Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17845


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMVO L. NUMERO 233
PAR 4 A CAPITAL E LUGASES 0\DK N.iO SB PAG A PORTE.
for tres meiee adiau-.ados................ 69000
Por sets ditos idem..................129000
for am anno idem..................949000
Cada numero avulso................. #330
TERCA FEIRA 13 DE OUTUBRO DE 1874
PARA DBMTBO E FOBA DA PROVL1CIA.
Por tres metes sdiantados............... tfTM
Por mU ditos idem................ .
Por note ditos idem.................
Por am anno idem...............
PR0PRIEDADE DE MAN0EL FIGUEIR0A DE FARIA FILH0S.
fe frs. fiersrdp Antonio AJvss6 Filhos, no Par*; Goncalvea d Pinto, no Maranhio; Joaqnim Josd de OliTeira d Filho, no Coari; Antonio de Lemus Braga, no Araeatj ; Joio Maria Julio Chrvg, no Assri; Antonio Marques da Silvs, Natal ; Jose" Justine
Peretra i 'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Montairo da Franca, na Parahjba ; Antonio Joe*- Gomes, na fills da Penha; Be'armino dos Santos Bnleio, em Santo Ant* ; Domingo* Joel da GosU Braga, am Baxareth;
Antonio Ferreira de A#uir, em Goyanna ; Joio Antonio Maehaeo, no Pilsrda* Alagoas; Ahras 4 C...na Bahia ; e A. Xavier Leite d C. p Rio Janeira-
at
IRSISUCCAO POHJiAS
ElemcuUi d physlca
LIVRO SHiUNDO
Bjdro.lnlica
CAP1TULO III
KOEs SI FPORTADAS PRLOS CORPoS SUBHEBS03,
PESOS BSPRCII1COS, AREOMBTnOS.
iContinuocao.)
Bevl^'1 ssutniorla dos pelxtea. Em
grande numero de peixes eueontra-se nraa bexiga
-cheia dear, a que se da o nome de bexiga nata-
tori*, e qua e situada no abdomen, abaixo da es-
pinna dorsal.
Por meio desta bexiga e que ue-< peixes se ele-
vam ou se abaixam no ;eio das aguas a todas a<
profundidadi-, mauteiido-se alii a sua vontade.
Se elles qu-rem descer, coropiimem a bexiga
per am certo jogs muscular, c neste caso, deslo
caado menos agua, aeu peso torna-se maior do qae
do liqaido deslocado, o que os faz descerem sem
esforcn.
Se, pelo conlrario, elles qucrem sabir, relaxara
oa masealq^qie co i primem a bexiga ; e esta, di-
latando-se em consequencia da elaslicidade do ar
que contem, o peixe augmenta de volume sem to-
davia augmentar de peso, e cousequeutsmenle so-
be impellido pelo impuxo do liquido.
NSktSMB 0 corpo hamano, qae e mais leve
do que a agua, tende naturalmente a sobre n i Jar na
supcrGcie dcsle liqaido, sobro tudo na agua saiga
da dos mares, que e mail deusa do qae a agua
doce. Por conseguinte, para o nadador on para
quern cahe n'agua, a difflculd&iie nao e lanto con-
servar-se na super.icie como mauler a cabeca fu-
rl do liqaido alim de poder respirar livremenle.
Com effeito, tendo o homem a cabeca mais pe
sada do que os membros iuferiores, tende ella
sempre a imroergir-se em primeiro lugar, e a
agua, penetrando enlao no peito, faz com qaeo
corpo torne se mais pesado do que o liqaido que
elle desloca, o que deiermina a iuiniersao total.
E' por isso que a natacao nao e natural no ho-
mem, porero, sira uma art: qae elle devo cul-
ti*ar.
Nos quadrupedes, pelo contmrio, pesando a ca-
!>oca menos do que a pane posterior do corpo, po-
do ella sem errorco perraaneeer fora d'agua ; e
nao eputra arazao pela qual esses aaimjes na
dam natnralmente.
Se qualquer pessoa, que nao sabendo nadar, ca
tnsse n'agua, couservasso o sangua frio preciso
para volver-se sobre o dorso de forma a ter a fa-
ce voltada para cima, de certo u.i.i percceria, por-
que, podendo respirar livremente, sem duvida po-
deria esperar. qua a fossem salvar. Mas, em ge*
ral, em vez disto, quem cahc n'agua faz tudos
os esforgos para elevar os bracos acima da agua,
cocao se qnizesse encontrar no espaco urn ponto
de apoio a que se podesse suspender. Esta ten-
dcncia por se elevar acima d'agua e muito funes-
ia, porque nao perdend) os bracos uma pane
do sea peso igual ao peso do liquido deslocado,
todo o seu peso juu'.a-so ao da cabeca c assim
contrUma a immergi la.
Em igualdade do peso, as pessoas gordas na-
dam mais f.icilinente do qua as m igras, nor<]ue
dcsiocam laaii agu:..
E' pela mesma razao qae so liga as pessoas que
aprendem a naJar bexigas Qheias de ar ou cituos
dc cortiga. Deu'arte sem se llios augmentar con-
sideravelmente o pe o, taz-se-as deslocar mais
agua, o que augments o impuxo qoe tende a sus-
te-las.
Algumas especies de aves, laes-eomo os pato?,
03 gansos e os cysnes, mantem se sem esforgo na
."uperficie da agua. Provem Ibes essa faculda-
permeavel que cobre a parlo inferior de seus cor-
(!os e qae Hies faz deslocar. para uma pequena
immersao, pesos d'agua iguc*.s aos seus proprios
pesos.
(Continua.)
?AETE OF
Govcruu da pravlacia.
EXPEDIENTE DO DI.V 18 Dr. MA|0 DE 1874
!.* secgSo.
UuIcto :
Ao Extn. brigadeiro coramandanle das ar-
::ias.Remeito a V. Exe um exemplar impresso
da (alia com que Sua Mage-'.aJe j Iinpcrador abr.o
no dia 15 do corrente a i' sesjflo da 15* legislatu-
re da assetublea geral.
2.' secQ'io.
Acto:
0 presidente da provioeia resolve exonerar
do cargo de promotor publieoda comarca de Goy-
*naa o bacharel llonorio Fie! de Sigraariga Vaz
Curado, por ter sido nomeado juiz de direito da
comarca do Teixeira, por decreto de 6 do cor-
reate.
Officios :
Ao commandante sapenor da Garanlmns, Bom
Conselho e Uuique.Respondendo ao ollicio de \.
S., de 23 dc abril proximo findo, tenbo a dizer-lhe
qae a nova qualilicacao da gmrda nacional, orde
cada pelo aviso circular do miuisierio da jusli;a,
de 17 de outubro ultimo, qae lae foi transmittida
em circular do 28 do refendo mez, deve ser feita
com todo cuidado e exac<;ao, na forma da lei, nao
deveodo, portanto, basearso em arrolamentos de-
finitivo9, como consulta V. ;. em sea citado offl-
cio.
Ao commandante superior interino da guar-
da nacional de Olinda e Ignarassd. Sciente pelo
officio de V. S., de 12 do corrente, da impossibili-
dade em que9o acbam de prestar juraraento e to-
mar posse diversos officials njmeados ou promo-
vidos para o 9* bataloao dareserta desse munici-
pio, por nao so acbar no exorcicio o respectivo
commandante, nem haver assumido esse exercicio
o capitto mais antigo, tenho a dizer-lhe que nio
podendo conlinuar em abandon] o commando do
lEGsmo batalhao, deve V. S proceder nos termo3
da lei, sajvo se preferir reilerar saas ordens.
Ao jaiz de direito da comarca de Baiqae.
Tendo reqaerido a Sua Msgestade o Imperador o
perflao do resto da pena de 23 annos e 4 mezes
de prisao simples, qae Ihe foi iraposta pelo jury
desse termo, em sessao de t& de setembro de 1859,
e qae campre no presidio de Fernando de Noro-
nha o sentenciado Jose Ferreira de Oliveira, re-
metta-me Vmc. as informal", de qae iratam o
decreto de 28 de ma-co 6^ 18*50, e circular 1e z8
de junno de 1865, afi-n de qae o recurso possa se-
pair seas termo?,
Ao juiz de direito di I* vara, executor das
sentenc,as criminaes.Tendo re^uerido a Sua Ma-
gestadeo Imperador perdao da pena de gales per-
petaas, qae cumpre no pres-dio de Fernando de
Noronha o sentenciado Antonio Pereira da Motta,
eaviado desta cidade p ra aquelle presidio em 28
de junno de 1848, como consta da guia junta por
copia, remetta-me Vmc. as informaQSes de que
tratam o decreto de 28 de mareo de 186u e circu-
lar de 28 de junho de 1865, alim da que o recurso
posea seguir sens termos.
Ao tnesmo. Para os fins conveaientes, in-
cl :so remetto por copia a V. S. o decreto de 2 do
corrente, pelo qual Sin Msgestade o Imperador
bouve por bem coramular em 2 annos e 6 mezes
de frisao com trabalbo a penaae 12 annos de
de igual prisao impost* a Belohior dos Reis Pavao,
pelo jury dosU ci ladH.
Ao joiido direito do Rio Fcrmoso.Prewn-
dsndo requwer a Sua Hagestade o Imperador, o
perdao da pena que ihe f ji imposta pelo jury des-
ta cidade, em marjo de 1872, e que cumpre na
csa dedeteacao desta cidade, o senten-iado J Can dido Ferreira daSilva, remetta-me Vmc. s in-
formacoe', de que trat .m o decreto n. 2,556 de
28 de marco de i860, e a circular de 28 de junho
de 1863, alim de que o recurso possa seeuir seus
termos.
3/ teeyto,
Aotos :
0 presidente da provhicta resolve remoTer o
official da seeretaria da tbesouraria proviocitl
Jose de Pinho Borges, para o lugar de 2' eseriptu-
rario da contadoria da mesma thesouraria.
0 presidente da provincia resolve nomear o
3" escnpturario da thesouraria provincial, Luiz
Ripbanio de Souza, para o lugar de official da se-
eretaria da mesma thesouraria.
0 presidenie da previncia resolve exonerar o
bacharel Honorio Fiel Sigmaringa Vat Curado, do
lugar de fiscal da collectoria do muoicipio de (joy-
anna, visto ter lido uoinea lo juiz de direito da co-
marca do Teixeira, na provincia da Parahyba, por
decreto de 6 do corrente.
0 presidente da provincia, attendendo ao que
expoz o inspector do arsenal de marioha em 9, e
informou o da thesouraria de faienda em 15, tudo
d > corrente rnez, resolve autorizar sob responsa-
bilidade da mesma presidency nos termos do de-
creto u. 2,884, de 1 de fevereiro de 1862, o credi-
to supplementar de 3:032 ?253 a verba-hispi-
taes-do mini-lerio da marioha, a dm de poder s
referida thesouraria occorrer ao pagamento das
despezas a fazer-se no actual exercicio por conta
da mencionada verba, visto nao ter ainda baixado
a competente ordem do thesouro nacional.
Officios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Transmitto a V. S. para os devidos tin a inclusa
copia da portana de hoje, pela qaal resolvi auto-
rizar sob responsabilidade 4e$ta presidencia, nos
termos do decreto n. 2,884 do 1* de fevereiro de
1862, o credito supplementar de 3:032*253 a ver-
ba hospitaes- do rainisterio da raarinha, alim de
poder essa thesouraria occorrer ao pagamento das
despezas a fazer-se no actual exercico por conta
da mesma verba.
Ao mesmo. Communico a V. S. para seu
conhecin.ento e devidos effeitos qie, em aviso de
2 do corrente, declarou-rae o Exm. Sr. ministro da
fazenda ficar demittido o praticante da recebedo
ria de rendas desta provincia, Joao Pacheco de
Medeiros.
Ao mesmo.-Transmitto a V. S. para os fins
convenientes o incluso orcamento enviado pelo
commandante do presidio de Fernando de Noro-
nha, em officio ds 11 do corrente, sob n. 28, dos
dioheiros precisos para occorrer ao pagamento do
pessoal do mesmo presidio.
Ao mesmo.Transmitto a V. S. para os de
vidos tins, as inclusas ordens do thesouro nacio-
nal, de ns. 72 a 75, e do ajudanle general de ns.
1,141 a 1,146.
Ao me?mo.- Remetto a V. S. am exemplar
impresso da falls coin que Sua Magestade o Impe-
rador abrio no dia 5 do corrente a 3* sessao da
1 .V legislalura da assembiea geral legidaliva.
Ao mesmo. -"-Transmitto a V. S. para seaeo-
nhecimento o devidos fins, copia do aviso de 20
de abril findo, em que o Exm. Sr. ministro da fa-
zenda declara nao poder ter lugar a providencia
reciamada pelos despach^ntes da alfandega desta
provincia, no senlido de fazer-3e cessar a p^atica
de se permitliras pessoas estranhas aquellaclas
se os despachos de raercadorias de importagao.
Ao mesmo.Tendo nesta data, de acordo
com o officio de V. S, de 16 do corrente, sob n.
503, serie G, relevado Bento Jose de Torres da
raulta que Ihe foi imposta pelo collector do Bont-
to. por nao ter dado no prazo legal a matricula o
menor Victoriano. filha de sua escrava Jjanna ;
assiml ho communico para seu conhecimento e
devidos effeitos.
Ao mesmo.Communico a V. S. para seu
conhecimento e devidos effeitos, quo segundocom-
municou-rae o Exm. Sr. ministro da agricullura,
commercio e obras publicas, em aviso de 6 do
corrente, sob n. 4, fdra na me ma data dirigido
um aviso ao minisleno da fazenda sobre o credito
da 1:000-000, afim de ser applicado as despezas
com a remessa para differentes caraaras munici-
paes, de padroes do systema metrico decimal ;
devendo as mesmas despezas ser escripluradas na
verbaobras publicasdo corrente exercicio.
Ao mesmo. Para os tins convenientes com-
munico a V, S., que em 22 de abril proximo fin-
do assumio o exercicio do cargo de juiz de direito
da comarca de Goyanna o respectivo juiz munici-
pal e de orphaos, bacharel Alfredo Krnesto Vaz de
Oliveira, conforme participou em officio de 27 do
referido mez.
Ao mesmo.Para os fins convenientes com-
munico a V. S. que em 11 do corrente reasia-
mio o exercicio do cargo de juiz de direito da co-
marca do Liraoeiro o bacharel Fraoci-co Bernardo
de Carvalho, renunciaado assim o resto da lieen-
73 de 30 dias, conforme participou em officio da
mesma data.
Ao mesmo.Para os fins convenientes, com-
munico a V. S. qae por portaria desta data foi
exonerado do cargo de promotor pnblico da co-
marca de Goyanna 0 bacharel Honorio Fiel de
Sigmaringa vaz Curado, por ter sido nomeado
juiz de direim **tfea do Teireira.
(TO.
Ados :
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu Amelia Carolina da Silva Ramos, pro-
fessora publica da cadeira da freguezia de S. Pe-
dro de Olinda, e tendo em vista a informacao do
director geral interino dainstra^rao publica, em
officio de 8 do corrente, sub n. 142, resolve con-
ceder-lhe 3 mezes de licenca com ordonado na
forma da lei, para tratar de sua saiide onde lhee
convier.
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu Anna Ignez da Silva Ramos, professura
puolica da cadeira da villa de Panellas,e tendo'em
vista a informacaa do director geral interino da
instruecio publica, em officio de 12 do corrente,
sob n. 148, resolve conceder-lbe prorogacao de li-
cenca por dous mezes, sem vendmentos, para
tratar de sua saiide onde Ihe convier.
Officios : '
Ao Exm. presidente da provincia da Bahia.
Deferindo 0 incluso requerimento do soldado do 2.
batalhao de infaotaria, Andre Avelino de Miranda,
rogo a V. Exc. se sirva de transmittir-me urn do-
curnento coinprubatorio da aliegaeao que fa< 0 re-
ferido soldado, de haver na qnalidade de prac* do
corpo policial dessa provincia marchado para a
campanha do Paraguay.
Portaria :
A' Illma. camara municipal do Recife.Em
resposta ao officio da Illma. camara municipal do
Recife.de 13 do corrente, sob n. 45. em qne com
munica achar-se' arrorabado 0 cano geral de esgoto
no caes de Capibaribe, tenho a dizer que, sendo
ic attribaicao municipal a obra de qae se trata,
c&be a essa Illma. camara mandar fazel-a, para e
que dou-lhe a competente autorisacao
A' Illma. camara municipal do Recife,Re-
metio a Illma. camara municipal do Recife, um
exemplar impresso da falla com que S.ilo Impe-
EXPKDIENTE DO SECRBTABIO.
tf SC*>.
Officios :
Ao Exm. brigadeiro commindante das ar
mas. De ordem de S. Exc 0 Sr. president* da
provincia declare a V. Exc. para 0 seb eoJieci-
mento que nesta dita deferio-se a petieSo d em
prezarioi da Locoiuolora Pernambucana,
pediram permissio para assentar os trilhos res-
pectivps do angulo formado pelo muro do fosse da I
Padre Jose Luiz Pereira de Queiroz. -Deferido
officio desta data, dirigido a thesouraria de
nda.
Jo-e Elias de Oliveira.Informe com urgencia
Sr. inspector do thesouro provioc al.
'Laurindo Ferreira da G>*u. lodeferido.
Maria Paes Barreto.Deferido eo:n offlcio desta
na ipaai data ao urovedor da Santa Casa de Misericordia.
Mam Magdalena da Natividade. -Indeferido.
Theodora M*na do E-pirito Santo. laforme 0
Liu uu 1 \j^w v*v iiivuiiuia m'liti ** j u-(mi 11 ,nii.'. ----- a*vi
fortaleza das Cinco PoDtas, lado do mar, ato onde BKin. Sr. brigadeiro commandante das annas
chega a mesma muralha, a que se refere 0 offlcio L
de V. Exc, de 15 do corrente.
Ao inspector do arsenal de marinha. S. Exc,
0 Sr. presidente da prvindia maada deelarir*?,
S, em resposta ao son offlcio de 9 do corrente, ;
sob 0. 18, que nesta data foi aberto o credito sup-
plementar de 3:032,253 a verba hospitaes, -*
ministerio da marinha, afim de ter lugar 0 paga-
mento das despezas indicadas no citado offlcio.
2' WOm.
.Officios :
Ao Exm. conselheiro presidente da relacao.
De ordem de S. Exc oSr. presidente da provin-
cia, incluso remetto a V. Exc, urn exemplar im-
press da falla com que S. M. 0 Imperador abrio a
3* sessao da 15* legislatura da assemble* geral le-
gislative
Igual ao conselheiro presidente do tribunal
do commereio,
Ao juiz de direito da t* vara, executor d
de sentenjas criminaes.De ordem de S. Exc, o
Sr. presidente da provioeia, incluso transmitto por
copia a V. S. 0 offlcio do commmdaite do presi
dio de Fernando de Noronha, n. 31. de 11 do cor-
rente. relativo ao sentanciado Laarentino da Ko-
ch a I" re ire.
Ao juiz de direito interino d6 Goianna.De
ordem de S. Exc. 0 Sr. presidente da provincia,
communico a V. S., que por portaria desta data foi
exonerado do cargo de promotor pablico de*sa eo"
marcs 0 Dr. Honorio Fiel da Sigmaringa Vat Cu-
rado, por ter sido nomeado jaiz de direito da co-
marca do Teixeira, por decreto de 6 do orreute.
Ao me3ino. -0 Exm. Sr. presidente da pro
vincia manda aceusar 0 recebimento do offlcio de
V. S., da 27. de abril proximo finio, communi-
can lo haver em 23 do referi-lo mez assumido 0
exercicio do cargo de juiz de direito intenoo dessa
comarca.
Ao juiz de direito da co narca de Limoairo.
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda accu
sar 0 recebimento do offlcio do V. S, de 11 do cor-
rente communicando haver na mesma data reassu-
raido 0 exercicio do cargo de juiz de direito dessa
comarca, renunciando assim 0 resto da liccn^a
de 30 dias.
Ao presidente do conselho da revista da guar
da nacional do muaicipio de Agua Preta.0 Exm.
Sr. presidente da provincia manda accusar 0 re-
cebimento do offlcio de V. S., da 13 do corrente,
( AGKNC1A TELEGRAPHICA HAVAS HKUTER.j
Wi*iVI%%A MAWWUttlki
Buelioi. Vj res II de outubro. -
luiiveram iIouh pei|iieiis encon-
tr.M eatre os lnsurg;enles e as r<>r-
eaw do gevernu, proximo da cidade
do Bueaua-Ayrea. Uax-ae tanaS>ein
aur hou<- um couibate no "norle,
uiuh cujo lesuiiaili nao e aabldo.
oatevldeo 11. O general Mitre
aublicou uui inanlfesto, no igual de-
clara 1 qae prelentle ussumir < euns-
iimio em n.-r' dos inaurgentes t
Sue uao aapira para ai as redeaa
o foverao do pals ; e qae, no caao
e aablr vlcturloao o seu partido na
iruerra uetuni. pretende retirar se
a vida particular.
Montevideo ll.-Alguna partida-
nun dos iaaurKentes eompraram
pant eetea pircao de armamento,
bem como mala tres vaporeai e
roseguem no alistamento de gente
para augnaentar o sen exei-cito.
communicando haver na mesma data concluido os
trabalhos 0 conselho de revista da guarda nacio-
nal desse municipio.
3" sectfio.
Officios:
Ao inspector da thesouraria provincial..-S.
Exc. 0 Sr. presidente da provincia manda commu-
11 ca- a V. S. quo nesta data foi removido 0 official
da seeretaria dessa thesouraria, Jose de Pinho Bor-
ges, para 0 lugar de 2" escripturario, vago pelo f.il- ,
lecimento do Chris'.ovab 4* Rocha Cunua S-uto J/**? 1,J0 -uno
Maior, e nomeado o 3" escripturario, Luz Epifanio
de Souza, para 0 lugar de official da mesma se-
eretaria.
Ao mesmo.De ordem do Exm. Sr. presi
dente da provincia oramunico a V. S. para sea
conhec monto e Cns convenientes, qae por acto"
desta dafa foi exoneralo 0 bacharel Honorio Fiel
de Sigmaringa Vaz lurado, do lugar de fiscal da
collectoria do municipio de Gtianua, por ter sido
nomeado |uiz de direito da comarca do Teixeira,
provincia da Parahyba.
4." secQao.
Offbios :
Ao t secretario da assemblea provincial.
N. lit. DeorJem de S. Exc 0 Sr. presidente da
provincia rc-rretto a V. S. um exemplar impress
da falla com que S. II. 0 Imperador abrio no dia 5
do corrente a 3' sessao da 15* legislatura da as-
semblea geral.
Ao mesno.N. 112. Da ordem de S. Exc.
0 Sr. presidente da provincia satisfaco 0 quo soii-
citou V. S. em offlebs de 21 do aoril e 11 de maio
ultimos, sob ns. 32 e 33. remettead) em original a
informacao prestada pela Illma. camara municipal
desta cidade, em offlcio de 13 do corrente, sobre
0 pagamento de custas judieiaes.
Ao director geral da inslruccio publica.De
ordem de S. Exc. 0 Sr. presidente da provincia re-
metto a V. S. um exemplar impresso da obra inti-
tulada Hisloria de um bocado de Paopor Joao
Mace, vertida para o portuguez e adoptada pela
commissao dos livros de premio em Franca.
Ao bibliothecario provincial. De ordem
de S. Exc. 0 Sr. presidenie da provincia re-
metto a V. S., para a bibliotheca a seu cargo um
exemplar impresso da obra de Joao Mace, intitu-
lada-Histona de um bocado de pao, adoptada
pela cuinmissao dos livros de premios em Franca,
e verlida para 0 portuguez. Acompanha tambam,
de ordem do mesmo Exm. Sr., um exemplar do re-
la torio apre-eotado pela commissao encarregada
da analyse quaiitativa e quantitativadas agu is mi-
neraes de Baependy e da Campanha na proviaeia
de Minas Geraes. v
Ao Exm. presidente da sociedade Propaga-
dora da Instruccao publica.De ordem de S Exc.
0 Sr, presidente da provincia remetto a V. Exc,
para a bibliotheca dessa sociedade, na freguezia do
P050 da Panella, dous exeraplares impresses, sendo
um da obra intituladaHistoria de um bocado dc
pao por Joao Mace, e outro do relatorio da com
missao encanegada de examinar 0 valor quanta-
tivo e quantiMivo das aguas mineraes de Baepon-
dy e da Campanha, na provincia da Minas Ge-
raes.
5.' secqiio.
Officio :
Ao engenheiro fiscal da corapaahia Locono-
tora.- De ordem de S. Exc. o Sri presidente da
provincia daclaro a V. s. que n^sta data foi deferi-
do 0 requerimento dessa companhia, 0 qaal acorn
panhou 0 seu officio de tl do corrente, sob n. 13.
Montevideo 11O presidente da
republic* oriental da Uruguay re-
cebeu oSBetalmante ao encarregrado
dos uegocios de Mespanlia.
tlkA%%Vn%%\ "9 fAlkirVllkMa
Montevideo IS.Foi eleito presi-
dente da republlca do Paraguay o
r. Joao Baptlsta 4)111.
ii^^%,a,^% m^wmi^%8
Bio de Janeiro Cbegaram
aifftii 1 Ho 111 em. paquete franrc/,
das Messacerias Maritimas GIRONDE,
e o vapor iYanees VILLE DE BAHIA ; e
bojc o vapor ingles TENIERS. O pa-
quete GIRONDE satae amanba para o
Mio da Prata.
COMMEaC14.ES.
para pro-
DESPACHOS DA PBEslDENCIA, DO DIA 10 DE OUTUBRO
DE 1874. -
Antonio Aureliano Lopes Coutinho Janior.la-
forme o Sr. commandante superior da guarda na-
cional do municipio do Bonito.
Antonio Gomes Ferreira Leite. Passe portaria,
concedendo dons mezes de licenga com orde-
nado.
Abdias Bibiano da Cunha SaVes. Infjrme'V^
Sr. inspector do thesouro provincial.
Antonio de Moura.Concede 8 dias
var isencao.
Companhia Fraoceza de Paquetes a Vapor Mes-
sagenes Maritimes. Nao havendo sobre que re-
solver, deve a supplicante recorrer ao poder com-
petente.
Carolina de Almeida Torres.Informe o Sr. di-
rector do arsenal de gaerra.
Camillo de Lelis Andradc Lima.laforme o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Francisca Monteiro Leoffier.Agaarde a sup-
plicante a inaugaracilo da colonia Isabel.
Jose Maria Freire Gameiro.Nesta data designo
o Dr. Augusto Trajano de Hollanda Chacm para
rado, abrio no dia 5 do corrente a 3" sessio da 15 r inspeccionar o supphcante, como preccitiia o
legislatura da assemblea geral leghlativa. '4# do art. 1 da lei n. 1,108.
Loadreg SO.A taxa do descouto
continua a ser de tres por cento.
Conaoliilados de M for account, a
Ji 3/4. I undo- brasllelroa de S /.
do 'anno de laSS. a 88 ; ditos
do Uruguay de %, > anno de
ditos argentinoa de
de 1MI, a a* i/-
ercadb de cafe Urine, tuaa poucaa
transacedes ae tern fcito i vende-
ratn-se o rurrejjamento dc Santos
pelo DANS Eli ROG a */, e o do Hio
coon F.un pelo GUSTAV, diz-se que a
9V/S por cwr ; e foi recusado o ear-
rcgamento do G1SELLA a 7o/. Mer
cado de assucar frouxo.
\ew-Yoriiio -Camblo sobre lion-
dres 1-S5 l/t. UnrollO. Carrega
mentos de eafe do Bio fair bH 1/1,
e good a IS 3/-1 cents por libra. AJffo-
dau meiliano uplands a 15 1/S cbnts
por libra t as ckegadas de boje
aos portos americanos clevam-sc
a iute mil I'iii'iliis.
Liverpool lO. -O mercado de algo
dao csla quielo. mas os preros
inalterados t venderam ae boje do-
ze anil fardos. sendo mil e quatro
centos dc procedeneia da Vmerica
da Sul ; o fair de Pernambuco. de
Mantes e o de Maceio a 8 d. por 11
bra. Mercado de assucar frouxo.
Antuerpia to. Cafe de Santos
bom ordinai-io a 35 francos.
11 am It ii i -go lO. Ma procura do ca-
fe de boa qualidade.
Havre lO.-Mantem-se os precos
no mercado de cafe.
Marselba lO. Assucar de Per-
nambuco n. SO a SG 3/1 francos.
Cafe do Rio bom ordinario a loo
francos.
Rio de Janeiro IS. -Camblo sobre
Londres 6 l/% bancario, e SB 3/-1
d. particular.
Bahia IS. -Camblo sobre Londreg
'in 1/S bancario, S6 5/8 a SO 3/4
d. particular.
CORRECCAQ NECESSARIA.
0 vapor portuguez. cbegado a Lisbsa, no dia 9
do correute. foi o JULIO DINIZ e nao o ALMEI-
DA GARRET, como sahio por engano de typo-
graphia.
Madrid 11.Ctmgam b/jas noticias da
guerra. Dezoito batalboes carlistas estao
concentrados em Fuente-de-la Reina. Uma
deputac^o de Gutpuzcoa pede a rovisio do
tratado de limites lotto em 1859.
Paris 11.0 novo ministro do Brasil se-
ra reccbid') na quarta-feira (11 do corrente),
pelo presidente da republics.
Berlimll0 bispo de Munslerfoi mul-
tsdoem 4,700 tba'ors pelo crime de resisten-
cia as leis do paiz. Correram aqui infun-
dados boatos da demissAo do ministro fran-
cez N iailles.
Lisboa 13 Sahiram : o ARCHIME-
DES para o Rio de Janeiro, e o RIO VOU-
GA para Pernarabuo. Cbegou, proceden-
te do Rio d i Prata pelo Brasil, o paqu-ste
inglez/VF4.
EXTERIOR.
(AGENCiA AMERICANA.)
Buenos-Ayres 10 de outubro. Corre
que houve um cambate no norto, eatrefor-
gas do governo, coramandadas pelo coronel
Rocca, e rebeldos, commandadasjpelo gene-
ral Arredondo. 0 general Mitre publicou
um manifesto, no qual diz que vai assumir
o commanio em chefe das forcas insurgon-
tes; que nao.tem em vista o poder ; ao
contrario mesmo, que, sahindo vencedor, se
ret i rani avid a privada, e conclue appellando
para a vontade do paiz na luta travada.
Pelo si.-u lado o presidente Sarmiento tam-
bem proclamou, dizendo que ha de defen-
der ate ao extrerao os poderes que lbe fo-
ram conferidos. Tem havido conflicto
entre o governo protincial e o nacional.
Montevideo 10.Foi recebido em au-
diencia publica o Sr. Rolriguez, enenrrega-
'egocios da Hespanlia. Os rebeldes
argent.. ~^'npraram mais vapores, e con-
tinuam a ei.0 "onto para o seu exercito.
Paraguay 5. "'eito presidente da
republica o Sr. Gill.
Rio lias h. e 45 m. of tardo. C bio sobre Londres inslterado; sobre Paris
357, e sobre Bordeaux 354 particular.
Babia 12 a 1 b. e 35 ra. da tarde.Sa-
bio para o Rio de Janeiro o vapor nacional
PARA\
Babia 12 As 3 h. e 30 m. da tarJc
Cambio sobre Londres 36 5/8 e 26 3/4
particular.
Repablica Argentina.
NOVOS REGULAMENTOS DAS ALFANDEGAS.
0 governs nacional nomeou, em 10 de novem-
bro de 1872, uma commissao compota dos Srs.
Chmtobal Aguirre, administrador das remlas da
alfandega de Buenos-Ayre.*, D. Francisco Pico, D.
Juan M. Perdrml e D. C. del Csfflpo, para iue, re
vendo os regulatnentos aduaneiros em vigor, pro
puzesse as reforraas que Ihe parecessem aever-se
adoptar. A
A commissao termmou seu? trabalhos.
Propoz ao Sr. ministro da fazenda, por meio de
uma oota, as reformat que enlendeu conveniente
tntroduzir nos referidus reguiameutos. Dessa no-
ta extrahimos os seguintes periodos, que i meres-
sam ao commercio do paiz.
Depois de baver-se ennunciado sobre varios as-
sumpos que o governo superior subraett^ra ao
sen exame, a commissio passon a occupar-se da
revisao geral dos regulamenlos aduaneiros.
Esta revisao praticou-se, fazendo um demorado
exame de cada um dos artigos dos regulamenlos.
0 resultado de tal estuJo foi a conviccao de que,
em geral, os actuaes regulamenlos satbfazem, de
mo lo completo. os interesses Sucaes e os do com-
mercio do paiz, em suas multiplicadas e exteosas
operacoes.
Com effeito, examinadas suas di.-posicoes, com o
auxilio da luz que propcrcionam os sete annos de
pratica em que tem vigorado os regulamenlos ac-
tuaes ; comparada a equidade deiles com o que a
respelto estatuem as disposicoes e syslemas adua-
neiros de outros paizes quo, por seus longos an-
nos do pratica c experiencia na materia, estao era
mais elevada altura entre no;, na parle regula-
mentar de suas alfandegas; onsultado o eslado
aetnal de nosso paiz, sob o ponto de vista social e
commercial; a commissao reconhece que esses
regulamentos, molhorados b >je com as reformas
propostas, preencherao completa cente seu nb-
jecto, o ficarJo ao nivel das neces3idades publi-
cas e da in?rciu liberal e progressista que o paiz
tem adeptado, alim de chegar ao seu engrandtci-
mento e ao augmento de suas rendas pelo accres-
cimo e desenvolvimento do commercio. base fe
cunda da prospendade de todas as nayoes.
Os trabalhos da commissao nao podem offerccer
granles innmcoas, que veoham aalterar o syste-
ms de rendas do paiz ; porque as bases desse'sys-
tema estao consignadas na lei que estabelece a
parto linanceira de nossas alfandegas, rednzindo
se a orbita da commissao a parte raeramento ro-
gi mental.
E' a esta parte quo a commissao dedicou todos
seus esforcos, afim dc conciliar as facilidadcs quo
nosso cresceute commsrcio requcr, em tudo que e
compativel com os bem entendidos interesses das
rendas publicas.
Feitas estas breves ob-ervacoes, a commissao
passou a dar conta das principles nuJifica^'i que
entendeu conveniente propor, aualysando-as, ain-
da que perfunctoriamente, c dcixando de parle to-
das as alleracoes de caracter m3is secundario, c
cuja simples enunciayao daria a sua nota uma ex-
tousio que excederia os limites regulares.
As principas reformas sao as seguintes:
No art. 3., que enumera as alfandegas raariti-
mas de deposito, incluio-se a de Fatagones, qne
foi creada por lei do congresso nacional, posterior
a publicaeao dos regulamenlos.
0 art. 6." soffreu tambem as modificagoes se-
guintes :
1.* A rseebedoria de S. Jeronymo, na provincia
de Santa Fc, foi supprimida porque, segundo os
dados of.lidos pela commissao, ella e compieta-
munte inutil, em consequencia das poucas opera-
coes commer;iaes que por ella se effectuam, e
para cuja fi-calisagao basta um simples registro.
2. Incluio-se a recebedoria de Villa Colon, na
provincia de Entre-Rios, porque sendo sua crea-
c,ao porterior aos regulamenlos, nao ligurava nel-
les.
3. Supprimio-se as recebedorias do Itati-Itay-
Vati e Empedrad), na provincia de Corrientes, pe-
las mesmas causas expostas a respeito da de S. Je-
ronymo.
4> lncluio-se as recsbedcria" da Bahia Blanca,
Ajo, Zarate e S. Pedro, na provincia de Buenos
Ayres, creadas ultimamente pelo congresso na-
cional.
No art. JO, 4." effectuou-se uma importante
modiflca?ao, que consiste na suppressao das pala-
vras pertencentes a alfandega por onde se faz a
inlroduccCio. Esta alter, jao importa derrogar a
restriccao, que antes tinham as alfandegas, para
importar artigos carregados em pontos onde so
existem registros, dependenles dc outras alfande-
gas quo nao sao as mesmas que aquellas por onde
se quer effectuar a introducjae.
A co nmissio pensa que esta modiGcayao pro-
porcionara beneQco resultado ao commercio de
cabotagem, porque importa alargar sua esphera de
accao.
No art. II, 4., fez-se a mesma reforma a res
peito das recebedorias maritimas, a que se refere
o dito artigo.
Os arts. 14, 15, 16 e 19 forara tambem reforma-
dos no sentido dos anteriore.', para ficarem Con-
cordes entre si as faculdades dadas as alfandegas
e registro quanto a importacao, com as que se
lues assignam nas operacdes de exportarau.
0 art. 26 foi supprimilo, visto que, na pratica,
esta medida nio so tem apresentado difnculdades,
mas nlo tem proporcionado garantia alguma de
seguranca em beneScio da renda.
0 art. 37 foi modificado no sentido dc que a col-
loca;io de um guarda a bordo de cada navio que
entra no porto, que pelo artigo era obrigatoria, II
cou como facultativa por parte do registro. Esta
medida foi tomada em consequencia de nio ser
poawvel cumprir tal disposiijio sem que os regis-
tros livessem um pessoal notavoimente maior do
que o actual, e porjue isso nao e tao indispensa-
vel que se nio possa prescindir de faiel-o sem
prejuizo da renda.
0 art. 43 foi supprimido. Esta modificacao im-
porta a suppressao dos direitos do visita e regula
memo, chamados direitos de porto, que sao 25 cen-
tavos pela primeira e 5 pelos segundos.
A commissao entendeu dever snpprimir este lm-
posto, em vista de sua insigniScante importancia,
e com o flm do facilitar as eperacfies de entradas
dos navios. Ao demais, pensa a commissao quo
os pequonos impostos, que nio proJuzeni renda
de certa consideracio, devem ser supprimidos, re-
cra geral, adm de nio apronmarem se em deina-
sia a tbeoria dos impoiios inultiplos.
Os arts. 109, 110, ill e 112 foraa rcforvsdos,
no sentido de evitar que nos maailest->s das mer-
cadorias, se use toda classe de peso e medidat es-
trangeiros, fleando .-omente em vigor o synema
.netneo-decimal, maodado agora (bservar por de-
creto do superior governo oaciunil.
A commissio indies outras reformas, do que de-
pois trataremos.
PERKAMOTCft
i iiiiuiio i-,ii.-.ih,i uuuieru too in uij'i 5
lornecedor da casa de detencio o quo se
exercicio de l#~i pela alimentacio dos pr
ASSEMBLEA PROVINCIAL
DISCURSO PROXUNCUDO PELO SR. nEPUTADO
DR. OLYMPIO MARQUES OA SILVA, XA SES-
S.V DO 1" DE JUXHO DO CORREXTE AXXO.
O Sr. Olympio Harqurs x Sr. presi-
dente, o Diario. de boje publica uma serie de
emendas, apresenladas ai orcamento na ultima
sessao. Algumas d'essas emen l"u coutem materia
muito imporunte, principalmente as que dizem
respeito aos direitos de exportacio dos generos d
produc^o agricola da provincia. Noto ate que
dua* allerain sensivelraente o que esta lecretado
como imposicao sobre os masmos generos : sao as
emendas numero 150 clevandu a 4 1/2 0/q o im-
posto sobre o assucar, e nu.xero 20i, assignada
por dous nobres membros da commissao de orca-
mento, mudando a base do lancameut'i do mesmo
impusto. Em lugar de 3 0/j, como esta no projec-
to, vejy que esla emenda diz : ( Le)
Ora, altera nio so o quantum da imposicio,
como tambeino systemadaarrecadavarjdo imposto.
A commissao, com approvayao, creio, de toda a
assemblea, alterou o imposto sobre o assucar, pas-
sando o imposto de fixo, que era, ou sobre o peso
a proporciooal ou ad valorem, c mo sao quasi to-
dos os impostos sobre os demais generos. Hoje
que nau actuara as mesmas causas que levaram
as legislatures ante iorcs a lancar o imposto do
assucar sobre o peso, tendo a commissao voitado
ao antigo imposto ad valorem ou proporcional,
nlo posso atinar com as razoes que pjdia ter lido
a nobre commissao para abandonar o imposto mail
equitativo e voltar ao systema antigo, e em uma
proporclo que nao sei, ou antes, nil me parece
ser a mesma do projecto.
Desejava, pois, que algum dos noires membros
da commissao me explicasse a razao d'esta mu-
dau;a. E como estou coin a palavra, permitta V.
Exit., Sr. presidente, qu i juslifique mui ligeira-
mente algumas emendas que apresentei na sessao
passada, e as que vou apresentar h;)
A miuha emenda numero 186 mtnda pagar ao
deve oo
. presos po-
bres. vindos d'vulras provincias. A provincia de
Pernambuco, desde muilos annos, carre?av com
o onus da suslentaclo dos presos de todas us pro-
vincias do lmpurii>, nao so daquelles que por qual-
quer cjreumstancia cram aqui mssmmm a casa de
detencao, couo tambem aquelles que, 4s viagem
para o presidio de Fernando ou dc volta do mes-
mo presidio, aqui se dcmoravain.
Sendo eu raembro da commistio de oresoMMS
ha dous annos passados, achei que a provioeia
ae podia muilo legal e regularm^ntc liberlar des-
te onus, mandando dar al rnenia;a.i a esses presos
pebres, tiranio-se, porem, conlas as respectivas
provincias pela iiupuruncu dessa aliui3nta(io ; e
assim se tern resolvido desde aqueila epoca.
Mas isto nao qucr dizer que a provincia deixe
de pagar ao respectivo fornecedor a importancia
da atiiucntarao dosses presos pobres ; porquanto
no contrato, feilo entre este indivduo e a thesou-
raria, nao se faz distinccio entre presos desta
provincia e de cutras ; o forn cedor da alimenta-
i;ao tem obrigacao de dal a a tan'.os presos quantos,
segundo o seu numero e so o seu numero, sem
indicar se a sua procelen ia, Ihe ordeaa o chefe
de policia ou o administrador da casa de detencao.
Dada esta ordem ao forneior, elle nao terao di-
reito de avenguar se o preso e da provincia de Per-
nambuco ou d'outra qu: 0 Sn. Ratis e Silva : Apoiado.
0 Sr. Olvmpiu Marqles .Por consejuencia,
todo o fornejimento, que elle faz na boa fe, e no
cumpriraeato do s:u contrato, Ihe da direito ao
pagamento pela provincia de Pernambuco, reslan-
oo, porem, a esta a iiidemnisacao, a que lem di-
reito, das demais provincias por esse adanta-
mento.
Has nao lem sido assim entendida a disposicao
da lei do orcamenlo que regulou este service, por-
que tem-se deixado de pagar ao fornecedtr a ali-
montaQao, por elle prestada a pre-os de outra*
provincias. Para reparar esta injustica, quee
manifesla, eem deferiment) a uma reclamacao do
mesmo fornecedor, dirigida a esla as-emblea, man-
do uma emenda, consignando esla providencia.
Man lo tambem uma emeuda, elevando de 6 a
10 0/o o imposto sobre o rendimento dos bens de
raiz das corporacpes de mao morta, que nao sus-
tentam estabelecimentos pios. Ja live occasiao de
justiQcar esta emenda, quando fallei a primoira
vez. Escuso, portanto, repetir o que enlao disse.
Hando uma emenda sob numero 191, rectifiean-
do um erro, que tenho visto em todas as leis de
ore.imeuios anteriores, e na cpoca aetual 6 am
verdadeiro anachronismo. 0 actual projecto con -
signa, como os anteriores, a cooservacao do un-
posto decretado para o calcamento da cidade, ao
55, que d z : ( Le" ).
E isto 6 um verdadeiro anachronismo. Estas
leis quando autorisaram a construe^ do calca-
mento da cidade, mandaram qae se coace lesse,
como indemnisacao do dinheiro gaslo pela provin-
cia com a consluccao dos passeius, 15 0/q sobfs
o rendimento das casas, segundo a avaliacao para
o pagamento dadecima ; mas estas leis nuoca ti-
veram execucio. Quando em 1863 se fez o con-
trato do calcamento, eslipulm-se com o contrauo-
te que elle teria direito, pela construccao dos pas-
seios, a 48i000 por braca quadrada. N'esta eon
formidade 6 que, em virtude de lei posterior de
67 a CS, interprelativa da que em 1863 approvou
o contrato do calcamento, a thesouraria cobra dos
proprietaries 48*000 por braca quadrada dos pas-
seios, quando estes sao feitos pelo contratante do
calcamento.
Se e assim, nao tem sigoi6cacao a continoacao
desta verba de receita da provincia ; como te es-
tas leis, que crearam o imposto de 15 0/0 sobre os
alugueis das casas, vigorassera. Ellas nuucajvi-
goraram, como acabo de dixer. Por esta razao.
e coUnecendo-se perfeitameale jue, pela legislacao
actual, a thesouraria nao fai m'ais do que indem-
nisar-se, quando o contratante do cal.aminto faz
os passeios das casas larticulares,mandci uma
emenla, acereseentando ao s 5 i que Irata das re
posicoes o segninto : ( Le ).
Assim, sopprimo o gque coasidera como legis-
lacao actual leis quo nuoca vigoraram, nuuca esti-
veiam em exe.mcao, nem podem e^tar, e mando
que s^consi lore co.uo vema de receita a indemnisa-
cao deste servico quanao f>r pus seta th-
souraria ; visto como os proprietarios lem o direi-
tj de fazer os pa-seios de suas casas, uma ve qua
o facam segundo o piano adoptado.
Este direito ihes tem sido sempre recouhocidc,
no projecto em disrussao, na parle em que trala
da apprcvajao do contrato do calcameato so laes
reconhece expr.ssa'-riento fjie c.







^^^
a *
-------
3i3#Q de Pernambuco Ter^a feira 13 de Outubro d 1874
\.
tfando tam&em uma~aienda so att. 15 47, ex-
xluindo urns duiilicida.le de iroposass,
OSr. floHWf ^Kr.REin.v.-A emends, s qua
o nobre oep#ULJ-|e refere, aao Toi spreseatada;
por ecgaao apMreceu na mesa eonr as oalras
emeodas, e KMIMecripta bo jornal.
0 Sr. OLma|KuuR ; -Sao jabia deals cir-
cumstancia^ portanto julguei deraeu dever cha-
mar a afsafao da assemolea sobre essa emooda.
Em tudo case as ot>*erages qua Iz aao joigo
inateis, porque ex isle ema emends do Sr. Tiburtio,
devando o imposto da assacar a i 1)2 (,.
O Sr. Goncalvbj Feruium :Nos inandamos
ueia einenda resirediva a esta, elevando o linpost
?de 3 a i |., porqM 0 ealcnle que (izcraos foi er
rad.'.
O Sh. Olvmpio H*hi;ks: Eatao aiada subsis-
t-in as niinha* cbservsgoes-; espero, pois, qae a
nobre commiafio nos expliquc em qua denMHio
esse err-j; e se o ; ugmijnte proposle e equivalea-
le ao imposts actual, ou o excede, como in- parece,
em cujo case nao Ihe passe dar o meu veto, pois
consider.) a vex torio ; atteota a crise parque vai
pa>saud 11. agriculture da-provincis.
0 57 du art. 13, deorstando o imposto de i'
scibie asirausfereneia* de acgoes de sociedades
anonvas, tern dado htgar a duvidas, quaado as
veudas sao I'eitas em leiido, a vista do 35 de mes-
mo artigo que co*s das eai leilao. Succede que quando a tran^ferencia
dessas aegoes c iVit i-**:n leiUo, a (hesouraria julga-
se com direito a cofcrar 1 |, pela vends -em leilao,
e I "(-> pela trau.-fereueia.
1" ii;ii verdadearo absurdo ; uis podia eslar na
meuie do legi4 o raesmo acto.
Mand t, pois, cma eraenda exeinir.do ou isootau
do do impostu duplo as aegoes, tinando vendi as
tw leilao.
No art. 20de orcamento sa estakeleee a tab-Ila
para o paganteato d ) juizo e mats funceionarios, .-;' arrecadarem o
seilo sobre as heraneas necessar&s) Mando uma
emends suppriimn.lo" esta parte, e creio q ie a ra
zau qae tenho, a nobre comnn-^ao nao deixara de
sceiiar como proce.lente.
Dizo art. U : ([..')
For cousequeu:ia aqui nanli i servico feito, nem
4-los fuacci oianos do juuu, eui |hjius emprega-.
tiiH do feco : untr-i.iiiij, a j li.u <\i ariigi a ui bre
commwsao dedtr daln umi pttusaiafetu de 6 '(,
que divide em d7. quotas e m n la pa gar da se-
guiale maceira : (l.ii)
Nao aclio rauoi QMW-
..Uandu, poitaiito, um.i omeudasappriinindj esta
pane.
i)-sde qu os cmpregados do juizo uao teem tra-
balbo com esta arrecadaqao ; o e:crivao uao tern,
o juizo tern inuitoi-.sigiuiicaute ; o procurador lis-
eal tambe-n ; o ajudaute uao lem aenbum, absolu-
lameate, porque quaudo luacciona o procurador
fiscal, o ajudaute nia poJe fuaccionar...
0 aft. Guxg.\i.vr Fkrubiua : Mas istoexplica-
se: file sempro tcm ama porceutagom.
0 Sa. Olvmi'io ilAiigUKs :Tom a porceutagem
pelo inibalbo da arrecaJagao, qualquer que seja a
luipoi taacia do imposto, mas de^de que para uas
fuuc:ioaarios do juizo u.lo b- traballn algum, e
para uutrOi o ti abaiao e pouco, dt^-se a eslea uma
parceotageai corresponded, mas naose corte lar-
go, com i Tez a commisrao.
() Sa. GonqjUiKSS I"i;aaiiiitA :Mis dopois dies
dirao que uao teui obrigacao de saber (yem raur-
reu.
0 Sr Olvmpio Masques : Utq empregado pu-
Jilioo nao poda dizer isto.
O Su. GoNfiatvas FfiitnEiRA :Mas, einfim, alii
sta o fact i.
O Sa. Ulvaipio MAiiijUKs: Em todo o casj e.'la
porceutagem e muito il-.-vada, porque os funccio-
narios Uo|uiz-nao Irabalbam, como merino a
c-iuiiiiiss.io decrota na X' parie uoartigo. Eu nio
dayidarifl propor ou votar por uma disposicao mats
restricta, nao so em vista do pouco trabalho da
arrecadafio, coinu por que teaiio boasraxilas para
crer qua este imposto produzira am rendimenlo
muiti avultado, que maudei uma einenda ao art.
21, einenda sob numero 193.
Sr. presid-nte, lem-se aduilttido, e eu sou secta
0 Sr. Olvmpio Marques :XXo pode deixar de
pr ej u Ui car Desd* q u o ua iftdhidaa caoln com
a camara o ;siabolecimento ou c illxa^ao da kjos-
ques nas ruas e pra^as, e'lagd depots se restrujEB
o drreilo de colloca-ios na prac* mais importanvB
da eidade, o-sea-con(rato>esU desrespeitado.
0. 1. do addiiivo .do nobce depuUdo qao pode
ficar como esta : (Le-)
Nam a ass :mb!ea pode (egislar sobre pequeoas
vtadas de re frescos, beti nas raas e pracas, nem m earns sei sa sari a onve
niente que to o coatraUnte poiessa faaer no iliea-
tro ejse senrl^o.
0 Sa. Felippe de Piguei| : 0 ediflci > e pro-
viaoial; a assembles, portaoto, pode .deternamar
it**.
0 Sa Olvmpio Mabcr bs : Nio p* ie. A pro-
nncis, aluganda o theatro a tun iodividao, a a de
ma dos direitos que ten todo o proprietary; mas
uenhum pr.iprtetario, mesmo quandoi: am dos-po-
deres publicos, pode viotar as leis municipaes qae
reguUm as vendas da bebidas.
Sr. presidente,mando tauibemuma emenSaaa-arl At
36, restrmgindo a S^iot cento o Imposto da \ por
ri> desta idea, pelo menos por ora, o systems da
faslruccio patticular sutivencionada systems adop-
tad) ag-ira mesmo pela assembles no projeclo re-
I irmador da lu-lruccao ptiblica, nesia conf'iini
dade evita qua, quer no or;amento, quor na \ii da
reforma da mslruccio pubiica, se aulurisa a pre-
sidancia a ab ir credito e razor de-pezas com a
csaeio J'uraa escola uorinal p>ra o sexo feminino,
escola que j;i axiste, limilando-se, porum, esta des-
pez aG 00J300J0, man-Jo u n i emonlacoasignan-
do um auxilio a actual esc-la u irmal, emquanlo
nil re estabeleee a puiilica, auxilio diminuto, a
vista dos resultados evideutemente vautajosos, que
se vaoobteudo equo se coulinuarao a obtur desta
instituicao. A emeods diz sssim : (Le)
Aqui no jorual jili 3i*, mas 6 300}0M).
E-ta c iQSignacao esta abaixo da equidade; por-
quaui se atteadermos que a ese-jla normal para o
sexo mascul in actualmeate cast* a proviacis viu-
.ie e 11 itjs contos, eastaodo, por cousequencia, cada
aluinno inestrs, approvado e preparado por ella,
. cerca de 6004000. wislo como alii se preparam,
lermo uK'Ji i, dez alamuos por auao, e as vezes
menos, creio q ie se eonM0'uando uma quota de
dOO.OiO.uma i!i-.rti parte, por uma alumna mes-
ira prop rali pela escola, e cmvenientemoute pre
parada como ellas o sao alii, a proTioeia tera por
jrejo diminuto um pessoal habibtado para o ma-
fitlerio, com grande vaotagam para o ensino.
Maudo mai-i uma e nenda sob .mmero 193 a um
tdditivo, creio qae da nobre eommissao, reiativa-
ne.nte a subvenQSo da companbia pernaaibu-
i:aaa.
Eu d- sejasa quo um dos noares membros da
commisslo i]ae esta presenle, atlendesse as obser-
vacSas que vou fazer.
(Neste momenjo o Sr. Gmcalves Ferreira sahe
do aalao.)
Ben ; como S. Exc. nao ouvio o meu pedido,
deixarei para ontra vez o que iadizer.
Off-reijo como addiiivo ao projecto numero j
deste anno o numero 1H de 187i.
Qoaado entruii em 2.* discassSo o or^amenlo
maudei um addiiivo, pedinJo que se inclui.-se o
projecto numero 38, e no lim deta discussao maa-
dei um ouiro compreheudeado ambos os projectos
numcros 58 e 111.
A mesa eonsiderou prejudicado esse addiiivo, e
n3o me i-ccorreu leml rar que > que tiaba sido pre-
judicado era o a -diiivo na pane reiativa ao pro-
jecto numero 58, e aaoao numero ill.
O projecto 111 autorisa a cmstrucijao d'uma
estrada d- ferro no diatrictd eleitoral que represen-
io. E' um projecto ja approvado em 2. discu<-
.-'ao, do uovo submettido ao conhecimonto da com-
missao respcctiva, que sobre ellc emittio parecer,
Jeclarando que o aceitava em t das as suas par-
tes.
Mando um addiiivo supprlmindo algumas clan-
sulas do (ue sob o nuinero 121, apresealcu o no-
bre dputado, 2 secret .no, relativam-nte ao thea-
tro de Santa Isabel. Nesse addiiivo o nooro depu-
tado, nao seise propo-italmente, excluio do mesmo
theatro >s representacoes acrobalicas ; so fallando
nas repr-sentajoes dramaticaj, de caulo, e de ma-
gicas Ea nao vsjo ratio para isto, e accr:scen-
to, portanto os trabalbos acrobaticos.
O Sr. Fei.ippe de PiGuetnoa : Nao La Jtvi Ja,
eseapoume isto na cmenda.
OSr. Olvmpio Marques:Acoreszaotetiisd, e
propuz a suppressao das clausulas sexta e setiiaa,
que Jizem respoito constraepto dekiosques, ca-
fes e estabelocunentos de ontra natareza ao la do
do theatro do Santa IsJbel. N6s nao podem->s vo-
tar esta disposicao. A conitrneeSo de edilicios,
>juaesquer quo elles sejam, de cafe', kiosques, bo
: iuin-, etc., e da exclu^va compel- n:ia da^ cama-
ras municipaes; sao neg^cios que entendeni-*n
a edifica;ao, aiichamento das ruas e afjrmosea-
mento das mjsruas e d.s praeas, e torn a aiimen-
tacao.
As praeas sao da serveolia publics, e desda (jue
houverqualquer conv-niencia na c'iio:acao de
eaeu n'uma praca publica, s6 a camara e compe
Sente para coaseatir ou uegara lieenca. Portanto,
apreseotj um additivo suporeusivj destas daas
elausala?.
O Sr. Fblu'pe de FiooaiBOA :E ta subtenliio
aliuhameato dado pe'a camara.
O Sr..i)lvmpio Marques :Mas a eamara nao e
competente somente pa a iar o aliuhameato, mas
'.amb*m para dar lisenga para se coa-truirera es
tes estabelecimeotos e Baea'isa-lo*.
O Sr. Felippe de Ficueiboa da um aparte.
O Sa. Olvmpiu Mabqobi : Se o terreno e parti-
cuhr, u-ra lugar a desapropriata-, mas por utili-
dade municipal.
O Sa Felippe de Fiqckiboa : -Porque nao no-
de ser por uiibdade proMnciai?
O Sa. Olvmpio UaRQOes: Nio, porque o ser-
vico de Mo-ques e de pequ-nas ca-as para cafe
elc.,6 servi;o muncipl. Aiem disto a camara
fee um roDtrato, que e-ta pr .xi i > a roalisar se,
para a collocacao do kiosqii*, uas ruas e pra as
da captti>.
. O Sr. Fulippb df. FjOtjBIBOi :\Ii isto nio pre
Judica o coutrato.
cento sobre a transferencia de empresas. Entcn
do que este imposto, como esta, 6 muito elevado, e
nos nao devem.s dflBcullar, mas pelo contrario,
facilitar a ineorporacao de empr-zas na proviocia
de PercaBibuco, pr neipalmenta agora qua sahe-se
que as emprezas estao latando com dirflcnldades
(lira sua inccrporacao e execuoia dos rssperlives
contratos. Entea io que em tal occasiao uao se
deve augmeotar o imposto, deve se ao coatrano,
restrmgi-lo.
Como -esta agora presents mn dos nobres m-m-
br is da commistao da or;amcnto, releve V, Exc.
Sr. president-, e a assemb'*a queeu vote sobre o
awgmento do imposto do assacar.
Hi uma emends do Sr. TMinrcio, Hevando o im-
posto s-obre o assacar, ale meio por cento, e dis-
se-me ha pouco o nobre membro da .^ommissao (o
Sr. Goncalves Ferreira), que ha uma outra da com,
mi:sao, restringindo a do Sr. Tiburcio, mas elevanl
do o imposto de 3 por ceato, como estava no pro-
jecto a 4 por cento.
Sr. pjrtsideiile, quando estudea O orcimento, (n.io
t-nbo aqui apontamentos que por escripto tomei,a
os calculus que flz), cbeguei ao seguinte resultdo :
prapoz, e equivalent*, ou pouce menos que o ami-
go imposto de 6 reis por kilogramma.
O Sn. Tiburcio ds Masachaes :Nao e igual,
aao
H Su. Olvmpio Marques :Em todas a1 lels de
orcamento, aatenores a 33 e 3ti, o imposto sobre o
assucar era de 3 por cento; d'aquella data em
diaute, tendo a assemblea em visia estimular os
product ores a aperfe coar > fabric) do assucar,
ubsUluio esta imposto pelo de 6 reis por kli-
gramma. Consultauda-se a iegisla^ao d'aquella
epoca, v^r-se-hs que o imposto era- de trcs por
cento.
OSn. TmusGio de Magaliiaes* Porque entao
o assucar se veadia por tres mil e tauto a quatro
mil reis.
O Sr. Olvmpio Mabqees : Mas a produccao
era inferior ; a relacao era, portanto, a mestna.
Se naquelle lempo se veadia o assucar por 3 e
is a arroba, a prodii3cao era inferior : so o preco
era inaior, a quaotiJape era menor ; e hoje, se o
preen e menor, a quantidade e maior. O rendimenlo
do impo.lo, porem, era sempre o mesai.i, quer
f i> e proporcional, quer Hxo.
Da alteracao feita pela nobre com nissao, vol-
taudo a a antigo imposto de 3 >, reultava coin
eiTeilo, uma duninuicao, mas ibmente quanto ao
assucar mascavadu ; quanto ao brauco, o novo
impoito e eqnivalente ao actual, podendo entre-
tauto elevar-se a muito mais, se o assucar bran-
co obtivcr me hores preg "sto 4 cousa liquids ; nSo poderei hoje demont-
tral o, com a eloquencia dos algarismos, porque
nao trouxe o calculo escriplo que Cu a este respei-
11, nao julgando que se viesse hoje elevar o impos-
to decreiado no pr jecto.
O Sb. Tiburcio dk Magaliiaes : Mas o nobre
deputado calculou se os 3 "[ equivaliam a 0
reis?
O Sr. Olvm; io Marques : Pois nao t E' per-
feitamente eqnivalente a 6 reis.
O Sr. Tirurqio dk Magauiaes : Eu penso
quo nao.
0 Sa. Olvmpio Marques : Sobre o as}ncar
mascavado havia differeni;a em favor do producto,
mas sobre o assacar branco uao havia nenhuma.
Elevando se, porem, o imposto agora a i *[i>, o
producto tera prejuizo.
0 Sr. Pinto Pessoa : A queslao nao e
esta.
0 Sr. Olvmpio Marques. : Qaal 6 ?
O Sn. Pinto Pessoa : E' a necessidade real
de augmentar se o imposto.
0 Sh. Olv.mpio Marques : PerJao ; ea sei que
o que autorisa o imposto e a necessidade ; mas
e-te princpio nao e absolute; a necessidade nao
i) unico elemento na decretacao ou no augmento do
imposto. E' preciso ainda atlender, alem di
outras consideragOes, se o produclor pode sup
portar o imposto, ou a sua elevacio. A necessi-
dade pode scr invocada para o augment > do im
posto qu-ndo o servifo que se vai pagar com
esse augmento, e ae tal ordem que nao pode ser
preterido.
Se a proviocia de PGrnambnco estivessc em tal
estado que so podesse salvar-se com o augmento
d i imposto sobre o assucar, ea me sujeiiaria a
esta triste circumstaacia, appeilando para o pa
triotismo dos meus coaipn.vincianos ; mas nao
cui-idero a provincia de Pernambuco neste es-
tado.
0 Sr. Pinto Pessoa : Esta elTectivamentc.
0 Sr. Olvmpio Marques : Sao ha tal ; nao
ha quem prove isso. As condicoes da provincia
d^ Pernaaibuco njo sao medonhas, como se alD-
gura a muitos dos nobres deputados.
O Sr. Matis i: Silva : Em outra oscasiio se
deseohou aqui o e>tado da proviocia com cores
mu.to ah grcs, muito risonhas.
0 Sr. Olvmpio Marques : E, Sr. pre-idente,
se eu sempre live esta contfccSo, hoje ainda mais
confianca tenho i|uando considero que os rendi-
menlos on a receita da proviocia, com os imaostos
a;tuaes que sao os mesmo3 de ha muitos anno*,
tende sempre a cresccr e de feito augmenta todos
os aonos.
E se attendermos qae a provincia de Pernam-
bueo e uma das que mais tern progredido no Bra-
sil e contmiia a progredir ; quo nenhum motive
ha para receiar que as suas forces productoras S3
esgotem, nao posso ter o menor reeeio, quanto ao
seu futuro, como nao o tenho do futuro do
Brasil.
Qaal devera ser, porem, o nosso procedimento,
quando se rrcjiasse que as rendas da prov.nc a
nao augmentasem na razJo das necessidades pi-
blicis ? Nunca seria augnenlar os impo>tos, at-
tendead') a situacao critica em que se acham a.-
classes iodustriaes, mas restringir as d-spezas, ao
menoa aquellas que se podessem restringir.
0 procedimeoto do alguas dos a ibres deputados,
e pnncipalmeute daquelles que me dao o aparte,
que coasiJeram a proviucia era tao mao estado,
votando pela abertura de creditos oara'desapro-
priar i mprezas, pela elevavao de ordepados, p;la
creacaojie empregos, coutrasta perfeitameote com
a opiniao que Ss. Exes, teem sobre o estado ciiti-
co da proviocia. Se So. Exes, coasideram a p'o-
vincia aeste estado, nao podein, sera faltar aos
seus deveres, elevar um -eitil na sua despeza. Eu
nao entenlu assim ; e, eatretanlo, nio sou da
quelles que procuram elevar a despeza ; pelo
contra io, sempre que posso, a vou restriugindo;
e enteado quo devemos resuingil-a ao qae tor
estriciameuto aecessario.
0 Sr. Ratis eSu.va : Sam se t'aitar a ju-tica
. a equidade.
0 Sa Olvmpio Marques: Mesmo a equidade
poder se-ha faltar, a vista dos reeeio." que muitos
tern de que no exercioio futuro a receita da pro
viocia nao chegue para occorrer is suas dospezas
ordinariae.
Mas, voltandj ao oreameulo e passaodo uma ra-
pida ueta sobre elle, v^-se que, se por um lado
a nhre commissao diminuio a receita da provio-
cia, quando diminuio o imposto sobre o aiancar
e o aigodao, alias em quautia muito pequeoa,
do que agra parece querer arrepeoder-se, ele-.
raodo o imposto do assucar, augmeutou a receita
era una a>rjpnrc,ao, seuao upeiiur, equivalenle a
dimiuaiyao qae fez, como e facia deirwustrar.
A nobre csunmissjp cisse rjuo a dimiuui^ao no
imposto do a.vmcar regulava u cootos de r6is.
Ora, se so no &;rpo de pclicia e dimiouio mais
do ea ii contos, r?ao houve aqui prejuizo, autes
lucro p^ra a rec ita. "
0 Sr. Gonqalvks Ferreira : Mas havia
deficit.
u Sb. Olv.io v1arquf.s : V..mos ao deficit, e
>an)o.H v,fr as uovus funze* de receita que f.iram
ereadas.
0 impost..crcada sobre as uerancas da hordei-
rosne-r -arins, e um impoato que a nobre. Bora-
im>- nt nil calmlon nao podia caJcular a quani i
cii'-g-i.-ii; mas eslou c-mvencido de quo ,%6de ele-
0 Sr. Pinto Pessoa :Ner* a HMfcQOOjOOO.
0 Sr Oltmpio Marques ; Acaalmaote e im-
posU) aobra neftl-iros tes;meirt&rio3 o lagiiisios
rend* mais de 10(t.OOO/'jOO; se a maior part?
dos invenfrios c de hf.rdiiros necessanos, poda-ae
ffrever. e-aito_ importaBte e-ta verf-4ar-
:eUa*raiCM>a Nao lenbo bases para csloSaL
mss nao pode deixar de ser uma verbs muita im-
poriante.
Ouira verbs nsuito hBportaote, que s nobre
commitsio afeM.itao co o meu voto, e tem pas-
sado ja em ioas discusedes, e da tal ordem qne,
se for afresadada, subiraa urasiqnantia svultsdi.'-
sima. Rt-iiro-me ao >np< sto de SO : rs. par aoina
cavaWar. Sa, pelas informacdes que tenho soafe
a defeituoe* matricula, feita ao correote exercici",
e a qua! a tsaior parte da popularao nao sa sn-
jehou, moaicipios hooverara, emuoieipios pequa
nos, coe Pao d'Albo, ea quo foram matriculado*
7 a 8 oafceavallos, nao se pode calcular em roeoas
de 500,1.00 os ex-isteotes era loda a provincia. Ora,
500,000 v ouo r, auui esta tuna renda do.....
280:0<)C4.
Ono observar qua considero-este imposto alods
mais odkuo einsupportavel do que o.da matricu-
la ; raas noto que elle vai passando, tendo sido
rejeitada a einenda que o aupprioaia, e a aobre
commissao, parece, nao consldera tao importance
corao se me afigura.
Se, alera destas importantes verbas de receita,
crearam-se outras elevaram se ainda outroeim-
postos, aao compreheado como a oobre eoomis-
sao, dofois.tta Mr daninuido o imposto sobre oa*
sucar, veBha agora, em 3" discussao do projecto,
eieval-o ainda mais do qne setHalcneBla. Eu des-
euiparia auobre commUsao, &e*Ua tivesse suppri-
mido o imppsto qua. xuosiieiei, e coali^ntw a
coo9iderar como o mais odioso e inconvenieate,
lancado sobre os genaros alimenlicios.
Este imposto e de tal ordem, qua eutendo que, a
a3svmblea nao o deve deixar passar. A nobre
commissao, ou urn dos ,-cus membros, quaodo
jaslilicou este imposto, appellou para o patriolis
mo da provincia de Pernambuco, da sua popu-
liCilO.
Eu entendo, Sr. presidente, que na decretacao
de impostos deve sa attender, nao a necessidade
someote, mas as conveniencias da produccSo e do
consumo; e so qua ado se esta em situacao per-
diJa, on, pelo menos, em situacao perigo'sa, e que
sc pode appellar para o patrmtismo da populagao
na decretacao da impostos, principalmente quando,
elles sao sobre generos alimenticios, sobre-generos
de I1 necessidede ; mas se nos oao estamos' nesta-
coodigoes, nao vejo rario que jus'.id-:ue tal im-
posto.
Eotretaoto, spezar da opposicao que faco a ele-
vavao quo a nobre commissao propoz sobre o im-
posto do assucar, eu, nao obstante ser represen-
lante de um disirielo agrieola, preAro vot?r por
o-isa elevacio a votar pela creagao do imposto -
bre_ generos Mimpnticios. Etoendo que a ele-
vacao do impesto subre o assucar e onerosa para
cprodoccao; mas nSo sera laoinconveoiente,
lao perigosa, como o imposto decretado sobre os
generos alimenticioa.
0 Sr. Hatis r Silva : 8era dovida nenhuma.
O Sit. Oi.ympij M.AiMjUis v So atteoderse a qoc
a commissao calculou esse imposto era 60:000j, so
a tlevacao do imposto sobre o assucar ch'gaa
uma quantia mui superior a asta. Portanto, quan-
do houves8e algnma razao justificative para a de-
cretacao do impoeto sobre generos alimeoticios, a
elevacio do imposto sobre o assacar torna dipen-
savel esta elevacao.
Sr. presideote, bbo live lempo de Iar, senaode
perpassar muiu rapidamente todas as tmendas
que foram offerecidas ; eatretaoto, direi algumas
palavras relativamaote a uma emeoda da oobre
commissao, a quai tem o d. 96.
Diz a nobre comuiissao na ultima parte deste
artigp : (Le)
Mando uma emendas para ser reduzida esta ver-
ba a 10:000i.
Quando faiei a prime'ra vez arespeito daeora-
panliia pcrnambucaua, disseque e provincia sem-
pre pagou 10:000 j desubveocao, quando a eornpa
nhia 'azia o servico- da navegacao costeira eotreos
porlas desta capitaoia e' das demais provioeias li-
mitroplies. Quaudo se e>tapeiec.au, porem, a na-
vegii io para G.yanna e Rio Formoso, elevou se
a subvengao com 20:000* mais. Em 1872 modi
lkou-se o contrato'dimiupiuilo-se a ;ufcveacao de
00: CCO* a oi ; por cpnsequencia, con^'iderando se
queo servico esta ca mes.ua relnciio, ficoa a nave
gae.4o fdra da proviocia por 40:000*, e a navega-
cao interna por 14,
Como quer, porem, que seja isto nao tem grande
iaiportancia, por |ue a dillaraoca 6 pequeoa.
Sslava a provincia no gozo deste benelicio para
os indivi Ilk s re&identes na quelles lugares, cujos
pur tes sao uavegados pela compaubia ; a autorisa-
cao, porem, dada a presi lencia maoda supprimir
essas yiagens feitas dentro da provincia, e nianda
dar 45:000*, u.ai- 5:0j0* do que a proviocia dava
quaodo a companhia fazia o mesra.) servigo, que o
addiiivo manda continuar. (Jual e a razao di-fci '
Se o servico que a companhia pernambucaoa con^
tiniia a pre-tar a proviucia e o mesmo, excluidas
as viagens dentro da raesna proviocia, porque ra
zao se augmenta a subveocao ?
0 Sn Gonqalves Ferreira :Mas a provincia
Bea com o direito de ter um cerlo numero de pas
segens.
0 Su Olympic Marques : A obrigacao da com-
panhia dar um cerlo numero de pas.iagens e um
favor ao goveroo da proviocia, mas aio 6 um oous
a companhia, porque dar passagens a uns dous ou
tres individuos, nao e onus do qualidade aiguma,
o note se que oestas passageos dadas ao governo
nao esta incluida a comedoi ia.
0 Sr.'Gonqalves Ferreira :Acho que e um
onus, porque, se a i rovmcia uao os tives-e, havia
de paga las; e um lucro cessaote.
0 Sr. Ulvmpio Marques : Alem de que a pro-
viocia nao tem necessidade de dar passagens para
as proviucias limitiofes; passagens a quern e para
quo 1
Quanto a carga, a provincia pole dispensar este
favur, p>rque nao tem carga uenhuma para remit-
ter para os porlos das proviucias limitrophes ; isto
c uma di^posigao loteiramente nulla.
Por consequencla, o que fica ? Que a companhia
contiuiia a prestar o mesmo servigo, que sempre
prettou antes de fazer a navegaclo iateraa, perce
bendo subvencao maior do que percebia anterior-
mente.
sa ontra : todns prefer-m vir por terra.
O Sr. Olvmpio Marques : -Esta enfaoado o no
hre deputado j todos preferem vir veto vapor, e e
muito mais commodo. Assim o vapor se aproxi-
masse mais, a offerecesse meios AaSqI embarqie
e daserabarque.
OSr Gonqalves Ferreira aaaei aparte.
0 Sr. Olympio Marqces :E' porque o vapor
nao pode enirar no canal de Goyanna, porque tem
capaeiade superior a aaae canal. Desda qe a
coeapanbia empi-egar nio o vapor que aaizer, mas
nm vapor de pequenas diraensfles e pouco calado
para poler ectrar oesses pequenos portos, os mo-
radores desies lugares e suas visinhaocas o prefe-
riele a ontro qualquer ir:msporte.
Pois, seaaores, e crivel qne haja quem deixe de
viajar er am bom vapor, em poucas boras e por
prego camniodo, para viajar por terra," por raas es'-
tradas, prmejpalraeote em tempo de inveroo 1 A
vllSn"' r *>'anaa Par* '* eidade, a carra ens-
ta 50 a 60 mil re"is, entretaoto que no vapor custa
8* ; e uma desproporgao muito gra%le.
0 Sr. Gaspab Dblmmond da um aparte.
0 Sn.-Olympic Marqbrs : NSo e^iossivel quo
conlinUe assim, mas desde que foi estabeiecido
em servico e qoe a proviocia tem feito sacrificio,
nao sa deve ambar, so porquo nao produzio os
resuitados qoe se teva em vista. Vamos procurar
as razoes porqua o secviQo nao se Iti c nveoiente
mente, e melhorslo, ou procurar melho'ral-o; e o
qne me parece curial.
Quanto a mim, o que converia, se a companhia
quizesse contiauar a receber a snavengae, era ea-.
tipular-se clau>ulas para que o servico seja feito
da um modo convenient*, para qoe a companhia
adquira um vapor apropriado.a essas viagens.
Por exemplo, quaato ao Rio Formoso, estou in-
formado de que um pequeno vapor pode cbegar
aie a eidade, eotretaoto que o vapor actualmeute
fica a duas leguas de distaocia. Mas, em quaato
naose pode cbegar a eidade, eslabeleca se a con-
dicao da companhia fazer o transport dos passa-
gfliros.
. A eidade do Rio Formoso e uma eidade impor-
tant, de algum commercio ; esta oiuito distante
da estrada. de ferra; e no tempo da inveroo e
muito iocommodo aos seus morailores demaadar
qualquer estacao da e.-trada de ferro.
Em Goyanoa e.-ta se abrindo um canal que esta-
ra concluido rauiio breve. Est pule-se que a com-
paubia use d'um vapor apropriado para eotrar no
canal; mesmo quaudo este nao esieja concluido,
r vapor pequeno pode caegar a cbega a eidade
Soyanna. K. am beneacio real que se fax aquel
la eidade.
Noto ate nesie procedimento da commissio uraa
verdadeira contradicgao; porque eu apresenlei um
projecto, maodando contratar a aavegagao co.-teira
quer para o Rio Formoso, quer para Goyanna, quer
para outros porlos do lilloral da provincia; e este
projecto foi approvado como enienda ao orca-
mento.
Se, pois, o projecto, estabelecendo esta navega-
fao, e conveniente e a assemblea o respeita como tal
tan to qua o approvou, maodando contratar esse
servigo na lei do orga.mento, exclu r o mesmi ser-
vigo n\o d uma verdadeira conlradicgio ?
So a assemblea julga desnecessaria esta navega
cao, nao deve autorisar no orgamento que seja ella
cantratada ; e, se acha conveniente, deve toaiar
umaprovideccia para que este servico se va fazen-
do ao menos emquanto se nao efiectua este con-
tra to.
I-to e o que me parece mais regular, emquanto
nao se efiectua o contraio autorisade, contiauar
a companhia a fazer eslo servico, impondo-se luc
porem, condigoes para sua boa execugao.
Nem se digs Sr. presideote, que a navegagao
("para Rio Formoso e G lyanna nio oflerece vanta
gens.
Taoto offerece as que uma pessoa rauiio idooea
requereu a esta assemblea para conlralal-a nao
s6 para Rio Formoso, como para outros portos do
littoral.
0 Sr. Gonqalves Ferreira : Nao quer eraos
tornar o Contraio cum a companhia pernambuca-
na dependenle das viageos de Goyanna e Rio For-
moso.
0 Sa. Olympio Marques : Fago estas coasi
deragS.'s apenas ; e muito de proposito nao apre
senlo einenda aiguma ao que propoz a nobre com
mis-ao, nao so por ihotivos que me sao pessoaes
como porque tenho corao cerlo que a opiniao da
nobre commissao prevalecera.
Julgo, porem, de meu dever fazer ver a assem-
blea que do modo porque e.-ta concebido o artigo,
oao so se augihenla a provincia o onus da sub
veogao a companhia pernambucaoa, sem compen-
sagto e.iuivalente, como se decreta a aboligao de
um servigo oecessario.
F itas estas observagoes, Sr. presidente, (feseja-
ria ouvir de qualquer dos nobles m-mbros da com-
missao de orcamento as razoes que os levou a aug-
mentar o imposto do assucar, e eoacluo agrade-
cenJo aos nocres deputados a attengao que mo-
prestaram.
(Muito bem).
vai-~
e 100:1-00^000.
a mi i f io I uuitu avultaJa, tjivcx a mau gem
liiii.'nnn
E' verdale que a commis.-ao do final do artigo
diz o seguiate : (le) a O coatrato devera atteoder
ao estado do material exisleote da companhia e
conter a suppressao das viag-ns mensaes de Goyan-
na e Tamandare. Mas eu nao comprehendo esta
phrase : o que quer dizer isto ?
Esta disposigjn nao lem um seatido claro para
ser compreheiidido e executa lo pelo presidente da
provincia. Atteoder era que t^rmos? Quer ella
dizer que o presideote pode impor a companhia o
melhoraraeuto do eu material i Entao nSo e at-
tender, deve exigir que a companhia malhore o
seu material.
0 Sr. Gonqalves Ferreira :-Isto o mesmo.
0 Sr, Olvlpij Marques :Atlender edesculpar
e ter em consideragao ; mas ler em consideracaj
para quo sera ? Para aiminuir a subvengao de
Por consequcncia nera o presidente pode dimi-
nuir.
0 Sb. Gonqalves Ferreira: -Porque nao pole 1
O Sr. Oly.mpu Marqui-s :Porque sao bases es-
tabelecid.is pela assembles.
U Sr. Gonqalves Fkrbsira : Isto e um liraite.
0 Su. Olympic Marques : -Limile nao, e base.
0 Sr. 'Gonqalves Febrf.ira :-E' para que a
subveugio nao exceda de 45 000*.
0 Sr. Olympio Masques : -Bem, entao e neste
seulido que diz o artigo que o presidente devera
ter em attengao o e-tado da companhia '.'
0 Su. Gonqalves Ferreiua : Sun.
0 Sr. Olympic Mabqu>cs :Nao compreheado
isto ; nem posso compreneuder de qoe ra-.do se a
de atb-uder no ooiilrato ao estado do material da
companhia.
Agora tratarei da ultima parte, da suppressao
das viagens de Goyanna e Taraandaie.
Sr. presidente, ha muitos annos que a compa-
nhia pernaaibucana faz riagens a Goyanna e Ta-
mandare ; a populagao destes lugares esta habi-
tuada e no goio deste meio de transp..rle...
0 Sa. iWttis e Silva :t).sse beoetlcio.
0 Sr. Olympi > Marques : ... ou, coci- ,
meu nobre cullega, desse.beneficin .,;i qua
elle aao tem sido feito coiqo de- l0> por,.ue
o c-intralo foi confecciona'* .ai modo que a
companhia nao se-sui"-'' -. obrigagdee a que de-
veria sajeitar se na' ,ue o service fosse feit.i com
a Deeeesaria regunridado, a em vantagem do pu
blico. Por exeuiplo : o.-tatuio-so que a compa-
nhia maud ria tocar o vapor na barra do Rin For
iiioio, mas de>de que nfw se estabeleceu a obriga
cao da cuuapanbia mand r fazer a conducyao dos
pasi-ageiros ate a eidade do Rio Formoso e de la
para o embarqiie, o Doueficio a populagao estava
lociiuipleto, porque (lea o vapor a distancia de uma
uu 'luas IfKUSs dn cilade; ign rand > a pipola So
a ?ua aorgtda, nao pole pnvarar se para a via-
REVISTA DIARIA.
u Sn. GonqalvesFkrTwira -.-Creio quo a cau-
Registro de terras publicas. Por
hiortaria da presideneia dessa provincia, de 9 do
correote, em virtude do aviso d> mlnisterio da
agiicul ura de 28 de setembro, furara de^igoados
Manoel-Joaquim Corraia de Araujo e Joao Cesario
da ello, para se incurabirem de preparar o re
gistro de terras publicas uesta provincia.
Termo ilc Tttcaratu. Por portaria da
presideneia da provincia, foi n mead > Manoel
Franci.-co 3oHho, para exercer provisoriamente
o cargo de primeiro tabelliao do punlico, judicial e
ootas, esciivao de orphaos e mais aooexos do ter-
mo de Tacaraiu.
Aiatorldadc policial. Por portaria da
presideneia da provincia de 10 do correote, foi
nomeado Jo-e Francisco Coelao subdelegado do
primeira di>irict de Cabrobo.
UaiM ilonalivoH Damos em seguida mais
oholos para as ooras do novo hospicio de aliena-
dos:
Illra. e Exm Sr. coramendador Dr. Heorique
Pereira de Lutena. Tenho a hoars de passar a?
maos de V. Exc. a quantia do cento e oito mil reis.
acompanhada da relagao nominal dos meus cora-
panheiros, emnregados na empreza das obras e
capataiia da alfandega desta eidade, qua esoonta-
ueamenta resolveram, entre si coacorrer com o
sen obolo para coadjuvar, posto que fracaraeote,
a gracdio?a obr'a do asylo de alienados. Prevale*
co-me desta opporiumdade para apreseotar a V*.
Exc. os meus siuceros votos da alta estima e con-
sideragao com que tenbo a houra de assigoar-me.
Recife, 6 de ou.ubro de 1874. De V. Exc. atteu-
cioso venerador e criado. Eusluquio Zefernw da
Silva Braga.
Eustaquio Zeferino da Silva Braga
Oasemiro de Foutes Ferraz
Jo.-e Rod- igoes do Passo Xetlo
Antonio Rodrigues do Passo
Manoel Lopes Machado
Jose Joaquim Pereira.
Joaquim Vital Machado
Mauoel Roberto Botelho
Giicerio i ergeotioj da Siiva Braga
Joaquim Bernardino de Senna
Antonio Jose Leal Reis Filho
Juiiao Lumache de II llanda Cavakanie
Manoel Raymundo Carainha
Joao do Prado da Camara
Bernardo Barros Barreto
Joaquim Jeronymo Serpa
Joao Pedro das Neves
Diomides de Souza Barros
August-) Martins Ribeiro
Aagelo Sabiuo Odiioa Rodrigues Sdlte
Joao Baptista Cesar
Manoel Jo.-e de Paiva Pinto
Luiz Augusto Moreira de Carvaiho
Jose Pereira Caldas
Joaqui u Jose de Sam'Anna
Joaquim Gomes de Sa
Joao Sabino Pereira Geraldes
Francisco Mauoel Accioly
Joao Cry^ostorao Vitaliano Botelho
Horacio Pires Galvao
Antonio Joaquim de Figueiredo
M guel Procopio Ribeiro de Couto
"'^uoel Fianci-co T-ixeira
FrancifCo Pereira Vianoa
Fraucisco Placido Botelho
int' oio Marques Favica
Joaquim Macba io Bias
Jo>e Joaquim de Araujo Pacheso
Manuel Jose de Almeida Calauho
Viclo iau Tulentioo Figueiredo Lima
* Cabin- to da presideneia de Peruambneo, em
12 de outubro de 187), Illra. Sr. capitao Eosta-
quio Zeferino da Suva Braga.Agradego a V. S. e
aos demais empregados na capalazia da alf-ndega,
> g-ueroso donativo de cento e oitu mil reii, com
que .>e digoaram coacoirer oara a 'bra do hospi-
cio de all-ua los. Este i.'spoataoeo acto de cariaa-
de ft cavil or da' louvjre3. que me comprazo em
manifeslar Ihe, pedmdo o 'bsquio de transmitli
los em ui'u uoiuh aos outros cootriboiplea. son.
c m aprego e considemglo. Do V. 8. muito at-
5*000
3*000
5*000
5*000
3*000
3*000
5*000
c*O0O
5*000
5*000
3*000
3*000
25000
2*000
2*000
2*000
2*000
25000
2*00o
2*000
2*000
2*000
2*0; 10
2*000
2*000
2*00n
2*000
2*000
2*0.10
2*0oii
34000
2*000
2*000
2*000
l*(Oo
1*000
1*000
1*000
1*000
1*0 Hi
tanewso, venerator e criado. -Henrique Pereira
' A,5-?T"l".*,f* T Eul i dd correote, Fran-
cisco, Vitalino de Macedo, ipatou.com uma bead*
Antonio Mauoel da Silv., no lugar deoominado
Macafio, do diitrlcio de s. Cieiauo da Raposa, ler-
ao de Laruani.
0 delioqueote cooseguio evaiir-se.
Cadaver. Em terras do togenho Jasserii.
do termo de berinhaein, foi anconirado, o do prelo
Manoel, escravo do major Francisco Manoel de
Souza Oliveira, pr-prietario des-a engenho. Da
vi-toria a qae foi submettido, resaltou v.irilicar-se
haver a.juelle escravo sujurnbido a asphyxia por
estrangulacio.
Pria. Em flagrantede crime de forto de
c.ivallos, foi preso as 7 horas da noite de 6 do
correote do lermo do Liraoeiro, Jose Bezerra dos
Ssutos, contra iuem procedeo-se logo ao compe-
tente iuquerito.
Accao meritoria. 0 Sr. Luiz Jo.-e de
OJtveira e spa Jonsorte a Ixma. Sra. D. Joaquina
Maria de Oliveira, reiidentes e proprietaries no
termo do Rio Form so, inspirados de verdadeira
philaut.-opia, alforriaram graiuilamenle tra* de
suss escrsvas, purdas, do norae* Maria, Ursula, e
Sever,na, liihas da de nome Feliciana.
ociedade Propagadora la lm-
"uecao Pniilea.-Reunio-se no dia 8 do
correutes o coaselho superior da sociedade Propa
gadora da Instruccao Pubiica, e acbaodo-se pre-
senle, em raaioria, nao so os membros cuja mis-
sao ia terminar, como os que dovenam assurair a
di ecgao em o tarceiro aaoo social, foi daclarada
aberta a sessao, lida e approvada a ultima acta.
Em seguida, o Sr. presideote deu conbecimento
do exp.-d.eiiie que se achava Sobre a mesa, cujo
desimo, apezardas instancias do presideote u.va-
meute eleito. o Sr. Dr. Portella, decliuara para o
novo conselho.
Assim deixando o Sr. Dr. Portella a direccao da
sociedade Propagadora, qua tao justs e merecida-
meiite Ihe icra eonfiada, agradacan a coadjuvagao
que lha preslsram os demai*membros da conseloo
superior, ens esforgos empregados pelos conselhos
parochiaes para o progresso da sociedade; lerrai-
nando por declarar erapossado e novo conselho
superior, com o qual se cougratulava, pela acerla-
da escolha da assemblea geral; o que o presidente
eleito agradeceu em sea nome an do novo con-
selho, a quem pedio a cooperagao de seus esfoceos
para a realisagao dos grandiosos nos da mesma
sociedade, sob cuja animagao, e esperanca Dao in-
sistio na sua recusa, e deliberou aceilar tao Iwn
rosa e ardua missao.
Passou o novo conselho superior a celebrar a
sua primeira sessao, sob a presideneia do Sr. Dr.
Autoui, de Vasconcellos Meuezes de Drum mo ad, o
qual indicou o conveniente destino ao expediente,
fez ver a urgeote necessidade da reuniao da assem-
bles geral, aftm de se traUr da reforms dos es
tatutos; Qnalmente designou as dia, h >ra e local
em qae se devera reuuir o mesmo conselho.
Foi acquiesoidae votada, pelo conselho, a ur-
gencia daquella convoca^o da assemblea geral
para dita reforma ; assim como foi deliberado una-
nimemente, sob propostado Sr. Moraes Mello, que
naquella acta se consignasse um voto de louvor ao
Sr. Dr. Mauoel Portella pela maaeira muito louva-
vel, com que dirigio a sociedade 1'ropagadora du-
rante o anno de sua presideneia, e igulmeute ao
Sr. Rego Medeiros, pelo reeootiecid/telo, com que
servira, na qualidade de thesoureiro da mesma so-
ciedade.
Cahe aqui observar que embora a sociedade
Propagadora nao possa ainda considerar-se era
grande foci de luz, em cada uraa das parochia;
da provincia, conforme os desejo* ardentes de seus
insliiuidores, pelo menos alargou bastantemenle a
esphers tragada pela*ua primeira aJminislracao,
estatuindo novas fontes de inslrucgao publica, em
di versos pontos.
Para prova deste asserto bastam os dados esta
tisticos, que vimos consagrados no relate io, que
apresentou o Sr. Dr. Portella, na ultima reuniao
da assemblea geral.
Hoje 138 seohoras, 208 homens e criaocas rece
bem inslrucgao primsria, assim como conura-se ja
12 e.colas de instruccao secunlaria, creadas e
mantidas ptla fociedade Propagadora; alem do
auxilio prestado a algumas e?olas particula-
res.
Taes sao os principaes servigos, que deixa paten-
tes a sociedade Propagadora, ac terminar o ssu se
guudo anno de exisleucia.
Nao esperem, pois, os pernambucaaos, que pre-
sam o bem estjr desua provincia, e o raelhoraraen-
to real da nossa sociedade, que a propaganda da
inslrucgao pubiica ao nosso paiz seja loda da ex-
clusiva ioiciativa goveraameutal.
0 estado tem necessidade de dividir e subdividir
a sua acgao e os seus recursos para multiples
lias.
E' mister, que os ciJadios se convengam para
sempre, que so, por meio da instrucgio bem dis-
seminada, poderemos, no correr de algans annos
inudar a face politicaaiiistica, commercial e lute
raria, que actualmente taato nos ontrisU e preoc-
capa iucessantemente os espiritos generosos e pa-
trioticos.
Importa, pois, que todos aquellos, que teem mag-
oanimo coragao, presara e proraovem o ventumso
porvir desta beila provincia, principalmeoleos que
neila tiveram a fortuua de nascer, procurem coo-
perar os esforgos do governo nesse seutido, visio
como os gloriosos resuitados que dahi vierera, se
rao sempre em seu proprio beneheio, e em reao-
me da chara patria.
Foi sdraeote por este meio, que os americanos do
norte poderam dizer em pouco tempo .somosU-
vres, semos independents, somos typicos em twbs
os ramos da instruccao publica.
Portanto, a sociedade propagadora eoolintia o
seu terceiro anno de existencia, e pelo que ja tem
feito mereee, espera e nao deixara sem duvida
de recorrer ao valioso apoio e efflcaz coadjuvagao
de todos os homens de alma oobre, e elevados sen-
timeoto-s que auhelam o inelhoramento intellec
tual e moral da geragao actual e da que nos ha
de substiluir ; o verdadeiro e real bem e?tar, a
maior pmsperidade do nos.-o paiz.
Provcdoriadecapellas c residuos.
\chase no exercicio da vara do respective
juizo o Exm. Sr. Dr. Manoel Clementino Car-
neiro da Cunha, que dara audieucia as segundas-
feiras pelo meio dia.
SyHtema inetrico decimal. Os Srs
Cunha & Manti, em liqoidacSi, a rua di Marquez
de Oliada n. 23, armazeui, tem para vender porgao
de teioos de pesos do sy-tema inetrico decimal,
desde 50 grammas ai6 3 kilos, e Je>de 70 gram-
mas ale lO kilos, tudo de accordo com o decreto
o. 5,698 de 11 de dezeralro do 1872.
O Eacouracado. Acaba de comecar
neste eidade a publicagao de um uu.! eniico e
chistoso, denomiaado EBUnraeado. Sera pubu-
cadc uma ou mais vezes por seiiiaoa, em dias inde
termmados, o custara 1* mensaes.
Agradecendo a remessa do 1 numero, fazemos
votos pelas suas pro-pen lades.
A. Cigana. Recebemos e agradecemos a
rem-ssa do n. 4 deste jornal illustrado, que se
publica nesta eidade.
fern
Coes hydrophobia- Ur^; que a
camara rnuuicipal do "R r..>vioeu*ie de modo
que seus respective jiScaes exergain a maxima
vigilancia no qae diz respeito aos cies vadios que
infestara o municipio, com grave perigo para o
publico, o qual sobo da ponto agora, que ja nos
acharaos na estapio oalm iea, tempo esle em que
6 frequenle a hydrophobia dos cies, de que ja
vac appareeendo'alguus casos.
II uitem pela raanha foi mordi Io por um clo
damnado um escravo de pessoa nossa conhecida, ao
passar pela estrada de Parnameirim, e consla nos
que uma crianca fdra tambem victlma do mesmo
cao. 0 cam 6 serio.
I'eiroCarrii. Pessoas queviajam conli-
nuadamente na linha de Sauto Araaro das Salinas
oos pedem para lembrar ao digao Sr. gereote da
companhis Ferro-Jsrril a urgente oecessidsde de
ser concertado o carro (bond) a. 2, que pars alii
anda, em mao estado.
iii.mitiitop oljtechnico.No dis 29 de
si-ieuil.iio feuuio-.-e esls sociedade. no Rio de Ja-
neiro, sob a presidencis do Sr. conselheiro Dr. Gal-
vao, achando-se preseole3 os "rs. Drs. Paola Frei-
ls>, Morses Rego, Aarao Reis, Ewbank, Ramos de
Queiroz, Conde de Rozwadewski, llargreaves e
Nasceotes Piolo.
Foi li-u e approvada a acta da ssssao anterior,
depois de algum-is observagoes do Dr. Ewoank o
uma einenda do Dr. II irgreaves
Oexoedieute constou de uma carla doSr. Frao-
ci?co Xavier Cabollo, hespanhol, em que agradece
0 titulo do socio honorario do in-titnto e eovn a
e-ta soci-'dade a sua memoria >obre a Ctnpensa(S>i
Geral dos Erros ua rede Grudtiica da II-spank>,
por '. Joaquim Barrajuez e D. Fr.>ucisco Ca-
bello.
Foram cif -rocida- mais algumas publicacSes qne
0 insiilufo recebeu com grado.
Foruu aopr.ivadss unaaunem.niV.tres propostn
para SoCioS H apresaatala uma ontra, que foi a
Cimini-sjo rtsp)eliva nara d .r parecer.
Pass ui.Io *e a ordem do dia, obi-vo a oalivra u
Sr. Dr. Qu'.'iruz, ..juo lea uma graudo parto do seu ia eo>n trabalho sobre a direo-io da* eslradnt it
no Brasil.
Assumpto inbiramente novo e por -ua ostareaa
imp irtmie, foi tra tado oeea eseropaloso caidsdo e
deli'la ailencao.
No desenvulvimenlo de sua these o Sr. Dr. Rl-
mos de Queiror fallon sonre a direccao das er tra-
das de compeiencia do govarao ge si qoe tem da
coostiluir a futura rede de viscao do Impeno,
apooundo novas direccte e teeinnando outras.
Entre as ideas aptodas, Ifira a ooiio da
Araguaya ao Parana, fte eae sua opiniao e de
-uuim-i vantagem.
Fallou acerea ds uoiie ds Blvegacao dos ri *
Hadelra, Maioore e Goapere aa S. Francisco por
uma rslrada de torro, paisaode p r Male Groaa
e Cuiaba, parte mais aaaridiiaal a nsvi-gart-, &>
Araguaya, em Gjyaz, f.i aquerfe lio.
Condemnou o aetusl trscsdw 4a estrsds da ferra
da Bahia, mostrscdo-se msis propen guisse o valle do Psraguassti.
Eocsrsod s que-ta. debaixo da ponto de m-u
politico, ecooomico e estrategico, depois de ter fsi-
lad.i sobre a onveni-n -is ds eslrsds de Aot-raias
a Oiruiba a Miranda, a incavenieacia ds rio
Claro s Mato- Jrosso, coocluio a psrte do -eu iav
ponaole trabalho soslyssndo ss vanugeos ds es-
trada de S. Paulo ao S. Francisco pelo itiie 4
pucaby. Nests psrte sobretiido, S. S. apreaeats
srguraentos importsotes, deixsndo bem cUrn ss
iuconveniencias e desvanugem ds eslrada do rio
Verde sobre a do Sspucahv.
natituto HiM|uri<-i Philorophice
PerunmUuoaaa. Domingo (!l), r.au.o w
esta socieiade, sob s presideuc* di >r llnlv-*
de Melle. Fot lida a approvada a sou da -.,
anterior. g, t
Foi apnrovado socio Corresoooleote o Sr. Ma-
noel Joaquim de Arauic Cavalc rite Filbo.
Passando-se a primeira parte ds ordn Io d.s,
procedeu se a eleigao ds directoria, que fieon a-
sim composla :
Presidente.-Jose BanJeira de Hello, (r-l-it i
! vice-presideote.-Frederico AuguMo lire -
(reeJeilo).
2 vice-presideote.Jose Josquim Seabrs Ja-
oior,
I' secretsrjo.Izsiss Guedes de Mello, (re-l.it ..
2* secretsrfo.Joao BsptisU da Silvs Frspi^.,
(reeleilo).
Orador.Albino Meirs de Vscoocelkn, freeHt
Adjuoto.Josquim Pereira da M.llo Mcrai
reeleilo)
Thesoureiro.Adolpho Tscio d.t C-.-ts Crae.
Commissao de redaceio. Fred (relator) ; Bandcira de Mello e Albino Meirs, (**
eleitos).
Commissao de syodicaocia Albino Meirs, fre
Istoi), Mello Morses c Custa ICirne.
Commissio de exsrne.Iisiss Guedes, (reistorV
Mello Moraea e Eduardo Veliozo.
Foram adiadas ss outrss paries ds ordem io
dia, vi-to achar-se a bura adianlada.
Ordem do dia da sessao segniote : reforms '. -
eslalutos, parecer e discussio de these*.
Uesoiiviiliimrnio da rnllnrad> ra-
re, (um.) c do algodao n preslacsa
de laniu Cathartaa. -Poiaos h-intem, da
o .1 orivil do Commercio, do Hio de l.uieiro, sgrs-
davelmeotc sorprehendidos pels seguinte h >a:o*s
carta :
Deslerro, 27 de setembro de I87. lilm. Sr.
Sicto nao ter a honra de conhecer s ptsi s a \a'n
me dirijo, mas como tambem naoe isso sb*|jts-
mente nece.-ssrio para o caso, de que m* o^eapa,
pssso, pois, a explicar o meu firn entran io m rca
teria.
t Leodo n Rrtrospeclo Commercial, esrript) p r
V. S. e pubhedo no Jornal do Commercio u-i 5 ea
Janeiro do corrente anoo, oelle depirei c ;n na
excelieote conselho as assemblea- praesaehw.
E' someole pars Ihe dizer que nest* prtrtn-
cia o seu conselho e uma lei que Ihe n-rino
neste memento a attengao.
No avulso junto 1-m V. 8. nraa eoeia di nr -
jecto de lei, c mo foi spresentsle, sendoqaess
emendas quo sotfreu f >'sra tso isqiuisl que ens
coin. j4guma prjudicaram as ides*.
Dalle vera que, longe de nan serem oa\iJs,
su is palavras foram cuidadosame ale a.teai.:.-
coosidersdss.
Tenho a maior satisfagao em Ihe beer ia
communicacao porqoe si o quanto cists Ira .. .
de tanlo folego, como o de qae e ccapou V 1,
como tambem nao desconhego o prszer q i h>s
quando se reconhece nao sa hsver pryi4> .-
deserlo.
Com a m'u'or consideragii e raspeito soo de
V. S., elc.Jos* Ramos da Silva Junior.
Cumpre ajradecer, em pHMM lnzr. as x-
presedes excessivsmente benev.daf qii" a digoo Sr.
inspector d i the*ouraris provincial de S.o :-Ca-
tharina e 1* secreiario da asaasnMes legi-l iiiva
provincial, se dignou dispensar a quem i-umrri
MoptesaeMe nm dever de arfse ds peMicidaie
e de sgente do progres'o neste paiz.
i Eis o texto dessa auspiciosa lei :
a N. 23. -A assemblea provincial Itgislav-.a I*
Saola-Catharina decreia :
Art. 1. Fica o pr.Midente da pr .-viocia Ml ri
sado a promover, pelos Main a sea ateaeae, e J-**-
envulvimenlo e a properidade da egrieaMara
viacial, e principalmente :
l. A mandar prueaiuc delerrainari ;
graphics dos terrenes da provincia m"ai sJe-
quados a cultura do cafe, do fumo e do al-
godao.
2. A ad |tiirir semeole^ d* variedades msi<
estimadas de>tas tres plaola-* e s pwcedrr : soa
di^tribuicao gratuiis, com iostrucgio de sns culin-
ra, pelos fzendeiro< que possuirem os roe!! r*
terrenes.
J. A dar reguiaraente psra as exp* cdm
agncolas provinciaes, cuja creacao lica ant .n-ala,
devendo ter lugar de cinco em cinco annos, s cm-
tar da data da presenle lei, e nas qosrs e c a
ccocheccr nao so os esforg. s dos agnculi r-*,
como o progresso da provi cia oa cultura Jo* pr>
ductos rarses, e especislmente ns do cafe, fna e
algodao.
a 1.* A estabelecer nesse regulamenlo |re.aios
pecuuiarios ou outros, como maehinas. et.v, ^ara
os agricullores que mais se avanujarem na c i tu-
ra destes ires ullinios generos, p>-la sua boa jaa-
lidade e maior produccao, bem como na d->s outros
ja couhecidos e em granle esrila rullivai is na ;r -
viocia.
| 3' A despender com a eompra de arad.-s e
outros instiamentos aratorios de reconheri.la ut:
lidade e vaaiigem. annualnento, ate a qnanl a de
2:000*000 pela verbs-Auxilio a Agriculture, -de-
vendo estaJ insirumeutns ser disinliuid.-. p-|. s la-
vradores que os quizerem empregsr ns sua lavou-
ra, meJiaute iolemuisacoes mensaes, que ca i f x-
cederao entretaoto de dous aoaos.
6.* A nomear um c mmissario de recoaba-
ciia capacidade e conheciraent-s praticos, qne
guie os lavradores oa applicaca-i dor insi urn*, i -
a que se refere o paragrapho aoler. r.
a 7." A promover a creagio de socjedtdes
agricjilas qoc se esforcem pelo deseovolviiner:to a
pr.is.'eridale da gnculiurs provincial, proug'-n-
du as e a ni.nando-as, e iepre-ontndo s ssscmbiea
legislaliva, anaaalmeute, scbre suas nece.-.ida Jes
e me.ios de as fazer progredir.
^ 8. A adoptar ss providencias qne julgsr
conv.Mi ente para qae nio sejam illudida? as dis-
posigo 's do SJ i.
c Art. 2." Revogsra-se as disposigiias tm ron-
trario.
a Sala das Marges, abril de 1874. -Rimos Ju-
nior.-Liiramento.-Aires de Brit j.-Jorge de Li-
nliares.
Antes de encerrar lao momentoso assumpto
pars o desouvolvimeuto da agricullara nacimal
seja-nos ;. rmitti Jo fr.zer cordues fotos psra qne
'i oobre exemplo de inicistivs e de progre*o,
dado pela provincia de Sants Cathafina, seja m-
guido pelas outras provmcias doimp.no, iTicci-
palraento pelas provioci.is do norte, cujs lavoora
etravessa a mais lamentavel ense. s
ui.Uanca.No dia 15 de setembro, aam-
verssrio da libertagao do sod > frsocez, os habitan-
tes de Eiaiu, Belfert e oatras cidsdes do ,'este da
Franga enviar.am mensagens e felicitagoes ao 9r.
Thiers
Os funeraes do illustro Goizoi forsm o-
destos, seguato a sua vuntade testaraenlaria. 0
sou cadaver fei ollocsde n'aai nwnoment MM
simples, que eaardsri '.s resios de tods a >na fa-
railia. no pequeno ceraiteno do Val-Riener. <>nw
linbs pedido qua s beira do *eu lumul n*o fos-
sem reeitsdu* discursos p.-liticos, s6 proouncuraia
algumas nr^goes e semilas phra-es relgi.iss* o
pastures protesiaotes do Cunsistorio de Parb e da
Nornsndis
Veriiicou se em -ilbao ami -reviiti mditar
em lionra -los ctwfes c iiflicisee do* ano* le
guerri aliriuses. Vs forces, cammnlil' laio
i.rigH leiro C-inrruza, oinpunha-se de 6.UO He*
UMOS.
Na cirmlzr annnal qm a ca*a Barto-il 'iiy
Etinne, de H ir.-elns, a na das mais imi> nl^utes
I.- Fr..'ic n. im' mo leeerasea,eaia a ewe
e irr.....'i: id i c ml > da reaulud las
Ihe.ti a- .- qur a di'jj" anno dtve ser cUsadv

[Psje i
ni-ttior
-A
Monnun i
"-,
#'


-

*

DiaHbtfleia>iaaiiraW^^n,^3 tojnfcH3 - 0 J/omCmi
que o granvtfuqn
tie generaUljeJnf;
do Cvirnm4p*e,
ukase de
eitildo trtiperu)*asi annnncia
erJofre fbl jtromovldo ao posto
eria* dpccn|lari|| e noraea-
chel Amfefa ijpierial par
lima companhia Jlufeleza mandou proeeder
aoH-.esto.dod-r*ik*ia*i*iara a faaca*.d jjm.ca-
nal destination qgar lUris.com^ivUolse, pelo valle
de Monmoren-v.
-Tfa tira jwttlo nSo havia na mgfaterm e na
BjBossla sm3o 60,800 cattroheos; boje o sea name-
i-se, semialo a nlthno reeenseamento, a
*H). A Ingraterra, a Eseossia e o pair de
i dfvi Jem ae em 20 dioceses qae ciotam f;W3
saeerdotes, l,t!W fgrejas, 8ti mosteirosrJe homen*;
5fl9 de mnmeres ^ l;^dO-oiwhs catholicas. Na
eamara dos lords'ha ^;J merrrbros catftotfcos, iff na
dos communs, e 6 membros no conselho particu-
lar da rainha.
Em Tafrega (rteaaJlhi) houjre nma innn
dac-toque destrio,as pewes-dn Santo A|twtfn*>o e
Vardo; e sujynejgio mats do 20Qoasas. .0* BH-
nhos rmmedratos a povoa-fcao foram arrastadospola
impetuosidade d*s,agu. tguwa'se aiDda odd-
mero las viclimas, qua ia filtga serem muitas. At-
fftMs soldad je do regimento de eavallart* de Cah-
tma, foram vietimas *> sea arr 'jo, tenfando *af
tar os habitaetes.
No dia #8 de setembro foi iida pelo gofer-
aador-rja grande nwsquita de Tanger, uma ear-
tado imperador de Marroeos annunciando a aaw
pleta derrota dos kabilas do preteadeate pelas
ktMstfciulfte. Estas iaeeodiaram as ekoeas to
inimigo, tomaram-lbe umjio gado e fizeram 20 pri-
sionico3,aos quaes o suliao mandou, cortar a ca
Leca.
A, pelicia da Madrid' prendeu um iadividuo
que fazta moeda falsa, ao qual appreheadeu na
sua habilacao varios cadinluis para fundir moeda
do dilTerenle, epocas, graneV ijnaaiidade de moe-
das de metal praieado, chaias" areaaradas, instru-
ments e pec is de metal funaiaas. Foram Igual-
mente presos alguns iniividuo3 como cumplices
daquelle.
Um empregado de uma importante casa com-
mercial de Malaga Ibi ha dias a csia.a i do cami-
nho de ferro para recefcer uma caixa quo, remet-
tida de Madrid pelos Srs. Orueta & aoazubiscar,
devia conter 30,000 pesetas. Aberta a caixa vio-se
qae continha unicamente terra.
0 gran duque de Mocklemburgo-Sobwerin,
que 6 parenie do imperador da Russia, reeebeu
ttc-te soberauo o titulo de feM-mareebal-generat
rosso
A lei de 1871 concedeu aos advogados da
Alsacia Lorena o prazo de 3 annos para noderem
servir-se da lingua franceza. A mesma faculdado
foi concedida as juslicas de paz para os sens deba-
tes e as spas decisoes. Como este prazo esla a aca-
bar. o conselho federal deixou ao prineipe de Dis-
uuik. a faculdadede prolonga -lo, se o entender
tecessario.
Teminou a grece dos trabalhadores das mi-
nas de carvAo de pelra de Deforest (Inglaterra),
gracas aos psiroes que prometteram dar-lhes seis
shilling* diaries. TAmbem em It .1 ion se espera
que ttrmiae a greve do tiandeiros de algodiio,
pois o;>erario3 e patroes consentiram em submetter
a quastio de iateresses que os dividiam, a arbi-
tra^em.
0 navio Castaiia, construido com o fim de
eritar aos passageiros o enjoo de mar, chegou no
dia 13 de setembro ? Dover, onde se devia proee-
der a exoeriencias decisivas sobre as coniicijes
porqoe se recommendi o mesmo vaso.
0 process > a que deu causa o assassinate do
infeliz general Prim, e que ainda nao terminou
apeiar de contar 3 annos, consta de 11,217 folios,
isto 6, 5,023 fiilhas ou 12 resmas de papel.
A direceao da policia de Munich. (Baviera),
orienijH que fossein fechadas todas as sociedad^s
democraiicas socialistas, as quaes a lei bio reco-
nbece o caracter de assoeiacoes politicas.
Exiile aelualmente em Franca 30 generaes
de divi-an e 80 generaes de brigad'a para a infan-
teria ; 21 generaes de divi;ao e 39 de brigada para
a eavallaria ; 13 de divisao e outros tantos de bri-
i!*da para a arlilheria ; 9 generaes de divi-ao e 17
de briizada de cngenneirof ; 18 generaes de divisao
e 28 de brgada no estad i-maior; 1 general de
riiM'sao e 10 de brigada na genlarmeria. Total 31i
^euoraes de divisao e brigada. If-ije ha sii 4 ina
recliaes.
Os Estados-Unidos lem boje 41.381,000 ha
bitantes, o qnando o senso decenal se publicar
em 1880, essert-se que essa cifra, a coutinuar o
progresso actual, attingira a 50.800,000. A guer-
ra do separacao d teve estes progressos Sem
ella, a grande republica teria hoje 53000,000 de
almas.
A municipalidade de Lamason (Ihspauaa), re-
compensou eom 2,000 realas um lavrador de Lie-
bana quo matou um urso que tinha pouco3 dias
antes despedaoada um rapaz e 20 vaccas. A pelle
do urso medii doaa varas de comprido c meia de
orelha a orelha.
Fallecea em Roma, repentinamente, o general
Sit tori.
A*k
cla. Movimento das enferraarias
a-M-A) corrautex
Piurram em traumaito 30, nlrarra iarunte a
MtMn'6; iBhirawflnudof 7, -fu(cfam 4, tfie-
baura dB'UMm o*r. mtonLinw AaMrMo>.tm6
(Jonas.
se .aelu a vignda ?
tedwiifc t MeaFewMta 4fc;(fcsta, Bole
ciante nesta praca, e sim o tea 4iaio
4a. Cml* Ferrdna; I (ansinte)v, m qua I
elmnlrasie .ptonuente aatattMto por tea
ea u.io o aceitaria. E admittindo raesmo qme
te*M ektoB3uwda,;^Mri p(j4e(ald*p*
UdrvwtaM
qae
a oaiMfniMMel
auanpiaapai oooaapfa ? i
. Ciui s aofociaalas iecua osnaifcto.ta ruatriz de Tejocupapo, que corre ao a sisadez de caratWr om que devero str teresti'
du<4 do cotmou. ... Jdos todos os nossos WtftrfJttURi, provando, mas
**';* alHaaieaia.aiDtiawnla da oasa nao di^ais que vo^^piwdHls dos negociantes
de detencao do dia M de outnbro de 1874 : ulTereoidos e Mcuados, pois nio-* p*slel 0 es-
Existiara 317, ntraram 4, sahiram 3, aatthm quocineato tiaUo pouco tempo, e era quertao ie
qne lanto vo iotarajats. i \
Sei ds reeursos e que aipaadet. Mi que
votto ioiatmate. paiara eitar loafooianies que
nao onaa aaarecitloa; Bias teabo taoibem cer-
.leza qne e?s nietaio nio levaniara rauito alto a
I sna vista em preippca do agente, de qaem bem
pouco yos ocfa|aisj e qup njeftiar sia ainda, se
348.
A saber : naeionaes 255, mu'beres 7, gB!ros"21, escravos S9, seravas3. Total 328.
Alimenlados a ena das cofrs publicus 261.'
A saber : sios 218, enfermos IT.Total 261.
Movimento da snlermafia do dn 11 de outubro
de 1874
Tiveram bai
iiernardo Vieira tmsiiva, rnenuraiismo.
Manoel Joaquim dos Santos, egastneo.
PiM4preiroi Vindos dos portos
no vapor Jaguaribe : 8
TeJerjtaiawooiel Alexandre Hagao Peixolo, Ge-
miniaaol'ifllo da Silva, duas pracasjda pplicia qae
escoltam 4 terlmin diani^da Araj)jo-4 crtadft RodUptw de 8alles
Cardoso Lins Manoel Pereira da Cqtu CutrWn,
Jose Fern odes Silva Gomes, Beavenuto Ribeiro
da Conxeica>, Francisco Lopes de Carvalbo.
Ceaniterio publlco. Obituario do dia 10
do corrente :
Amelia, parda, Pernambuco, 2 apaos, Boa-Vis-
1.1 ; variolas.
Jose, Pardo, Pernambuco, 9 raezes, Boa-Vista ;
convulsdes.
Maria, parda, Pffnambtjco, 3 mezes. Boa Vista ;
gastro entente.
Claudino Marques, pardo, Pernambuco, 66 an-
nos, casado. Boa-Vista ; ascite.
Martinbo do Naseimento, pardo, Pernambuco,
5 annos, Boa-Vista ; vermes.
Paulina, escrava, prela. 5 annos, Boa-Vjsla
queiaiaduras.
1
Ignacia Joaqoina da Silva, branca, Pernambuco,
60 annos, viuva, S Jo 4; gastro eirtero colite.
Maria, scrva, preta, Pernambuco, 25 ainos,
solteira, fi >a-Vista ; molestia uterina.
Jose, escravo, preto, Pernambuco, 50 annos,
solteiro, Boa-Vista ; desinteria.
Para Hsaaa M imrwr.
k 7" nn '"*a,al' na &arc$a Silcina, carregon :
I. A. G. P,res Jatitto 3 pnear reflnaao ; A. da Costa Araujo 4-dtJfca >oin
w^to:dena^b>aaeo-ealoriiafeeiTrr!>80H|2
wa rniailjtaeaiaaa>i'Ui fnarei a *.F,
ojobbi In silica Jit
i mi.raMaOaZIA l^iai^AMDKUA
.tmaimeato do dia 1 iw. ,.' 5:515*094
Ua do amiaaiiaiM -.Ik h?--^646*787
3" Of b Oj(MlBl! I .i
et.fc.wlf U4I 2 BMM0HC
nLl 8,i*r ..........(
V WaiAJMW^AHlDOS
It)'dia 1 a 1 .
*.* 12. i......
e*BMirvpom ,. ,*l.itasmc;q u -i H4
jagooia port* ,j. ^j ; .^,
rarcetra porta.....ijeidwiu
routtflfla^ r.f!nreicao uu
London,
Limited,
A

em nada voajocluJhsseisidelle'. .
Continiio HigRafa allprraar Jlualiz publicar
no Diario de PentamfiUco. e rasia"ura a satisfacao
do sw de que sois v6s mesmoaque confirmais o qai vos
; disse com a publi cacao dessas car las. j
Dizeis ainda : nem mais uma paJavra ao Sr.
lagenle : ea, ao corJtrario vos digo,qaaodo mal >
informados, fa tardes a verdade, o agente do fumo
se dirigira ao pubJico, fazendo the conhecer as
vossas ioexactldoes.
fOde onwbro de-1874.
0 agente, Jose Anastacio ia SUva OuimtrSes.
A JPfovincia.
Proclnmas.-Foram ni dia 11 lidos 03 se
guinte-, na iurja do N'o-sa Senhora do Rosario, que
serve aelualmente de matriz da freguezia de San-
to Antonio.
1.* denunciaQao.
Jose Joaquim Coelho Barboza,'comUmbelina Ma-
ria Pereira.
Antonio Joaquim Ferreira, com Maria Beraardi-
ua llraga.
J iao Baptista Alves, com Joanna Clementina de
Ivrsa Mello.
Alferes Francisco Evarirto de Souzi, com Ger-
trudes Maria Vieira da Silva.
Joao Jastino de Sonzi Fxeitas, com Joanna Bap-
Usta da Parifleacao Rodrigues.
Joao Chrisosiomo da Tnudade Mjura, com Rj-
zalina Silveria de Barros.
Silvinu do Kego Pacheco, com Anna Alexaadri-
na dn Azevedo Campos.
J -' 11:-. i'ji.ii de Sant'Anna, com Rufioa Maria
Joaquina da Annuncia;ao.
2.' (ienuii :iaca i.
J-j:'6 Looncio da Silva Rosa, com Candida Maria
Ramos e Silva.
Jo;e Joao da I lira, com Vicencia Philomer.a da
u.su.
Francisco Antonio da Fonceca GalvSo, cam Leo-
n Ila Candid* da Silva Bastas.
Januario Manoel dos Sintos, com Hermina Can
dida dos Prazeres.
Manoel do Carmo Rilieiro, com Marcelina Maria
Kucha d Liu.
4otonioJose de S.qneira Barros Leite.com Ame-
lia Evangelista de Audrade.
Lu:io Ferraz de Sant'Anna, com Luzia Maria
Agoslinha dos Prazeres.
Antonio i'iuto Soarcs de Hello, com Josepha
Francisca de Souza.
Jose" C*nuto da Porciancula Ferreira, com Ame-
lia de Almeida Catanbo.
Gidiifredo de Abrea e Limi, com Br tes Maria
da Conceicao Lobo.
Antonio Juventino de Senna, com Isabel Ramos
do Lima.
Jose de FigueiredivReis e Silva, com Maria Ar
thur Cysneiro de Almeida Albuquerque.
Aujonio Francisco de Paiva, com Maria LiJora
da CjnceiQao.
3. denunciacao.
Francisco Jo3e Guerra, com Maria Magdalena de
Jesos.
A1.i) Florencio dos Santo?, com Thereza Maria
dr-. Jesas.
Jos6 Pedro Fernandes Villela, com Amelia Do-
rothea jos Santos Ramos.
Airelimo Cavakante di Rocha Wa'uderley, com
Anaa Joaqoina Vieira de MtRo.
Pedro Velloso da Silva, com Maria Francisea de
Alancar.
Itacharel Honorio irermeto^Correia de Brito, com
/llmtra Augusta Silveira. -
Ant mia Joaquim Dias, com J)anna Baptista de
Okveira.
Pedro Fernandes de Ouvaira,- com Igaez Candi-
d da Silva Bastes.
Alexanlrlno Pinto Caaves, eom Rosa Francisea
d* Rego.
Manoel Pereira de Araujo, com Isabel Mendaa
I'iuto Laal.
Pedro Satvro de SaJles, cem Guilhermina Cida-
lida da Silva Albu'jaer^ue.
-bellfis. Hiijh, as 11 -boras do dia, effeetoaV>
.-.joule UarUas o leilao de inoveis -a ofcjectos de ou-
rvc prata, existeates nacasa n. 4 da rua da San*
ta-Craz na Hoa-Vi-ta.
r. Ho9, 13, eflaclna 0 agente Pinto o leilao de
raoveis, lonca crysUefcOa Casa da rua do'Cor-
redor do &ipo a 17, em Rorges de Barfie.
Em C'ltiUauacao vedlera lamb eon livrcs e ins-
tniWat(efrn#fcoi#. 'w
'AjnaMMBsMffr .* rhW>mo agfnte am MH&
deoei #Mtn, %&"& aodir do' sobrado '
liWmta *} WUMtJti/lttt^r hjtis.
-'^uiiHa-fcira.lM'do o
pdr intervft^ao ao'afleiMM
zeadas limpan e avariaq1s*Jrht56o8, booets els-
tico?, e*k^MisOWe!f eVn aeu e^criptono, raa
drflino'IoMu *. IS."-'** *
CHKOMCA JliUKIABIJu
TIIIBI \ill. DA REI,AC.i
SESSAO ESl'ECIAL EM 12 DE OUTOBRO DE
1874.
PRESIDENCY DO EXM. SR. CONSELIIEIRO
CAETANO SANTIAGO.
Secrelario Dr. Virgtlio Coelho.
As 10 horas da manha, preseales os Srs. des-
embargadores Reis e Silva, Motta e Domingues
Silva, abrio-se a sessao.
0 Exm. Sr. coosemeiro presidente passou a jul-
gar os aggravos de petijao, cajos adjuncts foram
sorteados em sossao anterior.
N. 71. Aggravante commendador Jose Pereira
da Cunha, aggravado o juizo do commercio. Ad-
juncts os Srs. desembargadores Motta e Domin-
gues Silva.Negaram provimento.
N. 69. Aggr^vantes Francisco Rodrigues des
Santos e outros, aggravado o juizo da 1' vara. Ad
junctos os Srs. desembargidores Domingues Silva
e Motta. N'egaram provimento.
Em consequencia da falla, com causa, do Sr. des-
ernbargador Aecioli, nao se Julgou o aggravo de
Johnston Pater & C.
Encerrou-se a sessao a 1 bora da larde.
Protest* soJerarj|mente cuatra que,diz a I'ro
vincia de haj>: era relaaao ao Sr. teneate coronel
Antonio \ictor Corroia, fiscal da collectoria de Ga-
ranbnns.
O caracter benrado do metmo tanenle coronel e
geralmeoie recouheeido, e adioira qne o queiram
atacar, attribuindo-me cousas que ea nao disse
nem podia dizer.
E' verdade qae tenho tido desejos de deixar a
collectoTia, por ser difflcil e penoso o trabalbo da
arrecadacSo em um grande municipio, nio tendo
o auxilio di uoUcia.
Foi isto o qaedaae aolkai. -Sr. inspector da
thesouraria, quo promelteu providenciar a res-
peito.
N4o ha razio ,no que a Provincia, por mal
ioformada, leni dito sobre a collectoria. Prestei
minhas contas a thesouraria, e aada foi alii notado
de irregular- | i *
Eis a verdade.-'-* *
Recife, 12 de outubro de 1874.
Jose de Barros Silva.
SERV1CO MARIT1MO
WHiiK;... 3.J1AMJ Yd" 16
MNMA
So. dia 1 a
Vo dia 12.
'o trapicbe Coaaai
RENDAS
-
SRCEBRDORJA DK RENDASMNfl
RAJSS DK PMa^m^rV1^
tendimento do dia 1 a 10 io:24QMt2
tirrjQ dia. it Q 3:$mm
niei* iiy e-adebei b -,.,
CONSULADO PllOVfNOAL
Aeadimento do dja 1 a 10. 29:917*241
dem do dia 12 [j ; / *Ii#T KMM
30:106>731
>* /K'llfTT------
poWS J^egocips de co(omissa, qoer commer
Oeceeta laUras, e kxna nk), oiafjratmkie9, e saca i vista e i
jazo, A voirtade do tomador, sobre as se-
guiptes pracas estratiyeiras e naeionaes :
Sobre o union bank f
0 LONBOlt AUD IIANSF.AT1C AtEv
e tafias casas de 1.* classe.
&We os banqaaires .fuvld
rjARr> Aifime d f?. 4 1.4tlrJbec,
VlGNAL.d C.
'flamburge-. Sobre os Srs. joio
iS eeHu aatiL & riwos.
biatba^A. Sobra os Srs. fonsecas,
SANTOS d VIANNA, & 9EBASTIAO JOSE DE
ABREU.
4r*Mk. Sobra o banco uniAo do poaTo
0 Sr. JOAQUIM PINTO A PON9ECA.
Para. 9obre o banco commercia-
ido r*M, e os Srs, prakcisco uaudencio da
.COSTA d FILHOS.
HaruuhAtt. Sobre^o Sr. jose feb-
IUE1RA DA SILVA JUNIOR.
Ba*Ua. Sobre os Srs. harinuos d c.
ll^o de Janeiro. Sobre o banco
INDUSTRIAL E MJtRCANTIL, BANCO NACIONAL e
BANQUE BRAS1UENNE FRANCA1SE.
XM
18:823*902-
--------------
/Miih,)l
USUGACOiS k rE&ISC-.
Ao publico
0 agente do fumo para justilicar o que disse em
um artigo publicado no Diario de Pernambuco,
basta apreseutar a vossa apreciacao as carlas pu-
bli :adas no Jornal do Recife Je 8 do corrente.
Kssas cartas sao uma dos Srs. Fernandes da
Costa & C. aos Srs. Taborda Santos & C, adrai-
nistradures do trapiche Dantas, e a resposta des-
tes aos primeiros ; e outra dos Srs. Taborda San-
ies & C. ao Sr. Jose, da Costa Ferreira, e a sua
resjjosta.
Com alias nrolondem M Srs. rlpfoneorp.i da As-
sociacao Commercial, (estamos cortos que acredi
tando na sisudez do informanlc) provarem que
nao despresaram a verdade, dizendo quo divossos
negociantes foram offerecidos para Qador do Ma-
noel Cameiro dos Santos, e que o agente "do fumo
recusara a todos, sendo aeeitos linalmente os
Srs. Fernaudes da Costa & C. A Associavao Com-
mercial, fazendo publicar estas carta3, submet-
teu-isa vossa apreciat^ao, pedindo-vos que fizesseis
ju>tica.
O agente do fumo, tarabem por sua vez, pede-a
vossa attincao para ellas, esperando que facait
justiea a quem a tiver.
Vejamos, pois, o que dizem essas carta3. A pri-
meira, a d^s Srs. F. da Costa 4 C aos Srs. Ta-
borda Santos & C, tem por lim .-aber destes se
foram encarregado^ per Manoe! Cameiro dos San-
tos, de realisar o embarque de 40 fardos com
fumo, chegados a este purl > no dia 20 d; agosto
pelo vapor Marquez de Caxias. SegunJa, se de-
pois das grandes dilQculdades com que latarara
para desembarcar aquella mercadoria, nao tive-
ram di lutar com novas dilflculdades, em encoa-
trar um fiador que merecesse a conGanca do Sr.
agent;, e se nao foram re:usidos alguus nego-
ciantes desta pragi, e quaes elles.
Vejamos agora o que ditem os Srs. Taborda
Santis & C, em rc-sposta a essa carta.
t Araigos o senhores.Em resposta aos quesi-
tos de sua carta retro, temos a responder o se-
guinte : Primein, ser verdade termos sido en-
carregados, pelo Sr. Manoel Carneiro dos Sintos,
do embarque do fumo. Segundo, ellectivamente,
depots de lutarmos com immensas dilflculdades
uo desembarago daquella mercadoria, novas diffl
culdades ^e nos apresentaram, consi-tindo em
achar um fiador ao gosto do Sr. agente, o que le
vamos ao conhecimenio do Sr. M. C. dos Santos,
para que como dooo do fumo, apresentasse o seu
tiador. Dizem ainda os Srs. Taborda Santos &
I, que acbando-se fatigado o Sr. Santos, pelas
novas dullculdades, elles Die perguntaram o que
tiavia feilo, e queaqueile Ihes dissera que tendo
apre-entado para liador diversos negociantes
desta praca, foram todos recusados, e que so se
lembraram do Sr. Dommgos da Costa Ferreira,
sendo aceito Gnalmcnte os Srs. Fernandes da Cos-
ta & C
Apreciando esta carta, a eitamos com) verda-
delra a resposta ao primeiro qnesito, convindo
porem notar que nesta agencia eomenie compa-
receram em primeiro lugar o Sr. Jose da Costa
Ferreira, para indag >r do que era preciso fazer
para a exportaclo do (uiuo, e mail '.arde, na> so
os Srs. Taborda, ou Santos, mas sim urn outro
moco, cujo nome ignaramos, ma' que me parece,
ou fazendo parte da tirma, ou empregado do tra-
piche, acompffthado do passageiro, para fazer o
despacho e lavrar-se o terrao de respon-abilidade,
Em resposta ao segundo quesit), dizem os Srs.
Taborda e Santos, que se nao lembram Jo. nego-
ciantes offj ecidos, record.n 'o se somente de um.
o Sr. Domingos da Costa Ferreira I I I
Como pois asseveram isto estes senhores, se
elles se nao dingiram a esta agencia, e se o sea
socio ou empregado quando foi tratar do d spacbo
j i estava o fiador aceito ?
Se a primeira pessoa que se enteudeu comigo
foi o Sf. Costa Ferreira, e este diz em sua carta
que dep'ois dereeeber os esclarecimeotos precisos,
e traiando-se de fiador, se tinha proposto ; mag
que vendo a.minha indacisao, lembrava os Srs.
Fernandes da Costa & C, como dizer-se que di
versos negociantes foram offerecidos e recusados,
depots de semelbante couGssao, feita por aquelle
que em vosso favor invocastes ?
Qjizes.es dofender-vos das inexactidoes e falsi-
dades em qae cahistes, acreditando uo yosso in-
fuimaate; nao o c mseguistes, ao contrario, o que
llzestes foi demonstra-lis cada vez mais.
Xeode pacieneia : procurai ler ainda mais esta
vez a carta do Sr. F*rre.ra da Costa.
. Ei-ia :
Em resposta a carta aanaia, om data de
hoie, tenho a dizer a Vv. Ss., que, para tratar d4
reexportacao do fama pertenceale a Manoel Car-
neiro dos Santos, e a seu pedido, dirigi me ao-SrJ
agente Fespeciivo, o qual me fez os esclarecimeo-
tos preciso^ t Jratimdo-se de fiador, propuiine ;
floaodo, parem,.o Sr. agente indeciso, leiabrei lhe
os Srs PeTnaades-daCosu & C., que foram pre-
iumplio a liberdude.
Luiz Jose de Oliveira e sua Exm. consorte D.
Joaquina Maria de Oliveira, residentes e proprie-
taries no termo do Rio Forraoso acabam de pra-
ticar o acto da mais sublime generosidale dando
carta de liberdado a ires de suas escravas pardas,
de nomes Maria, Ursula, e Severina, filhas de sua
escrava Feliciana, sendo que neubuma consequen-
cia os obrigoa a assim proeeder senao o amor
as mesmas escravinhas, hoje liberlas.
A.' Iilma. eamara muaicipal.
Contando que alguem pretende montar uma
fabrica de sabao na casa n. 58 da rua do Barao
do Triumpho, oulrora Bruin, com liceoca ou
sem ella, quer se ver qual o prccedimento nao
so da eamara municipal, como do fiscal da fre-
guezia, sobre tal pretancao, attento ao decreto n.
828 de 29 de setembro de 1851 art. 49.
0 apreciador do zelo municipal.
Agua dc Florida Lamiuiiia.
Dssde os mais remotos dias das de-cohertas
hespaoholas, o forraoso paiz da Florida tem sido
justamento afamado pelo balsamico e odorifero
aroma de suas raras e llorescanies llores e verrle
jaotes arbustos. Aqui temos, pois, o fluctuante
perfume e incenso de seus jardins agresles e seus
aromaticos refrigerantes bos|uezmho harmo-
niosainente concentrados e en<:errados den'.ro de
um diminuto espaco hermeticamente fechado e
sellado.
Esta Agua Florida deriva e recebe a sua ex jui-
sila fragrancia das frescas, verd jantes e llores
centes folhas de flores e plantas.do tropico. 0
se" sublime e delicado perfume nao desmerece
era nada. posts em comparacao com aauellp. rio
mais lina Agua da Colonia, e e iniinitamenta
superior a que se fabrica era Paris; Zem ^uaolo
i|ue ao contrario o seu pre; < apenas e a metade
do custo de qualqucr um dos outros.
RECIFE DRAINAGE
llendiniento do dia 1 a 10. .
Idem do dia 12......
i, miov
67*500
409*200
476*700
AGENCIAS PttOVINCIAES
Ciqniilns espirituosos.
Handimemo de 1 a 9 97749.15
Idem do dia 10 149*529
.{tMMERCm
Algodao
Algodao
JUNTA DOS CORRETORES
Prafa da Rocifo, t'i do outubro
de 1894.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACOKS OFFICIAKS
- sera inspeocao 6^2,-,0 por 15 kilos,
sabbado.
i da Paratiyba 1' sorle 7*300 por 15
kilos posto a bordo a frete de 3|i e
5 0|0.
Assuear bruto regular 2$iU0 por 13 kilos,
sabbado.
Couros seccos salgados 556 rs. o kilo.
Jambio sobre Londres a 90 d|v. 26 3i4 d. por
U0O0.
a. ae Vasconceilo?
Presidente.
A P. de Lemos,
Secretario.
.-teiiOimenio
cm do dii
4LFANDKI.IA
do dia 1 a 10. .
12
3I4:478J408
43:903*345
360:381*753
Descarregam hujs 13 de outubro de 1874.
Barca portugueza Pereira Borges vinho para
deposito no trapicbe Barbosa.
Patacho sueco Magnus ferragens para o tra-
piche Conceiio, para despachar.
Patacho inglez Nireus varios generos para o
trapiche Conceicao, para despachar.
Lugar inglez//e&e-farinha ja despaehada para
o caes do Apollo.
loiportacSo.
Patacho inglez ilereus, enlrado de New York
em 10 do corrente e cousiguaJo a Jouoston Paler
& C, manifestou :
Baaha 50 barris a Mills Latham & C. Barricas
abaii las 213 volumes aos consignatarios. Breu
200 ditos aos mesraos.
Kerosene l,'0O caixas aos mesmos, 500 a
ordem.
Objectos para estrada de ferro 77 volumes a
companhia Ferro Carril de Pernambneo.
Tecidos de algodao 6 caixas a Brown Thorasoa
& C, 5 a Keller & C.
Lujre iaglez Kebe, entrado de Bjltimore om II
do corrente e consiguado a Johnston Pater & c.,
manifestou :
Breu 200 barricas.
Fariaha de trigo 8,530 barricas inteiras e 200
meias aos consignatarios.
Bacalbao, etc
Rendimento de 1 a 9 973/220
(dera do dia 10 13A92S
I47J.521
. Generos de estiva.
Rendimento de 1 a 9 1:790*946
Idem do dia 10 60#272
Farinha de trigo, etc.
Rendimento de> 1 a 'J l:611*e6S
Idem do dia 10 4
1:006*148
1:851*218
Fumo, etc.
Rendimento de I a 9 1:207*881
-------------1:611*068
Idem do dia 10
Rendimento de 1
Idem do dia 10
493J842
Vinagre,
a 9
298*834
*
l:703*W3
298*834
7:596*447.
Thesouro povincial de
bro de 4874.
Pernamuco, 12 de outu-
0 escrivao,
Joio Carneiro M. da Silva Santos.
Banco do Minho.
Joaquim Jose Goncalves Beltrao & Filho saearo
por todos os vapores sobre :
Anadia.
Aguida.
Aveiro.
Beja.
Chaves.
Klvas.
Amarante.
Guimarae-.
I'-ovilha.
Melgaco.
Portalegre.
Arcos de val de vez.
Celorico de Basto.
Caminha.
Mangualde.
Ponte do Lima.
Povoa de Lanhosa.
Evora.
Fafe.
Faro.
Guarda.
Leiria.
bisboa.
Barcello?.
Coiuibra.
Mirandelia.
Penafiel
Monsao.
Ovar.
Porto.
Tavira.
Roepa.
vrfeo.
Kigueira.
Laraego.
Estarreja.
Valenca.
Villa Real.
Cabeceiras de Bastos.
Castello-Branco.
Espozende.
Oliveira de Azeraeis.
Povoa de Varzim.
Vianna do Castello.
Villa-Nova de Portimao. Villa-Nova de Fa.nalicao.
Villa do Conde.
Was illias.
Madeira, S. Miguel, Faial e Terceira.
Companhia Indemnisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:000,^000-
Thomaz de Aquino Fonceca &. C, successores
agen'es.
Ests companhia toraa segdros marilimos e ter-
restres, dando nestes 0 septimo anno gratis aos se-
gurados.
Rua do Vigario 11. 19.
mummo do nun.
Navio entrado no dia 11.
Aracaje e esealac4 dias, vapor brasileiro Jagua-
ribe, de 450 toneladas, command.into Julio Go-
mes da Silva Neves, eqnipagem 30, carga dilfe-
reates generos; a oorapannia pernambu-
aaa. .
Navio entrado no dia 12.
Babia 8 dias, brigue inglez James Stwart. de 289
toneladas, capRao James Scott, eqaipagem 12,
em lastro; a Saunders Brothers & C.
Qbercacuo.
Nao bouve sahidas.

Qi-TAft
da ma feridos.n
'Desta carta, pergunto
Vapor nacional Jagmtribe, entrado do Aracaju
na mesma data e consiguado a eumpanbia Per-
nambucana de navegaeao costeira por vapor, ma-
nifestou :
Arroz.de casca 23 saccos a F. G0n5alv.es Torres.
Algodao 61 saccos a Domingos da Silva Torres,
32 a Manoel Jose Alves. Assuear 32 a Henry
Forster 4 C.
Couros salgados 125 a D. da SHva Terrea, 71
a Pereira Caraeiro 4 C.
Farinka de mandtoca 16) saccos a Francisco
Goncalves Torres.
Milbo 55.saoco a Pesaira Vianaa & C.
Oleo de ricino 109 latas a Francisco Goncalves
Torres.
Velas I Ciixa a Francisco Torres.
DE SPACHOS JDK iS^ORlACAD NO DIA 10 l
OUTUBRO DE 1874.
*a es tones 4o.x*trior.
-JJio vapor iaglez Student, ,para Liverpool,
icarregou : A. Loyo 900 saccas jcom 17,912 1|2
kilos de algodao ; I. 'LharasanjSt'C 64 ditas com
13,762 ditos de dito
Na barca franceza Veridiana, para 0 Havre,
se podera conjlair qae carregou: E. A Bnrle ,S0.1,200 coaros salgados
rent-, deve ter lngH JeHfr'da Costa Kerreira fosse reeusado, pois. nao e coaJUlAm kMw-?.& Lubtle^WO dito eipicaa-
um-leiho de ft ehe o proprio qne faiendo coabecer a minha in- dos com 7,080 ^aaxa
deeisao, uao atRrmi quo fosse formalmente re- ^iieTjJj|BJ|Ba1l|llMni rynp$ niri d Pi da
coaedo i Praia, carragoa ;^morim Irmaas ft rC ID pipas
Quereis qu-i vja Jigi qual a causa de mtaaa com 33,WrTHt*Hie SfuartetWe.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
" RUA DO COMMERCIO N. 3i.
Seguro contra-fogo
TBE LIVERPOOL d LONDON & GLOI
INSURANCE COMPANY
Agentcs
SAUNDERS BROTHERS d C.
tlCorpo Santo11
SE6DR0S
MARITHIOS
CONTRA E0 FOGO.
A companhia Indemnisadora, estahelecidi
aesta pcatja, toaia seguros maritimos sobr.
aavios e seus carragamentos e contra fog*
j.em edificios, mercadorias e mobilias: m
raa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
companhiTallianca
seguros maritimos e terreb
tree estabeleoida na Bahia
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:000^000.
foma seguro Ae mercadorias e dinheiro
itco maritimo em wvio ^e vela e vaporet
para dentro e fdea do imperio, assim com'
isontra fogo sobre predios, generos o f
on'das.
Agente : Joaquim lose Gres Beltrao
u do Commeroio n.fi, lndar.
\nguslo F. d'Oliveira k C.
A eaaa opmmercial e bancaria de Augusto
'i d'Oliveirad-C, 4. rua do Gommerok) ns
F48, encanaii-se de execugao de ardens
0 Dr. Sebasliau do R^g-i Coitds de Laiwr-
da, juiz ile dimito especial do commer-
cio, nesta cidade do Recife de Pernam-
buco, par S. HI. Imperial e Coustituoio-
nal, etc., *lc. *
F i;j sjib-r que no dia l^-de utubro
proximt, is It u-ras <*b raaabfi.na sala
das audtencias, do\*eri ter tugar a reuniao
dos credoros da mussa fallida de Joao Bap-
tista. (inijqilves
toma3a do cont
8. ft
5* secgao. Secretaria da presidencia de
Pernambneo, em 12 de outnbro do 1874.
I'or esta sccretaria se faz publico a quem into-
ressar possa, \v. em data de 31 de agoto ultimo,
fo^am confirmadas por S. Exc. o Sr. presidente da
provincia e publicadas na mesma secretaria as
sentences do respeclivo engenheiro commissario,
engenhetro Luiz Jo>e da Silva, nos autos de medi-
cao e legitimacao das posses denomioadas Sitio
da Bniiibaperlencente a Quintiliano Mendes No-
gueira e a Joaquim Hodrigues Pereira Minas
pertencente a Paulo Ferreira e -Tapiririca per
tencente a Antonio Manoel Gomes; tudo do muni-
cipio dacidade da Escada. Joai Diniz Ribeiro da
Cunha.
Por e-ti secretaria so f >z publico, de confor-
raiilade com o artigo 1 3." do decreto n. 4,668
dej" de jioeiro do 1871, que Manoel Francisco Bo
tslho foi provisoriamente uoraeado para exercer o
cargo de i. labelhaodo publico judicial c notts,
escrivao de orphaos e mais annexes lo t-rmo de
Tacaratu. 0 sscretario, Joao Diniz Ribeiro da
Cunha.
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacerda,
juizde direito especial do commercio nes
ta cidade do Recife e seu termo da capi-
tal da provincia de Pernambuco, por
S. M. imperial e coustitucisnal o Sr. D
Pedro 11, a quem Dcus guarde, etc.
Fac> saber pelo presente quo no dia 27 deste
mez, as II horas da manha, na sala das audien-
cias, deveia ler lugira reuniao dos credores da
inassa fallida de Azevedo & C, para se verifica-
rein os credit n, deliberar se acerca da cone >r Ja-
la ou formar se coutrats de uniao, e nomear-se
administraaor a dita massa, certos os credores do
niio ni.i sprii :nl nitiiln; nor.nrn^.nrjiijf 4ein flue
este exhiba procararjai especial,a qual nao pule-
ra ser conferida a dovedor do fallido, nao poJendo
outrosim um so indiviluo repr'sentar por dous
diversos credores, e que sera havido o ere lor que
nao compare cer como alherentoas resolucoes que
tomar a inaioria ds votes dos crelores que compa-
receram, comlanto que para ser valida a concorda-
ta, 6 necessario que seja concedida nor numero
tal de credores, que represente pelo raanos a
maioria destes em numer >, e dous lereos no va-
lor de todos 03 credilos sujeiDs aos effeitos da
concordata.
E para qne chogue ao conhe;imento de
todos, ooandei pa sar o presente, quo sera
publicado pela impreusa eafQiado nosLigi-
res da costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife
de Ptrnambuco, aos 9 dias do mez de ou
tubro de 1874.
Eu, Ernesto Mfcbado Kreire Pereira da
Silva, escrivao oescrevi.
Sebisliao do Itego Barros de Laceria
0 d sembargador Francisco de Assis Oliveira
Maciel, official da imperial ordem da Ro-
sa e juiz de direito privativo de orphaos
da cidade do Recife de Pernambuco e seu
termo, por S. M. o Imperador, a quem
Dsos guarde, etc.
Faco saber aos que este edital virem e delle
tiverem conhecimento, que a requerimento de D.
Cilicina Coelho Ramos de Oliveira, viuva de Jose
Bom Ramos de Oliveira, va> ser vendidos em hasta
publica, correndo tres pracas consecutivas, sendo
a ultima das menciouadas prac.as no dia ill d i
corrente, os predios seguintes :
Um pequeno sitio, em solo foreiro, na rna do
Marquez de lLrval. freguezia de Santo Antonio,
com 150 palmos de largura e 338 de fundo, arvo-
res fru;titera3, horialices, jarJim armado de Ogu-
ras e jarros da louca, 4 lanques con truido a ci-
mento, 4 quartos com portas e janellas, n'um dos
quaes esta collocado os appareihos da comnanhia
Recife Drainage, 1 latrina, 2 porloes, 1 na frents
que da serveulia ao predio, euiretanto que outro
de madeira, faclita communicagio para o caes
do Capibaribe ; sitio no qual assenta uma casa
terrea com sotao, a qual tem o numero 6, bem
como 73 palmos de vaoe 119 palmos e 7 pollega-
das de fundo; 3 janellas na frente, 1 porta nooi
tiio norte, 2 salas, 2 quartos, 1 saleta para en-
gommado, cosinha ext-rni, era seguida a qual ha
um quarto para bospedes, e outro Jcom de
pesito dagua potavel, que lhe 6 servida por enca
namento que abaslece a da do Prata, do mesmo
modo que os diversos tanques, inclusive o do jar-
dim e o do Djabo, collocado no ultimo dos refe-
ridos quartos: 2 janellas de peitoril no oitao norte
do sotao, onde ha um salao e 4 quart s: casa il
luminada a gaz carbonico, mediante pneanamento,
lustres e bracos e arandellas, 32:0004000.
Uma casa terrea na rua do Maiquez do Herval,
freguezia de Sanln Aot'inio, sob n. 8, com 33 pal-
mos de vao e 89 de fundo, 1 porta e 3 janellai
na (rente, corredor independents, 2 salas e S
quartos, 1 salala para engommado, coKinba ex-
terna, quinul murado, onde ha tres portis, n'um
dns quaes assenta a appaelho da fompanhia Re
cife Drainage, eom encanamento d'agua do Praia,
e de ga? carbonico, o qual e servido por canle
eiro, em solo Cnreiro, li:0"0j!000.
E par. constar, maadei paasar o presente, qua
sera afflxado nos lugaresdo costume e publicado
pela imprensa.
Dado e passalo sob meu sigaal e sello on valha
sera ello ex causa nesta ci lade do Recife de
Pernambuco, aos 9 de outubro de 1874.
Eu, Floriauo Corre i de Bnto, e?crivao, o fiz,
escrever e siib.=cre?o
Francisco St Assis Oiiveira Maciel.
Ao sello 3i'() reis.Valha sem sello ex-causa.
Otiveim Maciel.
maasa falda, certm OS trMwal He qw>.
nao serao admillidos por procoradav
(|ue es icexbiba procara^ao especial, a
n*opo*erd aer conferida a dereaordo blli-
do, n8o podeadooutfo sim, um soinatridaa
representsr por dotls diversos credorav, a
que serf bavido cradjur q*ie oao coaiparv
cer como adberente -a qoita^ao plena ao
fallido, nos termos r> Id. V. para quo
cbegvje ao eenbeeimelHa d todos, mmtri
passar o presente, que eri pnbltcadu pets
imprensa a aflixado nos lugares do costu
me. Cidade do Recife, sfcJ- da setembro aV
1874.Eu, Manoel Marie Modngee* aV>
Naseimento, escrivao, a snhscrevi.
Recife, 23 de setembrO'de 1874.
Stsbastido do litgo Hurt** aV I^tenu*
O Dr. Jose Oommgues da Mm juu
de orphaos da comaaca de Qtaoea, aor
o Imperador, que Deasfiuarde, eir
Faco saber aos qne o presente edital virem. qa
no dia 15 do andenle mez, eeptli da afidieecu.
a I bora da tarde, ha de ser arri-raaudo par
Suem mais dcr, os b-n cetteaeenti*;avevpolin
e Jose Francisco do .laseirneata, qne ni oe es-
guintes :
Uma casa terrea de pedra erH.aa raa aaCnai
mercio- (outr'ora Quatro Caitos ) a. H, eoa* t sa-
las e 4 portas de frente, quarto*, aria d- detrax,
quintal e chaos proprios, avaHada por HeO:.
Uma armacao de taverna existente na merma
easa, avaliada por 25- ; bem rnwt varia* r^inn e
objectos de onro e prata, cojos preem *!*> *e-
ritlcados pelo escripto L-n nrt> do pnrleir* **
aoditorios.
R para que cheuvv a noiteta ae lodes. auaaVi
passar o presente que sera paMicad) peles Mr-
naes.
Dade e passado nesta cvlale de Olida, aos *
ontnbro de di 1874.
E ea, baeharel Francisco- Lins C*lda, eserivio.
o subscrevi.
_______________Iwfi Dminif< da Sifra.
0 III n. Sr. u~in-ctor d> IbesMiro provincial
manda fazer publico, qoe em curapnmento da er-
dem do Run. Sr. presiJcme da pnvie'.ia, de 3 d>.
corrente, mesmo thesouro, para ser arremalada a qaem ptr
menos fizcr a obra dos reparos do quart--! do cor-
po de policia, orcada em 8975820, e debaixo das
condi(5es abaixo deelaradas :
As peisoas qne se propocerera a esta arrereata-
n', c-mpareeam ua sala das ses-0e d> re.Vrida
ju la; no dia acima in .Head >, pelo ineio dia. om
petentemente hbiliia1a-.
E para coastar se mandou publicar pelopres.'n-
le jornal.
Se:retaria do thesouro provincial; de Peraam-
buco, 13 de ontubro de 1874.
O seeretario,
Miguel Allm*o Ferreira.
Clausulas especiaes para a arremata;ao desrepa-
ros lo qnartel do corpo di pelkia.
!
Os reparos do quarto 1 do c i ,io de p licia sera i
execulados de conformidade om o orcamealo ap
provado pelo Rxm. Sr presidente da provincu, n>
importancia de 897*820.
1'
0 ;rrematante dara eaateea as 'bras no pra>
de oito dias, e as coucluira ni Jo eoai mezes.
3.*
0 pagamento sera efTeclnado cm duas nre.-t i-
cues iguaes, na prap>r>;io do serviro exeental".
4-
Para tudo mais que Bee vai especilicadj l .
present s clausulas, otiservar-se ha o dito n-
rcgula innio d-' 2i de fovitroiio Jj com-ule anno
Conforme.-M. A. Ferreira.
0 engeuhmro ajudanle,
_________________Francisco Ajiolinaho I. -al.
0 Or. Joaquim Goncalves Lima, juiz dos
feitos da fazenla desta pr ivincia, por
S. M. Imp-rial, a que Dcus guarde.
etc.
Faco saber aos que o presente edital vi
rem que, em cuaipritnunto da ordem do
thesouro de 30 de dezembro de 18fi5, e
des in-trucgOes que coin a mesma baiia
ram Gndp o prazo de tres roizes a cmilar
da data da
arrematado em ba-sta pul
comarca de Itambe, a quem maior prero,
offerecer, d vista ou a prazo ate 11 annos
qnando muito com jiros de 6. ao anm
pelo tempo da demora a comprebeusau df-
ouminada, Buraco doexlincto \incuIo
de Itambe, sita naquella comarca a qual se
sclia avaliada em cinco contos de reis e
conic.n segundo a melicai a quese pr
deu e consta d-s autos saxteaeaa stguinie :
do lado do leste 1,110 bra-;is, do i: norte 409 bracas, do laio Uo noroeste 6S*
bracks do lado do pocnte 4 11 Ibbmbj e I >
lado do sul G8l bracas, BtaWs tarn ok-
reno proprio para a cultura de maniioca r
outros legumes e licairlo certos os int"r^>-
sados de que, tanto pur lanto sera ref-r; lo
o lanco do pjsseiro resjiec'ivo, na bbmbW-
rnidade da ordem do ikea -uro, n. 15 de ii
de Janeiro de 1874.
Recife, lo de selerabro de 1874.Eu,
Jose Francisco do HafO Darms, escrivao, o
fubscrevi.
Para sciencia do? interettaae* se faz anMte
que no prazo improro^avtl de 30 dias uteis, a ra-
tar de 10 do corrente, se recebera nesta repartifac
os debitos resultanles da col iocsv-ao dos apparrlho!-
as annuidades, canali>arao do RecMe Drain p
Company, peitenienio a- freguezia* de Sanlo Aa
tonio, S. Jos6, Boa-Msla, a S Fi. I'edro (ioucalw,
uas cisas sitas uas ruas abaixo derlaradas.
Rua dos Burgos, rua da Madre de Drus travess*
do Barrel) de Uenczes, rua de Thome de leaaa,
rua de Alvares Cabral, becc< da Pindoha, ma d>
R'.'slauragao, travessa do Bom Jesus, rua d
Maria de Souza, rua do Torrr>, becco di Abi v..
rua do Bispo Sardinii.i, rua do Visconde lta.>a
rica, becco Tapado, bjccoTapado da S-nz-iia 5
va, rua do Tuvuty, rua da Qanpanltia IVm ir:,
bucana, raa do Largo d'ASBetaMea rua do Anv-
rnn, rua da Moeda, traveam da I'r ia. kee
rua Nova de Santa Itila, rua Nova da Praia. tr.
ve?sa do Arsenal, rua do Gervasio Pirts. rn d*
Concei;4o, rua do Hosi ioio, pra;a do Cool" d'Ec.
rua da Imperalaiz, rna du Mario, prafa la Seaaa
Cruz, rua do Tambia, travessa da Madre de D
rua do Carapo das Prioecz is, rna de J .a> do !
rua da Ilha do Carvalbo, rua do & Fraoci-c >, r.i.
do Commercio, rua de Domingos Jose Matlms, ru i
Ja Roda, rua dosTalos, travessa du Maiqu-z .,
Recife, rua larga do R..-ario, becco da Matrii, Ir.
vessa da Matriz, travessa dos Etpostos, invent
do- Qaarteis, rua do Caiaboufo Veibo, ir-vesaa 4
J; i^l -uc', becco do Clabouco. ru~4 de ?al
Amaro, rua Duqu- de Caxias, rua Primeiro de Mtr-
rua do Cabuga, rua do Barao da Victoria, eaes *
Vinte e Dous de Nove.nbro. rua do liu M-rad rua
das Car ngeiras, rua da* Tnncheira-, rua ae P-u
'.mo Camara, travessa uas Flores, raa &< .V .
le Albuquasrque, raa da Pas, raa bsMBj d i
sario, travessa das Crazes, traves>a do y leiraado.
primeiro becco da Camboa do Carm->, largo u-
Carmo, iraves-a do Carmo, rua do Livrameato.
travessa da Bomba, travessa de S. P. dm, raa do
Fogo, travessa do Livramento. rua de Marcilii
Dias, lar^o de S. Pedro, rua da ViracSo, traves.-a
Ja Viracao, rua de Loma- Valentin t, roa de Vida
de Negreiros rna Imperial, travpa do Lima, raa
de Luiz de Mend >nca, larga do Forte, rua da Pe-
n a ru.i da AssumoQSo, raa de Antonio Henrique*,
rua de Domingos Tueolonio, travessa d-i 5. Jose,
rua do Forte, rua do Jardira, rna do Pad-e Fic-
riano, travessa do Forte, rua de Gnri-tevae d-
lombu, praca de 0. Pedro II, travts-a do Serifadc.
rua de S. Jose, largo da Ribeir rua de Santa Hi
la, raa Nova die Sauta Rua, rua de Santa CaalaK
rua d i Nogueira, rna dos Pescad res, travessa a*
Praia do Forie, rua do Coronal Suasaaaa, raa de
Fr. Henri me, rna do Diqoe, raa 4e
Thereza, rua de Dias CaMozo, rua do
Xobrega, rua de 24 de Maio, ma da P Ima, raa da
Cadeia Nova, larjw da Pracita, travessa da Coa-
cor dia, rua do Marquez de Herval. rna i\ P
da Cadeia Nova, primeiro becco da na da C.
Nuva, travessa do Lonato, travessa do b>re'j *'
Falcao, travessa do Purjirinbo, travesa d a Mar
tyrir.s, travesai do Caldeirelro, Tlratessa d PraU.
rua do Pasto da Patria, becco do Caldeireinvraa
de S. Joao, travossa do Peixoto, travessa dafJlML
ata da publicarAn dqaii sArA, yn/t;-t~ -
ubli;i celtbrada na
i tiavosna-do Careerairo- Visoaade de Innaj
**stos, para .proert'T-sR i ... 2/o lusp% Tebha; taiaottWai
1 s (lo ao^ministraior do rjittrj do Marquez'a nsk-raa do Bern J;.'0',
jro.
roade


pi
4
Diario de Pemambueo Terxja foimlU de Outahro fie 18M.
it:

t. FraadKo, large Piraiao, rua da Rods, tra-
Tessa da raa Bena, raa de Domingos lose Martins,
raa de Vigario Taeuorio, rna de D. Maria Cezar,
raa de Marts d Baroe, traves*a do Campetlo,
Becco Largo, tra ves-a para o Gorpo Santo, travessa
do Ant go Porto, travasu d* Domingo* Jose Mar-
tins, largo do Cwpo Santo, caes do Apollo, raa
dos Maseates.
Consalado provincial, de ontnbro de 1874.
0 adminiitrador,
_________ Jmlomut Carntiro Maohado Riot.
A caraara aaeicip* deu eidade fax publi-
co para coaascimcalo do* intereasados, que a li-
eenca, dada aos eapatases, talnadores, magarefes,
ajudantes oa apreadues, valera sememe por am
anno, e a falta della aos primeiros 15 dias do met
de outabro do aaoo nuaiiceiro municipal equiva
tera a scrda de empree>>, ootforme determiaa o
artigo 131 das poataraa manieipaes de 26 de Ja
nho de 1873.
Pbqo da caraara municipal do Recife, 23
de setemfere de 187*
M. J. do Rego e Albuquerque,
rresidente.
Francisco Au gusto da Costa,
feecretario.________
FACUIDADE I)E DIREITO.
De ordeai do Exav Sr. conselheiro, director faco
vaijiioo, qua do dia JO do corrente ate 10 de no-
vembro proximo, esta aberta ne-ta secretaria a
inscrir>c,ao para oa eaawcs de lingua j, de confor
midade com o aviso imperial de 27 de setembre
4a ins.
O quo se pretaadVr ioscrever, devera faze-lo per
meio de reqaeriineaio o mesmo Exm. Sr. conse-
lheiro director, deoUrando nao soamateriaem
aquellas em que ja tiver sido approvado, a filiacao
e naturalidade, e eibisira atteatado do director do
eollegio on professor que o houver ensinado, e'er
tinctndo a saa ttabiHtacao. e se a letra do reque-
rimeuio e assignatura .;io do proprio punho do
examinando.
He ordem do Exm. Sr. conselbeireiro director,
visconde de Camaragibe, se faz publico, que do
dia 15 ale 2i do corrente, e-ta aberta a segunda
matricula de encerramento, de conformidade com
o artigo 65 dos estatutos, podendo desde ja ser
effeetaado o pagmento da taxa, no lugar compe
-tente.
Secretaria da faculdade de direito do Re-
cife, 12 de outubro de 1874
0 secretario,
Josi Honoris B. de Menezes.
DECLARACOES.
Estrada de ferro de Olinda
Snlipas
Esta compaubia com-
pra sulipas de oiticica,
de 0 palmos de compri-
mento sobre 9 pollegadas
de largo e 4 de espessura
ou grossura.
0 gerente,
L. J. de Miranda.
Insliliii'i Archeoli geio c Gccgra-
pliico PernaniliucaDo.
Haverd sessao ordinaria quinta-feira, 15
do corrente outubro, pelas 11 horas da ma-
nh3.
ORDEM DO DIA.'
1." Questoes adiadas.
2." Pareceres e mais trabalhos de com-
raissoes.
3. Palestra lilteraria.
Secrttaria do Institute), 12 de outubro de
1874.
J. SOAHES D'AZEVEDO,
Secretario perpotuo.
tratos e di:trat"S de soi'iedadcs commerciaes :
De Antonio Iguacio do Re/o Medeiros, Francis-
co Ignaeiode Oliveira e J'jse d'Assurupcao Olivei-
ra, $pl> a Orma de Olivcira Filhos & C, coin o ca-
pital de 300:000 00'), para a conlinuacao do com-
mercio de compra e venda de generos nacio^aes
e estrangeiros, eommistoes tanto do paiz como do
eslrangeiro e descontos de lelras; sendo o dorai-
cilio social nesta pra^a, s a auracao da sociedade
por 3 annos.
De Pint i & Salgado, de cuja firma fazem
pane Man tel Pinto Alexandre e Manoel Luiz Sal-
gad a, c. m o capital de 2:'i'tojjOOO, para o com-
mercio Je compra e veuda de generos de estiva,
nesta cida durafio da sociedade por 3 annos.
De Heitor & Sampaio, de cuja firma faziam
parte Antonio Joaquim Moreira de Sampaio e An
tonio Ignaoio Heitor, licando este encarregado do
activo e passivo de dita sociedade.
De Jose loae de Castro Araorim e Christ ano
Jose Espinola, sob a tirma de Cbristiano & C, li-
cando u activo e pa*-ivo a cargo do ex sceio Jos6
Joao de Castro Amnrim.
De Araujo Carvaiho & C, de cuja fiina fa
jiam parte Jose Antonio de Araujo e JoSo Correia
de Carvaiho, ticaniodita sociedado inteiramente
liqnidada.
De Jose Jariuim da Caoba k C, de cuja lima
faziam pariH G'nllVrme Jose ie Souza e ford J-a
qnm oa''nnha, sendo eateo primairo liquilata-
rio e ai|u?llH o -egnndo de todo o activo da extinc-
ta m ciuialc
f)e i>. P. Wild & C J.1. cuja firma baiajn pr
te Dauu I Panrras Wild e Albert Kienzler, fican-
do o aciiva e pasivo do dila sici-dadea car-
go do exsK-io Wild.
Secreuria do tribunal do coraraercio de Per-
nambaco, 10 de outubro de 1874.
0 ouVial-maior,
Julio Guimaraps.
Sociedade propagadora da
mstrucc/io publica
A* reqniMcio do e-taselha .superior ao presiden-
|e da as-uiuuea ger.il, 0 nava^uotue convoeala a
renuiao d- todos oa socios para o dia 15 do c>r-
rente, a- 6 horaj da tarde, na rua d- PeJro AIToa-
so a. 29, aiui de Bur discutida a reforma dos es-
taintos
Secretaria daauembloa geral, 12 de outubro do
1874. 0 t' secretario,
V. o> M. IMa,
Obras mihtaies
Convida s-e as pes^oas qna se quizerem encarre-
g?.r da exe.cii';au do (orro e ptnlura da capella do
ho piul m-lit.ir, na imp-rtani-w de869i, a apre
enur aoa* prop istai em carla f.-ch uia, a 19 do
corrente, a > m.-i i dia, na repartijao das obras pu-
blica", unie de-de ja se acha o or^amento.
Peruaun.ueo, It de outniiro de Mi.
Cnr\oohto P. de Ostro i.liavv.-,
Engeiiheirn dh obras militarcs.
Monte Pio Portn^uez
Kiio se ten.to rennido numer legal de senbores
socios para e m.-Mu r assemblea geral, n doJiin-
ga 11 dn corrente, sao de novn convidados para
domingo 18 do corrente, as 10 horas da dia, para
ome-mo lim, que tera lugar com qualquer nu-
oero.
Secretaria do Monte Pio forlngaez, 12 de outu-
bro de 1874.
0 secretario.
Joaquim Xavter ieira Ligi.
Hfcje 13 do corrente mez, oVp^is da aadien-
da do Dr. joii sub.-mtuto dn 1.* vsxa vai a praca
de venda a paquooa rmac*o. em taao estado, de
-asadxira de luoro, da loja a. 13 da raa de Marci
Ma Dias, avaliada por 25, por exxcocao de Galdi-
o Aut inio Alven Perreira eonlra rVis do Nasci-
oento A C____________
Fapo scienie aos sebons pwwBldores de car
AS de passeio particnlaren e de araguel, carro-
can e mais vebionlos de eondnocao u^su eidade e
ams arrabaldes, qne de conformiOi.de com o art.
39 da lei do orcameoto vigeate, deverio vir den-
4ra do prazo de 30 dias, a rata rep*rticio para
gneder >e a renovacio da nom-ra.aooo- mesmos.
aa pen.! de *ri!iD apprebeadid>>s. e rouludos os
aap ctivos doooi.
Consalado provincial, 9 de oatubm de 1874.
n cntinuo.
Antonio Carloe de Lemos Daarte.
/
Tribunal do oommercio.
Esta secretaria fax pnblico que aeha-se escrip-
to no livro da matrienla do* comraercianlei Ea-
pliraiio Alves de Olifetra, cidadao brafHeiro, de
3!1 anaos de idade, estabeleotdo earn aaa easa de
commercia de fazeadas e generos da estiva por
grosso e a retatho na eidade de Macao do assd,
pi-ovincla de Rio Grande do Norte.
Secretaria do tribunal do comtaereio da Par-
aasabaco, 9 de outubro de 1871.
0 offlcial-maior,
Jolio Gnimaraes.
" Manta Casa de Hiaericrsllsa
d Reeife.
Pela secretaria desta santa rasa convida se as
amas qne se acbatn encarregadas da cri'Cfo dos
expostos, para qne venham receber do Illm. Sr.
thesoareiro as mensaKdaaes venetdas de julho a
seiembro Undo, ao salie da easa aos expostos, pe-
las 9 Horas da raanha do dia 13 do corrente; de-
vendo para isso trazerem as criancas.
Secretaria da Santa Gasa da Misericordia do Re-
cife, 2 de outubro de 1-87V
0 escrivio,
Pedro Rodrignes de Souza.
SASTA casa oa misericordia do
RECIFE.
A Hlraa. junta aAninistrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, maada faxer pnblico qne
m- sala de suas sessdes, o dia 18 de outuaro, pa-
tas 3 boras da tarde, tern de ser arremaudae a
juem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em segniih
declarados.
ESTABELEailEiNTO DE CAR1DAI*.
Kua do S. Goncalo.
Casa terrea n. Si (fechada). 3604000
Rua das Calcadas
Idem n. 36........MUOOO
vidal de Negreiro*.
Casa terrea n. 114......368*000
Idem n. 94.........301*006
Rua larga do Rosario.
2 andar e loja n 34 A. 310^000
fandar n i4 A.....- 408*000
i.- andar n. 14 A. ... 251*000
Kua de Antonio Henrique*.
Casa terrea a. 26...... 99*000
Largo da Campina.
idemn 11 (iechada)...... 9fi*00f.'
Rna do Coronel Snassnna
I* andar do s,brado nuraero 94 386*000
PATRIMONIO DOS 0RPHAO8.
Rna da Moeda.
Casa terrea a. 21 fechada).. 400*000
Becco das Boias.
Casa terrea n. 18.......421*000
Rua da Lapa.
Casaterrean.il.......202*000
Rna do Amorira.
Sobrdo de 2 andares n. 23 6026G00
Casa terrea n. 34......2*0tX)
Roar do-Bugos.
Casa terrea n. 21.......183*000
Raa do Vigario.
2* andar do sobrado n. 27 243*000
! andar do mesmo......240*000
Loja do mesmo.......300*000
Rua do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 13(fechada). 1:400*030
Rua da Senzalla vet ha
Idem n. 16.......209*000
Rua da Guia.
Casa terrea n. 23.....209*001
Idem n. 29.......201*000
Rua da Cruz.
Sobrado de 2 andaresn. 12 (fechada). 800*000
Idem n. 14.........600*000
Raa de S. Jorge
Casa terrea n. 100 (fecbada) 241*000
Idem n. 103 ... 207*000
Rna do Ampare )01inda)
Casa tercea n. 18 (fechada) .... 240*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as suas fiancas, on comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores, devendu
pagar alem da renda. o premio da quantia em
que for seguro o predio que contiver estabeleci-
mento commerciai, assim como o servigo da lim
peza o precos dos apparelhos.
Secretaria da Santa Casa da[M-isericordia do R
:ife, 17 do sstemb.ro de 1874.
0 escrivao,
Pedro' Bodrigitct Companhirt l'idclidorio
segnros mnritcettos e terrcsttrcs
A agencia desta companhia toma seguros ma
:itim s e terrestres, a premios r.izoaveis, dando
aos ultimos o solo livre, e o setimo anno gratnito
ao segurado.
nua do Visconde
de Itaparica, antiga do Appolo
n. 31.
Feliciano Joso Gomes,
Agente.
Inspeccao do satida do porto de Pernambuci,
5 do outubro de 1874
Por ordem do Illm. Sr. eommtndador Dr. Pe-
dro de Atbayde Lobo Moscoso, faco sciente que
os navios que tiverem de carregar couros verdes
cu outra qualquer substancia que exhale iuao
cheiro, ou descarregarem carvao de pedra, nao o
poderao fazer senao no ancoradonro, perto do
l harol, e que nenbnma reclamagao sera attendi-
da para deixar do ser cumpri ia esta ordem a
pretexto de ser p-quena a carga ou oescarga.
0 que se faz publico aos senbores donos ou
cun*ignatario de navitis, para a devida execucao.
0 secretario,
_________Felix de Cantaliee da Silva Lobo
FUNDI^AO
DE d
0. Starr & C.
Sao convidados os Srs. devedores a vir
sadsfazer seus debitos, provenientes de lel-
tras o contas venriiias; sendo que nao o fa-
zendonteodia 3< deoutubro proximo vin-
>louro, serio vendidas cm loilao. Poderdo
(Mmparecer ou oiander ao escriptorio da
fundigao ou do tetamenteiro H. J. Cannan,
rua doCommercio n 40.
m
Santo Antonio
COMPANHIA ORAMATtCA ITALf'NA
KMI'REZA
Ter^a ft*ini 13 h mrreute
9.a recita de issignatura.
SubirA 4 scena o magnifico drama annnnc ado
de Alexandre Duma', em S actos :
liua nuHe m Fl ,-reiica
ou
0 bastardo do papa Cle-
ments VII.
De particular trabalbo do Sr,
Enrico Dominici.
Rico vestuario ao estreito eo-4ame da dpoca.
Priocipiara as 8 boras.
Prevlne-se ao respwtavel poWico que n > bilhe
teiro do theatro toma se de*de unjc em dlante a
2.* e ultima aicramr;> de
10 RE HAS
com o ahatitiMnto dos piecoe de
XO por cento
Sabbado 17 do corrente.
1.* reotta
Com o drama hutoneo em a partes, de Mon-
Uelni:
GALILEO GALILEI
00
A TBEMENDA INIIUISICJIB OE ROMA
Da particular trabaiuu oo sr.
DIVISAO DAS PARTB3.
Acto I.* Amor e scien-,ia.
c A tiha de Galileo Meao Coatarini.
3.* A tremenda inqatsicia de Rama. 0
abiuro.-Bpiur maovo.
- t k* A vkiganca. Altxaaao Vittri e
Galileo Galileo
Prr de aentanAtnrA
------- Com o abatimento de SO !..
Comarotes de fren: 144* MeUde 111
DMeeaelado ISO* Idem 60*
Dito de frisa 9* Mem 484
Gator* de 1* classe 334 Idem 16*
Ditas de S.a dila 244 Idem
N. B. -0 pagameoto da primeira eUde se faz
ao dia de sabbado 17 do corrente, e a asguoda aa
qainta reprosnta;lo.
i i 'I II 11
AVISOS MAR1TIM0S
Pacific Steam Naffij^tlon Gompan;
OYAL MAIL STEAMERS.
Aconcagua
(DE 4106 TOXEADAS)
Espera-se dos por
to* do sul aid o dia 25
do corrente, e depois
da demora ciocostu
me segnira oara Li-
verpool .tocando era
Lisboa, Bordeos. para oode reeebara passageiro3,
encommendaa, dinheiro a frete.
N. B.-Nio sahira antes das tres horas da tar
le do dia da sua cbegada.
AGENTES
Wilson Howe A C.
14PR ACA DO COMMERCIO1 ;
Libra* esterlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio n. 43.______
Para Lisboa.
Pretende segnir com brevidade o Itigar portn-
guez Jnlio. Para carga e passageirts, trata-se com
os consignatarios Tbomaz de Aquino Fonceca.tSi
C. Snccessores, a rna do Vigario n. 19, primeiro
andar.
ARAM
Vai sahir para o Aracaty ate o dia ti do cor-
rente o bem conhecido hiate Ftor do Jardim, para
o que ja teui raetade do carregamento ; e para o
resto trata-se com seu proprietario Joao Jose da
Cnnha Lagcs, a rua do Vigario n. 33, ou a bordo
ao pe da gaardamoria, armazem de Luiz Rocha
& Companhia. _______________
PORTO.
0 brigne portoguei Triumpho, pretende seguir
com mnita brevidade : para carga e passageiros
trata-se com os cousignatarios Thomas de Aquino
Fonceca 4 C successores, rna do Vigario n. 19
Compaiiiiitt do uave^acao a va-
por bahiana, limiiaila
Viaceio, Penedo, Aracajii e Babia.
E' esperado dos portos
do snl ate o dia 20 do cor
SlT iAS^ts^rV rente o vapor Gastao de
Orleans, o qual seguira
para os portos acima no
dia segninte ao de sua
chegada.
Recebe-se carga, encommenda9 passageiros e di
nheiro a (reft "
Agente
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo.
S7 Rnn An Rnm lSUS57
Iiho oe Si Miguel.
Com muita brcvida *e segue para S. Miguel o
conh-cido palhabote portuguez ivoro S. Lonrenfo.
Para o re>to da carga e passageiros trata-se com
oa consignatarios Thomaz de Aquino F*nceca &
C. successores a rua do Vigario n. 19.
Ilha de S. Miguel
Segue com brevidade para S. Miguel o palha-
bote portuguez Novo S. Lourenco, para onde rece-
be carga e passageiros: trata-se com os consig-
natarios Thomaz de Aquino Fonceca & C. Succes-
sores rna do Vigario n. 19, 1* andar.
Companhia aiaci'icana e brasileira
de paqneles a \apor.
Ate o dia 14 do corren-
ta e esperado do norte
o Taporamericano On-
tario, commandante
siocum, o qual depois
da demora do cos-
tume, seguira para o Rio de Janeiro, com esca-
la pela bahi*.
Para passagens trata-se com os agente9
Henry Forster <& V.
8 Kua do Commercio 8
(HI ROBlSi RKU\I8
COM PA NH 1.4 Ph 1NCEZA DE NA VE
GACAO A VAPOR
LI NBA MEMSAL ENTRE 0
Ifavre, Lisboa, PfruaoibuQO, Bebia, Rio de
Jniifiro h Santos.
STEAMER
VILLE DE RIO DE JANEIRO
Commandante A. fleury
E' esperado da En
ropa ate 23 do cor-
rcute, st-gnindo drpois
da indtHpensavfl oe
mora pal a os por-
tos do sul de sua c.--
eala acima referi ios.
Para freles, encommendas e passageiros, trata-
se com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. O'OLIVEIRA A C.
18Rua do CommercioEntrada pela tup
COMPANHIA BBASIL.EIRA
DE)
MAVEGACAOA VAPOB
Porto do snl
Gontmaiidante A. Isaac
E' esperado dos portos do norte
atd o dia li do corrente e se-
guira para os do sol depois
da demora do costume.
Portoe do nortr
E' esperado dos porto
do sul *it o dia 17 do
corr-ote e seguira para
os do norte depis da
_______demora do costume.
Para carga, encommendas, vakiree a paeeagens,
u*ata se no escriptorio
7RUA DO VIOARW-7
Pereira Vianna A C
Agenles.
iEltOE*.
LEILAO
(>E
moveis, louca e crystaes
ConaUndo d t
Um piano forte, do H. Hetty, I atoatta de Jaea-
raa ta, 1 tapete, S candk^iro, a gax, i, Jarros, S
eaaHfaet e mangas.
Oma cama fraacer^, t itvatorio, 1 toilette, I
guerda-vestidos, meM com S gavetM, 1 estanle e
lauaa>
Um guarda-laac* etmdracado, 1 mesa elastica,
S aaaradorea, uaairas, 1 quartiabeira, I appa-
relho para cha, 4 dito para jantar, eopos, calicos,
garrafas, flaertres, potes, trem da cozinha e muitos
ontros aceaMorios de casa de familia.
HOIE
Na casa do Cor redo r do Bispo a. 17.
0 Dr Francisco Rorges, tendo de retirar-sa pa-
ra a 8ahia com sua familia, tara leiUo, por inter-
steocSo do agente Pinto, dos movei* e mais objec-
vraaciraa descriptor exislentee em easa de sua
gnedencia, a rua do Corredor do Bispo a. 17.
0 leilao prlncipii LEILAO
DE
grades do boa madeira, portadas para ja-
nellas, portas, etc., etc.
Hoje
A'S 10 HORAS DA MANH&
No armazem n. 44 da rua do Bom Jesus
0 agente Pinho Borges levara a leilao o qne
acima declara, por conta e risco de qpem perten-
cer___________-
LEILAO
DE
uma caixa com ferros cirnrgicos, em per-
feito estado, rinda deencommenda pro-
pria, para presente.
Um estojo porlatil, de algibeira, do Charmien,
com grande variedade de ferros, contendo um
thermoraetro bem acondicionado, e outros ferros
indispensaveis.
Por interven^io do agente Pinto
Por oceasiao do leilao de movei*, a rna do Corre
dor do Bispo n.17.____________
Leilao
DE
moveis, vidros
objectos de oufo e prota
Hoje
e
Uma'mob ilia de amarello a Luii XV, com 12
Icadeirasde guaroicao, 2 ditas de bracos, 2 ditas
de balanc.o2b consolos, jardineira, 1 sofa, 1 cama
fran.-eza'de amarello, 1 commoda de dito, 1 touca-
dor, 1 cabide e 1 lavatorio, 5 cadeiras de amarel-
lo, 1 grande mesa de amarello para jantar, l
gnarda louca e 1 taboa para engommado.
Dous pares de lanternas com pmgentes, I can-
dieiro a gaz, 1 rologio do cima de mesa, 1 appare
lbo de jantar, copos, garrafas, compoteiras.
Uma cadeia de euro para relogio, uma palseira,
uma duzia de colheres de prata para cha, corti-
nados para cama e uma colcha de seda.
0 agente Martins fara leilao, por ordem de uma
familia que se retirou para Idra da eidade, de to-
dos os moveis e objectos de ouro e prata que se
rao vendidos ao correr do marlello.
Na casa n. 4 da rua da Santa Cruz, na Boa-
Vista
A's it horas da man hi.
leilao
DE
differentes livros de medicina e cirurgia, as-
sim como diversos instruments e ferros
cirurgicos
Hoj<
a 1 bora em ponto
m aaaa da ma do LorretJor do Bmpo a. 17.
Por oecasiao do leilao dos moveis, loufa e crys-
taes, da casa de residencia do Dr. Francisco Bor-
ges de Barros.
uma optima moonda para eugenho, e de
cerca de 1,000 saccos novos
Qtinrta-fcira 14 do corrente
as 11 h .ras da mauha
Em o caes do Ramos, armazem do Sr.
Neesen.
0 agente Dias, competentementeautonsado, leva-
ra a leilao no dia e hora acima designados, uma
optima inoenda para engenbo, e cerca de mil sac-
cos, pi ova d'agoa, propnos para assucar, oa qual-
quer outro genero.
OsSrs. pretendentes que desejarem examinar a
referida moenda, queiram du igir-se ao escriptorio
do refendo agente que ira indicar o lugar em que
se acha a meswa depositada, onde se devera pro-
ceder ao mencionado leilao.
leilao
DE
moveis, laugas, vidr<*s, pianos de mess, di-
tos dn^rmario e divprsas miudpzas
QUARTA-FEIRA 11 DO CORRENTE
No armazem da run do Bom Je-
sus n. 68 (antiga Cuz).
0 agt-ote Dias fara Imlao, por coota e risco de
quem pertenoer, de Imobiiia de jaearaada, com
tampos de pedra. I dita de dita, I diia do amarel
lo, com tamp s de madeira, I rica cama de mug-
no para casal, 1 dita oe amarel o, marqnoiOes,
marquezati, i par de cadeiras de faia, debaha^),
I dito de ditas de junco, 1 guarda-roupa, 1 guar-
louca, 1 par de con*olos, 2 co:"tnreiras de mogon
com esnefbo, C'-muodas de amarello, 1 dita de ja
caranda, 1 santuano de jacaranda, com a->4sua.s
respecliva* imagens, diverts quadros, carteiras
para escnptorios. 1 3ecrelarla, t pren^a para Co
piar, 1 dita com mesa, cadeiras avulsas, mesas
elasticas, me3as redondas, 1 mesa de f- rro com
pedra, e muitos ontros objectos qne estario pa-
tentes ao acto do leilae.
Ifo oacriptorto a rua do Bom Jew! n. 53 an-
dar, a saber :
8 duzias de-botinas para senhorat, 60 eaiiSes
com linha branca do gaz, 1,000 pecas de fltaa de
sarja sortidas em cores e largnra*. 10 duzias da
fraseos d'agua sublime das virgens, 8 duiias da
pomada fiaa da Coudray, 20 donas da dita* de
Rimmell's, 20 dnzias de canivetes sortidos, eartoes
com flu de velludo preu com beiras faraacaa, 3
ditas com tranca da caraool sortidas, eartflhaa ao
abbade Tolomano, bolas de borraoha, gravatas
preui, eztractos fino-, stereoseopios, meks adere-
cos, collarinhos e ontros muitos artigo*.
0 agente Pinho Rorges 1-vara a leilao as men-
cionadas miudezas, por conta e risco de quem
pertencer.
Agente Pestana
LEILAO
DE
20caixas com'eerveja da melbor quaiidade qne
tern vindo ao mercado.
QUINTAFE1KA 16 DO CORRENTE
As 11 horas em pott to
(Vo armazem do Sr. Amir*
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de qaem portencer, de 2d caixas
com cerveja da melhor quaiidade que tern viurlo
ao mercado, em am ou mais lotfs, a vontade dos
Srs. compradores.
Agente Pestana
DE-
Diersas barricas com cigarros do Rio e Bxposi-
(ao, ditos de balle, 4 caixas com cnampagne
e 2 l|2 ditas com dita, para lechar eoota-.
Quinta feira 15 do corrente.
as It boras em ponto
No armazem do. Sr. Annes.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco do quem peitcncer, de diversas
barricas cm cigarros do Rio e Exposicao e ditos
de baile, para fechar contas, em um ou mais lo-
tea, a vontade dos Srs. compradores.
armarSo, generos e mais utensilios existed
tes em o estabelecimeuto n. 8, na tra ves
sa da rua Dnque de Caxias, e de uma ca
sa terrea em a rua da Roda n. 56
Quinta-feira 15 do corrente
A'S 11 HORAS DA MANHA.
0 agente Dias, cumprmdo o respeitavel despa-
cho do Illm. Sr. desembargador juiz privativo de
orphaos, levara a ieilao, no dia e hora acima indi-
cados, a arma^ao, generos e mais utensilios exis-
tentes em o estabelecimento n. 8, na travessa da
raa Daque de Caxias, os quaes vio a leiUo a re-
querimento do inventariante dos bens do falleci-
do Jose do Rego Pacheco.
Em eontinuacao vender-se-ha, pertencento aos
mesmos bens, e a requerimento do referido inven-
tariante, un a casa terrea sob a. 56, sita a rua da
Roda, tendo daas portas dc frente e uma no oi.ao
qoe deita para o pocnte, com quintal murado e
cacimba meeira, cuja casa 6 occupada por uma
ofQcina de ferreiros.
03 Srs. pretendentes podem desde ja examina
la, e para qualquer esclarecimento, no escriptorio
do agente, a rua do Marquez de Olinda n. 37,1."
andar.
LEILAO
FAZENDAS
ilimpas e avariadasj
CONSTANDO DE :
camUas, n-.oiao, i-on.nlis, nano o, alpnraQ, a'.na-
lhado do llnho, las, taleta, lenoos, brins e ou-
tras fazendas
QUINTA-FEIRA 13 DO CORRENTE
Por intervencao do agente Piuto
Em seu escriptorio, a rua do Bom Jesus n.43.
Em conttnuacjao
vendera o mesmo agente dilTerentes qualidades de
chapcos e bonets.
Principiara as 10 1|2 horas.
]Novo ieilao
DE
Dividas na importan-ia de o:422S270.
Uassa Tallida de Azevedo <& C
QUINTA-FEIRA 15 DO CORRENTE
0 agente Martins levara novamente a Icilso, ;>or
mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do com-
mercio, as dividas aclivas da massa fallida do
Azevedo & C, na imiiortancia de o':ii2*270.
No armazem da rua do Im-
perador n. 48
us 11 horas em ponto.
Grande e ultimo
LEIlAO
M
Fazendes, chapeos, Urros em branco,
elasticos, oonstaodo de
Merinos nretes e azues, voos para cmtlpa,
damascos de cores, paaaos para eoleadet, damatcw
de linho, aargelim preto e de cores, atoalhado era,
cambraias, iiw;,: de So da Escossla, para aaaa*
e seahoras, capas e manteletea, grava'as, ebaies
de la, de ganga, de mettm, lenoos de seda, Old pre-
to, organdys, ciatos para senhoras, cbales de caxa-
mira, gorgorao preto, sodas e setira.
Astim como :
Chapeos a Cavonr, livros eopiadores de cams,
tecidos elasticos e 6las para ciato.
Terca-fclra do corrente
No armazem da rua do Bom
Jesus n. 63.
Os admiaislradores da maau fallida da Pereira
de Mello A C, usando da antorisaeio qne tern do
Illm. Sr. Dr. juiz de direito e (arao leilao par idtervncio do mesmo agent >
Pinto, do resto das fatenus pertencenloa a lit*
massa e existences no armazem do sobrado da raa
do Bom Jesus n. 63.
leilao principiara as 1 f|
horas.
(Por serem muitos e differentes lotes).
Q ande e importHnte
LEILAO
DE
predios
A saber:
Um sobrado de 3 andares edificado cm chaos
proprios, a rua do Bom Jesus n. 63.
Um dito de 1 andar tambem em chaos propnos
na mesma rua n. 61.
Uma casa terrea na rua da Imperatriz n. 60,
em chaos foreiros.
Dezeseis meis-aguas da raa do Camarao s. 9,
tambem em chaos foreiros.
Um grande sitio na rna do Riachnelo (ontrora
Corredor do Bispc), n. 61, chaos proprio.-, com
grande casa de sobrado. o qual flea perto das li-
nhas da estrada de ferro, assim como da dos
bonds.
Quintafeira 22 do corrente
A's 11 horas em ponto
No escriptorio do agente Pinto
RUA DO BOM JESUS N. 43.
0*. administradores da massa fallida de Pereira
de Mello & C. levarao a leilao, de couformidado
com o alvara de licenca do Illm. Sr. Dr. jaiz de
direito especial do commercio. e por interv -n;,-; i
do agente Pinto, cs predios acima mencionades,
para pagamento de hypothecs as 11 bores do dia
acima dito.
Os pretendentes pederae desde ja examiuar ditos
predios, os quaes lornam se recommenJaJas, ja
por seus rendiment.s, ja nor serem ediHcados em
mas comrr erciaes, procur^ndo obterem qualquer
infonnacao dos administradores, ou mesmo do
agente, e concorrerem ao acto do leilao, no dia e
bora acima mencionados.
iwsos avisos
ENSINO
DE
PARTID4S D0BR4DAS
E
ARITHMETIC4
dirigido rr
MANOFT. FONCKCA DE MEDL1ROS
tres vezos por semana
a larie ou a noite
Rua d-i Maraan do Hcrval (outr'ura
Concordia) n. 138 a IV.

Feira Semanal
mwm pawkiihi
Rua da Rudan. -IS, sobrado
Primeiras letlras, portugues, frnncez, iuglez,
deseiibo linear o musica.
Sob a direcjSo do profejiggr nWsino Ro-
drigues de Siqueira, funcionam ditas aala-;
todos os dias uteis. |
Rseabe clumnos internos, meio pensionis-
tas e externos ; fortiece t >do a Material para
tscripta e livros aos principiantes, por pre-
ens muito razoaveis.
B ~3-g 3?S 3.S5C Sg
= 3 a.
^ O UJ

-
I
^ig
Ittsr
LEILAO
DE
moveis, louca e
urn bom piano
QHARTA-FEIRA 11 DO CORRENTE
Na rua estreita d<> Rosario n. 23.
Nendo :
Uma mobilia dejacarania a Luiz XV, com 12
cadeiras de guanucao, 4 ditas de oraoo, 2 coose-
los h sofa, I bom piano, t gaarda ronpa de ama
rello, I toilette do jacaranda, i cama francezo de
dito, 1 meia commoda de amanllo, 1 mesa elasti-
ca d dito, 1 marqueza de dHo, 2 apparadores, ca-
deiras para >ala de jantar e baocas para voitarete.
Lonca d porcelsaa para jantar, dita de aim eo,
garrafas calicos, copos. jarros, e muitos ontros
obiectos do 080 d ama familia que mudoa de re-
ansMav
Adereco de onre, 2 relogios e 2 anneis com bri
Ibsnb-s.
O agente Martian fara leitio, por ordem de uma
familia qne se retirou desta proviocia, dos ooveis,
vidros e objectos de oarv, qoe loram transportados
para o segnodo andar do -obrado da rna estreita
do ttourio n. 23.
PriacipiM'd is 11 boras.
Pianos de armarios, 1 lustre del In*-s para
gaz caibonico, mobilias div-rsas, gaanla-loncas,
commodas. camas francezas d- jacaranda e ama-
rello, estautes envidrafadas, 1 viveiro para pas.-a-
ros, quaniuheiras, caniles, qaadrus com finas
g'avuras, louga, relogios de ouro e prata para a!
gioeira, camas de ferro, 1 carrinho para criancas,
tibj'-ctc? de brilhante, ouro e prata, c >pos, cahces
e mais cry*taes, duzias de cadeira- avulsas, mar-
qaezoe-, rae.-as c> m gavctas, 1 toilet de jacaran
da, grande qnantidailt de tfaitefl avalsose immen-
sos ariigcis ao nso dowetUco, que ser.io vendidos
a troco do harato por conta de diversos.
QUINTA-FEIRA 15 DO CORRENTE
A's 11 horas.
NA
Feira Semanal
16Kua du l:iiperadir-i8
pelo agente Martins.
It&a
1 33-3
I <=.> j a
iff.3
3233
B ? >
a. 2. i <
o V o
' a o a>
a g
Leilao
2.S
Hi
2 *
* a
111
Iff
3 23
c S 2
f 3
a
5 o-
ess:
- "3)
-
-i
a* m *
-rS
rr 9 P
E| g
- C- W MM
ES =S
?s O -1
b'^3 ?=
liB'
1
=*
3 -- s H. 3Q
11 if I
o

3
CT3
I _
I W
Escravo fugido
jAcha-se fugido o escravo fcabra) Io-m5. tendo *
tigoaes seguiates : pernas arjueadas, falta 0
dfntes na (rente, fugio com ca lietra e camis< de algoia*; Mia,5>'-se tor iJo par*
o engenho Carrapito, na c-im^rca do Rio F. rawso,
onde )?i foi preso uma vex: roga-se a* aulorida-
des policiae- e capilaes de campo a sua apprehea-
sao,o conmunicr na rua D. Maria Cesar, out* o-
ra S^ncala nova, n. 30.
Aos legitimos foqdes econo-
micos
Aeabam de chegar a eta oidade os verdate'o*
fogoes economic as, |a maKo ooohecilos nas pm-
viocias do no de Janeir* Miaas. S. Paal, Se.'K>-
O agente Dias, campnnloo reipeiuvel despa- pe, Rio Grande, BaWa. a Aiagoas, aonde tamm*-
cho do Illm. Sr. Dr. juiz especial do commerwo.; ^1^ do publico a mair ce4acio possirei, aio
rara leilao no dia e hora aeima indicados, dos bens h proferidos aos de qoaiouer onir'o ytema coahn-
e dividas pertencentes a massa faHida de Rostron j c^ p,|a sua majja ^ 4>i e p-ciaHdale na cof-
Roock & C, vendeodo depots de obtida a compe- loeacao, moderno systems e sobre todj grand*
tente appr.ivagao do mesmo Sr. jnit. a qaem mats Ueeaauia Do e-.mbarfiv^ ; traftaihsm com lenba.
aer. os ef ridos bens e dividas, os quaes slo os evke, earviode madeira, < etc Hdediwra*
IH)S
Bens e dividas pertpneentes a massa fallida \
de RusiroH R >o k & C.
Sexta-feira IB do corrente*
as 11 horas da inauh&.
Em o 1 andar do sobn quez de Olinda n. 37.
seguintes
Os direiios qoe teem os ditos faJKdes sobre o do
minio e posse na metade dos terreoos de marinha,
Uroanli s, pmprws para e^as de poacs. r^golar, e
muita familia, c.llais. aosete, casas pt*s boept-
taes, e>c A-bam-*) kp<"*>< ao potmeo, aooOe se
leilao
Dfi
Miodeaag, botioas pra woboraa, gravatas,
batilia Boa e nUn+H.
QUARTA-PHRA 14 DO CORRENTE
A's 11 boras u a nittuha
Crai a. 6.
sitos no cans do conselheiro Pelippe Lopes Netto, terrenos avaliadas
todos em 56 624*600.
0 direito qne teem n'ama easa e sitio no largo
da igreja com 200 palmos e o fumo para o sol, com 800, -
caado enfe o sitio do Sr. Gaatier e propriedkdes
da familia do barao do RioFoimoso, availados por
3:000a ; "as dividas na imoortaociade......
173:427*881
0 mandado em o qual se aeham descriptor os
deve'i' 11.- com a- re-uetivas quaatias e data doe
0 Sr. Luiz Guede* da Aierodo lem oma ear-
u na raa do Harao da Vioaria q 3a___________
Ao commercio
Oo a!. ignados d-^laaasi ao ansUee a earn
epi*< >' reepekwei earpo do eommeroJo,
aaa sa aci: ;> o sea Maaelaoimantn de nr-
MMdos df-;. i 10 daeonvote, idta a rna do
Coronel Sua?s< ->, antiga do*rts,n. IB, osoal
tXaeiN, *l
vencimeotos dos titulos e todos os mai* esolareo- nra sobre a ; i de M ra & Km*.
mentOK precis ,acna se m poder do agente, onde de ntobro de 18?;.
desde ja node ser exammalo oelos Srs. preteo- Miaoel *uU$ se BMira.
dentei Mr-nael Vloeote da Sitva Rao


Dlario dePeruambuou Terga telra 43 de Outubro de 1674.
_.*
<*
r
m
Companhia
|ediflca\ir* 4a pro*
vlncla
de Pernawbae*
Tenho a satisfiajio de l*?a. Pl^ Prestiite, so
conliecimenlo de wJm cm aciua*s t luiuros vuus-
cijlorcs de j^'nw ifci companhia edilleadcra la
provincia d# Ptrruinbue*, flM-fao (inly chiigado
aapderdo Ea.in.-Sr presUJciile|di |rftinc aid
2 do tofWe a sotocao iirfetda af gavctuo mi^e-
rial, na 21 d agpsM de I8f), sob u. 77, nJativa
a approvacaa dos eMaimos- da companhia cditlca-
dora da proviucia de Ptruambuco, da ijual P. M.
Duprat 6 iocorporador.
A' vista desta inesper.ida deinora e la urgente
necessidade qaa esta praca lem de *er fonccionar
o maia breve possivel a grandiosa e atihtaria em
preza de ediflcacSes da proviacia de Peraambuco,
a qn.il emponeo tempo lari augraentar de quinhen-
tos a dons mil cantos de rs. o movimento linancei-
ro e commercial desla praca, e conlribuira rela-
tivameote a fazer desapparecer a crise fiuanceira
actual quo ha rones desuia esta prac,a, bem digna
de nwlbof sorte.
Tira a occasiao de saber na seeretaria da pre-
sidencia, em 7 de ontabro corrente, que S. Exc.
o Sr. comawodador Henrique Pereira de Lucena,
com o Am do obter prompta solucao, agon que
os trabalhos das camaras estiio concluidos, diri-
gio em 2 do corrente um offieio a S. Exc. o Sr.
ministro da agriculiura, renovaadelhe o pedido
Jae lhe Gzera em 15 de juaho proximo passado,
a solucao da p. Pcao ja cilada e remeltida em 21
de agosto de 1873, sob n 77, aeabando assim de
dar uma nova prova do mteres-e que loroa e do
desejo que tern de v<-r dita empreta assentar a
ptiroelra pedra da prmeira ediQac2o que liter,
cuja acta desejo que seja assigoada peio actual
presidente da proviacia, datando dense dia os 40
annos das iiispen*** de de:imas concedidas pela
lei provincial n. 535 le 20 de janho de 1862.
ttecife, 9 de outubro de 1774.
P. U Dilprat.
Na rua da Aurora n 63, 2* andar, precisa-
se de am catxeiro p .ra o Brejo da Madre de Deos,
que teaha bastante pratica le taverna.
Precisa-se dr um caixeiro de 14 a 16 annos,
eon pratica de taverna, e que de fiador a saa con-
daeta : narua Imperial n. 167.
Precisa->e aiugar urn preto veltio ou preta,
jiara vender na rua: a tratar na travessa das Bar-
Teiras n. 2.
Precisa-se de uma escrava para vender na
rua : a tratar na raa do Jardim n. 40.__________
Attengdo
Previne-se as pessoas que ficaram com bilhetes
de uma accao entre amigos, datada de 23 de se-
tembro tin lo, qua se extrahia com a loteria da
provincia, de 14 do crrente, que por nio so ter
passado um numero sufflciente de bilhetes, e raes-
mo serecebido a importancia de alguns, fi '.a trans-
ferida para se extrahir com a primeira lotaria do
mez vindcuro. Recif9. 13 de outubro de 1874.
____________________C^A.___________
Moleque fugido
Fortnnato, moleque de 13 a 14 annos, preto,
baixo, cbeio do c >rpo, rosto redondo, bonitos den-
ies e caballo cortado de fresco, ausentouse na
tarde de 10 do corrente, com camisa de madapo-
lao, calca de brim de cur, desbotada, cbapeo de
massa preto, conduzindo um serrote grande e um
amarrado de tres ubicas ; sobre o beic. > superior
andava ultimamente com uraas feridinhas. Grati-
fica-se e quem le^a-lo a rua da Aurora n. 165.
Estrada de ferro do Recife
ao S. Francisco.
Pergunta se a certos taverneiros, na villa do
Cabo n. 106 560, qnera paga 20 arrobas b 24 li-
"bras de assucar e 60 libra* de cafe' moid i, que
com o uome de V. F. eompraram na reGnnacao :
se este e ou nao cel^bre o capttao, pois se deseja
fazer um pequeno abate de 60 *|..
Aluga-se
os armazens ns. 63 e 69. na praca do ohafariz em
Fera de Portas, um onde teve teola de ferreiro
o fallecid > E. Mahull. 0 outro que esteve occu-
pado com venia de molhados, para o que 6 op
liuio pela locaiidade e ser de esquina. ambos livres
e desembararjados de imposius: a iraiar oom o oom-
mendador Ta.-so. _____________________
Oatriarina fagio.
No dia 28 de agosto proximo passado, ausen-
tou-se esta escrava, a mal tem os signaes seguin-
tes : estatura batata, rosto redondo, c6r preta, pes
pequenos, costumava vender leite, anda sempre
com um caiete que lhe serve de arrimo por sof-
frer de rheumatismo, ja e idosa e de naeao Cam-
bin ia: qnem e encootrar. pegue-a e leve-a ao sitio
do CafunJo, estrada de Joao de Barros. que sera
gratrScado.
Aluga-se a loja do sobrado a. 1 da rua do
Aragao : traia-se com seu proprietario, a rua do
Hospicio n. 33.____________________
~~^-'~Alnga-se a sala do primeiro andar a rua do
Daque de Caxlas n. 32, propria para Bserip-
forio : a tratar na loja.
SURTIMENTO
MEDl'dNA
Preparado pot
Latiruan & Kemc
para thisi-tca
toda a qualidadt
de doencas, qu>
seja na garganta
peito ou bofes.
Kxpressameiit.
ftscottiidodosmt-
Ihoresfigadosdif
quaes se extract
o oleo nobaiKM
da Terra Not*
purificadochirni-
(calinetite, e su>
i valuaveispropr
wiailes conserva
das <;om todo (
cuidado.emtod'
o frasco se garan
tepurfeitameD
le puro.
Este oleo ten
sido submettidc
a umexamerDUi-
to severo pel'
cbimico de mai'
talento, do %\*
verno bespanboi
em Cuba e ff*!
pronunciado po
elle a conter
MA10R PORCAO D'lODINA
do ^o outro qualquer oleo, que elle ten
xemin.ndo
IODI1SO t UM PODER SALVADOR.
Em UmIo o oleo de Qgado 'le bacalhao, e na
quelle no qual contem a maior porQao desti
tnTaluavel propriedade, e o onico meio pan
curar todas as d. engas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Phtyeica, bronchistes, asthma, catharrho
tosse, resfriamentos, etc.
t)ns poucos frascos da carries ao muito
magro que seja, clarea a vista, e dfivigei
a todo eorpo. Nenbom iwtro artigo cr>
obecido na medicina ou scieooia, d& tantc
notiraeato a"isystema e iwnromodando qua
nada o estornago.
As pesaoaa cuja organisafdo tem sido dcs
troida peias nffec$6es das
esCROFUUS ML' RHEUMATI8MO
e todaa aquellaf-. cuja digeetfto se acha oom
pi^tainente desarranjad*, rtevem tomar
6 OLEO DE FIGADO M. BACALHAO
DIE
UNMAN ARRMP
CRIA1I0
Precisa-sa dj urn oritdinli> ,la li tunns.
para sltvmjo da uasa o alguns in.indn los: om
8. Joso do Miuiguifih >, passsn !o a refifia-
cao do pii.neiro suio da lal > hrniM, u. 2.
Boa rnoradia.
Veude-so urn .-xcel!p!ilo sohrid*, torn uOM
Ciisa pcquena cont gui, siln.s n-j IVCf'U.i I'a-
uella, rua Heal n. 3o, com b#os commodos
para uma fannlia grande, ten Jo divorsas sa-
les grandes e muitos quartos, todos com
janellas; quartos para criados, cocheira,
eslribaria, grande copir, casa de banbo
e jardim de cada lado. A rasa esla em
perfeito estado, e e situafao d a mais t'resca
a sau.iavel possivel :a tratar com a propne-
taria D. Maria Purcell Raulinson, na mesma
casa.________
Negocio importante.
Na ma do Marqnez de Ollnda n. 58, loja,
precisa-se fallar com os Srs. Francisco Macbado
da Gunha Pedroza e Ravmundo da Guntia Pe-
drosa.
Alug
a-se
o andar do sobrado nos Quatro Cantos, na cidade
de Olinda, para quem quizer passar a festa e to-
mar banhos salgados, com commodos p ra fami
lia, com boas vistas ; e fresco : a tratar na raa
Duque de Caxias n. 62. Assim como se alugam
mai* dnas casas terms edifidadas de novo, na fre
guezia de S. Jose, sitas a rua de S. Joao, com bons
commodos para familia : a tratar na mesma rua
e ns. acima ditos.
Deseja-se aiugar uma sala no bairro da Boa-
Vista, ou no de Santo Antonio : quem tiver algu-
ma nestas eondicoes, deixe indicacio na pbar-
macia do lllm Sr. Manoel Alves Barbosa, na rua
da Gadeia d. 61.
Leite puro.
Vende-se leite puro de vacca tourina que
pode ser tirado na presenca do comprador, das 6
as 7 boras da manba : uarua de Hospicio n. 33*
Aluga-se o primeiro andar da casa da rua
do Torres n. 8, propria para escriptorio, ou pouca
familia: a tratar no segundo andar da rua do Mar-
quee de Olinda.
DDILON DUARTE k IRMAO
aaULUREIROS
Premiatlos ua ex
de 1872
PUND1CA0 DO BOWMAN
UA DO
N. S2
KCA
ta
liPERATRIZ
!. ANDAR.]
rKT^
MA
oa
.%z.t ffetf+ ''^Lv^ -**'*">.''v
gfc ^^H ^.S.-W1 Ex IMPERATRIl
Acabam de reformar o aeu ealabelecimento, collocando-o naa meDaorei con-
liccftos possivett de bem torvif ao publico daU illustre capital, e as Exmas. Sras. n'a-
luillo que for tendente a arte de cabefleireiro.
Faxem-se cabelleiras Unto para hymens como para senhoras, tupete, ebignon,
Toques modernissimos, tran^as, cachepeigp, tecidos, desenbos em cabelloa, quadros tu-
mulares, florea, bouqueta e todo e qualquer trabalho imagiaaval em cabeUo.
0 estabelecimento acha-se provide do que he de melbor nos mercados estran
teiroe, recebe directamente por todus o vapores da Europa, as suas encommendas e flgu
rinos de modaa, e por iaso pode tender to */0 menea qoe outro qualquer, garantindo
perfeicSo no trabalho, agrado, s'mceridade e precp razonvel.
Penteam senhoras, tonto no eatabelecimento como f6ra ; vende-se cabelloa em
porcSo e a retalho e todos os utensilios pertencentea 4 arte de cabelleireiro.
J

55
Constructor e afinaor de pianos
Rua do Imperador-
55
Aluga-se por anno on festa o sobrado de dous
aadares nos Quatro Gantos, em Oiinda, com com-
modos para grande familia, agua encanalisada e
cano para despejo, muito fresca, perto do banho e
das estates : a tratar na rua da Uniao (llha dos
Ratos) n. 53, detraz do Gymnasio.
Ex-afinador das antigas e afamadas casas Pleyel & Ilerz, e antigo direc tordar
(ifficina da casa Alphonse Blondel.
Tem a honra de declarar ao rospeitavel publico desta cidade, que tem aberto
sua casa de concertos e afinagdes de pianos, qualquer que seja o estado do instrumento.
A' mesma casa acaba de receber um grande sortimento de pianos dos melho-
res fabrlcantes de Paris, como Erard Pleyel, Henri Herz9a Alphonse Blondel) todos
os pianos sahidos da casa Dhibaut sio garaatidos.
Compra-se e recebe-se em troca os pianos usados.
("Pariando o cbafarit)
J'l.DKM A OS sci.hr.rf> h- enWfihu e u iros sgriiult .<, eomprjrfwrea de mt-
i-hinistno o favor de fazer uma visita a scu itabe;ecuncwto, pata vnom o i.-'v.t KOVRMa-
to competo que ahi tern ; sfiifa tudo superior em qiu'i.lf.d'.' a f< >rti 'io ; <) que com a u-
truocao pessoal podc-.se veriticar.
.tsrPELiAL ATTE.NgAp AO NUMERO E LUGAR DE SU\ FLNDfGAO
VapOreS e rOuaS u agUa d0S mais modernoa systemas c om lamanhos con-
venientes para as diversas circumstancias dos senliores pruprietarios e para descaroca*
algfdao.
MoendaS de CanDa de todos os troiDhos, as meHwms que aqui cxistem.
KOQHS dentaClaS para animaes. agua e vopor.
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e ftindos de alambiques.
MaCQiniSinOS para maudioca e algodao, e para scrrar Riadiratltat movid.s : ma*
QnmhoQ )Pr "* <
uuiuuaa de patente, garant'das........ \oo animaes.
lOQaS aS maClllIiaS e pecas do que se costuma precisar.
r aZ qualquer COnCertO de machinisnao, a preco mui resumiJ-.-.
rOrmaS de terrO tem as melhorese mais baralas existentes uo mer.ado.
JinCOmHiendaS. Incumbe-se de mandar vir qualquer inachinismo i voutade do*
clientes, lembrando-lbes a vantagem de fazerem as coinpras por intcrmedio de ptesoa
entendida, e que em qualquer n-jcessidade p6de Hies prestar anxilio.
Arados americanos e instrumentos agric las.
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
Silio.
Para tratar de um pequeno sitio em S.
Jose do Manguinbo, ainda se precisa d'um
homem que tambem entenda de jardim :
passando a refinagSo, o primeiro sitio dc
lado direito, com portfio de ferro.
& 21 Rua de Paudno Camara 21 f%
X DR. MANOEL EXE-INO R. VALENgA g"
R .lledico
BL Consultas das 7 as 9 i\-2 boras da ma- ]fy
Lk Dh5a s
Wt Cbamados a qoalquer bora do dia ou
ftk da noite, .... .-_- Qr
Especialidadesmolestias dos puluioes "H e do eoracao. Wi
Alugam-se
Boas casas de campo, na Cruz das Almes e
Pojo da Panella : a tratar com o commendador
Tasso._____________________________________
Aos fumantes
Jose Antonio Domingues de Figupiredo, proprie-
tario da fabrica de eigarros do becco Largo (Re
cife), previne aos apreciad res de seue cigarros,
que abrio um dep"8lio a rua estreita do Rosario
u. 10 (Santo Antonio), esquina da rua das Laran-
Re;ras : alii encontrarao os senliores fumantes um
grande e l;em escolhido sortimento de ponteiras
para charutos e cigarros, c.chimbos de muitissi-
mas qualid'des, hollas, etc., etc., charutos de Ha-
vana e da Bahia, de todas as qualidades, e tambem
dos nianufaclurados na proviaeia, e cigarros de
muitas quaiidades, tanto dos mannfacturados era
sua fabrica, como n> Rio do Janeiro, e Manilha,
tanto em grosso como a retalho, garantindo-se sin-
ceridade, promptidao e agrado. _______
Urgencia
Preci^a-se fallar com o- Srs. Francisco Correia
Lodo e Antonio Eioupo de lima, a uegocio de seu
particular internsse, no paieo do Ter-;o n 23, ar
mazem Gon^ervativo
Faz-se todo negocio
enm oma armacao de amarello, bem c ostruida e
teila com torta perfei<;a conlstido pe^os e balan-
ca decimal: para ver, na rua Imperial n. 2l7.
ARISTIDE SA1SSET E. J. SOUM
Tratamento puramente vegetal verdadeiro puriScador do saugne. sem mercurio.
A Bw.encia de Caroba e um remedio hoje reconhecido como um poderoso depura-
tivo e especial para enra de todas as molestias que teem a sua origem na impureza do sangue,
como sejam : as molfstias Stphhiticas, Bocbaticas b Escrofulosas, Rheumatismo, Empwotns, Dab-
tros, Cxceras, EncpgSES, ETC K1C
Os prodigiosos effeitos que tem produziio a Eaaencla Ac Caroba, por toda parte
onde ella tem siao apropriadamente experimentada, a tem feiio adoptar como um dos uedicacen-
tos mais seguros e mais energicos para a cura de todas as" molestias de natureza sypbilitica 6
boubatica.
A ca.-ia frasco 'teomponba UUia infilrUC^aO para a IBJH01'" ^A USIT.
Pomada anlwlarlrosa
Contra as affec>;oes cutaneas, darthros, cemich5es, etc., etc.
lingnento de laroba
Para cura das boubas, oleeras, cbagas antigas, etc.. etc.
UNIGAMENTE PREPARADO POR
10UOUAYMOL MAUS, SUCCESSOEES
Rotica Franceza
22 Rua do Bom Jesus 22
ANTIOA RUA DA CRUZ )
N.5 A.Rua do Barao da Victoria.N. 45 A.
mk da mxm.
AOS 4:000^000.
BILHETES GARAOTIDOS.
A' rua Primetro de M argo (oulr'ora rua a o
Cretpo) n. tS e casas do costume.
0 abaixe asugnado, tendo vendido nos sens fe
lizpB bttbetesnro meioa. IS47 com 1:000*000, um
inteiro n 34x9 cm icOiOoo, e ontras sortes de
40a e 20* da loteria que se acabou de extra
hir (11*), coDvida aos possnldores a virem reee
ber na conformidade do costume sem desconto
algum.
A<-*am-se a venda o. feliies bilhetes garantid
d^ 2* pane das lotenas a beneflcio da matrix
de Tijuenpapo (12*>*), qne so extrahira na quar-
ta feira. 14 do corrente mer.
PBEgOS,
Bilhete inteiro iiOOO
Meio bilbete 2*000
fM PORCAO BE 1009000 PARA CIMt.
Bilhete inleiro 3*500
Meio bilbete 1J7S0
Manoel Martins Fiuza.
Con^Hltorio medico-cirorgico i
DE
A. B. da Silva Maia.
Medico parteiro e opprador.
twa Uo Rangel n. 64
Consultas das 8 &* 10 boras.
Cbamados a qualquer hora.
Gratis aoi pobres.
i
#:##-##:#:#
i) Macei6. %
Bacbarel Lounmcu de Albu- "
qui-rqun yff
Ailvo^ndn
. Roa do K,^ ariii n. 1.
LOJA DE JOIAS
DE
JOSE JOA011IH DIAS DO REGO.
I-.to aim j Dffo *S liqnida^ao 6 queima !
0 proprietario desle nov estabt-lncimenio atumido com o inesperado e-lridsr dos gritos que
snrgemde todos os anguine de?ta gra<.de eidad, annonciandoa lnjuidagao dos estabelecimentos dejoias ;
e, receioso do licar -OSINHO, anecar de bm avaltar a3 grandes vantagens que neste caso deveria au-
ferir; tomou ainabalavel iesolucao de QUEIMAR todas as suas joias. com o unico fim de eneorporar-
se a grande caravana, e, com slta, seguir em romaria onra.......e segredo I
A pyra esta ardente as victimas aguardam brilhantes o momento do sacriScioad fa/
os sacrifiMdores.
I-to posto, espsra-se, com jnsta r^zao, uma crande concurrent a dos amanies d* ecoi)
qoe nao devtm perder o ensefn de se urnverem de objeitos tae?; e deveron'o ainda as>im fazer,
qoe flepo-s de todas ns-as liquida^oes, com o novo anno, aCabam se as JOIAS desta cidade, e nao
tera publico aonde dellas so possa prover
A ella**! A ellr-s !
PRESERVATIVO DA ERYSIPEU
DO
Bacharel Manoel de Siqueira Cavalranli
Remedio efficaz. nao sd para cm ar qualqi er ataqne de ry-ipeia, como
para impedir o seu reappari'cimento.
Approvado pelo Gverno Imperial, acha-se 4 di-pisiyao do Publico
,eoro as respecti'as in-iracfoes, attestados de pessoas nutaveis, e de Medicos
de grande repotaeao.
Depositos uuiooa.
Peclfe: rua do BarSo da Viet na (rua Nova) n. 40, casa do Sr.
Rocha Sianeira,
Rio de Janeiro : C6rte, rua do Ouvldor, n. 78.
Gratis aos Pobres.
320 RS. I
Lindas popelinas de linh com salpicos e de listras
assetinadas pelobaratissimopreco de 320 rs. ocovado: na
rua Primeiro de Marco n. 13, loja das columnar, de
Antonio Correia de Vasooncellos.
CHVPEOS M MIL
Gurgal 69 Amaral ft C, a ru Pinviro de Marg.1 n. 2ft A, receherara nm grande sortimento
de rfcapaos de sol At aeda, Maa a traocada, com ton** <-.abos d Unieorne, martim a madeira, e
veadem-os a 0} a 7*, aendo asie preco metade do sea valor.
FDNDICAO DE *
i' ma do Bar&o fa Trinffl|*(- (raa duBrani) is. 100a SG-t
CARDOSO IRMAO
AVISAM aos senhores de engenh-s e outrt ?gricult .res e a" publico eontinuam a receber de Inglatetra, Pranca e America, todas as (erragms e n:achma s uft
cessarias aos estabelecimentos agricolas, as mais mode DM e melhor obra qce tea. MM
o mercado
Vapores de forca de 4, 6,8 e 10 caTnllos, os melhorea que tem vmdo M MM4*
t aJdeiraS de sobresalente para vaporea.
MoendaS mteiraS e meias mot -'.-.., "bra como nooca asai *>*
Taixas fundidas ebaUdw,dom^Uji.nfabneantes a BOO el59 r< a
libra
tOdaS d agua com cubajede ferro, i' rtea e bom acabadaa.
RodaS dentadaS de. todoa os tamanbus e quaiidades.
Relogios e apitos par* evapors.
OOIJI Das de ferro, de repucbo.
.IXaQOS de diversas quaiidades.
^OrmaS para aSSUCar, Kran,;,s e paquenaa.
Varandas de ferro fundido, lr, J:5S dedh .;
FogdeS francezes oara lenba e ce.-Tlo, abra su] rioi
DitOS ditOS p,ra gaa.
Jarros de ferro fundido pnr rH
i es cie ierro para mesa banco.
Aj.&Cmna para gelar *nun.
VaivUiaS para bomlm e banheiro.
Gorreiaa inglezas pra mn,:ll,n,. m .
t5anC0S e SOtaS com titas ile madeira, ptra jardim.
C/OnCGTtOS BDC8P*a'n ooai prfflatptidlo qualquer obra ou martuu
sua fabrn-,0 bm muut ^ncommendss ,unl'<''',|" v'r pr euwiimuvh(! < Ku.'.p.-., ,
p/iraoquese correspoudemcom uma rifwiitaiwl oaaa de
i com um dos melhor^s eng^nliHiros di^ litglaterra ; mcaafcum a* dp maoda
iitasmachinas, ese respuns^lnlisani pelo bom trabalho das musiims.
^ua do Barao do Triumpho (rua do Brum) nti. 100 a 104
FDKDItAO DE CARDOSO A IRMAO.
*
.
XAIiOPE PASTA de BERTH fi, mSh
Medicamento ioacripto no CodiK* araelal francra, por sua recouheeida efficana com a arti-pe,
catarrho pulmonar,w bronchile. tisica s toda.- irnucoeg do peiln __ ** ramia raa rari
eaaa de BIHIIIK, 8-1, rua den R<-elea < em tadaa ao aaaraaaelaa da Liiru.rlia
Ter cauleta com as imitu{-6es fraudutosus.
f\J

DE fiQTQT
LICOR COC;hTfirO C TITULaDO
0 Snr Guyot chegou a tirar ao altatrSo a
suaacrimoniaeofeu amnrgor insupporlaveis,
o que o lorna mais soluvel. AproveiianJo essa
feli/ de^coliorta, elle prep?ra um Iic3r oon-
cenirado de alcatrio, o qual, sob um pequeno
volume, conlcm uma grande proporcio de
principios activos.
0 Aicndan Gutoi (GouJron de
Guyol) popsue por consequencia todas as van-
tagens da agua de alcatrJo ordinaria, sem (er
os incMivcuicntcs. Basla deiliir d'elle urns
collier logo um copo de excellent agua cte alcatrS-
som gosto (tesagradurel. Cada q'vl pod-
d'essa maneira preparar a ua aui de al-
calrao quando d'ella precisa, o q'ie offereco
economia de tempo, facilidade de trareporte
e evita o innn.-jo Uo desagradavel do alc-itrao.
0 Aicatrfto de Vmjat subtu'.u' com
vantigcm muilas tiaaaaa maia ou nienos
ir.Lilei, nos casos de deHiMo?, bT^wchiles,
tosses, catnrrhos.
0 Aiomrso de Gajot is ompregado com o maior eaito nas molestias seguintes i
EN BEBIDA. Vma colher de cafe" para tun copo d'agua ou dual eclhnei de
sopapara uma garafa :
BRONCHITES
CATARRHO OE BEXIGA
DEFLUXOS
TOSSE PERNITA2
IRRITAQf.O OE PEITO
TOSSE CONVULSA
EM FOMENTA^OES. Licdr puro ou com umjH/ucod'agun;
AFFECgOES DA PELLE
COMICH6ES
MOLESTIAS DO COURO CABELLUDO
EM UUECCOES.
Umapartede lic&r equatrod'agua (ewioaaialaaaan
FLU.XOS ANTIG08 OU RECENTES
CATARRHO DA BEXIGA
ataiaji.HI>
0 Aleatrfto de Guyot foi experiwentado com um verdadeiro txito not
principaes hospitaes de Franca, da Belgu* e da Etpanka. Foi rotonktcido
que, para os tempos de color, elk cnstUue a bebida a mais kygiemto^ e so-
bretudo durante 01 tempos de tpiilemia. Uma intruccao accompanha coda vidro.
Depoalto ral ecu caUM. aV BWIiaiT, .
RaJinao, Dapoaehelln Cfce.eloi. BaBOaaa, Verrelra et CK
'Maaiwco I*. .naurer el f*
Baku. Bauwe et C-
Oobo-Pmto, Candid.. Well
Pilot**, Aaielra Ldaaa.
B*cmo. Falea Dlaa
Pearo tutu. >!' taia

j DATA TNCQRRETA





6
Oi%tia deiFbriHtoifittca *~ {feroii h3ra la da r6wtiibta!de iM4
BoaiHoradia. / 4 T
Aluga-se o sitio da estrada de Agua Fiia o.
earn bua cast para orimeresa famiia e excellent*
banho no riacho Jacare, perto da estacao do ca-
minho de ferro: a Iralar oa ma Priraeiro de Mar
t *<________________e---------
Cura instanlaea
Grandiosa descuberta!!!
Novidade iinportantissima 111
Oqso quotidianu de am calix do superior vinho
GENEHOSO que se vende no i aodar do sobrado
B. Srt, a rua da Cruz, tern a rropriedade de subs-
Utuir ctu grande vantagem e exlraorJiuaria eco-
nomia, os dnporaiivos tao a|ireguados e conheci
dos por salcn e_ carobq, etc. 0 raedicamento que
ni.un.-':i...-, na cura todas ai molestias como
succede as panaceias que se annunciam, acornpa-
nhadas d; aitesiados; todavia. restabelece imme-
diatamente as f. rcas, e purifica o sangue, sem a
desvantapem de ser nocivo a saiide.
Banhos e dormida fresca no
Monteiro.
Aluga-se alii duas casas pequenas, lendo cada
uma, duas s&las, tres quartos e coziuha : a tra-
tar ua rua Nova, loja n. 7.
Urn iiiivo rival!
Para uma cidade tao populosa como a nossa, e
por certo insuffkien'.e a existen ia de urn uoico
estabelecimento no genero daquelie que se deoo-
mina Coaftitaria do Campos.
E' tste o motivo porque acaba de abrir-se a
eoncurrencia publica no bairro do Recife a rua
do Commereio n. 22, uma casa commoda e de-
cente. sob o litulo de Assemblea do Commereio
onde o respeitavel pubiico encontrira tempre
que precisar, o necessario para :
I'm casamento.
Uma soiree.
Urn b.i| tisade e
I'm lauehe.
Ha lamb em i
Grande varinlado de bebidas flnas.
Gompleto sortimento de duces para embarques.
Bjliiil; is sorlidos e fructas de delicado sabor.
Bandejas capnehf samente preparadas.
Fiambres e Unche a qualquer hora.
Tudo com esmerado aceio, presteza e precos eqiu-
tativos.
22 Ru i do Commereio 22
Meira & Lima
__________Assemblea do Commereio. _______
ESfJUVO FIJG1D0
Fugio do e igenlio Malaya, na freguezia de Fe-
riabSem, do aono de 18G5, o escravo Francisco,
mulato, com 16 a 18 annos de idade, pouco mais
ou men is, altura e corpo regulares, oiho*;rasos e
antes, cor b< n slara, eabelloa bons, denies per-
feitos, nariz aliladui e carlo Icicao bonita, sen
barba, muito modcrado, pes seccos c bem feitos.
0 u;i f.ij do Sr. eommeodador Antonio
dos San as i> mnal, senhor do engenho Cabeca de
Negro : com] rado ao eorrelur Oiiveira, raorador
no Becife.
b
Escada
COD
de .',,:
tOTD
C :
tL 11
--'.
tir i
cab
tid
:
an I iriu
PPi
a '.'
. I
poi r
i Pi .
10

engenho AjudiOte,,na irei>nezia da
ano de 1372, o esciavo- Guilherine,
seguintes : pardo, com 25 anno*
r, i maison menus, altorae corpo
i II s each- ados, i.lin > grandes, rosto
alguns sipnacs do baiba, nariz
i tinto arqnerda, duics porfeilos ;
las pelo rtsto, > faz movimento no
an ia, e na occasiao de cumprimen-
ssoa, le a o chap^o por cima da
retaguaid.', 6 muilo alegre e diver-
riaj e cjue estrja ua cidadt da Para-
Nazareth. Por lanto, roga-se as
liciaes e aos capitaes de rampo a
... dos '!.t s c-cravos e ?ercm entregU'S
; r. Emilio Pereira de Araujo, no n-fe-
i d quern leiiii a paga di 30O0O0
i. N li. () escravo Guilberme tern
. ibre lima sobrancelha.
_. >


Ud Ml
i i- jinli d-cl;:ra qil- p.ii" proc.ura
de 2 de do-mbf'o do 1873, acha-se
iir r de sua mai I). Cesaria
e d Guiinao, compoderes para tra-
|i i ;i i.S Sen l.i ->' Itrfinnri j.r
.i ...;.. >.-.()( na Jo, o sr. Joa-
.'>; .' > la out-jrgaLlfi. ittci-
. iisru d i87i.
Maxhiiino da Silva Gnsmio
ravoiugido
S i" ausenloa se da casa de sea senbor no
rabr e ii-m os signaes se"uintes :
11. n presema ler 35 annos de idade,
ponei i : ou meno<, lem algnmas sardas ou
rosto, pe< grandes e calcanhares fo-
veiros os I dos encolbidos, tambem lem uma ci
Bellas provonienle de uma qaeimadu-
r. utn ignal em uma das pernas : r-iga se as
ant po iciaes e aos Srs eapities de campo
rie o apprchenderem eremetelo a rua do B .m
Jesu-n. id, t andar, qae serSu generosamente
dos
i^overnante
de uma tenhora para governar e di-
r ;- .'ions de uma casa de fanv'lia, e qne
ida b in !e eostoras e de ecrlar vestidos : a
tratar n; praca do rpo Santo n. 17, 1 andar,
is da tn.iDl.ri as i da tarde, nu Ea rua
Daqse i?. Cixias n. 81, 2 andark entrada p?Ia
prac l>* Pedro II, anligo largo do Coil gio. de
Bn 8 boras, ca 1 o da tarde as 7 da
.... p-
e primeiro andar com grandes enmmodos e solao
dosubrado ?itu na rua dj Ilospiei.i n. Co, juDla-
nienih a loia : a Iralar na rua do Vigario n. 31.
OITtrece-se uma unlher para casa de ho.
mem s ill ir \ que f iz t> do- o< wrvicoe de Cuzinha
com'perfeicai: na rua la Senz.illa Velba n. i
Pillulas Catharticas
de Aver.
Para todos os cfTeitos d
urn remedio laxaoU.
Nao.ha segnramonte, un
remedio tam univer^almente
prociii-ado como am cathar-
tico ou porgajite, e nenl.iun
outro tcm siuo tao usado em
todtr. por todas n? classes, como estas PILLV-
ZAS. Oatxe*. A razSo t evidentc, fonnao
m remi io mu .-> mais certo e efficaz que nenhum outro.
Aqi. os teem ensaiado sabem que se teem curado
pelo
e vi-
ttad
T.AS > [or consequencia de erro ou negligencla
na roi i :.">'..
_T.i-- ullnucs !>rc milharesdeccrtifiendosreferentesns
iitinci i(ue Into elTbctuudo estas pillulas, nas motes-
Has q hi mencionamos, pon!m sendo taes curas
i a partcaonile teem penetrado, des neces-
*orio aqui. Adnptadas a todas as idades e a
bodaa b ~, *?m tolas.as climas, nad contecdo caloni-
elaiK) : qnalqaer aroga deleteria, ellas podem sor
. .oiiserva sem)>re frescas, e as tornajrosto-
Aiitoiilo k Azevorto YiMaimo.
Pelo presume sao convidados ot afilhados e tfi-
Ih .das- de Antonio de AzctoAj Virhiroheo, falle-
cido em Portugal no raez de outubro de 1873, a
apresentarem dentro do prazo de 60 dla<, a con-
ur de-la data, a certi4ao da sen nascimento, em
east do abaixo tssignado, tesumenteiro instiiuido
pelo duo fallecido, afkn de que sejam devidamente
attendidus na partilha a que tern de proceder-se
com a precisa igaaldade, de accordo com a d-spo-
sicao testaraentaria. Recife, 10 de setembro de
18/4.Man.el Atevedo de Audrade.
mm- mm
21, l-e2 andares, Cambda
do Carmo.
Manoel l'.netlino Hego
\HlIenca
N.
MEDICO
Consultas das 7 horas da manna as
9 l|2.
Chamados por eseriato. ^Spf
Especialidades. Doencas dos pal- flfc
moes e do ooraclo. '5k'
Exmas. noivas.
Chamarros a vossa atiencao para o novo osta-
belecimento que acaba de abrir-se a rua do Com-
mereio n. 22, denominada ASSEMBLEA DO
COMMERCIO onde se preparam nca-< bandejas
com grande variedade de boiinbee ctprtcboea
mente enfeitados, tambem se apromptam bou-
quets.
Assemblea do Commereio
Meira & Lima
22 Rua do Commereio 21
frecisa-se
alugar uma escrava para vender na rua
na rua do Cabuga n. 3, 2* andtr.
a tratar
HOTEL
liestawant de Bordeaux.
Aberto toda a noite, dos dias de especta-
culo da companbia italiana.
Escravos fugidos
Conliuuam a estar fugidos desde o anno de
1870, os escravos seguintes : Francisco, crioulo,
com 28 annos de idade, pouco mais ou menos,
altura e corpo regulares, olhos grandes e brancos,
denies perfeitos, cabellus carapinnados, uma ci-
ealrii por cima do oilio esqaerdo, barba a Cava-
nhac, rauito conversador e risonho. Antonio, ca-
bra, com 23 annos de idade, pouco mais ou me-
nos, alto, secco, olhos grandes e vermelhos, ca-
belles urn tanto soltos, pouca barba, dentes per-
ftitos, pes comoridos e seccos ; ambosforam com-
pradus ao barao de Nazareth. Des-onfia-se que
os ditos escravos estao oecullos na comarca de
Pajeu de Pores, ou no Rio de S. Francisco. Ro-
g -se, porlanto, as autaridades policir.es e aos ca-
pitaes de campo a captura dos mesmos escravos,
e serem enlreguesa seu seu senhcr, Emilio Perei-
ra de Araujo, no engeDho Ajudante, na fregue-
zia da Escada de quem lerao a paga de 300*000
por cada nm.
Capellas morluaria
s.
Porto & Bastos, a praja da Indepep.dencia n.
39. acabam it nxeber pelo ul imo vapor, lindis-
simas capellas nienuarias com diversas inscrip-
yoes prop ias para tumulus e catacamoas, as
quaes vejgem por precos mniio modico.
Aniiiiiio 0 commendador Maibias de Azevedo Villaronca,
dous manos Jo>e c Joaquim (ausentes), e Dellino
J" *%*.* i i i li i. .>ii i m,mi a lUU^d U3 9CU5
parentes e amigis para no dia 13 do eorrente, 1
aouiversano do fallecimento de seu pre/ado e lem
brado mano e lio, Aatonio de Azevedo Villarouca,
assistirem as mi-s-as que pel) eterno repouso de
sua alma, mandam celebrar na igreja do convento
de S Francisco, peias 7 l|2 horas da manna : des-
de ja pretestam eterno reconhecimento a toda? as
pesioas que se digaarem assistir a este acto de
caridade religiao.
Anii-i-icn \isin--. Correia
D. Caudida Maria das Neves Cor-
reia, manda celebrar missas as
horas da manha de sabbado, 17 do
corrente, na igreja da Madre de
Deus, por alma de seu presaJo es
poso, Americo Nunes Correia. fal-
leclio era LishOa no dia 25 de setembro, e para
esse acto de caridade e religiao, convila a todos os
parentes e amigo*, seus e do flotdo}; pel > que fi-
car-lhes-ha summamr-nte grata.
\ iitoner. Luis Ribelro
Manoii Jo-e Luiz Rilieiro Jose" Maria Ribeiro,*
lendo recebido a infausta ncticia do fallecimeuto
de seu pi Antonio Luiz Ribeiro, em Portugal,
man lam dizer uma missa em sua tengao, no dia
11 do corrente, as 7 horas da manha, no conven-
lo lie .\. S do-Carmo.__________^^^
Aluga-se
o predio da rua do Barao de S. Borja n. 28, anliga
do Scbo, com commodos para grande familia, con-
in!' agua e gaz encanados, grande quintal bem
plan'.ado, com portao que deila para a rua do Ata-
Iho : para ver a cbave, na mesma rua n. 20, e
para tratar eraOiinla, ladeira da Se n. 6.
CASA DO OURO
ictoria (outr'ora Nova
Bilhetes garantides
T'fz =5S!5fc, ",ta ^0 fiarao da \
^M t^Sy&SSSt.a< 50. do costume
I \--r,--**3Bi 0 abaixo assignado acaba de vender nos seus
juito feiizes bilhetos a aorta de 4:000*000 em
bilhete inieiro de n 1,547, e a sorte de 700 em
men bilbete de n. 3,725, alera de outras sortes
menores de 40*009 e 20*000 da loteria que se
acabou de extrahir (U9J); convida aos possuido-
res a virem receber, que proraptamente serao
DBMS.
Ho nsoios ,ue uio os er.saiirSo sabem que seus amigos I P m*P Si,a[yS' assignado COHvida ao respeitJ
.. .-urado, c todos coniiecem que o resuitado 'el publico para vir ao seu estabelecimento com
o tirara todas nsvezes, e que as piLz.u- JT3T os muito f.dize? bilhetes.qie nad deixarao de
irar quabjuer premio, como prova pelos mesmes
innnncios
Acham-se a venda 09 muito felines bilhetes ga-
-antidos da 2' pane da loteria a beneficio da
igreja maim de Tejucupapo, que se extrahira ao
dia li du corrente mez.
Ptemmm0
Inteiro 4*000
Meio 2*000
De iOOSOOO para eleia.
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Recife, o de setembro de 1874.
led" Joamnm da Costa Leiti
ALUGA-SE
Na traveesa da ]
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
/
WBi grange casa"terrevijorri bAtantes commodoi
Mia na estrada dyiiUcas : a tratar na rua du Vi-
gario a. Dl.
Precisa-se alegar uma es*
crava para andar na raa : a
tratar na rua do Cabuga n. 3,
AMA
segundoTandar.
Ama
Precisa-se de uma ama para
cazinhar: na fabrica a vapor
de cigarros, a raa iarga do lio-
sario n. 21.
AMA
Para comprar e czinhar :
a tratar a raa Nova n. 12.
loja.
Amade leite
Precisa-se de ama ama de leite sem fllho :
rua Dnque de Caxias n. 8i.
n a
Precisa-se d.) uma ama escrava para com-
prar e cozinhar para uma pequena familia estran-
geira : aa rua do Uarquez de Oliada o. 21, loja.

Est4 eacouracado !! 1
Afjiiu mole era peilra dura
Tanto da ate que a f ura.
Roga-se ao Illtn. Sr. Ignacio Wira de Metl
ascrivao na cidade 4e NMWe* dwa protlncia,
favor de vir a raa Duqae de Caxias n. 36, a con
cloir aquelte ragocio que S. S. se comBTometteu a
realisar, pea tertelra ctamada deate jornal, em
Sns de dezeftbBD Ati 1171, e depois part Janeiro,
passoa a.reverdko ebril de 1872, e Mala cumprio;
por este motivo 4 de novo chanado para d
am, pois S. 8. ee4e*e lembrar que %ste negoci
de mais de oito annos, e qaando o Sr. sea alho
ichava nesta cidade.
tfgKSlti
AMA i
n. 2, primelTo andar.
Pratisa-se de uma ama
ue taiba cozinhar : no lar
a malriz de Santo Antonio
AMA
Precisa-se de uma ama pra
emgommar e easaboar : a rua da
Coacordia n. 43.
Precisa-se de utaa ama part en-
goramar em casa te pouca familia:
a rua do Imperador n. 69.
AMA
Precisa-se Ue uma :ma ftirraou escra-
va para casa de familia : a tratar na rua
de Hortas n. 15_________
Precisa-se de uma ama para engom-
mar : naruado aarai da Victorian 22
Ama
Ama
Offerece se obi homem paca caixeiro de en-
genho, forgo* deatro da Brmtineia, e qual en!en
dendo de drversis art*.-, urigarse ffazer tudo e
qualquer c*nfcrto quo o esmi posea precisar, a
excepcao do que for de fundic> ; cunoerU Uxas,
lorneia meendas, e faz maDeiros os engenhos que
por sua mal collocacio forem pesados, e outras
muitas obras que se dira ao pretendente : a tra-
lar na rua das Cino Pontas n. 114.
Precisa-se de uma senhora de idade, para
tomar conta de uma casa de ura homem viuvo,
com dous filhos : a tratar no caes do Ramos n.
28, prenia de algodao, das 9 h .ras da manha as
2 da tarde
Mez diiloroso
Esta piedosa e uiilissima obra, que desde a sua
primeira pnblicacao tern sempro merecido a pro
tecr^ao dos Exms. Srs. bispos desta diocese, acaba
de sahir em terceira edicao. augmentada, e trazendo
estampada a approvai;a doExra. e Rvra. S'. go-
vernador djb:spado. OsRvms. Srs. vigarics e mais
pessoas que se dignarani a-signa la, tenham a
bondade de mandar proeurar a exemplares cons
tantes das listas que remetteram, no consisiorio da
igreja dos Milagres, em Olmda. A mesma obra se
actn a venda era casa do Sr. Aatonio Baptista da
Silva Picard, na rua da Santa Cruz da metma ci-
dade.___________________________________
AmargeindorioCapibaribc It
Aluga se a casa denomiaada da CanaGstula,
(que f i do Xisto) ao lugar do Monteiro, freguezia
do Poco da Paneila, optima para se passar a festa
pela comni ididade dos banhos, a qual se acha caia-
da e pintala : a tratar na rua do Imperador n. 57,
loja. _________
PreciM-se de uma
nhar : M trtvessa do
to, artBazem.
Ama
a para cozi-
rp-i Sauto a.
Ao
commereio.
Os abaixo assignados, membros da lirma Frede-
rico Pinto iC, art igavel me ate dissolveram em 17
de agosto ultimo, a sociedade commercial que ti-
Bham na loja de fazendas, site a rua d > Marquez
de Oliuda n. 4C ; Qcando todo o activo e passivo
Jo dia atabelecim-ento a cargo e rwpoasalnlidade
do ex-socio Julio de Mello Salgado eoex-socio
Frederico Alves Pereira Pinto livre e desombara-
cado de toda e qualquer responsabilidade lendente
a mesma hrma. Recife, 10 de outnbro de 1871
Julio de Me lo Salgado.
Frederico alves Pereira Pinto.
Nos abaixo assignados, unicos memhros da
firma D. P. Wild & C. declaramos que a alar d
lo de setembro do 1871, se acha dissolvi la ani
gavelmente a soiiedade que en'.re B6s exi-iia, li-
cando todo o activo e passivo da diia tirrr.a a cargo
e responsabilidade unica e exclcsiva du sucio Da-
niel Pancraz Wild.
D. P. Wild.
Albert Kieozler.
E. A. DELOUCIIE
ifi-\\\m doUlarquezdeOliuda-24
15squlna do beeco I.iirs;o
Parlicipa a sens freguezes e amigos que muduu
o sou estabelecimento de relojoeiro para a mesma
rua n. 2'. onde encontrarao nm grande sortimento
de rclogios de parede, americanos, e cima de me
sa, dos melbores gostos e qualidades, relogkis dc
algibeira, de todas as qualida .es, patentc suisso,
de ouro e prata dourada, foleado (plaqaet), relo-
gios de onro, inglez, descuberto, dos melhores
fabricantet, cadeia de ouro, plaquet e prata, lnnetas
de tod?s as qualidades, tudo por precos muito ba-
ratos.
cm.
Aluga-se ou vende-se uma grande casa terrea,
em Olinda, propria para grande familia ; tem gaz
e agua encanada, sila a rua do Aljube n. 31 : a
tratar na rua da Imperatriz n. 86, 1. andar.
Aluga-se o armazem de recolher, do sobra-
do da rua dos Rurgos n. II, por deirz da rua do
Vigario : a tralar com Jose Feliciano Nazareth,
rua da Praia n. 20.
Aluga-se a casa n 31, na Capunga, rua da
Ventura ; o 2 andar da casa n. 3, roa da Penha ;
o pavimento terreo da cisa n. 41, rua do Range! :
a tralar com o proprietary, no V andar desta ul-
tima casa.
*-_5^^
toiil:.
Bpa
atao |il I i tambem puramente vegetaes, nab po-
Icm i os prejudiciaes se poraca60 forem tomaaas
e*i ; liada. 0 pajl que serve do coberta para
tad i Iir cooes minuciosas com relacSo as secuin-
te 0 'P/LLVLASCATBAKTJCASrapi-
da.ii- .- ,i. .. lira a iti/.i^eptla ou Indigestao, JJit-
1'li......' /" I-Ikz, Folia He Appetite, devem ser
roma.. i wderada a fim de cslimular o sstouugo e
rtBta] i r I'uni eSos ?au Pa, .-/,..,,-./.-! do J-igado e suas diversas sjrmptomas
. / UMMi Dor tie Cabeca, Ictertcia, Col*
ieo I ''-.-... .' # ,-hre* JttUosan, farvem se tomar tambero
no:. m .-ado -.ao, para correger a ac.-ao viciada
n r- ; lacjiloa quo a causio.
P ) ,.,;-. ou"Diarrhea, ( geralmecte bastau
|a.Vh | .-...: .u
HHMHtm; Ootta, Arrrta*, Palpitoe&o Ho
"'". "'-. ./, ilhargan ou eoatat, dem er
in .':-.mente, at^ altorar a accao dos orgaos
quo a molcstia disappareca.
- a e inckutXe* Hydrop-icon, e-preciao
until icnte c em jmrcoe- assas grandes para
e.trttii m nm pnrgutivo dra>tfco. ,Conio. Iliurf
J i.'/ir.ou .comiifa, toma-se uma ou dua- ^ara
e ijidar o estomafro. Cma ou n ,.r, nlo, ifctiniulao ou estomago h ohnua-
t que se acha regnlarraente bom, tomando uma
.-. itas pilliilaa so uHara, raiutas veze, a>.HJ-
i ;.-ii.r, p .r r:iziio,qne ellas purificani e reetaurao.q
Dividas da massa fallida de
Thomaz Fernandes da Cu-
nha & C
Jose dos Sanios Oiiveira, arrematante das mes-
mas, previne aos devedoes da dita massa fallida,
que os que na. pagar-m ate 15 do corrente, se-
\ ran puldicados seu- oomes, e eDtregue a seu pro
curednr para scrum eubradas jadiejal: pagar a
rua Duque de C- xias n.. 7i>.
Aiuaa .-e 2 cn-as namio frescas, na'CtpAjga'
.com commodos para familia : a trStar po raesmo
attr a ruaoas Ui^ulan. 5.
Aff nso Jose de Oiiveira, professor ju-
bitadu da cadeira de geographia e his-
toria do ex-liceu de-la cidade, tem de
novo aberto, seu collegio de mstruc^ao
primaria e secun laria na rua da Impe-
ratriz n. 18, onle coutiniia a recelier
alumncs internos, externos e meio pen-
sionislas.
Aluga-se a casa terrea da" rua "ScTFogo h.
50, contendo 3 quarlos e de aluguel mensal dc
28^000 : a tratar na tbesnoraria das l.terias.
Casa para alugar, em Olinda
Aluga se uma casa terrea, na rua da Rica de
S Pedro n. 8 : a iralar no Recife, travessa do
Corpo Santo n. 27, armazem de fazendas.
Precischse
de ura socio q'.ie enlre com um conto de reis ou
mais, para um negncio de muito iuleresse, que
saiba ler e contar, para fora da prQa : a tratar
na villa do Caho, rua do Conde d'Ea n. 18
Carros de luxo.
" E' inquesliooavel que a cocbeira da rua do Bom
Jesus n. 15, de Joaquim Paes Pereira da Silva, e
a que tem as melhores berlindas, calecbes, meias
caleches e Viciorias de luxo, proprias para qual-
quer noivado, visits de etique'.a, bailes, e actos
da academia, sendo o.- mesmos ajaczados de ex-
cellentes parolhas de animaes, arreios luxosos e
i>. lieiros com fardamentos do ultimo gosto, par*
o que se convida ao publico a vir por si mesmo
scii-nlilicar-st da v.-rdade do que deixamos dito,
cert.- s de qae oao encontrarao pomada e sjm raa-'
lidade, e ccmn.odos preQ s
O Monte Lima
lem um corapleto sortimeuto de galao e franja de
ouro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoaduras douradas para official-.-, canutilhos e
enfeiles para bordado. Tambem so eccarrega de
todo e qualquer fardamenlo, como seja :" bonels,
talius, pastas, espadas, dra.junas, cnarlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assim como um compleio sortimento d
ranjas, galao fal-o para ornamento, cordao de ia
com borla para quadros e espelhos (conforme o
gosto da encomraenda) ludo pur muito menos
preco que em outra qualquer parte : na praca da
Indenendencia n. 17, junto a loja do Sr. Arantes.
Aluga-se o armazem d i sobralo da rua D.
Maria Cesar n. 37, prnprio para recilher fazendas
por ser muito espacoso e reedifrado, ou para
qualquer esti-belecimento : a tratar na rua de Do
mingos Jose M rtins n. 48, arnica Senzala-Velha.
Escravo furfdo.
Fugio do engeuhe Ajudante, na freguezia da
Escada, no mez de junlio do corrente anno, o
escravo Martioho, do ri'.r prpta. pnm 9t eonoe
uu hum*), pouco mais ou menos, aiiura e corpo
regulares, olhos grandes e brannos, com principio
de barba, denies prfeitos, cabeitos carapinhados,
p6s grosos e compridos ; anda ura pouco decli-
nado para frenle, cum a vista firmada para o
chao; e muito canlador e official de carreiro.
Desconfla-se que o dito escravo esta occulto em
terras do engenho Para, na freguezia de Ipojuca,
pelo que, incorrera nas penas da lei, quem o tiver
occult). Roga se as autoridades policiaes e aos
capitaes de campo a captura do dito escravo, e
ser cnlrcgae a sea senhor, Emilio Pereira de
Araujo, no referidu engenho, de quem terao a
a paga de 50J0OO.____________
Aluga-se o 2 andar e sotuo du sobrado
da rua do Mangel n. 73, todo reconstruido e
asseiaio, com bastantes commjdos, escada
independente do 1." andar, e bem assim o
quintal; sendo muito fresco e com excel-
lente vista para a nova praga do mercado :
para ver as cbaves, estao no estabelecimen-
to de moihados do mesmo predio, e para
tratar na tbesouraria das loterias com Anto-
tonio Jose Rodrigues de Souza (seu pro-
pri-tario.)
VemltviJe
ana cast ta vile de ftarnwrae, aa tub 4* C*b
niercio, por preco mudko
Iraiaos & C
a tratar
AOS FIEIS.
, A abaixo assignada, tendo mandado vir da Eu
ropa um harmonico para ser collocado no ohoro.
da igreja do N. S. da Graca, aa freguezia do mes-
mo nome, isto com o prodacto de eemolaa qae
adquirio, acoatece que para pagar as direitos dt
tlfaadega Ihe faltem os recursos, par isso vem ro-
gar a todos os lie is para lhe darem uma esmola,
atim de ser appl cada a tal fim.
____________Franceliua Maria da Conceicao.
Escrava fugida.
Josepha r.usentuo se da casa de sua senhora
no dia 5 de outubro e tem os sigoaes eeguiates :
crieula, cor preta, representa ter 25 annos pouco
mais ou menos, tem os dedus da mao direila
cortadoi, levou o taboleiro em que andava ven-
dendo cangica e contimia a andar com o dito ta-
boleiro com toda lonca para nao ser agarrada,
levou saia de chita com um babado estreito em-
baixo, traja caraisa com labiryntho no talbo e le-
vou chales preto : raga se as autaridades poli-
ciaes ou capitaes de campo, a apprebeosao da
dita escrava e leva-la ao Caminho Novo, sitio a.
110, a sua senhora, eu na rua da Cacirpba, pri-
meiro andar, a entregar ao Sr. Jio Francisco
Leite, qae sera generosamente recompensado.
UQUIDACAO
NA
Loja de fazendas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores miudas muito boat para roupa 4>
meninat a 190 e 100 rs. o covado.
La pretas, superior, a 400 rs. o covado.
Alpacas de cores finas a 320 e 300 rs. o covado
So se vendo.
Ditts com Ihtras atertas, faxenda ftna, a 600 n. c
covado.
Chttas de cdret a 240 e 280 rs. o covado.
Mettas de cores m'adas 1280 rs. o covaAo.
Cretones, o nrelttor que ten) vindo ao mercsAo a
400 e 440 rs. o covado
Cambraits bnmeas, bordarhs abertas, fazeod-
mais flna qae tem vindo ao mercado, e (axeaaa
de 2i chmeba.
Ditas pretas -com flores mindas a 260 rs. o covado
Cambraia transpareute, flna, a 34 a peca.
Dita Tietoria, mn, a 44000 a peca.
Organdy de asswrto brtneo e de cores, eca flo
res m'iadts decent e de li, a 400 rs. o covado
E pecbiDcba.
Cortes de ctsemira de cores modernas a 5/100 c
carte ; e fazemta de 81. E' perhineha
Camisas de linho lints, lisas, a 35/ a duzia, e fa
lend a de Hot.
Brim branco de linho a 1/400 a van.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
MadapoUo ftancez verdadeiro, 24 jardat, a f/
7/a peca.
Algodae T, largo e Hperior, a 5/ a peca.
Gurgorto preto 4 eeda para veeudo e para eUu
a 3/ o covado
Tralhas alcochoadas a 4/500 a rhmt
Colchas grandes a 3/500 ama.
Cibertas da gangs, forrtdtt, a 3/.
Lencoes de bramante a 2/ um. _^_
Lencos de linho, abainhadoe e em caixmbas t
3/500 a duzia.
Ditot de caca de cores abainnados a 3/500 a da
zit
E outros maitos trtigos que se veade por dm
not do qae outra qualquer parte e para se d -
So na lorem quciram maodar ver as amostras.
enganajt de
(iuiilHTIIlP & C.
Aluga-se a casa n. 10 A, da llha de Bern-
flea, na Passagem da Magdalena, com commodos
para familia e banho na (rente : a tratar na rut
estrcita du Rosario n. 17, com Luiz Manoel R.
Valenca, que aluga baratn.
Na estrada de Juao de Rarros confronle a
capellinha, aluga-se o grande sitio n. 21. "com mil
palmos de frenle e 2 e tanlo de fundo ;uma ex-
cellente casa com 4 grandes salas, 8 quartos, co
zinha fora e quarto separado para despen-a, um
grande terraco sobre columnas e gradeamenlo de
ferro, estribaria para 4 cavallos, casas pan cria-
d.s e escravos, 2 cacimbas com excellenle agua
para beber e lavar roupa, boa c^sa de campo,
grande numerode arvoredos de diversas qualida-
des de fruca*: quem pretender, dirija se ao mes-
mo sitio, das 6 as 8 da manna ou das 3 f |2 da tar-
de em diaule. ________________________
Aluga-se por pre^o razoavel uma casa na
povoacao do Caxanga : a tratar na rua do rape-
rador. livraria I'aiver.-al, n. 54.
Terrenos proprios
Com 400 e 500 palmos de
fundo
4SOO e 19 o palnao
Continua a relalhar se os grandes terrenos qae
circuudam a estacao da Boa Via gem.
A bua posicao e vantagens gir;ciidas pelo go-
verno e pela companhia da estrada de ferro a
..uem edific.tr proximo a esta estacao, sao bem
conhecidas.
Em todos os domingos e dias sanios podem os
pretendentes dirigir se a mesma estacao, que acbi
rao passoa habilitada para fazer as competentcs
demarcacoes.
Para naojticarem prejudicadas, sao rogadas lo
das aquellas pessoas que encommendaram terre-
DO?, A Virgin ji..,niw u..i'_ tuuiai j.'.-j : UcHuitira
de seus lutes.
Aluga-se
na Torre, 2 casas com commodos para familia
muito frescas para se passar a feita: no porto La-
cerre n. 32.
mmu
ATTENCAO
Precisa-se comprar 4
portas de louro de 10 pal-
mos de altura: nesta typo-
graphia se.dira.
V5NDAS.
Para o fabrieo de chapeos
A NOVA ESPmANQA recAeu o trame propri.
para arraagao de chapeos.____________________
Vende-se duas casas n*. t e 3, sitts a tra
vossa do eies da Deteocao, acabadas de proximo
contendo cada ama 2 sala*, 2 quartos cozinha
fora, quintal e cacimba : a tralar na raa da Praia
n. 23
BAZAR
appa. liio (ii^stivo.
Y
\U\ ^^nisiciio
PKEl'ABADAS POI;
?T. O. Aytx & Ca., Lowell, mass.. E.U.
vi .V1DK SK FOR
I -Veode-se a-eta terrea-i^lr-rHa "dd PadraFle -
riano n. 59 : a trattr na rna do Marguez toHer-
lvalnjj.8;_________
Preci-a se alugar uma preta, prelOr.'u mole.
^be a narua de ChrisUrtio CoioBlrbo:n3, (. andaro
I
Desapparecea rxla egunda vez, da casa de
seus senh ires, no dia 23.de setembro proximo pas
sado, a escrava de nome Juliana, com os signaes
seguintes : mulata acaboclada, r-abellos corridos,
cosiuraa irate los amarrados, cara larga e com
bastantes espinhas, nariz chatu, com falta de den
tes na frente, cheia do corpo, altura regular, idade
25 annos, pouco mais ou menos, levou nas orelhas
uns brineos de laUo com pedras brancas, leaf as
Eernas acinzentadas, levou am chale de merino
ranco esiampado, ja velho, um par de sapatos de
tranca. quatro camisas de madapolao, uma dita de
algodao, qoatro.vesliJos de chita, seodo dous es
euros e d ms claros, tres lenc6es ; algura i desta
roupa levou .a no corpo e o re.-to em uma trouxa.
Suppoe-sa que a dita escrava esteja acoutada em
algura collogi nestacidade, isto ter vindo embar
cada, do Rio G.aode do Nurte, e nao saber estrada
nenhuma para o centro : roga-se* purtanto, a to-
das as autoridades pulidaes e aos Srs. capitaes de
campo.que en .ootrar.a dita .etcrava, de leva-la a
rua Duque le Caxias n. 76,, antiga do Queimado;
que serio-geoerosamepteFecumpeasados.
Direito contra o direito, ou o
estado sobre tudo
Refutacao da- Iheoria dos politicos na queslao
religiosa, seguida da resposta ao supremo tribunal
de justi^a, pelo bispo do Para : a venda na livra-
ria Universal, rua do Imperador n. 54, a 2J. Na
mesma loja se vendetim folheto ultimam?nte che-
cado -Voz do Povono ministerio de 7 de marco,
a 200 rs.
CRIADO.
Um moco de bans coslucics offerece-se para
criado : quem necessiur, dirija se a esta typogra
phia, que achara com quem tratar.
LEIS PRQVINCIAES.
Vende-se no 1. andar desta typogra phia,
em mao do administrado, Colleecfdes de
Leis Provinciaes a 500 rs. o exemplar de
cada anno.
A 120 rs. o covado.
Na rua da Imperatriz n. 60, vende-se para aca-
bar uma grande quantidade de las, restos de di
versos sortimeetos, desde 120 rs. ate 500 rs.; no
tando-se que, quando havia sortimentos comple-
tos, se wii ;i i'ii a 1/280 e 1/600 o covado, ba
grande vari dale em padroes, os que primeiro
chegarem melhor pechmcha farao, a ella a rua de
Imperatriz n. 60.
Grande liquidacao.
de miudezas e chapeos: no novo Bazar, rua do
Marquez de Olinda n. 53.
Aluga-se
Roubaram de 30 de 'setembro para o ama
flhecer do dia I. do-corrente,-arrombaado o agou-
gue da raa do IUngei n 35, e condaziram uma
mesa qae con inha du< tas tinba varios livros do mesmo negncio, papeis
de impartancia. diaheiro-eraais obj*cios : roga-se
a pessoa qae deseobrir o aator do dito roabo, di
rija-se ao mesmo tjougue ; oa a raa Imperial n.
159, que sera generosamente gratifleada.
Aluga-se o armazem n. 35, Flores,,|woufio..gara.it,alrciarii .o.a oajro qal-
43M;eiibfBfecir*Bio : a tratar oa tHa.daJJwfto
tres boas casas em Santo
Amaro das Salinas, sendo
uma na rua do Lima n. 16 e
duas na rua da Fundicao
as. 8 e 10, estao todas caia-
das e pintadak de novo, teem
soteas com junellas na fren-
te e no fundo, sao mui fres-
cas e con^6m todas ellas
[grandes commodos p xa fa-
milia : a tratar na rua do
Lima n. 30.
Vende-se
No escritorio de Thanm de Aquino Fcnceca &
C. Successores, a rua de Vigario a. 19, primeiro
aadai:
Ciraento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Li?boa.
Vinho Sher-y.
Vinho d > Purto em caixas, fioissimo.
Idem era barris de quinto e decimo, tin:.
Retroz.
Fio.
DAS
FAMILIAS
Raa i)ufn de Caxias d. W, A.
Grande queima.
Crram a pechinch i I...
Riquissiraas sa'iidas de baile, de la, para seohj
ra. Verdadeira novidade no inur.do eligint. '
Capinhas de la e seda para seah-ra. Cm*
inteiramente nova !
Excelleflies cachineis de u e .-eda para senbo
ra?, por 5/5(10.
Casaquinhos de gorgirao preto de seda. n-a
mente bordados, pelo diminuto prer,o de 10/00"
Excellenle acquisicaoo I
1 Lai.< '< -> a !'*# llarati-.-inio I
Orosdenaplo preto a i|2C0 o ..vado.
Popelinas de seda a 2/ o covado.
Faia de seda, fazen-la modernH-i na, polo c .
modo preco de. 2JJ00 o covado.
Popelinas de seda, obj>cto da nllima moat, .
IjS o covado I
Dilas de linho com listrts e agradaveis pa-
droes, a 440 n o covado.
Cambraias transpareDt's, fizendt mui lint e d
grande proenra, a 6/500 c 75 a peca.
Alpacas dc seda a 1/ o covado. Grande pechm
cha 1
(iraua linas de cdres com lislras asseiinad.i-
800 rs. o covado. \ ellas emquant< resUra '
Cambraias bordadas a 1/HO o in- iro.
Ricas polinaises, bordadas com esmero, a 38>
cada uma.
Tapeles para sofa, grandes e pequents. Padr -
especiaes I
Ditos para portas.
Ditos part cama.
E outros artigos para homens, imImM
criancas, os quaes artig.-s na-> se menciomm par;,
nao raas^ar se abenevula atteo(a.i dos kitores ^
ieitoras, anianies do bom e do fcarato, e eMha
sia-'tas da grande virlade domeslica a er
mia !
Corram quaato antes a granJe pecbinebz.
freguezes !
Vinde ver, comprar e tdmirar
PARA LUTO
Vende-se chitas inglezas pretas com pintas t
200 rs. o'covado, diia franceza muito Una, tanto list <
como com pintas de 320 rs. pan cima ; cants
preto a 800 rs. e rauito Hno a 1,0"0 rs ; bemba
zinas, princezas e alpacas de todos os preco* .
laziohas pretas lisas de 400 ate 500 ra. ; assim
corao unit grande porcao de retalbos tanto d
chitas preta* como de las, que se veodin rx.r
precis baratissimos ; tambem ama grande porri.
je cliales preto* de las a 1,000 rs. porestaren nm
[Kiuco rusaos : a rua da Imperatriz n. 60. de Pe-
lix Pereira da Silva.__________________________
Para eoncertar meias
A NOVA ESPERANCA a rua Duqae de Cuias
a. 6:3, recebeu desta necessaria linha.
3
Alpacas a 400 rs.
0 Desengano esta vendendo pelo diminuto pre
co de 400 r-1 o covado, alpacas de la e seda, de
lindos padroes, faenda rauio fina e larga, que
sempre se venderam per 1*200 o rovtdo, is para
acabar; a elhs antes que se acab-m : na raa
Primeiro de Marco n. 2o. jnntn a loja da o-nnina.
Alugam-se o andar !< sobrado n. 106,
e os doiis #lTes do n. 108. A rua de Do-
mingos Jose Jjart'ns, todos coneertados.
caiad'os, pintaaos e^dexentementn prepara-
dos paj;a quatflJ^et^fpjjJl- -
cham-se na mesma roa
(Jhapeos para senhora, leques
e punbos, manguitcs brancos e de rdres,
gravata de, seda. perfumaria e cinto de
couro.
Vendem Amaral, Nannco & C, no Bazar Victo*
rii o. 2, rua ao Barlo da Victoria.
Furno'exporte best Sirds Eije
Amaral, Nabuco & C. vendem fumo inglez para
ctchimbo no Bazar 'ictoria, raa do Barao da
Victoria n. 2.
Veode se uma boa armacio por pre^o muito
barali?riuio : oaraa-da Imperttrit n. 19.
(jal de Lisboa novissima
Veode se cm grandes e pequenas por^oes : M
rua Direita n. 14
rx,-..........rw\r
Wi: ^ chajra* flr
n.-9o,lp,vlarw. I
Chocolate doMaranhao
Unico deposito nesta crdad, am casa de Jose"
Tavares Carreiro & C, rua Direita n. 14, onde se
vende pelos pre;os e vantagens da fabrica.
Acaba de chegar a Livraria Pspnlar de Silva
Cardoso & Pessoa, a rua Nova n S9. rerne de livros novos da Ribliotfieca do Jardtm do Povc,
a 400 rs.
Castilhc, Miragens da fdicidade (00
Marco, 0 la<;o de (lores 400
La?jarti.\e, Aotooiella MO
Skivk-tbb, Rc e pobre (Of'
Ponson. 0 Pseto de saairae, 8 vol. 3,100
Fe\ al. 0 jogo da morte, 6 vol. 5,400
Blanquet, Os amores de d'Arlagnaa,
5 vol. j.000
V. Htoo, Os homeas do mar, 3 vol. 1,100
Fkval, A Loba, 3- vol. j.joo
Ponsow, A mocidade do rei Henrique,
volgr. 5 9,0011
Ponson, A segnada mocidade do rei
Henrique, 2 vol. i,0O
Pok&ui, Os dramas da aldeia, 3 vol. 4jP0O
Ponson, Os bastidores do mundo, 3 vol. S.000
SoiiVKSTBB, O rei do mnndo, t vol. 4,000
Gonzalez, Laereoia'Burgia, S voL AjfOO
Escaicn, Wulber aduliera, 4 vol. 6,mj
Drro, Casameato do diabo, 3 vol. com
estampas 4^00
Bit.), A espost mtrtyr,'! toI. 1.300
Rodkiguss, Ettadante e costuraras SjMO
Reis, Umosasaentans proviQcia tJSOO
Uubgeb, Seeqss da vids de Bohemia J.0O0
Vi.vs.na, ReUmpagos, poesias 1,900
P. or Koc. Ceriseta, 1 vol. com estampas 9,000
Flanbebt SaUmbd, S voL ^ 4400
Padub Fbettas, No presbiterie e no
.templo 1,000
Dicc-us.vaw geqgxajhico de Portugal, 3
vol. MHO
Livraaia kfepajtar, S9 raa Nova.
t aide Lisboa
? *
Vende-se ctl de Lisbaa : na prsc* do Cerpa
Santo n. 17, t* anaar. flsertptorio 4a Joaqnhn Ro>
Origies ravares 4iHm.
-*


Diane da fernanibueo Terca feira 1 de Outnbro de lfc74
7
V
>r *

Fazendas e $&&>%,$& &&
nwidarfte-
m
LOJA DO PASSO
Rua IPriineiro de Marco n. 7 A.
ECordeiro Simue* & Ct, proprietaries
deste imporlaote e^tatielecimento, no luuvavei pro-
prosito de nio desmeDtirem o conceita que os
seas Humerosos freguezes Ihes tem dispensado,
acabam de receber da sua conta o mais neo sot-'
umento de sedas, popelinas, las e ariigos de ul-
tima moda em Paris, o contiuuarae a receber
por todos os paquetes daquella procedeccia; por
isso chamam a attencao de seas fregaezes e os
aonvidam a darera am passeio to sea estabeleci-
mento, garantindolhes qua enconlrarao a reali-
dade do quo fica dito, e para prva dao um pa-
qaeno resumo, cajo infallivelmeote despertara a
aliened dog prelendentes.
liandam fazendas a casa dos freguezes, e dao
uuostras mediaute penhor.
Anises lci alia novidadc e
ultima moda.
Cortes de wstido de linbo gnarnecidos de bico
da mo-ma fazenda e cdr, trazendo flvella, bolea,
into, etc etc.
Riquissiraos chapeos para senbora, de cores e
pretos.
Cortes de cambraia brancos com lindos bor-
dados.
r de cores com enfeites da mesma fazenda,
nrino, etc. etc
Capas de la para meninas e senhoras, guarne-
:idas de arminho.
Vostuarios para baptisado.
Riquissiraas camisas b> rdadas para senhora.
Leques de madreperola, para noivas.
Ricas colchas de seda, para casamento.
Cortes de seda, lindas cores.
Gorgorio de seda branca e dito preto.
Sedinhas de delicad^s- padrdes.
Setim Macao de todas as cores.
Grosdenaples pretos e de cores.
Velludo preto e damasco de soda.
Granadine preia e de core*.
Filo de seda branco e preto.
Ricas basquinas de seda.
Casaeos de merino de cores, U, etc.
Mautas brasileiras.
Capellas e manias para noiva.
Camferaia de cores, ditas mariposas brancas, de
eores, lisas e bor Jadas.
Flor do bosquo (novidade).
Percalinas de quadros, listras, etc.
Rrius de linho para veslidos.
Fustao de cores.
Saias bcrdadas para senhora.
Grande sortimeuto de camisas de linbo lisas e
oordadas. para bomem.
Meias de cores para homem, senbora, meninos
t meninas.
Sortimeuto de chapeos de sol para bomens e
senhora.
Merinas de cores para vestidos.
Dito pieto trancado e de verao, bomhazina, can-
io, alpaca, etc. etc.
Atoalbado de liubo e algodao para, toalhas, e dito
oardo.
Damasco de IS.
Brim de linho branco e de cores.
Satins de lindas cores com listras.
Chales.de merino de cores e pretos
Ditos de touquim e ditos de casemira
Can.isas de cbita para hompn- n I'itas de fla-
oella.
Ceroulas de linho e ditas de algodao.
Pannos de crocbet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e ditos de lanyrintno.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
para bailes, e tarlatana de todas as cores.
Colchas de damasco de la, e ditas de crochet.
Esparlilno* li.-os e bordados.
Foulard de seda, liadas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Casemiras pretas e de cores.
Popelinas.
Neste artigo temo* am varialissimo sortimento,
aao so em gosto como em qualidade.
Las
com listras de seda, ditas com pal nas bordadas,
litas tran-parenles e de oatras muitas qualdad-s.
Lavas
de pellica brancas e de cores, do verdadeiro fa-
5ricanie Jouvin.
Finalmenee :
apetes para sofa, cadeiras, cama, entrada, etc..
:ambraias brancas, chitas de todas as qual'dades,
T.adapoioes, esguiaj, bretanbas, bramantes, algo-
I5e3, cullarinhos, punh's, meias para homem e
enhora, punhos e collarinhos brancos e de c5-
-es para senhoras, gravatas para homem e senho-
a, peitos bordadoi, lencos de linho brancos e de
-ores, ditus de cambraia de linho, toalhas, guar-
(anapos, panno fino, etc., etc.
Lnja do 1'asso
Rua Primeiro de Marco n. 7 A
antiga do Crespo.
E' com as senhoras.
A Magnolia, a rua Duqae de Caxias n. 45, par-
icipa a bello sexo qae aeaba de receber da Eu-
- pa, um completo sortimento de artigos de ulti-
ma moda, e como acha desaecessario fazer am
enfadonhu anuuncio, por ja sei bastante eonhe-
:ida, e caprichar sempre em ter bons correspon-
dentes, sendo a prmeira que apresenta o qae ha
de mais moderno e por precos mui razoaveis, por
:SSO limita-se a descrever somentc o segainte:
Settas douradas.
Bicos de cores, tanto de seda como de guipure.
Leque dourados, de madreperola, marliro, tar-
taruga, osso, etc.
iataidus de baiie.
I'reHcnteMi diversos artigos proprios para pre-
sentes.
Qolinlias e punhos.
tiunuai para missa, com capa de madreperola,
tartaruga, marfim, velludo, etc.
Sapatinhos de setim para baptisado.
CamiMatt bordadas para senhoras.
Lisas de seda.
Frnnjas mosaicas.
idcrecoa de tarlaruga.
Voltas de madreperola.
l*uli*eiraS de madreperola.
Lindas flores para cabe;a.
BoIas de velludo.
Pei-rumarias dos melhores e mais afamados
fabricanles.
Cbapeoii de sol para senhoras.
Fitas de velludo de todas as cores e larguras.
Moscas.
Quereis livrar-vos destes malditos inseclos? com-
prai uma raachina de matar moscas por 3000
aa Magnolia, a rua Dujue de Caxias n. 45.
Calvice.
A Magnolia, a ma Duque da Caxias d. 45, ven-
ae o verdadeiro Vigor de Ayer> que impede a
.ahida dos cabelios.
Sardas e panos.
So tem sardas e panos quem qaer; porqae a
Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem para
vender a verdadeira Culicaleria, que faz desappa-
ecer estas manchas em poucos dias.
\proveitem
i
O PARIS N'AMEBIOA, a ma Daqaede Caxias
n. 59, primeiro andar, esta veudendo calcado pelos
?egaint s pretos:
Botmas de duraque para senhora a 3.500 rei.*.
Dit >s de dito preto a 4,000 reis.
Ditas de dito com bol5es ao lado, a 4,000 njs.
Unas gaspeadas, cano alto, para senhora, a
5,000 res
Ditas de pellica, ingleia, a 4 000 reis.
Ditas de duraque bordado, P" senbora, a
5,000 reis. '
Ditas de dnraiue, de cores,para meninas, a 3J.
Em quanto e tempo
aproveitem.
Sardinhas
Beeehea n Baliza, da conta prc*)ria,nma grande
porcao sar uuiias, aa quaes vehde por 8*"00 o
banii, .- i;t i, in J,500 sardinhas, A ellas antes
que le aca wu 11
Grande liquidacao de fazend&s

I'p

N* rum do Vi^ido a t), vende se o segninte :
Cimeota it i-vtUm** em primeira nso.
Viuhodo Porto, .eracraiado, Ciusaimo, aa caJ-
xas de duaa.
N.7.2;-Rua da Imperat ri'z _tt'72/ :'!feiaii
III- Vinbo Collates euxancowu*.
VinJw Collafea eraaacontiM.
11 jr; /^1 p .^ Cera em vefas, de Lisboa.
[\iendes (juimaraes & Irmaos.
de duzia.
Tmdo os proprietaries deste estabelecirr.ento resolvido diminuir o grand sapasilo de fa
zendas, entenderam fazer esta grande liquidajao, camo se ve dos precis abaixo tnancionados :
Chitas lnrgas a 160, 200 e 380 reis.
Vende-se chitas francezas e flnas a 120,280 e 320
o covaio.
LSxinhas a 120 reis.
Vende-se laziohas para vestidos a 130, 240, 320 a
400 reis o eovado.
Chitas para cobertas a 280 reis.
Vende se chitas para coberlas a 280 e 360 reis o
eovado.
Alpacas de cores a 640 reis.
Vende-se alpacas de cores, flnas, para vestidos de
senhoras, a 640 reis o eovado.
Metim de cores a 320 re"is.
Vende-se metim de c6res para vestidos de senho-
ras, a 320 re'is o eovado.
Cassas flnas a' 280 reis.
Vende se cassas francezas. Unas a 280, 320 a 360
reis o eovado.
Cambraia Victoria a 3*000
Vende-se cambrsia Victoria para vesHdos a 3f,
3/500 e -4*000 a pec'.
Cambraia transparent a 2 a 3/000.'!
Vende-se pecas de cambraia transparente a 3/,
3*500, 4< e 5|.
Cortinados a 142000.
Vende se cortinados bordados para camas a 14/'
16/ e 18/.
Ganga amarella a 400 r^is.
Vende-se ganga amarella para vestidos de senho-
ras e roupa parameninos. a 400 reis o eovado.
MAlMklMlHlGK
If* loja do Pavao vende-se madapoloes franca
ze mnito ineorpadea, com 20 jardas a 6.000 r6h.
Brim do cvnaa a 400 re* j ditmuiL> fino com 12 jardas a 3,000 e 3,509; as
Vende se brim uardoe.de cores para oa'cit sim como u griu*4n s-orUmeuto de madapoloe.-
400 reis p cpva,dp: inglezes de 4,500 ate 8,000 e 9,000 : a rua da La
Tnalhas uar& rosto a 700 reis. peratnz rr. CO, de Felix Pereira da Silva.
Vende-se tolhas de finho para rosto a 700 e 800, /T7.i._ '
reiacadanma. |MMMflf para CaMOS
v a t PW^14*64?''*, x- I Na.loja > PuNo vende so colchas de fostio
Veqda^se chales de a de quadr.s a 640 r^.s,clu: branco,.para carsa a 1,500, diUs de dila da eor
es de metim a 11160 reis, chalks da menuo a 4,000, cobertas de cbita a de cretone, de 2.5O0
*!lLa l e marino esUmpados, a para cmae ditas de maiira escarlate forradas com
35600, 4/ a 5/. I msdporib a 5,000 : a rua da Imperatriz n. 60,
Aberturas a 26009. I da Faiix Pweira da Silva
Vende-se aberturas de linbo bordadas, para ca-,-----------------------;------------j---------------
.*2^aii:.a 2* ?3*300- D;tas deal*oilso a 200 a^ ^. Aos cigarreiros
E* com as noivas
A iNQVA KSPEIUNgA, rqa Dsqae da Caxias n.
36, acaba de receber boa- meias da seda propriai
ptra noivas, e os apreciaveis r'amn* de larangeira
Grosdenaples
Venieae- grwdanaple preto, fazenda mnito flna,
e que sempre se vendeu por 3-/500 o eovado, a
1/800 rs.; aproveitem, so 0 Desesgano, a rua 1*
de Marco u. 25, junto a loja da esquina.
Run do Amorjm n. 37.
Presunlos inglezes para flambre.
Queijos lonorinos.
Oatras em latas.
Ovas de bacaibao em latas.
Lagostas em latas.
Azei onas hespanholas em frascos.
Azeitonas francezas em frascos.
Siiur.iuae de Oxford em latas.
Vela* de cera branca da Lisboa.
400 re'is.
Cortes da casemira a 5/000.
Vende se cort'S da easeiniras Unas para calf as. a
5/, 5/500 e 6/
Cortes de brim a 1/400.
Vende se cortes de brim de cdres a 1/400. Ditos
de brim de Angola a l/0O e 2/500.
Cobertaa a 2/000
Vende se cobertas de chitas de cores a 2/.
Colchas a 2/OCO.
Vende-se colchas de fustio para cama a 2/, 3/ e
4/.
Paletots a 3,000 rs.
__ Vende-se paletots de alpaca preta a 3, 3,60
5,000 rs. ;'calcas de casemira preta^e de cote
letes de casamira preta e de cores, e outra s
las roupas feitas haratas e fazendas qae est
qaidaudo no Bazar Maciooal, a rua da Im
lriz n. 72.

--------------------------------------------------------------
Wilson Rowe A L. vendom no sea armax
a rua de Commercio n. 14 :
verdadeiro panno do algodao azoi amencaao.
Excellente fio de vela.
Cognac de 1* qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas aa qoalidadee.
PREDILECTA
A' rua do Cabnga n. 1 A.
Os proprietaries da Predrleeta, no intuito di
jonservar o bom concoito que teem merecido do
respeitavel publico, distinguindo o sea estabeleci-
mento dos mais qae negociam no mesmo gene re
veem scientificar aos sens bons freguezes que pre-
veniram aos seas correspondentes nas diversas par- ,
cas d'Eoropa para lhes enviarem por todos os pa- [
quetes os objectoi de luxo e bom gosto, qae se-'
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes'
daquelles paizes, visto aproximar se o tempo de '
festa, em que o bello sexo desta linda Venexa
mais ostenta a riqueza de soas toillettes ; e co-
mo ja recebessem pelo paquete francez divers o
irtigos da ultima moda, veem patenlear alguns
d'entre elles que se tornam mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a costumada
concurrencia.
Aiereeos de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Albunscom ricas capas de madreperola a da IjUSireSe arandelaS Cie VldrO
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
08
Salsa-parrilha do Pard
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, a rua do Bom Jesus nu-
mero 57.
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA acaba de receber aqnel-
les milagrosos anneis electricos, cura infallivel doi
nervosos.
Chapeos para senhora.
A loja da Passo, a rua Primeiro de Marco n.
7 A, renebea um rico sortimento de chapeos
r aesna boras, prelos e de cores.
A NOVA ESPERANQA vende papel de linbo
proprio pata cigarros. de diversas larguras.
Oeroulas e camisas.
Na loja do I'avao, venrje-se ceroulas frao-
cezas de todos os tamanhos para homem a
1J560O, e ditas de linho a 2&00, 20500 e
38000.
Camisas brancas com peitos de algodao,
fazenda fina e por estarem um pouco en-
xovalbadas a 20i$000 a duzia, ou a 1C800
cada uma, ditas com peilo de esguiSo de
linho a 3JJ00O e 335300 cada uma, ditas
com peitos e punhos de cdr. a 25000 e
28500: a" rua da Imperatriz n. 60, de Fe-
lix Pereira da Silva.
Fentes girafe.
Pentes girafe, proprios para senhora, ( ultima
moda) : a Magnolia a rua Duque de Cax-as b. 45
e so quem tem.
Papai, mamai.
Como sao lindas as honecas de cera qae cha-
mam papai, mamai, choram, andam, etc. So na
Magnolia a raa Duqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolae.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
eeben gaiolas de arame de lindissiraos saodelos,
proprias para passaro* ; a ell is ant.s que se aea-
bem.
Aderecos eompletos de borracba proprios para
Into, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
oitos.
BotSes de setim preto e de cores para ornato da
pestidos de senhora; tambem tem para collets
valitot.
Bolsas para senhoras, existe um bello sortiman-
de seda, de palha, de chagrira, etc., etc., pur
barato pre^o.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louc
como de c6ra, de borracha e de massa ; chama-
mos & attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
poi3 as vezes tornara-se as criancas um pouco im-
pertinentes por falta de am obiectO qae as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para bomem, vendem-se por preco commodo.
Ceroulas de linbo e de algodao, de diversos pra-
i08.
Ciiixinhas com musica, o que ha de mais Undo,
com disticos nas tampas e proprios para presen-
te
Coques os mais modernos e de diversos forma-
tos.
para gaz
Na grande exposigao da ma do Iraperador n.
. 35, junto ao escriptri'o da coropaDhia do gaz, ven-
dem se os mais bonitos e modernos lustres e aran-
delas de vidro para gaz, a-sim como tudo o mais
qae se torna necessano para esse fim, sendo tudo
dos melbores fabricanles que ha na Inglaterra. Os
precos sao mais baratns do qne em outr,a qaalquer
, parte, e com a vantagem aue e o dono do estabe-
lecimento mandar assentar os lustres ou arande-
las no lugar que o coomrador quizer, sem que para,
isso pague alguma cousa. Tambem se compra ou
troca se luslres e arandelas ja usadas, mas que
estejam em estado de poder servir.
O DESEXGANO
Rua Prinieiro do Uarco n. 95,.
janto a loja da caquiua.
0 propretario deste estabelecimento tem re-,
solvido vender suas fazendas por pecos muito
resumiJos, (como abaixo verao) para apurfr
dinheiro :
Hetlna
Vende-se metins de lindos padroas, a 28:"> e 300
Chap6os para senhora. Recfthpram nm sortimento re amostras com penhor.
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
Calcas bordadas para meninas.
Eniremeios estampados e bordados, de lindos
rtflsenhos.
Escovas electricas para dentes, tem a propria-
dade de evitar a carie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, existe um
grande sortimento de divercas larguras e baratc
preco.
Fitas de saria. de gcrgtirao, de setim e de cha-
mp into, de diversas larguras e bonitas cores.
Facbas de gorgurao mnito lindas.
Fi. r- artificiaes. A Predilecta prima em con-
ervar sempre um bello e grande sortimento des-
tas flo'es, nao so para enfeite dos cbellos, como
ambem para ornato de vestido de noivas.
GaJ&es de algodao, de 12 e de seda, brancos, pre-
os ei de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de eambraia e de seda de diversas cores
para sennora.
Ligas de seda de cores a brancas bordadas para
aoiva.
Livros para ouvir missa, com capas de madre-
perola, marfim, 6so e velludo, tudo que ha da
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
belios ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marfim, dsso e dourados por barato preco.
Perfumarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
provida, nio so em extractor, como em oleos
banhas dos melhores odores, dos mais afamados
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosuel e liimel ; sao indispensaveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapatinbos de la e de setim bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Recebea a Predilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de saias.
Vestimentas para, baptisado o que ha de melhor
gosto e os mais moderno recebeu a Predilecta
de or an to preco, para dear ao alcance
iinalquer bolsa.
Grande descoberta
Ourativo das molestias do
peito pelo
Xarope de sulphito de seda
Dfi
a. it. u\i;i
Este importante medicamento que acaba de ser
reconhecido pelos distinctos Dra Zalloni e Paras-
chevas como nm verdadeiro especifico contra a
pbtysiea, segundo provaram nos grande* name
Camltraing
Vende-se cauibraias transparentes, de 2/500,
3i000 e 3/300 a peca, e a Victoria a 3/300, 4/,
4/500 e 5/eOO a.peja.
Alpacas pretas
Vende-se alpacas pretas e muilo finas de 300 a
600 reis o eovado. E' grande pechincha.
' Sladapulues
Com pequeno defeito a 4/000 a peca, dito lim-
po, francez, e inglez a 4/300, 5/500, 6/000 e
6/500. E' baralissimo. AUodaosinho marca T,
largo e fin i de 4/000 a 4/500 a peca. E' para
acabar. Chitas elaras e escuras, a 260, 280 300 e
320 reis o ccvado, ditas roxas mofadas, a 200 reis
o eovado. Cretoncs escuros e de bonitos padrSe a
360 reis o eovado. l.anzinhas de lindos padrSes,
a 200 r&s o eovado Cambraias de cores a 240 e
280 reis o eovado. Aprovei:em antes que se
acabem.
Inn da
Vende-se esta fazenda muito propria para vesti-
dos de senheras pelo diminulo preco de 600 rs.
o eovado.
Brim branco
Vende-se brim branco de algodao, a 320 rs. o
covaJo. E' grande pechincha.
Ciase de sda
Vende-se esta fazenda de lindos padrdes, a
1/200 o eovado, fa.enda que sempre se vendeu
a 2/500 o eovado. Aproveitem.
Sobrccasacas a ISA e l.'.iooo
Vende-se sobrecasacos de panno fino pelo bara-
lissimo preco de 12/ e 45/ ca a um ; e grande
pechincha : a elles antes qae se acabem Cami-
zi.-inhas com punhos e collarinhos, para senhora,
pelo diminuto preco de 2/ cada uma. Meias para
senhora, fazenda muito Una e um ricas caixinhas,
: pelo barato precr de 6/ a duzia. Aproveitem.
Colciias adamaacadag
Venlese colcnas adaraasca las brancas ecom
| barra de cores, muito graodes, pelo baratiss'ino
I preco de 4/ cada uma, fazenda que sempre se
vendou por 7/ uma. A elias antes que acabem
I E outras muitas fazendas q ue se torna enfadonho
| raencional-as, e que so o freguez vendo, podera
cerlilicar-se, e por isso os proprietaries convidam
a todas as pessoas a fazerem uma visita a sen es-
tabelecimento afim 'te convencerem-e da verdade.
RUA PRIMEIRO DE MAR^O N. 23.
Salsa parrilk
Muito nptae grossa.
Vende-se por barato preco, em porcao ou a ra?
talho : na rua larga do It >sario n. 34.
Espartilhos.
Na loja do Pavao, vende-se espartilhos,
dps mais modernos a 3&5P0 e iCOOO cada
um ; assim como bonitos,cintos com lscos
ros de casos por elles experimeniados, como e.vd de setim, a 58000, ejedmhas lavradas com
na sessao da academia de Paris de 24 de marco toque
Paris de 24 de
do corrente anno, encontra-se unicamente no
Deposito da pharmacia e drogaria
de
Barlbolorneu dr. C.
N. 34 Rua larga do Rosario N. 34
Cortes de casimira a 4$, 5$
e 6#000.
Na loja do Pavao, vende-se cortes de ca-
semira para calr;a a 49, 59 e 60000, ditos
muito fin- sde uma s6 cflr com listras ao la-
do, fazenda que sempre se vendeu a 99 e
IOJMNiO, liquidate a 6^000 para acabar:
i rua da Imperatriz n, 60, de Felix Pereira
da Silva.
de mofo a 15JO00 o eovado : a" rua
iJa Imperatriz n. 60, de Felix, pereira dftJ
Silva.
Aos nieaiBo&
A NOVA BSPER,\.NCA, a rua Duque de Caxia*
u. 63, acaba de receber um bom sorlimenta.de fl-
nas bonecas que fallam, que riera se e choram
tambem as tem moda* sardas ou snrdas-mtidas
venhara ver se nao e verdade.
Gorgurao
para senhoras
Como sao lindas e modernas as gravatinhas que
a Magnolia, a raa Duque de Caxias n. 45, aeaba
de receber I
Sedinhas 4- 1$500 o cov do.
Venham antes que se acabem ; na loja do Passe
rua !. de Marco n. A.
Cortinados para camas
Na loja do Pavao vende se nm grande sortimen-
to de cortinados bordados proprias para camas e
janellas. pelo barato preco de 8, 9 e 10,000 rs. o
par, assim eomo colchas de damasco para camas
de noiva a 10 e 12,000 reise pechincha: a
ma da Imperatriz n. 60, de Felix Pereira da
Silva.
12 Rua do Cabuga 12
liquidacao
&9 J'lJM^e, ouro, pr:aVae. pedr.as preciosas.
Ouro delel.
Correntes do ultimo gosto, a oitava
Alfinetes para retrato, cireulado de
perolas
Idem ide,m idem csmcarladas
Idem idem idem robins
Relogios de prata bem dourados, de 15/ a
P.elogios para senhora, de ouro, de 40/ a
Ricos aderecos com pedras finas com
50 0|0 de abate.
Bonitas pulseiras do ultimo gosto com
50 0)0 de abate.
Brincos de phantasia dos mais bonitos
qne tem vindo ao merca 'o, de 15/ a
Voltas com um bonito laco, por menos
do que se vende era outra parle.
Bonitas cacoletas, tanto para senhora
c.tmu para homem.
Anneis de diversos feitios, de 2/ a
Pulseiras de cobra de coral por 50 0,0
de abate.
Tendo o proprietario deste estabelecimento rece-
bido uma grande porcao de joias dos ultimos gos-
los de Pans, e pur precos ja resumidos, participa
a todos o- seus freguezes, bem como ao respeita-
vel publico, que se acha semi re promptp a servir
com toda a exactidao como cosluma; certos de
que passara am recibo, pelo qual fica responsabi-
lisado pela transaecAo.
5/500
55/000
60*1100
65/0 0
30/000
80/000
60/000
20/000
E' economieo.
Graxa glycerina propria para a conservacao do
eordovao; vende a NOVA ESPERANCA, a rua Du-
que de Caxias n. 63.
Ciinlia Irmaws & C.
(^2 Verde superior em quintos.
as Figueira superior em qnintos e decimos as
s Porto fino em quintos, decimos e caixas Ej^
jg Porto fino. (iravatinha azul. sa_
i*^ Porto, para pasto, em decimos.
34Rua da Madre de Deus3i
Cura dos eslreitMiento d urelra
pela facil applicagao das
SONDAS OLIYAES
DE
GOfflMA ELASTICA
As mais modernas e aperfei^oadas de todas
as conbecidas
Ycoderase
NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
34 Rua larga do Rosario 34
E* BOM SARER-SE
Que a NOVA ESPERANCA, a rua Duque de
Caxias n. 63, bem conhecida pela snperioridade de
seus artigos de moda e phantasia, acaba de rece-
ber diversas encoramendas de mer adorias de sua
reparticao, que pela elegancii bem moslra aptidao
e bom go-to de seus antigos correspondentes da
Enropa, e por esta razao a NOVA ESPERANCA,
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e constante freguezia e com especialidade ao sexo
amavel, a visitarem na, a fim de apreciarcm ate
onde toea o primor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer enIrar nonu-
mero dos massantes (verdadeiros aznerins) com
extensos annuncios e nem prelende descrever a
immeosidade de objectos que tem expostos a ven-
da, o que serla quasi impossivel, mas limilar se-ha
a mencionar alguns daquelles de mais alia novidade
e torna a libenade de aconselhar ao bello sexo,
qae a visitem constantemente, para depois que
comprarem em outra qualquer parte nio se arre-
penderem, a vista do bom e escolhido sortimento
que ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
bem demonstra qne qualquer senhora do bom torn,
nao podera completer a elegancia de seu toilet
sem quedeum jiasseioa NOVA ESPERANCA, a
rua Duque de Caxias n. 63, a qnal acaba de rece-
ber os segnintcs artigos de luxo e inleira novida-
de :
Modernas settas pnra prender os cabelios
Primorosos leques de phantasia.
Bonitas sahidas de bailes pan senhoras e meni-
nas.
Interessautes gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de touquim.
Bons aderecos de madreperola.
Delicados aderecos pretos de pufalo e borracha
(gosto novo).
Cura das hernias, pelas fun-
das de borracha.
As melhoros e mais aperfeicoadas das ate hoje co-
nhecidas.
Vende-se
na
Pharmacia e Drogaria
de
larlolomeo A C
A'
34. Rua larga do Rosario 34
Vaccina. Vaccina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Lourenco de Magalbaes,
montado na cdrte um completo servico deste ar-
tigo, tem aqui aberto um deposito da melhor e
mais recente, cujos tubos se enconlram na
Pharmacia e drogaria
A
34rua larga do Rosario 34.
O barateiro!
AT rua 1 de Marco n. 1
continiia veodendo suas fazendas com :Oi/i aacaos
do qne em outra qualquer parle, a .atx-r :
Amazonas, recebemos esla oova fatrnds, coa
bonitos desenhos e corfs fixas. pr^pru para bai-
los, passeio, elc, Me., e vendemos a f-00 r>. o oo-
vado.
Baplisias, temos bom sorUmeato d-sta f..Taa U.
com bons gostos, para 300 e 3t0 rs. o eovado, iea>-
pre cost a ram 400 rs.
Panama, desta fazenda tencs graade porcij, e
por qoerermos dispor del a com pre-leza, vaade-
mos pnr 440 rs. o eovado.
Cretones franreze*, escoros e elrf'S. cr>m boa-
tos deenhos a 300. 360,400 e 140 ; so <;.n.
Popelinas, temos grande sortimento da, muito lindos gosto*. a veodemos M eova-
do, sempre eu-lou 1/600 ; quem dHxara de ci-
prar ? por eerto ningoem.
Chitas elaras e esearas a 210, 260, 28r) e 3t0 ra.
o eovado ; e barato, aproveitem.
Cambraia Victoria com 8 l|2 vatas a .*JOO
peca.
DiU transparente, mnito flna, para 4/0(0, 5/ a
6/000.
Madapoloes para diversas picas a 4/500 e 5/ a
dito francez a 6.
Bramante de linh", duas larguras, a 1/ a van ;
so e barato ; -- elle, a ell".
Brins de Angola, com bons gosios e tttm Bias,
prcprios para roupa da meninos, a 900 rs. o eo-
vado.
Brim pardo tran^ad', fino, a 400 rs. o o-vafe.
Eguiao de linho e alg"da >, -mn 7 j?rdas a
3/500 a peca ; sempre cu-too 4/500
Toalhas felpudas a 6/ e 6/500 a dazia ; atoapre
custarara 8/.
Chapeos de sol de alpaca para scni.rra a 2/ a
barato I
Chapdos de sol de seda para senhor*, rabos de
osso, a 3/500.
Ditos para homem (paragon) 8/oUl, de duas
cores a 9/.
Ditos de alpaca a 3/500.
Ditos de merino a 4/500.
Bolinas para senbora a 4/500 e 5/ 00 ; e #
chincha I
Casemiras de cores a 3/400 o eovado ; sempr*
custon 4/5<0; a eilas, aellasl
Camisas de erel'ne, francezas, sup"e,
2/500 ; quo lindos gostos !
Lencos de linho, abanhado?, em cminhaj, a
3/ a duzia.
Ditos de dito muito finos a 4/500 a du?ia ; so i
barateiro. Sao tin.,s.
Meias para ho i em a 3/500, d Us lin -s a 5/ a
duzia III
Ci 1 has alcochoadas a 3/.
Grosdenaples de core* v. ide, cOr a- r -a, eo-
carnado e c>r de cravo a 9CO rs., 1/ e 1/200 0
ovado ; so aqui.
Selecia a 30/ a peca com 25 vara-, poier.: fiaa.
Aloalhad) para toalhas de meaa a 4/440 a
vara.
Brim br-nc>, exposicao n. 5, a 2/ a vara, qae
boa fazenda.
Grande sortimento de lazinhas, e de aataa no-
vos, a 140, 160 e 200 r. I!!! so na haraivtft,
Brilhantina branca a 400 rs. seovita i :m.
Ao barateiro, ao barateiro !
Alem destes, octros roni'os arig.H. qnt im
mencionamos, mas qne vendemos p .r iiu>iud. precos. Confronle ao arco de SaulJ Antuui -
contrareis sortimento.
Agostinlio Ferreira !%eal A 7.
If BO PARA \FSTIB3S~
Vende se linho liso e arrendad", Raa) s pa Mai
; a 400 rs. o eovado, fazenda esta fM sem, re vtn-
' den -e a I & ; venham a elles ante* M a' aca-
bem : na I ja do Passo, rua Primeiro de Marco n.
7 A, antiga do Crespo._______________________
Liquidacao de roupa ieita
Na loja do PavSo lijuida se orr.a prrrrd''
cao de roupa para bomens e menin s.e->n:'> -fjam:
calcas de casemiras pretas e de C' r.s. para I
os precos e quaUdade* ; ditas de brfa It An-
gola para differentes prefoa ; ditas de brim Ja
cores, pardos e brancos; paletots ear ;.. i-1 -
e fraks de panno prelo c de tmtmtm ia corea
coletes de todas as qualidas, por preens bwa-
tissimos, assim como grande porcao de ea isas a
ceroulas por menos 3 0|n do sea valor <6 para
acabar : a rua da Imperatriz n. 60, de Felix Pe-
eira da Silva.
AlleiifSo.
0 Baliza tem nma grande porcao do milho que
vende cada sacco pelo diminulo prep) de S SiM).
Vende-se
ua rua do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vinho do Porto engarralado, em barris e em
ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa, superior qualidade.
Retroz do Porto.
Cimento Portland, legitimo
Bramante para lenc6es
a 1^800 2#000 e 2^500
Na loja do Pavao vende-se superior bramanta
para lencoes, com 10 palmos de Inrgara, que ape-
nas precisa de 1 vara i/4 para am Uncol, sendo
de algodip a 1,800 rs. a vara, ditp mais en-
Bomdji a 2,000 rs., dito de linbo pn.ro a 2,500 a
2,800 rs.; assim como atoalhados superiores, tan
to de linho como de algodao, porprecos muito em
conta, e pecas de algodaosinho para lencoes e toa-
lhas, tendo de 4,000 rs. para cima : a rua da Im-
peratriz a. 60, rle Felix Pereira da Silva.
So a 43
Rua do Queimadoj n. 43, de-
fronte daPraeinha
E' BARATO 1 I
Organdys branco com lindas listras a 330 rs. a
eovado, aproveitem; cambraia de listras-aojp da
meia noite -a 5* a peca; 6 pecpincba, ja se ven-
deu por. 12/ a peca : venham, venham, antes que
se acabem, so b 43 e^o unico barateiro. DSo-ie
amostras com penhor.
Salame de Lp
A l/00 a libra
aft. na Ajsembiea do Commarcio n. 22,
Coraroercjo, Melra & Lima,
i i __.__ *_________________
rna dc
Laazinhas baratas.
Na loja do PavSo, para liq.idar, vende-ae
uma poigao de liazinhas de cdres para
vestidos, tendo de 320 rs. para cima ; as-
.^iS^W 5Ua tS3P d Mar(J n- i* ec,i sim como dit9 com listras de seda muito
vfnlendo coites de gorgurao prelo para colletes a
2/000, fazenda que sempre rustou 7/ ; a elle*,
WJB mJUl Ka~^ WA o sitio junto a igre-
ja de S. Jose do Mangu nho, com casa de w*nda
assobradada e oatras acommodagoes, todo'mura-
do, com duas frentesrervilas por portao de ferro,
dando para a rua d< Amizade e para a do Man-
guinho. Tem de terreno proprio 194 palmos de
largura e 354 de fundo ; e a ca^a m- de 52 palmos
da frente e 84 de fundo. A situacao e a melhor
Sossivel para morada, e quem quiier edificar, tera
astante terreno para isto, pelo lado da rua da
Amizade. Tem a gumas plantacoes de gozo e re-
creio, bavendo bastante agna fornecida por duas
caeimbas, uo.a das quaes e nova. A entender-se
com o Sr. Dr. Witruvio qu^m o pretender.______
Chocolate hespanhol
muito fino, tem para vender na Assembled do
Commercio, Meir* & Lima, rua do Commercio nu-
mero 22. _____________________________
Cortes bordados.
Vende-se cortes de cambraia, bordados, bran
cos e de cores, pelo baratissimo preco de 5/ cada
am, fazenda que maitos vendem a 10/, e gran-
de pechincha ; a elles antes que se acabem : a
rua do Crespo n. 25, loja do Desengano, junto a
loja da esquina.
Fogao
Vende-se um grande fe-ipo de ton, obra feita
de encommenda, pelo mais habil aili.-ta da cidi.de
do Porto, tem todos os melhoramenii.s eeoaooaieM
para gastar ponco combastivel, serve oar* !-nha
on cok ; sahio ha poucos dias da al'and.-ga, e
vende se por ter sahi Jo com proporcOes muito su-
perures aiue.llas que exige uma ea-a de familia.
E' proprio para e.jtabeleitnentos pins, bo pitaes,
internatos ou grande hotel, tera deaosito d'agna,
fornos, guardacomidas, etc etc. : para ver, n(
caes do Apollo n. 47, armazem de farinha, s psra
tratar, na rua Vejam o admirem
A 500 rs. o eovado.
0 baratniro da rua da Imppratriz n. 60,
vende popelinas pretas com I stras ri~eti-
nadas pelo baratissimo prer;o de50t. rs. 0
eovado. para acabcr.
Lustres, candieiroso
arandelias.
E bonito
As almofadas bordadas de la matlsadas qne re-
cebeu a Nova Esperanca, a rua Dnqne dc
Caxias r ""
Cortes de cambraia
Na loja do Pavao vende-se cortes de cambraia.
transparente, com babadws largos, tanto brancos
como de cores, por baratos precos, por terem al-
gum pequeno defeito : a rua da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira da Silva.
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os segnintea:
Barra,
lr;iilr;a.
e Patricia.
A tratar com sens proprieUrios nesta cidadt
e para inrormacoes com Joaauim Pinto de Mel
relies Filbo na mesma cidade de Hamamgnap*
iesso frmios A C
A empreza do gaz, tendo recebido nil
uma quantidade de lustres, canditir -, ar. na.
globos etc. etc,, tudo obra de gosto e d> pr tmn
qualidade ; acba seem posicao de -npprir a -;uz
fregaezes, por precos men res do que antigif
te. Para verem as amostras, dirijam se a raa da
Imparador n. 31.
A 500 rs. o eovado
Na loja do Pavao vende-se lazinhas p.pnezas
de cores muilo modernas pelo baratissimo preco
de 500 rs. o eovado, para acabar ; aotaado-ae qae
e fazenda qae jamaia se vendeu p >r m.-nrs de
dois cra'ados ; ja hapoocas : a rua da Ip peratrit
n. 60, loja do Pavio, de Felix P^re; :i d-. Sitva.
Laziohas
a 100 e 200 rs. o eovado
Rua do Quoiiuatlo.
Junto a. loja da Magnolia.
E' muito barato !
Grande sortimento de lazinhas de listras e da
quadrinhos a chineza, proprias para vestidos
pt-lo diminuto preco de 100 rs c 200 rs. o eova-
do. So o 43. Dao se amostras com penhor.
- Veudese uma escrava nvca e de bonita
Igura, sal.e cozinhar e engommar com perfeuao
e sem defi-itos: a tratar na rua do Marquez ne
OlinJa n. 57, out-Vra rua da Cadeia, no ajcrip-
turlo dos Sr> Par Antono da >ilva Guimaraes, ou na' villa do Ca-
bo, ma do General Victonno n. Si.
antes i|uk se acabe
Antonio.
eon fronts ao arco de Saoto
I'echincha
Odiloo Duarte & Irmao rec>-beram pelo uliimc
vap >r um grrnde e vanado surtimeuto de coques
de rabeliK bumano. >iu>- ha de mais ihoderno, *
veide se odo haratisimo p'C(;o de 10/ cada om;
a eUes, aul- s qae se acabem.
bonitas a 640 rs. o eovado } alpacas de cd-
res com listras de seda de 040 rs. para
cima : & rua da Imperatriz ri. 60, de Felix
Bereira da Silva,
VENDE-SE
a taverna sjta.a, rua do Ha rim da Victoria n. 61,
JDOlto afreguezada : a tratar na rua estreita dc
loiario n. 40.
Casemiras
Na loja do Pavao vende-se nm grande sortimen-
to de casemiras da, cores e mescladas, tanto elaras'
como eseuras, proprias para cal?a ; paletots e co-1
letes por precos muito baratos, assim eomo no |
mesmo estahelecimentoa se manda fazer qualquer i
obra tendente a alfaiale, com a maior presteza e i
por precos muito raaoaveis : a rua da Impera- ,
trig n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Asunicas verdadeiras
Biehas hamburgaezas rmp vem a este marc*-''
na m do Maran.w liAind> .5
Camisas.
Camisas francezas brancas de algodao flno com
frizo de cor a 2/000 uma, em dnzia a 23/000 .
e pe.ehmcha : na rua do Crespo n. 20 loja do Gni
Iberme k C
All N. ft
No program so do pateo do Carmo vende-se rr. n-
tugiga leza flor a gOQ rs. a libra.______________
Vende-se
no estado,em que se acha o silio no lugar do Re-
medio n. 'ifi, treaaem dos Afog.ido-. em chaos
pn prios, com 349 palmos de frenlf s 658 do, com cacimbae tanq.e para banNos. esianio
a casa em ruinas, tendo alguns arvsredua da
fructo, e a frente para o rio ; os pretcodeut^s Ji-
rijaro se a sen proprietario na rua dc S Fraaci-co
destt cidade n. 10.
Taverna dvencfa
Vende ss a taverna n. 8< da ma do S. Jorge,
em Fora de Porlas, bem afreaUfi-tda e cuin po-
eos funJog, propria pa^a principiauto :' a tratar
na mesma taverna.

\
"l
.



~ *
8
Dibjxq de Pornambttoo Tertja feira IS de Outubro de 18?4.

ASSEMBIEA GERAL
CAMARA DOS DEPUTADOS
REFORM* ELEITORAL.
Emekdas approvadas.
/Couclusao.)
III. fttecutir e deeidir as questois de or-
deu que forem suscitadas por qualquer
membro da mesa on cidaddo votantn da
parochia.
IV. Verifi car a identidade dos votantes,
procedendo a tal res;ieito nos terra os do
17 doste irtigo ;
V. Expedir diplosoas aos eleiloros ;
VI. El)viar ao coll gio eleitoral a que
pert'ncerom os eleilores uina copia autbon-
tica das actas da eteigao, uma igual ao mi-
Bistro do hnporio na cdrte e ao respeclivo
jiresi lento em cada provincia, e outra por
mterraedio destes ao 1. secretano da came-
ra dos deputados ou do senado, conforme
for a eleigdo do eleilores geraes ou especiaes
pa.-a senador.
7.* Ao presidente da mesa da assem-
bles parochial in cum be :
I. Dirigir-se rs trabalhos da mesa ;
II. Regular a diseussao das quostoes que
so suscitarera, datido ou negando a palavra
e suspendendo ou prorogando os trabalhos :
III. Dascmpatar a votagao dos assuroptos
discotidos pela mesa;
IV. Manter a ordem no interior do odi-
ficio, onde nenhuraa autoridade poderd in -
tervir, sob qualquer pretexto, sem requi-
sigao sua, feita por escripto, ou verbalmen
te, se nao for possivel per aquelle ruodo.
J$ 8. Insiallada a mesa parochial, co
megard a chamada dos votantes, cada um
doj quaes depositard na sua urna uma ce-
dula fechada por todos os lados, contendo
taatos nonies de cidadaos elegiveis, quanto*
(wcsponderein a dous tercos dos eieitores
que a parochia deve dar.
Si: o numero dos eieitores da parochia
exreder o multiplo de tres, nas cudulas u
votante addicionard a fraccao aos dous ter
(JOS.
9." Os trabalhos da assemblea paro-
chial conlinuarao todos os dias, coraegando
As 10 bora,3 da raanha esuspendeudo-seds
4"horisda tarde, salvo se a esta bora se es-
liver fazendo a chamada dos cidadaos qua-
lities los de um quarteirao, a qual devera
ficar terminada.
10. A hora em que cessarem os traba-
baibos de cada dia se lavr,:rd uma acta, na
qusl se declared) as occurrencias do dia e
o estado do processo eleitoral, com expres-
ss menguo do numero de cedulas reeebidas
ou apuradas, dispensadas asim as actas es-
peeiaafl da formagdo da mesa e da apungdo
do? votos do que tratam os arts 43 e 49 da
lei -!e 19 de agos'.o de 1846.
Na mesma occasiao dirigird a mesa pa
rocbial umoffieio ao juiz de direito da co-
ir, area, communicaudo-lhe o estado do pro-
cesso eleitoral. Se o juiz de direito resi iir
em outro lugar, de raodo que nao possa re
cebt^r no mesmo dia o oflicio, serd este de
posit.ido na agencia do correio, da qual se
cobrard reclbo.
A acta de cada dia, depois de lida e as
sig.iada, sera publicada.
11 Servird de diploma ao eleitor um
re.su;no da votagao, datado c assignado pe
los membros da mesa, segundo o modelo
que for estabelecido em regulamonto pelo
governo. Recebel-o hao os cidadaos ele-
grveis que tiverem reunido maioria de vo-
tos jte ao numero de eieitores que deve ele-
ger s parochia.
12. E' applicavel aos cidaddos elegi-
veis, que tiverem recebido votos para eiei-
tores, a disposgdo do 5." desteartigo.
13. No acto da eleigdo ndo se almitti-
t& protesto ou reclamtcao que nao seja es-
Oripta e assignada por cidaddo votante da
pcroeiiia. Admittem-se, pore n, observa-
cdei que, por bem da ordem e regulariria-
de dos trabalhos, queira verbalraente fazer
alguns votantes.
Admittidos o proteslo, a reclamacfio ou
as observaQdes, s6 aos membros da mesa
cabe discutil-os e decidir pelo voto da
maioria.
YARIEDADE
Quando extrahirem-se as copias das actas
para os tius declarados no art. 121 da lei de
1 de ag-stode 1816, serSo nella copiadns
os sobreditos protest.*, sob pena de res- { CITY OF LONDON.Um nosso prezado
ponsab.hdade de qaem sem elles as extrahir. I amigo de Londres, obaequiou-nos com um
J> 15. A transposiQio, erro de nome oa exemplar do relatorio das coodicoes sanila-
'0Qt?^^ de "fcoWade no podera" servir rias da City de Loodrts, com respeilo ao
de prefcxto para que deixe de ser admilti
do a voiar om cidaduo que accudir i cha-
mada, apreientar o seu titulo de qualifica-
cfio, cujo numero de ordem coincida com o
da lista geral, e, escreveudo seu nome pe-
rante a mesa, mostrar que a letra e- igual
a da sua assignatura do titulo, ou, nio sa-
isto a media annual (15,8) dos preccdentes essa serie de varoes fortes e
dezannos, e passa muito \im dam*ha ennobreceriin os anuaes
(10,3) do res to de Londres.
virtuosos
anno findo de 18721873, feito pelos oom-
missanos que teem' a seu cargo os assump-
tos desaude publica.
0 relatorio e inieressantissimo, e, nio
obstante nao I he fa I tar uma nolicia sequer
das que deve conter um trabalho de tal ua-
turaa, acba-se ludo n'um pequeno folheto
Deu depussoas Udedigoas que e qualiflcado. imais 14 de interessautissimos mappas, or-
Nos casos de duvida, ex-oflkio, ou a re-; ganisados admiravelmente em limitadissimo
quenmento de tres dos eieitores ou princi-iospaeo.
Mes proprietarios de que falla o art. 2.,! No relatorio nao ha bellezas de estvlo nem
deveri a mesa tomar o voto em separado prolixidade. Os factos sij apresenUdos
com todas as doclaracoes necessarias para com a maior eoucisaoe clareza. Com uma
justilicar o seu procedimento.
CAPITULO III.
DA LLEH.UO PARA DEPUTAUOS A ASSEUBEA
GERAL E MEMBROS DAS ASStMBLEAS LEGIS-
LATIVAS PROVINCIAES.
simples bora de leitura fica o leitor sabendo
o estado sanitario da City de Londres e tu-
do quanto tem relacAo com o assumplo e e
de paolico interesse. E' assira que so es-
creve para o povo lir onde o tempo e di-
nheiro.
Agora, para adrairacAo dos nossos leito-
Art. 4. Na eleicao de deputados a assem-1 res, vamos dizer-lhes o que contem aquelle
blea geral e de membros das assemblers le pequeuissimo folheto.
Numero de nascimentos, mortes e casamen-
tos em 1872 -73.
Proporcao annual dos nascimentos, mortes e
casamentos desde 1844.
bislativas proviuciaes haverd as seguintes al-
tera^Oes :
jj 1." Para deputados d assemblea geral
ou para membros das assemblers legislati- j
vas provinciau, ca-ia eleitor votard em tan-
tos nomes quaiitos correspouderem aos dous
tercos do numero total marcaoo para odis-
tricto.
So o numero marcado para membros da
assembled legislativa provincial for supe-
rior ao multiplo de tres, o eleitor addicio-
tiard aos dous tercos um ou dous nomes
de cidadaos, conforme a fraccao excedente.
2' 0 numero dc deputados d assem-
blea geral de cada provincia, excepto as do
Amazonas, Matto-Grusso e Espinto-Saoto,
quo elegerao tres deputados, e a do Para,
quo elegerd seis, corresponded d respecti-
va populacao, segundo o recensearoento,
ua razao de 50,0Uu babitantes p >r deputa-
do, comtanto que nao excuda ao que actual*
raente cada nma elege, e mais um tercp. A
fracQao superior a 25,0i)0 habitautes, cor-
responderd a um deputado, quanio este este
ja dentro do ten.-o do augmento.
3." Nas p'ovincias em que pelo aug-
meuio de deputados bouver necessidade de
alterar os aciuaes districtos, o governo de-
vera igualal-os em numero de eieitores,
quanto for possivel, comtanto quo as fro-
guezias de um mesmo municipio pertencam
lulegralrnente a um so coltegio e districto.
4." Neuhum districto dard menos de
tres drpuiados d assembles geral.
Nas proviucias em que o numero de de-
putados nao se prestar d divisdo de tres por
dis.rictos, haverd dbtrictos de quatro, e os
eieitores respectivos votardo em tres cida-
daos.
Se a provincia ndo puder dar mais de
eioco deputados, haverd um so districto e-
leitoral, votaudo os eieitores em quatro ci-
daddos.
% 5." 0 numero de membros das assem-
blers legislativas provinciaes terd um aug-
mento proporcional ao dos deputados d as-
semblea geral.
0." No caso do art. 29 da constituicao
pohtica do imperio, basta que o ministro
obtenba na reeleigdo o mesmo numero de
votos obtidos na eleicdo. Nos mais casos de
vaga prevalecerd a maioria entre os vota-
dos.
CAPITULO IV.
qumquenmo nos
14. Os protestos demasiadamente ex-
tends s-rdo simplesmente mencionados, e
nao ti anscriptos nas actas ; mas serao inte-
gralmente transcriptos no livro das actas,
em s^guida a ultima, e a transcripedo serd
enrenada com a rubrica de todos os mem-
bros da rnes*.
POLHETIM
JOANNA
n JOGO BEPA1X0ES.
POR
George Sand.
x. x.)
(TRADUCgaO DE X.
PARTE TERCEIRA
(Co&Unuasdo do n. 232).
I
Finalmente dormi, e, quando acordei,
.-stavi. calmo.
A carta de Joanna tinha ficado aberta so
Lre a mesa ; qaiz le-Ia para readquirir a
conscioncia da minha lucidez n'esse casto e
docfl sentiraento da amizade inalteravel, e
li-s, ^rocurando bem comprehender o al-
can*c '.'esta phrase que me impressionara :
Desulio-te, dizia minha irroA*, que ames
alguem mais do que a n6s, visto como tua
fotiira companheira s6 te dard o futuro, no
entanto que nos damos-te o passado, asale-
grias e dores oil'ridas em commum, uma
vida i>!ieira ttvida em harmonia.
E' verdsde, bem verdade isso, disse eu
de Biim para mim, e se Manoela commo-
veu- e tan'.o hontem, ndofoi sendo porque
ella tambea constitue para mim um pas-
S3do ; uio n de que falla minha irmda, por
que este 6 uma santa ternura, uma solicitude
e uma expans^o de todos os dias, uma con-
fian^a ca ma 6 sjgrada ; mas sim um passa-
do do insomnias, decuriosidade.de despeitos
e des^iotcs.
Ecu quero tornar a soffrer esses lO'men-
tos porque .passei 1 Com que fim ? para
quo t 0 futuro d'essa moca perteoce an
Sr. Brudocl, e de certo o que ella deu d
minb vida de outr'ora nao 6 digno de sau-
dades, visto como cousistio em inocular-me
a doenca moral da duvida, tornando-me
cru't sceptico em amor na idade feliz das
illusoos.
An sem o saber, Joanni disse uma ver-
dade ; tern razio : n3o mais terei crencas,
e, em todo caso, o passado de uma mulher
DA ELEigAO DE SE.NADORES
Art. 5. So a eleicao fdr de um s6 sena-
dor, cada eleitor votard em dous cidadaos ;
sefdr de dous senadores, cada eleitor votard
em quatro cidadaos, eassim por diante.
1." Aorganisacao das mesas paro-
cbia**s para a eleicao oos eieitores especiaes,
a ordem dos trabalho; e o modo de proce-
der d eleicdo dos eieitores, serdo os mes-
raos estabslecidos no cap. II desta lei.
2" Procoder-se-ha d eleicao pri
mana, ou d secundaria, se aquella estiver
feita. dentro do prazo de tres mezes conta-
dos do dia em que os presidentes de pro-
vincias houverem recebido a communicacao
lo presidente do senado ou do governo, ou
tiverem noticia cerla da vaga ; devendo ser
registrada no correio uma e outra commu-
nicacdo.
sera" sempre para mim um como obstaculo
fe ou d coniianra e tranquillidade.
Pensando na angelica candura e sinceri-
dade de minha mai e de minha irmda, no vi
em Manoela senao um phantasms sem consis-
tencia, e d'ahi resultou-me considerar a mi-
nha noite de f^bre apenas como o resultado
de uma simples irritacdo nervosa.
Sabi.e fui estudar hisiona natural nas
ilhas do lo.
Aquolla esplendida regido, toda luminosa,
e em cujos viollaceos fundos as aguas en-
chiam de red xos prateados a base das mon-
tauhas : aquella profundidade limpida, es-
pelho ard'-nte que multiplicava o poder ca-
lnriQco do sol ; aquellas frescas ribanceiras ;
aquelles longos emysteri'sos gemidos das
pequenas vagas, tudo, tudo convidava ao
repouso, d quietacAo, d tranquillidade.
Logo que anoiteceu, e cumprindo-me vel
lar pelo fragil thesouro do meu patrao, re-
gressei d casa, e, apenas tinha comecado a ler
quando ouvi bater d porta, que eu por pre-
caucdo fecbara.
Ju'guei que fosse ainda Manoela, e por
isso pergumei quern era, em torn aspero e
secco, antes de abrir a porta.
Era a criada ht-spanhola, que me disse,
logo.que abri a porta :
Minba ama estd muito doente, e nao
quer que o senhor doutor se incommode.
Prohibio-me ate que lh'o dissesse ; mas eu
ndo posso conformar-me com isso, porque
tambem tenbo uma certa responsabilidade,
e ndo quero ve-la doente sem que o saiba
o medico, que tem tanta responsabilidade
quanta eu.
0 que tem ella ? perguntei tomando a
casaca.
Ndo dormio toda a noite.
Oh I o mesmo me aconteceu.' 0 ca-
lor, os mosqaitos....
Ndo digo que ndo, senhor ; mas ella
nao comeu todo o santo dia.
Eutao & causa e mais seria, e o raes?
mo ndo me'aconteceu.
0 senhor doutor teve bom appetite ?
Um appetite devorador I
Gracas a Deus! disse DoWes, no
mesmo mm em que diria Que animal I
Eu dt-sconfiava dVssa Dolores, cuja pby-
sionomia refollmda iotrigava-me.
Era uma-mulher alia e rnagn, que sem
Casamentos ua cidade, em Londres, em In-
glaterra e no contiutQte.
Nascimentos em cada districto da City, e
em Londres, Ingle terra e no coutinente.
Mortes em cada districto da City couiparadas
com as do Londres, Inglaterra e couti-
nente.
Mortes na City, em cada
ultimos triuta anuos.
Mortalidade do sexo masculino e feminino
na City.
Mortalidade em ditTerentes idades.
Mortes de criancas de menos de um anno.
Iniluencias que affectam a mortalidade das
criancas.
Kffeito das estacoes nos obitos.
Causas de mortes.
Annos epidemicos.
Media da mortalidade annual de doewjas.
Doe in; as entre os pobres da City.
Meteorulogia.
Abastecimeuto de agua na City e em Lon-
dres.
Quantidade diaria de agua abastecida,
Medidas para abastecimeuto constaute.
Trabalho sanitario em 1873.
Operacdes desmfectantes em 1873.
Numero de mortos recobidos no mortuario
em 1873.
Alimentos corruptos e insalubres em 1873.
Retrospecto dos trabalhos sanitarios em vin-
te annos.
Numero de casas inspeccionadas durante
vinte annos.
Metbodos de desinfecgao.
Va lores do apresamento de came desde
1861.
Numero de nascimentos, mortes e casamen-
tos em 1873.
Numero annual de nascimentos em 1873.
Numero annual de obitos em 1873.
Classificagdo dos obitos com relagao d
idade.
ClassificacAo dos obitos com relacdo as esta-
gots e idade.
Classilicacao dos obitos com relacdo a
causas.
ClassificacAo dos obitos por dez annos.
Meteorologia da cidade em 1873.
Calculo do trabalho sanitario em 1873.
Calculo da came apresada e condemnada em
1873.
Calculo do peixe apresado no mercado de
Billingsgate em 1873.
Estatistica dos processos judiciaes era 18-73.
Relacdo dos aeougues na City era 1873.
Relacdo das vaccarias na City em 1873.
E' muito curioso o que se le no relatorio
sobre os casamentos, nascimentos e proces-
sos de desinfeccao. Parece-nos que os nos-
sos leitores gostardo de ler isto e por isso o
reproduzimos.
CASAMENTOS.
Foi de 1,262 o numero de casamentos na
City durante o anno passado (1873), 331 na
primavera, 342 no estio, 332 no outono e
somente 257 no inverno. Os casamentos
estiveram na proporcdo de proximamente
16,5 por 1,000 da populagdo. Sobrepasss
duvida fdra bonita antes de ter variolas.
Sua idade problematica oscillava entre a
de uma criada e a de uma regente ou go-
vernante, e mesmo inclinava-so mais para
este lado, tal era o seu aspecto.
Dizia-se nobre, e que f6ra victima de mui-
tas desgracas de familia. 0 que e certo,
porem, e que recebera alguma educajdo,
visto como fallava francez, italiano e ioglez,
ombora com uma tal affectacdo que torna-
va-lhe a accentuacdo falsa e insinuante.
Eu considerava-a como um espido de sir
Richard e de toda a sua familia, ou porque
quizesse agradar a sua ama, ou porque
quizesse preencher com mexericos as lon-
gas horas que passava em sua companbia.
Erabora me parecesse mui ligeira a in-
disposigao d'aquella que, de mim para mim,
eu continuava a chamar a odalisca, segui a
criada, porque era dever a que ndo devia
subtrahir-me, e ainda porque, n'esse ins-
tante, sentia-me forte.
Encontrei Manoela tomando fresco no
terraco d) seu aposento, e saboreando um
sorvete de limdo.
Trajava um vestuario a capricho, um
verdadeiro costume hespanhol, cdr de rosa
viva, adornado com rendas pretas, cujo cor-
pinho, degotado e sem mangas, deixavam-
lhe o collo a descoberto e os bracos apenas
j velados por raanguitos de rendas pretas, que
: faziam realgar o saiote semi-longo, enfeitado
'com volantes de seda. Tinha os cabellos le-
vantados e entcelacados de rosas, e na mdo
0 leque.
Dir-se-hia ao ve-la que ia para algum
baile ou para as corridas de touros.
A doenga ndo 6 grave, disse eo para
Dolores, que me acompanhava e introdozi-
ra me no aposento.
Manoela deu um grito, e perguntou-me
erguendo-se :
Que pretende, senhor?
Sua sorpreza e descontentamento] ndo
eram simulados. Ella ndo me esperava.
Dolores tinha obrado por si mesma ; e foi
ella quem toraou da palavra para responder
! que ndo tinha querido deixar-me deitar sem
que eu tomasse o pulso de sua ama. E
como quer que comegasse a fallar da sua e
da minha responsabilidade, Manoela, vendo
meu aspecto frio, acalmou-se de repente,
estendeu-me o brago.e, sorrindo, disse-me :
Em t)d-i a In-
glaterra os casamentos sAo de 8,32 por
1,000 da popolaglo, ou justamente metade
do que e oa City de Londres. Na Austria e*
de8,75 ; na Prussia 8,43 ; na Franga 7,79;
na Hespanba 7,55 ; e na Italia somente
7,49. Comparado, todavia, com as grandes
capitaes da Europa, 4 manifesto quo o nu-
mero de casamentos na City 6 notavelmen-
te aaior, e indica tambem o alto grdo de
prosperidade.
NASCIMENTOS.
Os 1,752 nascimentos na City foram :
823 no districto do Este ; 436 no de Oeste ;
e 493 no Central. Estes numeros estdo na
proporgdo annual de 29,5 por 1,000 da po-
pulagdo no primeiro districto, 23,2 no se-
gundo, e somente 16,4 no terceiro. Em
toda a City os nascimentos tem sido 22,9
por 1,000 da populagio, estd abaixo da me-
dia (25,3) nos ultimos dez anuos, e estd
muito abaixo da media (35,4) do resto das
metropoles. Em toda a Inglaterra os nas-
cimentos >ao de 35,3 por 1,000 da popula-
cao ; na Austria 39,9 ; na Franga, 26,3.
A City, todavia, apresenta a anoinalia de
muitos casamentos com poucos nasciment is,
o que 6 devido em grande parte ao facto de
grande numero de jovens, empregados em
Vjas e armazons, deixarem a cidadn logo
que casam, e procurarem resideircia n'ootra
pane.
SOBRE A DESINFECCAO.
Sao tambem adopiados processos de des
iufecgdo em conformidadc com as medidas
da 22" e 23* sessdes do Sanitary Act, 186G
assim como em to los os casos necessarios
para purificar e dosinfcetar os quartos e ob-
jectos contidos nelles, qoando os seus mo-
radores tenham soffrido males pestilenciaes,
eos inspectores teem sbpefintendidopessoai-
mente & desinfecgdo de taee togares. E para
maior soguranga, os arligos de vestuario,
roup.-is dti cama, etc., teem sido eonduzi-
dos para as casas desinfectafites em Golden
Lane, e teem sido desinfedadas coin fbgo e
acido sulforico. Emquauto & doente occu
pa o qu*rto rnfecto o unice* process de
desinfecgdo tern sido pelo livre uso do aeido
carbotirco, e as- roupas sao desiufectedas
com agua quente saturada em acido car-
bonico.
Quando o doente deixa o quarto, e este
immedtatamente desinfectado com o fumo
deenxofre queimado, usando-se onga e
meia do ensofre para o espago do 100 pus
cubicos; e as roupas de cama e de uso,.
ete., teem-sido tarnoem desinfeotadas com-
os vapores de acido sulfurico. 0- processo
segudo para a desinfecgdo tem sido a total
destruicAo pelo fogs- em uma fornalba, de
todos o* objectos sem valor, e o tratamento
dos outros com uma grande e continua d6se
de acido sulfurico em uma sala construida
de proposito para este Gm. Depois disto os
objectos sao expostos-por largo tempo a uma
temperatura de cerea de 250 Fahrenheit
n'um forno aquecido pelo gaz. Os benefi-
cos efieitos destas opera goes foram muito
visivois durante a reseote epidemia das be-
xigas, pois-que pertode 3,000 objectos fo-
ram assim. tratados.
que
portuguoz-s, en-
chendo de assombro o mundo com seus ar-
rojados commettimentos e importantissimas
descobertas.
MAIS VMA GLORIA P0RTU6UEZA.0
Sr.^Ricardo Henrique Major, distincto mem-
bro da sooiedade geographica de Londres,
tendo pelas suas isvestigagOes encontrado
que o portuguez Maooel Godiebo de Here
dia fdra o descobrider da Australia, cha-
mou a attengao do mundo scientilko sobre
esse assumpto. 0 resnltado desse oppello
torn sido o terem opporccido novas provas o
documentos que demonstram que a priori-
dado da descoberta da Australia pertence aos
portuguezes.
No museu de Bruxellas foi encontrado
um importanto documento manoscripto,
que se diz original e devido ao mesmo He-
rodia, intitula-se : Itec/orofao de Malaca e
India, meridional com o Cathoy, em tres
tratados ordenada por Emmanuel de Godi-
nho Heredia, dirigida oS.C. Ii. M. Dt
Philippe,rei de HespanhaN. S-. E. datado
de L613.
Portanto mais um nome illustre appare-
ce brilhanto'OPiite ao lado dos do Gil Kt,li-
nes, Nuno 'daCunha, Gongalo de Cintra,
Tristdo, Alvaro Fernandes, Per nao G mes
Fero de Escobar, Diogo Cam, Bartholomeu
Dias, Vasco da Gama, Gongalves Zarco, Ca-
bral, Magalhdes e outros muitos que focmam
Ei-lo aqui, doutor >. tenha mais este
trabalho, cuja inuVilidade eu propria reco-
ohego ; mas creia que passo bem. Suppo-
nbo que o senhor nao tcrd em que occupar-
se cumljo.
Occupar-rae-hei sempre quo fdr pre-
ciso, respondi ou,e, para coraegar, decla-
ro que a senbora estd com febre..
Dolores sem duvida deixou. de dizer-
Ihe que acabo de dangar com ella uma jota
aragoneza das mais arrebatadas; mas de
certo o meu trajodi-lo.
E a senhora, replicou Dolores, occulta
que era meio da danga desmaiou.
Ndo desmaiei tal ; tive apenas uma li-
geira vertigem, mas ndo perdi os sentidos ;
e este sorvete que me deste restabeleceu-me
logo,
Mas a senhora tera febre, o doutor
bem o ve ; nem dormio a noite passada,
nem comeu ainda hoje. Esta pallid a...
Sempre estou pallida. Vamos, Dolo-
res deixa-me tranqudla. Boa noite, dou-
tor, vd trabalhar. Eu quero ainda dan-
sar.
Prohiba-lh'o, doutor I exclamou Do-
lores com accentuagao pathetica. 0 senhor
ndo sabe quanto ella e caprichosa coraigo,
qudo pouco me attende 1
Tornei novamente o pulso de Manoela, e
notei que acalmava-se rapidamente, e mes-
mo notei que enfraquocia.
Como, perguntou ella, o senhor tam-
bem quer fazer de tyranno comigo ?
Ndo ; dance se quizer ; mas ndo an-
tes de tomar uma sopa. Prometta-m'o.
Obedeco immediatameote, tanto mais
quanto estou certa de que, nao tendo tido
appefte hoje, ndo teve outra causa a minha
vertigem. Vai buscar a sopa, Dolores.
Vou jd ; mas fique o senhor, doutor,
porque ella bem pode desmaiar outra vez I
A senbora e sujeita a essas sincopes ?
perguntei d Manoela, quando Qcamos s6s.
Sou, respondeu ella ; mas ndo foi iss*
o que ha pouco tive.
Devo suppor que a senhora goza boa
sau le, visto que nunca fui chamado a pres
tar-lhe servigos medicos.
Gozo boa saiide, respondeu ella em
torn breve, e, ainda que assim ndo fosse,
Richard ignora-lo hia ; por consequencia
Jo senhor ignora-lo-lm tambem. Escapa-me
EXECUCAO.-Escrevem de Vesoul, Fran-
ga, era data de 15 de setembro;
A chegsda de Roch, executor, causau
grande sensasdo ; era o annuncio vivo da
proxima execugdo do assassino do carteiro
Lambert.
Recordemos o crime cm duas pala-
vras.
No dia 1 de julho passado. foi encon
trado, d entrada do bosque de Vendue, o
cadaver de um tal Lambert, carteiro do
correio em Valay. A victima recebera d
quairaa roupa urn tiro que ihe acertara no
pelto e o fulminara.
Tmbam-lhe revistado os bolsos, revol-
vido o sacco, e roubado a pasta.
A justiga, immediatamente prevenida,
coraecou o iuquerito minucioso. e ndo tar-
dou em descobrir, a algumas centenas de
metros do cadaver pasta do infeliz e uma
espitigjrda descarregida de ha pouco.
A espingarda foi reconaecida como
pertenga de um tal Poisse, min^iro om Va-
lay, e hoD7em de rad uota. Ao tempo da
perpetragdo do crime, havia quiuze dias
pouco mais oo meaos, que deixaraem des-
canso a forja de que tinha a direegfto,
Poisse, preso, negou a princippy, ma
anertado pela evidencia, acabou pot con-
fessar.
A 7 de agosto-, condemnsdo pelo tri
nal de Haute Saone, e, tendo appelladb,
ndo ibe foi aceita a appellagdo.
Pelas t'es iioras da madrugada-, da noi-
te passada, o director da prisao, o carcerei-
ro e o procurador da republica enWaram na
cellula de Poisse e aunuociarara-lhe a triste
noticia.
O comlemnado nao ntanifestou fraque-
za e diste ;
Nos campos de batalha soube affron-
tar a raorte I seberei recebe!-a era expiagdo
do meu crime.
Deixaram o condemnado as6s com o
ministro da reSgido, que depois daquella
resposte, Ihediss^ra:
Humilhoi-vos, meu filbo ; que am
arrepeudimento smcero pleiteiea vossa cau-
sa junto- db Deus,. perante o qua! ides cora-
parecer. EsqusceHudo o quee mundano
para so pensar na salvagdo da alma.
Bern saberes, Sr. que estou promp-
to.
De facto, desde a sua condemnagdo,
Poisse mauiffestara grande arrependimenlo.
Passados alguns- intantes, Poisse foi
conduzido d capella, onde ouvio a missa
com recolhimento.
No fim da miss*', o condemnado seguio
para o sitio onde se Ihe fez o toilette-.
Durante este tempo, o instruroento do
supplicio erguia-se leatamente aos primeiros
clardes da aurora, em presenga de uma
roultidao que augmentava cada vez atais.
A's eioco horas to^o estava prompto.
A's seis horas, menos alguns miautos,
Poisse entrou para a carrnagem fctal ; ao
lado delle estava o padre que o exbortava a
bem morrer.
0 executor e os seus ajadantes iam a-
troz da carrnagem, que foi parar so p^ do
eodafalso.
0 condemnado apoia-se e ajpehia-se
para receber a beng3o. do sacerdote j: na-
quella occasido tdo solemne algumas ran-
Iberes, criangas e homens ate imitam o pa-
ciante, cahem de joelhos e oram.
Poisse levanta-se ;.o executor agarra-o,
.leva-o para o cadataiso e om segundo de-
pois.... o desgragado bavia pago a sua di-
vida a sosiedade.
SAIIDE PUBLICSO eonselho de saude
do cantdo deVaud (Siss) acaba de man-
dar malar 304 bois,. quo depois foram en-
terrados- d grande profuaiidade, em conse-
quencia dodelegado de saude terdeclarado
que se achavam atacados de pcripneamo-
uia. As rezes eram.das pastageos vianbas
d fronteira fnnceza.
Foram dadas as mais severas ordeas pelo
governo francez, afim de impedir qae a es-
peculagdo introduza no departamento do
Jura animaes contaminados, bem como to-
das as carnes verdes provementes daSuissa.
Na acaderaia das sciencias medicas, de
Paris, foram. por distinctos tacultativos, a-
a razdo porque Dolores, qua tantas veesz
me tem visto desfallecida, incommodou-o
por tdo pouco.
Julgueidever interroga-la com insistencia;
ate que emfim ella disse-me s
Pois sim I sim, a vida que levo e-me
c jiitra-ia, e, se n5o acabar dentro em breve,
matar-me-ha. Que quer T Avalie o que
ndocusta a passar mezes inteiros sem sahir
do mesmo jardira 1 Avalie do meu abor-
recimento, quando Richard estd ausente, ao
ver todos os dias as mesmas (lores, e ao pas
seiar sempre pelas mesraas ruas I *'*
E a senhora ndo passeia a cavallo,
juntamonte com elle muitas vezes?
Isso faz-rae antes mal do que bem.
Tenho medo quando monto, quer seja a
cavallo, quer a burro.
E' tiraorata a esse ponto ?
Quando menina nao o era, e pelo
conlrario fuiintrepida ; mas depois do medo
que tive de meu pai, depois das scenas que
Ihe contei... e depois das cajolices de Ri-
chard, tornei'rae medrosa I Que quer ?
quando a gente e muito feliz, torna-se co-
barde.
Eotretanto a senhora zomba de uma
cousa que as vezes e peior do que u.n ca-
vallo ou burro ; a senhora zomba da doenr.a
visto como sente-se indisposta ds vtzes, e
recusa tratar-se.
Ndo, doutor, trato-me ; mas Dolor&
me basta. Quando o Sr. Brudnel estd em
casa ella ndo se inquieta como hoje. Mas e
porque bem sabe que ndo quero que o Sr.
Brudnel tenha sciencia de que vivo suffocada
na minha gaiolla.
Todavia convera que elle o saiba, e
meu dever e comraunicar lh'o.
Mas eu nao o quero I
Que importa isso 1
Ah I pois chegamos a esse ponto ?
Pois bem 1 que importa com effeito ? N6s
nos vamos casar, e meu captiveiro estd pres-
tes a acabar.
A senhora torn certeza d'isso ?
Sem duvida I e o senhor ?
Ndo sei. 0 Sr. Brudnel estima-a
como uma menina, mas ndo parece conside-
ra-la como moga.
Sim, bem osei I mas 6 por culpa d'elle,
porque foi eile quem mo sequestrau d'este
modo e quem me impedio do r-omprchen-
presenladas recenles provas de qae a tuber-
culose do gado vaccom se transmute petaa
vias digflstivas a individaos de outra es-
pecie.
QUESTOES OPERA RIAS. Sabbado da
penultiraa semana comecou em Inglaterra
uma das grevei mais formidaveis que se
tem verificado. Treze mil operarios teoe-
Ides de algodd de B iston, no condado de
Lancastre, acabam de tomar essa deiermi-
n-gao, em consequencia dos patroes sa
negarern a augmentar-Ibes o salano, nesU
occasiSo em que os productos teitis sof-
frera sensivel diminuigdo de prucura DOS
morcados estrangeiros.
Julga-se que esta greve D*o poderd du-
rar mais de seis mezes, apezar dos mpor-
portantas recursos que possuem as diversas
associagdes operarias.
Era execugio da lei sobre o traanrmo dos
rapazes e das raparigas menores, aas raa-
njf.icturas, vdoem Franga ser eslabelecidof
regulamentoa dj administragdo publica, re*
lativo d applicagdo de ueruis disposigoas-des-
sa lei. 0 comiti consultivo das artes a ma-
nufacturas dos operarios foi eucarrogadto de
p.-eparar os regulamentos. Afira de reanir
eschreeiinentos os mais eompletos quoMr
possivel, o comiti julgoo util dingir-se ia
camans de coraergio, as earaaras consoll-
vas do artes e misleres, aos eonselbos da as -
pert, is, aos synlicatos inJustriaes, a OS cha-
fes das fcibhcas e ofiicin is- mais iinportaD-
tes, alira de obter resposta- a urn quwstio-
uario, qoe1 ji publicou e-a Journal. Of-
ficial.
0 comiie publicard depois anv resamo das
respostas que forem dadas w suas par-
guutas.
tJARIBALDt VICTOR UUGO.eri-
baMi aciba de d Victor Hugo ;
Caprera, 8 de* setembro.Me* eharis-
simo Hugo.0 interesse que to.-sou paia
bubscnpgdo para a traduegiu fnueeza da
minha oDra Os Mil; coltoca este pofcroem-
brido da minba penna noviga sob a sua po-
derr.sa e illustre protecgdo. A graihgo-lh-'o
do cora^io, e sou para seaapre, seu> dedU
cado$; tlanbaUi.tr
Victor Hugo respondeu ;
Paris, l>i de setembro.Cbaro Gsribal-
di.A sua carta com-mme-me e sinto- agi-
tar se por si o meu velbo coragio da- ir-
mao. Sia>, o meu amigo e o proprio quo
narra as suas acgoes soberoas; uarra-as d
Italia ; narra-as d Frarwja ; aarra-as a todo
o mundo. Os Mil Serdo gloriosos como
os foram o* Dez Mil; eora-a difierenga de
que elles vencerara e ndo sao illustrados
por terem .-ecu a do, mas- por terem avaaoa-
lo. Como -Xenopbonter o mea amigo fax a
apopeia, e depois de a tar'feito di la ; ma*
o meu cbaro Garibaldi maior que Xaao-
pbonte. Este era a alma da Gratia, o raeu
amigo e a aho* dos povos.Caaro Garibal-
di, abrago-oVictor Hugo.
La France depois da traacrever estas
cartas faz-lbes os seguintes commentaries :
m Correspondoocia de semfe-deases, pro-
pria para ser posta om music* por Oian-
bach. Come se ve Xenophonto viveu para
a posteridade. A sua grande alma ndj
continha secao a alma da lifecia. Quando
muito soube salvar o seu exercito. Gari-
bel Ii nao soub salvar os nossos e preciso
fozer-lhe esta justiga ; mas teat o alma-, dos
poves. Viva Garibaldi t j.
GONFCKBSCIA INrULNACIONAL.Es-
taaMB na epo^a dos congrossos. Ao passo
(; em Londres-o dosorien'.alistas, em Bruxel-
las a Internacional, em Genebra, e nos pro-
prtes saldes-oode um grarnle jury intarna-
cioual resulvia pacifici-uente, ainda ba pou-
co, a questae entre a inglaterra e os Esta-
dos Uoidaa, dando um. grande exemplo ao
mundi-,. celebram-se a* sessoes da coaferec-
cia internacional para applicar o exemplo
do jury arbitral de Genebra a todas-as gran-
des questoes e lutas outre os goveroos e os
povos.
NesU assemblea, de verdadeiros amigo.-
da humanidade, reunida sob a presiJencia
de sir Dudley-Field, contam^e representm-
tes de quasi todas as uagdas da Europa, dos
Estados-Uoidos da America e ate do Jajtio.
der as cousas da vida pratiea. Mas, o que
tem isso ? Se es.ou seriamente doento, pre-
firo ignora-lo. Eis a sopa. Dd-m'a, ddV
m'a, Dolores, que depois d'ella ficarei boa.
Vi-a tomar a sopa eora agilidade, muiia
graga, e aceio, embora sem appetite.
Prometti mdicar-lhe um regimen, de^pe-
di-rae para retirar-me. Apenos, porem,
cheguei ao limiar da porta do aposeoti,
oavi o estridente ruido das castanbalas, e
voltei o rosto.
Ella estava de pe" e n'uraa attitude soberba
tendo o cotovello do brago direito, arre-
dondado, macio e nervoso, levantado i altu -
ra do rosto, e a mdo direita quasi unida a
esquerda, cujo brago, na altura da espadea
forraava um angulo gracioso e elegante.
Velozes como coriscos gyravam-lhe eatre
os dedos as castanholas ; o pescogo e a face
vo vi las d direita, osteotavam uma indisivel
expressdo de nobreza ; e seus olhos, a am
tempo ardentes e severos, pareciam dizer :
de joelhos diante de mim I
lnvoluntarinmente parei.
Jamais suppuzera que essa raocinhadel-
gada, tdoridicula quando trajada de ima-
i. ma, tivesse tanto garbo, tanta fiexibilidade,
e tanta raagestade no dangar 1
Cada paiz tem sua graga especial. A ia-
gleza 6* uma especie de centauro, a hespa-
nhol a Manoela era o typo ideal do passa ro
voando.
Ella oomprehendeu que sorprendera-me
a fasciuagdo, e pois, sem ser de ordinario
garrida, mas sabendo se-lo quando queria,
disse-me, fazendo um signal a Dolores :
Veja-nos dangar. 0 senhor nunca vio
estas dangas. Sdo curiosas, e ndo se as-
seraelham ds suas.
Porque fiquei ? Ndo sei, mas foi am
erro.
Dolores puxara o cordao de ama cam-
painha ; e o negrote logo apos entrou, a,
sera nada dizer, tomou de uma guitarra a
entrou a tocawa;of Dolores enfiou nos didos oscordoes de
seda de um par de castanholas de raarfim,
ao passo que as de Manrela eram de ebano,
e faziam menos barulho.

.

* .
?
'
(Con(muar-ae-/ia.}
IVi' wj 0 A.uu-.iSt A UL'UL'ii Ot i.AlLltS
N


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHYSD552X_2CWSGE INGEST_TIME 2014-05-29T18:39:36Z PACKAGE AA00011611_17845
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES