Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17839


This item is only available as the following downloads:


Full Text
3
Km l. nqiERo 227
-Q
v'T 5ft
r

"
*,
1
M.HA A CAPITAL B LfWABBS OKDB M iEMGA PORTE
Por tres nieces adiantados................
Por seis ditos idem.............*.... lasoo*
Por am anno idem.
Cdda aumero avulso .
*
TERCA FEIRA 6 DE OLTLBKO DE 1874
rAHA DENT
Por trws newa adiantados. ,
Por sets th'tos idem ... ,
For aore ditos idem ,
Por wii ttno idem.....
E EOBA BA riiOVL\CTtA.
M7M

S790M
PR0PRIE0A0E DE MANOEL FICUEIROA DE FARIA A FILHOS.
]N In. Gerardo Antonio Ahesa Filhoi, no Part; GoncalTes 4 Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose de Oliveira d Filho, no Ceardj-lBwuo de Leauua Braga, no Aracaty ; Joio Maria Julio Ch/tea, no And; Antonio Marquee da SilTa, Natal; Joes J
Pereira d'Almeida, em Mamangu&pe ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose* Gomea, na nftda ^aht; Be'armino doa Santos Buleio, em Santo Ant* ; Domingos Joae da CotUBrafa, mflaxarethj
Antonio Ferreira de Agoiar, em Goyanna 1 Joao Antonio Macbaeo, no PU*r dasifa"; Aiwa 4 C.na Bahia j a A. Xavier Leite d C. n Bio Janeiro-
PARTE OFHCIAL
Guvcriiu da pr>a\iucia.
UM EDIEKTE DO BIX C UK M UO DE 1874. .
/. tec0o.
Actos:
0 presidente da proviocia, attendendo ao que
riuereu D. Maria Vi:toria. Flnheiro Pyrrbo, re
solve concedcr lhe permissid afim de levar em
,\ua cumpanhia para a presidio do Fernando de
Noronha quatro escravos e uma cria, a ella per-
lemeoDtea.
0 presideute da provincia. aitendeado ao que
f i juereu Candido Vieira da Cunha, resolve coo
cederlhe licenea para ir ao presidio de Fernando
da Noronha, com a cundicao de regressar no
mosaic vapor em que (or.
Offlcios :
Ao Etna, brigadeiro commandante das ar-
ruas.Transmitto a V. Exc. para os 6ns conve-
nientes a inclusa relacad das alleracSes ocorridas
no mez de abril proximo flndo com o cirurgiao do
ivsrpo de saude do exercilo, Dr. Joao Cancio Nu-
ut de Mat to?, que se acha em cjmmissito na pro-
vmcia da Parahyba.
Ao mesmo. Euvio a V. Exc. para o conve-
nieote destino a inclusa certidao de assenlamen-
tos e a guia de aoccon itueulo do f cadete do 9
bataihlo de infantaria, Ilaymundo Fraucisco de
Vaula Salles, viodo da provincia do Maranhao.
Ao mesmo.Esiandu veriticado, como con-
cta do termo de inspecyao auutxo ao seu, oQicio
desla data, sob n. 35<5, "que o recruta Ignacio Jose
dos Santos nao pode continuar no servico do exor-
dia por soUrer molestia mcuravel, autorisj V.
Exc. a mandar annullar a sua praca e a polo era
libordade, eomo prop id no citado ollleio, que fica
.-. -in respondido.
Ao mesmo.Rtroetto inclusa por copia a V.
Ksc. a informacao que a respeito do soldado Jose
Pedro Velloso da Silveira ministruu o tenente co-
ronet commandanle do batalnao n. 39 da guarda
nacional do manicipio do Cabo, ficando assim res
poudido o sea offl:io de o de marro proximo
fiado.
Ao director intermo do arsenal de guerra.
i^jai a inclusa copia do parecer do inspector da
taesouraria de fazenda, datado de hontem, sob n.
413 serie G, respondo ao officio que essa directoria
rno dirigio na data de 25 de abril ultimo, sob n.
'..ii, relativamente ao mestre da ofiScina de cor-
reeiro desse arsenal, Francisco Ribeiro Pavao,
aoerca do qual devera Vmc. proctder plo modo
.vdicado no citado parecer.
Ao mesmo.Deferindo o iequerimeato do
gaarda da companbia de aprendizes artifices desse
arsenal. Antonio Leocadio do Rego Barros, sobre o
coal informou o seu ju'.ece?sor em officio de 28
do abril ultimo, sob n. G17, e no qual reclama elle
contra a intelligeucia que sa tem dado a tabella de
t.'' de oulubro de 1872, rclalivauicnte aos venci-
laentos que lhe devam competir, tenho a declarar
3. Vmc para seu coav.eciitiento e direci^io que aos
puarJa* desse eatabeteeiawala so deve abonar a
sratificacao de 40*4000 mensaes desde que come-
COQ a ter execucao a raen^ionada labella, visto
v'.rco o-Ai, arbitrandu adita gratiiicacao, nenhuraa
distinc^ao fez na c as.-e dos mesuios, couforme
toina a contadoria d-. tbesouraria de fazenda no
seu parecer, a que se tffere o respective inspector
ua sua informacao de hontem datada, sob n. 411
?erie G, junta por copia.
__Ao commandani* do presidio de Fernandj
de Noronba. Expeea V. S. suas crdens aiim de
que sejapostoem liberdade nesje presidio o sen
toQciad) Jose Gailberme de Souza.que cumprio a
peua de 7 annos de prisSe simples, imposla pelo
jury da cidade de Goy*nna, confonne solicitou o
djutcr juiz de direito das execucoes criminaes
Ao mesmo.Inciusa remetto lhe a guia do
aeatendado Pedro Antonio (>alfes de S. Pedro, con-
forme solicitou V. S. em ma pfOcio de 9 de marce
proximo Undo.
Ao mesmo.Expeca v. s. uas ordcns .ifiai
r.: que seja remettido sem demora para esta cida-
c o sentenciado Jo?n Francisco, etcraro de Joa-
(.i.m Ignacio de Car>.iiii s iuduitado por decreto
di i.t de abril proximo Qndo, conforme solicitou
o Dr. juiz de direit Ja~ execujoes criminaes era
<-'3kio de hoje daiad .
x\o couselho d-. compras do arsenal de guer-
r.i I'romova o coiirsiiio da compras do arsenal
Ue guerra, eom destmo a re^pecliva companbia de
operarios mllitares, a acquisicao i= fardamentos e
de outros objectos deseriptos dob d-ms pedldos
Btos.
} sec Odicios :
Ao inspector da thwonraria do fazenda.
A' vista das folbas e prels juntos, mande V. S. pa-
gar ao sargento Fiiflaino Francisco de Uarros os
vencimentos do daslajsuneoto da cidade de Escada,
reiativos ao mez de abril proximo Undo, conforme
soliciton o respec.ivo commandante superior em
Jicio de 2 do corrente.
Ao mesmo. iiaude V. S. pagar ao cabo de
esanadra do 2 batalnao de infantaria Antonio
.-vdialapprisk a gratiiicacao que lhe compelir, em
vista do iucluso aiteslado em duplicata, pe.:a appre-
J bdsIo do soldado deseitor do mesmo bataihJo
Anionio Honorio Scares.
Ao mesmo. Para os fins convenientes com-
iiiunico a V. S. que ,::i o 1 do correntc enlruu no
gtzo de mais dez dius de licenea o juiz municipal
e de orphaos do termo de Buique, bachar>.l Luiz
da Silva Gusmao.
Ao mesmo. Tendo nesta data, de tcordo
com o parecer da coaiad ria d'ossa these uraria,
com que concorda a saa informacio de hontens
d3'ad-> sobn.-4i* rtftew do re-
uueriuicnto do gnwJa da
di:es artiQces do arsenal
ciUio do Rego Barr>-
d'aquelle estabelecn
de 40*000 mensaes
outubro de 1872, s.-.
v;z que areferida ia>-:
aim o communico _.j
e fins conve-'
i prO'inciai.
strsi cempetcn-
ios do destaca-
livos ao mez de
solicitou o respec-
- efflcio em qne re-
s traasmitta a essa
>'mc provideueias para
:ia sr'ja posta cm prasa
da lej a obra dos repuros
. do Barro, orgada em.......
jo orcamento ihe envio por copia.
.cspondido o seu officio datado dc i do
sob n. 203.
4- ieciio.
Gflicios :
Ao provedor interiao da Santa Casa de Mise-
ncordia. Cnmpre que Vmc. declare qual a ra-
zao do aogmento das verbas Secretariados es-
tabelecimentas a cargo da Santa Casa, afira de po-
der esta presidencia resolver sobre os orcamentos
que acompanharam ao sen officio de 23 de abril
proximo flndo, sob n. 844, visto como, estando
euas verbas quasi doplicadas, comparando se
com os orcamentos approvados no anno passado,
o -sultando aclnalmente um grande deficit, faz-se
preciso qae sejam bem discrimraados e funda-
menlados todos os artigos de despezas qae trazem ,b)da proT'ncial, a proposta janta, apresentada a
accresemio.no* orgameatos deque se occupa o.'mesma lllm. camara pelcw conlractantes do ma-
referidii offlcio.
Ao nle^luo. Dcvolvo o requerimento defe-
rido de Francisco Xavier de flarros Cainp^llo,
a iim do bt-r-lhe entregue a educanda Antonia Jo-
anna de Barros, mediaate as eooficuss a que al-
lude Vmc. em seu officio Jo do corrente, sob
n. 861.
fi" secquo.
Offlcios:
Ao eng^nheiro chefe da reparliclo das obras
publicas Mande Vmc. organisar o or^amento
dos reparos nrgenles na estrada da Victoria, si
pi-r ventura as despezas a Mker-se excederem de
200*000, segundo deterraina o ~ 16 do art. 12 do
regulamento d'exsa reparii?4o. Assim fica res-
pondido o seu officio de 14 do mez proximo pas-
sado, sob n. 102. *
Ao gereute da companhia peruambneana.
Tendo permittido em data de hontem qne Joanna
Maria do Rosarte embarque para o presidio de
Fernando de Noronha, aiim de reunir-.-e a sen
marido, o seotenciado Manoel Vidl dos Passos,
visto ter d'alli vindo a esta capital bucar uma
filba menor; assim o eomrnunico a Vmc. para
que nao ihe embarace a sabida.
Portarias:
Os Srs. agentes da companbia brasileira de
oavegarao a vapor facam trau-portar a cidade do
Natal por conta do ministerto da guerra, no va-
por csperado do sul, o 1* cadete Pedro Wanderley
Jacques, que foi transferido do 2 batalbio de in-
fanteria para a companhia da mesma arma da
provincia do Rio Grande do Norte.
0 Sr. gerente da companhia pernsmbacana
faca transportar ao Rio Grande do Norte por con-
ta do raiuisterio da guerra, e com destino a res-
pectiva Cumpanhia de infantaria, um caixao de
fardamenlo, o qual e para alii remettido pelo di
rector de arsenal de guerra.
0 Sr. gerente da companhia pernambueana
de soas ordens para que seja eondusido a capital
da Parahj ha por couta do minlsterio da guerra,
no vapor que vai para alii seguir, um caixao que
sera remettido para bordo do mesmo vapor pelo
director do arsenal de guerra, contenlo capsnlas
fulmin intns destinadas ao deposito de artigos bel-
licos d'aquella provincia.
0 Sr. gerente da companbia pernambueana
fir a conduzir para o presidio de- Fernando por
conta do ministerio da guerra, no vapor Gequid,
um volume que sera mandado apreseotar pelo
Exm. brigadeiro commaudaote das annas, con-
tendo sapatos para as prac.as do 2* batalbao de
iofaniaiia alii destacados. a
expedient:-: do secretario
1' sec^So.
Officios:
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas. S. Exc o Sr. prestdente da provincia
mauda declarar a V. Exc. que nesta data se pro-
videnciou no senlido d* ser conduzido para o
preiidio de Fernando de Noronha, no vapor
Gequid, o volume a que allude o seu officio dc
houlem datado, sob n. 301.
Ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidents da
ur.vincia mauda declarer a V. Exc, em resposta
ao sen officio d'esla ,1ata, sob n, 367, qje flea
provideuciando no seotid^ de ser transportado ao
Rio Grande do Norn* no vapor esperado do sul,
o cadete Pedro Wanderley Jacques.
Ao mesmo. De ordem de S. Exc. o Sr.
presideute 1a provinria communico a V. Exc.
que, conforme solicitou em seu officio de 5 do
corrente, se providenci'U nesta data no sentido de
ser paga ao cabo de esquadra do 2 batalbao de
infantaria, Antonio Scbalapprisk, a gratiiicacao
que lhe compelir pela apprehensio do desertor
do mesmo batalbao Antonio Houorio Soares.
Ao capitao do poito. S. Exc. o Sr. presi-
denle da provinc'a, tendo p r despacho de honlem
couccdiJu ao recruta Alexandre Pereira da Sil-
va o prazo de io dias para provar isenijio legal,
assim o man la declarar a V. S. para os lins con-
venieutes.
Ao director interino do arsenal de guerra.
De ordem do Exm. Sr. prcsidente da provin-ia
communico a V. S., em resposta ao seu officio
d'esta data, sob n. 029, que fleam expedidas as
preeisas ordens para ser condnzilo a> Rio Grande
do Norte o caixao com artigos de fardamenlo
destmados a companhia dc Infantaria d'aquella
provincia.
Ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidents da
jii >'i.i:.;., tendo providencia-lo no sentido de ser
conduzido a capital da Parahyba, no primeiro va-
por da companhia pernambueana que para alii
seguir, o caixao contendo capeulas folminantes,
destinadas ao deposito de artigos bellicos d'aquel-
la provincia ; assim o manda declarar a V. S. em
resposta ao seu efflcio dest* data, sob n, 630.
2." seictio.
Officios :
Ao Ur. chefe de policia.-De ordem de S
Exc. o Sr. president da provincia inclusos remet-
to os passes que solicitou cm officio n. 585, de
hontem datado.
Ao commandante superior do Cabo e Ipoju-
ca.-O Exm. Sr. presideute da provincia manda
accusar o recebimento do offlcio de V. S., de 20
abril proximo findo, remetUndo a qualificac&o da
guarda nacional, relativa aos quatro corpus ns. 39,
40, It eoi desse municipio, conforme foi solicitado
em officio de 30 de Janeiro ultimo.
Ao juiz de direito da comarca da Boa-
Vista 0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda accu.-ar o recebimento do officio de V. S.,
de 27 de mar<;o proximo flndo, remettendo o auto
de installacao do registro geral das hypothecas
nesse termo.
Ao juiz de direito do Bom Cunselho. 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda comrau-
nicar a V. S. que por portaria de 29 de abril pro-
'o flndo forani provisoriamente nomeados para os
os de 1" e 2* tabelliao do publico judicial e
^e mais annexos do termo de Aguas Bellas
'aastino Mariuho Falcao e Loureujo Pinheir-j
osta.
Ao juiz de direito de Tacaratu -0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda communicar a V.
S. que por porhria de 28 de abril proximo flndo
foi provisoriamente nomeado para o offlcio de 1*
tabelliao do publico judicial e notas e mais anne-
xos do termo de Ingazeira Miguel de Queiroz e
Amaral.
Ao juiz de direito de Villa Bella.0 Exm.
Sr. presidente da provincia manda coramuuicar a
V. S. que por portaria de 28 de abril proximo
passado foi provisoriamente nomeado para o offl-
cio de 1* taaelbao do publico judicial e notas e
mais annexos do termo de Triurapi'o Raymando
F!or>.n'ino do;. San'os.
4." secruo.
Officios :
Ao secretario da assembles provincial N.
101. D2 ordem do S. Exc. o Sr. president da
provincia passo as maos de V. S., para terem o
convenient^ destino, as informacoes do inspector,
do procurador fiscal e do consalado provincial,
relativamente ao requerimento que devolvo do
porteiro d'aquella reparticao, no sentido de obter
da assembler provincial augraento dos seas respec-
tive vencimentos. Fica assim respondido o offl-
cio de V. S., de 15 de abril proximo passado, sob
n. 27.
Ao mesmo. N. 102. De ordem de S.
Exc. o Sr. presidente da provincia remetto a V.
S., segundo solicitou a lllm. camara municipal do
Recife em oflkio de 29 de abril proximo findo, e
para serera suimiettidos a consideraeao da assem-
tad uro publico, Augusto Ceoar Feraandes Eiras
e Evaristo Jnliano oe Sa, e as emeodas (eitas
por aquella corporacao sobre a referida proposta,
que foi acceita.
5.* scccii*.
Offlcios :
Ao engenbeiro chefe da reparticao das obras
publicas. S. fixe, o Sr. presidents da provincia
manda communicar a V. S. qne nesta data cxpe-
dio ordem a tfeetouraria provincial para por em
praca com o prazo mais curio da lai a obra dos
reparos da snbida da ladeira do Barro, avaliada
1:647*800, segundo o orcamenlo que veio aooexo
ao seu officio de 14 do rues ultimo, sob n. 102.
Aos agentes da companbia brasileira de nave-
gacao a vapor. 0 Exm. Sr presidente da pro
vincia manda accusar a recepcio do officio de Vv.
Ss., de boje datado, no qual pariicipau haver che
gado dss portos do norie o paquete nacional Pa-
rand, e seguir para os do sal aniauha as 5 boras
da tarde. *
KXPEDIK.NTE DO DIA 7 DE MXIO DE 187'*.
1.' UcqSo.
Officios :
Ao iuspector do arsenal de marinha. Au-
toriso V. S. a Uespender a qusotia de 1:530*.
conslaute do or, amento annex j ao sen ollicio de
28 de abril ultimo, sob n. i, com a enciusao da
obra da reedificagao da casa que mate arsenal ser-
vio de quartet dos artifices avulso*.
Fica assim respondido o seu citado officio.
Ao mesmo. Aatoriso V. S, como solidu
em seu offlcio de 2 do corrente, sob n. 12, a com-
prar directamente Do mercado seis toneladas de
ferro bruto, dons lenQocs de cobre e outros objec-
tos de que precis* esse arsenal para os misteres
de qua trata o seu citado offlcio.
2.* fo.
Acto :
0 presidente da proviocia, attendendo ao que
requereu Jose Cesar de Vascuncellos, tabelliao e
escrivad do crime e civel do termo de Buiqne, re
solve prorogar-lhe por 3 m.-zes a licenea em cujo
gozo se a:ba, aiim de tratar dc saa saude.
Offlcios :
Ao Dr. chete de policia. Expeca V. S. suas
ordens aiim de serera hoje trausportados para o
presidio de Fernando de Noronha os sentenciados
Antonio Alves dos Santos, Clements e Fiorencio,
(sscravos) que se acham a disposicao de V. S., con-
torme solicitou em offlc o de houlem dalado o Dr.
juiz de direito das execucoes criminaes desla ci-
dade.
Ao commandante superior da guarda uacio-
nal dos muoicipios da Boa Vista e Ouricury. Ex-
peca V. S. suas ordens afira de que o coiu-uau-
daote do oestacamento. da guarda nacional exis-
tente na villa de Petroliua spja substituido por
outro official conforme solicitou o Dr. chefe de
policia em offlcio n. 588. de hontem datado.
Ao juiz de direito da comar.-a do Ouricury
Sciente do conteudo do officio de Vmc., datado
de 15 de aonl proximo findo, coramuuieando-rae
o assassfnato de Jo epha Cardoso, no termo do
Exii, tenho a disrr-lhe que aguardo o resultado do
respectivo processo.
Ao promotor publico da comarca do Ouricu-
ry. Aiim de que Vmc. proceda como de direito
(or, iucluso remetto lhe por copia o ollicio qne o
commaudaote do actual destacamento de Petrolina
tenente Jo5o Caetano Rodovalho Maribondo,-ende-
recou ao Dr. chefe de policia, em 6 de fevereiro
proximo fin lo, e a informacao que a respeito mi-
nistrau o commandante superior desse municipio,
do i|ual resulta que o referido tenente c delcgado
do termo descontavam o soldo das prajas destac3-
das, em manifesto prejuizo das mesmas, deveado
Vine, dar-me sciencia do resultado.
Ao commandaiite do corpo de policia, Ex-
peca Vine, suas ordens, afim de se recolher ao
quartet desse corpo o capilao comnandantf do
destacamento da villa de Pao d'Altio, sendo em seu
lugar nomeado o actual delegado de policia da-
quelle termo, tenente Joaquim da Motta e Silva,
lambem desse corpo, conforme solicitou o Dr. che-
fe de policia era officio a. 587, dc hontem d.tado.
8.* secruo.
Actos;
0 presidente da provincia, tendo eat visla a
demon>lracao apresentada pela thesouraria de fa-
zenda em 26 de marco ultimo, resolve abrir sob
a responsabiiidade da mesma presidencia, nos ter-
mos do decreto n. 2884 de 1 do fevereiro de 1862,
um credito supplementar do 24:092*833 a verba
corpo de saude e hospitaes do ministerio da
guerra, aiim do poder a referidi thesouraria oc-
correr no actual exercicio ao pngamento das dos
pezas feilas por conta daquella verba, visto nao
ter sinda baixado a compeleuto ordem do thesou-
ro nacional.
0 presidente da provincia, tendo em vista a
demonsjrafao ann -xa ao officio do inspector da
thesouraria de fazenda, de 6 do corrente, sob n.
421, aerie G. resolve abrir, sob a responsabiiidade
da mesma presidencia, nos termos do decreto n.
2884 de i do fevereiro de 1862, o credito' supple-
rnentar do 2:891!>386 a verba t commissoes mili-
lares do ministerio da guerra, afim de poder a
mencionada thesouraria occorrer no actual exer-
cicio ao pagame'nto das despezas feilas por conta
da referida verba, visto ser Insufflcieute o credito
a ella votado.
Offlcios :
Ao inspector da tbesouraria de fazenda.
Transmilto a V. S., para seu conhecimento e de-
vidos fins, copia dos actos desta data, pelos quaes
resolvi abrir creditos supplementary as rubrica3
corpo de saude e ho*piiaese tcommissoes mili-
tires do ministerio da guerra.
Ao mesmo. Nao havondo inconveniente,
mande V. S., em vista das relagfJes e prets- juntos,
pagar a quem se mostrar competenlemenlo auto-
risado, os vencimentos do destacamento de Villa
Bella, relatives ao mez de dezembro do anno pas-
sado, conforme sjlicitou o respectivo commandan-
te superior em offlcio de 27 de marco proximo
Undo.
Ao mesmo. Tendo aulorisado o inspector
Interino do arsenal de marinha, a vista da sua in-
formacao de hontem datada, sob n. 419 serie G,
a comprar no mercado 6 toneladas de ferro bruto,
para fundicao nao so de differentes obras da ma-
china a vapor que alii esta sendo construida para
a bahia de S. Marcos, no Maranhao, como de gre-
liias para as fornalhas das dragas, e de telhas e
rollos para as grades das mesmas, bem assim 2
lencoes de cobre de 2 milimelros de grosura, de
quo tem aquelle arsenal precisao ; assim o com-
munico a V. S. para os fins conveniences.
Ao mesmo.Autorisando nesta data, de con-
formidadp mis a sua informacao de 5 do corrente,
sob ii. 415, serie G, o inspector iutcriuo do arse-
nal de mannhc a despender a quaniia de l:'6j'i
com a couclusao da obra da rcedificacao da casa
que no mesmo arsenal do serv o de quartel da
companhia de aprendizes artifices, assim o com
inunico a V. S. para seu conhecimento e direccao.
Ao mesmo.Para os fins convenieutes com
rauuico a V. S. qae, em 11 do mez proximo pas-
sado assumio o exercicio do cargo de juiz munici-
pal e de orphaos do termo de Villa Bella o res-
pectivo primeiro supplente S bastiao Jose de Ma
galaaes Lopite, por ter o effective ni tu ??ma u\:a
findado o seu quatriennio.
Ao mesmo.A Augusto Margal Vaz Cerqui-
nho, encarregado do tratamento dos variolosos in-
digent9s na villa do Limoeiro, mande V. S. entra
gar pela verba soccorros public>se sob res-
ponsabiiidade desta presidencia, abrindo q com-
penatc eredito, a quantia de KiO* em pagamento
dosetrviros prestados desde o de desembro do
anepassado ate 23 de fevereiro ultimo, data era
que ieu se p.r fiuda a coaimi>>ao.
-^*o mesmo.-Para conhecimento du V. S. e
dtvin exeeugao comiounico-lhe que, attendendo
ao ane requereu o)uir muni.ipai o de orphaos
do lerrao de Barreinis, bacharel Joao Ctrlos de
leadnoea Viveiros, resolvi abonar-lhe as faltas qua
par mutivo de molestia deu a contar do 1* a 18 de
mareo olumo.
Ao inspector da thesauraria provincial.
TettMBitto a Vmc. os docuraentos junto* das des-
iietas feilas durante o mez de fevereiro ultimo
con jsusiento dos presos pobres de outras pro-
vfccrfce sentenciados militares, recolbidos na casa
de detencao, aiim de que por essa thesouraria se-
jam extrahidas as necessarian conlas para ter lu-
gar a requisicao do pagamento devido ao respecti-
ve fornecedor.
Ao mesmo.Mande Vmc. pagar a Joao da
Silva Salgado, confonne solicitou o Dr. errefe de
policia em offlcio de 29 de abril flndo, sob a. 560,
a qdantia de 36*, constante da inclusa couta ex
duplicata, provtmieote do aluguel de ires mezes
da casa que no termo do Cabo serve de quartel
ao respectivo destacamento, a contar de 20 de de-
zembro do anno passado a 20 de marco ultimo.
Ao mesmo.Ciininunico a Vine, para os de-
vidos fins que uesta data indeferi o requerimento
sobre que versou a informacao dessa tbesouraria,
do 29 de novembro ultimo, sob n. 541,. e em qua
De Lailhacar & C. pediam dispensa do impoito de
3D por cento sobre o seu estabelecimento commer-
cial, com relacaoao auno financeirode 18721873
- Ao mesmo.Autoriso-o a mandar comprar,
not termos du sua ioformacao de 5 do corrente,
sob n. 204, duas e.-tanles pequenas de louro para a
secretaria da instraccao publica, segundo solicitou
o respectivo director em offlcio de abril ultimo,
sob n. 122.
4.' secQ&o.
Offlcio:
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia
do Recife. Devolvo os termos de contract:) effe-
ctuados pela junta administrative dessa Santa Ca-
sa com alguns empregados, e remeltidos por Vine.
um ollicio de 27 de abril proximo passado, sob n.
857, afim de serein c>mprehendidos todos os em-
pregados, cujos contraotos estejam tiados, iaclusive
os medicos.
5.'secriio.
Officios:
*- Ao engenheiro chefe da reparliclo das obras
pnblicas.Devolvo a Vine o seu offlcio de 14 do
mez ultimo, sob a. 104, relativamente ao orgameu-
to dos reparos e pintura das pootes dos rios Una e
Jaboat-io, acoiupanhad.i da informacao em original
da thesouraria provincial, para que infirme : 1*
si sora mais convenience fazir a dita pintura por
meio de arre;natar,,vj; P si sera prejudicial fa-
zei-a durante o inverno.
A' junta de o i. m.'ip u;a. do manicipio de
Iguarassu. Nao tendo ate esta dita a junta eman-
cipadora desse municipio satisfeito as informacoes
Kadidas em circular de 16 de dezombro proximo
ado, relativamente ao nuroero de escravos clas-
ificados e ao processo adjplado nos respectivos
trabalnos, nos termos do art. 2? do reguhmento
dc 13 de novembro de 1872, ou pelo preseule rei-
terar a Vmcs. o cumprimeuto da referida circular
vo)>, e-Fiorencio (tmbem eravo), conforme V. S.
solicitou em officio de hontem datado.
Ao suppleota do juiz municipal oorphSos
do termo do Villa-Bella. 0 Exm. Sr. prasidente
da provincia m nda accusar o ricebimento do of-
ilclo de V. S. de II do mez proximo findo, com-
mum.: n Io haver na mesma data assumido o exer-
cicio do cargo de juiz municipal orphaos desse
termo, por ter o effectivo fladado o se i quatriennio.
Ao presidente da junta do revisao da guarda
nacional da parochia de Muribeca. 0 Exm Sr.
presidente da provincia manda acensar o recebi-
mento do officio do V. S., d-i 12 de abril proximo
lin to, communicando haver naquella data con-
cluido os traballios da revisao da guarda nacional
dessa parochia.
4." seesao.
Offlcio :
Ao director geral interino da iMtroeein pu-
blica. Communico a V. S. que S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia autorisou nesta data a the-
^ouraria provincial a comprar para a secretarie
dessa reparticio duas estantes de louro, de qae
trata o saa offlcio do 13 d j mez proximo passa-
do, sob n. 122.
so do ministerio dos n
mercio e
timo.
Igttaos as juntas de emancipacao dos municipios
de Iguarassu, Goiaunn, Itamhe, Ipojuca, Rio Formo
so, Serinhaem, Agua Preta, Santo Anlao, Escada
Gamelleira, Bonito, Bezerros, Limoeiro, Bom Jar-
dim, SJBeiilo, P.iuullas, Brejo, Cunbres, Garauhuns,
Bom Gon-elho, Aguas Bellas, Ingazeira, Villa Bel
la, Tnutnpho, Tacira'.ii, Boa Vista, Ouricury, Exii,
Gabrobo, Salgueiro, Petrolina e Granito.
Ao gereute da companbia pernambueana.
Deferindo uma petieao de Joaquiua Maria da Con-
ceieao, e:n que soRcita permissao para ouibarear
para o presidio de'Fernando de Noronha, aii-n de
reunir-se a seu liiho o sentenciado Joaquim Fran-
cisco dos Santos, qne alii se acha ; assim o decla-
re a Vmc. para que nio Iho embarace a sahida.
Portaria-- :
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
navegajao a vapor mandem dar passagem para a
cOrte por conta do ministerio da marinha, no vapor
que hoje para alii segue, ao2 sargento Fraucisco
da Costa Voiga, qae vai recolher se ao corpo de
imperiaes mariuheiros, e hem assim aos aprendi-
zes marinbeiros Silvestre Cyrillj Alves Pereira e
Mariano FraneiscoSalao.
0 Sr gerente da comuauhia pernambueana
faca receber e transportar para o presidio de For
nando de Noronha, por conta do ministerio ds jus-
tice, oi sentenciados Antonio Alves dos Santos, e
Clemente c Fiorencio (escravos), que Ihe serao
apreseatados por parle do Dr. chefe de policia.
EXTEDIENIE DO SKCilETAniO.
/.* secruo.
Officios :
Ao ExuJ. brigadeiro commauuaute das ar-
mas.S. Exc. o Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. Exc, em resposta ao seu officio de
1 do corrente, sob n. 349, que por actos de hoje
foram abertos creditos supplem.-ntares as verbaa
commissoes militares acorpo do saude e hos-
pitaesdo ministerio da guerra.
Ao inspertor do arsenal de marinha.S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S., em resposta ac seu offlcio de hontem data-
do, sob n. 13. que fleam expedidas as necessarias
ordens no sontido de serein irausportados a corle
no vapor Parana o 2' sargento Francisco da Cos
ta Veiga e os aprendizes marinheiros Silvestre
Cyrillo Alves Pereira e Mariauo Francisco Salao.
Ao coiinnandanle do presidio de Fernando
de Noronha.De ordem da S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia, inclusas remetto a V. S. as guias
dos sentenciados Antonio Alves dos Santos,. Cle
raento (escravo) e Fiorencio (escravo), que nesta
data seguem para esie presidio, onde vao curaprir
as respectivao seuteiieas.
2.' secctlo.
Offlcios :
Ao Dr. cbefe de policia.0 Exm. Sr. presi-
deute da provincia manda declarar a V. S. que
nesta data se expediram as necessarias ordens no
sentido de sernoraeado commandante do destaca-
mento da villa de Pio d'Alho o actual delegado
daqaelle termo, tenente do corpo de policiaj Joa-
quim da Motta e Silva, confonne solicitou V. S.
em offlcio u. 587, de hontem datado.
Ao mesmo.-S. Exc. o Sr. presidente da pro
vincia manda communicar a V. S., em resposta
ao seu offlcio de 29 de abril proximo findo, 30b n.
560, que nesta data so autorisou o inspector da
thesourjria provincial a mandar pagar a Joao da
Silva Salgadj a quaniia da3l)*00f\ provenionte de
tres mezes de aluguel da easa que no termo do
Cabo serve de quartel ao respectivo destacamento.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pi J
vincia manda declarar a V. S. que nesta data se
expediram as necessarias ordens, afim de ser subs-
tituido por outro official o commandants do des-
tacimenio da gnarda nacional existente na villa de
Petrolina, Qcando assim respondido o offlcio de V.
S., n. 588, de hontem datado.
Ao juiz de direito das execucoes criminaes.
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda de-
clarar a V. S. qae nesta data se expediram as ne
cessarias ordens, afim de ser em transport ados pa-
ra o presidio de Fernando de Noronha os senten-
ciados Antonio Alves do? Santos, Clemente (escra-
DBSPACHOS DA PRESIDENCIA, DO DIA 3 DE 0UTUBR0
DE 1874.
Antonio Francisco de Souza Magalha-ss. For-
neca-se.
Coadido Emigdio Pereira Lobo. Inforrao o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Emilia Alexandrina de Albuquerque Pereira.
Requeira pelos causes competenles.
Major Francisco Martini Rapozo.Do-se, medi-
ante recibo, e nao h ivendo inconveniente.
Francisco Xavier Alves dos Santos. informe o
Sr. inspect ir da thesouraria do fazenda.
Bacharel Fiancisco "Teixeira de Sa.Sim, na
forma da lei.
GaiJino Jose da Silva. Sim, mediante recibo,
nao bavendo inconveniente.
Jose Vicente Meira de Vasconcellos. laforme
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Manoel Fehppe do Monte.D*5 se.
Manoel Thoraaz dos Santos.Indeferido.
Mau >el Correia de Mello.Ao Dr. ehefe de po-
licia para providenciar como de direito for, de-
volvendo opporunamente esles papeis.
Maria Fr.ncisca da Coaceicao.Do-se.
Polycarpo Jose Layme Deferido com offlcio
desla data, a thesouraria de fazenda.
Conego Simao de Azevedo Canpos.Deferido
eom officio desta data, a camara municipal da
Escada.
Theodora Maria do E pirito-Santo.Sim, nao
havendo inconveniente, mediante recibo.
Reparticao !.' secgao__Secretaria de policia de Pernambaco,
3 de oulubro de 1874.
' N. Izll.lllm e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos a casa de detencao
os seguintes individuos:
A' mlnlu ordem, Alfredo da Garni Mello, como
alienado. aiim de ter o convenient-' destino. fc
A'.ordem do Dr. delegad) da capital, Petronilla
escrava de Franco Vieira de Mello, por anda.
fugida.
A' ordem do suhdelegado de Santo Antonio, Jose,
escravo de Antonio Ferreira, por infracgao de pos
Inglets (lit real mala ill NHO, e vi
FRANCE. Mahlo para at Kuropa. pla
Bahla Prrnamhuro. pnaeCe
rraaee* MENDOZi.
Rah in K. (hr(iiram Hqal o 9M-
t|ate Mtclenal CERVANTES e vaaar
inKlei BUENOS AYRES t e vao Mnlr
para o aorte.
COMMBBCIAJBSt.
BerUat 3. -A taxa do ttr-meomto n
Banco- 11 mio t'lovon a taxa do
deiicunto a elnco por i-rnio.
i.undrt-M 3. Contintia a icre area
por cento a taxa do deaeoato na
praca. Coaaoltdados count, a 9t S;H. Fundos Braallel-
ron de S /^ do anno do !*. a
lee? ditos do Uruguay de / do
anno de IS9I, a 7 t ditos areati-
noa de % do anno de IStl, a -
Mercadoa de care e do aaancar Br-
ines.
\i'\v-Vrk 11.-Camalo aohre Ua
dres 1-.>. Ouro flIO 1/4. Carre
(aaenloi de cafe do Bio run a
1/4. e o-oou a Is 3/a can por IIBra.
AI|goddn media no uplands a IS a/a
cents por libra I elevam-se a daac
mil far ii os as ehegadas de lioje aos
portos amerleanoa.
Liverpool 3. -Mercado de algodau
flrme f venilernm se Boje quiaii-
aail fardos. dos nuaes aall e eeaa de
procedencia da America do Bal ; a
r vni de Peranmburo e de Wanton a
8 il.. e o de MacelO a 9 s d. por II.
bra. Mercado de assacar laalte-
rado.
Ilamlnir-o 3.-Veaderaaa-ae doaa
mil saccos de ran- a 83 t ha pedl-
dos. especlalnaente para as oaali-
dades superllnas.
Havre 3. Veaderaaa-se aall eajni-
ilieuios saccos do bom ordlaarlo
do Bio a oo fraaeos.
Harsciha 3. -Assucar dePeraaaa-
buco n. 30 atf francos-
Bio de Janeiro 5. -Catnbio sobre
Londres S 3/S d. baaeario, e 3d K/
d. particular.
Babia 6. Camblo sobre i.ondrea
* 3 s bancarlo.
?w. wras.tJac.BihaTranquiUa^'dofranga-, por dis-
e boras da noite do dia 12 de agosto fin-
linislerio d;s negoeios da afrieaitura.com-1. *.
e obras puhl.cas, de 29 de novembro ul- J?$ '
do, em terras ii engenhoPinloba -do termo de
Xazareth. Joao Fraocisco assassinou a Jose Fran-
cisco de Freitas. couseguiudo evadir-ne. Contra o
crirainoso procedeu-se nos termos da lei.
No dia 17 de selembro ultimo, no lugar denomi-
nado Oroco, do termo do CaDr< bo, .oi captura-lo
Jusd llamalho, sentenciado a 12 annos da prisao, no
termo da Matla Grande, da provincia das Ala
goas.
N. 12l7.-Ill.n e Exm. Sr.Participo a V. Ex.
que das comoiunicacoes reeeoidas hoje nesta re-
pariicao, consta quo se deram as seguintes occur-
reucias :
Foram recolbidos a casa do detonclo no dia 3
do corrente :
A' ordem do Dr. delegado da capital. Felix Fran
cisco da Cunha, Guilhenne Francisco deAssis e
Domingos dos Sautos, presos em lligrante pelo
crime previsto no artigo 300 do God. Crim, Lou-
reaco, escravo de Manoel Maria de Sinl'Anna P6 e
Marlinho, escravo de Francisco Ci.n,>;llo, pjr an
darem fugidos, e Vicente .Pereira d > Xascimeulo,
por dislu bios.
A' ordem do subdelcgadpde Santo Antonio, Jose
Mendcs Coriolano e Sivero Jose Francisco, por
dlstnrbios.
A' ordem do da Boa-Vista, Joao Manoel do Nat
cimento, preso em flagrante pelo crime previsto no
artigo 300 do codigo criminal.
No dia 4, a ordem do Dr. delegado da capital,
Ilercnlano Jose Pmheiro, por disturbios.
A' ordem do subdele^alo do 1." districto de S.
Jose, Luiz, escravo do Dr. Lourenco Bezerra Car-
neiro da Cunha, por andar fugido, e Anlonio, escra-
vo de Justavo Furtado de MendouQa, a requeri-
mento do senhor.
A' ordem do de Belem, Lauroniino Marinho Fal-
cao. por desordem.
Era dias do mez de selembro findo, em terras
do engenho Campo Alegre, do termo de Pao d'Alho,
0 preto Join Grande, escravo do capitao Antonio
Joaquim Camello, assasslnon Jose Joaquim Ca-
mello. .
O delegado respectivo procedeu a tal respeito
nos termos da lei.
Na madrugada de hoje, no lugar Manguinho, do
districio da Capunga, Carlos Marinho Facundo, em
accesso de loucura, testou suicidar-se ferindo-se
com 2 golpes do roachado sobre a cabeca, nm na
garganta, praticado com uma pequena faca e outro
sobre os feitos, feito com uma tesoura, pelo que
foi recolhido ao hospital Pedro II,afim de ser con-
venientemante tratado.
Deus guarde a V. Exclllm. e Exm. Sr. com-
mendador Henrique Pereira de Lucena, digno pre-
sidente da provincia. -0 chefe de policia, Anto-
nio Francisco Correia de Araujo.
( AGENCIA TELEGRA.PHICA HA.VAS REUTER. )
%^'a^^Ss
Boma 3 dc outabro. O Sr. Barao
de Albandrn, mlnlstro brasiieiro
junto a ana Santldade Pio IX, aca-
ba de apreseatar as cartas pelas
quaes o (overao do seu soberano
n-iha-o desse cargo.
%1^^U15IW *lk HlMlMlta
Madid 4, -lea ban* de aqul cbe*
tear, e de apresentar anas cartas
credenciaes ao {reneral Serrano,
que recebeu-os eom toaaa as forma-
lldades. os embalxadares da Ingla-
terra e de Franca.
^Sl\%\\% ^B\^\^\'B^%
Rio de Janeiro S. Chegaram,
procodentes da Europa, o paqnete
(AGENCU AMERICANA.)
Buenos-Ayres 30 de sctembro. A revo-
lugao vai-se estendendo e promette prolon-
gar-se e ser terrivel. Os insurgentes teem
muito dinbetro ; estAo mens de grande importancia e os priraei-
ros geaeraes da republica. Pelo seu lado o
;;overno torn credito e os recursos da nac&o.
i'l senado, em sessao de boje, expellio do
rWs-seio o Dr. E izalde e o geneneral fielj'
y obes, como traidores. 0 p&quetes es-
trangeiros silo custodiados ale M-jutevideo
por uavius de guerra da sua respective na-
c onalidade. Reina grande terror e sobre-
salto por toda a cidade
Montevideo 2 do oulubro 0 g-neral
Lopos Jorduo cheg>u ,i provincia de Kritre-
Rios e proclamou a revolui;ao em favor dos
itisurgentei. Foi aco bide com gran-le en-
ihusiasmo, tan to pelos seus parlidarios
como pelos mitristas.
Ilio Grande 4.Cliegou, proculente de
Ptirnnmbuco, o patacbo nacional PRISCI-
pi:.
Ilio 5 a 1 Ii. e 40 in. da lards.C -egou
do Montevi loo pelo lUo lirBlili do Sul e
MOES. ?iao foi porlador de uoticia algu -
ma extraordinaria. Ca.nbio sobre F.ondres
20 3,8 bancario, o 2G Hi particular.
Rio 5 : us i b. da manba.Cbega de
Buenos-Ay res a noticia de que o govenio ar-
gentino esta obrigando os liabitantrs a ser-
virem no exercito fixo, sem isencSo de pes-
>oa algu na. As faruilias estao fugindo.
Vinaiilio vao sabir para alii tres navios de
guerra nossos. Arribou com agua aberta e
lain dc viveres o patacbo nacional MARIA
EMILIA, sahilo a 4 de setc-mbro.
Babia ii as 2 h. e 3 m. da tarde.Yera
entrando o vapor inglez IWE.SOS-AYRKS.
Para 5 i 1 h. e 3 m. da tarde.Aca-
ham dc cliegar nolicias desagradaveis da
cidade de Vizeu. Na noite de C do BMt
ultimo, baodos armados percorreram as
ruas, provocando os portuguezes, que alii
resiJom, e espancando os que enconlra-
ram desapercebidos. As autoridades locaes
quizeram confer os facciosos, mas, nao t u Jo
forga, foram desrespeitadas e tiveram de
pedir auxilo a colonia militar do T.urupy.
Pelizmente este chegou em tempo do im-
pe lir novos desacatos. K"gressou o Dr.
cbefe de policia da sua commissio a ('.ha-
ves e Macapd. Prendeu seis assassinos, con-
tando-sc no numero delles o inspector de
quarteirao do lugar, Severo Antonio de Fa-
rias. Confessaram o crime, e entregaram
o roubo feito aos commerciantes queassas-
sinaram. Por ordem do Dr. chefe de po-
licia foram os objectos roubados deposita-
dos em mfio do Dr. juiz municipal de Cba-
ves. Os presos vieram jd para esta capital
e se acham recolbidos d cadeia. Reina a-
qui grande terror com estes acontecimenlos.
lndigitam-se lugares aonde scenas iguc>,
dizem, se repetirao.
Bahia 5 a 1 h. e 35 m. da tarJe.Vein
entrando dos portos do sul o paqueto nicio-
nal CERVANTES.
Bahia 5 is 3 h. e 40 m. da tarde.Cho-
garam do Rio Granda do Sal, a barca na-
cional POMRINHA e o briguo nacional
FEUCIDADE. trazendo 24,053 arrobas
de xarque. Sahio para Pernambuco o bri-
gne iuglez JAMES STUART. Sake ana-
utia do madrugada para os portos do uorte
opaquoie nacional CERVANTES. Cant-
2ti 3.8 d. por 1? b;r-
bio sobre Londres
cario.
Havre 3.Catt : mi"- r
Rio 91 e o de S"' -***0 frac0 ? d
1,600 sac- -*l0S 96 vendas dp hoje
i '. .^'s* Algodao : venderam-se ho-
;.
MEUWB EKEMPlftR iaCoaTBUH |
MUTI1AD0 \



^iWS^Vi
Ma-Jl tii M o IMSl D*** Pefnambu? Tes^ feira 6 o de Santos a 90 ; eilstencia 140,41.9 far
dos. d*flJ ***
Londres 1.Pii embargado tie porto de
Sligo (Irlanda) tfYapof heSpanaol 3VAN,
oarregado dfe armament), supp4e-se que
era para os'cafGsfcs.
Yokohama (Japan) 28 deseteaabro Pas-
sou sobre esta desgrt^ada cidaae un lior-
rivel tofao, que destruio seis nil casas, e
melleu a pique cenvembaroa^dcs. Morre-
ram trezentas pessoas, victinas do aorrivel
cataclysms.
Lisboa 5 de outubro. Chogou dos por-
tos do Brasil. o vapor ingle* SASSBNDI,
e sabio para id o vapor tatabera ingles I -
LICE. .
PEBNAMBBCq
REVISTA DIARIA.
AnsaiMnau. Em terras do engan ho Cam-
po Alegre, do lermo de Pao d'Alho, em dias do
raez pas?adouopreto Joao Grande, ascravo d> ea-
pitao^Aatrtnio Joaquim Camello, assassinou a Jose
lOaquirn Camello.
TcntiuivR 4e suicidio.Na madruga-
da de 3 do corrente, na freguezia da Capunga,
Carlos M^riabo. {vaeundo, em urn aeccesso de tou-
oura, IcnioU siiicidar-.-i' il.ui.li Uju- golpes de ma
ohadu subre a caboca, uui ouiru ojui luna pe^ue-
nafacana gargaula, eouiro com uma tesoura nog
peitos. Foi. condivzulo para u hvspjtal Pedro II.
< oukuIhiIu provincial. -Uaftiro dopra-
zo de trmta dias, omudo, de o do corrente, cs
possuidores de carry's de pass io, UBlo particula-
lares como de aluguH, carrocas e mais vehiculos
deconducclo, aa cidam Jo Recife e seas arrabal-
des, devem ir .ao cousulado provincial renovar-a
oameracao drs uiesuiys, sob peua desezemap-
prehendtdos e iiyjjiadivi us rusoeclivos dooos.
I.ouxevid uil<'. No dia :! do eorrenla foi
*epultat&>. no ceim.terio ixwlico do Reqtfe, Jose Ma
chado Sbares, branco, natural ikfXa provincia, mo-
rador na Ifeguezia. de S. Pedro Martyr de Olinda,
com ICO aanos.de idade.
Su*lra<-uo licpanliola e unicii-
A' respeuliva aguncia, livraru Popular,
rua do Barjo da Victoria u. 39, acatiara.de chegar
os ns. .')l e 32 de>se ioteressante jumbal madrileno.
Nelles vem, !6ra de diversas gravuras reprasen-
lando episodws da actual guerra civil hespanho-
la: o rctfaio do Sr. Antonio de Serpa Pimentel,
mini-tru da f.izeuda era Portugal; um grande qua-
dro, represented) o baplitmo'dos mouros, no an
no de 1300, em Granada ; a evaao do marechal
Baz^ine ; e outras diversas.
(4*t'.M.-A auja publioa, do iuslruc-
eao primaria pa profeaoraCo^uia Elvira d&Afaujo. esta localisala
a rua.doi Coelbos, na freguezia d, Uoa Visa, nasa
n. 13, e nap 21, como pur eugauo jiublicainos, ha
dias.
iisno de louvor.-Oi empregados da re
panieao doa eorreios, melusive o re.-peclivo cbefe,.
em. manifestaQio de aprtco aos doles uassoaes, que
distinguiam o c.iraoter de se'u linado ompaubeiro
Auienco Wanderley Jacques, toinaran) a sua eou-
ta a despeza do enierro do raesicq, e olTerecerain,
eni segmda, a incoasolavel niii-do linadp, o do-
<;umento-comprobativo desse aclo, ijua oonsidera.-
:uos digno de louvur.
Jurs *UM4i#-Sjbre cute drama, que sobe
a scena no toealro de Santo Antonio, eovjaiu nos o
^eguiu.te :
Drama marilitnp em 3 actos, do cavalbeiro
l-eopoldo Merenco
X) poela itanano, o celebre autor dos Idylios,
deu a este seu Iraballio urn Ml j.ig.j de paixoes,
que inn poJeinuj deixaf de clas*iiicaio uma joia,
umi perola do repertorio italiano.
O ijeu arguaitnto e o seguinte .
Era 1818, por occauaodas agitates politicas
de Itaiia, era que t3da a popoiacio se ergueu como
um s6 hbmem, ao grito de liberdada, para abater
a hydra do desputismo; Palermo estava era comi
nuas revolufije?, e nnitas familias de tal modo op-
primidas que eram, breada* a abandonar os patriot
lares, para nao coraproraetter nem os seus bens
licm a propria vida. Entre ell as aehava^se tam-
oera a do marquez, pai de Margarida, que devia
abandonar Palermo, tendo visto ja o seu palacio
ser victima das chammas de um incendio.
a 0 exiliado. em compauhiada mulher ede sua
filtia, abrigou se na loglalerra, ale o anno de 1856,
quando foi proclamado o reiao da Italia, e a auro
ra da liberdade dispersava a nuvem do despotis-
mo, que por tanio eucobrira aquelle ceo. 0 pai
de Margarida enibarea-!e so com sua lilha, pnrque
a mulher liana morrido era Londres durante o
exiho, atravessa o estreito de Calais, passa pela
Fraaca e loma passagera era um navio mercantil
italiano que devia ir para Palermo. O aproxiraar-
se da pdiiia quenda dava ao velbo exiliado novas
roreas, e o desejo de tornar ,a vet o ceo italiano
restiteir-Ibe a saude perdida. E tava fin.lraenie
i-ara ?er realisido o sotiho do emigrado I Estava
unalmeute para ser reahsado o seu ardente de-
sejo I
a a fatalidade interpoz-se, pois que, atravessan-
do o estreilo de It )mfacio, que divide as duas
iha da Corsega e da Sarlenha, o navio, por cau-
-a de uma terrivel tempctade, despedaQju se nos
escolhos que se eucontrara naquelle estreito.
Um pescador, chamado Jorge Gandi, erase-
guio salvar Margarida, levaudoseu pai moribundo
para sua cabana, onde falleceu, entregando sua ti
^.-^^'I'S^i tMi<0i 1,0*W ae'>Ull!,* **T di* qU" ** e"o em | Tudo era movimrato. tudo era Bb. Wdo ara da
'UK^Ka I?iSr y^Pff^ ****#?!!? cu.m y^afr'^-n^rtwy {yilad/: adwiravei content rnenH jreral. 0 mi
llomens vh-simh coracao !
ile'um gra:ide benelioio que
iha, que licava pobre, ;6 e abandonada sobre a
terra, porque o mar havia engolido a sua lortuna,
a Jorge Gandi, o qual jurou La cabeceira do mor-
to (aze-la feliz.
Margarida viveu tranquilla na casa dos po
nres Pescadores. Jorge amava-a ardentemente.
porem, era simples pescador e ao grito da patria
que o chamava ai.'-m, teve de abandonar a familia e
a amante, para ernbarcar se n um navio de guer-
ra, promettendo que na sua volta, marcaria a epo-
ca do seu easamento com Margarida.
A accao eoraeca quando Jorge Gandi volta da
guerra em 1868, coodecorado pelos seus ados de
bravura, e em companhia do capitao Raphael,
que apresema a sua familia como seu bemfeitor.
Por um mysterio incomprehensivel da natureza,
Margarida e Kapluel amam-se ao verse.
Recordando-se da sua passada posicio, Mar-
garida considerava na sua miseria presenie e so
nha um meluor futuro ao lado de Raphael.
Jorge Gandi descobre a mudanca da sua noi-
va e o raotivo della. O capitao atraicoava a hospi
^elidade do amigo. Jurge, fora de si, pensava
n nra crime, mas o respeito da diseiphna militar,
toubejMDte-lo, beat como o reconheeimeDto do seu
coracao honesto.
o Vendo em fim a violenta paixij que tinham,
e, que, apezar de tuio, Margarida estava promote
a saenncar-se, casaudo com elle, Gandi, lembran-
do se do iuramento feito, uoio-a a Raphael, fazen
do a felize obngando estea jurar quejamais fal-a-
aa derramar uma so iagrima.
O eseraro.Sob esse titulo ecnam-nos
seguinte poesia :
Eis mens pulsos roxeados,
Eis-rae em negra escravidao f
Meus membros azorragados
Sem nunca achar compaixao !
Meus senliores sio mais ferozes.
Do que carraseos, que algozes,'
<:omraeitem arroz vileza,
Augmentando a escravidao 1
Mas tasta, ja vejo per to
Do dia raiar a luz !
Orenot no templo aberto
Do Martyr naorto na craz...
Ha de surgir nova aurora
Firmando a lei de Jetus I
E quando o sot mais brilhante
Di liberdade aponlar,
Ha da se ouvir bem distante
Ja livre o eicravo bradar :
Eia, avante, cjmpsnbeiros,
Nao sejamos ntrangeifos
Do progresso ao caminhar !
Ergamo nos I a igualdada
Raiou na terra uma vez I
Pirmemos a liberdade,
Que el la nao sofTra um revez ;
i s'inda Imuver quem se afuite
A q'rer fazer da luz noite
Que morto nos caia aos pes.
S. Bento, 1874.
Cldadc da Victoria. Rec9beios o Vic-
tortoise de 19 e 20 de seleinbro ultimo, dos quaes
coldemos o que segno :
No dta 27 devia ter lugar o assentaraeoio da
phmeira pedra uara a no-a matriz, ;ue vai ser
cBstruida a esforcoa do incansavei missionario ca-
puchinho Fr. Veoaocio Maria de Ferrara, e para
a qoal ja muit-is donativos importantes tinham si-
do feitos, eatie os quaes se destacavam os Srs. Dr.
Ambrosio Machado da Cunlu Cavalcaate. Mam el
Cavaloante de Albuquerque SI, e conego vigirio
Antonio Pinto de Abreu, u0U4000 cida um.
a Emquanto durtr a obra, servira de matriz a
iyreja do. H itario, para onde ja f jrara tran-feridos
o Sacramento e as Imogens.
Pasadoria de razenita. Nesta estagao
pagam-se boje as seguiotes folhas:
Empregados do reoenseamento, aisenal de ma-
rinha, companhia de aprendizes marinoeifos, pra-
cas de pret reformadas.
Loaeria do Rio.Por telegramraa recebi-
do, sabe-se que e boje a extraccao da 530." loteria
do Rio de Janeiro,
loteria. A que se acha a venda e a 119"
a beneficio da matriz do Poco da Panelia e que
.,orre no dia 7.
Uotipltal I'on.uu./, de BeueBeea-
eia. Moviraento das enferraarias do dia 27 de
setembro a 3 do corrento
Ficararn em traiameuto 38, entraram durante a
semana 10, sahiram curados 11, falleceu 1, exis-
tent 36.
Eatra de semana o Sr. mordorao Ce-ario Acur-
eio d i Siiva Paponla.
Casa de deteueao.Movimento da casa
le detencao do dia i de oahubro de 1874.
Existiam presos 3lo, entraran 1, sahiram i,
i xistem 31^
A saber :
Nacionaes 2.'i2, mulheres 9, estraogairoa 21,
acravos 3k oscravas 2Total 3IS
Aliuientados a cusia dos cofres publicos 213.
Centiterlo pultlico. Obituario do dia 3
de outubro de 187%.
Joao, branco, Pernambuco* 1 mez, Graga ; he-
patite.
Halhiuo, pardo, Pernambuco, i mezes, S. Jose ;
convulsoes.
Jose Maohado Scares, branco, Portugal, M'J an-
uos, viuvo, S. Pedro Mariyr; velhicej
Feliciana, nreta, Pernarabuco, 73 annos, viuva,
Recife ; gangrena.
Itulin.) Pereira de Abreu, braaeo, Giyaz, 2i
anuos, solteiro, Boa-Vista ; febre perniciosa.
Francisco Peroira dos Santos, preto, liabia, 30
anuos, solteiro, militar; luberculos pulaonares.
Garlola, escrava, preta, 40 annos, solteirs, Boa-
Vista ; tuberculos pulmonares.
- 4
Maria Francisca dos Sanlos Cabral, branca,
Pernambuco, 28 annos, soiteira, Poco ; phtysica.
Carolina, branca, PeroaraDuco, 11 "mezes, Santo
Antonio; eclampsia,
I.uiz, branco, Pernambuco, Hi meus, Boa-Vis-
ta i denticao.
Goncalo Domingos dos Santos, pardo, Pernam-
buco, 32 annos, solteiro. Boa-Vista, hospital Pedro
II; ulcera cancero.-a.
ternardina, parda, Pernambuco, 4 mazes, Boa-
' a; convulsoes.
daria Krancisca da Conceifaa, parda, Pernam-
buco, 28 annos, casaJa, S. Jose ; can.-ro uterino.
i*jubit> c#>deril .d,J *^,t>. u?nm qae sft- Urfrafgeiro'emhasiasmavase en-
||^ co(|>r.^>P que e a wjl.saea.'e aqutUlar ovie*t do seotiiiH.it,. b- p.^rioUsflio que exul-
periia.ni, .ichkis, ci ji elle se
CHRONWA JlUirflKM.
Tllllll \; %f Di BEL VI ilf
SESSAO ESPECIAL EM 5 DE OITUBRO DE
1874.
PRESIDENGU DO EXM. SR. CONSELIIEIRO
CAETANO SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Coelho.
A's 10 horas da manna, presents os Srs. des-
embargadores Almeida Albuquerque, Accioli, Do-
mingues Silva e Souza Leao, abrio-sc a sessao.
0 fixm. Sr. constlheiro presidente passou a re-
latar os seguintes aggravos de peticao, cujos al-
juntos forara sorteiados em sessao anterior,
aggravos de peticao.
N. 63.Aggravantes Antonio Ferreira de Car-
valho, Tasso Irmao & C. e outros, aggravados Ro-
drigues Ferreira & Adjuntos os Srs. desembar-
gadores Souza Leao & Accioli. Deu-se provi
inento.
N. 66.Aggravanle Rosa Maria da Conceicao,
aggravada Maria das Neves de Miranda Oliveira.
Adjuntcs os .Srs. desembargadores Doiningues Sil-
va e Almeida Albuquerque. Deu se provi-
mento.
N. 67.Aggravanle Jose Alves Barbosa, aggra
vdas Eogracia do Amparo Santa Rosa u suas !!
Ibas. Adjuntos o? Srs. desembargadores Almeida
Albuquerque e Domingues Silva.Negou se pro-
vimento.
Encerrou-se a sessao ;i m;ii hora depois de
meio dia.
PUBLiCAGOfcS A PLillOO.
na
Soffro marlyrios do inferno,
Sem ningnem m'os minorar !
Ate duvido do Eterno
Qae assim me traz a penar I
Acaso nao sou captivo ?!...
Nao 'stou eu ind'boje Tivo
Sem men tormento acabar ?!
Em minha terra era outr'ora
Mais livre que o vento e o mar 1
Via romper sempre a aurora,
Sabia rir e eantar ;
Mas boje qae e negro fado
Contra mhn -voltoo se irado,
Nad set mais do que chorar I
I
Do trahalho insano a lida
E' men prater, minha feita,
Trocaram tne assim a vida
Qae eu pajsava na floresta 1
-- Ai mlDbas noltes delua I
MiHha amante lemi-nua 1
Nada mats disso meresta !
Outr'ora liyre, hojt eicravo
D'horaeus mais vig do que eu !
Da miseria ten'te o tr*vo
Quem a liberdade perifeu 1
Quem na face traz marcada
Do seubor a bofeta4a,
Qae enfurecido (he deu I
A.' oamara municipal do
Recife.
Gracas a illustrissima muoicioalidade desta ci
dade, forara retiralos do mercado publiea os es-
cravos que se occupavam na arte de talhar car-
nes-verdes, seuJo saas vagas preeachilas porci-
dadaos.
Quem, corao nos, conhece os males que tra-
zem a perfectibilidade do horaem, o conviverem
com escravos, nao pode deixar de vir do alto da
imprensa levaatar um brido de gratidSo a aquel-
les que procuram satisfazer as necessidades da
sociedade. E, e por isso que viemos hoje erguer
esse brado a illustre e patriotica camara muni-
cipal do Recife.
Reeeba, pois, a iilustrissima rauaicipalidade
nossos emboras, e as benoaos daquelles que de
sejara poder usar das artes a que se dedieam, sem
corar-lhes as faees por terem de lutar com es-
cravos.. (Amor a liberdode.)
HeIhoraiiaeiito de Peraaam-
bisea.
vu
Em no9so artigo publicado Boste Diario em 20
de abril do correote anno, antmamonos a dizer
aignmas palavras sobre a ousada tentativa qae fez
o Exm. Sr. eommeodador Dr Henrique Pereira de
Lncena de, em meiindrosa qnadra de paralysaeio
dD'Mnimercio e drtodaa generos de produe^lo gTTinatU e aiem disso de
notarel baixa de seu preco, recorrer a caridade
pubJica, alira de Jevan tar cipuaes para a funda^aw
de ura asyio de alienados aasta provincia.
Julgamo BWbrigado a fazer men-^o, posto que
oao inuito minociosa, dos acmtecimi-ntos que em
relaoao ao objecto se nao utaaifeslaio ; e se, nao
DOs ampara e protege o vigoj^da. saotu-, t mos a
convicgao de que seremos protegido pela egide da
verdade, sob s qual nos abroquefamos,
Nao nos demoraferoog em tecer"eld(gi5s, porque
nosso-lDtenta d5o d tsm, ao patriota wtvimlHc:
no a quem sabiamente fot eonfada- a admin'sira-
caodesta pravinel*: ao poeta cu- preadf que
quizewe em pro#*Jd verse eantar a gtorias e vlr-
t' descripcio do grande e memoravet-auceeteo da dia
8 de aetembro.de 1874, que sera mmis uma bri-
lhante e iminoriedoura psglna da bfstorta ja por
tantos outros /eites glorieaa da-pravijjcia de Per-
nambuco.
Prazer Jmmenso dos brasileiro*, admiracSo do
f!trsngeiro honestt) quo coronosco vjve, foi o ;jue
regosijar se le um grante beuelloio que a ffilii
deneia BivkM oeni man generosa Ihe pr^digalisa, e
que no trvetioho de immenss oaila* de todas as
classes, (a-sou dilatadas lioras, sam haver uma
Cjuena coQttitgffU, por Mais Inslgniflcante an
set
Sim, o povofpnaraboeaae colloeou-ie no mm
etevadn degrae da jarardiMt dos povos eivilisadot:
deu a mais eoaviacMti- proras 4e seas bons seN
tiraentos, de saa cordura, 4*sua saoedona, osten-
tanlo-se eono sempre paciicn prudmte, despre-
sando e serraado os ouvidos aos maos cooseMi
daquelles qae fuerara os maiores esfgrcos part
que uma fesla popular, como outra nunca foi vis-
ta em IVrnambuco, podease dar-lhes o praaer de
ser raaeulada com algum desses aconiecinrentos
tie comtnuns, meiBo nos panes maw civiaados
do muodo, todas as vezas que o povo se reunc em
grandes massa?, n3o obstante nao haver inimigos
da patria iue promovam a desordem e a denno-
ralisacao, nao obsjaate o respsito as autoridades e
a pohcia.
Povo pernambucano, eu te saiido : tens sabldo
eomprehender a lua elevada posicio no mnndodi-
vilisado e instruido 1!! Continua a respeiiar aquel-
les que proenram os meios de melhorar tus sof-
jrimentps, e a despresar os cgnselhos dos que de
tea uomu somente se servem para a esneonla*
gao.
Vimos no nosso artigo citado que o Exm. Dr.
Liceua, apezar das mas condi;6es em que se acha
va a provincia, encontroa em todos os ci ladioe,
quer nacionaes quer est-angeirosa maior e a mais
espontanea coadjuvacao: ninguem se recuson a
a prestar urn obolo proporcional as suas forcas : o
comraercio, a agrionltura, todas as classes sociaes
concorrer.nn e em pouco tempo mais de cem eon-
tos de reis aebavam se depositados em diversos
estabelecimenlos baBcarios, vencendo joros, capi-
tal esse qae era cada dia aagmeniado com outros
quantilativo9, alguns ate de pessoas que nuqc*
furam s^licitadas.
Era por conseguiote um fervor de querer cada
um poriiar em con :orrer para a coostrnecao de
um estabeleeimeuto qae viria a ser um padrio. da
nossa paternidade, do nosso progresso social e do
oosso espirito religiojo nunca desraentido, e qu
sempre nos anim >u a com hater contra aquelles
que tiveram a Ion'-a preteocao de assenhorear-se
de nosso paiz. Era o amor da patria que jaraais
se e tingue em briosos coracoes que gerava o de-
sejo de -contribuirem tolos para tao imporiante
institiiic.ii>.
Procurou por Unto o Exm. Sr. commendador
Lncena o lugar onde devia de ser assentado o edi-
llcio monumental; visto como a commissio me li-
ra havia dado parecer desfavoravel pela situacio
de Olinda, nao so pi r causa das condtcOes liygie-
nieas, como pela pequinnez do espafo quo nan
permiuia ennstruir o ediflcio nas condieocs que a
sciencia moderna aconselna, e ainda mais porque
nao era possival aproveitar c- mi alguma do con-
vent) do Carmo, coooo se preteildia no intuito de
economisar.
Em seguida niandou S. Exc. examioar o sitio de
Parnameirim, pertencente ao patrunoni) dos or-
phaos, e sendo a eomaissao melica de opiniao que
o dito sitio podia ser-aceit) pela sua posicao ele
vada e ontras muitas coodicoes favoraveis de que
era largamente dotado, mandou S. Exc. que o en-
genheiro director das obras publieas. entio o Dr.
Jose Tiburcio Pereira de Magalhaes, organisasse a
planta de um asylo para quinheotos ou seiscentos
dcoentes. de conformidade com a situacio e exlen
sao d) terreno.
0 director das obras publieas confeccionou o
seu piano de maneira que a fachada principal oc-
cupava n.na linha de 900 palmos e toda ella de
dcis aodarc
Tendo o sitio-pouco mais de 800 palmos de
coiuprilo, nao era possivel servir para semelhante
piano.
O director das obras psblicas, porem, so fez com-
municacao do oeenrndo ao Exm. Sr. presilente
da provincia nas vesperas do dia designado para o
asse-ntamento da pedra fundamental do asylo.
Era pretiso, portanto, para satisfazer as exteusas
vistas do direr tor das obras publieas, ou abandonar
aquella situacio ou procurar augmenta la com a
compra do terreno contigu*.
As boas qualidadcs e requisites" que offerecia o
sitio do Parnameirim eram justo motivo para que
nao fosse elleoospresado sem poderosaa razoes.
Foi este o motivo porjue o Exm. Sr: presiden
te se dirigio ao Sr. AntonioJGoncalves Netto, qoe 6
senlior e possuidor da propriedade cootigna a Par-
nameirim, para comprar parte do seu sitio, quaoto
bastasse para augmentar o terreno com o indis
pensavel para a comtruccao
S Exc, porem, n4o pole chegar a um accordo
com o dito senhor, por causa io elevado preco
que este exigia pela sua propriedade e divulgaado
se a not eia de que S. Exc. nao se concoavara com
elle, apparecen o Sr. bacharel Joaquim Francisco
de Miranda olfereccndo ao Eim. Sr. presidente o
seu sitio que faz parte do antigo engenho Sant'An-
na e apresenton a S. Exc. uma proposta para ef-
fect tiar a trooa com o de Parnameirim, meliante
a corapensacao de 33:00030W.
As cores magoilicas com que se desenhava ori-
sonho aspecto da localidade, a elevacao, scccrae
salubridade do lugar, e todas as mats qualidades
que a sciencia medica e architeclonica podiam
exigir para uma elegante e monumental construe-
cao, como todos desejavam que se realisasse, foram
causa para que S. Exc. o Sr. presidente enlrasse
em aju.-ti-s com o Sr. Dr. Miranda, tanto mais que
alguma9 pessoas, em que S. Exc. depositava con-
flanca,exageravam as vautagens daacqui9icao da-
quelle terreno.
Achando se elle sujeilo a litigios de longa data,
nao era possivel realtor a transaccao pelos meios
ordinanos no lore civil, e por conseguints foi de
necessidade usar de outros recursos que as leis
concedem, para que fossem garantidos em toda a
sua plenitude os direitos-de cada um dos interes-
sados.
Para esse elfeito ordenou o Exm. Sr. presidente
da provincia em 3 de setembro de 1873 ao procu
rador llscal da thesouiaria provincial que promo-
vesse a desapropriacio do sitio-Sant'Annapor
ulilidade provincial,"e tendo se entendiio aquelle
com o done, foi, na forma da lei n. 129, de 2 de
raaio de 1844, eonvencionado que se entregaria
ao baeharel Miranda a propriedade de Parnamei-
rim no valor de 12:0001 e a quanlia a ima refe
rida de 31:0001, que seriara recolhidos a depo-
silo alim de ficarem garantidos nellas todos os
onus, hypothecas e hlespendenles, e que fosse esse
accordo previaraente aununciado pelos joraaes
para sciencia d >s interessados.
Foi mais coavencionado que no caso de n5o ser
permittida a permuta pelo governo geral, o pro-
vincial e a Santa Gasa de Misericordia obrigavam
se a entre?ar em moeda corrente a quantia de
12:0001 para perfazeros 45:0001.
Concordes inteiramente Bestas dijposiQoes o
bacharel Joaquim Francisco de Miranla e por
parte da provincia o procuradar fiscal da the
sourana provincial Dr. Cypriano Fenelon Guedes
Alooforsdo, tratava-se com acodamento dos pre-
parativos .indispensaveis para o assentamento da
pedra fundamenul do projectado asylo.
A idea altamente humanitaria e grandiosa era
auoibila com o enthusiasmo qae excita o bem
do preximo, com o fervor que inspira a religiao,
com os ratgos de geaerosidade que engendra o
amor da patria. A cidado do Recife estava em
completa revolurS > ; todos queriam primar em
coraparecer a c'splendida ceremonia do assenta-
mento da primeira pedra de tao imporiante mo-
nument) de nossa civilisacao, de nossa grandeza,
de nossa crene* religiosa.
Percebia-se por toda parte o movimento, o
trahalho, troca dos objectos indispensaveis, da*
enstosas sedas, dos esplendidos adornos.
As commissoes nomeadas pelo Exm. Sr. presi-
dente para agenciarem prendas para o leilao que
se pretendla fazer com o intuito de obter algum
dinheiro mais, pereorriatn diariamente as casas
commerciaes e arreeadavam objectos de subido
preco no meio de outros de meoos valor : nin-
fuera porem se reeusava a cooeorrer com o que
as posses Hie permittfam : tal era o desejo que
todos sentiam de ver realisado tao sublime pen-
time n to.
A-eommissao do eorpo do commercio trabalbava
eom a mais loavavel disposicio e os aegociant s
que naaca deixaram de abrir sens cofrea todas as
vfzes que se Ihes tern poJido para outros tins
menos iaportaates, quaoto mais para os so:cur-
ros do candade, ainda desta vez se ostentaram
bemrdippbslos e profusameoto corraspooderam aos
rogas da coriimissao, escolbida entre membros de
Bila classe.
De toda paita surgjam subecrip;oos, de todos
os lados se faa>'am romessas de dativos, offere
eiam-set1noadeiras, e es proprietaries da-atVias
existfntes nas sercaaias desta cidado, cada um
per.ltta em coDirrbuir para o projectado. eta-
bolecimento com mtlheiros e miJbeiros de lij.dos
Je alvenaria gre--a.
gxaude erapreza.
tava dos curates
ioVwlica*a e'concorria para a
Asatama assim nunca se vie 1
Assentadas as bases do coatrato e achando se ja
waito adiantados o iireparalivos, que deviam do
ser feitos no siiio de Saut'Aina, para a cenmoiit
e festivi^ade do asseutamoato da pedra, aOMreon
o aacaarel Miranda em aa^tcio pedin Io ao Exat
sr. pfesidente qae Itie cmicedMM um pequeao
*r"B|ul0 de terra contiguo ao sitio da Paraameiria
e cotinuant* com o cariiinao da eacaotmento
dagua de Beberibe e pertencente ao Sr. Jose
JKoerne Tasso, allegando que nao. Ihe eoovinha
Near pnvid) para o futaro da linaa da estrada.
Nao sesoaaoodo que umapequeatnesgade ter-
ra custasse rnmma que depets foixigida, S. Exc
erometlea ao Sr. bacharel Miranda, que promoveria
a compra do pequeoo terreno do Sr. Tasso; e u.-
beado posteriormente que este seuhor nao queria
dal o por menos de ires contos de reis, S. Exc.
julgou-so obrigado a sustenur a s ua promessa,
para o que entrou nos necessarios ajustes.
Aoaaado o Ir b-canrel Miranda com essa on-
cessao preco de 48:0004000, e peosaudo talves tirar pro-
veito do adiantamento dos preparitivus, no dia 6
de setembro, em faaer nova reolamaclo ao Exm.
Sr. presidente exigindo mais cioco contos de reis
alera dos 48:000*000, ja em demasia suHldeDtes
para pagamento doa lerrenos de sua proprie-
dade M
0 Exm. Sr. presidente nio trepida um momento
na resi.lucao qua devia de tomar; da per conclui
ds as negociatoes com o Sr. baeharel Miranda :
manda a toda pressa orJem ao encarregado das
obras uecessarias para o assentamento da pedn
'para que sem perda de tempo suspendesse o tra-
oalho o desmauchasse tudo que estava feito......
S. Exc. nao podia proceder dc ouiro modo. Ho-
mem de seiitimentos elevados, acostumado a ter
por pbanat em todos os actos da sua vila a hones-
lidide e noara, raovido somentepetoiaaat>sen:i-
raeato de amor a seu paiz, tirme na conseitaeia de
seus actos, preferio expor-se aos molejo* da ad-
versarios pouso generosos a sacriflcar os interes-
ses-da Santa Casa de Misericordia ; e menos ainda
Hear sujeito a uma terceira exigencia que pederia
suggerir ao proprietario, talvez um pouco mats
desarrazoada do que as precedeates.
Alguns amigos particularesde S. fixe, pensaram
que deviam de auatar essa supervenieate dillicul
dade, e seao prevenireni a S. Exc, entenderam-se
com o Sr. bacharel Miranda, e adaacaram garan-
tir Ihe os cinco contos de res p>r elle exigi-
dos.
Em coasequencia desse accordo 9 Sr. bacharel
Miranda e sua Exma. consorte cone riaram com
o procuradur fiscal em assignar o lermo prelimi
nar de de^apropriacao amigavel, que foi a pouco
por aquelle publicado no Jornal do Recife.
Chegando, porem, esse faeto ao coohecimento
do Exm. Sr. commendador Lucena, este d-clarou
a seus amigos i|uemuito o penhorava tao exube-
rante prova de amizade, mas que so aoeitaria se-
melhante sacrificio no caso de ser absolutaraente
impossivel achar ouiro terreno onde podessecon-
venieatemente construir o asylo de alieuados. Nee-
te seutido ordenou aoprocurador fiscal que nio
desse andamento ao proceseo de desapropriacao,
sem segunda ordem sua.
A noticia do adiamento do assentamento da pe-
dra, e o motivo que a ella dera lugar, c rreu a
cidade com a rapidez de um relampago, e os ho-
rn ens bons e sensatos applaudir?m a energica re-
sologao de'-S. Exc, e exprobaram o procedimeno
daquelle que occasionara o adiamento da solem-
oidade.
0 Exm. Sr. commendador Lucena, procedendo
por tal forma, nao faltou ao cumprimento de pro-
messa alguma, como insinuam seus desaifectos:
tratava-se do uma desapropriacao, quo e por via
de regra uma violeocia feita a propriedade do ci
dadao : nao era n^goeio.particular de S. Exc, mas
sira de uma communiJade, cujos- ioteresses S
Exc eia obrigado a zelar; e alem detudo S. Exc
desde o dia 6 corlara deliniti'amenle suas nego-
ciagoes com o Sr. bacharel Miranda.
Perdidas as esperancas para o Sr. baeharel Mi
raada de elTectuar-3e aquella transaccao por um
preco, que so a occasiao faria merecer a sua pro-
priedade ; procurou S. S. empenhos para S. Exc,
chegando a promeltcr a venda do sitio por......
30:000)1000 e talvez por menos, segunJo dizem al-
gUM.
S. Exc havia tornado nma resolmjio definitiva
e prudente, pelo que se Ihe teceram os maiores clo-
gi is. Estava tudo concluido.
A 1 ia l,i a ceremonia nem deixaram os donativos
do ver de Ddos oslado", nem fallaram dahiem
dianle offerecimentos de outros lerrenos, alguns
dos quaes gratuitamente, pois que felizmente os
bons cidadaos abundam por toda arte, e ainda ha
individuos que *a>> amigos de sua terra e que de-
sejam o seu adiantamento "e nao perdem occasiao
de o pjomover.
Era porem o sitio da Tanfarineira, pertencente
ao patrimonlo dos estabelecimentos de candade
qne a Providencia navia destiuado para o futuro
inonumento de philantropia.
Examinado o terreno por 3. Exc, alguns de
seus amigo9 que o awmpanharam, pelo actual di-
rector das obras publieas o Sr. Victor Fournie e
o inspector de saude, e reconhecendo-se que elle
era proprio para a projectada construccio, nao so
pela sua exten*ao como pela qualidade da terra,
e ainda mais por sua proverbial salubrilade, foi
elle aceilo por S. Exc, que ordenou ao director
das obras publieas que organisasse o piano doedi-
licio com proporc5es para -'WO a 600 doentes.
A consequencia desta resolucao foi ordeoar S.
Exc ao procurador fiscal que devia de julgar sem
effeit) a sua ordem anterior rclativa a desapro-
priacio.
Organisada a planta e perils pelo director das
obras publieas, foram elles approvados pelo Exm.
Sr. presidente em 19 de agosto proximo li ido ; e
deurminados os preparatives necessaries para o
assentamento da pe'dra angular no dia 8 do cor-
rente mez de setembro.
Quanto e grande o peztr que sentimos de nao
poder descrever essa fe-ta com cores suQlciente-
raente vivas que pintem o brilbantismo de que
foi ella ornada em toda extensao da palavra Fal
ta nos a inspiracao divioa do poela, falta nos a
phantasia, que traduz em expressoes animadas o
vigor do pensaraento. Aqnelles que assistiram a
ella e foram teslemunhas ocalares do enthusias-
mo com que se achavara animadas todas as clas-
ses soeiaes que alii amplamente forara representa-
das, sentirao a frieza do paiuel, que pretende-
mo> esbocar.
Nao fdllarao porem habeis pennas qne preen-
cham as lacunas que por fraqueza da inlelligencla,
e talta de animacao hao de ser eocontradas nesta
pia exposicao
Corrla o mez de setembro sempre chuvo'o como
havia sido todo o anno : com ancicdade era espe
rado o dia 8 por toda populacao desta cidade e
suas cercanlas A noite de 7 nao deiiou de chu-
ver como sempre : esperava se raesmo por esse
motivo qae o dia 8 amanhecesse claro e limpo,
como era para desejar. 0 coatrario porem acon-
teceu. Desde a madrugada que os aguaceiros co
ruecaram a repetir-9e incessaotemente.
0 batalhao if de linba que bavia constraido am
abarracamento campestre para abrilhantar a festi-
vidade, leve de supportar o vigor da cbuva desde
que sahio do quartel ate que cnegou a Tamari-
neira.
0 corpo de policia qae havia feito iguaes prepa-
rativos, embora sahi'se mais tarie do quartel, teve
a mesma sorte.
Havia dous sentimentos oppostos. A grande
parte da populacio que acompanhava o presidente
patriota e emprehendedor lastmava que a festa
deixasse de ser feita em todo brilho : alguns, po-
rem, que nlo veem senio pelo prisma de seus in
teress.es, e cegos pelo amor de assaltar o poder,
nio enxergam ao mends o bem publico, tinham
sataaica salisfacio por verera qae a chava quasi
laoessante diminairia motto a coucurrencia do po-
vo que naviam procarado afastar ate com a idea
de recrutamento que propalavam por sua gazeta
com muita antecedeneia.
E* incrivel t Mas esta em ietlra redonda I I
Quando se trata de am beneficio
haver quem nio recue dianle de qualquer meio
rdeshonesto que seja para crear-lhe embara^osf
pois naesrao para duvtdar-so qup sejam fi!h09
desta provincia aquelles que a fazem parecer fora
daotti, different^ do que ella e f r
Qile porem a Divlna Sabedorta qtle so manogras-
semos desejo j dos inimigos deBta tio esparanjosa
provincia. Ao meio dia comecou a axnainar a
chuva e um vento propicio a impellir para longe
at nuvens carregadas de vapores aqaosos : o ceo
comecou a tomar esaa cor azalada tlo belli e tao
formosa, que nem os plotftrts' nem og poetas ainda
piderara desereve la com asgrac^a com que a na-
tureza a creeu. ReanimaTa-SB a esperanca em
tqdosoi coracoes.anheJ/*Dte: ia nao, brsvla receio
de maH'igrar-se o pnuer'. o cle limpldo 9 anlfadn
convidava a sahtr a rua e procurar o poetico rttio
jira, Bern aapaoalos seriam aqaeUes
os versos do poeta waotuano :
a N-tcle phut tot't, /v lenni sptetacufa mnw
liivtsun imperium i# Jooe Cesar habet.
&e uma hora da tirde em diante as estradas di-
versas que eonduzern ao lugar da Tamarineira es-
Uvarn litteralraeate cheiaa da-povo de todas as
classes, que nao teado a eoragera de se arriscar
aos trens sobrocirregados de gente, prefiriram fa-
zer a pe o passeio, alias reereativo e prazenteiro,
por serem todas as estradas eotrecortadas de lin
as habitacoes e jardias.
Ninguem qae gozasse de tao Igradavel especta-
eulo deixaria da se iembrar aaasas quasi phantas-
ticas descripedes das antigas romarias. 0 povo
por mais ignonnte que seja conheee o beoeiicio
que se Ihe faz e mostra-se agradecido a quem lh'o
prodigalisa. E grande injustica se faria ao povo
pernambucano se se Ihe negasse o grande desen-
vol vimento intellectaal que torn tido nestej ultimos
tempos.
A. de A.
S. Rtaos, |fO a Pereira Tianaa A C, lj* a A-
J riano Angusto de Almeida.
\m
1
Ao Sr. vi^urio da Boa-Vistta.
Pergunta-se, se sendo S. Rvma. tao fauatico e
rigoroso ao ponio de nao coaseotir que sejam pa-
drinhos de crianpas que sao levadas a pia baptis-
mal pessoas que praams privarem com macons,
embora nlo sejam, para que nio prohibe que pi-i-
tem com S. Rvma. taotos catkiUcos e catholiat
novas que vivera a finlar macons, moram nas ca-
sas destes, onde comem e beben, injommodando os
mais de muitos outros modus 1
Para que em suas praticas na igreja da Gloria,
nio os acouselha que fujam dos peireiros litres 6
nao se atilisem defies ?
A alma do padre Primo.
LT DIV1TD Parfumear i Paris.
1 111 C IT ^ S.roo an tuc da laitue.
Doctor in Ahsenlia
Os profes-ores era arte*, letras e sciencias, mem-
bros de clero e magislrados ; todo o medico, ci-
rurgiao, deotista e artist i, que de titulo e diploma de doator, ou bacharel honorario,
podem dirigir se a Medicos, rua do Rei, 46, era
Jersey (Inglaterra) o qual Ihes dara gratuitamen
te todas e quaesquer informacScs sobre a Dai-
versidade.
*^;a I'loii.Ia de Hurray A
l.uiiitian
Esta com uma rapioVz espantosa transmettindo
e entregando ao negro aquecimento uma ehusma
de essencias e aguas cheirosas para o toucador,
as quaes e bem que se diga, tem servido d'uma
miseravel deshoma ao gabinete de toilet, e d'um
desprerivel desgoto a todas as pessoas de refiaa-
do go.-to.
Altim d"1 ser menos expendi >sa do que os ex-
tractos e essencias europeas, ella e a mais ,,-jra -
delicada essencia iloral existente, e util ja como
am excellente meio hygienico possnindo superiores
quali Jades cosraeticas, e Mnalmente ja como deli-
cado e aprasivel adorno odorifero e dolicioso. E
um mimoso e delicado composto de tudo quaoto e
util, ao que ha de mais agradavel. Para os se-
nliores que soffrem de irritacao e ardenda da pel-
le eausada pela manipulacao da navalha de bar-
ba, usando deste balsamico e refrigerame per tame,
diluido em agua, encontrarao nelle a .virtu le mo
diiieante, o antidote necessario, servindo ao mes-
mo tempo, debaiio desta mesma forma, como um
meio excellente de dissipar o gosto e cheiro que
flea na bocca dopois de so haver fumado.
>ESPACHOS 08 EXPORT*CAO HO DIA 3
OUnJBRO DE 1874.
Par* m aortas da aadtrar.
No navio injtlez Jane, para o Canal, carra-
gou : J. Pater dt C. 3,300 saccos coaa MS.oOB
kilos de assnear anscivada.
No brigua dinamar|ue*. KMir, para Naw-
Vork, earregou: H. Korstar St C ijBOO saccos cob
'0(1,000 kilos de assu:ar auscavada.
Hj vapor ingtez Stmienl, para Liverpool,
earregou : S. Brothers & C B.aaO saccs com
690,000 kilos de assucar mascavada; J F Rait bar
3.953 coaros salgados com 47.13* kilos ; M. C
Lopes Vianna 250ditos com 3,000 dttoi A. Cor*
deiro 900 duos com 10,800 ditoa.
No brigua ioglez Tilania, para Liverpool,
earregou: S. Brothers 4 C 3,000 saccos com
225,000 kilos de assucar raascavado.
No navio inglez Aicbar, para o Canal, carre
goa : S. Brothers & C. 7,000 saccos com 525.0W)
kilos de assucar mascavado.
Para as porios do iafarior.
Para Acaracu'. no hiate nacional QliaJa,
earregou : J. A. G. Pires AC8 barricas com 60|
kilos de assnear.
Para Mossord, na barcaca Isnnilla, carre -
gou : C. J. Butelho 5 pipas com 2.40 litnn V
aguardente ; Almeida & Carvalho 4 l>arri:a$ com
240 kilos de assucar branco.
CAPATAZIA
deot do dia 5 .
DA AI.KANDK6A
a 3
1 '.iiWt"'>
720*11.
2.664HMK
VOLUMES SAI1UOS No-dia 'i .... , IM
'rimeira pom..... Uganda ports ..... Ca.-ceira porta ..... rivpicha Ccncaic>o ... Ml i tar
4,I5
SERVICO MAR1TIMO
4itarengu descarrogadaa ao trapicte da
alfaadeo-
No dia 1 a 3...... 7
So dia 6....... 1
to trapicb* Coccsicic ... 1
^KCEBBDORU DB RBNDAS INTIRNAS GE-
RAES DB PERNAMBOCc
undimento do dia 1 a 3 3W017O7
dm do dia 5...... t:o811*
8:MltM
CONSULADO PROVINCIAL
tandimento do dia 1
dam do di* 5
13: till J .-S
1:5:11 a??*
lo:G93*-'i
COMMERCIO.
JUNTA DOS CORRETORES
Praca da Recife, 5 de outubro
de IMS A.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACOES OFPIOtAES
Algodao do ttio Grande do Norle com avaria
5^000 por 15 kilos, sabbado.
Couros -- seccos salgados ooti rs. o kilo, sabbado.
Carabio sobre Lisboa a 90 d|V. !oi 0[0 de pre-
mio, banco.
Desconto de letras 12 OiO ao anno, aabbado
o. ue Vasconceiios
Presidente.
A P. de Lemos,
Secretario.
AGENCUS provinciaes
Liquidos espiriloosos.
Kendimento de 1 a 2 404K63
Idem do dia 3 1
Rendimonto de
Idem do dia 3
Bacalhao, etc
a2 I
I
404 J6J
ALFANDKOa.
\eadimento do dia I a 3 ...
asm do dU 5 ,
120:755*466
23:557*332
146:313*798
Descarregara hojs 6 de outubro de 1874.
Patacho nacional Marinho VI geieros nacio-
naes para o trapiche Compannia.
Patacho sueco Magnus mercalorias para al-
fandega.
Barca portugneza Pereira Borges mercadorias
para o trapiche Conceicao, para despa-
char.
Patacho dinamarqnezKatie kerosene ja despa-
chado para o c.ies do Apollo.
Brigae portugaei Bella Figueirenre varios
generos para o trapiche Couceicjo, para
despachar.
Vapor nacimal Curwipe generos nacionaes
para o trapiche da companhia pernam-
bucana.
Importacao.
Vapor nacional Cururipe, cntrado Je Maman
guape em 4 do corrente e consignado a companhia
pernambucana de navegai;5o costeira por vapor,
maoifestou :
Algodao 79 saccas a Joao do? Santo: Farofa.
Assucar 72 saccos a Goncalves Irmao 4 C, 50 a
Joao dos Santos Farofa, 39 a Roubacb Cahn & C
Couros salgados 1,341 aos mesmos, 163 a Joao
dos S ra tos Farofa.
Milho 600 accos a Roubach Cahn & C, 300 a
J.iao dos Santos Farofa, 159 a Jose A. D. de Fi-
gueiredo.
Patacho nacional Marinho VI, entrado da Bahia
em 5 do corrente e consignado a Jose da Silva Loyo
& Filho, manifestou :
Azeite de peixe 4 barris a Jose Joaquim Alves
St C. Alpiste 5 barricas a Fraga & Rocha.
Barricas vasias 800 aos consign. Charutos 9 caixas a Bourgard & C., 4 a Rocba,
Lima Guimaraes, 3 e 1 pacote a Domingos Alves
-Matheus. Coapeos de sol 6 caixas a E. A Burle &
C.,5 a,Mills Latham & C. Cafe 30 saccos a Domin-
gos da S. Torres.
Fio de algadao 20 saccos ao Boltrao 4 Filho.
Forno de ferro I a E. Nolasco Cardoso. Ferros
pedrezes 2 cunhetes a Silva Guiraarles 4C. Fo-
goe9 de ferro 53 volumes a E. N. Cardozo.
Piassava 20C feixes a Domingos da C. Ferreira,
1,000 a Beltrio & Filho, 1,000 a Antonio G. Pe-
reira, 1,000 a Antonio Gomes Valenle. Pipas va-
sias 110 aos consiguatarios. Panno de algodao
200 fardos a Amorim irmaos & C. 100 a Beltrao
A Filho.
Tapioca 10 barricas a ordem.
Verniz 1 caixa a E. Nolasco Cardozo.
Rendimento de
Idem do dia 3
Generos de estiva.
1 a 2 907*956
3U032
Farinha de trigo, etc.
Itendimento de 1 a 2 C34JII84
934l9t#
Idem do dia 3
Rendimento de I
Idem do dia 3
Rendimento de 1
Idem do dia 3
792*900
---------------1:417 J"**
Fumo, etc.
a 2 816/584
I
Vinagre,
a 2
etc.
I
41*390
9t0m
4I3
Thesouro povincial de Pernamuco, 5 de onto -
bro de 4874.
0 escrivio,
J'iao Carneiro M. da Silva Santos
Banco Ciiinmereial de Rrnjr.i
Jorge 1'anwo.
37Rua do Amorim37
Saca qoalquer qaantia a prazo cu a vista so-
bre este Banco ou -uas respeclivas ageucias ni-
seguintes cidades e villas de Portugal, ilhai ad;-.
centes e Hespanba, a saber:
Portugal
Amarante.
Anadia.
Arcos.
Aveiro.
Agueda.
Arco de Baulhe em ca-
beceiras de Basto?.
Barca.
Barcellos.
Ileja.
Braganca.
Cbave9.
Coimbra.
Conra.
Covilha.
Castello Branco.
Carainha.
Ehas.
Estremo?.
Eora.
Esposende.
Famalicao.
Faro.
FiRiieira.
Fafe.
Thomar.
Tavira.
Torres Novas.
Valenca.
Vianna.
Villa do Conde.
Villa Nova da Cerveira.
Ill
Fnncbal.
Guarda.
Guimaraes.
Gouveia.
Lagos.
Lamego.
Li-boa.
Louie.
Melgaco.
Mir.iidi'lli.
Moncao.
Mealhada.
Monte mor o velho.
Oliveira de Areme;..
Ovar.
Penafiel.
Pinhel.
Ponte de Lima.
Portimao.
Porto.
Povna do Vanim.
Port'Alegre.
Povoa de Lanhoso.
Ilegoa.
Silves.
Santo Tbvrso.
Villa Real.
Vinhaes.
Vizeu.
Villa da Feira.
Villa Poocade Aguiar
Villa Real de S. Anton*-.
Madrid.
Barcellona.
Vigo.
Heapanha.
Fayal
'cadit.
Orense.
Cornna.
Barca inglera Minolta, entrada de Liverpool
mesma data, e consigoada a Johnston Paler &
manifestou : ,\
Carvao de pedra 318 toneladas e 15 quintaes,
aos consignatarios.
Barca portogueza Pereira Borges, entrada de
Lisboa na mesma data e comignada a Silva Gui-
maraes 4t C, Manifestou :
Alpiste 23 barricas a Francisco Guedes de A-
ranjo, 12 a ordem.
Batatas 100 caixas, aos eonsignatarios.
Cebolas 150 caixas aos mesmos. Cevada 10
barricas a Francisco Guedes deAraujo. Cal 100
barris a Joaquitn R. Tavares de Mello.
Farello 400 saccos aos consignatario*, 300 a
ordem, 200 a Monteiro & Cuoha, 100 a J. J. Tasso,
50 a Jorge Tasso ,tSO a Pioto Moreira 4 C, 50 a
dc tal quilate, Joaquim Duarte Simdes. Flores medicinaes 3 far-
dos a Aufusto Caors.
Lagedo 312 varas a Jose A. de Araujo.
Saf.28 moios aos consignatarios, semeas 550
saccos aos mesmos. Sabonetes cixa a J. da 5.
Rame*-
Vaceas 8 aos consignatarios, I ao barSo da Sole-
dade. Velas de cera 25 caixas a Oliveira, Filhos
A C, 21 aos consignatarios. Vinagre- 14tl, 30|5
aos consignatarios, 2,2, 15|5 a Jorge Tasso. 10j5
a Jo*) da S. Ramos. Vtnho braneo 2il -e9ii a
Oliveira, Filhos 4 C. Vinho tinto Oil e 5(5 a
Paulino Josd .ia Costa Amorim Si C, 26jl e 5i5 a
Ro3a & Irm-0. 2i[t e 5(5 a Thnmat de Aqnioo
Fonce^a Snccessores, 28|1 e 25jS aos con-igov '
UriOii, 37(1 70)8 a Beitrln A Pilbos, 211 e S a I
B. R Rabello ft C, 27 35 orden, 1*|S a t|5 a
Amorim Irmaos &C., 20j5 e 17 caxas a Joao da I
*' 'fllivw'nt
bancaria de Augusto
io Commercio na
'io de ordem
os ede todos o-
V>, quer commer-
Clhvo,
Decutita leu
mio, compra c
iazo, i vontade
guioies pracas ei
Loodres.
LONDON, 0 LONOOl
limited, e varias cas
Paris. Sobre o
li C, MARCUARD ANDftt < I
V1GNAL d C.
Haaaburga. Sobre o *
SCHU BACK dt FILHOS.
ffitahaai Sobre os Srs. foksp.v...-'
SANTOS d VIANNA, S SEIASTtAO JOS< M
Aaaaa.
Porta. Sobre o banco tnttio do poaro
O Sr. JOAQCIM PINTO DA FOWSECA.
Para. Sobre o baogq commkrcia
na parA, e os Srs. francisco OAOaanao da
COSTA d FtLHOS.
HaranhAo. Sobre'e Sr. aoai rra-
S.E1RA DA SILVA JUNIOR.
Bahia. Sobre es Srs. aaajwoa d c
Wio de Jaaelre. Sobre o banco
?r



I
r
ji


DMm(M>BxMtwmba*> ^o*?& >fc*fc 4 fei&attihrt! d*MM
*t
j^-
-

ACAflL, BANCO NACItK&L e
KgFRAfCAlSE. |^j

Companhia Indemnisadora .m
vlr> Porto. (Kfl
CAPITAL |,OOO:OOO0OfO.
Thomaz de Aqmno toncec* 4 C, sttccessoret
agenHs.
E restres, daodo nestos o sepumo anno gratis aos se-
l|ilMN.
Una Banco do Minho.
Joaquim Jose Goncalves Reltrlo & Filho sacam
por todos os vapores sobre :
Anadia.
Aguida.
Aveiro.
Heja.
Chaves.
Elvaa.
Amarante.
Guimaraes.
Covilba.
Melgaco.
Porlalegre.
Areas de val de vet.
Celorico de Basto.
Carainha.
Mangualde.
Ponte do Lima.
Povoa de Lauhosa.
Villa-Nova de Portimao.
Evora. Monsao.
Fife. Ovar.
Faro.
Guard*.
Leiria.
Lisboa.
Barceilos.
Coimbra.
Mirandella.
Penaflel.
Porto.
Tarira.
Regoa.
Vizeo.
Figaeira.
Lamego.
Estarreja.
Valenca.
Villa Real.
Cabeceiras de Bastos.
Castello-Branco.
Espozende.
Oliveira de Azemeis.
Povoa de Varziro.
Vianua do Castello.
Villa Nova de Famalicao.
Villa do Coade.
Mas Unas.
Madeira, S. Miguel, Faial e Terceira
SEGUROS
IHaritimo e conlra-logo
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
RUA DO COMMERCIO N. 3*.
Seguro canlra-fogo
l*BE LIVERPOOL & LONDON & GLOl
INSURANCE COMPANY
Agentes
SAUNDERS BROTHERS 4 C.
11Corpo Santo11
SEGUROS
MARITIMOS
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecidi
acstn praca, toraa seguros maritimos sobrt
rwvios e seus carregamentos e contra fog(
ern edificios, mercadorias e mobilias: w
ma do Vigario n. 4, pavimento terreo.
. COMPANHIA~ALLIANgA
seguros maritimos e terrea-
tres estabelecida na Bahis
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0009000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
:uco maritimo em navio de vela e vaporei
para dentro e f6ra do imperio, assim cora<
contra fogo sob re predios, generos o fa
rondas.
Agente : Joaquim Jose- Goncalves Beltrao
rrxa do Commercio n. 5, 1 andar.
MCVSMEHTOe PCBTC.
Navios enlrados no dia 5.
I.i;boa"31 dias, barca portugueza Pereira Borges,
de 330 toneladas, capitaj Antmio Alfredo Ber-
ates, equipagem 13, carga differentes generos; a
Silva Guimaraes & C.
Liverpool 43 dias, barca ingleza Minalto, do
199 loneladas, capitao U. Morris, equipagem 8,
carga carvao ; a Johnston Pater & C.
Baenos-Ayres28 dias, brigue iajftez Pars, de
247 toneladas, capitao Alexander, equipagem
10, era lastro ; a ordem.
Babia 8 dias, palacho brasileiro Mannho VI,
de 231 loneladas, capitao Antcnio Coelho de
Castro, equipagem 10, carga differeutes generos;
a Loyo & Filno.
Qberracfio.
Nao houve sahidai.
Suspendeu do lamarao para Paraliyba a barca
ingleza Kerelau, capita) \V. Skea; com 0 mesmo
lastro que trouxe de Santos.
N 7. Luiz Mareirasda,SjlYa, uma oasa
lerraa por
N. S.'FrrnelsciTftoraazij da Con^et-
cao Cunha, uma easa terrea arrenda-
da por
Raa da
. 24. Jose Faanaisoo
ama casa terrea arrendada
144,000
300,000
^tiLmoqBl-\Vea"iiip0T
300,000
400,000
500,006
'iOOjpOO
iWiOOO
36O5OOO
tw;oco
191,000
96,000
96,000
96,000
840,000
oiljOOO
1:500,000
3G0.O00
tWO.OOO
300,000
400,000
180,000
240,000
240,000
300,000
Gi8,000
192,000
Oi.OOOO
EDITAtt,
Consulado provincial.
Para scieacia dos contribuintes do imposto da
decima urbana e os etTeitos legaes, em aeguida
pablicam se as alieraeoes verificadas no laaca-
mento do mesmo iuaposio no" corrente anno fi-
nanceiro de 18/i a 1873, ficando aberto 0 pra-
zo de 30 Jias, mis termos do art. 38 do regula-
inento de 6 de abril do cor ente anno, as recla-
macoes que por ventara possam ter a fazer os in-
teressados.
Alieraeoes verilicadas no lancamento da divila ur-
bana da f eguezia da Boa-Vista no anno corren-
te de 1871 a 1873, pelo lanrador Eduardo Fre-
dorico Banks.
Raa do General Seara.
N: 9. Fausta Augusta de Albuquerque,
uma casa terria por 120,000
.V II. A mes-na, uuia casa terrea por 120,000
N. 37. Caolido T. da Costa Mello, uma
ca?a terrea por 276 000
Coronel Lai
V. 4. Dr. Amaro Jua |u>
U:r)'
:Ja-
...1
ia.
.veira,
Albuquerque, u
ren lada por
.N 18. Custodio
uma casa ter
.\ 34. Jose Maria
came, ama casa te.
N. 1. Francisco Ferr>
.casinba arrendad?^
N 3. 0 mesir^ientes.
da por inspector da to
N. ll.'e Vine, pagar a iftxtf
e Maite autorisado 0*
oasai da villa de Inn-'
proximo tiul'
>. Q commandant.
uma'-u os prets, -....
N. 8. Jctoria. r?a por
jj ?_ Ao mesmo. De >Guiraara8s,
c.e com toda a nrgem
N, 8n 0 prazo mais curto de Oliveira,
arroubida da lad(j>C,
N. 1/7*800, cuivares de Aquino, nm
porim flea rda entrada a Iffraei'aguas,
arrO por
N. 3. 0 mesmo, um portla aae ii en-
trada a 10 mei'agtuts, arrendada Ca-
da o-na a 120*. Mas por
N. H. Viava de Francisco ftrberM Pi-
nres, nm telheiro com olaria arreqda,-
do por
.. Travessa do Veras.
rt: Ajjionb Ferreira Alves, uma ca-
sa lerrea por
N. 6. *.we da Sirva Sl^raes, uma casa
lerrra por ^
N. 8. Jos6 Caetado de Carvalho, ama
casa terrea por.
.'. 10. Jovino Baaikira, uma casa ter-
rea por
-heeiiu^,,,
120,000
168,000
S40.000
300,000
180,000
178,000
1:800,000
L20M90
400,000
360,000
4*0,600
30o,u^
300,000
mos,
-por
N. 36. Marcelino Jose Lepei, uma casa
tarrea tor
N. 40. Filhos de Maria Carolina deBri-
to Canwlho, uma casa terrea arren-
dada por
N. 44. Manocl de Sj e S jaza, ama casa
terrea por
N. 46. Elias Baptiita da *Iya, ama
c.-sa terrea arrendada por
Leao Coroado.
X. 10. Manoel Antonio de Azevodo, uma
ca-a terrea por
N. 14. Francisco Ferreira da Silva,
ama casa terrea por
Travessa da Campina.
N. 1. Praxedes Francisco Martins e her-
deiros de Joao Francisr-o Martins,
ama casa terrea por ,.*
Lario d;-.>ampina.
N t. Jese Gomes Coimbr'a, ami easa
terrea por
N. 9. Generosa Joaqnina da Guuha.
uma casa terrea por
N. 11. A mesma, nma easa terrea por
Barao de S. Borja.
N. fit Fraseellno Xavier da Fonceca.
mna casa terrea por
N 24. Bernardi ia Tbeotonia Montetro,
uma casa terrea arren lada por
N 26. Maria Beroardina Monteiro, um
sobrado arren la lo por
N. 5. Victorino Jose Monteiro, ama ca-
sa terrea por
N. 23. Joao Martins de Barros, ama
casa terrea com uma porta ao lado
dando entrada para duns sotlos, ar-
rendada per
X. 27. Jojo da Cunba Soares Guima-
raes, uma casa terrea arrendada
por
N. 41. Dr. Jose Joaquim de Moraes Sar-
mentu, uma casa terrea por
Soledade.
X. 42. Antonio Cardoso de Queiroz Fon-
ceca, uma casa terrea por
X. 26. Francisco Jose Fernandes Pires,
uma easa terrea por
X. 30. Irmandade do Xossa Senhora
da Soledade, uma casa terrea por
X. 62. Ma ia de Jesus Monteiro, uma
cas terrea por
X. 13. Tnereza Rosa de Jesus Souza,
um pirtao que da entrada para sete
mei'aguas, arrendadas 1 por 120*, 2
a 72* 0 i a 5)64, to das per
N. 49. Auensto Froderico de 01iveira;
uma easa terrea por
Progresso
X. 20. Manoel Pereira Pavao, uma casa
terrea por 210*, 2 mei'aguas por
210i. i por 60* e 2 casmhas de
madeira por ICO*, tudo arrendado
por
Altera(oes feitas no lancamento da decima urbana
da freguezia de S Jose, no exercicio de 1874 a
1875, pelo laneador Izidoro TQeodalo de Mattos
Ftrreira.
Coronel Suassuna.
X. 67. Mosteiro de S. Bento, una casa
terrea arrendada por
X. 69. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendala por
X. 71. Franeisco Jos6 de Araujo, uma
casa terrea arrendada por
X. 77 Izabel Lucas da Silva, uma casa
terrea arrendada por
X. 101. Marcelino Antonio Perpira de
Carvalho, um sobrado de um andar
e loja arrendado tudo por
X. 103. Manoel Antonio de Alcantara,
uma cjsa terrea por
N. ii-5. Maria Joaquina de Oliveira
Campos, uma casa terrea por
X. 113. Maria Joanna da Silva Santos,
uma easa terrea por
X. 127. Irmandade das Almas do Recife,
uma casa terrea por
X. 141. Herdeiros de Antonio Jose
Pinto, uma casa terrea com sotao e
Ires quartos no silio, tudo arrenda-
do por
X. 173. Manoel Joaquim da Motta, uma
casa terrea arrendada por
X. 173. Maria Carneiro do Souza La-
cerda Villa Secca, uma casa terrea
arrendada per
X. 199. Leandro Ferreira da Costa, uma
easa terrea por
N. 197. Roman Jose da Silva Marques,
uma casa terrea por
X 201. Francisca Thomazia da C. Cu-
nha, nma casa terrea por
N. 225. Antonio Moreira Reis, uma casa
terrea arrendada por
X. 227. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendada por
X. 229. Joao Rodngues Lima, uma casa
terrea arrendada#por
Riia de S. Joao.
X. 2. Jose de Freitas Barbosa, uma
casa terrea por
X. 48. Luiz Manoel Rodrigues Valenca,
uma casa terrea dividida em duas, tu-
do arrendado per
N. 30. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendada por
N, 23. Paulino Antonio Ramos, ama
casa terrea pQr
X. 41. Pedro Jo3e Christiano, nma
casa terrea por
N. 43. Alexandre Rodrigues dos Anjos,
uma casa terrea por
X. 43. 0 mesmo, uma casa terrea por
X. 49. 0 mesmo, uma casa terrea por
X. 57. Jose Ignacio de Avila, uma casa
terrea por
X. 59. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
renda por
X. 65. Maria A. de A'buquerque Mo-
reira, uma casa terrea por
N. 69. Antonio H uma casa terrea por
Travessa dos Martyrios.
X. 8. Joaquim P*checo da Silva, nma
casa terrea dividida em duas, tudo ar-
rendado por
"*. 1. Manoel Jose Patricio, nma casa
""a arrendada per
Rua da Palma.
J10 Emiiio Roberto, uma casa
pur
Dr. Francisco Angusto da Costa,
.ia casa terrea arrendada por
1OO. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendada por
X. 108. Jose GonQalves Ferreira da Sil-
ra, uma casa terrea arrenda por
X. 122. Vicente "Ferreira de Souza
Reis, uma easa terrea por
X. 128. Maaoel Martins Ribeiro, uma
casa terrea por
X. 103. Manoel Ferreira A. Vlllaca,
uma casa terrea por
N. 113. Alexandre ** da Silva, ama
casa terrea com sotao, arrendado tu-
do por
Becco da rua da Palma
N. 2. Manoel Feiitardo, ama easa ter-
rea por
Marques do Herval.
X. 62. Roza Candida ttomealrw Perraira,
nm portao que da entrada para duas
,_ cisas terreas, 4 e mala agaas e urn
telheiro tudo arrendado por
N. 64. Monsenhor Francisco Munit Ta-
vares, nm sobrado de um andar e
loja tado arrendado per
Alteracao verilkada no lancamento da decima ur-
bana da frexuezfa de S. Fr. Pedro Goncatves, do
exercicio de 1874 a 1878, pelo tancadot Felinto
do R"go Barros Pessoa
Domingos lose Martins.
N. 120. Man >el da Silva Lopes, ama
casa terrea *rrendada por
N. 128. Antonio Baptista da Araujo,
nobrado de dous andares e loja
arrendado *. -
rendada por
17. 0 mean%ri|||a-flaM teawa ar-
Sf&Bfe -.-.-*... '
daJa nor0
. Barao' de fjna, uma easa terrea
arrefldaUa BW
25. 0 iflesnio, anta casa^teTTW ar-
rendada por
3- 31. 0 njesmo, nma easa tefrea ar-
redraW pw '**" B!p "
X. 33. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
ada nnr
Maseates.
N. 9. Antonio Diogo da Sllta, nma easa
oiivo. 4i,ionfor-
15 de 23
111,000
^1
rendada por 144,000
X. 13. 0 mesmo, uma ca3a terrea ar-
rendada por WtfPI 'K9Wpi
N. 15. 0 mesmo, nma casa terrea ar
, rendada por
ou|n>s l#gu#is e fii;ando certos oaioteres-
midade daj^^p|
de Janeiro dp 1834.
Recife, f $ de setambro de 1874.Eu,
Iwe* *Tarwi8co flo Regn Berr9, sert**', 0
inbscrtfi.
_A camara munlciaaLdesta cidade faz pobli-
eo para conhecimento dos interassados, qae a. li-
eenja, dada aos capatazes, talbadores, raagarefes,
ajudantes ou aprendizes, valera somenie por ura
anno, e a falta della nm primeiros 15 dias do raez
ae outunro do anno dnuicefro muniefpar eoiiWa-
lra a perda de emprego, conferme determJna 0
arligo 231 das posluras niunicipaes de 26 de lu-
oho de 1873. *
Pao da camara municipal do Re.ife,"i3
de setembro do 1874
aeao.
naoasa
lll.OCO
dOd.O.O
3COy06O
192,000
210,000
300,000
300,000
288,000
360,000
300.CO0
300,000
193,000
696,000
180,000
480,000
300,000
300,000
30J,000
72,000
72,000
111,000
192.0CO
324,000
180,000
192,000
300,0000
300,000
300,000
360,000
300,000
300,000
360,000
300,000
432,000
216,000
360,000
264,000
264,000
300,000
168,000
204,000
300,000
288,000
168,000
936,000
71O.0P0
N. 12. Lute Atnivel
_ terrea arrendada por
Tf. 18. Herdeiros-de Joao J*se da Car-
valho flbYaus, uma casa tfcrrfea ar-
ren lada.-por 1.1
P. B4.1WWeMa TW ^MWP*Pwelra
.iCaldas, nm sgmflo4l WK andare.-
e loja arrendWtor 918&0
ff. 60. XdWIMb WWfoWri' ^JtGAf,'m%tiih
casa terrea arreJMMa^Or' 306MJ
N. 31. MMoA-DiArti) Hodrigues, dma
casa terrea arrendada por IKdjIbO
M. 39. loaqoWD Gtiiftalves CaseSo Ju-
nior, uma casa terrea arreodada por fiO.OOO
Travessa do Apollo.
41. I. Santa Cruz dos Canoeires, nma
casa lerfea arrtndafla pbr 168,0v0
1). Maria Cesar.
X. 8. Erm and ale de S BMefeta, uma
casa terrea arrendada por 210,000
X. 20. Beroardo d.).,Almeida Ferreira e
Antonio Ribeiro Fernandes, uma easa
terrea arreodala por 300,000
X. 'ik. Viuva de Bernardo Henrique,
uma'cAsa terrea arrendada por 210,000
X. 40. Jnaquira Felippe da C-wta, um.
Sobrado de dods abdares, sotsb e loja
arrendado por 1:200,000
X. 3. Manoel Jose Pereira, uma casa
terrea arrendada por 144,000
N. 29. Joviniano de Azevedo Mello, uma
e.sa terrea arrendada por 300,000
X. 33. Irmandade das Almas do Recife,
uma easa terrea arrendada por 2i0.<100
X. 35 Antonio Diego da. Silva, ama
*asa terrea arrendada por 300,000
X. 37. Antonio Joaquim CaseSo, nm
sobrado de um andar c loja arrenda-
do por 500,000
Viscosde de Itaparica.
X. 16. Manoel Marques' de Amorlm,
um sobrado de um andar e loja e
nm armazem no fnndo arrepdados por 1:500,000
N. 38. Samuel Potfer Johnston, uma
casa terrea com ontra no fundo ar-
arrendada por 1:200,000
X. 40. 0 mesao, uma casa terrea ar-
rendada por 1:200.000
X. 19. Joao Carlos Bastos de Olivura,
uma casa terrea arrendada por 300,000
X. 39. Joao Jnse Rodrignes Lotur,
uma casa terrea arrendada por 300,000
X. 51. Manoel Joaquim Ramos e Silva,
um sobrado de dous andares e loja
arrendado por 1:300,000
Phafol.
X. 14. Jose Joaquim da Costa Leite,
um sobrado de dens andares e loja
arrendado por 500,000
1." seccao do consulado provincial, 26 de se-
tembro do 1871.
0 chefe,
Ehvudo .1. rf.' OHvcint
0 Dr. Sebastiau >Jo Rego Barros de Laccr-
da, juiz de direiio especial do commer-
ce, nesta cidade do Recife do Pernarn-
buco, por Sua Magestade o Impcrador,
que Deus guarde, etc-
Facn saber aos_ que 0 present > odiial virjm o
delle notieia tiverem, que no dia 29 do outubro
do corrente anno, se ha de arrematar por venda a
quem mais offerecer, era praca publica desle jui-
zo, aepois da respectiva audicncia, 0 seguiute :
Uma casa terrea sita a rua das Criouias n. 18,
frtgoczia de Xo3sa Senhora da Graga, com uma
porta e janella de frente, sala adiante e atraz, um
quarto, cozinha fora, pequeno quintal, tend) a ca-
sa 45 palmos de fun lo e 19 dc largo, chaos pro
prios, avaliada por 2:000*000, penhorada porexe-
cucao de Jose Candido de Moraes, co:no cessio-
nario de Joao Jos6 de Carvalho Moraes, contra D.
Ursula Cordolina da Rocba Almeida e outros. E
nao havendo laneador que cubra 0 prer.o da ar-
remataQao sera feUa pelo preco da adjudicacao, na
lorma da lei.
E para que cbegue ao conhecimento de
todos mandei passar o presente que sera"
publicado pela imprensa 0 aflixado nos lu-
gares do costume.
Cidade do Recife, 30 de selembro de
1S74.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento, escrivao 0 subscrevi.
Recifo, 3 de oulubro de 1874.
Seba$tido do liego Barros de Lacerda.
0 desembargador Francisco de Assis Oliveira Ma-
ttel, official da imperial ordem da Rosa, e juiz de
direiio privativo de orphaos da cida:e do Reci-
fe de Pernambueo e seu terrao, por S. M. 0 Im
ferador, a quern Deus guarde, etc.
ago saber a quem 0 conhecimento do presente
ohegar, que por e-te juizo e a reqnerimento de
Francisco Luiz dos Santos se procedeu a justiflca-
cao de prodigalidade contra seu filho Manoel Luiz
dos Santos, e depois da prova testemunhal, e pa-
recer do Dr. curador geral, snbiram os.autosa'mi-
nha conclusao, nos quaes proferi a sentenca do
theor segmnte :
Vistos os d< cumento3 de fis. 5, a fls. 11, e in-
quericao de fis. 13 a fls. 16, qne provara eslar 0
justiRcado Manoel Luiz dos Santos praticando aclos
de completa poodigalidade, 0 hei por incapaz de
administrar sua pessoa e bens, qne flcarao sob a
administracao de sea pai Francisco Luis dos San-
tos, a quem nomeio curador.
0 escrivao passe edital para ser affixado no lu-
gar do costame e publicado pela imprensa, e cus-
tas. Recife, 14 de setembro de 1874.Franeisco
de Assis Oliveira Maciel.
E para que ninguem faca negocio algum com 0
precitado prodigo Manoel Luiz dos Santos, senao
por intermedio ae seu curador, eom previa autori-
sacao deste jabo, mandei passar 0 presente que
era affixado no lugar do costume e publicado pela
imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
aambuco, aos 16 de setembro de 1874.
Eu, Manoel do Xascimtnto Ponies, cscrhaio, 0
mbscrevi.
FranciscG de Assi> Oliveira Maciel.
Recite, 16 de setembro de 1874.-0 escrivao.
Manoel do Xasclmento Fon.es.
Aosello 300 rg.V. S. S. excausa.Oliveira
Maciel.
ftertM
in m-
J*f. 'J. do Rego e Albuqaerque,
Presidente.
Francisco Augusto da Costa,
e*-v-18fecretario.
1
DECIA
a
No dia 6 do.earraate mez de outubro, depois
daaudicuc:a dj Dr. jdii aubst.tuto da primeira
vara, wi 6 praca de venda a peqnena afma^ad
ml3 estarto, de maioira de luutD, tfa UJf f 4
lp#afd|frfa HI mrdilii bias 0. 13, avaliada
dbiddeH*l4Jlwr Jtitbmo AlAi
presos pohres da easa de eteMft.
Seerewrla do rtweoro po*n eo, 26 de setemtire de-t74.-*0 aectHario,
- Pela > M^A^?f8rSi-i al dd
Olinda se faz p*b|fco,ja9la^fcriTimenlo dos in-
foi transferida para 0 dia 8 do corrente.
Socretaria da camara munieipal de Olinda, !.
de outnbro fie 174.
wi a eeflretario,
Marcolino Dias do Araujo
Ho din lerVa-feira, 6 de outobro, llnda a au-
dieneia do Sr. Dr. juiz de (MreHo da prftneira vara
civel, tem de irla praca, nma casa terrea, sita a
rua de S. Miguel n. 83, da frezuezia dos Afoga-
00s, com 18 palmos de frente e 06 foodo, quintal
em aberto, solo foreiro, pela qnantia de 960*000,
por execucao qae move a viava e herdeiros do II-
nado Marcel no Jose Loots contra Francisco Jose
de Oliveira e sua mulher.
ADMINISTRACAO DOS CO It RE [OS DE PERXAM-
BUOO, 5 DE OUTOBRO OE f8?4
llelagSo da crmpondencia registrada fsem valor)
reeebida de ditersas procedencias ate esta data,
e Me nao tem siio entregue por ignorarse as
itstdeHcias dos destinatarios.
Augusto Muniz Macludo, Amaro Jo Oliv.
utra (2), Antonio F. lip6eJfiantiago, Antortio
ii)Jffie li S|>, Fi
ie. Sattialb, Frtnclsoo fla Costa
..
I
far Il*r p*l) ixeein,
Ferfevta, flbalra. Ihits
Ntscuneato A C.
Faco aeieute aos sohores poisuidores de car
ros de passeio particulares e de aluguel, carro-
(as e mais vehiculos de conducga> nesta cidade e
seas arrabaliles, que da 'conformldade com 0 arL
33 da lei K or^aiiiento vi^ente, ddverio Vir den-
tro do prazo de 30 dias, a esta reparticao para
preceder-sea renovacao da nuineracaodos mesuios,
sob pena de serein appreheu lidos e multados os
reip-ctivos doflos.
CorisaJad") provincial, 3 de outubro de 1871.
0 continuo,
Antonio Carlos de L^roos Duarte.
Estrada dc ferro de Olinda
8 nlip as .
Esta companhia com-
pra sulipas de oiticica,
de 9 palmos de compri
mento sobre 9 pollegadas
de largo e 4 de espessura
ou grossura.
0 gerente,
L. J. de Miranda.
300,000
700,000
0 Dr. Joaquim Goncalves Lama, juiz dos
feitos da fazenda desta provincia, por
S. M. Imperial, a que Deus guarde,
etc.
Fac,o saber aos que 0 presente edital vi
rem que, em enmprfmento da ordem do
thesonro de 30 de dezembro de 1865, e
das instruccdes que com a mesma baixa-
ram, Gndo 0 prazo de tres mezes a contar
da data da publicacio deste, sef& vendido e
arrematado em hasta publica celebrsda na
cnniarca de RamW, a qirem malar preco}
offerecer, a" tisU tiu a ptazo ate* 11 annos
qoando muilo com jafos de 68/, ao anno'
pelo tempo da demora a tomprebenrto de-
onmfnada, Buraco ,'doettifictrj*viDctito
de Itambe', sita naquella cotWrtar'a qualse
acba avaliada "em cinco contos de reis e
contem segundo a medic3o a tjueso proce-
deu conata dos atrtos a extew&o seguinte :
do lado do leste 1,1T0 *rafas, do Tado do
norte 4tr9 brotas, do teio do norotete 682
bracas do lado do poetrte 411 brar^as e do
lado do sul 681 bracas, sendo todo 0 ter-
reno proprio pars a CuRott tie mandioca e
Mauta Casa de llisericordia
do Recife.
Pela secretaria desta santa casa convida se as
amas que se acliara encarregadas da Cri-cao dos
expostus, para que venham receber do Illra. Sr.
thesoureiro as raensalida lei venoidas de julho a
sctombro Undo, no salao da casa i\js expostos, pe-
las 9 boras da manha do dia 13 do corrente ; de-
vend 0 para isso trazerem as crip ocas.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 2 de outubro de 1874.
0 escrivao,
________________Pedro Rodrigues de Souza.
A commissao regeeWa da capeda do Satto
Antonio, em Agua-Fria, faz publico que domingo
11 do corrente, p8!as 4 horas da larde, bavera
nesta cspeUa a bencao de duas imagens : X. S. Mai
dos liomens e S. Gonfalo, e de um sino. A com-
missai enearregada do fest^jo nao tem poupado
esforgoi afim de abrilliantar 0 acio. Agua-Fria,
3 de outubro de 1871.0 secretario,
________Jo.-e Au>tri:liauo Tolentinode Almeida.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, mauda fazer publico que
aa'sala de suas sessoes, 0 dia 8 de outubro, pe-
as 3 horas da larde, tem de ser arrematadas a
juem mais vantagens offerecer, pelo tempo de nm
*'tros annos, as rendas atttprmwrn m ^,.u-..i-.
deelarados.
ESTABELECIMEXTO DE CARIDADE.
Rua do Padre Floriano
Casa terrea n. 63......207*000
Rua das Calcadas
Casa terrea n. 30 (fechada). 200*000
Idem n. 36........221*000
Vidal de Xegreiros.
Caa terrea n. 114......362*000
Idemn. 94...... 301*006
Rua larga do Ro3ario.
2.* andar e loja n 24 A.....
2.* andar n. 24 A.......
i.' andar n. 24 A.......
Rua de Antonio Henriques.
^asa terrea n. 26......
Largo da Campina.
Idem n 11 (fechada)...... 96*000
Rua do Coronel Suassuna
I" andar do s br3do nuraero 94 386*000
PATRIMOX10 DOS ORPHAOS.
Rua da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).....400*000
Becco das Boias.
Casa terrea n. 18.......421*000
Rua da Lapa.
Jasaterrean.il.......202*000
Rua do Amorim.
Sobr.do de 2 andares n. 23 6026000
Casa terrea n. 34 ....'. 2 2*000
Ruar do Bugos.
Casa terrea n. 21.......*53*O00
Rua do Vigario.
V andar do 9obrado n. 27 243*000
1* andar do mesmo......240*000
Loja do mesmo.......300*000
Rua do Encantamento.
5obrado de 2 andares n. 13 (fechada). 1:400*000
Rua da Senzalla velha
Idem n. 16 ......
Rua da Guia.
Casa terrea n. 25 .
idem n. 29.......
Raa da Cruz.
Sobrado de 2 andaresn. 12 (fechada).
Idem n. 14.........600*000
Rua de S. Jorge
r-asa terrea n. 100 (fechada) .
Idem n. 103 ...
Rua do Ampare )01inda)
Ca?a tercea n. 18-(fechada)....
Os pretendentes devertd apre'sentar
arrematacao as suas fiancas, ou coaparecerem
aeompanhados dos respectivos fiadoree, devendo
pagar alem da renda, 0 premio da qaantia em
que for seguro o predio que contiver estabeleci-
mento commercial, assim como 0 servico da lim
peza e preeos dos apparelhos.
Secretaria da Santa tJasa da|Misericordia do R
cite, 17 de sstembro de 1874,
0 escrivao.
Ptro Rodrigues *i stmzn.
de Albuquerque Lins,
Franeisco Cavalcante
rencio Izidoro Leal ^C, Flin'ci>co" Luiz Ozorio,
Frencisco Marlins deAraojo Francisco Manoel de
Arahjo, Franeisco Pinto Pessoa, Ilooorato Caetano
de Abreu, Jeronyma Maria Ramos, Just no Rodri
goes Silvsira, Jose Gomes R drigues, Joao Baptis
ta^de Oliveira GairaarSes, Joao Cyrillo de Lima,
Joao Fernando da Cruz, Jbab Gabriel Baptista,
Joao de Sa e Albuquerque, Jose Adolpho de Oli-
veira Lima, lose Bonifacio tta Silva Camara, Jose
,Caetano de Albuquerque (2), Jose" Furtado de Mel
Ho, Joanna Martha dos Sanlos, Joaquim Jos6 Fer-
reira da Rocha Junior, Jose Manoel do Niseimen-
le, Luia Gonzaga Moreira, "Lino L. Regalo Braga,
Miguel August) A. Barros, Maria Graciana, Ma-
noel Jose dos Santos, Manoel Migueis, Manoel Pe-
reira da Silva tfambilha, Romualdo Alves Ferrei-
ra, Ramon Carrera, Salustlano Fransisco do Xas-
eimento, Tristao Henriques Costa.
0 ofiisial encarregado do registro,
Jos6 Candido de Barros.
.01
GttfeXIffliA
MAWT1MES.
GtfoBdf
I?pera-se da ta-
ropa are 0 aa 7 *
rorrente.sef olft*.
depois da demora d.
costame para Bae
nn-Atres, loeami* ta
Battla, Rio de Jaaeiro t Montevideo.
Para encommendas, passag*iu e fre'es, trau
com
OS AGEXTES
H.-trismeiMly a l.ablllr
9 Rua do Commercio
I.inhH aeasml
E esperadodosavr-
toa do sul no Am tD
do corrente, Mguitmi
depois da deaora dt-
costume para Bor-
deaux, locaado ev
Dakar (Goree) e Lisboa.
Para fretes, encommendas e passafeiroe : a iraj-
tar com
OS AGEXTES .
arianaeatly a LrnblBe.
9 Rua do Commercio 9
Santo Antonio
COM'IIIIIIM ITALfftNA
EMPREZA
.i t^t: ~aTTfc-iJg**ari"'";z. :i" > ik^a^'^ '
Turca feira I* do corrente
Representar-se-ha pela primeira e nnica vez 0
sublime drama, do celebre Pluma de Leopoldn
Morengo, em 4 aclos, inlitulado
Gandi.
do celebre
ar-
4 .fge
0 principal panel esta ao cargo
tista
Enrico Dominici.
Terminara 0 espectaculo com a joeosa comedia
em 1 acto, intiiutada
tin plnsphiiro enlre dous fugos
de principal trabalho do artista Boldrine.
Principiara as 8 horas.
Ertrca da companvda no genero tragico. Breve-
mente aoibira a scena a sublime tragedia, do
Ijnnito acreditado poeta romano D. Ormeville, in-
Wulada-NORMA.
THEATRO
310*000
408*000
251*000
99*000
209*000
2091001
2011000
800*000
211*000
207*000
210i000
00 acto da
Companhia Fidetntade
seguros BaaritSanos terrestrea
A agencia desta companhia loma seguros ma
ritjm s e terrestres, a premios razoavels, dando
aos nltimos 0 solo livre, 0 0 setimo anno gratuito
aosegurado.
Rua do Visconde de Itaparica, antiga do Appolo
n. 51.
Feliciano Jose Gomes,
Agente.
fundiqAo
0, 8ttirr St C.
Sao convidados os Srs. devedores a vir
satisfazer seas debitos, prnvenientes de let-
tras e contas vencidas ; Sendoque nio 0 ia-
zendo ate 0 dia 30 de outubro proximo vin-
'.douro, serio vendidas em leilao. PoderSo
oompareoet ou manclar ao escriptotlo da
ifondi^fto ou do testamenteiro H. J. Cannan,
irua do Commercio n 40.
Pelo thesauro provincial se fax publico para
iqnera interessar pnssa, qae foram transferidas pa-
ra 0 dia 8 do mez proximo vindoure as arremata-
leSes segoiates :
. Obra da bomba do Fragoso, na estrada do norte,
oreadaera 810*017 ; obra da foots do Mods sobre
0 rioTapacura, orcada em 1:485* ; 0 imposto de
capim consumido na cidade do Recife, orjado em
1:939*460, e forneclmento da alimeatacSo dos
EM
S. Xm rua do Aleerim,
0 brigne porlusuez Trinmpho, pretend* aanir
com mnita bn-vidade : para carga pasaafetre*
irata-so com os cousignalanos Tbomax de Aqaiav>
Fonceca A C. sneeessoree. rua do Vigario m. W
Libr;i eslerlins.
Vendem Augusto F. veira & C.
Rua do Commercio u. *i.
' "COMIM.\MI.% lllttSII.KIK%
DE
\AVEGACA0AVAP0
l*oraos do mart
Cominandiintr C:irl Ut
E' esperado dos portos do ncrtu
ate 0 dia 7 do corrente ae-
guira para os do sol depei*
da demora do costume.
Portos d norlo s
CERVANTES (fretado)
E esperado dot pna-
do sul ate 0 dia b a-
correote e segnira para
os do norte no metm
dia.
Para carga, encominendas, valures e passagens.
Irate-3e no escriiitorio
7RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna 4 c
Agentes.
Ilho de 8. Miguel.
(loin mnita brevida'e segue para S. Miguel e
conhecido palhabote portnguuz Noco S. l/>amc
Para o resio da carga e pa-sajieiros trata ra cooi
os coasignatarios Thomaz do Aquino P*u<-?ca tt
C. successores a rua do Vigario n. 19.
ILha do S. Miguel
Segue com brevidade para S. Miguel o palba-
bote pnrtuguez Afore S. Lourenro. nara onde reee-
be caraa f pawageiros : trata se rr>m -.- %
natario3 Thomaz de Aquino Fnncera & C Succw
sores, roa do Vigario n. 19, 1* andar.
0 drama em H actos
Zacharias o usurario.
0 papel de Zacharias sera desempenliado pelo
artista Flavio.
Terminando 0 espectaculo com a comedia :
O pheuomeno.
Principiara as 8 l|2 horas.
PRECOS.
Camarote
Dito de frente
Cadeira
Platea
6*009
84000
25(00
1*000
PUEXI.V DRAMAT1G0
Sabbado IO do corrente.
Grande e variado espectaculo
em beneflcio do Consclbo Paro-
chial da Sociedade Propaa;adora
da Instruccao Publica da fre-
guezia da Yarzea.
Logo que S. Exc. 0 Sr. presidente da provincia
comparecer na tribana, subija a scena 0 appara-
loso drama em 3- actos :
OU
A COROA DUCAL DE PARMA.
Seguir-se-ha depfis a muito ehistosa scena co-
mica pelo actor Penante :
I in concerto de rnbcea e
realejo.
Terminara e espectaculo eom a comedia em um
acto, ornada de musica :
De noite todos 09 a;ato* mo
pantos.
0- conselho parochial espera do publico desta
cidade a sua proteccao, vi-to ser 0 dito seuoeneft-
cio para um fim util, como seja a instruccao gra-
luita aos desprotegidos da fortuna. Em um dos
intervallos, uma commissSo ira aos camarotes re-
ceber os donativos.
Fmdo 0 espectaculo bavera trem, gratis, para
Gaxanga, pela linha principal.
Principiara as 8 horas.
AVISOS MARfTJMOS,
Pacific, Steam Navigation-Comply
ROYAL MAIL STEAMER
frtnpaxi
(De 4.0*7 toneladas).
Espera-se da Enropa ate c
dia 11 do corrente e seguira
para Bahia, Rio de Janeiro,
Montevideo, Buenos A y r e s.
Valparaizo, Arica, Way 0 Cal-
lao, para onde recebe-a paa-
sageiros, encommendas e dinheiro a frete.
N. B. Nao saliira antes das tres horas da
tarde do dia da sua chegada
OS AGENTES
Wilson Itowe a C.
14PRACA DO COMMERCIOU
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
NavegacHe cosiciraa Taper..
4RAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', AKAGa-
TY, GEARi, ACARACU' E MARANBaO
MARANnAo.
0 vapor Ipojuca, comman-
dante Moura, seguira paraos
portos aoima no dia 7 do
corrente as 5 horas da tarde.
Recebe carga at6 0 dia 6, en-
commendas, passageiros e di-
nheiro a frete ate as 3 boras da tarde do dia da
Salute ; escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
LEILOES.
Agente Pestaiut
Leilao
DE
uma armacao de amarello toda eu\i ira^a-li
As 11 horas em ponto
No armazem de agenda de leildes da rua
do Vigario Thencrio n. 11.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
eonta e risco de quem perteneer, de uma arm; ..a
de amarello toda envidrajada, para ver na traves
sa das-Crates n. 14.
Agente Pestano
Leilao
DE
15 eaixas com queijos tanengos, tendoca-
da caixa 32 queijos, cbegadas pelo ultimo
paquete.
as tl Itoras ean ponto.
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
faadega
0 preposto do agente Pestana fra leilao, aor
coata e risco dequem perteatencer, de 15 caixa-
com queijos ilamengos, tendo cada caixa 32 qnei-
]os, cbegadas pelo ultimo vapor.
Em urn on mais lotes, a vontade dos Srs. com
pradores.
Agente
Pestana
LEILAO
de 18 garrafoes com ervilnas tendo Mil
um 5 galoes, e 4 fardos com cominl os,
Hoje
A'S It HORAS EM PONTO.
No armazem do Sr. Aines.
0 preposto do agente Pestana fira 1-. ..'
conta e risco de quem perteneer de 18 garriCVs
com ervihas e 4 fardos com eominhos. em am oa
mais lotes, t vontade d -s sentiore comprc
Espleudidu
XiBHi&O
DE
megniQcos moveis, apparelhos de crv-toik>
verdadeiro, quadros, espelhoseTwrcs
Hoje
is 40 li2 hnrlis da manh*
Na rua da Imperatriz n. 47, primeiro "dar
0 agente Dias, aotorisado por nma1 arnnia qnf>
madou de resideneia ira f6ra da cidade, levara
a leilao, no dia e hora acima indieadoi, os magni
Bcos moveis e omroa aWgo como abaixo m um-
cionam, o qaaa hrtm para alii transportados
nara se tornar fatil a Srs. ooncurrentes, por aer
uma rua por onde ha conduce. Io pelas divefsa
linhas de bonds.
aos Srs qne precisarea comprar bons moveis n
cuiroa artigos se offerece nma optima opportuau
dade, por quanto tado 0 qae se ezpSe a venda .;
bom
A SABER:
1 bam piano de jacaranda.
1 rica mobilia da jacaratda, eompoata de 1 sofa, 1
consoles, 1 jardraslra t a capos de pedra, 4 cada-
. ras de bracos e It de guarnicto.
1 elegante mobrlia encarnada, proiria para gabi
nete, composta de 1 s-ta, 1 jardioeira, tamps An
pedra, 2 cadeiras de braeos e f de guarnlcso.
I mobilia preta, eompwtt de 1 sofa, f consoto, 4
1
1
(


1 4
Diario to Pernambu* ^dferca tea 4 dojOafadsf darlili -

II
i
jirdioeira, t idirs da krQ09 -eli do guar-
nicta.
1 mobilie -ay-** *.*** *
1 elegante guarta-rouea At amatello.
1 Hilda costureit ;i tmnamili de raeul-
I secreUris de ; sesriBdi, propria para senh A rico toilette de jacaranda, usaao de pedra.
1 bom Ruardaro jpa de araareW*.
I .rico goarda-louca de carvalka, obM baas aaaba-
da nova. I. .
1 espelho com eclurnnas de jaearaatfa.
1 divan com astooto de pathotka.
1 banquet* para pe de cama, tampo de pedra.
i lavatorio, tamuo de pedea. ,
1 booitos aparad >res de amafeHo tampo de pedra.
2 riea secretaria.
8 eidoiraa de br.ir*, americanas.
t marqueroe* de amareilo para soheiro.
1 retogio de parede.
1 caixa de musk a.
3 ricos qaadros I tamo.
1 eepelbo eons moMora dourada.
t binoculo com vistas.
3 eadeiras de balincu com aseeoto de panno.
1 eadeiras de abrir. ^^
IS eadeiras americanas.
t mesa elastica d e amareilo.
1 eomnoda.
I graode aparador de amareUo.
1 porta chapeos de sol.
1 bancas de jacaranda pan jogo.
1 tear de amareilo.
1 banqaeta de dito.
i maijuina de cosiora, em perfeito estado.
3 jarros de porcelaoa para flores.
1 pares de jarros para Cores.
4 tiguras de loaca.
1 figure e vatoe pan flores.
1 porta- charntos com photofrapuias.
1 ligura de barro.
4 qaadros com bonitas vistas.
t tapetes de la de caraeiro.
1 cama de ferro para solteiro.
1 rico apparelho para cha, de crystofle"verdad eiro
1 flltro e reafriadeira de lonca.
2 dozias de colberes de crystofle pan cha.
2 ditas de garfoa de dito,
5 ditas de facas de dito.
1 ditas de catheres de dito para s6pa.
5 compoteiras de vidro.
6 garrafas para Yin ho.
1 porta-licdr com masica.
J vasos de porcelaoa 'torn raangas de vidro.
3 transpareuies para janella.
1 par de redomas com flores artiflciaes.
1 daiia de talheres de metal.
4 ricos pares de escarradeiras.
2 pares de escarradeiras pequeaas.
1 carrinbo para duas crian';as.
1 e?pelho grande.
4 pares de garnfas de crystal para vinho.
i nenJula dourada para cima ds mesa.
2 lamparioas a gaz.
i pares de redomas pequenas.
I par de jarros grandes de marmore.
i violao
1 eavallo com mollns para criaDca.
2 estojos para barba, e oDtros muitos artigos one
estarao patenles ao exame dos Srs. compradores
no dia do leilao.
Agente Pestana
LEILAO
De moveis, lougas, vidros, ouro, prata, e
brilhantes.
QUARTA-FEIRA 7 DO CORRENTE
ai 11 horas em ponto.
No armazem de ogencia de leiloes, d
do Vigario n. 11.
0 preposto do agente- Pestana fara leilao por
conta e risco de quem pertencer, do mobilias de
jacaranda, ditas de amareilo e ditas de faia, e de
junco, e diverso3 moveis avnlsos, e diversas obras
de gosto, de ouro, prata, e brilhantes, os quaes
estarao patentes no acto do leilao.
LEILAO
DE
faasemdas e chap4o&
(Em continuagSo e por liquidagao)
A saber :
Cbapeos a Cavonr, de palna, de merino, ;de clina
de seda, de castor e 13.
Chales da merino, de seda, de 1.1, de motim, de
ganga e casemira.
Lencos de cassa, deseda," de chita, de g.nga
cambrala.
Merino preto e de Cores.
Casemira preta o de cores.
Gravatas de diversas qualidades.
Chapeos do sol de alpaca.
39 pecas da mussulma brasea.
100 ditas de cambraia bispo.
20 ditas do granadine de cures.
10 ditas de atoalhado cro.
4 ditas de atoalhado de liaho (bramante).
30 ditas de damasco de cores.
24 ditas de dito de la.
13 ditas de dito de setim.
20 ditas de fllo preto francez.
120 ditas de panno para colchao.
100 ditas de nrcssulinas abertas.
40 duiias de veos para casamtnto'.
2 ditas de capas de casemira.
i dfta de tunicas de chuly.
11 ditas de cintos de seda.
50 pecas de cb:tas de ganga.
0 ditas de cast-as para cortinados.
IS ditas de algodao ci;fe;tado,
10 ditas de damasco de linho.
10 duzias de camisas de linho.
100 pecas de sargelim preto e de cores.
10 ditas de damasco lustroso.
Tapetes de diversos tamanhos.
E rcnitas outras fozendas.
Quarta-feira 7 de outubro
Rua do Bom Jesus n. 63.
Os administndqres da massa fallida de Pereira
de Mello Si C, asando da autorisacao que t^m do
Illm. Sr. Dr. jniz de direito especial do commer-
cio, continnarSo a dispor em leilao no dia asima
dito, por intervoncSo do agente Pinto, das fazendas
supramenciona3as, que fazem parte da mesma,
e que tornam-se recommendadas por serem raai-
tas d.'lhs nltimamente despachadas, eproprias pa-
ra a pre3ente estaeao.
0 leilao principiara as 10 1|2 horas em ponto,
so armazem da rua do Bom Jesus n. 63.
Os pretendentes pederae examinar diuis fazen-
das na vespera o dia do leilao.
acima mencleaadaa.
0 ioventario acha-se em poder do referido agen-
te, oode pode dead* ja ser examinado pelos Srs
pTetendentee.____________________________
LEILAO
IEEA0
DE
diversas fazendas inglezas
QLINTA-FEIRA 8 DO CORRENTE
A's 11 horas da man ha
No seferado da rua do Marqaei de OUnd* a. 37,
primeiro andar.
0 agente Oias lovara a leilao, no dia e bora
owm designadoe, por cobU e risco 4e teMer, eater.:
M>4M(8 de chius para cobertas, t%0 ditas de
castores, ditas de riscadinhos, ditas de trim pardo
e de listras, dius de creguellas de linho, ditas de
casttree de algodio, duzias de leasts, dits de cha-
let, ditas de chapeos de sol de seda, peoaa de cam-
brala, 4itas de cotets, ditas de ganga, -cortes de
vestido de la, e ontras muitas que estarao paten-
tes ae exame dos Srs. eoacurrentes no dia do
leilao. _________,__________^
Feira 8emanal
mobilias, pianos de armario,
eamas francezas, guarda
louca, commodas, apara-
dores, eadeiras debalan-
^o, mesas para jantar,
lustre de 4 bracjos para gaz
carbonico; estantes ^para
liyros, fiteiros para lojas,
espelhos dourados, qua-
dros diversos, objectos de
brilhante, ouro e prata,
quartinheiras, cabides, ca-
saes de ratos, sabios india-
nos, eadeiras francezas,
brancas e pretae, relogios
de algibeira de ouro e pra-
ta, 1 toilette de mogno,
livros de direito, muitos
trastes avulsos, quinqui-
lharias e immensos artigos
do uso domestico que se-
rao vendidos a troco do
barato
QriiU-feira 8 do corrcnle
A's 11 horas damanha
FEIRA SElMANAL
16Rua do liaperador16
ARMAZEM
pelo agente Martins.
HSLiO
DE
bons moveis
CONSTANDO DE :
Um piano forte, uma nmbilia da jacaranda a
Lnix' XIV com 1 sofa, 2 consolos, 2 eadeiras de
braoos, 12 de guamic.ao; I cadeira de balanco, 1 di-
ta do reercio tamhem de jacaranda, \ grandes es-
pelhos dourados. jarros e vasos para flores, enfei-
te para cima de mesa, porta jclas, e tapetes.
Uma earna tranceza de jacaranda, 1 lavatorio
com pedra, 1 toilet, i guarda vestido para dans
pesson, 2 magnificos candieiros a gaz, e 2 eamas
de ferro paia raenico.
Uma mesj'elastiea com 4 taboas, 2 guarda lou-
gas envidragados, 2 apparadores com gavetas e
pratoleiras, 2 apparadores torneados, 12 eadeiras, e
muitos ouiros moveis.
SEXTA-FEIRA 9 DE OUTUBRO
No sobrado de Azulejo da rua do Bom Jesus 26.
POR INTERVENCAO DO AGENTE PINTO
Dns lO 13 a 1 bora da fardc
Em continuac,ao
De 1 liora era diantc
vendera o mesmo agente Pinto uma mobilia de
jacaranda, 1 piano, muitos edifferentes moveis exis-
tcntcs no armazem da rua do Bora Jesus n. 10.
Os referidos objectos poderao ser examinados
na vespera e dia do ieilao.
CASA DO OURO
Bilhetes garantidos
Rm do Barao da Victoria (ontrora Nova
n. 40, a com do coitunu
0 abaixo assignado acaba de Tender nos sen.*
aratto felizes bilhetes a sorte de 700* em um
roeto bilhete de a. 71, alem de ontras sortes
ssenores de 40*000 e 20*000 da loteria qne se
aeabon de extrahir (U8-) ; convida aos possuido-
res a virem receber, qne promptamente serao
t) mesmo abaixo ssigudo convida ao respeit*
l publico pan *ir ao sen estabeleeimento eom-
Eir os muito fefcaes bilhetes.que nao deixario d<
ar qtiaJqner premio, como prova pelos metroes
aannncios
Achans-se & vend* os muito felites bilhetes ga-
nntidos da V parts da loteria a beneflcio da
igreja matrix do TO-o da Paoella, qne se extnbira
qo esa 7 do corwwe mez.
De
41000
2*000
Inteiro
leio_
M9DOO para rlma.
Inteiro 3*500
Meio U750
lUcits, S de setembro da 1874.
JoOo Jo atutm da Out* Uiu
\mwm PARTICULAR
Rua da Redan 49, sahrada
rrimeiras lettras, portuguez, francez, inglez,
desenho linear e musics.
Sob a direcc,9o do professor Hermino Ro-
drigues de Siqueira, funcionam ditas aulas
todos os dias oteis.
Recebe alumnos internes, meio-pensionis-
tas e externos; fornece t >do o material para
tscripta e Jirros aos principiautes, por pre-
Cos muito razoaveis.
- Aluga-se o 1* e 2* andares do sobrido sito a
ma de Lorobas Valeolinas n. 86, com os commo
dos segaintes : 2 saias, 3 quartos, cozinha for a
em cada andar, tendo para serventia dos mesmos
quintal coin portao para a rua de Hortas e eacim-
ba com exceliente agaa para lavar. Tambem se
aluga o 2* andar do sobrado sito a travessa dos
Expostos d. 28, com sufflcienles commodos para
prquena familia : as pessoas qne pretenderem, di
rijam-se a rua Nova n. 17, qne acbarao com quem
tratar.
Ah* nso Jose de Oliveira, professor jubilado
da caneira de geographia e bistoria do ex Licen
detta cidade, tem denovo aberto, seu collegio de
instruccio primaria e seeundaria na rua da Im-
pertriz d. 18, onde contimia a ireceher alumoos
internes, externos e roeio pensionistas.
Cidade de Olinda
Aluga-se a :asa terrea com sotao, tendo os com
modus segnintes : 2 salas, 2 quartos, e 1 pequeno
por baixo da escada, casinha lor a e um pequeno
quintal com a frente para a rna do Bom-flm e oi-
tao para o becco das Corte.ias, bastante fresca e
perto d' banhos salgados : a tratar no Recife,
rna do Aragao d. 37. ______________
Escravo fugido
Ausentou-se da a?a de sua senhora o escravo
RuQdo, o qnal tern os signaes segnintes : mulato,
representa ter 19 annos, tem alguns pannos no
rosto, falta de denies na frente, cabellos crespos,
tamhem tem uma cicatriz na canella da pc-rna es-
querda, provemente de uma ferida, costuma andar
calcado, e 6 mnito rcgri-u : roga-se as autorida-
des policiaes e aos Srs. capitaes de campo de o
apprehenderem e reme.te-lo a travessa das Bar-
reiras n. 2, que serao genensaraente recompen-
sados.
MM4
Aluga-se um grande sobrado com .jumtal mu-
rado, eaoimba, agaa cneanada, gaz, e fructeiras,
tudo em bom estado, e bastantes commedos para
qualquer familia, para o passamento da festa, e
banhos salgados; e perto da estaejio do Carmo, no
melhor 'ocal desta c-dade, no pateo de S. Pedro
Novo n. 6 : a tratar na mesma cidade. no pateo
de S. Pe de S. Jose n. 22, laverna.__________________
Roga se ao Sr.....que (talvez por engr.no) le-
vou da reuniao farr.iliar tffectuada narua do Ran-
gel no dia 3 do corrente, nm chape"o de manilha,
que se digne manda lo entregar a rua de Santo
Amaro n. 8 ; evitando assim que se use de um
meio menos conveniente ao Sr...... visto como ja
cetera sciengia de quem foi o enganado.
Eieraya
aJAluga-se uma escrava de meia idade para co-
zinhar, comprar, e servi^o domestico de pouca fa-
milia : na rua 1 de Marco n. 8, esquina.
Coisriterio edico
DO
leilao
DE
li.OOO tijolosde marmore branco e de cor
SEXTA-FEIRA 9 DO GGRRENTE
ao meio dia
Por intervencfto do agente Pinto
^o armazem da rua do Bom Jesus n. 63.
DE
dous cavallos rudados, gordos, proprios pa-
ra carro, e de alguns moveis, como abai-
xo se mencionara.
QUARTA-FEIRA 7 DO CORRENTE
asi 11 1|3 Iiaras
Etn & rua do BarSo de S. Borja (outr'ora do
Sebo), na fabrics de cerveja.
0 agente Dias, cumprindo o respeitavel despa-
cbo do Illm. Sr. Dr. juiz substitute do especial do
eommercio desta eidade, levara a leilao, no dia e
bora acima indiiados, os dons cavallos e alguns
moveis, como abaixo se mencionam, cujos bens
foram peohorados a H. Grenanly e se acham em
i referida fabric a de cerveja
A SABER:
* eavaltos rudados, gordos, proprios para carro.
40 mesas de amareilo, com ps torneados.
I armario de amareilo.
SO mdchos com assento de palhinha.
i guards-ronpa de amareilo._______________
Novo leilao
DAS
diVtdas na importancia de 7:9318>i90, per-
tencentes aos bens que ficaram por fallo-
ciroento de Pedro Jos^ da Costa Castello
Branco
*UARTA-FEIRA 7 DO CORRENTE
A's 10 horas
Em o 1.* andar do sobrado da rua do Harauez
de Olinda n. 27. 4
O agente Dias, cumprindo o respeitavel despa-
cho do Illm. Sr. desembargador juiz de orphans
j}?st cidade, levara novameqte a leilao, as dividas
AVISOS DVERSOS
ENSINO
DE
PARTIDAS DOBRADAS
E
ARITHMETICA
dirigido por
MANOEL FONCECA DE MEDE1ROS
tres vezes por Banana
a tarde ou a noite
Rua do Marquez do Herval ( outr'ora
Concordia) n. 138 a 140.
' CASA DA FORTIA.
AOS 4:000^000.
BLLHETES GARANTIDOS.
A' rua Primeiro de Margo (outr'ora rua do
Cretpo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado, tendo vendido noi sens fe-
lizes bilhetes um inteiro n. 2769 com 4:000/000, nm
meio n. 871 com 700/000, nm meio n. 3280 com
200/000, e outras sortes de 40/ e 20/ da lo-
teria qne se aeabon de extrahir (118*), convida
aos pessuldores a virem receker na conformidade
do costume sem desconto algum.
Aeham-se a venda os felizes bilhetes garantidos
da 4* parte das loterias a beneflcio da matriz
do Poco da Panella (119'), qne se extrabira na
qaarta-feira, 7 do corrente mez.
PRECOS,
Bilhete Inteiro 4/000
Meio bilhete 2/000
KM POftfiO BB 1009000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 3/800
Meio bilhete 1/750
Manoel Martins Fiuza.
alfaiiile Claudlo
Que foi mestre na loja da Rosa Branca, parti-
cpa aos sens fregaetes qne esti na mesrra rua da
Imperatrii n. 18, prompto a bem servir aos sens
freguezes e sempre por aquelles precinbos que ja
sabem.
^_______0 nnmero 6 18.
Da-se dinhheiro a juros sob hypothec em
bens de raiz, a juros de um e meio por cento :
quem quizer deixe carta fechada nesta typogra-
phia com as iniciaes M. R. P.
l)eappareceu do lugar Estrada Nova, no
dia quatro para 5 deste mez, um cavillo, casta-
nho tapado, grande, de 3 annos, um tanto car
nudo, cujos ferros sao estes, MB : quem o ap
prehender dirija-re a rua do Imoerador n. 33, 2.
e 3." andares, que sera recompensado.
Alten$o
Tinge-se com a maior perfei^ia e pelo systema
mais mo Itrno, todas as cores, por precos mode-
rados: n. 17.
Negocio iraportante.
Na rua do Marquez de Olinda n. 58, loja,
precisa-se fallar com os Srs. Francisco Maebado
da Cunha Pedroza e Raymundo da Cunha Pe-
drosa.______________________________
Aluga-se
o primeiro andar com grandes commodos e sotao
'* sobrado sito na rua do Hospicio n. 65, junta-
nte a loja : a tratar na rua do Vigario u. 31.
do
mento
Antonio Jose Rodrigues de Souza,
tendo de ir & cOrte do Rio de Janeiro, d'on-
de pouco se demorara*, deixa como seus pro-
curadores com poderes especiaes para trata-
tarem de seus negocios; em primeiro lugaT
ao seu irmao o 1 tenente da armada o Sr.
Jose Rodrigues de Souza, e em segundo ao
seu genro o Sr. Joaquim Pires da Silva.
Recife, 3 de outnbro de 1874.
.4nfonto Josd Rodrigues de Souza.
Tr a balh adores
Precisa-se de dons mocos : a rna do Rangel n .6-
GRIADO
Precisa se de nm criadinbo de 12 annos, para
servico de casa e alguns mandados. Era S. Jose
do Mangninho, passando a reflna$4o o primeiro
sitio do lado direito n. 1______
Attend
Offsrece-se uma portogueza para ama de
casa de familia, para cozinhar ou engommar. on
mesmo de homem solteiro : na rua Augusta n.
161, 2/ andar._________________
Feitor.
Precisa-se de um feitor para tratar de nm pe>
qneno sitio : a trater no hotel de Apipncos.
RDA DO VIGARK) If. 1,1* AIIDAR.
Recem-cbegado da Europa, onde fre-
quenlou m hoapitaes de Paris eLondree,
poder a ser procurado a qualquer bora do
dia on da coite para objecto de sna pro-
ssio,
Caasnltas das 6 as 8 horas 4a raanhl
do meio dia as doat horas la tarda.
GRATIS AOS POBBES.
Etptcialidades: MoMetias de senhoras,
da pelie 4* erianca.
MEDICO-CIRURGICO
DO
Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso
PARTEIRO E OPBRADOR
\lMi S" Dr. Ped
PA
Made
ESPECIALIDADE
Moleatiaa de aealioras e
s
s
s
Consnltas das 7 as 10 horas da ma
nha, todos os dias.
m Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar-
* Use sextas-feiras.
Os doentesque mandarem os sens cha- W.
M mados por escripto at 10 boras da ma- (K
2 Bhl serao visitados em snas casas. 2
J.!F*JPffJrJt fJff/HTWWMW*
Aluga-se por anno on festa o sobrado de dous
andares nos Quatro Cantos, em Olinda, com com-
modos para grande familia, agua encanaltsada e
cano para despejo, muito fresca, perto do banho e
das estacSes : a tratar na rua da Uniio (Ilha dos
Ratos) n. 53, detraa do Gyronasio. ____
Aluga-se a sala do primeiro andar a rua do
tque de Caxlas n. 32, propria para escrip-
a tratar na loja.
Duque
torio
E' na rua
do Caldcireiro b. 54 qne se precisa de uma ama
de leite; paga se bem se agradar. ________
Esta fugido desde o dia 4 de setembro o es-
cravo Marcelino, mulato, alto, eorpo regular :
quem o pegar, ieve-o 4 rua do Caldeireiro n. 78.
{ Aluga-se a casa da rna do Coronel Seara n.
41: a tratar na mesma rua n. 39.
^t^*v^ij^^W ^^*^^K^^r\ n^bk^i^p^^l^K y'wj'x ^^ ^1^. ^k^ ^W
Mat 21-Rna de Pauiioo tamara-2t Mk
DR. MANOEL ENEHINO R. VALENCA ffi
Medico W
Consnltas das 7 as 9 1|2 boras da ma- nhaa 'J
Cbamados a qualquer bora do dia ou W
da noite. >H
2 Especialidades molestias dos polmoes gg
e do eoracao. &
*
ADVOGADO
IBACHAREL JOAQIIM GUBIES DA
SILVA HELLO.
/ 93 Rna cstrelta do Rosario S3
p| primeiro andar.
9b
I
Macei6.
Bacharel T-ourenro de Albu-
'.'
querque
.tdvopedo
Rua do Rosario n. I.
SS5SKSDSSa i-tSKSKlas^i
I
j Consullorio medico-cirurgico S
DE '
%
A. B. da Silva Maia.
Medico parteiro e operador.
Rua do Rangel n. .11
Consultas das 8 is 10 horas.
Chamados a qualquer bora.
Gratis aos pobres.
EM
J
Bua do Hospicio n. 28
Aluga-se a casa terrea A rua do Hospicio n. 28:
na rua Duque de Caxias n. 54 andar.
KORTIMENTO
MED I GIN A
Preparado poi
Lanman & Kemd
para thi siaca
toda a qualidade
de doencas, quer
seja na garganta,
peito ou bofes.
ExpressameDte
escolhidodosrne-
lhoresfigadosdos
quaes se extrabe
o oleo no banco
Ja Terra Nova
purificado chimi-
calmente, e suas
valuaveispropri-
edades conserva-
das com todo o
cuidado, emtodo
o frasco se garan-
teperfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido submettido
a um exame mui-
to severo pelo
cbimico de mail
talento, do go-
verno hespanbol
em Cuba e foi
pronunciado por
elle a conter
MAIOR PORCAO D'lODINA
do quo outro qualquer oleo, que elle tem
examinado
IODINO EUM PODER SALVADOR.
Em todo o oleo de figado de bacalhao, e na-
quelle no qual conte"m a maior porclo desta
tnvaluavel propriedade, 6 o unico meio para
curar todas as duencas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Phtysica, bronchistes, asthma, oatharrho,
tosse, resfriamentos, etc.
Uns poucos frascos da* carnes ao muito
magro que seja, clarea a vista, e da" vigor
a todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
nhecid-3 na medicina ou sciencia, dd tanto j
nutimeaao ao systema e incommodando quasi,
oada o> eslomago.
As possoas cuja organisacio tem sido des-'
truida pelas affeccdes das
ESCROFBLAS OU. RHEUMATTSMO
e todas aqueHas, cuja digestao se acha com-
pletamente desarranjada, devera tomar
OOLEO DE FIGADO DE BACALHAO
DC!
UNMAN (SSEMP
FUNDICAO DE FERRO
4' m h Itrtro do Triinpho (ma doBrvw) is. INi CM
CARDOSO IRMAO
AVI8AM aos seohores de engenhos e outros agricaltoros e ao publico em geral qo"
eontinuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens e macbiaa t M
aeasarias aos estabeleciraentos agricolas, as mais modemas e melhor obra qoe ten vindi
to mercado.
V apOTCS de for$a de 4, 6, 8 e 10 cavallos, ot meUaores qne tem vindo ao merado
UalQeiraS de sobresalente para vaporea.
alOGnaaS lntGiraS e meiai moendas, obra como nnnca aqoi veio.
Taixas fundidas batidm, doe mihn fabneantea a 300 e 15*> T&. a
libra #
cvOdaS Q agUa COm c.ubaje de ferro, fortes e oem acabada*.
KOQaS QentauaS de todos os tamanbos e qaalidades.
RfiloglOSeapitOB pra evapors.
BombaS de ferro, de repucho. Jr
.\J*aCl08 de diversas qualidades.
f^ormas para assucar, grandes e p^qnenu.
Varandas de ferro fundido, fraDoeas de diversos tM.oitos gosua.
F0g6eS francezeS p,ra lenha e carvfio, obra toperior.
Ditos ditos para g8x.
Jarros de ferro fundido
Pes de ferro
Machina
X
-
-
I
ar^lim.
para
para mesa e banco,
para gelar agna.
> alVillas para bomba e banheiro.
Oorreias inglezas par, m8chmismo.
tSanCOS e SOlaS COm tiras de madeira, para jardim.
QQTinorfQg concertam com promptidio qualquer obra oatmmmme., para o qoe '***
soa fabrics bem montada, com grande e bom pessoa!.
SnCOmmendaS mau(^am yir Por encommenda da Europa, quilquer macbinisico.
para o qoe se correspondem com ama respt*itavel casa de LoDd*3
com nm dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incurnbem-se df mandar ass*n*.r.r
titas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (raa do Brum) ns. 100 a 104
FUND1CAO DE CARDOSO 4 IBMaO.
(JR.-WDE IIIRIDlCIi) DE J01AS ATE FE-
VEREIRO PROXIMO FUTIRO
Rua do Labugd if. 5.
Os proprictarios desta antiga loja de joias, resolvendo-so definili-
vamente liquidar o seu estabeleeimento ; vendem para acabar todas
as suas joias d'ouro, prata e briihantes. cr>m cnorme abatimento nos
pregos, assim como as encommenJas j.i feitas. que forem chegando da
Europa, pelos pregos da factura.
GftBde Liqald:ca*
Do Museo de Joias
Rua do Cabugd n. 4
Neste importante' estabeleeimento, vendese para acnl'ir at<; fevc-
reiro proximo futuro todas ns joias do ouro, prata o luiihatos ml
existentes, por pregos nt^ hoje desconhecidos, bem assim s remessss
que forem chegando da Europa, pelo prego das factura?.

GRANDE LLQtllDACAO
TOLENTINO DE GARVALHO
Rua do Cabuga n. lc
Tendo resolvido liquidar o sou estabeciaeaio uo juias, declcra
que desta data em diante os seus pregos serao extracdii riammmi
redozido, como nao poderd haver cyopetenri.i.-
Grande LipidaciV)
0 COLLAR D 01RO
Rua do Labugdn, 3 A.
Os donos desta grande loja do jobs.V^.olvendo-se a liq-mtar o sou
estabeleeimento ate principio do anno proximo futuro, vendem com
grande abatimento de pregos todas ;is su*s j^ias do ouro, prta e bri-
lhante co-no tambem as que for rccebendo da Europa, polo prego
da fabrica.
* Grande Liquidacao
Manoel Antonio Goncalves
Rua do Cabugd n. 3.
Ten Jo rezoivido liquidar no meuur tempo possivel o sou estibe-
lecimento, vende para acabar todas as suas joi.ns de ouro, prata c bri-
lhantes, com enorrro nbitimento de pregos. E a remrssas que fo-
rem chegando da Europa, pelo prego h* factoraa.
J\! I
^ ? i
BOWMAN

EDA UU HAifiL
(Passando o chaftma)
res de enaenho e oi **"~- "" ^
S2
compradores de me-
^m o novo sortimer
- o que com ir-
al) or
/
.CAO
.ra tamanbos oab-
e para desca^ogar
-T:
quo aqui cxistem.
PEDEM AOS senhores de engenho e oi
chinismo o favor de fazer uma visits a '
to completo que ahi tem ; sendo tude
trucgao pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AC
Vapores e rodas d'agua do
venientes para as diversas circumstancias ^
algodSo.
Moendas de canna de todos os tamanhos, as
KOClaS uentadaS para animaes, agua e vapor.
Taixas de ferro fundido, batido e de ec
Alambiques e fundos de alambiques. ^
MacniniSmOS para mandioca e algodao, e para sflrrar madeira, (ser movMos a ma
BombaS de patente, garantidas........ JeT.m&. ^7'
TodaS as machinas e pegas de que se costuma preoisar.
Faz qualquer Concerto de machinbrao, a prego mni.resumido.
FormaS de feiTO tem as melhores e mais baratas existentes no mercado.
JinCOmmenaaS. Incumbe-so de mandar ^ir qualquer macbinismo i TOntade dos
clientes, lembrando-lhes a vantagem de fazerem as compras por iptermedio de pwma
entendida, e que em qualquer necessidade pdde Ihes prestar ausiik>(
Arados americanos e instrumentos agricolas. *
RUA DO 6RUM N. 52
PASSANDO C CHAFARM
I
.
r
A
.1 '


4*
s


I
I '


\
.*
S
Jiario de Foraambneo Terc> teira 6 xk-"/* -
Ul
WiiiirI ai- naH
u
U'


-- ,tn'ii||i>i ;t
PABA OS DOENTES
*\ffl

6&U& j
| i I

REMKMOS ACONSELIIADOS


Uma eombinaeSo especial nos pcrmitte de indicar ao publico
clgums remedim francex.es os mais apreciados no numdo inteiro, e
preparados em Pariz debaixo dm olhos dos inventory*. Ninguem
ignora os culdados minuciosqs com que se preparam em Franca os
remedio*. A merecida fama cC estes productos, desinvolveu a inveja
dot contrafactores os quaes detramam. principalmenle nos mercados
-
Itta |
do Brazil, productos contrafeUos, assiwelhando-se muito com os
verdadeiros, vendose o envolto e a t^rja dos frascos, mas quasi
sempre, dephravelmentc preparados, ootmtituem urn perigo continuo
para a saude publica. Dcvem os compradore* dirigir-m is casas
abaixo mencionadas, as quaes tiram os sens productos directamente
do* inventojusstv Ir^^ | V.-BjJiMI
INSOMNIAS* 1 insomnia & causada gcralmeute, j,
ou por dares vivas, como aeontece nos r.asos de gotta, rheu-
matismo, nerralgia, eniKjueca, dores de dentes, colicas, fe-
ridas, etc, on por preocuptcgca moraes, ou por urn estado
geral difficil a relaUr, e algumas vexes o grande calor. 0
Xarope de Chloral is Follet tornado por duas ou trcs
colheres de sopa n'um copo d'agua, vence a insomnia e em
poucos minutos da ao doente, o somno natural e reparador.
Ao accordar a cabeca nlo sc sente pesada, mas urn bem estar
perfeito e o re suit ado d'essa medicacao.
Nunca seri sufficiente a altencao de todos sobre estc ma-
ravilhoso product que se apreciara em cada familia. Pode-
se dizer sem exagera^So que quern usar uma vea do Xarope
d Chloral d Follet, continuanta ter <*m casa um fiasco
d'est*mesmo xarope para quando for necessario.
INCOMMODOS DO ESTOMAGO. As molestias
nervosas do estomago, gastralgias, gastro-enteralgias, pyro-
sis, etc., curam-se com o Carvao da Belloc tomnndo-se
uma ou duas colheres de sopa, ou algumas pastilhas na occa-
siSo da comida maior numero das vczes sente-se melhoras
desde as primeiras doses.
NSo se pode insistir bastante sobre as qualidades deste
remedio, do qual o uso tomou-se popular, pois e exempto de
perigo algum. Para as doencas d'intestinos c d'cstomago, e o
remedio o mais efflcax. Em 18-49, a Academia de medicina
dava-lhe a sua aprovacao e aconselhava aos medicos de o re-
ceitar n'essas affeicoes, as quaes muitas vezes desaniman
tanto os doentes como os medicos.
NEVRALGIAS. Sendo na cabeca ou nos tnembros,
curam-se muito melhor, e muito mais rapidamenle toniando
duas ou trez Perolas d'essencia de therebentica de
Clertan, do que com quakraer outro remedio. Estas Perolas
do tamanho d'uma ervilha engolem-se com mtiita facilidade.
Kite producto e d'uma efflcacidade maravilhosa, nove vezes
sobre dex tira em poucos minutos as ncvralgias as mais
agudas. NSo se pode deixar de aconselbar aos doentes que
sofirem d'essa molestia de usar este remedio.
Para se obter um bom resultado, e necessario que a es-
sencia de therebenthina seja perfeitamente rectificada. De-
ve-se exigir a firma do D' Clertan na tarja de cada frasco de
Perolas d'essencia da therebenthina.
SOLITARIO. Fallando no Kousso, o D' Bombardat,
diz, no seu formulario : precizo conheccr a sua origem ; pois o D' Trousseau, asse-
verou-mc que algumas vezes o Kousso de mi qualidade occa-
sionnou envenenamettlos.
Le-se. tambem no tratado de tliereapeutiea dos %" Trous-
seau et Pidoux : Os pos de Kousso tendo um sabor nausea-
bundo tomam-se difficilmente por essa razao. In phanna-
ceutico de Pariz S' Menlel teve a idea de os granular ntixlu-
rando-os com assucar, preparados d'este modo, e a cousa
mais simple para se tomar, mesmo para as criancas.
0 Kousso granulado da Mantel 6 garantido de
primeira qualidade.
RHEUMES-TOSSE. Dcsde 1820 a Pasta Pei-
toral da Regnauld e o peitornl mais afnmado, na sua
fabricacao nao entra o opium.
AFFEICOES DO PEITO- (macanu, mot, racoa-
modos da gargasia). 0 alcatrao de Guyot (Goudron de Guyot),
liccT concentrado e graduado, foilita a preparacao immediata
d'uma agua d'alcatrSo muito efficaz n'essas doencas. Basta
uma coiner de chS n'um copo d'agua. Poucos remedios em-
pregam-se mais frequenteraente do que a agua de alcatrao;
resultado das suas propriedades incontestaveis. 0 grande
consummo deste excellente producto desinvolveu um grande
numero d'imitacdes, peores umas que as outras.
0 Verdadeiro Goudron da Guyot leva na tarja a firma
do inventor.
0 S* Guyot tambem prepara umas capsulas redondas do
tamanho de pillulas, contendo o alcatrao da Noruega, liquido,
tomau-se estas capsulas na occasiao da comida, e podem
substituir a agua d'alcatrSo.
Nas doencas as que nos referimos, aeontece muitas vezes
que o doente softYe d'uma tosse pcrsistcnte, impedindo-o de
dorinir; duas oil Ires rotliercs de sopa de Xaropa da
Chloral da Follet tomadas a noulc ao deitar-e the darSo
o somno reparador ajudando a cura.
FALTA D'APPETITE. 0 Rhuibarbo sempre
gozou de muito coaceito para regularisar as funcOes do esto-
mago e fazer recobrar o appetite. Nao se applica frequentemeute
por causa do seu sabor desagradavcl. 0 S" Mentel teve a
excellente idea de applicar a este remedio o seu systema de
granulacao. O rhuibarbo am graaulos da Mental,
toma-se um pouco antes da comida. Na tampa de cada frasco
acha-se uma pequena medida dando a dose acustumada. Estes
granules engolem-se facilmente ou com uma pouca d'agua ou
u'uma colber com sopa.
RACHITISMO TISICA. Deve sc tomar todos os
dias algumas colheres oalhau da Berth*. slc oloo preparado com 09 inaioret
cuidados 6e unico que foi appro-..i.In pela Academia tie mddi-
cina de Pariz.
DIARRHEA. 0 remedio melhor para curar estas
afl'ci^des e o sub nitrato de Bismuth. 0 S' Bouchardat,
prpfiessar na Academia de medicina de Paris, diz o seguintc,
no seu Formulario magistral: fi gerahnente muito difficil
de engolir de um ate dez grammas d'ums pds l3o pesados
como e o sub nitrato de Bismuth. Embrulhados n'uma obrcia,
esta muitas vezes rasga-se, em agua assnearada os pos v3o
logo para o fundo.
- 0 S" Mentel, pharmaceutico em Pariz, rcsolveu estas pe-
qu. nas difftculdadus misturando, e fazendo em grauulos, o
sub nitrato de Bismuth com parte igual de assucar. Estes
granules vendom-se em frascos, e a tampa d'estes frascos,
mede exactamente dous grammas de grauulos, seja, um
gramma dc sub nitrato de Bismuth. Esta substancia prepa-
rada d'este modo e inalteravel. Basta eneher a medida tantas
vezes quanto se qucira tomar de grammas, e enyole-se rapi-
damentp, o que e muito facil bebendo ao mesmo tempo um
pouco d'agua.
0 Bismuth granulado de Mental e para as criancas
o remedio o mais vantajoso porque o tomam como confeitos.
FEBRES. Querendo-se cortar rapidamenle um acesso
de febrc, o melhor remedio e o sulfato de Quinina; sendo
para curar fibres antigas, persistenles ou periodicas, convent
dar-se a preferencia ao Quinium Labarraqae. Em pou-
cos dias a febre desaparece, e o melhor preservative 6 do
tomar todas as manhaas um copo de licor, deste vinho. 0
Quinium Labarraque e um dos productos de primeira
ordem que tiveram a approtacao da Academia de medicina
de Pariz.
DIGESTOES DIFFICEIS. il> a;m> vehtmew.')
Engolir duas o trez Perolas de ther de Clertan n'uma
collier d'agua. Effeito quasi hnmediato.
llavendo muitas imitacoes exigir a lirnia Clertan na tarja
dos frascos.
ANEMIA, POBREZA DC SAN6UE. As Pilla-
las de Vallet constituent um podoroso tonico para a refci-
c3o do sangue. 0 Xarope de Robirjnet de pyrophospbato
de ferro, serve melhor para as pessoas que mal supportam os
remedios solidos; este remedio contendo os principios cotts-
titutivos do sangue, tern um gosto agradavel, tanto assim
que, os doentes o toman facilmente.
Estes dous remedios sao dos primeiros que tiverio a appro-
va^ao muito rara da Academia de medicina de Pariz.
Ha numeiosas imitacoes das Pillulas de Vallet.
PURGATIVOS. A Limonada purgativa da
Roge com citrate de Magnesia, approvada pela Academia de
Medicina e o typo do purgativo salino. Nao causa nunca infla-
macSes d'intestinos, o que aeontece com outros purgativos
mais violentes. Pode ser preparada em casa na occaziao de a
tomar; deita-se n'uma meia garrafa d'agua um frasco de
P6s purgativos de Roge.
Poucos remedios tern sido mais falsificados que os pos de
Roge. 0 Brazil esta cheio de productos falsificados, mal pre-
parados e nocivos a saude. Devem exigir que o frasco traga
em cada extremidade um sello imprimido em quatro cores.
/
11
CONVALESCENCA. 0 Qui.ium Labarraque
approvado pela Acaden ia de Medicina e o tonico por ezcel-
lencia. Este vinho incomparavel i administrado com grande
successo as pessoas fracas e debilitadas, as mulheres que
acabam de parir, as meninas que difficilmente se formam e
desinvolvem-se.
Este remedio combinado com os fcrruginosos, ajuda muito
c facilita a sua accSo, quando esses sao necessaries.
DENTIQAO DAS CRIANQAS Para facililar a
denticao, prevenir as convulgdes e o rachitismo das criancas,
nao podemos deixar de aconselbar a Osteine Monrias,
que c uma combinagao de phosphato de cal gelatinoso e d'al-
bumina. Sendo esta preparacao feita em farinha grossa, pre-
para-se em sopa com leitc ou com caldo. Na tampa de cada
frasco, acha-ae uma medida dando a quantidade que se d6ve
tomar.
Este medicamento te\e a approva^Do da Academia de Medi-
cina, e : inventor apresentou uma memoria a respeito d'esta
preparacao, a qual foi coroada pelo Instituto de Franca
RETENQAO D'INTESTINOS. A magnesia e muito
receitada pelos medicos como laxativo ligeiro. Sendo esta
substancia desagradavel a tomar, aconselhamos a Magnesia
granulada do Mentel. Um gramma e a capacidade da
medida que se acha na lampa do frasco; a dose acustamada
e uma ou duas medidas.
DENTIFRICIOS. A descoberta do sulfato de Quinino
pelo S" Pelletier, membro da Academia de Medicina de Pariz,
fez um grande servico a humanidade, elle quiz tambem se
occupar da hygiene da boca, e para esse flm elle empregou
todos os ivcursos da sciencia.
A alteraajka dos denies, Eegundo as suas observances, 6
muitas vezes causada pelos dentifricios inventados e empre-
gados ale hoje, sendo elles quasi sempre compostos de acidos
que sao contrarios aos principios da sciencia. 0 S" Pelletier
inventou entao.dous dentifricios, um solido e outro liquido,
ofl'erecendo todas as garanlias que se possa desejar para o
bem estar da boca.
A Odontina da Pelletlar 6 uma massa mole sobre a
qual passa-se a escova ligeiramente. Da aos dentes a brancura
lao procurada sem nunca estragar o esmalte. 0 Olizirio
Odontalgico de Pelletier fortifica as gengivas, perfuma
a boca, e tira o cheiro do fumo. Basta deitar algumas gottas
desta preparacao n'um copo d'agua para lhe dar um sabor
suave e especial.
EPIDEMIAS. Durante os tempos d'epidemias, cho.
lera, febrc amarella, bexigas etc, e muito necessario tomar
precaucOes hygienicas. Sem mudar nada no seu modo de vida,
deve-se evitar todo excesso em tudo, sendo susceptiveis de
enfraquecer mesmo momentaneamente. Lavar-se umas poucas
de vezes por dia e deitar nos quartos, agua fria na qual se
deitara umas colheres de Licor Labarraque. En tempo
d'epidemia, este licSr empregado d'este modo e o melhor pre-
servativo. E tambem muito util nos paizes quentes para
desinfectar os quartos dos doentes.
Para purificar o ar e destruir os miasmas que se produzem
nas inhumacdes, os quaes sSo muito perniciosos, deve-se em-
pregar sobretudo este lic5r.
Convent ter muito cautela com as numerosas falsiflcacSes.
AVISO. Una instrneao dctalhada acompanha sempre cada um do* productos a cimn ltionctonnadon.
Unico depositona pharmacia de P. Maurer & C, ma do Barao da Victoria n. 25
ESSENOA CONCENTHADA
DE
DE
Pharmaceutico
Pela escola de Paris
Successor de
Premiada na expo-
siflo de Vienna d'Aus-
tria.
MEDALHA DE MERITO
ARISTIDE SA1SSET J. SODM
Tratamento paramente vegetal verdadeiro pnriflcador do sangue. sem mercuric
A Esseneia de Caroba 6 um remedio hoje reconhecido como nm poderoso depura'
uvc> e csptcial para cara de todas as molestias que teem a sua origem na impureza do sangue,
como sejam : as molestias Stphuiticas, Boubatkas e Escrofulosas, Rheumatisjio, Empwgens, Dab-
tros, Ulciiws, Erup^Ses, etc. etc
0; prodigiosos effeitos qoe tern produzido a Esseneia de Caroha, por toda parte
ocde ella tem sido apropriadamente experimentada, a tem feito adoptar como um dos medicamen-
to" mais segnros e mais energicos para a cura de todas as molestias de natureza syphilitica e
b'abatica.
A cada (rasco acompanba uma insiruccao para a maneira de usar.
1)
Pomada aiili-dar Ima
Cc-ntra as afTecc3es cutaoeas, darthros, comichoes, etc. etc.
I'Dgaento de Caroba
Pr.a cura das boubas, ulceras, chagas antigas, etc. etc.
UNfCAMENTE PREPARADO POR
BOUQDATROL IRNAUS, SUGGESSOBES
Bolica Franeeza
22 Rua do Bom Jesus 22
AMIGA RUA DA CRUZ )
PRESERV4TIV0 DA ERY8IPEL4
DO
Bacharel Kanoel de Siqucira Cavalcanti
Remedio efflcaz,n5o s6 para curar qualqaer ataque de erysipela, como
para impedlr o seu reapparecimento.
Approvado pelo Governo Imperial, acha-se a disposicao do pnbheo
, com as respectivas instruccSes, altestados de pessoas notaveis, e de Medicos
do grande reputacao.
Depositos unicos.
Recife: rua do Barao da Viet ria (rua Nova) n. 40, casa d> Sr.
Rocha Siqueira.
Rio de Janeiro : Cdrte, rua do Ouvldor, n. 78.
Gratis aos Pobres.
ODILON DUARTE & IRMAO
w?iil4MELUrRt5lrTOS .
Pletjiiar!os na cx|>>si<;af> ic l'>-
IT)H|.

m
2 fra

\
0
Lindas popelinas de linho. com salpicos e de listras
assetinadas pelo baratissimopreco de 320 rs. o covado: na
rua Primeiro de' Margo n. 13, loja das columnas, de
Antonio Correia deTasooncellos.
fiPKRVTKIZ
l. AUDAR.i
:\

5fFrneo
HI A
M
[MPERATUTZ
n. n
1.* iHDaR.

Acabam de reformer o seu esUbeleciniento, colloeando-o nas melborM coo*
diccfies possiveis de bara- seir ao publico desta illustrc capital, e is rtm. S.*a. nV
qoilio que for tendeate 4 art* de cabeileireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para bmens como para senbom, topek, chirioo,
coqaea moderniasimos, tranja, cacbept-ign, tocidoa. desenhoa em cabellos, qusdr.J -
mularea, (lores, bouquets e todo e qualquer trabalbo imagintvH nm cabellc
0 Mtabeleciawnto acha-se provido do qua >le rr-allaa n>s mervadoc e.:--av
gairoa, raceba directmente por todia .s vaporea da Europa, as rinos de modas, e por isso pode vender 20 / menos que outro quaiqoat, jaran...iJo
perfeifJo no trabalbo, agrado, sinceridade e pre?o razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estab;leeimento como f6ra ; Tend>de sabefW tm
porcAo e a retalbo e todos os utensilios pert* iMmtRS i artu de cabelleireiro.
N.5 A.Rua do Barao da Victoria.N. 45 A.
LOJA DE JOIAS
DE
Ml J0AQ11M DIHS DO REGO.
A pyra esta ardente- as victimas aguardsra brilhantcs o momento it jr.cnnewso u/
! oa sacrificadores.
Isto posto, espeta fe.com justa rnao, uma prande oaenrrencta do* am.tntes rf-m
que nao devem perder o ensejo de se onverent de objeetoa tae*; e devem n'<> ainda aaaty f.- ar,
qoe depois de toda? essas liqaida?6es, com o novo anno, acabam to as JolAS ieafa afMaa, e t.jo
I tera publico aonde dellas ss possa prow
Aellas! A ellas !
J, IIIIIIT, IE PI!
eafioaor de pianos
Rua do Imper dor55
Ex-afina>lor das antigas e afamadas ca?aj Plcyel <&. Ben, o antigo daM turdir
efficina da casa Alpbonse Bloimel.
Tem a boors de declarer ao respcitsvl publico d**ta tilat", rjBC tcaa aWrto
sua casa de concertos e a^naQdes de piaiios. qualquer qui^ s>!;t n o lado A' mesma casa acabu rt reoVber nm grande aurttOMBla d<> ;i:nos : u'! v
res fabrlcantes de Pans, como Erard PieyeL, Henri Herza Atpkmm B>s: i./, todo*
os pianos sahidos da csa Dbibaut sao uarantirtos
Compra se e recebe so e:n tioca us pianos DSadot. __
ESCRIPTORIO I'.: TACiO PRINCIPAL.
a rua da Ccnipnnhia Pernam- a tua Rota i!o Santa \V\k
bucana a. 2. us. 81 I <
Esta empreza de transporte demereadorias, inaugura o tr.f.'go o'c suas ItoLas no
dia 10 de agosto do << rrt-nte anno.
Nervi;o d EstacAo ilas f inco Poiitaa parii o BeeFfo.
A empreza enrsrrpg-se da entrpgn da> cartas vimlas pela aafjado d bate MgMH
freguez'es, de tirar e eotragar Ifaes ai^ "ss 8 boras At manha, as amestras do assucar
chegado na vespers, pagnr a vista do cntiher-imcnto o re?pcrlivo firto c fazfr end lanro
assucar eos outrcs generos com a maior | romptdao psra o aim.hzem dos cMT-prador-:^
ou recebedores.
0 prego do Iransporte comprehendidos os servifos aiima mencijundos, a cargo,
descarga, e arrumaguo no urmazerti 6 :
Por sacco de assucar................ 12 rt'-is.
Por fardo de algoilao............... 160 rois,
Ancoras ou barris a razao !e......... 2S0OO reis a pipa.
As car gas drstinadas tua engenlMS e vemellidas pelos f'rt-gv.ezes daemprca i'.r
transportadas gratuitamente para a etlagao das Cinco PonUtx, fs^rdo recebi^os ivlo sxj
onde imtirem ostrilhos, ma* em qualquer ponto dos bairros do liccife e Sanio in-
onio.t
Servico do Forte do Blaitns |iara as'ruas =* Apolla e Br .in.
A empreza enrarrr-ga-se de tec dt com o sen p ssoal os assuwres e mais g aero
dos trapicbes ou do cses, com din-ct^ao aos armaz^ns A*8 mas do Appollo e tfttO)
quaesquer outras do bsirro do Recife na r.roximidaile do Boasliuht*.
0 preco de transporte comprehendida a larga e dvscargi eomtmOfSc W> /.>.-
zem i;
Por ss-'co do sssucar................. 80 rm's.
Por fardo de a od3o................. 100 reis
Por angoras ou birris i rozao de...... 1)53 0 r<5is per pipa
Recife, 1 de agosto do 1874.
TguFdTchInolim
PARA TING1RINSTANTANEAHENTE OS CABELLOS
PREPARxBA POR
1ABTH0L01EO & C.
Pharmaeeuticos da Cusit Reui de y. IS. V fc)l itei de Portugal :
premiados em diversas exposicAes com o primeiro premio de
sua classe
Unico composto, cuja base principal sao principios vegetacs, que p6de por isso ser
usado por tempo indifinido sem o menor rcccio de alturacSo do saude. Esta agua ad mi-
ravel da" aos cabellos, *m poucos minutos, uma cdr e brilho natural, dcsde o castanbo
atdo negro, e ao contrario detodns as tinturas cmhecidas, tem um aroma agradrSilissi-
mo, que facilita o seu us as senhoras, aind3 as mais difficeis. Ajfiangam-te os srus rc-
sultados e effeitos inoffensivos, quer a applioa^ao seja limitada a barba, qtier comprehen-
da os cabellos da cabe$a.
IfKPONlT9 GER4L
Pharmacia e drogaria
34Him larga do liozario34
'ERNAMBUCO
PREPARADO POR
BARTHOLOMEO & G.
Pharttiaccnti<'os da casa real k S. N. F. el-rei de Portigtl
Premiados em diversas expo^icoes com o primeiro pre-
mio de sua classe.
0 xarope vegetal americano, garantido pdram^htr vboktal, nao contam em sua pottosipao
um so atomo de opio, e >im 6nierft sni-c.< de jilaota* niiKeoas, cuiaa praoriedadea ben-ri.-as aa
cura das molestias qne pertxncfin aos orga da re* iirac4, tem sido observadas por loufo teatpo oe-
los medicos mais distincios .|ne u re o amindam e pr bron-
cbites, tanto agudas como ehr>oica* as hma, fcMfl s rebeW^j, e grao e sontra as irritates nervosas.
BKPnSITO GRRAL
34 Rua larga do Rosario =
PlKiNAMHULO.
34





Sfrw> 8mm>w> ^Stf*-***-- 6 <&fl0Mp* *b rjgM
/
Boamoradia. ,
A*av?e o sitio da ttrda de AguajFria' n. 5
boa para ii!iefosa..far.i!ia e exoelleole
baabo uo riaeho Jaeare. pcrto da eslar-ao do ca-
naiaAo d ferro : a trtar ua ma Ptirmiro de Mar
> 23!______________________________
Cum instanlaea
feandiosa descobertalll
rsovidad'D importantissima 111
Oubo quotidiano de am calix do superior vtoho
SENERQ50 que se vende no 1 andar do sobrado
a. 55, a rua da Cruz, tem a propriedade de subs-
Brtnir eorti grande vantagem e exlraor Jinaria ceo-
semia, os depurativos tao aprcgoados e canheci
iw pt sai^A o carAba, etc. 0 mediramento que
asaoneiamos, na> cuValodas at moles lias como
saerede as panaceias quo se annunciam, acompa-
utodas de atteitados; todavia, restabeleee imme-
*ajamente as forcas, e purifka o sangue, sem a
iasTaBtagem de ser nocivo a satide.
---------------:
. Aluga-se nrna casa iprr-a na rua dos Pesca-
dores, com 3sbla>, '< quarts, cazraha lora e quin-
tal grande, com ;icimna : a a/iiar na trave-sa de
S. Jos* n. 2* v.11 VJ. V
Banhos e dormida fresca no
Monteiro.
Atoga-se alii duas casas pequenas, lendo cada
ana, duas salas, tres quartos e coziuha : a tra-
tar na rua Nova, loja n. 7.
Lin novo rival!
Pan nma cidade tao populosa como a nossa, e
pot eerto insuffleienai a existen ia de nm unico
Jtabeleeimento no genero daquelle qne se deno
arJna Conftitaria do Carapos.
fc tste o moiivo porque acaba de sbrirse a
eoBTBrrencia publics no bairro do Recife a rua
io Commercio n. 22, uma casa commoda e de-
eeate, sob o titulo de Assembler 4o Commercio
cude o respetavel publico eneonirira sempre
fee precisar, o necessario para :
I'm easamento.
Uma soiree.
I'm bapnsade e
Urn lauclie.
fla tambem :
Grande variedade de bebidas Unas.
Com, 1.lo sortimento tie daces para embarqaes.
Bobnhos sorlidos e fructas de delicado tabor.
Bandejas caprichosameute preparadas.
Fiarnbres e lanche a qualquer bora.
Tqo\> com esmerado aceio, presteza e precos eqoi-
taiivos.
22 Ru i do Commerck) 22
Meira & Lima /
Assembled do Commercio.
iSCRAVO FUG1D0.
Fugio do eogenho Alalaya, na freguezia de Se-
.inhaem, no anno de 186'i, o escravo Francisco.
malato, com 16 a !8 annns de idade, pouco mais
M n!:;iis, altura e corpo regulares, olhoslrasos e
tnn, c6r bem :lara, eabelloa boos, denies per-
feitos, n^riz alilado e curia, feicao bonita, seao
barba, muito moderado, pi>s seccos e bem feitos.
Odito escravo foi do Sr. commendador Antonio
dos San os I'ontual, senhor do engenho Cabeca de
fegro ; comprado ao corret >r Oliveira, raorader
10 Recife.
Fogio do engenho Ajudiote,.na freguezia da
Esean no 2nno de 1872, o escravo Guilberme,
- siguaes seguintes: pardo, com 25 annos
Se, pouco mai: ou menos, altura o corpo
es, eabelios caoheados, olhos grandes, rosto
ecr.> id >, con alguns ngoaes de barba, nariz
eostiprido c um tanto arquerda, deLtes p^rfeitos ;
S*n> nmas sardas pelo rcslo, e faz moviniento no
torpc ijnando acda, e na occasiao dt cumpnmm-
tar a tlgnma pessoa. le a o cbapeo por cima da
csbf:_-.'. para a retagnard, c muito alcgre ? diver-
fido. i'-MMtilia-^e que estija na cid3de da Para-
ou em Nazareth. I'or tanto, roga-sc as
- lades policiaes e aos capitles de campo a
hensSo dos ditos escravos e serem entregues
nbnr, Emilin Pct.jrA.de Araujo, no refe-
'i1''. de-quern l'p paga di 300^000
SB. 0 (.-cravo Guilhcrme tem
rriz sobre cma soi>rancelha.

Aluga-se
uma excellente c3.-a terraa em Olinda, pateo de
S. Pedro Novo, com gag e agua : a iratar com
Marc lino de Souza Travassos, no Forte do Mat-
tOS. KdW
Antonio de Azevedo Villaroneo.
Pelo presente sao convidados o aBlbados e aii-
Ihidas do Antaolo de Azevedo Villaroneo, failo
cido em Portngal no mei de oulubro de 1873, a
apfaMotarem dentro do prazo de 60 dla<, a con
tar desta data, a cortidao d* tea sascimento, em
caia do abaixo assignado, testamenteiro instituido
pelo dito fallecido, atim de que. sejam devidamente
atteadidos na partilba a que leal de proceder-se
com a precisa igualdade, de accordo com a d'lpo-
sicao testamentaria. Recife, 10 de setembro de
187i.Man.el Azevedo de Andrade.
Attensao.
Fortunata Fortes a visa aos pais de suae alumnas
e em gcral a todos os cbefes de familla, unto daqui
como de fora, que se scha mudada para o t* an-
dar do sobrado a 11 da raa Nova, onde continiia
com soa aula de imtroeclo pfimaria, eoetaando
tambem todos os trabalhos da agulhi, bordedos de
todas as qnalidades, trabalhos de la, crocket e (lo-
res, com muita perfeicao; e em sua casa ensiaa
tambem o francez, desenho, nrasica e piano, por
tor para isso eseolhidos profesaores. Acetta ext r-
nas e internas, affiinca bom tratamento, moita ap-
plicacao, e o preco mais favoraVbl qne em outra
qualqner parle.
)*
N. 21,


1' e 2* andares, CamMa
do. Carroo.
el lOuealino Reso
VatlletMa
MEDICO
Consoltas das 7 boras da manba as
9 l]2.
r.tiamados por escrioto.
Especialidades. Doeocas dos pnl-
mdes e do coracao.
Exmos. noivos.
Cbamarros a vossa atttncao para o novo esta-
uelecimento qne acaba de abrir-se a rua do Com-
mercio n. 22, denominado ASSEMBLEA DO
COMMERCIO onde se preparam nea< baddejas
com grande variedade de bdinhos caprichosa
mente enfeitados, tambem se apromptam bou-
quets.
Assemblea do Commercio
Meira & Lima
22 Rua do Commercio 22
frecisa-se
alugar uma escrava para vender na rua : a tratar
na rua do Cahuga n. 3, 2 andar.
HOTEL
Hestawant de Bordeaux.
Alierto toda a noite, nos dias de especta-
culo da enmpanhia itnlinnn.
ORES
Na travessa da raa
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mss-
mos metaesepedras.
idar do sobrado da rua do Vigario n. 5, com
" e bons commodes para familia, e agua
I: a tratar no armazem da travessa do Cor-
to n. 23.
11 i
* Olmda, ao mais beilo
loUaJ, no pateo de S. Pedso-Novo, onde passava a
fesia o coronel Vileth : a tratar no Cofredor do
BigBfl n. 73.____________'_______________
Lh|iiftfa$ao a drnbott-o
ATeffa -dcdfio'ml^fiM!
ultaittde't'sfrTr, rtat da fmperatrfz n. 54,
a a prbrfcrw* do fa# ha dte-iWelaor em fa-
i, e por modreos preroi.
MOFINA
Est^ etiootira^ado !! f
Asua mole em pedra dura
Tanto ftoca-se ao Htm. Sr. lgneeio Vieira de Mali
ssorivao na cidade de Nazareth desta provincia,
faror de vir a raa Dnque de Cax-ias n. 36, a con-
clnir aqnelle negocio qne S. S. se comprometten a
realisar, pera' terceira chamada deste jornal, em
Bade dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passoa a fevereiro e abril de 1872, e nada enmprio;
i por este motivo e de novo chamado para d
im, pois S. S. se deve lembrar qne este negoci
le mais de oito annos, e quando- o Sr. aen mho
ichava nesta cidade.
O Monte Lima
lam nm completo sortimento do galao e franja de
ouro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
feaaaaduras dourades para olBciaes, eanuiilhos e
enfeues para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragpnas, charlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc. ; assim como nm completo sortimento da
raDJas, galao falso para ornamenlo, cordao de la
com borla para quadros e espelhos (conforme o
gosto da eneommenda) tudo por mnito menos
preco que em ontra qnalquer parte : na praca da
Independencia n. 17, jnnto a loja do Sr. Arantes.
Alttga-se o armazem do sobrado da rua D.
Maria Cesar n. 37, proprio para recolher fazendas
por ser muito espacoso e reedidcado, ou para
qualquer estabeleeimen'o : a* tratar na rua de Do
mingos Jose M rlins a. 48, antiga Senzala-Velha.
do-se desligado da sociedade da casa commercial
existente 4 ma do Barao da Victoria n. 26, sob a
razao de Arapjo, Carvalho \ C, acha-se novamsn
te estabelecido na sna arte, a rua do Marquez d
Olinda n. 46, andar, aonde os seus numeros
freguezes o encontrarao prompto para execut
qoalqner obra tendente a ana arte, com esmero
prumptidao.
d 9 Santos Oiiveira, arrematante das divi-
mas?a fallida de Thomaz FcrnanJes da Cu-
. aviaa aos devedores da massa fallida qne
em pagar seus debitos a rua Duque de Ca-
: :i. 70.
Credores
Massa fallida dc Thomaz Fernandes da Cu-
nlia & C.
Samcel P. Johnston & CTadministradores da
massa de Thomaz Fernandes da Cunha, convidam
aos ere tores da mesma massa pira apresenttrem
os sen< titulos deolro da prazo legal de oito dias,
atim de verilicar o? mesraos titulos: a antiga rua
daSenzalanova n. 40 e 42, em 29 do setembro de
1874
'
" n ;''>
padre Francisco
dc
i
eslaheleciincnlo
C.elho t'e Lemos e Silva,
i respeitavel pnblieo, e principnlmente
m prest-mosos freguezes, que tem mudado
i "stabelecimenta tvprgraphico, e tudo o
its que linha no sen rstabtlecimento na rua do
r n. 15, para a casa amarella, sita no
I (freguezia do Poco da Pi-nella,) onde sc
. r apto para presi.'.r os seus servicos, com
slla e;,-nd,io e Gdelidade, (do que sempre ba
lo), nos dias uteis. daa 9 boras da maoba, ate
J.i larde.
! Scravo f ugido
.0 ansen'on se da rasa dceu senhor no
le setembro, e lem os sipnaes seguintes :
. nlo, cdr fute. reprasema tor 35 annos de idade,
i mais cu menos, tem algumas sardas ou
B ihas no rosto, p<;s grandes e calcanhares fj-
e os-dedos enolhidus, tambem tem uma ci
ratriz riss costellas proveniente de uma qneimadu-
r.o e outr> igual em uma das pernas : roga-se as
po i :iae8 a aos Srs. capitaes de campo
: :i".nderem e reine !e lo a rua do Boa
- /i. id, 1 aodar, quo serao generosamenle
L'ljmriPRsados.
Escravos fugidos
Omtinnam a estar fugidos desde o anno de
1870, os escravos segointes : Francisco, crioolo,
com 28 annos de idade, pouco mais ou menos
altura e corpo regulares, olbos grandes e brancos,
denies perfeitos, cabellos carapiahados, uma ci-
eatriz por cima do olho esquerdo, barba a Cava-
nhac, muito conversador e risonho. Antonio, ca-
bra, com 23 annos de idade, pouco mais ou me-
nos, alto, secco, o'hos grandes e vermelhos, ca-
bellos um tanto soltos, pouca barba, dentes per-
feitos, pes compridos e seccos ; ambos foram com-
prados ao barao de Nazareth. Deseonfia-se que
os ditos escravos estio oecuitos na comarca de
Pajefi de Fores, ou no Rio de S. Francisco. Ro-
g--se, portanto, as autaridades policiaes e aos ca-
pitaes de campo a captura dos mesmos escravos,
e serem entregues a seu seu senhcr, Emilio Perei-
ra de Araujo, no engenho Ajudante, na fregue-
zia da Escada. de quem terao a paga de 3004000
por cada um.
No ui:. 28 do corrente teem de ser arrema-
tados pelo juizo de paz de S. Jose, diversos moveis
pertencentes a Januario Jose" Ferreira, a requeri-
mento de Joao Gomes da Gosta, as 4 horas da
tarde.


ALUGAR
uma grande casa terrea com bastantes commodos
sita na estrada do Lucas : a tratar na rua do Vi-
gario n. 31.
Precisa-se alugar uma es-
crava para andar na raa : a
tratar na rua do Cahuga n. 3,
MA
seguooVandar.
PreciJa-ae de oma ami que saiba eozinhar ;
i rua do Vigario n. 19.
na
Quem precisar de alugar
uma sacrava boa coainheira e
que Hi Wdo o mais aerviro de
uma casa : dirija-se a rua da Soledade o. 92,
jnnto ao sobrado do Sr. Guimaraes.
AMA
Catharina fagio.
No dia 28 do agnsto proximo passado, ausen-
louse esta escrava, a qual tem os stgnaes seguin-
tes : e>tura baixa, rosto redondo, c6r pfeta, pes
pequenos, costumava vendor leite, auda sempre
com um cacele que Ihe servo de arrfmo por sof-
frer de rheumaiismo, ja e idcua e de nacao Cam-
binda : quem e encontrar, pegue-a e leve-a ao sitio
do Cafundo, estrada de /oao de Barros. qne aora
gratificado.
Escravo fugido.
Fagio do engeuho Ajudante, na freguezia da
Escada, no mez de juaho do corrente anno, o
escravo Martinho, de cor preta, com 2i snnos
de idade, pouco mais ou menos, altura o corpo
regulares, olhos grandes e brannos, com principio
do barba, dentes perfeitos, cabellos car;.! inhados,
pes grosos e compridos ; anda um pouco decli
nado para frente, com a vista firmada para o
chao; e muito cantador e official de earreiro.
DeseonGa-se qne o dito escravo esia oeenlte em
terras do engenho Para, na freguezia de Ipojnea,
pelo que, incorrera nas penas da lei, quern o liver
occulto. Roga se as antoridades policiaes e aos
capitaes de campo a captura dn ditn escravo, e
ser eotregue a seu .'enhor, Emilio Perelra de
Joao Correia de Carvalho, aitista alfaiate, ten- Araujo, no referido engeqho, de quem larks a
a paga de 50/000.
Aluga-se o 2 andar e sotao do sobrado
da rua doRangel n. 73, todo reconstruido e
assoiado, com bastantes commodos, escada
independentc do \. andar, e bem assim o
quintal; sendo muita fresco o com excel-
lente vista para a nova pra<;a do mercado :
para ver as cbaves, estao no estabelectmen-
to de molhados do mesmo predio, o para
tratar na thesouraria das lotorias com Auto-
tonio Jose* Rodrigues de Souza (seu pro-
prietario.)
Governante
Precisa-se de uma senhora para governar e di-
rigir os servicos de uma casa de familia, e qne
entenda bem de costuras e de cortar vestidos :
iratar na praca do uirpo Saoto n. 17, 1 andar,
das 9 horas da manha as 4 da tirde, ou na rua
Duqae de Caxias n. 81, 2J andar, entrada pela
praja de Pedro II, antigo largo do Coil"gio, de
manha ate as 8 horas, ou das 5 da tarde as 7 da
noite. ______________^_____________
Aluga-se o 1 andar do sobrado da rna da
C ncordia n. 34, pintado, com 6 quartos, 2 boas
salas e cozmha fora : a tratar no 2* andar do
mesmo.
Deciaracao
AO N. 9.
N> progresao do pateo do Carmo vende-se man-
-' i i gl z i iior a fOO rs. ?. libra.
Vigor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
beilo, restituicao de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
O Vigor do Cabello 6 uma preparacSo ao
impo agradavek saudavel e efficaz para
o cabello. Por meio do seu uso 6
^ri.salho, e enfraquccido, dentro de
opo revolve a cor que lhe natural o
'. e adquire o brilho o a frescura do
cabtllo t'a juventude j o cabello ralo se torna
dtnfo e a <;dvicie muitas vezes, posto que nab
-.sea todoe os caos e ututralizada.
Ndo ha nada que pode reformar o cabello
depois dos foil iculos estarem destroidos, e as
grades canaadaa e idas, mais se ainda restarem
algn-Tis iHxlem ser aalvadas e utilizadas pela
roJicacie do Vigor. Libre de essas substancias
dafeterhu que tornam muitas preparacoes de este \
fOKiu tarn nocivas e destructivas ao cabello, o
rigor so mente lhe e beneficial. Era vez de
ajar o cabello e o f;izer pegajoso, o conserva
fimpo e forte, embellizando o, impedindo a queda
o t ruar-se ruco, e jK>r consequinte prenne a
calv--'(.
_ Bean mm da toilette ntb ha nada mais a dese-
i '"T.rendo oleo nem tintura, nSo pode
Pura Iratar de nm pcqueno sitio em S. Jose do
Manguinho, ainda se precisa de um homem que
tambem entenda de jardim : passando a refi^acio,
o primeiro sitio do lado direito com portao de
ferro.
Pemeu se na noite do dia do corrente um
altinete de ouro com 3 ou 4 perolas, indo se da
rua do Atalho, passando pelo pateo da Santa Cruz,
rua do Visconde de Pelotas (antiga do Aragao),
ate a praca do Conde d'Eu : a pessoa que o
acuou, querendo restituir, pode leva-lo a rna da
Imperatriz n. 13 A, que sera generosamente gra-
tificado.
E. A. DELOUCHE
2-4-Itua ?lo Marquez k Olinda-2,
lvs|uina do beeco Largo
Participa a seus frpguezes e amigos que mudon
o sen estabelecimento de relojoe'ro para a mesma
rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, doe melhores gostos e qualidades, relogios dc
algibeira, de todas as qualida es, patents suisso,
de onro e praia dourada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro, inglez, desenberto, dos melhores
fabricantes, eadeia de ouro, plaqnet e prata Jnnetas
de tod>s as quahdades, tudo por precos muito ba-
ratos.
Alnga-se ou vende-se uma grande casa terrea,
em Olinda, propria para grande familia ; tem gaz
e agua encanada, sita a ran do Aljnbe n. 31 :
tratar na rua da Imperatriz n. 86, i. andar.
Alnga-se por prero razoavel uma casa na
povoa#o do Caxanga : a tratar na rua do mpe-
rador, livraria Universal, n. 54.
Massa fallida de Pereira de
Milo & C.
Os credores podem receber o primeiro dividen-
do -1e 20 por cento, aprisentando os titulos para
serem annotados : a rua do Commercio n. 34, 2."
andar.
. Caixeiro para molhados
Quem precisar dc um menino recernchegado do:
ruato, para praticar em imJhadus, dirija-se a rna
da Palma n. 34.
Attengao
Madawa Albuquerque &
IfHaa.
Rua 1." de Marco n. 14, i. andar.
Teem a satisfacjto de avisar as Exmas. Srs.,
qne recebem por todos os vapores, flgurinos, os
quaes estao patentes para todas aqugllas que qui-
zerem vestlr-se com gosto. Sendo sens trabalhos
perfeitos e mais baratos dc que em outra parte.
14 Rua do Crespo 14
Juan Buson deehra para conhecimento do pu-
blii-o, que nunca teve negucio com o Sr. Paulo
Feroandis de Hello Guimaraes e nem antnrison a
pessoa alguma a comprar fazendas em sen nome,
por conseguinto foi iodevidamento considerado
como devedor a dita casa. A pessoa que Ihe cora-
prou foi nm sen jempregado, cuja quantia de rs.
32*060, que appareceu no Jornal ilo Recife a. 207,
de 14 do mez passado, ja tinha sido paga em 6 de
jnlho de 1872, como podera verilicar a pessoa on
pessoas que lenham arreraalado dita massa.
Aluga-se na rua do Progresso uma meia-
agua, por prec/o modico : a tratar na rua do Cal-
deireiro n. 54.___________________
Na estrada de Joao de liarrus confronte a
capellinha, alnga-se o grande sitio n. 21, com mil
palmos de frente e 2 e tanto de fnndo ; uma ex-
cellente casa com 4 grandes salas, 8 quartos, co-
zinha fora e quarto separado para despensa, um
grande terraco sobre columnas e gradeamento de
ferro, estribaria para 4 cavallos, casa3 para cria-
d- e escravos, 2 cacimb is com excellente agua
para beber e lavar ronpa, boa c sa de campo,
grande numerode arvoredos dediversas qualida-
des de fructas: quem pretender, dirija se ao mes-
mo sitio, das 6 as 8 da manna ou das 3 l|I da tar-
de em diante.
Uhegados de novo.
tendc-ae.
Troca-tto.
No armazem do vapor francez, a xaa do Barao
da Victoria, outr'ora Kova n. 7.
MOBILIAS
de vime e de fain.
Vende-se muito errrjeonta ; cadeiras avulsas, de
balanro, de bracos e de dobrar : no armazem do
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, outr'o-
ra Nova n 7.
Petfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
irilice, agua de flor de laranja, agua de toilets,
diviha, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
crosmeticos, uraitos artigo dehcados em perfama-
ria para presentes em frasccs de extractos, calxi-
nhis sortidas e garrafas de dirTerentes tamaaoes
d'agna de Cologne, tudo de primeira qualidade
dos bem conhecidos fabricantes Pive'r e Coudrav,
No armazem do Vapor Praneez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n, 7.
Quinquilnarias.
irtlgos de diflerentes gosto* r
phantnzius.
Espelhos, leques, lavas, joias d'onro, tesourinbas,
oaniretes, caixmhas de costura, albans, quadros,
eeaixmhas para retratos, bolsinhas de velludo,
dita de couro, e cestinhas para bracos de meninas,
chicotes, bengalas, eculo, pencinez, ponteiras para
charutos e cigarros, escovas, pentes. eartefrinha de
madreperola, tapete para lanternas, malas, bolsas
de viagens, venesiaaas para janellas, esterioco-
pos, lanternas magica,cosmoramas, jogos da gloria,
Je damas, de bagatelta, quadros com paisagens
globos de papel para illuminates, machinas de
fazer cafe, espanadores de palhas, realejos de veio,
accordaos, carrinhos, e bercoa para criancas, e
outras muitas qainqnilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade qne se pode desejar de to
dos os brioquedos fabricados em differntes parte?
da Europa, para entretimentos das criancas, tndo
a precos mais resumidos que 6 possivel: no ar-
mazem do Vapor Francbz, rua do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova n. 7.
Galcado francez
A 9$
Botinas para homem
^Acabam de chezar grandes jacturas de botinai
de bezerro, de cordavao, de pelica. de duraqut
com biqueira, de bezerro com botSes, e com ilho-
zes a 9f5000 (a escolber) por ter vindo grande
quantidade por conta e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, & rna do Barao de
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pietas, brancas e de cores. diQerentei
lisas, enteitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos.
pretos e de cores dirTerentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de tranca.
Para raenlnas.
BOTINAS pretas, brancas e de cdres differentes.
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de iranca portuguezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
ABOTINADOS e sapaloes, de bezerro, de deversas
qualidades.
SAPATOS de tranca.
Botas de montaria.
Botas a Napoloao e a Guilherme, perrr
meias pernciras para homens, e rneUs perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7.
Alnga-se a c^sa da roa do Priccipo n. 20,
com quintal e cacimba, 5 quartos e 2 salas: a tra-
tar na rua do Bom Jesus n. 31, 1 andar.
Asfociacao commercial be-
neficente
Compra-se os relatorios dos annos de 1833 e
1857, desta associacao : qoem os tiver e quizer
vender, entendase com o archivista da mesma.
do Com-
Taaao
uma casa na villa de
raercio, por preco modico
Irmaos & C
Bazar das
Reis elSilva & Guimaraes, proprielarioi
oral importantc loja, sita a rua do Duque 4a Ca
xiaa n. 60 A, esquina da estreita do Kc
intuito de atisfazerem seus fregueies,
solvidos a vender por menos 50 por cento
emoutra qualquer parte; pelo qne poem aj
sicio do respeitavel publico, e especialr
hello sexo, as seguintes fazendas com os
Vos precos:
Riquissimas oalonezai de gorgurao preti
mente enfeitadas, pelo diminuto preco de!
cada uma.
Lindissimas popelinas, padroes ioteirame,
vos, que vendemos poto dtminaio Ireco del
o covado.
P.pelinaa de dafferentea gosios, mteiiameHno
5S V uB pel pre5 U60^c-
mente nova, qmVse' vtM; ptfr.tW i'sTcov
muito harato I
Lindissimas alpacas, goitos fiovos. mu|
gas, qne ven*n^t*!lipWo f-tpobo o
Lindas alpacas pretas coml istraa branc
to larga*, qne vendemos pelo diminuto
U000 o covado.
Setira branco macao, Uzenda muito snpfl^, a
2*000 o covado. 1
Rfqirisnnras caTIinrras c'ofn efflUho, caHfeai-
xinha coMeoao a dfltla do len^s,-aeloa Met>?
segnmtes : a*l^e^6*G0, 6*500 e 3J0OO.
liiquisiimas caiiUahas.de ma'leira nfei(ada%ca-
da caixinha con tendo nma dazia de.meiao|bra
senhoras. pelaprpco de 5*500 e 6/fWO.
Ijen^M i)Ta^W)a, 'ffHenwfc UnlnO SofRfflor 2*PA.'1
a duiia.
Liadissimas oarabraias brancas bordadal com
listras de crochet, fazenda inteiramente aeva *
1*"1 o metifo.
Riquissimas sahts bordadas para eenhajBF, >
6*000 nma.
Um completo sertimeato de lacinbas de #are-
fazenda muito boa a 200 e 360 rs o covado.
Riquissimos pannoa de crochet, tanto para pre
sentes como para Cadeiras*de guatnifao de hL-
a l*uO0 um.
Um completo sortimento de alpacas de tare-.
a 800 rs. o covado. _^
Cambraia tapada, Victoria, n. 26 a 7|M0 a
paca.
Cambraias bordadas com palmas de cores,40^
rs. o Cambratas trawparente? muito Inas, a 0* e ~i
a pera.
Cainbraias Iransparenles Nanssuc, a 4|M0 a
peca.
Um completo sortimento de meias de cores ar.
homem, a 8*000 a dnzia.
Ditas brancas em saniohas, a 6W00.
Ditas duas de 4*000, 4*500, 5*000, 3D0 s
6*000.
Tualhas felpudas muito encorpadas, a 6J600
0-3'i00 a duzia.
Ditas alcochoadas imitanflo linho. a 5*1B0
duzia.
Granadinas com listras assetinadas, a 801 rs c.
covado.
Meiinopreto fran:ez, fazenda muito boa, a 3*
o covado.
Cortes de casemira, gestos novos, a 4*W0 i
o*00(J o corle.
Bramante de linho, rroatro larguras, a 2*300 a
vara.
Dito de algodao com 10 palmos de largura. a
1^400 a vara
Dito de dito trancado, de quatro larguras. a
1*600 a vara.
MadapolSo francsz madraste a 6*800 a peca.
Dito superior lrancoz, a 6*800 a pec*.
Dilo inglez, maravilha, a 5*000 idem.
Dito, elephantc, a4*600 idem.
Um completo sortiraenso de chifas escuras e tia-
ras pelos seguintes preros : 280, 300, 320, 360 .
400 rs. o e vrto.
Um grande sortimento da chales de merino es
tampado3 com listras de scda, a 3*200, 4*5(.
5*500 e 6*000.
Ditos pretos lisos, a 2*000;un>.
Um completo sortimento de algodao, de MHO
4*000, 4;200 e 3*500 a peca.
A3Sim como outras fazendas qoe nao menei>-
namos os precos e qne se vendem mnito barato
Reis e Silva & Guimaraes,
Corram quanto antes a grande pechincha '
So no Bazar das Familias.
Rna Duque de Caxias n. 60 A.
Compra-se ires portas de amarello, qne este-
jam em perfeitoeslado, na rua do Livramenio n. 30.
Aluga-se o terceiro andar do sobrado sito a
rna estreita do Rosari > n. 31 : a tratar no arma-
zem 1o mesmo.
.Ir*i lou|iiitu de Sauza Ramlres.
Arcenio Joaqnira de Souza Ramires e Pedro
Mariel de Souza Ramires, convidam as pessoas de:
sna amizade para assistirem a algumas missas qutf
mandam celebrar por alma de seu presado pai
Jose Joaqnira da Souza Ramires, as qnaes scrao
ctlebradas no convento de S. Franoisoo, pelas 6-
1|2 h..ras da manha do dia 8 do corrente mez ;
pr cujo obzequio se eoufossam desde ia aterna-
mente agradecidos.
Paulo Jon*1 omea
Rufina Maria da Conceiclo lo-
mes, Francisco de Paula Gomes
(ausente), Joao Baptista de Mello
Go nes (lusente), Jos6 Rufino Cli-
maco da Silva, pedem aoa amigos e
pessoas qoeeotretin iaxalacSes do
amizade com seu fallecido marido,
pai, padrasto, tio e socia, I'auUi Jose Genes, o ca-
ridoo obsequio de as.-istirem as missas que no tri-
aaaiu-liar mesmo o mais alvo lenco de cambraia- 15 U Sea Pas?ament"> 8 do corranta, man-
a no .abello ihi Si i ? Idam resar em len,;ao do deseanco etarnc-.de mes-
e dd um luatre luxurroeo, m Bnado, na igreja dos relgiosos carffie1itea,pelaa
tear
MB
ci.. [Mil auc muito ngradavel.
emato a c.,r da barba, d neceaeario
-|.a de que. com o cabello, porem se pode
:.r e.feito envolvei.do a barba de noite
lenco molliado no Vigor.
m i.C. AYER & CA., Lowell, Mass^
Estadc.B TJnidos,
Uxts tiaetUos 0 Anatytiot,
r*G3TDBl SE POft
7 hora.- da manha do referi o dia, one jjor tio
a^.]Kllaladas provas de consideracaq,. Eculo eter
namenie gratos.
Aluga-se o armazem de recolher, do sobra-
do da rua dos Burgos n. 11, por detr z da rua do
Vigario : a tratar com Jose Feliciano Nazareth,
rua da Praia n. 20.
Escrava fugida
Aueentou se no dia -28 de setembro, da casa de
seu senhor, a escrava Veronica, com os signaes
seguintes ; crioula, idade 23 an'ios^ pouco mais
ou menos, baixa e cheia do corpo, olhos vesgos,
cara redonda, dentes limados, orelha oireita maior
e ma s grossa do que a esquerda, pesenco cur:o.
anda ligeira e inchnada um ponco- para frente, nao
encara bem as pessoas em quanto falla, e bastante
ladioa, levon nm vestido de chita clara com flore-
pretas, com dous Dabados, e uma trnnxa com ou-
tre vestido de chita r6xa ; foi comprala ao Sr. Ma
noel Carroll e & bastante conhecida no Recife. Sup.
pde-se que dita escrava esta aconiada em algnm
callogy : roga se, portanto, a todas as. autoridades
polici-es eaos Srs. capitaes de campo que encon-
trarem dita escrava, de leva-la a rua da Impera-
triz n. 27, que serao generosamente recompen-
sados. Zu$
A modista franceza M.E Cle-
mentina Da ura
declara ao respeitavel publico que na sua casa, a
rua da Imperatriz n. 19," fazse vestido* de seda de
qualquer figurino, a eicolher se, pelo crrsto do
12*, de la ou cambrai.i por 8*, e de noivado por
18* ; assim como prepara-se ebapeoa de eneom-
menda e remoderna se os antigos, por preco ba-
ratissimo.____________^______
Grande liquidacao para aca-
% bar, na rua do LiVramen-
ton. hO.
Aos cioco mil chape'os, aenlo dc seda, feltro,
merinO, alpaca, panno, castor, brim e paiha, de
gostas muito modernos e de lindis imas cores.
Aiem disto temos
Pitpelina de seda,'las de todas as qualidades e
por haratissimo prec/o; e outras fazendas do boas
qualida tes e rszJdavol preco : na loja de fazendaB
de Lima Continho & C
ATTENfjAO
Precisa-se comprar 4
portas de louro de 10 pal-
mos de altura: nesta typo-
graphia se dird.
Wfc* Irlli ^fc*o sitio josto a igre
ja de S. Jose do Hangu nho, com casa die vlvenda
xssobradada e outras acomffloilacocs, todo rnnra-
do, com duas frentes erviJas por porlio de ferro,
dando para a rua d. Amizade e para a do Man-
gainho. Tem de terreno proprio 194 palmos de
largura e 354 de fundo ; e a casa m de 52 palmos
de frente e 84 de fundo. A situacao a melhor
possivel para morada, e quem quiier elificar, tera
bastaote terreno para isto, pelo lado da rua da
Amizade. Tem a gumas plantaroes de gozo e re-
creio. havendo bastante agua fornecida por Wnas
caeimbas, nma das qnaes o nova. A entender-s*
com o Sr. Dr. Witruvio quem o pretender.
Alnga se o armazm da rua da Mad re de
Dens n. 30, com sahida para a rna Ca Cacimba
que servia e serve p ra recolher generos de esti-
va: atratarnajuadoDuqua de Catlas n. 75.
Por 300$
fMtpaso_.se a loja dt ma da Imperatriz n. 18,
con. armacao, tres :andieiros a gat 0 mais bem*
feimrias >,a
roa ; p|o preco serve.
PEIIIIEU-SE
am dedal de ouro com as iaiciaes M. F. C S na
oataina da rua da Uniao, npposta a eaiaca'o da
ifttna f'-rfea de Olinda. Conhecendo-se a pessoa
que o achou ou delle poder dar noticia, garauie-
se-Iho uma gratlficacao se o restituir a quera o
perdeu, na rua da Florentfna n. 6.
Fo"
LEIS PRQVINCIAES.
Vende-se no 1. andar desta typograpbia,
em mao do administrado, [CoUeecgoes dt
Leis Provinciaes a 500 rs. o exemplar de
cad8 anno.
PARA LUTO
Vende-se chitas ioglezas pretas com pintas a
200 rs. o^covado, dila franceza muito fina, tanto lisas
como com pintas de 320 rs. para cima ; cantao
preto a 800 rs. e muito lino a 1,000 rs.; bomba-
zinas, princezas e alpacas de todos os precos ;
lazinhas pretas lisas de 400 ate 500 rs. ; assim
como uma grande porcao de retalhcs tanto de
chitas pretas como de las, que se vendem por
precos baratissimos ; tambem uma grande porcSo
ie chales preto- de las a 1,000 rs. por estarem nm
pouco russos : a rua da Imperatriz n. CO, de Fa-
lix Pereira da Silva.__________________
iiii;i do Aniorira n. I
Presunlos inglezes para fiambre.
Queljos londrinos.
Ostras em latus.
Ovas de bacaihao em latas.
Lagostas em latas.
Azei'onas hespanholas em frascos.
Azfcitonas francezas em fraseos.
Saurissas de Oxford em latas.
Velas de eera branca de Lisboa.
Vende-se a taverns sita a rua da Concordia
n. 33, com poucos fundos, e tem commodos para
familia : quem a pretender, dirija-se a mesma.
37.
LIQUIDACAO
NA
Loja de fazendas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores miudas mnito boas para ronpa da
meninas a 160 e 200 rs. o covado.
La pretax, superior, a 400 rs. o covado.
Alpacas de cores finas a 380 e 360 rs. o covad-
So se vendo.
Ditas com listras abertas, fazenda fina, a 6G0 w.
covado.
Chitas de eOres a 240 e 280 rs. o covado.
Metins de cores naiudas a 280 rs. o covado.
C re tones, o melhor qoe tem vindo ao mercado a
400 e 440 rs. o covado.
Cambraias nrar.cas, bordadas a abertas, fazenda
mais flna que tem vindo ao mercado, fazerta
de 2*000 o metro, por 1*000 a vara ; h pe-
chincha.
Ditas pretas com Bores miudas a 200 rs. o eova*.
Cambraia transparente, fina, a 3* a peca.
Dita Victoria, nna, a 4*000 a peca.
Organdy de assento branco e de cores, !
res miudas de seda e de la, a 400 rs. o flMo
E' pechincha.
Cort83 de easemira de cores modernas a $#300 o
corle ; 6 fazenda de 8*. E' pechineha.
Camisas de linho finas, lisas, a 35* a duzia, e fa
zenda de 55*.
Brim branco de linho a 1*400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
Madapolao francez verdadeiro, 24 jardas, >6*i
7* a peca.
Algodao T, largo e superior, a 5* a peca.
Gorgorio preto de seda para vestido e para cq|iete
a 3* o covado
Toalhas alcochoadas a 4*500 a dnzia.
Colchas grandes a 3*500 uma.
Cobertas de ganga, forradas, a 3*.
Lencoes de bramante a 2* um.
Lencos de linho, abainhados e am caixichas t
3*500 a duzia.
DitoS de cara de cores abainhados a 3*500 a du
sia.
E ouiros mnitos artigos que se vende por me
nos do que outra qualquer parte e para se de?
So na lorem quciram mandar ver as araostras.
eoganaja de
Guilberme G.
Para concertar meias
A NOVA ESPERANCA, a rna Duque de Caxias
n. 63, recebeo cesta neewsaria linha.
VENDE-SE
-
Vende-se
>gao
Vende-se no grand* fogao de ferro, obra feita
de anaommealltiUr mais habil artista da cid-de
do Potto, terrf^wta m melhoraraeutus economiens
para gastar pabto eombustivel, serve para lenha
du cok ; sahift-' Wt p"oncos iJias da alfandega, e
vende se por ter sahi4o com proporcoes muito su-
pariords aiuelhn qne exige uma casa de familh.
E* pfoprio para estaueleimentos pits, bosnitaes,
iBteraatos eagraoda hotel, tem dejxraito d agua,
/fl-rJos. guarda-comidas. etc., etc. : para ver, no
caes do Apollo jj. 47, armarore de farinha, e pira
tratar, na rua 80 Amorim n. 37._______________H
~*_ Na rna df M*auex de Ilerval n. 166, precl-
sa-se da uma pessoa escrava on forra para com-
prar e vender na rua.
no estado em que se acha o sitio no lugar do He-
medio n. 18, freguezia dos Afogados, em chaos
proprios, com 349 palmos de frente a 658 de fun-
do, com cacimba e taoqae para banhos, estando
a casa em ruinas, tendo alguns arvoredos de
fructo, e a frente para o rio ; os preteudentes di-
rija m se a sea proprietario na rua de S. Francisco
desta cidade n. 10.
Vende-se ura sitio na povoacao do Afogados,
sito a raa do Motocolombo, com 2 casas na fren-
te e nma no centro, todo murado e plantado,
terreno proprio : a tratar na travessa da matriz
de Santo Antonio n. li, sohrato.
Uma familia que se retlra para fora da pro-
vincia vende nm piano da armario deljen, com
Souco uso, uma mobilia de jacaranda, uma dita
e amarello para quarto, e diversos objectos da
casa de familia : quem precisar diri do Corredor do Bispo n. 17, das 7 as 10 boras
da maoh i, e das 4 as 6 da tarde, que achara
com qoem tratar. _________________
Aluga-se uma casa terrea, grande. com sitio,
no Mondego n. 76, com agua do Beberibe : a tra-
tar na rna da Cruz n. 31, 1.* andar.
Vacca tourina
Vende-se uma vacca tourina, parida de dias,
com cria femea : a ver e tratar, na eoeMra de
Jose Aranba, em Olinda.
Arrnacdo
Vende-se uma de amarello envernisada e toda
euvidrac-ida, e diversos caixilhos, propria para
qualquer aegocio: na rua do Coronel Suassuna n.
45, kola qua foi de oorives, tudo &eri vendido
muito barato :
Veade-ae uma casa
rna das Nympha* n. 1
i daOamioho Novo, na
a %fitr na mesma casa.
Para o fabrico de chapeos
A NOVA ESPERANCA rooebeu o arame proprio
para armaol4 de chapeoa._________^_^
~*Z Vende-so uma importante obra do Dr. Sa-
blno -Theaouro HomeajMntK :' na travessa da
9. Pedro n 10.
/
r



Mill
Diario de FemambUoo T
_*-


'erca feira
6 de Outnbro
de 1*74.
7
Fazendas e attigps de alta
novidade
na
LOJA1PASSO
Rim Primcfro de Marco n. 7 A.
ficordoiio Himaes c.> proprietary
deste importante estabelecimento, no louvavel pro-
prosfto, de aio desmenfirem o conceito qae os
seus aumerosos freguezes lhes tem dispensado
acabaa de receber de sua conu o mais nco sor-'
timento de sedas, popelinas, 15a e artigos de ul-
.ima moda em Pans, e continuarSo a receber
por todos os paquetes daqaella procCdencia ; Dor
sso chamam a atten.io de sens rreguezes e OS
sonvioam a darem am passeio ao aeu estabeleci-
mento, garantmdolhei que encontrarao a reali-
dade do que fica dito, e para pn.va dao um pe
queno rersumo, cnjo rnfallivelufente desperura a
atteucao dos pretendentes.
Mandam fazendas a oasa dea freguezes, e die
amostras mediante peuhor.
,VrtL;os de siUa novidade e
ultima mo da.
Cortes de vestido de linhp guarnecidos de blco
da meama fazenda e cor, trazende flvella, bolca.
iinto, etc etc. ,
Riqaisatmos chapeos para senhora, de cores e
pretos.
- Cortes de cam bra la brancos com lindos bor-
dados.
n; de cores com enfeites da mesma fazenda.
"rino, etc. etc.
Capas de la para meninas e senhoras, guarne-
:idas de artriinho.
Vesfearios para baptisado.
Riquissimas camisas bordadas para senhora.
Leques de madreperofa, para noivas.
Ricas colchas de seda, para easamento.
Cortes- de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda branca e dilo preto.
Sediobas dj delicades padrdes.
Setim Macao de todas as cores.
Grosdenaples pretos e de cores.
Vellncto pri'to u damasco de seda.
Graaadine preta e de cores.
Filo de seda branco e preto.
Ricas basqumas de seda.
Casacos de merino de cores, II, etc
Manas brasiteiras.
Capellas e manias para noiva.
Cambraia de pores, aitas mariposas feraacas, de
cores, lisas e bordadas.
Flor do bosqec (novidade).
Percalinas de quadros, iistres, etc
Brins de linho para veslidos.
fustio de cores.
Saias bordiidas para senbori.
Grande sortimento de camisas de !inho lisas e
bordadas. pcra homem.
Meias de cores para bamem, senhora, meninos
meninas. *
Sortiments de chapeos de sol para homens e
senhora.
Merioas A; cores para vestidos.
Dito pieto trancadoe de varao, bombazina, can-
-io, alpaca, ic. etc.
Atoalhado de linho e tlgodSo para loalbas, e dito
pardo.
Damasco d U.
Brim de linho branoo e de cores.
Satins de lindas cores com liatras.
Chales de merino de cores e pretos
Ditos de touquim e ditos de casemira.
Can.isas de chita.pwa tomem e dilas de-fla-
aella. t
Ceroalas de linho e ditas de algodao.
Pannos do crochet ara sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e eitos de latn-rintho.
Ricos oertes de veesidos de tarlatana, bordados,
para bailes, e tarlatana de todas as cores.
Colchas de damasco de 14, -e dilas de croohat
Esparttrios lisos e bordados.
Foulard de seda, lindas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Casemiras pretas e de cores.
Hqellna.
Neste artigo temo? urn variadissimo sortimento,
nao so em gos';o como em qnalidade.
Las
com listras de seda, ditas com palioas bordadas,
ditas transftarenles e de Odtras muitas quabdades.
t Luvas
de pellica brancas e de cores, do rerdadeiro fa-
ricame Jonvin.
HjulIiiicuw :
.apetes para &ola, cadeiras, cama, entrada, etc..
arnbraias brancas, chitas dc todas as qaal'dades,
oadapoloes, esguiao, hretanbas, bramantes, algo-
i^es, collarinhos, pnnhos, meias para homem e
-enbora, punhos e collarinhos brancos e de co-
res para sections, gravatas para hemem e senho-
.. peitos bordados, lencos de linho brancos ede
cores, ditoc de. cambraia de linho, toalbas, gnar-
Janapos, panno fino, etc., etc.
Loja do l'asso
Rua Primeiro de Mar^oc 7 A
antiga do Crespo.
Grande liquidaiQao de fazenda s
NO
Imperat riz N. 11
DE
72.Rua d
Mendes Guimaraes & Irmaos.
Cortes de casimira a 4^, 5^
e 6#000.
$* loja do favio, vende-se cortes de ca-
semira para ca1?a a 49, 59 e 60000, dftos
Tendo os proprieurios deste estabeleomento- resolvido diminuir o graodo deposito de fa- muito fin(,sde urha sd COf com Kstras 80 la-
zeadas, enterfderam fater esta grande liquidagio, omose \d dos precos abaixo menciortados : "> "zenda qoe sempre se vendtu a 9f o
W00, liqaida-se a 6000 para acaberf :
Organdy.
Organdy de acento branco e de cor, com flo-
res rniuda^ e Mstras de seda e de li a 400 rs. o
covado, 6 fazenda de j, e 6 pechincha : s6 na
ra io.Cntw n.30. U|^di Gmlhexaie A d
~
E biiuila
Casemiras
Chitas largas a 160, 200 e 280 rois.
Vende-se cfiius franeezas e Unas a 150,280 e 320
o covado.
Laxinhas a 120 Wis.
Vende se lazinhas para restidos a 120, 240, 390 e
400 reis o covado.
Chitas para cobertas a 280 reis.
Vende & chitas para cobertas a 280 e 360 reis o
coVado.
Alpacas de cores a 640 reMs.
Vende se'alpacas de cdres, flnas, para vestidos de
senhoras, a 640 re"is o covado.
Mftim de cores a 320 reU.
Vende-se metim de cores para vestidos de setho-
ras, a 320 reis o covado.
Cassas fluas a 280 reis.
Vende se cassas franeezas. finas a 280, 320 e 360
reis o covado.
Cambraia Victoria a 3/000
Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 31,
3/900 e 44000 a pe>.
Cambraia transparente a 2 e 3/000.V
Vende-se pecas de cambraia transparente a 3/,
3*500, it e Si.
Corlinados a" 14 JGOO.
Vende-se cortinados bordadoS para camas a lii'
16/ el8i.
Ganga amarella a 400 r^ts.
Vende-se ganga amarella para veslidos de senho-
ras e roupa parameninos. a 400 r6is o covado.
Brim de cores a 400 res
Vende se brim pardo e de cores para ca'c,is s
400 reis o covado.
Tualhas part ros'to a 700 reis.
Vende-se toaihas de linho para rosto a 700 e'800
reis cada uma.
Chales de lit a 640 reis.
Vende se chales de la de qdadros a C40 reis, cha-
les de metlm a 14160 reis, chales de merino
lisos a 24, e chales de merino estampados, a
3/600, 4/ e 5/.
Abertnras a 24009.
Vende-se aberturas de IJnho bordadas, para ca-
i rua da Imperatriz d, 60, de Felix Pefeifa
fltouva.
V
eccmomica
Qtm glycerina pmaria pan. a censertacio do ,ar('e fi
oordovao; vende a So VA ESPERANgA, a naD*
que de Caxias n. 63.
0^ DESENGANO
Rua Primeiro de Marco n. tS,' As almofadas bordadas d la maUsadas
juutu a loja da esqulna. heti a Mo\a Esperanea, a rua Dafae
Os propr etarlos deste estabelecimento teem re- Caxia* r ______
(solvido veoderem snas fazendas por precos mnito [
I r*"mills. (como abaixo verao) para apurarem;
dlaheiro: ^ |
llelins
Vende-se metins de lindos padrSes, a 280 e 300
reis o covado. DSo-se amostras com penhor.
Cambraia*
y^d*'se >rabraias transparentes, de 2i500,
?ft?2 e ^^L* "" e a Victoiia a 3/500. 4/,
i/500 e 5/tOO a peca.
Alpacas pretas
1 Vende-se alpacas pretas e mnito finas de 500 a
600 reis o covado. E' grande pechincha.
Madapoloes
Com peqneno dereito a 4/060 a peca, dito lira-
, frabcez, e inglet a 4/500, 5/500, 6/000 e
500. E' baratissimo. Alfodiosiaho marca T,
de 4/000 a 4/500 a peca. E' para
Na k'ja do Pavao vende-se om grande nioa
to de casemiras de cores e mescladas, Unto data
como escuras, proprias para calca ; palediU* a-
ietes por prec.os muit j baratoa, assim rim at
mesmo estabelecimentos se manda fazer i|int|wr
obra tendenle a a I fa i ate, com a roaior praaaa*
por precrs mnito razoareis : a rua da I
triz n. 60, de Felix Perpira da Silva.
rnisas, a 2/ e 3/500. Ditas de algodio' a 200 e
400 reis. X
CoMfeMe casemira a 5/000. [talbo
Vende se corus de casemiras finas para calcas a "
8/, 5/5O0 e Cf v v
Cortes de 'br'fm a 1/400.
Vende se corte9 de brim de cores a 1/400. Ditos
de brim de Angola a 1/800 e 2/500.
L Cobertas a 2/000
Vende se cobertas de chitas de cores a 2/.
Colchas 'a 2/000.
Vende-se colchas de fustio para cama a 2/, 3/e
4/.
Paletots a 3,000 rs.
Vende-se paletots de alpaca preta a 3, 3,60
o.OOO rs. ;'calcas de casemira preta'e de core
leies de casemira preta e de cores, I otitraa'
las roupas feilas baratas e fazendas que est
quidando no Bazar National, a rua da 1m
Irlz n. 72.
PREDILECIA
.V rua do Cafcafra a. 1 A.
Os proprietaries da Preditecta, no intnito it
jonservar o bom conceita qne teem merecido do
respeijavel pnblico, distinguindo o sen estabeleci-
metrf) dos mais qae negociam no mesmo geaero
veem scientificar aos sens bons freguezes qoe ere-
venrnra aos sens correspondentes nas diversaspar-
oas d'Enropa para ibes enviarem por todos os pa-
qaetea os objectos de luxo e Oom gosto, ^ue se-
jam mais bem acertos pelas sociedades tiegantes
daqnelles paizes, visto aproxfrnar se o teispo de
festa, em qae o bello sexo desta linda Veneza
mais ostenta a riqneza de suas toillettes ; e co-
mo ja recebessean pele paqeete francez diverso
riigos da ultima moda, veem patenteir alguns
d'entre elles awe se tornara mais recoraiaendaveis,
eaperando do respeitavel pnblico a costnmada
cencurrencia.
Aderecos de tartaruga os mais lindes qne teem
vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola e ds
velludo, sendo diversos tamanhos e fcaratos pre-
os.
Aderecos completes de borracha proprios para
Into, tamben se vendem meios aderecos mnito bo-
E' BOM SABER-SE
Que a NOVA ESPERANg.A, a raa Duque de
Caxias n. 63, bem conheeida pela soperioridade de
seus artigos de moda e thantasia, acaba de revc-
ber diversas enco'romendas de meradorias de sua
repartiyao, qoe pela eleganci i bem mostra aptidao
e bom go to de seus antigos correspondentes da
Enropa, o por etla razao a NOVA ESPERANCa,
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e constante fregiiezia e com especialidade ao sexo
amavet, a visitarem na, afim de apreciarem ate
onde loca o primor d'arte.
A NOVA ESPEftANgA nao qner entrar no nn
mere dos massantes (verdadeiro* azucrins) com
extensos annuncios e nera pretende descreVer a
imiwensidade de otijectos que tem expostos a ven-
da, o que serta quasi impossivei; mas Nmitar se-ha
a niencionar alguns daquelles de mais alia novidade
e toma a Irber^ade de aconselhar ao bello sexo,
qne a visitem eonsrantemente, para depois que
comprarem em outra qnalquer parse nio se arre-
penderem, a ^wta do bom e escolbido sortimento
bem demonstra que qnalquer senhora do bom torn,
; nao podera coropletar a elegauoia de sen toilet
sem quedum Msseioa NOVA ESPERANCA, a
rna Duque de Caxias n. 63, a qua acaba de rece
Salsa paffiltia
Muito nova e grossa.
Vetlde-se por barato preco, em poMSo ou
: na rua larga do Rntarto n. 34.

are-
Espartilhos.
Na loja do Pavfio, vende-se espartilhos
dos mais modernos a 3*500 e 4*000 cada
um ; assirn com bonitos cintos com lacos
de setim a 5000,e sedinhas lavradas com
toque de mofo a 1*000 a covado : d rua
da Imperatriz n. 60,
Silva.
acabar. Chitas ciaras e escuras, a 260, 280 300 e
320 r6is o covado, ditas roxas mofaflas, a 200 r6is
o covado. Cretones escnros e de bonitos padroe* a
300 reis o covado. Lanzinhas de lindos padrdes,
a 200 rets o covado Cambraias de cores a 240 e
280 reis o covado. Aproveitem antes que se
acabem.
lrlanda
Vende-se esta fazenda mnito propriapara vesti-
dos de senheras pelo diminnto preco de 600 rs.
o covado.
Brim branco
Vende-se brim branco de algodao, a 320 rs. o
eovado. E' grande pechincha.
Case de sda
Vende-se esta fazenda de lindos padides, a
1/200 o covado, fazenda que sempre se vendeu
a 2/500 p covado. Aproveitem.
Solirc Sedinhas a 1#500 o cov do.
Venham antes qne se acabem : na loja oj *m
i rua !.? de Marco n. 7 A. ^^^^
VENDE-SE

Fusia.
Fustio branco para roupa de meninos a 500 rs.
o covado; e pechincha : na rua do Cresno n
20, loja do Guilheerm i C.
-----_ IS e ISaOOO
ae relix pereira da | Vende'Se sobrecasacos de panno fino pelo bara-
liisimo preco de 12/ e 15/ ca.a um ; e grande
pechincha : a elles antes que se acabem. Cami-
zi^lnhas com punhos e collarinhos, para senhora,
pelo diminuto preco de 2/ cada nma. Meias para
senhora, fazenda muito lina e um ricas caixiuhas,
pelo barato preco de 6/ a duzia. Aproveitem.
Colchas adamasi a das
Vs'pde-se uraa esc'rava nwca e de bonita' k ^en^se colchas adamascalas brancas ecom
flgura;Sabe cozinhar e engornmar coin perfeicko i barra .de eore*> mail gw-des, pelo baratissimo
e sem defeitos: a tratar na rua do Marquez a0 j Prfo da 4 cada uma, fazenda que sempre se
Olinda n. 57, outr'ora roa da Cadeia, no oscrip- !,enQoa Pr 7/ uma. A ellas antes que- acabem.
torio dos Srs. Parente Vianna & C, eom Joe i E oul.ras muitas fazendas que se turna enfadonho
Aulonio Ua Silva Guimaraes, ou na villa do Ca-1 ???,onal a'' e que- s" o freguez vendo, podera
bo, roa do Genera! Victorino n 21.
a taverna siu a rna
mnito afreguezada
Itosario n. 40.
io Barao da Victoria a M.
a tratar na rua
ouos. j ber os separates artigos de luxo e inteira tvi Rotdes de setim prete e de cdres .para ornato da J
estidos de senhora ; ^ambem tem para collete JJodernas settas para prender os -cabellos
nalitot Primoroses leqnes de phantasia.
Rolsas para senhoras, existe nm bello sortimen- Boni,as sahidas de bailes para senhoras e eni-
de seda, de palha, do chagrim, etc., etc. air na3-
barato preco. Interessantes gravaus para seuboras.
Ronecas de todos os tamanhos, tanto de loic I Elegantes fachas de touquim.
como de oera, de borracha e de -massa ; chama- I 2?.* aJ0>reck08 de madreperola.
mos a Msngfto das xmas. Sras. para este artigo I Ue,ilcao aderecos pretos de fmfalo e borracha
E com as senhoras.
A Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, par-
.icipa a bello sexo que acaba de receber da Eu-
- jp.i, um completo sortimento de artigos de ulti-
ma moda, e como acha desaecessario fazer um
enfadonho anuuncio, por ja ser bastante conhe-
eida, ecapricbar sempre emterbons correspon-
dentes, sendo a pnmeira que a^resenta o qne ha
de mais moderno e por precos mui razoaveis, por
sso iimita-se a descrever someote o seguiste :
Seuaa donradas.
Bicos de cores, tanto de seda 45omo de guipure.
Leaaes dourados, de madreperola, marfim,tar-
taruga, osso, etc
fcaiiidMM de bai'e.
Preaeatea, divereos artigos prepria* para ore-
sentes.
troliulaas e punbos.
Manual para missa, eom capa de madreperola,
tartaruga, marfim, velludo, etc.
SupaiiHhoti de setim para bapliudo.
Camisas bordadas para senhoras.
Llgas de seda.
Franjas mosaicas.
Aderecos de tartaruga.
t'oltas de madreperola.
rultdraN de madreperola.
Lindas flores para cabe^a.
olsas de velludo.
Perrunaarias dos melhores e mais aiamados
fabricates.
caapeos de sol para senhoras.
vitas do velludo de todas as cores e larguras.
Moscas.
Quereis livrar-vos destes malditos insectosf com-
pni uma machina de malar moscas par 3/000
aa Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45.
Calvice.
A Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, ven-
de o verdadeiro Vigor de Ayer, qae impede a
:ahida dos cabellos.
Sardas e panos.
So tem sardas e panos quern quer; porque a
Magnolia, a rua Daqua de Caxias n. 45, tem para
vender a verdadoira Cuticulerja, flue faz desappa-
i-ecerestas maucbas em poucos dias.
pois as ?ezes tornam-se as crianees nm pouco tm
pertinentes por faltn de um obsecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordedos
para homem, vendea-se por preeo commodo.
Ceroalas de linho e de algodao, de di versos 108.
Caixinbas com mnsica, o qne ba de mais undo,
com disJicos nas tampas e proprios para presen-
te
Coques os mais modernos e de diversos forma-
tos.
Chapeospara senhora. Receberam nm sortiaento
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capallas simples- e com veo para noivas.
Calcas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindos
tesenhos.
Escovas electricas para denies, tem a pruprie-
dade de evitar a carie dos denies.
Franjas 4e seda pretas e de cores, existe um
grande sortimento i^divercas larguras e barato
preco. <^
Fitas de saria. on gcrgnrao. de setim e de cha-
>?lote, de diversas larguras e bonitas eores.
Fachas de gorgurao mnito lindas.
Ft. res artificiaes. A Predileota prima em can-
ervar sempre nm bello e grande sortimento des-
tas flores, nao so para enfeite dos cbellos, como
ambem para ornato de vestido de noivas.
Galdes de algodao, de ii e de seda, brancos, pw-
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas cores
para seonora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
aotva.
Livros para ouvir misaa, com capas de madre-
Ceia, marfim, osso e velludo, tudo que ha d
I,
Peates de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de
perola, marfim, Asso e dourados por barato preco.
Peraunarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
provida, nio so em extractor., eomo em oleos
oanhaa dm melhores odores, dos mais afamados
fabricantes, Loubin, Piver, Soeiedade Hygienica,
Condray, Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis para
a festa.
Saias bonladas para senhora, por eommodo
preco.
Sapatinbos de la e de setim bordados ,para bap-
usados.
Tapeies. Reeebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para soft co-
mo para entrada de saias.
Vestimentas para, baptisado o que ha de melhor
gosto e os mais moderno reeebeu a Predilecta
de or arcto preco, para Bear ao alcanee
qnalqner bolsa.
(gosto novo).
Cura das hernias, pelas fon-
das de borracha.
As melboros e mais aperfeicoadas das ate heje-eo-
nnecidas.
Vende-se
na
Pimrmaeia e Orogaria
de
asrt'Olosneo dk C.
A"
**. Rua larga do Rosario34
Vaceiaa. Vaccina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Lourenco de Magalhaes,
. montado na cdrte m completo service deste ar-
1 tigo, tem aqui aberto um deposito da meibor e
mais fecente, cujos tubos seeacontram na
Pharmacia e drogaria
A'
_______34rna larga do Rosario 34.______
Cal de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpo
Santo n. 17,1* anaar, escriptorto de Joaquiia Ro-
drig -es Tavares de Mello.
Siilame de Lyod
A l8dt> a ltara
So na Asembiea do Commercio n. 22, rua do
Commercio, Meira A Lima,
A 120 rs. o covado.
Na rua da Imperatriz n. 60, vende se para aca-
bar nma grande quantidade de las, restos de di-
versos sortimeetos, desde 120 rs. ate 500 rs.; no
lando-se qne, quando havia sortimentos comple-
tos. se vendiam a 1/280 e 1/600 e covado, ba
madre- 'grande vari> dade em padroes, os que. primeiro
VENDE-SE .
Na rua do Vigario n 1., vende se o seguinte :
Cimento de Portland, em primeira mao.
Vinho do Porto, effgarrafado, flnissimo, em eal-
xas de duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
Vinho Sherry, inglez em caixas de duzia.
Vinho Collares em aneoretas.
Cera em velds, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
Na loj* do Pavio vende-se madapoloes franco
tes raaito incorpados, com 20 jardas a 6,000 reis.
dito muito fino com 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as-
sirn como nm grande sortimento de madapoldes
inglezes de 4,600 ate 8,000 e 9,000 : a raa da 1m-
peratriz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Colchas para camas
Naloja do Pavio vende se colehas de fustao
brancos, psra cama a 2,500, dilas de dtlo de cor
a 4,009, cnbertas de chita c de cretnne, de 2,500
para eaii e rtiias de metim escarlate fnrradaa com
madapolio a 5,000 : a rua da Imperatriz u. 60,
de Felix Pereira de .Silva.
crtifkar-se, e por bso os proprietaries convida
, a todas as pessoas a fazerem uma visila a sen es-
I tabelecimento aOm de convencerem-se da verdade
ROA PRIMEIRO DE MARCO y. 25.
Grande liquidacao.
de miudezas e chapebs: no novo Razar, rua do
Marqaei de Olinda n. 53.
CHEGARAM
as desejadas lazinhas a 200
rs. o covado.
Rua do Queimado n. 43.
(i)efronte da loja de chapeos da Pracinha. i
BL^zinhas a imitacao de seda com riquissimos
padroes a 200 rs. o covado. Sd o 43. Dao-se
amostras. Venham antes que se acabem.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPEtlANCA vende papel de linho
projirio para cigarros, de diversas larguras.
B a-Viagem
Vende se ou aluga-se uma das meaores easas
da ttoa-Viagem, defroutc da Igreja : oa rua do
Imperador n. S3.
Vende se um sobrado de urn'andar e sotio,
quintal, caoimba so, em sole preprie, com commo-
dos para faniiHa, por preco muito razoarei: a pes-
soa que pretender, di/ija-ce a esta tynegrapbia a
entender-^e com o Sr. Ferreira.
Chocolate hespanhol
mnito fino, tem para vendor na Assembled do
Commercio, Meir? & Lima, rua do Commercio nn-
mero 22. ______
E baratissimo.
Attencao. .
ffAproveitem antes qne se acabem, popelinas de li-
oho, padrdes raodemos, pe'o baratissimo preco
de 400 rs. o covado : quem duvidar, venha ver e
comprar : na raa Duque de Caxias n. 88, loja de
Demetrio Rastos.
Grande descoberta
Ourativo das moxeetias do
peitp pelo-
Varope de sulpltito sic soda
a. bg^kt
Este importante mqdicamento qoe acaba de set
reconhecido pelos distiactos Drs Zalloni e Paras-
cbevas como urn verdadeiro espeel6co contra a
phtysiea, segundo provaram nos grande* name
ros de casos por elles experiraentados, como se vt
na sessao da arademia de Paris de 24 de marco
do correote anno, eneontra-se nnlcameots no
i Deposito da [barraacia e drogaria
de
llnrihnlomfn C.
N. 34 Rq.a larga do Rosario N. 34
Vende-se a taverna da rna da Ponte Velha
n. I, bem afregoeeada e com peqaenjs fandss ; a
iratar na raesma.
Cora dos estreitamento d'oretra
pela facil applicacao das
SONDAS OLIVAES
DE
GONNA ELAST1CA
As mais modernss e aperfeigoadas de todas
as coohecidas
Vendem se
NA
PHARMAaA E DROGARIA '
DE
Bartholomeu & G.
34wRua.iaitga do Rosario 34
chegarem melhor pechincha farao, a eUa a rua de
Imperatriz n. 60.
Wilson Rowe 4 L. vendem bo sou MUMS)
a rua de Commereio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao aani anwricano.
Excellente fio de vela.
Cognac de 1* qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvlo de Pedra de todas as quAlidadas.________
E muito barato!
Popelinas de seda, fazenda inteiraroente nova
a 1*000 o eovado: se no Bazar das Familias, a
rua do unque de Caxias n. 60 A, de Reis e Silva
A Guimaraes.______^_________^^^^
Aproveitem
0 PARIS N'AMERICA, a rua Duque de Caxias
n. 59, primeiro andar, eala vendendo calcado pelos
seguint'-s precos:
Botinas" de duraque para senhora a 3.600 reis.
Ditas de dito preto a 4,000 reis.
Ditas de dito eom botoesao lado, a 4,000 rejs.
Ditas gaapeadas, cano alto, par* senbora, a
5,000 re s.
Ditas de pellica, ingleza, a 4.000 reis.
-D^*S de dnraqoe berdado, para senbora, a
5,000 r6is.
Ditas de duraque, de cores,.para meninas, a 3sf
Em qaanto 6 tempo
aproveitem.
CeroulaR camisas.
Na loja do PavSo, vende-se cerouias fran-
cetas de todos os tamanhos para homem a
15600, e ditas de licho a 200, 20500 e
35000.
Camisas brancas com peitos de algodSo,
fazenda fina e por estarem um pouco en-
xovalhadas a 20(5000 a duzia, ou a 19800
cada uma, ditas com peito de esguiSo de
lmho a 8$00 e 3*500 cada uma, ditas
com peitos e punhos de cor a 29000 e
23&0Q: a" rua da Imperatriz n. 60, de Fe-
lis Pereira da Sila.
Cortinados para camas
Na loja do Pavao vende se am grande sortimen-
to de cortinados bordados proprias para camas e
janellas, pelo barato preco de 8, 9 e 10,080 rs. o
par, assirn eomo colchas de damasco para camas
de noiva a 10 e 12,000 reise pecninofaa: a
rua da Imperatriz n. 60, de Felix Pereira da
Silva. _____________
Pentes girafe.
Pentes girafe, proprios para senbora, ( ultima
moda): a Magnolia a raa Duqoe de Caxias a. 45
e so quem tem.
Papai. mamai.
Como sao lindas aa honecas de cera qae efaa-
mam papai, mamii, eboram, andsm, etc. Sd oa
Magnolia a raa Duqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolas.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
eebeu gaiolas de arame de liudiseknos modelos,
Eroprias para pasaaros ; a el 1 is antes qae se aea-
em.
Vende-se
a rua do \igario n. 19, primeiro andar :
Vinho do Porto engarrafado, em barris e em
ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa, superior qnalidade.
Retroz do Porto.
Cimento Portland, legitimo__________
Bramante para lenc<5es
a 1^800 2*000 e 2*500
Na loja de Pavao vende-se saperior bramante
para lencoes, com 10 pahnos de lurgura, qae ape-
Bas precisa de 1 vara 1/i para am lencol, sendo
de algodao a 1,800 rs. a vara, dito mais en-
eorpado a 2,000 rs., dito de linho puro a 2,500 e
2,800 rs.; assirn como atoalnados superiores, tan
to de linbo como de algodao, porprecos muito em
conta, e pecas de algodiozinho para Ienc6es e toa-
*a8, tendo de 4,000 rs. para cima : a raa da Im-
peratriz d. 0, de Felix Pereira da Silva.
Cortes de cambraia
Na loja do Pavao vende se cories de raaVaa
transparente com babades largo, tanto In saw
como de cores, por- baratos pre;os, p..r ier<"i sd-
gum pequeno defeito : a rna da Imperatriz a .
de Felix Pereira da Silva.
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os seguinles:
Barra,
Pi*eulfa,
Patrlela.
A tt-atar com sens proprietaries nest* afutr.
e para informacdes com Joaqnim Pinto d* W*.
relies Filbo na mesma cidade de Mamamguatj^
. _________so Irmics ^ C.
\('jam e admiiem.
A &OO pa. covado. .
0 barateiro da rua da Imperatriz n. M.
vende popelinas pretas com l;stras #**-
nadas pelo baratissimo pre^o do 500 rs. w
covado. para acabar.
Lustres, caodteires e
arandcllas.
A empreza do gaz, tendo recebido oltimamcna
ama quantidade de lustres, candien.s, aransksW,
globes etc. etc., tudo obra de gosto e d- iniwan
qualidade ; acha seem pongac de .>nppnr a seat
freguezes, por precos men .res do que aoiigasMs:-
te. Para verem as amostras, dirijam se a rua cv
Imperador n. 31.
O barateiro!
A' rua 1 de Marco n. )
contiDiia vendendo saa fazendas cm rtOii.'O m-
do que em oatra qualqner part.-, a saber :
Amazonas, recebemos e*ta nov.i lazenda. -ia
bonitos desenbos e cores lixa?. propria para : >.
lb?, pa3seio, etc., etc., e vendemos cOO r-.
vado.
Baptis'as, lemos bom sortimento ieau f.i.eoaa
com bons gostos.para 300 e 360 t*. o eovad*,Ma-
pre enstaram ^00 rs.
Panama, desta fazenda temes graadc porci por qoerermos dispOr delta com presieza, ven*-
mos por 440 rs. o covado.
Cretones franeezes, esenros e claros, com fm
tos desenbos a 300, 360,400 e iiO ; so aqni.
Popelinas, temos prande sortimento deTa fri-c
da, mnilo lindos gostos, e vendemos a f c -
' do, sempre cu ton UGOO ; quem dtix.-ira de 3oa>
j prar? por certo ninguem.
Chitas ciaras e escuras a 540, 260, JW e 309 x
o covado ; e barato, aproveitem.
Cambraia Victoria com 8 l|z varas a 3^>'.
peca.
I Dita transparente, mnito fina, para 4*0(0. 5# c
OJOOO
i Madapoloes para div?rsas pecas a ItfM e <
. dito francez a 0s>.
Bramante de linho, duas larguras, a If a vjrz,
so e barato ; a elle, a ell".
Brins de Angola, com bons go*tos e cores txas,
proprios para roupa de meninos, a 50o rs. o ct~
vado.
Brim pardo tranrad>>, flno, a 400 rs. o cr vado. i
Esgniao de liuho e algoda>. Mm 7 jardas a
3*500 a peca ; sempre cu>tou 4*500.
Toalhas felpudas a 6jj e 6*500 a duzia *ea>jHt
custaram 8*.
Chspeos de sol de alpaca para senbora a 2* t
barato t
Chapeos deol de seda para senhon, rabos
osso, a 3*500.
Ditos para homem (paragoc) 8*500, de doas
cores a 9*.
Dites de alpaca a .?*5ft0.
Para senhoras
Como sao lindas e modernas as gravatinhas que
a Magnolia, a raa Duque de Caxias n. 45, acaba
ifi receber 1
Aos meninos
A..N0YA ESPERANCA, a rna Duque de Caxias
n. 63, acaba de receber um bom sortinaentu de .fi-
nas bonecas que faUam, que riem-se e cboram ;
tambem as tem mudas e surdas ou surdas-mudas
venham ver se nao e verdade.
Sardinhas
Salsa-parrilha do Par&
Tem para vender Antonio Luiz do Oliveira Axa-
merd $t "B wcriplo^io rn* ^V^ma W
Itusires e arandelas de yidro
para gaz
, N pande expoa^cao da rna do Imperador n.
Wj!pinte ao escriptorm da companhia do gaz, veo-
am w os mais bonitos e modernos lustres e ara-
oue se torna necessario para esse fim. sendo tudo *e Fhlta fraMea, a 360 ra o cavadoTe.
dos melhores fabricantes que ha na Inglaterra. Os*f ** s^na-rua do Crespo n. 20,- loja de Gui-
Alpacas (te dm.
ESr.^m*,' SSf*" W* em oatfa qnalquer
arte, e com a vantagem qne e o dono do estabe-
ecimento mandar assentar os |atres oa arande-
lbennei C.
i
la* no lagar que o comprador qnizer, sem que para
i pague alguma eooaa. Tambem Se corapra ou ies milagrosos ann."efe^^e fatfflviria
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA acaba de recebet aquel
Reeebeu o Baliza, de conta proprta, uma grande
porgao de sardinhas, as quaes vende por 8*000 o
barril, contendo 1,500 sardinhas. A ellas antes
qoe-se acabem I I
Leilc puro.
Vende-se leite puro de vaeea tonrina que
node ser tirado na presenea do comprador, das
as 7 boras da manha : narua de H<>spieio B, 3a.
ce
estejam em estado de poder servir.
Asunicas verdadeiras
BicHas hamburgaezas qnp vet? a estemarcade
oa ra do Marooe* de ulinda p.
Chapeos para senhora.
Cuoha Irmaas & C.
Verde raperior *em qniotos.
rifaffa superior eat qointoa-e decimos.5
* t01^ *lv>4a^uiBl
jS Porto fino. Gi-jMwtiobsjuBl,
?* Porto, para paste, em decimos.
34Rua da ftfaire da Heos34
Vende-se an guindasu a vapqr para 5 tanau*
das, de systema nwvel, com a carreta. dam ter
collocado, e %% jardas de irilhos e ferro de 60
libras p< r jarda, dos fabricates Alex Chapelio &
C. de Glasgow : na raa do Vigarie n. 19, few
criptaca atpilhanwa de. Asaaaf____________
"1
AUeflfjo.
A loja da Pasao, a rua Brimetf* de> Mareo/a.,
raesnarebo?aPsU n^J^dfS1110 de ehap*"' JBa,"JI ,em Dma rande <"&>. de milho que
raesoa horas, pretos e de cores. i vende cada saeso pelo dicainalo preco de 3i50O.
12 Rna do Cabuga 12
LIQUIDAgAO
de joias de ouro, prata e pedras preciosas.
Ouro delel.
Correntes do ultimo gosto, a oitava
Alfinetes para reu^to, circalado de
perolas
Idem idem idem esmearladas
Idem idem idem robins
Relogies de prata bem dourados, de 18* a
Reiogios para senhora, de ouro, de 40* a
Ricos aderecos com pedras finas com
50 0|0 de abate.
Bonitas pulseiras do ultimo gosto com
50 0(0 de abate.
Brincos de phantasia dos mais bonitos
que tem vindo ao merca^o, de 15* a
Voltas com nm bonito laco, por menos
do qae se vende em outra parte.
Bonitas cacoletas, Unto para senhora
comu para homem.
Anneis de diversos feitios, de 2* a
Palseiras de cobra de coral por500|0
de abate.
Tendo o proprietary deste estabelecimento rece-
bido uma grande porcao de joias dos ultimos gos-
tos de Pans, e por precos ja resamidos, participa
a todos os sens freguezes, bem como ao respeita-
vel publieo, qae se acha sempre prompto a servir
com toda a exaetidao como costuma; certos de
que passara um recibo, pelo qual fiea responsabi-
lisado pela trantaccao.
sa-
lOvre
5*500
53*000
60*000
65*0 0
30*000
80*000
60^000
20^000
Ditos de merino a 4*(>00.
Botinas para senbora a 4*$C0 e 5*(*00
i chincha I
Casemira^ de cores a 3*400 o covado ;
custoa i*5<)0 ; a eilas, a ellas I
Camisas de eretone, franeezas, sufn:
2*500 qae lindos gostos !
Lencos de linho, abanhados, em caixinlia-, t
3* a duzia.
Ditos de dito muito finos a 4*500 a dnzia ; -v -
barateiro. Sao tines.
Meias para bomem a 3*300, ditas finas a i a
duzia 111
Colchas alcocboadas a 3*.
Grosdenaples de cores v.rde, cor aa ro;a, ^z
earn a do e cAr de cravo a 900 rs., 1* e \iK
covado so aqui.
Selecia a 30* a peca com 25 varas, porem (
Atoalhado para toalbas de mesa a 1*440 a
vara.
Brim branco, expo.-ic.ao a. 5, a 2*
bca fazenda.
Grande sortimento de lazinhas e de Mtai i
vos, a 140, 160 e 200 rs. till so na bar at. ire
Rrilhantina branca a 400 rs. o covado ? e sim
Ao barateiro, ao barateiro 11
Alem destes, ootros rouiios arigos, qne ;-,-
mencionamos, mas qoe vendemos por lim.tad >?
precos. Confronte ao arco de Santo Antonio **-
contrareis sortimento.
a vara. -
Camisas.
Camisas franeezas brancas de algodao flno com
IIUIO PARA VFSUDOS
Vende se linho liso e arrendado, lindos p*droet,
a 400 rs. o eovado, fazenda esta qoe sempre vea-
deuse a 1* ;. venham a elles ante* qno se aca-
bem : na I ja do Passo, raa Primeiro de Marec a.
7 A, antiga do Crespo.________w
Liquidacao de roupa f eita
Na loja do Pavae li juidase nma grande p:
friaodecor a 24000 nma, em duzia a 231000 #? ae roDPa Para homens e meninos.como seiaa
6 pechincha : na raa do Crespo n. 20 loja do Gui-
Iherme 4 C
Feebincha
OdUon Duarte 4 irmao receberam pelo ultimo
vapor um grande e variado sortimento de coques
de cabello bumano. o que ha de mais moderno, e
vende-se pelo baratissimo preco de 10* cada nm ,
a eties, antes tue se acabem.
Laazinhas baratas.
Wl loja do PevSo, para liqnkiar, Tende-e
uma porcao de Uazinbat de cOfes para
veslidoj teadd de SSO rs. para cima $ as-
sirn como ditas oom listrss de seda muito
bonitas a 640 rs. o covado ; alpacas de co-
res eom listras de seda de 640 rs. psra
cima: a rua da Imperatriz n. 60, de Fella
Pereira da Silvt
H' com a*s noivas
A NOVA BSPERANgA, rna Dnqne de CaJtiaa a.
jo, acaba de receber boa meias de seda proprias
P|ra noivas, e os apreciaveis ramos de larangelra
calcas de casemiras pretas e de cores, pan todos
os precos e qnatidades ; dius de brim de An-
gola para differentes precos ; ditas de briadi
cores, pardos e brancos ; paletots saccos, casaoar
e fraks de panno preto e de casemiras de com,
cole tes de todas as qnaKdas, por precos baa-
tissimos, assim como grande poreio de rinriaa a
ceronlas per menos 3 % do sen valor ad aaa
acabar : a rua da Imperatriz n. 60, de Feix Ra
eira da Silva.
Lazishas
a 100 e 200 rs. o covado
Raa oa Qnelaaado.
Jooto d Ir^a da Magnolia.
E' muito barato I
Grande sortimento de lazinhas de listrat e aa
quadrinhos a chineza, proprias para vestidos,
Selo dimlfcoto preen de 100 rs e 200 rs. o cm-
j. SA o 43. Dao-se amnsira com pnhor.
Cartes de casemira.
Cortes de casemiras fimu, gostos modernos, a
51000 o eorte; a ellas antes que se acabem, 6
pechincha: na raa do Crespo n. 20, loja de
Guilherae & C.
A 500 rs. o covado
Na loja do Pavao vende-se lazinhas. iaaeaaaa,
de cores mnito modernas pelo baratissimo ar~
de 500 rs. o covado, para acsaar ; oetanaa a <
e faaenda que jaawte w vsaaaa oer aeaa a
dois crnudos ; ia hapoueas : a raa da lusswrava
b. 60, loja do Pavio, de Pela Peret.a da Seta,


"*"*r*"^**
MM^fr. (fe V
a
ajiario.de Pernambuoo Terga feira 6 de Outubro de 1874.
>
EMBIEA GEBAL
ito
SENADO.
>.l PROFEEUDO PELO SK. VISCONDE DO
1'IANCO, I'RtSIDJJSTK DO CONSELUO, NA
>\0 DE 2i DE JL'LHO DE 1874.
(Continuagio.)
I > nio seria u'n systeina digoo deap-
>ea>- do senado o quo se limitasse ape-
i I'niecer 4 ou5,0j0 homens para o
e deixasse d<3 ttteoder ds circu ns-
.oiss ixlraorduahas do gu.-rra interna
i fXferai; b3o seria !-=* do recrutamento,
Vi <-a previso quo uvessemos lAtrto traba
'ro c-r.i HSto projecto.
A fn'ieira vuz quo falloi Sobre esta ma
:ia, ,Toio t-r demonstrjdo, aiuda quo nio
bo n como o illustre relator das com
'sov.s, e o mou nobre collega, minisiro
gVjha, que o illustre scnador uio lew
:0, e assume a posigao, permila quo
> dig*, de um deWaraador, quanto dn
o o-ojecto yiii militarisar todo o povo
-U';ii<\ Hoje, e nao podo deixar de ser
; n em circumstancias oxtr.-ordioarias, e
or yoeocher a forga que exige a defeza
nan : de onde ha de sahir forga ? D.i
; ; opular.
' S'l. Nabuco : Da guarda nacioual.
0 St Visconde do Rio-Brano (oresi-
' 1 rouseluo; : A questd j e, pois, so
re<~;.'.ineoto deve ser feito is pressas, su-
- .: v.ty.'os os abusos do arbitrari-t, ou so
lf.ir.n.: regras c meios bem eslabolecidos
pruvic )s pela loi. E' isto o que fiz o
-.ajpui'j otaiuoque os individuos alista-
>s, qca forem favorecidos on excluidos
do v.rt'iio do contingents annual, fica-
jo el. ijiatos, em circumstancias extraor-
jinarias de guerra interna e exlerna, na
ordeu sm quo a sorte os tenha designado.
0 S:w Nabuco :Nio se consegue desdo
quo sr c-.tabelecer a clausulaseaio pos
si vol.
%&R. Visconde do Rio Braxo (presi-
dent" do conselho) :Ura, o n/ore sena-
dor ainda. nao descobrio ura meio de elevar
as forgas do exercit) ao pd de guerra, sum
rocof.or aos cidadaos recrutaveis. A diffi-
rene > o>ti em que o nobre senador nao
?oer providencias sobre oque deve ser ob
:eto principal de uma lei de reerutamen
to, o mso degerra. Sinto nao tor traztdo para
aqui cdgcns doslivrinhos que conhego, para
mos'.rar ao nobre sonador. qne 6" preceito
dos n.ilitares quo a lei do recrutamento,
como In la a lei de organisacio do exereito
deve t...' j)nn;ipaliue(ite em mira a oventua-
lidadc le uma guerra.
0 nobre senador estd habituado, assim
como tolos n6j, u vor o exercito do Brasil
occ^c^lo no servie/i da policia.
0 bu. Jocim : -E acompanbar procis-
sdes.
0 Si. ViscoMDt do Rio-Branco (oresi-
dan.f \u eonselho] :... e 6 pjr issj quo
S. Ess. qier amesqainhar o projecto, limi
Undo o 5!u resultado a ura coatiDgontfl de
qudOo acinco mil horaem para as circiiras-
tanci^s ordmarias, deivaado em aberto.
sem boluQao, seen rogra alguma, o que so
ba de Uzut quando sobrevenbara cireums-
t&ueias cxtraordinarias.
-0 Sr. Fern.vndes d.\ Ccxua :Porque
depois vira* a dictadura.
0 Sr. Visconue do Rto-B&AXCO (presi-
deate do consolbo :0 nobre si-raador, para
ser coherHOte e sutorisar esse seu zelo pela
classc popular, quando nos diz que o pro-
ject > vai militarisar a to Jos, qua e uma
espad i do Damocles suspnnsa sobre o povo
bras'Li-o, o nobre senador estava obrig^-
do, uraa vez que conta com a guarda na-
cion I, como a lundicehr brasdeira, a ex-
plica r cos por que meio regular s^rao cba-
xnados os gnardas nacionaes para o service
milit.'.r t-\traordinario.
0 biB. .Sablco :Esta na lei de 1850.
0 t dente do conselho) : 0 nobre senador fal-
lou ha dohco em corpos destacados.
0 Sr Naboco : l'odem tambem incorpo-
rar-sc un exercito.
0 Sr. Visconde do Rio-Branco (presi-
dont- do conselho): Mas como se faz esta
desigpacfio ? N6s vimos durante a guerra
os ebusos que se deram.
0 Sr. I-'k.rnandes da Cchoa :Nunca se
fez ccinfoi me a lei.
estou arguraentando, creia o nobresenador,
^em nrttihuma provc.1540. Ksle projecto 6
muito importante; para mim entra na cn-
Ihegoria das providencias pjliticas, pelo seu
alcaiice, plo encargo quo lan,a sobre a so-
ciedade; mas nSo d projecto em quo os
dous parlidog nao possano entender se ; a
sua discussao deve ser isenta de todo 0 pre-
conceito partilario.
Trata-se de uma loi permabenle, que nao
pole ser feita i feiyao das ideas deste ou
daquelle partido (apoiados) ; deveraos atten-

0 Sr. Visconde do Rio-Branco (presi-
dente do ronselho) :N4o so diga, pois, que
c pnij*C'.o militarise 0 paiz.
0 Sr. Nablco :Completam--nte.
0 Sr. Visconde do Rio-Branco (prasi-
dente do ;onselbo) : 0 projecto regola 0
servi^ 1 ::ii|itar, 0 hlistaiTiento das pragsne-
cessn'ias nnualrnente para o exercito e para
a ann;"!*', e prove aos casos de guerra, cor-
tfcrnl" p-lo frbitrio das designates, que tao
funestos abusos teem produzido.
dor aos preceito que regem a organlsagio
dos exercitos, ds neees.si'1 jdes da nossa forgi
militar, apreciadas scgundo as circurastan-
ciis do paiz, quanto ao roodo de alistar
gmto para oser'icn das annas. Uiseula-
(ii >s, puts, sem provcngSo. Acredite 0 nobre
Senador quo, se cu mo persuadisse do acerto
da to las as sum ideas, e algumas ja estSo
acoitas, eu as abracaria todas de muito
bom grado.
Algumas omendas do nobre seuador pelo
Piauliy tambora }& foram aceitas. NAo ba,
portanto, Ja minha p.trte precouceito, o
meu erro, se a yerdade esti do lado do no-
b.-i: senador, e todo da inlolligencia. 0 es-
ta I > quo tenho feito desta materia nao me
pO 1') convoncer de que as iddas do nobre
sonador sejam as melbores. E nao e so 0
meu estudo, e opiniao de pessoas tao com-
petentes, como as que compoem a commis-
sao do narinha e guerra do senado, e de
muitos generaes e officiaes superiores do
exercito, com quem live occasiao de con-
versar a respoito desta reforma militar.
0 art. 5s, a que 0 nobre senador tern al-
ludido, e 0 que chama, em casos eitraordi-
oarios da guerra interna ouexterna, os alis-
tados que teuham sido favorecidos pelos
sorteios annuaes, e que entretanto n5o te-
nbam adquirido as isencdas legaes, para
aculirem ;i defeza do imporio. Uispoe esse
arligo quo, quando for possivel, a designa-
c3o so fard comecando pelas classes mais
modernas atd is mais antigas, com as prefe-
rencias do estado civil que ahi se prescre-
vera, segundo o individuo e casado, viuvo
ou solteiro, com ou sem til bos. Essese
for possivele clausula forcosa, mas res-
tricta, porque em casos extraordioarios nin-
guern p6Je marcar limi.es s necessidades
da defeza nacional, c, portanto, 0 governo
dove, pela fore a das circumstanuias, preterir
alguma ou algumas dessas profereucias que
n^o possam ser logo apuradas nera attend i-
das, porque a salvacao publica esti acima
de toda e qualquer isen^ao. Isto, porem,
nao e 0 mesmo que se lez com a guarda na-
cional no tempo da guerra do Paraguay, que
foi uma designai;5'arbitraria entre cidadaos
alistadossem destino especial ao servico do
exercito.
Quem ouvisso os nobres sen adores, sem
ler 0 projecto attentamente, diria que este
ndo quer voluntaries.
0 Sr. Visconde de Moritiba :"E no en-
la nto esta d disposicao do pnmeiro ar-
tigo.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho ) : \ idea do voranta-
rins u peculiar aos nobres sonadores, elles e
que a sustontam, os defensores do projecto
a repellara.
Assim, hontem, 0 nobre senador que-
rendo conciliar as suas opiuioes mais reflec-
tidas e praticas com as de outros liboraes
que nao adraittora senao exercito de volun-
tarios, 0 nobre sonador arvorou logo em
prog amma a sua opiniao combinada com
aquclla outra tao diversa, e diss .-nos : 0
partido liberal quer 0 systeraa de volunta-
rios. combinado cora 0 do sorteio. Accres-
ceiitou S. Exc. quo o projecto n3o estabele-
ce esse duplo priuuipio.
0 Sr. Nabuco:Nao senhor :
0 Sr. Visconde do Rio Branco (prosi-
lente do con?elho) :Como o nobre sena-
dor com toda a seriodade me declara no seu
aparte que nao, eu vou oppor d denegagSo
deS. Exc as palavras do projecto, que es-
tao imprussas (lendo):
Art. i...
0 -R. Naiiuco :E o art. 3 ?
O Sr Visconde do Rio Branco (presi-
dente docmseluo) :V. Exc. quer que eu
leia o art. 3 sem ler o 1, entretanto nao
admitte que eu respooda ao seu 3" discurso
sem ler o 2 (risadas)... hontem nao ad-
| 0 Sr. Nabuco : Sendo possivel, 6 regra j mittia que eu pudeste comprehender o que
qun esti no art. 5*; uma boa regra I Ao estava dizendo, sera ter lido o discurso an-
menos a lei da guarda nacional nao admitto terior ; agora quart) ler unna disposicAo do
este possivel. projecto, atlinente i minha proposigio, e
0 Sr. Viscosde do Rio-Branco [presi- o nob.-e senador remette-me para o irti-
deuie do conselho} : -0 nobre sonador in- go 3.*
terrorape-me com certas palavras, que, in-i Art. i. 0 recrutamento para o exer-
sertas como apartes em meu discurso, comti- eito e aimada seri feito : 1% por oogaia
tuiriam uma obj<)C5o quo ninguom poderiajmento e reengajamento de voluntarios ; 1,
c nnprobeuder. S for possivel, diz o no- na deficioncia do voluntaries, por jorteij dos
bre senador o reforesa ao art. 5* do pro- cidadios brasileiros alistados anuualmente na
jecto. Ora, vejamosoque e isto, porqae'conforqailado da.presente lei.
0 Sr. Nabico d4 ura aparte.
0 Sr Visconde do Rio Branco ( presi-
dente dd conselho ) : Ah 1 So o que estd es-
cripto aqui nao serve, por que razio se da-
rn mais credit) i palavra voluntarios, quo
V. Ex*, escrevesse em algum projecto?
Pergunto: acaso o system* do projocto
nio e a do voluntarios; e quaodo wtaa uao
bastem, o sorteio sobre a base do alista-
raonto ?
0 Sr Vismnde de Moritiba :t Apoia-
dos.
0 Sr. Visconde do> Rio Buahco (presi-
dente do consolUo) s O nobre souador nSo
quer o mesmo, com a difference de limitar
o sorteio ao nuraero duplo ?
Eutio porque nio ba de sar juslo e fran-
co, quando tratamos de nogocios tioirapor-
tant- ?
Se qualquer de n6s quizer tornar odioso
um projecto destes, pode fazel o ; toios os
projectos que trazera algum onus ou res-
triccaa i liberdade individual, embora ne-
cessaries ao interosse geral, p rest am se a de-
clamagoes ; nd) ba principio absoluto, for-
ga e adraittir excepgdos por onde o princi
pio geral, bora qu-i salutar, p6de ser ata-
cado.
0 nobre senador sabo quaes sio as pre-
vengdos quo ba entre o p ivo do Brasil, corao
Ontre os demaij povos, a respeito do recru
raenlo.
Se o proprio recenseamonto da pjpulagio
encontra preconcoitos, puanto mais ura pro-
jecto desta natureza?
Ora, S. Exc., e vez de apreciar o p o-
jecto com imparcialidade, segundo a sua le -
tra e espirito, mesmo nos pontos em que a
sua doutrina coincide com a opinido do no-
bre senador nao cessa, de dizer que o pro-
jecto c fatal, que militarisa o paiz, que nao
quor voluntarios, ndo obstante estar aqui es-
cripto que so na falta de voluntarios se re-
corra ao alistamento I
Discorren lo por este modo, o nobre sona-
dor nao poderia fazer passar nas cameras, e
ser bem aceilo pela opiniao publica, qual-
quer proj icto de recrutamento, porque nao
se pode mauler o exercito s6 com volunta
rios.
Isto e Utopia (perdoem-me os nobres se-
nadores que o diga ) por mais limitado que
seja o exercito.
Tenho exposto e exporei com franqueza
m in has ideas, mas sem es per am; a de con-
vencer, os nobres senadores, porque seria
uma honraria muito grande se eu os podes-
se couvencer, e elles se dignassem dar-se
por convoncidos.
Meu fun unico e justiticar perante o se-
uado e perante o publico, acompanhando os
illustres membros das comraissods reunidas,
0 voto que deu a favor deste projecto, acre-
ditando que elle traz am gran ie melhora-
meuto i nossa forca midtar, e nio fard mal,
antes seri ulil A sociedade civil.
0 Sr. Silveira da Motta : Ahi & que
esti a queslao.
0 Sr. Visconde de Souza Franco :Na
segunda pane eu divirjo ; faz muito mal.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho) :J'oJe ser; eu respei-
to as opinides em contrario.
0 Sr Silveira da Motta : E esta e de
conselheiro de estado 1
0 Sr. Visconde de Souza Franco : Os
conselheiris de estado dizem a verdade.
0 Sr. Fernandes da Cunha : E' sem
pre ura melhoraraento que faz cessar o ar-
bitrio cego, que 6" o systeraa actual, o capri-
cho das auloridades locaes.
OLHETIM
JOANNA
m JOBO DEPAIXOE&.
POR
George .Saud.
f.TRADUCgaO DE X. X. X.)
PARTE SEGUNDA
III
(Continuagao do n. 225).
A* r'3'ossar p8ra casa, alii achei uma
carla ;i* raiuha irma, que a principio me
inqui.-tuu, porque, escrevendo ella mui ra-
ratn' o!\ fez-me suj.p6r que minha mii se
acbava 1 a irquietagao, pordm, foi de pouca
di'r.ig'n. b passou com a leitura da carta,
em que .! f i;ests vez sou eu quem te quer dar no-
tices nrisfeas.
.'-la.i-ai vai bem ; nem e della que ej
vou faliar, porem sim de mim.
ignore quanta estimasoSr. Vianne
eqoanto te alegrarias em te-lo porcunhado.
l'o'.s bml despedio; mas autorisei-o a
Tolti'- i'equi i um auno, se, ao cabo desse
temp", v.nla persistir na sua resoluoao. Fiz
mais r.n^a permitti-lhe que me escrevesse
do quiczo em qu'mte dias.
o Kamii ficou satisfeita com isso; e tu,
beard- C'-ntente?
F.m rnesmo estou pasma de ter pro-
mettiio t;oto!
c Dee a que o amor e uma grange cousa,
subi'-.ne :u terrivel. Como quor que seja,
sefc^ir p"nsei que, devendo a raulher ser
otto-renn-, sd um grande amor p6de tornar
agiid vf.l on sagrada a obediencia. F.ntre-
tanti,, nao sinto pelo Sr. Viamie senio uma
amizade grata e sincera, embora matni
julgue que elle ha de vir a inspirar-me um
senumento mais nrdente, quo sem duvide
deve ser entbusiasmo ou temura.
Creio, porera, qua o Sr. Vianne ha de
ser razoavel, e que nao ha de exigir tanto
fervor I
Gozando elle boa saude, sendo bem
apessnado, e muito illustrado, que necessi-
dade tem do uma companheira corao eu?
0 de que eu carego e do um culto, nao
so porque nao sou illustrada, mas tambem
porque sou bem pouco calma e tranquilla
foi por isso que dediquei-me i musica.
a Que relagdo, pordm, pode haver entre
a mu-ica e o casamento? Nio vejo ne-
nbuma.
Sem duvida dir-me-has, o que ji me
disseste, que nio se vivo unicamente de
gozos e prawns intellectuaes, e que um
coragio deserto e coragio morto I Mas, por
ventura, nio tenho eu dous seres a amar, e
ni* bastari isso? Tu e minha mii, nio e
quanto basta para encher e dar vida ao meu
coragio ?
Minba mii araa-me tanto, que, so mi-
nba faculdade di amar viesse a embotar-se,
estou certa de que ella despertar-lhe-hia as
enertias pelo ardor e pela delicadoza sera
par ue sua ternura I
Porque, pois, me bio de suppor fria
pela razio de nio estender o meu amor alem
da familia ?
a Tivemos uma infancia tao animada, e
depois um i vida tio feliz, que isso nada
tem de extraordinario I
Tambem tu estis em idade do casar ;
entretanto nio pensas nisso, ligado como
estis i existencia desse gentleman, cuja
nmizade torna-te feliz !
Nio vis. pordm, ama lo rnais do quo a
d6s I Mas, nao ; nada temo ; u ale desafio-
td a que ames alguem mais do que a nos I
ceres poderd dar-teo future, mas nio decer-
0 Sr. Nabuco :0 arbitrio continiu ; o
sorteio seri manejado p-li policia.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho) : Sr. presidente, o pro-
jecto tem sido corabatido por opinides dia-
metralmente oppostas : ura levanta-so e diz
hjua o projecto langa uma rdJe, que abrange
to la a populagao valida do Brasil'; outro no-
ta que nio se estabelece o principio de iguil-
dade absoluta, porquo ba muitas excepgoos,
as excepgoes matam aqui a regra ge-
iral.
Ora, em queQcamos? 0 projecto isenta
a muitos e por isso seri inefilcaz, ou chama
quasi todo o povo ao servigo militar, e por
isso e oppressivo.
A verdade, Sr. presidente, e que o projec-
to estabelece como regra geral a obrigagao
to o passado, esse grande deposilo, esse gran-
de thesouro de ternuras e de confianga, no
qual se contdra as alegnas e as ddres parti-
lbadas em commum por tanto tempo I
Quanto i mim e ao Sr Vianne, nao ha
passado para nds ; e parece-me que sem
isso nio poderi haver futuro.
a As vezes, ao pensar nisso, fico tio des-
orientada que fecho os olhos e precipilo-mejt
ao piano para esquecer quem sou e aquillo
que quorom que eu seja I
c Uma vez que prometti, guardarei a fe
da promessa; e, pois, receberei as cartas,
tratarei de responde-las, e, ao cabo do anno
fixado, aceitarei a entrevista. Mas, se, a
esse tempo, eu nio tiver mudado, se nio
tiver sentido emogio, se nio tiver nenhum
firazer em abjurar minha personalidade e
iberdade; a culpa de certo nio seri mi-
nha 1
E querer-me-hao mal por isso ? mamii
teri pezar? oSr. Vianne me.amaldigoari?
e tu ceosurar-me-has ?
Convem notar que eu nio prometti di-
zer sim; mas que so prometti fazer todo o
possivel para chegar a dize-lo.
Entretanto, dize-me, se for mister dize-
lo contra minba vontade e torn a alma cheia
de terror, acharei eu em ti am protector,
am amigo dedicado, am verdadeiro irmio,
capaz de preservar-me do terror ou do
desespero ?
Rogo-teque me respondas.
Respondi immediatamente nestes termos:
Sim, bei de ser um protector, um
' amigo dedicado, um verdadeiro irmio.
a Se Hvre, minha querida, sd livre nas
omogoes do teu coragio, como ds livre nas
linspiragdes da tua arte.
c Pensa sem recoio, encara sem susto,
estuda sem lemor a resolugio que deves to-
rnar d'aqui .1 am anno.
c Tua mii tudo aceitari, a tudo se con-
fonnari, tal d sua inalteravel e inexgotavel
que tem todo brasileirode prestar-so ao ser-
vigo militar.
0 Sr. Nabuc : -Que tem os brasileiros
pobres. os brasileiros que nio tiverem......
1:0009000.
O Sr. Silveira da Motta :E' uti pro-
jecto que exckie os fidalgos.
0 Sr. Saraiva : Quem nio tiver dinbei-
ro ficard sujeito.
0 Sr. Visconde d > Rio Branco ( presi-
dente do couselho) :^E' diflidl discutir as
sim 1 j > *
0 projecto, ia ou dizendo, estabelece a
regra geral que charaa todo o brasileiro ao
servigo militar.
0 Sr. Nabuco :Todo o brasileiro pobre,
proletario.
Um Sr. Senador :Sd o pobre.
0 Sr. Viscondb do Rio Bhanc i ( presi-
dente do conselho) :Vv. Exes, nio me
deixim proseguir ?...
Depois estabelece excepgiies, excepgoes ra-
xoaveis.
. Dig a o nobre sonador que esta ou aquel-
la pxeepgio deve sor eliminada ; eu cora-
prehuudo a discussao sobre esta base (apoia-
dos)...
OSr. Fernandes da Cunha :Eu mes-
mo divirjo em alguns pontos.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho) : .. mas permitam-mo
que eu eonsidere pura deolamagio isso de
pobres...
O Sr. Saraiva : N5> d, no; d a base
do projecto.
OSr. Visonde do Rio Branco (presi-
dente, do couselho) :E' para declama-
gio.
0 S. Saraiva : Declamagio d dizer-se
sera prova que somos utopistas.
0 Sr. Visconde do Rio Branco ( presi-
dent do couselho) : Eu padi pordio ;
quando digo utopistas d porque acho a iida
irrealisavel.
0 Sr. Saraiva:Sin, mas e preek
so provar, c preciso ter experimdntado a
idea.
0 Su. Visconde do Rio Brano ( presi-
dents do conselho):Tenho uma prova
negat'Va, dque ninguem se animou a oxpe-
rimental-a, ou antes teraos eusaiado infruc-
tiferamente, porque se.npre ha chamaraento
de voluiitarios, e elles nio apparecera senio
em numero muito escasso.
0 Sr. Saraiva : V.' Exc. tem tido era
toda parto recrutadores e nio engajado-
res.
OSr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho) :Pergunte V. Exc. ao
nobre senador pelo Piauhy, que foi minis-
tro da guerra, se durante a campanha que
sustenUraos ultimamonte appareceram lau-
tos voluntarios quantos elle carecia ; se ap-
parecessem nio se teria racorrido a meios ox-
ireraos para rainistrar contingentes uovos is
furcas em operagdes.
0 Sr. Saraiva : E' mais facil recru tar
do quo engajar, isto d verdade.
O Sr. Visconde do Rio Branco ( presi-
dente do conselho) :Mas, o projecto es-
tabelece excepgoes, e porque ?
Porquo nio p6Je haver regra absoluta,
principalmente nesta materia.
Nao on vimos o discurso do nobre senador
pelo Rio Granie do Nurte? e oque nos dis-
se elle ?
Que toda a populagi) do Brasil, cora ex-
cepgio dos vadios, softreria grande vexarae
com immenso prejuizo dos interesses collec
tivos da nossa sociedado, se fosso obrigada
ao servigo militar, aiuda que por ura meio
tio prudeute o regrado como o do pro-
jecto.
Ora, se o nobre senador pelo Rio Grande
do Norte ataca o priucipio cardeal do pro
jecto, porque elle vai entender com muitas
classes quo deviara estar isentas do servigo
militar; se ate certo ponto a observagio de
S. Exc. tem fundarnento, d claro que o pro-
jecto nio podia consagrar o priacipio da
igualdade em todo o seu rigor, devia ad-
mittir isengoes, aldra das absolutes, isen-
goes teraporarias para as circumstancias or-
dinarias.
0 Sr. Saraiva :V. Exc. conhece a ul-
tima lei paraguaya a respeito do recrutamen-
to?
(Ha outros apartes.)
OSr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho) :0s nobres senado-
res acbam que essas excepgdes sio exoessi-
vas?
0 Sr. Silveira da Motta :Euacho.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho) :... que algumas de-
vem ser elliminadas ? Eu ainda nao vi e-
monda para eliminar excepgoes; sd vi uma
para acjresceutal-as, emenda offerecida pelo
nobre senador pela Babia, incluindo aisen-
gio dos estudantes dos collegios particula-
res.
Portanto, as excepgoes sio inevitaveis.
0 Sr. Zacarias :Monos quando des-
troem a regra.
0 Sr Visconde do Rio-Brgnco (presi-
dente do conaelbn) :Nio se pode esta-
belecer aqui um principio absoluto ; a igual-
dade neste caso e design a Ida do de facto.
0 Sr. Silveira da Motta :E' preciso
exarainar a isengio do dinheiro.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do cooselHo) : Agora passo a exa-
miner as isengoes. Eu ji disso que at do
fensores do projecto teem diante de si os
quo preferom as instrucgdos de 10 de julho
de 1822, e outros que acbam demasiadas
estas isengoes e as querora restringir
0 Sr Silveira da Motta :Sim, se
nbor ; eu sou um delles.
0 Sr. Visconde do Bio Branco (presi-
dente do conselho) :Creio que o projecto
soguio o meio termo : adoptuu muito d&s
instrucgdes de 1822, mas nio adoptou tudo,
e estabeleceu outras isengoes que alii nio
tiuham sido previstas o que sio muito atteu-
diveis.
0 Sr. Visconde de Muritira Apoiado.
0 Sr. Visconde do Rio-Branco (presiden-
te do conselho) :Nio poba soguir o sys-
teraa das instrucgdes de 10 dejulbo de 1822,
porquo agora trata-se de ura projecto sobre
bases difforentos, trata-se de ura systema de
recrutamento regular, e, pois, as dispen-
ses ndo deviara ser tao araplas como as de
1822.
0 Sr. Saraiva di ura aparte.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho) :Eu vou ji i objoc-
gio do nobre senador.
0 Sr. Saraiva 0 que n6 vemos d quo
o systima da commissio estd destruido pela
isengio do dintieiro.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho) :Considerarei esta
isengio. So me deixassem fallir, voriam
que tenciono aquilatar as objecgoes princi
paes. Nio procure illudir as qaestoes ; o
meu eforgo torn por fim nio convencer,
porque ndo o posso, mas apresentar minhas
duvidas e objecgOes, para ser esclarecido e
conveucido.
0 Sr. Silveira da Motta:11a de sor
diflVjil.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho) : 0 nobre senador re-
pelle a isengio por dinheiro, nio tanto a
substituigio pessual ; o a razio que nos
deu (desculpe-me S Exc. esta franqueza) d
singular : admitte a substituigio pessoal,
porque o sorteado tem mais difficuldades
om acbar substiluto.
so por isso;
(presi-
ternura, tal d o seu elovado espirito dejus-
tiga e de verdado.
Meu amigo Vianne. saberi resignar-se,
sem nada diminuir no respeito que te deve.
a Quanto a teu irmio, d um fim consa-
grou elle o seu futuro, d nio custar la-
grimas i sua mai, e impedir, tanto quanto
um homem pdde faze-lo, que sua irma Joan-
na derrame uma s6 lagrima sequer I
Feita esta carta, escrevi tambem d minha
mii afira de reforir-lhe textualmente a cur-
ta conversagio que a seu respeito eu tivera
com o Sr. Brudnol; fui deitar as cartas ao
correio; e, nio querendo jantar em casa na
ausencia do dono, fui jantar fora, regres-
sando i casa ao por do sol.
Preparei-rae para trabalhar, e entretanto
entrei a peosar em minba irma, no medo
quelhecausava o casamento, medo que de
certo nio era prudente desprezar, e nas
iddas singulares quo por muito tempo ella
tivera sobre um segredo imaginario, relativo
ao seu nascimento.'
Levado pela corrente das iddas, perguntei
de mim para mim, se minba irmi ainda
teria essas iddas, e so seiia por causa deltas
e por se julgar mais nobre e superior a
Vianne que ella recusava casar-se com elle ;
e bem assim cogitei da razio pela qual mi-
nha mii fizera empenho em saber qual a
natureza das recordagoes de sir Richard so-
bre o caslullo de Mauville.
Ao avermelhado clarao que me invadia o
quarto sob os refl-xos do pdrdo sol, meu
espirito perdeu-se no meio de uma alluviao
de sonhos e conjectures phantasticas.
Pareceu-mo que houvera, em todo caso,
alguma cousa de mystorioso em torno de
mim, e que minha irmi era ura ser mysto-
rioso por excellencia.
Mas pareceu-me tambem que ella ji nio
davidava da sua identidude legal. E por-
que duvidou ella?
A's vezes queria parecer-me, e foi isto a
causa vaga e occult'a da minba demora cm
0 Sr. Nabuco :Nao foi
V. Exc. destaca uma razio.
OSr. Visconde do Rio Branco
didente do conselho) : Ha outra ?
0 Sr. Nabuco di um aparte.
0 Sr. Visconde do Rio-Branco (presi-
dente do conselho) :Sr. presidente, ba au-
nos que ura escriptor habil, que nio era
militar, mas jurisconsulto corn experiencia
das leis mi li tares, s us ten to u, em folbeto
que ci-rre impresso, que o cidadio que nio
prestar ao exercito o servigo pessoal, deve
prestar o servig pecuniario ; assentava o
principio de que todo o cidadio e obrigado
ao servigo militar, e que nio o podendo
prestar por si mesmo, cumpria-lhe fazel-o
por meio de uma contribuigio pecuniaria.
Refiro-mo ao iuteressante escripto do juris-
consulto francez Joffrds.
0 Sr. Silveira da Motta :Idea aristo-
cratica.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
deute do conelho) :A substituigio por
dinheiro, dizem os nobres senadores, d in-
ennveniente ; mas, entretanto, a substitui-
gio por dinheiro tem sido admtitida eutro
iios, o o foi mesmo durante a ultima guerra.
E' justamente attend, ndo is circumstancias
do nosso paiz, aos preconceitos e is difficul-
dades que encontra o recrutamento militar,
que os autores do projecto julgaram conve-
niente suavisar o rigor do principio geral,
ddmittindo estes meios de isengio, com a
differenga...
(Ua varios apartes.)
Vv. Exes, nao me querem ouvir ; estou
agora fallando para o nobre presidente e ou-
tros senadores quo me ouvem.
0 Sr. Silveira da Motta :Nio tomos
perdido palavra.
0 Sr. Nabuco:Eu tenho ouvido tudo.
0 Sr. Visconde do Rio-Branco (presi-
dente do consolbo) :0 proje;to apresenta
uma unica dilTerenya quanto & substituigio
por dinheiro, d a da applicagao que Ja a
renda dessa origem.
Ate aqui presumia-se quo a contribuigio
pecuniaria dos que se isentavam por essa
meio era aestiuada a fazer face ds despezas
com o alistamento de voluntarios; o projec-
to estabelece um novo principio, de modo
fallar do minha mii a sir Richard ; ds ve-
zes queria parecer-me que tinham havido
relagOes entre ella e ello... mas, meu espiri-
to rovoltava-se, e instinctivamente dizia :
uao I nao d possivel I Minha mii d tres
vezes santa, e, na sua palavia e no seu ros-
to, brilba a suave luz de umi vida inteira
de probidade e candura I
No meio de taes lutas, procurei uma 1am-
pada para acender, quando ouvi bater i
porta do meu quarto.
Suppondo que era o criado que viuha ar-
ranjar a caraa, disse entre.
Julgue-se, pordm, qual nio foi a minha
sorpreza, quando vi entrar Helena, dizen-
do-me :
Nio se admire da minha visita, nem
a'cenda a lampada porque ainda esti claro.
Venba conversar coraigo i varanda. Tenho
que pedir-lhe uma cousa, meu bom doutor.
Aceite o meu brago, respondi-lhe, e
vamos conversar no salio,- onde a senhora
estari melhor do que aqui.-visto como fu-
mei muito neste quarto.
Ah 1 isso nio me faz real; mas, va-
mos para onde o senhor quizer.
Levei-a para a sala commum, i que era
casa chamavam o parlatorio, e que nada
mais era do que uma sala orhada com esta-
tuas, eque merecia bem pouco a denomi-
nagio intima do home inglez.
A Sra. Brudnel atirou-se sobre um sofa, e
eu, sentando-me u'uma cadeira, esperei que
ella incelasse o dialogo.
0 senhor acompanhou sir Richard
atd bordo? perguntou-me ella com emba-
rago, e como se nio soubesse de que modo
incetir a conversa.
Sim, senhora, atd bordo.
Elle obteve bom camarote ?
Muito bom.
E o seuhor nio se inquieta em ve-lo
partir s6?
Estando John com elle, na\) vejq,ne-
uhu'ii inotivo <\$ inquiotagio.
muito posiUvo, no J( 3.* do art. 6 : O
products daa taoltas e catr>bwc6 pecu-
niar las seri appiicado axdumaaaente to
preinio de mrfhoramento das pragas de pret
e d educagio de sous filhos. De naoeiM
que, admittindo-ae eeaa meio de exomracio,
que nio aproveila sd ao rico, que pode
tambem aproveilar ao pobre, quo tenha
por si alguma economia ou algum protec-
tor ; admittiudo ease raeio de isengio, por-
que trnti-se de um servigo para o qual nio
so a populagio do Brasil, mas qnasi todas
raostram repugnaocia, dd-e ao producto
dessas contribuigdes o mais beneHco empre-
go, applies se ao premio de melharameoto
das pragas de pret e d educagio de aea$
fllhos.
Eu nio dissiraulo ao nobre seaador: te-
nho li to alguma cousa sobre esta materia,
conhego as palavras com qu o general
Guiilemaut. na earaara franceza, combaleu
a substituigio pessoal e a exon-ragio p)r
dinheiro, e, para ir a-ifnobre senador pro-
va da boa fe com quo estou argumentando,
recordar-lbe-hei|aquellas palavras. 0 iLus-
tre general disse qne o servico militar e
ura dever, equeum dever nio se aliena,
nao se delega, nem se vcude.
0 Sr. Nabuco :Apo-ado.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do couselho) : Mas aste rigor noa
faria proscrever tambem a substituigio ; ora,
estes meios de isengio d > servico militar fo-
ram, nio obstante, admittidos, mesmo na
Frauga em outros tempos, estio admittidos
entre nos e sio de certo ainda necessarios
como ura recurso que suavisa o rigor do
preceito g Tal, mormenie traUndo-se dees-
tabelecer um noro systema, qm pode de
outro modo parecer mais exigents do que o
anterior. Esse recurso nio aproveita so ao
(il ho ou parents do ric i...
0 Sr. Zacarias.Nio se precisa ser
muito rico.
0 Sr. Visconde do Rio-Branco (presi-
dents do couselho) : nio ; para remir-
se da obrigagao militar por 1:0O0, se fdr
esta a quantia fixada, nio e mister ser rico.
Muitos artistas, ou individuos das classes
menus abastadas, poderio isentar-se e tem
sido isentos do servigo militar por esse meio.
0 Sr Silveira da Motta :Ha de servir
para os potentados da aldcia livrarem os
capangas.
0 Sr. Visconde do Rio-Branco (presi-
dente do conselho) :Parece me, pois, sem
desconhocer a forga da objecgio dos nobres
senadores, que nio seria prudente eliminar
desde ji a isengio de que se trata.
Agora consideremos separadameote a
substituigio pessoal, contra a qual o nobre
senador e outros nao se pronunciara com a
mesma forga. A substituigio pessoal esti
banida em Franga.
0 Sr. Nabuco:Em toda parts.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho) :... disse muito bem
o nobre senador. Mas porque ? Porque a
experiencia demonstrou que esses substitu-
tes mercenaries eram os que mais fazia.n
avultar a estatistica criminal doe exer-
citos. Entretanto, o nobre senador pela
Bahia nio duvida aceitar a substituigio
pessoal, que o projecto tambem adopts, e
porque ? Porque d preciso nio ensaiar o
novo regimen sem alliviar o mais possivel,
o onus do servico militar. 0 projecto vai
comprebender no alistamento e chamar pa-
ra o servigo das armas muitos individuos
que hoje estio isentos; para que a popula-
gao se habitue a este novo regimen, para que
nos prim-iros annos nio levanio muitos
clamores, nio paroga muito vexatorio, nao
vi, con o dizia o nobre senador pelo Rio-
Granie do Norte, por se em conflicts com
os habitos de tautoa annos, convem que taes
meios do isengao nio sejam despresaios.
Nao os adopto como disposigoes que devam
ser permanentes ; pelo contrario, reconbego
que em theoria taes isengoes sio contesta-
veis.
0 Sr. Nabuco :E'
torio.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselno): A substituigio pes-
soal d para mim mais contestavel do que a
outra...
0 Sr. Nabuco:Nao, senhor.
0 Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho) :A Franga couderanou
absolutamente em suas leis oioderuas mm
excepgio.
0 &r. Silveira da Motta : Mas, d m,3
toleravel sem duvida.
0 Sr. Visconde do Rio-Branco (presi-
dente do conselho) :Esses substitutos, a-
presuntados pelos que se querem escusar do
servigo pessoal, nao podem eui geral, ins-
pire! conlianga ; e a estatistica criminal da
Franga o demonstra.
fContintuir^ge-Aa).
um projecto transi-
0 senhor estima-o mu to, nio e ver-
dade? Elle d tao bom I
Excellente ; e eu sou Ibe devotado.
Elle tambem o estima, e deposits in-
teira confianga no senhor.
Ndo me pareceudo isso uma perguut*.
abstivo me de responder. Ella, poren*>, pro
seguio coin vivacidade :
Diga-me Elle confia do senhor tudo
quanto lhe diz respeito ?
Nunca me confiou cousa alguma.
Mas, falla-lbe de mim, nio ?
Nunca.
Ah I de verss ? como elle e singular I
Hoje, todavia, deve ter-lhe dito alguma
cousa ?
Beferi-lhe fielraento as palavras de sir
Richard, as quaes da certo nada tinbara de
confidencial, e deviam ter-lhe sido ditas por
elle mais de com vezes.
Ella ficou dosapontada, e perguntou
ainda:
E foi tudo ? 0 senhor jura-mo.
Posso jura-lo.
Nada acerca de sua irmi, de seas n:
gocios de familia, de seas projectos psrticu-
lares, do certas eventualidades... 0 senbor
sabe que nds nio somos casados... ds cor.
formidade com as leis inglezas ?
Nada sei.
Vou explicar-lhe...
Nio, nio, supplico-lhe que nada me
diga, visto como nio quero entrar no coohe-
ciraento de cousas que o Sr. Brudnel tal vez
nio julgue conveniente que eu saibl. Ss a
senhora nio tem ordens a dar-me, perrait-
ta-me quo Ibe diga boa noite e que me re-
tire.
Espere ; nio, fique I Commetti uma
impru leucia ; mas nao vi suppor que eu
seja amante de sir Richard, visto como te-
nho a spa palavra.
,, ^ (Contintigr-ie-ha.)
t







:
TYP Di) lMAHW.i-UA WUl'li Ufi (JUUss


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPXGOUMEN_7KODUJ INGEST_TIME 2014-05-29T18:39:59Z PACKAGE AA00011611_17839
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES