Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17848


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO L. M1EK0 236
iT3I ab
O Sh
V,
)
PAA A CAPITAL B LUCASES OXDB NlO SB PAGA POBTK
For tres mezes adiantados. ,............. 89000
Por seis ditos idem. ................. 1SP000
far urn annoidem....... % .......S4JIOO0
ada numeroavulso r^V*1..........., .. 330
dmsmol db
SEXTA FEIHA 16 DE OLTIBRO DE 1874
PARAUt\TEOB
Por tres maws adiantados. ,
Por seis ditos idem
Por note ditos idem .
Por am anno idem.........
FMA DA PRO
VIlrCIA
4i
a. ..... .

DE PERNAMBUCO
PROPRIEDADE DE MANOEL FI6UEIR0A DE FARIA FILHOS.
ft In. 6arar4o Antonio Aires 4 FLhoi, no Ptri; Gon$alYes d Pinto, no Maxaablo; Joaquim Jose* de Oliveira & Filho, no Ceari; Antonio de Lemug Braga, no Aracatj ; Joio Maria Julio Ch^v^, no Assa; Antonio Marques da Silva, Ratal; Jose
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auiencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose* Gomes, na Tilla da Penha; Be'armino dot Santos Bulcao, em Santo Ant* ; Domingof Jose" da Costa Brafa, em lazarets j
Antonio Ferreira de Aguiar, em Gojanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar dai Alagdaa ; Alvea d C.,aa Bahia j a A. Xavier Leite d C o Bio Janeiro-
raSTSUCCAO POPULi",
'ill 1 I
Klenieases de physica
LIVRO SEGUffDO
Bydrestatica
CAPITULO III
PESOS KSPKCIFICOS. AHEOMETROS.
CContinuacao.J
o-terintna^ao dee pesos .--iie.-iii
cos dos WquiduH- Os pesos especilicos dos
liquidos sao deiermiuados pelM mejmos raelhodos
que sao empregados para com os solidos, isto e :
o methodo da kilmftl hydrostatics o do areome-
Ire e o do frasco.
t. Metholo da baton-a hydrostatiea.Ptra. de
terrainar o peso espeeilico de am liqaido pelo pro
oesso d balanc* hydrosUlica, suspende-ae a araa
.ij... corona* dessa balaoca urn pequeoo corpo que
cam seja soluvel na agua, uem do liqaido cujo pe
so especifico se procura, como por exemplo uma
bola de platina, que e metal ioatacavrl para todos
oi liquilos. Dopois pesa-$e esse corpo (a bola de
platina) no ar, uaagua de tillada, e no liquido, cu-
jo peso espeeilico quer ler, liquido que para o
a jsao caso sappomos ser o alcool.
Admittamos que no ar a bola de platina tenba
pa*ado 33 gramma*, na agua 31,3 grammar e no
a.oool 31,7 grammas.
A perda de peso na agua foi, pois, de 33 raenos
Hjt grammas ou 1.5 grammas ; e a raesma per-
da ao alcool (oi tambein da 33 monos 3l,7 gram-
oua ou 1,3 grammas.
Por conseguiule, para (er o peso do alcool em
reiacto a agua, isto e,o sea peso especifico, basta
ver quanias veies o u. 1,3 grammas coutem 1,5
grammas, isto e, basta dividir 1,3 por l,5w e o
quociente 0,86f> represents o peso especifico dj
acol; o que quer dizer, qne, em igualdade de
voiome, o peso do alcool c 886 milesimas paries
do da agaa.
5. Methodo do areometro de Tuhrenheit.Tan
iacieit, em Danlxig, ncs fins do seculo XVII, pa-
ra determiuar os pesos especi6cos dos liquidos,
useme.ha algum lauto ao de Nicbobon. Esse ins-
irunenio ii tooo de vidro r e lastreadona sua par-
'* inferior com uma bola cheia de mercurio. Co-
mo do de Nicholson tern elle uma baste superior,
wrminada ao alto por uma concha ou prato para
receeer pesos, e lem em altara cooTeniento da
haste, am traco que serve de ponio de aferigao.
Aates Oe se empregar esse instrumento, come
\--*e per ps-lo a'uina balan^a commum. Sup-
puoaamoa que um delles teuna de peso quareata
friraqiis, o sapponbattios mais que o liiuido cujo
pmo Mpeftifico se yrooura i o aceile doce.
Oeila-M em primeiro lugar o areomelro em
ago* dettiliada, de sorte q*j elle nao se peesa ira
(O^rgir mais de deua lergos da sua allura, e de-
ij trata-se de aleri-Io com o auxilio do pesos
OOitos na concha do alto da haste. AdroiiUmM
la? para ateri-lo samara preeiaas 6 grammas.
f.ssas 6 grammas juntas as 40 grammas que pe-
: a o areometro ao ar, da* 46 gramma* para o
pe^o d'agna deslocada pete iosuameoto, tImo to
ma ja vimos que nenhum corpo tluctua na super
tide de um liquido senao sob a condicio de deslo-
car am peso de>se liquido igual ao seu.
Obtido esse resultado, retira-se o areomelro da
agaa, limpa-*e obem e immerge-se-e noazeite do-
cs. Aqui, aioda elle nao deve ficar imniergiio
ate o ponto de afericao ; mas a isso se o obriga
il J grammas ; 2 por exemplo.
Essas 2 gram.nas, juntas a 40 do po30 do ins-
irumento no ar, represenla u;n peso total de &2
j-immas, que e o peso do oleo deslocado pelo
rcesmo instrumento. |
E, como o volume de oleo deslocado i> precisa-
u.ea'te igual ao volume d'agua lambem deslocado,
d'ahi se cooclue que, pesando, sob igual volume, o
aieite doce 42 grammas a a agua 46, o peso e-pe
eiSeo do azeite e o quociente oriundo da divisaa
>U 42 por.46, isto e, esse peso especifico e 0,91 ;
cumero que aoa indica que, pesando um corlo vo-
lume d'agua 100 grammas, um identico volume de
tzeite doce nao pesa senio 91 grammas.
3. Methodo do frasco. Tarabem se determina
i peso especifico dos liquidos pelo methoJo do
tra3Co. Para isso pesa-so antes de tudo o frasco
va^o, e depui* fuccessivamente cheio d'agua a
<;heio do liquido cujo peso especifico sa buses, que
Subtrahindo dos uilimos posos saccessivaiuenle
u (>e30 do frasco vaio tam-seos pesos de dous vo-
lumes iguaes -um de agua destillada,a oulro de
alcool. Se, pois, se dividir este ultimo por aquel-
le, uto e, se dividir-se o peso do volume de alcool
pelo peso do igual .volume de agua, o quo-
.(ante obtido representara o peso especifico -pro-
'urr.do.
Pesos especificos de alguns solidos.
Platina...... 22,07
Ouro...... 19,34
Chumbo ... 11,35
Prata...... 10.47
Cobre vermslho. 8,88
Ferro......7,79
Zinco......7,00
Diamante.....3,33
Marmore braneo. 2,8i
Vidro......2,49
Marlim.....1,92
Madeira de faia 0,85
Alamo commum. 0,39
Cortica.....0,24
Pesos especificos de alguns liquidos.
Mercurio..... 13,60
Accido sulphurico 1.84
Leite......1,03
Agaa do mar. ... 1,03
Agua destillada. 1,00
Viaho de Bordeaux 0,99
Azeite doce .... 0,91
Esseucia de therebentina 0,87
Alcool absoluto 0,79
Ether commum 0,71
> mis pesado de todos os solidos e a piatina, e
. mais posadodoi liquidos e o mercuno (aiougue).
(Continua.)
PASTE OFFICIAL
Governo da provlnola.
KBHSMBMn DO DIA 23 DE MAIO DE 1874.
1.' >ec$iio.
OttekM
Ao Exm. brigadeiro commandante da armas.
satisfazenuo ao que solicita V. Exc. em seu offl
eio de 87 de abril ultimo, sob n. 335, afim de po-
der dar eamprimento ao que exigio o ajadante ge-
urrildo exercito, transmilto inclusa a informaqao
liiJh pelo commandaate do carpo de polic a, acer-
;a dos papeis qae devolvo, concernentes ao cabo
de esqoadra do 1* batalhao de intantaria, Jse
Pedro da Silva.
Ao iospector do ar3eaal de mariana.Res
p)Qdo ao sea offlcio de hoatem datado, sob a. 31,
dizeado qae nesta data expeco ordem ao engenhei-
|ro encarregado das obras geraes, afim de orcar os
concertos a qae allude o citado offlcio, pira qae se
possa solicitar o competente cradito, visto o orga-
nwnto qae remetlea exceder da alcada 4e.-ta pre-
,iilncla.
Afl director d> arsenal de guerra.Expe^a
Vmc. aoaa ordeoi, alim de sa fornecer ao Dr. che-
fe de policia c im destino ao commaadanledo des-
tacamento de policia do termo de Ploresta, 50.) car-
tuchos embalados e igual numero lie ospuletas, coa-
forme solicitou em offlcio n. 64i, da honlem da-
tado.
2.' seccao. \
Actos :
O presideate da provincia, a visla da proposta
do Dr. cnefd de policia, em offlcio n. 644, de hon-
lem datado, resolve axouerar do cargo de subda-
legado do 1* districto do lerrao de Floresla o capi-
Uo Joaquim Francisco de >a.
0 presideate da provincia, de confonuidade
com a propo-ta do Dr/ehefede policia, em offlcio
n. 614, de hoatem datado, resolve oomaar para o
cargo de sabdalagado de policia do 1* d-strirrto do
termo de Ploresta, o teneota Jos6 Alexandre Go-
mes de Sa.
0 presiJenie da provincia, de eonformidade
com o art 6* t do decreto u. 4,8zi, de 21 de
novembro de 1871, resolve uomear para os cargos
de 1, 2 I- 3* sappleotes do jaiz municipal e de
orphaos do termo do Bonito, a Joao Braulio Cor-
reia e Silva, major" Jose Uo iorato Chares e Hono
rio Victor Xavier, na ordem em qua se acham col-
locados, os quaes deverio solicitar os respoclivos
ntulos e prestar juraraento no prazo de 3 mczes.
Offlcios :
Ao commandante superior do guarta nacio-
nal do Recife.Respondando ao nfficio de V. S., a.
3'i, de 16 do corrente, pedindo ser esclarecido
a respeito da execucao do decreto de 24 de raaio
do anno p. passalo, tenbo a dizer-lhe quanto a I."
parte, qua na provincia do Rio Grande do Sul, os
majores e ajudautes sao aggregados aos comman-
dos superiores, porque sao of&ciaes effeccivos ;
aas outras provincias, porem, am que taes postos
sao ex-rcidos em commissio, os raesraos offlciaes
tornain a lileira d'onde sahiram e assim nao ticain
privados do exercicio de suas patentes, como sup-
pose V. S. Quanto a 21 parte de sea citado offi
cio, procede a duvida, porque o art. 14 do decre-
to n. 5,573 de 21 de ultimo, comprcbende
os majores e ajadantei nas palavras : offlciaes do
estado maior, devendi ser aggregados os que fo-
rem effeclivos, e tornar a seus antigos postos os
que forem em commissao.
Ao jiiii de direito do Cabo.Respondendo ao
offlcio da Vmc, de 20 do corrente, cabe-me dizer-lbe
qua proponha 2 cidadaos idonsos para ;o eargo da
3* supplentu do juiz municipal e de orphaos desse
termo e do de Ipojuca.
3.' seccao.
Offlcios :
Ao inspector da thesoararis de fazenda.
A* vista do que allegou o vigario collado da fre-
guezia de Iguarassu, padre Camillo de Meudon^a
Knrtado, no requerimento sobre que versa a infor-
ma>/ao dessa ihesouraria, de 19 do corrente, n.
524, serie G.autoriso V. S. a mandar pagar-lhe a
congrua a que liver direito dnraote o tempo em
qae ostiver no goto da licence que obteve do go-
vtrno imperial, visto estar nomeado sabstiluto do
mesmo vigario e acbar-se dot eoMegainte preen-
chida a condi'.-.io imposta na mesma lieeoca.
Aomesino.Conforme "olicitoa o Dr. chefe
de policia em offlcio de hoatem datado, sob a. 648,
recommendo a V. S. que mande pagar ao n-go-
ciante, Francisco Pereira Camello, a quantia de
7/1376, despeedida pelo delegado do tenno do Bo-
nito com as diarias fornecidas ao recrata Caetauo
Manoel de Faria e ao desertor da armada Emygdio
Maximiano Basilio, durante o tempo indicado nos
inclusos prets em duplicata.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Providence Vmc. no sentido de ser pagaa o nego-
ciant--, Francisco Pereira Camello, a quantia de
130J.O00, despendida nos mezes de.marco e abril
desle anno com o su^lento dos presos pobres da
cadeia do termo do Biniio, como se vo da conla
e relacao juntas, que rne foram remetlidas pelo Dr.
chefede pdicia em offlcio de 21 docorreute, sob n.
640.
Ao mesmo Tendo em vista o que allegou o
presidente da commissao encarregada de promo-
ver donativos para a construc^ae da matriz da Es-
cad a no requerimento a que se refere a informa-
cao dessa thesouraria, de 19 do corrente, sob n.
220, recommendo a Vmc, qae por conta da verba
decMada pela lei do orcamento vigente para cbras
de mairizes, mande entregar ao prefeito dos mis-
sionaries capuchinhos da Penha, Fr. \ enancio Ma-
ria de Ferrara ou a Fr. Caetano da Messina So-
brinho a quantia de 1:000*cn. 0, afim de ser appli-
cada a construc;ao dc que se trata.
Ao mesmo. Em additamento ao men offlcio
de 12 do corrente, teaho a dizer Ihe que, nesta da-
ta autorisei o thesoureiro das loterias a entrejtar
ao Rvd. Dr Antonio da ;auna Figueiredo, a im
portancia liquida das loterias ultimamente ex-
trabidas em favor das obras da matriz da cidade
da escada, devendo o competente recibo ser re-
colhido a essa thesouraria, onde representara dita
importancia.
4.' seccao.
Offlcios :
Ao Exm presidente da provincia do Piauhy.
Trasmitto a V. Exc para os fins jlevidos o re
curso de graca incluso do sentenciado dessa pro-
vincia, Severo da Silva Passos, o qua! se acha no
presidio de Fernando de Nerooba.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
Pode Vmc. effectuar o centracto de prorogagm
de arrendamento do predio n. 18, a travessa da
Madre de Deus, de eonformidade com a proposta
dos locatarios, Monteiro Junior & Fernandes, do
modo e prevaleeendo as modiflcacoes constanles de
seu offlcio de 18 do corrente, sob n. 9u9, com tan
to que o valor annual do arrendamento seja de
1:6004, que correrao mesmo durante o intersticio
dos 6 mezes a qae allude o sea refsrido offlcio.
Devolvo a proposta, o orcamento e planta do pre-
dio.
Ao thesoureiro das loterias.Enlregue Vmc.
ao Rvd. Dr. Antonio da Cunha Figueiredo o pro-
ducto liqaido da loteria ultimamente extrahida
em favor das obras da matriz da cidade da Escada,
podendo enlrar para a thesouraria provincial com
o competente recibo, quelrepresentara alii essa im-
p rtancia.
5." seccao.
Offlcios :
Ao Dr. Manoel do Nascimento Machado Por-
tell i, presidente da commissao no mead a para agon-
ciar productos e specimens qae figurem aaexpo-
sicio universal de Philadelphia.Ein satisfacao ao
offlcio de V. S. de 21 do raez proximo passado,
relativamente a commissao nomeada para promo-
ver nesta provincia a acquiicao de prodactos e
specimens da induslria nacional, no intuito de ser
o Brasil represtutado vantajosamente na exposicao
universal que sera inaugurada era Philadelphia
om abril de 1876, transoiitto por eopia a V. S. o
aviso circular do minisierio da agricultura, com-
mercia e obras publics, de 1 de dezembr > 1873,
em viriude do qual a citada commissao podera dar
comeco aos seus tr balhos.
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas. Em resposta ao offlcio de Vmc, de 21
do corrente, sob d. 152, relativamente aos paral-
lelipipedos que sobraram da reposijao do calja
mento da cidade, levantado pela Corapanhia Loco-
motora Pernambacana e pela Illraa. camara mu-
nicipal, concedo a autoriiacio solicilada no men-
clonado offlcio para ceder a corapanhia Ferro
Carril paralUlip pedos, afim de calcar-se parte das
runs do Barao do Trinrapboe Imperial.
Ao mesrao. -Designe Vmc, de acoordo com a
mr-lu-a planta, nos lados da velha pont d. Boa-
Vista, o terreno que deve servir para conslruecao
de armazeas de deposilo de materiaes destinados a
faclura da nova ponla que tem de ligar o bairro
de Santo Antonio ao daquelle oorae.
Ao engenheiro das obras geraes. Apresen-
te-me Vmc. o orcamento da despeu a fazer-se com
os reparos de qua precis* a parte da coberia da
enfermarla da in inn ha, a bam assim com o reboco
exterior des.-e edificio ao lado de Oeste, que ae
acha arruinado em alguns lugares, segundo repre-
senla o inspector do arsenal de nuriuha em offl-
cio de honlem datado, sob n. 31.
Portaria :
Os Srs. agonies da companhia brasileira da
navegacao a vapor maodem dar passagem para a
corte, por conu do minisierio da marinha, no pro-
ximo vapor procedente do norte, ao apreudiz ma-
rinheiro, Josl 4.*, qae vai recolber-se ao qaartel
geral do corpo de imperiaes mariaheiros.
KXPEDIENTE DO SECBETABIO.
1." seccSO.
Offlcio:
Ao inspector do arsenal de marinha. S. Etc.
o Sr. presideate da provincia manda declaaM a
V. S. em resposta ao sea offlcio de hoatem, sob a.
32. qae furara expadidas as aecesstrias ordans para
ser transportado a corte no proximo vapor espera-
do do aorta, o aprandiz marinheiro Jose 4.*
2.' seccao.
Offlcio :
Ao juiz de direito de Caraaru. -0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda accusar o recebi-
mento do offlcio de V. S. de 10 do corrente, com-
municando acbar-se convocada para o dia 30 do
corrente, a 1* sessao judiciaria do termo de S.
Bento.
4.' secede.
Offlcio :
Ao presidente da camara municipal do Boni-
to.De ordem de S. Exe. o Sr. presidente da pro-
vincia communico a V. S. qae, por portaria desta
data, foram nomeados 1, 2* e 3s supplenlea do
juiz municipal e de orphaos desse termo, Joao Brau-
lio Correa df Silva, major Jose Hon >rato Chaves e
Hoaorio Victor Xavier, u a ordem em qae se acham
collocados.
EXPE01BNTE DO DIA 23 DE MAIO DE 1874.
1." seccao.
Offlcio :
Ao engenheiro das obras militares.Devol-
vendo a proposta de Rafino Manoel da Cruz Cous-
seiro, autoriso Vine, a contratar com elle pela
quantia de 325*880, consume do crcamenio qae
veio annexo ao seu offlcio de 20 de abril ultimo,
sob a. 88, a execucao dos reparos de que careeem
as forjas e respectivas ehamines da officina de far-
reiros do arsenal de guerra, visto ser elle o unico
coocorrenle que se propiJe a faxer esse servieo.
Fica assim retpoamdo o sea offlcio de 21 deste
mez, sob a 97.
2.* stefSo.
Actos :
0 presidente da pxoiBeia,a vista da nropos-
(a do Dr. cgafe de policia, am offlcio m. S, 4e 23
do corrente, reolvotoiwr*ii.4o eaffo da sublaie-
gada da. iiba das Floras, do Hrso de Bmito. a
Antonio Franci-c > de Jaeaeoe* Borba, por nao Mr
presude jarameata.
0 presideate da provincia, de eoalormidade
com a proposta do Dr. CnefB aepoticw, em omeio
n. 650 de 23 do ccrrente, resolve nomear para o
cargo de suodelegado do districto da ilha das Flo-
res, do termo do Bonito, ao tenente Antonio Bole-
Iho de Mesqnita.
0 presidente da provincia, de eonformidade
com a proposta do Dr. chefe de policia, em offlcio
n. 650, de 23 do corrente, resolve nomear
para o cargo de subdelegado do districto de Ca
belleira, do termo do Bonito, o cidadao Jose
Raimundo Torres Gallindo.
Ao Dr. chefe de policia.Em resposta ao
offlcio de V. S. de 2D do corrente, soli n. 637. te-
nno a dizer-lhe, que deve o proprielario da casa
que serve de cadeia era Papacaca, reqmrer o pa-
gamento do que se Ihe estiver a dever, juntando a
competente conta.
3* seccao.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda Para
os fins cooveaientes communico a V. S. que em 5
do corrente entnu no exericio intarino do cargo
de promotor publico da comarca de Garanhuns
Francklim Miuervino Martins, segundo participou,
em offlcio da mesma data.
Ao mesmo. -A' vista das conlas e pedidos
juntos mande V. S. pagar a Joao da Silva Guima-
raas & C. quantia de 58H644 em que iraportaram
os medicamentos fornecidas a pharmacia do hospi
lal militar durante o met de abril ultimo.
Ao mesmo. Tendo nesta data aulorisado o
engenheiro das obras militares a contraetar com
Rufino vianoel da Cruz Cousse ro pela quantia de
325*880 em que foram oreados os reparos de qae
careeem as forjas e respectivas ehamines da offici-
na de ferreiro do arsenal de guerra ; assim o com-
munico a V. S. para seu conbecimento e di-
reccao.
Ao mesmo. Transmitto a V. S. para os fins
convenieutes as inclusas contas documentadas da
receila e despeza da enfermaria militar do presi-
dio de Fernando de Noronba relativas aos mezes
de maio e abri ultiinos, e bam assim oparecer em
duplicata da junta de inspeccao qu8 nos termos do
aviso do minisierio da guerra de 29 de dezembro
de 1861 examinoa as referidas contas.
Ao mesmo.Para os fins convenientes, com-
munico a V. S. qua em 14 do corrente falleceu o
juiz municipal e de orphaos do termo de Gara-
nhuns, bacbarel Manoel Lopes da ounha Mac,el,
conforme participoa o jaiz de direito iaterino da
comarca, em offlcio de 15 deste|mez.
Ao mesmo.Para os fins convenientes com
munico a V. S. que em 19 do corrente assumio o
exercicio do cargo de jaiz de direito da comarca
do Pao d' Alno o respeclivo jaiz municipal, Francis-
co Gomes Pinto de Campos, conforme participoa
em offlcio de 20 do corn-ate.
Ao mesmo.Para os (ins convenientes commu-
nico a V. S. que, attendendo ao que requereu D.
Anna Margarida de Medeiros Fur lado, viuva do juiz
de direito da comarca de Garanhuns, bacharel An-
tonio Manoel de Medeiros Furtado, abonei as faltas
qae Bdea o mesmo jaiz de direito, a contar de 8
ate 26 de fevereiro proximo passado.
Ao iuspector da thesouraria proviacial.Ao
capilao do corpo de policia, Antonio Jose de An-
drade, mande vmc. abonar a qnantra de 80)003
para ajada de casto de ida e volta ao termo de
Floresta, onde tem de exercer o cargo de dele
gado.
Ao mesmo.Mande Vmc. pagar as delegado
do termo de Floresta, ou ao seu procurator, a
quantia de 10*200, contante da conta junta, pro-
veniente do sustento do seulenciado Beueaicto
Goncalves Torres desde o l de marco a 20 de
aorif desle anno, conforme solicitou o Dr. ohefe
de policia em offlcio de 2i do corrente, sob n.
647.
Ao mesmo.Remetto a essa thesouraria o
racluso orcamento e claasalas aspeciaes, por copia,
dos reparos urgentes de qae precisa a ponte de
Pirapama, ao eogenho do mesmo n om-:, para qne
Vmc. mande lavrar. o termo de.empreitada qae
devera ser assignado pela pessda qae melbor van-
tagem offerecer, e for indicada pela reparticao das
obras publicas, a quem nesta data offlcio a res-
peito.
4' teccfio.
Acto:
3 0 presidente da provincia, deferindo o que
I nqueren Arlolplr-. Silvino Bandel, resolve exone-
ral o do cargo de professor iotaaino da cadelra da
povi acao de Barra da Jangada ; e ordaaa que
a este ,'seniidj se fa$a as devidas oommonica
coes.
0 presideate da provincia, tend > em vista o
requerimento do:umentado do professor de lingua
nacional do Gvmaasio Provincial, Dr. Jose Soares
de Azevedo, don Je se evideocia achar-se elle com
grave encommodo de saude, resolve conceder-lhe
60 dias de licen?a, a contar de 2 d> corrente, com
to*H os seus vencimeotos, para traiar de seu re-
tabelecimento.
Officiea :
Ao director garal intarino da instruccio pu-
blics. Defe indo o reqaenraeoto de Adolpho Sil-
vino Bandel, n'esta data exonerei-o do cargo de
professor iaterino da povoac4o da Barra de Janga-
da ; o qae communico a Vmc. para os fins conva
nientes.
Ao provedor da Sant* Casa da Misericordia.
Approvando a resolucao da junta admmistrati-
va dessa Santa Casa, relativamente ao educando
do eollegio dos orpb&os, de nome Jose, pedido por
sua mii Guilhermraa Amalia Vieira, para ser con
lads a am meslre de offlcio, autoriso Vine, a en-
tregal-o, segundo solicitou em data de 22 do cor-
rente
Ao regedor do Gymnasio Provincial. Em
vista do que, de ac:ordo com a opiniao ananirne
desse imtitnto, expfle Vmc". uo offlcio de 21 >lo
corrente, ra:ouheco a coavenien tregaes t seus pais ou tutores, os'aluranos pensio-
nistas da provincia, a que se refuse dito oflkio ;
nao podendo ebtretanlo preaaeaar-se as vagas
abeflas por eiles, se nao da ordem saperveoleniB
desta presidencia Esta restricgao resolve a ulti-
ma parte do offl io a que respondo.
Ao mesmoPode Vmc, segnno dsolicita em
seu offlcio da 23 do corrente, justificar as faltas
dadas desde o dia 2 pelo professor de lingua nacio-
nal desse inslituto. Dr. Jose Soares de Azevedo,
qae se acha core grave encommodo de saiide. De
vo, entretanto, dizer qua a esse professor conce-
di por despacho de 22 uma licenca de 60 dias,
contados da 2, om todos os vencimeotos, cum-
prindo a elle tirar a respectiva portaria.
Portaria :
A' If tin. camara municipal dp Recife.Satisfa-
zendo ao que solicitou a Illm. camara municipal
do Recife, em offlcio de 29 de abril proximo undo,
sob n. 35 tenho a dizer qae pela directoria das
obras paclicas foi de-ignado o eogenheiro Joa-
quim Gomes de Oliveira e Silva, a quem a mesma
Illm. camara se dirigira, aproveitando a actual de-
mon nesta cidade, afim de effectaar-se o exame
alluiJo sobre a obra da casa do mercado publico
de S. Jose.
5.' teccao.
OH,:, :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.-Em satisfacao ao offlcio de Vmc, de 23
do torren e, sob n. 153, quanto aes reparos ar-
geatw de que precisa a ponte do Pirapama, de-
claroflbe que approve o orcamento qae acorn-
paniiou o sen citado offlcio, e nesta data remetto
copia desse mesma orcanaoto A thesouraria pro-
viui-mI para lavrar o respeativo termo de empreita -
da, n qual d Vmr "lasipear Mdo-se em vWa aaadiaaes van-
Portaria :
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
mande dar uma passagem ale Penedo, a re do
vapor dessa coinpanhia que seguir para os portos
do sul, ao capitao Antonio Jose de Andrade, de-
legado de [Kilicia do termo de Floresta.
EXPEDIENTS DO SECBKTAB10
1.' seccao.
Offlcio :
ao Exm. brigadeiro commandante da* ar-
mas.S. Exc. o Sr. presideate da provincia man-
da declarar a V. Exc, em resposta ao sea offlcio
de 23 do ccrrente, sob n 419, qae nesta data se
expedio ordem a thesouraria de fazenda no sen-
tido de ser paga a Joio da Silva Guimaraes
4 C. a quantia de 58,614, em que important os
medicamentos fornccido: a pharmacia do hospital
militar, duranle o mez de abril ultimo.
2.' seccao.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S., em
resposta ao seu offljio de it do corrente, sob n.
647, que nesta data se expedio ordem a thesou-
raria provincial no sentido de ser paga ao de e-
gado do t-rmo de Floresta ou ao seu procurador
a quantia da 10*200, despendida com o sustento
do sentenciado Benedicto Goncalves Torres, da 1 de
marge a 20 de abril deste anno.
Ao juiz de direito inlerino da comarca de
Flores.0 Exm. Sr. presidente da provincia man-
da accusar o recebimenlo do 'offlcio de V. S, de
16 do corrente, comraunicando haver convocado
a 2* sessao do jury desse termo para 27 ds jalho,
e do de logazeira para 6 do mesmo mez.
Ao juiz de direito interino da comarca de Ga-
ranhuns. 0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda accusar o recebimenlo do offlcio de V. S.,
de 15 do corrente, comraunicando haver fallecido
no dia antecedent o juiz municipal desse termo,
bacharel Manoel Lopes da Cunha Maciel.
Ao mesmi.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda accusar o recebimenlo do offlcio de
V. S., de o do corrente, comraunicando haver na
mesma data nomeado promotor publico intarino
dessa comarca a Franklin Minevirno Marlins.
Ao bacharel Francisco Gomes Pinto de Cam
pos.0 Exm. Sr. presidente da provincia mauda
accusar o.recebimenlo do offlcio de V. S., de 20
do corrente, communicando haver do dia antece
dente assumido o exercicio do cargo de juiz de
direito da comarca de Pao d'Alho.
Ao commandante do corpo da policia.S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda decla-
rar a V. S.. em resposta ao seu oflkio de 23 do
corrente, sob n. 22o, qae nesta data foram expe
didas as neceesarias ordens aao s6 a thesouraria
proviacial para abonar a ajuda de cusio, mas tarn
bem ao gerenie da companhia pernambucana para
dar passagem ate Penedo ao capitao desse corpo
Antonio Jose de Andrade, que tem de seguir para
o termo de Floresta, na qualidade de delegado de
policia. ,,
Ao Sr. Franklin Minervino Martins.0 Exm.
Sr. presidente da provincia manda accusar o re-
cebimenlo do offlcio de V. S., de 5 do corrente,
communicado haver na mesma data entrado no
exercicio interino do cargo de promotor publico da
comarca de Garanhuns.
dkspactlos da pbesuorncia, do dia 14 db outubbo
db 1874.
Bacbarel Ayres de Albuquerque Gama.Indefe-
ndo.
Anlonio Luiz de Oliveira Azevedo.Deferido com
offlcio desia data ao thesouro provincial.
Felix Tranquilino de Moraes.Concedo o prazo
de 8 dias. .,
Padre Francisco Virissimo Bandeira.Nao pods
ter por ora lugar o pagarnento que requer o sup-
plicante, que deve aguardar o competente cre-
dits
Joao Baptista do Rego.Passe portaria conce-
dendo mais 1 mez de licenca com ordeaa-
do.
JoseElisario da Silva Guimaraes.Entregue-se
ao supplicante o d cumento junto, mediante re-
cibo.
Mauoel Rodrigues Lisboa Camargo Sejam en-
iregues mediante recibo.
Reparticao da policia.
I.1 seccaoSecretana de policia de Pernambaco,
15 de oatabro de 1874.
N. 1273.Illm. e Exm Sr.Farticipo a V. Exc
que foram houtain recothidos a casa de detencao
os seguintes individoos :
A' ordem do Dr. iniz da direito do segundo dis>
tricto criminal, Jose Victonno, como absolvido e
appellado.em crime de morle nesta capital.
A" ordem do subdelegado de Sant j Antonio, Ma-
noel Pereira Hezarra e Paulino, escravo de Libe-
rate Luiz de de Freitas, por disturbio3.
A's4 horas do dia II do corrente, em ten as do
engenho Bom SncCesso do 'ermo da Escada, o
pardo Jose Ferreira ferio gravemente a Anlonio
Gomes de Freitas. Contra o delinquent, que foi
preso, procedeu se dos termos da lei.
Doos guarde a V. Exc.-Illm. e Exm. Sr. com-
aoendador Henrique Pereira de Lucena, digoo pre-
sidente da provincia 0 chefe de policia. Anto-
nio Francisco Correia de Araujo
/
>
(agencia telegraphica BAVAS-RRUTER.
i.ondres 14 de outubro. Dia-se
que om fealalfeoes carlistas. que se
ocliana em Biscay*, mosiram-se
muilo desesa teases, e reclamam o
paamento de seus soldos.
Madrid Id. I'm bando de carlls
tas deleve um irea da vla-ferrea
proximo de Albacete. com o propo-
sito de ronbar,
Madrid ts.Muilos batalnoes car
llstas se teeat sabanettidoao a;over-
npublid.nu. Os hubUantes daa
proviaelas vascongadas pedeaa a
pas.
>* Vork id. Dlaeaa de Xew-
York uue asaa terrlvel sjreada aes
truio eerca de metade da culkelta
de fnmn aos estados eio Kentaeky,
e de Tennessee.
WettrMtt* \^%^>M\1k\.
uenos Ayres 11. Espera-se auut
qae as (ropas de areverao se rea
"am a rebelilae. e aae general
Mitre brewmente assasaa o cosa-
inndo eat chefe dellasw a eerenao
la da posse do Sr. Avellaneda. ae
alija. 1 IS do corrente. do cares do sire
atdente. reaaasosi-so aeaa rcarren-
ela noiavel. O Sr. Avrllanedu. ao
sea manifests, declare one foi elel-
lo pela ventade publirw, aaaa de
defender so dlreitoH do ft\erno
Tambem declareu elle sjae adhere
aos princision estaaelectdos pelo
sen predecessor. O no vo minisierio
Ocou assim erajanlsado : goers,
aisina > interisr. Prias t 0aaaesv
csatiaas e iwiuaefSa v~.teii.-a,
u-Kuirr(-n. B>is-se qne o genvrnl
Jordan Invadlo a provincia de Kli-
tre ItioM. o areneral Mitre acba se
acampado proximo de Buenos-Ay-
res. com dez mil homens do sen
exercito. Reina em Buenos-Ayres
granda ancledade.
Rio de Janeiro. 1Cliegarain os
vaporeg/M/U'e G.ILLILEO.
Babia 15. O vapor ingle*. ARGENTI-
NA Malic amanha para o Rio de Ja-
neiro.
COHMEHCIAES.
Iiondres l. Mercado naonetario
inalterado. Consolidados de 3 >/
for accooirr, 92 3/->. Fundos brasiiei-
ros de 5 */. do anno de 1865, a 99 ;
ditos do I'ruguiiy de %, do anno
de is? I. a 61 i/ j ditos argenti-
nos de 6 / do anno de 1S I. a
ss it Mercado de care flrme. Her
cado de cafe qaleto i precos Inalte
rados.
New-York 14. Camblo sobre Iion-
dres 4-84 1/3. Ouro IIO. Carrega
mentos de cafe do Rio FAIB a I? 1/4,
e good a 18 3/4 cents por libra. .Vij;o-
dini naediane uplands a 15 5/8 csnts
por libra t as chegadas de boje
aos portos americanos elevam-se
a vlnte e um mil fardos.
Liverpool 14.Mereado de algo
dun quieto i venderam-se boje qua-
torse mil fardos, sendo mil e oiio-
centos de procedencia da America
do sul : o fair de Pernambaco. de
Santos e de HaceiO a 8 d. Mercado
de assucar quieto.
Antuerpia 14. Cafe de Santos
ordinario 48 1/3.
Hamburgo 14. Mercado de cafe
flrme. mas poucaa transaccoes se
tem felto.
Havre 14. Cafe do Rio bom or
dinarlo a 93 francos.
Rio de Janeiro 15. -Canabio sobre
Londres 'Hi 1/3 baocario e 'Hi 3/4
d. particular.
Bahia 15. -Camblo sobre I.onilres
S6 1/3 d. bancarto. e 36 11/16 d.
particular.
(correcqao neckssaria.)
No telegrainma de cainbio sobre Londres, ban-
cario, boatem publicado, onde se l>- 26 1/1, deve
ler-se 26 1/1.
(AGENCIA AMERICANA.)
Madrid 14 de outubro.Foi boje recebi-
do em audiencia publica, pelo general Ser-
rano, chefe do governo representative, o
novo ministro do Brasil.
Vienna 14. Renova-se a questao do
Oriente, visto que a Turquia recusa-se a
resciniir o tratado commercial antes de
1890.
Paris 14.0 governo recebeu participa-
e,ao de ter o ORENOQUE deixado o porto
de Civita-Vecbia. Affirma-se que na proxima
reuniau da assemblea o governo propora a
construccao de vinte novos railways com
850 kilometres e no valor de 290 milhoes.
Nice 14.Por causa dos candidatos is
eleir;6es futuras tem bavido aqui manifes-
taroes quasi separatistas
Berlim 14.Os bispos catbolicos publi-
caratn u i protesto contra a pers.gui^ao que
dizem soffrer na Allemanba.
Buenos-Ayres 13.0 novo presidente d*
republica, o Dr. Avellaneda, apenas empos-
sado bontem do seu novo cargo, orgauisou
novo minisierio da seguinte forma: Guerra,
Aisina ; interior, Xionda : estrangeiros, Fe-
lix Fries ; fazenda, Costimer; insTucgao
publics, I.equizamon. Corre a noticia de
que os iasurgentes, ao raaodo do generai
Arredondo, marchara a fa/er juncfao com
os uoramandados p-!o general Rivas. Per
deuse, na costa do sul, o vapor de guerra
argenUno PAMPA.
Rio 15 ao meio dia. Cbegou dos por-
tos do norte o paquete nacional PA MA'.
Babia 15 hs 12 b. e 10 m. da Urde.
Chsasu o paqueto ingl a IsafsTJIT/A .1.
0 PA HA MA' foi bontem abalroado pelo
vapor iuglez PTOLEMY quando entrava.
pelo que demorou-se e sabe boje is 8 boras
da noite para o nort*.
I'ara 15 as b. e 45 m. da Urde.
Chegoa o paquete uacioml CERYAMTES,
que regrs.ira amanba. Kntrou no Mara-
uhao a cauboneira nacional ME A RIM, que
sahe amanha para este porto.
Liverpool 14. Algodio : mercado nr-
me, sem alteragao de preros ; veuderam
se boje 1,800 fardos de procedeacia brasi-
laira. Assucar : mercado quieto.
Londres 14. Consolidados 9i 3|4.
Fundos braileiros 98 ; ditos argeotinos 9%;
ditos orientaes 64 i|2.
New-York 14. Algodao mediano !.'>
ojH. Ouro 110.
i MNAKBKU.
RKVISTA DIARIA.
Aatorldade psllelal.-Por portaria da
oresidencia da provincia. de 13 do corrente, fm oo-
mea lo 3* supplente de delegado de policia do to*-
rao de Nazareth, o major Affoaso de llolUoda d*
Albuqaarque Mar Depntads protinrial. 1'or poiUna da
Sreaidencia da provincia, de li do correale, foi
esigaada x aegunda doming* de Janeiro viqooa-
ro, para procader-*e a elaicao de am deputii
provincial no 5* diMricIo elettoral, ea .-nbutni,
do fallecido bacbarel Cinema to AI re* Cavaicaat*
Camboim.
inslituto ,Vrcncolos;iro Perasssbo
eano.Reunio se honlem, aob a preaiSeecia d
Exm. Sr. cooselheiro monseunor Munii Tavares.
a com assiateocia Joj Dn. Soar a i de Azevedo, Ja-
cinbo de Sampaio, Gervaaio Campeilo, e dos Sri
Correia de Bntlo, brigadeiro Leal, Ferreira se Al-
meida, e majores Oodaceira e Salvador Hes-
rique.
E' lida e approvada a acta da inlecedeote.
O Sr. secretario perpetuo declara nio saver
expediente e menciooa as segnistw osertas :
varios nurneroi do Diario de Ptrnmmbmco, p^lo
consocio Dr. Figueirda algiuu atussroe 4a Sa-
(uo, A)iijstulu e Provincia, petas wapiMisa re-
iue'eoes. u* otierUi mo recebidu cum afraao
a maadaai-u* arctiivai.
0 Sr. presideate, dirigindo-ae ao Sr. Dr. Cam-
peilo, solicita dalle informacoes sobre o aodaaen-
to das investigate* da commusao da trabalnoi .r-
clie- logicor, relativos ao verdadeiro lral do Ar-
raial velho de Mathi-i- da Albuquerque.
0 Sr. Dr. Campeilo, ja-iilicaodo a cominis*- ,
declara que a demora nassas investigacoes, e ao-
tivada pela f.ilt i da planta do certos pootoi du i
dosos da localidada, a qual aao pode ainda levan-
tar a oessoa a quem a commissao inc lrnbio des
traba ho.
0 inslituto em vista desta declaracio belli er.i
seja o irabalho commettido a outra pessoa q -.-
promptam -nte o faca.
Nao haven Jo mais nada a Iratar, levanta -se a
sossSa.
Ferlmente jrrave.As 1 horas datui
de 11 do corrente, o|pardo Jose Ferreira far.
gravemente Antonio Gomes de Freitas, em terra
do engenho B >m Successo, do lermo da Kscada.
0 delinquante foi preso.
1* de marco. Comcfoa bontem a ser dc
novo acc>a a ill'uminapo particular dessa nu
com o que folgamos de ver resuarado o seu em-
bellezamento.
Exposicao de Philadelphia Hoje ha
reoni.io da commitMo incumoida do agenciameo -
to de productos e e- peoimens da induslria o sets -
nal desia provincia para a exposicio de Philadel-
phia. Os respeclivos merarros Severn reumr-se
no I* andar do predio n. 8i da rua d. Im;
radar.
Uinlteiro. Os vapore? H\h,a t Jaauar,*
levaiam bontem para :
Maeeio 5:000j0o0
Babia i:000a'
Rio de Janeiro 6-00jOn.
Vapor Alice. Teodo sahido de Li-boa a 5
do coi rente, esse vapor ingles, da linha >ie Liver-
pool, deve cbegar ao nosso porto ate o dia SO.
Theatro Santo Antonio. -Sobe ama-
nha a scena oeste theatro o drama em 4 actos. de
Carlo Monticini, intitulado Gitileo Galiki.
Eis o argumento da peja, em cujo desempeefa-
ta n to se ha feito admirar a companhia dramatica
italiana.
Quem ha ahi qae nao conbeca a bistoria
deste deventnrado gaaio, qae teve de lalar pelo re
nisei mento da sciencii astrooomica coot-a o ioimi-
go mais terrivel, a hydra formidavel da lopersli-
clol
i Tudo o qae o Genesis, a palavra da Biblia alfir
mou durante seculos, tudo ficou abalado diaole da
descoberta desse grande homem.
a & terra nao se mote, dizia ae, o sol yra a
roda delta. >
Veio Galileo no VII seculo, e seatroio a pro-
posicao, e provou o contrano.
Isto bastoa para soa perdicio.
t Abatea to assim de am so golpe os pianos cap-
ciosos da iaqaisicao de Roma, Bio pode ella ler-
se qae nao ferisse de prompto a Galileo com o sea
flagello horrivel, a tortnra. os soffrimeatos. as ac-
Sustias aao demoveram Galileo da sna eresc*
emoastrava-a coon provas irrefragavei*.
Feila por elle ana revolacio na s.-ienna as-
tronomica. qne era t -dos prodaaio aquel la surpre-
za, que so pode dar-se em quem, immarso n am
i leihargo, esta a sonhar com o Olyaoo, tods* e
subito despertaram e acharam-se de (rente com a
realidade do seu estado.
Galileo Galilei s,ue muilo aroava a scascu.
] tambem amoa peto coracao. Aissa jovea eosse-
j ceu uma rapanga chamada Marips, pobre 61 sa do
; povo, a quem amoa ardentemesSe e de ipasa lave
I uma nl.'ia.
A fain ilia fei oppos eio ao casaraenlo por d. i
j feren^a de casti; e e a contar de-la epoca qae o
! aulor do drama da principio a apologia se Ga!i-
leo.
. Epocali!<0.
c Florenra
j lialiico Galilei aiuava Marina. Aleiaosre Vit
trici, amava-a tambem; mas oio era aaado, e if-
norava que o rival fosse o seu anigo.
. Depots de uma aasencia de mere* fu rsanW
em Florenra, na occasiao em que Galileo recall a a
noticia de que a sua desposada achava-se swri-
bunda, e em qae pede a mii uma bencao para a n-
iha que Gca orpha.
Aioxauire dss;obrc aae .-..* ihe for* tsiki.




Kfrt M uaa-UJu id hi ii. ^^ de PernambttC^ Sexta feira 18 de Outubio de 1874
J*$ ilH I 1/
f/i
apezar dennSciiWTne promttKRirde!ida3, o de
memo do cinnw o accommette. ia'-J^liF|
*.J
Disfar
a caaa de
(he a exi
de dor; c
rivet eau-
irniSo. d rais-erjeorjia, diriga-se
-ira viagar-se della, e abtavU-
'ocaano a*no fen (Jroprio lelto
ndo em seguid* a Galileo a-ter-
1612.
Veneza.
o Alexandre Vii:rja|, deoumilde mascate,toma-
^e theologo e inattiematico.
>< Entrezou-se aMqstudostiniearaentepara Vin-
gar-se de Galileo, ao'amor mallogrado.
a Depois de 22 annos apresenta se sorrateira-
m.'tit na casa qua Galileo vivia com sua fllln, o
anjo de boRdado p rawa as suas delicias e era a
unica lenttn-aa;* da sda atnada Marina, para de
ac or In com a criada subtiahir-lhe os seas ma
nuseript os e deste medo arrebatar-lhe as glorias e
abrir caminhn maledicencia.
< A filha, Julia, por intermedio de Alexandre
Viitrici, conhece Steno Contarini.joven pertencente
a nma das primecras f.nnilias de Veneza ; raas
am desgracado, a quern a crapula e os vicios ha-
viam feito urn. miseravei.
Alexandre Vitirici propoe a Steno de namorar
a lilha de Galileo e de seduzi-la, o qua foi aceito,
tauto mais depressa, (|uanto que havia ouro em re-
'o-npensa^
A accao desta segunda parte principia no pon-
to em que Galileo e chamado a seahoria de Vene-
za para mostrar a iavengao do ?eu oculo.
A filha achase bordando uraa faxa com suas
cores para Steno Conlarini.
Alexandre apresenta-ae e aconseWia a Julia
de amar a Steno, ainda mesrao contra a vontade
de sen pai A entrada de Galileo ratorrompe este
dialogo.
Alexandre escoiidjo-se, e Julia tiicaminha-se
imorosamente ao encontro d > pai qne chega.
Quando Alexandre se apresenta a Galtled este
recooheceo e o apresenta a seas discipulos.
A criada v?m com nhu caita para am dos
discipuj-is de Galileo, que descobre ser rei da Sue-
eia-Gustavo Adolfo. o qiial,.de. tia uiuilo, sob fal-
so nome.recebia licoes de malncmatii-a e torn de
abandbhaf Veneza. .
* Alexandre Vitirici obrijta Steno a que neste
mesmo dia seduza Julia. E~te phdepe ; mas no
tuoraeot j de c losiiinmar o proposit j infam\ elle e
desofierto por Galileo que o eXpulsa da sua pre-
senja, entregando a lilha a Alexandre para ser
guardada.
ldUS.
o Roma..
Galileo imprime o seu livrrt : Diuioghi tui
Hiasxithi sistemi.
a dnflscm-lhe o livro e elle e levado a bar-
ra do tribunal lie Roma.
Os inqui-idores qaerem fori}a-loa abjurar as
*ia maxim s, mas elte reeusa-se a isso.
n Alexandre, que contimia cormguarda da li-
lha, de roto Roberto com o capuz de inqui~idor,
propde a Galileo abjurar raaa doutrinas, qu1! pur
;i:n -mnue sob a condir^ao unica de Ihe ser resti-
tuiJa sna fllha.e no tntanto conseguido o que a
tor'.ura nio podera arrai>car-lhe da bocca, mas
pode-o o grito do amor patera?, \r a filha, sim, mas
yeparada delle para sempre, por quaato tinha pro
fessado o babito monast co, illudida ella tambem
de que =6 assim ser Ihe hia dado tornar abra^ar o
pai querido.
Galileo, apezar de tndo, e condemnado
tribunal, a recln-ao perpetua, na sua villa do
eetri, proxima de Fioremja.
<' A dor e as Drturas deram-lhe a cegucira.
M-25.
t Alcetri.
.1 Aqoi temos Galileo desterrado.
St-no Contarini, sob nm nome falso, 6 0 uni
<:o companheiro que o nao abandona ; mas assia
te-o com a esperanca de alcancarlhe o perJai.
0 oardeal Leop ildo de Medici^, chega de Flo
ren^a e promette a Galileo que hrnara a ver sna
lilha ; e defVilo, tern o v-lho a veatura de abra
<;ar anda a filha muito amada,
t E e ne>te inomeoto veaturoso que apresenta-
se Alexandre e tira-os daquelle santo amplexo, e
Com alegna Teroz dirige-se a Galileo para di:er-
ilie que elle, c so elle, 6 o autor de todas as suas
desgracas, e tudo por uma causa unica : por qne
elle tambem amava Marina, e que tendo soado, (1
nalmente.a hora da viogauga, sentia uma ale^ria
indisivel ern torturar-lhe o cora^ao, n para remate
: i'!..'i:> da sua vinganra, ia iiueimar-lhe lodos os
papeis.
Steno Cont.rini chuga apenas a tempo desus
pender o inceud o e de vibrar nm golpe de punhal
sobre Alexandre Vitirici, que Uc.i morto.
Galileo succumbe a esse ultimo golpe, e o seu
trabathado espirito voa para o seio do Creador
eterao.i
O scnlior iIhh Paas8.-Por motivos ja
gabidos, <|pixa a irmandade Jo Sanhnr Bom toeno
"n* -ia. i>rerii n.i hut;, a.. R pr. Pedro C-.n;.il
voe, do fcitejar o seu padroeiro, no dia 18 do cor-
rente; resolvendo, porem, expor, nesse mesm) dia'
a adorarao dos fieis, aquella im3gem, das G hnras
da rriatiha ao meio dia, e das i da tarde ate as 9
da noite. A's8 horas da noite havera ladainha can-
tada.
Kpoiirao la fclsanca.-Comeja ama
nha (-abbado) a expe-iqao da mulher giganta, no
andar lerreo da rna da (mptratriz n 1. desde 4
horas da tarde as 10 da noite.
Tufao.0 palhaboto amerieana John Rose,
chegado hontem ao nosso porto, procedente de
(Hew York, soffrea no dia 7 de seterabro ultimo,
rca de t hora da lards, na lat. N. 41* 21" e long,
u. 63 13', um terrivel furacao, que, ao cahir, pa
reeeu querer eng >lir o navio, tal eram a impetuo
sidade e os redemoinhos dasondas, sendo por ellas
Iwad is o piloto Wallace Lhomedieu.eos marinhei-
ros Kuntil lacbson e Francis Mechan, que nao mais
Ioram vistos. 0 mar arrancou acasa da escotilha'
levou todos os cabos e velas de sobre sal^nte,
varrnu parts do uarregamento de breu que estava
acondicionado noconvez, penetrou ua carnal**, ala
aonos, S. 7ose; estupor.
i Jji| >MlilriBg*JKMi^ytra.
buco, li annos^cas^do.^Boa.Vist^,
II; tubcrculos pulmonares.
Prolesaor Mignel Arcnanjo Mindello.
Wrmm Conego Manoel Joa Gomas.
hospitaJ t^4w Jjnfcfttrwrti da Natavidade Saldanh
Padre mestre Valeriano de Alleluia Co
Maria Jo/ S. Pedrft, paTda,' Petnai4bu an bos, viuva Graca-; hepatite I Marianno de Flgueiroa Faria.
Ignei.de *Ibuq'jerqa.La(rda,braflca,.PertlliBV Professor Vitwhnal Ribeiro Soares.
buco, 50 annos, casada.S. Jose ; variolas confluen- Joao Firmino dos Santos Stokel.
te*- i Julio Codlho do Rosario.
Isabel, escrava, preta, Africa; i'O annos, solteira, Ernestb Silveira de Silva.
S. Jose; anennsma. j Thomaz Barreto Lins de Barros.
Mari^, branca, Wrnambaco, 2 hofas, S. Joae:
espasmo.
CHRONICA JUWriAKIi.
TRI8U\H, III RKlYVCiO
SESSAO ESPECIAL EM 15 DB OUTObRO DE
487*.
MESIDENCIA DO EXM. SK. CONSELHEIRO
CAETANO SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Corlho.
As 10 horas d* manhi, pre.'entes os Sra. des-
embargadores Reis e Silva, Almeida e Albuquer-
que Mot ia e Aecioli, foi aberta a sessao.
Em segaida o Extn. Sr. conselheiro presidenle
fez o reiatorio dos aggravos de peti;ao, que foram
julgados por elle e os adjuntos sorteiados na ulti-
ma sessao.
Augravo de petigio.
N. 70. Aggravante3 Johnston Pater & C, aggra-
vado o Juiz do commercio. Juizes os Srs. desem-
bargadores Reis e Silva e Aecioli.- Ficon adiado
o jnlgamento.
N. 72.Aggravante a ''ompanhia Recife Drai-
nage, aggravado Joaquim Dias da- Silva Guiraa-
rai's. Juizes os Srs. desembargadore* Aecioli e
Motta.Dau provimeuto ao aggravo.
Ten io faltado com causa o Sr. desembargador
Domiogues da Silva, nao se.poode julgar o ag-
gravo n. 73 em que e aggravante o Dr. Manoel
lose Pereira de Mello.
Encerrou se a sessao a 1 hora da tarde.
miCACOEs a num.
ELEI^AO
pelo
Ar-
gando-a, arrancou e levou comsigo o unieo bote do
navio quee-tava ijado nas turcos a popa.
Savin earanirado. G pdhabote ameri-
cano JJtn Rote, lailou, no dia 8de setembro com
vapor inglez Tigus, que, em viagera para Cons-
tantioopla, tambem apauhou o lufao de que trata
mos acirna, perdeado nessa occasiao todos os boles
e agulhas de marear, assia corao um monino,
que foi engoiido pelas ondas, e ficando o carpin
teiro de b >rdo ba^taute coomso. 0 comman-iante
do vapor Tagus, para poder ir a bordo do John
Rose pe .ir .-mpre-lada umaagulha de marear, teve
boias de CaohotiniiV'. Deasi locahdade nos escre-
rem :
0 professor publico desta povoacao aeaba de
praticar mais um acto, que torna bera paiente os
sens sentimentos generosos, o o amor que tern pelo
desenvolvimento da ioiiruecao.
a Sciente do grande nu nero deadultos analpha-
betos aqni existentm, installou ell^, no l. do cor
rente, nma aula noctarna sem remunera^lo alguma
dos cofrei publicos.
Quen como nos, tern visto este professor for-
necer gratuitamente livros, e vestuario a almunos
que frequentam sua escola, afim da que pelo mao
estado de l..rtuna, Dbuua pnvados de beber a
lBstrucc^o, nao pode deixar da louval-o, e nos de
de tnbutar Ihe nossas r.cmenagens.
Honra, pois, oo professor Manoel Clemente
>.'*'.* Santos.
Vamos atravessando uma crise peeuuiaria,
O algodoeiro, principal cultura desle lugar, jaz
m estado deploravel, nenlmmas esoeiancas da da
safra. o r
Itoteriat.A 3a
beneficio da matriz
dia 21 do corrente.
~ I dw-Auiftes, devo ter lugar na ter^a-feira, 20 do
correnKV-vQllimo ,eilao do rasto das fazendas da
masaa fallida~ttla Pereira da Mello & C, exi-tentes
00 armazem da rn'a"db!-4on3 Jesus n. i, par inter-
en.;aodo ag&te Piuto. \.
rMMnrJI -Na qointa-feiraViO do corrente, eflac-
taa 0 me>mo agente 0 lailao ^da uma excellentp
casa de cam no perto da etdade com mnito terre
no,pro;no paraedifiea^ao,assimomode? tobn-
dos na rna do Bom Jesus e nma ca-a terrea ns
rua da fmperatriz, em que e(a mnntada nma loja
de fazendas, tudo de conformidade com 0 annnaci0
inserido em ontro lugar deste Diario.
Cawa do deten&o.Movimeoto da casa
de: detencao- do dia 14 de outobro da 1874 :
Existiam 329, entraram 4, sahiram 8, existem
325.
A saber : naeionaes 85dj nm fieres 7, estran-
geiros 2S, e^cravos 3, escrava I. -Total 325.
Allmentadcs a ensta dos eofres pnblicos 269.
A saber Saos iti% e enfarmos .Total 269
,o!l"'ent0 da enlermaria do dia 1* de outubro
de 1874 ;
Tete baixa :
Jose Alves da Silva," cephalalgia.
Caaiterio publicu. -ObHnariodo dia 14
do orrt-nte :
Anfoaio Manoel Borges, pirdo, Peroambuco, 35
se acha a venJa e a 12P a
o Afogados, qje corre no
Ros devotoa que teem de festefjar
l.loriONiiSao l.on^alo de Amiirnn
te, na i^rejti de \oshu Senhora
dos Prazeres dos naontea de Ciua-
rarapes. no Anno de 1895.
Juizes por eleijao.
Os lllms. Srs.:
Joao Julio da Rocha.
Manoel Jose Correia.
Jose Pereira de Carvalho.
uxnmendador Albino Jose da Silva.
Antonio Francisco Santos.
Ant nio Francisco Pereira Lyra.
Juizes por devocao.
" Os Iilms. Srs.:
Joaqmm Augusto Fer'reira Jacobina.
Balthazar Pinto de Gouveia.
Francisco Joaquim Alvfis. ,
Joaquim Ferreira Mendes GoimarScs.
Desembargador Jose Felippe do Sonza Leao.
Juizss por eleicao.
As Exmas. Sras :
Esposa do Sr. Ur. Adriao.
Filha do 5r. Christiani.
D. Percilia Senhorinha Mendes Albuquerque.
D. Amelia, esposa do Sr. Manoel Carpitfteiro Silva.
Esposa do Sr. Antonio Machado Pereira yiaina.
D. Jesoina de Lemos.
Juizas por devojao.
As Exmas. Sras. :
D. Annunciada, viuva do Sr. Ilercnlano.
Esposa do Sr. Joaquim Jos Leitao.
D. Palmira de Mattos Lemos.
D. Amelia Esmeria de Mattos Lima, esposa do
Sr. Pedro Ca-scao.
D. Luiza Muniz Birretto Veliozo.
D. Celicins E-pindola de Moara Rolim.
Juiza encarregada da bandeira.
A Exma. esposa do Sr. Adolpho Pereira Carnelro.
Juizes protectores.
Os lllms. Srs.:
Desembargador FrancisCO de Assis Oiiveira Ma-
cief.
Francisco da Costa Maia. **
Rutino Luiz do Rego Braga. Ab
Henrique da Costa Soares:
Dr. Alvaro Ucbda Cavalcante:
Antouio Jose Leite Braga.
Juizas protectoras:
As -Exmas. Sras.:
Esposa do Sr. Mareelino Joj6 GuncaWes KOntes.
D. Leonor de Araujo Amazonas Yillas-BrJM.
D. Maria Candida Magalhaes.
Etposa do Sr. FranHsco Ramos.
Bspnsa do Sr. Flonano Correia de Brlto.
Esposa do coronel Agostinho Bezerra Cavalcaute.
Escri^aos por eleicao.
Os lllms. Srs. :
Commendadir Mathias Azevedo V.llaroUco.
M-.n -h I Antonio de Jesus.
Jose Antonio Fraga.
Oiytnpio Goncalves Rosas.
Do uingos Jose da Cnnha Lages.
Autonio da Silva Ramos.
Escrivas por eleicao.
As Exmas. Sras. :
D. Th-reza de Miranda.
0. Joanna Naiividade da Cruz Mesquila.
Viuva do *f Fonceca de Mace Jo.
Esposa do Sr. Aguiar.
Esposa do Sr Dr. Sa.
D. Rosa Candida de Moraes e Barros.
Escrivies por devocSo.
Os lllms. Srs :
Felix Alexandrinodos Reis.
Guilherme Jose de Sonza.
Jose Joaquim Goncalves Bastos.
Paolo Jo.-e Alves.
Francisco Luiz Oiiveira Azevedo.
Escrivies por devocao.
As Exmas. Sras.:
Esposa do Sr. Autonio Goncalves Pereira Lima.
Esposi do capitao Joaquim Pedro da Costa Mo
reira.
Esposa do Dr. Ignacio Joaquim de Souza LeSo.
Esposa do Dr. Joao Jose de Aguiar.
Esposa do Sr. Nuraa Pompilio.
Mordoraos.
Os Iilm'. Srs.:
Jose Pe roan des Gomes.
Joao Felix.
Sebastiao Antonio da Silva Baixa.
Ernesto Vieira de Araujo.
Joao Baptista Telles.
Antonio Jose Vieira.
Lnlz .1 i-i'. da Costa e Silva.
Manoel da Suva Pontes.
Major Miguel Bernardo Quinteirc.
De-embargador Jose Nicolao Rigneira Costa.
Dr. Tnstao da Costa.
Dr. Quintino Jose de Miranda.
Antonio Jose Pereira da Cunha.
Francisco Ferreira Maia.
Julio Gufmaraes.
Mordomar.
As Exmas. Sras. :
Esposa do Sr. Francisco Guedes Araujo.
Baroneza das Mercc**.
Esposa do Dr. AogustoVaz.
Esposa do Dr. Joao da Silva Ramos.
K-posa do Sr. Gabriel Antonio Castro Quintal.
Espoea do capitao Jose Joaquim Coelho.
Esposa do Sr Satyro Seraphim Silva.
Esposa do Sr CanUido CarValho Neves.
Esposa do Sr. Vianna.
Barooeza de Bemfiea.
Esposa do Sr. Jose Isnacio Avila.'
Esposa do Sr. Dr Mascarenhas.
D. Francisca, esposa do Sf. Ilaraiao Ferreira
Lima.
Igreja de Nossa Senbora doa Prazares dos mon-
ies de Gaararapes, 14 da abril de 1874.
Amaru Joaquim do Espirito Santo,
Encarregado da festa.
Fr. Felippe de" -In Luiz Paim,
Regente da capella.
Padre-mesire.Fr. Jorge.de Sanu Anna Locio. \
Alferes Manoel AlcantHatfo Torres.
Manoel Claudino Bezerral
Luiz Firmino Pereira.
Escrivies por eleicao.
Os Illm*. Srs :
Professor Miguel Arcnanjo da Silva Braga.
Joaquim Bent 1 Machado.
Jose Bento Machado.
Manoel Francisco Ribeiro.
Francelino de Sonza Barros. v
Professor Antonio Basilio Ferreira Barros.
Tbeodoro Antonio de Jesus Borges. '
Antonio Pires de Carvalho.
Rvm. tonsurado Amaro Jose de Olinda Barcel
lo>.
Manoel Pereira de Hollanda.
Francisco Rotilio da Rocha.
Professor Antonio Martins Vianna.
Professor Ludgero Lopes Lima.
Professor Marcos Evangelista Correa.
Professor Kodolpho Mam-de do Amaral. 4
Professor Climerio It a Quo Alves de Santa. Anna.
Professor Dions de Oiiveira Bircellos.
Domini.-os da Coita Monteiro.
Manoel Tbeodoro do Nasciraeoto.
Alexandre Jose da Silva.
Balbino Jos6 de Andrade.
Vicente de Panla Santos.
Vicente Ferreira dos Anjos.
Escrivies por devocao.
Os lllms. Srs.:
Antonio Vicente Gomes.
Vicente Ferreira de Paula.
Manoel Victor de Mello.
Innocencio da Canba Prea.
Quintino Felicissirao Soares.
Manoel Ignacio Gomes de Mell.v
Antonio Macario de Assis.
Joaquim Romlo do Couto Gondim.
Pedro Ratis de Borges.
Justino Francisco da Assis.
Cosine Pamiao Pereira da Luz.
Cleroentino Ferreira de Paula.
Marcolino da Co-ta Lima
Marcolino da Co>ta Lima Junior.
Manoel Jose" de Souza.
Antonio Urbano Tavares de Meib.
Lneio Jose.
Pedro Marques.
Martiniano Clements de Souza Rosa.
Januario Francisco de Panla.
Joaquim Manoel da Silva Mendes.
Ludgero Pereira de Hollanda.
Juizas por elei^io.
As Exmas. Sras. :
Consorte do ill in. Sr. Dr Raphael da Mello Rego.
Consorte do lllto. Sr. Dr Ezejuiol Franco de Sa.
Consorte do IIIm. Sr. tenente Trajano Felippe Ne-
ry de Barcel los.
Juizas por devocao.
As Exmas. Sras.:
Consorte do illo. Sr. Antonio Correa Cardoso.
Consorte do illm. Sr. Thomaz J ise de Gusmao.
D. Maria Umbelina Maia e Silva.
Consorte do Illm. Sr. Francisco Loiz do Carmo Ri-
beiro.
D. Joanna Cancia das Saves.
D. Manuel a Bellarmina da C n:ei.}ao.
D. Gertrudes Eleuleria dos Fassos.
D. Faastina Pereira do Nascimenu.
D. Maria da Conceijao de Oiiveira Moura.
Consorte do Illm. Sr. Gnarino de Souza Peixe.
D. Cord lina Maria da Conceic,lo.
D. Athana-ia Thoniazia da Silva.
E crivas por eleicao.
As Exmas. Sras.:
D. Rita de Cassia de Senna.
D. Candida Leopol lina Machado.
D. Maria Pereira do Xascimento.
D. Francelioa Haria de Mello.
D. Firmina pereira do Nasciinento.
D. Felismina Maria do Carmo.
D. arolma Maria da Conceic-io.
D. Leopoldina Maria da Conceicao Mello.
Olinda. 14 de dezembro de 1873.
O guardiao,
Fr. Antonio de S. Camilh d> Lelis.
Ao pubKco.
A mesa rege'dora da irmaBdaJtf do^lorioso 8.
Benedi jto, na cidade de Olinda, ja teve a honra 4e
participar as Exmas. Sras. e aos films. Srs. empre-
gados pir devocao e por elefcio; de.nbto a roes-
ma parti;ipa a Vv. Ss., que a festa do glorioso S.
Benedicto, e no dia 22 de novembro do corrente
anno.
0 escrivio,
Manoel Chrlspim de Almeida.
Juizes por eleicao.
0 Exm. sr. barao do Livramento.
Os lllms. Srs. :
Aristides Duarte Carneiro da Cnnha Gama.
Libanio Candido R beiro
Juizes por devoCJM).
0 Rvm. padre mestre Fr. Joao de Santa Tbereza
Os lllms. Srs. :
Or. Jorge Dornella8 Ribeiro Pessoa.
Dr. Joao Barbalho Ucboa Cavalcante.
Brrtea c-onshleraeoea aobre o abas-
teeimento d'agua poiavel a el da-
do do Itrrirc, eus CHgotom o niM
de aanear n sua aiinusiihera, pe-
lo II.-. Pedro dc Attaarde i.ulio
""hi-iiko, formado em medieina
pela Faculdade da Baliia.
(Contmua^ao)
Acfao therapeutica d'agua.
Com quauto nao tenha a agua uma acc5o medi-
eamentosa, comtudo ella occupa um lugar dis-
lincto ua therapeutica. E' empregada em locoes
fomentacoes, baakna, injeccoes e faz hoje 0 prin-
pal papel na hgdrvthtrapia.
Tomada interiorcncnte a agaa is de certo a be-
bida diluente mais simples, mais commum e effl-
caz.
Por esta simples expojicao das qualidades das
diversas aguas de que geralmente se usa, e
que.sao um resumo do que ulliraaroente tern es-
cripto aqueiles que especialmeute se oempam dos
diversos raraos da sciencia me; ica, nao sera niui-
to difflcil a qualquer pessoa eviur 0 uso daquellas
que podem-lhe ser prejuliaiaes.
SeriamuKo fora dasraias, que tragamos a nos-
sa tarela, fazer uma descripcio minuciosa da ma-
teria, ou traduzir extensos artigos escript js sobre a
agua, suas qualidades e uses.
Parece ser bastante 0 que fica exposto para se
entender 0 que tenhamos de expender acerca das
aguas que nesta cidade nos sao io fornecidas pa
ra bebida e usos imprescindiveis.
Em bem da humanidada e observance, dos
principles, que a sciencia tern cstabelecido e a
experiencia confirm ido por factos bem averiguados,
nunca sera escusado repeiir que tamos necessida-
de indeclinavel de uma grande quaotidada d'agua
para todos os usos domeslicos, e para 0 aceio e
perfaita limpeza da cidade, sem a jual nao se po
de dizer que temos (jnem zeia pela sartde e con-
forto do povo.
Temos necessidaile de mnita agua, sem a qual
nao se pode tirar as impurezas do c>rpo, das ron
pas, das casas em que habitamos, emfim, de todos
os objectos que nos cercara, alSm das que existem
em grande quantidade nas ruas e pracas eqne so
com muito culdado e tratalho podem ser removi-
da afim de que nao haja em parte alguma exha
la^ao de miasmas oO principles nocivos a saiide e
a vida.
E' precise qne desde 0 suittpttioso palacio ate ao
misero tugurio haja agua pura a todo mornento e
em quantidade tal qne possa satisfazer a todas as
precisdes : e preciso'acabar com os reservatorios
ou caixas d*agua qiie tendo-a por mnitus dias do-
morada da Sugar a decompoHcao das malerias or-
ganicis malellcas : e nrgenteque a agua venha
livre de ti as as impurezas, liltrada sendo neces-
sario ; e, ate se eodliver atgam principle nocivo,
qne se empregoe os meios conheeidos na sciencia
para porifica-la.
ET nccessarlo qua ellaseja forneftida pura.hmpa
e com as qhalidades indispensaveis para todos os
flsos; e 6 prodente que nao se tcnb'a' agna de"
daas qualidades ; uma para beber e cczinhar es
alimentos, e onlra para lavagens e diversos
servhj'W, para qne nao haja oceaiiio de se fazer
um preparado para uso interefa Com a agaa que
nao deve ser applieada a tap fiitt;
A vida do homam nas grVrides' ehlatfps, se' esti-
mamos a sua duracio codtando os goxds' e' rega-
lias e apparentcmeote muito e'ompiida : porqoe
em pnuco tempo goza se muito ; raas na realidade
6 de ponca dflrafad, porqb" re viva sujeitb a ac-
cao de causa* d^struidoraB dlf'sad Je.
0 ar puro e sempre ren>ivad e am dos eleroea-
ins es?enciaes a vida : entretanto a agglomeracao
das cM3*e dos individuos em grande quaBtidade
oppcVm granites impedimenta? a circulacSo do ar,
e, uao se reuovaodo elle constantemente, deixa de
mmistrara resyiraclao a quantidade precisa d
pnneipios r^ganerador'ew dtrsarlgae : &kr eantra-
,rlo leva-lhe element* qvae- podeW damoifter a
jsoa constaate viViiJcacao. ) 0 que sa dizf a respeft*
do ar, applica-se aos elemehtos e a agaa. Nas c?-'
dados populosas a *.Km>ntai?ao Beat-semprB'e'a
mefbir deal mesmca safflcieutk; outre: taotd sa
pode dizer d'agua^que, recoihecXda hoje como0
prloelpifeMinefltode nmrnjao' esXIUbridade per
tode o mttnflo'ei+iHs.do e'a prindpW preo'enpa1
cao dos governos e dps sabios, intereossados Mb
bempahlico, (iHeeaaM diH.se ernpeahafc.eenVo
Eiats decidido esfor^o em cofnbater as1 CatWaVdsm-
osas a saiide ; porqmr coraprehendem qu d\sem j
jsjo se lornara em pouco tempo improflcua tofla a
0, que se erapregar para soccorrer aqelu-
numero nem coota, iue pree^sairt ser fa
peta caridade.
uta a aurora do dia, ear qne surgira ra-
verdade do priacipio da sciencia :
methor preoenir as tnolesliits do que ciirti-
Mo* V
Nao com 0 iataito de fazer preleccS s sobre a
*8.Baj _li!bre sua.s lu-lidades, sua composijao
- propriedtdes, faitaraos aindaquesuo-
?ei^e s"" Pr1*e eniandemos que as pes-
seas do poro nada perdemera saber a^ razao por-
qoe devem de usar d'agua deU ou danoella qaa-
Ume on ceitar estas e despftsar aqnellas ou-
tra. Para ua saade e coaservacSo 6 esse conne-
ciraento d#Jrande alcana : e 0 que deseiamm
fazer conjjfccer a populacao, a princkialiaente
aqueiles que nos governam, qaeJfiQOSMSiesslda-
de dagua purae em maiti abaofancia 0 sempre
potavel, porqne sem taes condi;8es se nao pode
prover as prmcipaes necessidades da vida ; e im-
possivel lera'winerae, evjjar e menot destroJf as
aausas qua podem ser nofevas a sadde.
Tendo, segundo poaeoTTs, dernonstrado a neces-
lidade indeclinavel que tern 0 bomera das cidades
de uraa grande quaatilide de agua pura, e a con-
vealancia qvftja de unu so qualidade, para to-
dos os raisteres, e sempre prompta a mao, como
vulgarmenta se dis, faremos por mostrar, com os
factos e com a licao dos outros paizes, qua e de
absoluta necessidiide dar sahida e prompta eva-
cuacao as aguas servidas quando saturadas das
impurezas do homem e de tudo que 0 rodefa, allm
de que ellas nao leuhara tempo d j se alterar e ser
prejudicial a s a tide ; e que, como a terra nos for-
necendo directa e indirectamente alimentos com
seus prodactos, n'este esforco se impobrece do;
seis pnneipios fertilisantes, temos obnga;ao de
restituir Ihe 0 que ella nos da tao liharaimente.
Ja licou dito qne a Koraa moderna, porque a sua
populagao de hoje e meoor que a do tempo dos
seusesplendores, da a cada um desens hani(an-
tes 1.105 litros d'agua por dia (27 1/2 canecos)
ou I,ii(.K) garrafas commum : que dos paizes mais
conheeidos sabo-se que Maw-York di 563, Mar-
selha 470, Cascarrone 400, Besancoa 246, Dijio
240, Borders 170; Paris 130, Lyio 85, Narbmna
85, Tolosa 80, Nantes 60, Recife, dizera com gran
de emphase, da vintr litros por dia a cada um
de seus habitantes para beber e satisfacer a todas
as necessidades que rodeiam ao habitante >dos
paizes quentes.
Nos irabalhos mais modernos algumas destas
quotas d'agaas acima mancionadas tern aograen
tado consideraveiraente ; e continue se, como a
priacipio dissemos, a fazer esforcos a que seja lor-
necida maior quantidade d'agua aos habitantes
da* oidades; preservando-as ao mesmo tempo de
tddn-quanto pode eorrompe las. E ado e de ad-
mirar qae Pans, Loadres e outras grandes e po-
pulosas cidades, on le as alias medidas ,'e hygiene
publica merecem os mais subidos esforcos e atten
cSes, proiurem anciosamente satisfazer a esta mais
que todas indeclinavel necessidade, quando cida
des pequenas as acompanhara nesse louvavel in-
taito da evitar a accumulacao de elementos dam
nilicaotes a saude. Ganges, pequena cidade de
Herault, que ja fomece SO litros diarios para cada
um de seus 4,5'JO habitantes, vai eraprehender tra-
balhos dispendiosos para quinluplicar a iueile for-
neciraento, elevando-o quasi a mesma quantidade
que da Marselha. Pezena ha pouco a:abou os tra-
baihos oecessarios para ter um forneciraento diario
de 3i.O litros por individuo.
Hoje que os adiantados conhecimentos da enge-
nharia tauto ajudam e faciliiam trabalhos de tal
natureza, devemos dar gracas a Divma Providea
cia de que se tenha resurgido e desenyolvido 0 era-
peuho dos goveraos em dar aos 3eus subditos agaa
era abundaocia, qual era o primeiro cuidado en
tre 03 povos antigos ; e de que desapoareca a
culposa negligencia que parece haver acarretado
sobre tal assumpto a civiltsaCao moderna.
Conhecido assim 0 empenho que de novo fazera
os povos da Europa para fornecerem as su*j po
pulactoes agua pura e em quantidade excessiva.
como 0 alvitre mais prupno para garantia da boa
saude, nao sera muito custoso comprehender como
estamos longe dar satisfacao dessa necessidade vi
tal nas principaes cidades do nosso paiz; e quanto
e para sentir a total indiffereoca, com quo para
isto 0 nosso govaroo tern olhado, sendo a con3e
quencia for^osa dessa desidia qne 0 nosso estado
de commodos e fruicoes a tal respeito seja muito
diverso do em que ja hoje se observa era cidades
de 4,800 habitantes como Ganges e Pesena.
Nao ha remedio portanto, senao fallar com amar-
gura das raoiestias qn* enire nos erassan, a ver
se obtamos algom romedio, se a grita da alguus
nao produair effieito, raenos 0 alcaocara o sllenclo
que indica contantamento, oa pelo raenos resigoa-
Sao. Ha verdadeiramente uma vesania am querer
deseuvolver este paiz, sem se leinbrar poram, que
0 principal agente do desenvolvimento de uma po-
pulatau e a sua aliuientacao. Qaer-sa fazer esle
imlagre com um ar saturado de miasmas, sem
agaa ao menos para as mais iraperiusas necessi-
dades e sen outros elementos indispensaveis para
0 desenvolvimento e actividade do corpo e espiri-
to. Falla-se muito de instrucgao. 0 que pode
aprender uma populacao que definha a f.lta de
alimentos e dos pnneipios vivifi.-aiores ? Vigore
se 0 individuo, quando se quer que elle twin for-
vas sufBcienle* para dar so ao estudo e aproveitar.
Um individuo fraco, cachelico, sera estimulos nem
forgas para 0 trabalho, nuuca podera dedicar-se
a estudo.
elle quei-
procediraento,
t'Continu'a.)
Srs. redactores. Acabo de ler na Provtneia de
hoje, um escripto, ou antes um tecidode Msida-
dese injurias, atiradas ao advogado de um nego
ciante desta praga, que ha pouco tempo, em qua
lidade de testamenteiro, teve de tratar no foro dasia
cidale negocios tendentes a um inventario que
se procedeu, oa ainia se acha procedendo na ci
dade de Lbbdj.
Pela referenda desse facto, estou persuadido ser
esse negociante 0 Sr. coramendador Jose Pereira
da Cunba, testaraentairo de Antonio Joaqnim de
Souza Ribeiro, fallecido em Portugal, e que, em
bora se nao decline 0 meu ni me, son eu 0 advo
gado, contra quem se pede a animadversao pu-
blics, a forca de imprnperios, pois que fui eu
quem se encarregou de dirigir a execucio do tes-
tamento, na parte comprehenslva dos bens do tes-
tador, existenles-cesta provincia.
Como retribnicao de men trabalho, recebi a
quaotia aju-iada com 0 Sr. Pereira da Cuuha
(2:000*), e moguem dira que fosse aquella quan-
tia uma paga generosa, era vista do trabalho
exigido pelo arrolamento, em juno, liquidacao e
a'readacao de urn acervo Je cerca de 300:000i,
pouco mais ou menos. Falta a verdade quem diz
que eo, peros servio/s ajustados, exigi augmente,
qualquer, de retribuicao.
Fui, com effeilo, advogado de partido do Sr.
Pereira da Cunha, por muitos annos; raas, qoan
do, ha mezes, cbegou ao meu conbecimento haver
aquelle se .hor retirado de mim a sna eoafianga,
entregando a outro 0 patrocinio de causa sua,
sem que nenhuma raiao se houvasse dado para
isso e sem quo me tivesse prevenido ; declarei
formalmente ao mesmo Sr. Cunha que nio era
mais seu advogado, e qua* nesse sentido desse as
suas providencias.
Pouco antes de ter feito essa declaracao, havia
eu pedido vista, por parte do Sr. Pereira da Cu-
nna, de uma encampacio que Ihe toi feita pelo
juiso do commercio, por execujao de Manoel
Joaquim Rodrignes de Souaa contra um berdeiro
do finado Sonza Ribeiro ; mas, quando me foram
feilos com vista os anios, reou>ei recebe los, e
isso mesmo eommuniquei inimedfatamente ao Sr.
Pereira da Cunha, sendo certo que, nem ao me-
nos aosignei 0 protocollo- do escrivae, o qna rae-
Ihor se pode verincar nos autos, examinando-se
os termos de vista e data.
Entretanto, como teoho necessidade de defender
a minha repntacao, tao atrozmente atacada, e,
talvez, seja-me preciso discutir 0 meu procedi
mento, como-advogado, peco ao autor do arligo o
obseqnio de levar oseu zelo pela moralidade pu-
blica; ate mostrar-se tal qual e, deelinando 0 sen
Dome e aceitando a rcsponsabilidade de seus es-
criptos.
Recife, 15 de ontubre de 1874.
/. / Ferreira de Aguiar.
,-jftLrejp'3***lh,! ^seai ia>porur-ma a ilie
gflnfade do meio que, d-.-vC-ri ser precitetlai, em
ulDcio mm ajtencios i, que es(a mat* aos aules,
qne nao podia tf. cumprir a sua ordem por ter
consoltado ao inspector da thesouraria sobre 0
modo da anlregi daquelle dinhsiro," visto como
NIM dunda porque a lei tendo eqniparado 0
ao de orpaaos, nao sabia, se como est -, elle esu-
Ta sajeilo a mesmaesenpturacao e a conUngeniia
da existent ou nao exis.encia de crediio.
O dinheW estara- intacto, e ea nao tinha inte-
resse algom' sobre elle, como depais, malevola-
mente pareceu ineolear 0 juiz municipal.
0 que me detinba era 0 profundo respeito qne
me merece 0 Sr. ooramendador inspector da the-
souraria, cuja resposta aguardava naquellbt pou-
cos dias, eomo declarei ao juiz, para fazer entrega
do dinheiro.
Quando mnito a questao seria de uma peqnena
deraora, come Hz ver era minha resposta ao Sr.
Dr. juizde direito.
0 juiz municipal, poram, ardendo rot santo zelo
pela justiea, pega em meu offlcio e com
xa se ao Dr. juiz de direito det meu
que pinion com cores medonhas.
J a se vio dislate igual ? !
O juiz de direito recebendo a queixa, baixou
uraa portaria, ordonando-me que no improrogavel
prazo de 15 dias respondesse, sob pena, etc
Na) me fiz dcnlorar, e ainda que me julgasse
desaforado, visto considerar a questao puramente
almraistrativa, por obediencia a lei e grande res-
paito as autondades constituidas, dei minha res-
posta no prazo marcado, a qual era a minha defe-
za, alias julgada improcedente pelo juiz de di-
reito. '
Segoio-se 0 processo.
Aqui nada na de sxtraordinario
Mas o publico vai-se espantar de saber o qoe
fez 0 juiz municipal.
Disejando accnmular provas contra mim, man-
dou chamar a sua presanca Antonio Jorge, senhor
da escrava, e fez Ihe varias perguutas, qua redu-
duzio a auto, sera as formalidades legaes, com um
esciivao incompetente, versando a perguDta capi
tal sobre 0 segutnte ponto, ate entao desconhe-
cido :
Se sabja que eu tinhame combinido com os
credorcs della respondente para protellar a entre-
ga do dinheiro depositado, afin ds. ellcs fazerem
embargo nesse dinheiro 1/
Santo Deus 1
Este auto de perguntas foi junto ao process^ e
servio de base a pronuncia, sendo as testemunhas
da formacao da culp< inqueridas sobre elle I
De maneira que 0 juiz municipal sendo a parte
queixosa, ella mesmo fez prov para si, e esta
prcva servio da fundamento para a pronuncia I
Onde se den jainais um fa;to igual ?!
Mas 0 que e de pasmar ainda mais e que as tes
teniuuhas neste ponto nada depozeram contra
mim ; pelo contrario, defenderam me I
E note 0 publico que.uma dessas testemunhas
e Francisco Cavalcante, pessoa sem grande nome,
poram da um ciractar acima de toda a duvida.
Em quanto cftrria 0 processo aizia 0 juiz muni-1
cipal pelas ruas que desta ver eu Ihe havia de
pagar.
E acertou !
Furam inuteis os meus esforcos.
Estara assentado, que por essas jiusinkas e pe
d'icinhos eu havia de ter condemnado.
No dia 26 de agosto foi-me intiraada a pronun-
cia, e desde. esse dia deixei 0 e.xcrcicio de meu
emprego, ate o dia em que 0 venerando tribunal
da relacao (taotos de outubro), deu provimeuto ao
recurso, reformando 0 despacho de pronuncia.
Era geral a indignacao ate de pessoas iadiffe-
rentes.
No Bacifa, pessaas de sriterfo e muito capazes
de avaliarem 0 'iierito de ura tal processo, ou
riam-se do que eu Ihes contava a respeito, ou in-
dignavam-se com taraanha perseguu>o.
Cora a suspensao das funccoes do meu emprego,
perdi mais de 300i de porcentagem.
Eis a victoria do juiz municipal !
Agora que 0 bacharal Alfredo esta saciado em
pane, tilere essas verdades que alii Qcam, e que
nao Ihe fazem mal.
Uma palavra ao Sr. Dr. jniz de direito.
Permitta 0 Sr. Dr. Estellita qne eu faca um pe-
queno reparo ao que disse S. S. na sustentajao de
sua proouocia.
Eu nao devo a S. S. a nomea;ao de collector
nem tao pouco alDrmei semelhante cousa em mi-
nha defeza.
S. S. deve ter consciencia de que nao deu um
so passo para que eu fosse nomeado.
Raferime a uma iaformacao mui lisongeira,
que a meu respeito deu S. S. ao conselheiro Cas-
tro e Silva, en 1.30 inspector da thesouraria mas
isto nao importa dizer que devo a S. S. a minha
noiiieacao.
Talvez que nio seja desconhecida nosla comar-
ca e na Victoria a pessoa a quem devo a minha
110 ne;i<;:ii> e mais alguns favores.
Qianto ao Sr. Tobias, de quem agora quero
Umbrar-me, tenho a direr que, apezar de tudo...
de tudo... nao me lembro que existem certo."
mamelucos ainda qua ellas sejam os mais sabios
da Alfemanha de ca.
Tenho concluido.
0 publico attenda que fallei sera liberdade, isto
e, guardando mil convenienciag.
EscaJa, outubro de 1874.
Jesuino A. de A. PimtnM.
I

60MMEIWI0.
I
JUNTA DOS CORRJifORES
Pr? d Oeoiro, 14 de w,.k,r
de f89 AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACOKS OmCUBS
Algodac. dd-sartao I" sorte 7*8U0 por 10 UK'
Dito-de dito sorte 7#400 par 15 kilos, b-oaana'
Algodao de Macao 1' sorte 7#400 por 15 kil hontem.
Algodao do Kin Graade da Iforte em plnu-a
7iiS9 por 18 kilaa posto a borde a
fretede ll|ltf a5 0|0.
Cooros seccos saigado? 555 ra. 0 kilo.
Carvao de padra (laatro) 16JW00 por loneliadn.
hontem.
Milho-70 rs. a kilo.
iJamnio sobre Londres a 90 div. 26 3(4 X p''
1*000, hontem.
'.arabio sobre 0 Rio de Janeiro a 3 dr*. ao i-ar.
banco, hontem.
Dito sobre dito a 8 d|v. ao par, baneo.
Duo sobre dito a 15 e 30 d|v. 1,2 OiO de aV-
conlo.
a
Assncar bruto bom 2*120 por 1." lii..
Desconto de ietras 10 Oto ao anno, hont>-
15. oe VascoQcttiios
President*.
A P. de Lemos,
flaaMMa-

\evraly;ia, sciatica.
A3 nevralgias sao molestias que apresenlam-se
sob as formas as mais vanadas e qua podem-se
localisar pouco mais ou menos em cada parte do
corpo. Tambem nao e de admirar que 3e tenha
preconisado contra eise genero de affecjdes uma
tao grande quantidade de remedios. Deve se con-
fes3a-lo, muito poucos realisam as promessas que
tinham feito ao principio.
0 Dr. Trousseau, professor na escola de medi
cina de Paris, occupou-se muito do modo do tra-
taraento razoavel e efflcaz das nevralgias. Elle
afflrma, no seu tratado de therapeutica, que para
curar a3 nevralgias e as sciati:as, 0 remedio
que teve 0 maior exito, foi a essencia de terebin-
thina.
Emfira, 0 Sr. Or. Martinet, n'um reiatorio que
apreseotou a faculdade de medieina, alHanca que
curou cincoeota e oito casos de nevralgias e de
sciaticas sobre setenta, pelo uso da essencia de te
rebinthiua.
A grande efJQcacia deste medicamento nao pode
por consequencia ser posla era davida nas aflec-
?6es supra mencionadas: a cousa notivel, o bem
estar faz se logo sentir quasi sempre depois da3
primeiras doses. Mas sob que forma poder se-ha
eraoregar a esseneia de terebiathEste nvdi-
camento tem ura cheiro tao nojento, um sabor tao
picante, que & impossivel toma-lo puro. Mi.-tura-
do com cafe ou com qualquer outro Honda, ainda
provoca nauseas. 0 Dr. ClerUu chegou a encer
ra-lo u'um envelopoe de gelatina muito tenua e
transparent?, e forranu pejuenas bolas relondas,
do taraanho de uma hervilba, as quaes elle deno-
minou Ptrrotas.
As Perolas de teribenthina deClertan engolem-se
rapidamente com algumas colheres d'agua, como
se fossem pilulas. A forma feliz deste raedicamen
to deu uraa grande fama a essencia teribenthina, e
hoje nao existe ura medi "0 em Fran;a que nao re-
corra as perolas de teribenthina do Dr. Clertao, nos
aaaa de nevralgias oa de sciatica E' sempre sob
esta forma que Trousseau receitava ene medica-
mento.
Emfim, deve-se accreseentar que 0 Dr. Cler-
tan obteve a approvacao da academia imperial de
medieina de Paris por esse Undo modo de capsn-
las.
*LPANDw?a
^eaairaenw tf* dia f a it U&mttVX
two do u i 15. 3i'49' ik J '
V50.W #?> -.
Descarregam boje |6daautnbro4e 1874
Bngue austnacoGirolamo -fanoha ja desc-'h*
da para 0 ca.fi do Apollo.
Lugar inglez llrbe -farinha ja despachada ia-4
o caes do Apollo.
Patacho inglez Nireus kerosene para otra-
piche Conceicao, para despachar.
Barca mgleza -/!* Isabel baolbw ja *es|.a-
cnado para 0 trapicne Conceicao.
Barca ingieza Meteor bacaihao ja desuathai*-
para 0 trspiche Conceicao.
Patacho americano Water Vfihh farioha ja 4-
pachada para 0 caes do Apollo.
Galera portogueza -Camies- generoa nacicna?.-
estrangeiros >a despacbados para < -bt
mo, para 0 traptclM Compaobia.
Impnrtacdo.
Pata?ho portuguez Jose, entrado do R.o J* u
neiro era 14 do corrente e oasignado a Bell'*- A
Filho, manifestou :
Barricas vazias 1,000 inteiras e 261 Mm att
a Ant onio Joao FurUdo & G.
Pipas vazias 156 aos consigoatarios.
Tatwas de raarmore 107 a Jose Maaoel da 1 1 -i,
iramito.
PaUcho araericaao Wifer Witch, entrado Ml IN
do corrente a consignado a Henry Pursier tr <:
manifestou :
Banha 100 barr.s a Lebre & Reis, 50 iJ W
Leitao 4 C.
Fartaha de trigo 2,400 barricas inteiras e Wn
ditaameias aos consignatarlos.
Barca ingieza Helen Isabel, entrada de pn
Nova, na mesma data e consigoada a BaHa
veira & C, manifestou:
Bacaihao 3,000 barricas aos consignatario'
Hiate amerieano John Rose, entrado de #-
York, na mesma data e cousignado a Jorge Tr"
manifestou:
Agulhas para ma-hinas de costnra 1 :aiTt .
Souza e Sa a C.
Banha 100 barn's a Moreira Halliday dr c., V* t
Paulino Jose da Costa Amorim i C, 50 a ordaro
50 ao consigaatariri. Bahns da conro 1 eaixa a
Luiz A. de Siqueira. Breu 50 barricas ao <-oc .
natario, 30 a B-itrao & Filho. Bolachmha tS>Hr.
riquinhas aos consignatarlos, 50 a ordem.
Came de porco 5 barris ao con-ignatario.
Esteiras 25 rolos a Olinto, Jardun *C, }i
Luiz Antonio Si jut-ira, 20 ao consignatario.
Farinha de trigo 775 barricas a Joao I. TVn
300 a Joao Querino da Aguilar & C.
Kerosene 1,000 caixas a Antonio Francisco Cer-
ga, 200 a Paulino Jose da Costs Amorim ft C, 3*
a ordem, 200 a Manoel da Silva Faria & C. iO
consignatario.
Lona 19 fardos a Reltrio & Filho.
Medicamentos 23 volumes a Manoel da 8 *
Faria & C, 3 a A. Caors. Moveis 1 volnm- t
Francisco Goncafves Torre*.
Papel da erabrulho 200 retinas ao aMMMMtri
Remos 104 a Beltrao A- Filho.
Velas de spermacete 2 caixas a Luiz Aatra.- d-
Siqueira.
Galera portugneza Cantos, entradi do R >-a.-
Janeiro, na mesma data e consigaada a Jo** la.
Silva Loyo & Filho, manifestou :
Barricas vazias 3,800 inteiras, 673 ditas m -:.
675 luartos a Antonio Joio Furtalo 4 C.
Cafe 40 sacco? a Manoel D. Figu-iredo. IM)
Doraingos da Silva Torres, 164 a Leal & Irnrio
200 a Francisco J-.se da Costa Araujo, 115 a Son-
za Bastos & C, 100 a Tito Li vio Soares, 1 OX) a Far
nandes & irman, 150 a Magalhies k Irmao, 3<>
a Joaquim Jose Laiao 4 c., 50 a Fraga 4 Roefea.
SO a Lebre & Reis, 50 a It iraaz de A jaino Foa-
ceca 4 Successorej, 85 a Jose Joaquim Alves |
C, 25 a Manoel Thomaz da tiosta, 25 a J-s^ H
Palmeira, 133 a Fernandes da Costa & C, 50 *
Domingns Jose Ferreira Cruz, 40 a Joao do B-g
Lima, 60 a ordem, 150 a vntinio Francisco Corga
10 a Soares do Amaral 4 ;., 50 a Cardoso 4 Mai-
ling, 100 a Ferreira 4 Velloso.
Pipas vazias 130 a Antonio L Olireira Arevo*i
100 a Tito Livio Soares, 23 a ordem.
Vinagre 2 pipas 0 15 barris de qninto a Hi
Martins de Barros 4 Filhos.
0 collector geral da Escada,
ao publico.
Por mk*a infeiteidade nW preta requei-eu ao
juiz rnuniciial a sua llberdade, offerecenda em
compenracao a seu senhor a qaantia de cam mil
MM
0 Juiz, sem onalr o seahar, como preceitd* a
|ei: par* com eHeaecordar s*re 0 objecto ddpe-
dllo descrava, mandbar-dtspueitar oacollactoria a
referida quantia, pte-uhd da e?erava.
No dia segointe, ou p-.uco depeis, appareee 0
senhor conveueiona com 01 j faz passar a carta da
flberdade pela quantia offer cida.
as-ada a carw, o jflft ^fftUH'tnn para ontrvgar
a qaantia dita a Adtohio /orge, senhor da eS-
crava.
Oleo puro medicinal de flga-
do de bacaihao de I ituiuau A
Kemp.
Uraa tosse pertioaz e fatigadora qne da vez era
quanlo arranca sangue, com dor e oppressao'iw
peito, pulso alterado e febril, extraordraario rubor
u vermelbidao das faces, snores nocturnes, am
greza e debilidade crescents, annnnciam ao doeo-
ta pbtysico, que a sua vida se acha em perigo. Os
anodyaos, os ex pectorantes, os tonicos a xaropes,
e ate mesmo a mudanca d'ares sao geralmente em
vao. Abindone pois 0 doente todos esses meios
paliativos e experiments o-olao puro medicinal de
rigado de bacaihao de Lanman a Kemp; E' nma
preparacao preciosa da nnica cousa qlae'a expe-
riencia tem dernonstrado, que se pode eat todos os
casos depender a c-nliar dalla; e os seas bons ef-
offerecendo en- feit-os nunca faiham. O oleo de Bgado de baca-
IHao, liitfpido e puro, d 0 renedio mais^poderonae
(Mm para as enfecmidadelt dos patmoes; gargaa'-
ta e bbfes, de quant is se teem descoberlo ate ago- ^ dia 1 a 1
ra. Depositsi pois ioteir- le aelle e experlmenlat a dia IS.
sem suslb. Pordra' 11*0 vo* esquecais de peiir a Tuneira para
prejiaracao unica e rerdadeira de Lanmart dPB Uganda poru
Keinp; porque 0 mereada infeHzinente acha se" fi p*rMiM P0.'. ,
inundado de eomposr-Aea fraoifolentas em' M uoI, mas como inutais. Examiae-se p' i-- o letreiro a a'
capa; aflnt de qaa se poss* ver a mara'*ommer-
eMda casa.
DEiPACHOS DB EXPOKTAgAO NO MA IV !>k
OUTUBRO DB 1874.
"ara os port's do exterior.
Na barca franceza Veridiana, para 0 lUrrc.
carregou : E. A Burle A C. 60 saccas com 4.5*b
l|2 kilos de alg-od .0 ; H. 4 Labille 754 oooros -'i-
gados com 9,0'8 ditos.
No vapor portuguez Almeida Otrrett, par*
Lisboa, carregou : L. J. de Miranda 4 volumes di-
versas marcadorias.
So brigue portuguez Triumpho, para 0 I'or-
to, carregou : Pareota Vianna & C. I sacra --m
'39 1|2 kilos de algodao.
Para os po-tos do interior.
Para a Babia, no vapor nacional Bahia, car-
regou : A. Pereira Araatas 1 volume com 25 ab-
cachis: para 0 Rio de Janeiro, Amorim k Cardoso
;200 sacc-is com 15,000 kilos de assucar bran- .
; P. Vianna 4 C. 100 ditos com 7,500 duos de dito.
Para Aracaju, no vapor nacional Jngu tribe,
carregou : J. F. dos Santos Bastos 2 barricas com
120 kilos de assucar refioado : para Macaio, J. A.
16. Pires Junior C caixa com 30 ditos de doce ;
Barta-ilomeu 4 C. 1 barril com 90 litros de ale;-.-'.
Para 0 Araeaty, ao hiate nacunal Flor do
Jardun, carregou : L. I. Marques de Araujo 20
barricas com 1,558 i|2 kilos de assucar oranco.
Para Aligoas, oa barca^a Flr do ftifo, car-
regou : Algonez a Carvalho 2 barricas com 110
kilos de nssucar refinado.
Para Alagoas, na barcaca Daas Irmas, car-
regou : Moreira k Braga 1 barrica coo 60 iW
de assucar refiuado.
Para Macao, na barcaca R-iinha dos m$bt
carregou : A. H. de Almeida 4 barricas com 257
kilos de assucar branco e 1 caixa com 4" dttos de
doce; A. L. Vieira pipas com 1,880 litres d*
aguardeBte.
Para ParaSyba, at barcaca Coiufancia, car-
regou : F. Maia dc c. 1 barnl com V)6 litros aV
alcool.
Park Mossato, na bateac* M 8. M Oraai.
carregou: A. A. S. da Oiiveira 1 barrica com W
kilos de assucar branco.
CAPAFAZIA DA ALFARDCUA
tandiraeoto d.. dia I a 11.
daoa dr. dia o .
VOLUMES SAHLDOa

iiM*

/
)


/


k
\
L
DikmidabBrnfato* *i fetf* jiau* 14- 1jiffirtrii1iL ljjj
.1 "-
2^Z
v&tUk*
No dia 1 a
No lu 15.
to *f*ich Conoaiaie
to
1BCEBBDORIA DB
RABS DB
Qlo do dia i
.....
REND A3 INTf RNAS GE
pbbnaMbuo
i li. 21:438*308
l^P^*P'g Sobre e-B*ReojjniAo do porto
o Sr.*HmtiM Pi#ro D|rt>riBOA.
P***. *" Solfce O *(ft fcoMMERCU-
00 p'atiI, Vbs Srs. rRAntt&d dxubENCio 0*
HfetKA' DA SILVA JUNIOR.
Bahia. Sofereos Srs. marinhos & c.
Rio de Jaaelio. Sobre 0 banco
INDUSTRIAL E MERCANTIk, BANCO N*CtONAL e
il: 908* 142
COSSULADO PROVINCIAL,
5MMW) do dia la
-H-n do dia 15
14.
RECIFE DRAINAGE
.".iuJunento do dia 1 a li. .
Hem do dia 15......
33:641*947
1:271*149
1 ,
36:913*096
1:178*390
100*625
N. 53. Loiz Pereiaa-fde Sarvaiio,
am dito de dous andsrtt a-l.tja^por ifa2*4jWl
N. 67. Maria Joaquioa flu Pattoei-
nk> Dairo eoutra, un*rca terras di-
vidida em duatpor
N. W. Jjardeiros de Mafia Antoaia
da Croz TaWneo, urn a c#a terrea
N. 67.33buira Joso.->da (Ibsta Fa-
jozes, um iofirado tie dous andares e

pjapor
3:469*634 *AWQTO biusiliemne praiscaist.

2:279*015
AGENCIAS PROVISCL&S
Liquidos
KdaJimenio de 1 a 13
Idem Jo dia 14 .
tuosos.
l:794iK)52
454*435
Bacalbao, etc.
Uradimeoto de 1 a 13 1:245*520
,Ua do dia 14 780*912
Generos de estiva.
!< mdiraento de I a 13 2:162*il0
i-m do dia 14 436*036
!: 248*487
2:026*432
Farinha de trigo, etc.
i'.-.utfimento de 1 a 13 2:239*780
Idem io dia 14 541*016
2:598*446
Fumo etc.
(laudioiento de 1 a 13 1:703*713
114m do dia 14 9i064
------------- 2:780*796
Vinagre, etc.
Kdadimenlo de 1 a 13 402*137
U^ndodiali 25*436
1:712*78"
427*573
Inesouro povincial de
Up] le 4874.
11:974*521
Pernamuco, 15 de ontu-
0 escrivao,
Joao Carneiro M. da Silva Santos.
Banco do Minho.
Beltrao & Filho sacam
Joaqaim Jose Goncalves
por todos os vapores sobre
Aoadia. Evora.
Aguida. Fate.
Aveiro. Faro.
Beja. Guards.
1 i ives. Leiria.
Elvis. Lisboa.
Amarante. Bareellos.
iluimarae*. Goimbra.
vilhS. Mirandella.
Metgacp. Penafiel
Portale-gre.
Areas do val de vez.
Ceiorico de Basto.
Caminha.
Mangualde.
Pjntedo Lima.
Povoa de Lanhusa.
Vi Monsao.
Ovar.
Porto.
Tavira.
Regoa.
Vizeo.
Figueira.
Lamego.
Estarreja.
Valenca.
Villa Real.
Cabeceiras de Bastos.
Castallo-Branco.
Espozende.
Oliveira de Azemeis.
Povoa de Varzim.
Vianna do Castello.
Villa Nova de Faraalicao*
imVtMENTO DO PORTO
Navios eiitrados no dia i5.
New-Yorkr43 dias, biate americano John Rose,
de 222 toneladas, capitao J. Hotrell, eqaipagem
4, carga differentes generos; a Tasso IrmSe.
Terra-Nova 33 dias, barca ingleza Hellcn Isabel,
de 249 tonelada<, capitao John llatston, equi-
pagera 13, carga 3,000 barricas com bacalbao;
a Balthar Oliveira 4 C.
Baltimore63 dia?, patacho americano Vfalter
Wick, do 238 tonelada?, capitao J. H. Knight,
bquipagem 8, carga farinha de trigo e outros
generos; a Henry Forster & C.
Rio de Janeiro15 dias, galera portugneza Ca-
nnes, de 610 joneladas, capitao Jo2o Vieira
Paulo, eum'ptgem 18 carga varlos generos ; a
Loyo & Filtio.
Navios sahidos no mesmo dia.
Portos do SulVapor tiacional Bahia, comman*
dante A. Isaac, carga assncare outros gene-
ros.
Aracajii e portos intermedios Vapor brasileiro
Jaguaribe, commandante Julio G. da Silva Ne-
ves, carga varios generos.
9SBA
960,000
940,000
891,400
1,480:000
FDITAE3
Villa do Conde.
iVas ilhas.
Madeira, S. Miguel, Faial e Terceira.
Oompanhia Iademaisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:000-5000.
/ iwxz de Aquino Fonceca & C, successores
agen'.es.
K'ti eompanhia loma seguros maritimos e ter-
rejtres, dando nestes 0 sepiimo anno gratis aos se-
garados.
Rua do Vitiri 11. 19.
SEGUROS
Miirilirao c conlra-fogo
GOMPANfelA
Phenix Pernambucana.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro conlra-fogo
Ctffi LIVERPOOL d LONDON & GLOI
INSURANCE COMPANY
Agentes
SAL'NDERS BROTHERS & C.
11Corpo Santo11
SEGUROS
MARITIMOS
CONTRA "b FOGO.
* eompanhia Indemnisadora, estabelecida
--,; > praja, toma seguros maritimos sobr*
^s e seus carregamentos e contra fogt
1) .'dificios, mercadorias e mobilias: n
1o Vigario n. 4, pavimento terreo.
-:.
C0MPANH1A ALLIANCA
^e^uros maritimos e terreB-
tres estabelecida na Bahis
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0009000.
T >ma seguro de mercadorias e dinheiro
iv maritimo em navio de vela e vaporei
n dentro e f6ra do imperio, assim comi
footra fogo sobre predios, generos a f
-v-ias.
Ageate : Joaquim Jos^ Goncalves Beltrio
ii do Commercio n. 5, l'andar.
Augusta F. d'oliveira & C.
A casa. corrnnercial ebancana deAugusto
j d*OHreira A il:,tr'rtra WefjitM^ibto ns
42, "Hfcbarrega-se de execugio de orden^
pfi'iftbbarque de prodoctos e de todrJI 'o-
:. is^gocios de commissSo, quer comlbS'r^
i:,ijSj-lriuer iaacaras.
nMti' fetMs/tftdfear'amlteift) H pre-
, tJorrfp^MWbiOls, e 'MuHMkl: e i
j/iVontade do tomador, sobre a$-e- ^
bif(ro; 9nf dito de dous andares e loja
ita
SL
prar;as estrangeiras e nactoiaef -j
.tires. Sobre 0 UNlON|ialw**J
1 0 LONDON AltD. HAlMtMie BA*(l
e varias cMto^l." riaaje- .
%'-^-"S0be 08/*fJFO*' F0B1.I*
;d.- Sobre- os -Sra wit wr
torn.' _;.;
a. Sobre os Srs. tonsbcas,
"WtSSA, 8 SEBASTUO JOSK
Constilado provincial.
Para sciencia dos contribuintes do imposto da
decima urbana e os eiTeitos legaes, era seguida
publicam se as allerac,oes verilicadas no lanc,a-
mento do mesmo imposto no corrente anno H-
nanceiro de 1874 a 1875, lieando aberto o pra-
zo de 30 dias, nos termos do art. 38 do regula-
mento de 6 de ;-bril do corrente anno, as recla-
macoes que por veotura possara ter a fazer os in-
teressadox.
Alteracoes veriflcadas pelo lan^ador Joaquim de
Gasmao Coelho, no laocaroento da decima urba-
na da freguezia de Santo Antonio, no anno cor-
rente de 1874 a 1875,
Rua do Fogo.
N. 52. Maria da Conccicao Carva-
Iho A'aujo, uma casa terrea arrenJa-
il a por
N. 19. Jose Joaquim da CostaMou-
ra, uma dita por
N. 21. 0 mesmo, uma dita por
M. 39. Maria Ricarda de Souza Re-
go. uma dita per
N. 45, Ordem 3' do Garmo, uma
casa terrea por
Travessa do Livramento.
N. 6. Joquim Antonio Pereira, urn
sobrado de um andar e loja por
N. 26. Alexandre Jose da Silva, uma
casa terrea por
K. 7. Manoel de Azevedo Campos,
uma diia por
Rua do Livramento.
N. 2. Manoel Jose Monteiro, um so-
brado de dons andares e loja por
N. 6. Joao Evangelisia de Sa, um
sobrado dc dous andares, solea e loja
par
N'. 12. Antonia Monteiro Pereira,
um sobrado de um andar e loja por
N. 20. Bernardino Correia de Re-
zende Rego. um dito detres andares e
loja por
N. 24. Jose Gopcalves Turre3 e ou-
tros, um dito detres andares e loja
por
N. 26. Jose de Paiva Ferreira Ju-
nior, um dito de tres anlaros e loja
por
N. 30. Jose Rodrigues de Souza,
um sobrad > de um andar e loja por
N. 3*. Antonio H.-nri-juo Rodri-
gues, um dito de ires andares e loja
por
N. 38. Albino da Silva Leal e ou-
tros, um dito de dous andares e loja
por
N. 1. lose de Paiva Ferreira, um
dito de urn antdar e loja por
N. 3. Lapella dos Prazeres de Gua-
rarapes, uma casa terraa por
N. 7. M guel Teixeira da Costa,
um Sobrado de tres andares e loja
por
N. 11. Barao de Bemfica, um dito
de dous andares e loja por
N. 17. Jose de Paiva Ferreira Ju-
nior, um dito de um andar e loja
por
N. 21. Irraandade das Almas do Re-
cife, um dito de dous andares, sotSo
e loja por
B. 2$. Manoel Feroaodes da Cos-
ta, urn-dito de dous andares e loja
por
Rua da Penha.
. 4. Maria da Conceicao de Carva-
Ibo Araujo, um sobrado de um andar,
sotao e loja por
N. I. G Uino Themistocles Cabral
de Vasconcelios, um dito de ires an-
dares e loja por
N. 3. Aotonio Jose de Souza e- Mi-
guel Francisco de Souza Rego, um
dito de tres andares e loja por
N. 5. Joaquim Antonio Pereira, um
dito de dous andares e loja por
N. 7. Domingos Jose da Costa, um
dito de um andar, sotao e duas lojas
por
N. 11. Alexandre Jose da Silva,
am dito de um andar e duas lojas
por
N. 17. Antonio Luciano de Moraes
Mesquita Ptmeotel e herdeiros de Ma-
noel Paulo Quintella, um dito de dous
andares e loja por
N. 19. Antonio Jose de Souza e ou-
tros, um dito de dous andares e loja
por
N. 21. Alice Justiaiano de Oliveira
e Celsa Tertuliana Ferreira Qjintella,
um dito de doas an lares e loja por
N. 23. Joiquim Jose da Costa Fa-
jozes, um dito de dous andares e loja
por
N. 29. Antonio Goacaiyes de Mo-
raes, um dito de doas andares e loja
por
Largo da Penha.
N. 10. Francisco Fernandes Duar-
le, uma cm terrea por
N. 12. Antonio Goncalves de Mo-
raes, am scbrado de am andar e loja
por
Visconde delnhauma.
N, 4. Antonio Ferreira Pinto uma
casa terrea por
N. 12 A Manoel Jose Lopes Gui-
maraes, uma casa terrea por
. N. 14. Irmandadedas Almas do Re-
cife, uma casa. terrea por
N. 18. Jose J6ao de Ainorim, um
sobrado de dous andares e duas lojas
NT <, .- -
. ^.'sHtioel Fernando ** <^**
etmtror'nnrs,'Drado de dons anda-
res.TOtaff e loja por
iST."36. Joao Faustino de Lemos e
360,000
144.000
144,000
360,000
273,000
432,000
""240,000
276,000
1.900,000
3:200,000
1:200,000
4:000:000
2:2C0,C0O
1.500/WO
1:460,000
1:200,000:
1:800:000
1:200,000
1:200,000
869,000
1:150,000
800,000
1:400,000-
1:300,000
672,000
1:664,000
1:820,000
1:140,000
648,000
736,000
876,000
852,000
1:020,000
1:060,000
758,000
400,000
789,000
300,000
360,000
240,000
1:101,000
69.Tfcoel j'ose'Bastos e Me
oar sobrado de doas andares e loja
,U. 7L*Cra Cfftilina da Foneeea,
utD-*BraoX(le dous andares e loja
pr
""N. 73. Xftonio Jo&' 'Rodrigues de
Souza, um sobrado de doas andares
e^nor loja
Alteracoes fellas no laocaraento da decima urbana
- da freguexia de S. Jose, to exercicio da 1874 a
1873, pelo lancador Isidoro Theodolo de'Mattos
Ferreira.
Dias Cardoso.
N. 14. Dr. Francisco Augusta da
Costa e outros, uma caa terrea arren-
dada por
N. 24. Joaquim Antonio Alves, uma
casa terrea arrendada por
N. 28. Dr. Francisco Aognsto da
Costa e oatros, ama casa terrea por
N. 32. Padre Antonio Goncalves Fer-
reira e Silva, uma casa terrea por
. 40. Manoel Ferreira Aniuaes Vil-
lafa, ama casa terrea por
N. 70. 0 mesmo, ama casa terrea
arrendada por
N. 76. Bernardo Jose da Costa Va-
lente, uma casa terrea por
N. 94. Jose V. dos Santos, uma casa
terrea divtdida era duas, com sotao,
tudo arrendado por
N. 13. Guilhermica Moreira de Men-
donra, ama casa terrea por
N. 15. Vlava de Custodio Domin-
gues Oodeceira, ama casa terrea ar-
rendada por
N. 23 A. Joaquim Paeheco da Silva,
uma casa terrea p-jr
N. 29. Umbeliaa da Silva Qaeiroz,
ama casa terrea por
Passo da Patria.
N. 4. Dioaisio Goncalves Maia, uma
casa terrea por
N. 14 A. Manoel Martins Fiaza, nma
casa terrea por
N. 16. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por
N. 18. Maria Carolina Pereira de
Carvalho, ama casa terrea por
N. 1. Antonio de Paiva Ferreira,
uma casa terrea por
N. 13. Juvino Bandeira "de
Ives
av.
Mello,
e-
Ofesa SB|a:San'
de 'dens 4nflres e
'N.:'3S. Kneel
m sevnSo I
or <
'^C%fJiDUrci0 Valeriano Baplis-
la. 'uhUllJqJeJira andar e loja por
_fN. at, flryfcymo Pereira Villar,
diio'Se^jW andar e duas lojas
.>*, 62t AjBtjflro-J^aqukn Bjas, Me-
droubo.uma CA?a..terrea dfvidida.em.
*$.rVrlihMo"ffoelnp wL
utn solxrado 4. lira andar e I
por
Dl -Jf.-16. Aioiuo Ua S.W^U^^H
uraa casa terrea por
.V. 15. 0 mesmo, ama casa terrea
irrendada por
N. 17. 0 mesmo, ama easa terrea
arrendada por
N. 19. 0 mesmo, trma casa terrea
arrendada por
N. 21. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por
N. 23. 0 mesmo, uma Casa terrea
arrendada por
N. 23. 0 mesmo, nma casa te>rea
arrendada por
N. 27. 0 mesmo, nma casa terrea
arrendada por
N. 29. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por
N. 31. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada p r
S. 33. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por
N. 37. Juvino Bandeira de Mello.
uma casa terrea dividida era seis par-
ies, tudo arrendado por
N 39. 0 mesmo, uraa casa terrea
arrendaJa por
N. 41. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por
N. 43. 0 mesmo, uma casa terrea
arreudada por
>'. 45 0 mesmo, nma casa terrea
arrendada por
N. 47. 0 mesmo, uma cwa terrea
arrendada por
N. 49. 0 mesmo, uma casa terrea
arrcntlaJa po
Padre Nobrega.
N. 4. Symplironio Cezar Cnutinho,
uma easa terrea arrendada por
N. 12. Francisco Jo^e Rapo'zo, uma
casa terrea por
N. 16. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por
N. 20. Joao L. Feireira da Costa,
uma casa terrea por
N. 22. 0 mesmo, uma casa terrea
onde funcciona a escola dramatica de
S. Jose\ avaliada por
N. 34. Francisco da Silva Rego,
uma casa terrea por
N. 36. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por
N. 38. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por
N. 40. Francisco da Silva Rego, uma
casa terrea arrendada por
N. 42. 0 mesmo, uma Casa teirea
arrendada por
N. 42 A. 0 mesmo, nma casa terrea"
arrendada por
N. 42 B. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por
N. 68. Bernardo Pereira Ramos,
um sobrado de 1 andar e loja, tado
arrendado por
N. 86. Herdeiros de Jose Maria de
Jesu3 Muniz, uma casa terrea arren-
dada por
N. 88. Francisco da Silva Rego e
outros, uma casa terrea arrendada
por
N. I. Antonio de Paiva Ferreira,
uma casa terrea por
N. 5. Romao Jo.-6 da Silva Marques,
uma casa terrea arrendada por
N. 9. Augusto Cesar da Costa Fal-
cap, uma casa terrea arrendada
por
N. 27. Thereza Goncalves de Jesus
Azevedo, uma casa tsrrea por
N. 37. Jose dos Santos Moreira, ama
casa terrea por
N. 57. Jos6 Jerouymo da Silva, nmz
casa terrea por
Marquez do Herval.
-N. 72. Manoel Antonio do Jesus,
ama casa terrea arrendada per
N. 74. 0 mesmo, nma casa terrea
arrendada p r
N 76. 0 mesmo, ftma casa terrea
arrendada por
N. 96. 0 mesmo, nma casa terrea
om sotao, arrendado este nor 216*,
a casa por 648*000, sendo djvidi-
a em tres paries, tudo arrendado
or
N. 96. Juvino Bandeira de Mello,
um sobrado de 1 andar, todo arren-
dado por
N. 110. Miguel Goncalves da Luz,
am sobrado del andar avaliado
por
N. 126. Manoel Dias da Silva San-
tos, am sobrado de 1 andar e loja,
todo arrendado por
N. 138 Josephina R. de Freitas
Pimentele outros, ama easa terrea ar-
rendada por .
N. 146. Maddel Firmino Ferreira,
. um Sobradcde t attdftr e loja, tedo
1:196,008 arrendado por
N. 148. o mesmo, tifna easa terrea
com 10 meiasaguas no fando, todo
arrendhdoitfor
g.\. 1S6 A. Bernardino Pereira Ra-
mos, terrea por
N. 186 B. OnwsniojtBTrea'arrenda-
da por
N. 156 C. 0 mesmo, terrea arren-
dadapDr
N. I'll! D. 0 mesmo, terrea arren-
dada por
'N 156 E. 0 mesmo, terrea arr'en-
djML Sb F. 0 mesmo, terrea Jrrren-
dida por
1 Di 17SL P^**iqtfn Ana Rntftrfta tnr
TnITsO. Antooiol||A>4l4lM4Mlvl-
ri, terrea por
N. 184. Manoel Joaquim-deEspirilo
Sfcnto, terrea ppjjw. ( .. ..
N. 186. Pedro Ratls, lerrea ofttteB*.
^40,000
3,Q00
300,000
240,000
300,000
420,000
300,000
840,000
204,000
158,403
316,000
216,000
360,000
40O",O00
400,000
400,000
180,000
132,000
132,000
132,000
133,000
132,000
132,000
132,000
132,0:10
132,000
132,000
132,000
660.0C 0
S60.000
300,000
300,000
300 000
300,000
300,000
420,000
360,000
360,000
400,000
400,000
300,000
3O0.C0O
300,000
300,000
300,000
300,000
300,000
470,000
360,000
400,000
240,000
216,000
168,000
264,000
240,000
132,000
400,000
336,000
360,000
900000
660,000
1:000.000
360,000
240,000
360,000
420,000
300,000
300,000
300,000
300,000
300,000
240,000
300,000
240,000
168,000
840,000
480,000
510,000
240,000
912.000
240,000
900,000
I
2;30;000
380JOW
-360,000
486,000
MOjOOB
3BO,000
'36d;tt$
300,000
300,000
,.-,Jloza 'CaridTaa
njreWaiMHa pdrtlo cOnY%
^srWau^Hfcerlr^L -leiiteinr !-
m**s terrea por
H-135:jUnoel &6 Cafmo Ribeiro,
terrea arrendatfa por
N. 137. 0 mesmo, terrea arrendada
por
N 117. Manoel Martins Ribeiro, ter-
rea com sotao arrendada por
N, 169. Maria Candida Moreira,
tsfrea por
li. 177. Joao do Amaral Raposo,
terrea- por
N. 179. 0 mesao, terrea arrenda-
da por
N. '181. o mesmo, terrea arrendada
por
N. 183. 0 mesmo, terrea arrendada
por
N. 197. Jos6 Rullno da Roetra, ter-
rea por
N. 201. Jose do Carmo, terrea-ar-
rendada por
Travessa do Pocinho.
. 19. Vicente Jose da Silva, terrea
arrendada porj
N. 23. Luir Gomes Silverio, tsrrea
'rrendada por
N. 67. Jos6 Caetano de Carvalho,
um sobrado de um at da r eloJMudo
arrendado por
Rua 2i de Maio.
N. 54. Oarlofa V. Rrbeiro, terrea
com satio arrendada por
N. 56. A mesrna, terrea com sotao
arrendada por
N. 23. Dionizio Ferreira Cavalcanle,
terrea arrendada por
N. 35. I) el I'm a Maria dos He is e
Silva, terrea arrendada por 300,000
Alteraioes verlicadas no lancamento da decima
urbana da fregu-zia de S. Frei Pedro Goncalves,
fara o exercicio de 1874 a 1875, pelo lancador
elinto do Rego Barros Pessoa.
Rua do Pharol.
N. 22. Irmandade das almas do Re-
cife, nma casa terrea arrendada por
N. 32 A. Francisca de Mello Caval-
cante e Albuquerque, uma casa ter-
rea e sotao arrendada por
N. 30. Joaqnim Baptista dos San-
tos, uraa casa terrea arrendada por
N 38. Dr. Sitvino Cavalcanle de
Albuquerque, uma casa terrea arren-
dada por
N. 52. Lniza Fraudsca de Franca,
6(8, Pedro Theodoro de Freitas, l|8, e
Eufrazio Nnnes, 1(8, uraa casa terrea
.arrendada por
N. 58. Jos6 Duarte das Neves, uma
casa terrea arrendada por
N. 60. Jose Brz da Silva, uma
casa te rea arrendada por
N. 64. Joao Marques Correa, urn
sobrado de 1 andar e loja arrendado
por
N. 74. Maria Francisca de Almeida
Gomes, uma casa terrea arrendada
por
N. 86. Antonio Joaquim Cascan,
uma casa de um andar e loja arrrada-
da por
Rua do Areal.
N. 2. Joaquim Bapli-ta Nogueira,
uma casa t-irea arrendada por
N. 24. Antonio Jose de Pinho, uma
Casa terrea arrendada por
Praca do Chaco.
N. 14. Jose Jacintho Pereira da
Costa, uma casa terrea arrendada
por
Rua de S. Jorge.
N. 8. Antonio Joaquim Cascao, uma
casa terrea arrendada por
N. 30. Paulioo Ferreira da Silva,
uma rasa terrea arrendada por
N 24. Joao Januario Pinto de Aze-
vedo, uma casa terrea arrendada por
N. 30 Manoel Jose do Nascimento,
uma casa terrea arreudada por
N 72. Manoel Coelho Pinheiro, um
sibrado de 3 andares e loja arrenda-
do por
N. 92. Santa Casa de Misericordia,
2|3, sojeita a decima, ttma casa ter-
rea arrendada por
1.' seccio do consulado provincial,
U cliefo,
Eduario A. de Oliveira
0 Dr. Sebastiao do Rpgo Barros de Lacer-
da, juiz de direito especial do comrner-
ci >, nesta cidaJe do Recife de Pernsra-
buco, por S. M. Imperial, e Constitutio-
nal, etc.,"rtc.
Facp saber pelo presenle, que no dia 27 deste
mez, as 11 horas da manliS, na sala das audien-
cias devera ter logar a reuniSo dos credores da
raassa fallWa de .-Izevedo k C, para se verilharem
os creditos, deliberar se acerca da cjneordata ou
fomar se contrato de unian, c nomeiar-se admi
nisiradores a dita massa, certos os credores de que
nao serao admittidos por procurador sem que este
exhiba procuracao especial, a qual nlo podera ser
conferida a devedor do fallido, nao podeado, outro
sim, urn so individuo represeular por dous diver-
-sos credores e que sera havido o credor que nao
comparecer como adherenfe as resolucpes que to-
mar a raaioria do votos dos credores, que compare
cerem, com tanto qne para ser valida a concorda-
ta, e necessario que seja concedida por numero tal
de c edores, que repre^ente pelo menos a m-ioria
destes em numerj e dous tercos no valor de
todos os creditos sujfitos aos effeitos da conror-
data.
E para que ebegue ao COnhecknenlo de
todos, mandei fazer o presente edilal, que
sera" affixado nos lagares di costume, e publi-
cado pelos-jornaes.
Dado e psssado nesta cidado do Recife
de Pernambuco, aos Udias do mez deou-
tubro de i874.
Eu, Ernesto Mschado Freire Pereira da
Silva, escrivSo, oesfirevi.
Recife, 9 de outubro de 1874.
Sebasliuo do Rego Barros de Laceria
0 Illm. Sr. inspector do Hiesouro provincial
manda fazer publico, que era cumprimento da er-
dem do Exm. Sr. presidente da n.rovincia, de 5 do
corrente, vai a pra^a no dia 22, perante a junta do
mesrao thesouro, para serarreraalada a quern por
menos fizer a obra dos reparos do quarlel do cor-
po de policia, on;ada em 897$820, e debaixo das
condicdes abaixo declaradas :
As petsoas que se propozerem a esta arremata-
?ao, c mparegam na sala das ses>oes ^di referida
lu- ta, no dia aeima indicado, pelo meio dia, com-
peteotemeute hsbilitadas.
E para constar se mandou pnblicar pelo presen-
te jornal. ....
Se;retaria do thesouro provincial ce Pernam-
buco, 13 de outubro de 1874.
O secrelario,
Miguel Affonso Ferreira.
Clansulas especiaes para a arreraatapao dos repa
ros 1i quartel do corpo de policia.
1*
Os reparos do qnartel do corpo de policia serio
executados de conforraidade com o orcamento ap
provado pelo Exm- 3r. presidente da proviocia, na
importancia de 897*820.
^W^fcfferecer, i viata-^OH^fCttq at^ll annos
iquando muitolcfcf JMolM 6/. ao anno
SflOO pelo tempo da leAwfl^ttiprebens^o de-
bOWfirMKh, dB'Iwitlb^/sifa'rrtqUe"lla cOttta'rca'a qti'alae
acba avaliada em cinco contos do reis e
contra segundo a medi?So a que se proce-
d*o e conta-dos nutos a etteosio segninte :
do lado do leste 1,110 bracas, do lado do
rrorte 409 bracas, do lado do noroeste 682
brar^as do lado do poente -411 bracks e do
lado do sul 681 bracac, sendo todo o ter-
reno proprio para a cultura de mandioca e
outros legumes e flcando certos os interes-
sados de que, tanto por tanto serd referido
o lanf;o do posseiro respective, na oonfor-
midade da ordem do thesouro, n. 15 de 28
de Janeiro de 1874.
Recife, 15 de setembro de 1874.Eu,
Jose* Francisco do Rego Barros, escrivao, o
subscrevi.
Estara ainda em hasta publica, nos dias 15
e 22 do corrente, perante a camara municipal
desta cidade, para ser arrematado por tempo de
um anno, por quern mais offerecer, o aluguel do
sobrado sito na praca do Corpo Santo do Re-ife
n. 9, por 7851000, e os impostos de eapira de
planta por 5078200, e 320 rs por carga de pei-
xes exposta a vendo no mereado public >, por
120O0. "**m
Os preiendentes deverae apresentarse habilita-
dos na forma da lei.
Pago da camara municipal de Olinda, 8 de
outubro de 1874.
Barao da Tacaruna,
Presidente.
Marcolino Dias de Araujo.
Seeretario.
Edital n. 61.
M6nte Pit) Ptfrtttgtireas
Nao se leodp reupido nnraero lecal da aeoourea
So 11 do corrente, sao do-novo eddvidados par*
omingo'lS do corrente, as 10 haras da db, par*
o mesmo flm, qne terilugar omb4faaloaer nu-
mero.
Secreuria do Monte Pio Porlrfguet, It de oniu
ro de 1874.
0 seeretario.
Joaquim Xavier Vieira Lig.>.
2OX)
301dOC6
TM0m
tu
168,000
240,000
168,000
240,000
#
300,000
300,000
300,000
200,000
240,000
280,000
300,000
300,000
360,000
360/00
360,000
260,000
300,000
980,000
300.OC0
de ou-
Pela inspeetoria da alfandega se faz pnblico, que
nao tendo sido arrematada, por falta de concur-
rent ao valor plflcial, uraa caixa marca R R,
n. 210, vinda de Liverpool no vapor inglez Gas-
sendi. pertencente a Lemos do 105 kilos, pe30 liquido real, de perfumarias
em frascos ordinarios, avaliada por 210*, se trans-
fere a mesma arrematacao para as 11 horas da
manhi do dia 19 do corrente, na porta desta re-
particao.
Alfandega de Pernarabaco, 13 de octubro de
1874.
0 inspector,
_______ Fabio A. de Carvalho Reis.
FACULDADE DE DIREITO.
De ordem do Exm. Sr. conselheiro, director fa$o
publico, que do dia 20 do corrente ale 10 de no-
vembro proximo, esta aberta neita secretaria a
inscrip^ae para os exames de linguas, de confor
midade com o aviso imperial de 27 de setembro
de 1872.
0 que se pretender inserever, devera faze-lo por
meio de requerfmento io mesmo Exm. Sr. conse-
lheiro director, declarando niio so a materia em
que se tem de inserever, como tambera aquella ou
aquellas em que ja tiver sido approvado, a filia^ao
e naturalidade, e exhibira atlestado do director do
collegioou prolsssor que o hoover eosinado, cer-
lificando a sna habilftaeao. e se a letra do reque-
rimento e assignatUra sao do proprio punho do
examinando.
Di ordem do Exm. Sr. conselheireiro director,
visconde de Camaragibe, se faz pnblico, que do
dia 15 a'e 24 do corrente, esta aberta a segunda
raatricula de eocerramento, de conformidade com
o artigo 63 dos estatutos, podendo desde ja ser
elTectuado o pagamento da taxa, no lugar couipe-
tenle.
Secretaria da faculdade de direito do Re-
cife, 12 de outubro de 1874
0 seeretario,
Josi Honono B. de Menezcs.
t00#MKt
421**,
202*000
602dO0
StjOOO
isjdooo
I
300*000
l:4O0*Oii
209*00u
2O9*0i
20l*O0o
800,
241*000
207*000
Estrada de fefro de Olinda
Nu 1 i pas
Esta companbia com-
r.- -_i:r a~ :.:;.
de 9 palmos de compri-
mento sobre 9 pollegadas
de largo e 4 de espessura
ou grossura.
0 gersnte,
L. J. de Miranda.
Obras militares
Convida-se as pessoas que se quizerem encarre-
gar da execu;ao do forro e pinlura da capella do
hopital militar, na imp rt an -ia de 869*, a apre-
sentar suas propostas em carta fechada, a 19 do
corrente, ao meio dia, na repartic^o das obras pu-
blica*, onde desde ia se acha o orcamento.
Pernambuco, 12 de outubro de 1874.
Chryssolito F. de Castro Chaves,
Engenhelro das obras militares
Irmandade de Nossa Senho
ra do Tereo.
Em campriraento as disposicSes do art. 51, do
nosso compromisso, e por rrdera do nosso irmao
juiz, cohvido a todos os nossos charissimos i maos
a se reunirem no consistorio da oossa igreja, do-
raindo 18 do corrente, pelas 10 horas da manha,
para em mesa geral se proceder a eleicao dos no-
vos fnnccionarios, para a nova mesa regedora,
que tem de reger a nossa irmandade, no faturo
annno de 1874 a 1875 ; oulro sim, o seeretario
da irmandade, faz sciente a todos os nossos cba-
rissimos irmaos e ao respeitavel pnblico, que a
irmandade de Nossa Senho'a do Tercp, nao deve
nada a ninguem, e se alguera se julgar seu cre-
dor, ten ha a bondade de apresentar sua conta ao
respectivo thesoureiro, no pateo do Tercp n 6.
para ser conferida e paga.
Antonio J.>-J Pereira da Cuoha,
Seeretario.
2."
0 trrematante dara comecp. as obras no prazo
de oito dias, e as concliyra no de dous mezes.
0 pagamento sera effeciuado em duas.presta-
c5es iguaes, na riroporcao do servl^o executalo.
4."
Para tudo mais que nao vai especilicado nas
present s'clansulas, obiervar-sa tia o di*posto no
regfalaraento de "24 de fevereiro flo Borrdnte anno.
Co'hTo'rtl!le:-M. A. Fertelra.
^^Bg%mlr>je*lbte,
^ > Francisco Apolinario________
O Dr. Joaq*rtttr",o^Bt8 feW. Juiz dos
foitos id* ^JM "*sta pronocia, por
8. M. -Impdrtirt, -"r>que Dens guarde,
etc.
Pa^o saber'aos (toe oupresente edrtal vi
Item iqd6, "#aa Onwprriotoio da otdfim do
| ^betfro-qle.'8&^% lAsMftfbfo^d lWUi'dj
das instruo^oes que com ajpiuMMln "brtta"
raru^ItWoopf#zo ^d"e \m mezes a eonlar
da4ata -d*pu^io$o deste, sart
Inspec^ao de sauda do porto de Pernamouc >,
5 de outubro de 1874.
Por ordem do Illm. Sr. commendador Dr. Pe-
dro de Atbayde Lobo Mostoso, faco sciente que
os navios que liverem de carregar eoaros veraes
ou.outra qnalquer sabstancia que exhale mao
cheiro, ou descarregarem oarvao de pedra, nao o
poderao fazer senao no aacoradouro, perto do
pharol, e que nenhuma reclamacao sera attendi-
da para delxar de prelexto de ser^quena a carga oa descarga.
0 qne se faz pnblico .aos senhores lonos ou
Cdnsignatarkw de navios, para a devida exeearao.
O seeretario,
Felix de CaolalK-e da Stlva Lobo
Monte-Pio dos Honorarios
do Exercito.
Por ordem do Sr. presidente, para doraingo 18
do corrente sao convidados os Srs. socios a com-
parecerem no 1 andar do sobrado n. 144 da rua
do Corohel Suassuna, pelas 10 horas da manha,
para Se tratar das medidas tendentes a s?sio
m>gna da installacao.
Pela importancia e argeacia do assumpto pede-
s o comparecimento de todos os Srs. socios.
Recife, 13 de outubro de 1874.
0 I' seeretario,
Silva.
Thomaz de Aqikitto Fonceca & C.
Siweesserts
todos os vapbrbs, sobre as seguinies
sa^cam por
pra;as:
Lisboa.
Porto.
Braga
Visen.
Gaarda.
Colrabra.
Gaimaraos
flio de Janeiro.
Na rua do Vigario n. 19.
Rsgoa.
Cnaves.
Villa-Flor.
Mirandella.
Alijo.
Favaios.
BraganQa.
Laraego.
^somarca de HamW. ^ueo> raalor pr^o- jjara GsW*^ mhs*do,A?w-
CarvSl^io & Nogaeira
vendido n ^ccaini Adalqqerddahf.a, avfe'iu a DJfa'zo, por

SAM A CASA DA M1SEH1COKDU DO
RECIFE.
A Ulma. junta administratrva da taou flam t
Misericordia do Recife, aanda facer pabitoo i*,
ot'salade suas sessoes, o dia 15 da eniabro, pe-
las 3 horas da tarde, tem de ser arraaatadae a
quem mais vantagens offereeer, peto teapo im am
a tres annos, as rendas dos predioa
deelarados.
ESTABELEaMENTO DB CAJUDAD*
Rua do S. Gokcata.
Casa terrea n. 24 (feehada)% .
Rua das Calcadas
Idem n. 36...... .
Vidal de Negreiro*.
Cats terrea a. 114......
Idem n. 94.........
Rua larga do Rosarlo.
t* andar e loja n 24 A.....
2.* andar n. "24 A.......
J- andar n. 14 A. ...
Rua de Antonio Heariqnes.
Largo da Canpina.
idem n 11 (fechada)......
Una do Coronel SaassMa
I* andar do s brado numero 94 .
PATRIMONIO DOSOKPHAOS.
Rua da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).. .
Becco das Boias.
Casa terrea n. 18.....
Rua da Lapa.
Casa terrea n. 11.....,
Kua do AmoniB.
Sobr*do de 2 andares n. 23 .
Casa terrea n. 34.....
Ruar do Hugos.
Casa terrea o. 21......
Rua do Vigario.
2" andar do sobrado n. 27 .
1* andar do mesmo......240*000
Loja do mesmo.......
Rna do Encantaraento.
Sobrado de 2 andares a. 13 (fechada i.
Rna da Senulla velha
Idem n. 16.......
Rua da Gnia.
Casa terrea n. 25 .
'dem n. 29 .
Rna da Crnr.
Sobrado de 2 andares n. 12 (fechada i.
Idem n. 14.........
Rua de S. Jorge
Casa terrea n. 100 (fechada) .
Idem n. 103 ...
Rua do Ampare )Olinda)
Casa tercean. 18 (fechada). 2t0*O0ti
Os pretendentes devertu apresentar no ado da
irrematacao as suas fiancas, on comparecerem
acorapanhados dos respectivos fiadoraa, deveod i
o.igar alem da renda, o premio da quanta em
iue for seguro o predio qae eontiver estabelec.
mento commercial, assim como o senico da lim-
poza e procps dos apparelhoa.
Secretaria da Santa Casa daJMi?ericordi doll*
cife, 17 de sstembro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues it Souza,
Coiiipauhia Fideliditrie
eguros maritlnioss o ieaioatircs
A agenda desta eompanhia toma segaros ma-
;ilira s e terrestres, a premios razoaveis, dand'
nos nltimoso s6Io livre, e o setimo anno gratntt>
*o segurado.
3vua Jo VLcoude de Itaparica, antiga do App-^
B. 51.
Feliciano Jose Gomes,
_________________A_genle.___________
No dia 20 do corrente, finda a audiencia d>
Dr. juiz substituto da primeira vara, tem de ir
em praca publica, linda a aadienc a respectiva .
a armacio e mais objectos exislentes na taverna
da rua de Thome de Souza, antigi beceo da Lin-
gueta n. 12, tudo avaliado em 67^540, e vao a
Arrematacao.
No dia 27 do corrente na aud^ncia do Mm. Sr.
Dr. juiz substituto da 2a vara, vao em praca !"
eaixas contendo folhas de Flandres, peohoradas a
Jos6 Aive- Barbusa, por exe^ucio de Joe Joaqain
Lima Bairfo, a uliimi praga.
Devo^ao
de Nossa S^nhora do Rosario da igreja da
Madre de Deus.
lvn nome la mesa rcge 1 ora da devojao, r i
vido a todos os membros da actaal mesa e aos da
nova eleita a eompare'^rem ni :>nMstorio da
igreja da Madre de Deus, no domingo 18 di
corrente, pelas 3 l|2 horas da tarde, afire de se
rem empo-sados dos re^pec iv s cargo?.
Ibeif*, 15 de oulubro de 1874.
0 .scrivao,
______Francisco lose Chaves
Devocjao
de Nossa Sonliora do 11 tsario Ja igreja da
Madre de Deus.
0 abaixo assignado, thesoureiro la devocAo ir
Nossa Senhora do Rosario, da igre.a da Madre do
Dja?, nada deve a pessoa aigima ; po em, s*
alguem se jalgar credor, pole apre*entar suas
contas no prazo de 3 dia-, a contar de-U dala .
na rua do Marquez de Olio ia n. 3.
Recife, 15 de outubro de 1871.
M. M. Camios Junior.
Monte pio portuguez
De ordem da directoria sao eonvidadas os Sr-
socios qae se acham em atraso a satisfazerem at
suas mensalidades, como determina o 2 do artf*
11 dos estatutos, para que possu organisar
quadrn dos socios effectivos, e mesmo para ni1
ser coagida a dar execucao ao 2 do arligj 13,
qne e o segninte : perde os direilos de soeio (ri.
13 2") o qae deixar de satisfazer as saas men-
saliiiadea por mais de dons annos, sendo Ihes pe-
didas, nao podendo depots ser admit ido sen pr-
viamente pagar o qne estiver devendo, e nova is a
como se nunca tivesse pertencido a associa^io.
Secrenria do Monie Pie Portaguez, 15 de oniu
bro de 1874.
O 1* secrelario,
J. H. Vieira Ligo
Os fiseaes das freguezias da Si e S. Pedr i
Martyr da cidade de Olinda, abaixo assignai -.
siieatiiicam a tolas as pessoas pissoidoras de pre-
dios em dilas fregueiias, qae no prazo de 30 dias,
a ronur de hoje, deverao mandar reparar os pa-
seios de suas" propriedadea, e que findo o referi 1
prazo, se proced-ra a com la, de c nforniid i
com o regularaento municipal em vigor. Cidade
de Olinda, 9 de ou'ubro de 174.
Joaquim Cesario da Rosa.
Manoel Joaquim Goncalves tpal.
N) d a 19 do aadanie mez, ao meio dia, dc-
pois da audiencia do Dr. juiz de orphios, vai a
praga de venda a casa terrea da t avessa do P>.-
cinho, f> eguexia d < Santo ARtoaio, a 18, em ehio
foreiro, avaliada por 2:000*, pertencente ao m-
ventario de Evari-to Silgado.___________
Pelo tbespu'o provincial se fat pdbUco que
Toram transferidas par o dia 22 do eorrrtte mez
as scgnintes arremalav-des ;
Obra da bomba do Frttp*>.'M astrada do-tor-
te, orcada em 840*017.
Obra da ponte deM.es sofcre o ne Tapacura, aa
eslrada da Victoria, orcada em L4U3*,
Imposto sobre o eapira de planta consomido na
cidade "do Recife, e forneclmento de alimeptaco
dieus a Secrei3na do thesoorp provincial de Pernaat>
co 14 de setembro da 1834.-0 aecreUrio,
' Mignel Aitoneo Ferreira.
Irmandade do Sehhoi* bom
Jesus dos Passo8.
A :; e=a regedora da irraalkade do Mdtt<
fesns dos Passoe, ereeta?na aWriz do Grgff**y
donvida a todos os" irmSol paM;a aolsa sax*-
I lira, 10 doenrrenu, no consistorio da. **'.
rhatriz.afwa de prooadar-se iaow aleJ^a,a- ..
ii --rde. ,.t .
foti }oa fAmo'im e S'tr\


mm
yMmid^^mmuabam Sexta fell* 16 de Outubro de 18I4C
A*G!.\ do Sop.*. Arch.-, do Uev
Conciliacio
Pelo presents -eonvido a todos os RResp..
da Aug.-. e Sob.'. Loj.*. Cap.'. Conciliacao,
no doming.' 48 do
Mr.*,
a com
pareflerem no doming. > 18 do cot rente pelts 10
horas da manha. para e proceder a Etei?.. de
Ven.*. para 887S-8876 er.*. mac.-, vago pela exo-
ueracao a pedido do q*! ultimameote foi eleito.
Secret*, da Aot.\ e Sob.-. Loj Cap,-. Concilia-
Qio, aos li dias do mez de outubro de 187* er.-.
volg.-.
0 secret-, adj.-.
lfaia Pessoa.
FUNDJCAO
a Starr & C
Sfo convidados os Srs. devedores & *ir
satisfaxer seas debitos, provenieotea de let-
ras e contas vencidas; sendo que nao o fa-
zendo atd o dia 30 de outubro proximo vin-
louro, serio vendidas em leitio. Poderao
coraparecer ou eaandar ao escriptorio da
fund 1580 ou do testamenteiro H. .1. Can nan,
?ua do Commercio n 40.
mm
Vi sahir para 0 Aracaty ale ft dia M de etr -
renteti bem conhecido hite Ftor do Jardim, para
0 que ja teiu metade do carregamealo ; e para 0
resto trata-se com sen proprietario Joao lose da
Canba Lages, a ma do Vigario n. 33, ou a bordo
ao pe da guardamoria, armazem de Lola Rocha
& Companbia. ___
quaes tornara-se recomtnendaveis pela sua
esptcialid de, teodo vtndo pelo ultimo va-
por, as quaes serio vendidas em urn ou
raais lotes & vontade dos Sra. cempradorea,
ao correr do martello, e para fecbar conta.
< 5 CD S?^
* 3 2 K B fi "
8
23
5

oaotrac?aa da ponte ara a alfaa-
dega da pro vine** do Para.
De ordetn de Mm. Sr. inspector da thesouraria
de fazenda desta provincia,sefaz public? que es-
la em concarreocia a coustruccao da pome per-
manente desti iada a descanga de mercadorias na
alfandega desta capital, cooforme a planta e or^a-
mento respcclivo, que se achara na secretana da
junta da tntisma tnesMirarw, e poderao ser con-
snltados .pelos pretendentes ; cujas obras foram
maadadas execntar pela erdein do thesoaro na-
cional, n. 73 de 11 de agesto findo, no total de
299:359*400.
Os pretendeotes, qoer desta provincia, quer das
do Rio de Janeiro. Bafaia. Peraarubaco, Cewa e
Jlaracnao, deverio apresentar soas propostas em
oartas fechadas", as quaes serao abertas era ses
sao da junta de 17 de deiembro do cadente anno.
Tbesouraria de fazenda da Para, 19 de setem-
bro de 187.-Raymando daSilva e Cunha, secre-
rio da janu._________________________
Conselho fiscal do monte pio
poriuguez
De ordem do Sr. commendador, presideute do
conselho, 0 mesmo convocado para 0 dia 16 do
corrente, as 6 i|S horas da tarde, para 0 disposto
do 3 I' do art. 31 dos estatutos.
Secretaria do conseibo fiscal do monte pio por-
iuguez, 12 de outubro de 1874.
Firmiao A. Souto Maior Raposo,
1* ecretrio.
Santo Antonio
COMPANHIA DRAMATICAITALUNA
Campanula de naveuac** as v-
par laahiama, limitada
Mcei6, Penedo, Aracajii e Bahia.
E' esperado dos portoe
do sol ate 0 dia 20 do cor-
rente 0 vapor Gastao de
Orleans, 0 qual seguira
Sara os portos acima no
ia segumte ao de sua
chegada.
iwcebe-se orga,encommeBd*3 passageiros edi-
Agente
Antonio Luiz de OUvewe Azevedo.
________57-Rna do Bom iesns57
Ilho de S. Miguel.
Com nraita brevidade segue para S. Miguel 0
conbecido palhabote portaguez ivoco S. l/torengo.
Para 0 resto da carga e passageiros tratase com
os consignatarios Tbomaz de Aqnino P*aceca a
C succesaores a rna do Vigario n. <9. _____
Ilha de S. Miguel
Segue com brevidade para S. Miguel 0 palha-
bote portnguez Novo S. Lourengo, para onde reoe-
be carga e passageiros : irata-se com ps consig-
natarios Thomat de Aqnino Fonceca & C. Socoes-
sores, rna do Vigario n. 19, 1' andar._________
CHARGEURti REUN1S
QOMPASH1A FRiNCEZA DE SAVE-
gacao a vapor
linha' mensal entre o
Havre, Lisboa, Pernambuco, Babia, Rio de
Janeiro e Santos.
STEAMER
VILLE DE RIO DE JANEIRO
Commandante A. Flcury
E' esperado da Eu-
ropa ate 23 do cor-
rente, segnindo depo is
da indispensavel de-
mora para os por-
tos do sul de sua es-
eala acima referidos.
Para fretes, encommendas e passageiros, trata-
se com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA 4 C.
iiRua doCommercioEntrada pela ro*
do Torres.
< oiii'tViiiA inttNii i:iei\
DE
\AVEGACAOA VAPOR
PorUtM do noi'le
LE1LA0
DE
8 gigas com lou^a Una e 2 ditas com
ca ordmaria
SKGLNDA FEIRA 19 DO CORRENTE
A' tO 11* karat*.
Em o arraazem da rua do Vigario Thenorio
n. 3.
O agente Dias, competentemente autorisado, le-
vara a leilao, no dia e hora acima indicados, -as
gigas de louca que acima se meneionam.
~~tm,s'.
EMPREZA
Sabbado 1 7 do
da *
historico em 4 paries, de Mon-
corrente.
1 recita
Com o drama
ticini:
assignatura
I
GALILEO (.AUI-EI
ou
NQUlSfCAQ BE ROMA
714
60j
48i
16/
De particular irabalnu do s?
E. Oominici.
DIV1SAO DAS PARTES.
Aclo !- Amor e scien*ia.
a 2.* A (ilha de Gahleu e Heno CnntarinO)
3.* A Iremeud* iuijuisicao de Roma.
dljjn.io. Fpjiiir si muovo.
4.* A vinganca. Alexando Vitlri e
Galileo Galileo
Precos de assisnatura
Comarotes de frente 1144 Metade
Ditos de lado H0{ Idem
Dito de frisa %i Idem
Cadeira de 1." classe 3ii Idem
Ditas de dita -2U idem
N. B. 0 pagamento da primeira metade se faz
no diade sabbado 17 do corrente, e a segunda na
qainta represntacSo.
Diiiiiiioj 18 do cirreute
0 grandc drama popular em o actos c 1 prolo
go:
MARIA JOANNA
AVISO
Para facilit r as pessoas morad>ras na linha de
Apipu^os a occasii-1 de apreciarem os trabalbos
da companbia italiana, a empreza offerecc Irem
gratis no domingo 18 do corrente.; Os bilhetes
para ter ingresso no trem, podem ser procurados
no bilheteiro do iheatro.
m$m mmimm
Pacific Sieaiii JVavipiinn Conipan)
ROYAL MAIL STEAMERS.
Aconcagua
(DE i!06 TONEADAS)
Eapera-se dos por-
tos do sul ate o dia 25
do corrente, e depots
da demora do costu-
me seguira para Li-
verpool .tocando em
Litboa, Bordeos. para onde raeebera passageiros,
encommendas, e dinheiro a Irete.
N. B.-Nao sahira antes das tres horas da tar
de do dia da sua chegada.
AGENTES
Wilson Rowe A C.
tiPRA^A DO COMMERCIO1
COMPANHIA PERJSAMBUCANA
DE
lavefacSo cos teir a a vapor.
PiRAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSOP.O', ARAO-
TT, CEARA, ACARACU', GRAN.IA B MARAMl.lO
O vapor Giquia, comman-
dante Martins, seguira pars os
portos acima no dia 22 do
corrente as 5 horas da tarde.
Recebe carga ate o dia 21, en-
commendas, passageiros e di-
nheiro a frete ate as 3 horas da tarde do dia da
sataida ; escriptono no Forte do Mattos n. 12.
Libras esterlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & 0.
Rua do Commercio n. 41.
leilao
AGUA DE CHIN0tIN\
PARA TINGIRINSTANTANEAMENTE OS CABELLOS
PREPARADA POR
"ii
CASA DA F0RT14.
AOS 4:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
E' esperado dos portos
do sul ate o dia 17 do
corrente e segnira para
os do norte depois da
demora do costume.
Para carga, encommendas, valores e passagens,
trata-se no escriptorio
7-RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C.
Agentes_________________
Bio de Janeiro
0 novo patacho brasileiro Weal recebe carga a
frete para aquelle porto : a tratar no escriptorio
dos consignatarios Balthar, Uliveira & C, a rua do
Vigario n. 1, 1* andar.
Para Lisboa.
A barca portugueza Pereira Borges, capitao An-
tonio Alfredo Borges, recebe carga e passageiros:
LEILOES.
leilao
DE
Miude/.as, botinas para senboras, gravatas,
banha fina e eitractos.
HOJE
as 11 h ras da nianha
No primeiro andar do sobrado da rua do
Bom Jesus n. 53.
A SABER:
Oito duzias de botinas para senhoras, 80 caixas
com linha branca, do gaz, 1,000 pecas de Btas de
sarja, sortidas em cores e larguras, 10 duzias de
frascos com banha fina de Coudray, 20 duzias de
ditas de ditos de Biramell'os, 20 duzias de canive-
tes sort dos, cartues com flta de velludo preto, 3
ditos com trancas de caracol sortidas, carlilbas do
abbade Salamonde, bolas de borracha, gravatas
pretas, extractos finos, stereoscopios, meios ade-
recos, collarmtios. leqnes, sabooetes, baralhos de
cartas, agua sublime das Virgens, chapeos de sal
para senhra, e outros muitos artlgos.
0 agente Pinho Borges levara a leilao as men
cionadas miudezas, por conta e rise j de quern per-
tencer.
Leilao
DOS
Bens e dividas pertencentes a massa fallida
de Rostron Rooi k & C.
as 11 horas da manha.
Em o 1 andar do sobrado da rua do Mar-
quez de Olinda n. 37.
0 ageute Dias, enmprindo o respeitavel despa-
cho do Him. Sr. Dr. juiz especial do commercio,
fara leilao no dia e bora acima*indicados,Mos bens
e dividas pertencentes a massa fallida de Rostron
Booi-k & C, vendendo depois de obtida a compe-
tente approvacao do mesmo Sr. juiz, a quern mats
der, os referidos bens e dividas, os quaes sao os
seguintes :
Os direitos que teem os ditos fallides sobre o do-
minio e posse na metade dos terrenos de marinha,
si tos no eaes do Kamos e aforados perptumente ao
conselbeiro Pelippe Lopes Netto, terrenos avaliados
lodos em o6:62ia600.
0 direito qne teem n'oma casa e sitio no largo
da igreja da Torre, lendo a frente para o norte
com 200 palmos e o fundo para o sul, com 800, fi-
caodo entre o sitio do Sr. Gamier e propriedades
da familia do barao do Rio Formoso, avaliados por
3:000* ; e as dividas na importancia de......
273:427*882.
0 mandado em o qual se acham descriptos os
devedores com as respectivas quantias e data dos
vencimentos dos titulos e todos os mais esclareci-
mentos precisos, acha-se em poder do agente, onde
desde ja pode ser examinado pelos Srs. preten
dentes.
DA
barcaca Zurich
SEGUNDA-FEIRA 19 DO CORRENTE
& 1 hora da tarde
No caes do trapiche Alfandega Veiha (outr'ora).
0 agente Pinto levara a leilao, precedida a com-
petente autorisacio, no dia e hora acima meneio-
nados, a barcaca denorwinada Zurich, de 2 mas-
tros, a qual carrega 00 saceos com assucar, tal
qual se acha fundeada em frente ao antigo trapi-1 j^a Primeiro de Marco (outr'ora rua ao
che Peloorinho, onde poderao os pretendeotes ; S_____i 0, ___,__!, j_____i-
desde ja examma-la. Cre^o) n. t3 tco^as do costume.
0 abaixo assignado, tendo vendido nos seus te
lizes bilhetes urn meio n. 3067 com 1:000*000, urn
meio n. 1644 com 710*000, urn inteiro n. 1912
1 com 200*000, nm meio n. 1335 com 100*000, e
j outras sortes de 40* e 20* da loteria qne se
acabou de extrabir (120*), convida aos possui-
a virem receber na conformidade do cos-
tume sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantido>
da 3* pane das lotenas a Lenelicio da matriz
dos Afogados (121*), qne se extrahira na quar-
ta-feira, 21 do corrente mez.
PRECOS,
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
Km porcao de loo.* para clma
Biibete inteiro 3*600
Moio bilhete 1*750
Manoel Martins Fiuza.
algumas joias e movers pertencentes aos bens i **re8
do fallecido Jose do Rego Pachoco
TERQA-FEtRA, 20 DO CORRENTE "
A's 11 horas da manha
Em a casa terrea n. 30, da rua do Alecrim.
0 agente Dias levara a leilao, no dia e hora aci-
ma designados, por despacho do Exm. Sr. desem-
bargador juiz de orphans, as j lias e moveis que
abaixo se meneionam, os quaes fazem parte dos
bens deixados por fallecimeato de Jose do l*.eg>
Pacbeqa
Joias.
Urn adereco composto de 1 pulseira, 1 brdche e
1 par de ros^tat, 1 peqnena pulseira, 1 alQnete, 1
par de rosotas, 1 corrente, 1 relogio, patente in-
glez, usado, 1 paliteiro de prata, 1 salva de metal,
12 colheres para cha e 12 ditas para. sopa.
Moveis.
Uma mobilia de jacaranda, usada, 1 mesa elas-
tiea de amarello, 10 cadeiras de dito, usadas, 1
meia commoda de dito, usada, I dita de angico,
usada, 1 commoda franceza de jacaranda, 1 guar-
da-roupa de amarello, alguns jarros e alguma
louca.
E porque se ache tambem encarregado da ven-
da de uma etcrava de nome Hylaria, preta, criou-
la, de 22 annos de idade, do serviro domestico,
avaliada por um conto de reis, e da 3.' parte de
outras duas de nomes Precilla, parda, de 13 annos
de idade, e Maria, tambem parda, de II annos de .
idade, avaliada a 3* parte da primeira em 233*3331
e a s gunda em 166*666.
Recebera desde ja o mesmo agente propostas de |
quem as pretender, em seu escriptorio a rua do
Marquez de Olinda, n 37, t* andar, e no dia do
leilao de moveis e joias na rua do Alecrim n. 30,
onde desde ja podem os Srs. pre'.endentes exami-
na las.
4o coniinerdo.
0 abaixo assignado faz scienteao respeitavel pu-
blico e com especialidade ao corpo do commercio
quo com prou ao Sr. Silvino da Costa > Maenad o,
a sua taverna sita a rna da Hora, no Espinhelro
n. 6 ; se algnem se julgar com direito a mesma,
apresente-se do prazo de 3 dias, a contar da data
deste.
Recife, 14 de outubro de 1874.
Francisco Antonio de Magalhaes.
Grande e ultimo
LEILAO
DE
Fazendas, chapeos, livros em branco, o
elasticos, constando de
Merinos prelos e aznes, veos para casamenlos.
dainascos de e6res, pannos para colchdes. damasco ria para presentes em frascos de extractos, caixi-
Bods pianos.
Gbegados de novo.
Vende-ae<
Troca-se.
E alnga-ae
No armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
MOMMAS
de vime e de f.iia.
Vende-se muito em conta ; cadeiras avulsas, de
balanco, de bra^os e de dobrar : no armazem do
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, outr'o-
ra Nova n. 7.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, cpiata e pds den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de toilete
divina, florida, lavande, pds de arroz, sabonetes,
crosmeticos, muitos artigo delicados em permma-
-11'>!.', Ullll'l.-'kU
de linho, sargelim preto e ae cores, aloalnado crU,
cainbraias. mei s de Bo da Escossia, paia nuuioua
e sennorie, enpas a lua'-ietetes, grava'as, chales
de la, de ganga, de metim, lencos de soda, filo pre-
to, organdys, cintos para senhoras, cbales de caxe-
mira, gorgorao preto, sedas e setim.
Assim como :
Chapeos a Cavour, livros copiadores de cartas,
tecidos elasticos e fitas para cinto.
IVroa-felra 'U do corrente
No armazem da rua do Bom
Jesus n. 63.
Os administradores da massa fallida de Pereira
de Mello & C, usando da autorisacao que tern do
lllin. Sr. Dr. juiz de direito especial do commercio,
faiao leilao p^r idtervpngao do mesmo agente
Pinto, do resto das fazendas pertencentes a oita
massa e existentes no armazem do sobrado da rua
do Bom Jesus n. 63.
O leilao prinefpiara as lO l|l
huras.
(Por serem muitos e differentes lotes).
tamanhos
primeira qualidade
e Coudray,
*
Para Lisboa.
Pretende segnir com brevidade o liigar porta-
guez Julio. Para carga e passageiros, trata-se com
os consignatarios Thomaz de Aquino Fonceca &
C. Successoree, a rua do Vigario n. 19, primeiro
andar.__________________________
nu o mi
X)brigue portnguez Triumpko, pretence aegnir
com mntu brevidade; para carga e paaaagelros
tratt-ae com os consignatarios Thomas de Aquino
/oflceea 4 C, successores, rua do Vigario n. 19
Agente Pestana
Leilao
DE
vinte
fardos com muito superior
fumo da Babia.
HOJE
as 11 horas em pooto
No trapiche do Sr. Dantas,
Ao correr do martello.
0 preposto do agente Pestana, competen-
temeote autorisado por uma pessoa da Babia,
tard leilao de vinte fardos com muito supe-
rior fumo em folbas, da safra veins, as
G ande e importante
LEILAO
DE
predios
A saber:
Um sobrado de 3 andares edificado em chaos
proprios, a rua do Bom Jesus n. 63.
Um dito da I andar tambem em chaos proprios
na mesma rua n. 61.
Uma casa terrea na rua da Iraperatriz n. 60,
em chaos foreiros.
Dezeseis meUs-aguas da rua do Camarao n. 9,
tambem em chaos foreiros.
Um grande sitio na rua do Kiacbuelo (outr'ora
Corredor do BispA), n. 61, chaos proprios, com
grande casa de sobrado, o qual fica perto das li-
nbas da estrada de ferro, assim como da dos
bonds.
Qninla-feira 22 do corrente
A's 11 horas emponto
No escriptorio do agente Pinto
RUA DO BOM JESUS N. 43.
Os administradores da massa fallida de Pereira
de Mello & C. levario a leilao, de conformidade
com o alvara de licenca do lllm. Sr. Dr. juiz de
direito especial do commercio, e por iotervencao
do agente Pinto, os predios acima meocionados,
para pagamento de bypotbecas as 11 boras do dia
acima dito.
Os pretend en tes poderao desde ja examinax ditos
predios, os quaes tornam-se recommendados, ja
por sens reodimentos, ja por serem edincados em
ruas eommerciaes, procurendo obterem qnalquer
informaoao dos administradores, ou mesmo do
agente, e concorrerem ao acto do leilao, no dia e
bora acima mencionados.
AVISOS DlfEBSbT^
Mil PARTICULAR
Baa da Rod an. 49, sobrado
Primeiras lettras, portuguez, francez, inglez,!
desenho linear e musics.
Sob a direccfto do professor Hermino Ro-
drigues de Siqueira, funcionam ditas aulas
todos os dias uteis.
Recebe alumnos internos, meio-pensionis-
tas e externos; fornece t do o material para
escripta e livros aos princiaiaates, por pre-
90s muito razoaveis.
Aluga-se um eicellente sitio no Man-
teiro, perto da estsfao, com grandes com-
modos, estribaria e gaz : a tratar na rua
do Imperador, n. 83, f andar.
nhas sortidas e parrafas de differBn'"
d-*eua ue Cologne, tuao de primeirr
dos bem conhecidos fabricantes Piver
No armazem do Vapor Francez, a rna do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artlgos de differentes gustoa
phantaziaa.
Espelhos, leques, luvas, joias d'ouro, tesourinhas,
canivetes, caixinhas de costura, albuns, quadros,
e caixinbas para retratos, bolsinhas de velludo,
dita de couro, e cestinbas para bracos de meninas,
chicotes, bengalas, eculo, pencinez, ponteiras para
charutos e cigarros, escovas, pentes. carteirinha de
madreperola, tapete para lanternas, malas, bolsas
de viagens, venesianas para jaaellas, esterioco-
pos, lanternas magicas.cosmoramas, jogos da gloria,
de damas, de bagatella, quadros com paisagens
globos de papel para illuminacdes, machinas de
fazer cafe, espanadores de palhas, realejos de veio,
accordaos, carrinhos, e bercos para criancas, e
outras muitas quinquilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de to-
dos os brinquedos fabricados em differntes parteM
da Europa, para entretimentos das criancas, tudo
a pre?os mais resumidos que e possivel: no ar-
, mazem do Vapor Francez, rua do Barao da Vic-
j '.oria outr'ora Nova n. 7.
Galcado francez
Botinas para homem
Acabam de cliegar grandes jacturas de botinas
de bezerro, de cordavao, de pelica. de duraque
com biqueira, de bezerro com botoes, e eom ilho-
zes a 9^000 (a escolber) por ter vindo grande
quantidade por conta e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rua do Barao dc
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pietas, brancas e de cores, diflerentet
lisas, enfeitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phanUsia com salto, brancos,
pretos e de euros differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de tranca.
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
ABOTINADOS e sapatdes, de bezerro, de deversas
qualidades.
SAPATOS de tranca.
Botas de montaria..
Botas a Napoleio e a Guilherme, pen..ir
meias perneiras para homens, e mei as perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Baric
da Victoria n. 7. ____________________
Nedidas para sal.
Da-se actualmente com asmedidas para sal, um
aboso que nao podemos qualiflcar.
Com effeito, diversos negociantes desta praca,
recebem aquelle artigo, e cada qual vende por uma
medida, propriamente sua, e completamente arbi-
traria, sem relacao nenhuma com outra medida
conhecida.
Besnlta daqui que os compradores nunca podem
verificar se sao ou nlo illudidos em suas com-
prai. J
De que serve e3tar em uso 0 systema metrico
decimal? /
Pede-se a attmcSo dc quem competir para este
assnmpto. /
Aluga-se a loja do aobrado a. 1 da rna de
Aragao : traU-se com seu proprietario, a rua do
Hospkio n. 33._______
BARTHOLOMEO & C. .
Pharntaeeuticos da Casa Real de 8. M. F El Rei de Pi
premiados ens di versas expasicSes earn -a primeirs prcaa
sua classe.
Uoico composto, cuja base principal sio principios vegetaes, que pdde por tsso ser
usado por tempo indefinido sem 0 menor receio de alteracio de saiide. Esta agua admi-
ravel dd aos cabellos, em poucos minutos, uma cor e brilho natural, desde o castanbo
atd 0 negro, e ao contrario de todas as tinturas conhecidas. tern um aroma agradabilisei-
mo, que facilita 0 seu uso ds senhoras, ainda as mais difiiceis. Afjiancam-ie 0$ seus re-
sultado8c effeitos inoffensivos, quer a applicacio seja limitada a barbs, quer compreber>-
da os cabellos da- cabeca.
DEPOSITO MHO
Pharmacia e drogaria
Rna larga do Rozario34
PEHNAMBUCO
34

!:
NT R A i
41 Rua do Imperador 41
0 novo proprietario deste acreditado e bem montado estabeiecimento, com o 6m .-
conservar os creditos de unico neste genero, tern refurmado e melhorado completarae: >
o mesmo em ordem a poder satisfazer qualquer pedido para as provincias do norte e in-
terior desta, garantindo perfeicSo em todas as prep* racdes, aceio c medicidade nos precos
compativel com este genero de drogas.
Cbegou a grande remessa que fizemos de pharmacia Iwmeopalhica de i.
Epss & C, de Londres, compost* de medicamentos, carteiras, pocolotes, Opodeldock aV
Rhus, de Buvonia, de Arnica e de p6s especiai.s para dentes.
Tern & disposirao dos amantes da homeopathia 8 eicellente, obra do Dr. Mure ae-
dico do povo, ja* em 3.a edicdo.
Tern carteiras de globulus e tinturas de 12 medicamentos ate 120, i escolha do cotr-
prador.
/
[pera amordedura de cobras.
I Chocolate homeopathico.
\Parabexigas como prcservativo. Cafe bomeopatbico.
Elor d'araruta.
P6s para dentes, inglezes.
China cruzeiro, para intermittentes.
Scbynus, para anginas.
tSSdIuU' PZ SfrS" Jec6, para rhcumalismo.
^r^^l^a conges, cor. Matta-maTta ou jaboti, para tosses,
tes, etc.
r'ai' s riMB4I|M1 Espirito de Hahereman ou de caiupin-
cnao
A CHEGAHEM
ra.
Opodeldock d'Arnica.
Dito de Rhus )
>para rhematismo.
Dito deBryonia)
Acha-se coustantemente & testa do estabelecimente e inspeccionando todas as pn
oararoes o Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Santos Hello.
Cactuc grande florus, para pneumonia-
molestias do coracdo.
C01SSULT0RI0 HOMEOPATHICO

PREPARADO POR
BARTHOLOMEO k C.
Pharmaccntieos da casa real de S. M. F. el-rei de Porlagal
Premiados em diversas exposiqoes cum o primeiro pre-
mio de sua classe.j
0 xarope vegetal americano, garantido puhamexte vegetal, uao cufltom em sua compos. ^
umso atomo de pio, e sira >6mente succos de plantas >ndigenas, cujas propriedades beneflcas na
cura das molestias que pertencem aos orgaos da respiraca<), tein sido ob3ervadas por longo tempo \-
los medicos mais distinctos (|ue ore onmendam e pre^creva a todos os dias no traUmento das brt u-
chites, tanto agudas como chrooicas, as'.htna, toss:-s rolnldjs, c-oarros de saugue, tSisica no prim<"i'-<.
grao e contra as irritacoes nervosas.
DEPOSITO GERAL
34 = Rua larga do Rosario = 34

PFRNAMPU' 0.
ESCRIPTORIO
a rua da Crmpanhia Pernam-
bucana n. 2.
ESTACAO PRINCIPAL.
a rua Nova de Santa Rila
ns. 55 a 59.
Esta empreza de transporte de mercadorias, inaugura o trafego de suas linha-
dia 10 dc agosto do corrente anno.
Servico da Estacfto das Cinco Pontas para o Recife.
A empreza encarrega-se da entrega das cartas vindas pela estrada de ferro aos n -
freguezes, de tirar e entregar-lbes ate as 8 boras da manha, as amostras do assucar
chegado na vespera, pagar a" vista do conhecimento o respectivo frete e fazer conduzir o
assucar e os outros generos com a maior promptidiio para o armazem dos compradors
ou recebedores.
0 preco do transporte comprehendidos os servicos acima mencionados, ssaras,
descarga, e arrumacdo no armazem 6 :
Por sacco de assucar................ 120 reis.
Por fardo de algoddo................ 160 reis,
Ancoras ou barns a razao de.......... 29000 reis a pipa.
As cargas destinadas aos engenhos e remellidas pelos fregvezes da empreza strdo
transportadas gratuitamente para a cstacao das Cinco Pontas, e serao recebidas ndo )
onde iristirem os trilhos, mas em qualquer ponto dos bairros do Recife c SatUo i..-
0n{0.f
*mi* i*o do Forte do Mattos para as raas da Apollo e Brua*.
A empr ezeancarrega-se de rec- bee com o seu p?ssoal os assucares e mais genera
dos trapiches ou do caes, com direccao aos armazens das ruas do Appollo e Brum
qoaesquer outras do bairro do Recife na r.roximidade de suaslinhas.
0 preco de transporte comprehendida a carga e descarga eorrumacao no ami -
zem e :
Por sacco de assucar................. 80 rdis.
Por fardo de algodao................. 100 reis.
Por ancoras ou barris & razSo de........ 1^300 reis por pipa.
Recife, t de agosto de 1874.

.:
Precisa-se
de dous rapazinbos para vender boios na nu, da-
te casa, comer e ordenado : para informacoes, na
I rua do Imperador n. 8.
j.




o dePeraambuoo Se*ta feira 16 de OtLinbro de UTL

\


<.
m*
,
I
m
Companhia
<*
  • : Tenbo o sentimeoto de lvr, pelo present*;, ao
    >;onhecimeno de lodos os aclua'es e fu iriplorw de arcfle's da companhia edilkadora da
    pruvincia do Pfnanibuco, que uio linha chegado
    ao podec do Kxra. Sr. prat-ideme da proviocia aid'
    -do Convnii- asohtcao da peleao dirigida aogo
    yerno imperial, cm 21 de ag.Mo dc 18*3, job n.
    7, relaliva a approvacao dos eriaintos da com
    panbia edilkadora da pruvincia de Ptrnambnco,
    da qual F. M Dupral e incorporadur.
    A' vista desta inesperada demora e da urgente
    necessidade qne esla praca tern de ver funccionar
    o mais breve possivel a grandiosa e ntiliiaria em
    preia de edificacoes da proviocia de Peroambaco,
    a qnal em poaco tempo lara augmentar de quinhen-
    w>s a dous mil contos de rs. o movimento linancei-
    ro e commercial desta praca, e contribuira rela-
    livameote a fawr desappareeer a crise finaoceira
    actual que ba raezes desola esta praca. bem digna
    de melhor sorte.
    Tive a occasilo de saber na secretaria da pre-
    stflencia, em 7 de outubro correnle, qae S. Exe.
    o Sr. commendador Henrique Pereira de Lucena,
    com o Am de obter prompta solucao, agora que
    oe trabalhos da* camaras estao eoocluidos, diri-
    gio em 3 do corrente am oflkto a S. Exc. o Sr.
    miBisiro da agriculiura, renovando-lhe o pedido
    5ue lbe_ fiiera era 15 de junho proximo passado,
    a solucao da peticao ja citada e remettida om 11
    de agostode873, sob n. 77, acabando assim de
    oar uma nova prova do interest que toma e do
    deseio que tern de .ver dita empreza assentar a
    praneira pedra da pr meira edifieacSo que flier,
    cuja acta deaejo que seja assignada polo actual
    presidente da provincia, dataodo desse dia os 40
    annos das dispebsas de de:imas noncedidae pela
    lei provincial 535 4e 20 do junho de 186:
    Recife, 9 de eutubro de i874.l
    F. M Dtiprat.
    Boa moradia.
    Vende-se um excellente sobrarfo, com uma
    casa pequena cont gua, sita's no Pofo da Pa-
    nella, rua Heal n 33, con: bntis cynmodos
    para uini famiiia gnu. ie, tendo ilivi mas sa-
    las grandes e muitis quVlos, to.l.is com
    janellas ; quartos para rrfados, cocheira,
    eslribar.a, giandu copi*r, eaa do baiihu
    e.jardim de ra,]a brt peifrito e*tado,'e e silusi^o 'i a mats fr'sca
    9 sautavol pi-siv,-| -,n trat*i- f, taria D. Maria Purcoli Haulms m, na mesma
    casa.
    ODILON DUARTE & IRMAO
    rtBCLUIftEIROS
    Premiados na cxposic/'io de 1872

    " Aloga-se o primeiro andar da casa da rua
    do Torres n. 8, propria para escripiorio, on pouca
    famili*: a Iralar no segundo andar da rua do Mar-
    quea de Olinda.
    m__zl-Koa de Paalno Samara2( A
    S OR. MANOEL ENE 'INO R. VA.ENfA '
    m
    Preoisa-se de uma escrava para vender na
    rua : a tratar na rua do Jardim n. 40.
    Casa
    Na ruaDireiU n. 36, aluga-se a loja com aim-
    19, pintada e caiada de novo, propria para taver-
    Ba, porter tido la esae esUbelecimento, muito afre-
    iaezaoa e bom local; a chave para ver, esta de-
    .ronte n 29, loja de taraancis.
    O abaixo assiguadu declara pelo presente,
    MU nioguem fac* H.-gocio algum com as terras de
    Lagoa de HoeV, na comarca de Santo Antao, cujas
    Costa Braga e Joaquina Maria do Espirito Santo
    *Braga, fa fallecidos, *^o e mai do abaixo assigna-
    do, que boje e o verdadeiro herdeiro das ditas
    terras ; e prolesta cont a toda e qualquer pessoa
    que esteja de posse ds referidas terras. 0 abaixo
    assignado ^ laorador ao largo da Santa Cruz na
    mero 4.
    ______________Manoel Bento da Paixio.
    Ao commercio.
    Coostande ao abaixo assignado, procurador bas-
    ote do Sr. Maneal Joa |uim Freire, de presente
    na Earopa, que se pretende vender a taveroa da
    m do ftosario da Bda-VisU n. 56, e tendo seu
    .'. n.-ttituinte um titulo creditorio contra o proprie-
    tary dolla, vencido e era juiio, disso faz aviso a
    'odo e qualquer pretendeote, para evitar duvidas.
    Recife, 15 de outubro de 1874.
    ________Gnstodio Marques Freire de OKveira.
    Casa no ia\Hiiga
    Aluga-se por festa ou por anno uma oasa na
    anaJktoalMale, com sufflcieotes commodos para
    familia, e por preco muito raxoavel : quern a pre-
    eoder, dirija-se a rua Marquez do Herval, outr'o-
    n Concurdia n. 138.
    Attengdo
    0 abaixo assignado declara que uma procura-
    i;ao passada em 21 de ago6to do corrente anno,
    danlo poder ao Sr. Can.tido da Costa Dourado,
    foi somente para esTeito de tratar o mesrao senbor
    de uma quest ao uim contra o mesmo abaixo assig-
    nado moveu pelo jmco de paz da Boa Vista, Affon-
    so HonoralD Baatos ; pelo que desde 88 de agosto
    estao os poderes da mesma prucaracio extinctos,
    visto haver nesse dia dito Sr. Dourado saldado
    ontas coca o abaixo a^sigaado, como cui-ia do
    recibo por elle passado. Becife, 13 de outubro de
    1874.-Francisco Ant nio Teixeira Farias.
    . MANOEL ENE >INO R. ,
    Medico 0
    Consnltaa das 7 as 9 1)2 boras da ma- (
    nhaa W
    Cbamados a qualquer bora do dia ou ft
    da noite w
    Especialidade* molestias dos pulmSes 5
    _ e do eoracao. dft
    ** *000i
    Alugam-se
    hi a
    M
    liPERATRTl
    . 81
    l. ANDAR.J
    ;?".
    r rv



    Kl A
    DA
    IMl'EHATRIZ.
    I. 83
    i." ANDAR.
    m
    m
    Acabara de reformar o sen estabeleeimento, collocando-o nas melhores con-
    iic$5es possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e as Exmas. Sras. n'a-
    qnillo que for tendente & arte de cabelleireiro.
    Fazem-se cabelleiras Unto para botnens como para senhoras, tupete, chignon,
    coqnes modernissimos, trances, cacbepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tn-
    mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalbo imaginavel em cabello.
    0 estabeleeimento acba -se protido do que ha de melhor nos mercados estran-
    geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europe, as suas encommendas e figu-
    rinos de modas, e por isso pode vender 20 */o menos que outro qualquer, garantindo
    perfeicSo no trabalbo, agrade, sinceridade e prejo razoavel.
    Penteam senhoras, tanto no estabeleeimento como fora ; vende-se cabellos em
    porcio e a retalbo e todos os utensilios pertencentes a" arte de cabelleireiro.
    Boas casas de
    Poco da Panella ;
    Tasso.
    campo, na Cruz das Almes e
    a tratar com o commendador
    Aos fumantes
    Jose Antonio Domingues de Figueiredo, proprie-
    tary da fabrica de cigarros do becco Largo (Re
    cife), previne aos apreciad res dn sens cigarros,
    que aririo um deposiio a rua et>trt>ita do Rosario
    n 16 (Santo Antonio), esquina da rua das Laran
    geTas : abi encontrarao os senbores fumantes um
    gran Jo e bem escolhido sortimento de ponteiras
    para charutos e cigarros, cachimbos de muitissi-
    mas qu^lid des, bol^as, etc., etc., charutos de Ha-
    vana e da Bahia, de todas as qaalidades, e tambem
    dos raanufaclurados na proviocia, e cigarros de
    muilas qaalidades, tanto dos manufactnrados em
    sua fabrica, como n> Rio do Janeiro, e Manilha,
    tanto em grosso como a retalho, garantindo-se sin-
    ceridade, promptidao e agrado.
    Urgencia
    Precifa-se fallar com 6* Srs. Francisco Correia
    Lobo e Antonio Ezoupo de Lima, a oegocio de seu
    particular interesse, no pateo do Terco n 23, ar-
    mazem Conervalivo
    55
    Constructor e atiaaor de pianos
    -Rua do lmperador55
    Ex-afinador das antigas e afamadas casas Pleyel & Here, e antigo direc tordar
    fllcina da casa Alphonse Blondel.
    Tem a honra de declarer ao respeitavel publico desta cidade, que tem aberto
    sua casa de concertos e afinacdes de pianos, qualquer que seja o e.-tado do mstrumento.
    A' mesma casa acaba de receber um grande sortimento de pianos dos melho-
    res fabrlcantes de Pans, como Erard Pleyel, Henri HerzQ Alphonse Blondel] todos
    os pianos sahidos da oasa Dbibaut sao garautidos
    Compra-se e recebe-se em troca os pianos usados.
    Faz-se todo negocio
    com uma armacao de amarello, bem construida e
    feita com toda perfeicao, contendo pesos e balan-
    ca decimal : para ver, na rua Imperial n. 217
    ADVOGADO
    84CBAREL JOAQGIIGIMES DA
    VA HELLO.
    ESSENCI& CONCENTRADA
    DE
    PDNDIQAO DO BOWMAN
    RDA DO BRUM N. S2
    J (Passando .chafariz*
    I'KDKM AC'S senlmttfe chmismo o favor de fazer uma fisita a sen estabeleeimento, para vorem novo sortin: ..;
    to comp'eto que ahi tem ; sendo tudo superior cm quali-iado e lorlidao ; o que com a r$-
    truccSo pcssonl podc-se verificar.
    ESPECIAL ATTBN$0 AO NUMERO E LLCAR DE SU\ FUNDICAQ
    VaporeS e rodas d'agua dos mais modemos .yete*. em ternary, Mt;-
    venientes para as diversas ctrcumstancias dos senbores proprietarios e para ^eaxar i
    AiffOOaO*
    Moendas de canha de todos os tamani.os. H ***** Te ^ \;
    KOdaS dentadaS para aoimaes, agua e vapor.
    Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
    Alambiques e fundos de alambiques.
    MacniniSIDOS nara mandioea e algodSo, e para serr.i- ,. ( Podeodo U >,.
    T>nrnuQO e i c r.w .: a.jser rooTidos a i\
    DVWVd.fi de patente, garantidas........ j I
    Todas as machinas e PecaS de que se co-
    Faz qualquer concerto de macbini5 A' *""
    Formas de ferro lem 8S mdbores e
    T?t/--w-.w*^.^ ,1 r, r. <** baratas existentcs no mercaur
    JinCOmmendaS. Tncnmbe-so de m .
    clientes, lembrando-lbes a vantagem d f*n vir 1y'quer macbinismo a tc
    entendida, e que em qualquer necesiv WM as compras por mtcrmedio ,
    Arados americanos e ir ^|Ml ,hes pres,ar mnm'
    a jJtrsrtientos agric las.
    p IUA JBRUM N'5? -
    PASSA adq o CIIAF 4RIZ
    ) por agua, v
    .on animaes.
    a>
    >
    j*>, a preco mui resumido.
    ntalo : %
    de \**r*
    Premiada nas expo-
    sicdes de Pernambuco
    e Rio de Janeiro.
    KEDALHA DB PRATA.
    Pharmaceutico
    Pela Successor de
    *3 Run estrella Itosario 23
    primeiro andar.
    AUeoc-an
    Constando-me que o Sr. Antonio Julio Pereira
    luer veader ou Uypothecar a iieranca qua sua
    mulher tem no inveotano feito por fallecimeoto de
    sna mii, apressi-me emdeclarar que ninguem
    faca transaccao alga ma com o mesmo, sob pena
    de nullidade. Recife, IS de outubro de 1874.
    ______________B. A, Aruuxa. ______
    G abaixo as vender ao Sr. Manoel Jose 10s >antos Braga o seu
    estabeleeimento de molbalos sito a rua do Rosario
    da Boa-Vista u. 56, livre e deserabaragado de
    onus. Recife, 14 da outubro de 1874.
    _______ Jose Joaqoim Mtrques.
    Manoel Jos6 d >s S*aios, viudo de Maceid e
    tchando outro de igual nome, se assignara da hjje
    ;m diante Maaoel Jose dos Santos Craga. lu cife,
    14 de outuf.ro de 1874.
    Frotesto.
    MDRTIMENTO
    MEDK1INA
    Preparado poi
    Lanman & Keno
    para thisiaca
    toda a qualidadt
    de doencas, quer
    seja na garganta,
    peito ou bofes.
    Expressamentt
    escolhido dos me-
    lhores figadosdoi
    quaes se extrahe
    o oleo no banco
    da Terra Nova
    purificadocbimi-
    kcalmente, e sua?
    J valuaveis propri-
    "edades conserva-
    das com todo o
    cuidado, emtodr
    o frasco se garan-
    te p erf ett amen-
    tepuro.
    Este oleo ten
    sido submettido
    a um exame mui-
    to severo pelo
    chimico de mail
    talento, do go-
    verno hespanhol
    em Cuba e foi
    pronunciado poi
    eJJe a conter
    MAIOB POKgAO DIODINA
    do que outro qualquer oleo, que elle tem
    -xaminado
    IODINO EUM PODER SALVADOR.
    Km todo o oleo de figado de bacalhao, e na-
    quelle no qual contem a maior porcao dest*
    .nvaluavel propriedade, 6" o unico meio pan
    . urar todas as dv-emjas de
    6ARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
    Phtysica, bronchistes, asthma, catharrho.
    tosse, resfriamentos, etc.
    (Ins poucos frascos di carnes ao muito
    magro que seja, clarea a vista, e da" vigor
    a todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
    nhecido na medicina ou sciencia, da" tanto
    lutimento aosystema e incommodandoquasi
    riada o estomago.
    As peasoas cuja organisacJo tem sido dca-
    trnida pelas affeccdes das
    ESCROlTl'LAS 00 RHEUMATISMO
    e todas aquellw/ cuja digestao se acha com
    pleUxnente desarrasjada, devem tomar
    OOLEO DE FIGARO D BACALHAO
    O abaixo a*signado, fllho lepitimo da fioada D.
    Maria Gomes Coutinho do Amaral, sabendo que
    os ben- deixado por sua mai, dos qoaes e o uni'N)
    e legiiimo herdeiro, esia.i jostne para serein ven-
    didos pelo nullo testamenteiro Maniel J.uiz da
    Silva Guimaraes, previne que ninguem faca ne
    gocio com o sKlo e casas da Varzea nem com outro
    qualquer bem, visto como nao autorisou a nin-
    guem para vende las.
    Recife, 14 de outubro de 1874.
    Thomas de Aqoino Coutinho do Amaral.
    Quem precisar de caixeiro chegado ha poua
    co, ja com alguma pratica de taverna, dirija-se p
    rua do Rangel n. 67.
    AltiRa-se a casa da rua da Gadeia .Nova n.
    33, no viveiro do Muniz, com bom quintal e alu-
    guel commodo, torna-e boa por ser fresca : a
    tratar na rua do Nognaira n. 29.
    Escrava fugida.
    Josepha rusentou se da ca9a de sua senhora
    no dia 5 de outubro e tem os sigoaes seguintes :
    crioula, cor preta, representa ter 25 annos pouco
    mais ou menos, tem os dedos da mao direita
    cortados, levou o taboleiro em que andava ven-
    dendo cangica e continiia a andar coo o dito ta-
    boleiro com toda louca para nao ser agarrada,
    levou saia de chita com um babado estreito em-
    baixo, traja camisa com labiryntho no talho e le-
    vou chales preto: roga se as auteridades poli-
    ciaes ou capitaes de campo, a spprehensao da
    dita eserava e leva-la ao Caminho Novo, sitio n.
    110, a sua seohoia, eu na rua da Cacimba, pri-
    meiro andar. a eotregar ao Sr. Joao Francisco
    Leite, que sera gpnerosamente recompensado.
    ttusmao & Leal, estabelecidos com loja~de
    fazendas a rua Primeiro de Margo n. 14, fazera
    sclente ao publico e a seus freguezes, que se acham
    nagerencia di dito seu esUbelecimento, e naad-
    ministracao de todos os seus bens, esperando como
    .Jantes a concurrencia de um e de outro.
    Ro^a-se ao Sr. Jose
    Rufino de Souza Rangel,
    wrabelecido na Parahyba, e preseatempnte nesta
    cidade, o obsequio de apparecer na loja da praca
    da Iadependencia ns. 4 e 6, para concluir aquelle
    negocio que nao ignora. H
    Aluga se uma escrava para eogommar. e
    para o servico mteroo de urea casa de familia a
    iraur oa roa Duque de Caxiaa n. 53 Na me-ma
    easa tambem aluga-se um moleqae de 16 annos
    com muita pratica do servico domestico.
    Alagi-se o primeiro andar da rua estreita
    do Rosario n. 22: a fallar no patoo do Tarqt n. 13-
    Feilor
    Preeisa-se de um feitor jrira traUr de um pe-
    queno sibo : no hotel do povoado de Apipncoa.
    ARISTIDE SA1SSET E. J. SOUM
    Tratamento puramente vegetal verdadeiro puriflcador do sangue. sem mercurio.
    nw, a o-i!JP?*e,,c'* *^*tt** 6 pm.remedio hoje reconhecido como um poderoso deoura-
    iZ 2f* P"a. Cra rde todi"' a9 mo,e9lias 1ue teem a sua origem na impureza do sanaue
    Sos! SS^bESK STST* R,CBAT'CAS K ESCROFUIOSAS' WmmSi Emp^ens, Ja..'
    --i- Os prodigiosos effeitos que tem produzHo a Essencla de Carb, por toda narte
    t,w m^I 81<10 aPr?Prladame,ne experimenUda, a tem feito adoplar como um dos medicamTw-
    boahSea^ C ma'S enerB,cos Para a cura de *>*** as molestias de oatureza syphilitic* e
    A eada frasco acompanha uma instruccao para a maneira de nsar.
    Pomada anti-darifosa
    ktntra as sffeccoes cutaoeas, darthros, comiehSes, etc, etc.
    Ingueiilo de taroba
    Para cura das boubas, nlceras, cbagas antigas, etc.. etc.
    UNICAMENTE PREPARADO POR
    ROOOOATftOL IRMAUS, SUCCESSORES
    Btica Franceza
    22 Rua do Bom Jesus 22
    _______________ANTIGA RUA DA CRUZ )
    NJ A.Rua do Barao da Victoria.N. 4& A.
    LOJA DE JOIAS
    JOSE JOAQI'IH BIAS DO REGO.
    I to Him I j nA. i liqaidnfao e cnieinia! !
    C> proprietanc deste nov.. estabeleeimento atordido com o inesnerArfo mm* *nc ^-.
    sunsemoe- lodos os angulos desta gra-^de cidade, mm^^^^t^S^uS^JZJ^t qne
    e, receioso de ficar -OSIXHO, apezar de b-m avaliar um^Y^^^Z^^?. dejoia!';
    ferirj tonwn ainabalavel resolucao de QUEIMAR todas M8M?loffi?SmSSX^S dew'* aQ-
    se a grande cara^na, e, com eUa, segnir em roraaria para l SStLi m de ""^P-
    os sacrtfiiC^ ardeate-a9 **** **"rdam brilhantes o mom'ento do sacrificio-so fa/
    Istoposto espera-se,com justa raiao, uma grande concurrencia dos amantw que nao devem perder o ense o dese proverem de objectos taes e devro n^ ,i2i, .d* econ
    qne dapois de todas essas liq*iidacoes, com o novo awTaawi^ifl <*JS?? faze*
    tera pabfco aonde dellas ie poisa prover. ara se as i0lAS desla c,dade e M0
    Alis! Bellas!
    FWiiDICAO DE Ffmm
    * r^ do Bar^o do Triempho (roa d Brom \ t BS i00 a IM
    CARDOSO dc ISMiAO
    -rm.iJlISAM 80S KenbPr? ? enSenirs e oM agricult .res e ao publico em ,
    Sfff"11 IT?1r -e Il,8iaterra' Franca e America, todas r 3 ferrHagens e macfiina s ?.-;-
    -esMrias aos estabelecimentos agr.colas, as mais modomas e melhor obr8 ne ^^ ,
    to mercada '
    apores de forca de A, 6, 8 e 10 cavallos, os melho res que tem vindo m,., ,
    UajKleir&S de sobresalente pare vapores.
    foendaS iuteiraS emeias moendas. obra cm ouunca SQU| ^
    raixafl .tundidas ebaUdas,dosmeiLoreSfSb7.,caI1{..s a^OO e ]50 rs a
    libra
    KOdaS ^agU& com mhli^ie forro, fortes e, bem acabaH.,
    Kodas dentadas de todos os tamanhos 6 *>***
    Relogios e apitos rar8 Tapor5.
    Bombas de repucho.
    AdTadOS de diversas qnalidades.
    Pormas para assucar,grandes e ^uelias>
    Varanote deferro fundido, f,Ilce,as de mmm e 1)(irit. t
    Fogoes francezes p3ra lePha. carvao> Gbr8 'g>sl
    Ditos ditos para gM.
    Jarros de ferro fundido para ardin,
    Pes de ferro para mesa, bancc?
    Maohina para gelar egua.
    Valvulas para bomba e banhiro
    Correiasinglezas p,nuefc
    Baneos e sofas com tiras de raadeira> m
    OOncertOS *** co> promptidao qualquer obra on rnacbin* r ara o an, a. ,
    anCOmmendaS anda r por encommenda da Europa, quaJqaer mtchinian
    com um dos MdbJ^^^<^^^ ^JCKL'fSSi
    Htasmacbi.,s, e se resp.ns^^ *r a^n,r
    Rua do Barao do fcn*(fc Brum) ns. 100 a 104
    __________U flDIfA0 DE CARDOSO d IRMAO.
    N J(>1AS ATE FE-
    Aluga-se
    os armazens ns. bo e to. na praca do chafariz em
    mi de|/ortas, um oode teve teoda de ferreiro
    o fallectd> E. Mahult. O outro que esteve occa-
    pado com venda de raolbados, para o que 6 op
    timo pela localidade e ser de esquioa. ambos livres
    e desembaracados de impostos: a tratar com o com-
    mendador Tasso.
    2 CONSMIO *
    MEDICO-CIRURGICO m
    lUWAIHI DA ERYSIPELA
    DO
    Baeharel Manoel de Siqueira Cavaleaoli
    Depositos unioos.
    Rocba fir "Ua d Bar5 Viotoria (raa ") *0, caa do Sr.
    ftio de Janeiro : Corte, rua do Ouvidor, n. 7a
    Gratis aos Pobres.
    vireiro mum FuruRo
    Rua do Cabugd if. 5.
    **m
    U.KMAN dKEMP
    00 m
    a Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso I
    S_ PARTEIKO E OPERADOR *
    m*m* Vinconde d Albuqaer-
    qae n. 9.
    ESPKCIALIDADE
    Moieiiiai de tenhorai e
    meolnoi.
    Consnltas das 7 as 10 horas da ma
    nha, todos os dias. tm
    Da*aa8danoite,nMs6gnndas, quar- M
    Ua e sextaa-feiras. 'q M
    Os doentesque mandarem os sens cha- tt
    mados por escripto at 10 boras da ma- j
    nha serao visitados em suas casas. "
    Lindas popelinas de linho com salpicos e de listras
    assetinadas pelo baratissimopreco de 320 rs. ocovado: na
    rua Pnmeiro de Marco n. 13, loja das columnas, de
    Antonio Correia de Vasconcellos.
    Grande Liquid..cAi>
    Do Museo de Joias
    Rua do Cabugd n. 4
    to !mPrjante estabeleeimento, vende-se para acabar ate feve-
    reiro proximo futuro todas as joias do ouro, prata e brilbatS alii
    existentes, por precos ate hoje de^conhecidos, bem assim as remessas
    queforem^ cbegando da Europa, pelo^recVdas ZEZ
    TOLENTINO DE CARVALHO
    Rua do Cabuga n. 1 c
    redozido, como nao gSSttJSgZSEL"*" "
    DE SOL
    Grande Ltyuidatfo
    0 COLLAR D'OURO
    ma do Cabugd n: 3 A
    estabeteciZto ^Vtt&SfES^ "tt -
    grande abatimento de PrS Xod J'0"m *"' "^ ST
    Ihante-como tambem^et? MlASS.S: &
    da fabrica,
    f mmmmm mmmmmm **!vendem.o9 a fS| H, sendo estepreS me\Xdo STvalor '* mrtm e m,deira' e
    Grande Liquidacao
    Maooel Anlonio Goncalves
    Rua do Cabugd n. 3.
    Tendo rezolvido liqaidar no meoor tempo nossivel a i -ui-.
    Jec.mento, vende para acabar todas a. suas j>iM dHuro SaTft"
    lhantes. com enortre abatimento de precoV T li^'J^T\\t
    rem chegando da Europa, pelo preco daTSuras. ^^ ^ f"


    6
    flUiio --rtattMtoc'- ^Sexta iefea 16 de Outitbrc de 1874
    i

    Boamora'ilia.
    _-sc S'lftl) da estrada de Agua Fria n.
    ttvaeasa para namorusi familia e excellente
    io riacho Jacare. perto da estate do ca
    *ferro: a Iralar na 'Da Primeiro de Mar
    gpi S3.________________._________
    Cura instonlaea
    &aodiosa dfiscuberta III
    Xovida jta>poiiiliarj'i oe um calix do superior vinb .
    jaWaOSO que se veade no i andar do sobrado
    a. 9V, a rua da Cruz, tern a propriedade de sobs-
    Itmm n. grande vantagcm e cxtraor-iinaria ceo-
    mn,*9 dcporativos too apregoados e conheci
    da* pa talr.a e caroba, etc. 0 mediramento qae
    jHnpaBH*, na > cura lodas a* molestias como
    smtfe as panareias que se aoDUDciam, acompa-
    aa*4a tfeattpsia Ids ; ludaTia. restabelece imme-
    aamiun'e as f rcas, e pur ilka o sangue, sem a
    Ipampm de ser nocrvo a saude.
    Stiohos e dormida fresca no
    Monteiro.
    AJja-sf alii duas casas pequenas, tendo cada
    tax, teas sala*, tres quartos e eozinha a tra-
    taraa rua Nova, Inja n. 7._______
    lm novo rival!
    $ uma cidade tao populosa como a nossa, e
    SrafSi> in^ufTleien'.e a existen ia de urn uoico
    scim-nto no genero daqueke que se dano-
    - Gonfi itaria do Campos.
    If -..>te o motivo porque acaba de -Lrir-se a
    mHCirtnpia puhlica no bairro do Hecife a rua
    4 Cacamercio n. 22, uma casa commoda e de-
    Ml^nb o lilulu de Assemblea do Commercio
    nadfe.o rospeiuvel publico encontnra sempre
    ^a? aTecisar, o neeessario para :
    # -nsamento.
    Uma soirep.
    Urn baptisade e
    Cm lancbe.
    Sb tarabero :
    I-iwsxSe varieda le de bebidas linas.
    'jisaJeto sn'rtimento de doces para embarques. .
    ftjiaih.3 sortidos e fructas de delicado tabor.
    J&aAijas eapnch-samenle preparadas
    Am&fes e ianche a qnal |uer hjra.
    >Fak com esmerado 3Ccio, presteza e precos eqni-
    adasav.
    22 Ru- do Cnmmercio 22
    .-Meira A Lima
    _________AssembWa do Commereio.________
    f&RAVO FUlilDO
    ftgi do eagcnho A'alaya. na freguezia de Se-
    staacray no anno de 1863, o escravo Francisco,
    to, com 18 a 18 annos de idade, pouco mail
    ur nr-309, *ltnra e corpo. regulares. olhos'rasos e
    WSKS, cur iem !^ra, cabelios hons, denies per*
    hit&s, aariz afiiado e curio, feicno bonila, sam
    iKi;>, muito m >d> rado. pes seeeas e bem feitos.
    ' 5i> e?fr; BjaSaatos Pjntual, senior do engenho Cabeca de
    Stow, sompradn ao cufre'tjr Oliveira, morador
    V> ecife.
    fagio do engenbo Ajud ute, .na fresuezia da
    'f.'irs'Jj, ao anno de i8v2, o escravo Guilherme,
    em ^s signaes >egniates: pardo, com 25 annos
    %t idadt), pone inais ou menns, altura c corpo
    ofsbri-s, cabell if cacheados, olbos grandes, rosto
    maipid, cm :lguns signaes de barb.i, nariz
    rKa-ji-i'l" e Uffl [auto arqnerda, d(iiles poneitos ;
    %m anas sardas pelo resto, e faz movinienin no
    .-;. na:'do amia, e na cccasiao de cumnrrncn-
    "i alguna pessoa, le a o chapeo por cioia da
    v para a reiagnard?, e niuilo slpgre e diver-
    Ha- e (jne esteja ca cidadt da Fwra-
    . ou '.!!! Nazareth. Por laoto, rc-ga se as
    les p"liciaes c aos eapities de ramno a
    :;? bensaVi dos dilng e-cravos e serem entr-'gUHS
    t : senhor, Emilio Pereira de Aranjo, m n>fe.
    ' ,o m li:.". i paga d i :}i Oii'OO
    ; : -. :!!. N B. 0 escravo Gailhercoe tern
    ' a 9 bre ana sobrancelha.
    scravo f ugido
    .( v iano ansenlna se di rasa de sea nhnr no
    ':'. .on! ns signaes seguinti-s
    rl in. r presen a i.r 35 annos do idade,
    : na is i n mcjius, tem algomas sa'da- ou
    -no r pe< grandes e calcaobares r>-
    ' .' is eucolhidos, tambem tern uma ci
    lias provenieote dn uma imeimndn-
    .i:.- igual -::i uma das pernas : roga seas
    . ,'j riiiad .. nn ieiaes e aos Srs capitat-s de cmpo
    -vii remo le lo ;i raa do R u
    - ?. ii>. 1 andar, quo serio gcr.eros.'imoote
    ad i-
    d uaia sonhora de idade, para
    : s la le uma easa de um homem viavo,
    ; : a iralar no c;.es do Ramus n.
    . : lao, das 9 h ras da mauha as
    ! tard
    A:;:w\ : ihmCipibarifie
    llDga so a casa deocminada da Can.-iisiula,
    [ > do \i-! i no lagar d i M mieiro, freguetfa,
    i ila i ;i'i' ila, optima para se pa-sura frsta
    li! 'edos ban!i".s. a qinl se arba caia-
    . [ ,i.ii -i '. a Iralar na raa do lm erador u. 37,
    Dividas da massa falli ia de
    Thomaz Fernandes da Cu-
    oha & 0
    kai dos Santos Oiiveira, arrematante das mes-
    peevine .. devedu es da dila massa falliJa,
    qqe i!.ri i pagar m utt- IS do correntp, se-
    :M M'ii- nome, e enlregne a sen pro
    Ticf'r pi r< m cobra las judicial: pagar a
    - Stoqae de nx {recisa-sed- um caixeiro de li a 16 : pjraliea de tavrrn?i e '|ue do Qador a saa con-
    '. : na "i 11.|*-r a n. Ifi"
    Fiilnlas Catharticas
    If.
    de Ayei
    Para todos os effeitos Ay
    um remedio laxaoto.
    Antonio de Azevedo YittariC4).
    I'elo present? sao convidados os afilhacto:- e afi-
    Ih .da* de Antonio de Azivedo Viliaroueo, falle
    cido em Portugal no mez de i.utubro de 1873, a
    apresenlarem dentro do prazo de 60 dla a con
    tar de-ta data, a certidao da sea nascimento, em
    casa do abaixo assignado, ieslamenteiro instiiuido
    pelo dito fallecido, arlm de que sejara devidamente
    attendidos na partilba a qne tern de proceder-se
    com a precisa igoaldade, de accordo com a d>spo-
    sicao testamentaria. Recife, id de setembro de
    1874.Man el Azevedo de Andrade.
    Exmas. noivas.
    Chamanos a vossa atitncao para o novo esta-
    belecimento qae acaba de abrir-se a rua do Com-
    mercio n. 12, denorainado ASSEMBLEA DO
    CoMMER'IlO onde se oreparam nca* bandejas
    com grande variedade de bulinhos caprichosa-
    mente enfeitados, tambem se apromptam bou-
    quets.
    Assemblea do Commercio
    Meira ft Lima
    22 Rua do Commercio 22
    Frecisa-se
    alugar uma escrava para vender na raa
    na rua do Cabuga n. 3, 2* andar.
    a tratar
    HOTEL
    Restaurant de Bordeaux:
    Aberto to da a noite, dos dkts de especta-
    culo da compauhia italiana.
    Escravos fugidos
    Continnam a estar fugidos desde o anno de
    1870, os escravos segointes : Francisco, crionloi
    com 28 annos de idade, pouco mats ou menos,
    altura e corpo regalares, olbos grandei e wabeosj
    denies perfeilos, cabelios carapinbados, nma ci-
    atriz por cima do olbo esquerdo, barba a Cava-
    nhac, muito conversador e risonho. Antonio, ca-i
    bra, com 2S annos de idade, pouco mais ou me-
    nos, alto, secco, olhos grandes e vermelhos, ca-
    belios um tf-nto soltos, poaca barba, denies per-
    feitos, pes coropridos e seccos ; ambos foram com-
    prados ao barao de Nazareth. Des:onfia-se qne
    os oikM escravos estao occultos na comarca de
    Pajeii de Fres, ou no Rio de S. Francisco. Ro^
    g -se, portanto, as autaridad^s policiaes e. aos ca^
    pitaes de campo a capture dos mesmos escravos,
    e serem entteguesa s-u seu sejAcr, Emilio Perei-
    ra de Araujo, no engenho A|u'djnte, na fregue-
    zia da Escada de qnem terao a paga de 300/000
    por cada nm._______
    Porto & Bastos, a praca dj Independencia n.
    39. acabam de receber pelo ul imo vapor, lindis-
    simas ^ap^llas mortnarias com diversas inscrip-
    cSes prop ias para tumulos e catacumoas, as
    qaaes ypn.iem por prec s muito modico.
    America* .\iiium Correia.
    D. Candida Varia das Neves Cor
    reia, manda crlebrar missas as 7
    boras da manha de sabbado, 17 do
    -orrente. na igreja da Madre de
    Deus, por alma de seu presa jo es
    posi-, Americo Nunes Correia, fal
    eckiu <-m Li>L6a n > dia 2.*i de ^etembro, e para
    es?e acf; de c^ridade e rtijgiao, convida a todos os
    parentes e amigos, sens e do finadi^; peli que fi-
    car-lbes-ha summamente graia.
    0 padre E tanislao Ferreira de
    Carvalbo, no dia 19 do eorrente,
    setimo da notieia da morte, as 7
    hsras e meia da manha, celebra
    na igreja do convento de S. Fran
    cis-o desta cidade uma missa em
    suffragio da alma do coramendador
    Joaquim Patriota Paes Barreto, fallecido > 6 des'.e
    mez na cidade de Caruani ; e convida aos paren-
    tes e amigos do dito finado, para assistirem a es-
    se acto de piedade ch istS.
    Carlos Alrhorne
    Maria Candida de Miranda Al-
    chorne e Jesuino de Miranda, sen-
    lidissimos da morte de seu marido
    e cunhado, Carlos Alchorne, convi
    dam : os seus parentes e amigos e
    a's do fallecido, para ouvirem as
    mbsaa, que por su'alma fazem ce-
    lebrar na igreja da Gloria, as 7 horas do dia 21
    do ciirrente, trige-inio do sea passamento.
    Dr. tla<-inlho Pereira do Refjo
    A viuva, os pais,!sogra, os irmaos e
    cunhalos do Or. Jacintlio Pereira do
    Rpgo, de saudosissima memorla,
    preteiidem comm"morar o primeiro
    anniversario do seu infansto pas-
    sam-nto, no dia sengundafeira ( 19
    d t eorrente) fazendo celebrar missas
    pelo elerno rppouso de sua alma na igreja do
    cenvento de S. Francisco, pelas 8 horas da ma-
    nha ; e para esse Gm rogam encarecidamente
    lodas as pessoas de sua amisade e do foro que se
    diffnem d i prestar sua honrosa assistencia a esses
    actos de caridade religiosa : pelo que se confes-
    sam dc;de ja summamente gratos.
    llissa fiinebre
    A imperial sociedade dos Ailislas Mechanicos e
    Liboraes mania celebrar uma mi sa pelo reponso
    et.rno do seu fallecido socio honorario Paulo Jose
    Gomes, no dia 17 do correate, pelas 7 hirasda
    mantaS, na igreja d N. S. do Carmo ; e para as
    sistir a este acto religioso, convida os membros da
    mesma sociedade, a incons lavel esposa e !ilho do
    finado. e ans parpnt^n a amizos dstfl.
    Aluga-se 2 casas mnito froscas, na Capu.ga,
    com commodos para familia : a tralar no mesmo
    .ugar a rua das Cri ulas n. 5.
    Aluga-se
    o primeiro andar com grandes commodos e sotao
    do sobrado sito na rua do Hospicio n. 65, junta-
    mente a loja : a tratar na rua do Yigario a. 31.
    Attenqao.
    Lava se e engomma-se com perfeicao, por me
    nos preco : a rua do Caju n. 1't.________._____
    Para alugar
    Na rua da Alegria n. 3, aluga-se um moleque
    com 20 annos de idade.
    "GASADO OURO
    N5o ha segnramente, um
    fpmedio tarn universalmenta
    procurado como um cathar-
    tico on purgante, e nenhura
    outro tern sido tao ttsado era
    taepaiKs epor todas as classes, como estas wizf.
    as mas efficazes. A rez&o 6 evidente, formao
    > muito mais certo e efficaz que nenbum outro.
    > que o* tpem ensaiado sabera qne se teem curado
    9so, os que nao os eusaiatio sabctu que seus amigos
    i 3e teem enrado, e todos conhecem que-o resultado
    tpz, se tirnni todas asVezes, e qUe as PIZLXT-
    r ncT.ca falliao por ccosnqnencia de erro ou negligencia
    ^?>aci oomposi^ao.
    S** "i'hares sobre milhares de ceilificados referentes ne
    *oa. euras qne hao i-floctnaHo estas pillulas, nas molcs-
    '!! era seguida mencionamos, porem sendo taes euras
    **:!-...:> rmtodaa paneaonde teem penetrado, des neoes- mOB #!WIUjJUUO
    M*i#?nbIi(-al^)eaqui. Adtptadas a todas as idades 6 k h"11..i n-J^nf-it! J r r,
    Wfc sondicoes, m todte is climas, nio conteudo calom- Olllie tCS ^arantldOS
    *bto scti outra qnntquer droga dekteria, ellas podem ser ,
    pr quaiquer pessoa com to* soguranc*. Sua Rua do Barao da Victoria [outr ora Nova
    np* *awucar as conserra sempre frescas, e as toma gOsto- | on rnvn (in rnxtum?
    wx. jttfadar sendo tamlm purameule vegetaes, nio no- n* 30? 6, CaS\ COSl^me
    ^tKBitar effeitos projudietaes se por acn-o forcm tomadrj 0 abaixo assignado acaba de vender nos sen;
    nuito felizes bith'etes a sorte de 4:000*000 em
    mei) bilhele de n. 3,067, alem de outras sortes
    menores de 40*000 e 204000 da loteria que se
    acabou de axtrahir (120=) ; convida aos possuido-
    res a virem receber, que promptamente seiio
    pagos.
    0 mesmo abaixo assignado convida ao respeiu
    el publico para "vir ao seu estabelecimento eom
    i>rar os muito felizes bilhetes,que nab deixarao de
    irir quaiquer jremio, como prova pelos mejmcs
    acnoncios I ,
    Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga
    -aniidos da 3* parte da loteria a teeneflcio da
    igreja matriz de Af'gadoi, que se tfxwahira no dia
    21 do eorrente mez.
    -Prefoii
    tutdiro 4*0On
    Meio 2*000
    ~ 1*ssr T^,m-
    Meio 1*750
    > Recife, 11 de'-gntubro de 18"4.
    ' wgo Joaquim da Co/la Leitt
    'Alilga-6e , nao
    pre-judlciaes se por acn-o forcm tomadrj ,
    <|r* doomasiada. O -papel que serve do coberta para '
    . 'tjr- leva dirccrws mixraciosas com relacao as secuiii- !
    .-. ;Mteua que as PIX.I.UI.A8 CATBABT1CAB rapi- |
    auxao. Para a Dvsp*p,Ut on HuHgatSo, DU- \
    . Languldez, Fatta de Appetite, devem ser :
    I era dose modprada a fim de cstimular o estomago e
    rr suus funccaos saudaveis.
    Itoeneas do Figado' suas diversas sjTnptoraai
    _i BUtotat, Dor e' Ohbeca, Ilerhto, Cot-
    , e Ithr.n BiHotat, devem se tomar tambem
    amfamifcmiente em cado caso, para-correger a aofab victada
    n uaaioiei o obstaculos que a causao.
    * Itymenteria 4xr IHtnrhea, 6 geratmente b as tame
    uibduepequena. ,
    * Khrnmatinno, Gotta, Mrreios, PolpitaeSo do
    !>, Dorot nom Utuiramm on oottm*. devem ser
    *n** confinuadanMnte; ifcfalterar a,*Wo dos orgaos
    *nBBWoe,^lbW^:Brtoles-dlpVreca.
    **" a Vgdroptmia a Inehmefei J&1*rop\etu, t preciso
    frMuentemente e .em.porc6 assas grandes para
    r oeSeito de um purgativo drastico. Cozno IHyes-
    i o jantar ou c omiaa, toma-se urn on duns para
    r a drgestio e ajudar o ostomago. TJma ou duals tp-
    i it e em quando, estimulao oa estomago a pbrar sfui-
    teente.
    %n*juer qae se acha nBJru|eate bom, tomando wrAa
    "TO d*estas pillulas se achari, muitas vezes. decidida-
    ' mubor, por raiao que ellas putlficam e rbtUurao -
    i digestivo.
    MU*jaADA3 toil
    VawiiWt se por
    Jo da raa dot
    Yigario : a tratar
    tua -Ja Praia n, 20.
    Burgos n. ll/par 6>tfii da rua do
    tar com Jo^e Flicmor Nazareth,
    PENH0K1
    ' Na travessa da rua
    das Crazes n. 2, pri-
    meiro andar, da-se
    dinheiro sobre pe-
    nhores de ouro, pra-
    ta e brilhantes, seja
    qual for a quantia.
    Na mesma casa
    compra-se os mes-
    mos metaesepedras.
    Esta encburacado 11!
    Agua mole em peilra tiara
    ,;I*n0 d ,!,* .oe a flara. ,
    Roga-se ao mm. Sr. Igpacio Vte.u-a de Mall
    jscrivao na cidade de Nazareth desta provfneia,
    favor de vir j rua Duque de Caxias n. 36, a con-
    cluir aquelle ne^ocio que S. S. se comprometteu a
    realisar, pela wrfttra chamada deste jornal, em
    fins de dezeriftrj & ;i87l, a depois par* Janeiro,
    passou a feveYegofibril de IS?^^**!!* cumprio;
    por este"inotfv61ev'de novo chamado para d
    dm, poi3 S. S. serovb rehabrar qite fete negoci
    de mais de oito annos, e quando o Sr. aeu filho
    achava nesta cidade.
    ALUGA=SE

    uma grande cssa terua com bastantes commodos
    sita na estrada do Lucas : a tratar na rna do Vi-
    gario n. 31._________________________
    Precisa-ie de uma uma para
    cazinhar : na fabrics a vapjr
    de cigarros, a rua larga do Ro-
    sario n. 21.
    A ma
    AMA
    Para comprar e c zinhai :
    a tratar a rua Nova n. 12.
    loja.
    AM A
    Precisa-?e de uma ama para
    engommar e ensaboar : a rua da
    Concordia n. 43.
    a vyiQ Precisa se de nma ma forraou escra-
    xi.iii va para cas, de familia : a tratar na rna
    de Hortas n. 15
    Ama
    Precisa-se de uma ama para engom-
    mar : na rua do 3arao da Victoria n 22
    Precisa-se de nma ama para cozi
    nhar : na iravefsa do Corp-J Santo n.
    25, arnazem.
    Ama
    AMA
    ro 16-
    aHa
    Precisa-se de uma ama que saiba
    cozinuar : na riia do Hospicio nnme
    Precisa-se de nma, livre ou captiva ;
    a tratar na rua'da Uniao n. 47.
    Cathatina fugio.
    No dia 28 de agoslo proximo passado. ausen-
    tou-se esta escrava, a qnal tem os signaes seguin-
    tes : estatura baix3, rosto redondo, c6r preu, pes
    peqnenos, costumava vender leite, anda sempre
    com um cacete que lbe serve de ammo por sof-
    frer de rbenmatismo, ja e idosa e de nacao Cam-
    binda : qnem e encontrar, pegue-a e leve-a ao sitio
    do CafunJo, estrada de Joao do Barros. que sera
    gratiflcado._________________________________
    Escravo fugido
    Acha-se fugido o escravo (cabra) Jose, tendo os
    signaes seguintes : pernas arqueadas, falta de
    dentes na frente, fugio eom'calca de casemira de
    listra e camisa de algodao; snppde-se ter ido para
    o engenho Carrapito, na comarca do Rio Formoso,
    oade ja foi preso uma vez: roga-se as actor ida-
    des policiaes e capiiaes de campo a saa apprehen-
    sao, remetter a rua D. Maria Cesar, ontr'o-
    ra Senzala nova, n. 30.
    * if l Preciia-se de uma ama que co
    \ |M \ zinhe e compre: na rna da Concordia
    10.

    Ama de Mte
    (Juem precisar de nma ama de leite, dirija-se
    a rua das Cidco Pontas n. 122, que achara com
    qnem tratar.
    JlMA
    Jereee-se uma p*essoa para ama
    de ?a^a de familia, 'preferindo ser
    para cozinhar : a tralar na rua larva do Rosario
    n. 22, 3* andar. ____________
    Nos abaixo assignados, untcos "membros da
    flrma D. P. Wild k C, declaramos que a datar dt-
    15 de setembro dc 1874, se acha dissolvida mi-
    1 gavelmente a sociedade que entre nos existia, ti-
    cindb todo b^ctfvo e passivo da dita firma a cargo
    e responsabilidadd nnica e exclusiva do socio Da-
    niel Pancraz Wild.
    D. P. Wild.
    Albert Kienzler.
    E. A. DELOUCHE
    24--Roa doMarquezdcO.ii.du-2'.
    Esqalna do lieeco Largo
    Participa a seus freguezes e amigos que mudou
    o seu estabelecimento de relojoeiro para a mesma
    rua n. 24, onde eneontrarao um grande sortimento
    de relogios de pare'de, americarjos, e cima de me-
    sa, dos melhores gostos e qualfdades, Relogios dt
    algibeira, de todasasqualida.es, patente suisso,
    de ouro e prata doUrada, foleado (plaqui't), relo-
    gios de onro, inglez, descuberto, dtis melhores
    rabricantes, cadeia de ouro, plaquet e prata, ranetas
    detod?s asqualidaaes, tuaopor prepos touitoba-
    ratos.
    O Monte Lima
    tem um eompleto sortimento de galao e franja de
    ouro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
    abotoaduras douradas para offlciaes, c: enfeites para bordado. Tambem se enr irrega de
    todo e quaiquer fardamento, como seja booets,
    talins, pastas, espadas, dragonas, eharlateiras, ban-
    das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
    etc.; assim como um eompleto sortimento da
    ranjas, jallo falso para ornaroento, cordao de U
    com borla_ para quadros e espelbos (conforme o
    gosto da encommenda) tudo por muito menos
    preco que em outra quaiquer parte : na praca da
    Independencia n. 17, junto a Iota do Sr. Arantes.
    Aluga-se ou vende-se uma grande casa tawea,
    em Olinda, propria para grande familia ; tern gaz
    e agna encanada, sita a rua do Aljnbe n. 31 : a
    tratar na rua da Imperatriz n. 86. 1." andar.
    Aluga-se por anno ou fesla o sobrado de dous
    andares nosQuatro Cantos, e.u Olinda, com com-
    modos para grande familia, agna encanalisada e
    cano para despejo, muito fresea, perto do banho e
    das estacoes : a tratar na rua da Uniao (llha dos
    Ratos) n. S3, detraa do Gymnasio.______________
    Aluga se a casa b. 34, na Capunga, rua da
    Ventura ; o 2 andar da casa n. 3, rua da Peoba ;
    o pavimento terreo da casa n. 41, rua do RaDgel :
    a tratar com o proprietario, no 2* andar Uesla ul
    tima casa.
    An* nso Jose de Oliveira, professor ju-
    bilado da cadeirade geographia e his-
    toria do e^-liceu de^ta cidade, tem de
    novo aberto, seu collegio de mstrucc^ao
    primaria e secunlaria na rna da Impe-
    ratriz n. 18, onJe coutiuua a receber
    alumnos intemos, externos e meio pen-
    sionistas.
    Casa para ahigar, em Olinda.
    Aluga se uma casa terrea, na rua da Bica de
    S. Pedro n. 8 : a tratar no Recife, travessa do
    Corpo Santo n. 27, armazem de fazendas.
    Escravo fugido.
    Fugio do engei.ho Ajudante, na freguezia da
    Eseada, bo mez de junho do eorrente anno, o
    escravo Martinho, de cor prcta, com 22 annos
    de idade, pouco mais oil menos, altura e corpo
    regula'res, olhos grandes e bnnnos, com principio
    de barba, dentes pprfeitos, cabelios caiapinhados,
    pes grosos e compridos ; anda um pouco decli
    nado para frente, com a vista Crnada para o
    jhao ; e muito canlador e official de carreiro.
    Desconfla-se que 0 dito escravo esta occufto em
    terras do engenho Para, ca freguezia de Ipojuca,
    pelo que, incorrera nas pcaas da lei, quera o tiver
    occnlto. Roga se as autoridades policiaes e aos
    capiiaes de campo a captura do dito escravo, e
    ser entregue a seu -enhor, Emilio Pereira de
    Araujo, no referido engenho, de quem terao
    a paga de aOjOOO.____________________
    -~ Aluga-se o2 andar e sotao do sobrado
    da rua do Rangel n. 73, todofeconstruido e
    asseindo, com bastantes cotnm )dos, eseada
    independente do !. andar, e bem assim o
    quintal; sendo muito fresco e com excel-
    lente vista para a nova pracu do mercado :
    para ver as chaves, estao uo estabelecimen-
    to de molhados do mesmo predio, e para
    tratar na tbesouraria das lotorias com Anto-
    tonio Jose Bodrigues de Souza (seu pro-
    pri-tario.)
    Na estrada de Juao de Barros coufronie a
    capellinha, ataga-se o grande sitio n. 21, com mil
    palmos de frenie e 2 e tanto de fundo ; uma ex-
    cellente casa com 4 grandes "salas, 8 quartos, co
    zlnba fora e quarto separado para despensa, um
    grande terraeo sobre columns- e gradeamento de
    ferro, estribaria para 4 cavallos, casas para cria-
    d s e escravos, 2 cacimbas com excellente agua
    para beber e lavar roupa, boa c sa de campo,
    grande numerode arvoredos de diversas qualida-
    des de fructas: qnem pretender, dirija-se ao mes-
    mo sitio, das 6 as 8 da manha ou das 3 l|2 da tar-
    de em diaote.
    Precisa se alugar uma prela, preto ou mole.
    beu:narrra de ChrlstovSo Cofomho n.3, !. andaro
    Precisa-se
    de um socio que entre cojt> um conto de reis ou
    mais, para um negocio de mnito interesse, quo
    saiba ler e contar, para fora da pr ca : a tratar
    na villa do Cabo, rua do Conde d'Ru c. 18.
    Carros de luxo.
    r.E' ioqneslionavel que a cocbeira da rua do Bom
    Jesus n. 15, de Joaquim Paes Pereira da Silva, e
    a que tem as melhores berlindas, ealeehes, meias
    caleebes e Victorias de luxo, proprias para qual
    quer noivado, visita de etiqueta, bailes, e actos
    da academia, sendo os mesmos ajaezados de ex-
    cellentes parelhas de animaes, arreios luxosos e
    bolieiros com fard^mentat do ultimo gosto, para
    o que se convida ao publico a vir por si mesmo
    seientificar-se d& verdade do que deixamos dito,
    certos de que nao eneontrarao pomada e sim rea-
    hdade, e commodos precis
    letnm. proprtos
    Com 400 e 500 palmos de
    fundo
    A SOU e 19 o pa Imo
    Contlntia a retalhar se s grandes terrenos que
    circundam a estagao da Boa Viagem.
    A boa-posirao e vantagens gihntidas pelo go
    verno e pela corapanhia da estrada de ferro a
    .uem edificar proximo a esta estaf&o, slo bem
    conhecidas.
    Em todos os domingos e dias santos podem os
    pretendentes dirig.r se a mesma estar ao, que acha
    rao pe-soa habihtada para lazer as competentes
    demarcacpes. ,,
    Para nao 'ficarem prejudicadas, sab rogadas to-
    das aqnellas pessoas que pneommeadaram Mr re -
    nos, a virem quanto antes tomar po.-se definttiva
    de seus loles.
    BEBERIBJE.
    Aluga-so uma boa casa com commodos para
    familia, tendo o sitio diyersos arvoredos de fruc-
    te, leMmia a-'idsa'piBiada e: reparada e bovo:
    >_t.r.a,tar a ro da CadeJa n> jO. .____________ .
    Para, am aeSaao
    Htcebe-se encortittendas de ca'jJellas fara este
    dia. feitas com flores natnraes, rosas, cravos, saq-i
    dades, perpetuas e sempre-vivas ; trabalho 'este
    que deve agradar muito rnais que as de conus : a-
    pessoa que precisar, _eve mandar a rua da Cruz
    n. 11, armazem. ,
    Baixa de capfm.
    t
    *;*'\WWW* m*
    Uma prela de 30 annos, )ue eozinha e in-
    gomma bem, precisa da quantia de 4504 para
    sna hberdaide, ermlratando seus servicos ccm a
    pessda qae queira fazer este negocio a pagamen-
    to da dita quantia, no pateo de S. Pedro n. 2G,
    na mesma. casa vende-se 2 escravas que cozinham
    e engommam, uma d>-llas por GOO*
    L4ttenQao
    j.
    Fugio ao dii 7 de setembro o escravo do abai
    xo assiguado, com os signaes seguinles: Egidio,
    cabra, idade de 20 anoos, cabelios carapi"hos,
    olhos abolicados, altura regular, ros'o um tant
    chupado, beicos grosses, bocca regular e um
    tanto bicudo, cabeca pequena, orelhas regulares,
    braeos, a mesma cousa, ptrnas reguhres, lendo
    a esquerda e o p6 inchado, por Ihe dar erysipela,
    aariz regular, e bom Irabalhador de olaria. e
    tambem e boleeiro, 6 natural desta cidade do Ro-
    eife, e foi comprado ao ex-sapit4o do p^rto d--sta
    provincia, Jose Joaqira da Silva Jawpies : roga o
    abaixo as-ignado as autoridades policiaes e ca-
    piiaes de campo e de navios, a sua captura e le-
    varem-no a povoaeSo dos Afogados, que serao ge-
    nerosamenle reeompensados.
    Jose Buarque LCisboa.
    Traspasse de loja.
    Traspass.vse a loja da rua da Imoeratriz n. 18,
    com armacao e catidieiros a gaz, tUdo em perfeito
    estado, tendo tirabem commodidades para famiila:
    a localidado e excellente por ser do lado preferido
    para negocio, e trispassa-se por 300$ : a tratar
    na mesma.
    COMPRAS.
    ATTENCAO
    Precisa-se comprar 4
    portas delouro-de 10 pal-
    mos de altura: nesta typo-
    graphia se dira.
    ana casa na villa de Barrwrw, na rua do Own
    Mf eio, por preco oiodico : a tratarl
    Irtnios & C. ^. I
    Precisa-se comprar um escravo de meia
    idade, que entenda de horta: ao largo do Corpo
    Santo n. 4, armazem.___________
    Apolices da companhia de Beberibe
    Compra-se Ipolices da companhia de Beberibe :
    na rua Primeiro de Marco n. 19.
    (Jfferecese uma mother para casa de bo-
    mem solte-iro, qae faz todos os servicos de cozinh
    eom perfeicao : na rna da Senzalla Velba n. 1
    V5NDAS.
    LEIS PRQVINCIAES.
    Vende-se no 1. andar desta typographia,
    em m3o do administrado, Colleec{5es de
    Leis Provinciaes a 500 rs. o exemplar de
    cada anno.
    A Verdade
    Vende-se duas colleccSes deste periodiro, enca-
    dernadas em dous volumes, de 187? e 1873 ; atra-
    tar no 1* andar desta ^typographia.____________
    A 120 rs. o covado.
    Na rUa da Imperatriz n. GO, vende se para aca-
    J'ar ami grande quantidade de las, restos de di-
    >ersos sortimeetos, desde 120 rs. ate 500 rs.; no-
    tando-se que, quando bavia sortimentos comple-
    tos, se vendiam a r^280 e I 600 o covado, ha
    grande vari-dade em padroes, os qne primeiro
    chegarem mellior peclfncha fafac, a el la a rua de
    Imperatriz n. GO.
    Grande Ikmidacao.
    de miudezas e chapeos: no novo Bazar, rua do
    M.-.rque/. de Olinda n. 53.
    LIQUIDACAO
    NA
    Loja de fazendas
    DA
    Rua do Crespo n. 20.
    Las de cores raiudas mnito boas para roupa d
    meninas a 100 e 200 rs. o covado.
    La pretas, superior, a 400 rs. o covado.
    Alpacas de cores finas a 320 e 3*0 rs. o eovadc
    So se vendo.
    DiUs com Uitras abertas.'firedda fina, a ftOO- n. <
    covado.
    Chitas de o3res a 240 e 280 rs. o covado.
    Metins de cores miudas a 2bX) rs. o covado.
    Cretones, o raelhorrrae tem vfndo ao dfereaJc a
    400 e 440 rs. o covado.
    Cambraiis braocs, boTdadas e 'atoertas, faaeafl.
    mais Qda que tern vtedo ao mercado, e faxeafe
    de 2-*090 o metro, por 'fflOb a tara ; e pa
    enmcha.
    Ditas pretas om (lores miudas a %00 rs. o eora'd:
    Canibrait tratlsttareute^ na, a 3# a peea.
    Dita Victoria, mn, a 41000 a peca.
    Organdy de assento;bmen m eotes, ccm <
    res miudss de seda e de H, a WO rs. o cotad-
    E' pecUincha.
    Cortes- de casemira de cores modernas a 5*300
    corte ; e fazenla de 6|. E' pecbineha.
    Camisas de linho finas, lisas, a 35| a duzia, e fa
    zenda de 53*.
    Brim branco de linho a 11400 a tiara.
    Dito Angola, verdadeiro, a 000 rs. o eovadc.
    Madapolao frances verdadeiro, 24 jardas, a 6#
    7>apeea.
    Algodae T, fatgo e superior, a 5< a pea.
    Gorgorlo preto de seda para vestido e part eeUew
    a 3f o covado
    Toalbas alcocboadas a 4*500 a dotia
    Colcbas grandes a 3*500 uma.
    Cobertas de gangs, iorradas, a 3*.
    Lencoes de bram'ante a 2* am.
    Lencos de linho, abainhados e em eautiaaas
    31500 a duzia.
    Ditos de caca de cores abainhados a 3#M0 a de
    zia.
    E outros mnitos artigos qne se vende par tM
    nos do qae outra quaiquer parte e para ae >-
    So na lorem queiram mandar ver as araostras
    enganaja de
    (iui!l.erme k C.
    *,
    f
    r
    Vende-se
    No escritorio de Thomaz de Aquino Fonceca C. Successores, a rua de Vigario n. 39, primeiro
    andar:
    Cimento Portland verdadeiro.
    Cera em volas e em grumo, de Li.-boa.
    Vinho Sberi y.
    Vinlio d> Porto em caixas, fioissimo
    Idem em barris de quinto e decimo, fino.
    Retruz.
    Fio.
    Alpacas a 400 rs.
    0 Desengano e.-ta vend-^ndo pelo dimiuuto pre-
    sq de 400 rs o covado, alpacas de la e seda, de
    lindos padroes, fazenda roui.o fina e larga, que
    sempre se venderam per 1*200 o covado, e para
    acabar; a elhs antes que se acab-m : na rua
    Primeiro de Marco n. 2->, junto a loja da esquina.
    Para o fabrico de chapeo?
    A NOVA ESPERANCA recebeu o arameVt^
    para armacta Oe cinpeos.
    Chapeos para seuhora, leques
    e punbos, manguitrs brancos e de (Ores,
    gravata de4 seda. perfumaria e cinto de
    couro.
    Vendcm Amaral, Na^uco & C, no Bazar \ icto-
    ria n. 2, rua do Barao da Victoria.
    Fumo exporte best Sirds Eije
    Amaral, Nabuco & C. vendem fumo inglez para
    cachimbo : no Bazar Victoria, rua do Barao da
    Victoria o. 2.___________
    Cal dc Lisboa novissima
    Vende se em grandes e Drrnenas porgSes : na
    rua Direita n. 14.
    Vende-se.
    Tres paries ds um sitio com casa de moradia,
    sito na sstrada de Joao de Barros: a tratar na
    rua da.Senzalla Velba n. II,
    Moleque fugido
    Furtnnato, moleque de 13 a It annos, preto,
    baixo, cheio do cirpo, rosto redondo, bontlos den
    tes e cabello cortado de fresco, ausroton se na
    tarde de 10 do eorrente, com camisa de madapo-
    lao, calca de brim de cor, desbotada, chapeo de
    massa preto, conduzindo am serrote grande e.um
    amarrado de tres ubicas ; sobre n beico superior
    andava ultimadiente com umas feridmhas. Srati-
    fica-se e quem leva-lo a rua da Aurora n. 165.
    Aos legitimos fogoes econo-
    micos
    Acabam de chegar a esta cidade os verdadeiros
    fogdes economicos, j;'i muito conbecidos nas pro-
    ^inciasdo Hio de Janeiro. Minas, S. Paulo, Sergi-
    pe, Rio Grande, Bahia, e Alagoas, aonde tem me-
    reeido do pnbllco aroalor acetacao possivel, e sao
    japreferidos aos de qnalqner outro systema eonhe-
    cido, pela sua rriuita rbl'dec, esppcialidade na col-
    locacao, moJeroo systema, e sobre tudo grande
    economiano combqBlivel ; trabalbam com leuha,
    coke, carvao de madeirti, etc., etc. Ha de di versos
    tamiTlhi s, propr'ies pam.'casas de pouca, regular, e
    m%ita firBilia, chHefles^ 'hoieis, easas plas, bospi-
    taes, e c A;ham-se xpostos ao publico, aonde se
    darao todas as explicajSus neenssarias: na rna da
    Crfaz v.iS.
    Ga^eHa deSai^o- WMSfo
    Areororntisio rigedora desta rap-ell* yWb agM-
    4ecer a todas as jjesspas que se ajgnarahi compa-,
    reer wmo ptrapi^aa, na bofl)}ae ^ae foi #fe
    bra ia domiogo II, na mesma capefla.
    Agua Fria, 13 de ontubr.o de 1874.
    0 2* secretario.
    J. Auirtereiiano Tolentino dn Alueida.
    res n. 7, e estreiU do Rosario
    pessoi que se encarrega de
    a..xcei|nu,^a^,^c*ti m*m **>! 8 "SfSft eu*u'n 'P?*1^
    an. .oi-*..-4 de uo^uibTO, etrtimei?*)rac^o
    isdefoitos J
    do
    BWT1STAS
    A -lOO e &00 reis o cot ado
    SO' N*. Rl'V DO QUEIM.4D0 N. 43
    Junto a loja da Magnolia.
    Baptistas de linho com 4 lj2 palrao- de largura,
    padioes moJernos a 4(0 reis o covado,
    Ditas de dito borJadas eom bonitos desenhos a
    500 reis o covado; foi fazenJa de 1*500 o co-
    vado
    Aproveitem, so o 43 e qae tem. Dito se amos
    tras com ptnhor.
    200 reis o covado.
    Sao h\sinhas!
    E' fazenda de 400 reis
    Rua do Qnelmado n. -13.
    Lasinbas de quadriuh< sa escosseza com padroes
    chiques a 200 reis o covado.
    So o 43.
    S3 tem peciacbas. ___
    BAZAR
    FAMILIAS
    Ria Dupe de Caxias i. (0 1
    Grande queima.
    t'arram a pechtncha I...
    Itiquissimas sa' idas de baile, de 15. para senh
    ra. Verdadeira novidade no mundo elpgante !
    Capinhas de la e Seda para senbora. Cous
    rnteiramcoie nova I
    Excelientes cachinets dc la e eda p* serA.
    ras, por 5*500.
    Casaqninhos de gorgnrao preto de teth. ri!
    mec% bordadns, pelo diminuto preco de rOfOTi
    Excellente acqutsieaoo I
    Chales de seda a 12*. BaratissHno I
    Grosdenapte preto a 1*200 o covado.
    Popelinas. de seda a 2* o covado.
    Paia de seda. fazenda modernrssina, pelo coir,
    modo preco de 2*200 o covado.
    Popelinas dc seda, objecto da ultima moda, a
    l*o covado I
    Ditas dc linho eom Nstras e agradaveis pa-
    droes. a 4i0 rs o covado.
    Carabraias tracsparentes, fazenda roni Sna e d
    grande procura, a 6^500 e 7* a pec,a.
    Alpacas de seda a if o covado. Grande pch :
    cha 1
    Granalinas de cSres com listras asset: aadas,
    800 rs. o covado. A ellas emquanto restam !
    Cambraias bordadas a 1 *l< 0 o metro.
    Mess {.eltaaises, bordadas eom ennero, a 3*i
    catta nma.
    Tapetes para sofa, grandes p ppqnencs. PadpV--
    espeeiaes !
    Ditos para portas
    Ditos par* cama.
    E outros artigos para bomens, seahoras -
    cri-ncas, os quaes artigos nao se menciooam par.
    nao raassar se a benevola attentao dos leitores a
    leii.iras, amantes do bom e do baraln. e enthu
    siastas da grande virtude domestica a eeoo*
    mia 1
    Corram quanto ?.ntesa granle pechiaeha.
    freguezes I
    Vinde ver, comprar e admirar I
    Para concertar meias
    A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Caxm
    n. 63, recehen desta necessaria linha.
    (chocolate do Inaranhao
    Uoico deposito nesta cidade, em casa de lew
    Tav.trcs Carreiro Si C, rna Direita n. 14, oode se
    vende pclos precos e vantagens da fabrira.

    <-
    (al de Lisboa
    Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corp
    Santo n. 17, 1* anaar. escriptorta de Joaquim ft'
    drig-ies favares de Mello.
    i.'il-
    VENDK-PE
    duas paries de uma casa terrea com muito bons
    commodos, sita a rua Velha n. 79 : a tralar na rua
    da Conceicao n. 60.
    Vende-se nma carroca para cavalli, propria
    para sitio, com arreios, e um cabriolet de duas
    rodas, timhem com arreios: ua rua do 6eneral
    lean n. 19, fabriea de carros, de Carlos Leimig.
    Botinas Suzer
    dhegadas pelo ultimo vapor da Enropa. Ra um
    dompieto sortimento de bezerro e cordovSo : a raa
    do Uarquez de Olinda n. 40,1 ja de Julio de Mello
    Salgado. .____
    Sitio.
    Vende-se no Arraial, perlo da esUcao. a posse,
    deum terreno foreiro com 180 1|2 palmos de lar,
    (jcrra, 588 de (uudo por um lado, e por outro 388,
    com 142 pes de arvoredos de fructo de 28j,uali-
    datfes, e espago para a continuacao, esta todo eJ
    terreuo pla tado d*e lavouras que ja dio readi-
    rterHo, tem mais de 600 palmos da lalada corf
    dvas, abobora e maracaja assu. 0 dono eocarre.
    gp-ie de fazer casa ao.gosto do comprador, se
    exifir : a Iralar no Arraial, segnndo sitio do lad&4
    eiqaerdo, parliado da esta^ao da Fstrella, em di
    "o a casa am'.reu',
    AUeHJH
    Para dia de Naadoa.
    Na rna estreita do Ho-a no n. 3-.
    primeiro andar, tem a vender-^
    lindas capellas para anjos, doatel
    las e defuotos, de rosas, tandades
    cravos, perpetnas roxas, braneas e
    pretas, com TetrelMs tembraaea
    de minha raii, de meu pai, nteu
    esp~*o, minha esposa. irraai, irai, avA, avo, (llh
    e filha tambem qaem qaizer mandar as per
    petaas para se armar capellas pode mandar u>-
    dias anies : vende-se tudopor mnito barato pre^o
    ^Veude se por commodo prejo, Oti sobrado
    meia-agu.% de dous andares e sotao, sito i rua d
    Fugn n. 18, em terreno proprio e de mnito boa
    eonslruccao : a fallar na raa da Gooceiefto n. 22.
    das 6 as 9 e das 3 as 6 dm tarde.
    Casa em Apipucos.
    Vende-se uma, com 2 quartos, 2 salas, eoaiaka
    I6ra, .puntal muito ttaode, eercato re*4tfiraJ., .
    j tralar na rua do Marquez do llervel a. aW :
    ualr'ora Concordia.
    Fazendas
    nmil) liaralas jwra. acabar
    E* irem depreesa antes que se ataana.
    Cambraia de cores, organdsy, covado a
    Algodao ami, idem laeta
    Idem de listra. Idea Idem
    Chita preu mufle**. a
    Meias ^afa m< niaaa, a 2J a dia
    Obales de merino .. jm
    Golietesde brfm'e casemira a U, IgeuO
    B mnitfts aaaw aMifM faaandae
    feitas por mnito menos de sen valor, aor at
    rei mudar de sor-timooto : a rua do Barlo da vk-
    Sedrabrw 4:14*00 o ^o^,4o.
    MO
    210
    JJ8S
    ; VMmamtte%V{
    Bichas Uamb
    na rua do
    v^SVyRSPti"


    Diario d* 1*74.
    i
    ft
    \
    >
    bor-
    fazenda,
    l*,etc
    Fazendas e artigos de alta
    nCrrlda'dsr
    NA
    fcOJA M MSSO
    ta Priiueiro de Marco n. 7 A.
    Br simdes C, proprictarios
    le importante estabelecimento, no lonvavel pro-
    prosito de nao desmentirera o conceilo que os
    sens numerosos freguezes Ihes tem" dispensado
    acabam de recebet de sna conta o mais rico sor-
    umeeto de sedas, popelinas, las e artigos de ul-
    .ima moda em Pans, e continoarao a reeeber
    por todos o paquetes daquella procedencia ; por
    isso ehamara a attencao de seus freguezes e os
    sonvidam a darera um passeio ao sea estabeleci-
    aepto, garantindo Ibes que enconirarao a reali-
    dade do que fica dito, e para pnva dao um pe
    queue resumo, cujo iofalliveiments desperlara a
    attencao dos pretendentes.
    Mtndam fazendas a casa dos freguezes, e dao
    toostras n>diante' penher.
    Artigos de alta no vi dade e
    ultima ffloda.
    Cortes de vestido de linho guarneeidos de bico
    aa mesma fazenda e cdr, trazende flvella, bolca,
    :into, etc etc. .
    Riqaissimos chapeos para seohora.de cores e
    pretos.
    Cortes de cambraia brancos com Jindos
    dados?
    tM "de cores com eafeites da mesma
    nrjno, etc etc.
    Capas de 14 para mepinas e senhoras, gnarne-
    itjas de arminho.
    Vostuarios para haptisaiJo-.
    Riquissimas camisas bordadas para senhora.
    Leques de madreperola, para noitas.
    Ricas colchas de seda,-para casamento.
    Cirtes de seda, iindas cores.
    Gorgorao de seda branca e dito pretb.
    Sedinhas de delieadss padroes.
    Setim Macao de todas as cores.
    'Jrosdenaples pretos e de cores.
    VelluJo preto o damasco de seda.
    iranadine' preta e de cores.
    Kilo de seda branco e prete,
    Ricas basquinas de seda.
    Casacos de merino de cores,
    Mantas brasileiras.
    Capellas e mantas para noiva.
    Cambraia de cores, ditas mariposas brancas, de
    Flor do bosque (novidade).
    Pcrcalinas de quadros, listras, etc.
    Brins de linho para vestidos."
    Fustao de cores.
    Saias bordadas para senhora.
    Grande sortimeolo de camisas de linho lisas e
    oordadas. para homem.
    Meias de' cores part homem, senhora, meninos
    meninas.
    Sortrment* de chapeos de sol para horoens e
    t Merinas de cores para vestidos.
    Drto pieto rrancado e de verio, bombazina, can-
    to, alpaca, etc. etc.
    Atoalbado de linho e algedSo para toalhas, e dito
    oardo.
    Damasco de 12.
    Brim de lin*o branco e de cores.
    Setins de lindaS' cores cam listras:
    Chales de merino de cores e pretos
    Ditos de touquim e ditos de casemira
    Can.is.as de chita para hom^rr n c'itas de fla-
    - cella.
    Ceroulas de linho e ditas de algodao.
    Pannos de crochet para sofa, cadeiras, etc.
    Lencos bordados e elites de labyrintbo.
    Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
    para bailes, e tarlatana Colchas de damasco de 14, e ditas de crochet.
    Espartilhos lisos e bordados.
    Fuulard de seda, liadas cores.
    Meias de seda para senhoras e meninas.
    Casemiras prelas e de cores.
    Papetlnas.
    Neste artigo temos um variadissimo sortimento,
    oao s6 em gosto como em qualidade.
    Lai
    Mm listras de seda, ditas com pa! nas bordadas,
    litas transparantes e de ootras muitas qualidad.s.
    Utvas
    lo pellica brancas e do c6res, do verdadeiro fa-
    orieante Jouvin.
    Flnaltnente :
    apetes para sofa, cadeiras, cama, entrada, etc..
    a'mbraias brancas, chitas de todas as qual'dades,
    nadapoloes, esguia), tiretanbas, bramantes, algo-
    S5es, collarinhos, punh -s, meias para homem e
    enhora, punhos e collarinhos brancos e de co-
    'es para senhoras, gravatas para homem e senho-
    a, peims bordados, lengos de linho brancos e de
    ores, ditos de cambraia map ;s. panno fino, etc., etc.
    Loja do Passo
    Rua Primeiro de Margo a. 7 A
    antiga do Crespo.
    Grande liquidacao dc fazendts
    NO
    N.7 2.
    1MB
    Mendes Guimaraes & Irmaos.
    Tendo os proprietaries deste eslabelecimenlo resolvido diminuir o grande deposito de fa-
    zendas, entenderam fazer esta grande liquidacao, como se ve* dos precos abaixo mencionados :
    1
    Chitas largas a 160, 200 e 280 reis.
    Vende-se chitas francezas e finas a 120,280 e 320
    o covado.
    Luialias a 120 rt;is.
    Vende-se lazinhas para vestidos a 120, 240, 320 e
    400 reis o covado.
    Chitas para cobertas a 280 reis.
    Vende-se chitas para cobertas a 280 e 360 reis o
    covado.
    Alpacas de cores a 640 reis.
    Vende-se alpacas de ceres, finaB, para vestidos de
    senuoras, a 640 reis o covado.
    Metim de cores a 320 reis.
    Vende-se metim de cores para .vestidos de senho-
    ras, a 320 reis o covado.
    Cassas finas a 280 reis.
    Vende se cassas francezas: finas a 280, 320 e 360
    reis o covado.
    Cambraia Victoria a 3J000
    Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 31,
    3*500 e 44000 a pec*.
    Cambraia transparente a 2 e 34(100.'
    Vende-se pecas de cambraia transparente a 34,
    3*S00, 44 e 84.
    CorliDados a 144000.
    400 reis
    cores para
    ea'$is t
    bordados para camas a 14*'
    Vende se cortinados
    164 e 184.
    Ganga amarella a 400 reis.
    Vende-se ganga amarella para vestidos de senho-
    ras e rouj.a pararaeninos. a 400 reis o covado.
    Brim de cores a
    Vende se brim pardo e de
    400 reis o covado.
    Tualhas para rosto a 700 reis.
    Vende-se toalhas de linho para rosto a 700 e 800
    reis cada uma.
    Chales de la a 640 reis.
    Vende se chales de la de quadros a 640 rets, eha-
    les de metim a 14160 re"is, chales de merino
    lisos a 24, e chales de merino estampados. a
    34600, 44 e 54.
    Aberturas a 2A009.
    Vende-se aberturas de linho bordadas, para ca-
    misas, a 24 e 34500. Ditas de algodao a 200 e
    400 reis.
    Cortes de casemira a 54000.
    \ende se corl-s de casemiras Unas para calcas a
    54, 54600 e 64
    Cortes de brim a 14400.
    Vende se corles de brim de cores a 14400. Ditos
    de brim de Angola a t4800 e 24500.
    Cobertas a 24000
    Vende-se cobertas de chitas de cores a 24.
    Colchas a 24000.
    Vende-se colchas de fustao para cama a 24, 34 e
    44.
    Paletots a 3,000 rs.
    Venda^e paletots de alpaca preta a 3, 3,60
    5,000 rs.; calcas de casemira pretajj de core
    leies de casemira oreta e de cores, e ontras
    tas roupas feitas baratas e fazendas que est
    quidando no Bazar Nacional, a rua da Im
    Iriz n. 72.
    >a ma do Vi'garu n 11, vende se e seguint* :
    ,Vmunto de Po*"tl*. em primeira mao. '
    Vinh^doPort^enanafadf, Gnisiimo, em cal-
    xasdedazia. .
    Dito dito em batris e ancore|as.
    Vinho sherry, ihfcez em caixas de duzia.
    Vmho Collares era aheoretas.
    Cera em velas, itrfHntnfc
    Cera em grumey idem.'.
    , loja dp Pavao vende-se madapoloes france
    t zes muito mcorpados, com 20 jardas a 6.000 reis,
    dito muit. flno com 12'jardas a 3,000 e 3,500 : as
    sim como am, grande sortkmento de madapolSes
    mglezes de 4,500 at^ 8,000 e 9,000 : a rua da Im
    peratnz n. 60, de Pelix Pereira da Silva.
    Run do \\m\w\ 11. 57.
    Pre*unlo* inglezes para fiambre.
    Qfcieijos loniirinos.
    Ostras em laUs.
    Ovas, de bacalhao em latas.
    Lagbstas em latas.
    Azei'onas hespanhelas em frascos.
    Azeilonas francezas em frascos.
    Saocissas de-Oxford em latss.
    Velas de cera branca de Lisboa.
    Colchas
    Naloja do PavSo
    0 DESENGAXO
    Kua Primeiro de llurc-u n. 95,
    junto a loja da esquiua.
    0 propr etario deste estabeleciraento tem re-
    solvido vender suas fazendas por p-ecos muito
    resumidos, (como abaixo verao) para apurar
    dinbeiro:
    Metins
    Vende-se metins de lindos padrSes, a 280 e 300
    reis 0 covado. Dio-se amostras com penhor.
    C3aaabi-aias
    Vende-se cambraias transparente?, de 24500,
    34OOO e 34500 a peca, e a Victoria a 34500, 44,
    44S0O e 54600 a peca.
    Alaacas prctas
    Vende-se alpacas pretas e muito finas de 500 a
    600 reis 0 covado. E' grande pechineha.
    Madapoldes
    Com peqaeno defeito a 4*000 a peca, dito lim-
    Pv f[aD"',e' l a 44500, 54500, 64OOO
    64--00 L' barattssimo. AlnodaosiBho marca T,
    largo e.fim de 44000 a 44500 a peca. E' para
    acabar. Chitas Claras e escnras, a 260, 280 300 e
    320 reis o covado, ditas roxas mofaias, a 200 reis
    0 covado. Cretones escuros e de bonitos padrde* a
    360 reis 0 covado. Lanzinbas de lindos padrSes,
    a 200 rets 0 co\-ado Cambraias de cores a 240 e
    280 reis 0 covado. Aproreiiem antes
    acabem.
    PREDILECfA
    para camas
    vende se colchas de fustao
    brta^s,'ptncwnaaS'S00'dites de dito decor
    a 4,000, cober4a.de chiu e de cretone, de.2,500
    para cuna e ditasde metim escarp forradas com
    madapolao a 5,000 a rtia da Imperalrix n. 60,
    de Felix Pereira de Silva.
    Pentes girafe.
    Pentesgirafe, proprios para senhora, ( ultima
    moda); a Magnolia a rua Duque de Caxias n.' 45
    6 so quern tem.
    Papal, mamai*
    Como sao Iindas as bonecas de cera mam papai, mamal, choram, andam, etc So na
    Magnolia a rua Duqae de Caxias n. 45.
    Gaiolaa, gaiolae,
    A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45; re
    cebea gaiolas de arame de lindissimos modelos,
    proprias para passaros; a ell vs antes que se aca-
    bem.
    *U % II Kj-^| Ki 0 s.Uo juato a igre-
    ja de S. Jose do Mangu nho, com casa de vivenda
    assobradada e outrag acoinmodacoes, todo mura-
    do, com duas frenles-erviias por portio de ferro,
    dando para a rua d Amizade e para a do Mao
    guinho. Tem de terreno proprio 194 palmos de
    hrgura e 354 de fundo ; e a ca-a m- de 52 palmos
    de frenle e 8i de fundo. A situacao e a melhor
    possivel para morada, e qnem quiver edifiear, tera
    basiaute terreno para Uto, pelo lado da rna da
    Amizade. Tem a guma* planlacdes de gozo e re-
    creio, havendo bastante agoa furnecida por duas
    cacimbae, ou a das quaes e nova. A entender-se
    com o St: Dr. Witruvio qn^m 0 pretender.
    Chocolate hespanhol
    muito flno, tem para vender na Assembled dc
    Commercio, Meir* 4 Lima, rua do Commercio nn-
    mero 22.
    12 Rua doOabugd
    UQUIDACAO
    de joia de ouro, prata e'pedras
    12
    Ouro delei.
    preciosas.
    54500
    A* rua do Cah.iBa n. 1 A.
    Os proprietaries da Predilecta, no intuito dt! r..,a, ,, i,tm
    conservar 0 bora conceito que teem merecido do i *?fire?les do nltimo JSt0',a o(.taTa
    respeiuvel pubfico, distinguindo 0 sen esubeleci- AlflDe,f para re^to,^ clfcnlado de
    mento dos mais qne negociam no mesmo genero ra?S5. u 1 55400ft
    veem scientificar aos seus bons freguezes que pre-! ^!m ,d/m esnjearladas eO^-OO
    veniram aos seus correspondentes nas diversas par-! K25 "to? ldem, Tub'DA ... 65*<*
    cas d'Europa para lhes enviarem por todos os pa-1 \V.0S de prata bem douradoy, de 154 a 3
    Corles bordados.
    Vende-se cortes de cambraia, bordados, bran
    cos e de eores, pelo baratissimo preco de 54 cada
    nm, fazenda que mmtos vendem a 104, 6 gran-
    de pechmcha ; ^ euVs antes que se acabem a
    rua do Crespo n. 25, loja do Desengano, junto a
    loja da esquina.
    que se
    iliifida
    Vende-se esta fazenda muito propriapara vesti-
    dos de senheras pelo dimrauto preco de 000 rs.
    0 covado.
    Brim branco
    Vende-se brim branco de algodao, a 320 rs. 0
    covado. E' grande pechineha.
    ase d seda
    Vende-se esta fazenda de lindos padroes, a
    lf2J! covad. fazenda que seropre se vendeu
    a 24300 0 covado. Aproveitera.
    Sobrecasaeaa a ISA e 15AOOO
    Vende-se sobrecasacos de panno finu pelo bara-
    tissimo preco de 124 e Is4 ca a um ; e grande
    pechineha : a elles antes que se acabem Cami-
    zisinbas com punhos e coNarinhos, para senhora,
    pelo diminuto preco de it cada uma. Meiag para
    senhora, fazenda muito fina e um ricas caixinbas,
    pelo barato prec^ de 64 a duzia. Aproveitera.
    Colc9ias adatmascadas
    Vende se colchas adamasca las brancas ecom
    barra de cores, muito graodes, pelo baraties'mo
    preco de 44 cada uma, fazenda que sempre se
    vendou por 74 uma. A ellas antes que acafeem.
    E outras muitas fazendas q ue se toroa enfadonho
    mencional-as, e que so 0 freguez vendo, podera
    certifiear-se, e por isso os proprietaries convidam
    a todas as pesjoas a fazerem uma visita a sen es-
    tabelecimento afim de convencerem-se da verdade.
    RUA PRIMEIRU DE MARCO N. 25.
    O barafeiro!
    E con as senhoras.
    A Magnolia, a rna Duqne de Caxias n. 45, par-
    icipa a bollo sexo qne aeaba de reeeber da Eu-
    ropa, um completo sortimento de artigos de ulti-
    ma raoda, e como acha desnecessario fazer um
    nfadonho annuncio, por ji ser bastante eonhe-
    :ida, e caprichar sempre em ter bons correspon-
    dentes, sendo a pr mei-ra qne apresenta 0 que ha
    de mais moderno e por precos mui razoaveis, por
    sso limita-se a descrever somente 0 seguiate:
    t(as donradas.
    8i'os de c^res, tanto de seda como de guipure.
    deques dourados, de madrepereJa, marfim, tar-
    taruga, osso, etc.
    Cabidas de bai'e.
    Prcemes, diversos artigos proprios para pre-
    sentes.
    ttollnhaa e punhos.
    Hanual para missa, eom eapa de madreperola,
    tartaruga, marflm, velludo, etc.
    SapadnlioM de setim para baptisado.
    ta mi hum bordadas para senhoras.
    Lisa* de seda.
    rranjKH mosaicas.
    adereeos de tartaruga.
    toltaa de madreperola.
    PulsoiraM de madreperola.
    Ltndaa (lores para cabeea.
    Bolas de velludo.
    Pirrumarias dbs melhoreS e mais afamados
    fabricantes.
    Cbapeoa de sol para senhoras.
    fit am de vellode de todas as cores e larguras.
    Moscas.
    Quereis rrvrar-vos desteS malditos tnsectos? com-
    ,tm nma mxchinadematar moscas por 34000
    aa Magnolia, a rua Du:|ua de Caxias n. 45.
    Calvioe.
    A Marnolia, a rua Duqae ete Gaxfasn. 45, vea-
    le 0 verdadeiro. Vigor de Ajer, que impede a
    cabida dos cabeilos.
    Sardas epanos.
    So tena sardas e paaos qoem quer; porqne a
    tfagaolla, a rua Duque de Caxias a. 45, tem para
    'ender a verdadeira Cutica]eria qoe faa desappa
    rficer^estas manchas em poucos dias.
    Aprovetlem
    O PARK N'AMBHIG,*, a rua Duque deCaxia*
    n. 59, primeiro andar, esta veodondo calcado pelos
    seguint-s precos:
    Botinas de duraque para senhora a 3.5O0 reis
    Dit.s de dito pretrj a 4,00* reis.
    Diias de dito com bo toes ao lado, a 4,000 real
    DUaa gasraadtov can*, ako, para sttftoca, a
    5/0 res
    Di us de pelttu; mgleza, atOOtf reis.
    Ditis de dnraqne BortadV. para senhora, a
    5,000 reis.
    Ditas de daraqua, de cores, para meninw, a 34.
    Em qnanto e tempo"
    aproveitem.
    Taverna.&vmda
    Vende-n a Uverna n. 88 da rua de S. Jorge,
    eruJF6ra de Porua, bem afnguezada e com poo
    cos foodos, prcpria para prlncipiante ; a tratar
    na mesma taverua.
    A' rua 1 de Marco n. 1
    contimia vendendo suas fazendas com 30 0/0 mends
    do que em outra qualquer parte, a saber :
    Amazonas, recebemos esta nova fazenda, cob
    bonftos desenhos e c"6res fixas, propria para bai
    les, passeio, etc., etc., e vendemos a 506 rs. o co-
    vado.
    Baptistas, teraos bom sortrmento desta fazenda,
    com bons gostos, oara 300 e 36 rs. o covado, sem-
    pre custaram 400 rs.
    Panama, desta fazenda temes grande porcao, e
    por querermos dispor del'a com presteza, vende-
    mos por 440 rs. o covado.
    Cretones francezes, escuros e ciaros, com boni-
    tos desenhos a 300, 360,400 e 440; so aqui.
    Popelinas, temos grande sortimento desta fezen-
    da, muito lindos gostos, e vendemos a 14 0 cova-
    do, sempre cn-toa 14600; quem deixara de com-
    prar? por certo ninguem.
    Cliltas claras e escuras a 240, 260, 3d e 308 H.
    0 coxado ; I barato, aproveitem.
    Cambraia Victoria com 8 1(2 varas a 3450G
    peca.
    Dita transparente, mnito fina, para 44COO, 54
    ii4000.
    Madapoldes para diversas pecas a 44500 e 54 a
    dito francez a 6*.
    Bramaote de linho, duas larguras, a 14 avara
    so 6 barato ; a elle, a elle.
    Brins de Angola, com bons gostos e cores fixas,
    plfprfM para roupa de meninos, a 500 rs. 0 co-
    vado.
    Brim pardo trancado, fine, a 400 rs. 0 covado.
    Esguiao de linho e algodao, 10m 7 jardas a
    34500 a peca ; sempre custou 44500.
    Toalhas felpudas a 64 e 64500 a duzia ; sempre
    custaram 84.
    Chapeos de sol de alpaca para senhora a 24 ; e
    barato I
    Chapeos de sol de seda para senhora, cabos de
    os so, a 34500.
    Ditos para homem (paragon) 84500, de dnas
    cor. s a 94- tHSS
    Dites de alpaca a 34500.
    Ditos de merind a 44500.
    BWrni* para senhora a 44500 e 54000 : 6 pe-
    chineha 1
    Casemiras d:edres a 34400 0 covado ; sempre
    custou 445(0; a eilas, a ellas I
    Gamins de cretone, francezas, superiors,
    24*00 ; qne lindos gostos I
    Lcncos de linho, abanhados, em caixinhas, a
    34 a dozia.
    Ditos de dito mnito finos a 44500 a duzia ; so 0
    barateiro. Slo fines.
    Meias part hotienr a 34500, ditas finas a 54 a
    dot* 111-
    Cnkhas ilixrckoada* a 3S.
    Grosdenaples de c6re vxder cor ae ro?a, en-
    earaado e cor de oravo a 900 rs., If c IjSOO 0
    covado ; s6 aqui. _,
    Selecia a 304 a peca com 25 varas, por6k fina.
    Atoaibado para toalhas- de mesa a 14440 a
    vara.
    Brim br^nc \ exposiclo n. 5, a 24 avara, qne
    BOM TSBMlda.
    Grande sortimento de ISzraha*, e de 0iWS;ii
    voi- V40', l6 tMI 6 na barateifo.
    Bnlhanttna branea a 400 rs. o covado ? i sim.
    AO barateiro, aO barateiro I f
    Alem destes, outroS mttitos arigos, qoe nSo
    mencionaaiost mas qua vendemos per limitados
    or*cos. Confronts ao arco de Santo Antonio en-
    contrareH sortimento.
    I Agoatinha Ferreira Heal t C.
    Vende se s armacio da loja da rna de Var-
    me Diaa n. 13 : a }ratar na rua das Larangeiras
    n. 18, andar. I
    quetes os objectos de luxo e bom gosto, que se-
    jam mais bem accitos pelas sociedades elegantes
    daquelles paises, visto aproximar-seo tempo de
    festa, em que 0 bello sexo desta linda Veneza
    mais ostenta a riqueza de suas toillettes ; e co-
    mo ja recebessem pelo paquete francet di verso
    artigos da ultima moda, veem patentear alguns
    d'entre elles que se tornam mais recommendaveis,
    esperando do respeiuvel public a costumada
    concurrencia.
    Adereeos de tartaruga os mais lindos que teem
    vindo ao mercado.
    Albuns com ricas capas de madreperola e de
    velludo, sendo diversos tamanhos e fcaratos pra-
    os
    Adereeos completes de borracha proprios para
    Into, tambem se vendem meios adereeos mnito bo-
    I nitos.
    ! BotSes de setim preto e de cores para oraato ds
    pestidos de senhora ; tambem tem para collete
    ; valitot.
    Bolsas para senhoras, exists um bello sortimen-
    1 de seda, de paiha, de chagrim, etc., etc., por
    barato preco.
    Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louc*
    como de cera, de fcorracha e de massa ; chama-
    mos a attencao das Exmas: Sras. para este artigo,
    pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
    pertinentes por falta de um ob|ecto que as en-
    tretenham.
    CawtsaS de linho lisas e com peitos bordados
    parafeomem, vendem-se por preco commodo.
    Ceroulai de limiio e de algodao, de diversos pre-
    108.
    Caixinhas core musica, 0 que ha de mais Undo,
    'ott disticos nas tampas e proprios para presen
    le
    Coques os mats modernos e de diversos forma-
    tos.
    Chapeos para senhora. Receberam um sortimento
    da ultima moda, tanto para senhora, como para
    menkias.
    Capellas simples e com v<;.> para noivas.
    Calcas bordadas para meninas.
    Ec'.remeios estampados e bordados, de lisdoi
    deseahos.
    Bscovas electricas para dentes, tem a propria
    dade de evitar a carie dos deutes.
    Pranjas de seda pretas e de cores, existe am
    grande sortimento de divercas larguras e barato
    preco.
    Pitas de saria. de g^rgprio. de setim e de cna-
    oalne, de divereas larguras e bonitas cores.
    Paokas de gorgurao mnito iindas.
    Pi. Tf artificiaes. A PredXeeta prima em coa-
    ervar sempre am bello e gr&nde sortimento des-
    tas flores, n5o so para enfeite dos c.bellos, como
    ambem para orcato de vestido de noivas.
    Galoee de algodao, de 12 e de seda, brancos, pra
    os et de diversas oores.
    Gravatas de seda para homem e senhoras.
    Lacos de cambraia e de seda de diversas cores
    para .-cnr.ora.
    Ligas de seda de core? e brancas bordadas para
    eoiva.
    Livros para ouvir missa, com capas de madre-
    perola, marfim, 6so e velludo, tado que ha de
    bom.
    Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
    beilos ; teem tambem para tirar caspas.
    Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
    perola, marfim, 6sso e dourados por barato preco.
    Perfumarias. Neste artigo esta a Predilecta bee
    provida, nao so em extractos, como em oleos t
    banhas dos melhores odorea, dos mais afamados
    fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
    Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispenaaveis para
    a festa.
    Saias bordadas para senhora, por commodo
    preco.
    Sapatinbos de la e de setim bordados ,para bap-
    tisados.
    Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorH-
    mefito de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
    mo para entrada de salas.
    Vestimentas para, baptisado 0 qua ha de melhor
    gosto e os mais moderno recebeu a Predilecta
    de or arsto preco, para Scar ao afcance
    qnalqner bolsa._______
    PAKA LUTO
    Vende-se chitas i'nglezas pretas comphita'Sa
    1300 rs. ocovadOj dtta franeeza mo itoflna, tanto lisas
    como com pintaa de 320 rs. pars cima ; cantao
    preto a 800 rs. e mnito nno a 1.0(10 rs ; bomba-
    zinas, princezas e alpacas de todos os precos;
    lazinhas pretax lisas de 400 at6 500 rs. ; assim
    come nma grande porcao de retalhos tanlo de
    ebitas preta* come de Us, que se veudem par
    precos baratissimos ; tambem uma grande porcao
    de chales preto- de las a 1,000 rs. por estarem nm
    pouco rnssos : a rna da lmperatnz n. to, de Pe-
    lix Pereira di Silva.
    Relogios para senhora, de ouro, de 404 a 8O4OOO
    Ricos aderecoa com 1 pedras finas com
    50 0|0 de abate.
    Bonitas pulseiras do Ultimo gosto com
    50 0|0 de abate.
    Brincos de phantasia dos mais bonitos
    que tem vindo ao mercado. do 154 a 6O4OOO
    Voltas com um bonito la;o, por menos
    do que se vende em outra parte.
    Bonitas cacoletas, tanto para senhora
    como para homem.
    Anneis de diversos feitios, de-24 a 204000
    Pulseiras de cobra de coral por 50 0,0
    de abate.
    Tendo 0 proprietario deste estabeleeimento rece-
    bido uma grande porrao dfe jbias' dosultiwos gos-
    tos de Paris, e por precos' ja resilmidOs; participa
    a todos'os seus freguezes1, bem como ao resneita-
    vel publico; que se acha serajre prompto aservii
    com toda a exactidao como cost uma ; certos de.
    qnepassara am redbo, pelo qua! ffca respottsabi
    lisdo pela traosaccao.
    E' econonlico.
    Graxa glycerina propria para a conservacao do
    cordovao ; vende a NOVA ESPERANQA, a rua Do-
    qne de Caxias'n. 63:
    Bramante' para lencoes
    a 1^800 2#m e 2#500
    Na loja do Pa^ao vende-se superior bramante
    paia lencoes, com 10 palmos de lurgura, que ape-
    nas-precWade 1 vara 1/4 para ntn htmw sendo
    de algodao a 1,800 rs. a vara, dito mais eu-
    cornado a 2,000 r., dito de Tmho paro a 2.500 e
    2,890 rs.; assim como atoaHiados superiores, tan
    to de linho como de algodao, porprecos miufto em
    conta, e pecas de algodiocirrho awalenceese toa-
    !ha, tendo de 4,000 rs. para cima : a rua da Up-
    peratriz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
    Laazinhas baratas.
    Na loja do Pavao, para liq idar, vende-se
    uma puicao de laazinhas de cOres para
    vestidos, t^Ddo d 320 rs. para cima ; as-
    sim como ditas com listras de seda muito
    bonitas a 640 rs. o covado ; alpacas de co-
    res com listras de seda de 640 rs. para
    cima : a rua da Impcratriz n. 60, de Felix
    Pereira da Silva,
    VENDE-SE
    a tavern* sita a rua do Bar3o da Victoria n. 61,
    mnito afreguezada : a tratar na rua estreita dc
    Rosario n. 40.
    Ceroulas e camisas.
    Na loja do Pavao, vende-se ceroulas fran-
    cezas de todos os tamanhos para homem a
    15J600, e ditas de linho a 2900, 2500 e
    3*000.
    Camisas brancas com peitos de algodao,
    fazenda fina e por estarem um pouco en
    xovalhadas a 20.5000 a duzia, ou a 18800
    cada uma, ditas com peito de esguiSo de
    linho a 39000 e 35500 cada uma, ditas
    com peitos e punhos de cdr a 2*000 e
    29500: & rua da Imperatriz n. 60, de Fe-
    lix Pereira da Silva.
    Salsa-parrilha do Para
    Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
    vedo, no sen eseriptorio, a rna do Bom Jesus nn
    mero 57.
    Vejaiii e admirem.
    A &OO rs. covado.
    0 barateiro da rua da Imperatriz n. 60,
    vende popelinas pretas com listras asseti-
    tiadas pelo baratissimo preco de 500 rs. 0
    covado. para acabar.
    Lustres, candieiros e ,
    E' BOM SAREfi-SE
    Qoe a NOVA ESPERANgA, a rn*r
    Caxias n. 63, bem conhecida pela sup-i-i-i
    seus artigos de moda e phantasia, a-aba 4
    bet diversas encommendas de mer adoruad
    repartirao, que pela elepanci bem moatra i
    e bom go to de seus antigos oirmpi odL_
    Europa, e por esta razao a NOVA ESPOUBCa.
    a rna Duque de Caxias n. 63, convida a a faa
    e conslante fregnezia e com especialidade a* ssfc.
    amavel, a visitarcm na, a 6m de apreciar
    onde toca o primor d'arte.
    A NOVA ESPERA.NCA nao qner e -Irar mm
    mero dos massantes (verdadeiro- azuchsM#
    extensos annuncios e nem pretenJe duaac a
    immensidade de ohjectos qne tem exposio* wm-
    da, 0 qne seria quasi impossivel, mas liatar mtt
    a mencionar alguns daquelles de mais cNaasatMt
    e toma a liber ade de aconselh.tr ao betta sex
    que a viiicm constantemenie, para dejtoii #
    comprarem em outra qualquer parte 1 i-i ce art*-
    penderem, a vista do bom e e>colhidc sonasaMt
    que ha em dio eslabelecimenlo, esta raxae Ow-
    bem demonstta que qualquer senhora > tummt*
    nao podera completar a eiegaacia de Ma Mka
    sera quedeum passeio a NOVA ESPERAKCft,a
    rna Duqne de Caxias o- 63, a uusl acata d 1
    her os seguint-aiartigos de luxo e mtena
    de :
    Modernas settas uara prender os cabelios.
    Primorosos leques de phantasia.
    Bonitas sahidas de bailes para senhora* e
    nas.
    Interessantes gravatas para senhoras.
    Elegantes farhas de touquim.
    Bons adereeos de madreperola.
    Delicados adereeos pretos de pufalo e
    (gosto novn).
    Cura das hernias, pelas fiin-
    das de borracha.
    As melhoros e mais aperfeicoadas das ais ki^ --
    nnecidas.
    Veatese
    na
    I'harmaeiu e Rra^i.a
    mm
    Bartoloneo dt C.
    A'
    *i- Rua larga do Imm "4
    Vaccina. VaccinM.
    Tendo 0 St. Dr. Jose Lourenco de Magaftaer.
    inontadi.i na cdrtit am completo service 4om* w-
    tigo, tem aqui aberto um deposito da nt>
    mais recenie, cuj. s tobos se eBconiram na
    Pharn.acia e drogaria
    A'
    _______34-rua larga do Rosario 9L
    G1IAMIE
    LIQUIDACAO.
    Gama \ Silva Brito, com armazeos dt rrr.fHaai
    no i.-rgi da Santa Cruz ns. 2 e 4, tendo d> Um*
    dar a firma social em confeqiit-ncia o*- ua >;
    sneios t;r neros existentes em seus armaztns mai; ksaaai 5
    0|0 do qne em outra qualquer parte, e ciiaaam *
    attenca-i do lesp^i avel publico e a dos Srs. Utot
    cedores das despencas familiares, a.wm coaaoax
    Srs negociantes em pequena f seala, cei t 6* <$*
    encoDtrarao a maior sincendade e agnd'i p-j>
    vel Deixamos de mencionar 0 grande auurt^mr
    gen- ros que compoe o grande sortimento, tur^ae
    isto se tornaria enfadoni o, limiiando aa apeaa* a
    mencionar manteiga iogleza em batris a 8>., it
    e (*I00 por cada 450 grammas, d ta fraDj-sa 1
    80o rs, dita ingleza tin latas de Bees kdoa la 9
    aproveitem em quantu e tempo : no largo daSa
    ta Crnz ns. z e 4, armaiens de Gama A. Sd a \~.
    to, em liKiidac^o

    \euiie .-e um regi^iro,aawaaaaa par<
    e candieiro, em muito bom estad e duas
    arqueadas, novas, proprias para canteirjs : a
    tar na rua Imperial n. 94.
    Sitio
    dftLyon
    V ISHOOa libra
    So na Assemblea do Commercio n. 2S, rua do
    Commercio, Merra & Lima,
    Grosdenaples
    5 Veude-se grosdenaple preto, facenda muito Qua,
    e que sempre se vendeu por 30600 0 covado, a
    1*860 rs.; aproveitem, so 0 DeseBgaao, i rua !
    de Marco u. 2S, junto a loja da esquina.
    Salsa parrilba
    Muito nova e grossa.
    Vende-se por barato preco, em porcao ou a re-
    talbo : na rua larga do Rosario n. 34.
    Espartilhos.
    Na loja do Pavao, vende-se espartilhos
    dos mais modernos a 38500 e 48000 cada
    um ; assim come bonitos cintos com lacos
    de setim a 5SG0O, e sedinhas iavradas com
    toque de mofo a 18000 o covado: 4 rua
    da Imperatriz n. 00, de Felix pereira da
    Silva.
    Aos iiieninos
    A NOVA ESPERaNCA, a rua Duque de Caxiai
    n. 63, aeaba de reeeber nm bom sortimento de fi-
    nas bonecas qne fallan, que riem-se e choram ;
    tambem astern soudaa e surdas ou turdas-mudas
    venham ver so nao 8 t'grdade.
    Engenhos em Maraam-
    guape.
    Vende-se os seguintes:
    Barra,
    PreSui?a,
    e Patricl*.
    A tratar com seus proprieUrios nesta cidad*
    e para rnformacoes com Joaqaim Pinto de Mai
    relies Filho ua mesma cidadede Mamamguap'
    n** irmaos C.
    um fm vestidos
    \ ends ae liaho^liso a arrendado, lindos padroes
    a 400 rs. 0 covado, fatenda esta que sempre ven-
    den se a it; yenbam a eHes antes aue se aca-
    bem : na" I ja 00 Passo, rua-Primeiro de Marco n.
    7 A, antiga do Crespo.
    A empreza do gaz, tendo recebido ultiroamente
    ama quantidade de lustres, candieiros, arandellas
    globos etc. etc., tudo obra de gosto e de primeira
    qualidade ; acha seem posicao do -upprir a seoi
    freguezes, per precos men res do que antiga men
    te. Para ver em as amostras, dirijam se a rua dr
    Imperador n. 31._____
    Cortinados para camas
    Na loja do Pavao vende se nm grande sortimen-
    to de cortinados bordados proprias para camas e
    janellas, pelo barato preco de 8, 9 e 10,000 rs. 0
    par, assim eomo colci.as de damasco para camas
    de norva a 10 e 12,000 reis-e" pecrincha: a
    rua da Imperatriz n. 60, de Felix Pereira da
    Silva
    A 500 rs. o covado
    Na loja do Pavao vende-se lazinhas japoawM
    de cores muito modernas pelo baratissimo preco
    de 5O0 rs. 0 covado, para acabar ; notaodo-se que
    e fazenda que jamais se vendeu por menos de
    dois cruzados ; ja ha po icas : a rua da Imperatru
    n.OO, loja do Pavao, de Felix Pereira da Silva.
    e casa
    Vende-se nm sitio com uma casa nova, uaai
    sitio 8'0 palmos de frent'-'e 1,116 de hado, s ta
    ediflcada com bons e> mmodos 6 boa caci-nha, ta
    estrada nova de Beberibo, perto da en'ru?;ifc> #.
    0 que sc torna commolo por ser 230 rs para a
    na 1* ordem, no trm da via-ftrrea ; a<-ha < dw
    oiciipado : quem pretender, dirija se a ri;a Sargs
    do Rosario n. 20.
    Gorgurao
    0 barateiro, a rua Primeira do Marco n. 1, e^ta
    vendendo cortes de gorgurao preto para colletes a
    2*000, fazenda que sempre custoo. if ; a elle".
    autes que se acabe : confronte ao arco de Santo
    Antonio.
    Grande descoberta
    Curativo das molestiaS db'
    peito pelo
    Xarope de aalpaUo tfe Moda
    DE
    v it: 'BBIKWET
    Es* fmpbrtame mediea mento qne acaba de ser
    reeoaheoado peas aMMaa Dra Zallon* e Para-
    chavaa cpmo um verdadarro espeWnco. coatra a
    egaodajrovwam not grand*, now* V'
    TJ^..?!??^xPe'itn''D,ao9-..eo'no8e vd no etstado em qde so
    de mareff medio n. 18, fregne '
    Liqurdacjk) de.roupa feita
    Na loja do Pavae linaida-se uma grande por-
    cao, de roupa para hoaens e meninos,como seiao:
    ^'^Mifl? casero'ras oretaa ede cores, para'todos
    f"*'!*^**^ pre^Biditai- de-Brim*
    eeroulas por menos 3 0|o aW'iAt vnlfti" sd'fttra'
    ifir*Jff k l.ru* d* toperairfc* 60, de Felix Pe-
    Pechineha
    Odiion Duarte & Irmao receberam pelo ultimc
    vapor am grande e variado sortimento de coques
    de cabelio bumano, 0 que ha de mais moderno, e
    vende-ee pelo baratissimo preco de 10* cada um ,
    a elles, ant-s que se acabem.
    Lustres e arandelas devidro
    para gaz
    Na grande exposicao da rna do Imperador d.
    35, junto ao escriptr 10 da companhia do gaz, ven-
    dem se os mais bonitos e modernos lustres e aran
    delas de vidro para gaz, a-sim como tudo 0 mais
    que se torna necessano para ease fim, sendo tudo
    dos melhores fabricantes que ha na Inglalerra. Os
    precos sao mais baratos do que em outra qualquer
    parte, e com a vantagem qne e 0 dono do estabe-
    leciraento mandar assentar os lustres ou araode-
    la no lugar que 0 comprador qnizer, sera que para
    isso pague alguma eousa. Tambem se eompra ou
    troca se lustres e arandelas ja nsadas, mas que
    estejam em estado de poder servir.
    Cortes de casimira a 4#, 5$
    e 6^000.
    Na loja do Pavio, veode-se cortes de ca-
    semira para calf a a 48, 59 e 60000, ditos
    muito fin's de uma so cor com listras ao la-
    do, fazenda que sempre se vendeu a 98 e
    108000, liquida-se a OdjOOO para acabar :
    i rua da Imperatriz n, 60, de Felix Pereira
    da Silva.
    Vende se a taverna da rna do R.ingel Bjv
    s ndo a armacao toda invernisada e envidraradi.
    qne muito bem serve para qualquer ouiro otg^-
    por ser em bom ponto.
    AltfDC.
    Vendp-se bonitas vaccas tourinas, com cria\a*
    quaes dao bastante leite, e estao b m gofdaa
    ver e tratar, no Caldeireiro, sitio do Mumede.
    - Wll-on Rowe & C. vendem no sec araaac
    a rua do Commercio n. 16 :
    verdadeiro panno de algodao azul aasai
    Excellent Go de vela.
    Cognac de 1* qualidade
    Vinho de Rordeaux.
    Carvan de Pedra de todas as fttatada
    Aos nervosos
    A NOVA ESPERANiJA acaba de recl-r .;aa-
    selectricos, cura isdaliivn ??
    tes milagroso6 ana
    aervosus.
    Para senhoras
    Como sao Iindas e modernas as maaadtai Wm
    a Magnolia, a rua Duque de Caxias n. ML
    de reeeber I
    AO PL 9.
    No progre>80 do pateo do Carmo vende -ae i%
    ugiga leza flor a f-00 rs. a libra.
    Casemiras
    Na loja do Pavio vende-se nm grande s-rtisscs-
    to de casemiras de cores e mescladas, tanx daa
    como escnras, proprias para calca ; paid '.- e ct-
    letes por precos muio baratos, as-im c\.ai
    mesmo estabelecimentos se manda fazer q^^z*
    obra tendente a alfaiate, com a main ,-r**-
    por precos mnito razoaveis : a rua da Inaj^ti-
    iria n. 60, de Pelix Pereira da Silva.
    Camisas.
    Camisas francezas brancas de alguiao Po* <
    friao de cor a 2*000 nma, em duzia a *7t
    e pocbmclja : na rua do Crespo n. 20 loia de (
    merme 4 C j-
    Veode-se uma escrava n>ca e de aaaa
    Ignra, sane eozinhar e engommar com p^rtadr
    e tem defoitos: a tratar aa rna do Marquea V
    Olinda n. 57, outr'ora rua da Cadeia, a, accrse-
    torio dos Srs. Parente Vianna & C, can Ja*
    Antonio da Silva Guimaraes, ou na villa la f*
    bo, rna do General Victorino n 21.
    ro*
    na mO#< drieadMMa d Paris tto 24
    do correate acne, enoontra-se noicamena no
    Dei^osito dta pbarmaeia e drogaria
    tlartlkofdnaea' mY t.
    W.'--tBna larga do Rosario N; 5fc
    Wt
    A NOVA
    36, acaba de
    para noivas,
    i.
    do
    Srcgrios, c^^^mm^n^iiim^m^bWmyim
    J>*cm cacimbae taiq.ia ara banhos,- esUado
    ;fr*2? aTrrr^^ ** arv^edMde
    , trtotl, 6 a frehte pira d Htf J os preteMehtes dl-
    tmm'5iaa5ltP'iiFietori0 n*r" s- Fraart**
    A6S dfi^rre&oft
    reeeber boa- meias de seda proprias A NOVA ESPERANCa vende uauel de linhc
    os apreciavei- ramos de larangeira proprio para clgarros, de divenS BJuras?
    com as noivas
    Con dos estreitamento d'urelra
    pela- fncil applicacao das
    SONDAS OLIYAES
    DE
    60HMA ELAST1CA
    As mais modernas e aperfeicoadas de todas
    as- coDhecidas
    Venden-se
    PHARlftfcCIA EDROGArUA
    o DE
    Bartholometi & 0.
    3- Rua larga Ati Rbsario 34
    Vende-se um terreno no (amlnho Novo,
    hoje raa do conde da Bos-vista, tendo c'm palm"*
    dtf frmte e qoalrocentoB de rondo, proprm para se
    edifiear uma boa cara, pur ser perto do Recite : a
    tyatar m iqmjio lugar b, 0, on na rua oa
    Cruz n. II.
    Cortes de cambraia
    Na loja do Pavio vende se corles dc catsdaaa,
    transparente eom babadas largos, tanto araaaa
    como de cores, por baratos prepos, pc leraaat-
    gum pequeao defeito: a rua da Imperatru a %
    de Felix Pereira da Silva.
    Vende-se
    na roa de Vigirio a. 19, primeiro andar :
    ancoretas.
    uera em velas,
    Retrot do Porto.
    Cimento Portland,
    engarrafado, em barris a
    de Lisboa, superior
    legitimo
    Ebunilo
    As almetltdas bordada? de la maUsadas
    oebeu a Koa Eaaeranca^ a rua
    Caxia-
    Chapeos para senhoi
    A loja da Passo, a rua Primeiro de lama, a
    7 A, lecebeu um rico sortimento de eaapaa
    raesna boras, pretos ede cores.
    Vende se a Uverna da travessa da r do
    Prtneipe fTten'.rafoada Porte Principal) a 9, aat
    ponros fundos, propria para nm pnocipiaats; ar-
    nwcao nova, tem de aberta amaa; aafaada
    vends ?e dira ao comprador : a tratar aa saa-
    ma.
    I


    ^
    8
    Jiario de Pernaffibuoc Sexta feira M> de Outubro de l8?4.
    TABIEDADE
    CARTA DO EX-MARECHAL BAZAINE.
    (Couclusdo.)
    Desejava que se nao Jesse ao duque de
    Auraale o commando em chefede um exer-
    cito para combater Mr. de Moltke e as mas-
    ses alleinaes, especialmente em couJigdes
    tdo deploraveis como aquellas em quo me
    achei, isto ti, com um exercito ainda em
    formagdo, de que us cliefes Rid podem dis-
    por bem, cujos servicns ndo eslavam com
    pletos, cuja all direita jd estava derrotada,
    >- >mbater assim os allemdes, muitas vezes
    um contra dous, o achanlo-se cercado em
    uraa praga, n'uiii campo entrincheirado,
    cujas defezas e armamentos nao estava'in
    ainda ultimados, e tu lo isto emquanto se
    derribava o governo legal do paiz, aqiiolle
    que a Europa tinha reconhecido, e que o
    havia investido no commando.
    Foi por me tor acoutecido tudo isto,
    que eu o uao desejava ao duqae de Auma-
    le, esse ajoi-cn soldado, que tinha necessi-
    dade de fazer a guerra, e de commandar
    por muito tempo antes de exigir que se
    tomasse a serio uma graduagao de general
    /ora do quadro.
    Accusaram-me de ter feito politica. Se
    a liz foi contra minha voutade, e porque os
    revolucionarios a tintiam feito primeiro do
    que eu, e continuavam a faze-la alraz de
    rrim.
    Lembrava-me que tinha preslado jura-
    uieuto ao imperador, aos seus e d constitui-
    cao imperial, acclamada por um voto recente;
    .e recordar-rae que tinha recebido o meu
    commando do imperador e nao desse go-
    verno insurgente. illegal e dictatorial,
    irmdo primogenito da communa, do
    que era membra o pamphletario Roche
    fort; se ter- me indignado de que uma fac-
    <,ao aproveitasse os nossos desastres*e a au-
    <.;.cia do imperador e do exercito para in-
    vadir o coruo legislativo, expulsar os depu-
    tados e tomar coutar de tudo ; se encherem-
    se de galoes e brincarem de s<>ldados em
    vez de organisarem as fonas vivas do paiz
    por meio de medidas praticas, racionaes e
    concretas: se persuadir-me de que o impe-
    rador da Russia, o unico que podia fz jr
    alguma cousa em nosso favor, se nao liga-
    ria nunca com Mr. Gambetta e com os bo-
    hemios politicos installados em Tours; se ter
    acreditadoqueo rei Victor Manoel se nao
    aprcssana a passar os Alpes para ir pagar a
    Mrs. Glais-Bizoin e Cremieux uma divida de
    reconhecimenlo qua tinha para com o im-
    perador Napoleao desde Magenta e Solfo-
    rino ; se ter previsto a communa depois da
    primeira iii=un aii.'uu parisiense ; se tudo isto
    emfim e faz-jr politica, entao lil-a. Mas o
    que ha de extraordinario, e que os bornens
    que mo attribuem o crime de haver feito
    politica, nunca dcixaram elles de a fazer, e
    -ra estarem para isso autonsados pela na-
    <;ao, quando eu ainda estava em Metz, en-
    volvendo-se na insurreigao de 4 do setem-
    bro.
    0 que achei ainda mais extraordinario
    uo meu processo, nao foi nem a composi-
    . io do conselho, nem a circumstancia de
    me ter apresentado perante elle, mas foi o
    julgamento que se deu.
    a 0 conselho de guerra encontrou meio
    de me condemnar, e de me absolver ao
    raesmo tempo. Julgou e deixou de julgar
    no raesmo dia. Degradou-me e agraciou
    me ; declarou-me ao mesmo tempo culpado
    e innocents; digno de morte e digno de
    perdSo. Chamou-me criminoso e heroe, e
    finalmente, dignou-se deixar-me a honra.
    Era culpado e nao era : culpado, se os
    meus juizes nao estivessem persuadidos de
    que o ultimo supplicio era ngoroso de mais
    para mini; em vez disto apressaram-se a
    pedir o meu perddo aquolle que foi meu
    subordinado durante a guerra, e a dizer
    em uma carta que ha de bear celebre :
    0 marechal Bazaine tomou o coraman-
    do no meio de difficuldades inauditas. .
    Encontrou-se sempre no fogo... Nin-
    guem o excedeu em valentia.
    EviJentemente os juizes ndo sabiam o
    que baviani de fazer !U sou dever era ap-
    plicar-me a lei draconiana, redigida por
    geute que ndo tinha nunca podido prever o
    meu caso, quando "a sua consciencia lbe di-
    zia que eu nao or culpado.
    ' Nao ha na-Ja ate as conclusoes da accu-
    sai;a) que nao fosse extraordinario. A ac-
    eus.ir.3o declarou que eu nao podia ser accu-
    sadj de traigio nem de consp.rarao, mas
    pretendia que eu tinha faltado aos deveres
    military's. Assim apreciou inferiores e su-
    horJinados, tres annos depois, o procedi-
    mento de um chefo de exercito, que sogun-
    do a exposigdo do general relator, susten-
    tou as suns tropas e conservoii as suas po-
    sigdes ate ao seu ultimo pedago de pao,
    quando o paiz estava exhausto, sogundo a
    declaraguo ollicial do intendente do exercito.
    Sei perfeitamente que ha advogados que
    pretendem que os exercitos se fizoram para
    morrer(palavras de Mr. Cremieux em
    Tours). Mas a consciencia de um chefe
    de exercito probibe-lhe que sacrifique inul-
    timente os soldados que a patria lbe con-
    fi mi, e esta circumstancia vale mais do que
    os palavriados.
    a Assignada a pa/, todos, pequenos e
    grandes, soldados e geueraes, realLtas e re-
    publicanos, sentiram a necessidade de fazer
    recair sobre alguem a colera que os anima-
    va. Procurava-se uma victima.
    0 imperador estava desthronado, ma3
    nao era bastante. Escolheram-me a mim.
    Todas as accusagoes as mais insensatas se
    levantaram logo contra mim. Eu nao s6
    tinha trahido a Franga e recebido dinheiro
    prussiano, naj so tinha conspirado contra
    a republics, jnas tambem contra o impe-
    rio.
    a Neste accordo geral, os que se distin-
    guiara mais eram precisamente os deputa-
    dos e os jornalistas, quo antes da guerra
    pediam o lice-i :iamento do exercito, e o
    desarmamento universal, e que teriam su-
    blevado a Franja inteira, se o imperador ti-
    vesse tentado appellar para a organisac3o
    militar prussiana, perfeitamente aceite na
    aotualidade. Encontrei odios verdadeiros,
    ou tingimentos por toda a parte, e ate entre
    os que cercavam o imperador. Todos me
    calumniavam junto do soberano; os seus
    intiraos, os seus servidorts, os seus proprios
    jornaes lhe aconselbavam que me abandonas-;
    sea" vmganga popular, e faziam mesmo saber:
    que eu era a causa de todo o mal. Promet-1
    tia-s'e lhc toda a qualidade de vantagens em
    troca deste procedimentomas eu digo com (
    satisfag.ao e reconhecimenlo, o imperador
    que sabia com quem tratava, e que sempre
    tinha tido com razao grande confianga na
    minha lea!Jade, nao quiz abandonar-me.
    Devo tambem reconhecimeuto a mon-
    sieur Thiers que ousou defender-me como o
    tinha feito auteriormente por occasiao do
    meu regresso do Mexico, e affrontar por
    mim a impopularidade. E certamente se
    nao fosse a sua queda a 25 de maio do an-
    no passado, elU teria encontrado uma so-
    lur'i i para evitar esse iniquo processo.
    Mas a uii estrella perseguio-me a ponto de
    fazer do triumpho dos monarchistasa cau-
    sa de minha perda.
    Em vez de reconhecer as verdadeiras
    causas dos nossos desastres, prefere-se tam-
    bem imputar-me a perda da Alsacia e de
    Metz. A verdade e que a Alsacia estava
    perdida desde os primeiros dias depois de
    Reichs?hofen, e a retirada precipitada do
    exercito encarregou-se de sua defeza.
    Quanto a Metz, perdeu-se porque a
    pretexto de fazer patriotisms e de desvane-
    c.er as recordaQdes da revoluf io, alguns es-
    touvados c aventureiros que nunca fizeram
    nada pelo que lhes diz respeito, quizeram
    continuar uma luta insensata levantando
    tropas feitas a pressa, mal armadas, mesmo
    mal equipadas e sem sadlcientes quadras,
    contra 800:000 allemaes, admiravelmente
    equipados e dirigidos, que inundavam a
    Frauga.
    a Nao so quiz mesmo aproveitar a minha
    presenija em Metz para procurar tratar hon-
    rosamente. deixando-me exhaurido ate ao
    ultimo pedago de pao.
    Depois do meu desastre poder-se hia
    ainda salvar Metz, quando Mr. Tniers, 0
    unico que tinha conservado o senso com-
    raum, veio propor que se fizesse a paz. Se
    nessa occasiao se tivesse ouvido a sua sabia
    opiniao nao se teria perdido senao a Alsacia
    e tres milhares. Eram certamente sacrifi-
    cios crueis, mas era impossivel evital-os
    FOLHETIM
    JOANNA
    UM JOCO OE PAiXOES.
    POR
    George Sand.
    jFUDUC<;ao dk x. x. x.)
    #
    PARTE TERCEIRA
    II
    (Continuacao do n. 236).
    Acompanhei-a d uma cadeira de bragos,
    e elladisse ainda :
    Fique ao p6 de mim ; e hoje a ultima
    ?ez que o incoramodarei.
    0 que e que diz ? Pois ainda insiste
    na idea do se deixar morrer ?
    Nao, acabou-se, eu estava louca. Ago-
    11 estou calma erazoavel. Nao ereia em
    todo quanto Dolores diz. -No tenho ne-
    cessidade de bailes, nem de espectaculos,
    nem de canversagoes. Comprebendo que
    nao posso casar-me com sir Richard, e re-
    nuncio a isso.
    Acho que o faz com muita facilidade.
    rlaapenasuma bora, era um desespero...
    __ Fui cobarde, mas nem sempre sou
    aisi.i. Comprebenda melhor minha situa-
    t/iO moral. Nao estou enamorada de sir
    Richard tanto quanto o senbor pode suppor.
    Amo-o, oh sim amo o, como meu pai, se
    elle nlo quer ser senao meu pai, como meu
    marid, se elle quer que eu seja sua mu-
    lber ; isto <:, a ternura que elle me pedir
    essa lhe darei, sem lamentar a falta d'aquel-
    la que elle nao me quizer dar.
    E a senhora estd certa de que n8o la-
    mentard c ssa falta ?
    Estou certa de que ahi chegarei com
    o radar Jo tempo ; nSo sou forte, mas sou
    docil, submetto-me sempre. Agora jd estou
    babhuadi, e cada vez me custa menosser
    Sttbmiata.
    E a senhora suppOe que ndo mais
    adoecerd, depois de tomar uma resolugao ?
    Espero-o ; e que me importa estar
    inais ou menos doente? A gento habitua-
    se ao dever. 0 meu o de agradar a Ri-
    chard, e de torna-lo feliz como elle o en-
    teader
    Sendo mesmo sua amante, se elle
    quizer ?
    so elle o exigisse
    Ter-se-hia aproveitado a licSo. e neste mo-
    j mento a Pranga estaria rtatabelecida. Nun
    I ca se me fard admittir que homens sensatos
    tivessem podido esperar destrogar os exer-
    citos inimigos, com mili< ias inooberentes
    e sem acgdo, que compnnham as unicas
    forgas militares da Franca nessa e"poca.
    PerJeu-se Paris naturalmente, o Este,
    t a linha do Loire, e um grande numero de
    pragas; soffreram-se derrotas sobre derrotas,
    e quando jd ndo restava mais nada para op-
    por ao immigo, ficarara d sua coinpleta dis-
    crigao. A allemanha pode entao impor as
    condigSes que se sabe, ^ a Franga tem for-
    gosameute de as aceitar.
    Disse se para se lispngearem as rods
    paixoes, e para exaltar o exercito que a re-
    sistencia a todo o custaJsalvara pelo menos
    a bonra nacional. fin tambem uma men-
    tira que fez fortuna, e que se tornou em
    preconceito. 0 exercito do Rheno tinba
    salvado a honra nacional muito antes dos
    demagogos terem pensaJo nisso. Em um
    s6 dia o meu exercito fez soffrer mais perda
    aos a lemdes, do qu* todas as forgas reuni
    das em Paris o fizeram em quatro me/.es,
    perdi um tergodo meu ciTectivo oca conse-
    quencia do fogo e do churnbo, e cbeguei a
    ter 25:00i feridos nas ambulanciasde Metz;
    os quadras soiYrera.n especialmente, e um
    regimento de tres b^talbdes fiou sob oeom
    mandu de um capitdo. Em Sedan ficaram
    no campo 14:000 dos nossos, primeiro quo
    a batalba se declaresse perdida. /
    Mac Mahon e eu tiuhamos sido ao mes-
    mo tempo infflJ7.es, mas nunca ridiculos-.
    E eu nao me consta ^que nenhura gene-
    ral allemlo o tenba sido, combatendo-me.
    Se alguma cousa podia perder a bonra
    nacional, era, ao contrario, o espectaculo
    que offereciam Paris e .Tours ; a primeira
    comjos seus motinsem frente doieimigo, os
    9eus assaltos ao hotel de Ville, asuas es-
    camotagens de governos, as suas demons-
    tragdes de milicias, pretenuiosas e raidosas,
    as barricadas e o sangue nas ruas; e a sua
    impotencia final ; o segando com a sua dic-
    tadura de acaso, os seus discursos pom-
    posos, as suas imposigdes, as suas preten-
    goes militares, a sua estrategia comica,
    os seus contratos vergonfaosos de forneci-
    mentos militares, as suas coropras d'armas,
    o seu abuso das von tides, e os seus disper-
    dicios de vontades, e os seus recursos im-
    potentes, que o paiz se apressoo a p6r d dis-
    posigao dos dictadores.
    a Sou um velbo soldado, que ndo co-
    Dbego nada de politica. Eu liz campanfcas
    e nao discursos, e ndo me deixei levar como
    a communa com palavroes. Assim um
    raembro desse governo a quo aeabo de al-
    ludir, Mr. Julio Frave, creio eu, deu-me
    um dia em nome dos seus o sobrenome de
    nosso glorioso. Era para me lisonjear,
    sem duvida. mas coufesso que isso em mim
    fez pouco effeito. Um pouco depois, o seu
    collega Mr. Gambetta quiz qualificar-
    me n'um seutido contrario. Declarou-mo
    traidor, e ordenou que me considerassem
    como o ultimo- dos criminosos. As graves
    palavras de Mr. Gambetta ndo me commo-
    veram mais do que as lisongeiras do seu
    coliega e amigo Mr. Julio Frave..
    A opiniao pubhea engana-se ainda pelo
    quo me diz respeito, como se enganou de-
    pois da expedigdo do Mexico.
    cc Em geral ndo se quiz admittir que eu
    tinba evacuado o Mexico segundo as ordens
    do- meu governo.
    0 imperador tinha que escolher entre
    a evacuagdodo Mexico, e as probabilidades
    de um conftieto serio com os Estados-Uni-
    dos ; e para evitar as conseq,uencias do con-
    flicto, deu-me ordem para regressar.
    Ndo ehegaram a accusar-me da morte-
    do imperador Maximiliano, e ndo me accu-
    sam ainda ? Na America deve saber-se &
    quem se ha de langar em conta.
    a 0 imperador Maximiliano que ndo
    queria voltar A Austria por motivos que
    ndo tenho que aprecir.r aqui, recusou
    abdicar e embarcar ao mesmo tempo que
    as minhas tropas. AJmittio, porem, que
    o imperador ndo podia sustental o contra
    os Estados-t'uidos, e contra a opinido
    em Franga que todos os dias se tornava
    mais desfavorasel d occupagao do Mexico.
    Em vez de ouvir os conselhos da minha
    velha expenencia, langou-se no interior
    Nao, n5o quererd isso. Se elle tives-
    se um momento de egoismo deixaria de ser
    quem e\
    Entretanto,
    N'esse caso, nao sei ; mas no dia em
    que elle me quizesse aviltar, depois de ter-
    u.e respeitado por tanto tempo, n'esse dia
    eu morreria de vergonha e de ddr.
    A senhora nao pensou sempre assim
    Convenho n'isso ; mas agora que set
    de muitas cousas de que ndo cogitava...
    Agora a senhora coraria, choraria tal-
    vez, mas cederia ?1
    Meu Deus I para que taes perguntas ?
    Que tem o senhor com isso ?
    Nada absolutamente, t o medico que
    a interroga para saber so, por falta ou ex-
    cesso de coragoai, a senhora corre o risco
    de alguma molestia grave.
    Pois, olhe, doutor, pedir-Ihe-hei um
    conselho.
    E' muita bondade respondi, com
    um sorriso amargo.
    Ella olbou para mim com a mais ingenua
    admiragdo.
    Comprehendi a minha sern razdo, e, mu-
    dando de torn, disse-lhe :
    Se eu lhe desse um conselho, a senho-
    ra ndo o seguiria.
    Ella insistio, e eu, impacientando-me,
    disse :
    E' extravaganto pedir conselhos em
    taes casos. Parece-me que o sentimento da
    propria dignidade deve bastar ; mas e que
    a senhora tem como virtude e dever col-
    locar-se sempre fora de causa, sem ao me-
    nos guardar a mais leg tima e mais neces
    saria das reservas. Ha de ser muito difficil
    aconselhar quem assim se abandona, quan-
    do a paixdo incendia suo imaginagao en-
    ferma I
    A pobre moga nao procurou defender so.
    Pelo contrario deu-me razdo, dizendo-me :
    E' verdade que eu nio tenho o me-
    rito da minha virtude, visto como, se Ri-
    chard ra'a tivesse exigido, eu te-la-hia sacri-
    ficado, e agora mesmo... sic tome ainda
    sem energia contra elle.
    so tenho a sua honra.
    do paiz e ahi encontrou com os seus des-
    gragados geueraes, uma morte bonrosa
    poucos mezes depois da partida do ultimo
    dos meus soldados.
    Eis aqui a verdade, e a respousabili-
    dade a cada um.
    a Posso censurar-me de muitas amargu-
    ras lembrando-me que o nosso immortal
    Washington lambem ndo esteve completa-
    mente ao abrigo de injurias do geuero* da-
    quellas que me prodigalisaram, e que o seu
    'amigo Lafayette passou por provas mais ter-
    riveis ainda do que as minhas.
    Lafayette quiz decapitar I.uiz XVI seu
    soberano,ds suas tropas accusaram-n'o, e
    ainda mais faltaram-lhe ao respeito.
    Para escapar a um julgamento seme-
    lhante aquelle que me ferio, Lafayette vio-se
    obngado a refugiar-se no campo iuimigo,
    entre os soldados do imperador da Allema-
    nha I Gramas a Deus, eu fui meno9 des-
    gragado do que o grande patriota.
    Estou looge de ser rieo, mas alem da
    minha liberdade, restam-me thesouros ina-
    preciaveis. Tenho pjr coropauheira uma
    americana, que me deu as roaiora provas
    de dedicagao que se podem pedir a uma
    raulber ; tenho liHws que adGro; um ex-
    cellente irmdo me awimaria se fcvesse ne-
    cessidadte disso, e af^uns amigos-quese me
    conservam fieis. A minha posig.do ndo e
    pois desesperada ;ufiv me queixenem de-
    sejo que me I a meu tern, Se for preciso, eu
    imitarei um dos vossos, o illustro general
    Lee, o vencKJo de Richmond, e pedfrei ao
    trabalho o hers estar para minha lamilia.
    Ndo me deixo- nunca abater pelos golpas da
    sorte, e nunca me esquego- da modestia- da
    minha origem. Fui simples-soldado ; t*>u-
    Ze amocbila, e a espingarde, e o trabalho
    nao tem nada qoe me afaste, ou quo m
    Uumilbe.
    Nao considero a minha vida militar
    como termiuada ; estou ainda eheio de for-
    gas e do saude. Restem-me daveres a cum-
    prir,- hei de cumpril-os quando chegar o
    momento. Entao, sem duvida a fortuna j
    que se sem mostrado tdo crue!> para mim, \
    ha de conceder-me ease ultimo sorriso que
    dd muitas vezes aos velbos soldaios.
    Rc*bei, charo Sr. Bennett, com todos
    os raens-agradecimeotos renovados, a no-
    va seguranga da minha mais distincta con-
    siderag.ao.
    (Afisgnado), marechal Bazaine.
    tanto a imaginagdo, como o senhor suppoe
    e um sentimento filial...
    Oh I ndo profane essa palavra, ex-
    que me perturbou ao ponto de ndo me dei
    xar perceber a cbegada de Dolor6s> que
    tendo entrado sem fazer o mais leve ruido,
    conservou-se junto d porta
    A admiragdo de Manoela acabou de irri-
    tar-me. Sua mnocencia produzia-meo effei-
    to de uma immoralidade incuravel; mas,
    porque razdo quizera-a eu moral, quando
    os meus desijos ndo podiara deixar de ser
    culposos ? E' que era patente que eu ndo
    os podia mais sopitar, e por isso queria en
    contrar n'ella a forga que me abandonava.
    Olhe 1 disse-lhe eu cada vez mais
    despeitado. A senhora nao tem o instincto
    do respeito d sua propria pessoa. E' isso
    uma enfermidade de que certamente ndo
    abusard o Sr. Brudnel ; mas forga 6 que
    este ndo penseem casa-la com quem souber
    d'essa falta 1 Sei que isto pouco lhe im-
    porta, ndo so porque a senhora na de en-
    contrar facilmente algum necessitado sem
    consciencia nem delicadeza que se tenha
    por feliz em receber um bom dote e uma
    liuda mulber, mas tambem porque e pro-
    vavel que, ndo comprehendendo o que vai
    n'isso de iufamia, a senhora tambem sinta-
    se feliz em ter por esposo um tal homem.
    Mas o que prova tudo isso, sendo que ha
    destinos logicos comsigo mesmo, sendo que
    ha desenlaces naturalmente produzidos pela
    propria forga das cousa.*, sera que lhes pos-
    sam mudar a natureza nem os bons conse-
    lhos nem a indignagdo dos homens de bem,
    das almas hooestas ?
    Tendo assim me expressado, e perceben-
    do que trabia-me a cada passo, sahi, e en-
    contrei-me face a face com Dolores.
    Julgando que ella pretendia deter-me,
    dispuz-me a repelli la do meu caminho ;
    mas Dolores afastou-se de diante de mim, e
    deixou-me passar, posto que fitando-me
    com um olhar que traduzia a mais zombe-
    teira penetragdo e em que transluzia um
    sorriso desatisfag&o*
    Voltei para o meu quarto, e, to eutrar
    alii, disse, de mim para mimestou perdi-
    do, a menos que nio tenha conseguido of-
    Para proteger-me fender mortalmente < 0Wsca, caso em que
    Que quer ? ndo 6,o seu odio me presecjjprd da loucura.
    Julguei ter attmgido esse Qm, visto como,
    durante tres dias, nao s6 deixei de vd-la,"
    mas tambem Dolores ndo foi to meu apo-
    clamei eu ; o sentimento filial uao e senti- seuto. ....
    mento bestial. I Mandei peJir noticias do Manoela. Quem
    Devorava-mc o ciume ; e minha vehe^m'ss foi dar foi o moleoote, que me disse
    mencia causou-lhe estranaezi. 'quesuaama me agradecia oscuidados (
    Ella fitou-me ccm uma '?! O'tupcfacgdo quo passava bem.
    aiTERATURA.
    Mr. Gnat.
    Val Richer foi a Santa Helena de Mr.
    Guizot. Esse bomem, qae acaba de mor-
    rer, foi tao audaz e orgulboso na lota das
    ideas como o primeiro imperador dos fran-
    cezes na kta dos exercitos. Napoleao que-
    ria erigir a sua espada em arbitro regnlador
    do universe) Mr. Guizot queria fazer da
    bumanidade uma immovel pyramids e do-
    mi na la da oulpide com a-sua soberana in-
    telligencia,
    Ndo obstante, as glorias e grandezos dos
    homens rapidsmente &e acabam ; a bistoria
    de Icaro, qpe pretende subkr ao ceo, e de
    Pygmaliao, qae intenta roubar o fogo divi-
    no, repetenvse eternamente. Napoleao en-
    controu-se, depois de Waterloo, inerme no
    meio das nagoes que antes havia subjugado
    que entao o ame.-.gavam furiosas. Mr.
    Guizot, depois de 24 de fevereiro, vio-se s6,
    reduzido a- impotencia, derrubado por um
    furacdo de ideas que soprou subitamente
    das gemonias oude elle as tivcra encer-
    radas.
    Nenhum homem (pelo menos na socieda-
    de civil) ergueu tao alta a-sua soberba como
    Mr. Guizot.
    A prot'iuida eslima, a satisfagao inalte
    ravel e a alta admiragdo quo tem de si pro-
    prio, enchem demasiado a sua abna para
    dar lugar a outros sentimentos. Ainda que
    se atirasse de cabega ao oceano, ndo confes-
    saria que se afogava. Gre na sua propria
    infallibibdade com fe violenta e desespera-
    da. Assemelba-se dquellesanjos-orgulhosos
    que desprezaram a ira do Dous vivo e fo-
    ram precipitados com as azas ao rovez nas
    profundezas do abysmo.
    Assim o retrata um dos seus compatr-Lo
    tas, Cormenin Timoo, no Livro dos orado-
    Ndo cri n'essa bistoria porque o jardim
    continuava a estar silencioso e fecbado, e por
    que ndo mais se ouviam risadas nem cas-
    tanholas por traz da empanada. Dir-se-hia
    que os cdes e que os periquitos tinham em-
    mudecido.
    Deduas uma, disse eu, ou ella esta zan-
    gada ou entdo estd peior.
    E a consciencia mordeu-me, e eu senti
    remorsos por ter tratado mal a minha doen-
    te, dando-lhe opio com uma das mdos, ao
    passo que com a outra rasgava-lhe o cora-
    gao, embora rasgasse o meu muito mais.
    E cousa estranha quando ao po d'ella
    tudo me exasperava, no entanto que, quan-
    do so, no meu aposento, lembrando-me de
    que ella era boa e amavel, esquecia sua ir-
    ritante situagdo I
    Ndo obstante, jdeubuscava um pretexto
    para tornar a ve-la, quando recebi uma carta
    do Sr. Brulnel, e logo e logo se me depa-
    rou um meio de conseguir o meu intento.
    Pela leitura d'ossa carta, que era datada
    de Pau, vi que o Sr. Brudnel ndo recebera
    a minha, pois, que a sua dizia assim :
    Men charo doutor. Estou de viagem
    para Bordeaux, oude devo conferenciar com
    o meu banqueiro rolativamente a um gran-
    de pagamento que tenbo de fazer aos her-
    deiros de minha irmda. E' negocio sim-
    ples e facil, porque ha muito tempo que a
    quantia necessaria estd em poder d'esse ban-
    queiro na previado do que agora acontece.
    Minhas rendas diminuirdo muito, mas
    em compensagio entro no gozo da liberda-
    de do futuro, e o p-esente e ainda bedo,
    visto como, gragas d minha vida retirada e
    ds poucas loucuras que pratiquei n'estes
    ultimos annos, nio tenho mais divides.
    Por tanto em nada serd alterada mi-
    nha existencia, 6 senhor continuard a viver
    ao pe de mim, se me estima como eu o pre-
    zo, e minha quer id a Helena, cujo futuro
    esa garantido, neuhuma privacdo soffrerd.
    Como ve minha carta estd datada da
    sua cidade, onde me detive para descangar
    um pouco. Ndo a deixarei sem ir curapri-
    mentar sua excellente e respeitavel mai.
    Sem duvida ella lerd difliculdade Qm reco-
    nhecer-me ; mas como ndo esquecou meu
    nome, espero que me ha de perifoittir fal-
    lar-lhe do senhor, e dizer-lhe qqanto o se-
    nhor merece a consideragdo em que o te-
    nho.
    A carta tinha sido aberta depois de i'e-
    chada, e con tinha este post-scriptum :
    Estive com sua mfti, quo alids nao en-
    res. E de feito, onde estau os deuses qua
    elle ad r.ju ? Foram-se como OS deuses da
    Grecia. Que feito fui do mysterioso santua-
    no da sua doutrina, onde elle ofiiciava so
    como pontifice, tendo os respeitotes levitas
    prostrados a certa distancia? Jd nao exis-
    te; plantas profaoas o violaram e mdos im-
    pias o destruiram. N'uma palavra, a iiea
    que so proclamava eterna eimmutavel rnor-
    reu primeiro que o homem ; o eciectismo
    desappareceu da face da terra, antes quo o
    seu rnestru so decidisse a duscer ao tumulo.
    *
    Guizot nasceu era Nimes, no dia 4 de ou-
    tubro de 1787. 0 seu bergo embalou-se
    com os primeiros abalos revolncionarios.
    Apenas abrio os olbos d luz do mundo, vi-
    soes horrendas o encheram de espanto. Ti
    nha sete annos quando soube que a cabega
    deseu pai roldra no cadfal9o, porter sido
    adversario encrgico dos furores terroriatas.
    A viuva, nobre e santa mulher, fugio para
    Genebra, proenrando no solo da Suissa, lio
    virgem de tyrannos como de demagogias,
    educagdo para seus ftlbos e liberdeile para a
    sua consciencia. A familia de Gu-rcct per
    tencia desde an tig* tempo d Reform,'.
    Educado na emigra^.ao e na desgra^a, ad-
    quirio Guizot desde muko mogo o ar serio,
    grave e austero quo onservou toda x sua
    vitia. Diz se que ate seu sorriso parecia
    a csreta de uma estatua* de mar more. Na
    quelte espirito, serodiftanmente devastaxlo
    pela dor, desenvolveu-se a intelligencia d
    custa do sentimento. Grandes ideas ferve-
    rarn r sun cabega; mas no seu coragdo-
    nunca palpitaram ternas commogoes. Ain-
    da que se entregou na sua joventude ao cul-
    tivo da bella litferatura e das artes liberaes.
    e prmcipiou os seas trabalhos n) jornalis-
    mo, escrevendo criticas litterarias e artisti-
    cas, ndo 3onbeceo>ntinca, nao sentio nem
    pur um ira&anto os-arrancos irr^fl'exivos do
    enthusiasmo* os saaves deliquiosda poesia.
    Uma sd-a*eatani ha na sua vida, qae de
    longe pareee romantica, mas na realiilade
    foi prosaica, m?thodica e regular, eomo to-
    dos os seus ados. Mr. Guizot cstreiou-se
    no Pablicitia, onde entaoescrevia (olbetins
    muito apreciados a menrna de Median, tdo
    liscreta como virtuosa.a qual com o traba-
    lho da sua penna susteatava uma familia ar-
    ruinada, como tantas outras, pela revo
    lugao.
    A raenina de Meu Ian cahio doente ; fal
    tendo o fabslbo, faltaria a paga ; a enfer-
    midade era tambem a miseria. Mas os io-
    ibetins nao deixuram dese publicar nos
    dias costumads ; ao pe de cada folhetim
    appareciam as miciaes da- menina de Meu-
    lan-i os leitores ndo derara por differenca al-
    guma, e ndo obstante, uma penna varonil,
    a de Mr. Guizot) tinha substituido a escrip-
    tora enferma.
    Qoaudo a menina de Meulan se restabtle-
    cen, foi seu primeiro desejp agradecer ao
    bomem que procedera com tanta generosi-
    dade e delicadeza Houve uma entrevista
    e ccmbinou-se um casamento. Esta aven-
    tura, occorrida em 1812, parece, repetimos,
    cousa de romance, mas ha am pormenor
    que lhe tira em grande parte o seu brilbo
    poetico : a menina de Moulan tinha ouo-
    tor.ze annos mais do que Mr. Guizot, quan-
    do se casaram.

    At vida politica de Mr. Guizot tem duas
    faces oppostas, eom > uma medalha. lm-
    rante a mon-rcbia dos Bourbons apparece
    liberal, plebeu, opposicionista, e por ulti-
    mo, revolueioiiano. Durante a monarchia
    des Orleans apparece home.n de ordem,
    aristocrats, goverannte, e por fim dictsdor.
    Luiz XVIII nomeou-o em 1814 secretstio
    geral do mimsteno do interior. Qual foi a
    causa de tao subita elevacik) ? Mr. Guizot
    distiuguira-se como adversario de B mapar-
    te, mas nao como partidario dos Bourbons.
    Sem, duvida aquelle rei bondoso e concilia
    dor quiz dar uma prova de imparcialidade
    pondo no ministerio do remo um plebeu ao
    [ado d'um nobre, um protestante ao lado
    d'um catholico, um liberal ao lado d'um
    realista, um Guizot ao lado d'um ttoyer
    Collard.
    Outros varios cargos desempenhiu Mr.
    Guizot ate ao de conselheiro de estado. Mas
    e>tava escripto que a monarchia bourbonica
    ndo resolveria o grande probloma dos tem-
    pos mode' nos : unir os principios conserva-
    velheceu, e que reconheceu-me antes de
    eu dizer-lhe o meu nome Fallamos e cho-
    ramos juntos. Sim, meu charo amigo cho-
    ramos p >r finados que o senbor ndo conhe-
    ceu e que nos hao de ser eternamente cha-
    ros Depois... vi sua irmda...um anjo,uma
    musa divina 1 Perdde me, que vou par-
    tir. Escrever-lhe-hei de Bordeaux. A's pres-
    sas aperto lhe a mao.
    Apenas acabava eu do ler essa carta, en-
    trou Dolores, quo foi porguntar-mo se den-
    tro d'ella nao tinha ido alguma para sua
    ama.
    E as cartas qua me siio dirlgidas pas-
    sam pelas suas mdos ? perguniei-lhe ; e ac-
    crescentei : Na la tenho para sua ama ; mas
    como o Sr. Brudnel me falla d'ella, prev,-
    na-a de que lhe quero fallar.
    Ella espera-o, doutor. Acompanbe-
    me que lla estd impaciente I
    Levei a carta e fui.
    Manoela pareceu-me deraudada, eeumos-
    trei-mo inquieto ; ao que elU disse :
    Ndo e nada. 0 senhor prohibio-me
    a danga, e eu nem por isso me sinto me
    lhor ; mas, a carta ? Posso le-la ?
    Ella leu-a e releu-a, bem como Dolores
    que, inclioada por sobre o sea horabro, de-
    vorou-a com o olhar, depois do que disse
    dirigindo-se tanto a mim como & sua ama :
    Nem uma palavra sobre casamento I
    Bora se vO que elle jd ndo pensa n'isso, se e
    que alguma vez pensou em tal.
    Repugnando-me, de accordo com essa
    mulber esmerilhar os secretos pensamentos
    do meu amigo, guardei silencio, ndo obstan-
    te os olbares supplices de Manoela, que pa-
    recia desejar ouvir a minha opinido.
    Emfira ella dicidio se a responder a Do-
    lores que Richard falla va i* sua liberdade
    reconquistada g do seu presente assegu-
    rado.
    Foi ao doutor que elle fallou n'isso,
    retorquio Dolores; ndo ha uma p&lavra abi
    que se dirija a senhora.
    Pois nio I Sou sempre sua querida
    Helena...
    Que elle incluio no seu testaraento, e
    que elle continuard a guardar n'uma bella
    gaiola de ponteiros de ouro.
    Entdo? falle I disse-me Manoela.
    Para que ? A senhora tem um con-
    selheiro peuetrante e eloqaente, disso-lhe
    eu indicando Dolores. Ndo me quero en-
    voi ver nos commentaries.
    Saho 1 disso elle para a ay a ; tu (Isi-
    dores com ot principios liberaes. Depots
    rW) assassinio do duqua do Berry orincipiou
    a raaogao louca e d satinada. Mr. Guizot
    demittio-so do seu emprogo, a(astoa-so com
    todos os homens liberaes do tbrooo quo 00
    repellia. e dedicau-se is Urofts da bistoria
    dor e philosopho. htbUearaaa-H onto* as
    suas Collecfoes de documentor sua Hit-
    toria da revolurdo de InglaUrra, livro quo
    o collocou em primeira fill oaftre os gran-
    des escriptores da ua cpc.
    Aquella Historut, pelo levaotodo crilork
    com que estd escripta, pela acortada apre
    ciagao dos factos, pela sobriedado doostjlo,
    pela profundidade dos pensamentos, eollo
    ca-lo-bia para logo entre os primeiros oc-
    enptores contemporaneos os grandes pon-
    sadores deste seculo, se rnto bouvosto tecida
    para a sua corda litteraria outras foros igoal-
    mente garridas.
    Todos lemos eom encanto uma coUocgic
    de ligdes dadas pelo autor na Sorbooa, qoe
    se imprimiram com o nome do Hutoria da
    tiviliaacdo europia ; e em ventodo qoe se
    o titulo da ubra creova grande* eurayro-
    rrossos a Mr. Guizot, soobo desempenhar-se
    delles tao eorapletameote, qoe exao>iea> os
    tsperang.is dos menos facets de coo Sen Ur -
    dos mais eii^entes.
    Ore a de 1822 funla se ama eoiobre sso
    ciagao que pria<'.ipia proclaioanli am in-
    tuito levai e ham de cnudnzir a um termu
    revoludkitiario. intitulav -se Ajuda te c
    Deus te *judardr n propunha-so dteo independencia das eieigoes ontra os surdos
    inanejos to poder. Mr. linizot foi am dos
    seus chefes. Quem hivia do suspeatir qoe
    poucos annos mais tarde, converoMo em
    president*) do governu, o mesmo bonvMO
    empregaria todos os reeursos de rmo ad-
    ministragao cenlralisadura para dingir a seu
    L eili i prazer os suff agios da y.iz Ityil 7
    Mas estas mudangas prodigioeos nao sao raras
    na idade presente.
    Em 1827 faHeceu a Sr. Gui>ot, deixaado
    escriptas varias obras deelat^gio ode mo-
    ral, que ainla -durante muito tempo sordc
    lidas. Em 1828- apreseiituu-soMr. Gun
    uovamente na cathedral de Sorbona aate
    um auditorio, mais composto do juveoiudo
    politica; que da juventudo eseadaosa rha
    1H2C casou com a menina Bliso Mllon, se
    brinbo da sua primeira mulber, qual pro-
    vera e quasi preparara esse segundo enlace
    Km 1930 fui eletto representaoaa- da na-
    gdo.
    Momento singolar aqueUe em ajoe um
    throno cahe derrubado, momento do oobre
    eothusiasmo e de vertigem iiuonsato. m.
    mento em que Urmina com a expiaoie uma
    carreira-de antigos erros e principia com a
    imprevisao um periodo de futoros descsga
    nos I
    a Nao bouve, dizia Mr. -uizot, oenhuma
    reuniao de deputados, graudeoa pequona.
    a que eu nao asitissse. live a honra do
    redigir o primeiro protesto dos deputados e
    a proclamagao em que a camara chamava o
    r. duque de Orleans a lugar tenente geral
    do rei no. A commissao municipal qae tinba a
    sua sede na casa da camara, faz-mea boora.
    de me coofiar em St de julbo minister^/
    da instruegdo publtea, e no dia scfaiule c
    do interior. Ndo ha, porUnlo, ninguom
    mais compromattido do quo ea na> revoiu
    gao. >
    Ha annos houve na ar.adoraia franaeza
    uma d-'ssas solermudades eajo e, trans
    pondo as fronteiras francozas, roparcuti:-
    em todo o mundo civilisado. Trataaa-s*
    nada menos que de um discurso de rooep-
    gdo que devis proouociar o celabro padre
    Lacordaire, o orador sagtado de reputagajo
    uuropua, e de outro disourso do ooador
    profanoe protestante, Guizot.
    Era um pugdato intellectual em. que iam
    medir-se os dous grandes athleUs, ton
    d > por juizes do ramp.; as prbnoiras illus
    tragoes da l?anga, e p>r espectadores -
    erilioos os saiaios, os criucos, os pbiloso-
    phos, os pohticos de ambos os oontinoaler
    Verilieou -so o dessfio litterario, o dopoi>
    de apreciar a destreza e talenlia dos doo.
    campeoes, a opiniao publics mais dluslrada
    decidio-se em favor Jo entao quasi octoge-
    nario ex.aiinistro.
    (Corituiw*r-*e-hai.
    .
    -
    agradas ao doutor. EUe fallard qcuiu'.c
    aqui nao estiveros.
    Dolores, docil e como se fossa inctpaz de
    odio, sorrio e sahio depois de tor di'.o uma
    palavra baixjnho ao ouvido de Manoela.
    Manoela, com uma caodura iaitaael.
    repetio a palavra logo que ficamos s6s.
    0 post-scriptmn ? perguntou ella
    tornando a ler o fim da carta desir Richard
    Ah 1 elle vio sua mdi. conhaco-a, e tea
    segredos com ella... Isto nio mo diz res-
    peito... E vio sua irmaa..., uma musa,
    um anjo... Sua irmda e pois muito linla -
    Pego-lhe que nao (allemoa de minba
    irmaa.
    E porque nio 1 uma musa diviaa '
    isto quer dizer que ella tem grandes talent,
    que me falle.-em ; mas elle apenas vio-a du-
    rante um instante, e partio. Nao quero tot
    ciumes de sua irmaa.
    Probibo-a de fallar de ciumes a res-
    peito de minha irmaa. Ha palavras quo t
    impossivel assocrar aosrtas ideas.
    Ah meu Deus I eiclaraou Manoela
    pondo-se de pe ; como to senhor me dos
    preza 1 Nio sou digna do pronunciar o
    nome de uma moca honesta I
    E' digna de certo, rospondi-lhe eu
    tomando lhe da mao e fazendo-a aeotar .
    tambem a senhora e uma moga bonoata,
    mas torn o espirito perturbado, e a triste
    companbeira a quem a senhora deu sua
    confiaoga acba de ainda mais desnortea-lo.
    Ella, quem, faz nascer no sea cerebro ideas
    absurdas. Pois nio comprehende a senhora
    que e injuriar mortalmente a mim e ao Sr.
    Brudnel, suppo-lo enamorado de minha
    irmia ?
    7- E porque ? Ella e uma santa, e am
    siijo. Se elle a amasse nio hositaria um
    instante em pedi-la em cmnan I
    Nio commetteria senelhaote ioconaa-
    tez, porque seria recusado immodiatamoote.
    Porque sua irmia acha-lo-hia muito
    velho, nio ?
    Minha irmia nada echaria, porqua
    nio quer casar-se ; mas eu e minba rail
    preserva-la-hiamos das ridicules preteocoes
    de um velho.
    I'm velho I serve para mim ; com-.
    proheodo.
    A senhora torna-me bem ioMiz, for-
    gando-me a feri-la de continuo, quando eu
    nao desejo senio calar-me.
    Til' .L-- 1 ..-RV^.Dl'cJCE M.CAltoi



    *
    i
    ^
    A
    -


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EEBWE8TCV_P7MHOZ INGEST_TIME 2014-05-29T19:02:14Z PACKAGE AA00011611_17848
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES