Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17842


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*.
ANNO L. MJMERO 230
*ARi A CAPITAL B LU6AUH MM !!* 8BPAGA ''
Por tres mines ediauUdoa.
Por sets ditos idem.'
Por am anno idem.
Cada numero avulso
349000
3i0
SEXTA FEIM 9 DE 0LTUBR0 DE 1874
PARA MMTMIimi A PfclOVWCIA.
Por tres mazes adiantadot......... *
Por aeis ditoa idem "
Por note ditos idem.....,
por urn anno idem.....
9TM
. .

tnoM
PROPRlfMDE DE MAHOELFICliEWOA DE FARIA FILHOS
___
fc trt
ra. Gerardo Antonio Ahead Filhoi.np Par*;
fern** & Pinto, no Maranh.o; Joaquim Jose de Olireir. 4 Filho, no Gear.; Art-*, d. Lemo, Br^a no Aracat, ;
Joio M*ria Julio Chre, no kut; Antonio Marque, da Siha. Natal; Joae Juaua*
Parahyb. ; Antonio Jose Gomes, n. Villa^ Penh.; Be'armino do. Santo. Bulclo, em Santo Ant* ;
Domingoi Jostf da Costa Braf a, em fiauretht
tor*, .'itarid.. em Hamanguape ; Carlos Auxeocio Monteiro da Franca. a. ram^sa, ;~ ~- Bahia, A. Xavier Leite d C .
Goyanna: Joio Antonio Machaeo, no Pilar daa Aiaaaap i *" _________________
Antonio Ferreira de Aguiar, em
F&RTE OFFICIAL.
Miutsterio da j uetica.
! seccao. -Mioiteri.. dot taaMtait justica.
Rio de Janeiro. 20 .le *;itW.Ji
Cousultou Vmc. o a -juv.io
do io do cor-
dc
rente, se deve ser eiecutado 0 Bov > regimento dc
eo>la* d-sde a data de so* pab!ica;a>. 001 dep-i>
4e decornd"0 prazo de sil> di j marcado para
a prestaza do t-aballio ao cuidado de ccrater S3
liutia- en uma pagiua.
3' a que aulorisa a insercao las procuray>e3
nas escripturas pnblicas e senten.-as.
E-U inn jv..cao 6 uma reclamagao bam luuuaaa,
purquovema ser urn* garautia das partes nas
escrmtnras publican e urn meio de pieveoir OO
retolVer duvidas uccurrenlcs sob re a competence
das paries nos processos da que as sentenoas
sao extrahidas.
lector do municipio de Villa Bella, por nao |er da-
do no prato legal a nulricula a iugenu* Taeoflo
filha 'la sua escrava Roraualda, assim o corn-
oouoeciraenlo e devidos
ra.
art.
a rW 0
*&&&** **<*. Toregi=
cited., co.l.oaeto do Jjovoraa, ****
*,.r aaWacfc legislate, ob :ga desde a sua pu
bUeacao, poisnsste caso 0 qua regula ,i
materia ou antoreai do acto, mas a forma dalle,
0 assi.u S3 tern sempru proc; lido. .-
D>u-gaardeaVmc-.M de Azevedo. Sr. prornotor lUsal de capellas 0 rci
duos da eflrte. 1Q7,
Senhor.-A leide 20 de setembro de II
M S 6 aulorisou o goveroo imperial
rtsi'ueato das cu-tas de 3 do marco d; WW-
TS coDs,ueneia desta MaW*>
Vojsa alagesuJe Imperial, por av.8o do 0 de oa-
tubrododiio anno, que a-aedto de justtga do
Sto de esta lo, rovcodo o dit regime, to das
cS^rinUassa um orojoeto de regimento, com
M tfterajoes que a pralica Uv;sse aeoeibado.
Para puncher e-te encargo a secso ***
do conselho de estada en 2S do mesmo mez
"BSffSit daB duvidas,uscitadas aobre
actual regimento das ou?u* a traaidas ao co-
^ctoentodo goveroo Imperial, ^mpauhadan
do. respectivos avisos as .,ue UvessetB s.do rcaol-
\Sdas.
2.* Parecercs do
Supremo tribunal de jusuca ;
Relajoes ;
Tribuoaes do commerr.io;
Jniw de direito da corie e capitaes daa pro-
vincias ;
Instituto dos advogaoos
whre ai; "alteracoes e ianovacoa que eonvwase
' A Jo actual regimeiito das custas aoi advogados
uuaodo se nao eonformam com as taxas legae*.
A innovacao que a ecco propoe no art. to e
foi iuiciala pelo instituto dos adtopdos nao ad-
a coaveofao das
adopt"-. ,. ,----------,,3 l87:| foram reinet-
Por aviso de3l de margo ..
lidM a soccao, alein de uma nou das decisdes do
S'roo^mperiHl, os parecares ate es UiPpi aviso de 31 d- d^z-embro do mesmo anno,
IgfS-recebeua seccao oulros pareceres.
rS7Qe nio completMLeute aatUferta. a requ.-
sicio de fe de oatubro do 1371, a secgao de jus-
So conselho d e-tado empreoheada o arduo
trabalbo que Ibe foi commettido, e vem aproseniar
a Votsa Sagesude Imparia. co.no resoltado dello
C PaK mals facil liamb das ionovacoes
..roposus. a seccao as distinguio e escreea com
liau eocaVoada,e nao aUorou a ordem Jas mate-
r-^s e nunviracoes dos arlijjos do actual regiment)
L-Limitada a autoriwgao do goveroo imperial
a simple* revisao do regimento das enstta, e Jr
cocsequencia re-trictam.ale suje.to a *
condicao o enc^rgo da s^tsca-j, nao podia ella tomar
'm cousideracio e atlender no prnjaoto 4wim-
vacoes suscitada^ por alguns **********
trados nos pareceres que lho foram prebentes.
1 A nxacao de ordenalos para os juues e em-
regados da juslica, substituindo-se as eiwtas por
uma so oxada, devida em cada procea o, paga
S7l5JS "r vorsiooada a qoaotta
JeE.nQdrda^o aos Juices pensa a seceio que uma
urovideocia neste sentido 6 reclamada peia ligoi-
dade da magi-tratura, inioapativel mesmj
foi iuiciala pel
mitte seoaj ou a taxa legal, ou
Pa0 *go proposto facilita a convencao permit-
tmdo que qualquer que seja o vlor possa er
ella feita por escripto particular.
Nem o artigo re^tringo essas convenqSes quo
Beam lim* entre os advogados e seus clientes.
Ks^a libfirdade ii uma necessidade emump.it
node'nao ha aaaistenria judicial e tnuitos direitos
ticam perdidos pela impossibilidade de fazel-os
V.' A que prohibe as procuracpes avulsas
deveudo ser lodas feitas nas notas.
Para faciliiar esta provid^ncia, que nao e
jecto pennitle que os tabalhaes lenh.m livros com
(ulnas impressa-.
VI. a que supprime a prisao por custas.
Qaaodo em quasi todos os paizes civilisados a
ptisao civil tem sido supprimida, e urn aoachro-
nisrao mantel-a entre nos desde que se trata dc
reformar uma lei que a oslabetece.
Esa disposicao penal e iniqua, porque poue re-
eahir sobre o homem de boa fe que outra culpa
nao tem senao a de demandar ou rbivindicar o
seu direito, sem ter os meios para fasel-o.
Eoserrosda j-istitja abi estao para mostrar
touitas vezes o triste espectaculo de urn bo nem
preso, alem de ter perdido o seu direito mcontes-
A seccao dos negocios da juslica do conselho de
estado. deixando de justiflcar outras rauitas inn -
vacoes que por si mesmas se recommendara, c se
apoiara na reclamacao dos raagistrados, e pessoas
que foram oovidas sobre a materia, espera que
Vossa Magesude Imperial tomara em consideracao
o trabalbo proposto e resolvera o que for melhor.
Sala das conferencias da secc4o dos negocios
da iu-tioa do conselho de uado, em 13 de junno
do 1874*. Jose Thomaz Nabtico de Aram. -
Visconde dc Jagnary.
iniiuico a V. S para seu co
effeilos.
Ao mesmo. Para o> fins conveuientes corn-
muni :o a V. S. que, seguudo consta do offlcio do
euronel comniandaute superior da guarda naciu-
nal desto mmic.pio, de 0 do corrante, foram dM
peusa los na mesina lata os tambores do 2* oaw-
lhao do inlaaUria Joaquim J so dc Santa Anna e
Joaquim Narciso dos Santos, esto por Iraver res-
cindiJo, e aquelle por ter finlado o seu eogaja-
mento.
Ao mesmo. Para os fin9 conveniaotes cam-
munico a V. S. que em 9 do corrente eutrou no
guao de 3 u.ezes de lken;a o Dr. juiz de direito
interino da oomarca da Goianua, bacbarel Alfredo
Ernesto Vaz de Oliveira, conforme partlcipou em
offlcio da mestna data. .
Ao inspector da thesouraria provincial.
Conforme soliciton o Dr. chefe de policia em olU-
cio de It do corrente, sob n. C09, recoaimendo a
Vmc. que, a vista das relagdas> coutas iiintas,
raande pa.ar ao capitao Antonio Jo*6 de Aodrade,
ou ao seu procurador teneote quartel-mestre Au
tonio Jose de Suuzae Silva, a quantia da ll7foUU,
despendida nos Inezes do uiargo e abnl ultunos
coui o sostento dos presos pobres da cadeia do tcr-
rao de Ouricury. ...
Ao mesmo. -Ao teaento do corpo de policia
Joio Hires Ferreira, que actualmenle se acha em
Tunbaiiba, maudo Vmc. abonar a quantia do 2*
de ajuda do custo de ida e volta ao terrao de Bain-
be, onde tern de exercer o carg de delegado,
Ao mesmo. Pela verba compelente manae
Vmc. pagar a Nascimento & iledeiros a quantia de
1854260 de objectos por elles fornecidos para o
expediente da secretaria desta presiJencia camo
se ve da conta junta. '
Ao mesmo.- Nao haveudo inconveniente,
mande Vmc. a vista do incluso documenlo pagar
capitao. Antonio Jo curadoff* a q lantia da 1I7 K) wnslante. das re-
lacoe* "|B! vioram annexas ao citado olfl;io.
_. A mesmj. D) or lam de S. Exc o Sr. pre-
sideaMJIaproviu'-.ia, commuoieo V. S. que n s-
da(a se itutori Per>-ira Camello a
das conla< quo
de'll de corren-
li
Recife. 0
to, sob ii. 608. .
A > commandant* superior d)
Exm. Sr. presidents di provincia mania accusar
d> omcio de V. S. de 9 do correu
!,,. correu de ter sldo D. Carlos |yras, qu aprjseuta o orf;amento, tirando
ertdo. ,Pira isto 20 milhoes dos cammhoa de fcrro,
%k ^^li^^^. %V^5%V*V ] 12 do nnvos impostos, e 22 dos direitos da
drill. O general Trletany, |fau(j^ga e consumo
ITioverno la provincia.
EXl'KOISNTE DO OI.V 13 DE M.VIO DE 1371.
i.* secqao.
0 pre^ideate da provincia, alleadendo ao quo
rouuereu o coadiuvante de 2- classe do arseaal de
goerra, Joio Pedro Velloso. resolve, de contoruii
dade com a ioformacao do respectivo direct-r, da-
tada de 18 deabril proximo fiod), sob n. oUJ, con-
ceder-lhe dous mets de lieenea com ordenado
para tratar do sua saude.
Ao Exra. brigadeiro commandaote das armas,
-Sciente pelo offlcio do director interino do hospi-
tal militar, annexo em original ao de V. Exc, de
hontem datado, sob n. 333, de haverem os nego-
ciantes Beltrao, Oliveira & C. se recusado a assig-
nar o termo de contracto para o fornecimentt
de
jia oesaria sobre o tbesoar i ,
* 0 numor > setnpre erase nte dess
publico.
0U1CI
..Uil-uiJos pelo the-
aiuda mais crescente soud
sonro. se toraaria inQnito. .
1 a admiuWr^o da \M Beam muito pre-
iuJicada pela inwna do moiloe desses funuima
Sis, qua sem conscieocia dj dever, se esqwva-
t:am do trabalho
Ou
t^nuan
Todav .
.i.i-oidade da magistratura a seceao propoe
SSa constant do art. I8C, isto 6, a probibiS5o
de receberem o- jnizes dlreatamente das partes os
emoiuraeotos que Ines compelem.
A isencao das eamaras mumcipaes quauto
ii'coslaa a que sao obrlgadas pelo art. 7 do co-
ment3 em praca o dito fornecimento.
2.' SfCfoo.
- Aoioi. Je direito do Brefo.-Pa/a eonhcci
mento de Vmc, inclu-o remetto-lhe por wpia o
offlcio que nesta data dirijo ao jail do direito da co
marea de Caruiru, respondeudo a consulla qn
ao padre Joaquim Antonio da Costa Pinto, os van
cimentos qae Ihe competirem na qualidade de
coadjuctor Ja freguszia do Limoeiro, a contar do
! de Janeiro ao ultimo de marco dcste anno?
Ao mesmo.Ao baeturel Joaquim Tneolonio
Soares de Avellar, que ha pouco exerceu intenna
mente o lugar de administrador da casa do dcten-
cao mando Vmc. nos termos da sua informacao de
18 de marco ultimo, sob n. 131, pagar o ordenado
aoe deixou de perceber o effectivo administradur
bacharel Rufino Augusto de Almeida, darante o
tempo em que estevens gozo da n>va licen-;a que
(do foi concedida sem vencimentos.
Ao mesmo. -Sirva-se Vmc. dedarsolucao ao
offlcio da reparticao das obras publicas, relativa
m>-nte aos coucertos que couvem fazer-se na casa
le d^tencao, que em data de 10 do mez de marco
desle anno foi por des^acho desta presiiencia ra-
mettido a essa reparticao para infoimar.
4.' sea-ao.
Omcio; .
Ao inspector da sadde publica.-Uevulvo a^
V. S. os djcamenlos qua acompaobaram ao seu
ofhlio de B do corrente, sabre cojo fTaal tenho aes-
ta data providenciado conveniantemente ; deveudo
V. S. eatender-se com o Dr. cliefe de policia a se-
molhante rospeito.
u." aaceoo.
OQlcios : *.!
Ao eugenheiro chefe da reparticao das oaras
publicas. -Teodo se verillcado quo nao vieram
junto ao orcamento das obras da ponta do Trapi-
cne a competente descripQao e chusalas especiaes,
sirva-se Vine, de remettela-i a esta prosidencia,
alim de serem transmittidas a thesourana pro-
.iacialpara o Dm indicado no art. iV do regala-
meuto da repartigaoa sou cargo.
Ao mesmo -Determine Vmc. aos cngeniiei-
ros dessa reparticao que levaa'.era plaatas das 61-
dades ou villas dos districtos a sea cargo, obsemo
do nellas lodas as regras da boa editkacao e ar-
ruamento, e indicando as alteracoes e modincacods
devein ser feitas para aliohamento e aforuu-
o recebimaulo do offlcio da V. !>, ae a ao wri cu-
te, OTiimuuicando terera s do dnpao*ado. do z
balalha.i de infaotana os tambores Joaquim Joe
deSant'Anna e Joajuim Narciso dos Santos, este
por ter rssoindido. e aquell eonclaido o seu en
gami-oto. i i- o
Ao commandan'e do corpo de policia.-s>
Exc o Sr. presideute da provm:i*, manda decla-
rar a V. S, em resposta ao offlcio de 9 do corren-
te sob u. 207, que nesta data se ant.risou a the-
so'uraria provincial a aOonar ao tenenie d* seu
corpo, Joao Pires Ferreira, a quantia da 12* de
ajuda de cusl,. de ida e volta a Itainbe, OOtte tem
de exercer 0 cargo de delegado de policia
Ao tencnte-coroael presidenta da junta de
revisao da gaarda oaeioial da paraebia de Pao
d'\lh).0 Bxm. Sr. presidente da provincia man
da accusar o recebimeot do offlcio de V. S. de 6
de abril proximo Undo, commuuicando haver na
mesma data eonclaido os trabalhos da junta de
qoalitieacio d guarda na-ioual dessa parocbu.
3.' secgao.
Offlcio: n
Ao inspector da tnesourana provincial. O
Exm. Sr. presidente da provincia manda c.mmu-
uica- a V, S. para sou conhecimanto e devido ef
feitos ma'- regeloria do gvmnasio provincial foi
autorisada em ofikki de 22 de novombro da 1872 a
admittir naquel e instituto corao pensionistas da
provincia, quando h..uverera vagas, os SjMoorw
Pergeuliuo E mlio Ayres, liioo da Carolina Candida
Ayre* Alfredo, filbo do coronel Joao do Hego
Barros Falca >, Alfredo Luiz Bahia da Cuoha e
Luu Antonio Bahia da Cunha, tilhos de Maria Au-
gusta l.iiis Bahia.
4.' MCfOO.
OfBcios: .
ao Dr. inspector da saiide publioa.Da ordem
do Exm. Sr. presidento da i-rovincia, commanic
a V S. ana nesta dali fo. autonsado o inspector
da Ihosouraria de fatenda a mandar pag-r a Au-
gusto Caors& C. a quantia de 330J, em qua Im
portaram as ambalancias reniettidas para as loca
lidades de que trata V. S. era offlcio de 12 do cor-
rente. _
- A.) inspector da ssiiie do porto.-S.fc.xi..o
Sr pre V. S., em resposta ao seu offlcio da 12 do corron-
le, que nesta data se anlorisou o inspector da
thBs uraria da fazenli a maudar pagar a Aagu*lo
Caors & C a qmntia e 102i, em quo unporta
no diversos desiufectantes fornecidos a essa ro-
par*ica'.
*. O ceiaeral Trlstiany,
chefe do estatlo iiaaior de If. Carlo*,
felleceu vlctiiua a'uoaa aUVcc&o
piilmoiuir \h forcN.M rarlkstat* a-
inraram Igualada. e ferain reclsas-
sii'I:sn, tea perdaa baatante con-
aideravela.
lir|%%%1k% ^\^\^\"%\%?
ahla *. O pqu-ie daa Mesaa
Kerias .llariiinaas GIHONUE ehegoo
aqui hoje pela naanha da Kuropa
por Peraamtouco. e saliio a tarde
para o itio de Janeiro. Tanaeena
elaecou pela inantaa o paquele da
eNtna eoiupanbia UENIJOZ i do aul
do imperil*, e aejrulo a tarde para
a Kuropa por Pernambisco. O
vapor VANDYCK sew amanlia.
COMMtStlCIAES.
Loadrea .-A iaxa do deaconto
coatlnua a eer na praca de tres
por eento. Consollilados
FOR ACO UNT. a /8.
leiroa de 5 'A. do
de 3 %
FnndiiM brasi
anno de !".
99 S/ ; ditoa do Uruaiiay de l,
do anno de is? I. a i: ditos ar
gentinos de / do anno de 189 l_
Ml |/e. Merrado de cafe enta
- do
de noje
elciamsc
do trabalho.
os abusos, nio obsuoto a providencia. cjo-
riim, por meio da exttfioes e simulaejos.
davia, de conformidaJg :om o principio da
j. i, (^ m.Hi^ii-iinri :; tAti-Jio oi'ouus a me-
que
dijo do processo, passau J Ul obrigacio para o
3vCom'effeito 6 um dirci.; essencialmenle geral ou
di alcadado poder ger.i a administravao da jus-
tica e o estado que pere ;ae o sello, e a diziraa
da chancellaria, e tem s ,! r de crear outros
imnustos relatives ao object >; e o estado que tem
a hypotheca legal sobre os bens dos criminosos
Sobreieva quo as castas judiciaes, de quo estao
oaeradas =s camaras municipaes absorvem as
.^uas rendas tao exigua-, as .)uaes sao assim dis-
icahidas dos interesses locaes, sendo que era mui-
tos municipios por falta de rendas taes custas sio
nullas, ou illusorias.
Na Franca e outros paizes esse encargo pesa so-
bre o estado.
H A seccao, attendendo a que o actual re-
gimento de custas tem ccr^a da 20 annos de exis-
lencia e nao corresponde as dospezas hojo peces-
sarias para viver honestaraente, entendeu que o
censamento da revisio decrelada pela lei de 1871
nio foi outro seuio a elcvacao dos emoluments
aurcados pelo dito regi n;iito.
Neste sentido eoineidom quasi todos os parece-
res relativos ao projectu.
' A seceio. taxou era geral os eraolnmento.- da3
causas civcis na razao ou proporcio da importan-
cia dellas. m,
Assim que nas cau^s cveis da ineuos de oWJ
o- omolumeutos ao sempre ua razao de nietada
do minimo taxado para as outran causas. Quanto
as causas criminaes, foi uiiatida a regra do actual
refeimenlo, isto e, a na'.ureza dos actos; e ncste
cato a elevacao dos emuiumentos, salvas algumas
excepc5es, e de 50 por 100.
UL Nao e a elevajaj das custas taxadas pela
lei o que vi-xa o desespera os cidadios, que de-
peodem das justigas, m?.s as exigencias lllegaes
dos offlciaes judiciaes.
No sentido da repressao dosses abusos, qua lor-
nariam linatil o regiraeutJ das custas, a seccao
tropoe alem dis providencias dos arts. 181 a I8i
So Jctual regimento, as q te se eonttm nos arw.
16, 62 A, Ci B, 93 A, 102 A, 183 e 184 eracudi-
*f|r*_ Eatre as imwvii5oes propoatas uuanio a
iaxa dos snbrios e emolaroentos sobrelevam as
^BAaue obriga o iaiz a assbtir pessoalmenie
as inqoiricues (art 18). ,
2- A quo uniformisa e eleva a 20 rs. a rasa, aa-
vida aos escrivaes, e rodui a 25 as 33 hnhas ou
regras exigidas para cada pagina.
A uniformidade da rasa e reclamada era muitos
do* pareceres juntos, baseados em que nao na i a-
zio plausivel que auloriso as differencas constantes
do* arts, 113 a (17 do actual regimento.
A reduccao proposta 6 conforme a Ord. Liv. I.
Tit.. 78 i 21, e tem por si a lei franceza e portu-
gue'za.
Com effeito e precis> rajitas vcz;s sacnucar
o mesmo fuera a respeito da presidencia do jury
daquelle termo, quanlo irapedidos o inesmi Wtt
de direito, c o da coraarca do Bonito, qua Ihe hca
mais proxima. .
- Ao juiz de direito do Tacaratu. -Curaprm;lo
aos adiuntos dos promotores puolicos substitui-los
em suas faltas ou irapadimentos, no servico geral
la promot.ria, determin i a Vmc, qle immebata-
mente casse a nomeacao feita a fhlbmo Pinto Ban
deira, visto competir ao adjunto do termo de f ;0-
reita exercer as funccSes de prornotor.
- Ao adjunto do prornotor de Floresta. Km
resposta a- oifl-iode Vrac, da 23 de abnl proxi-
mo Undo, tenho a dizor-lhe que nesta data deter
ralno ao juiz de direito interim dessa coraarca
que casse a noraeacao feiu a Balbini Pinto Ban-
deira, de prornotor publico interino; ficanlo assim
respondido o feu citado offlcio. .
- Ao commandants do corpo dc policia. ltes_
pondendo ao offlcio de Vine, de 9 do corrente, sob
n 208, tenho a dizer-lhe que, estando a correr a
revisao dos juizos os autos da appellagao interpos-
ta para a relacae desta district) pelo cabo Lauren-
lino Lopes da Silva c solialo Joio Jos6 da Silva,
segunda inforraou o conselheiro nresidente daquel-
le triounal om 10 de abril proximo findo. nao po
dem essas doas pracas sersubmettiias a conselh),
como pedera, nem obter o quartel por homenagcra,
como propoe Vmc. ; convinio qua aguardem na
prisao, em que .so achara o resultado da mencio-
nada appellajao, que nao dove fazer-se es. erar.
3.' seccao
Offlcios : '......
Ao iuspector da thesourana de fazenda.
Transmilto a essa thesouraria de fazenda a conta
junta em duplicata, em que importaram diversas
obras feitas no arsenal da raarinha por ordem
desta presidencia para a colonia Isabel, aura de
que V. S. debite aquella col mia ate que o giver
no imperial resolva sobro a despeza So respective
pagamento, que vai ser solicitado.
Ao mesmo. Transmilto a V. S., para os
fins conveuientes, as inclu.-as notas do gaz ousu-
mido durante o mez de abril com a illuminacao
dos quarteis do 2" e 9 batalhoe* de infantaru, de-
posito de recrutas, campanulas de cavallaria e de
aprendizes mil.tares, e be;n assim do hospital mi-
litar. .
Ao mesmo. Aunuindo ao que solicitou o
Dr. inspector de saude do porto em offlcio de I!
do corrente, recommenlo a V. 3. quo mande pa-
ar a Augusto Caors & C. a quantia de I25o00,
em qua sagando a inclusa conta importaram diver-
sos desinfectantes fornecidos a reparticio a cargo
do mesmo iuspector.
- Ao mesmo. Mande V. S. pagar ao nego
eiaate Francacj Percira C.mello, confornie sol.ci-
Iju o Dr. chefe dc policia em offlcio de 11 do cor-
rente sob u. 608 a quantia da 10ai098 em qua se
imado as contas juntas, importou a despeza feita
com os recrutas a deserturcs quo u ttraamente fo-
ram remeltidos para esta capital pelo delegado ao
termo da Bonito, como se ve1 das mesmas contas.
Ao mesmo. Mande V. S. pagar a Augusto
Caors 4 C, sob a respousabilidade desta presiden
cia, se nao houver credito na verba soccorros
publicos- a quantia de 350/ de que trata a inclu-
sa coata, proveniente de ambulancias reraettidas
para Ouricury, Panella3, Agua Preta, Bebenbe e
Ponta de Pedra, conforme declareu o Dr. inspector
da saude publica em offlcio de 12 do corronte.
Ao mesmo. Tendo nasta data, de acoroo
jna
s'eamenlo das ruas e pracas ja traeadas e fan
dadas.
Outro sim, couvem qua Vmc observe aos refe-
rido< eugenheiros quo taos piautis devem ser lira
das sem preiuizo Jo servico a -eu cargo, o cm du
plicali, p-tfa qaa umi seja rametuda a camara
municipal do lugar, e a outra lique ne=sa repar-
- \o llvm. frei Fidelis, director da colonia la-
bel, -luteirado d) quo V. Uv.na. me c -mmamcou
em data da 10 do corrente, relativamente a falta
de madeiras nas raattas desa colonia para as res-
peclivas obras, aut>risoo a mandar cortar a3 que
foram precisas nas uiallas pertencaates ao giver-
no, sitas entre oTomoador e o riacru do Matto.
Portaria: .
0 Sr. gerente da corapani.na pernambucana
fa^a c mduzir para o Rio Gran Je do None por con-
ta "do ministerio da marinha. no vapor que vai para
alii se da relacio junta por copia, os quaes foram remet-
tidos pela intendencia da raarinha com destino a
capitania do portu da|u-.lla provincia. i
ilelacao a quese refare a portaria supra.
Dous la.etes para escaler.
Dons meio* de sola.
Nove rail e quiaheutos gramme) de linna ae
k|fM
Mil quatrocenios e cincoeata ditos do dita mer-
Tres kilogramraos de Bo da vela.
Dezoito brochas.
Urn e meio kilogramme da Dor de ami.
Quinze ditos de seccaote de zincc.
Cincoanta agullias da lona e brim.
Mil estopares
Doze dedae= de repuxo-
Quinze kilogra nraos de ocre.
Quinza ditos aivaiade de ziuco.
Doze croques.
Oaatro latas de linla braoca, duas ditas de dita
preue uma dita da dita vcrde, contendo todas no-
ve rail oitocenlas a vinla a qualro graramos.
Quinze kilogramm de aguaraz.
Uezesseis ditos da oleo de liflbaoa.
Meio barril da aleatrao.
Urn dito contendo quarenta e quatro kilogram-
mos da oleo de luhaca.
Ciucoenta e u n mil oitoceutos e sess^Qta e seto
grammes de cabo de linho alcatroado.
Sete peeas de brim de vela.
Uma barrica de breu.
Um barril de verniz de collar.
Uma peca de cabo de liaho alcatroado com can-
to e tn iU e dous kilogrammos.
Quarenta e dous remos de faia.
Tres caixoes de conduccao.
Qualr) barrica? con duzenia' charaines de
vidto.
RXPBMBilTR DO SRCnGTABJO.
1' $ecQuo.
Offlcio :
Ao capilio do porto.Sua Exc o ar. presi-
dente da provincia, tendo providenciado no senti-
do de seiem conduzidos para o Kio Grande do
Norte, com destino a respeiliva capitania do porto
os objectos constantes da relacao que veio annexa
ao seu offlcio de II do corrente, sob n. 43 ; assim
o manda communicar a V. S. em resposta ao ci-
tado offlcio.
Offlcios : ...
Ao Dr. chefe de policia.-S. Exc o Sr. pre-
sidente da provincia, manda communicar a V.
S em resposta ao seu offlcio da 11 do corceu-
te, sob n. 609, que nesta data foi autorisado u ins-
pector da thesouraria provincial a fazer pagar ao
OSSPACHOS DA-FdBSIOBNCIA, DO DU / 0E 0LTUBR0
d;: 1874.
AatmioJoaquim dos Saaloa. Passe portaria
concedendo a licenpa pedida .
Aureliauo Augusta da Vasonpellos.Indeferido.
Autonto l'.i.ladelpiio Pereira Datra.-Passe por
taria con;edendo trinti dias de lieenea, para o rim
reqaerido. ... 0
Claudiua Maria da Eaearnacao.-Inirnw o ar.
Dr. cbefo de policia.
Companhia Santa Tbereza. lufor-ne a supidi
canle quern auti;risou a fazer taes despezas.
Francisca Miria daCon:aic.ii. Informe o sr.
Dr. chefe de policia. .
I'iellau Brothers. -Defend > com o odlcio desta
data ao Sr. inspector da thesoararia dc tazenla.
Os mesmos. -Deferido com o offlaio desla data,
ao rir Inspector da tiiesoiiraria de fazenda.
Ciuselbeiro Franci*co d; Paula Baptiata. -lnfor
rae o Sr. inspector da tliesouraria de fazenda.
Felix Jose d-! Saoi'Anna -Informe o Sr. iuspec-
tor do Ihesouro provincial.
Idalina Corleiio da Silva. -Fa? pmneiro a pa-
ticao de grace, depois do ijaa sera atteudida.
Jose Matia Frelre G.imeiro.informe o Sr. ins
pector do ihesouro provincial.
Jose Galasans Rufo Duarte. laforrae o sr. Ui
inspector gr.)l la in*traeoto pablica.
Joan Baptists do Bjg.i.Indefendo.
Capitao Jose Francisco Pereira daSilva.-Sea
aggregido ao 3. bataihao de reserva da guarda
nacional deste municipio.
Luiz Francisco Teixeira. Forneea-se.
Mi-a'-l Jose dos Santos.-Indefendo.
Manoel Kelippe do doute. -Deferido nos termos
da ioformacao *> inspector da instrucrao publica,
de 3 do correuto. sob n. 2o2.
Rita Francisca dos Anjos Chacon. Deferido
com offlcio desta data, ao inspector da instruccio
publica.
a
ariue ; wendframse mil saeeas
lavado do Rio de IO a I03/S. e tre
Aentos e olsensa aaccoa do born qr-
dinurio do Bio a SO/ por cwt. Mer
cado de aaaiscar quieSo o eaaeea-
vado born de Pernambuco n. 8 a
eg? par cwt.
New-York Y.-Cambio aobre i.on-
drca *-S5. Oaro lio 1/1. Carrca-
ntentoa de cafe do Rio PAIR a 17 1/4*
e otWD a 19 3/-* cknts por libra. AI
Kodao nsediano uplands a IS !/ CBNTS
por libra t a* cliegadaa
aoa portos anterlcanoa
a deaoiio rail rardoa
Liverpool .- !fo mereado de al
godao onVreccmae rrancamente
portidas de lodas as qnalldades i
venderani se boje vinte mil fardos.
tendo daua mil e aeiseentos de pro-
cedencia da America do ul J o
fair de Pernambuco e de Wanlos a
8 d.. e o de Mac16 a 7 / d. por
libra. Mereado de assucar quietoi
o bom amerieano de Pernambueo
m 1*1. o maeeavado purgado a */
e o escolbido de Maceio a */.
Antuerpla *.-Oa precos lo mer
cado de care suslentam se.
Hamburg.) H. Mereado de cafe
qaielo t venderam-se hoje dous mil
'hmw t. iSiercado de caf6 Hr
met venderam se boje tres mil e
trezeuSas saceos.
Rio de Janeiro .-Cambio sobre
l.ijiKlres S l/ *. bancario, elll
3 4 d. particular. damblo sobre
Paris 3BO reis o franco, apolicea
ceraes a liOIOSOOO. Accdes do
Banco do Brasil de *51000 a
asssooo. ,
H a Ui.i H. Camblo sobre jfjondres
SO /H d. bancario. e Se 1/8 a *
5/9 d. particular. Camblo sobre
Paris 358 reis o franco.
Lisboa 8.Sabio hoje para o Brasil 0
vapor francez VILLE DE RIO.
Liverpool 7. Assucsr : mereado firroe ;
veuderam-se 1,000 saceos da Bahia a la 1/i.
Londres 7. Consolidados 9i 7/8. Fua-
dos brasiloiros 100 ; ditos argentin'os 87 ;
dit-)s orientaes G55. Cafe : tem bavido pro-
eura ; o do Rio de Janeiro bom e de pri-
ineira qualidade, do 90 a 94 ; o de Sfgun-
da, de 82 a 84.
.New-York 7.Cafe bom do Rio de Ja-
neiro 17 1/4. AlgodSo median) 151/8.
Antuerpia 7.Cafe: vendtram se 3.500
saceos ; o do Santos, trazido pelo HEBE,
foi vendiilo a 77.
Uavre 7.Cafe : vendas de boje 8,400
saceos ; precos inalterados. Algodto : nio
sollreu alterar^ao, venderam-se 500 fardo?.
Liverpool 8 ds 6 b. e 30 in. da tarde.
Alg-idao de Pernambuco 8, d> Ceari 7 1/4,
de Santos 8. da Panbyba 7 t/2, de Ma-
cei6 8, de MaranhSo 8 1/2 ; vendas de ho-
2,000 fardos de proeeJr-neia brasileira.
Londres 8 as 5 b. da tarie. oasolida-
dos 92 7/8 ; fundos brasileiros 100 ; d;tos
argentinos 92 ; ditos orientaes 05. Cefe,
eotar^oes nomiuaes.
New-York 8.-CafcdoKio 17 1/i. Al-
godao mediano 15 1/8.
Havre 8 ds 5 b. e 40 m. da tarde.Ca-
fe : venderam-se 2,000 saceos, sendo 1,100
do Brasil, o do Rio de 90 a 91, e o da
Santos a 90 a 97. Algodao: mouta-
ram a 800 fardos as vendas dc hoje, o do
Pernambuco a 94 e o de Sorocaba a 90.
Couros: Grme, ha procura.
J"
(agencia AUERICAMA
Buenos-Ayres 5 de outubro. A situacao
nao molhorou ainda. Corre que o Dr. Alsi-
ua vai publiear um manifesto desistindo do
cargo do governador da provincia de Bue-
nos-Ayres. Se assim succeder, tori o l>r.
Quintana do assutnir interinamento o go-
veroo. Continua a erise commercial ; as
iransaccdes estao total mente paralysadas. 0
general Gainza rocusou o commando do
Foi Dreso Pascoal Rosas.
RECIFE, 9 DE OUTUBRO DE 1874.
O Melboramenlo do Porto de
Recife.
XII
No cap. Vill da sua memoria o Sr. Fouruie pre-
curou tomar em consideacaoorio CapibanOe sot
o ponlo do vista das cheiis, que tantos pre-
jjizos causam, quando occorrera era c ndicoes
anormaese oxcepionaej.
Em lal materia. porem, forga e deer que oe-
Lubum paseo amarftou o il'.Uslrs eoijcutt'iro, nem
i-solbe era possivel faier, tendo apenas tres ma-
zes do residoocia era Pernambuco, quando escre-
veu o seu excellente opusculo sobre 6 porto.
Minorar os males das cheias dos rios, eAbngni-
los mesmo, e problema muilissimo complicado e
ilifflcil, e que, em todo o caso, demanda cstddoa
prolongados sobro os rios era rjuestao, icnlo por
base obervacoes hvtlrolojilcas e meteorolugicas.
Fallaudo Ihe es-es estudos, falleceodo lUo essas
observances, claro ti que o Sr. r'ourme na podia
solver o problema da; innundacoes do Capibaribe,
mas sim aconselhar algumas moJidas preMmioa-
res, no mtuilo de proleger contra a inva-ao das
aguas alguns lugares exp'St.s acs seus pernicio-
sos effeitos, e bem assim prescrever os nocessanos
cstudos e obaervacoes, quo de (atnro sirvara de
ponlo de partida para a > lucao pedila.
Referindo-se a memoria do Sr. engenneirobai-
vao Filho, de 31 de outubro de 1870, o Sr. Four
nio toruou pab-nte t|ue esse engenheiro vio-se a
braces com difficulladcs analogas, e u alii chegou
a esta conrlusao :
a Oseleraeutos fallsram-lhe, polf, para um es-
tudo serio acerca de tao difflcil objrcit", mais cora-
plexo arada do que os propnos trabalbos niarili-
raos, c elle nao ensegmo senao rt^lerahrar em
termos muito geraes as diversa.- Bolucoea propos-
ta- para pdrem termo as inauadacSes dos nos.
Suas couclusoes sio apenas um prgramraa
e"Chil' ft b\ikhnrw da uauha. -CbeM-l para"noVos estuios, que deverao ter por base uma
Bahia 8 .is 8 boras da "ai..ia. uieg. ub.ma(.-e. nyarj|g,cas e meleorol gt-
ram boje, o paquete lrancez UUiU.yun, I eaj e.,ntiima:i em uma diuia de pen tos da bacia,
orocedente d'Earopa por Pernambuco. e o ^urullte dez annos pelo menos;
Upor nacional MABQUBX DECAXW
e o
por nacional .hiivjcl.^ uu u->waS,
yindo do i'emambuco por Alagoas e Ser-
gipe.
Rio
8 as
9 h. da manba. Sabc boj-
(oiumauili) superler.
JUARTEL DO COMMANDO SUPERIOR DA GUARDA
NACIONAL DO MUNICIPIO DO RECIFE, 3 DE
OUTUBRO DE 1874.
Ordem do dia n. 165.
Para sciencia e exeencao nos corpos sob sou
commando, raandi o Mm. e Bxm. Sr. brigadeiro
couraaodaiilo superior fazer publico que S. fc.xc.
o Sr commendador presidente da provincia, por
por portaria de 17-do mez proximo lind ., dosig-
nouo3. batalbao de inlanuria para a elle ficar
agereaado o Sr. alferes da 3.1 corapanbia do d9.
bataloao do municipio do Cabo, Manoel Rodngues
Qua por outra portaria da 20 do mesmo mez, o
mesmo Exm. Sr. comraendador coucedeu guia de
passaeem, nos termos do art. 45 do decreio n.
I 130 de 12 de marco de 1853, oara o municipio
de Serinbacm, ao Sr. alferes porlabaoJeira do .'
batalhao do serrtjo da reserva, Luiz da Veiga
Rodoloh-J Joao Barata de Almeida.
Coronel chefe interino do estado-maior.
Mi\MMM*>*>}x
( AGENCIA TELEGRAPHICA OAVAS REUTER.)
Buenos-Ayres 1
de outubro. DI
versos ministros reslnaram sens
< arson. O r. Afellaneda declarou
que vai publlcar um manifesto re-
slgnando o cargo de presidente a
RepuWIca Argentina. naUa-eeque
era o Hr tlnintana quern smudii
ra provisorlamente o cargo de pre
sidente ate que se proceda aa no-
vas cleicdes. O goerno de aiuenos
Ayree empreaa todos os esforcos
P^rarortlSca? tods osaomo.es
tratesleos. As forca. dee lisear-
gentes acham-se acampadas em
Cannelas. Orande numero de fa-
mlllas temtransferldo sue res.de -
cla de Buenos-Ayres para Monte-
video.
Londres 8 de outubro.- NOtlcias
aqui reeebidae do quartel general
dos carllstas desmenlem
i provincia do Para" a corveta nacional
VITAL DE OLIVEIRA, dizem quo ira
directamente.
Montevideo 6. Chegaram hoje, proce-
dentes do Pernambuco, obrigue brasileiro
MA RIMIIO, e o patacbo allemao BEN-
RIETTE.
Bahia 8 as 9h.da manha.Chpgou o
paquete francez MENDOZA, procedente do
Rio de Janoiro; sahe d tirde para a Euro-
pa por Pernambuco.
Para 8 ds 8 h. o 50 m. da manha.En-
trou o paquete amerieano MERRIMACKA
procedoutrt do New-York por S. Thomaz ;
segue a tarde para os portos do sul.
Bahia 8 ds 3 h. da tarde.Mereado mal-
terado. Sahiram os paquetes francezes
MENDOZA e GIROMDE. Tambem sa-
bio o vapor GA.STA0 DORLEANS para os
portos do norto da sua escala ate Pernam-
buco.
Santauder 6.Passageiros chegados da
Byscaia dizem que lavra a insurreigao en-
tre as tropas carlistas, quo estao em Duran-
go ; que os soldados amotinados dispara-
vam tiros, e que uma bala ferira casual-
mente a D. Carlos, que bavia comparecido
no lugar atim de com a sua present domi-
nar a insurrei^do.
Madrid 6.0 IMPARCIAL, contestan-
do a imprensa affonsina, dizquesduma-
dolescente incauio ou algum aventureiro
como D. Carlos, aceitariam otbrono da
Hespanha uas condicoes deploraveis em que
se acha o paiz.
prjs 6.Foi reeleito o conselho muni-
opal, o escolbido presidente o Sr. Ventour
antes do formular
propostas. .
E corao quo para responder a qualquer objec-
.iio, accrescenta logo o illustre eug--nheiro :
c So mo aecusarem de exag^ro, pettrej que
atlendam a e^ta simples observacio : Houve este
anno. 1874, uma cheia no Capibaribe, u*o excep-
cioua!, mas bastante grande para inlerromper o
servico do caminho de ferro entre Apwucos e Ca
xanga, o bem assim para interceptar durante um
momento a estrada de Pao d'Alno. Eutila-,t<.
essa cheia nao proveio de modo nenhum do wpi-
baribe superior, visto como era Pao d'Albo esto
rio c-tava quasi a secco. A cheia proveio inlei-
raraenle do affluente Tapacura.
a Em face de taes factos, que s'o frequentes
o boato
Armin. Dizem quo a Prussia anda prcoo-
cupada pela recepQao que tiveram em Ma*
drid os Srs. Layard e Chandordy, minislros
da Inglaterra e da Franca, o qtje prova as
boas relates onire os tres paizes, e isto
ditfieulta os seu projectos politicos.
Roma 6.0 Sr. Minghti declarou tin
pode->e por venlura projecUr indiffereniemente
reervatorios no alto Capibaribe e nosscus afllaen-
tes com o iim de reterem um volume deierminado
d'agua"? Como saber se a cheia de lal affl ientd
nao preeedeo nas regioes baixas a cheia do pro-
prio Capibaribe, e so a retencao operada ioci'nsi-
deradamente n'esse affluente nao Ura por efcttJ
fazer coincidir era baixo o e.coameuto da reejMC-
tiva cheia, assim retardada, com o e-coaraenio da
cheia do rio principal, augmentando d esi arte a
altura d'esla e os desastres T
. Foram d.fflcuHades da mesma natureza que
encoDtraram era Franca os cngenheiros daram, no Loire, no Rhone, e no Garomif. a pos-
sibilidade de diminuir as cheias por meio aei re-
set valoiios nos principaes atlluentes. semelhan
teraeDte aqui nao se deve esperar ami solncao in-
dependente de ura estudo pacienb? .dos factos.
Dei annos sob conclusio e sera effeito util aaea-
rente constiluem ura minimun. E?iou certo ae
que, n'este ponto o Sr. Galvio Filho, que tirou tao
bello resnltado dos poucos documeutos que pos-
suia, aaao me contestara.
Com effeito, creraos nao ser conttstavel a IM
trina snstentada pelo Sr. Foarme, unto i
quanlo nao se oppOe elli era aaa irncio de acules ou reservalories d'agoa, qu
immensa uUlidade podem e devem ser aos nsoiia-
dores do interior da provincia. .
0 pensamento do illustre engjaheiro 'f"**
todo n'estas ultimas iiuhas, qua torwaui por a.sue
dizer o seu programma : -...,.. .
para uui e.-ludo mais proiougsuo .
bom acautelar.no nos acerca da ^staod. saber
cm aue medida a regulansapw do regiaien a.
SoibwiM tera por effeito diramu.r o acarr*-
mSKSS rera o porto do.Recif,. Espero
eons-
de
torios d'agua nas partes alias dos nos, neste elb
ma, onde o tempo de secca 6 de *
banquete, que Ihe foi dado, quo tinba meios Qar.se.na 0 intere*se donnnauie
de ertinauir 0 DEFlcir do 5'milh6es doldraulico da bana. UW basla par si *o p*r* #
a to Capib^rite tera por effeito d.ra.nu o acarr*-
tamento Je areias para oporto do Rec.h. Kspero
Jae o porto do llec.fe esiara raclaorad.- iata>*
wtar csciareciio este poulo : fcMtoa luu
n interesse d'esse esludo. __
PMsoqaea ut.lidada agricola. do jeserv*
.. n,n alias .los nos, neste en-
seis mezes, tor-
do estujo by-
extingutr
I
l&M


- ...
tiflcsras lespasaa- ni innmraeatoa, com <*
Mlancs de observadores e cum a irH*Jho de
mspeecao a dajjdaecao dos observaVeHnrsnte
uma se>.e d annos. -
Ao niesftaJJMD obit3r?-ha.aos^r.;ipi
.na- prates, lafu/. areciso, e protegendo com di-
Es.o programma. que raanife.-laL.eate se dis,
i.ncu ua? grandiosa, eoneepcues do Sr. Fournie,
acerca do porto, revtln, a tola a luz da evidence.,
_
3Mo de Perammbuco Sesta fefra 9 *4eiras c*|!*m*H pd portos da re
." f"..... '*-V0U, IUJ A nil U.I CVIUCIICI.'I,
que o illu-tre engenheiro nao actiou dados suJB-
aeules para a soiucao do prorlema, e que, espiri
io praiico e circumspecto, preferio aguardnr o
apparecimento d'esses dado*, procurando colhelos
uehniiivo. que, em aluma analyse, nao cooteria
"ei.ai uma solu.ao empriica, como -dam ser
tautas ooiras cfee lem sido dad is relativauieote ao
problema das che.as do Capihanbe.
Ninguem podeudo rasoavelmente contestar que
as Mtoedes empiricas, cm ties assumptos, pec-
cara de ordioario por estravagautes e utopistica*
paracenpg logico que snmelbantemente ningueui
pfdera cnlicar e >m razao a? reservas do Sr Four-
nie, maxime sendo bein conhecido o dtsleixo que
reter?d?rt eS'Uj" Ua pru,*,e,na dls c"e9 dS
Sue encer r; V**0 ',,e Moli*;amoS
Ir,? a Gl,Jao- ****< lodavia o pro-
S, ,Sr- '' M,rni,i' l"r "i0 1w Prece-B04
eumuente por piii |uii!.i
nJ- f,^^ iS "i**."-'"* ,s f',! n cJaro para nao
i.i,..use. arem dii 11.,., .,,teai quo melhor
Lnera?L, r"- ;''r'''' ''' -,J 'ua ""Prudente e
wmerario, por i q i,|lH vile esperar dez
aanot por aid Leu., hi-i l rerun do que aposelle
virjcomplete e sali-l.c! .n.,, do que preteode:
SArT5 ,f.' wf"*''- '* oatorco*. sem-
pre na duvida eterna de .-er elle realmen'.e um
r.euie ser ou na-. complete e -atisfactono.
As solucoes que dvcorreui do esiuda e analyse
eirou,n>UU,-.1d. d.M .;i,l;o,iJ dj9 problemas,
tr-ndo como bjse .,< i^i-s .la ui.serv.igao, de ante-
map Huj em sea f-v,.r a propria h.^ica do factos
e a previsa.de u na sane. ... pr.uea, accorde com
u, mcMUos iacus; pilo cjalrwlo, aquellas que
asc.ir.em a fmcwr, do .proc.-ssos empiricos de
ealeiUo, assentes em bises licluias ou pelo me
u_.s uao .lecorreaies d.s faetos.de observacio,
sa-J sempre exlremamenie casuis ica<, e em tod..
ciso uiiepeudmies da cjaBaisaaeio luzica do<
m. sraps (aci.s.
tv por is,so .me prefenmos aguarJar com o Sr.
Kourme o apaohamento dos d.iJos do problema
pira solve lo Jepow I .gicameule, a solve-lo de*de
ja enpiiicamenie e semajuelie* dados, que sao
porastiiji diz..-r a alma do mesmo problema.
Kxpusij i) object.) coiuplexo da memorlt do Sr
Fouruni, rela nos fai-ir hgeirissuuas couiidera-
<;oes aearea da realisacao dos seus pianos.
A .juaut, (, mai as de.-pez.s que as obras
i.roposus dcvem deierminir t l>t a pnmeira
peiguula q .e acod" an eipirito.
a re.po,ii uao e facil, ue n (So pouco 6 sinples.
>ao e fell, porque, na attMueia d-.s plauo- de-
uioados, tern -uoa.-.i., Jas uljras, sen desenmiia-
..ao comultfia da qualidadq dos m_t-,riies, sein ci-
niiecim-mio cabal d is condeo-is era que se fario
os tr.ibiliios, n.io e jiossivel avaliar em algarismos
a impirUiKia de tao gigaulesc.s emp.ebeoli
loeutud.
-Vi. a. simples, p .r |ue, nao dev.mdo tj.las as
4fr+a ser foil is a um leui^o, noia por um so
emprelie:iJJor, ,-, pu|0 conirario. devenlo variar
as eiaJieotu J,; execuc^ai m o lempo, com as
ciwumsiaucias e c. n a natd eta dos execuiure*.
ura mister ailender, p..r se i jusIj valor, a loda-
essas cousas e seus ellbilos naiuraos para cbejrar
a ooia cuuipleti de.-crimiu.iyao.
Em iodo -cas-j pareoe-nos q.j.>, abrtrahin lo das
oo.-as uj^ deve u correr por c.uu das eiourotai
panicolares e dos m:eresses privados, as quede-
vein iicar a carj d. goveruo, por i-so que sao ie
lateroise publieo g^r.il, n.io podem ser avali.tj
riii meii-js de qoareuia ou oioojenU mil ontos de
reis.
Nao cremos, nai njs p*rece possivel que, com
*eu.r quanna, se possa cmst.uir lodas as ubr.s
Koposias para : iu;ninaca-j di cosu. ligacao te
(qrrapl-ioa com Femaulo de Noronha, abriga
ge-n do aucradouro exterior, mellioramenio d.
anto porto, mellior.imeuto d > porto interior com
caoj de embarjoe earm. ... lefeu daeidade
remoMo d.s ar,enaes paia n./as situacoos e
saaearaeoto da cidale em loda* as suas panes.
JSS?. ir,JI"llll'x'' deuielliorameolo* ahrauge (bras
graau.os.s e exlremamenie dilBceis ; e de certo
H peecraoj na asalia^o, sera antes por ellipse
do que por hyperbole.
Nao se Creia, |.oren. qua lamanln despeiMe
nlia de -er f-ila desJe /a, de uma so vez e sem
p-ider re-folegar, na.
-Nao e piano do afugadiiho odd Sr. Fournie" eas
o'.ras prop.-s'.as dnile n-.-e era du..s caihegonas
bera destiactas ; uma .las que eonveui exe-
cutar l.g. lojfo, outra dai (jue o podem ir
:-?aJo ii. prop .rcao das 11.-cess.daJe> oc:urreotes,
: mcdi l. d d.s-nv^i.i-iicnio dj commercio, da
agriculrara e dad inJustria*.
m < ouiroo m.i. de ver do Sr. Fournie, que
oas suas comderapu fi, a,..im soexprime:
UUiin qu.T gue acou.panliou-me fctf o lermino
esia louga vugem, deva tar reonhecido quo as
panes an prygrain.ua, ainda que formanlo um
i .do narmomc, nao s-vi solidanas. Aeoi.tece com
0 progrdin.na o mesmo que se d'- com o piano
. lUdial de. aUobameoto r reaiisad de uiaitos tnodos e em niial.iuer or-
dem sem que o resuludo seja alterado. Aqui as
a.tierentes Qcceasidades, se aprewnteraa soceesiu.
mi-ute ; e poder-se ha satisfozer cada uma a seu
temp .: com tanio que se tenlia esUtuilo um pia-
no- programma, nao pode haver reeeio de arrepeu
dimentos r
K, iwis, hem claro o peasant nto do Sr. Four-
nie ao nfferireer esponldneamenle. apenas t-es
metes dapo.s de sua estada aqm, ,. seu trabalno
ao gov-rno hras leiro em pagamento da divida d-
gntidao que diz ter entrant) |,ara com elle o
csse pensamento e estaluir um plano-programma
completo, .r pondoo ,m execucao a medida
dos reclamos dasnecessidades.
.xiuguem dira por ccrio que e isso descahiJo e
raopporlua*. tanto mais quauto >ao sabidas as in
tenses do g.verno imperial, que aeaba de con.
uetter ao estudo do emmente *-nKenliclro hydrau
11 ca| o Sr. Hawlfohaw, ent e optros, o problema do
fuelhoramento do porto do Rec.i'e.
0 que dira o que propora o Sr. Hawksbaw
-cerca do purlo, 6 que.tao esla que so o future se
mcumbira de esclarecer.
Enu-etanto desvauece nos a espe-anca de que
aiuellc illustre engenheiro uao mais se pronun-
Ciara em pro do projceto dos Srs. Xeale e Laae
era favor dessa dupla .'Xiravagaucia hydraulica e
commercial, antes feita em beutlicio particular do
que em prowito publico.
Sem duvida, ao Connecimento dj Sr. ll..k s-.ra levdia a mmria do Sr. Foaraie, e, quando
Jiada, e Je suppor que o grauoe livdraulic. dos
.'-mpjs moderuos recouliecera no tra'.alho do seu
uji.egaum piano ncional de nelboramento*
?iTLSl,-3> c-,,J'fBa das B'ga-tescas proporcoe"
wpwblema do porto do Recife, soseepSvelde
ivm P?< V"n Prat'ca a poueo e p.mco, sem crear
difficuldades a nenhuns intere-L, rwaeitand?!
long) e cm todo caso depeudeuuj do deseavolvi-
me&to do commercio e das industnas ue5euVolvl
iJaaL?ff0S 6 pe't3 conceito e trabalno do Sr. Fdurme, trabalhi peio qual em
aufflfl da jTo/mc.a de Perna.nbaco, senumo nos
obngados a agradecer Ibe as fadigas a iaese
deu o illostre engenheiro, a qucm igaalmente fe
licRamos por essa prova real di seu uhaio o co
c >abecimeut06 tecbnicos.
toJas as
pub ica.
J.i tiukawdo apresentado o can^resso o prdlecto
para a crea^k>i do banco -5-J
. Uaa 8*eieade.orgauisada tn BuiUjsvVvres-
propa a^ govern? p-ragnayo oc-mpra de Mo,
os seos de aavios afundades nos nos Pafj^uav
vJ^8fj;'daC0'n.gra?d,J ?0|emnidade anui-
ve'sano da .adependencia brasileira
Mo nav.a ainda noticias tJa expedicio mandada
contra cs mim que assaltar.m i viliadaCdoc "
Era esoerado a todo iasiaoteo vapor de Buerra
argeotlao, a cujo b,rdo ia o general Gaif
HEI'UBUC*5 D3 PRATA.
nesTas Hhim^*att'legr.a,"mas Por noi pablicaAw
f.h 1 08.d'as r.elau,, ''u nl) oeeorou na Re-
Jl. a Arwrt,n e S* de seten.bro a 2 do cor-
renie, aamos em seguidi as noticias preceden-
A Tribuna de Montevideo, em data de 2' refe-
nudo se a car-las particulares, diz o sejuiute :
tommunieara-nos que reina grande excitacao
nessa cidade e corrcm boatos de uma proxima al-
leracao da ordein Fv..- esses boatos attribuese ao parliJo mitris-
la a tentativa de um movimento revolucionario.
Diise queo Dr. Avellaneda eoDr. Alsi .a tem
conferenciado frequenter..ente com o president.;
fregueaia PXi,le) cha^da
Sarmiento, e .we se oihacom su^ieio para o teaha amentaV Z tt' P^.^'dade, qu
general It.vas, actaalraenle cl.efe das frouteira* do }?. ,tJr"l^tL^ U ?.'.d'.:. de'"d? desespe
general Uivas, acljalmenle chefe das frouteira* do
Mil ii
Parece pois, aweriguado quo mai- uma veal*
appello as arwas sera a ultimo ratio poliii.-a dos
parl.dos, nessa republica.
Ueve causar estr uliez.i que desta vez po*sa er
increpado, dsse grave erro o partido de que 6 che-
fe o general Mitfe, o mesmo hon.ein de e.iado
|ue, com justo liiulo, podia avocar para si a gloria
de haver restau.rado o regyiieu legal na republica,
techaudo.. a era das. revollas e do predomiuio da
cauJilhagein, bera como dando o alto exemplo de
trausmitiir pacilicawente o governo da repuolica
ao seu successor, achando-se elle eoiao na mais
emiueale po>icau, jamais.occupada por uualquer
liomem publiej na America do Sul.
Sonata tlesattendidos os scut conselbos.? Nao
P j le o general Jlrtre domar as imaacwncias do sea
partido ?-
Seu nos alrevermos a allribuir dasde ja a csso
ii ustre estad.sta argenbno a respoosalmidade da
rtvolujao que se diz era campo, recoocececemos
comtudi, que grave' sympotomas denuncuvam
^sur proxima- a explosao das p.ixojs pol.ti-
A victoria do Dr. Avellaneda, presidents, ia ac.
ciamado parao proximo period.), que cdraeca a 12
do correule mez, victoria atlribu.da pelos se'us op
p-sicioaius a fraude. a violencia e a comprossao
ija>i4.'. ^ua#ra-J-.i.
-M..a^rs, mint.) uie.s ... |Ug-,r, o, aaart f
- lUi ras.s. r-.nettido, para a cadeia des-
Ca-cdadv, gor dwcoiiliaiist de serein secukas de
Maurr. f..i o subdelegado em pessoa qan fo.
w a 4ihgonc.-a, a frente de sens adeptosTque
Mm griuvam .- Murrain os allemaes 1-G ,m
*u auiasdora voz de pr.sao, foram os aesventu-
rados allemaes presos por aquella autoridade e
renietudes como faccinorosos para esti cidade
aoude seaeham recolh.dosa cadeia civil '
Aquelle *ubdelegado de polleia do' Herval e
bio homeai original. Nao ha ao districto do Her-
val homera mais ertup.do e ignorante do one t
fanatic, FlerisbeH,, 1'ereira das Neves % e da
queliesqueee exalura pela -eleweie"' do colo-
Se for processado, o subdelegado de policiado
Heml por ^ atten.ado, que pJaiicoii para com
esses despioteg.dos eslrangeiros, lambera ira para
a cadeu, eftnW por exper.encia o quanlo
6 agradavd aquella habilacao. a 4
A Qrirm da mesma cidade noticia
Ocap.uode voluntaries da patria-Miranda,
qus depois de occupar erapregos em Porto-Alegre
e Pelotas, v.era parar nesta cidade. desappareceu
Um deft'iuo:'' ^ qUeS8 ,eaha po*do d^obrir
Temese, e comalgumt probabilidade, quo
-,--------------w-- -- mui urasucir
tercantes, trazeudo datas: do Paraguay U) do &i
da Praia 2*, Je .Mini- iS, do Rio Grande 'do Sul
, oe Santa G-lhanna 27, deS. Paulo 28desetem-
bro, do Rio Janeiro i.", da Rahia 6 e de Ma;eio 7
do corrente.
Alem do que damos sob a rubriea Party Ofjkial
eJInuta Dioi-ui, e^ 0 que encoutramos nos jor,
-m-ial, produnj elTectivaraeme gr ve excilacao po-
lit.ca.e odosabafo dessa do-epcio assum.o na
mprvasa earacter verdadeirameule ameaca-
dor. x
Gitarem s, para exemplo, o seguinfe Ireaho de
um art^o da Maciun de 19 do pa;.-ado, orgao di
gueral M:tiee lolha que, pela elexaeaq d,)s tales-
tos de .-eusrcdactorese pel) tea cnieuo hdbitu.il
t.nha aiirahido a coistdeiacao geral, deutro e fora
da repuolica : eil-o :
liJ.-itro de poucos dias o Dr. Avellaneda to
m-.ra de facto conla do g.veni) di republ;-
u Simulhante governo siguilica o ouprobrio para
OS argentine, o desmantelunento, a ru.ni ea
banea rota do tbesouro publico. A ins^guridade
e adepr.ciajao para a propriedade, para todos os
vai ires ieinds ser o re?uliado de se governo.
Sera a uuioria do povo argetituio la> ahieOa.
co.iu o oensam o D". AvellaneJa a sous oflSrf
que acute huinild-mente taj vcrgoniiosa situa-
E' precise djii:.irpara ciel-o !
0 povo ikj.j decc reconHecer nag*, ha de reco
niicctT um f.ci) que impoiti tao grande hum.lha-
Vao e taut .s males .
Q).mu lo. a ajieiar J-ssa violenU exctasu a re-
volu, concluia o ariigopor aconsolliar a reun.ai Jo
inettiags, ou lu se do;retasse a mconstiiiicion .li-JaJe
do no io g .verno e se forcasse, por essa maulfes-
I4fih( pupular, a renuucia do nuvo pcesid.-n
IVevendo, porem, que tal delibera^ao enconira-
na da par to do governo, mais do quo desaerad)
uma mtervencao directa, concljjj o redactor da
Nqcton o seu manifesto com as segujuloi palavras
Dastante expres^lvas ;
Se inteuur o governo empregar a violeacia
o povo se encarregara de despodacaras annas com
que inteutem ameacal-o.
Quanto a comp..rncipacao do general Uivas e ao
apoio das provraoias, nada podenus assega-
EVbem de crer que o partid) n.icionalista que
tem lafluencia em muitos est dos nao Ii me iuacii-
vo ante a attilule dos seus wrreLgionaiV- na ca
pitai, cujo movimento isohdo os conJuziria a der,
roia.
0 general Rivas, chefe das fronteiras do sul,
am ii le tea prestigi-. coma am do mais di.-hnctos
miliiares da republica, esta hoje com popularidad-
ecredilojcrescidospelai faeanhas pr.ncaJas na
sua reeeote expeJic-io as pampas, em busca do,
b.Ilos da inJiada, cooseguindo sal-meiler vrias
tnhus.
E.-sa expedicao f..i empreliendida pelo general
com verdadeiro arrojo, e sob sua res,io;isa'.ilidade
pessoah porque tamo o voto do gm-mo cmo o de
sens offleiaes era supporto a essa tentativa pjr a
repatarem imprude .te e arnsc.da.
Oiaate, pois, do facto capital annunciad; pelo?
telegrammas que receuemo-, uerJem o valor as ou-
Iras uol.cias locaes
Ficdv.i de po_-se do i.iioisterio da fazenJa, do Es-
UJo de Bueuo.-Ayres, o Sr. Eiuardo Basav.lbas..,
iBdicacao Jo nov.j governador que merecea o as
seutimeiito lo senado.
Palleeera o Dr. EduarJo LahiUe, victima de um
msulto apopletieo.
No ongresso c.imn.ira a discussao ioorcim^D-
o g.-r.il da republica.
A crts alimenticia continuava, etanM em Bue-
nos-Ayres como no interior, a carest.a daearneera
|a insofTnvel.
Kn Hui-uos-Ayres organisaram se commissoes
parochiaes para agenciar sub>criproes e soccorre-
rem a pobreza.
RI0CIU.\U2 DO SUL.
Opresiieote da provincia sah.ra da capital n.
dia 22, com destino ao Sangradouro, aQm de a--
sisiir a inauguracao doe trabalbos do deso'bslras
tao do refer.do canal da Lagoa-.tf.rim. Em sen
regresfp a capital, devia passar por Pelotas e Rj..
(.rauJe, onde examiaaria os traoalhos da barra Je
a. liongalo, as obras do. encanarnentos d',.gua e
assist.ru a inauguratao da illuminacio a gaz da ul-
tima cidade.
Assnwirarn as fLinc.;6e> de juizcs de direito da I"
yara da cap.tal o Dr. Salustiano Orlan lo Je Arau
jo tyosta, e de orphaos o Dr. Autoab lo6 Affonso
Gaimaraes.
A mauguracao da desnbstraegao do caml do
bangrajour., de/ia ser /es:ejaJa com grande uora
pa, uo dia 27.
A companhia do gaz da cidade de Porto Alegre
Iizera uma expenencia, illummanJo o fron'.esp. io
do arsenal de gucira. A da do Rio Grande U'ti-
Dem illu-ninara, uma noite to la a cidade. Os re
suhados de qualquer d.Jias foram satijlactorjos.
Na capital alguos joveos empregadjs oo com-
mercio installarara uma sooiedaae part.calar de'
nom.uada-Frauco.B.-asileira, como tlm Je d^r
espectaculos que coustarao do trajialbos dr.cnati-
eos o gymnasucos.
Na cidade do Uio Grande tiuna n havido wan.
4t* cuvas, acompanhaJa2 de raios e ivn-,. "2
sail lo alguns preju.tos. du
I'izun as folnas deOa cidade :
Ante-hontem (.7;, a tarle, deu se urn desas-
tre ... fabr.ca de tecidos de la dos Srs. Rl ,jk- mU
At Wane, e^ubeiecUa n,rta cidade, o milXui
-i.ente, uao teve as conse1Uencias que podia ter
se porveuiura nao se auiasse preseate, na oecaaZ
o mestre d..-offlcina'. .^o-asuo
A miillier Ma.ia Luiza, brasHeira, d' *8 an
oo?, indo n ilreitar um faze, Ia preza da macblna
ro de ter perdidp tudo quanto posiuii nas mei;
de jogos pr- b.b.dos, onde certos espcrtalbdeT a
zem iieg.* o e.n depenuarem os que Cera a d
grara de Ihes cah.rem nas garras
desapparecmento. o su.cidio nao e ainda senao
^MrT0' qUe ie'e'3m0i nao M '"'"
deL!re "U J""ml Gommrci0 de Porto-Alegre
Escapou bonlem milagrosamente a morte o
Sr. Francisco Pereira Guimaraes Dourado, eiapre-
gado da tbesouraria de fazeoda.
Esiando a bora do expediente, sentado a sua
mesa, desabou sobre esta, do tecto do 2 andar do
ed.r.c.o, e.n .|ue funeciona ajueRa reparlicio, uma
m, m6 ?T. t. eMa qoe destruio a tudo
quant. encoolrou em sua -jueda
<'...ih--!v,aigU,,nn9 li"l,as para lado em que so
22*^ wnpregado, e ter a 'esta occur-
reuca causado a sua moMe.
In'ormam-uos que o edificio mal coraporta o
osTados."0'0 '|U0 8*ire Si lem' e feQJe-se ur lodus
Ha quern duvile mesmo de sua solidez relati-
va e rece.e algum lameniavel sinislro. .
Ialleceran.ua capit.I, D. Maria Visira Lessi,
ecp.ua do cdalao Antonio Jose Lessa ; no Rio
t.rande, D. Joseph.na Ainalia do Valie Rangel, es-
posa do general Irancisco de Paula de MacriJo
Rmgel ; e u, v.iia de S. Ju,e d) Norte, D. Leo-
ImilffitiP*1* tevm d0 cidadao Joa*
SAMA CATHARINA.
- A eidide da Lagm.a coutmuava a ser diii-
mada pc.'a variola.
No dia 7, fora ir.stallaJa na cidade de S. Fran-
cisco, ama aula uociurna de ensino gratuito. in.-
cia la pelo cidadao Hermelino Jorge Linbares. Fo-
raiui t-leitoi : director, o Rvd. vigario Antonio
ranusco .V.brega c vice director, o iniciador.
Deve leccionar se nella lati.n, fraocez, bistoria,
Ke-ographia, arithnietica, metrologla, grammatica
uacidnal, e.-cripturacao raercaatil, musica vocal e
lustrumental e primeiras leitras. Para todas as
cadeiras esUvam designados os professores
aer admitndo as aulas numero illim tado de
meuores e aaullos de lodas as coadicoe-., de 7 an-
uos para ciica, send-), porem. os capt.vo- com cer
mlssao dos seus senhores, sem outra remaneraeao
mais que a espontanea para o expcd.enie. Os
raa noos para serein aimittiJos deverao apresen-
arao direct,rjuia pas-ala pelo respejtivo ins
pector d i districto.
, WHM GEllAES.
Le se no Dtario de Minus .
ExpeJinJo o Dr. juiz municiual da G m>icao
o:na eseo.ta ao dislr.cto do Nossa Senhora do PoVto
a tun do prender o criminuso Duart^ da Sil'a Gui
maraes, all prouunc.ado no art. I9:J docodigocri
ninal, e.de dem..|ir um moiubo feito pelo reo
esie eiiirmclieirou se dentro d) referido moiono'
oude fez buraoos na parede para al.rar sobre a
lorya, e abi se aci.ava acorapauhado de mais 15
oapaugas, todos armal,.s de esping,rdas, garru
i
*ZJ?* ft f^UMnp~ Protegida pdls esoirito das
..uf^'flt \ COnU P')V"da 'rro, eutre
' kJ,^"- K"> ,|u' se ,leu o'liniameote :
mI-r^H' wnbmoi lessa bruxi una infe<
m,. a auem H ii.es.-na odiava.
ter'r-ira C^t*-d'ft di/'gio so AnoioB% Pequena ao
*5T2 *asa dessa wW,e, coll ica ado do
Sea o a!2T*1 "e !**** *i "?
n.^ c?J?otmoi, palavras cabalisticas; de re-
cms, em praot.H. a inoca, que ate en tao vivia
iSS^SSi'V ^ .'one, a ponco definluudo
f'.cio L 'Mlaoco,,ca' moir lfs d.as depois do
Narramol-o como se nos cootou.
Em re afio ao individoo .jue assim se donomina
Z n PrLal7f n*',l,VraUmos na no,icia precedente,
diz oftm Official de bontem o seguinte :
lendo apparecido n.) wntro da provincia de
'Jft'* proximidades da villa de Apiahy,
um faoatico de name Manoel Antonio, que se iuti-
tula saato, e ia conseguindo crear adeptos nas
^nLf-Sil5Ber,0,esd* Wo-lacao. e comecando as
auior.dades a receiar novas scenas de sangue,
ues como as quo se deram ultimaraente no Rio
rla nf hSui '"^I'residentedaquella provin-
cia partir hontem (26) da cap.tal uma f.rca de 1"
nba composta de um ofJlcial subalterno e 51
m-r... de..pretvs-ob o commando do caoitio Albu-
uerque Maranhao, afim de restabelecer a tranquil-
I dade publica, batendo os ESSES, que I exce-
dein a JO inJ.viduos, caso ofTerecessem reaiiteo-
\oticias da ul |v inaperio
os dcJjs da ma., es
HEI'LRI.|..v DJ PAIIAOOAI.
da republic* e-tava sen-Jo assolaJ
0 interior
pela secc...
^Emvanoshigares jt e... i .jv,s.ive, a Mvega.
Osei.ije*.mari I -r,-,w^;, ;nnk
rsm.amaJeidWarrinJ.iivr, u'.s,:;, '^6 ,
io, esmagauJj-lue liaiOeui
querda.
a UariaLuiza possue dons Blhinhos de m.-nor
Uade, e a sua vi ia em consequ-mcia do
que tenios referido, corre pe.igo.
n.?,A far'e d0 0ri";j d,r ,c" ivl ''^'ante magoada
aoirrendo exces^varaente os respeetivos tciJo.-.
^ a -uppor, no Caso deque c'ubslga -alvar
",
a vida, jue 11,.. j| dafueHebra
*tCu'nl j'1^', d'! f"a S^CpabKi"o seguinte o
Ataiav, do Sal de J .^...rao do J.a 17
l)oo..iniii;.m.e Mseetarine -s-Aoti M.urer
-etempordj-vocao o tataraiva dofai'ma
quesao oonxder^d.s t..!.s ,,-|t ,.,/.,'
,!r..se!)Ios,:;M.ur-r O^tte^uo^.tT
reira dasNtv-.s, e;-u -i i, p'.-..,-.; 6
cl.as, ciavinas, etc, e taes forain as provocacoes
i.-nas a e.-colta, que e ta r*gres-ou sem cousa al-
guma conseguir.
Em vista de semelhaale estado de cousas, o*il
lusiraio chefe de policia da provincia fez secuir
para aquella locabdade o capita do corpo policial
Augusto Carlos Ferreira, commanlando dez pra-
p*"ii i graeas a solicitude de lal utttcial. ao auxi-
l.o'das autorida.l.'s locaes e as in>truc{oes que re
c.-beu de ^ Exc, foi capuirado, sem alteraca.
Ja ordera publica, o reo ouarte, que, pela sua
m-ilvadez e aadacia, trazia em sooresalto a popu-
lacaa do lugar. i
A' reqmsicao do Dr. juiz de direilo do dis
ineid criminal de.-la comarca, o digno chefe de
po.ie.a da provincia expedio uma forca deta ca
pii.il para o districto da Cachoeira do Campo, quo
alii coiiseguio capturar o reo Jo.o Joaqoim Miller
pronuncudj por aiuelle juizo no art. 269 do co-
d.go criminal. >
s PAULO.
At Dtario de S. I'uulo co mnuuicaiam da Faxi-
pa em d.ta Je 12 o seguinte, en relacao a um
inspector que a-pareceu no Apiahy e de que ia
nos leraos oocupaJo :
t E' por demais laraeoUvel o estado da villa de
Apiahy pelo terror ,uo causa a seus babitautes
Man.el Autonio da Cruz, osanto, que couta com
a proteccao da policia, vivendo em sebrosalto us
que na. sio de sua se.ti. Parece incrivel, porem
e a pura verdade. Eatao todos eilea ameacados de
um promutido assalt., abandonam seus intere*ses
e propnedades, buscando outros lujares onde suas
vidai estejam garantiJas, doquee testemuuha esla
cidade.
No dia 8 do corrente aqui chegou uma das
mais lmporUutfl8 famlliis do Apiahy e mais pesioas
cunstando que muiias outras deixavam aquella
villa, para nao serein assaltadas por truz e sua
A collectoria aeha-sa alii inteirompi Ja, por nao
ter o ageuiea quem conllal a, visto o proposilo em
quo esiavam os demais de retirarem-se, assim como
elle queajui se aclia.
Seguirara hontem, desta para alii, algumas
pracas da guar.la nacional e local, afim de imue
direu. qualquer attentado de .Jruz, o que sen im
possivel, porque Cruz djspoa do graude numero
ue pessoas, to Jas annadas e disposlas a tudo qae
elle quirer. 0 Dr. juiz de di eito tem sido ener
Rico a tomar providencias que o caso exige, jia*
lalta-jl.e a f .rg.i mil.tar.
Cruz ja esteve nesta cidade, aompanhad) de
^* ho.neas, dizein que toJos annad-w ; voliando
na mesma node em quo a.jui chegaram, autes de
teram percebidos pela paiieia. u que 6 verdaie e"
que a audicia da juelle inonstro cresce de dia era
Tmha sido enviaJo com) rccruta, flo municmio
de Araraquara yara a capital, um inl.viJuo cum
o norae do Madoel Jose da Suva, mas, su^peltlndo
o Or. chefe Je policia que o recrutado fosse cruni-
uos-., fez siutaro assuium mto de praca o con-e-
guio que o proprio pr so eoufessasso ser crimiooso
de morte na provincia de Miua>, comarca da cap'i
lal, haver Bido cmlemoido a 12 annos e tcrfuin.
do da cade i do BoioAn.
Ficava enfermo o conselheiro Martim Fran-
0 pharmaceutico Francisco L. Tourinho de Pi
nho Iizera uma coisideravel ..irertide raeJicamen
t..s para tratam-nto dos variolosos indigentes d
cidade da Cunslituicio.
Fsilecera na capital, a 19, rictima de uma le oigan.ca do e -racao o autigo uegociai.te Celestino
Bourroul, natural Je Frauca, e ha 30 annos resi
J.nte em S. Pan o.
Oltuuno de 2i noticia o seguinte :
Old di* 10 din., um raio uo meio do uia Iota,
de be.-tas .u8 v.ulum de Poito-Felii a esta ciaada
caneg.-.dasde.algoja., ra.tando sete, inclu^ivo
uuia nuavA vinlw m)aud.. o arrie.ro, sem quo
e.-te soffie.-se mais quo o cbuq ia e uraa bireira
des-i- tre I SSSf'iS!4 S'KU"J" in!or'"a pe^sa -* "
i.sa. ire auuu do pas>agcm perto do lugar ondeseJp.i
esseacudente. eu
0 r.M'uk?tinUl trancreve o Correio PjuUst-ano
Cm.ta-uos qaetr..tm-seiia camara munieioal
desta eidade Ja cre.jyao Je uma lioha tej,*rali,ca
lUfr partlBdd d aqU. v* Ontro.ic^ se na de UOatu'
i>*, para u que fa dome .da nra* com.uisao com
posu do- Stn bar .. Paraq^uga esapiiio Au-
k.moi DuuiiOgu^i Je tv'ro.
a Fazein >t ariantes v.>io<
ta r'.' i.
a Crash no*.: p < .afiJe*gna exi-lrno bur
r.. do R oeira .. .^-.te tern ,.iihu v^.^i conbe-ids
HIODKJANEIEO
dos'r pach3 du i3 ae Mtembro foram eleva-
0 viscnde de Lages a conde do mesmo nome.
nnl^ntt1"111 '"bel a viscoad* me*
nome, era as Irooras de grandeza.
Fet-se mere*} dos titulos:
De baroneza de Sanl'Auna a D. Rosa de Santa
Anna Lopes.
De baraa de Theresopolis ao conselheiro Fran-
cisco Perreira de Abreu.
De barao do Lavradio ao conselheiro Jose" Pe-
reira Re 30.
De baraa do Rio Preto ao tenente-coronel Do-
mingos Cuslodio Guimaraes, do municipio de Va-
lenca, provincia do Rio de Janeiro.
Do conselho de S. M. 0 Imperador aos Drs. Jos6
Lom- I I PS C Jarga E'J8enio de
I Foram nomeados: commeodador da ordem da
Rosa, Damingos Theodoro de Azevedo Junior,
pelos relevantes servicos prestados ao estado no
muajcipiode \alenga, provin-.ia do Rio de Ja-
Escrivao dos filiamentos da casa imperial. 0
..meal da secretana de mordotnia-mor Luiz Mar-
tins Pinheiro.
For.un naturalisadis os subl.tos portuguezes
aZnT* pr"n0 ','Antas Gurreiro, Doin.ngus
Gomes de Freilas, Joaqu.m Alves de Carvalho e
R.dr.go Antonio Pinto Pereira, 0 subdito italjano
padre Francisco de Paula Golluei e 0 cidadao has-
panhol Joao Loiz Millon.
JIiTa aViS de d" wtembro foi nomeado 0
cap.no de mar e guer a fgaaeiq Joaquim da Fon-
ceca para commandar 0 encoura.;ado Lima Bar-
Por decretos de 23 de setembro :
roram nomeados :
Ocapitao oaguarda.nacional da provincia de
I ernambuco, Jose Marcellino Alves da Fonceca
para 0 lugar de escrivao do hospital militar da
mesma provincia.
Segundo cirargiao do corpo de saQle do exer-
citoodout.remmedicini Antonio Bmifacio de
Souza IJr.ndao
Passou a aggregado a armi a qua pertence 0
coronal do I' regnneiit. do cavallar.a ligeira. Ma
noel I eJro Drago, n. oonformidade da immediata
e imperial resofaci) de 20 de julh0 de 1870, to-
mada sobre consulia do conselho supremo mi-
in dr.
Fci transferido para^ 8 companhia do 14 ba-
talhao de infantaria 0 capitau d i 20* da dila arma
Joaquim Vieira de agniar.
Foi refurmado com o soldo d)hralo de volunta-
no da patria, na forma d.-; ultima parte do art 10
dodecreton 3,371 de 7 da j.neir) de 1865, 0
soldado do exiincio i6 corpo de voiuutarios da
patria, Joaquim Pereira da Cniz, visto aoharse
mutilisado para 0 servigo do exercito,' em conse-
queucia de fenmento recebido em co.nbate.
P.;r portarias :
De 16 tambem do corrente, eoncedeu-sa ao
tenente-coronel de engenheiros, Co.rado Jacob' de
rnemeyer, a dispeusa que pedio de chefe da com-
m.ssao de engenharia militar na provincia do Rio
oranie do Sul, sendo nomsado para snbstituil-o 0
or mel Jo mesmo corpo, Rofino Eneas Gustavo
balvAo.
Da1 18, coneedeuse ao alfere, reformado do exer-
LnJl'fia '.e Ja ^ran\.'a-!iceni:3 i,:"-a residir na
provincia de Maito-Grosso.
iw-0".21' trausferidi do 2t pira 0 20" bata-
cTelh)6 ,aanlaria lW*i Irancisio I^nacio
De 23 foi nomeado Loaren;o Jose do Aragao,
P'ra 0 lugar de meslre de musica do arsenal de
guerra da provincia da Babia.
0 Sr. Autonio Francisco da Silva libertod
gra uitamente a sua escrava Maria, de ii annos de
idade, em r.-gosijo pelo casamenlo de uma sua
til ha
Ja linha assurido as redeas da administra-
cao da provin;ia o conselheiro Pinto Lima.
Lemos no Jorml do Commercio :
Soh o tilulo de inceto e tentativa de homici-
dio noticia 0 Municipio de Vassouras 0 se-
guinte :
No dia 20 de agosto, appareceu ao chir da
tarde em casa de Galdino Vaz Figueira, na frgue-
zia dos Meudes, Maria de tal, que mal trajaJa e
coin iguaes de soffrraiento, vinha pedir uma p.u-
sada. Ustando ausento o dono da cas3, a mulher
ronr-.u-se e passou a noite no tnalto.
. No dia j2 pela mauha, de novo tarnou Maria
a casa de Galdino, que, comrciserandu so de seu
estado, pois ella padecia fome e se qaeixava de
dores physicas, deu Ihe agasalho.
< Conservou-se Maria na habilacao de Galdino
ate. 1 do corrente. Nesse dia, pela volta das 12 ho
ras da manha. um homsm, armado com uma pis-
lola nac.ntura. eutra arrebatadameuta pela casa de
a mfeli! mulher, pegaihe nos bra.;os e a pan
para fora.
Nessa occasiao, Galdiuo. que trabalhava a al-
guma distancia em uma cerca, nota o desacato e
oirige-se para a sua casa. No camioho eauonlra 0
autor da violeocia, que era Fortunato Francisco
'ie Macedo, padrasto e amanle de Maria. Esta
ug.ra de seu P)der, desesperada de solTrer maos
iratos. bortunato apenas avislou Galdino, grita
erido.
/j^^nl?afplai,KBt,s *h,e" dj desastre ,.
*,u \m r1ii?nalSa'd^t'a da Gana, qe pres-
fe.de M^fhr" V;nt,e'n ''^ombargadorche.
gado da fre^P/- ter0eiro dete<^ subdele-
fiscalPaesS' ,a^^ d '^alidade 00
pa?a0orXomiS!r? inachinisla f,,i remetlido
Barra'? U ****** d" Mar^ d(i s- J"o da
e Falleceu no dia 2i do corrente, na '--------
das I'edras Brancas com 112 an'nos de Made
a. Maria Joaqu.na Leite, por alcanna-A cR
Casou se aos 14 annos de idade e teve aos 18
o pr.me.ro fllho. Esie marchou para a cauiUai,lu
eml800,tenJo20 annos de idade, e faKu em
A finada ja dizia : -minha neta di-me teu ne-
to-, mas conservou se sempre forte, occupando
se le todos os trabalhos domesiicos. Ultimamen-
le porem, fallava-lhe a vista. Esteve casaJa 61
aoos I Ja e viver I
Na ultima corrida a favor da caixa de soc-
corros de D. Pedro V, 0 premio oIlerecMo por um
anonymo, constou de seis ramos de IIores, que fo-
ram ollerecidos a cada uma das ires amazonas
h^r.rt rram'e **?*" -Si*. D. Virg.niaRi
beirode Carvalho e V.sconcellos, esposa"do Sr.
na S: r'Ugali ^^'Ph-oa Maooela Victo-
na da Cosia, esposa do Sr. pre-idente da caixa de
soccorros; e D. Amelia de Smza Avides, Jaeteiv
mavam a commissao dos preraioi
0 vencedor dos reocedores foi 0 S\ Juo Ma
um de Cum prejra( que fui ni)|nead -^
It""' e ,eve. a r-spe^iva medali.a. Os
5S*^""iHP orgaoisadora das corridas,
ass.m como 0 presiJente do Ijckeu-Clab a Sr
S2tt-AS^Su& ^-^odadorFrancisco'
, L ..fiSC -Te"le8' ,ivera,n tambel 0 diplo-
ma de soeios bemfe.t res. v
nior,^ te"d0 .COIBua,ido, P)r doente, 0 Sr. mi-
?ln^.Vm,'er,0 ?omeadu 'uizda c"8ada. hi
convdado para substitui-h 0 Sr. barao do Coteg -
pa, que graciosa.nente aceitou 0 eucargo
'p^frf ,eC,!V,0,dia 23 d0 wK no Porto da
PiHdade,e.n, Mage, oant.g, negociau e desta nraca
SiSS P'ni ade **"** coroael chefe de
S,r^0r,nad0 da 8uarda nncioual daprov.nca,
S!fss nperial d0 Cruwiro e caval,lei:
Gozou se.nj.re de vant.joso Dgau 111 classe a
e prestou relevantes sorvijos ao
que periencia,
paiz.
.. Jr.,velXOa livre?' se"1 alauraa, todos os
escravos que possu.a.
3 Tdj-Ml'SSoga reoJea n,) mi dc se,embru
Mlecerarp: em Cam.sao, 0 2." tabelliao de
notas, Uetano Jose Marques de Leao ; e em Mara
gogip^, 0 escrivao do jury, Jose Tito Paranhos
c 7 1 U d ag,ua arr|o.ira a barea uorueguen
se Sosluk, que ia (fe Santos para Sandy-Hook.
iNo mez de setembro foram exportados 191
t^SSSMT pagaram d0 i,n^3l re*Pectivo....
No mez de setembro arre^adaram :
Afandega 634:469,5100
Me Correio geral 5:858*400
Lemos no Junial :
Tendo se reuuiJo em um Jossaloes da facul
-dade de meJicina. os ostudantes do 3* anno de
Pharmacia, alim de deliberarem sobre sua foraii-
lura, f..i nomeado para eucarregar-se dos festejos
0 sr GeralJu Jose de Souw Uarretio,' e plei'a a
commissao do convites quedcou composta dos Srs
rrancisco Rodrigues de Alhu juerque, Joao Evan-
gebsta da Silva e Pedro Leite Chernjont.
Para a commissao quo, pelo 53 auno tem de
oirerecer um bouquet ao Dr. Rnendo Aprigio Pe-
reira Guimaraes, no ado da formatura, foram elei
Jos o srs. Pedro Leile..Cbermont, Joao Sabiuo de
Lima ('ratio e Jos6 E (eves da Franca Pinto
Das 8 para as 9 horas da nnnha de 19 do mez
Undo, no lugar denoniinalo-Riac'hn da Cruz-
abaixc. da villa dAreia 7 leguas. f ,i barbaramen
te castrado, p radivijuo de nome Jiso Joaquim de
Araujo, maior de 56 annos.
t Os sou's ag*ressores, em numero de tres. 0
agarraram dentro de sua propria casa de raorada
e d alll- a forc.i .. :irricMpnm w...mn ..__________
fspiriUu noveHeiro*. e sempre djspo tos a iceitar
as primeiras noticias sen. maior exaui.-.
->a none oe 6 d. correule fiumiog-) appirece-
rain na l.arraca do- c.,m.Mcual-j portugutzes
Zefenuo Mao-.el IV.eira d-; Araujo Le M-noel
U-.dr.gues, MiuaJa na iiba /erifkn, ires bomens
de cor, um defies conhecido por alcunha-Jose
Foram ahi era nma pequena canoa, aob pre-
i.rl deIm'?0Clar' '" de veBd u" Poreao ae
carne aalgada de auta, e era troco comprar algu-
ma beb.da e peixe salgado, etc *
Njte-se que a ilha de Jurupary nao e dai
mft,rtJ,a-..'!a(,Mis,,uada ^ dfc,|n*u d ^,l-
a ri,?. na es' d8laora era sllM* longiuua, un-
to daquelle tenna e uiuito mais aesU capita'
duas m,aoi "toiwio foi apeuaa preseoceado por
c,i aTv rM e u,n raen*r I" *n m,.ravam
as4fn L""39: ",dend0 aproveoar 0 furor d.s
e av^nham'ief7'.,T--e "a8 mMu I c,rculaIn
l .rT .da Larraca "'"' rcfenda.
ve?Jjao co rfia' **aa laraa coo-
IrSHSJ"?***" c/mmerciantes, pedio Ihe
tS&^SS&Vm MUlm 2S3>stis faead*
ArauCoUSogUna.rDla,ar Z*ferino Manoell'emra de
elizmenie alcancado pelos ou.ro- Jon:"ma" 'J "'
vonaexpirarcomset lertSenios w,"*.
Os assassmos desembaracados dns suas vicii-
mas e sem n.uguem q .e Ihes oppozesse re-.ten
cia, roubaram os objectos de negoco ediuiieiio
que ah, ericontraram, no valor poun, mai, ox nie
nos de dez conies de re.s, ass.m como ua livro- da
e*cnptoracae do oo.merc.o, os poucos iraa-
mV.Uf*?! P6^**0^ as assais.nado, .,
iue tudo einbarcaram e cnduzira.n na canoa era
qiie inharo Uo 0 retirarara-se soinenle ao romper
do dia 7, sem que so pod.;,se saber ao certo o L -
iioo que toraaram !
.i..a,:0.?,Vae *l6,a dis,0> {'uc d,'"jii de f-
do oaao das duas Dortat, os ina.vados deram um
lirodeespingarda.corao aviso a uma canoa que
ahi Ihes appareceu e na qual einbarcaram p;.rie
dos objectos e gent res roubados : a-sim Como pa-
ra que se perdessem os vestigiw da sua fuga r\.i-
laram as pequenas embarca^o-s quo e-uvam
amarradase fuudeadas no porto de embarque ^n-
de esta s.tuada a barraca, mdo aaaCHU por agua
abaixo. v *
Desta forma ficaram as victimas iosepulta* e
as pobres mulheres e o menor, sem .-aber 0 que
fazer uaquella desolada .-iiuaca).
a Deus, porern, que veU pela justica, nao
demorou em aoecpirer a desgraca .
< 0 irmao de Jose Manoel Roohgues tend) de
ir como cistumava visitar este, pois embora 110-
rasse d.sianie, ahicompareceu ; encontraodo aoe-
uas, ne.-se lugar falidico, os caJaveres, a deva- *
lacao e as pobres mulheres ainda occultas no malto
11a desconbanca .|ue as Ian sorprehender e assassi-
A' \ista de tao aodacioso attentado, foi logo e
irmao de Rodrigues parilcipar 0 occorrido as au-
tondades de Afua, Chaws, etc, etc., e esu expe-
d.rain as cooveuieules participates do occorrido
para as autoriJades superiores e para de outros
terinos.
E esle, po's, 0 facto como succedeu ; suspei-
taudo se que os assassin.)-, pelo facto it terra
conJuzidu os livro- da escripiura^ao coinmerc.al
patio de maos dadas com a.guns devedores d *
falleciJos, e q ie ernpreheuJe.u ai|ue les malvajj*
subirahir sc'a acjao da justica, alcancando o.lma-
pa, onde e 0 rerugio de t)da a especie de cnraiuj-
sos. Unto do Urasi! como de Cavenna.
a Eutretanto corre como c-rio que a dilig.'iic.a
que parlira da cidade de Macapa, exlremo n ,ne
do contineute da provincia, alcanyon prender dous
dos assassincs, em uma cawu na ilha do tVoo
uao e bora a.nJa dar como averiguada e exacta
jsu occurrencia, digna de elogio das autoriJad *
de Macapa, se as-i.-i. for, pois, tendo d'aaui p r'i-
Jo tarauem o Dr. cnefe de policia no vapor Para
com uma forca de policia para prooeder as nece-
sanas dibgencias e p isao dos c nr.plicados u.-sie
crynp, ainda nao houve uoi.cia alguma do fesaj-
tado dc sua commissao, ue.u do lug\r em qae te
aclia. *
Nao obsunte 0 facto que levo reieridj eva
as suas circuii.staucias, e as providencias que
na) se uzcram esper.r, tanto das autond.dcs d*
ttiayes e Maca..a, como do governo desta provin-
cia. inJo em pessoa o chefe de policia, a re iui<.-
cao.do consul portuguez, segundo nos inform.. .
a corpo de del.cto na victima, que, interrogada"
declarou quaes foram osseus offensores
Preso um desles. porque os outros evadiram
se, coofessou o crime, seus core)-, e denuuciou
como mandanie A.ronio Fructuoso, conhecido por
Autonio da Xindinl.a, dq qual .recebeu cada um
dez mil reisrem recoinpensa do desetnpenh, de tao
sinistra commi-sao.
Os autos das dilig.mcias polidaes quo so effec-
Ujaram f..ram remellidos com 0 dito preso ao Dr
jmz_ municipal do leri.io de Vallenca para a Insiau-
ra<;ao do processo contra os criminosos.
ALAG0AS.
Duranteo impedimenio do effectivo, fj; nomea-
do intennamente para exercer 0 lugar de inspec-
tor do tbesooro provincial 0 bachare! Bernardo
Pereira do Carmo.
Noticias do norte do ituperi.
Amannecfiu hontem era nosso porto 0 vapor
brasileiro Para trazendo data. : do Amazonas
18 e do Para 29 de setembro, do Maranhao 2. i,
Leara 4, do Rio Grando 6 e da Parahyba 7 do
corrente. J
Eis 0 que colhoraos dos jornaes 0 cartas :
A.Va7.).\AS.
INo dia 7 de setembro foi celebrado na capital
com as pompas offleiaes, 0 53- aoniversario da
emancipacaopolilica da patria.
ai."" ''0r de se salvar na manha desse
da 0 parque de arnlharia, uma das pecas fez ex-
pioao, lenudo 0 sargeuto command^nle della no
dedo poliegar.e 0 soldado n. 1 que ficou como
braco Iracturado.
Na manha de 6, diz 0 Commercio do Ama-
zonas, debaixo do arco do Aterro, foi eucmtrado
0 cadaver de Candade, que, voltando embriagado
aita none para sua casa s.ta na estr.da dos Re
inedios, cahio do arco a ba.xo, morrendo asphyxia-
do no regato que pur alii corre.
rABA.
Nosso correspondente da capital escrcve 0 se-
guinte a 29 de setembro :
t Desejei escrever a minha missiva pelo prece '
Jente vapor, mas nao me foi possivel. porque, co
mo sabe, alem de enfermo, tenho-me demorad
reure-se, senao eu Ihe aliro. Pelo o araeacado aue I',!",.^T' """".uo ,cu'L"o, lenno me demorad.
"f !!".e.!t, n* Fortunate ropete a intimaca.)! ja Jja| J^aJ""* fa cap"al' no 3en'iJo do recu
pa'a a realisagiQ. ifeg
'll!l..liaKM,ta 1^1, queeo ter.:.r da
VI3I-
, ----------------- -,-., a i..-.ini ii ,i'i, l,l
U em iU'ho eapoutada para GalJino M..I
acai.a dc prouuucia-la, dispara a pistola, culacaa.
ga de chuinbo emprega-se no braco, peito e co^tef
las do la lo direito de Galdino.
Praiie.ado 0 crime, de^apparece Fortunate com
Maria, e pouc) temoo depots evade-se da fre-
1 As relacoes incestuosas do padrasti corn a en
teada coasUm d.s deslaracojs feitas na suhdele-
gae.ad.s Menles pela maiher de Fortunato, Julie
u Mii.a da Lojceica), que vive separada do raa'
n Jo ha mats de 0 annos, raesm > por ter veriflcado
essas rela;oes.
Alguns trabalhadores da estrada de ferro D Pe
dro II depuzerara do visia sobre as circumstancias
do crime.
o 0 Dr. Ciaves, subdelegad,. dos Mendes, pro-
ceJeuao mto de corpo de dehcto e aos demais
teruios do inqueriio.
t Os ferimentos foram declarados graves,
t Rsnetti.l i o in querk-) ao Dr. promoter publi
co, no di.-i 22 foi offerecida a deonnna que capitu
lou 0 facto tentativa de horaicidio. 0 Dr. promoter
public) requisitou maniado de prisao. Embora 0
criminoso lentil fugido, sera sempre util a ddigen
cia afim de se colnerero informa^des sobro a di-
recpao toinada por Fortuuato e sobre todos os ig-
uaes era ordem a conscguir-se mais tarde com 0
aux.ho do Dr. chefe de policia da provincia a nri
aao do immor 1 e audacioSo faccihora.
Da- 6 para as 7 horas da noite de h intern 29
deu-se 11m horrivel d-sastie na fabric de eho da
rua de S bnst.vao n. 32, pe ttneente a Francis
co Lopes de Souza. Occupava este estabeleci-
in-mto uma area de 2Ji palmos.
E n meio lo trabaltw ouvio-ss repentinimen
le um medonho e>tampidp; era a caldeira da ma-
cbraa a vapor qu faz.a exoloaao, e corn u\ violen
cia-quea casa da fabrica abaleu na maior parte e
agora pouco inns e queura mratio deruiaas
. Na> se linituu a isto 0 des-.stre. 0 machi-
fl.sta lac iues Ernest, que par-ce acnava se perto
da caldeira, .-ahio morto, .0 .Ocaram gravemfnte
q-Himadosd-m operario^,-am suisso, outr. itt-
Il.iO...
f) abilocaa-ado.pela explonao estend'u so a
ic 1 d sai.ao eonlipna a de sel.. e p-rt.-n
Ao chegar hontem aqui. enoontrei 0 vapor
/ arae com elle varias novidades uue apenas ti-
nha por informagojs e leitura de alg.n- jornaes
atrazados. '
Os assuroptos de maior importaucia dos ulti
mos dias sao : a exoneracao d.'presidente da pro-
viucia Dr. PeJro Vicente de Azevedo 0 o assa si-
nato de dous commercianles portuguezes morado-
res pa ilha do Jurnpary, termo de Chaves, na gran
de ilha de Marajo.
Quant. a mim era facto averiguado que o
actual presiJente nao demorar-se hia muite tempo
no Para ; eu rae-mo disse alguma cousa a^erca
da pos.cao de S. Exc, em face da sitiaca) p.h-
tica que pre.enteraeme dir.ge os desthios d p.ir
s. Exc. nao se tinhamiosirado inflel a poliiica cen-
tral ; mas na provincia afastou-se di situ .cao ate
aqui domraante, e tanto as-im que receben.lj elo
gios da opposicao e applauses dos dls-ideutes em
inuttos dos 3eus actos, nao eram estes bein acei-
los pelos grupos que crearara a situa,-ao e do-
mraio do couego Manoel Jos6 de Siqueira Men-
1 Eutretant) nao sei a exieasio de veracidade
da muten?a de S. Exc, a nao ser por um tele
gramma vindo da corte ha dous dias. segun-'o
corre ao commendadur Manoel Antonio Ptmedla
Hueno, que nestes negocios anda sempre mais ou
raenos informado.
D^ixa uos, pois, 0 Sr. Pedro Vicente do Aze-
vedo, sem m .strar como muitos, 0 que v.-io ca fa-
Mr com tao poucos mezes de demo.-a; porque, a
t.iliar a verdade, em dous annos e infio, temus R-
dono governo quatro presidentes c ires vice-pre-
sidentes.
Todas as vistas volvera-se agora para 0 tele-
'etnte a .<*un da Rha Gee
gr.ph) e mais tarde paa abirra.no intuito d.
-aber-se e cmhecer-se qual 0 individui q e v.ra
preMd.r aos destmos d-ia provincia tao i-npor'
tame em lod.-s os seniido mas At aqui tio des-
eyidad isameute dlrigida pelo cami ibo qQe a deve
eolIoCar nap.-ica. nuporiante a que tem dire.t.
eomu 1101a d-.s estrellas mais briliiantes da co--
tejlajjaa imperial.
. K-sanlo msegnudo fact) |rl orlera do dia
nqe s.) os .loos asa.Mnato*..la JarmpacM, ml*
s o >...
10 riUe t-mhm > .. I / .. 1. -------- 1. .ome.11.1nos piio. I.I /.> *acc .1......;i .r .-.
S qae Itmbanl BwaHoi iterradores que t,m ap|nrec.do e proprioy deifar 1.1 de bo.rac.ia pe
purtugneza
Nao e exaplo ; a prova c que se passou ajui
o d.a 7 de setembro em plena paz. as-ira como em
todos os pontos do Para e Anwaonas ; e nera Ml
o attentado alludid -, como o -eu Diario deu uma
teuutiva de mort.c.nio dc portuguezes na it'ha de
Macapa, 0 que nao leva lugar por inlerveacu do
visconde de Arary e Dr. Ravul.
Esta njtic.a tambem nao e exacta; ner.i 0
visconde de Arary nera 0 Dr. Ihv .I esUveram era
Mae.pa, ue.u Macapa e ilha ; antes e o extreme
norte.do coutiuento desta p.ov.uc.a.
Aquelles cav.-.lheiros est.v.:ra:n cm .-..a- u-
zenJas de Marajo, e apenas naila c na \oita to-
caram na vdla de Gh.vvs, s.tuada e.n nm di-.
extremidades dessa graale ilha, denominala por
nns M.ra)6 e por ouiros Joinnes, visto ser a
villa um dos poi.tos do escala dos vap-res uue
oavegara entre Bdera, Macapa e Masagao, e m
ilhas lutenorcs e ex ten ores Mtualas a entrada no Amazonas.
Ninguem, porem, po !e desccrahecer qne 09
factos que ultimatneule lem occorrido e as noH-
cias e.valliad.13, tem umacau-a prednrainante oils
todo* os humeus de bem devem proJigar, e' ella
nao e utra, Senao a pmpoganda das d.utrinas
ancabroui as e sul.ver-ivas do periodico Tiibuni
qua Oa cerca de tres annos, e nm iu-ulto per.na-
nente nao s6 a Portugal, como especialmente ao
Rrasil.
a A tolerancia que tem hivido com meia duzi*
de tipsloucados, que e-crevera as maiores ioiurias
e calummas contra tu lo e contra todos, 6 sera du-
vida incentivo a gerar n) e>piriio da g-.nie m.-ns
pensante, 0 0J10 contra s eslrangeiros, com este-
cialidaJe contra os p.rtngueies I
Esses tresloucalos ac .benad.s om as pro-
tec(5-s de momeulo, com a fraqu.-za da leg.-U-
Cao tem zombado das autondaJes e dos tribuuaes
E inJeclmavel que o g .verno central deve
acabar com uma situ .ca. ano nala, sempro gera-
dora de occurrencias aesagralavei-. e de noLc,i =
as mais incouv.-uiento*, dado qualjuer acctdenla,
Louvei e estnnei ver 0 seu Diario de 21 do
core nle, pronunciar-se nelo modo porque pro-
uunciou-se, contra os redactors 0 pruteelores
desse periodico, on'gem da siluncao .recaria
desacrelilala e.n quo est.i 0 Para, fun d'aqoi
o De outros assnmpl a nio trato ; lustam ^t-<
por hoje.
Desculpo me, se f.ii prolixo no-ta ifrriiilp e
por semelh.iute motivo,
H)j< cnoj.u o vaoor inglat AmmU*t, de Li-
verpool porLisb)a, com virus pas^ag iros.
t 0 Para segue hoje a noite.
Falleceu, na capital, o antigo agecle de lei-
loes Dommgos Jose Ferrefra.
MABAMfAO.
No dia 28 de setembro assuraio as rede.i-' da
administragao da provincia 0 Exra. Sr. Dr. A O.
Gomes de Casiro.
Falluceu, no Mearim, 0 major Silvino Fcrrei-
ra Li-boa Parga.
Tendo a pr-silencia da provincia oatratadj
com os Srs. Mariinns H yer. Joao Rento de Btrnw,
Manoel tosfl da Silva e Jose Joao Aives do San-
tos, 0 aba.-teciinei.t-) d agua potavel a cipital, abn-
ra se a subscripcio d.saccoes, e ja-n achsvarn
lomaJas icco^s uo valor nominal de 2&I.000J.
A Sra. Frane.sca X ivjer Meades lib^rton gra-
tuitamente as anas escravas Rosenda e El.si
l*7-fl03*i9deS'' re"Jea U nie,'de se,c,n,,ro
Cbara.
Foram nomeados promotores pnblicos : da
capital, bachar. I Dommgos Olympio braga Caval-
cante; do Jardim, bacharel Levmo Loi^s ma Bar-
ros: da Gran a, bacharel Vi ente Ce-ari.. Ferrei-
ra Comes ; de Maria Pereira, bacharel ViceDie -
moes Pere.ra J- Lem >s; do Ipd. Dacbarel KatVo
(.erino Denrle-io ,ia Nahreza ; do Tain ori! ba-
ch .rel Smtrao te A brarro, baclnrel Felinto Eii-io de Carvalho Conte.
A sulo.cri1.5ao para 0 asjrlo de aliena I s ele>
vava se a 8 3165.
A fefaodetfa rpiideu no In meslre dc inlh>
setembro ulmpo 3.'W:>4,'J768I t-nd- :
Jtrbo 186:9401000
>g">w i9i:J58*729
S-ieinbro l77T8i2i(iJ9
No trim.'.-ir" rorra-: "n'enie a. evrci-o pu>-
a.l f.i 650 9t$U".'vi. .
-11 vo..r ingl.'z Jerom\ ierr.n para Lir*rpoor.
3.376 'if... -I- .,]!< !... i.-.-i') I6).i54 kiT>s ;
. I 7-)-sacc s I.....-:i--r.'i.i) Wljtl kilo- l!W
*'
*
*>.'il7kh)s: izdt


mimmmm
Diam de Pensamfcsc Sexta Jeim 91 de Outubro- de 1874
,
15
euros cam to.tWQ kilos, c pordSo de osros c chi
fre? com.7,KK>kite.*.
.No du t'J da ngosto foi inslallada-a aova ca
mara Jo fambirll.
Em Ba'arite fallecauio capitaa Maniel ?
rao Ja.SiUa. '
BIO (JflAitDB.
Da capital escreve noaso .corrasuoudcuie: i
No dia*) de sotembro oltiov>, pelas 6 hiras
da tarde, tfram prases pelo delegado de policia de
Cauguareuma, em oasa de Dulciooa ora de Lei-
M* Bella, qs mdividuos Francisco de A*sis Bowr-
r7 Fraaciico Lull de Mello fijlvao. e Maooel Fran-
cisco por teatar-em contra a axisleucia de Autoqio
Bezerra C-.-sarde Audr..de,appr6.heodendo setwisa
occasiae, eipipodor JiS mlividuos, 3 pulala* e .2
0 diilegido, aegundo coosla, .procedou as ne
oessanas ailigencias p*r o dsssobrimeato da ver-
4 ado.
lostaar.ou-se o coaipetenla pracas so, em virtu
de de queixa do offeo lido, quo proseguc aa aeeu-
saeio contra seas ulTeusares.
< Umdelles.o de aome Minoel Frantisco, e sus-
peito de ser criauuaso de marie na provincia da
Parahyba.
f For .v:io de jioulom (o) foi dispensado, a sea
pe-JiJo, da coausisaao dc delegado de policia de
liossoro, o teneute Hercules Pindahyra de'Carva
i'ri< sendo boukuJo para subsiituil o o alferes Joa-
quim Severino da Silva.
Hoje falleceu. na, hospital de caridade, onde se
achava em tratamento, o individuo de name Ma
noel Silveslre de Siuza, em eonsequeucia da faca
d jue soffrera de seu priruo Joao Joaquim de Sju
za, qo dia 21 do passado, facto de que ja Ihe dei
awew em fljinha ultima.
a Bern razao teve o chefe de polieia quanda, uio
se conr.irn.iii 1 > com o oo~po de delicti) procadido
cm S. Gongal>, e pela quil a ofTeasa foi cinside-
nda leve, man Jo j .proeeder a novas diligencias
para meltiorm nle se qualificir o crima, que afi-
nal se converteu, nao em ferimeulo leve, nem gra-
ve, mas em verdaleiro homieidio.
c 0 enmiuoso aeiu.se foragido, e para sua pri-
sao, seguado se diz, tern se expelido as mais ler-
iiiinantes ordeas.
Pelo delegalo de policia do termo do Ceara-
mirim, major Aut-mio Benevides Seabra de Mello,
fui Colorado no dia 49 de setembro, o criminoso
Manoel Claro de Oliveira, conhecido por Hanoel
Maricas, pra>;a de policia e rea evadido da cadeia
da [mperatriz, omlese achava recolhido ptra res-
ponder pela seguuda vez, como am d^s eompro
mettidos nas inortes de Jose Uarealiao e Ricafte,
Jo termo de Portalegre.
Poi uma impoFtaaflasiaia diligencia que effec
limn a<|aella zelosa e activa autoriddde.
No quartei ao do Golaadiin, districto de S. Jo
s di Mipibii, f.'i pr^'so d'ordem do respective sub-
iiele:.ido a mllviJuo de nome Manoel Felix da
Tiiu'lado com destine ao recrutamento, e uessa
-.jccasia.i foi tanutfj^do poier do inspector de quar-
ieirao do lugar.TTTr Joao Joajuim de Sailed >. raais
Ti oiUiianbeiros djsle, todos armalos de facas e
t o Dr. chefe de policia, tendo seieocla da facto,
inindon proeeder a respeilo dos culpados ujs ter-
ntoa do decreio do SOde uovenhro de 183-5,6 ins
truc(.-ojs de G dj abril de 18il.
VAB.Miyni.
Nada occorreu diguo de raenQ.io.
MiiJJiivaelo flae'tem pcesHrlo aqoelle pkeba-
locimento, cabe-aflda'k>awilbforinais Wee-geBe-
roso donativo, que seertdencia do recbo annul >
pelo c9c- ,v^mow Joae Ae Azawedo. ttwla,io pe-
.dir lite 'tjoe setiigne de-agnrtleier em?mu-nome
ao SfjF.'lJ. CarU u louvavel desiotcresse cam que
so-taou've, uio querenlo raoebar-paf amenta >elo
seu trabalho lithographico. Assigno-me>-De V.
S. amigo atteacioso e c iado obrigaJo, Iknnqne
Pereiratk-tAUtnt.
Uusplclo de allanadoa.Us paranym-
pb;s atkiuo (ndicalos anvUram as seguuttes -
molas:
Traosporte 31:700*000
Or. Gervasio Gonca'lves da Silva iOUSOOO
a-irau deTaciruna tl^MOj)
iiifli&jj
SB
M
REVISTA DIARIA.
iiiii -. donalivos.Damo3 em seguida mais
donatives para as ubras do uovo ediHcio para o
;iryU> de alienados :
lllua. e Exm. Sr. commendador Dr. Henrique
Pereira de Lucceua. -Apresento a V. Eic a in-
ci'.tsa li^ta de pessoas que se tern dignado concor
rer para o asylo de alieiiados raediante o Hymao a
Caridadc, e mcliisa acbara V. Exc. a qoantia de
266aUM>0, aawm cutno o recibo da quaniiade 2 0i
em que irapnrtoo > papel c imprcssao do bymno,
cojo offeree) para as obraa do mesmo asylo. Sou
com todo respeito e cousiieracao de V. Exc ami-
a 1:900*000
Emprestinao prvineiI. Lemos uo
Jomatdo Comtitercio, do Hio de Janeiro :
i O presidenledaproiaeiade Peraambucoon-
tratou com o Banco Industrial Mtrctmiil do Rio de
Janeiro a emissao oesta pra^a, poreouta da mes-
ma proviocia, de 2,000:000.000 em apjlices do va-
lor de 1:000.000 e juro de 7 {.
0 produelo desta operacao e destinado a uni-
licagao das dividas fundada e tluctuaote da referi
da proviocia, e a execucao de raelboramentos ma-
teriaes.
As eondi-.-Oes da inscripcao sio as segum-
tes :
A dita qoantia de 3,000:000j000 e represen-
tada por 2,000 apolices de 1:0005000 eada uma,
emittidas ao par, e com o juro de 7 *|0-
A iraportaacia do valor nominal das apolices
sera realisada pelos toina lores.por pre.-tac >os de
25 (; seodo a pruneira noacto da a^signnlqra e
as ^ubsequentes ate 15 dos me les de novembro,
ileiembro e jan: ro fu uros.
Os juros das apolices coine$arao a orrer da
data das respectivas preslaQons, e serao pages se-
inestraimente nas segundas ijiiiaiena^de Janeiro e
julho de cada anao.
Havera urn registro na oJrte (no Sanco lo'us-
trial) e outroni tbesouro provincial de Pernam-
buco, para que possam as ap lices ser transferidas
Oe urn para outro regisiro, e pages os respeetivos
juros do lugar no registro.
As apolices nao poderao ser resgatadas senao
depuis de cinco ami j.- da data da emissao. Findo
e*se praxo podera a proviocia operar o resgate no
toJo ou parcialmente, conforme o resolver o corpo
lagislativo provincial na deoreiar.io de fundos para
esse lim.
t 0 resgate sera feilo ao par, no lugar do res
peclivo registro, e por sorteio das apolices emitti-
das, se o resgate liver de ser ieito parcial-
mente.
a Os subscriptores do emprestirao qae sem cau-
sa ju-ti'icada, a juizo da direcloria do banco, dei-
xarem de fazer qualquer das prestacoes, perderai
as que anteriormente liverem realisado.
Os suDscnp.ores do emprestimo receberao de
cada prrstacao cauielas provisorias, as quaes serio
sub-utuidas por litalos delinitivos, remetlidos pelo
thesoorode Peraambaco, quaado se realisar a ul
tuna prestafao.
I'ai-ji o sl ilo iinpei'io. -Vinlosdas pro-
vincia- do nort-% comdestino ao Uio de Janeiro,
acliamse a bordo do vapor Para o" escra-
vos.
Uiiihciro. OsvaporesPiuii e Cervantes
trouxer^m para:
A. il>v,rnaliScC. 5:000^000
Jose-Cordeiro do ilego Pontes 4:400.0U0
Manoel Marlins de Amorim 1:860*870
Viceute Alves de Aguiar & ('. 2:000*000
Jose Rodrigues de Soaza 2:000 ,000
Joaquim GraWo de Bastos l-.0O0*"Oi)
Theudero Cbristiansen 840*160
Barros, llendea & C. 31)0*670
Ferraz & Pereira 37i*'JOt)
Dr. Jose Hygino Duarte Pereira 100JOOO
0 vapor Cervantes levou de nossa prac,a
para :
Natal 2:000*000
Ceara 17:000*'.,00
Maraunlo 300 000
[ara 45:000.000
Por euuna do j-.go. Em 27 do setembro
fltttfstoncia de oamero'cosi.leWrl tie-peseoas. ^[-OTeWi-edeWite,-'fei'pr|ie*ta pio Sr. lrt?l*Hhi.
com
go e ciiado bbrigado Pedro de Athaydc
Moscoso Recife, 11 de selembro de 1874.
Emilio Xivier S ibreira de Mello
Raymupdo Joao dos Iteis
Krtderico Aagost) de Lemos
Josii Candido Vif.gas
Januario C. Monieiro de Andrade
.Manoel Antonio Cardoso
Manoel Jose Piuto
Antmio Jeronymo de Oliveira
Jesuino itodrigu'-s Cardoso
Krancisco Lauro da Silva C'jsta
CyrinCO A dos Santos e Silva
Joao Z-ferino R icgel de Sampaio
Krancisco A. de Onveira e Silva
Manuel Leite Pen ira Bastos
Epipbanio Pedrosa
Joaquim Alonso de Almeida
Manoel Jose Mar |iies Bacalhaa
Kodolpho L. de Mello Santos
Sebastiao M. Basilio I'yrriio
Agnpino de AOreo Fiallio
Antonio R. de Andrade Luna Junior
Joaquim J ise de Oli eira
Anl'uio Carlos S. Avelar
Gaspar Fragoso de Albuquerque
Eagenio Marques de Amorim
Carlos Joio de Sauza Corrtia
Domiogos Adonso Nery Ferreira
Dr. Pedro Affonso de Hello
i;r. Ani m:o Witravio P. BaaJeira A. de Vas-
coacellos
Dr. Sidronio Lydfo de Oliveira Magalhaes
Dr. Mai ciano Gon^alves da Rocha
Dr. Antonio Jose de Almeida Pernambuco
Dr. Horacio Valfrido Perigjrino da Silva
Bernardo Carnelro M. da Silva Santos
Manoel Pereira da Co^la
Tenenle-'oronel Thomaz Jose da Silva Cus-
mao
Joao Carneiro Monteiro da Silva Santos
Manel Jose de Campos liar, osa
Landelino Aniouh de Luna Freire
Pedro Alexandrino Machado
Joaquim Lucillo de Siqaeira Varejao
Jose Luiz Sa'gado Acioli
Aivaro Conrado Ferreira de Aguiar
Manoel do Nasrimento da Silva Basto*
Polippe Eimlio M-iiin da Costa
Pedro Frau is^o de Paula Baptista
Frederico Angnstii Neiva Junior
Jose do I'intio Borges
TUome Jiaiuim uo Ib'go Barros
Antonio Ignacio de Torres Bandeira
Luiz E|.ipnauio deSouza
Dr. Autunio M de Fa-ias Neves
Dr. Jo e Maria Freire Gameiro
BernanM io d>^ Senna da Silva Guimaraes
Dr. Ainerico Fcrnandes Tngude Loureiro
\ Pedro Baroo-a de Araujo
l.indolpho Olyinpio dos Reis Campello
Augusto A Iriao r'aulino da Silva
Joao P. Bandeira Acriuli de Vasconcellos
Salvador Harbalho UchOa Cavalcante
Silvio i Antonio R idngues
Antonio Milburges Saraiva Galvao
Litographo F. H. Carls nao quiz receber a.
impoiiaticia dd impressao de quinheatos
fr int-^-ijicios pars Mymoo a Csridade
Men ique B. So ire de Audrade
Henrique Leiden
.lira. d Dr. Joao in a i/. Ribeiro da-Caaba
Mariano Alves de Araujo
D. Pnilomena M. O'Coonell Jersey
Dr. II ui i J i e daCo>ta
Dr. Jo-e NieoiaiT. dei'C rvalho
Walin io Barrelo de Mello Rego
Yictonano Palhares
Or. Pedro de A Ldbo Moseoso, importan-
cia da impressio com o recibo junto
Lobo
5*
3*
2*
2*
3*
41
2*
2*
25
IS
2*
2*
2*
2*
5*
U
2*
1*
2*
1*
53
3*
2*
5*
5*
5*
5*
5*
5*
5*
5*
5*
5*
5*
5*
5*
5*
5*
SI
5*
5*
U
5*
5*
4*
4*
3*
3*
2*
2*
2*
2ft
2*
2*
2*
2*
2>
2*
2*
2*
3o*
5*
10*
10*
I
U
10*
2*
6/
3*
Abate-se 200* da impressao e 33* do Cari3
200*
eoi*
235*
"266*
uiaasiro qae rcmello IBM*
t Kua Ko*a n.' 41.Pernambuco. Sr. Dr.
Pedro de Athayde Loby Moscoso compron a An-
toiiio Jo>6 d AzavedA. -r-Jeroamhaco W ide e-
tembro de i74. -^etemsV* 13. COO bxemplares
do hymno de caridadepor duzentosmH *is. -sle-
cebi o im.irte desta ctMjta. Recife, 13 dfi.stiem-
hro lie 1874. A.J. it Azevedo.
GaWn-le da'^Pesideoeia dePeroambaco e*i
1 d .saumbro da ISfn,-Illm. Sr. Dr.'Ped'ode
Athyle Lohj Mo-..-oso. -|Ftco de #pe idos da j
zeato- wwou aais ail rets qua V. S. reatet-
teu em carta de id4o e*rrate, com dnstino ao
bospicin de alienados e cdbrecilos em rtribai{ao
d*-^lyflinc A i'Am&M -peKs passoas eonstantes^
da-fata ife ncampaafcws 4queHa quantia. ilelte-
ultim), o lugar denjunnado Orobo, do termo de
Bom Jirdun, foi theairo de am drama sangumo
lento.
Jose Francisco dos Santos, alii residente com
sua famiiia, tendo perdido algum diulieiro ao jogo,
clicgou a casa de mao humor. Conhecen-lo sua
inulner a cau-a do ineommodo que o aflligia, en
tendeu aza Ja a occosiio para cbamal-o ao bom
caminlio, e lembruu Hie que melbor seria que elle
applieasseem bem de sous fillios odiuheiro, que
arriscava a sute dascartas. Tanto baslou para
que Jo e Fran;iscodos Santos arreinettose defaca
em puabo ciuira sua mtillier e a ferisse com tres
golpes, ferind i tarubem a u >>a suafllna de qua'.ro
auuos, que cm djridos rlamores inlerpuzera se-
lbes defeuden Io sua mai !
Mai e fllbasuccubirara poucos momentos dep.is,
uma victima de seu marido, oulra victima deseu
pai. 0 delinquente esla pr^so.
Ilsiiaurameiilo. A's 8 boras da manha
do 3 do correiite, Antonio hidioespancm, ferindo
gravemente, Francisco Antonio de Siuza, na pro-
pna casa deste, ciJade da Escada. E.'adio se o
delinquente ; a poli;ia no entretanto precede a
respeilo, C'.iiio 6 de lei.
Prissio.Foi recolnido a easa de detoncao, a
requisite do juiz le direito do 1." districts crimi-
nal, Cassiauo Jose Ribeiro, pronuueiado pelo mes-
mo juizo nas peuas do artigo 193 do codigo
criminal.
Cadaver.Na manha do 5 docorrente, foi
encontrado o cadaver do -ubdito portuguez Maooel
da Coiiceicao Parente, na rampa do caes Viute e
Dous de Novembro. Da vistoria a que se proce-
deu, verilicou s: baver esseiudividuosuccumbi.'o
a asphyxia por subraer.-ao.
luciiici'ito palicial. Pela subdelegacia
da boa Vista foi remetudo a autondade corapeten-
te, o que effectuou contra Joao Manoel do Nasci-
ment pelos crimes previstos nos arligos 274 e300
do codigo criminal.
Koi preso.Capturado, foi hontem recolhido
a casa de d>>teo{ao, Joao Jos6 de Sani'Anoa, que
na noite de 3 do corrente, em o lugar Areias, da
freguezia de Afogados, ferio gravemente a Manoel
Joi'e d > Na-cimeuto.
BxpoHicaa de Philadelphia. 11 j\
deve tia .-r sessao da commissao iucumbida da
acquisi'/ao de especimens e productos nacionaes
desta proviocia para a exposicao universal de Phi-
ladelphia. A reuniao dos membros da commissao
devera eSMtow-se as .6 Bora* Ja tarde, no 1" an-
dar do nrodu) n. 83 da rua do LnperaJor.
Declara^au neeessarla. Por rngano
do paginano fo nontem declarado, no discurso do
Exm. Sr. conselheiro viscunde do Rio Braojo, que
cooiiouava, quaado elle terminou na parte hon-
tem punlicad*.
dornal das familiar. Recebemos do
Hi io.' J>ueiro on. 10 d'-u jornal ds modas e
instruccao recreativa, in>tructiva, etc., qne alii po-
hlica mensalmente o livreiro editor oSr. B. L.
Gamier.
Corresponds e9e numero ao presente mez de
oalabro, contain : Sr visto, romance por T. ;
Muilo> ar.nas depois, dito por Lara ; Figueira, di-
to phIo Dr. Caetaoo Filgueira"; anedoelas psr Pau-
lina Philadelpha ; Mu'her, poesia por Honorala
Minervina Carneiro de M-mdonoa ; descripcao de
modas e de trabalhos de agulba.
Acompauham a" oumero : um figarino de mo-
das, colond", quitro e-tam >ai de bar:1a 1 -s de
m-'i les, de tapecaria a de illuffl1oa;ao de estim-
pas ; e uma gravura aobre madef a.
CoHiinda a asigoar-se em tolas as li*rariasa
12*010 per anno.
Phenix Dramailea. Vai amanha nesle
theairo em ben-licio do eoutelho parochial da so-
ciedade Propagadora da Instruccao Publica da fre-
Lguezia da Varzea o impriaate drama Gabnna
qne. Iia tompos passados, foi muito applafldidn no
Iheatro Santa sabel. ionsta nos que a saciedade
tern eavidado todos es esforcos afnn de que os con-
vidados i-uimu uma boi noite dedistraccio.
l.ivraria Popular.Chamamos a atten-
cao dos uo.-.-os leitores para o annuncio de livros
povos e barato;,ahegads de Portugal pelo ultimo
vapor, os qoaei se aoham a ven la ne-.ta livraria,
ita a raa doilarao da Vicbtfia n. 59.
Culto As Lnttras. llooeb-mos o 6 nume-
ro do 2* anno dest* p-riodico, organ da sociedale
liiiKr.ii-1a liistnuio Ili-toric i Philosophico Pernam-
bU'-ano ; e agradecemos nofferta.
o Brasil. -Esse periudico de rodaccao dos,
Srs. M. Piuh^iro Chagas A. M. de Castflho, e que"
se publica egg Portugal, nrcupandc-se do qne
preode c>m os loteces^es e dire tos dos portague
zes re-ii.-utoi a> B asil, tern p-u- agencia para as-
sgoijuras a Livraria Popular d* raa do Bario da
Victoria D..5P-
Publira-se i vezes por mez, \ razSo de 12* for
anno t it p r sementru. franco 0> yorta.
Cum.irca da S^iito Vni4<>. -Recebe-
mos ti ulim o Humicipin, -di 2 io corrente.
- N. Jia 27 do set-mbru nulU -a se o asseata
meno Ja primeir-. pedra do aovo ediBcto da ma
ntof, em que ia s- pedra, fei cnndozldo, desde-a
ceja.do Rosario ale c-respecttvo local, peK> P*
MyflipMs.
A subscrtpcSo para ess* obra elevava-se a
ro*t>oo.
Presideme (loPfaHrti?. -0 Exm.Sr. Dr.
Atlolpho Limenfaa Lins aobaa-se ja em <*vies-
cenfa, 9.i looga e perigoja febre palaJesa.-'de ijae
foif-affectado.
Fore a naval. -A lei b. 2,534 de 9 de se-
tembro' tixou a forca naval para o anao flnanceiro
de 1875 a 1876, decrelando o seguinte :
Art. -i* A for?a nsval activa para o anno ftnan-
ceiro-de 1875,a 1876, constara :
1*. Dos elSeiaes da armada, e das demais clas-
ses ra e transportes, conforme suas lolayoes, e as
do! estados-maiere3 das esqoadra? e divisoes na-
vaes.
V. Bm eirenmslancias erdinarias de tres mil
pracas de marinhagem e de pret dos eorpos de
marinha embarcadas, e de seis mil pracas em cir-
cumstaocias extraordiDsrias.
3*. Dos eorpos "de ioiperiaes marinbeiros, das
cempanhias de aprendlzes marinbeiros, creadas
por lei, e dobalalhao naval, continaando a autori-
sacao para eleva-los a seu eslado completo.
Art. 2*. Para preencher a forca designada no
artigo anlecedeote e o governo autorisado a dar
gcatiiicac.oes aos volnntarios que se apreseutarem
para o servlco, a cootratir nacionaes e" estrangeiros
mediante concessao de preraios, e a recratar na
lonin da lei
Art 3*. t) governo fica autorisado para crear
desde ja na cUade de Maceio uma compaoBia de
aprendizes marinbeiros, semelhante as que exis-
tem em outras provincias marilimas.
Art. 4. Revogam-se as disposicoes em contra
rio.
Procura^no a jikiim dc um pcocu-
rador.Em 21 dc setembro, o ministerio da
justioa expedio o-seguinle aviso a prasidencia do
Ceara :
a Illra. e Exm. Sr. Foram presentes a este mi
nisterio o offlcio de V. Exc, n. 73, de 8 de julho
ultimo e papeis juntos sobre a seguinte duvida
suscilada na thesourana provincial,-se a procura-
cao que confere poderes a mais de am procurador
aara te eber vencimento?, sem a clausola in soli-
dunt, so deve ser aceita quando apresentada pelos
maudataios conjunctimente, ou se pode ser exhi-
bida por am delles para es devrdos elTeitos.
0 governo imperial approva a decisao, pela qual
v. Exc., de accordocomo psrecer do procura
dor da coroa, declarou ao inspector da thesoura
ria provincial, que na especie sujeita, os pederes
da pr-iiii'.i..'i i, nio contendo a clausula alludida,
cabem a qualquerdosmandatarlosiudislinctamente.
Deus guarde a V. Exc Manoel Antonio Daar-
te de Azecedo.
Ijiigar <|uc eabe ao procurador da
eoroa cm tribunal. 0 ministerio da jus-
tiga, cm 21 de setembro declarou ao presideute
da proviocia de Minas Geraes, em solucSo ao olli-
cio n 222 de 5 do corrente, sobre a seguinte eon-
sultase o procurador da coroa deve ter ass^-nto
a direita do mesmo presidoale, embo-a nao seja
o desembargador mais antigo. > u se a antiguidade
regula a presidencia ; quo na falta de disposi^ao
especial sobre o caso, deve ser manlida a regra
da actiguidade, soguudo a qual o procurador
da coroa tomari asmto entre os membros do
tribunal.
Regrhnento de cuaias. Lamos no Jor-
nal do Commerci<>,4i edrte :
No tribunal da reiacao, no dia 2-5 de setem-
bro, dense urn iocide le relative ao novo re^i-
mento de custas. 0 Sr. conselheiro Araripe fez
varias considerafoes ti-ndentes a mostrar a conve-
nience de consullar-se o governo acerca da exe
cuea i Jesse r gimento, para evitar se duvidas
pir ventura questScs entre os litiganles e as partes
mleressadas,
0 Sr. i-onselheiro Araripe entende queoprazo
(2 anno.'), concedido ao puder eseculivo para de-
oretar o novo regimento, expirou ha muito tempo,
e, pois, nao polera o mesmo regimento ter forca
obrigatoria, etc.
a Quasi todos os mini.-tros do tribunal moslra-
ram acquiesc.er as observa^oes do Sr. conselheiro
Ara ipe, accrescentan Io o Sr. Siyao Lobato quo
de rau-io ?lgum cumprira a disposicao do re.'.imen-
to que extinguio a prisao por custas, disposicao
coutraria a legislapao vigente que nao pode ser re-
vogada nor simples regulamento.
Procedera, pois, agora como em relacao ao de-
creto que em 1860expedie-se dispensando os ban-
qutiros fallidos de serem processados, segundo as
disposicoe.s do codigo commercial. Nao ad unite
que o poder execuiivo possa par simples regula-
mento? contrariar disuosi^oes emanadas do poder
legiilalivo. b
Acerca desse novo regimento foi expeJido
pelo ministerio aa jnslipa o aviso de 29 de setem
bro, basuado n'um pare.cer da consellio de estado,
peca] essas que publicaraos hoje sob a rubrica
Pnrfe Official, e para as quaes chamamos a atten
gao dos leitores.
tpuramento do censo. 0 total apura
do pela directoria g^ral de estilistica ate 27 do
mez passado, 6 de 8,017,870 babitaules e:n tolo o
imperio.
A I'auiilia de Orleans. No dia 3 de se
tembro, as 10 horas da raanha, a duqueza de
Cbartres deu a luz um menino q se so ha de cha-
in >r Jean Pierre Clement Marie. E' o primeiro
note de Luiz Folippe e o primeiro dos principes de
Orleans, nascido em Franga djpois do exilio da fa-
miiia de Oileans.
Feeuudidade. Le se no hio-Grandcnse
de Porto Alegre :
Ha poucos dias a senhora do Sr. Henrique
Rosenliain, proprietano do Recreio Ferro Carril,
no Menino Deus, deu a luz nada men is de tre.-
criangas, todas sadias e bem disposta3, sendo de
ooUr que todas ellas nasceram com dentes. Sao
ires meniuas, e tanto ellas como a mai acliamse
(ora de perigo.
t E' facto admiravel de fecundidade, deveuJo
observar-se que a mesma senhora ba annos ja le-
ve gemeos.
Peste nos caes.Le-se do Diariodo Rio
Grande de 23 do correote :
No distnco da Mangueira, na parte que Qca
mais perto desta cidade, appareceu uma peste nos
caes.
Dando em seguida as linhas que a este re3-
peito nos dingio o nosso socii, que alii se acha
era sua ;hacara, chamamos para ellas nao so a at
tenoio publica, como particularmente a di cama-
,t~v -~r "niiinia uuaurii^. nnivi Uiouu -a /i^*> K~*.. viv w^*w umitviw ***
tando a v. S. a tegaranja dc minha grafiWo-pela'triz, eom tola a solemaid do 3 csplenflor, e com
ra municipal alim do providenciar de modo que o
mai nao chegue ate ca, fazendo aeabv com essas
matilhas que infestam as ruas e pracas da cidade.
Eis o que nos communicam :
a Ha um mez mais ou menos que appareceu
aqui o primeiro caso de uma molestia nos caes.
que muito seassemelna com a rabia canina, que
tern progredido espantosamente, e por cujo mo-
tivo muito susto tern causado.
a Nao menos de 25 a 30 caes ja tern sido mor
tos neste lugar, no curtu periodo de um mez, por
terem apparecido com & tal molestia.
c 0 cao accoinmettido da molestia nao an ia com
a lingua pendente e espumosa, nem com a caheca
e ordhas cahidas para diante como os caes dam
naios ; mas traz a cauda abatida, nao come, nem
b> be ; morde a todos os outros caes com que so
encontra, e desinquieto desapparece ao segundo
dia de casa, ate que acabara com -elle por ahi al-
gures ou morre da molestia
a Felizmente nao consta que pessoa alguraa te-
nha sido mordida.
c Os outros caes, porem, por elles stacadose
mordidos, apparecem apos alguas dias com a mes-
ma doenca, o que demunatraoer de mao caracter.
a Na circumferncia de doas leguas, isfb e da
Ponta da Mangueira Velha ao lugar denoujinad j
Macaco, nnde.isto.-e teinpasaado.italvez nao haja
uma casa qoe nio tenha 1ido o desgosto de man
dar matar dous ou mais de sans caes assim ata
cados.
a Nao .e dizer qae a causa lanlia sido a falta de
alimeuto ou dVgaa, porque os accommetlidos-em
sua mor pirtet&nsido os mU siimadus e bem
tratados.
a Dando esta noticia so ,tenho psr fun acaute-
lar maior nvH, f.en Supremo tribunal de jiiHti^a,N '
sessai de16.de setembro foram iulgalas as :
Revista civel n. w#M, de Pernambaco.Recor-j
rente, Francisco Joaquim Cavalcante Galvao ; re-
corrida, D. Aaoa Joaquina Teixeira da Motta Gal
vao. Juizes, relator o Sr. conselheiro Taldetaro,
e revisores o* Srs. Albuquerque e Cos a Pinto. Ne-
garam a pedida sevista depois diduicutidopilonga-
mente us fundajnentos da rausa, vi;to nao haver
nam injuslica astum, aaBi islfuili auilidade,-e
.flandaram sgriisiT|iii>j no ijaisn donde vie- Norte 424, Matt
ram. Nao votou o Sr. conselheiro 'titrqwir* -por
ter- se retirado p&inG?vnmfai\M.
Revjsta civel n. 4831, iP"iuwii)co.Recor-
renJe, Joaa da Cutna Scar** iGpnMries, icarador
Ja interdiota D. /tttBCilQ*wnnMaj* da Canceicio
CuDhajcecurrido, Joao Antony* Gomes Guima
Lelo arjuestao prerimtnar- chnein desta reVBte; pop ra do termolefal, a'sim^e venceu ; lJr> votBnao.
somepie o Sr. conselheiro barao de "-PirapanM,;
-por:ter cteegado 'quando esiava-a c-mdlair-se o re-
la to rio.
tjuUu<4 de c4tilo.D'liiiu.s'.erio da jusligaj
marcou : ao juiz de dirailo Cesario Jose Chavan-j
tes a de 1:2000/ e o prazo de quatro mezej. Ao!
juiz da direito Joaquim Tjviirns da Costa Miranda
a de 800*000.
Ptarpenna tie esasne- d*- aulMesen-
<4a.0 rainisierii do impen i communicoa ao-
president" da juntt de hygiene publica, para os
devldos ell'eitos, que Pedro Fellaia foi dispensado
do ame de sufficieocia, aftm de exereer a meii-
cina no imperio, visto. ter provado one e medico
onnailo pela^cademia da Transylvania e que ser-
vio como cirurgiao no exercito em operac/tes con-
tra o^overno do Paraguay.
I.irenras 0 decreto n. .2,5;)ft aatorisou o
governo para conceder um anno ao 3' escriptura-
rio da tnesourana de fazenda da i win :ia do Ma-
ranhSo, Lourenco Luzitano Je Castro Belfort.
0 de o. 2,537 autorisou o governo para conce-
der um anno ao l escripturario do thesourro na-
cional, Francisco Jose Xavier.
0 de n, 2,538 autorisou o governo para conce-
der mais um anno ao chefe de seccao da aliaode-
ga de Pernambuco, Dr. Luiz de Gwalh.i Paes
de Andrade.
Eslcs tres decrelos sio dalados de 2) d> corren
te mez.
Ni fi-rma do decreto n. 2,532, m com orJenado ao desembargador Manoel Cerquei-
ra Pinto.
Coasellin guprenn militar. -Na ses-
sao de 26 de sebmbro foram julgados deiinitiva-
nipnie os scguintes processos :
Excrcilo. Soldado Uellino Vict;riano, accusado
ilo crlne de I* deservao simalas, e coulemdado
em Jons mezes.de prisao, por se ter apre. eutad >
voluntanamente dentro dos ires meze., foi coqflr-
mada a sentenca ; ditoj Uernar Jo Jose da Cruz e
Antonio de Miranda Farias, aceusados do ciiimo
de A* desercao simples, e coudemnalos, cada Um,
em seis inezes de prisao, foram coot-rmadas as
senteacas; dito Alexandre Gomes da Silva, aecu-
sado do crime de l* desercao aggravada e cba
demaalo em um arm j de prisao, foi conlirmad|a a
sentenca; dilo Francisco Saloniao de Souza.ac-
cusado do crime de 2" desercao simples, e cbn
detnoado em dous annos de pttsto' com trabalno ;
foi reform.a la a seleuca, para imp^rem ao rea' as
penas do art. 3, til. 4 das 2 v desercoes simples
da Ord. de 9 de abril de 1805, por conslarde seus
a dentro dos 3 meze^. Oilo Antonio Jose do Mto
Jdnior, accusado do crime de l1 deserfio simples,
e cmdemnado em 2 mezes de p-isao por se (er
apresentado voluniariamenle deniro do< 3 meze*;
nio se tunou reconhecimeoto do processa, porque
aprovsita ao rto a disposicao da imperial resolu-
cao do 17 de juuho do corrente anni, da la sobre
ousulta do canselbo suprenn militar da 15 do
mesmo meze ann e comnuuioada em aviso d;
2 de julho do referido anno.
Compauhla urasilotra de navcica-
cao a vapor. Lemos no Jornal do Comm-r-
uo da curie :
a llmniram-se hontem (30 de setembro oske-
ciooistas desta companbia, represonl-.nda 9,845
acte^s, sob a presidencia do Sr. Visconde de S.
Salvador do MAtSoiinhos s-rvindo de secretarios os
Srs. C II. Wilmot e B. Cairaary.
Foi lido e approvado o relatono apresentado
pela directoria, bem como o seguiote parecer da
commissao liscal :
t Srs. accionistas A commissao,; qua vos dia-
nastes investir do houro?o manlitode Jar pare
eer sobre o relatorio e cmt-s, qui vm sao aare-
sentadas peia digna direct' ria, vein, em obedJoo-
cia ao disposlo no 2- do art. 41 das ostntaios,
dar-vos conta do resaltado dis seus trabalho-.
A'S folicitacSes, qu- vo, -dirijre a illustre Ji-
rectona; a commUaao nao pide deixar da iqntar
tambem as suas ao ver que ante* os desvdos de
oma adinini-trac.ia tao zelosa, qaanti intelligent^
n bonesla, rusurge a conpanuia, tendo cansegui Io
desviar o golpc de desedabro, que contra ella vi
biira a desleslJade e rna US da ex directoria de
Xnva Yo:!v.
Esta eireamstaocia deve ser-vos duplamente
agradavel.
t Ao mesmo tempi que vdles regressar ao seio
di eeinomiaeda trabalho tanto* cipitae?, Uo gra
vemeote compromettidos, assistis tsmbem a um
dos mais bellos triumahos da priocipio da m irali
dade, que recmnmenda ao respaito e estima pu-
lilica a benemerita directoria, a quem conliastes
a adminisirajao da companhia.
i Olivro das s;as actas acha-sc escriptural)
em dia, comprazendo-se a co;n:ni-sao em atllrmar.
que estas tem silo com assiluidade celnbradas de
conformidade com o art. 20 Jos estatulos.
Todos os detalhes do ser-vieo, quer a bordo
dos vaporc, quer no escrlptorio, quer ainda com
relacao a outras depsu le.icia* Ja csmpanhia,
ai'liam se por hil modo regulad' s e liscaiisados,
qne a commissao -6 tem a louv r a incansivel so-
licitude e recoutiecido zelo qoe desde o principia
Ihe? tf m consagrado o digno dircctor-gerente em
0 m dos intercsses da companhia.
A t-scripturacSo acha se organisada na melhor
ordem e coin adm ravd metbodo e nilidez.
0 biUncn e annex-s que o acompanham
acliamse em perfeila conformidade omos li-
vros.
a Srs accionistas, melbor do que a commissao
poderia dizer-volo, podeis vos apreciar pela rela-
torio da illurtre directoria toda a exteusao das dif
liculdadei com que esta tevede lutar para resti-
tuir-vis a companhia nas condicjjes lisongeiras,
que actualmente a circu < dam, e Ihe promettem
dias de maior prosperid d*.
No enlanto, graia a beoevolancia equitativa
encontrada no governo imperial, seja-Ihe tambem
peimittido chamar a vossa attengao parao auxilio
efQcaz com quo a companhia ten sido honrada e
protegida p-la Banco Commercial do Ria de Ja-
neiro. ,
A commissao, terminando, tem a bonra de
propor-vos as seguintes con:lusoes :
1\ Qae sejam approvadas as contas apresen
tadas pela illustre direotoria.
2'. Que sejam louvaios, cam reconheciraooto
especial, o-i relvanIissiraos servic.as prestados pela
directoria e gerencia.
. f 8. Que se consigne um voto de agradecimen-
to ao Banco Commercial do Rio de Janeiro por
lodosos.iuxilios prestados em favor Jj credito da
companhia.
a 4a. Quo seja dado um voto de louvor ao Sr.
J C. Harrah pelo modo honroso com que tem
cumprido n s-u maadato, m detoza du diroilos e
interesses dos Srs. accionistas em Nova-York.
t Ku du Janeiro, 20 de setembro de 1874.
Unset Ubelhart Lengruber.Alexandre de Castro.
A. de Cl Roytlie.
a Em seguida foi proposta o approvada uma al
teracaono e^alutos, no smtido de ser reduzido
a tres o numero dos direct ires.
Iiongevidade.Falleceu a 18 do setembro
no dist icto de Muana (provincia do Para), Fran-
cis ;o Jose Pires, com 139 annos de idade. Era
filno de Chaves, cidade de Portugal, onda servio
31 annos na marinha desta nacionalidade, fazenda
tre? viagen em a nao Vasco da Gma a India, e
empregado sempre em outras euibireacoes fez a
sua ultima viagem para ajui, depojs de ter ido
ac .mpanhar o Sr. D. Francisi^o a Portugal. 0 Sr
Pires entre outros descendantes deixoa um neto
de mais de 60 annos. 0 Sr. Pires morreu no
gozo de todas as su faculdades, recebendo com
verdadeira eontriccio us demais sacraraentos da
exlmtinccao.
Juruiaiihi. -Como ignorem mnitas pessoas,
dis o Diario do Gram Pard, a exi-tencia real desta
ave. confundindo o eu canto, com o mKto agudo
das pregaigas, assegaramos, ccm o auxilio dos
mestras, que nao 6 uma ficejio a existeocia do Jo-
HCTAIIHI.
Nas placidas nolte3 de-Iuar, no melo das fron-,
dosas matias solta, de qaando em quando, oaJuru-j
tauhi, o seu grito monotono, sahido tte uma bocca
bastante larga, assemelhando-se no gargalbar
estridente de quem mofa. D seu taraanho e do
uma peqaena coruja ou de uma gallinha peflrez.
E" da famiiia das aves Incirugas ou das nnctivagas
e menos raed raha do qae ejtas.
Surdos miirJUis.-Da apuracao a que se,
esta procedendn na directoria do estaustrca, na
cdrte, se venBcou .oue a provincla que conta
maior jnmero de sordgs mudos 6 o Ceara.
0 resaruOo conhecido Ate agora e o seguhrte :
Cotte 209, Parana 181, Santa Catharina 421,
Bopirito Saoto 37, Alagilaa 12D, Rio Grande do
Grosso 101, Araazouas 23, Para.
'228, Maraobio 282, Piauhy 86. Ceara 600, Per-
nai)u*|357, Sergipe *, Rio de Janeiro 293. Rio
Grande do Sal 409.
Sacrliegio. De Baturite communicam o
seguinte facto, do Cearetui, digno da mais severa
punicao : nao deve iiaver complacencia pa: a com
os 1 esses moderoos iconoclastia.
"o 1 ffo dia If do corrente, emraram M ca|
do ausual'J) ParfembiiijQinlio, deste turmo, e 5t
Tsram-dua* imagensdo Crncrifcado; e horrivel o-
.fiafpraiicram os malvados. A nmadas imageus
*erwran> os pes e um bra ca, os ([qaes foram en-
contrados perto da i^reja por alguns menino3
que iirdavtvm brmcando ; o corpo apparecea en-
tre os cafeeiros'todo cortado e horrlvrtmente pro-
fanada.
Da-ootra imagem nao se sabe, apparecendo
somenle a cruz toda quebrada.
Kste facto causou ahi profunda s.rnsac'o. d
laniMss inclezas.- Paponla & C a rua
Jo Cabuga n. 2, receberam m.vo sortimento, lanto
Iwas como lurdadas, dos as. II a 18 jignal a 84 a
4'), com e sem colhirinhos. assim eowo cainisn*
de ilaoella de cores de os. 36 a 44, e cella
hobos de linho dettados e em pe deos. 32 a 44.
i.max de pelliea.-Os mesmo* Srs. rece
heram pretas, brancas e de cores, para senhora e
para homem, a nu do Cabuga n. 2.
Pagatloria dofaatenda. Nesla wUfio
pagam-se hoje asseguiotes folhas: hospital mi-
litar e todos os domais funccionarios que reeebem
por meio de recihos wnlsos, e tambem-os que dei-
xaram de receber nos dias que lbes foram mar-
cados.
ProteMlos tie leKras. Enirou haje no
gozo de lic-.-nca u major Antonio Jose Alves de
drito, escrivao de appellscoes, aggfavos e protes-
tos de letlras do tribunal da relacao ; s-ndo desU-
nado p>ra subslitui-lo o escrivao da mesma reLa-
ca>, Jose Peres Caiupello de Almeida, o qual con-
tiii11 dc M'linna nos ptatestos de leltra-, e com,
cartorio a mesma c.isa, a rua do Imperador n. 46
1' anlar.
Loteria do IMode Janelra Ra.-u-
mo da lisla da 1" lotoria (529.') em beuelicio das
obras da matriz de Sant'Anna da code, extraliida
a 26 do passado :
N. 4-iS.................... 20.0oOfiOOO
N. 2812...................... IftcOOOiOOO
N. 3842...................... 4:0005000
N. 2X91....................... 2:000*000
Ns. 901 e '. 6031:000* a cada um.
Ns. 1910. 202), 5018 o 51938003 a cada am
X'. 22, 20a, 729. 1857. 1972, 2439,2910,4446,
3257 e 57-19 -200a a caia um.
Ns. 55. 29 \ 317. *10, 912, 1041, 1077, 1322,
1391, 1678, 1813. 2956. 3423. 4211, 4450. 4019.
5080, 5296, 5328 e 5378-100* a cada um.
H*. 151. 166,252. 342, 491, 492, 566, 1167,
1181, 1314, 1133, 1368, 1403, 1417, 1435, 1379,
1646, 1685, 1774, 190-1. 1969, 1933, 2043, 2146,
226), 2544, 2593, 2718, 2873, 2998. 3102, 3127,
3312, 3-188, 3404, ;i493, 3516, BMI, 3627, 3801,
3803, 3865, 4119. 4468, 4624, 4676, 4920, 4959,
5002, 39iS, 5466. 5510. 5529, 5612, 5654, 5779,
5780, 5830, 5911 e 5966 -405 a cada um.
Ijoteria. A que se acha a veada e a 120'
a beneficio da matriz de Teju-.upapo, que cane no
dia 14 do corrente.
Casa de dettinea*. Mivimen'o da ca.>a
le detencao do dia 7 de outubro de 1874.
Existiam orosos 317, entraram 4, sahirain 3,
exislem 318.
A saber :
Nacionaes 252, mulheres 7. strangeiros 22,
j cravos 35, e>cravas 2 Total 318
Alimentados a custa dos cofres poblico: 263.
A saber :
Sao', 231, enfermos 12.^Tolal 263.
M ivintento da cafermaria do dia 7 da outubro
Je 1874.
Teve baixa :
Matliias lose da Paz, eeimalalgia.
PaMsaizeiros. VinJos dos portos do sul no
vapor brasiieiro Cervantes :
D. Francisco Manstany, Anna Amelia, Lauriano
de Medeiros, Manoel F. da Silveira, Dr. Maooel Si-
queira Cavalcante e um c ia la, Phamoilo y Costa
Cysne, Joao E. da S. Porlo, Antonio RiJrigae? de
Soaia, F. Pierre, Jeio B. Duarle, Bngenio J. N. dc
Andrade, Itiph el Hipp .lito, Jose B Pacheco e sua
*enhora, Joaquim M. da Costa Cavalcante, Appa-
ricio J. M. da Cunha, Antonio F. de Hello, [gnael >
J. M. Rio Luiz Lucas, Francisco R. da Costa, Jom':
oriella, Felippa Maria ae Saut Antonia C. de
Je us, Maria Praneisca, Joaquim P. Maia, 19 emi-
grantes pjituguezes e 5 pracas.
Segaem para o norte no mesmo vapor :
Chefe do divisio Hermenolgido A. B. de Almei-
da, S C. dos Santos, Dr. Fernaades A. de Carva-
Iho, Zefermo G. P. da llottt, Joio P. da Silveira,
F. R. da Costa, R P. da Costa, J. A. di Cruz, Joao
\. de S. Duarie, Ant nio J. de Vasconcellos, Joa-
quim da C. R -go e sua famiiia, Felioto Perry, >.
u. da Vciga, Antonio &!. Guimaraes, Dr. Joao M. C.
da Limae sua Tamilia, J. C. V. d: Franca e Ma-
tbeus C- de A. Lima.
Chegados dos portos do aorte no vapor na
cional Para:
Antonio Jose da Costa, Guilherme M. P. Bo:o-
fim, Luiz da C. Carlos, P. A d' Oliveira e un es
eravo, ma,or Fredsrim Cluistiano Bays, sua se-
nhora, um lilho, um cunliado uma criada c um
ordenanca, Juvencia M. de Oliveira, Silvino Silva,
Minoel Luiz e sua senhora, Joaquim L. da Silva.
Camello de Salles, Maooel de Sauza Cirreii, Joa-
quim G. do Castro, J ise II. da Souza Range! e sua
senhora, Ffaa:isco Cavalcante do A. Mello, Or.
Antonio B. da Faaceca, Pedro L C de Albuquer-
que, teneate Joao F. C Pernambuco, J >s>5 Antonio
ds Fgueiredo, Priino Pacheco Birge', Minoel Ja-e
Ferreira.
. Seguem para o sul no mesmo vapor :
D Augusta Antonia Alves, P. VeBtelaOS, Or. C.
B. Cordeiro e sui senhora, Jase Pereira, N. Perei-
ra, Miria Jauuaria, P. da Silva Menezes, Dr. Anto-
nio M. Alves, Dr. Daoeleciano P. Fe.reira, D.
Benta Maria de Je* is, c ronrl Amaro E da Veigi,
Arthur J. de Sauza e um e:>cravo, Manoel A No-
gneira, L. F. da Silva, Minoel Bernardes, 19 pra-
cas do exercita, 4 dilas de marinha e 50 escravas
a enttegar.
Cemfterio publlco. Obiluario do dia 7
de outubro de 1874.
Gaspar Claudiao de Frmca, preto, Pernambu-
co, 50 annos, casado, Boa-Vista, hospital Pedro II;
canceroso do rosto.
Maria, brands, Pernambuco, 4 raeze?, Baa-Vis-
ta ; convulsoes.
Josephs, braoca, Peiuambuca, 8 mezes, Recife:
coovulsoes.
Perpetiu, esc-rava, preta, Pernambu'O, 24 ao-
nos, solteirarJtecife; beoatite agu la.
Maria, preta, Pernambuco, 8 mezes, Recife; va-
riolas.
Lourenja, parda, Pernambuco, um anno, Boa-
Vista ; convulsoes
Justmo pardo, Pernambuco, 3 annos, Boa-Vista ;
bexigas.
Josepha Fausta do Rosario, preta, pernambuco,
io anuos, solteira.Saato Antonio; liypertrophia do
coracao.
0 regosijo, po:s, e satisfaclo. foram parllllados
per i .numero* MdadSns e esbenas sMfeodM **r
miui, qne ton seoiprn dos aMmos **r a mi-
nha opiniao, foi aqoella a prova mais irrefraga-
veL d j gue o povo pernambocano vai corourehen-
Jedlo, o qoe os JRhos da nni mios ttimmWi-
dos, ha tant tempo copairehdsrain I Pena t.
que B^m todose compenetrem de seas deveres,
para o incremento e desenv Iviment j das idarifes
dos dous povos, cuja idcntiii-'.ac.io yabolisa a
AssooiKio Beneliceut^ Luzo Brasieira.
Miwores mil aos dedicadiw llUa, M
elevado tao mil associapio, e em tao poa:> tem-
po, ao eslado de eoosideracao e res^io em on
actualmente se acha, a eu, |uo ida ni lenbo a
tionra de pertencer a liu disliocu corpowfia, n
que serei breve, s* m'o jalgarem digno, taoayve
ces para qne eada um de seus membros capnrbr
cada vez mais a eleva-la.
Aioda mais louvores aos iniciadonos das aulas
de portnguese franeez, cuja ioau*aracio s.taos
lecera para os viodouros, que o secolo das laze*
fomentoa naoaella asooiacao a idea d uecessi
dade de instruccao para a realisacao do sen lim.
Foi realmeote uma vicwria alcaacada, em e|M*>
tao avessa as liberdades public**. Nada faltoo
S. Exc o prosideuie da prov:oci, dud now
prova do quanto aprccia o deseuvolvimeols o
barmoiiia social, a cuja concepcio Moralesatieri-
iicou a propri i vida -alii se achava :ybatiMadu
o eleinemo nac-onal, o elemeolo da fraianiiidr
emiim. Faltou cuinuido o muito diguo e Earn. Sr.
consul de S. M. Pidehssima, [ara inleirar o im
gramma, que nataralmente, e a pruneira sttu.
devena ser adoplado para ter compk-ia a (**.
Attencioao como e, reconVcidam-mt' aur-cw-
dor da AssaeiaQiio. de que sempre Jeu pr.*.
S. Exc. so faluria as in-lancias da BHMmi *><-
cia-.-ao, l'orcado pr incoinmudos, qne a iso o im-
posMbiiilassem. Eassim d;via -r. Praia Deos
que lougos anuos. e dcaodados cauipcdes, cada vot
elevem mais a prosaeri I il tan mil asjod54o.
Recife, 28 de n-leml-m 187V
lim iifiiivtad-r
O noliciador da Prn-im-iit voitou aioda hop a
iocrepar me sobfn f.ici.is i|ii uiz terem occorrniu
no dislricto policial de q-ie fmi ..ubdcijgado. Nao
tendo insisUdo no -jmc .-xpliquei, paroM qoe se
couformoii cum ii quo d^.-e I' ri.nito dar-iBe-li^i
ao trabalho d expli;ar umbem as nutas argm
cues, para que se roiiv< lira que 6 injusto para
comigo.
Ouvi d{Mr nni: S'lv.-r.i Invi* esp.in<*ado uma
mulher ; man l-i awriguar ele fa-lo e a propria
mul.er-qiie duiaiii Irr sido espancada, negou o
faoto e escasoa-se de vir a miuha presee^a Avista
disto nao tive o que fazer, nem provideneiar.
Quinto a Anaclelo i-Benvenuto, nio me eonsta
que estejam pronaifciados. Em minba aosencia
desla proviocia, foi que leve lugar o facto di car-
mval, a quo allude o ndiciador. Sci qae lets*
o proevsso, sendo' Anaclelo u-Memunha. O que
decidio o juizo coiDpelenle nao :ei, nem nunca tivi-
sciencia da pronuncia alludida
Tratarei agora de kvorinsai tste facto.
E' verdade que passaad> na tarl- de 27 de se-
tembro Joao Grande e mais um s-u filli > mmlail-
a cavallo por miuha casa, fui awsado por am iodi-
viduo natural de Timbatiba. qoe estava n i entrada
da eslrada da Torre, que nuppunha ser funaJo o
cavallo em que ia o lillio d aicsmo Jiiau Grande.
tomei sem dtmora as prevideocias precis**, mas
examinaodo o cavallo o proprio dennnciant', re-
conheceu que se tinha cngansdo.
E' falso, poiem, qoe elle me enviasse oulro ca-
vallo.
Qaauto a Jose Justii o nio teoho motive-1 para
saber se elle ollendeu physicameiite algOfOi.
0 oflendido oao deu qucixa, nio houve flagian-
cia, nem ses.be ao certo qu-m fosse o aulur cV
taes ideiisas.
E como, pais. podia eu em nfodo particoUr.
proeeder de mudi diverse J^ que teolw BffOB
dido .'
Fico nest is ex licacdes, e Bio vullar^i MM a
da las em relacio a notieias cavilosas. Dix w
fallem sobre o mau comportam nt i de HMMI
policial os meas adversarii politic.)* ; c com _
lesiemnnbo delles que iu; quer) >1 f-ndor. JH--
concluirci sem dcclarar qae u (Uetano a BOB m-
referi na corusp in ifia de hontem, c o >r. DMl
Ribeiro Pessoa de Lacerda
Racile, S de outubro de 187 i.
Belarmino d> tt;/a MTBt.
O carouel Uecio do Aq lino Faa-
ceca. ao publsco.
Devii nln respool-r ao EH m>ln< >> ruias, Ji
Provincia.can a as-ignalur.i *, vi-t-> coroo na
posso coohecer e te senhor; ma- o rc-pcito qoe
devo ao publi:o, me fat vir a imor. n*a relatar m
motivos que me levaram a i render p later o m-
querito plicial contra Vicente C a libra la Sil.
por quem tant > se interessa seu pitrooo oa oflJ-
cioso.
Vicente Coimbrs da Silva, e recmheilament*
de mias pre*edenUs, como dam mslrada e prova-
do se acha no inquento p J cial.
Send) enconlradi ?lla noite n> fr gnetia da B a-
Vista. hem cestido. frssakif relogio c eitrrtMtedr
ouro ,conduzindo diffarradamenle "mi fo>ie
alavanca de ferro, foi pi esc, nao p den Jo nest*
occasiao nem mejnio des:al;iar-se : n ae se *Bi
Vicente I'oimbra, nao quer exereer ->rie a!gam.
0 art. 300 d, Cod. Crim.. diz as-im : fabricar
gaziia, ou ter ou irazer comsigo, de d :. ou de n I
le, ga/ila ou outros instrument's un uppar./A'>
proorios pirn roubar. pena-*, etc.
E" clarc, portaut q io mo pralioj1 Boat.
excess.), e que nenhuni es;rupulo t.-nIn em pren-
der e proeeder do me-mo mod > c ntra quem qo?r-
que seja ; ale mesmoconlra se liver igoae?.
ou semclhaites precedeptis de Vc^nle C imbra
e apparecer oa irequezia da Be a V:-f, < an>tuz:B-
o alia noite alavancas, ou outrts :ntmrn?ntn
proprios para roubar.
Diz o *, que lei pun3, nao o proje-t d
crime, sim teutativa, que uio Mil a respite la
pessoa de quem tratou se.
RaSjpondo que a lei pane o crime, e rambeii
teniativa ; e se Viccte Coimbra, tiv s-e toabtdn
rouiiar, velilicaudo se a violencia, estiva hKBWl i
no art. 274 do Cod. Cruu. que diz as-i.o : < A tea-
tativa da route, ,aan 1., se tenha v-niicaJo a v
lencia, a nda que nao haja a tiradi da casa alii .
sera punida como o mesmo crime.. .
Nao pode valer o argument) ao rnaal li:
que, a prcva'.ccer o principio de q-ie a al irttuca
de ferro a ser considemda erc'usicrm'nt'- p\ra
roubar, parte d s ojliiacs de ar Htpdem de t"es mslrumentos, e cslu> ipsn /
sujeitos seus donos a sancflo pen it <' art. dOO dt
Cod. Crim.
Nio ha duvida alguma, que, parte BM TI
cjaes de artes raeclianicas, |i -saem ins" .
mentis e aoparelhos que perfeium-ole se |
dam preslar para r ubar, ese ahjMM dad -
ficiaes de tmos preceienles. ani rem alia n r
Itmpi-ncnte oeetijot OwaWwil' d qutiqier inset inttrumntlm e *pp*ntm, nio p i
dem ter ontro 6m senaooroub-i ; .rqae. v c r-
t", quo o Bedreiro e o carapioa, na trballiam i
noite : pole, e verdad,', ir pra um lugar qiu.
q :er, mai-* loo^e. mas ouoca a* h-r.semqu-
andava Viaente Ciiraora e do modo p->r qoe f i
encontrado, procurando bigir e l-n <* raHSMr.
Sem preci-ar dos cnnselnos'do devo diei
Ine, qoe, me cmjo sempre as regras ilo dir. i-1
do modo que a nvnln fraca intelbgpicia permit-
te, ma* sobretud fQ-> quantu puss i para run":
prir a lei e applied a cotra aaam quer qae Mfa
0 que e certo.e que, correspud-n iase ar:!g.=
J. jde joroaes nio daa nem tiram dir-it> a nmgu m,
por-toe quad sempre inente se a man nao as ler
Terminando direi ao que pouco sa me ia
que me patent como autoridale p iv-,il aciiva
diligeote. fa^o por cumprir como me e pos-ivel c*
meas deveres, e so darei contas aos mans sape-
nores.
Nioprecl'o f.zerviJa e ganhar credit >s como
ubdelegado de policia.;lique quam q'li-erentead.-
do disso.
Recife, 8 de cutubro de 1874
Dem de Aquino Fotceca.
TRIBDDIL. D4V ttUL.VC.iO
SE5SAO ESPECIAL EM 8 DE OUTlfBRO DE
1874.
PREStDENGU DO EXM. SR. CO^ELHRIRO
GABTANO SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgdio Coelko.
A's 10 huras -la.manna, pre entes os Srs. des-
embargadares Malta e Aecioli, foi aberta a sessaa.
Em couUuuacao o Exm. Sr. conselheiro presi-
dents fez o relitorio do aggravo que foi julgado,
com osadjaatos sorteiados em sessai anterior :
Aggravo de peticao.
N. 68. -Aggravate Joaquim da Souza Silva
Cunha, aggravado Pelro de Faria Pereira da Ca
noa. Adjuntos os Srs. desemoarga lores Aecioli e
Motta.-Deram provtmenlo.
Deixou de ser julgado o aggravo de Franci-co
Rodrigues dos Santos e outros, por nio ter cora-
p m-ci'do com causa o Sr. desembargador Derain-
gues Silva.
Encerrau se a sessao ao meio dii.
A festa da aitociacii Iteaefioen-
te Liiszu BratHslcirn
Poi hontem um dia hi-t inco nos anaaes da
nos-a emaneip*c>'I t8*8attesta para farnam
buco e aos brasileiros a oossa indepandeaoia po-
litica, o cortejo doe acaatecimentos, coas que soemj
oflaracar as Tev.>la-;6es movidaspela libaraa'h ;
1874, com que mio kmcar o veo dd esaaeo
maulo na memoria aioda UnuressiaBada daqueltesi (
gue, oo'bo en, ass^stiram ao festim da IVasaeiacao
Luzo Brasilia I
Em uma epoca, am qne a e3pecula;lo tudo de-
vassa ; em qae o egoismo aicwoal, no norm do
Imperio, nas marren* do Amazon as, procra Lin-
ear de sea solo o elemeuto tnsa, euvolvendo o na
Sue tao religiosa e-.-e elemeolo, qae tem sido
proveitado oem nu mai, desde a descoberla da
terra da Santa Cruz, ennditae a maxima parte da
uussa populacjio e famiiia, e para emmauecor de
admiracao, e pasroa ata, pcesenciar-se confra
ternisa^io e o entbusjasrao, qne no dta e none de
17 do co.reote rein r ,ra nos semb'aates MosOl^
dos membros da Ass-ciacao Luzo Brasfletau caflii>1''>"r,gurt .
il pabllcn, que era ciescido aumsro afflafo. Tquer rt"g'>"i- (hm
A.' Lima, caaara municipal.
Coustando quaaigaem PrieDja mtaUr^Bma
fabrici de .-abia an **a b. 78 da rua do Bixlo
da Tciaopha, outrora Bruio. com lice job oa
sem IU, qaar se W qn*l o procedimcoU) 04*
bo da camara anwioipal, como do fl-cal da fre-
guezia, sobre ul pwteosio, alleoto ao decreto B,
8M do 49 de setembro de 1851 art. 49
4J OMieciucbrtb melo municipal
0 abaii i assigns lo tendo da ir ao Ria
da Jarwiro a tratar Ae seus negoctos d'onia
iroUari con brevtAade, ieixa como sous
pitaati). procurateres, para trtar flon i
ifhcios -das Io ncut, o sou irmdo o Sr. Jose
di S*JM. ajamai -atrm qa*as-



I


w
I

n 0S1. Joaquim Pires da Silva.
Recife, 6 da outubro de 1874.
4ftto*to Josd Hodngucs de Seuza.
=
4e i'eniainbueo Se*ta feira 9 de Outlo de 1874.
s
COMMEKCIU.
JUNTA DOS CORRETORES
daaseeiTe, 9 de utuhro
de 1894.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACOK3 OFFICIAKS
Algodio de Goyanna sem inspeccao 61300 por
16 kilos.
Algodao do ido Grande do None 74250 por IS
kites poste a bordo a frete de 11 (Id e
3 6|0.
Cambio sobre Loadres a 90 div. 20 3|4 d nor
1*000, bontem. ^
Dito sobre mio a90 d|v. 26 l|l por liOOO, do
banco.
W(o sobre dito a } djv. 26 l[4 por 1*000, do
do banco.
Cambio sobre Paris a 90 d|v 363 rs. o franco
do banco.
Cambio sobre Lishoa e Porlo a 3 d|T. 106 OiO
de premio, banco.
Gambia sobre o Rio de Janeiro a 15 div. ao par,
bontem.
Otto sobre dlto a 30 d|v. 3(4 OjO de daseonto.
Cambio sobre a Uahia a 8 drv. ao par, bontem.
a. de vasconceiios
Presidente.
A P. de Lemos,
Seeretano.
Mem do dia 7
179/511
8:871*795
Tn-ir i i i M tm
Tbesooro povineial de Peroamnco, 8 de onto
bro de 4871.
Oesemio,
iolo Carneiro M. da Siira Santos.
Banco Commercial de Braga
JWge Taut.
61 Kua do Amorim37
Saci qnalquer qnantia a prazo on a Tisu so
bre este Banco on nas respeetivaa agendas nas
seguintes eidades e villas de Portugal, ilhw adja
centes e Hespanha, a saber:
fortasal
240*000
300#000
ea falls, della ns prirneifos 15 (has le mei andar do raesroe, ....
ae ouluere ao anno financeiro mnnicipai e iniva-, Loja do mesmo .....
^? J5?V da einPre8. coofoWe detormins o ftoa do Eneantamento,
ff*i hwS8 P08""** iielpasi e M de ja- j Sobrado de 2 andares n. l3(Cechad). 1:400*000
nbo de 1873. Ru d* Somalia vattu ^^
Pff^o da camara municipal do Re:ife, 23 Idem n. 16
de setembro de 1874
M. J. do Rego e Albuquerque,
Presidente.
Francisco Augusto da Costa,
^ecretario.
25
Rua daGoia,
Casa terrea n.
Idem n. 2f......
Rua da Gnu.
Sobrado de 2 andares n. 12 fCechada).
Idem a. 14. ,.....
0 desembargador Francisco de Assis Oliveira Ma- LGasa terrea n. KMUfechada) *?* .
2O9#OO0
209*001
2014000
8004000
6004000
24140001
W74UO0
t "lEiC? ^sbalD0 tt a eargo da Sra. D.
uaaa. ReMam e Enrico Dominici.
Icrcafeira ,3di corrente
Para a 9.' recita de assignatora, esta ensaiaa-
*>." frande drama de Alexandre Dnmas,
mtitulado :
I ma noile em Flurenca
Clemente
ou
bastardo do papa
11.
IMlM
2404000
Quarta-feira 15 de outubro.
4LFANDK0A
Reaatmento flo i | a 7 .
dro do dia 8 ....
209 686*324
41:i2543:<4
230811*658
Descarregaai boje !) de outubro de 1874.
Patacbo sueco Magnus mercalorias para al
Tandega.
Patacbo dlnamarqaez Katie varios generos
para o trapiche Conccipao, para despa-
cbar.
8arta portugueza Pertira Borgcs farello ja
despachado para o I* ponto.
Important o.
rjVapor nacional Para, eutrado dos porlo9 do
norie em 8 do correnie o cooeignado a Pereira
Vianna & C, manife.stou :
Carga do Para.
Bauba 50 barris aos consignatarios
Salsaparnlhi 50 rolos a Beltrao & Filbos, 35 a
Keller & C.
Carga do Mara^hao.
Camarai 5 barricas a Antonio P. Gomes, 3 en-
capados a Gailberme.
Famo2caixis ei barrica a Antonio Maia de
Brito.
Gi>mma 10 paneiros a Beltrao Tapioca 70 paneiros aos mesmos.
Vapor nacional Cervantes, entrado dos portos
4o sal na tnesrca data e consignado a Pereira
Vianna & G., manifestou :
Carga do Rio de Janeiro.
Cafe 100 saccos a Suuza Bastos t\ C, 100 a
Paulino Jose da Costa Amorim A C, 20 a Alfredo
Arves 4 C.
Fnmo 82 rolos a Antonio L. de Oliveira Azeve-
do, 62 aos con-ignatarios, 7 pacote>, o snrroes e
1 caixa a Biurgard & C
Livros 1 caixa a De Lailhacar.f
Macbinas para descarocar cafe t embralho
1 caixa a Antonio D. C. Vianna.
fllnsicas 1 caixa a V. Preale.
Carga da Bahia.
Cbarulos 4 caixas a Leal & Irmao.
Fannba de Irifo 2 barricas a ordem. fazen-
das 8 caixas a Cramer Prey & C, 2 a Keller &
C, I a ordem.
Imagem 2 caixas a Job) Pereira Moutinho.
Rape 10 caixas a ordem, 3 a Meuron & C.
Patacho inglei OrielUm, entrado de Tt-rr. Nova
na mesma data e consignado a Juhnstua Pater iV
C, man'fe^t^lU :
Bacalli.io 2,500 barricas aos cons:gnatarios.
Amarante.
Anadia.
Arcos. N
Aveiro.
Agueda.
Arcn de Baothe em ci-
beceirat de Bastos.
sras.
Barcellos.
Beja.
Rrsganca.
Gbaves.
Ooimbra.
Coura.
Covilba.
Castello Branco.
Caminha.
El as.
Estremoz.
Evora.
Esposende.
Pamalicio.
Faro.
Fieaeira.
Fafe.
Thomar.
Tavira.
T.irres Novas.
Valenca.
Vianna.
Villa do Conde
Guards.
Gaimariee.
Gouveia.
Lagos.
Lamego.
I.i-bi's. .
Loole.
Melgaco.
Mir ndella.
Moncio.
Mealbada.
MoDtfl mor o velho.
Oliveira de Aremeis.
Ovar.
Penafiel.
Pinhel.
Ponte de Lima.
Portimao.
Porto.
Povoa do Varxim.
Port'Alegre.
Pov.ia de Lanhoso.
Regoa.
Silves.
Santo Tbvrso.
V.lla Real.
Vinhaes.
Viseo.
Villa da Feira.
Villa Ponca de Agniar.
Villa Real de S. Antonio.
eiel, official da iiuperiil ordem da Rota, ejniz'idem n. 103 .
de direito priv*uvo de orphios da cidade do ru, doAmpare iOliodat'
Recife e seu termo, por S. M. o Imperado., que Casa tercea n. I8(rechada). .
raoo SStSr a q^m o cenhecimento do presents u^lS'TiStenrlfT^J'0 n DcjfDI e nltiroa rec,u de "signatura.
chegar, D. Bersaifla Lydia Monteiro do Andrade, se pooce- pagaralem da rdT o 2Lfa^ a.^,.dfVend da f0"8"? f be?volenci> "> illastrado publico
dea a exaroe 4e ssnidaae na nessoa de sea ma- qdeforseguro onradte Ji^ih^^iSS^T d^UC*piU'' ""tuM,me .maneira f^* reee"
ndo, Jose Car os Manso da Cosla Rm-. e depois mento commerciaiLMstaS^^SL^Tifi" SMS C0.u,Pa5n,a. entenleu que deveria dar
loparecer do Dr. cnrador goral interino, subiodo pe e precTdos aona^^no o service da lim mais JO rectas de a8ignatur., mediante o aba
Villa Nova da Cerveira.
HUM.
Funehal. Fayal.
Hespanba.
Madrid. Cadii.
BarceHona. Orense.
Vigo. Cornna.
Banco do Minho.
Joaquim Jose Goncalves Beltrao & Filho ueaa
por todos os vapores sobre
os autos a minha cow.lnsao, nelles profn-i a sen
tenca do tlieor teguinte :
A' vista do exams medico de Coitus qaatro, pro-
cedido na p-soa de 1 j6 Carlos Mahso daCosta Heir,
o hei por incapaz de administrar sua pessoa e
bens, qu (icacAo soh a administracao de sua mn-
Iber D. HennHla Lydia Montoiro de Andrade, a
qaera nomeio raa curadora, e ca-tas. 0 esc'rivao
passe ediul para ser afflxado no lugar do costume
e publicado pela imprensa. Racife, 3 de outnbro
de 1874.Francisco de Assis Oliveira Maciel.
ri?lSift daSan^^ da'lMisericordia do K.
ejfe, J7 de sstembro de 1874.
O escrivio,
Pedro Rodngues de .Sou:a.
Companhia Fiddidade
egaret niaritlmos e terre>mtr*m
A agenda desta companhia toma segoroi ma-
!l.".m.?..e te"e9ires, a premios razoaveis, dando
timento de 20 por cen o sobre os precos estabe-
. lecidos.
! No liiihetniro esta aberta a assignatura das 10
. ultimas recitas.
NesUs ultimas assignaturas, o emprezario fara
'mostrar os prtnalpae* dn.!ni< do seu reperl^rio.
E paraqueninguemCacanegoc^alg-nVcomo RK.* M*^ """^ "" gratUit
precijado loterdielo Jose Carl ft Manso d,a Costa Rua do Vise
4VIS0S MAB2TIM0S
'" i
Reii, senaopor intermedio de sua cnraJora, com
previa autorisacao deste Jolm, manaei passar o
pre>ente. que sera afflxado no lugar do cosiume e
publicado pda Imprensa.
Dado o passado nesta cidade do Recife de Per-
naiubneo, aus 6 de outubro de 1874.
Ea, Manuel do Nascimento Ponies, escrivio, o
subscrevi 7. j
Francisco de Assis Oliveira Maciel.
Ao sello 3'o ieis.Valha sem sello ex-causa.
Oliveira Maciel. ,',
Anadia.
Aguida.
Aveiro.
Beja.
Chaves.
Elva*.
Amarante.
Guimaraes.
Covilbi.
Melgaco.
Portalegre.
Arces de val de voz.
Celorico de Basto.
Caminha.
Ma'nguaide.
Ponte do Lima,
Povoa de Lanhosa.
Evora. Monsao.
Fafe. Ovar.
Faro. Porto.
Guarda. Tavira.
Leiria. Regoa.
Lisboa. Vizeo.
Barcellos. Figueira.
Coimbra. Lamego.
Mirandella. E^tarreja.
Penafiel Valenca.
Villa Real.
Cabeceiras de Bastos
Castello-Branco.
Espozende.
Oliveira de Azemeis.
Povoa de Varzim.
DESPACHOS HE FXPOKTA';aO NO DIA 7 lit
OUTUBRO DE 1871.
Pnra os vcrt'is do txterter.
Nj vapor inglez Student, para Liverpool,
carregou : S. Brothers & C. 100 saccas com 9,085
kilos de slgoJiio; Victor Neesen 2)i CaMns coin
43,322 duoJ de dito ; Brown Thomson & C fin
saccas ecu 4.436 -titos de -iio ; J. F. Balttiar 163
couros saljradu8 com 1,956 kilos.
No brim* hsllandez Cornelia, para o Ri i da
Praia, carregou : Amorim Innaos A C. 100 pipas
com 4^,01)0 litros de sguarduule
No navlo h&'cacia, para BarceHo-
na, carrel kilos de alitodao.
Mo brigue portaguez Triumpho, para Lis-
boa, carregm : E. R. Rabelh & C. ICO couros sal-
gados com i 280 knos.
Poeu os portos do ini'rior
Para Moisoro, na harcaca Leonilla, carre
!;ou : L G. iia Silva 4 Pinto'6 pipas com 2 880
itrosdo agnanlente ; Braga, Gomes & C. 3 volu-
mes com 34 knos da doca e 6 barricas com 360
dilos dn asucar retinado.
Para Pt-n^do, no vapor brasileiro Goncalves
Martins, ca reg..u : J. Maia Sobrinho 1 barril cum
96 litrus de alcoil.
Para Villa da Penha, na barcaca Mossord.
carregou : A. J. Lip-s Teixeira t barrica com 65
kilos de sssnear r. linado
Para Mamsngoapp, na barcaca Esp 'darte do
No'te, carregou : Braga Gomes 4 C. 1 caixa com
40 kilos de doce.
Vianna do Castello.
Villa-Nova de Portimao. Villa Vova de Famalicao
Villa do Conde.
Nns ilhas.
Madeira, S. Miguel, Faial e Terceira.
Companhia Indemnisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:OOOrJOOO.
Thomaz de Aquino Fonccca & C, successors -
agents.
Em companhia toma st-guros maritimos e ter-
restres, dando nestes o scptimo -idno gratis aos so
gurados.
Run do Visai'io n. IO.
obulJtilb
itimo e contra-fogo
G0MPAINH1A
henix Peraambucana.
RUA })i) COHMERCIO H. 34.
conde de Itaparica, antiga do Appolo
n. 51.
Feliciano Jose Gomes,
' _^^^ Agente.
fUndicAo
DE. *
0. Starr & C.
Sio convidados os Srs. devedores a vir
O L>r. Joaquim Goo^alves Lima, juix dos satisfazer seus debitos, provenientes de let-
feitos da fazenda desta pr.vmcia, por tras econtas vencidas; sendo que nao o fa-
is. M. Imp-rial, a que Deus guarde, zendo ate o dia 30 do outubro proximo vin-
ptc* ,. douro, serSo veodidas em leilao. Poderfio
Fa^o saber aos que Q presents editai vi comparecor ou mandar ao escriptorio da
rem quo, em cumprimento da ordem do fundicao ou do testamenteiro H. J. Cannao,
tbesoaro de 30 de dezembro de 1865, e rua do Commercio n 40.
das instruccoes que com a toesina baixa- j ------------------r----------------------------------------
ram, findo o prazo de tres mtzes a enntar* Arrdnata^aO
da daa da punlicagSo deste, serd vendido'e' Pelo Sr. Dr. jniz substitoto da 2" vara vao 4
arrematfldo em basta publica celebrada na Praca |f ca'xas com folnas de Flandres, no dia 101
eomarea de Itambc, a auem maior nreco do correute mes, por exeencao que move Jm# Joa- j
offerecer, a vista ou Jrazo Z 11 SS S^fiSTSraS0 Calra J" Barb0S3' *
Snn?prnnT!l/0m ^ t *J **."T Os Bscae> aas fregue.ias da Se e S. Pedro
pelo tempo da demora a comprebetisao de- Martyr da cidade de Olioda, abaixo assignados,
oummnda, Buraco doextincto tiuculo scientificam a todas as pessoas possoid ras de
de Itambe, sita uaquella comarca a qual se Prw,,M em (,itas freguezias qne no prazj de 30
acha av. liada em cinco contos de r&s e d,as' a ontar d" l,0|e de*er* "MUdar reparar
n/ntSm CB,.rf m. i;L iMIlWi' ae reis e os passeios de suas proximidadcs, e que Undo o
content segundo a medicao a quese proce- referido prsi-i se procedera a corrida de confor-
deu e consta dos autos aextensao S'-guinte : midade com o regolamenio municipal em vigor,
do lado do loste 1,110 bra^as, do lado do| Ci(la,le d,J Olinda, 9 da outubro de 1874.
norte 4 09 bracas, do laao do noroeste 682 i fi'^T, & ,&. R?"a", ,
i .,- An i-j j .. i i Manoel Joaquim Gonca ves Leal,
bracas do lado do poente 411 brac^as e do -
lado do sul 681 bracas, seudo todo o ter-j
retio proprio para a cultura de mandiica e'
outros legumes e ficando certos os interes-
sados de que, tanto por tanto sera" referido a D.* ordc11 J^ Pr"^idenle da assemblea geral
o Ijnjo do poneiro respectivo. na cofor- tSUSSSlSStll'S SSS SSi
nuaaoe da ordem do tbesouro, n. 15 de 28 e lugar do costume, alim do se continuar a dis-
de Janeiro de 1874. :eus>ao dos respectivos psttntos.
Recife, -15 de setembro de 1874.Eu,: AOMINISTBACAO DmS CorkeiOS Dti PER-
Jose" Francisco do Rogo Barros, ccrivao o' NAMBUCO, 9 DE OUTUBRO EE 1874
subscrevi. I 1,," expealp-se
! Polo vapT mcional Para, e?ta administracao
aSB"^^>a oxnede malas para os portos do tul, hoje (9).
Recebein-se jornaes, impresso de qu^lquer na-
tureza, e cartas a registrar, ate 1 hora da tardo,
carta> ordinarias ate 2 horas, e estas ate 2 1|2
com ports duplo.
As cartas e jornaes que se dirigirem ao Rio da
Prata, pagarao previamente, aquellas a taxa de
300 rs por 15 grammas ou fraceao d^ 15 gram-
mas, e estes a de 40 r-. por 40 grammas ou irac-
cdo de 40 grammas, na progressao estabelecida
PAW I WITH,
0 brigue portngnez Triumpho, pretende segnir
com muita brevidade : para carga e passageiro
trala-se com os eonsignaunos Thomaz de Aquino
eoncecaAC. siicces-ores. rua do Vifrario n. 19
Spciedade Recreio Dra-
ma tica.
OECLAftjICOtS
I'acillc Steam navigation Couipaay
ROYAL MAIL STEAMER
C< I |ia\i
(De 4.027 toneladas).
Espera-se da Earopa ate o
dia il do corrente e segoira
para Babia, Bio de Janeiro,
Monteviieo, Buenos A y r e s,
Valparaizo, Arica, Islay o Cal-
lao, para onde recebe a pa-
sageiros, encommendas e dinheiro a Crete
N. B. Nao sahira antes das tres horas da
tarde do dia da sua chegada
OS AOENTES
Wilson Rune A C.
14PKAQA DO COMMEIirjO14
COMPANQIA PERNAMBUCANA "~
DE
\veijacdo costeira a vapoi*.
MAMANGUAPE.
0 vapor Cururipe,
seguira para o por
to acima no dia 9
do corrente mez, a? 4
horas da tarde.
Recebe carga ate asdez horas do dia, enc in
uendas, dinheiro a fre;e epassagens at6 as 3 ho-
ras da tarde do dia da sahida : escriptorio
io Forie do Mattos n. 12.
>
DB
moveis, louca, vidros e di-
vereas fazendas
HOJE
No armazem da ma do Imperador o. 4*3
SENDO:
Uma roobilia de jacarandi a Luiz XV. awdafeio
duplo, I dita de nogueira, com encosU. de palfer-
oha, t gnarda-roupas de amarello, I gMnta loo-
ca, 1 mesa elastics de amarello, 1 espelbo oral, I
lastre de crystal, I toilette de jacaraoda, Iom
franeets de dito, I colcha de seda, 1 par fro-
nhas b rdadas, aofa, eonsolos, baneas, eadeiras,
mesas redondas e aparadores.
Um appsrelho de poreelana para janUr, I dito
para almocc, garrrfa*. faca, uliees, portt-queijo,
jarros, casticae. de vidrn e de brooze. frescos, ao-
gelicas, figoiss, eoropoteiras e bolas.
Diversss faModas.
A*S 11 HORAS DA MANHA.
_______Pela ajtcato BBaa-tiaa.
Agente Ptstana
Leilao
t>
4 csixas com superior champagne em g*r-
rafas int-iras o 2 ditas em meias gam-
fas, psra i'-cuar corit s
HOJE
as 11 herns esa panto.
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
fandega
O preposto do agent* Pe*Uo f.ra lejlso. i<>r
conta e nseo de quern peitcnccr, e para f*char
coctaj, de 4 caixas com *uprior champagne, em
garrafas mteiras, e 2 ditas em meias garrafa*.
Em um n mais Was, a vontade do* Sr*
pra lores.
cue-
LEILAO
. n DAS
dividss na importance 1p 5:4229270, ross-
sa fnllida de Az e foESSAGEMES MARITIHES.
____Liuha mensal
MHE^aWMMtxlL
0 ag^nte Marim- fara le>la., por roandado 4)
Illro. Sr. Dr iuiz espe. ial do commercio, das di/i-
das a^tivas da ma-a faliida de Azevedo 4 C, na
imporUncia de 5:421x270.
\o annas cm da run al* linpcra-
dar sa 48
A's 11 horas
Os pretenu'enies polem examinar a relacao *<
devedores n.; dilo armazem.
LEILAO
P
Hsndiruentn Or
d**n do ih 8
CAFA'i'AZiA DA ALFANDE6A
om I a 7
3:522/447
ou 2.8,0
4.02SA323
VOLCHBS SAJJI.MOS
No dia I a 7......
No a..- 8
Pnroeira 'i* ... *
ftsgnnda pona .....
farceira porta .....
fwpfchs Ccnc*iC3c. .
7,169
125
115
328
7.957
Seguro contra-fogo
rHE LIVERPOOL & LONDON & GLOJ
INSURANCE COMPANY
Aajentea*
SAUNDERS BROTHERS & C.
!1Corpo Santo11
SEGUROS
MARITIMOS
IERVIvO MAHiTIMO
ii>arecgas itiscarregadas no trapiol:? da
stfkadega.
No dia I .a 7 .... 14
No dia 8 ...... l
*- trspicbs <>nc9!^o .
15
aaCEbEDORIA DR BlftDAS LNTPRNAS GE
RAES DK PKBNAMIiDCi
Stndimenf? d dia 1 a 7 8:957*938
4m do dia 8 1:279*312
CONSULADO PHOVINGQsa.
flaoduuento do dia 1 a 7 2I:K)7>208
dam do dia 8...... 3:686.6*4

AGENCIAS PROVINCIAES
Liquidos Sspirrtnos.is.
Aendlmentn de I a 6 680s447
10M&dodla7 47969
Baealbao, etc.
RsDdimento de 1 a 6 113*300
Idem do dia 7 438*368
Geaeros < eWa.
Reodhnento de 1 a 8 :3##802
Mem do dia 7 IM47iiO
-------------it#68
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecid,
iesta praca, toma seguros maritimos sobr.
avios e sous carregameutos e contra fog>
'm edilicios, mercador'as e mobilias: m
oa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
companhiTallianca
seguros maritimos e terreb
tres estabelecida na Bahir
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0005000.
Poma seguro de roercadorias e dinheiro
tco m^ntimo eni navio de vela e vapore.
art dentro e fora do imperio, aisim com
sontra fogo sobre predios, generos o h
onuas.
Agente : Joaquim Jose Oonjalves Beltret
ua do Commercio n. 5, ta andar.
Navios entrados no dia 8.
Porl8 donate 8 !|2 dias, vapor nacional Para
do 1,999 tonelada<, o mmaudaule Carlos Auto'
mo Gom^s, equipag-m 62, arga differentes ge-
neros ; a Pereira Vianna & C
24:93*8621 Portos do >al 7 dias, vapor nacional Cervantes.
de I*l-r7 ti.nelada.-. cotnmandaiite. George G..n-'
calves, eqoipagem 57 carga uiffereutes generos;
a Pereiia Viaima & C.
Twra Nova 37 dias, patacho inglez Orietton, de
145 looetadas, cai.itao Richard Prior, equipage.u
8, carga 2^*0 borricas com baealbao : a iolins-
ton Pater & C.
Iknivt tahidos no mesmo dia.
Nrw-Orieao* LOgar amencauo Nev> England,
eapstao O. Bailer, carg* a^sucar.
Poilos do norie Vapor bra ileiro CmiunC,
commandaote G. Goncalves, caiga Tros gene-
Faco scieute"aos sebores possuidores de car-
ros de passeio parliculares e de aluguel, carro-
eas e mais vehiculos de conduccao u>-5ta cidade e
seus airabaldes, quo de coofurinidade com u art:
33 da lui do orcameutu vigente, devcrao vir den-
tro do prazo de 30 dias, a esta repaiticao para
proceder-.-e a renova-;ao da numera aoao- me^aios nas,tabellasC e D -annexas as instruc;5es do !
sob pena de serem apprehenJidos 'e mullados oside de'omDro do *866-
resp ctivos douos. -------
Consulado provincial, 5 de outubro de 1874. .Pel' vap?r n->cional Cururipe, esta administra-
O continuo. I i^ exnede mahis para Haroangnspe, h->ie 9
____ ________Antonio Carlos do L-uios Duarte.' Recebem-se jornaes impresso*, cartas a regis-
-- fp vz-------'--------------trare canas ordinarias at.': i h ras d.i tarde.
Monte rio rortuguez. o aiimnist ador,
Adirectori. desta as^aacao manda entfvidari
aos Srs. a'sociados, come determioa ohtUfoit'
dos cstatutos, a se reunirera emas-einblea serai, I
domingo 11 do corrente, as 10 horas da niauha,;
para se cumtinr o duposto no 1 do art. 24 dos I
mesmos estatutos.
Secretaria da direct .ria do Monie Pio Portu-
guez, 7 de outubro de 874. -0 sejretario,
Joaquim Xavier Vieira Ligos.
^nasigsiasSsE
R' esperado dos por-
tos do sul n> dia 10
do corrente, seguindo
depois da demora do
ctumo para Bor-
deaux, Mcando era
Alfonso do Rego a ros.
THEATRO
PHM DIIAMATICO
Estrada de frro de Oiinda
8 is I i p a s
Esta comp nliia com-
pra .-ulipas do j iticica,
de 9 palniKS de compri-
mnntu sobre 9 pullegadas t"* ,1rama em 3 act.'
do largo e 4 do espebsura
ou gnissura.
0 ger. nte,
L. J. de Miranda.
Skebbado IO do corrente.
GrassJe e variadw e.*pe>< taenln
em hcneflclo do c nnsrlho I'nio-
clitul d.i Siocie ublica da l>e-
SUezia da lama
L go que S. Exc. Sr. oresidenie da provincia
comparecer na (niiaua, subira a seena o appara-
Dakar (Goree) e Li>boa.
Para fretes, encommendas e pss"as:eiros : a Ira-
tar com
OS AGENTES
Hairisinend v A Labille.
9 Rua do Commercio 9
S.
Libra eslerl
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do f.omraercin n. 42.
Hho de 8. Miguel.
Com muita brevida-'e segue para S. Migael o
Boob cido palhabole porluguez Nuvo S. Lov.renro
Fara o re-to da carga o passa*eiro* tnrta se cJm
os consignatarios Thomaz d. riqnioo Puceca A
L. successnres a rua do Vigarln n. 19.
DA
a;-in.n;ao, generos e mais pertenc*.s da U-
verna da run do Rangel n. 77, esquiDa
do mercado novo
Sabbado 10 do corrente
0 ageate Martins fara Icilio, comp tentemeiila
tntorissdo, .in lotos, a vontale doscoinprad res,
Jos gcQi ros, araucio e pertencas da taverns it
rua la Raagol n. 77. esqnina do mr:adonovo.
\'m f I hasi !< dia acima.
Leil
^euao
()U
10:237*250
Nanta Casa de Uisericui dia
da Recife.
Pela secretaria de>ta sania aa con' ida se as
amas qne se acnam encari egadas da cri c*o dus
eXoe^bm, p^ra quo venham reober do llim. Sr.
lhe>onreiro as men-a'ida ie* vencioai de julho a
eten br > Undo, no salao da casa los exp Bio*, pe-
lat 9 boras da manha do dia 13 do corrente ; de-
vendo para isso trazerem as criancas.
Secreiana da Sanu Ca>a da Miscricordia do Re-
cife, 2 do outubro de i87i.
0 escrivio,
Pedro Rodriguez ae Souza.
A COROA DUCAL DE P RMA.
Seimir-.-e-ha de.p.-is a muito ebtstosa tcena co-
mica iipIo actor Penante :
Um concerto de rabeca e
realejo.
Terminara o espectaculo c m a comedia em um
acto, nroada niusu-a :
i*: nolle todo* os gatos silo
pnrdos.
O eonselbo parochial espera do publico desta
cidade a sua prnlecca, vi-to sr o dito seu beiiefl-
cio para um lim util,
tnita ans
inlKrvallos...
, ceber os donativos
Find.i o espeetacnlo havera trem, gratis, para
II ha de 8. Miguel
'egue com brevidade para S. Miguel o paiha-
bote p..rtnguez JVnio S. Lourenro, para oude rece
be carga e paasageims : trata se com <'s consig-
natarios Thomaz de Aquino Fom-eca & C. Sncces
sores, rua do Vigario n. 19, l andar.
-n IIIIW.IIB
kHIQU..
LEILAO
bons moveis
CONSTANDO DE :
Um piano fo te, tuna m bilia de jacaranda a
Lui XIV com I sofa, 2 consolos, 2 eadeiras de
bracos, i2deguarmcAo; i cadeira dn balauyo, I di-
ZJ2LU J Cl,mo/e|.a a ,n"i;uca', *"-In de recreio tamhem de jacaranda, 4 wrand'es e-
desprotegidos da foriuna. Em om dos peihos dour-dos, jarros i^ vasos para\R" Tufri-
JonaTiios0111 *"Seamarotesro- tes para c.ma d mesa, p,rta j.f.a % t: p^'te.
Caxauga, pela linba principal.
A commissao regedt.ra da cape la de Santo
Antonio, em Agua-Fria, far. publico que domingo !
11 do correute, peas t horas da tarde, barera'
nena c pdla a bencftode duas imagens: N. S. Mai
aos Hones**e S. Quwplo, e de um sino. A com-
somissaencarreg^da d-festnjo nao tern pwipado
esforyo- alim de aimlhantr o a'.to. Agua-Frii
S de ontuhn. de 1871. 0 2- seeretano, ''
lad Anstrl-liano Tolentmo de Almeida.
>ANTA CA25A DA MlhLRlCimilA DO_
. RECIFE. j
A Hlma. junta administranva da Sanu Casa da
a.seneordia do Recife, manda fazer publico qu r^=*ra~^T"Ovvi
a* sala de suas >es6es, o dia 8 de outnbro pe- f *^ *^ *<
*a 3 boras ua tarde, tern de ser arremaud'as a '" rwiu
Priucipiara as 8 hofas.
Santo Antonio
COM ANHIA fTALI-NA
EMPREZA
Grande e magoifico drama em 3 actos, de De-
lavigne :
8x8*406
recita de ssiguatura.
luem mais vantagens offerecer, pelo tempo de am Sabbado I 0 do PfirrPnt^
strea annos, as rendas dos predios em setroida kJiuuauu 1UUU OOfTeUlC.
Ifdarados.
ESTABELECIMENTO DE CARIDADE.
Rua do S. Goncalo.
Casa terrea n. 2t (fechada). 260*000
Rua das Calcadas
Idem n. 36 ........221(1000
vjdal de Negreiros.
Caw terrea n. 114......362*000
Idem n. 94.........301*Oo6
Rns larga do Rosario.
awsWeo
408*000
251*000
Aendiroento de 1 a 6 lT'ii68
idodk 7
i:Bo6s46X>2
ros.
AasdlnMsto d.31 a 6
Isam do Pamo,
---- 14IIJM8
Hesdlmemo do l a 6
eie.
1:1441639
4
179*812
Oberoac&o.
Snspendeu do laroarao para a Psrahyba o bri-
goe higi^ Part, capitao Alexander, com o metmo
lastao que Uooae, de Baeous-A>res.
EDIT All
A ramara manici.ial desu eidade fai pnbii-
1:144*439Jco para ci do- int>Te*sado, qne a li-l
*" da'da aim cap^i^es tsread< r**, magareCes I
I andar e loja n 24 A.
1* snosr n 24 A..
1.* andar n. 4 A.
Kua de Antonio Henriq
lass terrea n. 26......
Largo da Campina.
dam n II (fechada) .....
Rua do Cnronei Suassona
I* andar do s brsdo nnmero 94 .
PATK1MOMO DDSOKPHAOS
Ros da Moeda.
Casa terrea n. 2i fecnada).. .
Hhcco us Boias.
Casa terrea n. 18.......
Rua da Lapa.
Casa terrea n. 11......
Rua do Amorim.
Sobr.do de 2 andares n. S3 ; .
Casa terrea o. 34.....
Roar do Bngoa.
Casa terrea n. 21. ...
Rns do Vigario.
Dons sargeulos bncezfs
NeMe soberbo drama, toraam parte impnrtante
os priocipaes ani-tos, Augusto Garof.li, Ernes-
to ColoreHo, e F. Boidrlni. E' particular traba-
Iho da Sra. D.
Iiisa Bcldrini
B
Enrico Dominici.
TerAToara o apectacolo com a >-omedia em I
96*0(10 acto. de principal trabaloo do Sr. F. Boidrlni, io-
OUJIhda:
**"m, k $m de D. JM.
Uma eama franeesa de jac .'randa, i Tavatorio
com pedra, t tmlei, 1 guarda vestido para duas
pessoa i, 2 magoinVos candieiros a gaz, e 2 camas
de ferro paia menioo.
Uma mes elastic com 4 tabnas, i guarda loo-
cas envidrarados, i apparad.,res com gavctss e
prateleiras, 2 appara lores torncados. 12cad"iras,e
muitos oairos moveis.
Hoje
No sobrado da Azulejo da rua do B.im Jesus 26
POR INTERVENgAO DO AGENT! PINTO
Dub IO 18 a 1 bora da tarde
Em coiitinuacjao
De 1 bora em diwnte
yeodera o mesmo agente Pinto nma atobHta de
jacaranda, 1 piano, muiio.- e differeutes moveis exis-
tentes no armazem da rua do B>.m Jtso> n. 10.
Os referidos obieclos poderao ser examinados
na vespera e dia do ^ilao.
DA
J>.a parte do sobradii de tres andares edin -
cado em solo proprio, aH I rua do Arn.v
rim n. 31
SABBADO 10 Do CORRENTE
Vn tO I,* boras.
Em o i. andar do sobrado da rua J > Mara:-;
le Olmda n.: 7.
0 agente l)ia<, empctentemente aut..risado, k-
vara a leilio, no dia e hora acima indicadns, a ',.
pane do sobrado aci a reteriaV, equal deita a
segunda frente para urua da moeda, e r.nde Ji-
nualmente um conto da reis.
Para qnalqoer inf nnaeio a rua do Marqner -^
Olinda n. '17. cscrij.^ri. do sgeste,
LEILAO"
DE
moveis, louca c crystaes
('unslendo d. :
SU.li piano f rte, .1.- II. Hetty, 1 mobilia de jati-
rau 3, 1 lapei.., 2 candieiros a gaz, 4 jarros, 2
rasneaes e in.iugas.
Com saan Craseeaa, 1 lavat. rio, l toilette, 1
gnarda wstidr s, nv'sa coin T gstrtaa. 1 cstantc
2 ;. bu:!-.
Um guardalocca cr.vidrafad.-, I mrsa stMM%
2aparadores, licade.ras, I ouaitiuieiia, I apps-
relho para cha, I dito para janiar, eopmi, calice,
garrafas, flandre?, p.vtes, tr> m de cozmba e omH outros accessorios de casa de Caindia.
Verea-feieta 13 la curreute
Na casa di Corrsdur dn aVspo n. 17.
0 Dr Francisco BdTgm, tend. .! .etirar-se ps-
ra a Kabia com su.ifamilia, fara leda-, porinter-
MwdqIo do agente Pinto, d s atmst e mais nbjec-
vra^cima dosCTiptos, ritstisss em casa de rua
(].' !::-i i. a rua do l>JwaVii do Bmp<> n. 17.
___ 0 Imla principi ra as 10 l|i horas.
LEILAO-
M
grade1 de boa madeira, portadss para ja-
mdlas, p'rtas, etc.. c.
TIORCA FEIRA. 13 DO CORRENTE
AS 0 HORA^ RA MaN'HA.
No ar.'oazem n. 44 di ru< do B i 0 agente Pinho Bcrges levara a IHIao o qne
acima d-'dara, por conta e risco d qpem pertea-
cer.
MlSOSOif^SOS
leilao
99 WOO
DE
14,000 tijolosde mariiore branco e de cor
UOJ,
ao ineio itia
Por intervenQaO A ageite Ymh,
No armazem da rua do Bom Jesus n. 63.
leeaca
Jajoaaate:. on aprendlzes, valera acmaota por am' andar do sel>rado"n.'t7
: r
1* iMBftgilHiciricnlt
* Ter logar a oitava racks de aatigaaiura, com a
*Jl u*-<* ,r*a*dU *fMll PeU romano D"Or-
awvisla, ioutsiada;
mmm
E 1*0.0
mm*
243*009 prtoeisaas Iheatros da Burupa e America.
leilao
DE
ENSINO
F4RTIDAS IrOBRiDAS
B
ARITHMlTfCA
diripdo pnr
MANOEL FONCECA DC MEDEIROS
tres vezes por sesnaoa
4 tar e no 1 ssto
Rua d Msrqoez do Hervst (oou'ora
Coocordin) n. 130 a 110.
AUpqiI.
l*a psteo do Terco a 89. praoisa-se 4e algoaw
quitaodeiras para vaa-ter -iis, e a promts se qitat-
qoer eoeonmenda com Wda ism e SMrCetfl*.
por O'dsco preco.___________^__^_^^_
duas borras (c.fres), 1 arnaacio para arma
zem, | iitHirn. 1 trdjam envidra^ado
e outros Objfcrti* oV rmazem
Hoje
Por intervencao No armazem da rua do Bom
Jesus n. 26. L
Por occasiS.. do I !*. ,1^ muvei-, louja e crys
i Ues qne alb deve ter lugar.
da Haleaa s n.
a u-aur 4 ros do
.4tagt Micwi da ra
com consiuodoH para fa auk a :
Bar so da V'doria n. 17.________
pTocisa-soalugar su gr a l aruazstii.
6 tta primero Aadar, so otoMro da cidade,
(tvirro d Smito Antonio) i ntsta tjrpofra-
phia s d"rd informa;0*H.
OOaMOnis
"
ii oiio Crt'.-cas para se passar i fits: sa asrto Ia-
[cerre o 32.



-



Jiario dePernambuoo Sexta feira 9 de Outubro de 1674.
4.
- V
w
PitfiTHR
Bna da Ruda n. 49, sobrndo
Primeiras lettras, portuguez, francez. ingle/,
disenho linear e musics.
Sob a 'liren-A > Ho professor H'tn.inn Ko-
drigues do Siqi'cirj, funcioiiam. dilas nulas
toJos os dias uteis.
Heche Hmmi'ts internal, twin pensionis-
tas e uxt-Tiw>s; fornocf t -do tscrip a e livroj> aos priueipianiei, pur pn:-
90s miiito razoaveis.
** .r
-.3 2.
< o B
?ii
_? <*
8?" *
13.3-3
srga.
a*
fd
B2 53
- B
325 2
X ffi
ill
If!
^ t* B
2i
If sS
OJ5
a 2
S3
c H 2
y B
iff -s
? 2. a
- 2. a
a It*
3 3 jj
II5
~.
S
H
o
II 1
s 3 c "*
a" _
118$
*. p
It I
am
8 *-" P
CASA DA
AOS 4:000#000.
8ILHETE* f.ARA\1iiK)$.
A run Primeiro de Jf arjm (oulr'jra rua 1 0
Lresvo) i% 3 e hwii 'io iwiunn.
0 abaixi- a*? if lit in, tejulo vendido nw sei;.- fe
l>r.*f h:lhtte>ni> HMJ Hi. I";";" i-v ll i:0;K)i(IHl, Uili
iiiltfiro n 3%i9uin liHMKtt. uuir surt-s k
lili 5d/i it* I. urn qiu a\n-.-i tin all
bir (UK"), cuavtd* aos pus.-uiJui>.-s a mem rece
ber na coDfcrmidade do costume ?em desconto
algum.
Aeham-se a venda os felizet bilbetes garaotido?
di 2* part" das lotenas a i.vuetteio da matrix
de Tijaeapapu (140*), iae se extrabira na quar-
la -feira, 14 do correuie meir.
PHECOS.
Bilhate inteiro 4*000
Meiobilbete 1*000
cm poRgio dk 1009000 para cm a .
Bilhete inteiro 3*500
Meiobilhete U750
Manoel Marlins Fiuza.
ODILON DUARTCA
bABLLUIflEIROS
Premiados
Aluga se a easa tarrea da rua de S. Jos6 a.
19 : a trattr na rua das Larangeiras n 18, pri
mi'iro andar.
200S000.
yifjrer.tf se ami mulier de idade para atna
de casa de hutnsin noiteiro, da portas a dentro :
fluem pretender, dinja->e a travessa da Bariholo-
meu D. A.
Aliaa se a casa da rua do Oorone 1 Seara d.
41 : a tratrt na mesma ma n. 39^__________
Preci-a se alugar nma preta, preto on mole,
be a:narua da Christvio Colnmbo n.3, 1.* andaro
[I
Oesappareceu pi la egunda vez, da casa de
seus aenh ires, no dia 23 de setembro proximo pas
aado, a esr.rava de nome Juliana, com os signaes
segaintes : mulata acaboclada, rabellos corridos,
cosiuma traze los amarrad is, cara larga e com
bastantes fsyinhss, nani cbato, com falta de den-
tes na frpnte, cheia do corpo, altura regular, idade
96 annos, poaco mais on menos, bvoa nas orelbas
ans biinrn- de latio com pedras brancas, tcm as
pernas acmteniadas, levoa am chale de merino
branco es ampalo, ia velho, Din par de sapatos de
tran^a, quatro camisas de madapolao, uma dita de
algodao, qnatro vestiios de c^ita, sendo duus es-
euros d us claros, tres lencoes ; algum desla
roupa levou a no corpo e o resto em uma trouxa.
Suppoe-se qne a dita &crava estt-ja acoutara em
algum cnllngi nesta cidade, isto ter vindo embar
cada. do Rio Grande do Norte, e Dlo saber estrada
nenhuma para 0 centro : roga se' portanto, a to-
das as aut.ridades p.diciaes e ao< Srs. capilaes de
carapo que en ooirar a dita ^crava, de leva- la a
rua Uuque Jo Caxias n. 76, antiga do Queimado,
qu serao neoerosaraerte recompensados.
tiWV
Alngase um prande sobrado com quintal mu-
rado, cacimba, agm encanada, gai, e frncteiras,
tndo em bom estado, e bastantes commodos para
qnalquer familia para 0 pas*arnento da festa, e
banhns >algadn-; e p^-rio da esticao do Carmo, no
meltiur lcal de a c date. 00 pateo de S. Pedrj
Novo n. 6 : a tratar na me>ma cidade. no pateo
de S. Pedr.i Martyr n. 6, ou na Recife, na travessa
de S. Jo;^ n. 22, taverna.
Leile puro.
_Vende-.se Inite pnro de vacca tonrina qtie
pode ser tirado na preseni-a do comprador, das 6
as 7 h >'a> da manlia : tiarua d- Hospicio n. 33,
Negocio importrtiite.
Na rua do Marquez de Olinda n. 5S, loja,
proci8a-so fallar com os Srs. Frncisc<> Macbado
da Cunha Peiroza e Riyraundo da Cunna Pe
drosa.
Aluga-se
0 primeiro aodar com grand-s cnmmodi-.s e sola"
do sobrado sit) na rua do Hosirfeio n. 63, Jonta-
meuiB a lnja : a tratar na rua do Vigario u. 31.
Alugase 0 primeiro aniar 1a casa dj rua
do Torres n 8, propna paraescripiorio, ou pouca
fa' ilia: a irtar no segundo andar da rua do Mar-
quez de Olioda.
Aluga-se pjr anno ou festa o aobiado de dous
andari-s uo^Q.iatro CaDtos, e Unnda, c>im com-
modos piragi.tnde familia, agua encana isada e
cano para despejn, muit 1 fres.-a, perto do banho e
das e-t-noos : a iraUr na rua 'la Uuiao (lllia dos
Ratjs) n. 53, detraz d I MEDlCO^IKliKCICO I
,r Dr. Pedro d'Alhayde L. Moscoso Z
"Z PAR 1 El O K OPEiiAD'iK
;un do Vix-onde de tlbuqacr-ft
ft
m
m
i|ne fl. SO.
K-Pr>l'.lALIl)\l)K
Nolestiai* de enlior:i e
neainon.
<_"onsiiltas das 7 is to boras da ma-
iha. todos os dias.
Das fi as 8 da uoite, nas segundas, quar- tu,
< a exta-feiras.
Os c! -nt-- pie mandarem os seus cha-
adn< p,
aba sera
:a>
I
0
m
jf| jDadus p ir ese.nptd at to iioras da ma- ^
nba sera visitados em snas casas. 3
Banh os saltfados.
1 Alnga-se uma casa n* rua dos Pescadores,
cn 2 -a!a#, 3 quarto*, cozinha f6ra, torn quin
tail Ci m (nriai oira a praia a traiar na travessa
de S. J >e n 22.
Alii.a-'H a sala primeiro andar a rua do
Duquo de Caxtas n 3i, prop^ia para esc-ip-
lorio a traiar na loja.
No Img'i do oryu Sant> casa u. 15, pre-
(tin so 4* uma ama livre ou escrava, que .-aiba
hvn cozinhar.
Ao ciUHiiH'rciiL
0 abaixo a-signado faz seienUi a qnem convier
(jue dis-otveu amigavelmeute a sueiedad* que gy-
rava ne U prai_a sob a sazao de Alfredo Barms
& Ferreira, ciim armazem le molhados, na pra
ca do Corpo Santo, rrtirand-i *e >r. Alfredo
B rr 1.- u>du o sen capital e
JBtere-se lir.arvlii t'do aotivo e passivo a cargo
do ex-sncki Tho-naz Rodrigies Perreira, a quao
da ta data em diante ll a pertupeendo o dio cs
tahelecjmento.
Recife, 6 de ontabro de l7i.
Thomaz Kodrigofis Ferreira
Precisa-se
deam menino para ap'-eow a arte de ta:ader
nar ; a rua Dd OaHianaa fjgio.
So dia 28 de ag>*tt> proximo passado ansen-
lou-se esla es-av., a iQil te.o os signaes seguit-
tea : e-utura !.. ixa, rosto redon-lo, cor preta, p6-
peqnen*, i-o>lu uav a vender leite, aoda sempie
com did cacte (|oh Ine '*/ve de ammo por w>f-
frer de rlwnmati-mo, |i 4lfi>a a de na__ao Cam
bm a : >r"oi e aocsMnrar, p*g'ie i e leve-a ao >itio
do Cafnni6 estrada d loan d* Barms, one sen
gratifli-ailo
A'tHta^e 2 aaaas miiim freseas, na Capu g*,
eom coinmo.li* pa'i famirk ; traiar M mesmo,
lt>fr a r.ia da Cn-.-ola* o, 8. a g.
A'uga se por festa, uma casa em Olinda, com
4 quart"*, 2 galas, quintal, mundo, proxima dos
banhos salgado.i : trata-se na rua de Santo Ama-
ro n. 6, 2." apdar.__________________
Bods pianos.
uhegados de novo.
Vtnde-se.
Trora-sr.
E aluga-ae.
No armazem do vapor francez, a raa do Barao
da Victoria, ootr'ora Nova n. 7.
MOMMAS
de viiiic e de fiia.
Vende-se mnito em conta ; cadeiras avnlsas, de
balance, de bracos e de dobrar : no armazem do
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, outr'o-
ra Nova n. 7.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pds den-
trifke, agua de flor de laranja, agua de toilet
divina, florida, lavande, n<5s de arroz, sabonetes,
crosmeticos, muitos artigo delicados em perfnma
ria para presentes em frascos de extractos, caixi-
nbas snrtidas e garrafas de differentes tamanhos
d'agua de Cologne, tudo de primeira qnahdade
dos bem conhecidos fabricantes Piver e Condray,
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria, ouu/ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de ditTerentes gostea r
phanftnziaa.
Espelhos, leques, luvas, joias d'ouro, tesourinhas,
canivetes, caixmhas de costura, albons, quadros,
e caixinhas para retratos, bolsinhas de vellndo,
dita de couro, e cestinhas para bracos de meninas,
chicotos, bengalas, oculo, pencinez, ponteiras para
charutos e cigarros, eseovas, pentes. carteirinha de
madreperola, tapete para lanternas, malas, bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
pos, lanternas magicas,eosmorama, jogos da gloria,
de damas, de bagatella, quadros com paisagens
globes de papel para illuminacoes, machinas de
fazer caf6, espanadores depalhas, realejos de veio,
accordaos, carrinhos, e bergos para crianeas,
ontras muitas qainquilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode dpspjar dp to-
dos os brinquedos fanricadp* em differnte* parte.-
da Europa, para entretimentos das criancas, tudi-
j precos mais resun.idos que e pnsgivel : no ar
raazem do Vapor Francez, rua do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova n. 7.
Calcado francez
A 9^5
Botinas para homeni
'Acabam de cheear grandes jaeturas do botinai
debezerro.de cordavao, de pelica. de duraqnt
com biqneira, de bezerro com bntoes, e com ilho-
zes a 9ir000 (a escolher) por ter vindo grande
.uantidade por conta e ordem dos fabricantes:
o armazem do Vapor Francez, a rua do Barao dc
Victoria (outr'ora Nova) u. 7.
Pith n trrM-H.
UOTINAS pii-ias, brancas e de cores, dideronte!
lisas, enleitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados,
SAPATOS de lapetes, chariot, castor e de tranca
P-.ra nieuinas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores diilerentes.
lisas, i-nfeitadas e bordadas.
ABOTINADiiS de diversas qualidades.
SAPATOS de !!' :i ,i portuuuezes.
IPttra useoiuus.
aOTINAS de bezerro, lustre e de corda ao,
'BOTINADOS e sapatSes, de bezerro.de deversa-
qualidades.
SAPATOS de tranca.
Botas de raontaria.
Bottt a Napoleao e a Gnilherme, pen,"*"
meias p-Tneiras para bomens, e meias perneira
tiara meninos.
No armazem do Vapor Prancez, a rua do Bara-
la Victoria n. 7.
Boa mo.radia.
Vende-se um excellcnte sobrado, com uma
c* peqnena eontgoa, sitasau l'.igoda Pa-
nella, ru RphI n. 3". com buns commodos
para um familia grande, tendo divcrsas sa-
li-s grandes e muit s quirtos, todos com
jfliiellns; qua'tus para criados, cocheira,
e>iribria, grande copixr, casa de baubo
e JHTilim do caila lado. A casa esta em
perfi'itu estado, e e situ.-n.ao 6 a mais fresca
i sauJavel po-siv I : trntar com a proprie-
tarin D. Maria Purcell RaulniSun, na mesa,a
ca^.
- Roubaram de 30 de 'setembm para o ama-
cihecer do dta i. do corren'fl. arrombando o acou
gue da rua d > R-.ng.-i n 33, e Cvnduiiram nma
BMMa qno c> o inha da s gavetas e dentro das di-
las tmha vane< livros do mesmo negocio, laueis
de imp >rtancia. dinbeiro e mais ofijectos : roga-se
a pessoa que descobnr o aatnr do dito ruvbo, di
rna->e ao mesmo aeniigne ; a a rua Imperial n.
159, qae .-era geuerosameute gratiQcada.
4' paliria de Sauto An-
tonio.
Pcde-se a qnem crnnetir que oreste as vis-
tas para nma pandega qae reone-se das 8 boras
ate a ta d die, do beceo dos Portdes (travessa da
ma Beila) qne neni s6 muito intomiu .dam a
quern p,>r alb mora, romo ruuito insultaiu a quern
pa-aa ; dexconfla-se qua 6 ponto de reuniao da
companhia do olb viv- : os empregados do re
crntamenio alii farao ana cnliVita. Ha poncos dias
deu-e alii um franco espaneamenti en am del-
* qae no mesmo t> c:o mora, e acba-se a
m.irte. ______
. No largo da matrtz do Santo *Dtnio a. 2 M
ao1r, precisa se A* did que seja Bel. prefere se
escravo.
M'k
DA
CfA
na oxpnsi(]ao
ile 1872
(JPEKATHIZ
N/ 81
l. ANDAR.J
HI A
OA
FUIVDICAO DE FERRC
4' res do OarAo 41 THniiifho (run do Pro) ns. (00 a i04
CARDOSO & IRilAfl
IMPERATRIZ
!. ANDAR.
Acabam de reformar o seu eslabeleciniento, collocando-o nas melhores con-
-Ucc^es possiveis de bem sertir ao publico desla illustre capital, e as Exmas. Sras. n'a-
loillo qne fftr tendente a arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras lanto para bvmeps como para senhoras, tupete, chignon,
xjaes modernissimos, trances, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
nanlares, (lores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
0 estabelecimento acba-ae provido do que ha de melbor nos mercados estran-
<;eiros, recebe directamente por todos us tapores da Europa, assuas encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 */ menos que outro qualquer, garantindo
perfeijlo no trabalho, agrado, sinceridade e prejo razoavel.
Penteatn senhdras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porjao e a retalho e todos os utensilios pertencentes a arte de cabelleireiro.
55
Constructor e afloaor de pianos
Bua do Imper dor-
55
Ex-afinador das antigas e afamadas casas Pleyel & Herz, e antigo direc tordar
ofQcina da casa Alphonse Blondel.
Tem a boura de declarer ao respeitavel publico desta cidade, que tem aberto
saa casa de concertos e afinacdes de pianos, qualquer que seja o e-tado do tnstrumento.
A' mesma casa acaba de reccber um grande sortimento de pianos dos melho-
res fabricantes de Pans, como Erard Pleyel, Henri Herzo Alphonse Blondel) todos
os pianos sahidos da casa Dbibant sao garantidos
Compra se e recebe-se em troca os pianos usados.
4US \l hoy fcnihiiias .le tn^enii s nutr s kiirimH n gvril qu
omuiuaio a ren-btr du ltighvf:a, Franca oAiiitrnca, tod.-.s as ferragiua o inacbinasne
iesaarias aos estabeleciaientos agrioolas, as mais mode uas e melbor ibra que tem v:o-i
ao mercado
^pOreS de for^a de i, 6, 8 e 10 cavallos, os melhores que tem vindo ao merado
UalueiraS de sobresalente para vaporcs.
MOenclaS mteiraS e moias moendas, obra como nunca aqni veto
Taixas fundidas e baUdas, dos meihores fabneantes a 300 e 150 ts. a
libra
KOdaS a aglia com cubaje de ferro, fortes e bem acabada*.
KOdaS dentadaS ae todos os tamanhos e qualidad..
Relogios e apitos para erapors.
Bomba8 de ferro, de repucho.
-VraaOS de diversas qualidades.
Pormas para a88ucar,grflndes tf^mm.
Vai:andas de ferro fundido, franoeilB de d.versos e bonitos
iiOgOeS iranCezeS p3ra lenba e carvao, obra superijr.
Ditos ditos p8ra sai.
Jarros de ferro fundido
Pes de ferro
Ma china
Valvulas
st.
para
para mesa i banco,
para gelar agua.
para bomba e banheiro.
Correiasiijglezas p8ra machinismo.
Bancos e sofas
ardim.
com titas de madeira, para jardim.
ESSEHCIA
CONCENTRADA
DE
DE
UoncertOS CoIlcertam com prompttdao qualquer obra oa macbin.r, par* o qua tee
sua fabrics bem montada, com grande e bom pessoal.
SnCOnmiendaS mandara vir por eneommeoda da Europa, qualquer machinisma.
para o qu^ se orrespondern com uma respeitavel casa de LoDdres
com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se da mandar assentJr
Has machinas, e se respons.ibilisam pi.'o bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Bruin) ns. 100 a 104
F U N D I g A 0 D E CARDOSO 4 I R A 0.
Premfada nas expo
sicoes de Pernambuco
e Rio de Janeiro.
MEDALHA DE PRATA.
AWTOCAORS
Pharmaceutico
Pela
escola de
Successor de
I'artM
Premiada na expo-
sii.ao de Vienna d'Aus-
tria.
MEDALHA DE MERIT0
AHISTIBE SA1SSET E. J. SODM
Tralamento pnramente vegetal verdadeiro (>urificador do sangne. sem mercario.
A KMKPncin de Cnroba e nm remedio beje reconhecido como um poderoso depura-
tivo e especial para cura de tudas as molestias qae teem a saa origem na impareza do saugue,
como sejam : as mifestias Syphiliticas, Boubaticas e Escrojtjlosas, Rheumatismo, Empingens, Dab-
tbos, Llceras, EncpgfiES, etc. etc.
Os prodigiosos etfeitos qne tem prodazi o a Etssencla de Caroba, por toda parte
onde ella tem sido apropriadamente experircentada, a tem feito adoptir CWu um dos medicamen-
tos mais seguros e mais energicos para a cura de todas as molc3tias de natureza svpbilrtica e
boubatica.
A eada frasco acompanha uma inslrncclo para a maneira dausar.
Poniada anli-ilarlrosa
Contra as affec^Oes cutaneas, darlhros, comicb5es, etc., etc.
ingucnlo de (anlia
Para cura das bonbas, ulceras, chagas antigas, etc.. etc.
UNICAMENTE PREPARADO POR
R0C00AYH0L IMAUS, SUGuESHOBES
Bdica h'anreza
22 Rua do Bom Jesus 22
______ ANTIGA RUA DA CRUZ )
N.5 A.Rua do Barao da Victoria.N. 45 A.
LOJA DE JOIAS
he
JOSE JOIQIHI DIIS DO REIiO.
Into Miui ja oilu v liqii O proprietaric desio nov esUbeleeimenbi aturoido com o iDesperad eirid t dos gritos que
snrgemdo todos os angmos de.-ta grauje cidad-, anoucciando a liquida^ao dus e.-Ubelecimentos de joias;
e, receico de Bear -OSINHO, apezar de bm ivaliar a? grandes vantagens qu9 nest-! cao devcria au-
ferir; tomou a inabalavel -esolucao de QUEIMAR todas is ; se 3 grande caravana, e, com ella, segnu em rmnaria para.......e segredo I
A pyra esta ardente- as victimas aguardam brilhantes o mumento do sacriflcio6 fa/
os sacrifieadnres.
I-to posto, espera-se, com jnsta r*zao, uma grande concurrencit dos amantes d> econ
qoe nao devm perder o enspju dese oroverem de objee.tos laes; e devem a'n ainda assim fazer.
que oepon de todas essa liquidagoes, com o novo anno, acabam c as JOIAS desta cidade, e nao
tera publiso aonde deltas s- possa prover
Aellas! A ellas t
UPACM DE im AT FE-
VBREIRO PRIUIMO FI1TIH0
Rua do Labutja N. 5.
Os propriotarios desla OOtiga Icja do joias, resolvaodo-sa (leliiiili-
vamente hqoidar o sm e-tabi-leiimento; vendem para a.ab-ir Mas
as suas joias .I'ouro, prata 0 brilhaMt^s com eoorme abatnaiwlif
preyos, assim como as enrnmmeodas j< feitas. que I'orcm chegando da
Eurnpa, pelos precos da factura.
iti; udc lv\[\(\ m
Do Museo de Joias
Rua do Cabuga n. -A
Neste import.Miti estabelecimento, vende s< pa*a acabar aic fe-
re-ro proximo futuro todas as joias de otiro, jirutn u brilhatcs Iii
existent-s. por precos ate bnjn desconb'-eidos, bem assin as re:n;- .;
quo forem fhean >o-da Euj*i>pa, pp|a prec/i das l'a> turns.
GRAlNJJE LigUlDACAU
TOLENTINO DE CAhVALflO
Tendo
que di-sta data em
redozido, c-uno oao piderd
Rna do CabiigA n 1 c
resolvitlo liquidar o scu eslnbecnr ento do joias. doclara
dia in os seus preens serao i-xlniordin.-.riamoute
hiiv r co iipi-teticin.
Urande Ltqitia(;^
0 COLLAR l/oiRO
liua do Cabuga n. S A.
0s donosdi-sta grande loja de joins, resolv>n Io se a liqoidar o seu
estabelerimento at^ prmeipio do anno proximo futuro, \cnd<-m com
grande atmtim ntn de prefos tolas as su-s jo as de ouro, pmta e bri
que for reotbeodo da Europi, pc!o prerr.
lhante co-no
da fabrica.
tambem as
CH4PE0S DE Ul
Gurgel do Araara! & C, a raa P iraeiro de Marco n. 20 A, reeeheram um grande sortimento
de cbapena de sol de heda, lisa e tranyada, com bonitos cabos de anicoroo, m&rnm e madeira, e
vendem os a 61 e 7*. sendo esie preco inetadn do sea valor.
(SI
PRESERVATiVO U EIVKIKLA
DO
Aloga-se a f*H io Wbraloa. I da lUa do
*rg*<>: tr.-a se com sea proprieUrio, a rna do
Ho.-j.icio n. 33.
Remedio effi"z.nao s6 para enrar qnalquer atiqne de erysipela como
para impe Approvado pe)o G.verno Imperial, acba-ae a disposicio do pnblico
re.pectivas instrnctS"', a't"!adosde-petsoas Butav.is, a de Medicos
de grande repntaclo.
Depositos unicos.
?'ecife: raa do Barao da Viet na (rna Nova) n. 10, rasa dj Sr.
Rocna Sianeira. '
Rio de Janeiro : C6rte, rna do Oavldor, n. 76.
Gratis aos Poferes.
Grande Liquidacao
Manoel Antonio Goncalves
Bua do Cabugd n. 3.
Tendo rezoivHo liquidar no menor tempo p issivel o seu rstsbc-
leeiment >, vende para acaliar todas as sua's joias de ouro. prata e bri-
lhantes com enorn e abitimento de precos. E as romessas que fj-
rem ch^g^udo da Europa, pelo preco das facluras.
UND1CAU DO BOWMAN
rua do mm N. 52
(Pasaando o chafariz)
PEDEM AOS senhores de engenho e oMros agricult t-s, e compradores do n,-
< hinismo o favor de fz^r uma visiU a seu estabelecimento, para ve'era u novo sort.mei
to comp eto que ahi tem ; sendo tudo superior em qualidade e fortidao : o que com 9 k-
truccao pessoal pode-se verificar.
Bacharel Hanoel de Siqiieira Cavabnli Jt^SZ^ZZ^'SZZ
systemas e em tamanhos ooti
proprietanos e para doscaroca*
de todos os tcmanhos, as melhoros que aqui existoui.
venientes para as diversas cin:umstancias dos senbores
alg dao.
^ Moendas de canna
^j KodaS dentadaS para ammaes. agua o vapor.
J| Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
MacniniSmOS para man.liocae algodao, e para serrar madeira.|
BombaS de ptute, garantidas........
TodaS aS machinaS e pecas de que se costum. preciMr
Faz qualquer concerto de m.chinino,
FormaS de ferrO tem as melhores a mais baraus existentes no oMrcado.
EriCOramenda8. Inoombe-se de mandar vir qualquer machioiaaio vooUde ooa
clientes, lembran lo-lues a vautagein oV fazerem
Podeado
ser atovMoa a m
por agua, vapor
ou aniinae*
a preco mui resuraido.
_ at coinpras por luteraaedio
ent. ndMa, e que em qualquer neeesfidade p6de Ihes prostar auxilio.
Lmdas popelinas de linh com salpicos edelistras Arados araericanos e instrumental .gnc i.
de ptaooa
r;CJ^^^ RUA DO BRUM N. 52
Antonio vOiTeiadeVasconcellos.
m


Biiao ilk JtoinaaaDiioo Sexta leira 9 de Outubrc 4e HW3
Boa morn (U;i.
Alaga-se o fit!'./ ia otrada rte Agua !;ria n. 2,
cootua casa para numerosi farr.ilia e excellente
banho -no riacho Jaeart, perto da estarAo (to ca-
mnbo oeferro : a Iraiar ni i-ua Primeiro do i'ar
-go a. 93. ._______________________________
Cura inslMiitaea
"Grandiosa descobcrta II!
Jiovidade iaiportaulissimaM!
Ouso qnotidiano de ura calix do superior vinho
5ENER0S0 que se vende no 1 andar do sobrado
a. 3, a rua da Cruz, tem a proprieJade de subs
iUuir con. grande vantagem e extraor:inaria eco-
aonaa, os depurativos tao apregoados e conheci
dss por sa'f iooimeiaiiiu.-, na > cura todas as moles lias como
sueoede a.- panaceias que sc annunciam, acompa-
ahadas de attostados; todafia. re.-tabelece iinme-
iiatatneiHe as f S*. e purifka o sangne, sem a
desvaetagem deser nocivo a saude.
J3anhos e dormida fresca no
Monteiro.
Aluga se alii duns casas pequenas, tendo cada
n.au, duas salas, ires quartos e coziuha a tra-
lar na rua Nova, loja n. 7.
I'm novo rival!
fara uma eidade tao populosa como a nossa, e
.jjor certo insufJQeien'.e a existen ia de um unico
eetabelecim -nlo no genero daquel.e que se deno-
ajioa OnMtaria do Garapos.
E' tste o nioiivo porqae aeaba de >brir-se a
eonearrenna publica no bairro do Recife a rua
da cecte, sob o titulo de Assemblea do Commercio
onde o respeilivel publieo enconlnra sempre
true precisar, o necessario para :
I'm casainentn.
Uma soireX
Uin bapiisade e
(in lancbe.
Ha tambem :
Or ?de variedalc de bebidas I'nas.
Completo sortimento de doces para embarques.
B^linhos sorlidos e fructas de delicado tabor.
Bandejas caprichnsamente preparadas.
Fumbres e lanche a qual juer tura.
Tudo com esmerado 8ceio, preMeza e precos eqni-
iativos.
22 Ru. do Commercio 22
Meira &Lima
Assemble* do Commercio._________
ESCIUVOTUGIDO.
Pogio do eoeenho A'alaya. ua freguezia de ?e-
riohaem, no aunn ite i860, o escravo Francisco.
mnlato, com. 16 a 18 annos de idade, pouco mais
om menos, altnra e eorpo reeolares, olhos;rasos e
arnes, cOr bem -dara, cabellos bons, denies per-
feitos, nariz aliiado e carlo, feic-io bonila, sou
baiba, mart < inoderado. p& sece.os e bem feilos.
0 didi escravo foi do Sr. enmineodadoT Antonio
dos San ns Poutaal, senhor do engenho Cabeca de
Negro ; cnroprado ao oriel ir Oliveira, morador
BO Recif.!.__________________________________
Piigio ilci fiigi-nli" Ajud mte, na frej-uezia da
da, no
.-
I :
- ,
cm-
com,
torn
eori
tar
sal
, .
io de 1872, o etenwo ijuilherme,
M'guintes : pardo, com 25 annos
mai< on ti.enos, altura e corpo
I! >> cacheados, olhos grandes, rosto
alguns signaes dp barba, nariz
n tanto arqnerda, ditles porfeitos ;
das pelo re.-to, e fat rnovimenlo no
] iii'la, e na occasiao de cumynmcn-
pessoa, le a o chape.) p:>r cinia da
. relaguard:-, 6 muilo ;.iegre e diver-
i.. ia- e que estija r.a ciiadr da I'ara-
i .! :i Naiaretb. Por lanto, roga-e as
i I ,- liciaeg e aos capiiaee de rampo a
api i i-'4o dos dit.w e.~craves e serpin entrpgaes
.; '.. r, Emilio Poreira de Araujo, i a rpfe-
i de qnera lera-i a paga aV3CO000
im. N li. <> r-i-ravo Guiiherme lem
: iz < bre cms w braneelha.
- 0 ;. is i issignad i ill n.-.r;: (inn pur prdoara-
la '!- -2 dn de: mbro do 1873. aeha-se
i orocarador do ana mai I). Cesaria
i N h de iJn.-in.'ni, corn p >dores para Ira-
negoci09, sendo o i procnra iu .i nesmo ab4jxo assignaJo, o Sr. Joa-
Ayros, genro da oatorgaole. Reci-
, a- otltabro de l87i.
Maximino da Silva Gusmao.
.
cravolugido
v.>i iano ausentoa se da casa de sen s>-nhor no
i mbro, e tern o? signaes seguintes :
i r :n! i. it present a icr 3a annos de idade,
mais on menus, lem algumas sarda ou
i no rosto, p6t grandes e calcanhares f y
- h i .!:-.1ik encolhidos, tambem tem uma ci
ila3 provt'iiientn de utna qoeiinadu-
itrs ignal em ii"ia das perms : roga se as
ridi s po'iciaes e aos Srs capitals de cmpo
de o appr benderera e feme te Io a rua do Bon
a* n. 46, 1 audar. qu-j >erao generosamente
nsados
G-overnante
P;,-..--' le mnasenbjra paia governar e di-
rigii oos do uma nn do familia, e que
ida h :n e costnras e de ccrtar vestidos : a
trat^r na prafa do n rpo Santo n. 47, 1" andar,
> li raa da mania a< i da t:rde, ou na rua
i)u j r u Qaxias n. 81, 2' andar, entrada ppla
...:'i ue. i'edro II, i'liligo largo do Coll-gio, de
manna atl ; 8 boras, ou das a da larde as 7 da
?;uiifc._____ __________
Ac.;oes cntre amigos
He om r I gio de ruro, de 15 dias de corda, flea
tran f--! pi ra a ultimn loteria do inez corrente.
le outubro de 1874.
- !'i -i-'i -e ile um molequeou nma negra ale
6 ann.-a line ,-ejam escravos : na rua do Sebo nu.
tin in ii. 33.
ViffOT do Cabello
>
DO
Anlcatin de Azcvcdo ViikiMico.
IVIo [resfnle sloeonvidados os aGlhados a all
lh>das de Antonio- de Azevedo Viliarouco, falle
cido em Portugal no mez de cetubro de 1873, a
apresentarem aeniro doprazo de60dla-, aeon
lar de.-ta d ,ia, a certiilso ii j tea nascimento, em
casa do abaixo assignado, testamenteiro insiiiuido
pelo dlto fallecido, aflm de que sejam devidamente
atlendidos na partilba a que tem de procederse
com a precisa igoaldade, de accordo com a d'spo
aieSo testamentaria. Recife, ID de setcmbro de
1871. Man el Azevedo de Andrade.
##-)-^^'@-##
jjfj N. 21, l-e2 andares, Cambda
do Car mo.
llauoel Enedino lle^o
%'ullenc:i
MEDICO
Consultas das 7 boras da manna as 1
N 9 'I*
Chamados por escri jto.
Especialidades. Doeocas dos pul-
moes e do cora;io.
Exmas. noivas.
Cbamar-os a vossa atuncao para o novo esta-
belecimento que acaba de abrir-se a rua do Com-
mercio n. 22, denominado ASSEMBLEA DO
COMMERCIO onde se preparam caa.baodejas
com grande variedade de bolinhos eaprichosa
mente enfeilados, lambem se aprompiam bou-
quets.
As.-emblea do Commercio
Meira & Lima
22 Rua do Commercio 22
Frecisa-se
alugar uma escrava para vender na raa : a tratar
na rua do Cabuga n. 3, t* andar.
HOTEL
Reskiwant de Bordeaux.
Aberto toda a noite, nos dias de especta-
culo da conapanhia italiana.
Escravos I'ugidos
Cntinuam a estar fugidos desde o anno de
1870, os escravos seguintes : Francisco, crioulo,
com 28 annos de idade, pouco mais ou menos
altura e corpo regulares, olhos grandes e brancos,
denies perfeitos, eabellos carapinhados, uma ci-
i-alris por cima do olbo esyuerdo, barba a Cava-
nhac, muilo cuuversador e risonho. Antonio, ca-
bra, com 2a annos de idade, pouco mais ou me-
nos, alto, secco, o'hos grandes e vermelho3, ca-
bellos um lanto solio*, pouca barba, denies per-
I'riti.i.-, pei comoridos e seccos ; ambos foram com-
pradus ao barao de Nazareth. Dejonlia-se que
os ditos escravos estao occultos na comsrea de
Pajeii de F. res, na no Rio de S. Francisco. Ro-
g -se, portanto, as autaridades policies e aos ca-
pitaes de rampo a captura dos inesmos escravos,
e serem fntreguesa stu seu senhcr, Emilio I'erei-
ra de Araujo, no engenho Ajudjnte, na fregue-
zia da Escada. de quern terao a paga de 300|00q
por cada um.
Major
Massa fallida de Pereira de
M Ho & C.
Os credir s podem recebei o primeiro di video-
do rte 20 por cento, apr. of nlando es titulos para
serr-ni auuotados: a rua do Commercio n. 3i, 2.
an lar.
- -^- E!rsaMMHMI
Uat'cclino Jntui I.opi-M.
0. Allina fteppe da Silva Lopes,
lilhos e ui.ra, m.-.ndam rezar mis-
sas no dia 9 do corrente, as 7 bo-
ras da manlia, no convento da
Gloria, pelo primeiro anniversario
d) i ar-aiiirut i d i seu mui presado
esposo, pai e sogro jnajor Marce-
lino Jose Lopes; e iara assislirem a e>te ado re-
Hgioao. convidam aos seus pareales e amigos ;
Qeandn Hips nl eratos.
Capellas mortuarias.
Porto ^ Bastos, a praca da Independencia n.
39. acabam de rtceber pelo ul imo vapor, lindis-
simas capellas ranrluarias com diversas inscrip-
coes proprias para tumulos e catacumDas, as
quaes vendem por precos mnito modico.________
Tibureiu \tuu-; Oliveira
Anna Carolina Lopes de Oliveira,
filhos e genro, pedem as pessoas
de sua amizade e da de seu falle-
cido marido. pai e M>gro, Tiburcio
Aotunes de Oliveira, o caridoso ob-
sequio de as slirem as missas que
por inlengao do ine.-mo mandam
celehrar no convento da Gloria, na segunda-feira,
12 de outubro, pi-las 7 boras da manha, trigesimo
dia do seu fallecimento.
Aluga-se
o predio da raa do Barao de S. Porja n. 28, antiga
do Sebo, com cjmmodos para grande familia, con-
tends agua e gaz encauados, grande quintal bem
placiado, com portao que deita para a rua do Ata
Iho : para ver a cbave, na mesma rua n. 20, e
para tralar era Olinda, la leira da So n. 6.
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
O Vigor do Cabello e uma preparacSo ao
teanio tt'iupo ii|;radavel, saudavel e efficaz para
rvar o cameOo. Por raeio do seu uso o
cabello .im, griaalbo, e enfiaquecido, dentro de
|>oui-i i involve h cor quo lhe 6 natural e
prini tiva, e -''quire o brilho e a frescura do
.iab< !lo ii-i jiivcntude; o cabello ralo se torn a
deasii e a calvicie muitas vezes, posto que nao
e) tndp i c isoa e neutralizada.
!Nr:o b". aada que.pode reformar o cabello
dep"/ duo rbtlicanfl estarem destruidos, e as
elan i. '.. I.i.s e idas, mais se ainda rostarem
algii. n podem ser salvadas e utilizadas pela
;>:.:.i.'fiiodo Vigor. Libre de essas substancias
deirt >riaa que (ornam muitas.preparacoes de este
i^nj) ... tain no.'ivas e destructivas ao cabello, o
Vigi r sonente lhe e beneficial. Em vez de
euj:.r i. .-Mln-lio e o fazer pegajoso, o conserva
'im, Ibrte, i-mbellizaudo o, iuipedindo a queda
o iu;ir-se iu<;o, e por consequinte previne a
calv .,
i i uso da toilette n8o ha nada mais k dese-
jar c.,ii-i-j.do oleo nom tintura, aao pode '
oiaj. 'r mesino o mais alvo lenpo de cambraia; I
'!)! Ho, lhe da um lustre luxurioso, ,
rfnme muito agradavel.
"t(rm;ir a cor da barba, 6 necessario j
pe de i|iie com o cabello, porem se podd
... i. Feito, envolTndo a barba de zit
I -..ru molbado no Vigor.
CASA DO (MO
Aos 4:0009000
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 30, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nos sea?
liui'.o felizes bilhetes a sorte de VOOOjoOO em
meio bilhete de n 1,547, e a sorte de 700^ em
meu bilbete de n. 3,723, alem de outras sortes
iienores de 104000 e tujOOO da ioteria que se
icaboa de extrahir (119') ; convida aos possuido-
res a virem receber, que promptamente serau
pajpoa.
0 mesrno abaixo assignado convida an respeita
v.! pablico para vir ao seu estabelecimento com
,rrar os muito felizes bilhetes,que nao deixarao de
acar quaiquer premio, como prova pelos jnesmes
raauncios
Acnam-se a venda os muilo feliies bilhetes ga
"antidos da 2* pane da Ioteria a beneficio da
igreja matriz de Tejucupapo, que se extrahira no
dia li do corrente mez.
Pre^os
Inteiro 4*000
Meio 24000
0e 1009000 para riina
Inieiro 34900
Meio U750
riecjfe. 5 de seiembro de 1874.
Joau JnnauifA da Costa Lett*
J
\\
M
Na iravessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-s,e
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaes epedras.
d MUNI atti
B$ta encouragaflo 1! 1
Ajrua mole em pedra dura
Tan to da ate uue a fura.
Roga-se ao Ilrm. Sr. (gnacio Vieira de Hell
ascrivao na cidade de Nazareth desta provineia,
favor de vir a raa Daqne de Caxias n. 36, a con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chajpada deste jornal, en)
flns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passon a feverejiro eebril de 1872,e nada cumprio;
por este mejivo i de novo charaado para d
9m, pois S. S. se deve lembrar que este negoci
de mais de oito annos, e quando o Sr. sea alho
ichava nesta cidade.
ILUGA-SE
1
DTi grande casa trrrea com
siia ua estrada do Lucas : a
arii n. 31.
basiinles commodoi
tralar na rua do Vi-
AMA
Previsa-se alugar uma es-
crava p.i.i an lar na raa : a
tratar na rua do Cabuga n 3,
segundo'andar.
Precisa-te de uma ama, para casa de ho
mem solteiro que queira sujeilar-te ir para (ora
da cidade : a iraiar na rua do Imperador, loja de
louca n. 57.
Ama
Precisa-e de uma ama para
cazinhar: na fabrica a vapor
do cigarrns, a rua larga do Ro-
sario n. 21.
AMA
Para comprar e C"ziuba
a Iraiar a rua Nova n. It.
loja.
Offereceae um homem para caixeiro de en-
Senho, foraen ilfntro da prsvincia, o qual enien
endo de diversas art**, obriga-te a fazer tcdo e
qualqner concerto que o ir.e>mo possa precisar, a
excepciio do que for do fundicio ; con:erta taxas.
lorneia moendas. e faz maneiros os engenboa que
por sna mal collocacio forem pesados, e outras
muitas obras qae se dira ao pretendente : a tra-
tar na rua das Cinci Pontas n. 144.
Precisa-se de ama senhora de idade, para
tomar conta de uma casa de um homeni viuvo,
com dous filhos : a tratar no caes do Ramos n.
28, prensa de algodao, das 9 h ras da manhi as
2 da tarde._______________________
Aluga-se o armazem n. 35, silo a raa das
Flores, proprio para marcineria on outro qu-b
qier estabelecim nto : a tratar na rua da Uniao
0.55.
Vendc-sc
O Monte Lima
lem um completo sortimenlo de oalao e franja de
ouro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoaduras douradas para ottciaes, canutilhos p
enfeites para bprdado. Tambem ge wcarrega de
todo e qualquer fardamenio, como seja : bonels,
talin?, pastas, espadas, dragoaas, charlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assim como um complete sortimento de
1 raajas, galao falso para oraamento, cordan de U
com borla para quadros.e espelhos (conformeo
gusto da encommenda) tudo por muito menos
freco que em outra qnalquer pane : na praca da
adependencia n. 17, junto a toiado 8r. Arantes.
Aluga-se o armazom d > sobrado da rua D-
Maria Ce-ar n. 37, proprio para reeolher fazendas
Uor ser muito espacoso e reediipado, ou para
qualqiier esubeleeimenio : a tratar na rua de Do

E. A. OELOLCHE
24-Rua (Ic-Haiquezde Olindal\
Esqulna do hceeo Largo
Participa a seus fnguc7.es e amigos que mudon
o sou estabeleeimento de relojoe>ro para a mesma
rua n. 24, onde encoutrarao um grande sortimento
de relogios de parede, smeriranos, e ciraa de me-
sa, dos melbores gostos e qualidad. s, relogios dc
algibeira, de todas as qualida es, patente suisso,
de ouro e prata dourada, foleado (plaqaet), relo-
gios de onro, ingtez, desenberto, dos melhores
fabricantes, cadeia de ouro, pluquet e prata, lonetas
delod?s as qualidades, tudo por pre^os muito ba-
ratos.
Iscravo fugido.
FQfio do engeiiho Ajudante, na freguezia da
Escada, no mez de junbo do corrente anno, o
escravo Martinho, de cyr preta, com 22 annos
de idade, pouco mais ou men s, altura e corpo
regulares, olhos grandese briaous, exun priocipio
de barba, denies perfeitos, eabellos carapfnhadbt,
p6s grosos e compridos ; anda um pouco deoli
nado para frente, e.in a visli Armada paral o
chao; 6 muilo canlador e oOicial de carreiro.
DescoBfia-se que o dito srravo esla oceulto em
terras do engenho Para, na freguezia de Ipnjura,
pelcrqae, incotrera nas penas da lei, qaem o liver
oceulto. Roga se as autoridades pliciis e aos
capitaes de campo a captura dn da >cravo, e
ser entregue a seu teuhnr, Kinilio IV.elra de
Araujo, no referido engeohn, de ajiioin terao a
a paga de 504000.____________________
- Aluga-se o 2 andar e sulau do sobraiilo
da rua du Kangul n. 73, todo recons'.ruido e
aaseiado, com basLantes coenn idos, escada
independente do 1. andar, e bem assim o
quintal ; sendo muito fresco e com excel-
lente vista para a nova praca do mercado :
para ver as chaves, eslao no estabelecimen
to de molbados do mesmo predio, e para
tratar na thesouraria das lotorias com Anto-
tonio Jose
pri tario.)
I
A
Aluga-se ou vende-se uma grande casa lerrea,
em Olinda, propria para grande familia ; tem gaz
e agua encanada, sita a rua do Aljube n. 31 : a
tratar na rua da Imperatnz n. 8G, 1 J andar.
Rua do Hospicio n. 28
Aluga-se a casa terrea a rua do Hospicio n. 28 :
rua Duqne de Caxias n. 54 1* andar._______
AtlenQao
Madan a Albuquerque &
Irma.
Rua 1." de Hfrnp n. li, 1. andar.
Teem a satisfacao de avisar as Exmas. Srs.,
que recebem por todos os vapores, figurinos, os
quaes otao palentes para todas aquellas que qui-
zerem vestir-se com gosto. Sendo seus trabalhos
perfeitos e mais baratos de que em outra parte.
14 Rua do Crespo 14
Rodrigues de Souza (seu prp-
'5a e-ira.1i de Joio rfeBarros confronle a
capellinha, aluga-se o grande sitio n. 21, com mil
paiuios de frente e 2 e land de fundo ; uma ex-
criienle casa co# 4 grandes salas, 8 quartos, co
zinha fora e quarto separado para despi-n grande terraco sobre columnas e gradeamenlo de
ferro, estribaria para 4 cavallos, casas para cria-
d s -e escravos,-2 cacimbis com excellente agua
para beber e lavar raupa, boa c sa de campo,
grande nuraerode .arvoredos de diversas qnalid
des de fructas: qucm pretenler, dirija se ao mes-
rno sitio, das 6 as 8 da manda ou das 3 112 da ta:
de em diaote.
Aluga-se por preco razoavel uma casa na
povoacao do Caxanga : a iraiar na rua do mpe-
rador, livraria Universal, n. 54.
Direito contra o direito, ou o
estado sobre tudo
Refutagao da tbeoria dos poiificos na quesiao
religiosa, segnila da re. de justica, pelo bispo do Para : a venda na livra-
ria Universal, rua do Imperadur n. 54, a 2J. Na
mesma loja se vende um folheto ultimaroente che-
gaioVoz do Povono miuisterio de 7 de marco,
a 200 rs.
Mais barato que em outra
parte.
Comida par afora, mandando sejlevar as casts'
'ine nao tiverem purtad.ir, com asawo.e nrompti-
dao.: traiaae no primeiro andr da raa Tv'ova
n.2l.
Aluga se o armazem de reeolher, do sobra-
do da rua dos BuFgosn.ll, por detr z da rua do
Vigario : a tralar com Jose Feliciano Kazaretb,
rua da Praia n. 20.
Escrava lugida
Ausentoa se no dia 28 de aetembro, da casa de
sea senbor, a escrava Veronica, com os signaes
seguintes : crioula, idade 2a annos, pouco mais
ou menos, baixa e cheia do corpo, olhos vesgos,
cara redenda, denies limados, orelha oireita maior
e ma s grossa do que a esquerda, pescoco curio,
anda ligeira e inclinada um pouco para frente, nao
encara bem as pessoas em quanto falla, e bastaute
ladina, levou um vestido de chita clara com tl >re.
pretas, com dous Dabados, e uma trouxa com <>u-
tro vKiido de chita roxa ; fei comprala ao Sr. Ma
noel Carroll e e bastanle conhecida no Recife. Sup-
poe-se que dita escrava esia aconiada em algum
callogy : roga se, portanto, a todas as autoridades
polici ies e aos Srs. capitaes de campo que encon-
trarem dita escrava, de leva-la a rua da Impera-
triz a. 27, que serao generosamente recompen
sados.
Pede-se encareddamente ao Exm. Sr. i
guarda da casa de delencio, moradr na rua do
Ciseo, que nao aode calumniando a vida do piloto.
que vive com su embarca^ao de 0. N., espe a em
S, Exc. a nao fazer mais dislo e mais a Exma. se-
nhora, que bate a mao a.uma garrafi c quer ati-
rar na cara do vendelhao, no Cisco, que foi pri-
vado pela palrulha, e o inspector de quarteirao
Rolhe, isto nao. Silencio : S. Exc sabe que
de hojeem dianie o piloto entra com o navio na
barra, e S. Exc. deve saber, nao $> bom botar pe-
dra na bocca da barra. S Exc. lembra-se daquelle
dia, quaudo S. Exc. entrou con espada em punho
para dar naquella mulher velha, -ua visinha, e a
sua senhora mallratava com pal?>vras obscenas ;
Ien;bra-se naquelle noite, quando S. Exc fjz aquel-
la prisao naquella mulher, ;,como.inpector, quiz
dar-lhe coma bengaU e com os pes. Olhe o piloto.a
barra esta franca, a sentinella esla alerta, cui Jado
com o piloto.
CRIADO.
Um moc "i de bons costu nes offerece-se para
criado : quern necessitar, dirija se a esta typogra-
pbia, qae achara cam q lem Iratar.
Alugase a ca-a da rua do Principe n 20.
com quintal e cacimba, a quartos e 2 saias : a
tratar na rua do 8>m Jeju* n. 31, 1* andar.
Aluga-se
uma malaliuha de 15 annos para oservico doraes-
lidi de oma c Visconde de Goyanna n 14.
Aluga-se ama casa leirea, grande, com sitio,
no Moodego n. 76, com agua do Beberibe : a tra
tar na raa da Cruz n. 31, 1.* andar.
For 300$
Traapassa-se a lojaHa.Toa da Imperatriz n. IS,
com arma^ao, tres tandieiros a gaz e mais bem-
feitorias para conmodo de familia, ou de caixei-
rosj pelo preto serve. ____________
Aluga se a casa n 34, na Capunga, rua da
Venture ; o 2" andar da casa n 3, rua da Peuha ;
o.paviment i lerreo da cisa n. 41, rua do Raogel :
a tratar com o proprietario, no 2 andar aesta ul
Uma casa.
Moradia
Traapasaa se uma boa casa com bastantes com-
mod os para grande familia, e em mails boa rua, a
quem pagar algumas bemfeitorias : a tratar na
rua de-Mathias de Albuquerque n. Io.
Attengdo
per
u
1
mi'
apr
ou
Offarece-se nma mulher pata can de ho
mem 9it-iro, qne faz todos o ft vtc^sjd^ pec ink;
row awfrieao : na rna 1* Senza K feihan. 10
Ci C. AYER4& CA, Lowell, Maas^
KMMUe TTnidos.
.;xt>ic ew por
Dividas da mahHa faliiite de
Thoncaz FernautoilaCJjUr1
nha & 0 I
Jii.-e dos Sanloa Oliveira, arreioa|ante das mes-
mas, previne aoa devedo.ea.di. 4 U massa fallida,
qiie os qae n/m pa^ar m alt 15 do corrente, se-
rin pui'luadns eu> nomaa, e entregue a sen pro-
t-urad -r #ara oeiem eubra-iaj jBditial: gagar 4
rua Duque de Caxias a. ff>. *
Pede se eocareridaiuente ao Sr. Antonio Tei-
xeira Lopes, deapaehaote da alfandega desta ei-
de, a comparecer a rua do Barao de S. Bvija n.
25, padariaa negoci o de seu particular inter ease.
tgHHgrjrpPur^-jlBiy
Aff nso lose' de Oliveira, professor ju-
bilado da cadeira de geograpbia e his-
tona do ex-liceu deta cidade, tem de
novo aberto, seu collegio de mstrnecao
primaria e secundaria na rna da Impe-
) ftitu f*-, B, m^ cxmueua a reoebac
aiurrmos mternos, external e melo-pen-
Aluga-se k caiaMrrea da raa
80, contenoo 3 quartos e de alaguel mensal
J8^000 : a tratar fR thesoraria das loterias,
iltei^io.
Precisa-se de um escravo ou escrava para ven-
der na rua : a iraiar no hecco do Lima n. 9.
- Aluga-se o 1* e 2" andares do soDrado sito a
rua le Lombas Vaientinas n. 86, cum os cammo
dos seguintes: 2 salas, 3 quartos, cozinha fora em
cada andar, lendo para serveniia dos mesmos
quintal com portao para a rua de Horias e cacim-
ba com excellente agua para lavar. Tambem se
alaga o 2* andar do sob-ado sito a iravessa dos
Expo-tos n 2S, com sulBcientes c,mm>d pequena familia : a> pessoas que prelenderem,
d rijam-se a rua Nova n. 17, que acnarao com
qaem tratar.
Ahiga-se
tres boas casas em Santo
Amaro ^ias Salinas, sendo
uma n* rua do Lima n. 16 e
duas na rua da Fundicao
ns. 8 e 10, estao toda* caia-
das e pintadas de novo, teem
sot6as com janellas na fren-
te e no fundo, sao mui fres-
.cas e contem todas elias
grandes tfommodos p ra fa-
milia : a .tmtar na rua do
Lima n. t$.
COMPfiAS.
ATTENgAO
Precisa-se comprar 4J
portas de louro de 10 pal-
mos de altura: aesta typo-
graphia se dira.
ram*
LEIS PRiQVINCIAES.
Vende-se no 1. andar desta typo^rapbia,
em man do ailioinistrado, Colleeccoes dt
Lets Provinciaes a 500 rs. o exemplar de
cada anno.
PARA LUTO
Vende-se cliiUs inglezas prelas com pintas a
300 ra. o.covado, dita franceza muito fina,tanlo lisas
como com pintas de 320 rs. para cima ; eantao
preto a 800 rs. e muito tlno a 1,000 rs ; bomba
zinas, prineezas e alpacas de todos os precos;
lazinhas prelas lisas de 400 ale 500 rs.; assim
como uma grande porcao de retalbos tanto de
cbiias prelas como de las, qae se vendam por
precos baralissimos ; tambem uma grande porcao
le chales pretos de las a 1,000 rs. por estarem am
pouco russos : a rua da Imperatriz n. 60, de Fe
iix Pereira di Silva.
Vende-se
no estado em que se acha o sitio no lugar do Re-
medio n. 18, freguezia dos Afegados, em chaos
prcprios, com 349 palmos de frente e 658 de fun-
do, com cacimba e tan pie para banhos, eslando
a casa em ruinas, tendo alguns arvoredos de
fructo, e a frente para o ho ; os preleadentes di-
rijam-se a seu proprietario na rua de S. Francisco
desta cidade n. 10
Vende-se nm sitio na povoacao de Afogados,
sito a rua do Motocolombo, com 2 casas na fren-
te e uma no centro, todo murado e plantado,
terreno proprio : a tratar na travessa da matriz
de Santo Antonio n. 14, sobraio.______________
Gorgurao
0 barateiro. a rua Priraeir-j do Marco n. .1, e?ia
vendendo cortes de gorgurao preto para coUetes a
24000, Tazenda que sempre custou 7^ ; a elles,
aules que se acabe : confronte ao arco de Santo
Antonio.
Fustio branco para roupa de menioos a 500 rs.
-| n covado; e pechuinna : na raa do Crespo n.
20, loja do Guilheerm A C. _________________
A 120 rs. o covado.
Na rua da Imperatriz n. 60, vende-se para aca-
bar uma grande qnaolidade de las, restos de di
^ersos soriimeetos, desde 120 rs. ate 500 rs.; no
tando-se que, quando havia sortimentos comple-
tes, se vendiarn a 1*280 e U600 o covado, ha
grande vari-dade em padroes, os que primeiro
chegarem melhor pech ncha farao, a ella a rua de
Imperatriz n. 60.
Aos meninos
A NOVA ESPER \NCA, a rua Duque de Caxia
o. 63, aeaba de receber um bom sortimento de fi-
nas booecas que faliam, que riem se e ehoram ;
lambem as tem mudas e surdas ou surdas-mudas
venham ver se nao a verdade.
nma casaaa vltajde .Carreiro*. aa raa do C*o
mercio, por precojn<>dico : a,iraiar com Taast
Irmaos & C. _______________________
Bazar das Familtas.
Reis ejSilva A Guimaraes, proprietaries desta
mai iinportanle loja, sita a raa do Duque de Ca
xias n. 60 A, esquina da estreila do Rosario, m>
inluito de satisfazerem seus freguezes, eslao re
solvidos a vender por menos 50 por cento do qua
emoatra qaalquer parte ; pelo que poVm a diapo
si;ao do respeitavel publieo, e especialmeole *
be Ho sexo, as seguintes fazendas com os respect i
vos precos:
Riqaissimas palooezas de gorgnrao prelo, rka-
mente eufeitadas, pelo diminuto preco de 38JK*
cada uma.
Liodissimas popeliaas, padroes inteiramenleao-
vos, qne vendemos polo diminulo prero de 2rfJC<
o covado.
P peiinas de differeotes gustos, inteiramente no
vidade one vendunos pelo preco de 1*6U) o co-
vado e baratusimo.
Popeiinas de knbo com listras, fazeoda iateira
mente nova, que se Hate por.tfO re. o eovado
aiaito barato 1
Lin.iis'inias a4paos, foatos -pavd*. auito lar
gas, que vend--mos pelo preco de t*O00 o cwvad<
Lindas alpacas -prelas com I itfra*braaca,Bi
to largas, que vendemos pelo dnmauto preen de
liOOO o covado.
Setim branco macao, f>aenda mono saperaor, *
24000 o covado.
Riquisumas caiiiaeas com espelho. cada eai-
xinba contenao uma duzia de leucs. pelos preco-
segnin/es : 54500, 6*000, *500 e 71060.
RiquissiiBas caixinhas4e madeira ?nfeiiadas, ca-
da caixioha coolendo nma dazia dc meias par-
senboras, pelo preca.de 3*i00 e 6*000.
Lencos brancos, fazenda muilo superior a-S/OOu
a duzia.
Lindi-simas cambraias brancas bordadas com
listras de nmnhrt, fazenda inieiramente nova a
t ilOO o metro.
Itiqatssimas saias bordadas para senaeras,
64000 ama.
Um completo sortimento de lazinhas de core'
fazenda muito boa a 200 e 360 rs o covado.
Riqaissimos pannos 4e crocbat, taaio para pre
seutes como para cadeiras de guarmvao de salas
a 1*500 um.
Um completo sortimento de alpacas de cores
a fiOO rs. o covado.
Cambraia tapada, Victoria, n. 26 a 74000 a
peca.
Cambraias bordadas com palraas de cores, a M
rs. o i ovadn.
Cambraias iraasparenles muito anas, a 6* t
a peca.
Cambraias transparentes Nanssuc, a 4*000 a
peca.
Um completo Nrlimenlo de meias de cores para
bometn, a 8*000 a duzia.
Ditas brancas em caainhas, a 0*500.
D.ias duas de 4*000, 4*i>00, 5*000, 5*SOb
6*000.
Tna;has felpuias muito eacor^adas, a 6*000 e
6*500 a duzia.
Ditas aicocuoadas imilando linbn, a 5*500 a
duzia.
Granadinas com listras asseltaadas, a 800 rs.
covado.
Mei mo prelo francez, fazenda muito boa, a 3*
o covado.
Curie.- de casemira, goslos aovos, a 4*500
5*00u o corle.
Bramante de linhj, qualro largnras, a 2*300 a
vara.
Dilo de algodao com 10 palmos de largura. a
131oo a vara
Dilo de dito trancado, de quatro largnras. a
1*600 a vara.
Madapolao francaz madraste a 64800 a per,
Dilo superior lrancoz, a 6*800 a peca.
Dilo inglez, maravilha. a 5*000 idem.
Dito, elephant t, a 4*600 idem.
Um completo sortimenso de chitasescuras e cw-
ras pelts seguintes precos : 280, 300, 3i0, 360 .,
400 r^. o c vado.
Um grande sortimento da cbales de merino e
tampados com listras de seda, a 3*200, 4*iX
5*500 e 6*000.
Ditos pretos lisos, a 2*O0OTuro.
Um completo sortimento de algodao, dc MM
4*000,4^200 e 5*500 a pep..
Assim como outras bzendas qne nao meoci
namos os precos e que se faadm muito barat'i
Keis e Silva & Guimaraes.
Corram quanto antes a grande pechincha
So ao Bazar das Famibas.
Rua Duque de Caxias n. 60 A.
I al de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpc
Santo n. 17, 1* anaar. escriptorio de Joaqniai Ro-
drigues lavares de Mello.
Salame de [yon
A .Shoo a Libra
So na A-semblea do Commercio n. 22, rua do
Commercio, Meira & Lima,
So o 43
Rua do Queimado n. 43r de-
fronte da Pracinha
E' BARATO 1 I
Organdy* branco com lindas listras a 320 rs. o
covado, aproveiiem; cambraia de listrasanjo da
meia noite a 5* a pe<;a ; e pechincha, ji se ven-
deu por 12* a peca : venham, venham, antes que
se acabem, so o 43 e o unico barateiro. Dao-se
amostras com penhnr.________ ______
AO N. 9.
No prngre-so do pateo do Carmo vende-se man-
iga uglez a flor a 800 rs. a libra.
LIQUIDACAO
NA
Loja de
0 atoe Claudio
,0d6 Minqslre na leja da Rosa Branca, parti-.
to'a aes sens-rregbm que ei na mesrta rua da
Umperatriz p. 48jjpronipto a bfttn aervlr ads seus
ifreguezes e sempre por aquelles precinV,r, que ia
bem,
Oaomero e 18,
BAZAR
DAS
FA MI LIAS
Rna Onqne de Caxias n. 60 A.
Grande queima.
Carram a pechincha t...
Riquis ra. Verda-leira novidade no mundo elegante t
Capinhas de la e seda para senhora. Coasa
inteirarrente nova I
Excellentes eacliineis de la e seda para senho-
ra?, por 5*5i0.
Ca-aijuinn i- de g.irg-rao preto de s3da, ri:a
meote bordad<>s, pln diminuto preco de 10*00D.
Excellente acquisifauo I
i hales de seda a 12* Baratissirao t
Grosdenaple pr-to a t*200 o covado.
Popelinas de seda a 2* o covado.
Faia de seda, fazenda modernissi na, pelo com*
modo pre;o de 2*t00 o covado.
Popelinas de seda, objecto da ultima moda, a
l*-o covado !
Ditas do hntoo com listras e agradaveis pa-
drfleM, a'410 rs o-covado.
Cambraias Ira sparentes,fazenda mui Una e de
grande procur.i, a 6*800 e 74 a peca.
Abacas de seda a r| o covado. Grande pechin-
cha l
Graoa-Wnas de eftres com rislras assetfnadas, a
800 rs. o covado. V ell as emquanto rest am I
Cambraias bordadas a UP 0 o metro.
R'Cas pelinaises, bordadas com esmero, a 38*
cada ama.
Tapetes para.sofa, frandeae peqnenos. Padroes
eapeciae*J
Ditos para portas.
Ditos para ram a.
E nntros a/tigos para bomens, seahoras e
crianc-as, os quaes arttgos nao se meacwuam para;
n*n massar se a benevola attencao dos laitores e,
leituras, amantes do bum e do baralo, e enthu-
siatas da frarrfe Tirtnde 1limesiica a econo-
mia*l
Oorram-quanto antesaf andepecftmeba, "
fregiiezoj. f
Vinde ver, comprar e adralraf l
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores miudas mnito boa* para roupa 1-
n.tninas a 160 e 200 rs. o covado.
Lai pretas, superior, a 400 rs. o rnvadn.
Alpacas de cores Unas a 320 e 360 rs, o co'-^i
So se vendo.
Ditas com listras abertas, fasenda Cna, a 6 0 r-
covado.
Chitas de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Metins de cores nvudas a 280 rs. o covado.
Crelones, o melhor qae lem vindo ao mercado a
400 440 rs. o covado
Cambraias bra>icas, bordadas a abertas, fazeod.
mais fina qne tem vindo ao mercado, e fazenda
de 2*000 o metro, por 1*000 a vara ; pe-
chincha.
Ditas pretas com flores miudas a 200 rs. o <>. vd.-.
Cambraia transparente, fina, a 3* a peca.
Dita Victoria, fina, a 4*000 a peca.
Organdy de assento branco e de cores, crm Ai-
res miudas de seda e de la, a 400 rs. o cov;d<
E' pechincha.
Corles de :asemira de cores modernas a 5*500 o
corle ; e fazeola ae 8* E pechincha.
Camisas de bnho fines, li-as, a 35* a duzia, e fa
zenda de 55*.
Brim branco delinho a 1*400 a vara.
Dito Angela, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
Madapolao francez verdadeiro, 24 jardas, a 6*
7* a peca.
Algoda* T, largo e superior, a 5* a peca.
Gorgnrao preto de seda para vestido e para coheu
a 3* o covado
Toalras alcochoadas a 4*500 a dona.
Coichas grandes a 3*500 uma.
Coberias de ganga. forradas, a 3*.
Lencoes de bramante a 2* um.
Leopis de linbo, abaiabados e em cannas *
34500 a duzia.
Ditos de caca de cores abainbados a 3*500 a ao
zia
E ouiros mnitos arbgos que se venae por me
nf'S do que outra quabjuer parte e para se des
S6 na iorem queiram mandar ver as amostras.
engaoaja de
Guilhojrme k (I.
Armagao
Vende-se ama de amarello envenrsada e (
envidrae ida. e diversos caixHbns, propria pata
qualqner negocio: na rna do Comae! Suassaoa n.
15, loja qae fei de oarives, tudo sera vecdide
muito barato :_______________________
Para o iabrico de chap^oe
A NOVA ESPERANCA rtcebetttrame proprio
para arma(ao de eJupeo*.
- Vende-se dnas casas n. I e 3, siUs a tra-
vessa do c-es contendo cada uma se**?, + qo*"0*. *f~
ftra, qnmtal e cacimba: a ttattr na nu da
a. 23. "
C6rtes de oaaemira
V "
0 DesBogano esia v^ntoido cotm de casemira
toVcdres, fazenda raniwtfta. pelo dimiouio preco
de S*adan.m ; rnaJol>enian^-1,3y>l4daesq.ina.
Orosdaa^ples
e 10SOO rs.; anrovertern, WtrfBoaenano, "i-rtil t
*e Marco u. 25, Jnno*^Hhiejeqta.
'
.*
~_ I


-

M
/,
1
e
'.."
giark) Je Fecaaaibnco Sexta feira 9 la Outnuro ie 1*74
EXPOSICAO
DE
Fazandas e artigos de alta
novidade
NA
LOJA DO PA
fiua Piimciro de Marco n. 7 A.
Qcordeiro nIuiAph a c, proprietaries
d$Ae.4mportante estabeleciracnto, no louvvel oro-
prosito de nio desmeotirem
Grande liqrridacao dc fazend,' a-
NJ
seas Bimisrosos freguezes Ihes
concetto, qae os
- lem disuensado
acabam da receber de sua conu o mais r.co sor-
t-meoto -de sedas popelinas, las e artigo. de ui
uma moda em Pan?, e coutinuarao a receber
por todos os paqueies daquella procedencia ; por
Mnvia^'"3 a *"><*>*> seas freguezes e os
MMdam a darem am passeio ao seu estabeleci-
menio gacanturiu- hes qua aaeoatrarao a real
dade do que. fica dito, e para pr. va dao um pe
quenore*uroo. cujo irifailivelmente dospertara. a
itlencio dug preteodentes.
Mandam-fazendas a casa dos freguezes e
amostras nvidiaHte penher. '
Artigos de alia novidade e
ultima moda.
Cortes de ve cinto, etc etc.
Riqaissimos chapeos
pretos.
Cortes de carrbraia brancos com lindos bor-
dados.
n; /-de cores aim enfeites da mesma fazenda,
nno, etc. etc. '
Capas de I a para
idas de arminho.
YtMnita para i liaytinte
UHjuissimas -camisas. b<>rdadas para senhora
deques de madreperola, para noivas.
Hicas culchas de seda, paxa.easamenlo.
Cortes de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda branca e dito,
5diDhas de delicadas padnSes.
Setim Macao do todas as cores.
Grosdeoaplts pretos e de cores.
Vellaio preto o damasco de seda.
iranadrae preta e de cores.
Filodeseda branco e arete.
Ricas, foasquinas de seda.
Casaciis do merino de
Mutas brasileiras.
mpeca
DE
I
Mendes Guimaraes & Irmaos.
Na rua. do Vfgarm n I*, vende se o seguinte
l?.''1? Portland, pm ,-rimeira mix
smorM-Yom, engtrrafado, finiesimo, em cai-
as de duzia.
Dito dito eta bacris a aacoretas.
\ mho SHerry, ingtez em caixas de duzia.
Yiuho Cchares em aocoreias.
Ura em velas, de iiisboa.
Cera em grume-, idem.
E
V
Gora as noivas
ANOVA ESPERANCA, rna Duque de Caxias n.
to, acaba.de receber boa- m.-ias d- seda propriai
'u, e ns apreciaveia ramos de larangrira
Ttndo os proprielarios deste. estabelecimento
zeudas, mwAni^&WmtoWH&T^K W'^rffiS^**^ ***** fa
dao
bico
trazeodo flvella, bolca,
para senhora, de cores e
raeninas e senhoras, guarne-
preto.
Chitas largas a 160, 200 e 280 reis.
\ende-se chitas franceias e Iinas a 110,280 e 320
o covado.
Latinhas a 120 rdis.
\ende-se lazinhas para vestidos a 120, 240, 320 e
400 reis o covado.
Chita3 para cobertas a 280 reis.
Vende-se chitas para coberias a. 280 e 360 reis o
covado.
Alpacas de cores a 640 reis.
Vendo se alpacas de cores, floas, para vestidos de
senhoras, a 640 reis o covadn.
Metim de cores a 320 rei*.
Vende-se metim de cflres para vestidos de senho-
ras, a 320 reis o covado.
Cassas Unas a 280 reis.
Vende se cas?as francezas. finas a 280, 320 e 360
reis o covado.
Cambraia Victoria a 3/000
o.e c,am,,'a Victoria para vestidos a 3i,
3*500 e 41000 a pe?. *
Cambraia transparente a 2e 3*000.
onv'^(!rPepa8.- de cam,,r*ia transpareolo a 3*,
afiSOO, 4J e :>$.
Cortinados a 14*000.
resolvido
mencionados :
" Brim de cores a 400 rdis
vende.se brim pordo e de core, para racist
400 reis o covado. v
I Toalhas para rosto a 700 reis.
Vende-se toalhas de linho para rotto a 700 c 800
reis cada uma.
L... L ,Ch;iles de li a 640 reis.
\ende se chalet da la de quadros a 6i0 reis, cha-
A ?/,,m ,a ,U16, rti,h.les de mermd
Sil)0,4iee5j. mem6 esla,npav
r j Aierturas a 2Sfl09.
Vende-se abertaras d,i linho bordadas.
rmsas. a 2/ e 3*o00. Ditas
400 reis.
' 2i avao veDde-M madapoldes fraoce
dito mnit 'corPad08. com 20 jardas a 6.000 reis.
dm ^mr,',,0 COm,,2 ]ardas a 3-000 e 3-500 a*
f,2m, um, Krande sortimento de madapoloej
pe'airun.j^de Keiia Fereira daSilva.
Cartes de casernira.
turnip dn,fafemlra,s. fiD.8ostos fflodernos, a
54m 0 eorte ; a elles antes que se acabem, e
Colchas
para comas
>aloja do Pavio vende-se colchas
para ca-
de algodao a 200 e
de fustao
de cor
de 2,600
. -radascom
tPereiraTiilvaa.rUadi',,nperalril,,60-
a fy0, *"to-e-chu-. e de- cretone, dc
' : %%!?!"?&"*' *r-^te forrad,
madapolio
bordados para camas a 14*'
Vende se cortinados
16* e 18*.
Ganga amarella a 100 reis.
\ endc-se gang3 amarclla para vestidos de senho-
ras e rouj-a parameninos. a 400 reis 0 covado.
Vende-se cort
Cortes de casemira a 3*000.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papel de
5* 5*e500rleS6*e Case,nira9 fiaas Para calcas a PrPr' P' cigarrea de diversas largnraa
linhc
Lories de brim a 1*400.
\ende se cortes de brim de rdrcs a 1*400. Ditos
de bnm-de Angola a l*-00 e 2*500. j
Cobertas a 2*000
\ ende se coberias de chiias de cores a 2*.
Colchas a 2*J(0
Vende-se colchas de fuslao para cama a 2/, 3* e
4*.
Paletots a 3,000 rs.
-i^,nde's.e PaIet'"s e a|Paea preta a 3, 3,60
o.OOO rs. ; caltjas de casemira preta'e de core
lees de casemira Drela e de cores," e ootras
tas roupas feilas harafas e razendas aue est
cuidaiidn no Bazar .Naeional, a rua da lin
fr a. 7*
Rut do AiDfirim n. 37.
Presuntos inglezes para Dambre.
Queijos lonJrinos.
Ostras em lats.
Ova* de b&eaibao em latas.
l-agoslas em latas.
Azei onas hespanholas em frascos.
Ateitonas fraocezas em frascos.
Sancissas de Oxford em latas.
Velas decera branca de Lisboa.
Cuiilia ll'lllilOS ^ C.
mm
5^ Verde superior em quiotos. oa
e Figueira superior em quintos e decimos 3
g Porto fino em quintos, decimos e caixas S3
.= Porto fino. Gravauoha ami. SL
m* Porto, para paste, eiu decimos. TT-
Cerouiasecami^as. ^*!^*y-~
Naloja do PavSo, vende-se ceroulas fran- tUra di)S WttWltBHlll I Uretra
pela facil applicagao das
SQNDAS OUVAES
O baraieirof
A'rua 1 de Mar<;on. 1
contrniia vendendo >nas fazendas cum ?*,*>
do ime-em outra qnalqorr parte, a*aher :
Amazonas, rrcebemos esta nov- fazeDda, c
nrlios descnhos e cor-s fixa*. propiu para I
; Ie.*, pai-eio, (le., etc., o vendeinos a I vado.
Baptis'as, te.nos bom soriimeoto irfta fawa_
com bins (tosUis. Lara 300 e MA) rs. o cuvadot ta_
pre enstaram 400 r*.
Panama, desta fazenda temcs grando porcao,
P"r querermos dispor d^l a con pre-tera, ywtm
raos por 440 rs. o covado.
Oetones francezes, escuros e cUrr*. r>>
tos detenhos a 300, 360, 400 e MO ; f-.> ao>.
Popelina*, temos grande soriimfnio desu faiei
da, muito lindos gostns. e veodenx-s a i J <> eova--
do, serapre en tou 1*600 ; quem deixara de eot
pr*r ? por certo ninguem.
Chit*s claras eescuras a 240, 260, 280 e 3CO n.
o covado ; 6 harato, aproveitem.
Cambraia Victoria eom 8 lit varas a 3*500
peca-
Dita iransparenle, muito fina, para 4*0(9 ,"*
6*000
a 4*500 e a#
cezas.de todos oslanoanbos p.ira homero a
15600, e ditas de linho a 2^00, 20500 e
35000.
Camisss brancas c j fazonda fina. e por estarem um pouco en-
jxovaluadas a20oO0O a duzia, on a i800
; cada uma, ditas com peito de esguiao do
, linho a 3J00O e 35500 cada uma, ditas
com. peitos e ppofaoe da cor a -25000 e
i%KCQ{ ^ rua da Imptratriz n. 60, de Fe-
i lix Peretra da Silva.
cores,. IS, etc
Capellas e manias para norva.
Cambraia de cores, trfiai
. arias mariposas fcntBcas, de
c-jres, lisae e bordadas.
Flor do bosquc (nowdade).
Percalinas de quadros, lislras, etc.
Brins de linho para vestidos.
fustao de cores.
Saiaj bordadas. p^ra senhori.
Grande surtuneuto de camisas deilinbo lisas
^^'irdadas. para hoeiem.
Meias de cores para homem, sennora, meninos
* menmas.
Sortimento de
senhora.
Merinas dc
PREDILECiA
I?'
miiilo
A rua do Cahuga n, t A.
Os proprielarios da Predilecta, no intuito it
conserv^r o bom conceite que teem mereckto dc
respeitavel pnblico, disUoguindo o seu estabeleci-
memo dos mais que negociam no mesmo geerc
veem scientificar aos seas bons freguezes que pre-
veniram aos seas correspondentes nas diversas par-
I. fSKJ**11 de SOlla- fazen
aliOOOo e.ivado: ; oo IJ..zar das Familia* a
rua do juqne de Caxias. n. 60 A, de Beis e Sil'va
Guimaraes.
diapeos de sol para homens e
cores para vestidos.
Dito pieto irangado e de verio, eombazina, can-
o, alpaca, etc. etc. '
Atoalhado de Imho e algodio para toalhas, e dito
ojrdo. '
Damasco de ki.
Brim de linho branco e de cores.
Selins de lindas cores eom lislras.
Chales dc merino de cores e pretos
Ditos de, touquim e ditos de casemira.
Can.isas de chita para bomea e ditas de fla-
aolla.
Ceroulas de linho e ditas de -algodao
1'aunos de crochet para sufa,.eadeiras, etc.
l-encos bordados e ditos de lahyrintho.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
.iara bailes, e>.arlataDa do todas as cores.
Colchas de damasco de la, e ditas de crochet.
tsspariil io. -ii.-os e bordados.
Foulard de seda, lindas cores.
Meias do seda para senhoras e meninas.
-asemiras ppeias e de cores.
Popellnns.
.\este artigo (emo- uio varialissimo sortimento,
ao so em gojfc) como em qaatidade.
Las
om- lislras de seda, ditas com pal nas bordadas
l;tas tranjpareates e de oulrae muilas quahdad 8.
Luvaa
ie pellica brancas e de cores, do verdadeiro fa-
nwcante Jouvja.
Finalmente :
apetes para -sofa, cadeiras, cama, entrada, etc
ambraias braocas, chflas de todas as qual'dades
nadapoioes, esguiaj, rretanhas, bramantes, a!go-
lies, cullarinaos, punhi.s, mti?.s para homem e
*enhora, punhos e cullannhos brancos e de cj-
-es para s.nhoras, gravatas para homem e senho-
*, peitos bordados, lencos de linho brancos e de
'ires, dilos de cambraia de linho, toalhas, guer-
iaoapes, panno fino, etc., etc.
Lnja do Passo
Ilua Primeiro de Masc/j n. 7 A
___________ antiga do Crespo.
- Wll-^n Howe & L. Jendem no seu arma
a rua de Commercio a. 14 :
i fc32S^? ff"5 de algodao aial meric.c
cas d Europa para Ihes enviarem per todos os pa- I 5^*"*! de vela-
juexes os objeclos de luxo e bom gosto, qne se-' iW^ d" '*.luakdada
jam mais bem acoites peias socied;les eieganle- X- Af Bordeaux
da^aelles paiiee,. visto aproximar ae o tempo de LarvittT de Pedra de todas as qnalidade*
fesia,cm que o beilo sexo desta linda Veneza Q01D ZTZ2 FC 1-----r-----7------
mais ostenta a riqiwza de snas toillettes ; e cV ioaiSa-parnlna GO &9bTk
m- ja.re"bcn Pl9, Paquete francez diverso Tern para vender Antonio Luiz de Oliveira Axe-
!Pg* da n,m "J^^ vem. Patenfcar algnns! vedo, no seu escriplorio, a rua o, Boil25* ut
d entre etles que se tornam mais recommeadaveie l mero 57. nB
esperando do respeitavel publico a cosiumada
concurrencia.
Aderecos de tartaruga os mais lindos aue teem
viudo ao mvjrcado.
Albuns com rkas capas de madreperola
Pentes girafe.
Penies gir.rfe, prop-ins, para senhora, ( ultima
moda) : a Magnoliai rua Duque de Ca.vas n. 48
e so qaem lem.
Papa>i, mamai.
j Como sao lindas as benecas de cera que cha-
; maru papai, mamai, choram, andam, etc So na
Magooiia a ruaDuqae de Caxias n. 43.
Gaiolas-, gaiola?.
A Magnolia, a ma Dmjne de Caxias n. 45, re
cetM-u gaiolas de aramede lindissiroos modelos,
propnas para passaros ; g ell u ants que se aca-
DE
GOMMA ELASTICA
As mais modernas e aperfeiyoadas de
as conhecidas
VenileiH-se
NA
PHARMACIA E DItOGAKIA
DE
Bartholomeu & C.
____3i Rua larga do Rosario 34
a I* a vai*
* M| m
E'BOM SAREH-SE
Madapoloes para diversas pecas
dito francez a 6>.
Ilramauln de linho, iluas largura
so e barato ; a elle, a elk.
Urine de Angola, com lions go?t e cores fiia-
pr. prios para roupa de meninos, a 500 rs o-
vado.
Brim pardo Iran, ad >, linn, a 400 r*. o cova
Ksguiao de Imbo e algoda.., -..m ^ i,rdas m
3*500 a peca ; semiire cu-ton 4*^0.
Toalhas felpudas a j! j K 6*300 a duzia
cunaram 8*.
Chapeos de sul de alpaca para senhora a Jj
barat> !
todas (;hapeos de sol de seda para senhora, .aBo
osso, a 3*3o0.
Ditos para homem fparagnc) 8*3*A de da-
curjs at)*.
Dilns de alpaca a ;*300
Ditos de merino a 4*.'iu0.
Ron nas para senhora a 4**0 e 3*'00
chincha !
Casemira* de cwrcs a 3*400 o covado ;
cus "ii 4*310; a e.Ls, a ellas !
Can.isas de o--*.l me. fr-nceeas, superic c
2*.'i0() ; quo liniles gaalM I
Lm{OS de linho, aoanbados, em caixiniia.*. .
3* a duzia.
Diios dedito muiiolia-s a 4*30(1 a duzh ,
barateiro. Sao linns.
Meias para ho i em a 3*500, d.las fiuas a ."i -
dnziall!
dlchas alcoehoadas a 3*.
Grosdenaples de core* v-de, euraetxa tc
carnado e ear de cravo a SCO rs., 1* e l*^uo i
err^f*
e de
drversos tamanhos e earalos pre-
veliudo, sendo
OS
Aderecos completes de borraeha pri^prios para
Into, tambem se vendem raoios aderecos muito bo-
oitos.
Botoes de setim preto e de cores para ornato dt
pestidos de senhora ; tambem tem Para collete
valitot.
Bolsas para senhoras, existe um beilo sortimen-
de seda, de palha, de chagriin, etc., etc^ pur i
barato preco.
Bonecas de tedos os tamanhos, tanto de louc* '
como de cera, de borraeha e de maesa ; chama- 7
Alpacas dc cores.
Alpacas de cores, finas,. com lislra* lareura
de chita iranceza. a 3r)G rs o covado, e laiio4
2! :.f0Da rua i:resP n- J0. loJ de Gai
Iherme 4t C.
Aos aervosos
A NOVA ESPGRANCA acaba do receber aquel-
les milagrosos anncis eiectricos, cura iufaJliveHos: d#
Para senhoras
Cemo sao lindas e modernas as gravatinhas qne
a Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 43, acaba
de receber I
Sedinhas a. 1^500 o cov do.
nervesos.
Venham antes que se acabem : na loja do Pasat
rna !. de Marco n. 7 A.
Cortinados paraicamas
Na ioja do PavSo vende se um grande sortimen-
to, .de eofl.nadcs t,ordad,s pcoprias wra camase
j'trellas, pelo barato preco da8, 9 e 10,000 rs. o
par, assim eomo clc^as de damasco para camas
noiva a 10 e l00O ,&_<, r,ei,nincha a
Que a NOVA ESPERaNCa, a rua DunU0 de
Caxias n. 63, bem conhecida pela superioridade de
seus artigos de mods e phantasia, acaba de rece-
ber diversas encoromendas de mer adorias de sna
reparticao, que pela eleganci bem mostra aptidao
e bom go to de sous antigos correspondentes da
Europa^ e por eta razao a NOVA ESPEBANCA, civwlo ; s aqni.
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sna boa Selecia a 30* a peca com S3 tare*
e cons ante freguezia e com especialidade ao sexo Atoalbadj para toalhas de mesa
amavel, a a-isitarcm na, afim de apreciarom ate vara
ondetMaoprmord-arte. | Brim b.-.nc
A NOVA EjjPERANgA nao quer er.lrar no nu juoa fazenda.
mero dos massantes (verdadeiro., azocrin;) com I Gtanle sortimenlo de
I MM
exposi.ao a. 3, a 2* a vara.
Chapeos para senhora.
A ioja da Passo, a rua Primeiro de Marco n
A, lecebeu um rico sortimento de. citanfiof
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo, raesoa boras, Dretos e de cores
pois as vezes tomam-se as criancas um pooco im-
cao
pertinentes por falta de um obiecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
uara homem, veudem-se por preco commodo.
Ceroulas de linbo e de algodao, de diversos pre-
Organdy.
Organdy.de acento branco e de cur, com flo-
rcs miudas e listras de seda e de la a 400 rs o
os. cvado, e fazenda de 1*. e e peehmcha : so'na
Caixinhas com musiea, o que ha de mais lindo, rua do Crespo n. 20, loja de Guilherme 4 C
pi dUcos nas tampas e propries para pr.en- LuS^S e ajaudeiaS de vidfO
Coques os mais modernos e de diversos forma-
rna da fmperatriz n.
Silv.
G<>, de PeTB Pereira da
E cob as senhoras.
A Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, par-
ic-.pa a bello sexo que acaba de receber da Eu-
ropa, um completo sortimenlo de artigos de ulti-
ma moda, e como acha desnecessario fazer um
nfadonho anuunoio, por ja ser fcastante eonhe-
ida, e capriehar sempre em ter bons correspon
denies, sendo a pr meira que apresenta o que ha
de mais muderno e por precos mut razoaveis, por
i?so Iimita-se a descrever somente o seguinte :
Set jaw douradas.
i-on de cures, taato de seda como de guipure
deques dourados, de madreperola, marfim, tar-
taruga, os-o, etc.
abtUa de bai e.
"rc.enien, diversos artigos proprios para nre-
=entes.
^.oliniiaM e punhas.
Manual para missa, com capa de madreperola.
tart-ruga, marfim, velludo, elc.
ViiiaiiHlioM de setim para baptisa^c.
C'aniiMitH bordadas para senhoras.
i.igas de seda.
Franja* mosaicas.
tdervroe de tariaruga.
Voltait de madreperula.
fuixoiras de madreperola.
I.tuciais Hi ires para cabeca.
Bolnas de velludo.
Perrumarias dos melhores e mais afamados
fabricanies.
Chapeos de sol para senhoras.
Mu* de velludo de todas as cores e larguras.
Moscas.
Quereis livrar-vos destes maldkos insectos? com-
prai uma ra*china de matar moseas por 3*000
oa Magnolia, a rua Dujue.de Caxias n. 43.
Calvice.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 43, ven-
de o verdadeiio Vigor de Aver, qae; impede a
.ahida dos cabellns.
Sardas e panos.
So tem sardas e panos quem quer; porqoe a
Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 43, tem para
vender a verdadeiraCuUcularia, que faz desappa
recer estas maocnas em poucos dias.
Aproveitem
0 PARK N AMBRICA, a rna Duque de Caxia-
n. o9, primeiro andar, esta vendendo ealcado pelos
seguint s prsjos:
Botmas de duraque para senhora a 3.500 rew
Dit-s do dito pretty a 4,000 reir.
Dias de dito e-jm botSes ao lady, a 4,000 reis.
S OMre Ras|,eadM'' caBO a,to P8** ^^on, a
Ditas de-pellica, ingleza. a 4,000 re^is.
n S.'WO rtis.
tos.
Chapeos pare, senhora. Receberam nm sortimento
la ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
Calcas bordadas para meninas.
Emremeios estampados e bordados, de lindos
^esenhos.
Escovcs electricas para denies, tem a proprie-
dade de evitar a carte dos dentes.
Franjas de eeda pretas e de cores, existe urn
grande sortimeato de divercas larguras e barato
preco.
Fitas de saria. de gcrgnrio. de solim e de cha-
r"lo'e, de diversas larguras e bonitus cores.
Fachas de gorgurao muito lindas.
Fi. rf artifieiaes. A Predilecia pnraa em con-
ervar sempre um bello e grande sortimento des-
tas floies, nao so para enfeite dos ebeilos, como
ambem para oraato de vestido de noivas.
Galoes de algodao, de la e de seda, brancos, pre-
os ei de diversae cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas cores !
para sennora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para r&8 covado.
aoiva.
Livros
para gaz
Na grande exposigao da ma do unperador n.
So, junto ao escriptrio da cmr.panhia do gaz, ven-
dem se os mais bunitos e modernos lustres e aran-
delas de vidro para gaz. a-sim como tudo o mais
qne se torna necessano para esse nm, sendo tudo
dos melhores fabricates qu*. ha na Inglalerra Os
precos sao mats baratns do que em outra qualuuer
panej e com a vastogen aue e o dno do estate-
ecimenio mandar asseniar os lustres ou araude-
las no lugar que o comprador quizer, sem que para
isso pague alguma cous. Tambem se compra ou
troca se lusires e arandelas ja usadas. mas que
estfljam em estadu d peder servir.
0 DESEJS'GANO
Rua Primeiro de Marco n.
*5,
para ouvir missa, com capas de madre-
oerola, marfim, dsso e velludo, tudo que ha d
junto a loja da esuuina.
Os propr etarios de.-ie estabelecinienta teem re-
solvido venderem suas fazendas por p-egos muito
resumidos, (como abaixo verao) para apurarem
dinneiro:
Meiins
inetins de lindos padr3e?, a 280 e 300
Dao-^e amostras com penhor.
Caml>raias
i A#?da"!e canilira,as iranparentes, de 2*300,
J*000e MMO a pega, e a Victoria a 3*500, 4*,
, 4*a00 e 5*W)0 a pefa. '
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-, Alpacas pretas
.-.eros ; teem tambem para tirar caspas. Vende-se alpacs pretas e muito Iinas de 300 a
POll bouquet. Um bello sortimeuto de raadre- 60 r*18 covado. E' grande -jiechincha
perola, marfim, 8sso e dourados p.r barato preco. i Uadapoldes
Perfumanas. Neste artigo esta a Predileeta bem Co1" pequeno dereiio a 4*0<>0 a peca, dito lira-
provida,.nao so em extractos, como em oleos a P0' franco, e inglez a 4*300, 5*500, 6*000 e
baahas dos melhores edores, dos mais afamados 6*500. E' naratissimo. AUodaosinho marca T
.abricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica, largo e fin de 4*000 a 4*50-a peca. K para
.oudray, Gosnel e Ritael ; sao indispensaveis para acabsr. Chitas claras e escuras, a 260, 380 300 e
1 a -W' u 32 r6,f c iwuas bordadas p.ira senhora, por commodo
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados,para bap- Jj** f.6'3 C"yado Cambraias de cOres'a 240 e
o covado. Aprovei.era antes que se
12 Ra do Tabuga 12
liquida(;ao
de joias de CMico.prata e pedras nreciosas.
Onrodclcl.
Correntes do uhimo g-isto, a oitTa
Allinetrs para retpato, circulado de
perolas
Idem idem idem esmearladas
Idem idem idem robins
Relogios de prata-bem dourados, de 15* a
Relogius para senhora, de onro, de 40* a
Ricos adereoos com pedras fiaas com
30 0(6 de abate.
Bomtns pulseiras do ultimo gosto om
50 0|O de abate.
Brineos de phantasia dos mais bonitos
que tem vindo ao merca^o, de 15* a
Voltas mod um bouito laco, por menos
, Bonuas cacoletas, tanto para senhora
com<> paia homem.
Anneis oe diversos feitios, de 2* a
Pulseiras de cobra de coral por 50 0,0
de abate. -
Tendo o propnetario desto estabeleciraento rece-
Dido uma grande poreao de joias dos ultimos gos-
tos de Parts, e por preeos ja resumidos, participa
a todos o.- seus ffagueies, bem como ao respeita-
vel publico, que se acha sem, re prompto a servir
com toda a exactidao como costuma; certos de
que passara Bm.recibo, pelo qual fica responsabi-
lsdo pela tran.-accao.
extensos annuncius e nem prelende descrever j
immensidade de ohjectos que tem expostos a ven-
da, o qae seria qoasi impossivel, mas limitar se ha
a mencionar alguns daquelles de mais alia novidade
e toma a liberoade de aconselhar ao bello sexo,
que a visitem cunstantemente, para depois que
comprarero em outra qualquer parte cao se arre-
penderera, a vista do bom e e^colhido sortimento
que ha em duo estabelecimento, esta razao Um-
bem demonst-a que qualquer senhora do bom torn,
nao podera completir a elegancia de sen toilet
sem que de um passeio a NOVA ESPERANCA, a
rna Duque de Caxias n. 63, a qual acaba de 'rece-
ber ossegoinus artigos de luxo e intejra novida-
de :
Modernas settas para prender os cabellos
Primorosos leques de phantasia.
Bonitas sahidas de bailes pan senhoras
nas.
Interessanles gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de tonquim.
Bons aderecos de madreperola.
Delicados aderecos pretos de pufalo e borraeha
(gosto novi.).
lazinnas e TOS, a 140, 160 e 200 r> III! so oa ijpi.;T .
Biilhanliua hrauca a 4C0 rs. a e-.vpr. r e *m
Ao barateiro, ao barateiro 11
Alem destes, or.iros moi'os ar igaa, bbm kta
mencionanus. mas quo vendrmos p .r baBtairc
prrcos. Confri nil- a6 area de Saul.. Aiit-.m
contrareis sortimenlo.
A*;o*titiho lerrcirn KeUi < .
c mem-
um mmm
Vende se linho liso e arrendad", 1 Bias pidr'"- -
a 400 rs. o covado, faenda cU qn ><-mpre veti-
den se a 1* ; venham a elles ante< inn s** aca
hem : na I ja do Passo, rua PltBKiiu de bbB>bb
7 A, aiitiga do Crespo.
5*500
55*000
60*(O0
65*0 0
30*000
80*000
60*000
20*000
Liquidacao de roupa feita
Na loja uo Pavin liiuida se uma grande
cao de roupa para BOfneiM e menin a,e nm BtfHI
calcas de casennras pretas e de cr\ f, tara u
os precos e quaUdade* ; ditas de trim de Ae
---------------- gola para difT.-rentes prec-s ; ditas ^,- brim d
uura aas nernias, peias run- '"El|,ardoa e *" ; .<>
j j i i ie 'ra'4S de panno pr4o e do caMaatm de eons
aaS (ie DOrraCOa. c-letes de todas as qnabdas, por precos bay*-
I ASeme.horos e mais aperfeicoadas da. ale hole co- j 5fi SlST t&tXtSVg:
Vende-se I 2*2 Slavr.ua da lV*:,n n. CO, de Felix 1
na
Pharmacia e Drosraria
de
Bartolomeo \ C
A'
** Rua larga do Rosario 34
Vaccina. Vaccina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Loureneo de Magalbaes,
montado na carte nm completo servico deste ar-
tigo, tem aqui aberto um deposito da melhor e
mais recente, enjos to bos se enconiram na
Pharmacia e drogaria
A'
_____ 34rua larga do Rosario 34.
a
Altencdo.
JZO reis o covado, ditas roxas mofa as, a 200 reis
o ovado. Cretones escuros e de bnmtus padroes a
360 reis o covado. l.anzinhas de lindos padroes,
280 reis
acabem.
Irlazida
Vende se esta fazenda muito propria para vesti
dos de senhoras pel* diminuto preco de 600 rs.
o covado.
para senhora, a
tlsados.
Tapetes. Recebeu a Pr-dilecta nm bonito sorti-
tnento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de salas.
Vestimentas para, baptiaado o que ha de melhor
gosto e os mais moderno recebeu a Predilecia
de or ar;.to preco, para dear ao alcance
inalquer bolsa..
Grande descoberla
Curativo das molestias do '"^SlE:t
peito pelo
Karope de siilphit de soda
DE
A. i:> itM i
Este importante medicamento que acaba de ser
reconhecido pelos distinctos Drs Zalloni e Paras-
chevas como nm verdideiro espe l6co contra a
nhtysiea, segnndo provaram nos grandes nnme
ros de casos por elles experimentados, como se \6
aa sessao da-academia de Paris de 24 de mar^o
lo corrente anno, eneontra-se nnicamente no
Deposito da jharmacia e drogaria
de
Hartholomen S C.
N. 34 Rua larga do Rosano N. 3i
Cortes de casimira a 4#, 5^
... Brim branco
Vende-se bn-n braaco de algodao, a 320 rs. o
eovalo. E grande pechineha.
ase de seda
Vende-se esta fazenda de lindos padroes, a
t*s 0 o covado, fa enda que sempre so vendeu
J o covado. Aproveitem
Sobi-ocasacas a IS* e l-',ooo
Vende-se sobrecasacos de panno fino pelo bara-
UMttM preco de 12* e 15* ca a um ; e grande
pechineha : a elles antes qae se acabem Cami-
ziMuhas com punhos. e collarinhos, para senhora
pelo diminuto preco de 2* cada uma. Meias para
senhora, fazenda muito Ana e um ricas caixiunas
pelo barato prec de 6* a dunia. Aproveitem
Colchas adaanaseadas
h, ise Coknas adamascaks brancas e com
nrL a: c.ore"j mnil Braodes, Ph|0 baratiss-mo
"j s* "ma. faenda que sempre se
vend on p. r 7* nnu. A ellas antes que .iribera
S'^f- e fo o freguez vendo, pad" a
1 a tndi. I; .'J P"r 'T 0S froPriparios convidam
a todas as pessoas a fazerera uma visita a sen es-
tabelecimento afim ie eonven.*^m-e da verdade
RUA PRIMEIRO DE M.VRCO N.
E' economico.
Graxa glycerina nmprta para a conservacao do
cordovao; vende a NOVA ESPERANCA, a rua Du-
qne de Caxias n. 63.
Vende-se
Da rna do Vigario n. r9, primeiro andar :
ViBho do Porto engarralado, em barris e em
ancoreta3.
i.era em velas, de Lisboa, superior qualidade.
Retroi do Porto.
Cimento Portland, legitimo
Bramante para lenc6es
a> 1^800 2^000 e 2*500
.a1'oJa,do Pa"a ***fM superior bramante
para lencoes, com 10 palmos de lurgura, que ape-
ffi?* J A para um leneol, sendo
de algodao a 1,800 rs. a vara, dito
corpado a 2,000 rs., dilo de linho
s ; assim como atoalbados
.*, ct, ^*1d ositiojunto a igre-
ja de S. Jose do Maogu nho, com cs-a de vivenda
assonradada e outras acommodagoes, tjdo mnra-
do, com duas frentes eervilaa por portao de ferro,
dando para a rua d Amizade e para a do Man-
guinho. Tem de terreno proprio 194 palmos de
hrgnra e 354 de fondo ; e a ca>a m de 52 palmos
de frente e 84 de fuodo. A situacao 6 a melhor
possivel para morada, e quem qui.er edificar, tera
bastante terreno para Uto, pelo lado da rua da
Amizade. Tem a gumas plantacoes de gozo e re-
creio. havendo ba.-taule agua furnecida por duas
cacimbas, un a das quaes e nova. A entender-se
com o Sr. Dr. Wuruvio qn-m o pretender.
0 Baliza tem uma grande porjan de tnillio 7;*
vende cada sacao pelo dimieuto pi *co de .1 9
Grande liquidacao para aca-
bar, na rua do Livrameu-
ton.^0.
; Aos einco mil chapeos, send) de , merino, alpaca, panno, ca-tor, hrim e p.ilha, d-
gostas muito modernos e de lindis imas cure.
A lem disto temos -
Popelina de seda. !5s de todas as qnalidades -
por barati'simo pr^o ; e outras fa-m las d-^ boa-
qnalida-ies e razoavnl preco : na loja de fszen'.a
de Lima Coutinho & 1;.
1
um.
Vende-se um bom terreno no Caminho No-
vo, hoje rua do Cmde da B >a Vista, com
aios de frente e 400 de fundo. so faliando mu-
rar um lado, com bastantes arvoredos de fructo
e prrprio para se edificar nm bom predio : a tra-
tar no me*mo lugar, s.tio n. 120, ou na rua da
Cruz, n. 11.
Chocolate hespanhol
muito lino, tera
Commercio, Meir
mero 22.
ogao
Vende-se nm grande bmbb defeiro, obra
de encf-mmenda, Ma mais habit aiti.-ia da cl_
do Porto, tem todi s os melnoramen; s tetmrnt
para gastar pouco comhustirel, serve para jh:
on cok ; sahio ha poucos dias da iMBBBVfa, '
vende se por ter sahito com priporc-'es mn.
olio No- pericres a paellas que exige dim c'aa de farr
100 pal- j E' proprio para e-tal*ie:uienii.s pi..<, ho-,,
internatos ou granle hotel, tem deposit? d'
para vender na Asserable3 do
& Lima, rua do Commercio no-
mais eu-
puroa 2,600 e
is su periores, tan
10 oe linho como de algodao, porprepos muito em
conta, e pecas oValgodstozinho oara l.-ncoese tea-
.has, tendo de 4,000 rs. para qiroa : a rua da Im-
PfTainz 0..6O, de Felix Pereira da Silva.
(lamas.
Camisas francezas brancas de algodao lino com
frizo de cor a 2*000 uma, em duzia a 23*000 ;
<5 pschracha : na rua do Crespo n. 20 loja do Gui-
Iherme C r J
Cortes bordados.
Veade-se cortes de cambraia, bordados, bran,
cos e de eores, pelo baratissimo prego de 5* cada
nm; fazenda qne muitos vendem a 10*, e gran-
de pechineha ; \ piles antes que se acabem : a
rna do Crespo n. 25< loja do Deseogano, junto a
loja da esquina.
fornos, guarda-comidas, etc., etc. :
caes do Apollo n. 47, armazem de fai mha, t
Qatar, na rua do Amorim n. 37.
Yejiim c admirem.
A 500 rs. o eovnuo.
0 barateiro da rua da Impcmiriz d. tv
vende popelinas pretas com listras ese&
nadas pelo baratissimo pre$o de500 m. I
covado. para acabar.
Lusires, candieiros e
F It iiito
As almofadas bordadas de la matisadas que re-
cebeu a Nova Esperanca, a rua Duque d*
Caxiac "
ffmM de dnx8 lue" d,f Pa meninas, a 3*.
c-m quanto e tempo
aproveitem.
Sard m has
Borc"ede^ar5mhaa,' e"Mi pro"ria' Buia ^"
Na loja do Pavio, vende-se cortes de ca-
semira para calea a 4$, 5 e 6fl00, ditos
muito fm sde uma sd cor com listras so la-
do, fazenda que sempro so vetj.J.-u a 9J) e
105000, liquida-se a 6000 p-ra arabar :
& rua da Imperatriz 11, 6u, de Telix pereira
da Silva.
parrillia
Muito novae grossa.
Vende-M por barato preco. em poreao on a re-
talho : na rua lar>ia d.. R >ario n. 3i.
1'echincha
Odilon Dnarle & frmab receberam pelo ultimo
vapor nm grrnde e variado sortimento de eoques
de cabelio huroano, 0 que na de mais moderno, e
vende.se pMo baratissimo preoo de 10* eada nm ;
a elles, ant-s que se acabem..
Laazinhas bara tas.
Na loja do Pavao, para Jiq idar, vende-se
uma poigao de laazinhas de cores para
vestidos, tendo de 320 rs. para cinja ; as-
sim como ditas com listras do seda murto
bonit6 a 640 rs. o covado ; alpacas de co-
res com listras de seda de 640 rs. para
cima : & rua da Iinperattw n. 60, de Fein
Pereira da Silv*,
Cortes de cambraia
Naloja do Pavao vende se cortes de cambraia
transparente com babados largos, tanto brancos
como de cores, por baratos pre:os, por terem al-
gurn peqaeno defeito : a rua da Imperatriz n. 60
de Fein Pereira da Silva.__________
Engenuo8 em Mamam-
guape.
Vende-se os seguintes:
HOT*,
reule,
e Patricia,
A tratar com seas proprielarios nesu cifedt
e para infermaeoe* com -Joaqnim Pinto de Me*
relies Filbo na mesma cidade de Mamamgaap^
.iso iFmios v C.
Pa
A empreza do gaz, tendo recebido nltimai
nma quamidnde de lustres, eandieiros. araodHh#
globos etc. etc, tudo obra de gosto e d prira*r
quahdade ; acha seem posijao de stipprir a mm
freguezes, por preeos men res do qne .intinnaea
te. Para verem as amostras, dinj^ra se a rna -V
Imperador n. 31.
A 500 rs. o covado
Naloja d > PavSo vf-nde-se l5zioha> japniez
de cores muito modernas pel') baratisMmo prece
de aOO rs. 0 c-vado, para acahar ; n >i .odo-se qae
erazenda que jamais se vendrn pir menrs de
d0,Lcr.a!adO!, Ua h* Pnpa:' : m d. Imperatfk
n. 60. Irqa do Pavao. de Plix Pnrwa da Silr
Lazinhas
<~
- VaKde-se uma e.crava m-c e de booita
fijtura,a!e cczmhar e ecgjmmar com perfeuao
esemdeMMs: a tratar na rua di, Marq. ez ce
Olm la u. 57, outi'.ra rua da Ca !eia. no nscrip-
turio dos Sr*. Parole Viaima J, ii, C..111 J,.re
Ant no da >ilva Guimarae, ou ita villa .10 Ca-
bu, rua do General Vicbrino n 21.
Ehpartilhos.
Na |..ja do Pavao, vend^-so espartPhos
dos mais modernns a :?B500 e 4fflOOo cada
1 Gimu bonitos cintos cOrrj lecos
de Mtffll
to |Up
da Imnp-otriz
Silva.
a 5*0i0, h SBdmbas lavradas. com
rnofo a ISOOO o covado: a rua
n. 60, do Felix pereira da
Guindaste.
Vende se nm guindaste. a vaoor para 6 tonela-
| das, de systems move), com a carreu para -r
I colJ.icad.i, e 24 jardas de trilhos oe ferro da 60
hbras or lar.ta, -dos fab-ieaoles Alex Chapelia &
. u. de Glwg^ : na nu do Vjgario n. 19, es-
criptorm de Thomaz de Aquino
VENDE-SE 1
a taverna sna a rua J.. Harao da Victoria n 61
Milt afiegnezada : a Iratar La rua ertwitt dc
ii-:-tifit* Ii. 4u.
Oasemiras
N^ loja do PavSo vende-se um grande sortimen-
to de casemipas d cores e eie-cladas, unto clarat-
como escras, proprias (1ara calca ; paletots e co-
letes por precos ranitj barat... as-im. come no
mesmo estabelecimentos se n.auda fazer tnalquer
obra tendente a alfai*te, cm a maior presteza e
por prec-s innie. ra..avi.. : a ru* da Impera
triz n. 60, de Mix Pen-ira tfP
a 100 e 200 rs. o covacfe
Rum da Quoimada.
Junto 4 I-ja da Magnolia.
Rl mxito bamto I
Grande sortimento de lazinhn de IiHrae e d
qoadrinhos a rhinnza, pr.pnas para TesMoi<
pelo diminnt. prec de 100 r* e ?0 rs. o cotb-
do. S*n. Ha- As unicas veriSdeiras
Richas Hau.r.urueMj< on* vm a este c
oa raa do iiarguz dev'liuaa. ,i
Grande liquidacao?
de miudeza> e ctupeos : no ntivo Bazar
Marque do Olin.ia n S3.
roe A
Para (xmcertar
A NOVA RSI'KHa.\C\. a rua Ouque
D. C j, 1 oceUu utiou ueccssiM u liusta.
meias
da


8
wriario de Pcrnambuo6 Sexta teira 9 de Ouiubrtf de 1874.
YARIEDADE
<
ENVENENAMENTOS.-Foi julgado ulti-
fnamento em Paris, urn tal Moreau, ervsiia-
rioem S3o Diniz, nos arrabilles de Paris
por l enveueaado duas mulberes successi-
ve mente.
No fim de tres annos de casalo. a pri-
meira mulher cable do nte c im vomitos do-
loroaiisimos, e no dia 10 do agosto m)rrou
depois de urns a$oni ra da morte, Moreau chnnaou ana tabellido
obrigoiTsua mulher ju moribuoda a as-
p;^nar-|he a doagao Jo todos os seus bens.
i oiico tempo depots encetoU relagoos in
tiuaas uom mot mulher cassia, mas cessa-
ram pouco depois.
Em seguila, casoucom nadera's"lb La-
gneau que lhe trouxe doto, idem de uma
casa, a quantia do cincocoutos cm dinhei-
ro e uma mobilia complota.
Este casameuto verilicou-su em abrit Jos-
te euno, e e:-ta segun la mulher que ate a
idndo de 31 annos gozou lo perfeita saude,
calio d.-eiite no dia 15 de inaio, tambem
COIQ vomitos e morrcu no dia 28 do mesmo
rnez.
A p diciadesconfiou, prendeu Moreau e
RMndon proceder d autopsiados cadaveros.
.Nas *isceras oncontrou-se uma pnrgdo deco
bre, e provou-so que tiaha siJo mi oistrado
is di.as victimas pelo mariao, o qual so reser-
vava o diroilo exclusivo de admmistrar os
rttbiedios ds doentes.
Depois de de iberar p >r espagj do uma
hor^, o jury deu por uuanimidade o crime
por provado, rejeitando as circumstaueias
attemiantes. Ojury condemn.>u Moreau na
poua Je morte.
MONUMENTO A ORTOLAN.No cemile-
rie do M intparnasso em P<;ris tcra proxima-
menlH lugar a unaguragao do monumeuto
lev.uit-ido & moraoria de Mr. Ortolan, o to-
telligcnte professor da escola de direito.
Este monumentocorapoo-sede uma pedra
tumiltr, tondo m parlo superior uma co-
iu.nna de pedra do urn avennelha-io eseuro,
detres metres do altura. Sobre este ha urn
*bo'-to Je bronze, de grandeza mais de que
natural, de professor do direito, vestido
com a sua toga.
Ma columns, e na frente ha urn grande
madalhio de bronze, que occupa a sua grau
de altura, tendo*em relev uma estatua da ju-
risprudent, inscrovendo nos sous fastos o
nome do Orti-lani
Esta estatua, que 6 de granloza nitural,
0busto d'Ortolan, o o desenho do mon-i-
ment >, niuito Jiguo e austero, saoobras do
csculptor Schencwerk.
EFFEITOS DE UMA TROVOADA.Ho
conego de setembro hoove em Fringe uma
trovi-ada medonha, e que causou nio pou-
c>scstragos. Em Versailles cahiram quatro
raios sobre a.-vores, uotan lo-se que em uma
deslas t faisca saltou do tronco e foi iinidir
SObre urn cavallo, quo estava a dous metros
do di.-tancis ucaodo lo.o m rto. A faisca
pen:tt'tu pela garapa, fazenlo um buraco
somelliante ao que produziria uma bala, e
deseed ao longo da perna, saindo pela
fermlura. Proxima da arvore estava collo-
cada uma lente.
0 Sr. Beriguy, que apresentou uma nota
d aca.lemia das sciencias de Paris, sobre este
facto, tira as conclusoesseguintes :
i. Todas as vezes que a trovoada
eSo eicontra nem ramos oem leutes, desce
verti*;aimentecavanlo njlenhouma rauhu-
ra m lito listincta e de alguns centimetros
de largura ;
k i.' Quanlo enconlra ramos, rodeia-
OisiHcjssivameiite e deocrevo uma ranhu
ra hel!?oidal ;
:{. Quando encontra uma lente de
for^a, detom-se repeutinamente e muda de
direccSo para so precipitar sobre os eorpoa
con I-.tores viziuhos, algutoas vezes em
differ^ntes direcgdes a um tempo.
MAIS REMEDIOS CONTRA A MOLESTIA
DAS v IMUS.Os jornaes francezes publi-
Cam Jiversas receitas p ra destruir a phyl
loxera. Todas se supptiera debellar o mal
nSoobstante a sua uxlravagancia, a difficul
daJe maior ou menor de execu^ao, e emfim
a falta de proves confirmativas. Entre essas
receitas apenns encontramos que uma possa
applicar-se com facilidade, e talvez mesmo
com-proveito. Consiste era laiiQar as gl-
linbns, cm completo jejum, nas viooas,
devendo o cultiva lor ao recolhe-las dar-lhes
o peas:) onlinario em grSo, Como as gal-,
lianas s3o muito aviias de insectos, suppoe-
se que ellas limpario as cepas do terrivel
inse-t) quo as devora o afQige o vinba-,
teiro. j
Esto meio dcstrui(2o detem o merecimento
do estar ao alc.in e do todos os vinhateiros,
e nao o protexto de ven ler o espeafico cu-
jas virtades se apregoam.
UM THERMOMETaO ENF.0LIDO. -Um'
jonial francz La Republiquedu J/i(i*,r.onta
um caso occorfido no h spital de Montpel-
lier, que vai competir em colehriJado com o
do h tmem qus engolio um garf>, do quo
tanto tens fajlado a i npreusi. Ynn enfermo
laquell'3 beoeflc > asylo devorju om um
forte accesso de fobro um d<>s thermometros
que serve a par* comprovar a temperatura
dos picicnles. Um enfermeiro havia pas-
sa lo pen sua cama para o observar e por
descuHo dcixou alii o therm )me ro de que
s^ servia, com o quo dou lugar ao caso que
deixamos referido.
ARESPE1TO DE PENTEvDOS.-Eis o
queo r. Paulo de Ujcho publicou ha pou-'
co no Oaulez, a proposito dos pontoados :
Ign ram as sooboras que ao accrescen- \
tsrem d sua Formosa cab> lleira algumas
trangas postiijas de que nao carecem, incor-
ivm n anathema da igrejs f 5d ) sab^m
igualmento as que canoadas dos seus negros .
cabellos em consonanoia com a cdr dos i
seus olhos, pesta i.is <- sobranoelhas, t^m o I
ndo gosto do nmla-lo em louro, dourado
ou araare lo, infnngem coio isso os s-gra-
dos canones ? Pois le'lo, que vai nisso a
vussa salvaQao.
Os concilios e os padres da igreja tern-
se neeiipado dos vossos penteados muito
mais do que julgais, e em prova disso ve-
de o que teem decidilo em sua aha sabeJo-
ria.
a 0 concilio de Constantinople, celebrado
em 692, excommungou as mulueres que
usa-sem de boudes o cabellos frisados.
Assi.n, pois, minhas senhoras, abaix)j
os biuelss, abaixo as cabelleiras p stic,as, as
cuias, os caracoes e todo mais.
Pode ser que digais que os decretos
do concdio lo Coostan inopla, iladosem um
paiz oriental, niio podeui le." execucio no
occiJente di Europa, p>rem, iufelizmente
p nova a exeommunbao : dura lex ; sed lex.
Mas niuda isto nao e tudo. As consti-
tuii;oes dos apostolos decla-am que os fieis
udo devem frizar os cabellos nem menos
torua-los lourusou dourados, tiugindo-os:
Se duvidas disto, eis o texto latino :
Tibi non licet... comam flavam reddere.
E se desejais ainda outras autondades da
igreja, nao nos serd diffieil encontra las.
Os santoi padres sao, iufelizmente para v6s,
uaaoimes neste ponto
S. L entente de Alexandria affirraa que
e uma grande impieJade nas mulberes chris-
tds, a Jornarem-se com cabellos posticos.
S Jeronymo consi lera os cabellos pos-
ticos das mu heres christds, como vaidades
do mundo e obra do propno Satanaz.
S. Paulino diz, fallando das Glhas de
Siao :
Adornaram as suas cabecas com uma
porgao ie cabellos postiQos e o Senhor as
casligou, deism io-as todas calvas.
i S. tiregono Nazianzeni, fazendo o elo-
gio de sua inna Santa (1 irgouia, diz que
nao se fnsava e que sempre se guardara de
usar cabell rado sua veneravel fronte.
Qoe fare:s agora, senhoras, depois
destas revela^oes ?
Estamo-vos vendo jd indecisas diante
do esp-lho, mas. o Jepois?
Depois Jireis quo os santos padres vive-
ram em outros tempos e que se voltassem
ao mundo seriara com certeza mais indul-
gentes, quo com esses boudes, cuias, etc.,
assim como com essas cores louras ou dou-
radas em que muJais os vossos cabellos,
nao (ions JeDJo mal ; accresoentareis que
assim agradais mais a vosso espososs e que o
primeiro dever de uma mulher 6" agradar a
seu marido. Pensareis...
E' diffieil cal ular tudo quanto direis
e peusareis, porem, o que 6* certo d quo
dmanha vos penteareis exa itamente como
boje.
menorcs tiramos dos jornaes ingltzes.
0 numero dos mortos, couhecido ate ago-
ra, sobo a if, dos quaes 10 morreram no
acto e os outros espiraram pouco depois.
A respeito do numero dos feridos, nao
so pode calcular com exactiJdo, mas parece
que andard por uns 40.
A responsabilidade do successo recahe so-
bre o empregado de Norwich, que nio deu
aviso dasahida do expresso de Yarmouth.
Ha apenas uma via no lugar em que oc-
correu o choqu',' e em uomoagom a" ver-
dade, o companhia havia reclamado do par-
lameiito autorisagio para estabelecer outra,
havenJo retardado a sua conslrucc&n as for
malidaJes aJoiinistrativas, ao quese flame
uma das mais terriveis catastrophes que r -
gistam os annaes dos caminbos de forro in-
glezes
0 empregado culpado do desastre estava
ao sorvirj da companhia havia 20 annos
0 lugar do siiistro estd cbeio de genie,
amigos e pareutes das victimas, e occorram
a cada momento scenas commoventes. Os
feridos va > se traiisportanJo aos hospitaes
de Norfolk e Norwich.
Eulre os restos amontoados em uma des-
ordem inconcebivel de wagons, de locoino-
tivas, bagagens, baucos, carvao de po ira,
etc., ei.coutram i>e os corpos dos fo^uei us e
ma.juiuist.is que ainda so ndo poleram ex-
trahir; porem a sua morte e cerla e Jev -
ter sido in.-tautanea.
Eis aqui outro* pormenores tamb^in tira-
dos d"S periodicos inglezes ;
0 eiK'uutro dos dous comboyos foi a
tres kilometros de Norwich. 0 embate foi
espantoso. A chuva cahia a torrcntes, e os
rails submersos em agua tornavam mais ac-
celerado o seguimento dos comb yos, quj
levavam a v^Ioci.lade regulamentar de 68
kilometros por ora.
Para cumulode infelioid.ide ha nositio
uma curva, e os maquiuistas so poderam
avistar os phr6-*s dos comboyos oppostos,
quasi no momento em que as locomotives
se hrremessavam uma de ncontro d outra.
Apertar os breaks e freios era ja impossi-
vel; odesventuradomaquinista do comboyo
do correio, fulminadosen duviJa pelo hor-
rivel da situacdo, nem se^uer se lembrou
de abrir < regalador, pelo que o vap r con-
tinuou ainda em acydo. As locoraotivas
levantaram se como doas gigantes. seguidas
dos wagons que se empilhavam fazendo-s*.-
peJagos. Alguns segundos depois, os dous
comboyos fonnavam apenas urn montao de
ruiuas, d'onde sabiam Jisporsos aos ecbos
da noite os gntos clamorosos das victimas,
de mistura com o silvo troador das loco-
raotivas.
Os habitantes de Thorpe, acordados
do inferno, e, surgiaJodaquolle montdo de camenle os matt neccssarios a iudispeosaveis
run. >s, n'uraa parte e n'outra, as cabegas
desgrenhadas e as physionomias paralysadas
pelo horror, gritando a espagos em altos bra-
dos : Help I help I (Soccorro I soccorro I)
Houve viajautes que so poderam ser
encontra ios ao cabo de tres boras de traba-
Ino incessante. Alguns nio linhaia a mais
leve arraubadura.
Ndo obstaute, uinguem teria escapado
seudo e a feliz circumstancia de levar o
comboyo do correio na frente, tres carrua-
geus vasias e umctrroem que ia um caval-
lo, e o uutro comboyo dous carros com
peixe.
c Estas seis carruagons foram completa-
mente esmigalbadas, o cavallo e a carga de
peixe feitos em estilbas.
No ilia seguinte encoutraram-se poda-
(os a 25 metros de distancia.
a Ndo ha por emquanlo lisla exacta das
victimas ; sabe-se apenas que e de 20 o
uumero dos mortos, e de 50 o dos feridos.
O estado de muitos desks offerece poucas
esperangas.
0 Daily Mews refore que o empilba-
mento das locomotives e wagons attiugio
uma a tura de 21 metros I
Ndo ha h>>je casa alguraa na al leia de
Thorpe oode nao esteja.u recolhidos um ou
dous feridos, cujo estado ndo permitlo trans
porte.
TodflS os j jrnaes pintam coo as cores
mais siaistra-. esta horrivtd desgraga ; e em
Londres, udo se falla em outra cousa.
Hi a accresceular u u pormenor, que
e o ultimo. AlBrma-se que o inspector da
uoile, responsavel pelo accideute, so deu
pela sua falta no monento em quo o ex-
presso sahia de Norwich. Dait >u a correr,
gritou, mas em vao, e, como uesta liuha
ndo existem, como nas outras, discos Jis-
postoa d grin 13 distancia, foi-lbe impossivel
reparar o erro, resignanJo-se a aguardar
na maior angustia, oresoltado, quo udo se
t'.'z esperar. Jiz-se que the embranquece-
ram os cabellos ao raceber a nova de tao
pavorosa ea-iamidaJe.
FOLHETIM
10AJSNA
DM JOCO DEP&1XQES.
POR
Geeraje Sand.
fjRADOCgSO DE X. X. X.)
PARTE SEGUNDA
III
CATASTROPHE NO C4M1NH0 DE FER-
IfO DE THORf'E.Pelo telegrapho rece-
beu-se noticia Ja hnrrivel cetastrophe suc-
cedida em Thorpe (Inglaterra), cujos por-
pelo medoubo estampido, salteram tora das
camas e correram meio vestidos para
a rua, ndo obstante o tempestuoso da noite,
julgando que tinba abatido a ponte do ca-
mmho de ferro, situa a apenas a cera me-
tros de distancia do local do sinistro.
Conbecido o erro, e guiados sempre
pelos gntos lancinautes das victimas, arran-
carem as barreiras e precipitaram se na
via. 0 espectaculo que alii os esperava era
horroroso. A locoraotiva do comboyo do
correio continuava silvando e kocafldO jac
tos de agua a ferver sobre o montao dascar-
ruagens esmigalhadas, onde se ouviam os
gritos dos que tinham sobrevivido. Feliz-
mente, a violencia do encontro tinba-a feito
descarrilar, assim como a maior parte
wagons, que jaziara uns em pedagos, outros
completamente voltados d distancia de seise
oito metros dos rails; a isto a erescia ainda
o fogo das duas locomotives, que, espalba-
do pelo chdo, se comraumcara aos destro-
ys dos comboyos, o que, felizmente, foi
logo extincto pela chuva.
Eram dez boras. A' meia noite, mi-
lhares Je pessoas de todas as condigoes, at-
trahi las ao local do sinistro trabalbavam
corajosamente na salvagao dos feridos.
A chuva continuava sempre, e a noi-
te (siava tdo escma, que com diliiculJaJe
se a vista vam os vultos a 20 pacos de dis-
tancia. Para auxiliar a heroica faina dos
salvados, fizeram-se fogueiras com os des-
trogos d s carruagens e mercadorias, e d
luz deltas, espectaculo bem digno dopincel
d'um ariista, viam-se os corajosos habitan-
tes de Norwich e de Thorpe pensando os
feridos e transportando os mortos ; os m* -
dicos *C,odadns fazendo os curatives ao sr
livre por falta de outro abrigo, e ndo sa-
bendo a quem atteader ; a u u canto a raa-
quina monstruivsa, arquejanJo ainda e vo
mitando fogo como um dragdo ehraivecido
N4UFKAGIO.O capitao Adams que
commaud.iva a baleeira Antic, uaufragada
7 de agosto passalo, na babia Creswel,
estreito Je Davis, chegou a Dundee e lmi os
sguiotes ponoenoes, sobre a perda do
seu navio, pormenores que foram immedia-
te men te telegrapbados ao Evening Start-
dart :
Na mauba de 7 do agosto, diz o rela-
torio do capitao, pelas oito boras e meia,
uma violenta tempestade assaltou o Arctic
e accumulouem vulta do casco tdo grande
quantidaJe de gelos 11 u ;tu antes que a ma-
deira eslalou, como se o navio fosse desfa-
zer-se em bocados. Dalli a pouco, a pres-
sdo do gelo tornou-se tdo forte- quo o na-
vio adorn m e deitou-se de lado. Os gelos
tinham, alem Jisso, arrombado o casco e a
agui eomecou a invadir o porSo em mass-
consideravel.
Fot i umediatamente dada or lorn d tri-
polec,ao para sdvar os viveres e os poucos
objectos que podessera levar. A* provisoes
fora.it laucadas peb borda, mas a maior
parte dessappareceu logo e foi sepultada de-
baixo da messa de gelo fluctuante. Quasi
toda a bagagem da tripolagdo perieu-se da
mesma maneira, o depois que os marinbei
ros abaii'lonaram o navio, um graniso vio-
. I lento, acompanhado- de ventania-, assaltou
os naufragos que ficaram molhados ate aos
06S0Si
a O Gamperdowrit o Viotor, o Narwhal
e o htlrepide estavam eutao muito perto do
lugar do sinistro e foram de tal modo assal-
tados, que as tripolacOes desombarcaram so-
bre o gelo, onde se installarara melhor uu
peior em barracas- quo improvisaram com
as velas de bordo.
Pelas seis boras da tardo manifestou se
incendio no Arctic, e era um momento o
navio foi envolvido de cbarama^de prda4a
pdpa. 0 gelo abcio-se e o.uavio desappare-
ceu immelietemente. Os outros barcos fi-
caram desembaraijados uo dia seguinte, 8
de agosto, e os naufragos do Arctic foram
recolhidos.
amigos da fa.nilij douoivo e da uoiva.
To4o o mundo, pore.n, se admirou
de ver no dia seguinte, no Herald, uma
exteusa e miuueiosa noticia da ceremonia e
outras particularidades occorrilas na festa
de familia, que se celebrou.
Todos perguntavam oorao fdra que o
Herald soubera tanto, ate que outro diario,
o Commercial aclarou o mysterio, publi-
cando o seguinte :
Para poder assiilir ao cssamento da ti-
iha do presidenle, um dos noticiaristas do
Herald, sentou praga, por Ires annos na
banda de musics do batalhdo de marinha,
que tocou duranto a ceremonis.
DESCOBRIMENNO IMPORTANTE.- A
geographia acaba de ser em iquoc.da c -m
um descobrimeuto ndabihssiino.
Em juubo de 1871 o navio a vapor ie-
ijcllhoff, da marinha de guerra austriaca,
fez-se ao mar do porlo de Brcme.
0 TeyetthofJ'ostava eucarregalo deexplo-
rar os mares an norte di? Nova-Zembla e
Siberia e procurer a passage a pel > estreito
de Behring. I'.ummau lava.n a expedigdo
os Srs. Weyprocht e Payer, leneules da
marinha do guerra austnaua.
D-us annos passaram sem se re.;berem
noticias do nivi. P.jr fi n despa dos ile 7 em Werboe, poulo septentrional
de Noruega, e assiguadoj por Woyprecht e
Payer ddo c mta da viagem o regresso da
expedicao.
0 navio foi colbrda p*los gelos e arrasta-
doaoiurte de Nova-Ze.nbU durante gium-
torze mezes ; ate qu.< por fim so deteve a
tres legaas de um paiz desconhecido.
Abor larara ao novo coa>tuiente, cuja costa
Sulesld situada prtxima do parallelo 80, e
emprehenderam u na viagem ao interior em
trends. Sete mezes durou esta viagem.
Chegaram ate aos 82 50' de latitude, e
las moittanhas avislara a o paiz para alem
do pirallulo 8J. Ndo pjderam achar os
limit:s daquella terra an (f. nem a 0.
Talvez se proloiune ate ao polo. Na costa
sul parece que ha alguma fauna e flora,
lambem se encontrou madeira arrastada pe-
las correutes mariuhas. A temperatura ma
xima em morgo era de 37 abaixo de zero,
Reaumur.
Na volta da sua expedigdo pela- terra fir-
me, os atrevidos exploradores tiveram que
abandonar o navio, utilis.do por causa ila
prossdo dos ghlus, perliram de novo em tre-
nos. Depois d uirw. raarc.ha pe:iosissima
'alcancarara a fortuna de serem recolhidos
por uma goleta russa que os transporlou a
'Werboe. Pedem permissdo ao imperador
Ja Austria paradar ao novo continence o
uome de Francisco Josi.
Esta expedigdo torn uma importancia-geo-
graphic imraensa. E' a que tem subiJo
main ao norte. Parry em 1827 chegou
ate 82 sdmente; Outras quinze expedic,6es
verificadas depois ndo tem dado resultados
satisfaotorios. Os aDStriacos estao orgulho-
sos, e com natoi por terem logralo taraa-
nha gl na.
Singnau-fu
Caiileo
Nova York
Tientsin
Vienna
Berlun
Haugkan
Tsching-fu
Calculi!
Tokio (Yeddo)
Philadelphia
S. Petiifsburgo
Bombaim
Moscow
i.oustantinopU
III .gW
Liverpool
Rio de Janeiro
l.OOO.OOt
1,0>0. 00
9i2,61t
900,Mt
834.284
82C.34!
80- .000
8<0,00t
79i,i5
674.44T
674.021
7:i,9tl
64*.4t)6
611.97*
6'O.Mt
547.5M
493.405
420,000
(ContiDuacao do n. 229J.
c __ E' preciso esquecer isso, comeger
uma vide nova, e tornar-se digaa da affeigdo
de uio homem honesto. Ndo posso occu-
par-ire directamente da senhora, porque
tenbo uma vide muito errante, e, ndo tendo
familia, aborrcgo-me em toda parte. De-
rani-, se eu procedesse de modo diverso, a
so;.l: ra seria suspeitada. e eu ndo a selvei
para delta la de novo d perder. Por conse-
qoiiii ia, vou leva-la pera Franga ou para
Ing'^rra, afim de po-la em casa de uma
fani'.ia honesta ou n'um bom esUbeleci-
mento de instrucgao, e, depois, se a senhora
sec"T'portar bem, occupar-me-hei pater-
naln. nte de estabelece-la.
.'ijnelhei-me i s^us pes para agradecer-
Ihe e ,.hengon-lo ; mas elle levanton-me ds
pres-.' preci itadamente.
V.u tinha pessado por tantas emogoes,
soff-i*.a taes abalos, que ndo me foi possivel
parii- desde logo,, visto como tinha palpita-
{oes que como que me suffocavam. Na se-
inaiM seguinte, porem, o Sr. Brudnel, seu
joven medico ecu, todosencaminha no nos
para a irsnga.
Essa viagem pareceu-me deliciosa na
comp-nbia de um homem tftoamavel ebom
con.o ^.-a o Sr. Brudnel, em quem percebi
que podia depositar inteira confianga.
. N--se tempo elle tinha ap-uas cincoen-
ta e c iico annos, mas estava tdo bem con-
ferva lo que eu s6 Ibe dava quarettta e
ciiK-'.
a Amei-o sem me lembrar de que na ves-
pero amdra outro, d quem entdo despreza-
va, e cuja lembranga era-me odiosa e pesa-
va-me uo espirito. E quanto ndo desejei
poler apagar o raeu crime para ser digna
Ja ternura do m u bemfeitor I mas, pela
reserva do Sr. Brudnel, bem depressa com-
prehendi que era mister saber merece-lo ;
e, pos, tratei de occultar os raeus senti-
mentos, para que elle udo viesse d conhe-
ce-los.
Chegando d Paris, elle pdz-me n'um
collegio, e passou o inverno nessa cidade.
c Nesse collegio eu fui muito bem trata-
da, e de certo teria sido muito feliz, se por
ventura ndo estivesse tao atrazada em rela-
gdods outran elucanJas da minha idade.
Era mister que eu comegasse pela classe das
crianges ; e o Sr. Brudnel, que ia visitsr-me
dequinze em qaiuze dias,-comprehendeu a
.ninhe hurailhagdo, a vio quanto eu estaria
deslocada no meio das meninas de dez e
doze annos. Inlormou se, pois, e decidio
que eu teria prof-ssores especiaes que dar-
me-biam suas hgdes no aposeoto da direc-
tors.
Fiz o que pudo para aprender ; mas
estava escripto queou ndo me instruiria por
essa forma.
a Eu ndo tinha o habito do trabalho, do
estudo, e era como um passaro viajante,
que almejava reater relagdes com essa Paris
da minha infancia, d quem eu tanto amdra.
Eu, porem, ndo sahia, e o bairro onde se
acheva situsdo o estabelecimento ere entdo
um deserto de jardins abandonados e dede-
muligdes.
c Meus pensaraentos dirigiam-s6 todos e
incessanteraeute para o Sr. Brudnel, & quem
eu desejava ver* a todo instante, mas d quem
via bem pouco, sempre na presenga das
professoras, e mais contrangido do que o
fdra durante a viagem.
Fui presa entdo de um profundo des-
gosto e de um secreto abatimento.
a. No convento de Hespanha eu fdra mais
livre e mais alegre. Alii dar^gava so o bo-
lero occultsimentc-, fallava-sn de amor, can-
tava-sc romancs em voz baixa, e havis
po:;ca regulariJaJe no; habitos e costumes.
Em Paris, por6m, a cousa foi divers
POR CAUSA DF UMA N9TICIA.-Abi vat
mais uma das engregadas petas com que a
imprensa amoricaua costura* deseofadar os
seus leitores:
0 presidenle Grant tinha um empenho
especial em que o casamento de sua filba
fosse o mais secreto possivel, motivo por
que ninguem foi convidado, assistindo uui-
08 TURCOS NAS MESQUITAS.A Si-
ronde, repoitando-se d uma csrta de Cons-
tantinopla publicada na Allyemein Zeitung,
diz aos seus leitores que foi ordenado pelo
sultdo que os musulmanos concorram cinoo
v-zes por dia is mesquitas para fazer or-
gdes 0 rainistro da policia, publicando
este decreto nos jornaes turcos, araeagfi
prender todos aquelles que o ndo cumpri-
rem.
E' provavel que osultao, obrigando o po-
bre musulmano a passer o dia todo na mes-
quita e em caminho delta, coide de lhe for-
necer a abmeatagao que elle ndo tem tempo
de procurer ou adquirir. Ndo nos diz isto
a folha Je que extrahimos a noticia, mas ..
subentenJ -se.
O've suppOr-se tambem que neste paiz
brotam espontaneamente todos es generos
indispensaveis d esistencia do homem. Se-
gura a vida terrena, alii ha so que tratar
da vida futura. Que paiz t
, CIDVDES MAIS POPULOSAS.As vinte
circo cidades que conteem. mais habitantes,
sdo as s^guintes :
Londres 3,254.260
Suctchan (Chinas 2,000.000
Paris 1.851 792
Pekin 1,309,000
Tscbautschan ia 1,000.000
Ilaugtschan-fu 1,000,001)
Siangan 1,000,000
PELO THRONO E PELO ALTAR.Um
assessinio horrendo, sem precedents na bi-
toria das nagdes civrlisadas, acaba i de amm-
metier as hordas selvageos dj absolutis0
uas enrcanias de Ripotf, pr ordeai d fern*
e sangsinario Sabalis.
U'l.a mulher dos seus 22 annos de i mdi de tres filhos e em esiadu interessante,
foi pres* Mkw car.i'tas e fuzitada apezer dbr
rogis e ctwros das victimasv
0 motia de td<> ebominavel crime f>i por
e terem recuuhecido como e*p*i d um
cipayo, conw chamam ao* ^"hifitanos da
liberdade.
Com effeit ? a degrag Seva e ha via eoutrahidn inairi '.ouio com o
conbecido liberal da mesma p tpotario An-
tonio Horns, o quel empunliarr as annas
era defeza da liberdade.
Ao cihir Vich mm poder dos car?ista*. es-
ta familia teve quo refugiar-se em Birrlo-
na, on le permauecia,. quan lo lia a (gins
lias a victima dos iniames cerlisus se ikri-
gio a provincia de GVotM a bu^oar am'sea
inna i que tinha entre os ViduutariuS' de-
quela provincia ; e teve-a desgre;a de seen*-
coutrar com os sicari.is 'ie Sabalis, os qaaes-^
depois de um detido quanta rigoroso e-
me, e sem oabargu h s-u estado, a assas-
sinaram cimarde e vilraente.
Este Juplo crime proJutio penosa impres-
sao n.i juella comarca, pois e sabido qoe
em todos os paizes do mun lo, as mulheres
em estado- kiteressanie sd respt-itedas ahS'
ao extremo, que se ha suspeitns de que esUL'
gravida uma cojdemnala d morte, se sus-
penda a execu^aoaie ter dado-d luz 0 filbo
que traga em suas entranhas.
UM JOCiEY F RINO.-O Journal de$
Dibats, aos seus foctos diversos, publics o
seguinte :
a Cm antigo jockey Carlos Ktlliek, pas-
seava imtes de houtem na estrada de Cba-
renton, quaodb, atravez da chuva, chegou
uin fiacre.
Kdlick parou-, tomou bruseem-Mtle a
redea do cavallo, e poz-se a fallar-lbe io-
8,ez : .
Arrede-se, Ixxaetn, gritou o cocnei-
[gnoro se as mogns fallavam. do; prazcresdo
mundo, visto como eu vivia quasi so ou na
companhia das professoras, que nada tinham
!d alegres, e que me parecta n virtudes re-
jfolhadas, bem pouco satisfeitas com a sua
sorte.
Meus mestres nem eram booitos nem
mogos, exctpgao feita do professor de mosi*
ca, que, ndo sendo bonito nem feio, era
todavia alegre, enthusiesta, e um pouco
adouda Esse pr ifessor enamorou-se de mim, e
deu-m'o d entender. Senti-me muito com-
movide, e o medo epoderou-se de raim.
Consegui, um bom die, ficar a s6scom
o Sr. Brudnel e suppliquei lhe que me rau-
I dasse para outro collegio ou que me levasse
em sua companhia nas viagens. Elle ralbou
comigo ; interrogou-me com bondade, e eu
confessei lhe a vordade, dizendo-lhe:
Sinto me em perigo, endo sei que
! febre e que me impelle para esse musico.
Jurei ser prudente e tornar-me forte; mas
bem vej> que ndo sou nem uma nem outra
cousa, e que ainda ndo sei ficar calma
i quando me lallam de amor.
i Sim, tambem vejo isso, respondeu-
! me o Sr. Brudnel; a necessidade de amar
i consome-a. A senhora tem uma natureza
apaixoneda ; qur que eu trate de casa-la T
Informar-me-hei, e se esse bomem que lhe
agrada for honesto...
| Ndo 1 exe'araei; elle ndo me agra-
da, ndo o 8mo, endo quero desposa-lo,
porque amo outro.
! Entdo, quem 6esse outro? 6* ainda
|o official?
a Ndo, ndo I outro qae ndo saberd
desse amor, porque lh'o ndo direi, mas i
quem amarei toda minha vida.
Sir Richard, que era mais penetrante
do que eu o suppozera, adivinhou-me, e
irespondeu-mecom calma, perguntando-me:
a E que garantias de fidelidado offe-
' rece a senhora d esse outro ? Quem affianca
que t senhora ndo se incliuard para mais
algum outro, para o primeiro qua lhe fallar
de amor ? No seu coragdo ha sempre muita
ternura em disponibilidade. Aconselho-a
que ndo prometta amar & ninguem, porque
e* superior d suas forgas dsr cumprimento &
till promessa.
ro grosseiramente.
* Pordoe-me, replicou o jockey en
nodo francez. Este cavatlo que vosso ahi
tem, eu ben o conbejo, 6 o pobre Volun-
tario ; ganhei mai* de dez corridas com
elle... e ei-lo agora conduzido por- em o-
cbeiro Je fiacre I
0 cocheiro, I'unoso.pegou dc obicote
arrumou uma tremenda chicotada no rosle
do inglez.
a. Rapido como o pensamento, este lan-
cou-se sobre o c >cheiro> com u na fa-^a na
mao, e por duas vezes Ih a MM no petto ;
labi emquanto que duas s-mhoras que se
acbavam no fiacre delle sahiam espavoridas,
elle crevou a faca uo peito do cavallo.
Entretanto acudia gente aos gritos das
senhoras.
Eillick deixou-se prender sem resisten-
cia ; parecia estupefacto.
c A victima, liz o Siecle, chama-se Andre
Mossin e mora no boulevard des Batigon!-
les.
0 jockey cegou-se pelo amor da arte.
Com elfeito, um cavallo que foi vencedor
em dez corridas, um heroe dos bippodro-
raus, puxando um miseravel fiacre I Sic
transit gloria MMMaV
Eu merccia essas exprobagdes e censu-
ras; mas a% severidade de sir Richard era
desanimadora para as minhas confissoes.
a Por ultimo, ao deixar-me, disse-me
elle que cumpria que eu propria me liber-
tassedasimpertinentes instancias do profes-
sor demusica, e que, seeu tal conseguisse,
sem auxilio.de ninguem, elle entdo tomaria
uma resolugdo.
Chorei muito ; entretanto uma cousa
consolou-me : foi que pareceu-me que na
attitude do Sr. Brudnel havia mais desperto
e chime do que severidade real. Talvez quo
elle me amasse! mas, se a^im era, porque
razdo m'o oocultava ?
Em todo caso pareceu-me que elle
amava-me seriamente, e peusava em despo-
sar-rae, visto como qaeria que eu fosse forte
e fiel 1
c Cobrei animo, recusei as hgoes de mu
sica, e devolvi os bilhetes amorosos sen.
mesmo le-los. Isto agradou ao Sr. Brud-
nel, que ndo obstante partio para Inglaterra
e deixou-me em Paris, sem dar demonstra-
gdo de ter feito esforgo em separar-so de
mim. .
Resiguei-me ; mas o tedio da inacgdo
e os vdos esforgos que eu fazia para apro-
veitar as ligoes acabaram por alterar-me a jd
vacihnte sadde.
Quando, pelo inverno seguinte, sir Ri-
chard voltou e foi ver-me, encontrou-me
soffrendo de uma anemia tdo pronunciada
quo inquietou-se de vdras e resolveu fazer
uma viagem, levando-me emsua companhia
e na do sea medico.
Fomos para a Italia, onde bem depres-
sa me rostabeleci; e, logo qua tal aconte-
ceu, elle fallou de pdr-me de novo n'um
collegio era Mildo ou am Florenga.
Mostrei muita resignagdo e submissdo,
mas adoeci novemente ; e, certo dia, era
quo eu estava meia aJormecida, ouvi o me-
dico dizer a sir Richard :
0 senhor ndo poderd facilmente ver-
se livre deste liudo fardo. Se a abandonar,
ell a morrerd.
0 senhor ama-a ? perguntoudhe sir
Brudnel com sorprendentearrebatamento.
Ama-la-hia talvez, respondeu-lhe
aquelle mui tranquillamsnte, 9..... mas no
actual estado-de cousas evitarei semelbante
amor, como a propria peste!
c Porque...
Porque sou honrado, e bem vejo as
suas intencdes. 0 senhor deseja ve-la casa-
da, e eu coraprehendo bem a lealdade da
sua adopgdo. Mas 6" que eu ndo desposarei
sendo uma mulhsr muito timida, ou muito
"fria, ou, ainda, muito feia, visto como fal-
ta-me tempo e vontadeparaguardar e vigiar
tiiesouros 1
Pingi nada ter ouvido ; mas essa severa
ligdo impressionou-me vivamente. 0 Sr.
Brudnel era de ordinario tdo araavel, tdo
bom, que ou jamais tinha cogitado quanto
devia ser-lbe ooerose, e qudo pouco merecia
eu 0 amor que por vezes me dosvaiHci om
ter-lhe inspirado I 0 desprezo-daquelle me-
dico, quo alids sempre me tratdra como
uma menina estupida, obrigou-me d fazer
um exacae de consciencia e d fazer 0 pro-
posito de tornar-me muito seriamente uma
pessoa razoavel.
Parecendo-me que sir Richard ndo me
amava absolutamente, por isso que propo-
zera ao seu medico que me desposasse, com-
prehendi to>lavia que, se desejava ver-se li-
vre de mim, escravo do dever que se impo-
zera, s6 0 faria se me podesse casar hones-
tamente, mas nunca propondo-me que fosse
sua araante.
a Vi, pois, que era mister que, para
tranquillisar a sua consciencia, eu me tor-
nasse digna de ser sua mulber, e que so
entdo cabia-me o direito de desvanecer-me
por inspirar-lhe paixdo.
Occultei a minha ddr, 0 meu pozar, e
pedi-lhe que me recolhesse d um convento
qualquer.
0 Sr. Brudnel escolheu um convento
de Veneza e levou-me para essa cidade.
Ostentei uma resignagdo jovial ; mas a
minha fraqueza e a palliJez do mou rosio
trahiam visivelmento a minha resolugdo.
Sir Richard conduzio-me em gonJola
ate a porta do mosteiro, observanJome
sempre, mas nunca deixandode mostrarque
estava decidido d sepirar-se do mim.
t Resisti d prova, posto que ignorando
jquo fosse tal 0 qua elle praticava ; e, quan-
ldo ergoi-jBO para sailor sobre 0 cae*, !1
que elle, retendo-me, dbse :
c Bista ; a senhora mostrou maiso-
ragem e bom senso do que eu esperava.
Agora vejo que a senhora p61 adqairir
voutade, e que 0 su caracter comeca a mo-
recer estima. Fiquemos em Veneza ; olo
a deixarei por emquanto.
Lancei-me d s^us pes, e beijei-lb* as
maos. quasi louca de prazer.
Elle licnu muito commovido, naaa* ao
cabo de um instante de perlurbacdo, rtpel-
lio-ma dowmenle, dizendo :
Conv6m reprimir essas expanses
que, sendo estivessemos occultos peU cor-
tina desta gon>lola, podiam ser mat vistas e
crilicadas.
, Mas, rospondi eo, uma vez que
ninguem nos vc, devo occultar-lhe a minha
alegria e a veneragdo qua Ibe coosagro por
tudoquento 0 senhor tem feito em meu be-
neficio ?
E' preciso que a senhora deixo da
consagrar-me vener-gdo, retorquio-ma elle,
porque ndo posso retribuir-lhe tao exaUado
sentimento ; e domais e" necessano qu- a
senhora se habitue d guardar as convenien-
cias do pudor. Bem vejo qua no (undo de
tudo isso ha mais innocencia do que poder-
se-hia crer; mas, se eu conft.tsse de mais
nas suas boas intengOos e nas minhas pro-
pria?, talvez viesse d esquecer a reserva qua
me 6 imposts, e a culpa seria sua. fc" pre-
ciso, pois, que a senhora aprenda d Itvrar-
se, d defonder-se dos perigos com qae pare-
ce brincar. Combata raesmo conira mim,
se eu vier d perder a cabeca ; porque de-
claro-lhe que, se eu tivesse a desgraga de
desencaminha la, desprezar-rae-hia, e aban-
donada-hia para sempre.
Tudo isso era muito severo, mas eu 96
quiz ver nessas severidades a intongao de
erguer-me, de elevar-me ate elle, e, pois,
esforcei me por caminhar ao sabor dot seus
destjos, pondo um como veo nos olhos 0
uma como courage no coragdo. Tornei-me
timida e reservada como elleqiieria, eassu-
mi intcirameutea atutude do uma filba obe-
diente e calma.
(Conliii lar^-ha.)
fW .' '. ^AXil

r.\
L


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EE6D25VR0_SV7JR0 INGEST_TIME 2014-05-29T17:17:59Z PACKAGE AA00011611_17842
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES