Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17855


This item is only available as the following downloads:


Full Text

/
AMO L. A1UMEK0
243
>T8I ib wdoJi:0 a?) 1 o
trotf
riRA A CAPITAL B LIIOiBEi 0\DB *E PICA "OB^
tor Ires mezes adianlados.......
Jtor seis ditos idem......
rdc, urn anno idem.
Cndo namero avulso
9
* *

WOQO
lSJKMX*
14|00
9390
,,
ooagnmM af> """^bBADO 24 BE OLTLBRO DE 1874


I
0
Pot Ires males ad
Por seis ditos idem
Por no ye ditos idem
Por cm uuw idem.
P AM A BNTM E VMA DA PBWIWIA
it


4 -4/-V .
.jr




'.' \ '
PROPRIEDADE DE aUNOEL FJGUEIROA OE FARM FILHOS.
N In. Gerardo Antonio AhmA KIhos.no Paid; Gonfshm 4
........
1 t t.L
'
ito, do Maranuao; Joaquim Joed de Oliveira AFilho, no &Sfo Antonio de Leniuc Braga, no Aracatj ; Joio Maria Julio Chr-a, no Assrj; Antonio Marqaes da Silva, Natal ; Josd
Vereira i'Almeida, em Mamanguape ; Carlos, AnWcio Monfciro da Franca, aa Parahyba ; Antonio Jose Gomes,p* Villa da Penhaj Be'armino dos Santos Bulcao, em Santo Ant* ; Dpmingof Josd da Costa Iraga, am azaraOit
AntQTHo Ferleira de Agujar.em Goyanna: Jolo Antonio Mschaeo. no PiUM* Alagdas; lives d C.na Bahia; e A. Xavier Leite 4Cd Rio Janoire
PARTE OFHCIAL
Governo da nrovincia.
EXPEDIENTi: DO DIA 9 DK Jl.NUO DF. 1871-
1.' Siccao.
Offlcios : .
Ao Exm. brigadeiro comniandan.e oas ar-
mas. -Sirva-se v". Exc. de dar suas crdtus par*
me seia recebiJo na f .rtaleza do Bruin, e alii con-
servado preso a disuosi;ao do Dr. cnete de policia,
Hollaada Chacon, o qua* para essa tin be. sera
inandado apresintar yor pane do coiuraaod.nte
do corpo de ptlicia.
ho oiesuio. Sirva se V. Exc. d* por
va liberdade u recruta Manoel Joaquim de Santa
Anna, que pmvou iseneao legal.
Ao mesmo. Sirva so V. Exc. de maadar dar
uas ordens pi.ra gue as 10 horas da mauha do
dia 13 do comute se *che poslada ein freate ao
convento de S. Fraueisco desta cidale uma guarda
le honra, alim do brilhautar a festa do glorioso
Santo Anlouio, p.idroeiro desta provin .-:a, a qual
tern de ser celebrada naquella igreja no tnencio-
nado da. _,
Ao director do arsenal de guerra.-Trans-
uiitto a Vine, aii:n de serem satisfeitos, os dous
loclusos pedidos kilos, seudo uin para o concert.)
de urea cadeira da nubilia do quirtet general, e
octro de um carriuh) de inao para o servico da
lirapeiado memo quartel general.
Ao eogrtiiheiro dis obrs in blares.-Reco-
nhecendo ua tonlereo-ia navida no hos^ilal mill-
tar em 31 de nwio uUnno, consi-mte d lermo an-
naxo por copia aa officio junto, do Kku. briga-
deiro coramaadaul>i das annas, de boGl^m datado,
sob n. 4*6, que me sera dev .Ivido, a necessidade
da eoostrucvao naqa-He estabileciwento de duas
casas, sendo u.na para resi-iencia do directjr, e
loendo a Vmc. qua me apresente o cri-ainento de
i*?s obras.
3.* sec^ao.
Actos: .
O presidonte da provincia, a nsta da pro-
poatp do Dr. ti-tv de policia em offlcio de 8 do
r*rrente, resjtve exooerar do cargo de l* eap^lenie
ao aubdelegadi it disiriclo de Pootal, do termo
ie Boa Visu, o eidWtto Antonio Nry de Amorim.
_ Opiendente da provim.ia, de conformidade
Don a proposia do Dr. cbefe de policia em offlcio
da 8 do corn ate, resolve uomear o cidadao Fe-
lipe Nunes d< Soooa para o cargo de f aupplenle
d.5 subdelegado do distneto de 1'onlal, do tcrmo
da Boa-Visia.
O presilanle da provincia resoive excaerar,
a aeu pedido, a Alvaro Coorado Ferreira d'Aguiar
d-j capitao do corpo de policia.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. -Coostando que o
giilo que vein para o consumo deate municipio
r-aa sendo aia:ad<> de mai tristo, a ptnto de cabjr
pdlo caminbo.eque a^ rezes assim morla* sao
aiirovailadas e veudida.s em diversas localidades,
r:commendj a V. S que proviJencie era crdem a
qat as autondides polioiaes coadjuvem os Uscaes
pdnbo de unjedirein semelhaute procedim-nto,
contorrae s.licitou a mesma Ilia*, camara en of-
Htio de 3 do corrcnte, sob n. 03.
Ao merino. A' vista do officio por co-
pa do delegaJo de policia da Boa Vista, que
'icompanbuu o de V. S, de 8 do ctrreute,
t-aho a recoiumendar-Uie que exna dj referido
celegado a udicacao da modiJa que lor mais
^propriada pi'a o prompto forncciinealo do des-
tacaiuento qae alii existo.
Ao juiz dosfcilosd* faz^nda.Peu-.-i:eudo a
V. S. a inclusa copia das ceilidoes do juizo de
rphaos desla cayilal, chamo a >ua atten^ao para
09 impostos de sollo da horanca c iegaios amda
nio pag's, e iccjmmeudo a sua sclicilude a
j.rompta cobranca dos mesmos.
Ao |Uiz vie direilo da comarca d.- Iguarassii.
Sirvaso V. S. de prestar me inforir.agoes cir
i jmstaaciadas scare o atlentado havido no enge-
nho Agua-Fria, dessa comarca, com e criminoso
iitento de raptar uma sobrinha da proprietaria
do roesmo em?eutiojdando se mortem e fenmentos ;
f/jmprindo quo de conformidade com a lei pro-
c*da contra os aulores de semelhante crime.
Ao jui'. sub.-tilul" da comarca de Iguarassii.
__Preste Vane, informacdes circumstanciadas so-
We o altentalo navido no eugeoho Auta-Fria,
dessa comarca, com o criminoso inientc de raptar
nma sobriohi da proprieUria do mssmo engenho,
4uile se mort3J e ferimentos ; cumprmdo que de
conformidado com a lei prooeda contra cs auio-
res de semilbantes crimes. -Igual at proraotor
niblieo da roes ua coma ca.
__Ao promoter pubi.co da comarca da Eicada.
Gonstan lo da pane diana da reparticao da po-
licia, do 8 da c.rrente, que em terras do engenho
Hibe'irao, do termo de Gamellira, dessa comarca,
Vaul Gomei da Silva no dia 5 deste mez, na oc-
cijilo de scr lb3 iaiimada ordem de prisio como
recruta, assassinoa a Loii Felix, que fazia parts
da escolta ; chamo a attengao de Vmc para esse
facto criminjso.
3.' secqUo.
Actos :
0 presidjnta da provincia, attondendoao que
requerea o collector pr.viacial do municipio de
Ipojuca, Alfonso Peixoto da Silveira, resolve pro-
rcgar por mais 69 dias o prazo ao mesmo conce-
dido para a pre?la;5j da fianca a que k obrigado.
i 0 preiidente da provincia resolve remover
o bacharel J!09e Cavalcanle de Albuquarque I'choa
do lugar de fiscal da collectoria provincial de
liambe para o da de Nazareth, visto ter sido tarn
fcem removiio na qualidade de promcicr publico
pra esta ultima comarca.
0 president? da provincia resolve nomear o
promotor publuo da comarca de Itambe, bacha-
rel Manoel 3arata de Ollveira Mello, fi>:alda res-
peetiva colle:toria provincial.
0 prefiid-nle da provincia resolve demittir
Levino Augus'.j de II dlanda Chacon do lugar de
t' escripturario da thesouraria prcvineial.
0 prsiidente da provincia resolve nomear
Alvaro Conrado Perreira de Agaiar para o lugar
de S" escri jturario da thes uraria provincial, vago
pela demlssSo dc Levino Augusto de Hollanda
Ghecon.
Oprosidenle da provincia ateadendo a in-
formacao da comadoria da thesouraria da fazenda,
a que se reporta o offlcio do respective inspector,
gob n. 66S, resolve abrir, sob a respcnsabilidade
da mesma presiden;ia e nos termos dn decreto n.
f ,881 do ft* de fevereiro de 186J, o credito preciso
a verba < Tresidios e Colonias M;liiare:-, pua
crcorrer ao fornccimenlo do alrr.cx&rlfalo c puar-
r:scia do preMdio de Fernando de Norccha.
Offlcios :
Ao inspector da tbesourana de fazonda.
hemetto a Ia;lasa portaria por copia, pela qual re-
.-olvi, atte:idendo a ana informacao sob n. 665, abrir
o credito weci jo para occorrer ao fornecimento do
almoxariiido e pnarmacia do presid!c de Fernando
de Noronlia.
Ao inesmo.Para os fins coavonieotes com-
rannico a V. S. qae o sapplenle do juiz muni-
cipal do tjrmo de Buiqoe, Manoel Carcello Pessoa
i'.valeant3, aasnmlo o exercieio daqaelle cargo no
dia t do correate.
Ao mesmo. -Mande V. S. pagar ao qaartel
iuertre do deposlto de re.ratas lenente Henrique
'i rberio Gaptstrano, a quanba de C^OOG, prove
.',c-nle de carretos deobjeclos da quartol da Sole-
da superipteodencia e
Imeiboramento d<> porto,
lector daquelle arsenal
esouraria pnvincial.
rometto a Vmc. o re-
Ire Francisco Alves de
de pagar-lhe a congrua
raaio, como coadjuctor
dade p-.ra o arsenal de gut rra, e deste para aquel-
le lugar, na c nfurmidad* dos recibos inclu>os e
do que solicitou o brigad*c:o commandante das ar-
ii) as em officio de 6 do Co rente, sob n. 4V5.
Ao mesmoTeudo e u vista os incluos prels
em duplicata, ma da Silva os veoefmentos i e 8 praeas de guarda
naoional de>tacadas na villi de J! mi Jardim, du
r.uite os mezes de abril e miio tiiUims, seguodo so-
linitoa o respectivo commndaule superior em
officio datado de 2 do corr -Jte^
Ao mesmo. Maude \ g. pagar ao ajudante
do inspector do arsenal de marinlia a grtiricacai
remunvratoria do trab.ilh
li.-calisacao das obras do
duranle o tempo era que ijsitve o mesmo em exer-
cieio interinamente do ios
de marioba.
Ao inspector da il
Vianle Vmc. pagar ao delt gado do vrmn de Flo
resta, ou ao sea procuradt r, a quanta de 56*000,
consume dos recibos jnnDs em dupbeta, em que
importou o alugael da cas a qae naqa^ile
ser-e de cadeia, a cootar de 9 de Janeiro a 9 da
maio ultimo, conforms sol citou o Dr. chefe de po-
licia em offlcio de 6 do c< rrente, sob n. 699.
- Ao mesmo. A' vista dos inclusos prets que
remetto, niaode Vmc. pigar a quern se mostrar
comiietentemente aatorisai o os vencimentos das
praeas da guarda naciona I destacadas na villa de
IguarassU duraute o mez le maio ultimo, segundo
solicitou o respectivo con mandante superior em
offlcio de hontem datado.
An mesmo.Indus*
querimeato do Rvm. pa
Abrantes, para que ma:
correspondeate ao mez d
que e da freguezia da B la Vista.
Ao mesmo.Atieodiado a saa informagao de
3 do corrente, sob n. 211, accerea da peUcao do
gerente daRecife Draii age Company,confor-
mandn-me com a opiniao adi maaifestada de que
as apolices oao podem si r dadas a titalo de ga-
rantiae sim em plena qcilacao do que for devido,
autoriso-o a maadar pag if ao referido gerente a
quantia devida e n apolic ts de 7 % ao par, depois
de liquidadas as coaias exbibidas.
Ao mesmo.Remet a a Vmc. o iaclaso pedi
do mensal da directoria das obras pablicas, para
qae naade foraecer ao respectivo thesoareiao a
quantia de 7.800*, que te n de ser applicada as des-
pezas com as obras a (ae se refers o alladido
prdido.
Ao Dr. procurador fiscal da thesouraria pro
vincial. -Chamo a atiendao de Vmc. para as inclu
sas certidoes por copia, do juiz de orphios desla
capital, e recommendo-l le a prompta cobrancja dos
sellos de tieranras e legados ainda nao pagos.
4.' ;k{3o.
Aclos :
0 presidente da pi svincia, toraando em con-
siderac;ao o officio da dii ectoria da instraccao pa
blica, de 27 de maio proxi no passado, sob a. 16',
resolve exonerar Antonio de Medeiros Raposo do
cargo de professor iutciuo da cadeira da Serra
Branca.
0 presidente da provincia, altendendo ao que
requereu a professora d( curato da Se de Olinda,
Amelia de Hello Pires Galvan, sobre que ioformou
a directori* da instrucpii publica em offlcio de '.>
do correnie, n. 168, reso ve concederlhe urn mez
de licence, com ordenado na forma da lei, para
tratar do sua saude, i contar do ad cor-
rente.
Offlcios :
Ao director geral i merino da inslruecao pu-
blica: -Certo do que exi 5e Vmc. em seu offlcio de
27 de maio proxi no pa sado, sob n. 161, teuho a
dizer que deve maadar Koceder de novo contra o
professor a que se refere, venlicados os molivos
por elle dados para ess? effeito. Quanto ao pro
fe offlcio, acabo de provic enciar exonerando-o.
Ao provedor da S mta Casa de Misericordia.
-Haja Vmc. de remett w com a possivel brevida-
de uma copia authentic* dos orcamentos dos esta-
belecimentos de carida le para o proximo exerci-
eio de 1874 73, raodiicados conforme o offlcio
d-sta pre>ideocia, de o 0 cwrrenle.
Ao mesmo Nao sendo possivel continuarem
na casa de detencao os loucos Manoel Jo?e Ferrei-
ra (iiismao, o preto e: cravo Salvino e o iuglez
Guilherme, naode Vjni como solicita o Dr. chefe
de policia em officio d 8 do correnie, recolhel os
an hospicio de alienado onde, segundo consta-mo,
existem vagas.
Portsria :
A' Illma. camara nunicipal do Recife. Nesta
data recommendo ao D \ chefe de policia que pro-
videacic no sentido solicitado pela Illma. camara
n offlcio de 3 do corrente,
que, em solu^ao ao seu offlcio de hontem data
furam expedidas a cooveeientes ordens a tb>
raria provincial afiin de serem pagos < a v
riicutos das praeas da guarda nacioual desta
na villa de Iguarassd duraute o mez de maio
limo.
- Ao c> mmandante do corpo de policia. |
Exc. o Sr. presidente da provincia manda
muaicar a V. S. qQe por portaria desta data
exouerado, a peoido, Alvaro G nrado Ferreira
Aguiar de capiiaa do corpo sob seu comma
Ao juiz municipal do termo de Buiq"
0 Exm. or. preai >ente da provincia mand*
cusar o reeebimenlo do officio de V. S, do i" do
corrente, participando ternaquella data assumido
o exercieio do cargo de juiz municipal desse
termo.
3' secgao.
Offiuios :
Ao inspector da thesouraria provincial.-De
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
communico a V. S que por portaria desta foi
termo pr rogado por mais 6') dias o prazo concedido ao
collector proviucincial do municipio de Ipojuca,
AlTinso Peixot- da Silveira, para prestar a fianca
a que e obrigado.
Ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda commaoicar a V. S. para os 60s
conveiiienies qub por portaria desta data tesol
veu demittir Leviao Augusto de Hollaada Chacon
do lugar de 2* escripturario dessa thesouraria, a
nomear para sabsbtui-lo a Alvaro Coorado Fer-
reira de Aguia-, a quem exonerara, a seu pedido,
de capitao do corpo de policia.
- Ao mesmo. De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, communico a V. S para os-
devidoj tin* que nesta data foi exonerado 0 ba-
charel Manoel Barata de Oliveira e Mello do la-
gar de fiscal da collectoria provincial de .Na*arem,
e n jineado para igual cargo na de itambe, por ter
sido removido desla para aquella collectoria 0 ba-
charel Jose Cavalcante de Albuquerque Ucboa.
5." tecQ&o.
Offlcios :
Ao engenbeiro cbefe da reparticao das obras
pablicas.S. Exc. 0 Sr presidente da provincia
manda communicaa a V. S., em resposta ao seu
offlcio datado de 5 do corrente, sob a. 161, que
nesta data expedio as necessaria a thesouraria
provincial no senlido de ser enlregue ao thesou,
reiro dessa reparticao a quantia de 7.80uOOO pa-
ra occorre 3s despezas com aa obras a que' te re-
fere 0 pedido mensal que acmnpanhou aquelle seu
officio.
Ao mesmo.De ordem de S. Exc. 0 Sr. pre*
sidente da provincia, communico a V. S. para seu
conbecimento qae nesta data concedeu-se a per-
uiissao que ped-o a companhia-Locomjtora Per-
nambucana, e a que se refere 0 offlcio dessa re-
particao, de hon em, sob n. 168.
Ao engenbeiro fiscal da compaohia Loco-
molora Pernambacana. De ordem de S. Exe. o
Sr. presidente da provincia, communico a V. S.
para sea conhecimento e tins convenieates que
nesta data deferio-se a peticao dessa compauhia,
em que pede permissao para assentar um desvio
ao camiuho coberto, lado do mar, da fortaleza das
Cinco Poolas, conforme a plania que veio janla a
mesma certidao.
da dii'a comarca, cono disse 0 juii du direilo; at -praeas da guarda nacionat destacadas aa villa de
tendendo a qae o dito bacharel fora por portanajjTriumpho dnrjate o mez de abril ultimo ; segun-
de 11 de maio ultimo removido para igaal cargo 00 solicitou e Dr. chefe de policia em officio de
na de Cabrobo, remocao essa qae pedira, resolve
declarar de nenhum elTeito a portaria de ."> do cor
rente, qae exoneroa o dito bacharel do cargo de
promuior de Cabrobo.
Offlcios : .
Ao Dr. cbefe de policia. Respondendo officio
do V. S.. de 9 do corrente, tenho a dizer I he que
nio existiido por nr forca disponivel 00 corpo de
4 policia, deixa por isto de ser augmentado 0 desta-
cameiilo do Limoeiro, como solicita 0 respectivo
delegado.
Ao commandante do corpo de policia.Faca
Vmc. apresentar ao Ex -. brigadeiro commandan-
te das armas o preso Jose Henrique de Hollanda
Chacon, que se acha recolbioo no quartel de corpo
sub seu commando.
3.* secgao.
Ado :
0 presidente da provincia, atlendendo as in-
furmacoes do inspector da thesouraria de fazenda,
daladas de 9 do correnie, sob n TOO, serie G, re
solve abrir, sob respon abihdade da mesma pre-i
dencia e nos termos do decreto de 1 de fevereiro
de 1862, 0 credito provisorio de 47:485 a verba-
presidios 0 colonias miliuresdo ministi-rio da
guerra ; sendo !0:78.*ii para occorrer as despezas
do presidio de Fernando de Norooha, relativas
aos mezes de maio e janho do exercieio de 1873 a
1874 e26 700i pra as de julho e a gusto do exer-
cieio de 1874 a 1875, que nesta parle ficara an-
nollado quaado comecar a vigorar 0 novo exerci
cio e se puder proceJer aos termos da decisao do
governo, n. 068, de 11 de dezembro de 1865.
Offlcios :
-r Ao inspo'ior da thesouraria de fazenda.
Remetto a V. S. a inclusa portaria por copia, para
atu conbecimento e devidos tins.
Ao mesmo Transmiilo a V. S. para os fins
convraieutes 9 ordens, sendo 5 do ibesouro nacio-
ual, de ns. 82 a 86, duas do ministerio da guerra
e duas da reparticao do ajudanu general, ns. 1.0 .0
e 1.051.
Ao mesrno. Transmiilo a \. S. para seu
conbecimento e devidos effeilos o iaclaso aviso
por copia, do mioistcrio da agriculturt, commcrcio
a obras pablicas. de 23 do mez proximo passado,
sob n. 16, com referenda ao credito solicitado para
as obras de que carecem os caes da rua do Apollo
e a rampa do Tasso.
ao mesmo. Remetto a V. S. 0 titulo de na-
taralisacao do sobdilo portugue/ Antonio Joaquim
Nunes da Silva, alim de scr entregue a quem se
mo:lrar compelenlemente antorisado para rece
bel-o, depois de pagos os devidos direilos.
Ao mesmo. Coinmuoico a V. S. para seu
conheciraeuW) e, fins coflvenientes que em aviso
Aa *7 i\a rn-*ii
municipal do Recife e
sob n. 33, quo fica as- m respondido.
Acto
0 presidente da provincia. atlendendo ao que
requereu a Sociedade
secgao.
Transatlantic^ de Hambur-
go, resolve, de conforn Made com 0 art. 15 do de
creto o. 2711. de 19 de dezembro de 1860, declarar
constituida nesta cidaie aim agenda da mesma
Sociedade.
Offlcio :
Ao Exm. presidente do tribunal do commer-
. para seu conhecimento e
nesla data mandei passar a
a pela Sociedade Transatlan
estabelecer nesta
com 0 decreto n.
cio. Declaro a V. Ex
devidos effeitos que
carta palente requcid
tica de Hambnrgo p:ra pnder
cidade uma agencia, 1 le acordo
2542, de 29 de marco de 1873, qae aatorisou a re-
ferida Sociedade a fui ccionar no iraperio.
Ao engenbeiro c hefe da reparticao das obras
publicas.Acceiundt as razdes allegadas em seu
offlcio de hontem dat< do, sob n 167, relativamente
a minha ordem para ) engenbeiro do 2 districto
eotrar para os cofres dessa reparticao com a ira-
portancia das madeir; 3 que sobraram da ponte da
Junqaeira, e que firam extraviadas, declare a
Vmc. que fica sem ef eito a refeiida ordem.
EXPEDIENT DO SECRETABIO.
l.'SMfdO.
Offlcios :
Ao Exm brigadeiro commandante das ar-
mas. S. Exc. 0 Sr. presidente da provincia, ten-
do providenciado paia qae sejara feitos os concer-
tos de que precisam uma cadeira e nm carri ho
ao quartel general, na con-
annexo ao sen offlcio de hon-
tem datado, sob n. 4(18 ; assim 0 manda declarar
a V. Exc. em respo! ta ao cilado offlcio.
Ao mesmo. S Exc. 0 Sr presidente da pro-
vincia manda coram inicar a V. Exc. para os fins
convenientes que p ir despacbo de 6 do correate
Braz Joaquim de Sant'Anna
ra provar is8nc;ao legal.
concedea ao recrut
0 prazo de 8 dias p
EXPED1BNTE BO DIA 10 DE Jli.NHO DE 1871.
1.' saofSot
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das armas
-Reclamando baixa do servico do exercito o sol-
dado do 21 batalhao de infantaria, Joio Ferreira
Pereira, sirva se V. Exc. de informar si, como al-
lega o referido soldadn, marchou elle desta provin-
cia na quaiidade de voluotario da palna, e no ca-
so afflrmativo remetta-me uma nota dos signaes
caraeleristicos da mesma praca, afim de ser trans-
mittida ao Exro. Sr. ministro da guerra, conforme
exige por aviso de 27 de maio ultimo.
Ao mesmoPara que possa o governo im-
perial resolver sobre a pretencao do soldado do 21
balalhao de infantaria, L"iz de Franca Antunes
dos Sant s, que pede ser escuso do servico do
exercito, allegando ter se alistado em 1863 nesla
provincia, como voluntano da patria, sirva-se V.
Exc. de, em cum rimento do aviso do minislerio
da guerra, de 27 de maio ultimo, informar sobre
tal pretencao, mencionandc em sua informagao os
signaes caraeleristicos do dito soldado.
Ao mesmo0 Exm. Sr. ministro da guer-
ra, a cuja approvacao foi submettida a delibera-
cao tomada por V. Exc, de mandar que conii
nuasse a servir de ajudaate de ordens de pessoa
de.-se commando de armas o capitao proipovido
para o 18 batalhao de infantaria, Francisco Anto-
nio de Sa Barreto, declara em aviso de 23 de maia
ultimo que e inconveniente para o servico do ba-
talhao e para o proprio official promovido que
flque a sua companhia commandada jntermamen-
te por um suDalleroo ou por outro capitao des-
locado do seu corpo, e que as aecessidades do
servico junto ao commandante das armas nao po
dem compensar a falta do dito capitao no batalhao
a que pertence, o qual acha-se na provincia da
Bahia ; devendo, portanto, V. Exc. propor quanto
antes outro official para seu ajudante de pessoa,
afim de rocolher se o capitao de que trata ao cor-
po para o qual foi promovido.
Ao mesmo.Afim de qae possa o governo
imperial resolver sobre o destioo do soldado do
9* batalhao de infantaria, Aotonio de Azevedo, que
Offlcios :
Ao Dr. chefe
sidente da provincia
lie policia S. Exc o Sr. pre-
manda declarar a V- S., em
resposta ao seu ol Icio de 6 do corrente, sob n.
699, qae acaba de
jxpedir as
dente da provincia
tab do 1 supplen
de Ponlal, no termo
c >m a proposta de
rente
Ao comma nda1
Goyanna e Iguaras
Sr. presidente da
*"
necessanas ordens
ao dele-
casa que
a thesouraria provi acial afim de ser paga
gado dc termo de 'loresta o altiguel da
alii serve de cadeia,
Ao Dr. cbefe < e policia. 0 Exm. Sr. pres'i-
manda remetler a V. S. o ti-
e do subdelegado do districto
da Boa Vista, de conformidade
V. S. em officio de 8 do cor-
nle superior do3 manicipios de
se acha nesta provincia, e de qae traUm os in
clusos pape s, sirva-se V. Exc. de maadar uova
mente inspecciona-lo de saude, e remetta-rne com
os ditos papeis, para serem fansmittidos an minis-
terio da guerra, como delerraina o aviso de 26 de
maio ultimo, o respectivo termo de inspeccao e a
certidao de assentamentos da referida praca.
Ao mesmo.Trensmitto a V. Exc. para OS
fin? convenientes a inclusa relacao das alleracoes
occorndas no mez de maio ultimo com o 2 ci-
rurgiao do c rpo de saude do exercito, Dr. Joao
Cancio Nunes de Mattos, pertencente a guarmcao
desta provincia, e que se acha em servi53 na da
I'arahvba. ]
Ao capitlo do porto.De conformidade com
o que dotermioa o aviso circular do ministerio da
marinha, de 28 de maio ultimo, recommendo a V.
S. a fiel execupao do aviso, tambem circular, do
mesmo ministerio, de 30 de agosto proximo^flndo,
mandando qae as capitanias de portos, qoando ti
verem de fazer pedidos de oojectos de sobresalen-
tes para o cvnsamo dos pharoes, declarem a quan-
tidade on numero dos exislentes em deposits.
Ao director do arsenal de gaerra. Previnq
Vmc de que pelo ministerio da guerra me foi
declarado em aviso de 27 de maio findo ter se
oaqoella data expedido ordens a iateadeocia da
guerra para mandar foraecer a companhia de ca
vallaria desla provincia os accessorios com etw
Jos de que trata o offlcio dessa directoria, de 25
de abril u'timo.
Ao engenbeiro das obras militares. Estan-
do autorisada pelo aviso do ministerio da guerra,
de 29 de maio nltimo, a despeza de 3834-150, con-
sume do orcameoto annexo ao sea officio de 14 de
abril proximo Undo, sob n. 87, com a construct
das duas escadas do hospital militar, recommendo
a Vmc qae aanancie a concurrence para a exe-
cugao dessa obra.
8." seecSo.
Acto :
0 presidente da provincia, atlendendo a que
do offlcio do bacbarel Argemiro Martiniano da Cu
chaGalvao, etn que communica deixar o exerci-
de 27 de maio proximo fiado declarou me o Exm.
Sr. ministro da justica baver solicitado do da fa
zenda a expedi^ao de ordem a essa thesouraria,
para que sejam abonad^s aosjuizes municjpa>s e
de orphans dos termos ctn.-tanles da nlicao jun
la por copia as graiifieai.iies uella declaradas, as
qoaes devem completer crim os ordeoados e emo-
luments lotados o vencimento annual de 1:8004
Scada um dos referidos juizes pela lei n. 1.764
e 28 de junbo de 1870.
, _., Ao mesmo Provideruie V. S. para que o?
maleriaes e oI>j-etos que estao a ch gar no vapor
que vcm iiuraorgindo o cabo da Europa a este por-
to, com destino aBrasilian Subaianne' Telugra
pb Company, tenham prom, ta sahida o sejara
isent'js do pag'tnento de dirjitos a alfandega desta
cidade, de conformidade ccm o deer ;to n. 5,038
de 16 de agosto de 1872, seguodo requereu a esta
presideucia o respeciivo ageute nesla provincia.
Ao mesmo. Para os lins convenientes, re-
metto a V. S. o titulo do capitao Jose Francisco do
Rego Barro.-, nomeado escri^So dos feitos da fa-
zenda desta provincia.
Ao mesmo. ueclaro a V. S. para seu conhe-
cimento que, segundo consla do aviso do ministe
rio da marinha, do 22 do rnaio ultimo, naquella
data se providenciou no sentido de >er essa thesou-
raria habilitada com a quantia dc 3:0324253 para
augmenlo da verbahospitaes -do correnteexer
eicio, conforme V. S solicitou em offlcio n. 423,
serie G, datado de 6 do mez passado.
Ao mesmo. Aulorisacdo o Exm. 5r. minis
tro da guerra por aviso de 29 de maio ultimo a
despeza na importaocia de 3854550 com a con-
slruccao de duas escadas no hospital uilitar, expedi
nesta data a? necessarias orden ao engenheiro
das cbras milit>res para mandar annunciara coo
currencia para a execucao desse servico ; o que
communico a V. S. para os fin? convenientes.
Ao mesmo. Para satisfacao do que solicita
o Exm. presidente das AlagOas em offlcio de 19 de
maio ultimo, sob n. 39, remetta V. S. a guia de
soccorrimento do capitao refjrmado do exercito
Manoel Lopes Maciel, visto ter o referido capitao
oblido do governo imperial permissao para residir
naquella provincia.
Ao mesmo. Tendo sido approvada pelo
Exm. Sr. min stro da guerra, segnndo consla do
aviso de 27 de maio ultimo, a dehberacao que to-
mei dc autorisar sob responsabilidade da presiden
cia o abono da quantia te 2:00040i 0 ao al-
moxaiifo do hospital militar, afim de occorrer
as despeias com a compra de generos destina
dos as dieias e racoes dos doeoles e empregados
do mesmo nospital no tnmestre de abril a junho
do correnie anno ; assim o communico a V. S.
para seu conhecimento.
Ao mesmo.Levo ao conhecimento de V. S
para os.fins convenientes que por aviso do minis-
terio do imp rio, de 25 de maio proximo passado,
n. 1,672, foi approvado o acto desta presidencia,
mandando pagar ao bach rel Francisco Tcixeira
de Sa o meio ordenado a que linha direilo na
quaiidade de presidente da provincia do Ceara,
desde que deixou a admiuistragao e retirou-se
para esta ciiade com permissao do governo impe-
rial ale o dia em que constou offlcialmenle a sua
exoneracao Para se autorisar, porein, o necessa
rio augraento de credito, segundo o referido avi-
so, cumpre qoe essa thesouraria envie a demons
tracao d despeza que deixou de acoropanhar ao
officio que dirigio aquelle ministerio em lo de
abnl ultimo, sob n. 230. serie G.
Ao mesmo. Para os fins convenientes conu
munico a V. S., que a 27 do mez proximo passa-
do assumio o exercieio pleno do juizado munici-
pal do termo d'Aguas Bellas, na quaiidade de !.
supplente, o cidadao Benigno Rodrigues Lins de
Albuquerque.
Ao mesmo.-Para os Cos coavenientes com-
munico a V. S. qne a 6 do corrente o bacharel
Ernesto Vieira de Mello reassumio o exercieio do
cargo de promotor publico da comarca de Pal-
mares.
Ao mesmo. -Para 03 fins convenientes com-
munico a V. S. que o jaiz de direilo, bacharel Joa
quim Guedes Correia Gondim, a 6 do corrente
cmrou no gozo da iicenea de nm mez que Ihe foi
concedida. _
Ao mesmo. Communico a V. S. para os
devidos fins que do aviso do ministerio do impe
rio, de 21 de maio proximo passado, n. 1673,
consta ter flcado concedido pela verba-Even
tuaesdo exercieio de 1873-74 o credito de.. <.
174550 para cobrir a despeza de igual importan-
cia, mandada pagar sob responsabilidade desta
presidencia e proveniente da expedicio de am te-
fegramma aquelle ministerio.
- Ao mesmo.-Remetlendo a V. S. os inclusos
prets em duplicaja, autori o-o a mandar pagar a
policia
hontem datado-. sob n. 710.
Ao mitsmo. >-ara os fins convenieates com-
mamco a V. S. que a 6 do corrente deixo i o
exercieio do cargo de juiz sobsli at-i da pruvedo-
ria de capellas e r sidn<^ o respectivo sapptente,
bacharel Francisco do Rego Baptist*, por ter at
sumido o dito exercieio o ju)z effe;tivo, bacharel
Joaquim Correia de Oliveira Anafade.
Ao inspector da tbeseararia provincial.
Na eouformidade do qne solicitou o caprtao do cor-
po do policia, Antonio Graeindo de Gu-rn*> Loho,
e das contas aanexas, mande Vmc. pagar-lhe a
importaocia de 304800, despendidacomo sustento
dos prcsus pobies recolbido* a cadeia do termo de
itambe duranle o mez de Janeiro fiado.
Ao mesmo. Transmitto a Vmc para sen
cnohecimeolo e tins convenientes a iadosa copia
da ordem do tbesouro, u. 83 de 21 da maio ulti-
mo, autorisaodo o inspector da tbesouiaria de fa-
zenda a receber as quantias que esta presidencia
mandar recolber ans cofres da mesraa thesouraria
afim de serem entrege.es ao banco do Brasil pelo
tbesouro.
Ao mesmo.Mande Vmc. pagar ao Rvd. pa-
dre Francisco Dias Xavier de Albuquerque, coad-
jutor da freguezia de Iguarassii, a importancia da
sua congrua correspondeate aos mazes de selem-
bro de 1873 a abril do corrente anno.
- Ao mesmo. Altendendo a ioformacao dc
Dr. cbefe de policia, dalada de 6 do correnie, sob
a. 695. mande Vmc. pagar a quem se mo.irar
coinpeienteineBte aul n.-a.lo por parle da compa-
nhia babiaaa de navegagao a vapor a iroportan-
ia das passagens de segunda classe, dadas por
coota desta provincia na da Alagoas, a presos re
mellidos polos drlegados de Fioresta e Tacaratii,
na conformidade * recibos e officius aonexos.
4' ite^uo.
Aclos:
0 presidente da proviocia resolvo remover
as profsssoras : Maria do Rosario. Pinheiro da ca
deira de i.agna dos Gains para a de S. Jose de
Ipojuca, e Alexandrlaa I'mbelinade Freitas Ucboa
da cadeira do lirejo'para a de Lagoa dos Gatos
0 presidente da provincia, em virtude da in-
form-cao n. 173, do direct r gera) da in^truccao
publica, de 9 do corrente, resolve exooerar do
cargo de professor publico interino da Pedra de
Buique lgnacio d is Reis Campello, e nomear para
substituil-o Ludgero de Albuquerque Caval-
canle.
Officios: L
Ao Exm. presidente da provincia das Ala-
goas. Accuso recebido o offlcio de V. Exc, datado
de 5 de maio nltimo, sob n. 304, e em resposta
cabe me dizer que, depois das informacoes minis
tradas pelo Dr. chefe de policia desla proviocia,
expedi as necessarias ordens a thesouraria pro
vincial no sentido de ser paga a agenla da com-
p nhia bahiana ou ao seu procurador a imporlaa
ca das passagens de segunda classe abi dadas a
presos remetttdos de Tacaratii e Fl.re.-ta.
Ao Dr. inspector da saude publica. Tendo
reapp recido a variola na comarca da Escada, 'C
commendo a V. S. que remetta a secretaria desta
presidencia uma carteira homeopathica com me-
dicamentos apropriados ao tratamento daquelia
molestia, afim de sati.-fazer--e o que solicits o
respectivo juiz de direilo em officio de 9 do cor
rente.
Ao commissario vaccinador provincial. Re-
metta Vmc a secretaria desta presidencia, e com
enderecp ao juiz de direito da comarca da Esca-
da. alguns lubes com lyrapba vaccioica.
Portarias :
A' Illma. camara municipal do Recife.Em
soiucao d que represenla a Illma. camara muni
cipal do Recife em officij de 16 de marco ultimo,
sob n. 18, acaba esta presidencia de solicitar do
Exm. ministro da agricultura o necessario credito I BJ^e^
para occorrer as despezas com os reparos dos caes
das ruas do Coramercio c -22 de Novembro, visto
nao havel o disponivel na thesouraria de fazenda,
segundo ioformou o respectivo inspector.
A' camara municipal da villa do Cabo.
Constaudo a esta presideucia, segundo communica-
cao do engenbeiro chefe iutenno da estrada de ferro
do Recife a S Francisco, de 8 do mez proxim <
passado. sob n. 71, que o supenntenlente daquelia
estrada fora ciiado para pagar a quantia de 904
de imposto sobre as balaocas e pesos das estacoes.
da lllia, Cabo, Ip- juca e Olinda, e aferir os mes
mos pesos e b ilancas, declaro a camara munici
pal da villa do Cabo que, conforme decisao do go-
verno imperi I em aviso do mini-terio da agricul-
tura, commercio e obras publicas, n. 335, de 31
de julho de 1865, uao e3ta aquella companhia
obrigada a aferir os pesos de seus transporter
pelo padraj dessa camara ; pelo que o anematante
do imposto sobre afericao de-te municipio deve-
ra abster-se do procedimento que tem tido em re-
lacao ao superioteodeote da referida estrada.
A' camara municipal da villa de Palmares.
Devolvo a camara municipal da villa de Palma-
res o anigo de posturas que acompaohon o offl-
cio de 6 do corrente, afim de estabelecer posiii-
vamente, e nao em sentido vago, a mnlta em que
incorrerem os infractores.
que, 1* soaptente do jnh municiaaJ a 4
do termo de Agoas BeHas.-S. tic a
dente da proviocia man la aeeasar o i
do offlcio de V. S, de 27 de anaio i
participa que na mesm-i data i wmi aaartic
pleno do juizado maoi< ipal ds temo.
Ao bacfearet Fraoeisco du RfC
supplente do jui< substituto da ptsasasria tm ca-
pellas a residuo-*.O txii>. Sr. preMd^ota d* pro-
vincia manda aeeasar o reeebimrnlo do offlcw at
V. S., de 6 do correnie, cammunicandotor aaqoel-
la_ d ita deixade o *-xercick> do cargo da joa aat -
stituto da provedona de cap lias e reaiaVos, por
ter assumido o dito exercieio o juiz eflectivo.
5* secern).
Offlcio:
Ao inspector da ihesouraria provicctai Da
ordem de S. Exc o Sr. prtsideule da proviocia.
communico a V. S. para -ea eonbe-imaoM a fias
convenientes que por pnrUria da 26 do fevertr
deste anno mandou-se addir a reparticao da* oktas
publicas o escreveole Manoel Tobias do Rrg<* e
Albuquerqu-, ate concluir a as Tipturicao a sen
cargo, contiuuando a perceber por e*le servico os
veo-umentos qae linha como escreveota da mes
ma reparticao.
4.' secfio.
Offlcios:
Ao director geral interino da instruccio pa
blica.Respondendo ao oflcto n. 173, do 9 de aar-
renle, S. Exc. o Sr. preMd nte da provincia man
la declarar a V. S. qua par p'-naru de aoja fci
exonerado o professor interino da c i leira da Pe
dra de Brnque, lgnacio dus ltn Camillo, a no
meado para smsiituil o Ludgere de Albnquerqn 1
Cavalcante.
Ao mesmo. Communico a V. S. para seu
coohecimeato e devidos Qa* qae S. Exe. o Sr. pre
sidente da provincia, por aeto de hoje, resoheu re-
mover da cadeira de Alagoa do* Gatos para a da
S. Jose de Inojaca a proiesnora Maria do Rjsario
Pinheiro, e da do Brejo para a da Alagoa do* Ga
tos a professora Alexandria* Umbelina de Freita."
BdkSa.
6\" stcfio
Offlcios :
Ao engenheiro fiscal interino da estrada t*
ferro do Recife ao A. Francisco. Em raspo*ta ao
offlcio da V. S.. de 8 do maz p'oximo passado, sob
n 71, S. Exc. o Sr. presidente da provincia ataa-
da declarar lhe para sea conneeiaeentn qae nesta
data officion-se a camara muuicipal do Cabo. de
conformidade com o aviso do ministerio da aaji-
cnlmra, commercio e obras pubticae, n 335, de 3t
de julho de 1865.
Ao bacbarel Benin Jose da Costa.Da ordem
de S. Kxc. o Sr. presidente da provin ia trans-
mitto a V. S. para seu coobecimento e devido*
effeitos copia 6 ra, commercio e obras publicas, de 26 do mez pre
ximo passado, sob a. 17, rdativamente aot etai
grantes da Galiiza e Portugal, qae, segundo com-
inunicacio feita ao governo imperial pela presi-
dencia do Para, foram expedidos da E ropa pw
coota dos 15,000 a qne V. S. aa obngoa no contra-
eto approvado pelo decreto n. 5,524, de 7 de jv
oeiro ultimo.
Aos emprezarios da nova pon e da Boa-Vis-
ta. -Em resposta a eoinniuoicaoao 4e Vv. Se., de
8 do corrente, S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar-Ihcs que tic inteirado de
haver se dado comeco ae< trabalbos de que in
tam.
OESPACHOS DA PREsmKNCIA. DO DIA 22 DE Ot'TkBa
de 1874.
A'.ioaia Severina Maria da Conceicao.lodeic-
rido.
Antonio Machado Pereira \ ianaa Junior. -- *tm.
em n-nnui
Padre Fran*.isco Verissimo Bandeira.- Entre-
gue se, racdiaule recibo, nao havendo mconvt
rj. De ordem de S. Exc. 0/cio do cargo de promotor publico da comarca do Manoel Joaquim Ribeiro & t.a quantia ae..
provincia, communico a V- S. Ouricury, por molestia, nio consta ter elle sabido' 2W^33i>, em que Importtfam os veiiatueatos das
5." SfCQtiO.
Portaria:
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
navegacao a vapor mandem dar traosporte por
coota do ministerio da guerra para o Rio Granie
do Norte, do vapor Parana, procedeote do sul, a
escolta que d'alli veio condazindo senteociados,
a qual compSe-se das praeas da compaohia de
iofaotaria daquelia proviocia, mencionadas na re-
lacao junta.
Relacao a qne se refere a portaria supra : I
cade'e 2" s-rgento Manoel Andre Torres Galvao,
soldados Jose Narciso da Silva, Jose Pedro de Mel-
lo, Manoel Jorge Cabral de Macedo, Anionio Sea-
res Rapozo da Camara, Domingos Josd Fernaodes,
Maooel Aotonie da Silva, Jose Francisco Damas-
ceno, Manoel Jose Elias.
EXPKDIKNTE DO SECOETAntO
l.' ucedo,
Offlcio :
Ao Exm. brigadeiro commandante das armas.
- S. Exc. o Sr. presidente da provinc a, tendo pro-
videnciado para qae tenha passagem para o Rio
Grande do Norte, no vapor Parana, a escolta qua
d'alli veio coodaziodo senteociados ; assim o man
da declarar a V. Exc. em resposta ao seu offlcio
desta data, sob n. 452.
2." secrao.
Officios:
Ao Dr. chefe de policia. De ordem de b.
Exc. o Sr. presidente da provincia, communico a
V. S. que foram expedidas as convenientes ordens
a thesouraria de fazenda, em soiucao ao sea offl
cio de hoalem datado, sob n 710, ao qual acorn pa
nbavam os prets da guarda nacioual destacada na
villa de Triumpbo, darante o mez de abril findo.
Ao juiz de direito da comarca de Palmares. -
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda accu-
sar o recebimento do ollieio de V. S., de 6 do cor-
rente, comrauoicaodo ter o promotor publico des-
sa comarca, bacharel Ernesto Vieira de Mello, re-
assuraido o exercieio do seu cargo.
Ao promotor publico da comarca de Palma-
res.0 Exm. Sr. presideote da provincia manda
aeeasar o recebimento do officio de V. S, de 6 do
correote, commuoicaodo haver n'quella data re-
assumido o exercieio dos cargos dc fiscal da col
lectoria provincial e de promotor publioe dessa
comarca.
AoSr. Benigno Rodrigues Lins de A.buquer-
Fieldeo Brothers. Deferido com o ctVi i desla
data ao Sr. inspector da ihesoarana da fa-
zeoda.
Firmiano Baptists da Silva Deferidocom ofBeio
desta dala ao provedor da Santa Gas* de Miseri-
cordia.
Irmaodade do Divino Expirilo Santo. -Iiforme
o St. inspector do tbesouro provincial.
Caetano lead Mendes.lulorma o Sr. engenbei-
ro fiscal da estrada ferro do Recife a S. Fran-
cisco.
Jose lgnacio d'Avila.Defrriio com offlcio MaH
data, dirigido ao ibesouro provincial.
Joao Jose Barroso da Sil a Juveois. Inform* c
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Jose Orico c Luige Gaaat -Informe a camara
municipal da villa de Palmares. *
Luciano Magalhaes Hibeiro.-Sim, medianie re
cibo, nao havendo incoovenieole.
Bacharel Manoel Joaquim Ferreira Esteves Ju-
oior. Passe porlaria oa forma da lei.
0 mesmo. Passe portaria coocedeodo a liceara
pedida. .
Manoel Joaquim BaptisU.Informe o Sr. inspec-
tor do thes nro provincial.
Manoel Caetano Vieira da Paz-Dtrijase a>-
these iro provincial.
Mariana Gertrudes Pereira. laforrae o !>r. ins-
pector da tnesouraria de fatenda.
Taixeira Chaves & C-loforme o sr. laspector
da thesouraria de fazeoda. ________
3llfldtf (agescia telegraphica havas-eeuter.1
Moiite*il-o *I deoulubro.-.Vnul
limas notlcias aqui rec-llela air
BurnoK-V j ros dlaean qae 5bi1
Hitre com as snas tort?** ajteaeam
hnrrou em aillalva. proximo ale
Buenas-Ayres. Grande qaaaftelaele
de tropaa do governo e Seat rr-
nido aos Insargeatea.
nmmw hmm %^ ^**^*
** ^\%\%
Roma tTrea dos ladlsrsdaow
complieadoa ao aroeeooo do Jam-
co do notas do Baaco do V"
acaaam de aor aqat preooo. e araar
dados pela poltota.
^ MJf%rlrlA>*% ** %^*%***^*
Madrid t3.-n(iw

'
rtaal Serraao oa-----.
foreos para a derrota do efcefO
cantatas.
osTtortaUlos do Moateaevro, e mm-
D-m de masaacrar aranrtr i
delles oa cidade de redsrorlraa.
tuada na frontetra.
*>WS*,** tlalilk%%
Londrei .A queatae do rlea-
io occapa de aaovo a adaoaeao pov
blkca. Mi ae qae o arwwerau tv*-^
cejt au\tlii favcrato
c
J
at



HftrjM oaaiuo
'4fl
i
Maarfl gftr-^otlclas aiitlieatleaa
rrcobeH ;| n4.Ml "do fdnrfrl gre-
nernl dVtrlMirlistas, as qae O general Klio asauinloo pri
meirs romninndu das furcas railin
las, acaio a dfeuMo oaiusanndaii
te o generall Mandiri.
C4MRMntlEV.
Landrei CMpolliladoa de 3
/. for Accoian, a }*. Fuudan tora-
*l*-iro.s de J. ,0. da annii de lMta.
a i diloH da (rniun; de O O, do
anno de 1ST!, a i dllON
j^utinon de <* O, do anuode 18*1,
* 88. Mei-cado de care flrme;
not leiioen de noje forau rctirados
dodos us lapprimcnloe. Slercado
de ainocar iaulterado.
New-York ZZ (auibio sobre I.on
dirii-851'?. ouro twwjmrctM'ta <*V4*'!'.to
Rio fair all 9/s, e good a *e f/a cents
por libra. AI goduo medlano uplands
151/8 cists pur liDni.1 uh rlicju
daw Ute fiaje> (tog p.irtoS* anaerlca-
noM elevaram-ne a dexenuie mil
furdos.
Lin-rpool S. llcrcndo de also
dao qmteto; vondcram se boje quu-
twne mil farrtuN.Keutlo sntl e qnairo-
eenios de proeedencia da America
Mmliw* fair de I'ornambura a
9 I*/I d^ia-de *a*ta u 7 / ..
de .Hairii. a 8<* par libra.
. Mercad* de iiMnucar inaiarnde.
AiMuerpda Z9. -acicado de af-
(iiaietts fprcrim iual (erados j a de
Mantoa baa ordiuntrSo de is a -lil,
Himburgn **. Mareada de cafe
UE-iaei a de Santu* eneaiaMa, a
*a. st
Havre *". M. reado derate flr-
aaaa t a proenra irm Hide nrovu ; o
dolttabaa ordmnrta de 9'4 a oo
fcaaaeos.
Rio de Janeiro 83. Cam bio sobre
l.omln-M ZO 3/N d. i.aiicirio, e I/*
d. parileuMr. Caanbwa aobre Paris
;I5. 3SO a SH> re is ;ior franco.
Ball la *.- Cambio sobre Kondrew
43 3. H d. banrario, e to :t'H a '
AfS d. parti i-ular.
' [ACEDIA AMERICANA.)
Lgndrts 22 do outubro.Foi preso em
Gwalior (lodjaj o inalvado Naiuisabia, autor
principal dos massacres contra os inglezes e
suas familias na iusurr^cap do 1857. Tern
reiuado fortes a repelidos temporaes por to-
da a costa dalnglaterra e Kscossia e caosa
de fnuitos naufragics.
Madr.d Sif Acaba de ser caplurado
o-celcbre Lonzano, urn dos cabecilbas car
listas mais malvados.
I.ondres ti. Corrstrlidados 92 3/1. Fun
das brasitetros Je 99 a 1QC ; ditys argenti-
fiOS a 92 ; ditos do I rugnaj a CG. Cafe :
mtrcado tinne ; o do Rio de Janeiro, pri-
rafcira (pinlidade,. 90 a 92, sr'gonda 80 a
^5 ; o de Santos 87 a 89, primeira quali-
dade. 81 a eG seguuda qualidade ; vendas
15,"SO saccos com 1,385 tonelaaV : o
carregamento' tr-,zi Jo p.lo PORTO-1UCO
do Rio du Janeiro, foi vendjdo a 8G. As-
suoar : meroado firme ; vendas 4,091 tone-
ladas ; precoss>m aiterar;a.
New-York 2i.-C.ife b-jm do Rio: de .la-
J
es-, 0 minitrn
pe- d'este de'Jcit
la, Eueopa. 04 librae:i foi am .nleoaaadaa ed ladrasorheKaf-.
ooar pa porta Pia uma p aoa jecordaodo ffa-fa-
roes dos soldados italianos iiorlos nesle locaipaas
trbpaa porRiflcfa*. t
Biiem de*ora, erne < cSra.-Cheeiwlani, Gmi
ae Beaaregafd, e Brnoul c legarara aqaeila ctdade
para ouvirem a opiniao de *io IX sobre a situacao
acMg da Frwra.
A NSthne notidia ijtli o rei Viktor Manoei
iefa ossn coasenlrnncto iari a dissduivi da c-
mara dos destit.idos. Sa 4 atsjm, deoreto eon-
vocatorio dos coliegios eld) ties Motardaia a ap
parecer
0 miniderio e?ti prelaw Impart a luia e espera
^ahir d'eMe com ?aot;igeflL Todos os minfaNros
l>ercorrer4in durante a> feiias o dfetrlclos obre ; respo^deQ'a esie toast, proiwilenda ao imperador
qne podea exercer algumi inflifeacia, para eici qoe a marinha alicioi sera a digna irma da ter-
lar e animar 0 zte-* ws imffAs, e empenhal-
os a jaHtar-se com elles pal'a a coiistitaicSo de am
parti Jo liberal coBefialx r, eoja access* ser
aberto ate" ir.esmo aot e#oticais moJ-rado?, q
por e?ta via quiressera' ent ar na senda con*titd"
Esta politica de transact 0 preoecapa nataral-
mente muito nlo so 0 Vatic ano que receia perder
alguns dos seas poatos de apoio, como tarotein 0
partido libdr.l par, compromissos.
0 Sr. Tbiffrt1 i:d>ea da mocidade rcmaBa,
como lemtraDca da libcrtacao do lerrilorio, uma
inelalha de ouro.Wwmpairl aia de uma mensagem
coateudo mil a*sigualura.
"34* esra mensagem, quet expressa a sympathia
das populacoes rormnas pi ra com a Franca, res-
pondeu 0 antigo presidents da repu lica dos se
guintes teraaos:
t Senhores. Recefci "a Aedalha que se digna-
ram maudarmn e agradtro-lhes eordhilmeme
Cuos'Tval-a bi cdmn uiua c as mais pre :iosas lam
braricas da cipoca qua s.tra' essamos.
t Chegado ao tercio da nlnba oarreira, e pro
curando socegar-me sot)re 0 futon do neu psit,
voltu de boa voniade os me is oltirs para a moci
dade, nao .96.d* Franca, m is- tambom .dos paiies
destmados a ser os no-*os ami^os, e e com esta
esperanga que a vejo arimida de tao boos senti-
meaiaa. A'mocidade ntmaave e^iudiosa, avida
de progresso, jipalxonada pfla liberdade e pela in-
conti t a nib em para 0 .paframnato
com o excedenlu das re -.ilas nas
a
ALLBHAMHA.
submetlida a uma arbitragem ;
ainda mais delicadas, lacs como:
fdraro re Difo Tagtblult c|ue 0 r.....isiWtr
3 ijjjpexaiit* di Alleuunlia ja v,,li,.n a BattO. 5lVaga, artigo esiranlu a sste tratado imuo
j Hmover e a Kiel. Nelta uUicn* J^*J"la pressao estranKeira iutaitamenie iruprali
olyontos Iftigiosos
da sSi vfag'eiit ao
#n#Je; njdfwcb de'um brilbante estido maior,
sidio ao Uacamenlo ao mar e baptismo de urn
novo n.ivij tlioJado da marinha allema, que se
licou chamaato Fiederico 6 Grawlr. Quando deu
o noiae ao wr4o comas formalidades do estylo,
n.-o com 0 uoma do graada rei; usa-o com honra
oos mares kngioquos a nas praias dus paizes es-
trangeiros. No bauquete que.seguio a ceremo-
nia, o imperador bebeu a saude do Schleswig-
llol-ieio. O general Stasch, cbefe do almiraotado
etto imperial.
Vinte e uma cidades do Schleswig Holstein en
seat fettsMfes au imperador por oocaaii_ujue com nma pri
a vi'tta. 0 iaperador agradeceu aos deiega- an-1 denies de que se
'oh a satisfagao o^ue Ihet inham causado as provas enfraujuecimento nas relac5es amTgaveis da Alle-
4e sympathia que Hie Imham sido te?taraao ? durante toda a>ua gem,^iuutou que a grands A uniao dus doqs gran4es irrperios diz a fo-
obra terminad* sob t asa JKccJw, Hies exphc*** 3ha dioscotUa, e 0 mais solido apoio do systema po-
litico e da paz da Europa, Tudo 0 que enfraque
jfiftWto S^JdaV? *s provas de sympat^TuHhrda a SB!!!?."
' loria. Qae as diffliuldaden tio airrda gtavcs, mas
- LU
'el, deye ser afastado, e qud
que deixa. de pe deveriam ser deferidos" 'de*com
muna accordo, pela Allemanha e a Dinamarca a
arWtrageni da rainha da Gra-Bretanha, cujas rela
68 """l.10111 *bs paizaa tornata eminente
pronuBcioo aa palavras seguintes : E11 te bap^ awnte propria para dar a e-ta questio um julsa-
os pai-
nento wpatcial e satiafactorio para abos
res.
^> ^H nisaiA.
0s Jolw3g rnssos continuaoi a ptfardar um si-
lencio eoaeleto sobre a autbaati -idade da cam
imperial-oaada, e inlerpretada palo orgao de D
Carlos, 0 Quartet-Real. *
A BBCTfo de Moscow 6, ate agora 0 unfeo ior
nal que, a proposito do recente casamento do grao-
sllenaS, -faca alteao aos
preMtdafc dedazir um
depeodencia di ttoamania
milta me que Ihedlga 0 secjainte :
Felicito-a, mas per-
a deum dia, ad]airida
im a que se adquire
Amai a iibardade, nao
por lances violetitos, mas
por meio da ordem, da [an jveranra e do progres
w sustentado e que dara Wra, por qne so ella e
m-recida. Amai a indeptodencia, lembrando-se
sempre que, para as nac5e> asslm- como para os
iodividuos, nao ha segnra 3ca para obier 0 seu
bera estar to ra do bem geral; e, pjr estes moti*
vos, respeitai a paz do mnndo, tao preciosa, ao-
bretndo para 01 povos cuja indepeodencia e da
data recento, pois que oa | a jrra se joga essa in-
depen lencia, como se fosse sobre uma carta.
a Sejam unidos, traqailo?,estadloso; facam-
A aomaissao a> jarisconsoltos enearregada
de redigir 0 oovo codigo civil para 0 imperlo
allemSo, comecjou ja a sra tarefa. E* ppesidida
por Mr. I'ape, actualcuerue Drimeiro pcesidente
do ano tribunal do eommercw, eslabeieeMo efl*
Leipzig. E' de prever, porem, qae a Alle'nanfta
nao podera gozar tao cecTo a unifieacao do seu dT
reito civil; segnndo o parecer de todos cm homeas
competentes, este trabamo de redao^ao, do novo
codigo levara pelo menos dea aaoos.
Foi no dia 1* de outubro qoe se iaauguraram
os registros de estadu cirM no reioo da Prussia,
em virtude da lei deil de marco ultimo.
Esta revolucao ids habitos, costumes e formas
legaes dos ados, mais importantes da vida civil,
causa ao principio bastante extranhoza ; e torna-se
difflcil por ter de snbstitair de um dia para ontr* quieU a Eoropa, foi realmente escrlpta, t
o encarregados dos registros por fonccionario*. ^tata e em que sentklo. 0 melhor meie'de lermi
lef sem
cesse esta uniao, perturriarla-prefundamente asi-
tuajao, e tornaria tudo.problematico.
A Gazeta de Weser falla de oma-nota do gabl-
nete de S. Petersburgo ao de Berlim, que exprirnu
aa mesmas aserc8es.
Uma correspoodencia de S. Petersborgo, publiea-
da pela Gizeta de Darmstadt, e a qual a posiflo
ofllcjial deste jornal, e as ligaeSes de parentesco
que uoem a familia imperial da Russia a dyaastia
de He's* dao uma certa aoloritsde, asseguTa
igualmente qoe a intiniidade eutre as cortes do
aorte, satisistira era toda a sua integridade, qual
ga*r que seja a solucio dos negocios de HespanHa,
e qae nao ba perigo algum que ameace a amisade
que one estas c6rtes.
Nao diiem, pof6m, se a famosa earta qoe in-
inteirameote alheios a suas novas funecdea, que com eatas Inquietacdes, sem respond
exigent xperiencias e conhecimento- especiaes.
Para atteouar os inconvenientes resuluntes
dest*comepo, 0 goveroo mandou aos seas agen-
tes um formulario e lnstru Ines servirao para veneer as primeiras difficult!-
des.
r.oito 19 1/4,11 regular 17 7/8'. StgoHCao
ruediano lii. Assurer 8 12.
Liverpool 2i. Algodao : mercado frou-
0 ; seru mudaiiQa. Assucar : firme: 0 do
Maranhao22, o.
ii. maccos, sendo o,fi')0 do Brasil ; prer.os inal-
Uirados. Cacao: mercaJo calmo ; coti-se
Uio tirande do Sul 22. Sahiram para
PtTriarabucu 0 brigne COXSTANTE U-
A/ 10 e 0 patacbo SALSIPUIWES.
Rio de Janeiro 23 as 9 b. e 10 in. da
manba.Arnbou honlem 0 brigueG.-1-Z.CO,
jue bavin sabico para Pernambiico. Sah'?
amanbS para a Karopa pel'.s portos do nor-
te, 0 paquete inglez B0Y\E e na segun-
da-feira '20i, 0 paqaate americano ONTA-
RIO, para New-York por Babia, Pernam-
buco, I'ard e S. Tbomaz.
Sautos 23. Snbio boje em la=tro para
Peroambuco 0 brigu: inglez FItE 1 VEIES.
Rabia 2o ;is3b. da tarde. Mercado
nallerado.
Para 93 s 4 h. e 10 in. da tarde.A-
raba de disiribuirse pela cidade um bole
lim da gazeta ATR1BUNA, avisando a
stus amigos e correligionc-vtos quenaj e
verdadeiro 0 convite feito em seu nome e
no do conego Siqueira Mendes, para mata-
tem portuguezes. Diz ser silada de seus
i nimigos e do cbti'e de policia.
lim causou um temor panico.
Bjhia 23 a i b. c 55 m.
Chegou do su! v paquete inglez
GUA, da linba do Pacifico.
boje para Pernnmbuco.
Rio de Janeiro 23 is 5 b. da tarde.
Cambio sobre I.ondres 26 1/2 baucario, 20
3/8 particlar.
Bahia 23 du 5 h. e
Acaba de entrar do Rio
juete nacionsl jC/" l/M
para 0 norte.
Bahia 23 ^s 4 h. e 30 m. da tarde.
'.ainbio sobre I.ondres 20 3,8 bancario, 2G
3/8 26 7/16,20 5/8 particular.
F.stc bole-
da torJe.
ACO.\C.l-
Talvez sisa
10 m. da tarde.
de Janeiro 0 pa-
Segue amanba
DIARIOD PERNAMBUOJ
RECIFE, '2i DEOCTL'HRO DE 187i.
IVoticias tla Ktia^opa.
Amanheccu hoiitem em nosso porta 0 vapor fran-
cez Vlilede Rio ierJamii, trazendo daUs de Lis-
l la ate G du corn&te.
Dos jornaes e c;ijrus recebidos, colliecios 0 se-
guinte :
1 nA>i>.
As Doticias Je Frkn..a cuutinuam a ser raras. 0
lacto da convocacso do3 eleitores de todos os de-
partameutos em qiie ha vagaturas de depatados,
yarece coofirmari.e, salvo taivez para os tres de
sartamentos onde as vagas sao mais recent .-, taea
como Cote.a du Nurd, ftantes Pyreii6es e Sein j-st-
One, A data.fixada^lS deouUibr.'.
Entretanto tod as ps. parti Jos .-0 preparam para
a renovac;ao pareitd dos conselhos geraes. Fazeo-
Jo a eslalUtica dos cautO^s c'aa .m VJ a voiar,
acham-se mil 0 quatru;.utas .kie:..'- a fazer, sea
cootar a Argelia 0.1 J-s as ele/?ods lerLo lugar pos-
teftprmeate.
Duzeatos e sesser:ta e seia-flepusados p.ao ao mes-
aio tempo do3 con-elhos dps seus depirlamcntri?.
Cento e quarenta perter. xm aa fr&efoes da Uirei-
reita ; cento 0 vinui e seis aos grupoj da esqner-
da ; mas so seaaeu e oito dos priraeirai, e ciu-
*oent e cinco dos oltltnos, defem sr sabraaliidos
a reeleicaio no dia '< da outubro. 0 partido repu-
blicano espera obte: por esta occaaao algumae
vantaaens em Cbarenie e em Viennc1.
Na segonda eleicaode 'JWue efcLoife veacea
o candidato reputlicino 0 Sr. Mailic por nma
maioria de mats de qq,airo mi! votor.
Diz-se que 0 Oeen'eue nio sera relirado das
aguasde Cevita-Vec.hia, masque 'flcara intcira-
nicnje a disposiQio, e i5 ordcas do ministro de
Franca junto ao governo da Jtalia,'em lugar de fi-
car as ordens do embaiiador francezinnto da thn-
ia se ; 0 q.j iprytara fl^s, ^oiapieapjente a na.
tureza de sua missao. ^^ ^
rr*ulT-.S5 .
0 quarto adiiveriario da irjoaoorauo de-Bo-
ma no reino da Iialia, foi eelebrad'o par duae de-
monstracnes eolrari*rc Oa j
ramana,
fazer, e sera este 0 meio mkis cirto de garantir a
vossa independencia e avo> 'iberdade.
a Perduein-me se respnndo as snas syinpathias
ior meio de conjelbos: e 0 papel ordinarij dos
hoiiiens que atravessaram u mundo, que o conhe-
cem e vao deixal-o.
0 Don-lhes estea eanselbob como amigo sincero
da sua nacao, que recebeu ja civilisacpto dos ro
maoos, e que se preza hojj dea vir buscar a
Franca. Tendes razao de a procurar alii, por isso
|u-, acreditai, se a Franca, tantas vezes feliz n >
terrivel jogo da goerra, nSa 0 foi d'esu vez, nao
e porque deixe de possuir ?i ida suas antigas qua-
lidMes; conserva-se nma las nac;oes mas e^cla-
reeidas, mais generosas, mis valentes da terra,
e In de figurar sempre no 1 amero d'aquellas em
jue1 se dve procurar 0 sal ier 1idmano. Estima-
vos e aprecia vus, e pela m Ma parte mando-vos
as snas felicitacoes e as sua^esperao^as.
Paris, 22 de setembrd i e W7i.-*-i4. thUKi.
INGLATBIRA.
Diz 0 Standart que a t atsoj'ttcXo d' amnistia
recebeu aviso que 0 Sr. D sraeli recommendara
uma amnistia geral para tqi os os prisionfirrts po-
lilicos feoranos por occasiao da sua -proxima visita
a lrlanda.
Estao reunidas em Ncjweaslle s*re 0 T> ae
as camaras de cemmereio, s esp?ra-se muito dp
resultado da< suas deliberaci es.
As cidades mais importaiiie? e os districtos que
representam 0 principal pa >el na indastria eslao
representadas n'esta assemtlea da associarao das
camaras de commercio; 01 ferros e os ajos de
Birauingham ; as fucSese tendas de Nottingham;
as las de Leeds e de Bradfo-; as fitas de Coven
try; os algodoes de Manchespr, mandarSo os seus
delceados, assim como as c; maras de commercio
de Hull de Northampton, ceTynemouth de She-
IDeld, Derby, Dew=barg, Halifax, Cardiff, Wake-
Held, Bristol, etc.
Esta associacao das can aras de commercio,
reune-se ordinariamentc di as vezes por anno,
mas a sessao do outomno e a mais importante;
os votos emittidos duraate a sessao de fivereiro,
vem muito tarde para que 0 parlame.jto Ihes
possa dar segaimeuto, on m ssmo estudal os.
No priocipio da sessao c, Sr. Sompson Sloyd,
meaabro do pailamento, e piesidente da asscmbl6a
annunciou uma boa nova 0 flm da gr6ve dos
operarios de mioas de Newi astle, /jue actualmen
te est5o de accordo com os 5 ens patroes.
Na assembled, am metribro do Board of Trade
do Canada, pronunciou um discurso, muito nota-
vel sobre 0 tratado de 1 eciprocidade entre a
Gra-Bretanha e 0 Canada Pede-se em geral
uma reforma de legislacao commercial, que tem
muitas lacuna?; pede se uma reforma da lei sobre
fallencias qae reparta pri porcionalmente pelos
credares 0 activo da massa j a aboligao da prisSo
para as peqaenas dividas; u na lei de registro das
sociedades, e razSes scciaes e : refor.na do ado
do Banco de I8ii, e legislacao definitiva scbre as
marcas de fabricas.
Espera se, pois, qne do estudo minucioso de al-
gumas d'estas questSes, se irera d'esta sessao al-
guus resultados praticos dt grande aleance.
r.uzcs bai xs.
Reunio-se, como ja tiDhan os dito. no dia 21 de
setembro as dnas camaras d is Estados Geraes dos
Paizes Baix as. A primeira ;amara, depois de se
ter constituldo, occupou se Ida redaccSo do pro-
jects de resposta ao discurso da c'or6a. A se-
gunda camara de procede'r a e!ei;5o da lista tri-
plice que deve ser apresentana ao rei para a esco
Ilia de um presidente.
0 Sr. Duller!, foi proclam ido primeiro candida-
te no priuieiro eserutinio por 38 votos sobre 73
votaoles; por ter reuniuo a maioria absuluta.
0 rei no seu di-curso (e abertura, recorda a
ce'.ebracao .cordial do annivprsario da sua exalta-
cao ao tbrono. Disse atom pisso, que as relacoes
com todas as potencias eram em extretrJo amiga-
veis; que 0 estado das fin; n;as, e das colheitas
era favoravel; que esta van em via de execu$ao
Lira rules obras publicas, que se podia considerar
cumo proximo 0 desseccamento de uma parte do
Zuiderzee, e que a revisao f arcial dos eodigos es-
tava regulada.
0 rei declarou que 0 gc verno proTidenciaria
seriamente para fazer as modili:a;ues de qae ne-
cessitam as actuaes leis sob |e 0 eusino.
Disse mais que as notlciai do Atchira, parecem
mostrar que a prudencia a perseveranca do
exercito triompharao da r sisteneia que 0 go-
verno encontra era Seava itor. T^rminando 0
seu discurso, 0 rei fez 0 dc gio da marinha e do
exercito das Iodias.
Despacbos do go-veruajlor das Indias da 19
de setembro, annunciaia qoe o rei do Atchim, nao
tem dado provas de se quere aprcxiraar.
As posicoes aibiares lias
tao forbacadas.
Endjoog e Djolo sulim* t
prupoe-se visitar a Batavia.
0 discurso do rei dos
acoJIiido, por isso qne apr>
projectos de lei de or Jern m
muito tempo, e esperados
promessas reiteradas dm mluisterios pr*cedeate3,
Um dus projectos do lei qiie era reclamado con)
maior urgeacia, era 0 prujecu sobre a ecnpalibi
dade do Estado, e sobre 0 tr ibuoul de coofcas.
Quanlo ao ensim publiso
assegura-o que 0 minist rio
ter 0 priocipio da initruccao
I Junstituisao, mas muilu ataca
AlSTnOIIUNORIA.
0 imperador Francisco Jose presidio em Pestn a
tin cooselno de ministros a que tambem assi-tiam,
alcn dos ministros hungaros, os da Cisleitbania.
Apezar de se iraiar de uma qoestao relativa aos
oeg.Jcios commuHs da monarcbia, nio estava
presente nenbum d,s tres ministros geraes.
Sabe-se qae em consequencia da falla das co-
ineitas do anoo passado, tinham sid> snpprimidos
os direitos de importa^ao para os cereaes, por
um anno.
Na CisleilhaDia, onde os prineipios econornicos,
se esiimadiis da Europa, 1 que ja eomecviram anjue regem a legislacio das nacdes mais adiantadas,
sao preconisados por todos os homeos politicos, de
*ejava-se que s lornasse de effelto permaseote a
abolieaj dos direitos de eotrada das sobstaocias
alimentares; e de certo, a Hungria 16 tinha a
ganhar com a consagrajlo desta reforma tempo
ram.
Pareee porem qoe a Hungria nao se rende a
evideicia dos factos e as delibera?cies de Pesth le-
varara a am resultado negativo : a partir do
1* de outubro os direitos de importaelo dos ce-
reaes, sio de novo restabelecidos.
0 que 0 governo riisleifhanio consegoio dos mi-
nistros hungaros foi de comprshender nos novas
tratados de commercio que tem de se concluir
eon os estados estraogeiros a esiipolacio de nma'
reciprocidade para 'lifre eatrada das sobsis-
tencias. 1,
0 ministerio crsleitlmnio qne ligava uma gran-
de impertaneia a solnfa* 'desta qoestao, solfieui
pois ami derrrta'; 'mas a victoria dos hongaros
e negativa, e nao faz honra a saa intelligeucia
ecemomica.
A politica hangara foi menos exclusiva, e
partanto mais feliz por snas relacoes com a
Crnacia. A dieta de Agram tem-se* ate agora
approxitnado nas stlas Votso5es das vistas do
ga'binete de Pesth. Adoptou a lei sobre a impren-
sa, calcada sobre a^leihangara, concebida em
ntji espirito liberal. Decidio no mesmo sentido na
drsenssao d 1 lef sobre a instraecao publiea, apezar
da opposite) do* serWos qae reclamaVam pela
sua nacionalida(I6 nma anforjomia absoluta em
raaterla de instrnccao e de culto.
Os s- rvios sao da religiao orthodoxa e os croa-
tas sao catbolicos; daqni nrh antagonismo qoe
impede am accordo sobre 0 dilficil terreno da
igreja e di escola ; a qoestao foi porem resolvida
era um sentido liberal, deixanlo a cada confissao
a medida de Iiberdade que nao ataca 0 direito de
vigilaucia do estado, e ao principio da Iiberdade
de ensino.
Pica uma nltlma questli a resclver, que e a
mais importante de todas; isto c, a orgamsacao
admi:iis:rativa At reino. Desejava se na Croacia,
destruir completameote com as instituljSes feu-
daes, e a sapremacia anstrocatica qua 6 a essen-
cia do antigo regimen dos comitats, e fundar nma
orgamsacao de simples engrenagem com funccio-
narios reponsaveis para com 0 governo, como
este 0 6 para com a representaclo naci nal.
Ete regimen que ja existe na Cisleitaaoia, en-
controa opposicao na Hangria, onde se nao pode
ou se nio atrevc-m a decidir-se a romper com as
antigas tradic<;5a3.
Qaanto a Croacia a reforma administrativa e
uma questao vital, e os bomens politicos da
Hungria deveriam agradecer aos croatas de terem
aberto a primeiia brecha neste velho edificio feu
dal, obstaculo permanente a todo 0 progresso so-
cial.
Deve-se esperar que em Pesth ie acabara por
couprehender que em face das nacionalidades, nma
politica negativa 6" a peior de todas as politi-
cas.
DINAMARCA.
A Gazeta y-icional allema desraente as preten-
didas negociac5es diplomaticas relaiivas a expnl-
saa de alguns subditos dinamarquezes do ten itorio
do Schleswig.
Os dous govcrnos desmentem, pelo contrario as
manobras dos jornaes dinamarqnezes e estrangei-
ros, que qnereriam pr >vocar deste assompto um
confllcto ; as suas relacSes sao neste memento as
mais araigaveis.
E* provavel comtudo que este assumpto sera ob-
ject) de fnterpe|lacoes nas camaras Jinarmaquezas,
que se devem reunir a 3 de ontnbro.
0 partido radical, que boje possue a maioria no
Fulkethiog, tomara dahi pretexto, provavelmente
para combaler 0 minis'erio ; mas este, qne 6 na-
cionalliberal, tem resistido a grahde numero de
ataqucs de votos, de mensagens de desconfianca ;
e de prever que, mesmo dando explicates conci-
liadoras, se nao deixara arrastar no caminho das
reeriminacoes diplomaticas onde 0 qnereriam im-
pellir.
A Agenda Hivas diz de Copenhagae que 0
gabinete de Berlim llzera propostaa 4 Dinamarca
coavidando-a a entrar na confederacao germani
ca ; mas qae a Russia se teria assusia'do com estas
propostas, e teria declarado que jamais permittiria
que a Allemanha rennisse em suas roaos as chaves
do Baltico
Accrescenla qne fora este iocidente qoem de-
termiuara a Russia a tomar a respelto da Hsspa
nha uoia pos cao inteiramente opposta a dos seus
aUiados.
0 lim destas commnnicacdes e faciJ de compre-
hender ; e por isso naomerecen credito algum
Os jornaes de Berlim exprimem se com indig-
najJo sobre as notioias de Copenhagoe. Negam
abso utamonte toda a tenlaltva feita pelugabinete
de Berlim em vista de levar a Dinamarca a entrar
I na confederacao germamca.
A Gazeta de Spener Ait, parara, que este projecto
exidio realiaeole, mas que ja era muito antigo, e
! alum disso de origem dinamarqueza. Em 180i um
' loiuistro diuan.arquez, 0 bispo Mourad, Unha pro-
posto n'uma memoria eopfidencial ao rei 1 hri.iia-
bo, fazer entrar 0 seu reino aa confederacao do
norte, em Iroca da restiwicao de uma parte do
Settles win.
0 PoU, jornal pragjiano, que tem suss inti-
roidades nas regioes ofQciaes, tratando do art. >.
Iropas tojllanJezas es-
o radja Pa'ty
l-se;
faiies-B.iixjs (oi bera
enta a prooaessa de
eril re^tmados ba
balde, apezar das
^ Oa pipalitoi, pela maior zas de utilidade publics, e
jarte pertenceotas a nwreza -
em todos os graae,
esta dec;JiJo a man-
oeutra, inseripto na f do tratado de Fraga rcl.ui v.. ao Schleswig do Nor-
lo pelos ultramon- te, diz que este tratado foi concluido entre a Prus-
linoa calholicoa, e orlbodoxoi protestantes. sia e a Austria, eque nenhuma potencia nem mes-
Lastima se, porem, nao vcr contadas entre as.mo a Dinamarca tem direito de exigir a execucio
promessas rainisleriae3 a qtu slio do abaixauiepta desse tratado.
do censo. Falla-se de nrp i, iquerito adruini^ali- J A^crasceota que 0 governo Drussiaao propoe i
vo sobre efte assumpto, 0 i|u.e pareee mais urn' Dinamarca regular esta quasla) de fronteira de
auiamento indefinid0 d'esta imporian'-e refurma.; modo que a satisfagao seja coramura ; mas que
0 ministro das fioaocai qujado apresentou estas lentalivas teriam.ficado sem eflajto, porque a
a camara electiva dos Paizes Bai|t83 0 orcamento Prussia ligava a retrccessao dos diMrictos do
do exerwcio proximo, deu it formacues favoraveis Scbleswigjjo Norte, condicSes que nenhum miuis-
mom > siluacao tinauapirii d 1 reino. terio dinaraarquez terii podido fazer aceitar pelo
0 orcamento salda-se, porim, com um deficit Rigsdag.
de mats de sete oiiUiSes.de florias, mas, como disse Outro jornal de Vienna, 0 Tagcblalt, diz qae tat
0 ministro, esse deficit prove n de grandes degpe- como e apreaentada, a questao do Schleswig e in-
zas de utilidade publiea, e ; lem d'isso deve ser soluvel, e nao pode servir tenao a ser explorada
e as socle-J cob'erlo com 0 a?cro3cia:c contmn) das receitas.' pMos noveliistas sem n-'ticias. PropSe que seja'
nceocias a estas questcaes, e ainda rrielhor putrlr
car o texio anthentico do qaal 0 pteteodente hes
panhol acaba de dar tao infellz notoriedade.
Urn telegramma dirigidode Berlim ao limn, an-
nuncia ter rebentado nma insurreigao no Khokand,
um dos estados da Asia central, limitrofes da nova
proviacia rassa do Turkestan.
0 khan man loo pedir soceorros ao sea podero-
so visinbo, mas 0 governador do Turkestan reen-
sou intervir.
Se o soberaoo actual do "Khokaad, qHe e uro
desceadente directo de Tamerlao, fosse desthrona
dV, c khan de Bokhara apresentaria snas preten-
toes a successao.
B' pr&vavel, nortm, qne-ia-eorfja pasaasse a Ya.
coub-bag, soldado de fottuna, natural de Kho-
kaad, e que ba 20 annos, seapoderflo do throoo
de Kasghar, e goza nestes pflizes de nm grande
prestigio
A Russia teria nehe nm visinho menos eondes
ceridnnte, imas mais itftelttgeote que o actual *o
berano do Khokand, man disposto, porem, a virer
em"pas com ella.
A Rassa deve Ine fa bastantes ohrfgacoes pete
seguranca que da is fronteiras do lado de RouW-
cha na Siberia meridional. Ainda recentemefite
las tropas mandebon chlnezas qoe qneriara tomar
hads rnssos esta possesao extrema do seoierrlto-
rio, foram dispersadas pelas forcjas de Yakond-
Khao.
98IWIA.
0 principe da Servia foi de Paris a Turim, oade
foi recebido pelo rei de Italia.
- A ewrevista teve daracter particufer. 0 prin-
cipe devia assitlir a uma ca^ada em Rscconigi.
RKr:rA.
A sitaajao na Grecia-pareee approxintar-sc de
oma crise supreioa. Todos 03 poderes, qoe se soc-
cedMn com taata frequencia, nao tsm-consegaido
ate aqui sen So a tomar esta sitna^ao mais ioextri-
eavel; ndo e sorpreheDdeBte que a epralSo publi-
ea esteja agitada com os presse"iitimentu3 de oma
'rflodanca qualqueY na organisaead politica do
reino.
Os ultimos incidents da sessao parlamentar, 0
precesso do Sr. Trieoupis, antigo ministro, acca
sado do crime de lesa magestide, absofvido pelos
tribunaes era daas instancias; e BnaliWnte eeitas
indiscrirrjes da iraprensa ofBciosa, pazeram na
orderd do dia a qaestao de uma revisao da consli-
tnicio.
I'm jornal da opposicao, a Regenerarrln, orgao
de um antigo cbefe de gabrnete, 0 Sr. Commoon-
donms, laneon fogo ao rostilho denunciando a
existeneia de am projecto de modificacSo da cons-
tituic;ao, ainia mesmo'a cu9ta de um golpe de es-
tado, aQra de crear ura poder forte, e rodear a co-
roa de prerogativas que Ihe possam permittir sal-
var 0 paiz da anarchia.
Dizem de Att.enas qoe a carta do Sr. Coumoun-
douros nao e mais do que ura balao de ensiio, con
0 flm de reagir desde ja contra as velleidades que
se suppSem existir na corte de Athenas.
0 termo Oxado pela propria con-litnicao para
uma revisao parcial approxima-se, mas das dis-
posic;oes constiincionaes que se devem obervar,
e impossivel esperar uma solujio da qoestao,
se 0 goveroo pensasse era propo-la.
Alem disso, na Grecia, nao ha realmente opiniio
publiea : nio ha senao parcerias e faccdes, cujas
rivahdades e ciumes fazem calar as consideracoes
de patriotismo 0 de taclo politico. Nio & pois de
admirar se a eotoi procora explorar esta situacap
era seu proveita. Na realidade a Grecia esta redo-
zida a nao esperar a sua salvacao senao do impre-
visto.
TunouiA.
0 governo ottomano, qoe se diz occupado de
"mamentos c de movimentos milltares nao so do
lado das provineias daonblanas, mas tambem na
Armenia, do lado da Persia, pareee pelo contrario
entregar-se a reforrnas_ fioanceiras de qae 0 era-
prestimo, e a creacao do novo banco imperial
marcam 0 primeiro passo.
Infelizmente as qnestoes internas das seilas
christas, q-ie 0 governo, apezar da sua boa vonia-
de, ainda n5o conseguio apaslgaar, veem a todo
0 momen'.o distrahi lo dos cuidados mais impor-
tantes.
Depois dos armenio cathoKco9, segaem-;e os
orthodoxos gregos e ds russos suseitam ao gover-
no novas dil!!?u!dades a proposito dos conventos
do raonte Athas.
Como sempre 0 governo turco coraecoa por
aproximaros dotsspartldo3Convidando-os a arraa-
jarem amigavelnaente a sna contends.
Depois de muita3 reunidesinfrcctiferas doi At-
legadas da igreja orthodoxa, opatriarcha conseguio
fazer aceitar era principio por esta assembled, um
projeoto de compramisso corabttrado de modo a
poupar as susc^ptibiidades de uns, sem sacrificar
os direitos dos outros.
E' porem de receiar qae a% exhortacSes e os
conselhos de earidade fraternal to veneravel chele
da igreja orthodoxa nao bastario a restabelecer a
paz entre ellas, aqueaeja preciso aftJa reeorrer
ao antigo systema de cortar a questao por meio
de um decreto imperial.
Ura perigo mais grave se apresenta para a
Turquia. Sabe-se qoe 0 saltao nutre ha muito
tempo 0 projecto de alterar a ordem da successao
ao throno, sanccionada pelo Alcorio, e pelas tra-
dioes do imperlo mnssalmaoo, ditignando como
seu successor seu iHho mais velho JoosSouf-Iuedia
Ha pouco mandou sondar os chefes do exercito
sobre 0 efteite que prodoziria a oomeacao do jo-
ven principe ao posto de general era chafe do
exercito ottomano. A3 respostas leado sido favo-
raveis, espera-ao ver 0 principe Izzedio, era breve,
proclamado generalissimo de todas ta tropas da
Turquia da Europz.
Esta noticia nao causara grande sensacio ; mas
nio acootecema de carlo oawsrao quando se co
nneeer a proclamaaao do principe como lierdeiro
do throno.
Este acto quo para a familia do vice rei do
Egypto passau quasi desapercebido, podera tor.
ar-se oa Torqnia 0 signal de rauitos graves aoan-
teomeatos.
IIKSPAWIA.
Sobre es33 paiz escreve 0 nosso correspon-
dente de Ljsboa:
Muito se lem espalhsdo a respeito do general
Pavia, nao so era relagao as causas da saa derais-
sio, como acerca da entrega do sea commando
superior.
n 0 que, porsra, tem corrido cOtn mais visos de
verdade, e que 0 ex-commandante em chefe do
exercito de corjlro entregara padflcamenta este
comraanda aogeaeral Jovenar. A impreosa gajr-
da a maior reserva a este respeito. Qaerera dlzer
quo, tendendo 0 governo para unia restanragSo
bourbonica, e nio estando Pavia do mesmo aeeor
do, esse foi 0 motivo de 0 chamarem a JUa^lFid,
substitaindo-o logo no comrnandca-
a E' posalvel, pbritn, qne nio seja este ainda
0 verdidelro motivo da exoneracao.
t Foi nsTehido 0 ministro do S. J|. .'brltannica,
Sr. Layard peJp ajareehal Serrano, presidente do
poder exscative. V dnqtw da Torre (Serrano) em
-----------------.. .J= grav.-, ...-.
do.traUdo .nio.msuperaveis, vem tie espantosas stu laceui a.marcba do gover.no.
A prolongacao desu guerra civil, injustirica-
vel.-augtnenla 0 valoV da adh*esio'da*Inglaterfae
a gratidao do poder executivo. E con.-luia as-
sim: ^^
a Corao S. M. aiainh* de Inglaierra, es espe-
ro que a Mespanha tomar* a achar a par, empre-
gando os BSeios em harmonia coin a indepeoden-
cia do povo hespanhol, e com 0 direito pva con
solidar os seus proprius destiuos e obter a leal
consideracao de todas as pptencias.
a Seguiam se palavras Iteongea-as para Layard.
Queira IraDsminir a rainha os meus -sinceros
votos pela felicidade da augusta dyna-ti* e pela
constante prosperfdade da poderot* na^io que el
rege. o
No dia 3 hoove riarga conferencia do presi-
dente do conselho do ministro Sagasta com 0 ge-
neral Pavia,
No dia 8 havera nm banqnete dado por Ser-
rano em obseqnio a Chantlordy, plentpoteudario
da Franga era Madrid. Este diploraata teve tam-
bem uma conferencia com Sagasta,
a Esta decidido que lupete toroara 0 commando
daesqoadra do Mediterraned.
* 0 muiislro da Jlespanha, na Belgica, foi.cba-
nfaflo a Madrid, eonsu a Liberte, que sabendo 0
governo hespanhol que a contrabando de armas v
moDic3e3 destinadas aos carTi'stas se faz mais por
mar, que por terra, resotveu protestar contra
os embarques de armas feitos em certas portos
principalmMite no de Antuerpia.
A Gartta, folha oMjjial do governo hespanhol,
eoDtlnua a ser d'um rawnismo qne attinge muitas
vezes os limites do silencio ibsduto em tudo que
respeita a innrroicao carlista, apezar da viva an-
ciedade com qrJBo publico espervi pormenores e
noiicias. <| '
i FaUava-se .'ent um combate no norte; mas
naaa se sabia posltivamente.
0 Impartial adianta mais qoenenbama folba,
poisannuneia que alguns batalhOes carlistas bis-
cainhos e do Estelli se eneontraram em Somor-
ro9tro sob 0 commando do brigadeiro Berriz e qoe
em Ortuelia e em obtras partesestap ja bastante
adiantadas algumas obras de fortirkajio. Entre-
tanto,* apezar deslea preparatives em que os ear
tisti* dao mais signs"! de vida de qae 03 liberaes,
que so pensam em substituiijoes de [commandos e
de ministros, continna a drzerse que ospartila-
rios do direito divino estlo desan:mados e faltos
de Indo. Por grande que seja essa falf, 6 forcoso
confessar qr% ba nos liberaes uma fal:a maior a
de guerra.
0 Tiraram ao general Pavia 0 commando do
centro, nao se sabe por que, ou antes nao 0 sabe-
mos nos aqui, porque os jorn&es consa afgoraa di
zem sobre as causas da exoneracao. Dizem nos
apenas qoe Sagasta choron sobre a tri>te neces-
sidade em qne se 7io de pratiear um acto, que.
como se pdde suppor, nao foi da simples iniciativa
do fakJistro da goerra. Pareee que todo 0 g.ibi-
nete"d 'feompanha no seu nojo.
0 novo general em chefe do exercito do cen
tro dirrgra a sua marcha para Nolle, tendo partido
de Borriol sem entrar em Castellon.
A faceao Cucala estava a 3 horas de raarcha
de Alicante, qae se fortiflcou a pressa.
Pareee qae os receios aioda nio eessarara n>
quella cidade, porqoenio sio tran^feridos para ou-
tro ponio os lOOprisioaeiros carlistas qoe se a?ham
no Castello.
Porioda a-parle os carlistas tem coramettido
actos de vWiJalismo inexeedivel, mas teem merei-i-
do especial mencao os que peroelroa a fat&lo L >
gronno, particularmente na sna entrida em
Lores.
Ja esta terminada a organisacJo das miiicias
provinciaes divididas era meias brigadas de d5us
batilhrit's cada nma, commandadas por coronei*.
Oito batalhoes sao ehamados sedenlario--, am por
cada di-tri^to militar, tfestinados a dar gnarbijoss
oas capitaes das provineias qae sio recrutada?, e
entrando ntlles os casados e viuvos sem iiittos.
o Um comboyo de viveres qoe os carlistas con
duziram para Seu d'Urgel foi colhido pela brtgada
Arraod, morrendo na luta 0 cabe:ilha qae 0 air:
gia.
Narram se crimes inaoditos da facglo Cucala
em sua fuga precipitada. Ao passarpor Monivar,
oode se demorarain 8 horas, exorgiraaa no prarj
de rinco horas dous annos de contribaicoes indus-
trial e territorial, ameacando os habitantes com a
destruicao das suas bem providas adegas. A r!-
qneza de Monivar e 0 vinho. Antes de se fazer a
exip'encla tinham destroid 1 pelo fogo a estacao do
camii.ho de ferro, destruido aponte de L^i Fan, e
aonullado importantes documentos da couservatj-
rla hypothecaria e do julgado de primeira In'ijun-
cia.
t Apezar de Ihes ser paga a ecntribuiclo eiigi-
da, os facciosos invadiram as adegas, e depois de
embriagados, saqnearara casas, raatararn cidaJaos
inoffeosfvos e espancaram outros.
Na Catalaaha, no dia 3 de madrugada, 4,000
carlistas atacaram Vicb, defendida pela brigada
Macias, q^ie os rez retirar com numerosas baixas.
Em Torlosa, aproveitando a rapida descida de
Ebro quatro companhias francas deixaram se ar-
rastar ate ^mposta e a tomaram, sorprehendeni?
as foreas carlistas que fugiarn.
a Uma carta d? Lerida faz a seguinte estatisthi
da3 desgracas e desastres causados pelas ultimas
cheias.
a Aoglesola, 23 raorto3 e 3 feridos, Barbeias,
todas as casas arrainadas, a exeopcao de i; Borja1,
14 mortos; Cervera 23 em oma lagda contigaa a
cidade ; Clasavalls, 11 raortos; Floresta 18 mo--
tos e 3 casas em ruinas ; Guimera, 33 ma'tos e
9G casas arruinadas; Tarrega, 150 morto9 e 2-o0
casas arrninadas; Tarros, 8 mor;os e todas as ca-
sas em ruinas; Vilagrasa, 13 mortos ; Alfese,':.
mortos; Juneda 4 mortos.
o 0 impeto e forca das aguas foi tal que nma
pedra que estava sendo desbastada proximo de
Villanucra, e enjo peso depois dessa operacao ds-
via ser de 80 quintaes, foi levada pela corren'.e,
ignorandose ainia hoje 0 seu paradeiro.
Entre Altafalla e Giya, a linba ferraa rebeo-
tou em dous silios, arrojando as aguas pedacos d?
via a mais de 20 passos de distancia. Os carri3 fi-
caram torcidos de tal forma que so vendo se acre-
dita, diz 0 Diario de Barcelona.
Queixara se 03 jornaes madrilenas de que cm
Bayona continuam a permanecer vario3 chetes :ar-
listas, e de no comboio d'aquella cidade sane todos
os dias cm direegao a fronteira ura correio car-
lista.
ma que a carta do czar a D. Carlos foi escrip
ta em respo3ta a uma carta do pretendente era
que este agradecia ao autocrata de todas as Rus
sias 0 nao ter reconbeeido 0 governo de Hespa-
nha.
homftrfciv't* Oua>s fpaaJJJslliitaneamente ac*n
dor se o ra^,
' 0i l'p' < mal detjaid^.- de ba
nos He utn afiffo, ;. .MWlrrtente peti
W
m-
prximos e
Ura ontro jornal inglez da a novidade que os
carlistas tiobam muito adiantada uma conspiracio
que Ihes devia entregar Logrono e com ella 0 do-
que de Victoria (Espartero) mas que Wdo se des-
cobrio eabortou.
Tambem uma folha "ministerial diz qn" ha
dous dias se observaram nas immeJiacoes do nu
nisterio da governacio alguns bomens de apparan
cia suspeita, tendo sido preso am d- lies. Uaziam
se a noite diversos^coraraentarios acerca dos quaes
0 jornal em qaestao declarava nao poder dar con-
la, por estar 0 assumpto affecto a autoridade.
a Seria alguma conspiracio para entregar aos
carlistas Madrid e 0 Sr. Sagasta? pergonta corn
certa ingenuida le comioa um joroal de Lisboa que
da coota deste caso tetrieo.
POBTUOAL.
En 6 do corraute escreve nosso correspondente
da Lisboa:
Chegou de Bordeaux no Colopaxi 0 barao He
Japura muito diguo ministro do Brasil em Lisboa.
Diversas pessoas da oeasa primeira sociedade fo-
ram esperar 0 illustre diplomala que.por aeu nc-
bre caracter, Ulustragao e dotes pessoaes tart
sabido conqoistar innumeras sytnpathiaa neste
paiz.
< A qaestao da defeza do paiz, sejam quaes iv-
rem as eventualidaaes que se apresepjera oa pro-
xima primavcra talvez, c ontintia a ser a falla de
assumptos, 0 thema obrigado de extensos artigos
em quasi todas as folhas portuguezas. 0 governo
por sua parte nao descanca neste ponto, e honra
ibo bt-ja por saa energia ; mas nao basta qoe se
adquiram armas dos melhores systetnas, e praot>o
que se attenda a tudo, e a primeira de todas as
quesKes & por ca/to a de reo-ganisar os recrnta-
rnept.?, e a do servigo militar obrigatorio. Dlsca,
te-se tambem neste campo.
Nfngoom poda com certeza predlz r era qne
dia oa em quo mez robealara a gaerra, que nao
deixara,de envolver Ba luta as nacoos mais ps>
qaenas, sejam qaaes forem os esforeoj que fayam
para se conservarem neatraes. Todos reconhacaia
que e inevitavel e at6 proxima. Ha mesmo dueta
a espere ou receie, para a primavera de 1875.
t Ha paucos mezes ainda, os astadistas inglezes
divlaavam apenas no horisonte alguns pontos ne-
gros qae os sobresallavam. noje nlnguera dssco-
nheee qae ja 0 flrmamenlo esta coberto de Rnvn |
<|0.ili coiiiiecidiM C'OnpMai*wti
. E' (jstSMl imguatMi das fctaaa portogoezas,
mesmo das da opposicao, incitando 0 nosso gover-
no a estar prevemdu no qoe diz respeito a defeza
do paiz, paraatMl |ui'r emeMMia.
Nao (j coat tu4jp dd recSar a guerra ainda
este anon, coatinnanwasn e-mas folna's, mas 6 pro
vavel que a guerra veoha a rdjdjptar na primavera
futura ou talvez co estio proximo. Basta qua seja
possivel, para devtrrnos raciociatf corao se hsH
certo. A nrissa lei do rtcrutanaoto e ma por ser
vieiosa na sua crigam. Sem set emendada, escu
sado sera esperar que os priocipae* alicorees da
defeza national se consolidonv Assira em pre-
4 senea de perigos anormaes qoe podem rebentar em
'abril ou maio de 1875, nao esensalo, diz a oppo-
sicao, qoe aioda agoardemos ate ao flm de Janeiro
ou fevereiro desse mesmo anno para cocsolidar-
raos no parlaroentj os principals alicerces da de-
feu nacional. __ _________
Qdal nao sera a responsabilidade de n'6s f68cs
se da demora em preparar desde ja todos os ele-
ments defensivos do reino, resultar a perda deste T
Sera fatal.o purtuguezisasiuao auMUi^M. out) a tanta-
nacSes e a lantos individoos tem pc-rdido !
A orgaoisacao militar do paiz, clamam em
coro tadas as folha?, de lodas as ci-res politicax
(liberaes), a instruceao das reserva- e a saa orga-
uisarjao ate act primeiros mezes d-sse mesmo
anoo, e coasa que se uio pode adlar. ILtBSJtlira
dizem, adia-la para Q. dia se.uiule da derroU.
A Franca tamtem aidiou a organisaqio, a ioslroc
ca o e u armamemo oa sua goarda novel, e na
vergonha, e nos prejuizos enormes e na invasao r.
perda do terjulorio acliou 0 prompto casligo da
sua imprevidencia. Se aJiarmus nos tambem, ebo-
raremos 0 nosso erro.
Estas reflexues didadas pelo patriotismo pre-
vidente dos que temera as faties conseqaeaeias do
nosso proverbial amanha; nao Mem comtudo so-
bresaliado oa capitaes nem assostado a popalacac>.
mas teem feito com qoe u governo se affoite ealt.
vez mais nos Ions propositos em que estava >
fazer do nosso uxtroito oma coosa absolatasntuf
seria e elil z.
Se pelo seu oamero nao e safbeieote para
goaroecer senao apenas a capital do reioo, servi
ra comtudo, aJe3trado e de t do o ponto modem
de orgamsacao para nma optima base de defeza ;
e ninguera descenhece qoe coegada a hora a-
perigo, lodos os eidadaos validos sio oatros tent's
soldados aguerridos.
Convem, porem, saber se ha fandamento verda-
deiro para nos arreceiarmos de um perigo imnn -
nente para a no^sa mcioualidade e indepen-
dencia.
0 paiz vai f roseguindo iranqoillo na obra d-.
progresso, sem SLbresallos, apezar de todas ana*
admonitorias da imprensa. Os politicos tremeu!
pela sirtedopaiz ; 0 povo, nao. Sera ind II rei
ea 1 Essa indit:-rei.ca e tranqniilidadc nascera-
acaso da grande coulianca que o povo portogo^z
tem em si, ou de uma certa previsao inhereoa a
espirito popular! A questao e d.fficd de resol-
ver; mas 0 qne pareee mais certo e, qoe 0 povo
portiignez iodtsTesdMB as lulas partidarias men-
mo a Mreejie d->s negiacios pabNeoa, eosuerva
lodavia bem aceaa a amor a indep^ndeocia da
patria, que esta [ rompto a defender a tod* s
traose.
0 a, tod is os m.? partido- se tem mutnamentf
injuriado con a rsacola do iberitaut, nir- escapau
do 0 proprio nacio, ao qual, por mais de oma vm
se tem dirigido igual itnpotacao.
0 D'aqui, provi-m. na opiniao desapaixoaaaado*
que, fora das pugnas parti larias, tem a placid. *
prec.isa para r.preci.r a sitna^io, a suddoou id-
d^if-renra do povo perante as eloqoentes reveio
c;i'-?s dos perigos que aroeacam a aosaa indeptn-
dencia.
< So 0 povo acvedi:asse do veras no que Ihe di-
zem, teria de repuiar iberict, ism e,- traidorts a
patria, todos os politicos de todos os partidos. K
das duas, uma : ou 0 povo se riria da* ascusa
goes com que rec^procamente se ssjuiiain e const
derar todo isto oma farca politica, on os expul-
siria a lodos do podar e do parJameaio, como qoem
se desfaz dos seus mais perigosos inimigos.
Mas 0 povo escota com animo iranqoillo tod s
esses clamores, e nio rctira a sua cooiianca a 1
suppostos ibericos.
< A verdade e que 0 nosso povo nio eoovar-
ce de que Poriagal seja 0 jogoete 4a politica i>
qaalqoer potencia ambiciosa, e polo contrario es'.
bem persaadido de que a saa indapsodeocia <' g.-
raniicia pelo ioteresse da propria Earopa.
Complicate de dia para din, e cada vex mais
a situacao da visinha nacao. Agora pareee oeb-
near-se mais pronunciadameole 0 proposito por
parte do governo hespanhol, da oma rsstnora..-
iaui bonirji,
0 general Pavia, cujas opewcSw, no Norlt.
iam a! :ancaodo tao vantajosos resultados contra
os carlisUs, e demlttido do eomaando em chef-,
porque nio e affecto a restaoracao, seguodo lad"
pareoe fazel-o ac editar. D'aqui provirio novisis
.na- complicacoes,
A Hespaona em pre?en:a d'um ioiinigo irre-
conciliavel e com raizes profoodas, teota a resuu
rajlo do am throno unpopular, e amassa la-
mean de novos perigos e de novas perturbajOes I
1 Ora, quanto mais a situacao lateraa d'aqoellr
paiz se coraplica, rr.ai: nos devemos convenser d'
qne menos penga a independencia de Purtogai.
Uns, porem, apootam-nos para a Iberia torn U.
LuU I. outros para a mesma Iberia, dominaUi
por ura priocipe aUenio ; outros para a restati
regad boarbooica ; o'tros, ainda, para 0 carlism
Oade e*tari a verdade.' exclaraava ha pouc
dias uma das folhas mais serias de Portugal, da-
correndo sobre este grave assuraplo.
Todavia, continoava a aliudida folha, a logic*
inflexivel nos diz que a Iberi* e impossivel 6>
qcaiquer modo qm se cauiidere.
8a a Allemanha nao convem ter nm inimir
teroivel nas costas de Portugal, em caso de nov
rompiraento com a Fraoca, e por isso loo import
a un ao de-te paiz com a Hespanna, sendo allia .-.
desta ; realisada a oniar, tera um ioimigo ma,-.
temivel qaal pode ser um povo conqaislado, que
sc se submettera ao jugo. occupando Ihe o urn
torio urn exercito nic inferior a com mil hom-n.--
E isloe possivel no caso de uma guerra ? N'io-
gaera 0 pode acreditar. >
n Depois acoaselhnndo c governo, dizia co. 1
sobraia razao, o mencionado jornal :
0 Pros ga o goveroo pen-ando na defeza do pau
no aperfeicoameato Ja organisacio do exercito e
na sua instraecao. para qua nao aeonleca con:
em 1702 eem 1807, que de repente Portugal -?
a;hoa desprovido de quasi to Jos os recursos mi!-
tares.
Se 0 porto d^ Lisbon estivera no estado de d--
Ie:a que deve seaapre ter, ni9 receberiamos a af-
froala de Charles c Cieotye, por um modo tao in-
leoomaa
Poderiaraos oeder, mas sem tamanho vilipen-
dio. Este facto foi be.o instructive e sem embarp
tanios governos e de lodes os parlidos qoe viera 0
depois, nunea aproveiuram a licao. So am h -
mem, 0 Sr. marqaez de 6a, tem sido tenaz na pro-
paganda da defeza do paiz.
Conclue dizendo e bem qua e uma iajuslica
accu-ar 0 actual gabinete de IraiJor, por incuru
ou maldade, quando 6s outres que o precederam
ne ra se quer foram estimulados para cuidar da
6efe:va do paiz pela affronta de Charles e Geoij
i' Ora, creio ter-Ihes dado uau idea do osiad
das discussoes publicas neste i ultimos dias, nL
devem tambem omittir q.ue a Gaulat de Spent?,
orgio conhecido do governo de Berlin, franc-
ments dizia ba poacos dias, qae < passou q tem-
po em que os pequeacs esktit; podium ptetendy
sega.i pMtki indaf-ndeuie. Esta asscrcio na
is das mais Iliongeiras. -
a Dizia uma folha da cppc-jialo ( 0 Diario r^o-
putev ) no dia 2 desta me:.
Gorta que S. M. c Sr. L Luiz ecrevea ami
jar'.a ao doque de La Torre, presidente do pod- r
etecfllivo de Hespanha, pedindvlhe infom.ac" -
^aerca dos baatos de jOianca hes panico -allemi, .
e das contingeniias a que tal liga;io podia A.-.i
origem oa Peninsula.
< Pareee ter Serrano respendido a sua ntpges-
lade que nao havia ra:Io para suspeitar das iiga-
?~-:s da AlleraanM e da fJ>spanna.
c Estimariara^s qae a resposta de Serrano ccr-
.espondesse a raalidade des factos.
Algous jora^-'s r-as;iaccs de caracter semi-
oU'f;a-Iten> feito decl::r^c-e-J em qaenegam 0*
projectos atuipuldos ao gpvarco allamao, sobre a
sua iagerancia nps negocic da Peninsnla, 0 da .
In^tteacia qn^ poiia ter nc- tutaros desflnos rl-
Poriaeaj. ....
No dia 3 recebeu ot?irflo nm telegrara-
taa do MacA^conflmtan-lo c qua a agenda Ba-
vas nos trans:aitrlo accrec do espantoso tnfi..
qa Iz naqaefl.-. colonia ir.mensos astrago*,
j algumas mil vi:timas #m liougkong.
Era Micia iceresc.ea acs destrcnos caa*a
pdo tafio, os de "arc incendi: qae scbrevsio e
consnaimio oarte da cidade.
i escuna fi? gu*rrc PHpe D. Cartot M
MUTIMDO "l
ILEGfVE
-\






Ditift. dtbMterttat ^ 3*ftiui 24 d*Ootoiiro W^liWX
e s7i
effectaou-se, wnforme 1780. 1353, 1791, 3417, 1718,1491,, .
ioio, fine, sob oeosa- 2373, 668, 2106,11B9, 1233, 2WS.
, -A 4.- .. .----- 1600, 121, 1116, i; 48, 734,-1^63,
1961 e 793
1 **? xmaMkmkmtaiiati *jb itw t9*RMlt)41slll.
"*> **H'**irtih togo qne teve eenhe-
cinant* sjMtaswejfc*, 4Nlfcia?, mandou **
pslo Migraphcatorisaado tods* as ptoiJ*tM
**fi nfecmniiis aana-reparar esterastra'ros^ !8*0
nnediar aqMNes -ml*.
' O tin: ro fbi em 31 do setembro.
' aT 'IMP M do correate quo deve prtip para
Macao o novo governadur gera!, o consemeir>
J*e- Maria Letx> *e Anla.
< No dla 9ft do passado
ella** mai'eado, o exercioio.
maale do general visoati* de Sigre?, as iropas
da primeirj. divisao militar deviam exeoutar, si-
nmfaTido a defera de Lisboa, hypotheticamente
atacada peio lade d* Latiiar. "
t 0 exercicio e manonras correram de modo
a satlsfazer a espeetativ* das mais entendidos.
Tado foi execatado com rapider e perfeigao,
e o fogo muito bem susientado. A artilheria da
c.-.mpstfha e moDtanha march? n com extraordina-
ria ligeireza., eoservfgo das boccas de fego foi
perfeito. Assistio el-rei, cnjo pavilhao estava col-
Iodide nas ilturas do Lomiar. Aos offleiaea ge-
neraes (terrninado o exercicio) foi servido um
tune h DO p:.vilhio real, e outro pelo minisiro da
guerra o Si\ Fontes, qua assist! o as manobra>.
Era immensa a concurrencia de povo. Todos 03
pontos d'oncle so disfructavam o siuiulacro estiva-
ratn oeeuoalos pelos espenadores, qoe, desejoaos
de segoir o aadamento das operates, acompanha-
vim muitas vezes a march* das tropas. 0 campo
apresentava em gera! am aspecto lindissimo.
Pareee qae e Tai orgaBisar, qaanto antes, mais
um fegimento de artilheria (o 40) e fazer ama re-
moota em g;ral para a nona eavallaria. Encora-
mendaram sa para a Prussia mais baterias Km pp.
t A campanula das agaas noraeou para seus ar
bitros qae farao parte do tribunal arbitral qae do-
ve julgar a questao pendenta entre aquella com-
panhia e o governo os Srs. cooselheiro Moraes de
Carvalho e sitoonde de Chanceileiros. Por parte
do governo sao os Srs. cooselheiro Ferreira Lima
o Novaes (ju zes de segnnda instaucia). Para des-
#o dla 17 foi ei^ih'*fe3r*W)l0*'fl:p1V
Ocli-iaa da Santa Caw de Mfsjrieordia,Tendo- est*
s Ifstatlos premios:
2UI
! I -art I
an ft* a tai,
1630,1871 e Hb%
J-1524, 13 4, 909, 1003, 26*1 e 1493
1877, 272G, 333, ISOlaloa, 2637,
2807, 1896,6 e24 74
empate o Sr. Sa Vargas (conselneiro). 0 Sr. Mar
tens Ferrao, procurador gera I da coroa e fazenda,
e quem res(ionde oo processo por parte do go-
verno.
sO govemador civil de Braga, visconde de Mar-
garide, pedic sua demissio por causa de nma por-
(aria muito aspera por causa do.recrutamento. Mas
o governo cue nao o quer por inimigo politico,
dea-lhe a cirta de conselbo e inandoa o louvar
n'cutra poru.na pelo feito em proi da instruccao e
da beneliceacia publica, fazeai-j reverter para
aquellas instHaicfles ama parte dos rendfmentos
das insti'uio'tes e credito.
a 0 govemador civil de Braga Jesistio de S9 de-
mitlir e Ozenm se as pares.
a Era noviimbro vai haver em Lisboa uma ex-
posicao niaguilica de plantas ornamentaes. objec
tos de phantiisia completamente novos e de apri-
uiorado gosto, cebolas de (lures, sementes, etc,
.-'.'% por um dos nossos mais deJicados amadores
de floricultura.
Diz-se que no coni?resso dos orientalistas que
tji este anno colebrado em Paris, se indigi'.ou Lis-
bea.p-ara nesta cidaJe ser celebrada a sessao do
congresso em 1873.
AssegDrst-sa que o deficit do nosso or^amento
gae se esta eiaborando para ser presente as cortes,
andara apen.is por 900 centos, sera haver dedac
cm nas venciioeotos dos servidores do Estado.
'< Sobre. a emigrayao para o Brasil e curioso o
quo se lia no Diario de Noticiat de quarta-feira
u!tiroa:
ct De todas as provin:ias do norte continua a
il:rigir-se pa-a a America a torrente da emigra-
; i. Velhos, rapazes, mulheres, todos abandonam
.; sass aldei.is, os seas campo?, os seus lares, os
^tiosqueos viram nascer, e va?, attrahidos pela
tascinafa> invencivel de fortunas problematicas,
.. correr aventuras nas terras extranhas, aonde tan-
t,\s ver.es encontram vilipendios e despresos, fomes
- doen?as, o abandono e a morte I Ma*, nao obs-
tante o conhucimento destas fuaostas eventaali
iades, a torrente precipita se per diveraissimos ca-
oaes no oceano, e la vai, pelos condnctos navaes,
ncher as terras da America, e ca deixa os cam
pos despovoados, a agricultura privada de brarjos,
^s indus'.rias sera exploradorc, o exercito sera sol-
dados. Quasi todos os dias sahem dos nossos por
!03 navios carregados de emigrantes. Aiada hon-
i^m embarcarara em Lisboa algamas dezenas di-1-
^e3, aiada anto-hontem sa'iiram outros tamos do
f'^rto; e de Aveiro, e de Viien, e de Colmbra, e de
Braga, e de Vianna e dos Azores, de todos os dh-
irictos, eraflm, soa am clamor uoisono de lastima
otra este facto empobrecedor das Jforcas vivas do
i iiz e aniquilador da sua prosperidade. N'um
distneto iojpirtante, Braga, averigou-se.agora que
todos os man:ebos recenseaios d'e um dos ulti-
mo? cootingeates do exercito haviam emigrado
para o Brasil I ilomearanse coramissoes, fize
nm-se iu:uerit03, sascitaram-so alvitres, lerabra-
ram-se provid* ncias para sokber o passo a essa
d'serrjao crescen'e, e, ou porqao nada se fizesse
i porqne o que se fez deu resulfados negativo-1,
facto prosegae, cresce, desenvolve-se, e uma fe-
bre, am delino, uma monomania, ama doenca so-
cial crudelissima, que reclaraa, que necessita uma
theraneutica seria, meditada, sensata, mas impre
terivel. E' um problema a rosolver, e problema
uifflcilira mas carece de solngao.
t Nao alongarei commentarios para nao cansar
Oi li.'itores com a diffusao. Mas o que entendo e
[ie se Portugal puzesse Unto erapenho em desviar
i corrente da eraigratao, e em impedi-la indirec-
men:e como o Brasil se empenlia por attrahi la,
resolvida estaria a questao ha muito.
i Mas entre nos abandonam os discursos, os re-
laterios, 03 alvitres, 03 arii^os dos jornaes, em
simrra as palavras.
Entretanto um ter^o do nosso territorio no
c.ntinente persiste inculto E no Alemtejo, per
40*000
20*000
ait
V*%ellos, H Oli^in, Mtois Jort-iW S.- Diligencfe civef. c
Kleu caixoif* sci-fMaAa,! A(oio Jtt**e- <; Ao Sr. ^mDarrW procufadtr da coroa
ennqu9a,Fa^Kiw>dV, AKaioiI.de enrader fferal-
a e 2 escravss. i iraga/.......J# -j AfpaUawe 6 jnizo, apptllado Antonio, por sen
REVESrADIABIA.
Hals donnlIv< >. Damos em segaida mais
de aliena-
triumphante qae se poism estabelecer colonias
v.denies e ferliLssimas. A liglo experimental :;hi
tipatente. Mas que se tern feito depois disso
ira arrotear as vastissimas charnecas do Alemte-
jo, onJe se espera que as arvores qae dio cortijs,
n:s(;ara espontaneamente ?...
Palavreado e mais palavreaio, e a emigracao
a crescerjl I I
Apresentoa-se, ha 3 dia=, no tribua.it da Boa
lira (em Lisboa), o cidadao argentino, Joaquirn
-dos Santo3, um dos implicados ao oelebre processo
ii revolta. Foi recolbido a cadeia de Limoeiro.
-Vituralmente soguir* a s>rt^ dos mais que se tera
ir.resenlado, qu9 6 ser absolvido.
Deve ura destes dias regressar de Berne, on
Je reprewntou Portugal no congresso postal, o
Sr. Eiaardo Lessa, director geral dos correios.
tO congresso resolveu que S3 estabelecesse
una reparticio iaternaciona'l, que fosse o centro
J:3 trabalhos internacionaes, e qae hoaves^e eon
;;-3sso de 3 em 3 annos, derenio o primeiro ren-
n:r-se em Paris, era 1877.
Pareee qae vai sercompletado imraediatamen-
te os qoadros do eavallaria e se firmara em pou-
ca semanas o 4. regimento de artilheria (de
:. m pan ha).
a A Royal Mail (de Southamjton^ fez acqaisi-
cao de ara novo pa jaete de 230 toneladas e de
r.paoidade para grande na.nero de passageiros.
f)eve sahir de Lisboa a 29 do corrente mez.
t(Em Macao foi ajjraciado pelo vice rei dos
ins Konangs, ob a con9rmai;5o do governo im-
-iat o viscood4 deS. Janaano (govemador g-
rd) eom ama tnedalha de honra, syrabolo de ama
J.MincjSoexlraordinana com maitos poucos pre-
c:lentes naChina,e sem nenham ontro era Macio.
i Falleeen no flia 3, ti ensa de sauie do me^i
C; Fe"Jeira. na cidade do Porto, o Sr. Antonto de
.v.meida Camper, consul gcrat de Portnga! no Rio
iil\ Viera a Porraga! o Sr. Almeida.Cam-
poa, attm de tratar'da terrivef enfermidade ffue o
fT.-nava, e contra a qua! forarn baldaios os esfor-
r:s da snencla. Era um cavaraeiro maRo sym-
pathico e estimado, e por isso saa morte sera vi-
varaente sentida.
a Dove ehegar de Franca no dia 9peh) vapor
Senegal, monseuhor'Sangaini, nuncio de sua san-
'.'dafle nes.ta corte. Sera recebido com as honras
1- estylo. Oconde mais molerno-, que e o di
Janqrretra, ira rcebe-fa ao arseaalde marmha. i
\oticias da Bahta.
I'alos vipores inglez Galileo e portnguez Aim,-
' Garret recetemoa jornaes da Bahia ate 20 do
'rente, dos quaes colueinos o que segue :
T A,oordo (> Galileo chef aram os conselheiros
> "ao de Cotegipe e Luis Autonfo Pereira Franco.
,. ~ k corveta Vital de Qliueira, em viagen do
'..-> de /aneiro-para o f ara, arribara ao porto da
vprtal da Bahia, seguindo no dia 20 ao seu des-
"ZO.
"S 'ili^bado 17, por occasiao do beaefiofo di
^z Manoela Lncci, foi atforriad* uma escrava
%ij*B6orrendo para rsso ura gfopo de seus
Achava-se basunte elevada a somma da
suaritoao pronovida para a fandacfo de am bos
picto de alienai.os.
obolos para as obias do novo hospieio
dos:
a Itim. e Exm. Sr. Dr. Lncena.Junto achara
V. Exc. 200*000 qae offereco para o hospieio de
alienados, nao e o qae eu desejava dar, mas 6
quauto posso fazer. Fara o servico pnblico serapre
me achara V. Exc. ditposto para cumprir suas or
dens, e para o panic ilar de \'.. Exc. poatio a sua
dispoji^ao o pcuco (ue posso valer, com tanta
franqueza e lao sem eremenia, qaanto 6 a estima
e o reapeito com qae souDe V. ExcParenle
amigo e muito obriga do. Dlogo Soares de Albu-
quergue. Engenho Poco, 19 de outubro de
1874.
a (iibinete da pres dencia de Pernambuco, em
23 de outubro de 18; i.lllm. Sr. major Diogo
Soares de Albuquen ue. Aceuso recebidos os
900*000 que V. S. te1 e a bondade de envisr-me
em carta de 19 do co rente, para as obras do hos-
pieio de alienados. i Kradeeendo semeihante coo-
curso para amelle e tabelecimento, destinado a
sanar uma das'nossu mais paipitantes necessida-
des publica?, nao po so deixar de fazer meocao
honrosa do humanitirio e patriotico intuito que
teve V. S. em tao nob e espomaneidade.
(Jaeira aceitar o? p otestos de estima e conside
racao com que sou -De V. S Parente e amigo
affectupso obrigado.- -llenrique Pereira de Lu-
cena.
Jury do Bcci'e.Comparecentes hontem,
40 Srs. JU'ies de fectc, foi sorleado o conselho de
3entenga.
Nao tendo, porem, < omparecido as testemunhas
do processo de Joao I 'eliciano Ferreira, que era o
reo a enirar em julgameuto, foi este, a requeri-
mebto do Dr. promoter publico, adiado para a
proxima quinta-feira e levantada a sessao.
Hoje sera presidido este tribunal pelo Sr. Dr.
Quintino Jose de Miraada, vistoo Sr. desembarga
dor presidento do me mo, estar impedido no pro-
cesso do reo que tem de ser julgado.
Eclipse.Araaaia deve realisar se um eclip-
se total da lua, visivel para Pernambuco. Comeca-
ra as i boras e 23 mi mtos, e terminara as 3 hot as
e 14 minutos da man li.
iuqmriioj. po liciaes. Seguirara a seus
deslinos 03 effectuadoi: pelo Dr. dulegado da ca-
pital contra o ex-sold tdo do corpo de policia Joao
Correia da Rocba, pel js ferimeatos feilos aa pes-
soa do padre Francis :o Pio Pereira Campos; e pe-
lo subdelegado dj> i districto de S. Jose, contra
Manuel Tiburc'c dos Prazeres e lose Felippe, por
crime de ferimentos.
PUeiiix drainutiea.-IIavera hoje espec-
tacu'o aeste theatro, em beneflcio das obras da
f igreja do Senhor Bore Je-us dos Martyrios.
3Iatadoui*o piiblico.-Hoje,' pelas 3 bo-
ras da tarde, sera lan;aSa com as formalidades do
estylo, no sitio do Pcuiobo, a primeira peJra da
construccao do edifici) destinado ao matadouro pu-
blico. 1'ma lu.ra ant!?, as4, largara da estacao
da rua da Aurora, u:i i trem especial da linha fer-
rea do Recife a Olini e Beberibe, no qual irao o
o Exm. Sr. commend; dor ppetidente da provincia,
e mais pessoas convid idas para assistirem a seme-
lbante fe-;.i.
Cominunicarara-no a ulttma hora, que o uni-
co emprezario dessa >bra 6 o^r. Evaristo de Sa.
Applaudimos de veras a inaiigura;ao deste im-
portante melhoramen o.
>iva Inliio.- Da boje esta soeiedade uma
reuniao familiar, em sua seds a rna do Barao da
Victoria.
Illustracao liespanhola o amerl-
raua. -Receberaos os as. 33 e 34 deste jornal
madrileno; de 8 e 13 le setembro. Trazem esses
numero3 as gravuras o Jtetrato do Serrano Be-
d ya. ministro da gue *ra bespaubol; allegoiia da
corrida de touros em 4 de setcmbre; a torre de
Bilbao, a velha; exteiior do thealro da Perola em
Porto Rico; costumes dos negros de Cuba ; as no-
vas canhoneiras he.-p: nholas ; o aquario de Brigh-
ton ; offklaes inJigonas de mar e terra no Japo ;
torre das damas em G ranada ; antigo palacio em
Salamanca; etc. Os irtigos sao variados e apre-
ciavtis.
Continda a assigLar se na livraria de Silva Car-
du0 & Pessoa, r,ia d Barao da Victoria n. 39.
Visita iai2>cri; l. 0 perioiico ingiez jue
se publiea na corte seb o titulo 'the south ame
ricm mail, no seu nt mero do 7 do corrente, da
a .-egainte noticia;
No dia 2 do corn nte as. 9 112 horas da ma
nha, S. M. Imperial a narios, dirigio se ao rsenal de marioha e d'ahi
embarcando se na su; galeota, foi visitor o novo
e maguiUco vapor Li urta, da c:mpanhia do Pa-
cifico, quo se acha fu lde^Jo perto da ilha Mocan
j/ne-pequeno.
a S. M. foi recubido a bordo pelo coramandante
e pelo ageote da com lanliia neste porto, o Sr. E.
P. Wilson Junior.
Acompanhado de ites senhores, S. M. percor-
rea to Jo o vapor, ma
tado que nelle vio, b
lo augmento Ji comd
possue mais esta irapc
a 0 Ltgnria e, sen
Western o maior navi a
lifestoa grande interesse por
m como a sua satisfacSo pe
anhia, reanindo aos que ja
rtante vapor.
duvida, depois do Great
conheeido.
E' esta a sua prijneira viagem para as costas
du Pacifioo, e pela excursao ate a mi feita provou,
apezarda sua capacidade enorme para carga, que
sao excelleates a su; construccao e qualidades
maritimas.
o Mode 433 ges de compriraenlo, 43 de largura
e tem aceoramoJacoe< para 132 passageiros de 1'
classe e 48 de 2*, e 1, WO de proa.
a A sua lotacao pai a carga 6 de cerca da 4,300
tonelad is, alem de 901 mais para o deposito do
carvao necessario.
S. M. tendo-se d smorado a bordo mais de 1
hora, retirou-se acom lanhado do Sr. Wilson Ju-
nior, para a galeota e seguio para a ilha Mocan-
Of-veqneno, propried id a dos Srs. E. P. Wilson &
C, onde examinou a c oca (commercial dry-lock) e
v.o o vapor Lidador, que alii esta a limpar-se,
perteacenta a linha traosatlantica do Brasil.
a Este vapor e o Li turia, durante a visita im-
perial, tiveram suas landeiras sempre desfralda
daj.
A deraora de S. V. na ilha foi de meia hora,
iepois da qual voltou para a cidaie, deserabar-
caodo no arsenal de a ariaha.
Hepablica da i Peru. Ura desagradavel
incidente aeontecido as costas do Japao a um
n a vio do Peru, tinha posto o governo de Lima na
neces.-idaJe de enviar ima missao a este pais para
reclamar uma legitirai reparacao.
0 governo do Japao accedeu ao pedido do Perti,
e travaram-se relacoef amigaveis entre os dous
paizes ; as questoes de direito lnherentes ao accn-
tecimento forarn submettidas a decisao de nm ar-
bitro. e assigooa-se an i tratado deamisade.
i 0 ar bitro designad) foi o czar da Russia, que
aceitou esta prova de joofianca das duas poten-
cias.
A missao peruvlana no Orlente esta actnalmea-
te em Pekin, entaboroi i eom o governo chinez re-
ladies s.t'sfatorias qu( lhe permittem esperar que
a emigracao da China para o Peril se estabelece-
ra em bases de liberdade e dejustica que ja eram
requoridas eom urgeu ia pela opiriiao no interior
e no exterior.
Casa d deten efio.Movimento da ca9a
i'- deleneiio do dia 22 ae outubro de 1874 :
Exfetfam 327, enlr intrn 6, sahiram 3, falleceu
1, exi3tem 329.
A saber : naelooaes 233, ftra'heres 9, esrran-
gefros 27, escravos 39, escrav* |^Totol 32fl.
Alimentados a custa> dos coues pubiicoj 270.
A saber Saos 238 3 entermos 12. Total 270.
Movimento da enfer naria do dia 22 de outubro
de* 1874 :
Fallecea :
Joio Soares Pinto.
aPaiSJagelroa.-lVindbs do3 portos da Euro
p* no vapor francez V lie de Rio de Janeiro :
Eluar'd Galant e sua familia, Gustavo Heive
lid e sua familia, J. P. Bastos, S. A. dos Santos, S.
A.1 Ferreira.
Vindos dss pori do sul ao vapor -perWgaez
AbntMa Garret:.
Aatoaio Joaouim If trtias, tei> M. Craz Gukoa-
ries, Autonio B. da R >cha e Domingos. f erelra de
Cemiterio publica*Obituario do dia 21
do>rfente :
DelSna Maria da AssamjEio, branca, Rio-Gran-
de do Norte, 24 annos, ca*ada> Roa-Vista, tuber-,
etlos pulmonares.
Manoel Vicente Ferreira, pafdfl, Parnamfcu:o,
31 mbos, casado, Boa Vista, hospital Pedro If; la
berculos pulraonares.
Antonio Manoel da Silva, branca. Peraambuco.
4 aanes, Boa-Vista ; hpspital Pedro II; variolas.
Manod Rodolpao Borges L'choa, branco, Per-
naojbiico, 30 annos,. sasado, BoaiVuU; mie-
lite.
Qtndida, parda, Pernaraba:o, 3 annos, Boa-Vis-
ta ; variolas coulluentes.
Bemvinda Candida dos Santos, parda, ignora-se
13 annos solteira, Boa Vista ; (ebre perniciosa.
Cuilherme Raulinson, branca Inglaterra, 39 ao -
nas, casado, Boa-Vista ; coagastao cerebral.
Manoel, preto, Pernambuco, 2 annos Recife, tu-
bercalos mesenterieos, u,
- 22 -
Generino, pardo, Pernambuco, 1 anno. Boar Vis
ta ; bexigas.
Claudina Maria da Gonceigao, parda, Pernatu-
buco, 18 annos, casada, S. Jose ; variolas.
Joao Baplisu Gomes, pardo, Peraambuco, 48
annos, viuvo, Santo Antonio; gastro entente a
gndo.
Germano, pardo, Pernambuco, 14 metes, Boa-
Vista ; denticio.
Itelvina, branca, Pernambuco, 2 dias, Boa-Vis-
ta ; tetano dos recent naseitfos-
Annunciada, branca, Pernambuco, 4 annos. Gra-
ta ; febre intermitente.
' de sous senliraentos Se ad^esio a opiniao. que
sido sostemada a favor da eleicao por gra^s, c
1RROMi'A JUUIflARIi.
IIlISIl \ 1L DA. HKLKtO
SESSAO EM 23 BE OUTUBRO IE 1874.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. COKSELHEIRO
CAETASO SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Coelho.
A's 10 horas da manna, presentes os Srs. des-
emhargadores Silva Guiraaraes, Lourenfo Santia-
go, Reis e Silva, Almeida Albuquerque, Motta,
procurador la coroa, Accioli, Damiogaes Silva,
e Souza Lea j, abriose a sessao.
Em seguida o Dr. secretario procedea ao sorteio
dos adjuntos para os aggravos de pelieaj :
N. 76.-Aggravaotes Monteiro 4 Cruz, aggra-
vado o jaizo do commercio. Forarn sortoados os
Srs. desembargadores Reis e Silva e Accioli.
N. 77.Aggravante Miguel Peres Branco, ag
gravada D. Emilia Josephiua Ferreira de Mira Fo-
rarn sorleados os Srs. desembargadores Almeida
Albuquerque e Souza Leao.
Aggravos de instrument.
Da Area. Aggravante Pio de Vasconoellas
Mello, aggravados Braga Gomes & C. Sorteados
os Srs. desembargadores Accioli e Souza Leao.
JULGAMBNT03.
Raoureos crime.
De Murici.Recprrente o juizo, raorrido Can-
dido Vellozo de Mdeiros. Relator o Sr. dessera-
bargador Silva Guiraaraes. Sorteados os Srs.
desembargadores Almeida Albuquerque e Reis e
Silva.Iraprocedente.
Da Victoria.Reoorrente o juizo, racorndo Fe-
lippe Manoel Jorge da Silva- Relator o Sr. desem-
bargador Loucenco Santiago. Sorteados os Srs
desembargadores Doraingues Silva e Souza Leao.
-Improcedente. ^ ,
De Bananeiras-.Recorrente o jnizo, recorrido
Antonio Co-mo de Oliveira. Relator o Sr. desem
bargador Reis e- Silva. Sorteados os Srs. desem
bargadores Lourenco Sintiaro e Almeida Alba
querque. Improcedonte.
Do Recife.-Recorrente o juizo, rocorrido Ma-
noel da Silva Almeida. Relstor o Sr. dessmbar-
gador Doraiagues Silva. Sorteados. os Srs. des-
embargadores Souza Leao e Silva Guimaraos.
Iraprocedente.
De Bananeiras.Recorrente o juizo, recorrido
Claudino Meirelles Ribeiro. Relator o Sr. dese'ra-
bargador Souza Laao. Sorteados os Srs. desem-
bargadores Silva Guiraaraes e Accioli. Irapro-
codente..
Appellacoes comraereiaes.
t De Penedo. Anpellante Joso Francisco Pinheiro
Cas6, appellados Anti>nioU imas dos Santis &
Contirmada a sentenca menos na parte que trata
de juro.
Do R-.cife.Appellantes Machado & BranJi<,
appellados Francisco Aatoaio de Albuqaerqua
Mello. -Desprczaram osembargos.
Do Recife.Appollaotes os curadores oscaes da
massa da Antonio Jose Gomes, appellada a com
panhia imperial Fire Assurnce. Conflrmada a
sentenga.
Bo Recife.Appellantes Alamjon Howie & C,
appellada a massa f.iliida de Manoel Jose Monteiro
Torres.Receberam os embargo?.
Do Recife. Appellantes Tasso Irraao, appellado
Joaquim Severiano Nogueira." Desprczaram os
embargo?.
Do Recife.Appellante Balthazar Piato do Gou
veia, appellado Joaquim JosS de Aievelo. Coa-
tirraada a sentenca.
Appellacoes civeis.
De PalraaresAppellante o juizo, appellado Joa-
quim "lolombioo, escravo. Conflrmada a sentenca
Do Recife.Appellante Lniz de Paula Lopes,
appellado Jose da Costa Dourado.Confirmada a
sentenca.
Do Recife.Appellante Gregorio Taumaturgo
de Sa Leitao,appellad) Jose Maria Farreira da Ca-
nha.-Confirmada a sentenca.
Do Recife.-Appellante Jose Dias Gaimaracs,
appellado bacharel Joio Ferr-irado Almeida Gai-
marSes. Desprezados os embargos.
Do Recife. Appellant Salvador de Si ;ueira
Cavalcante,appellado Joaquim S. Pessoa de Si-
queira Cavalcante.Desprezados os embargos.
Do Resife.Appellante Dr. Antero M. Meleiros
Furtado, appellados Pereira Carneiro & C. Des-
prezados os embargos.
Do Recife.Appellante o juizo, appellado Joa-
quim, por seu caradorMaudaram descer os aa-
tos para o juizo julgar os embargos da parte.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Silva Guiraaraes ao Sr.
dosembargador Reis a Silva :
Appellagoes crimes.
Do Limoeiro. Appellante o juizo, appellado
Joio Francisco de Araujo.
De Ouricury. Appellante Firmino Apolinario
da Silva Ramos, appellada a justica.
De Bananeira3. Appellante o juizo, appellado
Irineo Pereira de Mello.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao, Sr.
desembargador Reis e Suva :
Appellacao civel.
Do Liimeiro. Appellante o juizo, ex-olDeio, ap-
pellado Clements, escravo de Manoel Joaquim da
Silva Cruvelo.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. des-
embargador Almeida Albuquerque :
Appellacao crime.
Do Recite.Appclli.to Sebastiao Manoel de Li-
ma, appellada a justica.
Appellcao civel.
Da Fazenda da Parahyba.Appellante Antonio
de Brito Lyra, appellada a fazenda.
Do Recife.Appellante Araaro Jose dos Praze-
res, appellado Manoel Marques da Silva.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Dommgues Silva:
Appellagao crime.
De Campiaa. Appellante o Juist apoellaoo
.\le;xo, escravo.
Do Sr. desembargador Domingaes Silva ao Sr.
desembargador Souza Leao :
Appellacao civel.
Do'Recife.Appellante Manoel de Azevedo An-
drade, appellado Mathias de Aaernto Vitntrouee- ft
outros.
Appellacao crime. i
Do Murici.Appellante Maoeel Joee das Msms,
appellada a justica.
Do St. desembargador Souza Le> to Sr. ttos-
entbargador Silva Gairaarafts :
Appellagao civeL
Appellante Agostinno Pereira lada Perpetua, por seu carador.
Aopeiiaeoes crimes.
Appellante Manoel do Espirito Saato e Silva,
appenadja a justica.
Appellante o juizo, appellado. Maooel Hercnlaao
da Silva.
As 8c. desembargador Lonrenoa Sutiafe :
Apasllatao civel.
AppeHante a fazenda, e cwtonel Joe* Piree
Campaa, appeladoa os herdeiros do coronel Gas-
par de Menezes Vascoacdlos Dramond. !
Diligencia crime. <
Ao Sr. desembargador preraetor da justica :
J)o Recife. Appellante o desembargador presi-
^ellanfebjaizo,
Assignoa-se dia para o jnlgamento dos segixra-
i AppellacSes civeis.
Do Recife. Appellantes Mithalff* Brandld'l
appellado Francisco Antonio <|e Albaquerqne
Appellante Gregorio Fructooso Si fceftlo,
^Pal'ado Jose Maria Ferreira *a Cunhaa'
, Da Parahyba.- Appellantes D. A'ntotria Gomes
dTWlreira e ontros, appellados o bacharel Dario
lUomes da Silveira e outros.
' Appellacao commercial.
Do Recife. Appellantes os enradores da masSa
de Antonio Jos6 Gomes, appellada a companhra
Imperial Fire Assuxapce.
Appelra;3a crimes.
De Palmares. Appellante o juizo, appellado
Joaquim Columbino, escravo.
, De Escada. Appellate o juizo, appellados
Joao Raymundo de Oliveira e outros.
DISTniBUICOKS.
Recursos crimes.
Ao Sr. desembargador Accioli :
De Itamb^.- Recorrente flanoel de Preitas
Barbosa, recorrido Pelro Ferreira Nobre.
n ^Tr des9Hibargador Domingnes Silva :
Do Recife. Recorrente o jdtzo, recorrido Jose
Bruno.
Encerrou se a sessao as 2 boras da tarde.
i dw. e mantida ate hoje pelaconstduicio'd'o i'ttjperfo.
Paco da caraara raunicipat, 14 de outnbro de 1874.
T f .1 MARA HLNICIPAL.
SESSAO EXTRAORD1NARIA EM 14 DE
OUTUBRO DS1874.
PBSSIDENCIA BO SR. REGO B ALBUQUERQUB.
Ao meio di, presentes os Srs. Tneodoro Silva,
Cesario de Mello, Gameiro, Rego Barros, Dr. Mos-
coso e Cunha Guiraaraes, abrio-se a sessao.
Lida e approvada a acta da anlacedente, lea se
o segainte
expedie.-htb :
Offlcios :
Do Exm. presidente da provincia, approvando a
arremalacao feita por Jose Lucio L us, dos reparos
de qae a ices ita a rua do Q tiabo, oa fregaezia de
Afogados, pela quantia de 3904, na conformidade
do oroaraento, que por copia acompanhou o offlcio
de 23 de setembro ultimo.Inteirada.
Do mesmo, exigiado que a caraara ioforme se o
preco dos alugueis dos predios, a que se refers era
i ilicio de 30 de setembro proximo passado, notados
na relaijio que acomoauhou ao referido oilicio, e
pelos tres ami os, ou se por cada anno, bem como
qual o valor das-arremaiacoea altendidas no ultimo
triennio. Ioforme-se.
Ura recurso de alguns vereadore3 desta camara,
interposto de sua decisao de que nao sejam pagos
os augmentos de ordenados de emprecrados desta
c-imara, votalos pela assemblea provincial em sua
ultima reuniao, com despacho do Exm. presidente
da provincia manlando a caraara iuformar com
urgencia. -Inforraese.
Do juiz substituto do juizo de direito da prove
dona de capallns deste terrao, com nunicando ter
entrado no exercicio de seu cargo no dia 12 do cor-
rente. Iuttirada.
Do advogado, dizendo, que com os termos da in-
traceio. que a seu ofHcio acompanha, nao pode re-
querer a deaiolicao, porque em ditos terraos falta
a iiitimaQio dos infractires, que ja pagarara as
maitas.A) li-c.il para legalisar ditos terraos na
forma das posturas e leis era vigor.
Do me exigidas acerca de um requeriraento de Paulino
Berenlano de Figueiredo, escrivao da subdelegacia
da S. Jo?e.A* comraissao de ncgocios judiciaas.
Do engenlieiro, participmjo que inlimou ao ar-
rematante das obras do mercado publico de S. Jise
para nao dar coraeco ao assentara-nto das divisoas
da ferro sera approvagao da camara, que nao eb3-
taule na quarta-feira ulUma priucipiou elle a mon-
tar as columnar e mais p gas para o acougao, di-
zendo quo os poucos mezes que lhe rastava para a
e in :ia-1. das obras, uao lhe permiltiam paralysar
o servico, o que so fana coin ordem por ejeripta
da camara. lateirada.
Do procurador, dizeudo que acha coiV3niente
vender-se a cera que arrecadou do cemiterio, cons-
tanto da rela<;Ao qaa junta, a que esta oin pavio a
razao de 13100 a Agra & C, que e quem maior
pre.;) offereje ; qaanto a que esta qaeimada, e
melhor gaardar, pi>is a camara podoprecisar Uella.
Venda na forma qae expde.
Do meimo, pediado esclareiiraentos a respeito
da qaantia, e qu >es as d.itas em que dava fazer o
saque dos juros do emprestimo coutrahido com o
Biaco do Brasil.A' comraissao de policia.
Do mesmo, reraetteado a relacao das raultas im-
SOstai pelos liscaes, a contar do de outubro a
0 da cet:uibro, exercicio de 1873 a 1874.Ao ar-
Chivo.
Do mesmo, dizendo qua exigio do ex-aferilor 03
livros de escripturacao da aferii^oes. e ellj lhe res-
poniau que d'esse livro se India servido para suas
e-eripturacoes p3riiaulares e por este molivo nao
os raostrava.A quem pedio.
Do mesmo, remutteado a relavao das multas ira
post..- pelos liscaes deste municipio, aeon ar io 1*
a 13 do corrente mez. -Ao archivo.
Do contador, inforraando uma petioao de Oiyra-
pio Seba/tiao de R.Hands Chacon.Ao atvogado.
Do laeal da freguezia de S. Frei Pedro G racal-
ves, reraeltendo a relagao das multas impostas por
aquella tiscalisa.ao, do dia 7 a 14 do corrente.
Albino Antonio da Rosa, em5>, eomo infractor
do art. 190, peso na concha.
Manoel J se Filgueira, era 5fi, como infractor do
art. 190, idem.
Serallra Borges le Oliveira, em 43, como infrac
tor do art 43, ca3a suja.
Andre Barbosa Soares,-era 5J, corao infractor
do art. 190, peso na coaeha.
Manoel Pacheco da Lima, era oi, idem idem.
Ao procurador.
Do mesmo, informando uma petigao de Jose
Duarte da Cruz.-Deferio-se a petigao.
Do fiscal da freguezia de Santo Antonio, partici
pando, que multou como infractor das disposiooas
da lei n. 1,129 da 20 da juuho de 1873 a Autonio
do Paiva Ferreira, Joaquim Alve3 da Costa, Fran-
cisco Felix Goncatves e D. Maria Neves, como
consta da relagao junta.Ao procurador.
Do fiscal interino da freguezia da Boa-Vista, par-
ticipando, que ja mandou tapar a latrina publica
sita a f ua Sete de Setembro, irnportando esse eer-
vfep na quantia de 9^900. lateirada.
Do raesrao, remettendo qualro relacoes no valor
de 5003, dos iudividuos multados do dia 7 a 13 do
corrente.
Antonio Jose Braga, em 303, como inenrso n s
arts. 75, 77 e 91.
Francisco da Costa, mestre pedreiro, era 303,
incurso nos mesmos artigos.
Figueiredo & Almeida, em 303, corao incursos
no artigo 192, por ter pesos falsificados.Ao pro-
curador.
Do fiscal inter bo da freguezia de S. Jos6, infor-
raando uma peticao de Antonio Joaquim Barbosa.
-Deferio-se a psticio.
Do fiscal da freguezia de S. Lourenco la Malta,
ramettendo o terroo de muita in&posta a Joio Cor-
raia dos Prateres.Ao procurador.
Pela comraissao de negocios judiciaes forarn
aapresentados os pareceres seguintes:
Qaanto ao requeriraento de Paustiao Jose da
Fonceca.Achando-se legaksado com as fermali-
dades da lei, soa de parecer que se pague aosao-
plicante. Pago da camara muaicip.il, em sessao de
il4 de outubro de 1874.CuaAa Gaimxraes.-Ap-
provado. >
Qaanto a peticao de Jose Targino Goaealves
fialbo.-Xao declaraudo a certidio junta se as
-eustas foram coatadas nn metide, seu de parecer
quftsvsupplicante junta certidio no sentido que
xponbo. -Paco da camara, em sessao de 14 de
outubro de iS74.-CAa Gmmariiee. Appro-
vado.
A respeito da peticao de Manoel Claudino Ro
muakta, de a a naesma oommi-sao o segainte pare-
er.^Saja ouvido o advogado e a contadoriav PacD
da camara, era sessao da 14 de ootabro de 1874. -
Chh* CumaraVs.Approvado. ;
Foram apresentado* os seguintes reauerunentos:
ftesjueiro que ogenhsiro da camara exaxni
e a easnboa da estfada- de Joio da Barros, e de-
clare Be 6 servidio publica, informando o que soa-
ber. Pago da camara municipal, 14 de outubro
de 874.Bellnrmino do Rego Bairos.
a Rsqueiro que esta lllma. camara organise ama'
poBtura uu regutamento aflm de que s6 possam sat
mestm de obraf as arustas que aprasantarom ba-
MibisNs dada pela soeiedade Lyceu a Artsg, de-
eua> ar matricaMoa, Paco da camara muutci-
sa|,am ee.-sao de 14 de utoi>ro ie l8?i.-ioa
da1 Cunha Soaret Guianra. i
a Rea,ueiro qae o engenheiro (aca o orcaaastQ
do resto dos reparos da aslxada do Qaiaba, que
ao foi comprahandido no ncioMlro orcamanto.
Pago da camara municipal, era ni de outubro de
'ados, a '""
^firija as camara?
uma manifostsgao
crea
Dr. Lobo MokosFoi, approvado oteqtrerj-
raento, votwdo contra o Sr- presidente da camara
por entender, que a camara e incompetente, e o Sr
Theodoro Stlva, porqae a carasra aftm da ser in-
corapetente, nao deve lotnar Intdajjva era negocios
desta ordem, e mesmo potqtie sta convencido,
gue o raelhor sysfeaa de eJsscio e d efelfio di-
fecla.
Sob propqsta do Sr. lfowdbro a|r foi aoneado
medico do matadouro 6 Dr. Jose Fiilix da Cunha
Menezes: volando eotra,'aB Sra,pr. Moscoso e
Gameiro.
Foram despacftadas as pehgees segaiotes: de
Adeiiao de Azrvedo Mello, Antonio Francisco de
Miranda, Antonio Joaquim Barbosa, Antouio Joao
Marques da Cruz Plmeatao, Albade Marco, Algon-
se & Carvalho, Antonio Mega, Antonio GasMo, An-
tonio de Moura Rolim, Barros Si C, Braz Nivelino,
Braga A L'tmsrotsBf oaataabia dosciiilnns arbanos
do Recife a Olioda, D. Carolina Maria do Reg-^
Mello, Eliai Baptista da Silva, Fraoxisca Maria da
Coaceifao, bacoaraJ Franuisco Ferreira Martins Ri-
beiro, D. Felicidada Perpetua Gomes da Silva,
Francisco TJuedes de Araujo, Guarino deSouxa
Peixo, Henrique Justino Pereira, Jo:e" Francisco de
Carvalho, Jose ferreira de Mello, Jose da Costa
RabeHo* JoaquiaiChineniino dos Santos Jeronymo
Salgado de Castro'Guiraaraes, Jos6 Bom da Silva,
Joao Baptista Pinbeim, Joao Arminio Alves de
Guarda, Jaciotbo da Hora I'ires, Jose Aagosto de
Araujo, Jose Duarto da Cfuz, Luiz Moreira Cesar
de Andrade, Laura Maria dos Passos Miranda, Ma
noel Tavares de Aauino, Manoel Jose de Mattos,
Miguel Gierra, Manoel Correia do Naseimento,
Marcelino Jose Lopes Ribeiro, Nicolao Moreno, Oli-
veira Braga &.C., abaixo assignados dos commer-
ciantes de carnes wedes, Piota Alves A (1, Ptilo
meno M>rcilio, Raphael do Lea, Ulysses de Vas-
concelios (2).
Nada mais havendo a tratar, o Sr. presidente
encerrou a sessao as 2 horas da tarde.
Eu, Francisco Aagosto da Costa, secretario, a
escrevi.
Manoel Jo:quim do Rego e Albuquerque, presi-
dente.Jose Ceturio de Mello.- Theoioro Much tdo
Freire Pereira da Silva. -JoSo da Cunha Soares
Gutmaraes. -Jeronymo de Souza Leao.Jose da
Silca Loyo Junior.Dr. Pedro de Alhayde Lobo
Moscoio.
FBTOPjgljB A FES1DS.
Quesulo Jadiciaria.
Era junho do anno passado o ehefe de policia da'
Parahyba requisitou ao desta provincia que man-
da?-e appreheider dons escravos de norae Marco-
lino o Maria, que haviam sido furtados a Prim >
Pacheco Borgese aqui vendidos ao barao de Mo-
renos e a Miguel Gongalves da Luz.
Foi apprehendida a escrava Maria e recolhida
a casa do deteneao; deixou, pcrem, de sel o
o escravo_ Marcolino, ;que havia sido vendi-
do ao barao de Morenos, por ter este apresen-
tado ao delegado de policia de Jaboatao o titulo
pelo qual o pessuia, declarando desde logo que se
pelos meios competentes, se provasse nao ser o es
cravo de quem Ih'o vendeu, estava prorapto a en-
tregal o a seu dono, se este nao quizasse de novo
Ih'o vender.
Veio a esta cidade ura procurador &> Primo Pa-
checo Borges e uao tendo conseguido por meio da
pulicia apprehender o escravo Marcolino, re juereu
ao Dr. juiz de direito da van o adraillisse a jus-
tilicar o seu dorainio sobra o referido escravo.
Preslada a juslillcagSo, para a qual nao foi cita-
do o barao de Moreuo3, requereu o advogado da
Primo que se mandasse apprehender o escravo
para ser depositado era poder dos ncgociantes
Baltar & Oliveira.
Cjnstaudo-raeque se havia expadido o mandado,
requeri, como advogado do barao de Morenos, que
se me ddsse vista dos autos para oppor embar-
gos.
SenJo concedida a vista pedida, apresentei em
bargos, que me pareciam altendiveis; entretanto
foram elles despresados por sentenca do theor se
guinte:
Requerida a justificacao a 11. 2 para com i Ua
i se provar a identidade de pessoa dos escravos
< apprehendidos pela policia a re|uisi(So do Dr.
chefa de policia da provincia da Parahyba e as-
sira deraonstrado e decidido com o despacho a fl.
t 11 v.; sao iraprocedentes sobre a materia -s
embargos a fl, 2ojque 09 nao recebo, devendo 0
t embarg tnte usar dos meios regulares e pague
as custas.Recife, 1 de tutubro de 1873.
Quintino Jose de Miranda.
Appellei para 0 superior tribunal da relagao,
desta sentenca, e foi ella ultimamente confirmada
pelo seguiute accordao:
t Accordao em relacao etc. Que vistos e rela-
< tados estes autos na forma da k-i, conlirmam a
a sentenga appellala de fl. 29 v. pelos seu< fun
a daraenlos, a vista da prova dos autos e das dis-
< posigoes de direito, e condemnam 0 appellante
a nas custas. Recife, 13 da oatabro de 1874.
a Santiago, presidente.Reis e Silva.Almeida
a Albuquerque.Accioli.
Nao desejando comraentar estes julgamontos.
limito rae a publicar osembargos que oppuz ao
accordao supra. Tenho necessidade de disculir
pela imprensa esta questao, que se attribue a ca-
pricho meu, como advogado. Estou certo de que
pela apiniao publica serei julgado de modo mu to
differente.
Eis os embargos:
Por embargos ao venerando accordao de fl. 56
v., diz como embarganle 0 barao Morenos contra
0 embargado Prirao Pacheco Borges, 0 seguinte :
E. S. C.
Provara e consta dos autos de ter sido confir-
mada pelo venerando accordao embargado a sen-
tenga de fl. 29 v.; mas
Provara que 0 raasmo accordao e carecedor de
reforma, porquanto
Provara que possuindo 0 ombargante 0 escra-
vo Marcolino, por um titulo legitirao, como 0 6, a
escriptura de fls. 21 e 22, nao pole ser Dullificada
a sua posse e 0 sea titulo pela expedigio de um
mandado para ser apprebendido o mesmo escra-
vo, e entregua a outro, que delle se diz dono.
Provara que tanto 0 embargado reconheceu a
irregularidade do meio de que se ser vio para ob
ter 0 escravo Marcolino, qua intentou, como con-
fessa, uma acgao ordinaria para 0 dito lira.
Provara que a justificacao de fl. e 0 mandado de
lls. 16 sao nullos a nenhura eueilo podera produ-
zir; e aioda
Provara que 0 embargante nao podia usar da
outros metos regulares, para oppor-se ao mandado
de fls. 16, que nao 0 de embargos ao mesmo man-
dado e a sentenga por forga da qual foi elle expe-
dido; enttetanto
Provara qua foram os seus embargos despre-
sados sob pretexto da dever elle usar dos meios re-
gulares. ,
Provara que irregular e contra direito e julgar
por esta forma, esbulhando 0 po=suidor do objeoto
que possue por justo titulo.
Provara que prevalecendo a sentenca de fl., pode
0 embargado requerer lhe seja entregua 0 manda-
do qae foi reeolhilo aos autos a requeriraento do
embargante para oppor os embargos de ll. 23, e
que d'aceordo com 0 julgado sa lhe deve mandar
entregar 0 mandado e por esse modo tao irregular
se tirara do poder do embargante am escravo que
coraprou e possue por forca do ama escriptura
publica, que segundo os praxistas inproa pn-
va4a
Provara qne no relatorio de fls. 35, d'aceordo
eom a petigao de ll. 2, se diz qae 0 escravo Mar-
colino fora apprebendido, como furtado, pelo dele-
gado de polioia de Jaboatao e dspositado pen Dr.
ehefe de policia em poder do embargante ; mas
Provara que 0 escravo na* foi appreuenitio e
aem tao poaco depositado pelo Dr. cnae de policia
m poder do embargante, document? junto, sob
n. 1
Provara que e irregular a impertinente a inter-
veugao das autoridades policiaas na casa de quo
se trata.
Provara que por effeilo dessa iudebita lntervou-
eao a escrava Maria que por uuu escriptura pu-
blica pertencia ao honrado commerciante desta
Braga, Miguel Gongalves da Lai, foi apprehendida,
e entregua par mandado da Dr. jniz de direito da
1.* yara ao embargado, qua immediatamente a
conquzio para a. provincia. aa Parahyba, e. as*
sim
provara que a embargado de antor qne devers
aer.paasarj^a reo se par acasa 4a.u.eUa oue leaal
-eble possma a e3crav4 Maria se reaol
da twabyna, Finajmenla
Provara e consta do docomento junto que es-
craWMarsjIino i*rtencla 4 D Eraneisca Rtraajia
de Vasconcellos, qaapalat)^ijwzvi-.la^-* "
deu ao erabarganto.
frqwMan npr tar sido.e|e Tan4*ojr Bfitrsa
ap embargado, se mandou proceuar a v;eoto Lea-
fity*? *Je*donc, pek) cr<;,nctUo n#> de-
creta de 154a wuiubro d I8J7, como. Uidaeposla
da sentenga, que qua se snconlra a I. daaai
mo docomento, que ora > junta. ,
Nostes terraos a nos tk,dioeiL
i'ade qua, os presente* embargo* sejant te*eai
dos eafinal jalgados provados para t oatae m-
fsrmar-se 0 veaeraudo accordao e'utbacnado, jnl-
gando-sq nulio 0 mandado da fls. e a tmmtt.n por
forca da qual foi ella rxpedido.
Recife, 17 de outubro de 1874.
0 advogado, in. Joaquim Citrrca iArmmft.
Srs. redactores. Exerca a impress* osna iois-
sao sublime sempre qne procurncarar dos latf-
resses publicos e particastre*, advsrtindo i t
fractarios de taas dsveras.
Mas, para que a imprei-a corrija a advicta, >
mister que nao se traosvie do camiaoo verdadars,
e milter que sc nao inspire em lalsas intarasa-
goes.
No Bra-.il, com offeito, os intaresses oublicos
sao pouco zalados ; porque *s podsras consSUai-
d s, inveslidos do poderio e forcas aecassarias, a*
veies abnsam e coosentem que as coasa* caca-
Bhrm erradament*.
Ningnem desconkece que nesta cidade tem h*-
vido descui lo 00 asseio a aforawMaasento, pans
que ella represenie 0 importanla p^el qne in*
tragoa a uatureza.
Mas, 0 que e incoatestavel e qoe ji c-UNia
em peior estado
Ja vimos todas S3 raas convertkJas em lag**,
qu e se tornavam intransittveis.
Nao ba muito que. a nure era seubura absolula
da- maior parte Ua cidade.
Gracas a vouiade do iiliutre pe itambacano
Francisco do R -go Uarrus, us ineltmramentos e
asseio principiaram a apparecer.
Depois dos primeiros eraprebendimenlos, mais
ou menos teem prcseguido os meiborainentos.
Diversas teem si lo as pessoas encarregalas.
por contraio, para 0 calgaueolo a factnra sa
caes ; e, entre eilas. -| ;-m mais se tem ancarrcga-
dodeste geutro-i; irabaibo lam sido o venersvcl
barao do Livrameiito.
Nos contrail- qua 0 di<:inc!o peraambucana
tem feito, nao con.-u que tenba faltado a nenbuou
das condicoes que aceiton.
Vi que 0 Encjuracudo, period.co que principion
agora a publicar-su ua lypograptaia da Provincia,
nas promessas, que faz de nada deixar no olvido,
ameaca 0 digno barao do Livramento com rela^o
ao cai>;am''uto da cidade, pelo seu mao estado
sua prosecueio.
E', certamente para la-ti.nar quo 0 calcamcnio
da cidade em alguns lugares se acne em pessimo
estado, e em outros nao e-t-ja ainda coacluiJo.
Mas, quem tera culpa 0 barao do Livrn*
raento Qual a saa responsabilidade pelo pessi-
ra 1 estado das mas e calgadas da cidade ''
Faca-se justipa, e creio que os illustres redacto-
res do Sncouracado, por nul informados, sem os
crahecimenlos precisos do qua se ba dado com
relagao ao contrato do calga nento da cidade, e qo*
escreverara as linbas qne publicaram contn o
pernarabusano Araujo, qua 6 ura dos qua lea
services muito relevantes.
Contatou elle ura carlo periraalro da cidado
para calgar ; calgou rauitas rnas, 0 calgament
nao 6 mal feito, foi recebido peio governo e seas
engenheiros, cessanio d'ahi por Jiante a resp a-
sabilidade do barao.
Devemio os cofres publicos (;o de c^lgament >|
cento e tantos cootos ao barao do Livramenl<>, a
nao bavendo mais antorisacSo para dla contiau ir
com o calgaraenlo, qua culpa tem, para ser ae-.'U-
sado !
E' injustica manifesU calpar-se a 'oarao do Li-
vramoiiio pela paral\sgio do cal.'araenlo i p-lo
mao estado das ruas !
Apenas n-ceba a vcrba q ie tera no tbesoaro ;
apen.is reeeba ordem para c nlruar no calca-
mento, ei 11 trabalhando com a me*ma aiHividad.
com 0 costuraado zalo e proraplidao que lhe sao
p culiares.
Assira, pois, creiam os dignos redactores do
Encouragado, que 0 barao do Lrvriroeulo a"i'
pole ser accusado pela nao c nt nua;So do ca gi
menlo, e menos pelos desarranjos dede em alguns
lugares.
Fico aqui esperando que 0 Enrjuracvlo, im';r
raado devidaraente, nao accuse innocentes.
Pogo-lbes a publicagao de:tas linha-. quo sa> 1
expressao genuina da verdade
Recife, 20 de outubro de 1874.
Jaffna,
"%. 31S-Bcllexa perpt-titat
Por ventura ha alguraa senhora que d.seje per-
petuar 0 brilno, cor eabundancia de suas Iran-
gas? Apergunta e inuiil. Tido 0 betlo >
acha se perfeitaraento unanime sobre ete pont -.
visto ser possivel. 0 cabello nasce de amis rsdi -
culas bulbosas secreladas era ceiulas d..ninata>
que se acham debaixo da epidemic oacaUi -
nor. Qaando estas cessara suas secreg'us, ou
as raizes do cabello nao teem ba tante vigor para
levantar as secregoes, as fibras morrera e ca-
heni.
0 remedio consists em estinular snaTein-'rate
03 vasos do craueo e restabelecer uraa accio vigo-
rosa nos ducl03 capiilares do <:abell. De 1
as preparagaes para os ca!ellos, 0 Ton.ro 0ra*>-
tal e 0 unico artigo qua 0 Cunseguira pro.npla a
infall.velmente.
mu
?.LFANUKi;*.
te.-.oiraento do dla 1 a 22. .
dtta do dia 23 .
364 521 131
12.32J111
57G.84ja. 79 J
Descarregam hoje 2i de outubro de 1874.'
Vapor inglez A lice mercadorias para alfan-
dega.
Barea ingleza- Hermionekerosene ja despacha-Jo
para 0 caes do Apollo.
Brigue hollandezJan si Ancoon -fa ri nha ja las-
pacbada para o caes do Apollo.
Palhabote americano Jok\ Rosekerosene para
0 trapicbe Cooceicai, para despachar.
Iliate nacional Dens te tiaie g-neros na:b-
naes para 0 armazera do A villa.
Vapor naeionatAlmeida Garrelt generos m-
cionaes para 0 irapiche Oimpanhia.
Vapor francez Ville de Rio de Janeiro m r-
cadorlas para alfandega a trapicbe < -n-
ceicao.
Imjsortaeilo.
Escuna ingleza Mai-j Lezzie, entrada de 1
Nova era 23 do corrente e consignada a Johns! in
Pater A C, manifestni:
Bacalbao 2,333 barricas aos consigaatarios.
Vapor francez VUU do Rio de Janeiro, entra 1
do Havre e Lisboa aa mesraa data a consignado a
Augusta Froderico d'Olivsira ot C, nn::
tou :
Carga da Lisboa.
Azeite 23 barris a Oiiveira, Filhos i C.
Batatas 30 l|2 caixas a ordem, 3j a Anioni > M.
Mouteiro.
Cebolas 30 caixas a Antonio M. Monteiro.
Espartilhos I eaixa a Manoel do S. Ma.a 4 C.
Fructas 13 lj2 caixas a Silva Guinaraes i C.
Figos 7 caixas a Duarte, Amiral A C.
-Pas.sas 10 fardos a Duarte, Amiral A I, 2 caiias
a Jaemtuo Pereira Curado.
Toacinho 30 barris a Jorge Tasso.
Vinho 14 pipas e 3) barris da quiato a Silva uii-
raarits A C.
Carga de Havre.
Araostras 1 volume a ordem. -^
Batatas 100 gigas a MagalnaesA trnu*, *
Joaquim Jos6 Leitao AC. ri
Camaas 2 caixas a Amsral,/bad J^,, lT:
cado 1 caixa a C. Leclarc, 8 a Lyra v*n^ I a
Farias & C, I a Jose Luiz Gooc_alve, FrmnA
C, 1 a Jotqaim Antonio da Ar.ujo &C, 5M^
nil FranclU Posas C. '^WTft
j la ChiS"sni & C, 1 a Domingos Manoel Mar-
H\KuWidit. 2Sabiaolos* JjAI-
roei'da. Chapeosde sol 1 aica a Virginia fclqae.
ditos e tecidos 3 caixat a A. C. de Vascon*llcj
Clicbes 1 caixa a Jose Pereira d* Carvalsa, 2 w-
darn. Cachimbos e papel I caixa a laaqlni i*>'
Ja Azevedo. Camnainha 23 caixas a Borsteloana
I a Conros 1 caixa a ordem, I a Parent* Vaa-
na & C, 2 a Goncalvas Irmao & C. diio e taa
i piixas a Monhard, Metller A C- Cylindro* 1 cai-
xa ao barao Livramento. CwAas 1 eaixa n
Aoaral, Nabuco 4 C. ____^^
Colcneies 1 calx* a Moreira nalbday C

~trjr~r
IBM




#


Jixao oe l-erawoimoM
24 ^<*rtflaWld*)lMiG
Eaoelao e calcado 3 c.iixas a Penna Innior fd\
Fame e papel 3 eaixat a Edoardo da CtU
Medelrcs, d-tot MeMos 5 eaixas a Lai;: A. Siqaei-
ra.
Joias falsas. flias e ovlros irtfgos 7 eaixas a
Vu Jaoior ft C.
Lteorcsi eafxas a Joe Francisco de Paula Ra-
mos. Liros 1 caixa a lose N. de Souza, 2 a Da
LaHUfBar & (1 Le one! f caixa a Jorge Tasso.
Modas I caixa a Teinwra Eli as & Irmao.
Mercadorias diversas I caixa a or em, i a Boar-
gard ft C, 1 a Jose A. da Hotta Goimaries, 1 a
David flacb, I a P. E Uiberto ft ., I a Paria Ir-
mao, i a Martins ft Can ha, 5 a Joio A. de Araojo
4C, I aSab.no Jose de AhmkU. laadieaaaeatos
3 eaixas a ordem. 4 a J F da COtta. 3 a Perrei>a
Maia & C, 13 a Francisco Ma'ioel da Silva ft C,
18 a Barttwiomea & C, 8 a Augnsto Caors, IS a
J. da S. Ramos, 3 a Manoel A Barbosa. Moveis 1
caixa a Amaral, Nabueo & Meias e Bus 8
eaixas a Vai A Leal. Ma^hinas 23 eaixas a Per-
oambaeo Barroca A C Man eiga 15 bar ris iatei
ros e 20 meios a Ferreira & Vello-o, 15 e 50 a
Lima ft Silva, 15 e 20 a Costa, Cunba ft C, IK e
30 a Manoel D. de Figneiredo, 30 e 65 a Fernando
ft lrmao, 40 e CO a ordem. 40 e 60 a Joaquim Jose
de Azevedo, 2 e 40 a J. R. de Faria, 40 e 60 a
Sunza Bastos A C. 66 e 55 a MagalhSes ft Irmio,
60 e 80 a B. Thonson & C, 25 e 25 a Antonio Fer-
reira de Carvalbo, 25 e 30 a Lebre ft Rpis, IS e
20 a Silva Guimartes & C. 60 e 60 a Joaquim
Jose Lsitao, 10 e 15 a J. J. Alves & C, 30 e 50 a P.
L Soares, 20 e 30 a Domingus J. Ferreira Crux,
100 e 140 a Harismend} ft Labi lie, 25 e 30 a Car-
doso A Martins, lOu e 200 a BelTrao & Filbo, 20 e
30 a Monteiro Jaoior ,& Fernandes, 15 e 15 a
Pinto M reira A C, 15 e l a Leao Roc ha & C,
100 e 150 a Johnston, Pater AC, 2 aos eensigna-
tarios.
Objectos de crystal 1 caixa a Silva Guimaraes.
Piano 1 caixa a Mendes Lobo & C. Papel 15
fardos a J. M. dos Santos Aranjo, 1 caixa a Jorge
lasso, 2 eaixas a ordem, 3 a J jaquim Jos* de Aze-
vedo, dito e moveis e outros arligo* 10 eaixas a B.
de Sena Poniual, dito pregos e mindexas 16 volu-
mes a J. T. Leite Bastos.
Perfumaria 1 caixa a Jose L. Goncalves Ferrei
ra & C, dita e papel 6 eaixas a Jose de Almeida
ft C Porcelana 1 caixa a Ferreira Monteiro &
C, 1 a Mendes Lobo & C.
Queijo 1 caixa a Hen' y Nuesehi. Qainqnilharia
2 eaixas a Joao da Rocba e Silva, 3 a Otto
Bobres.
Rotnlos e medicameatos 3 eaixas a Ferreira
Maia 4 a
Tecidos 15 eaixas a Monhard Metller A C, 20 a
Keller 4 C, 7 a Cramer Frey AC, 8 a J. Mon-
teito da Cruz, 2 a Carneiro ft Nogueira, 2 a F. V.
de 'anulice, 4 a Atcofirado Vieira & C, 2 a P.
Linden, 1 a ordem, 4 a Olinto Jardim ft C, I a Ron
bach Cann ft C, ditos, chapeos e caleados 6 eaixas
a Alfredo Gibson, ditos, chap-tos e grav eaixas a E. A. Bnrle A C.
Tinta 1 barril a De Lailhacar A C
Vidros 1 caixa a Ferreira Maia A C, ditos e
medicamentos 9 ciixas a F. Manoel da Silva A
C, ditos e porcelana 2 eaixas a ordem. Vinho 1
caixa a C F. G. Alcoforado.
aCelorieo de Basto.
Mangualde.
Poatedo Lima.
Povoa 4* Lanhosa.
Villa-Nova de Porttmao.
DIA 22 M
OESPACHOS DB EXPORTACAO NO
OUTUBRO DE 1874.
Para ot porios do exterior.
No vapor ioglez Galileo, para Liverpool, car-
regou : S. Brothers A C 12 volumes com 100 aha
cachis ; M. Lathan A C. 264 saccas com 21,238
kilos de algodao.
No patacho amerieano Water, para New-
York, carregou H. t'or.-ter A C 4,400 saccos com
105,000 kilos de assucar maseavado.
No bngue portugu-z Triumpho, para o Por-
to, carregou : J. F. Balthar, 71 couros salgados
cam 856 kilos.
Na barca oortugueza Pereira, para Lisboa,
carregou : S. Guimara.es A C, 358 couros salga-
dos com 4,296 kilos.
No vapor portuguez Almeida Gurrett, para
Lisboa, carregou : E. II Rabeilo AC 150 saccos
com 11,250 kilos de a-sucar mascava lo : para Li
Terpool, N Neesen 152 fardos com 27,287 kilos de
algodao.
Para ot portos do interior.
Para o Ceara, no vapor nacional Giqutd, car-
regou : Co>u A 30 barrfcaa com i,8w kilos de
assucar refinado e 5 ditar coin 717 ditos de carvao
animal.
Para a Bahia da Traicao, na bareaoa Unitio
do Norte, cSrregou : J. J G. Beltrao ft Filbo 2
saecos com 150 kilos de assucar brauco e 1 bar
rica com 60 ditos de dito retinado.
Para Alagojs. na h^rcaij' Jacarclingn, car-
regou : B. Go.es A C. t barrica com 60 kilos de
assucar refinado.
aarmariei.
Cofaabra.
Estarraja.
Vaftwca.
leal.
vaJ de vex. Cabeceiras de Bastos.
*.
Castjllo-Branco.
Esp itende.
Oliv sira de Aiemeis.
Pore a de Vardm.
Vianna do Caslello.
Villa Nova de Faaialicao.
tllla do C ode.
Nm ilhUs.
Madeira, S. Miguel, F Jal Terceira.
deatefrazo,sepivceftera a bfaMa iadidaima
te, Uxend.vae pabliear para iste fela6io do >
i wwea abaixo transcripta.
Seccao do coatencioso provincial de PeraamlM
, 19deootuoro de 18J4.
Cypriano FeoeJon G. Alcoforado.
Helacao dos devednres do imposto score carroa,
omnibus e carrocas, que deixaram de
d teas debiios, no 'ariuo" llnanceiro de 18^1"
1873.
Jose Luiz Innocencio Poge, dita n. 124
0 mesnio, dita a. 123

nhia Iodemaisadora
4o Poito.
CAPITAL 2,000? OOO0GOO.
Thomaz de Aquino Foncecs ft C, successores
agen'es,
ksU coaapanhia toma scguros marilimos e ter-
restres, dando nestes o sepumo anno gratis aos se
gurados.
Bun do Xig
0 niestno, dita n.
0 mesmo, dita n.
O mesmo, dita n.
0 mesmo. diia a.
O mesmo, dita a.
>, data
'
120
SEGU
Marilirao e
CpMPApUA
Phenix Pemambucana.
RUA DO COHtfEfcCIO N. 84.
Seguro conlra-fogo
ONDON A GLOI
MPANY
THE UVERPOOL &
INSURANCE
Affcui
SAUNDERS BR01
11Corpo Sa
HERS AC.
tto11
Banco Commercal de Braga
Jorge T|bs so.
37Rua do
Saca qualquT qnantia a brazo ou a vista so-
bre este Banco ou nas respectivas agendas nas
seguintes cidades e villas del Portugal, ilbas adja-
centes e Hespanha, a saber j
Portugal
Ca."ATAZIA
ftendimento d'. dia 1
Ata do ih 23. .
D4 ALFANDE'.JA
a 22. 10 ii5/055
.... 440*161
10:885/216
/OLUME8 SAfllDOS
Ko dia 1 a 22.....
No tit 2). ..... .
ffeneira pona ...
Sagnnda porta ....
farceira porta.....
Tupicfce Ccncatgao .
26.086
43
30
165
1,193
27,517
Amarante. Guarda.
Anadia. Guimarles.
Arcos. Goaveia.
Aveiro. Lagos.
Agueda. Lamego. Lisboa.
Arco de Baulbe em ca-
beceiras de Basto?. Loo 16.
Barca. Melgaco.
Bare ell os. Min ndella.
Beja. Moncao.
Braganea. Mealbada.
Cbaves. Monte mor o velho. Oiiyeira de Aremeis.
;oimbra.
Coura. Ovar.
Covilha. PenaQcl.
Castello Branco. Pinbel.
Caminba. 1'i-nte de Lima.
El as. Portamao.
E>treraoz. Purto.
E ora. Povoa do Varzim.
Esposende. Port'Alegre.
Famalicao. Povoa de Lanhoso
Faro. Regoa.
Fieneira. Silves.
Fafe. Santo Thvrso.
Thoraar. Villa Real.
Tavira. Vinhaes.
Torres Novas. Viaen.
Valenca. Villa da Feira.
Vianna. Vtlla Pnnca de Aguiar.
Villa do Conda. Villa Real de S. An'.ouio.
Villa Nova da Cerveira. Moimenta da Beira.
Ilbas.
Funcbal. Fayal.
Hegpanhn.
Madrid. Cadiz.
Barcellona. Orense.
Vigo. Corona.
Puenleaveas Badaji i.
S&RV1CG 4AR1TIMO
4i>2r6nga descarregadas no trapicb* da
alfandega.
No dia 1 a 22.....
Uo dia 23.......
No irap'Cna Concei^ao
41
4
3
48
rlECEBEDOIUA Dfi REND AS LNTElLNAS GE
RAES DE Pr.RNAMBDCv
JWndimenlo do dia 1 a 22 aS:009f38S
dam do dia ii. ..... 4:780.589
49:799*974
CONSULADO PROVINCIAi.
RandimeElo do dia i a
(dam do dia 23. .
22.
44:h'62/483
3:109*921
47:672*'u'i
RECIFE DRAINAGE
Rendimento do dia 1 a 22. .
Idem do dia 23......
8:868*954
1:061/SO t
9.930*451
AGEXC1AS PROVINCIAES
Liqaidos esi.iiritoosos.
rkndimento de 1 a 21 3:632*738
Idem do dia 82 290*202
Bacalbao, etc.
Rendimento de 1 a 21 3:226*096
Idem do dia 22 *
Geufiros dd estiva.
Rendimento de I a 21 3:970*298
idem do dia 22 333*264
Farinba de Irigo, etc.
Rendimento de 1 a 21 .1-403*123
Idem do dia 22 417*120
3:922*940
3.226*096
4:503*562
Fumo, etc.
Rendimento de I a 21 '1:502/019
Idem do dia 22 189/108
-------------5:820*243
SEGUROS
1IABITM0S
CONTRA ^O FOGO.
Acompanhia lndemnisadora, estabelecidt
lesta praga, toma seguros maritimos sobrt
lavius e sens carregamentos e contra fog(
m editicios, inercadurias e mobilias: n.
ua de Vigario n. 4, pavimento terreo.
companhiTallianca *
seguros maritimos e terre&
tres estabelecida na Bahia
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0005000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
i .co maritimo em navio de vela e vaporei
>ara dentro e f6ra do imperio, assim come
fogo sobre predios, generoa o
ntra
oudas.
Ageote : Joaquim Jose Goncalves Beltrao
aa do Commercio n. 5, 1 andar.
mmmn do portd
Navios enlrados no dia 23.
Havre e portos interroedius-23 dia<, s-ndo do ul-
timo porto 15, vapor franceii Ville do Rio de Ja
neiro, do 817 toueladas commandante Fleory,
equipagnm 30, carga differentes gen^ros; a A.
F. de Oliveira & G
Terra Noya-38 dias, escuna ingleza, Mary Lez-
tie, ae 146 (oneiadas, capitao James Dawuio,
equipagem 8, cargi 3,200 barricas com baca-
Ibao; a Johnston Pater & C
Boenos-Ayres35 dias, barca, soeca Monica, de
403 toneladas, capitao C. J. I Lsmberg/equipa-
gem 11, em lastro ; a ordem
Buenos-Ayres pelui Rio de Janeiro o Bahia-14
dias, sendo do ultimo porto 36 horas, vapor in
gkz Galileo, de 1,467 tooeladas, commandante
W. Eills, equipagem 47, carga differentes ge-
neroa; a Saunders Brothers\& u
Assii 8 dias, hiate brasiieiroUcus te Gate, de
156 teneladaS, capitao Manoel F. lalles, equipa-
gem 7, carg.i alg dao e outros generos ; a Bar-
tbolomeu Loorenco.
-10 d
Rio de Janeiro pela Bahia-
Vinagre,, etc.
Rendimento de 1 a 21 566*825
Mem do dia 22 *
i:69l*127
566*825
20:730*793
Thesonro povincial de J'eraamoeo, 23 de outu
brode 4874.
3 escrivio,
Joio Carneiro M. da Silva Santos.
Banco do Minho.
Joaquim Jose Gooealvea Beltrao & Filho sacam
per todos os vapores sobre
Anadia. Evora. Honsao.
Agnida. Fale. Ovar.
Aveiro. Para Porto.
JBeJa. Guarda. Tavira.
Cbaves. Leiria. Regoa.
Blvaa. Liebea. Viico.
Amanuue. Barcelloi. Figueira
timo porto 54 horas, vapor pprtuguez Almeida
Garret, de 942 toneladas, commandante Tima -
zioi, equipagem 60, carga differentes genoros ;
a E. R. Rabello ft C
Navios sahidos no mesmo dia
Rio Grande do Norte Braea ingleza Minatto, ca-
pitao D. Morras, em lastro.
Liverpool Vapor ingle* Galileo} capitao W. Eills,
carga a me.-ma qne tronxe dos portos do snl e
alg.idao que recebeu ne-te porto.
Obervacao.
Snspenden do Inoarao para Ja Bahia a escuna
ingleza Mary Lezzie, capitao Dowoio, com a mes-
ma carga que trouxe de Terra Nova.
tWTAfcS
0 proenrador fiscal da thesouraria provincia,
de Pernambaco, deciara aos coriribuiutes do im-
posto cobre carros, omnibus e car-oca?, a cargo
d eonsnlado provincial, do exercicio de 1872 a
1873. que Ibes fica mareado o p de 30 dias, a cootar da'publicacili deste, na eon-
formilade da lei n. 891 art. 53, para sottcitarem
da seccao do cootea^ios" as gniai respectivas, afim
de rei-ollwt>rn sins debitoe prov nientes do mes.-
mo imposto, certeS de qae nlo < > fcxendo dentrp Josd
152
153
154
155
306 ,
O mesmo, dSTU'n. 311
Jo;6 de Soaza Pnrao, dita n.
1 Jose Doraiogos, dita n. 126
0 mesmo, dita n. 233
Joao Ferreira Auguslo Gulmaraes, dita
n. 128
Jere Pinto de Souza, dita' n. 134
Joe Vieira da Silva, dita o. 1j7
Juse Roberto Pts^soa Lemos, dita n.
141
Dr. Joio Honorio Bezerra de Menozes,
dita n. 162
Joao Gomes da Costa, dita n. 168
0 mesmo, dita n. 346
0 mesmo, dita n. 357
Jose Pereira de Miranda Canha, dita
n. 175
Jose Anionio da Natividade, dita n. 178
0 mesmo, dita n. 644,
Joaquim Demetrio de Almeida Caval-
caun, dita n. 181
Joaquim Modesto de Albuquerque S.,
Jila n. 184
Jose Jaciotbo de Souza, dita n. 185 '
Jose Haposo Correia,dita d. 190
Joaquim Cleraenle dos Santos, dita
n. 196
Jose Taare\ dita n. 205
Joaquim Jose" de tzevedu, dita n. 207
Jose Luiz de Souza Guimaraes, dita
n. 2
Jo-e da Silva Lin?, dita n. 223
Jose Pair cio da Funikaea^ dita n. 232
Jose Bodhgues, dita n. 736
Joa Veuancio uachado, dita n. 248
Joaquim Guilherme Coelbo, dita n.
254
Joaquim Jose da Costa, dita n. 257
t Joao Baptista U. Ribeiro, dita n. 261
' JoM! Ferreira da Costa, dita n. 272
Joso Kuru lo Quinto, dita n. 279
TYiririm____S7 Joa.mim Ferreira Aagusto Guimaraes,
diu u. 300
Joao Joaquim Serro, dita n. 303
Jose Sibili.i, dita o. 307
Joao Joe de Saul'Anna, dita n. 310
Joaqnim Salgado da Costa Guima-
raes, dita n. 3i7
Jo*e de Souza, dila n 320
Jos6 Fraocisco de Aguiar, ditan. 322
Joan Antonio da Cota, Jiia n. .'i-i'i
Joaquim Pinto Alves, dita n. 359
0 mesmo, dita o. 360
0 mesmo, dita n. 477
Jo-e Franei.-c de Mallos, dita n. 368
Juao Rodrigues de Souza, dita n. 369
Joaquim de Souza Lamego, dita n.
429
Joanna de Jesus Neves Quaresma
Dual te, dita n. 430
Joaquim Fernandes da tola, dita n.
377
Joaqu.m Dias, dila n. 378
Joaquim Gomes Ribeiro, dila n. 382
Joaqunu I'mto Magtlhaes, dila n. 386
Jose tj.ipti--.ia da Motta, dita n. 390
Joaquim da Silva Macieira, dita u.
3V8
Jo-e Ja Costa, dita n. 398
Jo.-e Je Carvalno Raposo, dila n.
409
Joaquim Jose de Souza, diia n. 399
1 Jacmiho da Co.-ta, dita o. 435
! Jose da Pt-nha, d'ta n. 437
1 Joaquim Piuto Coelho, dila n. 443
i Jo-.; Narciso da Silva, d ta n. 457
Jose Pereira Duarle, diia n. 458
Ju?e AlvsMoreira, dila n. 459
Joa mini Moreira de Carvalbo, diia n.
I 46t
I Joao G. Luca> Lisboa, dila n. 449
; Joso Autotno Bezerra de Mello, dila
n. 475
! Jose Joaquim Pereira dos Santos, dita
I n. 575
I Jom6 Paulo Botelho, dita n. 358
Jacob Felippe Santiago, dila n. 479
Joaquim Fr ncisco Carneiro, dita n.
492
Jos6 Joaquim Coelho Brandao, dita D.
500
Juao Regard, dita n. 301
Joao Feliuiano ao Nascimento, dita
n. 503
Joan Peieira do Rego, diia n. 507
' Jo?6 do Carmo Fenciann, diia n. 514
! Jo-e Brnio da Costa, dita n 502
i Joao Bapti-ia ua Cu ha, dita n. 518
! Jos6 Custodio Gon.,alves Guimaraes,
dita o. 531
Joaquim Francisco da Silva, dita n.
532
Iod Victorian.) de Sonza, dita n. 538
Joaquim Jo>e Mimes., dita n. 541
Joao Felix do Na>cimeuto, dila n. 546
0 niesu o, dila n 476
Jo e Francisco dos Santos, dita n. 570
Jarmtho aITuoso da tola, dita n. 593
Jose Tavares Martina, dita u. 584
Jo-e J aquim Auiero de Carvalno, dita
u. 58i
Jose da P.z, dila n 592
Jose Libuno de Franca, dita n. 602
' Joaquim de Barms, dita n. 6tl
Joao Pinto de Lemos, dita n. 612
Jose Victonno de Souza, dita n. 623
Juse Ferreira dos Santos, dita o. 624
Jo-o da Rocha e Silva, dita n. 619
Juao Antonio Carpinteiro to., dita n.
650
Jose de Barros da Penha, dita n. 6'G
Juse Ribeiro dos Passos e Silva, dita
j n. 659
Jotd Francisco de Aguiar, dita n. 666
Joao Fianeiseo.de Souia, dila n 673
Jose da Rocha e Silva, dita n. 676
Joio Veniura, dila n 693
JoaoSjares Hespaohol, dita n 706
Joao de Medeiros, dita n. 684
0 mesmo, dita n 837
Joaquim Silveno de Siuza, dita n. 720
Joao Boielho Viveiros, dita n. 721
Jose Antonio Agoslinho da Rosa, dita
n. 7*4
Jose Franci-co de Albuquerque Mara-
nhan, diia n. 738
Jo.-e Maria Goa*e!ves Vieira Guima-
raes, dita n. 7'to
Jos6 Custodio Goncalves Vieira Gui-
maraes, dita n 750
Jos6 Roberto de Moraes o Silva, dita
n. 76
Joaqu.m Ferreira, dita d. 758
0 mesmo, dita n. 757
Jose Bento, dita n. 760
Jose Dumingu-.s dos Passos, dita n.
76i
Joao Maria Affbnso Ferreira, dita n.
766
Jose de Arrnda Palheiro, dita n. 567
0 mesmo, dita n. 925
Joaquim Goncalves Ferreira, dita n.
774
Jose Haposo dos Santos, dita d. 773
Jose Franciico Goncalves B., dita n.
777
Joao Jose Pa heco, dita n. 788
Jesuioo Jose de Jesus, earroea n.
792
Joao Angusto da Silva, dita n. 792 A
Joaquim Raphael da Cruz, dita n. 728
Jose Andre M., dita n. 814
Jose Roberto Galleno Coelho, dita n.
809
Jose Hilario Paes Barreto, dita d. 815
Josrphina N de Jesus, dita n. 829
Jose Botelho Pereira, dita a. 834 A
Jose Ricardo da Costa, dita n 841
J..se Ddtivo dos Passos Bastos, dita
n. 853
Jose" Francisco dos Santos, dita n.
855
Jovino Cavalcaote Simdes, dita n 864
0 mesmo. dita n. 865
Joao da Penha CorJeiro, dila n 890
Juce Enihano Moreira, diu n. 892
Joaquim Eetanislao de Meraes, dita
n 9.-7
Jose de Sonza Primo. dita n. 908
de Mello Trinaade, dita n.
fa-
lias, sendo do nl-
926
ioaqnimlfoldstoda Albuquerqaa Mel-
k, diu n. 927
0 mesmo. tftla n. 928
Juttiao Pereira Ramos, dila n. 935 <
Juao 4a Silva Mendansa, diu n. 943
Joio flaenado da Canura, diia n. 931
MtO
6.540
U40
6,440
6,540
6,540
17,44
31,330
6,540
13,080
6,340
6,540
6,540
6,3i0
6,540
19,620
6,540
13,080
6,540
6,510
6,540
6,540
17,440
6540
6,540
6,540
6,540
6.540
6,540
13,080
13,080
6,540
6,540
6,540
6,540
6.540
6,540
19,620
19,620
9 8,100
Joio Ignacio Peixoto, dita n. 949
Dr. King, carro n. 44
Dr. Ln'iano Xayjer men to, dito n. 54
Laiz lose de Carvalbo, carroc* a.
32
Luiz Antonio da Rocba. dita n. 119
L.iurenco Eroesto, diu n. It I
Luiz Pereira Raposo, dita n. 139
Luiz Miguel de Oliveira dita n. 146
Loft Jose Monteiro, dita n. 169
Luiz Goncalves da Costa, dita n. 267
0 mesmo, diU n. 359
flerdeiros de Luiz Antonio. N. Jaeome
Pires, diU n. 270
0 mesmo, dit o. 286
L'jHr Francisco Gomes, dita n. 290
Luiz Bento de Souza Baodeira, dila
A. 412
Leonardo Anionio do Espirito Santo,
diU n. 5:0
Luiz Joaquim Pereira Gusmlo, dita
a. 543
Luiz de Arruda Medeiros, diu n.642
Laurenlino Santiago, dita h. 708
Luiz Vinte Pinto, diu a. 696
0 mesmo, dita n. 697
0 mesmo, dita n. 703
Luduvino H. B. da Silva, dita n. 938
0 mesmo, diu n. 939.
0 mesmo, dita n. 940 '
H
Manoel Xavier Carneiro ft C, carro
6,540 n *t
6,540 0 mesmo, dito n. 95
6,640 0 mesmu, dito a, 114
Manoel Baptista do Nasotmento dito
6,540 n. 51 ( l J
6,540 0 mesmo, dito n. 52
6,540 0 mesmo, dito n. 53
6,540 0 mesmo, dito n. 54
6,540 0 mesmo, dito n. 55
0 mesmo, dito n. 80
6,540 Viuva de Manoel Custodio Peixoto Soa-
6,540 res, dito n. 82
6,540 Maria Camilla E. Ferreira, dito n. 84
6,541' Manoel de Mesqoila Wanderley, di-
6,540 to n. 126
Manoel Joaquim do Rego Albuquer-
6,340 que, dito n. 19
6,540 Man tl Antonio de Jesus^, dito n. 20
6,340 Mano. I Antonio Ferreira Gomes, car-
6,540 ro?a n. 2
Maooel Paulino do Nascimento, dita
6,540 n. 4
6,540 Man ji-l Jose Carneiro, dita n. 5
6,540 Mauoel Cavalcante de Mello, dita n. 14
6,54o Manuel Jaciotbo Camello, ,diun. 878
Miguel Joaquim do Rego Barros, di-
ta1 n. 41
i9,6K> Manoel Francisco de Oliveira, dita
6,540 n. 43
6,540 Manoel de Almeida Raposo, dita n. 52
Manoel Francisco Correia, dita n. 46
6,540 0 mesmo, dita d. 6l
0 mesmo, dita n. 220
6,540 0 mesmo, dita o. 221
Mariano Jose do Amaral, dita n. 58
6,540 Manoel Joaquim Fernandes de Azeve-
6,640 do, dita 0.149
6,5iO Maria Isabel da Assumpr;ao, dita
6,5.0 n. 172
6,540 Maria do 'anno, diia n. 173
Mauoel Pinheiro Alves, dita n. 186
6,340 Mauot-I Francisco dos Sanlo, dita n. 191
6,540 Mauoel Safaiva da Trindade, dita n. 194
M.in. el Joaquim do Sam'Anna, dita
6,540 n. 197
6,540 ii mesmo, dita n. 298
6,54o Manoel Gomes, diu n. 198
6 540 Manoel Luiz Antonio de Medeiros, di-
6.540 ta u. 201
6,50 Manoel da Exaltacio, dita a. 205
6,540 Maria toreira da Conceicao, dita
6,540 n. 225
Miguel Ferreira Pinto, dita n. 228_
6,540 \mho.I Jose Fe^nundes Guimaraes,
6,540 dita n 230
Manuel Feneira Guimaiaes, dita n. 301
6,340 Manoel Baplisia Junior, dita n. 266
Manuel de Ateved i Mala, dila n. 270
6,540 Manoel Tavares Ribeiro, dila o. 291
6,54 6,3.0 Mauoel Anlunio de Medeiros, dita
n 299
6.540 Miguel da Fonceca, dita n. 318
Mam el jJoaquim da tola Ferreira,
6,540 dita n. 323 6,510
6,5iO Manuel da Silva llapti-ta, dita n. 328 6,540
Mauuel do Nascimento Ferreira e Sil-
6,540 va, dita n. 330
0,540 0 nieino, dita n. 331
6.540 0 mesmo, dita n. 332
6,540 0 mesmo, uita u. 333.
6,340 U mesmo, d ta n. 472 '
0 mesmo, dila o. 578
6,540 Matliias Pereira Raposo, dita n. 338
Maria GoueJves da Cunha, dita n. 340
6,540 A mesma, diu n. 349
. ti.ViO Mam.al Goncalves da Cunba, dita n.
6,54^ *7i
0 mesmo, dita n. 558
13,08o Maria Carvalho da Conceicao, dita
6.540 n. 342
6,5t0 A mesma, dita n. 606
6,540 Manoel da Vera Cruz Duarte, dita
n. 344
0,540 Manoel Joso Moreira, diia n. 363
6,540 "uduoel Coelho, dita n. 364
6,olo 0 mesmo, dila n. 489
6,540 0 mesmo, dita n. 494
6,54o Man el Joaquim Rodrigues Ferreira.
6,5 iO dita n. 367
6,540 viignel da Costa, dita n. 416
6.30 Manoel Jnaq im Ramos dita n 429
Mariano Pereira Bravo, dita n. 439
.ai0 Maooel Furtado, dita n. -4*2
6,540 0 mesmo, diia n 869
0 mesmo, dita n. 908
6,34") Manotl Jeronymo Uchoa Cavalcante,
6,540 diu n. 456
6,5i0 Manuel da tola Medeiros, ditan. 466
6,540 Man.el Diogo Cbaves, dita n. 481
6,540 M-.ximiano LopesMachado, dita n. 493
6,540 Manoel de Fredas Ribeiro, dita n. 517
Manoel Anionio tfc-ltrao, dita n. 515
13,080 Oimsrao.dlun.5l6
6,540 Manoel Francisco Junior, dita n. 519
6,5*0 Manoel Lopes Machado, dita n. 521
Mariano Pereira Branco & C, dita n. J44
6,540 Manoel Antonio de Paula Hoa-Ventu-
ra, diia n. 550
6,540 0 mesmo, dita n. 718
Manoel Francisco do Nascimento, dita
6,540 n. 551
Manoel Vieira Rosa, diU n. 561
6,540 Manoel Carneiro Rodrigues Campello,
diu n. 566
6,5-40 Manoel Tavares de Carvalbo, diU n.
568
13,080 Mariano Jacintho, dita n. 583
6,540 Maooel Clemenlino dos Santos, dita n.
597
6,540 Manoel Felix da Silva, dila n. 599
6,540 Maria Francisca das Doret, diu n. 615
6,540 Manoel Joaquim Vieira Goncalves Gui-
maraes, dita n. 564
13,080 Manoel Duarte Rodrigues Pinto, dita
n. 621 6,5i0
6,540 Manuel Rodrigues Llns, dita n. 628 6.540
6,540 Manoel Jose Moreira, dita n. 627 6,540
Manoel Gomes dos Santo*, diU a. 637 6,3.0
6,540 Maooel Luu Cardoso, diU n. 678 6,540
640a Manoei da Cruz Costa e Silva, diu n.
681 6,540
6,540 Manoel Antonio Pereira, diu n. 7i0 6,540
6,340 Manoel Duarte Rodrigues Pinto, dila
6,540 n. 716 6,540
6,540 Mauoel Guedes Tavares, diu n. 726 6,540
Manoel Ignacio de Sena, diu n. 732 6,540
6,540 Manoel Antonio Coelho diu n. 736 6,640
6,540 Mariano Francisco da Conceicao, diu
6,540 n. 739 6,540
6,540 Mariano Jaciniho dos Santos, diU n.
6,540 747 6.540
Manoel Gomes Coimbra, diu n. 752 6,540
6,540 Maooel Felisardo Fernandes, diu n.
765 6,540
6,540 Maria Francisca da Conceicio, dita n. 793
6 540 A mesma, diu n. 830 13,080
66i0 Mauoel G ma, dita n. 797 6,540
6,540 Manoel Pmto da Cunba, diu n. 799 6.540
6,540 Mana Delphma, diU n. 816 6,5*0
Maooel da Silva M. Vianna, diu n 824 6,540
6,540 Mauoel Francisco de Barros Rego, diU
6,540 Ma 6,540
Manoel Tavares L., dita n. 843 5JJ40
196,200
17,440
17,440
17,440
10.9U0
10,900
6,540
6,540
6,540
6.540
6,540
6,540
6,540
6,5*0
26,161
6,540
6,540
6,540
6,540
6,540
6,5tO
6,540
13,080
6,54o
6.540
6,540
6,540
6,040
6,540
6,540
6,5i0
6,5*0
6,54n
6,5*0
6,540
6,5*0
39,240
6,540
13,080
13,080
13,080
6,540
6,540
19,620
6,540
6,540
6,540
6,540
19,620
6,540
6,540
6,540
6,54'
6,5?)
13,080
6,540
"6.54'i
6,540
13,080
6,5iO
6,54u
6,540
6,540
6,540
6,640
6,540
6,540
6,540
Maneej Rodrignei>. diu a. 861
Manoel 4* Silva Rets, dita a. 18 ,
0 raesao, dita n. 867
Manuel Joaquim Liuato & C, diU n.
888
Maaoel Maria da Conceicio, dita n. 893
Maooel Jaciniho, diU n. 899
Manual Theotonio Freire, diu n. 913

Olegario Jose da Silva, diU n. 691
a*
Pinto Magalbaes &G; carro o, 11
0 mesmo, dito n. 13
0 mesmo, dito n. 14
0 mesmo, dito a. 15
0 mesmo, duo n 112 >
Porfirio Antonio Fernandes, carroca
a 48 ^
Pedro de Souza Thenorio, dita n. 58
Paulo da Silva Bastos JuniDr, diU n. 68
Paulo Rodrigues de Oliveira, dita n. 83
0 mesmo, dila n. 84
Pedro Jos6 dos Santos, dita n. 108
0 Kesmo, diia n. 394
Pedro Rodrigues do Amaral, dila n. 176
Pedro Rap to, dita a 467
Paulo Jose Lopes, dita n. 482
Pedro Antum j Guedes, dita n. 733
Pedro B nifacio Cavalcante, dita n.
547
Pedro Albino, dita n. 836
Querubino Martins Correa, diu n. 704
R
Raymundo da Silva Gomes, carro n. 76
Rosa Adonr, dito n. 3
A mesma, carroca n. 549
Rodolpho Celestino de Sonza, dita n.
164
Rabello & Blanco, dita n. 334
Ramiro Jose de uhveira, diu n. 385
Raymnndo Celestino de Barros, diu n.
Ricardo Jose Pereira, dila n. 734
Raphael baldex, dila n. 667
Ricardo H. Connel:y, dita n. 826
Raymundo Francisco de Souza, dila
n. 835
SI
Santos & Pinto, carro n. 39
salyro augusto Ferreira, dito n. 91
Samuel P. jonbnsum, duo u. 10
Silvestre Pereiia de Carvalho, carroca
a. 219
Seraphim Leite Pereira, dita n. 283
Silvestre Henrique de Paiva, dita n. 433
0 mesmo, dita n. 490
Silvestre Jose Mendes da Silva, dita
n.629
O mesmo, diU n 700
Si I vino BaplisU da Silra Chaves, dita
n. 839 -
Sydronio Ignacio de Mello, dita n. 947
0 mesmo, dita n. 948
T
Thomaz Lins Caldas, carro n. 61
Tertuliano Goncalves Pacheco, carro*
ca o. II
Teixeira ft Sampaio, dila n. 40
Tnomaz Coimbra, dita n 326
Tiburcio de Lima Pereira Barbalho,
dita n. 537
Theotonio Jos6 Lourenco, dita n. 390
Thomaz Paym, dita n. 638
Thomaz Auastacio da Costa Pimentel,
ditan. 719
Thomaz itnastacio da Costa, dila n. 830
Thomaz de Carvalho Soares Brandao,
' dita n. 539
U
Ursula de Lima, dita n. 227
Umbi-lma Straphin* de Medeiros, dita
n. 888
Umbelina Ferreira da Silva, dita n. 909
V
Vieira <& C, dita n. 17
Viceule Alves Machado, dita n. 131
Virgini i Il'iracio de Freitas, dita n. 138
0 mesmo, dila n. 478
Vicente Tiburcio Pereira Maia, dita n.
212
Vicente dos Sanos Barros dita n. 2il
Viscundessa de Goyanua, diU n 289
Victorino Antonio < haves, dita n 304
0 m-smo, dit n. 305
Vicente Jo-6 Raymundo, dita n. 3"0
Viceule Ferreira Nuues, diia n. 767
Xavier Bas, dila n. 123
%
6,540
13,080
6,510
6,540
6,540
6,540
6,540
163,500
6,540
6,540
6,540
13,680
13,080
6,540
6,540
6.540
6,540
6,oi0
6.540
6,a40
32,700
23,980
6.540
6,540
6,540
6,540
6,540
6.540
6,540
6,540
32,700
32,700
17,440
6540
6,540
13,080
13,080
6,540
13,080
32,700
6,540
6,540
6,540
6,540
6,540
6,5*0
6,540
6,540
6,340
6,540
6,540
6,540
6,5\0
6,5$
.13,080
6,540
6,540
6,540
13,180
6,540
6,540
6,540
Zeferina Jostima dos Prazeres. dita n.
179 6,540
Zekrrao da Costa Bastos, dita n. 717 6,540
Seccao do cuntencioso do ihesouro provincial
de Peruamhuco, 19 de outubio de 1874.
0 I. official,
Horacio Walfiido Peiegrinn da Silva.
Od snnbargaiior Fran boo da Assis 01 veira
Mac el, official do imp rial ordem da Ro-
sa c juiz de dirt-ito privativo de orphaos
da cidadrt do Recife de Pernanibuco eseu
termo, por >. M. o Impcrador, a qucm
DoOS guarde, etc.
Faco saner as que este edilal virem e delle
tiverem conbecimeiito, que a requerimenD de D.
Cilicina Coelho Ramos de Oliveira, viuva de Jose
Bom Ramos de Oliveira, va<> sef vendidos em hast,
pui lica, coireudo ires praga* consecutivas, sendo
a Ultima das meacionada* praeas no dia 26 do
C'lnente, os predios seguintes :
Uih pequeno sitio, em solo foreiro, na rua do
Marquez de H-rval. frcguezia de Santo Antonio,
com 150 palmos de largura e o~8 defundo, arvo-
res fru-.iiferas, horialices, jardim armado de Ggu-
ras e jarros da lonca, 4 unques con truido a ci-
n ot', 4 \juartos com portas e janellas, n'um dos
qaaes esta collucado os apparelhus da cumnanbia
Recife Dram ge, I lainoa, 2 portoes, 1 na frente
que da ser^euua ao prelio, entretanto quo outro
|.- maiieira, fac liU communicacAo para o ci"
iln Capibanbe ; sitio ou qual asscnta urns casa
terrea com sotao, a qual t.-m o aumero 6, ben
ctimo 73 palmos do vaoe 119 palmos e 7 pollega-
das de fumio; 3 janellas na fiente, I porta no oi
tao norte. 2 salas, 2 quartos, 1 saleta para en-
gommado, cusinba externa, em seguida a qual ha
uui quarto para hospedes, e outro com de
posito dagua potavel, que Ihe e servida porenca-
namento que abastece a da do PraU, do mesmo
modo que os diversos unques, inclusive o do jar-
dim e o do b nhu, collocado no ultimo dos refe-
ridos quartos : 2 janellas de peitoril no oilao uorte
do sotao, onde ha um salao o 4 quartos: casa il
luminada a ga?. carbonico, mediants encanamento,
tn.'tros e bracos e arandellas, 32:000^000.
Uma casa terrea na rua do Maiquez do Herval,
frcguezia de Santo Antonio, sob n. 8, com 33 pal-
mos de vao e 89 de fundo, 1 porta e 3 janellas
na frente, corredor independents, 2 salas e a
quartos, 1 saleta para engommado, cosinha ex-
terna, quintal murado, onde na tres portas, n'um
J. s quaes assenta o appa elho da cumpanhia Re
ci(e Drainage, com encanamento d'agua do Praia,
e de gw carbonico, o qual e servido por canJe
eir.>, em solo fureiro, 14:000<000.
E par coosUr, mandei passar o presente, qua
sera afflxado nos logares do costume e publicado
pela m prensa.
Dado e passado sob men signal e sello ou valht
sem ello ex causa oesta ci lade do Recife de
Pernambaco. aus 9 de outubro de 1874.
Eu, Flcriauo Correa de Brito, escrivio, o fiz,
escrever e subscre7o
Francisco de Assis Oliveira Maciel.
Ao sello 3u0 reis.Valha sem sello ex-causa.
Oliveira Maciel.
itacoea dot estndaataa, aaridlada qae etuvam
todos no caso de serem adrautidoa a aeto, aaoa
aqoetlas qae por excesso de biu p rdiiaai a aa-
ao, eUessao: no 1* aaao Mifael noraw Laa*
Caslello iranco ; no 2 -Manoel Pereira Teixeira;
ao 4* Joed Popte da Suva Loaw, Fraacisoea*
Siqueira Cavalcante e Joaqaim Fraaewco Tae-
ra; ao 5* Levino Augusto de HoUaada Caaaoa ,
desle nllimo anno toi riscado larabem o nome da
Rufnw Pereira de Abreo, qae Ullecea.
Na mesma razio lica resulvido o seguinle :os
actos comecario no dia 26 do correnta pU arova
scripU, a qual sera feiu *m torous de 15 ao f
atrao ; de 16 no t'; de 16 no 3* ; de 18 no 4 ; *
de 12 oo 5*.
Deouis desU prova segoir se-ha a oral qoe sa
bra em turmas de seis estudanles em cada bjb
dos annos.
0 service des actos foi Uistribaido peloa seakj-
res Ienles, do modo segaiole .
l*aooo.
Conselheiro Silveira, Pinto Junior eCoelkoRo-
drigues, as 10 horas, na I' saia.
2* acco.
Drs. Figneiredo, C. Rodrigues e Graciliano,-as
9horas, na i* sala.
3* anno.
. Conselheiro Aguiar, Drs. larqainio e Araojo.
as 9 boras, na 3' sala.
4* anno.
Drs. Portelia Druramond e Gracliano, as0 bo-
ras, na 4' sala.
5 anno
Conselheiro BaplisU, Drs. Rego, Aprigio a Bel -
fun, as 9 boras, na sala das cotrrgardes.
Igualmente faro oublico, que oo dia 24 do aqr-
rento tormina o prazo para o pagamenio e aasig-
natura d^ mairicula do cncerrameolo.
Secreiana dafaculdade de direilo do Recife, 21
de uuuiir> de 1874.
C secreUrio,
__________lost Honorio Bezerrm de Mensxti.
PACULDADE I>E D1REITO.
Dj ordem do Exm. Sr. cooselbeireiro director,
via>nde de Camaragibe, se faz pnbiico. qne do
dia 15 a e 24 do eorraite, e*ta aberta a segunda,
mairicula de encprramer.; de eonformidade coa
o arligo 65 dos aMMotot, f< dendo desdc ja ser
effectuado o pagimento da taxi, no lugar compe-
tenle.
S^cretaria da faculdade d6 direito do Re-
cife, 12 de outubro de 1874
0 secrelario,
Jose Honono B. dc Menezcs.
QECUIUCOEt.
Matriz de Santo Antonio
De ordem do irmao juiz interino da venerav-'l
irman lade do SS. Sacrameok1 da fregoezia de San-
to Antonio, convido a todes os nossos charissun v
irmaos para somp.irecerem em o coos>storio da
mesma irman lade, dominzo 23 do corrente, pelat
10 horas da manha, alim de pr cder-se em mesa
geral a aieicao do novo juiz c dons dellnidores para
preencbimento das vagas existentes, em coose-
quenci.i de se haverem demitlido de Ues cargo* .<
irmaos qne os occupavam.
Cmsisterio da veneravel irmandade do SS 6a-
:raineoto da matriz de Santo Antonio do Reci>,
23 de outubro de 1874.
0 escrivio,
Joaqni.n Antonio Carneiro.
Associacao portugueza de beneficeri' ia do>
empregados no commercio e industria
em Perna" buco.
De ordem do Sr. prosidente da assemblea ger.il,
convido a todo* os senhores assuciados, a reum-
rem e no proximo doming'o, 25 do corrente, pela*
'i tioras da lard. na sa.la das sesso>, a roa d .
Iinperador n. 35, 1* andar, afim de '-nmprireni
com o qoe dispSo o art, 37 dos estatutos qae re-
gem esta associar^ao.
' Secrelaria da assemblea geral da assneiacai
portugueza de ben -licen-.-ia dos empregados n i
commercio e industria em Pernambuco, 21 decu-
tubrode 1874.
0 secreUrio,
Leonardo Ant mo da Silva
COIIPfc\IIIA
tj'iElnts urbaau< it Oliutln o llt*l>cribe.
De ordem do i>resiJento
da asarasaaai geral da eom-
panhi.i acima, sao roovida-
dos os acennistas para ren-
nirem-se (no Ingar do aaata-
me) em sessan ordinana c.>
dia II do corrente, ao meio
dia, alim deas.-istirem a apreseotacao do relatori >
e conUsdos o-go"ios da coin.ianhia no anno a
expirar, e sobre uma e ouira eousa deliberar.
Recife, 22 de outubro de 1874
0 secrelario,
Lniz Loops C*||n llranco.
dos
n.i
ra Mai d s II
igreja da Madre'
[rman-ladu !" No
metis eracta
Deus
De ordem do nosso irmao jivr. e de acc.rdo c:n
o nosso corcprpinisso. convido cs nossos irmaos *
raaairem-aeoo domingo 25 d> correnie, pplas II
horas damanhii, a,tim de i-legerem os memhro*
quo teem de funccionar no fu.uro anno de l87
a I8d5.
Consisiorio da irmandedi de Nossa Senhora Mai
dos liomens, aos 21 de oniubro de 1874.
Anionio Annos Jncome,
__________________ Escrivao.____________
Irmandade das almas do
Recife
Tendo so do lia de noverr.bro de procedere
a eleicso los n ivos fanccionarios qu* devem re-
gera mesma irmandade no anno co npromis?al d.:
1874 ;. 1875, pel) presente convido a todos os ch.i-
rissimos irmaos a compar^cerem no consisiorio da
mesma rfj andade, na mainz do Corpo Santo, n^>
refendn dia, as 10 horas da minlia, para presta-
rem seu volo.
Cons.stori'i da irmandade das almas, na matriz,
2i de outubro de 1874.
0 escrivao da irmandade,
Joaquim Cavalcante <*e H. Albuqiierqne.
Caaa da
A camara municipal desta cidade do Recife,
pelo presente convida a todos os sens municipes
para que concorram com o maior numero possivel
de productos e specimens da industria nacional,
p.roccasiao da anertura da expos.cao, qu-tera
lugar nesta provioc a em o mea de abril vindouro,
afim de ser represenuda couvenientemente entre
sua:i irmas, e o Brasil na exposicao de Phil.del-
phia, que sera maugurada a 19 de abiil de 1876,
m-diante o esforco de todos os brasileiros, dovida-
menle apreciado no estrangeiro.
Pago da camara municipal do Recife,! 33
de outubro de 1871.
U. /. do Rego Albuquerque,
Presidente.
Franctsco Augusto da Costa,
Secretario.
Banbos e dormida fresca no Monteiro
Ha alii uma casa pequeoa com a salas, 3 quar-
tos, co inha e eacimba, e aluga-se barato : a tra-
tar na rua Nova, loja n 7.
Faculdade de 4ireto.
De ordem do Exm. *r. director faco publico qne
a congregagao em sestao de hoje julgou das habi-
lnsriecrao de saiide do porto de Pernambaco,
5 de outubro do 1874.
Por ordem do Illra. sr. coranimd.idor Dr. Pe-
dro de Atbayde Lobo Moscoso, faco scieule que
os navios quo livcrem do carrcgar couros verdes
ou ouira qualquer subslancia qae ex-hale mac
eh-iro, ou des^arregarem carvao de pedra, nao
podorao fazer senau no aacoradouro, perto o
pharol, e que nenhuma reclamacao sera attend,
da para deixar do ser cumprida esia ordem i
pretexto de ser p qnena a carga ou desearga.
0 que se faz publico aos senhores looos ca
euniignaUrios de navies, para a devida exeencao
0 secreUrio,
______ Felix de Cantalice da Suva Lobo.
SANTA CASA DA MISERICOKL1A DO
RECIFE.
A Blma. junta admimstrauva da Sanu
Uisericordia do Recife, manda fazer publico qne
a* sala de suas sessSes, o dia 22 de outubro, pe-
as 3 horas da tarde, tern de ser arremaudas a
ruem mais vanUgens offerecer, pelo tempo da am
i tres annos, as rendas dos predios em leajnldi
leclarados.
ESTABELECIMKNTO DE CAR1DADE.
Rua do S. Gongalo.
Casa terrea a 24 (fechada). 2601000
Rua das Calcadaa
Idem n. 36.........221*000
Vidal de Negroiros.
Casa terrea n. 1IV......362*000
Idem n. 94. ... 301*006
Rua larga do Roaario.
1 andar e loja n 24 A. ...
2.* andar n 24 A.......
I.- andar n. 14 A. ...
Rua de Antonio Henriques.
'asa terrea n, 26......
Largo da Campina.
Wemn U(fecbada)...... W#000
Roa do Corpnel Snassnoa
l* andar do brado ndmero 94 ,. 386*000
PATRIMONK) DOS ORPHAOS.
Rua da Moeda. -
Casa terrea n. 21 fechada,.. 400*000
Beeeo das Boui ,^^
Casa terrea n. 18........4H*0t
Rua da Lapa.
'Jasa term a. II.......202*000
Rna do Amorlm.
'obr*do da 2 andares n. 23 602#QgO
r;asa terrea n. 34......S 2*000
Ruax do Bogoa.
Casa wrrea n. 21.......1H*000
310*000
408*000
251*006
99*000
'


to.'
3* andar do sobradB n.
! andar do njismo .
Loja do mesnjr ....
F.ua do Eucan
Sobrado da 1 tradares n. I-I(ftcha4a).
m ,,. Kna-da, denzalla velha
Idem n. 16 Tj / .
Rua. da Guia.
Casa terrea a. 15
Idetn
Soljrado d
Idstn a. i
l..W,'.\. -
le 2 andfres i. 12
..
Our.
(fochaia).
143*000
m
4:400*0.4)
209*00 9094pm
WljfaOP
^8004000;
witx*
5i*00;
; 207*000
Boa de S. Ji.i go
Cm terrea n. 100 (fcchada) .. ,
Idem n. 103 .' .
Una do Amoara JOlinda)
Casa tercean. 18 (fechajdaj v Sioxooo
08 pretendentes tewia, apresentax dq acto da
arrematteio as sffas ttaAcas, on eonwarecerem
acnropannados dos rouectivos fladorea, deveodo
pafar alem da rend*, o premio da gaantia em

naeito commercial, a&sun como o servico da Urn
l* precos dos apparelhoi.
?&P* *!Sanu Cm* tito, 17 de stfcubrb de 1874.
O escrow,
._________ Pedro Ro4ri0ues de Souza.
Terroinar* # W^ucolo com a mnito esplri
taosa caroedia, (m 1 icto:
* *%atrr !> dous narldot
i r \Vtmwpij'.Fa a % \x>:*a
is-to s#fctacua, ,eoj> lim,. jc.--.tti cooio
W< religjo*i>, .4igM. da cnncurreacia, e a ir
mandate espera ifi'el a piiblirov'uarnamhua.*,
?etnpre salicity era '.'ftucorrcr para n eugr;,ndei.-i->
nwrto da Telifjsn, ipjo detxsra d j*rotone-la com
o sea valio-o rjuriir*. fTf / ,
. 1 inn coit'Oik sfiu, ^m am dot iatervaUojj iri'
agradecor aoa eua uluwilidos:
AVISOS tfARITIMOS

COMPAMIU
Fernando
Companhia Fidclidade
' larltlanaa e terresti-es
A agenda dosta eompanhia loma seguros ma
ritlm s e terrestres, a premios razoaveu, dando
noe nltimus o solo livre, e o setimo anno gratuito
aosegnrado.
Raa do Visconde de Itapariea, antiga do Appolo
n. 51.
Feliciano Jose Gomes,
____^_^____________Agente.________^
Tbo/naz de Aqaioo Fonceca & C.
Soccessores
8aocam por todc* os vapores, sobre as seguintes
pracas :
Lisboa.
Porto.
Braga
Vianna.
Visen.
Gaarda.
Uoimbn.
Guimaries
Rio de Janeiro.
Na rna do Vijrario a. 19.
PEHNAMOL'CANA
DE
\Hiexncao oosteira a vapor. *
de Noronha.
0 vapor Jaguaribe, com
mandante Julio, segui
rj para o porto acima
no dia 3 de novembro, ao
meio dia.
Refebe carga ate o dia
2, encommendas, -passa
ate ssli horas da manha do
SBiros e diaheiro
ia da sahida.
Escriptorio no Forte
flan1 MAM,
'iwno Santo 0, spgnndo andar.
Para fcisboa.
Protewle m ir corn hrevldade o Irtl
tnu i/to. 4>ara carea e paagpirt*. trit#.< oJhn
jW^^oaUnjM TU.imat .le a-ib-ii.. Wi.cm* V
iTud*r;CC"l"'aS a fU* du V'8i,ri,> t9' P*W
___________
ras
ira
_ paran >res I porta ma>ica, 4
da pedta, I retogp, 1 rica cojtareira, I cosi
de palha.
Um fnarda, vesjidii, i cnipa dejacarandii, I t ~ de diloJIom i>*dra, 1 bidet, 1 cabiJe, I com
a inieirs, lxaudieiro a gaa, 1 par de ooarti-
as, lepeltw,:i ns-to.
-*'l"l,rt r\
Roga-se ao Sr. Edyardo Miguel da Gosto,
coixeiro doRr. Wirio de .Vat*rath, a vir a rna da
Ponte Wlha n para realisar o negocio de eu
particular interne.
Aloga so a casa i-rr*< o. 19 da rua dj Go*
lovello, na Boa Vuta, >e t tlvr-i a- mars b:iixa da
qoella rna, p,)r6m ao entrir n;\o in <1^P, .ofee se, !f,
,-li.,.^ riem T;,ta.|a, ( i.l*?r, m*fnA\ i*tt d-r.i Wl
ianH-w e mna ;H,rf, ,j., frV,>|... ,J ,.., jh|^|.i ,|.(:i, ;'l'
Bio de Janeiro
0 novo paucho brasileii-o Rltal recebe carga a
ste para aquelle porto; a Ira4;r no e^cript-jrio
dos ceoMguataries Balthar. Oliveira 4C, i-tua do
Vigano n. I, andar. ^
do Mat'os q. 11
- Para o Fara
JPn-tende segolr com mnita brevidada a palba-
toote Jovm Arthur, tern parte de sea carregamen-
toeD;gajado, para o reeto qae Ihe falta trata se
ctuu o seu con.'igoatario Antonio Laia de Olivira
Azevedo, a raa do Bom Jesus n. 57.
IEH0ES.
(mrcama; frafccma d amarello, mei*^cow|io- j *Wj 40M .il -.>%. 0 cintiniA, .-tia^i;.. o-wii -.i.-..
ill^rt-n llni
icciipaM H-' *fr*rVI...fralasf,
, e no it u'f'i "to ;hj i.i-i: osrr.;i-
ral sapJliseiros. roriianseira, goubeirj. iud> dao-
^B^bA,,,f.\jili"ar.U-r.vij.a, I nidri, 1 par*-d '" :*o|.rm,., rtrav. -to ,i
'|-*te, I p:ir do FUiUrtias, Ijiirco, J
Regoa.
Cnaves.
Villa-Flor.
Miraodella.
Alijo.
Favaios.
Braganca.
Lame go.
facilic Sleam Navigation loinpam
ROYAL MAIL STEAMERS.
Aconcagua
Santa Casa da Misencordia do Recife.
A junta adminij'trativa convida pelo presente as
pessoas qae se acbam a dever renda- de predios e
niensalidade de pensionislas, para qne no prazo
de 15 dias tratem de saldar os seus debitos, visto
qae se dentro dese prazo o nao fizerera, sera ella
aseu pezar, obrijfada a intentar a competeote ac-
cao contra carfa am delles, fazendo poblicar seus
nomea por este Mario.
Seeretaria da Saoia Casa da Misericordia do
Recife, 16 de ontnbro de 1874.
O escrivao,
_______________Pedro Rodrigues de Souza.
Carvalho ANogueira
saccam qaalqner quantla, a visf, ..u a prazo, por
todos os paqnetes, robre Lwboa, Porto e todas as
mais cida.les e vjJJas de Portugal ; assim como,
para Galiza e ilhas dos Ac6r.
Consirurrao da ponte para a a I fan-
l'Su da pnnincia da Para.
De or.dem do lllra. Sr. inspector da thesouraria
de fazenda desta provinoia, se faz puDlico qae es-
U em concurreoiia a conslruccao da ponte per-
rrianeote desti ad a descarga de mercadorias na
alfamega deta capital, conforme a planta e orca-
mento respectivo, qne se acbam na seeretaria da
junta da rorsma tn^s-urana, e poderao ser con
sultados pelos protendentes ; enjas obras forara
maad^das executar pela ordem do thesouro na-
29O9n35iU400 d6 '* "g0StD find' D ,0lal de
Os preteudeiites, qner desta proincia, quer das
do Rio de Janeiro, Bahia. Pornambuco, Cara e
Maran ao, deveraj apresenUr suas propostas em
-artas fechadas, as qaaes serao aberUs em ses
sao da junta de 17 de dezembro do cadente anno
Theson-aria dn fazenda da Para, 19 de setern-
oro de 18^4. Raymonds daSilva e Canha, secre-
rio da junta.
Obras militares
A 27 do corr n:e ao meio di, sera aberta a
concurrencia para a execueao das obras e concer
tos do quartet das Cinco Pontas, na importancia
de l:344i970 : os pretendentes apresentem-se na
reparticao das .bras pubiicas, onde se acha o or
camento, munidos de suas propostas em carta fe-
chada. Recife, 19 le outubro de 1874.
0 ecgenheiro d;s obra- militares,
____________Ghrysulito F. de Castro Ghaves.
Quartafeir- 18 do corrente tnez, vai alira"2
pennie lllm. Sr. jbiz de paz da fregqezia ae
Santo Antodio, a armacao e mais objectus existen
tee na fabrica te ngarros n. 4 da rua da P^oha,
cujos beus vao a pra^a por execueao de D. M*ria
da Conceigao G. 3 ,*quiao contra Jose Alves de
Oliveira.
Irmandude de N. S do Rosa-
rio da Boa-Vista
De ordem do oosso irmao juiz sao ronvidados
todos os irmaos da irmaDdade d- N. S. do Ro ario
da Boa Vista que ent-v-rem inscrip art. 3 do cu noromisso o estiv^rem no gozo de
seus direito", para se reuriirera no consistorio da
mesma igreja, no dia 25 do corrente, as 10 boras
da manha, aiira de conslituir>se a mesa geral que
iem de el ger a me^a regedora para o anno com-
proai.-sal de 1874 a 1x75.
Consistorio, 22 ue outobro de 1874.
Inooiencio >>se de Sant'Anna,
SeiTetario.
(DE 4106 T 9NBADAS) '
Espera-se dospor-
tos do sal ate 0 dia 25
do corrente, e depois
da demora docostu
mesegaira para Li
verpuol tocando em
Lisboa, Berdeos, para on le reeebera passageiros,
^ncommeodaa, e dinhein a frets
S. & -Nao sahira antM das tres horas da tar
le do dia da sna chegad:.
AGE !TES
Wilson 1 inwe A C.
t4PRACA DO ( OMMERCIOi
Para
Ilha de B. Miguel
Segue com brevtdade para S. Miguel 0 palba-
bote portuguez JVoco S. L ntren^o, para onde rece
be carga e passageiros : trata se com r-s consig
oatanos Tbomaz de Aquii o Fonceca & C. Succe*
sores, rna do Vigario n. 1!, l' andar
.isboa
Seguira com brevidadeb.brivue portuguez Bella
Figueirthse, capita> Hilaro Rodrigues : para car-
ga e passageiros, trata-se com E R. R bello 4 G.,
rua do Commecio n. 17, entrada pelo largo do
Peli.urinho.
Barca Santa Maria ao Para
Jatem engajada a maior parte da carga a frete
para 0 dito port" ; e pa>a 0 resto trat*-se com os
sens consignatarios Amori
COMPIMIII
DE
MAVEGACA
PortoM
)AVAPOR
i<> sal
CERVANTtS (fretado)
mora do costume.
E' esper ido dos portos do norte
ate o di 1 25 do corrente e se-
guira tara os do sul, inclu
sive 0 d t Victoria, depois da de-
Portos da none
r-T
E' esperado dos portos
sul ate odia 27 do
cjirrente e seguira para
01 do norte depois da
mora do costume.
Para carga, encommend; s, valures e passagens,
trata-se no escrintorio
7HUA DO V1RARIO-7
Pereira Vianna & C.
Agente
Libra^ es
n Irmaos a
it\*ii,i:ut v
LEILAO
DE
Dous cofres, duas carteiras, uma banca, um
armario, dous mochos, duss cadeiras, am
copiado- de cartas, um balrao, um gr'a-
deamento e [-rro de escriptorio, uma ar
mac-ao de pinho, uma porcjao de papel
ma a borrao, vinte frascos com tinta para
escrever, 30 barris com potassa arrui-
nada. ur
Mssaa fallida de Candido Alberto Sodreda
Motta & C.
Hoje
O agente Martins fara leilio por mandado do
lllm. Sr. Dr. juiz especial do coraraercio, dos ob-
jectus acima existenies no escriptorio dos fallidos
Candido Alberto Sodre da Motta & C, que cons-
ttiuem a reterida masia.
A's 11 horas da mnha
_________EM DITO ESCR'PTORIO._________
Segundo e ultimo
LEILAO
DE
um sobrado de 3 andares, sito a* rua do Bom
Jesus n. 23, o 2 e 3 andares propr
pa a familia, e o 1 para escriptorio, e
um grande armazem, bem localisado e
rendoso
Se'vindo de base a offerta de 20.0iS*000.
SEGUNDA-FEIRA 26 DO CORRENTE
AS 11 HORAS DA MANHA
No escriptorio. a rua du Bom Jesus n. 53,
0 ageoti Pinho Borges vendera em leilao 0 re-
fendo sobrado, por couta e riseo de quem perten-
aBrtiAMav, 1'
4 cadeiras
' i" quarto.
Uma cam*, de amarello, 2 consolos, meia eom-
moia do system* de gaarda roopa, 1 pdt ile Ian-
lerna-, 1 cabide, ti cadeira, I bidet.
' 4* qusrto.
Um marquezao, 1 cabide, 1 lavjtono coa jar-
roe bacia, 2 mangas de vidro com casticaej, 1
cadeira para descanco, 4 ditas e % bancas.
5* quarto.
Uma marqneza, 1 par de cons tos, 1 eaudieiro
a faz, 1 cadeira para descanco, 1 lavatorio.
6 quarto.
Uma marqueza, 1 cama para menino, 1 lavato-
rio, 1 cadeira de balance-, 1 banquinba e 1 par de
quartinhai.
7 quarto.
Uma commoda usada, 5 cadeiras, 1 banca, 1 ca-
bid para peBdurar, e 1 quartinbeira tambem para
pendurar. **'+* -
8* quarto.
Doos consolos de jacaranda, 6 cadeiras, 2 camas
de ferro, I lavatorio, 1 estante para livro* e 2 ca-
deiras de balanco.
Sala de jantar.
Uma excellente mesa elastiea de 4 taboas, I
gaarda lonca, I par de aparadores, 1 maqaina de
enstura, nova e de dous posponto*, do fabneante
Singer, it eadeiras, 1 sofa, 2 cadeiras de balanco,
1 espregnfcadeira, t relogio, 1 quartinheira, I ap-
parelho para jantar, 1 dito para almoco, 2 pares
de quartinhas, 16 garrafas com v nho Xerez, I
flltradftr de pedra, I mesa para cafe, 6 quadros,
copos, calices, garrafas, compoteiras, frncieiras, 2
tampas de arame.
Sala de engommado.
Doze cadeiras, 2 consolos, 1 mesa para engom-
mado, 1 armaro. 1 lavatorio, 1 par dequa tinhas,
I cadeira de descanco, trem de cozinha, panellas,
car;arola8, aasadeiras, cbaleiras, etc.
A>8 Jfom*
iu:nial ii. ir*i| 1,
:.--i.-.t. I
a eHave
ao fructus : para var, acfta'sm >
junto, e para tratar sobre o alugud, queiram .-u
^nder-fo 00m 0 douo, na rna lara do Ko-ano n
J*- J0!'-____________.j_,__________
J-'A1uga se a casa do Matombo, em Beberibe
oa Mtrada do Porto da Madeira
berdeiros do capitao Martins,
caiada e pinUda de nuvo
tenda-se com 0 Mello, em BeWibe.
AVISO
D. Leorrtdfna 1 S .rixa ?o*nt>, vinva de Aolo-
nio Jo>6 Soares Junior, deeLra nada dever nesfa
praja ou fora d.jli, pelo qua. qu*m e julgar a
credor, aprwenw suas nita< a roa Barrel> ke
nezes n. I, no prazo d? ii> A** ni fste pia?o, m> *e aiTradeia a ;ti|oa'-r
iare .1.
Cn-allh. A .vg'ne/ra. .i iua 4o*A?3teii7!<
f.,JJar iUi .< > ECugeMw l-ir-ir^. n.--
v;i^i:r ." : i :; cfcle nii-x.
Jas6 Antonio Domingues de
pre ; .a:
Caixeiro.
Figueiredo
para 0 fim de eviur incommodoa aos seas frega-
. zes de virero tio Innre eomprar ciprroa, re-olve>T
pertencente aos; abrir um deporito no bairro de Snlo Antonio, a
A casa achi-se rua estreita do Rosario n. 16, esqmoa 4a raa das
qnem a pretender, en- Laraogeiras, ahi encontrarao os consamldores de
todos os cigarros manufactnrados em sna fabrica
tan to em grosso como a retalho,. pelos mesjK>
precos da fabrica.
Alugase a loj, do aobrado a. I da raa it
Aragao : trata-se com seu proprietario, a rua dc
llospicio n. 33.
Aluga se a cua terrea n. 8, a raa do Li-
ma, em Santo Amaro : a tratar na raa da Gilia
n. oi, padaria.
Protesto.
LEILAO
f|Precisase -de um caixelro de idade de 12 a li
annos : a tratar na rua de Santa Rita n. 30.
* Casa
Aluga-ae a loja da casa n. 61 da rua do Apoilo :
a chavo esta na rua da Cadeia n. 3, para ver.
CAM BA rORTUSiA.
AOB 4:00041000.
BILHETES GARANTIDOS.
A rud iretro de Marpo (outr'ora rua 10
Cretpo) n. ts e casas do costume.
0 abaixo aseignado, tendo vendido noa sens fe-
1 ixes bilhetes um meio n. 3160 com 700*000. urn
raeion 200 com 2tO*000, um iuteiro n 2741
com 100*000, um inteiro n. 27(56 cum 100*000, e
outras sortes de 40* e 20* da loteria que se
acabou de extrabir (i2t>, convida aos possui-
dores a virem receber na conformidade do cos-
TKhiSL^SS? *,g?r ul osarmazens ns. tt 69 m pra,-a ia chafariz em
rta"^, Z Vfr,iel,Zf &T *raati(lo> ^ ftort", um onde Ma ten la de fcrreiro
*KlJELfiL&E? bee?? 'ja fallecid.E. Mahult. 0 outre queesteve.ee>
aes. oongalo (122*), que se extrahira na quin-
0 abaixo assignado, filho legitimo da Mnada D
Maria Gomes Continho do Amaral, sabendo qae
os benx deixado por sua mai, doa qnaes e 0 nntci
e legitimo herdeiro, estio Justos para serem Ten
(lidos pelo nullo testameMeiro Man el Lnit da
Silva Guimaraey, previne que ninguem faca ne-
gocio com 0 sitio e casas da \'arzea nem com natro
qualqner bem, visto como nao autorison a nin-
guem para vende Us.
Kecife, 14 de outubro de 1874.
Thoroaa de Aquino Continho do Amaral.
Aluga-se
DA
arma$ao, gf.ueros e pertencas da tavorna da
rua das Carrocns n. 1, esquina da rua
de S. Joao.
Ter^a>feira ?J Jo corrente
0 agente Martina fara leilao d'armacao, gene-
ros e pertencaa da taveroa acima, em ura on
mais loles, a von tad e dos compradores.
A's ff boas do dia aoinia.
cer.
Os Srs. pretendentes podem desde ja examinar,
e qoalquer esclarecimento 0 mesmo agente cha-
se autonsado a dar.
LEILAO
erlinas.
Vendem Auguko F. d'Oli-
veira Rua do Commtlrein n. 42.
_ Terga leir* z7 do curreute, liuaa a au
dieocia do Sr. Dr. juiz da direito da primeira va
ra civel, sera vec.dida em hasta publica, a casa
terrea a rua das Grioulas n 22, freguezia de N.
S. da (iraca, 5 m 30 pahnos de frrnte e 82
de fondo, l porta e 2 janella?, 2 ?alas, 3 quar
tos, cozinha extertia, quintal murado com alvo
redos frurtifer.is. 0 qual te.o 41 paimos de lar-
gora e 180 de comprimento, com 2 quart s, pa-
ra criados, eozinha meieira e com copiar, tndo
em bom estado, e peoni>rada p Manoe) Frn'-tuoso da SiKa contra Jeronymo Del
sue, par 3:200*000, por se ter d dozido a 5.' par
te ao valor de 4:000*. por quanta foi a mesma
casa avaliada, ist<> por nao ter apparecido laoca
dor a primeira pr.tca.
THEATR1
Santo Antonio
COMPANHIA QRAMATICAITALUNA
EMPREZA
0 brigue portuguez Triu nplto, pretende seguir
om muita brevidade : par carga e passageiros
rata-se com os iMu.-ignatar os Thomaz de Aquino
"onceca A C.. successors, rua do Visa rio n. 19
Sabbado 24 do corrente.
4.:| recita da asai^natura
Snbira a scena o grandioso drama historico.
m 6 a ctos de P. Giacometti, intaulad >:
Crisldvao Golombu
oo
DESCOBAfVEKTO DO NOVO MUKDO
0 principal papel e a cargo do artista
E. Dominici
A's 8 boras:
THEATRO
COMPANHIA PER SAMRLUaJNa
DE
\'avei{ucfio coafcbinB a vapor.
iRAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARAC-
TT. CKARA, ACARACO'.G IANJA E AMARRAr.\0
NO PIAUnY.
0 vapo r Pirapania, comman
dante >ilva, seguira pari os
portos acima no dia 7 ae
novemb o as.'i horas da tarde.
Recebe :arga ate o dia 6, en
commet das, passageiros e di-
oheiro a frete ate as 3 horai da tarde do dia da
?ahiia : escriptorio no Porte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PER;IAMBUCANA
DE
Wavegacao cost|ira a vapor.
Maceiu, escalas, Pensdo e Aracaju*.
0 vapor Mandaku,
Icommandante M ri-
iiio, seguira para os
)ortosaeima,aedia3l
1 j corrente as 5' bo
a? da tarde.
Recebe carga ate 6 dia 3(, encommendas, pas
sageiros e dinheiro a frete ate a< h..ra da tar-
de do dia de sna sahida : ea iriptorio no Forte do
Mattos a. 12.
CHAB6EI III l III I A I*
COMPANHIA FRiNCVZA DE NAVE-
GAQAO A VAPOR
LINHA MENSAL ENTRB 0
Havre, Lisbda, Pernambuso, Bahia, Rio de
Janeiro e Sa itos.
STEAMEI
YILLE DE RIO I )E JANEIRO
Coaaaaandante A l. Flcury
Sugoe viagem hoje 24 as 3 horas da tarde pa-a
os portos do snl de sua eseali aeima referidos.
Para fretes, encommendas < passageiros, trata-
se com *
OS CONSIGNAl 4RIOS
AUGUSTO F. D'OLI\ EIRA 4 C.
Rua do Commercio- Entrada peU ru
do Torres
----------
vi
DOS
fflowis qne h\\ se menfi SEGUNDA-FEIRA 26 DO CORRENTE
as 11 horas da rmanna-
Em o segundo andar do sobrado da rua de
Domingos Jose Martins, outr'ora Seo-
zalla Velbn n. 110.
0 agente Dias, cumpetentemente autorisado por
uma pessoa q le muJou de residenria, levara a lei-
lao, no dia e hi.ia acima indicados, os moveis exis-
tentes em a men ionada casa, os qnaes sao os se-
guiutes:
A saber :
Uma optima e quasi nova mobilia allema, enver-
ni-ada A preto. e compo.ta de 1 sofa, 1 par de
cons los, com tampo de pedra mat more, 2 cadei-
ras de bracos, 12 ditas de guarmcao, 2 ditas de
balanco, 3 espelhos. moldura dourada, 6 tapetes,
divers-s tamanhos, 2 emarraleiras, 1 toilette de
jacaranda, com tampo de pedra marmore, 1 guar-
d--ruupa de amarrll <, 1 banqueta de oilo, l npar
tinheira, 4 cabide, 2 aparadnres de amarello, 1
mesa elastic.., de amarello, 12 cadeiras d guar-
mcao, garrafas para v,nho, compoteiras, e outre*
muuos artigos quo eslarao. patentes no dia do
leilao.
AVISOS D^tHSOS
Massa fallida de ereira de
Mello & C.
Os credores podem rece-
ber o 2. dividendo de sete
por cento, apresentando os
titulos para seannotarem.
ta-feira, 29 do corrente mez.
PREgos.
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2#000
Km porcao de lOOA para rima
Buneie inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Martins Fiuza.
|.||c!3*?If*
C-3
C0Z1NHEIKI)
Precisa-so de um para casa de
familia. no Caes d Apollo n 69.
poqnena
Leilao
Con vein
Na rua do Imperador n. 9, se diia quem aluga
nma casa no Galdeireiro, porto do banho, com
comraodos para familia, com pequeno sitio to to
murado, em a rua do Lameirao, por fo?ta.
Ao commercio.
0 abaixo assignaio declara pelo presente que
tem cout.-atado com o Sr. Manoel Jose dos Santis
Braga venier Ibe sua tavema siu a rua do Rosa-
rio da Boa Vi^-ta n. S6, Ocando as dividas activas
a ca go do annunciaute ; o que faz poblico para
os ^evidos effei os. R 'Cite, 22 de nutunru de i87i
Jos^ Jo-quuu Marques.
13 a>
S 2.3
"3 2.1
s;-
3 3.3-a
SS'gs.
a d o
Sl"i
tr n a*
* 2
iff sr
a. 2. aw* -*
- c
x So.3
ffl s
? c
u ^
ff ?s
sjg-
.3.a
.8 3.
<; C j.
2?
a
CD
>* q i^
53"
111
o __ 9
2g
B m
r:
C3
o
< S
o o
*-
m %
3
= 3
B"S
t a
- =:
El
pado com venJa de mulhados, para o que e Op-
timo pela localidade e ser do esquina. ambos livre*
e desembaracados de impostos: a tratar com o com-
mendador Ta Aluga se a casa n. 83, da rua de S. Mm,
que faz quina para o gaz tne'ro, onde foi taveroa
ultimamente, pel > alugu I mensal de 20*. ten
bom sotao : a tratar na raa do PaJre Nubrega
n 78. M
$:$*'f|;#:xl*S:ft$
) Maceio. ^|
Bacharcl Lourenro de Aibu- j^
querque ^
AI ogn il o ,jt&,.
Rua do Rosario n. I. *^
ftM
*
A
P
CC-3 -
\
Ctinsiiilorio Biedico

3. oz>
Novo Mundo.
Cora o n. it*, cbeitado pelo Merrimack, e> mp!e-
ta o i* anno. O prec/. da asupn^tura do 8 anno
sera de 1SJ. Ate entao e>la folha Irazia 16 pa$i-
nas ; agora trara 24 e capa ; torn mais recoamendavel, porque nem so d^ra stipple-
mentos gratis e repelidos ; como tan.b.-m publi-
car-se-ha leituras t ara familias, e gravura9 e'spc-
ciaes para senhoras ; evitanio assignar-so um
outro jornal par., inodas.
LIVRaRIA FRACEZA
DO
Dr. Hurillo.
RUA DO VIGARIO N. I, 2.' ANDAR.
Recem-cliLgado da Europa, onde ire-
qucntou os hospitats de Para e Londrti,
[Kidera scr prucuradoa qualiuier bora do
y dia ou da noite para objecto de sua pro-
. fi3sao.
Consultas das 6 as 8 horas da manhi e
do meio dia as duas boras da tarde.

I
ml
GRATIS AOS POBBE5.
Especialidades: Moies'ias de BenaMQj
da pctie a ae crian'.a.
Escript
as
Abre-sea nova fabrica
DA
Sabbado 24 do corrente
firaaae eapeetocaao eai acai.aj.lii.
Real companhia de paqneles in
glezesava|)or.
Ate o dia 26 do cor-
rtote espera-se da
umpa o vapor io-
ei Douro, comman
d into Thwaitp, o qual
d ;poi da demora do
oostume seguira para Baeno*. *yres, tocando nos
portos da Bahia, Rio de Janein e Montevideo.
No dia 29 do corrente espe a-se dos portoa do
ml o vapor inglez Bo-/n*, M nraandante Reeks,
o qnal depois da demora do ctatrjme, segnira para
Sontbaroplon, tocando nos por os de S. Vicente e
Lisboa.
Para passagens, rVejes, etc., trata-se oa agenda,
rna oo Commercio n. 40,

Dos ol'jecios do armazem de forn^cimento
de navios, da rua do Commercio n. 24,
do finado
lSduardo Tarpin.
Em continuacao
porlitfuida^ao
COtNSTANDO DE :
Uma armacao. balcao, armarios, carteiras, 1
burra, repartimento de escriptorio, 1 balanca, 1
lavatorio com deposito para agua, com i rneiras,
repartimento de escriptorio, mesas o mochos.
Panel para cigarros, charutos, caixas de palitos
de denies, ditas de phosphoros, ditas de sabao e di-
tas de sebo
Latas com bages, frascos com az^itonas, vinhos,
Bitter. Anniseto, vinagre, aguardente, extracto de
absyut o, Hircks, Vermouth, 8 caixas com garra-
fas d'a^ua de Viebi.
Quatrncentas esteiras de perpen, flandres apipas
vazias, escadas, taboas, e muitos outros objectos..
Segunila-ffira 2(J de outubro
^s 10 1*2 boras em ponto.
0 agente Pinto usando da mesma autorisacSo
qne tem do gerente do consulado de Franca, con-
tinuara a dispor em leilao no dia 29 do corrente. os
objectos pertencentes ao espolio do finado E Tur-
pin, existentes no armazem da rua do Trapiche
D. 21. ^
Em continuaqao
A' 1 bora da tarde.
Vender* o mesmo agente o d reito de arrenda
mento do mesmo armazem pelo tempo que falta de
2 annos e 2 mezes, a vencer-se era dezembro de
1876, sob as cra.dic.6e> que serao expostas no acto
do leilao e de conformida le com as instruccSes re
cebidas do mesmo consulado.
Agente Pcstana
Grande e impoitante
leilao
Viuva Sliirr
so
<^aes do Capibarib- n. 38
ABamog Sobrlnha, da rua do Cre-
po, otTercfsem o cte^nlnlo
MOTE.
Quincas Ramos naraorado,
K ..as mo.-as aznerim.
GLOSA.
P'ra mal dos nnsso- peccados,
Quer de dia quer de noite,
Namora sempre em segredo
Quincas Ramos natnorado.
E' u o eudem niohado
Esse tosco figurinho;
Nao ba '.acete on pasquins
Que acabe com esee macaco :
Verdadeiro espalba biazas,
E' das mocas azucriu..
Uma pesso1* com habiliiH(ijes, disp de algum tempo, =e propoe a fazer algumas es
criptas, on sejam por parti.las dobradas ou sim-
ples, ou sejam por effertividade ou me.mo tempo-
rariaroente. A muita pratu-a adqninda nesse
exercii-io. garante a perfeicau de sen trabalhn, e a
sua assidui'lade, sem duvida, sati>fara a ijuein Ihe
confiar seus services : quem preeisar uiilisar-se
de sen prestimo, pode deixar m ta na loja do Passo,
radicando o nome e logar para ser prucur-ido.
Aluga-se p..r fe.-ta, uma grand cass e sitio
na estrada da Torre, a margem Jo rio, perto da
linha dos bonds na rua do Marquez de Olinda
n. 66.
- Aluga se o armazem do recolher, do sobra-
do da rua dos Burgos n. 11, por detr z da rua do
Vigario : a tratar com Jose Feliciano Nazareth
rua da Praia n. 20.
CASA DO OURO
Ao* -S-SMUac^Wia
Bilhetes garantidos
Rua do bardo da Victoria (oulr'ora A. ,
n. i<0, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nns aa..
nuito felizes bilhetes a aorta de 700*00 em
men bilhete de n. 3,166. alem do outras sort*-'
meflom de Mawu e i*iuu da loteria qu- se
acaboa de extratur (121 ) ; omvi.la aos possui.to-
rea a virem receber, que promptaraente sera..
page*.
O mesmo abaixo assignado convida ao respei'*-
vol publico para vir ao sen estabelecimento ca-
l/pt os muito lelizes biiiiates^an nao deixar*. d
ur.r qualquer iremio, como prova pel. me.o .
annuncios
Athauj-se a venda os mnito feiizos bilhetes ga-
aiiUdo.- da 5 parte da 'oleria a aanMo ia
igreja de 8. Ooecalo, qae se extratiira mdiai/
do curreute mez.
Precos
Inteiro ilOOO
eio 2*000
Da iOi liiO para elua.
Inteiro 3^500
Meio |780
Recife, 21 de outubro de 'S71.
Joao Joaaum da Cotla Leili
UUTMO DE 6DY0T
LICSn CONCENTBAOO E TITULACO
0 desengano.
Quem preeisar de uma au a para cozinhar,
pode prorqrar no pateo de S. Pedro n. 4.
- Na noite de 22 para 23 do corrente au,anhe-
ceu arrombada e routada a taverna da rna Impe-
rial o. 133, que pertence a Marqoes & Irmao, da
qoal lcaram 3 barricas com bacalhao, 2 depositos
de flandres, redondos, com fondo de madeira, de
altura pouco mais on menos de tres paimos, con-
tendo nra cha graudo, e outro mindo, 9 meias
caixas com charutos feiloa oa terra, com rotulo
azul, e 2 latas do bolachinha de soda : pede se a
qualoner pessoa a quem for offerecido estes ob
jectoi, a sua apprehensao ; assim como a todas as
aul.Ti iadMi po!iciaes,.ja que a rooda do logar foi
activa, qne deu tempo para tudo.
do sobrado site
conp-nclo cad
0 Sfir Gujot chegou a tirar ao aIcatr!io a
sua acrimonia e o seu amargor insupportaveis,
o que o torna mais soluvcl. Aproveitando essa
feliz descoberta, elle prepara um lic6r con-
ccntrado de alcatrSo, o qual, sob um pequeno
volume, conlem uma grande proporcao de
principios activos.
0 AteatrAo de Go,ot (Goudron de
Ouyot) possue por consequencia todas as van-
tagens da agua de alcatrjto ordir.arfa, sem ter
os inconvenientes. Basta rkitar d'elle uma
collier de cafe i/uiu copo d'agua an ,,|.i.r
logo ua copode exedkate agua do alcaMw
sem gosto dcsagradavel. Ma fjiial pode
d'essa maneira preparar a sua agua de al-
catrao quando d'ella prccisa, o que ofl'erece
economia'de tempo, facilidade de transporte
e evita o manejo tao desagradavel do alcatrio.
0 Afeatrao de ajot substilue com
vantagem mnilas tisanas mais ou menos
inerles, nos casos de dofluxos, bronchilcs,
tosses, catarrhos.
DE
moveisK Iomjas, vtdros. crystaes, ouro pra-
ta e brilhanto
TERgA FEIRA il DO :ORRNETE
CM lO t|l horns
No primeiru andar do sobrado sito a* rua
da Aurora n. 61
0 preposto do agente Pestana, competentemen
teautorhadp por nma-familia que se retira para
o Rio de Janeiro, fara le!lio, por conta e risco de
quem pertencer, dos moveis abaixo mencionados
Sala da frpnte.
Uma rica mobilia de jacaranda, coroposta de i2
cadeiras de gnarnicar., 4 de bracos, 1 sofa. 2 con-
solos, I neo piano do afamado fabricante da Pleier
com flqas gravpraa, 4 pares do jarros de porcela
~ AJaf* he0 *' 2*"ndares
a rna de Lomas Valeatioas n. 8b, coni*noo caaa
andar os comniodos leguiotes : 2 grandea salas e
basiantes frescas, 3 quartos, cozinha fora, um gran
de corredor ou quintal com portao para a rua de
Horta-, e cacimba com boa agua para lavar rou-
pa ; aloga se pelo mais commodo preco : qoem
pretender, diriia se a rna Nova n. 17, qne achara
com qoem tratar.
2 0 Sr. Alexandre FerreirTdT^niTir~com-
prar a tavema em Beberib-, que no sen anooncio
de hoje (23) declara pertencer a loao M?rqnes da
Silva Mendes tem de firar obrigado pelo paga
menu dos generos comprados peio dito Mendes ao
Sr Antonio Jose Silva do Braail, para sortir a ta-
verna qne teve em Xptpueos, e qoe prr sua inex
Seoeriba eon*eB'io "" >*fcrir para essa de
r.'iiinSf*J,!,f','-UrJCo'n u b'- Joio Llil Torres
OJlimcio, a negocio de um amigo que q;;er ser in-
.TL^rr,nmSCOaH6,c,>,lho & c- '^nvjusto e con
iiSJ ST- Ven,J0fa J'^ bri&i a compr-
tJS^dfh^m'm^ n.olbaaos. a ma oo V^is
MUMJeciroeoto apres.nte nas c- nu. no prazo de
jTM dias, da data deste. R,afe, 22 de outubro de
0 Ait.trao 4 Gnjot e empregado com o maior exito nas molestias s.-guintej
EM BEB1DA. Uma colker de cafe para um copo d'agua ou duat colhem de
$opapara uma garafa :
BRONCHITES
. CATARRHO DE BEXIGA
OEFLUXOS
TOSSE PERNITA2
IRRITACAO OE PEITO
TOSSE CONVULSA

EM FOMENTAQOES. Licdrpuroou com umpoucod''igua:
AFFECQ6ES DA FELLE
COMICH6ES
MOLESTIAS DO COURO CABELLUDO
EM HUEGCdES.
Uma parte de licvr e quatro d'agua (ttntaoia ii*ir*
FLUXOS ANTICOS OU RECENTES
CATARRHO DA BEXIGA
.....i>
0 Aleattrfto do Guyo* foi experimentado com um verdadeiro exito not
principaes hospitaes de Franca, da Belgica e da Espanha. Foi reconhecido
que, para os tempos de color, elle conslitue a bebida a mais hygienicat so-
bretudo durante o$ tempos de epidemia. Uma intruccuo auompauha coda nire.
Depoalto geral em e. Kb VMEBC, l*.
Rio Jjftmot Duponchrllc. < be.olo*. I H*i*m*o. Perrelra rx C".
Pbuaiihco r. Maurer e( >. | Puf*, Aaielro >!>.
Baau, Basse el C". Hcm, Faleo Dia*
Orao-PuTo, CaaaJa* Welleiraoa Pokto iimu, FnuHw* Smm* !

(


*
Qisafc fhteriftmtD dbttfefc -84 <4aK8i*a**t MM.
Sraridiosa descuberta I!!
NovidaHe importpntissima !l!
Ones quotidiauo de ura ea'ix do superior viuli)
\3EX6R0S0 qua so vend* no 1 audar de sobrado
-Ot, a rua da Cruz, tern a propriedade de subs
JMwr -con. grande vantagera e extraorJinaria eco-
waia, os depurativos tao apregoados e eonheci
*es $or jalca e carofta, etc. 0 medieamento qne
sssaaECiamos, nih cura todas as molestias como
aoco&ie as-panaceias que se annunciam, acompa-
.abadzs da attestidos; toda-tia, restabelece Imroo-
sEaraente aslrcas, e purlflca o sangue, sem a
s^wvaaugera de ser uorivo a saude.____________
I m novo rival! ,
ani atna cidade tao populosa como a nossa, e
tot *to insuflkiente a existeo ia de ura uuico
catabelecim>-nto do genero daquelie que se deno-
raoa Geafcitaria tlu Campos.
E* <.ste o raotivo porque acaba de *brirse a
soacorrencia publiea no bairro do Recife a rua
to Commercio a. 22, uma casa commoda e de-
tente, sob o tltulo de Assemblia do Commercio
ocde o respe Uvel publics encontnra sempre
jpoeprecisar, o aecessario para:
t-m easameato.
Utoa soiree.
Urn baplisade e
I'm lanche.
8>a tambem :
-araade variedade de bebidas ftnas.
Oaaspleto sorlimaoto de daces para embarques.
flottohos sortido:* e fraclas de deiicado tabor.
Beadejas caprichosamente preparadas.
-Fianitires e lanche a qualquer hora.
STaido com esiaerado aceio, piesteza e precos equi-
tfzivos.
22 Ru* do Commercio 22
Meira & Lima
Assemble.! do Commercio.
Antonio de Azwdo Wttsm.
Pe4o presents sao eouvlrJad > o afilhsdos e afl-
Ihidas de Antonio de Azevedo Villarouco, falls-
cido em Portugal no n ez d< oulubro de 1873, a
apresentarem-dentro do pra;o de 60 dla<, a con
lar desta data, a eertidao d seu na&cimento, em
.a;a do abaixo assignado, U stamenteiro instiihido
pelo dito' fallecido, aflat de q te sejam devidamente
attendidos na partilha a qu e tem de proceder-se
com a precisa igoaldade, de accordo com a d'spo-
sicao testamentaria. Recife, 10 de selembro de
1874. tjan.el Azevedo de Andrade.
Exmas. noivas.
Cbaman os a vossa atten |a para 6 novo esta-
belecimento que acaba de a i>rir-se a ma do Pom-
mercio n. 22, denominado ASSEMBLfSA DO
COMMERCIO onde i.e pr< parara riea- bandejas
com grande variedade de boliohos caprioaosa
mente enfeitados, tambem se aprompUm bon-
quets. .
Assemblea do C immercio
Meira 4 I ima
22 Rua- do Cot* nercio 22 _______:
Restaurant de Bordeawc.
Aberto tod a noite,
culo da coTipauhia itaiiijna.
os dias de especta-
Escravos
ESCIUVO FUG1D0.
Fogio do eagenho Atalaya, na freguezia do Se-
rtrjhiem, no anno de 1863, o eseravo Francisco,
iaoJato, com 16 a 18 annos de idade, pouco mais
in menos, ltura e corpo regulares, olhoslrasos e
acnes, cor bem clara, cabellos bons, dentes per-
5 fmtia, mui'o moderado, pes seceos e bem feitos.
d ^ito eseravo foi do Sr. commendador Antonio
des Samoa I'jntual, seohor doengenlio Cabeca de
K^ro ; cuinprado ao corretor Oliveira, morador
jy> Recife.__________________________________
"_Fagio do engpnhn Ajud.inte, .na frejruezia da
kda, no anno "de 1872, o escfavo GuMberme,
-.-sai oh signaes seguiates: pardo, com 23 anno?
Se idade, pnuco mais ou menos, altura e corpo
^cguiares, C3brll-js cacheados, olhos grandes, rosto
tocup id', eon. j-.lguns signaes de barba, nam
catnyrido e um ianfo arquerda, dentes porfeitos ;
iem uuias sardaj pelo resto, e faz movimenlo no
iorpo quand) a:ida, e na occasiao de cumprimen-
lar a algu-nr. possoa, le^a o chapeo por cirr.a da
sabeca para a nilaguard?, 6 muilo alegre e diver-
ii6o. DejcunUa-^e que esteia na cidadt da Para-
fiytia, <.u (rn Nazareth. Por tanto, rcga-se as
Auzuridades policiaes e ao> capitacs de campo a
apprebe'isau dos ditos e-cravns e serem entrepues
aea senhor, Emilio Pereira de Araujo, lo refe-
Tiio engenho do qnem terao a p.-.ga ds 300/000
p eada um. N 15. 0 eseravo Guilherme tem
jE3^ ricatriz S'ibre uma sobrancelha.
Eseravo iugido
Sevcriano anentou se da rasa de seu senhor no
19 de seterabro, e tem os signaes seguintes :
Tnouio, 6r tula, represenia ter 35 annos de idade,
: mais i>u menos, tem algumas sardas ou
sisnetias no ros'.o, pe grandes e calcanhares fj-
e o< dedoa eneoiiiidos, tambem tem uma ci
' nas C09tella9 provcuiente de uma nufc;madu-
igua em uma das pem;:s : roga se as
. i :.. ijiaes eaos Srs. capitaes de campo
- < : piiri iienderem e reme te lo a rua do Bom
s ri. id, 1 audar, qe serao generosomente
. i| usados.____________________________
Oatharina fugio.
28 de a? s!o proximo passado. ansen-
' - : P'-tatnra b:iixa, rosto reoVndo, cor prcta, pes
-. cosfamava vender leite, anda sempre
| )06 Ihe serve de arrimo por sof-
i!i nmarismo, ja e ilosa e de najao Cam-
--. a: .: m c ?ncontrar, pegue-a e leve-a ao sitio
eslrada de Joao de Barros, que sera
atrfteadn._____________________________
AUengdo
. e s a uma pessoa de procedimento idocco
de f rande quarto da frente da grande casa da rua
'.. I alma u. ;ii : quem quiier, tera alem do ou
esc ill i viitiale.-, n;uita agna para tudo._______
Alogam-se
c.'.shs de
I. da Pai Ua ;
180.
Gontinuam a estrf fagic os desdo o anno de
1870, os escravos segcintes : Francisco, crioule,
com 28 annos de idade, p taco mals on menos,
altara e corpo regulares, olios grandes e brancos,
dentes per feitos, cabellos carapinhados, uma ci-
catriz por cim do olho es inerdo, barba a Cava-
nbac, muito conversador e risonho. Antonio, ex-
bra, com 25 annos de idadt, pouco mais on me-
nos, alto, secco, olhos grai des e vermelhos, ca-
bellos um tanto soltos, pon :a barba, dentes per-
feitos, pes conpridos e secc is ; ambos foram com-
prados ao barao de Nazar itb. Besconfia-se qne
os ditos escravos estSo occi lltos na comarca de
Pajeii de Fores, on no Rio de S. Francisco. Ro-
g-se, portanto, as autaridales policiaes e aos ca-
pitaes de campo a captura dos mesmos eseravo?,
e serem entregues a sen set senhor, Emilio Perei-
ra de Araujo, no engenho Ajudante, na fregue-
zia da Escada. de quem terao a paga de 300*000
por cada nm.________-_______________________
Capellas morluarias.
Purto k Bastos, a praca
30. acabam de receber pek
sirnas capellas morluarias
cues propiias para tnmnlps e catacumDas,
quaes veudem por precos rpniio modieo.
d. Independencia n.
ul imo vapor, lindis-
om diversas inscrip-
as
AtUn
Para dia flcj
Na rua es
primeiro aridar, tem a vender-se
lindas capeU
las e defuob
cravos, perp
pretas, com
de minba ffl
espo.-o,
e filha
petnas
; tambem quem qt|
para se larmar cape
dias amcj: vende-se tudo for muito barato preco.
finades.
reita do Ro^ario n. 35.
is para anjof, donzel-
s, de rosas, sandades,
?tuas .roxa?, brancas e
etreiros lembraBca
Si. de men pai, men
PENHORES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de'outo,pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na me&na casa
compra-se os mes-
mos raetaesepedras.
p^^a^^av^ p^flHBB^ ^^svaaBB^^^a^a^BR
uma grande casa terrea cam bastantes commodos
slla na estrada do Lucas : a tratar na rua do Vi-
gario n. 31.
AMA
I* Para comprar e ozinbar :
a tratar a rua Nova n. 12.
lojat
\MA
Precisa-se de uma ama para
engommar e ensaboar : a rua da
Concordia.n. 43.
- Hat* im*ml ones da Silva.akodes, d^lvaDba^a^lieoB com
especialldade an corpo'db commercio. que tem ins-
to a contratsdo oen aatabelacimentd site na po-
voacio de Beberibe, com Alexandre Perreira da
Cruz : qnem se julgar com direitt* Wedor dos
metmos senhores, apresentarao sens titulos no
prtao de tres dias, e logo qne assrm nao o 1* (jam,
nao Oeare comprador respoasavel. Recife, 21
de outubro de 1874.
Alexandre Ferreira da Cruz.
r
Esta encouracado !! !
ne a fara.
Tanto da at*
Roga-se ao Illm. St. Igaacio Vieira de Mali
Scrivao na cidade do Nazareth desta provincia,
vor de vir a rua Duque de Caiiaa n. 36, a. con-
cluir aqnelle negocio qne S. S. sa_compromatteu a
realiaar, pela terceira chamada daste jornaL em
ana de dezembro de 1871, a depois pan. Janeiro,
passaaa.fevereiro e abtil de.l872,e nadacninpno;
por este motivo e de novo ohamado para 1
9m,Vpoia 8. S. se dave lembrar que esta nagoci
le mais de cito annos, e.quando o Sr. aau. fflho
achava nesta cidade. _
Precisa-se de -ama ama para cozi-
nbar : na travessa do Corpo Santo n.
25, arn.azem. ,
Ama
AMA.
n. 16.
Precisa-se. denma'aam que saiba
cozinhar : na rua do Hotpicio nume-
IMI
Precisa se de uma ama para en
gommar, para oasa de fauiilia : a
tratar na ma do Hospicio n. 46, casa terrea da
bolas amarellas.
AMA
Precisa se de uma ama forra on
captiva, para casa de famllia : na rua
de Hortas n 15.
Precisa-se de uma ama para casa de
solteiro : nas Cinc*-Ponlas n. 1K6
rapaz
A Tt*l ' ^iU1 de casa- de pooca (amilia : na ma dol
Queimado n. 70,-1' audar.
O Monte Lima

tem nm complete sortimento de galao e franja de
onro e prata, verdadeiro, -de todas as largnras,
abotoaduras donradae para officiaes, canulilhos el
enfeites para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualqner fardamento, como seja ; bonets,
taHtas, pastas, espada*, dragonas, charlateiras, ban
ate.; aseim eomo nm complelo sortimento d
ranjas, galao (also para ornamento, cordao de U
com- borla para quadros e espelhos (conferme o
gotto da encommenda) tudo por muito menos
preco qne em ontra qnalquer parte : na praca da
Independencia n. *7, junto a loia do Sr. Arantes,
Vinho superior
Na raa da Iaiperatrix n. 67 acaba-se de receber
excellente vinho do Porto, em barris de 50, 75 e 150
aarmfas, e vende-se muito barato, garafltindo-se a
qnalidade.
COMPRAS.
Oferece-se uma molher para casa de ho-
mem solteiro, que faz todos os servicos de cozinh
com perfeicao : na raa da Senzalla Velta n. 1
Compra-se nm'balcao e unvcaixao dapada
rfa : na raa Imperial n. 117. ^^^^
ajna casa na vNlade fiarreiroe, na r
tSmio, por pr9fo modieo : a tratt^
Irraaos & .
.*&

Compra-se pianos ja usadis an novos, da
quantia de. 100 a 500* ; qaata tiv^r alguns nestas
condifoee e qa queira vendd-os,- dlrija-se a rua
do luperador n. 18, loja de marcioeiro, que en-
contrara com quem tratar.____________________
Compra-se apoUca provinciaes : quem tiver
e queira negocia-las, dirija
sobre carta fechada com
(MBI
LIQUIMCaO
Loja ite fazcwlas
se a esu typoirapbia
inieiaes S. 5.
Criadas
Na rua do Jmpatador aul' >*ndar, precisa se
de duas criadas livres on escravas, sendo uma
para cozinhar e outra para engommar e lavar :
tambem se precisa de um eriado para servi;o do-
mestico.
minha espo^a, irma i, irma, av6, avo, filho
izer
las,
mandar as per
pode mandar tres
Misga.
Domingo (25) setimo anniversarie do fallecimen-
to de Bernardino Jose M
drc Jose Esteves Vianna,
ma, no convento do N. S
para a qual convida a tndfjs
a igos.
63
nteiro, celebrara o pa
tma mi.'sa por sua al
io Carmo, as 8 horas,
os seus pareotcs e
Para o dia 2 d
No ettab
campo, na Cruz das Almes e
a tratar com o commendador
novembro
1c: merit) da
empreza
Precisa-se alugar uma esrrava que seja boa
ira, para vender fructas de um sitio, pa
! odo-se inensalmento 30* : qiem uto lhe con
i r, dirija-M a rua Duque -do Caxias, loja dj
. raste--, das 9 horas do dia ate as ? da tarde.
Aluga so o 2 am'nr o sulao do sobrado
da ru il Range! n. 73, tudo recons'.ruido c
asset ;:i-5f i'lTi U-nte do I." andar, e bem assim o
ntal; senco n;uito fresco e com excel-
:: vista para a nova praga do rpercado :
para ver as chaves, estao no estabelecimen-
o de nmlharlos do mesmo predio, e para
irstnr na thesouroria das loterias com Anto-
leaifi .!I)s6 Rodrigues de Sou?a (seu pro-
| ri- larii*.
Vigor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
bello, resti iuicao de sua cor
e v'rtalidade primitiva e nat-
ural.
<> Vigor do Cabello 4 uma preparacSo ao
:.-rao tempo ajjradavel, saudavel e-efficaz paxa
I rvrrrar o caiello. For meio "do seu uso o
er.tailo ru90, grisallio, e enfraquecido, dentro de
'jf^i. -.-:,-aco tempo revolve a coi que lhe 6 natural e
j-raaitiva, e adquire o brilno e a freacura do
rafecdlo da jnventude; o cabello ralo Se torna
naso a calvicie muitas vezes, posto que nab
i <:odae os casos e neutralizada.
7" fio ha nada que pode reformar o cabello
ms aos folliculos estarem destruidos, e as
s cansadas e idas, raais se ainda restarem
uma podem ser salvadas e uiilizadas pela
ruplicadab do Vigor. Libre de essas subetanciaa
diletedas que tornam muitaa preparacoes de este
fm.,!H>ilam nocivas e destructivas ao cabello, o
Vsg.w 6mente lhe e beneficial Eta va* de
o cabello e o fazer pegajoso, o conserva
a aiforte^ecthoiJ iaaado iy impedinde a queda
' o torar-se rugo, e por consequinte previne a
icia.
Hcsix^mbo da (oilette nao ha nada mais a dese-
-'ar; nab conteado oleo nem tintura, nab pode
r.aochar men<.,o-jBaia aWlefvaob> cambraia;
^9rdur*.no cabtUn^lbe. d4 im lustre hxxurioso,
* trm parfume muito agradayel.
ParTeformar a cor 6Vt>ai*a, 6 necessario
.=UU8 tempo de j^preaaasr o effeito, envolvundo a barba, de noite
tasa uzajJenco molliado no Vigor.
,iar. J. AT JOB & CA*.Lowll, Ma-Siw,
Ijstados TJnidos,
Chimita* IOibiMiii e .Imfcjil
V3CNDE SE POR
funebre a n a do Imperador ns. 9
e II, tem psssoas habilitadas que
se i iKarrrjam de preparar para
este dia tun ulos, jazigos e catacum
bas, tanto nis igreja* como no ce
miterio, hrieeendo todo o necessa-
rio. com asseio e promptid; o.
l'ara o dia die Iicuuom
Cbeguu pelo paquete ultimo, pa-
ra o e-tabelcimento de Agra & C~,
uma remesla de capellas (unebres,
de difTeresles tamanhos, qualidades
e pre.; s : hueni precisar, pode di-
r'gir se ao Uito estabelecimento, na
rua do Imperador ns. 9 e 11, sendo
o seu cusu mais barato dd que em qnalquer outra
narte, P"r ter vindo de conu prupria.
Aluga-se 2 ca^as mu to frescas,. na Capur.ga
com commodos para fami ia : a tratar no mesmo
Sugar a rua das Crioulas n. 5.
E. A. DELOIICDE
24-Bna do Maiqsez de tiliiula-24
Esquina de becco Largo
Participa a seus Trfgnezee e amigos qne mndou
o sen estabelecimento de relojoe;ro para a mesma
rua n. 54, onde encoMrarab'um grande sortimento
deTdogios de pared, atrrericanos, e cima de me-
sa, dos melhores gortos e qnaJidadea, alogiosdc
algibeira, de todas as qualidanet,' pateote suisso,
de onro e prata donrada, foieado (plaquet), relo-
Eos 4e onro, inglez, desenberto, dos rnemore3
bricantes, cadeia deouro, plaquete prata. lanetas
de tod?s as qnalidades, tudo por pre?os muito ba-
ratos._______________________
Aluga-se por anno ou Testa o sobrsMo de dens
andares nos Quairo Cantos, e.u'OiinJa, .com ccm-
modos para grande familia, agua encanalisada e
cano para despejo, inuiij fresca, perto do banho e
das esta^oes : a tratar na rua da TJhiao (itha dos
Ratos) n. S3, detraz do Gyrrmasio.
Aff nso Jo86 de Oliveira, professor ju-
bilado da cadeira de geogrp!iia e hie-
to ria do ex-lioeu de.-ta cidade, tem de
novo aberto, seu collegio de inslrucrtao
primaria e secuadaria na rua da Impe-
ratriz n. 18, onle continua a receber
alumnos interaoj, extemos e meio peu-
sionistas.
(asa
Aiuga se a casa n. 25 da rua do Pilar, em Fora
de Portas. com portao para a mare, grande, e
serve mesmo para quemqnizer t'>mar banhos sal-
gados por ficar pertinho d'agua ; a chave para
ver, esta na rua da Cadeia n. 3, no Recife.
David
No dia 27 de setembro i assado ausentou se este
escravc, o qual tem os sig jaes seguintes: crionlo,
de idade 36 a 40 annos, eitatura baixa, cor preta
rosto redonlo, nariz um ta lto chato, se.n dentes na
bocca, tem um pequeno Igode e ponca barba no
queixo, pes apalhetafios e tortos, com signaes de
feridas, tem as raaos caleji das, quando anda e todo
fugio
troncho, 6 nr ito fallador,
foi eseravo de nm engenh
rim Salgado : roga-se as|
capitaes de campo a appnhensao do dito eseravo,
e leva lo a rua de Marcilk Dias n. 129, que serao
graiificados.
Aluga-se um exc llente sitio no Man
teiro, perto da estac.Sc
modos, estribaria e
do Imperador, n. 83,
com grandes com-
z : a tratar na rua
8." andar.
Os Srs. Juao Paulo c
Azevedo ou seus
bondade de apparecer i
nhia pernambneana, no
particular iuteresse.
e Souza e Jose Maria de
represe itantes, queiram ter a
) escriptorio da compa-
ecife, a negocio do sea
Uma preta de 30 annos, |ue cozioha e en-
gomma bem, precisa da quantia de 450i para
sua liberdade, contratandi
pessoa que queira- fazer < I
to da dita quantia, no fn teo de S. Pedro- D. 26,
na mesma casa vende se i escravas que coxinharn
e engommam, uma dollas por "
seus servieos com a
?ste negoeio a pagamen
de
Maria, de idads dei$
tneoos, acha-se ausente
ha tree mezes, levon verttd
trellas brancas.; foi comjrada
ao Sr. Line, de Afogados :
t^ervio em eaganko, tem
b&ixo de nm dos bracos,
oltos empapu^ados, cara
curtas e grossas : roga-
crrpo ou outra qualquer
rem dita escrava e leva
rua Imperial n. 153, casaj
bem recompensados.
Escrava
Josepha ?.u*ntou so i a casa de sua senhora
no dia 5 de outubro e tei a os signaes segnintes
mu ter V> antes pouco
mao direita
crioula, cor preta, repres
boleiro com toda louca
ievou saia de chita com
baixo, traja oaraUa cop
von chales preto: ;rpg
oiaes on capitaes de ea
e das partes de Una, e
do Sr. Paulo de Amo-
autoridades policiaes e
Carroe de lxo.
QE' inqnestionavel que a eocheira da rua do Bom
Jesus n. 15,. de Joaquiax Paes Pereira da Silva, e
avnue tem as melhoies berlindas, caleches, meias
caleches e Vicuirias de iuxo, pxoprias para qual-
quer noUado, visita de atiqueta, bailes, e actos
da academia, sendo os mesmos ajaczados de ex-
cellentes parelbaa de animae% arreios luxosos e
bolieiros com fard^meptos do-aKlmo gosto, para
o que se convida ao publico a vir por si mesmo
scienti6car se da verdado do que deixamos dito,
certos de qne nao eucontrarao pomada e sim rea-
lidade, e commodos preg^s
Terreftos pprlos
Com 400 e 500 palmos de
fuodo
A. SOO e f9 palmo
Continua a retaihar se os grandes terrenos que
circundam a esiagao da Boa-Viagem.
A boa posiclo e vaniagens gir^ntidas pelo go-
vemo e pela companhia da eslrada de ferro a
quem edificar proximo a esta estaf Jo, sao bem
conhecidas.
Em todos es domingos e dias santoi podem os
preiendentes dirigir se a mesma ettacab, que acha -
rao pessoa habilitada para iazer as competentes
demarcacoes.
Para nao ficarem preiudicadas, sao rogadas to-
das aquellas pessoas que encommendarara terre-
nos, a virem quanto antes ti mar posse deQnitiva
de sens rates.____________________,___________
Bom negocio.
Precisa-se da qnantia de 500^ a juros, sob bv-
pntheca em bens de raiz : a tratar na. travessa da
rua do Prinei; e u. 9, que se dlra qnem precisa.
annos, pouco mats ou
casa de sua senhora^
o cor de cM com es-
ha qnatro mezes
trabalha de enxada e jaj|
im grande lobinho em
pes tortos para dentro,
iarga e lustrosa, maos
aos Srs. capitaes de
pessoa, de apprehende-
em-na a sua senhora, a
do Amaral, que terao
se
fngida.
tem o dedos da
Eseravo fiigido.
Fugio do engenho Ajudante, na, fregnezia da
Escada, no mez de junho do corrente anno, o
eseravo Martinho, de c6r preta, cum W annos
deVidade, pouoo mais ou menos, altura e corpo
regulares, olhos grandes e brmnos. com principio
de barba, denies perfeitos, eabellos oarapiahados,
pes grosos e compridos ; anda um pouco decli-
nado para frente, com a vista firmau. para o
chao; e muito cantador e ulli^Ul do carreiro.
i Deseonfia-se qne o dito eseravo esta ou-ullo em
terras do engenho Para, na freguezia do fpojuea,
pelo que, incorrera nas penas da lei, quem o tiver
occulto. Uoga-se as autoridadt-s policiaes e aos
capitaes de campo a; capture fld diM eseravo, e
ser entregue a sen senhor, Emilio Pereira de
Araujo, no referido ongenho, de quem terao a
a paga deSOjOOO.___________________________
Bods pianos.
Chegados de novo.
Vende-se.
Trocn-se.
E aBjaga-se.
do armazem do vapor francez^ a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
MOBILIAS
de viiiie e de faia.
Vende-se muito em conta ; cadeiras avulsas, de
baranco, de bracos e dd dobrar : no armazem do
vapor francez, a raa do Barao da Victoria, outr'o-
ra Nova n. 7.
Perftimarias.
Finos extractos, banhas, oleos, cpiata e pos den-
trifice, agua de flop de laranja, agua de toilete.
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
crosmeticos, muitos artigo delicados em perfnma-
ria para presentes em frascos de extractos, caixi-
nhas sortidas e garrafas de differentss tamanhos
d'agua do Cologne, tudo de primeira qualidade
dos bem conhecidos fabricates Piver e Coudray,
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artlgoa de differentea ^astoa c
phantazlas.
Espelhr s, leques, Invas, joia? d'ouro, tesonrinhas,
canivetes, caixinhat de costura, albuns, quadros,
e caixinhas para retratos, bolsinhas de velludo,
dita de couro, e cestinhas para bracos de meninas,
chicotes, bengalas, eculo, pencioez, ponteiras para
charutos e cigarros, escovas, pentes. carteirinha de
madreperola, tapele para lanternas, malas, boisas
de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
pos, lanternas magicas.cosmoramas, jogos da gloria,
de damas, de bagatella, quadros com paisagens
SJobos de papal para illuminac.oes, machinas de
azer cafe, espanadores de palhas, realejos de veio,
Alngi-se o primeiro andar da rua estreita
do Rosario n. 22: a fallar no patoo do Tero n. 31
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de Coras mtudas muito boa* pan roofa 4>
meninas a 160 e 190 rs. o covado.
Li pretas, superior, a 400 rs. o covado.
Alpacas de cores final a 310 e 300 n. o covadc
So se vendo. -
Ditas com tistras abertas, fazeuda Una, a 600 ra. c
covado.
Chitas de corer a *40 e 580 rs. o covado.
Matins da cotes ntindas a tWrs. o covado.
Cretones, o malbar qaa- tem aiada aa
400 440 ra. a uUiaJl
Capibraia* braacaa, bardaiaa a ahtrtja.
mais Dna qne tem vindo ao marcado, a
de 2*000 o metro, por 1*000 a van
chines a.
Ditas pretas com Bores mindai a SOO rs. a
Cambraia transparente, flna, a it a paca.
Dita Victoria, fina, a 44000 a peca.
Organdy de assento braneo a de cores, a>
res miudas de seda e de 15, a 400 rs. o
E' pechincha.
Cartes de casemira de cores modernas a 5*500
corte ; 6 fatenda de 9f. R* pfchincba.
Camisas de linho Anas, lisas, a 3SJ a dnzia, A fa
zenda de 551.
Brim braneo da linho a 1*400 a van.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covada.
a*
eoileu
f
COTSdo
Vr:NBAS,
Camisas.
Camisas fraacezas brancas de algodao nao con
frizode cor a 2*000 uma, em duzia a 23*000;
e pechincha : na rua do Crespo n. 20 loja do Gu>
merme 4 C______. -,____________
Perdeuse hoje, por volut das9 hoas do dia,
duas chaves em uma corrente, cesde as Cioco
Pontas ale a rua Direita : quem as aebou, que-
rendo restitui-las, leve as Cinco Pontas n. 71, que
sera recompensado.
Madapolio francez verdadeiro, Sij
7* a paca.
Algodae T, largo e superior, a 5* a |
Gorgorto prato de seda para vestido a i
a 3* o covado
Toalhas alcoeboadas a 4*500 a duaa.
Colchas grandes a 3*500 uma.
Cobertas de gang*, forradas, a 3*.
Lencoes de bramaaie at* ana.
Lencos de linho, abaaahadoa a
3#eeaduzia.
Ditos de caja de cores abainftados a 3*500 a an
E eutros muiios artigos qne se vende por saa
bos do que outra qnalquer parte e para s* *>
So na lorem queiram mandar ver as atnoatras.
eogaoaja de
Gnilherxae & C
Vende-sn em sortes de 3n.patmos para cirna
os terreno3 sitos na estrada do Lameirao, a mar-
gem do rib Capibaribe, pertancontes a viuva de
Henrique Jorge : quem pretender, pode-se dirigir
ao engenheiro Antonio Feliciano Rodrigues Sette,
a estrada de Joao ae Harros, casa n. 92. ou ao Sr.
Vieecte Ferreira da Porciuncula, em sua casa da
raa d1' Imperador n. 83._________________ .
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papel de linho
proprio para cigarros. de diversas larguras.______
Para o fabrico de chapeo*
A NOVA BSPERANCA recebeu o arame propri
para armaclo de chapeos.
Para vender.
Vende se um cabriolet de duas rodas, em bom
estado, por preco commodo : dirija-se na rua da
Imperatriz n. 55.
Grande liquidacao.
de raiudezas e chapeos: no novo Bazar, rua do
Marque', de Olinda n. 53.
Vende-se
No escritorio de Thomaz de Aquino Focceca 4
C. Snccessores, a rua de Vigario n. 19, primeiro
andar:
Cknento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Lisboa.
Vinho Sher'y.
Vinho d i Porto em caixas, Qnisaimo.
Idem em barris de quinto e decimo, fino.
Retroz.
Fio.
1 al de Lisboa
Vende-se cat de Lisboa : aa praca do Corpc
Santo n. 17, anaar, escriptorio de Joaquim Ro
drig 'es Tavares de Mello.
- Aluga-se o primeiro. andar da casa da raa
do Torres n. 8, prapria para escriptorio, on ponca
familia: a tratar no wajaado andar da,rua do Mar-
quez de Olinda. :
accordaos, carrinhos, .e bereos para criam;as, e
outras muitas quinquilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variadade que se pode desejar de tc-
dos os brinquedos fabricados em differntes parte=
da Europa, para entretimentos das criancas, tudo
a precos mais resnmidos que e possivel: no ar-
mazem do Vapor Francez, rua do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova n. 7.
Calcada francez
- A9J5 -.
Botinas para homem
Acabam de chegar grandes jacturas de botinas
de bezerro, de cordavao, de pelica. de duraqut
com biqueira, de bezerro com botSes, e com ilho-
zes a 9^000 (.a escolber) por ter vindo grande
qnantidade por conta e ordem dos fabrkantes;
ao armazem do Vapor Prancez, a rua do Barao d
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS ptetas, brancas e de cores, diflerentet
lisas, enteitadas e bordadas.
SAPATINHOS de pbantasia com salto, brancos,
nretos e de cores differentes, hordados,
3APATOS de tapetes, eharlot, castor e de tranca
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qnalidades.
3APATOS de tranca portnguexes.
Para meninos.
BOTINAS de berarro, ltrstre e de corda*"5o,
ABOTINADOS e sapatfies, de bezerro, de deversas
cnjalidaues.
9APATOS de tran^a.-
Botas de montaria.
Bota3 a Napoleao e a Guilherma, pen>*t
meias perneiras para homens, e meias perneira
para meninos. _
No armazem, do Vapor rVaneex* a rna do Barao
da Victoria n. 7.
Aluga-se o 1 andar do sobrado n. 12, sito a
rna de Marcilio Dias, outr'ora rua Direita : quem
qpizer, dirija se ao 2' andar do mesme sebrado.
Uma pessoa due Um a necessaria prlim de
armazem de molhados, offereca-se para daserope-
nhar o lugar de primeiro caixeiro, danio fianca a
con ten to, e tem algnma fregnezia : quem precisar
mais ou menos,
curtados, levou e tabolaif o em que andava ven- podera annonciar por este jornaL
dendo canglca e contimi i a andar com o dito ta-
para nao ser agarrada,
|um babado estreito em-
labiryalbo no talho e le-
se as aut^ridades poli-
a apprerjensao da
dita escrava "e leva-la ao Caminho jfoao, sitio n.
110, a sua senhora, en pa rua da Qacimba, pri-
meiro andar, a entiegar ao Sr. J6ao Francisco
|,Letfe, qne sera g^nensatpenje recompensado.
Fug;ie-a.lB-xloa
ro, de idade 14 aoooe,
centa, cabellos carapii
olhos e orellnfsaBaM,
snppoe-se ter ido pela
attain eonrboy Jo- _
Passagem, entrada para a
o,Aplttah peeml
a asenaa, k alva
' a*Btos...rDss
. a-aMhr
do Caxanja^^m
fabrica de"fiacio.
Boamoradia.
Veade-s uraeHente sobrado, earn uma
casa pequena contigua, sitas no Pogo da Pa-
ella, raa Real n. 90, com1 boas commodos
ra uma familia grande, tendo diyersas sa-
grandes e muitos quartos, todos cam
quartos para criados, eocheira,
rtbaria^ grande copitr, oasa, de banho
jajtdim de cada lado. A oaaa eslt era
, BB?it0 aitade, o e situagio e a mai*fresat
a saadavel possivel :a tratar com a proprie-
tari? ^Sfi.at^rceti'llaqIiRpo, fla Riesw*
casa.
Fugio no dia 7 de setembro o eseravo "do abai-
xe as3ignado, com os signaes seguintes : Egidio,
cabra, idade de 20 aonos, eabellos earapinhos,
oltos aboticados, altura fegular, rosto um tanto
clupadp, beicos grosaos, boCca regular e nm
hwto bicudo, cabeca pequena. orelhas regulares,
bracos, a mesma aoosa, pcrnas regulares, tendo
a esqnerda e o pe inchado, por lhe dar erysipela,
nariz regular, e bam trahalbador de olaria, e
aanbem e boleeiro, 6 natural desta cidade do Re-
cife, e foi comprado ao ex-capitao do perto desta
provincia, Jos6 Joaqim da Silva Jacques : roga o
abaixo assignado as autoridades policiaes 6 ca-
Lnities de campo e de navios, a sna captura e le-
Varem-no a povoaqio dtw Afogados, quo serao ge.
nerosamente recompenaadoj. .
Jos* Onarque tCtsboa.
V Cma-yaanciatp alatanla. JJchua flwilatata,
brador, pwcisa-se fallar mm nrgenoia : na rua
imeiro de Marco n, 18,. i* andav.
fcaiuada Alegrfa n. 'Wj'^nrecisrsede nnt
eriado que apresenleaWBstada'TO rev ewtfncta.
Botinas Suzer
chegadas pelo ultimo vapor da Europa. Ha nm
completo sortimento de bezerro e eordovao : a rua
do Marquez de Olinda n. 40,1 ja de Julio de Mello
Salgado.
Sitio.
Vende-se no Arraial, perto da estacao, a posse
de um terreno foreiro com 180 1|2 palmos de lar-
gura, 588 de fundo por um lado, e por outro 388,
eom 142 pes de arvoredos de frueto de 28.quali-
dades, e espaco para a eoniinuacio, esta t do o
terreuo pla tado de lavouras que ja dao rendi-
mento, tem mais de 600 palmos de latada com
uvas, abobora e maraenja assU. 0 dono encarre-
ga-se de fazer casa ao gosto do comprador, se
exigir : a tratar no Arraial, segundo sitio do lado
esquerdo, partindo da estacao da Estrella, em di-
loaalo a casa amarella^______________^^_^^
Aos 5,000 eovados dela
A ISO rs.
Na loja do Pavao vende-se lazinhas de muito
bonitos costos e delicados padroes. fazenda nova
no raercado, pelo diminuto pree,o de 160 rs. cada
um covado ; quem deixara de fazer vestidos de
la tao bonitos e por tao pouco dinheiro ? Forne-
cem se as amostras: na rua da Imperatriz nume-
ro60.
JL.
Wil-un Rowe & C. vendem no seu axroamc
a rua do Commercio n. 14 :_
verdadeiro panno de algodao aznl amencano.
Sxceltente flo de vela.
(Cognac de 1* qualidade
Vinho de Bordeaux.
Garvao de Pedra de todas as qnalidades.
Sedas de Iistras
em cores claras, a UOOO o covado.
Mendes, Lobo & C.
Rua do Marqneaete Olinda n. jg
Vendc-se nm piano da arraario, de jacaran-
da, usado, porem em boai estado, proprio para
principiante : a tratar na rua,dj Bom Jesus n. 53,
1 andar. ___________________________ .
Pinlidro Ghagasi
TERREMOTO
DG
Preco1*6
LIVRARTA POPOUR
Rua Nova n. 89
Agora sim, boa oceasiao
Gama 4 Siva IWito, com arraazens de molhados
no largo da Santa Cruz ns. 2 e 4, vendem gaz
(Qevoes) liquido a140 rs. a garrafi, vinho musca
tel do Douro a 1*200 a garrafa, cfe do Rio, de 1'
sorte, a 380 rs cada 450 grammas, cha aljofar,
superior, a 3* aada 450 grammas, manteiga ingle-
za em barris a 600 rs., 1* e 1*100 por cada 450
grammas, vinhos do Porto, flnos, por precos bara-
tissimos, vinho Figueira a 3*600, e muitos outros
artigos que se torna enfadonho menclonar. Os
generos compralo* am nossos armazena serao con-
duzidos a oasa do comprador, gratis; aproveitam :
no largo da Santa Cruz ns. 1 e 4, armazens de
Gama Silva Brito.
BAZ\R
DAS
FAMIUAS
Rua Duque de Caxias n. 60 A
Grande qneima.
Carram a pechincha I...
Hiquisimas sa'iidas de baile, de II, para
ra. Verdadeira novidade no mendo etegaate t
Capmhas de la e seda para senhora. Com*
rateiramenle nova I
Excellentes cachinets de li e seda para seatr
ras, por 5*500.
Casaquinhos de gorg^rao preto de seda, ri*a
reecte bordados, pelo dimiauto preco da aOfAfX
Excellente. aeqaieicaoo t
fhales da seda a *. Baratissmo !
Grosdenaple preto a 1*860 o oovado.
I'opelinas de seda a 1* o covado.
Faia de seda, fazenda modwoissi na, pela cm
raodo pre^o de 2*300 o covado.
Popelioas de seda, objecto da ultima raoda, -
l*o covado f
Ditas de Hnho cam Iistras e agradaveis pa-
droes, a 440 rs o covado.
Cambraias transpareatee, hzenda mui Goa e d
grande procura, a 6*500 e 7* a peca.
Alpacas de seda a I* o covado. Grande pecbir.
cha f
Granalinas de cores com Iistras assettnadas, -
800 rs. o covado. eUas emquMt.i res lam I
Cambraias bordadas a UK 0 o metro.
Ricas r-olinaises, bordadas com esmero, a 38&
cada uma.
Tapetes para sofa, grandes e pcrroencs. Padr*"
especiaes t
Ditos para portas.
Ditos para cama.
E outros a<-tigos para homens, seohoras
criangas, os quaes artigos nao semeaeiooim par-,
nao massar-se a benevola atten^ao dos ieitore.*
leitoras, amantes do bom e do barato, e eothu
siastas da grande virtade domesrica a eeoBf.
mia I m .
Corram qnanto antes a grande pecbiacha,
fregnetes I
Vinda var, comprar e sdnsirar t_______
Para ooneertar meias
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Caxia*
n. 63, recebeu desta necessaria linha.___________
Chocolate do Maranhao
Unico deposito nesta cidade, em casa da las*
Tavares Carreiro & C, raa Direita n. 14, onde t-.
vende pelos precos e vaniagens da fabrics._______
Fazendas
muito tolas para acabar
E' irem depressa antes qne se acabtm
Cimbraia de cores, organdsy, covado a
Algodao asul, idem idem
l|em de listra. idem idem
Chita preta muito fina, idem a 260 e
Meias para meninas, a 2* a "duaia e
Cbales de merino 1*1W
QjUetes de brim e casemira ill, 1*500
2*e **50f.
E muitos outros artigos de fazendas e roupa-
feitas por muito menos de sen valor, por se ans
rer mudar de sortimento : i rua do BarSo da vie
tcria n. 14.
Alpacas a 400 rs.
0 Deaengano es* vendeado pe diminuto pre-
co de 400 it a onf>ao, alpacas *e K astn, *
lindos padrSes, fazenda mnlto fina e rtrga, qua
sempre se vanderamfcper 1*200 o covado, e par*
aaabar; a alias anlesi aaa sa acakVaa : a*
Primeiro d Mar?n m. MJ Junto >H** taa
esajnina
Asunicas verdadeiras
Biehas hambaagaaaanap tarn a este
aa nia do Marouez de tainda o'
Gusmto & Leal tem grande quantidide de ca-
misas de liobopara homem, e Yeoe>a por 2*000,
MBOO e UOOO ; aprovptiem a pechincha antes
que se acabe.
Farinha demandioca supe-
rior.
Tem para vender, Joaquim Jose Gontal-
ves Beltrao & Filho, a boarja a"o palaatapte
Rosila, fundeade aa-pe do aawdaCaltafio,
e ,para tratar a bordo o*ao seu escriptorio:
a rua do Comnraaif !.rtl.
Chocolate hespantueff
muito flco, tem para vender *"*^c
Commercio, MeirT Lima, rna to ftataaareto ao
mtro 22.
A 120 is. o covado.
erajriz n. 60, vaaajpra aca-
ouantklade da Ka atas de di-
t, aeata ra. ate 800 rt.; ao-
Na rua da Imperatriz i
bar uma grande qi
versos sortimeetos, _
taado-se que, qoando aaria f^^_2*T:
tea, se vendiasB a *JJ*6O0 acavaaVk la
graaie vamdade em' P**JH "BSrSa!
chegarem melbor pechmcha farjo, a aa a m aa
hmeastasT *i )________________.
Oat telt&ofrpwrmm
Vende se em grafidaAAaasjaaaaj
raa Direita n. 14.


poreSea: na




^


V
fctt^^ftti^8ho*^'tai8d6 2r,ayrffla8r(?%#iM!H.
i
Faaeadas e aitigos de
noVfflafle
NA
DO PASSO
Rna Frinieira de Marco n.
alta


7 A.
^ordclro ftimGes A C, proprietarios
ste importante (stabeleckDento, no louvavel pro-
proailo de nio desroenhreaa e coneeito qae os
feus Bumerosos freguezes lbes tsm dispensado,
acabam de receber de sua conta o mais nco sor
umento de sedas, popelinas, las e artigos ae ul-
tima mod* em Rtris, 0 eottinoarao a receber
par todos os paquetes daqueila procedencia ; por
.sso chamam a attencao de seus fregaezes e os
:onvidam a darem urn passeio ao sea estabeleci-
mento, gaTantindo lhes quf eneontrarJo a realr-
dade do qae fica dito, e para prova dao um pe-
queno resmno, cujo infalltwJraente despertara a
ittenglo dos preteiidentes.
Mandam fazendas a casa dos freguezes, e dao
wnostras mediante penhor.
Artigos aKa novUdadc c
ulilma noda.
Cortea de vestido de linho gnarnecidos de bico
da mesma fazenda e cor, irazendo fivella, bolca
:into, ete ete.
Riqaissfcnbs ehapfios para sermora, de cores e
atMua,
Cortea de cambraia brancos com lindos bor-
dados.
"' 's de cores com enfeiles' da mesma fazenda
nrino, etc. etc.
Capas de la para meninas senhoras, guarne-
cidas de arminho.
Vcstuarios para baplisado.
Biqoissiraas caraisas berdadas para senhora.
Leques de madreperola, para nolvas.
Ricas colchas de seda, para casamento.
Cortes de soda, lindas ceres. .
Gorgorao de seda braiica e dito preto.
Sedinhas de delicad^s padroes.
Setim Macao de todas as cores.
Grosdenaples pretos e de cores.
Velludo preto e damasee de seda.
Granadine preta e de cores.
Filo de seda branco e preto.
Ricas bassjuinas de seda.
Casacos de merino de cores, II, etc
Manias brasileiras. *
CapeUas e manias para noiva.
Carobraia de core?, ditas mariposas nrascas, de
cores, lisas- e bordadas.
Flor do bosqoe (Bovidade).
Perealinas de quadros, distras, etc.
Brins de linho para vestidos.
Fusfao de cores.
Saias bordadas para senhora.
Grande-soTtimento de camisas de Ireho lisas e
mrdadas. para bomem.
Meias J.e cores para hoanem, senhora, meninos
meninas.
SortiiDpnto de chapew de sol para homens ej
wnhora.
t Merioas -de cores para vestidos.
Dito pteto tiancado e de verio, bombazina, can-
to, alpaca, etc. etc.
Atoalbado de linho e algodJo para toalhas, e dito
oardo.
Datnasco de \i.
Brim de linho branco -e de cores.
Satins de lindas cores oom listras.
Chales de merino de cores e pretos
Ditos de toaquim e ditos de casemira
Camisas de chita para hompn* rMas de fla-
aella.
Ceroulas de linho e ditas de algodao.
Pannos de croehet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e ditos de labvrintho.
Ricos cortes de vestidos de tariatana, bordados,
sara bailee, e tariatana de todas as cores.
Colchas de damasco de la, e ditas de crochet.
Espartilhos lisos e bordados.
Poniard de seda, lindas cores.
Meias de eeda para senhoras e meninas.
Casemiras pretas e de cores.
Popelacas.
Neste artigo temos um variadissimo sortimento,
oao so em gosto como em qnalidade.
Laa
?m listras de seda, ditas com pal nas bordadas,
'tas transparentes e de outr-as muitas qualidades.
ILuvaa
te pelliea brancas e de cdres, do verdadeiro fa-
oricante Jouvin.
Finalnierate :
apetes para sofa, cadeiras, cama, entrada, etc..
-ambraias brancas, chitas detodas as quaPdades,
nadapolSes, esgniao, r>retanh*s, bramantes, algo
ISes, collarinhos, penhos, meias para homem e
wnbora, punhos e collarinhos brancos e de. co-
res para senhoras, gravatas para homem e senho-
a, peitos bordados, lenjos de linho brancos e de
ores, ditos de cambraia de linho, toalhas, gnar
4aaapo, panno fino, etc., ete.
Loja do Passo
Rua Primeiro de Margo d. 7 1
antiga do Crespo.
hi 1

N,

Tendo os propri
xendas, entenderam fitter
fetarios deste estabelecimento resoWdo diminnir 0 grande deposito'de fa
esta grandeliqnila?8B, cjmoe v4 dos pretos abarao mencienados :
Chitas largas a 1(0, 200 e 280 je"is.
e flnas'a 120,280 e 320
itOrCis.
Vende-se chitas francezas
0 covado. '
Laxiftbaa a ..
Vende se lizinhas para ve itidos a 120, 240, 320 e
400 rels 0 covado.
Cftltas- para cob( rtas s S80 r5is.
Vende se ctifcas para ebb rtas a 0e 360 rtfe 0
covado.
.Alpacas de ciir i a 6i0 reia.

?enfc-* alpacas de cflrei; flmw, para vestidos de
senhoras, a 640 reis 0 0 Krado.
Metim de cor*
Vende-se metim de c5res
ras, a 320 re"is 0 covado
Gassas finas
360
Vende se cas?as francezas
reis 0 covado.
Cambraia Victoria a 3*0O
Vende-se cambraia Victoiia para veslidoa a 31,
3*300 e 4*000 a pec.
Cambraia transpar enle a
Vende-se pecaS de camb'aia
3^500,4* e 3*.
Cor'.inados a
^'ende se cortinados bor^
16* i'R|.
Ganga amarell
.Vende-se ganga amarell a
ras e rorijia paramenino


I
0

il"OC

7 2
Guimaraes & lrmaos-
m per.a t
DE
-on
sjdvba b.01
A tmpnn 3) If ''
cawlicirosc
>
recebid* nltimamente
Salsa-parrilha do Para
Tem para vender WBtonio Larz de Olrveira Ax*
*tdo, no seu escriptorio, a rna do Bom Jesus n
JMTQW. ____________________________,r
7T
IT edoDomico.
Graxa glyceriaa prc.pria para a conservaeao 1
cordowo; vende a NOVA WtRARCA, itu >
q;ie de Caxias n. 63.
Vende-se
uwa,.mwtidto-4fr.iu(res, oandieiroe, aranaWlas,
glubos etc etc., ludo ubra de gosto e d>- primeira
!lDa2|dade ; acna se en posijao de t-upprir a seoa
regneto, nor-paejos meB.,res do qae antigamen
!j. MM Vend aa amaatraR, diriiam-ae a rna do
laapewatora-iab ________'^_________
Cbrtinados para^amas
na rua do Vigario. n. 19, primeiro andar
to Porto engar
aacoKlas.
Cerav em velas, de
Retroi do Porto.
Cifflento Portland, legitimo
Dho do Porto' engarfafado, em barrrs e em
Lisboa, superior qualidade.
a taverna sin a rua
muito afreguezada :
Roaario d. 40.
VENDE-SE
do Barae da Victoria a.
a tratar na ma 4
it

a 320 ref.
para vealidos de senho-
carijas
a 280 fe"is.
finas a 280, 320 e
2e.3*000.!
tratosparente
a 3*,
B*000.
dos para camas a 11*'
a 400 reis.
ara vestidos de senho-
a 400 i^is 0 covado.
. ;.____
Brim de cores a 400tois\
Vende se brim pardo e de cores para
400 r*is e ewa*!, '
Toalhae para rostd a>f706 reia. M
Vende-ae toalbas dt Jiuho.pararosto a
reis cada nma.
Chales de II a fj*f) reis.
Vende se chales de ia de quadros a 640 re"is, eba
les de melim a 1 *460 reia, chales de meru.6 -
lisos a 2*, e chales de merino estampados, a
3*600, 4* e 5*. 1
Abertaras a -2dO09.
Vende-se aberturas de linho bordadas, para ca-
misas, a 2* e 3*308. Unas de algodao a 200 e
400 reis.
Cortes de casemira a 5*000.
Vende-se cortea de casemiras finas para.calcas a
5*, S*500 -> 6*
Cortea de brim a 1*400.
Vende se cortea de brim de cores a 1*400. Ditos
de brim de Angela a 1*800 e.2*300.
Cobertas a 2*000
Vende se cobertas de chitas de cores a 2*.
Colchas a 2*000.
Vende-ae colchas de fustio para cama a 2*, 3* e
4*.
Paletots a 3,000 rs.
^ Vende-ae paletnts de alpaca preta a 3, 3,60
5,000 rs. j'calcM de casemira prelate de coie
ietes de casemira preta ede cores, e outr-a a
tas roupas feitas baratas e fazendas qae est
quidando no Bazar Naciona'I, a rua da 1m
hit n. 72.
N* loja 4o Pavle vende se um grande sortimen
to n cortlpaflos bordados proprias para camas e
f .janellas, pelo barato areco de 8, 9 e 10^0 rs. 0
par, assun corao culchai de damasco para eamas
/ de noiva 10 e 12,000 rela-6 pesr.iacte: a
700e8to-g'lldt toljWtrix n. 60, de Felu Pereira da
PREDILECfA
A' rna do Cal ner 11. 1 V.
Gs proprietaries da Pridilecta, no intnito <*
>nsefvar o bom conceiM qua teem raerecide dc
resj)eitavel pubiico, distiag amdo 0 sea estabeteci-
mento dos mais qae neg< clam no meimo ^enerc
veem scientificar aos sens boas freguezes qne pra-
veoiram aos seus ^orteapor dentes nas diversaaipar-
cas d'Kuropa para lhes erjviarem por todos os pa
qaetes os objectos de lako bom gosto, que se-
jam mais bem aceitos palas sociedades elegantes
daqneHes paiaes, visto afrosiraar se 0 tempo de
fosta, em qne 0 bello
ciais ostenta a riqueza
mo ja recenpssem pels p.
artigos da nrtima mo&a,
d'entre elles axie se tortia
A 500 rs. o covado
. Natoft (loftitj, TCBde-se lazinhas laponeraa
de cores muito moiarnas pelo haratissimo precc
de 500 ra. o.covaao, para aobar ; ooUodo-se.que
6 razenda que jamais se vendea por menos de
d0^er. ?* ; ,a tPoacas : a rua da lmperatrii
n. gMggjjg Pavao, dPelK Pereira da Siva.
Fara senhoras
Como sao lindaa e modernas as gravatinhae qua
a Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 48, acaba
de receber I
E' com as noivas
A NOVA ESPERAXgA, rua Buque de Caxias n.
36, acaba de receber bos? meias de seda proprias
para noivas. ens apreciaveis ramoa de larangoira
E* boQitt
Ohapeog para senhora, leques
e punbos, maDguitcs brancos e de cores,
gravata de^ seda. perfutnaria e cintQ de
couro.
Vendem Amaral, Kabuco & t, no Bazar Victo-
ria trrS.'rna do Barao da Victom.
Pumo exporte best Birds Eije
Amaral, Nabuco A C. vendem fuma inglet para
cachimbo : no Bazar Victoria, rua do Barao da
Victoria n. 2.
As almofadas bordadas de la matlsadas qae rt-
ceben a IVora Eaperanra, a rua Duque it
Caw "** '
Chapeos para senhora.
A loja da Passo, a rna Primeiro de Marco n.
7 A, recebeu am rico sortinento de chapeos
raesna horaa, pretos e de cores.
Cortes fde casimira a 4$,
e 6#00Q.
Na loja do PavSo, vende-so cortes de ca-
semira para calja a 45?, 5$ e 60000, ditos
mnito ftnosde uma s6 cdr com listras ao la
do, fazenda qoe sempre se vendeu a 9$ e-
105J000, liqrjicta-se a 6ij000 para acabar :
& rua da Imperatriz n, 60, de Felix Pereira
da Silva.
xo desta linda Vrnexa
e suas toillettes ; e co-
uete francez divers o
eem patentear algun;
mais recommeniaveis,
pubiico a coslamada
mais lindos qae teem
? de madreperola a da
E Cftffl ;is senhoras.
A Magnolia, a rna Buque de Caxias n. 45, par-
>cipa ao bello sexo qoe acaba de receber da Eu-
rDpa, um complete sortimento de artigos de ulti-
c:a moJa, e como acha desnecessario fazer um
-.nfadonhu anuuncio, par ja ser bastante eonhe-
-ida, e capricbar seupre em ter bons correspon-
dentes, sendo a primeira qne apresenta o que ha
de mais moderno e f or precos mui razoaveis, por
isso limita-se a descr'jver somente o seguinte:
Settaa douradas.
i< oh de cdres, tat to de seda como de guipure.
Leques dourados, de madreperola, marfim, tar-
tarnga, osso, etc.
abidas de baile.
Prespnies, diversos artigoa proprios para pre-
sentea.
Qolf ajaaj e punhos.
Manual para missa, com capa de madreperola,
- tartaruga, marfim, velludo, etc.
Sapatiaalioa de s Him para baplisado.
iamia bordada; para seaboras.
Lisas de seda.
Franjaa mosaicas.
Adereeoi de tartaruga.
voJUas'de snadreperola.
PulaMtarafil de madreperola.
I.tudaa flores para cabeca.
Bolxa* de velludo.
Perfumarias dos melhores e mais afamados
fabrieanies.
chapeoa de sol para senhoras.
Pitas de velludo de todas as cores e larguras.
Moscas.
Quereis livrar-vos destes malditos insectoa? com-
arai uma machina de malar moscaa pur 3*000
-ia Magnolia, a rua f'mue de Caxias n. 45.
Calvice. .
' A Magnolia, araa. Duque de Caxiai n. 45,'ven-
de o verdadeiro Vii;or de Ayer, que impede a
;iabida dos cabellos.
Sardas epanos.
So torn sardas o panos quem naer; porque a
dagnotia, a rua Dufiua de Caiia? 0. i5, lem para
ender a verdadeira Cuticuleria, que faz desappa-
'eeer estas manchas en poicoa'dias.
Aproveitem
0 PARIS N'A.VIKBiCA, 4 raa Duque de Caxias
o. 39, primeiro andar, esta vendeado cajcado nebs
segaint-8 pretos:
liotinas de duraq-je para senhora a 3.6O0 reis.
Dit-is de dito preto 4,000 reia.
Oi:as do diu com Jjoto^s ao lado, a 4,000 reia.
Ditas gaspeadas, cauo alto, para seahora, a
5,000 rt s
. Ditas deielllea,in|teza, ai.OOO ras.
Ditas de duraqae bordaao, para senhora, a
5/500 reia. .
Ditas de dura^ne, de cores, para meninas, a 3*.
Em qua n to 6 tempo
aproveitem,
Grosdenaples
Vende-ae grasdenaple preto, fazenda muito fina,
?.iUAA8empr88eveDdea Dor 3*500 o covado, a
1*800 rs.; aproveium, so o Desengano. a rua 1-
dp Marco u. 2o, juoto a loja da esoaiua.
esperando do respeitave
coneurrencia.
Aderegos de tartaruga
vindo ao mercado.
Albuns com ricas cap*
velludo, sendo diversos ti manbos e baratos pra-
08
Aderecos completos de'borrachji proprios para
into, tambeBi se vendem neios aderejos muito bo-
oitos.
Botoes de setim preto e de c6re para ornato dt
pestidos de senhora ; tan bem tem para collate
alitot,
Bolsas para senhoras, edste um bello sortimen
de seda, Ae palha, de cl agrim, etc., ete,
barato preco.
Bonecas de todos os tat aanbos, tanto de louca
como de cora, de borracba, e de massa ; cbama-
mqs a atteccio das Exma i. Sras. para esie artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
pertinentes por falta de um objecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendem-se por preco commodo.
Ceroulas de Iinbo e de algodao, de diversos pre-
'.08.
Caixinhae com musica, i que ha de mais Undo,
com di3tices nas tampas-o proprios para presen-
ce
Coques oe mais modernjs e de diversos forma-
tos.
Cbapeos para senhora. R< ceberam um sortimento
da ultima moda, tanto pa a senhora, como para
meninas.
Gapellas simples e com i >4o para noivas.
Calcas bordadas para m minas.
Entremeios estampados e bordados, de- liudoi
ileseuhos.
Escovas etectricas para dentes, tem a propria-
rtade de evitar a carie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, existe am
grande sorUmecto de dive -yas larguras e barato
preco.
Fitas
Ao barateiro
A'raa 1 de Marion. 1
Confronte ao area de Santo
Aaatuaiiu.
Os proprietarios deste estabelecimento, tendo
gnnde deposito de fazendas de la, linho, seda e
algodao, e achandose proxima a occasiao do ba-.
lanyo, resolveram faaer grande reducoao em pre- ] Caxias n. 63, bem conbecida petasupericTidade de
cos, afim de que naquelle tempo nio tenham gran-: seus artigos de moda e phantasia, acaba de rece-
de trabalhu em balaacos ; a saber.: ber diversas encorom'endas de raeradotias de sua
GORGORAO de seda prtto, para collete, um repartigao, quepela e(eganci'< iie'm mostra aptidao
corte por 1i. K faeenda qne sempre custoa 7*. e bom go-to de sene antigos correspondents da
AMAZONAS, linja fazenda para vestidos de Europa, e por eala razao a NOVA ESPERANCA,
passeio, a oOO rs. o covado. I a rua Duque de Caxias n. 63, convida a ana boa
GROSDENAPLES de cores, verde, encarnado, e constante freguezia e com especialidade ah sexo
branco, cor de rosa e craTo, a'900 rs., 1* e amave'l, a vfs'ftarcm na, aflm de apreclarem ate"
Sedinhas a 1^500 o covado.
Venham antes que se acabem .- na loja do Paasc
ma !. de Marco n. 7 A.
E'BOM SARER-SE
Que a NOVA ESPCTANCA, a rua Dnqfte-dc
Salamc de |-yon
A 1ASOO a libra
So na Assembler do Commercio n. 22, rua dc
Commercio.Meira & Lima,
W E % WE"JHK ositio junto a igre-
ja de S. Jose" do Maogu nho, com cssa de vivenda
assttbradada e outras acommodacoes, todo mura-
de, com duas frentes .-ervi:as por portao de ferro,
dando para a rua d. Amizade e para a,do Man
guinho.'. Tem de terreno proprio 194 palmus de.
Isrgura e '354 de fundo ; e a casa m> de 58 palmos
de frente e 84 de fundo. A situacao e a meihor
possivel para nwrada, e quem quiier edtficar, tera
bastante terreno para isto, pelo lado da rua da
Amizade. Tem a'gumas plautagoes de gozo e re-
creio, havendti bastante agua fornecida por duas
caeimbas, nma das qcaes 6 nova. A entender-s*
comoi8r: Or. Witruvio quem o pretender.
Aos legUimos fogoes econo-
m&o*.
Acabam de cbegar a esta ci-Jarre mrtr
dadeiros foyOes economicjs, \i rmulo coai .
cidos nas provincias do Rio de Janeiro
Minas, S. Paulo, Sergipe, Rio-CraBdf; Ikv
hia e Alsgoas, aonde tem merecido do pu-
biico a maior aceite^ao possivel, e s*" j.
preferidos aos de quaiqucjr outro sjwtouaa,
conbecido pela sua muita solirlez, esptciav
Idade na coHoca^So, moderno sysrna>.
e sobretudo grande econemia no combos'.:
vel ; tr<>ball)am com lenha, coki-, carvj.
madeira, etc., etc. Ha de div-rsos t*ms-
nhes, proprios para casas de pouca, aeajt
lar, e de muita fauoilia, collegi s, botii,
casas pias, ho5pitat.s, etc. Acbam-s* ex
postos ao pubHcj, aonde se dario todas ao
explicai;6es necessaries : na rua da fr;u;
n. 6.

Rendas da terra
Rendas, bicoa e grades de todas as laxguras
vende se. no pateo dq Teryo n. 52.
1*290 rs o covado. Quem 6 que nao coniprara?
P0PE1.1.NAS de Iinbo, de qaadros e listras, bo-
nitos go-ius, a 500 rs o covade. Aproveitem.
POPELINAS de linho e seda, gostos inteiramen-
te bovos a 900 rs.
DfTAS com listras largas as?linadas, o mais
moderno <\\w tem vinduao mercado, a 2*.
GRBTO^Us fraacex com listras e de quajirinhos
dc cores e pretos a 400 e 440 ts. o co.uado. I*to
so do baratei-o 1 ,
WTO francez de listras, proprio para camisas
e ve?tidos a 300 n. ; pois
crer.
ES ".U A(D lie linho e sIgollio/-pToprio para ca- j nao pedera completer
por misas, fronhas, etc., etc., cott 7fardas, a 3*200, e
com 10 jardas a 4*500 a pe$:..
oade toea o-frrlntor UVte.
A NOVA ESPBRAN^A nao quer entrar no nn-.
mero dos maasantes (verdaduiro* azqerins) com;
extensos annuncios e nerarpretenda de?crever a
immensidade de ofij da, o queserla quasiiimpAsSVel, mas limrtaf'se-ha
a mencionar alguns daquellesdemais alta novidadt
e tona a liberaade fo acooselh ;r a* bello sexo,
que a vi .-item const ante mente, .para depois que
comprarem era outfa qualquer parte caii se arre-
penderem, a vista do bom e escolhido soTtrmeHto
se vendo s: pAdeqaje ha emlJW estabete'iimento, etta razao tim-
bem demonstra que qualquer senhora do bom torn,
nao poUera compietir a eleg^ucia de seu toilet
sem que H ixtii passeio a NOVA ESPERANCA, a
tua Wrrque de Caxias n. 63, a qutff acaha de rece-
de saria. de gcrgt rao, de setim e de cba
Facbas de gorgurao mui o lindaa.
Ft r*- artifieiaea. A Pridilecta prima em eon-
ervar sempre um beHo e grande sdrtiraento des-
tas flores, nio so para en eite dos cbellos, eomo
ambem para ornato de vi stido de noivas.
Galoes de algodao, de Ht j de reda, brancos, pra-
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para Homem e senhoras.
Lagos de cambraia e de seda de diversas cores
para senhera.
Ligas de seda de cores ej brancas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir missk, com eapas de madre-
perola, marfim, flsso e ve ludo, tudo qne ha da
bom.
Pentes de tartaruga e mkrfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem pan tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola. marfim, ftsso e dot radoe por barato preco.
Perfumarias. Neste artigo esta a Predileeta bem
provida, nio s6 em extn ctos, como em oleoB
banhas dos melhores odor ts, dos mais afamados
fabrieantes, Loubin, Pivei, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosnel e Rimel; sao indispensaveis para
a festa.
Saias bordadas para :enhora, por commodo
preco.
Sapatinhos de la e de v, um bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Recebeu a Pre lilecta um bonito sorb-
meato de diversos tamaul os, tanto para sofa eo-
mo para entrada de saias.
Veatimentaa para, baptis ido o que ha de meihor
gosto e os mais moderno recebeu a Predileeta
de or arato preyo, para near ao aloaaca
joaiquer bo4aa.
Cura das hern
das de
as, pelasfun-
borracha.
As melhoroe e mais aperfeicoadas das ate" hoje co-
nnecidas.
VondO'Se
na
Pharmacia Drogarfa
d t
Barlolom to & C.
A
34. Rua larga
Vaccina.
Tendo b Sr. Dr. Jose Lourenco de Magalhaes,
montado na corte ,um conpleto servico deste ar
tigo, tem aqui aberto uu
mais recente, cujos tnbos
Jo Rosario 34
Vaccina.
deposito da meihor e
se encontram na
bU|U3 1UUU3 SO Cii'JUII
Pharmacia & drogaria
Al
34rua larga do Rosario 34.
VENBE-SE
Na rua do Vigario n Ifl, vende-se o aeguinte :
umento de Portland, en primeira mao.
ViBhoi do Porto,engarrafado, finis3imo, em cal-
xas de duaaa..
Dito dito em banris e incoretas.
Vmho Sherry, inglez em :aixas de duzia.
Vmho Collares em anco 'etas.
Cera em velas, de Lisbo i.
Cera em grome, idem.
- Veode-se om pequeSo sitio a estrada da Joao
de Barros, ou se vende pefluetos terreaos no ales-
mo sitio, coaforme se enlei der mais coavepiente e
vautajoso: quem pretenc er, podb-'a dirigir ao
MUSSL'LINA branca, com listras, para vestido, a 'br os sejofotfs aigos de Into einteira novida
408 rs. o covado. R' pechincha !"" | de :
MADAPOLAO france. m 20 varas, por tiiffi.;. Modernas seuas nara prender os -.cabellos
E" barato. || Primorosos leques de phantasia.
CASEA1IRA6 de cores, para costumes (roupa de; Bonitas sahidas de banes pan senhoras e meni
h(i:i") a 3* e covado. Ver para crer nee.
LAS escocezas, estamos acabanJo aos precos de
*20, ISO p 200 rs. Apressem eel
CHITAS escnras e claras, fazenda fina l| 240,
260 e 280 rs. ; *j a rua Primeiro de Marije.*. -1J
CHAPEOS de alpaca, para sol, para senhora* a
5/000. E' admiravel !
BRIM branco n. 5, exposile superior, a 2* a
vara.
CAMISAS deretone franeec de cores, 2*500
uma.
CAMISAS brancas, inglezas e francezas, gran
de sortimento por precos baratissimos.
BRIM pard i trancado, para 280 rs. e iOOrs. o
covado.
BRIM Angola, superior, a 500 rs. o covado; isto
so na loja do Barateiro !
CHAPEOS de sol de seda para homem, fazenda
superior, a 8*500, 9*000 e 10*000.
BAPTISTAS matisadas, gustos raiudinhos a 300
rs. e 360 rs. o covado ; so confronte ao arco de
Santo Antonio I
LENCOS de linho snperiores, abanhados a 35,
4*5M0 e figfOMg* dozia.
TOALHAS felpudas snperiores a 0*500 a du
zia. Em cutra parte veDdeni por 9* !
MEIAS crua, superiores, para homem, a 4*,
43-^)0 e 5*. E" pechincha.
B'jTIXAS 8uperiores para senhora, a 1*500 o)
par.
ATOALHADO al-ochoado, fazenda superior, pa
ra me>a, a_ 1*500 a vara.
ALGODAOZINHO tranco, com pequeno toque
a 3*500, 4* e 4*500, e marca T, a 3* a peca.
Ajem das fazendas acima mencionadaa, eneon-'
trarao muitas outras qae agradarao em qualida-
de e precos, e que para nao massarmos a paciencia.
de nossos freguezes, as deixam s de enumerar, ;
So no Barateiro
A' rua Primeiro de Marco n. I.
Loja de Agostinbo Ferreira da Silva Leal & CJ
Nio se enganem
Pois sao os verdadeiros barateiros I
OEAlsDE
LTOUIDACAO.
' Gama & Siha Brito, com armazens de mollrados!
no largo da Santa Cruz ns. 2 e 4, tendo de liqui-
dar a firma social em consequencia de um dos
socios tar de retirar- se, resolvecam vender os ge-
neros existentes em seus armazens mais barato 20
0|0 do que em outra qualquer, parte, e chamam a
atien^a > do lespei a vel pubiico e a dos Srs. foroe-
cedores das despeccas familiares, aseira como aos
Srs. negociantes em pequena escala, certos de que
encontrario a maior sinceridade e agrado possi-
vel. Deixamos de mencionar n gratrde numero de
generos que compoe o grande sortimento, porque
isto sa tornaria enfadont.-o, limiiando-ios apenas a
mencionar manteiga ingleza em barris a 800,1*
e 1*100 por cad^ 450 grammas, dta franceza a
800 rs, dita ingleza em latas de meio.kilo a l*'f50;
aproveitem em quanto e tempo : do largo da San-
ta Cruz ns. 2 e 4, annaeu3 de Gaaia & Siha Bri-
to, em hquidagao
Ceron!as e camisas,
Na loja do PavSc-veodetse ceroulas fran-i
cezas de todos os.tamanhos para bomem a
13600, e ditas de Iinbo a.2WH, 205OM
3JJ0OO.
Camisas brancas com peitos de algodao,
fazonda fina e jdot estwem .urn pou.co.efi-
xovalhadas a 20j5.O0Oa duzia, quji WaQf
cada uma, ditas com peito de esguj'So &q
linho a 39000 e 3aQD cada-uma, ditas!
com peitos e punhos de cOr a 25000 ej
29500: a* rua da Imperatriz n. 60, de Fe-
lix Pereira da Silva.
-if t
Sitio e casa

Vende-se um sitio com uma casa nova, tendo o
sitio 800 palmos de frente e 1,115 de fundo, a casa
edificada com nous oommodos' e boa eacimba, na
estrada nova de Beberibe, perto da encruzilhala,
o que se torna commodo por ser 250 rs. para ir
na qrdem, no trem da Tja ferrea ; acha-se Ae&->
occupado : quem pretender, dirija se a rua larga
do Rosario n- 20.
Interessantes g-ravatas para senhoras.
fle^antes faehas de touquim.
cms aderecos de madreperola.
Uelicalbs adefSb** pratos de pafaro e borracba
(goetogjore}. __________. ^ ^___________
PARA LUTO
Vende-se chitas ingluzas pretas com pintas a
^oo rs. o.CDvano, ana rrauceza mirrre nna. tauto lisas
como com pintas de 320 rs. para cima ; cantao
preto a 800 rs. e moito Hno a 1,000 rs ; bomba
zinas, princezas e alpacas de todos os-precos
lazinhas pretas lisas de 400 ate 500 rs. ; assim
como uma grande porcao de retalhos tanto de
chitas pretas como de las, qoe se vendem por
precos baratissimos ; tambem uma grande porcao
de-cbales preto- de las a 1,000 rs. porestarem um
fiouco russos : a rua da Imperatriz n. 60, de Fe
ix Pereira da Silva.
Cora dos eslreitaiiiento durelra
pela facil applicagao das
SONDAS QLIYAES
DE
COMMA ELASTICA
lAs mass modernas e aperfei^oadas de todas
as conbecidas
Yendemse
NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
34 Rua larga do Rosario 34
Salsa parrilha
Muito nova e grossa.
Verifle'se por barato preco, em porcao ou a re-
talho : na rua larga do Rosario n. 34.
Espartilhos.
Na loja do l'avao, vende-se espartilhos
dos mais modernos a 39500 e i$000 cada
um ; assim como bonitos cintos com largos
de setim a 5$000, e sedinhas lavradas com
toque de mofo a 19000 o covado: & rua
da Imperatriz n. 60, de Felix pereira da
Silva.
Grande descoberla
Curativo das molestias do
peito
ito pelo
aftTOp^ tIC Stllplilt9 WQ NOutt
DE
A. HI R\i:T
Este importante raedic.-.mento que acaba de ser
reconhecido pelos distinctos Drs Zalloni e Paras-
hevas eomo um verdadeiro espeeifico contra a
pblysica, segundo provaram no* grandes nume
ros de casos por elles exDerimentados, corao ae ve*
aa sessao da academia de Paris de 24 de marco
do corrente anno, encontra-se unlcamente no
Deposito da pharmada e drogaria
de
Iturlliolomou A C.
N. 34 Rua larga do Rosario N. 34
Ll\10 -PARA VVST1D0S
Vende se linho liso e arrendado, lindos padroes
a 400 rs.'o covado, fazenda-esta qne sempre ven
dei sea U; venham a elles antes que ae aca-
bem : na I -ja do -Passo, rua Primeiro de Marco n.
7_A, antiga do Crespo. __________
boo 43
I
Rna do-Queimado n. 43, jun-
to a loja da Magnolia
Sao pacbinchas 1!
Cambraias de cores com bmas bonitas a 440
rs. o covado.
Organdis branco com listras bonitas a 320 rs, o
covaob.
LaziBhas e9cosseia3 a 900 rs. o covado.
Cambraias Vktoriss, finas, a 3J| a peca.
Baptislas lisas, padroes cbiqoefj a 240. re. o co-
vado.
Merino azul, de dnas larguras, proprio para
custumes de komens e meninos, a t% o covado.
Braan paBioilaeuu3aO;e Wo ts. d eavatdo.
Madapolao.bom a 3*300, 4* 4*500 a pa?a.
Chales de la i escosseza a tt um.
Lencoes de bfamante a 2i um.
Chitas 4e cdr* 240 e W re. o oovado.
Toalhas aloockuadats e feapadas -a BOO ra. uma.
SO' 0 43
Dao se amostras : nio ^ha quem nao conapre
seu proprietario Antonio Ft
j a (Jita eitrada de Joao de B arros, casa nf 9."
!iciano Rodrigu Sette,
-j---------
Aos nervosos
A NOVA ESPERANgA acaba. de receber aquel-
tes milagroso! annejg e|?ctru;os, cora iafallivel do*
'nervoaos.
Pentes giiaie;
Pentes girafe, proprios para senhora, < ultima
moda) : a Magnolia a rua Duque de Caxias n. kS
6 si quem tem.
4 mamai.
Como sao lindas as bonecas de eera que ena-
jaaa.papai, mamii, cboraoi, aadam, etc. So na
MaB0lja arna, Dnqae.de Caxias p. 48.
Gaidas, gaiolas.
A Magnolia, a rua Duque d Caxias n. 48, r*
ceben gawlas de arame de liodisjimos modetoi,
^rpprua parapasaaros ; a ellu antes que se aca-
.....'......
Vene^ee ma de amarello, toda envidracada,
awerDtsada e diversos eaixinas proprios para
qvaUoer segoeio : na loja gue foi de joias. a rua
do coianel Saassuna, antiga de Horus n. 15, que
s? vende muito em coma.
Armacao.
km meninos
A NOVA ESPERAXgA, a rua Duque de Caxiaa
n. 63, acaba de receber um bom sortiment* de fi-
nas bonecas que fallam, que riem-se e choram ;
tambem astern mudas e surdas ou surdas-mudas
venham ver se nao e verdade.
Casemiras
E muito baralo
E* s6 com as noivas
BAZAR DAS FAMILIAS
A' RUA 1)0 DUQUE DE CAXIAS N. liU A
Riquissimoa veos de blond bjrdados a -eda ..a..
cipella, proprios para noiva, o mais moderoju ^i
tem vindo ao mercado 1
Hi luissimasca.ellas de flores de laraojeira.j*
diroinuto prego de 3 .00 uma.
LinJii.-iwos lacinbo* com fivellas, ; i> prioi pe/3
senboras, a 2 iiOOum.
Lindis.-irnas gravaliuhas de seda com bloat'
proprias para senhoras,a 3.000 uma.
hi-)uissiin w alliaetes com uma flor, proprios (i:
e peito de senhoras ou para a cabeca, p nnto preco de 2.OC0 ura.
Kit is e Kliva It GiaiaaiHrac*.
AB1AIEX D im.
A' praca circular doApoll.
vende-se:
Tijulos de marmore, de did rentes 41
manhos e qualidades.
Tijolos fraucezes, scxtuplos.
Ciiueiito Portland verdadeiro.
itzulejoat graaades muito prop.,
para radepes.
Azulejws verdes e amarellus, taman'r
regular.
Ifiaqiiiuas de descarc^ar algodao.
Cadeiras de fi-rro, assent de palh
nL8, proprias para campo.
uxiiiw a
E' chegada a occa?i3o do comprarem por pcu:
dinheiro as mais liudas faieuJas proprias pi;
vestidos, com.) abaixo verai.
Aos 18,000 covados
de phelinelhes alsaciano- de la e seda, (aicBda ..
te amente nova no mercado. e pelo diroi^nto st
r,o de 300 rs.; vale U o covado ill
Aos 10,000 covados
de cambraias de cdres fixa?, e lindissimo? padr~e
a 240 rs o covado!:
Aos 5,000 covados
de popelinas havanezas,fazenda a gosto nunc '.
to, e pelo insignificante p eje de 400 rs. o covad-
vale U200III
So na loja das tres estrtllas, rui
do Livrameuto n. 26.
Na loja do Pavao vende-Be um-grande sortimen-
to de easemiras de cores e mescladas, tanto claras ^
como escnras, proprias para calr^a; paletots e co-
Ietes por precos muito baratos, assim como no
mesmo estabelecimentos se manda fazer qualquer
obra tendente a alfaiate, com a maior prosleza e
por precos moito razoaveis: a rua da Impera-
triz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Vende-se dons sitios, sendo um no povoado
do Peres e outro no do Barro, tendo o primeiro
uma casa com accommodates para grande fami
liia e duas menores, estribaria, cocheira, bastan-
tes arvoredos fructiloros, etc. ; eosegjndo duas
casas grandes, e tambem bastantes arvoredos : a
tratar no cae3 do Ramos n. 28, prensa de algodSo.
Liquidaqao de roupa feita
Na loja do Pavao li-jnida se nma grande por-
>;ao de roupa para homens e meninos,como sejam:
calcas de casemiras pretas e de cores, para todos
os pre;os e qualidades ; ditas de brim de An-
gola para differentes precis ; ditas de brim de
cores, pardos e brancos ; paletots aaccos, casacos
e fraks de panno preto e de easemiras de cores
cole tes de todas as qualidas, por precos bara-
tissimos, assim como grande porcio de camisas a
ceroulas por menos 3 Ojo do seu valor so para
acabar : a rua da 'Imperatriz n. 60, de Felix Pe-
eira da Silva.
Na loja de moveis, a rua estreita do Rosa-
rio n 26, ex is tem boas mobilias de iacaranda c
amarello, guarda leuca, guarda vestidos, guarda
rnupa, mesas elasticas e outros mais sortimentos
fabricados na dita casa ; todas estas ooras de
moito bons gostoa chamam os freguezes para com-
prar : vende-se por preco commodo para os fre-
guezes.
Cortes de cambraia
Na loja do Pavao vende-se cortes de cambraia.
transparente com babades largos, tanto brancos
eomo de cores, por baratos pre;os, por lerem al-
gnm pequeno defeilo: a rua da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira da Silva.
Colchas para camas
Na loja do Pavlo vende-se colchas de fustao
brancos, para cama a 2,500, ditas de dito de cor
a 4,000, cobertas de cbita e de cretoue, de 2,500
para cima e ditas de mebm esearlate forradas com
madapolio a 8,000 : a rua da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira de Silva.
AlleQoo
Vende se vaccas-tourinas com crias, estao b^-.
gordas : a ver e trauir, bo Caldeireiro, siiio ar
Mamede.
Attenc,ao
Vende-sa dous sitios petjuenos bea
plantalos de fructeiras, com casaa de
morada, sendo uai na Capunga, fregu*
zia de N. S. da Grac.a, e o outro rx
Fuudao, em Beberibe : qoem os pre-
tender, dirija-e a rua do Itangel n 18,
que abi achara cum quem tratar
2
Para aboaconservacac
VOSSOCA BELLO
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os aeguintea:
Barra,
Pregulfa,
e Patrlei*.
A tratar com seus proprietarios pesut cidada
e para informacoes eom Joaquim Pinto de Mei
relies Pilho na mesma cidade de MamamgaaaM
moo Irmtos A C
9IA.lPOLOES
Na loja do Pavao vende-se madapoloes france-
zas muito incorpados. com 20 jarJas a 6,000 re"is,
dito moito fino eom 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as-
aim como um grande sortimento de madapoloes
icglezes de 4.300 ate 8,000 e 9,000 : a-rua da Im
peratriz n. 60, do Felix Pereira da Silva._______
(jhapeos pechincha para se-
nhora
Vende-se chapoos modernos para senhora, gos-
to de praca, por 34 ; organdis do listras, covado
a 320 rs. ; na rua do Passeio n. 60.
|cu
Elle
Bile e um proventivo seguro
a calvice.
Elle di e restaura for^a e sanidade & peuat *
cabeca.
Elle de prompto faz cessar a quoin pratv-
tura dos cabelles.
FUe da grande .riqueza de lustre w
hollos.
Elle doma e faz preserver os cabeila6yar
qualquer forma ou.posicio que se dttc-
je, n'um estado formoso, liso e maeio.
Elle faz crescer os cabellos bastos e comp-
os, u
Elle conserva a pelle e o casco da caie-.
limpo e livre de toda a especie de caapr
Elle previnoos cabellos de se tornareoa bran-
cos.
tile conserva a cabeca n'um estado defea
ura refrigeraute e agradavel.
nao e demasiadamente oleoio, gt*cc
rento ou pegadiro.
Elle nao deixa o menor cbeiro desagrww
vel.
Elle e o meihor artigo para os eabelloa- a
criancas.
Elle e o meihor e o mais aprasivel aatt^.
para a boa conservacJo e arranjo daaca
bedlos das senhoras.
Elk> e unico artigo proprio para o pcataa-
do dos cabellos e barbas dos senhorat.
NE.NHUU TOUCADOR DE SENHORA ^i--
PODE CONSiDERAR GOMO COJaV
PLETOSEMO
TONIGO ORIENTAL
o qual preserva, limpa, fortafioa eaforam
O CABELLO
Acha-se a venda nos estttf^Aaeoio:
BVfbrstor d C, agentes* em t
priacipaes loja de perfiaWBfa*1*'


8
^iftfio do FernamtMiop -- Sabbado 24 de Qutubro de -i^fa.
LITTERATIIRi
A *arti-iba e n pre$ii?a.
APOLOGO.
SofTrendo do unia dor, dooa guariba
P6< a bocca uo mundo
Come si por a:caso Ilia tivewe
Ou pai ou uiai morrido,
Fazendo a- Que sflluio nmila geote
Etn cajo ml contava se, leitores,
A sonhora preguica
Que do ollio da iiubaiib*. aunde estava
Ag rrada, descera.
E pela rez (.riraeira (caso. noo !)
[)eu sua carreirinha;
. Acndindo depress* ao desatino :
Ner i era para meuos I
Sua boa viihha como era,
Sin velha comadre,
Uemaia a mais perils corandeira
De --aseiras raritatia*,
Isto e, de qwbrantu, mdo olkado,
E espinhe'la cahidi, -
Julgoa do sej dever em taes aparos
Sal,a-la sem demora.
Mai qae examina a rabajeoia enferma,
< Seabora, (Ihe diz lie )
Carregaramlhe a mao, isu i fetti^o;
Mas emlim pooh i a boa.
Dito i>to, nuos a obra. Ei la que seria
Faz-ibe uroas benzedurat,
Acompanhando-as de umas certas rezas
Qn'i entre denies resmunpa ;
E caseira miizinha entao I in applies,
Can.'ira bcberagem:
Sem qae o f-kysieo mar a o boticario
(De queui, urge ser fraueo,
Eu tenho meio que me pel") foise
Necessano intervirem.
Logo a* primeiras doses a guariba
Seoiio-K alliviada,
Nero era d mister lunar as outras;
Eeonoroica, entaoto,
Tendo clla pcna de deila-las fora,
Mft'.ou as no bandnlho :
Do qae iastaalanea morie result ju-11io.
Avareutos, alert i I
Sim, nos extreme* e que estao os vicios,
I'.-'iii dizo veibo Horacio
Assim pois, evilai sempre os extremes;
Mirai-vos neste espelbo t
(0 Eberabinha convortera a planicie n'um siasmo, e sujeitei a minha iotelligencja de
immenso lagoi e cotitinuando a rolar suas roi da creagio a" simfiles discricio do aui-
alterosas aguas, in >adia g'adualraente os mat que, para o povo. mais baixo esta na
lugares mais elevad >. e ameagava em pou- ordem dasaptiddes iutellectuaes t
cos minutos transforri r n'uma illia tolo o1 Que fazer 1... quanta* veaes nos differen-
espago que occupavaues com a nossa baga> tes misteres da minha profissao de advoga-
8em I do uao me tenbo ta rabem isto forcado a reco-
Aquella superficie
porem, tragoaira e ameagadora,
latava ceda vez :nais
aquelles raesmos, que deviam ser solicitosa razio individual daquelles quo 0 profes-i Aioda em 1864 Os Bispos fraocrzes an
em mantel-os e guardal os coin o maior sam, o protestantisms nao pode offerecef19Uas pestoraes puNicarJni aontra orden
placida e
espalhada,
que se di
com uma indifference
apparente, e com umji rtgularidade aisus
tadora era em verda Jo terrivel de ver
querer as scenas do diluvio transmittidas
pela tradiccio, e levai am involuntariamente
os olhos a procurar a t rc*-da salvagao I
nhecer a superioridade relativa de certos
procurador^s de causas que represents in en-
tre os ration *es o pa pel que represents o
ourro entre os qua rupedes (v.. Quaotas ve-
zes nao me teubo visto obrigado a respeitar
As arvores, qui e allij surgindo como; seotengas dejuizes que nao podem riyilisar
ilhas do meio das agnas lembravam s^m pjr certo em uMineios preciosos com a bes-
Sim I ..a salvai,-.1o.
so mais urgente cuiJa
nos lorrivel do que o
gon vegetal que se
tal devia ser o nos-
jio, porque nao mo-
le Troia, desse Ucale-
inundava, tambem po-
ituano :
cidade com que correijios ao acampamento,
For felitidade uoss.-o bomem que dei-
sso trem era um h -
i\o. Apenas dea fe
1870.
Francino Cismontano.
Honeto.
Bell'alba e quest a. In sangainoso ummanlo
Oggi won torge il sole ; um di (eltCf.....
(Alfieri. Trag)
La vem ilamm -?pirante a leda Aurora,
fi.n plaustro do ouro e de saphyra oroado;
Ao ve la, entorna Zephyro exaliado
Nos vergeis do Onente os doas de Flora.
0 claro Bfberi'jc exolta agnra
Co" o cortejo das Nyraphas, engragado ;
Quedo o grande Oceaoo, de ass imbrado,
Fica assim vendo-o ao seu leilo fora.
Que triumpho completo o de.-te dia I
Qua grata sceua Tudo eai gilla, emquanto
Extasiada foiga a phanta9la I
Ah linda Estel a I meu suave encanlo 1
Si te auplaudem, co' a metrica horraoaia
0 tea Frau:in > abalangouse a tanto.
FRANCINO ClSMONTOSO.
L'nta noite
(t'RAGMEXTO DO MEU LIVR0 INEDITO 1>E IM-
TRESSOES DE VUGF.M )
(Conclusao)
A' proporr^ao, porem, queiamos corren-
do, iamos tambem comprehendeodo os gri-
tos, e cncoutrjiido grandemente enxarcado
O terreno que pisavamos. Em um moraen-
to vimos que os nossos camaradas corriam
para n6s, assira como corriamos para elles,
e podemos dis.inguir perfeitamente qua nos
bradavam :
Eusilhem os animaos!... Carrpga
{udo !... Fujnmos I... Ahi vem a encben-
lel...
Estacamos I Olhamos rapidamente uns
para os outros, como se nesse rapido olbar
qu'zpssemos averiguar se todos baviam en-
ten lido a mesnaa cousa, o certos disso olha-
mns m torno de n6s...
Os pri-neiros claroes da madrugada de-
senhHvam-se em filetes de nacar e de ouro
uo h >rismte d leste. Uma vaga e frouxa
claridadederramava-se sobre todos os ob-
iectos que nos corcavam, e atravuz do es-
pesso veo de gar6a que continuava sempre
a cahir do ceo podia-se ver,. como entSo lu-
briqamos, um iraponento e teTivel quadro.
FOLHETIM
JOANNA .
UM JO GO DE PAIXOES.
POR
(.ii-orge Snud.
(.rRAl'UCgSo DE X. x. X.)
PARTE QUARTA
II
(Continuacao do n. 243).
Nao consultes tambem o Sr. Brudnel,
cujo papel em tudo isio 4 bastante myste-
rioso.
a Antes de tudo e como ultima mola, tua
raai.
Vai, o ccrreio passa por aqui a" meia
noite ; tens tempo bastante para Id ires ter.
Teu parecer e bom, respondi eu ; mas
einia nao te disse que uma conference
deve ter lugar amanhSa, e queeu nao pos-
so dispensar-me de descrever os symptomas
por raim observados e dar conta dos re-
sultados da minba medicagao.
C justo. Durmamos, pois, e sejamos
lucidos amar.baa ; e, ao sahir da cenferen-
cia, irei emburcar-te para a tua cidade na-
tal.
Meu quarto tinba dous leitos. Vianne
deitou-se no mais proximo e adormeceu
immediatamente.
Ad in irei sou espirito claro, e ao mesmo
tempo calmo e resoluto.
Ouvindo sua resptra^ao compassada e re-
gular, perguntei de mim para mim se elle
twia de veras sontido alguma vez o amor,
e se teria sido para elle desgosto serio a
recusa de Joanna.
0 Sr. Bruinel julgou nio dever occultar
aos medicos conferenciantes que Maooela
estava em vetiperas de casar-se e que tinba
uma arteii.ao muito viva pelo seu noivo.
Dous medicos declararam que era pre-
ciso apressar o casamento ; os outros qua-
tro opinaram que seria isso lavrarlhe uma
senten5a de morte ;'e que, pelo coatrario,
convmha que ella se apartasse do noivo, que
se distrahisse, e que esquecesse-o a todo o
custo.
Se ella ficar ioconsolavel, disse o Sr.
e... raorrera" d'aqui a seis mezas; mas se
Cs casar uac vivird mais de seis dies.
deria dizer o poeta Ma
Jam proximos
Ainda nos achtvarnjs preza de too con-
trarias e repetidas jinsagoes. quando os
qualro cacadores des^mbocaram do matto
quasi alagado, e subi am ao nosso eocon-
tro, braudanJo o seubur Camillo :
Quo fazom eIn.
nao estamos pafaidosJ
perder... daqui a meia
g-inhar a estrada t
Imaginem as leiloraJ
. C irram ja* I... so-
. Nao ha tempo a
hora udo poieremos
i se poderem, a vi?a-
xamos de guarda ao n
mem corajoso e reso
da situacao que nos ctircavaatirou-se aos
animaes, e foi brindai do os e ensilhando-os
a todos...
Ouaudo cbegames, pois, meio eaminho,
como se custuina dizer,eeiava andado.
Resiava-nos carregans bestas, e montar os
cavllos.
Faltava-nos, porem. o mellado, um dos
melhores da tropa, vicLima da visits noctur-
na do rajalo dominac or daquelles mattos
Era mais um contra te npo : fossem, porem,
e a cousa aooaria
todos dessa forya...
Dem...
Mas... por mais rapi
vesse uo trabalbo de p
estavarnos cm perfeita
coucluio.
Ao lanrar minuci -sd
lez que se desenvol-
eparar a conducc,to,
iltia, quando elte se
olbar em torno de
raimfiquei um moiD into verdadeiramente
eufiado.
um signal que me in
para sal'ar me da-
especie... Nada I...
de arvores submer-
de um proverbio popular que reza assim
o que remedio nao
li.., metli esporas &
tomar a direcgSo que
zuavel. parti & frente
Vendo-me o impetol
tou-ine logo o senhor
nao tinha olbado -t-j ill
Em balde procurei
dicasse direcgao segurfc
quella ratoeira de novj
agua, agua... e topes
gidas.
Uma consideracao.l todavia, serenou-me
logo o espirito. Eu linha notido que todo
aquelle terreno era ;p ularmente piano, e
que a essa circurastancia se devia afrcilidade
c >m que se verincavi
I
n as iuundacoes do
Uberabmha. Reflectibdo, pois, um pouco,
calculei que nio podia
a inundarao na maior
demoravam entre n6s
alem de tudo, lembre
ser muito profunda
barte dos lugares que
e a estrada, e com-i,
-me naquelles apuros
tern, remediado es-
besta, e forc.md.j-a a
me pareceu mais ra-
a conduccao.
e a direcrao forcada
que cu impunba 6 iei iba cavalgadura -gri-
Camillo, para quem
E' um engano.
ontior doutor...
ellas sabem mais do
I...
f./.iam todos os meus
am todos o conselbo
in
do beam os a 80s,
mos duas probabili
uma s6 para saiva-bi
que o seuhor nao rc
Deixe a redea no pescoco da besta ; segu-
re apeoas para nao ci bir se ella tropecar...
mas deixe ella mesmt procurar o seu cami-
ubo. Nestos apertos
que n6s todos. Veral
Examinei o que
companheiros e segu
do senhor Camillo.
I.embrei me ta obepa de que
primeira vpz que me
me do esclarecido '
nao era a
aconselbavam utilisar-
itincto dos animaes va-
queanos. Arrefeci por tanto o meu entbu
Agora, disse-meo Sr. Brudnel, quan-
tido esta" mudado : te-
lades para perde-la e
creio, meu amigo,
ais besitard.
ta que me couduzia atrav^z do diluvio de
Uberabinha ?...
Uaquellus... me tenho esquccido, mas
desta he'i de lembrar-me sempre om sau la-
de... quando nflo tivesse outras muitas ra-
zoes, so porque meia bora depotsfirmava-
se sao e salvo soDre a estrada, e tacultava-
me assislir d'essas alluras a um espectaculo
verdadeiramente grandioso I...
A iiiumiara tinha tornado giganteas pro-
po-cOes, o osd, Tasgamlo o deuso nevoeiro
que ate entdo o embaciara no borisonte,
derramou sobre o immeusa superficini liqui-
da um flux de luz, que prestou a cada objecto
sua pittoresea nidividualidade.
Nao me f rtava de contemplar o improvi-
sado lago, quando senti o senhor CaiuiltO
que se aproximava, e ouvi-o dizer-me sor-
nndo ;
Eutao... estd satisfeito, senhor dou-
tor!..! J ras, ej6 nssistio a uma inundagao I .. Que
tal Ibe parece agora?... Vale a penaT...
Oh I... se rale f... resp lOii eu ainda
extasiaJo... e mais vatera se tivessemos roa-
tado a ouva.
Oldroplicou o senhor LamiUoessa
uao espera coiuo uos que a a^ua chegue aos
joelbos para corver... A ladra prosentia o>
perigo, e \& conuece o seu rk>. E como ja"
tinha a paoga pravida, posse ao fresco lo-
go. Ainda teuno que eram- duas, e so assim
explico a facifidade com que cooduwram o
mellado.
0 que e certo e que batenaos tudo7 e que
ellas mesmas uos serviram atioal de aviso ;
porque nao as tendo encontrado onde espe-
ravamos ve-Us. lembramo nos de aproveitar
um coinecusiujo da madrugada que fazia,
e seguir-ihes a pista... Qual pista... a agua
crescia, crescia...e fm quando arrefecida
a notisa voutade de vtnganca, iembramo nos
do lugar em quo eslsvainos acampados e
comegamos gntar I...
Auilabeinseuhor Camil o... termi-
nei percorreado a tr.ipa que descausava-, nao
paguei muito earo a uMOba cutiosidade aven
tur.isa I... Eustou-me desta vez um bom
cavallo... Paeiencia... pedirei a Ueus que
me emende, ou consinta que eu pague todas
pelo mesmo preco...
Amen... disse compuugidamente o
meu guia, a picando e seu rosHhoaccres-
centou :
Vamos, varaos... Temos muito que an-
dart
E a tropa abalou na sua ordem costuma-
da, uao sem que eu, do vez em quando e
isso por muito tempo, laugasse olbares de
admiracao e embevecimento para a magni-
Gca scena que a natureza representara
aquella noite em meu obsequio 1

Dr. Gaetano Filgueiras.
ASSEMBiEA GERAL
Vou partir ago a mesmo, respondi?'
E renuncia i ella, proseguio elle com
vivacidade ; para tempro, ainda mesmo
que ella Dquo boa i
N'esto caso, n ze-lo. Dei-lbe a minha palavra ; e, pois,
s6 ella lem o p der de desligar-me.
0 senhor penaara* assim, ainda mesmo
que sua mai o acoulselbe de modo di verso ?
Minba mai rjao pode aconselhar-me
a que falte a plav^a, embora tenha sido
esta imprudentemenle dada.
Mas, e" que a promessa que pode cau-
sar a morte da pessc a amada e como se nao
fora feita, desde o c ia em que quem a fez
conhece as suas fate es consequencias
S6 estamos rai iocinaodo n'uma hypo-
these. 0 senhor flj ura o caso decura com-
pleta.
bem
mas ha ainda um caso
Muito
que convem ter em consideracSo, e e o em
que, uma vez curada, Manoela reclame do
senhor a sua liberc ade.
N'esse caso su >metter-me-hei; respon-
di eu, depois do qi e dispedi-me d'elle.
Fareceu-me que ir Richard se tinha des-
mascarado, e que continuava a amar Ma-
noela, se e que nao a amava ainda mais do
que d'aotes, visto como queria disputa-la
obstinadamente & morte e a mim. Era
evidente que elle s) desforrava, e que sem
duvida previra isso. Seu
era, pois, senao pc.ciencia.
Eu estava quasi ii'resoluto quando Vianne
foi buscar-me para
cia.
Ouem sabe,
pezar pela minba
por nao Ihe ter eu
carao uma
desinteresse nao
levar-me ate a diligen-
perguntei-Ihe eu, se o !
partida, e a admirajio
dito adeus, nio provo-,
crise [mortal para Manoela ?
Ella sem duvida ha de pensar que eu a traio
e abandono.
0 Sr. Brudnel ahi fica para tranquil
lisa-la a teu respeiu .
0 Sr. Brudn A trabalha para si 1
Ja" o percebes
ganho de-causa, p irque s6 elle pode per-
Nao
doar tudo
vir T
Nao sei
caso, a existeocia d
? Estimo muito. Tera*
saiamos d'ahi. yueres
Uma vez que, em todo
essa pobre menina corre
perigo, porque rfikfio hei de deixar a ou-
trem 06 cuida^os da dedics^o c asproba-
CAMARA DOS SRS. DEPUTADOS.
SEGCAO EM 18 DE AO.OSTO DB 1874.
OIU.'.AMENl O DOS NEG0CI0S ESTRANGEIROS
O Sr. Tari|iiiniu de Souaa :
Desculpe a camera dos Srs. deputados que
ain-la uma vez eu venha occupar por al-
guns momeutos sua preciosa aitengao, sem-
pre tSo benevoU com mi go
0 Sr. Ministro DAJusTigA:V. Exc. a
merece.
0 Sr. Lkasdro Bezerra :Apoiado.
U Sr. Tarqiiimo de Sooza i Nos cala-
mitosos tempos que passam, quando os
principios conservadores da sociedade a-
cbam-se tao profundamente abaladus por
bilidades do triumpho ? Se eu a fur-
tasse ..
. Acorapanua-rae, en protesto nunca
mais ver-to, replicou Vianne, arrastando-me
comsigo. Na i gusto de fraquza e cobardia.
Se consiste n'i-so o amor, nao pass< de um
sentimeuto pgoistico e brutal I nao quero
conbece-lo nunca I
Eile levou-rae & diligencia ; e, devendo
permanecer em Marselha durante dous dias,
prom^tteu infurmar-se acerca da sau le de
Manoeda e dar-me noticias d'elU ; o que alids
ibeera facil, porque eu o apresentara ao
Sr. B-udu-l, ]ue o acolbera com bondadee
convidara-o a voltar & sua residencia.
Minba mai esperava-me, posto que eu
nao Ihe tivesse annunciado minha tao prora-
pta cbegada. Correspondera-se com o Sr.
liru !uel, eeu achei-a informada grosso modo
acerca dos meus segredos de coragao.
Uma vez que nio tiveste a precise co-
ragem para oscrever-me tudo isso, disse-me
ella, e porque ha alguma cousa seria entre
essa hespaubola e tu. Era justamente o
que eu receiava, e teu rosto des.nudado diz-
me de sobra que eu tinba razao em inquie-
tar-me. Sabes ao menos quem e ella ?
E' a filna de Antonio Perez. A meu
despeito ella me refrrio mdo, sem exclusSo
da sua falta. E como e que sabes... 0
Sr. Brudnel, sem eu saber, de certo oscre-
veu-te volumes ? Onde foi elle buscar o
direito de descrever-te Manoela, quando ella
nio te conhece IE eu que queria ter o merito
das minhas propnas c mtissoes I
Eis muitas qoestdas a um tempo, meu
filho. Responder-te-hei com vagar, e tu
verds que sir Richard e digoo de toda a tua
ternura e respeito. Peco-te dous ou tres
dias de espera para poder conversar comtigo
e resolvermo-nos.
Queres receber alguma nova carta do
Sr. Brudnel?
Talvez.
Ignora va qua elle fizesse em nossa casa
o sol e a chuva.
Muito mais do que isto fizeste tu em
casa delle. Anda la* I nSo precisas morder
os labios, nio tens sangue a perder, estis
pallido, meu pobre filoo I Quero saber
tu 10, visto como em uma carta nio me po-
deram dar todos os detalhes e circumstao-
cias occorridas, e pois nao posso ainda pro-
nunciar-me. Tem conflanga, amanbicon
yersaremos por miudo. Ouco tua irma
que volta do seu passeio, e que ha de bear
bem sorprendida -ao ver-te. Nio careco di
zer-t6 que nadi Ihij referi acerca de tuas
zelo...
0 Sr Leano*o Bezerra :Apoiado.
0 Sr. Es5RA6nolle TauNay":EstiO
mantidos e guardados.
0 Sr. Tarquinio deSouza :... quando
a religiio catholica, que e a religiio do Es-
ta do esti sendo tio i trozmeute calumniada ; quando, finajmen-
te, parece que se realisam aquellas palavras
dos Iwros santos : ergiwram-se os reis da
terra e os priucipes congregaram-se como
uma s6 homem contra Deus e o seu Chris-
to ; certo, que os meus illustres colleges
nio levarao a mai que eu,deputado catboli-
co, e conservadur, e deputno coosecvador
porque sou calholico, ainda desta vez erga
a minha debilissima voz para defender nes-
te reemto a causa sacrosauta da rebgiiu
do Estado.
Sei que o rainisterio nio gosta que se
traga & discussio esta materia
0 Sr. Dlque-Estrada Teixeira :Ella e
inevitavel m-ste organvDtn.
0 Sr. Tafquinio he Souza :Sei que o
procedimento do governo imperial na direc-
gio da qui-siaj religiosa, que desde o anno
passadi) se discute no i>arlamento, e o- eal
canbar de A> billes do ministerio 1 de
marco, i o ponto mais vulneravel dos Srs.
inmiitros ; epor isso, nao obstante os des-
jos que am la ha poucos dias for am inge
nuameute mantfestados pelo nobre mimstro
da justiea, estoa disposto a msjstir neste
importanlismo aseumpto, tratando di-lle sem-
pre qae liver cabuueuto ; pofque, senhores,
se o ruimsterio taoto nos tem contrariado
em nossa conscieneMr e em nossa fe, pedn a
justiga e roclamanr os interesses do pair,
que em eompensagio coutrnrwmos tambem
os Srs. iiiinistros, falkiudo da questio que
mais os mco'nmodflv e era que sua fraque-
za e manifest a,
O Sk. Lkanhho Bezf.rua : E porqae e
nosso dever.
O Sr. Ta*ouim fe Socza :E' admira-
vel, Sr presidente, que quando por toda a
parte se move tio crui gu-rra a religiao...
0 Sr. Lsanoro Bezerra :Apoiado.
0 Sr. Escracnolle Taunav :Nio a-
poiado.
O-Sn. Ta*.quin40> de Socza :. se es
celha como objeutivo unico desta guerra- a
rehgiao cattiolica apostolica roraana I V.
Esc. sabe que o cbristiamsmo tem di versos
raraos ou autes settas diversas ; e, enlretan-
tOj.d: ear to que nem o anglicalismo, uera o
lutberalismo, nem o calvinismo, nem ne-
uhum nutro dos varies vamos do protestan-
usrao e em, parte alguma co nbatido, ne-
nhum dalles sustenta lute com aspotestades
da terra.
0 Sr. Leakdro Bezerra : Apoiado.
- 0 Sr. Tarquinio de Sou/a :Qual sera*,
porem, a razao desle pbenomeno? Por
que mottvo todas as forgas da heresia,. da
impiedade e do racJonalismo couvergem
contra o eathoiicismo ?
Serao- porveatura os catholicos perlurba-
dores da orden, da paze da trauquUhdade
publica ? Serio reos de algum crime de
lesa-magestade, ou inimigos do genero hu-
mane, como outr'ora chamava Tacito aos
primeiroschistios? Nada disto.
Os factos qm se passam actualmento na
Suissa, na AHeraanha e no Brastl ;*a per-
seguigio feita A. igrcja catholica ; a violence
de que sao victi nas os seus mats iltustres-
pontifices ; a attitude ftrrae, mas pacifica,
que mahtt-ra os catholicos em i ice da per-
seg'iigao e da violencia, deixam ver clara-
mente que se elles saDera resistir, so dese-
jam obter um triumpho incrue.nto.
A razao do pbenomeno que eu ha pouco
notava, deve, portanto, ser outra e raui di-
verse ; e nos a oncontramos in confronto
da doutrina catbolica com a das seitas que
se dizera cbristas. y
0 protestantismo, em suas variadas for-
raas, desde que se afastou da igreja Roma,
daquelle centro de luz e de vida, da-
quella arvore fronlosa, onde existe toda a
seiva christi, tornou-se corno um ramo
que, separado da arvore, nao torn presti-
mo senao para o logo.
Avassailado pelo poder civil, a quem se
curvara, e sem outro ponto de apoio que
resistencia alguma ; e corns uma praca ren-
dida, cujas sentineUas fugirtra.
Nao acontece, porem, cwnesno com o
eathoiicismo. Formula complete da doutri-
na christi, apoiado em uma poderosa hie-
rarcbia, & cuja frente esta" o summo ponti-
flce, representante visivel de Jesus Cbristo
na terra, a quem obedecem duzeut >s mi-
Ihoes de tie is, nio teu do Outra regra. da
fe que a palaVra da igreja, o eathoii-
cismo offerece Resistencia por toda a
parte, e, hado nas promessas divinas, man-
torn lirme a verdade christi, sem fazer
transacgocs, nem se acobarlar diante dos
poderes da terra. (Apo ados.)
Dahi vem, senhores, toda essa guerra,
movida contra a igreja catholica por aquel-
les que, em sua ipsensatez, deseiariam b-a-
nir da s'iciedade ate" o nome de Deus.
Dahi procede tambem a questao religio-
sa que se discuta entre nd, que se tem
cbamado questao etenij, e que, earn effei-
to, tem durado par toda a parte, desde o
crime de rebeldia de (Kjssos primeiros pais,
desde que infriugiram o preceito divino, e
qoe so Da de- acabar qosiido houver um s6
rebanbo e um so pastor.
A questao entre nos a presents dous lados
dislinctos, daa3 face diversas, o la do inler-
noo das relagoes do govern > imperial
com es bispos do Brasil, e o lado ester-
nooitas relahtgoes diplonuticas do gover-
no com a Santa se.
Compreheude V. Exc, Sr. presidente,
que nao hei de abusar da sua bondade, oc
eupando-me hoje com o lado interne- da
questao. Nao farei. Sei que estd em
liscussuo- o orgitntento d is m-gocios es-
trangeiros, e por isso tratarei sdmenle das
religdes diplomatics do govenro coma
Santa se, relagoes que foram tio in&abii e
inlblizmerMe dirigidae-.
Si-ja-rae, porem, permiuido, antes de en-
trar neste assumpto, asseotar algumas pro-
pi sigoes conducentes- ao fun que me pro-
ponho.
Mais de uma vez tenho dito, e ainda hoje
repito, que o governo imperial tem cora-
metudo deploraveis erros na questao rfli
giosa. que continua a-sobresaltar o espirito
publico.
Errou, tomando conhecimento de um re-
curso a corea, iuierposto fora do tempo le-
gal e assigna.io por advogado incompeten-
te, que nao era do conselbo-de estado, e
em contrario daquillo- queo proprio conse-
iho de estado mais de uma vez tem deci-
di io.
Errou, e errou eras amente, dando pro-
vimento ao-mesmo recurso, sob o pretaxto
de haver, bos actos do bispo de crnambu
co, usurpagio do poder temporal, quando e
certo, e os factos posteriores se encarrega-
rao de demonstrar, que tal usurpagio nio
baaria.
Se houvossc, ella teria cessado com o le-
vantamenij dos interdictos, decretado pelo
governo e executado pela autoridade judi-
ciana. A questao nio esioria nos raesmos
terraos. (Apoiados.)
Errou, e errou ainda crassaraente o go-
verno, daudo provimento ao recurso ; mas
nio secontentando com os effeitos moraes
que do seu acto podia esperar, so conGou
na forga pbysica, quiz pela forga irapor a
obedieueia a quem nao era obrigado aobe-
decel-o, e hoji deve ostar convonciJode
que a forga nao gora o direito, nem faz
edear as conscieucias, illumtnadas pelos
fulgores da fe". (Apoiados.)
V. Exc, sabe, Sr. presidente, que os re-
cursos i corrta, sub a donomiuagin de
appellacoes por abuso -, le n feliimente si-
do de uso frequeiite na Franca. Muitas ve-
zes so tem alii interposto laes recursos, sem
que, entretanto, me conste quo o governo
francez, dando provimento a elles, mandau-
do cassar o> actos da autoridade ecclesias-
tica, uma su vez fizesse effectives suas de-
ciides por meio de processos e pnsdes de-
cretadas contra os bispos francezes
E' que na Franga o gove no sabe respei-
tar a constiepcia dos bispos e a liberdadc
da igreja, barmonisand i-as, qu into 6 pos-
sivel, com as le s do esta lo, com as dispo-
sigoes dos elebcres artigos organicos. .
aventuras, que ella nada sabe, e que con-
vem nio deixar escapar diante d'ella uma
palavra sequer a tal respeito.
Joanna -ntrou, e sua admiragao e emo-
gio foi tal ao ver-me que tornou-se pallida ;
mas logo depois ret mou suas cores frescas,
e lancou-se com effusio entre os meus
bragos.
Nunca eu a virs tio bella, de tao boa
sau le, e tio satisfeita por me v-r.
yue- contraste com a pallida e febril Ma-
noela I
A vida corria activa e energica n'essa or-
ganisagio pnvilegiada, mas era ura fluxo
tranquillo e compassado, por isso que era
poderoso e sem intorminen ia.
Que serenidade de intelligencia transluzia
nos seus olhos azues, limpid os como um
ceo de anil I Que franqueza transparecia
no purosorriso, que illurainava-lhe o ros-
tO I
Meu Deus I exclamei eu ; como estds
bonita e gozas saade I Bem vejo que a
muSica e um bom regimen.
Nao foi s6 a musica, respondeu ella
beijando a mio; antes de tudo foi esta pes-
soa. Esmagrece-se quando se a deixa, pois
bem vejo que estas raagro; tens carencia de
voltar ao aprisco. N6s vamos cuidar de ti.
Eu rues ma quero tratar do jantar ; tu m'o
permutes, nio, mimii ? Nio mattratarei
meus dedos de pianista, prometto t'o, e
ainda quando os maltratasse, nada seria 1
Tu queres occupar-te com a cozinha ?
estis emio muito mudada ?
Nio, sou quasi uma princeza, bem o
sabes ; mas mamii a* forga de querer pou-
par-me, fatiga-se mujto. Nio ba princezas
queresistam a isso. Ha vinte annos que
ella me serve ; e preciso que isso acabe, e
eu d'agora por diante pret^ndo servi-la a
meu turao... Queres ajudar-rae ?
Na cozinha ? Nadaehtendo d'isso.
Naeozinha, se for preciso. Empalli-
doceste na sociedade dos livros; advirto-te
que vou fazer-te andar e trabalhar como
um mariola.
Nada de malhor I 0 que e preciso
fazer ? Ordena, nio me zangarei por ter
de.desempeuhar' o papel de mariola. Ha
tanto tempo que vivo como um principe I
E' preciso rachar lenha ?
Ainda nio ; descanga das fadigas da
viagem. Como deixaste teu digao patrao ?
0 Sr. Brudnel ? E' verdade que agora
tu o conbeces muito ?
E' verdade ; elle veio ver-nos duas
vezos, na idapttra Bordeaux e t.a \\\u, w
expressa do goeroo, a Eoeydiea. QuaiUa
cura, e o SyUabm.ou rcsu.no de erros,
queacorr-panhou a aoesma Encycirca.
Foi interposto o recurso, as pMtorava dot
bispos foram sub'saMidas ao conselbo de es-
tado, que as mandou eassar, mas que nio
foram cassadas ; e, nio obstante isso, poa-
so alirraar a esta ugusta camara, qae ne-
nlmm bispo francez foi proesssado, e muit t
menos preso.
E, entretanto, da saota *6 nio tem ptr-
tido acto algum que provocasse da unpreo-
sa, chamada liberal, tanlos da mores, quan-
tos provocou aquella Encychca e o Sylla-
bus r
Apezar de tudo. o governo da Napoleio
nio recorreu & viulencia, nio premleu OS
bispos, eonteotoa-sv com o effmto moral
dos seu acton, limrtou se a oppor sea
protesto, sem menoscabar a autridade dos
bispos.
O governo do tan* paiz. porem, gover-
no de uma naeio einineiilenvnte' catbolica,
nio rccunu diante de escandalo a%am, foi
alem do qua team fetle outros muitas gover-
uos, quiz osteaur aau poderio, e o-mix ta-
boo que *te h-j-tnin file coii4Rgui h>.
?>Sr. Leawro Bezktr a : O g veroo, 4
dingil'i p-l.j ttTio-inestre da luagofiarta.
O Sr. Tarovi.ii > dk Socza : Fm- esta
breve rep .ro quanto i pulitica intersa do
gabmete, p mu a occupar-me Am politica
externa, que tena seguido o minisUri* 7 de
marg nesla malfadnda qivstan r*digioaa.
Fiquei muito salisf-:tu quando, o aooo
passado, live ooticia deque, o governom-
perial ia man iar uma missa > especial a Ro-
ma, para obter, de ateordo cm a saota
se, osmeios deresotver o c nflicto rehgio-
so. Era sem duvida uma feliz le nbranga,
um acertado expedieule, que tinba a vaa-
tagem de Brasil, os quies estaam, e estrio Sempra
dispostos a nio recoobecer em materia re-
ligiosa outra autoridade, que a do cbefo su-
premo da igrejav
A bistoria prova qua so- da Roma podia
vir remedio aos males que Umentamos.
Depois da revolucio franceza de I7dv,
dessa re*olugao que, no- dizer de um eni-
nente publicists, comegou |h*U decUraji
dus direitos do bomem, e se ha de acabar
pelo reconbecimento dos dir- itos de Uaus,
saberaos todos o esta lo lastaasuan, am que
ficoo a Franga
Dtfcrctada a constituigio civil do clero,
appareceu o scbisma, bavin pidres jura
menlados, e padres nio juramentado*. as
igrejas fecbaram-sp, a o c h > 6dm por as-
sim dizer abandonado, sem que os dais pu-
dessem livremente exercel-o.
Neste estado de cousa, assumio a primei-
mi.4ra dignidade da nacio franceza o,gr*v
de general, o illustre gunrreiro, qua, aos
primeiros dias do nuaso seculo, Jeu Iric so
mundo, e que no dicer de um dea mmo*
poetas:
... com a ponta do seu gladio
No mappa das uagoes traga va as raias.
O primeiro con-a I da republics fraoce. i
reconheceu a imperiosa necess date de res
tabelecer a paz religiosa na Franga, e parr
restabelecel-a era soli dos fundaraeutos re-
correu & santa so, ceotro da uxudade *
igreja, fora do qual so pode haver schisms
e heresia. (Apoiados.)
Assim, seubores, diz nos a historia. +. ~
logo depois da victoria de .^lar^ngo, dasu
celebre victoria, que em um so dia eatre-
gou ao feliz conquistador a sorte de toda a
Italia, expedio Napoleao I um eniad $
santa se. para tratar dos neguctos rbgi s j.:
da Franga, e celebrar a concordata. qj
ainda hoje regula as relagoes da igteja o do
Estado unquelle paiz.
0 d'plo natn (.'Scolbido para taoimporUnta
missio foi o iliustra Ea.-ault, homem b^m
intencio-iado, favoravelm mente ronbeci lo
na cOrte de Komi, quo conbecia admiravul-
mente os usos, os ho meus e as cousas da
quella cdrte, ea quem o piimniro coasil
dera ordem para tratar com a santa s
se o pontifice dispuzesse deiUO.OtUb'
raons.
(Continuar-sc~haJ
..
do que na ultima passou comnosco tres
dias.
De veras ? Mamii nao me referio isso.
E tu dedicaste amizade ao meu digno pa-
trio ?
Si n, porque elle estima-te muito, e
6* muito bom. Advirto-te do que todos aqui
o adoram- Falla-nos d'elle e da..: Centra.
Que senora ? perguntei fitando minha
mii com estupefacgio. Joanna nio pdde
saber...
0 Sr. Brudnel, respondeu minba
mii com calm*, fallou-nos do inter or de
sua casa. Em tres dias, quando a gente
tem sympathia uns pelos outros, de ordma-
rio diz-se muita cousa. Elle confessou-nos
que tinba era sua corapainha uma lilha
adoptiva, que nio era sua raulh r como
geralmente se suppunba. mas a quem coo
tava desposar para testemunhar-lbe sua es-
tima. He contou-rae a bistoria dessa mo-
ga, e isso mteressou-me, pcque conbeci
seu pai, embora sob maos aspectos ; mas o
que e certo e que isso nio 6 razio para que
a senora Manoela nao seja uma oessoa re-
commendavel.
Estmcerta de que ella e" encantadora,
replicou Joanna com ingenuidade. 0 Sr
Brudnel nio pode deixar de fazer boa esco-
Iba. Tu conhec-)8-la, Lourengo ; dize o que
sabes a seu respeito.
Isso so te pode interessar mediocre
mente, respondi; fallemos antes de ti. Falla-
rae de musica ; tens feito muitos progressosT
E como percebi que ella ia insistir a pro-
posito de MaDoela, vamos, continuei ; toca
alguma cousa. tenbo sS le de musica ; ba
tanto tempo queestou privado d'ella I
Pois bem I devo dizer te que ha oito
dias que nio abro o meu piano, e que a
ultima vez que toqasi foi para o Sr. Brud-
nel ouvir.
Por ventura fez-te elle desgostar da
musica ?
Pelo contrario ; mas, emfira, em mu-
sica como em tudo mais apparecem phases
de recolbimenco...
D'mais accrescentou minha mai, e"
preciso que ella se occupe com o jantar
como prometteu, e por hoje censinto em
nio immiscuir-me em cousa alguma aflm
de ficar comtigo. Vai, minba Joanna;
nio tens tempo a perder, se queres servir
a teu irmio os prates que elle prefere.
Joanna sahio alegremente
Como esta" transformada f disse ea
para minha m3i. Essa a'legria e auimagao
toruam-n'a Uusconbecida a mous olhos I que
fez ella dos babitos de distracgio e dos i,
cessos do melancolia ?
Tudo isso modificou-se ; pouco a poa
co a saUde tornou-se pn.spera e Qore*.-ent-
Nio, ao contrario, tud isso f-z-se
muito depress.! I Nio seria depois da pas
sagem de sir Richard f
Que queres dizer ? perguntou minba
mai olbando fjxamente para mim.
Ah 1 nio sei. 0 Sr. Brudnel. am
uma de suas cartas ptreceu-me tio admira-
do da belleza e do talento de minha irmia
que a mim mesmo perguntei se elle nao fi-
cara en*raorado.
Que loucura I
E porque T 0 veibo tem o coragaY
mogo e a imaginagio viva. No momento am
que se vio supplantado por mim, disse mai-
to espontaneamente que ja tinha am vista
outro casamenio muito serio. Ignorava ss
seria acolhido, mas nio desesperava de al-
canga-lo.
Minba mai ouvio-me sorrindo, e depois
disse-me :
Se me dissesses que elle pensava tal-
vez em mim, dir-te-bia que estavas Iouco ;
mas suppondo que elle pensa em Joanna,
revelas-te realmente estupido.
E possivel. Todavia sir Richard
possue grandes seducgoes. e a esta bora
disputo rivalidade, e sou forcado a c ovir
em que elle e um poderoso rival. As mu
Iheres sao tio extraordinarias e exquisites !
Joanna nio ; e intelligente e ncbre.
Rogo-te qua Bio prosigas n'esse gracejo,
que a offenderia e quo me afllige.
Perdoa-m'o ; mas dize-me se Joanna
ama alguem.
Quem t'o faz suppor ?
Estiva com Medard Vianne, qua re-
nuncia a ella e recusa dizer-me porque.
Disse-me que tu eras quem devia dizer-m'o
e eu espero nio sei que revelagoes.
Espera-las-has I Se no fundo do co-
ragio de minba santa filha bou Tease am ss-
gredo, qualquer que elle foam ea ad t'o
diria depois de saber se tea coragao se acha-
va bastante puro para receber Uo delicada
confidencia.
Ji nio tens confianca em mim, e du-
vidas I Suppuz vir encontrar aqui o bal-
samo para as minhas feridas, e soencootro
augmento de tristeza, do incertezi e do
confusio I
{Continuar-se-lta.)
l\i''jU\j U>.\to ..

X
i
I

'
>


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELQOWWL7X_4NKMHF INGEST_TIME 2014-05-29T19:44:10Z PACKAGE AA00011611_17855
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES