Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17850


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'BWPP'PM..,.'y
ANNO L MMERG 238
v.
I-

*-
riHA A CAPITAL ILUGABKS OVDE NLlO SE PAG A PORTE.
,Por Ires mews diantados. ...... ........ W000
for seis dito* idem. ........V. ....... 129000
-for urn anno idem.....-. *.........141MMM)
iCadt numero arulao...........'...... 98-0
SEGUNDA FEIRA 19 DE OITLMO DE 1874
PARA UAVTBO B FOBA DA PBOl'LICIA.
Por tres mazes adiantados..............
Por seis dhos idem.........-'....
Por note ditos idem...............
Por am anno idem............\ .

4HM
moM
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEffiOA DE FARIA A FILHOS.
fl Irs. Gerardo iLutonio Airesd Pilhoa, no Para; GoncaiTea d Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose de Olireira dFilho, no Ceari; Antom* de Lemm Braga, no Aracaty ; Joio Maria Julio Chrres, no And; Antonio Marques da SUt, Natal ; Jose Justus
Pereira .'Almeida, em Mamangnape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose Gomes, na Villa da ffeha{ Be'armino dos Santos Bolclo, em Santo Ant* ; Domingos Jo* da Coata Braga, em Baxaretn j
Antonio Ferreira de Aguiar, em Gojanna: Joio Antonio Machaeo, no Pilar dts Alagoaaf jibes d C.na Bahia; a A. Xavier Leite d C d Rio Janeiro-
PARTE OFHCIAL
Guverno cla provincia.
EXPEDIENTE DO DIA 28 DE MAIO DE 187i.
3.' seceao.
Ottlcios:
Ao inspector da thesourana de fazenda.
**rovidencie V. S. no senlido de ser paga a Rufino
Manoel da Cruz Cousseiro a qaantia de 6(1*170,
i-c-Dstante da inclusa conta em dnplicata, prove
nienie do preparo de caixSos destinados para con-
dacaodas listas do recenieamento, que seguiram
para a eSrte.
Ao mesmo.-A' \u gusto Cesar de Albuquer-
que, encarregado do ti alamento dos indigentes ata-
,idos da variola na freguezia de Tirabauha man-
lie V. S. entregar, por eonta da verba -soccorros
(.aUicose sob respotiabilidale desta preside!
ca, se nao houver credito para esse ftm, aquantia
de 130 > em retribuicSo dos servicos preslados de*-
da outubro do anno passado, com o tratamenio dos
i^esmos indigentes.
Ao inspector da thesouraria provincial.De-
vclvendo a Vmc. apelicao d caaientada junta em
que Ta so Irmaossolii-,itm o pagamento das custas
a que foi condemuada a fazenda provincial, na exe-
cucao contra elles promovida, tenbo a dlzer-lhe
que nos termos desm infarmaeao de 9 do corren
u, sob n. 212, mande pagar aos supplicantes a
qiantia a qae tiveren direito.
Ao mesmo.Coinmunico a Vmc, que a vista
i:,$ fundaaenlos apresentados em sua infurmacao
de i do correute, sob n. 201, nego nesta data pro-
vimenlo ao recurso itilerposto por Paulo Guelphe
4 C de decisSes deojgatorias da isencao do im
posto e 20 0/0 em qae foi collectado seu estabe-
iecimenlo commercial, silo a rua da Imperatriz
lit
Ao mesmo.-Tendo nesta data exarado no re-
qaeriroento do lenentis-coronel Tbomaz de Aquino
Cavalcante, a qae se refere o officio dessa thesou-
raria, de 9 do correnle, sob n. 211, o seguinte des-
pacho : -conceda-se a raoratoria nos termos do
art. 30 da lei provincial a. 1,115, de 1873, e seja o
applicants relevado da multa, no caso de pagar
pcntualmente rodas as pre8tac5es e juros corres-
(.-endentes ao prazo estipulado ; assira o commui-
co a Vmc. para seu conhecimento e devidos fins.
4.'. seccao.
Acto:
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu a profossora u'Agua Preta, Cos na Elvi-
ra de Araujo, sobre jue intormou a directoria da
iii.'truccio publica, em officio de 25 do corrente,
sob n. 157, resolve conceder-lhe dous mezes de li-
cenca com ordenado para tratar de sua saudo.
Officio:
Ao vfgario da freguezia do Curato da Se de
Oinda. Hemeito dons hvros abertos, rubricidos
t- encerrados para registro dos bptismos e obitos
dos filhos iivre* de mother escrava, cumprindo
que sejam devidamer.tc sellados ; o que podera V.
Kvma. fazer, sem rivalida^lo, dentro do prazo
i.uprorogavel estabeleeido no aviso circular n. 6,
da mini.-aerio da faceada, do f4 abril proximo
i jdo, publicado na lieviita do Diario 4e frrnam-
'v:o de 21 do corrente.
.5.* ftfgSo
Officio:
Ao administradar dos correios. Tendo o
t:nsporte de guerra Badnra de seguir viagera
para a corte amanha as o boras da m&nbl, pruvi-
.:ncie Vmc. para que a mala que o mesmo deve
coaduzir seja eotregue hoje alii as 7 boras da
coute.
Porlaria :
0 Sr. gerente da companliia pernarnbucana
iW suas oidens alim de que no vapor Mandihu,
q^e no dia 30 do corrente larga para os portos do
>u'.seja transportado a provmcia de Sergipe, por
eonta do ministerij da guerra, a reuuir-se a res-
c jC.iva companhia de infaniaria, o soldado Jos6
W.niz da Silva, e bemassim a mulher deste.
BXPGD1BHTB DO SECHETARIO
t.* uccao.
Officio :
Ao Rxm
...S. Exco
brigadeiro commandante das ar
Sr. presidents da provincia man-
a- declarar a V. Exc em resposta ao seu officio
de houtem datado, scb n. 'i27,que fleam expedidas
i necessanas ordenj, no senlido de ser transpor-
i ado a provincia de Sergipe, no vapor Mandalm,
n jldado Jo:6 Munii da SiWa e sua mulher.
2.a secqao.
Officio :
Ao Sr. Joaquim Antunes de Oliveira, capi-
ta; presidente da junta de qualities;';! .> da guarda
uacional da parochia de Nossa Sonhora do Rosa-
no da Varzea. 0 Exm. Sr. presidente da provin-
cia manda accusar o recebimenlo do officio de V.
S. de hoje datado, communicando haver concluido
em 14 de abril proximo Undo os traballtos da jun-
ta de qualificacao da guarda nacional dessa paro-
cl.ia.
EXPEDIENTE DO DIA 29 DE MAIO DF. 1874
1.* secrao.
Officios :
Ao Exm. brigadeiro commandanle das arraas.
Sirva-se V. Exc. de manaar por em liberdade o
reernta, Jose Pereira de Mello, qoe provou ser ca-
-ado com Josepha Maria da ConceiQao e ter quatro
fiftos.
Ao mesmo.Tendo sido approvada pelo mi-
nii'erio da guerra, negundo foi-me dclarado em
aviso de 22 do corrente, a deliberacSo que tomei
de ordenar a baixa do soldado recruta Manoel Jo
it Pereira, em consequencia de ter elle cegado
ccrnpletamente do o ho esquerdo, depois de haver
'assenudo pr?a ; assim o coramonico a V. Exc.
para seu conhecimento.
Ao mssmo.l/mnando de aviso do fhinisle-
rio da guerra, de 20 do corrente, que naqu^lla
data foi prorogada por mats tres mezes a licenca
c^m que se acha na cflrte o brigadeiro honorario
Francisco Joaquim Pereira Lobo, director do hos.-
pital railitar desla provincia ; assim o communico
a V. Exc. para seu conhocimeuto.
Ao inspector do arsenal de marinha.Com a
m :.usa copia da ioi'orma^ao do inspector da the-
souraria de fazends. rte 27 do corrente, sob n.
012, sem G, respondo ao seu officio de 18 deste
r&ez, sob n. 26, solicitando o abono ao 1" eafer-
mciro da onfermaria de marinha, no principio de
csJi mez, da quaniia de 401000 para a coopra
de ovos, leite, verduras, doce e quaesquer ontros
g*oero9, que extraordinariamente forem precisos
para os doentes a tituloe de dietas.
2." secrao.
Actos:
0 presidente da provincia, attendendo ao que
riMoereu o bacuarel Cassiano Bernardino du Reis
e Silva, promotor pnblico da coroarca do Limoei-
r.r resolve concedsr lhe 10 dias de licenca com
::denado na forma lei, para tratar de sua saiide
n**ta rapital.
0 presidente da provincia, a vista da pro-
iwita do Dr. ebefe de policia, em officio n. 6&4, de
hontem datado, resolve demittir do cargo de sub
dilegad) do distrieto de Cruangy, do termo de
ItambS, o alleres Francisco Ignaeio de Moura
Gondim.
0 presidente da provincia, de conformidade
c /tn a proposla dc> Dr. chele de policia em officio
n. 664, de hontem datado, resolve nomear para o
cargo de sobdelegado de policia do distrieto de
Craangy, do termo de Itambe, ao alferes Felix An-
tonio de Alcantar i.
0 presidente da provincia, attendendo ao que
reu Manoel Tavarej da Oliveira Barros, te-
nente da 2* companliia do o3 batalhio de infanta-
ria da guarda nacional do municipio do Limoeiro,
e a vista da informacao do respectivo comman-
dante superior em officio da 20 do corrente, re
solve conoeder-lhe a guia, de que trata o art 45
do decreto n. 1,130 de 12 de marco de 1853, pa-
ra o municipio de Sanio Antao, onde se acha re-
sidiBdo.
0 presidente da provincia, attndendo aoque
requereu Joao Cle.ifir de Lemcs Vasconcellos. te-
nente da 6* companhia do 21 balalbio de mfan-
taria da guarda nacional do municipio do Limoei-
ro, e a vista da informaQio do respectivo comman-
dante superfor, em officio de 17 do corrente, re-
solve conceder-lhe a guia, de que trata o art. 45
do decreto n. 1,130, de 12 de m&rco de 1833, paia
o muuicioio de Garanhun;. onde se acha resi-
dindo.
Officios :
Ao commandanle superior da guarda nacio-
nal do Limoeiro. -Para conhecimento de V. &., e
devida execucao, communico-lhe que, por pcrta-
ria desta data, concedi guia de passagem para o
municipio de Santo Antao ao tenente da 2* com-
panhia do 53 batalhao de infantaria d guarda
naeional desse municipio, Manoel Tavares de Oli-
veira Barros. -Mutatis mutandis qnanto ao tenen-
te Joio Cleofar de Lemos Vasconcrilos, da 6" com-
panhia do 21* batalhao de infanlaria da guarda
nacional do mesmo municipio.
3.' secfio.
Offlci .s :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Transmitto a V. S. a inclusa ordem d > ministro
da guerra.relativa a licensa concedida ao tenente-
coronel Alexandre Augusto de Frias Villar.
Ao mesmo. Transmitto a V. S. para seu
conhecimento e devida execucao a copia do aviso
de 20 do corrente em que o Exm. Sr. ministro da
guerra declara que, tendo se por aviso de 30 de
abril findo habilitado essa thesouraria com o aug-
mento de credito de 16:000: ,4 por conta do 7." -
Corpo de sau 1e e hospitaes -do corrente 6xercicio,
nao ha necessidade de ser approvada a abertura de
credito autorisada por esta presidencia para paga-
mento de vencimentos dos empregados e serventes
do hospital miliiar, relitivos ao raezde margo ul-
timo ; pelo que mando annullar o duo credito,
segundo o disposto no citado aviso de 30 de
abril. .
Ao mesmo.Declarando o Exm. Sr. ministro
da marinha, em aviso de 22 deste me*, haver na-
quella data providenciado em ordem a ser essa
thesouraria habilitada com a quantta de.........
1:1664664 pela verba-Eventuaesdo corrente
exercicio. para occorrer ao pagamento das gratifi-
cacdes dos empregados que exercem interinamen-
te as funccoes de escrivao do almoxarifado e de
apontador do arsenal de marinha desta provincia ;
assim o communico a V. S. para seu cjnhecimen-
to e direccao.
Ao mesmo. Constando de aviso do minis-
terio da guorra, de 20 d) corrente, qne naquella
data foi prorogada por mais tres mezes a licenja
com qne se acha na cdrte o brigadeiro honorario
Francisco Joaquim Pereira Lobo, director do ho-
tJlal miliiar desta proytaoia ; assim o commuoico
a V. S. para os devidos effeitos.
Ao mesmo. -Declare a V. S. para sen conhe-
cimento e devidos effeitos, que por aviso do mi-
nisterio da agrcoltura, commercio e obr^s publi-
cas. de 19 do corrente, sob n. 13, foi approvado o
credito de 1:899^96 aberto sob responsabilidade
desta presidencia para pagamento das obras effec-
tuadas no caes da rua da Aurora, de que trata
c officio dessa thesouraria, de 15 do mez proximo
findo sob n. 232.
Ao mesmo. Para os fins convenientes in-
clu?os remetto a V. S. os decretos seguintes :de
nomeacao do bacharel Antonio Domingos Pinto
Jun or para o cargo de juiz de direito da comarca
de Tiearatn, de remoc5o do juiz de direito da co-
marca de Bom Conselho, Dr. Joao Vieira de Arau-
jo, para a de Bezerros ; do juiz de direito da co-
marca de Itapicurii, bacharel Joao Cavalcante de
Albuquerque, para a dc Barreiros ; do juiz de di
reito da comarca de Barreiros, bacharel Manoel
da Silva Rego, para a de Palm .res ; de designa-
cao da comarca de Panellas para nella ter exor-
cicio o juiz de direito, bacharel Jose Antonio Cor-
reia da Silva ; de nomeacao 1o bacharel Cincinalo
Alves Cavalcante Camboim, para o cargo de juiz
snbstituto da comarca de Jaboatao ; do bacharel
Sebastiao do Rego Barro?, para o cargo de juiz
municipal e de orphaos do termo do Bonito ; do
bacharel Lycurgo de Albuquerque Nascimemo,
para o mesmo cargo em o termo de Bezerros ; e
tina'.mente do bacharel Fernando AiTouso Fer-
reira, para o mesmo cargo era o termo de Pa
nellas.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Tomando em consideracao o que allegou na in-
clusa peticio documentada, Joao de Carvalho Soa-
res Brandao, ex-arrematante da estrala fle Una a
Pimenteiras, e tenlo a vista as inforraa^oes mi-
nistradas a respeito pela reparticio das obras pu-
blicas; autoriso Vmc, de conformidade com o
art. 23 da lei n. 1,115, de 17 de junho do anno
passado, a mandar pagar ao supplicante, em apo-
lices de 7 por cento ao par, a quantia de 1:5003
como indent- isacao pelo accrescimo de obra de
alvenaria havido na mesma estrada, era virtude da
nova direccao que lhe foi dada por aquella repar-
licao.
Ao raesmo Mande Vmc, nao havendo in-
cenveniente, pagar ao padre Manoel Elodio Fer-
reira o que lhe competir pelo exercicio da coad-
jnctoria da freguezia de Santo Antonio do Cabo,
durante o tempo decorrido do 1." de Janeiro a 15
de marc/>, confoime solicit' n m inclusa peticao
docume'otada.
Ao mesmo. Nao havendo inconveniente
mande Vmc. pagar ao padre Jose Vicente de
Gouvea Accioli os vencimentos que lhe competi
rem na qualidade de coadiuctor da freguezia de
S. Jos6 do RioForm'sc, desde outubro.do anno
passado a fevereiro uitimo, conforme solicita na
A' Illma. camara municipal do Recife.
Approvo a arrematagao feita por Urbano Vicente
-Ferreira pela quantia de 20 4, paces a bocca do
cofre, dos materues do sobrado em ruinas. sito
a rua do Amorim n. 19, com a coadicao para o
arrematante de demobr dim predio a sua custa ;
ficanda assim respond! Jo o ufflzio da Illma. camara
municipal do Recifd do 27 do corrente, sob n. 50.
5." sec{a~v.
Officios :
Ao engenheiro chefe da reparticio das obras
publicas.Em aviso de 19 do correnle, communi-
cou-me o Exm. Sr. ministro dos negocios da agri-
cultura, commercio e obras publicas que o p..re-
cer por \'rac. elaborado sobre a memona do enge-
nheiro Jose Tibur;io Pereira de Magalhaes, cou
ceruenle ao projdCto de um canal de desvio das
aguas do rio Capibaribe, nesta pnvincia, tern de
ser apresentado. bem com i a referida memoria, ao
engenheiro encarrega >o do exame e conslruc;ae
das obras do porto desta cidade.
Curapre, p'ortanto, que Vmc remetta a secre-
taria desta presidencia alguns exemplares do tra
balho do mesmo engenheiro Tiburcio, alim de ser
satisfoilo o citado aviso.
Ao Rvd. Fr. FiJelis Maria de Fognano.Re-
metto a V. Rvma. uma copia authentica do memo-
rial descriuiivo de mediQao e dernarcicao da colo-
nia agricolaIsabel,constanta do livro que a es-
te acompanba.
Ao engenheiro fiscal inlorino da estrada de
ferro do Recife ao S. Francisco. Satisfaca Vmc.
com a possivel brevidade as exigencias constanles
do aviso do Exm. Sr. ministro da agricultura,
commercio e obras publicas, de 19 do correnle,
sob n. 15, que trans nitto-toe por copia.
EXPEDIENTE DO SECIUCTARIO.
1.' seccao.
Officio :
Ao Exm. brigadeiro comroandante das arraas.
Manda S. Exc. o Srv presidente da proincia de-
clarar a V. Exc. que na falta de credito para levar
a effeito os concertos precisos na coberla do quar-
t) dos medicos de dia no hospitil militar e a qne
allude o seu officio de 4 do correute, sob n. 355,
se solicitou nesta data dito credito ao ministerio
da guerra.
2.* sec^uo
Officios :
Ao Dr. chefe de policia. 0 Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda accusar o recebimenlo
do officio de V. S., n. 662 bis, de 27 do corrente,
communicando remeiter ao commandanle do cor-
po de policia a quantia de 830$b2J, encontrada
em poder do alferes do menciouado corpo, Joao
Francisco da Silva Castro, assim como os prets do
respectivo destafhento por elle pages, e a coaia da
despeza feita com o enterramento do relerido alfe-
res e seu camarada, importando tudo em ....
1:3604000.
Ao bacharel Antonio Damiugos Pinto Junior.
Por esta secretaria se comraunica ao bacharel
Antonio Domingos Pinto Junior, que na thesoura-
ria )e fazenda se acha para o pagamento dos res-
pect ivos direitos de sua nomeacao para o cargo de
jniz de direito da comarca de Tacaratii.
Ditos ao bacharel Manoel da Silva Rego, para a de
Pal mare-; ao bacharot Oincioalo Alve* Cavakaute
Camboim, juiz su >stituto da comarca de Jaboatao ;
ao bacharel Sebastiao do Rego Barros, para o cargo
de juiz munipal e de orphaos do termo do Bonito;
ao bachuvl Lycurgo de Albuquerque Nascimento,
para igual cargo em Barreiros ; e ao bacbarel Fer-
nando Affonso Ferreira, para igual cargo em Pa
nellas.
5.' secgio.
Officio3 :
Ao engenheiro chefe da reparligao das obras
publicas. S. Exc. o Sr. prosjaente da provincia
manda declarar a V. S., que nesta data autorisju
se a thesouraria provincial a entregar ao tbesou-
reiro dessa reparticio a quaniia de 2:490^000,
para execuQao da obra do reparos da cobeita da
casa de detencao e da boraba n. 2 no 7* lanco da
estrada do sul, como solicita em seu officio de hon
tem datado, sob n. 156.
Ao mesmo. -De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia declaro a V. S. para seu co
nhecimento e devidos fins, que nesta data autoii-
sou-se a thesouraria provincial a pagar a Joao de
Carvalho Soares Brandao, ex-arremalante da es-
trada dc Una a Pimealeira9, a quantia de 1:5004
como indemnisacao pelo accrescimo de obra de
alvenaria havido na mesma estrada, em virtude da
nova direccao dada por essa reparii;ao a diia es-
trada.
tieia
trail*
Mir H
rlo <
mine
Brela
gles
aphlca. par via da Am- tera/cJo.
iintvu. -ao daa iilmn 'Jl.^Jlaranhao
Riibimun, connUia-
do pelo |overno Ingtex.
as eolonias da Gra-
e arvorou o paill*ao in-
pital.
t %^- ^^^1.^%.
peticao documentada junta.
Ao mesmo.A' vista da inclusa conta docu
menlada mande Vmc. pagar aos emprezarios da
illuminaQio Dublica desta cidade a imporuncia a
que tiverem direito, pelo gaz consamido durante
o mez de abril proximo findo, com a illuminaQao
da mesma cidade.
Ao mesmo.Devclvendo a Vmc. o atte9tado
que veio annexo ao seu officio de 27 do corrente,
sob n. 234, tenho a dizerlhe que 96 mande pagar
a importancia a que liver direito o,padre Joaquim
Antonio da Cosla Pinto, pelo exercicio da coad-
juctoria da freguezia do Limoeiro no tnmestre de
Janeiro a marco do corrente anno, depois que elle
houver registrado a respective provisao na secre-
laria desta presidencia.
Ao meMno.Mande Vmc entregar ao the
soureiro da reparti?ao das obras publicas a impor-
tancia dos dous orcamentos das obras dos reparos
da coberta da casa de detencao e da bonoba n. 2
no setimo lahco da estrada do sul, os auaes devem
ser executados por administracao, e importam em
2:4304, segundo officio daquella reparttcao, de 28
do correnle^- scb n. 156.
4.' seceao.
Acto:
0 presidente da provincia, attendendo ao qae
requereu Domingos Barbosa da Cunha Moreira,
e em vista da informaQao do director geral inte-
rim da in-trucQao publica, sob n. 10J, resolve
nomea-lo para reger interinamente a cadeira de
inslruccao primaria do sexo masculino da povoa
jao de Cruangy.
Porlaria :
DESPACHOS DA PRESIDENCIA, DO DIA 10 DE OUTUBBO
DE 1874.
Anna Carolina Cesar de Mello. Passe porlaria
na forma requerida.
Padre Francisco Verissimo Bandeira Deferido
com officio desta data ao thesouro proviucial.
Francisca Maria da Conceicao. Indeferido.
Joao Godofredo Pinto. Seja aggregado ao 1
batalhao de infantaria da guarda nacional deste
municipio.
Jose Maria Freire Gameiro. Passe portaria
concedendo um mez de licenra. com ordenado so-
mente.
Jose Moreira da Silva Junior.Nesta data man-
do sobreestar na expedite do titulo a que allude
o supplicante, ate que pelos meios regulares se
esciareca a verdade sobre a grave accusacao que
existe contra a escriptura de transference do
ter re no de que se trata.
Joaqnim Jose de Oliveira. loforrae o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Luiz de Paula Lopes. Deferido com officio
desta data ao provedor da Santa Casa de Miseri-
cordia.
Manoel Jos* Martins. Du-se, nao havendo
inconveniente.
0 mesmo. Passe portaria concedendo a licen-
ra pedida, mas sem vencimentos.
P. Marinbo Periira dos Santos. Iniorme o Sr.
director do arsenal de guerra.
Rosa Ma-ia de Barros. Informe o Sr. Dr.
provedor da Santa Casa de Misericordia.
Silvestre Rodrigues PeYeira. Passe portaria
concedendo dous mezes de licenca.
Purl" ,33. o Mr. Tillers, que se
acha, ha al5n.n1 tempo, na Italia,
acaba de ser convldado a delxar
esse pals, para evitar as cuinpll-
cacees poltticas que podem ser sus-
cltadas pelos reeentes at agues con-
tra o s<*verno rrancei.
Paris IS.>an e exaeta a notlela
de qae o Sr. Tlii.-rs foi conldado
a delxar a Italia.
Madrid It. Os carllstas Ineen
(1 in ram a estar&u e construccoes
dependentes do* eanaiaho de ferro
em Alicante.
ilsboa ltt.->i> dia IS falleceu.
na cidade do Porto, o sir. Souza XI-
mi'iiPH, nrsoclante da pi-ara do Rio
de Janeiro.
Iliu de Janeiro 1*. Chejfou hon-
tem o vapor inglez MARALDl. Sahlo
hoje para o sUl o paquete Ingles,
d linha d PaciDco. COTJPAXl.
iiahia It. -Sahe amanha o pa-
quete nacional BAHIA, para o sul
do iiuperio.
COMMEBCIAE4.
l.undri'x 18. Consnlidados de S
O/O. k,in accof.nt. a 99 3 1. Fnndos bra
slleiros de S O/O. do anno de 1865,
a 91 1 ditos do Uruguay de o O/O. do
anno de IN* 1. a O 1 1/8 : ditos ar
;-cniiniiH de 6 O/O, do anno de 1ST!,
a Ho. Vendeu se uin curresameato
de cafe do Bio ox>d channel, sabido no
principio de selenabro para Mubua
a airaeus, a 98/ por cwt. O naercado
de assaear estii um puoco mais flr-
me.
New-York IB. Cambio sobre Lon-
dres 4 -811/9. Ouro HO. Cafe do
Rio run a 1* li, e good a 18 II.-l cents
por libra : o tnercado esta anima-
do. AlRodao mediano ui'lands a IS
s/9 cents pur libra t as cbegadas de
hoje aos portos americanos elea-
rain sea 18:000 fardos.
liii'rrponl O mercado de algo-
dno esta quieto; venderam-se be
je .dose "" fardos, sendat dens
sail' e afuatrecentus praacedeates
da America do ana 1 faib j- mm-.
numiiueo e de Haceid a H u.. e
o de Santos a < 9/8 d. por libra ;
cleva-se a seiscentos quarenta e
cinco mil laiilos o dcposlto de to
das as qualidades. sendo cento e
dezenuve mil do Brasil t durante a
seinana venderam-se setenta e dous
mil fardos. sendo dose mil do Bra-
sil ( a importacao elevbu se a vinte
e um mil rardos, dos quacs tres
mil do Brasil. O mercado dc assu-
car um p>iuco mais unimado.
Hambargo 16.Mercado de cafe
quieto, e es preces inalterados.
Havre 18. -Mercado de care quie
to 1 o bom ordinarlo do Bio a B4
francos. O algndao ordinarlo de
Sorocaba a 9't francos.
Blarselha IO. Mercado de cafe
flrme, e com boa procura. Assucar
de Pernamhuco n. 90 a 90 fran-
cos.
Bio de Janeiro 1. -Cambio sobre
Londrea 96 3/8 d. bancario. e 96
3/4 d. particular. Cambio sobre
Paris 360 reis por franco.
Itahia I*. Cambio sobre Londres
96 1/* d. bancario, e 96 5/8 d. parti
cular.
1/2.
Assucar: vendeu-se boje o do
a 23 1/2 e 24. Sebo de boi U
Londres 17.Cjnsoliidos 92 5,8. Fun-
dos brasileiros a 98 e 99; ditos srgentiaos a
9i; ditos orieulaes a 65 12. Desconto 4
Havre IT.Cate : sem alteragio ; vende-
ratu-so 1,200 saccos, sendo 900 de proce-
deacia brasileira. Sabo de boi a 52 e 25 ;
decaraeiro a 51 e 25 ; stogk 2,821 pipas
e 3,66% rneias ditas.
Rio-Graude do Sui 17 a 1 h. da tarde.
Hoje ds 11 hums e meia da manha, sahio
barra f6ra o vapor PARANA', pertence ite
aos rebeldes argeotiaos. Nenbura vaso da
esquadra arg-i.-tlina appareceu nas aguas ter-
ritoriaes do imperio.
Rio 17 as 4 h. da tarde.Sahio 0 brigue
nacional GALGO para Pernambuco.
Paris 17.0 imperador Nicolao, czar
de todasas Russias, acaba deenviar ao illus-
tre histonador e licnem do estado, o Sr.
Tliiers, a gran ie dignitaria da Aguia Bran-
ca, co-no teslemunho doapregoe distmccao
em que 0 tem. 0 principe de Galles foi
recebido em casa do duque do Rochefou-
cauld. Assitiram A recepQao 0 duquo de
Cbartres e ontros membros da familia
Orleans.
Madrid 17.0 general Espaitero vai
melhor.
Rio 18 as 7 u. e 45 m. da m.nilia Sa-
hio para Fernarabuco 0 patacho FBRNAN*
DO / com carregamanto de xarque.
Bahia 18 aos 20 m. da tarde.Vai sa-
hindo para o Rio de Janeiro 0 paquele na-
cional BAH I A. Dave sahir hoj>*, tambem,
para 0 Riode Janeiro, a corveta nacional
VITAL DOLIVEIRA. Dizem que esta
fazendo agua
Para 18 as 11 h. e 40 ra. da manha.
Chgaram hontem a corveta allema
AUGUSTA 6 a canboneira nacional MEA-
HL\. A folha ofbcial publicou 0 relato-
rio do Dr. chefe de policia, sobres os acon-
tecimentos de Jurupa-y e diligencias por
elle empregadas. Contirmarn-se em tudo
os pormenores jdconhecidos doste lamcnta
vel successo.
Coireccdo necessaria.
A corveta VITAL DE OLIVEIRA. e 0 vapor
GONG ALVES MARTINS nao sahiram do Rio ni
sexta-feira, como por equivoco notlciamos no sab-
bado; mas eotraram na Bahia, aquella procedente
do Para, e este de Peraambuco e mais portos da

( AGENCIA TELEGRAPHICA HAVAS-REUTER.)
^%%%\ %\^\^= V| ^^^^blk^^,
Londres 18 de outubroUm cor-
respondence do TIMES dls que gran-
de qaantldade de municOes de
guerra e tres mil carablnas fforam
desembarcadas nas costas de Hes-
panha proximo de Fuentevrabia.
$^\fc%\ % ilMMsWliia-
Parls lo.-.\'uma reunlao da com-
mlssao permanente daque Deca-
ses eontestoa a importancia da no-
la do govcrno hespanhol, ultima
mente pnbllcada.
Paris IV. -Corre a notlcia de qae
o govcrno fraacez envlara uma cir-
cular as potenelas estrangelra* so-
bre o assumpto de que tratou a re
cente nota pnblicada pelo govcrno
hespanhol.
Vfca^aMlhQ Hi *^%lrW%li\%
f.ondres l.-Veaba flt cbfgar uo-
(AGESCIA AMERICANA.
Londres 16 de outubro. -Foram annexa-
das a" Inglaterra as ilhas de Figi, e nomea-1
do governador deltas Sir Robinson.
Madrid 16.Boas noticias do theatro da
guerra. Foram dispersadas as facco^s de
Murcia, Saragoqa e Oviedo'. Desmente-se
n is circulos ministeriaes, 0 accordo que so
diz estar feito entreo governo e os possui-
dores inglezes de titulos da divida publica.
Lisboa 17.Chegouo VANDA proceden-
te de Pernambuco e 0 MICHAELENSE do
Para.
Rio 17 a 1 b. e 25 m. da tarde.Mer-
cado maker (do.
Bahia 17 ao meio dia.Xarque: mercado
frouxo ; existencia 1,595,060 kilos do Rio-
Grande ; precos de 259 a 368 rs. 0 kilo;
vendas da sersana 311,415 kilos; do Rio
da Prata nSo existe.
Bahia 17 as 2 h. e 15 m. da tarde.Che-
gou dosport)Sdo norte 0 paquete nacional
BAHIA.
Rio 16 tis 5 h. da tarde (retardado).En-
calhou hontem, nas ilhas de Maricd, 0 va-
por inglez MORON, que tinha sahido des-
te porto core destino & Europa, Esta* per-
dido, salvou-se a tripolacJo, e talvez se
DURIU U PfiKiNA.AlbUUO
REQFE, 19 DE OUTUBRO DE 1874.
Noticias do sul do imperio.
Araaaheceu houtem em nosso porto 0 vapor bra-
sileiro Parana, trazendo datas : do Rio da Prata
3, de Miua* 5, deS. Paulo 6, do Rio de Janeiro 10,
da Hat 11 15, e das Atagoas 17 do corrente.
Alem do que damos sob a rubrica Revista Dia
ria, encomramos nos jornaes 0 que *egue :
RIO DA PBATA
0 Jornal do Commercio, do Rio de Janeiro,
resume assim as noticias para alii levadas pelo
vapor Pampa, com datas ate 3 do corrente :
c Nao encontramos nessas folnas noticias posi-
tivas acerca da revolucao, que, tendo rompido an
te* do dia marcado, parece que a> agora se orga-
nisa. Com effeito, nao se sabe ao certo qual 0
paradeiro do general Mitre, que alguns, entretanto,
dao como ja a 1 rente das forcas de Rivas, que es-
tavam bem proximas da cidade.
c Ja temosdilo que, achando se suspensas todas
as folnas da opposicao, nao po^iam as noticias da-
das pelos periodicos governistas ser aceilas senao
com a maior reserva. Para exemplo baste 0 se
guinte : Disseram as folnas de Buenos Ayres que
Beibiene f6ra derrotado, aprisionado, e que vario
fendos e presos em um combate com as forcas ao
manlo daquella chefe, tinham sido conduzidos pa
ra a capital.
Agora s.bese que Baibiene esta em liberda-
de, a frettte de uma for^a respeitavel, e que os
supposto3 feridos e presos nao passaram de alguns
homens do campo, presos por nSo apresentarem
papelelas.
a Do seu lado 03 revoltosos nao piblicavam nos
seus boletins senao noticias favoraveis a sua causa,
exagerando, como de costume, 03 mais pequenos
successos.
< 0 silencio da imprensa mitrista ainda nao pa
recia sufficiente em Buenos-Ayres. Tendo a re-
daccao do Correio Uespanol declarado que estava
prompta a enviar esta folha aos aisignantes, dos
que foram suspensos, icritou-se com isto a Politi
ca, que, depois de qualificar rebelde 0 redactor do
Correio Uespanol, pedio que fosse elle preso.
c Continuavam as prisoes : em Buenos Ayres
fora recolhido a cadeia, no dia 29 do passado, 0
exmini3lroda fazenla da Confederaeao Argentina,
Noroarto de la Riestra. Em Dolores foram tam-
bem presos Henrique Sumblad e Felippa Botet. A
muit'is dos presos permitlira-se que sahissem da
republic a mediante cauc&o.
c Diziam alguns mitristas que 0 general Bartho-
lomeu Mure so se poria francamente a testa da re-
volucao quando Sarmiento entregasse 0 supremo
poder a Avellaneda, 0 que deve verihear-se no dia
Ao mesmo tempo, porem, consta-
" Os emolamentos pela expedicio de paateta<
aos italianos foram pelo respectivo consul tastisa
dos a soccorrar os imraigraQtes dessa naciooaliala
d, ((i, em coose ittencia da situacao ea <|ae s-
achi a II'publica Argentina, ficara a sem trabalfat
C.iusara grande excitacao entra a coIoom its-
liana, em Buenos Ayres, a morte de am posts ila-
liano, que ao passar, correodo por delrout* da aasa
da presidea-ia, recebera um tiro dispwado por
uma sentinel la.
0 presidente Sarmiento dirigira uma k>ni
carta ao encarregado dos negocio* de Italia, laroen
tando 0 facto e declarand 1 que ia pnicestV-M i-
convenientes pesquizas para verificar-se a> boave
ra crime da parle da sentmella.
< 0 chefe de oolicia de Buenos-Ayres, Henrique
U'Gorman, pedira renuncia do cargo para 0 qua!
foi nomealo Hinriqua Moreno.
a Tinham sido fechados o- estabelecimenlos 4
educarao provinciaes e municipaes, por se acha
rem em service da guarmcao os professores qne o<
regiam.
< Espalhara-se 0 boato de que o consul brasi-
leiro facilitava passaportes a argenlinos : a Iribv-
na e 0 Standard desmentiram promptameate tal
boato. accresceotaado que neohum consul havi
em Buenos-Ayres mais esrrupnloso que 0 brasilei
ro em exigir provas de identidade d-js quesssci-
tavam pa?saportes.
0 governador Barros expedira um decret.
determinando que todos os habitaoles de B jenos-
\yres declarassem, no prat > de cioco dias, quan-
los cavallos pjssuiam, sendo panidos os qae n*
0 declarassem com a multa de 50) pesos.
Disse a Vniao Argentina que, examiaados
cuidad isamente os ultimos numeros da Nacton
da Prensa, encontram se nelles, na seccio -Aviso*
0 santo e a senba, diaria mente dados aos revol-
t is )*. Assim que le-se nl Prensa de 19 de setem-
bro :^ t Dece abrir se ; quern sabe iiegarem'S.'
Na de SO : Deve abrirse ; hide ser appliudi-
do por todos os cidaddts de Buenos-Ayres. Na
1; i'i: 'Deve abrirse, faltam ainda algun
dias. 1)
i Corrientessublevou-se, como sabemos, pondo-
se alii a frenle do movimenio Invjrratde Mouzoo,
e Reguera.
tConstava que 0 coronel Villar penetrara em Ea-
ira-Rtos para tambem subleva-la.
c 0 coronel Juan Ayala fOra aomeado eomman-
dante foi chefe das forcas de linha e de miliuas
mobilisadas de Entre Rios, e Julio It oca chefe dc
exercito do norto. Onde estavam este exercito e
aquellas for/as era 0 que ninguem podia com cer-
teza dizer.
A cilade de Buenos-Ayres era am verdaddiro
acampamento ; 0 commercio estava alii paraljrsa
do, uma das principaes casas commerciaes saspea -
dm ja seus pagamentos.
< Qianto a encontro de forcas do governo e re
voltosas nada encontramos exphcitarnente exposto
Uma correspondencia do Siglo, de Montevideo, di.-
a ultima data, qae 0 coronel Morale* batera unv.
fon;a sob 0 commando do commissario Biedma en
ire S. Vicente e Lomas, a sete legaas d* Buenos
Ayres. Dizia-se" que Biedma Gcara forido.
1 Cinstava tambem que 0 major Olguin bateri.
edispersara nma reuniao, que por ordem do go-
verno se fazia em Loraas.
Os altimos telegrammas de Buenos-Ayres di
xem o scjuiuiu .
1 0 ministro do governo apreseatou am projec
to de operario de credito >*ora o banco da provin-
cia pela sonima de dous railhoes fortes.
s Na vizinhinca do par jue fora encontrado am
deposilo de armas perten -entes ,aos revoltosos.
t Publicara 0 governo um decreto, determioan-
do que 0 guarda nacional que quizer isentar-se d.
service, em vez de dar subsiituto, lera de pagar a
somma de cinco mil pesos.
a Segnndoo Nacional, linham-se recebido noti-
cias do Borges, que no dia 1 de corrente deria
chegar a Chivilcoy com uma forte divisao. Os mi-
tristas. eotretauto, contavam tambem com 0 aaxi-
ho de Borges.
t La Union Argentina aconselhoa ao governo
qne declarasse pirataa canhoneiia revottada Pa-
rand.
a Uma commis^ao de recrutadores pretend*u
entrar na bolsa-de Buenos-Ayres e exigir as pape-
lelas dos negoei antes e de outras pe*sjas qae alii
se achavam : 0 gerente, porem, oppoz ie a issc
energicamente.
Os pontos estrategico3 da provincia de Bue-
nos-Ayres eram : ao norte Belgrano, ao oeste Mo-
ron e ao sol S. Vicente.
a 0 presidente Sarmiento mandara entregar a
viuva do italiano morto por uma ssntinella 700
pesos fdrtes e aos orphaos do mesmo 500.
a 0 batalhao 7 de linha sublevou se no dia 2 e
reuoij se na quasi totalidade as forcas revolucio-
narias, que ja se achavam em Lomas de Zamora.
t Dizia-se tambem que uma parte das tropas do
coronel Roca 0 abandonara no Rosario.
< A's 5 1|2 boras da tarde do dia 2 do corrente
expedio-se de Buenos Ayres 0 seguinte despa-
cho :
c Neste instante diz-me pessoa. que creio sabe-
lo de boa fonte, que 0 general Riys com as for-
cas que commanda estara amanoa on depois em
[rente desta cidade. >
t Do Estado Oriental nao ha noticias de i&te-
resse.
Damos em seguida alguns documentos de
que trata 0 resumo supra e outros que encontra-
mos no Globo, do Rio de Janeiro :
t Ordem do dia do exercito e guarda nacionai
da republica.
Buenos-Ayres, getembro, 29 de 187*.0 corooe.
Borges, que commanda as divisoes do oeste do
exercito nacional, compoito dos regimentos se-
gundo, terceiro, quarto e qainto de cavallaria na-
cional de Juoiu e de Rojas qae sabe voluntaria-
mente com cavallos de tiro quando ha invasdes de
indios, esta em campo.
c 0 coronel Borges traz alem de saa brava di-
visao, outro contingt-ntc de forca para combater a
traicao. 0 sentimento de honra e do dever mili-
tar, sao sua regra unica de conduct*, segundo 0
declara em officio, para dissipar as caluiuaias.
que forjam os que estendem a mao de amigo at
presidente para melhor eogana-lo.
0 exercito cumprio com 0 seu dever so usas -
amigo Ar
possa salvar alguma carga, se houverem
promptos soccorros.
Liverpool 16. Algodao: mercado quie-
to ; 0 de Pernambuco 8, 0 do Ceari 7 3,4,
o do Maranhio 8 1/8, 0 de Macei6 8, 0 da
Bahia 7 3/8, e 0 de Santos 7 7/8. Assu-
car : calmo; venderam-se hoje 1,500 saccos
da Babia, superior brows a 22.
Londres 16:Mercado monetario sem al-
teraijSo. Cafe : estii firme ; 0 carregamen-
to que trouxe o GISSELAT, do Rio dc Ja-
fneiro, foi vendido a 78.
Ifew-York 16.CaK : inslterado. Algo-
dao mediano 15 1/2. Ouro inalterado.
Havre 16. -Cafe: venderam-se 1,100 sac-
co; 0 do Rio de 9i a 95 e 0 de Santos a
100. A!god8o : as vendas de hoie foram de
700 fardos, s,jndo 300 de procedencia bra-
sileira ; 0 de Sor jcaba a 92 e 0 de Per-
nambuco a 94.
Liverpool 17.AlgodSo : mercado inal-
12 do orrenle.
va que houve uma longa conferencia entre Avel
laneda e Sarmiento, e que nella se tratou da eon
veniencia de nio deixar Sarmiento 0 poder em sinando 0 general Ivanow-ki pOde esse amigo Ar
juanto 0 paii nao esliver completamente pacifi- redondoobter uma forca, que J3,^,^*!*^*,"
cado.
As sessoes do congresso foram prorogadas ate
12 do corrente. Tinha esta assembled votado am
credito de 20,000,000 pesos para as despezas or-
gentes.
c 0 governo conseguira armar a canhoneira
Uruguay e os vapores Pavon e Anita, que raandon
em perseguicao da canhoneira revoltada Parana.
Dingiram-se aquelles tres vasos a Montevideo, onde
diz se que 0 commandante di Uruguay entreg^ou
despa hos do presidente da Republica Argentina
para 0 governo oriental. Nao se sabia com certe-
za 0 que diziam esses despacho3: espalhava-se,
por6:n, quo nelles 0 governo argentino exigia a
mais complela noutralidade da parte do oriental, e
tambem que pedia a iaternacao dos emigrados de
Buenos-Ayres.
c Depois de pequjna denora em Montevideo oi
tres vapores sahiram em busca da Parana.
a C.mtinuavam a fugtr muitas familia- e estran
g jiros. Em ires dias 0 numero das papelatas ex-
pedidas so polos consulados italiano e hespanhol
elevou se a 1,500. a rua, onde estao situados
esses consulados, achava-se quasi sempre inter
sea recursoi. 0 governo dara as ordens conve-
nientes, no eutanto di em ordem do dia a toda a
repubiica, as tropas de linha e gaarda nacionai, a
seguinte parte: ... ...
Honra e dever e a vossa bandeira, soldado;
argentinos.Setrsueat) M. D. Gamia.
Os telegrammas que deram azo a essa pouc:
discrete expansio do jabilo governamenttl foram
os segaintes:
Rojas, setembro 29 as 7 haras e 10 mjnutos.
A. S. E oSr. presidente d* republica. Transcre
vo 0 telegramma do eoronel Borges. Offlcial. si
vase Vmc. tambem commanicar ao Sr. presidente
que acabo da receber a sna carta dalada de It>
que conte commigo e com as 3ra;ae de mea com-
mando, qae nunca serao rebeliles. Franeuc.
Chivilcoy, 27 de seiembro de 1874. 0 eeronei
Borges ao ministro da gaerra. A 21 as 7 ttoras da
tarde recebi 0 teJagramma, dando me ordem, e
hontem a uma 0 ofHcio da mesma data conSrman-
do 0 telegramma. Respond! a sfcbos dizendo hi*
ver dado minhas ordens de conformidala, eape
ro outras,. Q coqleudo 40 preseote miodo pelt



eeptada, tanta era a geote alii apinhada em busc> I telegripbo M joii de pat de Roja? 9 9Jr4W 1RL ,
de papeletas. I ain -0212101 uur^lie uxrx r.i.iu- ,--*"* ***
.. -----..*wj, ro^~ r-'v
1


1
-*

*
Diario de Pernambuco Segunda feira 19 de Outubro d6 1874
tdegrajiho, e$ere ordens alii, deven.lo era cisonle em busca de ramedios. ao nrnanhe'er; ague eommendadjr Antonio CaadMo da Cmc Ma
4e necessidadelevar pessoalmente esta communi rdesftbelPcendi a oraifii vacio a BsanWPllyres. -Oelegado de V. Ew.-F. a mandou fawr ait nao paroa, tratando de A issambtfca provincial ji luvia reconlw.ido os
i
Rorget. t
A carta a qae a* refere o coronet Gorges e a se
guiate!
Mentstmra*) araigd. 0 general Arredondo.s]
valenda 96 da influencia que .tinha sohre meu co-
racle, e Ocando uraa corda sagrada, daudome
;im afc-rapo em jraa entrevisti qua t.jve comrnigo,
ibteve, a pretext) de raolestia, (escorreado san-
gaej licen;a de residir em MerceJes para curar-
se. Aonuucion a general Ivanovr-ki para arreba-
er-lhe as forces com as quaes niarchava cuntra
i-tocca, quo reconceatrou sobre Viiu Haria, on le
o aguaria n as ja reamdas de Cordova, Santa Fe,
0 as qae o general 6ainza corivocar de Cofrieates,
Paso del l;-y e Entre-flios. B Ie precisara de tres
lias mais oara approxinar se coin cavallos caosi-
dos da march* desae Merceles, porque a estrada
-de ferro nan estara a sua dispos'fao.
RevelscSes escriptas feitas ao governo pelos
chefes, qu* intenlarain comprar ei corromper, asse
guram uoaDimenente que o piano de revolla a<-
sentava soDre Arcedowio era S. Lair Reves ao sul
e ao oeste. A respeito de Rivas nada saberaos.
V. deu ja cumpriraento as ordens do ministerio da
~ gaerra, se;uudo o telegraranu que se publiceu,
/ Arrelond executm a parle qae Ine locava.
Coronel, uao sei ate ooJe polem influir sibre
-seu animo as relacSes peaosas, oa erros de boa
iateocio. O goverao de facto do futuro foi obri
pgado a reulisar a i n.i'H.irA, do pern-bad ir da
oeascieneia I os mihtares, a na > seiia impossivel
que Ibe uispirasse essa idea uo peusamento.
0 m<;n governo esia a conclnlr se; porem o
-sangue d<- Ivanow.-ki, e -a uaieio de Ohligado Lao
de maneTar para sempre a aspada de quein segulr
voluniaruiintuie, e cum ( iti.-iruraeulo a sen da no-
l.iada por tao feios crimes.
a Ouca a did amigo, :e V tern algam compro-
raettiuieuto, dou Hie imuha palivra de honra, qae
conservando-se d i>ra em dnaie tiel ao que pres-
oreve o djver, e obedeqeti lo ao goverao licara na
mesma situai;aj qae d'autrt
Qaaido ims vim >.*,?^|.>itrar-lfie-hei os doca-
n at s em qae os C'ju.sp*hi4*res', pa^a direm e-
guranQa t conl*uin;a aoftjjaa in'.intim sedazir, in-
iriiin sou niiae .14 tsbi. psemos ao nosso of
ii:io. Anvdmd) fecaaasa 11 o It isario, 6 possi-
vel que se dirija pain firtirn, huacaado ou sur-
preheader .V.( o-i uicirpT.ir se lha, 8-jg'inlo as
lastraccJas jue ie a. Pra-lm qual pier teatativa
por es*e lad.i, eeMeive in viaguirdt o i.ige- ju
outto chela de coaaaaca, para m nao haja ama
sirpreta, e rei))iiJj m-lo r>jst) di reptiblica.
Obligalo andi atropellaado os mvios de bi-
llies exterures, para obter ura pedaco de carae.
Uale-loe 'altar carvio, e teaho a outra catihoneira
e o qae mais e o ammo isento de qualquer re-
raorso, e hoara immaeulada. Veremos logo era
\ne para a revolacio de dous assassinos e traidj-
res como Judas, porque os dous me estenderam a
mao qua nao pedi para irem cohrirse de opyro-
brio.
0 general tiaioza csta no Rosario < alii acca-
raulara forfaa. Aqui nao ha outra novidade, alii.n
de algans presos e periodicos sjpp iinidoj. Tj
dot os go'.'ernos re^ponderam com entousiasmo, e
so as proviuuias do littoral poJera apres-tniar via-
te mil hottens 0 mils e L'umpnmeato dj meu
dever, c a preencherei.
De* ire o prater de responder, para satisfazer
a anciela Ie publica, carte de que eon essa silen
;ioera respostt nublicarei esta ca-ta.
Prevrao-o de que o general Gainza teve e tem
absoluta c lafiaoea em sua hiara ; o geoaeal Ve-
In veal eoin ella e a insiaaagao dt deixa-lo sob
palavra no Irani, para p:upar desgostOB o com-
plieagoes, escreveuma-e ea Ihe respondi qae
isto pertence ao governo naciouai.
Aprove to me da occasiao para sabscrever ine.
Sarmiento.
Para trmquillisar os animds dos estrangeiros,
que pediam aos seus coasules as respjetivas pa-
peletas, f. i txpfidiio o sesuiate decreto :
28 de settmbro de 1874.-O poder exeeatio
-la provinnade Buenos Ayres aos oidadaes e-lran-
gein.s.
t Disposlo como csta o poder exasativo di pro-
viucia a impedir pur lidos os meios ao seu alcance
que os cidilais estrangeiros sejara iacomnodaios.
tern resoleidi! o siguinte :
Qie qaaljaer estraogeiro, o qual p?r eslar
privado d i sua pap^leta, teaba sido pre-o seja
iiDineliaiamenle px>sto r-tn iiberJade pelo comman-
dante do eorpn, desde que juslilique p >r qualquer
in iJo a sua nacitna idade.
a Hesfa nicsma data sao expedid is as ordens
neee>.virias pa-a que seja sulio qualquer ebtran-
geiro que por vntiira tenha sid ore>o.-Aloaro
Banvs. .4. del Valle
F-iram publicados mais os seguinte3 deera-
tos:
Bueno3-Ayres, 23 de setembro de 1871.Sen-
rln nn.iin-in #.- -----..* ..... i. ,i -
qua cxige a maunten.ao da ordem publica, e da
confirroidade com a aut >risacao legislativa duada
debonie ",o P. E. resolve que pHa contadona ge-
ral <.- abra uma conta especial para estes past>s.
Commaoiqae-S'. publique seed; seaoll. Ci.B-ir-
ros.E. kiisarilb'iso.
Setembro 28 de t87i.0 poder executivo da
provii-ia a >s etdadioa estrangeiros Disposto 0
P. E. da prosincia a impedir por todos ot meios a
seu McsQce qae os ciJadlc;3 estrangeiros sejam
molastados, res'llvau :
Qua qaaljuerestran.eiro, quo sajadetiJo, por
nio eslar rnunidivde saa papcleta resp-'ctiva, seja
tnmediala nnnta posto em liberda le pelo chefe do
urpo, uma Vi'z que jurdifique por qualjuc-r forma
a sua nacii n:ilid;:de.
N.!:ta d ta se expedem as ordens nei'assarias
para que se punba em liberdade qualquer estran-
geir-i qae lenha sido de ido nessas circumstancias
Alo ro ii trot.A. del Vulle.
-a Dm 28. -Do orlem superior se recommcada
aos Srs. clieies de rfginvntos 0 cumprimento di
ordem do dia anterior relatlva as paries qae dove
passar cala cuele das avidades uccorridas du
rante a nu te, cujas partes devcm scr apresentadas
antes das 3 la maahi no detalbe.
Igualmente so faz saber que, com data de
hontem, foi nmnealo ch-fe do detalbe % tenento-
coronel D. Baldoinero Hub>-rt<) Solelo, eeicvados a
ajudautesd. detalbe ns cidadlos segointes : como
tenentei ptimeiro D. Fernando Centan 1 e 0 ds igual
elasse D. Gregorio Arauz, e eomo sub tenentes u.
Man.iel Runero, D. Cipriano Qaesada e D. N. Be-
oavento.
Boenoi-Ayres, 23 de setembro de 1874.-AoJ
juiz merits e efleitos c nsequentes 0 decreto expe lido
neta data pelo P. E. Repartica 1 di g .verno.
Bnenws-Ayres, 30 de setembro de 1874. 0 poder
executivo resdveu e d.creta:
a Ar. 1 jjlommam se nesta eidade quatro com
mlssces, rala um* da tres cidadaos, para que fa
cam o arroiameut) dos cavallos existentes eru cada
uma df suas sacfSes.
Art 2. E-tas eommissoes rem am d micili >, onie se poss* fazer Ihes os pe
didos neces Art. 3."Ficam as ditas commissSes autorisadas
para expedirem recibue pelos cavallos que d-sapro-
priarem.
Art. 4 A primeira sec^ao flcara comprehen-
- dida mitra as ruas de Rivadavia, Cailao e Ribera ;
asegnnda e.Ure as de Cailao, Rivadarja, lailibera.
Flores e B-lgrano ; a terecira t-ntre as de Riv.ida
via, BatreKins, Barraca e Floras; e a qmrta
entre as de Rivadavia, Eatre-Rios, Ribera* Bar
facas
Art. S Em cada um des departatnealos da
camuanha havera ama commissao com as raesmas
auribui(des, deven gem aos cenlros le povo^cai.
\rt. 6.* Picam de. ^e.'cao, os cidadaos D. P. S. Boado, D. A. G Salaal
D. Eluard) Dur.ii; para asagucda D. Ara.w, I).
V. C. Amadeo e D. C. Monjaa ; par a lercvir* D.
A. Otam-mdi. D. M. Cris >l a E. Car lenas ; pira
a quarta D. Lwi Andrade, 0. 1. M. Carregs a D.
Etniliano IVr j7.
a Art 7.' 'icam aulorisados os jaizee de paz da
caropanha para fazirem a designaya das pessoa?
rjaeam cada departarnento tem de deserapenbar
sla eomraisslo, commuoieando Jmmedia'.ameute
ao P. B.
Art 8. Estas eommissoes fir^m snbordioada*
ao Cornraan to gfral e curaprirno as ordeus do mi
nistro da gU'-rra.
Art. 90C ommiiniinese, publique ie e iisira-
se nb R. o. B-irros. AMI Valle.
O presiden'e SarmiVnto dingio a cart2, qu vai
lcr-se, ao encarregi to de negodni da Itilia, a r^s.
peii"> da mrte de um inf<>liz napolitaa-i por uma
sentinella de goarda e enstodia a S. E. :
Rfpublica Argt'otina -Exm. ^r. eacarregado
da nuncio- D. E. Martim Lanciarnz.
Fui instruiio, roujo Ine disse era conferencia,
peia parto dests rnanhi, ve. a, oti odio contra 0 soldado qua iuig >u i-umprir
o sea d-vi r.
s*L4!l!!"W,/PIDe' e dt,V0 raforrnar-ma '**>.
qw urn subdiW iialiado corrto pala rua del Tem-
fugir. potfefes da H tfe seas membros.
t 0 individuo qua assim procedia tiuha sua ma- No raez iiudo foram affectadas pels variola 5o
Iher de parto. nessoas, das quaes lrataram-se 43 am sts resi-
As circumslMoras diflkeis qua Mrafessanrirs drorfas ts12 Ho Jardim. Ja exisliata 2) enfermoa,
podera dar lucar a tergiversajoes. 0 qae elevoa a cifra destes a 78, dos quaes cura-
a 0 meu never, desde qae houve uma mort>, a rara-se 5j, falleceram lie acaram em tratameato
summariar, procassar, etc., o autor do dalieto na 12.
conformidade d* lei. Porera devo advertir, para
eoabeclmenta dos qua estio ao facto do dever mi-
litar, que as circumstancias do facto est belecera
a situagao 4o caso.
A goarda do presiJ nle compoe-se de alum-
nos da escola militar, qua foram preferidos aos
Le *e no Diario de Mimas ;
No dia J de agosto ultimo falleceu na cldade
da Couceioto o capitao Antonio de Madureira e
Souza, depeis de haver rocommendado a sua ma-
Iber D. Maria Magdaiena Goncalves a aos sens
genros a Blhos, capitao Sebastiio Jose Ferreira,
soldados de linha, precisamente porqae pelo sea Antonio Francisco de f-ltoira, Jorge Francisco de
conbecimento da ordeoanca, edacacao e familia, Aguiar Jnnior a Antonio de Madureira e Souza
sabera bem 0 que fazeji: pois se aabani a orde- Junior, que d'ahi a quatro annes dessem carta de
nanca de principio a fim, se uma de.'grac* succede liberdade aos seus escravos Domingos, Maria Sa-
6 preciso concordar que se bus;ou com a escolba lome e Sebasliana.
deHes, 0 meio de eviui-a. No dia 13 de setembro proximo passado, po-
c Esta a cidade em estado de sitio, os animos rem, por occasiao de proceder se ao respective
exallados; a gaerra ou a revolu^ao a estalar, e a inventario e partilhas dos bens, deliberaram os
ordem para os que gnardara a pessna do primeiro parantes do finado apressar a reafisacSo dos seus
magistrado deva ser severa. desejos, librrtando, sem condicao alguma os ditos
a A sua vida esteve a esta exposta; a sua casa escravos, e assim mais a Marciano, ca?ado com
pode ser assaltada. Ha, pois, de noile uma sen- Sebastiana, e a Anna Roberta, como'remunerafio
tinella nos quatro cantos Temple e Artes para sa- dos bons serviQos prestados.
bar quern se approxima. | 0 Sr. Jorge Francisco de Aguiar foi alem,
a Vinio na andar natural nada. tem qae ver a adiantanlo a quantia de 400|, preco da avalia-
sentinella rom os transeuntes ; porem se algaem cao da escrava Justina, casada com Domingos, II-
corre, segaido de outros dous mais ou menos Ion cando desta sorte tam'iem liberta. a
ge, se a na de alto, q'e todo o horaera deve| s. paulo.
obedecer, e repetida conforrae a ordenanca e nao| No Rio Claro publicara-se ura novo jornal se-
e ouvida ; e nao se para a esnera qae veaha 0 maaario com 0 litulo da Rio Clarense. Segando 0
cabo da guarda fazer ;o devido reconheciraento a seu programma, 6 destinado a apontar as nece3-
saber a causa innocente porque se coma, neste.oaso sidades raateriaes e raoraes do municipio promo-
nao ha ordem a cumprir, se nao 0 dever militar, e as ver a sua satisfaf ao, advogar todos os ititeresses
funcc5es da seatiaella, qae e 0 mais privilegiado legitimos do meson municipio, para 0 qae pro-
funccionario a quera todos devera acatamento sob mette inteira impareialidde.
pena de pagar ora a vida. S. S. me disse que Nesta cidade eontinuava a grassar a variola,
parece que 0 homem nao ouvira, e qae ha signaes Em Santos diminuia esse flagello.
de que havia voltado. A Tribuna Atnpmnse, trataolo da Companhia
a Tudo isso inostraria que por uma desgraca Mogyana, diz:
para exercer aqaelle emprego 0 capitao de fraga
ta. Francisco Jose Ouelbo Netto.
I'w decreios de dO de setembro oncedea-se
aposentadoria, coin 0 respectivo ordaoajo por
inletro, na conformidade do art. 291 do rpgulamen-
to approvado pelo decreto n. 5,118 de 19 da outu-
bro de 1872, ao escrivio do almoxarilado do arse-
nal de goern da provincia da Rio Grande do Sul
Joaquira Lopes Duro, visto conur mais de triota
aunos de servico e achar-se imuossibilitado, p r sua
arangada idade e molestias, de conliauar a exer-
cer o seu emprego.
Foi nomeado para o referido Ingar de escrivia
10 almoxanfado do alsenal de guo-ra da provincio
ao Hio-urande do Sal 0 amanuease da secretaria
do mesmo arsenal Joaquira Jose dos Santos.
foi transferido para o!8 batalbao de infantaria
0 major do 21* da ditaarma Joaquim Ferreira de
1 diva.
ioexplicavel se puaha 0 infeliz nas coo licoes terri-
veis qae a ordenanca estabeleca.
Espero a iaformaglo summaria, e segair-se-
hio os tramites, a 36 houver falta ha de ser casti-
gada.
Asjira que as occapajoes ra'o permitlam, me
iaformarei do estado da senhora, e como ni.-to nao
faltarei a nenhum dever, nera liavera mao proce-
diraento, farei de minha parto 0 possivel para que
seresigoe 0 quaato fdr possivel a ura raal inevita-
vel.
Julgo conveniente lerabrar-Ihe que nao e de
com os italianos, e que e uma casualilade fatal
que seja italiano e nao argentino ura homem que
corre de noite, e que pensa que nai deve fazer
alto, nem voltar quando uma sentiaella 0 ordani
era dias de revotugao, assalto, traicoes, por ver
que p do correr com mi tenyao.
V'eja V. 3. que acaso.
No sabbado, a pedido de muito3 amigos, devia
traasferir-me para casa da governo para dorrair,
afi-n de reconcentraj o trabalh 1 e de ter as repar-
ticSes abertas; mo 0 liz porque era domingo 0 dia
segaiota; e adiei para mais lards.
EacarreginJo-o de ser o interprete aff^ctuoso
dj rneus sentimentos para com os seus aiuigos e
protegidos, tenho 0 prazer de subscrever-me de S.
E. 0 Sr. encarregad.i segaro eriaij. D. F. s.ut-
uiento Setembro 28 de 1874 >
- Apos a chegada desse vapor ao Rio de Ja-
neiro, fjram am reeebidos os s^guintes telegram-
mas pela Agencia Americana :
Rio Graude do Sul 3. Acaha de chegar de Mon-
tevideo 0 pa luetenacionalCai/ioes. A c irta d 1 nosso
agente em Montevideo da-nos a noticia deque toda a
provinciade Entre Riosse declaroua favordosrevo
lacioaarios dirigido? pelo geaeral Mitre. Diz mais
qua 0 general Lopez Jour tan se prepara para se-
gmr com algumas forcas iaquella provincia, pira
se reunir a Mitre. A popularao de Entre Rios
acompaaha 0 movim->ato, choia de grande entuu
siasoo. De Baenjs-Ayres, sabia se que Alsina
tinha sihido da cidade a frenle da guarda nacio
nal. 0 governo obrigava todos os habitantes a fa-
zerem parle da guarnigao fixa que se preparava
para defender a cid'de. Dizia-s.i que 03 r.baldes
ja linhara 12.000 horaeas era armas em todas as
provincias. Da Montevideo ja tinha partido um
dos vapores comprados pelos agonies dos revolu-
cionarios. Diz tambem 0 nosso agente que setra-
tava de fizer acquisn;ao de outros vapores ao Rio
de Jia'dro. Continuavara a chegar a Montevideo
muitas familias fugidas de Rueaos-Ayres. Os va-
pores mercames chegavam alii escoltados por na
vios deguerra desuas respectivas nacSes. Consta,
por uma ouira carta, q ie aqui foi recebida, que
os rebeldes dispoern de graudes recursos, tendo
pago immediatamenta todas as compras que teem
feilo em Montevideo. A t-upreusa de Montevidpo
julga que a revoitreao na repablica visiaha, pelas
prjporc,5es que vai tomando, pode aiaia por era
perigo a tranquillidada do Urnguay, se 0 gover-
no nao procurar manler-se na mais restricta neu
tra:idade. >
Montevideo 3. A noticia que constava em
Buen is-Ayres a ultima hora tea conlinaado a
correr, aograenlando as esperamjas de um ac
cordo. Alsina renunciouo commando da guarda
oacional, e o ministro da guerra Gainza pedio
tambem a sua demissao do cargo de coraraaadaote
de exarcito em campanha. Diz-se que Avellana
da vai pablicar um manifesto, no qua! de;lara
renunciaro lugar de presidenta da republica, para
que foi a eleito, na internal de fazer desapparec3r
a principal causa da revolncao. Consta ta nbera
que no caso de uma coociliagao, Quintana sera es-
colhido para occupar interinaraente 0 lugar de
presidente, ate sa proceder a uraa nova eleic/to.
0 Banco >argentino publicou 0 seu Lalan;.u de-
moostrando as razS'S porque foi obrigado a sus
peuder os seuspagamerilos. Diz se qua u Banco
provincial dara 0 exemplo, concedendo proroga-
C&u do prazo para os veneimentos. Foi decretada
a orgaaisagao de novos batilhoes de infanteria.
As forcas coramandadas pelo coronel Borgas esta-
vain acampadas em Cnivilcoy 0 groiso do exer
Cite rebi-lde eslava em .^anelis. 0 governo conti-
Dua a refor^ar os ponlos e^trategicos e a por em
?xecu<;ao outras medidas de defeza. Os iodivi-
duos conheciaos conn mini-las receberam ordem
para nao sahirem dos seus domieilios sob pena de
serem presos. Coatinuava 0 recrutamento com
muiio vigor. E-pera-se a todo 0 momento noticia
de se ter travado combatu entre as for{?s do go-
verno e os rebeldes. Foi hoje preso Pascoal
Rosas. Aqui lem continuado a chegar muitas fa-
milias de Buenos- Ayres.
Rio Grande do Sul 9. Hontem entrou neste
ports a cauhou^ira argenlina Parand que faz
parle dos navies que se revolucionaram em Bue-
uos-Ayres. Qaaudo a noticia se espalhou, grande
quantidade de povo correu para 0 caes, porque
constou que muitos eraigrados 1am desembarcar.
Com pff-'ito. ale"m da guarni^ao, vem a bordo da
Parana muitos reoeldes, mas as autoridades po-
Zaram o navio incommuaicave1. H.jeveio ordem
da Po.to Alegre, e 0 commandante foi intimado
ara sahir do porto no prazo de 24 horas, sendo-
ihe apeoae permiitido refrescar. Consta que al-
gumas das pessoas que vem a bordo, pediram
oar* desembarcar, desejando ficar na provincia.
0 facto foi eommunicadu ao presidente. Dizem
que a PrVa&d vAo perseguida por doas vapores
da esijuadra argenlina, que estao esperando a sua
sahida. Aqui uao tem oavio deguerra para pro-
tege r a sahida da caahuneira: suopde se que
vira de Port.) Alegre. 0 navio tem recebido car-
vao e mautimeatos. Parece que sahira a,rnanha
as 9 horas; tambem se dis que o eoramandanle
pedio mais demora.
a Montevideo 8.-Bueaos-Ayres, continiia no
mesmo estado de agitacA. A colu.na de Ribas
esia acainpada perto da cidale. Diz-se que espera
outras forcas dos rebeldes para man-har so
nre a jueila pra;a. As fonjas do goverao occu-
pam Belgrano 0 Moron. 0 governo continue a
einpregar medidas da r.gor, fazeodo novas prisdes.
A imprensa esta snieita a censura previa. Re-
ceiase graada movimeato para o dia >2 do cor-
rente. Diz-se qae nesse" dia sera pnblicado 0 ma
nifesto de AvaJlaneda. Tem havj.Jo conferen ia's
de baaqaelros e negociantes, com 0 flm de suster
as ^losequpncias aa crise Consta que 0 Banco
Nacioaat fal fee ar se. i.heg.>ram aqui hoje mais
17" pasageiro vindos dn Bu nos Ayres ; ja pas-
sa da mil 0 aumero das pessoas .qae tem emigrado
para esta cidade. A esqaadrilha argentina tem
.nlalo era persegui^ao do vapor dja rt-beldes
Parana. DiZ-sa qae este navio fugira para as
Btiefaa do Brasil. Duranle a vlagern do Boyne
mo reu a bordo no lia 3 a Sr. Lamas, ftiai, qae
ahi tinha embarcado. Coi passagairo etwwdo
agora de Coluoia diz que o general Mure ainda
alii se acha, eercado de un numeroso estado
maior. Constawa alii quo elle c.-pcia*a um dos
vap res aqui compradus, parasa trnsportar para
a outra tqargam do rio 1
MUfAS G6HABS.
Estiveram entre nos os distiflBtos Sr*. Drs.
Queiroz Telles, presidente da directdrta. e Ribeiro
Lisboa, engenheiro-chefe, barao de Tres-Rios e
Jose Machado Aranha, arbitros para a desapro-
priacio dos terrenos em toda a linha da estrada
do farro, sendo 0 primeiro por parle da compa
nhia e 0 segunJo por parle dos proprietary.
. Refere 0 Lorenense de 27 :
No buirro de Matto Dentro. desta cidade, a 22
deste mez, foi esmagado por am engenho de moer
canna um m >go de 12 aanos deidaie mais ou
raenos, por nome Aatonio Fernanles.
0 suodelegado de poli;ia mmdou proceder a
auto de corpo de deiicto ao cadaver.
A' pergaatas feitas pela mesraa autoridade
a J jao Jose de Oliveira, que trouxera 0 cadaver
paraa sepoltura, respondura : c Qas de sua casa
ouvindo grilos do infeliz Fernandes, que eslava
raoendo canaa em ura engenho, la fora ter, encon
trando-o ja raorto a ainda apertado pelas raoen-
das, d'onde tirara-o com 0 brago direito, pescoeo
a cabega moidos.
Declarou tambem que, antes de vir dar sepul-
tura.ao cadaver, foi dar parte da catastrophe ao
inspector do quarteirao, que nenhuma provi-
dencia deu e nem parlicipou a autoridade supe-
rior I
Noticia 0 Tieti':
a Na fazenda do Sr. Jc se de Toledo Piza estan-
do os escravos alraocando em casa, cahio entre
elles uma faisca electriea que 03 derrubon todo3
Porem felizraeote oao teraos a lastimar morte al
guma. Ficou apenas ferido um d.is preto3. if
a Consta-nos que no Campo Largo, na estrada
quo desta cidade segue a Porto Feliz, cahio oulro
raio no meio de uas tropeiros era viagem, qae
matoH diversos animaes, e 0 proprio em que um
tropeiro cvlgava cahindo 0 mesmo, flcando hor-
rivetinenla qneimada uma das peroas.
Darante 0 raez de setembro ultimo antrarm
no porto do Santos 14 embarcacSes, sendo estran
geiras 27 e aacionaes 17.
Tinham havido graudes chavas nessa cidade.
Falleeeram, e.n Campinas, 0 capitalists p. pro-
prietary Bernardo Teiaeira Pinheiro, em Tiete, 0
lazend^iro Andre de Malij Almada, eemPindarao
nhangaba, 0 cidadao Dr. Antonio Faustino uesar.
RIO DE JANKIRo.
0 Ex.n. Sr. conselheiro Duarte de Azevedo se-
guira para a pr .vincia de S. Paulo, ficando en-
carrogado da pasta da justica o Eim. Sr. conse-
Ibeiro Junqueira.
- Por derpacho da 7 do correnle fez se merce
dos titul m :
Da tarao das Tres-Hbas, a bad Bernardino de
Barros, da provincia de Minas-Geraes, era atten-
jio aos releviates serviijos qae tem prestado ao
e.-lado e a iostrucgao publica.
Do coaselbo de Sua Magestada 0 lin,.erador, ao
itawuiijuei rraacmco Jose Cardoso Junior,
membri ad junto do cooselho naval.
Foram nomeados offl-:iaes da ordem da Rosa, o
major Jose Pereira de Araujo, da proviuoia da
Peraambuco, em attencao aos relevantes servlgos
prestados a Instrucgao publica e ao estado, e ao
.bacoarel Aatouia Piuto do Rego Freitis, inspector
do the-ouro orovincial de S. Paulo, pelos que tem
prestado ao esta Jo.
Foi permittido- que 0 leate cathedratico da fa-
culdade da melicina liaoo Ferreira Souto, e o da escola polyiechnica,
conselheiro Ignacio da Cunha Gal van, coatiauem
no exercicio do magisterio. o primeiro cora a gra-
tiiicacao addlcional da 4004 aoouaes, a conlar de
23 de agosto do 1871, em qua corapletou 2o annos
de servigo eff-tctivo ; e oseguaJo eom a gratidca-
gio ex'rao dinaria do tergo de seus veoeimeotos,
a conlar do dia 1 -de ratio ulti no, por conlar
mais de 30 annos da servico effective.
Foi elevada a 393858 a peosao mensal de 21 f,
concedida a D. Porcia de Albuquerque Marantiao,
viuva do alferes reformado do exercito e tenente
do 11. corpo de voluntaries da patria Antonio de
Albuquerque Marauhao, afim de que, junta ao
meio soldo qua percent a mesraa viuva, perfafa
a importancia do soldo da'ta nliima patente, que
linha seu marida quaado falleceu.
Foram naturalisados os subditos portugaezes
Fernando Pereira e Francisco Aatonio da Fonseca
Seabra.
Por deer to de 7 do corrente:
Foram reraovidos :
0 juiz de direilo Thoraaz Garcez Paranhos Mot-
t negro, da comarca do Rio S. Francisco, de 4.
entrancia, para a de Alcobaca, de 2.*, ambas na
provincia da Bahia
0 juiz municipal 0 de orphans Antonio Marce
lino de Carvalno, a seu pedido, do termo da Ta-
tuhy, na provincia de S. Paulo, para a de Guara-
puava, na provjacia do Parana
Foram noraeados:
0 ba;harel Luiz Vianna, para 0 lugar de juiz
de direito da comarca do Rio de S. Francisco, na
provincia da Bahia.
0 bacharel Joaquim Antonio da Silveira Junior,
para 0 lugar de juiz municipal e de orpha s dos
term is reunidos de Papacaga e Aguas-Ballas, na
provincia de Pernambuco.
0 bacharel Reynaldo Gomes de Oliveira, para 0
lugar de juiz municipal a deorphaos do termo de
Minas-Novas, na proviacia de Minas-Geraes.
Foi declarado sem effeito 0 decreto de 3 de
agosto deste anno, que noineou 0 bacharel Antonio
Jose Marques para e lugar de juiz municipal r.
de orphaos do termo de Pieos, na provincia da
vi-.ranuao, por nao tar aeeitado a nomeagao.
Foi demillido, a >eu padido, 0 Dr. Juao Pedro
de Miranda, dos cargos de subdelegado do I.* dis
tiicto da'freguezia de Santa Anna, e 3." sapplento
do 2." debgaa de poltcia.
Foram reformados a pedido :
Jos6 Googalves Pedreira, major commandante
do a esquadrao de caval.'aria da gaarda nacio
nal da proviucia do Piaahy, no posto de tenente
coronel.
Jos.- Antao de Souza Magalbaes, eapitio aggre-
gado ao |. batalbao de reserva da provincia de
Pernambuco, no posto de major.
Fez .se men-.- da serventia vitalicia dos offlcios
de l.-tabelliau e escrivao do civel, t^ph.ios, resi
duos, e ipellas e do jury do termo de Macao, oa
provincia do Rio Grande do None, a Antonio de
Moraes Barreto, nomeado pelo respeclivo presi
dente para servir provisonamente na forma da
lei.
Cnnceden-se ao tenente-eoronel do corpo tfeen-
genheiros, Conrad Jacob sa que padio de chefe da commissao da eogenha-
ria militar na provincia do Rio Grande do Sui ;
sendo nooiHado para sobstitui-lo 0 coronal do
mesmo corpo, Rufluo Eueas Gustavo Galvio.
Por poriana de 2 do correote foram noraea-
dos Antonio Fraaaseo de Lima a Joaiuim Marce
lino Lotto do Avila para eontiuuos da seer-Uria
da inspweao do arseaai de marinba da cdrte, de
conforml lade notn 0 regnlameut > a que se refere
0 decreto n. 5,622 de 3 de main ultimo.
Por decMd de 7 foi asonerado, ctmo pedio,
O capitao da fragata Francisco Romano Stapple da
Silva, do emprego de inspector do arsenal da ma
Conceleu se reforma, em visU do que disc
! do art. s> da lei n. 648 de 18 de agost
L *> Wt da tein.Cw'delVde'agwto'de
18S2 ao eapitio aggregado a srraa de cavallana Jo
m: bernaodes Junior, visto soffrer molestia incaravel
qae 0 torna incapaz de continuar no servipo.
Foram coneedidas as honras do posto de capitao do
2;> corpo de voluntaiios da patria ao bacharel Ale-
xandre R idrigues Barroso, era attencao aos bons
serviyos que prestou na campanha do Paraguay.
Foi perdoado ao sold.do do 7 batalbao de infan-
latia Eliseu Antonio Lopes 0 crime de primeira de
sercao siraplas, qae commetteo,
Declarou se de nenhum effeito 0 decreto de 7 de
agosto de 1867, qae reformou 0 anspepada do 49'
corpo de voluntarios da patria, Manoel Anionio
Pinto, aflm de poder ter baixa do servico, confer-
me pedio.
Por porlarias :
De1 22 lambem de setembro ultimo, foi transferido
do 17" para o 13* batalhao de infantaria 0 tenente
Carlos Antonio Espindola.
De 25 :
Faram concedidos ao porteiro do hospital militar
da corte Anselmo Correia di Silveira, dons mezes
de licenca com dous tercos da gralilicagao, para
tratar de sua saude onJe Ihe convjer.
Concedeu-se ao capitao do 4 batalhao de artilhe
via a pe Francisco Clementino de Santiago Daotas,
a exoneracao que pedio do lugar de iastractor
do carso de cavallaria e infantaria da provincia do
Rio-Grande do Sul.
Foi nomeado iostract r d) meaciooado carso
0 capitao do 1 regimuto da mesraa arma Joio
Vicente Lelte de Castro.
De26:
Foi transferido do 7 para 0 18 batalhao de in-
fantaria o tenente Luiz Lopes Villas Boas.
De 28:
Concedea se licenca ao capitSo reformado dD ex-
ercito Antonio de Godoy Moreira para residir oa
provincia do Kio-Grande do Sul.
De 29:
Porrnitlio-se qae os tenentes Minervino Fran-
cisco da Costa e Joaquim Man el Moreira, ete do
21* e aquelle do 13 batalhoes de infao.aria, iro-
quem de corpos entre si.
De 30 :
Porraittio se igualmente que troqaem de corpos
entre si 03 alferos Mariano Jose Dias e Fraac sco
de Oliveira Fagundas, esle lo 4 e aquelle do 3
regimento de cavallaria.
Por decreto de 2 do correote foi demi tido
Paulino ilves Barbosa, do lugar As escrivao do
hospital militar da corte.
a Por porlarias da mesraa data, foram dispen-
sados:
0 coronel do corpo de e.itado maior de primeira
elasse, Sebastiao Francisco de Oliveira Chagas do
cargo, qae iaterinamente exercia de director do
referido hospital.
O phar.maceutico. alferes reformado do exercito,
Pedro Alexandre Nucator, do lugar de primeiro
pharmaceutico do dito hospital.
Foi traasfcrido do lugar da primeiro medico da-
quelle hospital para 0 de delegado do cirurgiao-
mor do exercito em Pernambuco, 0 cirurgiao-mor
de divislo Dr. Joao Pires Farioha.
Foram nomeados para 0 mencionado hospial. :
0 coronel reiormado do exercito Antonio Joa
qojm de Magalhaes Castro, para exercer interina-
mente 0 lugar de director.
0 cirurgiao-m6r de bngada Dr. Luiz Antonio
Pimenta, para exercer 0 lugar de primeiro medico.
0 pharmaceutico alferes Francisco Maria de Mel-
lo e O'iveira, para servir coma primeiro pharma
ceutico.
Foram nomeados:
Para servir na pharraacia de escola militar 0
pharmrceutico alferei do corpo da saude do exer-
cito Fraacisco Henniliao Ribeiro.
Para o lugar de amaauease do arsenal de guerra
da provincia do Rio-Grande do Sul, Franciso Cle
mente Pinto.
Prorogou-se por um mez, com soldo e etapa a
licenga com que se acha para tratar de sua saude
0 escripturano addtdoa reparticao ae quallelmes
Ire gauaral ,reiiorio Eugenio Lopes da Goat*.
for portaria de I do corrente foram nomeados
para a admiaislracao do correio da proviucia de
Minas Geraes: para 1 official 0 t' Joa) ^ffonso
de Moraes Pereira Torres, e para 2" official 0 pra-
tican'.e Francisco de Paula Alves dos Santos.
Em i do corrente, o ministerio da mannha
concedeu ao 1 tenente Domingos Jose de Vzevedo
Juaior a exoneracao que solicitou do commando
da companhia de aprendizes marinheiros da pro-
viacia da P.. ra In ha.
Por despacho de 30 de setembro :
Foram aaturalisados os subJitos portuguezes
Aatonio Ferreira da *>ilva, Francisco da CruzGui-
maraas, C.us.odio PeJro Pacheco, e Joaquim da
Costa Sol.
Por porlarias de 1 do corrente foram nomea-
doso bacharel Luiz Carlos Barbosa de Oliveira para
exercer interinaraente 0 lugar de ajudante do di
reclor das obras civis e mi itares do a senal de
mariuha da corte ; e Julio Cesar Nogueira dos
Reis para 0 lugar de deseanador da direct.-ria de
artilharia do raesmo arsenal.
Pelo ministerio do imperio foi concedida li-
cenca a Abdou .Nepomuceao uarbosa para abrir
botica no muaicipio do Ceara-mirira, no Rio
Grande do None.
Por actos da presidencia da provincia do Rio
de Janeiro, de 8 do corrente, furara sanccio-
nadas as leis seguiotes :
Sob 0. 2,034, a lei do orcamento para 0 exerci-
cio de 1874, reenviada por dous terjos devolos.
Sob a. 2,033, 0 decreto, aatorisando a presid a
cia a conceder a Kanoel Teixeiia Junior, por mais
tres ann ', isencao da deciraa urbana de .,ue trata
a lei n. 1.419 de 1868.
Sob n. 2,036, 0 decreto, autorisaodo a presiden-
cia a dedozir a quantia de 8:0C0J da verba de
di-s p-za com matrizes, da tei do or;amento do
exercicio de 1875, ou segnintes, para as obras de
qua carece a matrn de Barra-Mansa.
Sob b. 2,037, o decreto, autorisaodo a presi
dencia a deduzir a verba Obras publicas,da lei
da orcamento presente ou futures, 120f4, para
reeenstruccao da casa era que funuciona a caraara
municipal de Capivary.
Sob 0. 2,038, 0 decreto, autorisando a presi*
dencia a conceder seis mezes de licenca c m todos
os venciraentos, para tratar de sua saude, a Luis
Carlos Ferrao e Isabel Franaisca da Silva Mede-
niiha.
No dia 5 do corrente foi assefitada solemni-
mente 0 primeira pedra do ediflcio destiaado pa a
escolas publicas de ambos os sexes, no largo da
Acelamaclo.
Uma commissao nomeada pelo inslituto poly-
lechnico, a coraposta do Sr conselheiro Ignacio da
Cunha G I vao, vicejiresidente ; Dr. Paula Freitas,
1 secretario ; Dr Fabio Rp-go, segando secreta
BAHIA.
Foi nimeado ailjonlo do promotor publi-
co da comarca da Feira de Sant'Anna, 110
termo desse nomo, o bacharel Qufntino Fer-
reira da Silvs.
0 Sr. Thomaz Espiuca prestou exame
de habilitar;ao, m Faculdade de Medicina,
para exercer a profissao do deolista, e foi
approvado plenamente.
No dia 9 do corrente sabiram da al-
fandega os apparelbos para 0 telegrapho ter-
restre do sul, e foram festivamente conduzi-
dos para a estacao & rua das Portas do Car-
mo. Foram conduzidos em carro^as enfei-
tadas com folbas e flores, e tocoa a banda de
musica dos menores do arsenal de marinba.
0 vapor Cruzeiro do Sul foi vendi-
do, em basts publica, por 26:000#, sendo
seu comprador 0 Sr. Jose; Pinto da Silva
Moreira.
No dia li do corrente arribou a galera
ingleza Windsor-Castle, de 1,074 tonela-
das, capitao Harrisson, procedente de Syd
ney, com 74 dias do viagem, carregada de
diversos generos, sendo os principaes la e
sebo. Seguia para Londres e arribou com
agua nberta e desarvorada, apanhou grande
tempestade, perdendo 0 maslro grande e
conservando apenas os mastros reaes de p6-
pa e prda com mastereos.
No dia 12 asociedade dos Veteranos
da Independencia procedeu a elei-iao do nuvo
conselbo director, que ficou assim com-
posts :
PresidenteTenente-coronel Manoel Je-
ronymo Ferreira, reeleilo.
Vice-presidente Rvd. conego Pedro An-
tonio de Campos, reeleito.
1 secretarioAlferes Simplicio da Silva
Reis Jorge Gomes, reeleito.
2s secretarioCapitao Manoel Joaquim
Xavier.
Thesoureiro Manoel Felix Pereira ue
Araujo, reeleito.
Vogaes Coronel Joaquim Antonio da
Silva Carvalbal, reeleito, Antonio Ramos
Pereira de Queiroz, reeleito, Manoel Joaquim
de Magalbaes, reeleito, capitao Luiz Ramos
Pereira de Queiroz, reeleito, capitao Jose
Antonio da Costa, reeleito, Tito Vespaziauo
Cajueiro de Campos, Argemiro Joaquim dr-
rea de Moraes e Dr. Valentino. Antonio da
Rocha Butencourt.
L^mos no Jornal :
rscrevem nos da villa da Barra do Rio
de Contas, em 1 do corrente :
No dia 27 de setembro encerrou-se a
missao que os Rvds. capuchinhos l"r. Affon-
so e Fr. Joao pregavam.
Houve mais de 80 casamentos, 100
baptisados, e chrismaram-se 710 pessoas.
De mais de 6,000 pessoas que concor-
reram a missao, confessaram-se 1,300.
A obra da matriz progredio rauito nos
ultimos dias, mas lem de ficar parada por
ter de retirsr-se 0 Rvd. Fr. Affonso ; se elle
uao vollar, assim licara talvez para sempre,
visto que nao ha dinheiro, e s6 um homem
como l"r. Affonso, do palavras, maneiras,
energia e autoridade, podera" fazer, como
tern feito, sem dinheiro, tanta obra, que de
outro modo nao se faria com quatro coutos
de reis.
SERGIPE.
Datas atd 11 do corrente.
Terminaram no dia 4 do corrente os
festejos do mez de Maria, na capital, com
toda a solemnidade.
No dia 1 do corrente procedeu 0 de-
legado da Capella, Mathias Jose dos Santos,
uma diligencia nas matias do engenho Lagoa
funda, Haquelle t- rum, para captura do al-
guus quilmnb las alii existentes, econseguio
reahsar a prisao dos escravos Luiz, de Anto-
nio Dias Ferreira da Cruz, Joaquina e Tbo-
mazia, de Jose Sotero JeSd Birreto, e Pris-
ca, do capitao Izaac Manoel Pinheiro, ap-
prehendeudo 5 cavallos e 1 burro.
ALAGOAS.
Falleceu 0 capitao reformado Joao Pedro
Xavier, que servia de ajudante de ordens da
presidencia da provincia.
REVISTA DIARIA.
Deva realisar-se no dia 24 de Janeiro do anno
pnxirao a leicao de ,'.nn 1-pat do para preen rinha da provi.icia de Peroambu-ro.
cher a vaga deixada ca eamva lemporaria pelo' P)f dsireto da mesraa data
foi
rio, e os engp-nheiros Andre Reboncas, H E. Har-
greaves, e J. Ewbank da Camara, foi enmprimen-
lar 0 illustre engenne ro Sir John Hawkshaw, que
a capital do imperio tem neste momento a satisfa
faada 0 hoapedar. A c mmi-sao offere'.eu osseus
services ao -r. John Hawksbaw e receben delle a
promessa de as*istir una sessao do iostitatato an
tea de voltar a Iuglat>rra.
0 2- regimento de artilharia realisou com to
da a selemni lade, uy seu quartei em S. Cbriovao,
a beoi'ao dos dous estandartas que devera repre-
senur as suas bterias._ Foi padnnho do ado 0
Sr.-conselheiro Junqueira, ministro da guerra
Hoove a noita no menciouado quartel, um sarao
moito eoncorrido.
Na fazenda do Sr. Manoel Vi. ira da Cunba
Brandao, 7 kilotoetros a:ima da eitaeao do Pi-
nheiro, a esposa do Sr. Pedro Lopes dos Santo*,
eafermeiro da rafMrMn taantfa, den a luz tres
crianean do MM fermaino ma perfeito e-tado de
sartde e roloswi; cormpw abservar que ova nas
passadas mais de 24 horaa. Caaaervam se todas
-tTea bem disposias.
Na preseaga de S. M. 0 Imperador e perante
a congregacao da escola Poiyiaehoiea, d^eadeu
thpsi*. atim de obter 0 gra j da doctor am seiem^las
physcas e raathemaiicas, o bacharel Domin-
gos de Araujo eSilva, lente sub-tituto da me-m.i
e-c..la. Kindo o acio, Sua' M*geMate, aer-mpanna
do dos Sre conselheiro Mathias de Cam no edo
'eomeltlBin Galvao, director iiiterlrw *s fcscola, vi-
nomeado ? iton a bibliotbeca e 0 gabinete de physica.
Mais donativos. Damos em segoida mais
oboio- para as obras do novo hospicio de aliena-
dos:
a Bom Jardim, 12 de rutubro de 1874.- fllra. e
Fxra. Sr.Os abaixo assignados teem a sati>faciv
de remelter a V. Exc. 1 quantia de 535iOOO, re-
sultado de uma subscripcao que proraoverara nes-
ta comarca em favor do asylo de alienados. A fre-
guezia onde vio V. Exc. a luz do dia, nao podia
deixar de concorrer para essa obra tao meriioria
e bumanitaria. Desejamos a V. Exc. todas as
prospernlades, iuer como particular qaer como
presidente desta pr->vmcia. temos 0 prczer de a--
signarmos. De V. Exc. Illm. e Exra. Sr coramen-
dador Dr. Henrique fereira de Lucena, dignissimo
presidente desta provini-la, altemos, venerador'-s,
amigos e cnados.- Agoslinho it Cartalho Dia*
Lima. Justino da Motta Silveira. Man el Ter-
tuliano Travassos de Anuda.- Rugoberlo B-vbota
da Silva. Nicold" Antonio Durlr.a
Ago-uuho de Carvalno Dias Lima
Roxoberlo Barbosa da Silva
Mnsolao Antonio Duarte
Joaquira Goncalves da Costa Lima
Jo-e Francisco Cordeiro de Arrnda
Mano. I Tertuliano Travassos d'Arruda
Jastino da Motta Silveira
Sevenno B.,rbosa da Silva N'6
Joao F -hppe de Mello
Luiz Francisco Xavier Gaiao
Francisco de Paula Gomes dos Santos
Jose Caetano Pereira de Queiroz
Barhosa da Silva
\ icente Ferreira Barbosa Lela
Manuel Antonio Gaiao
Antonio Franiisco do Re \lbino Severiano de Souza Barbosa
Feliciano Jo qnim de Aguiar
Taurino Launano de Rez>-nde Rangel
Joao Gapituhuo d'Aqnino Guerra
Joaqui-n "c "<- Arrudae Mello
Pranclsi-p 1
Joao nuiiiiij Darbosa
J ia ]uim da Silva Pinto
Manoel Christovao da Silva Pinto
Antonio Joaqnira de Aguiar
Jo-3 Ignacio Carneiro
Jose \nionio Soares
Joio Baptista de Araujo
Francisco Xavier da Silva
Jose Felippe de Miranda
Manoel Claro da Motta Ribeiro
Jos6 da Motta Ribeiro
Felippe Gonus Barbosa
Jose Januario Pereira de Queiroz
Igoacio Goius Barbosa
J ise Gomes de Araujo
Geminiano Ferreira Gomes
f G bmeie da pre-i ienria de Pernambuco, em
17 de outubro de 1874.lllms Srs Dr Agostinho
do Carvalho Dias Lima. Ja.-u'no da Motta Silveira,
Or. Manoel T-rtuHaiio Travassos de Arruda, negu-
berto Barbosa >la Silva a Niciplao Antonio Dairte.
Recebi os S3oiOOO qua Vv. Ss. remelteram eom
desiino ao hos,.icio de alienadpis, e produzidos por
uma ^uoscriigaoqae se digoarara "de aura nessa
comarca em favor daqoclle estabelecimento. aum-
mamente grato a Vv. Ss. por esle im|M>rtaote aoxi-
lio, Bi 1 posMi deixar de louva-los pela geoerosa iu
laieao qa o> minion em esf.ircos de tanta cari-
daio. Re ta-me pedir-hes queauresentem as ml
nhas -xpre-sdes da reconheciraento a*s dam**-
eouti ihumies, e qua aeeit-ra as protastos d jubi-
do a^rcco e consideracao C >ra que sou-l>e"*t'v.
Ss
Pereira ie Lucena,
20*000
20 000
iOjOiiO
20 (KXi
2.IA000
20n0a
20 000
20M00
201,000
20*000
2e*"(io
zO>00
iOiiHM)
ioaouo
fOilHO
10*00(1
10*0110
lOi'iOO
10*00.1
10.000
10*000
1OJJ000
10 000
10*000
10 000
10 (KO
10*0110
10*000
10 1 wo
10 ouo
10 ow
10M00
10*OMI
104000
5*000
SaOiiO
KaOOi
K T ertfe. Deva eomecar hnje "
sess.o do jury da comarca do Recite, sob a pr>-
oinaa d) Dr. juiz da direito da orphaos 4esem-
oargador Fraoeteeo da Assis Oliveira Maeiel, ptra
a i|u.l foram sorteados 09 segoJotts juiz"
laclo :
Fregoezia de S. Fr Pedro GotczJvm.
Dr. Antonio Gomes Tavaret.
Antonio Itufmo de Andrade Luna.
Benjamin Ernesto Pereira da Silva.
Francisco Jose Galvao.
Jose Alves Barbosa Jnnior.
Joao Jo?e de Luna Freire.
Miguel Archanjo de Figneiredo.
Freguezia de Santo,Aotonio.
Dr. Antonio Annes Jacome Pifei.
Dr. Alexandre Jose da Costa Valenle
Demelrio Acacio de Araujo Baslos.
Fraocelino Angusto da Hollanda Chaeoc.
Francisco Goncalves Rosa.
Dr. Jooo Bapiista Pinheiro Corte ReaJ.
Joao Baptista do Rego.
Joio Florenlino de Siqueira Cavalcanle.
Joaquim llugulmn da Silva Fragoso.
Jose Pedro do Rego.
Julio Jose Brasil.
Leopoldo Jose >ant ago.
Manoal Joi-e Machado.
Manoel Moreira de Souza.
Rodrigo Jacome Marlins Pereira.
Freguezia de S. Joe.
Manoel dos Saolos Araujo Mello.
Freguezia da Boa Vila.
Dr. Arminio Coriolano Tavarea dos Santas
Dr. Aulonio Herculano de Senza Bandeira
Antonio Machado Gomes da Silva.
Caetano Cynaco da Costa Moreira
p'.orbioi.iuo de Aquino Fonceca.
Dr. Eduardo de Barros FalcAo de Ltcerda
Francisco Geraldo da Silva Barroso.
Dr. Henrique de Alhayde Lobo Moscoso.
Januario Constancio Monteiro de Addrade
Dr. Joio Baptista Regueira C)sta.
Conselheiro Joao Silveira de Souza.
Joaquim Albino de Gu.-mao.
lose Leonilio da Cunha Alcanfor.
Jose Xavier Antunes Ramos.
Jose de Vasconcellos.
Landelino de Luoa Freire.
Luiz Jose da Costa a Silva.
Freguezia da Capunga.
Antonio da Silva Leal Loyo
Freguezia dos Afogados.
Auguslo Jose Maoririo Wanderley.
Dr. Clementino de Mesquiu Wandciley
Jose Tbumaz Galvao Pessoa.
Fregueiia da Varzea.
Hmr que Lasserre.
Jose Mendes Vieira.
Freguezia do Poco da Panella.
Alfredo Jose Antunes de Oliveira.
Freguezia da S. Lourenco da Malta.
Timoleao Duarte de Albuquerque Maranhii
vvriuK-nto. -As 8 bons da noile Je 1
corrente. Joio G >m*s Ferreira da Silva M fer j
por Jose Felippe de Lima, qua foi preso m I .-
granle,no districto da freguezia de S. Jose desta
dade.
Outro.No districto da AfogaJos, Domini: -
Jose Leocadio ferio gravemeule a Fortunalo Jo-
Ribeiro, a nolle da anle-honiem. Preso em f..-
grante 0 deliiiqueole, contra elle procede a p
cia nos lermos d lei.
caxuaildu renle, Gedeao Ramos da Vasconcellos, moral..
no termo d'Aguas Bellas, alii cacava as 7 boras
da roanba, quando acouitceu-Ibe, imprevi-ua.ee-
te, ao deslechar am tiro sobre am prea ferir ua *
sua liilia oe menor idade, a de maneira que te
a di'ir de ve la succumbir. GeJeao recolbea
a prisao para expiar seu cn.ne iovolnatario. -
contra elle prosegue-se nos lermos da lei.
liODgevidadc. No cemiiefio publieo
sepulUJo, no dia 15 do correnle, Joio Beter-1
Monteiro, com 110 annos de Made, natural a m
rador na fregaezia do Po(o da Panrlla, deixaado
grande desceiiden *ia, tendo gozado de suas facc*-
dadas iotellectuaes ale poucos dias antes da f.. -
lecer.
auta Casa de Niaerlcordi*. -A ju:
ta admiuistraliva desta corporacao nunda eel
brar hoje. no hospital Pedro II, a (ela do p.-
droeirodo es abelecimento S. Pedro ds Alcinta: 1
perraillindo a visila duraalc 0 tempo da ee.-'
monia.
ssalva. Hoje a uma hora da tarJe deve Am
a fortaleza do lirum uraa saiva, em solamni-a;
do augusto nome de S. M. o Imperador.
Colleccao do leis aeraea. Na tbcso>:
raria da faze..da acUam se a venda exemplares t*
coileccio de leis, decielos e rcsolu<,o* do go-
M imperial, do anno de la'i, a ratio de ''*
cada exemplar.
.Vluiiiiiti-a<-a iIom torroUs.
o prazo de :!0 dias, a comar de 18 do Coiren
acha se a coacurso 0 pr..vimenlo de u 11 lugar
praiicanie desa reparli^ao, deve ado o exaai- ve;-
sar subra : exercicio* J<- calligrapnia a orth gr -
phia, anthmaiica elemenlar, comprehend,-ad
uso Jo sy>tema raetrico, e nopoes geraes ds g* -
graphia.
Uiuhciro.-O vapor Pnana tnuxe par.
J. iao Pdro de Meilo I "i: 219**
Maa.n I Soaeat Pinl>eiro 2:0>W*O
Jose Il-p.l igues de Souza 1*0 '
Eulrada de asnut-ar e de ul^o .Nas seraauas de 15 a 17 do correote vieraui
nnsso mercado, por mar e terra : 37,''22 .-a
com assucar e 1,880 IMBM com alg>xJao.
i:*<-ra vom exa*orlad*s>Do I* a !-'
corrente furam exporiados para 0 Rio de Jan
115 escravos desta provincia, os quacs ptgar*'
de imposto 11:500*.
Presidente da Ceara A bordo do v .
por Parana acb.. seo Exm. Sr. Or. ileracuto Gr.
ca, presideute nomeado p ra a proviacia do Gear 1
Gaslaa de Orleaas.Da Bahia pelts -
calas cbegou oouteiu e?te vapor da companhia ba-
hiaaa. .Nada adiant u em noiicias.
Trastsrerencia. 0 estectaculo anaur -
ciado para 0 tlieatro Phemx Dramatira, na xv
de 20 do curreute e cujo producto dotmadc *
auxiliar as obras da igreja do Senbor Bom Jes .
dos Martyrios, por motivos da ordem suceiur .' 1
transferido para quando fur opporlunamente a
nunciado.
Advtieavia eercida por tabelltao.
0 ;n ui.-terio Ja jiisti(a, era 30 de setembro, 1
pedio o seguinie aviso a presideucia do Ceara .
Illm. e Exm. Sr.Po. presente a e-le na -
lerio 0 olllcio n. 85 de 2i de agosto ultimo, em
que V. Exc, refenado-se a consulta du juiz i.e
direito da comarca de S. Bernardo da* Rasaa-
commanica haver decidido 1 ie o ab-lliao do p:
liltco, judicial e nolas a escrivao do crime e c
do termo de S Bernardo nao pode adv. gar no do
Liraoeiro, tambem pertenceute a mesma comarca.
onde aquelle serventaarin aecnmula as tame^
de ofQVial do registro gcral las hyp dbeea 11
resposta t'-uno a declarar que ra receu approvar' 1
do governo imperial a decisao desa presid-m*
pur ser fuodada na Ord. Liv. 1* Tit. 108, B 13 *
21, e Liv. 3' Tit 28 g 2*, bem como 110 aviso a *t
de 4 de juuho de i847. Dens gnarde a V. Exr -
M n el Antonio Du-rle de Azeredo.
Ktapa as recrutaa. Ao prasideate L>
provincia de Minas, em 16 de setembro, 0 mra:*-
terio*da guerra dirigio 0 seguinte aviso :
Illm. a Exm. Sr. -Em resoosta ao offlcw q
V. Hxc. dirigio em 39 le ag'p>t On 10 sort a. 12.
sabmeileado a c ipsidera^lo desta ministerio a r-
preentafao do chefe de policia deaa p-ovincH
e mats p.ipeis relatives ao pagamanlo feito ae.o
collector do municipio do Rio Farm, da etapa a r-
cruus na razao de 800 reis dianoa, 0 im, ugna.
pela thesourarU da fazenda, declaro a V. Kxc a>*,
em vista do que pondarou em >ea r- fendo ifB
deve ser ace ta a despeza de que trata ; earaprn-
do, entretaat-i, observar qua isto nao importa al-
teracio a regra geral, visto ser da toda eoaveasea-
eia que se inantenna a pralica da ai etcedar a
diaria vencida pelos recrulas a qdaatia qiw (*
hoover lixado paia a etapa das pracas da prat :<
respectivas localidadas. Deus guarda a V. Bar
Joan lose de Oliveira Junqueira.
D*rines <-leltiraea. -0 miaislerio
imi^rio, em 26 de setembro ex pedio a presi Jen a
do Rio Grande do Norio o aegaiate aviao :
Illm. e Exm. St.Acenso o recebimanto d> oii-
cio de 31 d mez tin lo, no qual V. Bxc. ma eot-
muoica ter provisori.raente declarado BnHa a 4ei-
cao Ceita aliiraamimta a* fregaezia do Aeafy par*
>aizes de paz do districto da Florae, P"rtn* era
consta qae sa lavra*tera as actas da I* e 4a ?-
cbam^das dos votantas, aem ao raeaoe na da 3
cham da se acham referidos os fart- s e oTWfR-
cias mais notaviim, rala:ivo< as duas prirneiraa 5
era rasposta declaro a V. Exc. qae o govarw *-
pflrial approv..u a dila res dacio uor saw MJa-
meotos. i vista dos docom-nt is qae v* Ezc. reaK
lea. Deijs gui'de a V. Exc -J080 AtfNtour-,-
reia de OUveira. *
- 0 inesiBo miiiistorio ledaron :


-
-


>
/
.s
Ao presidaota d 1 provin<*ia da Parahtba le; <
governo approv.do o acl amigoattenno J crwdo"obrq{ado. /JsaWflWr j vi* iriamenle is >Meic8es de vereadorea a lOiaaa 4t
10.', J pa feftas nas parocbias f!Teiieira e de fattr


s=r
Diario 60 Fcmambaoo **- Seguud* feu* Id da Outubro de 1674
<
>
4
-

-


5-
deserdte 6 aggravada por levar o sabre bayoneta.
Dito Joaquim August) Prato, accusado do cri
me de i.* desergiio simples e condeincado em 4
mezes de prisao, por se ter apresenlado volunta-
riamente passaJos 3 mezes; foi eonfirraala a sen
tenga. Ditos Aiilonij Miuoel de Santa Clara,
Joao Gougalves de Freitas, Manoel Francisco do
Nasciraenlo c Arnando da Silva, accusados do
c;imi de 1." deserfio simple3 e condemnados,
cada urn, em 6 mezes de prisao ; foram conflr-
malas as senteugas. -Dito Joao Pereira da Silva,
aecu-ado do crime de 1.* desergiio aggravada ;
condemuado a. i mezes de prisao por so ter apre
i.'ila! j passados 3 mez'3; fui conflrmada a sen
i nea.
Supremo tribunal >.-ssao de 7 do eorrente o Sr. conselheiro Barao de
M.iu^errat, como relator da revisti civel u 8,549,
coneedida na sessao anterior a favor dos tierdeiros
ile Maooel Luiz da Veiga, cotno reeorrentes, e
recorrida a fazenda naeional, apresentou a reda:
cio do acconlao, o qual foi apprevado, escripto e
assign do, dep is de algumas observacoes do Sr.
, instlheiro Mariani, as quaes foram combatidas
polo Sr. conselheiro Valdetaro :
N. 8.5i9. Vi :>3ntos autos de revista civel entre partes rewrren-
tes os herdeiros de M-inoel Laiz da Veiga e recorri
i'.i a faz?n1a aaelooal. Conead-m a revi?ta pe-
d;di por nallidade provenieate da acclj propos-
la ; porquaot >. nao toolo a fazenda publica domi
linnado no terreno, qne allega ser de mari-
nha, nao poiia f.izer notili -ar os reoorrentes para
tr.edirem e demarearem o frreno denominido
Ar.ga-, arrematado por seus ante possuidores
seal que pnmeiro lirmasse o sea direito por sen
tonga oblida em acgao competente 8obre o acl-res
eimo do terreno arrematad i; tanto mais tendo
contra si a senlenga e aceordao de iae da noticia
:. certidao de fl. 22 : concedida portanto a refe
rda revUta remeitam-se os autos a relagao des
ti cjrte, one designam para a revisao e novo iul-
cimento. Ri i de Janeiro, 3 de outubro de 1871.
Brito, presi lante. Barao rfe Montserrut. Vei-
a;.Costa Pinto. Martini, votei contra o prim li-
ra funlamento. Lean, veneido. -Braga. -Alba
i ^iqne.Coito.SimSesdi Siloa. Pinto Chi
rkorro. -Bariii de Ptrnpima, votei pelo 2.* fun-
dainento. Villares. Cerqueira. Valdetaro. Fi
i; icira de Mello.
Nao votou o Sr. onselneiro Barboza por se ter
rctirado por doenle.
Um nrtiHta. As artes no Brasil vai regis-
trar em breve um nome, ja esplendido e do mais
1 rilbante futuro. Sura e-ta o de umacriaoga, que
ri.nda na) completou oito annosde idade,e que do
v.olino, instrument > de summa inspiracao e das
r.'.ais escabrosas dilllculdades, e quasi ja senhor.
a Onviraol o, diz o/ora( do Commerao, do Rio
'J-? Janeiro, em um ensaio : nessa prova do seu ta-
l>nto executou dous trechos, nm sobre motivos da
Martha, outro sobre o Pirata, este concertado por
V.eutemps,ofanoso professor. Alguns artistas de
capacidade procla nada applaadirarn com espon-
trinea vebemencia a inspiracao, o sentimento ina-
creditavel em tao \ordes annos, e a firmeza e a se
euranga da execueio, so encontradas, enem scm
pre, nos que en/ellnceram no esludo.
Desc -rtina aimagiaanio o raais tr umphante
futuro para a viva e extraordiuaria crianc,a que ja
expressa sublimid>Jes do sentimento na iJale em
que outros brinoam.
o Assim o estudo e a disciplina do< mestres sai
ram encaminljar eng-:nh) tao no'.avel e tin des-
. .tiiiiuii.iI aptidao. >
' Imprcusa. -I):u a lume o Sr. Dr. Miguel
Tnomaz Pessua urn livio de 172 paginas com o ti-
tiiio de Manual d*> element) servil, contendo a le-
giilagao res^ectiva, numerosasnotas.e furiB'Jlarios
{.ira as causas de lioerd.ide, de veriflcac.ao de abono
d.'e-cravo, coin o processo de arbitrament, etc.
Ao mesmo tempo awressentou topi'cos do di-cursos
c de paraceres do conselha de estado, provocados
I ala lei de 28 de setembro.
0 livro do Sr. Dr. Miguel Thomaz Pe3soa e de
intuitivas vantagen? para o furo, e com elle prova
c mesmo autor deculido amor pe.o estudo. Assim
;.:jcete=sem por igaal os que poiem e principal-
rr.ente os que devem.
Industria Scrica. Nises5ide 2i de so-
-.mi.ro da Asiociarao Brasileira de Acclimacao, no
Rio de Janeiro, foi lido pelo Sr. Dr. Nicolao Mureira
o 39guinte parecer:
Em data de 2-j dejanho do-eorrente anno re-
imVm o guverno imperial a esta sociedade um
-. ificio em qu-. o onselheiro Capanerna nao so de
claw nao lue perteocer de direito e sim ao Dr. Oito
Linger a medalha com a qual a sociedade France
za de Acclimacao pro3urara galardoar os e-for^os
empregados'no esludo e criacao do tucho da seda
brasileiro, como tarnbem palentear ao mesmo go
rno as vaatageos da cultura das saturnias indi
g:-nas e do bombyxnori
Someado para fortnular um parecer sobre o
o.nteudo do reterido offlcio, passo a extender as
id^as que me snggerio a sna leitura.
c Se a medalha tonforida peh sociedade france-
za de accli.na;.io pertence ao conselbeiro Cap ne
i..a ou compete ao Dr. Otto Linger 6 qaestao na
qaal, pcnsa o vos8) 'erator, nada tem qua ver e3ta
T-.i=ociae*o.
a A eonsciencia de am direito do outro, se o tern,
- o jaiio imparcial rue dev^residir as resolucdes
tcmadas pelo illustrado c-)n3er5ov- franceza sio os amcos agentes qne polSttMAlisfao-
t ;rjameole rwolver este pleito.
c Eutretanto, felea ponderar que doe trahalhos
uitiroamrate pabdeados por Cramer, Maurice Gi
rird Porgemot e ootros, e que tratam especial
mente da eda brasileira, parece n3o ser ahi co-
naecido o Dome do Or. Otto Linger porquanto nem
c.raa so vet se articnla o nome daquelle senhor,
<;aando aaiudadas v|ies se repete o do conselliei
ro Capanerna.
-a Passando it Tittttagets que podenos auferir
do caltiio dai oo3is sitarnias, o vo^so relator
:--tn a ieclarar vo* que sio por demais conbecidos
f.iaeHe qae e dedicam is comas qoe krteressam
o paiz, sendo snfflrwjnte ibrir as pafftaas ie nossos
MJS-sflgttiatos rartea: V ni>:sr.BSil,(}ae no
ultioi) id)-uralvtll*H, m pttioiir* da*n pi-
rvvstoB, ooojo ouita iut aotta, e raiisas.MQ re-
guluioMte-os da 9* ohiraWa Am vataatea eas-di
*Wr-^a it i>ls as cedalas Teoebidu, en oume
ro de 2,i62 ; 21 resalur da eon)parai;io 4o nuaje-
ro di cidalaos qoalittoados, na e, parochias, oua o dos qoe c'mpareceram e dos qu
faltararo, a differenc* de 272 votantes, cojos nomes
ttao ae asham nencioaados, ou cujas eedaUs Bio
luam aparadas.
At> presid-mto da prjTiocia do Para quo foi
conSrroaJo o acto pelo qual aonulloa a qnaliflca-
;*o feita na parochia da Vigij, pelas seguintss ra-
zGes: 1* terem servido ami j membros d i junta
dons cidadaoi nio qaaliScados votantes; 2* haver
presidido a mosma junta o i* juiz de paz, achando
se, entretaoto, presente, o 2*, que compareceu
para as. A) presi le^ite da pr jviacia do Espirito Santo,
que foi approvac.a a sua decisai declarant) o ci-
dadao Ay res Lonreiro de Albuqaerque Tovar, o
lual deixara de prestar juramento como 4* juiz
de paz dk parooliia de Ctrapina, por exercer o
emprego de prof ssor pnblico, incompativel.
Vjuila de iMisto. Foi arbilrada em 80 '$,
pelo ministerio la justica, a ajada de eusto para
traosporte do baoharel J030 d3 Malta Correia Li-
ma, da capital d:. provincia das Alagdas, ende ser-
via como chefe de policia a oomarca de Areia na
l'.ir.thyba, que Ihe foi desicnada.
llatriculaii de esluditates. Os de-
crees ns.-J.5W, 2,541, 2,5ii, 2,545 e 2,5i7 de 23
de setembro auloruarara o governo para raandar
uiatricular: no -.I" anno da faculdade de roedicina
do Rio de Janeiro o estndante ouviote Alfredo A!
bart) Leal da Cunha ; no 2" anno da mesma facul
dade o estudante Fernando Abbot; no 1" anno da
faculdade de direito do Recife os estudantes Fran-
cisco Severo, Maaoel Jose Ferreira e Pelino Joa-
qtiim da .'.o-i,t Guedes.
tiiiniNui-s a exames,-Os decretos ns.
i,oil, 2,543 e 2,3i6 da mu-ma data autorisaram o
governo para rainJar admittir a exam i: do 1*
anno da faculdade de direito de Pernambuco, os
estudantes Aggeu Eluarlo Velloso Frere, Fran-
cisco Ferreira de Siqueira Varejao, Pedro Velho
do R'go Mello e Innocencio Peregrin) Alves
Arocha.
t uii-tclii!) supremo uailitar. Na
- -.-ao do 7 do orrente foram julgados deflnitiva-
mente os seguintos processos :
Exncito.- Sold ado Antonio do Souza Ferreira,
accusado do crime de embriaguez, condemnado a
(i mez's de prisao com trabalho nas furtificaro ;s
foi confirmada a sentenca. Ditos Joao Baptista
Butrago da Silva e Demeciano Raymundo de Sou
za, accusalos do irirae di I.* desercao simples ;
o consellio de guerra declinou de sua competen-
eia para o julgamento dos reos, por considerar o
crime de auseucia illegal, e nao de deser^ao fo
ram confirmadas as sentancas. Dito Maaoel Go-
mes da Cruz, acensado do crime do I.' deserv'ao
simples, condemnado em 2 mezes de prisao por
se ter apreseotado voluntariamente dontro d is 3
mezes ; foi refi.rmala a sentenca para condemna-
rom o rco a 4 mezes de pri?ao, visto que a ?ua
munaracao pecuniari* tdn coocedida a Anldoto
fieira-da Victoria e a Paolo Feraandos Viaaoa.fe
losestudos pralicMsobre a soda indigena, trabalho
este oepois robusteeid) pela esceilnte meiiwria
romewida em 18*1 ao governo imperial pelo dis-
tincto brasileiro o coroBel Maehado de Oiiveira e
aa qual se eacoatra- o que d* raiis importate se
pole d'i;r sobre a materia.
Tambem a qualidade da seda de nossas satur-
nias nio deve ser muilo estranba aos industrialis-
tiveram em Lyon algumas remessas que dquelle
mercado foram ter.
Em II de abril de 1834, tarnbem o capitao
r.r Manoel Antonio Ribairo de Castro, remeUia, de (
Campos para a carte, casulos de bicbo de seda indi-
gena, havendo muito antesenviadoipec/m^nsa Joio|
Rodngues Pereira de Almeida, ao bispo, e ao con-
selheiro Luiz Beltrao, em Lisboa, etc.
No Espirito-Santo, Vieira da Victoria, protegi-
do pelo governador Francisco Alberto Robin, culti-
vava desde 1815a seda indigena descoberta por
dous estudantes nas cereanias do convento da IV-
nba.
No Ceara o coronel Monjardim, o oronel Ig
aaoa? agricolaa, para ver quo em\81T uma re-pub
nacio Pereira Duarle Cameiro, o major Joaquim
Marcelino da Silva Lima e Vicente Poreira de Je-
sus, grandes esforcis fizeram para o desenvolvi-
raento de nmi industria, cuja materia prima tao
abundante se mostra naquella rica provincia em
product.is naturaes.
No municipio da co te o illustre industrialista
Fructuo-o Luiz da Motla, flando em sna fabrica a
seda indigena, declarou a sua grande u'.ilidade in-
dustrial.
Relativamente a cultura do Boinbyxmori ini-
ciada em Pernambuco, por Mauricio de Nassau,
basta as condicSes climatericas do Brasil para re-
conhecer que a essa cultura encontraentre n63 to-
dos os elementos convinhaveis ao seu desenvolvi-
meuto.
Era qualquer de nossaj provincias temporadas,
as mulneres, os meninos de 10 a 12 annos e os inva
lidos tirariam de um tao leve como interessante
trabalho centenares de contos de reis, enriquecen-
do-se e angra^ntando os recursos Snanceiros do
paiz.
Como, porem, se propagara a industria serige
oica no Brasil!
t Pela iniciativa particular ou ingerencia do
governo *
Dovotado sectario do self gwernement, o
vosso relator nao pode aceitaro protectorado go-
vernamental napoleonico, entretaoto em nacres
novas, como o Brasil, e que ensaiam seus vOos nas
regioes industriaes, nao Ihe repugna admittir a
acQao beneflca do govornn, jogando em favor das
industrias a preferencia commercial em rebcao
aos productos, as rerauneracoes pecuniaiias, 03
titulos honoritico! e laotns oulros meios indirectos
que os governo? illustrados teem ao seu dispor.
E-ta modo de pensar de vosso relator nao e
novo, elle ja foi exlernado em questao identica
tratada no seio da Sociedade Auxiliadora da In-
dustria Nacional, em 1805 :
Bastaates esforQ s empregaram Luiz XI e
oulros monarchas engajando centenares de culti-
yadores industriados em sericicultura, e nem por
isso a industria sericicula se desenvolveu como
ijuand) Henrique IV comecou a recompensar os
ciladaos quo estabeleciam fabricas e as sustenta-
vara florescentes por e-^oaco, pelo menos, de d ne
annos, ou, como Luiz XIV, que concedia aos pe-
qnenos cultivadores premios de tres francos por
caJa um pe de atnoreira, que estivesse crescido,
bem tra ado Irs annos depois de sua plan-
ta^ao.
a Foi promovendo 0 culiivo da amoreira por
todo 0 paiz, e fazendo nasc.r na populac/10 0
gosto pela criagaj do biclio de seda, cria;ao que
os mesmos monarchas faziara em seas pal.tios,
que cala uma das partes que constitueni a in-
dustria serica e que pode.n e devem ser exercidas
separadutnente, se desenvulveu em todas as pro-
vincia;: meridiouaes da Franca e nos mais paizes
europeus, cujos climas se acuom nodim ao plantio
da amoreira e a existencia do sepudoreto, que
com ella se alimenta.
t Nao e, pois, a protacca) eoocedida a qualquer
individuo ou associacao, por mais bem lirnndo
que est.-ja aquelle ou uielnor estabelecida que
seja esta, 0 que fara com que em nosso paiz pro-
grida a sericultura, uma vez que se nao incite a
populagao em prol desta industr a.
a It -!:,- ideas que aoaoo de traascrever, e de
um grande numero de factos que a3 ju tilicam,
chego a seguinte conclusao : Acredito muilo mais
na.s iolustnas de iniciativa particular do que
naquella* quo os goveroos quTem crear a forca
de dinheiro, e em regra geral lodas as industrias
que para viverem ne*essitam qur>tidianamente
serein 1 valhadas pelo thesouro national, apenas
aproveitam aos seus exploradores.
a E nem 0 vosso relator se acha so nest as ideas,
0 Dr. Schmidt, antoridade competente, tratando
da industria serica em um bello opussulo, impris-
so em Hamburgo e offerecido aos lavradores de
S. Paulo e Minas Geraes, expriraese pela seguinto
maneira :
A causa principal da grande prosperidade que
de ha muito a inlustria serica derramou sobre
os povos meri Uonaes da Eurupa enccntra se sim-
pleimenle na cir um tancia de que nsta cultura
e quasi exclusivamente explorada por pcquenos
faieudeiros e lavradores, com suas familias, for-
mando, alem disso, um mere aicessorio da3 outras
lavouras.
t Na Italia, onde 0 lavrador depende do fazen-
deiro ccmo na Franga, onde elle possue uma pe
queua plantacao de amoreira, pudo-se cootar com
certa quantidade de fulhas que 0 cultivador de
seda emprega na educacao dos bichos, seja em
um proprio apo ento, seja em outro qualquer lu-
gar conveniente. Na Italia existem contrato3 de
parceria entre 0 fazenJeiro e 0 lavrador, perten-
cendo a cada um a metade dos casulos, de modo
que Bate ultimo pode ganhar as vezes 200 > e
mais, segundo a opportonidade. Por isso 0 esta-
belecimento de uma fazend-i modelo, e indispen-
savel para ensinar e promover entre os lavradores
e fazendoiros um ramo de industria que propor-
ciooalmente carece de pouco trabalho, daodo
alias grande proveito.
Todavia os lavra lores nao podem euidar da
preparacao da seda crua; este trabalho seodo
melhor entendido no fi.latorio da fazenda, onde os
casulos devem ser comprados e dubados segundo
0 systems mais economico e conveniente, suppon-
do-se que um lavrador tenha 100 libra- de casu-
los para vender ou dubar, 0 director da fazenda,
depois de minucioso exa.me, comprara os casulos
oa os fara dubar por conta do proprietario ao
preco de 3.- a 3^500 por libra. 0 producto assim
preparado talvez tenha 0 valor de 12 j por libra
poaco mais ou menos.
t Desta maneira a seda produzida sera de igual
condicao e vendida a um prejo adequado a sua
qualidade e 03 lucros de.'te trabalho augmentari)
necessariamente 0 rendimento da fazenda modelo,
contribuindo dentro em pouco para sua ioteira
prosperidade.
Educado nestes principios 0 vosso relator
ainda nelles persistira emquanto valiosas razoes
e factos exemplificativos nao 0 convencerem que
se acha era erro.
c E, pois concluindo, dira que a industria se-i-
ca s6mente se desenvolvera no Brasil, fazendo
calar no espirito de nossa populacao rural as van-
tagen? desta cultura, estabelecendo 0 governo em
suas farendas n rmaes 0 plantio da amoreira e a
educacao das diversas i species de bichos seri-
genicos, acompanhando esta cultura com 0 ensino
dislribuido a lodos aquelles que se quizerem enlre-
gar a este ramo iaduslrial, a formacio de associa-
te? commaoditarias com 0 tin de explorar esta
industria ; as recompensas pecuniarias coocedidas
aos cultivadores de amoreira?, aos educadores
dos bichos de seda em relacio a quantidade e
qualidade dos proluclos, e, fiaalmente, titulos ho
norifieos aquelles que se distinguirem exuberante-
mente pel -s sdrvicos prestados ao desenvolviraeoto
desta base da fortuna publica e riqueza particular.
i' 0 conselho adminislrativo da Asso-iaijao Bra-
sileira de Acclimacao, apreciando as ideas exara-
das neste pareeer, dar Ibes-ba 0 valor que Ihe
aprouvcT, sub-tituindo as que julgar infundalas
por outras que 0 seu elevado enterio suggorir.
Sala das 9eS35cs da Associacao Brasileira de
Acclimacao, em 24 de setembro de 1874. Dr.
Nicolao Joaquim Moreira.
Telegraphist terrestre. 0 Diario da
Bihia publicou a seguinte carta, recebida peia sua
redaccio :
no noticiano do Diai'io da Bahia de
23 do correnta~a~ni3iicia transenpta do Jornal do
Recife, sobre 0 telegraho electrico terrestre, con-
ciui qn- poaco se sane dessa lioha do governo,
talvez por culpa de nos os engenheiros encarre
gados de sua construcgSo.
a Juiganlo de utihdade alguns esclareoimento?,
os Juu a V Esc. qne, eston certo, os iara sabidos
pela imprensa.
A capital da Bahia, acha-se, provavelmente,
oeste momento unida a de Pernambuco peia linha
telegrapnica terrestre.
qoe
flfreo. -
a I'm do sido 0 do priauiro cio iiiiiiiinr on> 3
do toneote mas, dit que leaho eonbactraeotd' ofH-
oial, provavelmente ja 0 tera sido tambtn 0 A* i.
Prancisoo, pois 0 eujjenheiro Matbeos Nogoeira
Brandao, escrevendo-me a 16 do eorrente, de Pe-
oedo, previne-rae de que o lmraergiria hreve-
rnenta
Ao sul esta eontroida a linba ate proximida-
des de Jeqnie, teado passado por Santo Amaro,
Caehoeira, Maragogipe, Nazareth, Vatonca e Ta
peroa, qne se podem correspondar teiegraphica-
mente com a capital, e portanto com Pernambuco,
logo que sejam abertas ao publico as respecUvas
esta55e.
i 1 Tendo havido faita de material para a conti
nuaclo da eonstrneglo de.-ta parte da linha qne
me foi confiada, prosigo abrindo as neeetsahs pi
eadas que estao seodo concluidas entre Jeqnie e
Santareni, as qnaes vou mandando baneficiar com
boas estivas e pontes para transforma las em es-
tradas publicas, que effeetivamente ja 0 sio na par-
te coocluida, pois que 0 carainbo exiateate e in
transitavel no inverno, pelos atoleiros e fortes la-
deiras.
< Executam-so trabalhos da mesma linha entre
0 Rio de Conta) e Porto Seguro, e entre este lugar
e Caravellas, onde se deverao unir os trabtlhos
que de S. Malheus seguem para 0 oorte.
Taes sao, em resurao, as informagoes que jul
guei de men dever dar a HlostraJa redacgao do
Diano qoe as bra publicar, se eotender que sao
de algum interese.Philinto Gomes ie Araujo.
Valenca. 27. de-setembro de 1874.
Aguaa suipuureax. 0 Sr. Dr. Andre
Frederico Reigneil, medico residente na cidade de
Caldas, da provincia de Minas-Geraes, remelteu ao
Dr. Augusto Almen, lente de chimica na univerai-
dade de Upsal, na Suecia, 0 residuo que obteve,
conforme ordena a sciencia, das aguas sulphureas
da margem direita do Rio-Verde, a tres quartos de
legua da cidade de Caldas.
0 Dr. Almen, em resposta, enviou lbe a seguinte
analyse qualitativa e quantitativa :
100 partes de residuo fixo conlem : I ''0 f"^?
)agua contem:
Sulphato de potassa 7,95 0,044 gramra.
de soda 9,95 0,054
de cal 0,87 o,00o
Chlorureto de magnesia 0,26 0,001 >
a de sodio 1,55 0,009
Carbooato de s6da 54,40 0,299
Selicato de soda 12,34 0,068
llvdrato de soda 5,24 0,029
Ox.defer.,argillaBa:.phosp. 2,44 0,013
Are"a e minera-s 1,98 0,011
Materias organiea3 1,08 0,0.6
Perdas 1,94 0,010
;rapnica terrestre. Digo, provavolmente, por-j seu domicilio.-eajo Bto>
esta ttnUo dependia do '.angaraenb de :abosf a ^pprebensao dovari
aquatlcos n?3 rios da Pedra Rrair.a e S Fraa- JcjffipronieUem. A %w
Somma 100,00 0,530 graram
Sobre 0 exame supra fez 0 referido Dr. Andre
as seguintes observacdes, acompanbado pelo seu
collega Dr. Agosliuho Jose Ferreira Bretas :
a Sio conbecidas ja ha tempos na margem di-
reita do Rio Verde, ties quarto de legua d'esta ci-
dade (Caldas), dous olhos de aguas sulpbureas
anroveitaveis na maior partc do anno, e mais ou-
tro olho da mesma no iado opposto, so apruveita
vel na vasaute do rio. Estes tres olhos de agua
nascera de fendas de um so rochedo que atravessn
0 rio, 0 que faz crer que de ontras tendas cober-
tas d'agua nasgam outros olhos d'agua sulphurea.
1 A quantidade d'agua destes tres olhos e pe-
quena, e nao se podera talvez avaliar em mais de
um am- I de agua por oda um. Marcou 0 ther
moraetro cenligrado no dia 21 de agosto proximo
passalo 2> graos em um, e 21 graos em outro,
sendo a agua do rio n'es?edia 13 graos e a tem-
peratura da atmosphera 1"> graos. Sao mui lira-
pidas e como uoctuosas para 0 tacto", de um cheiro
imitando a polvora em detooaeao, dovido a
presene.a do gaz acido sulphydrico, pplo que teem
sido ellas ha tempos classilieadas entre as aguas
sulphuricas; mas sao lambem alcahnas, como
mostra a analyse quantitativa, pela prepunieran-
cia do carbmato de soda, e sendo estas proprie-
dades conhecidas ja ha algum tempo por uma
analyse qualitativa pormim feita.
c Foram experimentadas internamente por
meus collegas aqui e por mini para, eombater
varias molestias, como sejam catarrbos do tuoo
digestivo e soffrimentos bemorrhoidaes, e em ha-
nhos, depnis da jonvenientemenle aquecida, con-
tra rheumatismo muscular, segundo me couta,
com bom resultado. A propriedade un3tuosa das
agua?, devida provavelmente a pre?enga d.)S alca-
lis e as materias organicas (glairine barregine), c
conjunctamente 0 enxofre na forma do acido sul-
phydrico, devem ser de muilo proveito para cura
do varias molestias chronica? de p lies, ainda com
algum caracter sub-inflammatorio ou irritac/io,
assim como muitas vezes se encoatra na eeama
urticarea chronica, prurido, etc.
Finalmenle de*o apontar a localidade espe-
cial onde existem nstas ago is, que sao cercadas
de um lado por umi serra talvez de 800 pes de
altura e dos outros lados de collinas de raenor
elevigao (00 a 200 pe?) destacadas uma das ou-
tras, que deixam oorrer a viracao neces3aria, mis
tiram a forga deraasiada dos ventos impetuosos,
que em certas estates do anno sao quasi conti-
nuos nos carnpos de Caldas e que incommodam
os saose muito mais aos doentes em geral, espe-
cialmente os que roffrem catarrhos cbronicos da
larynge e pulmoes, que portanto aqui n'estas
aguas sulphjreas e alcalinas podem Ihes pr--star.
t Para se aproveitar todo 0 beneficio que e^tas
a'.uas podem prestar a huraanidade soffredora,
enlendo que os olhos oriocipaes devem ser cer-
cados por muro e formar uma caixa de agua e
suspender nivel d'ellas, se possivel for, para d'ahi
vir a agua para uma ou duas banheiras, e Qnal-
raenteergmr uma casa por cima disto para abri-
go do3 doent33, e se lorem concedidos meios, para
tarnbem afastar a agua do rio algumas bragas dos
olhos d'agua? sulphurea*, estas se tornariam mais
quentos, e portanto de mais mereciraento, e talvez
se descubra com a mudanga mais alguns olhos
d'aguas sulphureas uidade de Caldas, 23 de
setembro de 1874.- Dr. Andre Frederico Reigneil,
Dr. Ayostinho Jose Ferreira Bretas.
Agenda Americana.A direcloria no
Rio de Janeiro receoeu os seguiutes telegramum :
o Londres 2. -Foi embargada a sahida do va
por hespanhol Juno, que se achava carregand)
em um dos portos da Irlanda. Parece que esta
medida foi toraaua a requisi;ao do erabaixador
bespanhol nesta cidade, por Iheconstarque aquel-
le navio linha a seu bordo quantidade do anna
menlo destin do aos carlistasT^Ja visita a que se
procedeu foram com efTeito encontrada3 a bordo
do Juno rauitos caixoles de arraaraento e algumas
pegas de campanha. 0 tufao que cahio no mar
da China fez-se sentir em toda a costa oriental da
Asia e no archipelago do Japao. Em algumas
partes da Corea afundarain-se muito3 navios. Em
Yokohama 0 tufao destruio uma grande pane da
cidade e causou muito? outros prejuizos. 0 novo
arsenal, a estagao do caminho de ferro e outros
ediGcios do governo flcaram muito arruinados.
S be a 6,000 0 numero das casas que ficarara to-
talmente dstruidae. Perderam-se cerca de 100
embarcagdes, entre ellas alguns navios da esqua-
dra ; 0 numero das viclimas passa de 300 Fo-
ram presos em Belgrado todos os chefes da revo-
lugao 0 pronunciamento foi raotivado pelo des-
contentamento quo alii lavrava contra a influencia
da Turquia, por cuja politica 0 principe Milan se
deixava dominar.
a Madrid 5. As forgas do eorpo do general
Pieltain raovera ;.-se para alem de Lorca, onde li
cou acampada no dia 3 do eorrente a segunda di-
visio. Attribue a imprensa grande alcance a este
movimeoto, dizendo que e 0 comego do grande
piano approvado pelo governo e que antes de 15
dias terao os -.arlistas sido derrotados e obrigaios
a ahaodonar E-tella. Se neste periodo, diz a lbe
ria, nao tiver a campanha ao Norte tornado outro
caracter, 0 marechal Serrano a??uraira 0 com
raando d> exercito. 0 general Zavala partio e-ta
manha no caminho de ferro de Saotander. Coos
ta aqui qne o governo ottomano reaolveu reco-
nheser a Uaspanha Diz a Gaceta quo estao ter-
raioadas as negociacioes sobre 0 negocio do Virgi
nitu. A bolsa abrio hoje mais animada, 0 que
nao se pode attribuir a modidcaeao alguma favo-
ravel oa marcha da guerra.
o- Paris 6. -Nas eleif5es dos eonselhos geraes 0
partido republicano tern obtido. uma grande roaio-
ria. En alguas circnlbs >% eandiJatos do gover
no, defensores do septenario tern obtido menor
numero de votes que os boaapartistas. 0 resnlta'
do da elei$ia4>rometie aer favoravel aos republi-
oanos coTuerwaaores. Abjio hontera 0 parlamento-
dmamarquez, presldindo a ceremooia 0 rei Chris-
tiano. Estevo presents 0 embaixador Qaesada.
No discurso da coroa declarou 0 soberano que os
documentpe relstivos a quesiao do Schlesvrtg se-
riam apmentados peto governo ao parlamento.
Noticias de Berlim dizem que na Pomerania se
suscitavam novas deserdeas. O conde de Arnin
recebeu hontem ordem do governo prassiano para
se considerar detido a dispowoio do mloistro do
interior. Na vespera recebera elie ami visita no
- indo ae.assegura, fdra
varios dociyiientos que muito 0
questao que proe ter moti-
vUo este pfosedimenio e a qne nllimanaeale si
tdscitou a proposite da* daelarapoea do gaaaral
U Marmora, na imprensa itatiana. As expiiea
goes publicadas pelo conde d'Arniu, entao embai-
xador era Constanttaopla, de cajo eargo (oi ohri-
gado a pelir demisiio, deram lugar a perdr elle
a conflanga do principe de Bisntark. Isto explica
a rigorosa medida de qoe acaba de ser vietima
Pelos doeurnentoj apprehendidos. diz que 8eou
provado ser 0 autor de alguns artigos que foram
publicados na imprensa auemi.
Madrid Segun 10 explica a G'tcela 0 movi-
meato effectuado no norte pelo segundo corpo, te-
ve nm Bm esfrategico Em quanto as forgas do
general Pieltain aimolavain um ataque na? imme-
diagoesde Lorca, uma divisao do pnmeiro corpo
partmdo de Torloza deseen 0 Ebro ate- Amposta,
para aorprebender aa faocdes que ameagaram esta
povoacao. AUcados ioesperadamente os earlistas
sustentaram ainda assim 0 combate por alguma?
horas, mas foram complelamepte derrotados. Os
liberaes flcaram senhore? do campo. Notietas de
Victoria dizem que continuava a lavrar a indisci-
plina no exeroito carlista da Navarra. A chega-
da de D. Carlos ao acampameoto nao conseguira
pOr flra ao descontentamenta dos seus aoldados.
Consta hoje que os batalhSes de casados se inso-
bordinarjm na sua presenga, havendo am serio
conflicto entre estes e os batalboes qne acompa-
nhavam 0 pretendente. Assegura se mesm i que
D. Carlos e um de seus geqeraes fkaram feridos.
Os batalh5es guizpc ooano3 foram cbamados para
desarraar os rebeldes. Esu noticia tem feilo nas-
oer aeeperanca de que 0 fermo da guerra esteia
proximo sera os pesados sacriUcios qne uma tal
solugao exigina. 0 facie porem nao so pode acei-
lar cumo positivo. Da Caialonha veio noticia de
ontra victoria, No dia 3 de madrugala os carlis
tas na forca de cerca de 4,000 horaeos alaearam a
praca de Vich. A guarmgao alem de repellir
promptamente 0 ataque com vantagem sabio para
perseguir o inimigo. No encoolro os earlistas ti-
veram de relirar com graode precipitagio, sof-
frendosensiveis perJas. Alguns joruaes desmen-
lem a Mrtiid.t d mioistro da guerra ; dizem m is
que 0 gabinete nio soffrera roodifioagao alguma.
Os boat de efise continuara no entaot) a correr.
Os dous feilos d'armas a qoe me referi tem produ-
zido na bolsa alguma animacib. n
a I^onlres 7. -A questao do Schleswig parece
entrar em um accordo conaliador. No seu dis-
curso, dirigido ao parlamento, 0 rei Christianoas-
segurou que 0 gabinete de Berlim se mostrava
sumraameote desejoio deattender as reclanngoes
da Dinaraarca. Disse que as relacoes entre os
dous paizes continuavara nas mais amigaveis dis-
posigoes. Espera-se qua 0 oarlamf-nto, depo s da
leitura dos documenloa que Ihe vao ter apresen-
tados e das decla ac5es do rainistro do exterior,
approvara a solugao, que parece ter sido ja com
bioada enire os dous governos. 0 celebre cura
de Santa Cruz, quo fOra uhiraameute manJado
sahir do territorio fraucez e iateruado na Belg ca,
recebeu hontem ordem do governo de Bruxellas
para sahir do paiz. Consta quesahio hoje em di-
recjau a Suissa. Noticias de New-York duem que
quasi todas as cofivengoes se turn inanifsstado
contra a reeleigao do presidente Grant.
Paris 7. -0 resultado das eleicoes nos eonselhos
gerae- foi com elTeilo favoravel aos republican.is.
Os republicanos flguram na lista com uma tuaio-
ria de 7C sobre 95, tocando apenas 19 ao partido
in iuarciii-1.1. A apuraga Qual teve lugar no dia
5, e as 1 ii .a- de hoje atlribuem esta victoria ao
desprestigio dos grupo? legitimista e bonapartista.
0 Franr.'tis julga que a vugera de Jules Strain s
Thieri ua> e iniiH.Tente a este resultado. Tliier?
visitara a Italia e a Suissa antes de vollar a Ver-
sailles. Diz se que 0 conde de Chauibord promet-
ten aos deputados da extrema direita, quo foram
a Froshdorff, iohar-se em Veisailles durante a
proxima se3sao da assemblea. 0 marechal Mac-
Mahon val passar revista aos corpus das divi-5es
de Leste, 0 conde de Arnin seguio para Rerliiu.
E-ta marcado 0 dia 19 ioc rreute pira se dai co-
raego aoproeesso a que tem de re?ponder 0 ta--
ooerro Kullman, accu.ado de tentar contra a Vila
do principe de Bismark.
Turin 7. embaixador da Guatemala teve
imntem uma confereucia coin 0 car leal Anlonelli.
Diz-se que 0 ministro do Pio IX declarou que es-
perava infortnafoes dos bispos para p<)der formar
um juizo sobie 0 conllicto que suscilara na Gua
temala entre 0 governo e os prelados da igreja
Causou aqui desagradavel impressao a noticia de
qne 0 imperador Guilherrae nao visitra esta ci
dade E'ajui csperado 0 ex presidente Tniors.
U01 despacho do Alexaidna, diz que o rio Mile ti-
de recei.ir ?e umi grande
Grecia anda percurrendo
uha crescido a ponto
inunda^ao. 0 rei da
o paiz.
Madrid 7. N > ala que de Arm osta ficaram
prisioneiros 72 earlistas. Na provinoia de Cartha-
gena as facgo"m earlistas a^saltaram 0 comboio do
caminho de ferro, perlo da estapao Lan;aram fo
go ao elilicio e ao trera das meicadoria-, depois
de se terem apoderado das fazendas Chegou ago-
ra a noticia de que os carfistas estao bloqueando
Andorra, e que os habitantes da pejuena repu-
blica se mostrara dispostos a reo*lhr 0 inimigo.
Dizem das Astur-ias que alguns ocQciaes dc D. Car
I01 procur>vam fomenlar a revolugao naquella
provincia. M irreu 0 cabecilha Tristauy, vietima
de uma pnlmoma. Houtem ura.i parte da popu
laeaO foi curaoriraentar os embaixadores da Fran
ga e da luglaterra. A coohoneira Albatrot, volt n
a Bilbao. Contiuiia a divergencia no gibiuele. >
Paris 8 To os es membros do conselho muni-
cipal de Pans foram redeiios. A victoria do par.i-
do republicano tem desperlalo as iras da imprensa
bonapani ta. Depois de c'.iegar a Berlim 0 conde de
Arnin, foi interrogado pelas autorilad'?. A 6 m-
se juencia deste inquerito foi ser declarada sua pro
nuncia. Dizem de Berlim que 0 principe de Bis
mark se aciia preoccapado com a ordial recepgao
feita em Madrid, aos emoaixadores da Ioglaterra
e da Franca, L tyard e Chandordy. Denotando este
facto as boas relagiies que vao ser raantidas entre
a Hespa aha e aquellas nagoes, toroase d.fflGil 0
isolameoto da primeira destas potancias, corao 0
chanceller allemio desej- seu programma. E' esU tarnbem a opiniao de al-
guns jornaes. Juiio Sraon tem sido muito bem re-
cebido na sua passagora pelas povoagoes do meio
dia. A Republic* assegura qua Tniers volta a
Paris.
Turira8 -Prepiram-se os pactidos para a
proxima campanha eleitoral. Os ministros percor-
rem os departameatos para raanifestarem as sus*
ideas sobre a adininistragao do paiz. 0 chefe do
gabinete, 0 Sr. Mioghetti, em um banquete a que
hontem assistio, expoz 0 seu programma financei-
ro. Proraetleu elle reduzir 0 deficit a 3omma de
54 milhoes de francos. Segundo 0 seu pr igramma
os direitos de consumo devem produzir 22 milhSes
os novus impostos 12, e 03 caminho? de ferro 20.
Assegurou tarnbem que 0-gabinete teriaera c onside-
racao as raformas pedidas pelas sociedades opera-
has. Voltou da Sicilia nm dos regimentos napoli-
tanos. Segundo communicagao do prefeito de Pa-
lermo, a ordem esta restaiielecida na ilha. No dia
15 reanio se ocongresso typographico era Milao. 0
rei vai assistir a? manobras dos corpos do sul.
Dizem hoje de Alexandria que em algumas partes
do Egypto ja se tem feito sentir temiveis perdas
com a enchsnte do rio Nilo.
Madrid 8. -Oassalto a de Vich, tentado pelos
earlistas na provincia de Barcelona, foi repellido
pela columna do brigadeiro Morely. Uma parte
da guarnieao, composta da guarda civil, juntou-se
as forgas da columna que marchou em perseguicio
do inimigo. Travou se o combate a 7 kilometros
de distancia. perto de IguaUda. onde as faccoes
foram derrotadas. A coiurana liberal entrou nesta
povoaga > no dia 6. com 27 prisioneiros e quasi
toda a bagagam dos earlistas, sendo recebida no
meio de vivas dos babiiaat's. As noticias do nor
te dizem qua D. Carlos conseguio reslabelecer a
ordem no seu exercito.
a Foram cinco os batalhoesjquese revoluciona-
ram, dons foram desarmados por terem feiio fogo
sobre os chefes. 0 facto teve lugar no acampa
raento perto-de Morentin, os criatinosos foram con
duzidos para K-talla. D is cliefus superiores, ape
na? ftcou fehdo 0 cabecilha Noya. D Carlos che-
goa ae lugar pouco depois do success. Pcssoas
che^adas hoje da Biscaia dizem que em Durango
tarnbem as facooes earlistas se revolucionaram, fa-
zeado fogo sobre os offlsiaes, alguns do? quaes
licaram feridos. D. Carlos chegara aHi aa madiu
gada do dia 6. Havia aetios Teceio* de que os
carli&tas leotassem contra a vida do pretendente.
Andam se exerciuado os balalhoes forraados cum
os ultiroos recrntas. Amaoha par tem mais 3,000
bomens para reforcar 0 corpo do general Jovellar.
vlguns |ornaes julgam indispansavel que 0 duque
de la Torre va dirigir as operagdos no norte. Tera-
30 dilo gue elle parte na semana proxima. Pare-
ce que no conselho de ministros, qne teve lugar
horiteui, maoifeslou-so grande divergencia. Os
jornaes aflonsinos dizem'que 0 nnjco meio de res-
tabelecer a eonfianca no paiz e fundar a monar
chia sob o soeptro do principe D. Affonso. t
< Londres 9.Parece qne 0 tarao de Penedo
reoeheu instrucoSes do governo brasileiro para
satisfazer 0 pedidode adiantamento feito peiosoous-
troetores da fragata Ittfependencix Disserara me
queelles farao depiiifo, conk' cao;So das apofices,
da companhia de segaros. O governo prussiano,
ao accordo iiroposto a Drcrstmarca, pede qoe seja
mantido 0 acto de espufsao contra ol dinaraarqne
zes qae forem reconbecidos enlpados pelos iribq-
naes de Sohleswig. 0 jornaf official de S. Pelers-
burgo approva o procedimento do gabinete de Ber-
lin) na questao de Scblesswig. Diz qne elle tent
sido coherenU com os principios de direito, sojei-
tando 0 sen acto ao )uizo do proprio parlamento
dinamarquez. Annun.-ia-se a proxima pubiieagao
da obra escripta pelo ex-marechal Bazaine. Diz-
se qne contem documents muito ennosos sobre a
campanha do Rheno.
. Paris 9. H mtem a (arde houve conselho de
ministros a que assistio 0 marechal Mae-Mabon.
Corre qoe alii se discutio uma proposta do gover-
no dioamarquez. para que a Franca sirva dearbi-
tro no questao que se aeba pendento com 0 gabi-
nete do Berlim. Deu lugar a esta versao 0 ter o
presidente da republica conferenciado, antes do
conselho eom 0 general Rassboff, antigo ministro
da guerra da Dimmarca. Ogeaeral^Le fid vai par
tir para S. Petersburg-), para reassnmir alii as
suas fnncgrjes de embaixador francez. 0 partido
legitimista declarou por meio dos sens orgaos na
imprensa, qae a viagem do conde de Cbambord a
Franga, nio se realisara. Corre que a lula elei-
toral, que deve ter lugar no dia 18, sera renbida-
mente dispntada pelos bonapartista?. Era Berlim
tem produzido grande sensagio 0 pronunciamento
do onde da Arnin. Houve hoc tem grande ban-
quets no palacio da erabaixada portuguesa.
a Madrid ftNenhnma noticia se tern reeebido
sobre 0 movimento do exercito do none. No cam
po carlista contmda a manifestar-se grande in-
disposigao por parte dos soldados, para contkiu ir
a guerra. A imprensa julga provavel a ren licao
dos earlistas, e allude a uma proposta de paz,
feita por alguns de sous chefes. 0 Imp ireial pen-
si que a v agem do general Zilava tem relacao
com tal boato. O presidente da republica visitou
0 embaixador Layard. O gabinete vai reunir-se
em conselho. As faccdes earlistas continuam si-
tiando Andorra.
I'rorianiuH. -Foram no dia 18 lidos os se-
guintes, na igreja de Nossa Senhora do Roiario, que
serve aclualraento de raatriz da freguezia de San-
to Antonio.
1.' denonciagio.
amaro de Souza Pessoa, com Ignez de AlmeiJa
Caid.
Jose de Faria Maciel, com Maria Amelia daFon-
ceca.
Leonardo Joao Miguel de Vason:ellos,com Can
dida Sal vina Maria da Conceicao.
Francisoo Augu?to Paes Barrelo, con Maria Isa-
bel Rulina de Mendonca.
Quirino Jose de Sam'Anna, com 0 Ionia Rimos
Corre*a de Franga.
Joao da Silva "Guiraaraes, com Anna Scares de
Menezes.
Einilio Pereira de Abreu, com Ameli 1 Rosa de
Lemos.
Manoel Joaquim de Mello, com Joaquina Fran-
cisca da Silva.
Antonio J. do Hj-eimenio. Maaoel J. da Gait* O"
Ambrosina A. da Costa, D. Cordola 8. Nrrin
major Domingo* B 9. Hodaa, Maaoel J. C. PaaaV
nas, major Manoel J. Caraeiro. Maaoel A. Soatar
da, Manoel A. Leao, Jote I. Foate Goiaurat>.
Francisco G Torres.
Cbegados no vapor brasileiro Oattio it Or-
leans :
Major Antonio P M. de A evedo a sua aaerava
Jabana, Virginia M. de Oiiveira, Joao Aatoaie P.i
va, f pracas e 1 preso.
C-milerl* paaMico.OWtuario do dia I'
do eorrente :
Fraacisc.i Escohstica Josepba H Co>u, araaea
Pernambuco, 70 anaos, vinva, Graga ; coafeauV
pulmonar.
Engenio, branco, Pernambuco, 3 annos, Grar:
ronvulsdesv (/
Idalina, Pemainblio, IS mezes, S. Jose ; e.-a
vnlsdes.
Joio Bezerra, branco, Pernambuco, 80 annos
viuvo, Santo Aatonio ; erysipeta.
Luiz Antonio da Silva Pereira, branco, Peraam
buco, 43 annos, svlleiro, Ahgados : coagest3o eerc
bral.
Severino Gomes-, preto, Pemasaaaco, 30 tauoe
solleiro, Boa-Visu;- vanolas.
Joio, pardo, Pernambuco, 4 mean. Boa \ i:U
entero colite.
Mancel, branc>, Peraambucp, t-meies, Boa-V.s
ti; eonvahoes.
PUBUCACOLS A PLD.DQ.
St. camaaem
da prat ,'vtrla MT4
are- 1
2.* uenuociagao.
Antonio Joaquim Ferreira, com Maria Beraardi-
na Braga.
Jose Joaquim de S-ral Anna, com Rufina Maria
Joaquina da Annunciagio.
J ao Baptista Alves, com Joanna Clementina de
Lima Mello.
Jose Joaquim Coelho Barboza.com Urabelina Ma-
ria Pereira.
Joai Juslinu de Souza Freila?, com Joauna Bap-
ti:ta da Purilicaglo Rodrigues.
Joao Chrisostorao da Trradaie M)jra, com P.)-
zaliua Silveria de Barros.
Alfercs Francisco EvarUta de Siuzi, com Ger-
trudes Maria Vieira da Silva.
3.J denunciacao.
Jos6 de Figueiredo Reis 0 Silva, com Maria Ar
thur Cysaeiro do Almeida Albuquerque.
Antonio Francisco de Paiva, com Maria Iddora
da Conceigao.
Antonio Juvenlioo de Senna, com Isabel Ramos
de Lima.
Gtdofredode Abreu e Lima, com 3r tes Maria
da Conceigao Lobo.
Jose Canute da forciuncula Ferreira, com Ame-
lia de AlmeiJa Catanho.
Antonio Piatq Soares de Mello, com Josepha
Francisca de Souza.
Lncio Ferra? de Sant'Anna, com Luzia Maiia
Agostinha A>s Prazeres.
Vitonio J')se do S.queira Barros Leite, com Ame-
lia Evangelista de Aodrade.
Manoel do Carmo Ribeiro, com Marcelina Maria
Rocha d 1 Luz.
Jai'uario Manoel dos Sintos, com Hermina Can
dida dos Prazeres.
Francisco Antonio da Fonceca Galvao, com Leo-
n lla Candida da Silva Oast is.
Jo;e Joao da Hjra, com Vicencia Philomona da
Costa.
Jose Leoncio da Silva Rosa, com Candida Maria
Ram is e Silva.
Proteato dc leliras.-O tscrivao Peres
Campello esta de semana : a rua do Imperador
n. 46, primeiroandar.
Lutcria rao da lista da 11' loteria (330*) em beneficio do
hosplcio de Pedro II, exUahida a 6 do eorrente :
N. 464.................... 20.0K)JOOO
N. 2500...................... 10:0004000
N. 562...................... 4:0003000
N. 2W1...................... 2:0005000
Ns. 1566 e2-2491:0003 a cada um.
Ns. 18i8, 3588, 4492 e 5762 -8005 a cada um.
Ns. 2256. 2281. 2413. 2484, 3013, 3557, 4297,
4489, 4818 e 4976 -200i a cada um.
N-. 33, 71. 833, 9l5, 1004, 1353, 1445,
2144, 2528. 2961, 3i32, 3141, 4239, 4448,
5 84, 5231, 5280 e 5392-1004 a cada um.
Ns. 148, 173, 176, 516, 741, 755, 933,
H80, i238, 1239. 1339, 1348, 1464, 1536,
2027, 2150, 2286, 2663, 2693, 2701, 2841,
3003, 3177, 3209, 3211, 329/3*52, 3648,
3866, 38S3, 4043, 4118, 4277T429l, 4343,
4537, 4613, 4716, 4781, 4871, 4914, 5028,
5108, 5141, 5160, 5l65 5234, 5361, 5630,
5687,.5721, 5831 e 5974-40J a cada um.
Loteria.A que se acha a venda e a HI* a
beneficio da matriz de Afogados, qoe corre no
dia 21 do eorrente
loteria do Rio.Por telegramma reeebido
do Ria, sabe-se que a loteria 208 corre hoje.
Letiaea.Hoje, a 1 bora em ponto, etTeetua
0 agenle Pinto 0 milao d > barcaga Zurich, a qual
se acha prompta para carregar.
Hoje, etTeetua 0 agente Dias, 0 leilao de 8 gi-
gos de louga, as 10 tr2 horas, em 0 armazera da
ma do Vigario Tenorio n. 3 ; 0 de mereadoria?
avariadas a bordo do hiate Frank Howard, em 0
arm izem do Exra. bara 1 do Livramentd, no caes
do Apollo, as 12 horas da manha.
A manha, 20, vendera e mesmo agente 0 resto
das fazen 1as, ehapeos e miudezas, bens pertencen-
tes a massa fiHida de Pereira d8 Mello a C
Quinta-feira, 22, vendera 0 mesmo agente 0
sobrado araarello da rua da Irapsratrii em frente
a matriz, servindo de base a offerta de II contos
de reis ; assim como um sitio na rua do Corre-
dor d 1 Bispo, uma casa terrea na rua da_ Impera-
triz, 16 meias aguas no becco do Camarao e dous
sobrados juntos na rua do Bom Jesus, conforme se
acha annunciado
Quarta-feira, 21 do carrente, deve ter lugar
0 leilao dos nioveis, boles, lancba, viubos, consor-
vas e mais objectos da casa de fornecimento de
navios, da rua do Commercio n. 24, bens perten-
centes ao espolio do Quado Eduardo Turpin.
Sexta-feira, 23 do eorrente, effectuara 0 mes-
mo agente um leilao de movei?, louga, vidros,
obras de ouro, prata, musicas e livros, tudo de
conlormidade com os annuncios.
Casa de detencftat.Movimento da casa
de delengao do dia 16 de outubro de 187'-. :
Existiam 323, enlraram 2, sahirara 7, existem
318.
A saber : naeionaes 253, mn aeres 7, estran-
geiros 85, e*cravos 32, escravas I. -Total 318.
Aliraentados a custa dos cofres publicos 269.
A saber Saos 253 e enferraos 16.Total 269.
Movimento da enfermaria do dia 16 de outobrc-
de 1874 :
Tiveram baixa :
Felismino Jose Bezerra, bronehite
Manoel Gregorio do Nasctmento, nlceras.
Tiveram alia :
Joao Alves da Silva.
Pedro Ferreira Noire.
Jlanoel Joaquim dos Santos,
ose .Vicaato Pereira de S.
Passasetroa. -Vindos. dos portos da sul no
vapor brasiloiro Param :
JuveucioS. F. Jacobirra, Carlos G da Siva. i.
tenentc Antonio C. F. de Ca valho, Maooel A.
Matios, Manoel da Costa. Antonio J. da Veiga,
0;Luiza*aradizo, D. Gilda Paralizo, II Ho Para-
idizo, Argerairo (hberto), Vicente H. da Rv-tu,
Oomingiii A Malhea?, Fredorioo P C ilonteiro,
tenente-coronel h*6 G. N.igaeira, Man-)al F. M
Diniz, D. Anna-M. da C uceijao, AnJr6 P. v
1528,
4679,
1090,
1543,
2870.
38 J7,
4464,
5049.
5631,
Para o E
Ideate
clar.
No dia 10 do mez anrraala f..i preso scan
cruta meu irra> Kel x Traix|uiliioo da Moraas.
uoico arriui 1 mm e .1- uma mioha aa vinva. Ma-
do eise facto pratica 1 p 4 jrdi Jurat de am in
duviduo de un.% parvanUaas sem parsthi. <
qual fez acrediiar a polien do 2' district! da frt
guezia de S. Jose, -tue maa paata irmai era d-i-
lado de uma aatMi atnngiaaa e nm perfert
peralta ; tanto que-lend'i uma inna, qne sou em.
orphi de pai e mai, slandonnua para entresr-ar
a todo 0 genero de vn-ius !
Com elfeilo 6 ale oade pode chegar a maldadV
huraana I I
Meu pobre irma 1. :'rno a renetir, meu uain-
arrirai, protector 1111101 qae lenho, nuaea tor
abandonou, nem deixoa de curar da minha exis
tencia, conduzmdo se sein;>r com uma conla:ta
regular, senao exemplar, e to nm moniiro, aao
Ihe po.-so dar ontro nome, levana a sna maldtoV
ao ponto de perseguir com erabustes e calamn as
a meu pobre irmio, e a mini que privada do tea
aiiipa.-i) serei laogada oa mi>eria, e exposta a 10-
dos os males. Deus, porom, nao permittira qa
111 .levolo perseguidoi nosso vej* coroados c*
seus pianos.
Muilo conti 1 na justiga e imparcialidade on
(|ue se tem hooradarneale havido 0 Ex in. Sr. com
mendakr [ire.-idenle da pro7inci. Vou apresaa-
tarllie docuraenlos coraprobwlorios da excellent^
conducla do meu pobre irmao, c coafio que :>
Exc. fara justica maodand 1 -0 escu-ar do servig.
in. 1 iiar, vist) ter em seu favor isen.ao legal.
Pego 30 respeilavcl publico que releve appa-
recer eu na imprensa, atati como a isto f>;
levada uma donzeila orphi, qje vc, com 0 qu
lica referido, a sua existencia e honra era ere:
nente perigo, e aos Srs. redictores que BM prote-
jam com a oublicagao do qu- exaaaai fica.
Recife, 16 de outubro de l*7'i.
Moia Emt.ia de Moraes.
Srs. redactors*.Cam lorpiwa icabo de b?r a>
Diario de huje dous aununcio?, send.* um com a
mmha assijnalura, d-elarati-lo i|i:- mogoein f<>
Iran-argi 1 alguma com o Sr. Aatonio Julio Pe
reira, sobre a heranga pertencjute a mulh-.r desat
por raorte de sua mii, e outro coin a assiguatara
de Antinio Julio rtrreira. raw in twin ajueiie.
e niqual coiclue dizend) f^Dede id protestor*-
tra instnuueors mile-olis, e em tempo compete*-
te procurar'ei justi/iar-me decidcmemte, pois es-
tou certo qae 0 Sr. B A Artiei n<~: qn'rera com
0 seu aununcio estnbclicer piectnrZes p fraudar 0 poaco qae a su 1 filn 1 poss 1 partMM 1
embora impellido para esse fim pcls buck lie
que 0 cercaaa
Declare que nao Gz, nao assign -i e nem live ao
licia, Feaio agora, do aununcio a que se refere
Sr. Julio Ferreira, e nem era po?sivi-| que d- mi 1.
parUsse semelhante annuncio, p>ir.inant> a mu
liter do Sr. Julio Ferreira, minha lilha, aaaa ron-
be por raorte de sua mai ; parecend a r -p st..
deste senhor antes am raevideies'.alelecer preren-
roes para 9 /im qae tem em vista d\ que em deft-
za legitima dos sens diieitos, tanio mai- |uanl.
como dise, so- agora live noticia do annuurto -
que elle se refere.
Fique certo o Sr. Julio Ferreira, M vju pro-
mover os meios de chegar a) coahe-'iraent d.
qnera seja 0 autor desse annuucio putdie 1: >
a in nha assiKaatura. para que 0 public > p ttf:
conhecer a r.iiureza dot sefllimnt: I' t tie .'
pretend* tepnrar tjmsio tn$o.
R^cile, 17 de ontubro d i87i.
Bellarmino Alces U '.
Ao publico.
A Prnrincia vai sum pre Dial, porqup seu
liberalismo basea-so uni-unente na meutira.
Assim jamais poJera collier 0 pom > que as-
pira. Grits, brame, lasti na : tudo e men
lira.
Ale de Capoeiras vai um pobre cara dV
osso, iotitttlado Amiga da cerd: jar de sua caliega lisa noj.-ntas mutiliraft, 1
a Provincia nao recua publica-las !
Diz o capitao Tibario (boa p"?a' qu seu
s gro cabega lisa, summariado por natta a\c
cavallos e de assucar, e o tal Amiga dj
verdade, que manddra publicar 0 artigo,
que ha poucos dias foi conlrt mini cscript
na Provincia, no qual acrusa-me do lur, i.a
qualidade de fiscal, morto t:c;te povoada.
em COTTOCrtOt alguas porcos a uliltsad j-iu.
delles.
Por defereocia ao publics que mo nac
conbece, veoho dar uma rusposta a tao ne
gra calumnia, declaranJo ao Sr. cabec,* MM
que semelhante pro-edimento e soment- pro
prio daquelle que no governo do sua p >li:i
ca invenlou umi caixa filial para ext irqir.
dinheiro dos recrutas, 0 sobre qu-m \<
os-summsrios preditos.
Nio respeitoa rar;a suina, e por MM MM
pri o meu dever observaudo quanto me au
torisa o art. 29 das postures municipaus Je
te termo, acabando com os que lbe dizcui
respeito. Sou pobre, porem vivo com dip
nidade, e nao se dira jamais que eu aeoiti
cavalios albeios para mand.i-los vender
como dizem ter feito o Sr. capitao Tiberic
em iMimero de quatorze, e depois os de I/,
doro Ferreira, que nao podeodo 0 Sr. Ti-
bario compra-los desappareceram, e I~ora:u
vistos em seu quintal, conforme diz o pro
prio lziJoro, que ncompanhou-as em sua
balila. Sabe 0 publico a quern lziJoro at
iribuio 0 furtode seus cavallos, a. Sr. Ma
Doel Victor da Fons^ca Marques, e quern fu.
summanado por furto d" cavallo; e de assu-
car 0 Sr. Galdino Alves Barbosa.
Sio esses os bomens que procuram man-
char a reputacSo das autoridades deste dis-
tricts.
Capoeiras, li de outubro de 187i.
Pedro Jos dt Lima.
Oencirregado da devocio de S. G^C**^
igreja dos Prazeres, faz seieote ao nibhea, qu
tendo sahido hontem publieada no Diario f
nambuco, a eleigao da festa do mesmo sanlc^eam
0 nome do juiz Manoel t ae Corr.t. por teagae.
d3 Upographia, adverte-se que e o_br. Maaoal lost
Carrieiro; assim comi 0 do escrivao nw davaca.:
Fabio A dos Rets e nio Fe*x A. d<
V. Al
buquerque, D. Maria R. da Conceig.\o,-D. Rosa V
Gomes, Maaoel -Vjdigal, D. -Thereza M. de J:sus
enr.
Heoife, 17 de ontobro de 1874.
O Miearregado.
1 maro. Joaquim do Etpirito-Sanlo.
X. 1'4- -.\'nve aanat are onliaaja-
dos tormentoi. Jo^e VteMava ***
Juan Vicen rio, d- Pmb'a, dnn i* de hav*r aaart-
foi raVica!rrv?rtt* car-."5 de tr-" -;---'-'- "iff.*
i
.


J fano de Fernambuoo Segunda feira 19 de Outubro tie 1874.
C
na, dentro 4e pon:oi mezes, com ease elixir pre*
'ioso da vida e antidote irresistlvel, do veneno do
sangue, a Salsap.irrilba de Bristol. A molestia,
que havia princip ado da junta do calcanhar, ebe-
gou a subir ate aos olhos. Os medicos todos di
ziam que era uma teraeridade o sappor-sa quo
houvesse reroedio algnm capaz de salvar o doente.
B com tudo, esse torrivel caso de escrofula here
Jitaria sucourabio ante o grande especifico vege-
tal. A carta do pai do joven ao Dr. Bristol, e um
dos documentos mais notaveis quo jamais se che
gou a publicar. IS esta nio i mais do que utna
unica prof a entre as milhare* deltas que acredt
tarn que neonunia molestia externa e maligoa,
quer exist* na pelle, quer oas glaodulas, aa car-
ae ou nos muscubs, pode resistir 4s solutiferas e
maravilhososAS virtades desta preparacao in con
paravel-c viviflcadora.
RABS DB POHAMBOa
wndimento do dia I a <6 2*T:4fc9jl34
4m do di 47...... 4:8901615
33*39*749
QONSULADO PROVINCIAL
COMMERCIO.
JUNTA DOS CGRRETORES
fYaca d< Recife, If de onNahro
de WM.
AS 3 BORAS OA TARDE.
cot*c5ks officiaks
,Algodao-do sertao 1* sorts 7*200,74308 e 7*380
per 15 kilos.
Cafe do Rio do Janeiro 2' sorte 8*088 por 18
failos, liquidd. aontem.
Conros seccos nalgades 566 rs. o kilo, Aontem.
Cambio sobre Londres a 0 d|v. 26 K|0 d. por
1*000, hontem e hoje.
Dlto sobre dito a 90 d|v. 26 5(8 per 4*00, ban-
co, home si e hoje.
Dito sebre Oito a 99 d|v. 26 I [8 por 1*000, do
banco.
Dito sobre dito a 3 d[v. 26 l[i per 1*060, do
do banco.
Descoaio de letra;. 12 OtO ao anno,
H. ae Vasconceiies
Presidenie.
A P. de Lemos,
Secreuno.
ALFANDEGA.
Rencirr!*nto do di. 1 a 16. .
'dam fb dil 17. .... .
466:163x190
11:638*546
477:801*736
Desearregam ho]e .19 de oatubro de 1874.
Vapor inglezAlice(esperado) mercadorias para
alfandega e trapiche Conceicio.
Vapor nacional GastSo de Orleans (esperado)
Seneros cacionaes para o trapiche Dantas.
_ ezHebebren para o trapiche Concei-
cao, para de-pachar.
Palbabote americaao-Softu Rosefarinha ja des-
pacbada para o 5* ponlo.
Patacho ameri^anoWater Witchfarinha ja des-
pacbada para o 5* ponto.
Brigue austriaco Gtrolamo -farinha ja despaeha-
da para o r-a-s do npolio.
Barca ingleza -Helen Isabel bacalhao ja despa-
cbado para o trapicbe Conceicad.
Lugar inglez Selwell Jane bacalhao ja despa-
chado para o trapiche Conceicao.
Patacho inglez Ntreus kerosene para o tra-
piche Coriceicio, para despachar, e depo-
sitoso trapiche Vieira.
Barca portugueza Pereira Barges sal ja des-
paehado .lira a terra.
Vapor nacional Parana(esporado) generos na-
cionaes pan o trapiche Companbia.
ALTZRACAO NA PADTA DOS PHEQ03 DOS GEMZR05
SUZEITOS A DtREITOS DB EXPORTACAO, NA SEMANA
DB 19.* 24 D8 OlTt'DKO DB 1874.
Algodaoera rama ou la 445 rs. o kilo.
Assucar mascavado 130 rs. o kilo.
Couros de boi seccos salgados 536 rs. o kilo.
Pedras-de amolar 40 rs. o kilo.
Ditas-de filtrar 50 rs. o kilo.
Ditasde rebolo 200 rs. o kilo.
Vassoora-de carnauba 800 rs. a duzia.
Alfandega de Fernarabuco, 19 de outubro de
1874.
0 1 conferente~A. C. de Pinho Borges.
0 1* conferenteFrancisco das Chagas Galvao.
Approvo. Alfindega de Pernambuco, 17 de
outubro dc 1874.
0 inspector
ubio A. de Carvalho Reis.
UM do dia I a 16.
dam o dia 17
RECIFE DRAINAGE
Rendfcaento do dia 1 a IS. ,
Idemde dia 17......
37:910*369
284*069
36:494*438
3:383*920
34i000
3:407*920
Banco do Minho.
Jcaquira Jose Gonealves Beltrao & FiHio sacam
por todos os vapores sobre :
Anadia. Evora.
Aguida. Fate.
Aveiro. Faro.
Beja. Gaarda.
Cbaves. Leiria.
Elvas. Lisbea.
Amarante. Barcellos.
Guimaraes. Coimbra.
Covilha. Mirandella.
Melgaco. Penaliel
Portalegre.
Arcos de val de vez.
Celorico de Basto.
Caminha.
Mangualde.
Ponte do Lima.
Povoa de Lanhosa.
VHla-Novade Portimio.
Monsao.
Ovar.
Porto.
Tavira.
Regoa.
Vizeo.
Figneira.
Lamego.
Estarreja.
Valenca.
Villa Real.
Cabeceiras de Baetos.
Castello-Braneo.
Espozende.
Oliveira de Azemeis.
Povoa de Varzim.
Vianna do Castello.
Villa Nova de Fajaalicao.
Isiipwrtacao.
Brigne inglez teilwell Jane, entrado de Terra
Nova ern 16 do coireutn e cmsignado a Johnston
Pater & C, manifestou :
. Bacalhao 3,370 harricas aos consignatarios.
Hiate nacional Rasita, eotrado da Bahia em 17
do correnie e consignado a Beltrao & Filhos, ma-
nifestou:
Farinha de mandioca 3,400 alqueires aos con-
signatarios.
riBrigao hollande;: Jean & Antwn, entrado de
Triest; em 18 do csrrente e eunsignado a Pbipps
Broth-rs & C, manifesiou :
Farinha de trigo 2.240 barricas aos consigna
tarios.
Vapor nacional Parana, entrado dos portos do
sul na raesma data e cousigoado a Pereira Vianna
& C, manifestoa :
Fumo 54 rolos a Antonio Luiz de Oliveira Az-
vedo ; fnmo e cigarros 30 barricas a Beltrao 4 Fi
lho ; ma^hina de costnra 4 caixas a J ao Baptista
de Olivvira ; object os diversos 1 caixa a Csrvalho
4 Nogueira ; 4 a ordem ; papel 1 caixa a Jo.-6 N.
de Suuza ; 1 a Jose 3. de Melb; velas 25 caixas
a B. <1a Silva Costa Campos.
Villa do Conde.
\as ilhas.
Madeira, S. Miguel, Faial e Terceira.
Companhia Indemaisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:000^000.
Thoniaz de Aquino Fonceca & C, successores
agenres.
Esti companhia toma seguros marltimos e ter-
restres, dando nestes o septimo anno gratis aos se-
gurados.
Rna do Vigarlo n 1.
SEGUROS
e eontra-fogo
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro contra-fogo
THE LIVERPOOL & LONDON & GLOI
INSURANCE COMPANY
AjSfentcs
SAUNDERS RROTHERS & C.'
11Corpo Santo11
SEGUROS
MABITIMOS
CONTRA 0 FO&O.
A companhia Indemnisadora, estabelecidi
aesta pra^a, toma seguros maritimos sobrt
aavios e seus carregamentos e contra fog<
'.m edificios, mercadorias e mobilias: di
aa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
de 8*000 a
venda por
Vapor nacional Gastfio de Orleans, entrado dos
portos do sul na masma data e cunsunado a An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo, manifestoa :
Algodao 300 Bsccaa a M. Jost Alves; pedras de
logo 1 barrica a Manuel N. da Foncsca ; rodetes
de ferro 2 a Cardoso & Irmao ; taboas 300 a or
dem ; ticuin 2 Larr z,\, a Miguel Jose Alves.
DESPACliOS DE EXPOKTACAO NO DIA 16 Dfc
OUTL'BRO DE 1874.
Para os portos do exterior.
No vapor francez Ville de Bahia, para Lis-
boa, carregou : Oliveira, Filtos & C. 728 sacca*
com 51,598 I [2 kilos de algodao.
No vapor porluguez Almeida Garrett, para
Lisboa, carregou : S. Guimaraes & C. 1,000 eon
ros salgados com 12,000 kilos.
iNo brigue porluguez Triv.mpho, para o Por-
to, carregou : J. F. Balthar 26 couros espichados
cem 18i kilos.
No patacho inglez Orielton, para o canal,
carregou : J. Pater & C 782 saccos com 51,130
kilos de assucar mascavado.
No navio hespaoliol Nicacia, para Barcelo-
na, carregou : A. Loyo 86 saccas com 6,353 1|2
kilos de algod*o.
Para os portos do interior.
Para o Maranliao, no vapor nacional Parana,
carregou : M. L. Paes Barreto 10 barricas com
1,164 kilos de assnear branco.
Para e Natal, na barcaca .V. S. da Graca,
carregou : J. A. G. Fires Junior 6 volumes com 479
kilos de assucar refinado.
Para Uamanguape. na barcaca Boaviagem,
carregou : B. Gome:* C. 1 barrica com 65 kilos
de assucar reflnadc.
Para a Villa da Penha, na barcaca Flor do
Bw, carregou : A. J. Lopes Teixeira 3 volumes
com 213 kilos de assucar refinado e 4 saccos com
19i ditos de dito branco.
COMPANHIA ALLIANCA
seguros maritimos e terreB
tres estabelecida na Bahis
em 15 de Janeiro em 18 7 0
CAPITAL 4,000:0005*000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
isco maritimo em navio de vela e vaporei
para dentro e f6ra do imperio, assim come
wntn fogo sobre predios, generos o fa
-ondas.
Agente : Joaquim Jos6 Gonealves Beltrio
na do Commercio n. 5, 1 andar.
CaPATAZIA DA
rtandiraecto do dia i a <
dam do dia 17. .
VOLUMES SAH1D0S
ALFANDEGA
5. 8:396*674
. 411*976
8:808*680
16
No dia I a
No di* 17. .
Prnneira pom > .
lagmdt porta .
9arceira porta .
Tltpieb* Ccncaigio
17,597
132
346
28
1,819
*9S899
8ERV1C<) MARITIMO
Amrengas deaearragadaa no trapiche da
alfandaaa.
Nodialaie..... 22
No dia 17....... 1
No trapicba Concai'^o .' i
24
Revista commercial
Da sernana de 12 a 17 de outubro de
1874.
Cambio sobre Londres, 90 div 26 3A d. 26 V8 d.
por 1*000.
Dito sobre dito, 90 div 26 */l o\ 26 X d. por
1*0"0, banco.
Dito sobre dito, 3 d[v 26 ;{ d. por 1^000,
banco.
Dito sobre o Rio de Janeiro, 3 d|F ao par,
banco.
Dito sobre dito, 8 d|v ao par, banco.
Dito sobre dito, 15 o 30 d|v ,4' y de desconto.
Desconto de leltras, 10 e 12 / ao anno.
Algodio do Rio Grande do Norte, em pluma,
7*250, por 15 kilos, posto a bordo, frete "/i6 e 3
por cento.
Dito da Parahyba, 1J sorte, 7^300 por 15 kilos,
po>to a bordo frete 3/, e 5 %.
Dito de Macau, sorte, 7*400 por 15 kilos.
Dito do sertao, 1* sorte, :e 7*200,7*300, 7*3u0,
7*400 e 7*800, por 15 kilos.
Duo sem inspeccao, 6*200 por 15 kilos.
Ent arara 2,601 saccas por terra e mar.
Assucar bruto, bom, a 2*120 por 15 kilos.
Dito bruto, regular, a 2*100 por 15 kilos.
Dito bruto, de Goyanna, americano, a 2*120
por 15 kilos.
Dito Canal, a 1*300, por 15 kilos.
Esta semana entraram 20,030 saccos por terra
e mar.
Frete para os Estados-Unidos, 45 e 5 % por
tonelada.
Dito para New-York, 32/6 e 8 % por tonelada.
Dito para dito, 1,300 patacoes, carga a bordo e
eslivada.
Aguardente. Cotarnos a 60*000, a pipa.
Arroz. Sera chegada, cotamos a 2*500 por
15 kilos.
Azeite doce em caixas. Sem chegada, cotamos
a 10*000 a caixa.
Dito dito em barris. Sem chegada, cotamos
a 2*800 0 galao.
Alpiste. Sera chegada, venda 6*200 por
arroba.
Banba.-Chegaram 220 barris, cotamos a 1*089
0 kilo.
Breu. Chegaram 380 barricas, vendas' a
12*200 liquido a barrica.
Batatas. Sem chegada, cotamos a 2*000 a
caixa.
Bacalhao. Chegaram 3,000 barricas. Deposito
4,000 barricas, e retalha-se de 18*000 a 19*000 a
barrica.
Bolacbinbas. Chegaram 180 barricas por con-
ta des retalbadores.
Came. Sem chegada. Deposito 18,800 arro-
bas, Rio Grande de 8*400 a 6*200. Nao ha da
do Rio da Praia, mercado firme.
Conros seccos salgados. Chegaram 196,
vendas 558, 886 e 566 reis 0 kilo.
Cafe. Chegaram 2.237 saccos, vendas de 8*000
liquido, por 18 kilos, e 8f 800 por 15 kilos.
Cimento. Sem chegada, cotamos a 10*000 a
barrica.
Cebolas. Sem chegada, cotamos 7*500 por
caixa.
Cha.- Sem chegada, venda do preto, 3*049 0
kilo, conforme a qualidade,
Cerveja Bass.Sem chegada, cotamos a 6*800.
Dita Tenente. Sem chegada, cotamos a 3*900.
Dita Nornega, Sem chegada, cotamos a S*.
Cognac. Sem chegada. cotamos
10*000, conforme a qualidade.
Carvio de pedra. Sea chegada,
lastro, 16*000 a tonelada.
Farinha de trigo. Chegaram 6,811 barricas e
lOOA. Deposito 17,576 barricas, e retalha-se :
Hungria de 30*000 a 31*000.
Trieste de 28*000 a 29*000.
Americana de 19*000 a 2t*000.
Saccos, do Chil<>, 9*000 0 saoco.
Farinha de mandioca. Chegaram 60 saccos.
Deposito 3,000 saccos. A qne ex isle no mercado
6 ordinaria, que se veode de 2*000 a 3*000 0
saeco.
Farello.- Sem chegada, cotamos
saeco.
Fumo em rolos. Sem chegada, venda 10*000.
Dito em latas.Sem chegada, vendas de 12*500
a 13*600.
Dito em caixas. Sem chegada, vendas de
12*500 a 13*600.
Geaebra de larania. Sem chegada, cotamos a
7*000.
Dita coramum. Sem chegada, cotamos a
4*500.
Dita de Hollanda. Sera chegada, cotamos a
5*000.
Dita em botijas. Sem chegada, cotamos a 380
reis por bolija.
Dita lanterna magica. Sem chegada, cotamos
a 4*500.
Dita vida eterna. Sem chegada, cotamos
a 5*300.
Kerosene. Chegaram 3,800 caixas, cotamos a
5*000 a lata.
Louca ordinaria. Sem chegada, cotamos a
380 por cento de premio.
Dita fina. Sem chegada, cotamos a 280 por
cento de premio.
Manteiga ingleza em latas. Sem chegada.
cotamos a das latas amarellas a 2*505 o kilo, e a
de latas rdxas, cotamos a 2*287, 0 kilo.
Dita ingleza em barris. Sem chegada, cota-
mos a 1*742 0 kilo.
Dita franceza. Sem chegada, vetdas de
1*655 a 1*612 o kilo.
Milho. Chegaram 55 saccos, vendas a 70 rs.
0 kilo.
Massas. Sem chegada, cotamos a 7*500 per
caixa.
Pimenta. Sem chegada, cotamos a 1*023 0
kilo.
Passas. Sem chegala, cotamos a 7*000.
Papel de embrolho. Chegaram 200 resmas, co-
tamos a 1*000 a resma.
Phosphoros. Sem chegada, cotamos de 2*800
a 3*000 a groza. Falta.
Queijos flamengos e prato Sem chegada, e
retalha-se os flamengos a 2*200 0 queijo, e do
prato retalha-se de 1*307 a 1*410 0 kilo.
Sal. = Chegaram 110 alqueires, vendas de
1*700 a 1*800 0 alqueire, do do Assii.'
Sabao inglez ordinario. Sem chegada, cotamos
a 280 reis 0 kilo.
Dito da terra. Vendas dc 360 a 440 reis 0
kilo.
Sardinhas. Sem chegada, cotamos a 280 r6is
a lata de '4.
Toucinho. Sem chegada, cotamos 0 bom, de
11*000 a 11*500 a arroba.
Velas stearinas. Sera chegada, cotamos a 520
reis 0 maco.
Vinagre. Chegaram 2 pipas e ISA, cotamos
de 235*000 a 238*000.
Vinho tioto da Figueira. Sem chegada, cota-
mos de 215*000 a 223*000.
Dito de Lisboa. Sem chegada, cotamos de
200*000 a 205*000.
Dito francez. Sem chegada, retalha-se a
2(01000.
Dito branco francez. Sera chegada, retalha-se
a 240*000.
Dito branco de Lishoa. Sen chegada, cotamos
de 220*000 a 240*000.
Dito do Estreito. Sem chegada, retalha se a
21 >0*00o.
Dito do Porto.Sem chegada, cotamos a 10*
a caixa.
Navios entrodosno dia 17.
Trieste-78 dias, brigue bolUndez, Jean & Antoon,
de i90 toneladas, capilao Scherubier, equiagem
8, carga 2,210 barricas com farinha de trigo;
a Phipps, brothers & C.
Bahia 9 dias, hiate n cionai Bosita do 195 tone-
ladas, capitau J. J. Teive, equipagem 8, carga
tarinha de mandioca ; a Beltrao & Filho.
Navio nahido no wesmo dia
New-York Patacho inglez Oirellon, capilJo
Prior, carga assnear.
Navioi er.trados no dia 18.
Portos do sul -7 dia-, vapor.brasileiro Parana, de
90 toneladas, commandante B. B. Pamplona,
equipagem 53, carga "varios generos ; a Pereira
Vianna & C.
Rio Grande do-Sul30 dias, brigue brasileiro
Olinda de 2i4 toneladas, capitao Antonio Pe-
reira Mesquita, equipagem it, carga 9,401 ar-
roba* de came secca ; a Baltar, Oliveira 4 C.
AracHJu, Penedo e Maceio 8 dias, vabor brasileiro
Gastao de Orleans, de 298 toneladas. comman-
dante Antnuio e da Costa, equ pagem 20, carga
varios generos ; a A. L. Oliveira Azevedo 4. C
Navios Stiludos no mesnlo din.
Hondura Barca franceza Papillon, capitao A
Govin, era lastro.
dim e 0 do banho, collocado no ultimo dos refe-
ridos quartoa : 3 janeilas de peitoril 'ao oitao norte
sotao, onde ha um salao e 4 quartos: eaaa U
do
luminada a gat carbonlco, mediante encanamento,
lastres e bracos e arandelias, 32:000*000.
Uma casa terrea na rua do Siarquez do Herval,
frefoezia de Santo Antonio, sab n. 8, com 33 pal-
mos de vao e 89 do fundo, 1 porta e 3 janellai
na frente, corredor independente, 2 salas e 5
quartos, 1 saleta para engemmado, cosinba ex-
terna, quintal raurado, onde ha tres portas, n'um
dos quaes assenta 0 apparelho da companhia Re
cife Drainage, com encanamento d'agua do Praia,
e de gaz carbonico, o qual e servido por cande-
a 5*000 0 eiro, em solo foreiro, 14:000*000.
E para constar, mandei passar 0 presente, qua
sera affixado nos lagares do costume e publicado
pela imprenaa.
Dado e passado sob meu signal e sello on valha
sera ello ex causa nesti ciJade do Recife de
Pernambuco, aos 9 de outubro de 1874.
Eu, Floriauo Correa de Brilo, escrivao, 0 fiz,
escrever e subscrevo.
Francisco de Assis Oliveira Maciel.
Ao sello 300 reis.Valha sem sello ex-caasa.
Oliveira Maciel.
Pelo thesouro provincial se faz publico que
foram transferidas par* 0 dia 22 do correnie mez
as seguintes arreraatacoes;
Obra da bomba do Fragoso, na estrada do nor-
te, orcada em 840*017.
Obra da ponte de Mo6s sobre 0 rio Tapacura, na
eslrada da Victoria, orcada em 1:485*.
Imposto sobre 0 capim de planta consumido na
cidade do Recife, e fornecimento de alimeotac&o e
dietas aos presos nobres da casa de detencao.
Secretaria do thesouro provincial de Pernambu-
co, 14 de setembro de 1874.0 secretario,
________. Miguei Alfonso Ferreira.
EDITAI
0 Illm. Sr. inspector do thesouro provincial
manda fazer publico, que em comprimento da er-
dem do Exm. Sr. presidenie da provincia, de 8 do
correute, val a ira^a no dia 22, perante a junta do
mesuio thesouro, para ser arrematada a quem por
menos fizer a-obra dos reparos do quartel do cor-
po de policia, orcada em 897*820, e debaixo das
condicdes abaixo declaradas :
As pe>soas qne se propozerem a esta arremata-
gao, c mparegam na sala das sessoss it referida
ju ta, no dia aciroa indicado, pelo meio dia, com-
petentemente habilitadas.
E para constar so mandou publicar pelo presen-
te juroal.
Se:retaria do thesouro provincial de Pernam-
buco, 13 de outubro de 1874.
0 secretario,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas especiaes para a arrematacao dos repa-
tos 1o quartel do corpo de policia.
1
Os reparos do quartel do corpo de policia serae
executados de con form idade com 0 orcamento ap-
provado pelo Exm. Sr. presidenie da provincia, na
importance de 897*820.
2."
0 i rrematante dara comeco as obras no prazo
de oito dias, e as concluira no de dous mezes.
3."
0 pagamento sera effectuado em duas presta-
coes iguaes, na propor;ao do servico executado.
4/
Para tudo mais que nao vai especiQcado nas
rpesent s clausulas, observar-se-ha 0 disposto no
regulamento de 24 de fevereiro do correnie anno.
Conforme.M. A. Ferreira.
0 engenbeiro ajudante,
Francisco Apolinario
0 Dr. Joaquim Gonralves Lima, juiz dos
feitos da fazenda desta provincia, por
S. M. Imperial, a que Deus guarde,
etc.
Fai;o saber aos que 0 presente edital vi
rem que, em camprimento da ordem do
thesouro de 30 de dezembro de 1865, e
das instruccdes que com a mesma baixa-
ram, findo o prazo de tres mezes a contar
da data da publicac&o deste, serd vendido e
arrematado em basta publica celebrada na
comarca de ltambc, a quem maior prero
offerecer, d vista ou a prazo ate" 11 annos
quando muito com juros de 6/. ao anno
pelo tempo da demora a comprebensao de-
onminada, Buraco do extincto .vinculo
de Itambe, sita naquella comarca a qual se
acba avaliada em cinco contos de reis e
contem segundo a medicao a quese proce-
deu e coosta dos autos a extensao seguinte :
do lado do leste 1,110 bracks, do lado do
norte 409 bra^as, do lado do noroeste 682
bracas do lado do poente 411 bra gas e do
lado do sul 681 bracas, sendo todo o ter-
reno proprio para a cultura de mandioca e
outros legumes e Gcando certos os interes-
sados de que, tanto por tanto sera" referido
0 lanQo do posseiro respeclivo, na confor-
midade da ordem do thesouro, n. 15 de 28
do Janeiro de 1874.
Recife, 15 de setembro de 1874.Eu,
Jose Francisco do Rego Barros, escrivao, 0
subscrevi.
FACLLDADK DE D1RE1TO.
De ordem .do Exm. Sr. conselheiro, director fago
publico, que do dia 20 do eorrentt- ate 10 de no-
vembro proximo, esta aberta neata secretaria a
iuscripgao para os exames de linguas, de confor
midade com 0 aviso imperial de 27 de setembro
de 1872.
0 que se pretender inscrever, devera faze-lo por
meio de requerimento o mesmo Exm. Sr. conse-
lheiro director, declarando nao s6 a materia em
que se tem de inscrever, como tarabem aqnella ou
aquellas em que ja tiver sido approvado, a filiacao
e naturalioaae, e exhibira attestado do dirrctor do
collegio ou prof?3sor que 0 houver ensinado, cer
tiflcando a sua habililaoAO e se a letra do reque-
rimento e assignatura sao do proprio punho do
cxaminando.
Dj ordem do Exm. Sr. conselheireiro director,
visconde de Camaragibe, se faz publico, que do
dia 15 a:e 24 do corn-rite, esta aberta a segunda
matricula de encciramento, de couformidade com
0 artigo 68 dos esWtatos, podenoo dede ja ser
effectuado 0 pagamento da taxa, no lugar compe-
tente.
Secretaria da faculdade de direito do Re-
cife, 12 de outubro de 1874
0 secretario,
Jose Ilonorio B. de Menezes.
Thesouraria de fazenda.
De ordem do Illm. Sr. inspector, se faz publico,
que acham se a venda, ne>ta the ouraria, as col-
leccSes de .lei c decisoes do governo impe
rial do anno de 1873, pela quantia de 9 j'00, cada
exemplar, podendo desde ja os preteudenles se en
tenderem com 0 car tor j no desta mesma reparli
cjio.
Secretaria da thesouraria de fjzenda de Pornam
buco, 16 de outubro de 1874
Jucundiano Bodngues de Oliveira,
Secretario da junta.
Una das Calcadas
Idem 1. 36 ....... 211*000
Vidal de Negreiros.
Casa terrea n. 114......362*000
Idem n. 94.........301*006
Rna larga do Rosarie.
z andar e loia n 24 A. 310*000
1.* andar n. 24 A.......408*000
3.- andar n. 24 A. ... 231*000
Rna de Antonio Henriqnes.
Casa terrea n. 26...... 99*000
Largo da Campina.
(dem nil (fecbada)...... 96*000
Rna do Coronel Suassuna
1* andar do s brado numero 94 386*000
PATRIMONIO DOSORPHAOS.
Rua da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).. 400*000
Becoo das Bolas.
Casa terrea n. 18.......42i*00(
Rua da Lapa.
Casaterrean.il.......202*000
Rua do Amorim.
Sobrdo de 2 andares n. 23 6O24OOO
Casa terrea n. 34...... 2*000
Ruar do Bugos.
Casa terrea n. 21.......183*000
Rua do Vigario.
1* andar do sobrado n. 27 243*000
1* andar do mesmo......240*000
Loja do mesmo.......300*000
Rua do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 13 (fecbada). 1:400*0 iO
Rua da Senzalla velha
Idem n. 16.......209*000
Rua da Gnia.
Casa terrea n. 25 209*001
Idem n. 29......201*000
Rua da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. 12 (fechada). 800*000
Idem n. 14.........600*000
Rua de S. Jorge
p.asa terrea n. 100 (fechada) 241*000
Idem n. 103 ... 207*000
Rua doAmpare )01inda)
Casa tercea n. 18 (fechada).... 240*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as snas tiancas, on comparecerero
acompanhados dos respectivos liadores, devendo
pagar alem da renda, 0 premio da quantia em
que for seguro 0 predio qua contiver estabeleci-
mento commercial, assim como 0 servico da lim
peza e precps dos apparelhos.
Secretaria da Santa Casa dagMisericordia do R*
cife, 17 de sstembro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza,
Companhia Fidelidade
seguros maritimos e terrestres
A agenda desta companhia toma seguros ma-
ritim s e terrestres, a premios razoaveis, dando
dos ultimos 0 solo livre, e 0 setimo anno gratuito
ao segurado.
Rua do Visconde de Itapariea, anliga do Appolo
n. 3i.
Feiiciano Jose Gomes,
________ Agente.
Thomaz de Aquino Fonceca & C.
Successores
saccam por todos os vapores, sobre as segnintes
praas :
Lisboa. Regoa.
Porto. Cnaves.
Braga Villa-Flor.
Vianna. Mirandella.
Viseu. Alijo.
Guarda. Favaios.
Coimbra. Bragan^a.
Guimaraes Lamego'.
Bio de Janeiro.
Na rua do Vigario-n. 19.____________
Carvalho & Nogueira
saccara qualquer quantia, a visU >iu a prazo, por
todos os paquetes, sobre Lisboa, Port > e todas as
mais cidades e villas de Portugal ; assim como,
para Galiza 0 ilhas dos Azores.
Monte pio portuguez
De ordem da directoria sao convidades os Srs
socios que se acham em atraso a satisfazerem as
suas mensalidades, como determina 0 2 do artigo
11 dos estatutos. para que possa organisar se o
quadrn dos socios effectivo*, e me-mi para nao
ser coagida a dar execucjio ao 2 do artigo 13,
que e 0 seguinto : perde 03 direnos de socio ( rt.
13 % 2') 0 que deixar de satisfazer as suas men
saliiiales por mais di dous annos, sendo I'm pe-
didas, nao podendo depots ser adminido sem pre
viamenle pagar 0 que estivor devendo, e nova joia
como se nuuca tivesse pertencido a associagao.
Secretaria do Monte Pio Portugue?, 15 de outu
bro de 1874.
0 i secretario,
..__________________J. H. Vieira Ligo.
ADMINBTRACAO DOS CORREIOS DC PttlfA-
BUCO, IB DE OUTUBRO E 1874
Macao da correspondencia rrflafrada (tem ttahr)
recebida de diversas pneedenciat *t ettm 4m,
e quenao tem sido entrttue awimwtw-m at
residencias dot dettinalariot.
Antonio M. Gomes da Silva, Aatoaio Refer de
Souza, Antonio Cameiro de Lacerda, AMtmo dm
Arena, Benedicto Lniz dos Santos, Beailo de Bar-
rio* Feipa, Bento Jos* da Silva, Fraactiee Cava-
cante de Albuquerque Lins, Firmino TfetMaaa* da
camara Santiago, Francisco da Coata Maia, Fran
Cisco Xavier Pereira de Brilo, Frasciseo Pereira
da Silva, Jose Looreoco Gonealves, Joao Caiyia*
to mo Pelagio, Jose Joaquim da PalaM, Jose Mi
thias da Silva, Jose Theophilo da MaasaWa, Jeae
Gomes de Souza, Jose Manoel do MaaciiHla. Joa-
quim Jose P.rreira da Rocha Junior, Joaaau Mar-
tha dos Santos, Jose Gomes Rodrigues, Joao Ba;
ti-ta de Oliveira Guimaraes, Joao Cyrillo As List,
Jose Fernando da Cruz, Jo.o deSa e Albaqaerone.
Joao Furudode Hello, Manoel Joe doa Sati-
Silvestre Marques da Silva Ferrao, Targiao Viaaca.
de Albuquerque, Theophilo Modoi-io Soares.
0 olBeial encarregado do regislro,
Josi Candido de Barrot.
ADMIMSTRACaO DOS UlhREIOs DlJ FBI -
xNAMBUCU, 19 DE OUTUBRO EE 1871
alaa expedtr-tM
. Pelo vapor nacional Parana, esta adinmistr*,. 1
expede malas para os portos do norte, hoje 19.
Recebem-se joroaes, impress de qaaiqaer aa-
tureza, e cartas a registrar, ate 2 horas da taraV.
carias ordinarias ate 3 horas, e astas ate 3 I t
com porte duplo.
0 admmitrador,
_____________Affonso do Itego rarro*.
ADM1MSTRA AO DOS CORREIOS OR PER-
NAMBUCO, 17 DE OLTUBKO DE 187*
Provimento de um 1 gar ds pralieanie.
Faco pnblico que a e 0 Jia 18 de novembro '
correnie anno se acha aberta nesla admims'raci ,
das 9 horas da manhi as 3 da tarde, a inseripcix
para 0 exame dos can lidatos a am lugar de pf-
ticante.
0 exame tera lugar no dia I? daqucile mez, .-
10 horas da manha, t versara sobre as sifuioi'-
materias : exercicios de ralligrapliia e ortaygri
phia, arithmetic* etemestar, cotnprehenoendo
uso do systeraa metrico, en"5v geraes it f -
graphia.
0 conheciiuento da? linguas r-'rangeiras da' 1
a ireito a preferencia.
Os candidatos devem afrtsestar cr-nifirado me-
dico de boa saude, e provar c m crrtidio nio
rem menoi de 18, nem mais de 30 mMaa" de id?
Affonso do Rego Harms,
Adminisfrador.
THEATRO
PHE\I\ DRAHATICi
Qnartss feira '21 do rorrralr
Grande espectaculo em ben'ftcio do P- .-
tes e do seu amigo J. B. F. fi.
Representar -e-ha 0 drama de sublime rose
cjio ae Ernesto Biester, em 4 aclos
As iiules aiT^enilidas
Tomam pane os artistas August'!, Emiliano. I
tes, Ayrosa, Pontss Junior^Penante, D.Isabel,
I.eopoldma e D. Henriqueta.
Seguir se ha a represcntacao com a sempre fe--
tejada scena comica, rei-rcsentada pelo dislin*.)
artists Flavio, que obse |ui isamente se presto
0 SR. DOMINGOS FORA 00 SERIO
Terrain ira 0 espectaculo coin a nova c-nvJ 1
em 1 acto
A MDLHER DE DOUS MARIDCK
Tomam parte os artistas D. Isa!< I, D. Ilenriqa-.-
la, Augusto, Pontes Junior e Pi-nsnle.
0 beneficiado ain la esta vez reenrre a protecc- .
do publico peroambucano, certn de sua hospita -
dade, antepondo a sua mais sincera gratidao.
Principiara as 8 boras
Thesouraria de fazenda.
Pelo presente sao convidadas, de ordem do Illm.
Sr. inspector, os Srs. Joa uim Maria de Carvalho,
ex-thesoureiro da recebedoria e os herdeiros do fi-
' nado Joaquim Jose de Miranda, tbesoureiro que foi
da alfandega, para virem a esta repartlcao receber
os titulos de quitacao de suas conlascora a fazen-
da nacional, a saber:
Ao do primeiro relativas aos exercicios dc 1857
1858,1858-1859, 1859-1860, 18001861-
e 1862 1863, e as do segundo correspondent aos
de 1862-1863 -1863-186* e 1861-1865.
Secretaria da thesouraria de Pernambuco, 16
de outubro de 1874.
Jucundiano Rodrigues de Oliveira,
Secretario da junta
Os fiscaes das freguezias da Se e S. Pedro
Martyr da cidade de Olinda, abaixo assignados,
siieotiiicam a todas as pessoas possuidoras de pre
dios em ditas freguezia3, que no prazo de 30 dias,
a contar de hoje, deverio mandar reparar os pas-
seios de suas proprio Jades, e que findo 0 refer! Jo
prazo, se procedera acorrila, de confonnidade
com 0 regulamento municipal em vigor. Cidade
de Olinda, 9 de ou'ubro de 1874.
Joaquim Cesario da Rosa.
_____________Manuel Joaquim Gonealves Leal.
No da 19 do andante mez, ao meio dia, de-
pois da audiencia do Dr. juiz de orphaos, vai a
praca de venda a casa terrea da t avessa do Po-
cinho, fieguezia d-i Santo .intonio, n 18, em chao
foreiro, avaliada oor 2:000|, pertencente ao in-
ventario de Evaristo Salgado.
CH1RGGUR8 RELKIS
COMPANHIA FRiNCEZA DE NAYF-
GAQlOA VAPOR
LINHA MENSAL ENTRE 0
Havre, Lisboa, Pernambuco, Babia, Rio -j
Janeiro < Sar.tos.
STEAMER
VUULfi DE, H.V1UA
Couaniandante. P. Robert.
E" Esperado d. --
tot do -nl ate If-1
correnie, scgnindo <1 -
pois da indi.-,
vel demora para
Ravre com cscala 1 -
Lisboa.
YILLE DE RIO DE JANEIRO
Commandante .4. Fleiiry
E' esperado da Ec-
ropa ate 23 do cor-
renle.s- pnindo dep >
da indispinsavel -
mora rara os pcr-
tos do sul de sua -
Thesouraria de fazenda.
De ordem do Illm. Sr. inspector, so declara que
no dia 2 de dez-rabro proximo vindouro se rece-
berao nesta reparticao, propostas em carUs fecha-
das sobre fornecimento* de objectos para 0 respec.-
tivo expediente, constantes da relacao que desde
! ja podera ser C0D9ultada pelos interessados na se-
cretaria de-ta mesraa reparticao. v
Secretaria da thesouraria de fazenda, de Per-
nambuco, 16 de outubro de 1874.
Jucundiano Rodrigues de Oliveira,
Secretario da junta.
&ECLARACOES.
No dia 20 do corrente, flnda a audiencia do
Dr. juiz substitnto da primeira v*ra, tem de ir
0 d sembargador Francisco de Assis Oliveira em praca-publica, flnda a andienc a respectiva;
Macel, official do imperial ordem da Ro- 5 arma# 5 n objectos existentes na taverna
, n .:, Ar, ,;i!-. JTri.i A n l, da rua de Tnome de Sonza. antigo becco da Lin
sa e juiz de direito pnyativo de orpbaos gaete n. l% tado ava|iado em 67g5i0, e vao
da cidade do Recife de Pernambuco e seu praca a reqnerimento de Matbias Gomes Fernan-
Imperador, a quem des centra Antonio Pereira Dias
Inspeccao de satide do porto de Pernambuco,
5 de outubro de 1874.
Por ordem do Illm. Sr. commendador Dr. Pe-
dro de Atbayde Lobo Moscoso, faco sciente que
Bom Ramos de Oliveira, vao ser vendidos era basta 09 navios que tiverem de carregar couros verdes
puhlica, correedo tres pracas consecutivas, sendo on outra qualquer substancia qne exhale mao
termo, por S. M. 0
Dcos guarde, etc.
Face saber aos qne este edital virem e delle
tiverem conhecimento, qne a reqaerimento de D.
Cilicina Coelho Ramos de Oliveira, vinva de Jose
a ultima das mencionadas pragas no dia 26 do
corrente, os predios seguintes :
Una peqneao sitio, em solo foreiro, na rua do
Marquez de Herval, freguezia de Santo Antonio,
com 150 palmos de largura e 388 de fundo, arvo-
res frustiferas, hortalices, jardim armado de figu-
ras e jarros da louca, 4 tanqoes con truido a ci-
mento, 4 quartos com portas e janeilas, n'um dos
quaes esta collocado os apparelhos da companbia
Recife Drainage, I latrioa, 2 portoes, 1 na frente
Sue da serventia ao predio, entretanto que outro
e madeira, faclita coramnnicacio para 0 caes
do Capibaribe ; sitio no qnal assenta uma casa
terrea com sotao, a qnal tem 0 nnmero 6, bem
como 73 palmos de vaoe 119 palmos e 7 pollega-
das de fnndo; 3 janeilas na frente, 1 porta no oi-
tao norte, 1 salas, 2 quartos, 1 saleta para en-
gommado, cosinba externa, em segnida a qnal ba
am quarto para nospedes, e outro {com de-
posito dagna potavel, que Ibe e servida por enca-
namento qne abastece a da do Praia, do mesmo
modo qne os diveraos tanqaos, inclusive 0 do jar*
chairo, ou descarregarem carvao de pedra, nao 0
I poderao fazer senao no ancoradouro, perto do
pharol, e que nennuma reclamacSo sera attendi-
da para deixar de ser cumprida esta ordem a
pretexto de ser peqnena a carga on descarga.
0 qne se faz publico aos senbores ionos ou
consignatarios de navies, para a devida exeencao.
I 0 secretario,
Felix de Cantalice da Silva Lobo
SANTA CASA DA MISER1COKD1A DO
RECIFE.
A Buna, junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, manda fazer pubUeo qne
najsala de suas sessoes, 0 dia 22 de outubro, pe
las 3 boras da tarde, tem de ser arrematadas a
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de am
a ires annos, as rendas dos predios em segnida
declarados.
ESTARBLECIMENTO DB CARIDADE.
Boa do S. Goncalo.
Casa terrea n. 24 (fechada). 260*000
Obras railitares
Convida-se as pessoas que se qnizerem encarre-
gar da execucao do focro e pintura da capella do
ho pital militar, na importance de 8693, a apre-
sentar suas propostas em carta fecbada, a 19 do
corrente, ao meio dia, na reparticao das obras pu-
blica*, onde desde ja se acha 0 orcamento.
Pernambuco, 12 de outubro de 1874.
Chryssolito F. de Castro Chaves,
_______________Engenbeiro dag obras railitares
No dia 21 do corrente mez de outm ro, finda
a audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz de direito di 2.*
vara, vai a praca, na resptectiva sala, por extcu
;ao de Manoel Joaquim Baptista contra Carlos
Gybsnn, um sitio corn caa (esta em mao ectado).
na Torre, denominado Maria-mangur, avaliaio por
2.50OA0OO, segundo 0 escrinto 0 edital que se
acham em mao do porteiro.
Santa (Jaa de Misericordia do
Recife.
Devendo cdebrar-se no dia 19 do corrente, pe-
las 10 boras da manna, na capella do hospital Pe
dro II, a festa de S. Pedro de Alcantara, padroeiro
daquelle estabelecimento, de ordem da Illma. jun
ta administrativa convido a todos os Srs. irmaos
para assistirem a ease acto.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 16 de oatubro de 1874.
0 escrivao,
________________Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Casa da Misericordia do Recife.
A junta administrativa convida pelo presente as
pessoas qne se acbam a dever renda de predios e
men-alidade de pensionistas, para que no prazo
de 15 dia tratem de saldar os seus debitos, vislo
que se dentro desse prazo 0 nao flzerera, sera eila
a sen pezar, obrigada a intentar a competente ac-
cao contra cada um delle?, fazendo publicar seus
nomes por este Diario.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 16 de outubro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
t oiiMtrucciio da ponte para a nlfan-
dega 4a provincia do Para.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesouraria
de fazenda desta provincia, se faz publico que es-
ta em concurrence a construccao da ponta per-
manente desti ada a descarga de mercadorias na
alfandega desta capital, conforme a planta e orca-
mento respectivo, que se acham na secretaria da
junta da mnsma thesenrana, e poderao ser con-
sultados pelos pretendentes; cojas obras foram
maadadas executar pela ordem do thesouro na-
cional, n. 73 de 11 de agosto findo, no total de
299:359*400.
Os pretendentes, quer desta provincia, quer das
do Rio de Janeiro, Bahia. Pernambuco, Ceara e
Maraniao, deverio apresentar suas propostas em
cartas fecbadas, as quaes serao abertas em ses-
sao da junta de 17 de dezembro do cadente anno.
Thesouraria d* fazenda da Para, 19 de setem-
bro de 1874.-RayratiDdo daSilva e Cunha, secre-
rio da Junta.
e passngeiros, mi.".-
cala aciraa referidos.
Para frctes, encommendas
se com
OS CONSIONATAR10S
AUGUSTO F. DOLIVEIRA ft C.
i2Rua do CommercioEntrsda pela r..a
do Torres.
CONPAIUII.l i'ERNAMBTCANA
DE
\ave^arilo comteira m vapor.
Feruando de Noronha.
0 vapor Jaguar ibe, con: -
mandante Julio, seen -
ra para 0 porto acini*
no dia 3 do novembro, 1-
meio dia.
Recebe carga ate 0 d; 1
2, encommeadas, pass -
feiros e diiheiro ate ?s II horas da manna .1.
dia da sahida.
Escriptorio no Forte do Mat'os 0. It.
Pacilic Steam LtateSii Cumiiai)
ROYAL MAIL STEAMERS.
Aconcagua
(DE 4106 TONE AD AS)
Espera-se dos pot-
tos do sol ale 0 dia 2 >
do corrente, e depon
da demora docosto-
mesegmra para I. -
verpuot, tocando em
Lisboa, Berde'os, para onde recebera passa|eim,
sneommendas, e dinheiro a frete.
N. B. -Nao sahira antes das tres boras da tsr-
ie do dia da sua chegada.
AGENTES
Wilson Rowe A C.
14PRACA DO COMMERCIO-i i
COMPANHU PERNAMBUCAHA
DE
^lave^acSo eaateira m vapar.
SRaHTBA, NATAL, MACAO, M08*00', ARACA
TT, CEARA, ACARACtl', GRASJA B MARANHlo
0 vapor Giquii, comman-
dante Martins, segnira pan os
portos acimaao dia 22 do
corrente as 5 boras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 21,en-
commendas, paasageiroa e di-
nheiro a frete ate is 3 horas da tarde do dia da
sahila : escriptorio no Forte do Mattos a. 11
Para Lisboa.
A barca portugueza Pereira Borges, capitao An-
tonio Alfre4o Borees, recebe carga e pasaageiros:
a tratar-ae com Suva Guimaraes ft C, pnga to
Corpo Santo n. 6, segnndo andar.


_)iano de Pernamouco Segunda teira 19 do Outubro de la74.
.^
Ilha de S. Miguel
Segue com brevidade para S. Miguel o palha-
bote portogaei! Nova S. Lourengo, para onde rece-
be carga e passageiros : trata-se com ps consig-
natarios Thorn t de Aquino Fonceca & C. Sacce*
sores, rna do Vigario n. 19. 1* andar.____________
Librae eslerlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio n. 42.
Para Lisboa.
Pretende sag iir com brevidade o lugar portu-
guez Julio. Para carga a passageiri s, trata-se com
os consignatarios Thomaz de AijRino Fonceca &
C Snccessores, a ma do Vigario o. 19, primeiro
andar._______
Rio de Janeiro
O novo patacbo braaileiro Sival recebe carga a
frete para aqaelle porto : a tratar no escriptorio
dos consignatarios Balthar, Oliveira 4C, a rua do
Vigario n. 1, i" andar.___________
PiilPiRTiir
O brigue poi taguez Triumpho, pretende seguir
com mnita brevidade : para carga e passageiros
trata-se com os consignatarios Thomas de Aquino
Fonceca 4 C. successores, rua do Vigario n. 19
Risco maritimo.
N. A. Anderson, capitio do palhabote ameri-
cano Frank Hnuard, vindo de New-Yoak, com
arga de farioba. de trigo, gaz, e ontras mercado-
rias, com destino ao Rio Grande do Sul, entra-
doneste porte com agaa a ben a, precisa para oc-
correr as despei.as do mesmo navio, a risco ma-
ritimo, cerca da qnantia da 18:000*, sobre o casco
frete e carregaaiente do mesmo navio.
Offertas tm carta fechada, serao recebidas no,
consnlado americano ate o dia 20 do corrente mez,
ao meio dia._____________________________________
Para o Para.
VPretende seguir com muita brevidade o palha-
bote Jovcn Arthur, tern pane de seu carregamen-
to engajado, para o resto que the falls irata-se
com o seu consignatario Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo, a rua do Bom Jesus n. 57.
LEILOES.
LEILAO
DE
8 gigas com louc,a fina e 2 ditas com lou-
5a ordinaria
\'n IO 1| hoi hn
Em 0 armazesn da rua do Vigario Thenorio
n. 3.
0 agente Dias, competentemente autorisado, le-
vara a leilao, no dia e hora acima indicados, as
gigas de louca que acima se meocionam.
leilao
DA
bareaca Zurich
ma
A I liora da tarue
\o caes do tranche Alfandega Velha (outr'ora).
0 agente Piulojevara a leilao, precedida a com-
petente aotorisacao, no dia e hora acima mencio-
nados, a barcaga denoiuinada Zurich, de i mas-
tros. a qual carrega 600 sac-os com assuoar, tal
jual se acha fuudeada em frente ao antigo trapi-
he Pelourioho, onde poderao os pretendentes
desde ja examina-la.
algumas raercadnrias com avaria, resto da
pane da carga avariada a bordo do hiate
americano Frank Howard
HOJE
ao meio dia
Km 0 trapich'3 alfandegado do Exm. Sr. ba-
rao do Livraraento, caes-do Apollo.
0 agente Dias levara a leilao, no d.a e bora aci-
ESl designate, por ordem do Sr. N. A. Anderson,
apitao do referido hiate, com licenca do lllm. Sr.
.inspector da alfandega, e era presence do lllm.
Sr. consul dos Estados-Unidos, o seguinte :
'WOO pes de Uboado de iiioho.
18 barricas de farioha de trigo.
>8 caixas de gaz.
24 duzias de vassouras americanas.
3 caixas com csiras em iatas.
1 fardo com 20 peeas de algodao.
1 caixa cum tachas
1 dita com farinha de millio.
algumas joias e moveis pertencentesaos bens
do fallecido Jose" do Rego Pacheco
TERCA-I'EIRA, 20 DO CORRENTE
Ab 11 horas a a mauha
Em a casa terrea n. 30, da rua do Alecrim.
0 agente Dias levara a leilao, no dia e hora aci-
ma deMgnadus, por despacbo do Exra. Sr. desem-
bargadur juiz de orphaos, as} >ias e moveis que
ibaixo se mercionam, os quae- fazem parte dos
bens deixados por fallecimento de Jose do Rego
Pacheco.
Joias.
Um adereco composto de 1 pulseira, 1 brocbe e
1 par de roselas. < peqoena pulseira, 1 alQnete, I
par de rosStas, I corrente, 1 relogio, patente in-
ilez, usado, I paliteiro de prata, 1 salva de metal,
12 celberes para cha e 12 ditas para sopa.
Moveis.
Uma mobiiia de jacaranda, usada, 1 mesa elas-
lica de amare to, 10 cadeiras de dito, usadas, 1
neia commoda de dito, usada, 1 dita de angico,
j.-.aJa, 1 commoda franceza de jacaranda, 1 guar-
ia-roupa de amarello, alguns jarros e alguma
louca.
E porqne se ache tambem encarregado da ven-
la de uma escrava de nome Hylaria, preta, criou-
!a, de 22 annos de idade, do service domestico,
avaliada por um conto de reis, e da 3 parte de
mtras duas de nomes Precilla, parda, de 13 annos
de idade, e Maria, tambem parda, de 11 annos de
idade, avaliada a 3* parte da primeira em 2331333
; a s gunda era 166*666.
Recebera deide ja 0 mesmo agente propostas de
quem as pretender, em seu escriptorio a rua do
llarquex de Oiiuda, n 37, andar, e no dia do
ieilio de moveis e joias na rua do Alecrim n. 30,
onde desde ja podera os Srs. pretendentes exami-
nalas.
Grande e ultimo
LEILAO
DE
Fazeodas, cha poos, livros em branco, e
elasticos, constaodo de
Merin6s preios e azues, veos para casamentos,
daraaseos ae c de linho, sargc lim prelo e de cores, atoalbado cru,
cambraias, roe, s de So da Escwsla, para bomens
e senhoras, caoas e maiteletes, srava'as, cbales
de la, de gang, da metim, lencps de -eda, lilo pre-
to, organdys, einloa para senhora-, cbales de caxe-
mira, gorgorio pralo, sedas a setim.
AMim eomo :
'"hapeos a Civonr, livros oopiadorea de cartas,
tecidos elasticM e fitas para cinto.
Terfu-felra CO da corrente
Noarmazem da rua do Bom
Jesus n. 63.
Os admiaJslrailoros da masia faliida de Pereira
deMelloi C, luando da aofa Jllin. Sr. Or. jni/. do direito e>(:p.;i^l !< M nu frcio,
fatao leilao pr Mterv-ncil do memo agouti-
Piiilo, do resin 4m fazrnias perU-ncentrs A usau e exisienies no annazeiu d 1 ji.brado da rua
do Hum Jesus n. 63.
Olcililo i>iiii-i(tiaiii ik<* tO 1|1
horas.
(Por serem muitos e differcutcs lotes).
Leilao
DA
armarao, geueros e perteooas da taverna da
rua das Carrots n. 1, esquina da rua de
S. Joao
TERg.4-FEIRA 20 DO CORR3ETE
A's 11 lioraw.
0 agente Martins fara leilao, em um ou mais Io-
tas, a vontade dos compradores, no dia e hora aci-
ma, na dita taverna.
Agente Pestana
Leilao
DE
viote fardos com rauito superior
fumo da Babia.
QUARTA-FEIRA 21 DO CORRENTE
As 11 horas em ponto
No armazem do Sr. Annes,
Ao correr do martello.
0 preposto do agente Pestana, competen-
temeute autorisado por uma pessoa da Babia,
fara" leilao de vinte fardos com muito supe-
rior fumo em folbas, da safra velha, as
quaes tornam-se recommendaveis pela sua
espf cialid de, tendo vindo pelo ultimo va-
por, as quaes sor8o venlidas em um ou
mais lotes a vontade dos Srs. compradores,
ao correr do martello, e para fechar conta.
LEILAO
DE
moveis, louca e vidros
Quarta-feira 21 do corrente
A'S 10 HORAS DA MANHA.
No primeiro andar do sobrado da rua do
Bom Jesus n. 8.
Um piano novo e furte, 1 mobiiia de jacaranda
completa com consolos de tampos de marmore, 1
dita de faia, envernisada de preta, composta de :
t sofa, i consolos, 1 mesa, 2 cadeiras de bracw, 2
ditas de baianco e 12 ditas do guarnicao; 1 mo-
biiia de mogno completa e em b^m esiado de con-
servacao, I costureira, 1 3ecretaria de mogno, 1
jardineira de pedra, vasos e jarros linos,- lanter-
nas, espelhos, tapetes, cama para casal, toilene,
guarda-vestido, guarda-roupa, marquezio, mesa
elastica, 1 guarda-louca de amarello, novo, cadei-
ras americanas, 1 machina para costura, cadeiras,
sofas avulsos, mesa e outros artigos que estario
patentes aos concurrentes.
0 agente Pinho Borges, autorisado, vendera em
leilao os refendos moveis, no 1* andar do sobrado
n. 8 da rua do Bom Jesus, por coma e ordem de
uma familia que muduu de residencia.
POR
Iniervencao do agente Pinto.
A s^her ;
TEH^A-KEIRA 20 DO CORRENTE
Das fdzendas, cbapos e miudezas da massa
faliida de Pereira d Hello & C, no armazem da
rua do b m Jeau 11 03.
QUARTA-FEIRA 21 DO CORRENTE
D* ^rma<;ao, balcao, bmra, carteira, moveis,
vinhos, licores! cunservas, peixes em lata, balan
>;a-. 1 bole, 1 lancba, e mais pertenca do arma-
zem da rua do Commercio n. 24, do fallecido
Eduardo Turoin.
QU1NTA-FEIRA 22 DO CORRENTE
Dos sobrados da rua do Bom Jesus ns. 61 c 63
da casa terrea da rua d-, Imperatriz n. 60, das 16
meias aguas da rua do Camarao n. 9, do sitio da
rua de Riachurlo (outr'ora Corredor do Bi*po) n.
61 e do sabrado-amarello-da esquina da rua do
Iluspicio.
SEXTA-FEIRA 23 DO CORRENTE
De moveis, lou?a, crystaes, musicas, livros, obras
do ouro e prata no 2' andar do sobrado da rua
Primeiro de Mairo (outr'ora rua do Ciespo) n.
11.
moveie, louca, vidros, pia-
nos, miudezas, ouro, di-
versas obras de plaque e
uma porcao de latas com
manteigd.
Quarta-feira. 21 do eorreate.
A'S 11 HORAS EM PONTO.
No armazem & rua do Bom Jesus n. 68
(antiga Cruz).
0 agente Dias fara leilao por conta e risco de
qnem pertencer, de uma mobiiia de jacaranda com
lampos de pedra, 1 dita de dita, 1 dita ds amarel-
lo. cam*s para casal, rnarquezoes, marquezas, so-
fas, cadeiras avulsas, duas de baianco, guarda
louca, 1 santuario de jacaranda, coMureiras de
mogno, comraodis, quadros, mesas redondas, mesas
elasticas, consolos, aparadoies, candelabros, pren-
sas para copiar, 1 macbina para coatara em per-
feito estado, seeretarias, carteiras cadeiras para
meniaos, diversos cories de vestidos de la e cam-
braia, manteletes de seda, e muiios 1 utros objec-
tos que estarao patentes ao acto do leilao.
Leilao
DOS
vinbos, licores, conserves, moveis, um bo-
te, uma lancha, 0 mais objectos do ar-
mazem de fornecimentos de navios da
raa do Comm-rcio n. 24, quo faz parte
do espolio do finado
Eduardo Turpla.
CONSTANDO DE :
Uma armacao, 1 balcao, 2 armarios, 1 reparti-
mento de escript no, 1 burra, 2 carteirag, 1 lava-
torio com deposito para agua e torneiras, 2 relo-
gios de parede, 2 mesas, 1 deposilo para gelo, pi-
pas, tab6as, escadas, esteiras, balanca-, copos, ca-
lices, charntos e pa pel para eigarros.
Vmhus de Bordeaux, Reiao, S. Julien e moitas
outras marcas e qualidades de vim os em barris e
garrafas, conservas, peixes em conservas, molbos
e muiios outros generos.
Sendo:
1.*0 arrendamento da referida casa a raa do
Commercio n. 84, que expira em flm de, dezem-
bro de 1876.
2.*-Todas as mercadorias da mesma easa, com
pondo-se dos generos e objectos acima menciona
Quarta-reira 91 do corrente
a 1 hora da tarde.
0 agente Pinto, autorisado pelo gerenle do con-
sulado de Franga, levara a leilao, em dons ou mui
tos lute-, a vontade dos compradores, em presenca
do chaneeller do mesmo consnlado, os generos,
aoveis, vinbos, conservas e mais objectos perten-
centes ao espolio do a..ado Eduardo Turpin e exi-
tentei no armatem da rua do Commercio n. 24,
onde se effectnara 0 leilao a t bora da tarde do
dia aefma dito.
LEILAO
DO
sobrado amsn-llo do 3 an iarrs e solao
da rua da Impcralriz, em fn.-iiie A inatrz
da H 1.1-Vist.i, si-rviiiilo d. 11:000;)'00
Quinta feira 22 do corrente.
Ao iiicii) dia
0 agente Pinto, competentemente autorisado, le-
vara novamente e pela ulu'ma vez a leilao, servin
do de base a offerta de 11 contos de rela, o sobra-
do da rua da Imperatriz, esquina da ma do Hos-
picio, edilicado em cli.ios foreiros, gendo que dita
venda sera elTeciivamento realisada no dia e-hora
ac'ma mencionados com quem inelhor vantacem
oil'erecer.
Os novos pretendentes poderao desde ja exami-
narem dito sobrado e concorrerem ao acto do lei
lao, no escriptorio do agente Pinto, rua do Bom
Jesus n. 43._____________________________________
G ande e importante
.LEILAO
DE
predios
A saber:
Um sobrado de 3 andares edilicado em
proprios, a rua do Bom Jesns n. 63.
Um dito de I andar tambem em chaos proprios
na mesma rua n. 61. ^^
Uma casa terrea na raa da Imperatriz "ftTlSO,
em chaos foreiros.
Dezeseis meus-aguas da raa do Camarao n. 9,
tambem era chaos foreiros.
Um grande sitio na rua do Riachnelo (outr'ora
Corredor do Bispo), n. 61, chaos proprios, com
grande casa de sobrado, o qual fica perto das li-
nhas da estrada de ferro, assim como da dos
bonds.
Quinta-feira 22 do corrente
A's 11 horas em ponto
No escriptorio do agente Pinto
RUA DO BOM JESUS N. 43.
Os administradores da massa faliida de Pereira
de Mello & C. levarto a leilao, de conformidade
com o alvara de licenca do lllm. Sr. Dr. jniz de
direito especial do commercio, e por iniervencao
do agente Pinto, os predios acima mencionados,
para pagamento de hypotbecas as 11 horas do dia
acima dito.
Os pretendentes p derao desde ja examinar ditos
predios, os quaes tornam-se recommendados, ja
por seus rendimentos, ja .or serem edificados em
ruas commerciaes, procur>ndo obterem qualquer
ioformarao dos administradores, ou mesmo do
agente, e concorrerem ao acto do leilao, no dia e
hora acima mencionados.
haosf
Companhia
ediiieudora da pro-
vincia
de IVriiiiiitliufo.
Tenho o 'seiitiitiento de levar, pel" preseiite, ao
conhecimenio de lodus os acluaes e fiUnms n!-
crli+ires de a-pVs da eomiiatihla idifio.ili.raJ;>
provmcia de IVniamhur^, qun nan tinha clu-gadu
ao puiier do Exin. id.i cnrr*-nte asidu.-A'i da pet ,-ai diiif>-la ao go
w-rno imperial, t ni rl dc fg!*tu de l7.'!. sb D.
77, nlaiiva a apurovacao dos csialuios da coin
panhia ediftcadoia da pruviucia de Ptrnambuco,
da qual F. M. Duprat e incorporad.T.
A vista desa inesperada demora e da nreente
oecessidade que esta praca tem de ver funccionar
o mais breve possivel a grandiosa e ulilitaria em
prozadeedificacoes da provincia de Peruambuco,
a qual em pouco tempo lara augmenur de quinhen-
tos a dous mil contos de rs. o movimento linancei-
ro e commercial desta praca, e contribuira rela-
tivamente a fazer desapparecer a crise financeira
actual que ha mezes desola esta praca, bem digna
de melhor sorte.
Tive a occasiio de saber na secretaria da pre-
sidencia, em 7 de outubro corrente, que S. Exc.
o Sr. commendador Henrique Pereira de Lncena,
com o flm de obtcr prompta solucao, agora que
os trabalhos das camaras eslao concluidos, diri-
gio em 2 do corrente um offlcio a S. Exc. o Sr.
miDistro da agriculture, renovando-lhe o pedido
que lhe fizera era 15 de junho proximo passado,
da solucao da peticao ja citada e remettida em 21
de agosto de 1873, sob n. 77, acabando assim de
dar uma nova prova do interesse que torn a e do
desejo que tem de ver dita empreza assentar a
primeira pedra da prmeira edifieacuo qne Qzer,
e cuja acta desejo qne seja assignada pelo actual
presidente da provincia, datando desse dia os 40
annos das dispensas de de;imas concedidag pela
lei provincial n. 533 de 20 de jnnho de 1862.
Recife, 9 de outubro de 1874.?
iJt F. U. Duprat.
Casa
Na raa Direita n. 36, alnga-se a loja com aim>-
cao, pintada e caiada de novo, propria para taver-
m, porter lido la esse estabelecimento, mnito afre-
guezada e bom local; a chave para ver, esta de-
fronle n. 29, loja de tamancos. ___________
LEILAO
DE
moveis, louca, vidros, livros,
musicas e obras de ouro
e prata,
COMO SEJAM:
Uma boa colleccao de operas, musicas e phanta
sias.
Uma dita de eUudos e exercicios de agilidade,
duetos de Ernani, Forza del destino, eta., etc.
Uma dita de polkas, walsas e quadrilbas moder-
nas.
Uma dita de operas para canto, romanzas italianas,
duetos, estudss e exercicios.
Um livro de solfejo de Rodolpho e 3 livros enca-
dernados com musicas difficeis e faceis.
Uma colleccao de livros inglezes, comprehendendo
os poemas de 0 wper, Shakespeare, historia de
Inglaterra c biographia geral.
17m diccionario italiano, as prisdes de Silvio Pel-
lico, um diccinnario francez, bistoria de Portu-
gal, da Grecla e do Roma, da idaue meuia e an-
tiga, e outros livros.
Um relogio de ouro esmaltado e corrente de bom
gosto, propria para senhora; uma corrente de
ouro (double) e com um medalhao ; u o cordao
de ouro do Porto, de 20 quilates ; uma pulsei-
ra, uma medalha para retratos, um medalhao
com perolas, 4 anneis de ou>o, sendo um com
brilhante e muiios outros objectos.
Uma mobiiia de jacaranda (massica) com um snfa,
2 consolos, 2 cadeiras de bracos e 12 de guar
nic.40, uma cadeira de baianco e uma conversa-
deira de jacaranda.
Um piano forle de jacaranda.
L ma mubilia de junco, propria para gabinete.
Um guarda-louga envidracado, um aparador com
gavetas, cadeiras, mesas, marqueza?, marque-
zoes, lavato ios, commodas, louga, vidros, 2 ca-
mas de ferro para menino, e muitos outros ob-
jectos proprios para casa de familia.
Sex.ta-feira 93 do corrente.
No 2 andar do sobrado da rua Primeiro de
Mar$0 n. 14 (outr'ora rua do Crespo).
0 agente Piuto, autorisado por uma familia, que
rouda de residencia, fara leilao dos moveis e mais
objectos acima descriptor, existentes no 2 andar
do sobrado da rua do Crespo n. 14.
0 leilao principiara as 10 l|2 boras em ponto,
por serem muitos e diflere'tes os lotes.
AVISOS
Massa faliida de Pereira de
Mello & C.
Os credores podem reee-
ber o 2. divideado de sete
por cento, apresentando os
titulos para se aunotarem.
CASA DA FORTUNA.
AOS 4:000^000.
BILHETES GARANTIDOS.
A" rua Primeiro de Margo (outr'ora rua do
Crespo) n. ftS e casas do costume.
0 abaixo assignada, tendo vendido nos sens fe
lizes bilhetes um meio n. 3067 com 4:000*000, um
meio n. 1644 com 700*000, um inteiro n. I9i2
com 200*000, um meio n. 1333 com 100*000, e
ontras sortes de 40* e 20* da loteria qne se
acabon de extrahir (120*), convida aos nossnl-
dores avirem receber na conformidade do cos-
tume sem desconto algnm.
Acbam-se a venda os felizes bilhetes garantido?
da '! parte das lotenas a benefleio da matriz
dos Afogados (121'), qne se extrahira na quar-
ta-feira, 21 do corrente mez.
PRECOS,
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
Km porcao de loo* para clma
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Martins Fiuza.
I1TR11CCA0 PARTICULAR
Rua da Roiltt u. 418, sobrado
Prirneiras lettras, portuguez.francei, ioglez,
desenbo linear e musics. *
Sob a direcgio do professor Hermino Ro-
drigues de Siqneira, funcionam ditas aulas
todos os dias nteis.
Recebe alumaos internos, meio-pensionis-
tas e oxternos ; fornece t -do o material para
escripta e livros aos principiantes, por pre-
cos mnito razoaveis.
Com Francisco de Paula Uchda Cavaksante,
cobrador, pre:isa-se fallar com nrgencia ; na raa
Primeiro de Marco n. 16, 1* andar.
Ao commercio.
Constando ao abaixo assignado, proenrador bas-
tante do Sr. Manoel Joaquira Preire, de presente
na Europa, que se pretende vender a taverna da
rna do Rosario da Boa-Vista n. 56, e tendo seu
constituinte um titnlo credilorio contra o proprie-
taiio della, vencido e em juizo, disso faz aviso a
todo e qualquer pretendente, para evitar duvidas.
Recife, 15 de outubro de 1874.
___________Cnstodio Marques Preire de Oliveira.
Casa nu Caxanga
Alugase por festa ou por anno uma casa ha
dita localidade, com sufllcientes commodos oara
familia, e por precp muito raioavel : quem a pre-
tender, dirija-se a rua Marquez do Herval, outr'o-
ra Concordia n. 138._____________________________
0 abaixo as3ig.iado tem justo e contratado
vender ao Sr. Manoel Jose" los Santos Braga o seu
esubelecimento de molbados silo a rua do Rosario
da Boa-Vista n. 56, livre e deserabaracado de
onus. Recife, 14 do outubro de 1874.
J.ise Joaqoim Marques.
Manoel Jose dm Santos, viudo de Macei6 e
achando outro de igual nome, se assignara de hoje
em diante Manoel Jose dos Santos Braga. Recife,
14 de outubro de 1874.___________________________
A.0 comm rcio
0 abaixo assiguado declara que nao tendo ef-
fectuado defloitivamente a sociedade que tinha
contratado com o Sr. Jose Barbosa de Carvalho. a
qual ja tinha principiado a gyrar nesta praga sob
a firma de Monteiro & Carvalho, fica. sem effeito
a dila sociedade, c intinuaudo o abaixo assignado
como ate aqui, a negociar na sua firma indivi-
dual. Recife, 15 de outubro de 1874.
Antonio Marceilino Monteiro.
Aluga-se
a excellente casa da rua Riachuello n. 9, com bons
e grandes commodos para familia, e jardim na
frente a tratar com Joaquira Lopes Macbado.
Bods pianos.
Chegados de novo.
Vende-ae.
Troca-se.
E aluga-ge<
No armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7. -
MOBILIAS
de vime e de faia.
Vende-se muito em conta ; cadeiras avulsas, de
baianco, de bracos e de dobrar : no armazem do
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, outr'o-
ra Nova n. 7.
Perfumarias.
Finos estractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de toilete
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
crosmeticos, mnitos artigo delicados em perfnma-
ria para presentes em frascos de extraclos, caixi-
nhas sortidas > garrafas de difierentes tamanhos
d'agua de Cologne, tudo de primeira qualidade
dos bem conhecidos fabricantes Piver e Condray,
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de differentes gostos r
pfaantasias.
Espelhos, leques, luvas, joias d'onro, tesonrinhas,
canivetes, caixmhas de costura, albuns, quadros,
e caixinbas para retratos, bolsinhas de velludo,
dita de couro, e cestinbas para bracos de meoinas,
chicotes, bengalas, ecnlo, pencinez, ponteiras para
charntos e eigarros, escovas, penles. carteirinba de
madreperola, tapete para lanternas, malas, bolsas
de viagens, venesianas para jaaellas, esterioco-
pos, lanternas roagicas.cosmoramas, jogos da gloria,
de damas, de bagatella, quadros com paisagens
!;lobos de papel para illuminacoes, machinas de
azer cafe, espanadores de palhas, realejos de veio,
accordaos, carrinbos, e bercos para criancas, e
ontras mnitas quinquilharias.
Briuquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de fa>-
dos os brioquedos fabricados em differntes parte^
da Europa, para entretimentos das criancas, tudu
a pregos mais resnmidos que 6 possivel: no ar
mazem do Vapor Francez, rua do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova n. 7.
Galcado francez
A 9$
Botinas para homem
Acabam de chegar grandes jacturas de botina:
de bezerro, de cordavao, de pelica. de dnraqut
com biqneira, de bezerro com botoes, e com ilho-
zes a 9^000 (a escolher) por (er vindo grande
qnantidade por conta e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rna do Barao dv
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores, diflerentei
lisas, enleitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos.
pretos e de cdres differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de tranoa
Para menlnas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentea.
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranga portuguezes.
Para uienlnos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
'BOTINADOS e sapaldes, de bezerro, de devarsa*
qualidades.
SAPATOS de tranga.
Botas de montaria.
Botas a Napoieio e a Guilherme, pert-*
meias perneiraa para bomens, e meias perneira
para meninos.
No armazem do Vapor FraiejL & nu do Barao
da Victoria n. 7. ^**
Hz
MtfiiP
3
S" 2.3
5 3g-3
1 5 i
= 3 2.
< o v.
irf
s -
a 5"

tai 3.,
S: I' *
_| _3
Ml
a o .
B w
2
CA ST.
at
B, *,
t> <* _

a
3

1 p s
B
o
2.

era
w
3
if
'1 CD
o n
'/ 9
is
II
2

a
sr
_w
o _
G> __
9 m
CC-3
as
o
Boa moradia.
Vende-se um eicellente sobrado, com uma
casa pequena cont gua, sitas no Po(o da l'a-
nella, rua Real n. 30, com bons commodos
para um? familia grande, tendo diversas sa-
las grandes e muitos quartos, todos com
janellas; quartos para criados, cocheira,
eslribaria, grande copier, casa de banho
e jardim de cada lado. A casa ostd em
perfeito estado, e esituaQdo 6 mais fresca
e saudavel possivel :a tratar com a proprie-
taria D. Maria Purcell Raulinson, na mesma
casa.
- Aluga-se o primeiro andar da casa da rua
do Torres n. 8, prcpria para escriptorio, on pouca
familia: a Iratar no segundo andar da rua do Mar-
quez de Olinda.
Escriptas
Una pesso' com habiliu.oM, disnrr.do aiaJa
do alguin tempo, se propr* a fazer algumas e-
criptas, on tf;am por partiJai dobradas on siR-
ples, .m srjam [Mir iT-.-i:vHlido mi mnm lenr
raramriitr. A nn \-r. u :, aA|M4a n*---
t\-|-||i ilMilc> |i'-:-iuaj iki Mil lr..L-.,i:; ,
>ua 's-i ;i.i :;(!. iii i'iiyk'su li r< a i,u.:ri ,: ^
I li.ii .-t-us M"it t; :>- !-.. i-ar uiiii-ar--
du u {ie.-iiini. jjiV! detxiti u. i aa loja do Pa* '.
iUiiic.iiidi> ii im:iiu .-liiitar para nr procur Fugio a 13 jln orronle u n ulalinlm Casemi-
ro, de idade H snao*. mais ou uienos, cdr alva-
eetiia, cabeilos caiapinhos, p*s e mios grossax.
olhos e orelhas grandes, rosto l>rgo, e e caoboto .
snppoe-se ter ido pel- estrada do Caxanga, em
algum comboy do centro : t-raiilica se bem na
Passagera. entrada para a fabrica fa fiacao.
PEKUEU-SE
No domingo i do corrente, da matriz de S. J->-
a rua de Vldal de Negreiros a. 157, uma crux da
our > com perolas : roga se a pessoa que achoo, >>
favor de levglt a mesma rua n. 133, que sera re-
eomcestadn.
Alugam-se
Boas casas de campo, na Cruz das Almes e
Poco da Panella ; a tratar com o commendador
Tasso._________________^___________
Aos fumanles
Jose" Antonio Dominguos de Figueiredo, proprie-
tario da fabrica de eigarros do becco Largo (Re
cife), previne aos apreciad res de seus eigarros,
que abrio um deposiio a rua estrtita do Hosario
n 16 (Santo Antonio), esquina da rua das Laran J
geras: alii encontrarao os senhores fumanles um
granJe e bem escoihido sortimento de ponteiras
para charntos e eigarros. cchlmbos de mnitissi
mas qu; vana e da Bahia, de'todas as dos manufacturados na provincia, e eigarros de
muitas qualidades, tanto dus manufacturados era
sua fabrica, Cumo id Rio do Janeiro, e Manilha,
tanto em grosso como a retalho, garantindo se sin-
ceridade, promptidao e agrado.
Urg<
encia
Precisa-se fallar com o^ Srs. Fiancisco Correia
Lobo e Antonio Ezoupo de Lima, a negocio de seu
particular interesse, no pateo doTerco n 23, sr
mazem Conservativo ____________________
Faz-se todo negocio
com uma armacao de amarello, bem c<>nstruida e
feita com toda perfeicjio, contondo pesos e bilan-
^a decimal : i ara ver, na rua Imperial n. 217
Protesto.
0 abaixo assignado, Dlho lepitimo da finada D.
Maria Gomes Coutinlio do Amaral, sabendo que
os ben- deixado por sua mai. dos qnaes 6 o uni"o
o legiiimo herdeiro, estao justos para serem ven-
did'is pelo nullo testcmenteiro .Man .el Luiz da
Silva Guimaraes, previne que ninguem fara ne-
gocio com o 3itlo e casas da Varzea nem com oulro
qualquer bem, visto como nao aotorisou a nin
guem para vende Us.
Kecife, II de outubro de 1874.
Thoraaz de Aquino Cnutinho do Amaral.
- Alnga.se uma escrava para engomrnar, e
para o servico interno de oma casa do familia : a
iratar na rua Duqne de Caxias n. n3 Na ire ma
casa tambem aluga-se um moleo.ue de 1G annos,
com muita pratica do servifo domestico.
Alugise o primeiro -andar da rua e-treita
du Rosario n. 22; a fallar uo patuo do Ter?) n. 3t
Aluga-se
os armazens ns. 65 e 69 na pra.a do cbafariz era
F6ra de Porlas, nm onde teva tenda de ferreiro
o fallecid E. Mahult. 0 outro que ostevo occu
pado com venda de mulhados, para o que e op
timo pela localidade e ser de esquina. ambos livres
e desembara^ados de impostos: a tratar com o com-
raendador Ta'sso._________________________________
Divine Service in English
Every Simday evening
at. 6.45
Rua do ltnperador n. 13 1 e(, floor.
Expose,
DE
Dma onea
Domingo 18 do corrente
No largo do Paraizo n. 12, antigo estabelecimen-
to de Panla & Mafra, achara o publico desta capi-
tal esta fera domestlcada, denlro de conveniente
gaiola. Precu da entrada 200 rs. ; das 9 boras da
nianba as 6 da tarde.
Precisa-se de nm rapaz que tenha algum ca-
pital para enlrar de socio em um hotel : qnem
quizer dirija se a rua do Rangel n. 4, a entender
se com A. T F.
Vende-se uma taverna, bem afreguezada
para a terra, com poncos fundos, propria para
algnrn principiante : a rna de Riachuello n. 40.
Vinho superior .
PW& rna da Imperatriz n. 67 aeaba-se de receber
excellente vinho do Porto, em barns de 50, 75 e 150
garrafas, e vende-se muito barao, garantiado-se a
qualidade.
Precisa-se da quantia de seiscentos mil rCis
a jnros, dando-se por garantia oma escrava moca,
bonita figura, perfeita engommadeira, boa cozi-
nbeira e cose : a pessoa que quizer fazer etde ne
gocio, dirija-se a rua do Cornel Suassuna n. 187,
3." andar.__________________
Novo Hondo.
Com o n. 48, cnegado pelo Merrimaek, comple-
ta o 4* anno. 0 preco da astignatura do 6" aono
sera de 104. Ate entao esta folha liazia 16 pagi
nas ; agora trara 24 e capa ; lornandb*se muild
mais recommendavel, porque nem so dara supple*
m-nbis gratis e repetidos ; como tambem publi-
car-.-e-ha leituras para familias, e gravuras espe-
ciaes para teoboras; evitaodo assignar-se nm
outro jornal para mouas.
LI VRARIA FRACEZA
Alugase o armazem ie recolher, do sobra-
do da rua dos Burgos n. tl, por detrz da raa do
Vigario : a tratar cum Josti Feliciano Nasaretb.
rua da Praia n. 2a________________________
Aluga-se o primeiro andar da rna de Lore;.*
Valentinas n. 100: a tratar na rua Direita n. 10.
rcfinacao._________________
Aluga-se uma casa naCapuuga, rua
das Fernambiicanas n. 52, a qual tem
duas salas, seis quartos, cozinha fira. ca-
cimba, tanquc para banho e grande quintal
murado, com muitos arvorcdos a ruaicr
parte laranjeiras : trata-se na rua do Impe-
rador n. 28.
Aluga-se o andar do sibrado n. 12, sito i
rua dc Marcilio Dias, outr'or.i rua Dtrrfts : MDi
quizer, dirija se ao 2" andar do mesmo s<>brado.
Jezuino Ferreira da Silva mudou a >ua re-
sidencia | ara o largo do Paraizo, subralo n. 2*,
e por issoa'uga o predio de sobrado c m s.iio ar-
borisadi e ajardinado, no qual morou, no lucar
denorainado Caldeireiro, f'epu.iia do P65 da Pa-
nella ; cuj-i si'.b fica tres miuutos dlsl nte da es-
tacao da via-ferrea do Recife M Caxanga. _
Aluga-sc a casa terrea sU-i nabeiia dor.
do Poco da Panella, com sitio arbonsado e afafii-
nado, e jom cacimba de agna do beber, pro^r. 1
para passar-se a fesla : quem a pretendr.-, < ntec-
da-se com 0 despachante da alfandega JezuiL >
Ferreira da Silva.
Traspasse de loja.
Traspassa-se a loja da rua da Imoeralris n *.
com armacao e candieiros a gaz, tudo em perfei: >
estado, tendo tambem commodidades para famiila
a localidade 6 excellente por ser do lado r referid 1
para negocio, e traspassa-se por 3003 : a tralar
na mesma.
ADVOGADO
B\Cn\REL .JtUQlIMGIEXYESDA
SILVA ]!ELLi;.
93 Baa ostroila do Kos-.rio *3
primeiro aiiil;cr.
Escrava fiigida.
Josepha rnsentou se da ca^a da sua senhora
no dia 5 de outubro e tem os signaes segumtes :
crioula, cor preta, represent lor 18 ann 1 1 cue
mais ou meuos, tem os drd.s da man dirdia
cortados, levou 0 tab.'leiro em que andava v.0-
dendo cangica e coutmiia a andar ;.m i*M U-
boleiro com t da looea para nao ser aa:,rrada
levou saia dc ehita co.n um l.-abado aatmai tm-
baico, Iraja eamisa cm labiryklko n.> ulbo e le-
vou chales preto : r ?a ;e as antaridadM pob-
ciacs ou capitaes de campo, 1 ?ppreb-urao da
dita escrava 0 lova-la ao Caataho .\..v,-. .!tio c
liO, a sua seabora, ou na rua da Cacm tu, pr
nieiro andar. a enlr^gar r.o Sr. Joao Hraucisr
Leite, que sera gencrosarr.enle rcoiiinpen.ado.
di:
BRISTOL
I ,
-

'r
fV'

s?7
.

CURA OS CASOS MAIS DESESrERAI'O*
A SAl SAPAHRILHA DE BRISTOL pur>
Qca a massa do satigue, expelle para for
todas as materias e fozes viciosn e iini-urai,
regula-todas as secrecies, da vitah'iade t
energia a todos os orgaos e di Ibr^a e vi
gor ao systema fiin dc podcr melhor retie-
tir a todos os ataqucs da enformidade. T
pois este um remedio constitutional. EUt
ounca distroc afim de podcr curar ; port^ni
constantemente assiste a naturesa. Portflnt:
em todas as doengas conslitucicmes e cm t:-
das as moleslias locacs dependent* d'um e+-
tado vicioso 0 imperfeito do systema em ge-
ral, achar-sc-ha que a Salsapariulba di
Bristol 6 um remedio seguro e cflicassisa>
mo, possuindo inestimaveis e incontestevwtt
vrtudes.
As curas milagrosas do
ISscrofulas,
Ulceras,
Ckagas auligaw^
ENFERMI DA DES S\ I'H I LI'i I CAS
ERYSIPELAS,
RHEUM AT1SMO,
NEVRALf.IAS,
ESCORBLTO,
ETC.,ETC., ETC.,
que tem grangeado e dado 0 alto rauome
Salsaparrilha de Bristol
por todas as partes do uni verso, sSo Uo M-
mente devidas A
CNICA LEGITIMA E ORIGINAL
Salsaparrilha de Bristol
PHARMACIA CENTRAL
Os abaixo assignados declaram pelo presen-
te qne dissolveram por ecriptura desta data
sociedade qne tinham entre si sob a firma de Silva
& Cascio, fJcando a cargo do ex-socio Joao Agos-
tinho da Silva todo 0 artivo e passivo social. Reci
fe, 9 de outubro de 1874.
Joao A. da Silva.
P. ft, Pereira Cascio,
FUNDA ELECTRO-MEDICAL
IRVENCM PDIVILESMDA NU1S UHW
""""urDMIAO doa 4ntor H1RII
ndlcal nio lnnaot,medicolainmi
44, me de l'Arbre-Sec, Paris, Vi accompac-
had da oma noticia.
DepoaHoemPgrnmnftMOO." AWfWUIatBtBP'A'f ifii
AnuiasTU{Zo: PAR1Z, i2, ioclivut Miut>i.
PASTILHAS DIGESTIVA8bkricadM em Vi-
1 chy com os Saes exlraidos das Foitei. So da
,r goto agridarel e a sua accSa eerta eoalra a
Azia e as digeslOes difflceis.
8AES DE VICHY PARA BAHHM. C ^
or um banho, pan at pesaow qi a podaaa
Para evitar mtigir em toda* at pradactot a marta 4a
comsMTt at uTaat nuaxu
Os prodactoa da acima acM a* t
Em Peraambaca, HARI8EEHDT I4HUE.
, rua do Ci arris


A
Biano 4e ttaafioowo Segumda fcira 19 de Outubre de 1874
Boa nroradia.
ofit it da estrada de Agua-Fria n.
iw* para nnmerosa familia e excellente
tMke-sciiarlk Jacare, period* estacao do ca-
iiBWfcu tit lirro : a traiar na ma Primeiro de Mar
Cirra instonlaca
iiosa clescoberta III
Hovidade icrportanlissima 111
Sw^faottiliaoo de nm ealix do superior vinho
E9BCM60 qufi se vende do 1 andar do sobrado
>^.tsa da Cruz, tern a propriedade de ubs
mam -am. grande vantagem e extraonloaria eco-
jcs dt'purativos tao apregoados e conheei
mmmat *i/fi e caroba, etc. 0 medicament j que
imos, nii> cura todas as molestias como
as panaceias que se annuneiam, acompa-
feattesudos; todavia. restabelece imme-
33 f rcas, e purifica o sangue, scm a
tmammtajem d< ser norho a satide.
9iia&os e dormida fresca no
Monteiro.
-s-e alii iluas casas pequenas, tendo cada
Seas .-alas Ires quartos e cozinha : a tra-
i km Nova, loja u. 7.
sun
I'm novo rival!
Akc ocaa cidade tao populosa como a nossa, &
gag Jo ta.-uOQ..ien e a existen ia de um uoico
fe :w.- Coaft itaria do Campus. -
f. .v>;e o uiotlvo porque acaba de .-brir-se a
saeatteoeis public* no bairro do Recife a rua
e Tnwaercio n. i-, uma casa commoda e de-
.K&Ji-, sei n titulo de Assemblia do Commercio
wto- respeitivel publico encontnra sempre
mat sraeisar, o necessario para :
: sseamento.
Uita soiree.
Urn baptisade e
I'm lancbe.
Jr. &CEem :
'imSt variedade de bebidas finas.
ijpyfcto sortimf nto de doces para embarques. .
JiKSf>i eaprichisaraente preparadas
?a*7*s e lanc'.ie a qualquer bora.
Se&- soa esmerido aceio, presteza e precos eqm-
22 Ru i do Commercio 22
Meira & Lima
______Assemble:! do Commercio.________
ESLIHAVO FUdlDO
f-?5n dVi prieeulio Afalaya, na freguezia de Se-
rs-.iiea, no anno de 1863, o escravo Francisco,
kto) com IS a 18 annos de idade, pouco mais
m mm?, ahnra e corpo regulares, olhos.rasos e
**-*> eftr bem lara, cabellos bon., denies per-
*tet, aariz afila do e curto. leicao bonita, se.n
taste, muito m.iderado. pes seccos e bem feitos.
escravn f i do Sr. commendadi.r Antonio
*aaa-.03 Pooiu-il, senaer do cugeoho Cabeca de
5efrc>; con.praJo ao curretor Oliveira, murador
K "Stfeiw.
Fcyio do en7n!in AjndiDte,.na fregnezia da
ftr:-&. no anno de 1872, o escravo Guilberme,
arap? ^ ngnaea jrgnintes: pardo, com 23 anno-
* fyiie, poaen inaia ou menos, altura e corpo
:*5?.?3r<;s, cabfll)=cacheado.,olhos grandes, rosto
p-irt-i, cot ;lguns signnes de bnrba, nariz
Bprido o iim laato arquerda. dr.Mes porfeitos ;
m 3W3= sardas pclo resto, e fat movimento no
foando anda, e na cccasiao de cumpnmen-
a alguiia i'3-"a. le-a o chapeo por cima da
s&,s para a relaguard*, e rnuito hlegre e diver
scnnfia-e qne esttja na cidadt da I'ara-
en em Nanreth. Por lanto, rcgase a?
- p Jicinea e aos capitiea de campo a
so doa ditos cscravos e serem entregafs
n'i' r. En ilio Pereira de Araujo, i o r. le-
i-niio de i nein terae a pan d) 300/000
nm. N Ii. o ppcravo Goilherme i?m
tn'z s"brf r.:ria sobrancelha.
avolugido
iano ausentoo so da rasa de scu si nh >r do
s : [nlir >, e tern os signaes seguint's :
f .i.i. i-.'jiri'sen a J^r 3o annos de idade,
mais uu munos, tern algumas sa-da.' ou
no rostc, pei grandes e calcanbares fj-
. los encoJhidos, tambem lira uma ci
lias ,Toicni8nle de uma ijueimadu-
atw igual em um:i das poinas : ruga se a?
. .. aiad s pu i.'i.is e aus Srs capitacs de campo
h fcieri a ereme'elo a rua do tin'
b. 46, 1 audar, qua serao gcnerosamente
, a!.,..
' [oleque fue^do
inatn, mo|- ;ue de \.) a II anno?, preto,
, elisiii do orpo, rosto redoado, bonilos den
.- rcabciln Ciii J.' 10 io drrente. ccm camisa de madapo-
Baica de brin de cor, dpsbolada. cliapeo de
: el >, rondozindo um serrot-' grar.de e um
-:' > dr,> tres t ... i irv.menlicom u-nas feridinhas. Grati-
8 e qiiem lev;.-io a rua da Aurora n. 165.
tharina fagio.
28 de ajosto proximo passado. ausen-
.1 escrava, a ioal t-m os signaes spgnin-
- tura baixa, rosto redondo, cor preta, pi*
costumava vender Icite, anda sempie
eaci>ie que lhe serve de arnino por sof-
imalnmo, ja e lira e de oacao Cam
W i encoolrar,pegueaelere-a ao sllio
Id, estrada du loao 'Io Darros. que sera
! i
kwlmk de Aicvwlo Villarwuee-.
Pelo presente sao convidados os afilbados e afi
In >das de Antonio de Azevedo Villaroaco, falle-
eido em Portugal no mez de outubrd de 1873, a
apresentarem dentro do prazo de 60 dla-, a con
lar de-ta data, a certidSo de seu nascimento, em
casa do abaixo assignado, testamenteiro insliiuido
pelo dito fallecido, aflm de que sejam devidamente
attendidos Da partilha a que tem de procederse
com a precisa igualdade, de accordo com a d'spo-
sifao testamentaria. Recife, fc) de setembro de
1874. Man el Azevedo de Andrade.
Exmas. noivas.
Chamanos a vossa atttncao para o novo esta-
belecimento que acaba de abrir-se a rna do Com-
mercio n% 22, denominado ASSEMBLEIA DO
CoMMER^IO onde *e preparam nea* bandejas
com grande variedade de bulinbos caprichosa
mente enfeitados, tambem se apromptam bou-
quets.
Assemblia do Commercio
Meira 4 Lima
22 Rua do Commercio 22
Frecisa-se
alugar uma escrava para vender na rna : a tratar
na rna do Cabpga n. 3, andar.
HOTEL
Restawanl de Bordeaux.
Abcrto to da a noite, oos dias de especta
culo da compaiihia italiana.
Escravos fugidos
Continuam a estar fugidos desde o anno de
1870, os escravos seguintes : Francisco, crioulo,
com 28 annos de idade, pouco' mais on menos
altura e corpo regulares, olbos grandes e br&ncos,
denies perfeitos, cabellos carapinbados, uma ci-
t-atriz por cima do olho esquerdo, barba a Cava-
nhac, mnito conversador e risonho. Antonio, ca-
bra, com 23 annos de idade, pouco mais on me-
nos, alto, secco, o'hos grand.es e vermelhos, ca-
bellos um tanto soltos, pouca barba, denies per-
feitos, pes enmoridos e seccos ; ambos foram com-
prsdos ao barao de Nazareth. Lies -onfia-se que
os ditos escravos estao occulto3 na comarca de
Pajeii de F^res, oq no Rio de S. Francisco. Ro-
g -se, portanto, as autaridades policiaes e aos ca-
pitacs de campo a captura dos mesmos escravos,
e serem entregnes a stu seu senbor, Emilio Perei-
ra de Araujo, no engenho Ajudante, na fregue-
zia da Escada de quem terao a paga de 300/000
por cada nm.______
PENHOEES
Na travegsa da raa
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores deouro,pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma easa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Mall
M0F1NA
Esta encouragado !! !
Agua mole em pedra dnra
Tanto da ate que a fura.
Roga-w ao Illnx Sr. lgnacio Vieira da L
Mcrivio na cidade de Nanreth desta nrovincia,
lavor de vir a rua Dnque de Caxias n. 36, a con-
dnir aquelle negocio que S. S. as comprometteu a
realisar, pela terceira caanuda deste jornal, em
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou a fevereiro e abril de 187$,e nada cumprio,
por este motivo 6 de novo chamado pan d
dm, pois S. S. se deve lembrar que este negoci
le mais de oito annos, e qnando o Sr. tea nlho
uhava nesta cidade.
:C5
;'(*/ i.
m IV.*
Cajiellas morttiarias.
Porto & Basics, a praca da Independencia n.
39. acabam de receber pelo ulimo vapor, lindis-
simas eapellas imnuarias com diversas inscrip-
coes prop ias para tumulos e catacuraDas, as
quaes vendem por praooi muito modico.
Carlos llchoriic
Maria Candida de Miranda AN
chorne e Jesuino de Miranda, sen
tilissimos da morte de seu marido
e cunh;.di, Carlos Alchorne, convi
dam os spus parentes e amigos e
a"s do fallecido, para ouvirem as
mhsas. que por su'alma fazem ce-
lebrar na igr.ja da Gloria, as 7 horas d-j dia 21
do porreni-. trize-imn do wn nassarcentrt.
V ^L^J fas*, V
Teueuto Jose Uoria ferreira da
Ciinhn Fillio,
Francisco Zachanas de M^raes, compungido pe-
la ninrte de sen prezad) amigo tenente Jose Maria
Ferreira da Cunha Filho, fallecido na cidade de
Caruaru, convida a tolos os parents e amigos do
finad i para assNtirem a uma missa que por sua al-
ma mand.i r^ar na igreja do convento de S. Fran-
cisco desta cidade, as 7 boras da roanhi do dia 90
do rorreuti*.
A!lilic;!o
~ '<}:
smao & Leal, eatabelecidos com loja de
a rua Primeiro de Marco n. 14, fazem
* tnublico e aseus freguezes, queseacham
ire i,. d dlto sen estabeleci.nento, e naad-
! ..a' de lodos os sens bens fsperando como
<*.TtH* a f ncirrenria de um e de outro.

visor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vitalidade primitlva e nat-
ural.
Tr.--.on do Cabello 6 uma preparacSo ao
tempo ngradaxel, saudavel e efficaz para
rvai o cabello. Por raeio do seu uso o
* **-^ "ico, grisalhc, e enfraquecido, dentro de
faaao tempo revolve a cor que lhe 6 natural e
Sra, e adquire o brilho e a frescura do
k-siwio da juventude; o- cabello ralo se torna
tis* > a calvicie niuitas vezes, posto qne nao
IB todos os casos e neutralieada.
ha n;ula que pode reformar o cabello
dos folliculos estarem destruidos, e as
oansadasre itras, mais se ainda restarem
3cjins podem ser nalvadas e utilizadas pela
*pfiBacao Odmanisis que tarn am nmltas preparacoes de este
*irsw tarn Hocivasedestructivas ao cabello, o
Tflgpr sdmente lhe e beneficial. Em vez de
njpa o cabello e-o fazet pegajoso, o conaa-va
*.< e forte, embellittmdo o, impedindo a queda
tomar-se ruco, e por consequinte previne a
sMacie.
taa_uBo da toilette nao ha nadatnais a dese-
*^nao contendo oleo nem tin tura, nao pode
;** mesmo o mais alvo lenco de cambraia;
-nano cabello, lhe da um lustre luKurioeo,
" ^erf muito ngmdaTel. '
a cor da barba, e necessario
om o eabello, poretn se pode
l,;r.t ttla de fiaados.
Na rua estreita do Roario n. 35.
primeiro andar, tern a vender-se
liodas capeUas para aojos, donzel-
las e detuotos, de rosas, saudades.
cravos, perpetuas roxas, brancas e
irelas, com letreiros lembranca
de minha mai, de meu pai, meu
tsp"--o, minha esposa, irmao, irma, avo, avo, fllbo
e lilba tambem quem quizer mandar as per-
petuss para se armar capellas, pode mandar tres
dias antes: vende-se tudo por muito barato preco.
Aluga-se 2 casas muito frescas, na Capnuga,
com commodos para farailia : a traiar no mesmo
:ugar a rua das Criuiilas n. 5.
"CASA DO (MO
Jlos 4:0009 Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Novo
n. 30, t casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nos sens
nuito felizes bilhetes a sorte de 4:000*000 em
men bilhele de n. 3,067, alem de outras sortes
menores de 40*000 e 20*000 da loteria qne se
acabou de extrahir (120') ; convida aos possuido-
res a virera receber, que promptamente serao
pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeit*
/el publico para vir ao seu estabelecimento com
jrar os muito felizes bilhetes,qu9 nao deixarao de
iir*r qualquer iTemio, como prova pelos mosmes
innuncios
Acbam-se a venda os muito felizes bilhetes ga
-antidos da 3* parte da loteria a beneflcio da
igreja matriz de Afogado*, que se extrahira no dia
21 do corrente mez.
Prccos
Inteiro 4*000
Meio 12*000
De iOOgOOO para cima.
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Recife, 14 de outubro de 1874.
____ Joan Joaauim da Costa Leit*
E. A. DELOUCHE
24-tn do Marquez demtnda-24
iEsqulna do beeco I.nrgo
Participa a sens frpguezes e amigos que mudou
o scu estabelecimento do relojoe ro para a mesma
rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios di
algibeira, de todas as qnalida ;es, patente suisso,
de ouro e prata dourada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro, inglez, descuberto, dos melhores
fabricantes, cadeia de ouro, plaquet e prata. lunetas
de tod?s as qualidades, tudo por precos muito ba-
ratos.
AUJGA=SE
uma grande casa terrea com baslanles commodos
sila na estrada do Lucas : a tratar na rna do Vi-
gario n. 31.
AMA
r. Para comprar c cozinhar
a tratar
loja.
4 rua Nova n. 12.
1 HI A Precisa-se de uma ama para
\ VI A ?.DKom,n*r e ensabqar : a rua da
Ama
Copcordia n. 43.
Precisase de nma ama para engom-
mar : na rua do 8ara j da Victoria n 22
Precisa-se de uma ama para cozi-
nhar : na travetsa do Corpt Santo n.
25, arrxazem.
Ama
AMA
Precisase de uma ama que saiba
cozinhar : na rua do Hospicio nurae-
\ M A Preciaa-se de uma, livre ou captiva ;
xxifxzi. a ij.alar na rua da uniao n> 47_
AMA
Preeisa-se de uma ama que co
zmhe e compre: na rua da Concordia
n. 10.
Ama de leite
Quem precisar de nma ama de leite, dirija-se
a rua das Cinco Pontas n. 122, que achara com
quem tratar.
A mm m Offerece-se uma pessoa para ama
^a.iMM ak de easa de familia, preferindo ser
para cozinhar: a tiatar na rua, iarga do Rosario
n. 22, 3 atdar. ^
O Monte Lima
tern um completo sortimento de galao e franja de
onro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotbaduras douradas para offlciaes, canntilhos e
enfeites para bordado. Tambem se ecearrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, ebarlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assim como um completo sortimento dt
ranjas, galao falso para ornamento, cordao de la
com borla para qnadros e espelhes (conforme o
gosto da encommenda) tudo por muito menos
Creco que em outra qualquer parte : na praca da
idependencia n. 17, junto a loia do Sr. Arantes.
Escravo fiiddo.
Fugio do engenho Ajudante, na freguezia da
Escada, no mez de jnnho do corronte anno, o
escravo Martinho, de cor preta, com 22 annos
de idade, pouco mais ou menos, altura e corpo
regulares, olhos grande* e brannos, com ;>rincipio
de barba, denies perfeitos, cabellos cara[ilnhados,
pes grosos e compridos ; anda um put; o dccli
nado para frente, com a visla firmada para o
chao ; 6 muito cantador e official du carreiro.
Desconfla-se que o dito escravo esui occulto em
terras do engenho Para, na freguezia de Ipojuca,
pelo que, incorrera nas peoas da lei, quem o liver
occulto. Roga se as autoridades policiaes e aos
eapiiaes de campo a captura do dito escravo, e
ser entregue a seu tenhor, Emilio Pereira de
Araujo, no referido engenho, de quem terao a
a paga de 50*000.______________________
-~ Aluga-se o 2 andar e sotao do sobrado
da rua doltangel n. 73, todo reconstruido e
asseia'lo, coin baslantes comrn dos, escada
independente do 1/ andar, e bem assim o
quintal; sendo muito fresco e com excel-
lente vista para a nova praQa do mercado :
para ver as chaves, estao no estabelecimen-
to de molhados do mesmo predio, e para
tratar na thesouraria das loterias com Anto-
tonio Jose Ilodrigues de Souza (seu pro-
pri-tario.)
GTande liquidae^o.
de mindezas e chapeos: no novo Bazar, rua do.
Marque' de Olinda n. 53.
Vende-se
No escritorio de Thomaz de Aquino Fonceca 4
C. Successors, a rua de Vigario n. 19, primeiro
andar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Lisboa.
Vinho Sherry.
Vinho d > Porto em caixas, fioissimo.
Idem em barrls de quinto e decimo, lino.
Retroz.
Fio. -
Cal de Lisboa novissima
Vende se em grandes e pequenas porc5es : na
rua Direita n. 14.
Cal de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpo
Santo n. 17,1* anaar. escriptorio de Joaquim Ro-
drig ies Tavares de Mello.
BiPTISTAS
A 400 e 00 re Is covade
SO" NA RUA DO QUEIMADO N. 43
Junto a loja da Magnolia.
Baptistas de linho com 4 1|2 palmoi* de largura,
padroes modernos a 400 reis o eovado,
Ditas de dito bordadas com boaitos desenhos a
500 reis o eovado; foi fazenda de 1*500 o eo-
vado
Aproveilem, so o 43 6 que tem. Did se amos
Iras com peohor.
200 reis o eovado.
Siio lasinhas!
E' fazenda de 400 reis
Rua do Quelmado n. i;t.
Litsinhas de quadrioho sa eseosseza com padrijei
chiques a 200 reis o eovado.
So o 43.
____________So tem pecinchas. __________
Vende-se nma carroca para cavallo, propria
para sitio, com arreios, e um cabriolet de duas
rodas, tambem com arreios: na rna do General
Seara n. 19, fabrica de carros, de Carlos Leimig.
Botinas Suzer
chegadas pelo ultimo vapor da Europa. Ha um
completo sortimento de bezerro e cordovJo : a rua
do Marquez de Olinda n. 40,1 ja de Julio de Mello
Salgado.
Silio.
C4SA.
Aluga-se ou-vende-se uma grande casa terrea,
cm Olinda, propria para graada familia ; tem gaz
e agua encanada, sila a rua do Aljube n. 31 : a
tratar na rua da Imperatriz n. 86,1." andar.
Aluga-se por anno ou festa o sobrado de dous
andares nosQuatro Cantos, eu Olinda, com com-
modos para grande familia, agua encanalisada e
cano para despejo, mnitj fressa, perto do banho e
das e>tae5es : a tratsr na rua da Uniao (llha dos
Ratos) n. 53. det'raz do Gymnasio.
Aluga se a casa a. 34, na Capuuga, rna da
Ventura ; o 2 andar da casa n. 3, ma da Penha
o pavimento terreo da casa n, 41, rua do RaDgel
a tratar com o proprietario, no 2* andar desta u
tima casa.
Na estrada de Joao de Barros confronte a
capellinha, aluga-se o grande sitio n. 21, com mil
palmos de frenle e 2 e tanto de fundo ; uma ex-
cellente casa com 4 grandes salas, 8 quartos, co
zinba fora e quarto separado para despensa, um
grande terraco sobre col um nas e graduamenlo de
ferro, estribaria para 4 cavallo?, casas para cria-
d s e escravos, 2 cacimb.is com excellente agua
para beber e lavar roupa, boa c grande numerode arvoredos de diversas qualida-
des de fruclas: quem pretender, dirija se ao mes-
mo sitio, aas o as s da manna ou das 3 l|i da iar-
de em diante. __________________
Precisa se alugar nma preta, preto ou mole,
be u:narua de Christovao Colombo n.3, !. andaro
ipp~;rj-"~:ir. .^J-^^
Aff n=o Jose de Oliveira, professor ju-
bilado da cadeira de geographia e his-
toria do ex-liceu de-ta cidade, tem de
novo aberto, seu collegio de lnslruccao
primaria e secnnlsria na rua da Impe-
ratriz n. 18, on'e continiia a receber
alumnos internos, externos e meio pen-
sionistss.
^p
Casa para alugar, em Olinda
Aluga se uma casa terrea, na rua da Bica de
S. Pedro n. 8 : a tratar no Recife, travessa do
Corpo Santo n. 27, arroazem de fazendas.
Umapreta de 30 annos, iue cozioha e en
gomraa bem, precisa da quantia de 450* para
sua liberdade, cjniratando seus services com a
pessoa que queira fazer este negecio a pagsmen-
to da dita quantia, no pateo de S. Pedro n. 26,
na mesma casa vende-se 2 escravas que cozinham
e engommam, uma deltas por 600*
Vende-se no Arraial, perto da estacao, a posse
de um terreno foreiro com 180 1|2 palmos de lar-
gura, 588 de fundo por nm lado, e por outro 388,
com 142 pes de arvoredos de fruclo de 28 quali-
dades, e espaco para a continuacao, esta todo o
terreuo pla tado de lavouras que ja dao rendi-
mento, tem mais de 600 palmos de latada com
uvas, abobora e maracuja assii. 0 dono encarre-
gajse de fazer casa ao gosto do comprador, se
exigir : a tratar no Arraial, segundo sitio do lado
esquerdo, partindo da estacao da Estrella, em di.-
reccio a casa amarella.
A 120 rs. o eovado.
Na rua da Imperatriz n. 60, vende se para aca-
bar uma grande quantidade de las, restos de di-
*ersos s; riimeetos, desde 120 rs. ate 500 rs.; no-
tsndo-sft que, quando bavia sorttmentos comple-
tes, se vendiam a 1*280 e 1*600 o eovado, ba
grande vari-dade em padrties, os que primeiro
chegarem meltior pech ncha farao, a ella a rua de
Imperatriz n. 60.
Yende-flfc
ama casa na villa de Barreiroa, untM Com
mercio, por preoo modico : a tratar con land
Irmaos & C.
LIQUIDACAO
NA
Lojade fazendas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de corer*iiudas muito boa para roapa d.
meninas a 160 e 200 rs. 0 eovado.
La pretas, superior, a 400 rs. o eovado.
Alpacas de cores fins* a 320. e 360 rs. o covade
So se vendo.
Ditas com lislras abertM, faiMda in*, a 600 rs. c
eovado.
Chitas de cores a 240 e 280 rs. o eovado.
Metins de cores miudas a 280 rs. o eovado.
Crelones, o melhor que tem vindo ao mercad
400 e 440 rs. o eovado.
Cambraias brancas, bordadas e aberus, fazeod.
mats fina que tem vindo ao mercado, e faaetd.
de 1*000 o metro, por 1*000 a vara ; e p<,
cbiBcha.
Ditas pretas com (lores miudas a MM) rs. o oovad'.
Cambraia traosparente, ftna, a 3* a pec*.
Dita Victoria, ftna, a 4*400 a peca.
Organdy de assento braneo e de cores, eesn tc>
res miudas de seda e de IA, a 400 rs. o eovad
E' pechincha.
Cortes de casemira de cores modernas a 5*500 c
corte ; e fazenda de 8*. E' pecbincba.
Camisas de linho finas, lisas, a 35* a duzia, e fa
zenda de 55*.
Brim braneo de linho a 1*400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o eovado.
Madapolio francez verdadeiro, 24 jardas, a 6*
7* a peca.
Algodae T, largo e superior, a 5* a pe?a.
Gorgorio preto de seda para vestido e para collet
a 3* o eovado
Toalhas alcochoadas a 4*900 a duzia.
Colchas grandes a 3*500 ama.
Cobertas de ganga, forradas, a 3*.
Lencdes de bramante a 2* am.
Lencos de linho, ?bainhados e em caixiabas
3*500 a duzia.
Ditos de caca de eores abainbados a 3*500 a da
zia.
E outros mnitos srtigos qne se vende por rr.
nos do que outra qualquer parte e para se d-
Si'i na lorem queiram mandar ver as amostras.
engaoaja de
Gnilhernie & C.
Para o fabrico de chapeos
A NOVA ESPERANQA recebeu o arame propr.
para armac3o de chapeos.
Aos 5,000 covados dela
A 10O rs.
Na loja do Pavao vende-se lazinhas de muito
bonitos eostos e delicados padroes, fazenda nova
no mercado, pelo diminuto preco de 160 rs. cada
um eovado ; quem deixara de fazei veslidos de
la" lao bonitos e por lao pouco dinheiro .' Fume-
cm pc on amostras : na rua da tmpratri7 nnme-
ro60.
E muito barato
E'
so
AtteiiQao
Precisase
de um socio que entre com um conto de reis ou
mais, para um negocio de muito interesse, que
saiba ler e contar, para fora da pr-ea : a traiar
na villa do Cabo, rua do Conde d'Kn n. 18.
Carros de luxo.
HE' inquestionavel que a cocheira da rua do Bom
Jesus n. 15, de Joaquim Paes Pereira da Silva, e
a qne tem as melhores berlindas, caleches, meias
caleches e Victorias de luxo, proprias para qnal-
3Uer noivado, visits de etiqueta, bailes, e actos
a academia, sendo o; mesmos ajaezados de ex-
cellentes parelhas de snimaes, weios luxosos e
bolieiros com fardamentos do ultimo gosto, para
o que se convida ao publico a vir por si mesmo
scieotificar-se da verdade do qne deixamos dito,
certos de que nao encontrarao pomada e sim rea-
lidade, e commodos prej^s
Fugio no dia.7 de setembro o escravo do abai
xo assignado, com o? signaes seguintes: Egidio,
cabra, idade de 20 anoos, cabellos carapinhos,
olhos aboticados, altura regular, rosro um tant >
cbupado, beicos grossos, bocca regular e um
tanto bicudo, cabeca pequena, orelhas regulares,
bracos, a mesma cousa, pcrnas regulares, tendo
a esqnerda e o p6 iDchado, por lhe dar erystpela,
nariz regular, e bom trabalhador de olaria. e
tambem e boleeiro, e natural dest-a cidade do Re-
cife, e foi comprado ao ex-capiUo do porlo desta
provincia, Jose Joaqim da Silva Jacqoes : roga o
abaixo assignado as autoridades policiaes e ca
pities de campo e de navios, a sua captura e le
varem-no a povoacao dos Afogados, que serao ge
nerosamente recompensados.
Jose Buarque LCisboa.
Aluga se uma escrava parda, perita ensaboa-
deira, engoramadeira e cozinheira, por 20* men-
saes, limpa e asseiada, se for para casa de familia
melhor, ou para casa de pessoa mnito capaz : pro-
curem na casa n. 137, no fim da rna da Aurora.do
Gymnasio para la.________________________
Aluga-se a loja do sobrado a. 1 da rua do
Aragao : tr*!a se com seu proprietario, a rua do
Hospicio n. 33.
Aluga-se urn excellente sitio no Man
teiro, perto da estacao, com grandes com-
modos, estribaria e gaz : a tratar na rua
do Imperador, n. 83, 2. andar.
Uma preta de 30 annos, que cozinha o en-
j?"mma.bem> Precisa da quantia de450* para sua
liberdade, contratando seus servicos com a pessoa
que quolra fazer este negocio a pagamento da dita
quanna : no pateo de S Pedro n. 26. Na mesma
casa vende-se dua3 es-ravas qne cozinham e en-
gommam, nma deilas por 60*.
/Ull
^tempo de que om o eabello, poi-em se pode
ofaBssai o effeito. "
tp*jai>o ion
r *Trxrmi & ca., Loweu, Mass,
XCstadoe tTnidos,
S%it+teog FractU-os e A.iutiyUiot,
Amelia Rita da Gloria Por-
ci/iiiciGla de Barcellofi
Trajano Felippe Nery de Barcellos manda eele-
brar uma missa e memento por alma de sua pre-
sada irma, Amelia Rita da Gloria Purcinneola de
Barcellos, quaru-feira 21 do corrente, is 6 Ii2
horas da manha, na igreja matriz drS. Pedro
Apostolo, de Olinda. Convida para cari'dade a.s que presam a sua ami jade.
Novilho
No engenht Nazareth, conligao i villa de Igna- .
rassii, appareceu nm novilho grande e flesconhe- '*0a'8> wndo 0 wtio ^diversos arvoredos de rruc-
eido; a pessoa que tiver direlto ao me"smo pode te>
Terreflos proprios
Com 400^500 palmos de
fundo
A SO> e 15 o palmo
Continiia a retalhar se os grandes terrenos que
cirenndam a estacao da Boa Viagem.
A boa posicao e vantagens gr verno e pela companbia da estrada de ferro a
ouem edificar proximo a esta estacao, sad bem
conhecidas.
Em todos os domingos e dias santos podem os
pretendentes dirigir se a mesma estacao, que aeha
rao pessoa habiliiada para tazer as competenles
demarcaeSes.
Para nao ficarem pcejadicadas, slo rogadas to-
das aquellas pesioas que encommendaram terre -
nos, a virem quanlo antes tomar posse defmitiva
de seus lotes.
ATTEN^AO
Precisa-se comprar 4
portas de louro de 10 pal-
mos de altura: nesta typo-
graphia se dira.
com as noivas
NO
BAZ4R DAS FAMIL1AS
A' lll'A DO DliQUE DE CaXIAS M. 60 A.
Riquissimos veos de blond bordaAm a s6da com
S3pella, proprios para noiva, o mais raoderno que
tem vindo ao mercado I
Riquissimas ca >ellas de flores de laranjeira, pelo
diminuto prego de 3-i00 uma.
Lindisjimos lacinhos com fivellas, proprios para
senhoras, a 2:300 um.
Lindissimasgravatinha?' de seda com blonds,
proprias para senboras, a 3*000 uma.
Riquissimos alfinetes com uma flor, proprios para
o peito de seuhoras ou para a cabaga, pelo diini-
nnto preco de 2 000 um.
Bei.% c Sliva ALMANAK
DE
CARICATURAS
Para i87o
BJB
RAPHAEL BORDALO PINHEIRO
Contendo numfrcsas caricaturas Jintreca-
lado |no tex|p.
Preco 31)0 rs.
Livraria Popular
Rua-Nova n. 59.
BAZAR
DAS
FAMILIAS
Raa Duque de Caxias n. (0 A
Grande queima.
C9rram a pechincha I...
Riquis ra. Verdadeira novidade no mundo elegante :
Capinhss de la e seda para senhora. Cou?.
inteiramente nova !
Excellentes cacbinets de la e seda para senbe
ras, por 5*5(10.
Casaquiulios de gorgirao preto de seda. ri:i
meiite bordados, pelo diminuto preco de lu^i i
Excellente acquisicaoo I
Chales de seda a 12. Baralissimo !
Grosdenaple preto a 1*200 o covade.
Popelinas de seda a 2* o eovado.
Faia de seda. fazenda moderoissina, pelo c
modo preco de 2*200 o eovado.
Popelinas de seda, objecto da ultima moda, i
it o eovado I
Ditas de linho com Iistras e agradaveis r
drOes, a i iO rs o eovado.
Cambraias trausparentes, fazenda mui fina e d
graude procura, a 6*500 e 7* a peca.
Alpacas tie seda a i* o eovado. Grande pechit
cha i
Granalinas de cores com Iistras assetinad.i-
800 rs. o eovado. \ ellas emquanto restam !
Cambraias bordadas a 1*1(0 o metro.
Ricas r-olinaises, bordadas com esmero, a 38;
cada uma.
Tapetes para sofa, grandes e peqoencs. MHt
especiaes !
Ditos para portas.
Ditos para cama.
E outros artigos para bomens, seahoras >
criancas, os quaes artigos nao se meacionam par.
nao massar se abenevola atteBjao dos leitores a
leitoras, amantes do bora e do barato, e enlhc
siastas da grande virtude domestica a ecoc
mia !
Corram quanto antes a graude pechincha,
freguetes 1
Vinde ver, comprar e admirar !
Para concertar meias
A NOVA ESPER AXQA, a rna Duque de Caxia-
n. 63, recebeu rlesu necessaria linba.
Chocolate do Maranhao
Unico deposito nesta cidade, em casa de Jos-
Tavares Carreiro & C, rua Direita n. Ii, onde s
vende pelos precos e vantagens da fabrics.
Fazendas
miiiii) karalas para acakar
E' irem depressa antes que se acabem
Precisase comprar um escravo de meia
idade, que entvnda de horta: ao largo do Corpo
Santo n. 4, armazem.______________________
Apolices da companbia de Beberibe
Compra-se apolices da companbia de Beberibe:
na rua Primeiro de Marco n. 19.
aprcentar os signaes e ferro
para lhe ser entregue.
pode
no mesmo engenho,
Os abaixo assigoados fazem publico a quem
mteressar possa, e em especial ao commercio que
resolveram alterar a rasio social que geria os
"'^ 2!jdM"f 1'V- Ve C" desde esta data
substiiuida pela de Beltrao & Quintal, e aprovei-
tam a oecaelao para declararem que a nova fir
ma eonUnua a ^>eeopar-se dos mesmos neiroeios
a que-se tem dedicado, sem qua a aMeracao ba-
vida affejte de nenbum modo a responsawfidads e
oaracter de suas operacoes eomrrwrolaes.
Peraambu-so lo de oulolKo de 74
Aaiej Quinial & C.
BEBERIBE.
Aloga-se uma boa casa com commodos para
estando a easa plntada 6 feparada de novo:
a tratar a ru da Cadeia n. 36.
Para dia de finado
Recebe se edconlmendas Be eabellas para e'sta
dia, feitas ctto'flores nsturaes, rosas, cravos, sau-
dades, perpetnas e sempre-vivas ; tr'abalho este
due deve agradar muito mats que as'de enfltas : '<
-"pessoa que pfeeisar, deve manar a rna Ma Crui
n. 11, armazwn.
Baixa Offerece-se uma mnlher para casa de ho-
mem solt^iro, que faz todos os servi$os de cozinh
com perfeicao : na rua da Senzala Velha n. I
?NDtt.
LBIS PROVINCIAES.
VenHe-seno 1. andar trMla typograpbia,
em mlo ite adrninistrado, 'fiolleec{des &e
iiilProvimittes a 600 rs. o Axeimplar de
cada anno.
Sedas de Iistras
em cores Claras, a 1*000 o eovado.
Mendes, Lobo & C.
jUaadqUarqa'ez&.OlindaMS..._____
Vende-se uma easa.de peJra ecal, nova,
apabaia em derembro prdxlmo passado, com 22
palmos de frente, 2 quartos, cozinha fora, em chao
proprio, com 54 palmos de terreno, o lado amu
Ajaga se nma excellente baixa de,.CAflIm no Tado com um pdrtao, na travessa da rua do Prin
FtttWlKi enfWberlbe: + tratar no Cses 22 fle no- cipe,
vemlro n. 26. -fle.
. freguezia da Boa-Vista :
padaria.
a tratar na Soleda-
Aos legitimos fogoes econo-
micos.
Acabam do chegar a esta cidade os ver-
dadeiros fogdeseconomicos, jd muito conbe
cidos nas provincias do Rio de Janeiro,
Minas, S. Paulo, Sergipe, Rio-Grande, Ba-
bia e Alagoas, aonde tem merecido do pu-
blico a maior aceita^ao possivel, e sSo ja-
preferidos aos de qualquer outro systema,
conhecido pela sua muita solidez, especia-
I dade na collocajao, moderno systema,
e sobretudo grande economia no combusti-
vel ; tr.-.balliam com lenha, coke, carvao de
madeira, etc., etc. Ha de divt-rsos tama-
nhns, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de muita familia, collegios, boteis,
casas pias, hospitaes, etc. Acham-se ex-
postos ao publico, aonde se darao todas as
explicates neossarias: na rua da Crui
p. 6. -_______________________________
ARMAZEM DO MM
A' pra^a circular do Apollo
vende-se:
- Tijttlos de marmore, de differentes ta-
rhanhos e qualidades.
. TIJolos francezes, sextuplos.
(inionto Portland verdadeiro.
A xnlejos grandes muito proprios
para rodwpe's.
Aculrjos verdes e amarellos, tamanho
regular.
MMqninaw de desc&rogar algodSo.
^arfPls-as 6e ferro, 8?*ento d p*'bi-
nha, proprias para campo.
Cambraia de cores, organdsy, eovado a tkv
Algolao aznl, idem idem lfj.
Idem de listra idem idem 240
Chita preta muito Qna, idem a 260 e MO
Meias para mi ninas, a 2* a duzia e 2*30("i
Cbales de merino 2*00
Colletes de brim e casemira a 1*, 1*500
2* e 2*50-
E muitos outros artigos de fazendas e roupa-
feitas por muito menos de seu valor, por se qoe
rei niudar de sortimento : a raa do Barao da Vic-
toria n. 14.______________________________
Alpacas a 400 rs.
0 Desengano esta vendendo pelo diminuto pre-
co de 400 r< o eovado, alpacas de Ii e seda, de
lindos padroes, fatenda mnito fina e Iarga, qoe
sempre se venderam per I *200 o eovado, para
aeabar; a ellas antes que se acabem : na ra.i
Primeiro de Marco n. 25, junto a loja da eatoina
Asunieas verdadeiras
Biohas hambuxgaezas qne vem a stemread ;
aa m? do Marquez de cind> .8*
Vende-se am terreno no lugar deoomioadc
Caboeo de baixo, freguezia do Poco da PweUa,
com a frente para o rio Capibanoe : quem u pre-
tender, enteoda-se com o proeurador Jojquirr.
Jose de Abreu, ou com o despachante Jezuino P.
da Silva.
Vinho superior
Na rua da Imperatriz n. 4, ha para vender vi-
nho de Lisboa de superior qoattdade, em barri* de
50, 75 e 125 garrafas. Preys mui baralas.______
Farinha demandioca supe-
rior.
T(5.n para vender. Jtaquim Jose Gooal-
ves Bultrao & Filbo, Vbarae do palnWete
Rosito, fundeado ao ft 4o cats do Collegio,
e para tratar a bordo ou oeseu escriptorio;
a rua do Commercio p. ______
Farioha igul4 lie Muribj4V.
Tim para vender, Xoaqcim Xos^tVOQ-
cnlves Beltr*' & Filfco, a bordo do^alaa-
bote Rosita, fuudeado ^o pi de cmb do
r,nllgio, e para tratar atwrdo u no SB**;^.
criptorh : rua do Cotnifte"tto h. 5-
-

-

L
*


1

-%
^)
Fazendas e artigos de alta
novidade
na
IM 60 PASSO
Rua Pfimaro de Marco i. 7 A.
SCordearo Similes A C, proprietaries
Me iroportante estabelecimento, no louvavel pro-
yroaito de nio desmentirem o coneeilo qae os
seus numaroaos freguezes lbes tem Uiipensado
acabam de receber de sua conta o mais nco sor-'
.imento de sedas, popelinas, Os e artigos de ul-
tima moda em Paris, e continaarao a receber
por todos oi paqueles daquelia procedeneia : nor
.380 chamam a attencio de seus freguezes e os
-onvidam a darem um passeio ao sea esubeleci-
mento, garantindo Ihes que encontrarao a reali-
dade do que fica dito, e para pr va dao um pe
queno resumo, cujo iofallivelmente despertara a
iltencio dos preteodentes.
Mandam fazendas a casa dos freguezes, e dao
amostras mediante penhor.
,Xrii*os de alta novidade e
ultima moda.
Cortes de vtflido.de linho guaraecidos de bico
da mesma fazenda e c6r, trazendo flvella, bolca,
-into, etc etc.
Riquissimos chapeos
jretos.
Cortes de
iados.
ni de cores com
orino, etc. etc.
Capas de 14 para
.'Jas de arminho.
Vestuarios para baptisado.
Riquissimas camisas b-rdadas para senhora.
Leques de madreperola, para noivas.
Ricas colchas de seda, para casameato.
Cortes de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda branca e dito preto.
Sediohas de delicades padrdes.
Setim Macao de todas as cores.
Grosdenaples pretos e de cores.
Velludo preto u damasco de seda.
jranadice preta e de cores.
Filo de seda branco e preto.
Ricas basquinas de seda.
Casacos de merlnd de cores, 15, etc.
Manias brasileiras.
Capellas e oiantas para noiva.
Cambraia do cores, ditas mariposas brancas, de
ceras, lisas e bordadas.
Flor do bos(|u^ (novidade).
Percalinas de quadras, lisiras, etc.
Brins de linlio para vestidos.
Fustao de cores.
Saias bordadas para senhora.
Grande sortimento de camisas de linbo lisas
aordadas. para bomem.
Meias de cores para homem, senbora, meninos
i meninas.
Sortimento de
wnoora.
i Merinas de
Grande liquidacjo (Je fazendas
BAZAR
N.72, Rua da I
N.7 2.
DE
Mendes Guimaraes & lrmaos.
Tende os proprietaries deste estabelecimento resolvido diminuir o gradde deposito de fa:-
zendas, cntenderam fazer esu grande liquidacio, omo-.se ve" dos pretos abaixo menoionados :
Chitas
para senbora, de cores e
(iambraia brancos com lindos bor-
enfeites da mesma fazenda,
meninas e senhoras, guarne-
iargas a 160, 800 e 280 reis.
Vende-se cbitas francezas e finas a 120,880 e 320
o covado.
L Vende-se lazinhas para vestidos a 120, 240, 320 e
400 reis o covado.
Cbitas para cobertas a 280 reis.
Vende se chitas para cobertas a 280 e 360 reis o
covado.
Alpacas de cores a 640 reis.
Vende se alpacas de cdres, flnas, para vestidos de
senhoras, a 640 reis o covado.
Metim de cores a 320 reis.
Vende-se metim de cores para vestidos de senho-
ras, a 320 reis o covado.
Cassas flnas a 280 reis.
Vende se cassas francezas. finas a 280, 320 e 360
reis o covado.
Cambraia Victoria a 3000
Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 3*.
3/500 e 4*000 a pec.
Cambraia transparente a 2 e 3*000.'
Vende-se pecas de cambraia transparente a 3*.
3*500,4* e 5*.
Cortinados a 14*000.
bordados para camas a 14*'
Vende se cortinados
16* e 18*.
Ganga amarella a 400 reis.
Vende-se ganga amarella para vestidos de senho-
ras e roupa parameninos. a 400 reis o covado.
Brim de cures a 400 re>s
Vende se brim pardo e de cores para ca'eis e
400 reis o covado.
Toalhas para rosto a 700 reis.
Vende-se toalbas de linho para rosto a 700 e 800
reis cada uma.
Chales de li a 640 reis.
Vende se chales de li de qaadros a 640 reis, cha-
fes de metim a 1*160 reis, cbales de merino
lisos a 2*, e chales de merino estampados, a
3*600, 4* e 5*.
Aberturas a 2jW09.
Vende-se abertaras de linho bordadas, para ca-
misas, a 2* e 3*300. Ditas de algodao a 200 e
400 reis.
Cortes de casemira a 5*000.
Vende-se cort-s de casemiras finas para caleas a
5*. 5*500 e6*
Cortes de brim a 1*400.
VeDde se cortes de brim de cores a 1*400. Ditos
de brim de Angola a 1**06 e 2*500.
Cobertas a 2*000
Vende se cobertas de chitas de cores a 2*.
Colcbas a 2*000.
Vende-se colchas de fustao para cama a 2*, 3* e
4*.
Paletots a 3,000 rs.
%<&*** paletots de alpaca preta a 3, 3,60
o.OOO rs. ;'caleas de casemira prelate de core
le^es de casemira preta e de cores, e ootras
tas roupas feitas baratas e fazendas que est
quidando no Bazar Nacional, a rua da Ira
Iriz n. 72.
Na rua do Vigario n 19, vender se o seguinte :
Qmenlo de Portland, em primeira roao.
Vinho do Porto, engarrafado, finissimo, era cal-
za de duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
'Oho Sherry, inglez em caixas de duzla.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera, em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
Jvlliltl'OlOEN
Na loja do Pavao vende-se madapol5es france
zes muito incorpados, com 20 jardas a 6,000 reis,
' duo muitn fino com 12 jardas a 3,000 e 3,800 ; aS-
simcomoum grande >ortimento de madapol5es
inglezes de 4.500 ate 8,000 e 9,000 : a rua da Im
peratriz n.60, de "elix Pereira da Silva.________
I Colchas para camas
I Naloja do Pavio vende-se eolehas de fustao
fES?' paLra cama a 9'500> dita d8 d"o d cor
a 4,uuo, cobertas de chita e de cretone, de 2,500
para cupa e ditas de metim escarlate forradas com
rnadapolao a 5,000 : a rua da Imperatru n. 60,
de Fein Pereira de Silva.
Pentes girafe.
JSEw" gi.r.afe' ProPriM Para senhora, ( ulHma
moda) ; a Magnolia a rua Duque de Cax'as n. 45
e so quem tern.
Papai, mamai.
Como sao lindas as bonecaa de eera que eha-
mam papai, mamai, choram, andam, eta So na
Magnolia a rua Duqae de Caxias n. 45.
Gaiolaa, gaiolae.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu gaiolas de arame de lindissimos modelos,
proprias para passaros ; a ell u antes que se. aca-
bem.
Rua do Am mm u. 37.
Presunlos inglezes para fiambre.
Queijos londrinos.
Ostras em laUs.
Ovas de bacaihao em lalas.
Lagostas em latas.
Azeionas. hespapholas em frascos.
Azeitonas francezas em frascos.
Saucissas de Oxford em latas.
Velas de cera branca de Lisboa.____________
B' l*K4"Sftd os.tio juAto a igre-
ja de S. Jose do Mangu nho, com casa de vivenda
assobradada e outras acomniodacoes, tudo mura-
do, com duas frentes-ervi as por portSo de ferro,
dando para a rua d- Amizade e para a do Man
guinho. Tem de terreno proprio 194 palmos de
hrgura e 354 de fundo ; e a ca>a in de 52 palmos
de frente e 84 de fando. A situacao e a melhor
Civel para morada, e quem quher ediGcar, tera
ante terreno para itto, pel Amizade. Tem a gumas planlacoes de gozo e re-
creio, bavendo ba.-taLle igua furnecida por duas
cacimbas, uua das quaesenova. A entender-se
com o Sr. Dr. Wttruvio qu-m o pretender.
Chocolate hespanhol
muito fino, tem para vender na Assembled do
Commercio. Meir* & Lima, rua do Coramercio nu-
mero 22.______________
Cortes bordados.
Vende-se cortes de cambraia, bordados, bran-
cos e de cores, pelo baratissimo preco de 5* cada
um, fazenda qae muitos vendera a 10*, e gran
de pechncha ; \ elles antes que se acatem : ;
rua do Crespo n. 25, loja do Dosengano, junto a
loja da esquina.
E' BOM
0 DESENGAtfO
Rua Priniefro le llar$o u. 9a,
Junto a loja da esquina.
0 propr etario deste estabelecimento tem re-
PREDILECTA
e
chapeos de sol para homens e
cores para vestidos.
Dito pieto tranjado e de verjo, bombazina, can-
Eo, alpaca, etc. ete.
Atoalbado de linho e algodao para toalhas, e dito
jardo.
Damasco de li.
Brim de linho branco e de cores'
Setins de lindas cores com hstras.
Chales de marino de cores e pretos
Ditos de touquim e ditos de casemira
Can:isas de chita para bomen* ('tas de .1a-
iella.
Ceroulas de iinho e ditas de algodao.
Pannos de crochet nara sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e ditos de lativrintho.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
;ara bailes, e tarlatana ue todas as cores.
Colchas de damasco de la, e ditas de crochet.
Espartilnos li n? e bordados.
Foulard de seda, liadas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Casemiras pretas e de cores.
Popelinas.
Neste artigo temo- um variadissimo sortimento,
lao s6 em-gosto como em qualidade.
Las
:otn Iie'ras de seda, ditas com pal lias bordadas,
!itas transparentes e de outras muitas qaalidadrs.
Lntas
le pellica brancas e .de cores, do verdadeiro fa-
oricante Jouvin.
Flnalmente :
apetes para sofa, cadeiras, cama, entrada, etc..
"ambraias brancas, chitas de todas as qual'dades,
iiadapoides, esguiao, irelanbas, bramantes, algo-
'jes, collarinhos, punh-s, meias para homem e
enhora, punhos e collarrahos brancos e de cd-
res para senhoras, gravatas para homem e seuho-
a. pcitos bordados, lencos de linho brancos e de
-/ires, ditos de cambraia de linho, toalhas, guar
tanapos, panno lino, etc., ete.
Loja do Passo
Rua Prlmeiro de Margo n. 7 A
fintiga do Crespo.
solvido vender suas fazendas por
resomidos, (como abaixo verao)
dinheiro:
tic tins
Vende-se metins de lindos padr3es, a 280 e
A' rua do Cabuga n. f A.
mrL ,mu,l Os proprieurios da Predilecta, no intuito dt
para apurar conservar o bom conceite que teem merecido do
j respeitavel publico, distiuguindo' o scu estabeleci-
mento dos mais que negociara no mesmo genero
reis o covado.
penhor.
E com as senhoras.
A Magnolia, a rua Daque de Caxias n. 45; par-
>cipa a bello m-xo qne acaba de receber da Eu-
-opa, um completo sortimento de-artigos de ulti-
ma moda, e como acha desnecessarfo fazer um
nfadonho anunncio, por ja ser bastante eonhe-
:ida, e capricbar sempre em ter bons correspon-
jlentes, sendo a pr meira que apresenta o que ha
de mais moderno e por pretos mui razoaveis, por
sso limita-se a descrever somente o segainte :
Setfas doursidas.
Bicos de cdres, tanto de seda eomo de guipure.
Leqaes douiados, de madreperola, marfim, tar-
taruga, osso, etc.
abidas de bi-i'e.
Presentes, diversos artigos proprios para pre-
sentes.
Goltnbas e pnnhos.
Hnniiai para missa, com capa de madreperola,
taruruga, marlim, velludo, etc.
Sapatinhos de setim para baptisado.
Camisas bordadas para senhoras.
Lisa* de sed).
Frwnjas mosaicas.
* lie re cos de tartaruga.
Voltas de nadreperola.
Pnlselrafl de madreperola.
Lt niiaa Bores para cabeca.
Bolsas de velludo.
Perrumarlas dos melhores e mais afamados
fabrieantes.
Chapeos de sol para senhoras.
Pitas de velludo de todas as cores e larguras.
Moscas.
Quereis livrsr vos destes malditos insectosf com-
prai uma m^china de matar moscas per 3*000
aa Magnolia, a rua Dniue de Caxias n. 45.
Calvice.
A Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, ven-
le o verdadei-o Vigor de Aver, qae impede a
iabida dos cabcllos.
Sardas e panos.
So tem sardas e panos quern qner; porque a
Magnolia, a rn.-i Daque de Caxias n. 45, tem para
render a verdadeira Caticuleria, ooe fax desappa
-ecer estas majchas em poocos dias
oveiteni
0 PARIS 'AMERICA, a rua Duque de taxi*
t. 59, primflirc. andar, esta vesdndo caloado pek*
segumt-spreow:
Botinas de duraque para senhora a 3.500 reis.
Ditas de dito preto a 4,000 reis.
Ditas de drtn com bot&es ao rado, a 4,000 r&s
Ditas ftspeadas, eaao *mf para seBtiora, a
S.OOO r6+
Ditas de pel ina, ingleza, a 4.000 reis.
Dius de dnraque bordado, para senbora, a
5,000 rtis.
Ditas de durifoe, *e cores, para meninas, a 3*.
Em quanto 6 tempo
_____aproveitem.
taverna 6,venda
\VP*V a Uve^0', 8- W da rua de S. Jorge,
em.Fora de Portas, bem afreguezda e com pon
jtOB randos, proprla para principiante : a tratar
.. mesma tavorna.
Dio-?e amostras com
Cambraia s
Vende-se cambraias tranoparentes, de
3*000 e 3*500 a peca, e a Victoria a 3*500, li,
4*500 e 5*eO0 a peca.
Alpacas pretas
vende-se alpacas pretas e muito finas de 300 a
600 reis o covado. E' grande pecbincha.
HadapolAes
Com peqneno defeito a 4*000 a peca, dito lim-
po,_ francez, e inglez a 4*500, 5*500, 6*000 e
6*?00. E' baratissimo. AkodaosiBho marca T,
largo e too de 4*000 a 4*50(t a pega. E' para
acabar. Cbitas claras e escuras, a-260, 280 98H e
320 r6is o covado, ditas roxas mofaoas, a 200 reis
o covado. Cretones escuros e de bonitos psdrSen a
360 reis o covado. Lanzinbas de lindos padrdes,
a 200 r6is o covado Cambraias de cCres a 240 e
280 reis o oovado.-' Aprovei.em antes que se
acabem.
Irlanda
Vende-se esta fazenda muito propria para vesti-
dos de senheras pelo dimmulo preco de 600 rs.
o covado. |
lliim branco
Vende-se bri>n bi aaco de algodao, a 320 rs. o
covado. E' grande pechincha.
<-asc de seda
Vende-se esta fazenda de lindos padrdes, a
1*200 o covado, fa enda que 3empre se vendeu
a 2*500 o covado. Aproveitem.
Mobrecasacas a ISA e lr.sooo
Vende-se sobrecasacos de panno fino pelo bara-
tissimo preco de 12* e 15* ca a um ; e grande
pechincha : a elles antes qne se acabem Cami-
zisinhas com pnnhos e collarinhos, para senhora,
pelo diminuto pnc;o de 2| cada uma. Meias para I
senhora, fazenda muito fina e urn ricas caixinhas,
pelo bar*to prec' de 6* a du7ia. Aproveitem.
i oirims adanaaseadas
Veals se colcnas adauiasca la> brancas ecom
barra de cores, muito graodes, pelo baratissimo-
preco de 4* cada uma, fazenda que sempre se
vendou por 7* uma. A ellas antes que acabem.
E outras muitas fazendas que se torna tnfadonho-
mencionalas, e que s6 o freguez vendo, podera
certilioar-se, e por issu os proprietariosconvidam
a todas as pessoas a fazerem uma visita a sen es-
tabelecimento afim !e convencer*-m-se da verdade.
RUA PRIMEIRU DE MARCO N. 25.
~D baraleiro!
*** veem scientificar aos sens bons freguezes que pr-
| veniram aos seus correspondentes nas diversas par-
>,- cas d'Europa para Ihes enviarem por todostispa-
-*ouo, qaetes 0s objeclos de luxo e bom gosto, que se-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
A'rua 1 de Marion. 1
contimia vendendo sua>- fazendas com 300/0 menos
do qne em outra qualqoer parte, a saber :
Amazonas, recebemos e*ta nova fazenda, com
bonitos desenhos e cores fixas. propria para bai
les, passeio, etc., etc., e vendemos a BOO rs. o co-
vado.
Baptis'as, temos bom sortimento desta fazenda,'
com bons gostos, para 300 e 360 rs. o covado, sem-
pre custaram 400 rs.
Panama, desta fazenda temes grande porcao, e
por querermos dispo del a com pre^teza, vende-
mos por 440 rs. o covado.
Cretones francezes, e-enros e claros, com boni-
tos desenhos a 300, 360,400 e 440 ; so aqui.
Popelinas temos grande sortimento desta fazen-
da, muito lindos gostos, e vendemos a <* o cova-
do, sempre cu ton 1*600 ; quem deixara de com-
pr&r? por certo ninguem.
Chitas claras e escuras a 240, 260, 286 e 300 rs.
> covado ; 6 barato, aproveitem.
.Cambraia Victoria cum 8 I[2 varas a 3*500
peca.
Dita transparente, muito fina, para 4*000, 5* e
o*(K)U-
Madapoloes para diversas pecas a 4*500 e 5* a
dim francez a 6
Bramante de linho, duas larguras, a 1* avara
so e barato ; a elle, a elle.
Brins de Angola, com bons gostos e cdres Qxas,
proprius para roupa de meninos, a 500 rs. o co-
vado.
Brim pardo tran ad->, fine, a 400. rs. o covado. I
Esguiao de liuho e algodao, m ^ jardas a
3*500 a pe?a ; sempre cn-tou 4*500.
Toalhas felpudas a 6* e 6*500 a duzia ; sempre
custaram 8*.
Chapeos de sol de alpaca para senhora a 2* ; e
barato I
Chap6ns de sol de seda para senhora, cabos de
osso, a 3*500.
Ditos para homem (paragon) 8*500, de dnas
cdref a 9*. m-jZZ
Ditos de alpaca a 3*500.
Ditos de merin6 a 4*500.
Botinas para senbora a 4*500 e 5*000 ; 6 pe-
cbincha I
Casemiras de cdres a 3*400 o covado'; sempre
cutou 4*5i'0; a e.las, a ellas I
Camisas de cretone, fraucezas, superiors,
2*500 ; qne lindos gostos f
Leneos ds linho, aoanhados, em caixinhas, a
3* a duzia.
.Diios de dito muito finos a 4*500 a duzia ; so o
barateiro. Sao tines.
Meias par* ho em a 3*500, ditas finas a 5* a
dnzialll
Cob-haa alcochoadas a 3*.
Grosdenaples de cdres vrde, cdr ae ro-Ja, en-
carnsdo e c<^r de cravo a 9(0 rs., 1* e 1*200 o
cbvadb ; so" aqtii.
Setecia a 30* a pe{a com K varas, pordn fro*.
Atoalbado para toalbas de mesa 1*440 a
vara.
Brim br- nc exposi^ao n. 5, a 2* a vara, qae
boa fazenda.
Grande gortimpnto de IS?irmas e de gnWc* ao-
vos. a 140, 160 e 200 r-. MM sd na barat<-rro.
Rrilhantina branca a 400 i>. o covado ? e aim.
An barateiro, ao barateiro f!
.?Jem destes, oitros mui'os r igos, qne nao
menc 'inarn,fa>-flq qne veodemos por bmitados
IT co Ci>nfronte~jitarco de Santo Ant<>nio en-
c<>ntrar>-is siirtimento. ~~->__.
|*g;o8tli.ho riTpeir,, Immttkjti.
daquelles paixes, visto aproximar se o tempo de
festa, em que o bello sexo desta linda Venen
mais ostenta a riqueza de suas toillettes ; e ca-
me- ja recebessem pelo paquete francez diverso
artigos da ultima moda, veem patentear alguns
d'entre elles que se tornam mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a costumada
concurrencia.
Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola e da
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos prs-
os
Aderecos completos de borracba prcprios para
Into, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
nitos.
Botdes de setim preto e de cdres para ornate A*
pestidos de senhora ; tambem tem para collets
valitot.
Bolsas para senhoras, existe um bello sortimen-
de seda, de paiha, de chagrim, etc., etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louca
como de cera, de borracha e de massa ; chama-
mos a attencao da^JExmas. Sras. para este artigo,
pois as vezestfJlXiam-se as criancas um pouco im-
pertinentes por falta de um obiecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendem-se por preco commodo.
Ceroulas de linho e de algodao, de diversos pre-
'08.
Caixinhas com musica, o que ha de mais lindo,
com disticos nas tampas e proprios para presen-
ts
Coques os mais modernos e de diversos forma-
tes.
Chapeos para senhora. Receberam am sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capellas simples e com v6o para noivas.
Caleas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindoi
desenhos.
Escovas electricas para dentes, tem a propria-
dade de evitar a carie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, existe um
g-ande sortimento de divercas larguras e barato
preco.
Fitas de saria. de gcrgnrao. de setim e de cba
mplnte, de diversas larguras e bonitas cores.
Fachas de gorgurao mnito lindas.
Fi tr* artificiaes. A Predilecta prima em con-
ervar sempre um bello e grande sortimento des-
tas floi es, nao so para enfeite dos cbellos, como
ambem para ornate de vestido de noivas.
(aides de algodao, de li e de seda, brancos, pre
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas cor as
para sennora.
I. gas de seda de cores e brancas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir missa, com capas de madre-
Eerola, marfim, Os-o e velludo, tudo que ha d*
om.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
beltes ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola. marlim, dsso e dourados por barato preco.
Perfumarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
provida, nao s6 em extractos, como em oleos
banhas dos melhores odores, aos mais afamados
fabrieantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis pars
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de saias.
Vestimentas para, baptisado o que ha de melhor
gosto e os mais moderno recebeu a Predilecta
de or an to preco, para Bear ao alcanca
qnalqner bolsa._____________________
PARA LUTO
Vende-se chitas ingleras pretas com pintas a
200 rs. o covado, dlta francezamoitb fina,tanto lisas
como com pintas de 320 rs. para cima ; cantao
preto a 800 rs. e muito rno a 1,000 rs ; bomba-
zinas. princezas e alpacas de todos os precos;
lazinhas preta lisas de 400 tfte 500 r*. ; assitu
como oma grande porcio de retalhos tanto de
chitas preta- eomo de lis, qae se vendem por
precos baratissimos ; tambem uma grande porcio
de chales prete- de las a 1,000 rs. por estarem um
pouco russos : 4 rua da lmperatnz n. 60, de Fe-
lix Pereira di Silva.
12 Rua do Tabuga 12
LIQUIDACAO
de joias de ouro, prata o pedras preciosas.
Ouro lie lei
CorreDtes do ultimo gosto, a oitava
Alfinetes para retrato, cireulado de
perolas
Idem idem idem esmearladas
Idem idem idem robins
Relogios de prata bem doutados, de 15* a
Relogios para senhora, de onro, de 40* a
Ricos aderecos com pedras finas com
50 0)0 de abate.
Bonitas pulseiras do ultimo gosto com
50 0|0 de abate.
Brincos de phantasia dos mais bonitos
que tem vindo ao merca/o, de 15* a
Voltas com um bonito laco, por menos
do que se vende em outra parte.
Bonitas cacoletas, tanto para senhora
eomo para homern.
Anneis de diversos feitios, de 2* a
Pulseiras de cobra de coral por 50 0,0
de abate.
Tendo o proprietary deste estabelecimento rece-
bido nma grande porcao de joias 4os ultimos gos-
tos de Paris, e por precos ja resumidos, parUcipa
a todos o.- seus freguezes, bem como ao respeita-
vel publico, que se acha sempre prompto a servir
com toda a exactidao como costuma; certes de
que passara um recibo, pelo qual fica responsabi-
lisado pela transaccao.
5*500
55*000
60*000
65*0 0
30*000
80*000
60*000
20*000
Laazinhas baratas.
Na loja do Pavao, para liq idar, vende-se
uma poirao de laazinbas de cdres para
vestidos, tpndo df 320 rs. para cima ; as-
sim como ditas com listras de seda muito
bonitas a 6i0rs. n covado ; alpacas de cfl-
res com listras de seda de 640 rs. para
cima : a" rua da Imperatriz n. CO, de Felii
Pereira da Silva,
VENDE-SE
a taverna sita a rna do Barao da Victoria n. 61,
muito afreguezada : a tratar ca rua estreita do
Rosario n. 40.
Ceroulas e camisas.
Na loja do Pavao, vende se ceroulas fran-
cezas de todos os tamanhos para bomem a
15600, e ditas de linho a 2&00, 20500 e
39000.
Camisas brancas com peitos de algodao,
fazenda fina e por estarem um pouco en-
xovalbadas a 206000 a duzia, ou a 19800
cada uma, ditas com peito de esguiao de
linho a 3&00O e 3&j00 cada uma, ditas
com peitos e punhos de cdr a 29000 e
29500: a" rua da Imperatriz n. 60, de Fe-
lix Pereira da Silva.
Salsa-parrilha do Para
Tem para vender Antonio Luiz de Oiiveira Aze-
vedo, no sen escriptorio, a rna do Bom Jesus nu
mero 57.
Que a NOVA ESPERaOT 5
Laxias n. 63, bem conhecida pela sapmmZ^ t
seus artigos de meda e phantasia, aTafet ** aat-
ber diversas encomm^udas ue mer aosrta* Jsaao
reparUcao, qne pela eleganci bem mosm i
e bom go to de seus antigos correspn
Enropa, e por esta razao a NOVA ES. _
a rna Duque de Caxias n. 61, eonvida a"
e constante freguezia e com esperialidad*
amavel, a visit?rem na, afim de apreeians
onde toea o primor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer ent
mero dos maasantes (verdadeirox azocraj ,
extensos annuncios e nem pretende driasy
immensidade de objectos que tem exports %
da, o qne serla quasi impossivel, mas I invar -m
a mencionar alguns daquelles de mail aha j
e toma a liher ade de aconfelhar ao M
que a visitem constantemente, para 4spsss
comprarem em outra qualquer parte ran :
penderem, a vista do bom e ercolhido
que ha em dito esUbelecimento, erta noi*
bem demonslra que qnalquer senhora in \
nao podera completar a elegancia d aaa
sem que d^um Passeio a NOVA KSPEIUIEa. i
rua Duque de Caxias n. 63, a qnal ar-atm it sar*
ber os seguint s artigos de luxo e inteiia aoMfc-
de :
Modernas setias para prender os cabellec
Primorosos leques de phantasia.
Bonitas sahidas de baifes para senhoras earn
nas.
Interessantes gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de touquim.
bons aderecos de madreperola.
Delicados aderecos pretos de pulaio e
(gosto novo).
E' econoraico.
Graxa glycerioa prr.pria para a conservacao do
cordovao; vende a NOVA ESPERANCA, a rua Du-
que de Caxias n. 63.
Bramante para lencoes
a 1#800 2^000 e 2,1500
Na loja do Paao vende-se superior bramante
para lencdes, com 10 palmos de lurgura, que ape-
nas preeisa de 1 vara 1/4 Rara nm lencol, sendo
de algodao a 1,800 rs. a vara, dito mais cu
corpado a 2,000 rs.. dito de linho puro a 2,500 e
2,800 rs.; assim como atoaihados superiores, tan
to de linho como de algodao, porprecos muito em
conta, e pecas de algodiozinho para lengdese toa-
lhas, tendo de 4,000 rs. para cima : a rua da Im-
peratriz o. 60, de Felix Pereira da Silva.
Salamc de Lyon
A i.4hoo a libra
So na Assemblea do Commercio n. 22, rua do
Commercio, Meira & Lima,
Grosdenaples
Vende-se grosdenaple preto, fazenda muito fina,
e que sempre se vendeu por 3*500 o covado, a
1*800 rs.; aproveitem, so o Desengano, a rna !
de Marco u. 25, junto a loja da esquina.
Yejam c admirem.
A rs. o oovado.
0 barateiro da rua-:da Imperatriz n. 60,
vende popelinas pretas com listras asseti-
nadas pelo baratissimo preco de 500 rs. o
covado. para acabar.
Lustres, camlieiros e
Cura das hernias, pelas
das de borracha.
As melhoros e mais aperfeicoadas das at. i/s* -
nnecidas.
Vende-se
aa
Ptiarmaeia e Oro^rnrla
de
Ilarlolonaeo 4k C-
A'
34. Rua larga do Rosario SI
Vaccina. Vaccim.
Tendo o Sr. Dr. Jose Leurenco de ltajiMai
montado na c tigo, tem aqui aberto nm deposito t!a ay*-r -
mais recente, enfua tubos se encontram na
1'haru acia e drog3ria
A"
34-rna larga do Rosario 3i.
GRANDE
LIQUIDACAO.
Gama & SiKa Brito, ccm arma?cas de nislhili
no largo da Santa Cruz ns. 2 e 4, tendo it *j-
dar a Grma social em contequenda d us socios tir <:e retirar se, resdveram vender -* y*
neros existeutes em seus armaztn* mai: banOa K
0|0 do foe em outra qualquer parte, e clwsss^i..
attenca do lesnei avel publico e a d^.s Sr; Lev.
cedores das despen^as familiares, a.-tioi >o>aw
Srs negociantes em pequena etcala, r.rt 4itasjp
encontrarao a maior sinctridr.de e :.gro.i i >*,.<
vel Deixamos de mencionar o grai.du enzun y
gen>ros qne compoe o grande m rtin.into, px^i-
isto se tomaria enfadoni o, Iimiian !u uos itksa ;
mencionar marteiga ingleza em barris I I
e 1*100 pur cada 430 gramm.>, d tn fraat
800 rs, dita ingleza em latas de iteia k !j a M -Si
aproveitem em quanto 6 tempo no larga d.Ssr
ta Cruz ns. 2 e 4, arraaiens de Gama & Sd'j. 5*.
to, em liqnidacao___________.
Sitio e casa
Vende-se um sitio com uma cssa nova, .i-jti-.
sitio 8i 0 palmos de frente e 1,115 de fucdc,s<9N
ediOcada com bnn c< mmodos e boa cact-um.
etrada nova de Beberibe, perio da bshmAi i
o que se i-ina commoio pr ser i'M n pn e
na 1* ordem, no trem da via ftrrea ; acha s im
occuoado : quem pretender, dirija se a rnaiacjs
do Rusari-i n. 20.
Vende se_a taverna da rua do Ranjjsf a *.
s- ndo a anoneao toda invernisa.li e envi4rac*e\
A empreza do gaz, tendo recebido ultimamente
uma qnantidade de lustres, caodieiros, arandellas,
globos etc. etc., tudo obra de gosto e d primeira que muito bem serve para qualquer I ufc
qualidade ; acha se em posicao de uppnr a sem por ser em bom ponto.
freguezes, por precos men res do que antigamen
te. Para verem as amostras, dirijam-se a rua do
Imperador n. 31.
Salsa parrilha
Muito nova e grossa.
Vende-se por barato preco, em porcao ou a re-
talho : na rna larga do Rsario n. 34.
Espartilhos.
Na loja do Pavao, vende-se espartilhos
dos mais modernos a 39500 e 49000 cada
um ; assim como bonitos cintos com la?os
de setim a 53000, e sedinhas la vradas com
toque de mofo a 19000 o covado: a rua
da Imperatriz n. 60, de Felix pereira da
Silva.
Aos niMilnos
A NOVA ESPERANCA, a rua Duqae de Caxias
n. 63, acaba de receber um bom sortimento de fl-
nas bonecas que fa I lam, que riem se e cboram ;
tambem astern mudas e surdas ou surdas-mndias
venham ver se nao e verdade.
Engenhos em Mamam1-
guape.
Vende-se os seguintes:
Barra,
PregnlcH,
e Patricia.
A tratar com sens proprietarios nesta eidadt
e para informacoes com Joaunim Pinto de Mei
relief Filho na mesma cidade de Marrlamguap.
sso frmiioS n C.
Cortinados para camas
Na loja do Pavao vende se um grande sortimen-
to de cortinados bordados proprias para camas e
janellas, pelo barato preco de 8, 9 e 10,000 rs. o
par, assim eomo culcbas de damasco para camas
de noiva a iO e 12,000 reise pedincha: a
rua da Imperatriz n. 60, do Felix Pereira da
Silva,__________________________________
A 500 rs. o covfcdo
Na loja do Pavao vende-se lazinhas japnnezas
de cdres mnito modernas pelo baratissimo preco
de 500 rs. o covado, para acabar ; ootaodo-se que
e fazenda que jamais se vendeu por menos de
dois crurados ; ja r>a po cas : a rua da Imperatriz
n. 60, loja do Pava>, de Felix Perei-a da bilva.
Gorgurao
0 barateiro, a rna Prim, ir-' do Marco n. I,
e>ia
Wil-on Rowe dt C. vendem cc seu inuai
a rna do Commereio n. ii :
verdadeiro panno de algodao azul iBviruse..
Excellente flo de vela.
Cognac de 1" qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as quaiida
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA acaba de recefcr Ma*
les nnlagrosos anneis el'eclricos, cura in'ilial 4m
nervo-vs. _________
Para senhoras
Como sao lindas e modernas as gravatinte kc
a Magnolia, a rua Duque de Caxias n. m\ aa*f
de receber 1
Casemiras
N* loja do Pavao vende-se am r*"'"'"' "'T
to de casemiras de cores e mesoladas, tasts como esc ras, proprias para calca; palt*tiss-
} metrXh^iZlo. ^mandaa ^
2*000, fazenda que seroiire custou 7* ; a elles,
autes que se acabe : confronts ao arco de Santo
Antonio.
Grande descoberta
Curativo das molestias do
IJMll) PABA1FSTID0S
Vende's-linho liso e arrendadn, lindos padrdes
a 400 rs: o covado, fazenda esta que sempre ven
den se a 1* ; venham a elles antes que se aca-
bem : na I ja do Passo, rua Primeiro de Marco n.
7 A, antiga 4b Crespo. ^^^^_
Liquidacao de roupa feita
Na loja do PavAo liinida-se uma grande por-
cao de roupa para boinens e meninos,como sefam:
caleas de casfemiras pretas e de cores, para todoi
oS precos e qnaiidade ; ditas db WfM de An-
j gola para differentes precos; ditas de brim da
j cores, pardos e brancos ; paletots saccos, casacos
[e fraks de panno preto ede ca.-emiras de cores
coletes de foda's as qUafidas, ptfr preijos bvti
peito pelo
Xarope de suluhiti* dc soda
DE
A. BlHMi]
Est? importante medtcamento qfce acrta de ser *oaDar I* r*da Imperaarizn
reconhecido pelo* distlnctos Drs Zalloni e Paras- e cbevas
I trssfaoS", assloj erjfto grande poT^IO de camisas
ceroulas por Menor 3 0 do
seu valor s6 pan
60, de Felix Pe-
Vende^8e
Vende s a aTrrUfJo ,ta |Ja ,ja rna ,je yar
eilioDias n. 13 : a tratar na rna
n. 18, i- andar.
como um verdadeiro espe ifico contra a
phtysica, segnndo nrovaram nos grandes nume-'
lif Oa-^r.^.eli,erim?,idoi'.con)0 M ** no wtt* da avaimtna de Paris de 24 de maroe -
do eorrente anno, eneonlra-se onicamente no
Deposito da i barmaeia e drogaria
de
llnriholomeu it C.
N. 3% Rna larga do Rr.saro N. 34
W~
medio n. 18, fn>Rnezi dos AHigados, eW Chios
proprios, com 348 palmos de frentr >jje,8 fin-
da, com cacimba e taaq e para banhos, estando
a casa em ruinas^ tendo alguns arvoredos de
fraeto, e a fTente pira o rlo ; os pretendentes dl-
rijam sp a sen prnprietttte na ru* de S. Francisco
desta cidade n. 10
%
com as noivas
A ,WVA ESPER A xg A, rna DtKiue de Caxias n. I -A OB Clgarfeil*OB
das Larangeiras 36, acaba dV feceber boa- meias de seda proprias A NOVA ESPERANCA vende nanei de
para noivas, e ^reciaveis ramo, de larangeira proprio para cigarTosTde divers^ latguras.
linhc
Pechincha
Odilon Duarte & Irmao receberam pelo ultimo
vapor um grsnde e variado sortimento de eoques
de cabelio numano, o que ha de mais moderno, e
vende-se pelo baratissimo preco de 10* cada um ,
a elles, ant-s qae se acabem.________________
Lustres e arandelas de vidro
para gaz
Na grande exposicjio da rna do Imperador n.
35, junta ao escriptorio da compaohia do gaz, ven-
dem se os mais bonitos e modernos lustres e arao
delas de .vidro para gaz, a sim como tudo o mais
qne se torna necessano para esse Gm, sendo tudo
dos melbores fabrieantes que ba na Inglaterra. Os
precos sao mais baratos do qne em < ntra qnalquer
Siarte, e com a vantagem que 6 o dono do estabe-
ecimento mandar assentar os lustres ou arande-
las no lugar que o comprador qnizer, sem que para
isso pague alguma cousa. Tambem se compra ou
troca se Instres e arandelas ja nsadas, mas que
estejam em estado de poder servir.
obra tende.nte a alfaiate, com a maior prsiais
por precos mnito razoaveis: a rua da Isaoov
triz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Camisas.
Camisas francezas brancas de algoJio Ah
frlii i de cor a 2*000 nma, em duzia a
e pechincha : na rua do Crespo n. 20 loja it
Iherme k C
Cortes de casimira a -x^,
e 6#000.
Na loja do Pavio, vende-se cortes de ca-
semira para qalca a 4$, 58 e 6<5<>00, ditos
muito ftQ'sde uma so cOr com listras ao la-
do, fazenda que sempre se vendeu a 99 e
109000, liquida-se a 6$000 para acabar:
& rua da Imperatriz n, 60, de Felix Pereira
da Silva.
- Vetde-se uma escrava mca e de
figura, sabe cozinhar e engommar com ; ^.-i
e sem defeitos: a tratar na rna do Mar,"* i-
Olinia n. 57, outr'ora roa da Caleia. x>) torio dos Srs. Parente Vianna & C, : .'*
Antonio da Silva Guimaries, on na villa '
bo, rua do General Victorino n 21.
Cortes de cambraia
Na loja do Pavio vende-se cortes it t.-zdem
transparente com babadas largos, (.vtofanaa*
como de cores, por baratos preros, p. r te^tm a#-
gum pequeno defeito: a rua da ImperatriT %..
de Felix Pereira da Silva.
Vende-se
Cora tfos ostrellantcnto d'uretra
pela facil applicaQ&o das
SONDAS OLIYAES
DE
GAMMA ELAST1CA
As mais modernas e aperfeicoadas de todas
as conbecidas
tendem-se
NA
PHARMACIA E DROGARJA
DE
Bartholomeu & C.
34- Rua larga do Rosario 34
Vende-se um terreno no Caroioho Novo,
hoje rna do eonde da Boa- v Isia, tendo cem palm s
de frente e quairocentos de fundo, proprio para se
edificar nma boa. caa, por ser nerto do Recife : a
tratar no mesmo Ingar n. 120, ou na rna da
Cruz n. Ii.
oa roa do Vigario n. 19, primeiro andar:
Vinho do Porto engarrafado, em bars* as
ancoretas.
.era em velas, de Lisboa, superior
mini do Porto.
Cimento Portland, legitimo
E Mo
As almofadas bordadas de li in.
cebeu a Nova Esperan^a, a
Caxia "
'as
Chapeos para se
A loja da Passo, S rua Primer
7 A, recebeu um rieo sortimei
raesna hnras, preto* e 6V eiv*
Chapeos pai a senhora, k
e punbos, manguit gravata de, seda. perfumaria e cm
couro.
Vendem Amaral, Nabnco & C, no Bazar
ri* n. 2, roa uo Bario da Victoria. ____
Fumoexporte bebt CirdaE^:
Amaral, Nabuco C. vendem fumn naVt pss
cachimbo no Bazar ictoria, rua defeat A
Victoria a. 1
Sedinhas a 1^500 o cot 4*.
Venham antes que se acabem : na lojaskftav
ma d" Marco n. 7 Av
vpnde-se por commodo pr#e\ os aMafc
meia agu, de d..us andares *-tao, *iu s sa 4*
F"g" n. '8. em terreno proprio e *** *J?
coo-truccao : a fallar na rna da Conceajsaa ff
Idas 6 is 9 e das 3 as 6 da fcrd


8
LITTEBATMA,
CaaUl co A morle.
Traxe am i ea seio o talisman da crenca,
A paz sob leu veo...
Nos lubiremos de vagar a escada
Que vai baler ao ceo !
F. VAnELLA.
I
Vem com leu sopro gelido,
Virgem sem c6r tfij branca !
Sem vozes, som estrepito,
Deixa a minb'alma franca.
Que importa o turreo involucre
E as illusoes d'aquiT I
Antes a paz do tumulo
A quem ua vida pena :
Minh'alma aspira a* gloria
Pacifica, serena,
E aurora sem crepusculos
S6 posso achsr em ti.
II
Os entes pusilaniraes
Olbam-te apavorados,
Com medo dc fitarem-te,
Vi argila enraizados;
Proferem-te calumnias,
Dizera-te bononda e ma I
Pobres seres ostupidos,
Julgam o mundo a vida !
Sem ver o brilbo limpido
Da alampada accendida,
Que trazes, rriagnanima,
E d vida guiard !
Ill
Eu n3o: vejo-te a vespera
Da vida immcrredoura,
Vejo-te qual principio
Da luz da eterna aurora ;
E banho-me de efluvios
D'essa alva no clarao :
E a ambicionada epoca
Conto por minhas ddres,
Por minhas tristes lagrimas,
Por minbas murchas flores,
Amigos molancolicos
Da minha solidiio.
IV
Eu sou como did ludibrio...
Nauta em revoltos mares !
Em veo cobrio de maculas
A luz dos meus luares.
Ai cego e jii sum bussola
Tomou-me o vagalhao :
E vfjo as pro^elarias,
Na linha do borisonte,
A perpassarem rapidas
Sem me pousar na fronte;
Como miragens perfidas
De uma drida extensdo !
Onde o meu rir da infancia
E as rosas do passado,
Meus sonbos de innocencia
E 6s entes quo bei amado '
No vacuo, no preterito,
Tudo se mer'ulhou !...
S6 eu fiquei incolume,
Na dflr e ua surpreza,
Como uma flor sem basteo,
Boia na corr?nteza,
Sem ter itineranO
Na estrada em que se achou.
VI
Aiem do muado a patria
Deve enconlrar a alma,
Devem ganbar os martyres .
Ao soffrimento a palma :
Ha um lugar esplendido,
Paiz da inspiragao !
Onde nao se ouve lastimas
Do pobre perseguido,
Nem o sorrir sardonico
Do rico endurecido,
Mas s6 hymuos de jubilo
Ao rei da cieagao.
VII
Dd-me esse oterno idylio
Acima das cspheras,
Dd-me esse ar balsamico
De olentes primaveras,
Dd-me essas ribas poeticas,
De tSo suave luz !
Tira-me a vida aos musculos
Sem extorsoes, sem d6res;
Deixa-me um rir perpetuo
Nas violaceas cdres :
FOLHETIM
JOANNA
J 0 G Q D-E P AIX D E S.
Paz que na bora ultima
Eu possa ver a cruz 1...
VIII
Deusa dos cemiterios,
Tao pallida .1 de neve !
Vem I com t~us labios lividos,
Oscula-me de leve:
Lova-me a alma rutila
Ao throno do Senbor 1
A'existencia placid a
Que ndo acbei na terra I
Com teus olbares vitreos
Do todo me desterra !
Virgem de seios gelidos
Dime teu casto amor I
Jiario de PernamDuoo Segunda feira 19 de Outubro de 1874.
universe
mysticismo, que domina-lhe o coragao e a
intelligencia, e apezar de ir progredindo,
continua vendo am Deus em cada herde : e
a primeira idade, a idade mythologica.
0 espirito bamano desenvolve-se, e assim
vai se mudilicando pouco a pouco o elemeo-
I to divino, ate que entra o predominio da
{entidade, que praticando acgoes gloriosa* e
i provocando frenetico entbusiasmo, cbama,
se o hercVj para sor elevado d cathegoria de
semi-deuse: 6 a segun'a idade.
A humanidade, coutinuando a ganbar ter-
reno nessi luta contra os sentimentos pri-
mitives faz desapparecer o Deus e o semi
dous e attioge ao zenitb da civilisagao :.e a
terceira idade. Eotao ella, a bumamdade,
na deiiciencia completa de crengas religiosas
*>,,,,, .... 1Q-. e* collocada diante dos terriveis ricorsi, que
Encanamento,Iodeseterabro de 1874. a obriga11 traasfigur,Md de noo p.ulV
namente ; de modo que quando o genero
; humano avista o distieo esperancoso que a
iprovidencia escreveu na facbada do edificio
no perante a da civilisagao, jd sente-se ferido por uma
estupenda desdita e ja ve" annunciados os
borisontes do sua felicidade. CVozes : mui-
to bem I)
Que fatal providencialismo esse t Que
theoria desanimadora I E foi um crente
que escreveu-a I E foi um philosopbo que
RODOLPHO DORNELLAS.
hi* tor la
CO.NFERENCIA I'l.BI.Ii A NA ESCOLA DA GLORIA,
ri:i.(i DR. LUIZ DE ALMEIDA ARAL'JO CAVAI.-
CANTE, NO DIA 9 DE AGOSTO DE 1874.
(Coutiunacao)
Pouco depois, tirvam-se as esperangas
da humanidade. a ingratidao humana pro- ^ovoTa^ideal a civilisagao romana
voca uma estupenda vinganga divina ea, A phUosophia da historia da humanida-
humanidade, em frcnte de um Deus ar- j, e uma obra deinwntest,vel merilo j .nas
pend.dodecnal-a, embrenha-se na desgra- 6 necessario COuvir que ein Herlor ba me.
ea. ate quo asaguas iramensas deumd.lu- n0s sciencia pr .fund* do que obscuridade,
v40 que abrauge o uraverso, quasi external- eMgeraga0 e fofma pr,inorosar o
..am a raca infame de ttlbos ingrat.s, del- que levou Cousin a dizer que as cdres do*-
xando-a sobreviver ma.s fragil, maia infel.z ^ sdo vxlremamente bJUtante* e que net-
h mais desd.tosa ; e a tremenJa vioganfia u ha maisbrilko do(]ueluz.
desperta um novo arrependimento da parte j^ feit0 Her(Jer ora 6 Q ta hz
do mesmesmo^r, quo secumpromette eotao lia(JoCread ^^JJ ^
a ounce xnais pun.r tao exageradamente os ^ Q ^^ ^ ^
vicioshumauos. E-s a coacepgao deBos- 2vamen eocade*Io a ess vontade supre-
suet: Deus arrependeu-se da cnac.ao do 0 6 Q pbiloso bo vauilla V
homem Deus v.ngou-se I e novamente te qualquer 0bstaCHlo. quanJ., efaama o bo-
a rrependeu-se mem a reger.se e quandt, reaolve-se e para
bo povo escolb.do, proteg.do pnvilegia- Lrredar dJ histor ] provi(leneia ou Jnra
damente, quando o resto da humanidade confessar que ^ Deits intervera nas evolu-
fica alheio aos benedcios diversos, um DO- L^ bistoricaSj 0 ho-MI nao dBve ir ahi
voqueatira nas veragens vertig.nosas do! ra.,o| Quanta duvida Quanta m,
Mar-vermelho os tragmentos da civilisagao coberencia I
c-gypciacs um povo diante do qual repe-j Cousa nolare, 6 ^ interven5ao divirw
tem-se milagres sobre milagres, e que ape-1 na doutrina de Harder r ^^ enm 0 ho
zar detudo protesta, por sua ineorngivel mem> deu the faculdades e prometteu au.-
idolatrta, contra a intervene*) sobrenatu- xi|ia.,0 lei9 eternas, qne sao as-
raldo r.ador e quem va. expellir da terra mesmasqU9 regu|ain a nature^ phvsica,
promett.da povos inte.ros e nacoes constt- ,0 qaetoda a historia tuuias, e tudo por orde n termtnante de um
Deus que manda desprezar a patria,o vin-
culo sagrado do coraguo I
E-esse povo ingrato, desfortunado, objec-
tivo de tautos e tao grandes milagres nos
teiopns de outrora, continua boje a existir
para mero exemplo da vinganga divina, ou-
vimlo a bumamdade proferir de quando em
quando o terrivel Deicida I de Lamen-
nais, que tern sido e sera* em todas as iJa-
des o indicio irrecusavel de uma mQnda e
cruel raaldigao 1 Nao e s6mente isso 1
Sob o ponto de vista de Bussuet, as gran-
des personagens bistoricas, as nagoes e os
imperios sio conv>rtidos em instrumentos
da Providencia quando az-se necessario um
castigo, ou torna-se mister essa destruigao 1
E', .como vedes, o fatalismo da froviden-
cia muti'ando a iiberdade bumana excluio-
do-a da historia. Ante taltbeoria recua es-
pavorido o dogma do progresso e a bumani-
dade assemelha-se a essas vagasique, embo-
ra tumultiiosas, nao poiem attsolutamente
ultrapassar o obstaculo invencivel que a na-
turrza impozd sua impetuosidade. 'Muito
bem.
uma pura a historia iiatural das fargas
humana a, das acgoet e inclinacdes que de
pendem dos lugares t dos tempos. Eis
como neste systems, em ultima analyse,
pouco ou nada fa/, sm Deus e o homem, a
Providencia e a Iiberdade, e tudo- confirms
o fatalismo indirecto da Provideucia por
intermedio de uma cruel natureza-, que im-
possibilita qualquer pbitosopbia da histo-
ria.
Subordinando o mundo moral ao mundo
pbysico, elle reduz a historia dos acouteci-
mentos bumanos a* uma c6pi& fiel dos resul-
tados mais ou menos iaevitaveis- do nosso
globo, de forte que ser-lhe-hia facil descre-
ver as sociedades antes que ellas comessas-
sem a existir, antes que seus habttos se
manifestassem, uma vez que lbe fossera da^
das a contiguragao do s6lo, a profuodidade
dos valles e a elevagao das rroutanhas.
Perguntai a Herder porque Alexandre
realisou a expedigdo da Asia, qm elle nao
lembrar-se-ba da necessidade de hellenisar
o Oriente e abrir exemplo pira essa unidadd
romana, sem a qual o chriatiaoismo talvez
im") ... I fosse impossivel, e responded que a expe-
Seria certamente ahi impossivel o yerda- dj a d ^ Philippe a tinha pre-
deiro providencialismo que a historia de-
monstra em suas evolugoes (muito bem).
Vico em seu livro, que e sem duvida um
thesouro do saber e meditagao, lembrou
desdo o titulo a novidade da philosophia da
historia, mas nao descobrio, como suppoz,
as leis e os principios que regulam o enca-
deamento das sociedades bumanas.
Tambem elle partio do ponto de vista bi
blico, e se Bossuet vira Deus do alto de
seu throno celestial dirigindo a seu modo
os homens e os povos, as nagoes e os irape-
rios, Vico, do cimo das collinas romanas
vio a Providencia fazendo a humanidade
nascer, crescer e desenvolver-se para mor-
rer e renascer, trazendo do bergo a sede in-
saciavel e a fome perpetua dessa mesma ci-
vilisagao que delle foge a cada passo : e um
supplicio mais terrivel do que o de Tantalo,
porque aqui afasta-se a materia e alii reti-
ra-se o espirito do cume do Thabor ap6s
uma terceira transfiguragao. E senao, me-
ditai a concepgSo do illustre philosopho.
Um povo nasco com o instincto religioso
vendo um Deus em cada sar, uma divinda-
de em cada objecto de phantasia, vivendo
de puras contemplacoes atea a chamraa do
parado, o povo a queria e tudo combinava
com o ardor guerneiro de uo> mogo ambi-
bicioso de glorias.
Perguntai-lhe quem sao esses grandes
vultos que ttin civilisado a humanidade,
ainda que com o ferro e com o fogo, com a
desolagao e com a morto, que ello affirma-
r& que os conquistadores sao assassinos que
devem ser desprezados; ou antes persegui-
dos, como os le5 s e os lobos, nas selves e
nasbreuhas, para que n5o prosigam, tudo
destruindo e tudo tacrificando a suas ambi-
gOes como Saturno.
Perguntai lhe, emfim, qual a sorte da hu-
manidade, que elle vol-a mostrari banhan-
do se em sangue e pisando sobre ruinas se-
culares no meio de um puogente desespero
e de uma crucimte desgraga que causam
lastima e arrancam lagrimas de dor aos co-
ragoes mais empedernidos; e, depois, ira"
condemnal-a a ficar para sempre d roda
de Ixion e ao rochedo de Sysipho, ao enp-
plicio de Tantalo, apezar de seus longos es-
forcos. Ob I quo doloroso e esse inexo-
ravel fatalismo, surgindo por entre os hym-
nos e hosannas que entfia Header a" Provi-
dencia I (Muito bem.)
Minbas senhoras e meus senhores, vou
notando que e vasto de mais para uma so
conferencia o piano que me bavia tragado ;
por esti razfio nao f dlar-vos-hei de outras
phases por que tern passado a doutrina do
providencialismo, e reservando esse estudo
para quando me dehberar a tratar especial-
mente de tao variadas theories, em que o
erro apparece de envolta com o desejo do
innovar, desde ja enccto a demonstragao
bistorica, que constitue meu principal as-
sumpto, de um providencialismo que nao
aniquila a Iiberdade bumana, nem desmoro-
na o edilicio gigantesco das aspiragoes pro-
gressives da humanidade.
Vereis como as sociedades co.negaram e
marchararn sem a intervengilo milagrosa do
Ente Sopremo ; vereis como esse musmo
Deus que todos adoramos com certa idola-
tria, filha de nossas crengas intimas, se tern
erguido nos grandes movimentos sociaes, in-
dicando .1 humanidade um caminho bri-
Ibante, em que estao semeadas as flores da
iiberdade [Muito bem) ; vereis como o bo-
mem com a Iiberdade tern procurado im-
pugnar o que estd nos pianos da Providen-
cia, e desta nianeira certas contradiegdes que
teodem incessaotomente a diminuir entre a
creatura e o Creador ; vereis ainda a huma-
nidade, de quando em quando no correr dos
secnlos, algan to o eollo contra os destgnios
provitenciaes, para depois abater-se por um
impulso mysteriosamente livre e sujeitar-se
indirectarrrerrte a esse poder maravilhoso que
nunca itespreza o bomem, nem nas triste
zas do isdamento, nem nos prazeres da vida
social. (Vozes : muito bem !)
A diiiis reduzem-se as principae9 thooria&
que se teem imaginodo para explicar a ori-
gem da humanidade. Uma quer qae o ge-
n*ro humano tenlw procedido da mesma
foots e, abragando-se- com as tradigoes bi-
blieas, piuta aos olhoe da razao, com todo
espkmdor magestoso das concepgfies primi-
tivasy a atmospbera do-primeiro-dia da exis-
tence impreguada de perfumes celestials :
tudo ahi pareoe grandioso e estupendo.
Dentro em pouco, o amor, essa d/rina inspi-
ragaodo sentimento, tronsforma-se eronia-
naocial fecundissimo das mais graves.des-
illusoe->e maiores dissab-jres do genero hu-
mano, que desde logo camera altita eterna
do eterao perseguido da legenda judoica en-
carando ilous principios, quo parecem anta-
gonicose que ser-Ihe-bSo-fataes, em-quanto-
nao so&rem aqueHes clarine-funebres do valle
pbantasiado de Josapbati de um lado-Deus,
e do outro a lib -rdade, sendo seu inimigo
mais implacavel e temerarto.
A outra pretende diversidcar o genero
humano, nfio crc nas tradigoes "anti-diluvia-
nas e, excavando os montoes de ruinas au-
tigas, toma vanadissimas direcgoes, que sao
outras tontas ramificagdes de um mesmo
tronco, e em seguida erige-se em um ne-
voeiro de duvidas e com aorgulho da- ver-
dade, dendo a* humanidade uma origem que
nao satisfaz .1 seriedade da critica, nem aos
rigorosos anhelos da sciencia.
Nao cabe aqui expor os motivos de mi-
nha preferencia ; mas, como quer que seja,
ainda mesmo concedidoqueo bergo da hu-
manidade lembre a Espbinge e seu tumulo
o mysterio, eu creio qu>- Darwin d absurdo e a doutrina do Lamarck
impossivel, e o bomem sura sempre, quanto
a mim, a grande synthese do universo. As
sim evito a discussao de questoes que, por
serem importantissi nas, bastariam sis para
uma serie de coherencies, e passo a consi-
derar debaixo de um ponto da vista-genera-
lisador e rapido a immensa cad^a das so-
ciedades, atim de demonstrar que a Provi-
dencia tera incessantemente educado a hu-
manidade.
As prlmeiras idades sao ainda hoje um
mytbo, e as crengas antigas, quer. sociaes,
quer religiosas, quandopassaram para o do-
minio da historia, pracipitaram a. pobre hu-
manidade na noite de materialismo, que in-
vadindo e dominando tudo trnnsformou-se
mil vezes a samelbanga do Protbeo.
0 mundo era \& grande, mas os homens
nao comprehendiam ao means os germens
de sua verdadeira perfectibihdade pelo espi-
rito, e, com* naufragos sem esperanga de
salvamunto, elles perdidos nesse mare mag-
num repousavam nos brag^os inertes da ma-
teria, que tudo absorvia, desde o homem
ate Deus, desde a politics ate a religi&o.
Os primeiros imperios estenderam-se nas
ferteis margens do Nilo e nas apraziveis
planicies do Euphrates : eram dous mundos
que disputavara o sceptro da civilisagao, ou
duas civilisagoes que aspiravam prender os
vdos altivos da intelligencia sob as pyrami-
des do Egypto e entre as muralhas de Baby-
lonia. Cyro, nesse tempo, foi o libertador
POR
George Sand.
'jRADUCgaO DE X. X. X.)
PARTE TERCEIRA
III
(Continuagao do n. 238).
Sou teu, disse eu; venceste, perten-
oo-ta. Ignoro o que nos reserva o futuro ;
e?quegamo-lo, para s6 nos lembrarmos do
presente, que 6 a verdade. N6s nos ama-
mos, e eu emfim quero dizer-te quetenho
te amado toda vida I Sim, amei-te aos
deseis annos sem nunca te ter visto :
hossos pais destinavam-n'os um para o ou-
tro, e eu, ainda no collegio, ja" te adorava,
via-te em todos os meus sonhos, e estreitava
tua imagem ao meu pobre coragSo. Fui a
Panticosa atraviz dos geleiros e precipicios
s-jmente para ver te. Naote vi alii, porem,
divisei-te em Bordeaux ao partires para a
Hespanba com teu pai. Depois, mais tarde,
fui a in la a Panticosa para encontrar-te. Alii
sube de cousas quo esmagaram-ma o cora-
gio. Quiz esquecer-te. Encontrei-te em
fim nos Peryoeos, e durante um instante
julgoei ter-te reconhecido ; mss teu nome
supposto e tua acentuagJo parisiense veda-
ram-m'o. Desde que vivo ao pe* de ti, de-
fetido-me e combato, e agora, no momento
em que quero fugir-te e detestar-te, tu me
abates e me vences I Pois bem f eis me
vencido, adoro-te, enlouquego ; tu assim o
quiieste I
Sim, eu o quiz, respondeu ella estrei-
tando-me ao ])eito, e eu nunca terei o di-
reito de reprovar-t'o, visto que lutaste contra
aim como ur.a lelo. Entretanto esta vie-
tori* nlo e* um resaltado da minha habili-
do uMHlso : torpando um paiz tributarioe
vencendo o outro, elle, que ambicionva a
fundagao de um imperio gigantesco, desem-
penhou a gloriosa missSo de libertar um
povo, que bavia sido alvo de cruentas per-
seguigoes, nao sd no governo tbeocratico
doi PharaOs, mas tambem no regimen de-
pravado da filha de Babel.. E' que a Provi-
dencia quiz que um immenso imperio se
constituisse no meio do f tiJico festim de
Balthazar ; c que ella deu a Cyro Iiberdade
para erigir a bandeira de uma nova civilisa-
i.'ao, que devia permittir que uma raga des-
ditosa fosse derramar as lagrimas de sua
desgraga, olhando para os muros de Jerusa-
lem e condoendo-se das tristezas mysteriosas
da cidade eterna I [Muito bem).
Entretanto, a Asia poderia manter inlacto
o deposito da civilisagao ? N3o, certamen-
te, e muito meuos conserva-lo-hia a Africa.
Nesta sabeis, por exemplo, que os etbiopes,
segundo refere Horodoto, nSo confiavam a
realezi senSo ao mais forte e mais poderoso
pela materia, de sorte que entre elles, para
sr digno de subir os degrdos de nm thro-
no, era mister ter um porte gigantesco para
que se firmasse o absurdo parailelo que la
admiltiam entre a estatura do bomem e as
elevadas foocgdes do rei.
Naquella sabeis igualmente que nao ees-
s^ra, apezar dosembates colossaesdos povos
quese arruin-avam redprocamente. a deplo-
ravel apotheose do materialismo. Os tarta-
ros materialisavam todas- as relagoea da vida
domeatica e nenhum cu-ko rendiam ao sen-
timents da fraternidade, ou aos mai9-santis
deveres da natureza : o irmao fraco e debil
nSo prcwinha do mesmo sangue e ersdes-
prezado para vegetar na at nosphera d in-
diflsrenga, ou viver na miserla da abj^cjao;
0 psi decrepito, porque se tornara inutil aos
eombates corporeos^ ora era- turpemente
maltratado,- ora vil e barbaramente privado
d existence, e nisto consistia a dedicagSo
do irmao e o desvelo do filho e quando as
cagadas nao satisfaziam-lhes o des-jo de
cartNiicina, e'les, esses bsrbaros-algozes de-
seus-irmaos e3eus pais, atiravam se, como
feras cruentas,. sobre as muralhas-chinezas^
para fazerem ranis-sacrifices i sua perver
sidade infernal'(
E nSo era tudo 1 No meio dos encantos
mystic >s das diversas religions asiatieaa havia
a mais estupenda apologia do materialismo,
e debai :o da abobada celeste occultvam-se
as mais. degradaotes doutrinas 1 N Ra-
maxjana le-se que se nao houvessem reis
que diriifissem os povos com-seu poder, a
esposa nao obedeeoria an esposo, o filho ndc
sujeitar-3e-hia ao pai e os homens devorar-
te-hiam comopeixes no mar, de tl sorte
que era a-forga see exclusivamonte que da-
va origem- e seguranga aos delicados esti-
mulos do coragao da esposa, ao sublime
raeonhecisnento do filho e a* sobda fraterni-
dade dos homens I E' que ahi to*tas as
cousas saocumbem ante esse colosso infernal
que chama-se Ravana, e o mais convencido
naterialista sente horror ante a pura-lem-
branga do serralho maravdhoso de L>nka 1
Quando a forga desapparesia d'entre esses
povos, os homens e as sociedades levanta-
vam-se uns contra os outros-e, com alegria
no espirito e sorriso nos I-bios, erigiam o
estanlarte de uma cruel destruigao. Olhai
mesmo para a soberba Tyro, debrugada em
seu leito de ondas, que pasmareis diante
dos instinctos sanguiuarios- de Pyg. digno precursor dos taes comoierciaotes tra-
dtcionaes da Pbenicia, os quaes nunca pas-
saram de pirat-aj. ladroes ou assassino*.
Que triste roquinte do mater alis-no Nao
vos admireis, portanto, de que deus vastos
continentes nao coubesso n n'ura templo
sumptuoso, em que o mundo visse s :intilla-
rem os espl'endores da civilisagao : esta foi
justameote exigente para com osses povos
que nao quizerm cor.6tituir-se apostolos do
futuro, e a Providencia deixou- que ella se-
gui'Se siia viagera airavez de novos territo-
rios e e:n busca de novos climas.
Entao, a Grecia revestio-so de suas ma-
gostosas insignias para defender o sagrado
deposito que Deus lhe havia confiado, por-
que nenhum paiz realmento mais agio do
que este para lao gloriosa missao. Sim 1
Abi estava o tribunal de todos os elemen-
tos ; ahi se achava o santuario de todos os
principios : 0 elemeHto africano tinha vindo
com Cecrops para Athenas e com Danao para
Argos, o elomento asiatico tinha vindo com
Cadmo para Thebas e com Pelops para o
Peloponeso ; a diversidade estava em Plu-
tao e Neptuno; a unidade, em Jupiter, e a
harmonia, nas lyras de Apollo e Ampbiao ;
a realeza podia confiar no Agamenon dos
deuses, e a democracia no esforgo potentt
de Hercules ; emfim a humanidade podia
avistar limpidos os horisontes de seu porvir
dade, nao ; fui apenas sincera, eis tudo.
Bem ves, pnis, que o amor pode dispansar
o espirito. Vamos 1 dize-me que me amas ;
dize-m'o cem vezes, mil vezes. Quero sa-
borear essa palavra, que 6 minha vida in-
teira. Anda 1 falla I diz--,-a I sinto que quan-
do deixar de ouvi-la morrerei !
Repeti-lhe a phrase mais de mil vezes
cobrindo-lhe as maos e os cabe'los de castos
e ardentes beijos, taes como soem inspira-
los os primeiros transportes do verdadeiro
amor, que sem duvida tem um quer que
seja de paternal, que da" ao homem o sen-
timento da necessidade de divinisar e ado-
rar a fraqueza que se refugia no seu seio.
Ate" entao eu estivera enfebricido e como
que sentia-me envergonbado da sede de
amor taoingenuamente confessada pela mi-
nha joven doente. Sentia-me incendido ao
mesmo temp) que humilbado ante a idea
de poderem ser apagadas essas chammas por
qualquer outro, pelo primeiro que appare-
cesse... Mas, extasiada e calma entre meus e
bragos, Manoela rehabilitou minha derrota,
fisto como, longe de dar-se ao demonio,
fez-rae subir comsigo a regiao dos anjos.
Pobre crianga inconsciente como a rdla,
mas como ella ardente e doce I eu a desco-
nhecera suppondo-a capaz de um calculo
egoistieo. Entretanto ella se me entregou
toda inteira sem querer olhar para traz, e
foi sem duvida a alma o que ella deu, sem
ser arrastada pelos sentidos. Os sentidos I
parece que ella nunca comprehendera sua
nella, e Manoela perguntou-me :
0 que tens ? o que receias t
Parei.eu-me ouvir o ruido de um car-
ro. Se fosse o Sr. Brudnel que voltasse T
Nao, elle de certo nao regressaria sem
nos prevenir. Demais Dolores vela.
Ah I esta Dolores I tu despedi-la-has,
nao e assim ? E'-meodiosa essa raulher,
e parece-me o teu mao genio I
Despedi-la-hei, se o quizeres ; mas es
injusto para com ella. E' a ella a quem
devo a felicidade de ter comprehendido que
o teu odio era amor. Eu nfio queria acre-
dita-lo, e foi ella quem me aconselbou que
te fallasse francamente. Ousei-o correndo o
risco de ser desprezada, e o ceo bem v$s
que desceu em meu auxilio I Ab 1 bem-
dita seja a coragera que Dolores me inspi-
rou I
Mas essa mulher nao te aconselbou que
te entregasses sem condigoes 1 Sem duvida
ella espera que eu aceite os dons de Richard,
conta ficar comnosco.
Que nos importa que ella espere e
calcule o que quizer ? Se ella deu-me
mios conselbos, pensas que os segui T
Ah I perdoa-me, disse eu tornando
a cahir a seus pes Bem vejo que tua leal-
dade e superior a tudo, e eu sou um mise-
ravel duvidando d'ella 1
-ntao, ores em mim ? disse ella pou-
do as suas entre as minbas maos. Emtim I
bemdiio seja Deus I oh I como sou feliz I
Fagolhe os meus cumprimentos, sc-
nora Idisse uma voz secca e glacial que
e que ap-
na immensa concepg*o do ProraHbao, a
justiga, reputar-se triumpaaale, eotoando
bosannasao verdadeiro DMajaJUai* aquelle
grito alllictivo que Eschylo fez soitar to
martyr nerculeo das cadeas graniticas do
Caucaso. [Muito bem).
Ob 1 como era bello esse Olympo I como
eram grandiosos esses tempos em que um
su Mi men to menos egoistieo app^receu com
expedigdo dos argonautas, e em o Occiden-
te lutou pela primeira vez contra o Orient*
dentro dos muros de Troia f Como era
sublime a concepgao dos sobs harmoniosos,
que faziam as arvorea eatremecerem, oro-
chedes rolarem, os rios pararem o eorto,
as montanhas abalarem se em seus aliear-
ces e asferas adquirirem a placidez dos sen-
timentos bumanos, somente para escutarem
as melodias divinas da lyra de Orpbeu f
(Vozes : Bravo I Muito bem I)
Tudo nesse paiz era uma aflirmagio de
que a Providencia tragara no fadario da
Grecia, nao aquellas palavras assustadoras
de Daniel, mas o glorioso disiicto de ser a
mai fecunda das civilisagoes ; pnr isto, des-
de que a Grecia se constit-io d finitivamen-
te, ella tornbu-se a patria do gtrerreiro, o
theatro da sciencia e o ce" > da belleza. Tres
veze o Orieute preteodeu destruir a flores-
cento civilisagao euTopea ; tres vezes o Oci-
deute fel o recolher-se aos arraiaerrdo pas-
sado. U mundo parecea deslumbrado re
cordando- as aspiragoes civilisadoras do se
eulo vai lots de Pericles. A Grecia.. isente
das guerras exteriores, quo ella concluire
debaixo de tao veutorosos auspicios, cm ve;
de consolidar-se p.-la harmonia e unificar-se
pela paz, deraou avule.irem ciuraes e diseor-
dias, produzindo guerra intestinas tic cU-
morosas que causaram o espbacelameoto
da republica. Foi assim qae desappare
eeo a unidade : a diversidade so nao bata
va para augmeotar o ediflcio da civilisagac
universal. Era mister que atguem viesse
salvar do naufragio o futuro db* povos. Mas,
que mysterio I Da Grecia mesmo sab ira rr.
os dous elementos de eterno antagnnismo
Demosthenes nascer a em Atbenas e Philip-
pe ahi fura educado sob a generusa direcgac
de Epaminondas, e nao tardou /ie aquelle
roprusentasso uma republica decahida e este
uma idea victoriosa. Demosthenes foi 0
mais temivel inimigo do rei da Macedonia;
sua palavra inspirada por urrxi sauta dedi-
eagSo nas pragas pubheas doAtbeaas valet
mais perante Ph lippe do qae to los ot exer-
eitos gregos, e cada uma das owe Philip-
picas, quo sao ainda boje adnwradas con
illimitado enthusiasmo, era o derradeiro
gemido de um gigaate queseosboroava, ou
o riso fagueiro da vida que viskava o mori-
bundo para abrir-Ibe mais gracwsam-iMe a
lousa do tumulo. (Muito bam Muito
bon !)
Dir-se-bia um duello de morte, que o
Kberdade travara contra a- Rrovideocia ;
mas-a Iiberdade nao podia veneer, porque
tornara-se irma inseparavei da anarcbia
da escravidao : deviam porteocer A Provi-
dencia os louros do trioaapbo. Confesse-
mos que a independencia da Grecia mcrreu
aa batalba de Cheronea, oh I dolorosa coo
tiissao I mas ah I Grande Deus f por saw
daquelles guerroiros vai entes que sacrifica
ram pela sausa dajpatria, por amor daquel
les phdosophos iliustres, daquelles poeta
inspirados. daqueiles oradores coioasaes.
nao digamos que a Macedonia venceu 1 Se
ria um sacrilegio contra a memoiia de Leo
nidas e Temistocles, de Socrates e PlaUo.
de Eschylo e Sophocles, de Pericles e De
mosthenes, repetir a pungente recordist
de que o ouro macodonico triomphara na
corrupgao de Eschinezl Nao I mil vazes
nao Philippe nao triumpbou, apezar dai-
desventuras da Gre-ia agonizaete 1 Querc
apagou-se foi o passado deu :n povo, querc
venceu foi a Providencia ; quem triuraphov
foi o futuro da humanidade, foi a civilisa-
gao I (Repetidos bravos.)
0 grande rei, desde esse dia desengaoadc
de inimigos europeus, projector uma expe-
diguo d Asia, e, bem longe de phantasiar
um princioio generoso, que fosse a divisa
do seu exercito. lembrou-se de castigar o
porsas pela ousadia do Xerxes. Nao esta-
va, pois, nocaso de realisar a missao pro
videncial, quedepois foi desempenbad?
por seu filho.
linguagem, parece que nunca ouvira suas
suggestoes 1 Preza entre os meus bracos e se elevou do fiindo do gabinete
estreitada ao meu peito, ella nem tinha fe- proximou-se ao fazer-se ouvir.
bre, nem sobresaltos, nem rubores ; ere-| Vimos entao dese&har-se, aos raios da lua
petia a cada instante, com uma candidez que se projectavam entre nos c a porta, o
admiravel. Tu me amas I e nos momentos tJallido rosto de sir Richard Brudnel.
em que a febre mais me dominava, ferido I Fiz um movimento como para desprender
pelo seu olbar immaterial e pelo seu sorriso as minhas das maos de Manoela, que rete-
infantil, eu tornava a ajodbar a seus pes ve-ascom forga, dizendo :
como um devotj diante da sua madona. | Nao, fica assim mesmo alim de que
De repente fomos iuterrompidos e sor- elle veja como n6s nos amamos! Por ven-
prondidos por um movimento extraordina- tura queria eu engana-lo ?
rioqao boavo na casa. Corri- paraaja-'
caraente, dispunha-se a sahir, ella largou-
me, correu para elle, e retendo-o, disse-
lhe :
Meu amigo, meu pai, perdoe-me ter
disposto do meu coragao sem consulta-lo ;
e abengde o meu amor que continua a ser
digno da sua protecgao.
Continua a ser digno..., replicou sir
Richard, significa que sua honra esteve de-
pendente de bem pouco, do acaso da mi-
nha intervengao. Nao e esta a primeira
vez que s6mente o acaso protege-a, Manoela.
Ponha-se, porem, sob a protecgao d'esse
outro Deus, porque a minha nao serd bas-
tante.
Foi a primeira vee que ouvi sir Richard
usar de linguagem tao amarga. E, disse
de mim para mim : estamos perdidos, por
que elle amava-a Manoela sem duvida fez
a mesma reflexao, porque deixou pender a
fronte e ficou como interdicta.
Eu estava resolvido, qualquer que fosse o
resultado, a nao deixar ultraja la. Todavia
contive-me, porque queria saber tudo. Do-
minei me, pois, e aguardei a explosao ;
mas sir Richard igualmente sopitou o seu
impeto e readquirio o sangue frio habitual,
e dirigindo-me a palavra como se nada se
tivesse passado de extraordinario, disse-
me :
Pego-lhe perdao por ter-me excedido
ao ponto de ralhar com esta menina diante
do senhor. Sem duvida teremos de fallar
a seu respeito; mas, agora, nao, porque
estou fatigado e preciso re'.irar-me. Julguei
dar-lbes prazer correndo ao seu encontro ;
mas a frieza do seu acolhimento prova-me
que, pelo menos para o senhor, doutor,
sou demais aqui. Sei que em determina-
das circumstancias os melhores amigos sao
as vezes importunos. Meu Deus I nao me
zango com cousa algum i. Censuro a pre-
cipitagao, e a auseucia de confianga, nada
mais : mas depois da censura sobre vem
[Continuar-se-ha*
Mas, como sir Ricb?rd, voltando-se brus
sempre o perdao, e e este que ambos cle-
vem esperar de mim.
1 Tondo assim se express
com cerlos
laivos deironia, sir Richard quiz ainda re-
tirarse sera ouvir-nos ; mas Manoela, pon-
do-se diante da porta, disse-lhe :
Nao, o senbor nao se retirari assim.
Uma vez que estd zangado, ralhe comigo,
porque eu bem o merego, e aceitarei as re-
primendas ; mas quero justificar-me, ou
pelo menos expiicar-me. 0 seohor esta" fa-
tigado, querido amigo ; pois bem, fique e
descance aqui ; faremos trazer-lhe o cba,
seremos dous em servi-lo, e depois conver-
saremos e dir lhe-hemos tudo I
Para que, se ja sei tudo, replicou o
Sr. Brudnel com zombeteira bonbomia e
sentando-se n'uma poltrona. Tudo ouvi, por
que Dolores pedio-me que os escutasse atim
de julgar da s tuagao. Se intervim na sua
conversa, foi porque quiz poupar-lbes uma
falta seria, como a de se ligarem umao ou-
tro sem se lembrarem do seu melbor amigo.
Toque a campainha, minha querida filha ;
eis-nos calmos, segundo creio, e pois jd se
pode pedir luz.jj
Permaneci callado era quanto Manoela
mandou servir o cbd e fall ju a sir Richard
acerca da sua viagem com inteira Iiberdade
de espirito.
Durante esse tempo Dolores andou rapi-
damente de um para outro lugar, perscrd-
tando com muda angustia as palavras e as
attitudes e gestos. Era evidente que ella
nos trahira no intuito de, com um profun-
do golpe. libertar Manoela da sua cadeia e
forgar Richard a casar-nos.
Logo que ella sahio, o Sr. Brudnel, que
ainda nao tinha erguido os olhos para n6s,
foi fechar a porta, e, litando-nos com um
sorriso que me pareceu forgado e que me
retalhou o ccrarao, disse nos :
Eis-nos sos, meus filhos, e reconcilia-
dos antes de tudo. Querem uma explica-
gao ; pois bem I vou dor-lh.es 3 exemplo da
franqueza.,. Sim da jsais completa fran-
queza. .- '
. Senlou-se e fallou n'estes termos:
Jd sei, doutor, que Manoela, pois, que
e preciso dar-lhe seu verdadeiro nnmo, con
tou-lhe toda a sua historia. Nada tenho
que rectificar n'essa historia, mas devo es-
clarecer um ponto que ficou duvidoso no
espirito d'ella e coosequentemente no seu
Ella suppoz que, as vezes no curso da
nossa longa e innocente intinidade, eu ex
perirnentei a meu despeito o imperio de
sua belleza. Enganou-se, porem, redooda-
mente ; porque, digo-o para minha vergo-
nha, nunca estive nem estou apaiaonado por
ella.
Nunca lhe prometti mais do que uma
cousa, e foi nunca desposar outra mulher;
eu suppunha que nunca viria a casar-me.
0 senhor occulta mat o seu sorriso,
meu charo doutor, e bem deixa entrevei
que suppde que eu exagero algum tanto a
minba inverosimil e estupida iodifferaoca.
< Bem sei que faz-me a honra de crer
que eu saberia resistir ainda mesmo 4 mais
violenta tentagao com Unto que nao pro
fanasse a santidade da minha adopgao ; mas
o senhor ere que, em todo caso, o meu
fim actual e escapar-me ao ridiculo, ptlo
que suppoe queaffecto uma philosophia qua
e-me um pouco custosa.
a Vou provar-lbe, porem, quo sou ua
verdadeiro ingle/., que sabe ser fieugmatice
em certas crises.
Saiba, pois, que para aqui regressei
esta tarde trazendo a lir.ne resolugio de des-
posar minba filha adoptiva, se por venture
esta me quizesse fazer a honra de esquecer
minha idade, e aceitar meu nome e minba
fortuna. E saiba mais que tomei essa ra-
solugao suprema por motivos i que Manoe-
la era e e" absolutaraente estranha. Eaves
motivos estranhos, porem graves, posso,
devo e quero communicar-lh'os.
a Um acaso imprevisto, ioesperado, fez-
rae encontrar minha verdadeira filha, per-
dida, occulta para mim desde quenasceu.
Coucebi o grato projecto de reunir-me a ella
e de viver com ella, fosse onde fosse, com
tanto que fosse para sempre.
(Coi;/inuar-,'r,-.'(t.l
J

. .

*v
?


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIVTLUN5V_ZSJR34 INGEST_TIME 2014-05-29T19:45:33Z PACKAGE AA00011611_17850
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES