Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17851


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANAIO L. MJMEftO 239
-a
81 3b

>b
S>
r ABA A CAPITAL B LUG1RES 0\DK X&O ME PAGA PORTB.
i'or tres mezes adiaotadot........... 69000
1'or sets ditos idem. ................. 129000
for urn anno idem.................. 149000
'.
\
~
0J'^ 0<; IfCTfeA FEIRA 2 DE OPTIMO DE 1874
P AM A DEITB9 E 4VOR1 DA PMVINCU.
Far tre BBezes adiamudos. ... ...
For teit ditM idem *
Pot note ditos idem .....
For urn anno idem. .... .
s
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA FILHOS.

9il.G-ardoAntoiiioilTe.dI^(M.noPri|Gon^TefdPinto. no Maranhao; Joaquim Jo* de Oliveira4Filho, no &>a&aJ*iio de Let** Bra,, no Aracatj ; Joao Maria Jalio Ov.*, no Astd; Antonio Marque, it Silw,Natal; Jo* J
Pareira d'Almeidt. em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, aa Parahyba ; Antonio Joaa Cornea. narTilkda Peaha; Be'armino dot Santo. Bulcao, em Saatp Ant< Domiagoi Jo* da Cou Braaa, am Baxaretai
Antonio Ferreira de Aguiar. em Goyanna: Joao Antonio Maekaeo. no Pilar daa Alaoa* i AJve* 4 C.na Bahia; A. Xarier Leite d C v Bio Janeira-
PARTE 0FHCIA1.
Gavrrao da provincia.
EXPEDIE.NTE DO DIA 30 DE MAIO DE 1874.
1.' secgdo.
Officios: ,.,._,...
Ao Exm. brigadoiro president* do conseiho
d* eompras ito arsenal de guerra. -Tendo appro-
\ido as proposlas que vieram annexas ao seuofB-
00 de 10 do corrente, e torarn acceitas pelo con-
t'lK) de compras do arsenal de guerra em sesi-ao
do dia anterior, para fornecimonto de diversos
?bjectos aquelle e outros e?talieleciinentos m lita
reaj transuiitti nesta data asditas prop >stas ao di-
rector interino il i mesmo arsenal alim de mandar
lavrar os respeciivos terrnos de coolraclo ; o que
d3daro a V. E.vc. em resposti ao citado offl-
cio.
Ao conseiho de compras de marinha. Ficain
afprovadas as euataraa que em sessao de It do
corrente promoveu o conseiho do marinha, dtferenles objectos meacionados no seu officio de
fa* donto rrnr. m nnann ran precisos para provi-
mento do respeclivo aliuoxarifado.
Ao inspectord arsenal de marinha.- M?n
at V. S. por em iiberdade o menor Valentin) Pa-
eaezo dos Santos, que Hie foi mandado apresentar
I. i i Dr. cbefe de policia em 27 do corrente com
-Ssatino a coinpauhia de aprendizes m.riuhei-
#rs.
-r Ao mesmo. Antonso V. S. a coroprar no
mercado 18 len;6es de ferro de 2,03 de com
prijneato, 0,7G de largura e 0,006 de grossu
ra, Mini de serein applieados a factura de duas
Loias que tern c.e ser collocadas aquem a alem
da arco central da ponte Sete de Setembro.
Pica assim respordido o sea oflkio de hontera da-
tado, sob n. 36.
Ao mesmo. Pode V. S. coraprar no merca
i como propoe en seuoGScio de 28 do corrente,
>b n. 34, 200 linines para tres lanchas que se
.ejtao construindo para o Rio Grande do Norte,
Ceara e Alagoas, assim romo 12 curvas de di
vrsas aberturas para nma barca de conduc^ao
d igua, tambem em construccao, e 40 liames para
rotas deescaleret e corae9.
2" $tc$ao.
Acto :
0 presidents da provincia, altendenno ao
, ij requereu o bacharel AfTonso Jos de Oliveira
Filho, juix municipal e de orpbaos do termo de
Santo Antao, resol ve eoneeder-lbe 3 mezes do li
r -aja, com ordeDado na forma da lei, para tratar
r. sua saiidu onds Ihe aprouver.
Officios :
Ao Exm. director geral da secrelaria do mi
Kisterio da justice..-Nao so aehaudo referendado
i decreto junto, stsguramenle por engano, o de-
v>'oa V. Exc. alim de que seja assigned.).
Aproveita o ensijo para sigoificar a V. Exc.
v- oieu< protestos de estima e considerac^o.
Ao commandants superior de Oliada e Igua-
i-i-isii..No ca.-j da votuntariamentd qaererem
j. -estar-se os guardas de al^uui dos tuihdes sob
?: commaudo superior, pode V. S. expadir suas
ordeas ali a de que no dia 4 de junho proximo
vindaoro, as 4 horas da tar'ie, se apresen'e na
isreja matrix de S. fedro Martyr dessa cid'ade
n:zi guarda de hoira que acompanhe a procissao
di Corpus Chrisli.
Ao roinmaoilante d;i corpo de pclicia.
Aftra de que Vine. fa<;a juntar a le de offlcio do
soldadoda 2' eompaabia dease corpo Rulino Alves
da 5ilva, incluso devo vo-Hte o processo instaurado
coatra o mesmo.
Ao mesmb. Expeca Vras. suas ordens
a3m de que sejaj reforcado com a prajas do corpo
I b seu command.) o destacameato existente na
villa de Panellas.
3' secQio.
iiScios :
Ao inspector da thesouraria de fazeuda.
VKO'Je V. S. pagar a quern raostrar se convenien-
i-.-T.ento antonsadj a haportaaeia cosstante do
inciuso pret em Jupiicala, proveniente dos venci-
lontosde 3 pra;a< da guarda nacional que a 21
ileabril find > seguiram do Brejo para esta capital
r iduzindo recrutas.
Ao mesmo.Tundo por despacno desta data
aoonado as f promoior publico da ?omarca de Garanhuns, ba-
ooarel Francisco Caraci lo de Freitas, assim o de-
elaro a V. S. para os tins convenientes.
Ao mesmo. Tendo nesta data autorisado o
inspector do arsenal de marinha a comprar no
tnarcado, attenla a urgencia que ha em serem obti-
d de prompto, 2(0 liames para 3 lanchas que
86 estao construind) com destino as provincias
do Ro Granledo Xorte, Ceara e Alagoas, assim
< :no 12 curvas de diversas aberturas para uma
b irca de conduscao d'agua, tambem em construe
cao, e de 40 liaise! para rodas de escaleres e co-
raes; assim o comimnieo a V. S. para seu conhe-
ri^sento o direocao.
Ao mesn)o.-rendo autorisado o inspector
do arsenal de marinhi a compr r directaraente no
iwrcado, altentos os motlvos expostos em seu offl-
ine- de hontem datado, 18 lengoes de ferro de 2,03
d; comprimento, 0,74 de larg m e 0.006 de gros-
Bora, para serem etnpregados na fa:tura de duas
fc/.as que tern de ser collocados aquem e alem
d o arco central da. ponte de Sete de Setembro,
a&m de servirem de balisamento as alvarengas
<;.- tiverem de atravessar a dita ponte assim o
- communico a V. S. para sen conhecimento e di-
recjao.
Ao mesmo. Autorisando nesta datao director
il-. Tiuo do arsenal de guerra a mandar lavrar os
respectivos cootractos, de con(ormidade com os
proposlas acjeita* pelo conseiho de compras do
mesme arsenal, acorca dos quaes infurmoa V. S.
em offlcio de bonteni da; .do, sob n. 643 serie G,
para o fornecimentc de diversos objectos aquelle
e outros estabeleciment s militare* ; assim o
ommunico a V. S. para sea conhecimento e di-
reccao.
Ao mesmo.Tcndo, de acordo com a saa
tn!->rtnaca i de hontem datada, sob n. 637 serie
G, approvadoa compra que em sessao de 11 do
corrente promoveu o conseiho de compras de
marinha, de difTreutes objectos para provimento
do respectivo alraoj.vifado ; assim o declaro a V.
S. para os 6ns eonvenienles.
Ao mesmo.l>eclaro a V. S. para seu conbe-
cimento e devidos elfeitos ique, contorme o aviso
circular do ministeho da agricultura, eommercio
e obras pablicas, dti 19 do corrente, sob n. 10, que
traosmitto-lbe por copta, cabe ao inspector da
taosouraria de fazeida a imposi^ao da multa de
que trata o art. 40 do regulamenlo approvado pelo
flecreto n. 4,8i-5, do 1* de deiembro de 1871.
Ao meam)- -Teodu nesu data, de aeordo com
n intaroacao de V. S, de 27 do corrente, sob n.
i),?. retevado Manoel Henrique Pereira Ja multa
que lbe foi imposta pelo collector do Brejo, por
nao ter apreseatad) no prazo legal a matriculi
as duas ingenuas A.utonia e Joaquux, Qlhas legiii
ma3 de sua escravii Ursalma e do liberto Joaquim j
aasim Ib'o commaiiico para sea conhecimento e
divides effeitos.
Ao mesmo. Teado esta presidencia de re
matter trimensalmeiate ao ministerio da agricolta
ra, eommercio e otras pubheas, conforme o aviso
circular de 19 do corrente, sob o. 9, informal;ao
miauciosa sdbre co'ieeisio ou venda de terras pa-
blicas:, esp cificando o norae dos compradoxes, si-
luacao e extensao d is terras concedidas ou vendi-
dii, prego da acquisicao e quaesqner oatros re-
quisite? qae devem ser mencionados, providencie
rdaaalMdaaj
V. S. para que n i mesma cooformidade me seja
enviada a dita informa'.ao para ter o rtferido des-
tioo.
\o mesmo.Para os lias convenientes com-
munieo a V. S. que, seguodo participoa o juiz
municipal e de orphaos do termo de Cimbres, ba-
charei Francisco Domingues Ribeiro Viaans, em
offlcio de 18 do corrente, deixou de assumir o
exercicio de seu cargo, flnda a licenca que goza
va, em consequencia de continuarem seus incom
modos de satide.
Ao mesmo.I'.ra o- fins conveniences com-
munico a V. S. iue em 26.do corrente entrou no
exercicio do cargo de promutor publico interino da
eomarta de Gn mna Lydio Uarianno de Albu-
querque, I'omo participou o respectivo juiz de di-
reito interino em ufflcio da mesma data.
Ao inspector da thesouraria provincial. Pro-
videncie Vine, no sentido de ser paga a Joaquim
Ferreira Alves a quaotia de 304, consume da in-
clnsa conta em duphcata, proveniente de 3 mezes
de alasu-1 da casa que na (reguezia do Poco da
Panella serve de quartet do respective destaca-
meoto, a contar de 15 de fevereiro a l'i do cor-
rente.
Ao mesmo. -De acordo com a sua intorma-
cao de 28 do corrente, sob n. 213, auienso Vmc.
a mandar pagar ao capitao do corpo de policia
Miguel da Fonceca Soares e Silva a quantia de
544000, despendida com o expedients da 1* e 8'
companhias do mesm-< corpo, de outubro do anno
pasado a 18 de marco ultimo, como se ve da con-
ta junta
Ao mesmo. -Autoriso Vmc, em vista de sua
ipforraacao de 24 de margo nltimo, sob n. 142, a
mmdarentiegar, mediante previi Ganca, ao Rvd.
vigario da frenuezia de Serinbaem, Genuine Go-
mes Pereira, a iraporUncia do benetlcio da 5" par-
te da loteria n. 88, concedida a favor das obras da-
quella treguezia.
Ao mesmo. alande Vmc. pagar a quern se
mostrar convenientemente habilitado a importan
cia constante do inciuso pret em duplicata, prove
nienle dos vencimentos de quatro pragas da
guarda nacional que a 21 de abril tindo tegui
ram do Brejo para esta capital escoltando crimi-
nosos.
Ao mesmo.Transmitto a Vmc. pira os de-
vidos tins eopia do termo de alieracao e mo litica-
coes (eitas nas obras do edificio do matadoaro pu-
blico desta cid de, conforme o 2" do art. 1 do
respectivo contracto.
4' secfao.
Acto;
0 presidenle da provincia, usando da attri-
bnigao que lbe confere o art 7* da lei de 12 de
agosto de 1834, resolve prorogar ate o dia 3 de
junho proximo a presente sessao da assembled le-
gislativa provincial,
Officios :
Ao Dr. director geral da instrucclo publics.
TeBdo deferido o requerimento do professor re-
movido para a cadeira da l.apa de Itambe, Fran-
cjaco da Silva Miranda, sol,re que informou Vmc.
em offlcio de 26 do corrente, n. 159,
o reeebi meoto do offlcio da V. S., de 26 do corres-
te, communicando haver na mesma data as.-uoa-
do o exercicio do cargo de promotor publico iott-
rino dessa comarca.
Ao St. D.miciino Martins Leite, t* supplea-
FOR ACCOUNT, a S/. Funilvs br-
llelros de o/O. d< aano de &.
m I ditoM de Lrujuaj de a O/O. de
ao de 1st I. a s s dteea er
ajeetlao* de OO. d.t anno de 1 Hi I.
corrente, n. 159, assim lb o nesta data aolicjtou-se do Exm. ministro do i'm-
commun eo, para que mande inspeccionar o rete- perio. '-'' *
rido paofessor pelos Drs. Augusto Carneiro Mon-
teiro da Silva Santos e Jose Zacharias de Cam-
iho, a quem nesta data se offlcia ; devendo trazer
ao conhecimento desta presidencia o resultado da
inspeccao.
Ao provedor da santa casa de misericordia.
Pode Vmc. entregar a professora de Santo Amaro
de Serinhaem, Marianna Lins de Albuquerque, sua
inna Adelina Lins de Albuqueique, educanda do
collegio das orplias, cunfjrme resolveu a junta ad-
ministrate dessa .-anta casa, para o fun e nas
condicoes cm que remereu a respectiva professo-
ra : ficando assim resp-mdido o offlcio dessa pre-
vedoria, de 29 do corrente, sob n. 919.
Ao mesmo. Na cooformidade de sua iofor-
macao de 29 do corrente, sob n. 9t8, autoriso o a
entregar a Henriqueta Carolina Alves Vianna, se
gundo requereu, seu filho de nome Manoel Aman-
cio, educando do collegio dos orphaos.
Ao mesmo.Pole Vmc. inscrever, para se-
rem admitlidos no collegio dos orpbaos quando
houver opportunidade, os menores Manoel e Her-
mogenes, netos de Joanna Nepomucena Soares da
Motta, cujo requerimento nesta datadeferi em vis-
ta de sua informa^ao de 29 do corrente, scb n.
916. Acompanhatn as certidSes de idade dos re-
feridos menores.
Ao Dr. Augusto Carneire Monteiro da Silva
Santos.Tendo o prufessor removido para a ca-
deira da Lapa de Itambe, Francisco da Silva Mi-
randa requerido uma iospec(ao medica, segundo
faculta a lei, nomeei V. S. e o Dr. Jos6 Zacha-
rias de Carvalho para procederem-no, servindo se
de eodere;arem o retultado a directoria da ios-
iruecao publica.Iguai ao Dr. Jose Zacliarias de
Garvalbo.
5.- secao.
Officios :
Ao eogenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.Em resposta do offlcio de Vmc, de hon
tem datado, sob n. 158, relativamente a 30 gaioias
para a plantacio das palmeiras no Campodas Prio-
cezas, declaro-lhe que a respectiva despeza deve
correr pela verba-jardim do Campo das Prin-
cezas; -aproveitando -3e para factura das ditas
gaioias as taboas que forara liradas do-deposito
d'agua de palacio.
Ao mesmo. Conformando-me com as ra-
z5es coo-taotes do offlcio dessa reparticao, de 28
do corrente, sob n, 157, com referenda a ponte
que deve ser construida em subsliluicao a de Afo-
gados, autoriso Vmc. a mandar orcar e tirar a
planta de uma ponte de madeira, de acordo com
e sea parecer, nao so para os Afogados, como pa-
ra Una, cujo contracto para uma ponte foi rescin-
dido.
Ao Rvd. Fr. Fidelisde Maria Fognano, director
dacolonia Isabel.Remetto para a bibliotueca des-
sa colonia urn exemplar impresso do Diccionario
de Botantca Bratileiro. encadernado era um volu-
me.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO.
1.' secao.
Officios :
Ao Dr. cbefe de policia.De ordem do Exm.
Sr. presidenle da provincia CQmmunico a V. S.
que nesta data se providenciou no sentido em
que solicitou V. S. em seu offlcio n. 666, de hon-
tem datado.
Ao mesma.S. fixe. oSr. presideote da pro
vincia manda declarar a V. S., em resposta ao seu
offlcio de 29 do corrente, sob n 671, que ntsta da-
ta se expedio ordem a thesouraria provincial no
sentido de ser paga a Joaquim Ferreira Alves a
Suantia de 304, proveniente de 3 mezes de alnguel
a casa que na freguezia do Poco da Panella ser-
ve da quartel ao respectivo destacamento, a contar
de 15 de fevereiro a 15 desle mez.
Ao juiz de direito interino da comarca de
Goianna.-O Exm Sr. presidente da provincia
manda accusar o recebimento do officio ii V. 5.,
de 26 do corrente, communicando ter nomeado na
masma d&ta.Lydio Marianno de Albuquerque para
injerinamente exercer o cargo de promotor publi-
co dessa comarca.
Ao bacharel Menelao dos Santos da Fonce-
ca Lins, juiz municipal e de orphaos do termo de
Itambe.-0 Exm. Sr. presidente da provincia man-
da accusar o recebimento do officio de V. S., de
25 do corrente, communicando ter effectaado apri-
sao do reo Florencio Ignaclo de Souza Branoo,
pronunciado no art. 192 do codigo criminal.
Aj Sr. Lydio Marianno de Albuquerque, pro
motor publico interino da comarca de Goianna.
0 Exm. Sr, nr<"idc-nte da provincia manda accusar
te, communicande haver na mesma data assumido
o exercicio do cargo de juiz municipal desse ter-
mo.
Ao Sr. Manoel de Souza Martins, supplen-
te do juiz municipal do termo do Triurapho.0
Exm. Sr. presidente da provincia manda aeensar
o recebimenti de offlcio d-t V. S.,de 19 do corren-
te, communicando ter fnnccionado durante o praze
da lei o conseiho municipal de recurso de quali-
flcacao de votantes dessa parochia.
3." seccao.
Officios :
Ao inspector da thesouraria provincialDe
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia com-
munico a V. S., para seu conhecimento e fins con
veaientes, que em offlcio de 27 do corrente de-
clarou o bacarel Joao Baptista Gitirana haver
dnixado nessa data o exercicio do cargo de fiscal
interino da collectoria provincial do municipio de
Palmares, por ter sido nomeado promotor publico
da comarca da Boa-Vista.
Ao mesmo. Da ordem do Exm. Sr. presi-
dente da pr .vincia communieo a V. S. que por
acto desta data foi prorogada a presente sessao da
asserablea legislativa provincial ate o dia 5 de ju-
nho proximo.
4.' seccao.
Offlcio:
1* secretario da assembled provincial.N.
119.De ordem de S Exc. o Sr. presidente da
provincia remetto a V. S.. para os devidos fins, co
pia do acto devta data, prorogando a presente ses-
sao da asserablea legislativa provincial ate o dia
* de junlio proximo.
EXPEDIENTS DO DIA 31 DE MAIO DE 1874.
1.* secr&o.
Offlcio :
Ao Exm. brigadeiro commandaate das ar-
mas. Providec-i- V Exc. afim de qne hoje as 4
horas da tarde sejara feiias as hooras militares
devidas ao|finado dosembargador, commendador da
imperial ordem da Rosa, Manoel Jose da Silva Net-
va, no eemiterio publico, onde se acbam os restos
mortaes.
te do juiz municipai do termo de Cimbres. 0 as 88- Me reed o de re Urine t e ear
Exm. Sr. presidente da provincia manda accusar mamrnto de GIZELLA foi veadtdo
o recebimento do offlcio V. S., de it do aoaaaw a H/O psr r.wr. O eaereade- de eaaa-
ear vai melhoraade ; o maacavado
bora de Prrnamburo a. 9 a 3.
New-York If. < ambiu sohrc Lon-
drea 4 5. Oaro llo. Cafe do
Bie fair alt il. e good a 18 34 cents
per libra. Algeddo ssaedlano uplands
m as a H crnts per libra t elevaaa-ae
a vlniee dons mil rardos as ebes/a-
daa de taeje ao porios amerioa-
aos.
Uverpoel 19. Mercade de also
dao desaaimado ; veaderaea-ae bo
Je dea rail fardoa. aeadn aete
centoa e riacoeata procedeatea da
America do Atal i e pair de Per
ambneo de Haceld a 8 d.. e
o de aatea a' */ d. por libra.
O mercado raado.
Aatuerpia 1. Ospreroa do mer-
cado de cafe lominuam a man ter -
se.
Hamburgo 17.-Mercado de cafe
deeaalmado. e aa traasaccaea sao
llaaltadisslmas.
Havre 17. O saercado de care esta
qaieto, e os preros seat alieracao i
o bom ordinario de uio de 94 a 95
francos. Alsodao ordiasrlo de Mo
roc-aba deSlafll fraaces.
Harsellia 1>.-Aaaacar de Per
aaaabuco n. *o a e francoa.
sale de Janeiro 19. Camblo sobre
Londrea 3 3/S d. bancario. e ae
3/4 d. particular. Camblo sobre
Paria 300 rela por franco.
Bahia 19. Camblo aobre Lonflres
**) 1/C d. bancario, c e 5/a d. parti-
calar.
despachos da presmbncia, do dia 17 de outubro
de 1874.
Antonio Luii de Oliveira Azevedo.Remettido
ao Sr. inspector do thesouro provincial para deferir
o supphcante, se nao hoover ineonveniente.
Adriana Felicia Maciel. -Reqaeira a sopplicante
opportunamente o provimento por contrato.
Francisco Xavier Alves dos Santos Lima in-
deferido.
Conselheiro Prancisco de Paula Baptista.
Aguarde o supphcante o necosiario credito, que
Idalina Copdeiro da Silva Ao juiz de direito
da comarca de Cimbres para remetter as informa-
roes e doenmeotos requeridos.
L-iurenca Maria. lod-fendo.
lle|>ai'tic 2.' seccao__Secretana de policia de Pernambuco,
19 de outubro de 1874.
N. 1236.Illm. e Exm Sr.Participo a V. Exc.
que das comraunicacdes recebidas hoje nesta re-
particao. consta que se deram as segulntes occur-
rencias:
Foram recolbidos a casa de detencio, no dia
17 do corrente, a rainba ordem, Francelino Gomes
da Luz, de quem tratei na parte diaria de 16 do
corrente, vindo de Limoeiro como desertor e cri-
mindsona provincia da arahyba.
A' ordem do Dr. delegado da capital. Joao Cor
reia da Rocha, preso em flagrant?, por crime de
ferim>-ntos lews, a disposicao do Dr. juiz de direi-
to do 2.* districto criminal.
A' ordem do subdelegado <1 > Recife, Firmino
Antonio de Souza < Manoel Theodoro da Rocha,
por iffensas a "oral publica ; Jose, escravo de
Manoel Gomes de Barms e Silva, a requerimento
do procurador do senhor.
A' ordem do de Santo Antonio, Cordolino Mi
guel da Cunha, Francisco das Chagas Pereira,
Jose Quirino de Souza, Benedicto, escravo de Do
mingos Nunes Ferreira, e Antonio Manoel dos San-
tos, por disturbios.
A' ordem do dos Afogados, Domingos Jose Leo-
cadio, de quem tratei na parte diaria de 17 do
corrente, preso em flagrante, por crime de feri-
mentos graves, a disposicao do Dr. juiz de direito
do 6. districto criminal.
No dia 18, a ordem do subdelegado do Recife,
James Trainman, Frank Panlia e George Macbeley,
a re jui-icao do consul ioglez.
A' ordem do de Santo Antonio, Antonio Gra-
ciliano das Chagas, Damiao Jose Caetano, Jose Ru-
frao de Oliveira e Elias do Carmo, por disturbios.
A' ordem do da Boa-Vista, Vital, escravo de
Joao Francisco Paredes Porto, a requerimento do
senbor.
A' ordem do da Capunga, Serafim, escravo de
Antonio Jose Pereira Bastos, por desordem.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. com-
mendador Henrique Pereira de Lucena, digno pre-
sidente da provincia 0 chefe de policia, Anto-
nio Francisco Correia de Araujo.
&mmmmm%:
(acencia telegraphica havas-reuter.)
Montevideo 19 de outubro. Oa
ciiefes dea Inaurseatea generaea
Arredoado. Blvas. Borgcs reuni-
ram se ao general Mitre, e vao mar-
char eoutra a etdade de Buenos
Ayres. Alauus navlos da marinha
(logoverno arceatino passaram se
para os tnsursreates. O neoeral
sarmiento acba ae cematandando
a forcaa do governo que defen-
deaa a capital. 8r. Mleaje Alvear
e ladleado eosao ministro plealpo-
tenclario da Repablira Araenliaa
Junto ao governo da lasrlaterra e
taaabem em Roma. 41 governo de
Buenos Ayres acaba de reqartsltar
ao de Montevideo que prohlba a
exportnrite de armamento e mual-
cftea. bem como a alistamento de
gcate na Mepamllea Oriental.
Iilwerpool !.Cbegou aul o pa
quete Inglez, da llaba do Pacinco,
BRITANNIA, procedente do Braall.
Bio de Janeiro 19. Chegarana
aqui oa vaporea insriezea PTOLEMY e
ARGENTINA, e o paquete americaao
ONTARIO.
Bahia lo.-cliegou. procedente do
Rio de Janeiro, o paqnete portu-
gues ALMEIDA GARRET.
COMMBBCIABS.
tondres 19. Conaolldados lc 3
.A'.E.VMA AMERICANA.)
Bahia 19 a"s 7 h. da manhaChegou do
Rio de Janeiro o vapor portuguez ALMEI-
DA GA HIIET.
Rio 19 a 1 b. da tarde.Chegou o pa-
quete ampricano OSTARIO, procedente de
New York e roais portos da sua escala.
Bahia 19 a"s 3 b. da tarde.-Mercado
inaltorado.
Buenos-Ayres 17.0 general Mitre as-
sumio o commando em chefe do eiercito
insurgeole e acba-se as portas da capital.
Reins mai^r anciedade, esperaudo-ae a
^ada momento ouvir-se o signal do ataquo.
Quem venceri?" Ha muito receio do que
a tropa, gue ainda se conferva fiul ao go-
verno, assim como a esquadra se passe
para o outro lado. Se assim succeder, a
victoria sera facil para os lasurgenles; se,
porem, ella se consorvar leal ao governo, a
luta deve ser renh dissi na e ninguem pode
allir.-nor qual dos la-los sahira Vencedor.
Ao deixar o poder, o presidente Sarmiento
publicou um decreto, foi o ultimo, man-
dando riscar do quadro militar a todoi us
officiaes e gyneraes itisurgidos, e ao raesmu
tempo sujeitando-os a conseiho de guerra.
N'tltna measftgdn que o novo presidente,
Dr. Avellaneda, acaba daeaviar ao con-
gresso, pfopde que o ex-pr.isidente S miento S"ja elevado ao grao de general dos
exorcitos da republica, assim como que o
minislro residetitd no Paraguay, o Sr. Dr.
Alvear, seja removido no mesmo caractor
para a Italia. 0 eommercio esta* total-
meute estagnado. 0 goveruo dirigio ao de
Montevideo uma iatima^aj para que este
conserve, na luta travada, a mais absoluta
imparcialidade, e corre que oSr. Tejedor
vai ate a vizinba capital em missSo espe
cial.
Montevideo 17. Os insurgantes srgenti-
nos comprararn aqui mais um vapor, mui-
to arraameuto e alguus canhdes e minigoes
em abunbancia. Xarque: Sabtram para o
Brasil diversos carregamentos montando a
iO.100 quintaes e parajHavana 6,500quin-
taes. 0 que existe em deposito e ta- seodo
vendido a 48 reales. Estao carregando
8i,500 quintaes para o Brasil e 56,800 para
Havana.
Rio 19 as b. da tarde.Mercado inal-
terado. Amatiba sabirao para os portos do
norte os paquetes brasileiros CEARA' e in
glezes ACONCAGUA e ORENOQUE.
DURIOD PERflAMBUlXJ
RECIFE, 20 DE OUTUBRO DE 1874.
IWotieiag da Europa.
Hontem a 1 hora da tarde fundeou em nosso
E)rto o vapor inglez Alice, trazendo jornaes de
isboa ate 3 do corrente.
Dos numeros do Jornal do Commercio extrahi-
mos os seguiotes telegrammas :
Francfort, 29. Tomom-se precaufSes re
iativamente aos 40 princioaes membros da uniao
dos trabalhadores. Foram apprebendidos papeis
imponantes.
a Copenbague, 29. Prepara-se am grande
meeting em Fredericstadt para protestar contra as
repetidas expulsoes de dinamarquezes de Schle?-
wig. o
c Berlim, 29. Prepara-se a formacao de um
novo exercito de reserva, no qual serao incluidos
os individuos nao comprehendidos no exercito ac-
tive 0
i Madrid, 1, as 12 horas e 20 minutos da ma-
nha. Layard, representante da Inglaterra, chega
ra hoje, e julga se que sera reeebi lo segnnda-
feira. Annunoa-se que Zorrilla nao tomara parte
activa na poliiica, e muito menos occupara posto
importante no partido. 0 governo parece dispos-
to a satl-faier em metalico 2ii milhoes do leillo de
coupons, que sera hoje.
c Paris, 29 de tetetnbro, as 4 horas e 35 minu-
tos da tarde. 0 prlncipe das Astunas partira
para Londres aegunda foira, afim de terminar os
seus estudes militares. 0 duque de Tetuan, mi-
nistro em Bruxellas, e esperado em Paris para
conferenciar com Armljo. Thiers chegou a Turin.
0 novo discurso de Thiers no Meio-dia conclue
pela necessidade de organisar a republica, em con-
sequencia da impossibllidade de rtstabelecer a
monarcbia. 0 ministro do Interior partio para
Nice, para averignnr os roanejos separati'tas. Po-
('ONAlBUCa
REVISTA DIARIA.
Bxpoalcao de Pbiladelphla. A'a 7
boras da noite de 16 do corrente teve lngar a 6*
sessao ordinaria da commis?ao iocumbida do agen-
ciamento de productos e especimons da industria
nacional nesta provincia para a prdxima vindoura
exposi;rto de Philadelphia, a quo deve preceder
uma exposicao nacional em setembro de 1875, e
exposicoes nas diversas provincia:- do imperio em
abril desse mesmo anno.
Estivtram presences a sessao os membros da
commissao Dr. Portolla, Dr. RuMno de Almeida,
Dr. Manoel de Barros Carlos Muhlert o Felippe
de Figueirda.
Approvada a acta da sessao da 9 e lido um offl-
cio da presidencia solvendo o.ma duvida da com -
missao, proseguio esta em seas trabalhos, e deli
berou :
One se eontinnac a r- > a .: "
**-v aorgamsirao das listas de
siuvamente, a carta do czar nao manifests adhesSo
aos carusua, nem aaima o pretendente.
Paris, 30 da selentbro, as 4 boras da tarde. 0
conseiho reunido aob a presidencia de Mac-Mahon,
ilecidio que o minislro daa juiticas reprcente
amanha o giiveroo na commissao parmanente. 0-
repabheanos inierpellaram acerca da fallada in
gerencia de um ministro na eleicio do Maine e
Loire. Canov.is del Castillo foi recabido por De
cazes.
Madrid, 1, as 6 horas e S minutos da tarde.
Chegaram hoji procedentes de Santander, os re-
presenunlea de Franca e Inglaterra. Esta livre
de perigo a duqneza de Aosta.
Madrid, 2, a 1 hora e 53 minutos da manha.
A Tertulia Progressista recebeu coinmonicacao do
capitao general nao prraittindo rennides para tra-
tar de aasumptos politicos.
Londres, 1, as o horas e 40 minntos da tarde.
0 Times die que a receita de-te ann nao cobre a
despeza feiu pelo governo inglez. 0 emprestimo
hjngaro abre a 6 e fecha no dia 8
t Porto, 2, as 12 boms e 12 minutos da tarde.
Apezar do vapor Camilla estar encalhado na bar
ra, entruu hoje o vaporiuglez -V. ra vindo de Lon-
dres. Nao foi pilotado e entrou contra voutade
dos pilolos. Fallecen o commerctante Domingos
de Almeida Soares. >
Madrid, 2, as 2 horas e 4 minutos da tarde.
A Iberia mostra-se de*peilada com o resultado do
leilao de hontem des 23 milhoes em effectivo, que
apenas produtio 23 milhoes nominaes, quando na
b ilsa se negoceiam os coupons com 50 Oio da
prejuizo.
a Madrid, 2, as 11 horas e 45 minutos da tarde.
Amanha tem lngar a recepcao official da ministro
da Franca. Falla-se de um centro director inlran
sigente determinando-se ate certos nomes. Oi car-
lutas queimaram nma estacao e destruirara uma
ponte no cminbo de ferro de Aragao a Valenca.
Chegou esta manha o general Pa via.
Paris, 26 de setembro. Os periodic is occu
pam-se todoa da questio dinamarquezt, e como
sempre da questao hespanhola.
a & raro o dia em que os periodicos realistas
nao annunciam uma victoria carlista.
c Hontem diziam que Moriones fora batido com
10,000 bomans que cimmandava, por 2 batalhoes
carllstas, qne os exercitos do pretendente tinbara
passad-i o Ebro e se dispunbam a marcbar sobre
Madrid.
Succede, porem, que sempre que a ageocia
legitimista Narairaif da estas noticias de effeito,
os )ornaes serios as deamentem com firmeza, sem
medo de se eoganarem.
a Esta agenda & a mesma que annunciou a to-
mada de Bilbao pelos carlislas, a rendigao de Pam-
plona, a tomada Pnigcerda, o levantamento em
massa dos exercitos republicanos em favor de D.
Carlos e mil outros canards.
i o que e muito serio e certo projecto que se
a'.tribue ao chanceller allemio, projecto que tem
encontrado sympathias mesma em parte da im-
pren a pariaieaae.
Segnndo corrcspoaUoutes q ason bwu
informados. o Sr. aa Bi*mrk reaolveu apoiar a
candidatura do principe das Asturias ao tbrono
de He-pan ha, governando durante a sua menori-
dade um conselno de regencia, do qual sera presi
dente o general Serrano. Diz se mesmo que a re-
ceole viagem de D. Affonso a Berlim se reiaciona
com este projecto.
Duvido da veracidade da noticia ; sem em-
bargo a Liberle, geralmente bem informada da-a
como certa.
a A questao dinamarqueta parece curaplicar-se
cada vet mais.
a Depots da guerra de 180'i, e em virtude do
traiado de Praga, a Prussia obrigou-se a restiluir
a Dinamarca a p .rte norte de Schleswig. Diver-
-os protestos tem porem retardado o cumprimento
desta promessa, e agora parece que o g ib nrte de
Berlim resolveu nao attender as reclamacdes d-
Copenhague, allegando que os povos de Schleswig
preferem ser allemaes a ser dinamarquezes. E'
em harmonia com esta resolucao que teem sido
expulsos do Schleswig muitos patriotas dinamar-
quezes.
Em Schleswig, estando reprovado por subdt
i is allemaes, verificar se ha um plebiscite, que
sera necessariamente favoravel i annexa^ao ; dan-
do-se como no pacto apparencias de legaiidade.
a Parece, nao obstante, que o Sr. de Bismark
soffreu ja um cheque ; segundo consta o projecto
pnraitivo do chanceller allemao era annexar toda
a Dioamarca a coufederacao gerraanica, chegando
mesmo a dirigir proposlas neste sentido ao gover-
no dinamarquez; mas este nao contenle em re-
pellir as proposlas, informou dellas a Russia, que
dizera Ihe prometteu apoio e proteccao em caso de
necessidade.
E mesmo a este pacto que se attribue o res
friamento de relacoes que se diz existir entre o go
vemo do imperador Guilherme e o de czar mos
covita.
Alguns orgaos jornalisticos de 5. Petersburgo,
dos mais importantes, tern dado a entender que a
recusa da Russia em se associar a Allemanha na
3uelao de reconhecimento de Hespanha, foi uma
emon-tracao do czar contra os projectos anne-
xionistts de Berlim.
t A Franca assists ha dias a um espectaculo de
veras ediilcante. E a luta entre os bonapartistas
liberaes e os bonapartistas cesarianos. A sceoa
passa-se na Corsega, a proposito da eleiQao de um
membro do conseiho geral de Ajaccio.
f A' candidatura do principe Jeroaymo Napo-
leao chefe dos moderados, opp5em os partidarios
do ex-imperador e do ex princije imperial Carlos
Napoleio, nio poupando meio algum para o fazer
triumphar.
< 0 principe imperial, o Sr. Rouher, e os prin-
cipaes chefes do partido napoleonico, teem drigi
do proclamacoes aos povos.
Le Pays, L'Ordre, e outros periodicoa favora-
veis a candiJatura do principe Jeronymo publicam
violentos artigos contra os seus adversaries, oa
correligionarios a chefes que o patrocinam.
a Torna-se tanto mais edificante esta polemic*.
que todos os factos, publicos e particulares, qne
podem prejudicar qualquer dos dous rivaes, teem
=ido trazidos pelo seu adversario para os dominios
da publicidade.
c 0 escrutinio dira a 4 de outubro o que prefe-
rem os corsos: se o regimen dictatorial, se o im-
perio liberal. >
commissoes para agenciarem productos aapeci
mens da iodnstria nacional oos diversos maaici
pios da provincia ;
Que se pablicissem pela imprensae fosaata ies
pre-sas em aul:os as instruccoes de 10 de junh
J" 1872, mandadas vigorar para a exposicao a>
lo/o ;
Que se imprimisse circolares para serem din-
gidas aos afrieultres, artistas a mdusiriae* soii-
ciundo-lbes oconenrso para a exposicio ; '
Qua se dirigisse circulates especiaes as radar
coes dos jornaes, municipalidades, imodido:
cientiricas, artisticas, industriaes e comn>erciae-
da provincia, e bem a-sim a todos os exposttotv
a ultima exposicio, solicitando-lbes qne aoxi-
Hem, tanto quanto a cada um cooler, a fesu a\
trabalho nacional, no pmximo vindouro anno
Qu- s offlciasse ao Exm. presidente da provin-
cia, sohcitaodo-lhe que expeca ordeus afim d>
que os esubelecimentos publicos. Ues como o pra-
siaio de Fernando, os arsenaes de gnerra e man
nha. earn de expostos, colonia orpbinologica, ac
etc., concorram a mesma exposicao ;
E finalmeote : qua se respondesse aos offleio?
le commissio superior da corte e do Kxra. presi
dente da provincia, todos lidos oa sessao anterior
assegurando Ihes que a commissio provincial ea-
vidara todos os sens eaforco; no intuito de fazer
com que a proxima vindoura exposicao seia &jo-
cornda por grande copia de productos e por mm-
tos expositores, e bem a-sim satisfara aos desejo-
da commissao superior no tocaote a remaaaa 4a
sacca de aigodlo e das infbrmacSes sobre esse pro
ducto agncola, e as recommendagoes do goverac
quanto as epochas da abertura da exposi^o da
rem9sa dos productos, como foi prescripto oo avi-
so circular do minisieru, da agricultura da 18 de
setembro do corrente anno, sob n. 22.
lurj do Ret-ire. -Compareceram hontem
19 Sr*. jnires de facto, o que dau lugar a qua,
sendo dispensados i, f jssem sorteado? mais oa se
guintes :
Recife.
Prancisco Ferreira Ba tar Junior
Santo Antonio.
Dr. Modesto do Rego Rapti-ta.
Dr. Jose Aostregesil > Rodngues Lima
Jose Elenterio de Azevedo.
Dr. August-> Trajano de Hollanda Chacon.
Candido Autran da Malta Albuquerque
Jose Joaquim da Costa Leite.
Frederico Augusto Cesar Burlamaque.
Boa Vista.
Vicente Teixeira Bacellar.
Antonio Jse da Silva Gnimartes.
Bemvindo Mootinho.
Antonio Cardoso Vi-ira.
Carlos Joao de Souza Lorrea.
Dr. Miguel Jose de Almeida Pernambuco.
Dr. Jose Lopes Pessoa da Costa.
Simpliclo da Crux Ribe>ro.
Jose de Barros Correa Sette.
Dr. Ernesto de Aquino Fanceca.
Wo Bantista Cesar.
Dr. Joaq-
iquim herreira Lhaves.
Dr Jose Ja-Motho Dirges Diniz.
Dr. Jesuino Lopes de Miranda.
Francisco de Assis Castro e Siva
Antonio Machado Gomes da Silva.
Gemioiano Joaquim de Miranda.
Dr. Jose Lomelino de Vasconcellos Druramood.
S. Jo*e.
Jose Francisco dos Santos Miranda.
Thomaz de Figueiredo.
Joao Jose de Carvalho.
Graca.
Augusto Jose Goncalve* Lessa.
Affonso Peixoto da Silveira.
Poco.
Christiano de Gusmao Lobo.
Antonio da Rocha Accioli Lins.
.4' quem for aeu aeukor. Acha-se
recolhido a casa de detencao, por disturbios, am
iodividuo de cor prela, que diz cbamar-se Anto-
nio, de altura regular, olhos grandjs e iojectados
de saogu*1, muito pouca barba, e com um do*
dedos da mao direila certado, o qoal se suspeita
ser escravo e andar fugido. Quem se julgar com
direito a ella queira reclama lo aa secrelaria da
policia, mediante documentos comprobatorios de
seu legilimo domioio
Araenal de marinha. Acaba de ser
dispensado, a seu pedido, do cargo de Inspector
do arsenal de marinha desta provincia, o aosso
amigo Sr. capitao de fragata Francisc Romano
Slepple da Silva, em consequencia de haver obti-
d j passagem para a 2* clasaa, conforme solicit >a
E' de n-isso dever consignar algumas linha* em
relacio a esse facto, alias sensivet ao servieo pu-
blico, pelo vacno que deixa naqaella reparii.;ao
tao dedicado quanto zeloso cbefe.
Esta felizmente no aoimo de todos os boos e va-
liosos services prestados pelo Sr. cap in Stepple, no exercicio do importante e espinoose
cargo, que ora deixa daQnilivamente.
E' isso uma verdade tanto mais saliente, quan-
to o attestam os innnmeros beneflcios prestados
ao estabel^cimento durante sna administracio
No espaco de carca de ires anno*, qae o Sr. ca
pitio de fragata Sie .pie alii pernuneceu, reinou
sempre a meinor harmonia entre todoa, a par 4a
mais severa disciplma
Tivemos disso nma prova na manifestacao pu-
blica toda espontanea, dada pelo* seus emprega-
dos, quando ullim-mente deixou o exercicio e sa-
trou no gozo de licenca qua lbe foi coocsdida teio
governo.
obras importantes foram iniciadas, e levadas
eeonomicamente a effeito pelo Sr. inspector Staa-
ple, e entre elias nota-se o confortavel hospital allt
esiabelecido, quartets vastos, casa da moradia.
etc., etc.
Ainda maisf: Em poucos dias vamos gozar de
am melhoramento importantissimo ioietado aa
commissao do Sr. capitao de fragata Stepple,
vem a ser os servicos de uma barca d'agua, apro-
priada ao abastacimento desse elemeoto a ajaal-
quer navio, tendo sido por elle assentada a reapec
liva quilha, prestando assim am valioso servieo ac
commercio desta importante praea.
Alem de oatras construccoes podemot maacso-
nar ainda a de uma excelleote lancba a vapor, dss-
tinada a provincia do Maranbio, sendo para laati-
mar, ae nio fdr ella conclaida qoanto antes.
Faaemos votoa para qua o arsenal de mariaaa
continue a manter se na altura em qo* foi eaaa-
cado pelo muito digno Sr. capitio de fragata Step-
ple, cujo zelo e dedicacao ao servieo publico aao
sao desconhecidos, qoer aa marinha brasiteira, aa
qual tem bonrosas tradiccoes, quer ao paiz.
Preaidente do Ceara. -Seguio a bordo
do Parana o Exm. Sr. Dr. Haraclito Graca, praa-
dente nomeado para a provincia do Ceara. Faa-
Ibe as honras militares, no embarqoa, uma forea
do 2* batalhao de infaateria da liooa.
laatltuto Medico PeraaaaafcMeaaa.
No dia la do corrente o institute fez a sua ses-
sao ordinaria, sob a presidencia do Sr. Dr. Cosme.
e com a presenca dos Sr. socios Drs. Santo*
Mello, Brito, Seve, Malaquias, Adriio, Behrfo.
Cysneiro, Estevio Cavalcanie, Saau Rosa, Rrauttft
Coutinho, Ramos, o Chacon.
NLeu se a acu da sessao antecedents e TcVra ap-
provada 0 expediente convtou de um offlcio do
Sr. Dr.Ninrio.
0 Sr. presidente nomeoo os Sr*. Drs. Piuaga,
Seva, e Ramos, para em commissao reeebewaiaa
couvidados notfiada instaHa^io sotemna do ias-
tituto.
Em segaida passoa-se a crdem do dia, a aatroo

anr
/


K8I M (Waino-aJ b MM tfflf de **"**> ~ Tcrcaifeira 20 de Outubro de 18T4
"''".-----------"------------------------------------------------------------T*m**m^mamm
?l",L 311.1/ .J o/ya
m?

tern discussie o re gimenlo raterno,
de approvaloa algaas arttgos,
hora. MTfi......
Eniroa ajMBjKfssao objervacao cliuica du
6 mesmojEStt Sstevio/usaOdo fla palavra
que Ihe ftrfWBliU. susteniou e diagnostic do
febre pernidosa, consignaao aa referida observa-
Jlo, e suslentado peia commissao medica, que_so
tore etia dea o seu
nostrco de erys
Rayranndo, por ftaa
qanglios lymph*
coma elle alHr
observaefto.
^tespondeodo a
ecer irapuguoa o diag-
milftaa pelo Sr. Dr, Jw
ter oatido lellamntacao dos
da regiao ingiiuo crural,
ue nio eonstava 4a mesma
se aesregraua da s
Caae oongrat
n-m-se lodas as a
fectiviaade dos res
qua 4 a primeira
meci-
*o do
Or. Ramos, di*se que o pa
reeer "da commissao liana sido-de fobre atratctosu
larradn, coroo w Mo 9(D rtlatono, e nao gan-
glianar coma elle aBrmata; quo nuneaaquidle
Ijngorgitameoro ganglioaar, como ela desenpto,
poderia ler por origem a n/iamntd j>eni$ el
do Bin nr-tcosa ou a ferida produzida pe?a opera
-do, por ir de encontra aos prracipios de anato-
tnia' d'aqaella regiao, que portanlo nao se es
(*4e at*-iou*r a letae do apfttriU ymito uri
11 1170.
B termiuou diieodo que reconhec-ia que o seu
trabalr.o era imperfeito, Bias que se elle o W*se
.on miit alleacao veria aao nio cUo aefijieole
como asseverara, e que apeznr de ludo dava-se
!! satisfeito em tvl-o apresentado a apreciaeao
do instnutu uA. i so porqae elle metivou urea pro-
Ion ada discussao, mas lambem porqae as suas
lacunas -c:ao evttad-is para o fucaro em ideiiticus
trstiatnos.
0 Sr. Dr. Ham is padij a palavra e disso que se
ruantinha Brine ero s o;>in:iu: e quo teerca do
doente, de qua e a-soiiipl > a obscrva^do que se
discule ; ;u sc podia as everar quo fa'lecera de
uma febre pernici'ne -; ma* que n compjomeato do
diaguostico da cuimiiis.-fio ora inluodad i, pur ser
deuViente a bistoria, a aotopsia ainda mais, pr
qu..nto em utu caso tao i:up > taute nada se men
cionara a re^peito pulmo^iar e ciiculathi >, o que era uraa imraensa
faltt.
f(io havnado mai- qu'iji podisse a palavra so-
bre a obsi-rvaviio, o S.-. presidente coasullou ao
iastituto se a juljjav.i -ulTIrienteuieDij disculida, e
seodo respondilo pla afHrmaliva, submetleu a
vot^ao o p-ii'acer da eotaiuissAo, o qual fora ap-
provado.
E estanla a hora ja hasianle adiantada, levan-
tcuse a ses 4o, e Jeu se para ordem do dia : i"
leitura e diseussai do'relaiurio que sera liJo pela
commis'ao de redac;ao u j dia da iustallacio so-
lemne du iailitotu; 2 discussao do regimenio
interno.
Stedico distinct*. Seguio hootem para
0 Para, a b rd > do vapor Paruad, o illustrado
medico Dr. Lueijno Xavier de Moraes Sarmeuto,
3ue, moco ainda teiu ja segura reputa^ao de dis-
ucto operator em alia cirurgia.
Ortos de que, onde qaer que chegue, plooa
justice se fara ao elevado mcreeimento de S. S.,
faaeuios v,.ios para i|ue bons veotos o :ouduza:n
a seu destiao.
Compunliia brUeira. Os vapores
desia coroiiaania Cervantes e Cenrd sao esperados
ete a 27 do corrpnt-3 dos purtos do sul do impe
rio, e aquelle a 25 dos do n-'rie.
ilintielro. -0 vapor Parana Icvou de nossa
prac.i para :
raiaMjua 20:000*000
Natal ;i:00t)000
Part 2:l00*rji0
Uiario de Pcrnambnro A c.mm
sao de esposicao n^sta proviocia, conpra o n. 157
1j D:.ino de 1'ernant.buco. de 12 de jullio do 1872.
A" rna do [mperatfdr u 83 1 andar.
QurMliio p Bsmiaacao uublieaiiiss U'1 pre>ente numern, na
se-cao de Put>ticac3?s a pcdido, um ariigo da re
dacfSo do Ol"bo, joroal do Hio de Janeiro, acerca
do relatorfq ultimamento dado aestarnpa ne to
Diario pelo dosso aniigo e distincio comprovincia
no Dr. Huino Auguslu de AJineida, em rcsposta a
diversos qnositns formulados pelo governo impe
rial sobre o systema penitenciario. H.'-oinmeuda-
mo< a leilura i!pss9 lrl'iio.
U Mr. itr. Uiumao I.obo. Em cam
parueultr, pndc-uos este aiuigo e aotigo collabo
rad.'r, qua, en qaaota nao ?e dirigc a cada uma
aa- pi.'ssoas que Ihe e^ viarara desta provincia con-
otlencias pela perda de >ua cara mai, rondamos
e :i seu name um publico testomuniio de gratidio
a ^eus cooiprovincianos que sc assoeiaram a sua
im.'ii.nsa dor.
Satisbzendo tio nobre desejo, campre-nos ac-
vontrar eODSolaeio: tfi lahia achado o oosso ami
go nag uunpro-as provaa derpezar quo daqui Ihe
loraiii enderecadas.
otnlcraoao pnriugncza. v m! a de
ser agracia io, p- to guverno portugui-z, com a eom-
m udu de Ciriato o distincio medico Dr Praxedes
G mes de Soota Pnanga, em attenjao aos rele
vantes ervi.os prt'itados no hospital portcguez
ncsta provincia
La Saiswn. -U-abam o> S's. L-imbaerls Si
Filiiu, hvreiros a rua dos Ourives n. 7, a enviar
para esta provincia a n. 17 do j>rual de mod is Li
SaisoH, quo se putlica em Pans n.is dias 1 e 6
de cada niez. Ao presente nuinero vpem ahnexo
um lindu c interessante (Ignrino colorido, e uma
granle f.ilia com bordanos, raoMes e uut-os tra-
balhos de agulhi. Essejornal 6 o uoico que traz
addicioaadu una fulha, escripta cm pormguez,
com a de.-cripeao das ultimas moda- e dos dese-
tihos c gravnras que cuntem. Continiia a assig
iiar-3e em lodaa as livrarias a liJUOO por anno
para as provincias.
SlcphitttopUelea. Recebemos Beta vapor
Parana os us. 10 a io des iUus-lrailo-quo se. puMica no Rio de Janeiro, e que
seiu diivida t 0 que marcha na vaogaarda do pr
gre-.-o, eiu lOcio do giande uumero do giucio
joruaes cnticos illu^lrados. As gravuras que traz
saouiuiio perfeita* o obUtosaa, oo (alto e escrip-
to por penuaa illiuiradas e de proni.neiado gosto
bunions ico.
Camai a (Jos deputados. Itecebemjs
do Hio de Jaueiro dous foltteto- conteHdo os dis
corses prununciados, na camara temporaiia, oe
1 os Srs. u> pulados de.-embargadur Tristao de Alea
carAraripe eDr. Auizio Salathi< I Caroeiro daCu
aha, e-te pur occasiao da refornn el--r.ui.il, i
aquelle em arfcza do parecer da coiuuiissan espe
cial Doineada para exaiuinar a deouncu apreeu
tada contra tres tmnt.-tros de estado. Agradece
lues as cillerlas.
Buiqoc. Escr vtiu-uos desta localidade, cm
data de 3 do correute, o seguinle :
Teve lugar no dia 21 da inez licdo, a abertu-
ra d 3' sessao ordtaaria do jury desia comarca
sob a prcsiaencia d i o vo juiz de diniln. Dr. Juse
Maria u< scoso da Wi^ Pessoa, ha pooco maia de
um roez aqui chrgiido para oade veio, removido
de uma d-s inan- is da provincia da Parahyha
('orrerain os trabaltios de-.-a ses ao com toda
a ordem e rttgulandade, sendo por demais exlen-
sos, p.iis somente hontera foram encerr.idos, no
eontequencia do grande srjvico que havia, sendo
julgaoos U procesnos, coatenJo 16 reos. 14 pre-
aot e dous aui>ncalos, ealft os quaes a a n .vo
julgament) que niio se Uukam dado a lalta de
juiz que os presidisse ; dacdo em resu'tado 5
oondemu.^ues, e II absolv.^rui t-otre esus uma
pelo voto deMiaetva em tjreeiro julgameuui
por crime de huuiu i.lio, iniluiudo sem auvida, u
ctpiruo dus que coiicuireram para o aaipate, a
oircumstancia de *cBar re preso o nio lia. qu-.si 8
ani os duraote os quaes rorrer*m o liainiUr- das
aot-riore dtdsoes. Mais dun absolvi^oes ioram
pr> f-ndat em dous juigameni s, luotivaaoo, se
gun-Jo nos pare-e, essa iudulgenesa, lambem o
tempo de pri-ao du: eos, .,ue de algama niauii.' a
ja tiult in txpiado -ua cuiuabilidade, e os dem.us
m en uei de pouea monU, us quaes soueule o
r6ConU*-cido >elo e :ctivioade na praiic 4-j- hiid.-
(egaef, e coerciUvo-i de repes-ao e puni^ao des-
eDvut'idos pelui Urs. juiz muoi ipal f pfom-ilor
poolico tizeram arr* ur os in Jicia-los a oarra ik>
tribunal, a responder perawe seas pares ; tend..
as-im unto uns cixno outros cuwprido com o
seas deveres.
Ja se ve, puis, quo o jur) desta comarca ^n-
da as a vea eompreb uJeu sua a bra e oievaaa
nn8*j; p/ouvara a Deus que i s das mass cotoar
cas do Ho seitao te outpeoetrassem da aeee>s
dad da'puai^ao d>.s crimes c a coiu,roitend<:ve
em ordem a uao mi eudeosar a impunidade, Hue
teat m4j a causa motorada muiiiplicidaio dr. tor-
rorosos aiisuudus, a sun bra do mai -i.t.-t. Ji !-
prouxfao dos maud es d,aUeia, que tem dado em
reultad) o inereuieutu que l.a uJo o auiuoro da
eilore.- e >.assiiios, ftaacton indo-se em qua.-
atj riai
-rae fin a
i da out'.
Csawii Jj^V d4aeofl0t -llovim-nto. da casa
ds d.deaoaa 4o dta 18 da outcifcfo d 1874 :
Exi'tiamJ^i, eniraram 10, saakatn 3, existt
359.
a saber : nai-.iooaes >60, ma'heres 7, estran-
ao*polio d lose do Rego Pactaeo.
Igualraenle elTeciua hoje (ill), <\ f
auiorldades dessas c*iiuatcar pWKadmmJiHs*js*!attiaaaJie>tB das rszendasda ma^sa
deltas os taes chefe.s im ar.to de^ r sitlopc ^a^iPgfiaHa j)pJTsj|i| m C, uo artnazem aa ru
districto' de *Mo/ot6,*da de Pesqueira,'e os demjua, ifattf^HWH u.4
comparsas se e?palharam ear vista da tenaciHBv.'"Mutm.lrQ 1) deve ter lugar o leilan
da persegui^ao legal.- iBWfrMiptlugftrJeBa, relogios de algibeira,
Sirva isto de exemplo aos protectores de cri- ouro, assim como viohos, conservas, cryslaes, ge-
me e aos incautos qoe sem motivos confessa^eis neros e niais accessorios do armazem de firaeci-
do jasto e hooaMo. memo not pelo laotode achtv pe(t*ncantes ae espolio de ades aesta comarca na el- for iiiterveaala do agaBla Pinto, e autorisacao
os exercicioa ; fee to esta gtrente do coasulado de Franca a para pagamea-
v ae sa ootisigua dep>>is da to dis credore* do me-a Jnad.
suaaiaaagao a esta ealuegarla, ha eieco anuos ;
pets sem pre tein estado em mterhsislitdes, 'empre
prejudiciaes ao servifio \ ublicc e ao direito das
psrtes, sem que desta c.-usigaai;ao haja o menor
vlslambre de of nsa as suscapubUWados do* le-
itimos substitute* qtre teem etdo em exerHeto; geaw 2f, e^cravoa SitT tat 35*
ao coutrario rendendo uma homeaagem a justica, Alimeatados a casta dos cofres publicns 170.
o fazemos ao caracter honests, boat inteieOe.- e A saoar Sai
inlelligencia do coaiaiondador Manoel.Cmnelio Honatltal
Pessoa Cavalcaote, e major Francisco Vaz Cavat- d. Movimea
eaote, que aUernaaamenta por-espaeo de doa* M> 7 4 eerreata*
nus teem tacercido as funccSes de juiz muuicipal, Ficaram em tcaUmauto SS, eniraram duraute a tac
sempre cum acerto, ju^tica praferido dsuas deci- semana 10, saMrtm cafllotjsf. 'W^VlJijmSmm Jfft l99mMmW9* nas cellulas pu
s6es, e aisim coaduzindoibem ease ramo do ser tem 35. "hj?*. instrumentos para serrar grades, e lambem
vico a saas^oardas *ndo erta que nesla terra Ratra da semaaa a mafiomo lanaal aalt-' tssWaaespirltoesasy fcroeetaat pelos porladores de
se apreoia os boas caraclres que snWtem. e a sembra deats salotsr'iuHaericia,' Camfaerto paM>rio i* a 171
se acfca o Dr. juiz municipal Lui* de Gusmao, e da eor rente :^- i*\ _.
agora o novo l5r fait de direito Velga Pe9oa. ha Anaa*9oa(jnifM dos Santos, Iranea. Peiuausaaao,
pouco aqui c.egadu cnlre oos, o qual tem gran- vo auno*. v.ova, Recife.; mutertia interior,
geado a esliraa de to Jos pela sna afTaDiMade e lino Anna Perprtua Dantas Senhorinha, branca, Per
irate que tem dispensado atodos qoea (reqoeata, naiaJmeo, 7o aauos, casana. Boa-Vista .; begatise
bremaaeira na ultima seskao d> jury aaa presi-, eHNtffeas>a t .o o >b r.
dta e nas actoa da just if a qae tem pnhlteadD, re- | Mareetiae, paries ftssmaosbaat, H mazss, #oa-
suKando disto, qae gregss e troyaaos esta aos Viata ; vecmesi m .te#t -.k -"*"
com elle wuita faiisfeUos. I Reearia*. saarawa, preta, Alaioa, SI aaoov *
i Sac digaos de uma aonxo-a mencao oa traba- tnjra. Boa- Vista-; hepatite c
taot qae tem (eitoo incaasavel missioaario capo-
neato das enfermarias do Ointra
Nao da offlcinas 1 Comer e *tf"lif_jail JflJM
ara a regenera^lo do cuJ.M" "
a poru de madeira dMNHrla, e tmpos-
rvar os movimenios e patt^fia ia% pre-
ada aporta de madeira dacelial s solTrem
s calof excessivo durauti, cefias hjras do
giao tal que muitas vezetTrclama o me"
dico a abertura della. As porlas das cellulas nio
se podem bos fechar. ^^^^
4aeellaiaa sao escuras, aao lam iilumiajfao ia
leraa, a dos corredures a^msuSatjante e mat du-
posts. ^3
fas celulas nao ha tsmheretes snllicientes pan
o aoaiero de presos; donnem esses em ama oarra
de madaira sem travesseiro, as vases nocdao nao
ass'Ulhadfk.
Nao ha local iri 3s: os prtsos conv- rsam con>
visrtas se^a poe os ougamos empregados. Ent
uo enabeleeimento, no interior da pri-io e c
oMinicam com os presos, a pr-textode levarem fhes
oomida, pessoas estraobas. Por causa desle syste-
Se do daa visitas cnegararn as aoatae ao paUo
ser esta casa o meiaor lugar para a ocsultacao
e Tenda de ohjectos furiados. Do pnder de pre-
os lew sa tornadoob(cto da ea*e-pfata lar-
dos e dadc-a. a_guajjAar oujendidos naoccanao
clunho Fr. Eslevio Maria de Huagria, na fregue-
su da Pedra, desU comarca, gois qua sniesioaaD-
do alii, teve de deiur abaixo a pequena capetla
qae servia de matris, e a etta secouttramdo em
largas preporfdes pelo novo systema de arcadas,
coadjuvado em gerai pelos seas habitaates, qaeoao-
t-ui poupadi esforcos ale o sacrtaeio, ja con di-
lieiro aqueiles que o podem e ja com osw traba-
Aaoa Ttieraca de Jesus, parda. BJa Gcaoda da
Nwte, adaaaos, soUaira, Boa-Vista, bospltal Pa
dro It; taaaasulas patasaoaaatsi- la# "^
Francisca Maria da Reaarretcao, prelt, Vet>
nambuco, 50 anoos, casada, Gra^a ; urs tumor
malign*. "22!
Maraioaillo, pardo, Peraamb;a, &mnes, Saa*
to ABtonia ; vttiatasi !>*# i"'*
Maria, eearaw, preta, Pernambuco, 30 aonoe,
lho,admirando-nos em extremo, poroc- casiao de Santo Antonio ; aneamoaisfc
dr.lua deladroea quuiis infe-Um, e cruzam ase^ I traa-p.irle ; ao-todo 215 navios.
trad** a hi era da -liolw ou vidados vjaiv
aanles, e as vt-zes dos laaeiiaeiros, sem que"uB"'
outros pos^m t,oar-lhda.conujs ; p-.iqii&vaa tfcr
a casa lom*r tue aiia*;ao de Uwa&a omadi -
.-------CTHd~3XrfijeJjrMa> tVUpo do- yji,el->&jai,,ii
Xieo t irniao#-^que para os faz*nj^ir0!, era pei. r
doqu qiHfita ecci, tingui. cai>ra atos e morrj
ilia hjvurn, causanic-nos em auaa exeun^-K betu
a!li irmos, o importante servico que se aa eense
guido no curio espaco de raei a meio achar se toda a madeira e matariaes nacessarios,
e ate com 9obra ao compleroeoto da obra, sendo
coaduzidos todos em hombros dos romeiros, por
exemplo, linbas deSai a 60 pal>aos, liradas em
corregos, que somente o dedicario senlimento de
devocao a excelsa unmaculada N. S. da CoBcei-
eao, padroeira daquella (requezia, os aniraava
uesse grandioso e difficil empeah ; achando se
ja a obra era e palmente a capella-mor.
a Assevera o mesino Rvm. missionario qae ate
o (lm de novembro eslaia prompta a matrix ein
preto, d-ixando a solicitude e dedicayao dus de-
vclosacoBcla-ao.
a E puis,a forca com*essar que o Rvd. Fr. Es-
tevao, tem ^do como todos de sua irdem, encan-
caveis lidadures da propagac/io da 16, nesU terra,
verdadeirosastentaculo da religiao dacruz, sem
iue em todo esse empenho se preva e^am de scn-
limenlos inconlessaveis para abusar do espinto io-
cauto dos lieiSjComo muitos de nosso clero tem abu-
sado, e que prevalecendo-se On predi ;a se dsscar
riam do verdadeiro trilho da cura e satide d'alma.
E prouvera a Deus que viesse elle para essa villa
mtftniai os sens dedicados esforcos em lavor
dos rcparos de que urge a caoella mor da respec-
tiva matriz, queseespera dosabo todos os inver
nos, cm consequeacia de uma grande fen la que a
separ< dooorpo da igreja, e no entretanto, nenliu
maprovdencia se ha tornado por se ac lar, sem
duvida, o ospirilo rcli*ioso por aqui mnito- abati-
do ; pais nem o preceito divino de missa coovea-
tual ictnos a e.-la parte cumprido ha tres meze-;
purque o Rvd. vigarlo encommendado tem andado
em|dssobl podesse deixar faz;ndo suas vezes
i I) u so ao amanhecer de ante-hootem, no Iu
parSanta Clara em dislaneia de 6 leguas dos-
ta villa, nma desagradavol oceuneneia, que pode-
ria sr de graves con>equencias, e nos referiram da
maneira seguinte :
Indo o 3. supplente em exeroicio do sabdele-
gsdo de policia desta villa, Hod..Ipbo RoJomberq de
Albuquerque, acorapanhado de uns 2o a 30 puli-
ciaes, toHMf umas annas de um inspector de
qunrteiiao da visinhanca de sua residencia, que
u...... .^ ......o a.. o bavia tirmtttuio, succedeu que
nas explicable* que se trccarsm na oecasiio do
cerco, appareceu um tiro e mai* em seguida uns
i a 6, r-.-uit;inuo deste cooflicto sabir gravemeute
fen do aquelle subdeJegado supplente, o inspector,
um HI ho, levemente e mais um genro de nome
Claudino >a Silva, qae esia em pengo de vida,
cousequencia* da ioqualificavel imprudencia e ex
-s> i do principio da autondade, com que. se Inn
ve aquelle supplente do sobdelegado ; informan
d i-nus mais, que ent e este e o inspector, havia
rixa velha que dera lugar a tudo isto.
a O de^egado de p i.eia, capilao Leonardo Bal-
bino Pessoa Cavalcanie e o Dr (iromotor publico,
aompanhadoj do escrivao Padilha, se dirigiram
ante* de hootem ao lugar daqnelle acontecimeoto
no mini to de syndicar do facto : e, voliaiam hoje,
asseverando-nos uma pessoa que onvira delles a
veracidade desse facto aciina exposto, com mais
ou menos circum>tanci?s, tendo proeedido es res-
pective* autos de vistoria, e inquerilo policial que
lerao de ser remellidos a auiond.-ide judiciaria
para proceder contia os cnlpados.
Ohras novas. t tttdependeneia Helga de
8 de seternbro noticia o segninte :
a TVremos mais de nma obra de causar sensa
cao neste inverno. Dentro em breve veremos na
casa Leinerre nmas como memorias posthumas de
Carle* Hugo, Os Hornens do Exitio, e como prefa
cio do livro, paginas de Victor Hugo, intiluladas
Metis PHhos.
< Em seguida o Sr. Luiz Veuillot, depois d>*
Straus, depois de Henan, depois de P--yrat, e em
resposta a est-s critic is pu'dicara um livro, ba*
rnihentn pur certo, mna-KYda de Jesus, oa antes,
nma Vtda de Nosso Senlior Jesus Christo.
\:i\ i( em conatt-isccao para a naa-
rlabu iusl'Zit. Parece-ns util extrabir de
um jornal ingles a lista dos navios em constrnc-
cao na inglaterra, para a mannha do estado, quer
nos seus ar-enaes, quer em estabelecimentos par-
ticulares. Incluem-se ne-ia lista alguns, ainda
nio principlados, mas a respeito de cuja < n*truc-
cio ja teexpedio ordens.
Nr.vios encnuracaios : Superb, em Cbattsm, de
2 helices, enc uraca4o, de 203m|", raontsndo 12
caahdee Temeraire, em Chattam : 1-nflexUHe, era
Porstmouth, navio de 2 torres, encour .cadu na li-
nlia 4'agna de CIO"/'* ; ouro navio de 2 torres, de
couraca de meimr espessura, que tem-se de cons-
trmr em Pembroke ; shannon, em Pembroke, en-
couracado d 2* classa, com couraca na Imha da
agua de 229-/.
Navio poria-torpddo : Vesuvius, bate! porla-
torp^Jo, de 2 helices, em eun^truccao em Pem-
broke.
Crusidores : Boadicia e Bacchante, no esltletro
de Portsmouth, devendo ser construidos, seguudo
ii sy-tema do Inconstant e montar 14 canhdej;
Rover, corveta de 18 canhdes, no ostafeiro de BIs-
ckwal (Tfeames Schipbuilding Company).
Corvetas : Biamdnd, Magieienne e Sapphire,
eorvetas de 14 canh5-*s, no estaleiro nma em Srier-
oess, outra em Sundertand, no eatabeleeiinento
dis Srs. noxfo.d and sons, a tereelra em Devon
port (a Mngietmne e am pooco differento das on-
tras dnas) ; Darmg, corveta do systema mixto.
montando quatro eanhoes, em conrtru;eao ern ea-
sa dos Srs. Morrey, Wigram, aol sons', em Blj
ckwal; uma segunda e casa dos mesmos cnnslruct>re- ; Lily, Arab, eor-
v-tas um pouso mais pe^ueoas qoe a Darmg,
ineata*o-tres eaatsfcii, aa- astaletra dw-dnV Jia-
pie.r, em Glasgow.
Ca- huueiras : Contest, Cygnet, Express, eanho
neiras do i-ysl-ma mixt-', de i|ualro auhoes, oo
-stal"iro nos Srs. Dixford, em Sunderland ; Gad-
fey, Griper, Pinckir Tickltr (eia Pembroke), Pike
( iu 1' irt-imulh) chaiupa* canhoneiras, do typo
da Stuuiult para inaior, :ua construecao acb*-se
suspensa.
Aviso ierodas,: Pioneer, em SundellaaJ,'em
casa do- Srs. liiumer and (1
Trausporte, < Mtistana, transnorte de ferro, no
ft taleiro il\j& Srs. Green, em Black wall.
Em rasiiuio : > navios enc. uragad. s, 1 batel
poi u'tbrp.5do, 3 crusadorea, 7 corveUs, 3 eanbo
Oeias, 5 cmlupas c-uhoueiras, 1 aviso du rodas
L.>ieriia^A |ue se acha a venda & a 111' a
ben. Bcio da matrix di Afogados, qoe corre, no
dis 2> do correute.
ij-li.-Huje eflectda o aizeute Martios, as
11 bora* do daa, o lenao da taverna da rua das
Carrujai D. I, esqama da rna de .S. Jiilo.
tauiiie.." ellectiia hoje, o ageate Dias, ens a
rna d> Alecr.:m. n. 3D, leiiao de moveis, joias e
fcons sustos e terror aos pacilicos habitaotes desta' mats arligos, as ii hora* da maoba, nertencent.s

I
Maria, par la, Paraamoaco, 3 mazes, Recife ;
espasmo.
Aleli- a, braBca, Pernambuco, f mezas, Bea-
Vista : variolas.
- ,8 J-
Veneraada s)a SilvatRaanoe, ptah, Pernamooeo-,
2> aanos, salteira, Baa-Vista ; totercalos pahao
narss.
Senhorinha Maria des Prazeres Si, bwac,
Por-nrmbaco, 8 aanaa, casada, S Jase; asoila.
Olympia Maria da ConceicJo, parda, I'ernambu-
co, 3d annas, taltetra, Boa-Vi-si-; gastro entefite.
Candida Maria da Conceieic, parda, Pernambo
co, 40annos, solteira, Hoa-Vbla; tuberculos pal-
moaares-. >ji-^s "t i
JoaepJia Plortoda dos Saat^ parda, Pernambu-
co, 3o annos, solteira, Baa-Vista; laberculos pul-
moaares.
Joa]ttina. ensrava, preto, ?#maTib8e, d a naoe
Boa Vista ; tsUno. b -
i
ritlBIIWL Oa. nEJLVC.lO
SESSAO ESPECIAL Ell 19 DE OUTUBRO DE
18-4.
PIUiSIDBNGia DO l'.XM. SR. OOXSEl.llEtnO
CAWAItOSArvTlACO.
Secrttari Dr. Virgtlio Cne:ho.
A> 10-Doras- embargaJoros Almeida e Albuquerjue, Motta,
Accioli, Domiogues Silva e Souza Leao, abrio-se a
sessao.
Em seguida o Exro. Sr. conselhairo presiiente
fox orelalorio dos aggravos do peticao, que ftrara
julgados por eHe e os adjontos sorleiada na ulti-
ma sessao.
N. 74. Aggravante D. Maria Augasta Uins
3ahia, aggravado Jwao.Ribetro Monlarjuyos. Jui-
zes us Srs. desembargadores Souza l.eao.o Accioh.
"icou adialo.
.\. 73.Aggravante AristiJes Duarte Ciroeiro
da Cunha Gima, ag rravado Joaquim Francisco
de A luqaar pie Sauliagp. Jaites as Srs. deseni-
bargadjres Mot'.a e Almeida Albuqnerque.-i-De
rain provuneuto.
Por t'-r faitado com cansa o Sr. desembargad-ir
It :.- e Silva. deixou de ser julgado o aggravo de
pcti.;*o n. 70 ciu que sao aggravaulus Johuston
Pater & C.
Encerrou-se a sessao a uma hora.
Questao pcnitcnclar'a.
:l\ largo tempo que on legi-ladores do velho e
novo rauudo, i coupam-se acuradameute com o
a.-sumplo que deixatuos iuscriplo >o ait i destas li-
nbas, suggendas pela leitura de um traballio cons
ciencioso.
Sa e verdade que o h'vmem e perfeetivel, a pena
deve ter por Um, nio so puuil o, mas principal-
meute currigil o. Prenlem-e intimameute a este
duplo resultado a garanlia e a seguranca de to>ia
a sociedade Por meio da repressao, previoe ella
as infracgSes da ei penal; por meio da tnuraiisacao
dos condemnados, impede as reiaci encias, mu'ito
mais perigosas que os primeiros crimes. Hcalinen
te, o mai prolutido pelo arrastamenlo espunlaueo
da uma paixao ma acarreta con o consequf ncia
apena* tuna perlurbajao momentanea da ordem
social; o mai, 'porem, nascido da vonlade reflecU
da de uma alma para sempre pervertida, con^tiiue
um porigo permanenle para a ordem publica.
A>sim, em lodas as nar;oes civilisadas irata-so
de resolver este difllcil paoblema : por um freio as
reincideiicias por meio de um regimen penitencia-
rio etlieazmenle moralisador.
Acbamos, por conseguiule, digno do louvor o go-
verou imperial formulando pelo ministerio da jus-
lica os quesitos a que acaha ie resp nder o ad-
mm strador da casa de dctencao de Pernambuco, o
illuitrado Sr. Dr. Ruliuo August* de Almeida.
Essa rcspo-ta ou relatorio, que temos sob as vis-
tas, e uma das pee; ts ofOciaes mais notaveis que
se !'' n publicad no Grasil; notavel pela erudicao
di funscionaiio que a elaborou, o mais notavei
ainda pela rara e hoorada franiueza coin que sao
exposljs ao governu os erros e iiicouvenieules do
nosso systema penitenciario, se & que pole t r o
nome de systema iss u qne possu mos.
Ate agora eram conhecidos e praticadoi entre
as n icoe* culus quatro syslemas : o Systema de
Philadelphia transfrmalo, ou separa^ao material
do.* pre.-os, com trabalbo e frequentes visitas da
fatnilia, dos membros de sociedades philantropiea*,
dos cpella-s < dos empregados da peoitenciaria;
o. SysttiM'i de Auburn, ou isulamenlo durante a
nolle, trabalbo em-commuin de dia sob a lei do
eomplelo sileucio; o Systema da servidao penal
ingleza, on o das cathegonas, condnzindo o preso,
p e >) Sfitema viandez, ou das pns5s intermedia-
rlas, faznJ3 pasaaro detento, antes da expiracao
do prazj da pena, por um estado de meia liber-
dado.
0 que k original aossa, na expres.-ij do digno
luuccionario braileiro 6 a ausencia do todo o sys-
tema, que se re vela quer nos calab ac-os coloniaes
que ainda possoirnos, quer na proun-cu'J. le ab
surda de sexos, id.des e delicti* do nosso regimen
de vida em enmmum dia e noite
Vrjaraos no eutmto o qoaresponde aos quesitos
do g/.'erno o Sr. Dr. Ratino de Alneida:
A caa de deten^ao de Pernambuco nio tem as
aecommO'ia;8e*- e accessorios pnci*os a uma phsa >
peuilenciar a on simplesmente correecianal; fal
tain Ihe todos ,os etementos materiaes para ser
nella eo-ajado qualquer do.- systemas hoje era Toga
no mundo tMVitisado.
0 uumero dos. presos e superior a capacidade
do ediiici-', couverildo hoje em penitenciaria e ate
em a*ylo de loacos Ha presos *eutenciadoi> ou
prooanciados de mlstura com dimples detent s.
A* mutheres nao.l6m compartimeido ou inesmo
cellalas espec ass i nao tem sequer enfermaria.
Tambem nao ha prisio e.-pec al para meuores:
sao cneerrado* em continual com os adsltos.
Nao ha passeios para os presos ao ar lure e ao
*oi: passeiaai noi corrod res da pri-ao; as ma
Iberes nem; hi
Por falta de grales quo fechera os pateos Intor-
,nos a prjvem o accesso as muralbas o ao purtio do
edificio, so us dacQtee e eonvalesCrntes vao a esses
^jalHos.
Os presos de t >aas as classes vivera em completo
OCJO.
Uma aula rimaria que exists no estabelecimen-
tu, na i tenda fteaueocia obrigad iria, p mcos slu
o* piesj.*queaellaatistem. Nenh ima outra ins-
triic^ao se lues &k, nem se Ihes ensina offlcio atgum
xa-arisio.
' N io ha sapellao, nem capella Nao ha ens-no da
duuinna ehnsta, oem iostraecio rellgiasa de qual-
quer uatureza
alimentos.
Os presos trajam ad Mitnm; at maHieres reee-
bem o vestuario da candade dos detenlos.
Nao ha aceio. ba paucos banheiros.
Iia lalrioaa em tudas as '"ll'ilas. commuaicanlo
:om um oncanameato geral, que val ao rio; a po-
!i?ao da boeca do eaeaoameoto Itca totalmenle des
coberta nab uxa-mar a em rtlaeao como sorrelor
a enlrada do ediicio; is.-o da lugar a qua nas
boras do servico se sinta no recinto e fora da pri-
>a< inoomaiodaiivo odor; nos cubos das lathnas
as aguat oa os veatos estabelecem nma correu-
te de ar de fora para dmtro das cellular, o qae as
toraa iosupportavtl'. Nao haaguasofficientesenao
total carencia delta para lavagera de esgotos. Fe-
cbadas as janellas da* cellulas aaoits, o inconve
niente cresce ooar flea de todo viciado.
0 preso nao tens uma vasilha para beber agua,
bebe e la a o rosle nas toraeirat mulnaudo o pavi-
ento, e enxuga as maos e o enrpo na propria ca-
misa.
Por occasiao de caurastorreociaes, as agua? so
brepujam os atgrrozes, inundata at cellulas e
mais compariiraentos do edilicio, estrajgando as pa-
redes.
Nao ha hygiene: as molestias sao frequentes,
principalmeale a pblysica, as alFeocdes do coracio
e a syphilis. A enfermrna esta d-utro do propho
recinto daprisao; as mulaeres sao traladas nas
proprias cellul ts.
Nao ha distiaccio regalaioealw entre o bom e
o mau preso, nem a menor recompensa para o
bom comportamento.
Nao ha um livro para re^istro du factos mais
notaveis, e nem o livro dicjntibilidadt m.ral do
preso.
Nao ba livro* para os presos, nem papol, nem
penna, mm ttnta, ainda mesino para os que fre-
queniam a aula primaria.
Eis rapidamente cunsignadas as condi(5es em
que se acha o estabelecimenta cujo administrador
tem a louvavel franqueza de tudo trazer ao conbe-
chnento do gverno.
Nao para, porem, ahi o laraentavel estado da
penitenciaria da Pernambuco, que, excepcao feita
das de S. Paulo a da Curie, pode ser tida como
padrao de todas as aossas peoitenciaria- e prisdes,
Diz ainda o Sr. Dr. Rutiao de Almeida :
0 velli i sy-tema de vida em. omnium dia e
noite, reprovado pelo ultimo ooogressi peniteacia-
no iuternacional, como o mais pernicioso quo ate
hoje se torn oouherido e banido por qua-i to-
das as nacoes que lem pu lido eurai seriamente da
reforma de suas prisdes, 6 o systema aqui erapre-
gado, nao so em rela^ao aos simples deieuto- em
processo, como tambem aos coudemuados a dilTe
rentes peua desde a prisao simples da un dia
ate a gale por toda a v da. Nem as mulheres sao
exceptuadas desta commuuhao absurds. Nem os
meuores. >
< Felizmente, observa e Sr. Dr. Almeida, os
juizes e as autoridades polioiaes preferein deixa
los entreguee a negligencia de pai* degeneradis e
aos pernieiusos effeitos da ocio.-idade e da vaga-
bun lagein, a maudal os apodrecer na coinpanhia
de sceleradot como verdadeiros aprendizes de
crimes.
A esses homens faltam os benefl-io* elteitos
da religiao, um dos element is in lisueasaveis a
reforma do crimmoso e de lal arle que sem auxi-
lio della sao improcuos todos os es.'orcos humauos
para a regenera^ao no eulpado
0 trabalbo e outro elemento indlspensave.l
que fallece ; nesla casa os presos vegelam ua
mais absulula cciosidade com prejuizo do corpo e
do e*piritO, c em desproveito da sociela le. 0 uai-
co resultado que se ubteme o emjrulecimeutj, o
desenvolvimento das ma* paixoes, o ealraqueci-
mento do espirito, a raorte do corpo.
Nem so i>so : ha mais ainda : ultimas e dolo-
rosas ubservacoes que um brasileiro arnanle da
sua patna, sena i tolo o anuno bem forma Jo, es-
creve uu Io- acerca de assumpto de tamauha im
portancia I
t Ha falta de esciarecimentos sobre a uatureza
dos crimes e das penas impostas aos reos, rucolhi-
io- e n sua ruaioria sem a guia de que (alia o art.
412 do rogulamento.
c Ha falta de ioforraacQes sobre os crimes e pe-
nas impostasaos reos, ate mesino a*erca dos eon
demnados pelo jury e pelos juizes singulares da
capital da provincia.
Ao sentenciado recolhido a esta casa apenas
acompanha u ua ordem de prisao ; raras vezes se
ledara a natureza e dura>; m da pena. Um graa
de num^ro enira sem declaracao alguma.
Preseatcmente, causa horror dizel o existem
nesla casa a espera de julgauieuto deGmlivo indi-
viduos que ja passaram na prisao o tempo do ma
ximo das penas em que iucorreram ,por seus
crimes.
a Outros esperam anoos e annos pelos seus jtl-
gamentos definitives I Um miseto es:ravo esta
nesie caso ba 19 auuos I
a Repugua e hononsa que depois de 2, 3 e
mais aunos de pri-ao, de mil sofTrimeutos, ate de
degredj em Femaodi de Neronoi, se diga a um
infeliz : -IJe vos, sois ianocene I
Por outro lado jazem aqui annos, atirados na
prisao, miseros condemnados a inorte, accrescen
taudo-se lhes o martyiu moral com a incerieza do
-cu destino. Alguus tem eulouqueuiJo, outros
morrido. o
Aitende.ido a qDesUo principal nestes assump-
tos, a pedra de tuque dos systemas peuilenciarius
entre as nag5es cultas, formulou o mioisterta da
ju-ti/a este quesito : -Ha algun3 reinciieutes ?
0 digno administra tor la peoitenciaria de Per
nambuco, que ulBeialmente nada podo dizer, por-
que ofncialmente nada ihe consta a esse respeito,
dedai a nu enlaulo :
a-Posso, por conneoimento proprio e por infer-
nianies particulars, allirmar que quasi um ter<;o
dus presos reooihi Jos ao remcideutes. Ha presos
que cculam as suas eatradas nesta casa por deze-
nas I Einbruteciios. ainda mais do qae quando
netra entraram, semolR:io nem habito de traba
Iho, sem meio de manleretn se, einquanto procu-
ram occupagao honesta, sem a menor proteccao,
qeur publica, quer particular de-pros idos pela
socie lade, ripelndos pela iudustna e'pela lavoura,
e* a pjsicao dus deliuquentes ao deixarem a pri
sao, depois de salisleiia a vindicta publica. 0
ine ssi>erar dessas infeliies, gue muitaa vazos io
de limnens conserv. in ;. forma ? Que se aureui
aovauMSla e com mats ferooiJade ua oarreira dos
OTMUet.
E'o que diariameuie se esta observaudo em
reiacao aos seoten :ia4os postjs em lib-rdad". Uma
lore* pirw da populacoo dosla casa eouipoe se de
reiueideiites' I a
Hmu alanoa(ija> e.eaanagadQra: aao e preciso
iu ua para qof ue eapirito< reuectidoa a |uem in
urasB*ut os factos aocaaaa uaa .-uaa ielavoes com
a QttaMaaUdade, coadewaa- irreiB'ssivehneute o
systema qua pruJua -eiueJnanle resultado.
C-iu elieito a leinciueu'^a e Hoje cousiderada
como a onave da q Em 1871 o ceagrarsa iaMrnaaiaaal do regimen
paaiteuctano, reuudo en IwaUres, por iniciaiua
do Sr. Wiaitt, de New V.ik, itstmnaai a uma e>>ui
missao u estud estatittieas offlciaes, eoaa a ffm prioerpal de iu-
vesti/ar as causas da reincidencii.
Outro e, >Bftem>, o oongresto ia!*Tnsninnal de
estatisdea, iue desde 19YS renae-sa de do on
de tres em Westnooa era nrrra das oi|(iaei< da
Bttri'pt, delibeion nesse m*sm ami) d1* l87*i na
sessao de S. PateHMvge : r.* eW nada na^jao um regsstro perodioe fpie tlves-e
por dm a mv sligagao e a verirlcacio oa relmci-
d>hcla-;'t. qa*eftir*!s-on1W*u MH*fc--
sem Mtrca di temeideecia latMresVs ekcinn*-
tanciadas; 3.* qae esa*- d.iiwn*ill"S ?<* il rii-
gid s de modo a'UnDtr>aaattaalo*-ta I > da rein-
cileucia nas >uas relacdis com q regimen p*ui-
tenmano; 4.* rlnalmrte que essss (f-tfer-nt-s
queslfies fossem submettidas as deliberates d
e desse crngre^o en-
carregou ao promotor da idea, o Sr Yvarnes, dis-
cipul i e successor .do Sr. A rondeau, fuudador da
estatistica criminal em Franca, a tarei'a de reunir
em nma inemo'ria, os efemenlos 'da realisacao des
iz idea, tomaalo por base o programma que aci-
ma fiea reproduzido.
A obra de Sr. Yvernus acaba de sahir aiume ;
o nobre Sr. tainistro da justi^a vera per eBa>-se
e que os seat notorios conJucimeutot proQssioaaes
ja Ine nao diaaeranj,qual a importiacia da res-
posta do Sr. administrador da penitenciaria da Per-
nambuco ao seu quasi to relative a reinei lencia.
Julguei necessaria toJa afraaiueza e lealda
de neste traballio, diz o Sr. Dr. Almeida no seu
importante relatorio, para que, palenle o mai em
toda a sua hediondas, se Ihe applique remedio
heroieo. >
' E o remedio estl apontado pelo Waarado func-
ciunario, as reformas estudadas e proposUs.
Para entrar em nma tenda totalmenle nova,
mais digna do floreseente Imperio e da civilisa^ao
raoderna, nao se dira que faltou quern dissesse a
veniade aos altos poderes do Estado e qaem et'i-
vesse habilitado a resolver no Brasil esta ponde-
rofa qoestao.
Srs. redactor.No stu jornal de 17 do cer^
rente, respond! o que me pareceu convenient^ a
uma insinKacao que son.o caracter de annuncio,
foi repetidamente publicado neste Diario, assig-
nado por A. ArSca, no qual lazia sentlr que
niugaem fizesse transactors comigo, sobre a heran-
ca pertencente a su t filli-i, e minha mulher, no
imtentnrto de sun mai. Agora vem o Sr. Betlar-
mino A Ives Arrica com roci-is as Ultras do seu
name, alias bem conhecido, alle^ar que nao fez,
nao astujnou, nem teve noticia alguma de tal an-
nuncio I
Mais depressa se apanha um mentiroso do que
am cam I
Teams, pois, duas entidades, B. A. Arnxa e
Bellarmino A Ives Arnxa: que se cmtradizera I Se
ambus, porem,sioraentirosos. que procurem entre
si descobrir a verdade, e venha depois o diaoo
fazer a escolha, que nao me ficara disso peaar al-
gam I
0 Sr. Bellarmino, sabendo qne eu nio procu-
rei saber o que p rlencia a sua fima e desejava
am motivo para implicar comigo, como tem impti-
cado com muila geote, mas de modo que nao Ihe
flca.se do aetu respoosabilidade legal, lembrou-
se da annuncio com as iniciaes, para mais tardc
contradizer se com aquella sem ceremonia qae o
tem feito distingair entre os seus collegas de ri
beira I
0 roelhor e, qne na ontradi cao veio man fes-
tar todo o seu desejo, isto aj que sua fiiha nada
zmAa no tal inventario, provando assim que na >
trnham sldo infondadas as minhas prevenQoes !
E. pois, se o Sr. Bellarmin i tem maito ioteresse
era provar qne sna lilha nala tern, pelas cont s
qua Ihe fez ou quer fazer, publiqae o inventario
para satisfacSo dus earioso?, mas nao em relacao
& mini, qne nao o exijo, nem proenrei ainda en
trar na apreciacio das formalidaJes com que foi
feito I
Consta me mais qne o Sr. Bellarmino, amestra-
do como esta no offlcio de fattar, tem deyosto
conlra minha reputacao pelos a;ougues, e outros
-lagares por elle frequeniados ; mas, fique certo
S. S. que nSo me abalam os seas latidos. Se nio
son apti para discotir co o S. S., mnito menos
para corrigir os atrevimentos da lingua ferinacom
qne foi dotado. Se estivessemos em Minas, e ou
tros fossera os meus habitos, isto 6, se sonbesse
amansar animaes, oatro seria o men procedl-
mento.
Desejo qae o Sr. Bellarmino realise a promessa
que faz bo final de sua publicaylo, para qse se
po-sa conhecer eirectivamente a natureza dos
meus sentimenios, pois nao sendo eu oriundo de
nenhnma filha de Jerusalem, nem pertencendo a
raca csprina, nio desejo oenvic rauito nosjornaes
com grave detrimento dos meus tnterossses e da
minha e luea.-a j I
Creio ter dito bastante ao Sr. Bellarmino para
fazer me entendid I
Recife, 19 de outubro de 1874
A ntonio Julio Ferreira.
is MaV H
. .
177.80:#; *
2i:3M#l>a
Doencat do estouiatro
mSTRALfiUOASTBO ENTKRALGf* PTROSIS
AZUS ETC.
Poucos sao os orga>sqie estejam tao sujeitos a
doeacas como o e o estomago. Por isso elogiam-
se um grande numero de remedios para a cara
das molestias do estomago. Muitos cahiram n'nm
esquecimento mereeido, um grande numero tera
a md*mas.-rte. outros lem bom exito as votes
mais ou menos completo. E' prestar nm verdadei-
ro servi';oa s docntes, fazendi-lhes conhecer um
medica nento seno qae, na inaior parte dos casos
& empregado com um suecesso completo. A aca-
demiade medieina, na sua sessao de 27 de de
ternbra de 1849, depois de numerosasexperien
cias feitas por uma commissao que ella tinha no-
mealo para este ftm. approvou e recommendou o
uso do carrSo deBelloc para curarestas molestias
ine diz ella, fazeu muitas vezes o desespero
dos doentes e dos medicos.
Desde essa epota, o carriio de Helloc, sob forma
de p6 ou de pastilhas, tornou-se um remedio po-
pu ar para curar as mole-tias do e-tomago, de-
baixo de qualquer forma que se apresentem.
Geralmente, 6 convenieute t jmar uma colher de
sopa de c irva i ou duas pastilhas. antes e de
pois de cada omiia. Ordinanamenle as melho
ras comegam-se a sontir logo depois das primeiras
doses. *
Vio-se mnitas vezes pessoas que tinham peso no
esti nag'), ca'tnbra* do'orosas depois de cada co
mida, serem enradas em algnns dias com o nso
do carvai de Bell c.
Para pr>va do que afBrmamos, citaremos algu-
mas observacoes liradas do relatori i approvado
pela a alemia de medicina de Paris, em sessao
de 27 de dexerabro de 1849
i 0 Sr. D;.., nnjor n'um regimento de coura
ceiros, era aUcalo havia mais de des annos por
uma gastro enteralgia. Elle era obri^ado de pri-
vr.r- thiava ma'to pouco com os seas gostos militare*.
Piz Ihe tomar quitro colheres p r dia de carvdo
de Belloc, uma pela mantii, uma depois de cada
e >mi la e a ultima uma hora antes de se deitar.
Utvia apenas oite dias que e-tava em tratamento
e ja o estomago funcci mava perfeitsmente. Vinte
e cinco dias depots, o major D.. fumavs, MR*!
o seu cafe, nao segnia dieta alguma e gozava da
msisnerfeita saude. d
a 0 Sr. cavalheiro de P H... anciao de 80 an-
nos, soffria do e-toraago havia mais de trinu an-
nos ; tinha empregado sem exito diversos meios
empiricos. Aconselhamos-lne de tomar toios os
di >s, depnj* de cada comida, uma colher de sr.pa
de carvao de Belie, e ha dez annos qae delle fax
uso constante sem nunca ter visto apparecer sens
aatigos soffrimento--.
I'eixnntn innoreute
Perguota-se ao teotede imlet, do gymnasio, Dr.
Felippe Nerv Cdlafo, porque nio pnblieou integral
mente o attestado do Dr. Alvaro Uchos. ? Dizera
que no final ha cobras e lagartos qua seria bom
saber-se.
0 feilor Vicente.
S. 188.Ajfaa Plorlda de Marrtsy e
liimnan.-A verdadeira prova da gennidale
e pnreta i unalqnar um perfume extrahido das
Hires -...ii-i-. o m duradoora existencia-quan
di exp ibtj a ;...iaucia do ar. 0 arnma derivad'i
de oleo chimicos desvaoece em breve e dwixa
apes de si nm elietro por certo mui pouco agra-
davel ; porem aquelle que >; < btido mednnte a
destillaeao d freseas e odoriferas floras, sa apura
e ap5rfe*;d pelo contacto do ar. e por eonseguinie
a sua duraQao e de maior espa^o de teaspa. B'
por isso qne a agua Florida ie Murray* Ur,im*n.
formando uma coneentrada proiaeoau das nsais
rar s II res do sul. apanhadas durante o zenith da
sna flireseeucia a maior fragraaeia, nao so-pos-
sue a fre-quidao da um fresco ramalhete, atas
tambem e indescriptiv^ e fotxtiBBarwl* a nio
s*r a 'xeep?i de lavatjem do lenrja anteriorBiente
bumedeci Io na raesma.
4M:3e7t
Descsrregam hoja 20 da oatubro da 1874.
Vapor inglezAlice -mercadorias para alfaodega
e trapicbe Coaceigao.^
lirigoe aus'riaaeGirolamo -lartaha ja despaeha-
da para o ca -a do npoila.
Patachp americaoo-MTato' Wtfca-farinha ii des-
pacbada para o 5* puato.
Palhabute amerieano John flowfarinha ja do<
pacbada para a C* poata.
i'ataeho inglez Ntrtm karotene ptra o tra-
piche Conceicao, para despachar.
Lngar inglez -StitoeltJane bacalhao jaderpa-
cbado para o trapiche Goeceicao.
Impnrta^Ao.
Palacbo nacional Oh'adi, eulrado do Rio-Graa-
da do Sul em 18 do c.rrente e consigoado a Hal-
tar Oliveira & C, mauifestoa :
Coaros seccos 60.
SeDo em rama 900 kilos.
Xarque 141,020 kilos a ordem.
Vapor iaglex Alice, eatrado de Liverpcc'. e !.
b6aem 19 do correute ecoasignali a Mill* La-
tham & C, manifestoa:
i^arga de Lisboa.
Azeite 50 baris a P. Jo*e da C sta A aorta V
C, I caixa a J. Esaaty. Alpisle IS harrica* a
Marioul llioir.u da Cosla. Ameudoas ill barn:a
a Krancisco Guedes de Araujo, tO a Lima ,'.
Silva.
Batatas *i0 meias caixss a Ant-mi A. Jacc:a,
80 Jitas a ordem. 23 dita* a Jorge lasso, 30 drta-
a Antonio M. N-mttiro, io ditas a M mteiro J mi r
& Fernandes, 30 ditasa Francisco Jose da Silva
Guimaries.
Cevada 30 ancoras a Silva Juimaraes & C '
barricas a L-sbre Reis \ G. Cebolas tOO ca>x. a
Domingo* Joaquim Ferr-ira tlrat, .V) a ntunm
A. Jaeome, 30 a a mieiro Jniior, A Fernai.de*, >'
a Francisco J.-se da Silva Gaimaraes 30 a A. M.
Monteiro, 30 a Silva Gaimaraes \ C. Cat lOt*
barris a Beltrao & Fi'ho, SO a J. Ituarte Si-
mo>*, 5t a Duarte Amaral 4 C. Coaserva* I
caixas a Lima dt Silva.
Ktiqu-ia* I eaixa a P. Perreira c< C
Folha de toaro I fardos a Aniomo A. Ja^'rn*
Fractas i caix> a tfaanel da Sslva Suit 40 miai
ditas 57 ditas a Lima & Silva, 15 dita* a Sdan
Guimarae* & C 2 ditas a Luiz Jose da Silva Qai-
maraes, 10 dita* a Vaiente Junior 4 'L Fign a
caixas a Leave & dis, 10 a Silva Gmmirae* A
C, 1 a Fr?nci-co G. de Araajo, 10 gigas a Brl-
taio 4 Fiho.
Impresses 1 caixa a Jose Nogueira ie Stan
Livros 1 cuxe a Silva Carloso 4 Ps-ra. I .
Manol Card in Ayre*. 1 a De Lailhecar 4 O, f i
\Valfredo it Soaza, I a Jose Aniomo d >s Santas
Andrade.
Miudezas 1 caixa a P. Perreira c\- C. aWf! I
caixas a Antonio J ise P. di Caaaa, 2 a J >aqui ,i
E. Ribeiro. Milno miudodW aneans a Silva Gu'-
mar*es 4 C. M ^dicamentos 2 volumes a Ferr i-
ra Maia Maia & C, i a M. Jose de Bnt.
Nano- em salmonra 4 barris a Poras 4 ^- V|
zes 10 barricas a Prancieco Gaedes de Araajo. 1*
a Lima & Silva.
Peras 2 caixas a M. J. da Costa Porto. I'
13 fardos a Lebrc Reis & C I'alitos t raixa *
Lapa 4 Primos, I a Lima ft Silva.
Sapatos de tranca 1 eaixa a J. Pinto da Canto.
* a Jose A. Maia & C. i a Porto A Ba-U, I a c
Seraphim da Silva.
Ronpa 1 caixa a D. Joan Bason.
Uvts 1 c ixa a Pereira da Lnnha Irmaos, I a
Jo-e da Silva, 2 a Joio Jose R Velas stearinas 3 C, ditas de ccra 40 a E R. Rabe lo AC ftaa-
gre 4 pipas e 20 ban Is de 5' a Silva Guimarae* A
C, 5 ditas e 25 ditos a Oliveira, Filbos i C, 0
25 a Paulino Jos6 da Costa Amorim 4 C Vinbn
tinto 9 pipas e 15 bairis de 5 a Silva GniciaraV
St C, it ditas e 40 a Oliveira, Filhos 4 C, Xi
barris de 5 a Bellrio & Filho, la J. G. Gaima
raes, | 10 barris de decimo a J. Thtodoro ya
Silva.
Carat de Liverpool.
Amostras 16 volumes a diversos. Arroz rWi
saecos a 1/ebre & Reis, 50 a Perreira V.-itor*.
45 a Beltrao 4 Filho, 50 a Antonio Franc-seu C"r-
ga. Arreios 1 caixa a Moreira Hilhd.y 4 C, la
ordem. Agulhas 1 caixa a Faria Irmaos.
Biscoutos 2 caixas a a. J. G-mralves da Plata.
Itarras de ferro 1,892 a Samuel P. Johnstuu A C
Barrilha 40 tambores a Fernandet da C >t:a ft ?'.
Cerveja 90 barricas a Paulino Jose "da Cat a
Amorim & C li'O a or lem, 16ft a Baaatjja aarita,
50 a Lebre & Reis, 30 caixas a II Raataa, 2 a cr-
dem. (ha 8>d|l e 46|i a ordem, 27 a Sooia Biros
6 C, 20|t a joaquim Jose L-itao A C., 2i|l i.-'
con*ignatanos, 2i>il a Leao Rocba & C, 17il a
Lebre & Reis.
Camisas 2 caixas a Cramer Frey & C. Chap^j-
0 caixas a Joio Monteir* da Craz, 3 a Cramer Frey
4 tl, 3 a Rodrigues Innai 4 C, 7 a Giac Irmao 4 C, 1 a Ott i Ujiirr*, 3 J*o Chril C. I a Ohnto, Jardi n 4 C. Cams para g..i I
vilames a J. Aatonio Pereira & C Cana o>
chutnbi4 barricas a Braga 4 Pimeatel. Cevaia
grelaia 10 barricas a oriem, ZO a rtieoloroChr:-
tiansea. Qh-MSotate I caixa a or Jem. Om-erv i
15 caixas a II. La ;d(jrea. Culitaria I voluir *
Saunders Brothers 4 C
Estopa I fardi a ttiuriarl Mettler A C, Io
consignatarios, 20 a Hrown laaaaM 4 C kVpt-
ntos 4 caixas a II Nuescli, I a S. P. J .hnst-m *
C. Elaslico 1 caixa a Houlurd Mettler 4 C, I a
or lem.
Fundos de cobre 2 feixes a Jfaooel d Saatw
Viliaca. Ferrag-m 2 veJame* a R. C Batherbee.
1 a Hawkes at C. 1 a ord-ra. 42 a Parenle Viaa-
na 4 ll, 1 a Montiard M-ttler 4 C, 5 a aaoool Jot
Saatos Viliaca, 13 aS. P. John-loo A C Fogarei-
rus .it) i a I'areote Vianna Si C. Farioha da trig.*
43 barricas a >.rd>"m. Feltros I frJo a orJ-.n
I'n I fa rio a M reira H tlliday A C
Loaca 51 gigas a Sauuders Brotbers St C L
na 2 farads a J thnstou Pater & C Linha 6 cai-
xas a Moreira Haiti lay & C. I <-aua a Hmrga-4
4 C, t a Samuel P. J -bu-toa & C. Livas t caixa
a A. Ilenschell.
Mercadorias divjrsas I caixa a Moreir* HalliJay.
7 a Otto Bihres, i a Jo-e da RjCha e Si'va, I a
Johnston Pater 4 C, 2 a Farit Innios. Jlacbi
nismo 1 caixa a Wilson Rowe 4 C, I a J.ihat:.i
Pater A C Uttaa 1 caixa a Piato da >ilv.t A i>.'
cao, 1 a Cramer Frey C, 3 a Br..wa Tuoas a
4 !1 Medicameato* f> cnxai Fraacisci Maa i
da Silva, 4 a Pedro Maurer 4 a M mteiga 17 ca-
xas a ordem, 25 a B-ro A Filho, SI a L-b* A
Reis. 37 a Magalaaes A Irmao, 8 a L-oo, Rocna A
C, 27 a Aot"io Feriv ra de Car**lno, M.-
n el da Silva Fana A C, *i B. To a*oa 4 O, ii
a Thomaz de Aquino Fonceca 4 Suceesswre-, -t a
Djraingo*.I laqain Perreira Cruz, 6 a Costa *
Cunna, 8 a Jo-* IhreHioo da R*a A Filho, 12 a
J. L. Soare*, 12 barns a Lio, R hi 4 C, 40 a
Paulino Josft da Costa Amiriin A C, 25 a Slva
Guimaries &C, 15 a P.nto Moreira 4 C, 23 a
Sauniers Rrolhers A C, lo jarros aa ooaaaga*-
taros.
Objectos de cscriptorio I caixa a Mafalhaet *
Irmao, ditj dc photograpbia 1 eaixaa A. HejaeL-ii
A C, dito para estrada Je ferro 2 eaixa* a Teix*-
ra Ch.-tves A *. : -
Perfumaria 1 caixa a Saaoders nrotbers A U
Presuatis 1 caixa a ordem, I a Mar-vlina tea*
Goncaives da Ponle, 3 a Beltrao A *!-. 0 a fc-se
C. Braga, 5 a Lima A Silva, a H Jo*e Goncalvtv-
Ferreira. Phosphorus 4 caixas a o dem. Prasjne
20 barris a S. P. J.mnstoa 4 fl
Qaeijos 15 ca xas a Jorge Ta**a, 1 orj m. i *
M. Jose Goncaives da Foale, 3 a Lima A *'*
Soccos de estop\ i" fardos a Saunders Brother*
4 C
Tecidos 73 vjiatr.es a ordem. 20 a Saand-srs Br -
ther. A C., 19 a Laia- \- Siqaeira, i Cramat
Frey A C, 35 a Ot'Otho, lard.m A Cu 19 a A4aa>
spu H rats A C, 121 a Keller A C, 2 Piata da
Stlva A Ca-eirt, 1% a HoabaN, Mettler A *"
ISMMERCW.
JL'.NTA IMW COHKKTORFS
Praea d Reoife. 1* dl* oitfwfcrfi
de t894.
AS 3 HO R \S DA TARDK.
f.in-'.coEs orric.iKS
Assucar bruto auieneano Hi00 por 15 kilos,
aabbado.
QesooBto de letras 19 0(0 ao zuotr.
6. da awjuowioa
PrtsidoLie.
A P. de L-j..a- ^,
(eeraut)*:
Braga Son C, 30 a Simp-oa 4C.J"
gues Irmio 4 Guimtrws, 18* Jo.-a L. Oaaeareaa
Ferreira C, a *. Tnoaton A G, ? ao c->a-
signatarlos, 37- a Goncaives Irmao A C 12 a Mea-
des, Atevvdo A C,8 a Peana Joawr A '-
H. Ledebour,83 a B A. Borle atC,22 a Ale-bra-
do, Vhira A C,8 a Magalhtes A HaageL I P.
Lvnden, 14 a J. M. da Out. Tapete* 2 laraat a
Keller A C
Tiot. I eaixa a aagalhi-s 4 trmioa. Tbtalahii
1 barril a M. June Goncaives d. Poata.
Vieroa I caixa a daa a Bastes AC, 1 a Laia Aa-
tonio Siqueira. Veraa I caixa a Magal aaa 4
Irmao. Velaa steafiuat >00 a B. R. HabetW 4 C,
MUa Silva Gumiaraes 4 C
\>E-*k*CHi)> 0- KXP*iRTAtAO M) 1X4 IT M
OUTOBBO DB 1874.
'ar. '* tHirioi do tx'fim
No brigne portugui Trtumpho, para o P"r-

J



s
%i^i
M
oj;.
'oftCMi Si dfio v jttt$<3
fOb.rricas com 1,06*
ePara, drae-im* 120$.;
o; J. (1 Gahgalves 200 ditas
carfr
kilos
8ff
myi P
ditoYae'
Jiloi de dito.
Para
t-a 4to WL\' d^ Mi6ar"HJfl*i2v"
CAPATA2TA f>A~Al,?ANDBGA
rttadimenlo do all 1 a 17. 8:808iG50
" & 2891S78
l;C98i*l8
fc in I 1/
No ia 19. .
fnneina a*)ru *
Sag uada port* .
rrcira perla .
fwpiftba Ceneaicao
OL0MBS SAHlDOS


19,899
2,119
92,215
SERVICO MARITIMO
*afangat e-Moarraaadaa bo trapieka da
aifaadaaa.
Nodi* iii; .....
*o dia 19...... .
*9 .rapica* tionceicao .
JRA DA 81LTA UJNIQa, _
INDDSTRIAL E MERCANBL, BANCO NACI'
BANCO
NACIONAL e
Is e outris, 1 sobradeide tjanda-
easa lerrea avaliada
WSL,
iada pajh
400,000
axiaa 08
f*40,000
a
a.
1
"27
RAES EB PKRNAMBUCt
xaai.-uento do dia 1*17. 32:039479
'dam do dia 19. r 2:7784799
34:8l8*5,iB
O)NSULAD0 PROVINCIAL
Ssadimenlc- do da 1 a 17.
ism do 41i 19
RECIFE DRAINAGE
Ren iiaien.ro do dia 'i a 17. .
fda Jo dia 19......
38:1941438
2:678/331
40:87247-59
3:407*920
1:429,014
OONTEA 0 FO
A eompanhia Indemnisadora, os
oBU pr,*ja, tonwi seguros maritiraos tobrt
aavios e sous carregamentos e contra fog(
;ra edificios, mcrcadorias e mobilias: m
rua do Vigario n. 4, parimento terreo.
companhiTallianca
**guros maritimos tefwt-
tres estabelecida na Bahis
em 15 de janeiioem 1676
CAPITAL 4,000:0005000.
Toma seguro de mercadofias e diaaeiro
ico maritimo em nark) de vela ft Vaawei
aara deotro e fora do imperio, assim eora<
jootra fogo sob re predios, generos o fa
ondas.
.igtote : Joaquim Jose Goncalves Beltrio
aa do Commercio n. o, 1* andar.
Bmco CofJHierciai Jorge TttlW,
37Rua do Amorim37
Saca qoalqaer qaantia a praxo ou a vista so
bre este Banco ou -uas respectivas agendas nas
seguioles cidades e villas de Portugal, ilhas adja-
centes e Hespanha, a saber:
Portutral
4:836*934
AGENCRS PROVINCIAES
Liquidos espiritnosos.
Nandi mento do 1 a 16 2:763*8o8
M3.ndodial7 I89485i
'.lendimento de 1
den do dia 17
Baealhao, etc.
a 16 2:47o232
226.* 100
Genaroi de estiva,
ttiadimento de I a 16 3:167*278
:.!3m do dia 17 87*776
Farinba de trigo, etc.
Udol.raonto de 1 a '16 3:769*716
Jem do dia 17 #
2:953*712
2:701*332
3:2334054
-------------3:7694716
rtenditnealo de l a
i^m do dia 17
Fumo, etc.
;I6 1:893*907
3*^900
Vinagre, etc.
-)3limnto de I a 16 482*614
J'oi do dia 17 f,
1:9244807
48i46U
13:0874H55
fhesonro povincial de Peraamuco, 19 de outu
da 4874.
O escrivao,
Joao Carneiro M. da Silva Santos.
Banco do Minho.
Joaquim Jose Gonjalvas Beltrao & Filho sacam
:i,ir todos os vapore;. sobre :
Amarante
Anadia.
Arcos.
Aveiro.
Agaeda.
Arco de Gaulhe etr. ca-
beceiras de Bastoe.
Barca.
Barcellos.
Beja.
Braganra.
Cbaves.
Cnimbra.
Coura.
'.ovilha.
Castello Branco
Caminha.
El. as.
Etremoz.
E'ora.
Esposende.
Famalicao.
Fare.
Figueira.
Fafe.
Thoraar.
Tavira.
Torres Novas.
Valenca.
Vianna.
Villa do Conde
Guarda.
Guimaraes.
Gouveia.
Lagos.
Laniego.
Li>boa.
Louie.
Melga^o.
Mir-ndella.
Moncao.
Mealhada.
Moate mor o velho.
Oliveira de Aremeis.
Ovar.
PenaGel.
Prahcl.
Ponte de Lima.
Ptirtimao.
P# to*.
Povoa do Varzim.
Port'Alegre.
Povoa de Lanhoso.
Regoa.
Silves.
Santo Tlivrso.
Villa R.-ai.
Viahaes.
Vizeu.
Villa da Feira.
Villa Ponca de Aguiar.
Villa Real de S. Antonio.
Aaadia. Evora.
Aguida. File.
Aveiro. Firo.
Baja. Guarda.
''.haves. L-iri;.. .
ne. Lisbea.
Amarante. Bareelos.
iuimarae". Giimbra.
-)viiha. Mirandella.
Malgaco. P^naliel
Hortaiegre.
Arcios de val de vez.
I eiorico de Basto.
larainha.
UaDgualde.
Pinte do Lima.
Povoa de Lanbosa.
Villa-Novade Portimao.
lionsao.
Ovar.
Porto.
Tavira.
Regoa.
Vizeo.
Figneira.
Lamego.
Estarreja.
Valenca.
Villa Real.
Cabeceiras de Bastos.
Gastello-Branco.
Espozende.
Oliveira de Azemeis.
Povoa de Varzim.
Vianna do Castello.
Villa Nova de Famalicao.
Villa Nova da Cerveira.
Ilhas.
Funchal. Fayal.
Hespanha*
Madrid. Cadiz.
Barcellona. Orense.
Vigo. Corona.
MgfjgjgOT m mm
Navio enlrado no dia 19.
Liverpool porjLiiboa21 dias sendo do ultimo porto
14, vapor inglez Alice, de 889 toneladas, coalman-
danto R. Eilcs equipagem 28, orga fazendas e
outros generos; a Mills Latham & C.
Navios sahidos no mesmo dia.
Portos do norte Vaper national Parana, com-
maodante Pamplona, carga difTereutes gene-
ros.
New-YorKBarca ingleza Tetania, capitao M.
Jane, carga assucar.
imm.
Villa do Conde.
Mas ilhas.
Madeira, S. Miguel, Faial e Terceira.
Oompanhia Indemnisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:0000000.
I'komaz de Aquino Fonceca L C, successores
agen'es.
Cm eompanhia loraa seguros raaritimos e ter-
restres, dando nestes o ^eptimo anno gratis aos se-
arados.
Baa do Vigario a. 19.
SEGUROS
Maritimo e coatra-fogo
COMPANHIA
Phenix Pemambucana.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro eonlra-fogo
;E LIVERPOOL & LONDON & 6L01
INSURANCE COMPANY
.-lj|-ente
SAUNDEH,S BROTIEHS d C.
11Ccrtw SaMo11
Augusto F. d'fllivcira k C.
A casa commercial e bancaria de Aagusto
j i'Oliveira d C, i rua do Co'omercio ns
a.%, encarregy-se de exacuQao de ordens
aora ombarque le prodoctos e de todos o-
.nais oegocioa de coramissai, t.iaes, quer bancarios.
Decfttita lettras, e toraa dinheiro a pre-
mio, compra cambiaes, e saca ci vista e a
juo, i Toutade Jo toraador, *>bre as, jje-
jjaintes pracas ettrangeiras e oaciooaes ;
Loodre*. Sobre o onion bank or
1.0TO0N, 0 bONMM AND BAWStATW BAKK,
uhiTbd, e varite; casas de 1.* classe.
Paris. Sobre os bmqueiros fodld
x C., KARCUARD ANBWdd C. e A. ILVCQIIE,
^GNAL d C.
if-nitmryi. SoJwa os Srs. joIo
*cm bacr d fA.mv.
Lishaa. SoBj'e OS Srs. FONSECASr
>AMOS d VIANNA, 6 SKBA8TIAO JOS^ DS
ABREU.
Forto. -* Sobre^bancoiiNiJLo dot
0 Sf. JOAQUIM PINTO DATONSECA,
Consulado provincial.
Para sciencia dos contnbuintes do imposto da
decima arbana e os elTeitos legaes, em segaida
publicam se as alleracoes veriRcadas no laoca
mento do mesmo imp '-to no correate aaao li-
nancairo de 187* a 1873, llcando abarto o pra-
zo de 30 dias, aos tflrmos do art. 38 do regula-.
meoto d 6 de r macoes que por veotara possam ter a fazer os in-
teressado..
Alteracoes verificadas pelo langador Joaquim de
Gttsmao Coelho, oo lancau.ento da decima urba-
na da fiegaezia de Santo Aatoaio, no aano cor-
reate de 1874 a 1875.
Rua de Pedro Affonso
S. 54. Isabel Maria das Chaga* Gui-
maraes, 1 casa terrea avaliada
por
N. 46. Aatooio Jose Pinto, 1 casa
terrea por
N. 66. Antonio Jose da Costa Rego,
1 sobrado de 1 andar e loja ar-
renaado por
N. 72. Joaquim Jose da Costa Fajo-
zes, 1 casa terrea por
N. 74. Filnos de Maaoel Jose Bastos
de Mell, 1 sobrado de 1 andar e
loja por
N. 78. Annunciada Camilla Alves da
Silva, 1 ca*a terrea avaliada por
N. 80. Abilio Jose Tavares da Silva,
1 casa terrea avaliada por
N. 1. Dr. Bento Jose da Costa, 1
casa ierrea com sota< ior
N. 37. Mancel Jose Pacheco de Mello,
1 sobrado de 2 andares e loja
Ht
N. 49. Ignacia Uaudina de Miranda e
outra, I scbrado de 2 andares e
sou i por
N. 59. Barao de Bemfica, 1 sobrado
de 3 andares e loja por
N. 61. Jose Cordeiro de Rego Pontes,
1 casa terrea por
Primeira Travessa da Praia.
N. 2. Visconde de Camaragibe e
barfo da Muribeca, 1 easa terrea
por
N. 9. G'lilherme Augusto Rodri-
gues Sette, 1 ca3a terrea com so-
tao por
Travessa do Carcereiro
>'. 4. Joao Caaado Lima, 1 casa ter-
rea por
itua Nova da Praia.
N. 1. Visconde ds Camaraaibe
barao de Mnrikeea, 1 sobrado de 1
andir. sotai e loja por
N. V. Os mesmo?, 1 casa terrea
m
N. 8 Os raesmos, 1 eaia terrea
H. 22. Joao Joaquim da Costa Leite,
1 sobrado de t andar divtdido
em quarto?, 1 telheiro divtdido
em It part-i, para bois, arreadado
todOHir
K. ft. lose Cordeiro do Rego Ponies,
I t*si IJirrea por
K. 26. Manoel Jose Pacheeo de
MaUoy i sobrado de i andar e loja
K. %8. Manoel i.aquim Rm.os a
^ilva, 1 sobrado de 1 auJ.ir e I)
240,000
400,000
420,000
459,840
400,000
300,000
300,0(JO
620,000
1:184,000
1:350,000
1:700,000
420,0C0
800,000
366,000
144.000
!:60QyOOO
800,000
800,900
1:380,000
4O9J006
820,000
lerrea,
de
m/ioo
MfiOQ
191,900
'210,003
72,000
240^)00
8,00J
144,000
t92;600
204,000
H4,000
120,000
241,000
240,690
210,000
360,000
64C.000
388,000
180,000
180,(00
IMHfiOO
360,000
1:260,000
720,000
por
N. 48. AQt Di^q^MdB Mmmtn*"taatmiM d,000
? */- ****v*^av51d.
2 aadarcs e loja por 40 Hi U. MdaaHlfaBna.limati Tava-
res, 1 sobrado de 2 andares e loja -aBUja
Dot J' "J ** W9,f60
por ""^^ 892,000
N. 5. A raesma, 1 sobradf de 3 an-
dares e loia iKr 1:164,000
N. 7. A m*BB; a^ra*^f'l.-f
i&mE* ^e^^AT^'000
go, 1 casa tefMa "par 360,000
iy. 2 f. tokftirfBimmw te fHo*-' -
rede, 1 sf ado de 3 mttmt t 9 a 0
WW|* A *flMvt
3. W. JeaqBJffl Antofllo dfl OtrvalB*
e otiWot, f Sobrado die t MRMTvB
jpjaf* *.ot$im
If. 3*. Je ferM dT4wrdo, 4 ^__
casa terrea por 240,660
* "vares, 1 SbTtKISt <5Sw.^
loja por 1:000,000
Altera^oes feitayn* taadknMa la decima urbana
da ireguezia aefdtddMino'alercick) de 1874 a
1873, pelo lan^ador Izidoro Theodulo de Mattos
Ferreira.
Padre Nobrega.
It 59. Laia Ferrara de Almeida,
terrea por 2tO^00
N. 61. Catotlna Poiffes, tenpeafer1 f*M)00
N. 19: Jbaquim Ferret* mkefc,
terrea, diridida en daaa aartee,*- /.
tudo arrendado por
N. 83. Joaquim Francisco da Albu-
querque Santiago, oasa terrea ar-
rendada por
Reeco do Caldeireiro.
X. 2. Antonio de Paiva Ferreira,
"cspstt Twrm por
X. 6. 0 raesao, uma casa
arrenoadator
N. 3/Hefd6itT)s* dfi Tos6 wVia1
Amorim, casa terrea arrendada
por
Travessa do Caldeireiro.
X. 10. Alexandre Jose d* Srtva, easa
terrea per
Travessa do Gaz.
X. 11 Manuel do Rascimento, casa
terrea" jwr
X. 14. MmocI Pereira da Paiiio,
casa terrea por
X. 16. Joaquim da Silva CarvaJbo,
casa terrea por
X. 34. 0 mesmo, ama easa terfea,
arrendada per
C'ideia Nova.
N. 47. Joaquim Pereira de Azevedo
Ramos, casa terrea por
Rus da Cadeia Nova.
X. 49. Miguel Archanjoda Craz Ma-
niz, ca-a terrea, arrendada por
N. 51. Xicolao Vieira da Silva, casa
terrea arrendada por
N. 53 Antonio Barques do Oliveira,
ca-a terrea por
N. 55. Marcehoo Ansberto Lopes,
casa terrea por
Itua do Gazometro.
X. 1 B. Jo>e Pinfcetro, casa terrea
arrendada por
X. 1 0. I.ui/. Manoel Rodrigues Va-
lcn.a, casa terrea com duas meia-
aguas, arrendadas nor
t.ae* do Gazometio.
N. 1. 0 mesmo, um sobrado em car
xao, dividido em qoatro quartos,
tudo arrendado por
N. 5. 0 mesmo, casa terrea arren-
dada por
N. 7. O mesmo, casa terrea arrenda-
da por
Rua Vidal de Xegreiros.
N. 2. Vrnva e nerdeiros de Segis-
mofKio Coelho Leite, am sobr*do
de um andar, sutao e tres lojas,
tado arrendado por
X. 14. Justine Pereira de Faria,
easa terrea por
N. 16. Joaquim Manoel Ferceira de
Souza, um sobrado de doas anda-
res e leja, todo arrendado por
N. 22. As menores, Guilherraina,
Anna, Amelia, e Julia, (ilhas de
Themotea Josepha Carneiro G.
Monteiro, um sobrado de am an-
dar e loja, tudo arrendado por
Vidal de Negreiros.
N. 24. Caet.no de Carvalho Rapozo,
um sobrdo de um andar e loja,
tudo arrendado per
N. 26. Jo.-e de Paiva Ferreira Ju-
cjii^wiaHaadeli paHeq
"aaaal 4M|aaM daseajaB, ^dbq^ ,.0
* 2HMliN*'aljay!>'!--':bifii|
"MMl %9kdh BMjlMada darom iotn;. ttO/009
MJ3^MSOdlokBBM tit rTBihrfiirK n a>
tarrea affaaBaaaaa*fc c f-om top siln
N. 2. Maria
Gomes, u
da por
N. 4. Jo e Pranciaeo
riiMnlo0affitgHM? d^*rtp^Rnh6jiadeo
eawatBOtBarai* ? tt*n -rJ
' ebao fuq .o^'*uii4 '
jfcBoajdBBBodo Sum. in eowaUaalrairo dlrartor,
rtaaaafe a. CamaneiDe, ml*. aMico, aaaiaa
dia 15 aie 24 do eorrenta, iberta a aat
matncula de encerraroenlo, 3e eonTotmldade com
^fjUferi/il
taxa, il^lddar compe-
X% JosVJraneiac* de fla LaRae,
rfrattwsair
120,000
120,000
120,000
110,000
HeaVSNta,
ama casa terrea arrendada por
R. 3. A meama, ama casa terte* r-
SMdadBaflQC ^
xT.*'iSlilu.taloitL_.
"'ierrta arfWBadiWr "' TTr>. tamm^
H. 26 Ledfare Taaeiwfjapaaioaa
easaavidida eadawa* aaaa*,
anaadadeifcda.pBB oWOB
M. 6s; tamriMh-MSemmtMOm^mt
arraaavaaadaaa per 360,006
M. 66; Joaqana MBaafta Rairifaar,
aaaoaaa terrea vejadad*.jr 309)009
It 74. Jos* da mr* M failaajn Ti
>na>, ana easa lariai armdada
or #oi 300,600
eoBSTdado pvovioeM, to de ou-
*. seecio de
tahfo de *74.
-
O eaatey
E&uarSo A. US Oltlttrit
504,000
Santos
Santos
Maia,
par '568,000
N 32. Mills Latham & C, I sobrado
de 2 aadar^ a loja por |:9,0W
iu"i', iru sobrado de dous andares
e loja, tudo arrendido por
X. 36. Miguel Joaquim da Costa, nm
sobrado de um andar e loja, tado
arrendado por
N. 38. Joaquina Maria Pereira Vi-
anha, ca*a terrea por
N. 52. Ordem 3.1 do Carmo, easa
terrea, arrendada por
X. 58. Manoel Felix da Silva, casa
terrea arrendada por
If. 68. Antoni i Joaquim dos Santos
Aodrade, casa terrea por
X. 86. Joao Martins de Barros e ou-
tro, um sobrado de am andar c
loja, tudo arrendado pi r
N. 90. Antonio Martins de Carvalho
Azevedo, casa terrea por
X 96 Jose Fernandes dos
lio-tos, casa terrea por
N. 100 Maria Thereza dos Santo?
Lima, casa lerrea por
fit, 102. Jose Ferntndes dos
Ba N. Ii6. Diuuizio Goncalves
Cd-a lerrea por
N. 120. Joaquim Jose da Costa Fa
jo*e., casa terrea com sotao, ar-
rendada por
N. 172. Paare Antonio Jacomo de
Araujo, easa lerrea per
N. 176. Francisca Thomazia da Con-
ceicAn Cuoba, casa terrea por
N. 18). Joanna Itilitana do Jasas,
casa terrea por
X. 194. Joaquim Dias Fernandes,
casa terrea por
1. 202. intonio. Morejra Befc, caiA
terrea arrendada jwr -
If. 206. Francisca Tnomazla 3a Gob-
ceicao Cunha, casa terrea por
N. 5. Jose Joao deAmori*, casa ter-
rea arrendada-por
N. 11. Mjnsenhor Francisco Moniz
Tavares, am sobrado de um anlai
e loja, tudo arrendado par
X. 18. Joaquim Antonio Peieira, casa
terrea arrendada por
X. 37. Bernardino Alves Pinbciro.
easa terrtfa arrendada por
N. 63. Joaquim GingaWet Ferreira,
eaa tBtrea por i
.V. 65 Jo.e G 'ticalves de Sa, casa
terrea arrendada por
X. 67. A aieaoc, Maria, oaa lerrea
arrendada por
N. 89. CaatadiaAnloaie Soares, casa
terrea irrWttad* pot
900,000
670,000
360,000
399,000
264,600
360,000
1:600,003
340,000
200,000
300.000
480,000
330,000
400,000
420,000
3:0,000
300,000
300,000
o;oio
369,000
300,000
760,000
MvjOoe
466,000
Ham
t4f,000
4*0,000
MLdoo
Alierac/ies verilkadas no Uncaraaaio da decima
otbana 4 frOg#zW rft Pt Wdfo natives
do Reetfe, ao eavercif io de 1974 a *875, nelo
htneador Felinto do Reao BarTos Pessoa.
Rda de S. Jo(g.
N: 121. Jose-CStifalvTM BfttQrao 1 It
wo, aan ira terrea arNadada
por
tt ;*. 4d Jejqurav Caattd *-
ra, nma easa terrea arrendada
N.of. Francisco 6onAlves" 'Selxas,
H^ia^dfjeSpffin
oy^imPariBi ^aac^aatteBBfar-^-^
i rendada per
' Neve*, um sobrado de f anaweg B
lekf-afrndaia-aaf, t J
NT i09. Joaiuim AntonioTtodrigiies,
uitsi a9atrraaarrenaAdBjar
N. 117. An-i A'Dfenca 8e mwos,
000
209,000
399)000
A camara "WftlW ? cidade de Olinda
fax constar quo os TorrolVBifrenos pertencentes
ao seu pair.noni", e ben assim os laudemios de-
vidos pela traosmisaao io dominio util dos mesmos
terrenos situalos no mneicipi > do Recife, devem
ser pagos a esta municipalidade. da conformidade
eem o disposta no arngo 39 da lei provincial n.
1,136 de lo de juntio do corrente anno, que reco
niiecen o dtreltodesta ruanicipalidade sobre taes
terrenes, e islo em virtufe da eoneuNa Bo eonselbo
de estado da f d*a>a#fod 19OT.
Haco da camara mannipal de Olinda, 15 de
oatubro de 1874.
Baric da Tacaruns,
Presidente.
Marcolino Was de Araujo,
Secretario.
a faeoldade de direko do Re-
cife, 12 de oolabro de 1874
'-^ MnBldno,
JbUiJhnmno B. de Menesa.
Thesoaro^defezenda.
Daerdaa do Ilia. Sr. intawter, te fat pablico,
5l2*Tf/iS1,Wi^'i2? *eorar, *
9e* ae .N e aecadw do- fovarao iapa-
aaaa a> 1673, daa qaantia de 9S800, cada
exemplar, podaado desde ja os pretendente* ae eo-
tenderem com o cartorario decta nteaaia reparti-
cao. iilJUfll'f aali ill'
Se^retaM M HMtBOria ddfanda de Pernam-
baco, 16 de outqbro de 1874. __.
htc*dhm BeiHfHet Otivrira,
^ f fccrewfe da Jnate.
Thesourariade fmotiAn.
Pelo presente sao eanvidados, de ordem do Mm.
Sr. inspector, o Srs. Joa-iuim Maria de Carvalho,
ex thesonreiro da recaaeJeria e oa herdeiros da fi-
nada Joaqaim Jose de tiradda, tbesoBTeiro qua foi
da Jlfandega, para virera a esta repartlcao recefcer
es emirs de qtiitacBo de suas conus com a hzen-
aHaetoaal. a saber:
Ae 6o prhneiro relatrvas aos exercieios 4e 1697
-1656,1858-1859, 1839-1669. 1866-1861-
e 1862-1863, e as do segoado correspoodente aos
de l862-l869-863-1864 e 1864-f865.
8oeretaria da thesouraria de Peraambnco, 16
de eutubro de 1874.
jBBMBaVaao Rodrigws de Oliveira,
Secretario da junta.
mat**
w araya
enectitos, rysmo para nao
exaeoAi io 11 no artajo f3.
perde 03 flifeiiot de adeld (tt.
socios que se ac
snas meosalidadea, eonto'
II dos estatutod, 9ra
quadro dos socios effectitps,
ser coagida a dar
que e'o segnlnte : perde 03 flireitos de toAf (tft
13 2*) o qua deixar de saiMarer as saas an
salidades por raais de doas annos, sendo Ibe? pe-
dldas, nao podendo depots ser adinit-Mo Ma ftr
viamento pagar o o.ae esflver devendo, e Bova Jij>
coraose ndoea tivesse pertencMo A assoeiacio
Secretaria do Monte PT Pottqinez, 13 de outn
bro de1874
ia do Monte PTe Poitqguer.
J. H. Vieira kia
Successores
todot 0
as

ea*
segniate*
.ves.
lia-Flu
44
Alijo.
Favalos.
Braganca.
Lamefn.
O llltn. Sr. inspector do Uiesoure proviacial
mnnda Inzer pnblieo, qoe em ouatprimento da er-
dem do Rxm. Ba presiaeate da provincia, de K do
eorreoto, val a pra;* ao dia 22, perante a juttU do
mesmo tliesouro, para ser arreoMtada a quern por
menos li/.iT a obra dos reparos do quartel do cor-
po de pulicia, urcada em 87*820, e debaixo das
condicfies abaixo deelaradas :
As pe-soas que se propuzerem a esta arremata-
cao, c mparecam na sala das sessoes d i referida
Ju ta, no dia acima inaicado, pelo mcio dia, com-
petentemenie habililadas.
K para constar se niaudou pablicar pelo presen-
te jornal.
Secretaria do thesooro provincial de Pernam-
buco, 3 de outubro de 1874.
O secretario,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas especiaes para a arrematacao dos repa
ros t( qoartel do corpo de policia.
1*
Os reparos do quartel do corpo de pelicia serio
exeeutados de. cinirormida^ com o orcameato ap
provado pelo Exm. Sr. presidente da provincia, na
iinportancia de 897^820.
1*
O rrematante dara eonieao as obras no prazo
de oito dias, e as conelaira ho de dous mezes.
3.'
0 pagauiento sera eTTectuado em duas presta-
c.5es iguaes, na' praporcao do serVtco executa lo.
4.*
Para tudo man que rwo vai especifloado nas
rpesent s clausola*, observar-se ba o disposto no
regulamento de 24 de fevereiro do corrente anno.
Confurrae.M. A. Ferreira.
O eftgi-nheiro ajndaoie,
Francisco Apolinario
Thesourariade fazenda.
t>B drdeto do IHrft. 9r. inspector, se declara qne
no dia 2 de dezembTo proximo vindouro se rece-
berao nesta repartic^o, propostas em eartas fecha-
das soTrre fornecimentos de objectos para a respec-
tivo expediente, constantes da relacao qne desde
ja podera ser coosultada pelos interessaJos na se-
cretaria de ta fttptirti VepartlcSo.
Secretaria da rhesoarana de fazenda de Per-
nambneo, 16 de oumbro de 1874.
Jucundiano Rodrigues At Oliveira,
Secretario da junta.
DECURACOES.
COMPANHIA
DO
BEBERIBE.
Prcvine-se aos Srs. concessioDarios dc
pennas d'flgua, moradores na Passagem da
Magdelena, a partir do sobrado proximo &
ponte grande daquelle arrabalde, que tendo
de cessar o fornecirncnto d'agua feito pelo
anligo cncaneme'ito, em virtude dejd so
echar pronaplo o que foi tiltitnh mento cons-
truido, hajam de providenciar sem perda
de tempi, no sentido de serem amarrados
ao cano geral as derivagoes de suas pennas,
afim de nao viren a soffrer interrupjao.
Escriptorio da eompanhia, 20 de outu-
bro de t874.
O secretario,
Luiz Manoel Rodrigues Valenca.
OiiidHrit) das aruias.
De ordem de S. Exc. o Sr. brigadeiro comraan-
danle das a'mas se (az saber pelo presente aos
Srs. offlciaes honorarios do exercito abaixo men-
cionados, quo se acham na eeretaria militar para
Hies lerem enlregnes as respeclivas patent- s.
Tenente coronet Apolinario Florentino de Albu-
qnerqtie M iranhao Sobrinbo.
Capitao Domingos de Souza Leao da Rego Bar
ros.
Dito Manoel de Carvalho Pacs de Andrade Gou-
vm.
Tenenle Flavio Juse dos Santos e Silva.
Dito Juo Pereira de Gouveia Torres Gallindo.
Alf -res Antonio Cordeiro do Carvalho.
Dito Candido de Souza de Hello.
Dito Francisco Xavier Navarro Lins.
Dito Joaquim Coelho de Lima.
Dito Jose Bernardino Pereira de Brito.
Dito Jo-e Prancisce de Barros Lessa.
Dito Miguel Theotonio da Silva Crespo.
Secretaria do commando da< annas de Peraam-
bnco, 19 de outubro de 1874.
Francisco Camello Pessoa de Laterda,
Coronet gradoado secretario.
Pelo Hies iu o provincial se faz public) que
foram transferidas par. o dia 22 do eorrente mez
as seguioles arremalacoes ;
Obra da bomba do Fragoso, na estrada do nor-
te, orcada em 840#0i7.
Obra da ponte de Moes sobre o rio TapacUra, na
estrada da Victoria, orcada em 1.485*.
Imposto sobre o capiro de planta consnmido na
cidade do Recife, e iorneeiroento de alimeplacAo e
dietas aos prcsos pobres da casa de detencao.
Secretaria do thesonro provincial de t'ernambu-
co, 14 de setembro de 1874.O secretario,
Miguei Alfonso Ferreira.
O Dr. Joaquim Gou^alvus Lima, juiz dos
feitos da fazmi la dosta provincia, por
S. M. Imp-rial, a que Daus guarde,
etc.
Fa^o saber aos que 0 presente edital vi
rem que, em cumprmjento da ordem do
thesouro de 30 de dezembro de 1865, e
das in-trucc6es que com a mesma baixa
ram, findo oprazo de tres mezes a contar
da daia da publicagao deste, seri vsndido e
arrematado em ha OMBatea de ItamW. qem maior preco
offerecer,. A visla ot a'phako A\i 11 annos
quando muito coao juros de 6/. ao anno
pelo tempo da defrtota 9 dordprehensao de-
oaminada, Buraco doextincto vinculo
de Itambe, sita naquelia oomarea a qual se
acha av4iada em cinoo contos de reis e
coot^m spgundo a modigio a que se proce-
deu e conata dos autus aextensao seguinte :
do lado do leste 1,110 bracas, do lado do
norte 4u9 bracas, do lado do norooste 682
bragas do lado do poenta 411 bracas a do
Iada do sal 681 brdess, 96ndY> Idtlo o tet-
reno proprio para a ctlltura de mandioca e
outros legumes a fieaada certos os intores-
sados de que, tanto por laDto sera raferido
q lantjo do pouoiro taspeativo, na confor-
midade da ordem do lheSb6Hi,v,fi. 15 de 28
de Janeiro de 1874. ]
Recife, 15fe)dlte|ro^ 1874.Eu,
Hose Francisco do fiego Barros, escrivSo, o
Subscrevi.
" "nkimM. flfoiMto.-----u
tfe ordem do ftlxm Sr. conselheiro, direetof teo
(ublico, aue do dia 20 do corrente ttel6,det*>-
emb#o- yr>jfi inscripgao para oaaaaatat tsMinffps, de confor
midadVi com o-aviso imperial de 2ff de setembro
o que so prelendfrflssci^vW, devera faze-to por
>W-^JiJ^8^8^',1^9*^6''8*ni: Sr. ?**-
BWtt dW^rsvillliifSjo^ 8o MS n wsteria m
squellas em qne ja tivafw#arparVa9i<. li|"
e mmiralidae, e eotWtfr* alfrMmfffdo Erector
eollegio on professor qne o hoover ensinado, cer-
luspeccao de saudd do porto de Pernambuc.i,
8 de outubro de 1874.
Por ordem do Illm. Sr. commendador Dr. Pe-
dro de Athayde Lobo Moseoso, fago seiente qne
os navios que tiverem de carregar eonrosverdes
ou outra qaalquer substancia qne exhale mao
i h'irn, ou descarregarem carvao de pedra, nao o
poderao faier senao no aaeoradonro, perto do
pharol, e que nennuma reciamacao serar aiiendi-
oa y-n-n pretexto de ser p-qaena a carga ou descarga.
O que se faz publico aos senhores aonos on
coniignatario* de navios, para a deVida execucao.
O secretario,
Felix de Cantalice da Silva Lobo
316*000
408*000
231*000
99*001 >
96*000
386*000
400*000
SANTA CASA DA M1SER1CORD1A DO
RECIFE.
A Illma. junta admimstrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
a -I'sala de snas sees&es, o dia 22 de outubro, pe
las 3 boras da tarde, tern de ser arrematadas ;
juem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tr3S annos, as rendas dos predios em segaida
declarados.
ESTABELECIMENTO DE CARIDADE.
Rua do S. (ioncalo.
Casa terrea n. 24 (fechada). 260*000
Rua das Calcadas
Idem n. 36........221*000
vidal de Xegreiros.
Casa terrea n. 114......362*000
Idem n. 94.........301*Oo6
Rua larga do Rosario.
1* andar e loja n 24 A.....
i* andar n. 24 A.......
i: andar n. 24 A ...
Rua de Antonio Henriques.
^asa terrea n. 26......
Largo da Campina.
Idem n 11 (fechada)......
Rua do Coronet Snassuna
I' andar do s brado numero 94 .
PATRIMON'IO DOSORPHAOS.
Rua da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).. .
Becco das Bolas.
Casa terrea n. 18.......421*OOt
Rna da Lapa.
Casaterrean.it.......202*000
Rua do Amorim.
Sobrado de 2 andares n. 23 6026000
Casa terrea n. 34 ..... S2*0 Roar do Bugos.
Casa terrea n. ti.......153*000
Rua do Vigario.
* andar do sebrado n. 27 243*000
1* andar do mesmo......24n*00<>
LojA do mesmo.......300*000
Rua da Eneantamento.
Sobrado de 2 andares a. 43 (fechada). 1:400*000
Raa da Senzalla velha
Idem n. 16 \ J......203*000
Rna da Guia.
Casa terrea n. 23 k 209*00t
Idem n. 29 201*000
Rna da Crtir.
Sobrado de 2 andares a. 12 (fechadaj. 800*000
Idem a 14.........600*000
Rua de S. Jorge
Casa terraa n. 100 (feebada) ,
Idem n. 103 ...
Rua do Ampare jOlioda)
Casa tercean. 18 (fechada). 240*000
Oa pretendentee deverao apresenur ao acto da
arrematacio aa suas ianeae, oa eompareceren
acompattnadoii dos respectivos oadores, devendo
pagir alem da renda. o premio da qnantia am
qne for segnro o preoio qna contiver estabeleci-
nasato- aooimereial, assim como o servico da. Mm
peca a antoa dba apparaiaoa.
Secxetaxu da Santa Casa da|Misericordia. do R*
cite, 17 de sstembfo de 1874.
O escrivao,
________ran HomHUmu da daaf a,
Csmpasliiii I iKd
segarea WavtaalaW e tanrrestirea
A agenda desta eompanhia toma seguros ma-
Hum s e taraestres, a premios raaoaveis, dando
BosjMaa*bKvrtaa*aBM lit) graMito
Rna do Visconde da iUoariea, aatiga do Appolo
'.^al&na'jflae Gomes,
AMM,
241*000
207*000
rh
i 21 dd'CcrrenWi mw de outui.ro, flnda
do "Ha. Sr BK juii de dirello da l
No dia
s aa6ieac4a
vaVa, val #rBto. m fesflMivs aata, por eaaaa
#o de Wtmm #liutth ^WjWhia coalra. ArMs
(HfbJoB, h siWPt96t daHMlti em mao estado),
a Tnire,.deaoflrfBWd Maria roaagae, avatiado por
""990; segnwd* escflpte e edRW qne se
Wa'raSb dopotfttto'.
saceam aor
Lisboa.
Porto.
a-taV
Visefl.
6uarda.
GaaaBWB.
Gnimaraes
Rio Sc Janeiro.
Na raa do Vigario n. f*.
Carvalho A Nefaeir*
saecam qaalquer quant-a, i riti fnra prazu,^or
todos os paquetfes, sobre l.i.dna. Port i e loda>' aa
mais cidades e <.il!as de P;t cojbo,
para Qaiaa e HIbh^i*' .\cor>8. __________'
Santa Cana- lie Maaeracoralia
Ki-rile
Devendo cdebrar-se n ii i I!' do eorrente. pe-
laa 10 boras da matibi, m cap-lla do hospital V
dro II, a festa de S. PWo de .flcaMara, padroHrn
daqnelle estabelecimen*'. de ordem da Illma. jna
ta administrativa rowv^fci a lodos aa 8va. trmtm*
para assislirem a este ..rtu.
Secretaria da SanU Casa de MiseriendRa-do Re-
cife, 16 de oatubro de 1874.
O escrivao,
Pedro Rodrigaes de Soars.
Santa Casa, da Miseticordia dj hecifc.
A junta administrativa convida pelo presente as
pessc>as que se acham a dever reada de predios e-
mensalidade de pensionisla, para qne no praao
de 15 dias tratem de saldar os seas debilos, visto
que se denlro desse prazo o ado fiierem, sera ell*
a seu pezar, obrigada a iutentar a eompeieala ac-
ciio contra cada um delles, fazendo publkrar teas
nomes por este Diario.
Secretaria da Santa Casa da Mi-erfcordia de>
Recife, 16 de outubro de 1874.
O escrivao,
______________Pedro Rodrigues de Soon.
tonstrurcao da pent* pura a aBfaa
deaja dia pro \i net a do Para.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesouraria
de fazenda desla provii.cia, se faz publico qne es-
ta em concurrencia a con-true.a da ponte per-
manente desti >ada a descarca de mercadorias na
alfaotega desta capital, conf' nnc a plants e or;a-
raento respectivo, que fe acham oa ;eeretaria da
junta da m-sma thes-urana, c aodaria ser con
sultados pelos pretendentes ; cujas obras foram
mani-.d.is executar pela ordem do tbesoaro oa
donal, n. 73 de II de go.-t fin-1-, no total de
299:359*400.
Os iiretendentes, qn^r desta r-rovmcis, qner da
do Piio de Janeiro, B'.hia, IVrnambuc.-, Ceara f
Maran Jo, drverao aartseelar suas nrcpoatas em
c.irtas fechadas, as aaaa* -itAo ahurtsa em ses-
sao da junta de 17 de dezi-mbr > do cad: ntt anar
TiiesoU'ana d- fazeuda da P.ira, i9 da seteai
bro de 1874. -Raymuudo daSilva e Cunha, seere-
rio da junta._______________________________
ADMINISTRACaO DOS COHRKK>> 1>E fERNAM
BU0O, 15 DE OUTUBRO E 1874
RelaQao da correspondencia rrgirtrada ($rm rateri
recebidade iivertat procedenriit ate eita tola.
e que nao lent sido rntregue por ignorar te as
residencies dos destinatanmt.
Antonio M. Gomes da Silva, Antonio Roger de
Souza, Antonio Carneiro de Laeerrta, Alfredo de
Ar.-r -i. Benedicto Luiz dos Santos, Henitj de Bar
rios Feipa, Bento Josf da Silva, ft at ma Caval
^nt^ ,! AlhnaiiPrnue I.ins. Firmino Tin-titunif'da
Camara Santiago, Francisco da osta Maia,Tran
Cisco Xavier Pereira te Brito, Priacaaaa Pereira
da Silva, Jose" Lourenco Goncalves, Jviu Chryso<
tomo 1'tlagio, Jose Joaqum da I'a na. JosdMi-
tbias da Silva, Jue Tbeopbilo d* Masseille, Jose
Gomes de Souza, Jose Manoel do Nasc meM, Joa
quim Jose F. rmra da Rocha Junior. Juauna Mar-
tha dos Santos, Jose (Somes Rodrigues, J ti-ta dc Oliveira Guimaraes, Joao C\rill i de Lim;..
Jose" Fernando da Craz, Jo .i de Sa e Albuquerque.
Joao Furtado de Mello, Man u I loai dos Santos.
Silve-tre Marques da Silva Perrae, T de Albuquerque, Theophiki MoJ .tuS-'ires.
O olfliial encarregado da mgislro.
Josd Candido d* Rnrr-%.
AfiMIMSTKA AO UOs umiir.io-) ..; rtt't-
NAMBUCO. 17 DE OLTL.ttlO DE 1874
Provimento de um I gar dj praticnte
Fa co publico que a 6 o -iia t8 da n iva t>ro du
corrente anno se acha aberta oesta adminis rario.
das 9 horas da inanha as 3 da lard*, a taaertaaao
para o exame doscanlidalos a an lugar de pra-
licante.
O exame tera lugar ni dia 19 damelle mez, a'
10 horas da manba, e versara sobre as seguinles
materias : exercieios do calligraphia e orth< gra-
pbia, arilhmetic< elementar, romprehcndendii o
uso do sytema metrico, e nocoss geracs Je get-
graphia.
O conheciiuento das liaguas estrangeiras daia
direito a pn-ferencia.
Os candidatos devem aprc entar c-rtiflc*do aa-
dico de boa saiide, e provar c m c-rndio nao u
rem meno.-< de 18, nem maij de 30 an^os de idada.
Affonso do Rpg Karros,
______________Administrador________
ADMINISTRACAO DOS COIME'O- OA PF>-
NAMBUCO, 20 DE OUTUBRO EE 1874
BBataa a epedlt--ae
i'elo vapor naci inal Gastiio 4 Oilcans, i-si
admiaistragao expede malas para Maceid, Pen *
Araeajn' e Balm, hoje 20.
Recebem-se jornaes, impress d qalmi<"r n
tareza, e eartas a registrar, ate 2 horas da taf
eartas ordinarias ate 3 horas, e estas ats >
com porto duplo.
O administrador,
Alfonso do Rego a-rot.
o
THEATRO
is* mmuncA
S Jrs6 Ha,, h 4I;criia.
H-iiiertac'ulo em beueOrio dia Mt -
klrta de Altesaadoa
HOJE
20 DO COBREKTK
Drama sacro em 3 aclos o 4 qaadrae
Os Milagres de S. Antonio.
Principiara 4s 8 horas.
O resto dos bilbetes acha se X renda ao e-cnp
torio do theatro.
TrlATRO s^
Santo Antonio
mam mmn mm
aaaa a^.m ^ ar
%.' realtav ala aasigaatwra
O Bigniflco_daama (Vagico ennac-sMyric
B aetos, da snahme penaa do loroortai
Itaao R t'j?tflv*eehaN iatiiitlada
A MULHEfl RQMAHHC*
>



.-
t*
Iferio m rmmatox*u Terca feira 20 fe Guiufartf ** fctfe*
0MEW(B0MI0P\TIIC0
Especial trafcalbo do act r
E. Dominici
0 antor eseroseodo mu grande obra, teve em
visla a educacio da mocioade e metleodo em n-
diculo o roraanticismo apresenta a mesma on qua-
quadro viveale para defendt-la contra as paixoes
exageradas, corrtte os vicios e o* defeitos da so-
iedade eombaiendo o mai com o meson rail.
A's 8 boras.
THEATRO
PII1II1\ BRAM4TICA
Qnarta rrira tl de cerrnle
Grand* espuctacuio tm bene/lcio do Pan-
tes e dt seu amigo J. B. F. G.
Representar >e-ha o drama de sublime coacep-
cao de Ernesto Biesler, em 4 aetos
As miles anvpendidas
Tomam pare osartistas Aogosto, Emilia no, Pon-
ies, Ayrosa, Pnates Junior^Penante, D. Isabel, D.
Leopoidioa e IK Henriqoeta..
Seguh* se ha a representatao com a sempre fes-
tejada ?cena comica, representada pelo distincto
artieta Flavio, que obsequiosamenta se presta
0 SR. DtHMNGOS FQRA 00 SERIQ
Terminara o espectaculo cum a uova comedia
m 1 acto
A HDLHER DE DODS MARIDOS
Tomam pai-te os ariisus D. Isabel, 0. Ilenrique-
ta, Augaslo, i'ontes Junior e Penante.
O beneficiado ainJa esta vez recorre a protect* o
do publico pernarabucaao, eerto de sua bospilali-
dade, antepocdo a sua mais sincera gratidlo.
Priacipiara as 8 borat.
AVISOS MARiTIMOS.
Hha de 3. Miguel
?rue com brevidade pan S.Migaat otaalha-
bote portuguez Novo S. Leumnco, para oade rece-
be onrfft e passageiros: rata se coa n ooasig
naiaitoe Thomas do Aortas Fooeeca AC Soceov
sont.rosdo Vjgario n. 4, it andar.
------
esleriinas.
a<)ia
Libras
Vfendem Augusto F, veira & C.
Rua do Commercio a- it.
depedsa,
na*, espetbos, BJK*e. MM* p canal* IHHH,
guarda-vostido, aoarda-soaas* mttifartM, ssesa
sisstiea, 1 gnardaloucade asatfalt*, aovo, oadei-
ras americanas, I maobina pas*: castor a, cadsdjraa,
sottoaonlsos, mesa e onVos artifot qua eslarao
patentes aos coMMMMW-
0 ageoie Pi aha Rossis, antorisado, readers tm
leilao oe referidos movoie, no andar do sobrado
c. 8 da rua do Bom Jesus, por coota e ordem do
aan farnilia qua mndou de rssidancia.
Para Lisboa.
Pretende segoir com brevidadeo liigar portu-
guet Mia. Para carga e passageiri*, trata-ea com
oa constgoaurios Thomaz de Aqarao Ponce ea &
C Succeasorea, a ran do Vigario n. 19, primeiro
andar.
CH%RGi:i:RN Rl't \IN
COM PAN EH FRiNCEZA DE SAVE-
GACAOA VAPOR
L'liNHA* MENSAL ENTRE O
Havre, List>6a, Pernambuco, Bahia, Rio de
Janeiro h Santos.
STEAMER
VILLE DE RIO DE JANEIRO
(omniundaiiic A. I'leury
E' esperado da Eq-
ropa at6 23 do cor-
reote, seguindo depob
da indispeasavel de
mora para 03 por-
tos do sul dc saa as-
eala aciraa rtferilos.
Para fretes, eneommendas e passageiro?, trata-
se com
OS CONSIGSATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA 4 C.
aRua do CommercioEntrada pela ru*
di; Torres.
COMI'AKUIA PERNAMBUCANA
DE
IVavejctaciXo costeira a vapor.
Foruando de Noronba.
O vapor Jaguaribe, com
nanilante Julio, segui
ra para o porto acima
do dia 3 de novembro, ao
meio dia.
Recebe carga ate o dia
2, eacommendas, passa
geiros e diiheiro al6 as 11 horas da manhado
dia da sabidii.
Escriptorio no Forte do Mat'os q. 12.
facile Steam Mgalidn {msm\
ROYAL MAIL STEAMERS.
Rio de Janeiro


O novo paucho brasileiro -Rival recebe carga a
frete para aquelle porto : a traUr no escriptorio
dos coosignatarios Ralthar, Oliveira 4 C, a rua do
Vigario n. I, t* andar.
~nu 0 MTU.
O brigue portuguei Triumpko, pretende segair
m muita brevidade : para carga e pasaageiro*
iraU-e com oa consignatanos Thomas de Aquino
''onceca 4 C, soccessoree, rna do Vigario n. 19
Risoo maritimo.
N. A. Anderson, capitao do palhabote ameri
cano Frank Howard, vindo de New Y'ojk, com
carga de farinba de trigo, gaz, e outras mercado
rias. com deslioo ao RiO Granle do Sul, entra
do neste porte com agn aberta, precisa pare oc
correr as despesaa do maamo navio, a risco ma
riiiino, cerca da qnantia d- 18:000d, aobre o casco
frete e carregamente do mesmo navio.
Offertas >m carta fechada, serao recebidas no,
consalado americano ate o dia 20 dc corrente met,
ao meio dia.
moveip, louqa, vidros, pia-
nos, miudezaa, ouro, di-
versas ohras de plaque e
uma porcao de latas com
Tnaiiteig<*.
^tmrtst-feira 91 do car rente.
AS II HORAS EM PONTO.
No arnazem i rua do Bom Jesus n. 68
(antiga Cruz j.
O agente Dias fare ieilao por conta e risco de
quern pertencer, do uma mobilia de jacaranda com
tampos de pedra, 1 dita de dita, 1 drta de amarel-
(o. cam>9 para casal, marqn-zSes, narquezaa, so-
la*, cadeiras avulsas, ditae de balance, guarda
loaca, 1 sanloario do jacaranda, eostnreiraa de
mogno, com mod ts, quadros, mesas redondas, mesas
ela^ticas, cousolot, aparadoies, candelabros, pren-
sas para copiar, I raachina para costnra em per-
feito eaudo, secretariat, carUiras cadeiras para
menmos, divorsoa cartes do vostidos de la e cam-
braia, manteletea de eda, e muitoa i atros objec-
tos que estarao palentes ao acto do leilao.
,, Leilao
DE
50 caixas com massa estrprma para sdpa
QUARTA-FEIRA 21 DO OORRENTE
at |i horas ore ponto
. Hi* araaaxeitt #Jr. Aaiatea
O preposto do ageote Paauaa far* leilao pot
QBftoe ri anrolina para sdpa.
Em am on mats letea, a vontade dos Srs. com-

leilao
-
" "* DA
barcaca Zurich
As 2 boras da tarde
Mo caes do trapiehe AKandega Velha (outr'ora).
O agente Pinto levara a leilao, precedida a com
aetento aotorisacao, no dia e hora acima meneio
nados, a barcaca denoiwinada Zurich, del mas
tros, a qual carrega 600 sac-.os com aaaacar, tal
qoalse acha fondeada em frente ao antigo trapi-
ehe Pelourinbo, onde poderao os pretendenlee
ja ezamina-la.
domestico aTdo8 a trooo do barato,
pci* eonta de diversos
Quiata-feira 22 do coirente
as II h.raadamanha
NA
PEIRA SEMAN AL
16-Ri 4e lmperauor-16
pelo agente Martins.
LEILAO
Para o Para.
JPretende segair com muita brevidade o palha-
bote Joven Arthur, tern parte de sen carregamen-
to engajado, para o resto que lhe falta irata se
com o seu consignatario Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo, a rua do Bom Jesus n. 57.
Aconcagua
.................F;___
(JK tlOd
Iit.NKADAS)
Espera-se dos por-
tos do sul ate o dia 25
dn corrente, e depois
da deuiora do costu
me -eguira oara Li-
verpuol .tocando em
Lisboa, Bordeos, para onde r-'(-"tiera passageiros,
encomraen 'as, > dinheiro a frete
N. B.-Nao sahira antes das ires horas da tar
de do dia da saa cbrgnrin.
AGENTES
Wilson Hi.wo A C
14PRAgA DO COMMERCIO1
COMl'AiMdlA I'hUWAMbLCANA
DE
\avcgi::;ilo coateira a vapor.
PARAHYBA, NaTAL, MACAO, SIOSSORO', ARAC-
TT.CBARA,ACARACU', GRANJA E MARANHAO
O vapor Giquid, coiLman
dante Martins, seguira pan os
portos acima no dia 22 do
corrente as 5 horas da tarde.
Recebe carga ate o dia 21, en
commendas, passageiros e di-
nbeiro a frete at6 as 3 horas da tarde do dia da
sahila : escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
Para Lisboa.
A barca por:ngucs Pereira Bo>ges, capilao An
Wnio Alfredo Borges, recebe Carga e pa.-sageiros:
a tratar-se com Silva Guioiaraes 4 C, praca do
Corpo Santo n. 6, segundo andar.
Para Lisboa
Seguira com brevidade o bri.ue portuguez Bella
Figueireiw, rapitl) Hilario Rodrigues : para car-
ga e passageiros, traia-se com E. R. R bello 4 C,
rua do Corume cio n. 17, entrada pelo largo do
Pelourinho.
COHP.tiliHlA BRAS1L.E1R.4
DE
NAVECACA0AVAP0R
iforton do miiI
CERVANTES (fretado)
LEILOES-
L'MUiM
DE
algumas joias e moveis pertencentesaos bens
do fallecido Jose* do Rego Pacheco
BftJt
A's 11 horas da man ha
Em a casa terrea n. 30, da rua do Alecrim.
O agente Dias levara a leilao, no dia e hora aci
ma designados, por despacbo do Exm. Sr desem
bargador juiz de orpbaos, as ] >ias e moveis que
abaixo se meneionam, os qnae< fazem parte dus
bens deixados por fallecimento de Jose do Rego
Pacheco.
Joias.
Um adereco coraposto de 1 pulseira, 1 broche e
1 par de rosdtai, I peqoena pulseira, I alQnete, I
par de rps6tas 1 corrente, 1 religio, patente in-
glez, usado, I paliteiro de prata, 1 salva de metal,
12 eclberes para cba e 12 ditas para sopa.
Moveis.
Uma mobilia de jacaranda, usada. 1 mesa elas
tica de amarello, 10 cadeiras de dito, usadas, 1
meia commoda de dito, usada, I dita de aogico,
usada, 1 cofemoda franceza de jacaranda, I guar-
da-roupa de amarello, alguos jarros e aiguma
kinca.
E porque ?e ache tamhem encarregado da ven-
da de uma escrava de nome Hylaria, preta, criou-
!a, de22annos ae idade, do servico domestico.
avaliada por um conto de reis, e da 3- pane de
outras duas de nomes Pree.illa, parda, dc 1! annos
de idade, e Maria, tambem parda, de 11 annos do
idade, avaliada a 3* parte da primeira em 233*333
e a s gonda em 168*666.
Recebera desde ja o mesmo agente propostas de
quern as pretender, em seu escriptorio a rua do
Marquez de Oliuda, n 37, andar, e no dia do
leilao de moveis e joias. na rua do Alecrim n. 30,
onde desde ja podem os Srs. pre'.endenies exami
Da-las.
mora do costnne.
E' esperado dos portos do norte
ate o dia 2o do corrente e se-
guira para os do sul, inclu
sive o da Victoria, depois da de-
Grande e ultimo
LEILAO
DE
Fazendas, cbapeos, livros em branco, o
elasticos, constando de
Merinos pretos e azues, v^os para casamentos.
dainascos de core?, pannos para colchdes, damasco
de linho, sargelim preto e de cores, atoalbado cril,
cainbraias, meUs de lio da Escossia, para homens
e senhoris, capas e manteleies, grava'as, chales
de la, de ganga, de metim, lencos de >eda, lilo pre-
to, organdys, cintos para senhoras, chales de caxe-
mira, gorgorao preto, sedas e setim.
Assim como :
Ghapeos a Cavour, livro9 copiadorcs de cartas,
tecidos elasticos e fitas para cinto.
HOJE
N"oarmazem da rua do Bom
Jesus n. 63.
Os admiustradores da massa fallida de Pereira
de M 'lb & C, usando da antorii'acio qne tern do
lino. Sr. Dr. juiz de direito especial do coi o ercio,
faiao leilao p-r idtorvencao do mesmo agente
Pinto, dotestodas fatendas perlenceotes a 'ila
massa e existenies no armazem do sobrado da rua
do Bnm Jesus n. 63.
O leilao priacipiara as
horas.
Leilao
DOS
vinbos, licores, conservas, motets, um bo-
te, am* lancba, e mais objictos do ar-
mazem de fomecianentos de oavios da
rua do Coram rcio n. 2i, que faz parte
do espolio do finadn
<] CONSTANDO DK :
Uma armacao, I balcao, 2 armarios, 1 reparti-
mento de eseript no, I burn, 2 carteiras, 1 lava-
torio com deposito para agaa e torneiras, 2 relo-
gios de parede, 2 mesas, I deposito para gelo, pi-
pas, taboas, eacadas, tsteiras, balaoQa-, copo9, ca-
lices, charutos e papel para eigarros.
Vinhos de Bordeaux, Reioo, S. Jnlien e muitas
outras mareas e qualidades de vinnos em barris a
garrafas, conservas, peixes em conservas, molhos
e muiios ontros generos.
Sendo:
!.O arrendamento da referida casa a rua do
Commercio n. 21, que expira em fim de dezem-
bro de 1876.
2.-Todas as mercadorias da mesma casa, com-
pondo se dos generos e objeclos acima menciona-
dos.
djjnarta-felra SI do corrente
a 1 hora da tarde.
O agente Pinto, aotorisado pelo gerente do con-
sulado de Franca, levara a leilao, em d ou mni
tos lute-, a vontade dos compradores, em presenca
do chancellor do me-mo consulado, os generos,
jsoveis, vinbos, conservas e mais objectos perlen-
centes ao espolio do (L ado Eduardo Turpin e exis-
tentes no armazem da rua do Commercio n. 24,
onde se effectuara o leilao a 1 bora da tarde do
dia acima dito.
Leilfles
POR
in(crieni;iio do agente Pinto.
A S'ber :
TEHCA-f-EIRA 20 DO CORRENTE
Das fazendas, chapeos e miudezas da massa
fallida de Pereira d- Mello & C, no armazem da
rua do b r*> Jesus n 63
QUARTA-FEIRA 21 DO CORRENTE
D. irmaeao, balcao, bura, carteira, moveia,
vinhos. licores, conservas. peixes em lata, balan
ra-. 1 bote, 1 lancha, e mais perten^a do arma-
zem da rua do Commercio n. 2i, do fallecido
Eduardo Tnruin.
QUINTA-FE1RA 22 DO CORRENTE
Dos sobradjs da rua do Bom Jesus ns 61 e 63,
da casa lerrea da rua d- Imperatriz n. 60, das 16
meias aguas da rua do Camarao n. 9, do sitio da
rua de RiachiHo (outr'ora Corredor do Bi-po) n.
61 e do sabrado- amarello-da esquina da rua do
Hospicio.
SEXTA-FE1RA 23 DO CORRENTE
De moveis, lou?a, crv>tae, musicas, livros, obras
do ouro c prata no 2* andar do sobrado da ma
Primelro de Maico (outr'ora rua do Gespo) n.
IV___________
Em continuacao
LEILAO
de ii pares ^e sapat->< para banho salgado, 15
duzias de calices, 6 ditas de copos, 8 caixas de
papel para eigarros, cachimbos, palitos de den-
ies, phosphoros, ca xas com sabao, ditas com se-
bo e rolbas.
Latas com lingua?, chouricas, hervilhas, peixes e
conservas.
Poles coin ra stardas, frasco3 com doles em con-
servas e balaios.
Garrahs com azeite doce, vinagre, azeitonas, bit-
ters, agua de VKhi, absynto, canna, vermouth,
hircks, chartreuses, santerne, e muitas outras
qualidades de vinho.
QUARTA-FEIKA 21 DO CORRENTE

Agente Pestanu
leilao
.'-:> f
DA
armagao, generos e mais atensiiios da la-
verna sita no largo de Nossa Senbora da
Paz ii 11, freguezia dos Afogados
QUINTA-FEIRA ii DE .OUTIBRO
AS 11 HORAS EM PONTO.
O preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de qnem pertencer. d'armacao, gene
ros e mais utensihos da taverna acima meneio-
nada.
Em um on mais lotes, a vontade dos Srs. com-
pradorei
JNovo leilao
DA
armacao, generos e mais utensilios existen-
tes em o eslabelectrnento n. 8, da traves-
sa da rua Duque de Caxias, e de uma ca-
sa terrea em a rua da Roda n. R6
QUINTA-FEIRA 22 DO CORRENTE
as 11 horas da manha.
0 agente Dias, levara novamente a leilao, por
despaeho do Exm. Sr. desembargador juiz de or
phios, no dia e bora acima indicados, a armaeao,
generos e mais utensilios do estabeleciraento n. 8
da travessa da rua Duque de Caxias, e a ca-a ter-
rea em a rua da Roda n. 56, pertencentes aos bens
do fallecido Jo e do Rego Pacheco.
Os Srs. pretendentes podem desde ja examinar
a referida casa, e para qualquer esclarecimento,
no eseript' rio do agente, a ru? do Marquez de
Olinda n. 37,1." andar.
LEILAO
Ao meio dia
No armazem da rua doCommorcio n. 24,
do finado E. Turpin.
IO l|
(Por serem muitos e differeptes lotes).
Poi-tow do norte
E' esperado dos porto?
do sul ate odia 27 do
corrente e segaira para
os do norte depois da
demora do costume.
Para "carga, eacommendas, valores e passagens,
trata-se no escriptorio
7-RUA DO VIGARIO7
Pereira Vianna & C.
Agentea.
Real eoinp.inhia de paquetes in
giezes a vapor.
Ate o dia 26 do cor-
rente espera-se da
Enrnpa o vapor iu-
Jlez Douro, eomman
ante Tbwaite, o qnal
_ depois da demcra do
costume segairt para Buenos-Ayres, tocando nos
portos da Bahia, Rio de Janeiro e Montevideo.
Wo dia 29 do corrente espera-se dos portos do
nl o vapor inglez Boyne, commandants Reeks,
o qnal depois da demora do costume, seguira para
Southampton, tocando nos portos de S. Vicente e
Uaboa.
ftre passagens, fretej, etc., trau-se na agencia,
rjta do Commercio n. 40.
Agente Pestana
Leilao
DE
vinte fardos com muito superior
t'umo da Bahia.
OUARTA-FEIRA 21 DO CORRENTE
As 11 horas em ponto
No armazem do Sr. Annes.
Ao correr do martello.
0 preposto do agente Pestana, competen-
temeote a u ton sad o por uma pessoa da Bahia,
far* leilao de vinte fardos com muito supe-
rior fumo em folhas, da safra velha, as
quaes tornam-se recommendaveis pela sua
esp. cialid de, tendo vindo pelo ultimo va-
por, as quaes serao veodidas em um ou
mais lotes a* vontade dos Srs. compradores,
ao correr do martello, e para fechar conta.
LEILAO
DE
um rtlogio de ouro para algibeira, I dito de prata.
1 cadeia de ouro, I annel. but5e3 da punhos,
collete e peito de camisa, 2 carteiras para cha-
rutos, t epiogarda (I.e faacheaux) e 1 sinete
de raarfim.
(Bens pertencentes ao finado E. Turpin )
QUARTA-FEIRA 21 DO CORRENTE
No armazem da rua do Commercio n. 24.
Agente Pestana
LEILAO
DE
diversas gigas de laca sortida, deserabar-
cadas ultimamenta e para fechar contas.
QUARTA-FEIRA 21 DO CORRENTE
as 11 horas em ponto
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
fandega
0 preposto do agente Pealana fara leilao, por
conta e risco dequem pertencer, de diversas
gigas com louca sortida, dessmbarcadas nltima-
mente.
Em nm ou mais lotes, a vontade dos Srs. com-
pradores. -i
DO
sobrado amarello de 3 andares e sotao
da rua da Imperatriz, em frente a* matnz
da B >a-Vista, servindo de base a offerta
do 11:00Oj{|ii00
Qainta feira 22 do corrente.
Ao meio dia
0 agente Pinto, competentemente autorisado, le-
vara novamente e pela ul ima vez a leiiao, servin
do de base a offerta da 11 contos de rets, o sobra-
do da rua da Imperatriz, es<|uina da rua do Hos-
picio, edificado em chaos fureiros, sendo que dita
venda sera effectivaouente realisada no dia e hora
adma mencionados com quem melhur vantacem
offereeer.
Os novos pretendentes poderao desde ia exami-
nare'n dito sobrado e concorirerem ao acto do lei
lao, no escriptorio do agente Pinto, rua do Bom
Jesus n. 43.
G ande e importante
LEILAO
DE
predios
A saber:
Um sobrado de 3 andares edificado em chaos
proprios, a rua do Bom Jesu< n 63.
Um dito de I andar tambem em chaos proprio.-
na mesma rua n. 61.
Uma casa terrea na rua da Imperatriz n. 60,
em chaos fureiros.
Dezeseis mei .--aguas da rua do Camarao n. 9,
tumbera em chaos foreiros.
Um grande sitio na rua do Riachuelo (outr'ora
Corredor do Ri.-p ), n. 61, chaog proprios, com
grande casa de sobrado, o qual fica perto das li-
nhas da estrada de f-rro, assim como da dos
bonds.
OuiDta-feira 22 do corrente
A's 11 horas em ponto
No escriptorio do agente Pinto
RUA DO BOM JESUS N. 43.
0* adminislradores da massa fallida de Pereira
de Mello & G. levarao a leilao, de conformidade
com o alvara de-licenga do lllra. Sr. Dr. juiz de
direito especial do commercio, e por intervencao
do agente Pinto, os predios acima mencionados,
para pagamento de hypothecs as II horas do dia
acima dito.
Os pretendentes p derao desde ja examinar ditos
predios, os quaes tornara se recommendados, ja
por sens rendiment is, ja or serem edificados em
ruas comn-erciaes, procur ndo obterem qoalquet
informacao dos alministradores, ou mesmo do
agente, e concorrerem ao acto do leilao, no dia e
bora acima mencionados
Feira Semanal
Gompanhia
RE
moveis, louca, vidros, livros,
musicas e obras de ouro
e prata,
COMO SEJAU :
Uma boa colleccao de operas, musicas e ph.,i,ta-
fias.
Uma dita de atudos e exercicios de agilidade,
daetos de Ernani, Forza del destino, etr., etc.
Uma diU de polkas, walsas e quadrilbas moder-
na>.
Uma dita de operas para canto, romanzas Italianas,
duetos, estudos e exercicios.
Um liro de solfejo de Rodolpho e 3 livros enca-
dernados com musicas difflceis e faceis.
Uma colleecio de livros inglezes, comprehendendo
os poemas de G wper, Shakespeare, bistoria de
Inglalerra e biographia geral.
Um diccionario italiino, as prisdes de Silvio Pel-
lico, um diccionario francez, bistoria de Portu-
gal, da Grecia e de Roma, da idade media e an-
tiga, e ootro livros.
Um relogio de ouro estoaltado e corrente de bom
gosto, propria para senhora; uma corrente de
ouro (double) e com um medalhao; u n cordio
de ouro do Porto, de 20 quilates ; uma pulsei
ra, uma medalha para reiraios, nm medalhao
com perolas, 4 anneis de ouo, sendo um com
brilhante e muitos oulros objectos.
Uma mobilia de jacaranda (massi^a) com um sofa'
2 consolos, 2 cadeiras de bracos e 12 de guar
niuao, uma cadeira de balanco e uma converia-
deira de jacaranda.
Um piano forte de jacaranda.
Uma mobilia de junco, propria para gabinete.
Um guarda-looca envidracado, um aparador com
gavetas, cadeiras mesas, marqueza?, marque-
zoes, lavato ios, commoda, Icu^a, vidros, 2 ca-
mas de ferro para mentno, e muitos ontros ob-
jectos proprios para BWa de faraiha.
Sexta-feira 93 do corrente.
No 2" andar do sobrado da rua Primeiro de
Marc/> n. 14 (outr'ora rua do Crespo).
0 ageute Pinto, autorisado por uma farnilia, que
muda de residencia, fara leilao ios moveis e mais
objectos acima descriptos, existentes no 2* andar
do sobrado da rua do Crespo n. 14.
0 leilao priocipiara as 10 I \i boras em ponto,
por serem muitos e differeotes os lotes.
Agente Pestana
LEILAO
DE
moveis, lou^a, vidros, cry-taes, ouro, pra-
ta e brilhant-s
SEXTA-FEIRA 23 DO CORRENTE
as tl horas em ponto
No segundo andar do sobrado stto ii rua do
Cabugd D. 16.
0 preposto do agente Pestana, competentemente
autorisado por uma farnilia qoe se retirou para a
Kuropa, fara leilao, per >;onta e risco de quem
pertencer, dos moveis abaixo de:larados.
Sala de visita.
Uma rica mobilia de jacarauda, com pouco uso,
constando de 12 cadeiras da guarnicao, 2 ditas de
bracos, 2 ditas lebalanco, 1 sofa, 1 jardineira com
oedra, 2 consolos tamhem com tampo.de pedra, 3
espelhos dourados, 1 tapete, 1 rico candieiro a
gaz, 2 pares de lauternas, 2 paras de jarros com
pingentes e bouquets de cera, 1 relogio de cima de
rae^a, 8 quadros com fio.as gravaras, 1 par de es-
carra leiras, 1 machina para otura e 2 pares de
quartinhas.
Primeiro quarto.
Uma cama de amarell 1 lavatorio com pedra e
snas pertenea*, I cnbide, I bidet, 1 guarda vesti-
do de amarello, I toilette de mogno e 1 espelho.
Segundo quarto.
Um marqnezao para solteiro, I meia commoda,
1 santuario com tmagens, 1 lavatorio e 1 cabide.
Sala de jar-tar.
Uma mesa elastica de i laboas, 1 guarda lonca,
2 aparadores, e sofa de amarello, 12 cadeins, 2
m-sas para j' go, 2 cadeiras dd braeo. 2 ditas de
balanco, 1 quadro a oleo 1 relogio dn parade, I
quartiohei'a, 1 apparelho para jantar, 1 dito para
almaeo, pares de garrafas, duzias de copos, ditas
de calices, compoteiras, etc.
Cozinlia.
Uma mesa para engoinmado e perten<;as de ca-
zinba neee-sarios p^ra uma casa de farnilia.
SEXTA-FEIRA 23 DO COaRENTE
as It liaaras eui ponto.
No segundo andar do sobrado sito a" rua do
CaOoga' n. 16.
Tenbo o seotimento de levar, aat>> pissIs, an
conhecimento de todos os actnaet e ftKoros oa -
criptores de accQes da companhia ediftcaoira da
provincia de rVrnambnco, qoe nio tiaba ekefaao
?i poaar do Exm. Sr presidents da pravjaoa ale
do corrente asolucao da petcio mrigWa aoao-
verno imperial, em 21 de agosio do 1171, sok a.
77, relaUva a approvacao dos esutntos da eeaa-
panbia ediflcadora da provincia do Pbrnaaoaoo,
da qnal P. M. Duprat incorporador.
V visu desU hMsperada demon e da araaaie
neeessidade qne estt prac* < ?w fdaeefeaar
o mais breve possivel a grandiosa e oliUtaria em-
preza de ediflcacoes da provincia de PfroarnbBC
a qual em ponco tempo lari augmentar de qeiilMC
ios a dous mil centos de ra. o movimento tname.-
ro e commercial de-u praca, e cootriboira reii-
livamenle a faier desapparecer a crise finaocer*
actoal que ba raezes desola eala praca, beta digr.<
de melhor sorte.
Tive a occasiio de saber na seeretarta da pre-
S'.dencia. em 7 de ontobro corrente, qoe 9. B.
j Sr. commendador Heorique Pereira de Loe*o.
com o fim de obter prompia solucao, agora ac-
os irabalhos dat camaras estao condoidnf, drr-
gio em 2 do corrente am offleio a 8. Bko. o Sr
mlobiro da agriculmra, renovaodo-lbe o pediJj
qne lhe fizera em 15 de junho proximo passaO >,
da solucao da pelicao ja citada e remeilida ea J'
de agosto de 1873, sob n. 77, acabaado assim ae
Jar nroa nova prova do interetso que torn a e 6 j
lesojo qno tern de ver dita erapreta aeseotar a
primeira pedra da pr rueira editicacio que uter,
e cuja aota descjo qoe seja assigoada peo actoa)
presidente da provincia, datando de>fe dia OS 40
annos das dispensas de de Miaaa coneedidas pe'a
lei provincial n. 335 Je 20 de junho de 1862
Recife, 9 de ou'ubro de !874.
F. il Duprat.
3-ti
3 S
>?*!
3.
*f&fiS|t!
S?t'
* 23
a t"
lo
2 =
o S*B o m o
:-f5l Sft
;i| if!
S.g.3
>Sa9 -e 2 -
|fi| g"3
3 =r 3
3 I
V -
s-i
If
fei
50
80
a 2 o _
o
I*
u a
lap
mr^-i

a y 3
5.3
0
12
11
5.q? i. *" 32.
S 3 B- =

go 5.
X m
*o
5
CD
lls

m =. u.
-G
a
3
8. &
CD _
E' com o fiscal de Santo Ae-
tonio
Appareca S. S. pela rua do Imperador e ve,a
aonde e 0 depo existe, que ipiando vein rxnjealo a aurora ia
e.-u exhalanlo mu cheiro, e isto nao 6 para uma
rua como a do Imperalor; e de mais, nao se pode
supportar tanta limpeza que 0 dono do h -til tet,
pois a V. S. compete faze-lo conter ae de tal abo-
Um radar.
E' com o subdelegado de
Santo Anionio
Pede-ee a esta autoridade para que de gaajua-
lemento sens passeios a u ote pela rua da Roda,
afim de ver um adjunto que ha na casa n. 25, qne
levara era capricho nio deixar soiegar uma pubr-
viuvi, carregada dn fllhas, por aaaala e precise
esta senhora passar noites inteiras sem unsk
pi'a nao ver amanheccr a psfSa Je ua -asa pic-
lada de pixe. -e esta aul in dale 0.I0 der 6m a
isto, voltarei a pedir providen.-i^s ao lllm. Sr Pr.
cliefe de policia ; por '{uaato isio nao tem Ingar.
Um innrador da mesma rna.
Novo Muudo
Periodico illu- r.. 11 brasileir do progresso. 3
melhor jornal illustrado, publicadi em liagoa
portugneza. A priodpiar do 5* anno. n> mez de
outubro iresent", e<:e jornal que tm -io ;,i
h >je de 16 paginas, Ii sari sendo de 24, coin I
dss e fignrin >s para senastM Preco por ani
15/000.Silva Cardoso 4 Pessoa.
Livraria poiinlar, rua Nova n. SP.
Atlencao
i *v 11 \
c-i S:
;S0S
LEILAO
DE
moveis, louca e vidros
Quarta-feira 91 do ear rente
AS 10 HORAS BA MANHA.
No primeiro andar do sobrado da rua do
Bom Jesus n. 8.
Um piano novo a forte, 1 mobilia de jacaranda
compkta com consolos do tampos de marmore, 1
dita do faia, enveroisida de prats, coaposU ds :
l sou, 2 consolos, 1 mesa, 1 cadeiras ds bracos, 2
ditas ae balanco e 12 ditas de goarnigaa; i mo-
bilia de mogno compieta e em b re estado do eon- -.
servacao, I costareira, J seeretarta de mofao^llpradores.
Aqente Pestana
leilao
.
DE
80 caixas com g*nebra bollandeza, em cai-
xas de nma duzia e 18 duzias de buti-
jas de diU
QUARTA-FEIRA 21 DO CORRENTE
as 11 horas
No armazem do 9r. Annes, defronte da 1-
fand.ga.
0 preposto do agente Peitaas fara leilio, por
conta e risco de qnem pertencer, de 30 caixas
com genebra holiaodeza. em caixas de uma duxia
e 18 duzias ie butijas do dita.
Em nm on apsis Iotas, a vontade dos Srs com-
uma mobilia de jacaranda,
1 realejo, camas france-
zas, commodas, aparado-
res, espelfios dourados,
guardas lou para livros, objectos de
brilhante, ouro e prata, di-
versos pasparos cantado-
res,entre elles uma arapon
ga,l carroca para cavallo,
com arreios, miudezas, 1
cavallo, caixas com charu-
tos da Ratua, um lustre de
4 luze^ para g z carboni-
co, fiteiros para lojas, ca-
deiras de balanco, cabi-
des; relogios deouroe pra-
ta, muitos trastes avulsos
e immensos artigos do uso
Massa fallida de Pereira de
Mello <& C.
Os credores podem rece-
ber o 2. dividendo de sete
por cento, apresentando os
titnlos para se annotarem.
Cltt DA NBM.
AOS 4:000^000.
8ILHETES GARANTID0S.
A' rua Primeiro de Mar$o (qutr'ora run no
Crespo) n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado, tendo veadido nos sens fe
liiei bilbetes nm meion. 1067 com 4:000*000, um
meio n 1644 com 7(0*000, uai inteiro n I9i2
com 200*000, nm meio n. 133-f com 100*000, e
outras sortes de 40a e 204 da loteria qne se
acabou de extrahir (1201), convida aos possui
dores a virem reeeber na conformidade do cos-
tume sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantido>
da 3* parte das loterias a beneficio da matriz
dos Afogados (121*), que se extrahira na quar
ta feira, 21 do corrente mez.
PREGOS
B'lhete inteiro afOOO
Meio bilhete J*000
Km porcao de IOO.J para cima
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Martins Fiuza.
\mwm PARTICULAR
Rua da Koclan AH. sobrado
Primeiras lettras, portuguez, francez, inglez,
desenbo linear e masica.
Sob a direcgao do professor Hermino Ro-
drigues de Siqneira, funcionarn ditas aufas"
todos ns dias uteis.
Recebe alumoosinternos, meio-pensionis-
tas e externos; fornece t ido o material para
tscripta e livros aos princlpiantes, por pre-
gos muito razoaveis.
- Oim Francisco de Paula Ucboa Cavalcaote.
cobrador, preejsa se fallar com urgencia : na rna
Pnmen-o de Marco n 16, andar.
.L
Fucio no dh 7 de setembro o esrravo do aba.-
xo assignado, om o siguaes seguinles; Egi cabra, ida'e de 20 annos, cahell >s earapi-h.--,
olhos abolicados, allura regular, ros'o um tan:
cnupad', beiwis grosses, bocca regular e on
tanto bicuJo, cabeca pejuena. orelhas regular**,
bragos, a mesma c'msa, pernas regnlarea, tend?
a esquerda e o pa inchado, por lhe dar eryspei..,
nariz regular, e bom trabalhador dn olaria. e
tambem c Duteotro, 6 n Kir ,i deata cidade do Re-
cife, e foi comprado ao ex-capitio do p provincia, Jose Joaqim da Silva Jacq e : roga 0
abaixo as>igna)o as autoridades poli'iaes *-
pities de campo e de navins, a sna captura e le-
varem-no a p- vuacao dos Afogados, qne serio g'-
nerosamente recompeosados.
Jose Ruarque LCi-b> a.
Aluga se nma escrava parda, peri:a en.-aboa-
deira, engommadeira e cozinheira, por20*men-
saes, lirapa e asseiada, so for para casa de farnilia
melhor, ou para casa de pessoa maito cipnz : pro-
curem na casa n. 137, no Um da rua da Aurors.d?
Gymnasio para la. 3
^ Aluga-so" o 2* an>iar e sotio do sobrada
da rua doR.-ingel n. 73, todo recons'.ruido ts
asseiado, cma baslantes comm >dos, escada
independento do I." andar, e bem assim o
quintal; smdo muito frt-sco e com exce'-
lunte vista para a nova pra<;a do mercado :
para ver as rbaves, cstao no estabelecimen-
t j da molhados do mesmo predio, e pa: a
l -atar na tht-souraria das loterias com Ante -
tonio Jose"
pri tario.)
Rodrigues de Seuza (son pr--
- Uma preta de 30 annos, ue cozinha e et-
gomma bem, precisa da tjnanta ds 450/ para
sua liberdade. contratando seus servicos com i
pessoa qne qneira fazer este mgGcin a pagam.:
to da dita quantia, no paleo de S. Pedro n. 2*.
na mesma casa vende-so 2 escravas que cozinh i
e engommam, nma deltas por Out)*
\llcncao.
. jBoa moradia
No dia 3 de novembro proxi no vindonro, do
corrente anno, vai a praca por arrendamento >
engenho de fazer assucar, Sebastopol. sito na c
raarca do Cabo, nma legoa distante 6* e-tacao do
Obo, e meia da de Ipojuea, bum d'agna e boas
terras: quem pretender, ajpareca en praca, aa
comarca do Cabo, em casa d.s audieocias, ao dia
acima indicado.
Ao publico
Lendo boje um aonuocio de leilao do espolio do
finadtt Bdoaard Torpln, venh > deelarar qne o ar-
rendamerrto da casa n. 24 exprroa por falta dc
cumpfimesto das coodieoos citt aor Jaw Mon-
delHiu, e qoe tendo e*to cnoidVrdn-o tindo, ar
rendei a casa aos Srs. Leger & B> telho. Fact
esta declaraclo para g*rantia dos interessadn* ri-
ll m de nio allegarem ignoranria.
Recife 19 ds outubro ds 1874.
Frei Joao de S. Jose Paiva, D. abbade do BKrs-
teiro de S- Btnlo. _____" -
- Amga an o I* andar do sobrado da rua do
Padre Floriano n. 69 : a tratar na praca da In
dspendencia ns. 18 e 20.
Aloga-se por tests, nma graadd casa o sitio.
aa estrada da Torre, a margeo to rio, perto da
Imha dos bonds na rua do Marmex de OKnda
s 66_________________J________
Precisa so de um caiaeiro, na rna DiraJta'o,
35, qne ten- a pralica do Uvorsa ; prefers so do
12 a IS annos,
* J
*


'r one nSo tendo ef-
[ JoJ#d*d Juelnha
iarlxna da,tlrva|o. a
jvrar ncsta praca *o^
v'atho, a>a tm nfe.u
a dila sociedale, c lulirjnando o abaixo asrijnadn
corao rt afui, a newciar aa saa firma tad vi-
dual. A**^f* Sfll-te.ro.

Aluga-se
ii^a
4 excellente casa da rua Riachuello n. 9, com boos
e grandes cummodos para famllia, e jardim na
frente a tratar cum Joaqaim Lope- Maehado.
Casa em Olinda.
Aluga-se on v( nde-se por barato preco, uma
casa de pedra e ;al com 2 quartos e 2 salas, eor
red>r e costnha terrenj proprio e com espaco
para ie faier oalra grande casa, granJe quintal
e nraito perto dos banhtM saiga das, da estacio,
agradavel viaia para o ma' e muito fresca. Quern
a pretender dirija->e ao convento do Cam > do
Recife, l ordem, cella n. 16, a tratar com o dono
da mesma, on dexar note para ser procnrado.
0 abaixo usignado tendo eomprado am meio
bilVete de d 12 to da loteria da provincia, que
deve correr no dia 21 do corrente. e como liv perdido, previne ao Sr. tbesoareiro, e to Sr. Fiu-
sa por qaem esta garaotido qae oil paguem qual-
iiier sorte qae pur veniura saia, senao ao proprio
<.
Recife, 19 de outabro de 1874.
Antonio J.ise Barre
Nestoo Jose da Foneeca, eoconlrando sea no
me na liiu dos devedores da massa do Thomaz
Pernandes da Ou nha & C, qae fol Itilao, como
devedur da quantia de seiseentos e taotos mil reis,
vem por meio de-te declarar qae so se jalga de-
vedor aqaella ma: >a, da quantia de 397*995, por
Onto protesta contra tado mais.
Recife, 19 de outunro de 1874.
Aluga-se o -eguudo aadar e sotao da rua
larga do Rosario n. 3i, com commodos para fa-
milia, e bem assim o primeiro aadar, mais pro
(irio para escriptorio, vislo nao ser repartida a sa-
il da freote : a raa Nova de Santa Rita, ribeira
do Peiie n 19. _______________________
. Alugi se uma escrava para tado o service :
na rua da Gloria a. 146.
Boa moradia.
Vende-se um excellente sobrado, com uma
casa pequena cotit gua, sites do Pu(o da Pa-
nella, rua Real n. 3o, com boos commodos
para urn* familia grande, tendo diversas sa-
les graodes e rauitis quartos, todos com
janellas; quartos para criados, cocbeira,
eslribaria, granle copir, casa de baubo
e jardim de cada lado. A casa estd em
perfeito estado, e e situagao e a mais fresca
d saudavel posiv--| :a tratar com a proprie-
taria D. Maria Purcell Raulinson, na mesma
casa.
Aluga-se o primeiro andar da casa da rua
Jo Torres n. 8, propria para escriptorio, on ponca
faniilia: a traur no segundo audar da rua do Mar-
luei de Olinda.______________
Attenq&o
Cede-se a nma pessoa de procedimento idoneo
am grande quarto da irente da grande casa da rua
da Palma n. 34 : quem qniier, tera alem de oa
tras eommodidades, muita agua para ludo.
Precisa-se de uma pessoa que entenda de
ajougue para eaearregar se de urn, danlo tres
"iadores a sua omducta, para ter metade nos lu-
cres : pode dirigir se em carta fee ha da a esta
typopraphia, com as iniciaes A. B. C.
Precisa sb alugar uma escrava que seja boa
juitandeira, para vender fructas de um sitio, pa
?ando se menslineutj 30/ : qiem Kto lha con
ier, dirija se a raa Duque de Caxias, loja de
; -astes, das 9 boras do dia ate as t da tarde.
Precisa-se de um rapaz >|ue tenha algum ca-
pital para enirar de soci> em um hotel : quem
mjzer dirija e a rua do Rangel n. 4, a entender-
se com A. T. F.
Precisi sc de um meniu > para caixeiro ;. ao
cafs 22 dc N ivi-ms.M a. '3$.
V
h xe-ro
mrni.
Procisa so .le urn .jaixelr-j rj'up Una.* hhuini
capital pan enirar dc n,m e.u uuia ur> rna na
rua Uucn ti. lii'J, >e Airjj.nueiu {,iKiiq.________


Boaa casas de
Poco da Panella ;
Tasso.
Alugam-se
ii
campo, na Crui Jas Ahnes e
i tratar com o commendador
" i

Aos furaanles
Jose Antonio Domingues de Figueiredo, proprie-
tario da fabrica de cigarros do becco Large (Re
cife), previne aos apreciad res d seus cigarros,
que a'Tio um deposlio a raa estreita do Rosario
a 16 (Santo Antonio), esquiaa da rua das Laran
ge-ras : abi encoctrarao os senhores fumantes um
granJe e t em escolhido sortimento de ponteiras
para charntos e cigarros, cehimhos de muitissi
ma qu lid des, bofjas, etc., etc., charntos de Ha-
vana e da Bahia, de todas as qualidades, e tambem
dos manofacturados na provincia, e cigarros de
muitas qualidades, tanto dos manafaclurados em
aa fabrica, como n> Rio do Janeiro, e Manilha,
tanto em gro.-so como a retalbo, garantindo se sin-
ceridade, promptidSo e agrado.________________
Urgencia
Precisa-so fallar com o Srs. Francisco Correia
Lobo e Antonio Etoupo de Lima, a negocio de sea
particular inleresse, no pateo do Terco n 23, ar-
maxem Con 1 liM0b b 'i
HCJA t<
>inc<2 ^a>
at*
,le 1872^\
woe oiiecj^ib
V\ IMPERATRU
I.* *W>AR.
J%aut-
icon-
Protesto.
0 abaixo assignado, fllho legitimo da linada D.
Maria Gomes Coutinho do Amaral, sabendo que
os ben- deixado por saa mai, dos qnaes 6 o nnino
e legiiimo herdeiro, estao jastos para serera ven-
didos pelo nullo testamenteiro Man el l.uiz da
Silva Gqimaraes, previne qae aingaem laca ne
gocio com o sitlo e casas da Varzea nem com oulro
uaalqner bem, visto como nao autorisoa a nin-
gaem para vende Us.
Recife, 14 de ontubro de 1874.
Thomaz de Aquino Coutinho do Amaral.
Aluga se uma escrava para engommar, e
para o servi^o interno de uma casa de familia : a
tratar na rua Duque de Caxias n. -"3 Na me ma
casa tambem aluga-se am moieque de 16 annos,
com maita pralica do servico domestico.
Alugi se o primeiro acdar da rua estreita
du Rosario u. 22: a fallar no patoo do T>rci n. 31
Aluga-se
os armazpns ns. 65 e 69. na praca do chafariz em
Fora de Portas, um onde teve tenla de ferreiro
o fallecid E. Mahalt. 0 ontro que esteve occa
pado com venda de molhados, para o que e op
timo pela localidade e ser de esquina. ambos livres
e desembaracados de impostos: a tratar com o com
mendador Ta UPERATRU
ib i
1/ ANDAR4
Acabam de reformar o sen estabelecimento, collocando-o du melhores
lic^des possiei de bem servir ao publico daw illustre capital, e is Exmas. Sras. n'a-
qailto que fftr teiidente i arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto pare bamens como para senhoras, tupete, chignon,
.Mooes modernissimoa, tran^aa, cachepeign, tecidoa, desenhoa em oabelloc, quadros tu-
mulares, flores, botiquets e todo e qaalquer trabalho imaginavel em cabelio.
0 estabelecimento acba-se provido do que ba de melhor nos mereados estran-
jeiros, recebe directamente por todos Tapores da Europe, as suaa encommendaae figu-
rinos de mod**, e por i&so pode tender 20 */c menos que ontro qnalqner, garantindo
perfeicao no trabalho, agrade, ainceridade e prego raioavel. A
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fdra ; Tende-se cabellos em
porsio e a' retalho e todoa os utensibos pertencentea a arte de cabelleireiro.
55
Constructor e afioaor
-Kua do

de pianos
dor55
C 0 W M A N

RUA DO
(Paasando > chafarfx)
mm
I'F.DK.M AOS s.M,l,,ri-s d.- .'. nos i*;ri. nil hq uiiip')fre aw.
trhinismo o laror de fitzrr uma visita a sen csialKiictiiuinlo, para ve:m o iwvo sorttOi'ti -
to comp'cto que abi ten* ; sendo tudo superior cm qualidadc e forli-lao ; 0/HB com m-
truc^ao pcssoal pode-se verilicar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LLY.AR DE SUV FtNDICAO
VaporeS e rodaS d'agua dos mais modernot aystemaa e em tamanboa con-
venientes para as diversas circumstancias dos senhores proprietaries e para deaoaro.^r
alg dao.
MoendaS de Canna de todos os tamanhos, as melhores que aqui existem.
tvOUaS QentauaS para animaes, agua e vapor.
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
Machinismos
Bombas
Ex-afinador das antigas e sfamadas casas Pleyel & Herz, e antigo direc tordar
(ifficioa da casa Alphonse Blond el.
Tem a honra de declarar ao respeitav-1 pnblico desta cidade, qiie tem aberto
sna casa de concertos e aftnagfies de pianos, qualquerque sejao e-tado do instrumento.
A' mesma casa acaba de receber um grande sortimento de pianos dos mtlho-
res fabricantes de Pans, como Erard Pleyel, Henri Herza Alphonse Blondel) todos
os pianos sahidos da casa Dbibaut sio garautidos
Compra-se e recebe-se em troca os pianos usados.
ESSENCIA CONCENTRADA
DE
Vende-se ama taverna, bem afreguezada
para a tt-rra, com poucos funlos, propria para
,igum princlpiaole :
a rua de Riacbuello n. 40.
NCRTIMENTO
MEDIGINA
Preparado poi
Lanman & Kemr
para thisi^ca
toda a qualidaib
de doengas, que
seja na garganta
peito ou bofes.
Expressamenu
escolhidodosme-
lhoresflgadosdo^
quaes se extraht
o oleo no banct
da Terra Nov
purificadochimi-
calmente, e suaf
jvaluaveispropn-
"edades conserva-
das com todo o
cuidado.emtod'
o frasco se garan
teperfeitamen
te puro.
Este oleo ten
sido submettid<
a um exame mui-
to severo pel<
chimico de man
talento, do go-
verno bespanbo
em Cuba e fo
pronunciado po>
elle a conter
MAIOR PORgAO D'lODINA
do que outro qnalquer oleo, que elle ten
-xaminado
IODINO $ UM PODFR SALVADOR.
Em todo o oleo de ogado da baralhao, e na
quelle no qual contem a maior porcio destr
ovaluavel propriedade, e o unico meio part
ourar todas aa d. tngas de
GARGANTA, PEITO, I10FES, FIGADO,
Phtysica, broncbistes, asthma, catharrho
tosse, resfriamentos, etc.
Una poucos frascos di caraes ao muit<
magro que seja, clarea a vista, e da" vigei
a todo o corpo. Nenhum outro artigo co
nbeeido na medicina ou sciencia, da isaU
autimento ao systems e incommodandoquas
nada o estomago.
As p^ssoas cujn organisacio tem sido des
truida pelas affec^oes das
ESCROFUL^i OL' RHEUMATISMO
a todas aquellac, n* digestao se acha com
ptetamente desarraniada, devem tomar
OOLEO DE FIGADO DIa?*CALHAO
DE
lavhah 4 KEMP
Divine Service in English
Every Simday ev6ning
at. 6.45
Rua do lmperador n. 13 1 est, floor.
Vinho superior
Na rua da Imperatriz n. 67 acaba-se de receber
excellente vioho do Porto, em barns de SO, 75 e 150
garrafas, e vende-se muito barato, garanliado-se a
qualidade.__________________________________
Precisa-e da quantia de seiseentos mil reis
a jnros, dando-se por garantia uma escrava mo^a,
bonita figura, perl.ua engommadeira, boa cozi-
nheira e cose : a pessoa que quizer fazer e>te ne
gocij. dirijaso a rua do Cor. net Suassuna n. 187,
3.* andar.___________________________________
Novo Muniio.
Com o n. W, chenado pelo Metrimack, comple-
ta o 4* auno. 0 pre;<> da astignatura do 5* aono
se:;i di- 1 >i. Ate euiao c-ta folha tiazia 16 pagi-
uas ; agora trara 24 e capa ; lorn^ndi-se niuito
mais recou mendavel, porque netosedara snpple-
lU'-ntus gratis e repetidos ; como tan.b-.-m publi-
car-se-ha leituras para familias, e gravuras espe-
ciaus para senhoras ; evitando as:ignar-se am
oulro iornal para m ii. -.
__________ LIVRaIUA fraceza___________
Os abaixo sssignados derlaram pelo presen-
te que dissulveram pur escriplura de>ta data a
sociedade que tinham entre si sob a firma de Silva
& Cascao. licando a cargo do ex-socio Mo Agos-
uuho da Siha todo o ariivo e passivo social. Reci
fe, 9 de outubro de 1874.
Joao A. da Silva.
P. G. Pereira Cascao.
ARISTIBE SA1SSET E. J. SOUM
Tratamento puramente vegetal verdadeiro pnriflcador do sangue. sem merenrio.
A Essencia de Caroba e am remedio hije reconhecido como am poderoso depura-
especial para enra de todas as molestias que teem a sua origem qa impureza do sangue,
> sejam : as m< lestias STPmLmcAS, Boubaticas e Escbofulosas, Rhkumatismo, Emplnge.ns, Dab-
, Ulceras, ErcpcOes, etc etc.
Os prodigiosos effeitos que tem produzi 1o a Essencla de Caroba, por toda pane
onde ella tem siao apropriadamente experimentada, a tem feito adoplar como um dos medicamen-
tos mais seguros e mais energicos para a cura de todas as molestias de natureza syphilitica e
boubatica.
A cada frasco acompanba uma instruccao para a maneira de usar.
tivo e
como
TROS
Pomadu auti-darlrosa
Contra as affec^Oes cataneas, danbros, comichdes, etc., etc.
iHgueoto de (aruba
Para cura das boobas, nlceras, chagas antigas, etc., etc.
UNICAMENTE PREPARADO POR
R08Q0ATK0L IhfflAuS, SUCCESSES
H- lira Fraoceza
22 Rua do Bom Jesus 22
ANTIGA RUA DA CRUZ )
Escript
as
Uma r.iesso'' com habiliUroes, dispi r.do aioda
de algum tempo, se propoe' a fazer algnmas es
criplas, ou sejam por partidas dobradas ou sim-
ples, ou sejam por effectividade ou mesmo tempo-
rariamente. A muita pratica adiiuinda nesse
exercicio. garante a perfeicao de seu trapaltio, e a
sua assiduidade, sem duvida, sati-iar.. a quem Ihe
confiar sens servicos: quem precisar utilisar-se
de seu prestimo, pode deixar nota na loja do Pa&so,
indicando o nome e lugar para ser procundo.
. Fugio a 15 do corrente o u ulaiinhu Casemt-
ro, de idade 14 anno', mais ou menor, cdr alva
centa, cabellos carapinhos, pes e maos grossas,
ulhos e orelbas grandes, rosto hrgo. e e caohdto ;
supp5e-se ter ido pel estrada do Caxanga, em
algum cumbuy do centro : yraiificase bem na
Passagem, entrada para a fabrica de uacao.
PERIIEU-SE
No domingo 4 do corrente, da malriz de S. Jose
a ma de Vidal de Negreiros n. 157, uma cruz de
our com perolas : ruga se a pessoa que acbou, o
favor de leala a mesma ruan. 153, que sera re-
com. enssdo
Alnga se o armazem de recolher, do sobra-
do da raa dos Burgos n. 11, por detrz da raa do
Vigario : a tratar com Jos6 Feliciano Nazareto,
rua da Praia n. 20.__________________________
Aluga-se o primeiro andar da rua de Lomas
Valenlinas n. 100: a tratar na rua Direitan. 10,
rerinacao. _______________
Aluga-se uma casa naCapunga, rua
das Pernambucanas n. 52, a qual tem
duas salas, seis quartos, cozinba fora, ca
cimba, tanque para banbo e grande quintal
murado, com rauilos arvoredos a maior
pnrte laranjeiras : trata-se na rua do lmpe-
rador ii. -28.
Aluga-se o 1* aadar do sobrado n. 13, silo a
rua de Marcilio Dias, outr'ora rua DireiU : oaf m
quizer, dirija se ao 2* andar do mesmo sobrado.
Jezuino Ferreira d^ Silva mndoa a sua re
sidencia t ara o largo do Paraizo, sobrado n. 26,
e pr isso a nga o pradio de sobrado cam sitio ar-
hon?ad.i e ajardinado, no qual moron, no lozar
denominado Caldeireiro, f>-egae'a do Pdc < da Pa
nella ; cujo sitio flea tres roinntos dlst nle da es
tacao da via-ferrea do Recife ao Caxanga.
Alnga-se a casa terrea st na beira do do
do P6co da Panella, com sitio arbonsaao 9 ajr*i
oado. e 'um canmba de agua de beher, propria
para passar-se afeita : quem a pretender, euum
da se coin o despachante da slfandega Jezuino
Ferreira da Silva.
N.5A.Rua do Barao da Victoria.N. 45 A.
LOJA DE JQIAS
DE
JOSE JO.IQHH DIAS DO REGO.
I-to sim J uito e liquida^So c qneimat!
0 proprietary deste nuv.. eislabelecimento alurdido com o inesperado e-tridir dos gritos que
sargem de todos os anguios dosta gra de cidade, annunciando a liquidacao dos estabelecimentos de joias;
e receioso do ficar OSINHO, apezar de b-m avaliar as grandes vantagens que neste caso deveria au-
ferir; tomou a inabalavel resolucao de QUEIMAR todas as suas joias, com o unico fim de encorporar-
se a grande caravana, e, com ella, seguir em roraaria para.......6 segredo I
A pyra esta ardente as victimas aguardam brilhantes o momento do sacrificios6
os sacrificadores.
Isto posto, espera-se.com justa r.zao, nma grande concurrencia dos amanles d econ
que nao devem perder o ensejo de se proverem de objectos laes; e devem-n'o ainda assim fazer,
qne depois de todas ?s;as liquidacoes, com o novo anno, acabam se as JOIAS desta cidade, e nao
tera publico aonde dellas se possa prover
A ellas A ellas !
fal
FUNDA ELECTRO-MUDICAL
mvciism fmwutuM nun *nn
'""""HFPNUQ OoulMtnmWAMMM
niicti 4 ntriniw Imnin. Itnw liTlni
44, rue de l'Arte-8c Pabis, Yi ajawpia
Bd> d nma notieia,
p^dtto em Pmomuc,OAHOBaBAB PRE&ERVAT1V0 DA MIPELA -
DO
Bacharel Manuel de Siqueira Cavalcanli
Remedio efficaz, nao so para curar qnalqcer alaque de erysipela, como
para impedir o seu reapparecimento.
Approvado pelo Governo Imperial, aeha-se a dispoticAo do Publico
,com as respectivas in-trucc5es, attestados de pessoas notaveis, e de Medicos
do grande reputacao.
Depositos unicos.
Pecife: rua do Barao da Victoria (raa Nova) a. 40, casa do Sr.
Rocha Sioneira,
Rio de Janeiro : Corte, rus do Ouvldor, n. 78.
Gratis aos Pobres.
, ( Podendo latM
para mandioca e algodao, e para serrar mailara. lser movides a tt.io
Ipor agna. vnp-r.
de patents, garantidas........ ton aaiaues.
Todas as machinas
e pe^as do que se costun.a precisar.
raz CJUalquer COnCertO &e macJuataoa, a pre(;o mui resumido.
t Orma8 Qe terrO tem as melhores e mais baratas existentes no mercado.
E*nCOJllIIienClaS. Tncumbe-se de mandar vir quulquer machinismo a vontade -i,t
clientes, lembrando-lbes a vantagem de fazerem as compras por intcimedio de pess-a
enttndida, e que em qualquer necessidade p6de Ihes preitar auxilio.
AradoS americanOS e iostrumentos agric las.
RUA DO BRUM N. 52
PASSAN1IO O CHAFARIZ
DUBA
Antigaloja deivrragens finas dofal'eci^o Dubarry.
M. Bun da Imperatrlz-iV H
0 proprielario desta loja tendo cbegado reccntemente de Paris, e sendo obrigado a
voltar muito breve, esU intfiramcnte resuhido a liquidar, e fssim vende de hoje eia
diante om grande ahatinieuto : a gens flnas, inglezas e francezas, das que o antecessor Dubarry sin pro recubia, send.,
para carapina, marcineiro, pedreiro, tanoeiro, lorneiro, etc., etc., como tambem coru-
pleto sortimento de bombas pra puxar agua, utetisilios de cozinba, de fr.rro batido,
estanbado e furrado de porcelana, como sejam : bules, cassarolas, l'rigideiras, etc., etc. :
sortimento de espelbos para adorno dosslas, varas dourads para former quadros, finas
estnmpas nao s6 para quadros, cot.o para cosmorama, licss estampas, gravuras MlMani
Londres, em forma to muit> granle repraseotando o principio e fim ilo rnunio: sor:
mento de Vidros finos grandes e ptquinos para cosmcran.as: appartliios de porcelar.
Boa toda branca, para jan ar, e grande sortimento de vasos llores para cima de toilet: ,
ttc.etc. : grande sortimento de bnnqucdos para crianfas, e muitasootnia
todoo qualquer artigo se vende de hoje em diante com griilo abalimenU), a lira de
quidar inteiramente, visto o proprielario ter de parlir muito brete para a Enropa :
Boa-Vistff, rua da Imperatriz u. 8.
artigos, 4
i
mm ijouidacao de mu ate k-
i
irr
;%
Rua do Lubugd iV. -">.
Os proprietarios desta antiga loja de joias, res >lvendo-se defir.ili*
vamente liquidar o seu estabelecinn,nto ; veodeni para acabar todas
as suas joias d'ourn, prata e brilhantes com enorme hbatifoento nos
preens, assim como as uucommi'iidas jd Geile. <\u<: forenn chegaudo da
Europa, pelos pregos da factura.
4ir; Do Museo de Jo las
Rua do Cabuga n. -t
JSeste imporUnUi estabelecimento, vende se para acabar ai<; feve-
reiro proximo futuro todas as jnias de nuro, prata o brillmtcs elli
existent-s, por pregos ate bnjo desconbcidos, beta assim as rentessas
que forem cbegan'o da Europa, pelo preco das fatturas.
UlUiMJE LUjUJUACAO
TOLENTINO DE GAHVALHO
Rua do Cabuga n. 1 c
Tendo resolvido liquidar o seu estabecimento de jobs, declara
que desta data em dia' le os seus precos sr-rao extraordiDariaOKntc
redozido, como nao pnderif haver competencia.
(iiunde Lquidiii'uo
0 COLLAR p'OIRO
Rua do Cabuga n. 3 A.
Os donos desta grande loja de joias,'resolveuJo-se a liqoidar j Ma
estabelecimento ate prmcigio do anno proximo fuluro, veudem com
grande abatim-nto de pregos todas ,.s sus joias de euro, prita eb.-i-
lbanle- como tambem as que fo7- rccebeudo da Enropa, pelo prego
da fabrica.
Grande Liquidaqao
Maisoel Antonio Goncalves
Rua do Cabuga n. 3.
Tendo rezoivido liquidar no menor tempo p^ssivol o seu eatakn-
lecnnento, vende para acabar todas as suas joias de ojro" prata e bri-
lbantes com enorne abatimento de pregos. E as remessas que fo-
rem chegando da Europa, pelo pregn das factur*s.
Lindas popelinas de linho com salpicos e de listras
assetinadas pelobaratissimopre^o de 320 rs. o covado: na
rua Primeiro de Marco n. 13, loja das colunmas, de
Antonio Conreia de Vasconcellos.
' '
>


CIUPEIS DE SOL
ir
-
Ourgel de Amaral & C, a fna P imeiro de Karoo n. SO A, receberam am grande sortimento
sol de seda, lisa e trancada, com bonitos cabos de unlcorne, marflm e madeira, e
de ctiapeot de
vendera-os a 6# e 7*, seodo este preco
metade do sea valor.
VERDADEIRO ELIXIR DO D" GUILLIE
TOHICO ANTI-FLEIMOSO E ANT1-BILI0S0
PREPARADO POR PAUL GAGE, PHARMACEDTICO
Unico proprletario, rua de Grtnelle Siint-Gernain, 9, em Parit.
k Kfit d* illxlr Oaiwa Inieinmrau bentBct.
Com* uniito alo dtblliu como o ouiros remediot
4mu quftdiot, poram looitca rtfresca no mesmo
wmpo : lOiilli corrige lodu u lecrecOes; dt forci
M 4H*M orgloi: Dlo eiig* uma dlata severa, pelo
conlraria t preciio lomar oaa boa refeicio a lard*
qoaod* M oiar d*Ue; pod* aar adminisirado com
lad all* u Bali lenra Idada como na mala adian-
la*a vdbte* aam noaea causar arcldenl* qnalquer;
IU iaM d'uma colbarada paquana deniro d um
pone* o* ag" aaaucarada, Mja anl*a *e]a depola da co-
mlda, Miiaula o appalito, avm laa funccOes digttilraa,
subtdUM* lna lmttimlk,),o iiwil babiJasamar-
gaa ojm M toaioma lomar.
B sobretodo utll a. clae operaria^ i
veto de doenpM e tempo perdido, pole
s&o rapidas.
Un lolheio que 4 am verdadeiro IraUdo da madicina
aaual domaat: 1 a* di da graca com cada garrafa
de ELIXIR. Ella Indica as doencaa Mid* BLUM
* mil o o modo da usar dell*.
-Aa peaioaa que qula*r*n conaallar **u folkMo
anlc* d* usarem deal* ELIXIR, podwn dirigir aaa
ptdido franco aa S. I'adl Ua*(, *a> Paria aa
provlouta on oaa paiaae *atraog*lro*, em caaa d*a
daposilarlos; este folb*la lb** aar* aotrafua i*
graca M imnxdlaiaaiani*,
Uaad* cincoania aonoa a repnlaclo do Mialr *J*U*
spalbou-M a* amado lolari* pelo* a*rrl** qua
qua cada dia alia praala ao* madicoa as* *of*rmoa an
cisoa grtT** oa deaanganado*.
a quem elle ponpa raatoa conaid
como ELIXIR GUILLI*, a
0 Hbdr Oufflle vende^e em todas as princjpaes pharmacias daj
harraaciaa das XaMrtcM, Domeadaroente
CONSTIPAgOES e MOLESTIAS do PEITO
XAROPE "T" BRIANT
PARIS, Pharmacia BRIANT, 150, rua de Rivoli, PARIS.
Aa Celebridades medicaa de Paris reconimendio ha mais de 80 annoe o!
MUART como o medicaraento peitoral ogotlo matt agradavel ae0tcmoimmaitetHa.
A RFGORD
Depoaitoem Pemambvco.
/


w


Mario de tatatowuxk. JW^id:\ 20uik fitthtotto&Qobttil
"11
, *Boa#noracU*. *
Aluga-se o sitio Jaestrala fle Agua Fr*.a
com boa ras* (tare |nmcrs> fafnfjia e exceile!
banho no riacfio Jacare, perto da estacao do St-
minho rie ferro: a Iratar na ma Primeiro de Mar
go c S3. |
Cufa lostaiitaca
Grandinsa deiicobertalll
Novidade importaiitissima til
Ouso qaotiiliano ae am calix do superior vinho
GENnROSO que s-s vende do 1 aodar do sobrado
n. 5f>, a rua da Cruz, tem a pronriedade de tubs
titnir cm. grande vantagera 9 exlraorJlnaria eco-
D->U}ia, os depurativos lao apregoados e conheri
dos por sale* e caroba, etc. 0 medicamento que
annnneian.os, na :ura lodas as molestias como
sueeede as panaceias que le anouneiam, aeomja-
nhadas deaiieMao'os; todavia. restabeleee imme-
diaiarr.ente as f rw, e porifka o sangue, tan a
dosvjBiagem de ser norivo a saude.
* .*
Banhos e dormida fresca no
Monteiro.
Aluga se alii duss casas pequenas, tendo cada
uma, duns solas, tres quartos e coziuha : a tra-
ur na rua Nova, Ma n. 7.
novo rival!
Auli-uu) At AzYito YiHareo. |
I'io aresanis sao-eomridado* oa afilhadls e afi-
in.ds de Antonio de AzevcSo SuJaroMb, falle
cido em Portugal no met da ouiubro de 1873, a
anresentarem jkntro do nrap jie 60 dla-, a con-
lap de-ia data, a eertidao- do set cascimento, em
caia do abaixo assignado, teslamenteiro instiiuido
p:Io dilo failecido, aOmds que seja m devidamente
aiieudidoj na partilba a que lea de proceder-se
com a precisa igualdade, de accordo com a d'spo-
sicao lestamentaria. Recife, in de selembro de
I874.-Man el Azevedo de Andrade.
Exmas. noivas.
Cbamaios a vossa alttncao para 0 novo esta-
belecimento que acaba de abrir-se a rua do Com.
meuuE.D"- **' denomil"do ASSEMJ3LEA
uiMMEIKIO onde s-e preparara neat
com grande variedade de bulinhos cap.,
mente enfeilados, tambem se apromptam n
quets.
Assemhlea do Comaoarcia ,, i.*c\\f
Meira & Lima
22 Rua do Commercio 24
-
frecisa-se
alugar uma escrava para vender na rua : a tratar
na rua do Obuga n. 3, t andar.
Para uma cidad' lao populosa como a nossa, e
per certo in.-uffiVieue a existen ia de um unico
estabe!eeim<-nto nc geoero daquel.e que se deno-
mioa Gonnitariii do Campos.
E' sle 0 ii'iiivj porque acaba de brirse a
concurrency puhlica no bairro do Recife a rua
do ''oramereio 0. 22, uma casa commoda e de-
cente, sob o titulo de Asscmblea do Commercio
onde 0 respellivel publieo enconlnra sempre
qne prpcisar, 0 necessario para :
Urn ca-amenii.
Uma soire>.
Um baptisade e
Um lancbe.
Ha lambem :
Grauctt; variedade ce bebidas Unas.
Gcmpli-to surlimentj de decw para embarques.
Boiiuhos sorlidos e fructas de delieado sabor.
iiau FiauiLr<-s e iaoche a qual ju.-r Ii.t.i.
Tudo com e:meradj acelo, pre.-leza e pregos equi-
taUvos.
22 Ru do Commercio 22
Meira $ Lima
_________Assemble;! do Commercio. ______
ESCB4V0 mmi
Fugio do eiaenin Atalaya, na frrguezi.i de Se-
riuiiaem, no anno de i860, 0 eseravo Francisco,
mulatu, com 16 a 18 aaoos de idade, pouco man
ou n. -n s, alinra e corpo regularea, olhoa rasos e
azu -, tor *em iara, cabellos bons, denies per*
feluis, uaria afijado e curio. fcicSo bonita, sen
barba, mm'o niiderado. pes seccos e bem feilos.
0 d.lo ercravo f :i do fir. coinmendador Antonio
dps 3-ato3 Pouia.il, scahor do engeubo Cabefa de
Negro ; corr.pralo ao curretor Oliveira, moradcr
no Recife._______
Fugio do engenho AjudaDle,.na fregnezia da
EscaUd, ou anuo de 1872, 0 eseravo Gnilhormp,
corn os signaes ^-eguintes : pardo, com 2."> amux
de idaHp, p.iuc 1 maid 011 men-is, al!ura e corpo
regniarei, eabell eachtados, olhos graadeg, rosto
corny nl, com ?lj|un* aignaes dr barba, nari/.
cori.pridi e um i iiii.o a^iiuerda, dfeLtfS pnrfeilos ;
leni niaas ?arda pelo resto, e faz movimento no
cor > ijuando anrta, e na occasiio di cumpnmm-
tar a algn d? pessoa, le a 0 chapeo pur rima da
l'^ .' i : 1 retaguardp, c mnito alegre e diver
tido. Descoofia-e que e.-irja na ddatb da I'; ra-
r.yba on em Nazatrelb. I'or lanio, rogase a-
antoridadfis policiaea e aos capilaes de sanpo a
ppre en*3o do- lilos escravos e serem entp'pu s
rev -"!!' nr, Emilio Pereira de Araujo, 1 o r< ie-
;.'. ensmbo de quem ter|i a paga d 3l'OjuOO
i c; ia um. X li. u eseravo Gui'herme tem
u;" cicatriz s-bre uma sohrancelha.
HOTEL

a
Restaurant de Bordeaux.
Aberto tod a a noite. nos dias de especla-
culo da compauhia italiina.
Escravos higidos
uimaim
ama^ranHe casa tirrea-onrbiintes commodo*
:iu na^estrada do Lucas : a Iratar na rua do VI-
-
Na trav^sSa'aa fiia.
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de our^ prar
ta e brilhantes, seja
qual for a qimntia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metacsepedras.
I IB 918 II
.di, i Am*
Esta encoura^ado 11
1
Continuam a estar fugidos desde o anno de
I870, os escravos teguintes : Francisco, crionlo,
com 28 annos de idade, pouco mais on mwos
iltnra e corpo regnlares, olhos grandes e brancos,;
denies perfeiios, caiiellos caraplnhados, uma ci-l
ealriz por cima do olbo esquerdo, barba a Cava-
nbac, muito conversador e risonho. Antonio, ca-
bra, com 25 annos de idade, pouco mais ou me-
no?, alto, secco, olhos grandes e vermelhos, ea-
bellos um unto solto-, pouca barba, denies per-
feitos, p6s comoridos e seccos ; ambus foram com-
prados ao barao de Nazareth. Desionfia-se que
os m'tos escravos estio oecultos na eomarca de
Pajeii de F res, ou no Rio de 8. Fraacisco. Ro-
g -se, pnrtanio, as antaridades policiaes e aos ca-
piiaes de eampp a captura dos niesmos escravos,
e serein tntregues a sen sen senhcr, Emilio Perei-
ra de Araujo, no engenho Ajudante, na fregue-
zia da Excada de quern terao a paga de 300*000
por cada nm.
Aarna mole em pedrai -
Tan to da a t* que a fura.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mall
acrivio na cidade de Nazareth desta prorlncia,
favor de vir a rua Daque de Caxias n. 36, a eon-
clnir aqueUe neaodo que 8.-8. se comprometteu a
realisar, pela tarcaira chamada deste jornal, em
dns de dezentbro da 1871, depois pan Janeiro,
passou a fevereiro a abril de 1872, e nada eamprio;
por estemoaroade novo chamado para d
9m, pois 8. 8. se deve hmbrar que este negoci
de mais de eito annos, e quando o Sr. sen mho
aehava nesU cidadA
la na esirad;
AMA
m Para comprar e czinhar :
a tralar a rm. Nova n. 12.
loja.
AMA
Precisa-ae de uma ama para
engommar e ensaboar : a rua da
Concordia n. 43.
Precisase de uma ama para cozi-
nhar : na travessa do Cairri-j Santc n.
2a, arnarem.
Ama
AMA
n. !.
Preclsa-se de uma ama que saiba
cozinhar : na rua do Hospieio nume-
A M A Precisa-se de uma, livre ou captiva ;
"'**_ traur na rua da ffnlio n 47.
Precisa-se de nma ama para co inhar e ea*
saboar : na rua de Lomas Valentiuas n. 15. ta-
verna.
j
iiiscravo fugido
:: o an?entoa se da rasa de seu s nl r no
! .o torn os signaes segninl :
, i m ila. n-pr sen :i tcr 35 annos de idade,
mak uu mentis, uaii algumas sa da on
lias iii r.'-i po- grandes e ealraphares f
lo! eiicolhidos, tambem tem uma ei
.-! dlas proveniente de uma ineima i.i-
11 igiial i in uma das pernas : ro|ia >e as
s pu iriacs e aos Srs eapitaes de campo
a]; r h sn I -n n e reme !c lo a rua do B '
d. id, l- a'idar, que serao generosamenb
np( los
Cajiellas mmdiarias.
Porto & Bastos, a praca di Independencia n.
39. acabam de rceber pelo ul imo vapor, lindis-
simas *ipellas mi riuarias com diversas inscrlp-
;oes prop ias para tumulus e caiacomDas, as
juaes vendetn por preyos muito modico.
l'ara dia de Qoados.
Na rna estreita do Ro ario n. 35,
pnmeiro andar, tern a vender-se
lindas capeilas para anjof, donzel-
ias e defuntis, df rosas, -alidades,
craves, perpeinas roxa?, brancas e
: retas, com letreiros lembranga
de minha mai, de meu pai, meu
eanc-0, mmiia esposa, Innao, irma, avo, avo, fllho
e fillia ; tambem quern quizer mandar as per-
petuas para se armar oapollas, node mandar tres
uias ante- : vi-nde-se todu por muito barato preco.

O
Catliarina f;igio.
28 de aginto proximo passado auseo-
' -i-nvi, a inal tem os signaes seguiu-
'- : --i h ixa, rosto redondo, cor nreta, pe-
, niti -, e luunva vender leite, anda sempre
om cat -ti qm: Ihe serve de anrima p r s f-
fr> r d< rh n natisrco, ja e iio.-a e de najan Cam-
I nem e enconirar, pegue a e leve-a ao >iti-i
ii Cifci Id estrada de Joao do Barros. nue seia
': ado.
- Alug i se ii n i sei llente sitio no Man
i, perti) da estate, coin grandes com-
!"-. i.-Iri'-ana e gaz : a traiar ua rua
d i [inperador, n. 83, 2." andar.
Os abaixo assigcados-fazem pubheo a qnein
intercsar p -sa, e em especial ao commercio qi.e
r .-..v:..!!! alter el is d. s a (lrma, quo flea de^de esta data
obstitaida ncla de BeltrSo t^ Quintal, e aprovej.
(am a nccasi.i i para deelararero que a fiova fir
na c-:!i da a occoparse dos mesmos negocio*
':.....' t hi dedicado, sem qua a alti*raeS-i ha-
la air--t- de O'-nhum inodo a respon-abilidade e
r de sna- opera(;oes commerciars.
Pcrnambu*o 15 de ouiubm de 71
_______ Aares Qaintal & C
Yigor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacSo do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
Dr. Ci nclnutti Alvea C. Camboim.
Francisco A. C. Camboim e Henrique A. de Se
queira Cavaleaote, tendo de mandar dizer uma
missa por alma do Dr. Cincinato Camboim, no
convent! de S. Francisco, as 8 horas da manha
d vidam para assisurem a elia os seu parentos e
nmigns
i.uix Aattoalu da .Silta Pereira.
Maria da* virgens de Jesus, Fe
lix Pae~ da Silva Pereira, JoAo An-
ii nio da Silva fereira e Manoel da
C. Pereira mai e irmaos de Luiz
Ant-nio da Silva Pereira. agradecem
do imiino d pes-i.as quesjisiiram as exequias,
feitas an cadaver de seu presado filho e irmao : e
de uovo as convidam p ra a missa do 7." dia que
te-a Ingar p.das 7 lions da manba do dia 22
QOiDtaJTeira, na mesma igreja do cunvento de S,
Praocisco. Aos lllms. Sra. Man' el Gnncalve* Agra
e Francisco Jos6 dns Pa-sos Guimaraes protestim
sua eterna grand*! | el a boa v.mtade e desinte
resse que prestaram a memorla de seu falltcido
amigi, nao quereu lo reccber a importancia da
cera e arrnai-ao.
mmmmm w tmrnrntam
Orlos Arlnlpho dc Avi-Ilar Alchorne
Ant nio Doroingos Pinto, gra-o a memoria de
-eu amigo Carlos Adolpno oe Avellar Alchorne,
falleci-Jo !-m Lisbo< em 2l de setembro ultimo,
eonvida nao so ao? parentos e amigos do finado,
como lambem aos seus, para assistirem a algumas
missas quo pGr alma do mesrao manda celebrar
no cunvento do Carmo, quarta feira as 8 horas da
manha, trigesimo dia de ^eu pas.-amento. Desde
ja agradece aquellas pes-oas que se dignarem as-
shtir a es-e as o de V'-rdadeira rebgiao e caridade
Amelia Ilifu da Gl>ria I'or-
ciuncula de Barcellns
Trajano Palippe Nery de Barcellos manda cele-
nnr uma mis>a e memento por alma de sua pre-
sada irma, Amelia Rita da Gloria P rciuncula de
Barcellos, quarta-feira 21 do corrente, as 6 Ii2
horas da manha, na igreja ma-riz de S. Pedro
Ap'st-.l", de Olmda. On\iia para esse acto de
caridade a. s nue presam a sua amizade.

Ama de leite
Pfeeiaa-ae de nma ama de kite : na rna da
Praia on Pedro Affonso n. 45, I' andar.
Precisa-ae de nma ama forra on cap-
tiv para cozinhar e comprar, para casa
de pequena familia : a tratar na rna das Flores
O Monte Lima
tem um complete sortlmento de galao e franja de
onro e prata, verdadeiro, de todas as Iarguras,
abotoadurai douradas para offlciaea, canutilhos e
enfeites para bordalo. Tambem se encarrega de
todo e oaalqner nraamenlo, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, chMateiras, ban-
fas, ahfltoadaras Mats e douradai, para criado
etc.; assim como nm Completo sortimento dt
raojas, galao falso para ornaraento, cordio de li
com borla para qnadros e eapelhos (conforme o
joato ia eneommenda) tudo por muito menos
preco qne em ontra qnalqder pane : na praja da
ladependeneia n. 17, junto a k>ia do Sr. Annie*.
Eseravo fugiili).
Fnglo do engeche Ajudante. na fregnezia da
E-cada, no mez dri jundo do c-rreote anno, o
eseravo Martinho, de cor prela, com 21 annos
de idade, pouco mais ou menos, allura e corpo
regnlares, olhos grandes e brmnos, com principio
de barba, denies perfeiios, cabellos carrr nhades,
pis grosos e compridos ; anda um faint decli
nado para frente, com a vista firaiad,. para o
chao; 6 muito eaulador e odlcial de rarreiro.
Desconfla-se que o dito eseravo esta occi.lto em
terras do engenho Para, na freguezia de Ipojuea;
pek) que, incorrera nas penas da lei. quern n tiver
oeeulto. Roga se as aotorMads p'dK.-iafs e aos
eapitaes de carapo a captura do dito eseravo, e
ser entregne a sen teahor, Emilio Pereira de
Araujo, no referido engenho, de quern terao a
a paga de 5OJ000.
E. A. DEL0UCHE
24-Rua no Jlarquez di Olinda-2'i
F.f Partfcipa a sens fregnezes e amigos que mudou
o son estabeleciruento do relojoe so para a mesma
rna n. 24, onde eacontrario um grande sortimento
de relogios de paaede, american^s, e cima de me-
sa, dos melhnreg gostos e qualidad'-s, relogios dc
algibeira, de todas as qualida es, patents snisso,
de onro e prata dourada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro. inglez, desenberto, dos melhores
febricantes, cadeia de onr>), plaquet e prata, lunetas
detodps as qualiiia.ies, tudo per precos muito ba-
ratos.
Granate Sqfilda^ao.
iiaatas e ehapios: bo nwo Bazar, rua do
Marque' de Olinda n. 53.
Vende-se
No escritorto de Thomaz de Aquino Fonceca A
C. Succesiores, a rua de Vigano n. 19, primeiro
andar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Li?boa.
Vinho Sherry.
Vinho d) Porto em caixas, flnissimo.
Idem em barris de quinto e decimo, fino.
Relroz.
Fio.
nma casa aa vlaa da Barreiro., na rat do Cm
-mvoio,-por pnpi idMju : UlUr ^^ fio
Irmaos & C.
Cal de Lisboa novissima
Vende se em grandes e pequenas porcdes :
rua Direita n. 14.
na
CIS*.
Aluga-se ou vende-se uma grande casa terrea,
em Olinda, propria para grande familia ; tem gaz
e apua nni-.nada, sila a rna do Aijulia n. 3i a
tralar na rua da Imperatnz n. 86, I.* andar.
Aluga-se por anno ou festa o sobrado de dous
andares nosQuatro Cantos, eai Olinda, com eom-
modos para grande familia, agua encanalbada e
cano para despejo, muito fresca, perto do banho. e
das estates : a iratar na rna da Uuiao (llha dos
Ratos) n. 53. detras,do Gynmasio.
OOMPBAS,
ATTENCAO
Precisa-se comprar 4
portas de louro de 10 pal-
mos doallara: nesta typo-
graphia se dira.
Precisa-ae eomprar um eseravo de meia
idade, que entnda de huria: ao largo do Corpo
Santo n. 4, armaaem.
Apol'ces da eompanhia de Beberibe
Compra-se apnlices da eompanhia de Beberibe :
na rua Primeiro de Marco n. 19.
Cal de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpo
Santo n. 17,1* anaar. escrlptorio de Joaqnim Ro-
drigies Tavares de Mello.
BiPTlSTAS
A 400 e S60 r^la covado
SO' Ha rua DO QUEIMADO H. 43
Junto a loja da aasaolla.
Baptistas de linho com 4 liS palmos de largnra
padrSes modernos a 400 reis o covado,
Ditas de dito bordadas com bomtos desenhos a
300 reis o covado ; foi fazenda de 1*500 o co-
vado
Aproveitem, so o 43 e qne tem. Dio-se amos
tras com ptnliur.
200 reis o covado.
Sfto lusiirhas!
E' fazenda de 400 reis
Run da Quelanado n. 43.
Lisinhas de quadriobo sa escosseza com padroes
chiques a 200 reis 0 covado.
So 0 43.
i_______So tem pecinchas.____________
Vende-se nma carroca para cavallo, propria
para sitio, eom arreios, e nm cabriolet de dnas
rodas, tambem eom arreios: na rua do General
Seara n. 19, fabrica de carros, de Carlos Leimig.
Botinas Suzer
cliegadas pelo ultimo vapor da Europa. Ha nm
completo sortimento de bezerro e cordovJo : a rna
do Marquez de Olinda n. 40, I ia de Jalk) de Mello
Salgado.
Sitio.
Offerece-se uma mulher para casa de ho-
raem solteiro, qua faz todos os servicos de cozinh
com perfeicao : aa rua da Senza la VeHia n. 1
No asylo de rneodicidade compra se um boi
quesirya para carroca.
Compra se um balcao e um caixao de pada
na : na rua Imperial n. 117.
)
Aff nso Jose de Oliveira, professor ju-
bilado da cadeira de geographia e his-
toria do ex-liceu deta cidade, tem de
novo abert's sea eollegio de ntruc$io
primaria e secunlaria na ma da Impe-
ralriz n. 18, onie continiia a receher
alumnos iuternos, externos e nie-lo pen-
sionistas.
a<^
LEIS PROVINCIAES.
Vende-se no 1. andar desta typograpbia,
em mao do adininistrado, Colleccgoes de
Leis Provinciaes a 500 rs. 0 exemplar de
cada anno.
Vende-se no Arraial, perto da estacao, a posse
de um terreno foreiro com 180 I\2 palmos de lar-
gnra, 588 de fundo por um lado, e por outro 388,
com 142 pes de arvoredos de fructo de 28 quali-
dades, e espaco para a continuacio, e:la todo 0
terreuo pla tado de lavouras que ja dao rendi-
mento, tern mais de 600 palmos da latada com
uva3, abobora e maracaja assii. 0 dono encarre-
ga-se de fazer casa ao gosto do comprador, se
exigir : a tratar na Arraial, segundo sitio do lado
esqnerdo, partindo da estacao da Esirella, em di-
recgao a casa amarella.
A 120 rs. 0 covado.
Na rua da Imperatriz D. 60, vende se para aca-
bar uma grande quaulidade de ias, rcstos de di-
versos s rtimeenwi desde 120 rs. ate 309 rs.; ne-
tando-se que, quaoJo hav;a sortimentus comple-
los. se vendiam a 1*580 e 1*600 0 covado, ha
grande variedade em padroes, os que primeiro
ebegarem melhor pech^ncha farao, a ella a rua de
Imperatriz n. 60.
Aos 5,000 covados dela
A 10 rs.
Na loja do Pavao vende-se lazinhas de muito
bonitos sostoi e delicados padrdes, fazenda nova
no mercado, pelo diminnto preco de 160 rs. cada
nm covado ; quern deixara de fazer vestidos de
IS tlo bonitos e por tao pouco dinheiro ? Forne-
cem se as amostraa : na rua da Imperatriz nume-
ro 60.
LIQUIDACaO
NA
Loja de fazendas
DA
Rua do Cresp n. 20.
Las de cores aetodaa anaite boaa para raapa #
meninas a M0 e J00 rs. o covado.
La pretas, snpenor, a 400 rs. o covado.
Alpacas de cores loss a 320 e 3C0 rs. o eovadV
Sose vend*.
Ditas com listras abertas, (azeada fina, a MO rs. c
covado.
Chitas de cores a 140 o 2ft) fa. o covado.
Mttins de cores mmdas a 280 rs. o covado.
Cretones, o melhor qne (em vindo ao aerade a
400 e 440 rs. o covado.
Cambraias brancas, bordadas 0 abertas, tazaBfli
mais Una qne tern vindo ao mercado, Baaida
do 2*000 o metro, por 1*000 a van; e pa
obincba.
Ditas pretas eom flores mfadas a 300 rs. o eovadc
(^imbraia transparente, Una, a 3* a peca.
Dita Victoria, in*, a 4*09() a peca.
Organdy de assewe braHeo e de eores, er Hb-
resmlndas deseda e de B, tM rs. o cov>dr
E' pechincha.
Cortes de casemira de cores modernas a 5*800 r-
corle ; 6 fazenda de O*. B" pechincha.
Camisas de linho Anas, llsas, a 35* a dozia, e fa
zenda de 55*.
Brim branco de linho a 1*400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a NO rs. covado.
Madapolao francez verdaderro, 24 jarOM, a
7* a peca.
Algodae T, largo e sapwior, a 5* a peea.
Gorgorlo preto de sada para vestMo e para eoUau
a 3* o covado
Toatbas alcoctioadn a 4*800 a dnzta.
Colcbas grandes a 3*500 nma.
Cobertas de ganga, forradas, a 3*.
Lencoes de bramaate a 2* nm.
Lencos de linho, abainnados e om eaixiahai i
3*500 a duzia.
Ditos de caca de cores abainnados a 3*500 a du
tie.
E outros muiios arligos qe se veade por im
nos do qne outra qoakiuer parte e para se d.-
So na lorem quciram mandar ver as amostras.
eoganaja de
(inillienne k G.
Para o fabrico de chap6o&
A NOVA ESPBRASCA receben o arame proprir
para armacao de ehapeee.
BAZ4K
DAS
E mnito barato
w
so
noivas
Carros de luxo.
0 Vioon no Caisello 6 nma preparacSo aa
r\ smo tempo Bt^siifel, saudarel e efficaz para
ronservar o cafjolloi Por'nteio do-sen uso o
cabello ruco, grisalho, e enftaquecidd, dontro de
ponco tempo revolve a cor que lhe 6 natural e
primitiva, e adquire o brilho e a frescura do
ello da juventare-,.o icabello ralo se tema
d i-o e a calvicie mnitas vezes, posto qne n5o
c m todos os casos e neutralizada.
Nao ha nada que pode reformar o cabello
denois dos follicnlos estarem destruidos, e as
glandes c.insadas e idas, mais se aioda restarem
algums podem ser salvadae e utrltzadas pela
applicacao do Vigor. Libre de essas substancias
d ?leterias que tomam mnitas preparacoes de este
genero tain nooivas e deatraotivas ao -cabello, o
Vigor sd mente lhe e' beneficial. Em vez de
sujar o cabello e o fazer pegajoeo, o conserva
lir.i'50 e forte, embetiaando o, impedindo a- queda,
*> o tornar-se raoO)- pofcoaeeqwate previne a
liv-icie.
Para uso da to9effe"nSo'htt nada mais a dase-
jar; nao cOntendo oleo nem tintura, nao pode
cianebar mesmo o Eial? arro lenfo de cambraia;
perdars'-mr caRelttj* R'g cRf um lustre luxurioso,.
e imperfume'n.afti, agradavel.
P^ rtfoTmar1 a' col da barba, 6 necessario
n-ais tempo^de,qll#,^ <**&]<,, pordm se no*
appretear o effe.Ma ttl^rtf, a barba de noite
am lencb uwlrt'rrrb'-fl^j^
om
gor
Dr. #. C A*J,jfc Q**-Un*u, Mass.,
MM Tjaido*.
Chimleo* tttietleos e Analyticot,
faWM' ffi POR
Alnga-se 2 casas muito frescas, na Capu ga
com commodes para familia : a tratar no mesmo
ingar a rua das Crb nlas n. 5.
Bilhetes garantidos
Rua da Barao da Victoria (outr'-ova,Ji9uo
n. 30, e casa do costum&
0 anaixj as=ianado acaba de vendor ana- se
mnito feli-.es bilhetes a sorte de 4 O00*t 00 en
meii biibite de n. 3^)67, alem de outras soite
menores du 40*000 e 20*000 da loteria que se
acabonide eitrabir (I20) ; coaqda aos poasaido-
res a-virem receber, qne promptamentB se*
pagos.
O mesmo abaixo assignado convida ao respeita
vel pnblieo para vir ao sen estabelechnento co
^rar os muito felizes bfmetes^njs n5o dolurlo a>
lirar quakuer preraio, emo prova peaos-aaMnao
innuncios
Acaam-. aitidos ila 3- parte da. loteria a beooicio T
Igreia marrtzde Afngado>, qn se extrafirTa no A
21 do corrente mez.
Prey-
Intoiro 4*000
Meio 2*000
De 1OO$0OO par,cbM.
Inteiro 3*i""
. Meio 1*
Rec.fe, 14 d ouiubro da 174
jofo Jeanum da CotU latt
CE' inqnestionavel que a eocheira da rua do Bora
Jesns n. 15, de Joaqoim Paes Pereira da Silva, e
a que tern as melhores. bertinlas, ealtehes, meias
caleches e Victorias de luxo, propria^ para qual-
quer noivado, visita de etiqueta, bailes, e actos
da academia, sendo as mesmos ajaezados de ex-
cellentes parelhas de aniraaes, arreios loxosos e
bolieiros com fard. mentos do ultimo gosto, para
o que se convida ao pnblieo a vir por si mesmo
scientificar-se da verdade do qne deixamos dito,
eertC'S de que nao eneontrarao pomada e sim rea-
lidade, e commodos preg,a
Terrenos proprios
Com 400 e 500 palmos de
fundo
\ SOti c I? o pnlmo
Continiia a retalhar-se os grandes terrenos qne
circundam a estacao da Boa Viagem.
A boa posicao e vablagess e.:r, niidas pelo go-
verno e pela eompanhia. di estrada de ferro a
inem edMcai proximo a esta esta,;ao, sao bem
conhecidas.
Em todos > s domiugos e dias santos podem os
pretendentes dirigir see mesma.estacao; qua acba -
ran pessoa hhiiiutada. para tazer as corapetentes
deraarcacfles.
Para nao ficarem prejudicadas, sao rogadas to-
das aquellas pessoas que encommendaram terre-
nos, a virem quanta antes tomar po.-se deunitiva
de sens lotet._______
Aluga-se ama boa-casa com commodos para
familia, tendo o sitio diversos arvoredos de fruc-
to, estando a casa pinada e reparada de novo:
a tratar a ru da Cadeia n. 36.
Vende-se uma casa de pedra e cal, nova,
acabada em dezembro proximo passado, com 22
palmos de frente, 2 quartos, cozinha fora, em chao
proprio, com Si palmos de terreno, o lado amu-
rado com um porian, na travessa da rua do Prin-
cipe, freguezia da Boa-Vista : a tratar na Soleda-
de, padaria._____________________
Sedas- de listras
cm cores Claras, a I* Mendes, Lobo & C.
_______Rua do Marquez de Olinda 3.32
EXMAS. SHAS.
E' chfgada a occa?i5o de comprarem por pouco
dinheiro as maiti lindas fazendas pruprias para
vestidos, com) abaixo verao.
Aos 18,000 covados
de phelinethes alsaciano de la e seda, fazenda in-
terramente nova no mercado, e pelo diminuto pre-
co de 300 rs. ; vale 1 o covado I!
Aos 10,000 covados
de cambraias de c6res flxas, e lindissimos padroes,
a 240 rs o covado! i
Aos 5,000 covados
de popelinis havanecas.faaenda a gosto nuaca vis-
lo, e pelo insigniricante p eco de 400 rs. ocovado;
rale 1*20011!
So na loja das tres estrellas, rna
du Livramenio n. 2G.
AUencao.
Vende-se a taverna e a casa propria, junto a
estacao do Caxanga : a tratar na mesma
ffoTilfio
.Vengeiife Naaa#aUvonliguovaavilla dfclgua-
wssa, appareeea raDjMMia graJe e deoaonhe
cido ; a pessoa qjataiie* deato. a mesma. pode
spre-entar os signaes e ferro
para Hie ser er.lregfla.
Bar a dia de finado
Recebe se encomu endas de capeilas para este
dia, feitas com flores oatnraea, rosas, craves, tan
dades, perpetna* e sempre-vivas ; tratalho ete
qne deve agradar muit > ma>8 qne as de eontas a
pessoa qne preeistr, deve mandar a ma da Qrnz
p. II, armazem. __
j GusmSo & Leal, estabelecidos om |ia~de
fazendas a rna 1'riraeiro da afarca n. 14, teem
Bciente ao pnblieo e asenstfeeguetee, que se acbam
nagerencia d dito sen eeubelecimeatf, e naad-
ninistraclo de todos os sens bens, esperando como
daoies a ooncurrencia de nm e>de ontro.
Wr-estradk de
no mesmo eifenbo,
Aluga se a casa n. 34, na Ca
Venrdra; d 2-andar di casa n. 3,
o pavimento tcrfeo d4 casartr. 4'J,
a iratar coin o proprln^rto, nc "ssi
lima caw.
Escada
Vende .-e na cidade da Escada por 150* a casa
da rua da Viracao : a tratar na me^ma cidad; com
o Sr. Joao Baptista.
Qual c a loja que vend* ba-
rato ?
E' na rua do Livrament n. 4.
0 que vende ?
Queira I'er para saber.
Fateadaa, ehtpeoM e rwpai feitas.
Berfeiio sustioiam*. para todtas classes.sj
Ptonos Cnos aenjfras, bri de linho branco,
pardo ede cdr, dkas da- Angola, ditos de algodio
brando e de ccr, gangas de lihh e de algodSo,
de cur e amarello, madapolao de diversas qoali-
da ffi-ae n aranda. in m~*i~~Z-----"i "e Tarias m*rcas e wefos, chitas, metmi. e per-
elloote casa coax irgraodas
i^^^s ennfronte ape varias marcas e preeos, chitas, meum e per-
,2g/t^rVf^I' COmml calea,bipU*l.lrn8ai ada-cdres, brdaattioas,
Se --^^ ^Sglgjyg^**? alP cas de lindos desenhos, ditas com, pMmas de
erro, estr bana para 4 cavallos casas nar ert f**0***" Qm* *r* I*"** T noman. sannori,
I. s e eneravo* 2 cacimhiq fii5iJ memnos e meninas, ha grande variedade aonde
Iara ftf? e Wrr ufe Wa c cam^ *vtyflk??t*'U' **r ^
J- as quali lades e precos, para nomera e menino,
dim d^omaf.xMoulas de precos de am a tres
mil,W, cSiyifcoletes e paletnts.havendo gran
raode nuraero de arvoredos de diver*as qnalwv
es de frnciaa: qnea prtfender, dUi-ge ao m#-
io sitio.das is" fl manba on das I \fl da tr-
o om diante. vv 'f^
^=~BM ^a'flo itohdc a. r da raVft
<1
de fBntldan#
Ija canAraias.
niuitus out.-is artigos qu^WLJu.,0 j- pobjiar :
tTvEtoW *,ig-" 9-'^* ***** *>"* *>
ec>'i^ ie ; Urabjin
ftcy ^..corflicjo a i^a eputo,
com as
NO
BAZAR DAS FAMILIAS
A RCA DO Dl'QUE DE CAXIAS rt. 60 A.
Riquissimos veos de blond birdados a .-eda com
capelia, proprios para noiva, o mais raoderno que
tem vindo ao mercado!
Riquissimas ca.elhs de flores de laranjeira, pelo
diminuto preco de 3--,t.00 uma.
Lindissimos lacinhos com fivellas, proprios para
senhoras, a 2-500 um.
Liadissimasgravaiinha? de seda com blonds,
proprias para senhoras, a-35000 uma.
Riquissimos alfinetes c >m ama flor, proprios para
o peito de seuhoras ou para a cabega, pelo dimi-
nnto preco de 2 OOOum.
Reis e Sliva tt GiiSmargcs.
ALMA\AK
DE
GARICATURAS
Para \m
EE
RAPHAEL BORDALO PI NHEIRO
Contendo nurarcsas caricatures Jintreca-
lado jno texto.
Preco P rs.
Livraria Popular
Rua Nova n. 59.
Aos legiUmos fogoes econo-
mics.
Acabam de cliegar a esta cidade os ver-
dadeiros fogOeseconomicos, ja muito conhe
cidos nas provineias do Rio de Janeiro,
Minas, S. Paulo, Sergipe, Rin-Grande, Ba-
hia eAlagoas, aonde tem merecido do pu-
blieo a tnai.jr aci itacfio possivel, e s4o jdi
preforidos aos de qualquer outro systems,
conbecido pela sua muita solidez, especia-
lidade na collocagao, moderno systema,
e sobretudo grande economia no combasti-
vel ; trabalbam com lenba, coke, carvao de
madeira, etc., etc. Ha de diversos tama-
nbes, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de muita familia, collegios, hotels,
casas pi as, hospitaos, etc. Acham-se ex-
postos ao public), aonde se darao todas as
explicagoes necessarias: na rna da Cruz
a. 6.
FAMILIAS
Rua Dnque- de Caxias n. 60 A
Grande queima.
Csrrjm a pechincha 1...
Riqnis ra. Verdadeira novidade no mnndo elegaate I
Capinhas de la e seda para seobora. Ccu?.-
inteirau ente nova I
Excellentes cachineis de la c seda para sec'n-
ra?, por 5iS0.
Casaquinhos dc gorgnrao preto de seda, ri.'*-
mecle bordados, pelo diminuto preco de lOftM"
.Excellente acquisicaoo 1
(".hales de seda a 12*. Saraiissimo !
Grosdenaple preto a IJfCO o covado.
Popelinas de seda a 21 o covado.
Faia de seda, fazenda modernissi na, pelo cm
modo preyo de 2*200 o covado.
Popelinas do seda, objecto da ultima moda, a
it o covado 1
Ditas dc linho com listras e agradaveis pa-
droes, a 410 rs o covado.
Cambraias Ira sparentes, fazenda mui fina e O
grande proenra, a 6*500 e 7* a peca.
Alpacas de seda a l#o covado. Grande pechin
cba I
Granaliuas de cores com listras assetinadas, a
800 rs. o covado. A ellas emqnanto restam t
Cambraias bordadas a I1H 0 o metro.
II cas pclinaises, bordadas com atmero, a 3Sa
cada uma.
Tapctes para sofa, grandes e pequenos. Padr<>
especiaes I
Ditos para portas.
Ditos para cama.
E outros a-tigos pra bomens, seahoras
crianfas, os quaes artigos aao se mencinnam parr.
nao mas?ar se abenevula attenc.ao des leitnre-
leitoras, amantes do bom e do barato, e entbu
siastas da grande viriude domestica a ecocr<
mia I
Corram quanto antes a grande pechincha,
freguezes I
______Vinde ver, comprar e admirar I
Para concertar meias
A NOVA ESPBRANCA, a rna Duque de Caxia
n. Li, receben nesta necessaria linha.
Chocolate do Maranhao
Uuico dcpnsitT nesta cidad, em casa de lose
Tavares Carreiro 4 C, rua Direita n. 14, onde se
vende pclos precos p vanlagens da fabrica.
Fazendas
miiih) baratas psra acabar
E' irem depressa antes qne se aeabem
Cambraia de cdres, orgaadsy, covado a M
Algolao aznl, idem idem ?
Idem de listra idem Idem 240
Chita preta mnito Una. idem a 260 e 32o
M-ias para mi ninas, a 2* a dnzia e 2*500
Cbales de merino 2*069
Colietes de brim e casemira a I*, 1*500
2*e 2*90f
E maitos outros artigos do fateodas e roupas
feitas per mnito menos doses valor, por se qne-
rei mndar de sortimento : 4 rsa do Barao da vie-
i> ria n. 14.__________ ______________
Alpacas a 400 rs.
0 Desengan i e-ti vendendo pelo diminnto pre
o de 400 T' o covado, alpacas de 11 e seda, de
lindoe padroes, fa>enda mui o fina e larga, qne
sempre se ven leram per 1*200 o ovado, e para
acabar; a elhs ante; quesaacab-m: aa rua
Pnmeiro da Marco n. 23, justo i loja da aSSiB..
Asunioas verdadeiras
aa
Bicnas namnurgnezas qn
ru? do Maroaea daoln
*> vero *te marc*^!:
md> M
ARIHA1H D!) TAM
A' praija circular do Apollo
vende-se:
Tajslas de marmoro, de differcntea to-
Trmnhos eqnalidades.'
TIJslos francezes, sexfuplos.
Cimento Portland verJadeirok
Azuleios grandes mqito proprios
^fsd-jil. *
WfMlpimm* de liwoftrecar slgwd'af
C Addraa de ferro; asfen'd de \>
nba, proprias para campo.
Vende-se um ttfrew no Ingar dososrisado
Caboco de baixo, fregnezia do Po?i da Paoella,
eom a frenle para, o rteGptt>ari*re : quern o pre-
tender, enteoda-se eom o procurador Joatptm
Jose de Abren, on eom o deapachante Jeialne P.
da Silva.
Vinho superior
Na rna da Imperatriz n. tt, Na para vsnlor vi-
aho de Lisboa de suasrior qtulidade, em barris da
30, 7.*> e 12.) garrafat. Preys mui baratos.______
Farinha de maadtoca +up&-
rior.
Tm para vendsis Jssssas* Josd Goscai-
rveaBeltrfto. dc Wiibo; a^sspsa-do palhabola
Hosita, fundado o p6 do CJdoColleiji,
e para tratar a bordo on so seu oscrtfjlona .
i rua do Commercio**. fc______>
Parfnha iguali' de Suritea.
Ti m para vesder Joaquim load GflU-
lve telira- ^ Filhov a-hards sfrSslM-
to Roib*j,% fuudeads so pe do caea do
Collet',, e para rotaf a sorda so no sen es-
crtntorio rlia ^o Commercio
i
\
I
C >
n. 5.




Biario de maamtmoQ ~ Terca feira 20 de Outuko 'da 1*74.
^


Fazendas e artigos do alta
novittede
LOJA M PASS0
Una PriiBdire de Marco n. 7 A.
fcoruoiro slmcs C, proprietaries
Me impor ante estabelecimenio, no louvvel pro-
prosito de nao desmeolirem o concerto que os
seus numerosos freguezes Ities lea dispensado,
jcabam de receber de sua conta a mais nco sor-
.imento de :iedas, popellnaa, las e artigos de ul
::ma moda em Paris, e continoarao a receber
por tudos oi paquetes daquella arooedencia ; por
isso chaman a atlancao de seas freguexos e os
xravidam a darem urn passelo ao sea estabeleci-
raento, gan.ntiudo-lhes que aicoutrario a reali
4ade do qn- Qca dita, e pat* pr va dao um pe
qneno remiao, cajo iufallivelmente despertara a
altengao dos pn-teudeo'.es.
Mandam fazendas a casa dos freguezes, e dao
cmostras m-diante penher.
Artigos e aRa o*iadf e
ultimo niuda.
Cortes de vestido de linho gnarnecidos de bioo
da mesma f ueuaa c cdr, trazende flvella, bolca,
rato, etc em.
Riquiseimss chapeos para seaoora, de cores *
pretos.
Cortes de cambraia Lrancos com lindos bor-
dados.
n; de cores com enfeites da mesma fazenda,
uriao, etc. etc.
Capas de la para meninas e senhoras, guarne-
:idas de arminho.
Yostnario.'; para bapliiaflo.
Riqaissinus camisas b Tdadas para senhora.
Leques de madreperola, para noivas.
Ricas colchas de eda, para casameoto.
Cortes de seda, liudas cores.
GorgorSo de seda branca e dito preto.
Sedinhas de delicafos padroes.
Setim Macao de todas as cores.
Grosdenafles pretoa a da cores.
Wllu to preto e damasco de seda.
Granadrae preta e to cores.
Filo de seda brance e preto.
Rica.- basquinas de seda.
Casacos de merino de cores, li, etc.
Alautaa brasileiras.
Capeilas e mantas para noiva.
Camoraia de cores, aitas maripests brancas, de
;res, lisas e horladas.
Plor do bosqoe (novidade).
Percalinas de quadros, listras, etc.
Brins de liuho para vesiidos.
Fustao de cores.
Saias lur-..da? pira senhora.
Grande sortimento de camisas de linho -lisas e
oordadas. rara homem.
Meias de cores para homem, senhora, meninos
. meninas.
Snrtioiento de chapeo3 de-sol para heraens i
enhoa.
. Meriuas de cores para vesiidos.
Dito pi eto (ran-ado o de verlo, bnmbaziaa, can
5o, alpaca, etc. etc.
Atoalbado do liaho e algodao para toalfca?, e dito
cardo. .
' Damasco de is.
Brim de liaho branco e do cores.
Setim de lindas cores coa listras.
Chales de merino de eores e pretos
Ditos de touquim e ditos-de casemira
Can.isas d 2 ch.ta para hoa'em r,'ias de fla-
cella.
Ceroulas c'e linho c dilas de algodao.
Pannos dc crochet para sofa, cadeiraa, etc.
Lencos bordados e ditos de labyrintho.
Ricos curios do vestidos de tarlatana, bordados,
uara bailes, e tarlauna ae todas ;.s cores.
Colchas de damasco de IS, e ditas de crochet.
Espartiho:- li>os e bordados.
Poulard do eda, liudas cores.
Meias de seda para senhoras e menina:.
Casemiras preUs e de cores.
Popelinas.
Neste artijo temo- uia variaiissimo sortimento,
oao s6 em gn om lisiras de seda, diias com palnas Lordadas,
litas Iran^pareates e de o.itras muitas qualidad L. 1 iv a k
te pellica brancas e de cores, do verda-deiro fa-
oricante Jouvin.
Flnalmeite :
apetes para sofa, cadeiras, caina, entrada, etc..
-ambraias traucae, chitas detcdas as qnal'dades,
nadapoioes, esguia >, tTetanhas, bramantes, algo
toes, cuilariihos, punh^s, meias para homem e
-enhora, puc.hos e cullannhos brancos e de co-
res para seniioras, gravatas para homem e senho-
&, peitus bardadot, lencos de linho brancos e de
ores, ditos de catosraia de linho, toalhas, gaar
ianapos, jsanno lino, etc., etc.
Lnja do i'ujio
i'iua I'riineiro de Mar^o a. 7 A
;.ntipja do Crespo.
Grande liquidacjao dc fa&eadas
x\0 'i-a o rr>
N.72.
Imperat riz
DE

! m-ij o.
'a*?.
si
I
?

Mendes Guimaraes & Irmaos.
Tendo os proprietaries deate estabeleermento rnsolvidn tjimiuuir 0 grands deposito (
lendas, entenderam fuer esta grande liqnida^io, como se ve dos ure^os abaixo mencionadus :
,^rna do V
Cimento de F
Vinha do Po
xas de duzia.
Dito dito ent barris a ancoreias
I
1K t ?.sb
de-se 0 segnint*:
meira mao.
, ftftisjimo, em cai-

Chitas largas a 160, 500 e 280 Wig.
Vende-se chitas francezas e flnas a 140,280 e 320
0 covado.
Laaiahas a 120 reis.
Vende se laiinhas para veitidos a 120, 240, 320 e
400 r61s 0 covado.
Chitas para cobertas a 280 re"fs.
Vonde se chitas para coberus a 280 e 360 reis o
covado.
Alpacas de cores a 610 reis.
Vende-se alpacas de c6rei, Anas, para reslidos de
senhoras, a 640 reis 0 covado.
Metim de cores a 320 rtis.
Ve.nde-se metim de cores para vestidos de seSbo-
ras, a 320 reis 0 covado.
Cassas (iuas a 280 reis.
Vend* e cassas franceras: finas a 1580, 320 360
reis 0 covado.
Cambraia Victoria a 3*000
Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 3/,
3*500 e 4*060 a pec^.
Cambraia transparent a 2 e 3 JflOO."
Vcnde-se pecw de cambrsra transparente a 3*.
5*300, it e nt.
Cortinados a 14*000.
Vfltie se cortinados borfiados para camas a llf>-\
16* e lh-3.
Ganga amarella a 400 tiis.
Vende-se ganga amarella para vestidos de senhc-
ras e roapa paramenteos. a 400 reis 0 covado.
Jinho sherry, inglea era caixa,s de duxla.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera em v-las, de Lisboa.
Cera em grume, idem. ___________
Na loja do Pavao vende-e madapoloea franc*
res maito incorpados, com 20 jardas a 6,000 reis,
dito mnh. flno com rtjartas a 3,000 e 3,tt; as
sim como nm grande -ortiraento de madapoWe*
iogleaea de 4,o(K> ale 8,000 e 9,000 : a rua aa 1m-
peiatmn. 60, de ^IU Pereira da Silva.
:i do Aniiiiiiii n. 57.
Brim de cflrea a 400 ras
Vende-se brim parde e de cores para ea'ou
400 r6is 0 eovado.
ToaJhas para rosto a 700 reia.
Vende-se toalhas de linho para rosto a 700 e 800
rtte cada uma.
Chales da li a 640 reia. I
Vende-se chales dc la de quadros a WO reis, eu* brancos, para eama a 2,80, ditas de dito de cor
les de metim a 1*160 reis, chales de merioe a 4,000, eobertaa de chiu e de cretane, de J,!0
llsos a 24, e chales de merino eatampados '
3*600, 4 t 5*.
Cokhas para camas
Na loja do Pavto vende se colchas de fustao
Aberturasa 2^009.
Vende-se aberiuras de liaho bordadas, para ca-
misas, a 2* e 3*o09. Dilas de algodio a 200
400 reis.
Cortes de caaemira a 5*660.
Vende *e eort.s de casemiras flnas para ealc.as a
5*, S*300 e 6*
Cortes de brim a I*t00.
Vende se eortes de lirim de c3res a 1*400. Ditos
de ferim de angola a I*f06 e 2*S00.
Cobertas a 2*000
Vende se cobertas de chitas de cores a 2*.
Colchas a 2*J00.
Vende-se colchas de fustio para cama a 2*, 3* e
4*. j.
Paletots a 3;000 rs.
Vende-sc paletot* de alpaca preta a 3, 3,60 .
o.OOO rs. j'cafoas de casemira preta.e de core
le:es de casemira preta e de cores, e ontras
tas ronpas faftas baratas e fazendas one est
quidando no Dazar National, a rua da I in
Iriz n. 72.
>ados, a para cma e diias d* metim escatlato forradaa com
I ma?.aRo14^ a 5> : rua da Imperatrii a. 60,
! de Fein Pereira de Sirva.
Pentes girafe.
Peotes g moda): a MagDoMa i rua Duqae de Caxiaa n. 46
e so qnem tem.
Papai, niainai,
Como ao lindas as bosecas de cera que cha-
mam papai, mamai, choram, andaaa, etc. So a*
Magtolia a rua Duqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolas.
A Magnolia, a roa Dcqtie de Caxiae n. 15, re-
cebea gaialas de arame de lindtssimos modeios,
Iproprias para passaros ; a ell is antes que se aca-
;bem.
E com as seulioras.
A Magnoli.i, a rna Ducue de Caxias n. 45, par-
icipa a bello sexo que acaba de receber da Eu-
*opa, urn completo sortimento de artigos de ulti-
ma moda, e como aeha desnecessario fazer nm
^nfadonho anuancio, por ja ser bastante eonhe-
ida, ecapri:har sempre em terbons correspon-
ientes, soldo a pr meira <;ae apresenta 0 one ha
de ma is mnderno e por precos mui razoaveis, por
?so limita-se a descrever somente 0 segninte:
Sciian douradae.
Bicos de cores, Unto de seda como de guipure.
Leqises douradoe, de madreperola, marfim,tai--
tarutia, os-o, etc.
ftaliidas re bai e.
Pretieaateii, diveraos artigos proprios p^ra pre-
senies.
Boliialiia e punhos.
Manual para nussa, com capa de madr^ierola,
tartaruga, mnrfim, velludo, etc.
Sai>:-. caniiMatt limdadas para senhoras.
lilcas de seda.
Pranjas mosaicas.
idrrrroi de tariarnga.
vuii:>H de madreperola.
Pulrtoirafc de madreperola.
I.tn Boiaas de velludo.
Perftiinarias dos melhores e maU afaroados
fabneantes.
Chapeoi de sol para senhoras.
Fita de vellucta de todas as cores e l&ryuris.
Moecas.
Quereis livrar vos destes malditos insectos? com-
r:n uma m.c'iiua de matar moscas por 3#000
aa Magnolia, a rua Du |ue de Capias n. 45.
Calvice.
A Magnolia, a rna Dnqne de Caxias n. 45, ven-
le 0 veruade:ro Vigor de Ayer, que impede a
:ahida dos ca Hlo-.
Stirdas epanos.
So tern sanlae e panos qnem qner; porque a
Uagiiotu, a rua Daqoe de Caxias u. 43, tt id para
vender a verudeira Culicujeria, quo f, desappa
ecer estas ms^ichas em poucoe dia-".
Aproveitem
0 PARIS NAMSRICA, i> roa Duque de Caxias
a. 59, pi nuiiir > audar, etli vendendo calsado peios
seamnt s \tre\va ..
Bntinas de duraque para
Dit s ae dits preto a 4,608-r*S?
Diias do dMo c .ra bolSei aohuk>, a
Ditas de pe lira, ingleza, a 4,000 rfils.
Dius de duraque bordado, ptra serihora, a
5,000 reis.
Ditas de durapie. de eorea, para meninas, a 3*.
Em quauto a tempo
apwveitem.
Taverna dvenda
Vende a lH>M a. 88 da roa de S. Jorge,
sm;F6ra de P,irtas, bem afrejinezda c com pou
cog fnudos, prooria para priacipianto : > tratar
mesma tawnta.
que se
0 DESENGAXO
Ilun Pfiaaaeir* do Marco n. ^3,
jauta m loja da squioa.
0 propr'etario deste estabelecimento tem re-
solvido vender sua* fazend.is por p-ecos muito
resumidos, (como abaixo verio) para apurar
dinheiro :
Mel ins
Vende-se metins de lindos padrSes, a 280 e 300
reis o covado. D*o-:-e araostras com penhor.
Citmliriitag
Vende-se eambraias transparentes, de 2*500,
3*000 e 3*500 apeca, e a Victoria a 3*500, 4*,
4*o00 e 5*fc00 a peca.
Aftpacaa prelaa
Vende-se alpacas pretas e muito finas de 500 a
600 rdis 0 covado. E' grande pecbincha.
Madapuloes
Com pequeno defeito a 4<0ii0 a peca, dito lim-
po, francez, e inglez a 4*500, 5*500, -6*000 e
6*4"00. E' baratissimo. Akodiosieho marca T,
largo e fin > de 4*000 a 4*500 a peca. E' para
acabar. Chitas claras e escuras, a 260, 280 30o e
320 reis 0 covado, ditas roxas mofa-ias, a 200 reis
0 covado. Cretenes escuros e de bonitos padroes a
360 reis 0 covado. I.anzinhas de lindos padroes,
a 200 reis 0 covado Camera ias de cores a 240 e
280 reis 0 covado. Aprovei.em antes
acabem.
Irlanda
Vende-se esta fazenda muito propriapara vesti-
dos de-senhei as pelo dinunuto preco de 600 rs.
0 covado.
Brim branco
Vende-se brim branco de algodao, a 320 rs. o
covado. E' grande pechineha.
fciase de soda
Vende-se esta fazenda de lindos padroes, a
1^200 0 covado, fa.enda que sempre se vendeu
a 2*500 0 covado. Aproveilem.
Sobreeasacas a ISA e 15000
Vende-se sobrecasacos de panno liau pelo bara-
Ussimo preco de 12* 0 to* ca a um c grande
pecbincha : a elles antes que se acabem Cami-
zisinhas com punhos e collarinhos, para senhora,
pelo diminnto prtco de 2* cada uma. Meias para '
senhnra, fazenda inuito fina e nm ricas caixiuhas,;
pelo barato prec- de 6* a duzia. AproveHem. 1
Colchas adamaacadat
Vende se colctias adamascalas brancas ecnm
barra de cores, mnito grandee, pelo bara'.iss>mo
pre;o de 4* cada uma, fazenda quo sempre se
vendou por 7* uma. A el las antes qne acabem.
B outras muitas fazendas que se u rua enfadonno
mescional as, e que so 0 fregnez vendo, podera '
cerlifi:ar-se, e per isso os proprietarios convidam :
a todas as pessoas a fazerem uma visita a seu es-
tabelecimento afim de couvencerem-se da verdade.
RUA PRIMEIRU DE MARCO N. 25.
EDILECTA
O baraieiro!
A' rua 1 de Marco n. 1
contir.ua vendendo suas fazendas com 30 0/0 menos
do que em ontra qualquer parte, a saber : I
Amazonas, recebemos esta nov fazenda, com
oonitos desenhos e cores 6xa. propria para bai :
les, passeia, etc., etc., e vendemos a 500 rs. o co- s
vado.
Baptises, temos bom sortimento desta fazenda,'
com bons gosto*. para 300 e 360 rs. o covado, sem-
pre enstaram 400 rs. I
Panama, d**a fazenda temc s grande poreao, e
porquerermosdispo> del a com presteza, vende-:
mos por 440 rs. o covado.
Cretones francezes, e?cnros e claros, com boni-
tos desenbos a 300, 360,44)0 e 440 ; so aqui. I
1'opelinas, temos grande sortimento desta bzea-
da, muito lindos gostos. e vendemos a 1* o cova-
do, sempre eutou 1*600 ; quem deixara de com-
prar t por certo ninguem.
Chitas claras e eecuras a 240, 260, 280 e 300 rs.
o covado ; e barato, aproveitem.
Cambraia Victoria com 8 Ifi varas a 3*500
peca.
Dita transparente, mnito fina, para 4*000, 5* e
6*000
Madapoloes para diversas pecas a 4*500 e 5* a
dito francez a 6.
Bramante de linho, duas larguras, a I* avara
so e barato ; a elle, a elle.
Hi ins de Angola, com bons gostos e cores flxas,
proprios para roupa de meninos, a 500 rs. o co-
vad'.
Brim pardo tran ad>, fine, a 400 rs. o covado.
Esguiao de linho e algodao. ;om 7 jardaa a
3*500 a pe;a ; sempre cu-ton 4*500.
Toalhas felpndas a 6* e 6*500 a duzia ; sempre
cufilarara 8*.
Chapeos de sol de alpaca para senhora a 2* ; e
barato I
Chapeos de sol de seda para senhora, cabos de
osio, a 3*500.
Ditos para homem (paragon) 8*500, de duas
Corel a 9*.
Dltns de alpaca a 3*500.
Ditos de merino a 4*500.
Botinai para senhora a 4*500 e 5*000 ; e pe-
uhiiicha I ,
Casemiras de cores a 3*400 o covado ; sempre
coston 4*506; a eilas, a ellas I
Camisa* de ftretnne, francezas, snperfo'es,
2*is)0 ; que lindos gostos I
Lunges. 4e liuho, abanbadxw, em caixianas, a
3* a d.;zia.
Ditos de dito mpfto flung a 4*560 a dnzia ; s6 o
baraieiro. Sao fiaos. .
Mews para ho .em a 3*'00, d-las fiuas a 5* a
HVIL t -..
Col- has alcocboadas a 3*.
Grosdenaptes de odre vnde, c6r ae roa, eu-
earned* e-cftr de crave a SWO/rs., 1* e 1*200 o
flftSad*.; 6 qoi.
8.^^**>V ^^ ''W vara? P**6 %rV-
Atoarhado pra toalhas de mesa a 1*440 a
vara. .
Brim bre>, exposic>o n. 5, a 2* avar% qne
boa fazenda.
Grande sortimento de lazinna*, e de gostos no-
vos, a 140, 160 e 200 i-. lilt s6 na ^arateiro.
BriJhantina branea a 400 r..., c.ivado ti slm.
Ao barateiro, an baraieiro i-l
Alem deaM, eotroa mniios ar-igo*. qne uio
menciunamj*. mas qne vendemos por bmiudos
pr cos Confrnnte ao arco de Santo Antonio en-
c mrrareis sortimento.
l|A|;o9(iulao ferrolra l>eal 4k C.
%.' rua do Cabaam n. t \.
Os p?8prietarios da Prediiecsa, no inttnio dt
couservar o bom conceite que teem meresido do
j respeterwel pnblico, distinguindo o seu estebeleci-
meiito "dos mais qoe negociam uO mestno ^genero
wem -scientificar eos seas boas freguezes jae pre-
i veuiram aosseus correspondences nas diversas par-
' ras tTEuropa para lhes enviaram por todos os pa-
quete3 os object* de luxo e bom gosto, que se-
jam mais bem -aceitos pelas socieda'des elegantes
daqaelles pahtee, visto apro.imar se o tempo de
festa, em que o bello sexo desu linda Veneu
, mats ostenta a riqueza de suas toillettes ; e co-
I mo ja recebessem pelo paqcete francex divers o
' artigos da ultima moda, veem patentcar alguns
d'entre elles qe se tomarr. mats recomsiendaveis,
esperando do respeitavel publico a eostumada
conourrencia.
Aderecos de tartaruga oo mais liades que teem
vindo ao raercido.
albuns com ricas capas de madreperola e -de
velludo, sende diversos tamanhos e baratos pra-
08
Aderecos ecmpletos de borracha proprios para
H?3, tamnem se vendem a>3ios adere^es muito bo-
I nttos.
Botoes de setim preto e-de corvs para ornato dt
ss-jtidos de scthora ; umbem tern para collete
. vlitot.
Bolsas para senhoras, etiste urn hello sortimsn-
de seda, "de palha.de hagrim, etc., etc, nor
terato preco.
| Boaecasds todos os tamanhos, tanto de loo$
como de cera, de borracha e de massa ; chama-
mos a atteerjo das Exmfs. Sras. para este artigo,
pcis as vezes tornam-seas crianeas am poaco im-
P'jrtinentes por falta de um omecto que as en-
trete&ham. i
Camisas de linho lisa? e com pottos bordadot
para homeB'<, vendem-se por preco commodo.
Ceronlat de linho e de algodao, de diversos pra
; .os.
Caixinhas com mu.-iea, o que ha de mais liado,
com disticcs nas tainpas o proprios para presen
te
Coques os mais modernos e de diversos forma
tee.
Chapeos para senhora Receberam nm sorlimentt
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capeilas simples e com vJo para noivas.
Caicas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de liado*
de.eyinhos.
fiecovas etectricas para dentes, tem a proprie
dade de evitar a carie dos-dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, existe um
grande sortimento de diverc^s larguras e barato
pre^o.
Fitas de saria. de gcrgnrao. de Setim e de cna-
oa^lnte, de diversas larguras e bonitas cores.
Facias de gorgnrao mnito lindas.
Fi. n* arlHiciaea A Predilecta prima em con-
ervar sempre um bello e grande sortimento del-
tas flo'es, nao so para enfeite dos cbellos, como
ambem para ornato do veetido de noivas.
os ei de divereas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas cores
para seanora.
Ligas de seda de eores e brancas bordadas para
ooiva.
Livros para ouvir missa, com capas de madre-
Eerola, marflm, 63o e velludo, tndo qne ha d*
om.
Rentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marflm, osso e donrados por barato preco.
PertUBiarias. Neste artigo esta a Predilecta ben-
provida, nao so em extractos, cocao em oleoe
banhas dos melhores odores, dos mais afamador
fabricates, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica.
Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis para
J a festa.
Saias bordadas para senhora, por commode
12 Rna do^abug4
LIQUIDAQAO
dejoias de osro, preta e pwlras preciosas.
Osiro Cclel.
Correntes do cltimo gosto, a oitava
AKinetes para retrato, circulado de
perolas
Idem idem idem eimearladas
Idem idem id jm robins
Relogios de prata bem dourados, de 15* a
Relogios para senhora,-de ouro, de 40* a
Ricos aderecos com pedras finas com
54) 0,0 de abet*.
Bonitas pukeiras do cltimo gosto com
SO 0(0 de abate.
Brincos de phantasia dos mais bonitos
que tem vindo ao merca^o, de 15* a
Voltas c -m um bonito lajo, por menos
do que se vende em ontra parte.
Bonitas cacpletas. Unto para senhora
como para homem.
Anneis de diversos feitios, de 2* a
Palseiras de cobra de coral por 50 0|0
de abate.
Tendo o proprietario deste estabelecimento rece-
bido uma grande poreao de joias dos ultimee gos-
tos de Pans, e pur precos ja resumidos, parbcipa
a todos a- seus Tregaezes, bem como ao respeita-
vel publico, qne se atrra semire prompto a servir
com toda a exactidao como costuma; certos da
que passara um recitw, pelo qua! fica responsabi-
lis.do pt-la tramaccao.
12
5*500
55*000
60*1 iOO
65*0 0
30*000
80*000
60#000
20*000
Presnoros Inglezes part fiambre.
Qoeijne lononnos.
0lras em laus.
Ova* de bioaihao em lalas.
Lagdstai em latas.
Afti onas hespanholas-em frascos.
Azeitonas francezas em frascos.
Saucissas de Oxford cm latas.
Xelai de cera bra pea de Lisboa.______________
lEil^li Slid o sitio junto a igre-
ja de 9: Jo>e do Mango nho, com cssa de vivenda
assobradada e ontras aeommodacoes, todo inura-
do, com duas frentesrervi. as por portao de ferro,
dando para a rua d> Amizade e para a do Man
guinho. Tem de lerreno proprio 194 palmos de
brgura e 354 de fnndo ; e a ca-a m de 52 palmos
de frente a 8% de fuodo. A sitnacao e a melbor
possivel para murada, e quem quuer editlcar, tera
bastante teircno para Uto, pelo lado da rua da
Amizade. Tem a gumas plantacoes de gozo e re-
ereio, havendo bastante agua fornecida por duas
cacimbaa, Uu a du quaesenova. A entender-se
com o St. Dr. Witruviu qu'-m o pretender.
Chocolate hespanhol
mnito flno, tem para vender na Assemblea dc
Commercio, Meir 4 Lima, rua do Commercio nn-
mero 22.______________________
Cortes bordados.
Vende-se eortes de cambraia, bordados, bran-
cos. e de cores, pelo baratissimo preco de 5* cada
um, fazenda que muitos vendem a 10*, e gran-
de pechinena ; i elles antes que se acabem : a
rna do Crespo n. 25, loja do Desengano, junto a
loja da esqnina.
E'
SARER-SE
Qne a NOVA ESPERANCA, a rua Dnqne de
Caxias n. 63, bem or uhecida pela zaperioridade d
i seus artigos de meda e phanlasia, a*al a dn reee-
ber diversas encommendas de ier adorias de repartii;aof que pela eleganci bem n>ostra aptid&o
'e bom go to de sens antigos CTr.-n ndertes da
1 Europa, e por esta razio a NOVA ESPEPANCA.
[ a rua Dnque de Caxias n. 63, conviria a sua boa
e constante fregnezia e com especialidade ao e>o
amavel, a visitarem na, afim de nprecfarera ate
onde toca eprknor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer e- Irar no na-
mero dos massantes (verdadeiro- axocrias) torn
extensos annnncios e nera pretenle dercreer a
immensidade de objeetoa que tem exposte* a v^n-
da, o que serta quasi impossivel, mas limitar se ha
a mencionar alguns daqnelles de mais alta i.ovidade
e loma a liber -ade de aconselhar no bello selo,
que a visitem constanlemente, para depoii qae
comprarem cm outra qnalquer parte : in se arre-
penderem, a vista do bom e e-cnlhido soriimeglo
qne ha em dito estabelecimento. e*ta razao taa-
bem demonstia que qualquer seulmra do bom (< .
nao paJera completir a elegtneia de sen toilet
sem qnedeumjasseioa NOVA ESPERANCA, a
rua Duque de Caxias n. 63, a qual araba de rece-
ber os seguint s artigos de luxo e intei a no;da-
de : o^
aodernas setias para prender os cafcellos "^"*
Primorosos leqnes de phantasia.
Bonitas sahidas de bailes para senhoras e a.eW
nas.
Inieress?ntes gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de touquim.
Bons aderecos de madreperola.
Delicados adeiejos pretos de pufa-io e borratna
(gusto novo).
Laazinhas baratas.
>'a loja do Pavdo, para liq idar, vende-se
uma poigao de laaziDbas de cores para
vestidos, tendo de 320 rs. para cimn ; as-
sim como ditas com listras de seda muito
boeitas a 640 rs. o covado ; alpacas de c6-
res com lisiras de seda de 640 rs. para
crma : ;i rua da lmperatriz n. 60, de Felix
Pereira da Silva,
VENDE-SE
a taverna siia a rua
muito afreguezada :
Rosario n. 40.
do Barao da Victoria n. 61,
a tratar na rua c-treita do
Cura das hernias, pelas Gin-
das de borracha.
mais aperfeicoadas das ill !. ]
E' economico.
Graxa glycerina propria para a eonservacao do
oordovio ; vende a NOVA ESPERaWCA, a rua Dn-
que de Caxias n. S3.
Bramante parn lenc6es
2j|W)0 e 2#500
Ceroulas e camisas.
Na loja do Pavao, vende se ceroulas'fran-
cezas de todos os tamanhos para homem a
1HN500, e ditas de linho a 23J00, 2*500 e
390 00.
Camisas brancas enra peitos de algodao,
fazenda fina e por estarem um pouco en-
xovalhadas a 20(5000 a duzia, od a IJ?800
cada uma, ditas com peito de esguiao de
linho a 3&00O e 39500 cada uma, diias
com peitos e pnnhos de c6r a 29000 e
2JJ500: & rua da lmperatriz n. 60, de Fe-
lix fereira da Silva.________________
Salsa-parrilha do Para-
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, a rua do Bom Jesus nu
mereS7.___________________________________
Vejam e admirein.
J. &UW rs. o covado.
0 baratniro da rua da lmperatriz n. 60, i to,7mliquid*a^.o
vende popelinas pretas com listras asseti-'
uadas pelo baratissimo prec,o de 500 rs. o
covado. para acabar.
As melhoros c
ntiecidas.
vende sie
ii a
("tiiti'xuacla e Di< ^:n5a
tic
Bartolonaeo t -
A"
31. Rua larga do ia_tM 31
Vaccina. Araccfn .
Ten lo o Sr. Dr. Jose Laurence na MagaM
montado na i-orte nm completo servicn u- r
tigo, tem aqui abeito nm dajnitu da awlbor e
mais recente, cujus tobos se wcontram na
l'harcacia e drogaria
A'
______ 34-rua larpa do Rosario 34.
a
Na loja do PavJo vende-se superior bramant*
para lenjees, com 10 palmos de lurgnra, qne ape
nas precisa do 4 van 1/4 para um kneoi, sendo
de algodao a 1,800 rs. a vara, dito mais eu
corpado a 2,000 rs., dito de linho puro a 2,500 e
J.ROO rs ; assim como atnalhados superiores, tan
to de linho como de algodao, porprepos muito em
conta, e pecas de algodiosinho para lenedese toa-
lhas, tendo de 4,000 rs. para cima : a rua da Im-
peratriz o. 60, de Felix Pereira da Silva.
Salanic de (job
A i,Shoo a libra
So na Assemblea do Commercio n. 22, rna dc
Commercio, Meira & Lima,
Grosden^ pies
Vende-se grosdenaple preto. fazenda muito fina,
e que sempre se vendeu por 3J506 o covado, a
1*800 rs.; aproveitem, -6 o Desengano, a rna 1*
de Mar^o u. 25, junto a loja da esqnina.
Salsa parrilha
Muito novae grossa.
Vende-se por barato preco, em porgao ou a re-
talho : na rna larga do R >sario n. 34.
Espartilhos.
Na loja do Pavao, vende-se espartilhos
dos mais modernos a 3j?500 e 49000 cada
um ; assim c<>m bonitos cintos com lefjos
de setim a 5?0tl0, e sedinbas lavradas com
toque de mofo a 19000 o covado: d rua
da lmperatriz n. 60, de Felix pereira da
Silva.
A(s ifceiinos
preco.
Sipatinhoe de 13 e de setim bordados ,para bap
tisados.
Tapetes. Reeebeu a Predilecta am boaito sorti-
mento de diversos tamanboe, tanto para sola co-
mo para entrada de salas.
VeetimeBtaa para, baptisado o que ha de mother
gosto e os mais ntoderno reeebeu a Predilecta
de or arete preco, para dear ao arcane*
qnalqaer bolsa.____________________________
PARA LUTO
Vende-se chitas inglezas pretas com pintas a
300 rs. o covado, dita fraaeezamoito fina. tanto lisas
eonio com pjnta* de 320 rs. para cima ; cauuo
preto a 800 rs. e mnito > no a 1,0(0 rs ; bomba-
zinas, princezas e alpacas de todns os precos;
lazinhas preta* lisas de 400 ate 500 ra ; assim
come uma grande poreao de retalbos tanto de
cliitas preu- como de las, que se vendem por
precos baratiasimos ; tambem uma grande poreao
de chales preto- de Ia3 a 1,000 rs. por estarem nm
poueo russos : a rua da lmiieratriz n. 60, de Fe-
lix Pereira da Silva.
Grande deseoberta
Ourativo das malestia^ do 2
peito pelo
Xarope de sulphite de moda
A. BKR\KT
Bste ifroeruute atedKameaU) qse acaba da ser
reconbecido peU d^Mwnas Drs Zalloui 0 Para*-
ihevas cnio nm verdadairb e*pe ifico ciptra a
phtysica, segnaao provaram nos grandes nnrop
roe de oesos por lle experimentados, como se vd
na sessao da academto de Paris de 24 de marco
do correute anno, eneootra-se unicamente no
Deposito da 1 barmacia e drogaria
de
Barlholomeu A C
N. 34 Rua larga do Roraro N. 34
A NOVA ESPERANCA, a rua Dnque de Caxiu
n. 63, acaba de receber um bem sortimeate da fi-
nas bouccas qae fallara, que riem se e choram ;
tambem as tem mndas e surdas ou surdas-mudas
venham ver se ndo 6 verdade.
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os seguintes:
Barra,
Freguica,
e Pairielo.
A tratar com, seus proprietarios nesta cidad.
XI inforrnacoes com Joaquim Pinto de- Mm
Pilho na mesma cidade de Mamamgna*-
sf0 Irmaos v (1
mil PARA 1FSIW
Vende se liaho lUo e arrennado, lindos padroes
a 400 rs. 0 covado. fa/enda esta que sempre ven
den se a bem : na 1 ja do Passo, raa Primeiro de Marco a
7 A, astiga do Cispa________________^
GRAM)E
LIOUIDaCAO.
Gama 4 Silva Brito, com.'rma?ens de aetkad 1
. no largo da Santa Oaf n. 2 e 4, l--ndn de liqri-
dar a firma social em conscquemia d- MH
jsocios t;r <1p retirar s?, rceulveraa ven Aw
! neros cxistentes em sena anaazeos maU barai 1 ~J>
j 0|0 do que era outra qualquer part", e ehatrrt a
attenea do lespei avel publico e a d s Sra. I
cedores das despencas familiares. a.-.-im com
Srs npgocianles em peqinna tsca'a, cert d>- fn
encontrarao a maior .-iuc> ridadc e ; grad > po-sl
vel Deixamos de mencionar 0 grarde rumn-) de
gen* ros que crnnpoe n grande >> rtiiuenio, p. rqte
isto se toinaria enfadonno, limiiando nos a|n-r.a- a
mencionar manteiga ingleza cm barns a fcvfi, 1;
e ijlltiO p-T cada 450 grammes, d ta francia i
80n rs.diu ingleza em I?las de ucci k>lo 11* SO.
aiiri-vi item em quanto o tempo : no largo daSar--
ta Crnz ns. i e 4, aimaLtus de Garr.a \ Sil a rr
Luslres, caadieirosc
On
A empreza do gaz, tendo reeebido ultimamente
uma quautidade de lustres, eandieiros, arandellas,
globes etc. etc., tudo obra de gosto e d pnmeira
qualidade ; acha se em pnrican de >upprir a sem
freguezes, por precos men res do que antigamen
te. Para verem as amostras, dirij .m-sn a rua de
Imperador n. 34.____________________________
Cortinados para camas
Na loja do Pavao vende se um grande sortimen-
to de cortinados bordados proprias para camas e
janellas, pelo barato preco de 8, 9 e 10,000 rs. 0
par, assim eomo colchas de damasco para camas |
de noiva a 10 e 12,000 reise pecr.incha: a
rna da lmperatriz n. 60, de Felix Pereira da
Silva.
Sitio e casa
Vende-se um sitio com uma c^sa nova. Main
sitio 8>-0 palmos de frcnli e 1,115 de tundo, a e'*
1 ediSeada com bons c- minodos t boa cadi 'a, ni
. estrada nova de Ucberibe, perto la ea'luiWw a
, 0 que sc torna commnlo por ser i&u rs sal 1 if
na I" ordem, no trem da via f-rroi; a ha m
occupado : quem prtkuder, dirija te a rua lerga
' do R isario n. 20._____________^_____________
Vende se a taverna da rua do Rangel n K,
s ndo a armacai toda invi-rnisada eaviiracada,
qne muito bem serve para qualquer tutro argaaV
por ser em bom pon'.o.
Wll-on Howe & C vendem no seu anr-i-iao
a rua do Commercio n. 14 :_
verdadeiro panno de algodao azui arceri a.
Excellente fio de vela.
Cognac de 1' qnalidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qnal.riadf <-
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA acaba .' receber MM*
A 500 rs. o covado
Na loja do Pavao vende-se lazinhas japonezas
de cores mnito modernas pelo baratissimo preco
de 500 rs. 0 covado, para acabar ; notaodo-se que
6 fazenda que jamais se vendeu por menos de
dois ermados ; ja ha poocas : a rua da lmperatriz
n. 60, loja do Pava.i, de Felix Perera da Silva.
les milagrosos anneis electricos,
nervosos.
c.ra infallivel d> r
t ara senhoiiis
Como sao lindas e modernas a* gravatinhas qc;
a Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, ?. :A
de receber I
Gorgurao
0 barateiro, a rua rrteelre do Marco n. 1, esta
vendendo eortes de gorgurao preto para colletes a
22000, fazenda qne sempre custon 7 ; a elle/,
antes que se acabe : confronte ao arco de Santo
Antonio.
Casemiras
Pechineha
Odilon Dnarte & Irmao receberam pelo ultimo
vapor um grande e variado sortimento de eoques
de cabelio bumano, 0 qne ba de mais moderno, e
vende-se pelo baratissimo pi ego de 10* cada um ;
a elles, antes que se acabem. ____________
N* loja do Pavio vende-se nm grande sortii e
to de casemiras de cores e aiescladas. aota afefM
como escoras, proprias para cal<,.i, pabaota e c:<
letes por precos muitj baratos, as-nn eoavi I
mesmo estabelecimento! se manda fazer qua! ,. obra tendente a alfaiate, com a maior pre-! zj ,
por preefs mnito raaoareis : a rna C lr. i
triz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Caniisas.
Camisas francezas brancas de algodao fin.i .
frizodecor a 21000uma, em duzia a 23*000
epeebmeba: na rua do Crespo n. loja do uu.-
Iherme k C
-,- i j 1 venue-se uma
Lustres e aranaelas devidro figura.sabe cozinhar
' e sem defeitos
para gaz
Na grande exposicao da rna do Imperador n.
35, junto ao escriptino da companhia do gaz, ven-
dem se os mais bonitos e modernos lustres e aran-
Jelas de vidro para gaz, a sim como tudo 0 mais
Sue se torna necessano para esse fim, sendo tudo
os melhores fabricantes que ha na Inglaterra. Os
precis sao mais baratos do qne em outra qualquer
parte, e com a vantagem qne 6 0 dt>no do estabe-
lecimento mandar assentar os lustres on arande-
la no Ingar que 0 comprador quuer, sem que para
isso pague alguma cou.-a. Tambem se compra ou
troca se lustres e arandelas ja usadas, mas qne
estejam em estado de poder servir.
Vende-se nma escrava m-'ca e de snorta
e engommar com por'
a tratar aa roa do Marqu a
Olinda n. 57, outr'ora rua da Cadeia. do < KTif
torio dos Srs. Parente Vianna & C, com
Antonio da Silva Guimaraes, on na villa 0 r.\
bo, rua do General Victorino n 2t.
Cortes de cambraia
Na loja do Pavao vende se eortes de aaahta ia
transparente com babadas largos, tanto branccs
como de cores, por baratos pre;os. p^r terom al-
gum pequeno defeito : a rua da lmperatriz n. '.-'.
de Felix Pereira da Silva.
Vende-se
Liquidacao de roupa feita
Na loja do Pavas liiuidase uma granda por-
eao da roupa para ho'men- e menln s.coraosefanr
carcas de casemiras pretas ede Cores, para todos
o* precoe e gvlaaata diflU-aeotat presva ; dita* de brim da
! cores., nardoa e hrauces ; paletots aa^cos. casacos
e fraks de panno preto e ae casemiras de cores
I coleSBS de toaas as --qsaMM, precos b%ra
| sasimca, aaako 01m* granda poreao da caroiaas
ceroulas por menos 3 Of) do seu valor s6 par-
a>bar : a rna da bnperaUjjZ n, 60, de Fell* Pe-
eirada Silva.
I'P einmii|mi m' hi i| 1 111 "t 1. 1 '" 1......
no estado era qae se ae*a asitia no logar do Re
median. 18, freguezia dot Atogtfa*. an cbaoe
36
E' com as nojvas ,
A NOVA ESPERA\tlA, m,^>m de Qajfjaj n.
I, acr>a de ree#oer boa meias de seda propria*
pr.prios,com 3*0 palmos de t>ie pHHfrie fun
do, com cacimba e tanq e para Danhos, estand"
a casa era ruinas, feudo alguns arvoredos de
fructo, e a tnmu para o rio ; os pretendeoles di
.aea afuurpnrietario na rua de S. Francisco
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papel de Unh.
are noivas, e oe apreciaveis ramos de larangeira proprio para eigarros, de diversas ftrguraa.
Cortes de casimira a 4$
e 6#000.
Na loja do PavSo, vende-se eortes de ca-
semira para cal^a a II, 53 e 60000, ditos
muito flip sde uma s6 cor com listras ao la-
do, fazenda que sempre se vendeu a 9? e
105000, liquida-se a 6&000 para acabar:
4 run da lmperatriz n, 60, de Felix Pereira
da Silva.
Cura dos estmlainenlo d'uretra
pela fac.il applica;ao das
SONDAS OLiVAES
DE
GOIHA ELAST1CA
Ac nais modernas e aperfeigoadas de todas
as coulieoidas
Veedettise
e -r
na rua do Vigario n. 19, primeiro acdar :
Vinho do Porto engarrafado, em ban
ancoretas.
>.era em velas, de Lisboa, superior qr.alid.id-
Retroi do Porto.
Cimento Portland, legitimo
E lKiuito
.
NA
PHARMACIA E
DE

DROGARIA
Bartholomeu & C.
As almofadas bordadas de la raatlsadas qa=< ii-
ceben a \ova Esperanra, a rua Dnqne : i
Caxia? *
Chap6os para senhora.
A loja da Passo, i rua Primeiro de Marco ^
7 A, eceben um rico sortimento de chapeis
raesoa hnras, pre.tos e de core*.
34 Ron Inrga oVj Rosa rio 34
40|0i>0aduzia
de camisaa inglezas de liuho, bordad. *nWo
flnas, eom cllarinho e sera eile<. R' popWn^b* :
na rna do Duque de Caxias o. 88, '<> ^ rtome-
Irio Bastos.
Chapeos para aenhora, ItKjues
e puubos, manguites branros e oV < dres,
gravata de seda. perfumaria e ciuto de
couro.
Vendem Amaral, Nabneo 4 C, bo Barar Vica-
rii n. rna uo Bario da Vaaria
Pumoexporte best Sirds Eije
Amaral, Nabueo A C vendem fumo ragles par*
cachimbo no Bazar Victoria, rr* do Barae da
Victoria e. 1. _
Sedinhaa a li|500 o cov do.
Venham antes que se acabem : na loja do Paac
rna 1-' 'ip Marco n. 7 A.__________ .
- Vende se por commodo jUagV na sot meia agua, de dons ^ndares e tudo, site a rua do
Prno n. \H. em tenvno proem it mono ooa
eons*.rnct?o a r-"-.r na raids toaaieao a. U
das 6 a* 9 e das 3 as 6 da tarde.
I


/
8
V-.'
ma*****!
Jiario de Pernambuoo Tercja foira 20 de Outubro de ijf4.
LI1TERATDRA.
(
Maxslnf.
Eis que o genii, da Iul>a revigora,
ibe estende a antiga Roma a aust-ra mao ;
Laa gigante de pe falla da gloria,
Garibaldi olha a patria e veCatio.
A proterita Mia da dos livres
0 vento a dosf ilhara... ale n... nao sei ;
Muito seculo. convndo o Capitolio
Descrido procorara a antiga lei ;
k lei qao Bruto erguera aureolado,
Siblime embriajruez que fez heroes,
Liberdade, essa forca qua a alma nutres
Feita de luz, de aurora e de arreboes ;
Gardes do pensamento que iliurainam
Antros do coracao em mais fulgor ;
Liberdade, delirio que derrama
Nos peitos oovos raios, novo amor.__
A passada grandiza esvoacara
E 0 oinho seu fizera quid altar,
Ondeuma alma se modrava radiante
Por entre a tempestade a fluctuar.
orgulnoso Mho de Jupteri se convertessem destinos de j bosteridade.
em terrivel elemento de fatal dissolucAo. Era o ralar dd H*^01110 bumano na vida,
E' que Alexandre, em vez de civilisador das sociedades; em a'bb.:?a,",Jl,a'e tornan-
imparcial, transformara-se em conquistador do-se autonpmica por sea* eleVJ!?05, Pre 'c-
ambicioso e trai lor de sua glorio'i missio, i do j era o caminhar progressive q* civili-
e em consequent disto, a historia, recor- sacao, que ia andmdo do Orients para 9
Alma f-ita de laves de heroismo,
Terapestade brflbantede illusoes...
Tudo que o ceo prepara de tormentos
Amados para encher os coragoes.
Era Mazziui.
Somnanbula divina,
Sagrada e radiant* perpassava,
Tendo na fronte a vastidao da gloria,
No peito das grandezas o ruido.
A' luz daquelle ceo. que a revestia,
A alma da Italia so e fugitiva
Km meio de ruinas ..
Esquecida,
Meditava I...
Severa como magoa
Oe dez seculos, terrivel como sonho,
Ou como pensamento que e phantasma,
0 seio Ibe mordia a temnestade
v 4u.'Inso suspire das moutanhas
A vplhice caduca das cidades,
Nao mais estrem-jcia a ouvir-Ibe o pranto.
E as lagrimas fulgentes, Qo a fio,
Como estrellas tomoadas accenderam
Nasombra dos heroes a morta aurora.
Illuminam se osgrandes epitaphios,
Agitadas as lapidos amostram
Qae o coraQio da patria, entumecido
Em cem peitos, valonte bate ainda.
Scipiao lira o gladio ensanguentado,
Apontando Carthago assombreada
Pelo vulto de Annihal, que cem passos
Estende se na terra. Caio Gracco,
Agitando estupefacto a cabelleira,
Mostra o povo faminto e revoltado.
I'.olera da velha Ro na, o grande Mario,
Rasgando a purpura do seu manto, triste
Lace* os pedacos sobre o vento d'Africa,
Que"f dla de Jugurtha. Assim se avistam ;
Cada qual de sua alma sopra aos ares
\ scentelha que iuflamma o enutbusiasmo I
Sombra do que foi grande brota luzes,
Queimando as vestes do tribuno ousado,
Rompendo o coracSo cheio de audacias
Sublimes e divinas d'esse athleta,
t^ue tem no labio c verbo dos triumphos,
Nos ouvidos sussurros sonorosos
Que a liberdade, nrrojo magnifico,
Oespede-lhe na face.
Era Mazzini.
* *
E 14 de longe, dos confins da morte,
a Italia mia I diz Pet archa ausente ;
Sente-se a vida, no passado occulta,
Romper brilhante... Espadanosa enchente. 1
Calada a patria, esvoagara o genio ;
Por sob a thiara o Evangelho ardia...
Veneza clhava na laguna a medo
Pallida a face no elarao do dia.
Oormira a gloria, mas velava a honra,
Que evoca tudo a regidn/. da vida ;
Calido o sdprd das paixoes accezas
Corre nas almas... Que manha Qorida!
Mazzini augusto fita a Garibaldi ;
Dos dous atbletas o espectaculo e ingente ;
E 14 de perto, vendoo grupo heroico,
Italia mia I diz Petrarcha ausente. .
Recife72.
S. Ramos.
O prevldenciallsm perante a
historia.
CONFERESCIA PUBLICA NA ESCOI.A DA GLORIA,
PELO DR. UJ1Z Dl ALMEIDA AUAUJO CAVAL
CAME, XO DIA 9 DE AGOSTO DE 1874.
(Contiouacao)
Alexandre nSo foi o vinga-
dor de uma affronw i era muito grande de-
Eiais para ser instrumento de desabafos na-
rionaes ; devia ser o immortal civilisador
de dous mundos, que dormiam o somno de
dous seculos sem se debaterera pe.a civili-
sacao universal ; por este motivo cammhou
de victoria cm victoria ; a civilisaga > mar-
cbava com elemento grego; mas quando
ella se ostenteu sedenta de conquistas e u-
f8na de banhar se no misero sangue dos
vencidos, a Providencia permittio que por
urn instante ella so afogasse nos miasmas
raortiferos de Babylonia e que as cinzas do
rtando o nome desse granda bomem, sab-
merge o na densa poein do passado. A
guerra lembra o passado da humanidade; a
paz tradoz a ide"a grandiosa que symboliia
o porvir do genero humano. Appareee -
qui urn dos .mais sublimes segredos da bis-
toria : e" a educagao que Aristoteles sou be
dar ao futuro rei do uoiverso ; e o respeito
de Alexandra por Di .goes; 6 principalmen-
te a admiracAu enthusi^stica que elle sem-
pre votou ao mais inspirado e graodioso
pneta de antiguidade classics, a Romero,
s^u companheiro durarrte as noites, como as
arm*s durante os dias.
Dir-so-hia que o conquistador, voltaodo
do cimpo de baialha incolurae, coroado de
glorias e carrega lo de tropheos, queria so-
nhar com outro mun lo mais tranquillo e
mais auspicioso, o mundo das letras, e que
o genio das victorias consorciava-se assim
com o genio, da litteratura, que pode ser
considerdo a syoth-e personificada, aeo-
cy,:opledia viva de uma epoca inteira para
concihar urn pouco Lamartine com Vioo.
?uem nisso pensaria ? H >mero foi urn ci-
vilisador mais eminente do que Alexandre,
quando attenlo-se para o futuro ia huma-
nidade. Oh arcanos do provideocialis-
mo I Alexandre foi quasi sempre urn ho-
mem generoso e nobre, um conquistador
magnanimo, um guurroiro illuminado em
sua curta vida por uma e*trella brilhante de
venturas e felicidados. Homero foi um e>
criptor fmoso, um poeta harmonioso e ad"-
miravel, um desgrac,ado que pensou ei
uma vila mais venturosa do aue a sua e e-
levouseem um mundo ideal."
Alexandre civilisou com o poder das ar-
mas, desolajio do fogo e horror do sangue ;
sua aureola foi tecida pela mao calamitosa
da destruiijao. e seu instrumento foi o anjo
da morte. Homero civilisou com as armas
invenciveis/ia icitelligencia, como fogo inde-
level da inspira^ao, com o santo raartyrio
do genio (Agumas vozes : Muito bem I) :
sua aureola foi tecida com as floras da poe-
sia, e seu instrumento foi o grito de um
espiripto que fascinou os contetoporaneos e
deslumbrou a posteridade.
Dai a li'r a dous ignorantes, que se en-
thusiasmem, esses dous vultos illustres da
antiguidade, e vereis que um ficari impe-
tuoso, altivo e sanguinario como o guerre i-
ro, e que o outro acordard de suas medibi-
(,-Orts e sabira de suas vigilias triste com^o
o pensador, sereno como o poeta, e paciti-
cador como o genio universal. Quern vesse Alexandre por typo predi ecto de imi-
tagao, couverter-s-.-hia, como Gezar, em
destrui lor de reis e nacionalidades. Quern,
ao coutrario, imitasse ao admiravel Uomo
ro e estudasse-o maduramente, horrorisar-
se hia das ternveis consequencias da inQde-
lidade conjugal em Helena, das calamidades
da guerra no incendio de Troia e da bar-
baridade do bomicidio oo vitipendio de
Heitor ; fan a apotoeose da fidelidade conju-
gal em Andromacha, pasmaria ante a divi-
na sabedoria do Mentor, admtraria o amor
filial de Telemaco, e, apostudo isso, ou raa-
uifeslar-se-hia ao mundo como Virgilio,
sendo a maior gloria htteraria do seculo de
Augusto, ou tornar-se-hia, como Dante, o
maior bomem de uma epoca por escrever
em estrophes inspir&das a epopea da chris-
tandade. [Vozes : Muito bem t)
Alexandre viveu nas sumptumsidades ds
cflrte, fez se adorar como til ho de um Dobs;
mas nil > lhe sobreviveu a idea da uniBcaqSo
dos povos. Diversamente aconteceu com
Homero ; trazido para Esparta inspirou. le s
bellicosas a Lycurgo, aproveitado poo am
Legislador poeta como Solon veio a ser o
p*i da democracia de Athenas, elle que era
destinado a ser mais tarde reputado pe|o co-
los quistas na Grecia e a representar uma das
mais pot-mte* alavancas da civitisara9 mo-
derns, depois de exhumado das. cinzas do
paganismo em que o sepultara a ignorancia
dos barbaros. Quem fez com que, sendo
um o idolo de seu tempo e o outro o maldi-
to de sua idade, de Alexandre so ficasse esse
circulo de sangue que tracado pela espada
do guerreiro, mal se divisa nos bo'izodtes
da historia, e de Homero restasse tudoe ate
mesmo a grande disputa oriunda do berijo
do miseravel cego de Smyrna? Foi o santo
baptismo do progresso, foi a Providencia.
Quem salvou a ide*a de Alexandre quando
seu immenso imperio se desmoronou entre
as maos acanhadas de seus successoresT
Foi ainda a Providencia, quejA bavi< educa-
do outro povo para tel-o como agente de
seus pianos.
Roma nasceu da fusao de muitos povos ;
e se o Uriente e a Grecia procuraram as
suas origens nas sombras do polytheismo,
Roma, longe disto, procurou-a nesse princi-
petroiano, datradic^ao virgi lana, que, per-
correndo o mundo por mar e por terra e
nao limitando-se pelo tempo nem pelo espa-
co, chegou ate aos Campos Elyseos, onde
leu a epigraphe de sua sorle futura e dos
pala escravMlo, levanUvam as raios para os. contra os principios vivifica^orei do catho-(COuQllgr-c|,a|4 t D |- WesiDhalia
ceose Olbando nara a arn.\a;* Hu ru... iiU ;.r:...4._____:j_ i _____. .. B-V-wihb Hu jw w l esipnaiM
ce'os e olbanlo para a grandeza de Deus
soltavam o grito homerico de um silencio
quera epopea grandiosa da Uberdade I entao surgira a novas nacoes modeladas no
Occidente, como antipoda da terra.
Entretanto que contraste I Esta cidade,
ende se achavam em luta o elemento orien-
tal e occidental na idade hunana do Vico,
esta cidado, que estava dastinada a desem-
penhar Uo magnanimo papel corae^ou,
como querem alguas, por um fratricidio e
sua mouarchia primitiva terminou por um
ultrage ao pudor f As guerras rears con-
solidaram a republica ; mas a plebe esmore-
cida, em vista do espectaculo degradaate
que uma democracia bastarda a obrigava a
representar, despertou-se para effectuar no
Monte Sagrado a revolucfto pacific* de que
surgio victorioso e ternivel o poder tnbuui-
cio, o que aio bastou para feehar a ptrta
do abvamo que a separava da nobreza que
sdmente cedeu depois de seculos de peren-
ne dueJlo
Os- limites do Estado alargaram-se/e Ro
ma sa'bio sempre triuiaphante do combate
que offerecera aos taes mundos, ja" que nao
e permittido fallar h.s derrotas que vrcram
realrar o brilbo da* victorias da patria1 de
Roniulo que vio-se obalada por guerras fli-
ternus, que graremeoteperturbaram-na, em-
bora sua ciuisag3o deVa ser repulada vte-
torios.T des do anno auspicioso em que ell.*
liberUxa-se do mais audaeiuso de sms ini-
migos eenamotraos seus domii>io? o fduo
luminoso- d civittsagAo Jesses- tempos. Mas
que ? Q>MMido Retna supp- z-se Vieeoriosa,
e pensou em tiaver toeadj ao apogee da ci
vilisarao, icju deslambrada por suas-- victo-
rias e domiuuda pel> luxo dvAstae eivili-
sa'.ao da (\c eia, sentio seus eosiu-ues cur-
romperer^m-se as- calamitosas
guerras civis-tnzeudo ens result* io a dicta-
dura generosa de Cezar e o hgalismo ofiec-
(ado de At)gusto, que abysmaram-para seiu-
pre a filba querida dos'^raccbos immortaes-.
E quando a Pr ividencia reconbeeeu que as
satyras puogHOtesde Nevis- o proc-e-iimer.--
to-exagerado de Catao ofto tiubam-mais po-
ditio suster a simplicidade primitive de Ro-
ma-suffocada as orgias- das Baechanaes-,.
resetveu-so a li-vrar do naofragi* a *rca sai>-
t,i da civilisagao-uuiverssi antes que os pre
toriaoos de Augaato consaoamassem aubra oW
corrupedo distnbvindo & outa de euro,
sceptro e o poder, para cuja-defeza egaran-
tia Muito bem I muito bem !j
Negou s-* tudo ao christianismo, mas nio
se co.;tste que elle fosse o mais colossal de
todas as revolucdes que tem abalado a face
tifismo inspirado na unida.le romanfl, que I veio daniopiar a dabilidade
mpossibiiitaria a origem das naclonalidades, dous principios am hit*,a
pensamento dominante da migraQSo septen-
trional e, por entre o espectaculo contrista-
dor do sangue que correu sobre popuUcoes
inteiras que foram abatidas peios golpes arre
da terra. Foi a revolucSo religiosa e soJal batados e bruscos dos vencedores, sentia-se
por excellencia : os idolos cabiram esmaga- Jfluctuarem de vez em quaddo as doutriats
dos, a politica regenerou-se, os pjvos frater-
nisarain-se, os hotnens libertaram-se, a pbi-
losopbia inspirou-se na verdade eterna de
uma outra vida e ate" a litteratura tornou-se
mais bella eencantadora. Sim I Eu ad-
miro m is a varieJade artistica que a ima-
ginacdo vigorosa de Tasso derrainou na Je-
rusalem I inert a da, do que o esplendor que o
genio de Homero soabe dar & Illiada e nais
ainda a concep$ao maravilbosa de Dante na
Divina Comedia, do que sentimentalismo
de Virgilio puriOcando a Eneida nas alturas
barmonnisas do Parmso, (Voves : Muito
Entao, oh I paodigios da Providencia !
Quando as verdajantes ramadas da civdisa-
cao nao tremulavam no magestoso cimo do-
Palatmo, nem soflobreavamo hmiar do tem-
ple de .lano, a bummidnde, de-can^ando
naa-azas robustas da esperaoea* deixuuque
sou futuro se agitasse entre as estreaas pa-
0 cbristranisino oefBOQou obscure, viveu
desapereebido a prinejpio ; r/ao tardotf, po-
tittf, querebentassem as tremendas pwrse-
gBtfJN 9* desencadearam contra eHe esses
doas Cesares- que quauda menos pensava-.-n
viraro que a Providencia reunia oeelemen-
tos que ludo predispunbarar em pro* do fu-
turo da humanidade. Tree- seculos basta-
rain pf^ que nova religiao oriurrfa da
Asia fiztrsse recuar para defronte do eentro
da immt>bilidade a roinauo.
Roma estava muito no Occulente para ba-
quear tSo- depresw: Bysancio*devia ser o
alvo das atabigoes dos barbaros; e como
quer qne f"Sse, a uiwdade romaua devia ser
aproveitada-pelo christianismo era'bem d>
felieidade unversal. Nftda entretanto iss>
pareeia importar aos barbaros, mas assim
mesmo, Rome* fraternisou os povos- debaixo
da l;D'lei',a d:i-cruz e R)saneto ainda viveu,
porque seria oma crueldade perderem*se os
valiosissimos tbesnuros da legislaea>>, que
custdra a vida de uma grande na^ao ea Pro
videacin p 'rmittio que no* seculo segainte
Justiniano esclar-cesse com-raios de brarmo-
nia e reeonstruer;ao o cabes-qne reinajva no
immense corpo da legislaeao. Agesttnho
Thierry- lament* a qoeda do-imperio rorna-
no, mas quem nee sabe que-uma-civtiise^io
moribu:4a e pek>r do que abarbaria e que
a decadeaeia completa de lmw -colosso qu*
agonisa nao vale-a sinceridade iostinctiva e
os sublrnaes encantas da natareaa ?
E' cento que o direito taroou-se uraa
seiencittd*me.nori0deixaudodeser aseien-f
eia altaoaente pbilosophica, e qua o idioroa
queforso-vehicukoda patavr* facunda de G-
cero, transformou-se e corrvnupeu-se ^ mas
nemo direito perdeu-se, porque o|dirertoe a
justiga j como a lu/,, ^cujo briibo pa*ece>
do Christo para o congracamento universal:
era o christianismo que estava de faito vic-
torioso 1
Havia necessi lade de outro principio que
viesso contrapezar-lhe Oi effeitos quo acaso
se exagerassum.
Veio o malerialismo que tornado nova
manto seita religiosa nas paginas do Alko-
r3o, abalou o mundo, declarou uma guerra
de extermiuio ao espiritualismo evangelico
e, logo que se baria retemperado o senti-
mento religiose, o Islamismo parou ante os
baluartes da cidade de Gonstantinxr e ficou
etmorecido completamenie diairte do poder
de Carlos Mogno.
0 papado, eonsagrando a realeza, erigio-
se defiuitivanreute em soberanv do mondo ;
a sombra de uma feciproca proteccJio c &e-
nevolonsia fervia- o anbelo do mando exctu-
sivo, e assim retardou-se por algum tempo
o progresso da bumaiii-lade.
O'feudaksmo e a rgrpja. apreseiriaram-se
com seus germeos do perfeito autaguuismu.
No feudalismo tudo variava como o cimo
das florestas, a hnguagem modiScavse de
uma a outra cidado, de uma a outra alle<
odireito nao era a realisacao do mesmo
principio racioaal e sttn' o resultado' da
corabimeio dos fnctoa ; na igreja, porem,
tu lo pHrticipav.r da uiiidadb em que S.
Bernardo- fez consistir a perfei^So, toda
chnsian i,d>- fallava e escrevin a mesma
lingua, observava e praticava- o mesmo di-
n-it i caoOMfeO: fro exaltftva a" propriedade
individual, que era sea ehmento- de vida f
a ontra depreciava-a. Um aogumentava e
amontoava capitaes, elevando estatuas ao
pauperismov a outra quebrava as cadeia*
e estaagava es idolos da miseria, depri.nin
reUtiva dos
aaovlmento
protestaute a e cotbolicismo tradicional.
Havia por certo iololerancia de parto a par-
te, e dizei-me agora T Se os papas nao bou-
vessem protejjido e fa vorecido aos pnneipes
eleitorei, se elles tivessem deixado fuodar-
se a here litarie lade no imperio allemao,
qoe principe dria pousada a* Lutbero, o
amaldicoadodo catholicismo ? Tudo cifrar-
se-bia em gratidao da Allemanba para com
Roma e nada mais, o protestaniiamo teria
dt-sipparecido para rasascer o ideal da ida-
de media. Mas a Providencia ji tinba pre-
parado tudo para a liberdade intellectual,
para as liberdades political a para as na
cioanlidades. de modo que ji bastaam oo-
ze seculos que o individual m> germanieo
levara trabelbando contra as tenlfncias do
estado antfgo e Deus preferio aprov-iur-
se do poderro dos papas. Abi Mud s O
motivo pelo qoalGregnrio VII e Inooeeacio
III, poreiempw, devem ser conenterados
preparadores do prote-tantismo e naiores
reformadores do Sao mysterios do ar ividencialismo f
Uentro em pouee-, a Franca, coHbeada
na vangoarda da cinli^ao pelo genio <$*
um graude rei, esten cudio o espirito- de un> povo geaeroso que
'devia tran-Hirmar a Eoropn aos impi.tsos
de um secwlo eminentmerrte politico e
seientifico, iiWerario e art-stKo, caja in-
fl'jeticia i-.hegsu ate a patri i ikt Petrarcba e
^riosto e peneWoa nas geMidas m-ititnicdes
da opulenta eseberba Albion, qoe prendeu
entao o progreseo do continent; au arbhrio
da industn brrtanoica, oirquistoo a Mag-
na Carta de seus direitos put-urns e eduoou
a illustre pleiade deseus estadistas \ desor-
redes de uma pobre cboupana la Jadea crcscer e augmeniarna razao-dtrecta da don-i
Oft *** M. ^ ^ ^ ^ -. _^ ^ mm mm m* mm m, m* J mM m* m+ *- I f* *- .1 ^ .1 a ^* A ."\ t *- ** m *^* m* J~m m & 4* t _- *^K ^% ^fc~* ^k
Por algum tempo parananvas sociedades em.
seu pr gressivo caminhar : caatenplavanv.
03-primeiros alvores da aurora que vmha
raiando como precursora>do astro luminoso,
eentro fulgente de to Ics-os- pianeUaque gy
ram no espacainfiuito do mundo moral.
Apos a no\% tempestuosa de um mate-
rralismo cuja rede de Servo abraagia todaaJ
es raaoifosta^oes buraaoas,. as estrellas scia.
tdlaram no espaco uvlefinido ; o vendaval
tipba serenado-e o. ceo tornara-se limpido ;
era o luxo faustoso da natureza.que se tor-
nara o prenaocio inlalLvel desse dia que
amanbeceu aspleadido, como os raios Fu-
ze n tes da es per an ca (Vozes : M-iito bam I
bravo I) O astro dssse dia qpe Deus collo-
cara entre:o passado e o porvir das socieda-
des l'ulgio, e desde esse m -raento o g-mero
humano fitou os othos, ainda deslumbcados,
no sol radtante de uma idea, vasta, como o
infinite*, e pouco- depois comprehendeu que
iam seado consagrados no altar de um novo
culto, como pjnucipios inabalaveis de uma
nova creaca, e respeito. as propriedades 10-
dividuaes, em vez do latrocinio legalisado
em Solon j a justiga distnbuitiva entre os
povos, em vez do egoismo nacional justifi-
cado em Aristides; o espiritualismo nas leis
humanasem vez do materialismo codincado
em Lycurgo ; uma escola desinteressada, e
patnotica, em vez da politica u til it aria pro-
clamada em Agozildo ; a fraternidade entre
as nagOes, em vez de seu antagonismo ba-
seado em Platao : a liberdade entre os ho
mens, em vez da escravidSo legitimada em
Aristoteles. (Pausa). A palavra de Christo
electrisou os espiritos, appareceu o apostola-
do, seguiram se as predicas, effectuaram se
conversoes inaumeras e as paginas sublimes
do evangelho soltas ao arbitrio da ventania
dos preconceitos dos seculos purificaram o
ar que respiravam esses povos embrutecidos
e foram essas doutrinas que levaram o Pro-
to-martyr ao cimo do Celvari >, os christaos
ao silencio das catacumbas, os crentes as
intemperies dos desertos e os martyres ao
supplicio das feras, barbaro instrumento dos
instinctos sanguinarios dos Cezires.
Mas aqui, ob 1 sublime aeroismo do cora-
gdo 1 os moribundos nSo cabiam repetindo
naquelle mortifero concerto : Am, Ccesar,
morituri le salutant! n&o I as victimas ba-
queavam como gigantes e no meio ,dos ap-
plauses de um povo infeliz e fanatisado
FOLHETIM
JOANNA
liM JOGO DEPAIXOES.
FOR
George Sand.
'TRADUCg50 DE X. X. X.)
PARTS TERCEIRA
III
(Continuacao do n. 239).
Esta descoberta causou-me uma ale-
gria immense, encbeu-me de orgulbo, e fez-
me conceber uma esperanja indisivel; mas
essa filha idolatrada, quetalvez tao cfido eu
nSo possa dizer quem e\ oio a posso euter
ao pe de mim, sem que a calumnia, ou,
pelo menos, a suspeita busque manchar-lhe
a reputagao, como, a meu despeito, aconte-
ceu e bem injustamente com a pobre Ma-
no'ila.
0 meu piano era, pois, renunciar uma
e impedir outra dosgraga, visto como, des-
posando Manoela, bem ostensivameote, nao
s6 assegurava-lhe a consideracfio que Ibe era
devida, mas tarrbem dava a" minha filba
per amiga uma companheira legittma ; e,
dest'arte, parificando perante todos o meu
lar com esse casamento, podia abi fazer re-
viver uma felicidade que a* todos nos
unisse.
si lade das trevas que a circwn corrupcAo- do raais elegante dos iifcoruas
Obstou a que se osteatasse bxithante o ge-
nio poetieo desse cantor m-rilhoso qne
creou uma ling ia, deter-ninaado-a e fiocan-
do-a para resolvar o mesmo problema que
Escby o descutira.no- Prornelheo, que Suaws-
peare e t.cnthe pretenderam resolver no
llamleio e no Mautto, e assua desencadear
sobre seis seculos a tempestade de sua im-
menst inspirado. (Bravos-1 Muito bem I)
Sejamos francos : no diluvio quasi uni-
versal da decsdeocia antiga, os barbaros
salvaram os reslos da velha civ lisacai, e,
o que-ainda 6 mais. foram elles que, conver-
tento-se como por milagre a reli cificadoderaavnovo elemaato de vi'ia ao cbris
tianismo, quo nunea poderia ter pro>elytos
profundamente ssneeros na Grecia., nem em
Roma, quando o paganismo contiunava com
todos seus effeitos na admioistrajao, na lit-
teratura, aas crengas mtimas, trazendo a
degenera^ao paulatina do povo e a dissolu-
eao da sociedade.
H-mve ou nao um plane* proviieucial
nainvasao. dos barbaros?
Sim I responde ins paginas da hist >ria a
consciancia do gooero humano. Sem os
barbaros a civilisacao romaaa ter-se-hia per-
dido, como as ruiuas das cidades e dos im-
perios primitivos. Sem elles quem sabe
se o. christianismo nao teria sido envoUido
nessa nuvem ouo a todos occuitava o astro
da verdade ? Entretanto esses barbaros fo-
ram guiados por homens que a tudo prefe-
rindii o festiiu e a guerra anhelavam apa-
gar do mappa das Daffies um povo que
havia provQcado a viugattcn divina I
Oh! que contraste apparen.e eque bar-
mo nia constante na realisaQao de um mes-
mo designio I
E preciso feehar os olhos a todos esses
arcanos, a todas essas revelatjoes da historia
para dizer que a Providencia nao intervem
nas evolugoesda humanidade, no desenvol-
vimento progressive do genero humano.
Sejamos francos, repito: quando a pu-
reza dos costumes antigos se entenebreceu
na ebriedade dos triumphos, morreram al-
gumas civilisacOeS afogadas na barbaria ar-
rojada pelo individualismo germanico ; mas
a humanidadejlovantou uma barreira inven-
civel contra as ideas absorvedoras do esta-
do autigo, oppoz um dique inexpuguvel
Parti, pois, com essa idea, e aqui che-
guei, depois deter feito prodigios de activi-
dade, crendo trazer a melhor de todas as so-
lu;des ; mas, como quer que o ami r anda
mais depressa do que a razfto, sorprendi-os
em meio do uma solucio inteiramente di-
verse .
lsso fez-me desapontar, durante um
instante, por causa de minha filha ; porem
o mal e remediavel, visto que posso cele-
brar outro casamento bastante serio; e,
quanto ao seu, meus filhos, supponbo que,
depois do que levo dito, o doutor nlo oppo-
ra mais obstacalos e nao aceitara egoistica-
mente a romantico sacrificio que impruden-
temente Ibe foi offerecido.
Tenho dito. 0 que respondem T >
Nada t respondeu Manoela, beijando-
lhe a mao.
0 senbor e um anjo de bondade, e,
como sempre, minha alma prosterna-se ante
a sua. 0 senbor queria dar-me a honra,
n8o obstante saber o pouco que ea valbo,
de elevar-me ate si. Eu propria assim oes-
peroi ate" o momento em que o verdadeiro e
completo amor substituio em mim o amor
filial. So entao comprebendi que tinba ha-
vido ambicSo no meu devotamento pelo se-
nbor, nao ambicSo cupida, o senbor bem
sabe que nao conhego este sentimento, mas
o amor proprio de veneer um h imem como
o senbor... Sim, sem duvida, a meu des-
peito, tive essa preten^ao, sobre a qual foi
a severi lade do doutor para comigo que me
nsclareceu. Foi elle quem me deu a enten-
der que, sc o senhor me desposasse, fa-lo-
hia unicamente por dever de honra, mas
nao por inclinagao. Julguei-me e censu-
rei-me, e agora agradeQO-lh'o. Applaudo-
me de nao servir mais de obstaculo na sua
vida, meu pai; e, longe de mesentir bumi-
lhada, desvaneco-me com as suas bondades;
e, no que me diz respeito.....pois bem 1...
Sim I replicou sir Richard ; par mais
delicado que parec,a o assumpto, convem
tratar delle. Todos n6s somos pessoas ho-
nestas e bem intencionadas, e, pois, nao
tendo recriminagoes reciprocas a nos fazer-
mos, nada pode baver que dos nao possa-
mos dizer uns aos outros. Sei, Manoela,
que o seu amor e sem calculo e que foi con
fessado sem condigoes. Tudo ouvi I tudo
escutei I E' bello e grande esse procedi-
mento ; mas nao creio ter desmerecido no
meu papel de pai, a, pois, supplico-lbe que
nao se entregue assim ao destino sem ne-
nbuma especie de garantia. Nao diga mais
nada, minha filba. Bem sei que quando
seu coracAo esta sobre-excitado, elle sabe
encontrar a eloqueneia aue nanca quiz
1 aprender nos livros, sem duvida porque ti-
' nha consciencia de que nio carecia dessa
aprendizagem. A senbora e... o que e I
uma admiravel natureza de crianga, beroi-
ca, porque nunca encara os perigos. Em-
fim a senbora parece-se comsigo mesma, e
e differeute de todos os demais typos, por-
que e capaz de precipitar-se nos abysmos
sem pensamento de praticar o mal. E' pre-
ciso por terrao a isto, mas 6 Lourenco Bielsa
a quem cumpre faze-Io, e ate agora ainda
ie*a v.-r-ladeira riqueza e bradando que a ex-
trema pobrezsera uma- virtude aos-olhos de
Dms. Para um a guerra era urn diverti-
mento necesserio e por ella deoidiam-se le
gabnente toda*-as questoes individuaes; pa-
ra a outra a goer~a era o ft age lo dos povos
e a-paz entre os homenso ideal supremo
da humanidade naterra;
Pois bem : am diaesso antagonismo ces-
sou-em cousequencia da insaciavel ambigao
dos sen ho res feudaes, que u fanatismo sou-
be mannjar; o feudahsmo e a igreje resol-
veram-se a pleitear pela mesma causa ; a
Europa, como que despertando de um lon-
golethargo, despenhou-se sobre <> Ofiente ;
mas o que suceedeu depots? Adescrenga
substituio ao sentimento religioso dos senho-
ressque tornaram-sa indiflerentes as prophe-
cias de Pedro o Eremita, e os povos, inspi-
raudo-se em novas ideas a respeito de seu
ftituro, sacudiram o solo do feudaiismo e
da-igreja coustituiram as communas^ que
deviain eleva-los triumpbentes ate o Capilo-
li.e-: eis como a igreja prsparou os espiri-
tos p*ra a reform-a e para a duvida cartezia-
na.e como os seohores feudaes libertarara
os povos. Isto nao se e--.plica sei:ao pelo
pouvidencialisroo.
Mais !- A Eseolastica, no meio das sub-
liJt/.as de uma- casuilica- dialectics-, preteu-
deudo coneitiar a philosophia pagi, com o
dogma chfisiao, I'latao co-n S. Plaulo, coiv-J
solidou o desp dismo scientifico de Aristo-
teles,. e isto. deu origem; ao racimalismo de
Abeilardo qoe abrio espago & passagem lur
minosa de Descartes} E ainda mais 1 Os
papas compraram a pso de ouro os ma-
uuscriptos em que estava to lo o mysteiuo
das antigascivili-,acos, e o que acontecau I
Rosurgio oclassismjj, os typos gemeram nas
maos potentes dos operanos do pensaiaep-
to, cabiram desmoronadas as columnas de
Hercules, a. Asia estremeu coiUemplaudo as
conquistas da industria em Vasco da (iama,
as plagas amertcanas sorriram a Colombo
como a realidade apos uma especie do sonho
de pbantasia seLenlilica, baquearara os im-
perios de Moatezuma e dos Incas. e no es-
trido? auspicioso da civilisacao, que ia la-
vrando furiosamente, o reuascimaato origi-
nou-se do classismo, coaao a reforms voou
aos imputsos do reaascimento. (Voces:
Muito bem 1 Muito bem 1}
Aqui nao ha que duvidar da interven;ao
da Providencia ; Luthero soltoa o primeiro
grito, Calvino imi'.ou-o e o protestaiitismo
fundou se plantando a confusa > de Babel nas
crencas religiosas pelos excessos da liberdade
individual ; o catholicismo protestou contra
as inuovacoes travando combate de morte
com o protestantismo, e o eco partido de
Roma repercutio na Italia accendendo fo-
gueiras e derramando o sangue protestan-
te, na Belgica divinisando a missao do car-
rasco, na Franca levantanJo a chamma de
uma guerra civil repleta de barjaridades,
na -vllemanha procurando extirpar a nova
crenga, na Hespanha fazendo rugirem can
sados de crueldade os gonzos infernaes do
Santo Offxcio (Muito bem Muito bem I)....
e assim derramou-se na Europa uma geral
te que, quan to Mirabeau om sea verb J
iiiflammado. reunindo 1-mentos qoe pare-
ciam depo-itados per VoHtire e R-iaaseau
na Encyclopedia e no Contrafo-sveiot, des-
penliou daelevada moot.nba de iradiccoe.s
?eculares o grito estrepnoso desea revoiacao
' ^que ma.i?ou uma e?a w>va oat anaoes da
* ibu man idade, e assim airojou para ate^a dos
nio me foi possivel arrancar-lhe um mono-
syllabo.
Decidi-me emfim a romper o silencio,
embora nao me sentisse esclarecido a con-
tento pelo que acabava de passar-se.
Pedi ao Sr. Brudnel que me deixasse fal-
lar a sos com elle ; e Manoela ia a retirar-
se, quando elle, com as faces incendidas
pelo rubor da colera e do desgosto, e com
os olbos subitamente brilbantes, esclamou
Nio I n&o quero confidencias que am
de n6s nao possa ouvir, Ou eu sou um bo-
mem de bem em que se deposita confianca
absoluta, ou represcntamos aqui uma come-
dia infame I Falle, Lourengo, falle perante
ella; qoero-o, exijo-o I Tenho o direito de
aconselbar, tenho o dever de bem aconse-
lbar; mas o senbor s6 depende de si mes-
mo. Ah I coro de ter de repetir que ne-
nhum outro direito me assiste em refac&o a
qualquer dos seohores I
Tomei-lhe das maos, e, apertando-as de
encontro ao peito, disse-lbe.:
Nao me tome por um cobarde; esti-
mo-o e respeito-o. Nanca ea teria aceitado
o sacrificio de Manoela ; mas, se, desvaira-
do pela paixao, esquecesse o meu dever, re-
pararia promptamente o mal. Confio nella
e no senhor. Se lhe pareci hesitante e per-
turbado, e porqne tive outro receio, um re-
ceio cruel e terriGcaute; e preciso dize-lo ?
nio pode o senhor adivinha-lo ? 0 senbor
fallou de beroismo ; pois bem I e" o senhor
que e capaz de heroismo e que, is acc,oes
estoicas, sabe juntar todo o poder da corte-
zia e da 'urbanidade. Mas, se por tudo
limites da patria de Sv Luit us- principios
revolucionarios, que esp-wlirain pela Eoro-
pa inteira, arrastando o decooio- dss irti-
tuicdes monarchicas. o genio altivo, im-
aienso de W. Pitt neutraliso'i os eflmto* da
catastrophe epica, qoe abalou o muado,
mas que nao- pode aluii os castelloc da-ao-
breza e aristocracia inglasas, que agoeata-
ram-se impavidameute, como rocbodos ioa-
balaveis, no meio do oceaao de uma dnmo-
craeia deavainda e fanati -a.
E j< que cbeguei a este ponto, desenl-
pai que antes de conclwir, eu \d* digade
passagem, qa>e a revolu^ae de 1789 oao
proveio defiaUivae directamente da Ermyc-.
lopedia nem do Contr.Ho social, como fe-
ral men te pensa-se. Os-i yclopedbtas a os
politicos c.?ntribuiram. i certo, paraogsan-
deabalamento social; mae \ -liaises o bo-
mem da nobreza e cujos-earcasmos tenAam
so-uente a ferir de morte a religi&u de Qaris-
k>, e Rousseau, o misaatbropo qaa apaaas
sonbava am* transt >rraarao no dutaiaio
das ideas a das crencas, nao queriam. nem
podia coberentamente deaejar a tevutuclo,
rszao por que eu creio-que so elles-cxistis-
sem quaudo abrio-se a cratera do enorme
vulcao revowcionario coin a gjirgalbada
agitadora da aoite de 4 de agoato, teriam
procedidocomo ReynaJ. msigue lutador na
mesma cruzada philosophica. aurando o
veo do esqueimento em seu glorioso pass-t-
do na carta memoravel, em que escreveu o
libcllo da sua cposta6ia perante a maguta-
de ia aesembloa coastHuinte e sem teste-
munbar os desvarios sanguiaarios de 93.
A revolu^So franceza resuhou mais ou
menos inevitavelmaote da creuca firme que
os povos baviam adquindo no uracter uni-
versal, do direito, desde que sentiram o cbo-
que estapendo que Washington deu e.nJbr-
go HI, a ligao que os Estados-L'uidos de-
ram a Inglaterra e o exemplo que o Novo-
Muudo enviou ao velbocontinetite. E como
a Providencia manifestou-se em tudo isso 1
Jorge III, aprendeu a respeitar oa direitos
inviolaveis d povo e a nio zouibar do be-
roismo ; a Inglaterra ^preadeu a deixar
que as colooias vivessem livres para que
ella coatiuuasse occupando o ihrono de rai
nha dos mares, e v6s sabeis que boje a
maior gloria do goveruo ioglez e ver fali-
zes esses numerosos povos disseminados
em roda do globo, como out-as tanlas gri-
ualdas de uma mesma coroa : a Europa mm
bem, por sua vez, aprendeu a ser mesas or-
gulhosa ante os transes dolorosus da uma
civilisacao que nasceu pujante, como a
vegetacio americana, p irque era dastinada
a servir do exemplo as vclhas civilisa.,oes,
esmagando o despolisrao dos preconceitos
politicos, pela coustduicio de 1787, odes-
potismo das prevencdes contra os guerroi
ros pelo desinteresse e dedicacao de Wasiag-
ton, o despotismo dos mares pelo va-
por, o despotismo das dislancias pelo teUr-
grapho, o despotismo das profissdes pela
igualdade das industrias, o despotismo. do
senhor pela redempc,ao do escravo. (Vo-
zes : muito bem 1)
(Con/inuar-at-fta.)
quanto fui forcado a ouvir, deixei-me illu-
dir ; se minha ventura lhe custa um pezar
sequer ; se, cego e surdo que fui, paguei
com ingratidio sua leal amizade ; nio quero
ficar aqui nem mais uma bora, renuncio a
Manoela, e prometto nunca mais tornar a
ve-la.
Muito bem, meu amigo, respoddeu o
Sr. Brudnel; torno a eocontra-lo e reco-
nheeo-o; mas, fique tranquillo, nio sou ne-
nhum her6e; sou apenas um bomem razoa-
vel, e sinto-me feliz em ter-lhe provado que
Manoela merece o seu devotamento, visto
como eu proprio nio teria hesitado em dar-
lhe o meu nome. Teria sido uma desgraca
se eu igoorasse que ella ama-o, porque seu
reconhecimento filial te-la-bia levado a sa-
crificar-se. Eis porque, em tio graves cir-
cumstancias para o futuro de todos n6s, nio
tive escrupulos em sorprende-los. Assim,
pois, tudo vai is mil maravilbas, porque,
conbecendo-uosbem, de presente, nada mais
perturbara" nossa amizade. Agora permit-
tarn que eu me retire, porque sinto-me_xeal- solucio, qualquer qua
mente fatigado pelas minhajr- rapidas via- quencias, era o fim. c
gens e luto contra o somno. Amanbi con-
versaremos acerca da saude de Manoela.
Eu supponho-asomente alterada por causas
moraes, que felizmente ja" nio existent.-..
E a sua? parguntei-lbe eo, em face da
alteracio de seus tracos 3iibitamente demu-
dados.
Oh! Nio fallemos mais nisso, res-
pondeu elle, readqiJirindo sua vivacidade
praventoira. Agora tepho um fim n? Vlfi t
Tenho minha filba, quero viver, e bei de
viver I
Acompauhei-o ate o seu aposento, mas
elle recusou os meus cuidados, e despedio-
me com palavras doces e affectuosas.
Voltei a ter com Manoela e disse-lbe em
poucas palavras qoe, nio obstante ser sa-
grada a palavra dada, eu nio desejava, ate
o momento do nosso casamento, acbar me a
sos com ella, mas sim em presence, do Sr.
Brudnel.
Tudo o qoe tu queres e bom e eu fa-
rei, respondeu ella. Portanto vai em paz,
e Deus te pague a ventura qaa me das.
Eu estava Uo prostrado pelas emocoes
que experimentira que, apenas me deitei,
adormeci profundameote.
Havia tanto tempo que ea nio dormia !
Quinze noites consecutivas passei eu a
debater-me entre problemas qua me pare-
ciam iusoluveis. Entretanto, de repente,
uma solucio hsusca.'UBberiosa, sem appel-
la$ao e quastlatal sorprendera me I
E-0 que mais 6, afigurou-se-me que
foasem '
suas coose-
das miubos
a'ngustias e pezares.
Mas pobre de mim I quanto estava eu
enganado I Meus reaes soffrimentos, meus
incommensuraveis e incomparaveis suppli-
ers tinham apenas comecodo !
FIM DA TCRCEIRA fARTE.
(Ctm(tnMar-e-AaJ
*
iTi >) i>5 ,.^lUyVt W UJt i
T
f

-.



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E43RDKLYR_3JGK9T INGEST_TIME 2014-05-29T17:18:19Z PACKAGE AA00011611_17851
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES