D'O.IVEIRA 4 C.
viRaa do Commerci
DE JANEIRO
A. Fleury
3 boras da tarde pa'a
data aeiraa referidos.
a e passageiros, trata-
do Toijres.
Para Lisboa.
Pretende segoir com br ividade o lilgar porta
guez Julio. Para carga e p
OS cnsignalarios Tbomaa
C Successores, a rua do
andar*
Rio de
0 novo patacho brasileir) Rival recebe carga a
frete para aquelle porto :
dos consignatarios Balthar
Vigario n. 1, aniar.
Para
o
Pretende segnir com mi i
bote Joven Arthur, tem pa
to engajado, para o resto
cum o sen con.-ignatari >
Azevedo, a rua do Bom Jems n. 57.
IEIIDES
[mpertol Sociedadw dos Artistas Mecbauicos
h Liberals.
Tendo so jaeffec nwlu a mulanca da seMe desta
socied de para o 2* andar do sobrad) n. 63 da
mesma rua da linjeratrix, ciutiauara as aulas do
Lyeen d'ura ein ilianta a funccionarem nos dias e
horas ja designad is.
Secretana do lyceu, 26 de outubro da 1874.
0 se.< retario,
P. V. dos Santos._______
VUMlNISntAOAO i'OS OtRRE'OS DE PER.
NAMHUI.O, 27 DE OUTUBRO EE 1874
HilaB a expeitlr-se
Pelo vap r uacmnal Ce expede malas para os portos do n.rt', hnje 27.
Rerebirn-se jornaes, impresso de qunlquer na
tureia, e cartas a regi>lrar, at6 2 horas da tarde
cartas ordinarias ate 3 boras, o estas ale 3 l|i
com porte duplo.
O administrador,
Alfonso d" Repo a ros.
W
Saulo Antonio
COMPANHIA IIRAMAT CA1TAL1 SNA
EMPRKZA
II.je
Repetigloa pedido geral
do maguitico drama em 4 paries, intitulado :
Galileo Galilei
ou
ATREMENDA INQUISPO OEM
H. loc.pj ,ra as 8 boras
Novo e
Ultimo leilao
DOS
j^eneros de estiva existentes em o es'abele-
cimeuto n. 12, da travessa da Madre de
Deus, pertenceiites A raassa fallida de
Joao Tavares Cordeiro & C.
Hoje
As 11 horas em ponto
0 agente Dia*, levafa a leilao, pela segunda e
ultima vez de conforo id de com o despacho do
lllm. Sr Dr. juiz especial do commercio, os ge-
neros de estiva ezisteutes em o armazem acima
indicado.
Leilao
ra lojas, objectos de bri-
lhwite, ouro, prata e pla-
*1U(3, louQa, pince-nez dou-
rados, relqgios de parede
c de ctma sio mesa, quarti-
nheiras, comniodas e jft2
ditis, grnnde (juantidade
de objectos demarci eri>,
miudezas mensos artigos do uso do-
mestico, que serao vendi
dos a ir6co do barato, por
conta de di versos
Quiata-feira 29 do corrente
as 11 h .rasda maiiha
PEIRA SEV1AN.1L
i6~-Rua do linperador-16
pelo agente Martins.
Rua da Roda
Sinto bastante nio estar agora presenle o men
collega para f.iaer jliafar e UUo e nojento abaixo
assignado da rua da Ko la, eu favor don...., ;i qnanlo elle sabe pert itamente de mdo quanto hi,
pois elle pergunt-iria se e ou nao rC, dn lal
''apal.....e >> t-il cnl.. ; erfim (ki aqoi. ;>--is
Hfcr*il> sit iniin. tii.l'. i iti'.i ji.i i i-:'!."'! i
le-li- |M|1Hfr, |i .r q-ikn'n l.a uiliti C!fl*a li-MllU,
Aluga-se
os arnaz-ns u- 65 e ti9 na praca do cnafariz eLi
Fora de i'ui'as. um nilr ii-va unla de ferreii..
In failecid i K Vlahnlt O ontri qua esteve occti
Jh.tI" mil vi|. la .1.- inIJiadi.-. para o i;ue '
|!iin-< i-i.i !m-andadr- --. i :. |-.ii..i :nr,l. livr -
I .1- mtiM'.-ir il-.. .1.- i I | ii |..,: a 'fa' :T r, rn a
I i.- ii1a--i i fa .-'i.
Aiilk'4-Sd uma ,
ma J. t'.U.r'u li. 140,
> vtpititnn- ''i Mi.'jfn-i i:>..
i ....i.i l-ii.-n r\i-1:
i,..
LEILAO
.Entrada pela rn*
issageins, trata-se com
de A iu no Ponci ca &
Vigario n. 19, primeiro
Janeiro
a tratar no escriptorio
Oliveira &C, a rua do
DE
umcnfre, prova de fogo, i secretana, 1 prensa,
para cartas 1 balanca e pesos, perteocentes aos
bens da massa fallida de Joao Tavares Cordeiro
&C.
Para
ta brevidade o pallia-
te de sen carregamen-
que lim fa!t;i trata se
A|ot"nio Luiz de Oliveira
cao demarmcre, 1 co-
de faia, im tacao de
taverna n. 2, a rua djo Vigario Thenorio
Wen
1 armacao envidracada, b
fre francez e 1 earieira.
Em conpnuacao 1 mobil a
jacaranda, com encostus d >. palhmha, 1 mesa elas
tica, I rama franceza de acaranda, I toilette de
dito, nova, I guards vo-tid> nnvo,
da, colcbas de -- d-i. novas,
r<>, 1 aonel cm 3 brilhant
e 1 esmeralda, 2 ditos de I
ro meio rhronomeirn,
soleta, 1 dita simples,
balanco, ditas >le Iira5"s e
I mesa redon
I meio adere^o de GU-
I', 1 dito sum 10 ditos
ttras, l relogio de ou-
1 rida cadeia de ouro e cas-
I bi m cavallo. cadeiras de
lutros ranitosobj*-etos.
.Vs 1(1 l|'S hurttM.
' 0 agenle Pinho Burgi s, bastante autorisado,
venJera em leilao o que aoma ue declare, pur con
ta e risci de quern pi-rten 'er.
0 agente osh aut. ri-ad i tambem a garantir ao
arremaiante da armacao ; ntensilics a ca?a ende
se achatu supr ditos obiec os.
Agente j^cstana
Grande e iinpo tante
leilao
moveis, lougas, vidros
ta
Ho
as IO 1|
No primeiro andar
da Aurora
0 preposto do agenle P.
crystaes,
e brlbante
e
s koras
( n. 61
siana, compelentemen
Para Lisboa
Segniri com brevidade o bnt ue portngnez Bella
Pigueirense, rapitan Hilario Rodrignes : para car
ga e passageiros, trata-se com E. R. R bello&.C,
rua do Coraiue cio n. 17, enlrada pelo largo do
Pelourinho.
Ilha de S. Miguel
3egne com brevtdade para S. Miguel o paiha-
bote portogaez Novo $. Louren$o, para onde rece
be carga e passageiros : trata se com <*s consig
catarios Thomaz de Aquino Ponceca & C. Succes
sores, rna do Vigario a. 19, 1* andar._________
Mo Mm
0 brigoe portngaez Triumpko, pretende seguir
com mnita brevidade : para carga e passageiros
trata-se com os consignaianos Thomaz de Aquino
Fbnceca & G successores. rna do Vigario n. 19
te autorisadp por um. faiiiha qua se relira para
lo, por conta e risco de
is abaixo mencionados
rente.
i Rio de Janeiro, fara le
quern pertencer, do mov
Sala da
Uraa rica roobilia de jac.ranla, eomposta de 12
le br.;os, 1 sofa, 2 coo-
lado fabricante de Pleier
2 espeihos donrad is, 1
caDdieiro a g.iz, 3 pares d jarros, 2 pares de Ian
cadeiras de guaruioan, 4
solos, 1 rico piano do a fat
1 secretaria de jacaranda,
ternas S cestas para fl-ires
tapete, 1 par dt escarradeiras, d!vprso9 qnadros
cum Boas gravnras, 4 par de jarros de porcela
na dourada para flares, |
de pedra, 1 relogio, 1 riea
de palba.
1
qu
Cm guards vestido, 1 c
ii-tto de dito com pedra, 1
moda inteira, 1 candieiro
nuas, 1 espelho, 1 tapete.
4qu
Uma cama franceza de
da. 1 cabide, I guarda-n upa, 1 bidet, 1 par de
COMPANHIA PKRNAMBLCANA
DE
Nawegaea* eaateira a vapor.
FiRAHTBA,NATAL, UACAO, MOSSORO*. ARAC.
TT,CRARA,ACAHACU'.ORANJA E AMARRAgiO
NO P1AUHY.
0 vapor Pirapama, com man-
dante Silva, segnira par, os
portos acima no dia 7 de
novembro as 5 boras da tarde
Hecebe carga ate o dia 6, en
eomnwndas, passageiros e di
nheiro a frete ate as 9 horas da tarde do dia da
gahita : escriptoriM no P-rte do.Mattos XL 12.
Real- coiii|i;iiibia de pHi|ue(es iu
gleies a va|xir.
No dia 39 do eorraato espera-se doi porto* do
Ml o vajior ingkez toym, comraandante R-eks,
o qoal dep.ua da dittwi do costume, segnira para
Soothampton, toeand* nos portos de 8. Vkonte e
Lisboa.
Pare PA-sagens, Mas. ate., trata-se na agenda,
HU do GommercN & ML
quartinhas,
4 cadeiras.
1 tapete, 1 |
ouro pra-
I banco para piano, 1
Em continuacao ao It i'ao dos generos de estiva
existentes eni o armazem da travessa da Madre
de Deus a. 12.
Age te Pe^tana
leilao
DE
duas caixas com queijos londrinos, vindos
pelo vapor inglez Alice, e 30 caixas com
genebra ultimnmente desembarcaoas.
Quarta feira 28 do corrente.
AS 11 HORAS EM PONTO.
No armazem do Sr. Annes.
0 preposto do agente Pestana fara leilao por
conta e risco de quern pertencer dos objectos
acima mencionados em um ou mais lotes a von-
tade dos senhnres coinpradnres
Agente Pestana
leilao
DE
diversas caixas com superior cerveja, ditas
com vinh > XerVz e ditas com champag-
ne, para ferhar contas.
QUARTA FEIRA 2S DO CORRENTE
ass 11 liorust em puistn.
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
fandega
0 preposto do agente Pestana I ra leilao, por
conta e risco dequ-m pertencer, para fechar
conlas, de diver
ditas com vinbo Xerez e ditas com champagne.
Em um on mais lotes, a vontade dos Srs. com-
pradorts.
Searundo
DE
FAZENDAS
CONvVTANIX) DE :
20 pecas de fiid preto, 2 ditas de setim
branco, 9 pegas de st-da lavrada, 35 ra-
pasde seda, 3' pegas de damasco de la,
420 v^os para nnivas, 63 pecas de sarge-
Um preto e de cdrs, 96 chales de case-
mira,34 duzias delen^osdH s-da, 100 di-
tasde lenco de cassa e 200 livn>s, copia-
dnres de cartas
QUINTA FEIRA 5 DE NOVEMBRO
No armaz-m & rua do Bom Jesus n 63
Os adminisiradores da massa fallida de Pereira
de M-llo ii C. fa ao leilao, por intervened) do
agente Pinto, e de conformidade com a autorisacao
que tem d i lllm. Sr. Dr. juiz especial do commer
cio, do resto das fazendas perteaonies a dita mas-
sa, e existentes do armazem da rua do Bom Je*us
n 63.
leil
ao
armac/io,
zendas
D\
fazendas e perten^as da loja de fa-
da rua DuquHde Caxias n. 44
Massa fallida de Francisro 6uimraes 4 C.
QUAItTA FEIItA 28 DO CORRE.NTE
0 agenle vaitins, lev-ra novaiueute a leilao, por
niandadu do lllm. Sr Dr juiz especial do cura-
mercio, d'arniacA", fazendas e penencas da massa
fallida de Fraociscu Gunnaraes & !
A's 11 horis do iia acima
' Os pretendentes podem examiuar o mandado em
poder do agente.
Agente Pestana
Leilao
DE
25 caixas com muito superior vinho Xerez,
e diversas ditas com dito Suterno, em
garrafas n mmas ditas
QUARTA FEIRA 28 DO CORRENTE
ds 11 112 horas em ponto
i\'o armazoisi I Sr. Annes
0 p eposlo do agente Pestana f .ra leilao por
conta c ri-co de qu^m p superior vinho Xerez e diversas ditas com dito
Suterno, em garrafas e meias ditas.
Em um on mais lotes, a vontade dos Srs. cora-
pradores.
LEILAO
porta musica, \ bguras
costureira, 1 costurelra
prto.
ma de jacaranda, I toi-
bidet, 1 cabide, 1 cum-
a gaz, 1 par dequaru-
rt'.
bmarello, meia
commo-
ar de Unternas, 1 berco,
irto.
2 consolos, meia com-
1 par da lao-
a" qu
Uma cama de amarelk
moda do systema de pu.-ujda roupa,
ternas, 1 cabide, 6 e^drin, 1 bidet.
4 qulsrto.
Um marquezao, 1 cabide, I lavitono com jar
ro e bacia. t mangas d<| vidro cuti casti^aes, 1
cadeira para descanco, 4 ditas e 3 bancas.
5 qijarto.
Uma marqueza, 1 par Le cons los, I caadieiro
a gaz, 1 cadeira para des
6 qd
Uma marqueza, 1 cam t para menino, 1 lavato-
rio, I cadeira de balanco, I bauquinba e 1 par de
quartinhas.
7 quhrto.
Uma commoda nsada, i > cadeiras, I banra, I ca
bid- para pendarar, e t q laruuboira tambem para
pendurar.
8 qt) arto
Dous consolos de jacar;
de term, 1 lavatorio, 1 es;aote para livros
deiraa de balanco.
S-la de
Uma excellente mesa
guarda louca, I par de a
costnra, nova e de dous
flltrador de pedra,
i -ap '
anco, 1 lavatorio.
arto.
uda, 6 cadeiras, 2 eamas
e2 ca
jantar.
elastica de 4 laboas, I
baradores, 1 maquina de
pospontos, do fabricante
SiDgcr, IS cadeiras, 1 s(i, 3 cadeiras de balanco,
1 espreguifadeira. I rein po, 1 quartinheira, I ap
oarelho para jantar, 1 d to para almocc, 3 pares
de quarliuhas, 16 garra as com v nho Xerez. I
i mei>a para rale, 6 qnadros.
compoteiras, frnc eiras, 3
copos, calices, garrafas,
tampas 4e arame.
Sala de eigommarlo.
Ooze cadeiras, 3 consi >kis, 1 mesa para engem-1
DE
moveis, louga, vidros, pianos de armario,
ditos dc mesa, ouro, prata, e diversas
miudezas
QUARTA-FEIRA 28 DO CORRENTE
A's 11 horas em ponto
\ arissiizesn da run do Horn Je-
sus n. B8 (unti^H Cui).
0 agente Dias lara leilao, por conta e risco de
quem pertencer, sera reaerva de precos, ao enr-
rer do martello, de nvibiiias de jacaranda, dita-
de amarello, gu-irda loucas, guards roupa, apara-
dores, mesas elasticas, camas para casal, mar-
quezdes, marquezas, quadros, camas de ferro pa-
ra menioos, candieiros a gaz, cadeiras para piano,
cadeiras d- balanco, ce>tas para (lores, copos de
metal, e muitos outros objectos que estarao pa-
tentes ao acto do leilao.
Feira Semanal
mobilias de jacarandd eama
rello, .guarda lt.uca de
mogno e amarello, guarda
vestido, pianos, mes s pa-
ra jantar, aparadores, toi
lettes quadros com linas
gravuras, 1 caixa de mu-
dica,camaw francezas,mar-
quezoes estreitos e largos,
espeihos dourados, relo-
gios para algibeira, de ou-
ro e prata, I espingarda de
2 canos, 1 rewolver, estan-
tes para iivros, liteiros pa-
Novo leilao
DE
um grande sitio com casa de vivenda, tendo 2 sa-
las fi.rradas. 1 gabioete forrado, 4 quartos, co
zinha toda envidiaQada, grande terreno, cacim-
ba, e muiias arvores fructiferas, junio da esta-
cao do Salgadmho. em Olii>da.
as 111| hras
No escriptorio da rua do Bom Jesus n. 53,
l. andar.
0 agente Pinho Borges en.lera o referido sitio
em Inlao, por conta e risen de quem pertencer.
Os Srs. pi'ei-ndeti'.r.s p..dem disde ja examina-
lo, e para qualquer inf.-rmacao com o mesmo
age ate.
4irlSO'2> U^ ^5P5
Massa fallida de Mereira de
Mello & C.
Os credores po^em rece-
ber o 2. dividendo de sete
por cento, apresentand) os
titulos para aearinntarpm.
- Alufta se o armazem de reculher, do sobra-
do da rua dos Burgos n. II, pordetr z da rua do
Vigario : a tratar com Jose Feliciano Nazareth,
rua da Praia n 20.
Massa fallida de Azevedo
db C.
O arreniitanie das dividas activas Je.-ta mas
sa, convioa as pesaoas que ticaram devendo a
me>ma, a cmnpareeerem a rua das Trincheiras
a. iS. primeiro andar, a'imoe saluii'io seus d -
bit'is, cerlos de que i nao fazeado em dez dias
da data desta, se empregarao os meios judiciaes.
Recife, 34 de ouiur.ru de 1874._______________
Teulo-se deueanilnhado os taloes ns. 7,648
3,964, pertrncentes ao seg ro de vioa uo ban-
co Umao, da cidade do Porto, em P inngal, a favor
do padre Jo-6 Lopes Dias oeCarvalho, lallecido era
22 de novemlKo de iS70, na fregne la ie Santo
Autonio, de Garanhnna, nesta provincia de Per-
namboco, seu pai e lierdeiro J >ao Kodngaes Uias,
re.-id-iito uo logar de Sarnadella, fregui-zia do
I'ombei'O. julgado de Arganil, n d to remo de
Portugal, a?sim o f;-z publico. rhauiaudo qualquer
interessado aos ditos laldes para que no prazo de
30 dias, enntados da data dHsta poblicai;ao, o ve
nriam reclamar na mesna i-id^de d'> Po to, e nao
ofazendo licara o dito erk'r habintado para re
ceber do dito banco o qu* se liqui'iar desde o anno
de 1870 em que lin.iis. n si*iimi
J'.a iuiiii Ni ulau erirnia. vai .:..ii do u-
perio temporal iameute ; na -ua ausencia deixa oi-
carrenado de todos os seus negocios seu innao
Jose Nicolio Ftrreira, Alfredo Alves 4 C, Bernar-
do Jose da Costa Valeule Juni.r.
Recife, 20 de outobro de 1874
Aos fiscaes
Pede se aos Srs. uNcaes que lancem suas bene-
ficas vistas para os pesos de um ac m^ue da rua
do Rangel, poisia ta> graude o escaudalo do tal ta^
lhador de carne deste acouguo, que domingo 25
do corn nte, em um peso de sets libras de carne, o
dono des onhando do peso maodou-a pesar em
uma taverna, e encontrou libra e -i.eia de menos.
vendendo o tal talbador4 l|J libras por 6 lit ra
PeJr-se, pois, a attencao oos Srs. fiscaes para tao
honesto lalhador.
0 prejudicado.
- Alnga-se ou vende-se nma pequena aruacao
de taverna com as soas pertencas, sita na cidade
de Olinda, em uma das principaes ruas para ue
gocio : quem a pretender, dinj* se ao oitao da S6
a. IS.
Leia
Em uma grande casa que tem grande inl Ul s
muilaagni Jo Beberibe, ceJe-se o quarto da fren-
e ; quern quizer, va a rna da Pa ma n 34.
Precisa se de um preto para ?e vir diaria-
mente : na rua da Guia n. 54.
Casa e Sitio
Alnga-se uma casa terrea bastante grande para
uma numerosa faroilia, tendo um grande sitio, na
Capunga, rua da Baixa-Verde n. 30 : a tratar uo
mesmo.-
Precisa-se alugar um esjravo de idade de 10
annos para servicj maneiro e roeadof, paga-se
bem : na rua Duque de Caxias, loja da Verdade,
n. 97. ___________
Precisa--e de uma escrava para cozinhar e
engommar, para pequeua familia : na rua do IIos-
picio n. 32, sobrado.
AllciiCiliK
Vende-se ca'do de canoa toJos os dias : no caes
do Capibaribe n. 50.
COZINHEIRO
Precisa-se de um para casa do
familia. no Caes d i Apollo n 69.
pequena
- Aluga-se 2 casas muilo frescas,. na Capu ga
'com coinmodos para familia : a tratar no mesmo
.ugar a rua das Cm nlas n. 5._____________
Aluga-se por anno ou lesia o sobrado de dons
andares nos Quatro Camus, ea> Olinda, com crm
modos para grande familia, agua pneana isada e
caao para despejo, muit.) fresca, perto do baoho e
das e-tagSes : a tratar na rua da Uniao (Ilha dos
Ratos) n. S3, detraz do Gymnasio.____________
P- nte dos Ctrvaihos
Previne-se que pessoa algnma faca a foramen t 9
I erpetuo on ontro qualquer negocio com o Sr. Ua-
siliano de Magalhaes Ca.-lro, subre os terrenos da
propriedade Pont} dos Ca "alhos; e pelo presente
protestamos nio =6 contra os que de bora em
dianta forem feitos cmno contra os quo por oeca-
iao ja se acharem feitos; visto sen m elles nullos
t criminosos.
Ponte dos Carvalhe*. 21 de julho de 1874.
Urn dos herdeiros.
David fuyio
No dit 27 de setemnro passado ansenlou se este
escravt, o qcal t^m os signaes segnintes : rionlo,
de idade 36 a 40 annos, t-alalora baixa, cor preta
rosin redon i.>, nariz um tanto cbalo, seat denies na
bocca, tem am pequeao tngutle e ponca barba no
queixo, pes apalbetados e lortos, com simses de
( ridas, teiu as maos calejadas, quando anda e todo
iri.mho, 6 in ito faiudor, e das partes de Una
foi escrav,. de am t-ngpano do Sr. Paolo de Amoj
nm Sdgado : n.g.-se as aatoridades policiaes e
capitaes de campo a appreh^nsao do dito eseravo,
e leva lo a rua de Uarcilia Dias n. 129, que serao
graiificados.
Con vein
Na rua do Imperador n. 9, se dira quem aluga
ama casa no Caldeireiro, perto do banho, e com
comrandos para familia, com pequeno sitio to to
murado, em a rua do Lameirio, por festa.
- Aluga-fe o 1* e 2* andares do sobrado sito
a rna de Lomas Valeatinas n. 86, contendo cada
andar os commodos seguintes : 2 grandes salas e
bas antes frescas, 3 quartos, enzinba fora, um gran
de corredor ou quintal com portao para a rua de
Horta-, e cacimba com boa agua para lavar rou-
pa ; aloga se pelo mais commodo preco : quem
pretender, diriia se a rua Nova n. 17, que auhaja
com quem tratar.________________________
- 0 Sr. Alexandre Ferreira da Cruz se com-
prar a taverna em Beberibp, que no seu annnncio
de hoje (3) declara pertencer a loao Marques da
Silva Mendes. tem de Hear obrigado pelo papa
memo dos generos comprados pelo dito Mendes ao
Sr Antonio Jotd Silva do Bra-il, para sortir a ta-
verna que teve em Apipucos, e que pi r sua iccx
periencia consendo em transfenr para tssa de
liehenhe._______________________________
- Com Francisco de Paula Uehoa Cavalcante
cobrador, precisa se fallar com urgencia : na ru,
Primeiro de Marco n 16, 1 andar
^- Uma preta de 30 annos, |oe cozioba e en
gomma bem, precisa da quaniia de 4c0jl pirn
sua liberdade. cmlralando seus services -:om a
pessoa que queira fazer esto ni-gccio a pagamen-
to da diia quantia, no pateo dH S. Pedro n. S6,
na mesma casa vende se 2 escravas quo cozinhaiii
e engomuiam, uma drllas por 6ll0i5
Escrava liigidii.
Josepha ?usentou se da
no dia 5 de outubro e tern
cnoula, c6r prela, representa ter 25 annos nouco
mai ou menos, tpm os dedos da rrao direila
cortados, levou o tab>>leirn era que andava ven-
dendo cangica e contimia a andar com o dito ta-
boleiro com toda louca para nao ser agarrada,
levou saia de chita com um babado estreito em-
baixo, traja camisa com labiryutho no talho o le-
vou chales preto : roga so as aaturidades poll-
ciats ou capitaes de campo, a pi>rehensao da
dita e-crava e leva-la ao Camicho Novo, silio n.
liO, a sua senhora, eu na rua da Cacimba, pri-
u.piro andar..a entregar ao Sr. Jiiin Francisco
Leite. que sera Rpnernsament* reeoinj'pn.-ado.
casa do sua senhora
os signaes segaictes :
t'aftu
Aluga-e a loja da casa n. 61 da rua do Apoilo :
a cbave csta na rua da Cadeia n. 3. para ver.
"TasaIa FoiiruxA.
AOS 4:000^000.
HILBETES GAlUNTIilOS.
.1' rua Prinuttro de Marco (outr'ora rua >o
CrespoJ H. 2* e casax do costume.
0 abaixo assignado, tendo vendido nos seus fe
lizes bilbetesum meio n. 3166 com 7fl0l!00. um
meio n 200 com 2 OiOOO, um inteirn n 2741
com lOOjlOOO, um intpiro n. 2766 com 100*000, e
outras suites de 40* e 2n* da lotena que se
acabou de extrabir (18 !), convida aos postal
dores a virem receber na conformidade do cos-
tume sem descunio algum.
Acham-se a venda os felizos btlhetes garantid..-
dj 5- parte das lotenas a benencio da igreja
de S. Goncalo (122*), que se extrahira na quin
ta feira, 29 do corrente mez.
PREgOS,
Bilhete inteiro 4*000
Moiiihilhele 2*000
Em poi-rao de loo. para rlma
Uiliieie mteiro 3^500
Meio bilhete I*7ft0
Manoel Marlins Fiuza.
Escriptas
Uma pesso1 com habilitacdes, disp rdo ainda
de algum tempo, se pmpoe a fazer algumas es
criptas, ou sejam por panidas dobradas ou sim-
ples, ou sejam por pffeetividade ou me.-mo tempo
rariamente. A muita pratica adquinda nesse
exercicio. garantea perfeicao de seu trabalho, o a
sua assiduidade, sem duvida, satis fara a quem Ihe
confiar seus serviijos: quem precisar uiilisar-se
de sen prestimo, pode dcixar nota na loja do Passo,
indicando o nome e lugar para ser procured?.
Aluga-se a loja do sobrado a. 1 da rna de
Aragao : tr*ta se com seu proprietaiio, a rua do
Hospicio d. 33.
Eseravo fugiilo.
Fagio do engeuho Ajudante, na freguezia da
Ecada, no mez de junho do corrente anno, o
eseravo Martin ho, de cor prela, com 22 annos
de idade,, pouco mais ou menos, altura e corpo
regulares, olhos grandes e bnnnos. com principin
de barba, denies p-rfeilos, cabellos catapiohados,
pes grosos e compridns ; anda um pouco decli
nado para frente, com a vista firnada para o
chao; e muito cantador e oulcial de carreiro.
Desconfla-se que o dito eseravo esia occulto eu
terras do engeoho Para, na fregaezia de Ipojuca.
pelo que, incorrera nas peuas da lei, quem o liver
occulto. Roga se as autoridades policiaes e aos
capuaes ao campo a captura d- dito eseravo, e
ser entregue a sea .-entior, Emilio Pereira de
Araujo, do referido eogenho, de queiu terao a
a paga de 50*000.
Consollorio medico


DO
Or. Murlllo.
RUA DO VIGARIO N. 1, 3.' ANDAR.
Recem-chegado da Europa, onde fre-
quenton os bospilaes de Paris e Londres,
Sjdera ser procuradc a qualquer hoi a do
ia on da noite para objecto de sna pro-
fissio.
Consnltas das 6 is 8 horas da manha e
do meio dia as duas horas da tarde.
GRATIS AOS FOBBED.
Esptcialidadtt: Moitmuaa de setlioras,
da peUe e ue crianca.
- Alllia -e .. .- -. 1*1. it., in >;. hi .
'.:/. ii'ii-n ;. .. ^.. in .ide li.i la.ert-.
ti i.am-ni.-,;-1 aiugti I mt-n-al de 30*, tr.i
in s t 0 : ira'ar na ros !> Paire .>obref
i. ,.
.IVINO
D. Leot-clJiua de S.uu Soar.s, viuva de Anto-
nio Jose So.irps Juni t, declara nada devnr MSta
praca ou fora delta, pelo que. quem se julgar sen
ciedor, presento suas conlas a rna Barreto *:
neces n. I, no prazu d; oito das, cerm deque.
Undo este prazo, aao se aiiendiia a inalquer q;:
appare.a.
Os Srs. J iao Paulo -e Souza e J v6 Maria de
Azevedo niieus li |>ii Pilf hondadj dc appan-cer no esrriptorio da compa-
nhia pernamlmcana, no Recife, a negocio do sn
particular in'.erps-e.
Aluga ij a casa (errea n. 8, a rua do Li-
ma, em >anto Am*o a tratar na rna da Goia
n- 54, padaria
Jose Antonio Domingues de
Figueiredo
para o fun de evitar incommodes aos sens frefaa-
zes de vuem taVi longo comprar cigarros, texirwi
abrir u;n depo.-ilo no bairro de Smlj Anlonio, a
rua estreita do Rosario n. 16, esquina da rua Ms
Lar*ngeiras, ahi encontraiSo os coasasMssv d-
lodos os cigarroA in:mulai:tura.loi> em sua fabriea
tanto end grosso cozne a relalho, pelos me*3'*
pregos da fahrica.________________________
Pro i esto.
0 abaixo assfgaado, lllho lepitimo da finada D
Maria Goinps Continho do Aiuara!, -ahenou iyj-
o< ben- deixado por sua mai, dos qnaes p a OBi*i'
e legititr.o herdeiro, oftfi.j Jostos para seresl *m-
didos pelo nnllo te>tamenteiro Man el l.niie-i
Silva GiiTi;araflj, previne flja* n:nj;U'-m f*fs ne-
gocio com 0 litio e casas da Varz- i.m r tn -.otri
cualqner bem, vi!o enOM nao sntorisas aain-
guem para vende Us.
Keem, 14 de wuibru de 1874.
Thomaz do Alfoaw Coaiiuho do Amaral.
?" x ? = v<
ir52S V.3 x= = A.
? 9 S 9
ZrS
t,fT|a
5-5-
2 =- 3
OB,
3 2S-3
- *n' rf c
JiS
5 3-^
^ 3 *
Iff-
= Z = i
a. im t:' "*

i|2
< ii s s
s 1
-1.
If
~ 3 fV

3 5
fa g
- c < =

Zi
. 3
i
5 ? IIP?
? 3. Tl
S s =s;
B. h



i
MBRTIMEIaTO
M R I) IV. I N A

Lanman d I
ra ill' ji; -fl
' la >i qualifl
' -. i>- '
1
peito ou tMifna.
Kx|
: tlllil ). I. > .utr-
.- '-
qna se 1 *ah
1 terra .'.nva
purinca ojlmente, t <**%
ivalnavets: pfi-
odades cuuiwiva-
ias eon ii.iio n
eutdado, emtn4o
0 frasco se garaft-
teperfuitaiaaB-
to puro.
Fstc. < ii'n tea
-Ho sul>i:iKti';
1 .:!icxaincmu>-
to si.'vero p-.i,..
rhiintco dc man
: lento, v irno h-s|iaihol
m I'iiIw n f'U
pronunri.Tiii pot
'lo ;i eoiRar
MAIOII I'ORCAO D'lODUU
i't que outro qualquer olco, qua ellt Ha
xaminado
IUUIiNO E DM PODER S4LVABOH
y.m todo 0 oleo do ligado 4e Laralhai u?-
juelle no qua! cnntein -a mator por^du delta
tfivaluaral prupriedada, e ou'il. miai (.,i"i
urar tolas as d- eOQM
GARGANTA, PEITO, BOl"LS, blGllXi,
i'htysica, bronchistes, asthcoa, eatkarrho,
tOSSfi, resfriainetttos, o'.r.
I'ns pntKos frascos nagro quo seja, rlarca a vista, e da najV
1 todo corpo. Ni'tihura outro artign cc-
ubecido na medicina ou scicucia, da tnnti
nutimento aosyslema c incorr-'nodandoqufi
nada 0 eslomago.
Aspessuas cuja orgamsa^ao tem side tsuida pelas affec^Oes das
KSr.ROFl'US OU RBELMAT1SM(
4 todas aquellas, cuja digesUo se acba 19Bh
uletanieiitedesarranjada, devom toiaar
O OLtO l)E FIGAHO Dt: BACALHAO
ui:
LANMAN dt KEMP
DOENQAS SECRETAS
GH. ALBERT
CtnU RADICAL, PH..MPTA Ml
Tmo di iiLstnainja :
Iporcas, oorbulhaa, aluera^
iMipne, debilidade, tmnora*.
BOLOS ABMI!O0B^orrta-nto.J^J-
3.^ ssss-". was
Impigeo.|
Tfcioa !
ASTHMA
tppilVAl C1T1HN, THSI NST1NIII
irriccois saa nis n iwrrmis
Can wimediaU pelo inprag* da PAPfX
aw CIGARROS de Cftoajascd, phwau-
cftotico de I" class* ia BatkaU aa PAAIS.
BoeoBira-ta'em taaa* at piiaclpaai pfcar-
Biaciav.
l)pnitos em PetMrnttuti A W0aUi
BOTICA CERTRAL DI PHARMACIA.


*
Cora tftstantnea
te*cfesn lUscobertalll
MoviiJade importantissima 111
Uuii gaotiilian) de nra ealix do superior vinta i
a. M,faa da Cruz, tem a propriedade de subs-
flaw d grande vantagem e extraordinaria eco-
wrtti, as depnralivos tao apregoados e conheci
a ?.* w'fa e caroba, etc. 0 raedicamento que
"amos, na > cura todas as molesiias como
is panaeeias que se aonuneiam, aeompa-
is allestados; todaTia, restabelece imme-
ate as ( rcas, e puriflca o sangue, sem a
jgem de aer nocivo a saiide.___________
I'm novo rival!
jRb ana eidade tao popnlosa cnmo a uossa, e
aarento ra>uffl.:ien.e a esistco-ia de urn uoico
aOfctteeiHi-nto no genero daquelle que se deoo-
Kna Gonf. itaria do Campos.
IC trie o motivo porqne acaba de;brirsea
saaramncia pnblica no bairro do Recife a rua
daCfeamsrcio n. 22, uma casa commoda e de-
<8BtefcrJob o litulo de Assemblia do Commercio
**> respeitivel publico encontrira sempre
at pre<*tar, o necessario para :
sis sasamento.
Uma soiree.
Urn baptisade e
Um lancbe.
!fe tarnbem :
4Stwk* variedal; de bebiJas fraas.
Qaaefeto sorliinento de doc?? para embarques.
MaAio sortidus e fructas de delicado sabor.
Urn hips eaprich'samente preparadas.
ffamflfts e lauche a qualquer lura.
ft*S com esraerado aceio, presteia e precos equi-
Mhaa
22 Tim do Commercio 22
Meira & Lima
_____ AasembB* do Commercio.
ESOUVO FUlilDO.
FEgwxfo eneenho Aialaya. na freguezia de Se-
rofcaeaa, no anno de 1865, o escravo Francisco,
aefclo, com 16 a 18 annos de idade, pouco mais
aa*-*, ear bAiu :lara, cabellos boas, denies per-
ky* *,B*rii aQ'alo e curio, feicao bonita, sem
tar2, znuito m derado, p6s seccos e bem fcitos.
O 'Hz escravo f i do Sr. commendad.r Antonio
dfo*Saa.os Ponu I, senhor do engeoho Cabec,a de
Hbga>{ compr.ilo ao eorretor Oliveira, morador
Bofa.-ife.
Fugio do eigenho Ajudmte, .na Ireguezia da
ri- ado, no anno de 1572, o escravo Goilberme,
c signae* soguinles : pardo, com 25 anno-
&-lite, ponco mais ou menos, altura e corpo
wgsferes, eabell cacheados, olhos grandes, rosto
e wap :-i; eo-i Iguns signaes de barba, nari/.
M r.-'o e urn Lin to arquerda, dentes porfeitos ;
tB w arrias pelo resR>, e faz movimenlo no
qaotido anda, e na oecasiio de cumpnmen-
*sr t atguua pfsgoa, le ao cliapeo por cima da
:: chiM ;i retagoard?, e muilo alegre e diver-
H&x i.f.i-ci....i e que estrja na cidadt da Para-
fcjfcs, tu i r.i Xaaareth. t'or tamo, rcga?e a<
wawkti p liriat'8 e ao? eapitiea de campo a
ajantei a ^?s -n, r, Emilio Pcreira de Araujo, to rtfe-
jiA- engeoho de quem terao ? paga d-s 300^000
p eada nm. N B. O escravo Guilherme ten:
riealriz sobre- uma sobrancelha.
T
dwttk) ite PerattkDTo Terga. fefra 27 ^uOutl)i?c to'-Wfc
Anleuio uo AzpmhIo Villartueo.
Pelo presents do coi>idados os afllbados e afi
lh.das de Antonio de/zevedo Villarouco, falle
cido em Portugal no nu z de ontubro de 1873, a
apreseularem dentro da
far desta data, a curtida
ca.'a do abaixo assignad testamenteiro insti'mido
pelo dito fallecido, aQir le que sejam devidamente
attendidos na partilba i que tem de proceder-se
com a precisa igoaldadel de accordo com a d-spo-
sicao testamentaria. Kicife, 10 de i
1874.Man l Azevedo de Andrade.
10 de setembro de
Exmas.
Chaman os a vossa ajtu ncao para o novo esta
belecimento que acaba le abrir-se a rua do Com-
mercio n. 22, denomiiado ASSEMBLfiA DO
COMMERCIO- onde s,e
com grande variedade
mente enfeilados, tamll
quets.
Assemblea do Commercio
Meira
preparam neas bandejas
de bulinhos capricbosa
em se apromptam bon
k Lima
22 Rua do (ommercio 22
Restaurant
Aberto tod a a noitfe
culo da compauhia it i
Escravos
com 28 annos de idadc
altura e corpo regulares
noivas.
HOTEL
de Bordeaux.
, dos dias de especta
liana.
fugidos
Continuam a estar ft gidos desde o anno de
1870, os escravos segnii tes: Francisco, crioulo,
pouco mais on menos,
olhos grandes e brancos,
denies perfeitos, cahello carapinhadoa, uma ci-
catriz por cima do olbo esqaardo, barba a Cava-
nhac, muilo conversador e risonho. Antonio, ca-
bra, com 25 annos de id ide, pouco mais ou me-
nos, alto, secco, olhos g andes e vermelhos, ca-
bellos um tsnto solto., (Duca barba, denies per-
feitos, pes comoridos e I ccos ; ambos foram com-
prados ao barao de Naiaretb. Desconfia-se que
os ditos escravos esUo ofccultos na comarca de
Pajeii de Fores, ou no f io de S. Francisco. Ro-
g--se, portanto, as autarilades policiaese aos ca-
pitals de campo a capru a dos mesmos escravos,
e serem entregues a seu sjeu senhcr, Emilio Perei
ra de Araujo, no ecgan io AJudante, na fregue
zia da Escada
por cada nm.
erao a paga de 300*000
fcscniYologklo
ti i ansenloa se da rasa de seu s'-nhor no
ii brc, e ic:n os signaea segumtes :
;or fula. represeina ter J5 annos de idade,
i i'ii n.mos, tem alguraas sarda- ou
' : bo p-i pes gjandes e cakanhares to-
isdfd eooolhillos, tambea turn uma ci
> ci -i).- provehieote de uma qneimada*
i >! m nma da- pemas : roga so as
ij.es e .' Srs capilaes d rampo
n iiendnreni e regie te Io a rua do Bi.iu
.. '-. 1' .mdar,
: -:; <
que serio g^-neros1!'mente
'
atharina fugio.
S d-' agosto proximo pa.'sado ausen-
ia i I'ravi, a qual tem os signaes seguio-
i : isa, rosto redendo.cOr preia, pds
-. > miava en "I lh ferv le ;,rr;mo nnr snf-
i
IS
ipre
Ihe ferre de arrimo por sof-
I mo, ja e il.c;, e de nacSo Cam-
r-n lootrar, pegue-i a leve-a ao da de Joa>. de Darros, que sera
orluanas.
Porto k Bastos, a pra a da Independencia d.
^aeabamde receber pi M ulimo vapor, lindis-
com diversas inscrip-
srnias espellas mortuar.as
iocs prop quaes vendem por precos muilo modico.
All
[va tlia
Na rua aj
primeiro ;
fiudas cape
as
relas, com
de minha
espo-io, minha esposn, irm
e filha ; tambem quem
peluas para ce armar cap
flaailos.
?treita do Ro ario n. 35,
ndar, lem a vender-se
las para anjof, donzel-
las e defun os, do rosas,. saudades,
cravos, per >etuas roxas, brancas e
dias anted
vende se tndo
1 ara u 1i,i i d
So c.til)
etreiros lembranga
liai, de men pai, meu
io, irma, av5, avo, filho
uizer mand^r as per-
'las, i ode mandar tres
por muito barato preco
novetnbro
lee menu da empreia
:
llg-se
- campo, na Cruz das Alines e
; a tratar com o commendador
rlole luede 13 a li annos rfe idade,
dicrp-y, ro-t) redjodi, boni-
ini leimdodi fresio; ausoataa-
" c rrente, com cami-a de ma-
'al a brim d' efir, deibotada, cliapeo
, uoadozindo um mrrote grand e
Io le ires tabieas, sobre o beigo rape-
"'' lira n nt- con unas fendijh s.
; in leva 11 a raa da Aurora
i(I*i.
nu
!'i'.- a2* an-iar e sotdodo sobrado
Rnge! n. 73, todoreconslruido e
MSeia ', com bastantes loinm idos, r-scada
mth:.., :i ifnte do I." andar, e bem assim o
?Brtsl ; -fii-n mnito fresco o com excel-
- p rs a nova praja do mercado :
terns i li v\;s, citao ao cstabelecimen-
'' n.ilb'idus do mesmo predio, e para
r na h < ursria das loterias cum Anto-
J Rodrigaes de Souza (sen pro-
i'i .,
$ f'Jf>fbre a n a do Imperador ns. 9
e II, tejn psssoas habilitadas que
se encarr^g.m de preparar para
esie dia turn ilos, jazigos e catacum-
Das, tanto n; s igrejas como no ce-
. miteno, fjrn^cendo lodo o necessa-
ry com asseio e proni[rtidSo.
. r^^-^-gBajBaajaj
< begcu 11 Io [.aquete ultimo, pa-
rs ; ejlabelacimento de Agra & C.,
un:.' remets de capellas funebres
do ifTerertci tamanhos, qualidades
e prec-s : q lem precisar, pole di
ngir-M .10 il to estabclecimento, na
o cm -rua do Iinpe "ad'jr DS- 9 e **i senI
sm uorter3!! baraI d0 le em qualquer outra
part-, i "r ter vmdo de com a propna
SInria ^cniiorinlui le AlPiutiucrqiie
I.acii' Ja.
Francelinc Carneiro de Lacerda,
Anna Caroe.ro da Cuntia, filhos,
nora c genres e netos, cordialmen-
te agradecen a toias as pes3oas
que se digos am a acompanhar ao
cemiterio piblico os restos mor-
laes de D. tfaria Senhorinha de
Albuquerque Lacerda a do novo as convida para
asMstirem as misaas e mem nto que maodan ce-
librar no di. 28 do correite, selimo dia de seu
rallecimento, pelo que ^e i jrjfessam eternamente
gratos por esie aeto de caridade e religiao, no
convento de Nossa Seoh-ra do Carmo, pelas 7 ho-
ras da r:;anha.
PENHOBES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaescpedras.
^ttJi
Mi *SZ& WSi sS!!S!KQ9
MOFINA
Esta eneouxagado! I!
Vgua mole em pedra dura
Tanto da a** que a fura.
Roga-se ao Ittm. Sr. lgnacio Vieira de Mali
sscrivao na cklade de Nazareth deeta provincia,
favor de vir a raa Dnqne de Caxias n. 36, a con-
clnir aqnelle negocio que S. S. se comprometten a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
9ns de dezembro de 1871, e depok para Janeiro,
passou afevereiro e ahril de 1872, e nada enmprio;
por este motivo e de novo chamado para d
dm, pois S. S. se deve lembrar que este negoci
de mais de oito annos, e quando o Sr. sea fllbo
achava nesta eidade.
ALUGA=SE
uma grande casa terrea com bastantes commodos
sita na estrada do Lucas : a tratar na raa do Vi-
gario n. 31.
AMA
. Para eoroprar c ozinhar :
a tratar a rua Nova n. 12.
loja.
tratar na rua
bolas amarellas.
Precisa se de uma ama para en-
[ommar, para casa de familia : a
do Hospicio n. 46, casa terrea de
AMA
Precisa se de uma ama forra ou
captiva.para casa.de familia : na rua
de Hortas n IS.
AtYMi Procisa-se de uma mnlfcer morigerada
si.ma para tratar de duas meninas orpnas de
mai: na rua Duqne de Caiias n. 5i, hja.
i AIL It Preisa-se de uma ama que saiba
\ \\\ \ coziobar: na fabrica a.vapor de cigar-
nk.0M.LM. ros, a.rua larga d Rosario n. 21.
Casa if I
Aluga se a easa n. 25 da raa do Pifer, em Fora
de Portas. com portao para a mare, grande, e
serve raesmo para quem quiier tomar bfcnhos sal-
gados por flcar pertinho d'agua ; a chave
ver, esta na rua da' Cadeia n. 3, no Recife.
para
Alug-se 0 primeiro andar da rua estreila
do Rosario n. 22: a fallar no paloo do Tar^o n. 31
Compra se 4 portas e 2 janellas usadas, sea-
do as portas de 10 pahnoi de altura e 4 Ii2 a 5 de
largura, e as janellas de 6 e 4 1|2 : a tratar na
rua do Vigario n. 13, armazem.
Compra-se nma casa terrea on sobrado de
am andar, preferindo-se no bairro de Santo Anto-
nio : quem tiver e quiztr vender; annuncie para
ser procuradoJ
Compra-se apolices provinciaes : quem tiver
e queira negocia-las, dirija-se a esta typographia
sobre carta fechada com as inieiaes M. S. G.
Bods pianos.

Vende-ie.
Cbegados de novo.
E. A. DELOUCIIE
Vi--Rua do Marquez de Oiinda-2-s
Ksqulna do beeco Lnrgo
Participa a seus freguezes e amigos que mudou
0 sen estabelecimento de relojoeiro para a mesma
rua n. 21, onde encontrarao nm grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios dc
algibeira, de todas as qualidaves, patente suisso,
de ouro e prata dourada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro, inglez, desenberto, dos melhores
fabricantes, cadeia de ouro, plaqnet e prata, lunetas
de tods as qualidades, tudo por precos mnito ba-
ratos.
Aff nso Ios6 de Oliveira, professor ju-
bilado da cadeira de gengraphia e his-
toria do ex-liceu de>ta eidade, tem de
novo anerto, seu collegio do matrnpcan
primaria e secuniaria MkJM da Impe- f\
V ratriz n. 18, onie coft)j|(lara receber v-i
alumnos internos, exteaaTTe toafo pen-
sioaistas.
^^
I y^i-wtifc).
Carros de luxo.
r E' inquestionavel qne a cocheira da rua do Bora
Jesus n. 15, de Joaquim Paes Pereira da Silva, e
a que lem as melhores berlindas, caleches, meias
caleches e Victorias de luxo, proprias para qual-
quer noivado, visita de etiqueta, bailes, e actos
da academh, sendo os mesmos ajaezados de ex-
cellentes parelhas de animaes, arreios luxosns e
bolieiros com fard,.mentos do ultimo gosto, para
0 que se cenvida ao publico a vir por si mesmo
scientificarse da verdade do que deixamos dito,
certos de que nao encontrarao poroada e sim rea
lidade, e commodos precis
isaparrilha de Ayer
FARA PIHIIFICAR O SANGUE.
0 renomc dc que goza este ex-
ccUento rsmedio t devido a milha-
res dp cura ltas das quaes s5o verdadeirameute
maravilhosas. Innumeros sao 03
caos cm one o systhema, parecen-
do sarurado da jiodridao de enfet"
midades escrotulosas, tern sido
promptamentc restituido a saiide.
As affeccoes c desordens, ngprava-
das pela contaminacao escrofulosa,
at# produzirem dores mortificantes.
radical e tarn geralmente curadas por ellc, em
'los do impcrio, que o publico mal precisa de ser
SBfcaMu'.o das suas virtudes e do modo de usal-o.
.oao efcrofuloso e um dos mais deslruidores inimiK>3
'. tumaca. Ora senhorea-se occulta e traicoeiranienta
1 > orgam-nuoe deixa-o fraco e inerme contra molestias
'Jra, patcnt> m 11 infeccao de que corrompeu o corpo
re moment') .~- 1^-----------<->-----J.
em do t'orreio
sua mulher e filhos,
hs por alma de seu li-
At tcnio Jose Gomes do
'snte, primeico anni-
lelas 8 horas da ma-
i, convidam aos seus
a assistirem este ac-
Antonio Jose Com
Eustaquio Anionio Gome
tendo de mandar resar miss
nado pai, sogro e avfl
Gorreio, no dia 28 d.. cor
veis.nno de seu passamonto,
nha, na igreja de S. Fraucisc
parents e amigos do flaado
to de piedade e reliziao.
Auguslo Mai-linK Morelrn.
A presideno a da sociedade Re-
creativa Juveitude, tendo de man-
dar resar alg imas mi-sas por al-
ma do fiiiado socio Augusto Mar-
tins Mon-ira, convida a todos os
Srs. ioetos, a Exma. familia, pa-
rentes e amiifos do finado para
assistirem este acto de piedad; e religiao, que tera
lngar na igreja de S. Pfdro, as 7 horas da ma-
nha do dia de quarta fe'ra 2 I do corrente.
Terrenes proprios
Com 400 e 500 palmos de
fundo
A SiHi c 1$ o palnio
Contimia a reulhar so os grandes terrenos que
circundam a estacao da Boa-Viagem.
A boa posicio e vantagens girantidas pelo go-
verno e pela c impanhia da estrada de ferro a
iiuem ediflcar proximo a ejta estacio, sio bem
conhecidas.
Em todos os domingos e dias santos podem os
pretendente3 dirigir se a mesma estacSo, que acha -
rao pessoa habilitada para lazer as competentes
demarcacoes.
Para nao ficarem prejudicadas, sao rogadas to-
das aquellas pessoas que encommendaram terre-
nos, a virera quanto antes tomar po.-se deDnitiva
de seus lotes.
Troca-se.
E aluga-se.
No armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Rova n. 7.
MOBILIAS
de Yiue e de faia.
Vende-se mnito em conta ; cadeiras avulsas, de
balanco, de bracks e de dobrar: no armazem do
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, outr'o-
ra Nova n. 7.
Perftimarias.
Finos extractos, banbas, oleos, opiata e pds den-
triftce, agua de flor de laranja, agua de toilete.
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
crosmeticos, maitos artrgo dellcados em perfnma-
ria para presentes em frasccs de extractos, caixi-
nhas sorlida* e garrafas de differentes tamanhos
d'agua de Cologne, tudo de primeira quaiidade
dos bem conhecidos fabricantes Piver e Coudray,
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
4rtIgos de diOcremtes gustos r
pkantitzlaf.
Espelhos, leques,luvas, joiastrouro, te-.urinhas.
canivetes, caixinhas de eostura, albuns. quadros,
e caixinhas para retratos, bolsinhas d. velludo,
dita de couro, e cestinhas para braens di rieninas,
chicotes, bengalas, eculo, pencino'Z, pirn! irai para
charntos e cigarros, escovas, pentes. earteirinitt de
madreperola, tapete para lanternas, mala?, botsas
de viagens, venesianas para jaaellH, e?t?rioco-
pos, lanternas magicas.cosmoramas, jogos da gloria,
de damas, de bagatella, quadros com paisagens
globos de papel para illuminacoes, machioas de
fazer cafd, espan3dores de palhas, realejos de veio,
accordaos, carrinhos, e ber^os para crianeas, e
outras muitas quinquilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade qun se p6de desejar de to-
dos os brinquedos fabricados em differntes partes
da Europa, para entretimentos das criancas, tudo
a preQos mais resnnidos que d possivel : no ar-
mazem do Vapor Francez, rua do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova n. 7.
Caloado fraocez
i
Botinas para homem
Acabam de chegar grandes jacturas de Lntina:
de bezerro, de cordavao, de pelica. de duraque
com biqueira, de bezerro com bolSes, e com ilho-
ze3 a 9^000 (a escolher) por ter vindo grande
quantidade por coma e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rua do Barao de
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pi etas, brancas o do cores. diOereutes
M.-as, enicitadas o bordadas.
SAPAT1NHOS de phantasia com sal to, brancos.
pretos e de cores differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, cbarlot, castor e de tranoa
Para meiilnas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS do diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para menilBoa.
BOTINAS de bezerro, lustre e de corda ao,
J BOTINADOS e sapatdes, de bezerro, de deversas
quahdad6s.
SAPATOS de tranija.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Guilherme, pen.jr
meias perneiras para homens, e meias perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7.
V5NDAS.
Camisas.
Vend-se
uma casa na villa de Bar#oi#os, na rua do Com
mercio, poP'pT?o modlef) t a tratar com Taatc
Irmios A C.
Camisas francezas brancas de algodao Bno con
frizo de c6r a 2*000 nma, em duzia a 23*000;
6 peehmcha : na raa do Crespo n. 20 loja do Gui
Iherme & C
Perdease boje.^pr volta das 9 horas do dia,
duas chaves era uma corrente, desde as Cinco:
Pontas at6 a rua Oireita : quem as achou, que-
rendo restitai-las, leve as Cinco Pontas n: 71, que
sera recompensado.
Vende-s^ em sortes de 3'i palmos para cima
os terrenos sitos na estrada do Lameirao, a mar-
gem do rio Capibaribe, pertencentes a viova de
Henrique Jorge : quern pretender, pode-se dirigir
ao engenheiro Antonio Peticiano Rodrigues Sette,
a estrada de Joao oe harros, casa n. 92, ou ao Sr.
Vicente Ferreir* da Porciuncula, em sua casa da
rua do Imperador n. 83.
Grande liquidaqao.
de mludezas e cbapeos: no novo Bizar, raa do
Marquei de Olinda n. 53.
Compra-se pianos ja usados ou novos, da
quantia de 100 a 500* ; quem tiver alguns nestas
condicoes e que queira vendel-os, dirija-se a rua
do Imperador n. 18, loja de marcineiro, que en
contrara com quem tratar.______
Vende-se
No escritorio de Thomaz de Aquino Fonceca &
C. Successores, a rua de Vigario n. 19, primeiro
andar:
Ciraento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grurao, de Lisboa.
Vinho Sherry.
Vinho di Pprto em caixas, Gnissimo.
Idem em barris de auioto e decimo. fino.
Retroz.
Fio.
Lai de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpi
Santo n. 17, anaar, escriptorio de Joaquim Ro-
drigies Tavares de Mello. /
Botinas Suzer
chegadas pelo ultimo vapor da Europa. Ha um
completo sorlim^nto de bezerro e cordovao : a rua
do Marquez de Olinda n. 40,1 ja de Julio de Mello
Salgado.
Aos 5,000 covados dela
A 1GO i'.s.
Na loja do Pavao vende-se Iazinha3 de muito
bonitos Bost03 e delicados padroes, fazenda nova
no mercado, pelo diminuto prpijo de 160 rs. cada
umcovado ; quem deixari de fazer vestidos de
IS lao bonitos e por tao pouco dinheiro? Fortie-
cem se as amostras: na rua da lmperatriz nurae-
ro 60.
Wilson Rowe & C. vendem no sen anna*
a rua do Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao azul ameftooD
Excellento fio de vela.
Cognae de 1' qnaiidada
Vinho de Bordeaux.
Carvao de I'edra de todas as qualidades.
Pinheiro Chagas
TEimE-lOTO
DB
LIQUIDACAO
Lojade fazendas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores miudas mnito boa* para roopa di
meninas a 160 e 200 rs. o covado.
La pretas, superior, a 400 rs. o covado.
Alpacas de cores Haas a 29ft e 360 rs. o covado
So se vendo.
Dilas com lislraa abertas, faienda Una, a 000 rs.
covado.
ChiUs de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Metins de cores miudas a 280 rs. o covado.
Crelones, o melhor qne lem vindo ao mercaao
400 e 440 rs. o covado.
Cambraiae braocaa, bordadas e abertas, bieodi
mais Boa qne tem vindo ao mercado, e fazenc;
de 2*000 o metro, por 1*080 a vara ; p
cbincha.
Dilas pretas com flores miudas a 200 rs. o covado
Cambraia transparente, floa, a 3* a peca.
Dita Victoria, nna. a 4*000 a peca.
Organdy de assento branco e de cores, ccm f!
res miudas de seda e de 15, a 400 rs. o covado
E' pechincha.
Cortes de casemira de cores modernas a 5*500 <
corle ; 6 fazenda de 8*. E' pechincba.
Camisas de linho fina, lisas, a 35* a duzia, 6 fa-
zenda de 55*.
Brim branco de linho a 1*400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
Madapolio francez verdadeiro, 24 jardai, a 6*
' 7* a peca
Algodao T, largo e superior, a 5* a peca.
Gorgorio preto de seda para vestido e para col:
a 3* o covado
Toalbas alcocboadas a 4*500 a duzia.
Colcbas grandes a 3*500 nma.
CoberUs de ganga, forradat, a 3*.
Lencoes de bramante a 11 am.
Lencos de linbo, ?bainbados e em eaizinbai i
3*500 a duzia.
Ditos de caca de cores abainhados a 3*500 a du
zia.
E outros muitos artigos que sc vende por m-
nos do que oulra qualquer parle e para se de;
So na lorem queiram mandar ver as amostras.
enganaja de
_______Guilherme 4 C.
Para o fabrico de chap^ot
A NOVA ESPERANCA receben o arame propr
para arma;3o de cbapeos.
BAZAII
DAS
Preco -15500
U VRAM A rOPULAR
Bua Nova n. 59.
4^$ a duzia
de camisas de linho, inglezas, bordadas, muito fl-
nas, pelo'baratissiiro preco de 40* a duzia na
rua Duquede Caxias n. 88, loja da Demetrio Bas-
tos.
"-- i" llg.,,1.,, o tora^ao, etc., quando n&o e roan-
fjrx. v:\ :><:;, tiaiiores, etc.
AMn. perigow e tnm perfido uunca se deve dnr
VTT"- 'empre melhor do que combattel-o.
5~?V ,, "" w J.ropribs tymjthomtu acllros,
4t^w^' '' ''1 B'^'*"". roffo de S. Jn-
*:y*' J'ar'"":':.'\'J **>>,' Kkeumati.mo, Tumore,,
**, e.senilbilidatle dolornsa nos ouvidos olhos &c :
*21S,0"",L; ^W^e"*" ou Mtmlo.il BydroMia]
*.*toUa do Coraeat e do Wigado. Kmilnnia v
M. Wfphiiis on HoUtttm* rentrcmt e8o curadas com o
', p-*to que seji neoetaario raai. dilitado espaco do
..i ..uljiigar tarn inipertiueutes enfertnidade^
:c',:-r\'a, ou M'lore* Brtnictu, as lUceracdes uted-
" gi.n as molesUas das mulheres sao tambem al!ivi.
'liriormeiite ctradas por sou effeitb purificadr e
1 ivo. ,
' }' irmatUmo e u Gotta, qnand'0 causadoa por riaoa-
' Ue naierlag ejtUiohas ao uogu. cedem-UM fawl-
' mesmo modo o Mat de r^oSa.Mmvui on
^irS^Sff *' **o, ZoloHcta, quuados6o oricaka
**pm*T^f ? rMautto at.
Capellas (u tiebres
Amaral Nabuco & c. acibam de receber ca
pellas funebres de vidrilho bian:os e pretos com
as segumtes inscriprSes
A mfu pai.
A' minha mai.
A men ava.
A' ininhaavo.
A men fllho.
A' minha filha.
A meu anigo.
Saudades.
Lfmbranca.
Amlsade."
Uma lagrlma.
Vende-se no Bazar Victoria, -a rua do Bar5o
da Victoria n. 2
Sao con vi
amigos do
Alencar
dia 28 dti c,
pelas 8 hcras
de S. Francisi
Ararii

fnraa
J^iAI-o fov Ttoios -om.- qnl*pM,
' MWtmumivro*
JU.Ay^r* C)a, J-oweU,Ma$nlS;tr.
awilaai rcf*.
idos os iiarentes e
flbeiro Tristao de
>e, a assistirem, no
rreale (^uarta-feir*).
la raaoha na igreja
nma missa de re-
Aluga-se o V> andar do sobrado n. 12, sito a
rua de Marcilio Dias, outr'ora rua Direita : quem
quizer, dirlja se ao 2* andar do mesmo sobrado.
Boa moradia.
Vende-se um excellente sobrado, com uma
casa pequena cont^gua, sitasnoPogoda Pa-
nella, rua Real n. 30, com bons commodos
para uma familia graiade, tendo diversas sa-
les grandes e muitos quartos, todos com
janellas; quartos para criados, cocheira,
eslribaria, grande copier, casa de banho
e jardim de cada lade. A casa esta* em
perfeito eatado, e e situacio e a mais fresca
9 saudavel possivel :a tratar confi a proprie-
taria D. Maria Porcell Raulinson, na mesma
casa.
Attencao
Fugio no di 7 de setembro o escravo do abai-
xo as3ignado, com os signaes seguintes: Egidio,
cabraj idade de 20 annos, eabellos carapinhos,
olhos aboticados, allura regular, r5s:o um tanto
chupado, beicos grossos, bocca regular e um
tanto bicudo, cabeca pequena, orelhas regulares,
bracos, a mesma cousa, pernas regulares, tendo
a esquerda e o p6 inchado, por Ihe 'dar erysipela,
nariz regular, c bom trabalhador de olaria, e
tambem e boleeiro, e natural desta eidade do Re-
cife, e foi comprado ao ex-capitfo do p^rto desta
provincia, Jose Joaqim da Silva Jacques : roga o
abaixo assignado as autoridades policiaes e ca-
pitaes de campo e de navies, a sua captura e le-
varem-no a pnvoa(Xt> dos Afogados, quo serao ge-
nerosamente recompeDsados.
Jose Buarque LCisboa.
Oheguem a grande pechin-
cha
0 Desenpano cs:a vendundo pelo baratissimo
preco de 500 rs. o covado alpacas de la e seda,
fazenda mnito lina e de liodos padioes, fazenda
que muitos vendem a 1*200 o covado ; 6 grande
pechincha ^cbecuem a ellas antes quese acabem :
na rua do Cresrjp n. 25. junto a loja da esquina.
Desej:i se fallar com o Sr. Joao Leile Torres
Gallindu, a negocio de um amigo qoe quer serin-
formado: a tratar no armazem do Campos, rua do
Imperador n. 28.
O Monte Lima
qwm, per a .na da flnaia, D.
h rrJ^!di.Araripe'n35J Aom wnselbei.
fo, mandada cetebrar per uif) sen amigo.
Aluga-se um
- de 10 annos, u>
f^PeJi?!Ir' '^I'Wte e activo, podendo
tro seTvirjo de casa:
ier empregado "em q'nalqnero
a tratar no 3* aodar do nbrajdon. 20 da"rna da*
mperatmj
Precisase de tret r,ret i para, veattfcr bolot,
casa vende-se una farda de offlclit
~ Jesus n. 43, terceire
s na mesma
de marinlia
andar.
na rua do Bom
tem nm completo sertimeato de galao e franja de
ouro e prata, verdadeiro, da todas as larguras,
abotoaduraa douradas para effkiaes, canutilhos e
atifeitos para bordado. Tambem se encarrega de
todb e qualqaw favdamento; como seja > boneu
mltte, pastas, etawfas, dragonas, charlairas, ban-
das, abotoadoras lisas e doaradas, para ertado
etc.; aesim como nm completo sort men to d
ranjaayj|l>ftUo paranorrrameoto, cordio de I*
coa borta para quadfos'e espelhos (eoarfcraw o
gone totmmmmAD, Mdo per ma mMs
precoiane enaoMra' qualqa*' parte: na arv>ai
toda>eodbwavp. >T^i do tt)rmta*8, pTcWkfJ
btenifa: a*traaT'no se^on
quez de Olinda.
Vinho superior
Na rua da lmperatriz n. 67 acaba-se de receber
excellente vinho do Porto, em barris de 50, 75 e 150
garrafas, e vende-se muilo barato, garaatiado-sc a
quaiidade. ,
AOrHiilT"
Os abaixo assignados tendo scieneia de qne en-
Ire as dividas da roassa fallida de Thomaz Fernan-
des da Caaba & 6., relacionou-se um debjto son
da imporlancia de 808*020, julgarn convemente
protestar contra semelhante inclusSo, garantindo
qe este debito ja foi solvido em o mez de feverei-
ro deste anno, oomo podarao comprovar com a
lelra com o oompaleate iee.ibo,; garanlen) at* qua
a importrncia foi depositada em poder dos nego-
ciantes Alfredo & C. muitos dias antes do venci-
mento da lelra. Outro sim advertem que ha ma-
nifesto engaca no quantumo debito e d 808*020
e nao de 903*720.
Geara-merjai, 20 de oulubro de 1874.
Barroca & Barba! ho._______
-i Desappjreceu no dia. 23 do corrente, da rua
do Raagel n. 71, V andar, om menino de cor par-
da-, do idad*- 10 anooa, levando vestido camisa
|raceae calrja parda ; desconfla-se que ande pe-
bsbaodas-d'Agua-Fria : roga se as,autoridades e
a qualjuer pessoa que agarre-o on de" noticlas cer-
toia caaa aclma dealarada.
Um preto ejuma ama
EfecisajSe de nnvpretopara todivaer-vigo de uma
qasa de familia, atsim come de uma ama para en-
4oiflmajJ,o,nrefereTSeasprAVi-. atranr> na..con-
leitarta- do Campos.
Vende-se.
um silio na Varzea, com fructeiras, casa, terreno
proprio, perto do rio, o qual pertenceu a finada
D. Maria Gomes Coutinho do Amoral ; quem pre-
cisar dirija se ao escriptorio de Romnaldo Alves
de Oliveira, a ma do ImperaWor n. 12.
Vende se 58 accSe3 da C impanhia do Be-
beribe : a tratar na rua do Barao da Victoria
n. 42.
FAMILIAS
Roi Deque dc Caxias is. 60 A.
Grande queima.
Corram a pechincha f...
Riquissimas sahidas de baile, de la, para seebe
ra.^ Verdadeira novidade no mundo elegante !
Capinhas de la e seda para senhora. Con??
inteiramente nova f
Excellentes eacbinets dc la c seda para senb<
ras, por 5*500.
Casaquinhos d: gorgorao preto de scd*. ri:a
metitc bordados, pelo diminuto preco de 1070"V
Excellente acquisicaoo I
Chales de seda a 1!*. Baratissimo f
Grosdeniple preto a 1*200 o covado.
Popelinas de seda a 2* o covado.
Faia de seda, fazenda modernisri na, pelo com
modo preco de 2*200 o covado.
Popelicas de seda, objeCto da Ultima moda. ;
1* o covado I
Ditas de linho com listras e ngradaveis pa-
droes, a 440 rs o covado.
Cambraias transparent*?, fazemta mui fina e d
grande proenra, a 6;500 e 7* a peca.
Alpacas de seda a I* o covado. Grande pechin
cha I
Granadinas de cGres com listras assetinadas.
800 rs. o covado. \ ellas eroquanto restam !
Cambraias bordadas a 1*1(0 o metro.
R.cas polinaises, bordadas com esmero, a 38*
cada uma.
Tapete3 para sofa, grandes e pcqnencs. Padr"-
especiaes I
Ditos p?.ra portas.
Ditos para cama.
E outros artigos para boroens, senhora*
criancas, os quaes artigos nao se mencion.im pa-
nao massar se a benevola atlencao dos leiiores
leitoras, amantes do bom e do barato, e enths
siastas da grande virtude domestic* a eeo^.
mia I
Corram quanto antes a gran le pechincha,
freguezes I
_______Vinde ver, comprar e admirar t
Para concertar meias
A NOVAESPERANgA, a rua Daque de Cai m
n. 63, recebeu desta necessaria linha.
O Desengano estd quei-
mando
0 propriejario deste estabelecimento tem resol-
vido vender as fazendas existentes em sen estabe-
lecimento, por menos do que em outra quainter
parle.
Dretanha a 20$ a per;a
0 Desengano esta vendendo pelo diminuto prec,o
de 20* a peca, bretanba muito fina e com 25 varas
cada pec,a ; 6 grande pechincha.
AlpacSo a 800 rs.
0 Desengano esta vendendo nelo diminuto prec
de 800 rs o covado ; e-ta fazenda. da lindas c6re
e pidrdes, e fazenda que muito3 vendem a 1*300
o covado; aproveitera.
C6rtes bordados a 53?
0 Desengano esta vendendo pelo barato preco
de 5*, um c6rte de cambraia bordada, branca e de
cores, e pechincha ; e" fazenda que muit03 vendem
a 10/000.
Madapoloes
0 Desengano esli vendendo madapolio francez
com 20 varas cada peca, pelo barato preco de 4*,
e grande pechiacha; ditos inglazes 3 francezes,
Qnos, a 5*, 5*500 e 6* a pe?; aprtveitem.
Organdv a 320 rs.
Organdy branco, de. listras, fazenda mnito floa,
pelo diminuto preco de 320 rs. o covado; 6 gran
de pechincha.
Cambraia anjo da meia noite
Vende-se esta linda cambraia pe o diminuto pre-
eo de 3*500 oc6rte; aproveitera que o Desengano
est aqueimando.
Attencao.
_^_____
^>
Oftereee-tnnamu1hertpaTaJ caea de no-
? aotteiiip, ^^/M Mto-fisfeernfiM.de. cdirlnh
perfeleaO : ria riff drSfawnrVefean: 1
1dHqnf* ntt bidcli>y oxa^maj dfrpida-
Vende-se a taverna e a casa propria jupto a es-
"o do Caxanga : a fritar na raosma.
Oasa
Vende-se uma casa em Olinda, sita a rua de
Bajblas Perreira n. 26, com 4 quartos, 2 satas, co-
zinba, quioUl ront portao. pert,o dos banhos saiga-
dos, por DaraA?. PTOO, m Amgji se para festa uma
outra Mlja%f*>iisericardra n. 23 : a tratar
da prala do Ca^eli'alra n. 41.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papel de lina
proprio para cigarros. de diversas larguras.
AlpacaBa400rs.
0 Desengano esta vendendo pelo diminuto pre-
co de 400 rs o covado, alpacas de la e seda, i
lindes padrSes, fazenda muito fina e larga, qu
sempre se venderam per 1*200 o covado, 6 par.*
acabar; a ellas antes que se acabem : na ru
Primeiro de Marco n. 25, junto a loja da esquina
Asunieas verdadeiras
Bichas himburguezas qne vem a este marc-
aa rua do Marquez de uhnda .fit
Farinha demandioca supe-
rior.
Tom para vender, Joaquim Jose Gonc,al-
ves BiiltrSo & Filho, a bordo do pallnbot*
Itosita, fundeado eo pe" do cacs do Collegio,
e para tratar a bordo on no seu escriptorb :
a" rua do Commercio n. 6.
Chocolate hespanhol
muito flno, tem para vender na Assemblea d-
Commercio, Meir 4 Lima, raa do Commercio ou-
mero 22.______________
A 120 rSk o covado.
Na rua da lmperatriz n. 60, vende se para aev
bar uma grande qnaaiidade de las, resloa de di-
versos sortimeetos, desde 120 ra. ate 500 rs.; no-
tando-se qne, quando havia aortimentoa enmea>-
tos, se vendiam a t*280 e 1*600 o covado, ba
grande variedade em padroes, os qne primeiro
chugarem melhor pechincha farao, a ella a rna de
lmperatriz n. 60
Cal de Lisboa novissima
Vende se em grandes e peauooaa poreau : na
rna Direita n. 14. ~
Agora sim, boa occasiao
(Jama <5r S Iva Brito, com arwaien* de molhada*
o large da Santa Crus ns. Set, vendea gas
(Devoes) liquido a 240 rs. garrata, iMtMNV
el do Dooro a l*Ma av*fc, cj d BhJ^ tfe !
sorte, a 310 re ee.de, iaOtr^mma*, cba aljanr,
ia : B* rua Imperial"n. 117.
TtQXQ, negocio
I II I'
* Vende se uma fabrica de sabao en
ascala, muito bem moatada, e tem um fabriconte
que sujeita-se a trabalhar, dando-se-lhe alguia la-
teresse : a tratar pa rua Imperial n. 240'.
mperior, a 3* da 450 gvaroaes. maiMiaa iaMe-
la em barris a eOO rs., t* e 1*400 por cada, 43ft.
graamas, vmhes e,Portes flaMt por preoo* man-
nssimos, vinho Pigueira a 3*600, c muitos ontros
artigos que se tena anfw1a>| mencionar. Os
generos comprado> era nossos armazMs serao con-
dmildw-aceft^do cmterirdoHQrratis: *prv4;
larfb tti Sdta-Wti -"Wfe *r anOMns; d*>
amaftaUn-Britd. **
Oleo.dQlinhaQa
i
Vende Estevao Uti d**'
liaore de Deos n. I J, armafem.'
na, travj da.




'
EXPOSED
Fazendas e artigos' de alta
' twlvithtte
L0JAiPASS8
Rua Primeiro k Hrco d. 7 4.
Coreit"j simAe-a ., proprietarios
ieste importante estabelecimsnto, do louvavel pro-
orosito de nio dcsmeutirem o conceito que os
zcabam de receber as sua conta o mais rico sor-
timento de sedas, popelinas, ISs e ariigos de ul-
,mu moda em Paris, e continuarao a receber
por todos os paquetes daqaella procedencia ; par
330 chamam a attencao de seus freguezes e os
ronvrdam a darera um passeio ao sea estabeleei-
ueato, garantindo lbs* qae encontrarao a reali-
lade do que fica dito, para prcva dao am pe-
iueno resumo, cujo in.fallivelnitnte despertara a
ittencio dos preteadenles.
Mandam fazendas a casa dos fregaezes, e dio
itnostras niedianle penher.
Artigos de alia novidacle e
uliiinn moda.
Cortes de vestido de linho gaaraecidos de bico
i me.-ma fazenda e cOr, trazendo flvella, bolja,
unto, etc etc.
Riqaissimos chapeo3 para senhora, de cores e
pretos.
Cortes de cambraia brancos com lindos bor-
lados.
"' de cores-com enfeites da mesma fazenda,
nrino, etc. etc.
Capas de li para meninas e senhoras, guarne-
.idas de arminho.
Yesluarios para baptliado.
Riqnissimas camisas bordadas para senhora.
Leques de madreperola, para noivas.
Rieas colchas de soda, para casameato.
Cortes de seda, I in das cores.
'Jorgorao de seda branea e dito preto,
Sedinhas de delicadss padroes.
Setim Macao de tolas as cores.
Srosdenaples pretos e de cores.
Veltulo preto e damasco de seda.
Granadine preta e Je cores.
FHo de seda branco e preto.
Rieas basquinas de seda.
Casacos de merino de cores, la, etc
Mantas brasileiras.
Capellas e mantas para noiva.
Cambraia de cores, elites mariposas brancas, de
ores, lisas e bordadis.
Flor do bosque (novidade).
Percalinas de quadras, listras, etc.
Brins de linho para vestidos.
Fustao de cores.
Saias bordadas para senhnrv
Grande sortimento de camisas de linho lisas e
oordadas. para hoa.ein.
Meias de cores p.ra homem, senhora, meniaos
i meninas.
Sorttmpnto de chapeos de sol para homeos e
eahira.
c. Merinas de cores para vestidos.
Dito preto traocado e de verio, beaibazina, can-
'.),alpaca, etc etc.
Atoaihado de iiobc: e algodio para toalhas, e dito
ardo.
Damasco de li.
Brim de linho branco e de cores.
Setins de lindas t>3res com listras.
Chales de meriic de cores e pretos
Ditos de touquim e ditos de casemira
Camisas de cluta para tioii'i n r> hlia.
Ceronlas de liahn e ditas de algodao.
Pannos do crochet para sofa, -cadeiras, etc.
i.encos bordados e ditos de lahyrintho.
Ricos coles de vestidos de lariatana, bordados,
jara bailes, e tarla'ana de todas as cores.
Colchas de damasco de 15, e ditas do crocket.
Espartilhos lisos e bordados.
Foulard de seda, lindas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Casemirss pretas e de cores.
">opeIinas.
Neste artigo tomes urn variaiissirro sortimeoto,
-lao so em goslo -amo em qualidade,
Lao
:om listras de sed;, ditas compaltias bordadas,
i.uvns "
'.a pellica brancas t de cores, Co verdadeiro fa-
iricante Jouvin.
Vtnalmor
apetes para sola, cadeiras, ^, entrada, etc..
i.Vmbraias brancas, chitas d 3 as qualidades,
nadapolSes, esgoigj, iretanba *ramantes, algo-
'oes, collarinhos, punbes, mciSis para homem e
enhora, pnnhos e collarinhos brancos e de co-
es para senhoras, gravatas para homem e senho-
1, peitos bordados, lencos de linho brancos- e de
ores, ditos de oambraia de linfco, toalhas, guar-
lanapos, panno finD, etc., etc.
L'TJa do Passo
Rua Primoiro da Mar$o a. 7 A
antiga do Crespo.
fitttoaOe Pernambuco Terga feira 27 4e Outnbro de Xbtit.
Grande liquBacSo dc fhzendfals
BAZAR NAGIONAL
N. 72.Rua da I m,p era t riz -% 7 2.
DE
IMendes (juimaraes & Irmaos.
Tendo 03 proprieUrio 1 deal* estabelecimento resolvido diminnir 0 granie deposito de fa-
jendas, eatenderam tozer esu Jrande liqoidagao, comoso vd dos pre^os abaixo mencionados :
Gaedieiros e
arandelias.
A empreza do gaz, tendb recebido nltimamente
uma quantidade de lustres, candieiros, arandeUas,
glebes 'etc ete., lode obra e> gosto e d-- prrmeira
qualidade ; aclia se em posicao de t upprir a sent
fregneaes, por prqcos.men.jes do que autigamen
le. Para verem as amostras, dirijam se a rua do
Imperador n. 31.
Cortinadoe para'camas
Na loja do Pavao vende se nm grande sortit
Salsa-parrilha do Para |
Xem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
J^ Ka Haaa ___-Ihl i^a a ^,-m ia il n fl -. M 1^11111 1M
economuxj.
vedo, no- sen escriptorio,
mero 57.
a rua do Bom Jesus nu-
Vende-se
na rua do Vigario n. 19, primeiro andor :
Vinho do Potto eugarrafado, em barris e em
ancoreta3.
Cera em velas, de Lisboa, superior qnalidade
Retros do Porto.
Cimento Portland, legitimo
Gra^a glycerina prcpria para a cyn
cordovao; vende a NOVA ESPEHANCA, i
quo de Caxias n. 63.
VENDE-SE
a taverna sita a rua
muito afreguezada :
lvjario n. 40.
do Uarao da \ ictori*. *. fia.
a tratar Da rua ei*rna4k
' biiQitu
Aos legitimos fogdes
micos.
Acabam de chegar a cslfl pi
Chitas largas a 160, 20* e 280 r^is.
Vende-se chitas francezas e finis a 110,880 e 320
o covado.
Lazinhas a 15:0 re is.
Vende-se lazinhas para vestidos a 120, S iO, 320 e
400 rels o covado.
Chitas para cober ;as 11 2S0 reis.
Vende-se chitas para cobenas:, 280 e 300 reis
covado. i
Alpacas de c&res a i0 reis.
Vende se alpacas de cores, finas, para vestidos de
senhoras, a G40 reis o covado.
Metim de cOres a 320 rek
Vende-se metim de cores paral vestidos de senho-
ras, a 320 re"is o covado.
Cassas Anas a 280 reis.
360
Vende se casas francezas; Unas a 280, 320 e
reis o covado.
Cambraia Victoria a 3/000
Vende-se cambraia Victoria tiara vestidos a 3J,
31500 e 4*000 a pec.
Cambraia transparente a 2-e 3*000.'
Vende-se pefas de cambraia transparente a ZM,
3,5500,1* e 5.
Cortinados a 144000.
Vende se cortinados bordados! para camas a 14*'
16* e 18*.
Ganga amarella a 400 reis.
Vende se ganga amarella para vestides de senho-
ras e roupa parameninos. a 400 reis o covado.
Brim de cores a 400 re.s
Vende se brim perdo e de cores para ca'Qis
400 reis o covado.
Toalhas para roMo a 700 reis.
Vende-se toalhis de liuho para rosto a 700 e 800
reis cada uma.
Chales de li a 640 reis.
Vende se chales de li.de quadras a 6i0 reis, cha-
les de metim a 1*100 reis, chales de merino
lisos a 2*, e chales de merino eslampados, a
3*600, 4* e 8*.
Abertoras a 24009-
Veude-se aberturas de linho bordadas, para ca-
misas, a 2* e 3*500. Ditas de algodao a 200 e
400 reis:
Cortes de casemira a 5*000.
Vende-se cort-s de easemiras finas para calcas a
8*, 5*500 e 6*
Cone* do brim a 1*400.
Vende se cortes de brim de cores a 1*400. Ditos
de brim de Angola a !*iJ00 e 2*500.
Cebertas a 2*000
Vende se cobertas de chitas de cores a 2*.
Colchas a 2*000.
to de cortiD*dos bordados proprias r.
janellai, pelo barato preco de 8, 9 e 10,000 rs. o Caxiaf
par, assim eomo colchas de damasco para camas
de nolva a 10 e 12,000 r6i 6 pechincha : a
rua da Imperatriz n. 60, de Felix Pereira da
Silva.___________
A 500 rs. o covado
Na loja do Pavao vende-se lazinhas japonezas
de core* muito modernas pelo baratissimo prego
de 500rs. o covado, para acabar ; notaado-se que
e fazenda que j a mais se vendeu por menos de
dois eruados ; ia ha poucas : a rua da Imperatrii
n. GO, loja do. Vcvio, de Felix Pereira ila Silva.
Para senhoras
Como sao lindas e modernas as gravatinhas que
a Maguetra, a raa Duqne de Caxias n. 48, acaba
de receber I _____________________
E' com as noivas
A NOVA ESPERANfA, rua Duque de Caxias n.
grande sortimen- As almofadas bordadas de la mallsadas que r- JarJeiros fogoc*cconorr ic js. id muito-uri^H
iaspara camas e ccben a Xova ESperan9a, a rua Duque d. cj(]og nflS provin.i8S ,, Rl ^ }toemt.
36, acaba de receber boa- meias de
.. KM j i*ul"- o'ra nnivas. e os arrreciaveia ramoi
Vende-se ciJchas de.fustio para cama a 2*, 3* e,!Li_-------;?---------------------;------
4*.
seda proprias
de larangeira
Paletots a 3,000 rs.
Vende-se paletots de alpaca preta a 3, 3,60
5,000 rs. ;'caias de casemira prelate de core
leies de casemira preta e de cores, e ontras
tas roupas feitas baratas e fazendas que e*t
qnidando no Bazar Nacional, a rua da lm
Iriz n. 72.
Ao baraieiro
ublico a costuniada
mais lindos quo teea
c madreperola e 4
hos e baratas pre-
E' com as senhoras.
A Magnolia, a raa Duque de Caxias n. 45, par
icipa a" bello sexo que acaba de receber da Eu-
-opa, nm completo sortimento de artigos de ulti-
ma moda, e corao acha desneeessario fazer um
nfadouhu anuuncio, por ja ser bastante eonhe-
.da, e capricbar !mpre em ter bocs correspen-
lentes, sendo a pr meira que apresenta o que ha
le mais moderno e por pregos mui razoaveis, por
-so limita-se a descrev^r somente o scgninte:
tiellan douradas.
i'Jicoa de cores, anto de seda como de gnipufe.
ijevei dourados, de madreperola, marfim, tar-
taruga, osso, etc.
4atiidnH de bai'e.
freitenieR, diversos trtigos proprioa para pre-
sentee.
aoAlodaas e punhos.
Manual para missa, coca capa de madreperola,
tarUruga, marfim, velludo, etc.
-sapatinlioM de setim para bapHsado.
Canalsaa bordadas para seoboras.
uisaM de seda.
Franjaa mosaicas.
tdrreroa de tartaruga.
Voitaa de madreperola.
i*ulaira de madreperola.
l.imiiMi (lores para cabeca.
eolsaa de velludo.
?errumartas dos melbores e mais afamados
fabricantee. k
iCIm&cob de sol para senhoras.
Pita* de velludo de todas as cores e largoras.
Moscas
Quereis Wvrar-v-js destesraalditos insectosf eom-
.rai uma.aachina.de rnatar moscas por 3*1)60
aa Magnolia, a rui Du^ue de Caxias n. 45.
Oalvice.
A Magnolia, a rua Duqne de Caxias n. 48, ven-
e o verdadeiro Vigor de Ayer, que impede a
ahida dos -eauellcs.
Sar Sd tewsardas epaaos jnem winer; porqtwi
Magnolia, a rua Dique de Caxias n. 45, tem para
uder a verdadei-a Cuticuleria, qua fax desappa
eccr estas manchae em poucos djas.
A' rua do Cabala a. I A.
Os proprietarios da I'reilii ;cta, no intuito a*
couservar o bom conceito qt e teem merecido do
respeitavel publico, distinguinJo o sou estabeleci-
mento dos mais que negocia n no mesmo genere
veera scieatifiear aos seus boi s freguezas que pre-
veniram aos seus corresponde: rtes nas diversas par-
cas d'Es-opa para lhes envia *em por todos os pa-
quetes es objectos de laxo i bom gosto, qne se-
jam mais bem aecitos pel as sociedades elegantes
JaqueUes paizes, visto aprw wnar se o tempo d
fesUjflm que o bello sexojdesta linda veneu
mais cstenta a riqueza do 4uas toillettes ; e co-
mo ja recebessem pela paqnete francez divers o
artigos da ultima moda, vedm patentear algncs
d'entre elles que se tornam rfais recoramendavers,
esperando do respeitavel
conearrencia.
ASerecos de tartarnga ce
vBdo so mercado.
Albuns com ricas capiw-
vellado, sendo diversos ta
os.
Aderecos completes de-bofrracha prcprios para
inte, tambem se vendem ms> ft aderegos maito bo-
ai:.?s.
Botoes de setim preto o ie cores para ornato d
eestidos de senhora; tambe m tem para coHete
tlitot
Bolsas para senhoras, ewte nm bello sortimen-
de seda, de paiha, de ct;aj rim, etc., etc, por
barato preco.
Bonecas de todos os taica nhos, tanto de lou;?
cemo de cera, de horracha ; de massa ; chama-
mos a attencao das Extras. 5ras. para e-rte artigo,
pois as vexes tonra-se as iangas am ponco hn-
pertinente? por felta de objecto qae as en-
ire tenham.
Camisas de linho lisas ( com peitos bordados
para homem, vendem-se por preco commodo.
Ceronlas de linho e de alg jdio, de diverses pre-
(OS.
Caixinhas com musica, 9 ;ue ha de mais lindo,
ttm disticos nas tampas e proprios para preseB-
te
Coques os mats modern38
tos.
Chapeos para senhora. R
4a altima moda, tanto pa.:
meninas.
Oa pell as simples e com
Calcas bordadas para n
Entremeios estampados
*csenhos.
Esocvas electricas para dbntes, tem a proprie-
dade de evitar a carie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, esiste cm
.grande sortimento de diverdas larguras e barato
preco.
Fitas de saria. Ae gcrgtir&o. de setim e de eba-
qjaI"'9, de diversas larguras e fconitas cores.
Fachas de gorgurao muito] liadas.
Fl-tm artificiaes. A Predilecta prima era con-
ervar sempre nm beHo a grande sortrmenlo des-
tas fiores, nao so para enfeiie-dos r,.belln, eomo
ambem para orcato do veslido de noivas.
Gaioes de algodao, de 13. e de seda, brancos, pr-
os et de diversas cores.
Qravatas de seda para horn era e senhoras.
I>acos de cambraia ds seda de diversas cores
para sennora.
Ligas de seda de cone e branc*s.bordadas pars
noiva.
Livros para ouvir Um, com capas de madre-
perola, marfim, ds^o e velli ido, tado qae ha 4*
bom.
Pentes de tartarnga e raa fim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para :irar caspas.
Port bonquet. Um bello lortimento de madre-
perola, martlm, 6sso e doni ados por tarato preco.
Perfumarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
provida, nlo s6 em extrae tos, cemo em oleos
banhas dos melhores odores, dos mais afamados
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Condray, Gosnel e Rimel ; i ao indispenssveis para
a testa.
Saias .bordadas para wnhora, por commodo
preco.
Sapatinhos de la e de :ietjm bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Reoebeu a Pied!lecta nm bonito sorti-
mento de diversas tamaiihos, tanto para so,' co-
mo paza entrada de saias.
Vest linen tas para, baptisa lo e qne ha de melhor
gosto e os mais moderno leeeben a Predilecta
de or arato preco, para Sear ao alcane*
qnalqner bolsa.
A' rua 1 de Marco n. 1
Coiif'ronte ao rce de Nnnfo
Antonio.
Os proprietarios deste est.it>elecimento, tcndo
pande deposito de fazendas de la, linho, seda e
algodao, e achando-se pr lanco, resolveram fazer graude reduccjao em pre-
^os.-afiin de que iiafjnefls tempo nao tenham gran-
de trahalho em batoneos ; a saber :
GORGORAO de seda pnto, para collete, um
corte poi 2*. E fazenda que sempre costoa 7*.
AM.AZO.N'AS, Hnda fazenda para vestidos de
passeio, a 500 'rs. o covado.
GROSDENAPi.ES de cdres, verde. encernado,
l-ranco, cor de rasa e cravo, a 900 rs.,
Chapeos para senhora, leques
e punhos^, manguitcs brancos e de cdres,
gravuta de. seda. perfurnaria e cinto de
couro.
Vendem Amaral, Naruco & C, no Bazar Victo-
ria n. 2, rua do Barao da Victoria.
Furnoexporte best P>irds Eije
Amaral, Nabnco 4 C. vendem fumo iuglez para
cachimbo : no Bazar Victoria, rua do Barao da
Victoria 1. 2.
Sedinhas a 1^500 o cov, do.
Venham antes que se acabern : na loja do Passe
rua 1.* de Marco n. A.
E' BOM SAREH-SE
Que a NOVA ESPERANQA, a rua Duque de
Caxias n. 63, bem conhecida pela supcrioridade de
seus artigos de moda e phantasia, acaba de rece-
ber diversas encororaendas de mer adorias de sna
repartieio, quapela elegartci bem mostra aptidao
e bom go to de seus anligos correspondentes da
Europa, e por esta razao a NOVA ESl'ERANCA,
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e constante fregueria e com cspecialidade ao sexo
e' amavel, a visMarcm na, a6m de apreciarem ate
Chapeos para senhora.
A loja da Passo, a rua Primeiro de Marco n.
7 A, recebeu am rico sortimento de chapeos
raesna horas, pretos e de cores.______________
i Minas, S. Paulo, Sergipe, Kin Grand*, la-
| bia e Aiagoas, aonde tem mrrfi-J. 49 p-
'blico a maior accit?c,ao possiv.i <'dUj5
preferidos aos de quslqtier onlm sj*ta,
(conhocido pela sua muita soid^, t*petm-
' I dade na collocsgio, aWHlinm s-ynewa',
e sobretudo grande cconomia > c>-rab*#-
I vel ; trabdlhdtn com leuha, c Ha de div
rs''
se djirao \>Am s-
na ru.i da Crj
n. G.
E' miiilo barato
1*200 rs o covado. Quern e que nao coraprara .' ondetoca oprirr.or d'arte.
P0PF.L1XAS de linho, <3e quadras e li.-lias, ho-'
nitns gostos, a 500 rs o covado. Aproveitem.
POPELINAS de linho e sed, fostos inteiramen-
te novos a 900 rs.
DITaS com listras Itrgas assetinadas, o mais
modcruo que tern vindo ao mercado, a 2*.
CRETONE francez cosi listras e do qcadrinhos
do cores e .pretos a 400 e 440 rs. o covado. Isto
so no baratei'O I
DITO francez de liaftrwj proprio para camisas
e vestidos-a 300 r^.; puis to se vendo se pode
crer.
ES iU RO de linho e jl?odao, proprio para ca-
misas, fronhas, etc., etc., com 7 jardas.a ?*200, e
com 10 jardas a 4*a*t9 a peca.
A NOVA ESPERANCA nao quereilrar no na-
mero dos massantes (vwdadeiros azecrins) com
ex'ensos annnncios e nem pretende descrever a
irmnensidade de otijoctos qoe tem espostos a ven-
da, o queserta quasi nspossivei, mas limitar se-ha
a meucionar aleuns daquellcs de mais alta novidade
e toma a liber!ade f?e aconselhar ao bello sexo,
qae a visitem cor-stanteraente, "para depots que
cemprarem em ontra qualquer parte n4o se arre-
penderem, a vista do bom e e^colhido sortimento
que ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
bem demonstra me qualquer seahera do bom torn,
nao podera complet-ir a elcpaecia de sea toilet
sem quaMam passeio a NOVA ESPERANQA, 4
rua Dnqne de Ca-xias n. 63, a qual acaba de rece-
e inteira novida-
Cortes [decasimira a 4#,
e 6|000.
Na loia do PavSo, vende-se cortes dc ca- madeira, etc., etc.
semira para calca a 4??, 59 e 60000, diiOa hf* Prorrio.s P?a "" d". '" UC8' /#
muito firlsde uma's6 c6r com listras *o !a- ,lar. c d.e mu',a r,mih"'i c do, fazenda que sempre se vendeu a 99 e ,csas P,M. ^p.ta..3, etc.
109000, liquida se a 6000 para acabar: Pos|os ao public-i, amide
a rua da Imperatriz n, GO, de Felix Pereira; explicates necess^nas :
da Silva.
Salamc de [yon
A. iSsoo a libra
So na Assemblea do Commercio n. 22, rua dc
Commercio, Meira A Lima,___________________
w Wm ^ i fi^i"^ IS o sitio junto a igre-
ja de S. Jose do Mangu nho, com casa de vivenda
assobradada e outras acommoda^des, lodo mura-
do, com duas frentes -ervi as por porlao de ferro,
dando para a rua d< Amrzade e para a do Man
guinho. Tem de terreno proprio 194 palmos de
largura e 334 de ftindo ; e a casa nvde 58 palmos
d& frente e 8i de fnndo. A sitnaca.) e a melhor
possivel eara morada, e quem quiver edificar, tera
bastante terreno para isto, ptlo lado da ma da
Amizade. Tem a gumas plaritacoes de gozo e re-
creio, havendo bastante sgua fornecida por duas
cacimbas, uaa das quaes c nova. A entender-se
com o Sr. Or. Wiiruvio qu>-m o pretender.
Rendas da t:rra
Rendas, bicos e grades de todas as larguras :
vende-se no pateo do Terco n. 52.____________
E' so com as noivas
NO
BAZAR DAS F/MiLIiS
A' RUA DO DLQL'E DE CAMAS N. H
niiiuissimcis veos de blond b tI-.i >.> a -'ti ti-r
capella, proprios para noiva, o nibi- i.u ii:t>t jp*
tem vindo ao mercado I
Riijuissimas ca. ellis tie Hires de lan/ir*tr-.-
diminuto prego de 3 00 uma.
Lindissimcs lacinhos ccm livell.i-, ; r ;r ;o
senhoras, a ilfOOuRi.
LiSdiasiiBM gravatich;.! de. seda ciiia U-ai0%
proprias para senhoras, a 31000 um*.
Riquissim ajfinetea cum uma 11 r, pmniaaaiai
o peilo de seuhoras ou psra acab-^ p I iu>-
nnto preco de 2 Ot.'O um.
liciw e Slivu <& GuiiMxrtwse.
Cora das estreitaineiito d'urelra
pela facil applicacao das
MUSS13LINA branea, com listras, pcra vestido, a ber os segumt s artigos de laxo
400 rs. o covado. R pechincha 1 de :
MADAPOLAO fran:e: ccm 20 varas, por 4*t'00. Modernas sfiUas-para prenderos canellos
E' barato.
CASBK1RAS dn cores, para costumes (ronpa de
homem) a 3* o covado. Ver para crer I
LAS escocezas, eetamos acabanJo aos preQos de
120, 180 e 200 rs'. Apressem se!
CHITAS escnras-c Claras, fasecda Una a 240,
e de diversos fertna-
beram um eortimento
senhora, eemo para
Primorosos leques de phantasia.
Bonitassabidas de bailes pan senhoras e meni-
nas.
Interessantes gravntas para senhoras.
Elegantes lac lias de touquim.
Buns adecopos de madreperola.
260 e ff.o rs. ; so a rua Primeiro do Marco n. i. Oelicados adetegos pretos dc pufalo e borracba
rio para noivas.
nas.
bordados, de
lied**
veitem
CHAPfc-OS de alpaca, para sol, para senhora, a
2*000. E' admirasel 1
BRIM branco n. 8, cxposigSo saperior, a 2* a
vara. *"
CAMISAS de cretone francez de eores, a 2*o08
uma.
CAMISAS brarfcas, inglezas e francezas, g-an-
de ortim?nto por precos baraJissimos.
BftlM pardo tra?ado, para 280 rs. e iOOrs. o
covado.
BRIM Angola, suaerior, a 500 rs. o covado; isto
so na loja do Barateiro !
CHAPEOS de sol de?eda para homem, fazenda
superior, a S*.'i0O, S*000 e ! BAPT1STAS matisadas, gostos miudishos a 300
rs. e 360 rs. o cesado ; so confronte ao arco de
Santo Antenio I
LENCOS de linho superiores, abanhados a 35,
4^5(10 e 5*000Ja dazia. '
TOALHAS felpudas soporiores a 6*300 a du
xia. Em outra parte vendem por 9* I
MEIAS crnas,snp*r ores, para homem, a i*.
6*500 e 5*. E' pechincha.
BOTINAS superiores para senhora, a A*900 o
par.
ATOALHADO alcocheado, fazenda snporior, pa-
ra mesa, a 1*500. a vara.
ALGODAOJflMlO Lranco, com pequeno tsqne,
a 3*500, 4* e 4*a00, e marca T, a 3* a peca.
Alem das fazendas acima mencionadas, encon-
trarao muitas outras qae j-gradarao em qualida-
de e pregos, e que para nlo massarmos a paciencia.
de-nossos fregaezes, as deixam s de enumerar,
So no Barateiro
A' rua Primeiro de Marco n. I.
-{Loja de Agostioho Ferreira da Silva Leal & Nio se-eoganem
Pois sao os verdadeiros harateiros 1
(gosto novu).
0 PAB18 N'ASERJCA, ft fHHf) de Caxias
i. 59, primeiro andar, wta vendando cal$ado pelos
sefuint"* precos:
Botinas de dnraqae para senhora a 3.500 reis.
Ditas de dito preto a 4,000 reis.
Mtai .de 4ite com-tootSes ao lado, a 4,000 reu.
Diu gaspeadiia, cano alto, para senhorc., a
5,600 rH.
Ditas de pellica, ingleza, a 1000 reis.
Ditas de dnraque bordado, para- senhora, a
5^00 reis.
Ditas de duraque, de cores, para meninas, a 3*.
m qaaito e tempo
Cura das hernias, pelas ftin-
das de b<>rTarcha.
As melhoros e mais aperfeiraadas das atd hoje co-
anecidas.
Vemlo-se
Pharmacia e Drogaria
*e
Bartaloaiseo db C
A'
34. Rua larga d) Rosario 34
Vaeeina. jVa^cina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Lckirmp de M?alhae,
imontado na cdrte am comp eto-aerriao deete ar-
tigo, tem aqni aberto nm de#osito da melhor e
mais recente, cujos to boa se encontram na
Pharmacia e i Irogaria
A"
3fc-rna larga do 1 Mario 34.
aproveifcem.
Grosdenaples
Vende-se grosdenaple preto, fazenda maito Una,
e qne sempre se vendeu por 3*500 o covado, a
1*800 rs.; aproveitem, so o Desengano, a rua i*
f> Marco u. *o. )tto a loja da es-iaina.
1
Na rua do Vigaria n. \% tende se sagoiote :
Cimento de Portlaad, era grlmeira, mao.
VtbbO do Porto, engarrafJdo, finis3lmo, em eal-.
xas de duzia.
Dito dito em barris ancoretas.
y,jnb Sbexry, iogiez m c lixas de dozia.
vinho Collares em ancore :as.
Cera em velas, de Lis!wa.
Cera em frame, Idem.
Vende-se nm peqneno sitkt a estrada de Jo5o
de Barroa, ofl te vende peqt enos terrenos no mes-
mo sitio, conform*seeoender mais convenieate e
vantajoso : qnem preu nde ,
sen proprietaries Antonio Fe!
a diu estrada de Jojo d? Ba tos, casa n. 9,

GRANDE
PARA LUTO
Ven'te-se chitas -inglezas pretas com pintas a
200 r. o.corado, dita franeeza morlo flna,tanto lisa*
como com pintas de 320 rs. para cima ; cantfe
preto a 800 rs. e muito tino a 1,000 rs ; bomba-
ziuas, princezas e alpacas de todos os precos;
lazinhas pretas lisas de 400 ato 500 rs.; assim
como nma grande porcao de retalhus tanto de
chitas pretas eomo de las, qae se vendem por
precos baratissimos ; tambem uma grande porcao
le chales preto- de Its a 1,000 rs. porestarem um
ponco russos : a rua da Imperatriz n. 60, de Fe-
lix Pereira Grande deswberta
Curat'wro das molestias
peito pel
\arojK de sulthit'> de soda
A. BERXET
Este importante medicamento qne acaba de ser
reoaonecido peios distioctos Bra Zalloni e Paras-
rhevas como cm verdadeiro espeoifico contra a
phtyeica, segando provaram nos grandes nume
ros de casos por elles experimentadus, como se ve
na sec-sao da academia de Paris de 24 de marco
do corrente anno, encontra-se uaicamente no
Deposito da pbarmacia e drogaria
de
BarCbotonaea dt C.
N. 34 Rua larga do Rosario N. 31____
DE
GOMMA ELAST1CA
As mais modernas e aperfei^oadas de todas
as conheeidas
' Vendem-se
NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
34 Rua larga do Rosario 34


Sab parrilha
Muito nova e grossa.
Vende-se por barato preco, em porcao ou a re-
talho : na rua larga do R.tsario n. 34.
Espartilhos.
Na loja do Pavao, vende-se espartilhos
dos mais modernas a 39500 e 4&O00 cada
um; assim como bonitos ciutos com lscos
de setim a 3&Q0O, e sedinhas lavradas com
toque de mofo a 15000 o covado : 4 rua jde popelum havan?xas,fazenda
da Imperatriz n. 60, de Felix pereira da,., P('ln, insigniGcante p
an
Aos meninos
A NOVA ESPERANQA, a rua Duque de Caxiaa
n. 63, acaba de Teceber nm bom sortimente de fi-
nas bonecas que fallam, que riem-se e choram ;
tambem astern inudas e surdas ou surdas-madas
venham ver se nao 6 verdade.
\\\m\\\ D) \m
A' pra(]a circular do Apeife
vende-se:
Tijolus de marmcre, de ni'T>"-mm f-
manhos e qualidades.
Tijolos francezes, sex'.ujd *.
Ciniento Portland ver-iad* ir-'.
ilzulejos grandes mart pMfMi
para rodapes.
AzhIcjos vtrdes e amanllos,
regular.
Maqrninas de descf>ror;ar ajpodi*
Cadeiras de 6 rro, assent.*
ba, proprias psra carnpo.
E' chegada a occa.-iao de compran m pa
dinheiro as mais lindas fazendas pr yr:i
vestidos, como abaixo verio.
Aos 18,000 cowtoe
de phelinelhes alsaciano; de la e s ia. taaf :^a -
te amente nova no merealo, e ptl
c/i de300 rs. ; vale I* o covado !lI
Aos 10,000 covado>
de eambraias de Cures fisi=, e li*TiNMi ;i'.'^'-
a 240 rs o covad ill
Aos 5,000 covado-
a g ;> i
) dc IM r:.
valet* 200!!!'
So na loji dastres cstriHas, ret
do Livrameuto n. 2G
Sedas de listras
em cores claras, a 1*000 o covad.'.
Mindes, Lobo ft t.
Rua do Marquex de Olicia n
Oasemiras
Gama & Silva Rrito, com armazens de rncrlhados
no largo da Santa Cruz ns. 21 e 4, tendo de liqui-
dar a lirma social em conscquencia denm dee
socios tar.de retirar se, rcslveram vender os ge-
neros existentes em seus armazens mais baxato 20
OrO do qne em outra tjualqirer parte, e chamam a
attenca-i do reeoeiiwel publico adoeSrs. forne-
cedores das despencas familiares, assim como aos
Srs. negociaates empequena escala, certas de que
encontrarao a maior sinceridade e agrado possi-
vel. Deixamosdemeneioirar o grande otrroero de
generos qne compoe o grandcrimeBto, porque
isto se toraaria enfadoano, linuiando-nos apenas a
mencionar maateiga ingleza em barris a 809, I*
e 1*100 por cada 450 grammas, d ta franeeza a
800 tb drta rngtea emfctas demeio Mo a**150;
aproveitem em nuanto e temp* : ne largo da San-
ta Crnz ns. i t 4, armatens de Gaa & Silva Sri
to, em hquidacao.
um miwm
Vende se linho lise e arrendado, lindos padroes
a 400 rs. o covado, faienda esta qne sempre ven-
de=i se a 1* ; venham aelli.-3 antes que ad aca-
bern : na 1 ja do Paeso, rua Primeiro de Marco n.
7 A, antiga do Crespo_______________________
Liquidacao de roupa feita
Na ,loja do PavJo liqnida-se uma grande por-
Qao de ronpa para homens e meninos,como sejara:
calcas de easemiras pretas e de cores, para todos
os preeos e qualidades ; ditas de brim de An-
gola para differences precos ; ditas de brim de
cores, pardos e brancos; paletots saceos, casaco*
4 fraks de panno preto e de easemiras de cores
coletes de todas as qnalidas, por preeos bara-
tissimos, assim como grande porcao de camisas t
ceroulw por menos 3 Oio do sen valor so pars
acabar : a rua da Imperalriz n. 60, de Felix Pe-
eira da Silva.
bo o 43
Rua do QueiiTiado n. 43, jun-
to a loja da Magnolia
Sao pacbiochac
de cores com barras
bonitas a 240
Cambraiae
rs. o covado.
Oreandis branco com listras bonUas a 320 rs, o
eervaoo.
lazinhas escossezas a 200 rs. o covado.
Cambraias Victorias, final, a 3* a peea.
Baptisug lisas, padroes cruqaes, a 240 rs. o co-
j vado.
Merind azrti, de'duas largoras, proprio para
eustumes de homens e meninos, a li o covado.
-Brim pardo lino a 328 c 40 rs. o ecnado.
Madapolao bom a 3*500, 4* e 4JS00 a peca.
Chales de la a escosseza a Si am.
Lenc6es de bramante a 5* am.
Cnita-d'cdrbsai2i0 -Ww. o-eemdo.
loaiaas aioocUoalas e felpodas a 100 rs. uma. <
SO' 0 43
ulpje amostras : nao ba qaem nio cotppre
Ceronlas e camisas.
Na loja do Fav&o, veude-se ceroulas fran-
cezas de todos os tamanhos para homem a
1&G0O, e dius do linbo a 3900,2)5300 e
B5CG0.
Camisas brancas com. peitos de algodSo,
fazenda flna e por estarem um poucoen-
xovalhadas a 2Q4000 a duzia. ou a U800
cada uma, ditas com pfato de esgniao de
linho a 35000 e 8sSo^l. umJR^ JZ^^VX^<d
com peitos e panhos de cor a 29000 e e se quem tem.
295C0 : & fua da Imptratriz n. 60, de Fe
lir Pereira d^/Bufa. ^ ^ ML,UlLhA ^^ lfl c^.
Peate girftfe.
pode-se dirigir ao
ciano Rodrigues Selte,
"Sitio e casa
Vende-se um sitio com nma casa nova, tendo o
sitio 800 PalmOS'de frente e 1,115 de fundo, a casa
ediBcada com bons oomraodos e boa cacimba, na
estrada nova de Beberibe, perto da encrorilbaia,
o que se torna commodo por ser 250 rs. para ir
na 1* ordem, no trem da via-ferrea ; acha se des-
ocenpado : quem pretender, drrija se aifoa lafga
do Rosario n. 20. ___________
Aos^ervQsos
A NOVA ESPEHANCA acaba de reeeber.aqual-
tea mUagrosps anneis electricos, enra infalUvel doi
nervosos.
Papai, mamai.
axit yii>t flomo sSo lindas as benecas de Cera qne
itrctapi.mamW,.choram, aadaaa, etc. So na
Magnolia a rua Duqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolae.
A Magnolia, a nDnqne de Caxias n. 45, re-
cebeu gaiolas de arame de liodissimos modataa,
(roprias para passaros ;-a ell u antes qae se aea-
em.
. Armacao.
Vende-se nma de amarello, toda envtdracada,
*Bvernsda e diversos caixilbes proprioa para
Joalquer negocio : na loia qne foi de joias, a raa
o Coronet Suassuna, antiga de Hortas a. 15, qae
se veade maito em conta. i
Na loja da Pavao veude-se um grande sortimen-
to de easemiras de cores e mesdadas, tanto claras
como escoras, proprias para calca; paletots e co-
letes por preeos mail j baratos, assim cemo no
mesmo estabelecimentos se raanda fazer qnalqner
obra tendente a alfaiate, com a maior presteza e
por precos maito Tazoaveis: a rua da Impera-
trii n. 60, de Felix fereira da Srlva.
ii
Ullitfo
Vende se veccas tenrinas com aria*, esu.' b*o
gordas : a ver e tratar, ho Caldtiaiio, a*.:i ar
Mamede.
-;#
Vende-se dons sttios, jendo um no povoado
do Peres e outro no do Barro, tendo o primeiro
nma casa com accommodates para grande fami
Mia e dnas menores, estribaria, cocheira, bastan-
tes arvoredos fruetiferos, etc. ; e o segondo duas
easas grandes, e tambem bastantes arvoredos : a
tratar no caes do ilamos n. 98, prensa de algodio.
Na ioja ds moveis, a ma estreita do Rosa-
rio n it, existem boas mobilias de iacaranda e
amarello, guarda leuca, goarda vestidos, guarda
r-'upa, mesas elasticas e outros mais sortimentos
fabricados na dita casa ; todas estas obraa de
muito bons gostos chamam os freguezes para com-
prar : vende-se por preco commodo para os fre-
guezes.
Cortes de cambraia
. Wa loia do Pavao vende-se cortes de cambraia
transparente com babades largos, tanto brancos
main de cores, por baratos precos, por terem al-
(fua iqueno defeito: a raa da Imperatriz n. 60,
^eux Pereira da Silva.
.*
Colchas para camas
;Na!o}a do Pavio vende-se colchas de fustio
trancos, para cama a 2,300, ditas de dito de cor
a IflQO, cobertas de cbita e de cretone, de 2,500
para c maaapdno a 5,000 : a rua da Imperatriz a 80,
de fyiix Pereira de SHva.
Engenhos em Mamam-
gnape.
Vende-se os segumtes:
Barra,
Pregulpa,
e Patricia.
A tratar com seas proprietarios nesta cidad.
e part mformafcJes eom Joaqtrlm Pihto de Mei
refles PDbo na mesma rfdade de Mamamfoap.
sso Irmios C.
mAlliPOLOES
Na loja da Pavao vende-se madapol5e9 franco
zesTOuIto incorpatfos, torn 20 jarflas a 6.000 reis,
dito maito flno com 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as-
sim anaso nm sraade sortimento de madapoloes
iDgleaes de 4,500 ate 8,000 9,000 : a raa da Im-
peratriz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
(jhapeos pechincha para se-
nhora
Vende-se cbapeos modernos para senhora, gos-
to da praca, por 3* ; organdis de listras, covado
a 310 rs,: na rua do Passeio n. 60.

Attencao
Vende-se doas sitios pe piantalos de frncteiras, con -asas de
morada, sendo um na Capunpa. fr<\
zia de N. S. da Graca, e o outr-i c
Fundao, em Bebenbo : qaem s .
tender, dirija-.-e a rua do IUcirpI b .'
qne ahi acbara com queai tratar
1
Qual e a loja que veude J-
rato?
E' na rua do Livrament n. 4,
0 que vende ?
Queira ler para saber.
Fazendas. ehApeoa e reaps* friia*
Perfeito sortiment] para todan- rlasMi t
Pannos linos e easemiras, brins le Kobn r-r^acc.
pardo e de cor, ditos de Angola, dib de alpate
brandoe de cor, gangss de linb e de alaifar.
de cor e amarello, madapoUo de diversas jaab
dades e precos, algodao branco dr lutias e aaa
de varias marcas e precos, ehita-, metin< e pe:
cales, btptislas brancas e de cores, br>lhanbaar,
alpacas de lindos desenbos, dita* > om palraa- *
seda e listras de seda, ditas pit-L.* e br-gcar.
chapeos de sol para homem e seoimra, meaiaaa*
meninas, ditos para cabeea de li..mem :-onbta
meninos e meninas, ba grande v^nedade *>
e vd os de castor a If e t*. canu^s aa a*da>
as qualidades e precos, para nomeni j mr-anr,
ditas de meias, eerooias de precos d um a arc
mil reis, caJcas, oolUtes e paletots, aavaaaa gsaa-
de qcanlidade para escolher a voL.aie ; u
ba cambraias brancas a de cor*.- iSMfi
nuitos outos artigos qae deixamos de pua
cheguem ao amigo do bam e barato, a i
Livrameato n. 4.
Praca da Cndepcndcncla
rM II c IS
ABAITCH
Beiiaaa da aaraaoe, de cores e prcusxaaa aa>,
a 4* e 6*000.
Botinas de duraque de c6r gaspea de eraa *
WOW.
Botinas de gaspea de vernit, pretas, a J*.
Bajnadepealsa car d t*, eanne -Up. *
Botinas de setim de our, eaaoo alto, a s*.
Sapatos de setim de c>Jr, com salto e la<, a I
TIV. a 5*000. _
-BotiaMdadoraaat, aaeores e pretas. pv*i
niata-a inm. < -
Loja do Araates. _______
Ginbis.
Gasman Leal tammpde quaoudvte a>
misas deTinbo para honwtr, evfrrdnn porlfaw,
3^900 e 490M ; apmeltem a peeaiaaai mm*
qaeae acaba.______________________'^___
Chocolate doMaranhai
v, mmm
aa'tCiM
Uoioo deposito oe*
Tavares Carreiro & C,
vende pelos precos e


->>
ASSEMBLE! GERAL
CAMARA DOS SRS. DEPUTADOS.
SESSAO CM 18 DE AGOSTO DE 187*.
ORQAMENTO OOS NEG0CI0S ESTIIANUE1R0S
(ConciusSo.)
Todos os que mstam, mitilam, ferem,
pron l|arn encarceram, letoam. ou que bos-
til u-mu jirseguem os cardejos da santa
igreja romana, pitriarctiHS, arcebispos, bis-
pis e legaiosda so apostolica, ou seus
nuncios B os *ju os langam fora de seus
torntorios, dioceses terras, ou dominios,
jn-uidara ou rutificam ta-:s cousas, e os que
prestara para isso auxilio, conselbo ou fa
vor.
Sens nobres ministros quizessem ostuiar
0 direito canonico, se couhecessem a dispo
sigao da oonstituicfio que acabj de citar,
talvez ii3o se ap-essassem Unto eon do-
ter.uinar o processo e concorrer para a
pnsao e encarcerameiilo dos bispos de Oiin-
da e do Pari.
O Sr. Lbandro Bezerra:Files nio se
important com excoramunhoes.
0 Sr. Takquinio ue Souza : -Nio duvi-
io. Talvez mosmo digam: o que valem
6i ommunhoes (Jo papa ; v 'nha n qaantas
qu zero u 0 que, porem, nao posso affir-
tuar e que ten tiara razao para drzerem isto.
N'UJole.ao B inapart-, escreven lo ao prin-
cipe Eugenio do B'aubarraais, viee-rei da
Italia, tarnbem d zia :
v. 0 quo p6Je fazer Pio VII, donuncian
do-me A christandade ? Por interdicto ao
meu throno, exeommungar-me ? Peusn
elie que as armas cahirao das mSos dos
ro-us soIJail js ?
E o corto 6, Sr. prosi lents histoiia o
diz. quo, depois da excomraunbao fulmna-
da contra ISapoleao, n3o so passaram Ion
g>is -lias sera que o frio e o golo de Mos-
cow lizesse littoralmente cahir as armas ds
mans d s soldados daqudle infoliz conquis-
tad r, daquelle grande genio, quo, depois
d: baver enchido o muii'l > com a fail a do
sou nome, foi acabar os dias em urn p^que-
bo rochedo, corcado de mar, na Ilha de
Sauts Holena.
0 nobre ministro dos e$trang->.ir s disso-
no in.ntem :
Nao t^nbo que ver co.no direito canonico,
nSo preciso estudal-o, o que rne regula e a
constituigao do imperio.
I'ois bom ; deixarei tarnbem por agora o
direito canuiico, passarei d constituigao,
d--vi laraente entendida e int-.rpretada, e
como o nobro ministro nao hi de es-
tar p-I.-s minba iiiterprotagao, permitta que
eu reecorra a uina autoridada.le muito res-
peitavel, em nada somenos A de S. Exc, A
autoii-lade de utn varao tao distinct.* polo
sou sabor, como veneralo pelo seu patrio
tis no, o finado Marquez de Olmda.
A camara dos Srs. deputados conhece a
questao que so agitou no paiz, ha poucos
annas, polo facto de negar o bispo do Per-
nambuco collagao o urn padre, a quern o
giverno imperial havia nomeado parocho
da freguezia de Nazareth daquello bis-
pado.
Esta questao foi amplamente discutida
no coi'solho de ostado, e o nobre Marquez
de Oli i;a, desaudosa memoria, (apoiados)
como ostudava o direito canonico, como
nao iesdenbava a sciencia das lois organi-
cas da i^ri-ja, dou a esse respeito um pare-
cr, quo ha de Gear sempre enlro n6s como
um monumento dessbedoria, demodera^ao
e pru Jencia.
^iario de Pernamouoo- Terga feira 27 de Outubro de 1874.
ser opposta aos <] ue pretendem com ells pflr
pojs a" igreja catl loltca, e justificar os des-
atinos do gOTorm i imperial no conflicto re-
ligioso.
0 Sr Leanhro Bezerra : Isto e
dizer a verdad* f
cias, d*pjava que me dtssessem a que ica-
va reduzila a loutnnj catbolica.
0 deposito saRrado da fe- e da moral,
cooQado a" igreja, suria aniquilado. Fi-
que e carii rdta e dospea>(i*la a tunica iocoasu-
til do Nisso Seahor ieus Chri,to I (Mui-
0 Sr. Tarquiiiij de Souza A religiao to ben). v
catholica, apostol ca, romana. sendo d>cia- Com a fatal tueoria do placet seria i raJa pelo art. a ia constituigao religiflo do possivel raanter a unidaie da ierei*. nio
estaJo, e manifes o que asd.sposigda cons- s6 quantotl doutrina, mas tambemfaaauto
ituc.onaes dovem sempre sor eotendidas de aosm governj
oodo quo deixem salva a mesma religiao, o A ig^ja nio soria mais nem catholioa
que nao aconite la se a theoria do placet nem apo>t jlioa. disde que nao fosse roma
podesse ter grand* exteusao que algunspre- na. (Muito bom )
tn lem dar-lbo. (Hu to bem.) 0 nobre mi istro dos estrangeiroi disse-
u sr. ministro < os estrangeiros tern olha- nis em outra occasUo qua a reliijiao catbo-
do so nente para o 14 do art. 1J2 da cons- lica tinha sido aceita pela constituicio mis
titutjao e venl> hjIIo estabelecido o bene- sob a conJifio do direito do placet. *
placito a f.cul.Jad i que o poler exocutivo Desculpe-me S. Exc. que eu lha diga que
tern nao quiz combiaar osta disposigSo com a do A roligia ) catholica, a igreja. obra deDeus.
art. 5 da mesma conetituisao. Se S. Eic. nao pdleestar subordinada a condicdes hu-
fizesso a combinagi o, ba'iade couvencer-se, manas ; a igreja e mai e oao recebe imp)-
que o legislador cc nstituiute na) quiz por Slides de sous lilb>s. (ipoialos)
certo destruir corn o ii do art. 102 a Citarei ag.ra a opiniSo de um distincto
gran le e rnagos:osi obra que navia funia- e talentoso joven, cuja voz sympathies c
I tao aprociala por todos n6s, e particular-
dighm o quequizerera, des- meote pelos nobres ministros.
Dasejo agora tonar en consideracJo al- no bptismoye por falla dos quaes alguns
do no art. 5.
F, senhores
de que a igreja <:a"t|iolica nao puder man- Sustentan do o dTreaT^ueMbe aos bispos
lar ensinar aos lioik se nSo o que convier do intervirem na divisdo e .;lesia>tica de suas
ao governo imperial, teremos tudo, menos dioceses embon a dispsicdo .to art 10
a religiao catnolicaJ apost-lica, romana. 1" do act. addicional, o n -sso collega, o
O S.K. L^anduo I EZErRA : Muito bem Sr Gusmao Lbo, escreveu outr'ora o qua
0 r. Takul-in-d de Souza :A consti- vou Itir. e dev-i ser lido por todos quedes^ia-
tuigaotambomconf.re ao poder executivo a rem saber como se deve mterpreU|r as lois
tjcuidade do nomei r Dispos. coastituci.maes que possam interessar a igrQ
Mas, pergunto eu, exorce por veutura o ja e A roiigia do estado.
govorno imper.Nl a attribuicao de nomear 0 ap go ob>tinalo a" lettra da lei, qu
bispos do mesmo m >.lo, e com a m*ma por vezes Ine fls6a o espinto, tern levado
am .litude e mdepen( encia, com quo exerce aiguns legistas a ndmiitirem a doutrina do
a attnbuica de nomear magistrados, era- que incumbe entro nds ao poder civil, fazer
oaixadores, commar dantes de forga de ter- a divisao ecclo-iastica sera audiencia do ros
'a emar : do mosmu modo como prove" os peotivo ordmario, por firca da disposicao
lema.s empregos cius e politicos 1 do citado para J>ao ; o govorno nto nomeia bispos como mada ; tern-se preteudilo, & forca de puris-
nomeia magistrados, e outros funccionarios mo na inlelligoucia do tecto das reformas
do ordem civ.l jescluir o podor espiritual do interforir com
A nomeagaodos bspos por parts do go-;a sua sa icgao, ou reprovacSo era negocios
verno consiste na designagao da pessoa ha- Jque sio desua competenoia, e que se com-
bihtada para exercer tao elevada e sanla pretiendem virtualmente em sua jurisdicgao,
missSo, e na apreserta^ao dessa pessoa ao j atacan lose desta arte nas passoas dos bis*
santo padre, atim de que sua santidade, foi pos a digaidade da ig/vj*. e no contexto- da
las as inquiriQOes can micas, confirme o no- lei o esp.rito que a ani na. Como sa a bol-
neado, conforinlo-lhs a institui^ao canoni- prazer do legisl dor podesse a carta desatar
ca, fonte unica da ju isdic<;ao ecclesiastica, o que esta" at*lo-, destruir o- que esta" enfi-
como da ordenac/io in sagra^ao pr as leis dispositivas do igreja, a pratica conj-
tante de todos os goveruos catbolicos, o uso
e costume umverstlraente recebidos 1 Co-
mo se o direito de padroado, qua a dyna-
tia portugueza incumbia pelo grao-raestra-
do, e que em balde solii-itou para si e para
seus descend rate* o 1 Pad o, se estendesse
ate converte-lo em uma soberania absoluia
sobre o espiritual
poler de ordem. Sem a confirmacao
da santa sd nao p6d< hi ver bispo catbo-
lico.
Jose Humberto Rei:kenj apregfla-se bis-
po catbolico, mas todos sabem que elle nao
passa de um infeliz a[ ostata da soita dos in-
titulados velbos catho icos, sem outro titulo
que a nomeajao do inperadir da Alleraa-
uha, o qual por d-rta nio tem poder de
crear um bispo catho ico. (Apoiados.)
A disposijao do art. 102 do 2 da cons-
tituieao, conferindo i o poder exocutivo o
direito de nomear bispos, n3o pode ser raais
expressa, e, entretanto o governo imperial,
feita a nomeac.ao, solijcita do santo padre
suas lettras apostolicas de confirra^So, afim
de quo o nomeado soja realmente bispo
e possa roger a igreja le Deus.
Qual sera, pois, a razSo de dependeucia
em que lica o acto do governo da confirma-
gao, da santa se, compleraento imprescin-
divel, essential da nomeaijao imperial f" A
razSo e obvia, esta implicitamente contida
no art. 5 da constituijio, que proclama co-
mo do estaoo a religiao cathoiica, apostoli-
ca, romana, cuja cabega e o pontifise ro-
mano, centro de todo o poder espiritual.
Quero citar somaote um pequeno trecho
d-sse parecer, para que o nobre ministro dosl sem o qual nada se p6do fazer na igreja
estrangeir >s saiba qtw na constituigao, na i de Jesus Christo.
aoha o apoio que pretende encontrar, para
justificar os actos dogabmete de que S. Exc.
faz parte ; para que o nobre ministro se
convenga de que nao basta attender a um
artigo isolado da constituico, que 6 mister
combinar todos aquolles que tern entre s:
rolagao mais ou menos estreita, para que
sssim tenhamoso ponsamento fiel donosso
legislador constituinte.
Nao ha duvida, escreveu o Marquez de
Olnda, que a constituigSo reconheco uaco-
rda o direito de nomear os bispos e pro-
ver os bonelicios ecclesiasticos. Mas a cons-
tituigao deve sor entendida sempre de modo
que nu'nca estsja em contradigio comsigo
niosna. A constituigao reconheco a reli-
giao cntholica, apostolica, romana, como a
rehgia i do estido. Ella nao po-Je, portanto,
contr-riar as maximas e pnncipios desta
religiao.
Parece que o nobre Marquez de Olinda
destinava tao poderosa argumentagao para
FOLHETIM
JOANNA
IIM J0G0 DE PAIXQES.
POR
t-furge Sand.
LTRADUCgaO DE X. x. X.)
PARTE QUARTA
HI
(Continuagao do n. 245).
Admirei a rectidio e coragem de minba
i..'-.\. tanto mais quanto foi-me facil com-
prehender quanto ella reprovaya a minha
ts'olha.
Manifestei o desejode ir ver o'Sr. Brud-
nel, sem que Manoela o soubesse, e ella nao
se oppoz.
Entretadto nan o fiz ; a mesmo fui adian-
do de um dia para outro a satisfagio do
desejo de escrever a sir Richard, ate" que
emfim choguei a dizer de mim para mira
que elle me advirtiria, se julgasse conve-
niente conferenciar comigo.
Sentia uma extrema repugnancia em en-
cetar quaesquer communicagOes com elle.
Tbdavia os meus nervos estavam calmos, e
a minha boa e doce vida de familia resti-
iu>a me a mim mesmo, fazendo como que
desapparecer o phnntasma de Manoela como
se fosse um sonho.
Pare ia-me quo se ella consentia sem re-
volta uo meu auistamento, nlo era senio
porque, por fim de contas. preferia os doces
cuidados do Sr. Brudnei as mlnhas violen-
cias.
Emfim cada hora pasuda loDge d'olla pa-
rech-me afrouxar o lago, e en ja* n3o pen-
sava som temor no momenta eventual em
quo, chamado para ao pe d'ella, eu seria
f.rgado a aceitar a recrudeaceocia de aflfei
54" e de reconhecimeoto qoe sir RichaM
daviater-lhe inspirado. Eu pref;ri -~-~\
E, pois, so o art. 5 modifica tao notavel-
raente o disposto no art. 102 2 da cons-
tituigao, e claro que nao p6de deixar tam-
bem de modificar e esclarecer a disposigao
do 14 do mesmo art. 102. (Apoiados.)
0 beneplaoito nos termos amplos, em que
o aceitam os adoradores do DeusEstado
seria a completa destruigao da liberdade e
ta independencia da igreja, seria a ruina
da propria doutrina christa. (Apoiados.)
E so nao, veja esta augusta camara as
terriveis consequencias, que inevitavolmente
resultanam da tbdoria do placet, tal como
e teuho sempre combatido
Armado do tao querido beneplactto o
governo do Brasil rojeitaria e:te ou aquel-
le ponto de doutrina, este ou aquelle dog-
ma, tal ou tal pnncipio de moral. 0 go-
verno francez, o austnaco, ou outro qu'al-
quer, sempre firraado no famosoy di, procederia do mosmo modo a rospeito
Jo outros dogmas e, en taes circumstan-
se
lei a
Vim
dado
esses ternos cuidados,
ello s6 seriam basUntes
sa, eque ella deixar-se-
tituir-me minha palavra
Meu orgulho ja" nao
ser supplantado por um
do que eu ; e cbeguei
para mim, que proced
ga ; pelo qua fora bem
provocara.
Foi n'essa conformida le
crevi a meu araigo
do-o por menlo ten
seu primeiro bilbete.
Pouco depois recebi
Visto que voltaste
chimeras, e visto que
e ate" mais cedo do que
quanto te disse acerca
amor pela odalisca,
com todaa tranquillidade
Vejo-a todos os dias
ella beard boa.
Bem sabes que n&o
mente a opiniao dos
Marselha acerca da _
ga. As affecgoes uervosas
legio de simularem tao
affecgoes organicas que
team o enganam os mais
prodigalisados por
ban cura-la depfes-
lia pcrsuadir a res-
revoltava & idea de
homem mais babil
confessar, de mim
como uma crian
rherecida a linao que
esta
di
de vistas que es-
ne, reprebenden-
noticias depois do
resposta :
emfim do paiz das
s razao cem vezes,
eu esperava, a tudo
fragilidade de ten
fallar-te d'ella
0 bispo deve sor ouvido, nao como me-
ro informante, mas como um p ider real,
qua vem pdr o sello ao exercicio de um
direito, que s6 por uma concessSo, qua o
tempo te n feito passar em uso, 6 delegado
a ura poder esiranbo.
Os quo pretendem secularisar a religiao
e reduzi-la a um negocio puramente admi-
nistrativo, a um artigo de budget, quere-
nam que o poder civil, porque despende
com os parochos e com a susientar.ao do
eulto, podesse a bel-prazer proceder i divi-
sa ecclesiastica incomulbhepiscopo ; o que
import* roubar ao ordinario ura direito ju-
ristiiccional, usurpar-lbe uraa prerogativa,
que lhe ortorgam os caneoes. E' esta o
protectorado que se quer impor & igreja,
a ignominiosa tutella em que se quer ter o
p >der espiritual.
a ftias e preciso conciliar a lei das refor-
mas eora a lettra consti tuciona.l, e esta com
os diceitos que assistera aos bispos, em vir-
tude de sua missao. Ora, sa teraos uma
religiao do estado, se esta religiao e a catbo-
lica, eforga.convir que deve a lei respeitar
os canooes, a discipiina, a lithurgia, todos
os principles prescripto- pela se roraani pa-
ra o rebanbo catholico. Da outra sorte
nao haveriamos Oma religiao de estado, ou
esta religiao aio seria catholica..
Eis ahi o que pensava e escrevia o illus-
tre joven, hoje nosso distincto collega.
Subscrevo a sua doutrina e nem em favor de
outra tenho levantado ueste recinto minba
fraca voz. Respeito muito a constituigao do
meu paiz, des> tada; mas nao posso Consenur que fa$ara
della arma de guem contra a religiao que
professo; quando e* ceto que esta religjao
e* a adoptada como religiao do estado, pela
propria constituigao.
gum as proposigdjs. que foram hontara
emiuidas pefo nobre mmistro dos e*trangoi-
tos, quanio proourou ju*Ulicar o barJo d-s
Penedo, por haver dito em Rorai que, ainla
na raelbor hypotbese. a de ser abwlvido o
bispo de Olinda, o dia desta absolvigao, era
vez da sor oiieun triumpho, seria a vespe-
ra de um desastre para a igreja uo Brasil.
0 nobre ministro disse no's que o barSo
de Penedo nlo tivera era vista as passoa>
dos bispos. new quuera allu lir ao uso das
teraporalidades ; mas sira quo, sa continuas-
se esso estado de cousas, se continuasse o
iranstorno de at > poderera bavor baptisados
e socoorros espirituaes podia acontecer quo
houvesse necossidade da toraar medidas,
quo co itrariassem as relagSes que existera
outre a igreja e o estado, cessaudo a uma .
que tem reiuado eulre as duas sosieJades.
Ndo posso agora eutrar, como muito de-
sojjva, noexarae dos diversos systeraas a
respeito das relagoes entr'e a igreja e o esta-
do. Nao andytarei, portanto, nora o syste-
raa da absorpgao da igreja pelo estado, que
e o system i quo tem prevateindo nqsouso-
lUos da corOa..,.
0 Sr, LEANDRi* Bezekra : Apoiado.
0 Sr. Takouimo de Souza : -...nora t3o
pouco p idoroi apreciar couvonie.itemenie o1
sysloraa da soparagao da igr-ja u\> estdo,
que, parecondo mais liberal, cbega, toda-
vi.i, Ai mos.raas cousoqueucias, isto e, ao
atbeisma pratico ao desprozo da reiigiao
polo estado sen lo alids corto que a roligiao
e serapro a mais segura e inconcussa base
da socie lade civil.
0 Sr Leasdro Bezerra : Apoia-lo-.
0 Sr. Tarquinio de Souza : -N4o posso,
poren, deixar pormanecer no espinto do
nobre ministro de estrangeiros a falst sup-
posigao era que esti da que em Perna-.i4)u-
c ou era outra parte, se racusa o b3ptis-
ra o matrknonio a outros soocorros espi-
rituaes Aquolles-que o proeuram, e que os
devem rocobor em condigoes prescriptas pe-
la igrej,i.
Nao, nao e exocta a accusagao, qua mais
de uma vez se tem levantado nesta casa.
A igreja a mii, e cifflo mai oarinhosa iiw-
ca feobou', nem pd-de fechar aporta aos que
desejam sincer.mente approximar-se della ;
e o nobfo ministro- sabe perfeitamente que
o baptisrao e a porta 0 >R, Lkandro BzUUk:.Apoiado.
0 SR- T'ARQUisto de Sobza -0 que a-
igreja nao p6 le, e nem ha da permiuir, e
que os que se querom baptisvtr, ou le am ao-
baptismo seus lilbos,. irapjuuara coudigdes
contrarias as suas lois.
0 Sr Leamdro-Bezerra sApoiado
0 Sr. Taro.linio .de Souza iQaera
acre-1 its em uraa religiao, quoin segue as
suas maximas. deve coufo-iaar-se ;U lois la
s)ciodado que professa essa religiao. p irque
le n si lo rocustdos.
E o que bio do Uzot os parochos, quan-
do se lDos aproseuta uma crianga para ser
baptisada com um palrinbo, excommunga-
do publico, que como tal se tem declarado
uus jornaes que todos loom 7
Kocnsando <>padrinh), osacerdote ado se
oega a adraiuistrarosacramontodobaptis no,
e, se este nao se eflectua, a culpa e do pai da
crianga. qoe nao quer subordiuar se & lei da
igroja, que prefore capricbosarante o acces-
sor! o ao principal, querendo imp r sua von-
tado, onde ndo pOde ser altendida.
.\'.io obstanto isso, porom, aflirmam que
se nog i o baptismo, e tolos os dias levao-
tara-se iufuuladas accusag&js contra o
procedimento de saserlotes, q e nao fazem
mais que curaprir seu rigoroso deer.
O que se di com o btptism >, verifies se
tambein com o matrimoaio, que, posso
alfirraar, nao tem s do recusado a ninguem,
quo so most re legitimamenfe habilitado.
Sauliores a igreja e mai, e uao recusa
acinteraeuto os sacraraentos, os socmhtos
espirituaes a seus filbos, como parece asro-
ditar o n d>re ministro dos estrangeiros.
Sinto ter necessidada do eolrar nestas mi
nu-loncias ; mas o que boi d-i fazer, se a
aecusagd -s repeteia se todos os dias nesta
cis-a e fdra della-f Julgo cumprir um de-
ver, dan lo test-muimo Ja verdaJe, e e>cla
recen-lo o paiz sobra o que so passa, afim
da que nao contiuue na illusao em que al-
guns o querera man ter.
0 Sr. LEAJiDRC Bezerra : Presta ura
granle serv go, porque o paiz 6 catbolico.
Nao coacluirei, Sr. pro-rleute, sem dirt-
gir uma p rguuta ao nnbra minis'.ro de es
trangoiros. Dasejo quo S. Exc. nos diga
quo raza- tave ., governo imperia- pra roti
rar o nosso miuistro pasidonte em R nn, o
nobre Baraod'AlhanJra,.substituindo-o pelo
Sr. Viscoude de Araguava, ultimameute no-
meal para- aquella lega^ao.
E fago esta pergunta-, porque nlo me pa-
recou auertada ue n a retiradado primeiro,
nem a nomoagao do segundo. 0 BarSo
d'Alban lra< parecia-nos bem considerado
pela santa se...
0 Sr. Lea.ndbo Bezerka: Apoiado.
0 Sr. Tarquimo de Souza :....exe>
cia suas funcgOas diplomaticas, ha muko
tempo, juntoiquolla cdrte, onde era bem
iTonbecido, e esta circumstancia devia ser
levada era conta polo governo.
As qualidades pessoaes de um ministro^.
o coubecimonto por elle edquirido dos cos-
tumes do pah e da cdrte onde esta acredi-
tado, o ser bem visto das pessoas com quern
tem de tratar, sao, segundo penso, condi-
jcdes muito f*v .ravois para o bora exito das
fnegociagoos deque esti inurabido.
Se, pois, o B-trto d'Albaudra nao perdea
por algum motivo aconliangi de governo,
lguma desagraM^el contra obiajndv Pw-
nambuco, sera opper uwihura niliiall.
quan Jo da sou l.do diz o Barfto 4m PoaWo
que o Sr. Alhandra p*tivra preanato a la-
das as conforenoias quo t.vera co* o ear-
deal Antonelli.
Parecia natural qoe o Bario de AltModra
proenrasse conveneer o car.leal do eogaaw
em que estava ; o certo i, M, que o
no fez, que a a^rgladocardw.l cscreUrio
lie >u sera contiMigio a4gu a.
Mas, era sumraa, oao desejo aoteeipw
juizjs. qm pole* oao ser comol^tos.
Aguardo a respost.i do nobre ministro i
assim corao espero que 8. Exc. nos aiaa
se 6 certo. com i por ahi eorra, que o b-
conde de Araguaya rai ineuabtdo de tsajr
uraa concordata corn a state ae.
( O Sr m nistro de eHrangnros fz sm.
nal uegAtivo. )
0 nobre ministro faz um signal oViavo-
ravel, negando aquille qoe por eat se pro-
pala com lanta imistenaia, e que mi Uism
to nao ser e.-to; porqee nio vejo- objeeta
mais digno di atteugao do nosso grvrro*
nada qua eNe de'esse preeurar con nsaas
afinco do que uraa coaooraata co m ny
ta se. meio uim.> de por tTrao ao artuel
conflicto, e de ebstar outros que do fu-ture-
venbam a suscsftir-stt.
Todos sabe nos que as reUfdes da lajre-
j* e do estado an Bnsii oao assent baoes seguras e positivas. Asstra, por aa>
plo, o governo arroga-se ikntito
inear os bi-pos, quxndo 6 sabido qoe aa-
ohum governo *af tea. jmv proprw,
esse diroto. quan Jos' certo qce. ia.> tendo
si lo aceita a bull* -Pnrclara Pvrlwfmlur
de at de maio de Wr7, qua aaafaaJa o
padroado A corda do Brasil ; se nta se
torn conarmado as oomeagdns UM pelo
governo; soraenta por inora to5.-ra-n.-i,, e
nio p.irque tenba { Apoiados. )
Assim como este, outros muitos Mamp-
tos poilenara ser c ravenieote do sem uma cncordala. afim da que
restabelocam. de um modo sohdo e da>
radouro, as boas rolacoas entre a igreja a o
estado no Brasil.
c a
posso
o asseguro-te que
gmni
partilhei absoluta-
des medicos de
gravidade da sua doen-
tem o mio privi-
exactaraente outras
inda hoje desnor-
habeis praticos.
da senhorita Perez
eressante ; e, corao
a 0 caso pathologico
e para mim bastante in
fui eu o unico que augirei bem sua pos-
mvel cara, o Sr. Brudnc 1 pedio-me que a
rnedicasse. Ousei fazei o contrario das
presenpgoes doterminadlas ; permitti o mo
vimento, e ate, em ra zoaveis liruites, as,
emogSes, tJo severament j proseriptas. Foi!
por isso que a doento fo ao theatro, e d'ahi
nSo lhe resultou mai.
a Emfim ella provavel nente se restabele-
cera", e eu diria certarmule, se se podesse
cootar com qualquor futjro nas cousas hu-i
manas. >'
NSo te inquie.es raiU.poY tanto, visto
c mo teu amor nao Itti causou a morto l
Fi llift contj,porqrrc: nio miis a podecis
erapregar na historia do teu romantico des-
tino.
Mas, segundo creio, essa cura quadese-
jas t.mio quanto temes, nao compromettera
oteu futuro.
<> A odalisca nao ficou tao apaixooada por
ti como te pareceu, ou entio cedeu a um
ctpricho de imagmagao, da mesma sorte
que cedeste aos impetus da mocidade.
Creio que ella ama realmente o Sr. Brud-
nei, e que o ama mais do que tudo no
mundo ; o que alids roe prova que ella se
deixa mais dominar pelo coragao do que
pelos sentidos
Desposa-la-ha o Sr. Brudnei ? Ignore
0 que 6 certo e que agora elle o promette,
e julga isso um dever ; mas eu coraego a'
duvidar de qu elle tenba lhe amor, tanto
mais quanto ja" passou a idade das paixSes
arrebatadas.
ualquer que seja o deseolace, este s6
a elles interessa, e a nds nSo cumpre pre-
occuparmo-nos com ess-i objecto.
Apresenta & tua mai e irmaa os meus
mais profundos e affectuoss respeitos.
Depois da leitora d'essa carta, seuti-rne li-
vre e feliz como nunca o fui, e convenci-
me de que e preciso ter soffrido para saber
dar valor a* existeicia. Semelbantemente e
preciso ter viajado um pouco para apreciar
devidamente o paiz em qoe se nasceu ou
se foi criado e educado.
Amando minba mSi, minha irmaa e o
meu torrao natal como ja* mais eu os amava
e prevendo uraa separagSo dillnitiva entre
mim e o Sr. Bra Joel, pensei em fixar-rae
em Pau. A partida de um dos nuraerosos
medicos que monopolisavam a clinics, a
morte de outro, e as enfermidades de um
lerceiro, detarminaram uraa vaga qua eu
podia occupare quep.recia-me muito pre-
ferivel & infoudagao a um si cliente.
Minba rafii outr'ora recobia poaca gente,
mas o taleuto de minha irmaa tendia a fa-
zer augraeutar o circulo do n> ssas relagoes ;
tanto mais quanto arabas gozavam da alta
estiraa.e tia syrapathia que mereciam.
D:3-3e logo fui cbaraaio & casa 1: :'.^:...:
baptisrao, corao os outros sacraraeitos da
igreja, e acorapanbado de certHS ceremonias,
que, se nao alfectam a substaneia do acto,.
sao todavia de grande utildade e importan-
cia, porque tornam o acto mais solemno.j
despertando sentimentos da veuoragao e res-
peito.
Entra as ceremonias do- baptismo inclue-
se a presenga do padrrahos, isto e\ de pes-n
soas habeis, quo subsidiariaraente se obri-
gara, em falta dos pais, a doutrmar cbrista-
monteo baptisando, pole que sao cbamados,
fiadores sponsores, e corao taos devem reu-
nir certos pradieados, er.igidos pela lei oa-
noniea.
Pego licenga. d camara para ler as pres-
cripo&es, a quo estSo sajoitos os parocbos o
sacerdotes que administrain o baptisrao,
presoripgOes cjue ellos nao podem pretenr
sem faltar ao proprio dever. E' um livro
eleraentar. o Ritual Romano, que determi-
ne assim :
Paroch-us, anlctuam ai baptisandum
oticedat, ab Us ad quos, soeatat. exquirat
diligenter, quern, vel quos susceptores sea
vatrinos ehgerint, qui infantem de sacro
fpnte mscipianl. Me plures quam liceat,
aut indignos, aut ineptos admiltat.
sem isto, e imp issivel fazer pane della. 0- nao po>so atinar com a razSo que dete*-
minou a retirada e substituigao delle pelo
Visconde de Aragmya.
0 Sr. Lua.m>ro Bezera :Foi porque
0 Sr Araguaya e inagou,
0 Sr. TARotisio de Sana;Nao que-
ro saber sc e ou nAo magou, o que sei e
posso dizer- e, que o nobre Visconde de
Araguaya tern para mim ura senao, que e
ser p.Kjta. Am oj poetes, aoho que elles
sao necesserios i sociedadi, mas nao craio
qua sejam os mais propcios para negocia-
goes diplodaticas : e quom me induz a pe-
sar assim t*Cicero, mestre, cuja autoridede
nao pode ser suspeita, quamlo nos aconse-
Iba: deseontiai dos poetas. sobretudo
quando ambioonam o favor popular e os
applausos da multidao. ft.
Sctant pmlerea Parcchi, ad hoc mu-
ni** non esse admitiendos infidelis out lue-
reticos, non pubuce excommunicatos, aut
interdietos, non publiee criminosos, aul in
faines^ necprceterca qui sana mente non
sund> neque qui ignorant rudimenta Fi-
dei, >j
0- Sr. Leandro Bezsrra :0 Sr. mi-
nistro do estrangeiros nio quer saber disso.
0 Sr. Tarqwnio de Souza : Taes sao
os requisites que as leis da igreja exigo.n
Idaquelles que devem servir de padrinhos
feliz nas minbas prescrip-
visinlios, Fui
goes.
Tendo aprendido algunaa cousa do ing!<-z
com o Sr. Brudnei, o bastante para que as
families iaglezas fixadas em Pau ficassem
sati*feitas de se entenderem comigo, foi isto
sufficiente para que umas me recommondus-
sem as outras.
Signinquei A minha mai odesejo e a in-
tenr.ao de nao mais deixa-la, e ella, dando
mostras do grande alogria, disse-me :
Ganbaris pouco nos comegos, mas
aioda assim passareraos muito bera, porque
sabemos arranjar-nos com pouco, e eu bem
que nio tens nem mais necessidade
Re>:eio muito que o illustre Visconde de
Araguaya, no estado difficd das relagoes do
governo com a saula sti, aiteoda sonoente A
iraagiiiudo, faculdade prodorainaole nos
poetas, e que na i e a mais propria para tra-
zer a bom camiuho negocii>gdes impuctantes,
a que-duve presidir a. raiao calma e fria,
o perfeito conlieciranto dos leis da-igrejae
do estado.
Espero que 0 ncbro ministro nos diga
alguraa cousa sobre a retirada do Barao de
Alhandra, porque me esti pareeeudo quo a
r&zao dBlla preueie-se ao facto de nao poder
o mesmo Barao de Albandra da?, favoravel
testemuuho das eouferencias bavidas entre o
Barao da Poneiooo cardeat sscrotario de
sua santidade.
Em ver lade,, senhores, uao soi corao
possa explicar osilencio que guardou onos-
so mmistro era Ro.na, accusando o recebi-
raento, e promettendo traasmittir ao gover-
no imperial a nota em qua o cardeal Anto-
nelli alliruia (nr lhe assagurado o Barao de
Penedo que o governo nao tomaria modida
E' tr:atissiraar Sr. preadtute, a sttoagao
em quo nos a homos. (Aaiados. ) Os es-
piritos debatera-se ua mai r iapiiataftae
o governo nao nos da" garavhase ni noes*
sgura nada com ndagio aa bam eaito da
conflictoreligioso. Os bisposeoaanuara pce-
sos, soffrendo n m*is grave eiaostruosa inio>-
tiga ; e, entretanto, quando toae past se ar-
gue, quando todas as oonsciencias se abalaat.
quan to as bases dw soctedadeastretneoea, o
governo logo d diseussan, mostra-se vaoillarv
te em tude, nao nos di, nem nas preraeUe
seguran^a alguraa As canoares se eoearra-
ran em breve e, vokando para aa provia-
cias, nao podemos levar aos nossos aaasa-
tuintes garanlia alguma de pax.
t" por isso, S*. presi leole, aa* disposto, em quanto liver assoato neste-casa,
queira ou nio o governo, erguer mtoha
voi sempre que me seja possive, p*ra. ea-
tigmatisar os erros e desalinos do cstaiaia-
rio, para defender, n >s lirmtes de iibJm-
forgas, a fe e a liberdade des catholleos do
Brasil. ; Apoiados.;
Nao quero era tempo aigam, ques4o a?
tratar d-sta questao. e se re mem irarem a<
tristes see nas que nella se lam dado, tar ra
zao de dizer : V-e mihi oi*ao tvevt : ai.e
mira. porque meealei quenao podaa to-
ns til lar.
Tnoho conclu lo.
>ozes :Mi bem, muito bra.
' 'J ora dor alicitade. >
V^JEDADE
vejo que nao tens nem mais necessidade
nem mais fantadas do que nds. Sim, sim,
fica e veras que has de ser feliz.
E quando assim nio fosse, que feli-
cidade nos darias I disse Joanna.
Eis uma palavra que me faria decidir
se por venture aiuda eu estivesse incerto.
Intencionalmente consummei, pois, |a
ruptura das minhas relagSes medicas com
com o Sr Brudnei, com tanto raais confian-
ga, quanto, seeu, contra todas as prooabr
lidades, viesse a ser esposo de Manoela, de-
via tratar logo e logo de estabele er para
ella uma existencia mdependente das prodi-
galidades e favores do seu protector.
Tres mexes passaram-se assira, i espera
de uma solugao.
0 Sr. Brudnei, que continuava a habitar
Montpellier, escrevia sempre a minha rail.
A saiiJe de Manoela ia sempre melhoran-
do de ura modo sensivel.
Nas cartas de sir Richard iimais havia
ama palavra da parte de Manoela para
mim, e minha mai psrsistia em aio mos-
trar-me essas cartas, e, quando ea manifes-
tava alguma desconfianga, dizia-rae, Mont-
pellier n&o e Uo longe que niopossasUir
te informar.
Ignoro se ella sabia que era isso justa-
mente o que eu mais temia.
IV
A conversagio de minha irraSa cada wst
era mais ioteressante ecomo que aecessaria
a minha vida.
Ella rev.-lj'u-ae-mc ura sei ui,vo, ssj
das perturbagoes da adolescenjia, sim que
eu tivasse estudado ou comprehendido suas
crises de dcsenvolvimento.
Eu encontrara em Manoela, mais idosa e
raais experiente, esse fuudo de simplicidade
e de frivolidade que caracterisa a ingenua
vulgar.
Joanna, porera, era differente. Julgava
com uma conflanga franca o que nao expe-
rimental ainda, e como que queria pene-
trar e comprohender.
Sua mocidade e a pureza de sua vida nao
impediam que se]manifestsse a intelligeute
c riosidade um espirito tanto mais activo
quanto levara mais tempo recolhido em si
mesmo.
Nunca eu a interrogara sobre o ponto mais
delicado dos seus pensamentos; mas um dia
o acaso fez com que viesse a ter curiosos
esclarecimentos sobre esse ponto mysterioso.
Passeiavamos na c.ratadu do castello da
Pau, que e um dos mais lindos sitios de
Franga ; Joanna, que me diva o brago,
mostrou-me uma moga, uma especie de
espectro, de olhos fixos, sentada n'ura ban-
co, ao lado de uma muiber jd idosa, nao
menos iristo do que a outra e como que
desprendida de todas as cousas do mundo ;
e eu perguntei-lbe:
Nio e a maniaa C. ., uma de tuas
antigas companheiras do convento, que en-
loqueceu ?
Coitada 1 e ella mesma ; bem vus em
que estado I respondeu-me Joanna. A mai
raorre com ella ; e nto quer viver senao
ate o ultimo sopro da pobre Luiza. I-'inja-
raos que nao as veraos, pois do contrario
fuginara sem rosponder-nos.
Sabe-se emfira a causa d'essa lou-
cura ?
Sabe-se sira, respondeu ella, foi um
desgo>t) de amor. Pode-se dizer qae nSo
houve venturas para ella. Tendo fuado
suas prefereucias o esperangas n'um rapaz
quo nuuca soube disso e quo nunca pensou
n'ella, no dia em que elle so casou, Luiza I
enhio n'ura aoceas > d melancolia negra que|
; U se u'uma real aliena- (
, -. j-e cc-1 ,.. ,.;.
I. V MINEBAI-----A dascoberta da la aai
neral tem causado profandissima unpreaaac
no ammo des qoe atteataroeote eoo^iderax
o immenso progresso da iniusina nod^rra
Ema correate de vapor, atraxessaiido as
sconas liquidas dos altos fornos, separa fio>
fiuos. raaaios, elastisos, cujo coraprimei.to'
pouco raais uu menos de ura raetro. Aasio:
do forro scextrahe a nova la, and condattorr
do calor como a la dos anic&aes, e raoilc
propria para os tecidos. Aaesar da proca-
dencia, bavendo sido directameote oatrabkte
das s^orias, a U minoral apreseoU-se bran
ca, teado a apparenciaaVasfibrasdealaodaa.
Nio devereraos acbar cousa uqiaaloia mm.
o fato de ferro enire hrevemepte nos duai
nios da moda, e nos seja recomeu ladopei*
sua duragio, e outras notaveis quilidaaai'
cootrariada nao foi senao o preanto tar
tuito a que se soccorreu ubi j^rgiaarat
ja dosnorteada. Entretauto re ordo-aedt
terconhecido Luiza corao uraa meniaa ani
to razoavel e alegre. i> quo coiliges d'isso*
Nio a conheceodo, nada posso colli-
gir.
E julgas que alguom possa enlouqjoe.
cer por causa de uma paixao ocaalta a ait
partilhada ?
Tudo e possivel aos cerebroa fracos .
psra periurba los basta uma pbaotaaia mor-
bosa.
Involunuriamente, assim fallaado, repor
toi-me polo pensamento ao teaapa aa qu
Joanna, ainda menina e nil aa jutjaodc
minha irmia, pretendeu irapedir-naede ca
sar-me ; mas abstive-me de dar-Jbe parte
d'essa reminiscencia de um pasiaao prova-
velraente esquecido por ella, como flka-c
por mira, desde o dia em qua vi oossas
certidoes de nascimeoto.
Com grande sorpreza minba, porem
Joanna, ou porque tivesse a mesma remi
niscencia, ou p -rque ficasse commovida pelc
doloroso encootro de sua antiga coaapaaaai-
ra, fallou-me pela pnmeira vez da aaas
ideas sobre o amor, dizoodo-me i
Poucas cousas em minha vida team-0M
causado tanta impressio come o daaaaaaro
insenuto d'essa pobre Luiza. Eu are am
pouco sua amiga, mesmo depois do con-
vento, e ella confiou-me, sem que aa Ii-
gasse a isso imporUncia, o segredo aa saa
predilecgio pelo Sr. I.ouvet, qua era aotao
um rapaz sem importancia, c que hoje, qax
o conbeces de vista, d um msign laaaai
commerciante bastante feio e iuimraaaeaM
nu lo. Quando vi porder-se a razao d*
Luiza e que subo a causa d'isso. fiz rafle-
xOes, sem duvida descabidas na miobt iJaae
Luiza era raais veiha do que ea, qae so
tinha quinze anuos. Mamai deve le'nbrar-
se d'isso, visto qae disse-lne entio tadc
quanto passou-ma pela cabega.
{Coiitiw&r-st
>aai


WJ I. .1......li< k i-tiyu i.U mA.tr i

'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJ2SUCTIC_9S809O INGEST_TIME 2014-05-29T18:46:31Z PACKAGE AA00011611_17857
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES