Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17840


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO L. MJ1ER0 228
fr
1
'ABA A CAPITAL B LIGAB8S O.HDIS X\0 HK PA6A POHTK.
Jor tree mm ediantado................. 6*0
Por sets dito. idem..................12WMM)
For on anno idem............... 349000
OUARTA FEIfiA 7 OE OITL'BRO DE 1874
1
PARA DEMTBB B FBBA DA PBOVINCIA.
Por tres mezes adiantados....... \ ...;..
Por seis ditos idem..............
Por note ditos idem ... ^ ..I
Por am inno idem. .
97M
PR0PR1E0AJDE DE HANOEL FICUEIRCA DE FARIA A FILHOS.
in. Gorardo Antonio Abes Pilnos, no Pare; Conceives d Pinto, no Maranhao; Joaquim Jose de Olrveira d Filho, no Cearfj Antonio de Lemu. Braga, no Aracaty j Jolo Haifa JuUo Chr *, no Aard; Antonio Marques da SilTa, Natal ; Josd I
Pereira .'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parabyba ; Antonio Jose Gomes, am Villa da Penha; Be'armino dos Santos Bulcio, em Santo Ant< ; Domiogos Jose da CoiUlrafa, em Weth{
____^_^ ____________Antooio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar Alagdas; Aires d C.na B&hia e A. Xavier Leite d C n Rio Janeiro*
T^^^^TT^ w---------------------- ---------'----------------------------__------------ i *< i----------------------------------------------------------_______________
PARTE 0FFI8IAL
Governa da provlncm.
EXPEDIENTS DO D1A 8 riE MAIU DE 1874
1." SCCCilO.
Oflicios :
Ao director inierioo do arsenal de guerra
Tendo o cugenlieiro d.is ohras miliiarea, eonfonno
Hie deturmino nest* data, de :uwJir ivpwar as
goteiras qne appareceraiu nas euUertas do quar-
ts! da compauliia de cavallaria e da c:ia que ser-
ve de secrolaria do comnaoJ j das annas; e com-
petiodo a essa dirootoria prcslar os artislas pre-
cisos para a execucao de tal -corvij.i>, coma dispoe
o art. 3. das iaslrucsoas de 10 da raaio ultimo,
mandadas observer pelo aviso do ministerio da
guerra, da inesma data; assiii o contmuuioo a
Vmc. para que ueste seutido satishca as requisi-
5093 que lhe forem feitas peio referido enge-
nheirc.
Ao engenheiro das obr<$ militares. De con-
formidadc com o que solidtou o brigadeiro coin-
raandaute das armas em offi sio de booteai datado,
sob a. 371, recommenio a Vine, que inaude com
nrgencu reparar as goieiraa que apuarecerain na
coberta do quartet da compauliia de cavallaria, e
tern daraniflcado a arrecada^j J fard.uneulo e
outros compartimentos, e bsia assim as que cxis-
tem na coberta da casa que serve de secretaria
daquelle commando, as quaes sao de tal ordem que
alagam os compartimentos super.or e inferior, com
detrimentJ doarchivo e ineoimuulo dos emprega-
dos ; devendo Vmc. para ess i servic solicitar os
uecessarios pedreiros ao director do arsenal de
guerra. a quem cabe prestal o ujs termw do art.
3.* das iuslruo.'oes de 16 de uurco ultimo, inanda-
das observar pelo aviso J ministerio da guerra,
de igual data, e das quaes I be remetto tuna copia
para sua sciencia e direccao em casos iJeuticos.
Ao mesmo.-Devolvendo a Vine, ae seis pro-
postas que vieram annexas ao seu oulcio de 6 do
c jrreate, sob n. '.'->, para a exe^ucao dos melbo-
mentos, caiadura e pintura dj quartel do deposito
de recrutas, autoriso o a contra *tar esse servigo
com Basilio Jos^da Hjra pela quantia de 1.U004,
comtante da sja offerta, risto ser elle d'entre to
doi os proponeutes o que melbjr vantagem offe-
recea faieoda ; cumpriudo qua no respective tar-
rao de contract seja iOMrida a ciausula dj ser o
pagamento efTactuado em duas pretacoes iguaes
e de dar o arremataote Oanca i >:: ..
2." secc&o.
Offlcios :
Ao commanlante sapcr.or de Calwebo e
ExtlKespondendo ao ofEcio da V.'S., de 15 de
abrilproximo lindo, remetteoloo mappa geral da
guarda gacional desse comn-icdo superior, tenho
a dizer-liie qaauu a ultima pine do mesmo olBcio
quo, tendo o aviso circular do miaisterio da guer-
ra, de 31 de marc) ulti.m, ord^oadoqaecessassim
quaa-quer despezas com a guarda n.icioaal, aao
pode ler lugar o fjraecimen:o de livros e papel,
como solicit! V. S.
Ao bacharel juiz de di.-eito da com rca do
(Jabo.Kaspondendo ao ollieio Jo Vmc, do 27 de
abril proximo Undo, em qne consnlta a e:ta pre3i-
dencip sobre o sen proesdimeafo reiativo ao r6o
Jos6 Emiliano Alves da Oliveira, que, enlouque-
cendo antes de ser jalgalo, tai reculhido ao bospi-
cio do alienados, teabo a dizor-lhe que juridica-
m3nte procedeu Vmc. a esle respeito em face do
que disp5e o art Ci d> col go rrimmal e mais la
gislac^o em vigor.
Ao bac'iarel J se Clim^co do Bspirito Santo,
juii de direito iateriao da cjaiirca d> Bom (Jon-
salh>.Inclu dj:uoi3ntad, qai apre*emoj-m3 eontra Vmc. o
jaiz de paz dessa villa, aiim i: 11 em prazo lire-
v? rosponda sobre o facto qae ; ; argaido;
3.' tec,
Officios :
Ao inspector di the ai. .:. do feu J a.
Para os fins convenientes c >mmunico a V. s. uue
em 12 de abril proxim'i passad; aastuuio o oxer-
cieio do cargo d-3 juiz iaaoJ sipii e da orpbios do
Urmo de iaranhun- o rere .' : mais votado Jjso
da C;sta Douralo, conform? p.r'.i'ipjn em offl'io
da meima data.
Ao mesmo. Aoli.i.., so aatorisada pelo
aviso do miaistiiio d.i gaerra, da lo de abril pro-
ximo, a despezi com os m.-'::: iramentos, caiadura
cpiaturadi (airtei do depi:,.j dorecratas, lado
oreado em t:32633i), d:. ..:,._. uoati data ao
^ajjuleiro da? obras militsres qae eoalracte esse
servico com Basilio Jose d;': i .. p.-la qaanlia do
l:003/,_paga mediiate fur..; iJoujj om duas
pr3St^;3es, send) uma n> comec/j o aoutrana
conclusao do lrabaltio, TisM -ir ajuelli propo-
n,mte dentre os seis que a. ap:osentaram
dez->mbro de I860, e one lhe incumba o do
art. to do citado decreto.
Porlaria :
A' III ma camara muuicipal do Hacife.
Conformando-ioe ccm a informagjo da Illma. c-
imra municipal do Kecife, de 8 do abril a tim >,
sob n. 2o, uesta dataneguoi provimenlO' ao recur-
*o de Jose Fernaodes Lima, relativameote ao o-
brado qae ora editica elle na rua da Crttz, do Hi-
cifa, no mesmo terren em qua existio ontro com
o u 66. Cumpre, p >rtanto, qua a illma. cauiara
trate quanlo antes de effacluar a desapropriacao
Jaquelia tei reno para 0 llin alludido 8m sua refe-
'ida inf >rmacao, notando-se que 0 proprietario
nil tern diraito a in ij.irii-;uM 1 alguma p t niate-
riaes chegados e obras ja feitas, visto como na
obteuv-ao da licenca obrigou-se a demolir 0 pre
I :iv--i,i' depois de coucluido, sem a menor
iodemoisarao, em toto o tempo om qae a Illma.
camara entendosse necossario desapropriar 0 res-
pectivo terreno. Kulev* observar a Illma. ca-
mara quauto aio iuconvenientes despacbos de li-
cenca para-editisaca > nos terrenos e sem as cau-
telas com que ao recorrente foi concedido ; taato
miis quanto,trataudj-se learn terreao destinado
na planta da cidade para a abertura de uma pra-
ca, dcvii essa corporacao ter realisado a des-
apropria^ao logo qne 0 prodio alii exislente incen-
diou-se, e nun -a ter {eoneedilo licenca para ser
elle reudilicado, nao obstaote a ccndiv4o qae im-
poz, alias sobremaneira odiosa.
5.' secgii.
Porta.-ia :
Os Srs. agentes da eompanbia brasiloira de
navegacao a vapor maodem dar passagem para a
corte, por conta do miaisterio da guerra, no vapir
esperado do oortu, ao sohiado reformado Cnstodio
Expo.-to, que vai rccolher se ao asylo do invalidos
da patria.
Bxpstnofra do sacaiVMUO
-' seccao.
Officio3 :
Ao Ur. chefe da policia.0 Exm. Sr. presi-
deote da proviueia manda daclarar a V S., em
resposta ao seu officio n. 589, de 6 do correnta,
q le nao pode sor aceito 0 qae propoe 0 comman-
dand mte do daslacamento da villa de I'etrolina.
3uanto a creacio de urn destacameulo composto
e indi\iduo3 por ello designados.
Ao juiz de direito interino da comarca de
Garanbuus. -0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda accusar 0 recebimento do offlcio de V. S.,
de 27 d 1 abril proximo fiado, commanicaado ler
dissolvido no dia 20 0 jury desse termo, depois de
instillado, por falta de Ijuiz letralo, qae 0 presi-
disse; tendo, porem, convocado de novo para 0 dia
25 do corrente.
Ao vereador jaiz municipal e de orphaos do
termo de Garanhuns. 0 Exm. Sr. presidente da
provincia manda accasar 0 recebimento do officio
de V. S, de it de abril proximo Gndo, commnni-
cando haver na mesma data asiumido o exercicio
do cargo de juiz municipal e de orphSos desse ter-
mo, como vereador mats votado.
EXPED1K.VTE DO DIA 9 DE MAIO DE 1874.
/ saqao.
Oflicios :
Ao Exm brigadeiro eommandante das ar-
ma*. Sirva-se V. F.xc. de maadar pOr em liber-
dale o recruta Haieodoro Nunes Peroira, que
provou ser filao anico da viuva Claudina Maria da
Conceicao.
- Ao inspector do arsenal de marinha.Cora-
munico a V. S. p ira seu conhscimento e fins con-
venientes quo, confonne participou o minisierio da
agricultura, commercio e obras publicas, as des-
pozas com o melhoramento do porto desta capital
correraopor conta diquelle minisierio, a comecar
do 1" da julho do corrente anno em diante.
Aocapilaodo porto.Segando consta decom
3:
ordens juntas, sendo cioeo do tribunal do thesoafo
uacional e cinco em duplicata da reparticao Jo
ajudante general.
Ao in mil>. ltas)lvenlo a duvida console
d> (iili-;o do director do aisenal de guerra, datado
de 25 de abril proximo tindo, sobre que versa a
iu/orm u\l> de V. S., de 2 do corrente, n. 401 se-
rie G, relativamtote aos ven:lmentos que compe-
tern ao mestre da oUQcina de construct lo e repa
r.w daquelle arsenal, Jose Luciano Cabral, daclaH
rni Ibe que ao dito mestre fossem mantiJu* o* ven^
cimentos de 8^000Ndiarios, que percabnteue aute^
riormente a publicaclo da tabella de 16 de marco
ultimo, ate que o Exm. ministro da gnerra, a
cajo conbecimento sabmitto nesta data a questii),
delibere a respeito o que julgar conveuienle ; o
que commuuico a V. S. para us fins convenien-
tes.
- Ao mesmo.Para os fins convenientes in-
clusa remetto a V. S. a patente de reforma do
posto de major, relativa ao capita > do tfatalhao de
^,mL^"* unicipal da d,*ide ft Es?*JL Ao engenheiro fiscal da wtrada de fcrro do
Hecife a Olinda e Bebenbe.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda eommunicar-lbe que fi
_ o que
i^ais vantagem offerece a fizonJo ; o quecommu-
nico a V. S. para seu coabeci b i; j e direccao.
Ao inspect ir di thenoraria provincial.-A
Joaquim Latz Vieira Jaato! raande Vmc, a vista
do prot junto em dopiicata, p ar os vancimeotos
dodeitacamanto da villa d Barrelroi, relatival ao
lusz de margo ultimo, conforno solicitou o res-
{.ectivo commandant-; superior cat officio de 22 de
abril proximo fiado.
Ao mesmo.ManJe V.Vi!.. pagar ao arrema-
t^nte da obra do pico di as-emblea provincial,
J;5e Igaacio Avila, a quautia d: I:35i53i2 a que
lom e'.ie direito, srgumlo o tccloso certifieado do
engenUeiro chefe da repartieSo das obras publi-
cas, pela differenca eatre o v i\or das obras sop-
primidas e o das accrescid.-:.
Aomesmx-Mande Vn.-.. pagar aos empre-
zarios da illuminacio publica dsta cidalc a quan-
tia de 913(5203, em que, segando a inclasa coma
documentada, imporlou o gaz ionsumido durante
03 mezes de Janeiro a marco deste anna com a
illuminagao da casa de detenca -.
Ao mesmo.- Nao haver, 1) ineonvonienta,
mande Vmc. pagar, a vista dos docomeotos juntos,
ao padre Manuel da Silva Cid, os vencimentos que
Ibe competirem desde Janeiro at-5 abril deste auuc,
luqualilade de coadjutir da freguezia de Nossa
Saahora da Paz dos Afogados.
Ao mesmo.A' vista do> iaclosos ^ocuraea-
las, manda Vmc. pagar, i: nio houver inconve*
nieate, ao padre Francisco Lopes do Carvalho, os
vencimentos que lhe competirem na qualida 1c do
coadjutor da freguezia do Brejo, a contar do 1 a
20 de outubro do anno passado e de 9 de novem-
liro do mesmo anno ao fim Je marco ultimo.
Ao mesmo.Declaro a Vmc. para os devi-
do? fins que, de acordo com a sua informacao
do 5 do corrente, sob n. 205, J:liro nesta data a
SetieSo de Francelioo Ferreira Crespo, aotonsan
oo a despender na qaalidade daencarregado das
cbras da igreja de Nossa Sen'aora do Amparo, em
Goyanna, at nsficio da 6a parle da lotTia n 9J, extrahida a
favor das mesma? obras, OevecjVi elle prestar con
tas opportunamente nessa Ibesooraria, afim de
poder recober a referida quantia.
4.' sfc;ao.
Officios:
|Ao director geral interino da in3truccao publi-
ca.Cumpre que Vmc. declare quaes os prazos
que tem sido marcados para as professoras no-
msadas, de qae trata o eu offlcio de 2 do corren-
la, sob 141, entrarem do oxercicio das respectivas
cadeiras.
Ao lajj de paz do 1* distri :to da cidade da
Escada. Para comprimeato da circular desta
presidencia.de 16 de abril ultimo, sobre qae falla
Vmc. em officio de 6 do corrente, remetto lhe o
mcluso mappa dos trabalbos que deve ministrar
0) r-raro designado no decreto n. 3,f572, de 30 de
municatao da secre'.ari i da estado dos negocios da
inarioaa, dj 23 de abril ultimo, fui aulorisada a
mCenden',ia a fornecer com a possivel brcvidade
200 cbamines de video para o pharol de Olinda ;
o que declare a V. S. para seu cooheciniento.
_Au director do arsenal de guerra. Dando
solaglq ao effieio deseu antccessor, dalido d; 25
de abril pr,oximo findo, sob n. 613, relativamente
aos vencimentos que competent ao mestre da offi-
ciaa de construceao e reparos desse arsenal, Jos6
Luciano Cabral, teubo a declarar lhe que ao refe-
rido mestre se devera maoter os veacimentos da
6300), que percebia elle antes da publicacao da
labella da 16 de marco ultimo, ate que o Exm. Sr.
minitro da guerra, a cajo couhecimento submet-
looassampto, delibere o coutrario, guardando-
se a elausuh inik'ada ao aviso de 12 da setem-
bro d? 187*.
Ao eogeaheiro das obras militares. Mande
Vmc. com argendia proceder ao retelhamento da
coberta do quartel do Hospieio, com especialidade
na parte corre^pondente aos compartimentos que
servera de arreeadaco-.-s e da alojamentos das com-
panbias, a!lm de evitar-se que ai goteiras, que
appareceram com a3 ultimas chuvas, tragam a rui-
na delles, conforme rcpresonta o Exm. brigadeiro
commandante (las armas em offlcio de hntom da-
tado, sob n. 375.
2.' secr-ao.
Ados:
0 presidente da provincia, allendendo ao que
rejuercu o juiz municipal e de orphaos da termo
de Goianna, bacharel Alfredo Ernesto Vaz de Oli-
veira, resolve conceder-lhe 3 mezes de licenca,
com ordenado na forma da lei, para tratar de sua
saiide oade lhe convicr.
0 president da provincia, attendando ao que
requerea o alferes do batalbao n. 36 de infanta-
ria da guarda nacional do municipio do Brejo,
Jos-.'s Gomes Soares de Almeida, resolve conside-
rs semeffeito a portaria de 6 de outubro proxi-
mo findo, concedcnJo lhe guLa de passagem para
este municipio.
0 presidente da provincia, atteudendo ao que
reiiuereu Ltbaoio Presidio de Oarvalho, alferos do
42*batalb!o da^goarda nacional do municipio de
Seriahaem, resolve, de conformilade com o dis-
posto no an. 43 do decreto n. 1,130, de 12 de mar-
co de 1853, dasignar o batalnio n. 23 da guarda
nacional do municipio de Santo Antito para a elio
flcar aggregado, visto ter transferido para o se-
gundo dos dims municipios a sua residencia.
Offl:ios :
Ao ccramandantc superior do Uecife.Respon-
dendo ao offlcio de V. S., n. 30, de 30 de abril ultimo,
tenbo a dizer-lhe qne, nao se acbando sinda reor-
ganisada a guarda nacional, sobretudo dependen-
to da nova qualificacao, que apenas foi iniciada, a
Domeacio qu; V. S. fez para o lugar de secreta-
ry geral desse commando superior nao pode dei-
xar de ser considerada como provisoria ou inte-
rina, visto como a sen respeito pravalece a antlga
legistacgo.
Ao coromaolante superior de Santo Anlao.
Para os fins convenientes communico a V. s.
one por poitaria desta data designo o batalhao n.
23 da guarda uacional do municipio de Santo An-
tao para a die ser aggrpgado Libanio Presidio de
Carvalbe, alferes do 42* batalhao de Serinhaem,
visto ter para alii transferido sua residencia.
Ao commandante do corpo de policia.Po-
de Vmc. eliminar do corpo sob o sea commando
as pracas Antonio Jose de Araujo Na3cimento,
Tranquilinq Ferreira de Souza e Francisco Ssr
gio Florencio da Cunha, que por motivo de moles-
tia nao podem continaar no 9ervico, conforme so
licitoa em sea offlcio n. SOS, de bontem datado.
3.' $ec$ao.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
TransmiMo a V. S. jaraos finsconvenionte9 asdez
infantaria n. 40 da gulrda nacioaal desta provin-
cia, Antonio Paregrino Cavalcante da Albaquer-
que.
Ao mesmo.Para os fins convenientes com-
rannico a V. S. que era 22 de abril ultimo daixou
o exercicio do cargo de juiz municipal a de or-
phaos do termo de Floresta o respectivo 2 sup-
plente Jose Gomes Torres, conforme participou em
offlcio da mesma data.
Ao mesmo.Coin nunico a V. S. qne, se-
gundo participou o Exm. ministro da agricultura,
commercio e obras publicas em aviso de 21 do
mez proximo passado, sob n. 9, a comecar jo 1
de julho do corrente anno em diante correrao por
conta do mesmo ministerio as despezas com o me-
Ihorameoto do porto desta capital, applicando-M*
para tal tim as verb as contain pi adas com seme-
lhante destino no orcameoto do ministerio da. ma-
rinha para o exercicio de 1874-1875, pelas quaes
tem corrido esse servico.
Ao mesmo.Para os fins convenientes com-
munico a V. S. que em 12 de marco proximo pas-
sado reassumio o exercicio do cargo de jaiz mu-
nicipal e de orphaos do termo de Bom Jardira o
respectivo snpplent* Jose Francisco Cordeiro
de Aadrade, conforme participou cm offlcio da
mesma dat.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Mande Vmc. pagar a Jose Pareira Bastos, procu-
rador da camara municipal da villa de Palraaras, a
qnantia de 50i, correspondents a dous mezes de
alugnel da casa que ua mesma villa serve Je ca-
deia e quartel ao respectivo destacamento, a contar
do 1* de marco ao ultimo de abril deste anno,
como se ve dos inclasos documentos.
Ao mesmo.Transmitto a Vmc. os inclusos
documentos das despezas feitas, durante o mez de
abril ultimo, com osustento dos presot pobres de
outras provincias e sentenciados militares recolhi-
dos na casa de detencao, aiim de qae pir essa the*
soararria sajam extrahidas as necessarias comas
para ter lugar a requisicao do pagameato devido
ao respectivo fomecedor.
Ao mesmo.De acordo com c qne informou
Vmc. em offlcio de 5 do corrente, sob n. 207, o
autoriso a mandar pagar ao thesoareiro da Santa
Casa de Misericordia taurentino Jose de Miranda
a quantia de 3'JGiOOO, em qae, segando eoai?.
'Recominendo a camara municipal da cidade da Es-
cada q je, archivaado a planta qae junto envio,
Dena cidade, a observe strictameote; nao permit
tin io edilicar.49 alguma fora dos lugares indicados
para isso e HcauJo entendida de qua nao pole ser
a mesma plauta alterada sem permUsao expressa
desta pn'sidoncia.
A' camara municipal da villa de S. Banto.
Commanico a camara municipal da villa de S.
Bentu, para seu cooliocimeulo e devido* effeitos,
(foe por aviso do ininistarkj do unperio, de 28 de
abnl proximo fiodo, n. 1,383, foi definiiivamente
approvada a elaigao para jnizos depaze verea-
dores a que se procedeu em novembro ultimo
nessa villa, sob a presidencia do juiz de paz Joao
da Porciuncnla Valenca ; sendo nnlla a que foi
feila ao mesmo tempo no pa>;o dessa camara, sob
a presidencia do 2" juiz de paz Joaquim Scares da
Rocba.
5." seccao.
Offlcios:
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.Inteirado do que expoz Vmc. em seu
offlcio de 8 do corrente, sob n. 137, relativamente
a urgencia com que devem ser feitos os reparos
das ponies sobre os rios Una e Jaboatao, autoriso-
o a mandar farer os ditos concertos por admiuis-
tracao uu empreitada.
Outrosim, convenho em que a pintura daqtjel-
las ponies seja feita na eslaciio do verao, por ser
mais conveniente, segundo declara em sea citado
offlcio.
Ao mesmo. Em observancia ao aviso do
Exm. ministro da agricultura, commercio e obras,
de 23 do mez proximo passaio, sob n. 1, que lhe
remetto por copia, infonne Vmc. com a possivel
brevidade sobre os documentos juntos em original,
e qae dizem respeito a coastruccao de dous vapo-
ies de reboque e quatro batelSes, dostinados pelo
Exm. Sr. ministro de marinha ao servico do porto
desta cidade ; ficaado Vmc. certo de que os refe-
ridos documentos me serio devolvidos na mesma
occasiao.
ca inteirado do expoz V. S. en seu offl-io do 7 do
andante, s b n. 10, relativamente ao acnar-se em
estado de funccionar a linha telegraphica dessa es
trada.
Aos agentes da eompanbia brasileira de na
vegacao a vapor.S. Exe. o Sr. presidente da pro
vincia manda declarar a Vv. Ss. qne flea inteirado
de haver chegado boje dos portos do sal o vapor
Cruzeiro do Sal, o qaal seguira amauha para os
do norte, segando comraunicou em sea offlcio des-
ta data.
Ao gerente interino da eompanbia pernam-
bucana.S Exc. o Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. que fica inteirado deter
essa eompanbia de fazer seguir no dia 15 do cor-
rente as 6 horas da tarde o vapor Pirapamu para
os portos do sol, conforme o seu offlcio de hon-
tain.
junta, impoiton a despeza feita com o trataoiemb* para a dlta provincia.
dos fllhos de volunlarios da patria, recolhidos aos
collegios dos orphaos, no trimestre de Janeiro a
marco daste anno.
Ao mesmo.Ao arrematante da obra dos
reparos da coberta do gymnasio provincial, Urba-
no Vicente Ferreira, mande Vmc. pagar a quantia
de 8532614 a que tem elle direito em virtude do
seu contracto, e da ordem desta presidencia que
auioris.u a collocagao de rnais nove cachorros de
madeira na mesma coberta, conforme se ve do in-
cluso certifieado do engenheiro chefe da reparti-
cao das obras publicas.
Ao mesmo.A' vista da inclasa conta docu-
mentada, mande Vmc. pagar ao bacharel Joaquim
Jose Ferreira da Rocba Junior, fornecelor da ali-
mentacao dos prcsos pobres da casa detencSo, a
quanlia ds 4:888j345, em quo imporlou o forne-
cimento do sustento o dietas aos mesmos presos
durante o mez de abril ultimo.
Ao mesmo.Tendo nesta data autorisado a
reparticao das obras publicas a mandar fazer os
reparos das pootes dos rios Una e Jaboatao, por
prcitada ou administracao, visto serem urgeutes,
assim o communico a Vmc. para seu conhecimento
e lins convenientes.
4,a seccao.
Offlcios :
AoExm presidente da provincia da Barn's.,
Attendendo ao que pede no incluso requcrimen
to o anspecada do 2 batalhao do infantaria Agos-
tinho Fructuoso da Franca, rogo a V. Exc. se sirva
de transmittir-me um documento comprobatorio de
que o referido anspecada assentou praga nessa ca-
pital, como recrutado, no comeco da guerra do
Paraguay, visto nao constar naquello batalhao a
data c natureza de seu alistamemo.
Ao mesmo.Fico de posse dos dous extmi-
plares impressos do relatorio com que V. Exc.
abrio a assemblea logislativa dessa provincia no
dia lde marco ultimo, e aguardo a remessa dos
annexos que deixarara de acompanha-los, por n5o
esiarem prompios, segundo consta do offlcio de V.
Exc, de 30 de abril, sob n. 383, ao qual res-
pondo.
Ao Exm. presidente da provincia do Espirito
Santo.Os dous exemplares impressos dos anne-
xos ao relatorio quo o ex-presidente dessa provin-
cia, Dr. Antonio Gabriel de Paula Fonccca, ap-e-
sentou a respectiva assemblea legislativa na sessao
ordinaria de 1872, e que V. Exc. dignou-se de
remetter com officio de 25 de abril ultimo, n. 73,
ficam archivados na secretaria desta presiden-
cia.
Ao mesmo.Accuse recabido o offlcio de 29
de abril proximo Dodo, sob n. 9i, om que V.
Exc. communicou haver assumido a administra-
cao dessa provincia, na qualidade de sou vice-pre-
sidente, por tor seguido para a cdrte aiim de tomar
as3entona camara dos deputados o Exm. Dr.
Luiz Eugenio Horta Bartona.
Ao mesmo.-Recebi os dou3 exemplares im-
pressos quo V. Exc. remetteu com seu offlcio de
25 de abril proximo fiado, sob n. 49, do relatorio
que o Dr. Joao Thome da Silva, ex-presidente
dessa provincia, apresentou a respectiva assemblea
legislativa na abertura de sua sessao ordinaria
em 10 de setembro do anno passado.
Ao Exm. presidente do Rio Grande do Norte.
Segando informa o inspector interino do arse-
nal de marinna, as daas boias para o balisamento
das barras de Mossoro e Macao, de qae trata V.
Exc. em sea offlcio de 23 de abril proximo pas-
sado, aqua roopondo, vao agora entrar em an-
datjjento o qua i:.io se fez desde dazmbro, em
razao de torem havido maitas obras urgent^' n.
oftlcma de machinas e serdeficiente o n'nmero de
caldeiras.
Aoprovedor da Santa Casa da Misericordia.
Devolvo o requariraento de Maria Emilia Paz, a
que acornoanhou o sea offlcio de 8 do corrente,
sob n 882, afim de qne Vmc. informe tambera
scare* do menor Arthur, de qae trata em segun-
do lugar o mesmo requerimento.
Ao mesmo.-Conformando me com a infor-
macao constante de sen offlcio de 8 do corrects,
sob o. 883, autoriso-o a inscrever no quadro do
collegio das orpnis, para serem admittidas quan-
do houver vaga, as meaoras, Qlhas de Paula Sera-
MS dos Santos Lemos.de nomes Adelaide e Ma-
ria, cuju certidSes de idade vao juntas.
PoUanas : *
Ao engenheiro das obras geraes.Constan-
do-raeque a ponte de ferro Sele de Setembro, que
nne o bairro do Recife ao de Santo Antoaio, ue-
cessita de concertos urganles e apreseata damni-
ficacoas qne, nio sendo reparadas, porera trazem
raalores despeza?, chamo sobre i*to aattencaode
Vmc, a quem recommendo que, attenta a impor-
tancia dessa ponte, de vez em quando a examine,
eproponha as modidas qae julgar convenientes
para sua conservacao e evitar daranos.
Ao mesmo.Tendo o Exm. Sr. ministro da
agricultura, commercio e obras publicas comma-
nicado a esta presideocia em aviso de 21 do mez
ultimo, sob n. 9, quo a comecar do 1* da julho do
corrente anno cm diante as despezas com o me-
lhoramento do porto desta capital correrao por
conta daquelle ministerio ; assim o commanico a
Vine, para seu conhecimento.
Porlaria :
Os Srs. agentes da corapanhia brasileira de
navogacao a vapor maudem dar passagem para a
provincia do Para por conta do ministerio da guer-
ra, no vapor Cruzeiro do Sal, ao Dr. Joao Anto-
nio da Silva Marque-, 1 cirargiao do corpo de
,.iade do ezercito, que foi transferido de ae.-gipe
Sr. pre-
EXPKDISNTB DO SECRETARY).
1.' seccao.
Officio :
Ao Exm. brigadeiro comm mdante das ar*>
mas. -S. Exc, o Sr. presidente da pn vincia man-
da declarar a V. Exc, em resp.sta ao seu offlcio
desta data, sob n. 381 que ficamexpediijs as ne-
cjssarias ordens, para ser trans^ortado aa Para no
vapor Cruzeiro do Sul o 1 cirargiao do corpo de
saude do exercize, Dr. Joao Antonio d Silva Mar-
ques
2.' seccao.
Oflicios :
Ao Dr. chafe de policia. S. Exe. o
sid-mte da provincia manda communicar a V." S.,
ern^resposta ao sou offi:io da 8 do corrente, sob
n. 597. que nesta data se providanciou no sentido
de ser paga pela thesouraria provincial, a Jose Pe-
reira Bastos, a quantia de 502 proveniente de dous
moze3 de aluguel da casa qae em Palmares serve
dj cadcia c quartel ao respectivo destacamento.
Aome'mo. S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda communicar a V. S., cm r.-sposta
ao seu olfl.-io de 8 do corrente, sob n. 598,- que
ne3ta data se autorisou a thesouraria provincial a
pagar ao fornecedor da alimentaeao dos presos
pobres da casa de detencao a quantia de 4:0882345
era quo import.a a despeza feita durante o mez de
abiil ultimo com o fornecimento de sustento e die-
tas aos mestnos presos.
Ao mesmo. -0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. que por portaria
de 31 de dezembro de 1873 foi exonerado a seu
pedidodo cargo de 1" suppleute do subdelegado do
1 districto do termo de S. Banto ocidadao Felip-
pe Manso Santiago ; licando assim respondido o of-
iicio de V. S. n. 2,004 do 21) daquelle mez.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda remetter era original a V. S. o in-
cluso officio do engenheiro fiscal da eompanbia
Ferro Carril.
Ao commandane superior da guarda nacia
nal do municipio do Brojo. 0 Exm. Sr. nresiden-
Kepnrticao da polioia.
t.* seccaoSecretaria de policia de Pernambuco,
6 de outubro do 1874.
N. 1221.Illra. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem re-.-olhidos a casa de detencio
os soaguinteg individuos:
A rainha ordem, Firmino Apolinario da Silva
Ramos, Jos6 Vicente Pereira da Silva e Vicente
Bibianoj Caspar, vindos do Ouricury, o primeiro
como sentenciado appellado, criminoso de tentati-
va de morte era Limoeirn, e desertor do cxarcito,
o segendo, como sentenciado appellado, e o ler-
ceiro,como criminoso de duas mor'-s na provimia
do Ceara e seatenciado a 26 annos da prisSo.
A' ordem do subdelegado de Muribeca. Antonio
Jose da Freitas, como cnminoso de morte.
No dia 2 do corrente, em terras do engenho
Megalupe de Cima do districto de Muribeca, Anto
nio Jose de Freitas, da quom acima trato, assassi
nou com uma estocada a Miguel Pereira, senlo
preso em fl tgrante. Contra odelinquanto esta o
respectivo subdelegado procedendo nos termos da
lei.
No dia 24 de setembro ultimo, na estrada qu e
do Limoeiro segue para a Victoria, um grupo de
ladroes e criminosos boraisiado< no lugar Cum be,
limites d'aquelle term) com o de Pao d'Alho, ata-
caram ao tenenta Juliao, de quem roubaram
1^002.
0 delegado de policia de Limoairo tendo noticia
de semelhante facto, dirigio-se aquelie lugar na
noite de 29 para 30 afim do capturar os delin
quantas e seas coraparea, e encootrando as tres
horas da madrugada, Antonio Jose Pereira, por
aotonaraaria Barbudo, Manocl Peiro e Joao Ca-
lumbi, criminosos no termo de Nazareth, e indigi-
tados como aatores do meneionado roubo, travoa
com elles uma luta renhida, da qual resnlloa sahi-
rera feridos gravamente a praija Antonio Alexan-
dre da Silva e lovemente Antonio Baibudo, que
foi preso, conseguindo evadir-se os outros doas.
Nessa occasiao foram-lh*s apprehendidos dous
cavallos c divers as objectos.
0 delegado respectivo procedeu a tal respeito
nos termos da lei.
Cumpro me ainda participar a V. Exc. que o
preto Joao Grande, de quem tratei em rainba par-
te diaria de hontem, se acha fecolhide a cadeia de
Pao d'Alho.
Finalmente no dia 3 do corrente, na feira da ci-
dade da Victoria, foi capturado e rec ilhido a res-
pectiva cadeia, Luiz Correi Ramos, autor do ho-
micidio praticado na pessoade Joao Vaientim era
o lugar Pedra Fma, do termo do Bom Jardim.
Deus guarde a V. Exc.-lllm. e Exm. Sr. cora-
mendador Henrique Pereira deLucena, digno pre-
sidente da provincia. 0 chefe de policia, Anto
F'-ancisco Qarrtia de Araujo.
dao flrmc | iradnamsr k*jr \i
mil rardoM. don qiMr> Irm Mil <
loerHtoH de proredrarla da
c do Mul; fair da
de sauio. a H d.. e o de Maeel* a V
*/S d. por libra. Mereado de--------
ear quielo. man Brar.
Ilauibur-o S. -I> snerrado
eala rauilo flrar t Teaderaaa-ae
je dous mil e qulahcatux
84.
Havre S. Men-ado de cafe
laoraado i veaderaaa-ae boje 4
aall aavcoa do Btfta kom ordiai
a oo e l rraaeoa. AIrs
ario de Sorocaba a o fraacoa.
Marselba S. -Nereado de care
horaado ; o bun ordlnarlo da
a 9H fraacoa.
Rio de Janeiro .-Carnal*!
i.oiKires S s/s d. baaeario,e M *,'
d. particular.
Btahia o. tambio sobre Loaarm
*6 a h d. banearlo, e 1 a M *,a
d. particular.

Is. 9 30 m. da tarde.Van
paquete portuguez ALMEIDA
Cambio sobre LonJres 26 I 8
c -2>j 5 8 a 2ti 3 i ,\_
nto

te da provincia manda scientiQcar a V. S. que por
portaria desta data resolven ficar sera effeito a de
6 deontnoTo proximo findo, concedenlo guia de
passagem ao alferes do batalhao n. 36 de infanta-
ria da guarda nacioaal de3se municipio, Jose" Go-
mes Soarosfle Almeida.
Ao 1 8upplcnte do juiz municipal de Bom
Jardim.-0 Exm. Sr. presidente da provincia man-
da acensar o recebimento do offlcio de V. S., de 12
de mar; i nltimo, communicando haver na mesma
data reassumido o exercicio do cargo de Juiz mu-
nicipal c orphaos desse termo.
Ao Sr. capitao Antonio Peregrino Cavalcan-
te de Albuquerque.Por esta secretaria se com-
raunica ao Sr. capitao Antonio Peregrino Caval-
cante de Albuquerque, que na thesouraria de fa-
zenda se acha a sua patente de reforraa no posto
de major, afim de pagar os respectivos direitOs.
Circular aos juizes de direito.De ordem de
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, incluso re-
metto a V. S, como solicita o Exm. Sr. con.-elhei-
ro presidente do supremo tribunal de juslija em
officio de29de abril proximo findo, um exemplar
da lists de revisao de antiguidades de jaizes dc di-
reito.
4.' seccao.
Officks :
Ao t* seeretario da assembled provincial.
N. 103.-De ordem deS Exc. o Sr. presidente da
provincia remetto a V. S. para o fim constante de
sen officio de 6 de abrj.1 proximo passado, sob n.
22, cooia d.i informacao prestada pelo engenheiro
chefe das obras publicas ^otire o requerimento de
Tito Livio S>ares, padindo privilegio por 30 annos
para explorar uma linha ferrea a partir desta ci-
dade ate a freguezia da Gloria de Goita.
Ao provedor interino da Santa Casa de Mi-
sericordia. -S. Exc. o Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S., era resposta ao sen officio
do 1 de abril proximo findo, sob n. 805, qae nsta
data se autorisou a thesouraria proviucial a pagar
ao thesoareiro dessa Santa Casa a quantia de
3962000, em qne imporlou a despeza feita daran-
te o trimestre de Janeiro a marcm deste anno com
o tratamento dos Qlhos dos voluntarios da patria
recolhidos aos collegios dos orphaos.
5.* secc3o.
Offlcio? :
(AGBKCIA TELEGRAPHICA HAVAS RKUTEA. )
Fa i-iH s de outubro.As cleirdes
de deputados, para os ronseiuog
gcrncs, iiurcrcin ser favoraveis <-m
g;eral aos candidatos do pnrtido
eonservador.
Paris 9.Am eleicoes dc deputa-
dos aprcscutam pur toilii a parte
maioria eiu favor dos < andidatos
do pnrtido eonservador.
Bcrlim G. O conde Araim, que
foi outr'ora embaixader allcmilo
em Paris, acaba de ser preso, em
segruida a uma vlsita domi^iliaria
feita pela policia.
Londres O. Receberam-se aqiti
noticias de Hespanha que dizem
ter rebentado entrc as forcas car-
listas uma rebelliao t e que, na lu
ta travada nessa occasiao, llcou fe-
rido D. Carlos.
%1MBttr*l %^ ^\%^9\5
Lisboa S a noite. De preseate
acham-se sujeitos a quarentena so-
nente os navios procedeutes de
Pernambuco e do Para.
Rio de Janeiro A. Corre como
certo qne o gaverno brasileiro aca-
ba de contratar coin o Ranco Alle-
iiiao um emprestiino de cinco mi-
I hoes de liinas sierllnas aosjnros
dc seis por cento, devendo o em-
prestimo ser emlttido a 9S.
Lisbon 5 a noite, .Vijiii chegou o
vapor iuglez GASSEXDI, em viagem
de Santa re para Liverpool, tendo
sotTrldo durante a \ iagem algumas
avarlae. Tnmbem cbegou aqul u
vapor NIGER, procedentc de S. Mar-
tin, e foi admittido a livre pratlca.
COHMKRCIAES.
Ijondres 5. -A taxa do desconto
contlnua a ser de tree por cento.
Consolldados de 3 % for account, a
9% 5/8. Fundos brasileiros de S
*/o, do anno de 1865, a too ; ditos
do Uruguay de o % do anno de
i st I. a r,:s ; ditos argentinos dc
O % do anno de 1891, a st. O mer-
cados de cafe vai melhorando. O
nereado de assucar esta qulctn e
os precos flrmes.
New-York S.-Cambio sobre Lou
dres 484. Ouro no. Carrega-
mentos de cafe do Rio fair a tt 1/a,
e good a 18 3/1 cents por libra. Al-
godao median* uplands a IS 3/8 cbnts
por libra t as chegadaa de boje aos
portos americanos, elevam-se
dose mil fardos.
Liverpool 5.O mercado de algo-
(AGENCIA AMERICANA.;
Buenos-.lyres 2 de outubro pela manbi.
Manifestou-se a crise commercial. O ban-
co argentino fecbou as suasportas; algumas
casas suspenlerant jd as suas transacvoes.
Foi aberta a easa do negociaole Llanus,
que a policia tinha fechado. Por ordem da
policia foram probtbidss aos uacionaes at
discussoes politicas. Continuam as pri-
soes das pessoas suspeitas. 0 governo a-
presentou aocongresso e este sanccionoo,
um projecto de credito afim de tirar-so dous
milhoes de duros no banco provinjial. Foi
doscoberto, junto do Parque, um deposito
de armas pertencente aos revoltosos. Mui-
tos empregados publicos foram destituidos.
Tem sido revistada toda a correspondencia
postal e interceptadas as cartes para os re-
voltosos ou por elles enviadas. A provin-
cia de Corrientes sublevou-se tambem. O
congrosso foi proprogado ale 12 deste mez.
Montevideo 2.Xarque: firme, seta
inMHftak
Buenos-Ayres 2 pela tarde.Acaba de
cheg v a noticia de que as forces do gover-
no foram derrotadas pelas dos insurgentes,
commandadas pelo general Ribas, e que es-
te se acba is portas da capital. Grande an-
ciedade.
Rio de Janeiro 6 rfs 8 li. e 50 ra. da
manbi.Vai sahir o WEhSECK para d
Rio-Grande do Sul, levando a seu bordo o
engenheiro Hawkshaw, que vai examiner o
porto daquella provincia.
Lisboa 6 ao meio dia.Sahir^m para
Montevideo as corvetas BELMOSTE e
MAGS'
Rio 6 ds
entrando o
GARRET.
a 26 1/2 luncario,
particular.
Bahil 6 as 8 h. ds matitia.Vai sabin-
do para o norte o paqueto nacional CER-
VANTES.
Para 6 ds 9 h. c 45 in. da manhi.
CbtgOu dos porlos do sul o paquete ame-
ricano SOU'.TR\ AMERICA, que segue a
tarda para .New-York.
Liverpool 5.Algodio : mercalourme:
vendas do hr je 20,000 fardos. Assucar
nao solfreu alteracao; os prc<;os conser-
vam-se.
Londres 5.-Consolidados M 1 2. Fun-
dos brasileiros 100 ; ditos argentinos 9;
ditos orientj.es Go. Cafe : bom, I." quali-
-Jaie, do Rio de Janeiro, 89 ; dito Canal
83 ; mercado calmo.
New-York 3. Cafe do Rio do Janeiro
17 1/4. Agodao mediano 15" 3/8.
Havre 3. Cafe: melhorando; vende-
ram se 2,100 ssccos, sjndo 1,800 do Bra-
sil; o do Rio a 90 e o de Santos a 96. Algo-
dio : as vendas de tioje montaram a l,i(MI
fardos ; o de Sorocaba a 90 e o de Per-
nambuco a 9i. Cacdu do Pari 68 c.; ven-
deram-se 400 kilos. Sahiram para o Rio
de Janeiro e Rio da Prata o laprBELGRA-
NO, e para o Pari o navio EMMLMOEL.
Havre 5.Cafe : venderam-se 2,000 sac-
cos ; o do Rio a 90 e o de Santos a 9C;
chegaram durante a semana ultima 12,000;
o consummo no mesmo prazo foi de igual
numero ; existem deposi tados 142,000 sac-
cos. Algodio : as vendas de boje1 moota-
ram a 2,000 fardos; o de Sorocaba a 90
e o de Perifimbuco a 94. Las : mercado
firme ; venderam-se 300 fardos. Couros;
sustenlo, vendas de hoje 1,200.
Madrid 3.Hoje pela madrugada foi
Vich atacada por 4,000 carlisUs, e defen-
dida voluntariamente pelo g-neral Macias e
seus companheiros d'armas. Aproveitando
a rapida carreira do Rio l.bro, o general
Tortosa desceu com tres companbias de
francos atiradores ate Amporta e sorpren-
deu as forcas carlistas, que fugiram em
debandada.
Lisboa 6. Chegaram os paquetes Ml
GEH eSA MARTIN.
DIARIO DE fKAAMb(JUU
RECIFE, 7 DE OLTUBRO DE 1874.
Moticiaa da Kuropa
Amanheceu liautem em nosso porto o vapor
francez Rio Grande, trazsndo data* de Lisboa ate
21 do setembro. Eis o que colhemos de |onuea a
ortas :
KKANCA.
A l'r-na acaba de porder am dos teas aomeat
de eiiaio mais colebre;., am d.s seas orators*
mais eloquenles, uma das suas mai* gloriosak ii
lujtraciJes lilteraria? : Mr. Gaizot, fallecido na sua
propriedade de Vai Ricoer. com perto de W
annos.
A sua morte causoa profunda eas;ao em loAa
a Europa, pois Guizot gotou daranU a toa load a
carreira de uma fama uaireraal, a teve a forma*
*:
\
V?


TTT
JUii.

I AMfi'i i.f
de Peraambuco Quarto feira 7 de Outubro d6 H?74 <>> Utl3tf1/ 0X/J
de consist*? TffflT rna>a' palavra, pelo sen Lilenlo de c-orAfrJtftt$*MB4
tntiilti njMrtO*". a admtracao me*mri d'arrael
1 es que tMPWtf" oa deploravam a* sua pol'moa.
Guiiot tWroarrma pane muitfo aetiva na cam
pan ha da'1tfW%ad liberal contra as tenieaciit
reacdona^ift'testauracaq, dee grande impulse
aos estudos hiitoricos, tauto pelos seus cursos na
Sorbonna, c. rao pelas suas numerosas e notaveis
obras, e prestou seiflCLrjtelevantiBftmos a iiWlroc
Sao publica, tautg eomo pulilu-iila, como na qua-
I idade de ministro da monarchia de 1830.
A resi lugao, tomada pelo marechal de Mac-
Mahou de substitulra sua projecUda 'tiageni aos
depaitamentos do Meio-Dlaopor nova especie de
grande tuspecglo militar,* 0 assumpto principal
drs discussoes e dai polemlcas dos jornaes fr an-
ceze*. ,
Os motives desta mudanga ainda nao sao jbem
eontiecidos.'lfeas parece que Ihes u&j e estraaha
a altitude do partido legilimista.
Kao se recewva ruanifesnagao algum*, a sao ser
da pane dos amigos d conde de Chambers'; fal-
tava se tambem em umu carta escripta pela pre-
tendeote ao marquez de Franclieu cenvtdanJo os
sens lieis a conibaterem vigorosamente o septen-
oado.
A existeocia desta carta e desmentida mesmo
pela Sr. Franclieu, am a Union, puWicaiiJo o
desraentido do Sr. Franclieu, deputado pelos Altos
Pyreoeus, nota qe o peusanienia da conde de
Chambord, sobre o sapteunado, coma sooro tudo
o mais, uii) era mysterio p.ra passes alguina, e
que o s-m ultimo manifesto ba.-ta perfeilameate
*>*ra destruir as esperancas septeiwaWilas.
0 mareChaJ Mic-Mahoq veie a Parts para
receber o hovo embalxVl.tt lie Ws'Jjftntri, o mar
qaez de Vega de Armi| o. 0- fli-rarsjs recllados
na ceremoma (Ta npre-eoti.t > 11? eredeqeiaes fe-
ram ermtderis:: >- p .- :i a i g a-i le reservi.
0 represesii.iiie ,1. ;a i h i^atlhA ia%OU
dsver caraflcr^aV o al.ufnv d.i feitabelecTjoeiUo
das reiaqoei offiifaes J > jiui paiz'com 1 ftafiija,
dizehdo que e tie irintribafr pr; e euihiyl i da gaerra -ivil
aft'm d Pyreiiem M p"rcsi*.'tite di repttbjica
traueeza evituii e|; p >m p J lie i'Io, e liuwiou-se a
exprirtiir de u n 'ii >i > g!)r.il m si-(\s Votjj pela
uri>sp:.TidaIe 'i i llj<,ian!n. Tj i > o fecurso de
Sie tfabon m)-ir.i ,-y:u,ia;!i a por este paiz e pelo
sea governo.
0 mareehal Mac-Mahon pirlia paru conli-
nuar a sua i!lgrj3sao pel.n departaHJcdtos do norte,
par iado para Lille e llethitue e oiitro>'pOaT.oJ.
0 acolhiiueatu feito ao inaivcti.4 no departa
m:nto do uorte enianta igualmeate >* joroaes re-
publica-tios e os septetiualistis. E*!e accjrd inex-
plit-avcl, i6 pode sujipor um eiro de aprcciiQ'i
ou uma rqatflttcAo tirme de un ou Jo oulros d
e dc^larar.; n 6 iTHetateJ, pois o que podo agradar
aoi repuliheanjs, nao e d certo feito para agradar
U.nbi-in aos p.iindariosdo septennado pessoal.
0 Joinalde Paris e os seus eoliegas sepleoai-
lisias felieilam-se t'~ptcialmenle p>Tlo3 discursos
trocad-s Mitre o presldfute da repub'ic* e as ao
lorida les. O- j iraaes republicauus porem applau
dem se, pois as palivras do Asfu do e-^ladj iali
cam que eilc de-eja e prometle o ine.-mo qua os
rppublicaaos sempre de.-ejaram, propozeram o d
feud-ram aa a do septeonaii-ias, i*to c : a deliutgao alara e a
otgaatswao leria dos pode4'es J: Mae Uahoa.
Aleiu disso, e a prhneira ez, depots d i s^i i el
va.ao ao poder, que o maredi.l appe'lou qoasi
directamente para os liomeas molerados do parti
dj lepubliei.oo, e p)Je-so crer i]ue MaeMalim
sali a be.ii o i|ue fazia.
Toios'sa!)'!!), e o urjpfio mareehal o nil) igoo-
ra, q-i'i os It true n i.aN Mioderados do partido re-
pusli.v.uo nfu dara) sou coscurs i a ousa alsuna
que teuba pir li.n adtar, comprometter ou iiupe
air a funlagio da repuWica.
Bde cfiamanieato deve ser consideraJj coin >
um principle de ilesapprovario da p ditiea dos
fladistia de lodas ?.s cores di?farc>d nilistu.
Os reiultados da eleigao de Maiae-et-L iir.
tia tiuit> siguiljcativos, e saa o them i obrigado d
Ut* as drscassfjis. 0 S:'. Miille cauliJati repa
bUeaao M>Mfe mals do i'j mil votos, Mdtra 2o' mil
^ue t'bteve approKimadamenle o canlidato sepleu-
ualisu e 25 mil o candidate bouapartista.
Foi um Ctieque deClaradb contra o partido i.n
perialista (Joatra o gabiaete e contra o systeim
das caudilaturas officials.
'.ii i bouve porem maijnaabs>lu'.apara n do- caodiJatos e por isso ter-se-ha de recorrer no
vamente a urni no dia 27 de setembro. 0 Sr
liailiu maniera a saa cmdiJatura, e poden coa
tarc'masua elei;io em seguudo escrutmio se
nao iiouver algum cflmpromisso eutre os ouiros
dou-> candidates; mas t;ra de lutar de novo con
tra 94.'andidalura olBeial; ea administrate naose
poupara a e-for;os para veneer a todo o custo.
0 pef ito ji e .mee/.u as hoslilidades, maiilando
proceder contra o candidate republicans por causa
de um dos seus annuncios eleHoraes.
Os j iniaes republicanea uutam oam razao que
nas elei$oesde 1871, o sea einlidato njasfavo-
recido nao oblivera em NLine-et-Liire sonao 2>i
mil votes, t:'.t '|:i lute que desta vez o Sr. fdaille
com a sua prulissRo le fe rraneamJDler-pubiicana,
reuuio i:i:us de 'i"i mil, e deebrsiQ que seji qual
for a ultima de:;-ao do eserutinie, se deve cmfes
sar um progresso enorma da opiniao republicana
u'u:u pai/. em q ie os monarehicos.e os clericaes
pareciam consilerar ate agora con um dos seus
meihores e mais solido- terrenes de eembate.
ITAUA.
0 inittisterio italimo hesita em recorrer a me-
diJas excepcionaes, e per a Si cilia fora da lei.
rVefere deixa' a responsabilidade desses aetos ao
parlai^ealo (;ue lera de apreeiar a neces^idade e
opportaoidade das medidas que se deverao tomar
fera da lei commum.
Entrttaule de toio< Os meios que a lei" lue facotta para me-
lhorar, na inelida de pessivel, as c udi^oes da se-
guranra poblica na Slcilia.
sutse *.
0 governo do cantao de Geitebra prosegue a s.ia
canipanha contra os saeerdotes recalcitrabtes,
apezar do apoio de certas uotabilidades liberaes.
0 governo de Genebra acaba de delituir de
seus curates dezeuove sac--rdotes que se tiuham
xecusade a preslar jiiratnento a censtituicao.
H0LLAKDA,
A situacio da nova cenquisla des hollandezes
em Sumatra eeuliuiia na in sma.
0 coramandante da expedicae de Alciiin, o ge-
neral Van-Swielen, voltou a Eurepa, e a sua cm
quista, islo e, o terrilurio occupado pelo corpo
ueerlaDdez em Atebin contintia bem guardado; mas
a submissao dos cbefes, salvo alguus compromis
s.s individuaes, laz se sempre esperar.
15' porem certo que a politica colonial da Neer
landia nao ces-ara de tender a releccao compleia
da grande ilha de Sumatra, gob a seberania des
1'aiztM-BaJxos. E' o nnico passe a ilar, p r-pi- a
qua$i totalidade da ilba de Sumatra se acha sub
mettida quer direelamtnle, quer sob a forma de
vasfallagern a esta fuberania.
Depois do regrewo do general Verspyk, trata-
se de uma tercein (xpedicao para aca'bar com
a ponta noroe.-le da graude terra da Valasia.
UMLATBBgU.
Tern reito uma ceria seri-aeao o dwearso pre-
nnnciado pelo Sr. Charles Dilke, no banquete da
antiga ordem dos foresters; o Sr. Dilke c depu -
tado ultraradi'al, e umperfeito orador : proDQl-
ciou um disccreo longo e substancial, em que pas-
sand) uma revista a ultima sessao parlamentar,
distribuio a dir6ita e a esquerdar os s*as agu^adjs
gelpes salyncos, item Dan-ja cahir aas excussos
que se podiaui esperar das suas u;..iuw-.< avan-
;alas. Mae poupou na sua maligQtdacle, Itberaes
e conserradores, Gladstone, GusCben, Fersten, J>is
raeli, e o mais celsbres esladtstas de um e ontrn
partido. 0 discurso e vivo, e bnlhante de graea
e de espirito, reclieado de anedectas e dj epi-
grammas, que o fazem ler ccm agraJe Ciegfao
pelas pcsM as que sao inliffereQle as Intas par-
tidarias. Hesume-se em poucas palavras : ie os
liberae- niu tem sido o meihor dos partidos, os
conservadores nso yalem mais do rpe elles. A
sua llieuna dos partidos no Sstado, foi muiio apre-
ciada e applandida ; assevrron qne se os liberaes
uao tem politica, os cenwrvadores tambem a nao
tem, a politica de uns 6 flsar no pnder, a d?s ou-
tros e derribalos; e accre;ventou :
Aausenciade parlidos apre^enta grande.' van-
tagens nos paizes rtgidos pelo tle>peti>mo ; temos
por exeaploa Iiursia, rnde um emincnte.corner-
tador, o principe Gorlch.-k> IT, t.-m dirigido o- ne-
gocius ennngeiros com um exile exlrao'dinarie,
emquanio o general Milli ulme. principals betes des radic es, dirigia ainda com
maior etpltudir o niini?ttrio da goeiran
BH* tlegio ao fneral Miiioniuip, ii5o Ihc dove
agradar n into, aicdaqutiJB pos.-a mppor qOdb
radcuhsmo iu*?o, nao tin. nada de cn-mum
com i. radicalismo do Sr. Duke e feus anjjgos.
ralla-se lambini n,u t n.. d'siurfo IT.DIJD
ctado fir. Exeter pelo cjianceller do E bi.iuler sir
Staff, nl ffortbeota, s.biea jefe*,a da isHa'an
Klicana; mas, por mais hiipoitantes qua seiadi
9.'gutnen'.cs queapie cotou sobre a
gTTca'T.a'e sous disnilentes, ws-.a polemic* nasmYfa"
d#)*r*>BP|r>4 *mm*w**H*m***vm
i rtioen an Catholicism, the nao visssa tc nrwi
fcftlho pela -ciWraste tnire eslas doss pcrso-
uagens. .....
Lori Ripon, ens egiida sue comversao-, arife-
seotou, a sjia d^emijsao.de gran.-raesllre da rnaco-
nana. A demissao foi aceit*, e o malhete vai
ser off*recido ao princpe de GaUes.
Healiso-s bo dia to m meeting na Xm-
BU of Seiner, que foi aMtuitiado em todas as
esqainas por graudes cartaies em que se liaos
est*' palavras :
Na ocosiio eta que vos vao pedir para pa
gar a. diviias do prmoipo de Galles, republic*
uo., peusai em toss a < mulheres e fillios; fee
inuitas vezes supportam tantas privacoes ger causa
dos pesados linpns'oi que nos opprimem, vinde
oovir'o eidadae Bailaug dlter como a nacio e
roubR>J.a e por oudepassaBi todas esta* gotas de
ouro1
Annunciase uma nova tjreve- das faeceaa
de Boltou, por nae querereui potitar ama ro-
dacgao de einco WfOTftwlMlanos. J^echaV
se-tia lodas as?abricas, ficando sem trabalho 11.
rail operarios.
Os operarios minelros de Durham o de Lancas-
hire parecem igualmente decididos a resistirem a
qualquer diiriinui^io.
0 Wesld de 10 de setembro censagra o seu
artiga principal em louvar a geaerosidiie da
raiulia, por tor page as dividas de S. A. H o prin-
cipe de Gille\ seguibio tma socio'do con-elnes-
sobie os deveres dos ren. Este artige causou
uma eerta eneae, piis sob a forma laudatoris
dclle. se ve n allusoes oflensivas e pouce delicadas.
AfQrina se, porem, que as tae (aUalas dividas
do principo de Galles, pagas por sua mai a rainha
Viitdria, sao devilas as despezas feilas pelo prin-
cipe em home da raiuha, come sen represontaute ;
e que o principe coosagrou grandes soramas ao
meihoraraeuto das suas propriedados, e do bom
eitade das pessoas qua Delias traballuiu.
Pelas ultimas noticias das (alias, recebidas
em loglaterra, pode c censiderar a feme com)
terminaia. Resta agora examiaar ascaisas,
ver ale que ponto se poderia ter preveoido, e
como 9o dovera para o future combater seme-
Ihaute flagello.
0 Daily-News observa que se nao trata unica-
monte de promover subscripts em Inglaterra
quande ha uma feme nas Indias e preciso que
os que govcrnem esla vasta regiae temom medl
das p.ra que os rejursos nao faliem de futun.
< Nao teens a prelencao, diz elle, de subtrahir
os indios, as leis naturaes que a no; mesmos nos
regem, mas iusistimea para que tqaelles que repre-
seutam a soberania do nossa paiz tomem as medi-
das n;cessarias para evitar calamidades taes como
a feme de Orissa
Este mesrao jornal accrescenta que a pre3enea
dos inglezes na India mudou de algum mode a
eandieao des habitantes, e que iss j mesmo e uma
razao mais para que sejaru njadados nas rrfudan-
ga- quo se procisa introdttzir na administraQiie
economica do paiz.
-MXEMASIU.
0 ministefia pru-siane vai so completar pela
Donieacao de um ramistro da agricultura.
jufgava-sei|U estt pasta va'ga pela retirala do
Sr. Slchon seria snpprimida, o as suas attribui-
cSes juntas asd) ministerie do interior,
Annunciase qee sera nomeado 6 Sr. Frii-.dhen-
thai, membra fla parlamento e das camaras d)s
deputados, que portence ao paitida dos con.-erva-
dares litres.
0 parlamento allemao tinha voialo na sua
ultima sessSo uma p-oposla pedinio a introduccio
em ted.is es paizes deimperio da legislaea") prus-
siina sobre o casamento civil obrigaiorio..
0 con-elhe federal fez a esta proposla o que
ja tirrlta feito sobre a lei da imprema ; nau ad-
railtio nma lei de iniciativa parlamentar, mas mas-
ireu se dispest) a e!ab >rar um novo projesto so
hre e ie assumpto para ser presente ao' parla-
mento.
Diz o Norddeulsclie Zeitung que o chaicller
deu elTeetivamente as suas insiMUCOej para a
redacQio de um projecto, que baseado sobro a
lei pni-siana, devera adiptar-se as leis esistentes
nos 0utros paizes allemaes ; e assegura que as
repariiee.'s miuisteriaes pruss'aaas a que csse tra-
bilho loi eucarregade se oceupam, activamente de
cumprir a sua missio.
Diz o correspondent de Copenhagne ao
Standard de Lendres que a quojtao da expulsao
d)s snbditos dmamarqucrcs do S.-hieswig septen-
triouil toma um aspecto serio, e que a opiniao
publica na Dinamarca exige represalia?, fazendo
expulsar os suudilos'allemaes do territoria diua
marqaez.
E-tis ameacas, parece porem, que se referem a
um facto nnico, e 6 a expul-ao di. um enspraxado
de uu jornal da Ilba de Alsen, convict) de fazor
em lernlario allemao propagnia ultra-dina.uar-
queza.
iNao se dove pois dar muita imporiancia a esUi
quesiao, que carece de ser conlirmada.
No graoducade de Hesse o governo acaba
de apresMtar as camaras uma 9erie de leis regu-
lanio a peslgae da clero.
Bslaa leis, em numere de cinco, sao calcaias
sobre a legislaijae prussiaua : referem-se ao di-
reit) cenlessi mal, ao abuse da aulondade accle-
sia'lica, a eaucaeao des padres, e as corporators
religiosas.
lieunie-se em Fribourg o ceagresso des ve-
Ihos catholi'os.a que as isli am mais de tres mil
pessoas viadas de tedos os peates da Allemaulia
e de estnngeiro.
As suminilades do movimento velhocatholice
t imaram suecessivamenle a palavra para experem
a es-rucia de velho-catlioli'isme, e a sua razao de
ser em vista das usurp icoes do \ratican>.
0 cengresso name- u uma co:nmis>ao que sera
encarregada de promover subscnpc-oes vo!untaria->
destiuadM a propaganda da reforma religiosa.
A asseroWea separou-se, acclamandoo bispo Hein-
keos, elkfe hierarchic) dos velpos catholices da
Aliemaniia.
0 governo prnssiano acaba de tomar uma
meJida r.nl.cal a respeito des r*ligio;os e religiosas
de oacieualidaleestrangeira.d imieiliados na Prus-
sia, e exerceule ahi funcraes ecclesiasticas : -
Serao tndos, sem excepjao, ejtpulsos do te:ritorio
prussiano.
Esta mediJa acaba de ser ?ppiicada, a dez frei
ras do convent) das damas earmelitas de Posen
A superiors, viuva do principe Vitold Czirieryski,
foi cenduzida a Pel ma pa.- seus d vis irmaes e
seu cunhado o principe Vladislau Gzartoryski.
As relaeoes amigaveis eutre a casa de Bo*
henzollern, e o rei da Wurtemberg foram sella-
das por um banquete dado pela mumcipalidade
de Heilbronn ao rei e ao principe imperial.
0 rei de Wurtemberg levantou um bnnde ao
imperader e ao prmcipe ; este respondeu brindo
ao rei que poverna um paiz cuja hitoria sem
pre tem prevado a sua lidelidade a Allemanba.
Recenheci com alegria, continuou o principe,
que oj)ovo wurtemburguez, segundo o exemplo
do seu rei, r )nerva a sui fe ao imperio cenfor-
me a vellia divisi de paiz.
0 ex-rei do Aanover deixou sua resideneia
real perto de Vienna, para fazer uma viagera pela
Eurepa. Passou incognito per Paris, e a:ha-se
a lualrtente em Inglaterra, cuja. famiha real rei
nante e da casa dos Gnclpos. Vai acempaahada
..or sua tiiha a priineaa Frederica, que se dizia
dostinada a casar com o sexagenario duque Gai-
liierin &.'. B un-wiek, afim de perpetuar, cam
grande desgosto da Prussia, a liaha soberana u >-
duques de Urunswick.
. Mi'-turava-se oesla inlriga o nome do Sr. Win-
dthorst antigo ministro da rei George, e deputido
d) parlamento a lemio.
Parece poreci que o Sr. Wmdthir-f, nao cntri
nesta intriga. 0 Sr. Wiudth r.-t f )i o n gaciador
da traasaccio feita entre a Pru=sia e a casa de
Hanover, par meio da qual esta ultima lizera ees-
-au ie todas o- s&as direitas a corua e aos seus
domiuios ; em troca de uma eomma de dezeseis
uiilhoes do Dialers em capitaes e em beus ie raU.
E' vcrdadt, porem, que esta sommafoi seques
trad* em consequencia de rei Georges, depois de
aasignar a sua abdicaeSo e ter organisalo a cele-
are legiae lianovenana, que foi desanuada em
Fraaga,
Oa bcn3 seqastrados formam lieje pat to dos
fundos it:retj da Prus;ii. iu fuudoa dos repiis.
.USTBJ-ll'S'ii'IA.
0 impcrador d'Astria cliegou no dia de so-
:eu i,ro, a uoitc a Praga, acompanbado per uin
sequite pi^uco nuui6fQflo. Foi uo dia segumte que
leve Ipgar a recepcao oXQcud dos curpos eons-
(Ituidus oa presenca u'uru u.iuistre re.-peatavl.
O lexto das j.lloeuQ.O"s que te pr,punhau dingir
ao irqpt-radqr, foi previan ente .j-ado pelt) gover
r do reino. 0 irupcrader tesp^Jidqu evitande
tida as alliudea z p. Mua ,i) i/nperi#.
0 pbnu da ari.-i c acia f U-r. 1.-i* dos veibos
|uu#, de se a| ro'eiiireui da prasen^a da
, i.il. .'-fei .p ira !i.U',.iaJiri;ii) i;;,jjauc>"-
;,li;3 hi politica de paiz, fJlwu' cuiu;
ISleole.
Erptrrtaat1 a :t senca di lobaraen na B-^siiia.
rt-o I'Jngo tempo r&cotada, sera acolhida come
um ponHor le recancWicii). A sitmcio'.^
d* P.isleithania resenlir se ha iavoravelivmo.
mo'faa*- tmMfageus e sem resoastas ofjiae-i
; .*, aitiwte da pnpularin sware a i'a S'ttwraaij, derreteu cen.plelamente os
d rWr>l1*st)ir*)dS. Vs*
O a Ho clsra entretanto nao deixon passar-igip
occasilo sem fallar das perseijuicSej da igreia. X)
cardeal principe de Schwar-2emberg, re;ordou ao
impeWer i'vm tnodo pouco respateso a#fre
nieneia da^Bff sob a sua aJla f roUfgao
catholica. Bnjperado* com o lactf prfe
deve a Idapn provac^fcs, recpou leu ao pr
que sempr* proiegeu, quanto possivel, os iat
ses da ifirajB ; que se nom iemp.-e const,
fawr o qua desajava, hape.lio pt\, mtio
ceusas qua leriam podiik) caasar grandes e
prejuixo*B igreja.
0 antigo dictadar da Haugria Kossulll^'
ha vinte anms enta'afa^tado do sea paiz,
de dirigir um novo manifesto aos seus cidadaos.
Pode a td|i iraca) c-tiupieta das duas molades do
impeiio de llibsburgo, e a revogavao do piiclo
dualism. Rossuth rmimi aos chefes *t oppo^lb
e eapecialmedle ao Sr. Koloman Tisza, que se
reunam' tedos e form-im um grupo compacie para
derrotar o paA8VP*Ai
Per este rueto' promette uma gra de gloria e de
prospendade a Uuoglfa.
Este manifesto foi acolhida na Hungria com
muita frieza, pois as hunf.iros actudmente oc
cupam-se mjnos do passad) revelucionario, que
Ao 4)rsentfl carregado da embaracos, a do futuro
que e perinjltido a ^-lungria aspirar e esperar.
0 imperader d'.Austria rlrrigio nma carta ao
governador da Bohemia, barao de Wtber, para o
encarregar de trau-miiUr a populagao do reino e
esaecialmenle a da capital a expmssao dos seus
seoiimentos. A carta resente-se da sorpreza que
este soberano experimentou, veado-se objecto de
sympathies Uo demonstralivas, n'ura paiz que,
ainda recenteraente, era coasiderado coma o faco
des descontentes e dos partidos coiligades contra o
regimen onslitucional.
A carta imperial c curta, mas cordial e commo-
vida; s desta vez a imperador Francisco Jose teral
da sua excursae feita no sen reino bem amadotdr
cordacoes isentas da todo o pensamente peuivel,
e a esperauc* de uma reeouciliacao possivel dos
tcaeques com a ordem eslabelecila.
nussiA.
A mprensa olliciesa de Berlim lisungeia-se de
ver valtar a Itussi i de sua recusa de reenbecer
o governo hespanh >l.
A Correiponiencin Provincial assegura que a
ligeira e temporarta dilTerenQa de opiniao que
sobre este assumpto existe entre os dous governos,
em nada alleetou a suas relaedes amigaveis.
I'u correspoudenta da Gazeta de Coloma (az
uot.ir que pelas feslas do casamenlo do gran-
duque Vladimir, o imperadir Alexandre fez um
ajelhimento aff.ivel ao representante uiplemalico
da H.'spanha.
A felha ofTbial rus-a tocando na sua revista
politica, na questao Itespanhola, exprimia-se de
mode que fazia supper que a Russia nao lomara
uma resolucao bem determinada e que ainda de-
seja orientar so primeiro sobre a situaijao tao per
lurbaJa dos negoeios hespanhoes.
0 imperader da Hus-io. na vella das saas
excursoes ao oeste d Europe, nao se demorou
muili) em 8. Pelersbiwgo. Depois das voltas de
seu lillio mais moco o graa duque Vladimir, foi a
al"se jw, onde a su'a present foi festejada esplen-
dida e enthusiasticamenle.
De Moscow o imperador foi direclameote a Ni
eoliinw, donde embar-.ari para a Crimea, e vira
reunir-se a Imperatriz, na sua volta da iliia de
f Wight. '
TL'RQUIA.
0 governo Ottoman) resetveu manter inlacla a
sua autoriJade, e fazer respeitar as leis pelos
ha.isounitl.is, apezar das reclamacoes e interces
sees dadiplomacia catliolica.
O Porla, em conseaueucia da guerra da Crimei,
foi hbertada des emba.raco* de um preteclarado
das petepcias catiulicas ou orlhodexas sobre o<
seus preprios sub Idas. Aproveita se, peis, desta
circunstancia para eslabelecer as cousas sob
seu ponto de vista. O clero ultrammimo foi o
iutimado a ligarse com os catholices do Orienle,
|u;. se separarao da supreoiacia remana, ou
perderera e direito a priteegae do geveruo para o
sea culto, a sua jerarchia e as hi is igrejas.
0 bispo llassouni^U da Trebizonda, que apezar
de gravemeota doente, liavia side ullimamente
expulso pela for;a anna la, ooorreu no dia 6.
Os lu-sonnistas recusaran se a obedecer ao
divan imperial, que exigia que prestassem jura-
mento ao bisDe schi.-malice, c pretestaram contra
a vielacao da liberdade de consciencia.
CHINA.
O embaixador japoaez em Caha chegou a Pe-
kin A opiniS' publica e fav.iravel a uraasolucio
picifica das dilUmldades eiflre a China e o JapS-jf
relativamenle a questao da ilba Formosa.
Carre o boat) de que a questae sera levada a
uma arbitragem dos EstaJos-Unidos ou da Italia.
0 Times publica um despacho de Berlim annun-
ciando que as trepas de Ya;>ub, emir de Kishga ,
cainmandadas por seu liilto, derrotaram s ciu
nezes n'um eembate empenbaJe nas fronleiras do
Alto Tuikestan.
IIKSl'.YMIA.
Sobre este paiz escreve o nosso correspon-
dente de Lisboa :
A questao d i supposta cessao do Porto Rico,
torn sido ainda assumpto obrigado para a discus
sdes jornalistic s entre as folhas de Madrid. \
Ibeiia de hoetera dizia que o givern) obrara con-
forme a digmdadc nacional, e defendera sempre a
integridade da uacao, quoim indo ate e ultimo car
tuchoe derrammio ate a ul:ima gota de san-
guo.
Accrescentava que os hespanhoes nao tem ne-
cessidade de soccorr'sestrangeirespara veneer os
carlislas, mesmo no case de elles augmenta-
rera.
Per noticias de ha doas dias saba-se em Lis-
bca queo general Pavia rompeu as posigoescar-
li-tas em Pebieta, e Ceguella no Maestrazgo. 0
carli-tas fugiram. 0 general Lazeraa fez um mo-
vimento sobre Solana para preteger um co nboyo
d- viveres quo chegou a Pamplona, occupando as
aldeia3 de Ucana ate os Areas. E-'tas noticias sao
ofDciaes e publicadas na Gaceta. Os carlistas eva
cuaram La Guardia. Detiveram dous comboyos
na linha da Murcia, sendo feridos alguus pa-sa-
geiras. Cortaram alem disso tres ponies.
o 0 general Serrana prejecta marcbar sobre
Alhama de Aragao.
Sobre as tropelias do3 carlistas na linha ferrea
de Murcia, sabe se que foram queimadas por elles
duas estacoes e cincaenla wagons da dita liana,
que cortaram o telegraph a, arremecanda depois
tres Iocomotora3 a todo o vapor, sobre o eomboyo
Je iropas. Ameagaram fuzilar os empregado* da
linha de Alicante a Murcia se continuarem a fazer
servjgo.
i Tambem ha noticias das praetas das carlistas
da Navarra, oude cortaram os tres mencionados
panlas da linha de Tafala a Pamplona.
a 0 general Meriones am-aca os carlistas do Car-
rascal.
a E' hoje facto averiado que a Politica, felha
de Madrid, foi que proveceu a ultima cri-e minis-
terial e a demissao da general Zavala com as suas
diarias e ace bas aggressSas contra o ex-genera
em ehefo do exerci'.o do Norte. A linguagem da-
quelle autorNalo periodico e tendeate a solicitar
a iuterveugio armada das potencias estraageiras
para acabar com o carlisme, justilicaalo esta re-
solucao com o procedimento da Franca para com a
Hasp'aaha, (procedimento quo o Imparcial nao du
vida qualifier de torpe.)
De Mirania do Ebro cscrevem em data de 6
do cerreute a uma felha de Lisboa (crta que so
hcje foi publicada), quo o reabastecuneato de Vic
tona esta sendo presentemeute para o exercite do
Norte, o que Tolasa e Ogarzan faram para a co
lurnna do general Loma por espago de icuitos rae-
zes. Ja marchou para Victoria um i.ova eomboyo
de viveres. A oporagao foi levada a eabo com o
mais fell/, exile. As trop.-s. para proWgerem ;
mareba de eomboyo occuparam Puebla, as Con
chas, as atdeias e as eminencia sem eonseguirem
por a vista em cima des carlistas. Esta operagao
que poz em movimento uns 14,000 nomens, tem
interest pelas c msequeacias que dull > se podera
tirar. A priraeira consequencia e o e3tado destas
provincias. Os habitant?.*, a despeito de tudo
quanta tem sollrida por causa do prelen Jente, con
tinuam a ser hostis ao exercito liberal. Os gene
raes uao se atrevem a dar um passo sem um
grande do-envolvimenlo e apparato de forgis.
Laserna, por oxeraplo, nao se aventurou a reabi-
tecar Victoria so com at forgas me tem em Miranda
do Ebro. Mandeu vir d.) Logrono mais 3,500 Uo-
ii.'us. apezar de saber que a roda de Puebla havia
na vespera so tics baialbues carlistas. 0 iervige
de espjooageui e imperfi/iiis.-imo, porque os oatu-
ra-is do paiz ^un podiam desempenhal o, aao, na
sua giande maioria, carlistas ate a medulla des
ossos. AinJa Ii. dias o che,e carlisu Perm* paa-
sou aseis kilumetro's d)s postos avancados de M>-
rinnes, sin este dar por is . .'. it.o- frequriiton rcabastecimentos de Vict-i-
tuafSo da cidad,
siluaci) e grave.
Nio'iftIMM <^
listes and
Em
si).'-; a
sa mesnS
que 6 a
muitos-
a. 8 a si
Esa
mnl#Jevar a Vi ;tena as muotfd^a.- c material, de
(fjk %uarmcio carcce. E' iw^4iSno igaalmen-
jjrottcaver contra .v- e-emualiJa-lBSjunissedio,
^poxiin) inve.-aa, umacid4feTf tent multos
Ornnires de almas. Para queOfibftria se veja bio- [
queada pelos carlistas, hastaria que as operacdes
da guerra afastem de MiranJa o exercito .do Nor;.
to. Si pravls.io ue*B^rMMp)ute-Jr*TpHF
maior quer esiabeleceSnaqaK eididealguas de
posites grafeies Jo viveres e o material de guerra
soflic:eate. Segund) dia o ^eoeral Lama, os car
ja tratand) de itolar Victoria, o qae
s os habitantoe.
offlciaes e assunpto Je vivas dijeus-
gao de no-o geuarale n chafe, e nes-
estao se sente o espiriio de partido
a de Hemnl.a eoaiemporanea Hi
s generHwaiMMiguidade suffl-
ciente para exercer o cargo conll.il.) ao general
Laserna, uiasueaUum tem posto superior a taoea-
|e general Em campsasagao nas ha oonhum
tjuii rrSo tenha a sen dafeito. Para os raulcaro, se
e allensine; para os affonsinos, ae e radio*!, para
uns e outros, se e s:mplesmente progressita ou
ciad\la-A)7Xl. \ZA
i N'este sentil) Cinlinua o c:tado correspon
dente :
Em algumas horas tenha ouvida elevar as nu
la
UKVlttf
. As caulumeiras allemaes foram muita
recebidas em Bi[bio..
0 bei do Tunis co rei de Diuamaria es'.ii) dis-
pastas t reconhecer o governo de Hespantia.
Coasideram-se Insuperaveis as dilBeuldades
para obter um parlamento que exprima sincera-
mente a vantade. nacieual, julgmla-se que signi
Acariaagofaapeoas a im?osiga> de um partido,
quanlo nmhum tarn ferpa moral para manter a
sua obra,.
D. AITjbso continua em Segorbe, diz-se que
desprestigiado aos olhos de seas sr>ldalos que nao
igmram qae D. Carlos desapproveu as operagdes
e.nprehendidas peloirmao, priucipalmeute o aban-
dono de Caotavieja.
a Asse^ara-se que D. Carlos deixara a Bitcaya
ea Nivarra. 0 b talhao bis-:a>nho grita viva
a paz I raorra rlos VftW* *'
a Os carlistas foram balides em Jativa. Nas
veus a criticar amargamente Eciagu i, Martinez
Campos, Qiesada, Pavia, Loma, Meriones, Laser-
aa ; a ta! peule qua atrevi-me a perguour a mim
mesmo se ni) seria melbarmaadar vir de Cuba o
irmaoTle B. Manocl Goucha,marqaez deli Bm-
na. Una unica nemeagao terialalvez a approva-
ca) da niio ia dos hesp.inlies*, a do duque da
Torre, tomauda este para seu ch^fe de estada
maior o general Meriones. Esta resolu;ao seria
popularissima e uao poderia ter outra c-.-nseqtien-
cia senaa a demissao dos aljasiuos mais obstina
do'.
0 certo e que o resentimento delles palo dee-
fecha que teve a crise ministerial, cega-os. Pro
phetisam alto e bam som uma existeocia ephemera
ao gabiaete S ig.isla. Parece sem embargo que a
queda deste ministeria nao redundaria em bane
licie das affonsiue-s; pelo contrario. Os raJi;aos
saa os que mais probabilidades t !in de succeder a
e.-tasitaa.-ao E para que, veja-se a poaca ceremoaia
com que a imprensa puramenle radical aceiheu ao
novo gabinele.
0 movimento dos generaes & tambem sympto-
matic). Os aiToujiaos demittom se e queixara-se.
Pelo contrario, os radicaes, como Prime ds Rivera,
Pavi*. Burgos e Blanco, voltam de Madrid carrega
dos de I'uac.'o.'s imp .r'.antes.
.N.i i ha partido em Hsspanba que nao tenha o
seu estada-maiar militar e palilio, o qual surge
sempre que o vento 6 [ Uma das maiores cauats da debilidade do par-,
tide repu!i!ioauo hespanholjdizem alguus, e decer-
t) tile uao ter generaese ter poucos cbefes politi-
C03.
E' verdade que quem pensa deste raodo, es-
quece-.-e d'uma cousa : quo os nomens da rerolu
g.o de setembro sao susceptiveis de passar a re-
publica. Talo depeodera das probabili Jades da du-
ragao que ella tiver aos oloes desses hamens e da
prudencia dos republi:anos
Coafirmam-se as nomeagoes dos generaes ra-
Jicaos o falia-se em dividir o exercito do norte em
tres c rpes para alacar a Navarra, Alava e guar-
dar Logrono om os generaes Meriones, Cebalos e
Lima.
Coraegam a cuegar reforeos ao Ebro. Entra-
ram em viiranda mais does magnificos balalhdes
de solda-Jos novas e esperam-se ainda mais.
Uma carta recent ssima de Estella resume as
sim a situacao militar no neru de lies anha.
c A data de 12 de setembro, o exercito liberal
achava-se ennceutrado era Larraga, Ta^aUa, Lerin,
Lodosa, e linha de Logrono a Miranda e Victoria.
Os carlistas occupavam a roda de Estella tod a
a linha de Puenle la Iteina a Villamayor por Abar-
zuza. Solana, Allo e Di.-cathlo.
a Alem disto, para cjulerom em respeilo as for-
gas disnersas entre Logroao e Victoria, a divisie
Alvarez occupava a Rieja ate Penacerrada e as
planicies de Victoria por 6alvatierra e Vitlareal de
Ala-.a.
t D. Carlos decrelou a instituigAo de esc das
mililares nas previucias doNirte. Tedos os ac-
tuaes oCQciaes do exercito carlista serae sujeites a
exames, cujo prograuima variara couferme a ar-
ia a a que perten^am.
i Os que forera reprovados ira> estudar nas es-
colas ou serae passados para o servigo de guar-
nigio
a 0 quartel general qae ostava em Puenta la
Reina, ia ser transferido para Estella >
Os penodicos inspirades pelo Sr. Sagasta dizera
quo se nao pensa por ora em convocar as cortes
Sem embargo, as folhas affeclas aos Srs. Ortiz e
L'liO.i reputam inevitaveis as eleigSes. t
As facgoes commandadas por D. Alfonso e D
Branca sahiram ha dias de Viuaroz e apresenta-
ram-se hostilmente era Bronte de Castellan para
onde tem couvergido, cam as suas guernlhas, os
cabecilhas C-Tredo.-, Viscarro, Serra Mereno e Cu-
calas pai e lillio.
Este ultimo tem as.suas ordens um batalhao de
zuavos que antes de seguirem seu destiua se con-
fessaram e commungaram em Villafaines.
a Castellon conta com excellentes meios de d
feza.
t D. ACfonso e D. Branca fogera da persegui^ao
do exer ito do centra.
c Lopez Dominguez sabia, (cemo julgo ter-lhes
dite na minha ultima) de Puycerda com a seu
quartel general. Alllnna-se que as suas tropas
alcan.ar.im mais um triumpuo assignalado.
0 general Reina bateu as guernlhas de Villa
lain.
i Tende pedi Jo a Garibaldi um amige deste que
dirigisse ou promovesse a fermagao d'uma legiae
ii ilima que viesse a Peninsula ajudar o governo
de Madrid na guerra contra os carlistas, o illustre
caj mil i liberal respondeu com estas palavras:
a Cruio que seria bem recebiJo pela povo bes
pauhol, mas ufn pelos quo governam actualmeute
em lldspanha. 0 que passo fazer e dissuadir de
semelhantd projecto os nossos' carreligienarios.*
t TeJas as noticias recebidas de Berlim dao
mi a n gravidade a aggressao de que os navios
alle a i 'S foram objecto da pane dos carlistas nas
COStas da Hespanha..
a As folhas gevernamentaes consideram gravis-
sima a situagae. Devia reunir se o conselho de
ministros sob a presidencia do imperader .Juilher-
me, par., tra tar deste assumpto.
t Os offlciaes das canheneiras allemies tem vi-
sitado as fortincacdes' de Bilbao.
< Os carlistas lizeram descarrilhar o comboio da
liuha de Alicante. Muitos sao os feridos.
c A duqueza de Madrid, a quem foram dirigi-
das ullimamente algumas insiunagdes no sentido
de aoandonar voluntariamente a villa que haoila
em Pau, de -I ir u que esta alii dedicada unica
nienle a obras de caridede, e que se as autorlda
des francezas a do3pojassem a ella sobrinha de
Henrique V, da resideneia que vio croscer Hen
rijue IV, nao permane-eria era nenhum outro
ponto de Franga e iria pedir hospitalidade a In-
glaterra.
c Peiorou outra vez a ex-rainha de Hespanha
D. Maria Victoria, cunhada da rainha de Portugal.
0 seu estadoera gravissimo hontem.
a Dizem de Bayena que os carlislas cenlinuam
a introduzir pelo ilidam > em Hespanha tudo quan
to querera. As auloridades francezas centinuatu
a tolerar estes factqs I
< Um telegramma de Perpisnam, publicado nas
folhas francezas, diz qae ua carlistas faeein gran
des preparalivos para deitar fogo a Puigcerda, e
que Saballs so espera pelas orJens de D. Carles
para por em pratica o seu siaistro e iafarae desi-
guio.
A guerra do uorte recomecara logo depois da
piano de campanna.
. Derregaray, ihefe carlista, foi demiltido em
resullado das exigencias dos clericaes intransi-
gentes.
A Gacela aulrmava ha dias que os carlistas
deixaram 20 i feridos ao fugirem para as mania-
uhas de Cabrillas.
Foram mortos 11 carlistts nas Broximtdadss
do jaminho de farro de Alan a Sant.nder.
Sab ills fuzileu a mulher de um liberal, ma
de 3 Qlhos e na seu estade interessante.
0 conde de Charabord ira a Madrid, como em
baixador francez, no fim do mez de setembro; o
marqnez de Vega Armijo, ministro bespauhol em
Pans, tem -ido aaqueHa capital objecto da? maio-
ros atlenijoos.
Em vntule de rxclamagoes do embaixador
Uespau ml era iiruxellas c ultra a remessa de ar
nas para os carlistas pur um navio de Anturpia,
e governo belga deu ordem para ser orab rga Io o
navio; mas ja este havia jwrtido de Antu-rpiu.
a E' curiosa a saguinte abservacAo feita pela
Corrtspondencia PraaituUU, folha de Berhai, af-
fiangaula |Uo o gtneruo liesoaabol, grsgas a for-
ga unr.l .'.o rejioubeciuiHOto das piitenttHs, aaeoa-
t.ava ja na uaoae nespaohola um apou ixiais vl-
goro.t>.
b 0 delegad) do minisiro da raarinna d.. M -. 11
eatttt de Catalunh tiveran 37 mertes. ?abri-
earn por di* 15 (equates ficeu Jiarios, empregando
dynarafte.
A attitude dat olhas se;ni-o!liciaes da Vienna
d'Austria, com relagao a carta do czar a D. Carlos,
testemunha que a Austria nao seguira mais incon-
dicionalmente a Prussia na questao bespanhola. Os
jornaes sis uaanimes em declarar qae a carta do
czar proInzio desagradavel iinpressao na Austria,
e dao grande import nc a ao facto do embaixador
hespannol ler sido recebido sem ceremonial.
a 0 Quartet Real, folbi carlista, diz que 03 pri-
siencires em Abarzu'.a estao bem trata J is, e que
sao empregados nas obras de fertilicagao em volta
de Estella, e tem sido va-lidos e calgaios pelos
carlistas.
a E' possivel, mas nao 6 provavel !
A Gazeta publicou a coramunicagio offlcial
feita pelo coramandante das canhoneiras allemas,
e o inquerito a que, a pedido deste, se procedeu
em Ijuetaria par* avenguar a verdade dos factos.
Todas as lestemunbas chamadas sao cancer Je* em
dizer que deman laudo as canhoaeiras a easead i
de Gastetapee approxiinande-se dos rochedes a E.
de S. Anton, uma partida de carlistas, occultos
per entre as rachis, fez fega sabre os navios, que
vendo ista, arvoraraui a buideira hespauhola e li-
zeram alguus tiros, dirigindo depois o ruina pa-
ra 0.
a A communicacao feita pela u.ii;ial allemao ao
almiraate hespanael, caramandaate da esquadra
do norte, termina iom e a Posso assegurar a V. Exc. que era harraonia
com as minhas instrucgoes, por nenhuraa (orma
houvera tomado parte ue.-ta lameatavel guerra ci
vil; porem quaudo vi que se fazia deliberadamen
te fega centra no;, tratei de orejpouder ao ala
que.
As nossas canhoaeiras passarara, seguoda vez,
proximo da c-sta, e mostraram que, quanta nao
sie atacadas. limitara-se a cumprir pacilleamente
a missio que se Ihes couli m de preteger os iule
resses dos subditos allemas.
a Considero o facto sem importation e ni) faria
mengao delle, se nao teraera qae e Czessom com-
mentaries e se dessd uma falsa intorprelagao ao
nosso procedimento.
i Em Madrid espera-se qua 3e active de novo
a agitagae dos partidos quaudo alii chegarem os
Srs. (ias ellar eZ)rriHa.
Diz se que o duque de la Torre, parlira a ias-
pecciooar a situajao militir do exercito do norte,
oude a lenga inacgao mais tern permitlido desen
v./lver as paixoss e rivalidades palilicas entre os
generaes, que mais sao nomens de partido," do que
soldaJosda patria e da liberdale. E' este o gran
de cancro da llaspauha. Nao se nomeiam os off!
ciaes mais capaz-s ; nomeiam-se os partidarios da
siiuacao que domiaa. Agora, como aciraa obser-
vai, parece que ebageu a vet aos generaes radi-
caes.
t Os affonsiaes esiia pistes de parta.
I'aaTUGAL.
En 2i escreve o nosso correspondenle de
Lisboa:
t Centitraam as acquisigojs de armamento;
miior nuraero de canhoes Krupp tem o governo
portuguez encomineadado, bem como annas por
tateis desmelh.res -ystemas. E-p-ra se tambem
in- torres biinladas pain Aden da barra de
Lisboa.
a Para fazer face a estas despezas, as que nos
vaoeustar as corvelas e transporles eneommenla-
tlos em Inadres, as da construcgao da vastissima
prisao penitenoiaria de Campolide, etc, etc, vai o
governo contrahir um emprestirao fora do paiz,
pois seria absurdo que proseguisse no depleravel
systeraa de Jesviar e allrahir os capilaes dos ban
cos portugaezes.
a 0 Banca Popular Indepeniencia, sociedade ceo-
perativa de credito, responsabilidade limitada, ja
fez a primeira chamada di subsoripeio da la se-
rie da 2' emissao, exclusivamente coberta p. r
funoci maries public is. Na2- serie paierao c>a
tribuir p-ssoasque nao perleneam ajuella elasae.
Mais de i,000 ac;i3es de (IOjOjO) estao subscrip-
ta-.
t 0 minisiro dos negocio- ecclesiastic )s e de
justiga vai reunir as freiras das diverses convenlo?
Je caaa districte, n'uat so couvento. Parece qae
os do di'tricto de Coimbra irao para o convent>
de Santa Clara, que c um das mais vastes c bem
locaiisados.
Tem sido presos ?ar!os carli-tas na fronteira
portugueza.'
Falleceu nos arredores do Lisboa, (Torres V e-
dras) o marquez de Lavradio, antiga samraidade de
partido legilimista.
t Era s Sr. D. Antonio de Almeida Portugal
Soares Alarcaa Mello Castro Alhayde Ega Masca
renhas Silva e Leacastre, 3* marquez do Lavradio,
8 conde de Avintes, e um dos mais respeitaveis
membros da aristocracia portugueza. Nascera cm
t79i e tinha henras de pareate. Na tempo de D
Miguel esleve como embaixador era Roma desde
1828 ate a convengao da Evora Monte.
i Tarabe n deixou de existir ha poucos dias o
Sr. Robert Iuess, sogro do conde de Louzan, de cu-
ja segun la esposa era pai. Tinha mais de 90 annos
e era mnita respeitada nesta praga e nas estraa
geiras para onde so esteudia o seu dilatade gyro
commercial
Vao comegar em breve as obras para adaptar
ao servigo d.i cerapanhia geral de credito agnceU
e llnanceiro, o pre lie que ella adquirio para sua
se le na ma Augusta (Lisboa).
t 0 Sr. Aloared i, raioi-.tro plonipatenciario da
republi'a he*panhola, em Lisboa, de cuja reoep-
gm offlcial, Ihes dava nol.cia ua miuha de 13, em
resultaJa do reenhecimento do actual govern)
hespanhol pelo de Portugal, na occasiao de apre-
sentar as suas credeuciaes a el-rei, pronunciou
em hespanhol o seguinle discurso :
Sfuner.Em nome da Qacao hsspanhola te
nho a henra de entregar a vossa magestade as ere
denciaes que .r>e aoreditam com) enviado extraor
dinario e ministro plenipolenciarie de D. Francisco
Serrano Boraiogues, presidente dojpjiier execulivo,
que hoje symbolisa os seus destinos.
" Manter e fomentar as relacSes de boa amisade
que felizmente existem entre Portngal e Hespanha.
sao o eucargo principal do sea geveruo, para o
qual terei se i-pre present^, tanio os interesses
cemmuns a arabas as nagSes, como os heroicos
feitos que na defeza da sua reeiproca independen-
cia deixa consigaados na historia.
a E' exeraplo, e nao o menos eloqueate por cer-
to, que pole apre*entar contra os.cjg)3 defensores
de outros tempos e ouiras iastituigees, o invejavel
e*pectaculo que depois de pesada e ardenteluta
olferece a nagao portugueza, governada por si
raesraa, desfructando paciricamente das liberdades
que forraaino granle ceajuncto da civilisagao mo-
deroa Estes anlecedentes a que juatarei a Qdal
ga leal Jade do governo de vossa magestade no cum-
primento das leis inUrnacienaes, augurara me fe-
ll/, missao no extraorJioario transe que atravessa.
a Hespanha.
Diteso serei, senhor.se no desempenho da meu
cargo cemsigo a estima de vossa magestada; per
cuja felicidade e'de sua august* dynastia fago -r-
dentes votos para bem do illustre povo portu
guez.
c S. M. o Sr. D. Luiz I respondeu em portu
guet:
a Ao rec-'ber a carta de D. Francisco Serrano
Dominguez, presidente da poder exooutivo da na-
gao hespaanola, que vos acredita na qualidade de
seu enviado extr mrdraari) e ministro pleaipoten-
ciario junto da mfnha pessoa, te.ilio a maior satis
tafia em assegurar vos, Sr. ministro, que no cum
priinento de vos-.* missao deveis contar cima
cuoperagao do ranu governo em tude que possa
conlribuir para manter e fomentar as relagoee de
boa amtzade q ic felizmente existem entre Portu--'
gal e Hesjjaulia.
A nacio portugueza que deve a liberdade, a
paz a prospendade qua felizmeule de^fmcta, fai
siucer.H vote* pela liberdade, pela paz pela pros-
peridadedi H'-pauhi Eu, Sr. miastro, aco.i
pau'io os votos da nagao 0 mea g.iveroo cmti-
naara a oit--rpre:al-o, cu os dev res de boa viuahan;.a, ten la .-e.upie em
mira as iateressai rommun dos dous pavos e u ie
esqae.va a Bwim m feitos glories-* com qin* nm
e outro ten main Jo e ailinmd-* auainJepeu-
cejitcatoJ eta. **
' Roginift voj*qu% *flftTT-mhecirtento desse
bem seottaual-j ao pjvato* in"rja*eritais, apraz roe
sigijiilcar-vost^ue.DawBtiJo d^aar dater-me mui-
io agradavel a vossa eiVi.io, ce^iecidas como sao
as qualidades que vos di.-tiugucin.
a Ja foi effectlvamente asflgoado o contralo de
navegaeio para os Acores o Madeira
a Esta em coaslru.gAo ha tre>emanas o trarw-
porte do estailo que Sr. Carlos T-sta contratca
em wglaterra para a mariuh* portugueza. Tera o
nome de Africa.
i Foi organisada mais uma brigida de i offl-
eiaes de estada maior, ancarrefada de recenheci-
menus militaret.itiaerwios, rotaires, levantainenits
de carlas, dados estatiatsco*, a e^tado dat liahas
da defeza nas provincias do Alcmteje e Algarve.
A brigada s commandada pelo major I'or lino C r-
rts.
Partio o contingeote para Macao no India, va-
por, transporte do e-lado. lain IjO pracas. Ja
houva telegramma de Malt* dizendo que todas a
horde astavam sera nevidade.
Tera havido promogoes nos carpas de cnge-
aaairot, de estado mnor e nos de iriilmirit. Na
iafantaria a eavaUaria tambem foram promovida*
aos postos iramediates vario* offlciaes que tinha n
direito aquelle accesso.
Acrio interessaate a seguinte aotiela qae nma
folia de Lisboa uos deu ha poucos dias, das obras
que se esta pracedeada ua penitenciaria ceutraJ
(em Campolide, suburbia da capital) :
a Esta) concluiJas todas as plaulas e alga las
para a edifiiagao da penitenoiaria ceulrd da Lis-
boa, cujo piano e risco se devera ao distincto enge-
nheiro Sr. Julio Ferraz, e qua loram oaeculaJ .^
sob sua dire.:gio pilot habilissinns eaipregadus da
direccao geral daquefles trabalhos, esl*bele;iJa
provisoriameate junto ao novo tribunil do c i a-
mercio. A peuitenciaria dove licar ua edi:io>
monumental, nao so pda sua extraorJinaria vv-
tiJio, como pela Cumplioade e engeahoso tracido
da sua fabric*. A fachadi principal, que serve
de fecho as seis azes qua o constituent, e Je urn
desenlia simples e agradavel a vista. Os mm. s
circuudaaies, que encerrara era sm penphena at
seis azes excentricas, abrigario, alem de seisccn-
tas e tant is cellulas para coaJemnados e pira pr.
sio correccianal, as casas destmadas a aim nistra-
jao e aos empregadj; della depenJentet, be;n coma
os gabinetes dis respectivos magistrals e ha-.r.a-
goes do capellio e dos professores, pirlatonos, ca-
sa de interrogario, casa de espera, cisa de baar.os,
arrecadacdes, cozinhas, cocheiras, etc. Ca-ia a^e
tem os seus respectivos passeadores para os cv.-
demnados, construidos de raolo qua o iwlaaeaio
ainda ahi e complete. As leis da hygiene faflUi
per tal mode ro.-peitadas na disposi.-i) arcliitecto-
nica do ediAcia qae o ar c a laz circulam livre-
mente por toda a parte, e a agua chegara igual-
mente a tolis os pootos. A quatio da segiraaga
foi eslulida, a resolvi-Ja pir mole Uo acertaJo
que, ainia juanlo a liscalisagio, perm inante a
estibelecila de um moJo complex) tabre ciJa an
das presos, e sobre teles em geral, pule- e al n ;-
lir quobra era sua infallibililade, era im i --ivei a
evaslo le um preso. 0 olhar de u a sa ii mem
coma qua domina t do o interior do eiificio, e i:a
um systema c imploto de av ses e preveneoe*. O
mode estibelecilo para proporcioiur a e*4a pres.
em seu complete isolamento e trabalho manual, c
para lhe dar a iastrucgia liUeraria, m-ral s rcli-
gioa, que lhe devem inspir.ir os impals is do Dem,
* cngenaoso, que ai) caberia a sua
e de tal arte
descripgao n'um* simples uotieia. A comida fei-
ta nas vestas cozinhas do pavimeute inferior do
edin-cio, sobe por uns elevadores especiae* ao> ferentes pavhnantas, sjale levide a caJa ate o na-
mero necetsarto Je ragoes para os prosus nelia
conlidos. 0 liospifcil devera Qoar isJade to eJiti-
cio, segun lo os comelhos c Jtiid).s pela experMB-
cia nps cstabelecimentos desta natureza. Cila e-.-!-
inta devera ter uin, lei'.o econcmico, que 6 ao m: -
mo tempo lei o e mesa, e urr vase d; n ate com a
lamp* fflnbebidi n'agua e completauuate in dor..
0 Sr. Ferraz e>tud)u cam esorupule as principles
prisoe3 peniteaciaria*, reali-ou o-:sta os n:tin s
aoerfeiglaraentos de todas etlas, e fez amda m;di-
fleaedss baseadns em retlaiSes mult-) sensalas qce
lhe darao de cert) o eun'io de um djs pnucp- is
c.-tabeleci:nealos deste geaero. Os trabiln.s da'
edificacao coatinuam regularraente, e devain t>-
raar su^cess;vim-n:e maior increraento. 0 Sr.
ministro da ju*tica anima com su i iullu-ncia nao
s6 o distinc'.o engenheire director ccmo todos qun-
tos lidara na feitura do editlcio.
t Lc-se o seguinle no Diario de Noticias do da
14 :
a Tem havido ammJadis reuuioes de padre? na
resideneia, ex-convento das Loy>s, di reitor de
Areias de Villar, (reguezia de Barcelles Nas al-
timis dias estiveram alii reuuiJes duraate cia;o
dias mais de quarenta padres, e entre elles aigaut
jesuitas estrangeiro. Ura correspmdante diz ; je
estas reunion teem preoccupi-Jo os animus Je ti-
des os liberae; da villa. 0 Sr. alministradir a
jartir para alii para se informal' da am das lacs
conferencias.
.t Falieceu, na villa da Figueira, de uma pn .
mania dupla u oa*elheira Dr. Adriao Pereira For-
jaz de iampaio, primo coirmao d) actual minisiro
da fazenla, o sr. Antonio Jj Serpa I'imentel.
t Ofal-.cilo cr.i so:ie da actdeatia real das
sciencias, e autor da grande numere da opascolos
liltvrarios, pela maior parte destmalos a edueaci*
da mocidade. 0 seu trabalho liltararia mais c -
nie 'i lo era a* Memorias le Bussaci. Deixoa ua
compendia de Historia da Jurispudencia, muile
apreciado na Uuiversidade de Coiaibra, e dj qaal
se estiva ja fizendj terceira ou quarla aflcio. Ti-
nha 64 anao3.
0 governo anstnaeo pmpee foe se rfdonti
a cinvengoes diplomaticas as rastducdes tsmiJas
pelo eongre-so sanitaria que se reunio era Vienna,
e no qual foi Portugal representada pelo Dr. Souza
Martin*, distincto medico portuguez.
Le se a seguinte netioia u'uina folha da capj.
tal do dia 16 :
a Trata sc de organi>ar em Lisboa uma assj-
ciagao rcligiosa sob o tilulo: Asseciagae da
propagagao da fa nas missoes porluguezas M Ul-
tramar, > e a qual tera por fim dar subsidies aos
alaranos des seminaries do ullramar que foram
pobres e queirara seguir a vida ecclesia-i's,
man far abrir e-colas nas fregueiias das missoes
onde o governo nao aa tenha in-lituiie, rera '.ter
livros para as esc. 1 is pobres, soccorrer os mis-
sionaries doentes e ne essitados e enviar esmoias
aos bispas on missionaries para o concerto das
igrejas exi.-tpnte* e para a ereacao de outrs. Os
socios centribuirao com a raensalidade de 50 reas.
E' uma idea ao mesmo tempo rebgiosa e pralrio-
tica, tcnlente a conservar o prestigio d.> nosso
padroado.
a E' curioso tambem o que a mearaa folha no-
(icia a'.mtre lugar :
Diz um jornal que soffreu onderanagao pon-
ca houresa, em Franca, por haver exiorqaido
ardiloiamente 38,000 francos a viuva MeiiUnd,
sua hespedira na rua Balzac, em Paris, a infante
de Hespanha, D. Maria Isabel Fran is.-a Gorowska
Je Beurnon, sobrinha de D. Francisco de Assis,
casada c >ra o Sr. Parkins, que foi MMrit da
embaixada dos Esiados Unidos, em Lisboa, e filba
da Sra. infante hespanhola, que ainda esta u'esta
capital.
a S gundo o projecto do minisiro da guerra,
tera side mandados apreseatar a junta de saUle
militar algu is offlciaes generaes e offlciaes snpe-
riores aos q laes vai ser dada a re'orma.
Acha-seem Pelrougas o illu*tre po^ta vis:ou-
de de Castilho com seu filho Eugenie, que tem
soffri lo herrivelraenta de uma paralysia p^rcial.
a Dizem me que o governo dos Estados-Unidos
insta para que Portugal se faja represenlar offi-
cialmeate na exposigao universal quedeve reali-
sar se em Philadelphia ne anno de 1876.
Dii-se que o Sr. Fentes apresenl ra na pro-
xima sessao parlamentar, entre outros, os seguin-
tes projecto* : Organisacao de um novo regiraeo-
ia de artilheria, reerganisacao do batalhao do ea-
geaharia, creando uma companhia de lelegrapbis-
tas, outra para o servico dos caminnos de ferro,
organisaijio dos tribunaas mililares, lei regulando
as piemogoes e accesses dis empregados da admi-
nistrajao militar, o organisagao de padarias no
Porto e em outros pontos do paiz.
a Deve um destes dias consiituir-se o tribunal
arbitral para resolversobre a muita queo governo
impfje a Companhia das agaas
Dzse que sera compasto da* iuizes de segun-
da instancia os Srs. F rreira Lima e Ferroira de
Novae*. .... .
Hi dias native um grande iniendio ni rna U
Barae, em Lisboa, por detrai da Se. Ardeu um
euer.i.e dep.wito' de archotes, csteiras, abanas al-
cif.n, esparto, e outros productos do Aigam.
Levou lous dias a extinguir est* euorme faguai-
ra. Nao hjave victi na-. 0 brrac*> esuva no
segura na companhia Garantia da ra*a- "oi
proluzidoo sioietro par um* vil panta de -
garra
a As utimns n iti hi de Angola sao mais aniiua-
4d*-as. Q* revolios.s v|o i-iir.mda na or.lem,
,.,u m J i esli* paeilK-.ados os ceuse-
inr do A.iNar e Doqiie.-.H. Bra/anca. O major
B'-il'-aotem feit : :.'S de vai .r em Milan:--' e
-


i I J |1 n
. BaaaBij^BBtaa'jBja
DiaiMddb *6JBrfmtfo^:Qunta:-feie< 7 tie daintao 'ififta.'C
^Tfc
i:
^WWWp^JMp *i*iTNk^oUfaiB||^iff^f|^!menlo'-de *8 Taiicavaii aA.reilalMleckfllo
marchou p3ra Ambaca com 50**l*ranc3s. "WiM
par no para u I>,r<]ii de IftaganDa a*abaeiler_o .tee
rebeldei.
n 0 dia 15 do agosto foi axao sempne,- raeriav j
estejado em Angola. E' o Ma* aiinivrrsartff'
restauracao d'a quell* mm*, raxwiam olMHM i
rina
Falleceu hoatera aelae 1 horas e ateia is a\r-
de a Sra. visrondessa de Trancoso, am* das se-
nhoras raais formosar e elegantes da nossa aris-
toeracia. Era filha do Sr. D. Ifooo da nMM
ftrilo, decinto eonie dos Areos e da Exm a. an.
D. Maria Rita Goncalvee iSareo da Caniara, tilaa
dos setimos condes da Ribeira Grande. Coaiava
apeoas 27 annos, a Sra. viseoodessa de Traaeeao.
Era dama de eAemataraeimas virtudas de
uma caridade acrysatada. Ha muitos annas aue
lutava resignada com a phtysica de que aaaak
succumbio.
t Como sao 03 decretos da Providencia Ain-
da ha pouco mais de urn atez i os viseoodes de
Traneo?o tinham vencido ana porliada demanda
que viera decidir da sua fortuna, pois se a per-
dessem, aQlrmam de qae a sua oasa ftcaria
arruiaala.
O nohre visconde de Trancoso e sock effes-
tivo da coramissao eeatral 1 de dezembro de
1610.
c Foi conGrma la e apptevada para lodos os
effeitos le^aes a deliberacao ptla qaal a assera-
t.tra geral do banco de Portugal prorogoa par
raais 50 annos, o prazo da tea existeneia. Du-
rante esse novo praio*-Hre ctmeedilo a continna-
cao dt privilegio excluslvt &\ tuesio de notas no
dislrtct administrativo de Lisboa, cessando todbs
oanjemais privilegioe de qae alia goia. T*niBeio
Ihei eoncedida, mas sem prtvilegio excwsivo, a
facalaade de erailtir notas pagaveis a vista nos ou-
tros districts dn reiuo. 0 decreto e de 3 do str-
renle e foi publicado no Diark do Governo de 2-2
(honten).
< Befere o Nutiaoso de ValeBca ( praca da
freatpira portpgueaa ao N. defronte de Tny,) qoe
e espera novo levantamento carlista n ftatiiza;
par emquanio, apenat divagitvam pelas montanhas
algumas peqaenas guernrhas. Tem se tornado
todas as prowideacias para serem presos os guer-
rilheiros se atravessarem a raia, violando o nosso
territorio.
a No dia 17 par io de Monsao toda treat qae
alii estava; dlzia se que ia pafa Paaedapar cau-
sa dos notoS de Soajo terem mallratado a forga
que la estava destacada. Por pariicipacSo olu
cial l'.ada por uma orienniK;* de cavallana sou-
be-se que havia appareciJo nmx forte gucrrilht
em Castro Laboreiro. 0 major Almeida, co.n
nundante da columna volante, m trcluu com to-
dos os destacameutos que estavam em Monsao,
e parte da forca de ca^adores 7, destacada em
Melgaco; foran udos para Csir> Laboreiro afim
de impedir a violate do nosso territorio. Para
gjarne'-'er Monsao foi urn d..-tacamento de 30
pragas de cacadares 7 mandado de Valenca.
Na prima renniao do congresso postal inter-
oaeioaal reunido em Berna, foi nomeada uma
commis-ao cousnltiva composta dos delegados da
Allemanha, Austria, Belgica, Egypto, Italia, Por-
ugal, PiUJsia, Soedj e Suissa. Estavam presen-
t-.'? a primeira sessao lodos os delegados menos o
dos Estados-Dofdos. Presidia o Sr. Borel, chefe
da reparti;5o d >s correios da SutSsa e conielheiro
federal. E' deiesado de Portugal o consellieiro
Edaardo Lessa, director geral dos correios postae=
do reino.
Pareee qae se e-ta orgaaisando em Lisboa
uma eompaabia para cxploracao de umi impor
tante mina de earvao de pedra na raia hespanhola.
N ticias dc-9 A'.-ores dizom que a immigracao
d'aqueile archipel.go para o llrasil contiaiia a ser
espantosa. 0 vapor brasileiro que largou da-
qaellas ilnas no principio d'este niez levoo d'alli
ti26 immigraotAS. Di? provincias 'do X. (d IVr-
tugai.J, torn immigrado alguos portuguezes para
o Uraiil com pasjaporlos simulados, quo Ihes pas-
sain em Galliza. Ja o governo tomou providencias
para que esta burla descarada nao prosiga mais.
a Sexta-feira ha em Odivell:is ( suburbio* de
Lisboa), manobras niilitares commandadas pelo
genpra! da i* divi>ao visconde de Sagres. As so
Kuiotes serao oa Serra do Monsanto, pelo general
Oairia.
Os governos hespanhol e portuguez t?m pro-
curado ultitcamente estudar o inodo porqae a Ui
e as autoridados nao continuem a ser illudidas so-
bre o grave assumpto.em quo se tem dado frau-
dulentamente emigrarem pebs portos de Hespa-
nha os portuguezes sujeitos ao recrataioento, em-
quanto os hespanhcies nas mesmas condigoes vao
eraigrando pelos portos de Portugal, subtrahindo-
se assim, uns e outros a obrigacao do service mi-
! tar.
d. Lisoda mais dons padres po^tuguezes. Os ver-
dadeiros catholieos nao de clumar (e com razio)
contra o osc.indalo, como ja tern ehmado de ou-
tras vezes, pois nao sao csles os priraeiros sacer-
dotes qae team dese'tado (para casar) para as fi-
leiras da chamada igreja evangeli ;a. Ab*teuhome
do mats conjiieracoes, poriaa iria prender a ques-
tao com a vastissim3 di eellbato do clero, cujas
vantagens e desvantagens tem servido de thema a
livros, opuseulos, pamphletoi e polemi:as sem
fim. .
Na segunda reuniSo do eoogresso postal de
Berne, foi votad) que o peso siuples dis cartas
seja de to grammas
' A dirfeccao geral da artilhoria prooiz ao go-
verao que uma u mais batsrias la Krupp do re-
ifimento vao dar urn passeio milttar por Tjrrej
Vedras, regressaa-io por Mafra.
0 governo vai comprar trinta mil espingardas
Barnett-Snoider em Inglaterra, e cerca do vin
Eofield na Belgica, para serem
fuzis do primeiro sytema. As lorres bliudaias
para deieza da birra de Lisboa, eslio por dias a
chegar.
a Nio se sabe ainia quando se reunira em Lis
boi o jiiiz) arbitral para tr.itar deresolver a ques
tlo sascitada a proposit) da mulia inpo.-tipelo
governo a companhia das agtns, porque esta ain-
da nao no.mjou os arbitros que a defeat rep:-e-
seniar.
t E'ta muito doente n) Port), na casa de saiile
do medico Ferreira, o Sr. Almeida Campos, nosso
< d3dJ no Rio de Janeiro.
Ja esta subscript! granio porcao do capital
p\ra a companhia que se esta orgmisando em Lis-
bda para a expLracao de ami imp >rtaute raina de
cirvrio de pelra na raia de Hespjaha.
o Appirecerio brsvemtinte a venla pelas raas
de Lisb5a Ires jornaes republicanos de pe^ueoo
form a to, d-'vend) urn d-llles ser muito energico na
realac4o do cerlos abusos na adminislra',,a> do
paiz. A noticia e textual do Diario Popular desta
maohl
0 grao-mesire da maconaria portugu^za, o
eonde de Puraty, attendeado aoes'.aio excepcio-
nal en que presealemente se acha a Bespaoha, e
aa impossibilidade de averiguar nn condicoas em
qae se encontra a macoaaria hespanhola, em qual
dos orientes om |ue aclualmente esta subdividido
o Gfcnde O'iente de Hespanha, (|ue havia sido
reeoabecido pelo Grande Oriente Lu?.itaoo Unido,
Supremo Conselho da Maconaria Portugueza,) exis-
te a legitimidale maginica. Ficam pois, segund
o decreto de 22 de agosto (agora oublicalo no res
peetivo Boletim Ofliciil) suspensas as rela;oes com
qualijuer dos grupos em que se acha dividido o
Grande Oriente de He-paaha, ate quo teahara dej-
x ii de existir os crtados fun-laraaatos.
desde o con
congrcs-
tfOTSDRT
ffamngl<7 d>agaaBn1tiA.!anrtT4ida WUto-fsf*|^-Joi
h Loterta. ,rnOnm aHzajtweada.i419"'
absnaa**** eaUainof.3oe Paaeaja e qoe
tarlcL
ReafmenTe' as^enaTMj aLnjwajn lia. alburn
tampo e/n muitos estados dosul daAaterlca Sep-
ftanlxional e especialmento no Kentuckg Ttones-
see e Texas, Sao de tar raodd, graves, que o gn-
!verno^^ Ufli^-tejin
eDergaqVtraa^Bsb
gal e a seguranca publica.
A guercs di-seaaradaj leva pot aaueqaencia
eollocar araga o'uutro tempo ear*v, no mesma
piano, e attribuir-lhes os memoa dtreilosque pae-
de a rafia^0V|at,.
D ahi nasceu o conllicto das quar rar^as, branca
e preta, qua ameaca ae^derat xtma nova gnerra
civil. Em martos paizes }a tem havido coaitsSes
sangrentas, era que a autoridade legal tem sido
deseonhaeftJa, e qne tem tltfi por'crmseqtfeti-ia
numerosas applicacoos da cnanala lei de Linen.
Brancos e horaens de eor, mostrarn-se de igijal
selvageria, e as' autoridades, eonforoie pertencem
a uma>oa a oorraraca, rivalisam de violeocia e
craeldade.
T-dos os dras se passam scenas aboaiaaTefs, e
ale agora o goverao de Washington, para qae ap-
peltam os dous partidos. se tem raaatido n'am es-
tado de absteucio diflioil de explicar.
E' tempo, porSm, qne elle faca sentir a saa in
fluoaeia para p*cmmt as aiioiai. j
A reorguuiacao ou a le^oostruce^o dos estados
de sul, nao esta ainia complete, e via precise pa
ra a Uniao abanJona-Ia assim, antes de ter acaba
de a obra da restauracao dos paizes em qae Ion-
gas injustices lera semeaia, lantos germeus de
odie e de vinganrp.
Nestas circumstanciss pareee estranho bastan-
to qae a America do Norte se occupe de questqe9
exteriores, da -ituari) de Cuba, do boato ridiculo
da cessao de Porto Rico a Allemanha, e da famo-
sa contenda a prjpjsito do Virginia.
Um telegramma de Nova Orleans, de lo de se-
tembro diz qua a li^a. aes braaeos deelarou a go
veroador Kellog am dsarpador, a reslabeleceu o
governo de MaJleary. ,- aS*?
A liga chamoa o povo us armas e tomou a>asa
da camara, e levantou barricalas.
0 general LongUreet eom 300 policias, a a raaior
parte de homeos io cor, intimou os brancos a quo
se dispersasseui.
Teve lugar uma luta desesaarada em Canal
stroe', senlo mortos suii cidadaos e triaU policias.
Os policias retiraram-sa a coacentraram se em
Jackson Square. As tropas feieraes Qcam ueu
traes, limitam-se a guardar a alfandega.
0 goveraador Kollog que se retirou para a al
fanJegi, sob a proteccao das tropas f*deraes, pa-
id a iatervdngao d) general Grant.
A casa da camara que cont6m 500 espingardas
esta eai poJer da liga, que lambent esta de pos-
se de todas as propriedades do en id; a da cil.iJ ,
assim como do leiezrapho e do arsenit.
0 general Milles batea 400 indios Cheyens
sobre o Rio Vermelho em Texas ; no combate fo
ram mortos S3 indios.
Uma forca dc 803 cubanos foi derrotada era
Yarayabo, senlo mortos 36 cubanos, entre os
juaes se couta Cal xto Gircia.
a?
fpeUada a, jumiea,;poeiiaot
ciieo de Araujo.
m *-' >49m*irtxhk &<**Mot dii eotc, a '
Pofiatml. ^ppaiBlatB^Amaro a>aaiiaaai4r ^L.^ h-a neaocio coattfW'flom a'parte-qW hw"
** ^M#%|M^..^in^fi^!PS!tfe4 *>.no irapichff doCctfiiw; Jorqae foi ella enftfcr-
__: aajaolat y.*;tv l^tiaaaldra.iaaftiaaaali, (abisaia U, faJav
cirao 4\ amstaatffllavsandji-: .- r- >l t
11omaaaJ3a raaiaaTeaidBQ>w aA errd t
aft^taaaawaa a*f>j^u.' Asspaau
oraat visitadas-aaanfatmataa neatee aUas : las fi
ci
(aVM
ft '-*' Appeiteeao erime.
DaUuaiaa. A|tjll:uie o jo, anpollada
Aleixq. escravo.
A's 7, 6 l|2, 6 Ii2,6 li, 7, 7. 6 1|2, pata Jat.
nos ; JKitkyi>a4lL i*e1o 9l 9,9, 9, 9, 9 Ift.paU Dr. Mklaquiat; as 9 l|2,
If HN)9 i|2, 10. 9. pelo .Dr. Mariao Viaim*.
IWjaauloa^. .nH
Sola de Sauza ; tuberculoa- paaatatares.
Gerttadaa Maria da Cuuoeicao;. enterile oiiroaica.
Vntonia do Carmo ; entente afcraaiaa.
Domuajos dos Santos ; tuberculoa pulmeoares.
Sabiao de Oliveira; amollecimento cerebral.
Arcelina Maria da Cooeeicao ; ealoro collite cliro-
ntea,
Auhmia Maria, de Jesus ; baxigas. .
Raymaado Antonio do Espirito Saato ; aataiyaav
dos membrot iafarioMs. i
Hita Maria da Conceicio ; apoplexia eerehrai.
Goncalo Bomingoa dos Saatoe ;taicera cancerosa
caeaexia.
Cataa de dUatiaafn Matiraeato da casa
le deaaaeio do dia I de oatnbro de 1674.
Existiam preset 318, eatraram 5, lahiram 7,
existent 316. *-
Nacionaes 252, malheraa 8, aatrangeiros 21,
iscra^asM, oscravas 1Total 316. .
Alimentados a custa dos cofrss publicos 243.
lovmeaio da eafermaria uo dia 6 de ealubre
de 1874.
Teve baixa :
Manoel Francisco dos Santos, febrc.
Tiveram alia:
Jose Joaquim Antonio.dos Santos.
Fbrencio Vieira da Craz.
Severiao ttancisco Bezerta
Prudencio Francisco Pereira.
PraMatt Antonio Courilb.
MNSRgeiros. Cbegado3 dos portos da
Earopa no vapor fraacez Gironde :
|P. Cornelii Geraldo Elisberto, Joio Maria dos
SitUos Almeida, Joaquim T. da Silva, Luia R. Sal-
gido, Lourenco L. Ba.-tos, Ignacro F. Leal, An.i-
nias (".orrota do Amaral, Eleonor dos Santos, 10
imigraate* a 1 Ualiano.
Segnem para os portos de sul no mesmo vapor :
Antonio Jose Rodrigaes de Soaza, Jose Antonio da
Silva, Chaillon Eugene, Chachua Jeanna, Jose Lo-
des Davim.
Ceaartterio publloo. Obituario do dia 5
ie ontubro de (871.
Maria Francisea dos Prazeres, branca, Pernam-
coco, 85 annos, viuva, Boa-Vista, hospital Pedro
ii; cancro no nariz.
Jalia, branca, Pernambuco, 2 mezes, S. Jose ;
eopheximo pulmonar.
Manoel da Conceicio Parente, branco, Portogal,
50 annos, Santo Antonio ; asphyxia.
Julio, par!, Paroambuco, 16 uwzes, S. Jose ;
variolas confluentes.
i ..i a.-..
iw
REVISTA DIARIA.
Lead > fnt(H uVi am anoancio oa pratewo qae supponho ser dd
sri Albino Jose Ferrett* *8 Cunha, para que, atfl-
K''i^li?^IiTl. *&&? NM:' a,la P8'03 "rdeiror do'ffeado Jose da Cunha,
n? SZ M *ajonft To'eao "add. cujo embargo foi concedidb pelo Dr. juiz de airei
W. eatador gor* :;- to da 2' vara etVel. eorTeDde pelo cartorio do esi
la-lvao Cunha.
Contra d'eornfufdj desemelbante embargo,
qae nao live aiada eonboctoento delle, nunca fui
ssffiaaa-?e dia para o ^al^anreftto dos sefluln- iatimado, para o quo ve5ho protesiar e vou
J Podir vista para mostrar a sua improcedencia ,'
^pjaellaaqes maeat. ^ ^^^ porque nada devo a taes hardeiros, e nem e fta-
vor junlado titalo argum da divida, visto nao. de-
var nem haver assignado leflra alguma a favor do
meulinado irmao.
Nao enienda o Sr. Albino que recuo dian:e de
'^ardtas.
.Nao vendi, nio trato de negociSr o trapicbe, sen
do ccrto qne ha qaera qaeira eompr.-r.
Opportuoamente discutirei o annuncio.
Recife, 6 de outubro de MW%.
Miguel Archanjo da Gttnka.
3
Da E*cada.-App*HauUi Joao Catios Cavlcante
de Albnnuarqie, appellada Uartutiaoo de Barros
llrilico ; appetlante Fsaur.isco Ignacio de Paiva
Jitaior; appellsda D. Maria' Qurtena de Paiva e OU-
troa; appeMaate Mhtiael Aataaio do ItascmieBto,
appwllados Antonio ToJedt Macltado a Wtros ; au'J^
pallaote Roque Ferreira da Costa, appelJada Leon-
cia, por sen carador.
Appeliaedes commerciaes.
Appeiiaote Attfonioftodriguei Pinto, appeHsdo
tfanoel Jose Pereira de Facial; aopellante IKmin
goaJiartias de Barros Moalairo, appellado o barao
nisTaiBuigocs.
tftecorso crime.
Ao Sr. doMMibargader Bais e Silva :
De Penedo.Recorrente o juizo, recorrido Uen.
riqua da. Silva Mem.
Appsllacao crime.
Ao Sr. dese.mbargador Rets e Silva :
Da NazaretiLAppelUnte o Jo, appetlado Ho-
doplaoo Rodrigues de Sooza.
Appellaclo civel.
AoSr. dosembarg.iJor Domingues Silva :
De Penedo. -Appellants Joao Antonio de Seixas.
appcllada Anna Victnrina da Rotha.
Encerrou se a sessao as 2 horas.
DE
chromca smasmL
TUSB1J.VIL UA RBL.VC.lO
0 G'anie Oriente Lisitano Unido abstem se
igutlmeate de rnceb^r.no seu seio novas lojas hes-
p'tnholas, emquantt as circumstancias assim o
aeoiselhtrera, nio seodo compr^benliJas a% dis-
.".) mencionada qaae;quer lojas liliaes das quo
presantemente existem en terit>rio hssoanhol.
S ginlo o contrato para a navegclo do .\1-
girve,o.qpncessionario d obrigado a restabelecer
como peril** forgado Alcoutin, na carreira diarta
eatre M-irtjia e villa Real de Santo Antonio pelo
Guadiana.
Vai em. breve ser artilhada toda a praca
d EWas (na fronteira.) Ja para alii te u ido do ar
senal do exercito muitos canhoes n ivo -
i-'artio para o campo demanobris (em Franga)
esta rntnha toio e corpo de estrangeires
t Vai tomaudo mais consistenci* o boato do em
prestjmo que o goterno portuguez deveri contra-
hir em mirco proximo.
t O govjaao da Portugal foi eonvidada a faaer-
se represeatar no congresso qae pr iximamente se
devereanir em BraxelUs, para tratar de asaump
tos que interessam a iadustria textil. Raaae-sn
este irongrasso por inidativa da commissao exeeu-
tiva instituida pelo congresso internacional qae se
reunit em.Vienoa em 1873. 0 fim principal do
conjressoa-chegar-se aalopjao de um systema
uniform* ffettta numeracao dos fios. Tinha sido
adoptado um systema que tivesse por base o me-
tro ou a gramma, mas a commissao que coovoaou
o congrisso, que devia realisar-se a 20 do correu-
'<-> 44ale aar necessario que o~ assumpte seja
ainda escnreeido e defioitivamente rcoiviJo.
PcHataa>Se o govern.) portuguei nao eavia-
ra delegado* a este congresso, nem Ihe era muito,
facil ?te-1o, atlento ocurt) prazo quemediaval
Slais donniiios. Daraos em seguida mais
um donativo para as obras do novo hospic-io de
alienados:
a Subdelegacia da freguezia de Santo Antonio,
29 de selembro de 1874.-Mm. a Exm. Sr.-In-
cluso.achara V. Exc. a quantia de 50J! que n Sr.
Antonio Frannsco de Albuquerque Santos me en-
tregou, afim de ser applicada as obras do asylo dc
alienados. Folgo de ver que ag^aniiosa id6a ini-
ciada por V. Exc, tem achado echo nt coracio
generoso de nossos comprovincianos, e sinlo-rae
da veras satisfeito por ter de aPiar meu nomc a
am act) de tao elevada pltilmtropia. Aproveito a
occasiao para apresentar a V. Exc. 03 protestos de
estima e subida consiJeracao. Dens guarde a V.
Exc Mm. a Exm. Sr. commendador Dr. Henri-
que Pereifa de fiSeena, digmssim-t prcsidente des-
ta proviucia.-O sublelegado suppleate, binnhio
Francscj de Brito.
Gabinete da presilencia de Pernambuco, cm
30 de setembro de I87i.-4llm. Sr. capitao Firmino
Fiaaeiseo de Brito.Fico de posse dos 50*, que,
por intermedia do V. S. e com applicaeio ao bos
picio do alienados, offerecau o Sr. Francisco do Al-
bujuerquc Stnlos, a quem V. S. tera a boniade
de, em meu nome, agradecer, e louvar por tao ge
nerosa cspontaieidado. Qaeha acolher 03 votn
do sprees e coasideracaa com que sou D-t V. S.,1
muito aitencidso venorador e criido. Henrique
Pereira de Lucena.
AsHsiuno. -E.n terras do engenho Mu-
galupe do Ciraa, do distrkto de Muribeca, Antonio
Jose de Freitas assa-sinou com uma estocada a
Miguel Pereira, cm 2 do corrente. Foi preso em
llagrane.
Grave ntlcniadoNa cstrada que d Li
moeiro estende-sc para a Victoria, um grupode
enminosos horaisiados no lugar denominado Cam-
traasforraadas em |,8> (|a,, limita isse termo com o de Pao d'Alho,
awommetteu em 2i d-setembro ultimo, o tenente
Jaliao, que por alii passava, roubaaJo-lhe a quan-
tia de 1:600*'100, que trazia comsigo.
Sabador do facto, o delegado de po'ioia do Li-
moeiro, para alii, ding'o-se na noite de 29, conva-
nienlemente acompanlisdo de alguma for?a.
As 3 horas da rnadrugida do dia seguinte cn-
contro.'.-se com Antonio Josti Pereira, por antono-
masia Barbuao, Mano.-l Pedro e Joao Calumby,
criminosos no termo de Nazaroth, e indigitados
como autores d'aqueile attentado; a procurando
caotura-los, vio se forjado a travar com aquelles,
que resistiram uma raahida luta, da qual result ou
sahirem firiJos: gravemeute a praga Antonio A-
lexanlre da Silva, o Uvemante Antonio Barbulo,
que f.'i preso, em\ tanto que os dous outros con-
segniram evadir se.
Captura. -Foi pre3) e acha-si recomido a
cadeia da Victoria, Luiz Correia Ramos, autor da
m> te de Joao Vilentim, de cujo crime ja nos oc-
cupant )s.
Passaoaento. Entre as noticias recebidas
hontem da Europa pelo vapor francez Gironde,
ciegou-nos a do paisameata, em 21 do mez ul-
timo, do Sr. Carlos Alchorrae, professor de in
gtt do collegio das artes, qae se aehava em Lisboa
procurando melhorar sea esttdo de saude combati-
do por antigos padecimpntos.
Para o sul de imperl. Com 4 rece-
bidos em nosso porto, o vapor francez Gironde
lo/pu 306 passageiros.
Hurreu on artaaaeafa* Miquelina Joann-
Maria, subdita hespanhola, de 17 annos de idade,
qua irao vapor fraacez Rio Grande com destine
i Baenos-Ayres, falleceu no dia 2 do corrente de
uma heraorrhagia.
Dlnheiro. 0 vapor francez Gironde le-
vou de nossa praca para a do Rio de Janeiro
11.000;.
ftegimento de cuMtas. Tendo feito
uma impressao avulsa do novo regimento de cus-
tas, expomo it a venda em aosso escriptorio a 320
reis o exemplar.
Becebedoria ate rendas Internal
gcraes. -Esta reparti^ao aeha-se de novo func-
ciooando no andar tarreo do edificio em que esta
a thesouraria de fazenda, sendo a cntrada pelo
cies Vinte e Dous de Novembro.
ajllssa funebre. Amanha, as 7 boras e
meia do dia manda asoaiadade-Luzo Brasileira ce-
lebrar, no convento do Carmo do Recife, uma mis-
sa de requiem pelo des.canco da alma da Paula Jose
Gomes.
Potiihiio. -Acaba da sahir a laz o n. 7
doste jornal satynco illustrado.
Pavtartoria de faaenda. Nesta esta^ao
pagam-se hoje as segaintes folhas:
Guardas nacional, navios d'armada, aposentados.
Chupeos de sol.-Os Srs. Gurgel do Ama-
ral AC a rat de Marco n. 20 A, receberant
um grande sorjimeato de chapeos de sol de seda
para hontem e vendemos a6je 7*. sendo a seda
lisa e traucada, de superior qualidade e com bo-
nitoe cabos de madeira, osvo e marflm.
fcetlao Hoje, 7, effectua 0 agente Pinto a
venda de um variado sortimento da fazendas a
chapeos, pertencentes a massa fallida de Pereira
de Mello & C, no armazem da rua do Bom Jesus
n. 63.
II )ja tambem effectua o agent 3 Dlas o leillo
das dividas do fallecido Pedro Jose da Costa Cas-
tello Brauco, pelas 10 horas da manbs, uo 1* andar
do sobrado da rua do Marquez da Olinda n. 77.
Ontro. Sexta-feira, 9, deve ter lugar, por
SESSAO Ed 6 BE OUTUBU'J ')E t74.
PRESIDENCtA DO EXM. SR. COXSELIIEIRO
CAETANO SANTIAGO.
Secretttrio Dr. Virgilio Coelho.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. das-
embargadores Silva Guimaraes, Loaren;o Santia-
Lgo, Rrtis e Silva, Almeida Albuquerque, Holla,
pneurador da coroa, Accioli, Uomingues Silva,
e Souza Leio, abrio-se, a sa Eiri seguida o Dr. secretario procedeu ao sorteio
dos adjuutos para jnlgamento dos seguinles ag-
gravos :
N. 68. Aggravante Joaquim de Sonza Silva
Caaba, aggravado Pe Iro de Paria Pereira da Cruz.
F'jram sorteados os Srs. desembargadores Ac:ioli
e Molta.
N. 6\. -Aggratantes Francisco Rodrigues dos
Santos e outrJS.aggravados Manael Rodrigues do
Hego Motta e outros. Foram sorteados Oi Srs.
desembargadoresM>tla e Doiningues Silva.
JULGAMSSTOS
Denuncia.
0 desembargado promoter da just lea ad hoc
contra o juiz de dirolto da Imperatrir. Dr. D. Car
los de Souza da Silveira. Relator o Sr. desembar-
gador Reis e Siiva. AdjunHosso tealos os Srs.
desembargadores Accioli e Al neida Albuquerque.
Improcedente.
Habeas corpus.
De Ilambe.Paciente Virginio Horaciode Frei-
tas.Concedeu se a liberdade.
Appellai;oes crimes.
De Campina. -Appellante o juizo, appellado Ma-
noel Jose de Sonza. -A novo jury;
Do Granite.Appo'l into o juizo, appellado Jose
Vicente Ferreira da Silva lmprocedente.
Do Limoeiro.Appeilaote Antonia Maria de Je
sus, aopellada a justica.A novo jury.
Do Alagoas Appellante Manoel Lucia Ciorreia,
appellado o juizo.lmprocedente.
De Santa Luzia.Appellante o promotor, ap-
pellada Joanna Maria de Jesus.A novo jury.
De BarreirosAppellante o promotor, appella-
do Manoel Maria do Nascimento A novo jury.
De Pesqueira. -Appellant'- o juizo, appellado Da-
vid Jose de Sa. A novo jury.
Da Assemblea. -Appellante o juizo, appellado
Joaquim de Ca-.iro Bjzerra.Nao so tomou co-
nhecimento.
DePatos.Appellante o juizo, appellado Joaquim
Alves de Oliveira.A novo jury.
PASSAGESS.
DoSr. desembargador Lourenjo Santiago ao Sr.
desembar gador Reis e Silva :
Appellacoes civeis.
Do Racifj. Appellante* Silva 4 Joaquim Fe-
lipps appellalaa ompaubiade Beberibe.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
De Canaragibe.Appellante Dr. Ambrozio la-
cltado da Cunha Cavalcante, appellados D. Carlota
de Barros Accioli e seus filhos.
Do Sr. desembargador Reis e Silvt ao Sr.^Jes-
embargador Almeida Albuquerque :
Appellacoes crimes.
Df Caruaru.Appellantes Manoel Francisco de
Albuquerque e outro, appeilada a justica.
De r\ao d'Alho. Appellante o jfiizo, appellado
Manoel Jose de Sam'Anna.
Appellacoes civeis.
Do Recife.Appellante Augusto Octaviano de
Souza, appellado Manoel Fernande3 da Silva.
Embargos iafriagentes.
Do comntorcio. -Embargante Olympic C|Cneiro
de Miranda Henriques a o Dr. Joio Jo90 Pinto,
embargado Manoel Rodrigues Toixeira.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta.
Appellacao commercial.
Do Recife. -Appellante Juquun Francisco de
Alem, appellados Barbosa A C.
Do Sr. desembargador lioita ao Sr. desembar-
gador Accioli :
Appellate commercial.
Do Recife.Appellantes Adamson Howie & C,
appellados os alministradores da massa de Manoel
Jose Mouteiro Torres.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Domingues Silva :
Appellacoes crimes.
De S. Miguel.-Appellante Epamiaondas da Ro-
cha Vieira, appellado Pedro Joaquim da Silva Ca-
xacumba e outro. ,
De Saboeiro.-Appellante Raymundo Gomes de
Souza, appellado o juizo ; appellante o juizo, ap-
pellado Liberate So3res da Silva.
Do Sr. desembargador Domingues Silva ao Sr,
desembargador Souza Leio:
Da Fazenda.Appeflan .*8 Manoel Pernandes da
Costa ft C, appeilada a fazenda.
AppeHacao crime.
De Alagoa Grande.Appelaate Joaquim Gon-
falves da Costa, appellado Belnuo Antonio de Mi-
randa Heanr{aes.
Do Sr desembargador Seuja LeSo ao Sr. des-
embargador Silva Gui naraes :
AppollacSes enmes.
Appellante a justica, appeHados Joao Raymundo
de Oliveira e outro.
Appellacoes civeis.
Appellante Jose da Costa Bispo, appellado Bra-
ziliano Henrique da Cuuha Cavalcante; appellante
Matliias Lopes da Costa Maia, appellado Jose Joa-
quim de Castro Moura.
Diligencia erime.
Ao Sr. desembargador promoter da justica :
Appellante o promot r, appellado Izidoro, escra-
vo,,e outros ; appellante Manoel do Espirito Santo
da Silva, appeilada a justica; appellante Joaquim
Martins Gomes, appelUda a iustiga ; appellante
juizo, appellado Joao Gomes era Barros i appellante
Tribunal de commereio.
ACTA DA SESSaO DE 8 DE .OUTUBRO
1874.
raSStDKNCIA DO EXM. Bit CONSBLHKiaO ANSKLMO
TOATTCISCO reilBTTI.
A's 10 boras da mannl, presentes os Srs. de-
putados secretario Otinto BastosL Lopes Macha-
dt e Alves Guam, e.o Sr. saaalentt Sa Lei tao,
S. Exc. o Sr. conselbeiro presi'lente abrio a
sessao.
Lida, fui depois approvada a acta da sessao pre-
cedeute.
BXPEDIENTE.
Offlcios :
Do presidente e secretario da junta dos correto
res, remirttendo o boleti;n das cotapoes' olflciaes da
somana Je 28 do se.embro a 3 do corrente.
Mandouse arehivar.
Da mesma junta, communicando o numero
de transacpfjes feitas por cada corretor no mez
do selembro proxiruo passado.-Mandou-se ar-
cbivar.
Da mesma junta, remeltendo espia da rrota qae
Ihe fora euviada pela directoria da companhia de
Beberibe das transferencias das acjo^s com os
saus prejos no periodo dceorrilo de i de julho de
1873 a 25 de setembro de:te anno.Para o ar-
chive.
0 tribunal rosolveu que n officie as diversas
companhias que estivarem no caso da de Beberi-
be, para que faijara a me3ma remessa que esta fez
a iuuta dos corfalores, e ds que trata o officio
supra.
Do inspector da alfandega de Ma^eio, remetten-
do a relacao dos livros sellados na alfanlega e ru
bricados na conservatoria do commercio daquella
prar^a. Mandou-se arehivar.
Distribuiram-sd os seguiutes livros : ,
Diario e copiador de B. Juarte Campos & ,^.,
Jito* de Buarte Amaral & Z. diario de Moraes &
irmao, ditode Joao Licio & C.
DESl'ACHOS.
' Reqnerimer.tos :
Da P. H. Tmmermaan, peiind) que se mandea
junta dos corretores passar por ceriidio a cotacao
prescnte do3 marcos imperiaes, moeda allema.
Deferido.
De Johnston Pater & C, solicitando o registro
Acabo de let na Chronica da Provinciti mba cor
raspondencia arguindo-me por inercia e deieixo
no exerdcio do carga de sobdelegado, que exer'-o
uasie di tricto.
Por deferencia aos meus suporioies, cumpre-me
declarar qae nada 6 mais injuslo do que as cen-
saras que ae featm.
Apohcia Caste dislricto eompre, court Ihe e
possivel, e em vista das meios de que dispoe,
os setts deveres. Sao pdde, por nao ser-ine possi
vel, rviiar os attentados ; mas procura lodos os
meios de serem punidos aquelles que os corn-
toettem.
Man-itl de Jacintho, da que falla o correspon-
dente, commettcn a carlo, a espanemteato a qu
se allude, mas foz.se o inqnerito neoessa io e foi
esta reiuuliido ao Dr. juiz de direilo do 6 dis-
trjeto.
Nao foi preso porque evadio-se, a nao coasta
quehaja vulado a este dislricb* policial. Quanto
aes outros dous factos que cita o correspondente,
devo declarar que nao eltegaram ainda ao meu co-
nhecimento, nem sei qual fossa este portugueies-
pancado pelo filho da Anacleto.
Seria bom qua o corraspendente deelarasse o
nome do mesmo porluguez. Em lodo o caso nao
dou muito pela exactidao dessas dous factos.
Os Srr. Caelano e Zumba sao mocos filhos de
pessoas importantes do lugar ; moralisadas e de
boos costumes, quo educaiu seus Qibos seguulo os
sous costumes, e nao ma pareee possivel que os
daixe pralicar factos como os que Ihes altnbue o
correspondente, todavia vou syndicar.
Recife, 6 de outubro de 1874.
Bcllarmino do Rego Barros.
pno Casa
sta ao Sr.
Ja noraeacao de sea caixfiro Pompdo Col
nova.Uegistre se.
De Candida Rabeilo da Silva Marques,' snbmH
tenJo a registro a nomeaeao annexa. Como re-
quer, depois de reconbeeida a riritia da nomeaQao.
Ue Frederico Guilltdnna Hermann, apresentan-
do a regi3lro a procaraeSo aanexa.Seja regis-
trada. "
De Domingos da S'.lva Torres, ctimpnnlo o des-
pacho do tribunal, Uo 10 de selembro proximo
passado, para que s-jt regUrado o contrato da
linna Justine Torres Tosta A CVista ao Sr. des-
embargador fiscal
De Pires i C, satisfazend o o parecer liscal,
para rogistrar-:-e o s-u contralo social junto.
Fasa-se o registro requerilo, nos terrn-ts do de-
creto n. 4,394.;
De Antonio Francisco dos Santos e Antonio Jose
Moreira, registro do seu contrato, ja se aqhando si
tisfeito o parecer fiscal. Torne com v
desembargador fiscal.
COM 0 PARECER FISCAL.
Peticoes :
Da Daniel Paacraz Wild e Alberto kiuluzler, re
gi-tro do seu contrato social. Satisfacam o paro-
cer fiscal.
Da Joio Jos6 da C. Cages, cidadao brasilciro,
para fazer se notas na earla do liiate nacional
OUnda e registrar se a escripturaeao junta. De-
farilo, de onformidade como parecer fiscal
Nio havendo mais n Sr. eonsefheiro presidente encerrou a sessao.as 11
horas e 3 quartos da manha.
Balanco do %6vo Bunco de Per-
natubuco, cm liqiiidncao, os
SO de setembro le 187 4.
ACT1VO.
Letras protestadas .-- .
Despezas geraes ....
Caixa.......
Ao Sr. protector da agricul-
tura.
Voltou u disctissao o defensor da lavoura
con um lougu arrazado, publicado no Jor-
nal do Itaeife do hoje, e cujos argumentos
vamos contestar sem esforco.
No nosso prinaeiro artigo provaffios que
uuo olTtMiil a o ate era em benoQuio da lavou-
ra a r< forma de ser pago palo ogricultor o
carreto do assucar condnziJo em barcaQa:.
Esta ass'-Tcut, que desejtvamos fosse contos-
taila, licou em pe, porque o distiucto advo-
galo da lavoura fuginlo ja questao capital,
ou para melhor dizennos, Ui uuiea ques-
tao (jue so debate, desenvolveu utua irainun-
sa uarrjr^io das difticuldadus o embararos
com que luta a lavoura do no te da prtvin-
cia e las provincias do Rio-Sraade e t'ara-
hybt. A que proposito vem tao grande ili-
gressao ? Cant-.'ste, se poda, que despen lendo
o agrieultor 16 reis de carreto em ar.'oba,
na) recebo mais 20 on 30 reis por seu
genero. Mostre onde exisie o novo onus
com que o armizjnario quer sobrecarregar
omatuto.
Diz o arliculista quo preferc o staid quo,
raas nao da a razao, porque prefere, e
coin cita^oes do Virgilio e reticencias, foge
surrateirarneaio oo terreno da discjssao,
mubraliaiido-so ra outro, quo ncnltuma
relnguo tern com a questao que se agita.
Nao foi refutado e Sea, pois, -vigorando
o nosso argumento da que o convenio dos
armazenarios nao traz prejuizo e sim berte-
ficio para o 8gricultor.
Agora vamosacompanbar o camp?iio da
classe agricola na arena em que so collocou.
Tralaremos primeiratnente da miseravel
migalha como com toda a em phase elleo
lenominou a corretagem.
118:101*288
18:370*516
23:501*262
139:976*096
P.VSSIVO.
Capital.......
Fnndo de reserva .
Massas falli4as a cargo
Dividendos.
Lucres e perdus .
do Banco.
S. E. e 0.
42:310*300
101:444*490
638*787
310*600
15:241*719
139:976*096
*mMi$m a mwt,
A.' caniara municipal do
Recife.
Gracas a illustris-ima municipaliJade desta ci
dade, foram retiralos do raercado publico os 63-
eravos que to occupavam na arte de talhar ear-
nes-verdes, sendo suis vagas preenchilas por ci-
dadaos.
Quem, como nos, cnbece os males que tra-
zem a perfoctibilidade do horaem, o conviverera
com escravos, nt) poie deixar do vir do alto da
imprensa levantar um brido de gratidao a aquel-
les que procuram satisfazer as necessldades da
sociedade. E, 6 oor isso quo viemos hoje erguer
esse brado a illoitre e patriotica camara muni-
cipal do Recife. ,., ,
Receba, po:s, a illastrissima municipalidade
nossos emboras, e as beciaos daquelles qae de
sejant poder usar das arles a que se dedteam, sera
corar-lhes as fac^s por terem de lutar com es-
cravos.. (Amor a liberdode.)
Gratidao.
N6s abaixo assigoadce, summamente penhorados
pelos actos nobilissimos espoutaneamente pratica-
dos, nao s6 pelos Hints. Srs Affonso doRego Bar-
ros e Vicente Ferreira da Porciuoeula, admmis-
trador o cantador da iu^orlaotissima reparlicao
do correio desta proviacia, por occasiao da raorle
db nosso cbarissimo ffifo enetto Americo Wander-
ley Jacques, pra l:aflt da mesma repartifSo, mas
tarabsm pelos de-nats digaos e ipregados da pre-
dita repartigao, fnltariamos sem lavida a um do*
nossos mais sagrados deveres se deixassemos de
dar este peqaeaa, porem, siaeef a e inequivoca
proiva de quanto Ihes soraos devedores; pedindo,
todavia, desculpaa tao hanradO'1 quanto honestos,
virtuosos e benevlos lunccionafioe, se porventura,
com este nosso proceslimento, formes doencontro as
sual reconhecidas- raodestias, hypothecando-lhes
dest'arte a no&a etarna e Jasta gratidao.
Recife, 6 dja outubro de 1874.
afarfarida Wanderley Jacques.
Joao lost Lias Wanderley.
Miseravel miga-
liia, que chega para muitos corresponien-
tes'psgarem coin ella aluguel d; escriptorio
o ordenados de caixeiroll Contestamoscom
toda a en erg a, que fosse a instancias dos
arm?zeit3rio3, que se estabeleceu esse est.a-
nbo uso, e noin racionalment-t so p61ecrer
que um individuo de motu proprio institua
para si um imposto, e pega ainia pelo amor
de Deus, que o obriguem a sujeitar-se a
elle I! E com que ingenuidad?. assevera o
arliculista que foi. por fraqueza dos corres-
pondentes, qm se creou semelhan'.e onus!
Fraqueza que impoe I
Nao faltava mais nada.
Mas, desde que os correspondents sa
obrigam a desistir da tal corretagem, nao
vale mais d pent gastar palavras sobre o as-
sumpto.
Dissemos e sustentamos, que muitos cor-
respondent's ha que tiram dezoito e vinte
e quatro por cento o ate" mais sobre as
quantias, que adiantam ao matuto : econ-
cordando com o distincto arliculista, que e
questao dejurosetoda convencional e va-
riavel a ta&a conforme o eslado da prsga,
declaramos, porem, que s6 por uma odiosa
agiutagem se pode sobrecarregar o pobre
matuto com tao exorbitantes jurus do 24 [0
mais, por isso que, apeztr da horrivel crise
commercial que a nossa praca atnvessa pre-
sentemente, nS.o e t5o grande a escasiez de
numerario, como o protector da lavoura
quer fazer acreditar : para as firmas des-
conlaveis ha nos bsneo's e mesmo era maos
particulares, muito dinheiro pela taxa de
8 e o maximo 10 fa.
N3o deixaremos sem resposta a censura,
que faz o arliculista ao armazenario por co-
brar do agrieultor 30 rs. de balanca por ca-
da sacco -Je assucar. Ninguem ignora que
e praxe commercial, que qualquer genero
deve ser pes'do pelo vendedor. Com o assu-
car nao se d& isto, e e costume antigo ser
pesado pelo comprador. Ora, o armazena-
rio paga 30 rs. aos pretos por pesar cada
sacco e igual quantia por despfjar nos cai-
x5es de seu armazem.
Ju ahi oesapparecem os 30 rs., que elle
recebe de bahmca : equerapaga as balancas
e os pesos, que elle emprega nesse seryico,
e a aferigao revisao, que elle paga a ca-
mara municipal?
E, como este, sao todos os argumentos
apresentados pelo propugnador dos interes-
ses da agricultura. Traz tambom a discus-
sao, o kilo de bom peso, que se dqdiiz do
-genero em beneGcio do armazenario.
Igoora acaso, que rauitos generos estao
suj-itos ao mesmo uso, e nom toios sSode
uatureza tao susceptivel de quebra como o
aasuoar ?
"tfao ssbe que nos armazoos, par mais vt-
^ilancta que haja, ha grande eslravio por^
parte dosraatutos e trabalhadores das ctm-
panhias, e que pareceodo muito um kilo
para o assucar branco, 6" muito pouco para
osmascavadose bruSoa, Jt-costocead^eai ai*
pucaa safrts no eqcojjtaaT aiavnaaaatan j
accrescimo e 9im falta na totalidafe aom-
Cremos le^roos, fei^fttT^rMir'afts pontos
aprjsen^4i)3 pelo protector da classe agri-
la, e vamos t-rmimr, raas iiasa pr*-
Wst.ir-nos contra a alotvosa tatsimiacAa aU
ale fomos ofknmfm gtihwiftct irtfiro pro-
l'ara contestartnos os arggraentos do tl-
ItistradD arliculista nncontramos muit is re-
cursos m razio e justiya da caosa qne, nns
prozeiaos defender.
Somos tambem de opuiiao, <|u nio aa-
vern proseguir mais pea iiapruusa, discus-
sues desta natureza, mas tSo> someofe por
interesse vosso, para uSo virem & luz da um-.
blicidade, f ctosque se dao qn jtidiaaaioeu-
te, oque o*vra bear no esqawcimento.
Hecle, de owrubro det*7%.
Q agrcultor.
-r- 0 abaixo aasvgnadp tendo de ir ao Rk
de Janeiro a tratar de seui negaciat d'onuV
voltard com brevrdade, dtxs como seus
bastanles procuradores, para tralar dots oe-
gocios das lo'erias, oseu irmao oSr. S*se
Kodriguus da Souza. epara i utros qmes-
quer negocios de seu escriptorio ao seu jr^n-
ro o Sr. Joaquim Pires da Silvia
Kecifi', 6 de outubro de 187*.
AiUonio Jose Hoiirigins tk Sjuza.
COLLEEIfl 01 SAfTfiSSIMA TRINDAOE
%0 i'ti: dos CuotbasCO
SOB A MftKCCAU 0:-: rilU.OKK.XA, MI.VgKVJXA. tK MM'-
QLKRWK.iCO.NNiil.l. iSaiKlr, <^UMi;VAttV PiM
SUAS liMAS I) l,AM)KM.N\ OK AMM'9jl'Kaqi'e o'COM-
tm, >i.iwsiv b n ouxau'A ob AUtuuvKaoas o'coa-
NklJ. JKi'.SKt.
I
Ai iii!o l. 0 Jl gio dirigido por Pailoraena
Miiiervni.i d; Albu (uerqoe o'<'. mo M Jersey, de-
nomma-si Cou.6|o oa .Sa.misiiia Trisuabk.
Art. 2 As aliuunis recebem n-jllo instiuccio
priinaria, (ecuadaria, religiosa, de civilidade, a de
recreio e prendas.
Art. 3.a A in cripta, contabililade (as quiiro operafdasj^ Docoav
chet.
Art. 4.* A iastroecAo secaadaria comprenende
lingua nacional, rrancea. inglez, Ualiano, bislo-
ria, geographia e arithmetica.
Art. 5." A instruccat religiosa e dada pelo car
ihecismo ; as alumnas aprendem : doutrina
ch isla, e lodos os deveres religinsos a cumprir
para com Deu, sens pais e parentes, e em geral
com a sociedade.
Art. 6." A instruccao de civilidade altrange to-
dos os actos da vida de uma senhora em relacao
com as pessoas de sua familia e com a socie-
dade.
Art. 7." A instruccao de recreio consta de-da-
senlto, musica, piano e danja.
Art 8." A instruccao de prendas reune^ :
todos os iraballios de agulba e toda a e.-pecie de
borda'dos, que devesaber uma ieabora da mcloor
sociedade.
II
Art. 9." 0 collegio admitte ?luinnas interaas,
o meipensionistas e externas.
Art tO. A lingua qua se falia no interior do col-
legio e a franceza ; e duranle as tulas de inglez
ital aao so se fallam estas lingua?.
Art. 11. As alumnas que estudam francez, in-
gles e ilaliano, aprondem a fallar, escrever e tra-
dazir estee idiomas grammaticlmnte
Art 11 A raeosahdade para as int>rnas c %0|.
para as meio pensionistas tOi e para a? estetaaa
55, pages aliaatado-, por trimesires, que uma vez
coraeQados.consideram se vencidos.
Art. 13. A instruccao Has alumnas externas.
remunerada segundo o artigo aafbuaaata, e a
dos arts. 3 e 5, as internas e mala aaaaaajMUs
teem direito ados arts. 3, i, S, 6, 7 e 8, paaeaae
todavia, qualqner alumna exlerna freqttantar a*
auias superiores, mediaule a in Jemnisaijao que se
convencionar.
Art. Ii. As despezas com livros, papel. etc..
sao da cimpeten'ria aos pais <-u eurnwaoaaafn,
las alumnas, e bem assim a malaria prima de
bordados ; e estes executados, sao propriedade
das mesmas.
Art. 13. As aulas no Collkcio da Sa.vtis.*ima
Trlndadb, trabaloam dnas vezes ao dia, de ma-
nha dos 9 as 12 horas, c de tarde das S l|2 a*
5 1|2.
Art. 16. 0 enxoval das internas 6 ao gosto Ja
seus pais, assim como froooa lavada e engooi
mida e p-rten^es, por elles serio fornecidos.
Art 17. As pejaenas indisposigoes e moles-
ias das internas, sit trata las no collegio ; ni--
graves, pordm, a directora faz avisar aos pais oa
icorrospondente', para providmciarem sobre o tr.i
tainento, que pole ser em suas easas ounocol-
Art. 18. Os feriados sao os las anus pnldicas,
sa'vo as quinlas feiras que, no collegio, fleam des-
linadasa inslrucgao do recreio.
Art. 19. Tod3s as malarias leccioaadas no Ox.
LHOio da Santissima Tbisdade, sao prfasdasoe-
pela directora e comaaptitao precisa, e que a directora julgar
necassarias.
Recife. 30 de dezembro de iST.l -Philomena
Minervina di Albuquerque O'C nnell Jersey.
Approve. Direct ria gerl da instruccao pub!i--
ca de Pernambuco, 8 do Janeiro de W7%.JMa
qarbilho.
P "
L'ma palavra n|u<-5li"-. qu:
decent de phljraica.
A expectora;ao de mucosida'es, tosse fatigadj-
ra a continuada, pulso precipitado e pulnoes in-
flammados, sao symptomas desfavoraveis ; porem,
nem por isso deveis desesio-rar, se acaso deposiUr-
des toda a vossa confian;a no pulmonico o inai?
pederoso e adrairavel entre todos os mais codIk-
cldos, isto '. o Peitoral de Aaacahuita.
Em milhares de casos semelhantes, os enfermes
se restabelecerao e adquirirao a sua saude. A.-.-.i,.
como o azeite abranda as oadas do embravecido
mar, pela mesma forma este remedio aplaca >
acalma os symptomas febris que acompanham a
tosse, constipacao, bronchiles, pleuresia, Mthaat t
catarrhos. Usai-o, pels, o mais breve que foe se-
ja possivel, e ainda mesmo embora. qne a enfer-
midade ja tenba f-iio terriveis progressos, co a
do isso nio tenhais medo que ja teia dTja-i.I..
tarde para usardes desta grande e impagavel l e
raedio ,o restaurador da vida a sadde dos moitaes
Folizes daquelles que o usam e o sabem rerda-
d<:iramente apreciar.
noMMEMK.


JUNTA DOS CORRETOftES
Prapa do Recife, tt de ontubra
de 18 9 A.
AS 3 HORAS DA TARDE.
cotacSbs officiars
Algodao -dosertao sorts 7*500 por IS kilos.
Algoaao de Mamanguape sera inspeccao 63500
or 15 kilos, hontem.^
Assucar bruto escolhido 2JU50 por 13 kilos.
hontem. '.
Counts seccos satgados 566 rs. o kilo, hon'.em.
Uambio sobre Londres a 90 div. 26 5|8 e do
banco 26 1|2 d. por 1*600, hontem e hoje
Dito sobre dito a 3 div. 26 l\\ d. por 13000, do
banco.
Cautbio sonre Hamburgo a 3 d|v. 451 rs. por
R. M., banco.
Cambio sobre Lisboa a 90 djv. 103 O|0 de pre-
mio, banco.
B. de Vasconceiios
Presidente.
a. p. de Lemos,
Secratarlo.

4LPANDBUA
leadimento do dia I a S
dam do dij 6 a
146:313*798
30.56ii6W
l76.878;i.-
Descarregam hoje 7 de outubro de 1B7V.
PaUcho sueco afojnw mercadoras para at-
Paucho dinamarquei- Katie -mercadoriasi para
o trapiche Concetfie, para despacbar.
Barca portugaeza-Pwrfra Borges-toreilo ja aa>



4
Diwio r
IrigiM
paebado para o r ponto.
portof net Belt* Figwirente pedras
para o t(apiche Goocei^io, para des-
aaeaar.
Vapor fraocez Qironde, entrado das portos da
Earopa em do eorrente. e cousijnado a Haris-
aiaady LaWHa. manifested :
Aaaostras 5 votames a diversos.
Cartees 1 caua a Uonaard Mettler & C. Cami-
sat 1 eaixa a Lola Antonio Siqueira. Calcado i
eattas a Joaquim Pereira Arantes, 2 a Lyra &
Vianna, 2 a Pareate Viaaoa & C, 2 a Vaa & Leal.
Chapeos caixas a Pliipps Brothers 4 C, 1 a Luiz
Antonio Siqueira, 1 a Joao Christiano & C 1 a J., -
J. d'Oliveira Lisboa, 1 a Pinheiro 4 Bartholo, 1 a. Torres Novas.
Victorino Maia & I a Rodrigues Irmio & Gui- Valenca.
Cnaves.
i-oimbra.
Coara.
Covilha.
CasteJIo Braoco.
Caminha.
EKas.
Estremoa.
Bvora.
Espotende.
Famalicio.
Paro.
Figueira.
Pare.
Thoraar.
Tavira.

maraas. Gonservas' 1 caixa a Jo*6 P. de Paula
Ramos, II caixas a H. Noeteb. Coaros I caixa a
Moahard Mauler & C., 1 a Moreira Halliday &
C, I a ordem. Coroas funerarias 1 eaixa a
Agra* a
Desenho 1 oafcu a Poornie,
En'eites para cabello I eaixa a D. Maaoel Mar-
iin>, 1 a IT. Leile Bastes, I a Vat 4 Leal. Es-
tampas I eaixa a Paolo Gael ph.
FrucUs J -caixa a J. A. Garcia, I a H. Naesch.
Gravatas-c titas 1 caixa a Alfredo Gibson.
lastrumeetos de cirnrgia I caixa as Dr. Chacon.
Juias i eaixa a A Hy vernal, i a Penna Ju-
nior at Jornaes e bilhetes I caixa a De Lailha-
caraVC.
Livros objectos de impressio 2 caixas a Wat-
freda* Soma, i a Silva Cardoso & Petsoa. Li-
vroa-2 saixas a ordem. Luvas 1 caixa a Mattes
LeaosxSt C. I a ordem.
MeMieamentos 1 caixa a A. Caors. Mantelga
100 barns e 100 meios ditos aos consignataries.
Uiudez is I caixa a Matt is Lemes 4 C, 3 a or-
ueaa, 1 a A. C. da Vascoacelles, 1 a E. A. -Burle
4 C, 1 a Vaz & Leal, 3 a Vac Junior A C
Objectos de viagem 1 caixa a Parente Vienna
& C
Porcelaaa 1 eaixa ao Dr. M. A. Goncalves.
Paramentos para igreja I eaixa a Paulo Gael-
pb. Perfuaiaria 3 caixas aos consignatarios.
Papel para eigarro* 5 caixas a J. B. dos Reis. Pa-
pel I eaixa a J. T. L. Bastos.
Qaeixos 1 eaixa a Keller 4 C, 48 a Antonio
Ferreira de Carvalho, 32 a Jose M. da Rosa 4
Filbos, 37 a Joaquim Jose Leilao k C, 35 a
Cardoso & Martins, 32 a Beltrao & Filbo, 35 a
Fernando* da Costa Ac C, 33 a Cardoso 4 Martins,
36' a D. J. Ferreira Crux, 30 a Francisco Goncal-
ves Bastos e Si, 12 a J. J. Alves 4 C.
Betratos I caixa a Paula Penna,
Seda 2 caixas a Cramer Frey & C.
Tecidos I caixa a Monhard, Mettien&C.. 2 a
E. A. Burle 4 C.
Vestidos e lis-rxt- a Luiz Antonio Siqaeira. Vinho
5 barrioas e 2o caixas a II. Naesch.
DE3PACHOS DE EXPORTAgAO NO D1A 5 I)*
OUTUBRO DE 1874.
Para os portos do exterior.
No vapor inglez .Vew, para Liverpsol, carre-
Son : T. L. Soares 302 saccas com 27,236 I [2 kilos
e algodao.
No vapor inglez Student, para Liverpool,
earregou : Keller 4 C. 600 couros verdes com
12.600 kilos ; L. A. Siqaeira 1 barrica com 39
kilos de cafe.
Na barca franceza PtrtJuina, .para o Havre,
earregou : E. A. Burle & C. 1,000 couros verdes
cem 21,000 kilos.
No navio hespaahol Antonicta, para Mar-
seille, earregou : J. J. G. Beltrao & Filbo 176
saecas com 12,721 kilos de algodao.
Para os portos do interior.
" Para o Araeaty, no hiate national D^ms te
Guardc, earregou : Costa & C. 6 barricas com oiO
kilos de assucar reQoado.
Para o Ceari, no vapor nacional Ipojuca,
earregou : P. Alves & C. 60 saccos com i 600 ki-
los de assucar branco, 10 barricas com 667 ditos
de dito refinado e 3 ditas com 272 ditos de dito
branco : para Acaracu', Rodrigucs lonior I bar-
ril com 15 litros de aleool.
Para Villa da Penha, na bareaca Motsoro,
earregou : A. Carvalbo 4 C. 2 barricas com 120
kilos de assucar refinado.
Para Acaracu', no hiate nacional Olinda,
earregou : J. A. G. Pires & C. 1 pipa com 480 li-
tros do agmrdenle.
Para Mossoro, na barcaca Leonflla, carre
Sou : A. Oliveira & C. 0 barn:as com 34$ kilos
e assucar branco e I ditas com 232 ditos de dito
refinade.
Vianaa,
Vika do Conde.
Villa Nova da Cerveira.
n
Fanchal.
Madrid.
Barcellona.
Vigo.
Monle-mor o telho.
Oliveira de Aremeis.
Ovr.
PenaAel.
PinheL
Ponte de Lima.
Portimio.
Porto.
Povoa do Vartim.
Porl'Alegm.
Povoa de Lanbcso.
Regoa.
SUves.
Santo Thyrso.
Villa Real.
Vinhaes.
Vizeu.
Villa da Peira.
Villa Pooca da Aguiar.
Villa Real da S. Antouio.
FayaL
^'dsf kistrecr^M qae com a meson baixt- *w Roraens e S. Gonealo, a de w Hno.
rniin, findo o prazo de tree mezet
Hi
Cadis.
Orense.
Corona.
Companhia Indemnisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:0000600.
Tkomaz de Aquino Fonceca 4 C, tnccetnrt*
agentis.
Em companhia toma seguros maritimos e ter
restres, dande nesss o septimo anno gratis aos se-
gurados.
tax 4o Vigarl* a. 1.
Banco do Minho.
Joaquim Jose Goncalves Beltrao A Filho sacam
por todos os vapores sobre
Anadia.
Agaida.
Aveiro.
Beja.
Cbaves.
Elvas.
Amaraste.
Guimaraes.
Covilhi.
Melgaco.
Portalegre.
Arces de val da vez.
Celorico de Basto.
Caminha.
Mangualde.
Ponte do Lima.
Povoa de Lanhosa.
_ a oontar
ai data da panlicaflo desto, sari vendido e
arramaUdo ea hnsta public* celebrtda na
eomarca de Itambe, a quem maior pre^o
offerecer, a ttsta cm a prazo art 11 anoos
quando muito com juros do 6*/. ao anno
pelo tempo da demora a comprebensio de-
) onminada, Bunco doextincto vinculo
da Itanbe, site naquella eomarca a qual se
acba evaliada em ciaco contos de r&s e
cootem segundo a medi^ao a qua se proce-
dea consta dos autos a extensao seguinte :
do lad o do leste 1,1 It) braces, do la do do
twrte 409 braces, do lado do noroeste 682
bfa^as do lado dopoeiite 411 braces e de
lado do sal 681 bracks, sen do todo o ter-
reno proprio pera a cultura de mandioca e
ontros legumes e ficando certos os interes-
ts dos de que, (anto por Unto sera referido
o lane/) do posseiro respective), na confo*-
midade da ordem do tbesoaro, n. 15 de 48
de Janeiro de 1874.
Recife, 15 de setembro da 1874.En,
Jose Francisco do Rego Barros, escrivSo, o
subscrevi.
Evora. Monsao.
Pale. Over.
Para Porto.
Guarda. Tavira.
Leiria. Regoa.
Lisboa. Vizeo.
Barcellos. Figueira.
Coimbra. Lamego.
Mirandella. E^tarreja.
I'enaflel. Valenca.
Villa Real.
Cabecciras de Bastos.
Castello-Braneo.
Espozende.
Oliveira de Azeraeis.
Povoa de Varzim.
Vianna do Castello.
Villa-Nova de Portimao. Villa-Nova de Faaialicao.
Villa do Conde.
\u* ilhas.
Madeira, S. Miguel, Farai e Terceira.
SEGUROS
Maritimo e contra-fogo
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
A eamara municipal desla cidade faz publi-
co para conhecimento dos interessados, one a It'
eenca, d*da aos eapaUzes, talhadores, magarefes,
ajndantes on aprendizes, valera somente por am
anno, e a (alta della nos primeiros 13 dias do mez
de outufero do anno finaneeiro municipal equiva-
lera a #erda de eraprego, conforme detennina o
artigo 231 das poetaras manicipaes de 26 de in
nho de 1873.
Pajo da eamara municipal do Re ife, 23
de setembro de 1874
M. J. do Rego e Albuquerque,
Presidente.
Francisco Augnsto da Costa,
Secretario.
Edital n. 58
Seguro
rHE LIVERPOO
CAPATAZIA
rtandimsnto do dia i
dam do dia ft .
DA AI.KANDEttA
2:664^918
343*417
3 008/338
contra-fogo
LIVERPOOL & LONDON & GLOI
INSURANCE COMPANY
Agentes
SAUNDERS BROTHERS & C.
11Corpo Santo-11
Pel a inspectoria da alfandega se las pnblico,
qne nao teudo ido arrematadas as mercadorias
abaixo declaradas, annanciadas a leilio por editaes
ns. 49 e 53, se transfere a mesma srrematacJo
para as 11 horas da manha do dia 8 do corrente,
porta desta repartigao.
Armazem n. 4
Marca S M 4 C n. 38 1 caixa vinda de Ham-
burgo no navio allemao Freed, descarregada em 12
de setembro de 1873 e consignada a Silva Neves 4
('.., contendo (iias de seda, pesando liquid.) real
5,720 grammos, no valor de 472&70.
Armazem n. 1
Marca C I & C n. 20|28 9 ca>xas vindas do
Havre no vapor francez Ville de Buhia, detcarre-
gadas em 2i de Janeiro do corrente anno e con-
signadas a Costa lrmaos & C, contendo papel para
escrever, pesando liquido legal 2,0iG kilo?, no
valor de 1:527*680.
ldera=Z contra marca II-n.'568 1 dita idem
idem, contendo 2t lamiaas do vidro com ago, de
mais de 10 dec. ate 20 dec. de snperficie, medin-
do lodas 480 decirn. (\), no valor de 182/700.
Idem idem n. 5691 dita idem idem, com 6 la-
miaas de vidro com ago de mais de 50 dec. ate 75
dee. de superlicie, no valor de 170/940
Idem idem n. 5701 dita id2m idem, com 6 la-
minas de vidro com ago de mais de 130 dec. ale
200 dec. de $uperfl ie, medindo lodas 960 dec. (i),
no valor de 806/400.
Alfand-ga do Pernambuco, S deoutubro
Je 1874.
0 inspector,
Fabio A. ik Carealho Iieis.
A com-
missienearrefadado festejo nio tern poupado
esforcpa afim de abrilhantar o aete. Agaa-Frfa,
5 de outubro da 1874.-0 lecratario,
Jose Anstridiaeo Toleotiao de Almeida.
200/000
221/000
362/000
301 #006
310/000
408/000
251/000
SANTA CASA DA M1SER1CORD1A DO
RECIPE.
A H1 ma. Jnnta administrate da Santa Casa da
Sisarieordia do Recife, manda ftxtar publico one
aajsalade snaa sessdet, o dia 8 de outubro, pa-
las 3 aoras ta tar do, tern 4a aar arrematadaa a
quem mais vantagens oflareeer, pelo tempo da am
a ires aanoa, as rendas dos predios em seguida
Isclafadna
ESTABELECIMENTO DB CAR1DADK.
Rna do Padre Floriano
Casa tema n. 63 107/080
Rna das Calgadas
Casaterrean.30(feea*da). .
(den n. 36 .......
Vital de Negreiros.
Caa terrea n. 114 ......
Idem n. 94.........
Rna krga do Rosarlo.
I*andar e loja n 2i A. .
L*andar u. 24 a........
3/ andar n.li A. ...
Rna de Antonio Henriques.
Casa terrea n. 96..... 99/000
Largo aa Campina.
Idem n li(feohada)...... 96/080
Rea do Coronet Saassana
1* andar do aobrado nuraero 94 386/000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rna da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).. 400/800
Beceo das Bolaa.
Casa terrea n. 18....... 421/00*
Rna da Lapa.
Casa terrea n. II.......209/000
Rna do Amorim.
pbrado de 2 andares n. 23 60IAOOO
Casa terrea n. 34......S2/000
Roar do Bagoa.
Casa terrea n. 21.......153/000
Rua do Vigario.
2* andar do sobrado n. 27 243/000
1* andar do raesmo......240/000
Loja do raesmo.......300/000
Rua do Eneantamento.
Sobrado de 2 andares n. 13 (fechada). 1:400/000
Rua da Somalia velha
Idem n. 16.......109/000
Rua da Gtiia.
Casa terrea n. 25.....209/001
Idem n. 29.......201/000
Rua daCrui.
Sobrado de 2 andares n. 12 (fechada). 800/000
Idem n. 14.........600/000
Rua de S. Jorge
p.asa terrea n. 100 (fecbada) .
Idem n. 103 ...
Rna do Ampare )0linda)
Caa tercean. 18 (fechada). .
Os pretendentes deverio apresentar
arrematacio as suas flancas,
acompanhados dos respective*!
THEATRO
PHENIX DRAN4T1G0
8fcfcn*a da> eawt-Mde.
Crraaiale e varlade e*petaeU
am beaeflrlo do Conselho Paro-
chial da Mociedade rroa|adora
da IauMraieoaW mailra da fire-
gaeala dm Varcea.
Logo que S. Exe. 0 Sr. presidents da provineia
compareeer na tribnaa, snbiri 4 seena 0 appara-
toso drama em 3 aetos :
241/000
207/000
240/000
no acto da
ou comparecerem
fladores, devendo
00
A COROA DUCAL DE PaRMA.
Segnlr-se-ha depois a muito ehistosa seena co-
mica pelo actor Penanta :
1st concerto de rabeea c
realcjo.
Terminara 0 espectaculo com e eomedia em am
tetu, ornada da mnsica :
e nolle todos oa tsntom 4o
Btaratos.
0 conselho parochial espera do pnblico desta
cidade a sua proteccao, visto s- r 0 dito sen benefi-
cio para am lira util, como seja a inilrucgao gra-
tuita aos desprotegidos da fortuna. Em am dos
intervallos, uma commissSo ira aos eamarotes re-
ceber os donatives.
Findo 0 espectaculo havera trem, gratis, para
Caxanga, pela linba principal.
Principiara as 8 horas.
AVISOS MARfTHMS.
Pacific Steam Navigation Compasy
ROYAL MAIL STEAMER
Cdopaxi
(De 4.027 tontladas).
Espervse da Earopa ate o
dia 11 do corrente e segaira
para Bahia, Bio de Janeiro,
Montevideo, Baenos A y r e s,
Valparaizo, Arica, Islny e Cal-
lao, para onde recebera pas-
sageiro?, enenmraendas e dinheiro a frete.
N. B. Nao sahira antes das tres horas da
tarde do dia da sua ehegada.
OS AGENTES
Wilson Row f A C.
14-r-PRAgA DO COMMERCIO14
pagar alera da renda, 0 premio da qaantia em
que for segnro 0 predio qua contiver estabeleci-
mento commercial, assim como 0 servigo da Mm
peza e precos dos apparelhos.
Secretana da Santa Casa dalMisericordia do R*
eife, 17 de sstembro de 1874.
0 escrivao,
^^^^^ Pedro Rodrigties de Sauza.
MAIiITIMOS
No dia I
No dia 0
rYimeira
8sgund?.
fareeirs
Fitrpieba
VOLUMES SAKIDOS
a j.
pen
1 nci ;ao
4,918
431
S3
139
465
O.Oio
SihViQO MAR1TIK0
aj>arerjgas !?escarregadas no trapicbe da
alfandega.
No dia 1 a o .....
No dia 6.......
o trapiefce Concsigao .
aECSBEDO?.lA I)E
RAES CE
ftaaJimeato Co dia I
rfsia de dia 6 .
10
RENDA3 1.NTERNAS GE-
PERNAMbUCC
. 3:062/107
.. 1:602/630
8 :
6:664/737
CONTRA 0 FOGG.
4 companhia Indemnisadora, estabelecidj
esta praca, tnrna seguros maritimos sobrt
oavios e seus carrt-gamentos e contra fog(
mi edificios, mercadorias e mobilias: m
ua do Vigario n. 4, pavimsnto terreo.
COMPA^HiTALLiANCA
seguros maritimos e terrey
tres estabelecitla na Bahis
em 15 de Janeiro em 187 0
CAPITAL 4,000:0005000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
ico mnritimo em navio de vela e vaporei
?ara dentro e f6ra do imperio, assim corar
fogo sobre predios, generos a fa
Faculdade de Direito.
De ordem do Exm. Sr. conselheiro director
V'isconde de Camaragibe, se faz publica a lista
das faltas dos alumnos desta faculdade relativas
ao mez de agosto proximo findo, e que foram jul-
gadas nao anonadas em sessSo da congregacao de
29 do setembro ultimo.
!. anno.
N. 41. Jose da Silva Campos, 7 falia?, inclusive
1 ?abbatina na 2." cade ira.
N. 40. Luiz da Silva Baraiina, S faltas, idem.
4. anno.
N. t3. Jo>e Poppe d< Silva Lopes, perdoa o
anno por excesso de fultas.
o.' anno.
N. 1. Levino Augustto do Hollanda Chacon,
perden o anno pjr exedsso Ue faltas.
Secretaria da Faculdado de Direito do Recife,
6 de outubro de 1874.
0 secretario,
Jose Honorio liezerra de Menczes.
.I '.44
i '*,:
3 0 administrador interino da recebedoria de-
clara a quem interessar possa qne a mesma re
cebedoria d'ora era diante funcciona no pavimen-
to terreo do edificio em que esia a thesounria
de fazo' da.
Recebedorii de Pernarabuco.
1874.
6 de outubro de
Francisco de Assis P. Rocha.
xmtra fogo sobre
rondas.
Agente : Joaquim Jose" Goncalves Beltrs
ra do Commercio n. 5, 1 andar.
Itandimebio do dia
Idem do dii ;
CONSCLADO PPOV!NC!AL
i a
13:603/209
718/133
16:411/357
AGENCIAS PROVINCIAES
Liqaidos espiritaosos.
Rendimento de 1 a 3 404/863
Idem i1 tin
i
nmmn m posts.
Aeadimento de
Idem do dia 3
Bacalbao, etc.
1 a 3 /
/
i01/863
Generos de estiva.
Rendimento de 1 a 3 938/988
Idem do dia 5 86/031
Farinha de trigo, etc.
Rendimento de I a 3 1:417/084
Idem do dia 3 /
Eendimento de I a 3
Idem do dia 3
Fumo,
Pit*
816/384
16/892
Rendimento de 1
Idem do dia 5
Vinagre,
a 3
etc.
41/390
60/672
1:023/022
1:417/084
833/476
102/062
Navio entrado no dia 6.
Dordeanx e portos intermedios 16 dias, vapor
francez Gtronde, de 1777 toneladas, comman-
dante Jacques, equipagem 143,carga diff3rentes
generos; a Ha rismendy & Labille.
-\acios saliidos no mesmo dia.
Araeaty Hiate nacional Deus te guarde, capitao
Pessoa, carga varios generos.
Portos do sul vapor francer, Gironde, comman-
danie Jacques, carga parte da que tronxe do3
portos da Europa,
Faco sciente aos sebores possaiaeres ue ear-
ros de passeio particulares e de aluguel, carro-
cas e mais vebiculos de conducjjao uesta cidade e
. seus arrabalde3, que de conformidado com o art.
; 33 da lei do orcamento vigente, deverao vir den-
. tro do prazo do 30 dias, a esta repartigao para
I prcceder-se a renovacao da numeracaodos mesmos,
j sob pena de serem apprehendidos e multados os
respsctivos donos.
Consulado provincial, 3 de outubro de 187i.
0 continuo,
Antonio- Carlos de Lemoa Duart^.
Companhia Fidelidade
acgaros maritimos e terrestres
A agencia desta companhia toma seguros ma-
ritim s e terrestres, a premios razoaveis, dando
ao segurado.
3ua do Visconde de Itaparica, antiga do Appolo
n. 51.
Feliciano Jose Gomes,
Agente.
IFTJNDICAO
DE *
0. Starr dt C.
SSo convidados os Srs. devedores a vii
satisfazer seus debitos, provenientes de let-
tras e eontas vencidas; sendo que nao o fa-
zendo ate o dia 30 deoutubro proximo vifi-
douro, serao vendidas em leilao. PoderSo
compareeer ou mandar ao escriptorio da
fundicao ou do testamenteiro H. J. Cannatl,
rua do Commercio n. 40.
Pela fecreiaria da eamara municipal de
Olinda se faz pnblico, para conhecimento dos in-
teressados, que nao tendo-se effectuado a arrcma-
(acao dos impostos annunciada para o dia de hoje,
foi transferida para o dia 8 do corrente.
Secretaria da eamara municipal de Olinda, l.f
do outubro de 187V.
O secretario,
______________Marcolino Dias de Araujo.
Subdelegacia de politia da freguezia da Boa
Vista, Gde outubro de 1874.
Por esta subdelegacia foi apprehendido a am
homem que andava vendendo por 10/, urn relogio
de ouro bastante velho e estragado, e nma corren
te, que dizia elle pertencer a ura senhor residente
na estrada dos Reraedios. Tambem foi apprehen-
dido urn cavallo rnsso pedrez, :om cassuaes e can-
galha. Quem, pois, se julgar com direito, apresen-
te-se nesta snljlnlegacia, que provando, ser-lbes-ha
entregue.
0 subdelegado,
Decio de Aquino Fonceca.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\n\egnrHo costoira a vapor.
MAMANGDAPB.
0 vapor Cururipe,
seguira para o por-
to acima no dia 9
do corrente mez, as 4
horas da tarde.
Recebe carga ate" as dez horas do dia, encom
jiendas, dinheiro a frete e passageos ate as 3 ho-
ras da tarde do dia da sahida : ascriptorio
no Forte do Mattos n. 12.
ganga e easemira.
Leneoa de eaasa, deseda," de chiu, de gaaga
eambrala. "
MerinO preto e de edrat.
Casemira preU e da cores.
Oravataa de diveraas quaaiadai. .
Chapeos da sol de alpaca.
59 papas de mounJina branca.
100 ditas de cambraia bispo.
20 ditas de granadine de cores.
10 ditas de ato?lhado cm.
4 ditas de atoalbado de linao (bramaate).
30 ditas de damasco de cores.
24 ditas de dito de la.
13 ditas de dito de setim.
20 ditas de fllo preto franeea,
120 ditas de panno para colehao. ')
100 ditas de mossalinas abertas.
10 duzias de veoa para caamtnios. .
2 ditas de capas de casemira.
1 dita de tunicas de choly.
11 ditas de eintos de seda
50 pecas de cbitas de ganga.
6(1 ditas de cassaa.para cortiuados. .
15 ditas de algodao enfeetado.
<0 ditas de damasco de linho.
10 daxias de camisas de linho.
100 pecw drt i>rgeliin preto e de cores.
10 ditas de damasco lusiroso.
Tapttes de diversos tamaohos.
E mnitaa outru fozendas.
HOJE
Rua do Bom Jesus n. 63.
Os adroinistradoret da massa fallida de Pereira
de Mello & C, nsando da aatorisacjao qae tem do
lllm. Sr. Dr. jniz de direito especial do eomaer-
cin, coDtinuarao a disper em leilao no dia acima
dito, por imervenclo do agenta Pinto, das fazendas
snprameucionadas, qne fazem parte da mesma,
e qne toroam-se reeommeodadas par serem mni-
tas deltas nltimatnente despacbadas, e proprias pa-
ra a present? estacio.
0 leilao principiara i* 10 l|2 horas em poato,
no armazem da rua do Rom Jesus n. 63. .
Os pretendentes p.dera examinar ditas fazen-
das na vespera e dia do leal*.
J
INoyo leilao
DAS
dividasna itnporUncia de 7:9319190, per-
teneeotes aos bens que flcaram por falle-
cimento do Pedro Jose da Costa Castello
Branco
Hoje
A's 10 horas

do Marquea
C0MPAM1IA
MESSAGERIES HARITDIES.
____Linha mensal
"V-~^_ J\ E' esperado dos por-
__i=.-----^WS:^ tos do snl no dia 10
do corrente, seguindo
depois da demon do
costume para Bor-
deaux, tecando em
Dakar (GorSe) e Lisboa.
Para fretes, encommendas e passageiros : a tra-
tar com
OS AGENTES
Harismendy A. Labille.
9 Rua do Commercio 9
Em o !. andar do sobrado da rua
de Olmda n. 37.
0 agente Dias, cumprindo o respeitavel despa-
eho do lllm. Sr. desembargador jniz de orphios
desta cidade, levara novamento a leilao, as dividas
acima mencionadas.
0 invontario acha-se em poder do referido agen-
te, onde pode dsde ja ser examinado pelos Srs
pretendentes.
LEILAO
nu 8 m
I
I
ii
0 brigue
i.
portnguez Triumpho, pretende seguir
:om muita brevidade : para carga o passageiros
irata-se com os consignatarios Thomaz de Aquino
Fonceca & C., succe-s.-ores, rna do Viaarin n. !9
DE
diveraas fazendas inglezas
Hoje
A's 11 horas da manha
No sobr.ido Ja raa do Marquea de Olinda n. 37,
primeiro andsr.
0 ageato Dias levara a leilao, no dia e bora
acima designados, por conta e risco de quem per-
tencer, as fazendas ccrao abaixo se mencionam, a
Siber :
10 peeas de chitas para cobertas, 100 ditas de
castOres, ditas de nscadinhos, ditas de brim pardo
e de listras, ditas de creguellas de linho, diUs de
caattrea do algodao, duzias de lengos, ditas de cha-
les, ditas de chapeos de sol de seda, peeas de cam-
braia, ditas de eoteta, ditas de ganga, cortes do
vestido de H, e outras mnitu que estarao paten-
te3 aeoxame d.s Srs." c in-urrcntes r.o dia do
leilao.
' ^7! 9 5 o rr^
?S=n s a 5
Si 2^3t7sPa
B* ...
CD
39
: -, w
CD r-
332
3:782/5 7
Tbesouro poviccial de
tore de 4874.
P9rnamueo, <3 de onto-
0 escrivao,
JoSo Carneiro M. da Silva Santos.
Banco Commercial de Braga
Jorge Taawo.
37Rua do Amorim37
Saca qnalqner qaantia a prazo cu a vista so-
bre este Banco on suas respeetiva* agencias nas
seguintes cidades e villas de Portugal, ilhas adja-
centes e Hespinha, a saber:
Portagal
0 desembargador Francisco de Assis Oliveira Ma-
ciel, official da imperial ordem da Rosa, ejuiz de
direito privativo de orphaos da cidade do Reci-
fe de Pernambuco e seu termo, por S. M. o Ira
perador, a quem Deus guarde, etc.
Faco s^ber a quem o conhecimento do presente
ohegar> que por este jaizo e a requerimento de
Francisco Luiz dos Santos se procedeu a justiSca- J
;ao de prodigalidade contra seu fllho Manoel Luiz
dos Santos, e depois da prova testemunha), e pa-1
recer do Dr. enrador geral, snbiraro os.aotosa.'mi-1
nha conclnsao, nos quaes proferi a sentenca do
tbeor seguinte :
Vistos os documentos de fls. "i, a tls. 11, e in-
luepcao de fls. 13 a fls. 16, quo provam estar o
justilicado Manoel Lnizdos Santos praticando ados
de completa poodigalidade, o hei por incapaz de
administrar sua pessoa e bens, que flcarao sob a
atlministraijao desen pai Francisco Lu:i dos San-'
to*, a quem noraeio enrador. ,
0 escrivao passe edital para ser affixado no lu-1
gar do costume e publicado pela imprensa, e cos-
tal. Recife, li de setembro de 1874.Francisco
de Assis Oliveira Maciel.
E para qae ningaem faca negocio algum com o
^recitado prodigo Manoel Lniz dos Santos, senao
por intermedio de seu carador, com previa autori-
sacao deste juizo, mandei passar o presente qne
sera affixado no lugar do costume e publicado pela
imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 16 de setembro de 1874.
Eu, Manoel do Nascimenlo Ponies, escrivao, o
subscrevi.
Francisco de Assis Oliveira Maciel.
Recife, 16 de setembro de 1874.0 escrivao.
3=3-3
o.^ a
s i
5r f. tj
, s e.9
S S o o
a o
a,2.ui
o v-o
a, So.3
ae
?-" M ft
9 -i -a
?3 a >
= 5-
3 9
5 2.
11
ii
r to
<= S
Si
9-gS
iti
HI
O o _
a R 2
> ? B
o
te
m
3
e
o
Q
u
da'
= 5S
3 .
CD
al8
3^
if
CD
TTj'
ram
Sj n
... fta r^

Qi
P Si
H *
D
O
f s-

a*
S
El
So
Q.T3
*"
2. JI

Estrada de ferro de Olinda
Sal i p as
Esta companhia cora-
pra sulipas de oiticica,
de 9 palmos de compri-
mento sobre 9 pollegadas
de largo e 4 de espessura
ou grossura.
0 gerente,
L. J. de Miranda.
JlxtriAj
St^^x^WYr'ft1;
?giSr!gtlggJP
Amarante.
Anadia.
Arcos.
Aveiro.
Agueda.
Areo de Raulhe era ca-
beeeiras de Bastos.
Barca.
Barcellos.
Beja.
Brajanca.
/ Mancel do Nascimento Ponies.
Guarda.
Gaimarae?.
Gouveia.
Lagos.
Lamego.
Lisboa.
Louie.
Melgaco.
Mirundella.
Moncio.
Mealnada
Ao sello
Maciel.
300
Santa Casa de Miserioordia
do Recife.
Pela secretaria desta santa casa convida-se as
amas que se acbaro encarregadas da criacio dos
expostos, para qae venham receber do illm. Sr
INSPECCVO DO ARSENAL DE
MARINHA.
Faz-se publico que em data de 3 do corrente
foi vistoriado o vapor Ipojuca da companhia per-
nambucana de navegacao costoira, e a commissao
julgou-o em estado de podcr continuar no servijo
em qsic se emprega.
Inspecjao do arsenal de niarinha de Pernambu-
co, 6 de outnbro de 1874.
Francisco Jose Coelho Netto,
Inspector interino.
ADM1N1STRACAO DOS CORREIOS DE PERNAM-
BUCO, 5 DE OUTUBRO DE 1874
Macao da correspondencia regislrada (sem valor)
recebida de diversas procedencias aid esta data,
e que nao tem sido entregue por ignorarse as
residencies dos destinatarios.
Augnsto Muniz Machado, Amaro Je Oliveira
Dutra (2), Antonio Ftlippe Santiago, Antonio M.
Gomes da Silva, Bento Jose da Silva, Firmino
Theotonio da C. Santiago, Francisco da Costa Maia,
Francisco Cavalcante de Albuquerque Lins, Flo-
rencio Izidoro Leal & C, Francisco Luiz Ozorio,
Francisco Martins de Araujo, Francisco Manoel de
Araujo, Francisco Pinto Pessoa, Honorato Caetano
deAbreu, Jeronyma Maria Ramos, Just no Rodri
gues Silveira, Jose Gomes Rodrignes, Joao Baptis-
ta de Oliveira Guimaraes, Joao Cyrillo de Lima,
Joao Fernando da Cruz, Joao Gabriel Baptista,
Joao de Sa e Albuquerque, Jose Adolpho de Oli-
veira Lima, Jose Bonifacio da Silva Camara, Jose
Caetano de Albuquerque (2), Jose Furtado de Mel
lo, Joanna Martha dos Santos, Joaquim Jose Fer-
reira da Rocha Junior, Jose Manoel do Nascimen-
to, Luiz Gonzaga Moreira, Lino L. Regalo Braga,
Miguel Augnsto A. Barros, Maria Graciana, Ma-
noel Jose dos Santos, Manoel Migneis, Manoel Pe-
reira da Silva Bambilba, Romualdo Alves Ferrei-
ra, Ramon Carrera, Salustiano Francisco do Nas-
cimento, TristJo Henriques Costa.
0 official encarregado do regislro,
Josi Candida de Barros.
ADMINISTRACAO DOS CORREIOS DE PER-
NAMBUCO, 7 DE OUTUBRO EE 1874
flalaa a expedir-ae
Pelo vapor nacional Goncalves Martins, esta
administracao expede malas para Macei6, Penedo,
Aracaja' e Bahia, hoje 7.
Recebem-se jornaes, impressos de qualquer na-
tureza, e cartas a registrar, ate 10 hora da ma-
nha, cartas ordinarias ate 11 horas, e estas ate" 11
1|2, pagando porte dnplo.
Libras
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & 0.
____ Rua do Commercio n. 42.
COMPAftHM BRAMI.CIRA
DE
NAVEGACAOA VAPOR
Portos do sal
PAltA
Commandauie Carlos Gomes
E' esperado dos portos do norte
ate o dia 7 do corrente e se-
guira para os do sul depois
da demora do costume.
Feira Economic
to esfreitu d;ft sarion. $
M
4 11 H015 i,., MANHA
pelt) agente iiarlins.
Bspelbos, eommcdaa, hTiinrins. tawcnJomu.
solos, mesas, caroas, piano, i uleliai e diversos
moveis, o peeas de vidro e lou.a para aso domes-
tico e jardim.
Agente Pestana
Leilao
Portos do norto
CERVANTES (fretado)
E' esperado dos jiortos
do sul ate o dia 8 do
corrente e seguira para
os do norte no mesmo
dia.
Para carga, encommendas, valores e passagens,
tratase no escriptorio
7-RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C.
_^______Agentcs.
25 barr.-s
arrobas
Ilho ae S. Miguel.
Com mnita brevidade segue para S. Miguel o
conbecido palliabote portuguez Novo S. Lonrenco.
Para o resto da carga e passageiros tnti-so com
os consignatarios Thomaz de Aquino P^u^ca &
t. successors a ma do Vigario n. 19.
DE
on toucinho de Lisboa, com i
cada um, com a marca I C B,
ehesa'lo; pelo vapor iD^lez Esludent
s 1 horas em panto
Xo srniazem do Sr. Annes, defronte da al-
fand-ga.
0 prepo.-u do agente I'estaua fara leilao, por
conla e risco do quem pertencer, de 25 barris com
toucinho de Lisboa. com \ arrobas cada om, com
a marca I C B, chegado* pen vapor inglez E$tu-
dent.
Em ura
pradores.
ou mais lotcs, a vontade dos Srs. com-
Leilao
Ilha de S. Miguel
Segue com brevidade para S. Miguel o palba-
bote portuguez Novo S. Lourenco, para onde rece-
be carga e passageiros : trata-se com cs consig-
natarios Thomaz de Aquino Fonceca & C. Sncces-
sores, rua do Vigario n. 19, f andar.
EILOES
dous cavallos do sela
para 1
.U'lXTA-FEIRA
A'm It
DE
e um arreio de am
cavallo
8 DEOUTUBRO
boras.
Feira Semanal
______10Rua do Imperador16
Feira Semanal
Pelo vapor nacional Ipojuca, esta admiaistracao
tnesoureiro as mensalidades vencidas de inlho exPed8 malas p^ra a Paranyba, Natal, Macao, Mos-
Agente Pestana
LEILAO
De moveis, loujas, vidros, ouro, prata, e
brilbantes.
HOJE
as 11 horas em- ponto.
No armazem de agencia do leildes, & rua
do Vigario n. 11.
0 preposto do agente Pestana far j leilao por
conta e risco de qnem pertencer, de mobilias de
jacaranda, ditas de araarello e ditas de faia, e do
jonco, e diversos moveis avulsot, e diversas obras
de gosto, de ouro, prata, e brilhsntes, os quaes
estarao patentes no acto do leilao.
rs.V. S. S. ex-cansa.-Oliveira fetembro findo, no salao da casa dos exposto*. ae- so** 22h iClara, A?araca e Maranbio, hoje 7.
desta provineia,
0 Dr. Joaquim
feitos da fazenda
S. M. Imperial, a
etc.
Fa$o saber aos que o presente
las 9 horas da manha do dia 13 do corrente; de-
onr,\------T------- -. i vendo para is3o trazerem as criancas.
bonjalves Lima, juiz dos, Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
que Deus guarde,
edital vi-
per cife, 2 de outubro de 1874.
0 escrivSo,
___________Pedro Rodrigues de Sooza.
. A commissao regedora da capella de Santo
rem que, em cumprimento da ordem do FSS&JZ*iia*'Ill\ fj!*?ubiie0. q5e dmin*
i. j. on j- j ._, .X- i ** do corrente, pelas i horas da tarde havpra
thesouro de 30 de dozembro de 1865, e nesta capella a ben^o ie duas imajeMTn. & m!
Recebem-se jornaes, impressos de qualquer na-
tureza, e cartas a registrar, ate 2 horas da tarde,
cartas ordinarias ate 3 horas, e estas ate 3 1|2
earn porte duplo.
0 administrador,
Affonso do Rego Barros.
LEILAO
DE
fazendas e chape'os
(Em continua$3o e por liquida$So)
A saber :
Cbapeos a Cavonr, de palua, de merind, >de clina
de seda, de castor e la.
Chales de merino, de seda, de 13, de meu'm, de
mobilias, pianos de armario,
camas francezas, guarda
louca, commodas, apara-
dores, cadeiras dcbalac-
90, mesas para jantar, 1
lustre de 4 bracospara gaz
earbonico, estantes Tpara
livros, fiteiros para lojae,
espelhos dourados, qua?
dros diversos, objectos de
brilhante, ouro e prata,
quartinheiras, cabides, ca-
saes de ratos, sabios india-
nos, cadeiras francezas,
brancas e pretas, relogios
de algibeira de ouro e pra-
ta, 1 toilette de mogno,



)



3lano dePemambucp Quarta feira 7 \
V
>
<-.
\
livro8 de direito, muitos
trastes avulsos, quinqui-
lhanas e immensos artigos
do uso domes4ico que se-
rao vendidos a troco do
barato
Quinta-fdra 8 do eorrenlc
A's 11 horas damanha
NA
FEIRA SEMANAL
f6-Kua do Iinperador-lti
ARMAZEM
pelo agente Martins.
Ao commerriii.
ignsuio raj scipnte a quern eonvier i l-Mft t
iniiiavo! r.eojj a swigl*.. que py-I i.,.;.,-,.;._ i.
?i-b a ., 4. rt|Mlo,BaiTim,r,,,r?i
f.ir f. music*,
Sob n !ircr"., do p.jfasgr Hr-rimim Ro-,
>u i-ra-1
Alfr LEILAO
bons moveis
Urn
CONSTANDO DE :
forte, nma mojilia d jaearanda a
JbttO
Uii XIV com 1 sofa, 2 eonsolw, cadeiras de
praeos, 12 de guarnicao; I cadein de balanco, i di-
ta de reereio tambem de jaearanda, 4 grandes es-
pemoa dourados, jarros e vasos para Cores, enfei-
WSttP*ra Clma de mesa porttjolas, e la petes.
uaa rama france-a de jacarandi, l Tavaiorio
com pedra, 1 tuilet, i goarda vestido para daas
pessoas, 2 magniflcos oandieiros a gar, e eamas
de ferra para ineoino.
Uma nwsi elastic* com 4 taboas, 2 gaarda ton-
kas envidrajado?, I apparadores com gavetas e
prateleiras, 2 apparadores torneados, 12 cadeiras,e
muitos outos movei*
SEXTA-FfclRA 9 DEOUTUBRO
No sobrado de Aiulejo da rua do Bom Jesus 26.
POR INTERVENQAO DO AGENTE PINTO
Dm l 1 bora da tarde
Em continuacao
1> t bora em diante
yeMera o mesmo agente Pinto uma mobilia de
jaearanda, 1 piano, muitos e differeotes moveis exis-
t***5s no armazem da ma do Bom Jesns n. 10.
vs referidos objeetos poderao ser examinados
P- vespera e dia do leilao.
leilao
DE
44,000 tijolos de marmore branco e de cOr
SEXTA-FEIRA 9 DO COaRENTE
ao meio dia
Por iiUervencuo do agente Pinto
No armazem da rua do Bom Jesus D. 63.
0 abatxo sigmdo fat sciente a quern
(|ne durulvea am'
rava m-ta praca
A FerreJra, c., armaVu li _* U-i,
ca do Ci-po SiHl rc-.iraiU-j Ft.
p rro>, paffii r ..I'.f-ito 1e to.!-. > sen. Ban'tit
ir.U-.p--;*, li^Mid' iudo rt :-ci.-j e ^ste-) argo
do c-Vfoio 1li-va>. Ila.i:-ir,ti fk-ffti-9. a q.ier
uci la Ji'.i em Ii. nt.- 3. j.rHear. J o Jito ;
\ul"le'i;niTii...
Recife, 0 i!o oc'^nfVi d- l'-,.
TbojBfz L! terrt-tra.
Roubara:n C ^0 de fsntembro para o ama-
nhecerdo dia !. do corrente, arromlwado o aoau
gue da raa do Kangel n. 35, n o>tt mesa qua Cuti inha dais gavetas <. denim das di-
tas Unba varios livros do ruesmo negrfio, papeis
de importancia, dinheiro e mais objeetos : rogase
a pessoa que deseobrir o aulor do diu ruubo, di-
rw*M ao mesmo acongue; ou a rua Imperial o.
159, qne sera generosamento gratifl^da.
A' policia de Santo An-
tonio.
Pe*le-io a quern compotir que presto fas vis-
tas para ama pandega que reane-se das 8 boras
ate alta noite, no becso dos PortSes (travessa da
rua Bella) que neat s6 muito incommodam a
quern por alii mora, como muito insaltam a quern
passa ; desconfla-se que 6 ponto de reunite da
companhia do olh i vive : os empregados do re-
crutamento alii farao boa colheita. Ha poucos dia*
deu-tealli am franco espaneamento en urn del-
let que ao mesmo b ceo mora, e acha-se a
morte.____________________
Precisa-se de uma senhora de idade, para
tomar conta de uma casa do um homem viuvo,
com dous lilhos : a tratar no caes do Ramos n.
28, prensa de algodao, das 9 h ras da raanba as
2 da tarde
Boa moradia.
Vende-se um excelrente sobrado, com uma
casa pequena cont'gua, silas no Poco da Pa-
netta, rua Real n. 30, com boos commodos
para uma farnilia grande, tendo diversas sa-
les grandes e muitos quartos, .todos com
janellas; quartos para criados, cocheira,
eslribaria, grande copiar, casa de baaho
e jardim de oada lado. A casa esli m
perfeito estado, e eskuac^o e a mais fresca
8 saudavel possivel :a tratar com a proprie-
taria D. Maria Purcell Raulinson, na esma
casa.
!I\STRIIGC\# PAR?rcPL\R;!0^^^ilXSSS!W*
Hoiian. 49, salirada !
tras, noitnguoz. francw, inglez,!
!irer
drij;ii 9qi>oir, Funii.iia^a ditas auiCi
io Jos 'i (lias uteis,
Uecilio ; lutnuos !i.icrri'>. moiu peiiaionis-
.; e HKlavijdt; f-rne. t xk> <> material para
esciipa _livrosaos principiantes, por pro-
cos muiUi raziiavcis.
Desapparecea ptla *egunda vez, da casa de
sous senhores, no dia 23 de setembro prrximopas-
sado, a escrava de nome Juliana, com os sigoaes
seguintes : muiata acaboclada, rabellos corridos,
cosmma trawlos amarrad<*, cara larga e com
baslantes espinhas, narii chato, com falta de den-
ies na frenle, cbeia do eorpo, allura regular, idade
25 anno*, pouco mats ou menos, levou nas orelbas
uns Lnncos de latlo com pedras branca*. tern as
pernas acinzeniada*. levoa am ehale de merino
branco estampado, ja velno, on par de sapatos de
tranca. quatro camitas de madapolao, uma dita da
algodao, qnatro vestiJos de chita, seodo dous es-
euros e dous claros, tres leacoes ; algumi desta
roupa levou a no eorpo e o resto em uma troaxa.
Suppoe-se que a dita escrava esteja aeoutada em
algum collogi nesta cidade, visto ter vindo embar-
cada, do Rio Grande do Norte, e nao saber estrada
neohuma para o ceniro : roga-se' portanto, a to-
das as autoridades policiaes e aos Srs. capitaes de
campoque en.oQir.ira dita escrava, de leva-la a
rua Uuque de Caxias n. 76, antiga do Queimado,
que serao generosameote recompeasados.
Cidade de Olinda
Aluga-se a casa terrea com sotao, tendo es com-
modos seguintes : t salas, 3 quartos, e 1 peqoeoo
por bafxo da escada, casioba fora e am pequ-eno
quintal com a frente para a rua do Bom-fim e oi-
Uo para o becco das Cortesias, bastante fresca e
&erto d s banbos salgados : a tratar no Recife,
rua do Aragito n. 37.
(JnnsuJiorio medico
DO
tr. Murillo.
RIIA IM) VWJARIO H. I, n. AXDAR.
n**m-eHrfaiIo da Europa, i.nde Ire-
lutjtilm. .. ln...(,ihK- Jt |_ris e Londte>,
Sodt-ta sw |ir in u da Finite para "ij. ci-> dt bua pro-
lanb
fjQDaatlv do meio dia as duas nuras da tarde.
GRATIS AOS POBBE3.
Especiulidades : Moiesiias de senhoras,
da pelle b de crianca.
mmmmmmmm-mm]
* Aluga-se a casa terroa da rua do Fogo n.
50, coutendo 3 quartos do aluguei inensal de
28JO0O : a tratar na thesourana dasloterias.
leilao
- DE
duas buwas (cofres), 1 armajao para arma-
zem, 1 fiteiro, 1 armario envidracado,
e outros objeetos- de armazem
SEXT.VFEIRA 9 DO CORRENTE
Por irAervencSo do agente Pinto
No armazem da rua do Bom
Jesus n. 26.
Por occasiao do leilao de moveis, louca e crys
taes que alii deve ter lugar.
Offsrecese uma mulher de idade para ama
de casa de homsm soltoiro, do portas a dentro :
qnem pretender, dirija-se a travessa da Bartholo-
m-u n. A.
Triumpho da
ffS9
moveis, louca, vidros e di
versas fazendas
9ox.ta-foira 9 do corrente
No armazem da rua do Imperador n. 48.
SENDO:
Uma mcbilia de jaearanda a Luiz XV, medalhao
duplo, 1 dita de nogueira, com encosto de palhi-
aha, 2 guarda-roupas de amarello, 1 guardalou-
ca, 1 mesa elastica de amarello, 1 espelbo oval, 1
lustre de crystal, 1 toilette de jaearanda, 1 caraa
francesa J3 dito, I colcha de seda, 1 par de fro-
nhas b rdadas, sofa, consolos, bancas, cadeiras,
mesas redondas e aparadores.
Um apparelho de porcelana para jantar, 1 dito
para alinoco, garrafas, facas, caliees, porla-quoijo,
jarros, casticaes de vidro e de bronze, fraseos, an-
gelicas, figuras, coiupoteiras e bolas.
Diversas (agendas.
AS 11 HORAS DA MANHA.
Pelo asonte Martins.
Escravo fugido
Ansentou-se da casa de sua senhora 0 escravo
Rulino, 0 qnal tem os signaes segamtas : malato,
representa ter 19 annos, tem atgun* pannos no
rosto, falta de denies na frente, cabellos crespos,
tamhem tem uma cicatriz na canella da perna es-
qaerda, proveniente de uma ferida, costuma andar
ealcado, e e muito regrista : roga-se as autorida-
des policiaes e aos Srs. capitaes de campo de 0
appreliencK-rem e remete-lo a travessa das Bar-
reiras n. 2, que serao generosamente recompen-
sados.
MEWCO-CIRURGICO
DO
Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso
PARTBIRO E OPBRADOR
J1" Vlsconde de Vlbuciuor-j
qne a. 9.
ESPECIALIDADE
Moleatlaa da eaaoraa
meninos.
Consultas das 7 as 10 horas da ma-
nhL todos os dias.
m. Das 6 as 8 da noite, nas seguudas, qnar-
2 tas e sextas-feiras.
W. Os doentesqae mandarem os seas ch-
m, mados por escripto at 10 horas da ma- m
S Dha serao visitados em soas casa*.
Aluga-se por anno ou festa 0 sobrado de dous
andares nos Qaatro Cantos, em Olinda, com com-
modos para grande farnilia, agua encanalisada e
cano para despejo, muito fresca, perto do banho e
das estacSes : a tratar na rua da Uniao (Una dos
Bates) n. 53, detrat do Gymnasio.
Aluga-se a jala do primeiro andar a rua do
de Caxias n. 32, propria para escrip-
Duque
torio
a tratar na loja.
OLINDA
LEILAO
DE
moveis, louca e crystaes
Contanclo dc:
Um pirn forte, di H. Hertv, 1 mobilia de jaca-
ran-ia, 1 tapete, 2 candieiros a gaz, i jarros, 2
casticaes e mangas.
Uma cawa fraaceza, 1 lavatorio, 1 toilette, 1
riarda-vcsiidos, mesa com 2 gavetas, 1 estante e
albune.
I'm guarda-locca envidracado, I mesa elastica,
2 aparadores, 12 cadeiras, 1 quartinheira, 1 appa-
relho para cha, 1 dito para jantar, copos, calices,
garrafas, flandres, poles, trem de cozinha e muitos
ou'roi accessorios de casa de farnilia.
JTVrea-feira 13 do corrente
Na casa do Corredor do Bispo n. 17.
0 Dr. Fran ifseo Borges, tendo de retirar-se pa-
ra a Bahia com soa farnilia, fara leilao, por inter-
/encao do ageme Pinto, dos moveis e mais objee-
tos aeima descrjptos, existentes era casa de sna
residencia, a rua do Corredor do Bispo n. 17.
O leilao principiara as 101(2 boras.
Ail
ENSINO
DE
PARTIDAS IJOBHADAS
E
ARITHMETICA
dirigido por
MANOEL FONCECA DE MEDEIROS
tres ve.'.s.= por semana
a tarde ou 4 noite
Rua do Marquez do Herval (outr'ora
Con;ordia) n. 138 a liO.
<_nu_PA
Dividas da massa fallida de
Thomaz Fernandes da Cu-
nha & C.
Jose dos Santos Oliveira, arrematante das mes-
ma9, previne aos devedores da dita massa fallida,
que os gue nao pagar.m ate 15 do corrente, se-
rao pnblieados sens nomes, e entregue a sen pro-
curador para aerem cobradas jndieial: pagar a
rua Duqae de Caxias a. 70.
Em tem pos modernos nenbum descubri-
mento ope uromaior revolucao no modo de
curar anteriormente em voga do que 0
R ASACAHIIITA '
TANTO NO TRATAMENTO
DA
Tosse, Crupo,
Asthma, Tliisica,
Rouquidao, Resfriamentos.
Bronchites,
Tosse Convulsa,
Dorcs de Peito,
Expecturacao de Sangae.
Como em toda a grando serie de enfeimi
d?.des da Garganta, do Peito e do-
iiv&Aos da respirncSo, que tant
atormentam e fazem soffrer a humanidade
A rnaneira antiga de curar consistia geral-
mente na applicac5o de vesicatorios, San-
grias sarjar ou applicar exteriormente un-
guentos fortissimos compostos de substan-
cias vesicantes, afim de produzir empolhas ;
cujos differentes modos de curar, nao faziam
senSo enfraquecer e diminuir as torcas do
pobredoente, contribuindo por esta forma
d*utna maneira mais facil e certa para a en-
fermidade a destruicSo inivitavel de sufc
victima I Quam differente pois 0 effeilo
admiravel do
PBITflBAL.DB mCAKIIA I
Em vez de irritar, mortificar e cauzar inau-
ditos soflrimentos ao doente,
Calma, modifica e suavisa a dor,
Allivia a irritacSo,
Oesenvolvo e'.entendimento,
Fortifica 0 eorpo
e faz com que 0 systema
desaloje d'uma maneira prompta e rapida
ate o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhores votos em medicina da Europa, (os
entes dos collegios de medicina de Berlim-
testificam serem exactas e verdadeiras estas
relacdes analogicas, 0 alem disso a expe-
riencia de milhares do pessoas da America
Uespanhola, as quaes foram curadas com
PEITORAL DE ANACAHUITA I
Deve-se notar que este rcmedio se acba
inteiramente isento de venenos, tanto mine
raes, como vegetaes, emquanto que alguns
destes ultimos, e particularmente aquelles
quo s3o dados sob a forma de opio, e aci-
do hydrocianico, formam a basedamaior
parte dos Xaropes, com os quaes t3o fa-
cilmente se engana a credulidade do pu-
blico. A composicao de.anacahuitapeito-
ral acha-se linda e curiosamente engarrafads
em fraseos da medida de cerca de meio
quartilho cada um, e como a d6se que se
toma 6 s6 d'uma colber pequena, basta
geralmeute & applicacSo d'um ou dous fras-
eos para a effectuac3o de qualquer cura.
Aluga-se urn grande sobrado com quintal mu-
rado, cacimba, agua encanada, gas, e frncteiras,
tudo em born estado, e bastantes commodos para
qualquer farnilia. para 0 passamento da festa, e
banbos salgados; e perto da estigao do Carmo, no
mellior local desia cidade, no pateo de S. Pedro
Novo n. 6 : a tratar na mesma cidade. no pateo
de S. Pedro Martyr n., eu na Recife, na travessa
de b. Jos^ n. 22, taverna._____________
0 alfaiate Claudia
Que foi mestre na loja da Rosa Branca, parti-
cpa aos seus fregue'.es que esta na raesroa rua da
Imperatriz n. 18, prompto a bem servir aos seus
freguezes 0 sempre por aqoelles preeinhos que ja
sabem.
_____________O numero e 18.__________
Da-so dinhheiro a juros sob hypothec em
bens de raiz, a juros de nm e meio por cento :
quem quizer deixe carta fechada nesta typogra-
phy com as iniciaes M. R. P.
Escrava
PrecFsa-se alugar nma escrava de meia idade
para coziobar, comprar, e servico domestico de
poaca farnilia : na rua 1* de Marco n. 8, esquina.
av 21Rua de Panuno Camara-21 A
S DR. MANOEL ENEDINO R. VALENCA S
* Medico
Consultas das 7 as 9 1)2 boras da ma- jff
nhaa. 5
Chamados a qoalquer hora do dia ou IS
da noite. yx
Especialidades-molestias dos pulm5e9 2
W e do eoracao. 9
m
m
m
ADVOGADO
BACIIAREL JOAQUIM GLEWES DA
SUVA HELLO,
S Rua estreita do Rosarlo 93
primeiro andar.
querque
Advogado
Rna do Rosario n.
Negocio importante.
Na rna do Marqutz de Olinda n. 58, loja,
prceisa-so fallar com os Srs. Francisco Machado
da Cunba Pedroza e Ravmundo da Cunha Pe-
drosa.
Alugu-se
0 primeiro andar coin grandes commodos e solao
do sobrado sito na rua do Hospicio n. 65, juDta-
men!e a loja : a tratar na rua do Vlgario u. 31.
Esta fugido desde o dia i de seiembro o es-
cravo Mareelmo, mulato, alto, eorpo regular :
quem 0 pegsr, ieve-o a rua do Caldeireir n. 78
mrn'mm-mm-
ty, Maceio.
1_ Bacharel Lourenco do Albu-
9
1 w
m CdisBitarte fiiedico-cirarffico S
de m
A. B. da Silva Maia. %
Medico parteiro e nperador. 0<
iiu.i do Rangel n. 5* Jti
\
9 SSDOOSWJ!I^DeSjWS^
Consultas das 8 4s 10 horas.
Chamados a qualquer hora.
Gratis aos pobros.

ODILON
m
Premiados
DUARTE k IRMAO
ELLEIPF1R0S
na exposicao de 1872
kija
Da
UPERATaiZ
N. 82
1.' ANDAR.:
=f.0*0 gg
^/CJCFBIOUjya
^v-------..rV*
^* t
T~^%mg5^
RUA
DA
IMPERATRIZ
N. 82
l. ANDAR.
con-
Acabam de reformar o sen estabelecimento, collocando-o nas melho
dic^Oes possiveis de bem servir ao publico dsta iQostre capital, e &s Exmas. Sras. n'a-
quillo que fdr tendente a arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homenscorao para senhoras, tapete, i nignon,
coques modernissimos, trancas, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellof, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel era eabello.
0 estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor no? mercados estran-
geiros, recobe directamente por todos os vapores da Europa, as suaa encommendas e flgu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 / menos que outro qualquer, garantindo
perfeicao no trabalho, agrado, sinceridade e preco razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porcao e a retalho e todos os utensihos pertencentes i arte de cabelleireiro.
FUNDICAO DS] FERRC
4' roa do Miw Au Tria'iuilin (run doBrosi) ns. (00a 10,
CARDOSO i( IRMAO
AVIS
roi.cinui'fii
\j os sof.li.ii.,; ,|,. Hi.jriiili s < outr s ^rictiH r<* r s ,
a raatjftr 0t li!gltr', Kraii^ Ai^eiwa, Ud.i> ao farrai
;.s
macLaia s ue
eessanas aos estabelecimentos igricolas, as mais mode nas e melhor >&: one tem iW(
*o mercado
VappreS de forca de 4, 6, 8e 16 catallos, os melhores qoctem v:ido ao merado
UaldeiraS de sobresalente
Moendas inteiras
para vapores.
e meias moendas, obra como nunca aqni vi
raixas fundidas e b,tidM, dos meihore, fabrtcantes a 300 e 150
libra
oodas d agua con, cubaje de fcrf0( forteg e bem acabadM
Rodas dentadas de todos os umanhosquaiid.d.
ttelogioseapitos par. e?apori.
Bombas de fem)t de repn(:hf(.
^^^dOS de diversas qualidadea.
Formas para assucar,grarid
Varandas deferro fundido
Fogoes francezes para ,enh. e (
Ditos ditos ^ gaz.
Jarros de ferro fundido
Pes de ferro
Machina
Valvulas
rs.a
es e ptquon&s.
francezas de diverss e bOJritos u< t*t.
para
para mesa e banco,
para gelar agua.
para bomba e banheiro.
Correias inglezas p,ra lfinrhinisrm,
Bancos e sofas
ardim.
o sue te*
com tiras do madeira, para jardim.
OODCertOS concertra com proinptidao qualquer obra oa machina, j
sua bfiriea bem montada, com grande e bom pessoai.
BnCOnilliendaS mnndnm 'r pw mmmummi* da Europe, qiuiqu-;r macbintr^-mo,
paraoqunse corruawMdem com nna wpotteTel %* de LafldMO
.com um dos melhores engenheiros de Iuglaterra ; inenmbem-se de llliltdM ass^clu
Utasmachinas, e se respunsabihsam pelo born trabalho das mesrnas.
RuadoBarao do Triumpho (rua do Bruin) ns. 100
FDNDICAO DE C A H D O S O 4 IRK
a 104
y.
mm LifliiDicio de Jims m n
EREIRO PROUHO FETERfl
__%
Rua do tvbvgd N. 5.
Os proprictarios desta antiga lojadHJoias, res.*iveade-sfl >Jefiniti
vamente hquidar o s-u estAbeleciinenlo ;.vedean para acalwr todaa
assuasjoias d'ouro, prata o brilhai t-s com eonrn>e kbaumi>U) noa
precos, assim como as enenmmendas jd feits, que iurem cheg.tiHo t!a
Europa, pelos precos >la factura.
Do Musco de Joias
Rua do Cabuga n. 4
Neste importante estabelecimeiro, vemlo se pa'a aeabar ale-
reiro proximo fuiuru lodas as '] i.is ile ouro, prate 0 brilbates ili
extstentes, por pn-C'-s at': hnje JesiMnhcilio, bem assim as remc
que forem etingan 'o da Europa, p.-|n preg-i das facturas.
UlUiMJE LigUlilACAU
TOLENTINO DE GAiiVALIIO
Rua 00 Cabug n 1 c
Tondo rcsolvido liquidar o so'i estabecimeoto do joias, declars
quo desta data em dia t.- os seus pncos serao extraordioariameote
redozido, como nao pottera* h-ivi-r competencia.
Grande Liqaidariu
0 COLLAR D'OURO
Rua do Labvgdn. S A.
Os donosd-sta grandn loja de j'm.s.'rosolv.-ivlo-sh p liq-'idar o sou
estabelecimento ate pn-cipio do anno proximo futoro, vendem com
grande abatim nto de precos tolas as sums joins do narb, pr^ta ebri-
tambem as que for recebi ndo da Europa, pelo prtro
lbante- como
da fabrica.
Grande Liquidacao
Mamie! Antonio Goncalves
Rua do Cabugd n. 3.
_ Tendo rexolvido liquidar no menor t.-mpo p .ssivel o seu euabe-
Iccirnento, vemle para aeabar todaa as suas joias .ie oro. prata e bri-
Ibantes com eoorn e abtdimento de pr.-cos. E as ramvssas quo fo-
rem cbegando da Europa, pelo preco das facturas.
H
DNDICAO Jju BOWMAN
RUA BO
I. 2
ESTADO PRINCIPAL.
a rua Nova de Santa Rita
ns. 55 a 59.
ESCRIPTORIO
a rua da Companhia Pernam-
bucana n. 2.
Esta empreza de transporte de mercadorias, inaugura o trafego de suas linhas no
dia iO de agosto do corrente anno.
Nervico da EstacSo ilas Clnco Pontas para Recife.
A empreza encarrega-se da entrega das cartas vindas pela estrada de ferro aos seus
freguezes, de tirar e entregar-lhes ate as 8 horas da manha, as amostras do assucar
chegado na vespera, pagar a* vista do conhecimento o respectivo frete e fazer condnziro
assucar e os outros generos com a roaior promptidSo para o armazem dos compradores
ou recebedores.
agrirultTs, e compradores 6* m-
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senhores do engenbo e o-tros agrirult-T-s, e
tC?, r ^/aZHruma vis't' a seu ostabelecimento, para ve^em o novo
ESPECIAL ATTENgAO AO NUMERO E LUCAR DE SU \ FUNDICiO
vapores erodas dairua a. ,
temanbos coo-
prnprietrios e para desca'rocar
Acha-se T^TLTtadu'Z ^^\dJ^-~^^^ comprehendido* os serves acima mencionados, a carga,
H. Frosters & C, agentes.
Attenqao
Pede se encarecidauente ao Sr. Antonio Tei
xeira Lopes, despacbante.da alfandega desta ri-
de, a eomparecer i rna do Barao de S. Borja a.
25, padaria a nagoeio de ?eu particular interesse.
Rua do Hospicio n. 28
Aloga-se a casa terrea a rua do Hospicio n. 28:
oa rua Duqne de Caxias n. W andar.
Aloga-se o 1* e 2* andares do sobrado sito a
rna de Lombas Valentinas n. 86, com os commo-
dos eguintes : 2 salas, 3 quartos, cozinha f6ra
em cada ajidar, tendo para serventia dos mesmoa
'luintal eom portao para a rna de Hortas e cacim-
ba com excellent agua para lavar. Tambem se
aluga o t andar do sobrado sito a travessa dos
Expostos n. 28, com snfflcientes commodos para
peqaena farnilia : as pessoas que pretenderem, di
njam-se a raa Nova n. 17, qne acharao com quem
tratar.
e arrumapao no armazem 6
Por saceo de assucar.
Por fardo de algodao.
Ancoras ou barris & raz3o de.
120 reis.
160 reis,
29000 reis a pi pa.
Affmso Jose de Oliveira, professor jubilado
da caneira de gaographia e historia do ex Licou
desta cidade, tem denovo aberto, seu collegio de
instruccao primaria e secnudaria na ma da Im-
peratriz n. 18, onde contioua a freceber alumnos
internos, externos e meio-pensionistag.
Alagase a casa da rua do Coronel Seara n.
141: a tratar na raesma rua n. 39.
As cargas destmadas aos engenhos e remeltidas pelos freguezes da empreza serao
transportadas graluitamente paraaestagdo das Cinco Ponlas, eserao recebidas ndo so
onde ixtstirem os trilhos, mas em qualquer ponto dos bairrot do Recife e Santo An*
onio.t '
Servico do Forte do Hiidos para as ruas da Apollo e Bi um.
A empr ezeancarrega-se de receber com o seu pessoai os assucares e mais genero
dos trapiches ou do caes, com direccSo faos armazeos das ruas do Appollo e Brum e
qaaesquer outras do batrro do Recife na proximidade de suas linhas.
O preco de transporte comprehendida a cargo, e descarga earrumacdo no anna
algrdao.
Moendas de canna de todos m taraanhos> as meIhnr68
Rodas dentadas para auimass. aguae vapo,
laixas de ferro fundido, batidoe de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
Machinismos para mandioca e algoda0i. p.ra serMr _^.^ t Pc.eDdo
fjOmOaS do Patente, garantidas........
FraChinaS r d^tum. precisa,
Faz qualquer concerto de ___.,_ nJ Z 1
Formas de ferro
Mm
ser movidos a mio
por agua, vapor,
ou anirnaes.
macbiniimo, a prejo mui resomido.
zem 6
Por sacco de assucar.................
Por fardo de algodao.................
Por ancoras ou barris & razao de...,..,.
Recife, 1 de agosto de 1874.
80 reis.
100 reis.
1)9300 reis per pipa.
Encommendas ^ mHhores* ra"is bBrntas existRnte6 mere-do-
clientes, lembraudo-lhes aTnu^lT'1" "' q"'qUPr n"":hiniwno i^aUde doa
entendida a hiia a!T. i van,',8,,'n d^ fazere-n i& ompras pnr lutermedio de peoaoa
entendida, e que em qulqU*,r necesfidade pode Ihes prestir auxilio.
Arados amencanos .
vuuo e lostra.uentos agnc las.
_ A RUA DO BRUM N. 52
PASSA>IM> O CHAFARIZ


6
Qiaoo **r&mm<>w*> ^avftauak feCra 7 do Oatubrc* 4a 18*4
=
Boa moradia.
Aluga-.-e oaitiu Ja ejiracMde Agua Fria. n.2,"
com Lvta casa para nurtcmss familia e ?xcellfWe
baoho no riaeho Jacre\ perto da estacfto do ca-
minho de ferro : a uatar oa ma Priiuriro tie i"ar
go n. 83. _____________________________-
Cura iiiistoiilaea
Grandiose descobertalll
Novidatie iunportantissima!!!
Onso quotidiano do urn calix do superior vinh >
GENEROSO que se vende no 1 andar do sobrado
n. 56, a rua da Crui, tem a propriedade de subs-
Ktuir com grande vantagem o extraorainaria eco-
aomia, os depuralivcs tio apregoados o conheci
dos por salqa e earoba, etc. 0 raedicamento que
annunciamos, na i cura todas as molestias como
snccede as panaceias que se aonunciam, acompa-
nhadas de atlcsiado*; lodaria. reslabelece imme-
diatamente as f rcas, e purifica o saugue, sem a
desvanlageui de ser noeivo a saiide.
- >luga-
ore*, cat i
dn
guqwcaseicrr-
Jala*, .1>.(|UArg)s,]
M tacioioa
oziy
#na si
Alugfrtfe ''
Banhos e dormida fresca no
Monteiro.
Aluga-se alii duas casas pequeoas, tendo cada
uma, duas salts, tres quartos e cozioha : a tra-
tar na rua Nova, loja n. 7.______________^_
I'm novo rival!
Para ama cidade tao populosa como a nossa, 6
por certo insuffloiene a existeo ia de urn uoico
estabelecim nto no genero daqueLe que se deno-
mina Conftilaria do Campos.
E' tste o inotivo porque acaba de abrir-se a
concurrencia publica do bairro do Recife a rua
do Commercio n. 22, uma casa commoda e de-
cente, sob o titulo de Assembled do Commercio
onde o respeilivel publico enconlnra sempre
f>e precisar, o nccessario para :
'" -vamento.
Uma soiree.
Um baptisade e
Ha tambem : Um lanche'
urande variedaie de bebid13 flnas.
S" s' "'.mento de doees para embarques.
Bj mhos surUdos e fructas de delicado tabor.
ESS?! ,'ai;rich1"s--mente preparadas.
Fiambrese lanche a qualiue-,
iudo com osinerado sce>'^ -' nora-
tali vos. ., presteza e precos eqm-
nma exeellente cara terrea em Olinda, pateo de
S Pedro Novo, com gaz e agaa : a tratar coin
Marc lino de Sooza Travassos, no Porte do Mat-
to?;____________________ _
Antonio de Azevedo Villaroneo.
Pelo presente sao convidados os afiltiados e afi-
Ih idas de Antonio de Azevedo Villaroneo, falle
cido em Portugal no mez de oulubre de 1873, a
apreseolarem dentro do prazo de CO dla<, a con
tar de-ta data, a ecrtidao de sen nascimento, em
caia do ahaixo assignado, testamentelro ttutitnido
pelo dito fallecido, afim da que aejam devidaiaenle
atiendidos na partilha a qne tem de proeeder-se
com a precisa igualdade, de accardo com ad'spe-
siQao testamenlaria. Recife, ft) de seterflbto 1871.Man el Azevedo de Andrade.
mm- mm m-m mm-m
N. 21, l*e2 an^ares, Cambda
do Garno.
Manuel lCnedino Rego
Vallenfa

MEDICO
das 7 horas damaaoa.aa
Consultas
9 i\i.
'& Chamados por escrioto.
Especialidades. Doenjas dos pnl-
moes e do coracio.
Exmas. noivas.
Chaman-os a vossa atif nc-ao para o novo esta-
belccimento que acaba de abrir-se i rua do Com-
mercio n. 82, denominado ASSEMBLEA DO
COMMERCIO onde se preparam rreai bandejas
com grande variedade de bolinhos caprichosa-
mente enfeitados, tambem se apromptatn bou-
quets.
Assemblea do Commercio
Meira & Lima
22 Rua do Commercio 22
*
Na travessft da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
(jual for a quantia.
Na meBma cam
compra-se 09 mes-
mos metaes e pedras.
Vluga-se
uWt grande ca>a"ti
siiaak- attraoa do Luaas
gario b. 31.
001 bastantes commodos
: a tratar na rua do Vi-
.
I 9b *utt
f
AMA
segundo'andar.
Precisa se alugar uma es-
crava para an Jar na raa : a
Iratar na rua do Cabuga n. 3,
Precisa-se de uma ama que saiba cozinhar ;
na raa do Vigario n. 19:
Preci^a-se de nma ama para cuidar em uma
criaara : a raa do Marqnez de Oliada n. 56, 1.
andar.________
Precisa-se de uma ama, para casa de ho
mem solteiro que (jueira sujeitar-sc ir para fora
da cidade : a tratar n:i rua do Imperador. loja de
louja n. 57.
* andar do sobrado da raa do yigario n. 5, am
grandes e bom oanwodaa [tan wU* e aflM
paiavei : a tratar noarnaxaw da travessa do Cor-
pTSaoto n. 2S._____________________________
Aluga-se uma casa fm local, no pate* de S. Pedra-Nova, onde passavM
feata o coronel Vilella : a tratar do Corredor do
Btepo n. 73.__________________________^___
LfqUldaipao a uiube&ro
Alerta economistas!
A Suluna de Bans, a rna ia Unperatriz n. 54,
convida a prover vos dc qne ha m tqelhor em fa-
zendas, e por ojodlcos precos.
32 Ru^ do Commercio 22
Meira & Lima
Assembl-.Vi do Commercio._________
IMUVO FUG1D0.
Fugio do eagenho Aialaya, na fri'guezia de Se
riolia-m, n i anno de i860, 0 es^ravo Francisco.
aralato, com 16 a 18 annos de idade, pouco mais
ou men ?, sltnra e eofpo reaulare?. olhosirasos e
azaes, cor bera :Iara, eabelloa bons, dente3 per-
feito?, narii afilado 1* curio, feicio bonila, sen
barba, ma to moderado, pes scceos e bem (eitos.
0 dit> escravo foi do Sr. coramendador Antonio
dos Siin os Poninal, senhor do coseobo Cabe^a de
Neg'o ; comprado ao ci-rret^r Ohveira, morador
no R,\-<>. ^_____________^__
Pngio do engeuho Ajudanle, .na freguezia da
Eseada, qn anno de 1872, 0 eseravo GuHherne,
com os sigi aes ,-oa lintes: pardo, com 25 anno1-
de idade, pouco majs on menos, altura e corpo
r.'. tiar s, 1 ibellos eacheados.oltoos graodes, rosto
com id com algous Bignaes de. barba, nariz
comprido e nm tanto anjuerda, deiitea poneltoa;
ifii! u is -rdas ptlo resto, a faz movimento no
Corpi '.11 -!i. io anda, e na occaaiad de cumpnmen-
tar a 1 pessoa, le a 0 ehapeo por eiana da
eaI...,. .: ". retaguard e muilo alegre e diver
till ; i lia- e qne e-l'ji na cidadt da Para-
h] ou c-m Nazareth. Por tunic, roga-se as
;-. : lad |> licia s e ;. 1* capitiea de campo a
? -". 1 .1 is d ..; escravos e >ert":n eotregm a
r. Emilio Percira de Aranjo, iort-fe-
idnqnem te* a p;.ga di 300^000
n. N I!. O oscravo Goilherme tem
1 :... 1 Uizsihre uma sobrancelba.
Frecisa-se
alugar uma escrava para vender na rua : a tratar
na rna do Cabuga n. 3, 2* andar.
HOTEL
Restaurant de Bordeaux.
Aberto toda a noite. nos dias de especta-
culo da coinpaubia italnrja.
Credores
Massa fallida de Thoinaz Foniandes da Cu-
iili.-i & C.
Samjcl P. Johnston & C, administradores da
massa de Thomaz Fernandes da Cunha, convidam
aos ere lores.da mesma massa p^ra apresentareai
os sen- titulos dentro di* 1 razo legal de oito dias,
aGrn de verilicar o* mesmos titnlos : a antiga rua
da Senzalanova n. 40 c i-\ cm 29 de setembro de
1874
I A. JLK_J\J
j .-'' 1 ; ~.int s Oliveira, arrematante das divi-
- .' 1 1 .. fallida de Thomaz Fernandes da Cu-
.' .. avisa a is lovedores da massa fallida que
1 igar s.eus debitos aiuaDuque de Ca-
,.... i. .
'
ibscravoiu
Si v ; iai ^ anseatod se da rasa de sen sonIiT no
potembri), f torn os signaea seguintes :
tor [ula. represenia ler 33 anno? de idade,
;- on ii:-no.-, tem algamas sa*das ou
j'.ias r. > r-i-t--, pei grandes e calcanhares fj-
. di'eiicolhid-is, tamiiem tem uma ci
- sHlas proveniente dp uma nueimadit-
ra 1 igual pro uma das perms : roga-se as
b po ieiaes e ao Srs capities de campo
';: ler :i e reme te Io a rua do Uorr
Je"U u.'id, andar, qne serSe pi'iierosamente
- : ; -. )V
N ; r tre>so do pateo d) Cirmo vende-se man-
eiga ingli ia Bor a *-0!) rs. a libra.
i.encao
O lentn a iiaeni foi confiado levar a imagem
ajae ra 1 d m enearnar no pateo do Carmo n. 7,
e (|i!n licon dt- levar oimp riu no outro dia, e fa
1 um mez e qnatro dias, qneira quanlo
antf-s levar o importe e jiuilameiilc a toalha, senao
. 1 ->! DQme |i ir exlenso.
Vigor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
O Visob no Cabello 6 uma preparacSo ao
mosmo ten ; 0 agrvlavel, saudavel e efficaz para
rvar 0 cabeBo. Por meio do seu uso o
eabell.i ruco, grisrillio, e enfraquecido, dentro de
P'iuco t;-ii])'j revolve a, cor que lhe 6 natural e
primi'ivn, e :idquire o brilho e a frescura do
i>. !1, da ju'-entude; o cabello ralo se torna
denso e a calvicie muitas vezes, posto que n5o
em tod sos e neutralizada.
Nao ha uaJa que pode reformar o cabello
depois doa lii'.liculos estarem destruidos, e as
glandt-.-; cansadae c idas, raais se ainda restarem
Ignms podcra eer salvadas e utilizadas pela
arolicacSo do Vigor. Libre de essas substancias
I Vinnm muitas prcparacoes de este
fmer-j tani nocivas e destructivas ao cabello, o
igor BOraente lhe e beneficial. Em vez de
aujar o cabello e o fazer pegajoso, o conserva
limpo e forte, '-mbcilizando o, impedindo a queda
e o tornar-ee ru^o, e por consequinte previne a
calvicifc.
Para uso da toilette n5o ha nada mais k deee-
jar; nno oont-pndo ^>leo nem tintura, n3o pode
aotanehar meamo o mais alvo lenfo de cambraia;
perdura no cabello, Hie da um lustre luxurioso,
e um [..li'iiiiii inuito agradavel.
Fara reformar a cor da barba, d neceasario
aiaia tpmpo de que com o cabello, porem se pode
appreuaar o eifoito, envoivendo a barba de noite
cn uil lci)<;o molliado no Vigor.
PJtEJ-ARAHO POB
Dr. .-'. C. AYEK & CA., Lowell,
EatndoM Unidos,
'.hi''ay ttnctlr.t Analytic***
J7TCNJ1>M 15a poa
ilscravos fugiilos
C n'.inu^m a estar fugido3 desle 0 anno de
1870, os escrr.vos seguintes : Francisco, crioulo,
com 28 annos de idade, pouco mai-< ou menos.
altura e corpo regulares, olhos grandes e braocos,
denies perfeitos, caliellos carapinbados, uma ci-
catriz por cima do olho esqnerdo, barba a Cava-
uhac, muilo conversador e risonho. Antonio, ca-
bra, com 25 annos de idade, pouco mais on me-
nos, alto, secco, olios grandes e vermelhos, ca-
bell<>s um Unto solto-, pouca barba, d^ntes per-
feitos, pes cc moridos e aeeeos ; ambos foram com-
prados ao barao de Nazareth. Des.onfia-se que
os ditos escravos eslio occullos na comarca de
Pajeii de Fires, r-n no Rio de S. Francisco. Ro-
g -se, portanto, as autaridades policies e aos ca-
pitaes de campo a captura dos mesmos escravos,
e seicra enttegues a stu seu seuhcr, Emilio Perei-
ra de Aranjo, no engenho AJudante, na fregue-
zia da Eseada. de quem terao a paga de 300^000
por cada um.
No diK 28 do corrente teem de ser arrema-
tados ptlo juizo de paz de S. Jose, diveisos moveis
pertencentes a Januario Jose Ferreiia, a requeri-
iiiento de Joao Gomes da Gosta, as 4 horas da
tarde.
Esta encoirr^gado \ \ \
AKoa mole empedra dura
Tknt< da ate que a fiira.
Roga-se ao I Um. Sr. Ignaeio Vieira de Me II
ascrivao na cidade de Nazareth deata provincia,
favor de vir a rna Duque.de Cazjas n. 36, a con
;luir aquelle negoaio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
fins de dezem'uro de 1871, e depois para Janeiro,
passon a fevereiro e abril de 1872, e nada enmprio;
s por este uiotivo e de novo cnamado para d
dm, pois S. S. se deve lembrar qne este negoci
le mais de oito annos, e quando 0 Sr. seu nlho
acbava nesta cidade.
Catharina fugio.
No dia 28 tie agosto proximo passado, ausen-
toa-ae esta escrava, a qua! tem os signaes seguin-
tes : estnra baixa, rosto redoudo, cor preta, pes
peqnenos, eostniaava vendor leite, anda sempre
eom am cacete qua lhe strve de ammo por sof-
trt de rhenmati?mo, ja e idosa e de nacao Cam-
akila: qoem e encontrar, pegue-a e leve-a ao sitio
do Cafando, estrada de Joao de Barros. quo sera
gnMeado.______________________________
onte Lima
tem um completo sortimento de galao e fraDja de
onro e prata, verdadeiro, de todas as largnras,
abotoaduras douradas para offlciaes, canulilhos e
enfeltes para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualqoer fardaniento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, charlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; asskn como um completo sortimento de
ranjas, galio falso para ornamento, cordao de la
com borla para quadras e espelbas (conforme o
gosto da encommenda) tndo por muilo menos
preQo que em ootra qualquer parte : na praca da
Indeoearianeia n. 17, jnnto a loja do Sr. Arantes.
Aluga-se 0 armazom i di_ sohrado4a rna D-
Maj:ia_C;ssrn~r95, proprio para reculher fazendas
ppr ser muito espa^oso e reedifl>*ado, ou para
qualquer est.belecimen'o : a tratar na rna de Do
mingos JosS M rlins n. 48, antiga Senzala-Velha.
Boms piaiws/
Cnegadcs de novo.
Veudc-Mc.
Trorn-ie.
E aiuga-ae.
No armazem do vapor francez, a raa do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
MOBILIAS
de vlme e de faia.
Vende-se muito em conta ; cadeiras avulsas, de
balanco, de bracos e de dobrar: no armazem do
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, outr'o-
ra Nova n. 7.
Perfumaria8.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
iriflce, agua de flor de laranja, agua de toilete,
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
crosmelicos, mnitos artigo delicados era perfnma
ria para presentes em frasecs de extractos, caixi-
nhas sortidas e garra/as de diffarentaa tamanhos
d'agna de Cologne, tndo de prnneira qialidade
dos bem conheeHos fabrleantes flvT Condwy,
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora .Nova n. 7.
Quinquilharias.
krtlgom de diflTerente* mmt*t e
phantMzias.
Espelhos, leqnes, luvas, joias d'onro, teaourinhas,
canivetes, caixmbas de costura, album, quadros,
9 caixinhas para retratos, bolsinhas de veftudo,
dita.de couro, e cestinhas para bracos de meninas,
cbicotes, bengalas, eculo, pencinez, ponteiras para
charutos e cigarros, eseovas, pentes. carteirinha de
madreperola, tapete para lanternas, malas, bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esteripco-
pos, lanternas magicas.cosmoramas, jogos da gloria,
do damas, de bagatella, qnadroe com palsagens
globos de papel para illuminates, machinas de
fazer cafe, etpanadoree de palhas, reatejos de vio,
aocordaos, oarrinhos, e bercoa para erianeas,
outras muitas quinquilharias.
^i4%
Massa fallida de Pereira de
M llo & C.
Os credores podem receber 0 primeiro dividen-
do de 20 por cento, apresentando os titulos para
serem annotados: a. rua do Commercio n. 34, 2
aniar.
E. A. DELOGCHE
24-Rua do Marquez de Olinda -24
Esquina da bceco Largo
Participa a set's frpguezes e amigos que mudon
o seu estabelecimento de relojoe'ro para a mesma
rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimento
de relogios de parede, amerk-anos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios dc
algibeira, de todas as qualida.es, patentc suisso,
de ouro e prata dourada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro. inglez, desenberto, dos melhores
fabricantes, cadeia de ouro, plaquet e prata, lunetas
-de tod?s as qualidades, tudo por precos muito ba-
ratos.
.lose Joafiuiiu de Souza llamircs.
Arcenio Joaquim de Souza Ramire3 e Pedro
Mack-I de Souza Ramires, convidam as passoas de
ana amizade p: ra assi^tirem a algumas missas que
mandam celebrar por alma do seu presado pai
Jose Joaquim de Souza Ramires, as .quacs serao
celebradas no cr-ovento de S. Francisco, polas 6
1|2 boras da mjuha do dia 8 do corrente mez ;
por cujo obzequio se confessam dctde ja eterna-
mente sgradecidos.
I
wumminidtmmtmtw%
Pacilo Jo-**' Cionies
Rufina Maria da Concei^io Go
mes, Francisco de Paula Gomes
(ausente), Joao BJptista de Mello
io nes (ausente), Jose Rufino Cli-
maco da Silva, pedem aos amigos e
pessoas que enlretin'-ao relac5es de
amizade com seu fallecid d marido,
pai, padrasto, tio e focio, Paulo Jose Gomes, o ca-
ridoso obsequio de assistirem as missas que no tri-
vi'-imo dia do seu passamento, 8 do corrente, man-
dam resar em lencao do descanco eterno do mes-
mo finado. na igreja dos rebgiosos carmebtas, pelas
7 hora.- da manha do referi io dia, que por tao
a-sigoaladas provas de consiuera^an, ficario eter-
n:-ini-nte gratos _____
Major Marcelino Jose i.ope*.
D. Altina Poppe da Silva Lopes,
mil i- e nora, mandam rezar mis-
sas no dia 9 do corrente, as 7 ho-
ras" da manha, no convento da
Gloria, pelo primeiro annivenario
do passamento do seu mui presado
esposo, pai e sogro jnsjor Marce-
lioo Jose Ltipe>; e para assistirem a este acto re-
li/i -so. Ci.nv,J-m aos sens parentes e amigos';
licando Ihes d?sde ja eternamente gratos.
Luso-brasileira.
Paolo Jose Gomes.
A directoria des a assm-iaeao manda na.quin-.
i ta feira 8 do corrente, as 7 1|2 horas da manha,
\<- no convento do (Marino, rezar uma missa de re>
quiem, por alma do consoeio Paulo'Jose Gomes,
I fallecido em Portugal. Convida a iodoe os'Sri.
[ sociiM, e a familia e mais parentes do fallecido
a a?si>tirem a este acto de ndigiao e oaridade,
. pi.lo que se confessa surfmamente grata.
Rodnguea da Costa,
t.* secrelario.
' o predio da rua do Barao de S. Borja n. 28, antiga
! io -it-bo. com omiiio ius para grande/ainijta,.cpn-
i u n.t-t agua e gaz i-oe.anailos grande quintal bem
i lintadn. com pi.ria ijue dciia para a rua do Ata>
Ii i : p ira vi-r a rlni e. na u.i-ma rtiaO- 20, 4
par.-- t i.tar em Olin I Udrira da Se h. 6.
Acc^oes etitre amigos
r>H um rel gio de miro, de 15 dias de corda, flea
in n f- loi. p. r.i a uituna loteria $a mez corrente.
KaVitP. 7 'IK mitiihr'.. i1e IW*.
Pr.e-ase de uma a:n que aeja boa cozi-
b rna na rua do Impelad.-r n. 27,1* andar.
CASA.
Aluga-se ou vende-se uma grande casa terrea,
em Olinda, propria para grande familia ; tem gaz
e agua encanada, sita a rua do Aljube n. 31 : a
tratar na rua da Imperatriz n. 86, 1." andar.
Aluga-se. por preco razoavel uma casa na
povoarao do Caxanga : a tratar na rua do mpe-
rador, livraria Universal, n. 54.
-BFinquedos^aTa meninos.
oliiEscmofiigiiJo.
Fugio do engeuho Ajudanle, na freguezia da
H-catia, no nw de juuho do corrente anno, o
escravo Martinho, de cor preia, eom 11 annos
de idade, pouco mais ou menos, altura oorpo
regulares, olhos grandes e brannos, com ,-rincipio
de barba, denies perfeilos, cabcllos carapiuhados,
pes gr-sos e compridos ; anda um ponco decli-
nado para freole, com a visla (iru;.d.i para u
ahao ; e muito canlador e ofll'ial do carreiro.
Desconfia-se que o ditu escravo" e.-ia occulto em
terras do engenho Para, na freguezia de Ipojuca,
pelo qne, incorrera nas penas da lei, qncro o liver
occulto. Roga se as autoridadts polieiaes e aos
capiiaes de campo a caplura do dito escravo, e
ser entregue a seu senhor, Emilio Pereira de
Araujo, no referido engenho, de quem terao a
a paga de 503000.____________________
Aluga-se o 2 andar e sotao do sobrado
da rua do Rangel n. 73, todo reconstruido e
assoiado, com baslantes commodos, eseada
indepenlenle do 1." andar, e bem assim o
quintal; sendo muito fresco e com excel-
lente vista para a nova prac,a do mercado :
para voras chaves, eslao no estabaiecimen-
to de molhados do mesmo predio, e para
tratar na thesouraria das lotorias com Anto-
tonio Jose Rodrigues de Souza (sou pro-
pri^tario.)
Governante
Precisa-se de uma senbora para governar e di-
rigir os servicos dc nma casa de familia, e que
entenda bem da costuras e de cortar vestidos : a
tratar oa prata do L.nrpo Santo d. 17, 1 aodar,
das 9 horas-da maoha as 4 da. tarde, ou na rua
Duque de Caxias n. 81, 2' andar, eutrada pela
praca de Pedro II, antigo largo do Colb'gio, de
manha at6 as 8 horas, ou das 5 da tarde as 7 da
noite.____________________________________
Aluga-se o 1 andar do sobrado da rua da
C ncordia n. 34, pintbd), com 6 quartos, 2 boas
salas e cozinha fora : a tratar no 2* andar do
mesmo.
Deciaraejio
Juan Busoa deckra para conhecimento do pu-
blfco, que nunca teve negucio com o Sr. Paulo
Fernandes de Mello Guimarae* e nem autorisou a
pessoa alguma a comprar fazendas em seu nome,
por conseguinte foi iudevidament) con^iderado
como devedorS dita casa. A pessoa que lhe cjrn-
prou foi um seu |empregado, cuja -quantia de rs.
324060, que appareaeu no Jornal do Recife n. 207,
de 14 do mez passado, ja tinha sido paga era 6 de
julho de 1872, como podera virificar a pe-soa ou
pessoas que tenhara arrematado dila massa.
Attengao
Madan a Albuquerque &
Irma.
Rua 1." de.Margo n. 14, 1. andar.
Teem a salisfacao de avisar as Exmas. Srs.,
que recebem por todo3 os va pores, ngurinos, os
quaes estao patentes para todas aquellas que qui-
zerem veslir-se com gosto. Sendo seus trabalnos
perfeitos e mais baratos dc que em outra parte.
14 Rua do Crespo 11
Aluga-se o armazem de recolher, do sobra-
do da rua dos Burgos n. 11, por detr t da rua do
Vigario : a tratar com Jose Feliciano Nazareth,
rua da Praia n. 20.
Escrava fugida
Ausenton se no dia 28 de setembro, da casa de
seu senhor, a escrava Veronica, com os signaes
seguintes : crioula, idade 25 anuoa, pouco mais
ou menos, baixa e cheia do corpo, olhos vesgos,
cara redonda, denies limadoe, prelha oireita maior
e ma s grossa do que a esqnerda, peseoQo curio,
anda ligeira e inclinada nm pooco para frenle, nao
encara bem as pessoas em quanto falla, & bastante
ladina, levou um vesltdo de cMa clara com flores
pretas, com dons oabados, e uma trouxa com ou-
tro vestido dechita roxa ; foicomprala ao Sr. Ma
noel Carroll e e bastanta conheeida no Recife. Sup-
poe-se que dita escrava esta acoutada em algnm
callogy : roga se, portanto, a todas as antoridades
policiaes e aos Srs. capitaes de campo que encon-
trarem dita escrava, ie leva-la a rua da Impera-
triz n. 27, que Berao generosamente recompen-
sados. ^.____________
Aloga-aeiima casa terrea, grande, eum sitio,
ao Mondgon. 76, om agua do Beberiha : a tra-
tar na rua da Cruz n. 31, 1." andar. _______
For 300$
Traspassa-se a loja da rua da Imperatriz n. 18,-
cpm armacao, tres eandieirog a gaz e mais bem-
feitorias para commodo de ramilia, ou de caixei-
ros ; pelo pre?o serve.
PEHDEIJ-SE
um - esqnioa da rua da LTni|o, opposta a estacao da
linha b rrea de Olinda. Gannecendo se a pessoa
9*lh* Aa tgratiooagio ee o restituir a quem o
pardeu. na raa da Florentina n. 6.
r Aluga se a casa 34, na Capunga, rua da
Ventura ; o 2 andar da casa n. 3, rua da Peoha;
o pavimento terreo da casa n. 41, rua do Rangel:
a {ratar com-aproprielario, no andar desta ul-
tima casa.
Na estrada de Joao de Barros confronte a
capellinha, aluga-sc o grande sitio n. 21, com mil
palmos de frente e 2 e tanto de fundo ; uma ex-
cellente casa com 4 grandes salas, 8 quartos, co-
zinha fora e quarto separado para de?pen*a, um
grande terraco sobre columoas e gradeamento de
ferro, estribaria para 4 cavallos, casas para cria-
d> s e escravos, 2 cacimbis com excellente agua
para be'ber e lavar rjupa, boa c>sa de campo,
grande numerode arvoredos dediversa3 qualida-
des de fructas: quem pretender, dirija-se ao mes-
mo sitio, das 6 as 8 da manna ou das 3 1|2 da tar-
de em diante. ________________________
Aluga-se o terceiro andar do sobrado sito a
rua estreita do Rosario n. 31 : a tratar no arraa-
zvm do mesmo. _______________________
A modista franceza M.E Cle-
mentina Daura
declara ao respeitavel publico que na sna casa, a
rua da Imperatriz n. 19, faz-se vestidos de seda de
qualquer figurino, a e?colher-se, pelo custo de
124, de la on cambraia por 84, e de noivado por
184 ; assim como Hrepara-se chapeos de encom-
menda e remoderca se os antigos, por pre^o ba-
ratissimo.___________________________________
Grande liquidacao para aca-
bar, na rua do Livramen-
ton. b0.
Aos cinco mil cuapt'os, sendj de seda, feltro,
merino, alpaca, pann<, castor, brim e pallia, ae
gostas muito modernose de lindis imas cores.
Alem disto temos :
Popelina de seda, las de todas as qualidades e
por baratissimo pre^o ; e outras fazendas de boas
qualidades e razoavol preco : oa loja de fazendas
de Lima Coutinho & C.
A maior variedade que se pode desejar de to
dos os brinquedos fabricados em differntes partes
da Europa, para entretimentos das erianeas, tndo
a precos mais resumidos que 6 possivel : no ar-
mazem do Vapor Francoz, rua do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova n, 7.
Calcado francez
A%
Botinas para homem
lAcabam de chezar grandes jacturas de botinat
de bezerro, de cordavao, de peliea. de duraqnt
com biqueira, de bezerro com botoes, e eom ilho-
zes a 9-jOOO (a escolher) por ter vindo grande
quantidade por conta e ordera dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rua do Barao di;
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para seu liar a.
BOTINAS ptetas, brancas e de cores, diflerentei
lisas, enteitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de tranca.
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portnguezes.
Para nieninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
ABOTINADOS e sapatoes, de bezerro, de deversa?
qualidades.
SAPATOS de tranc,a.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Gullherme, pen.tr
meias perneiras para homens, e meias perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a raa do Barao
da Victoria n. 7.__________________________
AlUita-se a casa da rua do Principe n. 20,
com quintal e cacimba, 3 quartos e 2 sala3 : a tra-
tar na rua do Bom Jesus n. 31, 1 andar.
Banhos salgados.
Alnga-se uma casa na rua dos Pescadores,
com 2 salas, 3 quartos, cozinha fora, bom quin-
tal com portao para a praia : a tratar na travessa
de S. Jose n. 22.
Vcaxde-se
uma casa na villa de Barreiros, na raa do Com
mercid, par pSO nwdieo : a tratar can lasso
Irmios-dTC.________________ .,
Bazar das Familia!!.
Reis ejSilva & Guiraaraes, proprietaries desta
mui importantc loja, sita a rua do Duque de Ca
xias n. 60 A, esquina da estreita do Rosario, "
intoito do satisfazerem seus freguezes, estao r
solvidos a iaaer por menos 50 por cento do q/he
cmoutra qualquer parte ; pelo que pSem & dispo
si;io do respeitavel publico, e espedalmeote do
bello-sexo, as seguintes fazendas com os respecti-
vos precos: -
Riquissimae palonezas de gorgnrlo preto, rica
meate enfeitadas, pelo diminnte preco de 384O0*
cada uma.
Liodlssinias popelinas, padrSes interramente no-
vos, que vendemos pelo diminulo preco de 242C0
o covado.
1'. pelinas de differentes gsto#, in'eiramente no
vidade qne- vendemoj pelo preco de 14600 o co-
vado ; e baraUssiro*.
Popelinas de aba* eom- Istris, fazenda inteira-
mente nova, que ae vtnda pcr,480 rs. o covado ; t
muito barato I
Lindjasimas alpacas, gonos no vos, muilo iar
gas.nue vandenioajpelo prego de (4000 o covido
Liada* alacas pnetas covil iswsi hraaca* Hoi
to larf a, ^oe vendeoto? pelo ormranto preco de
14000 o covado.
SeUm branco maeao, fizenda muilo superior, a
4000-o *rade.
IliqoisHmai cafxmhas com espHho, cada cai-
xinba coMhmo nma dnzia de lencos, pelos prep*
stcnataa : 5450, 64000, 64500 e 74000.
RiquisaHoas eaixinhas de madeira enfeitadas, ca-
da caixkiha contendo nma dnzia de meias para
senhoras, aeiofreep de 54500 e 6*000.
Leoeos brancos, fazenda muito superior a 10$
a duzla.
Liodissimas cambraias brancas bordadas eom
linras da crochet, fazenda inteiramente nova a
14100 o metro.
RiquiaaiDMS saias bordadas para senhoras, a
64000 uma.
Um completo sortimento de liatebae da core*
fazenda muito boa a $00 e 360 rs o oovado.
Riquissimos panooa de crochet, tanto para pre-
sentes como para cadeiras de guamiylo de salas.
a 14500 um.
I'm complete sortimento de alpacas de cores
a SOO rs. o covado.
Cambraia tapaQa, Victoria, n. 26 a 74000 a
Cambraias bordadas com palmas de cores, a 400
rs. o rovado.
Cambraias transparentes muito finas, a 64 e 7*
a peca.
Cambraias transparentas Nansjuc, a 44000 a
peca.
Um completo sortimento de-meias de cores para
homem, a 8*000 a dnzia.
Ditas brancas em eaixinhas, a 64300
Ditas ditas de 44000, 44500, 34000, 5JMQm
6$000.
Toalhas fdpudas muito encorpadas, a GJOoO e
640OO a duzia.
Ditas alcocboadas imitando linbo, a 54300 a
duzia. mmm
Granadipas com liatcas assctinadas, a 800 rs. c
covado. .
Meiinopreto fran:ee, Jazenda muitj 00a, a '.*
0 covado.
Cortes de casemira, gostos novos, a 4450t>
3400U 0 corte.
Bramante de linho, quatro larguras, a IPN
vara. ,
Dito de algodao com 10 palmos de largura.. \
15400 a vara
Dito de dito tranc,ado, de quatro largnras *
1 600 a vara.
Madapolao fraocaz madraste a G1800 a peca
Dito superior lrancoz, a 648OO a peca.
Dito inglez, maravilha, a 3*000 idem.
Dito, elephantt, a4*600 idem.
Um completo sortimenso de chitas escnras f cla-
ras pelos seguintes precos : 280, 300, 320, M
400 rs. 0 i vado. .
Um grande sortimento da chales de mormoes
tampados com listras de seda, a 3/200, 4*500
5^500 e 64000.
Ditos pretos lisos, a 24000*um.
Um completo sortimento de algodao, de 3#W0
4^000, 4.200 e 34500 a pefa.
A3sim como outras fazendas qne nao menciu
namos os prrgos e que se vendem muito barat'
Reis e Silva & Guimaraes,
Cerram quanlo antes a grande pechincha I
S6 no Bazar das Familias.
Rua Duque de Caxias n. 00 A._______
swtVTrs
'..-- a
mmni.
ATTENfjAO
Precisa-se comprar 4
portas de louro de 10 pal-
mos do altura: nesta typo-
graphia se dira.
LEIS PRQVINCIAES.
Vende-se no 1. andar desta typographia,
em mlo do administrado, jColltecsoes de
Leis Provinciaes a 500 rs. o exemplar de
cada anno. _______
PARA LUTO
Vende-se chitas inglezas pretas com pintas a
300 rs. o covado, dita franceza muito fina, tanto lisas
como com pintas de 320 rs. para cima ; cantao
preto a 800 rs. e muito nno a 1,000 rs ; bomba
zinas, princezas e alpacas de todos os precos;
lazinhas pretas lisas de 400 ate 300 rs. ; a3sim
como uma grande porcao de retalhos tanto de
chitas preta4 como de las, que se vendem por
precos baratissimos ; tambem uma grande porcao
le chales preto- de las a 1,000 rs. por estarem um
ponco russos : a rua da Imperatriz d. 60, de Fe
lix Pereira da Silva. ______________________
Para concertar meias
A NOVAESPERANgA, a rua Duque de Caxia?
n. 63, receheu desta necessaria linha^___________
Fogao
Vende-se nm grande fogao de ferro, obra feita
de encommenda, pelo mais babil arUsta da cidade
do Porto, tern todos os meIhoraiuents economicos
para gastar pouco combustiTelj serve para lenha
ou cok ; sahio ha poucos dias da alfandega, e
vende se por ter sahWo com properties muito su
periures atuellas que exige uma casa de famili .
E' proprio para estabeleimenlos pios, hospitaes,
interuatos ou grande hotel, tem deposit) d agua,
fornos, guarda-comidas, etc., etc. : para ver, no
caes do Apollo n. 47, armazem de farinha, e para
tratar, na rua do Amoriin n. 37._______________
Na rua da Marquez de Herval n. 166, preci-
sa-se de uma pessoa escrava ou forra para com-
prar e vender na rua._______________________
Aos estudantes de prepara-
torios
No colbjgio de Santo Amaro, a rua do Hospicio
n. 10, comeja a funccionar a aula de rhetoric*
para os alumpos externos, do dia 15 de ouiubro
em diante. 0 professor inspira assa^ conliauca.
Todos os seus dUcipulos do anno passado flzeram
exame e foram approvadosi
Aikiii'u"
Tinge-se com a maior perfeicfri e pelo systema
mais modcrao, todas as cores, por precos mode
rados: quem quizer dirija-se ao pateo do Terco
a. 17.
Vende-se
no estado em que se acha o sitio no lugar do Re-
medio n. 18, freguezia dos Afogados, em chaos
oroprios, com 349 palmos de frente e 6S8 de fun-
do, com cacimba e lanque para banhos, estando
a casa era ruinas, tendo alguns arvoredos de
fructo, e a frente para o rio ; os pretendentes di-
rijara se a seu proprietario na rua de S. Francisco
desta cidade n. 10___________________________
Vende-se nm sitio na povoacad de Afogados,
sito a rua do Motocolomod, com 2 casas na fren-
te e uma no centra, todo murado e plantado,
terreno proDrio : a tratar na travessa da matriz
de Santo Antonio n. Ii, sobrado.______________
Gorgurao
0 barateiro, a rua Primeire dc Marco n. 1, esta
vendendo cortes de gorgurao preto para colletes a
2*000, fazenda que sempre custou 74 ; a elles,
autes que se acabe : confronte ao arco de Santo
Antonio.___________________________
Vende-se uma hnportante obra do Dr. Sa-
bino -Thesouro Homeopatbico : na travessa de
S.Pedro n. 10.___________________'
VE % IIE-SE o sitio junto a igre-
ja de S. Jose do Manguinho, com casa de vivenda
assobradada e outras acommodaQoes, todo mura-
do, com duas frentea servidas por portio de ferro,
dando para a rua d > Amizade e para a do Man-
guinho. Tem de terreno proprio 194 palmos de
hrgura e 334 de fundo ; e a casa mede 32 palmos
de frente e 84 de fundo. A situacao e a melbor
possivel para morada, e quem quizer edincar, tera
bastante terreno para Isto, pelo lado da raa da
Amizade. Tem a'gumas planU^oes de gozo e re-
creio, havendo bastante agua foroecida por duas
caoirobas, uma das qaaes e nova. A entender-se
com o Sr. Dr. Witruvio quem o pretender.
LIQUIDACAO
NA
Loja dc fazendas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores miudas muito boa para roupa de
meninas a 160 e 200 rs. o covado.
La pretas, superior, a 400 rs. o covado.
Alpacas de cares finas a 320 e 360 rs. o covad
So se vendo.
Ditas com listras abcrtas, fazenda fina, a 6f0 rs
covado.
Chitas decfire* a 240 e 280 rs. o covado.
Melins de cOres miudas a 280 rs. o covado.
Crelones, o melbor que tem vindo ao mercado a
400 e 440 rs. o covado
Cambraias braces, bordadas i abertas, faaeada
mais fina que tem vindo ao mercado, e fazeflda
de 24000 o metro, por 14000 a vara ; *-
chincba. i
Ditas pretas com flores miudas a 200 rs. o covada
Cambraia transparente, rlua, a 34 a pe^a.
Dita Victoria, nna, a 4*O0ti a peca.
Organdy de assento branco e de cores, ccm fii
res miudas de seda e de 15, a 400 rs. o covid
E' pechincha.
Cortes de casemira de cores raodcrnaa a 34300 >
corte ; e fazeada ae 84. E' pechincha.
Camisas de bnho finas, lisas, a 354 a duzia, e fa
zeoda de 554-
Brim branco de linho a 14400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. 0 covado
Madapolao francez verdadeiro, 24 jardas, a 64
74 a peca.
Algodao T, largo e superior, a 84 a peea.
.Gorgorao preto de seda para vestido e para collete
a 34 0 covado
Toalhas alcochoadas a 44300 a duzia.
Colchas grandes a 34300 uma.
Cobertas de ganga, forradas, a 34-
Lengoes de bramante a 24 nm.
Lencos de linho, abainhados e em eaixinhas 1
34300 a duzia. .
Difcjs de cap de cores abainhados a 34&w a an
zia ,
E outros muiio3 artigos que se venae por roe
nos do qne outra qualquer parte e para se des
So na lorera queiram mandar ver as amostras.
enganaja de
Gollhertne k C.
VENlffi-SE
Uma familia que ae retira para fora da pro-
vincia vende um piano de armario de Hen, cjm
pouco uso, uma mobilia de jacaraadjk, nma dita
de amarello para quarto, e diversos objector de
casa de familia : quem precisar dirija-ae a raa
do Corredor do Bispo n. t7, das 7 aa 10 horas
da manha, e das 4 as 6 da tarde, qne arfcara
com quem tratar. ________
ArvMufio
Vende-se uma de amardjo enverahada e toda
envidracada, e diverw catxtlhos, propna para
qualquer negoeio: na rua do Coronal Suassuna n
: Xvao sera vecdido
IK, loja qae
Di
foi de oufives,
uito barato :
Para -o frlwico de ohapfos
A NOVA ESPEMAWCA receheu 0 arame proprio
para armaco de chan^aa._____________________
Vead^sa daas casas ns. I e 3, (Has a tra-
vessa do c as da Detenpio acafcadas de proximo,
contendo eada naaa a aaJaat % quartoa. eoualu
for*, quintal e eaeimha: a tratar oa rua da Praia
n. 13.

"


-r---
itWarib *te Fwaaaitouco *a Qa&rti lfeira 7 4eOti&]$fe <**&74.
*
**

DE "
Fazendas e artigos -de aita
novidade
LOJA DO PASSO
Rua Primeiro de flar^o r. 7 it.
fBC&rdcir* 0lmea 4k C, proprietaries
deste imporiante estatmlecimento, do louvavel pro-
proaito de nao desmentirem o c&uceito que os
seas aamerasos freguezes Ihes loot dispussado,
icabam de receber de sua conta o mails nco sor-
iimento de sedas, popelinas, las e artigos de ul-
:ima raoda em Paris, e coatnmarao a receber
por todos os paquetes daquelia procodeneia ; por
'.sso chamam a attenc,au de seus freguezes e qs
:onvidam a darem um passeio ao sea estabeleei-
mento, garantindo Ihes dade do que Sea dito, e para pr> va dio nm pe
queno resume, cujo iufaluveliueiite desperlara a
attencia dos pretendentes.
Mandain fazendas a casa dos freguezes, e dao
amoslras mediaBte penlior.
Artigos tie alta nuvidade
ultima mo da.
Cortes de vestido de linho gaarnecidos do bico
da mesma fazenda e cor, trazendo -fivella, bolca,
into, etc etc.
Riquissimos chapeos para senhora, de cores e
pretos.
Cortes de cambraia brancos com lindos bor-
dados.
* de cores com enfeiles da mesma fazenda,
"rino, etc. etc.
Cap as de la para meoinas e senhoras, guarne-
:idas de armmho.
Vostuarios para baptisado.
Hiqui.-simas camisas b-rdadas para senhora.
Leques de randreperola, para noias.
Ricas colchas de seda, para casameuto.
Cortes de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda branca e dito preto.
Sedinhas de delieades padrSes.
Setim Macao de todas as cores.
(Jrosdeuaplcs pretos e de cores.
Vtliu it preto e damasco de seda.
Granadine preta e de cores.
Filo de seda branco e preto.
Ricas basquinas de seda.
Casacos de merino de cores, la, etc.
Mantas brasileiras.
Caprllas e mantas para noiva.
Cambraia de cores, aitas mariposas brancas, de
cores, lisas e bordadas.
Flor do bosque (novidade).
Percaliuas de quadros, listras, etc.
Brins de linho para vestidos.
Fustao de cores.
Ssias bordadas pira senhon.
Grande sortimento de camisas de linho lisas e
Dordadas. para homem.
Meias de cores para homem, senhora, meninos
e meninas.
Sortimento de chapeos de sol para bomens e
senhora.
Merioas de cores para vestidos.
Dito pteto traocado e de verao, borabazina, can-
io, alpaca, etc. etc.
Atoalhado de linho e algodao para toalhas, e dito
pardo.
Damasco de 13.
Brim de linho branco e de cores.
Selios de lindas cores com listras.
Chales de merino de cores e pretos
Dilos.de touquim e ditos de casemira.
Can.isas de chiia para homem e ditas de fla-
nella.
Coroutes de linho e ditas de algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e ditos de lar.yrintho.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
para bailes, e tarlatana ao todas as cores.
Colchas de damasco de la, e ditas da crochet.
Espartiloo? Ibos e bordados.
Foulard de seda, liadas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Casemiras pretas e de cores.
Popelinas.
Xeste artigo terao- um variadissimo sortimento,
aao so em go?to como em qnalidade.
Lm
:om listras de seda, ditas com palnas bordadas,
ditas transparentes e de ojtras inuitas qualidadcs.
Lavas
te pellica brancas e de cores, do verdadeiro fa-
oricante Joavin.
Fimtlmentc :
apetes para sola, cadeiras, cama, entrada, etc..
:arnbraias brancas, chitas de tGdas as qual'dades,
oadapoides, esguiao, rretanbas, bramantes, algo-
ioes, collarinhos, punhos, meias para homem e
*enhora, punhos e collarinhos brancos e de co-
res para senhoras, gravatas para homem e senho-
a, peitns bordados, lencos de linho brancos e de
-ores, ditos de cambraia de linho, toalhas, guar-
lanapos, paono lino, etc., etc.
Loja do Passo
Rua Primeiro de Marco n. 7 A
antiga do Crespo.
Grande liquidate de fazendrs
.i>~
I 4



OrgMdyde MMTttrWanco a de cOf, cett Oo-
re*Wlldw elhtr a1sadAe-de ri a 400 M.
! 0 DESENGAXO
Rua Pritnelro de Marco n. 95,
juoto a loja da csquiuu.
Os proir etarios de.-ie estabeleeimento teen re-
f; ituuRo
E com as senhoras.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, par-
icipa a- bello sexo que acaba de receber da Eu-
ropa, um completo sortimento de artigos de ulti-
ma njoda, e como acha desnecessario fazer um
enfadonhu anuuncio, por ja ser bastante conhe-
^ida, e caprichar sempre em ter bons correspon-
denies, sendo a pr meira que apresenta o que ha
de mais moderno e por precos. mui razoaveis, por
MO limita-so a descrever somente o segninte:
Settas donradas.
Bicos le cdres, tanto de seda como de guipure.
Leques dourados, de madreperola, marfim, tar-
taruga, os-o, etc. ^^^
iahiiiMH de bai'er^
Presentee, diversos artigos propries para pre-
sents.
(solinhaH e punhos.
Manual para missa, com capa de madreperola,
tartaruga. marfim, velludp, etc.
Sapntmhos de setim para baptisado.
Camisas bordadas para senhoras.
Lisas de seda.
Franjas mosaicas. ,.
Aderecos de tartaruga.
voiias'de madreperola.
Pulsoiraw de madreperola.
Ltndni tlores para cabeca.
8olsas de velluJo.
Perrumarias dos melhores e mais afamados
fabneantes.
Chapeos dc sol para senhoras.
Pitas de velludo de todas as cores e larguras.
Moscas.
Quereis livrar-vos destes malditos insectos? com-
prai uraa rmchina de maur moscas por 3*000
oa Magnolia, a rnsr Duque de Caxias n. 45.
Calvice.
A Magnolia, a roa Duque de Caxias n. 45, ven-
le o verdadeiro Vigor de Ayer, que impede a
:ahida dos cabellos.
Sardas epanos.
So tern sardas e panos quern quer; porque a
Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem para
vender a verdadeira Guticulerta, que faz desappa-
recer estas manchas em poucos dias.
lV.72.-Rua da Impera t riz-S'. 7 2.
DE
Mendes Guimaraes & lrmaos.
Tendo os proprietaries dette estabeleeimento resolvido diminuir o granie depoito de-fa-
zeudas, onteuderam fazer esta graude liquidacio, como so ve dos precos abaixo meaetonados :
e e^jecimcha : t6-.til tolvido veuderem uas fazendas por preros muito
me 4 C- fesnmidos, (como abaixo verao) para apurarem ,
As almnfadas bordadas de la maUsadas que i
cebeu a Nova Espranra, a rua Doqoe
Caxia* "'"* _"-"-
Chitas largas a WO, 200 e 280 jeis.
Vende-se chitas francezas e float a 120,980 e 320
o cuvado. i
Laxinhas a I20reis.
Vende-se lazinhas para vestidos a 120, 240, 320 e
400 reis o covado.
Chitas pata eobertas a 980 reis.
Yende-se'chitas para coberias a 280 e 360 reis o
covado.
Alpacas de cores a 640 reis. .
Vende se alpacas de cores, Unas, para vestidos de
senhoras, a 640 reis o covado.
Metim de cOres a 320 reis.
Vende-se metim de cdres para vestidos de senho-
ras, a 320 reis o eovado.
Cassas flnat a 280 reis.
Vende se cassas francezas; flnas a 280, 320 e 360
reis o eovado.
Cambraia Victoria a 3*000
Vende-se cambraia Victoria para vestidot a 3/,
3*500 e 4*000 a pee*.
Cambraia transparente r 2 e 3*000.1
Vende-se pecas de cainbraia transparente a 3*,
3,5500, 4* e 5*.
Cortinados a 14*000.
Vende-se cortinados bordados para cama? a 14*'
16* e 18*.
Ganga amarella a 400 reis.
Vende se ganga amarella para vestidos de senho-
ras e roupa parameninos. a 400 reis o eovado.
Brim de cores a 460 re>
Vende se brim pardo e de cores para ta'cis *
400 reis o covado.
Toelhaj para rosto a 70u reis.
Vende-se toalhas de linho para rot to a 700 e 800
reis eada uma.
Chales de IS a 640 reis.
Vende se chales de la de quadros a 640 reis, cha-
les de metim a 1*160 reis, chales de merino
lisos a 2*, e chales de mejrind estampados, a
3*600, 4* e 5*.
Abertnras a 24009.
Vende-se aberluras de linho bordadas. pars ca-
misas, a it e 3*o00. Ditas de algodao a 200 e
400 rdis.
Cortes de casemira a 5*000.
Vende se cori-s de casemiras flnas para calcas a
H, oiuUU e 6*
Cortes do brim a 1*400.
Veude se cortcs de brim de cores a 1*400. Ditot
de brim de Angela a i*-00 e 2*500.
Cobertas a 2*000
Vende-se cobertas de chitas de cores a 2*.
Colchas a 2J0CO.
Vende-se colchas de fustao para cama a 2*, 3* e
4*.
Paletots a 3;000 re.
Vende-se paletots de alpaca preta a 3, 3,60
5,000 rs. ;'calcas de casemira preta'e de coie
letes de casemira preta e de cores, e ootras
tas roupas feitas haratas e fazendas que.est
quidando no Dazar Nacionai, a rua da lm
lriz u. 73.
^p^^fatendade I*.
a do Crespo n. 20, toia dj, Guilhei
jiMii ,i ,t ;"r.T...,-in i f dinheiro
te n. }f\f\(\ I VeO"l-8e m
q D^Uuw reis o covado. Dio-se amostras com peuhor.
sil0ti prto; art? ivz^r v-*- ^hsisz*.* wm,
seroira par calg li9,e 650W, ditos a^tjoo 3*300 a peca, e a Victoria a 3*500, 4*,
muilo Qnosde uma s4cor coin listras ao la- 4*500 C^fcOO a.peca.
do, fa?od que sempre se vaudeu a 9*ei .. Alpacas pretas
103000, liquida-se a 0^000 para acabar :
i ma d.a Imperatriz q, 60, de Felix Pereira
daSiUa.
(Casemiras
N* loja 00 PavJo vende-se on grtnde s< rtia>ec-
lo de casemiras de cores c mescladss, Uuio cLttm
Vende-se metins de lindos padroes, a 280 e 300 como escuras, proprias para cal^a; paletuU e eo-
letes por precos luuil j baraloi, ansim enow m>
mesmo estabeleeimento! se manda htm qualq ter
obra tendeule a alfaiale, com a mainr pr-.-M- z
por precos moito raioareis : a rua da lmper-
triz n. 60, de Felix Pereira da Siiva.
300 a
E' eeonomico.
Graxa glyceriaa nropria para a xronsprvacio do \
que
~
PREDILECiA
A" rua do Cabufra n. 1 A.
Os proprietaries da Predilecta, no intuito d
conservar o bom concetto qne teem merecido do
respeitavel publico, distiuguindo o sen estabeleei-
mento dos mais que negociam oo mesmo generc
veem scientificar aos seas bons freguezes que pre-
veniram aos seus correspondentes nas diversas par
cas d'Europa para Ihes enviarem por todos os pa-
quetes os objectos de luxo e bom gosto, qne se-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
daquelles paizes, visto aproximar se o tempo de
(esta, em que o bello sexo desta linda Veneza
mais ostenta a riqueza de suas toillettes ; e co-
mo ja reeebessem pele paquete francez diverso
trtigos da ultima moda, veem patentear alguns
d'entre elles que se tornam mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a costumada
concurrencia.
Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao morcado.
Albuns eom ricas capas de madreperola e d
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pra-
os.
Aderecos completes de borracha pri'prios para
Into, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
oitot.
Botoes de seiim preto e de cores para ornato da
estidos de senhora ; tambem tem para collete
nalitot.
Boteas para senhoras, existe um bello sortimen-
de seda, de palha, de chagrim, etc., etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de lone?
como de cera, de borracha e de massa ; chama-
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
pertmentes por falta de um objecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
pan homem, vendem-se por preco commodo.
E'BOM SAREB-SE
Que a NOVA ESPERa.N'CA, a rua Duque de
Caxias n. 63, bem conhecida pela superioridade de
seus artigos de mod,, e phantasia, aeaba de rece-
ber diversas cneowmendas de mer adorias de sua
reparticao, qne pela eleganci > bem moslra aptidao
e bom go to de seus antigos correspondentes da
Europa, e por e;ta razao a NOVA ESPERANCA,
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e cooslante freguezia e com ospecialidr.de ao sexo
amavel, a visitarcm na, atim de apreciarom ate
onde toca o primor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer ealrar no nu
mero dos massantes (verdadeiros azucrins) com
extensos annnncios e nun pretende deserever a
'. immensidade de objectcs que tem cxpostos a ven
da, o que serla quasi impos.-ivi.l, mas limftar-se-ha
a mencionar aJguns daquelles de mais alta novidade
e toma a liber lade do aconselbar ao bello sexo,
que a visitem constantemenle, para depois que
comprarem em outra qualquer parto cin se arre-
penderem, a vista do bom e e^colhido sortimento
que ha em dito estabeleeimento, esta razao tam-
bem demonstra que qualquer senhora do bom torn,
nao podera completer a elepneia de sen toilet
sem que de um pasaeio a NOVA ESPEBANCA, a
ma Duque de Caxias n. 63, a qual acaba dc rece-
ber osseguint.s artigos de luxo e inteiia novida-
de :
Modernas settas para premier os cabellos
Primorosos leques I'e phantasia.
Bonitas sahidas de bailes para senhoras e meni-
nas.
Interessantes gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de touquim.
Bons aderecos de madreperola.
I Delicados aderecos pretos de pufalo e borracha
| (gosto novo).
Cura das hernias, pelas fun-
das de borracha.
Salsa parritta
Muito nova e grossa.
Yeade-sa por barato preco, em porcao ou a ra-
talho : na rua larga do Rosario n. 34.
Espartilhos.
Ifa loja do PavSo, vende-se espartilhos
flos isais modernos a 39500 c 45000 cada j
OTn ; assim como bonitos cintos com lac/js
de setim a 5000, e sedinhas lavradas com
toque de mofo a 15000^ o covado : 4 rua!
da Imperatriz n. 60, de Felix pereira da
Silva. i
NMtife
Ceroulas de linho e de algodao, de diversos pre- As melhoros e mais aperfeicoadas das ate hoje eo-
108.
Caixinhas com musica, o que ha de mais lindo,
com disticos nas tampas e proprios para presen-
ts
Coques os mais modernos e de diversos forma-
tos.
Chapeos para senhora. Receberam um sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Canellas simples e com veo para noivas.
Calcas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindos
"lasenhos.
Escovas electricas para dentes, tem a proprie-
lade de evitar a carie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, existe um
grande sortimento de divercas larguras e barato
ore co.
Fitas de saria. de gcrgurao. de setim e de cba-
nnccidas.
venue se
na
Pharnaela e Iro~aiia
le
Bartolomeo *V C.
A'
34. Rua larga do Rosario 3-1
Vaccma. Vaccina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Lourenco de Magalhaes,
montado na corte um completo servico deste ar-
tigo, tem aqui abcrto um deposito da melhor e
mais recente, cujns tobos se encontram na
Pharmacia e drogaria
A'
34rua larga do Rosario 34. _____'
lal de Lisboa
noplr.te, de diversas larguras e bonitas cores. Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpo
Fachas de gorgurao muito lindas. Sant0 ,7 j. anaari esCrjptorio ae Joaquim Ro
Ft. r^ artthciaes A PredilecU pnma em con- i t,ri ravares d(i Mello-
ervar sempre nm bello e grande sortimento des- |
tas flores, nao s6 para enfeite dos cabellos, como
ambem para ornato de vestido de noivas.
Galoes de algodao, de la e de seda, brancos, pre
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas cores
para sennora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
noiva,
Livros para ouvir missa, com capas de madre-
oerola, marfim, dsso e velludo, tudo que ha de
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para altsar os ea-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marfim, 6sso e dourados por barato preco.
Perrumarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
provida, nao so em extractos, como em oleos t
oanhas dos melhores odores, dos mais afamados
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de saias.
Vestimentas para, baptisado o que ha de melhor
gosto e os mais moderno recebeu a Predilecta
de or arclo preco, para flcar ao alcance
qualquer bolsa.
Salame de [you
A iSsoo a libra
So na Asemblea do Ccmmercio n. 22, rua do
Commercio, Meira & Lima,
A 120 rs. o covado.
Na rua da Imperatriz n. 60, vende-se para aca-
bar uma grande quanlidade de las, restos de di
versus s tando-se qne, quando havia sortimentos comple-
tes, se vendiam a 1*280 e t*600 o covado, ba
grande vari-dade em padroes, os que primeiro
cbegarem melhor pechmcha farao, a ella a rua de
Imperatriz n. 60.
Wll>on Rowe & L. vendem no sea armaxw
a rua de Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao azul amenoaue.
Excellente flo de vela. _
Cognac de 1* quahdada
Vinho de Bordeaux.
Garvao de Pedra de todas as qualidades.
FustSo branco para roupa de meninos a 500 rs.
o covado; e pecbiai'.ha : na rua do Crespo n.
20, loja do Guilbeerra ill.
Vende-se uma acrava m-ica e de bonita
Bgura, sabe coziuhar e engommar com perfeiflo
e sem defeitos: a tratur na rua do Marqaez de
Olinda n. 57, outr'ora rua da Cadeia, no oscrip-
torio dos Srs. Parente Viama & C, com Jos*
Antonio da Silva Guimaraas, ou na villa do Ca-
bo, rua do General Vjolorino n 21.
VENDED-
Na rua do Vigario n 14; vende-se o segninte :
Cimenlo de Portland, em primeira mao.
Vinho do Porto, engarrafado, finissimo, em cal-
xas de duzia. .
Dito dito em barris e ancoretas".
Vinho Sherry, ingiez em caixas de duzia.
Vinho Cotrares em ancoretat.
Cera em veJas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
*lAf*94t OES
Na loja. do Pavao vende-se. mad a poloes france
zes muito incorpados, corn 20 jardas a 6.000 reis,
dito muit i fino com J2 jardas a 3,000 e 3,500 ; as-
sim como um grande sortimonlo de uiadapoldes
inglezes de 4,500 ate 8,000 e 9,000 : a rua da lm-
peratriz n. 60, de ^'elix Pereira da Silva.
Colchas para.cama*
Naloja do Pavao vende se colchas de fustSo
brances, para cama; a 2,306, ditas de dito decor
a4,000, cobertas do chit* e de ci..tone, de 2,500
para cma e ditas de metim eseaflate forradas com
madapolao a 5,000 : a rua da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira de .Silva.
Vende-se alpacas pretas e muito finas de
600 reis o covado. E' grande pechincha.
iiadapoides
Com pequeno d^feiio a 4*000 a peca, dito lim-
no, francet, e ingiez a 4*500, 5*500, 6*000 e
oj*00. E' baratissimo. Al^odaosinho marca T,
largo e fin' de 4*000 a 4*500 peca. E' para
s e escnras, a 260, 280 300 a
iias roxas mofadas, a 200 reis
0 covado. Cietones escnros e de bonitos padroes a
360 reis o covado. Lanzinhas de lindos padroes,
a 200 rets o eovado Cambr;,ias de cores a 240 e
280 reis o covado. Aprovei em antes que se
intern-
irlanda
Vende-se esta fazenda muito propriapara vesti-
dos de senheras pelo diminuto pre jo de 600 rs.
o covado.
Brim branoo
Vende-se brim branco de algodao, a 320 rs. o
covado. 15* grande pechincha.
Ciase de seda
Vende-se eita fazenda de lindos padroes, a
1*200 o covado, faenda que sempre se vendeu
a 2*500 o covado. Aproveitem.
Sonrecasacag a ISA e lu&OOO
Vende-se sobrecasacos de panno fino pelo bara-
tissimo preco de t?* e 15* ca:a um ; e grande
pechincha : a elles antes quo se acabem Cami-
' zi.-iubas com punhos e collarinhos, para senhora,
: pelo diminuto pneo de 2* cada uma. Meias para
' senhora, fazenda muito (ina e am ricas caixinhas,
pelo barato prec-1 de 6* a duzia. Aproveitem.
Colchas adaniaiscaslas
VenJese colchas adamasca las brancas ecom
, barra de cores, muito gra.des, pelo baratiss'mo
prego d9 4* rada uma, fazenda quo sempre se
vendou por 7$ uma. A ellas antes que acabem.
E outras muitas fazendas que se torna enfadonhn
mencionalas, e que to o freguez vendo, podera
cortificar-se, e por isso os proprietaries convidam
j a todas as pessoas a fazer?m uma visita a sen es-
: tabelecimento aflm de convencerem-e da verdade.
RUA PRIMEIRil. DE MAR'.IQ N. 25.
Grande liquidagao.
Sedinhas d 1^500 o cov do.
Venham antes que se acabem : na Itja do Paaae
a ma !. de Marro n. 7 A.
VENDE-SE
a taverna sita a rua
muito afreguezada :
Rosario n. 40.
io Bario da Victoria a. M,
a traur na raa elreita da
; de miudezas e chapeos
. Marque' de Olinda n. 53.
no novo Bazar, rua do
Aos cigarreiros
A NOVA ESPEKA-NOA vnde panel de linho
proprio para cigarros. de di.ver.sas larguras.
B a-Via gem
Grande descobepta
Curativo das molestias do
peito pelo
\arooe do sulnhtto de soda
A. BEIIXET
Este importante medicameato que acaba de ser
reconhecido pelos disticctos Drs Zalloni e Paras-
chevas como um verdadeifo espe ifico contra a
pbtysica, s jgundo provaram nos grandes nume
ros de casos po:1 elles experimentados, como se v6
oa sess.lo da aca'.emu de Paris de 24 de marco
do corrente anuo, eneontra-se unicaineate.no
Deposito da ^narmacja e drogaria
Ue
Bartuolometi A C.
N. 34 Rua larga do Rosario N. 3i
Veniin-se a taverna da rua da Ponte Velha
n. J, bem a'reguezada e com pequeno" fundos : a
U-atar na mesma*.
Cora dos cstrcitamento d'nretra
pela facil applicagao das
SONDAS OLIVAES
E muito barato!
Popelinas de seda, fazenda inteiraroente nova
a 1*000 o covado : se no Bazar das Familias, a
rua do Juque de Caxias n. 60 A, de Reis e Silva
& Guimaraes.________________
Aproveitem
0 PARIS N'AMERICA, a rua Duque de Caxias
n. 59, primeiro audar, esta vendendo caJcado pelos
seguint- s precos:
Botinas de duraqne para senhora a 3.500 reis.
Dit is de dito preto a 4,000 reis.
Ditas de dito com botoes ao lado, a 4,000 reis.
Ditas gaspeadas, cano alto, para senhora, a
5,000 re s
Ditas de pellica, ingleza, a 4,000 reis.
Ditas de duraque bordado, para senhora, a
5,000 reis.
Ditas de duraque, de cores, para meninas, a 3*.
Em quanto e tempo
_____ aproveitem._______
Salsa-parrilha do Pard
Vende se on aluga-se uma das melhores casas
da Boa-Viagern, defroote da igreja: na rua do
Imperador n. 8?.___________________________
Ceroulas e camisas.
Na loja do Pavuo, vende-se ceroulas fran-
cezas de todos os tamanbios pora liomeoi a
10600, e ditas de linho a 2-jsOO, ~2#S0Q e
35000.
Camisas brancas com peitos de algodio,
fazonda fina e por estarem um pouco en-
xovaluadas a Mtfufl a duzia, ou a 40800
cada uma, ditas com peito de esguiao de
linho a 3Q00O e 39500 (.ja umA| ditas
com peitos e punhos de cOr a 2*000 e
2S5C0: i rua da Imptratriz n. 60, de Fe-
lix Pereira da Silva. *|______
Cortinados para camas
Na loja do Pavao vende se um grande sortimen-
to de cortinados bordados nroprias para camas e
janellas, pelo barato preco de 8, 9 e 10,000 rs. o
par, assim como e le'ias de damasco para camas
de noiva a 10 e 12,000 reise peel incha: a
rna da Imperatriz n. 60, de Felix Pereira da
Silva.______________________________________
Pentes girafe.
Pentes girafe, proprios para senhora, ( ultima
moda) : a Magnolia a rua Duque de Cax'as n. 45
e so quern tem.
Papai, mamai.
Como sao lindas as bonecas de cera que eha-
mam papai, mamai, choram, andam, etc So na
Magnolia a rua Duqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolas.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu gaiolas de arame de lindissimos modelos,
nroprias para passaro* ; a ell is aut-s que se aca-
bem.
para senhoras
Como sao lindas e modernas as gravatinhas qne
a Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, acaba
de receber I
Aos meninos
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Caxias
n. 63, acaba de receber um bom sortimenta de fi-
nas bonecas que faltam, que riem se e choram ;
tambem as tem mudas e surdas ou surdas-mudas
venham ver se nio e verdade.
Sardinhas
DE
GORHA ELAST1CA
As mais modernas e aperfeicoadas de todas
as conhecidas
Yenderase
NA ,
PHARMACU E DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
34 Rua larga do Rosario 34
=----------------------------z;---------=------- Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aae
LUStreS e aranuelaS Cie VldrO ved. no seu escrlptorio, a rua do Bom Jesus nu-
mero 57.
para gaz
Na grande exposicao da rna do Imperador n.
35, junto ao escripto'io da companhia do gaz, ven-
dem se os mais bonitos e modernos lustres e aran-
delas de vidro parafaz. a sin coma tudo o mais
que se tomanecessano para os.-e Dm, sendo tudo
dot melhores fabricantes qu ha na Ingiaterra. Ob
precos sao mais baratns do que em outra qualquer
pane, e com a vantagem <\be e o dono do estabe-
leeimento mandar assentar os lustres ou arande-
la no lugar que o comprador quizer, sem que para
i3 troea se lustres e arandelas ja usadas, mas que
estejam em e.tado de pi>der servir.
Asunicas verdadeiras
Bichas hamburan^^a,. nn: ynxt> 3 pj,te mercafto
oa rua do Maruuez dc olinda e. 51
Alpacas de cAres.
Alpacas de cores, finas, com listras. largurt
de chita franeaza, a 360 rs o c vado, 6 fazendi
de < : ?6 na rua do Krespo n. 10, loja de Gui-
Iherme jjC,
Aos nervosos
A NOVA ESPERANQX acaba de receber aquel-
ies milagros >s anneis electricas, cura infallivel doi
nervosos.
Recebeu o Baliza, da conta propria, uma grande
porcao de sardinhas, as quaes vende por 8/noo o
barril, contendo 1,500 sardinhas. A ellas antes
qne se acabem 11
Leite puro.
Vende-se leite puro da vacca toorina que
pode ser tirado na presenca do comprador, i
as 7 horas da manba : narua de Hospicio
CHEGAIUM
as desejadas lazinhas a 200
rs. o covado.
Rua do Queimado n. 43.
(Jefronte da loja de chapeos da Pracinha.)
BL>zmhas a imitacao de seda com riquissimos
padroes a 200 rs. o covado. So o 43. Dio-se
amostras. Venham antes que se acabem,.
Cortes de cambraia
Na loja do Pavao vende se eortes de rsrahr
transparente com babadus largos, tauM brancai
como de cores, por baratos pre;o, p.r terem al-
gnm pequeno defeito : A rua da Imperatriz n. OC.
de Felix Pereira da Silva.
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os seguiutes:
Barra,
l*reSuica,
e Putriel*
A tratar com sens proprirtarios nesu cirt.-d
e para informacoes eom Joaquim Pinto de Sir-
relies Filbo na mesma cidade de M.-imacgnat*
n--a Irmni s '.
Vejam e adinirem.
A SOO rs o povaiio
0 baraUiro da ru.i da Imperatriz n. CC1,
vende popelinas pretas com l.stras asau-
nadas pelo baratissimo fttfft de aOO rs.
covadn. para aabar.
Lustres, candieiros e
Vende-se
na rua do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vinho do Porto engarrafado, era barris e em
ancoretas.
(.era eze vela?, de Lisboa, superior qualidade.
Retro?, do Porto.
Cimento Portland, legitimo__________________
Bramante para lenc6es
a l.#800 2*000 e 2*500
Naloja do Paao vende-se superior bramante
para lencdes, com 10 palmos de lurgura, que ape-
nas precisa de 1 vara 1,1 para om lencol, sendo
de algod3o a i,00 rs. a vara, dito mais en-
corpado a 2,000 rs., dito de linho puro a 2,500 e
2,800 rs.; assim como atoalhados superiores, tan
to de linho como de algodao, porprecos muito em
coma, e pecas de algodaozinho para lencdes e toa-
lhas, tendo de 4.000 rs. para cima : a ma da Im-
peratriz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
12 Rua doCabuga12
LIQUIDACAO
de joias de ouro, prata e padm preciosas.
Ouro dc Iel.
Correntes do ultimo gosto, a oiuva
Alfinetes para retrato, circnlado de
perolas
Idem idem idem csmearladas
Idem idem idem robins
Relogios de prata bem dourados, de I5 a
Relogios para senhora. de onro, de 40* a
Ricos aderecos com pedras finas com
50 0)0 de abate.
Bonitas pulseiras do ultimo gosto com
50 0|0 de abate.
Brincos de phantasia dos mais bonitos
que tem vindo ao merca^o, de 15f a
Voltas com nm bonito laco, por menos
do que se vende em outra parte.
Bonitas cacoletas, tanto para senhora
como para homem.
Anneis de diversos feitios, de 2 a
Pulseiras de cobra de coral por 50 0(0
de abate.
Tendo o proprietario deste estabeleeimento race-1
bido uma grande porcao de joias dos ultimos gos-
tos de Parrs, e por precos ja resumidos, participa
a todos os seus freguezes, bem como ao respeita-
vel publico, que se acha semi ro prompto a servir
com toda a exactidao como costuroa; certos de
que passara um recibo, pelo qual fica responsabi-
lisado pela transaccio.
5*500
55*000
60*000
65*0 0
30*000
80^000
60*000
20*000
Camisas.
Camisas francezas brancas de algojao fino com
frizo de cor a 2*000 uma, em duzia a 23*000;
e pecbiaeba : na rua do Crespo n. 20 loja do Gui-
iherme C
Pechincha
A empreza do gaz, tendo recebido witammam
uma qnaniidade de lustres, candieiros, ar-ad.*!.-,
g id.us etc. eic, tudo oura de gosto e d primeira
qualidade ; acha seem posicao de .-uppnr a .-oc
fregnezes, por preens men res d> que ant.ganisc
te. Para wrem as amostras, dinj ru mj a rua m
Imperador n. 31.______________________
O barafeiro!
A' rua 1 de Marco n. 1
conlimia vendendo fna f*7endas ( .m :iOi"70 nser.es
do que era outra qualqtur parte, a safer :
Amazonas, recebemes e*ta nov> hwaia, oro
bonitos desenhos e cores fixa. prcpri:i pan b;--
les, passeio, etc., etc., e vendemos a MW I*.
' vado.
Baptis'as, temos bom soriimento ls*M f-renJa.
com bons gostos, para 300 e 3t0 rs. o ci\a 1 >, sea-
'pre enstaram 400 rs.
Panama, desta fazenda Mori grmd p .rein ?
I por querermos dispftr dela com pre ' mos por 440 rs. o covado.
Cretones franrezes, e-rnros e elaros, rom Lorr-
ies desenhos a 300, 360, 400 e 410 ; so aaa
\ PopeHna1*, temos grande snrtimento de?t f*i2-
da, muito lindos gostos, e venoVtw* s do, f-empre en-too t*600 ; quern drixara de cotr
prarf por certo ningnem.
Chitas Claras e escuras a 2i0, 260, 280 e "WO a.
o eovado ; e haralo, aproveitem.
| Cambraia Victoria cm 8 l|2 varas a 3*M'
peca.
Dita transparente, muito Una. para 4*Cl0, 54 e
6*000
Madapoloe? para ffvmai pe^aj a MM8 C r>t
dito francez a C.
I Bramante de linho, dnas larguras, a I* a vara
so e barato ; i e!le, a elle.
Brins de Angola, com bons |MM 8 r,',ro- tix:- =.
pn prios para roupa de meninos, a 5oj r< c co-
: vado.
Brim pardo tran ad>, fine, a 400 rs. n cvado.
Esguiao de linho e algi.da.i, mi 7 jrdis a
3*5(0 a peca ; sempre cnt-m 4*500.
Toalhas felpudas a 6* e MM a duzia ; sempre
custaram 8*.
I Chf peos de sfl de alpars para sem.ora a 2* e
barato I
I Chapens de sol de seda para sender-, abo* de
osso, a 3*oti0.
Ditos para homem (paragoi) 8-joUi, de dnas
cores a 9*.
Dit>s de alpaca a '-*.tOO.
Ditos de merino a 4*.:i00.
Botinas para senhora a 4*5iiO e 5*00 : e pe-
chincha I
Casemira? de cores a 35400 o covado --->mpre
custou 4*5i>0: 'ss, a ellas I
Camisas de r.e, francezas, super!
2*500 ; que In pilot!
Lencos de linho, abanhado-, em caixinhas. .
3* a dnzia.
I Ditos de dito moi-.o fmos a 4*.:i00 a duzia
baratein>. Sio Baea.
Meias para homem a 3*500, ditas Cnas a a
dnzia Ml
Colrhas alcochoadas a 3*.
Grosdenaples de core* v-ide, cor a* ro-a. carnado e c'-r de cravo a RO rs., 1* e 1*200
covado ; so aqui.
Selecia a 30* a peca eom. 25 varas, fortm fiiw.
Atoalbado para toalhas de mesa a l*4<0 a
vara.
Brim brMV, exposicao n. 5, a 2* a vara. qtM
boa fazenda.
Grande sortimento de lazinnas, e de gil.>> oc-
vos, a 140, t60 e 200 r*. III! so na y Hm
Rrilhantina branca a 400 rs. o coviwg ? e s:m.
Ao barateiro, ao barateiro I I
Alem destes, outros mui'os aTMgos. qne nao
mencionamos. mas qne vendemos pur hmttad *
precos. Confronle ao arco de Santo Antonio -
contrareis sortimento.
Odilon Duarte & Irmao receberam pelo ultimo
vapor um grande e variado sortimento de eoques
de cabelio humano, o que ba de mais moderno, e
vende-se pelo baratissimo preco de 10* cada um ;
a elles, antes que se acabem.
Laazinhas baratas.
Na loja do PavSo, para liqcidar, vende-se
uma potcAo de laazinhas de cOres para
vestidos, tendo de 320 rs. para cima ; as-
sim como ditas com listras de seda muito
Liuio para mm
Vende se linho liso e arrendado, lindi-s padroes
a 400 rs. o covado, fa>enda etta que ipw ven
dei se a 1* ; venham a elles antes qu se aca-
bem : na I ja do Passo, raa Priaeiro de Marco n.
T A, antiga do Crespo.
Liquidacao de roupa feita
Na loja do Pavie liqnida se oma grande por-
cao de roupa para bomens e menin->s,coroo *ehm:
' ; bonitas a 640 rs. o covado ; alpacas de CO- "leas de casemiras pretas e de cores,
n. 33. raB nnm i;ctpao Aa aaA. ^fi*n ~ os_precos ejuai.dades ; d.Us_debr.
Cunha lnMos & C.
tas Verde superior em quiBtos. *
e Figueira superior em quintos e decimos. q^
S Porto fino em quintos, decimos e efixas. B9
.S Porto fmo. Gravatlnha a -ul.
3** Porto, para paste, em deeimes. ^
34-^Rua d Madre de Dens34
Guindaste.
Vende-se um guindaste a vapor para 5 tonela-
das, de systems move], com a carreta para ser
collocado, e 24 Jardas de trllhos da ferto de 60
libras p. r jarda, dos fabricantes Alex Chapelio &
C. de Glasgow ; na rua do Vigario n. 10, es-
criptorio de Thomax de Aqniuo.
e de cores, para lAvt
res com l.stras de seda de 640 rs. par. f& &^,i?m*t &Jt
cima : a rua da Imperatriz b. 60, de Felix cores, pardos e brancos; paletots sa<*eos, easaeoa
Pereira da Silva, e fraks de panno preto e de casemiras de r-re
coletes de todas as qualidas, por precos b*ra-
tissimos, assim como grande porcao de canisas-a
ceroulas por menus 3 Oio do seu valor so para
acabar : a rua da Imperatriz n. 60, de Felix P-
eira da Silva.
E'
com as noivas
Atleiicao.
Chapeos. para senhora.
A loja da Passo,
7 A, i web*u am
<*aesaa boras, pretos e de cores.
0 Baliza tem uma grande porcao de-milho que
vende cada sacco pelo diminuto preoo de 3.500.
A NOVA ESPERANCA, roa Duque de Caxias n.
36, acaba de receber boa- meias de seda propria*
p^ra noivas, e os apreciaveis ramos de larangeira
Cartes de casemira.
Cortes de casemiras flnas, gostos modernos, a
5*500 o eorte ; a elles antes que se acabem, e
peehrndia: na rua do Crespo n. 20, lo|a de
Goiltierme & C.____________________________
Kuit do AHiorim n. 37.
Presuntos inglezes para fiambre.
Sueijos loodfinos.
rtras em latxs.
Ovas de bjcailiao em latas.
LBgostas em latas.
Azei onas bespauholas em fraseos.
Azeitonas fraucrzas em fraseos.
Saucisras de Oxford em latas.
Velas de eera branca de Lisboa.
Lazinhas
a 100 e 200 rs. o covado
Rua do Queituad*.
Junto & loia da Magn>ha.
E* muito barato
Grande soriimento de laxinba* de listras e s)e
iquadrinhos a ehinwa, pr..prias par* vestido*
nrlo diminuto preco de
| do. */." *A
100 rs e 20o r*. o
Daa-M arai'-sira- caw p-nhnr.
a n*a Prmielro de Hargo 9-
rico sortimento de cbapeos
Chocolate hesfjanhol
mnlto flon, tem para vender m AssemMea do
Commercio, Meir & Limn, rua do C>mmercio Do-,
mero 22.
Vacca tourina
Vende se uma vacca tourina,
wim cna femea a ver e iratar,
Jose Arauba, em Olinda.
parida de dias.
na cocheira de
A 500 rs. (covado
Na loja d > Pavin vende-se I5rinh |*pni
de cores mnfto tnoderoas pelo bdratMMma preoo
de 5uO n>. o cuvado, para acabar ; itntando-se (po
6 fat-naa qoe mi e ven.lrto por m^nos de
oVi* cru 'os ; ja a p) cas : a rua d;-. Impvratru
n. 60, loja do Pavio, do Felix P*:t d* SUva,

I


&*.


8
3iariu do Perfiambuoo Quarto teira 7 d* Outubro de 18?4.
ASSEBiEi CEBAL
SENADO.
WSCintSO PR01T.R1DO PF.LO Sa. VISCONDE DO
Rto-BRANCO, PRK5IDENTC DO CONSELHO, NA
SESSAO DE 9i DE JU1.H0 DE 1874.
(ContinuarSo.)
0 Sr. Silveira da Mom :Exija:n-so
eontf.goes para os substitutes.
O Sr Nabuco: -Lstabelega-sea permu-
tafSo do? numeros.
0 8ft. Phi.sidknte : Nao se podo discu-
tir par sta forms, inicrro:npendo-se o ora-
<' !. coiitinuadameiue.
0 Sr. Vis<;o.vi>3 do Rio-Branco (presi-
dents do conselho) :0 projecto, disse-nos
0 nobre senador, tem aiuda um grande de-
fuilo. idmitte o a!;s'tamoiito de estrangeiros.
"Senbor.ii, admira-mc como o nobre senador
l>.nr.tou a sua objecvio a este respeito.
maoff dcS Exc, transforma-se a phy-
sionomii e o caracter do exercito brasilui-
re, vai abi piedomiuar o eleraeuto eslr.u-
goir) tal potfto...
0 Sr. Nabico : Bio disse isto.
0 Sr. Visconde do Ru Branco (presi-
ding; -loconselhj) : -... a tal p mto que
Olu poderemos dizer que o projecto trata do
orercifu naciou I, isto e\ de uma forca con-
posts ora suo grande parte decidadaos bra-
sileirs.
0 S<\. Nabico :.Na 51 parte.
0 Sr. ViacoKDE do llio Branco (pr -si
deuift do conselho) :Ora, Sr. presideule
nao sard certu que ate boje te nos tiii poln 'lintii lade national pelt Sfgu-aoca des-
te paiz f Mss te.nos admiUido.tr,tngeir.s,
quer ;>ara a armada, quer para o exercito,
SOmpre os admittimos I
0 Sr. Nabi'co :Como uma medida ox-
traorJ tiaria.
0 Sr. Viscoxdb do Rio Branco (presi-
dent do conselho) :Como uma medida
ordinary ; appello para o nobre ei miuistro
da gueu-a, senador pelo PJaunyi appello
para > nobre cinque de C-xias, pars o Sr.
visoud-a de Muritiba, para o Sr. Jaguar!
bo e oulros que tem sido ministros da guer-
ra; ap-arec-ndo voluntarios estrangf.ir s
aptos, sio admittidos. Se o exercito care-
ce de recrajas, e nio os ternos naeionaes
em uu.:;erj si.flicieutc, se torn admittido os
voluntaries eslranffeiros. Ate
e" ahi que estio sous fortes elementos de resis-
tencia. Tinba um pequeno exercito, a guerra
da Crimea obrigoo-a a elevar sot fdrca de
terra, t> ella rio-se em graudos difficuldades,
nuuca p6Je ter em frente do inimigo, ao
lado do exercito francez, mais de 60,000
, homens. e para conservar ease numero foi
(Contiuuaudo a lor):... pertencerem a uma
nagio que dispense os belgas do servigo mi
litar.
Os estrangeiros oio sao Obrigados d
inseripgio se a obrigagio ni > vorificar-$e
antes que elles tenham completado 23 an-
nos.
A regra, pois, e" que a Belgica nJo s6' lue preciso fazer grandesi esforgos*e despen-
admitte como obriga alguns estrangeiros der inuito.
ao servigo militar. j 0 Sr Febnasdes da Cunha:- E nun-
0 Sr. Zacarias :E' cousa difforente. ca os mandou o tempo.
OSr. Viscondb do Rio-Brasco (presi- 0 8a. Visgonde do Rio Branco (presi-
dente do conselbo) : -Vs- Exes, sabem ain- dente doconselho) :Eu nao devo along.r
da que e-n Franra o estrangeiro dpmiciliado mais este discurso, e mesmo nSo trouxe
e ebamada para a guarda nacional. apontamentos sobre o algarismo das despe-
Aquino Brasil, quaudo se nos diz que ras que tiveram de fazer os inglozes nessa
este projecto vai porturbar babitos invete- guerra. '' verdade que elles nao cui Jaram
rados do nnsso pov.i, vai entender com to- de dar nora organisacJo a* sua milicia, que
das as classes laboriosas, pdde causar gran- nSo esta-reduzida ao qu e boje a guards
de 6ba!o ds in Juslrias; nesie paiz juiga-se nacional entre itds. Sous exercitos sdo os
apezsr de tudo, que so appareeerem estran- encoura^ados; e para a mariuba o quo
geiros aptos e que desejem prestar sous ser- pratii;a a Ioglaterra ? Nio tem a lea for-
vigos nos corpos do exercito ou oas tripo- cada ? (Apoiadoe.) Ora, e abi que esti o
btjoes da armada, nSo devem ser admitti- principal eiemento do sea poder militar
dos; e n8o o devnm ser porque fioa mal a Aqui tenbo ouvido dizer quo polemos
baodeira do Brasil que hajn um ou outro dormir coin as portas abortas, quo ndo ba
estrangei-o em sea servigo militar Os nos- porigo neobum pelas nossas fronteiras :
sos vizmhos pudm faze-lo. mas querem os mas nao e assin, a guerra do Paraguay o
Hobrea MiadoM que \bm demjs esta vaota -, mostrou ; e, quaudo no&sos iziohos eui Jam
ge-n. Os ex-rcitos da fcuropa admittem ro-de estabelecer o que nao tinham eseola^
uoiaru.s estrangeiros, so o Brasil nao os navaes, escolas militares, arsenaes; qoando
ha do admitur ? Ternos uma populacao tao tratam de organisar uma marinba, de aog-
lie ta ds armas, tao numerosa, que seja mentar c prover do nwlbor arm.raeato os
p-eciso desprezar e^se pequeno contingente. seu* exercitos, e nestas circumstancias qu-e
quo ate h.j-; nao tamos ttispensado? se vem aconselhar a* nacao que uao cuide
i>ame pirece que os adversanos do de reorganisar o exercito brasrleiro?. .
projucto tenham raza); o doeu-mo que o 0 Sft. Naboco : Eu nao disse isso.
Gca sujeite a ser cbamado ao. serTi^o so-
mente em circumstancias extraordinari*s.
0 refractario serve oito anoos e tem a
mesma obrigacio eventual de Iras annos de
rejerva, para casos extraordinarios.
Duraute esses tres annos uus e oiitroi fl-
eam ioteiramente livres, sem neohuma su-
jeic-So militar mais do que a de serem cha-
maJos, dada a eventualidade de circums
tancias extraordinarias, que, folizovmto, sao
rarissimas entre n6s.
Eis aqui as disposijdos : i do 2 arti
go 4B:
Os designados, que se n5o evadirem
ao cumprimento de,ste devar, servirSo por
seis aiiiios, findos os quaes aario licenciados
com a obrigacio de se apresentarem para
o servigo em circumstancias de guerra in-
terua ou cxterna, uenlru dos tres annos sub-
sequentes.
Fioarao, porem, livres desta obrigacio
os licenciadoa que aiquerirem algumas das
ngoKus. iu aqui a re>?r
era que* nao oxcedessem do um ter^o em
cada cjmpanbia oucorpo; o proj^cto esta-
belc. como timite um quinto.
Jd da uutra vcz, observei que os nossos
Tisinbos, oio levam seu amor proprio na-
cional a este pooto, admittem estrangeiros.
Os e.-trt(.'os da Europi nuo admittem Oit'ran-
geirs nos sens exercitos f Certameute
que sim. Eu boolean trouxe aqui um livro,
que foi visto por elguos nobres senadores,
mativo a ultima loi militar da Belgica; alii
se admittem estrangeiros ate como recrutas
obri^aJos.
(I! um spfirtej.
0 ia. Vbcosde D3Rio-BiuN-co|(presiden-
te do conselbo) : Yejamss o texto Ua lei
de junbo de l&VJ. Art. 7. Os estran-
geiros residents na B-lgica s8o sujeitos &
inscriprao...
0>r. Figuuka de Mello:i'rimeira li-
mit.icao.
0 Sr. Viscowde do Rio Branco (presi
dente do conseluo) ;...sao sujeitos d ins-
orip^ao :-lJ setiverom nascido na Belgi-
ca...
0 Sr. Namwo : -Eis abi.
0 Sr. Visco:;di: do Rio-Braxco (presidon-
to do conselbo):-... quando seus pais abi
residissem.
0 Sr. FiGUUfiA de Mello :21 limitacao.
0 Sr. fiacONDE doRio-Branco Cpresiden-
te do consellio) ...2*, se sua famiba
contur rnais do tres anoos de residencia na
Belgica.
(*s estranjjCiros que nao provarera...
0 Sr. FiGi'EiiiA de Mei.lo : 3a liro.itac.ao.
0 Sr. Viscoxde doRio-Branco (presiden-
te do coDSetbo) :...alguma nacionalilade
determiuada, devem inscrever-se no anno
em que complotarem 19 aunos.
Os estrangeiros quo provarem alguma
nacinna ida !o determiunda nio deverao ins
erever-se senao no anno seguinte dtquell-
em que tenham deixa to de cumpnr a obri-
gsQfio que Ibes seja imposts pela loi do re
crulaiiit-nto do seu paiz ; e naoserao obrigi
dos a iso, se. nao tendo nascido no Belgica
durantc a residencia de seus pais, pertence-
rem a u.u* aa(&o...
0 Sr. Jiabuco : Eis obi o que so faz na
Belfiica.
0 Sr.. YfSCONBE DO Rio-Branco. (presiden-
te do conselbo) :Comose interrempe uma
leiiura I E isto da parte de um juriscou-
sulto, quo taolas ieituras faz quaudo ora 1
nobre sena io" pela Bihia, que deve querer
uma refirma razoavel a respeitodo recruta-
mi-nto, que nao pode querer o systema ac-
tual, se dirigisso ao nobre viscOnde de
Abaete, invocando os antig03 tempos em
quo homens proeminentes deste paiz, se-
gundo S. Exc nao admittiam alistameuto
de estrang<:iros. Isto, porem, era alista-
meuto de corpos estrangeiros...
0 Sr. Visc-xde de Muritiba :Apoiado.
0 Sr. Visconde do hio Branco (presi-
deota do conselbo) : 0 alistamento de cor-
pos estrangeiros foi objecto de largas e
porfiadas discussdes era nossas cameras ;
mas aqui nao se trata do alistamento de eor-
pos estrange ros; trata-se de alguns volun-
tarios, em numero que, distribuidos pelos
differentes corpos e companbias, nao pode-
rd exceder lo um quinto. Ora, eu oreio
quo quitrobrasileiros nao temem a um es-
trjugeiro, see o raceio de alguma traicfto
que motiva a repugnancia dos nobres se-
nadores
Sr. presidente, por um lado so diz que o
projecto vai posir muito sobre a populacao
nacional, por outro lado ponderase que ba
muitas excepQ04s, o por lira ate se figura
odiosa uma pratica de tantos annos.
0 Sr Visconde de Muritiba :Injus-
mente.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselbo):Senhores, lembremo-
nos di que muitos olliuiaes estraogeiros
prestaram rale/antes servicos a nossa pa-
tria. Duranto a ultima guerra nao empre-
gamos estraugeiros I ilouve tempo em que
qunsi todos os nossos macbinistas eram es-
trangeiros, e na guerra de 1S52 portaram-
se com a mnior .'ealdade e dedicacic*. 0
beaemerito pratico da fragata Amazonas,
no combate do Riacbuelo, nao era aioda
ei iadao brasileiro.
Nlo lavantemos, pois, tSo injustos e pe-
rigosos preconceiios conUa o projecto.
Corobatase a reforma por outro mode, mas
nao procurando quanta exagerada aprecia-
<;uo possa servi-la para torna-la odiosa. As-
sim jama is terem >s reforma do recrutamento
ucaremos no slalu quo
0 Sr. Silveira da Motca:V. Exc. tem
mostra o que e orador.
0 Sr Visconde do Rio-Branco (presiden-
te do consellio) iP >rque?
0 Sr. Silveira da. Motta :Agarrou-
se ne>sa tabnmba.
0 Sr. Visconde do Rio-Branco (presi-
dente do conselbo) :Estou trabalhando
por convenco- lo.
OSr Silveira da Motta : Estou con-
vened o nesta parte.
0 Sr. Visconde do Rio-Branco (presi-
dente do conselbo);0 nobre ssnador pe-
Bahia dis&e nos que o systema militar in-
glez 6 de v.ihniurios. E aqui sinto que
nao esteji prrsente outro nobre senador pela
15(iiia, que pedia u.ua experiencia exclusiva
do volunUriado, antes de condemnar-se c
seu pnucipio.
Acaso iguoram os nobres senadores o que
acontecou a Gra-Br.-tanha durante a guerra
da Crimea? Essa grande nacao confia sua
defeza principalmente a* marinba de guerra;
0 Sr. Visconde do Rro Branco ("presi-
dente do conselbo) :...que o deixemos
nas mesmas condijdes em que elle tem vi-
vido ate boje ?
0 Sr. Nawjjo :Quem disse issot
0 Sr. Visconde do Rio-BRancc* (presi-
dente do conselho):V. Exe. no-lo diz,
quando corta o sorteio pelo fatidico nu-oero
duplo, e accrescenta : Depots-, para oasos
extraordiuarios medidas extraordinarias, que
se tomario no memento da neeessidade.
Esta*, porem, ao akance de todas as in.elli-
gencias que isso nao seria um projacto de
recrutamento ; que ieso nSo seria- prever e
acautelar o future, mas, adoptar raeros ex-
pedientes.
0 Sr. -FoiiiM : E' fechar as portas depois
de roubado.
0 Sr. Visconde do Rio Branco ( presi-
dente do coaselho) rIfei de trocar uns li-
vros que tenbo com os do nobre senidor
pela Babia, para ver se depois ficamos de
accordo.
0 Sr. Zacarias : Maude o livrinbo.
0 Sr Silveira d*. Motta ^V. Exe. lu-
cravar porque a bibliotbeca dellee" magnifi-
ca.
OSr. Vjscojhw do Rio Branco (presi-
dente do conselbo) :Agora tamos aos pra-
xos.
Os nobres senadores- conservaram os pra-
zos de servico que exige o projecto e disse-
ram que nos por este modo vamos ale'm do
systema franco prussiano.
0 Sr.. Nabuco:Contrariamos o sys-
tema.
OSr. Visconde do>Rto Branco (presi-
dente do conselho) sSeguimos um sjste-
ma, que nao- 6 nenbum dos dons, ou qpe e
mais oneroso do que qualquer delles ; nao o
isto ? Desejo dar toda forga a objeccSo. Ye-
jamos, porem o Systema franses que o- no-
bre senador diz ser mais suave do que o do
projecto.
0 Sr. Nabuco :Systema francez* de
quando? Be hoje?
0 Sr. Visconde do Rio-Branco (presi-
dente do conselbo) :Sim, senhor.
OSr. Nabuco:E'igual ao da Prus-
sia.
0 Sr. Visconde do Rio Branco-(presi-
dente do conselbo):0- nobre senador
qaer condemnar-me a nao examinar a le-
gisla^ao franceza vigente, mas sim a ante-
rior ?
0 Sr. NABUcoiEntao veja a da Prus=
sia.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho) :Quando digosyste-
ma francez, e o que esta em vigor.
0 nobre senador queria que a Franca pa-
rasse om 1868, o logislador eaminhou,. te-
rnos duas leis, uma de 1870, outra de 1872
e o nobre senador nao quer que, quando
se trata do systema francez, consalte-se a
legislacSo moderns, mas sim uma outra jd
revogada, isto nao e razoavel.
Consultemos a lei franceza queestd em
vigor e antes fixemos o que estd em nosso
projecto.
Segundo este projecto, o voluntario ser-
ve seis annos e depois durante tres anoos
FOLHETIM
JOANNA
OH JOG0 DEPWXDES.
FOR
teor;c Sand.
(traduccso de x. x. x.)
PARTE SEGUNDA
i III
(ContinuagSo do n. 227).
E como eu insistia por acender uma vella
c cmiozi-la eo seu quarto, ella proseguio
cou' -'a energia subita :
Ouija I Carego da sua estima e pre-
ciso na j dosmerecer & meus proprios olhos.
Minna situagao e bastante nquivoca. Ri-
cbftr'I ?uppde que eu nao s<>ffro por causa
disso, < entretaiito esta siiuagao mata-me I
Essf segredo suffoca-me ; & preciso que o
senbor saiba quo n eu sou.
'.las cu cada tenbo com isso, gritei ja
im | -ntair ; nao tenbo curiosidade de sa-
ber o seu segrid'.-.
Hesse case, despreza-me? Ah I bem
tcj i quo mc condemna o mysterio deque
olle me cercou, no entente que a verdade
cabeti,: perfe tamente no coracao de um
amigo. do um hornem honrado como o se-
nhor I Mas, c senbor ba de ouvir-me, ou
entao fi.'arei cran'e de que & seus olhos nao
passo do u;nr Larrega, de uma aventu-
reira I
S6 a ou.i.ei com a condijao de refe-
rir tudo a sir Ricbard.
Ella hesitou durante um instante; e eu ia
jd aprnvwur-aie do ensejo para retirar-me,
quan movi.onio nervoso quo contrastava com a
sua mdolencia babiiual, disse-me :
0 seobor pode referir-lhe tudo f con-
siQto nisso, quero-o mesmo 1 Sente-se, estd
aqui uma cadeira Eu ficarei do pe ; es-
tou tdo agitada... mas bei de dizer tudo, e
respirarei depois.Eu ndo sou quem dizem
que s >u ; nem sou franceza, nem me cba-
mo Helena ; sou hespanbola o cbamo-me
Manoela Perez.
Ndo sei se, atravez da obscuridade, ella
percebeu o g"lpe que me dera em cheib no
peito ; mas o que e erto 6 que ella ficou
admirada ao ver me saltar ao meio do salao,
como in.pcilido por uma mola, ou como se
fdra mordido nas peiuas.
Entao, o que e? perguntou ella. Al-
guem nos ouve?
E' bem possivel, visto como esta sala
e immensa, e ninguem distingue cousa al-
guma.
Venba entao para o raeu quarto de
vestir. Ld poderemos fallar sem ser ouvi-
dos, e teremos luz.
Ella abrio uma porta, e eu, seguindo-a
macbinalmente, como se estivesse aturdido
pelo choque de uma queda, entrei n'um
pequeno gabinelo luxuosamente adornado e
de cujo tecto pendia uma lampada acesa.
Seutando-se, ella convidou-me d fazer
outro tanlo; mas eu fiquei de pe, e ella fal-
lou assi'i):
c }& Ihi disse que nasci em Paris. Mi-
nba mai era uma pobre e bonesta mulher,
que foi abandonada pe'o marido, d quem,
alids, ate a idade de 10 annos, nSo me lem-
bro de ter vi>to. Ella fdra de Hespanha
para Franga com esse marido, levande-me
nos seios; e, aioda me aleitava, quando
elle abandonou-a, deixando-lhe uma pe-
quena quantia, que ella soube economisar,
na esperauca de que elle voltaria dentro em
breve.
Minba mai era boa operaria ; mas oio
podia alugar-se por minha causa, e uma mu-
lher ganba tdo poucoI
Ensinuu-me o seu oflkio dc illumina-
dora de estampas' e gravuras, e bem assim
ensinou-me d Ipr e d escrever, como p6de.
Eu nu'ica ftprendi orthograpbia.Cm
pouco do costure, um pouco de'bespanhol.
um pouco de danca e algumas oragoes em
latim, que alids nunca comprehendi, eis
pouco mais ou menos o que ella sabia.
Nunca me deu nenbuma nocSo sobre
o bem e o mal. Honesta e fiel d seu mari-
do, d quem amava d despeito do tudo, ella
nada sabia sobre moral, e creio mesmo que
se abstinha de fallar-me d tal respeito, afim
de nao ser forcada d condemnar seu mari-
do ; mas em contraposicdo tinha muitas
cautelas comigo e vigiava-me muito.
Eu nunca sahia sem ella, e era muito
pura e innocente por fonja das circumstan-
cias e sem saber que fosse possivel deixar
de s6-lo.
cursos; o trabalbo nao nos dava nem o in-
dispensavel, e n6s estavamos em vesperas
de cbegar d ultima extromidade da miseria,
quando meu paienviou-nosalgum dinheiro,
e annunciou sua proxima volta.
Passaram-se ainda dous annos; mas
afioal meu pai cbegou, disse-nos que tinba
ganbo muito dinheiro, sem comtudo refefir
como o ganbdra, annunciou-nos que vive-
riamos com elle, o levou-nos para uma bor-
rivol aldoa cbaraada Pauticosa, nas monta-
nhas da Navarra.
a Alii, entrando no conbecimento deque
meu pai commandava uma troca de contra-
bandistas, minba m&i teve medo; mas elle
zombou della, estabeleceu-nos n'uma linda
casa, deu-nos dous criados, e partio, s6 Deus
sabe para que lugar, de onde voltava, de
tempos d tempos, sempre obeio de negocios,
e sempre cercado por homens que tiobam
aspecto de assassinos e que nos causavam
medo.
a Nada aos faltou entao, nom mosrao
lindos vestidos, nem joias; mas para quem
ham a gente de enfeitar-se, naquelle'de-
serto ?
a Nio gostavamos do campo, e muito
menos daquelle lugar tenebroso, semelbante
ds casas de jogo, onde fervera as trapacas.
c Habituadas i vida de Paris, aos alegros
boulevards, e aos seus arruidos continuos
isencSKs do r e os quo antes do dar-se
o caso de guurra, pagarem a contribuicdo
peeutiiaria, que f como os casados que tiverom til nos legili-
mos a seu cargo.
Na execucao deMas disposigdes ter-so-
ba em vista o quo vaideterminado uo art'
5, quautoaosommittidos.
Os designados rcfractartos servirao oito
annos (os recrutados serrem actmlmente
nove annos), senlo depois Ifcen iados com
a mesma obriga^do.
Portanto, aqurtemos seis annos de servi-
go effectivo no exercito, a obrigacio even-
tual nos tresannw seguintes, dado um caso
extraiordinario de serem chamados &s firoi-
ras i e am la assim, sao exceptuodos os q?e
se t.nb.tn casado, tenham pago a comnbui-
cao pecuuiaria, ou estejnm isentos por outro
titulo-.
Fiodus os ires annos, Scam dispen^adosde
todo service.
Cojop'iremos esto com1 o systemo' fr/an-
cez.
Todo- francez, que nao for declarado
improprio para o service militar (eoar-
tigo 36 da lei de 27 dejulho- do 1872 )rfa-
rd parte de exercito actvio durante cinco
fjAnoos, Ja reserve do exercito activo durante
quatro annos, do- exercito territorial cineo
annos, da reserve do exercito territorial du-
rante seis annos.
SSo vinte annos, contado o tempode servi-
goaclivo, noexercito territorial eDas reser-
m.
Isto posto, p-rguntj-eu aos iwbres sena-
dores : quanta-aos tres-annos de aspera, ha
no Brasil a mesma eventualidaJo d guerra
que em Frange ?
Seguramentendo.
Semos um povo pac^teo, as gcerras en-
tre nes, graces- a-Deus, sao rarisinas, e,
portanto, pode-se dizer que essa ehrigagao
dos- tres annos a'nominal*
Em Erauga nio aconteee o mesmo, taos
casos setem repetido muitas vezes, entretan-
to que a obrigagdo do servigo militar es-
tends-se ao toego espaep de vinte an-
nos-l
O-Sr; Nabuco':Forara-alem da Plfusia :
o da Prussia sac doze annos, o da Franga
sio vinte.
OSr. VisceNDe do Rio Branco (presi-
dente do conselho ) : Passemos agora a
Prussia.
A Prussia, cuja legislagdo militar tem
soffrido muitas alteragoes, ulliraamente es-
ta beleceu as seguintes regras : tres-annos
no exercito activo, quatro na reserva, cinco
na landwehr ; ao todo, doze annos. Mas
a reserva da Prussia o t.landwehn estdo
tfiosujeitascomo essas reservas do Brasil,
cujo onus, limita-se d rarissima contingencia
de uma guaara nos tres annos subsequentes
ao do servigo effectivo T Creio qae Id a
contigencia e- muito mais de temer do que
eutre nos.
0 Sr. Fernandes da Cuniia :Sem du-
vida.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente doconselho) :Neste ponto-devo pe-
dir licenga.Sr. presidente, para accrescen
tar algumas observagoes theoricas, que eu
pude aprender sobre esta materia em ou-
tros tempos.
Para os prazos de servigo nas. differentes
armas, ba uma razao theorica, e 6 o tempo
necessario para a instrucgao do soldado em
cada uma das armas.
Nos exercitos da Europa o infanto carece
d" menos tempo do que.o cavalleiro, e o
soldado do artilheria mais qua o de cavalla-
ria.
Entre nos, como ha pouco ouvi do illus-
tre duque da Csxias, pode-se dizer que o
soldado do cavallaria e o que carece de me-
nos tempo, porque pela inaior parts- a nos-
e aos rostos animados que alii viaraos, la-
men'.amos a perda da nossa agua-furtada e
daquelle movimento, sem exclusao do que a
gente se dd no intuito de ganbar a vida, e
que alids e causa do que em nada se pense.
a Em Pauticosa tinbamos sonhos sinis-
tros, e eonstantes terrores.
c Aquelles homens com seus contraban-
dos estavam sempro sombrios e s6 se fal-
lavam baixinbo ou por sigaaes.
c Procuroi ser boa para com olles, e elles
nSo eram mdos para comigo ; mas minba
mdi receiava de continuo que elles ndo me
Gzessem mal, e pedia-m : que nao mc sopa-
rasse della.
Por essa razao teve desgostos mortaes,
e adoeceu; e, um bom dia, tendo desco-
|berto que meu pai se occupava de outras
mulheres, deixou so por tal modo dominar
pelo ciiime, que este agravou-lhe o mal.
Uma tarde, a 3 entrar em casa, de volta
de uma de suas viagens, meu pai encon-
trou-a raorta nos meus bragos 1 Apenas
lamentou a sua morte ; nao pensou em con-
solar-me; e, tros dias depois, levou-me
para Bordeaux, onde tinba negocios.
a Foi acompaobado por sua criada Pepa,
e nem ao menos deu se ao trabalho de oc-
cultar-mesuas relagOos com essa rapariga.
Senti-me ullrajada, e ameacei fugir
para nio submetter-me d autoridade de so-
melhante madrasta. Onde, pore"m, ter-me-
bia eu refugiado? Eis o que eu ndo sabia,
nem cogitei de saber, visto como eslava en-
colerisada e nio raciocinei.
Uma vez que assim o queres, disse
meu pai, vou separar-me de ti e metter-te
n'u.n convento, onde, se te aborreceres, nio
terds do que te queixares, porque e por cul-
pa tua. Demais, agora, que es rica, e pre-
ciso que te tomes moga prendada e que se-
jas eaucada. Trata, pois, de aprender c
ser illustrada, e eu virei buscar-te quando
estiveres em idade de casar.
Elle levou-me para bordo do navio nes-
se mesmo dia, e eu, que tinba cborado
muito eque receiava parocer f ia, cobri o
sa cavallaria e composta de Rio-grandenses,
6 estescome^am por ser muito b,ns ctval-
leiros.
Mas em tbeoria o soldado do cavallaria
precisa ds mais tarapo do que o infante, e o
artilheiro mais do qua to lo = .
0 Sr. Nabuco : -E' porque entro n6s
constitue uma especialidade.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
depte do conselho): Ora, a Prussia, de
pois de ter niililnrwado todo o povo, de o
ter initruido e adestrado para o servigo das
armas, sendo que a educagio militar entra
no ensiiio e exercicios dos collegies; a Prus-
sia, depois de ter uma populagao quasi toda
afeita d vida militar, podo restringir os pra-
zos do servigo activo, mas sempre com as
obrigagdes da reserva eda landwehr ; enj
caso de guerra tern o que elles chamam a
lanisturm, que e quasi todo o povo anna-
do para a defezi nacional; porque na Pius-
sia todos sabem manejar as annas.
No Brasil ba por rentura uma popuiagio as
sim jd exeroitaia espontaneameute, por edu-
cagio, por guorras anteriores, para o ser-
vice militar ? SSlo ; o recruta no Brasil
vem a fazer-se soldado nas fileiraa. E'
preciso dar-lhe temp> para este apreudizado
<-', quando o suldadoeslifeito, e que o ha-
vemos de despodir immediatamente no fin
de tros ou quitro annosT* Daqui a neees-
sidade de um maior prazo para o servigo ;
0 de seis annos nio 6 muito.-
Considercmos a questuo da idade para o
alistamerrto. Ia me esquecendo este ponto
importa-nte.
0 nobro senador trouxe hontem varios
argamentns, invoeou a autoridade dos pby-
siologistas ..
0 Sr. Nabuco:E' questuo com o Sr.
Can lido Blendes.
1 0 Sr. Visconde bo Rjo-Branco- (presi-
dente do conselho) :... e ale argacaentou
com a constituigSo de naperio coutra o alis-
tamento autes dos 21 aunos.
Binquanto d razio pbysiologica, pego- ao
nobre senador pelo EspirJto" Santo que me
permitta, na filta do seu saber profissional,
contestar e;upy rica men te d'objecgio do no-
bre senador pela Bahia.
Nio-e exacto o qua disse S. Exc. A unt-
dade da especie humana oio vai a tal por.'
to que o desenvol'vimento pbysico seja
mesmo em todos os-paizes. 0" clima, a mi-
trigio, o-theor da vida, os ceetomes influera-
muito nisso; e abi ejtio as estatisticas mos-
Irando siao st> a variscrade dos typos da ra
ga human*, como taaabem o de seu desen-
volvimento pbysico.
0 Sr. Jom.: Apcfado.
0 Sr. V*cobde do Rio-Bka-n*:o (presi-
dente do eouselbo) :Nos typos-ha especies
2ao bellas- como o Apollo do Belvedere e a
Venus de Mfedrets; de gradagao esses typos
degeneram. nos Thorsistaa de Ifomero, nas
Gergonas da antiguidade ou nas feiticeiras
de Macbeth; Isto que so dd quante aos ty-
pos, se df tambem quaoto ao dasenvolvi-
mento physieo. A fornaagio, come- dize.r>
as- estatisticaa^das gera^oes viris^ nio se
complete por toda a parte dentro dos mes-
mos periodos-. Ora, nio se pode negar que
era nosso clirna ou antes- em nosso paiz c*
crescimento pbysico e OBBJi -rapido do que-
na Europa.
0>Sr. HflMU de Almeida :Eu neguei
perfei tamente.
OSr. Visconde bo Rio-Branco (prejiden-
ted conselbo) :Nio p6de nega-tov
0 Sr. Menoes de Almeida :Pois nao
leu o meu diseurso ?
OSr. Visconde do Kio-Branco (presi-
dente do conselho) :Jlas, Sr. presidente,
eu devo pdr de parte este discussao physio-
logica, em que nio posso entrar senao a
medo, o recorrer aos faatos de nossa expe-
riencia. Esta experiencia respoodera igual-
raente d objecgio constitucional que pela-
primeira vez ouvi, de que o menor nio p6-
de ser charoado para o servigo das armas.
0 quo dispensa as instrucgoes- de 10 de
julho de t822 ? Quedevem ser sujeitos ao
recrutameuto os individuos de 18 a 35 an-
nos de idade.
0 Sr. Mendes de Almeida :Isto 6 le-
gislagio antiga.
0 Sr..Visconde do Rio-Bra-nco (presiienr
todo conselbo) :Agora V.Exc. nao esti
no dominio do bullario (risadas) ; nao me
pode contestar que esteiam em vigor as ins-
trucgoes de 10 dejulho de 1822. Ellas
estio.em vigor, e ninguem.as taxou do con-
trarias d conslituicao do imperio ; senio to-
dos os nobres senadores que me ouvem,
impugnadores do projecto, e muitos deste
lado, scriam re'os de lesa constituigio,. por-
que tem executado essas instrucgSes.
A lei da guarda nacional mais moderna,
que e do 18o0, o quo dispfie ? Obriga ao
roslo com a mantilha, e deixei Bordeaux sem
nada ter visto.
Fomos para Pampeluno, onde elle me
deixou.
Eu tinha entao dozeseis annos, e nio
me zaoguei por entrar para o convento, nio
s6 porque, tendo perdido minha mai, unico
ente d quem eu podia amar^nao tinba sau-
dades da feia babitagio de Pauticosa nem
da concubina de meu pai, mas tambem
porque desejava instruir-me e nao me sup-
punha mais tola do que as outras.
Era tarde, porem, para comegar a
aprender, o eu nio aprendi senio o que me
ensinaram pelo exemplo as minhss compa-
nheiras, isto e", a arte do penteiar-roe pondo
a mantilba, o segredo dos movimentos dos
olhos e do leque, o costume de cochichar
besbelhotices e tolices, o habito de pensar
em namoricos, e finalmente a arte de con-
versar sobro o amor, antes mesmo de saber
o quo elle ora.
< Nada sabendo, as religiosas nada po-
diam ensinar-nos. >
Continuarei com prestoza para nio impa-
cienta-lo :
Dous annos passaram assim.
Eu tornei-me bonita ; todos me viam
na rua, quando sahiamos d passeio, e co-
megaram a dar-me attengio; entrou-se d
fallar de mim na cidade; e comegarara d
chover-me bilhetes amorosos.
Tornei-me altiva e orgulhosa; mas,
nio amando d ninguem, mostrei os bilhetes
ds rainhas companheiras, e ri-me de par
com el I as diquelles que m'os enviavam.
Ria durante o dia, mas a* noite nio podia
deixar de pensar nelles.
t Os meusapaixonados pareciam-rae feios
ou ridiculos, e eu, sonhandcum bonito,
encantador, escusava interrogar-me o que
faria se o encontrasse.
E$te desejo tornou-se tio ardente que
tirou-me completamente a faculdade de pen-
sar, entregando-me inteiramente d impacien-
cia de v6-Io roalisado, impaciencia que me
servigo da guarda oerdonal os individuos
de 18 a 00 Noes, e guarda nacional
cbamada am eircumtancias nsporiaoa para
aervigo militar. """' *^
0 Sr. Mendes dk Auniaa :Era uma
rottna, um acompanhamento das instruc-
gdesde 1812.
0 Sr. Visconde do Rio-Branco (presiden-
te do conselho) : -Como, poia, se dos diz
boje que a idade de 18 annos nio pode ser
admittida como ponto de partida neste pro-
jecto, se ella 6 o limite que nossa leaisUcio
tem estabelecido ?
0 Sr. Figleira or Mello : Este 4 o
ponto da questao ; trala-se de sahir dassa
legislagio antiga.
0 Sr. Visconde do Rm Branco (presi-
dente do conselho) : Bent} pergaatarei :
o que nos outros paizes se observe a este
respeito T
Angdnb Srs. Senadores L' o coutrarin.
O Sr. Visconde do Rio Bimnco (pfeai-
dente do conselho):A Ing^terra ad-
mi'.to a rdade de 18 annos ; aqui esti r Vai
franceza {motlrando) : exige os K)- aonas
para o exercito, mas admiite par*a arma-
da menor idade ate 18 annos.
0 Sr. Fscbeiha de Mello :A Pranga
nao admitte.
0 Sr. Mendes- be Almeida :Nea a
Prussia.
0 Sr V'iscowoe bo Rio-Bhanco (prsai-
Jcnte do couseHio) :A Franga admiite
2W aunos, mas 20annos em Franca cones-
pondem a 18 no Brasil.
Vozf.s :Oh I
OSr. Visconde do Rio -Branco* (presi-
dent* do conselbo) : Os nobres sewadores,
que sao mais modernos do que os autores
da leide 1822, querem apreesar mdkerdo
que elles as circumstancias donOiso paiz.
Os nobres senadores- aao soncorreram
cm 1850* para a lei da guards nacional t Por
que deixaram passer a idade de #8 annos ?
0 Sr. Figueira de Mello :-Estavamos
mal esclarecidos a respeito deste ponto.
0 Sr, Visconde do Bio Brajwo (presi-
donte do conselho) :Os nobres senadores
dizem que ate aqui se tem errado quento i
idade de 18 aunos para o servigo militar ;
pois eu quero antes acompaobar os-legisU-
dores antigos, us do 1822 e os de 1854 do
quo esses estudos recentes.
Na Inglaterra, note o nobre senador, ad-
miite-se a idade de 18 annos.
0 Sr. Visconde de Miritiba i Be 17.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselbo) :Sim, admilt>se a
idade menor de 18 e maior d 17.
. O Sr. Visconde de Muritiba : &aa
Hespanha admiite se a idade de 18 annos.
Um Sr. Sevabor :A Prussia tambem
admitte.
O Sr. Visconde do Rio-B*asco (presi-
dente do conselbo) :A Belgka adopt ou a
de 19 annos. Nio vejo, portanto, razio
para nio admittirmes a idade d 18 ann>s,
e-nem mesmo a da 19.
Mas, dizem os-nobres seaaaans qua a-
presentam esta cbjecgao : Isto pode pre-
jud.ear a educagio da mocidade: aos 18
anoos nem todos-tarn a sua iasAnscgao com-
plete. Eu creio que, por via de regra,
aos 18 se complata a instructao sasundar.a.
O Sr. ZACARM&:Agora e eccasiao de
fallar sobre o meu accresceotaaMnto, qua
estd sobre a mesa.
O Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselbo):Sr. presidente, cu
desejo muito nao prejudicar osatandos...
0 Sr. Zacarias.Entio oonaalete a ni-
nha emenda.
O Sr. Visconde do Rio^ranco (presi-
dente do eouselbo) :... a diQa&io das la-
zes enegocio tie sum ma impertaacia ; mas
peco ao nobre senador que reflieta em que
pela lei vigente nio sio exceptuados todos
os que apresentam certidoesde astudos. Se
passar a emenda de V. Exc.,ficard uma
ports aberta a todos...
O Sr Zacarias: .Mas actaalmonte esti aber-
ta a todos que estudam com proveito.
0 Sr. Visconde do Bio Branco (presi-
dente do conselho) :... o que innullard
completamente o projecto.
0 Sr. Zacarias : Ora I
0 Sr. Visconde doRioBrano foresi-
dente do conselbo} :A regra e que aos 18
annos a instrucgie secundiria esten com-
pleta. '
0 Sr. Nabcco:Fniao para que o pri-
vilegio doart. 1. ?
0 Sr. Visconde do Rio-Branco (presi-
dente do conselho) : Aquelles qua tenham
do dedioar-se ds seiencias, estes, que nio
formam a regra geral, sio os que podem
mais demorar-se no curso de huraaniJades
e para elles e a evcepgio do projecto.
[ontinuar~6e-ha).
a tcrnou-me os olhos brilhantes.
Finalmente oapaixonado com quem en
sonhava appareceu 1 Foi um oRicjal mogo,
sen fortune e sem nome, mas hello, gra-
cioso, e cujas cartes rcvelavam rnuita
paixio.
Elle passava noites intojras sob as ia-
nellas e grades do convento ;. o, sendo bravo
e ousado, conseguio penetrar no jardim,
fallou-me com paixio, aperloa-me nos bra-
gos, embriagou-mo, deslumbrou-me, e afi-
nal furlou-me, levando-me para casa de uma
mulher, que eu nio conhecia, e que in-
cumbio-se de occultar-me, ate que podesse-
mos discretamente sahir da cidads.
<( Euestava perdida, nio e verdade? e
perdida por minha culnaT
Oh 1 e bem verdade que nao mereco
desculpa, visto como nenhum esforee de ra-
zio e de prudencia empreguei para salvar-
me, e que sou tio culpada como se me li-
vesse poluido, entregando-me I
Mas, um acaso, um bem triste acaso
incumbio-se de preservar-rae da queda irre-
paravel 1
c No momento em que ohegamos iquelle
escondrijo, que eu suppuoha seguro e ho-
nesto, o dia comegava d despontar, e meu
amante, tendo de responder d revista mati-
nal, foi forgado d deixar-me, para voltar i
tarde.
Alquebrada pela fadiga e pela eraogio,
cahi prostrada n'um sofd e adormeci. Eu
eia ainda tio moga 1
Passaram-se algumas boras. Depois,
uma toi,oh I uma vox torrivel despertou-
me era a voz de meu pai I
Elle falls va, nerto do meu quarto, com
a mulher incumbida de occultar-me, a qual,
sendo guardadeira de contrabandos, pare-
ceu-me fallar-lhe como d um smigo, e di-
zer-lhe que entao dava-se d um offlcio mais
perigoso, porem mais lucrativo, qual o da
occultar raogas furtadas.
[Coniinvar-se-h*.)





.

1

i

produzio um febrc, que_colorfo-rae-ficcs!nT t>u Q^KK>.t4'fiiAUiJt)iifc: m^v^jly
'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E23ACTOIX_LFIGNR INGEST_TIME 2014-05-29T18:50:11Z PACKAGE AA00011611_17840
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES