Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17853


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO L. MJHEKO 241
PAR % A CAPITAL E LI)G1RE OWDE VlO SB PAG A POBTE.
S?or tres mezes adiantados................ 69090
1Por seis ditos idem..................129000
IPor am anno idem..................349000
J2ada namero avulso.................' 9390
DEP
eiECTxl FEIBI 22 JW OUTITOO DE t74
-----i--------------------------------Mr----------------------------------------------,
PABA DEilTMO %! 1 DA PV1.\CIA
Por tres meres adiaatados............... ft*7M
Por seis ditos idem ............. 1S90#0
Por note aitos-idera .. [ ,......... S09M0
Por am ssno idem............... llfOff
PROPRIEDAOE DE MANOEL FIGWROA DE FARM FILHOS.
9
fw Garardo Antonio Alves A Filhos, no Pa:-i; Googalvea A Pinto, oe Maxanhio; Joaqaim Jose de Ohveirs d Filho, no Ceari; Aatonio de Lemus Braga, no Arscatj ; Joao Maria Julio Chres> no Assa; Antonio Marques da Silvs, Natal ; Josd J
Pereira d'Almeida, em Katnangnape ; Carlos Auxoncio Monteiro da Franca, aa Parahyba ; Antonio Jose" Somes, na VUMa Penha; Be'armino dos Santos Bales, em Santo Ant* ; Demiiigoa Josd" da Costa Sraja, em Baxaxeth}
Anioiiio Ferreira de Aajuiar.em Gojanna; Joio Antonio Machaeo, no PUar das Ahflk* j Alves d C.na Bahii; A. Xavier Leite d C. r Rio Janeiro'
?AB,TE OFFICIAL
a
Governo da provincia
SXPEDIENTE DO MA 3 OS HW'IU DK 1871.
/. seccilo.
QfBcios :
au Exm brigadeiro eommaudaate das ar-
mas.Si va-se V. Etc. ile s.iur'esur na re;nessa
para a corte do recrula Vicente I'tiiubrada Silva.
Ao inesm). Expeja V. Exc. suas ordeus,
para que tres ollkwes superiors dasta guarui-
gas compareca-a ue le palaeio, as 12 boras do dia
8 docorriote, afi u d-i coalituirein a juala de jus-"
lija qae lein de juigar o processo iastaaralo con-
tra o soldidi da i* ompanbia do eorpo de policia,
Mufioo Alves de Souia.
2.1 secgio.
iMficios :
Ao commandants superior inseriuo da guar-
da nacional Je Olrad.i e Iguarassu.Hespondeuda
a... olBctode V. S., d I* desle mez, teiilw a dizer-
l:w que uiiile propor a osla presideiicu qualjuer
dw capiiaes do i baUlliao de reserva da guard.
iiacioaal desse inuiucipr*, attin do ser denguado
pra cotninaudar o !>' da niesuia reserva, visto
aehar-M irapossibilitado o umeo official de=te pas-
to, exislente a < nieuciouado oalalhao.
__ Ao juiz ie d reiw da I" vara. lacluso re-
reujetto a V. S. o processo inslaurado contra o
*oiJado da 2" :orap.iania do corpo de policia, Ru-
tiao Alves de Souza, para (azer o relatorio do es-
tu.o peraute a junta de justly u,ue eui ultima ia
it\aa a tein de ju gii-o uesle palaciu as i2 h d) dia 8.
Ao secretary da preskleacia da pioviacia
do i^eara. -Cunstaado-mo i}tie reside aessa pro-
viocia o Ur Lycu go de A buqueruue NasciuieDtj
rogo a V. S. fkiNitt'Se de fazer chegar a sea pj
der o iaelaso oflleio. Aprovejto o easejo para sig
a.ik-ar a V. S. os protests de uriuba estiiaa e cou-
^ideracao.
Ao comioaalaaie do eorpo dc policia. -A
vista da iafonuaeao de Vine, constants de sou
i licio o. S'tl.de boutem dalado, pode dar baixado
;- *oldado Jose Uoiniogues Porto, Fraaeiseo Antonii
da Silva Costa e Miguel Joaauun de Saat'Anaa,
S'secgto.
Offlcios :
Ao iaspe:tor da theuraria defazanda.
li^conjoieado ,i V S. .jne, em face do parecer da
contadona dessa tiiesouraria, a i]ue se refere a sua
iaformacao de 30 do inei undo, sob o. 6i7, ene
<<. e do i.-ertili M.I" junto, snanle pagar ao bacba-
r?l Miguel dos Aojos Barros, juiz municipal e de
orphans do lermo de loga.eira, a gratifieapao de
loOfUOO, quo Ine compel* pelo exercicio do car-
go de juii dti direit; da comarea de Fiores lu-
raaie o inez de feveroir* deste aoao, por se acnar
0 ?ffectivo do gozo da iicen.;a Je I all e de 12
:i 28, em viagein p^ra loinar issento na assembfe ^
i ji/littva pfoTiueiaJ devendo o pagainenio da
i iautia rslativo ao ultimo periodo ser eff;ctuado
sob responsabi idade dtia presidencia, nos tennos
ii) decreto 28Si, do i da fevareiro de 1862,
n:na vet que tiao hi credito na verba--eventuae
j i mUmlerio da jtislif-a.
Aomesmo. Manda V. S. pagir a Joaquix
Eiias de Carvalbo M>ira a quanlia de 83^600,
daspendida. coafuruju se vo da inclusa conta etn
d'ip'icita, eom o reielhameuto' do hospital militar,
\ ia vez uue autert ^rmeuta ao conheciuienio nesta
(.,"oviiii".ia das iastruc^ties de 10 de main nltimo
fora autorisado per e"ia prcjideneia o referido re-
t'ihauieoto. (
Ao inesaio.I'ara os Gas eoovsaientes C'^ni
monice a V. S. qua no dia 1 do correnle o juiz
municipal e do orpjiios do term* de SenahaeiD,
L.'.charel August) Egydio de Castro Jesus, entrou
n> gi)jo da liceu^a d-; 30 dias com ordejalo, que
1 j esta presidencia ihe ;ji concedtda na rneama
data, a'im de tratar dc sua saude.
Ao mesnio. < oinniutiicando me o biigadei
r Joao Gailnerme d; 13ruce ter de encerrar a ins
l^Qao a que esta procedondo nos-corpoj de lima
e-tacionados aesta provincia, anm de'seg >ir para
a corte, reconimeo -o a V. S. juo providuncie no
s-rntido de ser abonada ao referido brigadeiro a
;tuda de wsto floe Ins competir para sea traos-
|. r'e e de sua famiiia ate aqaelia corte.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Pat* conheciuien'o de Vine, e devida exeencao,
< minunicolh; que uesta r i permissao pan cuinprida a earla precat>iia
r gat'iria que, a requerimenl-> do cornmendador
Aatonio Gunes Netto, Ine foi concedida pelo Dr.
juiz de direito la l" vara civel desla cidade, alim
d' embargai nessa thesouraria pane do dinheiro
qua tern de reieber a companbia Recife Drainage.
Ao mesmo.Em adJitiraento ao ui^a offlcio
a do corrente, tenlii a recommendar aVmc.
gue mande entregar' indepeudeate de fianca ao
I'vd. vigario dafregueaia de S. Miguel de Barret-
rot, Joao Baptist a Soares, o prcducto da lo(':ria ul-
limamente extrahida a favor da matriz daqnella
friguezia.
4.' Si^'tO.
Acto :
O presidento da provincia, attendendo ao que
i-.jaereu o professor da villa do Gaineliuira, Adol
pho Astolpho Lius de Albuquerque, e teado em
v-.sta a ioformicao da dire:torla geral da instruc-
i;\<> publica, di 30 do maio proximo passado n.
I i, res Ive ccnceder-lbe tres mezes de liceo^a,
com ordenado na forma da lei, para tratar de sua
aaade.
Offlcios :
Ao Dr. inspector tia saude publica.A' so-
cretaria desta presidencia remetta V. S. uoia car-
teira de raedicamentos homeopathicos apropria
bos ao tratamento da variola, alim de ser enviada
ao juiz de direito da comarea de Nazareth.
Ao commiasario vacciaador provincial.A"
.vscretaria desls. presideacia remetta Vine, alguns
lubos e laminae com lympba vaccinica, nfim de
aerem enviadis ao juu de direito da comarea de
JV*zaretb.
Portarias:
A' Illma. camra municipal do Reeiie.Com
a copia junta daiafcrmacao do eogenheiro fiscal
da Loeomotora Pernambucaoa respondo ao oili-
eio da Illma. ctraara municipal do Recife, de 20
de maio proximo findo, sob n. 48.
A' camara minieipal da ci4ade de Naza-
reth Cnmpre que a camara municipal da cida-
de de Nazarelli presto com urgen>-ia a informagio
qae exigi em JlO de abril uiiimo, sobre o engenho
Caraubas, de propriedade de Joao Marques Ba-
c*lhao.
.* stefSo.
nkcio :
Ao engei.ueiro etiefe da repartieao das obras
pablicas. Em respoi'.a ao olEcio dessa repartieao,
uj 2 do correi;!:, sob d. 151, com relaclo as ma-
deiras que for.im tiradas em mao estado da ponte
da Junqueira, deilaro a Vmc. que approvo o al-
vilre de aproveitarso d'entre aquellas madeiras
;,.que esti-erem eta meluor estado, alim de se-
i am empregadas na ponte que osla sendo repa-
rada.
Quanta as madeiras qae o engenheiro do 2*
distrieto diz terem desapparecido, cumpre que
Vmc. faca sunlir a i.sse engeaheiro que elle deve-
ra entrar para os eofres dessa repartieao com a
importancia las ditas madeiras cxtraviadas, no
.prazo que Vmc. the arbitrari.
bxi BJUBarra no secjetario.
J." (ec{do.
Cifieio :
Ao Exin. brigadeiro comaiandante das ar-
mas. -Deordem do Exm. Sr. presideote da pro-
vincia, commanico a V. Etc. qoe'nesta data foi
autorisada a thesourais de fazenda a abonar a
ajuda de eusto de que trata V. Exc. em offlcio de
2 do corrente, sob n. 10*
E.VPTOIENTE DO MA S DK IUNHO DE 1874.
1.' sectfio.
Acto :
0 presidenle da provincia, attendendo ao quo
reqaereu o bacharel Jose Tiburcio Pereira d-i Ma-
galuaes, capitao do corpo de engeaneiros, resolve
concederlhe dous mezes de liceoca com o respec-
tivo soldo, afim de tratar de seas" HHS8*.
OIRcios :
Ao Exm. brigadeiro commanlaote das ar-
mas. -Visto ter provado isenuao legal o recruta
Joio Quiotino do Espirito Santo, provideccie V.
Exc. para que seja elle poslo em liberdade.
Ao mesmo.-Deferindo o requerimento do
anspecada invalido do 32* corpo de voluntaries da
patria, hidoro Pereira da Silva, addido ao deposi-
to de recruta*, autoriso V. Exc, nos term da
sua infomacio, de 3 do corrente, sob n. 439, a
conseder-lhe permissao para conlinnar a perma-
neeer na villa de fesqueira, e aguardar alii a de-
cisao do governo sobre sua baixa on reforma ;
obrigado, porem a comparecer as revistas de mos
tr.i nesta cidade de dous cm dous mezes.
Ao mesmo. Commuoico a V. Exc. para sua
sciencia que por acto desta dala concedi ao ba-
charel Jos6 Tiburcio Pereira de Magalbaes, capi-
tao do corpo de engenheiros, dous mezes de licen-
ca com o respective soldo, afim de tratar de seas
interesses.
2.* secqao.
Actos :
0 presidenle da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de po>icia em officio
n. 649, de 3 do corrente, resolve noraear para os
cargos de subdelegado do 2* di-lru-.to do termo de
Santo Antau e de 2- e 3" supplen es do mesmo os
cidadaos Joaquim Monteiro de Queiroz Barros, Mi-
guel Francisco de Queiroz Barros e Felix Aatonio
de Lemos, na ordein em que se acham collocados.
0 presidenle da provincia, attendendo ao
qua requereu o bacharel Joaqaim Guedes Correa
Gondim, juiz de direito da comarea da Fiores, re-
solve couceder-lhe trinta dias de lieenca bom or
denado para tratar de sua saude onde Ihe aproa-
ver.
o presidenle da pDvincia resolve exonorar
o bashar I Argemiro Marliniana da CunhaGalvao
do cargo de promoter publico da comarea de Ca-
brobo, para o qual foraremovido por porlaria de
11 de maio proximo passado.
Oftjcios:
Ao Dr. chefe de policia.-Providencie V. S.
no s.-niido de ser enviada com nrgencia Su juiz de
direito da comarea de Nazareth a carteira de me-
dicamentos bomeopatbicos que acompanha esie
offlcio.
Ao jaiz de direito de Nazareth.Em respos-
ta ao offlcio qua Vmc. dingio-me em 31 de maio
fiodo, communicanlo quo a variola grasta epide
micamente nes-a localidade, remetto-lhe uma am-
bulancia de medicamentos ho neoaathi ;os aoro
priados ao tratamento daqnel'a molestia. Oppor-
tunamente enviarei alguns tubos com lympha vac-
cinica. Cmlio qae Vmc. com sua influen ia niui-
to con-egaira da beneflcencia a candade pub!i-a
c^prol do< de*vaiidos aucados da variola.
^?- Ao juiz de. direito do Bom Conselhj -Provi
doncie Vmc. de modo a -er instruido, de confer
midade corn o deereto de 28 de inarco de 1840 e
aviso de 28 de junho de 1863. o recurso de gra-
ca qite a S M o Imperador inierpoz o aeotencia-
do Jose Ferreira de Oiiveira, exi^tente em Per-
naado, cujo processo deve estar no termo de Aguas
Bellas.
Ao commandants do corpo de policia.Ex-
poca Vmc. suas ordens para que de amanhaa em
diante se apresente no tribunal do jury a guards
do coslume, conforme solicita nesta data o Dr.
juiz de direito da I* raradesta cidade.
8.* sccgao.
Ac'.o :
0 presilente di provincia, attendendo ao
que requereu Thomaz de Carvalbo soares Bran-
d*o Sobrinhi, arreinatante de parte dos concer-
tos ultimamente executados no cae?> da rua da Au-
rora, e tend em vista a iaformacao da contadoria
a que allude o offlcio do inspector da thesouraria,
de fazenda, de 24 de abril ultimo, sob o. 325, se-
rie G, resolve abrir sob sua responsalidade, nos
termos do decreto n 2,884 do de fevereiro de
862, o credito de 1:4494 a verbaObras publi
cas do ministerie da agricultura, commercio e
obras puMicas, para occorrer ao pagamento da
quanlia a que tern direito o mesuio arrematante
pelos refendos concertos.
Offlcios :
Ao iospector da thesouraria de fazenda.
Transuiilto a V. S. para os devidos effeitos a ia
clusa copia do acto de hoje, pelo qual resolvi abrir
o credito de 1:1494 a verba -Obras publicasdo
ministerio da agricultura, afim de poder essa the-
souraria effectuar o pagamento da quantia a que
tern direito l'uoinaz de Carvalho S tares Brandao
Sobrinho, em face dos documentos juntos, na qua
lidade de arrematante de parte dos c ncerto< ul-
timamente executados no caes da rua da Aurora,
deduzidos os 10 por cento para garantia da obra.
Ao mesmo. Conforme solicitou o Dr. cbefe
de policia em officio de 2 do corrente, sob n. C8'>,
recommendo a V. S. que mande pagar ao dele
gado do termo de Floresta ou ao seu procurador
a quantia de 244894 reis. provenienle de diarias
abunadas aos recrulas meucionados na inclusa re-
lafao em duplicata.
Ao mesmo.Para os fins convenientes com-
muoico a V. S. que em 10 do mez proximo findo
assumio o exercicio do cargo de juiz de direito in
termo da comarea de Buique o respective juiz
municipal e de orphios Luiz da Silva Gusmao, se-
gundo participoo em officio da mesma data
Ao mesmo.Tendo por porlaria desta data
concedido ao bacharel Joso Tiburcio Pereira de
Magalbaes, capitao do corpo de engenheiros, dous
mezes de liceoca com o respective soldo, par* tra-
tar de sens interesses ; assim o commuoico a V. S
para sea conhecimento e fins convenientes.
Ao mesmo -Para os lias cenvenientes com-
munico a \. S. que em 13 do mez proximo findo
entrou no exercicio do cargo de promotor Intenno
da comarea de Ouricury Alexandre Geraldo de
Carvalbo, segundo participoa em offlcio da mesma
data.
Ao mesmo.Para os lias convenientes cora-
munico a V. S. que em 12 do mez proximo findo
deixou o cargo de promotor publico da comarea
de Ouricury o bacharel Argemiro Marliniano da
Cual.a Galv."ii. |jor molivo de molestia, SSganio
parlicipou em officio da mesma data.
Ao me-mo.-Paraos (las convenientes com-
maaico a V. S. quo por porlaria desta data foi
deraittido do cargo de promotor publico da comar
ca de Cabrobo o bacharel Argemiro Marliniano
da Cunha Galvao.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Maude \ mc, em vista dos documentos juntos, pa-
gar ao padre Manoel da Silva Cid a importancia
que lhe compe'.ir pelo exercicio da coadjutoria da
freguezia de Nossa Soohora da Paz dos Afngidos,
durante os mezes de abril e maio deste anno.
Ao mesmo. Providencie v'mc. no sentido de
ser paga ao subdelegado do distrieto de Beberite
on ao seu procurador a quantia de 304, proveni-
enle de tres mezes de aluguel da caia que na-
qoef
tic.
como se ve do ineloso recibo.
4.' secy to.
. Offlcios :
Ao Exai, presidenle da provmcia .d Ceara.
l.evo ao cjaluiciineato da V. Exc. qua bo dia
31 de maio pruximo passado fallecea neu ci-
dade, onde -se achava com lieenca, o dasemuar-
gador da relacao dessa provinaa Maooet Jose da
Silva Neiva.
ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
Respoodendo os offlcios dessa proved..ria, e
23 e 27 de abril ultimo, sob ns. 8*4 e 837, de 7,
3 e 22 de maio, sob ns 873, 900 e 914, a qua
acompanharam os orcamratos de reeeita e des-
peta p.ra o proximo exercicio de 1874 a 1875,
dos estabeleciineutws de candade a eargo da Santa
Casa, bem coma os termos de cuntraem de algun <
empregados e oe esclarecimeutos exigido*, tenlie
s dizer, quanto aos orcamentos, qae os approvo,
contanlo qae os veacimealos dos empregados voi-
le m a ser os mesmos qae figuram nos orcamen-
tos approvados para o exercicio de 1873 a 1874,
a a respeito dos servenles do asylo de inenJicidaJe
se observe restnctamenie o que dispde o art. 13
do respectivo reguiameDlo pablicado em 21 de ou
tuoro de i869. Ralava observar qae aenbuma
verb i se pudera aagmeour nos orcamentos do
proximo exercicio, fellas as modificacoes acnn
indicadas. Cumpre que sejam cbamados a assig-
nar termo de cootracto todos os emiiregados da
Santa Casa, quaesquer qu sejam elles, uma vez
que nao sao considerados empregados pnblicos ;
a que, assim, se proceda na^conformidade da lei n.
531 de 9 de junho de 1862.
Ao juiz de paz em exercicio da freguezia
de Buique. Tendo em consideracao os motives
pelos quaes deixoa de reanir se era tempo legal
nessa freguezia a junta de qualificacao, conforme
me communicou Vmc. em efflcio de 9 de maio
findo, designo a primeira dommga do mez de
agosto proximo vindoure afim de ter lugar a reu-
niao da rfita junta.
Porlaria :
A' camara municipal da cidade da Victoria.
-Em vista da representacao do supplente de
vereadnr da t-amara municipal da cidade da Victo-
ria, Lmz Jose da Silva Cavalcanti, eujos fuada-
menlos nao foram destruidos pela infermai.-ao da
mesma camara, de 11 de maio, teaho a dizer quu
irregularmenta se houve essa corporacio, nao coa-
seatindo que o referido supplente, juramentado e
com assento na camara ha mais de anno, tomasse
parte na se.-sao ordinaria de 7 de abril ultimo,
quando para ella concorreram apenas seis mem
bros, depois de duas convoca-.des dos damais sup
plentes, pelo que fora adiada aquella sessao.
A lei nao presume que os vereaaores on sup
plentes convocados deixem de comparecer per
mero capricho; e quando assim succeda, na
mssms lei se encootra a repressao e os meios de
legitimar o aadamento dos trabalbos munici
paes.
A faculdade de funcciooar a camara com cinco
vereadores esta subordinada ao pensamento pre-
dominate de fazel o com-o maior numero possi-
sivel ate a unidadu legal, principalmenle tralando-
se de umi sessio ordinaria.
Desde que fallaram por duas vezes os supplen-
tes convocados, e a camara resolvou nao adiar
maisasessao, que se abrio com seis membros.
era o case de o*> negar a>eeulp a Lais Cavai-
f vante, que para esse ilm pela .-e.runda vezse aprc-
seutara. E tanto a camara reconheee isso que,
em falta de suppleotes a elle soperiores na ordem
da votacao, anteriormente o havia juramentado e
com elle funccionado.
A recusa de hoje manifesia inten^ao proposital,
o que nao e consentaaeo com o bom desempsntio
do servico publico.
FA ainda a camara infeliz na infermaeao allu-
dina quaato a outros pontos.
Em vista do an. 23 da lei do i de outubro de
1828, combinado com os avisos de 16 de dezem-
bre de 1829, de 18 de raarco e 6 de selembro dc
1861, o vereidor Joao Florentioo de Goes Caval-
caate, superior em volagao a seu sogro Alexandre
Bezerra de Albuquerque Barro-, actual pro-presi-
deate da camara, nae podia ceder a este o exerci-
cio da vereanca, porquaolo e expresso que a ces
ttu se fizesse no sentido invers'j; e por esta ra-
ziio nao p de o referido Joao Flerenlino conlinnar
ua procuradoria da camara, cumprindo-lhe tomar
n-I a assento.
0 facto de serom o; verea lores cidadios abas
tados, como diz a camara em seu officio, e como
taes re ponsaveis por qualquer desfaique, nao
isenta aquelle funccionario da liaoca a que a lei o
submette, sendo quo essa presumida responsabili -
dado sugzere em these um argumeoto contra a
boa fiscalisacao de rendas municipaes.
Final nente foi incompetente e irregular a in-
cumbencia que deu a camara ao vereador Jose
Maria Marques de Carvalho, de ser adminislrador
das obras do cemiterio, mediante a relribuicao dj
tres mil reis diaries, e esa comsaragao nao pode
allegar em seu favor i^noraacia da lei; accrescen-
doque, qua ado a lei o nao prohibisse, bem en-
ten lidos escrupulos de seu pensamento e de ordem
publica o aconselhariam.
Recommendo, porlanlo, a esja camara que faca
desapparecer tao serios abusos nao so porque fe-
rem as disposicdes legaes, como porque na regular
exaccao de suis benelicas atlribuicoes correspoo-
dera a confianca de seus municipes.
EXPEDIE.NTE DO SECRETARI0.
le de ires mezes ue aiuguei aa casa que ua-
t&t distiicto serve de quartel ao respective des-;
amenlo, aontarde mar^o a maio deste I
2' seccao.
Offlcios :
Ao coronel presidenle do conselho da revis-
ta da guarda nacional do municipio do Recife.
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda accu-
sar o recebimeoto do offlcio de V. S., de 3 do
correnle, communica do haver encerrado os tra-
balhos do conselho de revisia da guarda nacional
dsste municipio.
ao juiz de direito da 1* vara desta cidade.
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda scien-
tific^ r a V. S. qae nesta data se provi lenciou no
sentido em que solicitou V. S. em sen officio de
hoje datado.
Ao juiz de direito da comarcade Cabrobd.
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda com-
municar a V. S. que por porlaria desta data foi
deraittido do cargo de promotor publico dessa
comarea o bacharel Argemiro Marliniano da Cunha
Galvao.
\o jaiz de direito da comarea de Ouricury.
O Exm Sr. presidenle da provincia manda
accusar o recebimeoto do offlcio de V. S., de 15
de maio proximo passado, communicando baver
na mesma data assumido o exercicio do cargo de
promotor pnblico interino dessa comarea Alexan-
dre Geraldo de Czrvalbo.
A i bacbarel juiz de direito da comarea do
Buique. O Exm. Sr. presideule da provincia
manda accusar o recebimento do offlcio de V. S,
de 23 de maio proximo findo, communicando ter
c..nvocado para o dia 16 de junoo proximo a i'
sessao do jury desse termo.
Ao tenenle-curonel presidenle do conselho
de qualilieacio da guarda nacional da parocbia
de Petmlina. 0 Exm. Sr. presidenle da provin
cia manda accusar o recebimento do officio de
V. S., de 25 de abril proximo Gado, communican-
do baver na mesma data concluido os trabalbos
do conselho de qualilieacio da guarda nacional
dessa parochia.
Ao jaiz de direito interino da comarea do
Buique. 0 Exm. presidente da proviacie manda
accusar o recebimento do officio de V. S., de 10
de maio proximo findo, communicando haver na
mesma dala assumido o exercicio do carg> de i.ai:
['
lo interino dessa comarea.
sproraotor puWieo mierino da comarea de
y. 0 Exm* St. presidente da pmv neia
accusar o recebimeulo do officio de V. S., de
o proximo tlodo, communicando haver
dala as-uando o exercicio .do cargo
tor publico luteriuo dessa comarea.
DE OLTI-Cno
da pheside.'scia, do dia 20
ds 1874.
Jo Daarte Caraeire Viuana. -Deferido com
desta data ao provedor da Santa Casa de
dia.
Casimiro da Trindade.loforrae & Sr.
iaspertor da thesouraria de fazenda.
Te%eme coronel Alexandre Magno Peixoto de
Aleniar. -ladeferido.
Ceaipanbia de nlnminaeao a gaz da cidade de
Goyanna. loforrae o Sr. inspector do thesoaro
provincial.
Baetiarel Ernes'.o Vjeiri de Mello.Passe porta-
ria, stincedendo Iriala dias de licenc-a, com vt tici-
meiiSBs na forma da lai.
Francisco Xavier Alves dos Santos Lima.De-
ferkll com offlcio desta data ao Sr. inspector da
thessoraria de fazenda.
Joio Neves Manoel de Moura. -Ioforme o Sr
eoraaaadaute do presilie dc Fornando.de Noro-
nba.
Jose Tava res CarneiroPasse porlaria, regres-
sandb no mesmo vapor o supplicaule.
Capitao Jose Manoel de Araujo.Indeferido.
Joaquim vv.-s de Almeida. Informe o Dr.
cbefe de policia.
Lottreneo Por Deus Guimaraes. Informe o Sr.
inspector da thesouraria da fazenda.
Manoel Jiaquin de Miranda Save. laforme o
Sr. provedor da Santa Casa de Misericordia
Manoel Clementine Ribeiro Varejao. Ioforme
o Sr. Di*. juiz de direito de, Cabo.
Manoel Gomes da Cruz Passe porlaria, deven-
do o supplicaule r^gressar no mesmo vapor.
Heimrti^.tio da policia.
1 seccao.Secretana de policia de Pernambuco,
21 de outubro de 1874.
N. 1297.Illm. e Exm. Sr.I'articipo a V. Exc.
que foram hontem recolnides a casa de detencao
a minha ordem, Luiza, escrava de Feliciana Maria
Oiympia, por andar fugida.
Pelas 0 boras da noile, do dia I do corrente, na
SSfm da Bcrnarda, do termc do Triumpho, Jose
Vicente foi assassinado com uma facada, p r Ma*
noel Carnadba da tal, que lugreu evadirse.
0 delegade de policia fei o inquerite policial e
emetleu-o ao Dr. juiz municipal.
No dia 12, no lugar doncminado Curral Novo, do
termo de Aguas Bellas, llonorato de tal, na occa-
siao em que tentava assassinar a Joanua Maria des
Anjos, erreu o gulpe e inalou coin uma facada a
uma in -q. r de dous anuos, que se achava nos bra-
cos daquella, de quem era liiha.
O criminoso conseguie evadirse, o centra elle
pre;edeu-se nos termos da lei.
No dia 10, no lugar Queimadas, do distrieto de
Tirabatlba e termo de llambe, Joao Alexandre Xa-
vier da Silva, travando Iota Com Antonio Francis
co da SiUa, ofTendou-o com uma cacetada ; sendo
or sua vez feiidomortalmentecom uma facada.
Os daJio |uentes foram pre30s em flagrante e
et>nlr\ Aies procedoo-sa bos termo* recommeada-
dos |Wlei.
No.dig 13, no lugar Carioe, do mesmo termo da
llambe, .foi ens ntrada Maria do tal, enforcad*
dentro de, sua proprla casa,
De inquerito e uiais diligiucias a que se proee-
deu a tal rejpeito, nao se encoulrou indiclo algum
de haver side a mono o rosiiltado de um crime, e
sim de am suicidio, em conseqnencia-do estale de
embriaguez cm que quasi semare vivia aquella
muler.
Pelas Ii lior.'S da tarde, do dia 16, em terras do
engeuhe liiaelio, do distrieto de Muribeca, do ler-
mo de Jaboaiao, Themoleo Gomes de AudraJe, co-
nhecido per Themoleo Raymuude Hathens, alii
morador, sendo acenmetlido de um grande ascss-
so de leucura, apoderousa de um ferre e com es-
te as.-assin ju a sou octogeiiario pai, machucando-
Ibe o eraneo e o roslu ; sua so/ra, tambem nclo-
genaria, com uma paucada sobre a cabe.;a, e a um
seu Bins de 10 aunos de i lade, com duas panea
das sobre a fonte e o hombro ; c teria victimado
as demais pe-seas da famiiia, por terera ellas cor-
rida para o matle e aeudirem em soccorro diver-
sasjiessoas a mandaJe de proprietario do Snge-
nho, as quaes crnseguiram prender o delinquen-
le, que acaba de ser recolhido a detencao.
0 subdelegado respective esta procedendo sobre
semclhaute facie nos termos do inquerito pulicial.
Deus guarde a V. Exc. -Illm, e Exm. Sr. corn-
mendador Henrique Pereira de Lucena, digno pre-
sidente da provincia 0 chefe de policia, Anto-
nio Francisco Correia de Araujo.
&m%mm$$s:
( AGENCIA TELEGRAPHICA HAVAS- HEUTEIt.)
\cu Viiru SI de outubro. O con*
sul amerlcano na Una do Kuvetca
dor i >u u-aiov Island) conflrma a
niiiicia eapalhHda de que uma frn-
Sata allciua indemnisou a wiva fur-
ca os colonos allemaes dos prejui
xos uue tinham soflTrido.
Montevideo IS.Ileceberam-sc no-
tlelas de Buenos-Vyres. que dixem:
que o presidente da republica. o
Sr. Avellaneda. recebeu os cum
primentos do eorpo diplomatico.
por ter assumido o poder ; e que o
general Rivas apoderou-se da cl
dade de Blaza.
Bio de Janeiro SI. Cfcegraram os
vapores lugles DONATl, da linha de
Liverpool, brasileiro CALUEROX, da
liuha do sul do imperio. e paquete
brasileiro BA HI A, do norte do impe-
rio. Saiiio boje o vapor inglez M-\
RALDl.
Bantu 91. Mahio hoje pela ma-
druKada o paquete portugue* AL-
MEIDA GARRET.
COHHERCIAEA.
Londres SO. C'onsolldados de 3
O/O. von account, a t,' Fundos bra
sileiros de r O/O. do anno de 185.
a OS t ditos do Uruguay de O/O. do
anno de Ihsi. a 05 : ditos ar
tfentlnos de 6 O/O, do anno de 189 I.
a 88. Mcrcndo de cafe muito fir
me ; vendeu se o earregamento do
Bio pelo BALTIC a preco occulto.
.Ilercado de assucar Urine.
SewVork SO. -Cambio sobre Lon-
dres 4 So. Ouro HO. Cafe do
Bio FAia a 19 l/S. e good a 19 cents
por libra t mereado animado. Also
duo medlano uplands a IS l/S cents
ns cbegadas de hoje aos purtos
aoac '"mo* ctevara :i-se a vlute e
oio nail fardos.
.iverpool So. Bevcado de algo-
ilao frouvu i \endetam-se boje des
nail fardos. sendo mil e trinta de
proceSencia da America do nl i o
fair de Pernambueo-e de Maceid a
8 d.. e de Santos a "5 9/S d. por
libra. Mercado de- assucar flrme.
Antucrpia SO. Care de Santo-
bom ordinario SS-a 46.
II a in n u r jjo SO. O merniilo de cafe
ouserva-se flrme i o de Santos.
lotes escoIhidos, a S.
Havre SO.Mereado de care flr-
me, e e activa a procura i o ds Bio-
bom ordinario a Ss& francos.
Marselha SO. Mercado dc cafe
Uruac. e e aciiva a procura ; o do
Uio bom ordinario a IOS francos.
Bio de Janeiro SI. Cambio sobre
Londres SB 3/S d. baucarlo. e SO
3/4 d. particular
Babia SI. Cambio sobre Londres
SO 3 8 a SO l/S d. bancario, e SB
/10 particular. Cambio sobre la
ris 3S4 reis por franco. Cambio
sobre Bremen 115 reis.
i:sriTisnr* commekcial.
I.ondres SO.O total do deposito
de cafe, de todas as qualidados.
eleva se a dezeseis mil toneladas.
sendo vinte e tres mil saccus de
procedencia do Brasil ; durante a
semana foram entregues duas mil
e cem toneladas. e desembarea-
ram oilncentas toneladas. O depo-
sito loial do assucar em fljondres,
Liverpool. Bristol, e Clyde eleva-se
a cento setenta e note mil cento
vinte e cinco toneladas s foram ea-
tregues durante a semana dezesete
mil toneladas. e desembarraram
oito mil toneladas.
(AGENCIA AMERICANA.)
Paris 20 do outubro.Foi hoje fuzilado
Ros>el, pelo crime do tentative de nssas-
sinato.
Nice 20.0 Sr. Thiers e esperado aqui
no regresso da Italia. |Faiem-se grindes
preparattvos para o s u recebimento.
Lisboa 21 A curvets S.IGRLS sahio
para o PsrS, onde vai estacionsr.
Bahia 21 ii 9 h. e 45 m. ds raanhd.
Sahio o vapor portuguez ALMEIDA GAR-
RET para Fernambuco.
Rio 21 aos 40 in. da tarle.Mercado
iualterado. Cbegou dos portos do norte o
psquete nacional RAMA.
Para 21 i I h. e So m. da tarde.Nau
fragou n'altura de Braganca, por ter bati-
lo sobre os arrecifes que alii existern, o
brigue inglez WA VE. 0 seu casco e car
regaunent-j foi hoje veucJMo em leilao. Sa
bio pars Autilhas s eorveta allerna AUGUS-
TA. Mtrcsdo itraherado.
Babia 21 ii 3h. e 25 m. da tarde.
Cambio sonre Paris 354 indirecto, e 360
particular : sobre Bremen 445 particular ;
sobre Londres 20 Hi 20 9, lb* particu
lar.
Liverpool 20. Algodao : o mercado
cotiserva-se firme o os preQOS uao soffre-
ram alteragao ; venderam-se hoje 1,030
fard >s de procedencia brasileira. Assucar:
sem alter-ijao.
Londres 20 0 mercado monetario con-
servuu-se inalterado. Cafe : estd firme ; o
do Rio, primeira qualidade, de 89 a 91, e
o de segunda de 80 a 82 ; o carregarnento
trazido pelo ISO, l'oi vendido a 73 1/2.
Havre 20. Cafe : v*nderam-se hoje
3,300 saccos, sendo 3.200 do Brasil ; o
do Rio a 95 e 96 por 50 kilos AlyodSo :
iDonUnm a l.OOl fardos as vend s de hoje,
sendo 4u0 de procedencia brasileira ; o de
Sorocaba deu de 91 a 92, e o de Pernam-
buco 94. Cacdo : mercad i frooxu ; cota-so
de 67 a 68. Couros: ha procura ; nao
consta veuda alguma.
i.llMMMCtt
REVISTA DURIA.
Hospicio de alienados. 0 paranym
pho abixo indicado enviou a seguinle esmola:
Transporte 22:400*000
Antonio Muniz Machado 50*000
22:450*000
Mais douativos. Oauio9 em seguida
mais um objlo para as obras do novo hospicio de
alienados :
a Illm. e Exra. Sr. A Associacio BeoeBcenle
dos Artistas Alfaiates, desejando concorrer com
alguma quantia para o asylo de alienados, vein of-
ferees a V. Exc. cem mil reis (100*000) para as
obras do mesmo asylo. A mesma sociedade, lou-
vando os esforcos empregados por V Exc. para
levar a elTeito semelhaole empreza, da a si para
bens por ter occasiiio de manifestar a pessoa do
V. Exc. sua jusla sympathia, reconhecendo o in
teresse que V. Exc. tern tornado pela pro-perida
de desta provincia, que tern a felicidade de ?er
adminlstrada por um dos mais digoos de teus Ii
Ihos. -Kecife, 19 de outubro de 1874. Ant onto
Jovino Torres Bandeira. Victor Augusto de A.
R Manoel Iguacio Gomes.
lllms. Srs. Agradecoa Associacao Beneflcen-
le dos ArtisUs Alfaiates o candoso donativo, que
por vosso intermedio offerece para as obras do
hospicio de a>ienado3. Os meus esforgos, a que
aiiudis, no intuito de proraover esse vantajoso me
Ihoramento, estao plenamente compensados pela
geaerosa sanccao da opiniao 'pablica a humanida
ria idea que Ibes serve de objecto. Se outras pro-
vas dos beneiioii.- sentimentos dos nossos compro
vmcianos nao estive>semja regislradis, a que aca-
ba de dar a vossa briosa associacao, seria tao ex-
pros-Its, quanto 6 honrosa. Fazsi chegar aos vos-
sos consocios a* expressoes do men rec mlieci
mentj, e sciJc junto a ollesjo interprete dos lonvo-
ros, dignos dc scraelbante acto. Henrique Perei-
ra de Lucena,
Faculdade de direito. -Na congregate)
dos lentes, que tcve hontem lugar, foi decidiclo|o.ue
n >o podem tazer acto,|pc>r terem perdido oanno, em
consequencia de excesso de faltas, os alumoos: do
1 moo, Migoc-| Burges Lo,ii;Castello-Branco; do2*
anuo, Manoel Peieira Teixira; do 4.* anno, Jo>e
Popj'e di Silva Lopes, Francisco da Sicjueira Ca-
valcante e Joaquim Francisco Teixeira; e no 5.*
aouo Livino Augusto ds Hollanda ChaCiA.
I Oi ados d9s divc-rwi atuot c^mefarao no
f-J'a 26 do corrente (segunda-feira) pela- pcova
-cripta, a qual sera foiia em tnrmisde t">alo
so l.* anno, de 16 no.2*. e no 3.*, de 18 on 4., t
de 12 no 5.*, sefnindo-se-lhes a prova oral, qos
sera friu em'turmas de seis estudantes eat esds
anno.
As coramissdes examinadoras e as boras foram
assim designadas:
1" anno.-Conselbeiro Silveira de Sotua, Drx.
Pinto Junior e Coelbo itodrigues; as 10 korae 4s
manha.
2,* anno.Ors. Figueiredo, CoelboRo drigues
Graciliano Baptists :. as 9 boras.
i. anno. -Conselheiro Agaiar, Drs. Tarquiokt *
Corr.;a de Araujo ; a 9 horaf.
i.* anno. -Drs. Nascimento Portella, AMoai
Drummond e Graciliano Bapti^ta; as 9 bora*.
5.' anno.ConseUieiro Bapti>ta, Dr*. Pereira do
Bego, Aprigioe u*lfori; inif horas.
Horriveis actoa de lossenm. Pe-
las 6 boras da tarde de 14 do conente, em ter-
ras do eugnlio Uiaclio, do distrieto de Mariswcs.
termo de Jaboatao, Them jteo Gomes de Andrale
conhecido por Iliemoteo Baymnoio Malbeas, sib
morador, sendo accommettido de am furioeo se-
esaw da loucura, apoderou-se do a a ferro e com
este matou sea proprio pai e sua sogra, actogesis-
rios ambos, e um seu lulu de 10 annos de idade .
esmagando o craseo e o rosto do pnmeiro ; com
uma pancada na caie^a, a segunda ; com duas on-
tras, uma na fronle e outra n'oas h-imbr o tef-
ceiro, e teria victimado as demais pessoat de sua
famiiia, se sao fugissem clas clamando por soc-
corro, que Mies foi pre.-1a do por pessoas qae aca-
diram a raandado do proprirtario d'aquelle enge-
nbo. O louco iTimini.so, aulor in ooacieote deue
raedooho drama, esta rccolhu'o a casa de detencao.
porque nao ha outro lugar a d cordia de Olinda, nio offerece a neeessaria segu-
ranca para guardar am leucoqae, como este. pa
rece ter a mania do assassinio.
f.ui ferissentos. Joao A exaodre
Xavier da Silva e Antonio Francisco da Silva, tra-
vando-se de razdes no lugar Qaeimadas, do dislrk*
to de Timbatiia, termo de Itamlie, em o pnmeiro
do corrente. passaram a vias de facto, dsdo o se-
gundo no pnmeiro uma cacetada, a qae este res-
pondeu-lhe com uma facada mortal. Presos em
fl.igraute procede se contra ambos ooi termos da
lei.
Cadaver.No lugar denooMdado Cariee, do
tormo de llambe, foi encenlrado, em 13 do co ra-
le, o de Maria de tal, eoforcada ueniro da prooria
ca-a em que habitava. Das investigates pr< das a respeito e de pre-umir ter sido a inorie des-
sa inleliz o resultado de am saiciJio e nio de am
crime, attenta a circamstancia do estado de em-
briaguez continuado em que vivia essa mulber.
Homiridio- Na terra da Bernarda, do ter
mo do Triumpho, Jose Vicente foi assassinado cm
4 do correnle, por Manoel Caroauba de tal, qae
Ihe d-;u ama facada e evadio te. A aulondade
competente procedeu nos termos da lei, (azenJo se-
guir logo a seu destino o resoectivo inque ito
Casnalidade ou desllaof-Em 12 do
aorrente, na occasiao em que II moraio de lai ten
tava assassinar Joanna Maria dos Anjos, que ti-
nha ao collo uma sua til ha menor do dous anuoi.
erron de maneira a facada qae Hi- atir.u, qae,
empregando-se esta na crianca, matou a instaou-
neamente. Den se eale honini hum do togar
aenominado corral Novo, do termo de Aguas-
Bellas. 0 crimiuoso evadio-se,
Saiganta.Desde sabbado a noite tern e-tado
em exposicao, no andarterreo do predio n. I ds
rua da Imperatriz, a mulber giganu, ultiroamenle
chegada do sul do imperio. Mademoiselle Hoiss,
natur I de Paris, e uma verdadeirs raridsde, dig-
na de ser observada, nio so por tua altura da 2
melros e locenlimelros (cerca do 10 palmos), romo
^i.-r ter inter-ssante pbysicn tr.ia, e maneiras deii-
:-iJas e agradaveis.
Tendo de dsmorar se cntre n6s, talvez qne so-
mente ate o fun do corrente mez, as pessoas qae
desejarem ver esse porlento da natoreza, devem ir
quanto antes, alii pagar o tnbuto da curiosidade.
Tern havido bastant concurrencia, e e de tuppor
que esta augmenlc.
Coinpanbia italiana. Sobe sabbado a
noite a scena, no tbeatro Santo Antonio, pela e m-
panhia italiana Bjldnni, o drama em C act >s Cnr..--
tovrio Colombo, Ao escriplor Giacomelii autortkb
applaudidos dramas Morte Civil, Justiea e Culpa
ringa culpa.
0 drama Cltristovdo Colombo, cuja accao passa-
se no anno de 1480, Jesdo que esse oi-aJo nave
gador conccbeu a grandiosa idoa da ex stencia d
um novo eoutiuente ate a sna chegada a ilha de
S. Salvador, coutem em si a narracao minuciosa :
de todas as vicissitudes e contrariedades qua sof-
fr.ui na Euroja esse genio infeliz ate o moraeoto
ein que eocontrou uma granle prtectora em
Isabel, a catbo.ica, rainha de II spanha. a qual
forneceu-lhe os meios de realisar seus sonhos dou-
rados; bem como as pehpecias da viagem que ter
miaou pela uescoberta da terra por elle imagi
nada.
Propagadora da instrnccao publi-
ca.- Deve boje a noite ter lugar uma ses-aoda
assemblea gera! desta sociedade, a qual sa realisa-
ra com o numero de mesas que comparecer.
Vapores esperados.Hoje on amanhi, o
pcrtuguez AImeida Garret, e o harass*. Fills sV
Rio de Janeiro, da Europa; a 25, inglez Aconca-
gua, do sul do imperio, ingles Douro, da Europa,
e brasileiro Cervantes, do norte do imperio ; s 27,
brasileiro Ceara. do Itio de Janeiro e Babia ; ea
29, inglez Boyne, do Rio da Prata pelas es-
caiss.
Vapores a sakir. Hoje, o brasileiro lie
ti id, para o Maraonao pelas cscalas; a 3 de so-
i/vembro. o bras leiro Jaguanbe, pars Feraaado de
Noronha.
Festa de \oaaa Kenhora do Terf/o.
A respectiva irraandaie deste tiiulo ccleora a
festa solemne de sua padroein, no domi.go proxi-
mo 25 do corrente.
Ora ao Evangelho o Bvdm. Antonio de Mello e
Albuquerque, e no Te-Deum o Rvdm. Thessulo-
cles Goncalves de And.'a Je.
No sabbado as 7 horas da noile ba ladainha so -
lerane ;' na madrngada do referido doming) u a
missa cantada, e as 7 hor.n uma ontra resada por
lencao do Exm. Sr. bispo D. Vital, qae beoxeu a
igreja.
Terminado o Te-Deum havcra logo de vista; lo-
cando era todos os actos ama banda de masiea
marcial.
A actual mesa regedora que tao bem ba admi-
nislrado essa irmandade, em ordem a tor I qaidado
as dividas ainda provenientes da reedificacio ds
sna igreja, envida esforcos para qae s festividade
de sua padroeira seja cercada do esplendor devido
ao collo catnolico.
Jurj doiteclfcc -Teni. boalem compareci
do 41 juizesde facto, oExm. Sr. desembargador
presidente do tribunal do jury dsclarou iostallada
a sessao. Foram apreseotados preparados para en-
trarem em julgamento os processes em qae sio
rdas:
Francisco Antonio do Nascimenlo.
Joao ivdro de Oiiveira.
Joao Feliciano Ferreira.
Valeriano Raphael dos Rets.
Manool Soares de Luna.
Joa > Luiz N-pomaceno.
Procopio lose da Silva.
ose Marliniano da Silva
Jcc iloustantino do Nascimeoto.
Pslrieto Jose Ferreirs.
!. iurentim Vitaliao dc MelU-
/


13iario de Peraambuco Quinta, (eira 22 de Outubro
oocl dXMivelra.
lose Aogclo de So iza.
Joaqmm Henrique de Oliveira.
Jose L. de Mattos. -
Severiann Joidda Silva.
Antonio MefljMfcti'Ajnonm. .
Jose da Silva lrosr August.) Ferreira de Lcrena.
Sendo a hora adiantada, levantoase a sessSo, e
ad i ad a para boje a i 10 boras da maaai.
I'oesla. 0 nossa assigaante da villa deS.
Cecil-, de quern temos publicado oe-ia seccio ai-
guns trabalhos poeticos. acaba do er-viar-aoa o ae-
guinte : -Fragment* aV um poem i medito.
La na collma onde a easinha alveja,
E que verdeja raatisada alfombra,
ITm anjo habita de belleza diva,
Qual ro>a esqniva d'om arbusto a sombra.
Arrimo debil da vo'hice enferraa
N.i casaerma de prazer e gdzo, )
E' so d'um velbo a derradeira 'sp'ranca,
E' lhe a lembranga d'um amor ditoso.
R-lrella vesper dessa tarde gasta
Ella lhe btsia a amenisar seus dias,
Trabalha sempre a sustentar lhe a vida
A lilha ij'nda uess;.s noiles frias.
Li passa as horas, pobre flor, cantando,
Nio terminando a 'atig'nte lida ;
E qu' e do pobre ? se nlo trabalha... morre !
Qoerao soceorre na miagoada vida ?
Niaguem I e esroclla, n sociedade ri-se,
Ai I so ella visse o que mi-em fia...
Veria a virgom por on p.to venler-se,
E ir render-so ao iMduct-*r andaz!
A fome aitrUte cl> q'ie .1 me quinha sorts
Lhe den por none 0 men Jigar 0 pao,
Oe porta em porta no wand a ate, ao nobre
Que diz ao .pobre cum soberba... nio 1
Mteero aquelle que a I r-tir no inverao
Encontra n inferno na existeneia atroz,
Roto, descaloo, e a trainer... gehdo !
So, de-jiresaJj pelo uiuu-lo algoz.
Nlo tendes visto ac peroessar nas ruas
Criancas nnas em cruel tormento?
Nas lagens junto ;i< eatnelres souihrias
Em noitos frias d .rnitando ao vento 7
Bern junto a ellas ;. vcfc# soiinhas
Jazera raesquintias que a traifio perdeu,
Pore mpanhem*... a miseria, a fame...
E teem 0 norae que 0 traidor lhe? deu !
Mas na eollina ood? a carinha alveja
E quo verdeja matisadn alfombra,
Trabalha om anjo de belleza diva,
Occulti, esqaiva d' om olmeiro a sombra.
Vivis alii ?< litaria
ma* (>/. o seus cui lados
riistrahia-os pelos prados
eolhendo mimosas floras,
u sentada om tarde amena
junto ao liir.pido ribeiro
a sombre d'um verde olmein,
cantsndo cancoes d'araores.
Era formosn, nos olhos
ticha celestes lampjos,
os labios pediam beijos
e os sorrisos amor.
fifth* os ttitts enioridos
da purpurea cor de rosa,
era 'sbelta e mi is airosa
d> que a baste d'uma l!Or.
So linha por enmpanheiro
sen vatho pai quo na gnerra
fora lancado por terra
i:omb:tendo os hespanhoes.
No eembate era vaiente,
nao temia ant? a metr?lha,
e no c;>mpo da batalha
igualava os matt hero;?.
Mas nm dia que a peleja
mais fenz era travada,
foi frido d'uma granada
ft a saule perdeu.
Vcltou depo s a herdade
otjde icara a ventura
mas so vio a sepnltura
da mulher que lhe morreu.
De tnio qoaoto Jeixou
?6 a liltia lhe licou.
3. Ber.to -l74. //. /. P.
X Il<-a,Do Rio de Janeiro vimos de receber
0 n. 4 da Idea, jornal de seiensias 0 lettras, con-
: Sylvio; engenh.ina, por X ; estodo psychoiogito,
por Vicente de Si.uza ; urn poela portugucz, por
1 de Almeida; vista gerai. sobre 0 theatro, por
Teiseira de Souza ; redempcjlo, pelo mesmo ; qua-
dros da vida social, por Toseaho de Brjt; e ou-
;ros muiios dignos d* aprcco.
Agradei!emos a oBerta.
Asssigna se ne-ta pr.iviacia em raao do Sr. Paulo
Pereira SimooBj rua do Marques de OlimU u. 38,
armzom.
trrcmata^oea provinciaos. Peran-
M a junta do thesjuro provincial vao boje a praca :
oj reparis d 1 qnart^l do corpo de polieia, orekdos
em 8075200 ; a bomba de Pragpso, na eslrada do
ii:rw, oreada em S'MtOn ; a ponte de Moes, so
bre 0 ri 1 Tapacara, na e-tral.i da Victoria., oreada
em l:i8*i(J00; 0 innosto sobre 0 capim de plan-
ta consumm do na ci lade do Recife ; e 0 fornect-
mento de alimentacaci e dietas aos presoa pobres
da casa de deteui,'ao.
liOfcrla.A qu? se aclia ;i veuda u a lz2' a
beneficio da igreja de S. Goncalo, quo corre no
dia 29 do correnle.
Leilao-Huje effcetua 0 ajente Dias 0 leillo
da arma;Ao, generos e mais utensilios do estabele-
ciraento em a travessa da rua do Duque de Ca-
xias n. 8, e em cuntiiuEcao, a ca;a turrea em a
rua da Roda n. 06, perteneentes ao espolio de Jose
do Rego Pacheco, as 11 horas em ponto.
Hoje tambeni, na Feira Semanal, a rua do
fmperador, havera grr.nde queima por pouco di-
nheiro, de innumeros ob;e".tos de ouro, prata, fari-
ibaote, moveis e muius artigos de uso domestico.
Hoje, as it horas, effectuao agente Pinto 0
leilao dos predms annunciados.
A's 2 horas vende 0 mesmo agente, a barcaca
Zurich, de 2 mastros e tal qual se acha ancorada
eaa frentedo escripturio da corapanbia Locomo
tora.
AmanhS, 23,devo tec lugar 0 leilao de moveis,
obras de onro, masicas e livros, no sobrado da
ma do Crespo n. 11.
Segunda-feira, 20, deve con'.inuar 0 leilao
dos objectes do armaz?m de fornecimenlo de na-
vios da rua do Comrcercio 0. 2i, conforme esti
annunciado.
Ctraa de deten^ao.Movimsnto da ca3a
de detencao do dia 20 de outubro de 1871 :
Existiain 322, entraram 2, sahiram 3. falleceu 1,
existem 320.
A saber : naaiooacs 2-'i0, mu'tieres 8, estran-
geiros 27, e-crayos 31, escrava 1.Ttal 320.
Alimentados a ensta dos eofres pablicos 271.
A saber Saos 260e enfermos H.Total 271.
M)vimeuto da enlermaria do dia 20 de outubro
de 1874 :
Teve baixa :
Antonio Jose Rodrigues Onca, bronehite.
Falleceu :
Jose Lopes Quintino, tibercuios pnlmouar?.
Pasa^eiroN.Sahidos paw os poFIOB do
sul no vapor nacional ilait&o de Orleans
Tenente-coronol Jo;;e Guedes Nogueira e Jose
JoaquimJI'ontes Guimaraee.
0 vapor francez Ville de Baliia nao eonlu-
zio passageiros.
Cemiterio pubtlco. Obituario do dia 20
do corrente :
Marianna da Conc^cao, branes, Per^amb'ico,
<) annos. Boa-Vista ; gastro en'.ero colite.
Maria Gabriela Renite, pard.i. Paraguav, IS an-
nos, casada, B6a-Vista ; phtysica tuberculosa.
Silveno Lopes da Silva, pardo, Parahyba, 2i an-
nos, solteiro, Bda-Visi^ ; febre perniciosa.
lose;, escravo, pretc, Pernambuco, Vi annos,
Boa-Vista ; anemia.
Joa6 Lopes QofqUno. pardo. Para, 22 annos, sol
teiro, isauto Antonio ; tubercubs pulmonare=
Manoel, pardo, Pernumbaco, 3 annos, Sinto Vn-
toniu; hydropizia.
Angelo Gustodio Ferreira do Carmo, preto Per-
nimbneo, 32 annos, caiado, B6a-Vista ; epilepsia.
Maria, braoca, Pernambuco, I annos. Santo An-
tonio; variolas.
Paulina Vianoa dos Prateres, parda, Alagoas, 19
annos, Rec fe ; febre (itTniciosa.
Antonio Ferreira Lima, branco, Rio Grande do
Now, 5* atoos, solwlrj, Biii-^sta ; pntvsfea tn-
beroetairt. ._____
CA)HRA HPNICIPAL.
SESSAO EVTRAORD1NAIUA EM 7 DS,
OOTOBRO DE 1874.
PRKSItENCIA Btl SIV. REfiO B AI^M-UCMBIIQUB.
Ao meio di.i, presentes os Srs. Rego Barros,
Gameiro, Theodora Silva, Cesario de Mello, Cu
qe eertam^nte 040 contari o mode-to es-
! criptor.
Enserrasseui on nao urn ern\ c temos que oen-
'crravaini pravlsainio, tae-i linhas estavam todavia
nratt lo*|?* o*e oontnr algoma perigosa djuirina
I qa, assoatttada, podesse produiir funestos^rt'sul-
tado, qujaee poil^riam provlr das que do ultimo
'publieoa a Provmcia, e hontem vimos muito sua-
vem>nte trasladadas para a columna de honra da
t.tuG0imarae,Dr.MoscosooLoyo iuawr,"kbrio- ^^EkEW^ tom-^a-IUesa
se a aessao. j responsabihdade e fel as tie suas eomo estas sio
Lida approvada a acta da aatacodente, teu-se no,s.s^X --- l,,^^ a.
0 seaninte Cenl e 1aiDie mponaores de generoa de es-
tiva, talvez todos quantos om Parnambuca nego-
ciam neste ramo de commercio, tinham dirMdo ao
presidente da provincia ami rencesentaao, on
eomo melhor se cnjtme, eontra os Impostofrecem-
creados alii sobre os ties generos era que elles
negociantes negociara. Nossa reprosentaeao diteia
elles-quo, sendo manifestamente irrn ilftaniuiini
expedients;
presideate da provincia, approvaada
Offlcios :
Do Bxm.
as bass para por elks ser lavrado 0 eotilrato au
torisado pels lei provincial d. I,ii2 de 8 de junho
uliiaio, com Aagusto Jose Ferasndes Eiras e Eva-
risto Juliano de Sa, relativameote ao matadonro
da Cabaoga. Lavre-se 0 coatrato.
por oirensivos do art. 12 do acto additional os im
po.-tos de consumb creados pela lei u. I.iil de 8
;!^1JW^itts^^.r
dos
da provincia, mandando a camara informar.A
coiHiiiis.-ao de ntaUduuro.
Do juiz substituto da 1.' vara civel do 2." dis-
trict criminal, participando que no dia 21 de se-
terabro ultimo reassuinio 0 exercicio de sen car-
go. Ioteirada.
Do advogado, participando a camara que 0 juiz
de direito da 2.* vara civel julgou procedeute a ac-
^ao movida pela irmanJade da Miserieurdia contra
a camara, para que a reconbe^a eomo foreira do
terreao comprado a Antonio da Co.-la e Sa, ou
pagar-lhe 200* pelo dominio ulil que desta sen-
tenca nao cabe recurso, por nao caber na alcada
do juUo, pelo que Jove a cam >ra maudar pagar
as custas que forem conladas. Expeja-se ordein
ao procurador para pagar as custas.
impostos para que lltemmfoi
se em algum tempo allegado 0 silencio eomo adhe-
sao oh consenlimento tacito a aquellas impo-
si^oes
A Associaeao Commercial Beneficente de Per-
nambuco, ja tendo usado do meio legal de petieao
perante 0 poder competente, tiron-se da difflcnlaa-
de limitando-ss a enviar o protesto, a que cbamou
declaragao, a seu destino e 0 fez por um sensato e
respeijosa offhio.
Nao nos deteremos em considersco?s que aco-
dero aoospinto do tod> munlo sobre esse siogaUr
e infru'-tuoso expediente cujo nnico alcance e fa-
zer constar 0 que ninguoin ignora, isto e, que se 0
imposto sentisse oerdido 0 siu caracter deooriga*
toriedade, e a cada um fosse ficito legislal 0 para
soliatador'pe^odo qoHacaaaa qtontfa de JJ"rh'^w^/6"11^30 seria uma" cousa leta
20O# que recebeu ens 20 de novemoro do anoo po?-LO MD'
que
passa Jo, data em que prestos comas, e pedindo
se lhe mande entregar a quantia de 200J para
occ-rrer as despetas a fazer coin aseausas.A"
commissao de polieia.
Do procurador, dando as iuicrmjcoos que lhe ,
foram exigidas acorca da aocio qae VTodettadar ,n11arlb,u??."?:' I 't" m- Prov,oc,*?. te-n tribn-
,:..u j ......- ...., ;i;i! j tado a importacao. Temos iucess.iniemente defen-
Nossa opjniao sobre a consiitucionalidade desses
impostos nao 6 um segredo para ninguem. Mais
de uma vez os temos declarado inconstituciooaes,
eomo inconstitu:ionaes tio todos aquelles que,
desde a promulgacao do acto addicional, em Psr
tinha de mover contra 0 inqnilin > das casas da
prapa da Independent ns. 8e lO.-Fnteirada.
Do mesmo, participando que, entendOndo se com
o inquiiino da casa n. lida rua de Juao do Rego,
sen liador a resoeito dns concertos que dttt casa
precisa, respondeo me que nao tinham obrigaco
de fazer taes concertos.- Que se remeila ao advo-
gado copia dos termos para proceder de conformi-
dade com a lei.
Do fiscal da freguezia de S. Frei Pedro Goneal-
ves, remettendo a rrlacao das moltas impostas
por aquella fiscalisaciio desJe o dia 30 a 7 do cor-
rente :
Soares do Atnaral em 10,0X1 reis, corao infrac-
tor do art. 48, gar.
Manoel Marques, em 10,000 reis, coma infraclor
dos arts. 160 e 171," niallrator 0 oil. -AO procu-
rador.
Do Gscai da freguezia dj S. Jose, participando a
camara quo, tendo dado uaa corrida sanitaria no
dia l. do corrente, acompaohiJo do Dr. delegado
da capital, loiaiu multades os individuos cons-
tants da resacio junta :
Bernardo Gomes Ua Silva, 60,000 reis.
Antonio Jose de Souza Garvslao,J58.000 reis.
Jose Marques do Souza Coatiuhu, 8,000 rei.-.
Bernardino Jose da Silva, 50,000 riii*.
Rornao Rodrigues, 30,000 reis.
Joaqnim Caetano de Souza Trorge, 4,000 reis.
Lti'-as Antonio Evangelista, 4,000 reis.
R iJrigues & C, 5i,000 reis.
Joaquim Jose da Fonseoa, 30,000 rets.
Antonio Alves BramaiiU, 8,000 reis.
Juse da Siiva Pereira tie Britu, 4,000 reis.
Antonio Francisco Ferreira, 10,000 reis.
Francisco luaquim I'imentel Pereira, 2,000 reis.
Jose Francisco dos Santos, 8,000 reis.
Jofto Francisco llcnriques, 30,000 reis.
Jose Antonio Vieir.i deBarcellos, 8,000 ri'-is.
Joaquim Antonio da Costa Ferreira, 10,0 "0 reis.
Oliveira (5e C, ii'.O-JO reis.Ao procurador.
Do liscal da freguezia de Nossa SentiTa da
Gra'.-a, remetteodo as collectas dos estabtlecimen-
tos existentes naquella freguezia, relativamente ao
exercicio de 1874 a 187o. -A' contadoria.
Do mesmo, pedindo proviJencias acerca do mudo
de fater-se 0 desiejo de materias fecaes, na Pas-
lagem da Magdalena A' commissao de saule.
Uma petigao de Paulino Herculauo de Figueire-
do, pedindo 0 pagamento de custas.Ao advo-
gado.
Outra de Olympio Sebastiao, cscrivao da suhds-
legacia da fregueza de S. Jose, pediudo pagamen-
to de custas. -Ao cootador.
Outra de Mauricio Jo^u dos Santos Ribeiro, pe-
dindo dispensa do pagaraenu de impostos atraza-
dos. Ao contador.
Outra de Manoel Carlos do Paraizo, pedindo li-
cenca para abrir um talho em ui *js espacs no
agougue da ribeira da Boa Vista. Informe 0
fiscal.
Uma petiQio do escrivao do subdelegado da
fregutzia da Boa-Vista pedindo 0 pagamento de
custas.A' commissao de negocios judiciaes.
Foi apresenlado 0 seguinte parecer :
a A commissao de polieia, examinando 0 balan-
ce te da receita e despeza do mez de agosto, achou-o
conforme, existindonm saldo de 18:3624817, pflo
qae e de partcer que a camara mande dar quita-
5I0 ao respectivo procurador.
Camara municipal, 5 de-outubro de 1874
Theodora Machado Freire Pereira da Silva.Joao
da Cunha Soares Guimarase. -Approvado.
Foi submettido 0 requerimento soguinte :
t Raqueiro que esia camara marque um dia
para se rcuoir uo mcrcado em cotistrucgii', para
v>'-r se approva as divisSes que 0 arrematante esta
fazenlo, convidando para estar presente aesse
acto o engenheiro da camara.
a Paco ta camara municipal, em 7 de outubro
de 187i.-Dr. Lobo Miscoso.iSendo approvado
0 requerimento, foi de^igoado 0 dia 10 do cor-
rente.
A camara determinou quo e expedisse ordem
ao procurador para fazer o saque para o paga-
mento do juro do empreslimo effectuado com 0
Bauco do Brasil.
A camara delermiucu quo se expega ordem ao
fiscal da Boa-Vista para maudar fixar a latrina
da ant'ga travessa dos Ferrei.os, hoje rua Sete de
Setembfo.
A camara resolveu quo se pedisse a S. Exc. 0
Sr. presidente da provincia ? approvac.au proviso-
ria as po^turas e tabellas, que nao foram inclui-
das na lei do orcamento vigenle pela assembled
provincial em sua sessao do correnle anno.
A camara ordenou quo se rem-tia aos fiscaes
copia do aviso de 16 de selemliro ultimo, que de-
clare que a elles compete lavrar os termos de in-
fracfao de posturas.
Foram despachadas as peticoes seguintes :
De Antonio Joaquim Barbosa, Antonio Massulo,
coronet Agostinho Bezerra da Silva Cavalcante,
Alfredo Martins de Barros, Andre Bousson, Anto
uio Novehno, Barros & C, barao do Livramenlo,
Carlos Matheu-, cotnpauhia dos trilhos urbanos
do Recife a Olind-, Duarle Amaral A; C, Fran-
cisco Ignacio D., Francelino Augusto de Hollands
Chacon, Francisco Siqueira de 1 aula, Francisco
Martins Raposo, Ho, acto Leop Idioo Alves daJ,
Fonceca, Joao Martins de Barros & Filho A C,
Januario Spindola, Jose Calabrim", Joao Pe ro de
Barros, JoauCalisto Italiano, Jose A. Domingues de
Figueiredo, Joao Joaquim da Costa Leite, Joaquim
Barbosa dcOliveira, Joaquina Emilia dos Santos
Fragoso, Juvencio Lopes Ferreira e outros, lose
Duarte da Cruz, Jose Joaquim Pereira de Mendon
ija, herdeiros de Joaijuina Maria da Omceica ,
Liiiz Tedo de Jesus, Manoel Martins Fiuza, D,
Maria da Veiga, Manoel Pernandes Mascarenhas,
Oliveira Pilho & <"., Pedro da Hora Santiago, Dr.
Vicente Pereira do Rego, Vicente Alves Machado.
\ icenle Ferreira de Santa Anna.
Nada mais haven Jo a tratar, 0 Sr. presidente
enr.erroa a sessao as 2" horas da tarde.
Eu, Francisco Aogusto da Costa, secretario, a
eserevi.
Manoel Jo-.quim do Regn e Albuquerque, presi-
dente. Jose Maria Freire Gameiro. Jose Cesirio
it'Mello.- Theoioro Machado Freire Pereira da
Silva. -Bellarmino do Rego BarrosDr. Pedro de
Athayde Lobo Moscoio. Jouo da Cunha Soares
GuimarSes.
importacao. Temos incessj.niem.ente defen
did), era bem do que se pode chamar a indeflen
'dencia financeira das provincial, .1 necessidado de
uma divisao das renJas que substilua a deQcien-
l lissima que hoje temos.
E', todavia, sabido quo opinioes muito respeita-
j veis inclinam se a di.-iioguir impostos de importa-
cao dos do consumo, julgando cotnpelentes as as-
sembleas pravinciaas para decretarem os desta ul-
tima categoria. Assi.11 peosa 0 Sr. Tavares Bastos
no seu livro : A Provincia ; pssim ooinou no con-
selho de estado 0 Sr. vi;conde de Abaete, e com
elle tern otoinido outros cmselheiros; e nor esta
opiniao, manif-stoa se recentementc 0 Sr. conse-
Iheiro Jnse de Alencar, ja suscitada a questao do9
impostos de Pernambuco.
Tao incontrovertida nao 6, pois, a inconstitu-
cionahdade arguida quo seja um ponto este fora de
duvida.
As imposicSes ultimamente creadas era Per-
nambuco, se tribunal direi'tamenlc a imporlagSo,
so alcanjam os generos destinados a consumo, e
nae os que, entrando naqoxllo msreado, deveai ser
reexportados. Sao, pois, rerdideiros impostos de
consumo e desigoando o com este norae, com
muila propriedade os designara os autores do
protesto,
Nao faremns, porera, cabedal de alheias razoes
com quo se tem defemiido a consiitucionalidade
dos novos impostos de Peruambuco. Nern recor-
daremos mais uma vez aos nossos desapercrbidos
adversarios qua impostos de igual natureza, tao
incoostitucionaes eomo os de ultimo votados na-
quolla provincia, figuram alii eomo por toda pane
em orcamentos que os Srs. Saraiva, Nunes Gon-
calves, Paranagnt, Villa-Bella, e outros nomes
caros ao parti io liberal, sanccionarain som escru-
polo.
_ jNiio vdltanamos mesmo a esta ja con=ada qnos-
tao se a Piovincia nio fizesse proceder ao protes-
to, on represeotacio, d:.rigido ao presidente do Per-
nambuco, as seguintes rignlncathrai palarras que
a Rrforma fez suas :
Cm unico defeito, ar,s olhos das leis e da coos-
tituirao, achamos no solmine protesto dos nego-
ciantes de gro-.so trato; k nao observarem rigoro-
samente os prcceitos da logica.
be os impostos alera de laiqjiiOJ e inju-tos,
sito inconstilurionne.i a consequencia era dize-
rem no final do protesto -nos nSo pagaremos os
impostos.
Ad que 6 inconstituciooal, nao se ob^dece.
Praticar, neste caso, ainda quo inlirectamente
actos que confirni'em a infracjao da lei fundamen-
tal do estado, 6 tornar-se compile; e rjsponsavel
por ta 1 grave viola^ao da mais veneravel 9 sagra-
da das leis
Aeredita-se difOcilmente que estas palavras te-
nham sido escriptas pelo orgSo de nm itartido
constitucional e, ainda' mais que'houvessera^bre-
cido a Reforma uma exceptional sympa;hia*T
Pois c Ijcito ao contribuinte do imposto candem-
nal-o por ioiqao on por inconstituciooal, pagal 0
nu nao a seu juizo e escolha ? Que lamentaveis
resultados provinam do semelbante doutrina!
Cora 0 mesmo direito com que Uo uegociantes de
generos de estiva poderiam resistir ao pagamento
de um certo imposto por inconstituciona! ou por
iniquo, outra classo poderia amanna recosar-se a
impostos ae outra natureza ; e ate onde chegaria
mos ?
Nao so commentam taes palavras. Estranhar a
uma classe importante que nao tenha reagido con-
tra uma lei, e mais do que aconselhar a anarchia,
e preconisal-a, e erigila em programma.
Nem encareceremos os perigos de uma tal don-
trina, figurando a hypithese em quo os imporla-
dores dos generos de estiva em Pernambuco ter-
minassem 0 sen protesto pelas consequente; pala-
vras que a Provincia Ihes dicta:.Vos n-2o paga
remy os impostos. A resbtencia a raao arraada
ou a fome publica pela completa esiagnacao de'sse
ramo de commercio : sao as duas vafiantes a
que aquellas palavras levariam, se algucm po Jesse
tomal-as pelo que ellas valem.
Regii-tremos, sem comraentarios, a doatrina li-
beral.
(Saciio.j
bos rartorio* dos Srs. cscrivies Athavde, Maciel
'Pinheiro e Chacon.
En resjiosta aos iirterlinhados do Sr. Rellarmino
ArOxa, dijfo-lhe apeaas que Pernambuco nao e
granle, nds tomis conhectdus e que nflo me impor-
tn qua S S. tenha dinhetro para gart/tr em publi
caroee, (U quaes nao mais respondent ; alDancan-
do-lhe, porem, que se osar da linguagem de
arrieiro e offender-me, nao hesitarei era pro-
curer a desforra pelos meios deeentes.
Recife, ft da outubro de 1874.
Felix de Figueiroa Faria.
Harismendy & Labillo teudo lido no Jor-
nal do Recife de hontem uma declara$ao
que faz 0 Elm. D. abbade de S. Be 11 to,
Fr. Joao de S. Jose l'aiva, de que tendo ex
pirado 0 arreodamento feito a Jean Mendi-
boure da casa n. 24 a* rua do Commercio,
porfalta de cumpriuento das conditoes
aeeitos, arrendara dita casa aos Srs. Liger
& Botelho, protostam eomo procuradores
que sio de Jean Mendibouro, ausente na
Europa, contra tal declarecao, por isso que
nem ba falta de cuinprimento das condi-
cdes estabelecidas na escriptura de ar-enda-
mento por parte do locatario, nem tao pou-
co acha-se expirado 0 tempo de arreoda-
mento, que finda em dezembro de 1876.
- ELEiglO
Da mesa regedora e mais devotos
que ti'in de featejar a Excejsa Se-
nhnra do Rosario, neata la;reja da
Madre de afeae. no anno de 1875,
Juiz.
0 Hint. Sr. Manoel Moreira Campos Junior.
Escrivio.
0 lllm. Sr. Alfredo Francisco de Souza.
Thesonreiro.
0 lllm. Sr. Joaquim Paes Pereira da Silva Junior.
Procurador gen I.
0 lllm. Sr. Ricardo Alves da Silva Leite.
Procuradores.
Os lllras. Srs.:
Jose Aotonio Martins Vianna.
Francisco Jose Chaves.
<;arlos da Fonceca Caralho.
AntoDio Francisco da Cruz.
Carlos da Silva Farias.
Joao Xavier da Silva Junior.
Mordomos.
Os 111ms. Srs.:
FrsniJisco Fernandes Correa.
Jose Ferreira de'Siqueira Braga.
Antonio da Silva Ramos Neves.
Joao Matheus Moreira Campos.
Jose Ricardo Matheus Ferreira.
Joao Jose Mendes.
Joaquim Arthur dos Santos.
Luiz Pereira da Costa Queiroz.
Olympio de Sonzs Cnnha.
Joao Raymundo Martins Pires.
Jose Gongalves Torres Neto.
Jose Carlos Goncalves.
Juiza.
A Exma. Sra. D. Evangelina de Vasconeellos.
Escriva.
A Exma. Sra. D. Anna Amalia Ferreira Leite.
Juiz por devocao.
0 lllm. Sr. Antonio Pacheco da Silva.
Juiza por devofao.
A Exma. Sra. D. Maria Candida da Cunha e Silva.
Escrivao por devocao.
0 lllm. Sr. Frederico Antonio da Costa.
Escriva por devocifo.
A Exma. Sra. D. Francisca Maria da Cruz.
Juizes protectores.
Os Illms. Srs. :
Manoel Jose Carneiro GuimarSes.
Francisco Jiaquim Pereira da Cos'.a.
Joao da Silva Farias.
Francwco Goncalves Moreira Neto.
JosO d9 Sonza Ccrdeiro Simoes.
Antonio Francisco Moreira.
Juizas protecloras.
As Exmas. Sras.:
D. Laura Leopoldina de Souza.
D. Maria Isabel de Carvalho.
D. Maria lementina de Campos.
D. Maria Ermelinda Vianna.
D. Thereza de Jesus Baptista de Araujo.
D. Guilhermina Carolina da Silva.
Mordomas.
As Exmas. Sras.:
D. Rita de Cassia das Neves Cardoso.
D. Maria Rosahna dos Passos Guimaraes.
D. Amalia Raphaela de Oliveira Coimbra.
D. Emilia de Oliveira Bastos.
D. Francisca Cardoso Ayres.
D. Maria Amalia Teixeira Bacellar.
D. Maria Lins Ferreira Lonreiro.
D. Maria de Assumpcao Porto.
D. Maria Libania de Lemos Araujo.
D. Maria Isabel das Neves.
D. .'.'.it 1 nia Juscphina de Carvalho.
D. Davina da Silva Guimaraos.
Recife, I de outubro de 1874.
0 vigario,
Padre Antonio Manoel de Assumpca).
PAITE POLITIC!
m
aiiCACOES A PEDID&
.Vo Mr. Bellarmfuo A. Aruxa.
RECIFE, 22 DE OLTUBaO DE 1874.
Doutrina ria escola liltoral.
Nao ha muito tempo andou-se a especular com
algumas llnhas publicadas nasecgao ineditorial do
Diario de Pernambuco, nas quaes se defendia nm
pseudopriacipio economico sobre 0 imposto. Nao
faltou qaem as attribuisse ao illustrado adminis-
trador de Pernambuco, e liouve at6 qnem as lesse
na cainara temporaria com uma emphase, com
Li 0 estirado artigo publicado no Jornal de hoje,
sob a assigoatura de Rellarmino A. do Araxa, e
nao pretendo e nem aceito discussoes jornalisticas
sobre 0 tacto de que fallou S. 3, por isso que es-
tando elle affecto ao juizo, nao e a imprensa 0 lu-
gar deltas e muito menos porque sendo questao
de direilouiueS. S. competente para discuti-la
commigo; aguardo-me pois para 0 juizo: enlretan-
to para que 0 publico avalie de que lade esia a
verdade, passo a narrar 0 facto eomo deu-9e :
No dia 8 ou 9 do corrente, appareceu em minha
easa 0 Sr. Autonio JoaeGalvao,a qnem conh.cj ba
muitos annos, e pedio-me reqneresse depositar 0
peculio ntcessario e nomcacao de curador para
tratarem de llberlar-se Caetano e Andre, escravos
do Sr. Rellarmino Ari>xa, que os preten Jia mandar
para 0 Rio. Sem exttar e porque -nenhuma res
ponsabilidade existe em quem apenas faz uma pe
ticao, Q-la, e dousou tres dias depois estando no
escriptorio, a rua do Imperador, fui convidado pe-
lo Sr. escnvio Albayde a prestar juramenio de cu-
rador e depositario de Caetano, visto que, 0 havia
sido noraeado pelo Dr. juiz d direito da segunda
vara. Apezar de-uao ser republicano, eomo se
apregoa 0 Sr. Rellarmino Aroxa, nio trepiaei em
aceilar 0 patrocinio daquella causa, visto eomo
tralava-se de Liberdade, e orgulho-me todas as.ve-
zes que posso render preitos a esta Vestal.
Como 1 atn 110 que era, cumpria satisfazer meus
deveres, e ent5o requeri 0 que foi a bem do direito
de meu curatellado, afJra de ter lugar a propositu-
ra da competente acgao.
No domiogd (l8j.toru6a-.moji procurer 0 Sr.
Antonio Galvao, e commuuicou-me que 0 Sr. Bel-
larmino Aroxa, dizonJo-so furtada, tizera com que
0 subdelegad> do priraeiro di-tricto do S. Jose,
raandasse recolber presos Andre e outros, pro-
I'lir.ui I j coin isso pdr obi "o a accao intentada
para liLerdade daquelle; procurej 0 Sr. subdele-
gado, expuz the que essa prisao nao podia ser sus-
tentada por ser coutraria a lei, visto nao tr sido
eiTectuada era flagrante delioto, que ella era 0 re-
sullado de uma perseguicao feita pelo Sr. Bellar-
miuo ArOxa. e pedi Hie que prosegutsse nos ter-
mos do inquerito, sem demora, e mandasse p6r era
liberdade os presos si nio acbasso cnlpabilidade
nelles: de feito, hontem depois deinterregides, fo-
ram elles postos em liberdade; nao flitnrando en
como depositario, nem carador Desse negooio.
Nao desejo nem procuro ser depositario de es-
cravos do Sr. Bellarmino Ardxa, porers se fdr no-
meado. nao me reeasarei a aceitar, apezar de'ne-
nbnm lucro ter nisso, por isso que nao me tme-
drontara, nem a lingua viperina nem as bravatat
fiesse senttor. ^ n.-.tjpv d ^ v ^iuiccsui uo iukio* ouu m-
E' a yerdade 0 que venho dedizer, e se podjra ver oV/m (ja ee vo), e nio ao presenle em-que procura
O rogedoi* do gytiinasio provin-
cial e o professor cEe isiglex
do siiessno Institiito.
Abytsus abyssum invocat. Na carreira dos cri-
mes pnucipiar e tudo commettido 0 primsiro,
acha-se 0 homemfbmo que collocado em um pla
no inclinado, em que >6 0 pode deter a prulen
cia, a rtflexao; e d'onde precipitar se ha nas
maiores abjeccoes, si 0 domina 0 orgulho, a vai-
dade.
Vicio3 ha que, dogradando 0 individuo, que os
pralica, a ninguem mais prejudicam ; 6 um mera-
i.ro da sociedade que se inutilisa, e nada mais :
outros porem, que estendem seus effeitos a ter-
ceiro; entao ja nao 6 um membro da sociedade,
que se aniquila, e um ente podre, corrompido,
que, vendo-se perdido, procure conspurcar no seu
cantagioa sociedade inteira napessoa de um ou
mais de seus membros. Taes sao a raentira, a in-
juria, a calumnia, etc.
Ne.-te caso 0 dever da sociedade expellir de seu
seio, e para bem longe de si tao nocivo ente, evitar-
Ibe 0 contacto.
Nao consenlir que a mentira, que a calumnia
gauhe terrene 6 dever de todo bomem no estado
social ; e imporla laoto, quanlo proioger a inno-
cencia, premiar a virtude, fazer juslica ao me-
rito.
Do matfo muitissimo-desaforos, insultas, inju
rias, calumnias, provocacoes quichctescas, propo-
sicoes falsa$,elc, etc.que tem escripto 0 pro-
fessor da inglez na torrenle que -sordidus immen-
sus que ruit prof undo ore -tira-sc ires carrope-
toes horrendos, tres solemnissimas mentiras ; que
convem nao passem impunes, e sao :
i". Que 0 Sr. Dr. Carneiro Monteiro, quando
regedor do gymnasioo conego Rochael, para pro
teger um parente deste, entao repelidor, e que pre-
tendia uma cadeira de instruecao pritnaria, levara
os pontos do concurso para 0 gymnasio aQm de os
dar aquelle repetidor.
E' uma assercio falsa, falsissima, e uma men-
tira escandalesa I
0 artigo S* das instrucedes de It de junho de
1839, tralando dos pontos para provas dosexames,
diz no seu t: Esses pontos serao enumerados.
eescriptos em um livro que sera guardado em
uma de tres chaves, uma das quaes estarii em po-
der do director geral, outra no do secretario,. e ou-
tra no do regedor do gymnasio. >
Co 1110 podia pois 0 MT. Dr. Carneiro Monteiro
carregar pan 0 gymnasio pontos tao bem guar-
dados 7 Mesmo quando assim nao fosse, ao ca-
racter do Sr. Dr. Carneiro Monteiro repugna se-
melbante assercao
Nao e tao claro que avancar propoicao seme
lhante s6 0 faz quem, levado de ura desejo arden-
te de offender seu adversario; seja por que modo
for, nao trepida mentir, calnmniar vil e descarada-
mente 1
0 odio, 0 desespero do Sr. Dr. Collaco 0 tem ce-
gado a ponto de nao ver que com tal assercao
aales de, on melhor sem offender 0 seu chefe 0
Sr. Dr. Carneiro Monteiro, offende so e nnicamente
os-tres clavicnlarios, unicos responsaveis pelos
pontos, e que entao eraro 0 illustre Sr. Dr. Pinto
Junior, 0 Sr. Dr. Aureliano de CaTvalho, e 0 Sr.
oone go Rochael T
A natureza desta accusavao tem tanta forga que
po' si mesma se destroe.
2*. t Qu- 0 digno actual inspector da instruecao
publica, quando era seu relatorio tratara do gym-
nasio, tecera-lbe um grande elogio (e o seu dueo-
do, coilado I ) porque, tendo sido alumno desse
instituto, declarara naquella peca official que
or a Mi muito se aprendera, referindo-se sssim ao
tempo em que o professor de inglez ia a sua c*
pretextos para fugir ao cumprimento de seus de-
veres.
Sempre 0 orgulho. sempre a vaidade I
Aquellas palavras, logo concluio 0 professor do
inglez, que se releriara a sua cadeira, c jiu os 2:000
discipulos I
Entretanto, recosrendo nos ao mencionado rela-
torio da inspectoria da instruecao publica, abi en-
coBtramos desmenlido solemno ao que afUrnia 0
professor de ingle;.
No artigo relati vo ao gymnasio diz 0 inspector
da instruecao publica era um de seus treehos a
pagina 12 -alii muito se pode aprender, allimui
to se aprende, e nao se aprendera, como afflrmou
o professor de inglez.
A'.e em uma cousa tao simples e que nenhuma
mportancit tem para 0 caso, falta a verdade 0 pro-
fessor de inglez Dr. Pelippe Nery Collaco I
Por aqui ja se pode ver que fe mereee semelhan
ta indviduo,qtie com 0 desespero de engrande-
cer-se nao hesita mentir, e mentir descaradamen-
te, nao recua inverter e trocar as palavras de
documentos ofllciaes com 0 flm de illaquear a boa
fe pnblica, de illndir os incautos.
Devemos dizer, entretanto, que a mudanca do.
verbo do presente para 0 pretento nenhum valor
tem para a questao, esi tratamos disto e nnica-
mente para tornar bem patente a invejavel com-
gem, a sineeridade, a lealdade do professor de
inglez.
A'.. Que 0 Sr. Dr. Carneiro Monteiro em nm
trecho do seu ultimo artigo offendera a classe dos
homens de cor. *
Para melhor responder transcreveremos 1
trecho, d'onde tanta vantagem quer tirar 0 \m
fessor de inglez:
1 Demais, diz 0 Dr. Carneiro Monteiro, posto
que nao se deva desapreciar 0 homem pelo inci
dente de sua cor, a nossa sociedade repugna acei-
ta Io para educacio, em que tenha elle de ligurar
0 papel de pae, como repugna aceita-lo para ma
rid de Blhas e de irmais.
Quem de boa fe podera concluir desse trech)
que teve 0 Sr. Dr. Carneiro Monteiro em vista
offender a uraa classe, que principalmente enlre
n6s tens direito a symphatuia, a amisade publica ?
0 Sr. Dr. Carneiro Monteiro nao fez mais que
apontar um facto, qne nem siquer apnja, e pelo
contrario. reprova nas seguinles palavras -posto
que nao se deva desapreciar 0 individuo pelo inci
dente de sua cor, etc.
Mas 0 orgulho do professor de inglez, que em
tudo presume ser o primus inter pares, des.cobrio
logo ahi uma injuria a toda classe,.corao so fosse
elle oseu chefe, 0 membro mais proeminente del-
la ; quando inda mesmo que um tal reviratnento
se de:se, nio estava elle por isso isento de res-
ponder pelos seus actos.
Longe de ser 0 Sr. Dr. Carneiro Monteiro, e 0
proprio professor de inglez quem offende a imyor-
tant-- classe dos beruens de cor ; e offeude-a du-
plaraente: 1 porque, occupando um eraprego pu-
blico, em lugar de cumprir bem cs seus deveres,
acredilando assim a classe (ja que a sua vaidade
pretende que toda ella carregue com a responsa-
bilidade de suas faltas), 6 relaxado, refract or io it
ordens de seus superiores, ou reconhecendose
inepto nio abandona o lugar ; V porque em uma
questao toda pessoal, em vez de defender se, pro-
cura mvolver toda uma classe, julgando-a capaz de
suas infamias.
Perde seu latim, Sr. professor de inglez; essa
frarcio da nossa sociedade agradece-lhe 0 seu pre-
sente de gregos. Agorae que se lembre quo per-
teace a ella ; entretanto que beneficios ja lhe tem
feito ? De cance 0 Sr. professor de inglez : os ho-
mens nio sao julgados pelo incidente de sua Cur,
mas somente pelo proprio merito.
Caritas.
dins e dos campos, unto vereaios qnaodo tratar-
wijj do aprr.'V?,-tsnwnto das agn&s dos esfa-
lar.
Ad poblico.
Breves cosaslderacdcs nobre o abai-
leeimento d'agpua potavel a cida-
de do Recife( seus cgtrotos e suetos
de sanear a sua atmosithera, pe-
lo Dr. Pedro de Atbayde I^oho
Hoscoso. formado ens medicina
pela I'acnldade da Itakia.
(Continuacao)
Agrippa, que no tempo de Augusto conslruio
um grande numero de esgotos, mandou conservar
abertos para n'elles lancarem se as aguas de todos
os aqueductos: e ate elle mesmo embarcou um
dia n'esses regatos subt rraneos, e desceu pela
cloaca maxima ate 0 Tibre. Eis corao se expri-
me Plinio 0 mono a respeito dos trabalbos de
Agrippa (XXXVI-13 e seguintes :) Ellereunio
os canaes de sole rios, cuja velocidade, comparavel
a de uma torrenle, acarreta e limpa tudo quanto
encontra. Este volume prodigioso d'agua, au-
mentado ainda com as chuvas e as cheias do Ti-
bre bale ha muitos seculos os muros deste canal
sem que tente 0 poder a damniGcar a solidez e a
belleza de suas parades. 0 peso das minas dos
edificios, as casas que abatem por ctfeito do in-
tendio, os choques dos tremeros de terra, nadaafcha
7U0 annos pdJe abalar essas abobadas indestrugul0
ti veis. 0
Que e que tem feito a moderna sciencia mais do
que a ancli civilisacao I
Dar somente a razau dos factos pelas sciencias
physicas actualmen'.o muito aperfeicoadas : as
obras a cuja igualdade de grandeza tem sido dif-
flcil ou Impossivel atlingir a moderna civilisacao,
existiram n'aquelles tempos para confeccao do
novo serulo das luzes: e elles nao conheceram os
arcanos da sciencia....
Hoje decompoem ta os residues, coahecem-se
as partes coraponentes, combatcm se ou destroem-
se os maleficos, ou formam-se com outros corpo?
produclos innocentes.
Livrar as populacoes de tudo quanto lhes podia
fazer mal, fornecer-lhes agua pure e em abundan-
cia para conservarera 0 maior aceio e levarera
para longe tudo que lhes podia fazer mal, foruecer
ao povo, jogos, divertimentos e exercicios proorios
a desenvolver as forcas, dar-lhes satile, e crear
homens saos e robustos, Roma, sem ler os conhe-
ciraentos de cbimica e pbysica, tao apurados boje,
fez mais do que nenhum dos povos civilisados
modernos.
Nao poJemos deixar de transorever, apezar de
sabermos que nada tem com 0 nosso piano, 0 dito
de Ampere a respeito dessa fabulosa grandeza da
cloaca-maxima : Perto de dezoitojseculos tetnse
passado, desde que Plinio fallava com admirar^ao
do esgato de Tarquinio-o antigo, e 0 que 0 e3-
pantava, espante ainda hoje I! Seutiraos 0 cstupor
de que falla Cassiodoro, e duranie muitos saeulos
ainda outros 0 soffrerao como nos. Sim, Gca-so
estupefacto diante de tanta grander e soli lez. Nao
pensei que tanlo houvesso de admirer em urn es-
golo.
Deixando-rae arrastar pela adrairarao que ins-
pirara os restos da cloaca-maxima, esqueci me,
como acontece muitas vezes, do preco porque sio
compradosestesgrandes trabalhos quefazem a ad-
11111 j-.ij Jos seculos: trabalhos de tal qualidade
sao obra dos despotas. Estes gostam da pedra
por que ella e docil e os seixos doixatn-se arru
mar ura em ciraa dos outros ate fazer ediQcios ro-
gulares : imagem do edificio social, cue 0 mestre
quer conslruir a regra e linha arrumando os bo
trens por camadas syraetricas e quando 0 mestre
6 guerreiro,os cadaveres. 0 gigantesco sorri ao
orgulho, e isto entretem 0 povo, como sabiamenle
0 observa Diniz d'Halicarnarre, segundo diz Aris-
toteles.
Emquanto elle esta curvo sobre 0 seixo, nao
cuidaem levautar a cabeca: trabalha se para que
elle nao pease cm sir cidadio.
Nio davi-i.,i:.o-i|!i; tojamuilo justo este pen-
sauient j padukuubtca: juUaraos, porera, que os
melboramenlos que sao de grande vantagem para
0 publico, venham de ura despota de Roma, ou do,
imperador mais liberal do mundo, devem de ser
aceitos com especial agrado.
Os roraanos levarera por toda parte 0 gosto de
trabalhos identicos. 0 barbaros.que os succederauo
ulilisaram-se desses esgotos mas nao cuidaram
de reparal os. Foi no seculo XII quese cornejou
a reconstruil os.
Nio foi Roma somente que se dislinguio nos
tempos antigos na eonstruccio dessas obras raonu-
raentaes, de que ainda restam vestigios que nos
fazem lastimar que nao a tenhamos sabido imitar,
que todos eram com 0 louvavel tim de (avorecer
as diversas classes da sociedade, prudigalisando-
li,es beneticios que convergiam para a conservacio
da saude.
Babylonia linha immensos esgotos. Mr. Lava. -.'.
em 1818 fez importanles communiea^oes a socie-
dade de architecture de Londres a respeito das
ruinas da capital da Assyria, onde enccntrou reto;
de esgotos communicando com as casas por meio
de lubos particulares.
Os esgotos pheacos, cujo nome organisa-se do
arcbitecto Pheax, fcram construidos por Gelon com
os prisioneiros que fez a Almicar quando foi por
elle batido na Sicilia, 309 annos antes de Jtsns
Christo.
Os egypcios tinham tambem construido tiaba-
Ibos semelhantes nas suas grandes cidades, e cm-
pregavara os criminosos em sua limpeza.
A Jerusalem tambem os tinha magniQoos e ja
eropregava os residuos delles na cultora* des jar-
Depois de fazermos uma suecinu desrripcao d<
esgoios antigos. yatuos Uahaw fallar da passage n
nos principaes das cidades uioJeliMW.
Paris e a cidade da Europa que tem mais se [-
plicado a construccao dos esgotos: elles tao baj
em tanta abundaucta, e direccoes tao variadas, qne
6 impossivel deixar de coofessar que muito se tem
elle avafflajade a todas as ouiraa principaes cida-
des.
Os pianos feitos pelos engeobeiros municipaes
demandavatn a con>'.rnecao de 56.11S meiras ec
rentes de e-gotos de tamaniio maior e medio, e
283,890 metres dos de pequeoo diametro, alora
11,100 metros de esgotos auiigos, que devem ser
elevados para poderem se esvaliar aos principals
eollectores: reanidos estes aos 80/100 metros qua
se aeverao conslruir logo que a popul-.cao cresca.
para 0 extremos da cidade, havera 5iO,000 metrx
ou 135 leguas de canalisacio sublerranea em Pa-
ns a qua! ainda em t371 cunstavade canaes abert s
na terra, e qac iam despejar no S.nua, no Menit-
inootaut e nu Bit-i.e quauiki Hugues Auoriot turn
truioera abobadao canal que de Monlmar'.re u
aguar no Menilmutitant.
Os eollectores ou canos mestres que recebem
0 despejo dos outros enckoamentoj secuodarios o
tercenarios tem quatro meirose quarenta cenlime-
tros de allure e largurade cmco metrosesaaaenu
centiraeiros. Rem so ve que osta oilfefenca de
alguns centimetres na allure e largura contra a
cloaca vi.aximu : l.attaule para reqututar 0 orgu-
lho dos francezes.
Todas as outres cidades da l-'ranca teem esg
mais ou menus imperfeitos.
Nancy e M.ntp.-!!ier, que fazem excepcio, li:
ralmentedotadas pe.'os seculos anteriores nio lir*i
todo 0 pruveito draaa prcciosa hereaea.
A maior parte delias e dos de uutras cidades im
portantes, como Marstlha iem de feitos muito prt-
judiciaes, como seja a falta donim enlre uiu >
outros, 0 que da lugar a faceis enlupunentos, e a
falla da construcao por me 0 da cal dydraulica ou
d) cimento, que permitle a fillrevao dos liquid'-
que vio misturar-se om a agua dos pogos unap-
parecer nas cavas ou subterraneos que ainda boje
existem em rouita uarte, apezar de m na ignurr
quanto ellas sao nociVAS a saude pela falta de re
novacao doar, cu reproducjao conatante dos aria -
ciplos iufeccionaMss.
A Inglatterra scflrfl males na maior parte dc sua
cidades, a excepcao de Londres: tem atlas, porem,
uma grande vantagem sobre a de Paris e a quo
actuaimente se tem deseovolvido 0 maiur ulareaN
uidado sobre c.-sa importante qneslao de salti-
brtdade e os eapitaea affluem para aocBOtfaf an
graudes etnprezas.
Os esgotusde Londres sao immensos. mas pel)
tempo e maneira pcrque foram construidos, ris-
senlem se do defeitos de grande mouta.
Sao de di-ersas fcrmas e peccara principalinen
te pelo nivelaiu-.nto. Alguns se achara arruina-
dos : em outros as lamas accumuUm-se e iedaav
volvera mortifcro ciieiro; alem de que se f.rmam
gazes que pelo cculacto de uma chunm 1 poderi
dar lugar a terriveis explosioas, como por mais de
uma vez tem armtecido.
Esso abundante desprendimento de gazes tore >
0 ar da cidade mephilico e senao fora a pou:.i
densidade da popalae^O, a nortalidade nao se o-
lentai ia tao diuinuia como c dc ordinario.
Emnra hoje trabalha-se pur corrigir os granJe
defeitos dos esgotos e livrar 0 TaOrisa do mim1
f'tido e insalubie, que se lhe tem levadu duran-
le seculos.
E' de 1850 para ca quo se tem dadoo maior ira-
pulso a estes trabalhos : porque a uecessidade co-
mecou a aperrear de todos os lados, tantos er::.
os males que se iam deseovoivendo.
0 Tamisa estava cl.eio de coroas formadas pela
accumulaeao das materias fecaes e de oulrasnatj-
rezas, quo desenvclviam 0 iu.-upportael e murti
tifero cheiro da podridao, a tal ponto que por -e
zes os representantes das duas camaras ft ran.
obrigalos a abandonar as suas salas de sessio em
Wertminster.
132 kilometres de eollectores foram coustruL -
para desaguarcm no Tamisa, maritimo, cm Rar-
king e Crossness, onde eram as materias porelie
arrastadas e afogadas em uma immensi Jade d'agua
salgada constaniemente agitada pe:o embate daj
on das.
fContinu'a)
Para o i-:\ m. Sr. presidente da pro-
vlnria ver e o publico apreelar
lilms. Srs. rtiadores. Os abaixo assignados
tevain a consideracao do Exra. iresidente d'e-t*
provincia e ao conhecimecio do resneitavel publi-
co, que nlo e possive!, quo por mais tempo conti-
nuem os nossos interesses p< lilieos na mais verge-
n!i sa tutella de bomens, que nio aprecando de-
vidamenle o nosso bom estar, volam ao despiez
rowis formal as nossas necessidades, calcando a
'is todas as nossas pretencoes.
Srs. redact ores : N'esta villa da Floresta, re-
m.'.rea de Tacaratu, nio parece que 0 parti Jo con -
servador esta no poder: os principles e 0 pro-
gramma d'esse partidn, que tem sempre suslenn-
:'.: a ordem e iranquiliidade publicas, sao ataca las
de frenle, parccendo que 0 genio do mal exer:-
n'es'.a localidade toda a sua influenda contra o-
conservadores, que RCn IM seus principios, por
plies tem-se saenflcado.
Algumas nomeacoes na polieia tem appareciJ <.
recahindo elias nos nossos adversaries politico.-.
ao passo, que os nissos amigos quasi, que ialei-
ramenle privados de regalias, lutam corn seru-
difflculdades, e vivem supplantados, camo se na
pertencessem a p dities dominant.;, somente por
nao terem n'essa capita! e na do Impel io aaaajas
didicados, que cuidem de sous interesses, e qu -
toraem na devida consideracSoas aesaat reclam.-
c'.es e as nossas necessidades.
A pulitica n'esta localidade ii quasi excepcional
porque aquelles, que devem velar sobre os verd.i
detros interesses desta villa, surdos aos nosso
reclaraos, abracara os nossos adversarios e pro
curara crear um ter- oiro partido de todos aquelles,
que se dizera reaegados do partido liberal, soraeu-
to para guerreiarem os verdadeiros conservadore-.
3ae fieis aos seus principios. en crises bem melra
rosas e arri:cadas teem defoodido a bandeira, qu-
05 distingue. E por ventura, es tido, composlo dos dissidentes do partido liberr.
trestft villa comrnunga os mesmos principios ado-
ptados pelos conservadores geuuioos I Parece-nc -
que nio.
Vao sa etnos, Srs. redactores, d'onde nasce a
lota de alguns conservadores, que por mal enteti-
didos calculos dispoem-se a guerreiar os seus
proprios correligio isrios, acolbeudo favoravelmeD-
te os inimigos de hoe'en:-, e quo na-> sao conset-
vadores de couviccao e d- boa fe Parece n -
nascer essa lota do Sr Dr. Joa mim Goncalv.-
Lima, que nos cons ta hoje dirigir o 5.* district!
oleitoral d'esta provincia d. Pernambuco, por ser
eile 0 protector do tenente coronel Francisco Ca-
valcante dc Albuquerque, que de Tacaratri *
diiigio pessoalmente a esta villa, no intuito ie
crear esse terceiro partido, que so pode ter p:r
um romper com os consirv.-.dores honestos, por
se." eile composlo na sua_ quasi totalidade de li-
beral's descontentes, q ie nio podem em tempo al-
gum prestar qualquer auxilic ao a:tual partido
conservadqr, pois 0 unico ir.< a guerre aos conservadores honestaa, somente pr
.nao ter-se aceitado n'este eollegio para depntau 1
orovincial ao candidato do Sr. Goncalves Lima, 0
Sr. Antonio Aitico Leite, nao poJendo obter tal
eanlidato vota.;io alguma.
Contrista-nos, certamente. ime assim pensein
conservadores, sem se lembrarem, que d'essa di-
vergencia entre os mesmos cunservadores podem
tirar os liberees vantajosos resultado para 0 tri-
ampho das suas ideas, a esia razao e um dos oto-
tivns porque os conservadores d'este municipio
fazem chegar ao conhecimento de 8. Exc. 0 presi
dente desta provincia e do publico as preseotes
lianas, ja reclatnando subre as nomeacoes de li-
teraes pare cargos pouciaes, ja fasendo paten,
as desvaotagens, que nos pedom resulur da crea-
pio de um terceiro partido, que sem duvida lera
por Gra 0 enfraquecimento do cartido conservador.
que nio tem cousa alguma a gaobar com a nova
01 ganisacao d'esse terceiro fartido.
Srs. redacloies Amainos a monarclna eons
liiucional e reyresentativa, amainos a ordem pu-
blica e nutrimos desejos ardentss de ver prospt-
rar 0 parUdo conservador, a que perteucemos, po-
rem nao poderaos Bear sileuckwoi em vista d 1
maaejos, que tanto offeniei- oossc-s bem enfendi
dos interesses polilicos.
' Villa de Floresta, tS de agesto de 1871.
Coronel Francisco de Barren do Nascimento.
'Canitao Jose Goncalves Torres.- Ma]0r Anloaso
Vateaeira dos Santos Barros.- Major Joao Rodr<-
cues de Barros.Tenente Francisco Dsvid de S...
Tenente Primo Lopes de D^.-ros. Cawitio An-
tonio Gc-nCilves Torres e Silva. Alferes Nobert*
Gomes dos Sanlos Barros.ALeres Fraaciseo Soa-
res da Silva Capitio Joaquim Francisco de Sa.
Alferes Cypriano Gomes do *>a. Francisco G >
Vo Sa. Tenent* J 'ves Torres f
^.)
'
1



*>
tefa ^^Pdttitoibudo--- ^uinte fcafa 22 y
*
Silva. Jo.vjiiia kde R.rrcs fr.^jiiv.i. AnreKioo
Vaieri > de S.i. 'feriuiiado timm fcirreia. An-
tonio Viaana d Santos Joaquim Rodrigues Li-
ma. -J)io Quirino da Sa.-Pedro Soares dos San-
ua.Joa6 Vicente Gomes de Sa Hoa-neca. -Vicen-
te Gomes de Si Joroma. -Francisco Rodrigues de
Uarros. Maioel Joao de Sa.- Aiionio Yreeule
Gomes de Si -Manoel Victoria) do Barros.Mar-
cos Alve& Pereira. CauJido Ferraz Nogueira.
Pedro Gomes de Sa.-Cypriano Gome* de Sa (Jui
rioo. David Gum63 de Si Qcirino. Antonio
Francisco de Novae*. Luiz Jus I Jongalvea Tor-
ros. Joao uapistrano de Suuza. Joao lire-
gorio Ferraz Nogueira. Joa.iuiio Francisco Go-
mes. -Henrique Tamos Nogueira. -Pedro Antonio
di Silva. -Tiornai de Sauza Nogaeira. -Simplicio
Pereira de Sa.Antonio Bernardo GooQalves.
J >ao Jos6 do Sou a. Luiz Rodrigues do Barros.
Paulo Gomes do Sa. Benedicto Lopes de Bar-
ros. MexaTidre Gomes do So. Francisco Paulo
deSa. Sslusti.ro Goncalves d .'* Santoi. Ma-
noel Joaqaim dos Santos. -Joaqoio Francisco Go-
mes. Anionio Pereira Barboza. Vicente Ramos
ftogueira.Jose Faustiao de Castro. -Joaqaim An-
tonio de Souza Araujo. Manoei Ferreira da Sil-
vi.Joao Caetano da Castro. Manoel Ozorio Gj-
ines de Sa.Miguel d tomes do Barros Te.nente lose Anoibal Alves
Cantarelli.T- Narcizo Gomes do Sa. Joaquim Pe-
reira da Silva.Luiz Pereira da Silva. Martinho
Mer.les Vieira.-Jase Vieira ds Silva. Theodore
Marques da Silva. Jose Joaquim de Novaes.
Joao Antonio do* Santos Cabec.a. -Faustina Freire
da Silva. Domingos Antonio de Rezende.Hygi-
uo Pereira Barros. Teneuta Joao Bra idameate de
Oarvalho Belforl.Alferes Benedicto Rodrigues de
Karros Tenente Clemente Goncalves Torres.
Antonio Lopes de Barros. Joaqaim Apolinario de
Oliveira. Thomaz Pereira Barboza. Jose Pires
do Carvalho Belfort Francisco Alves de Carva-
lao.Manoel Rodrigues de Carvaiho. Jeronymo
Pires de Carvaiho Luz. Capi'.ao Joao de Araujo
Lsal.-Mariinno Pires da Silva Alexandre Bar
iholdo dos Santos. Jose Manias Je Sauza. Ma-
noel Ramos NUgueira. Dionizio Lopes de Barros.
Jo e Victoria.) da Silva Barros. Manoel Lopes
dos Santo* Barros.Antonio Capislrano Alves da
Luz.Faustino Gomes de Sa. Airiano Alves dus
Santos. Francisco Pereira Xavier. David Gon-
galves Torres.Ji>aqiiim Fraucisco Je Novaes.
Rec uhei;o ver J.ideiras as firmas retro e supra
Villa de Fl oresta, 30 da setembro do 187i.
Em fe a testemunho de verdade. 0 tabelliao
publico,
Tito da Passos dc Almeida Ros.i.
Thcatro Santo Antonio.
0 emprezario d i companhi.i ililiana, tendo visto
oos jrrnaes diarios o pedido que ;a the tern feito
para levar de novo a scena os dramas Jocelyn e
(. t'ilco, lisoiigcanoo-sc com a solicitacao do illus-
trado publico perntmbucano, apressa-se em decla-
rar qne dara terca-feira 27 da correote espstaeu-
k com o Ga'.ileo, e antes de so re;irar fara repre-
s.-ntar o Jocelyn.
0 emprezario jalga assim eorresponder ao ca-
valheirismo do pcblico,! quo lr.ata benevolencia
e proteccao Hie torn dispensado.
ftiftbro sobreo Rio de Janeiro a 15 ujv. ao par.
Descooio de letras 10 0|0 ao auno.
u. ke Vasconeeiios
Presidente.
A P. de Lemos,
Seetetario.
Gr tidao.
ALFAIVPROA.
(eoontauw do dia I a 20. .
0d> do du 21 .
520.002*994
20:591*646
540:594*640
Descarfegam hcja 22 de outubro de 1874.
Vapor inglez Alice mercadorias para alfarr-
dega.
Vapor francez Ville de Rio de Janeiro -(espera
do) mercadorias para alfandega e trapi-
che Conceicao.
Paibabote araericano -John Rotekerosene para
o trapiche Conceijao, para desoachar.
Barea ingleza Heitnione -Kerosene para o trapi-
che Coue-icao. para despacnar.
Lugar inglez Sedwell Jane bacalhao jadespa-
cbado para o trapiche Conceicao.
Biigue austriacoGirolamo farioha ja despacha-
da para o caes do npollo.
Brigue hollandezJan & Aneoon -fa~inha ja des-
pachada para o caes do Apollo.
Importa?So.
Barea ingleza Hermione, entrada de New-York
em 20 do correote, e consignada a Johnston Pater
4 C, manirestou:
Almanack 18 caixas a J. 0. C. Doyle. AlcatrSo
iOO barris a ordem. Aguaraz 3 caixas a Francis-
co Manoel da Silva & C
Banna 105 barris a Fernandes da Costa & C.
Bran 200 harricas aos coasigaatarios. Biscoilos 75
caixas e 25 barriquiahas aos coasigaatarios.
Farinha de trigo 50 barris aos eonsignata-
rkos.
Kerosene 900 caixas a ordem, 1259 aos consig-
natarios, 500 a Antonio Francisco Corga, 500 a
Fernando da Costa & C
Atedicameatos 1 caixi a Bartholomeu & C. Ma-
teriaas p.ra a estrala do ferro 38 volumes a com-
panhia Ferro Carril de Pernambuco. Machadinbas
i\ caixas a Gomes de Maltos Irm&os.
Oleo da amendoas 'A caixas a Bailbulomeu & C.
Oleo do flgado de bacalhao 3 caixas a Francisco
Manoel da Silva & C.
Prorapto allivio^l caixa aos mesmos. Pilulas 1
caixa aos mesmos.
Salsaparrilha 25 caixas aos mesmos.
Lugre inglez Beltrees, entrado de Troon em 21
do corrente e consignado a Johnston Paler & C,
manifestou:
Carviode pedra 571 toneladas aos consignata-
rios.
Sem outro mei> de poder signilicar a minha
gratidio aos Sr.^. Its. August) Trajaao de Hollan-
da Chacon a Jaciniho Silvano de Santa Rosa, assim
como ao Sr. Joaquim Lopes Machado, pelo muito
lie tries davo, vallio me da i oprensa para apre-
aentar ao publico 'o nome desses distinctos cava-
liieiros quo tao generosamente se constituiram
ir.eus pntectores, no moment) em que a dor, o
iaforlunio e a miser.o no seu ma:or auge me for-
ravam a crer que ate a mesma Pr vidoncia me ti-
nha aband.mado. Vicuma de umi oplitalmia pu-
tleota, grave, com prioetpio da necrose da cornea,
itregueas rainlia-. proprias dires, sem recursos,
,.i tamilia e se:n meios da subsi-tencia, vivia eu
esperando a cada inomento o termo demnhavi-
da pi>la melestia on pela f>m?.
N'am do< momentos mais alHictivos do men pe-
nar ouco baler a poita da casa, onde ainda me
I ixavarn permace'ear, c nma voz inteiramente
iconbecida para mim declarou -jue desejava ver
uma mulher que alii solTria.
Quiz saber quern era a pessoa qne me procura-
-i, e esta ja diauta do men leito do doi, e da mi
ria, respoadea que nao importava saber o seu
.-.".iie quo uiio era i" mim eonhecido. Cega, sem
, I r litar o moo in'erlocutor. o ja descrente da
salvacio, pergunlei Ihe oquequeria, eodesco-
nbecido responden me que tendo nolicia do que
se passava naquella casa, vinha lostomunhar o qua-
dro d i infortuoio. Eutao o genero o cavalheiro,
quo mais tarde siutie aeroSr. Joaquim Looes
Machado, informando-se da histori.i da minha de3-
^rica, perguntou roe so eu nio liaiia urn parente,
I'.n'amigo, urn ento qualqner que so iaieressasse
i mima sorte, ao que re'sponJi com o coraijio
transido de de u'nrada e aband mada at^; p r aqueile que me
iludira, e descrente da ciriJade esperava o tcr-
uio de iriaha pnosa existeacia.
0 Sr. Lopes Machado commovido pelo meu es-
tido, maudou cbadiar o Sr. Ur. Aogusto Trajino
'-; lloilanda Chacon, o qua! inttirado do minna
- iii>, declaron de^de logo csnontaneamento que se'
rregava de m< u tratameOto sem nenliuma re-
iiianeraeao pecuniaria e qne se julgava muito bem
pajto soiiiea'.e com a satisfai;aa do pralicar uma
t. a obra.
D'abi por diant?, e daranto o espaijo de mais
:i mazes, o illu-lre apostolo da scieneia nao se
queceu urn s6 lia de saa pobre daente e aiom-
panhado muitas vezes do Dr. Jacintho Silvano de
- inta Rosa, tao gfneroso quaalo elle, praticaram
d versa-; uperacoes ate quo afinal conseguiram
restituir me a vista.
A esses dons medicos tao illastres, tao humani-
i trios, tao earilativos e tao genarosos, bem como
ai Sr. Joaquim Lopes Machado, que durante mi-
i oa enfermidade :oncorreu coin as despezas de
.inha alimentacao e meiieamantos, devo eu mi-
nna saiide, e na obscuridada em quo vivo e na
>ce effusao de Dnon reconhecim5"V>, e sen atten-
d?r que firo a modestia dessas nobres senhores,
venbo dizcr-lhes Jo alto da imprensa que minha
grattdio nao tem limites, sera eterna, e que actos
si) hnxnanidade camo os que praticaram comigo
sr Deus pode pagar.
Caminho Novo a. 77.
Mircionilia Joscpha Anmtes.
OESPACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 20 Uh
OUTUBRO DE 1874.
Para os portos do exterior.
No vapor inglez Galileo, para Liverpool, car-
re kilos de algodao ; Monteiro Cruz 50 dilas com
3,730 dilo3 de dito ; S. Brothers & C. 16 fardos
com 3,3ii2 dims de dito ; J. G Goncalves de Al-
buquerque e Silva 600 saccos com 44,447 ditos de
dito ; Keller & C. 1 dito com 75 ditos de cafo.
No navio hespanhol Nicacta, para Baroello-
na, carregou : A Loyo 1 fardo com 103 kilos de
algodao.
No brigue hollandez Cornelia, para o Ri> da
Prata, carregou : Amorim Irmaos A C. 260 harri-
cas com 32,182 kilos de assucar branco, 70 dita3
com 8,383 l|2 dito3 de dito mascavado, e 7 pipas
com 3,360 litros de agu\rdente.
No vapor portuguez Almeida Garrell, para
Lisboa. carregou : E. R. Rabeilo& C. 1,925 couros
salgado? com 21,300 kilos.
No vapor francez Ville de Sinlos, para o
Havre, carregou : I.-IL Sobrinho 1 fardo com 80
kilos de foltns do medicina.
No brigue portuguez Triumpho, para o Por-
lo, carregou : A. da Cista Moreira 58 couros es-
pchados com 351 kilos.
Para os portos do .nle ior.
Para Maceio, no vapor brasileiro Gastuo de
Orleans, carregou : M. A. Barbosa 1 barril com
915 litros de alcool.
Para Granja, no vapor nacional Giqutd, car-
regou : M. L Paes Barreto 2 barricas com 251
kilos de assucar mascavado ; para Macao, J. F.
Santos Bastos 2 ditas com 120 ditos de dito refl
nado : Yalente & Irmao 2 ditas com 120 dins de
dito e 1 dita com 85 ditos do dito branco : para o
Ceara. Costa & C 61. saccoj com 4,575 ditos de
dito.
Para o Rio Grande do Sal, no patacho uacio-
nai Moreira, carregou: A. C. do Amaral 1,500
Boon (fructa).
Para Parabvba, na barcaca S. Joao, carre-
god : Birth3lorae"u & C. 1 barril com 85 litros de
alcool.
CAPATAZIA
'.endimento d" dia 1
dJ3 do dia 21
DA ALF.ANDBGA
a 20.
9:536^877
526i230
Doctor in Absentia
)i profes-ores em artcs, letras o 3ciencias, mem-
19 do clero e magistrados ; todo o medico, ci-
rorgiao, dentista e artisti, qae deiejam obter c
liialo e diplomi do doutor, on bacharel h)n)ririo
pidem dirigir se a Medicus, rua do Rei, 46, em
J;rsey (Inglaterra] o qual Ihas dara gratu,itamen-
te todas e quaesquer informaeSes sobre a L'ni-
v 'rsidade.
Lit" DIVVD 1 Parfumeur a Pari*.
. 1. riKltn* Savon ju sue de laitue
>". 3SS. (Juras asKomhrogag de
l'lilysica.As dissecjues ieitas recentemente
i s hospitaes de Paris, provam que os tuberculos
.1)3 pulraoes podem ser cicatrizados de um raodo
parmaaeate, curando se a phiysica. Os casos re-
t ridos foram de pessoas qua aonos antes haviam
,'idecido da eaformidades dos palmoes, e que ao
i'poU raorreram oor oulras i-usas. Os bolletins
'iBciaes dizeai, qia furam curad:s de ulceracao
dos pulm5es mediante o uso constaate do oleo pu-
da flgado debacalnao. Porcu toda a difflculdade
jnsiste em poder e alctngar este inapreciavel es-
,ia:ifieo. Tornase, pois, da maior importan-
a, qae o doente saiba que o uleo puro medicinal
da figado de bacalhao, de Lanman k Kemp, se
.<:ha isento da iropureza>, cooforrae oindica seu
nom?. Compoe-ss elle do principio salutifero e
vital, que se encontra n>s ngados saos do baci-
laao que acaba de ser pescada. Na saa composi-
cio nao entra a mais levo particula de materia
i-uranha. E" cla-o e puro e acha-se isento de
ranco, que geralmonte caraotensa aqueile que im-
merecidamente so appellida oleo dc figado de ba-
calhao. 0 nome da casa que o prepara e uma ga-
raatiaroaisquesaal:ieato da sua excelleacia, e
taato o commefcio como o publico podem conflar
iHle com toda a seguranja.
10:063*107
VOLUMES BAB1DOS
0 dia 1 a 20..... 23.20i
No di. M.
Timeira pori* .... 86
Igganda porta..... 12
ferceira porta .... 117
r^picha GcneaiOBo . 977
24,216
SERV1QO MARi'fiKO
*.:^.ir3ngas descirregadas no trapicte da
alfandega.
So dia 1 a 20.....
Vo dia 21........
< trapieb* Coneoicio .
30
3
1
34
xKCEBEDOBJA DE RENDAS 1.NTERNA3 GE
RAES DE PERNAMBUO
oiento do dia 1 a 20 37:355*346
I hd do dia 21 .... 4:577*817
41:933*163
CONSULADO PROVLNCIAl
Jacunento do dia 1 a 20
r-i-n !o dia 21
RECIFE DRAINAGE
Roudiraento do dia 1 a 20. .
Idem do dia 20......
42:6544758
488*468
43:143*226
6:306*215
6584251
6:964*466
AGENCUS PROVINCIAES
Liquidos espirituosos.
t'.eudimento de 1 a 19 3:352*913
Idem do dia 20 149*194
Sendimento de 1
(Jem do dia 20
Bacalhao, etc.
a 19 2:929*904
*
Generos de estiva,
itendimento de 1 a 19 3.674*098
Idem do dia 20 .92*608
Avelro.
3e]a.
Shaves.
Klvas.
Amarante.
I'liiimarfie-.
Melgago.
Portalegre.
Arcos de val de vox.
Celorico de Basto.
Caminha.
Mangualde.
Ponte do Lima.
Povoa de Lanhosa.
Faro. Porto.
Guifda. Tavlra.
Leiria. Regoa.
Lisbea. Vizeo.
Barcellos. Figueira.
Coimbra. Lamogo.
Penallel Valenca.
Villa Real.
Cabeceiras de Bastos.
Castello-Branco.
Bspozende.
Oliveira de Azemeis.
Povoa de Varzim.
Vianna do Castello.
Villa-Nova de PortimSo. Villa-Nova de Famalicio.
Villa do Conde.
NM ill.un
Madeira, S. Miguel, Falal e Terceira.
Companhia Indemnisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:0000000.
Thomaz de Aquino Fonceca k C, successors
agentes.
Esti companhia toma seguros maritimos e ter-
restres, dando nestes o seplimo anno gratis aos se-
garados.
Run do Vigario n. 10.
Farinha de trigo, etc.
Readimento de 1 a 19 4:584*132
Idem do dia 20 I
Fumo, etc.
Readimento de 1 a 19 1:932*899
Idem do dia 20 519*420
Maritime e contra-fogo
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro contra-fogo
CUE LIVERPOOL d LONDON* GLOl
INSURANCE COMPANY
SAL'NDERS BROTHERS & C.
11Corpo Santo11
Augusto F. dillivcira k C.
A casa commercial e bancaria de Augusto
j d'Olivoira AC, i rua do Co.nmercio ns
i-2, encarrega-se de exocugao de ordens
para embarquo de prodoctos e de todos o-
mais negocios de commissao, quur commer-
ciaes, quer bancarios.
Decotita lettras, e toma dinheiro a pro-
Tiio, compra cambiaes, e saca & vista e i
iazo, a vontade do tomador, sobre as se-
guintes prar.as estraugeiras e nacionaes :
Londres. Sobre o union bank oi
LONDON, 0 LONDON AND HASSEATIC BANK,
limited, c varias casas de l.e classo.
Paris. Sobre os banqueiros foulu
& C, MARCUARD ANDRE l& C. 6 A. BUCQUE,
VIGNAL & C.
Hamburgo. Sobre os Srs. jo.\c
SCHU BACK & FILHOS.
Lisboa. Sobre os Srs. fo.nsecas,
SANTOS & VIANNA, B SEBASTIAO JOSE DH
\BREU.
Porto. Sobro o banco uniao do p
o Sr. joaquim pinto da fonseca.
S*ara. Sobre o banco commercia-
do para, e os Srs. francisco gaudencio da
COSTA & FILHOS.
Haraulino. Sobro'o Sr. jose fek-
HEIRA DA SILVA JUNIOR.
Bsthia. Sobro os Srs. marinhos & c
Bio de Janeiro. Sobre o banco
INDUSTRIAL E MERCANTIL, BANCO NACIONAL e
8ANQUE BRASILIENNE FRANgAlSE.
R9adimeato
Idem do dia
Vinagre, etc.
de 1 a 19 't82*GU
3:502*107
2:929*904
3:766*706
i:58i*132
2:502*019
482*644
Nacios s-tfodos mo metmo Hia.
Hi ve e escalaVapor *raneez fnlk de Bahia
commandante KobVrl, carga a mesma que trou-
xe aos poi t&s do Jut eiritiodao aue recebeu nes-.
te porto.
Barcrtona-Polaea ttaspanhola Nicacia, capilio
Marestany, carga algodao.
HDJT*E
MARITIMOS
CONTRA-'o FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelocidi
iesta pra^a, toma seguros maritimos sobn
lavios e seus carregamentos e contra fogc
;m edificios, mercadorias e mobilias: ni
ua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
COffiPANHijTALLlABCA
seguros maritimos e terreB
tres estabelecida na Bahig
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:000$000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
*co maritimo em navio de vela e vaporei
oara dentro e fora do imperio, assim com<
jontra fogo sobre predios, generos o fa
-ondas.
Agente : Joaquim Jose" Goni;alves Beltrao
ua do Commercio n. 6, 1 andar.
B^nco Coniiiiercial de Brago
.lorijc Tasso.
37Rua do Amorim37
Saca qnalquer qnantia a prazo ou a vista so-
bre este Banco ou >uas respectivas agendas nas
seguinles cidades e villas de Portugal, ilhas adja-
centes e Hespanha, a saber:
Portugal
A
1*
17:767*512
JUNTA DOS CORRETORES
raea do llecife, 91 de outubro
de IS 9 4.
AS 3 HOUAS DA TARDE.
CCTAC5eS OFPI-SASS
Algodao de aorte 7*300 oor 15 kilos, tort-
ibio sobre Londres a 90 d|v. 26 5i8 e do
banco :!6 1|2 d. por 1*000.

Jldeoutu
*
Thesooro povincial de Pernamuco,
bro de 4874.
0 escrivao,
]oio Carneiro M. da Silva Santos.
Amarante.
Anadia.
Arcos.
Aveiro.
Agueda.
Arco de Baullie em ca
beceiras de Bastos.
Barea.
Barcellos.
Beja.
Braganca.
Cbaves.
Coimbra.
Coura.
(bviiha.
Castello Branco.
Caminha.
Elvas.
Estremoz.
Evora.
Esposende.
Pamalieao.
Faro.
Figueira.
Fafe.
Thomar.
Tavira.
Torres Novas.
Valenca.
Vianna.
Villa do Conde.
Villa Nova da Cerveira.
Gnarda._
Guimaraes.
Gouveia.
Lagos.
Lamego.
Lisboa.
Louie.
Melgaco.
Mir.indella.
MonQao.
Mealbada.
Monte-mor o velho.
Oliveira de Aremeis.
Ovar.
Peoafiel.
Pinbel.
Ponte de Lima.
Porlimao.
Porto.
Povoa do Varzim.
Port'Alegre.
Povoa de Laohoso.
Regoa.
Silves.
Santo Thyrio.
Villa Real.
Vinhaes.
Vizeu.
Villa da Feira.
Villa Poaca de Aguiar.
Villa Real de S. Antonio.
Moiraenta da Beira.
Unas.
FoncUal. Fayal.
Hespanha*
Madrid. Cadiz.
Barcellona. Orenae.
Vigo. Corona.
Paenteaveas_________' Badajoz.
Banco do Minlio.
109^ Goacalves Bettrao & Filho sacatD
Juaqniu.. -^res Mbre :
por todos os vapv. -%, Monsao.
Anadia. Evoi*. Ovar.
Agaida. Fafe. ,.
troWMENTO DP 9SKTQ
Navio entrado no dia 21.
ITrooa38 dias, lugar Inglez Beltrees, de 373 tone-
ladas, capifio P. Skinner, equipagera 12, caiga
- carvSo, a Johnston vter C.
0 Dr. SebastiSo do llego Barros de Lacerda,
juizde direito especial do commercio nes-
ta cidade do Recife e seu termo da capi-
tal da provincia de Pernambuco, por
S. M. imperial e constituciwial o 6r. D
Pedro II, a quern Deus guorde, etc.
FaQoiaoer polo preseale que no dia 22 de ou
tabro do corrente anno, se ba de arrematar por
venda a qaem mais der, em praga pablica deste
jaizo, os objectos seguinles :
lOfrascos d'agua de Colonia grandes a 2*,
20*, 77 ditos de dita pejuenoj a 300 rs., 23*tOO,
4 duzias do frascos d'agua diviaa a 1*, 4*. 9
frascos com exiractos diversos a 800 rs., 7*210,
1 caixa com perfumarias por 1*600, 7 fiascos de
ossencia de oriza a 800 rs., 5*600, 3 porlas a
1*500. 4*500, 10 frascos Com banha a 800 rs..
53000, 15 boiSes eom dita a 240 rs, 3*60 >, 2
frascos com agna para denies a 800 rs., 1*600,
196 latai com banba de Umber a (00 re., 19 6i)n.
72 sabonetes a 160 rs.. 11*520, 28 dozias de dito
a.WOrs., 11-2:0, 2 duzias de dito a 2.-, 4*. 69
pacotes com pos de arroa a 200 rs., 13*800, 2
parreiras (enfeites para mess) a li500, 3*000, 1
dii7.ii e meia de eosmstiqnea a l200, 1,800, 1 li
bra de retroz preto por 12*000, 9 caixas com car-
riteis de retroz a 3$, 27 j, 3 duziag e meia de car-
riteis de dito a H, 7$, 142 raciadiuhas dedito a 20
rs., 2*840, 167 libras de linlia de oovello a 1*500,
250?500, 10 meiadas de linlia para bordar a fill
rs., 900 rs., 133 meios macos de dita a 200 rs.,
26*700, 16 ditos de dita dita a 1*500, 24 00, 23
caixas de linlia para marcar a 200 rs., 4*600, 31
caixas do linlia do 10 novcllos a 400 rs., 12 400,
10 meiadas de dita a 100 rs., 15, 22 caixas com li-
uha do gaz a 500 rs., 11:000, 13 duzias de carri
leis de linha Alexaudre o 1;-, 13, 24 duuas de ditas
dilas de Hamburg) a StOrs., 125,19 libra* decor-
dao para vestido a 1 50', 28:500, 3 peQas de
tranceli:n deborracba a 320 rs., 960, 2 dilas de
ditos branoos a 640 rs., 1 280, 2 novellos de trin
celira preto a 1?460 2 800,4,duzias e meia de tran-
celim para relogio a 1.000, 4 joOO. 5 daiias e meia
de collarinhos tie panno a 53, 27 ?500,3 diia3 de di
tas a 4J, 12 I caixa com borracha para puuho
por I 200, 17 duzias e mtia de grampos para ca-
be^a a 2 i rs, 350 rs.. 82 libras de ditos a 500 rs.
all, 52 libras de ditos a 310 rs., 15.64 ', 16 esco-
vas para unlias a 360 rs.. 5.760, 1 e meia duzia
de escov-s para denies a 5*, 73500, 10 duzias de
dilas a 4*. 40 000, 5 ditas de ditas a 2 500,
12:500, 7 e-covas para nuhas a 300 rs., JMoO,
1 dita para falo por 800 es, 5 duzias e 4 eseovas
para sapatos par 2?, 1 duzia de bordues ara vio-
la por 300 r.-., 124 duzias de eoraas oara dita a
120. 14 880, 1 duzia de botSesde madreperola pa-
ra puuho por 12 20 e meia duzias de boloes de
osso para panLo 300 rs., 63150, 52 pares de di-
los para puuho a 2io rs, 12 480, 2 duzias e meia
de ditos ditos para paletot a 1 2 500, 7 dii'ias
de dito do seda para paletot a 180 rs., 11860, 8
grosas de boloos do metal para calca- a 300 rs.'
25400, 75 groan de ditos de osso para dita a 12 i
rs., 9 000, 55 giosas de ditos ditos para ditas a
200 rs., 113, 13 grosas de botois de crystal para
Collates a i 200, 15 600, 5 caixas de botoes de
seJa para diioi a800rs., 4:. 2 grosas de duo de
o"so para dito a 1-, 2s, 217 abotoaduras diversas
para dito a 200 rs.. 43MOO, 6 ditas para dito por
3:, 11 grosas do botoes de seda para vestido a
lr200, 133200,17 grosas de botoes de loucabian-
ca a 60 r-<, 11020, IS grosas de dita de louVa pin-
laila a 160 rs., 2 400, 7 duzias de botSe* para
aberlura a WO rs.,5 600, 9 caixas com ilhozes a
320 rs, 3 880, 2 miltieiroi de ilhozes a 400 rs .
41800, 18 voltas dealjofares coaiTassoletas a 320,
rs., ."i-760,'4 voltas grandes de conias a 800 rs.,
2:000, 19 ditas de dilas pequenas a 160 n.,
35040, 13 massos demisssangasde cores a 1 200.
15:60), 22 colheres de ferro a 20 rs., 440 rs.. 9
espartilhos a 4.000, 365000, 2 duz as de molas
para ditos a I i 000 2.000. 14 espelhos pequenos
de eolumoa* a 1 >200, t6800, 74 dites de <|uao>o,
sorticVis a 20l> rs., l'i 800, 4 duzias do Caixas com
olehetes a 70) rs., 2 800, 3 e meia duzias de col-
chetesum caneiras a 8i0 rs 2 800, 4 e meio mas-
sos de aliineies a I .--200, 5.-40). 25 duzias de pen-
tes t aveaa 1 000, 1"S:000, 48 pentes de mar-
Qm para bixos a 4:000 a duzia, 16)000, 134 dims
de massa para ditos a 100 rs., 133400, 3 ditos para
coco a 400 rs., 1:200, 8 ditos com iita para din a
500 rs., 4000, 3 e meia duzias do ditos para ali-
saralrSOO. 5:760, 20 dilas de ditos a 2 000,
40:000, 8 ditas de ditos a 2:5O0, 201000, 17 dilas
de ditos a 3 OOu, 513000,11 pares de rueias para
bomem a 400 rs., 4:400.15 voltas de coral a 800
rs., 12 OCO.
Uma duzia de ditos para homem p)r 35500, 6
duzias de ditos para menioos a 2*600, 15.600, 17
toncas do la a-500 rs., 8*500, 25 pares de sapati-
nbos de la a 300 rs., 75500, 7 pares de ditos para
baplisados a 13200. 8,?400, 6 pares de boliuas para
senhora a 3 5000, 30-000, 7 ditos do ditos para u c-
ninos a 3:000, 21 00), 10 leques a lj;>00, l5*,2
caixas do bufalo para rape a 600 rs 1*21)0, 2 du
zias de caixa de chumbc para dito a 1*200,2*400,
11 duzias de dilas d-raiz para dito a 1*500,16*500,
65 estampas coloridaa a 80 rs., 2.800, 22 duzias
de rosarios a 400 rs., 8*800, 8 duzias do fivellas
para calcas a 800 rs., 6*400, 21 duzjas de dilas
para ditas a 240 rs., 5*040, 3 oculos de armacao a
320 rs., 960 rs., 6 baralhos de cartas a 300 rs.,
1*800, 28 duzias de pavios para candieiro a 160
rs., 4.-- 480, 19 duzias de caixas com lamparinas a
1*, 195, 6 jogos de visoora a 700 rs., 4*200, 14
jogos de doiniuo a 600 rs., 8.400, 3 redes para ca-
bello a 1*, 3*, 9 pares de luva deseda preia a 800
rs., 7*2oO, 12 gravatas preta por 1*500, 3 cintos
de gorgorao a 400 rs., 1*200, 7 aderecos pretos a
800 rs., 5*600, 16 pares de brinco3 pretos a 320
rs., 5*120, 3 duzias de ditos dito. a 800 rs, 2*400,
3 1(2 duiias do ditos ditos a 600 rs., 2*100, 2 1|2
duzias de alfioetes pretos de camafeu a 480 rs.,
1*200,23 dozias de rosetas pretas a 600 rs., 13*800,
3 correntes pretas de borracha a 500 rs., 1*500, 3
bonecas a 200 rs., 600 rs.. 1 caixa com calun^as
per 40*, 3i6 pecas de fita de cos a 300 rs., 94*800,
1 masso de ilta de linbo por 400 rs., 1 peca de lila
de sarja verde, larga por 85, 10 pecas de du s
dita n. 1 a 400 rs., 45. 7 pe^as de fita de seda a.
1 a 300 rs., 2*100, 37 dilas de dita n. 2 a 200 rs.,
7*400, 29 ditas de dilas dita n. 4 a 320 rs., 9*280,
41 ditas de dita n. 6 a 600 rs, 2i*000,1 cartao com
pecas abertas de flta de sarja po; 125, 12 pecas de
lila de seda lavrada n. 4 a 800 rs., 95600, 21 ditas
de dita n. 6 a l*2o0, 25*200, 1 cartao com pe^as
abertas de fita de seda n. 1 e 1 e 1|2 por 2*500, 1
cartao com pecas abertas de fita de seda n. 0 pur
55, 1 cartao com ditas ditas de fita do seda n. 9
per 3*, 17 pecas de Ota de seda azul n. 6 a 800 rs.,
13*600, 5 pecas de Ola de velludo estreita e de co-
res a 1*, 5*, 12 ditas de ditas a 800 rs., 9*6J0, o4
dilas de dila d.ia a 400 rs., 21*600,9 ditas de dilas
de velludo preto de diversos numoros a oOO rs.,
4*500, 1 caitao com pecas abertas de velludo por
15*, 1 dito com fita de velludo em retalhos por 65,
14 pegas de lila elastica branca a lOOrs, l*i00,11
pegas de fita de algodao a 130 rs., I*6o0, 8 grosas
de botoes de madreperola para cattisas a 1*200,
9*600, 10 pecas grandes de babadinhos estreitos a
5*. 50*, 19 ditas pequenas de ditos ditos a l*i00
20*600, 53 pecas de eotremeios bordados a 1 ISO
633600, 3 pecas de galao de soda a 500 rs., lSeOO,
4 pecas de galao de algodao a 400 rs., 13600, 44
ditas de dito diio a 100 rs., 4 400, 22 macos de
tranca com bico a 500 rs., Hi, 15 pecas de tfaoca
llsa a 160 rs., 2S40O, 31 macos de dita preta a 200
rs., 6; 200,66 macos de rana de caracol a 300 rs,
193800,25 diloade dila dito a 500 rs., 12;500, 18
ditos de dita a 300 rs, 5*76J, 10 dilos de dila de
li encarnada a 40 rs., 400 rs., 94 metro3 de bico
de seda branca a 300 rs., 28 200, 41 metres de dito
dita preta a 30 > rs., 12*300, 530 jardas de bico
francez a 40 rs., 223, 30 ditas de renda francoza a
60 n., 1800, 8 pecas de bico de crochet a 1- 600
12.-800, 60 urdas de bico de dito a 100 rs., 6 J, 5
pe.;as de dito dilo preto a 23, 10 62 covados do
volanto branco a 240 re., 14*880, 40 ditos 4e dito
amarello a dilo preco 9600, 2iW varas de galao
para armador a 160 rs., 32$, 12 ramos do flores a
6'J0 rs., 7*200, 8 bonecas para p6s de arroz a IbO
rs., 1S280, 7 libras dela para bordar a 4t5.00 #,
3 meoidas para alfaiate a 300 rs., 900 rs., 36 car-
leirasa240 rs, 8:400, 2 railhoiros de agulhas
ftancezas a 19500, 3f, 21 duzias de dedaesa 120
rs., 2s320, S agnlbas de osso para la a 160 rs., 40
rs., 1 e 1\2 duzia de tesoura a 3J a duaia 4:500,
17 botijas com tinta rOxa a 320 rs., SiiOO, 3 dnzias
d boioos com dila a 1.600,4:890, 2 oamretes
grandes a 400 rs., 800 rs., 7 duzias do eanetas de.
tlandres a 100 rs., tOO rs., 3 duzias de canelas de
madeira a 120 rs., 3B0 rs.,3 resmas de papelpaij;
tado a 43,12'*, 20cartoas de papel amiaacW a 600
rs., 12?, 65 com envelopes branco j a 400 rs., 20},
'i dilos com Ato larjados a 600 ij.. 1:2C0, 16 du-
tzias de lapis de cores por 14 8400, 19 grosas de lapis
prelo a 2 540, 7*-f0,3 grows do creiSes a 2; 600
7:800, 6 e Iiz dazias de lapis para earapioa a 3 5 a
grosa 1C620, 17 dazias de papeis de rebique a 700
rs., (If 9 0, 1 espelbo dourado por 0?, 1 balaoca
pequena por 2 j, 1 armacao enveruisada e envidra-
cada, ja usada, com balcao, arandellas para gaz por
3303000; cujos bens vao'a praca por execucao de
D. Anna Cecilia da Silva GuimarSas e ontros, con-
tra Pinheirro Chaves, e acham-se sob a guarda do
depositario geral Manoel Goncalves Ferreira da
Silva.
E Ua falta de licitantes que cubrara o preco da
avaliacao, sera a arrematacao feita pelo preco da
adjudicacio com o abatmentoda lei.
V para que cbegue ao conbecimento de
todos, mandei fazer o presents que sera affi-
xado nos lugares do costume e publicado
pelosjornaes.
Dado e passado nesta cidade do Recife
de Pernambuco, aos 12 de outubro do
1874.
Eu, Ernesto Machado Freire Pereira da
Silva, escrivao, escrevt
Recife, 12 de outubro de 1874.
Sebastido do llego Barros de Lacerda.
0 Dr. Luiz ferreira Maciel Pinheiro, juiz
substituto do juizo especial do commer-
cio, nesta cidade do Recife de Pernam-
buco, p r S. M. Imperial, etc., etc.
Faco saber pel > presente, que nos terraos
do art. l. do decreto n. 1695 de 15 de se-
tembro de 1869, dentro do prazo do 30
dias, contados da puWicagao desie edital re-
cebera esse juizo propostas por cartas ftjeha-
das para arrematacao por venda de dous
escravos, a quern mais otferecer.Jsendo um
de nome Andre*, crioulo, com quarenta an-
nosde idade pouco mais ou rnenos, oiliuial
de funileiro, avaliado por um cocto de
reis, e o outro escravo de nome .lose, criou-
lo, com vinte annos de idade pouco mais
ou menos, tambem official do funileiro, a-
valiado porum conto e duzentos mil reis ;
ambos penborados por esecuQao de Jose de
Barros Pimentel, contra Jose Alves Barbosa,
e se aeliam ditos escravos em poder do mes-
mo e\ecutado, que e mor.idor o estabele-
cido a rua da Cruz. E para constar, mandei
passar o presente, quo vai por mim assigna-
do esera publicado pela imprensa e allixa-
do nos lugares do costume. Cidade do Re-
cife, 19 ne setembro de 1874. Eu, Manuel
Maria Rodrigues do Nascimento, escrivao,
o subscrevi.
Recife, 19 de setembro de 1874.
Luiz Ferreira Maciel Pinheiro.
S. Exc. o Sr. cooielheiro presidente da rela-
cio, atteodendo ao que Ibe requeren o teuente-co-
ronel Alexandre Magno Peixoio do Alencar, faz
publico para que chegue ao coahecimenlo de to-
dos, qae resolveu designar o dia -28 do corrente,
as 11 horas do dia, para que seja o mesmo exami-
nado e mo>trar-se habilitido a exercer a profissao
dotdTOgado nas comarcas do Boa-Vista, Ouricury,
Cabrobo, Tacaratu e Triumpho, desta provincia.
Tribuual da relacao di lUcife, 20 de outubro
de 1874.
0 seeretario,
Viiailia Coelho.
das instrucQdes que corn a wesma baitf-
mm, finrlo o prazo do tres rmzes a ennlar
la da'a da pablicacSo defte, sera vcadido e
srrematado em ha-ta public* eelei>rda a*
^.oinarea de Itambe, a qucro tMtnr pn*t,c
olTereeer, a Vista ou prato feM tf room
quando muito com juros da ftj, to anno
pelo tempo da deraotn a comprvbentao de-
ouminada, Buraco do exlinelo \mculo>
do Itambe, sita naquefta cumarca a quid se
acha avaliada em cioco contos de reis c
contem segundo a me Jigao a que se proce-
deu e consta dos autus aestensao s**guinte :
do lado do leslo 1,110 bra^as, do lado d >
norte 409 brar.ss, do lado do uoroeste 63*
bracks do lado dopoente 411 bracas e do
lado do sul G81 bracas, sendo todo o ler-
reno proprio para a cultura do mandioca e
outros legumes e licando certos os iuteres-
sados de que, tanto por tauto serd referidr
d lanjo do posseiro respeclivo, na coofor-
roidade da ordem do thesuuro, n. 15 de **
de Janeiro de 1874.
Recife, 15 de setembro de 1874.En,
Jose Francisco do llego Barros, escrivao. o
subscrevi._________________________________
FACLLDADE DE DIREITO.
f>s ordem do Exm. Sr. cooselheireirn directir,
visconde de Camaragibe, se faz publico, qua >
dia 15 a'e 24 do coirent-, e-u aberU a f4
mutricula de encerrampiin, iW coulormidde enm
o artigo 65 dos et.,im.-, pttdentfo detdeja ter
effectnado o pagimeiiio du usa, uo logar cotztpa-
tente.
Secretaria do fa< ul ladu de direito do Re-
cife, 12 de outubro do 1ST 4
() S"<;r<-l,irio,
Jot6 Hom.no It. de Menezet.
decs ^xem%.
Faculdade de direito.
Do ordem do Exm. Sr. director faco publico quo
a congregicAo em sessao de hoje jajvou das habi-
liiagGes do's estuJantcs, decidindo que estavam
loJus no case de serem admiitidos a acto, menos
aquelles que por excesso de falta p?rderam o an
no, e taes sao : no 1J auno-Miguel Borges Leal
Castello Branco ; no 2.Manoel Pereira Teixeira;
no 4 Jose Pop-je da Silva Lopes,_ Fraaeiseo de
Siqueira (^avalcante e Joa )uim Francisco Teixei-
ra ; no 5 Levioo Augusto de Hollanda Chacon ;
desie ultimo anno foi riscado tambem o nomo de
Uulioo Pereira de Abreu, que falleceu.
Na mesma razao tica rtsolvido o seguinte :os
ae'.os coraegarao no dia 26 do corrente pela prova
escripta, a ijnal sera feita em turmas de 15 no 1D
anno ; de 16 no 2-; de 16 ao 3; de 18 no 4; e
de 12 no 5.
Deoois desta prova segnir se-ha a oral que so
lara em turraas de seis esiudantes em cada um
dos annos.
0 servico dos actos foi di>lribaido pelos senho-
res lentes, do mode seguinte :
1 anno.
Consellieiro Silveiri, Pinto Junior e Coelho Ro-
drigues as 10 horas, na l1 sala.
2" anno.
Drs. Figueiredo, C. Rodi igues o Graciliano, as
9 horas, na sala.
3 anno.
Conselheiro Aguiar, Drs. Tarquinio e Araujo,
as 9 horas, na 3* sala.
4* anno.
Drs. Portella. Drummond e Gracdiano, as 9 ho-
ras, ua 4" sala.
5 anno
Conselheiro Baptista, Drs. Rego, Aprigio e Bel-
fort, as 9 horas, na sala das coi?regai;oes.
igualmenie fa50 oublico, qae no dia 24 do cor-
rente termina 0 prazo para 0 pagamento e assig-
natura da matricula de encerramentc.
Secretaria da facnldade de direito do Recife, 21
de outubro de 1874.
0 seeretario,
Jose Honorio Bezerra de Menezes.
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacer-
da, juiz de direito especial do commer-
cio, nesta cidade do Recife 0 seu termo,
capital da provincia de Pernambuco,
por S. M. I. 0 Sr. D. Pedro II, a quem
Deus guarde, etc.
Faco saber aos que 0 presente edital virem e
d'ello noticia tiverem que por este juizo especial
do cammercio, corre uns autos de execucao de
sentenea de Arminio Pessoa de Albuquerque, como
cessionario de Joaquim Salvador Pessoa de Siquei-
ra Cavalcante contra a directoria da Caixa Filial
do Banco d 1 Brasil n'esta provincia. E tendo-se
feito a penhora era dinheiro existente na thesou-
raria provincial perlencenle a exscutada, fora
pelo solicitador Bernardino de Sena Dias, procora
dor do exequeole, feito 0 requeriraento do seguio-
te termo :
Aos 8 de outubro de 1874, na cidade do Recife,
em publica audiencia que aos feitps e partes
dava 0 Dr. juiz de direit especial do commercio,
Sebastiao do Rego Barros de Lacerda, nella
pelo solicitador Bernardioo de Sena Dias. proeu-
rador do exequeole Arminio Pessoa de Albuquer-
que como cessionario de Joaquim Salvador Pessoa
do Siqueira :avalcanle, fora accusada a peaaora
feita em dinheiro existente na thesonraria provin
coal pertencente a exeeutada, e requereu que fi-
cassem assignados 03 6 dias da lei a penh ra feita
e 10 dias aos rredores incertos, paando se edi-
laes ; 0 que ouvido pelo luiz, hoove a penhora
por feita e accusada, os 6 dias da lei por assigua-
dos, e tambem o- 10 dias ao3 credores ineerts, e
0 mais por deferido na forma requerida, depois
de mandar apregoar pelo parleiro dos auditories
que 0 fez na forma do estylo, e dera fe de estar
presente 0 solicitador Miguel Jose de Almeida Per-
nambuco, procurador da exeeutada, que pedio
vista, e foi pelo juiz concediaa ; do que fez 0 pre-
sente extrahido do protocollo das audiencias e
janlei a carta precatoria e lermo de penhora que
se seguem:
Eu, Secundino Heliodoto da Cuaha, essrevente
jnrameatado, 0 escrevi. Eu. Manoel Maria Rodri-
gues do Nascimento, escrivao, 0 subscrevi.
Por forca do nreu daspacho 0 escrivao fez pas-
sar o presente, pelo qual chamo, cito e hei por
intimados aos credores iacertos da exeeutada para
que comparecara u'este juijo dentro do praio de
de 10 dias, attm de allegirem 0 que for de jnstica.
E para qne cbegue ao eonheeimento de todos
mandei passar 0 presente, que sera publicado pala
imprensa e aftaado nos lugares do costume.
Cidade* do Recife, 10 de outubro de 1874, Eu,
Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, eacrivao,
0 subscrevi. Recife, 10 de outubro de 4874.
.Sebaslido do Rego Barros de Lacerda.
COMPANHIA
BEBE1UBE.
Previue-se aos Srs. concessionaries de
penms d'agua, moradores na Passagco da
Magdolena, a partir do sobrado proximo a
ponte grande daqufllo arraballe, que tendo
de cessar 0 fornecimtttito d'agua M pelo
antigo eneananMoto, em virtudedeja so
achar prompto 0 pie. f>>i u'timt mente cens-
truido, hajam d>; pnnidenciar sem jitrla
do temp, no sentido d-; s-;r*rn amarrados
ao earn geral as derivaroes de suas pentias,
afim de nao vire n a "wlirer tnUKVmftm*.
Escriptorio da companlii 1, 20 dc outu-
bro de 1874.
0 seeretario,
Luiz Manoel /lodrigucs Valenca.
Associaeao portugu za de beiielicencia d(.:'
empregados no comir.eroio a industria
em Perna-iibuco.
De or Jem do Sr. pre'Mente da a;semblea aaral,
convijo a lodus oaaMhora* '- ''"''! -'. rcnni-
rcin sc- no proximo doming 1, i'i do eniruMa, prU*
I boras da tarda, na sa la dis se-^Aas, a roa do
Imperadur n. 35, 1" andar, a!im it.> rumprir> n
cim 0 qne dispoe 0 art. 37 dos t-littitos qnere-
g'.m esta assoeiaca>.
Secretaria da afaanMea geral da ttmateff
portugueza de henMicencia dos emprega !o< u
commercio e industria em Pernambuco, 21 de u-
tubrode 1874.
0 secretnrio,
Leonardo Ant nm da Silva
CO.UPA.\lEIA
dos trilhon urbanot do RecilV
a Oliadn e ISoberihte.
- -.-: -
De ordem do pmliaaBa
da assfmbiei geral dI
panhia aciina, sao ronvida-
dos 01 acii< nistas para ana-
nirem-se (na Ingar d 1 co.-lii
me) em se-si-i ordin:iru 1
dia Sl do Ciirrenle. m aMr<
dia, alim deassistirem a apresenla^ii do relal-rir.
e contas dos n-go'-ios da como-mlm no aooo a
expirar, e sobre uma a t ntra eataaa deliberar.
Recif', 22 dc outubro do 1874
0 soTitario,
Luiz Lows C.i-.|>-ll Branco.
Irmandado de Nossa Seulnra Mai d's Uu-
mens crecta na igr.-ji da Mad re d
Deus.
De ordem do nosso irraio luiz e Jo aec
o nosso C'impromisso. cmyidios nossos irmao* u
reunirera-3no domingo 25 d 1 curreale, i>-la It
lioras da manha, allm de eleirerein o* mpn mo teem de lunccionar 110 fu'.uro ann > rt- 187.
a 18d5.
Consistorio da irmanded 1 de Xusaa Sim ra Ha1
dos Homeus, aos 21 de antabro de 1874.
Aulonio Anne* Jacome,
Escriviu. _^__ ^
iNSPECCAli DO AUSE.NAL DI.
* MARINHA.
Faz-so publico que em d'U de 20 do correufc
foi visloriadoo vapor Bnjnnl da companhia nar-
aambucana de navegacao costcira, e a coinmi
julgou o em estado de poder continuar no serviT"
em que se emprega.
Inspeccio do aneual de man aha de IVroa 1
;o, 20 de outubro de 1874.
Francisco Jose Loelho Net! ,
Inspector.
0 Dr. Joaquim Goncalves Lima, juiz dos
feitos da fazenda desta provincia, por
S. M. Imperial, a qae mas guarde,
etc.
Faco saber aos que o presente edital vi-
rem que, em curaprimento da ordem do
tuesouro de 36 de dezembro de 18W, e
Irmandade das almas du
Recife
Tenda-se no dia 1* de covembro de proeed. r -
a eleicao dos novos (uccciooarios qoadevem it:
ger a mesma irmandade no anno eonpromis-a!
1874 a 1875, pelo presente convido a lodos o*
rissimos irmaos a comparjeerem no eonn*t>r 1
mesma ir oandade, na raatriz do Corpo Santo, 1
reierido dia, as 10 horas da mauii, para prev
rera seu voto.
Consislorio da irmaiidade das alma, na matr t,
2i de outubro de 1874.
O escrivae da irmanlade,
Joaqaim Cavalcante frmandade do Senhor dos
Passos, no Corpo Santo
Por nao terem coaiparecido irmaos em nam-i
sulllciente para so proceder na sexta leira pana-
da a eleicao para a nova mesa regedora desta ir
mandade, sao para este fim convidados d^ no-.
todos os irmaos a reunireovsa no ceasiitefM a.
ditri. igreja, as 5 horas da tarde de sexia fra -'.
do corrente. .
Josi Joao de Amonin Janor,
B Inspeccao de saiide do porto de Peraambac >,
8 de outubro de 1874.
Por ordem do lllm. Sr. oooamendador Dr. Pe-
dro de Albavde Lobo Moscoso, laco scianteain*
os navios que uvezera de caxregar warn* varans
ou outra qualquar subsUncia que exhale nu<>
choi.-o, ou descarregarem carvao de pedra, nao >
pudario nuer senao no aocoradouro, pert
pharol, e que nenbuma reclamacao sera attend: -
da para deixar de ser cumpnaa eata ordem a
pretexto de ser p-quona a carga ou descarg 1
0 que so faz publico aos sechores ionos on
con.ignatarios de nanos, para a devida execuru.
6 0 seeretario,
Felix do Cantalice da Silva Lobo
"SANTA CASA DA MISERICORJHA IHi
RECITE.
A Illmo. junta admiautrativa da Santa C\n
':. -ericordia do Recife, manda faior pnblica q .
aa'sala de saas seasdes, 0 dia 22 da oataar
las 3 tioins da tarde, tarn de ser arremauda* a
quem mais vantagcas offoreoar, polo laaip-) ds rm
a tres annos, as rendas dot predioa aai aacaiia.
declarados. ____
ESTABELEaMENTO DE CAIUDADR^
Rua do 8. fioncato.
Casa terrea n. 24 (fechada). *-
Rua das Caltftfaa
Idem n. 36 ..
"!......*" '


Jmo de dfeniaittbuw Qumta feirs. 22 de Outubro 4e 1874,
Vidtl de Nagreirca.
Casa terrea a. i 14......363*000
Idem n. 94......... 301*006
Rcalarga dolRosario.
1- andar e toja n 24 A. 310*000
! andar n 24 a........408*000
3/ andar n. U \. 351*600
Bu de Antonio Henriquea.
Vu* terrea n. 518...... 99*000
Largo da Ompina.
Idemn ll(tecbida)...... 9*eoo
Rna do CorooeJ-Suassuna
! aadar do a jrado numero 94 386*000
PATR1MONIO DOSOKPHAOS.
Rua da Hoeda.
Casa terrean. 21 fechada).. 400*360
Beeco das Boias.
Casa terrea n. IS. ......4!t*00i
Rua da Lapa.
Casa terrean. II.......102*000
Rua do Amorim.
Sobr-do de S andares d. S3 6026000
Casa terrean. 34......2*000
Ruar do fiugos.
Casa terrea n. 21.......153*660
Roa do Vigario.
2* andar do sobrado n. 27 243*000
i* andar do raesmo..... 240*000
Loja do raesmo ........ 300*000
Roa do Bneantamento.
Sobrado de 2 andares n. 13< Roa da Senzalla velna
Idem n. 16.......209*000
Rua daGuia.
Casa terrea a. lo.....209*00t
Idem n. 29 201*000
Rua da Cruz.
Sobrado de 2 an lares n. t2 (fechada). 800*090
Idem a. 14.........600*000
Rna de S. Jorge
<:aea terrea n. 100 (fechada) 241*000
idem n. 103 ... 207*000
Roa do Ampare )01.oda)
Casa tercea n. 13 (fechada).... 210*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as snas fiancas, on comparecerem
acorapanhados dos respectivos Qadoree, devendo
ptgar alem da lenda, o premio da qnantia em
qne for segnro o predio qua contiver estabeleci-
mento commercial, assim eorao o senrico da lim
peza e precos dos apparelhos.
Seeretana da Santa i-asa dalMisericordia do R
eife, 17 de satembro de 1874.
O escnvao,
Pedro Bodrigues de Souxa,
tomp iiilii.i Fideiidade
eguros* naritimos e terrestres
_ A agenda desta companhia touia seguros ma
ritlm s e terrestres, a premios razoaveis, dando
nos ultimos o s6lo livre, e o setimo anno gratuito
ao segurado.
Rua do Visconde de Itaparica, anliga do Appolo
n. 51.
Feliciano Jose Gomes,
_______ Agente.
Monte pio portuguez
De ordem da directoria sao convidades os Srs
socios que se acham em atraso salisfazerem a9
snas mensalidades, como determina o 2 do artigo
11 dos estatutos. para que pussa organisar se o
qnadro dos socios effectivos, e mesmo para nao
ser eoagida a dar execuclo ao 2 do artigo 13,
que e o segufnte : perde os direitus de socio ( rt.
13 2*) o que deixar de satisfazer. a suas men-
salidades por niais de dons aonos, seado Ihes pc-
didas, nao pndemlo depots ser admit ido sem pre
viatnente pagar n que esfiver deveodo, e nova joia
como se nunca ti<'esse p>-rtencido a associacao.
Secretaria do M jnie Pio Portuguez, 15 de oulu-
bro de 1874.
0 secretario,
______________ J. EC Vi^ira Ligo.
Thoinaz de Aquino frinceca & C.
SiKxessores
saicam por todos os vaporcs, sobre as segnintes
pracas
Sobira a seena, ipefci ultima-ve*, o mako^pplaa-
dido drama-saoro ;
f.akriel e Mel
ou
tOs Mllagrefl de S. Antonio.
0 beueflciada fara, o pafel de Marco Aurelio.
Conclnir se ha o especiaculo com a sempre ap-
plaudida comedia em 1 acto do Sr Csdras de
Souza :
O district* em estado de -hMo.
Pnn:ipiara as 8 horas.
0 beneflciado e%pera a proteccao do publico e:
desde ja antecipa soa eterna gratidio.
Uooa comratssao, em nm dos intemHos, ira em
nome do beneflciado agradecer aos seoe convida-
dos.
0 pi-queno resto dos bilbetes acha se na mao
do benefiriado oa roa Direita n. 100, e escnptori <
do theatro no dia do -especiaculo.
THEATRO
Santo Antonio
COMPANHIA BflAMATfCA ITALUNA
EMPREZA
Lisboa.
P.-rto.
Braga.
Vianna.
Viseu.
Guarda.
Oiimhra.
Gunnaracs
Rio
Na run do Vigariu
do Jan>iro.
n. 19.
Regoa.
Craves.
Villa Flor.
Miraiideila.
Alijo.
Pataios.
Braganca.
Lamego".
Iloje
Quinta-feira 22 do corrente.]
Beaaeflcii*
do celebre e primeiro actor
E. Dominici
Crm o grande drama em tres actos, origina!
portuguez de Almeida Garrett e traduzido expres
samente :
FIIEILIRZ IE m\
Acabara o espectaculo com a poesia escripta
expressamente e declaraada pelo beneflciado:
0 arlisia italiano \v\ Brasil.
A's 8 boras.
0 beoeflciado em altencao aos seus apreciado
res ornara o thpatro nesso dia, 9 duas bandas
de musica preencherao os intervallos.
Sabbado 24 do corrente.
O grandioso drama historico, em 6 actog de P.
Giacometti:
Crisliwio Colombo.
THEATRO
Sabbado 24 do corrente
Urande especiaculo en beneflcio
das obras da i^reja ,,,
Hartjrios
Representar se-ha o drama em 4 actos :
As mais arrepenaidas.
Termin ra o espectaculo com a muito espiri
tuosa comedia em i acio :
A mulber de dous maridos.
Pnucpiara as 8 horas
E-te especiaculo, odjo lim, justo como
tio reliuioso, e digno de concurrencia, e a ir-
mandailo espera que o publico pernambucaoo,
>empre udicftc em foncorrer para o engrandoci-
mento da r^ligiao, nao deixara de protege-la cjm
o seu valio.-o loncurso.
Uma commis>a>, em tim dos intervallos
agradecer aos seus eonvidados :
Para Udoa.
. Atorca portngne>a Pertira Barges, capita An-
tonio Alfredo Borises, recebe carga e passageiros:
a-ttttar-se com SilvaGuimaries & C, praca do
Orpo Santo n. 6, segundo andar. '
MTEAJiER
ILLE DE RIO DE JANEIRO
Coiumandante A. IFIcury
E' esperada da Eu-
ropa ate 23 do cor-
rente, seguindo depeis
da indispensavei de
mora para 03 por-
tos do sul de soa es-
eala acima referidos.
Para fretes, encommendas e passageiros, Irala-
se com
0* CONS1GNATARIOS
AUGUSTO V. D'OLIVEIRA k C.
iRua do CornmercioEntrada pela ra*
d< Torres.
COMPANHIA BltASILEIIftA
DE
VAVEGACAOAVAPOR
P actos do sal
CERVANTES (fretado)
E' esperado dos portos do norte
ate o dia 23 do corrente e se-
guirt para os do sol, ioclu
sive o da Victoria, depois da de-
mora do costume.
DO
-sobrado amarello- de 3 andares e sotao
da rua da Imperalnz, om frente a matriz
da B.ia-Vista, servindo de base a offurta
6t 11:000:5000
HOJE
i*ori(!! do norte
E' esperado dos portos
do sui ate odia 27 do
corrente e seguira para
os do norte depois da
demora do costume.
Para carga, encommendas, valores e passagens,
trata-se no escriiitorio
7-RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C.
_________________Agentes
Real cuiiipanhia dc paquetes in
glezes a vapor.
A K5 odia 26 do cor-
rente espera-se da
Europa o "vapor iu-
glez Douro, comman
dante Thwaile, o qual
depois da demora do
costume seguira para Buenos-Ayres, tocando nos
portos da Bahia, Rio de Janeiro e Montevideo.
No dia 29 do corrente espera-se dos portos do
sul o vapor inglez Boyne, commandante R^eks,
3 qual depois da demora do costume, seguira para
Southampton, tocando nos portos de S. Vicente e
Lisboa.
Para passagens, fretes, etc., trata-se na agencia,
ua do Cornmercio n. 40.
da trarosM da rua Duqne de Caxias, e a aa Jar-
rea em-a rna da Roda n. 56, pertencentes aos*ens
do faHecido Jo e do Rego Pacbeco.
Os rs. pretendentes podem desde ja examinar
a referida casa, e para qnalqner esclarecimento,
no escnptmo do ageote, a ru> do Marquez de
Otioda n. 37. l. andar.
LEILAO
ira
- Saiitn Casa A junla admini-iraiiva convjda pelo presente as
pessoas que se acham a dever renda de predios e
men^ah taoe de pensinnistas, p;ira qne no prazo
de 15 dia- tra'.em de saldar os sebs dehitos, vistn
que se dentro desse prazo o nao li^erem, sera el!a
a seo j" > i hiii: da a intentar a compt"Qte ac-
cao contra eada nm delles, fazendo publicar sens
nome>- |n r este Diurio.
Seeretaria e.-i Santa Ca-a da Mi-ericordia do
Recife, 16 de ontobro d>- 1874.
O escrivao.
_______________Pedro Rodripues de Snuza.
Carvaliio A Nogueira
saccam qualquer quanlia, a vfsu >u a prazo, por
todos ua paquetes, -ilne Luboa, Purto e tudas as
mais -ida les e villas de Portugal ; assim como.
para Galiza e illi>s dus Azores
Conxlrucrao da ponlc para a alfan-
drgu da'proiinein di> Fara.
De ordem du lilin. Sr. inspector da thesouraiia
de fazenda de>ia provincia, se faz publico que es-
ta em concurrencia a Consirnorao da pome per-
manent desli ada a descarga de mercadorias na
alfin i-%-a dela capital, conf< rme a planta e orca
mento respeetivo, que .-e acham na tecretaria da
jnnta da in >ma llo->-nraria, e podeiao ser con
sultados pelos pretendentes ; cojas ohras firam
mand^uas executor pela ordem do lliesouro na-
ctonal. n. 7:1 de II de ;goslo Undo, no total de
299:3394100.
Os pr< tenduies, qoer desta provineia, quer das
do Rio de Janeiro, Bahia. Fern'ambueo, Oara e
Maran ao, diverac apresentar suas proposias em
cartas fechadas, a* quaes serao abeita9 em ses
sao da junta de !7 de dezembro do cadenlt anoo
Thesoiuana d- lazenda da Para, 19 de setem-
bro de I8?4. -Rayumndo daSilva e Cunha, secre-
rio da junta.
Obras militares
A 27 docorrn'.e. ao meio dia, sera aberta a
concurrencia para a execucao das obras e concer
108 do quartel da; Cinco Pontas, Da importaucia
de l:3i4i'J/0 : os pretendentes apresentem-se na
reparticao da ubras pumicas, onde se acha o or-
oamento, munidos de suas propostas em carts fe-
chada. Recife, 19 le outubro do 1874.
0 'eugenheiro dis obrar militares,
Chrysolito F. de Castro Chaves.

^ra'^.^-TsE'.HtatRjB-s^r'^v;:''
COM PA MHA PERNAM D CCANA
DE
*!ivesnciSn oostciraa vapor.
Fernando de Noronha.
0 vapor Jugnaribe, com
liaiinailli- Julio, segui
ra para o porto acima
no dia 3 de novembro, ao
meio dia.
Recebe carga ate o dia
2. encommendas, passa
geiros e dubeiro ate as 11 horas da manna do
lia da sahida.
Escriptorio no Forte do Mafns a. 12.
i'aciiic Stom\ i\?vi!raiji n Coiuunm
ROYAL MAIL STEAMERS.
ra^ esiermias.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C,
Rua do Cornmercio n. 42.
Para Lisbon.
Pretends seguir com hrevidade o liigar portu-
guez Julio. Para .carpa e pasag-ir< s, trata-se com
os ciosignatarios Tnoiuaz de Aquino Pone ca &
C. Succewsores, a rua do Vigario n. 19, primeiro
audar.
Rio de Janeiro
0 novo patacho brasilefro JKdaI recebo carga a
frete para aquelle porto : a tratar no escript rio
dos cousiguatarios Kaltliar, Oliveira & C, a riia do
Vigario n. I, 1 andar.
Ao meio dia
0 agents Pinto, corapetentemente autorisado, le-
vara novamente e pela uliiuu vez a leilao, servin
do de base a offerta de 11 contos de rels, o sobra-
do da rua da Imperatriz, esquina da rua'do Hos-
picio, edilicado em chaos t'ureiros, endo que dita
venda sera effectivamente realisada no dia e hora
ac'ma meocionados com quem melhor vantaeem
offereeer.
Os novos pretendentes poderao desde ia exami-
narem dito sobrado e concorrerem ao acto do lei
lao, no escriptorio do ageote Pinto, rna do Bom
Jesus n. 43.______________
U ande e importante
LEILAO
DE
predios
A saber:
Cm sobrado de 3 andares edilicado em chaos
proprios. a rua do Bom Jesus n. 63.
Urn dito de I andar tambem em chaos proprios
na mesma rua n. 61.
Uma casa terrea na rua da Imperatriz n. 60,
em chaos foreiros.
Dezeseis mei>-aBnas da rua do Camarao n. 9,
tambem em chaos foreiros.
I'm grande sitio na rua do Riachuelo (outr'ora
Corredor do Bispn), n. 61, ehaos proprios, com
grande casa de sobrado, o qual flea perto das li
nhas da estrada de ferro, assim como da dos
bonds.
Hoje
A's 11 horas em ponto
No escriptorio do agente Pinto
RUA DO BOM JESUS N. 43.
Os adrtiinistradores da massa fallida de Pereira
de Melle & C. levarao a leilao, de conformidade
Com o alvara de licenca do lllm. Sr. Dr. juiz de
direito especial do cornmercio, e por intervened
do agente Pinto, os pre nos acima meocionados.
para pagamento de hypotne;as as 11 boras do dia
acima dito.
Os pretendentes p derao desde ja examinar ditos
predios, os quaes tornam se recommendados, ja
por seus rendimentos, ja or serem ediflcados em
ruas comrrerciaes, procur ndo obterem qualquer
iufortnacao dos aJmioistradores, ou mesmo do
agente, e concorrerem ao acto do leilao, no dia e
hora acima numcinnado*
LEIliO
0 leilao principiari as 10 l|2 horas em ponto,
por serem moltos e differe"tes os lotes._________
Agente Festana
LEILAO
DE
rnoveis, louija, vidros, crystaes, ouro, pra-
ta e brilhntps
SEXTA-FEIRA 23 DO CORRENTE
Am it horas ena ponto
No segundo andar do sobrado stto a. rua do
Cabuga* n. 16.
0 preposto do agente Pestaoa, competentemente
autorisado por uma famllia que se retirou para a
Europa, fara leilao, por conta e risco de quem 'lu,,, t..t(rae *-------~~-
pertencer, dos moveis Vbaixo declarados. U0US "T1*" carte.ras. uma banca, nm
armario, dous mochos, duas cadeiras, ana
copiado de cartas, urn Mala, um gTa-
deamento e f-rro de escriptorio, uma ar
mai;ao de pinho, uma porrii de psfejl
mata borrao. vinte frascos com tints para
escrever, 30 birris com potissa airui-
nada.
Massa falIHa de Candid > Alberto Sodrtda
Motta & C.
- SABBADO 2i DO CORRENTE
DE
um annel com am grande e perfoito bri-
lhaute de 1/ qualidade, prcstaodo m
para ai6oete e bolao
SEXTA-FEIRA 2.1 DO CORRENTE
No segundo aadar do sobrado da roa Priamrj
ds Marco n. 14
Por intervengjio do aynto ^nlo
LEILAO
DE
a de amarello, 1 lavatorio com ped.a e 3Pn* Mr"n '" !'*> (** maolado do
?as, I cabide, 1 bidet, i guarda vesti- }"ra-Sr .Dr- la,x *p*cial do cunmerdo, dos ofc-
Jllo, 1 toilette de raogno e 1 espelho. jectos aciraa existentes no escriptorio dos MHas
lH eira Semanal
9 H. '- I
0 brigue portuguez Triumpho, pretende ssguir
:om muita brevidade; pjra carga e passagi-iros
.rata--e com os consignatanos Thcmaz de Aquino
"oneeca & C snceeyx>res. rna d.> Vi^arin n. t9
Aconciiffoa
(DE il06 TONEADAS)
E.-.pera-se dos por-
tos do sul ate o dia 2j
do corrente, e deoois
da demora cio costu
me seguira jara Li
verpuol tocando em
Lisboa, Bordeos, para nude r*:eoera passageiros,
ioeoinmeu ia, e dinheiro a frete
iV. B. -.Nao sahira aDtes das tres .horas da tar
le uo dia da sua ehegada.
AGENTES
Wilstiu Rnwe & C.
14PRACA DO COMMERCIO1
Para o Para.
Pretende segnir com muita brevidade o pallia-
bote Joivn Arthur, tem parto de seu carregamen-
to eogajado, para o resro que Ifie falta Irata se
com o seu coo-ignaUrl > Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo, a rua do Bom Jesus n. 57.
Sociedade Propagadora da
Instruecao Publica
Nao se tendo reunido numero sufflciente de so-
cios para funccioaar a assemblea geral. no dia 13
deste mez, e novamente convidada a mesma assem
blea para o dia 22 do corrente, no lugar e bora ja
aabidns ; e funcci inara com o numero que com-
parecer. Recife, 20 de outubro de 1874.
O 2 seeretario,
V. de M. Mello.
ADMINISIRACAO lu>S CORRE'OS DE PER-
NAMBUCu, 22 DE OUTUBRO EE 1874
Hulas a exgiedir-se
Pelo vapor naciun-l Qiquii, e*ta administracio
expede malas para a Parahyba, Nat I, Macao, Mos-
sord, Araeaty, Ceara, Acaracu, Gran'a e Maranuio,
note 22.
necebem-se jornae', impresso de qualrper na-
tureia, e cartas a registrar, ate 2 horas da tarde,
cartas ordinsrias ati 3 boras, e estas ate 3 1)2
com porte duplo.
0 administrador,
Affonso do Rego arros.
THEATRO
Para Lisboa
Seguira com brevidade o bri.ue portuguez Belli
Figueirenw, rapttSa Hilario Rodrigues : para car-
ga e pas*giros, trata->e com E. R. R bello & C,
rua do Comme cio n. *7, enirada pelo largo do
Pel urinho.
PROGRESVO NARITIHO nOPORTO
Emproza portuentie de nategacao a
vapor entre Portuaal e o Ui-aBil
O VAPOR
Almeida Garret.
COMMANDANTE TOMASINI,
E' Esperado dos por-
tos do sul em 23 do
corrente, seguindo de
pois de pequena de
mora dentro no porto
para Lisboa e Liver-
pool, tocando em Santiago.
Recebe passageiros, encommendas e valores : a
tratar com os
AGENTES
F. li. Robello 17 Rua do Cornmercio 17
Entrada pelo largo do Pelourinho.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
rVaY-egapHo eosteira a vapor.
4RAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARAC*-
TT, CKAKA, ACARACO', GRANJA E MARANHAO
0 vapor Giquid, comman-
dante Martins, seguira par; os
portos aeimano dia 22 do
corrente as 5 boras da tarde.
Recebe carga ate o dia 21, en-
commendas, passageiros a di-
oneiro, a frete ate as 3 horas da tarde do dia da
sahi la : escriptorio no Forte do MaUos n. 11
POB
Iniervcuciio do agente finto.
A s^ber :
QUINTA-FEIRA 92 DO CORRENTE
Dos sobiadosda rua do Bwn Je.-ns us 61 o 6.'1
da casa terrea da rua d Imperatriz n. 60, das id
meias aguas da rua do Camarao n. 9, do sifo da
rua de Riaehu lo (outr'ora Corredor do Bi-po) n
61 e do sabrado amaielloda esquina da rua do
Hospicio.
SEXTA-FEIRA 23 DO CORRENTE
D> srikacao, balcan, bn ra, C3rttira, moveis,
vinhos, licores, conserva>. pcixesem lata, balao-
cas, 1 bote, 1 "lancha, e m:.is perteuca do arma-
zem da ma do Cornmercio n. zi, do fallecido
Eduardo Turpin.
leilao
DA
barcaca Zurich
As 2 horas da tardo
No caes do trapiche Alfandega Velha (nutr ora).
0 agente Pinto levara a leilao, precedida a com-
peteote autorisacao, no dia e hora acima niencio-
Dados, a barcaca deoominada Zurich, de*2mas-
tros, a qual carrega 6(K) sac-os com assucar, tal
qualse acha fundeada em frenie ao antigo trapi-
che Pelourinho, onde poderao os pretendentes
desde ja examinala. ________
uma mobilia de jacaranda,
1 realejo, camas -france-
zas, commodas, aparado-
res, espelhos dourados,
guardas louca, estantes
para livros, objectos de
brilhante, ouro e prata, di-
versos passaros cant ido
res,entre elles uma arapon
ga,l carroca paracavallo,
coin arreios, miudezas, I
cayallo, caixas com charu-
tos da Rama, um lustre de
4 luzej parag z carboni-
co, fiteiros para Iojas, ca-
deiras de balaugo, cabi-
des, relogio^ deouro e pra-
ta, muitos trastes avulsos
e immensos artigos do uso
domestico que serao ven-
didos a troco do barato,
per conta de diversos
Sala de visit-i.
Uma rica mobilia de jacaranda, com pouco uso,
constando de 12 cadeiras de guarnicao, 2 ditas de
braeos, 2 ditas debalauco, I sofa, 1 jardineira com
oelra, 2 consolos tambem com tampo de pedra, 3
espelhos dourados, 1 tapete, 1 rico candieiro a
gaz, 2 pares de lanternas, 2 pares de jarros com
pingentes e bouquets de cera, 1 relogio de cima de
mesa, 8 quadras com fleas gravuras, 1 par de es-
carradeiras, 1 raachina para costura e 2 pares de
quartinbas.
Primeiro quarto.
Uma cama de amarello
snas perteo.
do de araare
Segundo quarto.
Um marqaezio para solteiro, 1 meia commoda,
1 santuario com imagens, 1 lavatorio e 1 cabide.
Sala de jattar.
Uma mesa elasiica de \ taboas, 1 guarda louca,
2 aparadores. e sofa de amarello, 12 cadeiras, 2
mesas para jogo, 2 cadeiras dc braco, 2 ditas de
balanco, 1 quadra a oleo 1 relogio de par.de, 1
quartinhei'a, 1 apoarelho para janlar, 1 dito para
alrnaco, pares de garrafas, duzias de copos, ditas
de calices, compoteiras, etc.
Cozinha.
Uma mesa para eogommado e perten-;as de co-
zinha nece-sarios para nma casa de familia.
SEXTA-FEIRA 23 DO FRENTE
as all horas ena ponto.
No seguudo andar do sobrado situ d rua do
_____________CaOugi n. 16.
OSS'
Motta A C, qoe e a-
Candido Alberto Sodre da
ttiuem a reierida masia.
A's 11 horns da mnha
EM DITO ESCRIPTORIO.
Leilao
l ma
moveis, e louca
aocorrer do martello
Sexta Teira 93 Uma mobilia de jacaranda a Luiz XV, com pou-
co uso, 1 dita de amarello, 1 guarda vetido de
mogno, 1 dito de amarello, 1 guarda roupa, 1 toi-
lette de mogno, 1 dito de jacaranda, cadeiras de
amarello e jacaranda, marqnezas, consolos, ma-
quinas de costura, 1 mesa elasiica, 1 dita inteirica,
espelhos, aparadore.', camas de amarello.
Louca de porcelan. parajantar, garrafas, co-
pos, Cdlices, jarros, I urna para cha, diversas fa-
zenlas e outros muitos obje-los do uside uma fa
milia, que se ao venJidos ao c-rrer do'martello.
Pelo agente Martins.
N"o armazemda rua do Im-
perador n. 48
\o meio dia.
DOS
generos do estiva como ahaixo se mencio-
na:n, existentes em oarmazem da tra-
vessa da Mailre de Deus 0. 12, perten-
cetttes a massa fallida de Juu.j Tavaros
Cnrdeiro & C,
Scxtn-feira 33 ilo corrente
An 1 I horatMia m?i' ha
0 ageute Dias, cumprinlo o respeitavel despa-
cho do lllm. sr. Dr. jmz especial do cornmercio,
fara leilao no dia e hora acima indicattos, dos gene-
ros qu'i abaixo se menrionam, os quaes serao ven-
did is em um ou mais loles, a vontade dos Srs.
pretendentes, e pertencem a massa do* falliJos
aeima indicados.
A SABER:
137 frasqaeiras de genebra, 18 ditas de dita 01
ditom, 9i 'iiixas com vinho Bordeaux, II diras
corn genebra aiomalica, 92 barneas com eerv ja.
ittteiras o meias, j'i) iihras de cha preto, 18 eaixas
coin vinho Madeira, 20 d.las coin 1" Or franca*, G
dita_s com cognac,' 3 sacco* c mi a Ha zem i, 13 gar-
raides com eev^dmha esajru, I caixa com salitos
Dos objeclos do arnjjma de forn^cimenl')
de oavio-, da rua do Com.'iienio n. 2.,
do fr.iado
Rilunrdo Tnrpin.
Em continuacao
i: i>r liiiiiiila CONSTAiNDO DK :
armacao. balcao, armari.s, carteiras. f
burra, repartimento de lavatorio com deposito para agua, om t ro."
repartimento de escriptor.o, mesas e mochos.
Panel para cigarros, cbarulo*, caixas de p,
de dentes, ditas de phosplvros, ditas de sabao ed'-
tas de sebs.
Latas com bages, Crascoa com az-itonas, vinh.-.
Uiiter. ADnisele, vimgre, aynrdente, exlracto .
absynno, Hircks Verinoutu, 8 caixis c^m ga
fas d'a.'di d< Vichi.
QuatMceolis esteiras d? perpen, lUndres e ; if -
vazias, escadas, taboas, e muitos outros object,-
SeguniJa-fcira ilJ de ouUilr>
ds 10 i|2 tiorris nm ponto.
Oafsata Pinto u-anto da inesm aut<>ria >
que tern lo gerenle do c n-ulado dc franca,
tinuara a dispir em 1 ila i no dia M I a aafraMa, -
objectos partaacoatfli to sup !i i Ibm4b I Isr
pin, exi-te.nti s no armi7.:n d.i rua Jo Tra
n. i\.
Em roiiiinuacjao
A' 1 horn da tarde.
Ven leri o aaaaan ap^ ni > n d aatta d arrend
mento do mesmo armaze n psta t mp > p falta )
2 annos e 2 aeioa, a veneer--e em de'cinbro d-
1876, so!) as e in liofie- que serta exp -la- no ar' -
do leilao > d>- cunfurund i U\ coin a- lustruccOes t~
cebidas d> nao imp consulaio.
Agente Pcstana
Gi ande e impoitante
leilao
DE
moveis, loa$as, vidros, n/atal. ouro |
ta e bnlbatile
TERCA-FEIRA -.1 DO OitRNKTK
as 8a 1| 5 horns
No prime'iru aodar il S'.;.iiil.i ito I
la \uriirr n. 01
0 prepOStO .!j ; Jeiit.. IV. na. I iii ,> |. 1,1
te auiorisalo pr unii f -;i' :i .ju < Msa
0 Rio de ianeir>, f,,ra le I \ por Costa a n-
quim I'LTiencer, d^s nnv : abasia menci di
Sala dafrmt .
Una ;ici mobilia de jac ran la, c mp -!i de 2
cade i. i |
solos, I rico piano <'' ufan ; i fabi
1 secreUrla le i .. an I
candii iro i ... |
terna- 5 .-.,- | an fl I Itaac > aara
lapete, I p .r d' escarrad
para deute 313 resmas de pa pel para o brnlho, M> :' '' '' 'l I jarr
'! tains dea.* com vinho Pigueira, 1IG canastrasj0' Inarada para fl re*, t ,
eum alho", 14 garrafdes com genebra naciunal, I da pedra, 1 rel jio, 1 rica c lureii I >
60 lat.>s do 4." com sardiahas, 3 caixas eum cba 1 da palba.
verde, I >iita com duo miudioho, 0 Irasqneiras
com genehia Vida Etirna, 2.1 saccis coin e< va do-
ce. em mao esl? lo, 45 lalai de ennservas, 11 ditas
com frnctas am cal l, Jo sacoos com cominnos.
as i 1 n
ras da man ha
NA
\ SE>1ANA!.
FEU
!6-"KHa do Imperaitor---16
pelo ao-ente Martins.
LEILAO
DE
U
EMPREZA PREIRE DA SILVA
nearnclo Ho Woaaa Coa(.
Ilha de 8. Miguel
*egue com brevidade para S. Miguel o palha-
bote portuguez Atoco S. Lourenqo, para onde reca-
be carga e passageiros : trata se com es consie-
natanos Thomax de Aquino Fonceca & C. Sncces-
sores, rua do Vigario n. 19, { andar.
Agente Pestana
leilao
DA
armacao, generos e ma's otensiiios da La-
veroa sita no largo de Nossa Senhora da
Pazn. 11, fregupzia dos Afugados
Hoje
A'S 11 HORAS EM PONTO.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quern pertencer, d'armacao, gene
ros e mais uteo.-ilios da taverna acima raencio-
nada.
Em um cu mais lotes, a vontade dos Srs com-
pradores.
moveis, louca, vidros, livros,
musicas e obras de ouro
e
LEILAO
DE
um sobrado de 3 andares, s-ito d rua do Bun
Jesus n. 23, o 2 e 3 andares proprios
pa a familia, e o 1 para escriptorio,e
um grande arrrazem, ben localisado o
rendnso
StXTA-FElRA 23 DE OUTUBRO
A's 1 l|3 hora*.
No escriptorio, A rua d Bun Jesus n. b3,
as 11 boras da nmnlia
0 ageot3 I'mho Borges rendera em leilao o re-
ferido sobrado, por coutae risco de quem pertm-
cer.
Os Srs. pretendentes podem desil? ja examiaar,
e qualquer esclarecimento o mesmo agente cha-
se autorisado a dar.
aWo leil
ao
DA
Barca Santa Maria ao Para
Ja tem engajada a maior parts da carga a frete
para o dito portp ; e para o resto traU-se cofi? os
tens consignitarjos Amorim Irmaos & U,
armacao, generos mais ntensilios existen-
tes em o estabelecimento n. 8, da traves-
sa da rua Duque de Caxias, e de uma ca-
sa terrea em a rua da Roda n. 56
as 1 i horas da manna.
0 agente Dlas, levara novamente s leilao, por
despacho do Exm. Sr. desembargador juiz de or
phios, no dia e hora adma indicados, a armario, .
generos e mats ntensilios do estabelecimento d. 81 do sobrado da rM do Grespo n. 14
prata,
COMO SE1AM :
Uma boa colleccao de operas, musicas e phaiita-
sias.
Uma dita de estudos e exercicios de agilidade,
duetos de Ernani, Porn del destiop, eti., etc.
Uma dita de polkas, walsas e quadrilbas moder-
nas.
Uma dita de operas para janto, romanzas italianas,
duetos, estudos o exercicios.
Um livro de solfejo de Rodolpho e 3 livros enca-
dernados com musicas difBceis e faceis.
Uma colleccao de livros fnglezes, comprehendendo
os poemas de C wper, Shakespeare, bistoria de
Inglaterra e biographia geral.
Um diccionario itaiiino, as prisdns de Silvio Pel-
lico, um diccionario fraucez, bistoria de Portu-
gal, da Grecia e de Roma, da idade media e an-
liga, e outros livros.
Um relogio de ouro esmaltado e corrente de bom
' gosto, propria para senhora; uma corrente de
ouro (double) e com um medalhaa; u >. Ci.rdao
de ouro do Porto, de 80 quilates; uma pnlsei-
ra, nma medalha para retratos, um medalhao
com perolas, 4 anneis de ou o, sendo um com
brilhante e muitos outros objeclos.
Uma mobilia de jacaranda (massica) com um sofa,
2 consolos, 3 cadeiras de braeos e 12 de guar
niclo, uma cadeira de balanco e uma cinversa-
deira de jacaranda.
Um piano forte de jacaranda.
Uma mobilia de junco, propria para gabinete.
Um guarda-louca envidracado, um aparador com
gavelas, cadeiras, mesas, marquezas, marque-
zoes, lavato ios, commodas, lou$a, vidros, 2 ca-
mas de ferro para menino, e muitos outros ob-
JeCtoa proprios para ca*a de familia.
Sexta-feira 8 do corrente.
No 2 andar do sobrado da rua Primeiro de
Mar$o n. 14 (outr'ora rua do Crespo).
0 agHnte Pinto, autorisado por uma familia que
mnda de resWencia, fara leilao dos moveis e mais
objectos acima Jescripios, existentes no 2 andar
Leila
ao
DE
10 barris com came de p3rco o
Sexla-ft'ira 23 do corrento
ao meio tiia
No trapiche da Companhia.
i) agente Pinho Borges venlera emleilao.no
Ingar designado, os barris com came, por conta e
risco He quem pertencer.
, 0 mesn o agente convida os Srs. capitaes de
ltavio a concorrerem a este leilao.
1* qu rto.
LT'i : la \ slid ', I cas -\- j wai m 11, I
lette di .....i ,1c
moda irl ira, 1 a gal, I pir deqnar;
nuas, I espelho, 1 laprir.
-1* quirt .
Uma na aoiarello,
da. I caliide, I gnardavroepa, I H r d--
quartinbas, i lapete, ,
i cadeiras
'1 (fa r i.
Uma cama do amarello, irons lot bmsb <
moJj -lo systema de guarda roupa, I par de
leraas, leabide,'6 c I in I l
V quarto.
Ota mar |u<: ii l >-.. i le, i I ivi ion* j
ro e i: iog da vi Iro c in e
cadeii i a 1 kaac
ii (]uar|i>.
Uma marqoexa, I par i e cms los, I eaaaasi
a gaz, t cadeira para jasaaaaa, 1 lavatorio.
C qui! ..
Uma marqoen, 1 cum para menino, I l-\
rio, I'cadeira debdlanc>, i bauquinha c I par s
quarliuhas.
7" quarto.
Uma commoda osaaa, S cadaina, I banca. I ea-
bid- para pend'.u i, e i qual nheira tambem
peadorar.
8 quart*.
Dous consolos Je jaearaada, 6 cadeiras, 2 c
de v,i"ca M* *"* lavaiorlo, I "-lante para hvroi e2 n>
deiras de balanco.
Sala de jantar.
Uma excliente men ela-tica de 4 tabnj
leilao
D4.
guarda louca, I par de aparadores, I maquina d-
costura, nova e de d his pospuntos, do (aarican
Singer, 12 eadeiras, I sofa, 2 cadeiras de balan. .
1 espreguicateira, I relegio, 1 quarbuheira, I a,-
parelho para jantar, 1 dilo para alm. de quart!..has, 16 garrafas com v nho Xeret, 1
ill trader de pedra, I mesa para cale, 6 qoadr>,
copos, calices, garrafas, compoteiras, frucieira-, z
tampas le arame.
Sala de engommado.
Doze cadeiras, 2 consolos, 1 mesa para eagtim-
._~^-- r i i i i f raado, I armaro. 1 lavatorio, 1 par de quailmtu-.
armagao, lazendase pertengns da loja de fa- i cadeira de deseanco, irem deVoxinha, panelu-.
cacarolas, a^sadeiras, chaleiras, etc.
AVISOS Oifi^SOS
zendas da rua Duque de Caxias n. 44
Mas3a.fallida de Praa'cisco Guimaraes & C.
Sexta-feira 23 do corrente
0 agente Martins fara leilao, por mandado do
lllm. Sr Dr. juiz especial do cornmercio, d'arma-
cao, fazendas e pertencas da. massa fallida de' ~ ~
Francis. Ges& j::^ ^ ae|m| j Massa fallida de Pereira de
Os pretendentes podem examinar o mandado em j Mello & C
poder do agente.
LEILAO
DE
Os credores podem reco-
ber o 2. dividendo de sete
por -cento, apresentando os
uma casa na rua Azul n. 34 titulos para seannotarem.
Ediflcada em chao proprio, com 1 sala. i quar-
to, cozinha, quintal era aberto, com 12 palraos,
rende mensalmente 10*000, avaliada em 700*000
Sexta-feira 23 do correqte
pelii a^enle Martins.
ilo armazem da rna do Impera-
dor n 48
C0Z1JNHEIKO
Ao meio dia.
Precisa-se de om para casa da pequajM
familia. no Caes d Apollo n 69.
Aloga te a casa terrea n. 8, 4 raa do Lt-
ma, em Santo Amir" : a tratar na roa da Or: a
p. 94, padaria.


Jiano de femamDuw Quinta teira 22 de Outabro ae 1*74.

' >
,
District*] de Capoelrna do Icrmo do
Boralfo.
Dosle povcado retiroase felitmente para a *il
la de Paneliis o eelebre Felix Villa Nova, conha
eido por Felix Cimbado oa Baeurao. dmsta qua
die qaer compeer so* oamliiatos <|ue pretendem
OS Ingares de escrivio de orphios daquelle 'erino.
Nao acredito <)ue o governo fira uma notna-
?5o tio vil e lesairosa, pirque, desi.is ffenoVni
a sodedade t desn'reili'an*. o giverno: e para prnva
do qe dijfc l>a>ta dfcer que *cndo o Sr. Felix
supplente do sah.Jele?lo da dile Capoei
ra fdra denrltiil'i a rttm do 9fr>oc.o publico e por
factos provadH com (loenmenios que diicin exis-
tir na seerearia de polieia
Desculpe me Sr. Felix se the off>*ndr>, an'.icipando
meu juizo em coosidera lo candidato ao eartorio
de Panellas visio com) sei que o Sr. pa-a viver
nao precisa ssr e>crivao, basia o sea ramo de
negocio que e vender pomodas, pabular, e nao
meute: com qaaoto nao sei se na villa de Pa
Delia haveia extraccao a ese genero.
V' Itare, se fallar.
Capoeiras, 20 de ootubro de 1874.
^______________________Um capoeireme.
Uma peioa que lem a necessaria prtica de
armazem de molhados, offeree* se para desempe-
nhar o lagar de unm -iro eaixeiro, dando fiaaca a
contealo, e teni alguma fregaezia: quern precisar
podera aoouoisiar por este )oral.
CASA DO OUKO
A. 4:0000000
Bilhetes garantidos
Rua do Bardo da Victoria (outr'ora /Votra
n. so, e casa do costume
0 abaixo as ngnado acaba de vender nos sea?
maito felizes bilhetes a sorte de 7004000 em
men bilbete de n. 3,(66. aiem de oatras sortes
menores de iO*(K) e 2OJ000 da loteria qae se
acaboa de exu-ahir (121*); eonvida aos possuido-
res a virem receber, quo promptamente seriu
pagos.
0 mesmo abaixo assignado eonvida ao respeiu
vel publico para vir ao sea estabelecimento com
prar os moito felizes bilhetes,qus nao deixarao de
tirar qualquer i.remio, como prova pelos rac-mc s
anooacios
Actiaui-sB a venda os moito 'elites bilhetes ga
rantidos da 5' parte da leteria a beneflcio da
igreja de S. Guncalo, qae se extrabira no dia 29
do corrente muz.
Preo
Inteiro 41000
Meio 2*000
Oe IOOSOOO para elma.
liteiro 3*500
lleio 1*750
Recite. 21 de uatubro de 1874.
_______________In&f Jonouim da Costa Leitt
Roga-se ao Sr. Eduardo Miguel da Costa,
cwxeiro doSr. lario de ftuiretb, a vir a raa da
Poute Velna o. I, para realisar o negocio de seu
particular int-rosse.
CASA DA FORTiA.
AOS 4:000#000.
BILHETES GARANTIUOS.
A rna Primeiro de Marco (outr'ora rua i.o
Cresjio) n. S.'i e cusns do nwlunw.
0 abaixo as:-ign;i.lo. iei:do vemlido nos sen? fe
lit-* billiites inn meio n. 3166 rom 700JIOO. um
ration SiHl aim 2> OiOOO, um inl--ir> n I7i i
coin tOOiOfW. uui mtfiro n. Jc/uO r m tCftiOv-o, c
oulras sortes de 40* e 20* da lult'i'ia que se
acaboa de extrabir (111*), eonvida aos possul
dores a virem receber na conformidade do cos-
tame sera desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes jrarantidu-
da 5' parte das lotenas a beuelicio da igreja
de S. Goocalo (122*), que se extrabira na qnin
ta feira, 2a do corrente mez.
PIIECOS,
Bilbete inteiro 4*000
Meio bilbete 2*00C
Km pornio de loo.s para elma
Bilbete inteiro 3*500
Ueio bilbete 1*700
Manoel Martina Finza.
o
< O (t
4fll!li
^sl^ s-
Sa 2.3
"Se-i
ill-
*a B
sSs
S 3 So-
3 2 o 5
e.S.8.6
ffl O
51
i
*T> A
==0.-0 *
|f I ^
IIS?
"iff
f a,
(t-n'D
f ^ CD
C 1 ~"
. a
Ob
s.30
CD o J
* 15
HI
pS's
S a
D
m
* i
3
BJ w
US
fi o
D
O
- ,3
o
|| e5
tiff
ale 1
I* a. *

?2 P se*
3 3. CO
gf I
2* fej
&Q
Q CD ,
-s* w
rar-T-i
Mauoel HjJngues du Almeida e J.iao Mar
qaes da Silva Mhh le-, declaiam ao publico e con
especialidade au corpo do commercio, que tern jus-
to e contratado 0 sea estabelecimento sito na po-
voacao de Bcburibe, com Alexandre Ferreira da
Crnz : quern se julgar com direilo oa credor dos
me prizo de tros dias, e l>gj qae assim nao 0 f>>Qam,
nao fieara ocinpradur respoosavel. Recife, 21
de outubro de 1871.
______________Alexandre Ferreira da Crnz.
Casa
Aluga-xe a loja da casa n. 61 da rua do Apollo :
a chave -'.,1 na rua da Cadeia d. 3, para ver.
M ria. de d^d^ ile 50 annos, ponco mais ou
rnenos, achi-se ausentt de casa de sua senhora,
ha tres mezes, lev.u veslido cflr de cafe com es-
trellas brancas; fui comprada na qoatro mezes
ao Sr. Lino.de Afoga -os : trabalha de enxada e ja
servio em eagenh >, tern um grande lobinho em
baixo de um li- br.tcos, ^ torUM para dentro,
ollios empapticai ;, can Jarga e lustrosa, maos
cartas e gro-sis : niga-M ai)s 8rs. capitaos de
camp 1 ou ontra |aalqaer pessoa, ile apprehende-
rem dita eserava e leviretnna a sua st-nhora, a
raa Imperial n. 1M, casa do Amaral, que terao
bem recompensado*.
na rua d:tM l.aiam't'iras unricccii:
a Xane Uaiiios o seguiate
MOTE
IMRIICaO PARTICULAR
Rna da Roilan. -IS. sohrado
Primeiras lettras, portuguez, francez, iogloz,
desenbu linear e musica.
Sob a direcc,ao do professor Hcrmino Ro-
drigues de Siqueira, fancionam ditas aulas
todos os dias uteis.
Recebe alumns internos, meio pensionis-
tas e extemos; fornece t -do 0 material para
?scripta e livros aos principiantes, por pre-
,'ns rnuito rnzoaveis.
Com Francisco de Paula Uchoa Cavalcante,
cobra dor, precisa se fallar com urgencia : na rua
Primeiro de Marco n 16, I" andar.
Aiuga se o I" andar uo sibrado da rua do
Padre Fluriano n. 69 : a tratar na praca da In-
dependencia ns. 18 e 20.
Boos pianos.
ijjegados de nova
Vtrnlr-ic.
Trot'M-ic.
I'} uliiKa-MC
No armaz. iii do vapor fratn-ei, a rua do Barao
da Victoi ia, outr'ora Nova n. 7.
MOBILIAS
k vimc. e de f.tia.
Vende-se mnito cm conta ; cadeiras avulsas, de
balanco, de brar^os e de dobrar : no armazem do
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, outr'o-
ra Nova n 7.
Perfumaria8.
Finos exlractos, banhas, oleos, cpiata e pos den
iritice, agua de flor de laranja, agna de toilete
divina, florida, lavande, p6s de arroz, sabonetes,
crosmelicos, maitos artigo delicados em perfnma
ria para presentes em frasccs de extractos, caixi-
nhas sortidas e garrafas de differentes tamanbos
d'agna de Cologne, tudo de primeira qualidade
dos bem conhecidos fabricantes Piver e Coudray,
No armazem do Vapor Francez, a rna do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
ftrtigaa de dlfferentea goatna *
phantaciaa. .,
Espelbos, lecjue.s, lavas, joiaa d'onro, tesoorinhaa,
caniyetes, caixinhas de costara, albuns, qaadros,
e caixinbas para retratoe, bolsinhas de vellado,
dita de couro, e cestinhas parabracosde meninas,
chicotes, bengalas, eculo, pencinez, ponteiras para
charutot e cigarros, eteovas, pentes. carteirinba de
madreperola, tapete para lanternae, malas, bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
pos, lanternas magicas,cosmoramas, jogos da gloria,
de damas, de bagatella, qnadros com paisagens
globos de papel para illuminacoes, macbinas de
azer cafe, espanadores de palhas, realejos de veio,
accordaos, carrinnos, e bercos para criancas, e
outras muitas quinqnilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade qae se pode desejar de to-
dos os brinquedos fabricados em differntes parte.-
da Europa, para entretimentos das criancas, tudo
3 precos mais resumidos qne e possivel: no ar
mazem do Vapor Francez, rna do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova n. 7.
Calcado francez
Protesto.
A 9$
Y' yo d>-ixa 0 namoro,
Qu'e a tua perdi^ao.
GLOSA
Ji j'isa >U de*afiro
Tiu cootioio p.s4riar;
Sf n 11 ipieres spaobar,
Yoy-i di ixa 11 11am ro.
r's um '.H-rfeit.. bisoaro,
Q 11) vive ziimbindo em vao ;
Mi' eu digit com razao
Q ii earn te hi de ciular
Kse lea namoncar,
Qu'6 a ma perdicao.
M Aluga'Se a casa tjirei 11 la da rua d.j Co-
tovello, na Boa Vista, e talvez a mais baixa da
quella rna, poreoi ao entr*r nao se desce, sobc se,
aeha-se bum lrtada, e alegre e arejada, tern duas
janellas e uma porla de freute. e no interior duas
salas, dua- alcovas e cozmha, chaguao com cacim-
ba propria, e atravee do quintal d.ius tuartos um
dos quae- e occ i,>ado pelo aparel'>o Drainage,
quintal morado, no centro um pe |ueao parrei-
ral, saputiseiros, romanseira, gnabeira, tud 1 dau
do froctus : pan ver, acba se a chave na casa
junto, e para trattr sobro o alu^ur-l, queiram ea
tender--e com 0 do:in, na rna larga do Itosano n
>6, lnja. _______
l>recisa-se
alugar uma eaerava nara venler na rna : lrala-se
na rua de Borus 11 6!.
A'nga sea I'm do Matumb >, em Benenbe,
lia e.-i! 1 ia iiol'-iti da Madeira, pertencente aoa-
herdeiro'* do capilio Martins. \ casa achi-se
caiada e pmtida d* n vo : qnem a pretender, en
tenla-se coin o M^ lo. em lleberibe.
Jose Antonio Dorningues de
Fit^ueiredo
para 0 lira de avitar incommodos ans sens fregae
zes de virem tio long" rnmprar cigarros, resolvea
abrir um depoiti no bairro de S>nto Antonio, a
rua pstreita do Rnaarfa n. 16, esquina da rua das
Larnngeiras, alii eacontrario os eoosamidores de
todos os cigarros manufacturados era sua fabrica,
tanto em grosso :omo a retalho, pelos mesaios
precos da fabrica.
0 abaixo as-igna lo, vendo annnneiado a leilao
para quinta feira 2tdo eorrente mez, a armagao e
!;enero8 da lave rna sitanopat-o da Paz n. II,
reguezia dos Afoga lo?, vem declarar ao publico
que so pol-ir em jraca os generos oa mesma, e
nio a armacao, poi* e pertencente ao proprietario.
AfogadO!>, 20 de 1 ntubro de 1874.
^__________Franeisco Ignacio de Jesus Mendonca.
A casa n. 18 d-> beeco do Pucinho acba se hv
potheeada desde 1873.
Precisa-se
alugar uma escrava para vender doces e bolo*
especiaes : na rua de Jjaa do Rego n. 20, fabrica
do cerveja. ____________
Ecriptono
Alaga-ae 0 I* aociai do sobrado n. 19, a raa 1*
de Marco, proprio para es'riptorio.
Caixi-.ro.
Precisa-e de am eaixeiro de idade de 12 a 14
annos : a tratar na rua de Santa Rita p. 60.
ror 800|:
amf a-ea 0 3 andar da casa sita a rua do Livra-
roentn a 6 : a tratar na mesma rna, loja n. 13.
Aluga-sS u 1 andar do tobrado n. it, sito a
rna de Marcilio Dias, outr'ora rna DireRa : qa,"5i
qnizer, dinja se ao t* andar do meiroo wbrado.
AtleiiQao
Fugio no dia 7 da setembro o es xo asiiguado, com os Mguaes seguinles: Egilio,
cabra, idade de 20 ?nnos, cabellns carapi' bos,
olhos abuticados, altura regular, ros'o um tant
ciiupado, Ijeifii8 grossos, bucca regular e um
tanto bicudo, cabeca pe pieoa, orelbas regulares,
biacos, a mesma Cuusa, pt-ruas regulares, tendo
a esquerda e o pe inchado, por Ihe dar erysipela,
nariz regular, e b.m trabalhador de olaria. e
tambem e boleeiro, e natural desta >^idade do Re-
c fe, e foi comprado ao ex-eapitio do pnrto d^sta
pruvincia, Jose ioaqim da Silva Jacques : roga 0
abaixo as-ignado as autoridades polit-iaes e ca-
pilaes de caiupo e de navjus, a sua captura e le-
vareni-110 a rv voaQao d'>s Afogados, que serao ge-
nerosamente recompensados.
Jo>e Buarque LCiiboa.
Aos fuinanles
lose Antonio D .mingu.-s de Figueirede, proprie-
tario da fabrica de cigarros di becco Laig-^ (He
rife), previoe aos apreciad res d sens Cigarros,
que a'no 11m depnsiKi a rua e>tr-ita do Ro'ario
11 IP (Soil) Antonio), e.-.|iiina da rua das Laran
ge ris: alu eoeantrarao us senbores fotaantes um
grande e em escolbido soriiui-nto de ponteiras
p.ira cbarutis e cigams. c chimbos d.> mnjlissi
ma* qu hd de, bolcas, etc., etc., cbarntos de Ha-
v. oa e da Batata, de to las as quahdades, e lambem
di-. manufaclnrados na rovmeia. e cigarros de
muitas qnalidades, tanto dos mannfactnradns em
ua fabrica, c-.tno in Rio d Jaueiro, t Manilba,
tanto em gro.-so eomo a r ceridade, proroptidan e agrado.
i\(ivo ISunilo.
Com 0 n. 4", cheuado pelo Merrimock, comp'e-
ta o 4 anno. 0 prcc-. da as.-i^natura do 5 anno
era de l..-*. Ate entao e.-ta foiba lia/.ia 16 pagi-
uas; agora trara 2't e capa ; tomnlcse inuito
mais recon mendavel, porque nemeddara supple-
tii- ntus gratis 0 repetidos ; como tan>b?in publi-
car-se-ha leitnraa 1 ara faimbas, e gravuras esiie-
ciaed i-ara feulioras ; evitaudo as.-ignar-se um
outro jornal para mods*.
____________LIVRaBIA FRACEZA___________
Casa em Olinda.
Alugs-se ou vende-se pur barato preeo, uma
casa de pedra e cal com 2 qoartos e 2 Silas, 0 r
red ir e c, ..-mlia terren > proprio e cota espaco
para ^e fazer outra grande casa, grande quintal
e tnuit'i perto dos baub is salgadis, da eslacau,
agradavel vista para 0 ma e inuito fresca. Quern
a pretender dirija->e ao convento do Carmo do
Recife, 1" ordem, cella n. 16, a tratar com o dono
da mesma, oa detxar nota para ser procurado.
Nestoo Jose da Fonceca.encontrando seu no-
me na lista dos devedores da in.issa de Thomaz
Kernandes da Cunha (Si C, qae f devedur da quantia de seiscentos e lantos mil reis,
vem por meio de~te declarar que so se julg- de
vedor aquella massa, da quantia de 397*995, por
tanto protesta contra tudo mais.
Recife, 19 de onto tiro-de 1874.
Boa moradia.
Vende-se um excellente sobrado, com uma
casa pequena contgua, sitas no Pofjo da Fa-
uella, rua Real n. 3 para uma familia grande, tendo diversas sn-
ls grandes e muitos quartos, todos com
janellas; quartos para criados, cocheira,
estribaria, grande copir, casa de baubu
e jardim de cada lado. A casa estd em
perfeito estado, e e situafao e a mais fresca
a saadavel posivr| :a tratar com a proprte-
taria D. Maria Purcell Raulinson, na mesma
casa.
Aluga-se 0 primeiro andar da casa da rua
do Torres n. 8, propria para escriplorio, oa pnuca
'an ilia: a tratar no segundo andar da raa do Mar-
qnei de Olinda. _______________________
Aloga-r-e 0 armazem de recolher, do sobra-
do da rua dos Burgos n. II, por detr-i da rua do
v igario : a tratar com Jose Feliciano Nazareth,
rua da Praia n. 20.
Precisa se alngar uma escrava qne seia boa
uuitaodeira, para vender fructas oe um sitio, pa-
gando se men.almente 30* : qiem ltto |hl, con
v.er dirijase a rua Duque deC.ua*, loja de
t'astes, das 9 horas do dia ale as i da tarde
Botinas para homem
Acabam de chegar grandes jaciuras de botina;
de bezerro, de cordavao, de pelica. de duraqut
com biqaeira, de bezerro com botSes, e com ilho-
zes a 9t$000 (a escolher) por ter vindo grande
quantidade por cunta e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rua do Barao d
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pietas, brancas e de cores, diflerentei
lisas, enteitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de tranca
Para ineninas.
BOTINAS prelas, brancas e de cdres differentes.
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranga portuguezes.
Para tueniuos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordaao,
1B0T1NAD0S e sapatoes, de bezerro, de deversas
qualidades.
SAPATOS de trauca.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao
meias perneiias para
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Bara<
Ja Victoria n. 7.
e a Guilherme, pen>r
liomens, e meia3 perneira
I
Boas cais do
Poco da Pautlla ;
Tasso.
gam-se
caiupo. na Cruz das Almes e
a tratar com o commeudador
1 ji zeiru
Precisa se de 11m eaixeiro que tenha algum
capital para entrar i!e socio em uma taverna : na
rua Direita n. 139, m1 dua quern precisa.
" KORTliffltO
M E D ICIN A
I'reparado poi
Lantnati & Keu:
thiai-ica

para
toda a qualidad.
de doeiiyas, qui
seja na garganta.
peito ou bofes.
Expressamentt
escolliidodosme
Ihoresligadosdos
quaes se extrabf
o oleo no banct
da Terra Nov?
purificadochimi-
calniente, e sua^
valtiiiveispropri-
edades conserva-
das com todo c
cuidado,emtod<
0 frasco se garan
teperfeitamen
te puro.
Este oleo ten
sido subrnettidc
a um exame nui
to severo pelc
chimico de mait
talento, do go-
verno hespaiiho)
em Cuba e fo
pronunciadb por
- Alnga se nma escrava para tado 0 servico :
na rua da Gloria b. 146.
Vinho superior
Na raa da Itnperatria n. 67 acaba-se de receber
excellente vinbo do Prto, embarris de 50, 75 e 150
garrafa*. a ende-*e mpi|u barato, garantiodo-se a
qdSjidade.
elle a conter
MAIOR PORCAO D'lODINA
lo que outro qualquer oleo, que elle tea
rxaminado
IODINO E UM PODER SALVADOR.
Em todo 0 oleo de figado de bacalhao, e na
quelle no qual conte"m a maior porr-io dest*
mvaluavel propriedade, e 0 unico meio pan
:urar todas as d. engas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Phtysica, bronchistes, astbma, catharrho
tosse, resfriamentos, etc.
Uns poucos frascos dd carnes ao muit<
roagro que seja, clarea a vista, e da" vigor
a todo o corpo. Nenhum outro artigo co
ahecido na medicina ou sciencia, di tanu
autimento aosystema e incommodandoquaa
uada 0 estomago.
As pessoas cuja orgamsagSo tem sido dca
truida pelas afleccdes das
ESCR0FULA8 OU RHEUMATISMO
e todas aquella?, cuja digestflo se acba com
pletamente desarrapjada, devem tomar
OOLEO DE FIGADO DE BACALHAe
DB
LANKAN dUHP
0 ibaixo assipnado, lilho b>gitimn da finada D.
Maria Gon es Coutitibo do Amaral, sabendo qui-
os In n deixado por Mia niai. djfaflnais e 0 unio
e lefiiimo beideiro, esia^ugi lb M-nm ven-
lldiu pelo nullo IjgifgB Praii el l.uiz da
Silva r.um.arajlfjdl HPf Wi'f-ti' m tVca ne
j.-1'i-iu coin o a| BlWa \aizia 1 cm c, m 1 mr.i
ii; I. liiiT beaMPrt. mo tio auhtiM.li a uin
guem para ven'le I. ;.
lecife, 14 de dUltil 10 de .c-74.
Th'Kliat de A uiiihi >' lililiUo -'o 'n.;.ral
'- AlOgt-se o primeTro andar da rua e-lrei:a
do Rosario n. 25: a fallar no patno do Tergi n. 31
Aluga-se
os armazr-ns ns. 65 e 69. oa praca do cbafariz em
Pora de Portas, um onde teve tenda de ferreiro
0 fallecid E. Mahult. 0 outro que esteve r ecu
pado com venda de molbados, para 0 qae e np
timo pela localidade e ser de esquina. arobos livres
e desembaracados de impostos: a tratar com 0 com
mendador Tasso.
Divine Service in English
Every Simday evening
at. 6.45
Raa do Imperador n. 43 1 et. floor
Escriptas
Uma-pesso com habilitacoes, d is pi r, do ainda
de algom tempo, se p'ropde a fazer algumas es
criptas, ou sejam por partidas dobradas ou sim-
ples, oa sejam por effectividade oa mesmo tempo
rariamente. A mnita pratica adqninda nesse
exercieio, garante a perfeicao de sea trabalho, e a
sua assidafdade, sem davida, satisfara a qnem Ihe
confiar sens servigos: qnem precisar uiilisar-se
de sen prestimo, pode deixar nota oa loja do Passo,
indicando o nome e Ingar para ser procurado.
Fugio a 15 do corrente o 11 ulatmho Casemi-
ro, de idade 14 anno-*, mais ou menos, cor alva
centa, cabellos carapinhos, pes e maos grnssas,
olhos e orelbas grandes, rosto l>rgo. e e ranhdto ;
suppoe-se ter ido peU estrada do Caxaoga, em
algum comboy do centro : gratifca se bem na
Passagem, entrada para a fabrica de flacao.
Jezoino Ferreira da Silva mudou a sua re
sideocia 1 ara 0 largo do Paraizo, sobrado n. 26,
e por issoa nga 0 predio de stbrado cm sitio ar-
borisad3 e ajardinado, no qual morou, no lu.'ar
denominado Caldeireiro, freguezia do Poc" da Pa-
nella ; cujo sitio flea tres minutes dist nte da es
tacao da via-ferrea do Recife ao Caxaoga.
Aluga-se a casa terrea s do Pdco da Panella, com ntio arbonsado e ajardi-
nado, e ;om cacimba de agua de beber, propria
para passar-se a festa : quern a pretender, enten-
da se com 0 despacbante da alfandega Jezuino
Ferreira da Silva.______________________________
Na rua da Alegria n. 40, precisa se de nm
criado que apresente atleslado de sua conducta_
Precisase de um menino para eaixeiro : no
caes 22 de Novembro n. 38.
Aluga-se por ferta, uma grande casa e sitio
na estrada da Torre, a margem to rio, perto da
lioha dos bonds ca raa do Marquez de Olinda
n. 66._________________________________________
Precisa-so de nma pess"a qne entenda de
acougue para encarregar se de am, danlo i-u
fiadores a sua conducta, para ter inetade nos lu-
cros: pode dingir-se em carta fechada a esta
typopraphia, om as inieiaes^A B C.
Escrava liigida.
Josepha ?usentou se da casa de sna senhora
no dia 5 de outubro e tem ns signaes segnintes :
cnoula, cOr preta, represenia ter 25 annos 1 ouco
mais ou menos, tem os d> dos da mao direita
cm tado*, levou 0 taboleiro em qne andava ven-
dendo cangica e enntmtia a andar com o dito ta-
boleiro com, toda louca para nao ser agarrada,
levou saia de chita Co n um babado estreito em-
baixo, traja cami?a Com labiryntho no talho e le
vou, chales prelo : rogase as autoridades poli-
ciats oa capitacs de campo, a pi'l'i !.i u.-a J da
dita e-crava e leva-la ao Caminho Novo, sitio n.
lit), a sua senbora, eu na rua da Cacimba, pri-
meiro andar. a entregar ao-Sr. J a> Francisco
Leite, que sera generosamente recompensado.

*t
Macei6.
Bacharel Loumnju de Albu-
IJIlerqilH
\*l\ isglIo
1 Rua do Bo.-ario n. I.

0 (&^:^:^@*^^
4
\ MEDICO-CIHUHGICO *
i DO
1 Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso
PAR I El 0 K OPEHADOR
(Rua do ViMconde de Albuquer-
k que ii. Hii.
ESPKCI ALIDADE
MolcsliuM de Menlioraa e
\ meninos.
Consultas das 7 as 10 horas da ma-
( oha, todos os dias.
, Das 6 as 8 da noite, nas . : tas e sextas-feiras.
Os doeateeqau mandarem os sens cha-
\ mados por escripto at 10 hem da ma-
nlia serao vlsilados em suas casas.
- -?
*#0J$bi&**
IB
J Consullorio medico
y do
d r. Murlllo.
0 RUA DO VIGARIO N. I, ANDAR.
2Recem-chegado da Europa, onde fre-
quentou os hospitaes de Paris e Londres,
* podera ser procurado a qaalquer hora do
^ dia oa da noite para objecto de sua pro-
Q fissao.
P\ Consultas da3 6 as 8 horas da manha e
p. do meio dia as duas horas da tarde.
% GRATIS AOS P0BBE3.
0 Especialidades : Moiestias de senboras,
W da petie e ae crianca.
ADVOGADO I
mum jdAQim mm da J
SILVA HELLO. I
S3 Rua egtrel la do iios-n lo S3 %
primeiro andar. Si
PARIS
PARIS
PARIS
OiRVAO db BELLOC
APPROVAOO FEL* ACAOCMU IMPERIAL DC MCORfRA
em 27 dezembro ile 18'.t
PARIS
/?c/&
I
PARIS
I
E* sobretudo as suas propriedades eminentemente absorventn,
que o Carvao de Bdloc deve a sua grande efflcacia. Recom-
menda-se-o especialementc contra as affecc^es seguintcs ;
GASTRALGIAS
, DYSPEPSIA
PYROSIS
AZIA
DIGEST6ES OIFFICEIS
CORES DE ESTOMAGO
CONSTIPACXO
CO LIC AS
DIARRHEA
DYSSENTERIA
CHOLERINA
MODO OE EHPRE60. -Ocirrt.r>i.ihr (fbariii^itiM;
toma-se antes ou depots de cada comida, sob forma dc Pi ou de
Pasiilhas. Geralmente o bem estar sente-se logo depois das pri-
meiras doses. Uma informacao cntensa acompanlia cada vidro
'ie po > cada caixa de pastilhas.
Deposito em Paris, L,. FRERE, 19, rue ffaca*.
i oepusito mo I'liniuucia ii I*. Miiunr o:l'..- tua
Barao da Victoria n. 25.
PARIS
DESCONFIAR DOS LADEOES !
Os Ladrdes mais perfides que existem MM os fahiftatdnres que
usiupam a asxigngtura e rotulo d'honrados lyHMMlH.
Fornecendo a maior parte das vezes um prodnrto idMMMKf e
nocivo d sande seb um envoltorin scmelhante ao do mwMMr, laina
sobre este arthjo um deseredito nao merecido.
OsPds purgativos de *-*. ""mimfii imniiiufi jjjj
Arcdemia de mexlkina de Paris, e um 4m products frtncai
freqiuntemente falsificado, por causa de nm toimdermel iruda.
Para evitar aos compi adores toda
a confusao possivel, uma modilicarao
acaba de ser feita nos envoltorios dos
frascos.
Cousidere-se, de hoje em dianle, como
unkamenle veroadhiros os frascos Icndo
em cada exiremidale um carimbo im-
presso em4 Q'JATRO C03ES, e do quit
damos aqui u facsimile em prelo.
^
14

COALTAR
DE LE
0L1NAD0
i
DESINFECTANTE, ANTI-KIASHATICO, CICATRTZA'TDO AS CnAC'.S.
Adoptado pelos bospitaes de Pariz e pelos da ftlartatia in I tar francex*.
Esse excelipnto toaloo po^^u( uma ctlicai-ii tentatlcinuMnM raaravi ., -i i- "V**
noscu e escrofulntut, not nmcrtn ulcmuiot, no awkrmx, mmoiarr
crui'. ftridas peitu amvis de fogo^ twpfrmidnote do fdero, etc.. i
Emprrpa-M'. mnelido com nato ou nir-no< a^un, rm ebaoacni. I :. os.
Como demifricro onlinario (nma culiittraila da* .!< cha n'niii <\\\.v taaMMI
cialuicnie fmcai para purilicar o baro, s-tiar as gengivas ducntcs e tomar firmes os
dei.te* eirarnudos.
0 seu uso e muito hygienico, sobretudo en tempos d'epidemia.
Uma notieia circuiiMtanriaria cae ouw cada (i.i-c- tiiiga- '
Fabrica em Bavonna [Frnnen), cm casa tio Sr. LE BEUF. Plurmacniliro dc I* l;i--o.
Dcpnsilos: Pans, 25, Ml Ki>;uimur; Pernantioc; A. REGOrD aade EmulfOo de Alcatrao vei.etalde Le Buuf pan f.izer I ataa 'lo *VlcMlfa, a tmiCM fnf irai I
wnlraia e liiularl.-i contend Jem si o alc.ilrao sem serallerailn ratal nmdili. ,!.
I
ASPECTO DA CAIXINHA ABERTA
AMfWllluco; PARIZ, It, aooinvAaT Montkaitbi.
PASTILHAS DIGESTIVAS fabricates em Vi-
chy com oi S*e eilraiilos das Foolet. San de
corto agradatel e a soa accJo e certa contra a
Azia e as digestoes difficeis.
8AE8 DB VICHY PARA BAHHOS. Um rolo
por um banho, para aa pessoas que oio poilem
ir a Vichy.
Para eeilar eu imitactet
tiigir em todas ae productos a matta do
COMIaSTE 0 1ST.BO FRBNGtl
Os productos da acima achlo-se :
Em Pernnmb-co, HARISMENDY i LABILLE.
t, rna do Csmsxircio. t
Os Globulos de Josephat, como se pode ver no desenlio que aqui vai, sao
completamcntc esphericos e pouco mais ou menos da grossura dc uiua enilha.
lornando-se d'esta maneira facets a engolir-se; sua capa gclalinosa s'iido muito
fina, pode-se absorver uma quantidade relativamentc considetavi'l tie copahiba
u'um fraco volume.
Cada caixinha contem 70 globulos represenlando '2$ grammas de copahiba,
isto e sett grammas de copahiba de mais que as caixinhas ordinarias de commer-
cio, cujas capsulas grandes e ovaessao engolidascom difTiculdade.
Em todas as circumstancias os Globulos de Josephat tem grande vantagein
s*
AVISO IMPORTANTE
A copahiba do commercio t frequentemenle falsificada e n'este caso perde
todas as suas propriedades. 0 prospecto que acompanha cada caixinha indica
um meio facil de reconhecer as falsificacdes. Por ette meio cada qual podera in-
teirar-se da puresa absoluta da copahiba queintroduio nos tneus ylobulos.
Deposit*) jertl: ni wx L. FRERE, 19, ru Jacob, en Paris
Unico deposit" na phumacia d P. Usurer AC- rua do Barir> da
Victoria n. 25.


Diario de P^roamouoo Quanta tcin. 22 46 Qatntorc de 1874
Cura listanlaca
CBiTdJosa descoberta 111
Sovidade importatitissirna I!!
6MME3*idiano BOKH50 q.ue se vende no 1" andar do sobrado
-Ca na da Cruz, tern a propriedade de subs
Brir ma, grande vantagera e extraor-'iuaria eco-
am.es depurativos tao apregoados e conhcci
to per salqa e carofta, etc. 0 medicamcnto que
"onios, n5> cura todas a? molestias como
i as panaeeias que se annuoeiaro, acompa-
Sealtestados; todavia, restabelece immc-
as f rcas, e purifica o sangue, sera a
4kmm*U3$?in do ser nocivo a satide.________
(Im boyo rival!
i ama eidade tao populosa corao a nossa, e
fttviA iu>ulflcien;e a existen ia de ura unico
8Bieirira'-nlu uo genero daquel e que se deno-
trim Gonftitaria do Campos.
K JJe o raotivo porque acaba de ; brirse a
MMamucia pubiiea no burro do Hecife a rua
AtCtemcTcio n. 22, uma casa commoda e de-
matt, seb o tilulo de Assembled do Commercio
ade o rcspeitavel publico encontnra sempre
Supsamento.
Uma soiree.
Bra baptisade e
L'm lanche.
Enufibem :
i variedade de bebidas finas.
ti> si-rtimenlo de doces para cmbarques.
*3 sortidos e (ructas de delicado tabor.
a*t*j)j caprichosamente preparadas.
fjaaaares e lanche a qualquer ham.
Tsste cum esmerado aceio, presteza e prejos eqni-
22 Ru. do Commercio 22
Meira & Lima
Assemble! do Commercio.
ESCIUVO FUGIDO.
P'egw fin enttenho Aialaya, na freguezia de Se-
5*'m, no anno de 1865, o eseravo Francisco,
eom Hi a IH annos de idade, pouco mais
ios, Mtura e corpo regulares, olhos|rasos e
r&r bem clara, cabellos boos, denies per^
H**, nariz nfllado e curio, feicao bonita, sem
Mrtt, mnito moderado, pes seccos e bem feitos.
ft'.*i4 eseravo foi do Sr. commendador Antonio
teSaos Poniual, senhor do engeoho Cabeca de
8ew<*; enmprado ao corretor Oliveira, moiador
*&\-ftte. ___________
-- ?udo d engeBbo Ajudsnte^na fregnezia da
te, u'idm de 1872, o escrayo Guilherme,
*o r* sigcries seguintes: pardo, eom 23 anno."
fe fcih-, pouco mail ou menos, altura e corpo
. eabel! I- racheados, clhos grandes, rosto
rr.i,. id -, con alguns signaes de barba, nari/.
s?"r--i'> e did tanto arquerda, denies porfeilns ;
amas sardas pelo resto, e faz movjmento no
ww 4ind<) amia, a na ccoasiao de cumpumen-
lar a j!.mw pessoa, le a o chapeo por cima da
ra a retaguarda, & mnito alegre e diver-
Qa-e qae estfja tia cidade kjaa, in <:d Nazareth. Por tanto, rcga-se as
aMNriiades policiaes e ao* eapitiei de campo a
apfrehensan dos ditjs escravos e serein entreguts
ma tenl.or, Emilia Peraira de Araujo, i.o rtfe-
ilp quern tcrao a p;,ga ili 300^00(1
' N U. 0 eseravo Guilherme tern
BBM .-..! iz sibre uma sobrancelha.
Astouio k AzcvA \lllanueo.
Pelo prceni9 sao cowidados os afilhados e afi-
Ihidas de Antonio de Azevedo VilUrouco, falle-
cido em Portugal no mez de cnlubro de 1873, a
apreewrtarem dentro do prato de60 4a', aeon
tar de.-ta data, a certidSo da sen nasctoento, em
casa do abaixo assignado, tesiamenteiro institnido
pelo dito fallccido, aflra de que sejam devidamente
atlendidos na partilha a que tem de procederse
com a precisa igualdade, de accordo com a dtepo-
sii;ao testamentaria. Recife, 10 de setembro de
1874.Man el Azevedo de Andrade.
Exmas. noivas.
Cbamaa os a vossa atu ncao para o novo esta-
belecimento que acaba de abrir-se a rua do Com-
mercio n. 22, denominado ASSEMBLfiA DO
COMMERCIO onde se preparam nca* bandejas
com grande variedade de bolinhos capricbosa
mente enfeitados, tambem se apromptam bou-
quets.
Assemblea do Commercio
Meira & Lima
22Rua do Commercio 22
frecisa-se
alugar uma escrava para vender na rua : a tratar
na rua do Cabuga n. 3, 2* andar.
HOTEL
Restaurant de Bordeaux
Aberto toda a noitc, dos dias de especta
colo da companhia itsliana.
E?^
scravo iu
gido
Escravos fugidos
Continuant a estar fugidos desde o anno de
1870, os escravos seguintes : Francisco, crioulo,
com 28 annos de idade, pouco mais oa meoos,
altura e corpo regulares, oftios grandes e braacosj
denies perfeilos, cabellos carapinbados, utna ci-
catriz por cima do olho esquerdo, barba a Cava-
nhac, muito conversador e risonho. Antonio, ca-
bra, com 23 annos de idade, pouco mais ou me-
nos, alto, secco, olhos grandes e vermelfcos, ca-
bellos um tanto soltos, pouca barba, drntes per-
feitos, pes compridos e seccos ; ambos foram eom-
prados ao barao de Nazareth. Desconfia-se que
os ditos escravos estio oecultos na comarca de
Pajeii de F. res, ou no Rio- de S. Francisco. Ro-
g -se, portanto, as autaridades policiaese aos ca-
pitals de campo a captura dos mesmo* escravos,
e serem entreguesa seu sea senhcr, Emilio Perei-
ra de Araujo, no engenho AJudante, na fregue-
zia da Escada, de quem terao a paga de 300*000
por cada um.
x i. .'.
Gapellas morlnarias.
b
SeTeriano ausentou se da rasa de sen senbor no
& K) de setembro, e 'em os signaes seguintes :
an fula, represema ter 33 annos de idade,
- is no rwtp, p& modes e calcanharts (o-
t os d"dis eacolhidos, tambem lem nma ci
efistellas provenieale de uma iraetmado-
" rsrnal em uma dos pemas : roga se as
i-s (io i -i:-- e aos Srs capitaes de campo
ipiir-hendareia eremeteloirua do Bom
i, 1 ard;,r, quo serjo generosamente
nsados
atiiarina fagio.
? ,; Ifl agntto proximo passado. aosen-
xava, a qaal tem os signaes seguin-
baixa, rostb redondo, cor preta, pe?
, rustamara vender leite, auda sempre
ti que l!ie serve de ammo pur sof-
laJisrao, |a i'1 i i > a e de nacio Cam-
a encontrar, pegue-a e leve-a ao sitio
estrada deJoaode Rarros. que sera

At'cngdo
a uma pessoa de procedimento idoneo
rlo <',<. frente da grande casa da rua
u :U : qpera rjoizer, tera alem de ou
iidaden, nsuita aftna para tndo.
dxo assign ados fazem publico a quem
psa, o em especial so commercio que
ram alferar a ratio social one gpria os
t c- des a fttma, trao fica de^.le <--ta data
-. a-pela de BeUraa <& Quintal, e aprovei-
< i-i.i i para declararein que a nova fir
na a occuparse dos mesmes nogocios
; t ni dedicado, sr-m qua a aitrracao ha-
-1 neabnm inodo a resi>onabil!dade e
oa.' o| i rar;5es eommerciaes.
i' n -1' ;-u ISdetmfubro do 7'i
__________________Alvr; Quintal A C._____
ilug-se o 2' andar e soldo do sobradr
5*3 run Ilangel :i. 73, toilo renoustruido e
>. iimo bastantes pommodos, escada
n icnto do 1." andar, e hem assim o
'' : s'-ndo n.uito frosf.0 e com exed-
jstii para a uova prac,a Jo nicrcado :
'have?, cstao id estabalecimen-
i' lhados do mesmo predio, e pura
r a ib"SOuraria das lotcrias com Auto
i"-i: iioirigups :.
figor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacSo do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
Vigor do Cabello i nma preparacSo ao
oasao tempo agradavel, saudavel e efficaz para
-< cnbello. For moio do sen uso o
T.ro, grisalho, e enfraquecido, dentro de
fixate t'jmpo revolve a cor que lhe 6 natural e
"iva, e adquire o brrlho e a frescura do
c?>*Oo Ja juventude; o cabello ralo se torna
i e a calvicie muitas vezes, posto que nao
I os casos e neutralizada.
ha nada que pode reformar o cabello
i,-.y-;'- dos folliculos estarem destruidos, e as
j .'- s ciin adtal e klas, mais se ainda restarem
t job podem ser sah-adas e utilizadas pela
ic2o do Vigor. Libre de essas substancias
^ieterias que tornam muitas preparacoee de este
mkw tain nocivas e destructivas ao cabello, o
tl^ot sd mente lhe e beneficial. Em vez de
*-Jvr o cabello e o fazer pegajoso, o censerva
forte, embeUizaado o, impedindo a queda
i. -i toruar-8o ruco, e por consequinte previne a
atrifiij.
Para ubo da toilette n5o ha nada mais a dese-
|P; i?o contendo oleo nem tintura, nao pode
Moehar mesmo o mais alvo lenco de cambraia;
lrfTra ro cabello, H,e U m laste) lnxurioso,
ra perlurae mnito *gTadvel.
.oformar a cox da barba, e neceeeario
..ompo de que con o cabello, poiem se pode
WB-sar o effeito envolvende a barba de ioite
wo out Ijiico molhado no Vigor.
PBEl'iTADO POE
r- J. c. AEB ft CA., LoweU, Mass.,
Katthios T7nido,
IMrUeoi Pra-ltcew e Analytic,,
VBJND:aj SE por
Porto & Bastos, a prara d-i Independencia n.
39. acabam de receber pelo ul imo vapor, lindis-
simas eapellas mrrtuarias com diversas inscrip-
toes prop'ias para tumulos 9 catacumnas, as
quaes vendem por prejos rauito modico.
AII cue jlo
Para Na ma estreita do Ro ario n. 35.
primeiro andar, lem a vender-se
lindas eapellas para anjo.=, donzel-
!as e defuotos, de rosas, saudades.
craves, perpetnas roxas, braneas e
I retas, com letreiros lerabranca
de minha mai, de meu pai, meu
eapo.'o, minha esposa, irmao, irma, avO, avo, flllio
e hlha ; tambem qoe:n quizcr mand.nr as per-
petuas para se armar eapellas, pode mandar tres
dias
if: vende-se tudo por muilo barato preco.
r?T "I wit'in
WJHHHIWHi i
Missa.
DjiDiupo (25) setimo anniversario do fallecimen-
lo de B.rnardino Jose Monteiro, celebrara o pa-
dre Jose Estates Vianna, uma missa por sua al-
ma, no cenvento de N. S. do Car mo, as 8 horas,
para a qual convida a todos os seus parentes e
arigos.
l'ara o ilia i de iiovuinUru
- 7vi No estabelec menu da
PBNHORES
Na-traveBsa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, d4-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesraa casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
MOFINA
Esta encouracado! 11
Ajua mole em pedra clara
Tanto da nte que a fura.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mall
sscrivao na cidade da Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Dnque de Caxias n. 36, a con-
eluir aqoelle negoeio que S. S. se coraprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
8ns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou i fevereiro e abrU de 1872, e nada cumprio;
a por este ruotivo e de novo chamado para d
dm, pois S. S. se deve lembrar que este negoci
de mais de oito annos, e qnando o Sr. sea filbo
acbava nesta cidade.

E. A. DELOUCHE
24-Rna do Manjiioz de Olinda-24
Esqulna do becco Lar^o
Participa a seus frrguezes e amigos que mudou
o sen estabelecimento de relojoe'ro para a mesma
rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e eima de me
sa, dos melhores gostos e qnatidades, relogios di.
algibeira, de todas as qualida.es, patente suisso,
de ouro e prata dourada, foleado (plaquet), relo-
!;ios de onro, inglez, descuberto, dos melhores
abricantes, cadeia ,lc ouro, plaquet e prata, luLetas
de tod?s as qualidades, tudo por prceos muito ba-
ratos.
ALUGA=SE
uma grande casa terrea com bastanles comraodos
sita na estrada do Lucas : a tratar na rua do Vi-
pario n. 31.
AMA
^ Para comprar u c>ziahar
a tratar
loja.
a rua Nova n. 12.
AMA
. Precisa?e de uma ama para
f ngommar e ensaboar : a rua da
Concordia o. 43.
Ama *
25, arn.azem.
de uma ama para cozi-
na tratefsa do Corp > Santo n.
AMA
n. 16.
Precisa-se de uma ama que saiba
cozinhar : na rua do Hospicio nume
Precisa-se de uma ama para co inhar e en
saboar : na rua de Lomas Valentinas n. 15, ta-
verns.
Ama de leite
Precisa-se de uma ama de leite : na rua da
Praia ou Pedro Alfonso n. 45, 1 andar.
Amfl Prccisa-e de uma ama forra on eap-
xxixia liva para eotjuhj,. e c,,mprar> parjl casa
de pequeoa familia : a tratar na rua das Flores
n. 37.
|- m m Precisa-se de uma ama para en-
* gommar, para casa de famllia : a
tratar; na ma do flospieio a. 46, casa terrea de
bolas smarellas.
Precisa se de uma ama forra ou
capliva, para casa de familia : na raa
de Hortas n 18.
AMA
Precisa-se de uma ama para casa de rapa'z
solteiro : nas Qnco-PonUs n. 1S6
O Monte Lima
tem nm completo sortimento de galao e franja de
ouro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoaduras douradas para offlciaes, canolilhos e
enfeites para bordado. Tambem se eccarrega de
todo e qualqaer fardamento, como seja : boneta,
lalins, pastas, espadas, dragonas, charlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e donradas, para criado
etc.; assim como nm completo sortimento ds
ranjas, galao falso para ornamento, cordio de la
com borla para qaadros e espelhos (conforme o
gosto da encommenda) tudo por mnito menos
preco que em oulra qualquer paite : na praca da
Independencia n. 17, Junto a loiado Sr. Arantes.
Eseravo fuffido
o
Fugio do engeoho Ajudante, na fregnezia da
Escada, no mez de Junlio do orreuie anno,
eseravo Martiaho, decor preta, eom -2 i annos
de idade, pouco mais on menos, altura o corpo
regulares, olhos grandes e bnnnos. com principio
de barba, denies perfeilos, cabellos carapiuhados,
pes grosos e compridos ; anda um ponro deeli
nado para frente, com a vista Armada para o
chao; e muito cantador e official de carreiro.
Desconfia-se que o dito eseravo esta occulto em
terras do engenho Para, na freguezia de fpojuca,
pelo que, incorrera nas penas da lei, quem o tiver
occulto. Roga se as autoridadts policiaes e aos
capitaes de campo a captura do dito eseravo, e
ser entregue a seu tenhor, Emilio Pereira de
Araujo, no referido engenho, de quem terao a
a paga de 50*000.
Novo Mu udo
Aluga-se ou vende-se nma grande casa terrea,
em Olinda, propria para grande familia ; tem gaz
e agua encanada, sita a rua do Aljube n. 31 : a
tratar na rua da Imperatriz n. 86, !. andar.
_ empreza
^>''\-H.*''$ funebre a rua do Imperador ns. 9
e II, tem pessoas habilitadas que
-e encarregam de preparar para
e.-ie dia tumulos, jazigos ecatacum
^^*~"~f|5 Da?> 'anto nas igrcja-i como no ce-
milerio, forneceudo todo o necessa-
rio. com assuio e promptidao.
Alnga-se 2 casas muito frescas,. na Capn.'.ga
com commodos para familia : a tratar no mesmo
iugar a rua das Crioulas n. 5.
Aluga se a casa a 34, na Capunga, rua da
Ventui ; o 2 andar da casa u. 3, rua da Penha ;
o pavimento terreo da cisa n. 41, rua do Rangel :
a trntar com o proprietano, no 2* andar desta ul
tima c^.sa.
Eseravo fu gido
Fugio no dia 6 de maio do enrrente anno, da
casa do sen senhor, o eseravo Honorato, crioulo,
de cflr fula, altura regular, cabellos carapinhos,
pouca barba, pes grossos, sendo gr. sso tambem
do corpo e ttndo os peitos empiuados para a
frenta e represen'a tor 45 annos : roga-se as
autoridades policiaes e aos capitaes de campo a
sua captura e entrega lo a seu senhor Joao Ma-
laquias Soares, na villa de Barreiros, ou na rua
larga do Rosario n. 38, no Recife, loja dos Srs.
Ferrelra Lima IrmJos & C, que sera recom-
pensado. Consta que o mesmo eseravo esta na
idade do Recife, ou nos arrabaldes, em algum
sitio na Capunga.
David fu^io
No dia 27 de setembro passado ausentou-se este
eseravo, o qual tem os signaes seguintes: crioulo,
de idade .16 a 40 annos, t-statura "baixa, cor preta
ro>to redonli. nariz nm tauto chato, sem dentes na
bocca, tem um pequeno bigode e pouca barba no
quexo, pes apalhetados e turtos, com signaes de
feridas, tem as maos calejadas, quando anda e todo
truncho, e" mi ito fallador, e das partes de Una, e
foi eseravo de um engenho do Sr. Paulo de Arao-
i rim Salgsdo : roga-se as autoridades policiaes e
capitaes*de campo a apprehensao do dito eseravo,
o leva lo a rua de Marcilio Dias n. 129, que serao
gratificados.
Aluga-se por anno ou fosta o sobrado de dous
andares nosQuatro Cantos, e.n Oiinda, com com-
modos para grando familia, agua encanalisada e
cano para despejo, muito fiesta, perto do banho e
das estates : a tratar na rua da Uuiao (llha dos
Ratos) n. 53, detraz do Gvmnasio.
Aff nso Jos6 de Oliveira, professor ju-
bilado da cadeira de geographia e his-
toria do ex-liceu de:ta cidade, tem de
novo aberto, sen collegio de instrucejio
primaria e secunlaria na rua da Impe-
ratriz n. )8, onle contlniia a receber
alumnos iuternos, externos e meio pen-
sionisias.
Periodico illusirado brasileiro do progresso. 0
melhor jornal illustrado, publicado em lingua
portugueza. A principiar do 5* anno, no mez de
outnbro prcsente, este, jornal que teia sido ate
hnje de 16 paginas, Ibafa sendo de 24, com mol-
des e figurinos para senhoras. Preco nor anno
15f000.-Silva Cardoso & Pessoa.
Livraria 'popular, rua Nova n. 59.
iluga-se
a exeellente casa da rua Riachuello n. 9, com bons
e grandes commodos para familia, e jardim na
frente a tratar eom Joaquim Lopes Macnado.
Aluga-se o segundo andar e sotao da rua
larga do Rosario n. 31, com commodos para fa-
milia, e bem assim o primeiro andar, mais pro-
prio para escriptorio, visto nao ssr repartida a sa-
la da frente : a rua Nova de Santa Rita, ribeira
do Peixe n 19.

Aluga-se um excellento sitio no Man
teiro, perto da estagao, com grandes com-
raoilos, estribaria e gaz : a tratar na rua
do Imperador, n. 83, 2. andar.
()s Srs. Joao Paulo tie Souza e Jose" Maria de
Azevedo ou seus representantes, queiram ter a
bondade de apparecer no escriptorio da compa
nhia pernambucana,
particular interese.
no Hecife, a negoeio de sen
-Uusmao & Leal, tsiabelecidos com loja de
fazendas a rua Primeiro de Harce n. 14, fazem
1 sciente ao pdblico e a seus frefcoezes, que se acham
na gerencja d i dito sen estabeieciinento, e na ad-
miuistragao de todos os seus bens, esperando como
damps a concurrencia de um e de oulro.
Constando a D. Utnbelina da Silva Queiroz,
que se tem vendido terreno pertencente a sea neto
Elizio Albuquerque Miranhao Qaeiroz, filbo do
fallecido Manoel Goncalves da Silva Queiroz e de
sua mu|her D. Candida Peixoto de Albu raerque
Maranhao, ja fallezidos, previne-se que ninguem
bca transacgao aiguona com terras dos sitios dos
Arcos, Jordao. Batalha e Praaerea, qne faiem par-
te do palrimonio deixado por aquelles finidos, por
qnanto sen oeto, unico nerdeiro dt seu pai, possue
pur morte deste a mea^lo do patriMento, e por
morle de sua mai possue a quarta pirieoVS'aaeiBO
palrimonio ; e para que ninguem se chame a ig-
nr rancia, por isso faz-se esu declaracao. Recife,
21 de owobro 4e 1874. '
Carros de luxo.
pE" inquestiooavel que a cocheira da rua do Bom
Jesus n. 15, de Joaquim Pae Pereira da Silva, 6
a que tem a? melhores berliudas, caleebes, meias
caleches e Victorias de luxo, proprias para qual-
quer noWado, vlsita de etiqueta, bailes, e actos
da academia, sendo o.' raesmos ajaczados de ex-
cellentes parelhas de animaes, arreios luxosos e
bolieiros com fard.-mentos do ultimo gosto, para
o que se convida ao publico a vir por si mesmo
scientificar-se da verdade do que deixamos dito,
certos de que nao encontrarao pomada e sim rea-
lidade, e commodos preg^s
Terrenos proprios
Com 400 e 500 palmos de
fundo
A. SOU e 1 # o palmo
Continiia a retalhar se os grandes terrenos que
circundam a estacao da Boa Viagem.
A boa posi^ao e vaotagens xanntidas pelo go
verno e pela companhia da estrada de ferro a
quem edificar proximo a esta eslafao, sao bem
conhecidas.
Em todos os domingos e dias santos podem os
pretendentes dirigir se a mesma estacao, que acha -
rao pessoa habilitada para iazer as competentes
demarcacoes.
Para nao lirarem prejudicadas, tio rogadas to-
das aquellas pessoas que encommendaram terre-
nos, a virem qnanto antes tcmar po.-se deQnitiva
de seus lotes.
Offerece-se uma mnlher para casa do ho-
mem solteiro, qua faz todos os services de cozinh
com perfeicao : na rua da Senza la Velha n. 1
No asylo de mendicidade compra se um boi
que sirva para carroca.
Grande liquidacao.
de miudeas e elupios: no novo Bazar, rua dp
Marque', da Olinda n. 53.
Vende-
se
No escritorlo de Thomaz de Aquino Fonceca &
C. Snccessores, a rua de Vigano n. 19, primeiro
andar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Lbboa.
Vinho Sherry.
Vinbo d > Porto em caixas, Anissimo.
Idem em barris de quinto e decimo, Goo.
Retroz.
Fio.
Cal de Lisboa novissima
Vende se em grandes e peqnenas porcSes :
ma Din-it i n. 14.
na
(al de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpc
Santo n. 17, i* anaar, escriptorio de Joaquim Ro-
drig-ies Tavares de Mello.
Vende-se uma carroja para cavallo, propria
para sitio, com arreios, e um cabriolet de duas
rodas, tambem com arreios : na rua do General
Seara n. 19, fabrica de carros, de Carlos Leimig.
Botinas Suzer
chegadas pelo ultimo vapor da Europa. Ha nm
completo sortimento de bezerro e cordovan : a. rua
do Marquez de Olinda n. 40,1 ja de Julio de Mello
Salgado.
Sitio.
Vende-se no Arraial, perto da estacao, a posse
denm terreno foreiro com 180 l|2 palmos de lar
gura, 588 de fundo por nm lado, e por ontro 388,
eom 142 pos de arvoredos de fructo de 28;qnali-
dades, e espaco para a cominaacio, esta todo o
terreno pla tado de iavouras que Ja dao rendi-
meuto, tem mais de 600 palmos de latada eom
uvas, abobora e maracuja assil. 0 dono encarre-
ga-se de fazer casa ao gosto do comprador, se
exigir : a tratar no Arraial, segundo sitio do lado
esquerdo, partindo da estacao da Estrella, em di-
reccao a casa amarella.
Vend*e
nma casa na villa de Bar reins, na rua do Com
mercio, por preco medico : a tratar com tassi
Irmaos & C.
Jl
E' muito barato
E' s6
noivas
com as
NO
BAZAR DAS FAIILIAS
A" RUA BO DUQUE DE CAXIAS N. 60 A.
Riquissimos veos de blond bjrdados a soda com
eapella, proprios para noiva. o mais moderno que
tem vindo ao mercado I
Riquissimas caiellas de flores de laranjeira,pelo
diminuto prego de3~.:00 uma.
Lindissimos lacinhos com fivellas, proprios para
senhoras, a 2?500uro.
Lindissimas gravatinhas de seda com blonds,
proprias para senhoras, a 35000 uma.
Riquissimos alfinetes com nma flor, proprios para
o peilo de seuhoras ou para a cabeca, pelo dirai-
nnto preco de 2 000 um.
Be is c Sliva jj feiiim a r Hem.
ALMANAK
- DE
CARIGATURAS
item
EE
RAPHAEL BORDALO PINHEIRO
Contendo numt rcsas caricatures Jintreca-
lado .no texto.
Tree) 5(10 rs.
Livraria Popular
Rua Nova n. 59.
Aos legitimos fogoes econo-
micos.
Acabam du chegar a esta cidade os ver-
dadeiros fogoeseconornicos, jd muito conhc
cidos nas provincias do Rio de Janeiro,
Minas, S. Paulo, Sergipe, Hio-Grandc, Ba-
hia c Alagoas, aonde tem merecido do pu-
blico a mnior aceitagao possivel, e sao ']&
- Compra-se um balcao e im caixao de pada- preferWos aos de qualqaer ontro systema.
ria : na rua Imperial n. 147. Iconnocido pela sua muita solidez, especta-
"Idade na collocaQSo, moderno systema,
LIQUIDACAO
NA
Loja de fazendas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores raiudas mnito boa* para ronpa 4
meninas a 160 e 200 rs. o eovado.
La pretas, superior, a 400 rs. o eovado.
Alpacas de cores finas a 320 e 360 rs. o covadc
So se vendo.
Ditas com listras abertas, fazeada Una, a 800 rs. r
eovado.
Chitas de cores a 210 e 280 rs. o eovado.
Metins de cores tnittdas a 280 rs. o eovado.
Cretones, o melhor qne tem vindo ao mercado i
400 e 410 rs. o eovado.
Cambraias braneas, bordadas a abertas, fazeod.-.
mais flna qne tem vindo ao mercado, 6 fazeoda
de 2*000 o maro, por UOOO a vara; A pe-
chincha.
Dilas pretas com flores miudas a 200 rs. o covadc
Cambraia transparente, flna, a 34 a peca.
Dita Victoria, tin a, a ifOOu a peca.
Organdy de assento branco e de cores, erm flo-
res miudas de seda e de la, a 400 rs. o covaaV
E' pechinchi.
Cortes de easemira de cores modernas a 5*500 t
eorle ; 6 fazeoda de 8*. E' peehineba.
Camisas de Mnho fina, lias, a 35| a dnria, t fa-
zeUda de 55*.
Brim branco de linho a 1*400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o eovado.
Madapolao francos verdadeiro, 24 jardas, it|i
7i a peca.
Algodao T, largo e superior, a B* a peca.
Gorgorio preto de seda para vestido e para collet*
a 3* o eovado
Toalhas alcochoadas a 4*500 a dozia.
Colchas grandes a 3*500 nma.
Coberus de ganga, forradas, a 3*.
Lencoes de bramante a 2* am.
Leocos de linho, abainhados e em eatxinbas i
3*500 a duzia.
Ditos de caca de cores abainhados a 3*500 a dn
zia.
E outros muitos artigos que se vende por me
nos do que oulra qualquer parte e para se d<
So na lorcm queiram mandar ver as amostras.
eoganaja de
Guilliermc & C.
Para o fabrico de chapGos-
A NOVA ESPEP.ANQA recebeno arame propr-
para armacSo de chapeos.
BAZAR
Compra-se pianos _la" usados ou novos, da
quantia de 100 a 500* ; quem tiver alguns nestas
condicoes e que queira vendel-os, dirija-se a rua
do Imperador n. 18, loja de marcineiro quo en
contrara com quem tratar.
Vr:NBA
Bom negoeio.
Precisa-se da quantia de 500* a joros, sob hv-
polheca em bens de raiz: a tratar na lr*vessa da
rua do Princi: e n. 9, que se dira quem precisa.
Na estrada de Joao de Darros confronte a
capellinha, aluga-se a grande sitio a. 21, com mil
palmos de frente e 2 e tanto de fundo ; ama ex-
eellente ease eon 4 grandes sataa, 8 quartos, co
zlnba fora e quarto separado para despensaj um
grande terra^o sobre columnas e gradeamenio de
ferro, eetfibaria para 4 cavallos, easas para crja-
des e escravos, 2 cacimbas com exeellente agua
para beber e lavar roupa, boa casa de campo
Jraade nnmerode arvoredos de diversas quaw'da-
ts de fructas: quem prelenJer, dirija so ao raes-
teo sitio, das 6 as 8 da maoba ou das 3 l|2 da tar-
da em diante.
Camisas.
Camisas francczas braneas de algodao flno con
frizo de cor a 2*000 nma, em duzia a 23*000,
e pecbincha : na rua do Crespo n. 20 loja do Gui-
lherme k C
0hap6os pechincha para se
nhora
Vende se chapeos moiernos para senhora, gos-
to de praga, por 3* ; organdis de lislras, eovado
a 320 rs. : na ma do Passeio n. 60.
Perden-se hoje, por volta das 9 horas do dia,
duas chaves em uma corrente, r!esde as Cinco
Pontas ate a rua Direita quem as achou, que-
rendo re3titui-Ias, leVe as Cinco Pontas o. 71, que
sera reooropensado.
Vende-si em sortes de 3) palmos para cima
os terrenos silos na estrada do Lameirao, a mar-
Sem do rio Capibaribe, pertencentes a viuva de
enrique Jorge : quem pretender, pode-se dirigir
ao engenheiro Antonio Felieiano Rodrigues Sette,
a estrada de Joao ae Harros, casa n. 92. ou ao Sr.
Vicente Ferreir- da Porciuncula, em sua casa da
rua do Imperador n. 83._______________
Vende-se um pequeno sitio a estrada de Joao
de Barros, ou se vende pequenos terrenos no mes-
mo sitio, conforme se entender mais convenient^ e
vantajoso : qnem pretender, pode.se dirigir ao
sen proprietario Antonio Felieiano Rodrigues Sette,
a dita estrada de Joao de Barros, casa n. 9.
Rendas da terra
Rendas, bicos e grades de todas as larguras
vende-se no pateo do Terco n.52.
e sobretudo grande economia no combusti-
vel ; trabalham com lenha, coke, carvSo de
madeira, etc., etc. Ha de dive.rsos tama-
nhes, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de muita familia, collegios, hoteis,
casas pias, bospitaes, etc. Acham-se ex-
postos ao public), aonde se darao todas as
explicates necessarias : na rua da Cruz
n. 6,__________________________________
lUAlfil DI TAit
A' praca circular do Apollo
vende-se:
Tijolos de marmore, de ditTerentes ta-
manhos e qualidades.
Tijolos francezes, sextuplos.
Ciaaieiito Portland verdadeiro.
Azulejos grandes muito proprios
para rodape"s.
Aziilejos verdes e amarellos, tamanho
regular.
llaquinas de descarooar algodao.
Cadeiras de furro, assento de palbi-
nha, proprias para campo.
DAS
FAMILIAS
Biia Duque de Caxias n. 60 A
Grande queima.
Corram a peehincha I...
Riquissimas sa..idas de balle, de 13, para senho
ra. Verdadeira novidade no mnndo elegante !
Capinhas de la e seda para senhora. Con.-'
inteiraii ente nova t
Excellcntes cachineis de !a c seda para Man
ra.*, por 6*500.
Casaquinhos do gorg.rao preto de seda, ri!>
meute borJados, pelo diminuto preco de lOiOO-'
Exeellente acquisiciioo 1
Cbales de seda a 12*. Barati?simo I
Grosdenaple preto a 1*200 o eovado.
l'opelinas de seda a 2* o eovado.
Faia de seda, fazenda modernissina, pelo err
modo pre-;o do 2**00 o eovado.
l'opelinas de seda, objcto da ultima molt, I
1* o eovado t
Ditas do linho com listras e agradaveis pa-
droes, a 410 rs o eovado.
Cambraias tra'osparentes, fazeniia mui Tina e Aa
grande procura, a 6*500 e 7* a peca.
Aloacas de seda a 1* o eovado. Grande prehin
cha I
Granalinas de Cores com lislras assetinadas, :
800 rs. o eovado. \ ellas emquanto restam !
Cambraias bordadas a I*1'0 o mt-lro.
Ricas polinaises, bordadas com esmtro, a 38a
cada nma.
Tapetes para sofa, granJes e pequenos. Padr;>-
especiaes !
Ditos para portas.
Ditos para cama.
E outros artigos para homens, senhora*
crian^as, os quaes artigos nao se meacionam par.
nao mas.^ar se a benevola attenrao dos leitorrs
leiloras, amantes do bom e do barato, e eotbu
sfastas da grande virtude domestica a eeom
mia 1
Corram quanto antes a grande pecbincha,
fregueaes !
Vinde ver, comprar e admirar I
Para concertar meias
A NOVA ESPERANCA, a rua Duqoe de Caira>
n. 63, receben desta neeessaria linha.
Chocolate do Maranhao
Unico deposito nesta cidade, em casa de Jos-
Tavares Carreiro 4 C., rua Direita n. li, onle s
vende pelos precos e vantagens da fabrica.______
Fazendas
muito barillas para acabar
c
Aliened
Aluga-se a loja do aobrado a. 1 fia rua da
Aragao : trata-se com seu proprietario, a rua do
Hospicio n. 33.
Uma preta de 30 annos, ^ue cozinha e en-
gomma bem, precisa da quantia de 450* para abaixo assignado, da rat V> eaaartwfcio'
sua liberdaae, eontratando seus serviQos com a- pessoa qae qneira fazer este negoeio a pagaefj-
to da dita quantia, no pateo de S. Pedro b. 26,
na me-ma casa vende se 2 escravas qu? cozioham
e eDgomrcam, uma dellaa per 600/
O bacharel Franc'seo Jose" ia Medeird* defelaf 4
e pessoa alguma faca negoeio com nmalletra
sea aceite, de 1:000/, vencida hontem e bagi
ao baneo London BrasUiaa Bank limited, onde se
achava descoataoa, a qaii perisa-se do bolto 8o
- signado, da raa ao eaaartwrcio ate a do
pelo que rogase a qnem a achou, o 18=
vor de entrega la ao mesmo aba+xo aKsfMifio a
rua de RiacbhMio, ba abi Srs. Leal IraieJ mi do
MaJ-quei de Olinda d. 56, andar, ^M paiaHi
otrabaBw. Recife, ie ontabro de i87i.
Vends se vaccas tourinas com crias, estao bem
gordas : a ver e tratar, ho Caldeireiro, sitio do
Mamede.
Para vender.
Vende se nm cabriolet de duas rodas, em bom
estado, por preca commodo : dirija-se na rua da
imperatriz n. 55.
Armac,ao.
Vende-se uma da amarello, toda envldracada,
nvernisada e diversos caixilhoi proprios para
Saalquer negoeio : na loja que foi ds joias, a rua
o Coronal Soassuna, antiga de/ilortis n. 18, que
se vende maHo em eonta.
J&LMJIUa UilllUa
I-, chegada a occasiao de eomprarem por pouco
dinheiro as mais lindas fazendas proprias para
vestidos, como abaixo "verio.
Aos 18,000 covados
de pbelinetbes alsaciano- de la e seda, fazenda in-
taramente nova no mercado, e pelo diminuto pre-
co de 300 rs.; vale 1* o eovado III
Aos 10,000 covados
de cambraias de cores Oxas, e lindissimos padrdes,
a 240 rs o eovado!)
Aos 5,000 covados
de popelims havanazas.fazenda a gosto nnnca vis-
to, e pelo insignificante p eco de 400 rs. o eovado;
vale 1*500 M!
So ria loja das tres eitrellas, rua
do Livramento n. 26.
2JG
S
2*501.
2*001'
Atteufcao
Vende-se does sitips pequenos bem
planlados de fructeiras, com casas de
morada, sendo no oa Capunga, fregue
zia de N. S. da Graca, e o outro no
Fundao, em Beberlbe : quem os pre-
tender, dirija-se a raa do Rangel n. 48,
qne ahl achara eerc que::: Iretar.
Aos 5,000 covados dela
A IOO rs.
Na loja do Pavao vende-se lazinhas de muito
bonitos eostoi e delicados padroes, fazenda nova
no mercado, plo diminuto preco de 460 rs. eada
am eovado ; quem deixara de fazei vestidos de
la tao bonitos e por tao pouco dinheiro ? Porne-
cem-se as amostras: na rua da Imperatriz nurac-
ro60.
Wilson Rowe & C vendem no sen annum
a rua do Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao azul amencano.
Exeellente fio de vela.
Cognac de i' qualidade
Vinho de Bordeaux,
Carvio de Pedra de tanas aa onalidarlea.
Sedas de listras
em cores eUraa, a 1*000 a enrado.
Mendas, Lobajfc C.
Rua do Marquez de Olinda b.33
E' irem depressa antes que te acabcm
Cambraia de cores, organdsy, eovado a
Algodao azul, idero idem
Idem de listra. idem idem
Chita preta muito Tina, idem a 260 e
Meias para mtninas, a 2* a duzia e
Obales de merino
Colletes de brim e casemira a I*, 1*500
2* e 2*50)
E muitos outros artigos de fazendas e rnnpa?
feitas por muito menos de sen valor, por se one-
rer mudar de sortimento : a rua do Barao da Vic-
toria n. 14. _________________________
Alpacas a 400 rs.
0 Desengano esta vendendo pelo dimrauto pre-
co de 400 rs o eovado, alpacas de li e seda, de
liDdos padrdes, faenda mui o fina e larga, que
sempre se venderam per I *200 o eovado, e para
acabar; a ellas antes qae se acabea : na raa
Primeiro de Marco n. t'i, junto a loja 4a esqnina.
Asunicas verdadeirae
Biohas hambnrgaezas qne vem a aate mweaav:
aa raa do Marnnei deollnda -. 81
Vinho superior
Na rua da Imperatriz n. C4, ha para reader vi-
nho de Lisboa de superior qualidade, em barris de
80, 75 e 125 garrafas. Preys mni barates.______
Farinha demandioca supe-
rior.
Tem para vender, Joaquim Jose Goncal-
ves Bel trao & Ft I ho, a bordo do palhabote
Rosita, fundeado ao pd do caes doCollegio,
e para tratar a bwrdo ou no seu escriptorio :
a'rua do Commercio p. B-______________
Chocolate hespanhol
muito flno, tem para vender na Assemblea do
Commercio, Mein & Lima, rua do Commercio nn-
mero 22.
A 120 re. o eovado.
Na rua da Imperatriz a. 40, vende se para aca-
bar uma grande quantidade de las, restoa de di.
versos sortlmeetos, OesieiSOTs. ate SfXTrs.; ar"
taudo-se qne, qtiat&a. 5ni lorthnentoi -0>Sola.
tos, se ve,*W* a l#W a 1*00 o ^fUeTba
P^-ca variedade em padroes. M qne prtfttfn,
*hegarem melborpechmcha fwao, a eda a rira 4
Imperatriz n. 60-


.
?

.



Diario d6r f6niaimouco Quinta feira 22 de Outnbro de I $74.
O DESEffGANO
Una Prime mo junto u loja <2u cmqulua.
0 propr etarlo deste estabelecimento tem- re-
solvttw vender stias fazena'as por precos muito
resnraiJoj, (comij abai.to, verao)' para apurar
diuheiro:
Hcalwi
Vende-se metins de liados nadroes, a 280 e 300
reis c> covado. D.io->e amostras com penhor.
Cniln-ain
Vende-se cam lira ias iransparentes, de 2*S00,
34000 e 3So00 a leca, e- a Victoria, a 3*500,41,
4*500 e 5*600 a pe;a.
Alpacas pretas
Vende-se alpacas pretas enaiuito finas de 500 a
t)00 rtis o covado. K-' grande pecbincha.
Mlariapolfies
Com pequeno defeito a 4*000 a peca, dilo lim-
po, francer, e inkier a 4*1)0; 5*500, 6*000 e
6*500. E' baratissimo. A^odaosinho marca T,
iarao e fiao de 4,1000 a 4**00 a peca. E' pata
acabar. Chitas cUraa eeseuras, a 260, 280 300 e
320 reis o covado, di:as roxas mofadas, a 206 reis
o covado. Cfetonej eacuros e de bonitos padroen a
360 reis o covado. l.anembas de lindos padrSes,
a 200 reia o covatlo. Cambraias de cores a 240 e
280 reis o covado. Aproveitem antes quo se
acabem.
Irlanda ,
Vende-se esta farenda muito propria para vesti-
dos-de senheras pelo diminulo preco- de 600 rs.
9 covado.
Ri-im branco
Vende-se 4rim branco de algodao, a 320 rs. o
-ova do. E' grande pecbincha.
Guse de s'iia
Vende-se esla fazenda de lindos padroes, a
;*200 o covado, fa;enda qae serapre se venden
a 2*500 o covado. Aproveiiem.
S.lirrcnsa.nw a I e 15,tOOO
Vende-se sobrecasacos de panoo fino pelo bara-
'.issimo precp do Hi e 15* cada um ; e grande
pechincha : a elles antes que se acabem. Carai-
jisinhas com punhss e collarinbos, para senhora,
jelo diminuto prt^o de 2* cada uma. Meias para
-euliora, fazenda cauito lin.i e urn ricas caixiohas,
pelo barato prec/> de 6* a duzia. Aproveiiem.
.Colcltas ndnamscadai
Vende se colchas adamascaias brancas ecom
jarra de cores, maiio grandes, pelo baratiss'mo
preco de 4* cada uma, fazenda que sempre se
vendou por 7* urea. A eUas antes qae acabem.
3 outras murtas fazendas que se torna enfadonho
mencional-as, e qae so o fregnez vendo, podera
:ertifijar-se, e por isso os proprietaries convidam
a todas as pessoas a fazerem uma visits a sea es-
labelecimeolo aflm de conveocerom-se da verdade.
RUA PRIMKIRO DE MARCO N. 25.
Grande liquidacao de fazenda s
BAZAR
N.72. Riia da
NO
MACHINAL
Imperatriz N;i 2
DE
Mendes Guimaraes & Irmaos.
Tendo os proprietaries deste estabelecimento resolvldo diminnir o grande deposito de fa-
zendas, ontenderam fazer esta grande Ikjuidacto, comose ve dos precos abaixo menckmados :
Chitas largas a 160, 200 e 280 re"is.
Vende-se chitas francezas e finas a 120,280 e 320
o covado.
Lazinhas a 120 reis.
Vende-se lazinhas para vestidos a 120, 210, 320 e
400 reis o covado.
Chitas para cobertas a 280 reis.
Vende-se chitas para cobertas a 280 e 360 reis o
covado.
Alpacas de cures a 640 reis.
Vende-se alpacas de cores, Unas, para vestidos de
senhoras.a 640 reis o covado.
Metim de cores a 320 reis.
Vende-se metim de cores para vestidos de senho-
ras, a 320 reis o covado.
Cassas finas a 280 reis.
Vende-se cassas francezas: finas a 280, 320 e 360
reis o covado.
Cambraia Victoria a 3*000
Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 3*.
3*500 e 4*000 a peg*.
Cambraia transparenle a 2 e 3*000.1
Vende-se pecas de cambraia transparente a 3*.
35500, 4* e 5*.
Cortinados a 14*000.
Vende se cortinados bordados para camas a li*'
16* e 18*.
Ganga acparella a iOO reis.
Vende-se ganga amarella para vestidos de senho-
ras e roupa parameninos. a 400 reis o covado.
GHAN1E
LIOUIDACAO.
Gama & Silva Brito, com armazens de molhados
ao largo da Santa Cruz ns. 2 e 4, tendo de liqui-
iar a firraa social em conseqnencia de nm dos
socios ter de retirar se, rcsolveram vender os ge-
aeros existentes em seas armazens mais barato 20
OjO do que em outra qualquer parte, e chamam a
atlenca> do respeiavel publico e a dosSrs. forne-
:edores das despen^as familiares, assim como aos
Srs. negoeiantes era peqaena escala, certos de qae
-incontrarSo a maior sinceridade e agrado possi-
.'el. Oeixamos de mencionar o grande numero de
generos que compt e o grande sorlimento, porque
isto se tornaria enladontio, limiiando-nos apenas a
xencionar manteij;a ingleza em-barns a 800,1*
e 1*100 por cada 450 grammas, d ta franceza a
$00 rs, dita inglezii em latas de rceio kilo a 1*150;
aproveiiem em qouto e tempo : no largo da San-
a Crnz ns. 2 e 4, .irmaiens de Gama & Silva Bri-
3, em liquidacao
Brim de cores a 400 reis
Vende se brim pardo e de cores para ca'fis t
400 reis o covado.
Toalhas para rosto a 700 reis.
Vende-se toalhas de linho para rosto a- 700 e 800
reis cada uma.
Chales de IS a 640 reis.
Vende-se chales de li de quadros a 640 reis, cha-
les de metim a 1*160 reis, cbales de merino
lisas a 2*, e chales de merino estampados, a
3*600, 4* c 6*.
Aberturas a 2J009.
Vende-se abertoras de linho bordadas, para ea-
rauas, a 2* e 3*500. Dilas de algodao a 200 e
400 reis.
Cortes de casemira a 5*000.
Vende-se cort^s de casemiras finas para calcas a
5*, 5*500 e 6*
Cortes de brim a I*'i00.
Vende se cortcs de brim de cores a 1*400. Ditos
de brim de Angola a 1*800 e 2*500.
Cobertas a 2*000 '
Vende se cobertas de chitas de cores a 2*.
Colchas a 2*000.
Vende-se colchas de fastSo para cama a 2*, 3* e
4*.
Paletots a 3,000 rs.
\ ende-se paletots de alpaca preta a 3, 3,60
5,000 rs. j'cal^as de casemira pretaje de core
le;es de casemira preta e de cores, e outras
tas roupas feitas baratas e fazendas que. est
quidando no Bazar National, a rua da Im
Irizn. "i.
Salsa parriliia
Muito nova e grossa
Vende-se por
talho : na rua
Na loja do PavSo vende-se madapolSes franco
zes muilo incorpados, com 20 jardas a 6.000 reis,
ditomuiti Quo com 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as-
r barato preco, era porcao ou a re- ?im, cotBO> um..AraD?!, -orli,neDto ^ madapoloes
larca do Rosano n 34 mglezes de 4,500 ate 8,000 e 9,000 : a rua da Im-
-^----------^-:I:-------------- perairiz n.60, de Pelrx Pereira da Silva.
Colchas para camas
Na loja do PavSo vende-se colchas de fuslao
brancos, para cama a 2,500, ditas de dito de cor
Espartilhos.
Na loja do Pavao, vende-se espartilhos
dos mais modernos a 3JS500 e 4JJ000 cada
um ; assim como bonitos cintos com lagos
de setim a 32000, e sedinhas lavradas com
toque de mofo a 19000 o covado : & rua
da Imperatriz n. 60, de Felix pereira da
Silva.
Obarateiro!
A'rua lde Marco n. 1
contioiiavendendo suasfaiendas com 300/0 menos
do que em outra qualqner parte, a saber :
Amazonas, recebemos esta nova fazenda, com
bonitos desenhoi e eores fixa?. proprta para bal
left, passeio, etc., etff., e venderoos a 500 M,o CO*
vado.
Baptistas, temos bora sorlimento desla fazenda,
com bons gostos, para 300 e 360 rs. o covado, sem-
pre costaram 400 rs.
I Panama, deeta, faeenda temc s grande porcao, e
or qoerermos dispor della com presleza, vende-
mos por 440 rs. o covado.
Cretones francezea, ..senros e claros, com boni-
1103 desenhos a 300, 360, 400 e 440 ; s6 aqni.
Popehnas, temos grande sortiroeuto desU ftzen-
da, moito lindos gostos, e vendemos a t* o cova-
do, sempre cuaou 1*600 ; quem deixara de cora-
pr&r r por eerto ninguem.
Chitas tiaras e escuras a 240, 260, 280 e 300 rs.
o covado ; 6 barato, aproveiiem.
Cambraia Victoria com 8 Ii2 varas a 3*500
peo.
Dita irausparenle, muilo flna, para 4*000, S*
6*000.
Madapoloes para diversas pecas a 4*500 e 5* &
dito francei a 6.
Bramante de linho, duas laruras. a i a v ara
so e barato ; elle, a elle.
| 6riBs.de Angola, com bons gostos e cores flxas,
proprius para roupa de meninos, a 500 rs. o co-
vado.
1 Brim pardo UMfatof fine, a 400 rs. o covado.
Esguiao de linho e algodao, com 7 jardas a
3*500 a pe^a ; sempre cu^tou 4*500.
Toalhas felpudas a 6*e 6*500 a duzia ; sempre
custarara 8*.
Chapf-os de sol de alpaca para senhora a 2* ; e
barato I
Chapeos de sol de seda para senhora, cabos de
osso, a 3*500.
Ditos para homem (paragon) 8*300, de dnas
cores a 9*.
OiUs de alpaef. a 3*500.
Ditos de' merino a 4*500.
Botinas para senhora a 4*SCO e 5*fl00 ; 6 pe-
chincha I
Casemiras de cores a 3*400 o covado ; sempre
custou 4*500; a eilas, a ellas 1,
CamUas de crelone, francezas, supe'riores,
2*500 ; quo lindos gostos I
Lenjos de linho, abanhados, em caixiflhas, a
3* a duzia.
Ditos de dito muilo linos a 4*500 a duzia ; so o
baraleiro. Sio linos.
Meias para hoxem a 3*500, dilas finas a 5* a
duzia 111
Colchas alcochoadas a 3*.
Grosdenaples de cores verde, cor aa ro?a, en-
carnado e cr de cravo
Cortes bordados.
Vende-se corles de cambraia, berdados, bran-
cos e de cores, pelo baratissimo preco de 5* cada
um, fazenda que maitos vendem a 10*, e gran-
de pecbincha j i elles antes que se acabem : a
rua do Crespo n. 25, loja doDesengano, junto a
loja da esquioa.
Sitio
e casa
Ceroulas e camisas.
Na loja do Pavao, vende-se ceroulas fran-
cezas de todos os tamanhos para homem a
19600, e ditas de linho a 2900, 25500 e
39090.
Camisas brancas com peitos de algodao,
fazonda fina e por estarem um pouco en-
xovalhadas a 205000 a duzia, ou a 19800
cada uma, ditas com peito de esguiao de
linho a 39000 e 39500 cada uma, dilas
com peitos e punhos de cAr a 29000 e
29500: i rua da Imperatriz n. 60, de Fe-
lix Pereira da Silva.
Vende se a taverna da rua do Range! n. 8,
S'nao aarmacao toda invernisada e envidracada,
que muilo bem serve para qualquer oulro negocio
por ser em bora ponto.
Lustres, candieirose
Aos meninos
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Caxias
n. 63, acaba de receber um bom sorlimento de fi-
nas bonecas- que fallam, qae riem-se e choratn ;
tambem as torn randas e surdas on sardas-mudas
venham ver se nao & verdade.
1,000, cobertas de chita e dei critone, de~2,50O lz[aaJ e -enr ?e cravo a 9C0 rs-' l* e l*m
para cma e dilas de metim escarlate forradas com coYaao -u *>iaL
madapolio a 5,000 : a raa da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira de Silva.
Aproveitem
0 PARIS N'AMFRICA, a rua Duque de Caxias
3. 59, primeiro andar, esla vendendo calcado pelos
^egumtes precos:
Botinas de daraque para senhora a 3.500 reis.
Ditas de dito pre;o a 4,000 rew.
Ditas de dito eon botSes ao lado, a 4,000 re"is.
Ditos gaspeadas, cano alto, para senhora, a
5,000 res.
Ditos de pellica, ingleza, a 4,000 reis.
Ditas de duraqae bordado, para senhora, a
\000 rew.
Ditas de duraqae, do cores, para meninas, a 3*.
Em quiBto e tempo
aproveitem.
Taverna dventla
Vende-ss a taverna n. 88 da rua de S.Jorge,
vrr-JPora de Portas, bem afreguezada e com poa-
eos fundos, propria para principiante : a tralar
mesma taverna.
Grosdenaples
Veude-se grosdeaaple preto, fazenda maito Sna,
qae sempre se vendca por 3*500 o covado, a
i*800 rs. >" aproveitem, so o Desengano, a rua 1"
da Mar?0 n. 25, junto a loja da esqaina.
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os seguintes:
Barra,
BreSnic,
e Patricia.
A tratar com seus proprietarios nesta cidadb
e para informacdes com Joaquim Pinto de Hei
relies Filho na mesma cidade de Uamamgnapt
_________________nasolrmSos C.
LI10 PARA IFSTM
Vende se linho liso e arrendado, lindos padroes
a 400 rs. o covado, fazenda esta que sempre ven
de'i se a 1* ; venham a elles aoie3 que se aca-
bem : na I ja do Passo, rua Primeiro de MarQo n.
7 A, antiya do Crespo. _____________"^
VENDE-SE
Na rua do v'igario n. 1Q, vende-se o seguinto :
Cimento de Portland, em primeira mao.
Vinho do Pgmo, engarrafado, finissioio, em cai-
xas do duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
Vinho Sherry, inglez em eaixas de duzia.
Vinho Collares em ancoretas.
Cora em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
AttencAo.
Vendese a taverna e a casa propria, junto a
estagao do Caxanga : a tratar na mesma
Pentes girafe.
Pentes girafe, proprios para senhora, ( ultima
moda) : a Magnolia a rua Duque de Cax'as n. 45
6 so quem tern.
Papai, mamai.
Como sio lindas as bonecas de cera que cha-
mam papai, raaraii, choram, andam, etc So na
Magnolia a rua Duqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolas.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu gaiolas de arame de lindissimos modelos,
proprias para passaros; a ell is antes que se aca-
bem.
Selecia a 30* a peca com 25 varas, porem fina.
Atoalbado para toalhas de mesa a 1*440 a
vara.
Brim branc', exposicao n. 5, a 2* a vara, que
boa fazenda.
Grande sortimento de lazinha>, e de gostos no-
vas, a 140, 160 e 200 rs. II!! so na barateiro.
Brilhanlina branca a 400 rs. o covado ? e sim.
Ao barateiro, ao barateiro 11
Alem destes, oulros muilos ar'igos, que nao
mencionaraos, mas que vendemos por hmitados
precis. Confronte ao arco de Santo Antonio en-
contrareis sorlimento.
3&g*atiulio Ferreira Leal ft C.
A empreza do gaz, tendo recebido ultimamente
uma quantidade de lustres, candieiros, arandellas,
globos etc. etc., tudo obra de gosto e de primeira
qualidade ; acba se em posicao. de supprir a seut
freguezes, por precos men.res do que antigamen
te. Para verem as amostras, dirijam-se a rua do
rmperador n. 31._______________________
Cortinados para camas
Na loja do Pavao vende se um grande sortimen-
to- de cortinr.do3 bordados proprias para camas e
janellas, pelo barato preco de 8, 9 e 10,000 rs. o
par, assim como colehas de damasco para camas
de noiva a 10 e 12,000 reis-6 pechincba: a
rua da Imperatriz n. 60, de Felix Pereira da
] Silva._______________________^__________
A 500 rs. o go vado
Na loja do Pavao vende-se lazinhas japonezas
de cores muito inodernas pelo baratissimo preec
de 500 rs. o covado, para acabar ; notando-se que
6 fazenda que jamais se vendeu por menos de
dois cruzados ; ja ha poncas : a rua da Imperatriz
n. 60, loja do Pavao, de Felix Pereira da Silva.
Cortes de cambraia
Na loia do Pavao vende-se cortes de cambrli
transparente com babados largos, tanto brancos
como d.e cores, por baratos precos, por terem al-
gum pequeno defeito : a rua da Imperatriz n. 60.
de Felix Pereira da Silva.
Liquidacao de roupa feita
Na loja do Pavao liiuida >e uma grande por-
Qao de roupa para hoinens e meninos.corao sejam:
calcas de casemiras pretas e de cores, para todos
os precos e qualidades ; ditas de brim de An-
gola para differentes preens ; dilas de brim de
cores, pardos e brancos ; paletots saccos, casacos
e fraks de panno preto e de casemiras de cores
coletes de todas as qualidas, por precos bara-
tissimos, assim como grande porcao de camisas e
ceroulas por menos 3 0|fj do seu valor so para
acabar : a rua da Imperatriz n. 60, de Felix Pe-
eira da Silva.
Lustres e arandelas de vidro
para gaz
Na grande exposicao da rna do Imperador n.
35, junto ao eseript >r io da companhia do gaz, ven-
do, com duas frentes >ervi sas por'por'lSo de ferro,' dem se os mais bonitos e modernos lustres e aran-
dando para a rua d Amizade e para a do Man-: delas de vidro para gaz, a*sim como tudo o mais
E' economico.
Graxa glycerina propria para a eonservacao do i
cordovao; vende a NOVA ESPERANCA, a rua Da-
que de Caxias n. 63.________
Salatuc de [von
A 1.W00 a libra
So na A^semblea do Commercio n. 22, rua do
Commercio^Meira & Lima,
V E % 11E-H B o sitio junto a igre-
ja do S. Jose do Mangu nho, com casa de vivenda
assobradada e outras acommodafoes, todo mura-
E'
com as noivas
A NOVA ESPERANQA, rua Duque de Caxias n.
36, acaba de receber boas meias de seda propriai
para noivas, e os apreciaveis ramos de larangeira
guinho. Tem de terreno proprio 194 palmos de
largura e 354 de fundo ; e a casa nr de 52 palmos
ds frente e 84 de fundo. A siluacao 6 a melhor
possivel para niorada, e quem quizer edificar, tera
bastante terreno para isto, pelo lado da rua da
Amizade. Tem a'gumas plantacoes de gozo e re-
crelo, haveodo bastante Jgua fornecida por duas
cacimbas, uma das quaes c nova. A entender-se
com o Sr. Dr. Wiiruvio quem o pretender.
a taverna sita a rua
muito afreguezada :
Roaario a. 40.
que se tornanecessario para esse fim, sendo tudo
dos melbores fabricantes que ha na Inglaterra. Os
preeos sio mais baratos do qae em outra qualquer
parte, e com a vantagem que 6 o dr no do estabe-
lecimento mandar assenlar cs lustres ou arande-
las no lugar que o comprador quizer, sem que para
isso pague alguma cou?a. Tambem se compra on
troca se lustres e arandelas ja usadas. mas que
j estejam em estado de peder servir.
Vende-se um terreno no lugar denomTna'do
Caboco de baixo, freguezia do Poco da Panella,
com a frente para o rio Capibaribe : quem o pre-
do Barao da Victoria n. 61,; tender, entenda-se com o procurador Joaquim
a tratar na rua estreita do Jose de Abreu, ou com o despachante Jezuino F.
I da Silva.
VENDE-SE
Chapeos para senhora, leques
e punbos, manguitos brancos e de cdres,
gravata de4 seda. perfumaria e ciiito de
couro.
Vendem Amaral, Natuco & C, no Bazar Victo-
ria n. 2, rua do Barao da Victoria.
Fumoexporte best Birds Eije
Amaral, Nabuco & C. vendem fumo inglez para
cachimbo : no Bazar Victoria, rua do Barao da
Victoria n. 2. ____________
Sedinhas a 1#500 o cov do.
Venham antes qus se acabem : na loja do Passr
raa !. de Marco n. 7 A.
PARA LUTO
.Vende-se chitas inglezas pretas com pintas a
200 rs. o^covado, dita franceza muito fina, tanto lisas
como com pintas de 320 rs. para cima ; cantao
preto a 800 rs. e muito lino a 1,000 rs.; bomba-
zinas, princezas e alpacas de todos os precos ;
lazinhas pretas lisas de 400 ate 500 rs.; assim
como nma grande porcao de retalhos tanto de
cbitas pretas como de las, que se vendem por
precos baratissimos ; tambem uma grande porcao
de chales pretoi de las a 1,000 rs. por estarem um
pouco russos : a rua da Imperatriz n. 60, de Fe-
lix Pereira dj Silva.
Escada
Vende se na cidade da Escada por 150* a casa
da rua da Viracao : a tratar na mesma cidadj com
o Sr. Joao Baptista.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papel de linho
proprio para cigams, de diversas larguras.
Vende-se um sitio com uma casa nova.
sitio 800 palmos de frente e 1 115 de fonaAaa
ediiicada com bons ci.mmodos e boa i n i ~*m.m
cstrada nova de Bebeiibe, perlo d: enerarika m.
o que se torna commolo por ser S50 .i
na 1* or dem, no trem da via ftrrea ; -{**:
occupado : quem pretender, dirija se a nak
do Rosario n. 20._______________________
para senhoras
Como sio lindas e modernas as gravaivtes i
a Magnolia, a rua Duque de Caxias a. ii, m
de receber I_______^_______________
Aos nervosos
A NOVA ESPERANQA acaba de recebar
les milagrosos anneia electricos, cura mfaUrw*
nervosos.
Salsa-parrilha do Pai4
Tem para vender Antonio Luiz de Oirrem
vedo, no sea escriptorio, a rua do Bom Jr*
mero 57.___________________
Vende-se
na raa do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vinho do Porto engarrafado, em btflli t
ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa, superior qvt
Retroz do Porto.
Cimento Portland, legiiimo
E
As almofadas hordadas de la malis:tdz-< gar
cebeu a niova Eepcran^a, a rua Dm*1
Caxia? r -
Chapeos para senhora
A loja da Passo, a rua Primeiro de ttvfa
7 A, rerebeu um rico sorlimento r> \v?<-*~
raespa horas, pretos e de cores.
Cortes {de casimira a 4-1,
e 6^000.
Na loja do Pavfio, vende-so aortas de ca-
semira para calca a 4C, 58 e, <;?, :>
muito fines de uma s6 cdr coin listras a la-
do, fazotiJa qae sempre se vari'Hi ?? e
105000, liquida-se a 6^000 p
a rua da Imperatriz n, CO, de Felix
da Silva.
So o
43
Rua do Queimado n. 43. jun-
to a L* ja daMagnulia
Sao pachinchas 1 1
CamLraias de cores com barras L> uius a "it-
rs. o covado.
Organdis branco com listras boni:as a 320 rs,
covado.
Lazinhas escossezas a 200 rs. o covado.
Cambraias Victorias, linas, a 3* a teca.
Baptistas lisas, padroes chijues, a 2'.C :.-
vado.
Merino azul, de duas larguras, proprio i-:s
custumes de homens e meninos, a 2
Brim pardo lino a 329 e i0:> rs. o r \ ad .
Madapolao bom a 3$"00, 4s e 4*500 a p^a-
Chales de la a escosseza a 2* um.
Len;6es de bramante a 24 am.
Chilas de cores a 2i0 e 1801>. o eovaJ .
Toalhas alcochoadas c felpuda? a COD :.. i i a
SO 0 43
Daose amostras : nio ba c,uin ua > <
Casemiras
Uorgurao
0 barateiro, a ma PriaeiN do Marco o
vendendo cortes de g-irgurio pruo aara c JtaM a
22000, fazenda que sempre castou ~i ; >itca,
autes que se acabe : confronts a*ana Sat
Antonio.
Ni loja do PavSo vende-se um gran !i^ .
to de casemiras de cores e mescladas. lawn oarar
como esenras, proprias para calja; i- k I
letes por precos muitj baratos. as-uu r m
mesmo eslabelecimentos se manda hxer qmk
obra tendenlo a alfaiate, com a maior pr --'
por precos mnito razoareis : a ru. da Impera-
triz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Vende-se doas sitios, *endo um n > povaadi
do Peres e outro no do Barro, tend.. primiM
uma casa com accommoda^oas para grao liia e duas menores, estribaria, cochera, fcniaaj
te arvcredos fruciileros, etc.; e o atfl a dc-aj
casas grandes, e tambem baslantes atM edos; a
tratar no caes do Ramos n. 28, prensa de aigo&aa.
i'echincha
Odilon Duarte & Irroao receberam p^lo l-h
vapor um grande e variado sortimew iaeaaawa
de cabello humano, o que ha do mais m i l*rm a
vende-se pelo baratissimo preco in 10* c;,a vm ,
a elles, ant*-s que se acabem.
at
DOS PRE.UIOS DA
3.
1521
PARTE DAS LOTERIAS C03CEDIDAS POR LEI PROVINCIAL N. 370, A BENEFICIO DA MATRIZ DE AFOGADOS, EXTRAHIDA EM 21 DE OLTUBRO DE 1874
>':. PREMS. NS. PREMS.
il
16
17
23
28
39
i-2
43
ii
i3
49
51
52
60
74
81
93
SOI
3
\
7
22
35
43
46
47
48
49
56
59
70.
92
93
200
3
11
20
27
31
4*
4*
a5
H
900
45>
248
51
57
63
C5
70
79
80
89
95
98
302
15
25
44
49
50
51
64
67
72
75
78
89
93
401
15
24
32
37
38
40
50
53
54
57
59
60
67
4#
80,5
44
NS. PREMS.
469 4,5
73
74
80
88
90 -
516
20
21
-33
34
46
62
75
78
80
83
88
90
60G
7
12
16
17
32
35
38
II
47
51
53
58
63
64
05
68
78-
80
60
40
60
40
106
4*
#
I*
10
40
0
40
NS. PREMS.
685
700
13
20
40
42
45
46
48
57
59
62
65
68
70
75'
76
81
84
89
92
93
97
812
13
22
23
32
34
36
40
50
55
66
84
85
91
94
96
40
S0
NS. PREMS. NS. PREMS
40

907
10
19
29
37
39
49
63
65
67
71
75
81
98
1014
20
23
26
30
37
46
60
68
77
80
84
88
94
98
99
inDi
8
10
16
18
28
30
34
38
44
40
M5:j
55
59
74
76
86
99
1203
8
9
11
19
24
26
44
49
55
57
64
79
82
90
95
96
1330
31
34
36
46
54
58
63
75
81
99
1408
9
10
12
40
NS. PREMS.
*0
4
1417
23
26
27
32
33
43
44
57
64
68
70
1525
37
38
49
51
55
67
70
78
82
87
91
98
1611
19
20
29
! 30
31
37
44
49
53
57
61
68
84
40
0
0
40
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.(SN. PREMS. NS PREMS.
1686
93
1710
11
18
20
25
34
40
43
45
48
65
90
98
1801
10
13
17
19
28
32
34
36
43
61
70
76
82
'85
97
1900
3
12
20
21
22
32
33
40
0
40
0
40
*0
40
i0
MM
40
0
40
1936 40
39
50
52
61
75
80
81
82
90
2001
6
22
25
33
35
39
42
44
48
52
66 10|
77 40
87
89
92
94
97
2107 l:OW
9" 40]
22
26
29
32*
33
39
42.
46
67
2171 40 2471
72 77
2203 88
7 99
10 1O0 2502
35 40 9
38 16
46 0 18
57 40 21
60 23
69 s 32
80 33
85 59
93 62
95 67
2313 io 87
35 40 95
37 2609
44 17
45 33
48 40
51 53
58 57
62 81
74 83
75 98
84 *O0 2707
86 40 12
87 14
98 20
2401 25
2 27
12 32
13 33
27 41
35 50
52 51
65 1 57
66 59
40
0
40
10
0
40
2762
65
66
71
88
89
2801
4
27
29
37
39
48
59
61
62
64
76
2907
10
23
29
34
35
39
42
43
44
45
53
54
64
81
82
84
87
90
97
98
40
1OO0
40
NS. PREMS. NS. PRE^iS.
i0
40
0
44
t0
40
0
40
3010
12
13
15
17
19
23
35
47
56
62
64
88
92
3101
37
55
56
59
62
66
68
75
92
97
99
3203
4
5
10
12
21
28
29
31
36
47
50
40
J0
40
40
40
3251
52
61
71
73
80
88
P2
3306
34
41
42
55
80
87
93
3401
6
30
32
45
.49
51
61
63
64
77
79
84
87
89
90
3503
12
19
21
25
37
Ml
l0
40
t>
40
0
40
t0
40
NS. PREMS. NS i -
3546
47
50
51
61
71
72
74
78
79
82
83
3602
3
14
19
20
24
32
45
49
53
2
68
80
88
91
3716
26
28
45
51
54
64
71
82
84
85
40
0
40
IO0
40
i0
40
3793
94
97
3801
7
12
23
28
3i
39
42
51
;-:-
59
60
62
70
76
82
86
8S
91
3905
I
17
33
3
41
43
51
&8
63
H
m
78
83
85
96


8
Jiario do PeiMffibtio6 = Qurota feira 22 de Outubro de 1874.
UTTERATURl
O mar
Dizer-teoque? -E's tio grande I
Fallar-te co.no? Nio sei.
lrapetuosa se expando
Tua viJacomque lei ?
Aqueiles, quo as tempestades,
Essas feres magestades,
Um dia viram surgir
Do te i seio rnarulfeiso,
Homo uiq protesto pasraoso.
Para faze-los subir.
E todos quo uia lia au lazes,
O pensamento a romper.
Sentiram-se bons, eapeias
Be a ti s6 deixe-Io ver,
Esses que eotendem as trevas,
Quo sabem quanto tu levas
Para os abjsmos da la-...
Porque a formula nao traram
Pas pr dundezes auoabracem
Nos segredos que"em ti lia ?
Corao sublimes scintillam
Escnptosos teuspadroes I
Co -ii ahi tambem rutillam
De Colombo os galeoes ?
Quaes a fecunda gnndeza,
Que largada na estreitoza,
Que a t.)rra tpertava em si,
I>- gniiio e do" azul das vagas
Arnalgamou novas pfegas,
Detxendo a America ahi.
Tulo se agita e se etteste,
Sente a sede de -,rescer :
' da vida a graade festa,
Pofutu-o o alvorecer;
E nessa justa o destino
M4i teai mais gladio divino,
Mis tern perfurr.es a flor;
03 a-,tros jogam fulgores,
A iarde atira os pallores.
E as almas o sen amor.
Uie arrancos, que oit-Ja brava,
E !)."nosthenes 1'allou I
0 fiinlopego e-cumava,
^E Jesus entao passoa !
Sio i,rros 1ut3 gl'Tificam
As nou 'as qe nullificnn
Da a}<< oumana a limpidez :
Ao Grgo a palavra dada.
A crenca ao ilebreu lirmada
Sao tua santa altivez.
I. a humanidade atibclante
Calea a sombra do porvir,
ApooCa a riovoa distanto,
Fa-la mudar-se e s<>rrir;
0 bnlho *s penos nobteS,
jrianhaiido afa.edos pobres,
Esclacece a escmvidao
0 captiro Sente a aragem
Da liberdade,bafagem
Oue Ibe aogmeola o corac,uo.
Quanta cidade pasmada
'fe tnostra ugalas que tern...
Em tuns agues banhada
A aurora corao nao vena !
ftjeigulham-se asesperancas
De. cein povos ins lembrancas
Que o teu sussurro IheS da" :
Onde houver ourj f*o lamento
Tua alma que voe no veuto,
Tun grariMe7.a que ti.
E taoto as oguias remou'.am
para bober nova luz.
Os pHQsameatos despontam
Di eabeCB que roluz,
Par' gastar os problemas
Da n>ito, os ferreos emblems?
-QunaibSo da morle tracou,
Assim o ten junto brado
M stra ao rr.undo despertado
Quo umnovodia raiou 1 !
Recite1873.
Silvio Romero.
tjrcliiivo public".
REL4.T0R10 IdO DIRECTOR, APRESEXTA00 EM
HARQi* 1>E 1874.
(Conclusuo.)
Agora que ja se acha preparada uma sala,
que destinei para as pessoas que quizerem
consultar documentos, vou marcar dias pro-
pnos para isso, dando assim execucao ao
disposto no art. 18 do regulamento.
? |)0':umentos existem que por estragados
ou quasi iUegiveis precise m ser restaurados.
FOLHETIM
JOANNA
UM JQGO DE PA
POR
George Sand.
XflES.
Se muito ganhou o arcbivo com ser trans-
ferido. como tio urgenteraente se reclama-
surapto.
tii-aa Jo-se iMIes fiel e caidadoseraente c6-ivando as dos extremos doediQcio, uma para
piasaatheoticas. a biblioth.ca e outra para a mappotlSa.
Anida r^sta.n por ser trasladadas ou de-'servindo tambem aquella para as oessoas
cifradas algunas but as escriptas em carac- que vierera ler ou consultar downeatos,
t-r do Mn smn-gotbica adoptado oa Dataria evitando-se assim a estada de estranbos no
roujma A esse trabalho se bavia pres- interior do arcbivo.
tado o illustrado mmge bone lictino fre. Ca- J4 estSo cncluidas todas as obras, e acha-
miua de M.mserrate que por isso teve o ti se fornecida esta repartigio dos moveb e ou-
iuio ao pale-.grapbo hunorario do arcbivo -tros bjctos imprescindivei* para funccio-
por.ecrei, do 5 de julbo de 1854. Ten- nar reguiarm-nte e com a devida decencia.
i) jam iilie.ido, Hoou lacompieU esse tra- Para occorre: a d^saeza com certas cou-
Jtallio, emb.ra tivesso aqui deixado uma sas, qu? ja sao, e forem sendo necessarias,
cbave para a decifracijde certas lettras como mais caixas de folha, canoes, tub >s
Cabia agora suggerr a idda do crear-se para a guarla dos raappas, etc., e com pro-
op 'Ortunamenle aqui umi escola de cartas, sorvativos dos livros e papeis, foi que no of-
ou aula dediplomatica e paleugraphia, com- camento, que apresentei para o anno vin-
plenrento nenessario de um orcbivo de certa douro. pjdi o augnento de 6000 na verba
important* ; mas nrio teudo am la bom as- des'i tada para o t-xpediente e asseio da ro-
sentadas ideas sobre as bas-s t proporcoes particfio.
com que f>j pydera" levar a effeit.) essa crea-
C5o nesse eslabeleciraento. me reservo para
em outra occasiflo occuoar-me de tal as* .
p va, do inconvenientissimo abjamenti. qui
tinba sobra a sacristia do convento de S.
to tern m-ltiora i.jcitn
'. Exe. tem-se digaadu
com que, compuls.ii.dp os documentor**, i"^"*??^' q *f fiq"e ,mis }>m aCctf"
aqui existem, se disponhara escrever cnro- ??*TnLZ decenle"sPect0 ^ c""-
uicas e memorias sobre assumes histoH* 12T.3H85-Ri'^' T p8r"
cos laofaM m .cos de talentos qw felizmente S?ihT 2 S I0C9nd,0S'.PS-
possuimos rig-y que Ihoeslava imminente, por exiti-
Kmumestabelecimentod.1 natoreza deste m- FS" torrf ***&" Part'-
archivo, onde pessoas. que se daoaoestudo '"* ^^T^V^'"*"'T'
ximo uma pnarmaera, ainda assim, nao e
proprio esta edificio para um arcbivo1 pu
bliuo
Com miii'a razao se recommenda qae a
casa para um arcbivo date ter a nec^ssaria
sulliciencia, e onveui^nre disposiga) ou re
partimento, ser ar-jald. roceber bastanCe-
m^u7"ameces-oresT7 DrTTTuTo Pereira hl*SwUr e fiSlar solaJs,Jo out"- fim .'**
Pinto, aqui e,con,rnlo algun, livros para ffl P"P qoecouto-n estejatr,ao abngo
o principi., de pma b.bliulhL a ma.or par- qtfa,quer 2?* ***** ou *?"
innfRwtutna ~j .., i I u- cao, como a bumnade, o boWr, osinsectos
ie ini.jrtiaos pelo primeiro director do archi- \ TZ c' ^ u-
i'n a nuin e,. -m i j f t dammnhoi. o lucendio, etc fete este archi
o e pelo seu oil cat, o commendad r Jose ,c
vo acha-se e m um edtficio, que possue mui-
tas das c mdi i.'oes exigiveis, tam* nao s6 a
desvantagem de estar em um 2 aadar, onde
terconhacimentosdegeographia chronologla ma exposijJo de bellas-artes de Paris.
T k._ i- y n '. iinna Bvura a sacrisua (
rambem n3o serfi f6ra de proposilo avtn- ., ,:.., ,
turar a idea de. por me'.o de premroa ou ^Z'i'tVT
dequalqueroutro^neio de ...imacao, fer Zf^XlKSX*.
das .-ousas patrias^ tern "de consultar docu
menlos, vtrincar dStas, confr mtar a^uns
laetos, e averiguar a existeocia de ounfos,
etc., 6 summamente util haver uma peque-
da bib lotheca em que encontrem os recuraas
que do inomento pr>-cisarem.
Ttiomaz deOliveira Barbosa, teve o louvavel
empenho d dar-lbe todo odesenvolvitneoto,
e neste sentido dirigio-se a diversos autores
e litturatis, e conseguio varias nflertas de li-
vros, sendo a maior de 21* volumes pelo di-
io comruendador Barbosa. E' p ra sentir que
nao exista urna lista dos nomes dos bene-
merkos ofT-rtantes.
Nao bavendo um cata ogo das obraa exis-
tentes, man lei reunir as que se achavam em
diversas sal is e estantes, organisar uma re-
lagao c registral-a em livro .competente.
ESncontrei cm brochura graade quantida-
'e n3o so do relatorios de diversos min ste
rios e de presi coleccoes de eis provinciaes e de outros fo-
ltiet"S, de mais ou menos importancia :
mandeisepara-los, para serein encadernados
como convem.
Nao obstante essa graude quantidade de
relatorios. nao existia colleccao complela
dos quH pertenCfata aos dillerentes ministo-
rios, nem ainda consegui completa-la, ape-
zar da remessa quo ultimamento se digua
ram Eager os direotores d-s secretaries de es-
tado, do relatorios de alguns aunos de que
ainda restavam exemplarrs disponiveis era
suas secretanas. Se corao donatives nao
obtiver de pessoas particula-es os quo fal-
tam, sera necessario corapra los.
Quanto a inim, a bibliotbeca deste archi-
vo devesor especial, quero dizer, deve ter
somente livros relativos a legislacao patria,
a admmistracao e a bistoria ; o pois, existin-
do aqui diversas obras que nao pertencem a
nenhuma destas tre classes, sorao separa-
iias, para que V. Etc., so assim o entender,
sirva-se de auionsar-rne a troca por outas,
ou ordeoar que sejam transferidas para a bi-
bliotheca publica, vindo de la as do historia
de que bouver duplicate.
P.ir algumas das razoes porque cumpre
haver aqui uma bibliotheca. tambem con-
vem que baja uma raapputueca, tanto mais
quanto, seguudo o regulamento de S de
.ii;nvo de 1-G0, diversos mapp-s, pianos e
caitasgeographicas e hydrographicas devem
s^r aqui archivados. Mandei, pois, reunir
e relucionar os que possue o arcbivo, e
destinei lues uma sala, oiue devem estar
classibcados, numerados e devidamente
guardados.
II
Depois de haver, desde a sua fundagao
peregrinado o arcbivo por diversos edificios
em al'ijameotos .empre acanbados e impro-
prios, acha se boje mais soffcivulmeiile ins-
tallado neste predio.
Tcndo V. Exc. mandado fazer certas ac-
corniiiO'laroes c bemfeitorias indispensaveis,
dispoe elie hoje de seis grandes salas e ou-
tros compartimentos.
Para cada secrao destinei uma sale, reser-
nao sepode tieixar de ter em consklera^ao o
iraraenso peso de tantns estantes cheras de
livros e papis, como tambem o gande in
convHuiente de nao se acbar o mesmoebn-
cio isol.i'io de? outros, e portaut i interra-
mente livceda contmgencia de um inceo-
dio.
Nao direi quw se faca j^ uma cas apro-
priada : rnia-coovein nao perder de vista a
esc^lha de am local centrelem que se cons
true um ediikio digno aVsia impo?tante
capital e doii'D a que e destinado, com as-
necessarias condicoes, principalmentc- do
isolamento e capaeidade, maxiroe se se erea-
rem certas aulas, como ccavem. QuandO
estabeleceu-sa- estr archivo, foram ba>tates
tres armarioo enviJracados, %oe ainda exis-
tem, e boje occup* elh diversas sales. 14'
preciso olhar para ofuturo, eo Brasil dava-
te-lo prosperel'
HI
Tendo em is de-fevereiro do anno passa-
do fallecido o digno director deste archivo,
o illustrado Dr. Joaqaiim Caetano da Si I vw.
ficou substiiuido- o oflioial mais anti-
go, commeudador .lost- Tbomaz de Oliveira-
Barbosa, ate que, taodo eu sido nomeado
director por decreto dx 29 de oiitub-o, prea-
tei juraraento e e.itrai em exarcicio no dia-j
14 de novembro.
Achavam-se entao no arcbivo, ale n do
porteiro e coutinuo, s6mente dous eraprega-
dos, porque o official Luiz Games Anjo es-
xave accoininaUi/lo de grave enfermidada,
de quo veio a fallecer, e o amanuense l.uiz
Ferreira da Silva Cibral continaava como
ad lido u secretaria de estado dos nego<:ios
do imperio, para oude tinha ido desde 1867!
em virtude de aviso de 9 de abril do oiesoao
anno.
Tendo sido aposentado por decreto de 31
de Janeiro o mencionado official Gomes An-
jo por contac mais de trinta e dous anno*
do effectiva servigo, teve accesso o amanuen
se Cabral, que prestou juramento e tomou
posse a 10 de fevereiro, ordenando V. Exc.
que elle voltasse para esta reparticao, oude
ora se aeba em effuctivo exercicio.
Dando-se, pois, uma vaga de amanuease,
solicitei de-V. Exc. autorisar.ao para annuu-
ciar o concurso para o respectivo provi-
ment). Ocencurso sera" feito na conformi-
dade da portana qu j acabo de recouer, de
2 do corrente, quo mui judiciosamente am-
pliou o numero de raalerias em que os.coo-
currenles devem mostrar-so habilitados.
Na verdade, existindo aqui varius. e im-
portantes documentos nfio s6 em francez,
como em ingiez, d"vem os empreg.tdos do
archivo saber tradazir tambem. esta lingua,
e, atiente a natureza deste estebelecimento,
n5o e assim ? Nada sera"
que elle soube crear-se.
(TP.ADUCgaO i>e x. x. x.)
PARTS QUARTA
1
(ContinuacSo do n. 241).
Acbei a doen.e bastante coraprometlida,
posto que nio desse por isso. Tinba febre
e n"gava-o ; sen olhar extatico, embebido
is) nvu, parecia dizer-me : Do que e quo
ta occupas ? Talla-me de amor ; que ijn-
jKjna que elle rao mate 1
Nao ousei provoiar esse genero de erao-
jao, porque pa:ecia-me que ser-lhe-hia no-
civo e podia tomar-se funesto.
E* absolutamento preciso acalmar-se,
disse-ihe eu.
Mas eu estou boa, respondeu-me el la
com am latiguido sorriso que me assustou.
.)$ pao sinto nenbum incommodo ; agora
ji so tenbo lngur para a ventura. Que me-
(Ueu ei tu que nao ves que eu s6 vivo para
unu,: ': Porque esta"s triste? Julges que
Richard esta* zangado comnosco ? Nio o
conhnr.es. elle e tao bom e tio prudente 1
Sem du\ida elle fallou te esta manhSa acer-
ca dos nossos projectos. Porque nao me
J'allas d'el'.es?
Nossos projectos estao fora de discus-
sio, respoodi ; elle aceita-os com a magna-
nimidade de urn grande coracao ; mas a se-
uij ;ra ere que nao soffre algum tanto por
? E a delicadeza nao nos aconselba a
s.iibamos contermo-nos e esperar ?
,Iievo ir pedir a minba mSi o seu consenti-
mer.to ; promeite-me que, ate que eu volte,
ii5o punsard senlo em restebo!ecer-se ?
Fare: o que o senbor me prescre
m8s o sfnbor suppoo que o Sr. Brudnel
Usiima a minha falta ? Porque ? NSo o
abandonaremos,
mudado na vida
N6s trataremos d'elle e o nffagaremos, c
d'est'arto elle tera dous ftlbos que se hSo
de harm misar para torna-lo faliz. E de-
pois, sua filha o senhor bera sabe que elle
fallou de uma filha, e eu estou certa de
que elle so pensa n'ella. Elle iia de trazo
la^ e n6s havemos de ama-la tambem. Se-
rei sue companheira, c mesmo sua criada,
se ella o quizer ; o, se e'le parecer so com
elle, sera mais um anjo que teremos com-
nosco. Diga-me, acha tudo isto triste e
inquietadr ?
Compreheodi quo Manoela continuava a
viver embebida no seu sonho habitual de
confianca e de esperanca, o nao ousei ar-
ranca-la d'elle ; ella, porem, percebeu oem-
barar.') das rainbes respostas, e, como quer
que o Sr. Brudnel voltasse a ter comnosco,
levantou-se e tomou-lhe o braco com uma
graca tao acariciadora que todos poderiam
touia-la como manifestacao de amor.
Eu sabia que essa graca lbe era iagenita,
e que, ainda mesmo dando ordens a Do-
lores ou animando o seu gato, manifesiava-
se sem pre.
Muitas vezes essa graca me tinha com-
movido, e fizera-mo ponsar que essa ma-
que
e bistoria, especialmente do Brasil.
Prcenciida a vag de amanuense, ficara"
complete o quadro do pessoal raaroadj no
art. 8 do regulamepto, com excepcSo do
paleographo, cujo lunar existe vago, desde
19 de novembro da 1870, pel j failed nento
do illustrado bwedietino Fr. Camillo de
Moniserrate,
0 que 6 indispensavel e que nao conti-
nuem os empragadis a ser t8o mejquinha
mente remunerndos. Se be 14 anuos ja"
rec inh-cia o Exm. Sr. ministro do imperio
em seu reletori ds cemaras legislatives que
os vsncimenlos marcados na lubella eram
inferiores aos que em oulras repartipdes
compeliam a empregados de iijuaee calhe
gorias, como deverao ser conaiderados bo-
je. quando quasi todos o funcci marios pu
blieos tem ti lo augmanto de ordenado, a a
vi Ja se tern tornado tao cara I
Na verdade, ter um amanuense fOJD por
mez e ganher tanto ou menos que que'quer
operario meeaoieu, ou aimples jorualeiro.
Devena, pois, ser eqtrrparados o seu*
veuciiuentos aos dos- empregados de igoaes
cathegorias- em outraa reperti^oes.
E nio sirva'de atteouante para o insigni-
ficante remuneracio qua ore percebem a
supposicio, em que muat^ gente estd, de
queeo archivo u.na reparticSo' mono, ou
Je pouco trabilbo eesto de suave esecucio.
O tempo de servijo e o mesmo de ouiras
reparlHjd.iS ; de habihiacao intellectttal tam-
beur na se presemde, e especial, eomo
especwl? e o generc de trawdbo, para o
qual sva-precisos certa pacieucia e gosto
partieobrr. Em um nrchivo, alem do1 ex
pediento- e outros trabatti s semtlbantesaos
de outras reparticoes ; Hem do erame, clas-
sificacio, catttl-gagao e devilo arranjo dc*
:ocumentoa-,, e da organssagao dos in ii.;o,.
tii nao s6 ocoostan e matniseamenio o lim- \
pan de livroa-e papeis papa-preserva-los da
po restaaracSo por eo.>ia liel e autheutiea dos
documentos estragados ou quasi illi-giveis.
OS que lab ram naquelfa supposicao de--
wm aqui vir, e observar o-serviQo qje ha,
e como'ai send, feito.
Nio-devo termhiar esta p Tie do relato
rio serM declarei qtre nos empregados Umbo
eucontrado muito boa vontade, diligencia- e
dedioa^ao ao trabalho, mostrewdo-se t >des
zelosos eumpridores-doa seus deveres.
Deus gaarde a V-. V.\t.llh, e E\:.
Sr. conselbeiro Joa* Alfredo Corr-5a de OS-
veira, rr.taislro e sceretario de estado dee
negocios do imperio.Arcbivo publico do
imperio.O director, Jaquim Piret Ma-
ehado Ptrteila.
VAfUEDADE
afastar-me por racu turno psra deixa-los
juntos, como se o raeu ciuma sentisse na-
cessidadede mais pretextos do que jd tiriia
param 0 Sr. Brudnel, quo beua adivinhou a mi-
nba angustia, reteve-me e obrigou-me a
seotar entre si e Manoela. '. admiravel de
intelligencia e de generosi Eia, doutor ; nio quero retirar-ma
sem saber o que concluio o medico do seu
exarae. Como acha o senbor a sua doente?
Melbor do que hontem ou peior ?
Peior, respondi. Nao sei bem o que
mais lbe convem, se repouso oa distracc,6es,
era to lo caso ba excesso de agitacio moral.
Talvez convenha mudar de ares, nio 7
Telvez.
ue diz, minba filha T
Esta ei bem em toda parte como aqui
estou, respondeu ella, com ambos os se-
nt) ores.
Nio, disse sir Richard, a senhora es-
t.-ird ainda melbor a s6s com seu marido ;
mas nao se trata de nos separarmos agora ;
o de que convem tratar antes de tudo e de
cura-la, e eu receio que este paiz nio lbe
convenha. Eu tinba projectado transpor-
ter denlro em brevo os nossos penates para
Kranea, para junto dos Pyreneos, perto da
terra natel do doutor, onde escolhi urn
chalet suisso tio confortavel como este pa-
lher devia ser irreislivel nos transportes de,lacete. Essa babitecio jd esti ao meu dis
amor ou nas ard.lezas da galanteria, tanto p r, e s6 me falta escrever para apressa
mais quanto era ella absolutamente incons- alguns arranjos. Poderemos alii estar den-
ciente e dava-se a esses transportes sem pre 'tro de oito dtas. Que diz T
eaueAo nem coloridos artificiaes. A for^a Ob I sim, sira, viajar, mudar de aresl
deser roulbor, ja" ella peccava por nioselo exclamou ingenuamente Manoela, tornando
bastante. jamostrarse crianca dianta d'aquelle pai
0 modo corao ella inclinou a fronte co- acostumado a aniraa la.
mo para solicitar do Sr. Brudnel o beijopa-' E o senbor, doutor? perguntou me
terno que elle nio Ihe dera ao chegar, fez- o Sr Brudnel.
me passer pelos calefrios da colora. Eu nio podia deixar de approver, tanlo
Apercobendo-se d'isso, ella ficou indeci- mais quanto es'a viagem approximava-me
sa, e de repentc, coofusa e desas*da, sub- do minha familia, a quern eu tonciouava
metteu se ao mcu capricho mais do que consultar.
fdra ennveoiente quo o fi/.osse n'um encon- Pois bem I coutinuou elle, partire-
tro t3o dolicaio. mos d'aqui a dous dias, se Manoela nio es-
MISCEli .ViHfcA.O ministro do interior
prohibio a sntrada e drcula*ao ens Frani;a
de um opo-.eulo intitu>lado : Da organisa-
<$ao dos se-rvi$os pubHoo& na socisdauie fu-
'Ptera, que se jnlga emanar da Associacio
Internici ov-l dos trabalbaderes.
, Fallecau ultimamente o c&nbecido
dramaturgo francez Vwton :>*jour.
A nova nauede aHema* creada por de-
ci&ao do parlamento o do consolho federal
n*o principiani a tor mm> obrigitorio em
toda a Alleman~ha, a ccntar do 1 de:Janeiro
proximo, como se tinta- deJerminado, era
coos-quencia da terom pedtdo a Baviera e
o Wurtemberg j|ue se proleoguo o prazo,
alim de poderem operara troca das a**tigas
moedas pela tnoeda do imprio.
Na Kdgiee hou-.:,. izranilcs festas uos
dias 23, 2'i,.25 e 26 do setembro, para so
lenaniser o auuiversacio da indepoudencia
nacional.
Suewmabio no dia tl de julho, no
imperio hermann. o eapitao de engenharia
francez chain:* lu Fa-i, que- tinha empielien-
dido cum .%raau, cipitao de artilharta, uma
viagem de exploraci.' uaquelle imperio.
- Tertftinou imliondres o cougresso dos
orientali^'.a>, aos qoaesioram dlereetdo um
sumpluoso banqufte O lord rnaire fez
saudes d rainha, d familia real, ao successor
do congyesso a d fe'ic dade dos seas raem-
bros. o orients isle Rosny respondeu ao.
lord mr.iro. 0 proximo cougresso reumr-
se-ba n'uma cidaleda Russia.
No anno prox.rao baverd um congras-
so telt^raphico em Sw etersburgo. A r.^-
partiyio competente moscovita jd pedio pa-
ra este effeito acconselho de estado um cre-
dito de 23.0 '0 rublos.
Vai ser arigida no palacto de justice de
Aiv (Franca) a etatua em marn ore branco
de Mirabeau, devida ao ciuzul do Francois
Truplieme, que hgurou corn houra ne ulti-
Entao, casar-nos-hernos em FranQa ?
que ventura I exclamou Manoela olnando
para nos ambos, como se devesse desposar
a ambos.
Pelo menos o meu ciume encbergou uma
monstruosidade no olhar candido da pobre
moea.
E' preciso que isto acabe quanto antes,
disse eu, de mira para raim ; nao posso
supportar este supplicio.
Sir Richard adivinhou-me. Chamou em
seu auxilio todos os recursos do sou espirito
a-navel e engeuhoso, nao s6 para distrabir
Manoela, mas tambem para restituir-me a
confianca
Quanto a ella, conseguio-o bem depressa,
visto como divertio-a, fe-la voltar aos seus
instinctos infantis. e fe-la rir. Conhecen-
do-a melhor do que eu. elle sabia quecor-
das devia fazer vibrarom para restiluir-lbe
a vitalidade que lne era propria e natural.
Elle tambem tinha uma poderosa garndice,
e eu percebi que, mesmo no seu papel de
Bai, sir Richard nio deixava de emprega-la.
ahi o encanto e a agralabilidede da so-
ciedade da Manoela, encanto que provavel-
menteeu nunca poderia substituir.
Consegui occultar o amargor das minbas
refiexoes, o sir Richard dvsvsneceu-so d
veneer minbas resistencias occultas por sua
graca e seu abandono.
Ao cabo de uma bora elle quiz deixar-nos
s6s, mas eu ergui-me tambem, disposto a
acompanha-lo, por isso que receiava raos-
trar a Manoela uaeus tormentos intimos. -
E'-me absolutamente preciso preparar
uma parte da minha correspondence, disse
o Sr. Brudnel ; mes n6s bem podemos jan-
tar juntos, nao e assim, doutor?
Jantar ? mas ella estd com febre.
Estdc-jrt) disso? perguntou-me Ma-
noela estendondo rae o braco
Ella estava com a m3o fresca ; sob a bo-
nigna inuuencia de sir Richard a febre su-
bitamente tiuba-se dissipado.
Foi isso mais uma punhalada para mim.
Minha paixio matava Manoela, no entan-
Filleceu" o Sr. Elie Beaumont, secre
tario perpetuo da Academia das Sciencias de
Paris.
Descobrio-se nas ruinas de Hercula-
num um busto de mulher, de grandeza na-
turol, de prata pura,
Girolano Ponti. fallecido em Milio,
legou uma parte da sua fortune ds Acado-
mias das Sciencias de Londres, de Pars e
Vienna.
A princoza Czartoryska, carmelita em
Posen, na Polonia, que tinba sido expulsa
do seu convento cord as suas companheiras,
ch-gou ultimamento e Paris, onde entrou
n'um coDvnnto da mes ma ordem.
A opereta La Filte de Madame An-
got 6 representada em dous tbeatros de Na-
poles ao mesmo temp?. Isto leva a dizer
a um jurna! francez, que os napolitanos
quanto-o di-poem ascousas, nio sio do
m ia; medidas.
Os jornat-s de Cadiz contam como sese-
gue bob faclo que se d;u no grande the-tro
desta cidade. Reprt*sntava so e farca in-
tituhi'?a EU tdtiino fijurin, quando se ouvio
uma cr-npiinbj annuucranJo que perto d >
theatro pessava o Sa'ntisoimo Sasramento.
A representaijao interrompeu-se iinmediata-
in*ute por um movunento eapontaneirdbs>ar-
tistas e do publico, como os- que se tanto osl
quv esta vein- no sirao como 3e ecbavam no
palco fos em impelltntoa por oma mola. Uns
levantar,tm-se ; outros pozeranvse de joe
lbos; a orchestra tocms- a marcba real, 6m-
rants esta scenirate ao momento em que o
sou ill catipiiuba se perdeu uadistansia.
Todosretomaramenlaoos-seus lugaresrebeu-
tendoem seguida-uma sHVade palraas.
CO.VJMtRCIO DE-PARIS SOM 03ESTA-
DOS-UNIDOS. -A cidade uVParis, sodsia
parte, fa? com o Efltftdos L'nidt>s da Amen-
et um commercio p^lo menos igual em
np rtancia-ao de toda Alfemaoba conros
iBcsmos-estados. Segtndo o relatorio SB-
cial do consul geraP dos Kstados-Uoidos
era Paris, eifra das exporta^Ces desta c>-
dade elevou-ae no ulti.no anno commercial
(39'de SHtetBbfo de t'sfa a 39 de setembro
de lt>73) d somma de '>> mil hoes de dollars
)173;50,000francos). No annoanterior
excederem de 44>-nilhoes de dollscs. Km
187* as cxporta^oes de ASanianha para os
Kstaiioa-Uuidos foram no valor de 37 mi-
Ihoes As eiforta^oes de Paris ocrapre-
hen tem grande numero d artigos-; o re-
latorw>iHdica trinta e tres. As maisimpor-
tanlea 9ao -.
N .vidades : 18-.-353.414 dollarsInu-
res, 3.579,232 dollars.Artigos de pban-
tesie: i.512,27^- dollars. Bij 143 51V dollarsPassemannria: 1.634jl08
dollars. Cbapellaria: I;309,iXiO dollars
Diversos: 2 380,5*6 dollars. Pansos :
2.555,5*$dollars. Sedas: t.734,362 dol-
lars.
Estas verbas, jd de-si conssderaveis, nao
iadieam senio uma parte dc commercio
Teal. Graole parte d^s amerkanos que vi
jitam a Europe passnin algurn-i tempo na
capitd de-Franca. Gakola-se tjue as nu-
meroses cowipras pessoae? que-estls fezeaa,
'wnnittein dobrar Essommas acima men-
ciooedas-
0 in u it
lo ^ugmentou, e eu quiz tiver mais iucommodada.
to que a cfoce amUade do R_i<
,r\
iviv-lh
QtERIa>.A REPRBWTACAO^IO VI 0.
No Theatm) real de Cambridge teve oto-
mamente uma scen^ curiose qua nio estava
rsaveada n-v progrerEma. Teroineva a re-
yresenta^ae por ura drama muito comrao-
v^rte intitulado Maria Martin, no qual,
como seinprct o vieio era puni.lo e a vic-
tuile recompsnsada. Oscelerado da peg*,
Hiiliam Confer, cujo papel foi (fesompentia-
du conscienciosamente pelo actsr. (".oucao-
aen, acabava de serKondernaado d foroa,
a eorda, esfairros, etc., formavam o ultimo
quadro ; pussava-se a corda aa redor do
pesc ico uo eulpade e... caa-ia o panno.
Mas os espwUdoros iaapressianaram-se tan-
lo com as peripecias doilrama, que toma-
rarn a cousa a serio e na sue iniiignacio
contra o monstro quo pers-'guira a inuocen-
Gia duraote 5.acto&, comHCaram degr.tar:
Acima opanno! Acimat Quercmoa ver
William torder enforendo I E ninguera
se queria retirar da sala. A orchestra en-
lOa eut;.o o God save the queen, naan^ira
polida de fazer comprehender ao publico
que a representacio estd. tenniuada e so
resta... ir cada es.iecta lor para sua casa;
mas o publico ccntinuou a gritar que que-
ria van eaforeado William. Curdor,. o mons-
tro da malvadea.
Fmalmente ergueu-se o panno. apparece
a scena final, e emquanto a corda solitni.-i
balanceia no fundo dotbeatro, a director da
a vida !
0 jantar foi quasi alegre, e depois d'elle
fonaos dar um passjaio de carro.
Seguimos vagarosamente pelas atargens
do lag), apenas distante do palacete cerca do
dons kilo uetros.
Jd se sentia os primoiros indicios do ou-
toitiuo. 0 ar era fresco e agradavel, e o
lago estava admiravel aos reftexos do por
do sol.
Os balancos macios e silenciosos do carro
a camiohar por sobre a areia Qua da praia,
permittiam conversar, eo Sr. Brudnel con-
versou acerca de tudo com a sua costuma-
da amabilidade.
Manoela tambem conversou sem reserva.
Ella estava em mare de confianca, pela pri-
meira vez. como dizia, dianto de mim.
Ate entio, uos nossos jautares do domin-
go, eu achei-a sempre apoucada e ttraide ate
a neced9de ; mas n'aquelle pass^io reve-
lou-so outra ; interrogou sem receio, o ra-
ciocinou a seu modo, ora dizendo quo com-
preheudia uma cousa, ora que nunca com-
prehenderia outra, ora ainda addutindo ob-
jeccoos, ds vezes risiveis por sua simplici Ja-
de, outras vezes Unas e subtis ao modo das
oriancas.
S6 entao foi que comprehendi as distrac-
cdes que sua candura e geutileza offereciam
ao espirito severo e circumspecto de sir Ri-
chard.
Porque razio, entretanto, perguntei de
mim para mira, sir Richard nio se apai
xonou por ella ? E, se e lo esteve epaixo-
nado, corao a meu despeito continuei a pea-
ia'r, porque nio quiz elle desposa-la antes ?
Serd serio o extravagante coutrato entre
elie e sua irmia ? Nio hiverd alguma ou-
tra razao aiu-la Inais material em face da
qual sir Richard receiasse alguma docepcio
cruel, depois de tor experimoutado uma se-
duc^io encantadora ?
Adoptei inturuameute esta conclusjo, tan-
to mais quanto pareceu-me a mais verosi-
mil o explicava-me a razio pprqua o Sr.
Bfudnel quizera 1cvar Manofra, p.!: sou
1'
scena sauda o publico ededara-lbe con
voz firme, que o actor Concanneu nio e o-
brigado, pelo seu contrato, a deixar-se en-
forcer, e que dernais este atitta ja tinha
mudado o trajo e que diflicilmenta conaea-
tiria em vestir o trajo adequado ao seu pa-
pel para se entregar dquelle exercicio.
Rompau novemonte ume tempestade de
grilos e ass ivios, concerto infernal a que o
director s6 conseguio por terrao, fazendo
apegar o gaz. Na escuridao, a desordem
tornuu-se indescriptivel. Foi preeiso ac-
ce der novamente o gaz e inandar chemar
alguns agentes de policia que nio uterara
pouco trabalho para fazer evacuar a sala.
EXERJTO FRANCEZ. -Existeoi actual-
mente em Pranca 56 geueraes de divisio e
89 generaes de brigade para a infautaria ;
21 generaes de divisio e 39 de brigade para
a cavallaria ; 13 generaes de brigade a 13
de divisio para a artilharia, < generaes de
divi-aoe 17 de brigade em engenbeiroa, 18
generaes de divisio e 28 de brigade nu e-
rado rnaior, 1 general de divisio e f0 de
brigade na gendarmerie, daudo um total
de 314- geueraes dediviio e de brigade.
Nio ha brigvdeiros em Framja. Os mar*'
chaos sa j no numero de 4.
MAI.V.VDEZ.lim belrftaate de Priego
(Cordova) dimo de uma casa de Pedrisa,
termo de Luquer reoebeu ba Hies nma car-
anon _vm 1, pvlin lo*lbe 29 mil real-s fio i)
ameaga d.r incendMr a herdafe, caso lbe
uao fossem entregues-; e, com" t-lfe nio deu
a qiiantia, no dia em que expir<>u o prazo,
for a case incendiade, ffstnndo dentro o pro-
prietario, sue'espusa e cinco tilbosqoese
salvaram por caaualidade, e d..us dies de-
pois ardia umadeveza que o mesmo HHb-
viduo possue no lermo de Zubraros.
ESPDOSAO.r-articipam de Blackburn,.
Ingleterra, aos joruaes de Eondres :
Qiiinla feira paesada, ia 2 hnras a 20-
minutos, as otQcina* de impres-io de Mr.
G. Aspden, em Kinjr stree, foram tbeatro
de um rncid-nto medonbo. Eatavam aiada
a trabelhar s*te operavios, poia que os de-
mais tinbam ido a mcear, quando a car*
deira, queHcara acceva por e3qi*ecim**n(0
relientou de repentecon* t| estrepito, qoe
odes as casas daquellc parle da cafede fo-
ram abala^ae ; o tecto do estabefeeimento,
erguido ao arr veio cab*r na ru cum am
estrondo de metier made, lenr.de algun
cavallos de tarraagens de-prace e nomero-
soa transeu riles.
Encontrerem-se alguns-bocados a ratis.
de um quarto demilha de distmcia.
Ni> so lica-ao demolidas as parades do
estabeiecimento-, como tambem as da casa
proxima, da qira! todos o soalboa, pela
forc.a da exidoeeo, rebentaraaa come o eon-
vez de um navio.
.\a p^rdas materiaes sio-- immensa*. So-
il a cfficina, mantam a maia-de 2 md ibras.
Na-occasiio foram mortos dous Lomens.
I in outro ticoa enterrado nas ruinas,. e nao
foi possivel tiralwy. Quanto aos feridos, o '
seu fjiado MM do, e tido-fez receisr que
pouccsaobrevivenao a catastaophe.
A oc-!-fe.ra eraaolba e M(t. Aspden anda
va em ajustes paaa comprar outra, e vender
aquella. Tinba no cntanto avisado o futu-
re doao, acunseloando o a que maadesse
conceftar. 0 ootao dizia- que nio (be (azie
cousa alguma.
Afiual, disse- Mr. Aspdeu, ate quando
pensais quo por'ereis empregal-a ?
Ate que rcbente.
Mr* Aspdeu fe?, mal em nae cedac logo,
mas parece que- a nova nao. estava prorap
ta.
01iliV\^ DE MJIZOT.A. listi 4*$ obrtK
que deixou escriptas c Sr. (iuizot e con>>
deravel. As mais importIBS si >:
0 novo diccionario -ios synoniaos fran
cezes (1809) ; o sili> fe 1810 ; vidis dos.
poetas frmcfezes do seculo 1b Euiz \l\
1813/ ; nisluria do gov-rno rapresenlati-
vo (1821) -n 'mon.is relatives a revolujao
do lnglaterr*(18i3) ; historia da revolucio
de biglatorra.' mesmc ami h ; tra lUuci^dts
obras de Sttakspeare (1831) ; encjc ptodia
progressiva : revista franceza ; curao de
bi&torii moderna ; bistorii g-ra1 da civili-
sacao ( 1845, ; Washington (18*7, ; m+Ji-
tjcoes e estu los. moraes (1851) ; o a oor
no raalrimonio (If855) ; raera >nas para a
bistoria da mioria epoca [; >.'iS- lSO\ ; dis-
cursos academices (1861) ; a igr*ja e a so-
ciedado cbrista (IS61) ; hist iria parlamen
tar de Franri; e fuitlmeute a nisUria dc
Franca coulade a meus netos.
com uma amizado calma e tranquilla.
F.llc deixara-a como que *epult.ida aaia-
dolencie, e como quo adstricte i existencia
fac I o vasia de cmocoes, que Ihe craara.
Na sua ausen ia, eu leva re a periurbacio,
a paixio e o solTrimento dquella alma, que
elle soubera tao bem adormecer.
Elle devia, pois, amaldicoar-tne : eeu era
forcado toda via a admirer o triumpbo dja
sua fere; i sobre a minha fraqueza !
Logo que Manoela fallou bastante, no
passeio, adormeceu.
0 sol estava no ocaso. 0 carro reconde-
zia-nospara casa.
Manoela deixou peoder a caboca sobre o
bombro de sir Bicbard, que, ao lado d'ella
occupava um dos assentos posterior* do
carro.
Meu charo, disse-me elle com delica
da attencio, bem ve que esta menina vai
dorrair corao dormem as criancas, e eu nio
poderei suste-la sem fatigar-oae. To ne o
meu lugar ; estas cousas sio mais prepriac
para a sua idede.
Elle ergueu docemente a cabeca da rao
;a e fez-mo senter junto d'ella ; mas ao ca-
bo de um instante ella despertou e conti-
nuou a faller com vivacidade, concbegan-
do-se a mim com ardor.
Percebi logo que reapparecia-lbe a febre.
Parecia que o meu simples contacto devia
mata-la I
Na manhia seguinte suppuz ter-rac enga-
nado,visto como, no correr do dia, acbou-se
muito melhor, e, d noite, tio bem, qaea
partida foi tixa ia para o dia seguinte.
Ella assistio sem fudiga a todas as erru-
mac,5es, e mostrou se louca de alegria por
terde partir e.n compainhado seu amorde
marido e do sou amor de pai.
Ella suppunha quo num-a se separaria de
nenhura d lies, eeu consegui nio pertur-
bsr-lhe essi doce illusio.
Ao ch"garmos em Franca, acbei a tio boa,
que suppuz que estivesse curada. -
(Con/inimr-se-no.)

.*
1
- ll'J !'-' '
.. ..-;. ./ Ij
A


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1SSG0LS5_VOUW2P INGEST_TIME 2014-05-29T18:41:22Z PACKAGE AA00011611_17853
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES