Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17849


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^ ^ !


>
t
;
'._.
*
ANNO L. MJHERO 237
*w:

i
jiO 3b .XI
PARA A CAPITAL B LUGABES
For tres mezes adiautado*......
Por asis dttoe idem. ......
Paf am anno idem. .......
*a Hi SB PAG A POTK


.... woo
.... mooo
......"*m*
9390
ii a i
/. .
> i
;t? et mm*1" I

r? '
' fill 1*
i .. .' c, fib sli
. : ,b b $htib
. y
- qolh'i
ob
SABBADO 17 DE OtTlBRO D 1874
n c\Ctd
<\<
PARA DEiTBOG FfBA DA PROVL1C1A.
For tret mates adiantados..............
For seis ditos idem .
For nore ilitos idea a '
For am anno idem.


7M
'
PROPRIEDADE DE MANOEL FICUEIROA DE FARIA FILHOS.
a In. Gersrdo Antopio Alveei Filhoi, bo Pnra; Gon^alrei d Pinto, no Maranhio; Joaquim Jos* de Oliveira A Filho, no Cearif Antonio de Lemut Irafa, no Araoatj ; Jolu Maria Julio Chr ji, no And; Antonio Marques da Silra, Natal ; Joss
j Domingoa Josa it Coeta Brag a, em Saxareta;
Fereira d'Almeida. em Mamaugaape ; Carlos Auxeacip Monteiro da Franca, k 'Fwwbjfea ; Antonio Jose" Gome*, na ffrla da %whi; le'armino dos Santos Balcao, em Santo Ants
ii :. .i n 11 -.Juj toll ,>a:ni,i.i-- m'
io Maohaeo, no Pilar dasAjagdaar Aires"4 C.na Bahia; A. Xavier Leite 4 C. v Bio Janeiro-
b a .y
IVSIWS.IOSU&
Antonio Feminasig Agiua#,*n Gorans* r J+do
_____ J..,,r, -iJi>,,hi, ,-iaL .if, ,d ?'' 9a3^Cv& fl
',
Kleaueartmm i* ai
LffBO^I
& Ecu .
Hyilr*)MlH'a
!'.
CAPIrCIO m
PEsqs ESPgciFitfos, aftosj Titos.
fcaaiirego ls peaoa especiflcos.
A Jeteruiinacao dos pe os especificos nao (em so
urn fim purainente theories, nao. 0 conhecimen-
to dos seus numeros representative^ tem frequen-
tes applicaooes.
Por exempio : os naturalislas servem-se delles
para determinarem as especies mineraes segundo
saas den-idades ; os joalheiros empregam-n'os com
) fim de ban conhecerem as pedras preciosas.
Ktcfim, o conhecimento do oeso especihco de urn
corpo qualquer foraece urn meio bem simples de
ie'.ermiuar o seu peso, quando se conhece o seu
volume.
Supponhamos, por exempio, que se quer saber
o peso de urn metro eabico de chiimbo.
Coaecemos p" i-ODtem mil decimetros cubico;.
Oraj sabendo se que urn decimelro cubico de
agua oa um htro, peja um kilogramme, 6 claro
que se e:n rez de um metro cubico de chumbo ti-
vejseraos a indagar quanto pesava um metro cu-
bico d'agua, ba^iaria para couhece-lo fazer este
rwiocinio : se um metro cubico tem mil decime-
iroa 'ubicos, e. se cala decimetro cubico, que
equivale a um litro, pass nm kilogrammo ; os mil
decimetros eobicos ou um metro cubico d'agua
dcve pesar m>l kilogrammos.
Ed'ahi proseguir-se hia dest'arte no raHocinio :
*e a igual vo'.ume, o ehumbs posa 11,1(5 vezes
luais do que a agna. e um nrUro cubico d'agua
pesa rail kilogrammos, .e claro que um metro cu
hieo de chombo deve pesar 11,35 veses mais do
ijae um metro cublico d'agua, isto e, deve pesar
)(,3o sens mil kHogrammas ou 11,350 kilogram-
ma?.
O'ahi, pois, em regra geral obtem-se o peso de
i.,n rorpo qailt/iur, em kilogrammos, mulfipli-
' tndo o peso especifico do corps pelo seu volume
m'iido em decimetros cubicus. .
Se o rolumn for feMdido em eenlimelros cubieos
0 peso sera obtido era grammos.
ABE0METHOS DE PESO CONSTANTS.
/ireometro de Bann-Deve soler no-
taac qae osdous pequeuos fiuctuadores descriptos
acima com os nomes de areometro de Nicholson e
nrfometro de Tahrcuheit, devem sempre ser com-
pdlidos a iramergirem aic um pouto iixo, que e o
seu ponto de aferiQio, e por conseguinte, qne o
vVume immergido con-'tanie ; d'ahi o uome de
'ireomelros de volume constants que Ihes foi dado.
Oemais, como para faze-los aferir e preeiso so-
brecarrega-los com pesos desigaaei, conforme a
sabstaocia de ^ue ^e quer conbecer o peso e?ie-
c.fico, desigoas'e-os ainda pelo nome de ureome-
'' ): de peso vtriavel.
tlcistern, peb contrari9, outros areometrbs que
sio ar>mefro;- de volttme vanatel epeso const an-
te, isto e, nao iem pouto de afericao c conscrvam
>tm?re o mesmo peso.
Esses instrumenios, que sao conliecidos pelcs
uiiaes de pesa sues, pesa-acidos e pesa-licores, e
|ue nao sao usados seni' em relacao aos Hqaidos,
nio sao destlnados a clar-lh<;s os pejos especificos.
Din sim a indagarern se esses liquidos, taes co-
mo : qualquer solueao astucarada ou salioa, um
acido ou um espirlto, sJo mais ou menos c )ncen'ra
do3f isto e, mais ou menos rieos em assucr, em
sal. em priacipio scidificante cm alcool, etc., etc.
Tal 6o areometro de Biumi, inventa4o pelo Sr.
tsaume, pharmaceutico du Paris, n?s fins do se-
culo passado.
Esse pe.iueni injtrumentOi que e inleiramente
>i vidro, compoe-se de um lulio ou haste toldada a
uiaa bola um lanto grossa, ch ia de ar, a qual por
*ua vei se liga uma outra b >la menor, cheia de
mercuno e destinada a servir do lastro do areo
nosetro.
0 tubo ou haste e graduado ou tem uma escala
riscada no proprio vidro, pela seguiule forma :
i^nlo lastrado o apparrlho d i sorte que na agua
destilada, a quatro graos do temperature, elle
(uargulhe ate Quasi a extremidade superior de sua
baste, no ponto de afericao da superficie desse li-
nuido oscreve-Be zero. Era soguida, formando-se
u:aa solueao de oilenta e ciuco parte; de agua
em peso e de quime de sal marinho (sal de cuzi-
naa) immergese nella o areometro; e, sendo a so-
lueao mais decsa do que a agua pura, a haste nao
n;ais se immerje ate o alto, mas sim ate um pon
to inferior ao .oonto mareado zero. Nesse novo
p.jnto de afericao escreve-se quinze ; e logo apos
divide-se em paries jguaes a distaucia que vai do
ponto zero ao ponto qunze, e conlinua-se a raar-
caf para baixo deste ponio com divisoes iguaes as
1 r^cedentes at>5 a parte iaferior da baste.
Assim graduado, o in-iruin ai > coostitue um
paa-iaes e tambcm um pesa acidos. Elle nao da
a conhece.- a quan.idade de saes ou acidos con
tido3 nas solubles salinas oa acidas ; mas, uao
nbstante, e empregado com vautagem na industria
e na economia domostica.
Por exempio : no fabrico dos xaropes communs,
u axperieneia mostrou que o areometro de Baume
deve, a quente, marcar trinta c cinco graos no xa-
rope que oonti.tr a quanlidado de assucar conve-
uiente. Se o areometro marca mais (irinta e oito
graos por exempio), e que ha mais^assucair do que
convent; se marca meno?, e que nao tem o assu-
car sufficiente.
0 areometro de Baurae, e, pois, um instrumento
trtilissirao para as pesssas que fabricam xaropes,
doces, etc., etc., que nelle tem um meio simples,
rapido e 8eguro de regularem as qaantidades ne-
.-jsarias de as lucar.
Semelhantemente, o areometro de Baume met-
tido na agua do mar, na temperatura dos banhos,
n-. area trei graos ; d'ahi uma indicagao para os
I .:.'ios de mar arlificiaes que os medicos pres
<:>:. em em certas e deterrainadas affec(j5ees. A
quantidade de sal que elles indicam e de ordina
rio muito pequena. Mas quern tem um pesa-saes
d Haume, facilmente pode temperar os sens ba-
nhos salgados arlificiaes muito semelbantes ou
aproximados dos banhos marinhos naturaes ; pa-
ra c que basta ir deitando sal pouco a pouco e
agiUnda a agua ate que o areometro marque tres
graos.
Banme tambem construio um pesa-licores, que
ae assemelhe muito ao seu pesa-saes; mas tendo
depots Gay-Lnssac construiJo um pesa-licores
mcito mais preeiso, descreveremos este ultimo.
llronmolro centesimal de Gay-
I.uissjac. As aguardentes e espiritosde viabn
empregados no commercio e na economia dome--
lica sio formados de alcool puro e d'agua ; de
sorte que quanto menos agua teem, mais fortes
sao i e qnanto mais agua teem, mais fracos sio e
menos valor teem. Importa, pois, ao commercio
jioder determ.nar exactamente a quantidade de
aJcool absolute contido na aguardente commum
K' isto o qne se eonsegue com o alcoometro de
Gay-Lossac.
Estepequeno instrumento tem exactamente a
snesma fdrma que o areometro da 8aum6, e s6
differe delta na graduacao. que etit qae nio so in
ilica qual o alcool que contem mais agua, mas
f imbem qne quantidade de agua cada um contem.
Essa graduacao e feita tendo era atten?ao a
'Vso
fi'artes
-e cinco
enche-lo
ilfim em vo-
riWHe-se-Iha o al-
f ip-Ni!-' do li*
se noveuta e
ttnu mr> itli*1 jBpigTro
contra ci-ao que e^sMml^tf^'iAfaa e 0 alcool
quando sao misiurado* J"
Para lazer ease"
r.yliodrico de
iguaes, e tend1
part'-s de ale
cons* cinco par
feado asirt
iumAs o' m_
coometro, e do |Wo em que a
quido fere w Jastr*mento, insereve
Esvasia se em'seguida o vaso cy!in9r}co ; e'fc
novo enche-se-o ate a divisao noventa com alcool
puro, e logo apos acaba-se de on^her o raso com
agua destillada, o que da uma mistura da 90 Oio
de alcool absoluto ; e assim per diante serai proce-
dendo, e dividindo emfim cada um dos intervallos
obtidos em cinco partes iguaes, termioa se a gra-
duagao.
t'ina vez graduado o alcoometro, e facil de con
ceber o seu eraprego.
Com effeilo ; senlo dada uraa aguardente qual-
quer, mergalha-se nella o instrumento, e se p >r
exempio o ponto de afericao corresponde ao n. 85
da haste, isto indha que a aguardente contem 85
0|o do alc^ ol e 16 0|fj de agua ; isto e que em cera
littros dessa aguardente se exisiem realraente oi*
tenta e cinco litros de alcool, pois que quinze sio
d'agua.
P6de-se, pus, avaliar exactamente o valor des-
sa aguardente. Todavia para que as indicates
do alcoometro sejam precisas, deve-se tomar era
consideragao a temperatura da aguardente, visto
como, segundo essa temperatura e raaioron me-
Bit, a densidade do liquido varia, e o alcoome-
tro mergulhando mais ou menos, da indicagoes
falsas.
Evita-seessa causa deerros e enganos toman-
do lemperatura do liquido com um tbermometro,
e recorrendo-se depois a labellas de correccio
construilas por Gay Lnssac para semelhante lim.
Pesa-leite. 0 pcsa-leite e um pequeno
instrumento que serve para reconhecer a quali-
dade do leite, e que tem muira semelhanga com o
areometro de liaiim-'-. do qual tem inleiramente a
forma ; sem coratudo ter a graduacao.
Para formar essa graduacao, mette-se o instru-
mento era uma terrina cheia de leite puro e de
muito boa qualidud> ; e, no ponto de afericao,
marca-se ziro era uma tira de papel collada a has-
te doapparelho. Em seguida, formando-se mis-
turas de9[lUde leite puroe i| to deagua, de 8|10
de leite puro e 2|10 de agua, a assim por diante
ale 5|10 de leite puro e 3|10 de agua, mette-se
successivamente o insiransMto nessas misturas,
alias mais densas do qna o leite puro, e vai-se
marcando succes de afericao os ns. f (10, 2|I0, 3|iO, 4[I0, 5|I0 on
1|3 ; e dest'arte tera-se uma escala des'.inada a fa-
-er conhecer a quantidade d'agua contida no
leite.
Todavia cumpre observar qua do facto de mar-
car o pesa-leile a um dado leite 3(10, i|io, o| 10,
nio se pile coa,cluir que o leite foi viciado pela
mistura da agua. visto como ^lle pode ser de mi
Sualidadeporsi mesmo. e sem que afraude o te-
ha viciado.
MBTE 0FTICIA1.
Goveroo 4a proviaoia.
BXPGOIEJS'TE DO 0IA 2G DE MAIO DE 1874.
/ secrdo.
Ofneios :
Ao Exui. brigadeiro comraandante das ar-
mas.Expe*a V". Exc. suas ordens para que tres
offlciaes soperjores da guarnipao d,-ia cidade com-
[ !! ;:ii no palacio desta presidencia as li horas
do dia 1" de junb" proximo vindouro, alim de
constituir a junta de justice que tem de julgar o
processo insiaurad.i contra o cabo da 7" corapa-
nhia do corpo de policia, Mauricio Jose de
Souza.
Ao mesmo.Nio tendo o soldado recruta
Joaquim Bern irdo do Nascimenlo a robu^tez ne-
cessaria para o servifo do exercito, segundo se
verificada ia-pecca0 a quo foi submeltilo e consta
do ter no annexo'ao seu offleio desta data, sob n.
423, tirra-se V. Exc. de raandar annular o al.sia-
memo do referido recruta, e po-lo era liberdade,
conforme opina no seu citado officio.
Ao mesmo. Expeca V. Exc suas ordens
para que sc apresepte ao Dr. juiz de direito da
1- vara civel uma pra^a de cavallaria, afim de
entregar os oilicios dirigidos aos subdelegados dos
arrabaldes desla cidade, relatives a 3a sessao do
jury deste termo.
Ao mesmo.A' vista do que expoz-me o en-
genheiro das obras militares, no ofBcio do hontcm
datado, sob n. 98, junto por copia, declarei-lhe
que considerasse sem effeilo a minha ordem de 8
do corrente, no teiras que existem na coberta da casa em que fuue-
ciona a secretaria desse commando de annas.
Oando a V. Exc. sciencia desta minha delibe-
racio, antoriso o a alugar para aquelle lim outro
predio, no caso de que o proprietario da referida
casa se recuse a fazer a sua custa os eomertos de
que sc trata.
Ao capit Sr. \V. Otto, consul do Imperio Germanico, em
officio de hentem datado. que, tendo de retirar-se
temporariaraente para a Europa, deixa na geren-
cia daquelle consulado o Sr. P. Borstelmanu, vice
consul do mesmo imperio em Maceio; assim
o declaro a V. S. para seu conhecimento.
Ao director do arsenal .fe guerra.Faca
Vmc. recolher nesse arsenal, quando para ahi
tarem remettidos, conforme dispoe o aviso do mi-
nislerio da guerra de 11 de mar:- de 1858, os ob-
jectos mencionados na primeira parte do termo
de incapacidade. junto por copia, os quaes estavam
a cargo do 9' batalhio de infataria, e foram por
inservjveis dados em consumo, preenchidas as for
mali lades prescriptas pelo aviso circular do mesmo
ministerio, do 1* de agosto de 1853.
Ao engenheiro das obras militares.-Sendo
procedentes as raz5es que da Vmc. em seu officio
de bontera datado, scb n. 98, relativamente a serem
os concertos precisos na coberta da casa que serve
de secretaria do commando das armas feitos por
conta do proprietario da mesma e nio por essa
reparticao, uma vez que nao e proprio naeional,
tenho a dizer-lhe qu considere sem efTeito o meu
officio de 8 do corrente, pelo qual aulorisei a exe-
cugao de taes concertos.
Ab S:. W. Otto, consul do Imperio Germa-
nico.Ficando inteirado pelo officio que na data
de hon'.em me dirigjo o Sr. W. Ott?, consul do Im-
perio Germanico, de qoe durante a sua ausencia
na Enropa, para onde tenciona rehrarse no
lira do cadente mez, deixa na gerencia da
quelle consulado o Sr. P. Borstslmann, vice consul
do raesmo Imperio em Maceio, passo nesta data a
dar conhecimento desta substiluiio teporaria as
reparticdes competentes.
Cora este motivo revovo ao Sr. C0D3U1 as se-
guran^as de minha perfeita estima e distincla
considera^io.
2.' secc'io.
Actos :
0 pre'idente da provincia, de conforaoidade
com a posi'Osta do Dr. chefe de policia cm officio
n. 653, de h'>ntnm d-tado, resolve nomear para o
cargo da delegado de policia do districto do Exii
o c:ronnI GtSalteY Martiuiano de Ab.-ncar Arari-
pe, e para :; ilentes do mesmo detegado aos ci-
"eb
ti 000,01 a
Radios Jesu
Hr#sl
vrtr*' _
ilos, 'nfthdS'sW. e**V.
para o"'t(jrm* iff Gtkofti,
ft*sydeat^'l*l(rtiS? de cuformidade
con? i pT^Wde* BaPVHIMe policia em offlcto
n. 653, de nonjaua daUdo, re.-ylve oomear para1 o
c^ to'MWW &WMlr4)terrno ie Granite
e Albuquerque, Antonio
"Offnal Ribeiro de Oli-
se acham colloca-
aria que os nomeou
cvUdao.Simao 6eraJd*d^2rvalho, e para s
plenfe' &WW <%r*L*inPe'Carvalho. \<
tti>, Ghwto lose WftQlV* Raymindo Cysia'^ dej
Carrarho, as ordem em que se acham colloca-loa,
fleano sem efTeito a portatia qd 6> nomeoti pit*.
o termo do Exii.
Remelteram se ao Dr. chefe de policia os titu-
los de noniuacao dos delegado e supplentes do
Exii e Granito.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.Communicando-me
o Sr. W. Otto, (Mosul do Imperio Germanico, era
officio de bontera datado, que durante a sua au-
sencia na Europa, para ondo tenciona seguir no
fim deste mez, flea na gerencia daquelle consula-
do o Sr. P. Borstelmann ; assim o declaro a V. S.
para seu conhecimento.
Ao commanaante superior de Cbrob6 e Exii.
Respondendo ao officio de V. S. de 5 do corren-
te, remeltendo uma proposta de alferes secretario
para o batalhi > n. 52, tenho a dizr I he que de:
vendo proceder-se a reforms da guarda naeional,
e sendo uma das novas JdisposicSes a reslriccao do
quadro dos offieiaes, opportunameute sera atten-
dida a nomeacjio de que trata o seu citado offi-
cio.
Ao juiz de direito da 1' vara. Sendo infor-
mado que por nm accordao do tribunal da rela-
cao foi mandado devolver ao juiz municipal de
Barreiros o testamento com qne fallecen o coronet
Paulo de Amorim Salgado, o qual ainda se act-a
fechado e lacrado flea de nenhum effeito a ordem
desta presidencia, que Ihe foi expedida a i'.i do
corrente, qnanto a se proceder a u-n exame era
ditd testamento, e que ihe declaro para os devi-
dos fins.
Ao juiz do direito da t' vara lncjusq re
metto a V. S. o processo tusuurado contra o cabo
da 7* campanula de corpo de p^lisra, Mauricib
Jose da Silva, para fazer o (elatorio do estilo pe
rante a jouta de justiea, que em ultima instancia
o tem de julgar neste palacio, ss 12 horas do dia
1* de juDtio proximo vindouro.
Ao promoter publico de' Caroarii. -Cbamo a
attencao de Vmc. para o renmdo conftieto que em
14 do corrente deuse no iugar Cabe^a d'Anta,
do termo de Panellas, entre uma escolta ao maado
do iaspector de quarteim Virissimo da Costa
Vasconcellos, e o celobre criminoso de morle Ma-
noel Thome, de que resultou a morle deste, con-
forme participou o Dr. chefe de policia em -ofllcio
n. 631, de hontem datado, alim de proceder nos
terraos da Ie?j contra quern de direito fur.
Ao promoter publico da comarca do Li-
moeiro.Chamo a attenQio de Vmc. para o facto
de haver o delegado desse termo appretiendido cm
poder de um soldado do corpo de policia Jose
Cordeiro da Silva, e sua aina-i i Angela Maria da
Conceicao, duas sedulas falsas do valor de 5O0G0
da 4* estampa, em papel branco e 7' serie, confor-
me participou r Br. chefe do policia em officio e.
651, de hontem datado ; devondo Vmc. proceder
a e-te respeito nos termos da lei coatra quem de
direito for, e dar-me sciencia do re.-ultado.
Ao promoter publico dest> cidade. Chamo
a attencao de Vmc. para o espancamento dos rae-
nores Francisco Marques e Maria da Concelrao
Marques por Antonio Florencio Marques, o qual
teve Iugar na rua do Vigario desta cidade no dia
22 do corrente, conforme participou o Dr. chefe
de policia em officio n. 651, de hontem datado,
atim de qae Vmc. proceda nos terraos da lei.
3-1 secciio.
Offlcios :
Ao inspector da tuesouraria de fazenJa. -
uieud'-udo ao requereu o agent- recenseador da
fregutzia do Senhor Bom Jesus de Panella, Manoel
Joaquim da Sdva-8arros, autonso V. S. a mandar
pagar-lho a quantia de 27^ nos termos do artigo
9 g 4* do regulamento da 30 de dezembro do
1871.
Ao mesmo.Devolvendo a V. S. a peticio
documentada junta, tenho a dizer-lhe que em vis-
ta da sua inforraacao de 23 do corrente, sob n.
.")>>, serie G, autoriso a mandar passar o litolo
solicit.do por Jose Paulo Botelbo na qualidade de
procundor de sua mnlher D. Olympia Alexandri
na da Cunha Oliveira, de aforamento de parte do
terreno de marinha n. 188 A, silo a rua do caes
22 de novembro que lbe toe ju em partilhas por
fallecimento de seu pai Domingos R beiro da C j-
nhi Oliveira, pages previamente os foroa eindivi-
da e satisfeitas as demais prescripcao legaes.
Ao mesmo.Communicando me o Sr. W.
Otto consul do imperio Germadico, em ollicio de
hontem datado, que durante sua ausencia na Eu-
ropa, para onde vai seguir no fim deste mez, lica
na gerencia d'aqnelle consulado o Sr. P. Borstel-
momi, assim o declaro a V. S. para seu conheci-
mento, e alim de o fazer constar ao inspector da
alfandega.
Ao mesmo.Tendo nesta data de accordo
com sua informacio de 23 do correnle, sob n 576
serie G, relevado Antonio Caldas e Silva da mul
multa que lbe foi imposta pelo administrador da
recebedoria desta provincia, por nio ter marticula-
do no prase legal um ingenue liiho de sua escrava
Julia, assim o coramunico a V. S. para sen conhe-
cimento c devidos fins.
Ao mesmo.Em resposta ao officio dessa
thesouraria de 22 do corrente, sob n. 5 62, serie
G, transmilte a V. S. a copia do contracto cele-
brado com a companhia Recife Dramige.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Coramunico a Vmc. para os fins convenientes que
em vista da sua inforraacao de 23 do corrente
sob n. 224, deixo de tomar conhecimento do re-
curso que interpoz ThomazTeixeira Uastos de de-
cisOes denegatorias da isencio do imposto de 20
O/o em que foi collectade o seu estabelecimento
commercial, site i rua do Imperatriz a. 8, no anno
financeiro encerrado de I87z a 1873, por ter sido
apresentalo tora do praso mareado oa lei n. 852,
art. 47.
Ao mesmo.A Antonio Luiz Marques, arre-
matante dos resparos de 100 metros corrente? de
empedramento da estrada do Limoeiro, mande
Vmc. pagar a quantia de 784jt080 aqne tem elle
direito, segundo se verifica do incluso certificado
do engenheiro chefe da reparticao das obras pu-
blicas.
Ao mesmo Anuuindo ao que solieitou o
commandant" do corpo de policia, em officio de
23 do corrente, sob n. 226, recomraendo a Vmc.
que mande abonar por adiatamente cs venclmsn-
tos e soldos dos sejuintes destacamentos : ao da-
cidade da Victoria 1 mez de vencimentos a 1 offi-
cial e de soldo a 12 pracas, ao de Capoeiras 1 mez
de soldo a 6 prsjas, ao de Goila nm mez de ven-
cimentos a 1 official e de soldo a 5 praras, ao da
Colouia de Pimenteiras 1 mez de vencimentos a 1
official e de soldo a 10 pracas, ao de Terra Nora
1 mez de soldo a 7 pracas, ao de Vicen;ia 1 mes
de vencimentos a 1 official e de soldo a 3 pracas,
tudo a contar do 1 ao ultimo de junbo vindouro.
Ao mesmo.Concordando com o oxposto em
seu officio de2o do corraate, sob n. 229, a rasp -i-
to da venda das madeiras velhas que sobraram dos
reparos da ponte da Janqueira, nesta data autoriso
a reparticio das ebras publics a mandar effectuar
a venda das mesmas madeiras no Iugar em quo
tnento d'aquella reparticio, de 24 de fevereiro manda declarar a V. S. que fieou inteirado pelo' Gambda, Manoel Antoni
seu officio de bontera datado, sob n. 154, de barer ~
essa reparticao mandado passar
inio.
to :
4' MCCUO.
0 prasideute da provincia, usando da attri
.o qua Ibsconfere o artigo 7 da lei de 12 de
t(. de 1*34, resolve prorogar a6 o dia 31 do
> a> praseule sessao da assemblea legislati -
jva provincial.
, %Bioij :
i f-r4>' Eisa. jKesideute da. proviucla do Mara-
ltfff.~ Aaxusirecebides os dous exemplares im-
prstios da fa!la com que V. Fxc. abrio a assagai
blea legislaljva dessa pryviucja uo du 6, eremet
tides com officio circular de 15 do corrente.
Ao Exm. presidnte da provincia do Ceara.
Fico de posse dos qualros exemplares impressos
de relatorio, remettidos com o otficio circular de
18 do corrente, sendo dous do de V. Exc. eolre-
gando a admiuistraco dessa provincia em 13 de
novembro di anno passado ao r. Francisco Tei-
xejra de Sa, e dous do desta a V. Exc. por occa-
siao de pa-sar-lhe a mesma adminislrajao, em 21
de marci) ultimo.
Ao Exm. presidente da provin^ ia das Ala
gdas. -Re.-pondeudo o efficio de 21 do correnle, em
ju V. Exc. commuoica haver dado ordens, no
sentido de ser remettido regularmente para a se-
cretaria desta presidencia o jornal que publica os
aclos olficiacs do governi dessa provmcia, e soiici-
ia que igual remessa se fa .-a da de-la, tenho a di-
lerique acab j de provideuciar a semelhante res-
peito.
5.*- seccHo.
Offlcios :
Ao eDgenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.-Teudo sido levadas a praca por diffe-
reates vexes, alim de serem arrematadas, as obras
dos reparos da coberta da casa de detencao e da
lioinba n. 2 uo 7" laufo da estrada do sul, e nao
haveudo apparecido cuueurrentes a respectiva li-
cila;', segundo me communieou o inspector da
thesouraria provincial em oificMi de 25 do cor rente,
sob n. 230, aoioriso Vmc. a mandar fazer os dims
reparos por admioistracao.
Ao mesmo. Sobre o qua requereu Andre
Aires Gania, e a que se refere o officio de Vmc,
dt>-20 do corrente, sob a 151, transmitto lbe para
sea conhecimento e oevidos effeitos copia da in-
formacto que preston a respeito o engenheiro us-
cai da ciuipanhia de trilbos urbauos do Recife a
Olinda e Beberibe.
Ao mesmo.Mande Vmc. effectuar a ven-
da das madeiras velhas qae sobraram dos reparos
da ponte da Junqueira, no Iugar em qua ellas se
achara, dos terittos do 23 do art. 12 do regula
mente dessa repartiiae, vislo ja terem sido leva
das a pra ;a p r duas vezes perante a thesouraria
provincial, e na o tem apparecido eencurrentes,
seguudo me cotnmunica o rospectivo mspeclor em
officio de hontem, soh n. 229.
Portanas :
Os Srs, agenles da companhia brasiieira de
navegacao a vapor mandeni traosportar a eorte,
por conla do ministerio da guerra, no vapor Ci i<
siio do Sul, afim de reuuir se ao sen batalhio,
14 de infantaria, o soldado Antonio Gregorio de
Sont.1, quo per doente desembarcou nesta provin-
cia ijuaudo o referido batalhio per aqui passou.
*-.-trs ateWei da companhia brasilsira da
navegacao a vapor inandem dar passsgsm para a
eorte, por couta do minUtsrio -da guerra, no va-
por Cruzeiro do Sul. chjgado do norte, aos sol-
dos recrulas constantes da ioclusa relacao nemina
Relarao ii que se refere a portaria supra.An-
tonio Guilberme de Amarantho, Galdino Venancio
Ji Cruz, Jose de Araujo Vaconcellos, Joao Daptista
de Lima, Miguel do .Nascimento Mauaia, Manoel
Antonio de Araujo, Manoel Ferreira da Cruz.
BXMBMKMTO DO SBCRETARK)
1.* secriio.
Oilicios :
Ao Exm. brigadeiro cemmandante das armas.
S. Exc. o Sr. presideute da proviucia manda
declarar a V. Exc, em resposta ao seu ollicio desta
data, sob n. 424, que ficam expedidas as necessa-
rias ordens para ser trausporlado a curte, no va-
por Cruzeiro do Sul, o soldado Antonio Gregorio
de Souza.
ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V Exc. em resposta ao
seu officio de hontem datado, sob n. 420, que li
cam expedidas as necessarias ordens para M-rem
rccebidos to arsenal de guerra os objectos que se
achavam a cargo do 9 batalhao de infantaria, e
foram dados em consume, conforrao o lermo de
incapacidade annexe por copia ao citado officio.
2-1 seccao.
Offlcios:
Ao bacharel Alfredo Aft'onso Ferreira, juiz
municipal e de orphaus do termo da Escada 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda accusar
o receliimento do officio de V. S., de hontem da-
tado, communicando haver assumido oexercicio
do cargo de juiz municipal e de orphaos desse
termo, pars o qual foi reconduzide per decreto
de 23 de abril proximo tin jo.
Ao bacharel Jose Jacintho Borges Diniz.
Por esta secretaria se reraelte ao Sr. bacharel
Jose Jacintho Borges Diniz o incluso officio que
Ihe foi transmiltido pela presidencia da Bahia, em
12 do corrente anno.
Ao comraandante [do corpo de policia.De
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia
coramunico a V. S. q-ie nesta data se providen-
ciou no sentido de serem abonados, pela repar
ticao competente, os vencimentos e soldos do des-
tacamento a que se refere o ollicio desse com
mande, do 23 do corrente, sob n- 226.
Ao presidente da junta de qualificacao da
guarda naeional da parochia do Peejo da Panella.
-De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia devolve a V. S. seu officio da 15 do cor-
rente, afim de designar o dia em que concluio os
trabalhos da qualilicacao da guarda naeional dessa
parocbia, visto acbar-se em branco o espaco
comprehendido.
3.' secciio.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria provincial.S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda delarar
a V. S., qne, de accordo com o seu parecer exarado
em officio de25 do corrente, sob n. 230, autorisou a
reparticao das obras publicas a mandar executar
adminisirativamente os reparos da coberta da casa
de deteDcao e da bomba n. 2 no 7* lanco da es-
trada do sul.
Ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, e para os fins convenientes,
communico a V. S. qne a presente sessao da as-
semblea legislativa provincial acha-se proregada
ate o dia 31 do corrente.
4.' seccao.
Offlcios: '
Ao secretario da asserablea provincial.
N 117.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provmcia, transmitto a V. 87, para os tins conve-
nientes, copia do acto desta data pelo qual o mes
mo Exm. Sr. resolveu prorogar ate o dia 31 do
corrente a presente sessao da assembles legisla-
tiva provincial.
Ao Dr. Joao Jose de Moura Magalhaes, se-
cretario da presidencia da provincia da Bahia.-
Para conhecimento de V. S., communico-lhe qae
nests data foi entregue ao bacharel Jose Jacintho
Borges Diniz o officio por V. S. .rernettido em 12
do corrente.
. 5." jeccao.
Offlcios :
Ao engenheiro chefe da reparticio das obra=
ellas se acham, nos termos do art. {* ? jyflo re-1 publicas.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
certificad) de pa
Samento a Antonio Luiz Marque-, arrematante
os' reparos decem mtros corrente< de empedra-
mento da estrada de Limoeiro, na importancia de
7844080.
Ao administrador dos correios.Communico
a V. S. que S. Exc. o Sr. presidente da provincia
fipa inteirado de hav r sido nomeado praticante,
dessa adroinistracio, Manoel Demosthenes P6. con-
forme declarou em sea officio datado de boje, Sot)
*A>,^rifflfmiM)6-^^;bE*ttrio"!rET7K '"
1.' secciio.
Offlcios:
Ao Exm. brigadeiro comraandinle das ar-
mas.A' excepcao do recruta Vicente Caminha
da Silva, a quem nesta data se concede o prazo de
8 dias para provar isencao legal do servijo mill
tar, pode V. Exc. remetter para a eorte os demais
mencionados oa relacao annexa ao seu officio do
henteai datado, sob n 422, e neste sentido ficam
expedidas as necessarias ordens.
Ao mesmo.Declarando o Exm. Sr. mlnistro
da guerr->, em aviso de 15 deste mez, que por
portaria da mesma data se mand u faxer effectiva
a 13 de julho do anno pa-sad >, concedendo baixa
do service, pur ser voluntario da palria ao soldado
do 2* batalhao do infautaria, Raymundo Fr^ncisM
Cardoze, vislo terse verificado que marchou para
a campanha do Paraguay como guarda naeional
do municipio de Yalenca, da provincia do Piauhy ;
assim o communico a V. Exc para seu conheci-
mento e devidos effeitos.
Ao mesmo. Sirva sc V. Exc. de fazer cons-
tar ao tenente do 2 balalbao de infantaria, Lan-
riano Jose Pimeuu, que, segundo consta de aviso
do ministerio da guerra, de 12 do corrente. exne-
dio-se na mesma data ordem a pagadoria das tro
pas, mandando pagar a consignacao de 20* men-
saes, a contar do 1* de julho proximo futuro em
diante, tstabelecida na eorte pelo referido tenente.
Ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar
per em liberdade o recruta Jose Joaquim da Costa,
que proveu ser casado com Antonia Maria da An-
nuneiacao.
Ao mesmo. Sebresteja V. Exc. na remessa
para a eorte de recruta Antonio Guilherme de
Amirantbo, visto ter-lhe sido concedido nesta dala
o prazo de 13 dias para provar isencao legal.
A? inspector do arsenal de raariaha.Para
que pos.-a ser attendida a reqaisi;ao, constante do
seu ollicio de 13 do carreute, sob n. 27, de louga
e roupa de cama para os offlciaes da armada em
tratameoio na enfermaria de marioha, deve V. S
nio so apreseotar um pedido era forma, mas lam
bem demoostrar quaes oa objectos ententes e o
seu estado, conforme exige a contadoria da the-
souraria no-sen. parecer a que se refere o respec
tivo parecer junto por copia, sob n. 313 serie G.
Ao capitao do porto. Ra-pondeodo ao seu
officio de 2d do corrente, sob o. 49, tenho a diaer-
Ihc que mande cellocar boias com arma^oes pre-
prias, aquem e alem do area central da ponte do
-Sete de Setembro,alim do servircm da balisa
mento as alvarcngas que por elle tiverem de passar
de conformidade com as ordens em vigor.
Ao mesmo. Declaro a V. S. para seu co-
Dhecjujtmio, qua segundu eoa.,u de couuuuniea
c/i j da secretaria de estado dos negocios oa mari
nha, de 9 do corrente, foram remettidos pula in-
tendencia de ma inha no vapor Cruzeiro do Sul
com dsstino a essa capiiania 2G0 chaminus de vi-
dro para o pharol de Olinda.
Ao director de arsenal de guerra. Por avi- nhecimento
so do 12 de corrente o Exm. Sr. rainislro da gner-1 qUe o Exm
ra, declarando mo ter approvado a dehberacao
tue em officio de 28 de abril ultimo, sob n. 618,
communieou essa directoria haver tornado, de sus-
pender a respectiva aula do primeiras lettras, e
remover para a sala em que esta funccionava os
menores gravemente accemmetlidos de ophlalmia
purulenta, manda que em nome do governo impe-
rial se ieuve o Dr. Augusto Trajano de Hellanda
Ctiacon pelo zelo e dedicate com que gratuita-
aente tem tratado os menoros atacados daquella
epidemia. 0 que tudo declaro a Vmc. para seu
conhecimento e execueaoda ultima parie do cita-
do aviso.
Ao mesmo. Dando solueao a consulta feita
por seu antecessor uo officio datadj de 21 de abril
proximo passado, sob n. 610, rclatimente ao des
tine que devem ter 2,478 ceroulas, 649 suspenso-
ries, 963 pares do puiaiaas e 2,906 ditos de moias,
qae existem em arrecadacao e nao p->dem ser dis-
iribuidos, per terem side excluidas da tabella em
vigor e estae por isso se detenorando, tenho a di-
zer-lhe que, segundo foi resolvido pelo Exu. Sr.
ministro da guerra em aviso de 12 do corrente,
devem as pelamas ser recolhidas a inlendencia da
guerra, para terem qualquer applicacao, e quan-
to aos demais objectos deverao ser vendidos, con-
forme propoz essa directoria no cilado officio, vis-
to nao poderem ser aproveitados nas enfermarias
militares, as quaes a tabella nao concede taes ar-
tigo}. 0 que declaro a Vm. para a devida exe-
eacio.
Ao engenheiro das obras militares. Para
que se possa resolver sobre as obras reciamadas
para o ho pilal militar desta provincia, pelo res-
pec tivo direct r, era artigo, junto por copia, do
relatorio que aprosentou relativamente ao anno
proximo passado, cumpre que Vmc. me remetta
para serera remettidos a secretaria de estado dos
negocios da guerra, como exige o aviso de 29 de
abril proximo fiudo, o piano e orcamento das di-
tasobias.
2.' seccao.
Acto :
0 presidente da provinca, altendendo ao que
requereu o tabelhao de notasl do termo de Naza-
reth, Franklin Alves de Souza Iaiva, resolve con-
cedes Ihe 6 meze> de licenca para tratar de sua
saii-ie, onde Ihe aprouver.
0 presidente da provincia, a vista da propos-
ta do Dr. chefe de policia, em officio n. 6-59, dp
hontem datado, resolve demittir do cargo de sub-
delegado da fregaezia de Alagoa de Baixo, do ter-
mo de Cimbres, o alferes Bellarmino Pinto de
Paiva.
0 presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr chefe de policia, em officio
u. 639, de hontem datado, resolve nomear para o
cargo de sub ielegado de policia da freguezia de
Alagoa de Baixe, de termo de Cimbres, ao alferes
Francico Pereira Lagos.
Remetteu-se o titulo ao Dr. cbefe de policia.
0 presidents da provincia, atlendendo ao
que requereu o teoeute quartel-mestre do 3* ba-
talhao de infantaria da guarda naeional deste mn-
mcipio, aggregado ao 1" de reserva, Henrique Ber-
nardo de Oliveira Junior, resolve conceder-rbe a
guia, de que trata o artigo 45 do decreto n. 1,130,
de 12 de raarco de 1833, para a provincia do Rio
Grande do Sul, onde pretende fixar a sua resi-
dencia.
Offlcios :
Ao juiz do direilo da comarca di Boa- Vista.
-Especa Vine suas ordeus, alim de quo seja re-
metuda a esta presidencia, a guia da senteociaaa
Canute (preta), que dh ser escrava de Antonio
Leopoldmo Rodrigiies Coelho dessa comarca.
Ao iuiz de direilo da comarca da Victoria. -
Expeca vmc suas ordens, afim de que seja re-
mettida a esta presidencia as guias djs sentencta
dos dessa comarca, Jus6 Joaquim do S >uza, Ma-
noel Fraucisco dos Santos, Joaquim Moreirae Se-
verino Jos6 de Barros.
Mutatis mutandis:Ao jui- do direito de
Caruartl, quanta aos seateaciados Jose
io de Barros, Antonio J Correia e Joaqaim Alves de Oliveira ; ao jois d
direito de Floras, quanto an solea-u io* Am
tonie Bernardo Ferreira da Silva, Jeroayoto Jew d-
Silva, Antonio Jose" de Campo* e AateSHO Tedro da
Cunha ; ao de Bom Conselbo, quaaio mm seatea-
ciados Qeinoate Jose d Karros e Looreoco Pwto
Teixeira ; aq Joao Ddarte Pinheiro de termo de Ftoreau ; e ao
de Villa Bella, quanto ao seoleacudo Antoaio Ma-
noel dc Monte.
J'-^-i*. -
OtSV-.ee:
- Ao mspeclor da Desouraria de
Trausmitlo a V. S. par., oi Jeridos las 9
sendo tres do tribunal do ihesouro nacteoal, aV
ns 76 a 78, tres do rniniterio d > guerra e tree ea
renarlicao ;do ajadaote general, de as. I,C*7 a
Ao m smo. Communico a V. S. para o
fins convetiir-ntes, qa em aviso de 18 en corrente.
declarou o Exm. Sr. ministro da fazeaea, oao foi
approvado o acto pelo qual esta prenideaeia owee-
deu ao 2* escripturario dessa theaourana, Joae i
se Aoselme Harare*, 3 mezes de liceaca, com r-
deoado na forma da lei, para tratar de sua saude
fora da provmcia.
Ao mesmo. Commuoice a V. S. para_o* lin
convenientes, que em aviso de 16 do Curreo/e de-
clarou o Exm. Sr. ministro da fazenda que (cm
approvado o acu pelo qaal eta presidencia coce
deu ao chefe do seccao da alfandega desta pro>in
cia, Dr. Luiz de Carvalbo Paes de Aodrade, 3 me
zes de licenca com o venciaiemo que lbe eonipvtu
na forma da lei, para tratar de snide foi a oo im
peri), visto acliar-se grnvemeote entern. -.
Ao me-m i.Itemett j a V. S. para os devidos
Gns o titule de licenca 4e um anno con a res-
pectiva cougrua coucedida por S. V. o lmoraJor
ao vigario collado da freguezia de .Y.ssa Seakara
da Apreseutarao do Limoeiro, padre Manoel Igna
cio de Lima.
Ao mesmo.Para os fins convenientes ioclo.
so re in el to a V. S. a caru imperial que remove o
bacharel Pedro Jorge de Souza para o cargo de
juiz municipal e de orphios do termo de Flores
Ao mesmo.Para conhecimento de V. s. e
devida exe;u(io, incluso remeliu Ihe por coma e
aviso circular do ministerio da jaslica, de Io do
correnle e tabella annexa ao mesmo, recomm -a
dando Ihe a fiel observancia das ordens em rigor
quanto a remessa dos baiancetes de toda a daspe-
xa que se effectuar, a qual devera ser espolicd*
em cada uma das verbas.
= Ao mesmo.- Transmitto V. S. para sea oe-
nbecimr.nto e devidos efleito- a iaclasa portaria de
nomeacao de Leovigilo Scares de Mello Are! nc
para ageote do correio de Cibrobo drsta proviarin
Ao me>mo.Para os fins convenientes, inao
sa remetto a V. S. a carta imperial qae remarea
o juiz de direilo da comarca do Teixeira. barharei
Jose Maria Moscoto da Veiga I'essoa, para a eV
Buique, nesta provincia
Ao mesmo. Remetto a V. S. para ser entre-
gue a quem se mnttrar competentemente tiabibta-
do, depois de pagos os direilus devidos, o tilite
peio qual S. M. o Imperador bouve por tM*m no-
mear o cidadao Jose Francisco do Rego oiliciai da
ordem da itosa.
so remetto a V. S. a caru imperial que reomdatio
por 4 aunos no Iugar de Juiz municipal e or-
phios do termo da Escada, o bacharel Alfred"
Alfonso Ferreira.
Ao mesmoTransmilte a V. S. para seu co-
copia do aviso di 7 do correnle, em
Sr. ministro da guerra, pdas razV-
consumes do rrnsmj aviso, autorisa o director do
arsenal de guerra a contraUr a compra de I,"00
pares de sapatos para o fornecimento des corpes
da guamicao desta provincia.
Ao mesmo. Remetto a V. S. o litolo pelo qual
S. M. o Imperador bouve por bem coneeder 6 me-
zes de licenca torn o veoCHMatO da respectiva con
grua ao padre Tito de Barros Crreia, vigario col-
lado da freguezia de Nossa Senhora da Concei<;io de
Quipapa, ; lim de ser eutreguea quem se mostrar
competenteraeule auliri-adi para re rebei-o, de-
pots de pagos os direito.- devidos.
Ao memo.-CoiKinuoico a V. S. para seu
coohecimenio c devidos i-lfeilos qne o capitao do
corpo de eogenheiros Jose Tiburcio Fereira de Ma-
galhaes teudo sido ex- n-rido do cargo d* chefe da
reparticio das obras pablicas desta provincia, n-
limia a e.-tar a dis;>oM<;ao desta presidencia, cm-
forme o aviso do ministerio da guerra, de SI I
dezembro de lb09.
Ae mesrao. -Para os fins convenientes com-
munico a V. S, que era (8 do corrente, o juiz do di-
reito da comraarca de Pao d'Alho, bacharel Joa-
quim Pires Gmmaraes da Silva. entron r. -r i
da licenga de jO dias qae pelo conselhnro presi-
dente da relariie foi concedida para trata,- de sna
satide.
Ao mesmo.Communico a V. S. para os lias
convenientes, que por aviso do ministro do imptrio
de t2 do corrente, sob n. 1537. foi approvado, pela
verba -Eveniuaes do exeicicio de 1873-74. a
despeza oa importance de 13o>J>000, paga sob a
resp ms.ib.li Jade desla presidencia, proveniente de
expedite de lelegrammas.
Ao mesmo. -Communico a V. S., para os de-
vidos fins, que por aviso do ministerio do imperio
de 13 do corrente, sob n. 1536, foi approvado ;"U
verba presidencias de provmcias do exercicio d-
1873-74, o credito de 293*332 aberte sob a res-
punsabilidade desU presidencia, afim de oecurrer
ao pagamento da ajuda de ensto para as despezj*
de viagem que compelia ao Dr. Joao \ieira de
Araujo, presidente nomeado para as Alagms.
Ao mesmo. (JonsunJo de aviso do mieUle-
rio da guerra, de 12 do correnle. qae na mesin.
data se expedio ur Jem a pagadoria das tropas da
eorte, mandando pagar a consignacao de SOdOOC
mensaes, a contar de I de jnlho proximo vuiiour
em diante, estabolecida naqaella eorte pelo teneiit*
do 9 batalhao de infantaria, Lanriano Jose Puma
ia, conforme requereu este; asim o declaro a V .
S. para os lias conveoieotes.
Ao inspector da thesouraria provincial.A
vista do qoe allega o padre Manoel Harrow Perei-
a na inclusa pelic^o documentada. mania Vmc
nao ha vendo incoaveaiente, pagar-lhe os reodm-*-
les a que tirer direito, desde o I* de Janeiro ale o
ultimo de marco deste anno, na qualidide de coad-
jutor da freguezia de Nossa Senhora da Escada
Ao mesmo.Providencie Vmc ao sentido de
ser paga a Manoel Ferreira de Oliveira Costa, pa>
de fiaado Francisco de Borja e Oliveira, a quash*
de 58*333 proveniente do vencimentos qoe se lbe
fieou a dever na qualidade de 2* official da secre-
taria da assembled legislativa provincial, de 1 a Ifi
de marco deste anno, conforme soliciu o I* secre-
tario da mesma assembles, em officio do 26 ii
corrente, sob o. 40.
4.' secriio.
Offlcios :
Ao presidente da provincia do Marauhao.
Rogo a V. a Exc, se digne.de expedir sua- ord n
alim de que seja remeltida a esta presidencia a
guia do senlenciado Pedro Baptists qae diz ser es-
cravo de Adao Jose de Medeiros, dessa provmcia.
Ao presideute da provincia da Bahia Rogo
a V. Exc, digue -se- da expedir suas ordeas, afim
de quo seja remeltida a esta presidencia a guia do
.-.euie.ic.ide Modesto, escrave deD. Maiia Uarboas.
dessa capital.
Ao Dr. inspector da saiide publica. -Tendo
em consideraeao a informacio de V. S., de 9 dr
aiiril proximo passado, iclativamenle ao n-qaere
menu e.n que Manuel Jese Goncalves Bii^- raeei-



~**r- llu
io de Peraambuca Sabbado 17 de Outubro de 1874
i

o frian^^v c<
oonbeciraento, edfeapnr desBachtf desta data deixei
da tomar conhaciMMbi de semeihacte racurso ; ti-
cnd assim en vifoc decisao da Illma. caraara
municipal.
Portaria '.
A* Illma. caraara municipal do Recife. -Re-
eommendo a Illma. camera municipal do Recife,
que considere sem effrtiio > act*, pelo qua! absol-
ves a lose Augaslodo.Araujo, central, ills da ofara
do mercado da riteira de S Jose, da multa de dee
>ntos de reis, em que tneorrdra, por forgada J"
1 msula do respecuvo eoutrato, e que havia ;ido
iraposra, achando-.se ja em via de executed da or-
dem da nwsma ujma. eamara; art que o geterno
imperial, a cuj cofihecrmeoto eubrmKto a uateria,
resolva sobre o**radaraentoe que alega essa cor-
poracao, em offl.so de 2x de abril proximo passa-
do, sob n. 3i.
5.* seccSo.
Offlcips:
ao Exm. Sr. presidente do tribunal do com-
mercio Afini de satisfater o aviso circular do'
ministerio da agncultura, de II do correnle, sob
n. 1, que transmit!.) por copia, sirva-se V. Exc. de
informar mauciosamente sobre os pottos iadtca,-
dos no mesmo aviso.
Ao engenheiro ctwfo da reparUjao das ebias
pnblicas.Em solu^ao a t.a parts do offcio de
Vmc. do 13 de abril ultimo, sob n. 99, refoliva
mente ao estudo d. p. rto desta capital, qae ievei
ao conheciraanlo do governo iiuporial, o xm.
i>r. miuistro da agrkultura, cemmtrcje e obras
ouhhcra, em avi.-o de H do corrente, Job n. 14,
diguoe se d^ responder-ine'que o mesiwo govcruo
tern resolvido contracar nm eng-mm-iro especial
para eiicanefar^so do estodu e construerfio do ei-
ado porto, a-'oeste aentido -iracta detnmar as pre-
cisas providenoas; o que uuimnuixcc a- Vmc.
para sea conhecHneBto
Ao mesm-'.-C..n?tand > aetwreai-se em ao
estado algumas das obras #os >ubu*hiosdesta ci-
dadp, em cmsequ nm da ultfrnns cnuvas torren-
eiaes, cunipre que Vine provi ienofc f respeito-
daquellas caja cosenre*o turn cerridu per conta
da provincia.
-Ao^ffrtnte interia i da e cfpanhla pernam
bireaoa.Einadditame;ito a portaria desta presi
dencia, de 23 do aurl'UHte, que mania dar passa
gem ate Pcaede ao rapltao Antouio Jose de An-
drade, rielegai.i de p.ilicia d> termo deWoresta,
d<5 Vmc provideneia-i para quo teoham passagem
a proa tree praras quo aoampannam o dito capi-
tao, levaado as ;uas bayagens.
Portaria :
Os Sr?. agentee rla eompanhia bra-ileira de
navngxcao a vipor mat.dem dar pa.-sagem para o
Maranhao, por conta de ministerio da guerra, ao
ex soldado da coinpr.nhia de cavallaria de*ta pro-
vincia, Leocadio Francilino Soares, o qual, tenJi;
obtido esciisa do serii;o, rccolhe-se aq'tella pro
vioeia, d'onde e natural.
EXreillENTE DO-SKCnETARie.
2.' S^rtilo.
Officios :
Ao juie de direito da comarca do Cabo.
0 Bam. sr. presidents .fa provincia manda aecn-
sar o recebim nto do eI;io de V. S, de 25 do
eorrentc, communican'jj ler affiselaidn m mesma
data a mtmneie relative, ao 1." tabelliao do puhli-
co judicial e nuios d-.-? termo, Mam el Clem.nte
Ribeir.) Varejao, com i ft>ra solhjitado em-olBcio de
H tambem mi corFente.
Ao juiz de direito da comarca da EsoHa.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda accu-
sar o recebimeiito in otBcio de V. S., Ue 2> du
corrente, eumauoieandn haver assumido o exer
cicio Jo c;irgo de jn municipal e de orphSns d.-s-
se termo o l>acb,.rel Alfred) Affnso Ferreira,
para o qual fora recoudi.zidj por decrelo de 2o de
abril proximo Qode.Comnraeieoa-ae ao referido
bacharel qne a caria iinparial que o rtco. duzii,
acha se na tbesouraria d 3 fazenda. fgual commu-
oicagao ao bacharW Pedro forge de Soon, no-
meado jui municipal e de orphaos do termo de
Fur**.
Ao juiz de din-it> da comarca do RM For-
;noso.--0 Exm. Sr. pfeaidaH* da provincia man
da acmsar o resulom^ no do offlcio de V. S, de
23 do Ci-rrent-, c mmumcando haver eaeerrado
no ma antecedente a segunda se-sao do ^ury
iesae termo. e deixar do convoear a segunda de
dHnnaaein por se veriiicar a hypo those de que
irate o avi-j de i i de uewmbro proximo findo.
Ao coiumandaule do corpo de pidicia. -S.
Exc 0 S-. presid-cie da provincia manda fflMf
nicar a V. S. uara gel conhecunento e em rospos-
(a ao s.u 1 ilicio de houtein datado, s*b n. 829,
qua nesia data lean expedidas as necessarias or
dens a compaolMa puruainbucana, allm de que as
tres ur.icis quo a<-o npaiham 3 delegado de poli-
cia do lermo Je Pluresta, Antonio Jo>e do Audra-
do. bObMI l^g" priii oanj ou.io hUII|HI
ate PeneJo.
e-Serra da Rapozas do referido termo, fcratn prtf'
sos Franc*line Gomes da Lnz,. corao criminos*
deserjpr na prpvinpia da Paralyba. e Manoel Ma- ,,
reno dos Santos, por crirrw de furto de cavallo. ia"WK o
Dens gaarde a V. Exc.-IUm.a Exm. Sr. com- iOeraao.
moBdador Henriqjie Pareira de Locena, digno pre- Batiia
iidenta da provtocia O chafe de pollcia. An to
mo Frnncis Cureia it Artmjo.
** *F> ^) chogaram os mlsefonarios c apuchinhos
inde- ao u ncontro a acompanriaod*t aqui
52f^f*aP *,Oi>0 P68*03". sendo- cavalleiros uns
de Pcoo, prdcedente da Luropa p >iA^. taAenjSo a cujos actos assiate wtfaordiBaria
Ifhta. Mercado monetarwT aoaptwade de povo, aCBrmando-ie-'aJie a concur
fe_nc,a J!*11' f s a. *iO|JO pessoas, algumas das
^nmmmm^SK
oof-,
16 i$ 3 e 30 m. da tajde,Sgk.
gu:o para u Rio-ile Janeiro Ojaqpte iUbT
te americano (>.YT>*Jrf0.
toixlres 26 6|8 Barticulr.
Rio de Janeiro lfi is i fcfe 30 fa.
^larde.- 0 Sr. consejjieir ioao Alfred*
Correia d'Olivetra, mioistro Aftcrltario a>
estado dos nt-gocios do impewo, apevo
mez de Hcen^a para ir a ^wnamouco-,
parto no dia 24- do corrente ho paquete in-
( AOEgCIA TELEOndjnjlCA BAVAS REUTIOH.)
^ % % % *9f!?.Mk',&%tfe%lk-
Londres 15 de ouiuino. S. A. H.
a Sra, dnquesa de CiiimbaiKu. gl'*z- Fica iiiteriuamutUe aftcarraaade d
poaa do principe Alfrrdw, ngnNo paste do imperio 0 Sr. cOOsiiheiB^iOOJBfi
de 1-Ri.ler do RioBranco, presidente do conselhoT
ministro da fazenda. Sahiram para 0 Par4
acorveta VITfgUJlBLt&lltA, e alba^
ra. avuiiii de dttr & lua,
dadc u u ui liiliu.
com Teiirt-
%\i%^^% ^9% W\^%-^Va^^ nhoneira GQNCALVES MAliTINS.
Vh vori, IS. >"an eleicdes para
s aovos rrpri'BinlHiitrn' ao ron-
greaao, a qne preftentemciile se pro
cede nus KsladOB I nilos da Vtneri-
'a d Kanhou s BI0VO8 ansentes.
l.ttuilreti 15. O TIMES de liuje, em
um artiso de fuado. dia que o go-
verno britaainlco acha se dtspesf*
a reaovar
REVISTA DIARUu
Aataridadea paliciacs. Por portaria
da piesidencia da piovincia, de 14 do corrente,
r foi considerada sem effeito a nomeacao do com
aa relacOea diplomat!- ra'S9ar'o <*e P "cia irwquim Servul* Vielra da Paz
cas com 0 eoverao do Mexico. Pa.ra cargo de suodelegado de polijfa da l.*dM-
vxv m-, ......, ,r,ct0 4 lertno de Ipojuca. e bem asim a dee*.
"Bj'a j)9*9i^!9s oneracao de Justiawno de Mendone*,-,de exereh
Landres 15.A. tma do deaeoata. o mesmo cargo. H
an baaco de labiate?ra, foi elemada Por portaria da mesma data foi nomea'do
quaes yindas de graudes distancias, reinaodo silen-
C"}HTtH?"S^, nUDCa Jristo' -pe *> wescMo
dujbK dMBto.
,nl Prl IT1 ^ l^8*0 6 acaflo do ee-
mderio e ataedificacao da nutria.
Honten p>e lug^r 0 asfcjaunento da primai.
ra pen-a do efniteno, soleonidada qua foi feiu
cu,n o0(?a a *5?ncia e e P'rrt0 ^g'oso.
9 lela mnSa, depo,s da missa, qua terminoa
asO horas, o missionaribconvidoa a todoi sem
distioccao eto grendes e paejKenos.de ricos a pobras,
edenobreede'aiebeus.a.lrem eom elle buscar
pedras para 0 alicerce do cemiterio.
qualm pur rente.
nlo ale Janeiro I*. ^ O vapor MO-
RESO, ao < 11 liar asste porto, ba-
teu nas rocbas da ilba de Narica, e
cri'-sc nuecia (olaliaeate perdido.
Kalvaraua-se a (ripolacao e os pas-
nag'ciroH.
Simla inp (.ii 15. Clir;;iu lioje
acitii o pnqnele inslez da real mala
NEVA.
subdelegado de ppheia do 8*disiriet* Ipojuca 0 respeetivo eommwsarft) Be mdrelai&a-
quim Servulo Vieira da Pai. *
Vpi.ninmcntoH sobre o Conteaeto-
so Admlaistratlvo. Fomos obsefiuiados
pelo sr. Or. Henrique do Rego Barros, proeura-
dor liseal da trwsooraria de faaenda desta provin-
cia, ora em cummissao no therouro national, com
nm exemplar d.>s seus Apontamentos sobre 0
Conlencioso Admimslrotivo e sobre os privileges
e prerogatives da administra^ao nos c-ntratos e
Innsaccoes que celebra como poder pub'ico, tra
balho e^te que organisou para melhor desempe-
*.' ttClHO.
Offlcios :
- oA0 ', seeretar.o da assembloa provincial.
^. 118Trmlo sidu expedida a convenieute or-
dem a tbaawnraria provincial, no sentiJo oe aer
paga a Man.'. I Ferreira de Oliveira Co>la a quan
tia de 58^333, qae se licou a dever a scu tiuado
hliio i-idiiii-ci. je li.. \a t Oliveira, na qualidade
de 2 IIiei.il da secretary dessa assemblea ; as
sun 0 Communico a V. S. em re.-posta ao seu olli
J0 de hoaletn latado, ?ofin. 40
AcregeiLrdo gymnaah) provincial. Do or-
Jem de S. Exc o Sr. pr. sidenie da pruviocia re-
inglex- COTOt'AXi, da linlia do l>aeili-
re, e Inglez TIBER, da real mala.
Bahia to. -ciie^-iMi hojc e sabio a
tarde para o Rio de Janeiro o pa
nieie stmerleano 0STMU9.
iiiinn::i l.oml 1 'cs IS. Consoltdados de 3
O/O. FOR ACCOUNT, a OS 3/4. I undo* bra
Nileiros de 5 O/O, do anno de 1N65.
a iti t ditoH do Uruguay de O O/O, do
anno ^eniinoM de I* O/O, do aono de 1891,
a HO. Hcreado de rafc maito flr-
mc. Hrrcado de assuiear frouxo. e
OS ureros Iiaivamlo.
^ ;'\v-Yorii 15. Camblo sobre Lon-
dres l si 1/9. Oaru no. Cafe do
55io Kami a 19 l/l, e good a 19 S/-I cents
por libra ,%lgodao mcdlauo uplands
a IS 3/8 certs per libra 1 as chega
das de lioje am portos americaaos
rli'vaai se a 18:000 fardes.
I.it'erpeol 15. llcreado de algo
daociuieto; veiideram-Be hoje quln-
se mil I.iidu-. Rendn ilous mil e
sciseentos da America do Mut t o
fair de Pcrnamliucoi de Santos e de
.Maceid a 8 d. por libra. Hercado
de aasuear frou.vo c os prerss bal-
%ando.
Anliierpia 15.Cafe do Rio regn-
lar til 1/9.
llaiuburgo 15. -Cafe de Sanies Io
teia eseolhidos Si.
Havre f 5. Cafe do Rio bom or-
dinarlo de iCiniu francos.
Marselha 14. Cafe do Rio bom
ordinai-io lOl Irani oh again ar de
crnambueo n. SO a SO 1/1 fran-
co*.
Rio de Janeiro lO^Camblo sobre
i.entire* SO l/S d. baneario, e SO
3/4 d. particular. Accdes do ban-
co do lira si I 35IAOOO.
?<> IS d. baneario, e ir. 5. s d. parti
cular.
cor.REcgAO necessaria.
No telegramma d>; Boenos-Ayres, hontem publi-
cado, oude se Io -intaiior, Frias, devs ler-sees
trangeiros Frias.
on
P
olllcio da presi.iencia,
870, cuafonne solicitou
meUo eopia aulhentica
de 26 de outubro de
V. S. em data dc hontem
,_ 5.' cecaxo.
Offlcics :
Ao administrador dos correios.Di- ordetn
^e S. Kxc. u Sr. presid.nte da provincia, declaro
a V. S. para seu cooheeieientn e tins. c...nvenientes,
que ue.-tadata se remeltca a tbesouraria de (azen
da a poruiia de nomeacao de Leovigildo Soart-s
de M< II.. Aveliino para o lugar de ajudante do
correio de Labrol 6, nesi provincia.
Acs agciites da coiocanbia brasileira de na-
vegacao a vaporr. S. Exc o Sr preMdeote da
provincia manda deelarar a Vs. Ss. que (ica in-
teirao.. d haver cbegado aos p..rt s do sul 0 va
por Ceaia, e bem a>im de soa ^ahida paa os do
norte aiiinha as 8 boras da taroe, seguiido com
muuic*iii em olllcio de-ta data.
Ao germte intermo da corrpanhia pernam-
bucana. S. Exc. 0 .n\ presidente da provincia
rnai.da declar r a V. S., em re.-po.ta ao seu offlcio
de huutem datado. que flea sciento de ter essa
companhia^ rutur., as o huras da tarde, pafaos portos donor
te ate Granja, 0 seu vapi.rPirupama..
OESPACHOS DA r-BESIDBXCIA, DO DtA to DE OUTfBno
DE 187*.
Argemiro Pereira da Silva.Iuforme 0 Sr. ins-
pector da tnesoarana de larenda.
Caitano J .se M-nJcs. -Dd-se.
Franci.-eo do Pmho Bors.es. Informe 0 Sr. en-
genheiro chefe da neparticSo dis obras pnblicas.
JoAj Pedro de Soeza.lodefendo.
Joao Kiderali.io do Sat-tiagu. Jnformo 0 Sr
inspect r da th-.soura ia do faieoda.
Mdo Cavale;.rite Batreto Chaves. EfiJreue-se
mediai.te recibo.
Bacharel Josd Joaijuim de Oliveira Fonceca.
Sim.
Mo Francicco Evangetitla. Seja posto em li-
berdada
J 4j Hypolito da Heira Lima. laieferiii.
o me-mo. Nao tern lug;r o que reqeer 0 ?;}->
plicante, por nao Ihe ani-.tir 0 direito do paga-
inenlo quo reclama em visi 1 das insfjrmafSes do
inspect >r do thes-uro orov.nciai e do chefe da re-
parti.ao d-iswjbras public ts.
Manoel Caelaao Vieira ifa P.iz. [oforme 0 Sr.
omiiianda te do corpi de poiieia.
Hjijor Mannel de Acemd 1 d. Miscimeatx-De-
Xendo com ollicio da^ta dati, dirigiiJj a the oura-
ia de fazenia.
Mmoel G iin-^s de Barros 3 Silva -Oeferidj cm
offlcio dingid 1 a th.'soursna d faierld?.
Bacha el Sebastiao Uordeiro Oo--lno Cintra.
Passe p.,rlaria, conce-1endo 0 que pede na forma
da lei.
Salustiano Jose Bezerra.Sim, nil hav^odo in-
conveuieute msdiaute reeiuo.
procedeate do Brasil.
Rio de Janeiro to. Cbejrarani! nhar 0 lugar espinhuso que'occupa, e'que"iresol-
aqui on paqueles brasileiro CEARA'. veu se a public-lo para de a'guma sorte favore
cer aquelles que se applioam -so estudo das leis
admioistratira.
Nenes apontamentos demonstra com bastante
clareza a differen?a que existe entre os poderes
admin^trativo e ju Jiciario, mostra a necessidade
da juriS'liceao administrativa, soa conserve (ao, e
desenvolve bem a incompeteneia da autoridrfde
judiciaria para se envolver nas questdes que res-
peitim a administrafSo. Juiga improcedenle a
iuter^engao do poder judiciano no3 cootralos.em
quo ligura a administracao ; aprecia a iurispru-
dencia do coiselho de e.>lado e do proce.iime.nto
do ministerio da fazenda na qne.-tao privilngio da
fazenda em concurso de ere lores ; trata dos re-
cursos para 0 onselho de estado, da deficieucia
dest-, na necessidade de r fjrmar-se a logisla.-.ao
e acaba por demonstrar quaes os perigos que vi
rao, se porvootura deixar de exi-tir a harmonaa
entre os poderes do adado. A nosso Bar o trab*
Ino do Sr. Dr. Henrique do Hego Barros vein sup-
prir uraa r*n le falta que geralmenta era seatida,
l-rnando.se para 0 mundo litlerario mnfm-ii
acont.cimeotD ; pelo quedemos-ihe os nosses pa-
rabf ns, aHradscendo ao mesmo tempo a oit'^rta
qun.n.-is fet
i:\pi.itaeao de escravos.Durante 0
m;z do setembro ultimo foram desp.ich,dos para
0 Bio de Janeiro llo e-cravos, que pagaram de
impost) provincial a quantia de ll.oOOjt.
< aptnra de desertor. Acaba de ser
preso, pria policia oa capital, Glaadioo da Cunba
Gavalc nle, desertor da coMBparrhia lixa da pro-
vincia da I'.iralish.i.
luquci iio policiaL Pelo subielegado do
l. di-tncto -Jo termo do Limoeiro, foi rem-tnio ao
juizo competeute 0 inqueruo policial a que pro
cedeu contra Jose Loureoco Vieira, por crime de
furto de cavallos.
Capturas de erlmlnoos.-No*luBare
Cumbe e Sen a d-t Rip mm, do ter no do Lim-.eiro,
fu-ain presos, no dia 4 do co-renta Francolino
Gomes da Itux, como crintinoso a desertor oa
provincia da Parahyba, e Minoel Marinho dos
Santos, como ladrao de cavalloa
EHrada .li- rcrro do Recife aa ,-
1 i-anrisee. Esta via de eoininunicacao uo
mez proximo flndj de setembro
^aiea :i9:3S84080
pe-peudeti a8:632HliO
Oeu do saldo a favor da garantia
d* juros I0:70549irt
A relacio entre a dospeza e a receita foi de
7179 o(,
Transitaram na linha durante 0 mez 12,592.pas-
ugairos, sendo Ml l|2 por conta di governo, e
foram transporiados 2,879 vulumes de bagag.-m,
pesaudo S|,t|(j kill.grammas, sendo 1,706 kilo-
grammas por conta do governo, 2,-<26,99l kilo
gr mmas de raercadorUs e 328 auimaes.
-Nas mercadorias estao compro eodidos 6,652
sacciis deassuc r, pesanao 011,621 kil.grammas,
e 1,271 saccas de algodao com 0 peso de K)i>,732
kiluurainmas.
Eatio todos
qjwptos praseafet eslavam,ej(uirinoirii3siooario,
a, distanie um pooco da villa, foram bascar a* pe-
*ra, ioy o reelo 0 Jolz- de direfro, proraofor, vi-
gano e quasi tcdas as autoridades e pesaws gra-
das, que muilo se honraram com esse servico pres-
tado a.rehgia* v v
t_Por volta das 5 horas da tarde sahio uma pro
ciasao, na qual 1am as imagens do Senhor Uorto a
de Nossa i>en-.ora das Dores, acompanhadas pelas
irmandades de Santa Aooa e do 5atSHmeato da
alguns meninos vestldos le seraphinj, dos p'ara-
aymphos e. paraoympljis 4e.naJrJi4i aeniterio
d uma banda de musica, e deum concurso im-
menso de povo, calcuWo de-^*-*H>,90 pes-
SOU
.-Cbegando ao *$Mffib^lj&
daoedra com todo ^wS^g^^LT^
ella collocada no A^lSS^S/W4S%m\%.
sionanoa cadeirada Wdada^ WW4j,B^ancao
pubdea por cerca tem*ti^*WtV<*irJl(>* im-
Iner*001* ^"W***0** WWeW "
11 -eve em tudoboiWern^'eVpje ceaie^aram
, -
benelkip da matrpi 1
dia 21 clo corrente. l
, ^- Appellacoes crimes.
*loifcBtar*oc-Ai)p4llan0 Jose A!es de'Sil-'
va. appellada a jusli^a.
t-asa de detencfto.-Movimento da casa
WaAlalaia.-Appellant* tfinoel lose BalJo, an-
pelladi a Jtastt^a. *
i)e Santa-Luaia.AppelUnte 0 jaizo, appeilado
Joao Gome* de-Barros Bi-uby.
Appellacio commercial.
Appellantes Germane Neecens & C-, appeilado
Estevao Jose da Molta. -
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr.Jdes-
fembargador Almeida Albuquerque :
Atipella^ao crime.
Appellantes Manuel Antonio do Monte e oalro
appellada a jtutica.
AppoUaejdes cireis.
Do Re'.ife.AppellaOte Manoel Joaqnim do Re
go All-ni paerqae. appellalo Ernesto Jose Felippe
iantiago ; appellantes Si lva & Joaqnim Felippe,
appel.ada a compauhia de llebenbe.
Embargos infringentes.
Embargaute Antonio Cesar 0 Moreira Dias, ap-
pellada Ebsa Galvao Carapeba.
Do Sr. desembargador Domingaes Silva ao Sr.
desembargador Souza Leao : .
Appellagoes crimes.
De Ingazeira.Appellaote 0 promotor, appeila-
do Antonio Ferreira Lima.
De Rao d'Alho.Appellante 0 juizo, appeilado
Jose Vicente Ferreira da Silva.
i. AppeHafAO civel.
Do Bonito.Appellantes Ismael, Julia e ontros,
. jmailadoJa aurra r> Vasconcellos Torres.
Do Sj^dtsjmbjrgidof-Squx.1 Leao ao Sr. des-
embargador Silva Gulimiaes ~.
Appellaote Manoel iJTreia C_ clho da Silva. ap
pellaJa a iualnja-j. rtpMUac*ftrmino Apolinario
da silva Rawos^Ba^JaA*^,juH5*^ appellaote 0
juuo, appd|MoJwB*ftf &*, da Hello.
Appellantp 0 uu^ifafa-^ aapellado Fraa-
eisw terreira,FrgaW;*fl^j#Tanoel daCaa-
la Mangericao, appeilado Dr. Aden io A no-is Jacj-
me Pires.
Diligencfa crime.
(aGERCIA AMERICANA,)
Liverpool 15 de outubro.Algodao: mer-
cado quit to ; venders m se hoje de proce-
dencia brasileira 2,6 0 fardos; sendo i,-20t
do Sautes a 7 7/8, 800 de Pernambuco a 7
12, e 600 deMaranbSoa 8 1J8. Cafe:
mercado firire, sem alterarjao em pfr^os.
LoQilres 15. Cons'.lidados 92 3/4. Fun
dos brasile.ros de5%, do anno de 1S65.
a 90 *', 98 invendaveis ; ditos 8rgentinos de
07, do iino de 1871, a 91 ; ditos ori.n
tHesdi6/0, do anno de 1871, a 60 1/2.
Deseonto taxa'lo hoje pelo banco 4 %. Ca-
(6 : mercado firme ; do Rio de Janeiro,
primeira qu lidade, 90 a 92, segunda qua-
lidade, 80 e 82 ; o de Santos bom 86 a h8,
0 faiii a 83 0 80 no caes; existencia
10,929 toneladas, sen lo 1,585 do Brasil
Assucar : mercado frouxo ; o BROWNE de
Pernambuco de 18 a 22 e 0 \ellow de 22
i 24 ; 0 da Nazareth de 10 h 16 1/7 a 1
hf-gar ; existencia 89,818 ton ladas. sen-
do 4,416 do Brasil.
iN-w-York 15.Cafe do Rio de Janeiro
17 I/!. Algodao mediano 15 4 S. Assu-
rer mascavado a 8 5/8. Ouro 110 .
Antuerpia 15.Cife: mercado firme;
von Ipram-so 2,500 saccos do ordmario do
Ri) de Jaueiro e a chegar por 40 1/2 Las :
m.-rcado activo ; a de merinos de 200 a
25.
Havre 15.Cafe : venderam-;e 4,200
saccos, sendo 3,500 do do Brasil ; o d 1 Rio
a 9i, e o dc Santos a 99. A go lao : as ven-
das du hoje foram de 1,5 0 fardos, sen-
do 900 do Brasil : o de Sor.icaba a 92
e 0 de IVrnambuoo de 94 a 95. Cacao :
o do Pard vendeu-se a 08 e 70. Sebo :
firnae ; e"d 1 boi 52 fr. e 23c. a 52 fr. e
65 c, de caraeiro a 31 fr. e 25 0. Lie:
mercado firme.
llnnburgo IS. Cafd : firme ; veadas da
semana 10,000 siocoi. Coutoa : firme ;o
de cavallo 16 1/2 ; o do Rio-GrauJe do
Sul 15 1/2.
grammas.
sania Casa le .Hlscrlcordia. -A jun
ta auiniuislraliva de-ia corpora;a. djlinemn, em
sua sessao de (ointa feira (8 do correnle) convidar,
as pttssoa* que se achain deveudo rendas de pre
diose mtnsaliilades do pensionistas; para dentm
do prazo de 13 dias, tratarein de saldar ?eus de-
bitos, pas-ai do a intenlar as competentes ac.-Ses
contra a.|uelies*que se sao desobngarem n'esse
prazo.
FestiviflnrJe rellsiona. Segtindo feira
(19) d"e ser ee ebrada, coin toda a soleiiiiiidade
a te>ta de >. Pedro de Alcantara, padroeiro do
hospital Pedro II na respectiva capella.
Vauores <-j> 1 a dux. H .je ou amanh,
0 bra-iieim Parotid, do ;ul do imperio ; a 19, 0
francez V/tle de Bnhia, do rio de Janeiro ; a 20, 0
brasilein. Gastdode Orledes, da Rahia pelas esca-
las, e 0 inglez Alice, de Lisboa ; e 21 a 23, 0
trancez Viltedo Rio de Janeiro, da Europa ; a 25,
os ingl zes Aconcagua e Douro, da Eun.pa ; e a
i'i, 0 inglez Boyne, do Rio da Praia pelas es-
ealas.
Fernamlu de Vnoi'iia.-Ni dia 3 de
novembr proximo de.ve seguir para es.-e pros dio
o vap.T brasil -iro Juguunbe, da companhia per
nambuc^na.
Cumpaahla peraambucana.-Expe
de a g reueia no dia 22 do corrente (qninta-feira)
pra Maraobic, pelas escaUs do costum6, 0 va-
pur Giquid.
Monle Plo Popular. -Amanhi. as 10 ho
ras do dia, deve reunir se a assemblea geral
det-sa asociogao, alim depneeder-se aeieicao, do
con-elhu direct..re da eommiasae de contas.
Tltealru Sanin Vuioiiio. Sobe ho-
je a .eeua, ueste iheair., 0 drama d grante
aoparato Galileo Galilei ou a tremenda inquisi^Sn
de R mi. KeJommandainns aos leilores 0 resumi
da |i>i;a que hontera pnblieamos.
Arrcitiatadeg pro viaelaes. Peranie
a jiiota do tue-o iro provmcial vao a praga, rjuinta
feira (22): a obra da bomba de Fnguso, orcada
em 840*027; a obra da p-mte de H6*, s..bre 0 ri j
Tapacura, ua e*trad* da Victoria, orcada em____
l:48idiMO;o imposto sobre 0 capno de planta
cjnsumido ua cidade do Recife, o f..rneciraento de
de detencao do dia IS de outubro de 1874 :
Existiam 325, enlraram 6, sahiram 8, existem
a saber : naeionaes 2(56, mn'heres 7, estran-
geiros 25, e-cravos 33, escravaslTotal 323.
Alimentados a custa dos cofres publicos 269.
A saber Sans 2o3eenferraos 16.Total 269
Pagsagciroa. -sahidos para os porto3 do
sul 00 vapor Bnhia :
Fran-isco Raj mundo Lint do* Santos, Heliodo-
ro Luiz dos Santos, Emerentina de Olinda e 1 es-
crava, Joao Eustaquio de Oliveira Porto. Antonio
Rodngues de Souza, Anna Conslancia de Moura e
1 criada, Joaqnim Mac*ado da Cuaha Gavalcaate,
Mauoel Messias de Gusmao Lyra, Luiz Gonzaga de
Almeida Araujo, Eo^enio Jose Neves de Andrade,
Jo.-e Joaqunn de' livoin e sua senhora, Luiz S
de Albuquerque, Elpidio de Araujo Barros, 1 fiiba
e 1 uriala, Frederico Pierre, Raphael H. Verooza,
majir Joaiuim P. Uaia, Fnucisco Foutan, Joao
Baptisia Durao, App^ricio Jose M. da Cunha, An-
tonio Fiel de dello, Jose Porlella, Ignacio Jose de
Mdlo Reis, Marcelioo Fernandes da Cunha, Andre
Vergueiro, Manoel da Gosu Peraira Cotnai, Ma-
uoel dos Santos R drigues Martins, PUcido Ribei-
ro Garpinteiro, Cypriano Jose de Lima, Victoria.)
C. Pereira Magalhaes, Jose" Joaquim Paeira Cha-
ves, Francisco Gregorio, Jose Gorges Pereira, An-
na Franci-ca da Silva 0 49 escravos a eotregar.
, Sabsdos para-.6 sul no vapor nacional fagiin-
ribe :
Gaminiano Piyo dos Santos,, Jpsd A. Barbasa e
t cnado, Maxiinm> da silva Gumi-i 0
! Cemilcrlopuliilca,-,Obit'iiaodo dia 13 r "1 u'l"'"Vi>-- JPPfttanie
do corrente : "^^ ^bWw "" X^nceijao, appellada Anna M
Manoel, preto, maad^do .pela policja de Be
lem.
Lucinda, branca, Pernambuco, 2 1|2 aouoj, S.
Jose; telano espontaneo_.
Francisco, pardo, Pernambuco, .*i annos, Graca;
resfriamento.
Amelia Rita da Porciuncula, parda, Prrnambu
eo, U annos, casada, S.Jose; phtysica pulmo-
nar.
Jose Joaquim Lopes Pereira Guimaraes, pardo,
Pernambuco, 52 annos, viuvo, Graca; phtysica
lubereuloaa.
Symohrosia, escra7a, preta, 86 aaaos, viuva,
Boa Vista; enterite.
Loo Ires 15.A duqtieza !de Edinbureo *22?* d,elas aol ,"'e"J;, ,:u5raa di ca?a *>
.. hrt; a 1.,, .,~ mnX. "uurgo oeleuQao; e os reparos do quartel do corpo de po-
RcpartiftSo da policia.
S.' sec^aoSerretana de policia de Peniambuxo,
i*7i *8 to ouiol'iV de 1874.
Him. e Exm Sr.-Participo a V. Exc.
deu hoje & luz urn filho.
Paris 15.Reunio-se hoje a commissao
permaiiente O Sr. Decazes. m nistro io
exterior, declarou sere-n amigaveis as rela-
fo^s com todos os paizes. Foi publicado 0
decreto que marca as eleiefies depart.imen-
taes no Drdne, NoH, e Oise, para o dia 8
do mvembro proximo future.
Rio de Janeiro 15 as 2 0. da tarde (re-
boia, brcados em 897^820.
Reualu8 de eonfrarias.Amanhade-
vein haver as seguintes :
Da ir.naudade do Ao?s& Senhora do TerQo, para
se proce ler a > liicaoda mesa regedora para o aono
Da do .Vo-.-a Senhora do Rosario, da igreja da
Madre Deu>, para a posse da nova ma rege-
dora. "
\'oo Mundo.A' respectiva i-gencia, livra-
ria iiauceza, a rua Primeiro de Marco n. 9, acaba
tardado.) Cambio Sour.; Londres 26 1/2 dts chegar u u 48, ultimo do 4.* anno de ex'iatencia
baneario, o 26 9ll0 a 26 MS particular. dse mteressante joroal.
S,,h,o hontem para Pernambuco 0 patacho p^^JW**!****!** em dianle,
niaiur numero de supplemantos, ela
vjui a 2i pagiaas 0 n. 16, e conpromettem-se a
de as- Pobhear leiiura? para familias, e a dar gravuras
ouxe o fi'^SH*' para De" avx"' reolveram eievar a
..,,, _., lo ***' P"o anuual da assignalura, one ate
rril- r "mi'j -." -------sumi pri- agora temsid.ide 10 000
Tj,iJnaTn^U: *"% dH0"rBdi m"'rd cl'",ll,,a,le a 2-7. "eguuda a 2.55. Po.illha... Aeaha de sahir
da&K Joao & So^ G os"nenos a 2'40' Aguardente: esta deMe ,rna,,a.,.,co.
V,ta.,porrurbro6; &TJSS LWjS 'T^ST*! *. Jttf *-*--*^
Auiunio Crreia Cardosf-,por andar fora do huras B,Q"1 l6^s e 33 m- da manha.
*fo dia 13 do ctrrente, c subdelegado do dis-
a luz 0 0.8
dessa villa
tHRDNIt A J' DM IARI4.
I tlltl V VI. DA RKLifj.iO
SESSAO EM 16 DE OUTUBRO OE "l874.
rRESlDENCIA DO EXM. SR. CONSEUIEIRO
CAETANO SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Coetho.
A"s 10 horas da mauha, preseotes os Srs. des-
emnargadores Silva Guimaraes, Lourenco Santia-
go, Reis e Silva, Almeida Albuquerque, Motu,
or-curador_ da coroa, Accioli, Dominguos Silva,
e Souza Leao. abno-se a sessio.
Em seguida 0 Dr. secretario procedeu aosortoio
dos adjuutos para os asgravos de petigao :
N. 7i Aggravante tristides Garneiro Duarte
da Cunha Gama, aggravado Joajuim le AUuqner
que Santiago Foram sorteados os Srs. desembar-
gadon-s M..tta, e Almeida Albuquerque.
N. 75. Aggravante D. Maria Augusta Lins
llahia, aggravado Jiao Ribeiro Montarroyos. Fo-
ram sortea.los os Sr<. desembargadores Souza
Leao, e Accioli.
JOLCAMKSTOS.
Recursos crime.
Rccorrente Dr. Austerbano Correia de Crasto,
recorrido 0 Dr. juiz de direito de B >m Jardim.
Keiator 0 Sr dei-cmbartiador Silva Guimiraes
S.rteados os Srs. desembargadores nei !a e \l-
buquerqne, e Doraintmes Silva. Dru-se provi-
mento para despronunciar ao rectrrente.
De Nazaretn. Recorrente 0 juizo, recorrido
Jose Mariano da Rocha. Renter 0 Sr. desembar-
jrador Lourenco Santiago. Sorteados os Srs. des-
-ra.'argadores Domingues Silva, e Soaza Leao.
ImproC'deote.
Da Victoria. Recorrente 0 juizo, recorrido Ma-
noel Francisco Xavier. Relator 0 Sr. desembar-
gador Accioli. Sorteado* os Srs. desembargado-
res S'lva Guimaraes, e Accioli.Improcedenle.
De li -in..n.-ir .> Recorrente o juizo, recorrido
Antouio Kerreira Cuelbo Rsbeiro. Relat.ir 0 >r.
desembargador Domingues e .>ilva. Sorteados os
^rs desemtiargadores Accioli, Silva Guimaraes.
-Improcedenle.
Aapellajoes crimes.
De Caruard.-Appellanle8 Manoel Francisco de
Almeida e outros, appellada a justija. Mandou-
se accrescentar a pena, a multa correspondente.
De Alagoa Grande. Appellante Joaquim Gon-
calves Costa, appellada a jn U(*. A nnvo jury.
De Paulo Alfonso = Appellante Francisco Joe
Vieira, appellada ajustica. Confirmada a sen-
teoca.
Appellacoes commerciaes.
Do Recife. Appellante Au usto' Mouton, com-
maudanle do navio Aitguslii, aggravado Liudstoo
II billiard & C. Despf-sarira os embargos.
Do Recife Appellante Ant mio R .drigucs Pinto,
appeilado Manoel Jo^e Ferreira de Faria. Con
lir.nada a senten^a.
Do R cife. Appellante Joaqnim Francisco de
Almeida, appeilado Barboza & C Confirmada a
senlenija.
Do R-cife.-Ap ellante Franci-co Rodrigues dos
Santos, appellalo Jo?e Gongalves da Cruz.Re-
ceberamos embargos.
Do Recife. Recorrente Jose" Joajuim de Cas-
tro Moura, appeilado Joaquim de Souza Silva Cu-
nha. DespresaJos os embargo?.
Appellacoes civeia
Do Recife. AppHunte Galdino, por sen cora
dor, appeilado Antonio Macbado Pereira Vianna.
- oonlirmada a s. ntenca.
De Porto Calvo. Appellante Jose de Oliveira
Luna, appeilado Joao Ferreira de Carvslho.Coa-
lirmada a seotenya.
Da lraperatrU. Appellante Manoel Ferreira
dos Santos Aetto, appeilado Zeferino Lopes de
BarrosReceberara os embargos.
De Maceid. Appcllaute Dr. Francisco Pinto
.Pessoa, appellada a B^r. nezade Jaragua.Annul-
louse 0 processo de fl. 308.
PASSAGRNS.
D. Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Reis a Silva :
Appellacoes civeis.
De Olinda. Appellante 0 juizo, appellados os
escravos Arcbanjo e Francis.a
De Maccio.Appel ante o juizo, appeilado 0 es
cravo Onofre.
Ao Sr. desembargador Ajmeida Albuquerque :
Appellacao civuj.
De Agua Preta. Appellante Antonio Baptisia
Nogueira, appeilado Manoel Joaquim do Rego Al-
buquerque
1 Ao Sr. desembargador promotor da justica : *'
_ Appellante Maria Joanna da Conceigao, appella-
da Maria da Conceicio e David, escravo ; appel
lante-Bernardino Nogueira de Carvalho, appeilado
0 juizo..
Assignou-se dia para 0 julgamenlo dos sezuin-
tes feitos :
Appellacao commercial.
Appellantes Adamsou Howie 4 C-, appellados os
cuiadores da mossa de Manoel Ju<6 Monteiro Tor-
res.
Appellacfles civeis.
Appellante Francisco Pacheco Soares, appeilado
Francisco Ferreira de Lyra ; appellantes Jose" ja-
come Tasso e outro, appellados Dr. Ceciliano Ma-
mede de Almeida e outros.
Recursos crimes.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
Do Recife. Recorrente 0 juizo, recorrido Joao
Francisco de V^c ocelios.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
De Bananeiras. Recorrente 0 juizo, recomdo
Manoel Birboza da Camara.
Ao Sr. de embargador Accioli:
De Ptlmeira dos In tins.Recorrente 0 juizo, re
eorrido Justino Lucio de Santiago.
Appellacao crime.
Ao Sr. desembargador Souza Leao :
Do Recife.-Appellante Olegario Saraiva de Car-
valho Neiva, appellal. ajustica.
Appellacoes civeis.
; Ao Sr. desembargador l.oureuco Santiago:
De Caruaiii. Appellante Francisco lose Gon-
falves, appebaJo Severino, escravo.
Ao Sr. dese nbargador Reis e Silva :
D1 Limoeiro. Appellante Vieencia Maria da
aria de A. (Uugel.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
Do Recife.-Appel'ante 0 bario de Bemiica, ap-
yellado Mauoel Garride.
1 Ao Sr. desembargador Motta :
Do Recife. Appellante J.*6 Alexandre Ribeiro,
apeilado Felix Jose de Sena.
Ae ir. desembargador Areinli : -
De Palm ares. Appellante Jose Felix de Souta,
appettado Antonio Bvansio da Rocha.
A )Sr. desembargador Domingues Silva:
DoOabo.AppelUnte Francisco Caraeiro Ro-
drigues Campello, appeRido 0 *arao de Guarara-
pes.
Eucerrou-se a sessao as luas horas.
DE
Tribunal do eemmercio.
ACTA DA SESSAO DE 13 DE OUTUrJRO
1874.
-UBSIDENCIA DO EXM. SR. CO.S'SELHEIRO A.tSBLU.
FRANCISCO PERETTI.
A's 10 horas da manha, presentes os Srs. de-
putados secretario Oliuto Bastos. Lopes Macbado,
AI ves Guerra, e 0 Sr. su iplente Sa Loitao, S. Exc.
0 Sr conselheiro presidente abrio a sessao.
Lida, foi depois approvada a acta da sessao pre-
cedeute.
EXPEDIENTE.
Distribuiram-se os seguintes livros :
Diario de Jose M-rcelino da Rosa, dito de
Jose Luiz Goucalves Ferreira .$ C, dito de
Francisco Ribeiro Pinto Guimaraes, copfador de
Parente Vianna .t C
DRSPACHOS.
Requirimentos :
De Jose Joaquim Goncalves Ba>to, socio da ex-
tiocta finna Ba-tos e Silva, requerenlo transfe
rencia do livro copia lor daquella firms para a de
Goncalves nastos A. C. Deferido.
De Manoel Jose Ferreira, apresen'ando a regis-
tro a proforaeau junta de seu constituinte Doniin-
^.is G. Registre se.
De Francisco de Assis Castro e Silva, pedindo
certidat da nim.-acao de seu caixeiro, qual o seu
onme e natarilidaue.Sim
De Minoel A t.mio Pires, Henrique Rolngnes
A Ca", Traocisco Jose Pires e Manoel Rodrigues
Rimero, pedindo 0 registro do ooirato de proro-
gacao de sua *oeie.iade. Diga a secretaria.
De Jose Lopes da Silva Guimaraes e Jose Anto-
nio de Souza, solicilaudo que se retire o dis-
trato da socieda le que ttveram sob a firm* Souza
& Guimaraes. Vista ao Sr. desembargador rls-
CM.
De Jnliode Mello Salgado e Frederico Alves Pe
reira into, submetiendo a repiftro 0 sen distiato
social.Vis'a ao Sr. desembargador fiscal.
tnformagao da secretaria, dada em obediencia
ao despacho do tribunal, de 12 do corrente, pro-
ferido na petic>) de Benvenulo Buarqae & C. -
Iadeferio se, a vista da iuformacao.
Da mesma. tambem em cumprimenti do des
pcho de 12 do andante, proferido ni informa<;io
are?peito do registro do -ontrato da Firraa Ju>ti-
no Torres, Tosta & CComo requerem, uma vet
que a isso nao e oppoe 0 ex-socij Manned de
Vasconcello3.
COM 0 PARECBR FISCAL.
PeticSes :
De J.ise Joaqnim Goocalves Bas'03 e Antonio Al
ves da Silva, registro do seu di.~tr.ito social anoe-
xo.Regisire-se 0 distrato, nos tirmos Jo decreto
n. 4,394.
De Manoel E-oind >la de Mendonca e Antonio
Jose Ferreira Refiuador, registro do contrato de
prorogifio de sua sociedade. Regiif.e-se, na
forma .10 decrelo d. 4,394.
De Henrique Xavier de Aranjo Saraiva de Mel
lo, registro do seu c.otrato em commandita.-
Informe a secretaria.
De Kl-iard" Jeaureneand, pedindo matricnla de
commerciante. Na forma requerida.
Autos de mnratoria de Antmio Joaquim de Vas-
conccllos conclusos para deferimenlo de nma pe-
ticao de Silva 6irl^>cao.Ten Jo ce>sado 0 nnpe-
dimento dos Srs. 01 in to Bastes e Alves Guerra, e,
pois, passando 0 primeiro a funccionar nao so
como deputado senao tambem como secretario,
0 tnbaual ooneou 0 eredor Luiz Duprat para fis-
cal da presente m.iratoria em lugar dos suppliean-
tes, que de cido 0 Sr. deputado Guerra que volou no eredor
Pinto Guimaraes, e nao voton 0 Sr. Lopes Ma-
cbado.
Nlo havfn lo mais n da a despachir, 9^ Bxe. 0
Sr. conselheiro p-esidente encerron a sessSo ai 11
horas e 3)4 da mauha.
Ao pulilico.
Bibia 10 as 7 b. e 35 m. da manna. e"!, rV"/"rr-?Ie,: iboquerque.
'Sahio hnnfnm A noitA o Pi RA XA ^ lr-nda agitacio tern bav do por aqui oestes Do Sr. dwsembargador'Lnureoco Santiago ao Sr.
Santo nontera a noite 0 r.iWl*A para os ulumos dias, pois estamos com missSes. Na quar-' desembargador Reis e Silva : ^
Breves eoiisiileraeoes sobre o aba*>
terimenlo d'iigua potavel a clrfu-
de anrar a ma ntmoiiplicra. pe-
lo Dr. Poilro de Alliuyde I.olio
MiMc,Mo. foriuado em niedlcina
pela Faculdade da Bahia.
(:..utinuaga.)
Saben.os quo falta de prudenaia Mlar-se ao
encptamoa nos dispomos a, em offender dlrecU-
nwute a pe-oa, riao cccoltar as verdad:s new
cmbuoal *. '
Tres sio, as coadiedaj. *jDe fiflaaati em primeira
ordem ai lista dan que se exigen *>ra nielhorar
0 estado saiiuan., das cidades :
4.' Uma' abirtrtahte dttrihulrio d'agoa para
para altmentar os babiUntes, liinpar refrescar a
cidades ;
2* Uma canausagao suajterraaaa impermeavel,
que dd-pa.-jageoi Irauca imaaadtfU aos liquido
earragados de ImadlreuH e a lodas as mamriaa
susfeptiveis de decomposipao, qoe pedera ser leva-
da* pelas aguas para loaga das uabiUcdes ;
3.* A purilieaedo desses liquidoa, antes da te-
rent'sahida nos rioa oo mar, ata de prevenir a
infec^ao destes; e de restituir a agncultura 0
adubo ou prinoiptoa nulritivos de que ella tern
precisao.
E' a esle system \ qae os inglezes, os quaes ba-
vendo se ultimamenle preoccupado em prioridaaV
a todos os outros povos nos meios de punGcar a
ar das cidades, nao denorainalo circulacao cB-
Unua.
Vsinos resumidamente expor 0 pcnoajcolo da
Sr- Ward a respeito da purificacao das cidades ,
e quo uesde 1849 tem sido 0 object) de preoccj-
pacao de muitos espiritos illustrados, e que maito
se lem empenhado pela anaiquilaclo da* podevo-
sas causas de insalubridade rcinantes na Ingli-
terra ; provenieotes do m>do por que ate li je te
ha feito 0 esgoto das matenas excr-ii.eut rias dj
ho.nens, animacs e dos residues da inJosiria e a
que irrecusavel tem sido o preMar s6na altem>oT
depois d,s grates acontecni.enlos, qne infift-
mente se I-ibb>*> a saule puDlica.
Osr. WajdtaiBi2fc se obleBha a afna pur*
principalhrenTOolTocliedos por meiodt enra>;a
mentos drainage.
Que .-e*i-Hl##rribirldB a r ladas as caaas p,r
um apparelho la aUa preasav *, de sorte qoe <
inquilino, abriudo apeoas a tomeira tenha toda
agua de que preclsa****** *
Que sejam pr cuBsegBiote aboli-tas todas *
cisternas, depoailos, r.eservitorios e tauqnes, u-a-
dos alt1 ho,a ; como pndendo pfaduzir cffe.tos e-
melhantes aos da es*at*jaio; f")
Que a agua catregada de impnrezas seja levadi
logo a eu dotino; prque a demora prodnz a
putrefaccao ; 4 desU na-c. m os miasmas :
Que >e acabein pwr uma vex os depositos de
aguas sujas, as cloacas, as l.tnnas, os som:-
i^ouros; e ludo que possa reter materias smeep-
liveis de decomposifao, e sejim sub-uiuido* pei-.e
water clown (cauibrunoes), (echado* a s\lph5<..
e provides de atund 1 t- soitimenlo d'agoa .
Que as aguas servidas sejam levadas a um
deposito onde p r meio de uma machioa de vapor
sejam distnhuidas aos campos por um eucauamcn-
lo provide de tomeiras de .li>t,incia em oistaucia.
onde se adapte um cano de bunacba, tendo nma
lanrja oa exiremidade de sorte qoe 0 liquid) ia-
peludo com grande forca, caia sobre os campus em
forma de chuva ;
Q le se coll .quern tubes no seio da terra, a uma
prulundidade tal que a agua nao aaata la eheg.-.r
sem ler deixado a terra todos os elements fert'H-
sadores que ella c<.-ntem.
Oucamos as pro^nas palavras de sir Wmti a
respeito de um p;nto que muito n s BWBre ia a
do qual lallaremus especilicadamente, aiuda qot-
mais longo do que desejamos fique este Boseo
trahalho.
Diz 0 Sr. Ward :
< Ue-ta rnaneira nos eliminamos as covas, oe
suiudouros de aguas estagnadas ; substituimo*
as latrinas aberias pelas wuter clostls ate na o..-a
do mais fraco tr. baltiador, e acatumo* ass.m com
todo cheiro desagradaVfel, Com toda pruireucclc
n.tciva e cam as unui.iis- mulestia-, que us uiias-
inas e a putrefaccao engendram.
Ja so ve quauio somos devedures a jtltilanlropn
da uma cuiupaubia ingleza, dos a^pareiho* im
mundo> e ptilredioosos, que nos forneo-m pv
um preco. que ella tem elevado a seu UUole, e
por rnaneira que horruri.-a nio foroeoend > alem
disse uma g. tia d'agua a mur parte dalles, quand"
se obrigou foroecd-os ig*aet aos iitrlU ,res it
Londres, e providos ,ie abundante tortin\r*'r
d'ogua.
Serao. porc.n os inglezes culpados di.-to ou
somos uds ni. snios que nos deixamos codilbar r-
ser ludibriados p> r uma duzia de contrat.n'.r*
puramente espoculadoics e immoraea em rtttj-
ciencia ?.......
Vultar?mos em occasiao opportuna sobre e">
ponto.
A vista da energia cm que foram apresecu-
das, expostas e defendidas eslas ideas pelo Sr.
Ward a por,outros, que sa iccuparatn exleosa-
mente aeUas, nao so "na imprena, como 00 cue
selbo gerai de saude de L -odres ; e c >m juani
oomo sempre arnntece, bouvesse grande exalb.
cao dos espiritos tiaquella oc axao, nao deuaram
de apparecer em algumas localilades os melh"-
rameuios em t. da exteu.-ao propustos p..r e^i- -
atamados e denudadoi h\gieoistas ; e eutre ellas
se distinguio a pequena cidade de rtngbv, em BJBl
foi com toda a exactidao posto em piatica* 0
systema aprwentalo por Sr. Ward. Depois deila
muitas tem sido as localidades que a tem mais on
raenos imitado pratic.ndo 0 systema com as difl--
renQas, que exigiim as circuintancias especia'*
de cada uma ; colhendo porem todas resultades
muito acima do que esperavam
Ante*, poiem, de encttar a relar^ao das lug^r*-!
que figuram pelo aprovniamenlo das aguas do
esgolos como meio ftriilisador da terra, e em coja
dianteira hoje se aclia Londre>, direm s alguma
con>a sobre os esgntos e irngacao dos camp"*.
usados nos tempos aniigos.
Nao phantajiamos : estudamos e procuramo"
dar a raiao dos factos. E^les exiMiraiu hi muii.
seculos ; e nao poderaos a(ian?ar que t-uham
conhecido ou nao poderosas, raiao que oa aconse-
Ihasse : o carlo 6 que eram meios de extingoir
as causas, que podeiu ser pre^ulieiaesasaule df.
povos.
Em Roma ainda existe a c'O'ica "faia. grande
esgoio collector, que lem ciuco mein s e vinte
cenlimetros de diametro. E' 0 ma se tem construido antes do de Asuieres em
Paris.
Os primeiros e'gotrs de Roma foram construidos
por Tarquinio-o-antigo, e Cuntmuadus p. r sens
succe^si.res para puiidcar 0 valle do Velabmrn,
siiuad) entre 0 cap.lolio e 0 paUlioo. A cl ac 1
miixima. receptacul > dos encaoamentos secunda-
rios. esloadla-as deada 0 Forum ate o fibre.
(*) No mo l.otii) em que escrevemos estas li-
nbas somos iuteirompidos com uma deuoacia
julgamos de nosso dever commuuical-a ao f:-
b ico.
A's seis horas da tarde apresenlara se me nm
homem, que me pareceu seno pr seus modos,
moslrara-me um pucaro de flandres dizenJo-me :
Faca favor da ver a agua cora que se fatttaa 0
pao ra palaria de V...
Cherei 0 flandres e respond! lhe : Isso : ;rB-
possivel.
Nao senhor, redarguio elle ; venha ver a ver-
dade com seus proonoa olhos.
No dia seguinte vou examinar a padaria e
acho no quintal no.a cacimba ou poco L-dlocado
no meio de um lamar.il <|ue so pude alraves-ar
fazeiiao passagem por cima dc uns liji.Ios colloca-
dos alrele. Neste quintal ha quatro oo ciare
cavallos revolvendo e^sa lama puirida a mi to-
raodo-a com as fez^s e as aguas de .-ervi o qoe
alii despejam agnas que ;e tiliram para dtntro
da cacimba infeccionando a nella bavida, ja por si
de pe.-sima quablade. Dessa cacimba potrida
tiravam agua e deitavamna em um barril, que
por seu azedume em poacos miouPis a corroin;a
e toroava-na insuppi.rtavelmente fedureuta.
Com esse leyf.dg se fabneav* 0 pio qm'tidiaoo
que se vendia para 0 c niumo da pooulacao. E
querem ter saude I E querera caeimbas !
A abobada e for.uida de tres ordeus saUMTpOS-
tas de pedras faceadas; lem aos lados degrao- Se
pedra ou paeaeioa na mai. r parti de*ua exlec
e no meio am rego prfuodo.
Ainda se observam quaitellas de distincia em
distancia talvez desliaadis a sutportar os eocana-
mentos d'agua das foutes.
A' proporgao que Ruroa cresceu.maltiplicaram-
e os esgetos. 4" 0 annos depois de T-rqumio,
teve-se de os limpar e concerlal-os; e n"i.-to gas-
tou:se mil tulenlot (5,216,600 francos). Poi esia
razao os imperadores crearam nm imposto espe-
cial para tal flm. Os empregados piiaci^aes en-
carregados de velir pela cuos-rvagao dos esgolos
e pelo bom estado do Tibre, eram uessoas de eoo-
sideracao. .
(Contimi 'n.i
A Enfauifa destnaearada.
0 honu-m de bem nuuca pode ser inanc.iad* ear
soa reputacao ijuando g>ta de um c.uceitu bem
merecido e um um mm; conquii seas es'. rfios, on melhor, q.nnlo a sua vida in -
teira e um li-To abu.ii, onde cada pagiaa r.-Iua
nm laurel, ciieio do glorias
Neite ciso se scha o Sr conselheiro Ferreira de

-
i
-

r
A
mesmo temjo em maita* cousas, qoe vao offender [ Aguiar, cidalao digoo rejpeilavel p-jr iaouiue-
os iuleresses pess..aes, rr;u tomaudo a '.arefa quejraveis til'tlos, qaer omo homem publiM,




flkrio K
V
X
i
w
CM.
Con
>
:otno politic) foi sjinnre illustre onselheiroi
lirme nos sens princfpioT e 'lidador consume dasi
l Jofauler, |J na rr1tnroi.Jana tnqjren3i.
Como advogjBto, A ojijluslre e#elheiro am dost
ai brilliant* ftitl4os j f6sf dos! i cidade,j
qae pelo seu slrtiere ntfnnsti'laitB fern sabido attra-'
hir a si am aviludo numero de onstituintej e
amijfos, sem out neahara, duraata mais de 30 an
tos, onsasse attirnoir-Ihe a mais leve falta no des-
eru|iiii' da suns fun ;qom.
Mas, eis qae hontera deparamos, nas eolumoas
da fnrinpia, e jra urn arligo em qae se procara
atrozmente enxavalhar mm illibada repulajao;
e eis, portanlo o mover qae leva a imprensa a um
d&s *ais ooseur s de seas amrgos, nao para de-
"feadelHr' ponpn a saa defeza esta por si raesmo
.feitt, mas para mostrar-lhe o noejo disseatimeoto
a ami ti>. vil a:cusaeao.
Ninguein qae teaha am poaeodebrio e pun-
doaor e cranecedor das qaalidades do illatre on-
seJbeiro, lera.nin tal artig), mfcturado de uraa
Itngoagem deaabrida e oojeala, sain Bear indigna
do e a i raesmo tempo revoludo de am aclo tao
hedionlo e so proprio de que.no praticoa.
Eso into sob a capa do anooyrao so revella e3se
acarvo de immundicia e improparios, a mais re-
luiauda inveji a boa fama de am homem hones-
lo eo disejoveaemeatede uni vingaoca torpe
Uoje sabio a lime, neste piano, uma declara-
cao do iUastre ciraselheiro, narraodo o facto, lal
qual se dera., eeremos estar ja duaraMcarado o
autor de semelhaale monetruosidade.
Nio poderaos duixar de ad war e elogiar o ca-
Taoter oobre do iUuatre cooselboiro, iae, ainda
desta vea paleateoa ao puMico a saa nna edact-
<;io, desde qae, hid uma desus latas em que a
sua honra foi torpemeate ataeada, eile respoudeu
.10 sea detractor em tio poli las palavras e con
ijnia calm i qui outro qaalqaer, em ideoticts con-
-dtfoes, ttlrea nao a tivesse. E' qae isto 6 prova
qae o Sr. cooselheiro esta muito aciraa dessas in-
/amias e aao joei' se cbafurdar, usando das mas-
vtas armas que cosiumam empregar homens sem
brio a sem dtgnidade.
Antes, porem, de concluir estas breves liphas,
vejamos um punto a qae se refere o alladido aao-
yaw.
Oiz qae o illu-tre eonselheiro era advogado de
partido da am nxgociante ahi referido e que era
por eile profusameute remunerado. Qaanio cy-
uismo I t
Qaer o pufilico saber qaal a remaneracAo pro-
iusa do tal com nerciante ? Foi-nos iaformadi
por pessoa insnspieiia, da qua era essa a immensa
iuantia de cam mil reis por anno.
E nao eoxergara nisso o iKmrafa commerciante
ilt'sta praca que ,o illustre eonselheiro Hie fazia
mais um favnr tendo-o por cliente, do que, como
>e afflrma. a ginaicia an dinheiro ?
Mas o Sr. commerciante deve' saber que & o
anic-i culpado de :er o illustre eonselheiro aban-
tonil i o patrocin > de sna oausa, uma vei que
declium da eonlaa^a quo Ihe dapositava, ha mais
de 30 suaAs, e eanstitau um ouiro advjgado.
Vo tarii se for proctso.
I'.enfo, 16 de outubro de I87i
pria directors e soas irmis, on ontras seahoral
com a aptidao preclsa, e qae a dlrectora-i1fr
necess"arias.
Recife. 30 d* oeqimkw i%im.-Philomend
Minervina dt Atrnmrqie Oto*nell Jersey.
ApDrovo.-Diferlofia fcerl da*mstraccao pabli-*
0ai2f2Sfa*a,ba Dura o Caciqae Fndlo ao rer qae a say fang* a
coraprida madeixa de cabMlo se tornara branca.
Hivianmaxaiio pbilosophica n'este symploaia de
decadencia por elle ^sconhecida. B quando a
circahQindB tkagnsna cap* memfcranea da ca-
becase entorpece, qneo cabwlo socea e este en-
torpecimeato da circulagao pode-so impedir oaes-
mo na velbice me Jiante a applica;io de tun esti-
roulante oroprio.
0 Tom'co Oriental, que tio geralmenlo lem sido
ialr duziau nos panes tropicos, com tio felizes
resuliados, suste.n a accao viul oa cuiicula e ao
mesmo tempo assimila cosa nutrimento natural do
cabello e augmeota milagroiamente o poderpro-
duativo das raises.
Celorico de Bad*
Camlnha.
Mangualde.
Ponte do Lima.
*iav-Branco.
Espozende.
OUtit:;Azemis
Bowa.4a/Vanii.
Vian* do Casttllo
Tendo no jornal aProvinciade 15 do
corrente, pulil ciJo-se um communtcado em
que, segundo o seu cunteii lo, parece refe-
rir-se a mim e ao meu ex advogadona qaa-
lidfl'le de testan-enteiro, Doste imperio, de
Antonio Joaquim dj S. Ribuiro, cumpre-
me dfdarar qu3 netihum conbecimento live
de semelnapte communicado.
Recife, lo de oillubiro Je 187-S.
Juse l'ereira da Cunba.
illencao.
COMMERCIO.
JUNTA DO CORRETORES
Praca da Recife, 1ft de outubro
do 1894.
AS 3 HORAS DA TARDK.
COTAfiOSS OFFICIAW
Algodio do sertao 1' sorts 7gtt00 por 15 kilos,
bontem.
Assucar de Goyauna, amerieano bruto, 3,8120
por lo kilos.
Assucar bruto bom 2*120 por 15 kilos.
Assucar Canal 1*300 por 15 kilos.
Ca.e do Rio de Jfneiro 2' sorte 8*000 por 15
kilos, liquido, hontem.
Dito do Ceara 8*300 por 15 kilos, hontem.
1*000, hontem.
Desconto de letras 12 0|0 ao anno, hoatem.
Dito do ditas 10 OrO ao anno.
a. do Vasconceiios
Presidento.
A P. de Lemos,
Secretario.
VUtaTf^vaderforiiaaio. Villa Nova do h,naleao.
'Mmm.Wmm.
Madeira, S. Miguol, faial Tercoira.
... -1
Companhia Iodeinoisadora
4o Porto.
CAPITAL 2,000: OOOjJGOO.
Thomas de Aquino Foneeca & C, successores' \
agentes.,
Esta companhia torn a seguros maritimos e lor
restres, dando nestes o septimo anno gratis aos se
gurados, .
Ruu do VIsrl m. 19
*** di> coaieoaoso as guias respeaitras,
WaJ^PtaiTie MMfoX *TS^ZmESSjZX?'*0 ,,rnPos,; eeits deqao, nio ofazendo dentro
-Taa^f^sertS!^ ***<** josaoiatooote, taendo-M aublicar para isto *reUfao dos duvodo-
Secoto do eoateocioto provincial de Pomambuco, 9 do outobro.de 1874.
-___. 0 wocoxador fl*cal,
D Oypriano Fenelou Guedes Alcofbrado.
Relagao doj devedqres da deeima nrbana da Troguezia da JaboaUo
sens debitos, no anno flnaacoiro
de
quo
187*^1*73.
deixaram de pagar

N'omes.
4LFANHKOS..
AeadimoDK dodia I a 15. .
dm do du lo.....
450.463*935
i5:699*255
466.163*190
lim raspotta ao annuncio que sub a epigrapha
supra, e con a data da 15 do corrente, Uf o Sr.
R. A Arnuxa, no Di trio de Pfinumbuco, dizendo
eonstar Ihe qoe o abaixo aasigoada quo,- vender ou
hypoihecar e herapea quesua mulhir torn no in-
ventario por fallecimento de sui mii, e apressando-
.so em declarar que nmguem faca transacgio algu-
ma a lal respeito sob penajde nulliilade ; cumpre-
-ms dizor, e:n pri neiro lagar, quo i/n >ro se Sr.
K. A. Artiuxa, fez inventario depois do falleciraeato
de sua raulher, e se o fez, esu S S muito maf in-
fwrmado, pois, nSo tratei nunta So vooder, e tneuos
*-,> i:ii..-ai- i oir.. | i \ \ l-ii 0 en; d-va caber a
!iii:i'n molhor e oa lilba; pirquanto, nio proca-
rei ainda saber o cartode em jue correu e^sa in-
ventari >. se esta ou na> legalmeute concluid >, bem
,-)im o quinha: quo Ihe possi ter tocado.
Destle jii prol-^to contra insinuac^os malevolas,
a em tempo competouto procurarei ju-iili .ron .
devidamente, poia estou certo que o Sr. B A.
Arouxa, mo qaerera com o seu annuacio estabe-
leeer prevonijSas para d^fraular o piueo que-a sua
Qltta pnsa pertencer. embora irapellido para esse
lim plos bich ircldes jue o cercam.
Se mi abaixo a est i publicaQi >, e pa."a que possa
i publico conhecer a n aient s, e meihor po Recife, 16 do outubro de 1871
Antonio Julio Ferreira.
CGLLE6I0 OA SlNnSSfilA TRIXDAOE
3(k imi. I(is Coelhos 3
-OB A DIRECQAO DK PHILOMKNW MINURVIXA DE ALBU-
QWBBQU8_ o'COXNBLL IE8SKT, COADJUVADA POR
.-.' \SllMAS D LA50BURA DE ALDUQUEKQUB o'COM-
PEL IBBSBT K D.OUNDIMA OE ALBUyfERQUE o'co.N-
R8LL IBBSKT.
I
Artigo 0 c ll'gio dirigido por I'liiiornena
M.nervina do Albuquinine O'Gmn ;i lersey, de-
aomiua-se Collkcio da Sa.vtissima Tri.ndadk. '
Art. 2 As alu nuas recebum nelie iostiaCOJb)
i.rimaria, secundaria, religiosa, de civilidade, e dc
lecreio e prendas.
Art. 3. A iostraecao primaria c :loitara, es
.-pta, CootabUi laJ.; (as quatro opera';o--<), nocOes
in grammatica portugueza, costora cha e cro-
chet.
Art. 4.* A instraecio secandaria comprehende
lingua nacional, francez. inglez, italiaa, bisto-
i ia, geographia e ariihmetica.
Art. 5. A instrucc.ru religiosa e dada pelo ca-
i.'iecismo ; as alumnas apreodem : doutrina
i-n ista, e todos i.s deveres religiusos a cumjrir
para c^m Deu, seus pais e parentes, e em garal
com a s-'Ciedade.
Art. 6 A instruccao de civilidade abrange to -
a-,.- os acl>s da vida do uraa senliora em reiacao
i: 5m as possoas de sua familia e com a socie
dade.
Art. 7. A Jnslruecao do ro^reio consta de-de-
seabo, musica, pi ino e danca.
Art. 8. A iolruccao de prendas reuaa :
todos os trabalho4 de agalha e toda a c3pecie de
bordalns, qua deve^aber uma senhora da raelhor
s-; II
Art. 9. 0 collegia admitte alnmoas interoas,
> meipnsiunistas e externas.
Art. lO. A lingua que se lalla no interior do-col
legio e a franceza ; e durante as aulas de ioglaz e
lUliano so se fallara estas linguas.
Art. 11. As alumnas qae estudara francez, in-
glez e itiliano, apreadem a fallar, escrever e tra-
iczir e-:es idiomas grammaticilmcnte
Art. 12. A men;-ilidale para as internas e 49*,
para as meio peusionbtas iOi e para as externas
'it, pa^os aiiaaudos, por trimestres, qae ama vez.
comecad is.cou.-iddram se veocidos.
Art. 13. A' ins*.racejio das alamnas externas,
lemunerada segundo o artigo ao>c;Ji)nte, 6 a
dos arts. 3 e 6, 23 internas e meio peaswoisUs
teem direiio adoj. am. 3, 4, K, 6, 7 e 8, pode-ido
lodavia, qualqoer alumna externa frequwntar as
aulas saperioreg, mediante a indomnisacao qae ee
*otn>eacioiur.
Art. li. As dt^pezas com livros, papal, etc.,
itao da crijpeton :ia dos pais oa Gorrespondetp^,
4a* aluuuMS, o bom assiia anateria pnma do
4t#rdados ; e soles ovecnlados, sac propnodade
ti&awatpas.
Art lo. As atdaa ao Qblucio da Santisuwa
fwNDApK, trabal am duas \ales ao dia, do ma-
nha dos 9 as It boras, e do tarde das 2 Iffc&s
5 Mk ,
Art. 16. 0 ear.otsat 4u.-iatarpas 6 ao gosto de
seas pais, assim como a roopa lavada e cngaui
ida e p. rtenpes, por olles serio f irnecidos. J. Anadia.
Descarregam bojo 17 de outubro de 1871.
Brigae aastriacoGiro/amo-farinha ja despacha-
da para 0 ca>^ do .-ipollo.
Lugar inglezHebe -farinha ja depachada para
0 caes do Apollo.
Patacho amerieanoWafer Witch fariuha ja des-
pachada para 0 5 ponto.
Barca ingleza Meteor bacalhao ja despachado
para 0 trapiche Goncei^ao.
Barca ingleza -Helen Isabel- bacalhao ja despa-
chado para 0 trapiche Goncei^ao.
Patacho inglez Ntreus kerosene para depo-
sito no trapiche Vieira.
OESPACHOS DE EXPOKTA^AO NO DIA lo Dl
OUTUBRO DE 1874.
Para os portos do exterior.
No navio hespanhol Nicacta, para Banello-
na, carregou: A. l/>yo 131 saccas com 9,524
kilos de algodao; Martinho Fernandes 18 ditas
com 1,056 1(2 11 os de dito.
No brigne portugu^z Triumpho, para Lisboa,
carregou : E. R Rabello & C. 7s> couros salgados
com 948 kilos.
Para Lisboa, na birca portogueza Pereira
Borgex, carregou : M. T. da Costa 25 pranchoes
Jo amarello.
Para os portos do interior.
Para 0 Ria de Janeiro, no vapor nacional
Bakia, carregou : Amorira Irmaos 4 G. 200 sac-
Cos com 15,000 kilos de assucar branco ; J. B.
doreira Junior 3,000 cocos (fructa); A. Loyo 300
sacQos com 22,500 kilos de assucar branco.
Para a Villa da Pe>jha, na barcaca Flor do
Rio, carregou : Fraga, Roeha A C. 1 barrica com
90 kilos de asoucar refinado ; C. A. Barbosa 2
ditas com 136 ditos de dito.
SEGUROS
Marilimo e contra-fogo
GOMPANHIA
Phenix Pernambuoana.
RUA DO COMMERa ff. 9*.
Seguro conlra-fogo
rHE LIVERPOOL d LONDON d GLOI
INSURANCE COMPANY
Agentes
SAUNDERS BROTHERS A C.
11Corpo Sjanlotl
MARITIMOS
UAPATAZ1A DA AI.RANDBfiA
tenutmenio d<> dia
d^ca do dii 16
l a Jo.
8.001*1131
312;653
8;396i67i
VOLUMES SAHLDOS
Vo dia 1 a 15 .
So du 16. -
Timeira pona .
laada port* .
Porcaira porta .
Tiepicho Coccsijao
15.421
60
84
3t
1,998
17,597
SEHVIGO MARITIMO
oa. juii; descarregadas no trapicLe da
alfandeca.
So dia 1 a 1>.....
So du 16.......
20
1
1
22
RAES DE PERNAMBUCv r
isndimento do dia 1 a 15 24:908* 142'
dtm do dn 16..... 2:340*992
27:449*131
GONSULADO PROVINCIAL
tendimeulo dn dia I
dotn do dia 16
a 15.
30:913*096
997*273
37:910*369
RJSCIPE DRAINAGE
Rendimento do dia 1 a 13. .
Idem do dia 16......
2:279*015
1:074*095
3:353* 110
AGENC1AS PROVINCIAES
Liquidos espiritnosos.
fleadimeDto de 1 a 14 2:218*487
Idem do dia 15
rtendiawnto de 1
Idom do dia 15
176*541
Bacalhao, etc.
a 14 2:026*432
448*800
Generos
fleadimen'.o de 1 a 14
Idem dc dia 15
de estiva.
2:598*416
16-.*812
Farinha de trisrn, etc.
Rendimento de 1 a 14 2:780*796
Idem do dia 15 983*920
Pamo, etc.
tlendiraento de 1 a 14 1:712*787
Idem do dia 15 *
-------------3:769*716
Art
i p rtenpes
jrens indisposicOes 0 moles-, A^uida.
ias o^as interoas, sao tfataHs no collegio j na?
RravAj, portm, a rMreetora faz avisar aos pais ohI
tccuTespandentei^pari provid^neiareoi sobre oira1
tssmoatoy^oeidNleiaar oets*s casas ouoocel-
lafio.
* a^oiKf-ir* que, no collegia,4ica#4i. rTJOaiHUL
flaatfit* svtracr.iedsrecreio, 'Molgatjo
-*rt. 1ft. T*ai as mtria3 lacaioaada4t>o Cot.. PortaliBTO.
lawwDA Sajttissima IHwdadb, s3) prfawltioes
Hendimento de 1
Idem do dia t5
Vinagre, etc.
a 14
427*573
1
13:574*591
Thesonro povincial de
lro de 4874.
Pernamueo, Wde'oatu
0 escrivao,
Joio Carnelro M. da Silva Santos.
Banco do Minho.
Jo-traim Jose flonealves Beltrao & Pilho sacam,
;por todos os vaporos sobrp :
Aveiro.
Beja.
Chaves.
Slvas.
Aananante.
Guiraarioi
noatHU.
Udlniin
Evora.
Fale.
Paro.
(Juarda.
Leiria.
Liskoa.
Bar^ollos.
Counbra.
Mirandella.
Peuali.-.l
v;ib
Monsao.
Ovar.
Porto.
Tavira.
Regoa.
VttNf
Figueira.
Lumego.
E-tarreja.
Vaienca.
'Arc^s de val d.e vez. r Daatos.
CONTRA 0 POGO.
A companhia Indemnisadora, estaboleeidj
lesta pra^a, toma seguros maritimos sobrt
iavios e ses carrugamtntos e coptra fogc
;m edificios, mercaaorias e mobilias: ni
ua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
COMPANHlT^ALLIANCA
seguros maritimos e terres-
tres estabelecida na Bahis
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0005000.
foma sKguro de raercadorias e dinheiro
uco mantimo ern navio de vela e vapore:
>ara dentro e f6ra do imperio, assim com'
ontra fogo sobre predios, generos o fa
ondas.
Agento : Joaquim Jose" Goncalves Beltrao
na do Commercio n. 5, 1 andar.
Augusto F. (Tdliveira k t
A casa commercial e bancaria de Augusto
j d'Oliveira & C, d rua do Co.nmercio ns
42, encarrega-se de exocuQao de ordens
para ernbarque de prodoctos e de todos o-
mais negocios de commissao, quercommer-
jiaes, quer bancarios.
I>t)c.iita lottrae, o toma dinhoiro a pre-
Tiio, compra cambiacs, e saca & vista e t
lazo, a VUJliailo ao iu.huJ..., aObic aa so-
guintes pracas estratigeiras e nacionaes :
sLondres. Sobre o union bank or
LONDON, 0 LONDON AND HANSEATIC BANK.
limited, e varias casas de 1.* classe.
Paris. Sobre os banqueiros foulu
& C, MARCUARD ANDRE & C. 0 A. BLUCQUE.,
VIGNAL & C.
Ilaiuburgo. Sobre os Srs. joao
SCHU BACK & FILHOS.
sLisboa. Sobre os Srs. fonsecas,
SANTOS & VIANNA, 6 SEBASTlAO JOSE DE
ABREU.
Port*. Sobre o banco uniao do p
0 Sr. JOAQUIM PINTO DA FONSECA.
.Para. Sobre o banco commercia-
do para, e os Srs. francisco gaudencio da
COSTA & FILHOS.
Maranhao. Sobre'o Sr. jose fer-
HEIRA DA SILVA JUNIOR.
Bahia. Sobre os Srs. marinhos & c.
Rio de Janeiro. Sobre o banco
industrial e mercantil, banco nacional e
banoue brash ienne francaise.
mi*
Navio entrado no dia 16.
Terra Nova 45 dias, Ifigar inglez Ledioell Jane,
de 188 toneladas, capitao Phelip Bowdeo, equi
Sagrm 8. carga 3,310 barricas de bacalhao; a
ohnston Pater & C.
Oberiacdo.
Nao houve sahidas.
r,ii|oia m. 13(1Anna Jose d Santos
Dita n. 103. -Antonio Estevao Uoreira da (]osl
Dila n. n. 1S6.- Aloxandrma Maria de Axevedo
DiU n. 184 B.-A/aujo Lima
Diu n ?2?-Aiexaalrino MarUns Correta de Barreo
DiU n. 223.-0 mesmo
DiU n. 223.0 mesmo
DiU n. 227.-0 mesmo
DiU n 2 ib. O mesmo
Gijuia a Jaboatao n. 333.O mesmo
DiU n. 333.0 mesmo
Dita n. 337. 0 mesmo
DiU n. 270 A.-Antnnia Ursirfe das Virgeiw
Dita n. 349 8 -A mesroa (reslo)
DiU 49.Antonio do Almeida lima
DiU n. 31.0 mesmo
Dita h. 303. Antonio Jos6 Ferreira ReSnadpr
Dita n. 303 B. -Pr. Augusto
DHa n. 341.Albino da Silva Leal
Dita n. 341 A.Aodie Praocisco de Lima
Pateo de Jaboatao n. 51. Antonio Joaquim Caval-
cante
Dito d. 44. Aiuaro Bernarlo L. PorleUa
Dito n. 46.0 raesmo
Dito n. 56 A.Anna. Rosa do Rego Falcao
Estrada Nova n 122.Antonio Francisco
Dita-u. 73.Antonio Alves Monteiro
Dita a 128 C Antonio Pinto do Leao
Dita n. 130. 0 mesmo
Ambolc n. 4.- Antonio Carneiro Leio
8. Francisco de Paula n. 13.Antonio Bernardo Qain-
teiro
m
Pateo de Jaboatao n. 11.Bellarmiao da Costa Pe-
reira
Dito n. 13 0 mesmo
Estrada Nova n. 37 B.Bernardino Cavajcante Sil-
vern Lins
S. Francisco de Paula n. 11.Viuva de Bernardo An-
tonio de Miranda
C
Giquia a Jaboatao n. 2i8. Cassimiro Bispo da
Silva
Dita n. 310 A.-Clara Maria da Oncei/Tr,
Dita n. 339 G.-Clara Aotonia da Conceicao .
Dita n. HI Cosma Maria oa Lua
Dila.n. 433. -Filhos de Carolina Soares Amorim Mo-
reira (reslo)
Dita n. 33.Cauuto Sergio de Farias
Estrada Novan. 39 B. -Glaudina Francisca de Deas
Goncalves
D
Giquia a Jaboatao n. 182 A. Domingos Suyberto Lins
de Albuquerque
Diu o. 184 CDomingos Antonio Monteiro
Dita n. 128 A. Domingos
Bom Gosto a 3.Estevao Jose da Hocha
Giquia
r
Antonio
fBITAES.
0 Illm. St. inspector do thesjuro provincial
manda fazer publico, que era cumprimento da er-
dem do Exra. Sr. presidenie da provincia, de 5 dn
corrento, vai a .ruga no dia 22, peranle a junta do
mesmo tnesouro, para ser arremalada a quem por
menos fixer a obra dos reparos do quarael do cor-
2:428*028 P ae Policia, orcada em 897*820, e debaixo das
condicSes abaixo dedaradas :
As pe-xias que se propnzerem a esta arremata-
cao, c mpare^m na sala das sessdes d. referida
2:473*232 Ju ta D0 dla afiiraa inaicado, pelo meio dia, com-
petentemente hbilitadas.
E para eonstar se nundou publicar pelo presen-
to joruah
2:761*238 Se^reiaria do tbesouro provincial de Pernam-
buco, 13 de outabro de 1S74.
0 socreurio,
Miguel AfTonso Ferreira.
Clausulas especiaes para a arrematacao do repa
ros lo qnarlel do corpo do policia.

Os reparos do qaartel do corpo de policia serin
1:712*787 execniados de conforimdado oa o orcameolo ap
pr j vado pelo Exra. Sr. presidente da provincia, na
importancia de 897*820.
I.*
427*573 0 rrematante dara coraeco as obras no prazo
de oito dtas, e as eoncluira no de dous mezes.
Xf
0 pagamento sera effectaado ern dnas presta-
Qoes iguaea, napropjrnao do sentfc* ejwaaialo.
4.'
Para ludo mais que nao vai especioeado nap
present t clausnla-*, objerar-so-ba o dioputo no
regularaento de ti de-fcvereiro do corrente anno.
Conforrae.M. A. Perretra,
0 engeunwro ajgdante,
________________Francisco A pol inario
- Pelotbesiu'O provincial se fa* pablico qae
foram transfHridS|jtM. dia. *t;dSorren(e mez
as seguintes arfotnatnotsjo ;
Obra da bo aha do. P4Usa..JW,Qstrada. do,Di>r-
ta, or^ada am wXffflr-
Otsn da ponte de Mj^;ss>raj>*ta l>Mcu/4,.n*.
estrada da Victoria, prc^dVem.l-4jKUL
Imposto sobre o capim de planla-nouaumido na
cidade do Recife, < fbmeciraoiHo. do alimentagao e
IdieUs aos prosos pobros da casa de oeiencjto.
. Seeretaria do thesoare provincial d Bernantlm-
cr>, H de set- mhro do 18ff4.-)(Jr. socvetarto,-' r
Mipiei AH90IO Wrreira. i
a Jaboatao n. 180 A. Pinniao
Ayres
Dita n. 301.-Francisco Anchito
Dna n. 332. Franciscio Avelino Moateiro
Dila n 113 -Felix Bernardo de Oliveira
D"U n. 249. Francisca Maria de Moraes
Did n. 2i9 A. Pranchco Thcmoteo Pereira Bastos
Estrada Xova n. 128 IJ. -Fernandes
Dita n. 59 A.Pelippe Nery
S. Francis:o de Paul* n. 31.Francisco Xavier Garceiro
da Cuaba Miranda
PaU'o de Jaboatao n. 71.Francisca
G
Giquia ;i Jaboatao n. 26'J.-Guilliermiaa Jpsephina Freirc
Dito.n. 271.-A mesina
Dito n. 289.Guilhi-nuino Augusto de Albuquerque
Ambole n. 2.Dr. Graciliano Paula BaptiitU
1
Oiquia a Jaboatao n. 101. Igo.cz Maria dos Prawres
Dito n. 42 li. Joa jaim Domingaes Torres
Dito n. 30 A.Joao Maiioel de Souza
Dito n. 80 Joaquim Tavares de Almeida
Dito n. 96.-Jose Vieira de Lima
Duo n. 98.-0 mismo
Dito n. 100.0 mt'sino
Dito n. 174..Jkfte Antonio Tinoco
Dito n. 176.-0 mesmo
Dito n. 178.Ji se TinOco de Souza
DUo n. 180. 0 mrsmo
Dito n. 181. -Joaiuim Manoel de Oliveira e Silva
Oilo n. 188 A. Joaquim da Silva Lopes
Dito n. 244. Jo>6 Severjno
Dito n. 246.-0 mesmo
Dito n. 272 A.-Joao Uominguos dos Pas-os
Dito n. 371.-0 mesmo
Dito n. 371 B.0 mauno
Duo u. 173. -Joanna Facunda Parente Carvallto
Dito n. 263 A. -Jose de Azevi-do Soares
Dito n. 283.Joao Carlos do Souza Santos
Dito n. 301 A.Jiaqunn M.
Duo n. 29Jeronymo de Souza Leao
Dito n. 33. -Jose Heurique da Trindade
Estrada Nova n. 124. Jesuino Augusto dos Santos Fra-
ROSO
Dila n. 126. -0 mesmo
S. Francisco de Paula n. 24=Jose Pacheco da Ponceca
Dito n. 26.0 mesmo
Ambnli? u. 10Joao da Costa Macedo
Barbalbo n. 2 A.Joto Gavalcaute de Albuquerque
Potinga n. I li. Jo-6 Cesario de Mello
Eiirada Nova n. 132. Juse Fernandes
sL
Giijuia a Jaboatao n. 272 B.-Luiz Caval:anle de Albu-
querque
Dito n. 276 A. Luiz Marques da Cunha
Dito n. 276 B. 0 mesmo
Dito n. 276 C 0 mesmo
Dro n. 276 D.-O mesmo
Dilo n. 276 E. 0 raesmo
Dun n. 3 io Ludgero de Aquino Cesar
Pateo de Jaboatao n. 28.-Luiz de Franca Sacramento
Dito n. 30.-0 mesmo
Duo n. 32. T 0 mesmo
Dito n. 77.-Lourenco de Figneiredo
SB
Giquia a Jaboatao n. 4.-Maria do Nasciraento de Jesus.
Dito n. 186.-Marcelino Antonio Pereira
Dito n. 188." mesmo
Dito n. 205 D.Maria Claudina Ribeiro de Lima
Dito n. 303 A.-Man'iel Boav^ntura
Dilo n. 341 F. -Maria Rita de Moraes Pimentel
Dito n. 403.-Maria Geralda
Dito a. 42l.-Manoel Jose de Oliveira
Giquia a Jaboatao n. 423.Mtnoel Renovato da Ponceca
Dito n. 427. Marcelino Dingo Lamego
Pateo de Jaboatao n. 58.Manoel Pires Ferreira
Ambule n. I B.Manoel de Oliveira Barcellar
Darbalho n. 4.Manoel Antonio Vieira
Potinga n. 1 A.0 mesmo
Giquia a Jaboatao n. 23.Filhos de Nery Ferreira
Silva Lpes.
Dito n. 25. -0 mesmo
Dito n. 68.Ponciana da Silva Tavares
Dito l. 272.Padre I'elro Ferraz Gomes de Albu-
quotqae
Dito n. 143.Viuva de Pedro Benicio Cavalcante
R
Dito n. 138. Rosallna Maria da ConceicSo
Dito n. 7. -Rita Feliciana da Menezes
Dito n. 1 t.~A mestna
Dito n. 29. -A mesma
Dito n. 305.-Ruflno Francisco Baptista
Gasaaga n. 9.-R.>bario QnlntilianJ Grangeiro.
Jaboatao n. 308.Sebastiao

EslMte-Mova. n. 7Ji.-TfcoroiAFrancisca dos Paasos
Barbalho n. 13. -Taorea Carneiro Lins
w
Orruiia JsboatSo n. jl-B,-Vlrtposa *ria *t Con-
Dito n. 341 TL-,Vieenle gerroirado Paula
Bom 6rto n. 4.^Padre Vieeaie Pereira S'rfva Gui-
*
2,700
2,700
4,3*0
2,700
3,2iO
2,700
216*)
2,160
2,160
2.160
2,160
6,760
1,080
4,320
1,610
2,160
4,320
3,240
8480
S.-Francisco
Ciqaia tm.
i *
2,700
3,240
5,400
13,500
1,620
3,2i0
3,4'JO
18,000
2,700
3,240
4,320
2,700
1,620
3,400
2,160
1,620
2,700
2,160
2,700
18,000
4,320
2.700
3,240
2,160
13,500
2,160
2,700
2,160
4.320
2,700
3,240
3,100
3,240
1,620
1,620
2,160
2,160
1,620
18,0)0
9,000
9,000
9.00J
4,320
27,000
6,480
2,160
2,700
2,7;0
2,700
2.7U0
5,400
2,700
3,240
1,620
1,620
1,620
3,240
10,800
3J40
4,320
2160
2,160
5,400
4,320
2,160
1,20
3,240
5,400
1,620
2^00
ts,*ee

is
2,700
2,700
4,320
2,700
3,240
2,700
2,160
2,160
2,160
2,160
2,160
6,730
2,160
3,780
2,700
2,700
4,320
1,628
5,400
2,160
4,320
2,700
6.480
3,240
6,750
6,480
3,780
5,400
40,300
10,003
44,143
10,800 10,800 1,244 23,344'

486
486
388
486
553
486
388
388
388
388
388
1,315
194
437
243
243
777
191
487
388
777
243
683
383
B87
1,186
340
483
3,645
2,700
3,240
5,400
13,300
J,6tO
3,240
5,400
2,160
3,600
2,700
2,700
1,620
5,400
2,160
1.620
1,620
2,700
2,160
2,700
3,240
18,000
4,320
2,700
3,240
2,100
13,500
2,160
1,620
2,700
2,160
4,320
2,700
3,450
1,620
2,160
2,160
2,160
5.400
3,240
1,620
1,620
6,750
5.4CO
2,160
4.32W
2 160
2,160
1,620
18,000
9,000
6,730
3,240
9,000
9,000
13,5 0
4.320
27,000
6,480
2,160
1,620
1,620
1,620
1,620
1,620
2,7'I0
2,700
2,700
2,700
5,400
2.700
3,240
6.i80
2,700
3,240
2,700
1,620
1,620
1,620
3,240
10,800
3240
25,3 0
4,320
2,180
2,160
5,400
2,700
5,409
4,340
8,480
2,168
2,180
Ue
5,400
1,8*0
m
1,6*
2,700
3,400
383
583
972
2,430
291
383
972
194
1,944
486
243
291
486
388
291
145
186
388
486
291
3,240
777
486
583
388
2,430
388
145
486
388
777
486
583
145
194
194
194
972
588
291
291
007
486
194
388
388
388
291
3,240
1,620
007
291
1,620
1,620
1,215
777
4,860
1,166
388
145
143
145
145
145
486
486
486
486
972
243
291
583
488
383
243
291
291
2il
583
UM
683
2,023
777
388
388
436
243
972
777
383
194
194
388
186
9ftl
383
97*
486
de Paula n. 3.Vicente Ferreira da
Mtracda
"a a 182 ft-.Vte**ino
> (Hwieiittosodo tsteeonro provincial de Peroambueo, 9 de outubrAde 1871
I
5,886
3,886
9,417
5,886
43,418
7,651
3,886
,417
3,531
5,886
4,708
9,417
10.006
7,063
7,337
tltal a. OO.
r..PfiaKlf Sp*Ctoci* !* *]?****' PefMoHwen *
faz pnbnco que, achaodb-e as rowcadorias coast-
das nos- volumes abaixo manciooadoi ao easo d
wrem arrematadas para consamrao, mi iWW(tf a
5ap;.S,,,t- d0/eu,a*n' = H>*raetouibT>
de 1860, os seas dons ou consignauriot dveri>
despacha-las no prazo de 30 ttias, sb msu dV
flndo elle, serem teddidas por sna coma, som qae
tbes flquo competindp jJlef ar cunira c asVMos
desta venda:
Armazem n. 1.
. Marca S S ft C, contra marca L P i c, n.
42 e 62. Duas caixss vinaas do Havre ao Msar
francez Jtio Grand*, descarregadas em 20 de unr-
co do corrente anno e consigtw Jas a Souza Si ft (
Idem S B 4 C, n. 5,159. Uma dita idem idem
a Souza Bastos ft C
Idem triangulo A G no coatro, n. 135. Ura*
dita idem no vapor fraocez TiUedt Mo de Juneirv
idem em 27 idem a Alfredo Gibson.
Idem B C, n. 86. Uma dita idem idem a J B
Carneiro Monteiro.
Idem D I, contra marca S, n. 13, 1'ma dita
idem idem a Duarte Irmaos.
Idem S B 4 F, contra marca F H, ns. 46 e 47
Unas ditas idem idem a Silva Barroca 4 Fiibos.
Armazem n. 2.
Marca V, sem nnmero. Noventa e cin-o lo*i-
reiros vindos de Uverpool i0 navio francet Miir,
de Soum>ibk, descarregados em II e 12 idem a Pa-
rente Vianiia 4 C
Idam S C A, a. 417. Uma caixa vinda de Haa-
burgo do patacfto holUndez Acadie, idem em 14
idem a Jwuza Castro 4 Almeida.
Idem M M, ns. 2. 4 a 6 e 9 a ft. Seta ditas*
idem idem a Moreira Monteiro 4 C.
Idom V, sem numero. Seoseata e oito fefarei-
3.531
7,063
11.772
2,351
23.344
5,886
2,943
idem idem a
u. 9K
3,240 583 7,063
4.320 777 9,117
2,700 486 3,8 >6
3,886
4,708
3,531
1,763
4,708
4,708
5,886
3,531
39,210
9,417
12,949
4.708
29,130
4,708
1,765
3,886
1,703
22,366
4,019
4,708
11,772
7,063
3,331
15,397
4.708
4,708
4.708
3,331
39,240
19,620
10,888
39,240
14,715
9.417
38,860
14,126
4,708
8,82 N
5,886
17,658
11,772
2,943
8.594
5,886
706 t
2 943
3,531
3,531
3,311
7,06-1
23,344
7,063
33.D42
9,416
3,886
2,943
11,772
9,417
11,771
4.708
5,886
3,331
7,063
U.772
o,3 U
5.386
97* 11,772
13,500
3.210
atnbu<
13.300,
ItfWl
2,430
683
O.l.'.oooial>
Hofnoo Wa)fnid9-Piiretrlm4*-8ikii.
ros viadis do Liv*rp*.'l no ua< Siuinaiik, ideur em 16 idem a Parente Vi
ni 4 C.
Idem S L C, ns. 17|(8. Daas eaixas viadas
Haraburgo uo paticdo hull indez Acadie. idem i
a Sa Leitao 4 d .
Idem M M, ns. I, 3, 7,8 e 12 a 24. Dezeaoto
aitas idem idem a Moreira Monteiro 4 C
Idem S C B, n. souza Castro A Almn h.
_ Idem X com v am ;ni.a e J em baixo,
Uma dita idem idem iJem.
Idem V, sim numero. Cento e trinta e tres fo-
gareiros vmdos de Liverpool no brigue fraaeea Mi
nes de Soumnhk, desearregados em 1*I e 2n V>
12 949 D,*Q e de abril Jo corrente anno e consiinado*
a Parente Vianua ft C
Armazem n. 3.
Marca C 4 M, ns. 194, 198|2O0, 202, 206 e 20*
29 130 be,e Mff'cas vmdas de Hamburgo no navio dtna-
raaruuez Faveur, descarregadas em 14 e 16 de
mirco do corrente anuo e coasignadas a Oiuiu A
Mana. m
saaSsPsft.*1 23- ,9il l9S> '"200- Wi. SWS.
209 210, 214 el3. Dez eaixas idem idem em
16 idem.
Idem T S, n. 131. Uma diu idem idem a M, J.
Tinocj de Souza.
'<,era 'riaaul,). C S nos lados e A no e>ntro
ns. 84 e 83. Doze diUs idem idem m 16 e 17
idem a Costa 4 Soares.
Idem F R, n. 13. Uma dita idem idem em 17
ilera a Fraacisco Ramos.
Mem C 4 M, ns. 192, 193, 197. 201, 203, 201
209, 207, 196, 195, 204, 191 e 190. Treze bm'
cas idem idem em 18 e 23 idem a Cuuba ft Mania.
Idem SB4F, contra marca M, ns. 496 e lf'7
Dous fardis vmd >s de Liverpool no vapor inglez
3,331 Oberon, ilem em 29 Ma* a Silva Barroca 4
Filuos.
Idem diamante. S no centro, n. 4.212. Um di o
idem idem um 28 idem a Wilson Ituwa 4 C.
Anu.izem n. 4
Marca J M P, sem numero. Uma caixa vwJa
do Htvre no navio fraucez Jltacrtv, dfscarraj{a4a
em 2 de marco do corrente auno e consiguada a
J. M. Piliajim
Idem M J M N, contra maaea L D, n. 1,10:!.
Uma bar ica idem idem i J. M. M.iriim das Neves.
Idem J VI P, ^era numero. Uma diu idem idem
a J. M l'al.n.-iia.
Idem C 4 i C. n. 35. Una caixa idem no a
por baaea Henry /I", i lem a Costa Irmaos 4 C.
Idem M G ft 0, ns. 100| iOi. Duts diUs vinJ.
do Rio de Janeiro no navio portuguez Helampaao,
i If -ri em 3 i lem a Peraandes ft inn .o.
Mem J M P. sem numero. Cmco dius vinda* do
Havre uo u.vlo fraucez Miiierte, descirregadss
em 3 c 4 iJem a J. M. Palmeira.
Ueoi M J M N, contra marca L D, n. I.1U4.
uu> a*so.T~' ""-" c,u ** mar-
Mem J M P, sem numero. Cinco barricas idem
idem em 7 idem a J. M. Palmeiro.
IJem triangulo, com um corte em cima e R S
no ceutro, ns. 189 e 18j|188. Cinco aaiSM vinias
de liainourgo no navio .11.-mio Jr-.iV/ii. deseanv-
g Idem H S, u. I. Uma caixa vinda d Kordcaux
no navio francez Itio Grande, idem em 24 idem a
II. de Souza Pereira.
Idem V, urn numrro. Viato e cinco ditas vin-
da- do Havre no vapor francez Vdk ia Rio dc .'<
neiro. idem em 27 idem a J. J. Gonralves Bcltrio
4 F'lho%
Idem S S 4 C, n-. 43|62. Vinte barricas idom
idem a Souza Sa 4 C
Armazem a. 5.
Marca C 4 T, contra marca 11, n. Ht. Duas
barricas vmdas de Liverpool na e.cnn i ingleza
Florence, descarregadas cm 9 iJeoi a Cardoso ft
Irmaos.
Mem S B 4 F, contra marca M, n i'H. u s
caixa idem co vapor iaglez OrVrm, de-c^rregadi
cm 24 i J \o a Silva llarroca 4 Filhos.
Idom C ft M ns. 232. 233 e 234. Tros ditas
i'L in idem a Cunha 4 Maota.
Idem S C ft A, m. 68|77. Det ditas idem idom
em 3 idem a Soasa Ca Armazem u. 6.
Marca W ft S, n. 117. Uma caixa \inJa de
Bordeaux in vapor fran:-z Mrndoza, descaftega
da em 9 de mar; > do corrente ami i e consignuda
a W-lfredo 4 Sou'3.
idem \ G. as. 139 e 141. Daas ditas idens
idem a A. Gibson.
(dera a B ft F, contra marca E H, o. 49. Uma
dita idem idem a Silva Barroca 4 Filtns.
Mem W W 4 R. 16< U o i dita via m d?
Montevideo ao vapor francez Neca, descarregada
em 31 idem a Lidslone Robelliard.
Armatem n. 7.
Marca R 4 I, n*. Ma, 82(95, 96 e 99|I00.
Trmta gigis rsadM de Li-'erpt-ol u aavio inglez
Caprlla, de-carreitadas em 7 le marco do correa-
t3 anno e con*ignadas a R a 4 Doia is.
Mm M J H N, eaatra marca L D, ns. IJsW
l,0HO|l,OO3 e 1,009(1010. Oilo isMa ilem idem
em 10 idem a J M. Martins das N-ves.
I lem G B 4 F, contra marca J. sen numero
Cincoenta barricas vinda* d-Liverpool mnivi
tcAu:--i Mines'le S'iwnibk, desr.irrH.-adas em 42
idem a J. J. Goncalves beltrao 4 Pilhos
Mem T u. 1|2 T.-inU e oito aaMel vinli- sV
Hamburgo no nivit hollandMZ Acidie, MM em I"
idem a Moreira Monteiro 4 C.
-Ilem il M sem numero. Treze ditas idem Maa
iilem.
Mem M M n. 1. CincoenU ditas idem iVm
id m. j9
Mem AFC sem numero. Vinte ditas idem Di
navio dinamafquei Fateur, idem em 18 m-in a A.
Ferreira de Carvalho. :.J
Idem F C 4 C. n. 17. Cem dius idem idem a
Fernandes da Costa 4 C.
. Mem M C ft C, n. 1|2. Quarenu diUs idem
idem a Men louca Correia 4 C.
IJem J R M >em na noo. (j.iiaze an ur.us
vinias no vapor iuglez Oberon, idem em 26, idem
a .Manoel Gomes Pereira.
Ilem B B sem numero. Ciuoeota barricas
idom idem ao Barao de BouiQca. | -4
IJem D IIJ em numero. Um barril vasio idom
idem a Oiiveira Filltos & C. -J
Idem FRF sem numero. Oito pipas viadas da
l.i5. ua no navio portuguez Lisbon, idom em 31
idem a Tbomaz do Aquino P nceca A C
Mom idem idem a M. Areas.
Armazem de araostras.
Marca R M n. Um* c uxa vinda de Hambur
go no navio allomao XsO'Wa*. daaoamsja-la am 9
de raaroo do e-Mrente os e coaaigaada. a J. J.
B",dTeM tiX^X^m Uma dsu
idem no navio .bamio Arcade, idam em 12, idem
a m oreira M mteiro 4 C.
Idom An.54saia
tesidem idem.
Ltrelro Mnrwira H'did ay i *!. v* nam^r i.
U n dito idem idtn a Mo-eira Hakiday 4 C
I iem Soiisa, Ciatro 4 Almeida sem numero
U I. n, i-tR-n a ^ ma, Castro ft ttm--id
Marca T H n. r3 Um dito idam n > mvin dip
marquaz Fuenr. < 1 -ia-id"m a Manoel *$ Tiaoc-
de Sni;,!.
.. .
29.430
7,061
vasias
547 a 518. Boos paco-
V



4:
Jiano de FeroambuuD r*. Sabbado 17 de Outubro de 1874.
de Rio ie Jatuiro, idem en 27 ideal a Goncalves
Irmaos & C
Marci 0 I contra aurca S n. 13. Um dito idem
a Duarte Irmiios.
Marca trian zule R M no centro a. 30 i|J- Uma
barrica vinda de Liverpool tio navio inglez D
Luiza, idem em 31 idem em 31 idem a Johnston
Pater & C
Letreiro Ttaomai de Aquino Fonceca, successo
res, sem namero. Uma caixa idem no vapor In-
glez 06mm, idem em 31 idem a Thomai de Aqui-
no Fonceca & C
Trapiche Conceieao.
Marca MJ IS n. t|30. CincoenU gigas via-
das de Liverpool na barca ingleza DoJpfcin, des-
;arregadas eoj li de marco do corrente anno e
consigaadas a Jose Tineco de Sonza.
Idem C Quatro eaixai viadas do Forto no pa-
tacho portugiez Lidcdor, idem em 30 idem a
SivaGuimari.es A G.
Idem diasK-ote L ne centro. Sessenta e qua-
tro caaaswai idem Mem a Mendonca Correia
Idem H com um cone era cima sem nnmero.
Cento e trinta ditas idem idem idem a E. R. Ra-
bellodtC-
Idem R cosi um cone em cima sera numero.
Cento e tres ditas idem idem.
Alfandega de Pernambuco, 13 de outubro de
f87.
0 inspector.
Fabio A. de C. Reis
gueta n. IS, tndo avaliado em 67|SIO, e vao i
praca a requerimento de Matbias Gomes Fere an-
des contra Antonio Pereira Diaa._____________
Inspeecao de saiide do porto de Pernambuco,
S de outubro de 1874.
Per ordem do Dim. Sr. eonmendador Dr. Pe-
dro de Atbayde Lobo Hoseoto, faco sciente que
os navios que tiverem de earregar eoaros veraes
oa oatra qaalquer substancia qne exhale mao
cheiro, oa descarregarem carvio de pedra, nao o
poderao fazer senao no ancoradoaro, perto do
pharol, e qne nenhuma reclamacao sera attendi
da para deixar de sar cumprida esta ordem a
pretexto de ser pequeaa a carga oa descarga.
0 qne se faz publico aos senhores ionos on
consignatarios de navies, para a devida execucao.
0 secretario,
Felix de Cantalice da Silva Lobo
O Dr. Joaquim Gooc,alves Lima, ju dos
leitos da fazenda desta provincia, por
S. M. Inperial, a que Deus guarde,
etc.
Fac,o saber aos quo o presente edital vi
?em que, em caoaprimentq da ordem do
thesouro do 30 de dezembro de 1865, e
das instruqjoes que com a mesraa baixa-
ram, undo o prazo de tres mtzes a contar
da data da publicac,ao deste, serd vendido e
arrematado em ha-ta publica ceiebrada na
comarca de Rambe, a quern maior rpreco
offerecer, a vista ou a prazo ate" 11 annos
quandu muito com juros de 6% ao anno
pelo tempo da demora a comprebensao de-
onminada, Buraco doextincto viuculo
de Itambe, sita naquella comarca a qual se
acba avaliada em cinco contos de reis e
contem segundo a medicao a quese proce-
deu e const) dos autos a extensao segumte :
do lado do leste 1,110 bracas, do lado do
Borte 409 bracas, do lado do noroeste 682
bracks do lado do poente 411 bracas e do
lado do sul 681 bracks, seudo todo o ter-
reno proprio para a culture de mandioca e
outros legumes e ficando certos os interes-
sados de que, tanto por tanto serd referido
o lanco do po&seiro respec'.ivo, na confor-
midade da ordem do thesuuro, n. 15 de 28
de Janeiro de 1874. ,
Recife, 15 de setembro de 1874.Eu,
Jose" Francisco do Rego Barros, escrivao, o
subscrevi. ^^^____________________
O major Antonio Bernardo Quinteiro, juiz de paz
da freguezia de Santo Antonio, da cidade do Re-
cife de Pernambuco, em virtude da lei, etc.
Faco saber aos que -virem o presente edital, de
10 dias de pregao e 3 pragas, que por este juizo
tem de ser arrematado a quern mais der, no dia 28
do corrente roez de outunro, ao meio dia em ponto,
na loja do prtdiu n. 4 da rua ta fre
guezia, os seguinle* bens, peuhuradoa Joao Alves
de Oliveir*, eiu execucao que Ihe move .D. Maria
da Conceieao Carvalbo e Suuza.
Armacao, balcao e fiteiro>, 30*000, 2 bsneas
para picar fumo a 5*ioO. lUiOOO, 2 ditas para fa-
zer charutos a 2*000, 4#0110, I mocbo empalhado
1/.000,2 ditos de nil a 40u r-., 8 0 r.., 1 cadeira
do amarello e.inpaliiada 2t;00, 1 fiteiro de mesa
para porta 3i000, 1 relugio de parede 10*000, t
deposito para fumo picado 24000, 9 taboleiros para
fazer cigarros a 500 rs., 4*500, 6 iripos de madei-
ra com a-.-, ii u de lona a 500 rs 3*000, < balanca
decimal cum pe.-os 30*000, 1 dita roraana cu .,
pesos 5*000, 21 cabiues de madeira para atnosiras
de ponteiras a 8o rs 1*920, 29 cacnunbos com
tampaa 4 0 r*., il*60(, 24 meias caixas de cha-
rtHna .i*yii0 24*0(K, 600 charuU/S (o cento) a 8U0
rs.) 9*0U(), z5o ditus de dilus de linhu a 30 r's?,
7*500, -2'U ditos de ditos deseda a 60 rs., 13*920,
8 cartas de traqne a 80 rs., 640 rs., 3 resmas de
papel de liuiiu para cigarrus a 2 000, C OoO, 2
meias dit.is pa a embruthoa 1 000, "> > 00, 6 libras
de Diarios para emiiruitio 10i' rs., 600 rs, Ipoi'/lo
de caixas de charulos va'.ias ("oo rs, 1 dita de aitas
vazias de in [id de seua bOO rs., 1 caixa de papel de
seda 14009, 3 boidezinbos de b^nha a 100 rs., 300
rs., 1 laia tir. famo (RioNovo) 6 000, 1 porjao de
rotulos para cigarroa 15 000, 6 ponteiras de borra
cha p3ra cigarroa a 500 rs., 3 oOO, I resma de pa-
pel de lus".re l.'OOO, 18 latas de Flandres vazias a
iO rs., 7*0 rs, 62 arrobis de fumo a 1 i0, 93.000
44 libras do fumo em bom estado 14.000, 1 lata
com peixe 1 OoO, 3 arrafoes lendo eui 1 vinagre
IHIUO, 1 arroba de fumo picado 3 000, 1 resma de
papel de a?.ul para jembrulho 1 000, dinbeiro em
cobre encun'.rado na gaveta I 620. -Sorutua......
333 300, osquaes ludo pudem ser vistosem poder
do depositary Manoei Goncalves Ferreira e Silva,
em mao de quem se acha a chave da mesma
casa. ,
E para que chegue a noticia a todos, mando ao
porieiru do ]ui;:o afllxar o preseute no lugar do
costume, paaasaodo a respectiva certidao.
Dado e passido nesta freguezia de Santo Anto-
nio, ao> 16 de outubro do 1874.
Eu, Cunulano de Abreu, .scrivao deste juizo
subscrevo e assigoo.
Recife, 16 dc outubro de 1874.
Antonio Bernardo Quinteiro.
FACLIDADE I)|TU1RE1T0.~~
De ordem du Exm Sr. con^elheiro, director fago
pnblico, que do dia 20 do current ate 10 de no-
yembro pr ximo, esta aberia ue^ta secrelaria a
inscripcae para os exaraes de linguas, de confor
midade com o aviso imperial de 27 de setembro
de 1872.
0 que se pretend r inscrever, devera faze-lo por
meio de requerimento -o mesmo Exm. Sr. conse-
lheiro director, declarando nao so a materia era
que se tem de inscrever, como tambem aquella ou
aquellas em qu'j ja tiver sido approvado, a fitiacao
e naturaliaaae, e exhibira attesUdo do director do
collegio ou pmfijssor que o houver ensinado, cer
tiflcando a sua babditacao e se a letra do reque-
rimento e assignatura sao do proprio punho do
examinando.
Da ordem dc Exm. Sr. conselheireiro director,
visconde de Camaragibe, se faz publico, que do
dia 15 ate 24 do corrente, esta aberta a segunda
matricula de encerramento, de conformidade com
o ariigo 65 dos eslatutos, podendo desde ja ser
effectuado o pag^mento da taxa, no lugar compe-
tente.
Secretaria da faculdade- de direito do Re-
cife, 12 de outubro de 1874.
0 secretario,
Jos6 Honorto B. de Menezes.
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacerda, juiz
de direito especial do commercio desta cidade
do Recife de Pernambuco, por S. M. I. que Deus
guarde, etc.
Faco saber ao? qne o presente edital virem e
d'elle noticia tiverem, que no do corrente anno, se na de arrematar por venda, a
quem raais offerecer, em prac* publica deste juizo,
depois da respectiva audiencia. o segidnte : 500
meioi de sola de 3.' sorte, avaliado a 24000 cada
meio, os qoaes foram penborados por execucao do
English Bank of Rio de Janeiro Limited, contra
Adolpho Marques dos Santos. E nao havendo lan-
cador qne cubra o preco da avaliacao, arrema-
tacao -era feita pelo preco da adjudicacao, na for-
ma da lei.
E para qne chegue ao conhecimento de todos,
mandei fazer o presente, que sera afflxado nos lu-
gares do costumo e pnblieado peloa jornaes.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, t3 de outubro de 1874.
En, Maneel Maria Rodrignes do Nascimento, es-
Crivao, o snbscriivi.
SebaaUiio do Rego Barros de Lacerda.
Monte-Pio dos Honorarios
do Exercito.
Por ordem do Sr. presidente, para domingo 18
do corrente sao convidados os Srs. socios a com-
parecerum no 1 andar do sobradoo. 144 da rua
do Coronel Saassuna, pelas -10 horas da manha,
para se tratar das medidas tendentes a sessao
magna da lactallacio.
Pela importancia e argencia do assurapto pede-
e o comparecimento de todos os' Srs. socios.
Recife, 13 de outubro de 1874.
O secretario,
Silva.
Tliomaz de Aquino Fonceca & C.
Successores
sa;cam oor todos os vapores, sobre as seguintea
pracas :
Lisboa. Regoa.
Porto. Chaves.
Braga ViMa-Flor.
Vianna. Mirandella.
Visen. Alijo.
Gnarda. Favaios.
Goimbra. Braganca.
Guimaiies Lamego.
Rio de Janeiro.
Na rua do Vigario n. 19.
Carvalho & Xogueira
saccam qualquer quantia, a visu ou a prazo, por
todos os paquetes, sobre Lisboa, Porto e todas as
mais cidades e villas de Portugal ; assim como,
para Galiza e ilhas dos A gores.
Irmandade.
do Senbor Bom Jesus dos Passos, na ma-
triz do Corpo Santo.
N'ao podendo esta irmandade festejar, na for-
ma do costume, o seu excelso padroeiro, faz
sciente aos sens devotos, que no domingo 18 do
corrente, estara exposta a referida iroagem, des-
de as 6 horas da manha ate o meio dia, e das 4
as 9 horas da noite, terrainando com uma ladai-
nha, que comecara as 8 horas, por musica can
tada em venerajao ao mesmo Senhor. "
Jose Joao de Amorira,
Escrivao.
Monte Pio Portuguez
Nao se tendo reunido numero,legal de senhores
socios para constituir assemblea geral, no do.nin-
go 11 do corrente, sao de novo convidados para
domingo 18 do corrente, as 10 horas da dia, para
o mefmo fim, que tera lugar com qualquer nu-
mero.
Secretaria do Monte Pio Portuguez, 12 de outu-
bro de 1874.
0 secretario.
Joaquim Xavier vieira Ligo.
251*000
99*000
96*000
386*000
400*000
5A1NTA CASA DA MISLRICORDIA DO
RECIFE.
A lllma. junta admimstrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
aa'sala de suas sessoes, o dia 15 de outubro, pe-
'as 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas <.
juem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tres annos, as rerdas dos predios em seguids
declarados.
. ESTABELEGIMENTO DE CARIDADE.
Rua do S. GonQalo.
Casa terrea n. 24 (fechada). 260*000
Rua das Calc.adas
" .u.-v.v.......w 221*000
Casa terrea n. 114......362*001
Idem n. 94..........301*006
Rna larga do Rosario.
I andar e loja n 24 A.....310*000
Is andar n. 24 A.......408*000
').- andar n. 24 A. ...
Rua de Antonio Henriques.
Casa terrea n. 26......
Largo da Campina.
Idem n 11 (fechada)......
Rua do Coronel Suassuna
1* andar do s brado numero 94 .
PATRIMONIO DOSORPHAOS.
Rua da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).. .
Becco das Boias.
Casa terrea n. 18.......421*00(
Rua da Lapa.
Casaterrean.il.......202*000
Rua do Amorira.
-ohr.do de 2 andares n. 23 602-j00
Casa terrea n. 34 .- *2*0ol'
Ruar do Bugos.
Casa terrea n. 21.......153*000
Rua do Vigario.
V andar do sebrado n. 27 243*000
1* andar do mesmo......24o*00o
Loja do mesmo.......300*000
Rua do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 13 (fechada).
Rna da Senzaila velha
Idem n. 16 ......
Rna da Gnia.
Casa terrea n. 25 .
idem n. 29......r
Rua da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. 12 (fechada).
Idem n. 14.........600*000
Rua de S. Jorge
Casa terrea n. 100 (fechada) ,
Idem n. 103 ...
Rua do Ampare )Olinda)
Casa tercea n. 18 (fechada).... 240*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as suas flancas, oa comparecerem
acorapanhados dos respectivos fiadores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia em
que for seguro o predio qua contiver estabeleci-
mento commercial, assim como o aervico da lim
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da Santa Casa da jMiserieordia do Ra
eife, 17 de sstembro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodriguet ie Sauza.
para em men goal se ptoMdet a eleicao dot no-
v (unceionario*. para a nova mesa regoitra,
qaa ten da refer a nossa irraaodade, ao fotaro
annno de 1874 a 1875 ; outro sira, o secreUrio
da irmandade, faz sciente a todos os nosios oka-
rissimos Irmaos ao reapeiuvel publieo, qne a
irmandade de Nossa Senhora do Tereo, nio deve
nada a ninguem, e ?e algOam se julgar sea ere*
dor, techa a bondade de apresentar saa oonta ao
respectivo thesoureiro, no pateo do Tergo n 6.
para ser conferida e paga.
Antonio Jos6 Pereira da drain,
Secretario.
Devocao
de Nossa Senhora do Rosario da igreja da
Madre de Deus.
0 abaixo assignado, thesoureiro da devocio de
Nossa Senhora do Rosario, da igreja da Madre de
Dens, nada deve a pessoa algnma ; poi4ra, se
alguem se julgar credor, pole apresentar suas
contas no prazo de 3 dias, a contar desta data :
na rna do Marqaez de Otinda n. 3.
Recife, 15 de outubro de 1874.
__________________M. M. Campos JunifT
Monte pio portuguez
De ordem da directoria sao convidados os Srs.
socios que se acham em atraso a satisfazerem as
suas mensaKdades, como determina o g 2 do artigo
11 dos estatutos, para que possa orgaaisar -se_o
quadro dos socios elTectivos, e mesmo para nao
ser eoagida a dar execucao ao 3 do artigo 13,
que e o seguinte : perde os direitos de socio (-rt.
13 i') o que deixar de satisfaxer a* suas men-
salidades por mais de dous annos, sends Ihes pe-
didas, nao podendo depots ser admitvido sem pre-
viamente pagar o que estiver devendo, e nova joia
como se aunca tivesse pertencido a associaeio.
Secretaria do Monte Pia Portuguez, 15 de outu-
bro de 1874.
0 1* secretario,
____________________ J. H. Vieira Ligo.______
Os liscaos das freguezias da Se S. Pedro
Martyr da cidade de Olinda, abaixo assignados,
s'.ientiiii'am a todas as pessoas possnidoras de pre-
dios era ditas freguezias, que no prazo de 30 dias,
a contar de hoje, deverao mandar reparar us pas-
seios de suas propriedades, e que Qndo o refer j lo
prazo, se procedt-ra a corn la, de conformidade
com o regnlamento municipal em vigor. Cidade
de Olinda, 9 de outubro de 1P74.
Joaquim Cesario da Rosa.
___________Manuel Joaquim Goncalves Leal.
No da 19 do audaote mez, ao meio dia, de-
pois da audiencia do Dr. juiz de orphaos, vai a
praca de venda a casa terrea da t avessa do Po-
cinho, freguezia di Santo Antonio, n 18. em chao
foreiro, avaliada oor 2:000*, pertencente ao in-
ventario de Evari?to Salgado.__________________
Obras militares
Convidase as pessoas qne se quizerem encarre-
gar da execucao do forro e pintura da capella do
ho pital railitar, na iropurtancia de869*, a apre-
sentar suas propostas em carta fechada, a 19 do
corrente, ao meio dia, na reparticao das obras pu-
blicas, onde desde ja se acna o orgamento.
Pernambuco, 12 de outubro de lt<74.
Chryssolito F. de Castro Gbaves,
______________Engenhelro das obras militares
No dia 21 do corrente mez de outu'ro, finda
a audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz de direito da 2."
vara, vai a praca, na respectiva sala, por execa
;ao de Manoei Joaquim Baptista contra Carlos
Gybson, um sitio com ca*a (esta em mao e-tado),
na Torre, denominado Maria-maagac, avalia o por
2:500*000, segundo o escripto e edital que se
acham em raSo do porteiro.__________________
oanin Recife.
Devendo edebrar-se no dia 19 do corrente, pe-
las 10 horas da manha, na capella do hospital Pe-
dro II, a festa de S. Pedro de Alcantara, padroeiro j
daquelle estabelecimento, de ordem da lllma. jun
ta administrate convido a todos os Srs. irmaos
para assistirem aesseacto.'
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-1
cife, 16 Je outubro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrignes de Souza.
. Bominirt.
i
DIVISAO DAS PARTES.
Acto l. Aor 0 scien -ia.
-1* A fllha de Galileo e Heno GontarinO,
3* A tremenda inqnlsicao de Roma.
abjuro.-Epiiar mnovo.
t 4. A vinganca. Alexando Vittri a
Galileo Galileo
Precos de asalirnntura
Com o abalimento de 20 L.
Comarotes de frente 144* MeUde 72*
' Ditos de lado 120* Idem 60*
i Dito de frisa 96* Idem 48*
' Cadeira de 1.* classe 32* Idem 16*
Ditas de 2.' dita 24* Idem
N. B.-0 pagame&to da primeira metade se faz
no dia de sabbado 17 do corrente, e a segunda na
qointa represntacSo.
Dinning.) 18 do corrente
0 grande drama popular em 5 actos e 1
go:
pre lo
AVISO
Para facilit r as pessoas morad .ras na linha de
Apipucos a occasii> de apreeiarem os trabalhos
da i-ompanhia it'aliana, a empreza offerace trem
gratis ao domingo 18 do corrente. Os bilheles
para ter ingresso no trem, podem ser procurados
no bilhflteiro do theatro.
AVISOS MARITtMOS.
C Successores,
andar.
4 rna do Vigario n. 19, primeiro
ARACm
Vai sahir para o Aracaty ate o dia 21 do ecr-
rente o bem conhecido histe Flor do Jardim, para
o qne ja teui metade do carregamenlo ; e para o
resto trata-se com seu proprietario Joao Jose da
Cunha Lages, a rua do Vigario n. 33, ou a bordo
ao pe da guardamoria, armazem de Luiz Roc ha
Companhia.
Rio de Janeiro
0 novo patacho brasileiro Rival recebe carga a
frete para aqnelle porto : a tratar no escriptorio
dos consignatarios Balthar, Oliveira 4C, 4 rua do
Vigario n. 1, 1* andar.
0 brigue portuguez Triumpho, pretende seguir
com muita brevidade : para carga e pa^sageiros
irata-se com os consignatarios Thomaz de Aquino
?onceca A C successores. rua do Vigario n. 19
O lelUe prlnrlpiar4 4a 1ft
Mm.
(Por serem muitoa e differaolaa Ufa).
Leilao
DA
arraagao, generos e pertefic*s da larerna d
rua das Carrooas n. 1, esquioa da rua de
S. Joao
TERg.4 FEIRA 20 DO CORRrlETE
Am 11 hsrai.
0 agenta Martins fara leilao, an um oa mail la-
tas, 4 vontade dos compradores, no dia a Mora act-
ma, na dita taverns.______________ _
A genie Pestana
Leilao
vi ite
Risco maritimo.
N. "A. Anderson, capit3o do palhabote ameri-
cano Frank Howard, vindo de New-Yoik, com
carga de farinha de trigo, gaz, e outras mercado-
rias, com desiino ao llio Gran te do Sul, entra-
do neste porto com agui aherta, precisa para oc-
correr as despezas do mesmo navio, a risco ma-
ritimo, cerca da qnantia frete e carregamente do mesmo navio.
Offertas. em carta fechada, serao recebidas no,
consulado americano ate o dia 20 dc corrente met,
ao meio dia. *
1:400*0)0
209*000
209*001
201*000
800*000
241*000
207*000
Companhia Fidelidade
leguros maritinaos e terrestres
A agenda desta companhia toma seguro? ma
ritlm s e terrestres, a premios razoaveis, dando
nos ultimos o solo livre, e o setimo anno gratnito
ao segnrado.
Rua do Visconde de Itaparica, antiga do Appolo
n. 51.
Feliciano Jose Gomes,
Agente.
OECLARACOES.
No dia 10 do corrente, finda a audiencia do
Dr. juiz substituto da primeira vara, tem de ir
em praca publica, finda a andienca respectiva ;
a armacao e mail objector existentes na taTerna
da rua de Tlwnt^ de Souza, antigo becco da Lin-
Arrematacao.
No dia 27 do corrente na audiencia do Dim. Sr.
Dr. juiz substitnto da 2* vara, vao em praca 16
caixas contendo folhas de Flandres, penhoradas a
Jose Alve- Barbosa, por execm.-io de Jose Joaquim
Lima Bairao, e a ultima praca.
Devocao
de Nossa Senhora do Rosario da igreja da
Madre de Deus.
'; Em nome da mesa regedora da devocao, con
vido a todos os membros da actual mesa e aos da
nova eleita a comparecerem no consistorio da
igreja da Madre de Deus, no domingo 18 do
corrente, pelas 3 1|2 horas da tarde, afim de se
rem empossados dos respeciv s cargos.
Recife, 15 de outubro de 1874.
0 --scrivao,
,_________ Francisco Jose Chaves.
Saota Casa da Misericordia d> Recife.
A junta administrativa eonvida pelo presente as
pessoas quo so uchatn a deVAr renda de predios
im-n-ali lade de pensiooistas, para que no prazo
que se dentro desse prazo o nio fizerem, ser4 ella
a sco pezar, obrigada a intentar a competente ac-
cao contra cada um delles, fazendo publicar sens
nomes por este Diario.
Secretaria da Sauta Ca?a da Misericordia do
Recife, 16 de outubro de 1874.
0 escrivao,
_______________Pedro Rodrignes de Souza.
A'GL*. do Sup.'. Arch.*, do Un.\
Conciliacao
Pelo presente convido a todos os RResp.-. Ilr.-.
da Aug.-. e Sob.-. L<>j.-. Gap.-. Conciliagao, a com
parecerem no doming > 18 do coi rente, pelas 10
horas da manha. para se proceder a Eleij.-. de
Ven.-.para 5875-5876 er.\ mac.;, vago pela exo
neragao a pedido do qne ultimamente foi eleito.
Secret -. da Aug.-. e Sob.. Loj \ Cap.-. Concilia-
cao, aos It dias do mez de outubro de 1874 er.\
vulg.-.
0 secret.-, adj.-.
________________________Maia Pessoa.
t'onatruccao da ponte para a alfan-
dega da provincia do I'ani,
De ordem du Illm. Sr. inspector da thesouraria
de fazenda desta provincia, se faz publico que es-!
ta em concurrencia a construccao da ponte per-'
manente desti ada a descarga de mercadorias na :
alfan cga deta capital, confurme a planta e orc.a-
mento respectivo, que se acham na secretaria da
junta da mi-sma thesnurana, e poderao ser con-
sultados pelos pretendentes ; cujas obras foram
mandadas executar pela ordem do thesouro na-
cional. n. 73 de 11 de ?gosto findo, no total de !
299:359*400.
Os pretendentes, qner desta provincia, quer das 1
do Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco, Ceara e'
Maranhio, deverao apreseutar suas propostas em
cartas fechadas, as quaes serao abertas em ses-
sao da junta de 17 de dezembro do cadenle anno.
Thesouraria d* fazenda da Para, 19 de setem-
bro. de 1874.Rayraundo daSilva e Cunha, secre-
rio da junta.
CII.tllGEURS RKI >IS
COM PAX HI A PRiNCEZA DE NAVE-
GACAO A VAPOR
LINHA MENSAL ENTRE 0
Havre, Lisbda, Pernambuco, Bahia, Rio de
Janeiro e Santos.
STEAMER
VilAiR Bi B\H1.V
Conamaadajate, I*. Robert.
E' Esperado dos por-
tos do sul ate 19 do
corrente, seguindo de
pois da indispensa-
vel demora para o
Havre com escala por
Lisboa.
VILLE DE RIO DE JANEIRO
Commandante A. Fleury
E' esperado da Eu-
ropa ate 23 do cor-
rente, seguindo depois
da indispensavel de
mora para os por-
tos do sul de sua es-
cala aciraa referidos.
Para fretes, encommendas e passageiros, trata-
se com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA 4 C.
i2Rua do CommercioEntrada pela mi
do Torres.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\avegaciSo costeira a vapor*
Fernando de Noronha.
0 vapor Joguaribe, com-
mandante Julio, segni-
ra para o porto acima
no dia 3 de noverabro, ao
meio dia.
Recebe carga ate o dia
2, encommendas, passa
leiros e diibeiro ate as 11 horas da manha do
dia da sabida.
Esoriptorio no Forte do Mat'os i. 12.
SLeani Njivipl.,1. imn\\m\
ROYAL MAIL STEAMEHS.
Para o l*ara.
Pretende seguir com muita brevidade o palha-
bote Joven Arthur, tem parte de seu carregamen-
lo engajado, para o resto que lha falta trata-se
com o seu consignatario Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo, 4 rua do Bom Jesus n. o7.
lEltOES
LEILAO
DE
8 gigas com louca lina e 2 ditas com lou-
?a ordinaria
SEGUNDA FEIRA 19 DO CORRENTE
A's tO t|* boras.
Em o armazem da rua do Vigario Thenorio
n. 3.
0 agente Dias, competentemente autorisado, le-
vara a leilao, no dia e hora acima iodicados, as
gigas de louca que acima se mencionam.
DE
fardos com muito superior
fumo da Babia.
OUARTA-FEIRA 21 DO CORRENTE
As 11 horas em ponto
No armazem do Sr. Annos.
Ao correr do martello.
0 preposto do agente Pestana, compel*:>-
temeote autorisado por uma pessoa da Bahia,
ford leilao de vinte fardos com muito supe-
rior fumo em folhas, da safra velha, a*
quaes tornam-se recommendaveis pela so*
espt cialiJ de, tendo vindo pelo ultimo va-
por, as quaes serio venlidas em an a
mais lotes d vontade dos Srs compralire*,
ao correr do mart ll.. e para fe<-hr coa:.-.
LEILAO
leilao
?
Aconcagua
(DE 4106 TONE.-VDAS)
Espera-se
dos por-
tos d<> sul ate o dia 25
do corrente, e depois
da demora do costn
rae seguira para Li-
verpuol, tocando era
r-wehera passageiros,
frete
horas da tar
DA
barcaca Zurich
SEGUNDA-FEIRA 19 DO CORRENTE
No caes do trapiche Alfandega Velha (outr'ora).
0 agente Piuto levara a leilao, precedida a com-
petente autiTis.ic.io, no dia e hora acima mencio-
nados, a barcaja denoiuinada Zurich, de2mas-
tros. a qual carrega 600sac-os com assucar, tal
qual se acha fundeada era frente ao antigo trapi-
che Pelourinho, onde poderao os pretendentes
desde ja examina-la.
Lisboa, Bordeos, para onde
encommendas, e dinheiro a
N. B.Nao sahira antes das ires
le do dia da sua chegada.
AGENTES
Wilson Rowe A C.
14PRACA DO COMMERCIO1
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
%'avegacSo cottteira a vapor.
*iRAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARAC-
TY, CEARA, ACARACU', GRANJA E MARANHAO
0 vapor Giquid, comman-
dante Marlins, seguira part os
portos acima no dia 22 do
corrente as 5 horas da tarde.
Recebe carga ate o dia 21, en
commendas, passageiros e di-
nheiro a frete ate as 3 horas da tarde do dia da
sabiia : escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
Companhia de navejgacao a va-
por Imliiaiiu, liniitada
Macei6, Penedo, Aracajii e Bahia.
E' esperado dos porios
do sul ate o dia 20 do cor-
rente o vapor GastSo de
Orleans, o qual seguira
para os portos acima no
dia seguinte ao de sua
algumas mercadorias com avaria, resto da
pono da carga avariada a bordo do hiate
amerienno Frank Howard
*egun ao meio dia
Em o trapiche alfandegado do Exm. Sr. ba-
rao do Livramento, caes do Apollo.
0 agente Dias levara a leilao, no d;a e bora aci-
ma designatis, por ordem do Sr. N. A. Anderson,
capitao do referido hiate, com licenc,a do Illm. Sr.
inspectur da alfandega, e era presence do Illm.
Sr. consul dos Estados-Unidos, o .'eguinie :
3000 pes de taboado de pinho.
18 barricas de farinha de trigo.
58 caixas de gaz.
24 duzias de vase*ouras americanas.
3 caixas corn ostras em latas.
1 fardo com 20 pecas de algodao.
1 caixa com tacbas
1 dita com farinha de milho.
DO
sobrado amarello de 3 andares e tatio
da rua da Imperalnz, c;n frente a mat-'
da Boa-Vista, servindo dc base a orYen*
d 11:000^000 -
Quinta feira 22 do corrente.
lo iiiiii dia
0 agente Pinto, competentemente autorisado, >-
vara novament- e pela ul itna vez a leiiao, sertio-
do de base a offerta d^ it contos de reis, o *o!t-
do da rna da Imperatri*. es tuina da rna do Ho*-
picio, edificado em chao< foreiros, gndo qua diu
venda sera effeclivatnenie realisada no dia e hora
acima mencionados com quem melhor vantacr ?.
olVereeer.
Os novos p-etendentes poderao desde ia exam -
nareu dito sobrado econcorrerem ao acto do lei-
lao, no escriptorio do agente Pinto, rua do Bon
Jesus n. 43.___________________________'
G ande e importante
LEILAO .
DE
' predios
A saber:
Um sobrado de 3 andares edificado em eti
proprios, a rua do Bum Jesus n 63.
Um dito de I andar tambem em chaos prop:
na mesma iua n. Cl.
Uma casa terrea na rua da Impcratriz a. <",
em cbaos foreiros.
Dezeseis raei.--agnas da rua do Camario n. 9,
tambem em chaos foreiroi.
Um grande sitio na rna do Riachuelo (outr ora
Corredur do Bispt), n. 61, chant priprios, com
grande casa desobraJo, o qual flea perto das !-
nhas da esirad* de ferro, assim como da WH
bonds.
(Jiiinta-fcira li da corrente
A's 11 horas em pontx)
No escriptorio do agente Pinto
RUA DO BOM JESUS N. 43.
0* administradores da massa fallida de Pere.-*
de Mello & C. levarao a leilao, de conformidaO
com o alvara de licenca do Illm. Sr. Dr. jniz o*
direito especial do commercio, e por ioterv.:
do agente Pinto, os preiios acima mencionad-
para pagamen'.o do hyp'ti e as as 11 horas do A *
acima dito.
Os pretendentes p deria desle ja ex .minar d
predios, os quaes tornara se recommen laJos, '<
por seus rendiment-s, ja or serem editicados e i
ruas comrrerciaes, procur ndo obkrem quauju. ;
informa^io dos alministradores, cu mesmo ao
agente, e con "orrerem ao acto do leilao, do d:
hora acima mencionados.
chegada.
Recebe-se carga, encommendas passageiros e di-
ADMLNISTRAgAO DOS CO MR BIOS UE PERNaM- "heiro a frete.
Agente
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo.
57 Rua do Bom Jesus57
BUCO, "15 DE OUTUBRO >E 1874
Relacao da correspvndencia registrada (sem valor)'
recebida de diversas procedencias ati esta data,!
e que nao tem sido eniregue por ignorarse as
residences dos destinatarios.
Antonio M. Gomes da Silva, Antonio Roger de I
Souza, Antonio Carneiro de Lacerda, Alfredo de
Arena, Benedicto Luiz dos Santos, Benito de Bar-
rios Peipa, Bento Jos* da Silva, Francisco Caval-
cante de Albuquerque Lins, Firmino Theotonio da
oamara Santiago, Francisco da Costa Maia, Fran-
cisco Xavier Pereira de Brito, Francisco Pereira
da Silva, Jose Lourenco Goncalves, Joao Chrysos-
tomo Pelagio, Jose Joaquim da Palma, Jose Ma-1 -T -T, ^ .. ^ i ~ _. _
thias da Silva, Jose Theophilo de Masseille, Jose (VAVEGACAOA VAPOR
Ilha de S. Miguel
segue com brevidade para S. Miguel o palha-
bote portuguez iVoco S. Lourenco, para onde rece-
be carga e passageiros : trata-se com es consig-
natarios Thomaz de Aquino Fonceca & C. Succes-
sores, rua do Vigario n. 19, 1" andar.
! COMPANHIA BjttASIJLEUtA
DE
Gomes de Souza, Jose Manoei do Nascimento, Joa-
quim Jose Ferreira da Rocha Junior, Joanna Mar-
tha dos Santos, Jose Gomes Rodrignes, Joao Bap-
ti-ta de Oliveira Guimaraes, Joao Cyrillo de Lima,
Jose Fernando da Cruz, Jo to de Sa e Albuquerque,
Joao Fnrtado de Mello, Manoei Jose dos Santos,
Silvestre Marques da Silva FerrSo, Targino Vianna
de Albnquerque, Theophilo Modesto Snares.
0 official encarregado do registro,
Josi Candido de Barros.
Portoa do none
Irmandade de Nossa Senho-
ra do Tercp.
Em cumprimento as disposicdas do art. 51, do
nosso eompromiaso, e por ordem do nosso irmao
juiz, convido a todos os nossos charlssimos f-maos
a se reunirem no consistorio da nossa igreja, do-
mindo 18 do corrente, pelas 10 horas da raanhi,
Santo Antonio
COMPANHIA DRAMATICAITALIAHA
EMPREZA "
Sabbado 17 do corrente.
la recita dm .a asslSaatara
Com o drama historico em 4 paries, de Mon-
ticini:
GALILEO GALILEI
DE ROMA
A TREMENDA
De particular trabaluo do Sr.
E' esperado dos portos
do snl ate o dia 17 do
corrente e seguira para
os do norte depois da
demora do costume.
Para carga, encommendas, valores e passagens,
trata-se no escriptorio
7-RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C. ,^
^__________Agentes. ____
esierlinas.
Librae
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio n. 41.
algumas joias e moveis pertencentes aos bens
do [allecido Jose do Rego Pacheco
TERCA-FE1RA, 20 DO CORRENTE
A's 11 horas cla maxha
Em a casa terrea n. 30, da rua do Alecrim.
0 agente Dias levara a leilao, no dia e hora aci-
ma detignados, por despac.ho do Exm. Sr. desera-
bargadur juiz de orphaos, as j lias e myveis que
abaixo sc meneionaro, os quae< fazeni parte dos
bens deixados por fallecimento de Jose do Rego
Pacheco.
Joias.
Um adereco composto de 1 pulseira, 1 broche e
1 par de roseta<, 1 pequena pulseira, 1 al'ineie, 1
par de rrse"tas, 1 corrente, 1 relogio, patente in-
glez, uaado, 1 paliteiro de prata, 1 salva de metal,
12 colheres para cha e 12 ditas para sopa.
Moveis.
Uma mobilia de jacaranda, usada, 1 mesa elas-
tiea de amarello, 10 cadeira* de dito, usadas, 1
meia commoda de dito, usada, 1 dita de angico,
usada, 1 commoda franceza de jacaranda, I guar-
da-roupa de amarello, alguns jarros e alguma
louca.
E porque se ache tambem encarregado da ven-
da de uma escrava de nome Hylaria, preta, criou-
la, de 22 annos de idade, do servico domestico,
avaliada por nm conto de reis, e da 3 parte de
outras duas de nomes Precilla, parda, de 13 annos
de idade, e Maria, tambera parda, de II annos de
idade, avaliada a 3* parte da primeira em 2334333
e a s- gunda em 1664666.
Recebera desde ja o mesmo agente propostas de
quem as pretender, em seu escriptorio a rua do
Marquez de Olinda, n 37, I* andar, e no .dia do
leilio de moveis e joias.. na rua do Alecrim n. 30,
onde desde ja podem os Srs. pretendentes exarai-
na-las.
Para Lisboa.
A barca portugueza Pereira Borges, capitao An-
tonio Alfredo Borges, recebe carga e passageiros:
a tratar-se com Suva Guimaries & C, praca do
Corpo Santo n. 6, segundo andar.
Para Lisboa.
Pretende segoir com brevidade o lugar portu-
guez Julio. Para carga e passageiros, trata-se com
coa consignatarios Thomaz de Aquino Fonceca <&
Grande e ultimo
LEILAO
DE
Eazendas, chapeos, livros em branco, e
elasticos, constando de
Merinos pretos e azues, veos para casamentos,
daraascos de core?, pannos para colchoes, damasco
de lioho, sargelim preto e de cores, atoalhado crii,
cainbraias, meias de fio da Escossia, para homens
e senhoras, capas e roanteletes, grava'as, cbales
de la, de ganga, de metira, lencos de ?eda, tilo pre-
to, organdys, cintos para senhoras, chales de caxe-
mira, gorgorao preto, sedas o setim.
Assim como :
Chapeos a Cavour, livros copiadiiii ae cartas,
tecidos elasticos e fitas para cinto.
Ter$a-feira *0 do corrente
No armazem da rua do Bom
Je&us n. 63.
Os administradores da massa fallida de Pereira
de Mello & C, uiando da autorisacao que tem do
Illm. Sr. Dr. jniz de direito especial do commercio,
faiao leilao pr idtervencao do mesmo agente
Piuto, do iesto das faxendas pertencentes a dita
massa e existentes no armazem do sobrado da rna
do Bom Jests n. 63.
.i;iSOSSti-*S(b
lOTCJJAI PAiimiLU:
Rna da II oil a n. 4S. mahradm
Primeiras lettras, portuguez, (ram-ez, ingle;.
desenbo linear e musica.
Sob a direccSo do professor I! rmitio R
drigues de Siqueira, funcionam dilas aulr i
todos os dias uteis.
Recebe alumnus inlnrnos, muio pension:
tas e externos; fnrnece t do o material par*
tscripta e livros aos principiantes, por pr
cos muito razoaveis.
Aluga-se um exccllente sitio no Ma..
teiro, perto da estarjao. com grandes corr.-
modos, estribaria e gaz : a tratar na re*
do Imperador, n. 83, t.' anlar.
PEKIIEU-SE
No domingo 4 do corrente, da matriz de S. Jo-a
a rua de Vidal de Negreiros a. 187, uma crux de
our com perolas : roga se a pe< a qaa sckoa, <
favor de levala a mesraa rua n. 15), qne sera re-
con iensado.
0 chamado que se fez di ir. Jo-4 Rail)
de Sonza Hangel, a praca da Indepeadeoeia a
e 6, nao tem nada de desairo-o aqnelle saaao*,
visto que elle se refere a nagocios psnkwUre-
Os abaixo assignados fasem publico a
interessar possa, e era especial ao commercio qn
resolveram alterar a razao social que geria os
negnclos des-a tirma. aae fica dede esta da *
substilnida pela de Beltrio & Quintal, aprove -
um a oecasiao para declararem que a nova f r-
ma contiada a ocenpar se dos mesmos negoci
a qne se tem dedicado, sem qua a alteraca I"...-
vi ja affeete de nenhnm raodo a responsabdidad
caraeter de snas operacdes oommereiaes.
Pernambu-.o, IS de outubro de 7*.
__________________Alvares Q lintal A C.
Amelia Rita da <-l-ria
ciunrula de BarerIIoa
Trajano Felippe Nery de Barcellos mtmt
brtr uraa missa e memento por alma da saa pre-
sada irmi, Amelia Riu da Gloria ^riipacasa4o
Barcellos, quarta-feira *l do oorreole, tlf l horas da manha, na igreA* aaldav* "
Apostolo, de Olio J. Convi-la para
carW*ne aos que pwam a sna amitaae.
\
1
I
-
--*
J

-/
ease ado a*
Novilho
No engenho Nazareth, contiguo i villa de
rassti, appareceu nm twvUao graaaa
cido i a pessoa qaa tiver direito ao i
apresentar os signaes e ferro na i
para Ibe ser entregoe,___________________
Vende-se naa casa da paiira oaJ
acabada em dezembro pnaJao aaaaado, eoa
pahnos de frente, S quartoe. asaBka (ora, an
proprio, eon oi palmos da tarraaa, na
rado com am porua, oa travaaaa fa ma o
cipe, freguezia da Bos-Vista: a tratar oa
de, pattern.
V
HI
r
/
{


>
1

.3
&
Oiario dePernambucQ Sabbado 17 de Outubro de 1874.
Companhia
jodiflcadora da pro-
vincia
de Pcrnaivhuoo,
* Tenho o fentlroeoto da levar, pel" presume, ao
;onhccimenio de todo* os acitnes e fu'tinis *ubs-
crip tores de aceffej d.i companhia edilicadrra Ja
provincia d#l>i riiamtmco, qu nao 'ioha cheg^lo
a ppdar do Exm. Sr. pretfdeiite da provincia ale
Jdo Corrmle lslu<,o da pel i;io dirigifla ao go
verao ipperial, em 21 de agosle de 1873, sob n.
77, relaiiva a approvagao dos eslntafos da com
paonia edilieadora da provincia de Ptrnambuco,
da qaal P. U. Oaprat e incorporad r.
A vista desta inespenda demora e da nrgeDte
necessidade que esta praca teni de ver funeciooar
o mais breve possivel a grandiosa e alihiaria em
preta de ediflcacdes da provincia de Peraambuco,
a qnal em poaco tempo lara augmentar de quinhen-
103 a dotis rail cnotos de rs. o movimento linnnoei-
ro e commercial desta praca, e eontribuira rela-
tivamente a faier desapparecer a crise finaaceira
actual que ha ineies dewla esta praga, bera digna
demelbor sorte.
Tive a occasiio de saber na secretaria da pre-
sideocia, em 7 de outubro corrente, quo S. Exc.
o St. commendador Henrique Pereira de Lucena,
com o fim de obter prompta solucao, agora que
os trabalhos dai camaras estao concluidos, diri-
gio em 2 do corrente urn offieio a S. Exc. o Sr.
mioistro da agricuhura, renovandolbe o pedido
3ue Ihe Gzera em 15 de junno proximo passado,
a folucao da peticio ja citada e remettida em 21
de agosto de 1873, sob n. 77, aeabando assim de
dar uma nova prova do interesse que toroa e do
desejo que tern de ver dita empreza assentar a
primeira pedra da pr meira ediBeacSo que flier,
e cuja acta desejo que seja assignada polo actual
presidente da provincia, dalando desse dia os 40
annos das dispensas de deiimas concedidas pela
lei provincial n. 533 de 20 de junho de 1862.
Recife, 9 de outubro de 1874.9
_______________________F. M. Diiprat.
Casa
Na rua Direita n. 36, aluga-se a loja com aima-
.ao, pintada e caiada de novo, propna para taver-
ns, porterlido la esse estabelecimento, maito afre-
guezada e bim local; a cnave para ver, esta de-
fronte n. 29, loja de tamancos. ____________
Boa moradia.
Vende-se um excellente sobrado, com uma
casa pequena contgua, sitas no Pogo da Pa-
nella, rua Real n.-3", com bon| commodof
nara um- fanwiia gr.mle, t.-sido divi-rsas sa-
ins grandes e mint's quartos, lodes com
janellas; qua-ts para niados, cochflira,
eslribaiia, grande copi'-r. M:8 're bfiidi^j
e jardim do oela lado. A rasa a P'if'ilO cslado, c e SJrUfc*9 & a ruais frvsca ]
o muI.hcI po-iivd :.i IraUr rw* propr!-.-
taria D.. Maria Purcell RauiiuJjil, na mesma
casa.
ODILON DUARTE k IRMlO
olBELLEIREIROS
Premtadoa na exjJ&sicao de" 1872
- Aluga-se o primeiro andar da casa da rua
do Torres n. 8, prcpria para escWoturio, ou pouca
familia: a tratar no segnndo andar da rua do Mar-
quez de Olinda.
O ahaixo as.siguado declara pelo presente,
que nlngu-m fai;- n--gtcio algum com as terras de
Lagda de Me-, oa comarca de Santo antao, cujas
terras pertenceram ao nnado Custodio Jose da
Costa Braga e loaqttloa Maria do Esoirito Santo
Brtga, ja fallecidus, a^o e inai do abaixo assigna-
do, que hoje e o verdadeiro berdeiro das duas
terras; e prute.-ta cont a toda e qualquer pessoa
que estcja de posse das referidaa terras. 0 abaixo
assignado e morador ao largo da Santa Cruz nu
tnero 24.
' Manoel Bento da Paixao.
Ao comniercio.
'ioostande ao abaixo assignado, procundor bas-
t&nte do Sr. Uanoel Joaquira Preire, de presente
na Eumpa, que se pretende vender a tav'erna da
rua do Rosario da Boa-Vista n. 56, e tendo seu
;onstituinte um litulo '-reJitorio contra o propne-
:ario della, vrincido e em juizo, disio faz aviso a
low e qualquer pretendeute, para evitar duvidas.
Becife, 15 de outubro de 1874.
______Custodio Marques Preire de Oliveira.
Cfisa no toxjiiiga
Aluga-se por fe-ta ou por anno uma casa na
Jita lucaildale, com sufflcieotes commodos para
'amilia, e por preco mint j razoavel : qaem a pre-
ender, dirija-se a rua Marquez do Herval, outr'o-
ra Concordw a. 138.
4ttea(i
Constando me que o Sr. Antonio Julio Pereira
quer vender ou nypothecar a Iteranca que sna
mulhertem no inveutano feito por falleciiueoto de
sua inai, apress i-me era d>-clarar que nioguem
"a,-a transac^ao algu na com o mesmo, ob pena
de oullidade. Recife, 15 de outubro de 1874.
B. A, Arouxa.
0 abaixo a* vender ao Sr. Manoel Jose ios iantos Braga o seu
esUbelecimeoto de inolbalos sito a rua do Rosario
da Boa-Vista n. 56, livre e desemoaragado de
raus. Recife, 14 de outubro de 1874.
Jose Juaqoim M>rques.
Manoel Jo*6 d n S-uiin, viudo de Mioto e
iChandooutro de icual nime. se assignara de h>je
'in diante Manoel Jose dos Santos Braga. Recife,
14 de outubro.de 1874.
Ao
rcio
que nao tendo ef-
comm
0 abaixo assignado declara
iectuado deQnilivamente a soc'iedade que tinha
;ontrai.ido c ui o Sr. Jose Barho^a de Carvalho, a
qual ja tinha priaoipiado a gyrar uesta praca sob
aflrmade Hooteiro 4 Carvalho, lica sem effe.io
a diu sociedale, c mtiuuaudo o abaixo assignado
;omo ate aqui, a negociar na sua flrma ind vi-
dual. Recife, 15 de outubro de 1874.
Antonio Marceilino Monteiro.
iluga-se
4 excellente caa da rua Riachuello n. 9, com bons
j grandes commodos p route a tratar com Joaquim L.ipes Machado.
Aluga-se
uma mulalinha de 15 annos de idade, para o ser-
'/ico iuterno de uma ca-a de familia : a tratar na
rua do Viscoude de Goyanna n 14.
Para a boa conservagao
YOSSOCA BELLO
A 1UII
Eile ^ um preventivo seguro e certo contra
a cslvice.
Elle da e restaura forga e sanidade & pelle d
cabeca.
-lie de prompto faz cessar a queda prema-
tura dos cabelles.
Cle A& grande riqueza de lustre aos ca-
bellos.
Elle doma e faz preserver os cabellos, ea
qualquer forma ou posic.ao que se dese-
je, n'um estado formoso, liso e macio.
Pile faz crescor os eabellos bastos e compri-
os.u
rile conserva a pelle e o casco da cabec*
limpo e livre de toda a especie de caspa
Elle previne os cabellos de se tornarem bran
cos.
Elle conserva a cabeca n'um estado de fres
tura refrigerante e agradavel.
i n8o d demasiadaraente oleoso, gorda
rento ou pcgadiro.
Elle nSo deixa o menor cheiro desagrada-
vel.
Elle-e" o melhor artigo para os cabellos da
criancas.
Elle 6 o melhor e o mais aprasivel artigi
para a boa conserva^lo e arranjo dos ca-
bellos das senboras.
Elle 6 o unico artigo proprio para o pentea-
do dos cab 3llos e barbas dos senborea.
NENHUM TOUCADOR DE SENHORA SB
PGDECOxNSIDERAR COMO COM-
PLETOSEMO
TONIGO ORIENTAL
0 qual present, limpa, fortificaeaformosee
O CABEIXO.
Aeha-se & venda dos estabelecMneotos df
H. Porster A C, agentes. E em todas ai
principaes loja de perfomariaa e b^t^OM.
Boas casas de
Poco da Panella ;
Tasso.
Alugam-se
campo, na Cruz das Almes e
a tratar com 0 commendador
Aos fumantes
Jose Antonio Douiingues de Pigueiredo, proprie-
tario da fabrica de cigarros 6*0 becco Largo (Re
cife), previne aos apreciad res de seus cigarros,
que at rio um deposiio a ma estreita do Rosario
n 16 (Santo Antonio), esquina da rua das Laran-
ge ras : alii encontrarSo os senhores fumantes um
granJe e l era escolhido sortimento de ponteiras
para charntos e cigarros. cachlmbos de moitissi-
mas qu^lid des, bolcas, etc., etc., charutos de Ha-
vana e da Bahia, de todas as qualidades, e tambem
dos_ manufacturados na urovincia, e cigarros de
muitas qualidades, tauto dos manufacturados em
sua fabrica, como 111 Rio do Janeiro, e Manilha,
tanto em gro-so como a retalho, garantindo-se sin-
ceridade, promptidao e agrado.
Urg<
encia
Preclsa-se fallar coin o> Srs. Francisco Correia
Lobo e Antonio Ezoupo de Lima, a negocio de seu
particular interesse, no pateo do Terco n 23, ar-
mazera Conservative
Faz-se todo negocio
com uma armacao de amarello, bem construida e
feita com toda perfeicao, contendo pesos e balan-
ca decimal : para ver, na rua Imperial n. 2t7
Protesto.
0 abaixo assignado, Qlho legilimo da Hnada D.
Maria Gomes Coutinho do Amaral, sabendo (|ue
os ben- deixado por sua mai, dos qnaes e 0 uni-'o
e legilimo berdeiro, estao justos para serein veo-
djdos pelo nullo testamenteiro .Nian ul l.uiz da
Silva Guimaraes, previne que ninguera faca ne
gocio com 0 sitio e casas da Varz<>a nem com ontro
jualquer bem, visto como nao autorisou a nin-
guem para vende Us,
Recife, 14 de outubro de 1874.
Thoraaz de Aquino Cuutinho do Amaral.
Quem precisar de caixeiro chegado ha poua
co, ja com alguma pratica deJaverna, dirija-se p
rua do Rangel n 67.
Alugn-se a casa da rua da'Xadeia Nova c.
53, no viveiro do Muniz, coin bora quintal e alu-
guel comraodo, torna-se boa por ser fresca : a
tratar na rua do Nogueira n. 29.
- Alnga se uma escrava para engommar, e
para 0 servico interno de uma casa de familia : a
iratar na rua Duque de Caxias n. .^3 Na me ma
casa tanrbem aluga-^e um moieque de 16 annos,
com muita pratica do servico domestico.
Alugi-se 0 primeiro andar da rua estreita
do Rosario n. 22: a fallar no patoo do Tarc> n. 13
Aluga-se
rs armazens ns. 65 e 69. na praca do chafariz em
F6ra de Portas, um onde teve teola de ferreiro
0 fallecid 1 E. Manult. 0 outro que esteve occu-
pado com venda de molhados, para 0 que e op
timo pela localidade e ser de esquina. ambos livres
e desemhara^ados de impostos: a iratar com 0 com-
mendador Tatso.
Divine Service in English
Every Simday evening
at. 6.45
Run lo lmperailor n. 43 I etst, flooi'.
Exjros^iu
DE
u
ma onea
Domingo 18 do corrente
No largo do Paraizo n. 12, antigo estabeleclmen-
to de Paula & Mafra, achara 0 publico desta capi-
tal esta fera domestlcada, dentro de conveniente
gaiola. Prego da entrada 200 rs. ; das 9 boras da
.11 mil a as 6 da tarde.
Aluga-se o primeiro andar da rua de Lomas
Valentitias n. 100: a tratar na rua Direita n. 10,
retinacao.
f Precisa-se de um rapaz que tenha algum ca-
pital para entrar de socio em um hotel : qnem
quizer dirija re a rua do Rangel n. 4, a entender
se com A. T. F.___________________________
Vende-se uma taverna, bera afreguezada
para a terra, com poucos fundos, propria p-ra
algum principiante : a rua de Riachuello n. 40.
Vinho superior
i^Na rua da Imperatriz n. 67 acaba-sede receber
excellente vinho do Porto, em barns de SO, 75 e 190
garrafas, e vende-se muito barato, garantiado-se a
qualidade. ________________________
Precisa-se da quanlja de seiscentos mil reis
a juros. dando-se por garantia uma escrava moca,
booiia ligura, perfeita engommadeira, boa cozi-
nheira e cose : a pessoa que quizer fazer esto ne-
gocio. dirija-se a ma do Coronet Suassnna n. 187,
3. andar.
Novo Nando.
Com 0 n. 48, chegado pelo Menimack, comple-
ta 0 4* anno. 0 preco da assignatura do 5* anno
sera de lo. Ate entao esta folha trazia 16 pagi-
nas ; agora trara 24 e capa ; tornando-se muito
mais recommendavel, porque nem s6 dara supple-
mentos gratis e repetidos ; como tambem publi-
car-se-ha leitnras para familias, e gravuras espe-
ciaes para senboras ; evitando assignar-se nm
outro jornal para modas.
LI VRARIA FRACEZA
Os abaixo assignados declaram pelo presen-
te que dissolveram por escnptura desta data a
sociedade qne tinham entre si sob a Drma de Silva
Si Casrio, Gcando a cargo do ex-socio Joao Agos-
tinbo da Silva todo 0 activo e passivo social. Reci
fe, 9 de ontobro de 1874/
Joao A. da Silva.
P. G. Pereira Cascio.
Ao commercio.
0 abaixo assignado faz sclente ao respeitavel pn
blieo e com especialidade ao corpo do commercio
quo comproc ao Sr. Silvlno da Cesta Machado,
a sua taverna sSa a rua da Hora, no Espinti.elro
a. 6 ; se alguem se julgar com direito a mesma,
apresente-se do prazo de 3 dias, a contar da data
destp.
Recite, 14 de outubro de 1874.
Francisco Antonio de Magalhaes.
Aluga-se a ioj; do tubrado a. 1 da rua do
Aragao : tratase com se< proprietario, a "> *>
Hospicio n. 33. .......'

ft LA
DA
FJPERATH1Z
N. 8a
1/ ANDAR.]

t&lM'Q
RL'A
DA
IMPERATRIZ
n. 8a.
!. ANDAR.
Acabam de reformar 0 sea esUbetecimento, collocando-o nas melhores con-
lic?6es possiveis de bem servir ao pnblico deata illustre capital, e as Exmas. Sras. n'a-
.inillo que f6r tendente i arte de cabelleirewo.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens corflo para senhoraa, tupete, chignon,
coqnes modernissimos, trances, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros ta-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
O.estabelecimeuto acba-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e flgu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 /<> menos que outro qualquer, garantindo
perfeicSo no trabalho, agrado, sinceridade e preep razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como f6ra ; Tende-se cabellos em
porcSo e a retalho e todos os utensilios pertencentes a" arte de cabelleireiro.
J,
55
Constructor e afinaor de pianos
Rua do lmpera'dor-
55
Ex-8finador das antigas e afamadas casas Pleyel & Here, e antigo direc tordar
officiua da casa Alphoose Blondel.
Tem a honra de declarar ao respeitavel publico desta cidade, que tem aberto
sua casa de concertos e afinac,6es de pianos, qualquer que seja o e.-tado do mstrumento.
A' mesma casa acaba de receber um grande sortimento de pianos dos melho;
res fabricantes de Paris, como Erard Pleyel, Henri HerzQ Alphonse Blondel) todos
os pianos sahidos da casa Dhibaut s8o garantidos
Compra-se e recebe-se em trona os pianos trsados.
ESSENCIA CQNCENTRADA
DE
r
DE
Preniada nas e*po
sicoesde Pernarobuco
e Rio de Janeiro.
Premiada na expo-
sicao de Vienna d'Aus-
tria.
A0a0RS
Pharmaceutico
Pela csrnla de Paris )
Successor de
ARISTIDE SA1SSET E. J. SODM
Tratamento puramente vegetal verdadeiro purificador do saogue. sem mercuric.
A Essencia de Caroba e um remedio boje reconhecido como um poderoso depura-
tivo o especial para cura de todas as molestias que teem a sua origetn na impureza do sangue,
como sejam : as mrlestias Syphiliticas, Roubatkas e Escrofulosas, Rheumatismo, Empdigens, Dab-
tros, Ulcebas, Ebupcoes, etc. etc.
Os prodigiosos effeitos que tem produzi'o a Essencla de Caroba, por toda parte
onde ella tem sido apropriadamente experimentada, a tem feito adoptar como um dos medicamen-
tos Hi? is seguros e mais energicos para a cura de todas as molestias de natureza syphilitica e
boubaiiea.
A cada ITasco acompanha uma inatrae^So para a maaeira de asar.
Pomada anti-dartrosa
Contra as affecQoes cutaneas, darthros, comichoea, etc., etc.
Lnguenlo de tamba
Para cura das boubas, nlceras, chagas antigas, etc.. etc.
UNICAMENTE PREPARADO POR
R00QDAYE0L IHMAUS, SUCCESSES
Botica Fraoceza
22 Rua do Bom Jesus 22
ANTIGA RUA DA CRUZ )
N.5 A.Rua do Barao da Victoria.N. 45 A.
LOJA
DE
JOIAS
JOSE JOAQUIM DIAS DO REGO.
Is to aim! jii no e liquidncSo 6 queima !
0 proprietario deste nov. estabelecimento aturdido com o inesperado estridDr dos gritos que
surgeia de todos os angulos desta grande cidade, annunciando a liquidacao dos estabelecimentos de joias;
e, receioso de Bear rOSINHO, apezar de b"m avaliar as grandes vantagens qua neste caso deveria au-
ferir; tomou ainabalavel resolucao de QUEIMAR todas as suas joias, com o unico fim de encorporar-
se a grande caravana, e, com ella, seguir em romaria para.......6 segredo I
A pyra esta ardente- as victimas aguardam brilhantes o momento do sacrificioso fa/
os sacrificadores.
Isto posto, espera-se, com justa razao, nma grande concurrencia dos araantes da eeon
que nao devem perder o ensejo de se proverera de objectos laes.; e deveron'o ainda assim fazer,
que depois de todas essas liquidates, com o novo anno, acabam se as JOIAS desta cidade, e nao
tera publico aonde dellas se possa prover.
A ellns A ellas !
Bacharel Manoel de Siqneira Cavalcanli
Remedio efflcaz, nio so para curar qnalqcer ataqne de erysipela, como
para impedir o seu reapparecimento.
Approvado pelo Governo Imperial, acha-se a disposicio do Publico
,com as respectivas instruccoes, aitestados de pessoa9 notaveis, e de Medicos
de grande repntacao.
Depositos unioos.
Recife: rua do Rarao da Victoria (ma Nova) n. 40, casa do Sr.
Roeha Siqneira.
Rio de Janeiro : C6rte, rna do Ouvidor, n. 78.
Gratis aos Pobres.
Lindas popelinas de linho com salpicos e de listras
assetinadas pelo baratissimopreQo de 320 rs. o covado: na
rua Primeiro de Marco n. 13, loja das columnas, de
Antonio Correia de Vasconcellos.
mm de sol
Gurgel da Amaral & C, a roa Piimeiro da Marco n. 20 A, receberam nm grande sortimento
de chapeos de sol de seda, lisa e trancada, com bonitos cabos de nnioorue, marflm e madeira, e
vendem-os a 61 e 74, sendo este preco metade do sea valor.
PUNDIQAO DO BOWMAN
RUA DO WM S. 52
(rac-sando o chafanfc)
1'IDl.M A0> ^ihires de cr-gi-.-iho e 0. Ires gti. nit r s, o compradoirs chinismo o favor de fazer uma visita a sen estabelecimento, para vcrcm o novo mtffeta
to comp'eto que abi torn ; sendo tudo sujuiior em qnaliJade e fwti-lao ; o que com a in=-
truccSo pessoal pode-se verifunr.
ESPECIAL ATTE.NQA0 AO NUMERO E LUCAR DE SUV FU!Dfr.AO
VapOreS e rOdaS d agUa d0s mtb modcrnos systemas e em tamanbos con
renientes para as diversas circumstancias dos senhores proprietaries e para descarn. .-
algodio.
M.OenGaS ue Canna de todos os Unbos, as mlbofd que aqui existem.
XvOuaS UentaQaS para animaes. agua e vapor.
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
MaCUiniSmOS para- numuoca e algodao, e para serrar madjjra. 'ser omvMm a ma.-
uumuat) de patente, gorantidas........ ton animaes.
lOQaS as macnmaS e pe I? az CJUalquer COncertO de maebinhmo, a proc;o mui rcsumido.
J? OrmaS ue terrO tem as melhores e mais baratas existentcs no mercado.
iinCOninienaaS. Incumbe-se de mandar vir qualquer machinismo i vonUd* o )
clientes, lembrando-lhes a vantagem de fazerem 8S compras por intermedio de p*;; i
entendida, e que em qualquer necessidade pode lhes prestar auxilio.
AraUOS anieriCanOS e instruments agric las.
RUA DO BRUM N. 52
PASSANWO O CHAFARIZ
FUNDICAO 1) FERRO
i' rna do Barao do Triumpho (rua do liro) ns. 100 a KM
CARDOSO IRMAO
AVISAM aos senhores de engenh' s e outrcs agricult res e ao publico em gra' .
:ontinuam a receber de Fnglaterra, Franca e America, todas as ferragens e machina s ne
:essarias aos estabelecimentos agricolas, as mais mode, nas e melh'-ir obra qne tem
io mercado.
VapOreS de forca de 4, 6, 8 e 10 cavallos, os melhores que t<>m vindo o mwa-1
.ialueiraS de sobresaleute para vapores.
HOenuaS lntCiraS e meias moends, obra como nunc* aqui v*jo
TaixaS fundidaS e batidas, dos mel!iores fabneantes 3 300 e 150 TS.
libra
tvOUaS Q agUa COm cubaje de ferro, fortes e bem acabadaa.
CvOUaS QentauaS de todos os tanunkoa e qnalidades.
Rel0gi0S e apitOS para evapors.
tiOmDaS de ferro, de repucho.
-*raUOS de diversas qualidades.
FormaS para a8SUCar,grandes e pquenas.
Varandas de ferro fundido, franceias df di s e boniv-s. -t
cogOCS irailieezes para leoha e carvao, obra aaperior.
Ditos ditos para gaz.
Jarros de ferro fundido para ar(j,m.
t eS ue ierrO para mesa e banco.
M.acUina para geiar ?gua.
V alVUiaS para bomba e banheiro.
Correias iuglezas para machinismo.
BanCOS e SOiaS com tiras de madeira, para jardim.
OoncertOS Coricertani com promptidio qualquer obra oa macnine, ptra o qne
sua fabrica bem montcda, com grandi; e bom pesBoal.
SnCOmmendaS manJam v>r por encommenda da Europa, qualquer machinistL .
para o que se corresponde,m com uma respeitavel casa de Loi. com nm dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar aaaenu-
Htaa machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 10-1
FUHDICaO DE CAHDOSO d IRMAO.

fiRAlE LI0UID4CA0 DE J8I\S ATE FE-
vereiro pjtii\iw) mm
Rim do Cabugd N. 5.
Os proprietarios desta antiga loja de joias, resolvendo-se definiti-
vamente liquidar o seu estabelecimento ; vendem para acabar todas
as suas joias d'ouro, prata e brilhantes com enorme abatunento nos
pregos', assim como as encommendas ja" feitss. que forem chegando da
Europa, pelos pregos da factura.
Grande Liqnid-.cHo
Do Museo de Joias
Rua do Cabugd n. 4
Neste importante estabelecimento, vendo so para acabar ate ltve-
reiro proximo futuro todas as joias de ouro, prata e brilhates alii
existentes, por pregos ate hoje desconbecidos, bem assim as remessas
que forem chegando da Europa, pelo prego das facturas.
GRANDE LIQUIDACAO
TOLENTINO DE CARVALHO
Rua do Cabuga n. 1 c
Tendo resolvido liquidar o seu estabecimento de joias, declara
que desta data era diaiite os seus pregos serto extraordinariamente
redozido, como nao podera" haver competencia.
Grande Qfiiigii
0 COLLAR D'OURO
Rua do Cabugd n. 3 A.
0s donos desta grande loja de joias,Vesolvendo-se a liqmdar o sen
estabelecimento ate principio do anno proximo futoro, vendem com
grande abatimento^de pregos todas as suas joias de ouro, prata e bri-
que for recebendo da Europa, pelo prego
I
lhantecorao tarbem as
da fabrica.
Grande Liquidacao
Manoel Antonio Gonfalves
Rua do Cabugd n. 3.
Tendo rezolrido liquidar no menor tempo possivel o sea estabe-
lecimento, vende para acabar todas as snas joias de ouro. prata e bri-
lhantes. com enorrre abatimento de pregos. E as remessas que fo-
rem chegando da Europa, pelo preco das facturas.


6
*3tkki(p*&9km*kmto<$ ^4MMtoAo 17 fc-0Mbt&tiK.-'WI4
x
Boa moradia-.
A!ag-?e esUi > J;i (strata de Agua Fria n.
.'Omfc.a ca*a para nnrnerusa faroiiia e excellente
&anho tie, meho.laesre, perto da estaeao doer
f*t\,k **i >*' ,> Tii "ft trnlqr no a*n *>* ii
.!!BtW teferru
a tratar Da ua Primeiro de var
Cura insfonlaea
"Grandiosa (lesciiberta 111
Kovida lo iaiportantissima I!
Oose auotidiano SENi-.BO.S0 que se vende no 1" andar do sobrado
a. 6*, a ran da Cmz, tem a pmi.riedade de rob*
ZAair c ttj grande vantagem e extraor Inaria eco-
aocnia, os uVpurativ tao apreeoados e eonheei
ies jtc ao/fi e -caroba, etc. 0 medicann-nto que
aaouneiaino's na> rura todas as mole.-iias ci>mo
sacate a? p-ioaceias que se aonunciam, aenmpa-
Dba^a- de aliestaoos; toda via: restabeleee imme-
diataw.te as f r^as, e puriDca o sangue, sem a
deevantagem de ser norivo a satide.
Banhos e durmida fresca no
Monieiro.
Ataga-se alii duas casas pequenas, teodo cada
iau, duas salas, tres quartos e coxioha e a tra-
:ar oa rua Nova, loja n. 7.
I'm iMVii rival!
Para UM eidade :ao popolosa enmo a nossa, 6
>sr oerto inroBcten e a existen ia de am unico
jaina Cunftitaria do Campos. -
E' tste o molivo porque acaha de brir-se a
ooenrrneia putilica do bairro do R cife a rua
-i.) '<'irriircio u. 22, uma casa coimnnda e de-
ceute, fril. o titulo de Astemblin do Commercio
oitJ-> o reapeilivcl pubiico encontnra sempre
joe practsar, o ueccssario para :
l>ai ca^aniento.
Uma soiree.
Urn baptisado e
Um lanche.
Ha tambem i
Grande vanedade de hebidas linas.
Oompioto sortimento de doces para embarqaes.
Sotitihos sortidos e fructas de delicado ?abor.
Bandeiss caprich'isamente preparadas
Piwstir u l.itjclie a qnal |iier bora.
Fttdu com eiinerado aceio, presteza e preeos eqni-
I'ttVOS.
22 Ru do Commercio 22
Mjira-fii-Lima "
Assemble* do Commercio.
ESOIUVO FIM DO.
Puffin -lo enjrenlio A'alaya. na freguezia de e-
titttiArm, no anno A*. 1865, o escravo Praocisco,
aanlato, com i6 a Ifc annos de ilade. pouco mais
ou mrp ?. ilinra e corpo ragularearolhos rasos c
Maes, jr bens "laia, cabelloa bomt, deoteg per-
feito?, c:'riz afilado curio feig.io bumta, sei
j>artia, tnuito oi'ioeTado, pes seccos e bfin feito^.
0 oito I'scravo f j ia -v. eommeoda'W Antonio
d- ? San i* ntnal, senhor doeogeiiho Cabeea Nefr.i; comprado ao ci.m-t >r Jlivcira, murador
jo R^cii .
Fnpio do engrnho Aiudini'.na heguextada
S*<*ail.i. no anno An iS72, o escravo Guilherme,
Bfl uh .-; ",i<' repuint-s : pardo, enm 23 anno-
de*4ade, poaeo mai* on inenos, altora e corpn
regular--*, eabeil scacbeados, olhos grandes, rosio
ecoutid', eo:n ^lsuns gfgnaes d ..ili.i, nan/,
pri I o am unto arqaerda, di i?ii pnrfeitoj ;
teai omas sardas ps ii. resto, e f.iz movimento no
erp foando an-la, fi na occarii ~3\ a alguna pessH-a, le a o ehapeo |. r eima da
:;iL'.'.. para -! relag iard?, 6 miuiu a'rgre e diver
f'da [)e>conGa- e |aeti-ja na riiiadr da Hnra-
: i Nazareth. For lanln, rtga-ae ifi
tnt-ridade? poli.-iafs e aoi capiia^s de rampo a
.ii do.- ; I is e>cravus e .-eri"n enlregni s
i mj ren'-or, Emilio Pereira de Araujn, i.o r-fe-
i de i|-.i.-iu le*l(i a pa on d 3004000
' m. X li. () escravn Guiiherme tem
iz bre cma sobrancelha.
Antonio de Azcvedo Villarmieo.
Pelo prexente sao coBvidados oa afilhados e aft-
lh.das de Antonio de Azi'vedo Viliaroacn, falle
cido em Poriagal no mez de lutubro de 1873, a
apreentarem deoiro do prazo de 60 dla-, a con
lar de-la data, a certirtSo A-i sen nascimento, em
caia do abaixo as?ignado, testamenteiro inaliiaido
pelo dito fallecido, -aflm de que sejam devidamente
attendidos oa partilha a que tem de procederse
com a precia ifnaldade, de accordo com a d'spo-
?i?ao testamentaria. Recife, lit de setembro de
I87i.-Man el Azevedu de Andrade.
Exmas. noivas.
Cbama-Tos a vossa atuncao para o novo esu-
belecimento que acaba de abrir-se a rna do Com-
mercio n. 22, denoroinado ASSEMBLEA DO
loMMERi'.IO onde >e yreparam nca baodeias
com grande variedade-de b.-finbos captich63a
mente enfeiudos, tambem se apromntam; bad-
qaets.
Assembler do Commercio
Meira ft Lima
22 Rua do Gunmercio 22
l'recisa-&e
alugar uma aserava para vender oa rua t a traUr
na rua do Caboga p. 3, V andar.

Restaurant de BordeavK.
Aberto toda a noite, dos dias de espeeta-
culo da cnrnpRiihia italixna.
*ravo i
. J

irido
iann atifenlou scda rasa di e nhor ni
!.' de <-i -11--1-i--.. e :cm os signapj legointes :
."' fola. ri n sen a i r iS ai.n> de iiJade,
on ;:ii ;::i.-, tcin algumas sa da on
'(::. n ru i pej grandes e calcanharea f-
nsd 'I w encolhidoa, tambem tem uma ci
roveciente de nina iiiPima'tn-
> oa*r iguai m uma das pern : mga -c as
3 it -rid s po ieir.es e ao< Sr" capitaes d cmpo
; lerenc e remf te lo a rna do R
u ;;.'.:>. 1 andar, qne serio generosamente
Tceoro Tados
Divtdas da massa falli *a de
Tiioioaz Fernandes da Cu-
nija & 0.
1 & Sanies Oljveira, arrematante das mes-
:, ; ni nt dteved'Vea da dita u a-a fallida,
'.nfi i.Tji- m ate IS >-> enrrente, se-
ao pulilicadtig sen* nomea, e eoiregue a .-eu'pro
P: Cxia- n. "i.
Escravos fugidos:
Continnam a estar fugidos desde o anno de
1870, os escravos seguintes : Francisco, crioulo,
com 28 annos de idade, pouco mai-t ou"mepos
altura e corpo regalares, olnos grandes e braaeo*,
denies perfeitos, cabellos carapmbados, uma cl-
oatrii pur cima do olbo esqanrdo, barba a Cava-
nhac, mnilo conversador e risonho. Antonio, ca-
bra, com 2a annos de Made, pouco mais on ma-
nns, alio, secco, olhos grandes e vermelbos, ca-
bellos um unto solto, pouca barba, dentea per-
feitos, p6"s, comoridos e .'eccos ; amboa foram com-
prados ao barao de Nazareth. Des:;onfia-se qae
os ditoa escravos estio oecultos ua comarca de
Pajeii de F res, on no Rio de S. Francisco. Ro-
g -?e, portantn, as autaridades poiici^ese aos ca-
pities de campo a captura dos mesmos escravos,-
e serem entiegues a na seu senb< r, Emilio Perei-
ra de Araujo, no engenho Ajodante, na fregue-
zia da E*cada de qoem lerao a paga de 300*000
nor cad:i nm.
PM0BBS1
Na tjravessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, dd-se
dinheiro sobre pe-
nhores deouro,pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma 'casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Capellas moituarias.
Porto & Bastos, a praca d^ Independencia n.
39 acabam de r> ceber pelo ul irao Vapor, lindis-
simas eapellas mertnarias corn diversas inscrip-
coes prop ias para luniul >s e catacamnas, as
quaes vendem por pregna mnito modico.
0 padre E lam-lao Ferreira "de
Carvalho, nu di.i 19 do corrente,
setimo da nolieia da morte, as '7
h ras e meia da manha, celebra
na igr.ja do c uve.nto de S. Fran^
ciscn Besta cidale uma missa en
suffragio da alma do commendador
Jcajuim Palriuta Paes Barret., fallecido a 6de*e
mea na eidade de'Caruarti ; e convida aos paren-
tes amigj- do dito fiaad, para assislirem a es-
te actj de pie lade ell isH.
Esta encouracado t !
Arum mole em pedra dura
Tanto da ate que a fura.
Roga-seao Uttr.-,SC iMtetol-Vttirit drifirtl
scrivao na cida^le de- NSttretfr desu provlricia,
favor de vir a rna Dnqne de Caxiaa n. 36, a con-
clnir aquelte nagecio que8. S. se fimifMini linn a
realisar, pels leniieira chamada deste Jprnal, en
9ns de dezembBo de 1871, e depoia part Janeiro,
passon a feverairor e-abril de 1872,e nada cumprio,
nor esta motim'4 de novo chamado para d
to, pois 8. *e-4e*9Hembrar qn sste-oegoci
de mais de oito annos, e quando o Sr. seu fllho
xchava neata eidade.

i.
-i Du
Oathariua fagia
No dia 28 de agnsio proximo passado
UM-seesta escrava, a <;aal tepi os signaes aegoin-
tea : e-tatura b..ixa, rofto redondo. eor preta, p6*
.-: i -n s eostomava (nd.*r leite, anda sempie
an-^cn-
pn
earn nm caceb que [be s-erve de Crnmo por .-of-
r.-r de lii-umali.-mo, ja 6 ii-a e de najao Cam
bis a : qu. n. i- encontrar, pe^ue-a e leve-a ao sitio
do Cafc.n ii, estrada de Joao de B;i
#ra-ifi
< id-Jos Aleliorne
Maria Candidd de Miranda Al-
Ciorn.; e Jesiiino de Miranda, sen
idkaimos d- mnrte de seu marido
e cunhido, iJarlus Alchoroe, convi-
dam os >eu^ paMafcn e amigoa e
a> s do fallecido, para ouvirem as
rnj-.i< tin^ por su'alrea faxero- ce-
lebrar na igr-'ja da Gloria, as 7 horas do dia 21
do corrente, trutwimo do sen passamenm.
Ur. tfacinllio Pereira do Rego
A Muva, os paiv'M'gra, os irmaos e
i-unbaios do Or. J rintho Pereira do
R'go, de aandoriaaima memoria,
prpteiidem comnii-murar o primeiro
anmvprsario do seu infausto pas-
sa.m- nto, no di jengnnda feira ( 19
(I i corrente) fazendo celebrar missas
ptloeterno repouso di hua alma na igreja do
o nvi-nto ile S. Fraucisco, pelas 8 horaa da ma-
Dbi; e para asm fim rog^m encarecidamente a
todas as pessoa? de sua amicade e do foro qn-t se
dignem dp prestar Jua bonrosa assistencia a esses
^ct-s de caridadc rplijiosa : pelo que se confes-
am de?de ja suminar:>rite ur.itos.
"-' MiNsa funebre
A imperial soeiedade dos Ai tisias Mechanicos e
Lboraes manja eeli-hrar uma mi sa pelo repouso
eterno do Sru fallei nlo socio homtrario Paulo Jose
Goujps. no dia 17 d correit, pelas 7 hirasda
manna, na igreja d- N. S. do Carmo ; e para as-
sistir a ete ado rtligioso. convida os membros da
mesma soeiedade, a incons I. vel esposa e iilho do
lin.-.ilo. e aos n.-oi-nt'S e amiios d-te.
E. A. DELOICHE
21-Rua do Maiquez de Olinda-2.
Esqulna do beeeo l.nrgo
Partici pa a sens frrguezes e amigoa que mudou
o sou estabelecimento de relejoe'ro para a mesma
rna n. 24, onde eneontcarao urn grande sortiraento
de relogios de parede,' americanos, e cima de me
sa, dos melboree- goslos e qnalldades, relogioa dt
algibeira, de todas as qualida.es, patente auisso,
de ouro e prata donrada, foleado (plaqnet), relo-
gios de onro, ingtez, descuberto, dos melhores
fabricantes, eadeia de ouro, plaquet e prata, lunetaa
de tod?a as qnalidade3, tudo por pregos mnito ba-
ratos.
ALUGA-SE
nma grande casa terrea com bastantes commodos
sita na estrada do Lucas : a tratar na rua do Vi-
gario 0. 31.
AMA
ta, Para comprar
a tratar
loja.
& tiubar :
rua Nova n. 12.
AMA
Precisa-ae de uma ama para
engommar e ensaboar : a rua da
Concordia o. 43.
Precisa ae de uma ima forraou escra-
va para casa de familia : a tratar na rna
de Hortas n. 15
Ama
Ama
Precisa-se de uma ama para engom-
mar : na rua do aarao da Victoria n 22
Precisa-se de uma ama para cozi-
nhar : na travessa do Corpi Santo n.
25, arnazem.
Ama
AMA
Precisa-se de uma ama qua aaiba
cozinbar : na rua do Hospicio nurae-
A M A Precisa-ae de uma, livre oa captiva ;
a11'1 a tratar na rua da Uniao n. 47.
AMA
Precisa;e de uma ama que eo
zinha e compie: na rua da Concordia
n. to.
Ama de leile
Qaenrprecisar de nma ama de leite, dirija-se
a rua das Cinco Pontas n. 122, que acaara cum
qnera tratar.____
j mf| av, Offareee se uma pessoa p.ira ama
<-aV JraT <\ Ae caia de familia, preferindo ser
para cozinhar : a tratar na rna: targa do Rosario
n. 22, 3* andar.
r
Oi
ima
tem nm conpleto aortimanto da galio e fraoja de
onro e prata, verdadeiro, de todaa aa larguras,
abotoadoras douradas para, offlciaes, canutilhos e
enfeites par* twrdado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer* fardamenlo, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, charlateiraa, ban-
las, abotoaduras lisaa e douradas, parr crtado
etc.; assitn como um eompleto sortiipento de
ranjas, galaa falso para ornament), enrdao de 14
com borla para quadroa e espelhos (conforme o
gowo da encomraenda). todo por muito menos
preco que em outra qualqaer parte : na pra.-a da
Independencia n. 17, junto a loja do ?r. Aranlcs.
Escrao fugido.
Fngio do engenho Ajudante, m-fregnezia da
E-c.ida, no mez de junho do corrente anno,
escravo MarUnho, de cor preta, com 24 annos
de idade, pouco mais on menos, altura o corpo
regulares, olhos grandes e bnnnos. com principio
de barba, denies perfeitos, cabellos earapinhados,
pe"s grosose compridos ; anda um pouco decli
nado para frente, com a vista firmada para o
chao; 6 muito cantador e official de carreiro.
Desconfla-se quo o dito escravo esra occulto em
terras do engenho Para, na freguezia de Ipojuca,
pelo qne, incorrera nas penas da lei, quem o tiver
occulto. Roga se as autoridadi-a policiaes e aos
capitaes de campo a captura do dito escravo, e
ser entregne a seu >enhor, Emilio Pereira de
Araujo, no referido engenho, de quem lerao a
a paga de 504000. ^_______
Aluga-se o 2 an<1ar e sotan do sobrado
da rua doRangel n. 73, todorecoiis'.ruido e
asseia'lo, coin bastantes cotnui >dos, escada
independente do \.' andar, e beru assim o
quintal ; sendo muito fresco e com excel-
lente vista para a nova praga do mercado :
para ver as chaves, estao uo estabelecimen-
to de molliados do mesmo predio, e para
tratar na thesouraria das lotorias com Auto-
tonio Jose Rodrigues de Sou/.a (sen pro-
pri-tario.)
kri..
Aluga-se ou vende-se uma grande casa terrea,-
em Olinda, propria para grande familia ; tern gax
e agoa encanada, sita a rua do Aljube n. 31 : a
tratar na rua da Imperatriz n. 86. 1 andar.
Aluga-sc por anno ou festa o sobrado de dous
ao,dares nosQiiatro Cantos, e.u Olinda, com com
modos para grande /amilia, agna encana;isada e
cano para despejo, mnito fresca, perto do banho e
das estacSes : a tratar na rua da Uniao (Una doa
Rates) n. 53, detraz do Gymnasio.
Aluga se a casa n. 34, na Capunga, rna da
Ventura ; o 2 andar da casa n. 3, rna da Fenha ;
o pavimento terreo da casa n. 44, rua do RaDgel:
a tratar com o proprietary, no 2 andar deata nl
lima c, sa.
mi
Na estrada de Joao de Barros confronte a
capellinha, aiuga-se o grande sitio n. 21, com mil
palmos de frente e 2 e tanto de fundo ; uma ex-
cellente casa com 4 grandes salas, 8 quartos, co
linha fnra e i|uailo sepaiadu paia do^pen^a, um
grande t-rraeo sobre columnas e gradeamento de
terro; esirtharia para 4 cavallos, casas para cria-
d s e escravos, 2 cacimb.is com excellente agua
para beber e la var roupa, boa c grande numerode arvoredos de diversas qnalida-
des de frucias : quem pretender, dirija-se ao mes-
mo sitio, das 6 as 8 da mania ou das 3 l|2 da tar-
de em diante.
Precisa se alugar uma preta, pre to ou mole,
be nnarua de Chrlstovao Colombo n.3, {. andaro
Grande liquidigao.
de miudezas e cbapeos: no novo Baxar, rna
Marque- de Olinda n. 53.
do
Vende-se
No eacrilorio de Thomaz de Aquino Fooceea A
C. Sacceasores, a rua de Vigario n. 19, primeiro
aodar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Lisboa.
Vinho Sherry.
Vinho d i Porto em caixas, fioissimo.
Idem em barria de qninto e decimb, fino.
Retroz.
Fio.
Cal de Lisboa novissima
Vende-ae em grandea e pequenaa porcSea : na
rua Direita n. 14.
Vende-se..
Tres paries da um sitio com casa de moradia,
site na estrada de Joao de Barros: a tratar na
rua da Senzalla Velha nil.
1AP1OTAS-
A *00 e 500 re) I in o covado
SO' NA RUA DO QLEIMADO N. 43
Junto & loja da Magnolia.
Baptistas de linho cam 4 i palmos de largura,
padr5ea moderno8 a 40Oreis o covado,
Unas de dito bordadas, com bonitos desenhos a
500 reis o covado; foi (azenda de If 900 o co-
vado
Aproveitem, ao o 43 e que tem. Dio-ae amos
Iras com pbnhor.
206 tSs o contk
Sao lasjnlias!
E' fazenda de 400 reis
(undo Daelmado n. 43.
I.asinhas de quadrinho sa escosseza com padroei
chiques a 200 reis o covado.
So o 43.
_____________So tem pecincbas._____________
Vende-ae nma carroca para cavallo, propria
para sitio, com arreios, e um cabriolet de duas
rodaa, Umhem com arreios: na rna do General
Seara n. 19, fabrica de carroa, de Carloa Leimig.
Botinas Suzer
chegadas pelo ultimo vapor da Earopa. Ha um
complete sortimento de bezerro e cordovio : a rua
do Marquez de Olinda n. 40,1 ja de Jalio de Mello
Salgado.
Sitio.
Vende-se no Arraial, perto da estacao, a posse
de um terreno forpiro com 180 i|2 palmos de lar-
gura, 588 de fundo por um lado, e por outro 388,
com 142 pes de arvoredoa de fructo de 28-qnali-
dades, e espaco para a continnafio, e$ta't>doo
terreuo pla" tado de lavouras que ja dao rendi-
mento, tem mais de 60i palmos de latada com
ovas, abobora e maraenja assil. 0 dono encarre-
ga-se de fazer easa ao gosto do comprador, se
exigir : a tratar no Arraial, segundo sitio do lado
esquerdo, partindo da estagao da Estrella, em di-
receio a ca
A 120 rs. o covado.
Na rua da Imperatriz n. 60, vende-se para aca-
bar uma grande q;iantidale de las, restos de di-
mm s> rtimeetos, uesde 120 rs. ate 500 ra.; no-
tando-se que, quando havia sortimeutos comple
tos, ae venliam a 1x280 e U600 o covado, ha
grande vari.dade em padrSes, os que primeiro
cnegarem melbor pechucha farao, a ella a rua de
Imperatriz n. 60.
larros, que seia
Quamao & Li-at, ustabeierid >s com loja de
razendas ;. rua Primeiro de Marco n. 14, fazem
aevote no pubiico e a seua freguezes, qne,ae actmn
re -ci-. .i dito se i eaftKlecl. eat e na ad-
stra> de t-'doa os sens ben--, esporando como
- i e nc'irrencia dp um e de ontro
Pillulas Catharticas
de Ayer.
Para todos os efTeitos dt
um remedio loxsota.
Mb ba Beguramentc, un
rcmodio tarn universulmeuta
procuratio como um cnthar-
tico ou pureante, o nenhum
outro tem sido tio usado em
-Vyfo? or, p-uzes e por todss as clasce, como estas rxM.i.v.
r .tn, ?uayes mas efficazei- A razao 6 evidente, Ibrmao
tpa emedto muito mats cei-to o efficaz que nenhum ontro.
A-^up'les que os teem ensuiado sabem que se teem curado
pelo tea u-o, os quo nao os ensiu'ario sabem que seus amigos
.: SDln se teem curado, i> todos conhecem que o resuttado
t/..> nma vex, se tiraia tolas as vezes, e que as PILLU-
r A.n nmica falhao por coivioqaencia de erro ou neeligencia
l SOI comoosiciio. I
taaat milhare.< sobro milhares do certiflcados referentes as
! curai one h$o eff sctuado estas pillulas, nas motes-
ttssaueem segulda m.-nci jnainos. porem sendo tacs curas
- ..^'i-'asemjodaaparteaoadeteem penetrado, des neees-
*uw e publics 1-os aqni. Adaptadas a todas as tdades e a
?idas as condicoes, em todiji as climax, nSo contendo calom-
>i nein outra qualqaer droga deletcria, ellas podem ser
O'judas por qualquer pewoa com toda seguranoa. SuS
<-*I d*assucar as consen-a,sempre frescas, e as torna eosto-
wmwi p:illadar, sendo tanjl>ein puramente vegetaes, nao po-
fcriB -ivulltar effei'os preintliciaes se por acaso forem tomadas
m qoze desmasiada. 0 papel que serve de coberta para
>.i la vidro leva direccoes minuciosas com relacio as secuin-
t>* molestiasgue as PIL1.VLAB CATHAKTICAB nipi-
ditc curan. Para a Uytptptta ou lndigetlao, DU-
< ticenriir, IxinguUlrz, Falta de AppeHle, devera ser .
;- *>-slblecer suas funccaos siudaveis.
Para as Itaenea* do J-iundn e suas diversas syinptoinas '
* -u-.nqnecai BiHotas, Dor de Cabeea, IrterIHa, Col-
-m-5 Ml into, e Febre* BiHoia*, devem se tomar tambem'
^ ^xieradamtnto em cado caso, para correger a acfto viciada '
- r-n.ovur o obsttfcolos qip a oausBo.
Para a DyienUria ou Diarrhea, e geralmente bastaate
* !i? <*ose ppqnena. j
*"*" Xhevtnatlmo, pott*. ArreUu, PalpitaeSo do
C*rmeao, Dorr* not i'harvat ou cottai, devem ser
tomadas conttnandadilMt, nVf aHerar a accao dos org&os
ficregulados, de sorte qua a molestia disappareca.
Para a TJv*~^~,ia n infti,ugM BydropUat, 4 preciso
*>mo-l-as i.-ei)Untemonte e em poreoes assas arandes n<
fKoanzlr o efieito de nm purgatfvo drastico. (JOB
Mm para o Jantar on oomida, toma-se ulfia ou diia* para
,-rotuover a digestio e ajmlar o estomago. Uma ou duas to-
a-ias de ver em quando, estiaaiae ou estmnaco a obrar sf.n-.
(Javelmente. ~~6"
Qualquer qae te acha reguliumente bom, tomando uma
mi daas destai puralut ia achara, auiitas vezes, decidida-
t,^p min-or, por razfio que eUas tarificam e resUurio
spparelho digeeUvo.
eneuie .li- alari.i I-Vinna da
Cunha a-iJiio.
Franci-cn Zacharlaa de M >raps, cimpungido pe-
la morte de sen prezado aii.ign (enente Jose" Maria
Ferreira da Cunha Filho, fallecido na eidade de
Caruarti, con>ida a toios os pirentes e amigos do
finad para assistirem a uma m^sa que por sua al-
ma manda rp;ar na igrp.ja do conveuto de S. Fran-
cisco de.vta eidade, as 7 boras da manha do dia 20
do corrente.
Aft" nso Jose" do Oliveira, professor ju-
. bilado da cadeirade geographia e his-
I' tuna do ex-hceu de-ta eidade, tem de
novo aberto, sen collegio de mstruccao
primaria e secun taria na rna da impe-
ratriz n. 18, onJe continiia a receber
alumnos internos, cxternos e meio pen-
sionistas.
Casa para alugar, em Olinda
Aluga se uma casa terrea, na rua da Bica de
S. Pedro n. 8 : a tratar no R 'cife. travessa do
Corpo Santo n. 27, armazem de fazendas.
Uma preta de 30 anaoa, ^tie cozinha e en-
gomtna bem, precisa da quantia de ihOt para
sna liberdade, c intratando seus servigos com a
pessoa que qoeira fazer este negceio a pagamen-
to da dita quantia, no pateo de S. Pedro n. 26,
na mesma casa vende-se 2 escravas que cozinham
e engommam, uma d-*ilas por 600$
Alu?a se 2 casas muito frescas, na Capu ga.
com commodos para familia : a tratar no mesmo
.ngar a rua das Cri alas n. S.
Para alagar
Na rua da Alegria n. 3, aluga-se um
com 20 am:-is de idade.
moleqne
ra
Iff"
ixj?ARalus fob
J. C. Aj$\tjffitmn IiOwell, RTass., iZ.V,
CASA DO OURO
Aos <*:00):000
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora IS ova
n. 30, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba dj veEder nos sens
uurto felizes bilhetes a sorte de 4 OOOxoOO em
meio bilhete de u. 3,067, alem de outras aortes
(..snores de 40*000 e 20*000 da loteria que se
a-rabou de extrahir (I20) ; convida aos possuido-
rea a virem receber, que prwnptamente serao
,iag09;
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeiu
'l pablico para vir ao seu estabelecimento com
Tar oa mnito felizes bilhetes.qne nao deixarao d*
irar qualquer premio, como prova pelos me. uiiuncios
Acbam-ae a venda os mnito felkes bilhetes ga
ntidos da 3" parte da loterra a beneflcio dal
iyreja matriz de AflRjldoi, qne se extrabira ao dia
21 do corrente mez.
inteir-o 4*000
Meio 2*000
Oe 1009000 para cima.
Inteiro 3*500
Meto ii7S0
Hecife. 14 de ontuhro d*1874:
_____________Jn/ir) Jnnimtm is Coita Lett*
- Alngase o armaxem de rebeiber, do sobra-
io da rua dos Burgos n. il.pot iear-r da rua do.
> igsno : a tratr f,.w jOTe Pehchmo Nazareth,
ua da Praia n, 20. _________
Mole<|ue fugido
&rtulia^'.lPole$ue de ,3 a J* annos, preto,
nalto, cheih fld Ctfpo; rosto redondo, bonitos den
'-.- ecabello eertado de freaco, ansenton ae na
-.do ui 10-docurrente, com camita de n.adapo-
.rt.., calca de brim de cory deebotada, chapeo de
iSfil preto, couduxiado um .-enote grandee am
niarrado de Ires t^bhas ; sobre- o beiQo superior
.....i- BatiiauBWta oota un.a uaManua. Grati-
...UJ^ u ^y.Kw le.vjt aiv> ua .iufora n. 165.
Vrecisa-se
de um socio que entre co.n am conto de rfiia ou
mais, para um negocio de muito interease, que
saiba ler e eontar, para for* da pr na villa do Cabo, rua do Conde d Ku n. 18.
Carros de luxo.
f*E' inqnestionavel que a cocheira da rua do Bom
Jeans n. 15, de Joaquim Paes Pereira da Silva, e
a qne tem a melhoies beriindas, caltcbes, meias
caleches e Victf.rias de luxo, prp|rlas para qnaJ-
qner noivado, visita de etiqaeta, bailee, e ados
da academia, sendo os mesmo- ajaezados de ex-
cellentes parelhas de animaes, arreios luxoaose
bolieiros com fardameataa do ultimo gosto, para
oquese convida ao pubiico a vir por si mesmo
scientiticar se da Vt-rdade do que deixamos dito,
certea de que nao enoontrarao pomada e sim rea-
lidade, e commodos precis
Tenenos proprios
Com 400 e-500 palmos do
fundo
A. S04t e 19 o pa I mo
Coqtinua a retalbar ae oa grandvs terrenos one
circondam a e.-taca da Roa Viag- m.
A boa posicio e vaotagens gari-ntidas pelo go-
verno e pela companhia da estrada do ferro a
uero editicar proximo a esta estapa.j, sfcj bem
cunhecidas.
Em todos os domingos e dias santos podem os
pretendentss dirigir sea mesma esiac3o. que achi
no pe-soa habilitada para iazer as competeutes
dp-marracJSoa.
Para nao ticarem prejtjdicadas, sao rogadas to-
das aqnellas pessoaa qne encomme'ndaram terre-
nos. a virem quanto antes tomar po?se deDoitiva
de sens lote*.
Atteneao
Fagio no di- 7 de "setembro o escravo do abai
xo assignado, com o* signaes seguintes ; Egnlio,
cabra, idale de 20 annos, cabellos carapi-hos,
olhos aboticados, altura regular, rosio um tant
chupado,. beicos grossos, bocca regular e um
tanto bicudo, cabeoa uequena. orelhas regulares,
bracos, a mesma Cousa, piruas reeulares, tendo
a esquerda e o pis iochado, por [he dar erys.pela,
nariz regular, e b.m trabalhador de olaria. e
tambem e boleeiro, e d aural desta eidade do Re-
cife, e foi comprado ao ex-capit&o do prto d> sta
provineia, Jose Joaqim da Siiva Jacqoes : roga o
abaixo assignado as autoridades policiaes e ca-
pitaes de campo e de navios, a sua captura e le-
varem-oo a p. nerosamente recompensados.
'______________Jose Boarque LCisboa.
Uma preta de 30 annos, que cozinha e en
gomma bem, precisa da quantia de 450* para sua
liberdade, eontratando sent servicos com a pessoa
que quoira fazer e>te negocio a pagamento da dita
quantia ~ no pateo de S Prdro n. 26. .Y-. mesma
casa vende-se duas es ravas que cozinham e ea
gommam, uma deltas por t3U0*.
Alnga se uma escrava parda, perita ensaboa-
deira, engoiumadeira e cozinheira, por 20* im n-
Mies, limpa e asaeiada, se for para casa de familia
melhor, ou para casa de pessoa muit > capaz : pro-
curem na easa n. 137, no fim da rua da Anrora.do
Gymnasio para la.
B&J..------._________________________i_...
!^
iu:i>b:ivii>i:.
Aluga-se nma boa casa com commodos para
familia, tendo o sitio diverse* arvoredos de trac-
ts, esrando a'casa pimada e repararfa denovo:
I tratar a ru da Cadeia n..3tk
Preeisa-se comprar 4
portas de lonro de 10 pal-
mos de altura: nesta typo^
graphia se dird.
Aos 5,000 covados dela
Na lojad)Pavao vende se lazinhas de muito
bonitos eostoj e delicados padroes, fazenda nova
no mercado, pelo diminut) preco de 180 rs. cada
nm covado ; quem d-ixara de fazer veslidos de
la tao bonitos e por tio pouco dinheiro? Forne-
cem se as amostras: na rua da Imperatriz nume-
ro60._____________________________________
E' muito barato
E' s6 com as noivas
NO
BAZ4R DAS FAM1LIAS
A' RKk 00 WQW DE C^XIAS N. 60 A.
Riquissimos veoa de blond b)rdados a >cda con
sapella, proprios para noiva, o mais moderno que
tem vindo ao mercado t
Riquissimas ca elUs de flres de laranjeira, pelo
diminuto pre^o de3 00 uma.
Lindissimos lacinhos com fivellas, proprios para
senhoras. a 2.500 um.
Lindissimas gravalinha; de seda com blonda,
proprias para senhoras, a 3S000 uma.
Riquissimos alfinetes com uma flor, proprios para
o peito de seuhorss ou para a cabeea, pelo dimi-
nnto preco de 2 000 um.
Vis ft Wllva A tinimarites.
ALMA\'AK
DE
CARIGATURAS
Par \m
BE
RAPHAEL BORDALO PINUEIRO
Contendo nurrn rcsas caricaturas ]intreca-
lado kno texto.
fteeo 500 rs.
Livraria Popular
Rua Nt>va n. 59.
Vende-se
ama casa sa villa de Darreiro*. %a ra* da Goo
maroio, por preca modico : a trataT com Tatsc
irmaos & C.
LIQUIDACAO
NA
Loja de fazendas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores miudas mnito boas para ronpa |*
meninas a J60 e 200 r. o covado.
Li pretas, superior, a 400 ra. o covado.
Alpacas de cores finas a 320 e 360 rs. o covadc
S6 se vendo.
Ditaa com listraa abertis, faxenda fiaa, a 600 rs.
covado.
Chitaa de cores a 240 e 290 rs. o covado.
Metins de cores miudas a 280 rs. o covado.
Cretones, o melbor que tem viddo ao mercado a
400 e 440 ra. o covado.
Cambraias braocas, bordadas e abertis, (ueafc
mais flna qne tem vindo ao mercado, e fizeadj
de 2*000 o metro, por 1*000 a ran ; 6 pa
chlnchl.
Ditas pretss com (lores mindas a 400 rs. o covaoV
Cambraia tramrearente, flna, a 3* a peca.
Dita Victoria, ma, a 4*000 a peca.
Organdy de assento branco e de cores, ccm fl
rea mindas de seda e de Ii, a 400 rs. o covad
E' pechineha.
Cortes de samnira de cores modernas a 5*300 c
corte ; 6 fazeoda de 9*. E' pechineha.
Camiaaa de linho finas, lisas, a 35* a dazia, e fa
zenda de 55*.
Brim branco de linho a 1*400 a vara.
Dito- Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
aiadaaolao fraaces verdadeiro, 24 jardat, a 6*
7*a peca.
Algodae T, largo e superior, a 5* a peca.
Gorgerio preto de seda para vestido e para ceoeu
a 3* o covado
Toalhas alcocboadas a 4*500 a duzix.
Colchas grandes a 34900 nma.
Cobertas de ganga, forradaa, a 3*.
Lencoes de bramante a 2* am.
Lencos de linho, abainhados e am caixmaa*
3*500 a duzia.
Ditos de caca de cores abainbados a 3*500 a in
xia.
E oatros mnitos artigos qne se vende por me
nos do qne outra qualqaer parte e para ae de*
SO na lorem qnciram mandar ver as amostras.
enganaja de
Gnilheroie & ft
Para o fabrico de chapeo*
A NOVA ESPERAXCA recebeu o arame propri.
para armagSo de cbapeos.
BAZAH
DAS
FAMILIAS
Rua Dupe de Gaxias n. (JO A.
Grande queima.
C-trrara a pechiacba I...
Riqais ra. Verdadeira novidade no mnndo elegante !
Capinhas de la e seda para seohora. Ccmi
inteiramente nova I
Excellentes cacnineis de la e seda para senbo
ra, por 5*5t)0.
Casaquinhos de gorgorao preto de seda. ri:a
meute bordados, peio diminuto pre^o de 10*00.
Excellente acquisicaoo !
Chales de seda a ii*. Raraliseimo I
Grosdenaple preto a 11200 o covado.
Popelinas de seda a 2* o covado.
Faia de seda, fazenda modernise ua, pelo com
mndo preco de 2*200 o covado.
Popolioas de seda, objecto da ultima racia.
I* o covado I
Ditas de linho com lislras e agradaveis pa-
drees, a 440 rs o covado.
Cambraias tra-sparentes,fazenda mui lioa e de
grande procura, a 6*500 e 7* a peca.
Alpacas de seda a 1* o covado. Grande pecbin
cha I
Grana-tinas de cores com liatras assetioadas, a
800 rs. o covado. \ ellas emquanto restaia !
Cambraias bordadas a 111 o o metro.
Ricas r,olinaises, bordadas com esmero, a 3*1
cada uma.
Tapetes para sofa, grandes e perfpenes. PadpV*
especiaes I
Ditos para portas.
Ditos para cama.
E outros artigos para bomens, senhoras
cria::'.-as, os quaes artig-is nao se mencion m para
nao massar se a benevula atteneao dos lenore;
leitoras, amantes do bom e do barato, e entaa
siastas da grande virtnde domestics a eeo>"
mia '
Corram quante antes a grande pechineha,
fregueses !
Vinde ver, coasptar e adtnirar t
Para concertar meias
A NOVA ESPERANCA, a rua Dnque de Caxjas
n. 63, recehen desta npfpssaria linha.
Precisa-se comprar um escravo de meia
idade. qi>e ent-nda de borta: ao largo do Corpo
Saalo n. 4y armazem. _______
Afotines da oompanhia de Beberibe
Compxa-se applices da companhia de Beberibe :
na raai Primeiro de Marco n. 19
UfUrpce-*e uaia.mulher para casa de ho-
mem soM'iro, nao fapfodos os services de cozinh
Aemperfeieao : aa rna da Senza la Velha n. I
Pupa dia d&jwado.
Rocebe-se enconm endas de capellas para este,
dia, feitas com (lores oaturaes, rosaa, cravos, >ao-
dades, perpetual- e aempre-vivaa ; trahalho este
qne deve agradar muitoma'3 qae as deconlas : a
pessoa que precisar, deve mandar a rua da Cruz
n II, armazem.
------
Baixa de capim.
- ** ffyj*ff#0i alaam de eapim as o cdw^ciaras
Fna#o,*m femtfoH a.MMtr m Caes- %%* *>
vembro p. 2$,
VIHOAS.
LEm PRQ^NCTAES.
| VeneHt-se no 1. aodar desta typagrarjllia,
em mao do sdministrado, ColleecgOes de
Leis Provinciaes a 500 rs. o exemplar de
oad
~
i
de listras
- a (*0o A'covado.
Ifelieai tobo At L.
Htt'oirqBWfl9eiIrfdVn.
35
Aos legitimos fogoes econo-
micos.
Acabam de chestar a esta ciJade os ver-
dadeiros fogdes economicjs. j4 muito conbe
cidos nas proviootas dj Rn. de Jaoeiro,
Minas, S. Paulo, Sergipe, Rio-Grande, Ba-
bia e Alagoas, aou-le tem mereeidof do pa-
blico a inaior aceitac..! i possivel, e sdo ja"
preferidos aos de qualquer nutro systems,
conbecido pelo sua muita so.idez, especia-
1 dade na collocscAo, inolerno systema,
e sobretudo gran-le economia no com bus ti-
vel ; trabalhim com lentia, coke, carvao de
madeira, etc., etc. Ra de div- rsos tama-
nbos, priiprtos para casas de pottca, regu-
lar, e de mutts GbsmHa, collegi >s, boteis,
casas pias, bospitaes, etc. Acham-se ex-
postos ao pubiico, ami lo so darao todas as
e\plic.3(,-6.'s necessarias: na rua da Crux
n. 6.__________________________________
AilMUBtt M mi
| A! praca circular do Apollo
vende-se:
Tijolosi -je toarmore, de diiTerontea. i.
twarmos e quatrinnVs.
""'-irfloai fraacezes, sexUipl >sv
CianvntO Portland ver todatfp,
Aulejos iaii.l.-. muiK, pr0pr4i
para rodfip^s.
AbuI(Jm v^^ e ,,.,.,!!.;, tamaaho
"Jiilna* yjo .leso. P-WMWPtt fle f rmt ,N-cpn? do ptMll;
nha, proprias para camp'o.
Chocolate do Maranhao
Unico deposite nesta eidade, em ca-a de Jn-*
Tavares Carreiro & C, rua Direita n. 14, onde it
ven.le pelos pregos e vanlageas da fabrica.
( al de Lisboa
Vende-se cal do Lisboa : na praca do Corp-'
Santo n. t". 1* anaar. escriptorio de loaqnim no
drip 'es favares de Mello.____________________
Allpnc-ito
Paras dia ale Haailosi.
Na rna estn-ita do Ro ark) n. Xt.
primeiro andar, lean a veoder-s*
lindas caaeilas para anjo-, dooaal-
las e defuntos, de rosaa, saudades.
cravos, perpetuas rcxa-, brancas
pretas, com letreiros lemoranca
de mioha mai, de m^u pai, men
espo'o. inmiia fspusa, irmao, irina, avo, avo, Qlbc
e til in ; tambem quem qniter taaodar aa per-
petuas para se annar capellas, p6de mandar ta^
dias antes : ven^e-se tudo pel mnito baral pref^
Vude-se por cummodo preC/., oat aubraie
meia-agua, de dous aadares e sotaa, silo a rna de
F 'go n. 18, em terreno proprio e de raoito boa.
c-'D-irin-i,-3o : a fallar na roa da Coneeielu a- 25.
das 6 as 9 e da- 3 aa 6 da lard .
Fazendas
motlo baralas p*ra acahar
E' irem depressa antes qne se acab a
Cambraia de cores, orpaad*)-, cevado a
Aigo.iao aznl, idoiD ideas
Idem de Rstra idem idem
Chita preta muito fia* idem a 2TO t
Meias para m> niaaa, a 21 a duzia e
Cbales de m, rino
Colietes de brim c casaoura a tl,
2*e
E tnuitoa oatros arligos de fizendas
feites por muito menos de sen valor, por rer mudar de sortiaealv : a ma do Barao *
Mria n. 14. _______
3
240
B
Sedinhab a JJSWo-ooy da
Venium an*m qae *e imMm: *teM *
ra'a i.' de Marco n. A. .
As unieae ^fdadeirah
Biclws taalKra* J^
aa rn do Marmes *mmt
a
Alpaca^POreT
A%To zism&esan.
hndos padrojes, '.!>* najuUjjAaa
sempre ae ven Warn p^r U2tH o a
, a "-!. aiilJajrae sp "
:. ... !ro dc Mr.r^ fc;,WTte
se acab m '. anal
o i laja aa VPfaam.


f
r


L.
~>
Diario d# Itonsintwioa Sabbado 17 d Outobrd Jfe'ttU.
Fazendas
0 af%os de alta
Hevkfcwle

it A
7 A.
fazenda,
IM BO flftO
Rh Primeiro de 1f$o n.
Ecordciro Ml me fa c,, proprietaries
deste tmportante estabeleeiraeute, no louvavel pro-
prosito de nio desmentirem o euoeeito que os
seus Humerosos freguezes Ibes lem dispensado,
acabam de receber de ?ua conu o mais nco stir-
limento de sodas, popelinas, lls e artigos de ul-
tima moto em ftxte, coutinuarao a receber
por ludos os paqueles daquella procedeccia ; por
isso chamam a altenjao de seus freguezes e os
Jonvidam a darera um passeio ao sea estabeleci-
mento, garantindo Ihes qae encontrarab a reali
aade do qae fica dito, e para pr va dao am pe
queno reearao, cujo infallivelmente despertara a
zitencio dos preteG denies.
Mandam facendas a casa dos freguezes, e .duo
amostras'nWtante peDhor.
Artigos de nlta novlilade e
ultima moiiu.
Cortes de vestido de linho guarnecidos de bico
da mesma fazeuda e cor, trazendo avella, bolca,
cinto, etc etc.
HJqaissimos chains para senhora, de cores e
oretos.
Cortes de cambraia brancos com jindos bor-
dados.
r" *de cores coin enfeKes da mesma
nrino, etc. etc.
Capas da la para meainas e senhoras, guarne-
:idas de armiobo.
Yostuarios para liaptisaio.
Riquissimas camisas bordadas para senhora.
Leques de madreperola, para noivas.
Ricas colchas de seda, para casamento.
Cortes de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda branca e dito preto.
Sedtnhas de delicudes padroes.
Sctim Macao de todas as cores.
Grosrfenaples pretos e de eores.
Vcllu ic preto u ilamasco de seta.
Graoadine preta e do cures.
FM6 de seda branco e preto.
Ricas basqninas ile seda.
Casacos de merit 6 de cores,
Manias brasileiras.
Cap. lias e manta; para noiva.
Cambraia de cores, aitas roaripesas brancas, de
tores, lisas e bordadas.
Flor do bosque (r.ovidade).
Percalinas dequadros, listras, etc.
Bruis de linho para vestidos.
Fastao de cores.
Saias bordadas para sonhor*.
Grande'sortimento de camisas de linho lisas
oordadas. para honiem.
Meias de ceres para homem, senhora, meninos
meninas.
Snrtimoflio (]e chapeos de sol para homens e
Merioas de core? para vestidos.
Dito pteto trancado e de-verio, bombazina, can-
io, alpaca, etc. etc.
Atualhado de liubo e algodio para loalhes, e dito
pardo.
Damarco de la.
Brim de linho branco e de cores.
Setias de lindas cores eoni listras.
Chales de merino de eores e pretos
Ditos de tuaqoim e ditos de casemira
Can.isas de chita para bom*1"* o f'itas de fla-
aella.
Ceroalas de liaho e ditas de algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e ditos de laoyrinlho.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
Grande liquidacao de fazendas
NO
N.7 2.
w
triz-N. 72
Mendes Guimaraes & Irmaos.
Tendo os proprietaries deste eslabeleeiraenlo resolvido diminnir o grande deposito de fa-
zendas, eoteoderam fazer esta grande liquidacio, como so ve dos precos abaixo mencionados :
Chitas largas a 160, 200 e 280 rfh.
Vende-se chitas francezas e Bnas a 110,280 e 320
o covado.
Luiohas a 120 reis.
Vende-se lazinhas para vestidos a 120, 240, 320 e
400 rels o covado.
Chitas para cobertas a 28ft reis.
Vende-se chitas para cobertas a 280 e 360 reis o
covado.
Alpacas de cores a 640 reis.
Na raa do VftfarTo n. 10; vgnde sfi" b segtiinte :
Cimento.ortl*#, el pfimeirarriSo.
Viuho do Portojf>Hride, Snilshno, h eai-
xas de dazn.
Dito dito em barris o ancoretai.
Vinho Sherry,-ifctiez'Bin (Jatxas "de'dazta.
Vinho Collares ^n- aueorfetas.
Cera em velas, de iiisboa.
Cera em grume, idem.
li, etc.
Vende se alpacas de cores Bnas, para vestidos de
senhoras, a 640 reis o covado.
Metim de cores a 320 reis,
Vende-se metim de cores para vestidos de senho-
ras, a 320 reis o covado.
Cassas (bias a 280 reis.
Vende se casas francezas. Unas a 280, 320 e 360
reis o covado.
Cambraia Victoria a 3J000
Vende-se camtiraia Victoria para vestidos a 31,
3/500 e UOOO a ppC'.
Cambraia Iran-pa rente a 2 e 32A00.'
Vende-se pecas de cambraia transparente a 31,
3*500,41 e Hi.
Cortinados a 141000.
Veude se cortinados bordados para camas a 141*
161 e 181.
Ganga amarella a 400 reis.
Vende-se ganga amarella para vestidos de senho-
ras e roui>a parameninos. a 400 rfts o covado.
Brim de cores a 400 reis.
Vende se brim pardo e de cores para ca'cis t
400 reis o covado.
Tnalhas para rosto a 700 r'dis.
Vende-se toalbas de linho para rosto a 700 e 800
reis cada nma.
Chales de la a 640 reis.
Vende se chales de la de quadros a 640 reis, cha-
les de metim a 11160 reis, chales de merino
lisos a 21, e chales de merino estampados, a
31600, 41 e 51.
Aberturas a 2&C09.
Vende-se abcrluras de linho bordadas, para ca-
misas-, a 21 e 31500. Ditas de algodao a 200 e
400 reis.
Cortes de casemira a 51000.
Vende se cort s de casemiras Gnas para calcas a
51,51500 e6l
Cortes de brim a 11400.
Vende se cortes de brim de cores a 11400. Ditos
de brim de Angola a 11*08 .21560.
Cobertas a 21000
Vende se cobertas de chitas de'cores a 21.
. Colchas a 21000.
Vende-se colchas de fustio para cama a 21, 31 e
if.
Paletots a 3,000 rs.
Vende-se paletots de alpaca preta a 3, 3,60
5,000 rs. ;'calgas do casCmira preta^e de core
leies de casemira nreta e de cores, e oatras
tas roupas feitas baratas e fazendas quidaodo no Bazar Nacional, a rua da Im
Iriz n. 72.
rtriiMaPoioEK
Na loja do Pavao vende-se madapoBes france
zes muito incorpados, com 20 iardas a 6,000 reis,
dito mail- nno com 12}ardis a 3,000 e 3,500 ; as
sim como um grande -ortimento de madapol5es
iDglezes de 4^500 ale 8,000 e 9,000 : a rua da Im-
peratriz 60, Be ^elix Pdreira da Silva.
Coickas para camas
Na loja do Pavao vende se colchas de fustao
brancos, para cam* a 2,800, ditas de dito de cor
a 4,000, cobertas de chita e de cretone, de 2,500
para cma e ditag de raeliaa eacarlala furradas com
madapolio a 5,000 : a rua da Imperatria n. 60,
| de Felix Pereira de Sllva.__________________
Pentes girafe.
Pentes girafe, proprios para seahora, ( ultima
moda): a Magnolia a rua Duque de Caxias n. 45
e so quem tem.
Papai, mamai.
Como sao lindas as boneeas de cera qae cha-
mam papai, mamai, cboram, andam, etc So na
Magnolia a rua Duqae de Caxias n. 45.
Gaiolae, gaiolas.
A Magnolia, a raa Daiiue de Caxias n. 45, re
eebea gaiolas de- arame de lindissimos modelos,
oroprias para passarbs ; a ell is antes que se'-aca-
bem.
oara bailes, e tarlatana ae todas *s cores.
Corehas de dawasco de 14, e ditas de crochet.
Espartibo? Ibos e bordados.
Foulard de seda, iadas cores. .
Meir.3 de seda par'i seuboras e menints.
Casemiras pretas t de cores.
Pupellnns.
Neste artigo lento* um varia lissimo sortimento,
oao so em gosto como era qualidade.
Las
:om lia'ras de seda, ditas com palnas bordadas,
'''.*s tran^parentes e de o :iras rnnitas qualidad s.
I .in. an
lo pellicd brancas e de cores, do verdadeiro a-
oricante Jouvin.
FJnalmeitle :
apetes para soli, cadeiras, cama, entrada, etc.
:arabr&ias brancas, chitas de todas as qual'dades,
uadapoioes, esguiaj, iretanhas, bramantes, aigo-
15es, collarinhos, ;mnh ;, m- ias para- homem e
tenhora, punhos e collarinhos brancos e de co
res para senhoras, gravatas para homem e senho-
a, peit"s bordados, lenQosde >!inho brancos e de
vires, ditos de cambraia de iinbo, toalhes, guar-
tanapoi, panno !ino, etc., etc.
Loja do Passo
Raa Primeiro de Marjo n. 7 A
antign do Crespo.
E eoni as seuboras.
A Magnolia, a rua iDuque de Caxias n. 45, par-
icipa a b.'.llo sexo <|ue acaba de receber da Eu-
ropa, um completo sf'rtimento de artigos de ulti-
ta moda, e como sicba desneceseario fazer um
nfadonh.> anuuncio, por ja ser basunte eouhe-
;ida, e caprichar sempro em ter bons correspon
lenles, *em!o a pr nn'ira que aprcsenta o que ha
de mais moderno e por precos mai razoaveis, por
sso iiimta-se a descrever somente o seguinte:
Setias douradas.
i Leques dourados, de madreperola, tr.arfim, tar-
taruiia, os.-o, etc.
4abilan de bai e.
c'l-i-NPiiteiti divers os artigos proprios para pre-
sumes.
(.lolinhas e punhes.
fmiuai para missa, com capa de madreperola,
tartiruK<, marlim, velludo, etc.
Sapaiinlioti de setim para baptisado.
Cmiaii".;w bmdadas para senboras.
Lisas de seda.
franjan mosaicas.
4derecoa de tar:aruga.
t'uicast lie madreperol.1.
PuJueiraS de maereperola.
LlndiiH Mores para cabeca.
BolMas de veliudo.
Perfuniarias des melhores e mais afamados
fabricantes.
Chapeos de sol p;.ra senhoras.
Pitas de vellud- de todas as cores e Iargura3.
Moscas.
Quereis livrar vos cestes malditos insectos? com-
orai uma mchiua de matar moscas por 31000
ii Magnolia, a rua I)liiie de Caxias n. 45.
Calvice.
A Magnolia, a rua Duqae de Caxia3 n. 45, ven-
de o verdadeiro Vigor de Ayer, que impede a
:ahida dos catwllos.
Sardas epanos.
So tem sardas e p;nos quem quer; porque a
Magnolia, a rua Daquj de Caxias n. 45, tem para
render a verdadeira Cuticuleria, que faz desappa
ecer esias manchas em ponens dia-.
0 DESENGANO
Run Prfuiciaxt de llarco n. 95,
Junto a loja da csquina.
0 propretario desie estabekcimeuto tem re-
solvido vender suas fazendas por p*ecos muito
resamidos, (como abaixo vcrao) para apurar
dicheiro: i
1li-ins I
Vende-se metins de lindos padrSes, a 280 e 300
reis o covado. Dao->e amostras com penhor.
Cambraias
Vende-se cambraias traoparentes, de 21508,
31000 e 31500 a peca, e a Victoiia a 31500,14,
41509 e 51^00 a peca.
Alpacas pretas
Vende-se alpacs pretas e muito finas de 509 a
600 rtis o covado. E' praiiile pechiucba.
HadaqMil6es
Com pequeno defeito a 4*tHtO a peca, dito Mm
PREDILECIA
A' rr.i do Cnhuj?a a. t A.
Os propnetarios da Predilecta, no intuito
conservar o bom conceit que teem merecido
12 Rua doOabuga12
LIQUIDAQAO
dejoias de ouro, pruta e pedras preciosas.
Onro te lei.
eorrentes do ultimo gosto, a oitava
respeiUvelpublico,disti..gui8do eseu esubefeci-1 para re,rto' cirtfulat, de
mento dos raais que negociam bo mesmo geoerc idL, idm :,. .^--
veem scieatificar aos seas bons freguezes qae pre- KS2 2^m S2S n*f,
veniram aesseus correspondentes nas diver\aspr-1 S'SeSa bom dorados de tSi
cas d'Eurena nara Ihes onviare* nor tndo, s na. I JJg; ^^^ fi"S fttfiV a" WlSoO
Ricos aderegos com peifras finas com
d.
do;
5^500
551000
601000
65*0 0
cas d'Eurepa para Ihes enviarem por todos os pa
quetes os objectoi de laxo e bom gosto, que se-
jant maid bem aceitos pelas sociedades elegantes
daquelles paiies, visto aproximar se o tempo de
festa, em que o beHo sexo tle3ta linda Veneza
mais ostenia a riquoza de saas toillettes ; e co-
mo jarocebessem pele paqaete francez divers o
da ultima moda, veem
?L
Rua do tiiii-riiii i).
ft-eiontos ingleze? para fiambre.
iftMtjoa lononn. s
Oatras em latxs.
yvas de biicalhao era la tas.
Lagostas em latas.
Azei'onas hespanholas em fraseos.
Azeitonas francrtas em fraseos.
Saucitsas de Oxford em latas.
Velas decera branca de Lisboa.
W K ^ ll*liSIBll ositiojuoto a igre-
ja de S.-Jose do Mangu nho, com casa de vivenda
assobradada e outras acommodacdes, todo mura-
do, cum duas frenies ervi as por portio de ferro,
dando para a rua d Au>izade e para a do Man
Kuirno. Tem de terrt-no pr.iprio 191 palmos de
lutgura e 354 de fundo ; e a ca-a m de 52 palmos
d* (rente e 84 de fun Jo. A sitnaeao e a melbor
possivtl para morada, e quem qui..er ediGcar, tera
bastante terr.no para Uto, pelo lado da rua da
Amizade. Tem a gumas plantac5es de gozo e re-
creio, bavendo ba.'-taote agua fornecida por doas
cacimbas,.uii a das quaes e nova. A entender-se
com o Sr. Dr. Wuruvio qu-ra o pretender._____
Chocolate hespanhol
muito flno, tem para vender na Assemblea do
Commercio, Meir" & Lima, ma do Commercio nu-
mtro Vt._______________________________
CoiTes bordados.
Veade-se cortes de cambraia, bordados, bran
cos e de cores, pelo baratissimo precp de 51 cada
am, fazenda que moitos veodera a 101, e gran- Delicados aaerecos pretos de
de pecbmcHa ; \ elles antes que se acabem : a
rua do Crespo n. 25, loja do Desengano, junto a
loja da esquioa.
E' BOM SAREH-SE
Que a NOVA ESPBRaNCA, a Vtra DcHf **
Caxias n. 63, bem coohecid pela snp-i i-rida*e <*
(seus artigos de mod;, e phanlasia, a.-aba 4r rece-
ber diversas encommendis de mer adorns 4 %s
reparticao, que pela eleganci bem mo.-tra ii'*w
1 e bom go to de sens antigos CurreMi n-ii-ijt- dv
I Europa, e por esta razio a NOVA F.SI'F.HANCa,
: 4 ma Dnque de Caxias n. 63, convida a Mia fcr>
' e constante fregnezia e com especiahdade as sest
amavel, a vi.-iian m na, a6m de a^ r .;:r-ru aw
onde toca o primor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nio qner e trar no n-
mero dos massantes (verdadeiro- azurrin*) eoc
extensos annuncios e nera pretenJe immensidade de objects qne tem expo*t a tn
la, o que serla quasi impossixel, mat Mlita* sa-b*
a mencionar alguns daquelles da mab alia iiuvidade
e toma a liber ade de aconselhar a- hello s*.
que a visitem constantemente, paru depoio <{
comprarem em oulra qualquer parte i se rie
penderem, a vista do bom e e- col hide i rtimrstr
qne ha em d'to estabelecimento, esta r -za.-. taso-
bem demonst>a que qualqner senhora d tmmtMB
nSo podera complettr a elegancia de sen i*a
sem que de um passeio a NOVA EaJ-tltAN^A, a
ma Duqne de Caxias n. 63, a qnal .\;ia de rtee-
ber os seguint s artigos de luxo e iuieii a nutxta
de,:
Modernas settas para prender oa eabellus
Primorosos leques e'e phanlasia.
Bonitas sahidas de bailes part senhoras ms>
nas.
Interessantes gravatas para senhoras.
Elegantes farhaa de touquim.
Bons aileri e is de madreperola.
pnfalo e horracha
Laazinhas baratas.
Na loja do Pavao, para liq idar, vende-se
unaa poiao de laazitibas de cdres para
vestidos, tendo de 320 rs. para cima ; as-
sim como ditas com listras de seda muito
bonitas a 640 rs. o covado ; alpacas de cd-
res com listras de seda de 640 rs. para
cima : a rua da Imperatriz n. 60, de Felix
Pereira da Silva,
VENDE-SE
(gosto novn).
a taverna sita a rua
muito afreauezada :
Rosario n. 40.
to Barao da Victoria n. 64,
a tratar na rua estreita do
artigos da ultima moda, veem patentear alguns
* d'entro elles que se tornam mais recomoendaveis,
Lez,.e 41o00, c 00, e M e. esperando do respeilavel publico a ccstumada
'' concarrencia.
6l?00. E' baratissimo. Ahodaosinho marca
largo e fin> de 4*000 atl50a peca. E' para
aeabar. Chitas claras e escoras, a 260, 280 30< e
320 reis o covado, diias roxas mofa'-as, a 200 reis
o covado. Cretones escuros e de bonitos padrSes a
360 reis o covado. I.aozinhas de lindos padrdes,
a 200 rels o covado Cambraias de cflres a 240 e
280 rois o covado. Aprovei em antes qae se
acabem.
I Manila
Vende-se esta fazenda muito propria par-a vesti-
dos de senhoras pelo diminuto preco de 600 rs.
o covado.
Brim branco
Vende-se brim braaco de algodao, a 320 rs. o
covaio. E' grande pechincha.
Case de seda
Vende-se esta fazenda de lindos padroes, a
11200 o covado, fa enda que sempre se vendeu
a 21500 o covado. Aproveitera.
Sobreeasacas a lS e 1SAOOO
Vende-se sobrecasacos de panno fino pelo bara-
tissimo preco de 121 e t5l ca a um ; e grande
pechincha : a elles antes qne se acabem Cami-
zisinhas com ponhos e collarinhos, para senhora,
pelo diminuto preco de 2J cada uma. Meias para
senhora, fazenda muito flna e um ricas caixinhas,'
pelo baralo prec' de 6jJ a duzia. AtiroVertem.
Colchas adamateadas
Veulese oilcnas adamascalas brancas ecom
barra de cores, mnito graodes, pelo baratissimo
preco de 41 cada nma, fazenda que sempre se
vendou por 71 nma. A ellas antes qne acabem.
E outras muitas fazendas que se torna enfadonho
mencionalas, e qne so o freguez vendo, podera !
cerlifi ;ar-se, e por isso os proprietarios cocvidam '
a todas as pessoas a fazerera nma visita a seu es-1
tabelecimento afim -ie convencerem-se da verdade.
RUA PRIMEIRu BE MARCO N. 25.
Aderecos de tertaruga os mais lindos qne teem
vindo ao mercado.
Albuns com riea3 capas de madreperola e da
vellado, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
os
Aderecos completos de borracha proprios para
Into, tanibem se yeadarjuifeios adereeos muito bo-
nitoc.
50 0|0 de abate.
Bonitas pulseiras do ultimo gosto com
30,0|0 de abate.
Brincos de phantasia dos nlais bonitos
que tem vindo ao mercado, de 13i a 691000
Voltas com um bonito laco, por menos
do que se vende era outra parle.
Bonitas cacoletas, -tanto para senhora
com para homem.
Anneis de diversos feitios, do li a 201000
Pulseiras de cobra de coral por 50 0(0
de abate.
Tendo o proprietario deste estabelecimento rece-
bido uma grande porcao de joias dornltimos gos-
to3 de Pans, e pnr precos ja resuraidos, participa
a todos o- seus freguezes, bem como ao respeita-
5* iSJ^/SJ^JSSSSSSSft
Aproveitem
0 PARIS N'AMEBiCA, a rua Duque de Caxias
a. 59, primeiro andar, esta vendendo calcado pelos
seguint sprecos:
Botiaas de duraqae para senhora a 3.500 reis.
Dit s de duo preto 4,000 reis.
Duas de dito am butoes ao lado, a 4,000 res.
__ Dius gaspeadas, cano alto, para senhora, a
5,00" re s
Ditas de pellica, inglexa, a 4.000 reis.
pitas de duraque bordado, para woanra, a
5,000 reis.
Ditas de duraque, &* cores, para meninas, a 31.
Em quanto e tempo
aprov-eitem.
Taverna dvenda
Veno^ a taverna a. 88 da rua de S.Jorge,
amIFora at" Po'tas, bem afregnezada e com pou
cos fuod.is, p.'opria pj.ra principiante : a tratar
mesma tavern*.
O baraleiro!
A' rua 1 de Marqo n. 1
continUa vendendo Mas fazendas com 300/0 menos
do que em outra qualquer parte, a saber :
Amazonas, recebemos esta nov> fazenda, com
nonitos desenhoe e cOr-s fixas. propria para bai
les, pa3seio, etc., etc., e vendemos a 500 rs. o co-
vado.
Baptis'as, temos bom sortimento desta fazenda,
com bons eostos, para 300 e 3t0 rs. o covado, sem-
pre enstaram 400 rs.
Panama, desta fazenda temrs graode porcao, e
porquerermos dispoi del a com presteza, vende-
mos por 440 rs. o covado.
Cretones francezes, escnros e clams, com boni-
tos det-enhos a 300, 360, 400 e 440 ; so aqai.
Popelinas, temos grande sortimento desta bzen-1
da, muito lindos gustos, e vendemos a tj o cova-
do, sempre cu tou >16()0 ; quem deixara de com-
prar? por cerii uinguem.
Chitis claras e escuras a 240, 260, 280 e 300 rs !
covado ; e barato, aproveitem.
Cambraia Victoria com 8 1|2 varas a 3l6G0
peca.
Dita iransparenle, muito Sna, para 41000, 51 e
6000.
Madapoloes para divsrsas pe^as a 41500 e 51 a
dito franci'z a 69.
Bramante de linho, duas larguras, a 11 avara
so e barato ; elle, a elle.
Brins de Angola, com bons geetos e cores fixas,!
prprios para roupa de meninos, a 500 re. o co-1
vado.
Brim pardo tran ad\ fino, a 400 rs. o covado.
Esguiao de liubo e algoda >, torn 7 jardas a
31500 a peca ; sempre cn-tou 41500.
Toalhas felpudas a 61 e 61500 a duzia ; sempre
eustaram 81.
Chapeos de sol de alpaca para senhora a 21 ; e
barato I
Chapeos de sol de seda para senhora, cabos de
osso, a 3*500.
Ditos para homem (paragon) 8*500, de duas
cores a 9ji. iCBS
Dittis de alpaca a 31500.
Ditos de merino a 41500.
Botinas .para senhora a 41500 e 51000 ; e pe-
chincha I
Casemiras de cores a 31400 o covado ; sempre
cusiou 15 Camisas de cretone, francezas, snperio'es,
21500 j que lindos gnstos I
Lencos de linho, abanhados, em caixinhas, a
31 a duzia.
Ditos de dito mnito finns a 41500 a duzia ; so o
baraleiro. Sao fines.
Meias para tio em a 31500, d tas finas a 51 a
duzia III
Col'has alcchoadas a 31.
Grosdenaples de core urde, cor ae roja, en-
carnado e cor tie cravo a %0 rs., He 11200 o
covado ; so aqni.
Selecia a 301 a peca eom 25 varas, porem fina.
Aloalhado para toalhas de mesa a H440 a
vara.
Brim br.nc exposieao n. 5, a 21 a vara, -que
boa fazenda.
Grande sortimento de lazinna*, e de goslos no-
vos, a 140, 160 e 200 rs. till so na baraleiro.
Rrilhantina branca a 400 rs. ocovado? e sim.
A'i baraleiro, ao baraleiro 11
Alr-m destes, onlros mui'os ar.igos, qae nao
meDCiona. IT- cos. CoB,!Dte ao arco de Santo Antonio en-
Contrar.-is sorliii.v*0^'-
4^oNlii.|a. s.y-rrelra t\eal jj| C.
pestidos de sechora ; tambem tem para collete
. "valrlot.
Bolsas para-senhoras, e;:iste um ti-ellc sortimeu-
v de seda, depaiha, de cfcagrim, etc., etc, por
barato preco.
Boneeas de todos os tamanbos; tanto de touc
como de cera, de borracba e de masse ; chama-
mos a attenoio das Exmas. Sras. para-este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-,
pertinentes por falta de am obiecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas a com peites bordado*
para homem, vendem-se p3r preco cemmodo.
Ceroulat de linho e de -algodio, de diversos pre-
tos. '
Caixinhas com mnsica, o qtie ha de mais lindo,
eooi distico8 nas tampas e proprios para preset
I te
I Coques os mais moderacs e de diversos forma
toe.
Chapeos para senhora. Receberani am sortimentc
da ultima moda, tanto para senhora, como pars
meninas.
i Capellas simples e com veo para noivas.
Calcas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de Undot
dg(nhos.
Sscovas electricas para deotes, tem a propria-
' dade de evitar a carie dos dentes.
Franjas de seda pretas e' ie cores, existe am
| g-ande sortimento de divercas" largaras e barato
preco.
Frtas de saria. d g^rgiwao. de setim e de cba-
m^ln'e, de diversas largura3 e bonitas cores.
Fasbas de gorgurao muito lindas.
Ft rt-% artificiaes. A Predileeta prima em con-
ervar sempre um bello e grande sortimento des-
tas noies, nao so para enfeite dos c^belloa, como
ambein para ornato de vestido de noivas.
Galoes de algodao, de li e do os ei de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e^ienboras.
La cos d6 cambraia e de seda de diversas cores
para seanora.
Ligas do seda de cores e brancas bordadas para
noiva.
Livros para ourir missa, com capas de madre-
perola, marlim, Cs-o e velludo, tudo que ha d
bom.
Pentes de tartaruga e marlim para alisar os ea-
belios ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Cm bello sortimento de madre-
perola, marfim, 6sso e dourados por barato preco.
Perfumarias. Neste artigo esta a Predileeta bem
Erovida, nao so em extractos, como em oleos
anhas dos melhores odores, dos mais afamados
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indiKpensaveis para
a festa.
Sai&s bordadas para senbora, por commode
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap
tisados.
Tapetes. Recebea a Predileeta um bonito sorti-
mento de diversos tamanbos, Unto para sofa co-
mo para entrada de salas.
V'estimentas para, baptisado o qne ha de melbor
gosto e os mais moderno recebea a Predileeta
de or an to preco, para Scar ao aleance
qualqner bolsa.
que passara um recibo, pelo qual fica responsabi-
lisado pela tr;iii-accao.
' ocoiiomico.
Graxa glycerina prcpria para a coaservacao do
cordovao ; vende a .NOVA ESPERANC\, a rua Du-
qae de Caxias n. 63.
Bramante para lenqoes
a l|SaO 2#0OQ. e 21^00
Na loja do Pavao vende-se superior bramante
para lencoes, com 10 palmos de lurgura, qne ape-
nas precisa de 1 vara 1/4 para um Itujol, sendo
de algodao a 1,00 rs. a vara, dito mais eu-
corpado a 2,000 rs., dito dehnho puro a t.500 e
2,800 rs ; as.-ini como atoalhados superiores, tao
to de lictio como de algodio, porprecos muito em
Conta, e pe^as do algodiozinho para l> ncdes e toa-
lhas, tendo de 4,000 rs. para cima : a rua da Im-
peratriz a. 60, de Felix Pereira da Sifva.______
Salame de [yon
A i so a libra
So na Agsemblea do Commercio n. 22, raa do
Commercio, Meira & Lima,
Grosdenaples
Vende-se grosdenaple preto, fazenda mdifo Gna,
e que sempre se veBdeu por 31500 o covado, a
'1J800 rs.; aproveitem, so o Desengano, a rua !
de Marco u. 25, junto a loja da esqnina.
Ceroulas e camisas.
Na loja do Pavio, vende se ceroulas fran-
cewts de todos os tamanbos para homem a
18600, e ditas de linho a 2#00, 2*51)0 e
38000.
Camisas brancas com peitos de algodao,
fazenda fina e por estarem um pouco en-
xovalha cada uma, ditas com pelo de esguiao'de
linho a 38000 e 38o00 cada uma, ditas
com peitos e punhos de cdr a 28000 e
28500: d rua da Imptratriz n. 60, de Fo-
lix Pereira da Silva.
Salsa-parrilha do Para
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu escrrptorio, a rua do Bom Jesus nu
mero 57.________________________________
Vejam e admirem.
A 500 rs. o covado.
0 barateiro da rua da Imperatriz n. 60,
vende popelinas pretas com listras asseti-
nadas pelo baratissimo preco de 500 rs. o
covado. para acabwr. ____
Lustres, caodieirose
Cura das hern as, pelas fun-
das de borracha.
As nvjlhoros e mais aperfeivoalas das Mi huje co-
unecidas.
Vende se
na
riiarmneia e Dro^arta
de
Bartolomeo A C.
A"
34. Rua larga do Rosario 3!
Vaccina. Vaccim.
Tcn-lo o Sr. Dr. Jose Lourenco de Mafrbae*
montado na corte um completo servic/i rtest *r-
tigo, tem aqui aberto nm depositr) :!a me:h> r l
mais recente, cup s mbos se enconiram na
Phi.ro acia e drogaria
A'
_______34 ma larea do Rosario 14.
UKAMJE
LIOUIDACAO.
Gama a Silva Brit), com armazeus de m li-
no largo da Santa Cruz ns. 2 e 4, lend., da Rfsi
dar a firma social em cumequemia d- i.m d.
socios t.T i*a retirar se, KSolvarui vmhI r af P
neros existeutes em seus armazens m:.i> baralo i<
0|0 do que em outi a qualquer pane, a ehamMi i
altenrja do respei avel publico o a d Sr.-. bM-
cedores das despenr;as familiares, arsin e rr.
Srs negociautes em pequena esca'a, c-it s d* qa*
encoutrarao a maior sinet ridade e ; (.' ad > p
vel Deixamos de mencionar o grai.de turner* (ii
gentros que compoe o grande rtioieato, ttotqp
isto se Im Dana enfadon' o, limiiano'o aos api nas a.
menci oar manteiga ingleza em bi rrs a M*>. I I
e i i 100 pi r cada 450 grammas, d la fraat za a
800 rs, ditr .jgleza em latas de ireio k 'o .. I* IB
aproveitem em quantu e tempo no Ufa da Sal
ta Cm ns. i ei, airaaiens de Gama A; "m! a 1r:
to, em liqoidacao
4euiie .-euin regi>trulencauauien,o para g
e candieiro, em muito bom estad e duas pi( s
arqueadas, novas, pmprias para canteiros : a :
tar na rua Imperial n. 94.
Sitio
Salsa parrillia
Muito nova e grossa.
Vende-se por barato preco, em porcao ou a re-
talbo : na rua larga do R >sario n. 34.
Espartilhos.
Na loja do Pavao, vende-se esparti'hos I
dos mais modernos a 38500 e 48000 cada
um ; assim como bonitos cintos com laeos
de setim a 5S000, e sedinbas lavrailas com
toque de mofo a 18000 o covado : & rua
da Imperatriz u. 60, de Felix pereira da
Silva.
A empreza do gaz, tendo recebido altimamente
ama quaotidade de lustres, candieiros, arandellas,
globos etc. etc., tudo obra de gosto e d- primeira
qualidade ; acba seem posijao de ^pprir a sem
freguezes, por precos men res do qae antigamen
te. Para verem as amostras, dirijam-se a rua dc
Imperador n. 31.
Cortinados para camas
Na loja do Pavao vende se um grande sortimen-
to de cort'niidos bordados proprias para camas e
janellas, pelo baralo preco de 8, 9 e 10,000 rs. o
par, assim eomo colcas de damasco para camas
de noiva a 10 e 12,000 r6ise peci incha : a
rua da Imperatriz n. 60, de Felix Pereira da
Silva.________________________________
A 500rs.ocovado
Na loja d-> Pavao vende-se lazinhas japnnezas
de cores muito modernas pelo baratissimo preen
de 500 rs. o Covado, para aeabar ; uotaodo-se que
c fazenda que jamais se vendeu por menos de
dois eru?ados ; ja ba no icas : a rua da Imperatriz
n. 60, loja do Pavio, de Felix Perei-a da Silva.
e casa
Vende-se um si'.io com nma casa n va, leu
sitio 8(i0 palmos de frente e 1.119 de fen-'n, fsa
ediflcada com bno c mm d >s e boa caci-i.lia, r>-\
e^trada nova de Ueberibe, perto da ep-ruJiihi i
o que it torn commolo por ser iSOn p
na 1* ordem, no trem da via f>rrea ; hi '.
oceupado : quem pretender, dirija se a rua 'arr/a
do Rosario n. 20.
Vende se a taveroa da rua do ltan|rl D
s ndo a armaca > toda invernisada e eiividia
que muito bem serve para qualqner ouiro ne.;'
por ser em bom ponto.
Altfnci.0.
Gorgurao
0 baraleiro, a rua Primeiro dc Marco n. 1, esla
vendendo cortes de gorgurao preto para colic tes a
2^000, fazenda que sempre custou li ; a elles,
Vende s a arm*io .
eilio Dia* n, 3 : a tratar na rua d*s '-arapgeiras
n. 18, ( andar.
PAKA LUTO
Vende-se chitas ioglezas pretas com pintas a
200 rs. o covado, dita francezamoito fina, tanto lisas
como com pintas de 320 rs. par* cima ; cantao
preto a 800 rs. e muito i no a l,0t'0 rs ; bomba-
zinas, princeras e alpacas de todos ee precos;
lazinhas preta- lisas de 400 ate" 500 rs. ; assim
como uma grande porcao de reialbos Unto de
chitas preta- como de las, que se vendem por
precos baratissimos ; tambem uma grande porcao
de (-hales preto- de las a 1,060 rs. por estarem nm
Eooco russos : a rua da Imperatriz n. 60, de Fer
x Pereira di Silva.
Aos menifius
A NOVA ESPERANCA, a ma Duque de Caxias
q. 63, acaba do receber um bom sortimente de fi-
nas boneeas tpxe fallam, qae riem se e cboram ;
tambem as tem mudas e surdas ou surdas-mudas
venham ver se nao e vtrdade.
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os seguintes:
Barra,
Pretil$a,
e Patrlelo.
A tratar com seus -proprietaries nesta cidad
e para informacdes com Joaquim Pinto de H
relies Filbo oa mesma cidade de Mamamgnap*
oso lrroaos C.
autes que se acabe
Autonio.
confronte ao arco de Santo
Mill) PAKA IFSTIDDS
Vende se linho liso e arrendado, lindos padroes
a 400 rs. o covado, farenda esta que sempre ven
de'i se a li ; venham a elles antes que se aca-
bem : na I ja do Passo, raa Primeiro de Marco n.
7 Ai antiga lo Crespo.
Liqnidacao de roupa feita
Na loja do Pavao liiuida-se uma grande por-
q3o de roupa para homen* e menin> s.como sejam:
calcas de casemiras pretas- e de &*, para todoi
os preeos e quaiidade-< ; ditas de brim oe Ao-
' gtda para ditTerentes pregos ; ditas de brim de
cores, pardos e brancos; paletots saccos, casacos
Grande descoberta
Curativo das molestias do
peito pelo
Karope de sulphlto de da
DE
A. BB^ll\F/r
Este imporiaute medicamento que acaba de ser
reconhecido pelos distioctos Drs Zalloni e Paras-
chevas como um verdadeiro espe-ifico contra a
pbtysica, eegnndo nrevaram nos grandes name-
ros de casos por elles experimentados, como se ve no esttdo em que se acha o sitio no Ingar do Re-
e fraks de panno preto e de casemiras de cores
coletes de -todas as qualcdas, por precos bara-
tissimos, assim como, grande porcao de camisas
ceroalas por menos 3 Ota do seu valor so para
aeabar : a rua da Imperatriz a. 60, de Felix Pe-
eira da Silva.
Pechincha '
Odilon Duarte & Irmao receberam pelo ullimc
vapor um grpnde e varia Jo sortimento de coques
de cabelio humano, o que ha de mais moderno, e
vende-se pelo baratissimo preco de 10/ cada um ,
a elles, antique se acabem.________________
Lusires e arandelas de vidro
para gaz
Na grande exposieao da rua do Imperador n.
35, junto ao escriptoiio da companhia do gaz, ven-
dem se os mais bonitos e modernos lustres e aran
delas de vidro para gaz, a sim como tudo o mais
3ue se torna necessano para esse Gm, sendo tudo
os melhores fabricantes que ha na Inglaterra. Os
precos sao mais baratos do que em outra qualquer
Siarte, e com a vantagem q.ue e o doiio do estabe-
ecimento maodar assentar os lustres ou arande-
la> no Jugar que o comprador quizer, sem que para
isso pague alguma coua. Tambem se compra ou
troca se lustres e arandelas ja usadas, mas qae
estejam em estado de poder servir.___________
Cortes de casimira a 4#, 5^
e 6#000.
Na loja do Pavao, vende-se cortes de ca-
semira para calca a 48, 58 e 6300, ditos
muito fin sde uma so cdr com listras so la
do, fazenda que sempre se vendeu a 98 e
108000, liquiila-se a 6&000 para aeabar:
i rua da Imperatriz n, 60, de Felix Pereira
da Silva.
Vende se bonitas vaccas tourinas, com en. -
quaes dae bastante leite, e estao b m |iiil
ver e tratar, no Caldeireiro, sitio do Mann da.
Wll on Rowe & C. vendem no sea anrai--.-
a rua do Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao azu) aatanaaa*
Excellente fio de vela.
Cognac de 1' qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qaalid-.de*
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA acaba de Master MMt
ies miLigrosos iitneis tiectricos, cura isfaUivw 6 t
nervosos.
Para senhoras
Como sao lindas e modernas as gravaiinbas ;m
a Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, ac. I a
de receber I
Casemiras
N< loja do PavSo vtn-le-se nm graode r
to de casemiras de cores e mescladas. tanto :
como escoras, proprias para calca ; p.-leii in i eo-
letes por precos muitj baratos, as-in t
mesmo estahelecimentos se manda fa/ir qaal
obra tendente a alfaiale, com a maior (i -t
por precis muito raxoareis : a rua da loaf
triz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Gamins. -
Camisas francezas brancas de fJffodao mo
frizo de cor a 2i000 uma, em duzia a 23iUt>0 .
e pechincha : na rua do Crespo n. 20 loja do G li
Iherme & C
Cura
Vende-se
oa sessao da arademia de Paris de 24 de marco
lo corrente anno, eneontra-se unicamente no
Deposito da i barmacia e drogaria
de
Barlaoloaneu at C.
N. 34 Rua larga do Rosario, N. 34
E'
com as noivas
medio n. 18, freguezia dos Afogados, em chaos
pr prios, com 349 palmos de frente e 658 de fun-
do, com cacimba e tanq e para banhos, estando
a casa em ruinas, tendo alguns arvoredos de
fructo, e a frente para o rio ; os pretendentes di-
rijain-se a seu proprietario na rua de S. Francisco
desta cidade n. 10
A No"* ESPERANQA, rua Duque de Caxias n. |
36, acaba'de x*Z&*t boa* meias de seda proprias
para noivas, e os apiv"*av*is ramoi de laranjeira .proprio para cigarros, de diversas largaras.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANC\ vende papel de
k& eslreiljiineuto d'yretra
pela fac il applica^ao das
SONDAS QLIVAES
DE
. COMMA ELAST1CA
As mais modernas e aperfeir;rjadas de todas
as conbecidas
Yendew-se
NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
34 Rua larga do Rosario 34
Vende-se um terreno no Caminho Novo,
hoje raa do conde da Boa-Vista, tend de frente e quatrocentos de fundo, proprio para se
edificar nma boa casa, por ser perto do Recife : a
tratar no mesmo lugar n. 120, oa na rua da
Cruzn. 11.
Vende-se uma escrava nmca e d-' rotill
figura, sabe cozinhar e engommar c i pert
e sem defeitos: a tratar na rua do MarqnM 8
Olinda n. 57, outr'ora rua da Cadeia, n<> oacrip
torio dos Srs. Parente vianna 4 C, c .i J,>-
Antonio da Silva Guimaraes, oa na villa do Ca-
bo, ma do General Viclorino n 21.
Cortes de cambraia
Na loja do Pavao vende se cortes e> c .
tran.-pafente com babadss largos, tanto brancc-
como de cores, por baratos pre;os, p r lereoj a! -
gum peqaeno defeito : a rua da Imperatriz c 60,
de Felix Pereira da Silva.
Vende-se
na rua do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vinho do Porto engarrafado, em tarris e err;
ancoretas.
uera em velas, de Lisboa, superior quaiidau--
Retrcx do Porto.
Cimento Portland, legitimo
E' l,;:iiil<,
As almnfadas bordadas de la matisada* qna ro-
cebeu a Nova Esperanca, a rua Omm im
Caxia?- '* v
Chapeos para senhora.
A loja da Passo, a rua Primeiro de Marco a.
7 A, lecebeu um rico sortimento da bapeu*
raesna hnrs, nreto e de core*.
Chapeos pa> a senhora, leques
e punbos, manguitcs brancos e de 6res,
gravata de, seda. perfumaria e cinto de
corjro.
Vendem Amaral, Na^uco 4 C, BO.Bacar Vieto-
ri i o. 2, rua uo Barao da Victoria.
Furrioexporte best Dirds Eije
Amaral, Nabuco & C. vendem fumo ingles para
cachimbo no Bazar ''iotor-a, rua flo Bar
1 Victoria D. i.


8
Jiario de Peroambiioo Sabbado 17 de Outubro dfi 1874.
LTITERATURA.
I
Mr. Gnizot.
(Conclusio.)
Viraos o revolucionario ; vejanaos agora o
iovq-soda medalha. Desde que a mooar-
chia constitutional dos Orlows flcou assen-
ts, Mr. Guild so pensou em aniquilar a
anarchia. Meiidas de repressao, dureza
uas leis e violencia nas autoridades : eram
estes os meios po.ilicos propostos por Mr.
'iuizot para consjlidar o novo regimen.
Mas a nac.ao uao o entendia do raesmo
mo 1o ; a nacio nao quizera mudar unica-
inuulede rei e de ministros, senSo tambem,
e especial men te, de principio; governances.
Oae imports ? Mr. Guizot, para prescindir
da nacao, inventou uraa formula que se tor-
nou eelebre : o paiz legal. Assegurando-se
elle o concurso do paiz legal, os clamores,
a resisteocia da nafio poderiara facilmente
ser suffocados.
0 homera amaraenlado aos peitos da im-
prens* nao se contentou com algemal-a, se- jcomo homem politico.
nao que fez quanto pOde por corrompel-a.
Querestivesse ua opposicao, quer no poder.
SempreMr, Guizot tinha muitos jornalistas a
seu soldo e servif o, rasssllos de um novo
teudalismo que mam-jam a penxia em vez da
espada, quepelejara contra a verdade, ou
itacam o pudor. conforme a senna recebi-
da, que matara e deshonram, sem derra-
raar sanguo, raas descarregando golpe se-
guro sobre as reputcdes e sobre, as con
sciencias.
0 homem incorruptivol, rigido, probo e
austeros foi un governante corr-jptor quo
dizia aoi eleitoresenriquecei-vos, aos es-
criptores, -s-menti, aos funccionarios sede
implacaveis e uEuropa a Franca e" bas-
tante rica para pagar a sua gloria.
Mas a historia nao esperou a sua morte
dictar contra el e severas sentences.
tar* us proprios conteraporaaeos ouvio
Dos Sb .ue se c-avaram como seUas no seu
phrases q oarentemento inerte.
coraQSo, ap -mseguireis alguma vez o nosso
\ dSi Ihh **""<* rfw Debats mas
apoio, uisse-inb .|ca ( ^
a nossa e&tima nu^
E Connenin. que conheceu de perto,
dirigelheaseguint0ap,^roplie:
Ai de mim a vossa desgracada, a 708-
sa fatal escola do eclecticisi.no dinge a ju-
ventude. extravia os seus generosos instinc-
ts e confunde a sua viva o pura mtelligeii-
cia 1 Olbai em torno Essa escola n3o
tem engendrado sendo caracteres falsos, co-
vacSes sem fe, sem chamma e sem amor da
patria ; coraioes que nao se dilataram nun-
ca para sentimentos-granites, que estao cou-
suraidos pela sede da prazeres egoistas e
brutaes, aosquaes m8ta o spleen da duvidi,
coracles apagados e muribundos I Este
mal, que jamais conhecaram os nossos pais,
ha de eamagar e impotencia de nossos fi-
lhos debaixo do sabre de algum despota !
Pelavras notaveis que receberam triste
coofirmaQiO quaudo, sobre a apostasia e a
violencia, se elevou o segundo imperio.
Apezar de tudo, um facto recente revelou
em Guizot o homem recto e pundonoroso.
Para pagar certas divides contrahidas por
um de seus Qlhos, o imperador Napoleao
III deu-lhe espontaneamente uma quantia
importante ; e como nestes ullimos tempos
se visse obrigado a julgar com sevoridade,
mas segundo a s\ia consciencia, o imperio,
houve um diario que, recordando aquelle
beneucio, lhe lancou em cara o que elle
chamava sua ing -atidao.
Assim que Mr. Guizot teve noticia do ar-
tigo em que era maltratado, vendeu um
Suadro de Murillo, presente da rainha de
espanha; e remeUeu a* imperatriz Eugenia
a quantia que annos atraz lhe dera o impe-
rador ; mas como a augusta senhora se ne
gasse decididamente a aceitar a restituicdo
do que ella julgava um presente, o illustre
homem publico demandou-a perante os tri-
bunaes para a obrigar a receber o di.nheiro
doado por seu esposo.
Nao sabemos, nem importa ao nosso pro-
posito saber, a resolucdo judicial de tao sin-
gular lemanda : basta-nos consignar o facto
para que se aprecio no que vale.
Has
***
definitivamente,
quaes foram os
FOLHETIM
JOANNA
UM JOCO DE P AIX 0 E S.
POR
George Sand.
'jRADUC;aO DE X. X. X.)
PARTS TERCEIRA
II
(ContinuacSo do n. 237).
Nao se callo, nao, mas pr eu falf* de sua irmSa. Fique certo de que
uao esquecerei o respeito que lhe devo. Co-
loo se cbama ella ?
Jo'iHia.
yue idade tem ?
Vinte e um annos.
Porqie nao quer ella casar se ?
Porque quer consagrar-se & sua arte.
Qual ? A musica, sem duvida ?
Sim.
E pode-se dispensar o amor quando
Se gosta da musica ?
Ao menos apparentemente, visto que
ella dispensa-o.
Ella e real nente Delia ?
E' notavelmente bella.
Nao a pedem em casamento ?
Pedem-n'a muito ; mas ella tem recu-
sads as melhores propostas.
Como e isso singular! A musica I
podc-seamara musica maisdo que o amorl
eu di; certo nunca teria acreditado em tal,
p mesrno nao comprehendo. Nao serd ella
devota? Nao quererd ser religiosa 1
.Nao, de tr.odo nenhum.
0 seohor nao tem nenhuma outra ir-
maa ?
Nao.
E o senbor consente que ella fique
vdha sem familia T
Devemos respeitar sua vontade, por
ijue tudo e respeitavel n'ella.
E ella seria menos respeitavel se vies-
.se a amar um housem excellente e amavel,
um homem de inerilo, como Richard ? im-
podi-lo-hia o senhor ?
Sim, porque seria uma aberracao do
:. .aso commum, um capricho de espirito
>. ufermo.
Mas, porque T porque ? E' preotso
dizer-m'o I
| principios daquella escola tao famosa duran-
te alguns annos e }& esquecida ? Nao tinha
principios Qxos. Todo o seu systems era
uma especie de jogo de a fios para apresen-
tar em passageiro concerto e apparente har-
monia os elementos raais contradictories.
Guizot preconisata o regimen representative, |
mas falseando o priocipio da representacflo'
nacional com influencia do governo nas
eloicoiis.
Guizot queria que dirigissem a sociedade
os poucos, os melhores ; mas como elle era
plebeu, n3o admittia a aristocracia heredi-
taria. Guizot dignava-se de defender o
throno, mas destruindo todo o principio
monarchi '.o com a sua theoria da quasi le-!
gitimidade. Guizot fallava das necessiua-
des religiosas e proclamava a importancia ,
da religiao ; mas de um instante para outro
as suas ideas erara tao obscuras, que se che- j
gou a duvidar se acreditava ou nao em!
Dens.
Esses e outros erros arrastaram a queda
da monarchia- Ma. Guizot ficou annullado
Ainda tentou figu-
rar nas poleraicas jornalisticas ; mas afinal
tornou a encerrar-se no Olympo do seu ge-
nio e na magestade dos seus desenganos.
Deixa muitas obras, deraasiado conheci-
das e apreciadas para que n6s aqui as enu-
meremos.
A sua fama como historiador, vale mui-
to mais do que a sua faraa como homem
de estado. Qua tinha qualidades eminen-
tes, que se avantajava rauilissirao ao vulgo,
quo merece a recordncao da posteridade,
uinguem pdde negal-o ; mas com as suas
ideas, com a sua propaganda e com a sua
administracao fez muito pr-'juizo.
0 Sr. Thiers, que foi duraote a monar-
chy seu rival, e cumplice dos seus mesmos
delictos e dos seus mesmos erros, agora
nestes ultimos annos rehabilitou-se, alcan-
cando immorrodoura gloria. Mas Mr. Gui-
zot, se acaso no derreJeiro periodo da sua
vida sentio arrependimeuto, arai, demasiado
soberbo para coufessar as suas faltas, e aos
olhos da historia morreu impenitente.
Ave!
AO MUITO ILLUSTKADO PKKSIDENTE ,BESTA
PR0V1NCIA, EXU. SR. DR. ANTONIO DOS
PASSOS MIRANDA, PELOS TRIUMPHOS 0BT1-
DOS NA CAMARA DOS DKPliADOS, EM SESSAO
DE 5 DE SETEMBUO.
Ave I Astrci, triumphaste I
Apanba os vt-rdes laureis,
Oue as turbas desvanecidas
Te vein atirar aos pes I
Ave Astre"a, e o grito ousado
Do direito Oicravisado,
Que agora sagrou-se rei !
Venceste, deusa incruenta,
A tua gloria se eugmonta,
Brada a razao, brada a lei 1
Ave 1 Astrca, casta e pura !
Avo! mimosa dos coos !
Como sao esplendorosos
Os grandes triu-mphos teus I
Foi em teu nome somente
Qoe esta pacifica gente
Elle 'te 'qui governou I
Sao, pois, tuns estas rosas,
Frescas, rubras e formosas,
Que no prelio elle ganhou I
As ovai^des consagradas
Ao palinuro amestrado,
Que vai essa nao guiando
Com um tino nfio imitado ;
As hosannas redivivas,
Essas palmas, eses vivas,
Certo, nao q io-Ios p'ra si,
Pois anhelava s6 glorias,
Por teu amor : as victorias
S6 cabem todas a ti.
Minha patria te saiida
Nas mais ternas cxpansoes,
Aceita os doces amplexos
De tSo leaes cora(;6os I
0 Citinguiba murmura,
0 sabid, na espessura.
Um canto novo te da 1
A bri-a, rindo, te envia,
Das flores com a ambrosia,
Um beijo tambem de cd" !
Porque o ftm do casamento para uma
raoca e a maternidade.
Ah I e isso I... disse Manoela levan-
do a mao ao corariio como se seotisse um
estrangulamento... Sim, sim, nfio posso
foliar n'isso 1 nunca ousei reflectir a tal res-
peito. Uma \ez todavia pensei n'isso com
paixao, e quiz adoptar e educar uma crian-
ga infeliz ; isto ter-me-nia agradado mais
do quo macacos e periquitos. Richard nfio
o quiz, porem, nao so suppondo que eu
nao saberia, mas tambem receiando que
dissesse que o menio ora nosso. Ah I bem
vejo que a dedica^ao que tenho tido por
elle nao me rebabilitou 'ainda. Elle nao
me tornou boa para cousa nenhuma, nem
util a ninguem... j
Nao se queixe, visto que elle quiz
casa la, e foi a senhora quem se obstinou
em rete-lo junto a si. Sua docura apparen-
te occultou uma profuhda -obstinacao, e eu
diria mesrao um calculo habilissimose
por ventura duvidasse do seu desinteresse.
Ah I o senhor duvida takez I Pois
bem I nao quero mais supportar esta exis-
tence. Minna situac*o e a de uma concu-
bina ; e, como ja lhe disse ha dias, isto
faz-me solTrer atrozmente E' preciso aca-
bar com isso 1
E o que pretende a senhora fazer 4^
Acoitarei o primeiro marido que sir
Richard me offerecer; e de certo elle nao
me data a um homem de-honesto.
Nao serfi essa sua intencao ; mas elle
pode ser illudido.
Entao pensa que nenhum homem ho-
nesto me quererd ?
Com um dote ? de certo que nao I
E sem dote ?
Sem dote o homem honesto que a
desposar nao sera" razoavel, a menos qne
nao seja muito rico.
Pela razao de que eu nada sei fazer,
porque sou uma sultnna ; e por isso I Com-
prehendo. Pois bem I n'este caso renuacio
ao casamento, mas quero sahir d'aqui, e
sahirei. Cem vezes tenho tido a tentacao
de faze-lo, agora tenho vontade de execu-
la-lo.
E para onde ira* a senhora ?
Para onde eu possa trabalhar e nada
dever a ninguem.
Trabalbar, em que ?
E' verdado que nada sei fazer ; mas
fallo hespanhol e fraiicez-
Menos correctamcnte,do que Dolores,
que entretanto da-se por feliz em snr criada.
Minha mfii jjanhava o pao illuminan-
E o poVo, Astrea, o gigante
Que s6 se dohra ante a lei,
Porque i livre e soberano,
Que nao conbece outro rei I
0 povo, em grita, nas pra^as,
Sacode flores nas tracas
Que ao teu lado elle seguio I
0 povo desfaz-se era hymnos,
Magos, ternos e divinos,
Como assim nunca se vio t
Podera nSo 1 Pois escuta
Como a contend a se deu,
Attende a voz da verdade,
Da santa filba do ceo :
Um dia... o povo chorava,
Com uma cruz, que sobracava,
Com um grilhao preso nos pe"s!
Mas Deus, queouvira os clamores,
0 calix dos amargores
Toma das maos dos fieis 1
E diz : olha os horisontes,
Stao cheios de nova luz !
A algema se espedaca>a,
Cahindo por terra a cruz I
Faltaa s6 que o caminho
Ao pobre, triste, mesquinbo,
Alguem viesse ensinar:
Estende a mflo, prende a dextra,
Prudente, illustrada e mestra,
Que vai teus passos guiar I
Era um moco, Astrea, ainda,
Mas era um joven anciao,
Que, alt'.'o das luzes que tinha,
Tinha um lindo coracao I
Coracdo tao bem formado,
Que de Deus sendo enviado,
Como podera mentir?
Invocou-te, muito crente,
Deu-te um beijo reverente,
E disse : agora & partir !
Empr'endera-se a viagem
P'ra terra da promissao:
0 faminto da justi$a
Teve a justi^a na miol
E aquelle que o seu direito,
Que se extorquira co>n geito,
De ha muito perdido havia,
Vio que a lei, reerguidn ao throno,
De novo dava, a" seu dono
0 que a injustice extorquia !
Aqui lavrava a discordia
Como em campo de Agramante,
Mas o anjo da har-nonia
Ja* nao esUi muito distante 1
Acenderam-se os archotes,
Dos claroes vivos e fortes,
Que s6 derrama a instruerao !
Muitas familias morrendo,
De fome, a mao estt-ndendo,
Tiveram de logo o pdo 1
E ainda maisesse aylo...
Que monumento dos ceos I
Kdificio levantado
Pelos conselhos de Deus I
Olhacomo as orphazinhas,
Erguendo ao alto as maozinhas,
Quando a miseria se vai,
Clamam todas, amnrosas,
Ora rindo, ora cborosas,
Elle e dos pub res o pai 1
Pois sim, ternas andorinhas,
Se ]& se foram os verdes,
Gozai vossas priinaveras,
Abri vossos coraodes 1
E do templo nas fachadas,
Quando ao ninho conchegadas,
Implorardes ao Senbor,
Com os vossos l_abios de rosas,
Pedi tambem, fervorosas,
Pelo vossa protector 1
Foi assim, Astrea 1 E quando
A caridade o applaudia,
Quaudo entre os vivas de todos,
Nem uma queixa se ouvia...
Uma voz arrebatada.
On tal vez apaixonada,
Oh I quiz tudo obliterar 1
Mas cem vozes s'erguem logo..
E da fogueira no fogo
Se arrojam, pois era atrozj
E em teu nome so nente,
do quadro< e estampas. Quando se am*
Paris, com bem pouco alii se vive, porque
o prazer de alii estar suppre tudo. Sim, sim ;
voltarei para 14, e far-me-hei operaria. D'est'-
arte serei feliz I
Tendo a senhora algum meio de vi-
ver, pode ser que assim seja emquanto a se-
nhora nao encontrar o amor, a paixao, que,
se pode soer^ue-la, pode tambem atira-la
na lama I Olhe, todos os seus projectos
s8o puris e desarazoados, porque a senhora
tem vivido serapre no meio'do luxo, e de
certo nao se podera" privar d'elle. Demais
sua sau le estd bastante compremettida para
qne uma vida de privacoes lhe seja suppor-
tavel. Se quer um conselho, nao decida
cousa nenhuma, tenha a coragem de enca-
rar o presente e o futuro, e coosulte com
franqueza sir Richard. NSo lhe occulte sua
doenca, nem seus pezares e desgostos. E'
s6 n'elle que a senhora deve t-r conQan<;a,
porque so elle pode aceita-la por esposa ou
tornar sua adopcad menos cruel ao seu es-
pi'ito, menos prejudicial a sua saude. E'
certo que n'essa carta olle nao fall a de sua
proxima vulia ; mas, sem duvida, araa-
ntiaa ou depois de amanbia elle ha de es-
crever-lhe, e certamente con fir ma rd a pro-
messa de voltar breve.
Suppuz ter fallado verdade, mas o Sr.
Brudnel nao escreveu ; e mesrao, durante
quinze dias, nao nos deu signal de vida.
Ill
Desde que o mundo e mundo, e um ho-
mem tentado ou vencido aquelle a quem
uma moca e linda mulher confia os seus
pezares, as angustias do seu coragao.
A principio censurei o silencio do Sr.
Brudnel, depois inquietei-me por causa
d'elle, mas afinal tive o egoismo de regosi-
jar-me com isso 1
Pareceu-me que estava imminente um
rompimento entre elle e a sua Helena, e
que elle so readquerira a liberdade de ca-
sa r-se com o lim de legitiraar alguma anti-
ga paixao de que Manoela jamais tivera co-
nhecimento nem recebera confidencias. .
Fiz uma especie de inquerito severo em
que confrontei as respostas de Manoela com
as de Dolores, e convenci-me de que sir
HicQard nunca promettera casamento aquel-
la, e tive cerleza de que jamais elle lhe falla-
ra dearaor.
Ficava de pe, porem, a promessa que
elle lhe fizera de uao desposar outra mu-
lher. Mas podia isso ser considerado como
i>revogavel? Lembrar-se-hia elle de tal
promessa ? Impor-lhe-hia a conscienc
\

De repeote, de repente,
Abafaram aquella voz I
E os e^cbos, e*chos sonoros,
Vjbrados da consciencia,
Vieram ter nestas plagas
Nas azas da innocencia ;
E nos contaram, sorrindo,
Os triumphos que, em part'ndo,
Deixaram em festejos la I
Triumphos.que, enlliusiasmados,
E dejubilos transportados,
Tambem festejamos c& f
Ave Astrea, tu venceste !
E podera assim n3o ser I
Se Deus te manddra ao mundo
Somente para veneer I
Ave I Astrea, e o grito ousado,
Do direito escravisado,
Que agora sagrou-se rei!
Venceste, deusa incruenta,
A tua gloria se augments,
Brada a razao, brada a lei !
S. Cardoso.
Arjcaju, em 2i> de setembro de 1874.
(Do Jornal do Araeaju).
O provideneialismo perante a
hfstoria.
CONFBRETTCIA PIJBMCA NA ESCOLA DA GLORIA,
PELO DR. LIHZ DE ALMEIDA ARAUJO CAVAL
CANTO, NO DIA 9 DE AGOSTO DE 1874.
.Minhas senhoras, meus senbores. 0 pro
videncialismo perante a historia 1 eis o as-
sumpto de minha conferencia, qne 6 mo-
desta, embora envolva a luta, que ja corfla
milhares de seculos, do homem contra
Deus, da bumanidide contra o Creador.
Nao venho defender uma idea que escape
aos dominios do espirito humane, nem
pugnarpor um principio absurdo; venho,
sim, a semelhanca dos litigantes da antigui-
dade, submetter ao illustrado areopago da
opiniao publica de minha cara patria uma
idea que-nobilita o homem e um principio
que oexaltadiautedusi e diantedoSupremo
Autor do universo ; mas bem longe de procu-
curar as trevas, que certamente fariam es-
quecer a perspectiva sympathica ou aatipa-
thica do orador, eu trago comigo, desde os
primeiros passos de minha obscura carreira
litteraria, o anlente anbelo de ver minhas
convic^oes receberem os raios esplendidos
do sol magestoso que brilha nesta terra pre-
destinada, sendo sempre aquecidas pelo
santo calor dessa luz radiante que tem
acompanbado as evolucdes grandiloquas do
seculo XIX.
Providencialismo nao significa a interven-
ed) dessas divindades altivas quo respiram o
ar puro de uma eterna primavera nas ver-
dejaotes cumiadas do Olympo, ou repousa-
vam serenamente nos altares sumptuosos do
Pantheon : nao Sem o pantheismo indi*
vidualista dos povos antigos, nem o pan-
theismo abstravto de Filangieri satisfazem as
aspirates constanles do genero bumaoo,
esse lutador titanico de lutas indefinidas ; e
no combate glonoso de todos os seculos a
bumanidade renascendo cada vez mais fas-
cinadora, como a Pbenix da Fabula, tem
sempre feito erguer-se sobre as cinzas do
materialismo desenfr-ado, uma doutriua que
consola a razao, animando-a incessante-
mente a proseguir nas conquistas do espiri-
to coutra a materia, do direito contra a for-
5a, da libordade contra a fatalidado (vozes:
muito bem)... E assim foi nascendo a cren-
5a no providencialismo, que 6 o symbolo
moderno da harmonia tendendo a perpe-
tuar-se nas evolu^oes bistoricas entre a Pro-
videncia Divina e a liberdade humana, ou,
antes, a accao, por assim dizer, historica de
um Ente que embalou-se nos abysmos da
eternidade, d'onde surgio, deslumbrnte,
d >minando as consciences pela voz intima
do sentimento religioso e avassallando a ra-
zao pela verdade, quee, no mundo moral,
a luz grandiosa da intelligencia, como, no
mundo material, a luz e* a expressdo raara-
vilhosa da natureza. [Muito ben).
Permitti, pois, que em um dos dias mais
solemnes de minha vida, e quando tenho
de fallar pela primeira vez ante o respeitavel
auditorio deta c6rte, 0 perante as Augustas
0 dever de saoriQcar sua vida ao capricho
de uma moc,a que nenbu.n direito linba so-
bre elle ?
Durante essa terrivel quinzena, houve um
instante em que fui completamente desar-
mado.
Manoela cada vez soffria mais, e eu co-
mecava a receiar seriamente a invasao de
uma duenca cruel. Ella nao queria occu-
par-se com isso, e eu ralhava-a sempre e
um pouco brutalmente, mas com uma tal
animacao que cada vez mais esclarecia a
vidente Dolores, que, sem duvida, quando
eu me achava ausente, commentava todas
as minhas palavras, e forcava sua ama a
interpreta-las como declaragdes involun-
tarias.
' Certa tarde, em que estavamos sos no seu
gabinete de vestir, notei que Manoela a to-
das as minhas recriminaQdes respondia sem-
pre com um sorriso, fitando-me com olhos
humidos e ternos como se eu lhe estivesse a
dizer as mais ternas e doces palavras.
Tive tnedo, e dei-rae pressa em toruar-
me amargo na ironia; creio que ate fui
grosseiro. Nao sei que palavras me acu-
diram aos labios, quando de repente, no
meio das sombras que comecavam a inva-
dir 0 gabinete, senli seus dous bragos fle-
xiveis circularem-me 0 pescoco, e ouvi de
seus labios, quasi encostados ao meu rosto,
estas palavras :
Entao, odias-me muito T
Desgracada I cala-te, exclamei, ou
acreditarei...
Cre no que quizeres, replicou ella
com precipitacao ; e accrescentou com uma
voz ardente : ouve, basta de soffrer, basta
de lutar. Nao e Richard a quem amo ;
araei-o, 6* certo, e disse-t'o. Deves te-lo
crido porque era verdade, e porque, n&o
tendo bastante espirito para iuventar isso,
nao me era possivel mentir assim ; mas, ja
nlo me lerabro d'esse amor. E' como se
jamais exiotisse, e eu agora rio d'elle inter-
namente. G porque toma-lo-hia ao serio,
se elle nunca me obrigou a commetter ne-
nhum crime, se esse amor de crianca dei-
xou-me pura ? Nao, nao tenho de que ceu-
surar-me por causa d'elle, visto que esse
amor defendeu-me contra mim mesma e
soergueu-me dos meus proprios olhos I Eis -
me, pois, boa e terna, ainda bonita, e, quem
sabe ? talvez destinada a tornar a ser 0 que
fui aos quinze annos, se tiver um pouco de
felicidade. Nunca amei a ninguem com
paixao, e jamais perteuci a alguem. Para
quem me amar. com siuceridade, tenho no
, Magestades de minha patria que eu prezo,
como a primeira palavra da religiao de meus.
pais, em lugar de supplicar, como o illustre
orador de Atbenas, a proteccao das divin-
dades olympicas, eu invoque do preferencia
o auxilio da Providencia que desce do Cal-
vario com sua impetuosa torrente de subli-
mes inspiragfles. -
Desto modo convengo-me de que a mes-
ma Providencia, quo dirige a bumanidade
us infioda cruzadi da civilisagao, ha de di
rigir tambem os passos vacillantes etimidos
do mais desconhecido d'entre os arrojados
levitas da'novagera^ao, em cujonorne ousei
trocar 0 repouco da obscuridade, onde a
vida e tao trauquilla I pelos immonsos peri
gos desta tribuna, em que os oradores pro-
vectos teem vindo colher brilhan:es cardas,
desta tribuna que e gloriosa para todos e
ainda mesmo para aquelles que naufragam,
com tanto que fa Hum, como eu, com a fron-
te escaldada pelo nobre pensamento de ci-
yilisar 0 povo e derramar uma restea de luz
nos horisontes esperanc,osos da patria.
[Muito bem).
Minha dedicacao, ja 0 vt-Jes, e um sacer-
docio, e a coragem, graijas a Deus, nunca
falleceu para quem procurou sacriticar-se
nos altares sacrosautos do patriotismo ; mas
vossa benevolencia e boje um dever para
comigo, que nao tenho a fronte laureada
pelas cas, que indicam, quasi sempre, alu-
rados labores scienlificos, e que nao posso
offerecer-vos em garantia de minha palavra
senao um passado que vera da obscuridade,
um presente que vein de miubas modeatas
convje^oes e u.n futuro que e oriundo da
esperan^a, companheira inseparavel da mo-
cidade no oceano tormentoso da vida.
(Bravo!)
Nao espereis um estylo archilectado de
aute-mao ; minba linguagem sera simples,
porque fallo para 0 povo e nao des-jo que
a vacuidsde de minhas ide"as occulte-se por
entre as dobras brilhantes de um estylo
pomposo. E eu vos peco que, quando me
quizerdes arguir de haver'escolhido um as-
sumpto elevado, vos lembreis de que 0 povo
tambem necessita de conbecimentos tbeori-
cos, e tambem quer e aspira subir ds regioes
ideaes da pbilosophia da historia : e vos
pcc.0 ainda, que nao penseis que vou trans-
mittir-vos os santos arroubos da mocidade :
n3o I esses, eu guardava-os no sacrario de
um templo, onde, incitado pela religiao do
patriotismo, fui beber as inspira^oes da
sciencia ; mas, ah 1 ao sahir tive de sujei-
tar-me & geuerosa crueldade de meus mes-
tres, que lizeram-me troca los pela austeri-
dade de um outro titulo scienliQco.
0 providencialismo perante a historia I
(Pausa.) Cada ser, senhores, traz comsigo
um principio de vida, cada vida tem peri-
pecias differentes no meio da uuidade rays-
teriosa do poema universal ; 0 principio de
vida do homem e da bumanidade e a li-
berdade, as peripecias estao nas enormos
decepcoes do mundo, a tinidade e a supre-
ma harmonia do poema estao na Providen-
cia Divina.
Os homens diante de Deus sao menos do
que os atom >s dianje da cri.ic.ao, e assim
como estes pelas forcas oppostas de altraccao
e repulsao constituem, no mundo pbysico,
esses corpos colossaes, essas figuras gigan-
tescas de materia, assim tambem, no mun-
do moral, a liberdade humana e a razao, su-
blime scentelha do ceo, representam duas for-
cas apparentemento oppostas pelo antago-
111- no que a liberdade coutingente estabe-
ce em face da razao absoluta que e a justi-
ca, da justiga que e a verdnde, da verda-
de que e Deus, de Deus que e a Providencia
(Vozes muito bem I muito bem f)
E' o que 0 homera ve, eprouvera a Deus
que elle pudesse son jar esses sagrados ar
canos t Nao e a antilhese que reiua no
universo : e a constante harmonia que ten
de ini;esantemente a^perpetuar-se e afirmar-
se entre 0 homem e a Providencia, e a
Providencia quem desenha noimmenso pai-
uel do tempo com a palbeta da inspiracao
incessante os destinos da humauidade ; e
ella quem apparece ao bomera guiando-o
peito um thesouro de ternura 0 um vulcao
de paixao Queres tu amar-aie ? respon-
de 1 Tu ine amas, sei-o, vejo-o, sinto-o.
Tuas coleras, tuas direzas, teussarcasmos,
foram chammas do teu peito que me abra-
zaram a teu respeUg. a despeito da sorte, e
a meu proprio despeito. E' preciso amar-
mo-nos ou morrer. Nao te defendas mais ;
se tao bravo quanto eu sou, cunfes-ando-
me vencida e rendendo-me.
Defendi-me euergicamente, dizndo :
Cale-se ; por Deus, cale-se. Espere
quo sir Richard esteja aqui para faliar-me
assim, e se e verdade que elle nao pensa,
que uuiici pensou...
Ella tapou-me a bocca com as maosinbas,
e com uma energia exlraordinaria disse-
me -.
Ou diga-me que me ama, ou entao
nada dig*. Nao carecemos da permissao
de sir Richard, porque le certo elle me ap-
proval visto que e um homem de bem.
Elle conhece-o, e a ninguem estima mais do
que ao seuhor ; mas como quer o senhor
que eu lhe abra 0 coracao, se 0 senhor nao
me abreo seu ? Varaos, diga esta pala-
vra divina amo-te 1 e ludoo que te peco.
Serao impuros os teus labios e estarao os
meus mancbados para que nao possamos di-
zer juntos ? Que receias ? falla I
Tudo receio, respondi, receio sobre
tudo...
Ah 1 sim, ja sei I os beneficios de Ri-
chard, 0 dote que elle me destina I Um
homem honrado nunca aceitara isso, dis-
seste-o n'um momeuto em que duvidavas
de mim; mas bem sabes, agora bem ves
que eu nunca lhe perteuci, nem a ninguem I
Elle tem 0 direito de tratar-me como se eu
fosse sua nlha natural, e e preciso que eu
aceite seus beneficios, porque nada sei fazer
para ganhar a vida I
E a minha honra ? perguntei-lhe com
os labios tremulos e a froute banbada de
suor. Quem, excepto eu, crer que parti-
Ihaste sua vida e usaste de seu nome sem
ser sua amante ? Quem acreditara que
recusei 0 dote, a paga da minha desbonra ?
Nao, n8o, minha mai e minha irmia se en-
vergonhariam do mim. Nao a amo, nao
quero ama-la ; n3o quero ser deshonrado I
Cahi prostrado com os cotovellos apoia-
do a mesa, tffto queria ver mais 0 rosto
de Manoela, esso rosto quo se tornara ra-
diante, irresUtivol sob a influencia da pai-
xao.
Um combate, uma luta lerriv 1 gitou-se
e esclarecendo-o sempre no meio das sel-
ves, nas soliddes dos desertea, na immensi-
dade dos ooeauoa, 00 fumo da* baUlbas, na
altivez do martyrio, ou no sacrario da
consciencia I Sempre ella I Q sempre re-
petindo que as aspiracoes progressivas do
genero humano oio podera ser devoradas,
como as entranlias de Prometbeo.
Foi, foi ella quem deu inspiraQdo i bar
pa do David, subli-nidade ao astro do Ho-
mero, implacabilidade ao espirito de Ale-
xandre, beroismo & alma de Gezr, genero-
sidade ao coracao de Bayard (Muito bem I
b'avojl,... Foi, foi com ella, com seu au-
xilio que 0 genero humano hasteou a ban-
deira que trouxe para symbolo : progrtdir!
que tem sido esera sua luta em todos os
tempos : e .,eis porque quaudo esse geoio
universal vir que seus eteroos elementos de
perfectibilidade parecem toldados, reater-
Ihe-ba no fundo de todas as cousas o grito
magestoso, o echo esperancoso que 6 repe-
tido pelo sabio nas me litm;6es de seu fatii-
nete, pelo ignorante ns presentimeutos
instinctivos de sua esssencia, pelo agrictd-
tor nas dehcias da vida ca lezao do tumultuar das vaidades, por n is
na serenida le dd seu earsu, pelo mar noei-
cesso de suas vagas, peio co no ioGnito de
sua belleza e pela eteruktede no iBcompre-
nensiviil de seus inysterios I (Vozes : iaui-
lo bem I) Sim I porque tudo rfpete
que a humauidade 6 livre e que a Provi-
dencia a dirige (AJguuins vozes : Muito
bem I S m duvida I Perfertamente 1}
Como, porem, dar-se-ha esta direc^io''
De que modo tem intervindo provide.1-
cia nas evolucdes da humauidade T Eis 1-
qui minhas senhoras e meus senaores, a
questao por excellencia, o problema funda-
mental da pnilosophia da historia. Cada
historiador surge entao com seu systoma
diverso, cada pensador com suas ideas dif-
ferentes, e assim foi que o providenciahsir.0
converteu.se em fatal smo, por exempli,
da Providencia em Bossuet e Vico, da mt-
tureza em H-rder, do clima em Montes-
quieu, das few geraes era Bucble e da mrn
Renan... Paosa.)
K provavel que no brev^ espafo de uma
conferencia eu nao pos o discotir ampla-
mente mesmo essas principees tbaorias; por
isto procurarei nesta parte, circumscrevi r
minha posicao, afim de nao exceder os I -
mites que me estao tra^ados, aeaa abusar
de vossa benevola attengao.
Bossuet em um livro muito coabecido e
precioso pela sublimidade do pensamento e
eloquencia do estyio, o que fet dizer a
Lamariine que 0 idioma francez seria uoi-
versalmente lilo emquanto durassem o Ce-
nto do Christianismo e 0 discurso >bre a
Historia Universal, fozeodo a mais com-
pleta apologia que devera anhelar 0 uUimt-
dos doutores da igreja, escreveu a historia
de um providencialismo cruel e deshumanu
Dir-se-bia que o insigne doulor com os
voos maravilhoses do seu talento e com os
raios fulminantes de sua palavra fascinado-
ra despojara a humauidade dos Ululos que
a nobilitam, reservando-lhe no vasto scena-
rio do mundo um papel tao triste, quao de-
ploravel, e deixando para Deus o papel de
um tyranno rodeado dos excessos de uma
razao desenfreada, porque arbitraria, e so-
berana por<{ue omnipotonte.
No dia da criacao do homem, este a 0
Glho do Criador, e 0 61ho obedient
quo merece 0 desvelo e acompaixao do
sen pai extremoso, tudo respira essa Nrisa
suave que soprou sobre 0 paraizo para eter-
na ventura da humani lade, Deus e a ensa-
tura entendem-se fallando a linguagira ma
viosa dos anjos que entoavam bymnos ao
Eterno ; um possuo toda. perfei^io eoou
tro nao precisa de perfectibiliia le munda-
na para trazer do berco to la perleicao que
lhe e dado aspirar ; tu 10, tudo em surama,
desenha um oceano bonancns<) em que a
bumanidade bem pode navegar impavids-
mente tendo Ieus por tiraoneiro.
(Cor4inuar-se-ha.)
-.a dos meus desejos, e entretanto nao po-
dia sahir, nao podia fugir U'aquella casa
mcldita para salvar minha ooiis>;iencia e
dignidade. Paralysava-me um encantamsn-
to diabolico ; se s palavra lutava ainda, 0
mesmo nao so dava com a energia inte.-ior.
porque esta estava prostrada.
Houve um instante de silencio ; Jepji-
ella ergueu-se, e, pondo-me as maos no.-
hombros, disse-me :
Sim. comprehendo ; tens raiao, na..
podes desposar-me. Estou perdida, nlo
posso occupar a posi^ao dj, u na mulher ho
nesta ; ha destinos assim... Eu devia ter
couiprebendido a vida, mas em nada pensei
Vivi sempre ao Deus dari, como meu peri
quite, sem saber para onde me levavaa mi-
nha voluntaria escravidao. Oonseoti em.
ser a odahsca que nao pode ser mais resti-
luida d posicao de legitiraa mulher. Tanto
peior para mim I recusas ser meu marido '
Mas isso nao e razao para nao me a mares,
visto que sabes que sou pura, visto que
hem ves que eu to amo loucameote! >
te peco amor. 0 resto pouco valor tea a
meus olhos. Ouve, dir-te-hei ainda mais
Sei que, com tuas descoafiaocas serapre a
renascerem, com 0 teu secrete despreao sola
minha fraqueza, com os tons ciuaea meen-
satos, com as tuas crueis palavras, e talve>
com os teus momentos de odio e de furor,
bem mal me has de amar I Ja vi u quo te
passa em ti, e tudo espero. Pois beat! a
tudo estou resignada. A ma-me como pj
deres, e ainda assim julgar-me-hei feliz, por
que miuba vida terd um 601, porque vi-
verei para alguem. Nao vfe que teaac
horror de viver s6 para mim T
Eu tinha erguido a cabega, e fiuva-a.
Jdmais a sinoeridade fallara coa tao eu -
thusiastica e profunda oooriooio I
Cahi de joelhos a seus pea e cootetnplei-a
em silencio.
Sua belleza tornara-se como diviuisada
pelo heroisrao do verdadeiro araor I
Sua morbida pallidec, azulada pelos re-
flexos da loa. seus grandes e negros olhos
encovados pelo soffrimeoto, seu sorriso *-
tatico, tudo troue-me a lembranca os mar-
n ps que a pintura hespanhola soube col-
iocar eiure as torturas da vida e as delicies
do ceo.
(Conlinu*r-e~ha.)


<
deutru eia uii;a. S.ati-me avilted ; :-r cau-til' Dtj uiA*uU..-w;A.UCUl'g Da, CAXua


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVUO2NZ4I_9BD8ZF INGEST_TIME 2014-05-29T18:48:29Z PACKAGE AA00011611_17849
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES