Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17798


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/

f
"(




-
>'


*

j

-i


i
/
fi0*107
g
MIRA 14 DB MAIO DE 1891
DIARIO
PERNAMBUGO.
PROPRIEDADE DE MANOEL FIorJEIROA E FARIA FILHOS
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE
Por tres mezes adiantados'
Por seis ditos idem
Por um anno idem. .
Cada numero avulso. .
61000
12*000
231000
1100
'
SAO NOSSOS AGENTES EXCLUSIVOS DE PBUCAgOES NA FRAN-
CA E INGLATERRA:
Os Srs. Amede, Prince k C, residentes em Paris, 34 rae de
Piovence.
PARA OS LUGARES ONDE SE PAGA PORTE

Por seis mezes addiaotados. .
Por no?e ditos idem .%^-
Por am aono dem. **^f
Cada onmero avulso ..
131500
201000
261000
1100
IHSTBDCClO POPDLAR
ZBSALSASmiIAlS
PARA A VIDA
IDEAS PREU1IX1REI
Cintinuaqdoj
SEGUNDA PARTE
vi
IDKIA DA HMANIDADE AS 8A8 SOCIEDi-
DB8 FUNDAMENTAE8
Segunda idade religiosat opposir ao
em auIdade PoljiheUmu
130
Este perodo de urna unidade harmnica re-
ligiosa nao suppe so, que o vejamos desde boje
como mais perfeito do que os precedentes da uni-
dade sem variedade e cootra ella, e que deve se-
guir se ao prseme para que se compra a lei da
historia (anidadeopposigaoharmona) na his-
toria religiosa ; mas suppe tambem que sendo
a humaaidade nm ser e vida limitada que se
desenvolve mediante coadicd's dentro e fora, no
todo e as p res, necessario para a exi-tencia
de urna religiao harmnica que a bnmanidade,
como o sojeito do sea destino, tenha progredido
proporcionalmeo'.e na su t cuitara total, e uos
restantes tins e sociedades fandamentaes coor-
denadas socidade regiliosa (jm sciencia e
arte como obras ama ias : em mrito moral, em
condigao jurdica, em livre commercio social
como formas de obrar) ; necessario qae dentro
da historia religiosa se cumpram todos os tactos
que precedem o ultimo faci de ama religiao
barmonica-bamana e que devem motival-o.
Porm realisar inmediatamente e com mao po-
deros i o proprio facto antes do sea tempo legiti-
mo, isso nao podemos ; pelo contrario, poderia-
mos retrdalo com preteoses prematuras, fa-
zendo multo das nossas forcas ou empreando
as sem acert.
Fora e sobre a bnmanidade s Deus reina
com a sua diviodade, e como Ser Supremo reali-
sa o seu de^eto divino at o seu ultimo cumpri-
mento na historia universal e em cada parte del-
la..
ronhicimeiiiu de Deat. principio
e forma da setnela
131
Que o cochecimento de Deus, e a demonstra-
go de todas as coasas em Deas o fundamento
da sciencia. ensina-o a seu modo a historia con-
tempornea, comparando a sciencia dos povos
christos, e em geral dos povos que tem conbe-
cido a unida le de Deus, com a sciencia dos po-
ros gentlicos que nao a conbeceram, e at com
a sciencia dos gregos, que por cerco to admi-
ra ve I para aquel les lempos.
E como poda a sciencia sem o coohecimento
de Deas na sua aila Je absoluta e na sua uni-
dade primeira, como Ser Supremo, progredir as
SU33 deduec 's, sendo certo que a sciencia ma-
nifestare ao espirito como um conceito da razao
em que a idea de Deas o conceito mai, qae a
deducao scientiOcaapplica em forma de demons-
trago daquella unidade, recebendo em si a ver-
dade dos seres particulares at onde alcaoga a
experiencia do bcmem f
E n quinto o coohecimento de Deus apparecer
ao espiri'o em longioquo preseDtimento e debi-
litado pela distracg&o do sentido, o mundo das
ideas represeota-se-aos como regiao solitaria e
nebulosa, que s se esclarece a medida que pe-
netra em nos a idea de Deas, como sol central
desta regiao superior. Este coohecimento o
principio de toda a sciencii real, assim como
tambem foote de puro sentido e amor humaoo
e de firme vonta le para totia a cultura harmo-
nio- j _,
Alin disso, a sciencia como deducgao syste-
matica da idea de Deus na saa verdade absoluta,
.coma refljxo da luz dinna no espirito, exige
ser cultivada com sentido religioso, como umt
oraco interior, que ioflae por sua vez na reant-
mago le. toda a vi la. a sciencia, qae e em seu
fundamento um testemuobo de Deas, tambem ca-
rece da unidade formal: o conbecimento de Deas
como Deas e Se: Supremo, o objecto da sua
primeira parte (sciencia lundameotal), e cada
sciencia particular em i-eu principio gerador
um conbecimenio parcial de D:us em soases-
sencia3 (caihegonas reaes).
Q Mato mais fundameutai e mais systematica
for a cultura scieatinca, mus esclarecer e con
firmar o conhecimen'o de Dem como ua=e ia
religiao isto em forma de f racional. A his-
teria religiosa sera um da comp ehendida na
8Ci :-icia com i o desonvol 'imenro saxesstvo lo
oibecimeato e da relagao com Dja< da nos-a
humanldade : a subordinacao da nistoria univer
-.-A le da historia da bumanidade, demonstrar-
se-ba entao no connecimeato de Deus e do mun
o em Den.-.
A sciencia cultivada debaix* de->te espirito afo-
centar a supersticao e a increduli ude ; a luz
da atfro a extender se ha por tola a trra, des
torrara o fri da madrugada, em pleno da de
urna t racional fundar a religiao harmnica do
genero humano.
(Contina).
parte ornciiL
tioverno do Estado de Pcroam
buco
EXPEDIENTE DO DA 19 DE MABgO DB 1891
Actos:
O desembargador governador do Est do
resol ve nomearo cidadac Adoipbo Cono de Car-
valbo para exercer o cargo de 2 offi al da I."
seceo ua secre'aria do goveroo, dorante o im-
pedimento do fnoccionario effectivo.Oommun
coa se ao inspector do Tbesoaro do Estado.
O dse i ba-gador governador do Estado.
attendeBdo ao que requereo o promotor puoli o
di comarca de Buique, Dacharel Jos Evangelista
da Silva, resolve conceder ibe ires m its de li-
cenca, com ordenado na forma da le, para tra
lar de sua sade, devendo o peticionan., entra1*
o go.-o da mesma liceoga no prazo de trila
ai.
O desembargador governador do Estado
resolve transferir, a pedido, o commissario Joo
Francisco Heme erio Portella, da goarda local e
i- boatao para a da Encada, e o d'esta'Severiaoo
Vieira da Paz pa a aquella.Communicoo-se to
r. chefe ae polica.
_ O desembargador governador do Estado,
teodo em vista a representago constante do offi-
o do inspector da TVsouraria de Pazeoda de
10 do crreme d 190, resolve abrir, eob soa res-
sonsabilldaoe. de accordo cora os aviso-- do Mi-
nisterio da Goerra ue 29 de Agosto e 23 de Se-
tembro ltimos, um creuiio da importancia de
l'.91S#U6,as verbas abano declaradas, d'aquelle
tinisterio, exercicio de 1890, em liqnidagao,
aflm de poder ser escriptorada a despeza feita
om o pagamento de vencmen tos das aragas da
4 batera do 5 batalbao de arti.haria relativos
a) mez de Noveno.o do anno paseado.
}15 Pracaa de pret 739i822
1. E apaa IM8Mf334
Remeitru-se c >pia ao inspector da Tbesooraria
de Faiendo.
O desembargador governador do Estado,
altead odo ao qoe reqoereo a C.mpan'jia Per-
nambnc na de naveaco costeira, e teodo em
vista a informaco do inspector da Tntsou'ana
de Pazenda de 14 do correte, o. 188, resolve
abrir, sob soa respoosabilidale, de accordo com
os avisos de 9 de Agos.o e 23 >e S-tembro do
anno passado, om crdito da importancia de...
22904152, s verbas abaixo decla'adas lo Hinis
teo da Goerra, exercicio de 1890, em liqoida-
cSo, atim de occorrer ao lagamenio de transpor-
tes concedidos nos vapores da peticionaria por
coota do alludido ministerio.
20. Despezas de corpos e quar-
teis 9194952
g 27. Diversas despezas e eventuaes l:37o200
Remellen se copia ao inspector da Tnesourana
de Fazeoda.
O desembargador governador do Estado
atteodendo ao qoe reqoereo a Compaohia de Be
beribe, e ten do em vista a laformaco do inspe
ctor da Tbesooraria de Fazeoda n. l9a de bon-
tem datada, resolve abrir, sob soa respnnxabili-
dade, nm crdito da importancia le 24956 K),
verba do 24 Muoicao de B >cca> do Ministerio
da Marraba, exercicio de 189), em liquidacSo,
afim de ter logar o pagamento devido a peticio
nana, proveniente de foroecimeotj d'agna feito
ao Arsenal de Maroba e suas dependencias nos
mezes de Joibo a Dezembro do aono prximo
passado. Remetteo se copia ao inspector da
Tbesooraria de Fazenda.
Ao commaodaate das armas.De fe-indo o
requerimento do 2 cadete do 2. batalbao de
iofantaria Joo Alves de SoazaCabral, sobre que
versa a vossa nformaco n. 2,776 de boje da
tala, antoriso-vos a concederdes a referida praca
60 dias de liceoga, com vencimenlos na forma
da lei, atim de tratar de sua saude no interior do
Estado, visto achar-se doente conforme se veri-
fica do termo de lospecco a qae foi sabmettido.
Ao inspector da Tnesourana de Fasenda.
TriD8mittiDdo-os melases papis do cooselho
ecoooml o do Arsenal de Maroba, referentes s
propostas para fornerimeoto de madeiras ao
mesmo Arsenal, mandai celeorar contracto com
o concurrente Manoel Cavalcante de Albnqner
que Lins, por -er quena maior vaotagem offerece
aos interesses da Fazebda.
Por esta occasio recommendo-vos qoe, depois
de lavrado o competente contracto, remettaes a
secretaria ao governo d'este Estado copia do
mesmo contracto e bem assim os papis qoe
este acompanham relativos ao dito cooselho,
afim de terem o conveniente destino, na forma
do decreto o. 745 de 12 de Setembro de 1890.
Ao mesmo.Mandai entregar ao director
geral de Obras Publicas eogenbeiro Francisco
Apoligorio Leal, ou a quera por elle se mostrar
aotorisado, a quantia de 5:0004000 por coota do
remanecente da verba Trras Publicas e Go-
looisacSo do exercicio de 1890, afim de ser
applicada as despezas com a construccao da es-
trada contigua a hospedara da Jaqoeira en re
este logar e Parnameinm.Fez-se a necessaria
commamcagao.
Ao mesmo. Commonico vos que o bacha-
rel Loiz Antonio de Andrade 'assumio boitem o
exercicio do cargo de p-ocorador seccional n'es-
te Estado para o qoal foi oomeado por decreto
de 3 do corrente.
Ao mesmo. Communico-vos que no dia
10 do rorrete o jais le direita, bacharel Aos
terliaoo Correia de Castro assumio o exercicio
de seu cargo na comarca de Barreiros para o
qual foi removido do da de Igarap Mirfm no
Es ado do Para por decrete le 7 de Fevereiro
ultimo.
Ao mesmo.Mand?i entregar, pela verba
< Soccorros Publicas ao presidente da Inten-
dencia Municipal de S. Lourenco da Matta, Dr.
Joo Severiano Carneiro da Cunta, a quantia de
300*000 para auxilio a var olosos-
Ao mesmo.Para os tins convenientes de
claro-vos que por aviso do Ministerio da Justica
de 28 de Fevereiro rinda me foi communicado
haver aquelle Ministerio solicitado do da Fazeo-
da a expedicao de ordena, afim de ser essa Tne-
sourana haoilitada com a quantia d- 1:0(01000
para pagameato da ajuda de cusi do bacharel
Jos de S Cavalcante de Albuquerque, nomeado
jais municipal do termo de Agaas Bellas o'este
Estado.
Ao director do Arsenal de GuerraAtteo-
dendo ao que requereo Jos Antonio da Motta
Gaimares, contratante do foroecimeota de 2300
k 'pis de panno azul para o exercito, e de accor-
do com vossa nformaco de 9 do corrente. sob
o. 910, au'ori jo-vos a cederdes ao referido con-
traclaote 200 metros do mesmo panno, devendo
a respectiva importancia ser previamente reco
Ihida Tuesoora'ia de Fazeoda.Commuoicou-
se ao inspector da Tnesourana de Fazeoda.
Ao inspector do Thesonro do Estado.-De
accordo com vossa informaco de 10 do cor
rente, n. 210, mandai pagar a Companbia Recife
Draio?ge a moortaocia da despezi do-appareibo do e-i.do ma tigo quariel do corpo de polica.Acompanba
a conta relativa a mesma despeza.
Ao mesmo-Ni termos de vossa informa-
cao n. 220 de 16 do correte e em face dos do
cumeiios junt >s maodai pagar ao commissario
da guarda lo al do municipio de Villa Bella, Joa-
qui n Flix Bezerra avalcaote a qoantia de
150*093 relativo aos seas veacimentos qoe Ibe
competem de 8 de ovembro a 9 de D embro
do anoo prximo passado, aa qual idade de cap
lio do extinelo corpo de polica.
Ao mesmoMaodai pagar nos termos da
vossa informaco de 25 de Fevereiro ultimo, n.
164, a ajuda de cuno, oa importancia de 33*000
a qoe tem direito otenenie commissario da gaar
da local do municipio de Salgoeiro Fraociseo
Leile Nogoeira da Paz
A m>*smo Nos termos de vossa informa-
cao n 227 de 17 do corrente, mandai pagar a
professora Mana do Rosario Pinbeiro os seos
vencimeotos relativos aos mezes de Janeiro e
Fevereiro deste anno excepto o aloguel de casa
e expediente.
Ao jniz de direito da comarca de Caran
Transmiti vos, para que teoha prompta exe-
eocio, cpia do decreto de 21 de Fevereiro ul-
timo, pelo qual foram perdoados a Joao Joaquim
de Menezes as penas de 2 anuos, 5 mezes e 5
das de pnso, perda do emprego com nbabi-
litaco para ootro ha 3 anoos e meio e malta d.
12 1/2 */ do damno cansado pela fahidade. a
qoe foi coBdeojoado em 9 de Dsxembro de 1886,
por esse joiz > por crime de prevaricaco
- Ao aireclor da Directora Geral de Estatis
tica.De conforoai lade com o vosso officio de 9
do corrente sob n 441, remelto-vos urna relacao
das eidades, villas e freguezias deste Estado.
Ao director do presidio de Fernaodo de
Norooha,Provideociae para que, na primeira
oppononidade, regresse para esta capital, anin
de ser posio em lioe dade visto ler cooclaido o
prazo de soa seoieoca o lodiviJao de nome Se-
verino Ferreira do ascimento, cuja passagem
ser dada por conta do Estado Oommooicou-
se ao joiz de direito do 2 districto criainal.
Fazei regre-sar para esta Icapital afim de 83-
rem postos em lioerlade, visto naverem termi-
nado as peonas qae ah estavam campriodo os
sentenciados de qae trata a reiaco aooexa ao
voso offl:io de 16 de Fevereiro UBdo, sob n 23.
Commuo:coo-se ao Dr. Joiz de Direito do 2.*
districio criminal.
Ao promotor publico do arcbipelaw de
Feroaodo de Norontu. Para vusao coohecimeo
lo e devida execocio, transmuto-vos cofia do
aviso do Mlnsteno dos Negocios da Jaslica, de
25 de Fevereiro ultimo, ojm refereocia aos re
corsos de graca qoe ioterpozestes em favor de
Canuido Antonio de Cerqoeira B lio -e lies ou-
iros sentenciados presos na liba pnncpal deste
archipelago.
Portaras :
Os Srs. agentes do Lloyd Brasilea man-
dem lar pass >gem al a Capital Feddfcl, por
conta do Ministerio la Guerra, ao 2o cable do
27' batalbao de iofantaria Aaisio de uliveira
iJmiz, qoe, em transito para aquella Capital.
qoi desembarcoo por doente, deixaado de se-
guir no vapor >ie 12 do corrate, por nao ter tido
alta do Hospital Militar, segundo ded ira o com
mandante dus armas em officio d: boje, 800 n.
2,780. -Commaoicoa-se ao co u man da te das ar-
mas.
dem idem, os soldados Etequiel.Fortunato
das Chagas e Jos de Freitas M>tia, qoe segaem
disposico do ajadante general do exercito.
Commuoicou-se ao commandante das armas.
O Sr. gerente da Compaohia Pernambuca-
na mande dar passageos de r at Aracaj, na
segunda viagem deste mez, ao jaiz d direito da
comarca de L irangeiras, bacharel Manoel Joa-
qaim Ferreira Esteves, soa senoora, om filho
e orna afilbada ; sendo ama por coota do contra-
cto deste Estado, doas o* conform lade do de-
creto o. 10,208 de 16 de Margo de 1889 e ama
por cooverso das de proa a qae se refere o
mesmo contracto.
dem idem, at o poto da Estancia, na se-
gunda viagem aos portos do sal, a Jos de Lima
Fonte por conta das gratuitas a que o governo
tem direito.
dem idem, at Macei, a Anna Francisca
Ribeiro e om lho menor.
dem de p a Jos da Silva Neves.
O Sr superintendente da estrada de ferro
do Redfe ae S. Francisco d passatrem de 2*
classe. por coota do Estado, da estaco de Cinco
Pontas a de Ribelrao, com direito bagagem,
raca da guarda local de Seriohem, Valentino
acheco dos Santos.
dem idem, da estaco de Cinco Pontas a
de Una a 1 preso e 2 pracas, providenciando
qoanto a volta d'estas.
Igual oa estrada de ferro Sol, entre as es-
tacos de Una a de Garanbane.
O Sr. superintendente da estrada ferro de do
Recife ao Limoeiro de passagens de ida e volta
por coota do Estado, em carro de 2a classe, da
estaco do Bruno a de Pao d'Albi, a i pracas e
providencie quanto ao transporte do preso que
ellas coodazem.
dem dem do Recite at Nazareth, com
direito a bagagem praca da guarda lecal de
nome Jos Francisco de Lima.
EXPEDIENTE DO DB. SBCBBTABIO
Officios :
Ao Dr. chefe de polica.O desembarga-
dor governador do Estado manda declarar-vos
para os devidos fins, que por Aviso do Ministe-
rio da Justica de 27 de Fevereiro rindo foi-lhe
declarado qaa ao da Fazeoda commaoicoa-se ter
o amaoaease aposentado da secretaria de polica
Agostioho Jos de Oliveira, com mais de 30 an-
nos de effectivo servico publico e qae solicten-
se do mesmo Ministerio a expedico de ordens,
afim de ser para a Thesouraria de Fazeoda re-
mettido o titulo de aattvidade d'aquelle func-
cionario Remellen se copia do referido Aviso
ao inspector da Tbesooraria de Fazeoda.
Ao director geral da secretaria de estado
dos negocios da justica.De ordem do desem-
bargado: gov ruador do estado transmiti-vos o
flicio em que o joiz de direito bacharel Joo
Carlos de Meodonca Vascoocellos declara haver
sido notificado de sua remoco, por decreto de 8
de Janeiro do corrente anno, da comarca le Bui-
que para a de Bonito oeste estado e do prazo de
3 mezes qae Ihe foi marcado para assumir o
exercicio.-Commuoicou-se ao inspector da The-
sonraria de Fozenda.
Ao iospec:or do Thesooro do estado.O
desembargador governador do estado manda de
clarar-vos que de accordo con a vossa ioforma-
ga o. 225, te 16 do correte laDQou nesta data
no reqaerimento da mesa regedora da irmanda
de do Santissimo Sacramento de Goyanna o se-
grate despacho:
Concedo o prazo de 30 dias para o paga
ment da divida de que trata a peticionaria, oos
termos do decreto de 9 de Janeiro ultimo. *
Ao mesmo.O desembargador governador
do estado maeda declarar-vos qoe, de accordo
com a vossa informaco n. 226 de 17 do corren-
te indeferio boje a petico de Manoel Joaguim
Barbosa, professor nomeado para a cadeira de
Pedra Tapada.
Ao mesmo.De ordem do desembargador
governador do estado, cam momeo vos qae o
commisaano nomeado para guarda local de
Bel monte, Porfirio de Souza Leo, assumio o
exercicio de seu posto oo dia 6 do corrente.
Ao Dr. Luiz A nonio de Andrada.O des-
embargador goveaoado do estado., iuteirado
pelo vosso officio de hontem, de haverdes nesta
data deixado o exercicio do cargo de oelegad.i
de poltcia do Io districto desta capital, maoda
louvar-vo- pelos bons servaos qae prestantes a
causa publica no desempeabo 4o referido car o.
ao engeuneiro Joo Borges Perras O
desembargador governador do estado, Lcoa in-
u irado pelo officio d hontem d haverdes as
sumido a direccao int Tina da estrada de ferro
Sol de Pernimbueo, em virtude de .ordem do
ministerio da agri-wlta.-a.
Aos ageatesdo Lloyl B.-azileiro De or-
dem do desembargador "goveroador do estado
aecuso o recebimeoto do officio em que com
muoicaes que o vapor Para ebegado dos parto*
do norte boje, s 6 Ij2 oras da manti e segii-
para os do sol boje mesmo s 6 horas da tar-
ie.Commnnicon-;e lirectoria do commer-
clo.
Edital:
Pelo presente edital se f z publico, que se
acham nesta secretaria, aflm de serem ontre
goes aos inte essados, depois ue pagos os devi
oos direitos, as pateotes nomeando o apito Lu-
ciano Eugenio de Mello, para o post d- len-
te coronel commandante do IIo batalbao de re-
serva da comarca de Olinda, e o cioado Jo&e
Duarte Carneiro da Caoba para o posto d i te
neote coronel commandante do 2" bataibo de
reserva da guarda nacioual da comarca do Re
dfe, e bem assim a que concerieu reforma no
posto de teneote-coron l ao majnr da antiga
guaroa niciond da capital Jos Francisco de
Barros Reg.
O secretano,
Sopkornw Eutichiniano da Paz PorteUa.
TBAXSCBIP0ES
Os degradados
(Do Secuto, de Lisboa, de 26 de Abril)
Est finalmente salisfeiU a justica da manar-
chia. Devem esur jaoiiosos e iriumphantes a-
queiles, que no seu fervor de amparar as in
siituices, clamavam perenemente cootra a aran-
dura do$ costunus. Numerosos reos de estado
vao a estas oras siograodo para as trras afri-
canas, onde tero de expiar duramente o seo
oefandissimo atteoiado. Todas as juntas de pa-
rochia, q e inflimadas em san o ar lor aonar-
chiC', vieram em loogo prestito desfilar pe.ao e
o solio regio e laucar as soas vehementes e ex-
altadas maldictoes contra os veoc.dos de Janeiro,
vm agora enmpridos os sena votos pela cooser-
vacio de nm beoeQco rgimen, que loi por si-
gnos momelos amoscado.
E realmente nao ersm merecedores de ele-
nienc a e misericordia aquelles, que no meio da
mais celesual prospe'idade io'.eniaram. nio fo-
mente revoltosos, mas sacrilegos, alear mo cri-
minosa, nefandsima contra as sanias e prnvi-
videntes ras it jices, que symbolisam a liberda-
de, a iodependeocia, a segaranca, a riqueza do
paiz.
Fallou-se em que o poder moderador via com
sol lidia caridade remittir e adocar as doras pe-
nas, a qae as alfadas mar :iaes linham condem-
oado os reos a tenta ios to novos, to inauditos, quaes os
commettidos pelos delioqnentes, o poder mode-
rador se bouvesse intervindo neste oleilo das
nsutuicOes e dos rebeldes, lena dado um lasti
moso documento da sua debilidade a imprevi-
dencia. A amnista sena neste caso ama felo-
na do poder moderador. Era forcoso qae a
Jjstica, proseguindo no sen caminbo inexora-
rel, ao ver de ionge aesomar a Misericordia, bns-
casse desviar se para que as duas virtudes re-
gias se nao abrajassem em doce concillaco.
eram ]a de si exemplares de
ocas amoraveis dos conselno-
unha sido j ama clemencia
te governo admiravel pela soa
Pois qae'.'
lemdade as serj
de guertf
generosa que
torca, pela sua^joberencia, pela sua opmio em
todas as carnadas sodaes, tivesse exagerado a
sua mansidj at > pmto de nao privar di vida
os condemaados ? Q jando elles arvoraodo se
em diciadura alm de suspender as garantas,
de :retou a seo talante a coostituico das aleadas
militares e a forma retroactiva de processo, se-
guido o qual deverlam ser jalgados os insur-
gentes de Janeiro, quan-io elle copiava, em mi
matura, com discreta eleico dos seus modelos,
a jurisprudencia criminal, que atormentou e es
raartejou os Aveiros e os Savoras, nao poda ter
decretado qae a pena capital era s condigna
expiac&o para os sediciosos proclamadores da
Repblica em Portugal ? E todava a bnukiura
os costantes interpoz o sen proficuo valimento
entre a ultima seven iade e o coraco evangli-
co dos conselheiros da corda, entre o al;oz, jos
to vindicador da offendida magestade e as re
miniscencias democrticas de algnns dos man-
tenedores da ordem publica
Nao mereci>m, evidente, a mnima attenua-
co nos seas castigos os qoe pretenderam per
turbar com o sen crime de lesa-magestade a
crescente felicidade, em que o paiz iuteiro se
congratula e delicia com us soas bem-a vento-a-
das e fecundas iostitaicOas.
Que desejavam aquelles obcecados criminosos ?
Mais liberuade em todas as soas multiformes
maoifestacOes ? Que mais ampia liberdade para
a impreosa, para a renoio poltica, para as as-
sociacOes de cldados qae os foros populares
consignados na amena, quas paternal legisla-
gao pro mu gao a pela dictadora regeneradora?
Mais seguranga pera as nossas possesses ultra-
marinas coaira as ios ca veis invases da Ingla-
terra ? Onde era possivel descobrir para ellas
melbor guarda qae o milagroso modus vivendi,
to mirifica e maravilbosa inveoco qae o bronze
espera as fundicCesique o affdcflem e ciozelem
em estatuas, para justa commemoraco dos seos
grandts negociadores.
Queriam talvez esses polticos aventureirof
meibor ordem oa gerencia da fazeoda publica -
Ingratos e anti-oatrloticos cidados 1 Rebeliar-
se quando o dficit do tbesouro apenas de qua-
torze mil conios ananaes ? Insurgir-se oa pro-
pria occasjio em que o parlamento vot ando o
r03to e dizen lo-se envergonhado com o vexame
e rubor laopporton?, vota a salvacio do Estado
e excoojura a Danca-rta n'um emprestimo de
dez mllbOes de liaras, e proclama como quinto
poder poli ico, sem comtudo o inscrever n'uma
errata coostituico, a amoravel e quasi gratuita
protecgo de um banqueiro generoso ?
Aspiravam esses dementados revolucionarios a
qae hoavesse urna le fundamental, qae textual
mente se cumpnsse, qae os poderes polticos se
mantivessem mdependentes, honestos, contra-
dos sua propria competencia ? Qae o parla-
mento se reunissa regalarmeute, e elle s votas-
se as leis e velasse assiduamentef pela sua exe-
cuco? Mas o governo liberalissimo qne ora
preside aos negocios pblicos, e o seu glorioso
antecessor, nao se fartaram esquivamente a reu-
nir o parlamento, e se nao para o consultar, ao
menos para mitigar, n'um relance, qne vale por
mil seclos, as saudades qne Ibes ralavam as
entran has. Estes ministerios, cumplidores nao
zelosos mas fanticos da lei fundamental, abrem
e parlamento. &' verdade ane para o dissolver
oa adiar. Exercem a dictadora ? Qaem oosar
incrpalo, por um pecado qne o costme con-
veneu em venial! Qaem non ver de julgar a
monarchia segura em seus cimentos, se a dicta
dura nao reo ganisasse a contadora de um hos-
pit I J Qaem vivera contente nesta pobre trra
portagueza, seum ministro ousadnmenteorgaoi-
sador, nao acca U8e a augmentar dictatorial
mente e exercito de Xerxes para o empregar na
pe'feita dscalisaco dos caminbos de ferrro na-
conaes I ?
O p iz era librrimo, opolentissimo, feliz. O
Tbesouro pareca '-raapobrecer progressivameate
mas era apenas urna lluso A mais infrene
relax.cao invadia todas as relacoes do servico
publico, e afrouxava oa rompa oteiramente os
vnculos da disciplina e do dever. Mas estas
vozes de terror nao eram seno pu'os devaneios
de monarchistas descontentes. E-a a cmara
municip! do Porto que, ao dirigir se cora.
oebuxava em sombro colorido o estado roisera-
ve1 do paiz. Eram os monarchistas de tolos os
matizes que, rememoraodo e encarecendo os
seus erros e delictos aa aimioitraco das cousas
publicas, representavam os goveroos prestes a
afundir se no turbilbao das suas iniquidades,
l'udo era, porm, o fructo de mrbidas pbaata-
sias, porque nooca Portugal, com mdbores mu
los, servio de exemplo as nagoes mais sabia-
mente adminstralas nunca loes en-ioou com
mais persuasiva demoostrago como se respei-
tam as leis, como se presa a bonestidade na ad-
mini.-trago, como se idolatra a morahdade no
doverno. do que u'aquelia funesta occasia.i _m
que rebellados cidados vieram toldar de cruen
tas nuvens o ailado co d'este formoso pa
r-ieo.
Por fortuna do oaz e competa propiciago
,ios numes Irritados, aiuda os raglezes consen-
lem a Portugal a gum.-s e.-treitas zonas de africa-
no lerntjrio. Anda ha espaco para talhur o
purgatorio dos vencidos, a quem a clemencia
official poapuu o altimo supplicio.
Campno a severa jnstica o sea offiaio. Que
brou se o encanto proverbial da brandura dos
costumes. J nao temos ovelhas, neno le.s,
a di igirem os destmos da nagao, V-se lozir a
espa a j sabida quasi inteirameote da bainha.
O H-rcule8 ministerial, eaguendo-se da soa ef-
feminada prostrnco aos ps da Omphale polti-
ca, floia garoorsam-nte a clava extermioadora.
Atiente-se, porem com previdencia no fntoro.
Era ma e viciosa a brannra dos costumes.
Sero melhores os odios polticos, desde agora
craamente exarcebados? Ser melbor o paiz
coovertido algum da per veoiura, o'om campo
de baulha T Ser melbor o reciproco desejo e a
sanlia rapiacavel de tremendas represalias ?
A clemencia desagrada aos irados tempera-
mentos, a ganeroaidade pesada s rogos n
rompteiges, qae s vm nos carceres e nos pre-
sidios a salvaco do rgimen estabelecido Mas
oem os ergastulus, nem 08 desterres consegui-
ram nunca segurar o qoe segundo as lea hist-
ricas tem oecessarlamenie de ceder, en larde M
cedo, a estas forcas mais pteotes que as Dayo-
1 netas e os canbOea. e qae tem nome, Mea, Pro
gres8o, Traasformago nos goveroos e as ina-
tiluiges.
Como om cbo sinistro do Vae victis des-
es dias, poderia a agudeza de um oavido pers-
picaz porventura percebe- coufasamente um
Vae victis pronunciado sobre os vencidos de
pocas vindouras.
Fagamos votos ardentissimos para qu n'um
rgimen futur > de jostiga popular, nunca aos
bymoos da victoria venbam sacrilegamente mes-
cfar-se, destemperaado-os, as selvticas execra
ges e as vindictas irracioaaes e cruelissimas.
Latino Coelho.
INDUSTfti4S E 4HTS
< Um sindicato composto de capitalis-
tas norte americaoos vai explorar carvo
de pedra, no municipio de Tatnhy, Esta
do de S. Paulo, segando diz o Gorreio
Paulistano :
Os aaachinismos destinados quelle ser
"ico j se acham em Tatuby, tendo se
guido para aquella localidade o Sr. J. S.
Willians, aam de eocatar os trabalhos da
ezpioracSo, que viro ser ieitos ao lugar
onde ha tempo o Sr. Maylaski mandoa
f-tzer diversas sondagens, com o uto de
encontrar jazidas do mencionado mineiro.
Na mesma zona, a Companbia de La
vras e Matallurgica. sob a directo do
enganheiro geolgico Francisco de Paula
e Oliteira prosegue com grande activida-
de na trabalhos da ezpioracSo do pe
troleq.

Diz am jornal de No va-York que a si-
tuarlo d a fabricantes de artigos de bor
racha nao satisfatoria.
Duas companhiaa fomaaram-se urna com
o capital de 410.U0C,0U0 e a oatra com
o de 5,000,000. com o tm de fazer subir
a materia prima pregos altos e ja se fal-
lara em 1,20 por libra.
Os fabricantes achavam se despreve
nidos o qoe possne nao chega para o con-
sumo de nm anno, mas nao impossivel
qae, vista dos precos exagerados que os
exploradores exijam para borracha bruta,
o fabricantes reduzam o mais possivel a
saa prodcelo.
Procurando os depsitos de phosphatos
de cal na Florida, exploradores felizes re-
centemente deBCobriram ama mina de
merechaum (espuma do mar) de boa qua-
lidade.
As primeiras remessas de algodao e 13
da Bakhara, Raasia, chegaram consig
uacjro de ama fabrica de tecidos no_iSul
da Franca.
EUh onstavamde 300 farlos de al
god&o e cerca de 4,500 poods, ou mais ou
menos 80,000 kilogrammas de 12.
No Buletin de la Soclt Chimque, de
Paris, de 5 de Margo ultimo, a pagina
308, descreve se urna descoberta feita na
escola de Brofers pelo Sr. Lepirre, hbil
professor de chimica industrial.
E' ama descoberta que parece n5o estar
anda archivada nos annaea da sciencia, sen-
do que por ventara ter de representar um
grande papel em ana applicacSo s artes.
Pretendendo o Sr. Lepirre demonstrar
praticamente aos seus ducipalos qae o en-
xofre fundido a 115. pouco mais oa me-
aos, podia ser vasado sobre am cartlo
sem o destruir e queimar, a vasou effec-
ti va mente ama por gao so are nm bilhete
de visita com os bordos voltados, ten-
do por dentro alguns caracteres lytogra-
pbados.
Isto feito, deixoa esfriar; tirou o car-
to, e va com espanto que os caracteres
estavam ntidamente impressos sobre o
enxofre, sem sentido inverso, e que
nem mesmo com a lavagem e friccao des
appareciam.
O loatre professor, admirado, r^petiu
entSo a experiencia urna e muitas vezas,
lavando furtemente a lamia v do enxofre e
sempre obteve o mesmo res litado, quaes-
qaer que fossem as tintas e as c6res do
desenho que empregasse.
E dem os, a o tidez da reproduegao so-
bre o enxoire exactissima e proporcio-
nl do original, nos seas mais leves
tragos. ,
O Sr. L -pirre enviou Socit Ohi-
mique alguns exemplares muito curiosos.
Aguardemos a expliCacSo qae possa
dar-ae do facto, que sem duvida alguma
devida a urna intima amao da contacto
eutre as partculas do enxofre e da tinta
Este processo tem, sera duvida, ama
futura auplicacao s artes de gravura e
de desenho >
(MRESNJMEMIAS
LEOPOLDINA30 de Abril de 1891.
tiitrou, no primeiro dia deste mea em
exercio do cargo de juiz de direito desta
co marea, o juiz municipal da mesma Dr
Fausto C. de Albuquerque Qadelba, por
ter o juiz do direito effectivo, Dr. Bernar-
diao Meranhao, entrado no gozo do urna
iiceoga que impetrara.
Os am.^os do licenciado, acompanha
am-n'o at maito alm das portas desta
comarca, preatando por est i forma nm
preito a circumapeegao do sea ceracter e
a j asteas dos seus actos, e iazem votos
para que brevemente elle volt j saa ju-
dicatura.
A' guarda local deste municipio ro-
sante se de falta de nm oorneteiro ; mas
nao existindo aqu, praca apta para tal
miater, ser conveniente qne se deem as
providencias necessarias para que seme-
Ihante claro seja preenchido, pois satisfaz
a lei que re jula a instituicSo da guarda,
local.
Urge remediar sobre as remessas de
dioh -iro, pora pagamento da citada guarda.
=> O Revd. -igario Manoel Antonio
Martins de Jess, fez saa visita parochial
groja matriz desta villa, nos dias 18,
19 e 20 do corrente.
Um sol africano res cea osnossos ser-
ros e campos produzindo consternacjlo ge-
ral, mxime para oa agricultores e dado-
res. Em quanto nuvens carregadss de
chavas passam affastadas desta villa,
(deixanlo o desprazer no espirito dos ex
pectadores), oatros pontos sertanejos lc-
cupletam se com ellas pelas irrigscSes do-
solo.
= A nossa atmosphera, moral, civil e
poltica como nm manto de paz, se estn
de garoosa sobre as nossas cabecas.
O predio onde fuoccionam os intec-
dentes deste municipio, acha-se em rej-
o, e pelo gosto e nitidez do trabalho- qa
nelle j se nota, vem a ser um dos melhc-
res deata villa.
Amanha, aqu, abrem-se as porta
do templo para os fiis deporem aoa pia-
da Virgem os seus rogos e flores.
Em nome da religiao legada pero
nossos maiores, pedimos espago para a
publicarlo de dous casos estupendos e
sobrenaturaes, ana dos quaes comprovado
por um attestado de grande monta, que
abaixo transcrevemos :
1. Em ama i-reja do Joazairo do Cra
to, no dia 26 de Margo, qcinta-feira santa,
anta oito ou dez mil pessoas existentes
no templo o seus arredores, por occasic
em que se dava a commanhSo mu toe
fiis, ama das partculas se tra-sformot
em sangue na lingua da beata Mara de
Araujo. Eis o atteatado :
< Mar 'os Rodrigues Madeira, dootor ent
medicina pela escola do Rio de Janeiro.,
medico adjunto do hospital de Miseri-
cordia da Capital Federal, socio titular
e benemrito do Instituto Pharmaceu-
tico da Capital Federal, ex^deputad
Jrovincial pelo 7" districto do Rio de
aneiro, delegado da Junta de Hygiene
etc., etc.
c Attesto que sendo chamado paa ob-
servar a beata Mara d Araujo, poucos-
minutos depois de ter commungado no dia
26 do vigente, quinta-feira santa, no po-
. voado do Joaseiro, deste termo, onde me
I achava, obaervei o seguiote : encontrei a
de joelbos, cercada do Revd. padre Cice-
ro RomS Baptista, outros sacerdotes e
muitos cidadSos disti netos desta e de en-
tras localidades, os quaes me c< nvidaram
para verificar a transformagSo da hoste-a.
em sangos, facto e -te, que segundo refe
rio-me o mesmo Revd padre Cicero, tem
se reprodnzido por ama de urna vez na.
mesma pessoa.
De facto, examinando n'sta occ.siac
a lirg'ia da referida beata, verifique!, com
oa meus olhos, que a partcula esta va qua
si toda transformada em urna posta san-
guinea, menos na p^rte central, na qual
se divulgava ainda urna pequea porgue
da partcula com sua cor quasi natural,
f Em segoida a mim, continuam a
examin ir o facto grande numero de cida-
dSos de reputagao insuspei'.a, e desojando
continuar a observar o ta do alludido, pe-
di ao Revd. padre Cioero que fizesse re
mover grande parte do povo que nos cer-
Civa, afim de que bouvesse batanee luz,
para pnn eguir no meu exa-re, qae fiz
com a mais acarada att-ngao ; e nesia oc-
caso observei que a partcula estava j
completamente transformada em sangue
vivo e rubro, que poderia ser reconhecido
olhos us por qualquer pessoa, meamo
que nao fosse um profissional.
Este sangue ssim descripto toma va a
forma de um coraglo hurnaao, e cima
deste corago assim desenpto, obse vava
se urna ulcera na parte anterior e media,
da lingua, cojos b irdos erm salientes e
so e'evavam bastaote oh lingua, de modo
a ser este fact > tambem verificado por
mim e um grande numero de cavalheiros
da primeira socidade.
a Miuutos depds, qaando teroei appro-
ximar me para proceder a novo exame p
liogua da referida beata, j nao enontrei
nada do que antes havia observado com
muita attengS.
< O saogue tinha desaparecido com-
pletamente e bem -ssim n ulcera de cha-
go, como chamavam as ontraf pe-soas que
uommigo foram testem mbat d > facto, nao
fiuaado absoluta mate na lingua o m or
vestigio dos phenomeuos qu^ ucabavam de
operar-se.
< Continuando anda, o meu exame, ni
descobri a menor ferida. ulcera ou feri
ment de natureza algu aa na lingua, gen
givas larynge e emfim em toda acavida-
de buc ;ai, sendo de notar ae que a lingua,
estava completamente limpa e sem ter
mesmo & menor racb dura.
Outru facto digno de mengSo qa
este saogue completamente rubro nio sof-
freo''a menor alterag&o na sua cor durante
todo o tempo que foi observado na lingua,
pelo espago de duas hor*s mais ou menos,
apezar da accao do ar atmospherioo qu
com elle estav- em ooitcto.
t Quanto a mim trata-ae de nm fact
sobrenatural para o qual nao me foi pon-
sivol encontrar explicagao scientifiea.
c Pouco se me d que os noMdnlo
nSo dm a este mea attestado o valor que
elle deve tar desde que ac.ma attesto,
a expressSo da verdade e o juro em f do
v*



'
m
I

3
*'' M
.'t'
I
I

.
J






DntriVde Pernambuco Qainta-feira 14 de Maio de 1891
man gran, tantas vesos quantas me torera
pedidas.
< Crato, 28 iliMinga de 1891.
Dr Marcdhodi>itfues Madmra.


>
.
'i


N. B. Est raeaohida a le'r arma
pelo Tabelhao awta ciade, M.njol -L de Lima.
2. Na soguada-feina da paschaora a re-
ferida baata-ao aommuagar sen ti o o mes
mo phenonMno e a h stia transformada
em saogue permaneceu por espago de 3
horas na mo do padre Cicero afm de que
toase presenceado pelas pessoas presente*.
D'este Estado do Cear e de M as
Geraes chegam constantemoate fiis
Jo^aeiro com o fito de verem os dous vir
tuoBoa : Mara ce Araujo e tadre Cicero
Rom&o Bautista
O qu j hoaver de mais notare! no Jea4
aeiro farai constar na mssiva vindoura.
REVISTA DIARIA
Jurdlm publico 13 de Malo-T-ve
luiit m lugar, com aasisteucia do presidente e
ootros membro* da Intendencia Mu o cipa I, a
iuaogaracao solemne deaae jardim, situado
pra,a de Dezesete. outr'ora de Pedro II, se ido
o ado pra.icado mesmo em sua simpl.cidade com
encantadora elegaacia, cootoante ao aspecto do
lasmo jardim, que por suas proporcoos, dispo-
si^ao do armamento florido, belleza do eavi nao
chalet, que Ihe occupa o centro, e oulros ador-
D-M, um verdaleiro mimo.
E' bello de ver cortamente o effeito que pro-
uc sse jardiin oaquelia pequea praca, que
por elle alindada e boje ollerece um poulo ae
disiracco nossa: popoiiicao, agradavel e de real
diverso para os esplritos.
- I lea e -execncdo inicial do nosso velho a mi o
Dr. Hoscoso, na operosa administracao do vene-
randa iBftfia de Lacena, no aaoo de 1874, arras
toa essa obra na) admiuisiracSs subsecuentes
ama existencia distanciada de seas lias, de aban-
dono mesmo deiles e do qu8 eslava f._ i:o, ao
pomo de nao ser ento muis que um logar cer
cado pelo gradil que o contorna. Con a nova
ordem de cousas, porn, renasce essa Pbenix
u>* suas cinzas ao so pro cre ler de um rtomeai
de goxio artstico e protissional de mrito.
O Sd. eugeoheiro Harcnlano Ramos.foi ebse
awicj. e a traosormaco radical que ooerou.
coaaiiluiodo ef divamente urna obra nova, Ibe
urna gloria e Ibe faz urna paternidade a parte,
distraer, exclusiva, merecendo por iseojusos
. etoeios.
0 jar Jim a que nos referimos, ebontemfoi
aberto ao uso publico, form um quadriloogo,
que^braoge tola a p-aca e cercado por gra-
des de fe ro batido, guardando assim a forma
primitiva nesia parte.
N < ponto central desse quadrilonuo levanta-
se jbre urna base elevada 1o solo al&uns ps
de altitade, o paviloao alludido de c instru :c i >
no Hjtyio francez, e para o qual do accedo
duas espadaras.
Ao lado oriental, encimado de ama Agora do
aborigene brasileiro, talhada em mirador-. ti.
um monumento bistonco formado de urna co-
lumna, em cujo poste notam-se quatro escuio.-
com a ioscrioco em bronze das datas 1634
18 7 -1824-1889. e no plinto em folbas de mar-
more ba as inacripc6es : Ao poro o municipio
13 de Mu) de 1888-Ordem e progresso-
Traba'ho e Liberdade. E ao lado occidental
assenta-se urna baca de mirmore, offeris da
Com panfila de B.;benbe, e sobre ella cabe em
li .s a para lympha do Prala que jorra ao abraco
de dous infantes.
O armamento dojardim disposto em symetria
offerece. urna perspectiva ridente e vistosa ; e
nos seas canteiros ja osteotam-se em copia vivi-
das flores, cujas cores vanadas e perfumes
ag-adaveis ao passo que eacantam a vista, deli-
cia m o oi faci.
E' um melhoramento cuja imporlancia deve
ser apreciada debidamente pela nossa popula
cao, que d'elle tem de gozar ; e compentrala
da* vantagpn- qu? Ihe aavirao desse gozo, cada
um cidado tem o dever de coa3titoir-e um
seu conservador, afim de maatel-o em coadico--
de prestar-se aos seos ns sob as referencias de
hygiene, de aformoseameoto e de recreio pu-
blico.
Um e todos que penetraren) nesse lindo qui-
te, devem ter em vista quo Ibes sendo livre o
uso do jardim, ibes todava probibido pelo
H-uia.D> nio de 12 de irnu lo anno passato :
Tirar flores, ramos e folbas das arvores e ar
bastos, sajar a agua dos tinques ou bacas .- o
infractor sera punido com a multa de o000 ou
di us das de prisao, e do dobro no caso de re-
.ii vi>nc as ;
Estragar e damnificar os bancos, mesas, tron-
cos de arvores ou quaesqusr objectos ou con-
stra^coes existentes nos jardins: o Bfractor
m da primeira vez multado em I0J0O0 ou
quatro das de priso, e o dobro na reinci-
dencia ;
Pisar a relva. deitar-se ou dormir nos bancos
oo qualquer ootro lugar dos jardins : pena de
multa do 24000 ou um da de ptiso e o dobro
na reinciieocia.
Nossos emboras ao Sr. engeaheiro Herculauo
pela boa execucao que dea a sua incumbencia ;
e digna intendencia Municipal, as oossas feli
citacoes pelo melboramento que realizou em
bem desta cidade e gozo dos seus muoicipes.
O da 13 de Malo Correram simples,
mas eloquentes as festas promovidas em houie
cagem ao da 13 de Maio.
Pora a manifestacSes soladas que, nao obs-
tante, auestaram a gratido nacional aos bene-
mritos batalhad^res que realisaram o da 13 de
Nao bouve orna aggremicao de forcas, nao
presidio as mcsaias um pensamento ge ral que
as anificasse.
O povo pernambucano mais urna vez mostrou
a sua gloria pela data memora .el qae symooli-
sa o inicio de nossa regeneracao poltica.
Estiveram illamioatloa todos os edicios pu-
b icos, quarteis, redaccoes e mujta.s casas par-
lirula es, algumas das quaes oruaram saas sa
cadas.
Humarla abollcioalat Realsou-se
bontem conforme aonunciamos a romaria pelos
antigos abolicionistas desta capital.
A's 6 boras da tnaoh oartiram da estaco do
Brutn, 3 boods conduzindo urna banda de msi-
ca e grande Damero de abolicionistas, que se
dirigiam em cvica romaria ate a casa onde se
refugiavam os eseravos que tinham de-seguir
para o Cear.
Cbegados ao Manguinho apearam-se e segu
ram em direccao ao ponto designado, doade
afs ligeira demora dirigiram-se a residencia de
D. Mana Tnomaz a a valente directora de ama
associacao abolicionista do Cear, e comprimen
taram a'a como digna representante do glorioso
estado qae foi o primeira a redimir o sea solo.
Penas as saudaces anda foram os romeiros
lalcitar o Sr. Joao fiamos como um dos mais
denodados propagadores da grande cansa.
Trillaos d tillada -E' boje, ao meto dia,
qae se reuma em assembla geral os accionis-
tas des a eaapreza para ofim de tratarem da re-
pectiva reorganigacao, visto Hodar se o seu pri-
vilegio em Dezerabro prximo, bem como o pra-
zo tirado pos seos estatales para seu funcciuua-
mpnto.
liiina PintaTambem se reanem boje s
11 boras do da, os accionistas da Compsobia
Usibb Pinto, no andar do predio n. 19 da roa
Mrquez- de Oiinda, para tratarem de int resses
da i i pr- z i.
Pairada de ferro dw Beelfe ao U.
Kraaolaeo -Na eslagao de Cinco Pontas desta
ferro vi-a est sendo pago o 55 dividendo aos
respectivos accionistas deste estado, referente
ao 2* >emvire do auno pa-sado.
rorOceair dos OOIclaea da aar-
da nacional Em assembla geral devem
reumr-se smanba, is 6 1[2 boras da tarde, os
membros desu asso.iacao para tratarem de as-
aiMapta, importantes e ureentes, A reunio
i: > 1* andar do predio n. 39 da roa 15 de No
vemaro.
Ciadtai la da aaiasaainiaTriaadade
^aatawat-, s i|2 bora da tarde, eacett asta
coafrar (estai do.seii padroeiro, naateaadoa
respectjva baodelra e uzeado a primeira no-
vena.
r*aa>aair Xioiaa floje, anaiversario
do irespasso do brigadeiro Francisco Joaqaim
Peretra Lobo, veterano da nossa Hdpp
poltica, -erao ceieb-adas algumas missis, co.n
Libara-me, pjr una alma, is 7 i\i boras do da.
na igreja daCoocsico dos Mi'.aret, secando
se do -.onvita da-resp,-cuva fan lia, publica
da a co mptente seceso deste Diario.
anleaarla de Coloaatt* -0 S". Dr.
Jos Avelino. como presidente do Centro loero-
Am-ncano, diriga ao Sr. B .rao de Lacena o se-
gointe cffi-io:
A celebrac&o do q jarlo centenario de Cdris-
tovao Cslombo nio urna testa puramente Ilite-
raria, como foi a do tricentenario de Lolz da Ca-
rnee?, da qual anda boje a populacio d'esta ci-
dade guarda as mais grata3 recorjacoes.
Colimbo nio foi um Iliterato, nem um artista,
mas um navegaate aadaz. um descobndor io
comparavel, o descobndor de um mondo novo;
a realisacio da saa arrojada empreza importoo
para o velbo mandona dilataco de extraordi-
narios thesouros, tanto para a economa, como
para a sciencia.
Encarado debaixo d'esse ponto de vista, que
e o rigorosamente histrico, Colcmbo foi, mais
qas ludo, atn grande impolsor da navegacao e
do commercij, franqueando Ibes mares, rios,
portos e trras, at ento desconbecidos do eu-
ropeu. lio nomeroso; e tao dilatados que em
quatro seculos. j quasi decorridos, aioda a in-
uuslna humana nao p le de lodo expJoral-os.
As solemnidades com qne. por iniciativa da
oio Ibero American~, a H:spanha e com el a
toda a America latina tero de celebrar o qcarto
centenario do grande navegante, devero conse*
guiotemente ter o cuati o de urna fasta industrial
martima popular, coafraternisadora da gloriosa
raga ibrica.
ao commeroio e oavegaco compete a parte
mais saliente d'esia celebraco, e por isso que
0 Centro Correspondente Brazil-iro da Uaio
1 aero- Americana j leve a honra de se dirigir a
V. Exc. como ministro por caja pasta correal
os iD*eres3es d'aquell-s dous grandesetemsatos
da vilalidade uacional, para Iba pedir qu: se di-
gaasse de acceitar a presidencia d centro dir*
etor, que, semalbaoca do que foi creado em
Madrid, aqu se orgaoisar para tomar a si o
inicio e diraoco dos festejos do qoarto centena-
rio Colombiano.
Arcillando, como j se dignoa de acceitar,
-essa presidencia, campre med'esde jsubmetier
sua approvaco o eleoco do ceatro-director
organisado pelo Centro Correspondente Brazilei-
ro da Uaiio Ibero-Americana, ao qual este de
lega a honrosa mlsso que Ibe foi confiada p -11
ce^ro director de Madrid ; ota a organisaco :
Presidente, Bario de Lucena, como anaisiro
do commercio e da nave^ac/io ; vice prasideote
Dr. Jos Avelino Gurgel do Amaral, como presi-
dente do Ceniro Correspondente Braztleiro da
Uoio; secretarios. !. Pelir Perreiri, 2 Pran
cisco de Paula Barros, 3 Dr. Antonio Manoel
dos Res, co i.o 1.* e 2." secretario a tbe.sooreiro
do mesmo Centro Correspondente.
Commfsso das puolicacd's. os tres se'reta-
rios ; commisso da expoiicao : Dr. Ladislao
de Souza Netlo, como director do Museo Noci
nal; Dr. Francisco Le te Bittencourt Sampaio.
como director da bihliotbeca nacional; senador
Jos Hygino Duarte Pereira, Joa Gapistrano de
Abreu, Joo Brigido dos Santos, como historia-
dores do Brazil.
Commissao dos Estados : Artbur Indio do
Brazil. como representante da navegar? brazi
leira ; Dr. Joo Severiano da Fonaaca, como re-
presentante da sociedade de geograpbia;
Commissao de fondos : condi de Figaeredo,
bario de Ollvei-a Castro e Dr. Joao da Malta
Machado, como representantes do oommercio
brazileiro; barc do Alto Mearim, commendadon
Luiz de Faro e Olivaira, bario d'. Salgado!
nba, como representantes do commercio portu-
gaez ; 0. Antonio Flix le G.n.-ia Infante, com-
meodador Jos H.-rmida Pazos a Gregorio Irur
zura, como representantes do conmercio hespa-
nbol .
Pavlltuo poriusue-Ti'ji estado mui-
to coocorridas e intereseantes as fonecoes dessa
companuia.
O publico tem gozado de agradaveis diver-
8"S.
Todos os artistas teem justamente conquista-
do 8ympathias geraes e Rosiia,o interessante
jockeyfaz o fu-or da pa a.
Hoje hovera novo espectculo com programas
variado.e attraheaie.
Illuatracton Kapanolr-K 'vto os
OS. 12 e 13, de 30 de Mar^o e 8 de Abril nudos
da mostracin Espaola, que se publica em Ma-
drid.
Traiem esses nmeros esplendidas gravaras e
lindiS8imos artigos s. bre liitaralura e sciencu.
Eatatoa de Federal realisou-se no dia 3 do correte, com
grande solemoidade a inaugnraco da estatua
do grande acior braslleiro Joo Caetano dos San-
tos.
A'respeitoasrim se pronuncioo a Gazela de
Noticias:
< Pouco autes de 1 hora da tarde cnegou a
Escila Nacional de Bellas Artes o Sr. general-
simo Deodoro presidente da Repblica, acompa-
obado do seo esuioxn dor, seado recebido pe,o
actor Vasques cootra-dlmirante Salostiano Cae-
tano dos Santos, actores Mata. Machado e ootros.
un tilti j do grande actor, o Sr. m'nistro da n-
strujgo e a directora e corpo docente da Esco
la de Bi'IUs Ar:es.
Al hora da tarde, o actor Vasques con vi-
dou o Sr. presidente da repblica a inaogorar a
estatua de Joo Caetano collocada em frente ao
edificio da Escola de B .lias Artes, eaoctugar
S. Exc. junto do pedestal da estatua s bandas
de msica dos menor de om dos batalboes da brigada policial execu
taram o bymno nacional.
0 actor Vasques, tomando a palavra. con
gratulase com a populaco do Rio de Janeiro,
com os ar.istas dramticos e com todos qoantos
concorreram para a realisacio da bomeoagem
prestada ao grande actor, que tio alio elevoo a
arte dramtica oo Brazil.
Agradeceodo aos que o coa Ijuvaram para a
realisacio da estatua de Joo Cietauo o actor
Vasques Jis-e nao poder esquecer oaquella mo
ment o S.\ D._ Pedro de Alcntara, ex-impera-
dor do Brazil, SS. AA. a phnceza imperial e
conde d'Eu, pelos auxilios qae prestaram, ani-
mando a idea e concorrendo com as saas presen-
cas para queasifestas aaauaes qae serealisaram,
tivessem todo brilbaotismo.
Terminou agradeceado ao Sr. presidente da
Repblica a saa presenca na fasta, e pedia a .
Exc. que rasgasse o vea qae cabria a esiatna.
Isto feito, as duas bandas de msica executaram
o hytmo nac onal.
O actor Vasques ergueo vivas ao geaera-
lissirr.o Deodoro, pediodo-lne que prolegesse a
arte dramtica no Brazil, para que os artistas
que se dedicam a ella, possam honrar pelo sea
trabulio o grande mestre qae, embora tarda-
mente, tem a recompensa do maito que fez.
Em seguida a convite do actor Vasques, o
Sr. Luiz Jos Pereira da Silva fez o discurso olfi-
cial, pondo em relevo as grandes qualidades ar-
tsticas do grande actor Joo Caetano, qoe pe o
seo t lento souoe elevar a arte dramtica do
raz i. tornando immortal o sen aome.
Oraraai aioda os actores Areias e Moreira
de Vascuncellos, sendo tambem distribuida im-
presso orna poesa do Sr. Dr. Roseado Maniz
Brrelo.
O Sr. Joo Caetano Filho offareceu ao actor
Vasques om liado ramaibete de flores arti&ciaes,
do qual peodiam Qias com os seguiotes dizeres :
Ao actor Vasques, gratido dos rhos de Joo
Caetano3 de Maio de 1891.
A festa terminon execoundo as bandas de
mosica o pot-pourri da opera Gioconda e o bym
no nacional.
Ao Sr. presidente da repblica off;receu o
actor Va-ques u io lunch, durante o qual troca-
ran) se muitos brindes.
O actor Vaaques eotregon ao Sr. presidente
da repblica ama medalba de ooro, commemo
rali va da ioaogaraco da eatatoa de Joo Cae-
tano.
A festa esteve immensamente concorrida.
seado grajde o numero de actores e aclrizesqae
concorreram a solemoidade.
A estatua de J jo Caetano, representa o o-
taveJ artista em orna das meiheres situagfies do
persooagem Osear, lno de Ossiaa, trabalbo do
finado enculplor Chaves Pnhelro.
Hi na frente do pedestal da estatoa, qoe
singelo, un medalbao em brouze modelado pelo,
notavel es :ulptor Bernardelli e na face oppoata
a segua* dedicatoria: -A Joo Caetano, gloria
do palco brasileiro.
V se ainda na estatoa duas-mascarai broa*
zeadas, assentando-osocco da asUtoa sobra dois
dogras lisos, qoo devem ser guarnecidos por
urna srade.
rada de Ferro lateraaeioaal -
Ao Ministerio da Agricultura foi dirigido o se-
grate offisio dos representantes do Brazil na
confareacia internacional que se devia reunir em
Washington, do corrate auno :
Washington, 17 ae Marco de 189t.
Iilm. e Exm. Sr. ministro da agricultura
commercio a obras publias.Nomeadoa para
representar o Brazil na Conferencia da Estra-
da de Ferro Ileroa,;ioual, que se devia reu
or em Washington, eu e o Dr. Francisco de
Moole^ade partimos da Capital Federal oo da
27 de Jan-iro, aqu Chegando a 24 de Fevereiro.
Procuramos immediatameote o nosso uinistro o
Sr. Dr Salvador de Mondonga, que nos apresen-
iou ao secretario de estado o Sr. Biaine, por
quera fomos dignamente receidos, o'ffrecendo
ae mesmo S. Exc. para pessealmrate introduztr-
nos na :ommi-3ao, junto qual fomos acredita-
dos. Tomamos desde lego parte nos trabalnos
apenas comecados, seado o Dr. Monlevade no-
meaio membro da Commissao de raoanc.as e eu
membro da commissao de tragado, encarregala
de exudar no ma,/pa a liara man conveniente
que ilev; ser explorada para ligar os paizes ame-
ricanos, determinar seos poitos obngadoa, bem
como orgaoisar as instroccOes, que devem ser
dadas as turmas expiar- doras. K" presidente da
coufareocia da estra la d f rrj Intercontinental
o distmcio engeaheiro amencaoo o Sr. Ca-sai.
no uea io pelo seo governo, teado a assemhl>i
elatio os dous vice presi entes, sendo um deiles
a abaixo aasigoado. que rnui'.o so lisoogea pela
escolba, por ver oella apenas ama bomeaagem
feita a Repblica dos Estados Unidos do Brazil.
Logo em ama das n rio 'iras dassOas, liis s
insiro cois recibidas, doclaramos e fizemos in-
serir em -teta que a nossa collaboracao nos tra
bal ios de coofereacia na iinporiavam compro
misso algum por parte do n.i-so governo, a es
peiio das deliberacflijs tomadas ; reaervanJo-se
elle pie.ia liberdade da approvalas oo nao pos
tenormante. como julgasse conveniente. Falto
este ligeiro histrico, passo a coaimaiicar a V.
Exc a prim-ira rosoluco lo nada pela assetn
olea, e sobre a qual tem V. Exc. Je resolver.
m Tataado-se da parta fiaaocaira d s mei03
praticos de realisar oa estados da liniia proje-
clada, o nosso presidente o Sr. Oassat, historian-
do os factos, deelarou que aa cooierancia la i
.Americana^qua dea ongem a presenta conferen-
cia, foi decid.do qas os paizes que adaanssem i
idea conorr.'iiam para os respectivos estu-
dos oa razio de sua populaco, leudo se dapois
lixado a qoota de mil dollars annoalmente por
uiilho de babiuotes at perfazer a somraa ae l
cassana para esse3 es ados.
< Disse in.is que. de aonformidade com asta
resolucao, us Batatos Unidos do Norte, nio oba-
tante nao haver um plano de exploreco a fazar-se
em seu territorio, depositaram iaomediaUmente,
0 auno passado a importancia de 63 mil dollars,
correspondentes aos. seus 65 milnOes de ba-
onaotea eqaa pelo sea parlameato j traba cido
volada igual somraa para a segunda prestacie do
correle anno : que o exemplo dos Estados Uni-
dos s li iba ate aoje sido segoido pelo Chi e,
que man Jou depositar a saa primeira qoota na
importan da de tres mil dollars.
A' vista dessas declaracas, foi decid io em
sessio qoe os delegados dos demais paizes, of
hciassem aos seos respectivos governos paoiodo-
h-'s qae maadassem igaatmaote depositar as
suas respectivas quotas. visto como o facto de
haverem aomeado delectados, que os rep.-esen-
tassem nesta conferencia, importava adheso a
idea e crea va para elles o alludido compromisso.'
Parece-me mesmo, qae tal compromisso de
corre das resolucOes tomadas oo Congresso Pan
Americano, como se v dos documeutos que,
pelo governo americano, foram enviados ao nos-
sa goverao, por occasiio de coovidal o a lomar
nirte na presente conferencia (art. 13 das reso-
lufiOes do parecer da Oonfareacia.Internacional).
Consultando a respeito ao nosso o?ini8iro. o
Sr. Dr. Salvador de Meadonca, que tomou parte
no Cosgresso Van Americano, como representan
te ao Brazil. f i file tambem deoptniao que
acba se o governo brazileiro, bem como todos
os demais representados nesta conferencia, mo-
ral alante obngados a torear effeciivo este com-
promisso pecuniario.
Assim. pois. levando ao conbecimento de
V. Exc. esta resolucao acceita em sessao, lomo
a liberdade de pedir que, verificado o quantum
da nossa populaco, mande ou por nosso inter-
medio ou pelo meios qoe mais convenientes jul-
gar, depositar no tbesouro americano a impor-
tancia correspondente.
Para melbor habilitar i. V. Exc. a tomar
qoalquer resolocao, devo mais informar a V.
Exc que, pelo orcamento approximado qoe
commissao foi apreseolado, essfs cstudos nao
devero ..raslar mais ae 350.OOU dollars, e que,
Sendo a populaco dos piizes contribuate av-
hala em 100 milboes de habitantes, cada om
1 lies ter de eotrar apenas com tres quotas e
ineia ou 3.500 dollars por milbo de babitrate.
Assim, na bypotbese de poesar o Brazil 15 mi-
infoes ue habitantes, coocorrer apenas com a
qoaulia de 52.500 dollars, isto meos de que
a primeira quola dos Estados-Unidos do Norte.
O ministro Blaioe est lab empeohado Da
realisacio dessa graadiosa empreza que, ulm
das duas pre; taces com que j eotroo, [ornece
para eocetar desde j as exploracOes urna tur-
ma de dez eageaheiros militares, cojos sidos
cooiiaaario a ser pagos pelo governo, devendo
a Dossa corarais o abnnar-lhes apenas am pe
queno auxilio por serem raso lucientes aquellos
sidos para remoaerar tao ardaos e pengosos
trabalbos. Elle dse ja quo as exploraces co-
mcem quanto antes, e como por emqoaoio s
ha em deposito o diobero dos Estados Unidos e
do Cbila. fomos autorizados com este diobero
mand ir as tres primeiras comioissOes ; a pri-
meira formada pelos eogenbuiros militares ame-
ricanos, que estodar a seceo comprebendida
entra as fronleiras do Mxico e o Centro da Co-
lumoia. atravesaaodo toda a America Central e
o doentio isthrao de Panam ; as segundas e ter
ceiras formadas de eageaheiros civis sob as or-
dens do eugenbeiro Sfiunk qae estudaram as
seccOes comarehendidas na Colombia, Equador
e Per e o. ramal para Venezuela.
Por todo o prximo mez devem partir estas
tres comraissOis, segn o as oatras logo qu? o
deposito pecuniario dos demais paizes nos ha-
bilite a orgaoisal-as.
Como membro da commissao de tragado,
poaso aioda adiaotar a V. Exc. qoe ser elle
projectado de modo qoe a realisacio desse grao-
de com mettimeito em maito pouco oa nada
onerar os cofres do Brazn.
Com effeiro, devendo o tragado geral passar
por Sacre aa Bolivia, j projectei para a nossa
legaco ama lioba, que desse ponto procure a
frontera branleira em Coromb, interuando-se
pelo nosso territorio al Coxim, a ligarse com
a estrada Mogyaoa nesse ponto. E assim, com
favores oa de garanta de joros ou de subven-
go kilomtrica sobre cerca de 300 kilmetros
ornete, oa de simples concesso de trras, o
que aioda nao foi resolvido. Mear a grande es
irada ligada parte Sal do Brazit pela estrada
projectada pela commissao de. Viagio, e qae
deve de Pona Grossa procurar Miranda e Ca-
rumb, e com a Capital Federal pela Estrada de
Ferro de Mogyaaa, coja ultima concesso vai a
Coxim.
Creio ser esta a melbor solacio do proble-
ma, nao porque a qae mais coovm,. aos
interesses estratgicos do Brazil, como por ser
de mus economa, fcil e prompta realisacio,
visto como, alm da facilidade dos te renos a
atravessar, o ramal do Coxim pertenceute a urna
companbia rica como a Mogyaoa, o qoe mais
probabilidade tem de sor levado a effeito em
cano prazo.
Prestando a V. Exc. todas as raformacoes
que-de momento me occorrem, peco Ibe que
no a habilite, com prompta res posta, a commu-
oicar Conferencia da Estrada de Ferro Inter-
continental o qoe fdr por V. Exc. resolvido so-
bre a contnbuico do Brazil.
< Sa i- e fruternidade. Pedro Betn Pan
Lene. *
Lotera do estadoNa parte desea lote-
ra extrahida no da 12 do correte, a respectiva
tbeaouraria vendeu a dexena constante dos n-
meros 131 a 140 e correspondente asorte imme-
dtata.
Isaalmente foi vendida a dezena8.941 .a
8.950 da terceira sorte pela casa do Sr. Joaquim
Pires da Silva i roa do Cabagi.
Vapor Brasil Segando telegrama re-
cebido pela agen:u do .Lloyd Brfcileiro, oeste
estado, sabe-se qoe o vapor-Srazi/ sabio do por-
to de Belm, bojj 13 do correte, deveodo che-
garao nosso no dia SI.
LeudesEffeclaar-se*hlo oe segmntes :
Hoje :
Pelo agente Stepple, ir liberas, rui Mr-
quez de Oiinda o. 1, da arraaco dividas e mer-
cadorias do estabelecimento de miudezaa ah
existe jte.
Pelo agente Gusmio, s 11 boras, na'g Craco
Pona, de 50 barricas com cimento avanado.
Atnanh:
Pelo agente Gusmo, s II1/J horas, roa
da Palma a. 47, de movis, piano, eapelbos,
StC, IC.
Pelo agente Pinto, as 101/4 boras. em Fer-
nandos Viaira, de movis, loucas, vidros, etc.
aaajai rue re aSdrao celebradas ;
H je :
A's 7 1/2 hora3, na Igreja da Cooceico do
Militares, p-la alma do brigadeiro Francisco Joa-
quim fereira Lobo; s 8 horas, na matriz da
Boa-Vista, pela alma de \a,'UBto Carlos dos
Santos; s 8 horas, na matriz da Boa Vista, pela
alm. da Virginia Hatliday de Figaeiredo Castro;
is 7 1/2 boras, oa matriz da Boa-Vista e ig-eja
de S. Giucalo, peU alma de D. Eulalia Leopol-
dina Estima Leite.
caaa d Ueieafto-Movimeato dos pro-
ras da Casa de Detencio do Reclfe, EsUdo dt
Jeraambuco. em 12 de Maio de 1891.
ExiRtum 536, eatraram 8, sablram 41, exis-
ta 50i.
A aauer:
Nactonaes 466
- Total 503
irracoartoa 411
oaa 378
ooeutes 19
.oact/S 9.
LouMls o.
^JKtatAll.
Movlmanto aa enermaria
Falleceu :
Manoel Natividade Freitas Lima.
Foram visitados os presos deste estabelecimen-
t por 159 pessoas, sendo 59 bomens e 100
mulDeres
oterla do Balada) de t'rnwmbur:
A 2' sene da 4 lotera deste (Estado, em be-
neficio da Sania Casa de Misericordia de Recife
ara -.i raruda impreterivelmente no dia 19 de
Maio (terca-feira), Ibo.-ada larde, nocon-
sis uno da igreja de Nossa Se ahora do Rosario
i Santo Antonio.
awasearlae d A 2* serie da 46 Molera, deste Estado, cuje
oreooio grande de 120*900*, ser extrahida
no da 16 de Maio (sabbauo).
l/Oier da A* lolena deste Estado, cujo premio grande
de aeOAlOJOOO, ser extrahida ao dia 20 oe
Maio (quarta fera.i
Minha senhora. tem a bondade de me dizer
o qoe peosa de No 1
Oh mea Deas, bem simples, responde a
tmida menina. No era am excedente hornera
que eeoecupava um pouco demais do frucio da
vioba, mas qae ao se preocjupava muilo com a
folna 1

Lgica de bebado :
U i.lastre poeta Z. mais coohecido pelo
apreco que i ao cogoac do qoe pelo aeo talen-
to, v entrar em sua casa um amigo, que Ibe diz
speramente :
Outra vez bebado Decididamente, que-
ras dar cabo ne ti ? E bontem eslavas na mes-
ma 1 Nao digas que nao : hoove qoem te visse
Sim ? E qoem foi que me vio ?
Urna pessoa que nao cooheces.
Pois bem voa sabir, e i primein pessoa
que encootre, e que Dio coaheca, qaebro-lhe a
cara.
WHlifUM 22 strangeiros 15
SPORT

MPOCO DETDO
Leia-se o qae discrevea sobre o qae rahami
phantasias republicanas aiVaoca Antologa, de Ro-
ma, a propos.to da oianraicio do Porto :
Os nimos ah esto excitados extraordina-
riamente.
Se bem qa: o governo do joven rei, no qae
concerne Inglaterra, tenha deseo volvido Unta
energa e digaidade-quanto era compalivel c ira
a escassez das suas forcas em comparaco s do
amperio anula inliaoo, algum s caDecis esquen-
tadas e extravagantes dizem, de algum lampo
a esla parte, qae a gloriosa ierra de Portugal,
como uham ira-o'a, foi humilnada pelo estran-
geiro, e que para restaurar a sua fama nao ha
outra cousaa fazerseuo proclamar a Repblica,
como se urna Repblica poriagueza podesse ter
outros elementos de forga qae a-Moaarcba nao
possua.
D'abi esses pronaaciameulos militares, essas
tenebrosas conjuracOes, essas suolevacos de
praca arrojadas e postas em pratica aaiea que se
saiba cora clareza o qae querem.
I)i?e n que esta mana de revoluco fonilicou-
se em Portugal depois do exemplo dado no Bra-
zil. Mas se assim seria para perguniar que
couaa gaaaou o Brazil desde o da em que ex-
p dsou .repentinamente do throno o Imperado-
D. Pedro e fundou a Repblica ? Sena para per
untar qoe goveru. a que viver sao aquelles das
oatras Repblicas da America do Sal, aeabuma
das quaes aoje vive sem inquietac&es e sera dam
nos?
Pareca primeira noticia que a insurreigo
do Chili era cousa litjaira 1 Palo contrario, se-
gundo as mais recentes mormicGes, tomou om
grande desenvolvimeoio, unto qae de orna e ou
tra parle se tem reonido tropas numerosas, e
agora at se esperara vsrdadeiras e formaes ba-
talhas. oaa.- quaes se derramar mudo saogue.
mas ao tina!, aera vencedores nem veacidos, ter
paz.
O qualro pintado pela Naova Antologa so pa-
rece perfeita nenie com aqueile da fbula, em
qoe ligurava subjogado pelo homem um leio.
Isto foi no tempo em que fallavam borneas e
bichos.
Oquadro foi expostoj n'esse tempo se asa-
va d'essa meio de pablicidade -e um leio leve
de velo. E depois de admralo, continuou seu
camrabo, rosnando:
Si os lees fossern pintores, a tela represen-
tara diverso pensamento.
I
A' favor da mar
O Derby Club, do Rio da Janeiro ini-
ciou brilbantamente a sua serie de corri-
das do presente anao.
Prado int jiramente repleto de amado-
res, animacao pouco commum, carreiras
ioteressaatissioaas, urna verdadeira fobre
na compra de paules. enthuBaBmos rai-
dosos, a mais perfeita ordem, nada taitn
emfim papa que fosse a mais auspiciosa
possivel a inauguracilo da estaco sportiva
deste anno no hippodromo da sympathica
sociedade.
Gracas attitude ultimmente essumi-
da pelo Sr. Dr. Barros Barretto, 5." de-
legado de polica, contra os book makers,
nao parmittindo o seu commercio do re-
cinto dos prados, attitnde ainda hontera
manada oom toda a energa, o movimento
da cas da poulo subi a animadora quan-
tia de 3J4:790>, cifra nunca attingida at
entilo, nem mesmo nos dias excepcionaes
da grandes premios, e que colloca a so-
ciedade em circumstancias de mais folga-
damente preencher os seus utilitarios lias.
A reuniao sportiva do Derby, pois, foi
to completa e to brilhanu, que agura-
va-se a festa de um grande premio, como
aa tem sabida realisar aquella sociedade.
O imperador da Allamara a comprou por
125,0l> francos nm-navio expreasamente
construido para o sport nutico e que pela
primeira vez devia apparecer as regatas
de Cowjs, arvorando o pavilbao impe-
rial.
Gnilherme II pretenda assistir a festa
e determinara que no programla houvesse
um premio intitulado Taca: de Gailher-
me II.

Para a competencia do grande Cruzeiro
do Sul, foram inscriptos e confirmados 14
animaes.
O Belatario do Jockey Club, do Rio de
Janeiro, aecusa o lucro liquido de
60:097|9992 no anno lindo, ou mais
.'54:603^722 do que no auno anterior.
A sociedade diatribuio em premios as
16 corridas do ultimo exercicio a qaantia
de 191:2604000, sendo de 330:938*680 o
valor da renda bruta.
Inscreveram-se no stud book, em 1890,
Carao de preparatorios
O bacharel J. Thiago da Fonseca lea-
ciona em collagios. e" CBa.parti<5alarea aa
aeguiates materias : Portuguez, Frano .
Ingles e Historia.
A tratar n'eete Redctelo, oa em saaas
sidencia ra da Palma n. 57.
265 animaos naciooaes, sendo 71 de
sangue, notando-se um accrescimo
sobre o anoo anterior.
Estrangeiros foram inscriptos ~l.
puro
de 79
A directora do Turf- lubj do Rio de
Janeiro, resolven gratificar os empregad s
da casa da poale que trabalharam na cor-
rida do domingo 26 passado com 40 r0
producto das fraccSes, em atteoclo ao
exceaso de servido qae se verificoa na
mesma corrida.
FDEMUCfES' AT'EDID0
Banco Emissor
v
O Banco Eraissor de Pernambuco vei,
em nm dos mais difficeis momentos, auxi-
liar o deseovolvimento da riqueza publica
a das industrias aaniquiladas pela falta
de apoio e de c ..pitaes.
Fontes, d'oade se poda extrahir um lar-
go manancial de beneficios reaes a esta
tarra, jaziam abandonadas, exnimes e
amortecidas por um xapido depaupera-
ment.
Por outro lado os capiUes aqui existen-
tes accumuladoa e immobilisados que, dis-
persos, nada podiam fazer, nenhum bene-
ficio valioso podiam prestar praga, tvo-
ram aso de congregar se, e de, reunidos,
realisar o incremento daa industrias e em-
prezas commeociaes.
Accreace que tendo o Banco Emissor
de Pernambuco estreitas r_-la co es com oa
das outras circuroscripjSes, os capiaes
desta praca, locomovem-se, e nSo fioam
estacionados, do que reaaltam serias o
reaes varita,ens ao s aos capitaes como
tambem as industrias qu essa mobilisa
cao vm fomentar.
Este movimento econmico, que nos ob-
servamos hoje, producto, origina se ni-
camente do impulso, do incremento dada
pelo referido Banco.
As emprezas incorporadas por esse es-
tabalecimento sao ventajosas e promettem
am futuro grandioso
NSo ha razio para se tingir com corea
negras a situacao.
O Estado de Pernambuco escreve i.re-
fiectidamente quando diz :
t Mas o que nos preoo-
cnpa, causando-nos serias
apprehcnaSes, vermos qua
tudo quanto se emoreheade
paramente artificial e sem
exiquibihdade pratica, como
demonatram os factos luz
da evidencia.
Nao ha essa superficilidade, as empre-
zas cuja encorporacSo o Banco tem auxi-
liado, todas ellas offerecem. aos accionis-
tas seguras garaatias da sua estabili-
dade.
Alm do Banco da Bolsa, encorporado
pelo Banco Emistor deste Estado e pelo
d Baha, que um eetabelecimento ouja
importancia ninguem pede contestar, at-
ienta a variedade das suas funccSes, e
d j Banco Popular, pujas fias sao utilissi-
mos, visto e->mo v_i beneficiar as claases
proletarias, foi instituida a Companhia de
Drogas e Productos Chamicos, cuja uti-
lidade e importancia s o Estado de Per-
nambuco, em sua faina ingtoria, pode des-
coobteer.
Em outro artigo desLremos a injustlca
dos conceitoa laucados pelo referido jor-
nal a respeito dessa empreza industrial.
Themis..
(A* Eurico Witroviode Mario Chaves)
No co a loa a pra'ear a vaga ;
No mar a vaga a reflectir o loa;
Barca ligeira sobre o mar flucta
E traca a esleir, que o zepbtro apaga.
Dentro da barca duas rolas mansas :
Esther e Paulo, navegando i loa ;
Esiber gorgeia amas cancOes, na proa,
E deixa a brisa desmanchar Ihe as trancas.
Paulo, seu ooivo, vai remando e escala ;
E visto como nao se tra va a lacla
Do barco e a onda, porque a onda o guia :
Os remos solta... e elles dous se abracam,
Minutos .. horas de prazer se passam...
Oave-se uns beijos... e alvorece o dia.
II
RESULTADO
A' Mario Chavesde Eurico Witruio
Em casa to'do vai correodo bem ;
O pai de Esiber, milliooario e oobre,
Ja nao coasente o casamento, e tem
Da desmauchal-o, pois o Paulo pobre.
E I um dia de prater tomado,
Entra com Pedro, que parete seo,
E diz : Esther, eia aqu am senado ;
Casa com elle, qae de gosto mea .
E ella prompta, com prazer tambem,
Abraca o pai. E l distante, alm...
Ou ve- se a onda que servio de guia...
E Paulo, o louco. que espreitava todo,
, Cabe fuimiaado sem fallar e modo...
Oave-se aos tiros-.. e alvorece o dia.

L-se oa < Oazeta de Noticias sobre limiies
de Veoesoela :
Temos presente o bello Mappa demoostrati-
vo de las diversas lineas de limites propuestas
por Venezuela e Inglaterra dibujado por Joan
Moaserratte, 1890, e bem assim a reprodcelo
da antiga carta General Map of South Ameri-
ca dra'wii by J. Kusaell, 1794 que servem
de documentos no actual pleito entre a nossa
visioha do norte e a Inglaterra.
J n .'sta folba esposemos a quesio de limites
de qae se trata, e fizemos sentir quanto ba de
injusto e ai brtrano as preteoces da velba Al-
bioo, a qual aaementa a sua ambicao de domi-
nio territorial oa America, como fas do velho
continente, proporcao qae as minas se vao des-
cobriado, e a perspectiva de grandes lacros sur-
ge no horisonte.
A presente carta de Moaserratte deixa ver a
linba de limites de Scboaburgh, a siteracoque
se Ibe fez posteriormente, as (tobas de lord
Graoville, lord Aberdeeu, Hojas, lord Rosebery,
Fornique, do Consejo-Viso, a caprichosa lioba
do arbitramento e a extrema preteocao da Guya-
na Iogleza.
E' para desejar que o poder da forca o pre-
valece oesu velba qoeato, em qae o direito est
positivamenle do lado de Venexaela.
INDICACOES iTIS
Medico
isr. Joao Pauloespecialista
em par
criancaa.
Na E -cola Normal :
Um examinador faceto
segafate pergunta;
tateode dever faaer a
tes, molestias de seaboras o de
ora pratiea eos hospitaas de Pars e de
Vienna d'Auatria, d consultas de 1 s S
boras da tarde, Largo do Corpa Santo n
19, 1. andar o reside na estrada dos Afilio
tos n. 30, junto estaco do Eepinhero
Chamados a qualquer hora. Tolephone n
190 Consultorio e 467 na residencia.
Dr. lavares de Mello, medico pelo Fa-
culdade do Rio de Janeiro, d consulta
das 12 s 3 horas das tarde, no largo do
Corpo Santo n. 15, 1." andar: recebe
chamado a qualquer hora na saa residen
ca no largo da Paz n. 41, em Afogados
Especialidades : molestia de pello e sy
philis.
Dr. Joaquim Loureiro medico e ptrtei
ro, consultorio ra do Cabug n. 14
l. andar de 12 s 2 da tarde; residencii
no Monteiro.
O Dr. Simplicio Mavignier, Clnica me
d co cirurgica. Especialidades : molestias
pulmonares o partos. Ra Marques de
Oli,. la a. 27, 1. andar, consultas das 11
s 2 horas e na Casa Forte (Poco da Pa-
nella) das 6 s 9 da maoM o tarde.
Chamados por escripto. Telephona n. 392.
O Dr. Lobo Motcoso d consulta em
sua casa ra da Gloria n. 39, das 10
oras da manhS 1 da tarde. Acharado
se fra do servico publico offerece-ae para
acudir a qualquer chamado com prompti-
t ao pana ora da cidade. Especialidade :
operacoes, partos o molestias de senhorat
e de meninos.
Dr. S Pereira, ra da imperatriz n. 8,
d onsoltas medico-cirurgicas todos os dias
das 8 ao meio dia, menos nos domingos r
dias santificados.
O Dr., Cerqueira Leite continua a dar
consultas todos os dias atis, na ra Nova
n, 32 de meio-dia s 2 horas da tarde e
depois dessa hora encontrado em sua o o
sidencia a ra do BarSo de S Borja n. r2d
Oeeali*ta
Dr. Ferreira, com pratica nos prince-
pses hospitaes e clnica de Pars e Lon
dr-os, d consultas todos os dias das i
horas ao meio-dia. Consultorio o resi
dancia roa Larga do Rosario n. 20.
Dr. Barreto Sampaio, oceulista, d col
saltas de 1 s 4 horas no 1." andar d*
easa ra Bario da Victoria n. 51. Resi
deacia a ra 7 de Setembro n. 34, entra
da pela ra da Saudade n. 25.
Drogara
Paria Sobrinho di C, droguista por ata
cado, ra do Mrquez de Oiinda n. 41.
. Francisca Manoel da Silva & C, deposi
juica de todas as espocialidafla* ptaarm*
ceuticas, tintas, drogas, producto chimo
eos e medicamentos homeepatioo, ra dr
Marques de Oiinda n. 23.
Aos bons pernambucaaos
O 14 de Miio do anno expirado, (1890),
foi paja mim um dia de acerbo pesar e de
extrema consternaco.
Nossa data, as 11 12 horas da manhS,
perd o mais sincero de meus amigos e o
mais esforcado de meus protectores, o mea
estremecido pai o brigadeiro Francisco
Joaquim Pereira Lobo.
Anda me lembro, e tenho que jamaia-
me esquecerei, do momento azia ;o em
que o vi despregar-ae da humana larva,
cercado de maitos amigos, que tanto o
respeitavam, e de muitas pessoas de saa
prole, que tanto o estremeciam.
Verdadeiras estatuas da sflLccSo, uns e
outras pareciam disputar entre si a mais
significativa exhibicab de suas expontaneas
condolencias pelo acontecimento latuoso
que assistiam.
Imp08sivel me ser ainda hoje descrever
a magoa que esae quadro desoiador me
prodazio, e me fes entilo comprehoader
do que capaz a grandosidade de urna
dor moral.
Em complemento ao que acabo de re-
ferir e qoe externei. tendo o espirito as-
ente as impressSes desse passado de um
anno, vou agora mesmo prestar a ultima
homenagem que devo -o meu velho pro-
genitor, transcrevendo abaixo o histrico
de sua vida entre o berco e o tmulo, e
caja narrativa eacrevi e destriboi em opas-
culos, tendo, felizmente, sido bem acolhida
pela imprensa e pelo publico.
Recife, 14 de Maio de 1891.
A. O. de Ousmao Lobo.
Fraaclaco Joaquim Pereira Labe
Melior est dies mortis, die nativiatis.
Vicario Babbbto. .
I
Nem todos os lempos passam com a mesma
sereuidade e calmara.
Alguna ha em qae as pertorbaedes publicas
sobem a om tal excesso que nao raro se origi-
ii am as revolagoes de mao armada.
< Isto se d em todos os paizes e em todos os
potos,
* Aqu mesmo em Pernambuco se tem ob-
servado essa evolocao geradora de aaorm. I ida-
des sociaes.
Sem qoe me queira oceupar de pocas mais
remotas, basta qoe me retira a que decorrea de
1810, aos nossos das.
Nesse percarso de 89 anaos de episodios e
datas oactooae8, e algumas das quaes a Monar-
cbia de Dontem revereocava, e a Repblica de
boje aioda revereocia, est a comprovacao de
qoe veobo de expender.
At 1848, contam se guerrilbas encaroi{a-
daa, e sempre iolammalas pela preponderan-
cia poltica, e d'abi para c, essas revolucoes
fratricidas foram substituidas por oatras de cf- '
fetos uo desastrosos, aim das mais proficuas
victorias.
: E' que all,oo passado,a bala e a pl-
vora eram o desfeebo sanguinolento do que en-
to se cogilava ; emquanto qae boje,oo pr-
seme,a palavra e a imprensa sao os elementos
de toda accao para o desidertum das maiores
causas nacunaea.
Temos, alm de ootros, qae omitto para cae
ser maito prolizo, o 13 de Mato de 88, e a 15 dt
Ncembro de 89, em cojos dias o homem preto e
o aosmem braoco se exporgaram paciBcameote
ae um captiveiro de longos seclos, qae os
imoedio de progredir as sendas afaoosas da
vida moral e material.
i
'
i
J





r


y

m
m
Quiiita^feira 14 de Mao de 1891
e
Foi, portauto, nessaa manhs idas, e de
qoentes entbaeiasmos patrios, e emboca qnasi
seatpre de effeitos eneanguentados, que em 24
de Janeiro de 1810 vio a ios do da, nesta cidade
do Recife, meo estremecido pai, Francisco Joa-
quina P> reir Lobo, cujos sentiaentoa de patrio-
tismo foram se desenvolvendo com a mesma im-
peiuosidade das ezaltagOes polilico-sociaes de
entao.
Seu8 progenitores,Joao Baptista Pereira
Lobo e D. Mana Francisca de Gusmo Lobo.
ambos ja tallecidos, dispondo de meios recula-
res de fortuna, preoccnparara-se instantemente
com a esmerada educaeao de sen peqaeco Frao
cisco no qoal, e nos mais tilbos que lambein li-
fibam. se reviam como os objectivos de seos
nicos estremecimenios lomesticos, t qne eram
ajusta ce us moldes das mais severas hcoes da
?a moral.
" Re gloeos sem fanatismo, ou vaidosas oeteo-
taces e mais ou menos conchegadoaa cenvi
venca da melbor sociedade, seas aigoos ante-
cessores, modestos e escrupulosos a toda prova,
tiveram a dita de preparar o espirito de seu fi-
luo, o qun depois Utdou-se meu pai, concor-
demente com a religiao e dignamente para a
vida pub ica, a qual, pouco tempo antes, havia
estieado no exei cirio de escre rente da extincta
Mesa de Rendas.
Logo depois, taes eram ja seos impeles in
fantis para a csrreirs das armas, que aem ha-
ver anda completado os estados a que se es-
tava dedicando, com a prove lamento salieate, se
atistou i 17 de Fevereiro ne 1824, como simples
soldado, do batalh&c n. 2 de cacadores de 1.*
liaba, que era eoto aqui estacionado.
Sempre de accordo com a voutade de seus
pais, nao tardeu em se justificar 1.* cadete.
Procedeodo muito correctamente, na sua
dupla qualidade de cidado e de soldado, o no
vico militar, foi logo assim faseodo jus as coosi
deraedes sensatas de seos snperiorea, e ao res-
peito e estima de seos compaobeiros de classe,
at que a 10 de Marco de 1827 foi promovido a
alferea ajudante, sendo logo designado para o
batalbo n. 17.
Ahi entao ligoo-se elle pelos lacos matrimo
niaes com mioha querida mai, ja fallecida e de
imperecivel recordata D. Leandra Joaquina
Lobo Pegado, lba legitima dos honrados por-
tugueses, Alexaudre Jos de Sa Pegado, e D. Vi-
cencia Clara de S Pegado, tambem j fallecidos.
Desse seu consorcio Ihe provieram cin:o B-
Ibos, dos qoaes apenas exislem tres que sao :
Fraocisco, Maria e Aotoaio, tendo sido os tina-
dos, Porcia e Marcoltoa.
Decorrido algum tempo, porm sempre se
mantendo na altura de sua nobilissima profisso,
motivos de torca maior o demoveram a retar-
mar-se no primeiro posto do exercito, e no qual
to relevantes servigos pblicos havia prestado.
Assim reformado, sen pedido, e com geral
pezar de quantos com elle convivtam, e nelle
observavam os verdadeiros requisitos do bom
soldado, eotregon se vida commercial e penco
se demorou para estabelecer-se e acreditar-se
em toda a praca, na qual negociava oa maior
ecala. e sem que jamis bouvesse feito vacillar
o sea crdito.
Sea principal ramo de negocio era compras
e vendas de assucar, para oque tinba um grande
artuazem desse genero, que era ento exclusi-
vamente nessa poca o que dependa de maior
capital para seu gyro diario.
Negociante assim acreditado, e que sempre
conviven nos melbores circuios sociaes, e repu
Udamente capitalista, seus amigos o induzram
a prestar seus servicos na guarda nacional, e
logo elle se collocou neste pusto, ao qual coutou
suas promoces pelo bom xito que dava as com
mis.-Oes que Ibe eram commetlidas; no com-
mando de corpos de infanlaria e esquadres de
cavallaria, e at organisando-os com geral sor-
preza dos que em boa ora disso o haviaro in-
cumbido.
" J ento era elle tenente-coronel da guarda
nacional, considerada 2' linba, e tinba 80b seu
comisando a 2* legiao dessa arma, e em Olioda
exercia a mais legitima influencia pessoal e po-
ltica, estando sempre ao lade do venerando che-
fe conservador, coroot 1 Manuel Antonio dos Pas
sos e Silva, que falleceu sendo Barao de Ta-
carona.
Nessa antiga capital do Recife foi elle
jai: de paz, camarista, eleitor e escrivao da San-
ta Casa de Misericordia.
Nomeado coronel commandante da 3* legiio,
logo depois foi designado para ebefe do estado-
maior de Olinda e Iguara-s. e em cojo posto
substituto mais de urna vez o commandante su-
perior respectivo.
GGHMERCI
Kelrospeeto con me re al do mez
de Abril de 1991
A' despeito da crise porque est passando este
Esiado, e em geral lodos os da Uui&o Brasileira,
em consequencia do encarecimento dos gneros
e artefactos eetrangeiros, e al dos locaee, por
tarca do agio enorme do ouro e da baixa do
cambio ; a despeno do mao estar que se observa
no geral da populacao, em parle ja manifestado
as reapelidas grves das diversas classes so-
ciaes que vivem do trabalbo assalariado ; o me-
vimeDto mercantil do nez. prximo Ando de
Abril, foi maior do que o do seu homologo de
1890. deve ter deixado saldo no respectivo ba-
late*), julgar peles factores desee movimento.
Com effeito, o- commercio de exporlacao avo-
lumsu-se, sendo maior em valor o accervo ex-
portado do que o de Abril de 1890, na somma
de 994:458*090 ; o commercio de importaco,
iulgado pela renda aduaneJra, foi tambem maior
do que em Abril do anno passado; e os factores
sevunuarios de um e ootro commercio apresen-
tam resultados equipolentes, pois que cresceram
as rendas das estacoes publicas; o movimento
de nnmerario deixou um caldo oa praca de
4.443:5784070; os saques para o exterior foram
mais restrictos; os saques para as pracas da
Unta que entretem relacOes commerciaes com a
do Recife foram effectuados a precos mais m-
dicos ; os descontos e lettras mais facis; os t-
tulos pblicos de de empresas melbor cotados;
e o, movimento do porto maior do que em Abril
de 1890.
Repetimos, pois, que o balaoco geral do mez
deve ter :ido bom ; e com certeza melbor sena
se por um lado os precos do assucar e mais deri
va uos da canna tivessem se mantido na altura
dos de Abril do anno passado, e se por outro lado
o agio do ouro e a baixa cambial nao tivesaem
persistido, trazendo serias per.urbacoes a todos
os gneros de tra saccoes.
Somente na verba aifferencas de cambio, de
preco a preco dos saques, o commercio perdeu
2 143:225*000, em que importou em relaco aos
saques de Abril ultimo, o depreciamento da
moeda papel. No valor exportado em assucar e
mais derivados da canoa orea por cerca de-----
370:000*000 o prejuizo motivado as differencas
de preco. E se a isso se juntar os prejuizos re-
sultantes da restrieco do consumo, originada
do encarecimento das subsistencias, ver se-ha
!ue nao pode ser computado em menos de.....
.000:000* o acervo total dos prejuizos.
Islo denuncia urna situaeo econmico mer
cantil preobe de perigos, pois todo induz a crer
que, encerrado, ou quasi, o periodo da safra do
assucar e algodao, se avolumaro as difficulda-
des e irarao como consequencia funesta a es
tagnaeo do commercio
Sao estas as observaepes e os prognoeticos
aue todos podem fazer, em face dos segmotes
gansmos:
Arrecadaram a3 estacoes pobficas :
Da Alfandega
Km Abril
de 1891
. 1890
Mais em 1891
837:764*289
807:976*032
29:788*257
Em Abril de 1891
< 1890
Mais em 1891
Do Ctneio
18:255*154
12:3(0*965
5.954*189
Estado de Pernamimco
Em Afc-ildel89l 213:958*362
. 1890 157:4^9*516
Mau em 1891
56:528*846
ir
J aegointe quadro noftra as differencas ha-
vidas as rendas adoaneiras comparadas dos
ezes de Abril de 1891 e 1890, excluindo os
posRot:
Distrehido ja de todo da vida commercial,
pelo que the auvieram serios e mu graves pre
juizos peennianos, que loan o im possibil ilaram
de permanecer acreditado, o nao querendo aba-
jar igualmente seus crditos pessoaes. dea se
preaaa em liquidar honrosamente seus negocios,
e feito isto, continaar no deseuii enho invarravel
dos cargos que oceupava.
Ja a esse tempo ornavam-lbe o peito a me-
dalba do exercito cooperador da Boa-Ordem,que
a dispatoo no campo da lica, ootra de Minio
Militar, e anda mais o habito, cfficialato e a
commenda da Omero da Rosa, tendo-lbe sido
esta concedida por havor tomado logar honroso
na comitiva excursoraque acompanboo D Pedro
de Alcntara, ex Imperador do Brasil, quaado
visilou Pernambuco em 1859.
< Tomou parte activa e saliente em todos os
movimentos revoltosos de Pernambuco, entre
1824 18.8. e em todos elles. se conduzio ecm
bizarra e dignidade.
Seus relevaatissimos servicos deseas poca
de tanta anormalidade poblica, e onde o saogue
de tantos patriotas ieu a mais robusta prova do
herosmo de lodos elies, e de que a morte do
martyr o comeco de sua immortalidade hielo
rica, o dt8tioguiram bastante oaqoellas occasiOes
arriscadas, e que o atamente as em que se
lira a limpo a maior coragem humana.
Espirites mal intencionadus, e at mesmo
obsecade- pelax agitaoes polticas deeses dias,
de funestos consequencias, oosaram attnbuir-
lbe po-ico menos digna na revolocao de 1848;
mas, alero de que i historia desse feito do pas-
sado esieja aberta aos que a qoeiram ler, e na
qoal nada se encontr de cunbo cfficiul qne
compiove to temeraria asserco; contrapotiho
ainda o procedimento corre:t8simo do incanca
vel soldado desde os seos primeiros aooos de
vida publica, e sobretodo nos das 26 e 27 de
Jacho daquelle tresno anno, nos quaes couhe-
Ihe a vanguarda da salvacSo do bairro do Re ife,
j qoaudo condemnado aos assaitos de urna
mulsidao selvtica e devastadora..............
Em om desses rasgos de intrpida abnega-
Qo, e nos quaes o fogo do entbusiasmo multas
vezes produz extraordinarios fetos de mpossi-
vel premeditago, cooseguio o velbo coronel, en
lau superintendente do bairro de S. Fre Pedro
Goocalves do Recife, impedir sos dias 26 e 27
de Juubo do referido anno, que a rebelda des-
ptica invadase essa freguezta, e da consecocao
desse seo justo tentamen succ den que os por-
tugueses, qoaodo j salvo das investidas da-
quelles luluosos dus, Ibe dirigissem urna carta
congratulatoria pelo modo altamente honroso
com que elle se collocou a frente de taes acn-
tenme ntos revolucionarios, sal 'ando os assim
das garras e bordas inimigas.
Esse documento, firmado pelos negociantes
mais importantes desse tempo, e muitos dos
quaes ainda vivem, est selhdo e reconbecido,
e do tbeor seguinie :
Os negociantes matriculados da praca de
Pernambdco abaixo mencionados, destjando da-
rem orna prova de agradecimento ao lllustrissi-
mo Senbor Coronel Francisco Joaquim Pereira
Lobo, pelos assignalados servicos que pr.'stoa
na qualidade de superintendente do bairro da
Recife, nos infausto- dias 26 e 27 de Junho]deste
anno, defendendo suas vidas e propriedades cem
a maior energa, qoaodo appareceu o movimen-
to popular contra os estraogeiros estabelecidos
nesta provincia, e coa corread o para que a anar-
cha nao medrasse, nemproduzisse em dito bair-
ro os costomados effeitos, julgam de sen dever
dar lhe este solemne e espontaneo testeaaunho
de sua gratito, e protestar-lbe a aua sincera
estima e os votos que fazem pela sua prrsperi-
dade, e para que se nao esquecam tao aasigoa-
dos ee-vicos.
Pernambuco 4 de Julho de 1848.
(Assigoalos) Maunel Ignacio de Ollveira. Ma-
nuel Goocalves da Silva, Jos Antonio Barros,
Jos P. da Cuaba, Amorim Irmos & C, Viova
Amorim & FilOo, Luiz J. C. Amorim, Bastos &
L-mos. Rosas Braga & C, Joo Pinto de Lemos
& Filbo, F. S. Rabello & C.
(Est sellado e recoobecido pelo tabellio pu-
blico, Jcao Baptista de ?.
Transcrevo em seguida reroo ad vertntm. a car
ta regia pela qual D. Maria Segunda, entao Rai
nba do Rein de Portugal, Houve Por Bem agra-
ciar o defensor de seus subditos aqui residen-
tes, om a Gojimeoda da Real Ordem Mil,tur
Portuguezi de Nosso Senbor Jess Chnsto, e pe-
los mesmos servicos cima referidos.
Francisco J.aquim Pereira Lobo, coronel
8
a
-1
o
-
3
>
o-
3 I
BB
g-
P .
3 lili
B" o w P>
S O B
B
c
1
&
II

ic ii
-l-^-tf
^i t* ^J Q: i*
MMUda
aon'
-
! 2
oax
01--03S
3C O != *
ce
i- i*
c-.
sss|
*-wo> i
3SS- !
7
-i
B

i B

o
commandante de um do i corpos da guarda na-
cional da cidade de Pernambuc. Ea A Rainba
de Portugal, Algarves seas Bominus vos 8n-
v 0 muito saudar.
Qa'rendo conferir-voa um testeroonbo da
apreso pelos 48signaiados serviep que, por oc-
casiao das deploraveis oceurrencias que tiveram
lugar nessa cidade, nos dias vinte e seis e viote
e sete de Junbo de nil oito ceotos e quarenta e
olto, preslastes a favor de Meas Subdttos ahi re-
sidentes, defendendo os dos repetidos ataques
contia eles dirigidos pelos revoltosos : Help ir
bem omear-vos Commendador da Real Ordem
Militar Ptrtogueta de Nosso Senbor Jess Chris
lo.
O que Ke parecen particioar voj para vossa
intelligencia e satisfacao, e para que possaes
desde j ucar da respectiva insignia, vo* mando
esta Carta Escripia em Lisboa no Paco das Ne-
cesidades em vinte e oito de Noven bro de mil
oito sentos e qu irenta e nove. Asaignados
Rainba, Conde Tamar.
Sao bem significativos enses documentos que
ah deixo consignados para que se possa fazer
de meu pai o jeizo mais liaongeiro acerca de
sua o8i cao na sociedade, tanto mais em to
memoravei8 das, m que salvon tantas vidas, e
ou ras tantas propriedades de brazileiros,;porlu-
euez*s, franceses, etc. ; sendo qne o cnsul da
ultima deseas nacOea tambem lhe dirigi urna
carta hormi.-is.-ima referente ao assumpto, e a
qu?l deixo de publicar por ser muito extensa.
Sem que, mesmo assim, o jolgue imgracolarjo,
porque nioguem ainda o foi, e nemtjaserja
mai!>, tenbo que elle o&o foi dos que miis es
vios tivesse commettido pelo menos, *e os teve,
o que dado a to-.'os, para compensal-es sempre
se boove muito correctameo'e em toa conducta
de funeciooano civil e militar do estado, pois
nao ha ver quera ouse attnbuir-lbe a menor dia
crenancia de probidade.
Eil-o que, rodeado da fbr de nossa mocida
de, de mi.nceDos inteligentes e esperaccosos
que depozeram as glorias da carreira Iliteraria
pelos perigos da guerra, de cidadaoS de todas
as elasjes.commereiaotes, fanecionahoe pu
bucos, artistas e agricultoresdeve com pouco
conduzir s planicies do solease, pan hada de
bravos e verdadeiros voluntarios f
Truquemos parabens,Pernambuco I 0 3*
Corno de Voluntarios da Patria nao marcha com
escolta! Vai all muito sacrificio, muita abne-
gaco, omito amor desinteressado pela patria t
O moviuieuto de numerario foi este :
Entrado:
Abril de 1891 4:685:370*920
. de 1890 136:036*034
Mais em 1891
4:549:334*286
Abril
Saktdo:
de 1891
de 1890
Menos em 1891
A expedicao foi para :
Rio de Janeiro
Alagas
Femando e Rocas
Parabyba
Rio Grande do Norte
Cear
Maranhao
Para
241:792*850
518:732*436
276:939*586
33:080*000
24:000*000
5:470*840
53:285*000
54:219*010
37:538*000
18:7< 0*000
15:500*000
O balanco das entradas e sabidas mostra um
excesso de 4:443:578*070 em Abril Ando *m pro
da praca.

Foram sacadas para o exterior :
Sobre Londres :
Abril de 1891 900:000 de 17 3/S 18 d.
. de 1890 1:200:000 de 20 3/8 22 7/8 d.
Menos em 1891 300:000 m
Sobre Parts:
Abril de 1891 fts. 400:000 de 530 549 ris.
. de 1890 fre. 440:100 de 434 i 490
Memos em 1891 40:000
Sobre Hamburgo:
Abril de 1891 reich. 50:000 de 653 700 ris.
de 1890 > 60:000 de 525 568
Menos < m 1891 10:000
Sbre Portugal:
Abril de I8al rs. forte. 40:000* de 300 4 350 /.
. de 1890 50.-000* de 238 265 Y
Menos em 1891 10:000*
Oe valeres sacados, calculados pelas respecti-
vas taxas medias, foram :
E foi l, to distante da trra natal, e a sombra
daquelle mesmo estandarte auri-ver'e, que elle,
oj enfraquecido soldado, aioda urna vez no
sol das bata I ha s. e que foi a ultima, nao des-
mentio os seus bros do paseado, e at e levou
bem alto o valor braslleiro.
Coronel antigo, e embora reformado na Guar-
da Nacional, competa Ibe o enramando da 14a
brigada, que logo o assomio, r >w"0l depois, ten-
do adoecido gravemente, reo to ordem para
vir tratar se no Brasil.
Aqui ebegando, e j melhorado de seus psde-
cimentos foi lhe immediatamente commettido o
com mando de um segundo Batalh>, que coo-
seguio aioda organisar, e com elle seguio- nova-
mente para o sul.
Renovando-se seus soffrimeotos, n poude ir
alm do Rio de Janeiro, porem logo abi o gover-
no mandou-o em commisso ao presidio de Fe>
nando de Noronha verificar os presos que esti-
vessem no caso de ser indultados para o servico
do exercito em operaceB na guerra.
Cutpnda essa sua missoespecial, novo encar-
go Ibe foi designado ; o de vollar Aquella ilba e
arregimentar e transportar para o Rio, aquelles
criminoses j convertidos em futuros guerrei
ros.
Desobrigando-se de tao oneroso mandato, e
como medida preventiva para outra leva de pre-
sos qnelle destino, o que nao se realisou, foi
elle nomeado commandante do referido presidio,
no qual se demorn mais de dons annos, e muito
tez pela prosperidade desse estabelecimento pe
niiencia-io. Ahi fundn es'-olas para ambos os
sexos, sendo urna nocturna, e vestlo muitos me
nios pobres, qne as nao frequentavam por falta
de roupas ; coustruio varios e importantes pre-
dios nacionaes, salienlando-se entre elles: a
Ermida de Nossa Seobora do Rosario dos preos
a aldeia de Sambaquixaba, o corpo da guama
da casa do commndo, um vistoso edificio no
pateo dos Remedios, e um ootro para os encar-
regados do corral e varias penitenciarias ; alar-
Em Abril
de 1891
de 1890
Menos em 1891
12:585:425*000
13:684:420*000
1:098:995*000
Se, porem, forem taes valores calculados pelas
taxas medias de Abril de 1890, ser eete o re-
sultado :
Em Abril de 1891 10:442:200*000
de 1890 13:684: 0*000
Menos em 1891
3:414:220*000
A differenca dos valores dos saqus eff ctuados
em Abril lindo, na somma de 2:143:225*000. re
presenta prejuizo para o commercio.
Os saques para as pracas do paiz que entre-
tem relages mercantis com a do Recife, foram
effectuados aos seguintes premios :
Abril de
Rio Grande do Sul
S. Paulo
Rio de Janeiro
Babia
Cear
Maranhao
Para

Os descontos de lettras
Em Abril de 1891
de 1890
1891
7/12
/1
7/16
m
1890
12/3
1
13/8
1 1/8
na praca regularan) :
de 5 9 ,/".
de 10 A 12 */
Na Bolsa e no Banco da Bolsa houve o segua-
te movimento de ttulos por venda :
Apoltces federaesForam vendidas 49, do va-
lor de 1:000*, 980*000 e 990*000 oa com o
descerno ae 2 e 1"/,.
Apolices do Estado de Pernambuco-Foram ven-
didas 82, do valor de 1 000* 1:020* e 1:042*,
00 com O agio de 2 e 4 1/5 */
Acfoej de ferro-tiasVndense 118 da de Ri-
heirau ao Bonito, ao valor.de 100*000, aos pre
os de 70* e 75*, ou como depreciamento de
30 e 25 % ; e 7 Debenture da Ferro-Carril, do
valor de 200*, a 203* ou com o agio de 1 e
1/2 '/.-
Acedes de bancosVenderam se : 70 do de Per
nambuco, valor realisado de 40*, aos precos de
53*500 e 55*, ou com o agio de 33 e 2/3 e 37
1/2 7. ; 520 do Banco Emlssor, valor realizado
oe 40*, 55* ou com o agio de 37 e 1/2 % ;
650 do Banco da Bolea, valor realisado de 40*.
55* ou com o agio de 37 e 1/2 %.
Lettras kypothecanas Foram vendidas 424,
valor de 100*, 104*000 ou com o agio de 4 '/
Acedes de outras emprezas Foram vendidas :
50 da do Beberibe, vaior.de 100*000, 115*000
ou com o agio de 15 / 5 20 Debentures da de
F-aco e Tecidos, valor de 200*, 203*, ou com
o agio de 1 e 1/2 % 50 da Usina Pinto, valor
de 200*, 230*, ou cum o agio de 15 */. e 24
Debentures da Companhia Pernambucana de Na
vegacao, valor de 200*, 206*500, ou com o
agio de 3 e 1/4 %.
* 1
O movimento do porto foi este :
Entraram do exterior
24 vapores, iotando 43:588 toneladas.
15 navios 4:619
Entraram dos portas do interior
28 vapores, lolando 33:038 toneladas.
13 navios 2:438 >
Dando para total das entradas
80 embareacOes, Iotando 83:683 toneladas.
E. tendo sido o total em Abril de 1890, de:
83 embarcacOes, lolando 76 671 toneladas;
V-se que tntraram menos 3 embarcacOes, Io-
tando mais 7:012 toneladas em Aonl prximo
dudo.
Sastras* para o exterior
13 vapores
14 navios
Sakiram para o interior
40 vapores
12 navios
Dando para o total das sahidas
79 embarcacoes.
E, tendo sido o total em A Dril de 1890, de:
83 embarcactS,
V-se que sabi-am menos 4 embarcacoes em
AbrW oUimo.
gao precisamente as dimeosOes do Cemiterio da
Floresta, que eram acannatliesimae, e onde logo
edijoo grande numero de catacumbas e reedi-
fleon a respectiva capella; establecen ama con
f rtavei enfermara na fortaleza da Conceicao e
anda ora outr mais arredada do povuado para
os variolosos. facihiou coosideravel'&ente o em
barque e desembarque da praia denominada
Caxorro-^i conetrnindo nm caes, com toda sol
dez e em forma de encada, e, por fim. at pro
moveo eolre seos habitantes ero geral um em
presumo expontaneo da avultada qaantia de
2:129*600, em favor das despexas que eoto ee
fazlam com a guerra do Paraguay, offerecendo
elle 490*000 e cujo total, que anda nao se le-
vantan, foi logo reeolhtdo oficialmente aos cofres
geraes, e posto a disposicao do governo.
Pelos seos servicos de guerra foi promovido a
coronel honorario, logo depolB a brigadeiro, e
condecorado com a medalba geral da cimpanba
do Paraguay, tendo esta e nassador de ouro e o
n. 3; senao igualmente agraciado com a Dieni-
taria da Ordem da Rosa, pelo bom desempenho
qne deu as allndidas eommissOes.
Era elle j Eidalgo Cavaioeiro da ex-Casa Im
penal, e com oso de Braso d'Armas, merc-
estaqoeem alvars especiaos foi tambem con
cedua a seus tlhos.
Sem que jamis se bouvesse escoeado ae so-
licitacoOs de amigos para que seo nome fosse
inscripto em algumas irmandades e confrarias
religiosas desta e da cidade de Olioda, e outras
mais a ssciaces polticas, Iliterarias, histricas
e militares ; por effeito de sua generosa acquies
cenca, pertencia elle a um grande numero
deseas corporaees, inclneive ao Instituto Ar-
cbeologico e Geograpbico Pernambucaoo, do
qoal era socio correspondente e a maconarm,
onde ti nba o grao 33 e foi fundador e presideote
da Loja Lonciliacao, sendo que de algum tempo
para c tornou-se inteiramente retrabido dease
meio social.
Ja ento bastantemente alqcebrado, nio Unto
pelo invern dos ancos, mas prinoapalaiante pelas
laboriosas vicisitudes de urna vi la sem repongo
ja bem difficil lhe foi exercer aqui pela terceira
vez a directora do Hospital Militar e o commn-
do interino da puarrncao desta praca ; mas mes-
m 1 as.-im, foi elogiado pelo general com man
dante das armas, em ordem do dia n. 895, por
ter muito bem desempenbado as fuocces de
commandante da guarnico.
Destituido aquella directora porque o uo?-
pital foi reduzido as proporefies de enfermara,
tal como o havia sido primitivamente, o velno
servidor do Estado fi ainda nomeado comman-
dante de Fernando.
Foi justamente a esse tempo que os poderes
pblicos cogitaram -dar orna, nova orientac&o de
moldes civis< no rgimen militar, desde longa
data estatuido nesse presidio, e para urna tal
iran fono? gao radical foram logo expedidas as
convenientes inslraccOes.
Espinbosa mis.-o foi esta para o meu pro
genitor, e na qual empregou elle durante longo
mezesde incessante labor, toda asna actividade
e experiencia, tod 1 a sua perspicacia e reflex&o.
Felizmente, porem, o producto desse seu es
forco, que foi muita alm do qne era dado es-
perar se de um espirito j septuagenario, tor
non se de todo ponto proficuo, e accessivel a
immediata approvac&o do governo porque o
julgou conco-de com al mais razoaveis exigen-
cias do servico.
n
Caneado >de tanto lidar e sempre em conti-
nua actividade, e mesmo j estando mais arrefe-
cidos oa anisaos revoltosos da ento provincia,
mea estimavel pai solicitan e obteve sua reforma
110 posto de coronel da Guarda Nacional.
J assim arredado do servico activo d'essa ar-
ma, ao qual n nca recusou seu valioso concurso,
expondo-se a todos os perigos a que o dever de
soldado o chama va posto, acceitoa successiva-
mente e exereicio de varios cargos pblicos, sen -
do el.es: director da antiga Enfermara Militar,
e isto ao lempo em que o cholera ntorbus asso'ava
mortferamente esta capital, e todo seu interior,
e d'essa ardua e arriscadsima commisso, j
por muitos recasada, so se retireu quando seo-
lio se contaminado d'essa epidemia, e pelo que
foi logo preciso o transportaren) para a sua ha
bitaco ; director d'esse mesmo estabelecimento,
quando transformado em Hospital Militar, caben-
do lhe ento promever tao difficil reorganisa-
co
Abi Condn elle urna espacosa Capella, cujas
arebitee-tura e decencia attrabiam autoridades e
familias em todas as celebracoes do coito sacro,
e que eram rigorosamente mantidas pelo seu
fundador e zelador.
Foi recrutador geral de Pernambuco e logo de-
pois de AfagOas, e membro. do eooselno adoinis
irativo de compras do no*so Arsenal de Guerra
N'esse inte.-im. em 1865, repercuti em todos
os ngulos do vasto Brasil o grito alarmante do
governo da ex-M<>oarebia, chamando postos
nos campos inhspitos do Paraguay todas as tar-
cas de ierra e mar, em desaffran < a sua hon a
ultrajada pelo tyraoo dictador Lopes.
Logo ahi o enthosiasmo publico subi ao de-
lirio, e Pernambuco e suas irmaes de sfll a uorle
se ufanavam em mandar seos filos, que volun-
tariamente seguiam alm mares, tendo .- por
objectivo vingar a Patria.
Em tal emergencia, nao era possivel que o ve
terano militar e revolucionario da legalidade, se
detivesse impaseivel a esse argente reclamo na-
cional.
J meio exhausto de tarcas physica', dissipa-
das mais ou menos no calor das pelejaa da pa-
tria, pela patria, nada d'isio o demoven pr-se
lozo, e ainda esta vez, ao servico de sea paiz.
Imcombi lo eolio da organisuc&o de um Corpo
de Voluntarios, custou-lne este encargo os mais
enrgicos protestos pela snslentacau de seos d-
reitos adqaerido8, os quaes. ama poltica adve.-sa
sua, pretenda postergar; e por iato, o nao
qois auxiliar n'aquelle empenbo. Entreunto, a
despeno de tudo, alistaram-se muitos acadmi-
cos de nossa Faculdade de Direito, e outres mo-
cos de risoma? esp-rancas de futuro, e o velno
commandante, mesmo assim des judaoo, pouco
tardou em concluir a arregimentaco d'esse n-
cleo de patriotas, e, feita ella, fui-lbe offerecida
urna rica bandeira de seda pela Loja Magenica
Conciliacn, que elle havia fundado e presidido.
A frente d'essa pbalange de improvisados sol-
dados, entre os quaes figuravam Maciel Pinbeiro,
Jos Hygioo, Ramos Ferreira, Urzedo, Floriano,
Cne Real e outros ornamentos do Curso Jur-
dico, seguio o detemido Peroambucabo 9 de
Deze.mbro do referido anno, com deslino ao Pa-
raguay, e o seu embarque vencou--e sob as
mais estrondosaa manifestares de publico rego-
8ijo.
Lisonjeio-me em traoscrever parte de orna pro-
clamaco impressa e que, entre outras muitas,
foi distribun'a quando garbosamente deslilava
pelas roas d'esta cidade o 3 Croo de Volunta
ros da Patria.
BXPOBTAGAO
O commercio exportador, nio obstante a baixa
relativa dos priocipaes productos locaee, ruante-
ve-se em Abril Ando em nivel superior ao de
Abril de 1890.
feudo sido muito maior do que a anterior a
safra do aesnear, como o atiestan as entradas
da safra Sudar, e sendo tambem vultuosa a do
algodao ; ainda ne mez fiado foram espertares
as de Abril do anno passado essas entradas, que
excedern : a doassncar em 73:849 saceos ; a
Jo algodao ero 9:576 fardos ; a da agurdente
em *:230 pipas ; e a do alcool em 305 pipas.
Someote em mel e couros-de boi foram as en-
tradas inferiores as de Abrit de 1890.
Quanto aos presos, baixaram: o do asquear 468
iis, em media; por-15 kilos-, o do algodao 150
riB pelo mesmo peso ; o alcool 7#508por pipa,
e o mel 2*500 por pipa ) nas a agurdente 2*000 em pipa, e oe couros,
em media, 4 i ris por kilo.
AUgmentoa, porem, a exporlacao : em assucar
5:373 e 1/2 toneladas ; em algodao 197 tonela-
das ;:em agaardente 878o 1/2 pipas, eem alcool
56 pipas ; ttcando qoem da de Abril do anno
passado a do mel em 153 pipas, e a de cooros
em 115 toneladas.
Como ja ficou dito, a baixa uos precos dos
principaes prodoctos iruportoa n'um prejuizo de
cerca de 370:000*. Essad)ffBranoa, porem, foi
gaoha pelo maior acervo/ exportado, alias in-
fluenciado pelo dos prodoctos de menor impor-
tancia. D'est'arle queo-valor total da expor-
tado tai superior em 994:458*090 a o do mez de
AbnLde 1890.
Eis oseados da exporlacao :

Assucar
Posto que em fins de safra, o mercado deste
producto esteveienimado. -
Entraram :
Em Abril de 1891 173.010. saceos
de 1890 99.161
Mais em 1891 73.849 .
As vendas por 15 kilos effectuaram se aos se
guintes precos:
Branco 3 superior
. 3a boa
. 3* regular
> 4a 80rte
Somenos
Mascavado purgado boin
, regular
. americano
Bruto regular
Foram estes os precos medios:
Em Abril de 1891 2*744
. de 1890 3*212
de 3*500 a 3*600
de 3*300 a 3*400
de 3* 00 a 3*200
de 2*900 a 3*000
ae 2*700 a 2*800
de 2*300 a 2*400
de 2*200 a 2*250
2*100
de 1*900 a 2*000
Menos em 1891
Foram exportados:
Em Abril de 1891-Bxt.; 7.201 600
Interior 4.154.014
*468
kilos
Total
Em Marco de 1890
Mais cm 1891
11.355.614
5.982-046
5.373-568
Briosos e tlenles cidadaos!
Est vossa frente um militar experimenta
do, o benemrita e bravo coronel Francisco Joa-
quim Pereira Lobo. Embora da opioo pro*
cripta, foi elle o primeiro pernambocano que
protest u ante o governo da provincia empunbar
a eepa la em defenso do paiz I Oesprotegido dos
caracteres que se acclamao m eminentes da si-
tuaeo, desaiudado d'esses recursos que tiram
origem das posices officiaes, elle teve a nobre
firmeza de dirigir-se aos bros da provincia, e a
fortuna de ver correspondido este alto appello
patritico I
Embora trumpbante de urna causa reconbe-
cidameole embaracosa, e cercada de eontingeo-
cias excepcionaes, a maledicencia insensata e
desleal ouson morder o calcaobar do veterano
brigadeiro, e islo porque de om infeliz acaso se
originaran? graves e criminosos vaiveos pertur-
badores da ordem, e dos quaes posso declarar,
coma testemunha presencial, que o presidio tem
sido tbeatro em vanas pocas.
Assim aesaUado em sua dignidade pelas astu
cas da mais terrivel perverco, que at poi ul-
timo o conduzram ante os tribuoaes da justica
publica, como cmplice, por negligencia, nos
delictos commetlidos em dita liba, e sem que
comtudo elle se mostrasse receloso do resultado
dessa cruel expiaco que Ibe eslava reservada
para a velhice, com todo o sabranceirismo reco
lhen se a esla capital, e logo tirou limpo em
um eummario crime, eoui provas esmagadoraa,
as falsas e maliciosas argaicOes de seas impla-
ca veis verdugos, e immediatamente teve a dis-
pronuncla legal.
E foi assim voltada esaa pagina do grande li-
vro da historia de sua vida, e nica que, se nao
tara a rectidao de om juiz severo e criterloso,
poda muito bem marear com um ponto negro
todo o seu passado de illostres feitos
Espirito vivaz e altaneiro, meo venerando pai,
qner qoaodo anda o. 050 e batojado pelos bens
da fortuna, quer quando j velbo .e reduzJo a
mais extrema pobreza, nunca ebegou a curvar
sua servs, e por isto sempre a teve muito ao
abrigo de abjectas humbacpes.
Sendo os precos medios :
Em Abril de 1891
de 1890
Menos em 1891
Foram exportados:
Em Abril de 1891Ext.
Interior
*
Total
Em Abril de 1890
Mais em 1891
7*700
7*850
*150
559.284 kilos
274.846
834.130
636.979
197.151
Foram estes os valores da exportacSo :
Em Abril de 1891 428186*220
de 1890 333:352*290
Mais em 1891
94:833*930
Agurdente
Esteve bem activo o mercado deste artigo.
Entraram:
Agurdente
Esteve bem activo o mercado deste artigo.
Entraram: ......
Em Abril de 1891 2.750 pipas
. de 1890 1-520
Mais em 1891
1.230
Vendeu-ae por pipa a 90*000, sendo os precos
medios :
Em Abril de 1891
< de 1899
Miis em 1891
Feram exportados:
Abril d 1891Ext.
Interior
90*000
88*000
2*000
3-500 litros
1.309.595
Abril de 1890
Maia em 1891
Total
1.313.095
891.360
421.735
O i valores exportados foram :
Abril de 1891
. de 1890
246:186*000
163:516*000
Mais em91
82:630*000
Alcool
Tambem esteve activo o mercado deste pro
dusto.
Entraram :
Abnl.de 1891- 370 pipas
. de 1890 65 .
Mais em 91
305
Foram estes os valores da xportaco
"^"Ob. asas
Mais em 1891
796:334*560
Alftmo
O mercado deste producto mauieie-se regular.
EmAuE89l ??'if7 ,f*rd0e
MaispmlMI 3J76
Regataran) as vendas por 15 kilos Bodei.Msoatidade de 8^ii8*800JMaia*m.91
Do med ano^ de 7*600 ai 7*800
Do 8**qoalidade' de 6*60fca 6*800
Rf>golaram as vendas por pipa de 175*000
185*000, sendo os precos medios :
Abrilde W9V 180*000
. de 1890 187*500
Sabia resistir sem fraquesas as mais pungen-
te investidas de isforuioio, e as maiore adver-
sidades da sorte. Jias e outras elle as soffreu
em demaei8.
Perdeu seus pais, sua esposa, Jnas filbas, oi-
to irmos e seis netos ; sea lo um des es a sua
Maria Annu'ncuda, e mioha- idolatrad ftvhi-
oha, por qaemiUi Untse eslrenaecia, quanto
se mostroa abatido com o sea prematuro tres-
passo, que aos magoou a 3 de Janeiro deste
anno.
Teobo aioda em memoria as palavras por elle
proferidas, entre solucos, quando sabio, de casa
o cadver dessa sua presada ne tinba ;<- Va
minha tilha, que muito breve te segaire tam-
bem II...
E esea sua previsao se realisou.............
Entes que lhe forase extremamente caros, e
P l j> u aes o seu mesmo esmero uava a medi-
1j exacta de seas eetremecimentos per todos el-
les, cada urna dessas perdas o sangraram bem
no amago, e at a ultima, a de seu irmo o nia-
jor Candido Emygdio Pereira Lobo, que o pre-
ceden na morte aous das apenas, o senslbilisou
bem dolorosamente *.
III
At no recenceamento da poputecaO desta*
capflai a experiencia do velbo soldado e sua la.
tegridade nao foram postas margem.
O governo as aproveitou incumbindo o de par-
te desse servico, e do qual ainda elle se de o-
brigoo loovavelmeote.
J ento exonerado do segundo commndo de
Fernando, e tambes desguetoso por tantas con-
trariedades j soffridas, preferio arredsr-se do
borburion social, e nesse seo retiro de tres an-
nos aproximadamente, foi anda e por ultimo 1
sorpreQendido a 12 de Abril de 1888,. com a no-
meaco para commandante do Foi te do Buraco,
cargo que logo aBsomio.
Foi, esse emprego o ponto final de sua v da
publica, oa aqaelle em qae elle exnalou o der- i
radeiro suspiro.
Sem que ainda bouvesse completado dous an-
nos de exereicio gentio-se gravemente accom-
mettido.de urna gastro entente,qne dia.dia
minava-lh<* a existencia, j bem enfraquecida
pela acgo natural daidade.
Com dous mezes apenas, esaa enferroidade
fel-o ceder a lei irrevogavel da morte, porm
seu espirito esclarecido s deixou de sel o na
hora extrema, quando ento,abencoando fi-
Ihos, netos e oras,se transpos a regifio celes-
te s 11 boras e meia da manb de 14 de Maio
'indo, tendo antes, e por vontade propria, rece-
bido todos os soccorroa espiritnaes.
Ao expirar com 80 annos, 3 nada Ibe foi extranbo, nem ae lagrimas sinceras
dos que o cercavam, nem as oracOes compon-
gentes de seu acabamento.
A todos dirigi a palavra e de todos ee deape-
dio, quando em seguida um ligeiro movimento
fez calar precipite todas as suas ("acuidades, e
su'alma esvoacou ento aos pan moa do infi-
nito .
rv
Seu enlerramento leve lugar na manb se-
guinie. s nove e meia boras, e como ultima
dlsposico sua. sabio o cadver da casa da ra
do Cabog 0.11 Io andar, na qoal reiidio elle
mais de 67 annos ; e a qnelle acto concorre-
ram todas as classes sociaes, que assim deram o
testemunbo mais eloquente da veoeragao que
trintavam a penltima reliquia pernambucana.
aa nossa Independencia.
Descance. em paz. a su'alma, e qae sempre a
abrigue a sombra benfica das. casnarnas/do
almturnlo (*) .
Recife, Jenbo, 1890.
A. G. de Gusmao Lobo.
(*) ADVKRTNCIA
Este esboco foi eacripto e correcto muito ao
correr da peona, e disto proveio ter siao publi-
cado com algumas imperfeices grammaticaes e-
ortographicas.
Sem tempo para revel-o, esses defetos Dem
Be justificam, e eu espero que o leitor os releva-
r benvolamente .
Recite, Junho, 90.
____________________________G. Lobo.
Denladuras arlicias
Sob pressSo elstica e presa3o
maticesystemas novissimos neste Esta-
dopelo cirurgio dentista ama Pom-
pilio, arua-BarSo dn Victoria n. 541.
andar, das 8 horas da manhS as 4 da
tarde.
Mel
O mercado deste producto conservoutse sem
actividade.
Vendeu-se a pipa 55*000, sendo os precos
medios:
Abril de 1891
. de 1890
Menos em 91
Foram exportados :
Abril de 1891.Ext.
Int.
Total
55*008-
57*500
2500
8.580 KMH
6790
15.340
88.900
73.560
de 1890
Meaos em 1891
Os valores da exporlacao foram :
Abril de 1891 1:760*006.
. de 1890 10:649*000
Menos em 91
8:889*000
Couros
O mercado destes artigos esteve muito. apa-
thteo.
Entraram:
Abril de 1891
de 1890 3 084
440 ris
Menos em fll *-3W
Regularam as vendas por kilo :
Dos espichados
Dos seceos salgados de 420 430
Dos verdes a 300
Os precos medios foram :
Espichados. Seceos Verdes
Abril de 91 440 425 300
. de 90 410
Diffe- mais
rengas (meaos
Foram exportados :
Abril de 91- Exterior:
Espichados
Seceos
Verdes
Total
395
30 30
230
70
kilos
9.024
Abril de 90
Menos em 91
Os valores da exportacSo foram :
Abril 91-Espicbados
Seceos
Verdes
Total
.. 90
Menos em 91
9.024
124.280
US.256
3:825*20
3:825*2
42:184*400
MM9f
Menos em 91
Foram exportados
Abril de 91-Ext.
Int.
Total
7*500
Abril de 1890
Mais em 91
Os valorea exportados foram :
Abril de 1891
. de 1890
litros
176.761 *
176.751
149.856 *
- 26895
66:2764000
58:537*5 0
1:73M500
A demais exportajO feita pela Aifandega
constou do seguinie :
Abacaxis Int.
Borracha Ext.
Caf Ext.
Carocos de algodaoExt.
Int.
Total
CarrapatoExt.
Int.
Total
Carvao animalInt.
Cascas de aogico ExL
Cascas de juremaExt.
Cascos de urtaruga-Ext.
Cera de carnaubaInt.
1.000
4.403 kilos. ,.
75 -.
2.037.970 "
109.091
2.107.062,-.
2H0 ,
7.498 i
9-878
7.800
1 vol.
40 kilos.
4.3*3
r-i
ti
'


.<"


Diario de Pemamlroco Quinta-feira 14 de Maio de 1891
!

}
Ao i/r. Joaquim Jos
CoimDra
Consta o abaixo assignado que V.
55. vai querer ao M. D, Jais do Com-
saercio sua citarlo para pagamento de
amas letras do acoette do abaixo assign
o, que diz estarem em seu poder; e
.parece um pouco precipitado o proced
aaento de V*. S-, desde que ao abaizo ws-
gnado anda d2j forana apresen talas para
pagamento ditas letras nem tao pouco
abe de que cor ato nema importancia del
isa nem de que sao provenientes, visto que
a primeira noticia que teve da existencia
lie t.es documentos foi a pub.ioac&o do
artigo do Capitao Manoel Franca :o de
Paula, e nSo obstante espera liquidar a ille-
galidade destas letras perante os compa-
rantes tribnoaes.
Recite, 13 de Maio de 1891.
Carlot Sindtn.
Protesto
O aba:zo assignado tendo lido no Jornal
i Becife de hontem urna declaracSo fe ta
pelo capitao Manoel Francisco de Paula,
em que este se diz sea credor por ttulos
de seu acceite; desde previne ao Dr.
Joaq im Jos Coi mora e a quem mais in
eressar possa, que se ditos titules ezis-
em nao sao verdadeiros, pois o abaixo
asignado nada deve ao Capitao Man el
Francisco de Caula e antes es.e lhe seu
dievedor ; protestando em tempo opportu-
eo fazer valer seu direito.
ecife, 11 de Maio de 1891.
Cario Sinden.
Soire Musical
Promovida por Gervasio de Castro, no
*ia (quinta-feira) 21 de Maio de 1891.
No aalao de Artes e Oficios.
B!h?tes a venda as seguintes casas :
Lnuch R>om--do Hotel Internacional,
"Ii'.nse, ra do Crespo.
frcaiie & C.ra Nova.
Le se no Figuro :
O Xarope de Rsgnauld urna prepa-
-rao de gosto suave e de urna eficacia
patente contra as molestias dos broachios
3 da peito. Seus principios activos sao
irados das plantas medicina s que tem
propriedades proprias para aliviar e curar
a tosse.
Bastam duas a tres colheres do Xarc-
pe de Regnauld para calmar a tosse de
rritacao, das constipares, do defluxo
epidmico, do catarrbo, da bronchite. da
astil ma, etc., sem occasionar perda do
appetite.Prepara-se este producto em
<3aaa de L. Frere, ra Jacob n. 19, em
Paria.
A venda em todas as pharmacias de 1.a
wdem. Com instruccao sobre o medica-
caento.
Advogado Oliveira Fonseca
Mudou sen escriptorio para o sobrado n- ida
ora^ade Pedro II.
AS YICTIMAS DAS FEBUf
* O Elixir aatt-rearil Carioso* appro
aao em 21 de Marco depte pr,no pe's Inspector:.
eral de Hygiene do Rio de Janeiro, vea boj'
ipresentar-.se a bumanidade soredora do moi
io nteiro, como taboa de salvaco que ao inte
x naufrago lhe enviada por mo omnipotente
O elixir anurefer Cantoso. app'
ado em omit asimos casos de febres, tem, coai<
or milagre, levantado do leito da dor a comple
>s moribundos.
Este remedio, composto somentc de vegetaer
-. intetramente inoffensivo, ainda mesmo na mal
nimosa e tenra enanca.
As senhoras, no estado de paridas, on no p
i odo de mcommodos naturaes, podem usat<
m receto algnm.
Oepoaito*.
Drogara dos Srs. Francisco Manoel da SilTj
k C, a roa Mrquez de Olindi n. 23.
Pharmacia Mortins, rna Duque de Caxia
.88.
Poarmacia Oriental, ra estreita do Rosar:
i 3.
Poarmacia Alfredo Ferrelra. roa do Barc
'ictona o. 14.
Pharmacia Virgilio Lopes 4 C* Rosario largs
i 31.
Deposito eral em <-a lo antoi
noel CardMo /uaior, ra
-ta do Basarlo u. 11.
A-eadov
Scientificamos ao respeltavel pablico que aiu
los attestados a que damos paolicidade boje
o.-am curados 680 variolosos.
Pedimos aos incrdulo iara irem examina
>s tratados pelo Elixir anti febril.
Dos innmeros attestados 4 e temes, rtam-
m segnida principio a sua puolicacao; e ist>
'astar para que sejam conhecidas as virtude
'o Elixir anti febril Cardoso
Carados de diversas febres 1:200.
N. I16
Recife, 13 de Julbo de 1889.
llm. Sr. Manoel Cardoso Jnior.Dominado
por um dever de grati lo, servir o prt-seote
decumento, de c tr. faci verdaeiro, acontecido
no Btlo de mioha famil a, o qual foi o segoio
le :
Adoecendo um lilno meu, de doas annos de
idade, d febre paludosa e tendo se paesado mu
tos das sem t mal qoerer ceder, apezar de mul-
tes medicamentos applicados por diversos me
dios, ful focado e de accordo com o medico
asistente, a mudar o doeote da cidade de Olin-
da pa.a a Pastagt m da Magdaleoa, para a esas
do aeti amigo e compadre o Sr. Antonio J.:
Ferrara Mcnteiio
Abi, foi cQamado um medico homeopatbico e
depoia de alguna das de tratamento, e nao ob-
teodo melbora, a ponto do propno medico des-
engaar o doente, eolio o meo amigo e compa
dre teve a feliz lembracca de mandar ver o seu
elixir anti-febril o qual foi aplicado, e tres das
depols estava salvo o meu nido da terrivel febre
de que f-a accommettido.
Como uielhor IJie approuver far uso da pre-
sente. Heunqoe de Castro Guimaiaes, despa-
chante da Al andega.
N. 117
Recife, 10 de Setembrode 1890.
Illm. Sr. Manoel Cardoso Jumor. E' com a
maior satisfacao que veutio teslemuobar Ibe a
m-nba gratidao e reroaoecimeuto, por ter em-
pregado o sea elixir uti-febril miuba seDbora
que a nava-se prosuda com urna terrivel febre.
salvando-a do terrivel mal que a atormeolava.
Pode Vmc. fazer o uso que Ine convier em
qualquer lempo, deste meu humilde altestado.
tributo da mais alta gratidao
Seu criado e amigo obngadoJoao Machado
Evaogelbo.
S. 118
Illtn. Sr. Manoel Cardoso. JniorParticipi -
Ibe que teado feito u-o de sei preparado deno-
minado elixir anti feoril aconselbado por ou
amigo Jos Jooaquim do Nascimenio para fazer
' pplic cao do mesmo remedio em minba blba
Adelina, de 7 annos de idade, que se achava ata
cada de febre de mo carcter e coosegniodo U
car restbale -i la no prazo de tres da?.
Por i.-to o felicito pelo sea poderoso prepara
do pod ndo V. S. fazer uso de te meu altes
tacto.
Recife, 9 de Setembro de 1889..- Nicolao La-
gos Migue; s.
N. 119
\ocdado Manoel Lardoso Jnior. A bem
da humamdade declaro que teado adoecido o
meo Hlhinho de dous annos de idade Rotilho
Apolonio, de vanlas, trtelo de principio ao I
hua com o sen elixir aoli-leoril gracas a P bvi '
delicia, fui mais que feiz por ver o m-n filbo
livre do perigo ni cano eepaco de qoatuize
das.
Eis que qaando eu menos espera va adoece me
orna d nome Mara Apolonia, com quatro an-
nos, tambo u de varilas, nao tire a menor du-
vida, ainda liaba, o elixir, apphquei-o immedia
taoreoie ; o que verdade que pode alguem
descobrir quaiquer preparado para febre ou va-
relas, porem que faca frenie a este ieu elixir
duvido, porque miuba fllha esteve dous das e
urna outie completamente moluca e gem falla,
julgoei perdel-a. p"jim, abaixo de Deus e o sen
elixir acba-se completamente restabelecida no
perido de dezesele dias
Agora o u-nbo a agradecer ao Sr. Manoel Car-
doso Jnior a benevolencia que teve para comi-
go de t'o aeoer-me o su elixir dorante todo o
peiiodo ia molestia dos meas doas Qlhiobos Ro-
lilbo e Mara.
Pode o Sr. Cardoso fazer o aso desta como lhe
couvi! r. assim como pode o Sr. Cardoso vir ou
man lar em nossa casa rna de .-anta Tbereza
n 6
Recife, 12 de Outubro de 1890.
Sua criada e obligada Mana da Exaltaco
Santos. 1
N. 120
Becife, 21 de Abril de 1891.
Cidado Manoel Cardoso.Nao devo furjar-me
ao pablico teeieuiunbo de asse{urr aefficaciaj
imm sio beta da bumanidade.
Estive ulti aameate com o mea Hlhinho Os-1
car, de 2 annos de idade, seriamente prostrado 1
de urna febre i upert nenie durante 15 das.
Tendo esgotado os recursos medidos que pro-
curei, ioaseiho d) mea auigo o cidadin Ma-
noel Ferreira da Costa, procure) o seu bamani-
tio elixir e appiqaei-o ao meu lilbiobo.
N da immediato primeira dse nenhama
febre Unba, restabelecendo-se logo da terrivel
febre que o deBr hava.
Como pai faco votos para que o seu elixir aut
febril va emire daudo destas robustas e ver-
dicas provas.
Becco do Espinbeiro ra de Nones Machado
n. I.
Son .-cu admirador Alfredo Cavalcanie Ri-
beiro di Silva.
i-SSiavam sellados e reco neados.)
elle intentar a respectiva aeco nos termos d
le, previno ao poblico que tenb* toda attencac
para os frascos que irazem o nome do aotoi
Manoel Cardoso e do B ixir Cardoso, cajo depe
sito na roa Esireita do Rosario n. 17.
Recjf., de-A-bril de 1891.
Manoel Cardoso Jnior.
;Oocos Exl. 3.000
Int. 96.300
Total Ossrinhos e pellesExt. 99 300
74.498
OpeesExt. 499 kilos
Int. 8-988 -
Total 9.487
Sspaaadores In t. 105
1. Harioa de bananasInt. 20 kilos.
Cariota de mandiocaExt. 2 vols.
Int. Total 6.723
6.72o
Fajo -Int. 550 saceos
fto u'algodaoInt. 10
Sructas Ext. 3 vols.
Int. 19.300 mangas e 85
Total 19.500 88
BKS5SS =
Madeiras -- Ext. 6 b ngal.
Iot. 72 laboas
Medicamentos e drogas lot. 268 vols.
Mimo-Int. 192 650 kilos.
Oleo ue algodoInt. 2 436 litros.
Ouro velho Ext 3-090 oitavas.
Paiha de carnaubaExt. 7 vols.
Pao Brazil-Ext. 2.000 kilos.
Passaros seceos Ext. 3600
Puta velhaExt. 30.837 oit.
8apInt. 114 k l.s.
aesioa Iot. 752
Sei. Il 3U0
flfflla Int 10 meios.
Taniancos -Int. 500 pares
Vmu de caj-Int. 2 caixas
O valor de toda exportacao, caicalado pelos
respectivos precos medios, foi este :
_4ssucar .077:320*5UO
Algodao 428:186*^20
Agurdente aTcooI 246:186*000
(6:276*000
Mei 1:760*000
Cauros seceos 3:835*100
Auacaxis 500*000
borracha 5.870*000
af *2500
Carocos de algodo 41:159*100
Carr.pato 999*600
Carvo animal 130*000
Cascas de angico 750*000
awni de jurema seos de tartaruga 5*000 200*000
Cera de carnauba 2:t6l*80D
Cocos 7:9444000
Courinhos e pelles 81:947*800
Doces 9.487*000
Espanadores IOSOOO
Farinnade banana 20*0o0
Farinba de mandioca 26:900*000
Feijo 6 600*000
Fio de algodo 200*000
Fructas 2:440*000
^ienebra 2.652*400
Mad dirs 554*000
Medicamentos e drogas 5:360*000
Hubo 19.265*000
Oleo de algodo 1:000*000
Oort velho 15:450*000
Falsa de carnauba 80*000
Ha Brasil 200OOD
Paoraros seceos 1:800*000
Frau velha 12:334*00
susmas 1145000 896*000
Sata f80000
talla 38*000
Ttaasocos 250*000
?a*odecaj 20^000
IWal 3.0T1:2j9*9O
Um em Marco de 1890 feto em 1891 3.076:801*83')
994 458*090
UIPOBTACAO
O mercado importador, sem embargo das can
sas deprimentes qoe o fflt^em, manteve se ani-
ma 10 no mez prximo bndo.
O accervo di.s entradas de gneros 3 artefactos
estrangeiro, julgadsB pela renda aduaoeira
pelos algarismos adiante compendiados, foi su-
perior ao de Abril do anuo passado.
Entretanto todos esses gneros e artefactos
manliveram precos elevado-, qae, em*relaco
muitos, attiogem mais de 50 dos precos ao -
tenores ao pagamento dos direilos alfandegaes
em ouro, isto sofrem as consequencias da alca
do ooro e da baixa cambial.
Eis os algarismos da importaco :
*
Em gneros alimenticios, bebidas alcoolicas
e fermentadas, accepipes e condimentos entra
ram pela Alfaodega :
Albos1:386 canastros, vendendo-se a maunca
de 100 120 ris.
Arroz1:540 saceos, vendendo-se os 15 kilos
de 3*700 3*900.
Azeitc de oliveira5 barris e 367 caixas, ven
dend -se o galo de 4*800 5*000.
Azeitonas1 volume.
Racalho23:714 barricas, vendeudo se de
21*000 2-;*5O0.
'Jagies seceos12 volames.
Banhu de porco 2 024 barris, vendendo-se o
kilo de *950 *100 ris.
Batatas1:609 caixas, vendendo-se de 3500
5ooo.
Biscoutos 6i volumes.
Bitter10 volomes.
Caf4:223 saceos, vendendo-se os 15 kilos
Je 15*000 a 18*000.
CamarOes25 volumes.
Canela 33 volumes, vendendo-se o kilo di
t*700 2*000.
i.'aroede conserva 501 volumes.
Ceblas-1:576caixas, vendeadose de 19*000
i 24*000.
Cerveja-1:126 caixas e !0 barris, vendendo-
se a vuzia de garrafas ou botijas de 10*000
15*000
Cevada .-30 volumes.
Cevadinha40 volumes.
Cha 68 volumes, \endenio-se o kilo de 3*
6**00.
Chocolate6 volume 3.
Chounc.'S20 volumes.
Cidra303 volumes.
Cocos -6:900.
Cognac35 volumes.
Conservas155 volomes
Cravo da India5 volames, vendendo se o
15 kilos a 3*00.
Doces1 volme.
Ervilhas20 volumes.
Farinba de mandioca3.788 saceos, venden
do-se de 3*00 a 4*400 cada sacco.
Farinba de trigo22.097 barricas, venden
do-se a barrica : da americana de 18* a 22*000 ;
e da de Trieste e Hungra de 26* a 28*000.
Keijio 131 saceos, vendendo-se cada um de
IO<-,000 a 11*000.
L'jlhas de louro*-32 saceos.
Fructas1 volume.
teaebra140 caixas, vendeudo-se por mizU
de frascos de 4* a 16*000.
Leite condensado19 volumes.
Lesumes20 volumes.
Licores29 caixas.
Linguas7 volumes.
Maizena -325 caixas.
Manteiga 1.462 1/ barris e 50 caixas. Ven
deu-se por kilo: da francesa em barril, de
2*000 a 2*200; e de diversas em latas, de 2*180
a 2*834.
Massaa alimentares435 caixas, vendendo-se
de 6*500 a 9*000.
MHbo-3.994 saceos, vendendo-ae o kilo de 85
a 100 ris.
Presuntos52 caixas.
Provisoes-67 caixas
Pimenta da India34 volumes, vendendo-se o
kilo de 1*100 a 1*200
Que'ios517 caixas e 17 fardos. Venderam-
se os uWngos de 4*400 a 4*500.
Sag-35 garrafoes.
Sal201.660 litros, 625 alqueires e 15 caixas.
P. L.T.C.
lhe hal-year y General meetiag of the
Peroambaco San Tennis Club will le
held at the residencie of mr Samuel Jones,
Caminho Novo, on m nd. y even>ng. the
idtb, instant at 8-30 pm. Ali members
are request^d to attend.
Doabk:s Haadiap.
Entrics por the Forster Prizes must be
sc.'l in to the Secretary in writiug, on,
or let'ore 23rd, May.
Entrance'fee 1(5 e ach player.
Recife 12lh. May 1891.
J. E. Smethurst,
Hon S c
Despedida
O ubaixo assigoado, tendo de seguir boje para
o Rio de Janeiro 00 vapor nacional SatelltU, des-
pede-se de todos 03 seus amigos e prenles, e
pede !i s desculpa de nao o ter f- ito pesioal
i.c te em virtud de sua alterada sale e pres
ttsa e vi. g-.-m. Offerece os seus prestimos na-
ijuella capital, sonde pretende d morarse por
jigum u-mpo.
Recite, i 2 de Maio de 1891.
Rodolpbo Pessoa.
Dedara^ao commercial
Os obaixo firmados, declaram que por
conveniencia reciprocas, dissolveram ami
gavelmente a Bociedade, que ha 21 sa-
nos gy.ou sob a firma de Burreiros d
Freir, e como nao existse passivo em
sua e.aas, visto nada absolutamente deve-
rem, quer nos Estados da Repblica Brs-
zileira, e quer no estrangeiro, e aim tSo
smente o activo, representado por mer-
caduras, dividas, predios, dinheiros, etc ,
fot este dividido proporcionalmente de ac-
cordo com o capital de cada um dos so-
cios, ficando assim embolsados, e nego-
cia: do em seus nomes individuaos com o
mesmo ramo de negocio.
Se alguem se julgar prejudi ado com
a presente declar<-cSo, queira redamar
seus direitoB, ou conteste no prazo de 60
dias, a contar da presente data.
Penedo, Io de Maio de 1891.
Saino Barrexros du Catino.
Francisco da Silva Freir.
an cojdemadd>a por sonteoca proferid*
jeto L'nbun U da RelaoAo ds Parto Alegra
.aUdo do Bio Grasde do Sal, acore* di
jue, corre presentemente ama accfto.n<
|uiso commercial desta c: pital.
E para qae ningaem invoque ignora
ia ao que tem occorndo, faco a present
leclara$2o.
Pernambuco, 8 ae Janeiro de 189
Antenor BareeUo de Amorim
VINHO
/IVIEN
Mais efcaz ainda do
que o oleo cr de
figado de bacalhau.
De gosto to agradaoel
que as enancas
tomam-no com prazer.
20 contos de ris
' um rendimen'o mnimo seguro, por anoo de
12 contos
Venae-se, por grave incommodo de sande, um
i'3'.i.belcciu eti'o commercial, oas cond'(0es ci-
ma : trabilbo fcil e nao exigiodo conhec;men-
ti'S e8pe''iaeR, nessoal dimlnoto, despezas infe-
riores 300*000 mensas.
Trata se c.cw o Sr. Alfredo Duprat, na ra do
Commercio o. 46, escriptorio.
Cuidado comafalsifica^ao
Acabo de verificar que o elixir ante-febril Car-
loso est seBdo falsificado por alguem e em
mani nao de* obro este alguem fiara contra
Vendeu-se por 100 litros do nacional de 1*000 a
1*200.
Saloicoes% volomes.
Sardinhas 35 barris e 159 caixas. Veudeo-
se a lata de 1/4 de 330 a 400 ris.
Toucinho275 barris. veodendo-se os 15 kilos
de 10*000 a 13*500.
Vinagre 16 barris. Vendeu-se a pipa: do de
Lisboa de 170* a 180* e do naciouai de 60* a
8*ooo.
Vinho-100 pipas, 1.533 barris e 1.956 cai-
xas. Veadeu-se pipa : do de Lisboa de 290*
a 32o* ; do da Figueira de 305* a 330* ; e do
nacional de 100* a 120*000.
Xaropes10 volumes.
Xarque196.575 kilos e 25.200 fardos. Ven-
deu-se por 15 kilos : do do Rio da Prata, de
5*400 a 7*3uQ; e do nacional de 4*50u a 6*000.
Wermouth30 caixas.
wiskey17 caixas.
- Entraram mais pela Alfandega os segnin-
tes artigos:
Alcatro82 volumes.
ifafa-60 fardos.
Alpiste 95 volumes, vendendo-se por 15
kilos ce 5* a 5*300.
Alvaiade 50 barricas.
Barricas e barris vasios 3-425.
Barrilha135 tambores.
Borracha42 volumes, vendendo-se os 15 ki-
los a 20*000.
Breu -2296 barricas, vendeado- se cada urna de
11* a 18*'00.
Cabos61 volumes.
Cal-350 barricas.
Calcados -17 volumes.
Carocos de algodo l volume. Vendeu-
se do; 13 kilos de 280a 300 ris.
(Garrapato3 volumes, vendeado-se por 15
los 1*800 a 2*000.
t.arvo de podra 2 970 toneladas. Vendeu-
se a tonelada de 205 a 24OO0.
Ceras diversas47 volumes. Vei.deu se por !
15 kilos da de d> nutiba de 6<300 a 8*300.
Chapeos72 volumes.
Charutos16 caixoes. j
ChumboJe mun.co, 4i0 barricas; e em }
ceos 6 barricas.
Cimento 1.J07 barricas, vendendo-se cada i
urna de 8*000 a 10*000.
Coure4 volumes,
Courinhos e pelles 291 volumes e 98 avul-1
sos. vendeudo-se o cento de 30* a 170*000, con-1
forme a quaii J;ie
Couros de boi1 733.
Drogas emedi amentos498 volumes.
Enxofre60 voiumes.
Photographia Allem
C. :5a: za, successar de Alberto Hars
ehel & O., proprietanos da r'hotographiii
AliemS, ra Barao da Victoria n. 52,
avisa ao rtspeitav I pablico que ccmtratou
o Sr. Jorge Henrique P. pf, habilissim-.-
pbotograpb, mu vanidosamente conhecido
no Sul do Brasil, e quo pois se ;cna
agora, com sempre, em coiidc3eR de betc
satiafazer as exigencias do mesmo publico
no tocante a arte photographica.
"Declaracao
O abaixo assignado, procurador de -lose
Alvares de Sousa Soares, previne a qaea
possa interessar, que es bous do Antoni<
r3runo da Silva Maia e sua muluer tion
jo Augusto de rit) Tabor-le, e An
uunciada de tirito Taboni- .>cbam-se bu
geitos ao pagamento da juantia de......
13:222^170, juros a custas, em que fo
lanzadas2.
Jois1 volume.
Kerosene7.000 caixas. Vendeu-se a lata de
4*3'.0 a 4*880.
Lichas75 caixes.
Lona 7 fardos.
Louja4J0 volumes. Vendeu se o gigo da
ingleza ordinaria de 80* a 120*000.
Madeirasj17 orancnO s, 14 taboas, 242 tra-
vs, 134 eochamis, 250 remos. 568 pedacos di-
versos e 5.000 toros de mangue.
Marm )'? s e p dra151 volumes.
Mercaduras diversasi 256 volumes.
Movis34 volumes.
Ocre90 volumes.
leos diversos -163 volumes.
Palba le carnauba200 volumes
Papel95 caixas s 2.768 fardos Vendeu-se a
resma do de embruino de 800 a 1*800.
Pennas d'aves3 volumes.
Perfumarias45 volumes
Posphoros610 caixes, vendeodo-se a grosa
de caixinhas de 3*20'J a 3*400.
Pipas vasias1.084.
Ran-1 volme.
Polassa106 barris.
Resinas3 volumes.
Saceos vasios27 fardos.
Salitre-445 barricas.
Sebo248 barris. Vendeu-se os 13 kilos de
6* a 8*500.
Semeoten-76 volomes.
Sola11 meios e 10 volumes. Vendeu-se o
meio da nacional de 2*500 a 4*500.
Tam-ncos30 fardos
Tecidos diversos1 008 volumes e mais 1.138
fardos dos de algodo do paiz.
Tijolos100 pruva de fogo e 75 caixas fiara
facas.
Tintas213 volumes.
Trapos3 volumes.
Typos5 volume?.
Vi'llas124 volumes, vendeodo-se o pacole
das estrangeiras. de 800 a 13000: e das na-
Ciooaes, 280 a 300 ris.
Vidros105 volume;.
Zsrcao-14 viiuiues.
Zineo 2 volumes.
Holestlas do laryoge
Sao dos attestados constantes do folbe-
to que acompanha cada frasco do Peitoral
ie 'ambara os seguintes tpicos, com re
erencia a curas importantissim-s de affee
;dVs do larynge, realisad-ts por aqunlle
*uberano e efficas medicamento :
c Atiesto que empreguei o Peitoral de
.cubar, do Sr. J. Alvares de Sousa
toares, de Pelotas, com grande vantagem
i'ii pesso. de minha familia, que scffri
na alguna meses, de ama laryngite, ac<>m
panhada de accesBO de tosse. Dr. Teasco
ie Qomemoro. (Bio de Janeiro.)
... tecdo estado doente, por maia
ie tres mezes, de urna forte rouquiao, e
depois de ter usado muitos remedios sem
o menor resultado favoravel, tive a feliz
'embranca de recorrer ao conbecido Pei-
toral de Cambar, e em poucos dias urna
jora radical se operou em mim. Jo Custodi de Andrade Jnior. (Sant*
Victoria do Palmar.)
... Um tilbo meu, que se acbavti
soffrendo da larynge, molestia que adqui>
rio depois que teve o typbo, ficou taaibem
radicalmente carado com o uso do mes::;.-
seu Peitoral do Cambar. Antonia Si
nes tires da FonUAira. (Fasecd.-. de
^ant 1 Clara), 2. distnetc da cidade de D
Pedrito).
t Sendo atacado de urna forte rous
quid3,o, sabeado dos benficos resultados
que. continuamente tem proporcionado o
Peitoral de Cambar, do Sr. Joao Alvares
de Souza Soares, d;; Pelotas, queilet
que, soffreiido do mesmo mal, zeram use
delle, dalibere experimental o, e apenas
eom dous frascas desto acreditado xaro.e,
dquei completamente resrabr-lecido.
Amando Augusto Machado. (Rio de Ja
r.eiro.)
Atacado t urna f rte rouquido,
u sem ter al; vio com o uso de muitos
medicamentos receitados, experimente! o
seu xar >pe Peitoral de U.uub .r, e em
poucos das a molestia cedeu completa-
mente. Barao de Avellar Rezende. t
Fazenda de Matto Dentro, estacao de
Santa Isabel, estrada de ferro Leopol
dina.;
Attesto que, achando se minb
esposa, D. Engracia Qutterres Qravana,
soffrendo do larynge ha cinco annoa, fo
aconselhada a usar o Peitoral de Cambar,
do Sr. Souza Soares, de Pelotas, e com
effeito, tomando oito vidros desse remedio,
se acha livre do terrivel incommodo que
a persegua ha tanto tempo. Ignacio de
A seis Gravana. (D. Pedrito.)
Sao nicos agentes e depositarios do
Peitoral de Cambar neste Estado os Srs.
Francisco Hanoel da Silva & C, estabe
lee i dos com drogara ra Mrquez de
Olinda n. 23.
al o da II, consiou de 2.652.26 kilos, sendo.
i. 114.925 para o exterior e 1.537.331 para o inte-
rior.
ta entrada? verificadas oeste mez at a dala
de boje sobem a 38.103 saceos, sendo Dor:
Barcacas
Vaporea
Amae8. ...
Via terrea de. Cmara.
Via-frrea de S.Francisco.
Va-frrea de Limoeiro
Somma.
19.116
2.098
3.021 .
13.156 .
712
28.103 Saceos
le vista do Mercado
Recifb, 13 DS JUIO DE 1891.
Por ser boje dia de festa nacional, nao liouve
[ movimento na praca.
Estanto1 volume.
Esteiras -65 volumes
Estopa11 volumes.
Farello200 saceos, vendendo-se de 3*500 |
a 4*300.
FerroEm Mo 290 caahetes e 62 feixes.
Em a raines ; 839 volumes.
Em arcos : 150 feixes.
Em barras : 1.764 e mais 5 0 feixes.
Em canos : 281 e ma Em correales : 3 barricas.
Em enxadas : 15 barrica*. N
Em ferragens diversas: 837 volumes.
Em foges, fogareiros e chapas para elles:
102 volumes e pecas.
Emf.lhas : 147.
Em folhas de Flandres : 305 cunhetes.
Em formas para assucar: : 2 volumes.
Galvanisado-20 volumes.
Em ps: 120 ieixes.
Em pregos : 235 volomes.
Em rodas : 50 parea
Em machinas e appareihos diversos V .667 vo- (
lames e pecas. ,
Fio de algodo e linlio217 volumes.
Fomo901 volumes. Vendeu-sc por 15 kilos de
8* a 15*000.
Garrafas, frascos, botijas e garrafoes1.125
volume'.
Graixa118 pipas e 2-300 kilos, vendendj-se
por 15 kilos de 7* a 7*500.
Algodo
Nao houve negocio..
A exportacao feita pela alfandega neste mez
,'al ocia ii.c.nstoo de 1.104 733 kilos para o
ex enor. *
Ase> iradas verificadas neste mez at a data
de boje sobem a 3.575 saccas. sendo_Dor:
la-cacas
/apores.....
\ imaes.....
;/ a frrea de Caruar.
T a-1.-roa de S. Francisco.
'v"a-c::ea do Limoeiro .
SDtna.
777 Saccas
519
96 .
50J
1.680
3 575 Saccae
Assucar
Jf preos pagos ao agricultor, |or 15 kilos, se-
guado a Associaclo Commercial Agrcola, forarr
os se jiotes
Safra nova
8 ...ricos..... >*700 a 3*20U
Sobos..... 5*100 a 2*300
Mascavados .... 1*800
B-uto...... 1*800 a 2*000
Rc-se 1*300 a l*Soi>
Usiuas..... 3*200 i 3*500
A i-xpcriac,o fei'.a pela alfaodega nesie mez
C'onroa
.uuros salgados 460 ris, e os verdes a 320
s.
Agurdente
-u-j.i a 90*000, poi pipa d3 480 litros.
AEcool
;ota-se i i70<000 por pipa de 480 litros.
Hel
fttt-se a 55*000 por pipa de 480 litros.
\avios descarga
Barca noru^gueose Johanne, carvo.
Barca norueguense Ocean, carvo.
Barca ingleza Lacinia, bacalho.
Barca ingl za Junak, ossos.
Barca noruegnense Muntto, carvo.
Barca noroegoense Breas, carvo.
Barca tnglez Ethel, bacalho.
darca ooroeguense Progrets, carvo.
Barca allenca Ileleue, vanos geoeros.
Barca nacional / rimo a Costa, varios gneros.
Barca noraegoense Allianga, carvo.
Barca oorueguenoe. Jorgen Lorentzen, carvo.
Bn^ue por oga^z tioa Sorte. varios geiero;.
Luar ingiez',ilywanw. xarqae.
Lhgar iBgle Sidoaian, carvo.
Lugar ingiei Heigau, carvo.
LO ar ingles Aureola, bacalho.
Paiacno oeraeiaenss Suzana, varios geaeros.
Patacho nurueguen-te Jojtxi. algodo.
Patacho oorur-goeuse Harda, xarque.
Paafta da 4aadega
sax us lia 6 de maio os 1891
-i.lr.ool litro)....... 240
algodo em rama (kilo) .... 533
Agurdente ....... :7J
rrox com casca fkil.o) .... s0
Assucar relinado (kilo) .... 262
Assucar hranco (kilo) .... 191
Assucar mascavao (kilo) ... 120
Bagas do mamonas mo, 133
Borracha (Kilo)...... 1*333
Couros seceos espichados (kilo) 474
Cauros seceos salgados (kilo) 414
Couros verdes (kilo)..... 288
crocos de algodo (kilo) ... 24
Carrapateira (kilo)..... 133
Carvo de Cardiir ton.) ... 22sO0O
;acao kilo) ....... 400
Caf bom (kilo)...... 1*200
Caf restolho (kilo)..... 1*000
Carnauba (kilo...... 500
Cera vegetal (tilo)...... 500
Farinha de mandioca (lito), r 66
Senebra litro)...... 340
Graxa (sebo) ...... 5J0
Jahorandy (em folhai kilo 200
Mel (litro)........ 90
Milho(ko....... 95
?o Brasil (ko)...... 36
Phospuato de cal da lina Rata (tose*
lada)......e 11*000
Sement de carnauba (arroba) 15
soia (meios)....... 3*650
Tatajuba (ti.o)...... 20
Taboas de amarello em pranchoe:-
(duza)........ 100*
" O Juiz de direito Joao Baptista Si
iraoa Costa eocarrega-se de contrahL
prestimos com o banco de crdito real
ie Peroambaco, para o Srs agriculto-
res d'este Estado, adiantaodo as des-
uelas mediante mdica retribaicao ; po-
je sei procoado a roa do Barao de S.
Borja n 46.
Elixir depura-
tivo vegetal.
Forma a de Angelino Jos
dos Santos Andrade
Approvado pela Inspectorio Geral de Hy-
fiene Publica do Rio de Janeiro em 20
e Julho de 1887.
Este depurativo de grande eficacia as mo-
lestias syphiliticas e impureza dosangue ; assim
jomo em todas as molestias das senhoras.
Tem curado radicalmente umitas pessoas so*
mmettidas da terrivel molestia beriben.
a' ro lo Bd'So da Victoria o. 37 ge dar
toda e qualquer explicaco que for preciso acer-
ca deste preparado.
Cuidudo com aa falsificarse**
MODO DE USAK *
Os adultos tomaro quatro comeres das de
-opa pela manb e quatro noite.
s criaucas de 1 a an es tomaro urna co-
her pela manh e outra noite, e as de 5 a 11
mnos tomaro duas colheres pela manh e duas
i noite.
Devero tomar banhos frios ou mornos pela
nh e noite.
lleaguardo regular.
Kecife. 14 de F.-verero de 1884.
Recife, 3U Je Se'embro de 1876.
Illm. Sr. \i iwi-j J i-e aos Saatos Andrade
Satisfuzecdo ao que V S. de mim exige em soa
carta supra, cumpre-me, em abono di verdade,
resooader-lhe o seguinte:
Qae ollrdoiio por moito tempo de syphilis que
trouxe-me como conseqoeacia un rheumatismo
agudo compauhado de urna forte carnada de
sarnas, cir-me e Babir ra.
Recorr aos cuidados dos medicas e sendj im-
p.u uos coiri'Cei a aceitar e toma- remedios
que me eram aconselbados por curiosos que di-
z a o se arharem restabelecjdos de mal idntico;
mas nenhum prodosio um re.suliado to 3utis-
facto'io romo oElixi preparado porV. S., e
hoje po^Ho asegurai a V 8. que de todos e tes
preparados que se ucoasfilhntn como anti ypni-
liticoa oEnxir de V. S. e o que mais tem
aproveitadb, pois o mesmo resultado qae teem
obtido outras multas pessoas a quem teobo
a:on-eti,:do sea u-o. e me teem feito delle um
jaizo mono favoravel.
Poie V. S. fazer desta miaba resposla o uso
qoe lhe c nvier.
Son de V. S. atiento venerador, amigo e cria-
do.Francisco Rodrigues dos Santos.
Recife, 28 de Agosto de 1883.
lilm. Sr. Augeliao Jos dos ->aatos Andrade.
Participo-lbe que com as dez garrafas que tomei
de seu milagroso Elixir tiqoei perfeitamenle bom
dos cancros e io<:ommodos da bexiga qae soffria,
uem como das empiagens e darthros em ambas
as cxas, qoe se tinnatn tornado chronicas, ape-
sar de ter eo tomado m titos remedios por di-
versas vezes; pelo que agradeceodo-lhe, pri-
meiramente a D-u-, por esta Ibe faz voto de
amizade este que desde j
De Vmc. amigo certo.Francisco de Mello
Cavalcaate de Albaqaerque.
(As tirinas estavam selladas e devidamente re-
conbecidas )
Horlmeato do porto
Navio entrado no dia li
Pelotis35 dias, patacho allemao Theda,
de 152 toneladas, capitao M. F. Ban
mann, equipsgem 6, carga xarque, i
Joaquim di Silva Oarneiro.
Sahido no mesmo dia
Macei, vapor inglez Actor, commandau-
te David James, carga varios gneros.
Mercado Municipal de S. Jos
O movimento deste mercado no dia 12 de Maio
foi o segninte : Entraram :
34 '.os pesando 4,472 kilos.
322 lulos de peixe a 20 ris 6*1',0
7 cargas com farinha a 200 rs. lir 0
2 ditas de fructas diversas a 300 rs. *600
3 cargas com gallinhas a 600 rs. 14800
cassos com gallinhas a 400 rs. i
29 1/2 columnas a 600 rs. 17*700
7 sainos a 200 rs. U4'0
25 taboleiros a 200 rs. 54000
48 compartimentos com farinha a 500 244000
31 ditos de comidas a 500 rs. 15W00
109 ditos de legumes e fazendas a
400 rs. 434600
15 ditos de smnoa a 700 rs. 10450O
8 ditos de fressuras a 600 rs. 44800
3 ditos de camarOes a 200 rs. 4600
39 tainos a 24 784000
Reodimento de 1 a 1 i do corrente
2114440
2.44840
2.6594520
Precos do oia:
Carne verde de 240 a 560 ris o kilo.
Sainos de 560 a 640 res iddtn.
arnai ro de 640 a 800 dem.
Farinha de 280 a 400 ris a caa,
tfilho de 48) a 503 ris idem.
Fiiio de l'a lioOO :dm.
Vitpor ; erar
HEZ DE T-JlO
Xcw-Yorlt .... Ceureiuc.........
Sul .. -........ Cupwi.........
Sul.......... Lissabon..........
Norte........ Allianca..........
Sul.......... Maranhao.........
N'orte........ Espit to Santo.....
Norte........ Brazt............
Si.......... Seguranza........
Sul.......... Paraguassu'......
Europa....... Parahyba........
Norte....... Mandos...........
Europa....... Malaige
:
....... i
14
u
15
16
16
19
22
2i
23
23
30
13
Vapor;-s nilr
MEZ E MAIO
Norte........ Alagos........... (4 as 5 h.
Hamourgo IAssab^n.......... t6 as 10 b.
Norte.'....... laranho......... 17 as 5 h.
sal.........Espvrti Santo..... i9 as 5 b.
Sul .........Brazt............. 23 as 5 a.
Norte.......Pernambuco....... 24 as 5 a.
sahtos e esc.. Manos........... 31 as 5 h.
Companljia >e $*giir0*
com rcao
Northera
de Londres e Aberdeen
osico fnaoceira
Capital subscripto 3.780,006
Fundos accumulados 3.000,000
leeelta aaaaa! :
De premios contra fogo 626,000
De premios sobre vidas 208,000
De uros 155,000
O AGENTE,
John H. Boxm
:

>- *.
t
V
Ti

-
%
j-


J
s& % 5^


Diario de Pernambuco Quinta-feira 14 de Mao de 1891
;>
ly
J
*
Dr. Freitas uu m*re tB^eciali. en.
J*bies, molestias pu.fDuuares e de orian-
>&, da cji ouitasde 11 1 hur da tarde
mx. ru* Duque de axias : 56 1. anda
-reside no Cajueir. n. 4 Telepbont
a. 292.
Fellorai de i ambara
Os eff tna curativos deste p> deros<.
jeaedio ma. ifeoiam se as tusses recentes,
asthma, rwuqu.du, dr e irritaco da gr
yanta, broncbitu aguda e chronic, oque
luche, etc., entermidade u s quaes a sua
aScacia completa e mcoiiiostavel.
Os agentesFrancisco Manoei da Sil/a
4G.
EDITAES
1* 6ecc3'> Sicrotaria do G<>ver 10 do
SsLa o d P uambC i, em 12 de Maio
4e 1891.
Pelo .reto -t edita! e faz public >, que
ae acfaaxi uesta repartido, atim de seren
Treges aos io.eressados, duois de sa
ikte.to* os devid s direitos, as patentes
orneando o capitao Jos Antonio Alves
Jl-citl p^ra o posto -e maj >r ajudaote de
rlens e secretario geral >w coinmando
aa^erior da guarda nacional da com rea
r Palmares, e o tenente Antonio Fran-
aireo de Asis Porenv para o poB o de
ten-nte-curonel c.mmandante do 3i ba-
taiSo- de inta itara da guarda nacional da
en:: arca do Bonito ; e bem assim a que
3ei\-rui u no pust > de coionel o tee .te-
aoruuel c malandante do 68 batalho de
mfiitana da guarda nacional di comarca
de Iguar .ts. Slanjel Cordeiro avalcante
alvao.
O secretario,
Francisco de a>s!s P. Rocha.
3* stecao. Secretaria do Goverao do
Es..do de l'erinmbuco, ec 12 de Maio
k 1*91.
Pelo presente eiital se &.z publico que
w teh- nesta rcp:rtieoo, afim de ser en-
tregue ao intercalado a portara de 7 de
Abril lindo, do Ministerio da Guerra, co-
ac I. n-o licenc.ii ao coronel reformad j do
asreito J'js Joaquim Alves, para
ir. ceste Estado.
O secretario,
Francisco de Assis F. Ro.ha
reei
/jI
LMCOES
O Banco Popular.
Tede libras esterlinas.
Certifico q or.ai fetas toda as citacoes
Tffaendas por W.lfredo Carneiro da Cunha *li
amSb e sua moiber, para a louvacu nos autos
Je leear na primeira audiencia aojuizo do civel
itiU Cidde
dade du liecifi-, il de Maio de 18'H.
9 O escrivSo,
P^.riro Tertuliano aa Cucha.
FABRICA DE ESTOFA
Cowpaiibia 4nnjm com o captol
DE
3OO:O0O#000
Dividido em 1,500 aeces de200$000 cada
urna, podendo se elevar a 200:000$000 se for
preciso.
Pagamento de 30 por cento no acto da assig-
natura e em entradas que sero annunciadas
com intervallos de 30 dias. v
] Fins da Gompanhia
Explorara concesso feita aos fundado-
res para a industria de fia^o e tecidos na
parte em q ;e se refere aos tecidos de jula e
canhamo, pela qual ficam os referidos con-
eessionarios isentos do pagamento de qual-
quer taxa interna e direitos de entrada pro-
vincia js ft munic paes.
A Companhia importar por ora, em
quanto nao houver producto nacional todo o
fio de juta e canhamo para tecer, tendo seguro
u cerca de 700 mil saceos par* assucar alem
de grande quantidade para farinha, milho e
fazenda em pe;a para uutros fins.
Est; ndo prompto os ornamentos dos ma-
chinamos speram os org-anisadores eomecar
a f inecionar este aano.
Directoria
Commendadar Luiz J. da Silva Guimaraes.
T. C. Grifith.
E. A. M. Fenton.
Comnanhia Usina
'i
Pinto
Supplentes
De oidein d ciuudao Dr. inspector dest
^to Maro, e em virtode de autorisacSo do cida*
.' go eroador deste Estado, por cilicio datado
t t jo correte, fago polieo que no dia 14 do
scarv-niL- iia novaineute a piafa a arrematacao
Je *J revolvvrs. i nitaco de Sinitli el Wisson,
jjQiaacs, com .abo de madeira e cano com il
ceticimetros de ex. aait; Elt-y e 20 capas de conro para os mesmos
jtiA\ ^ara cada u), com os campelentes perteoces, o
6 e^ncorreutes deverao habilita'-se na sesso
Ja ioata nesse mesmo da, na forma do regala-
uaaa em vigor, mediaote a exhibico dt- carta
Je abono, firmada por dous commerciantes e re-
'cidas as Krmas.
Secretaria do go.erao do Estado de Pernam
<. em8 de Maio de 1891.
Sjrvindo de secretario.
Jo=6 Aaiiacio da Silv Guimaraes.
D; oidem do Dr. delegado da inspectora
tn! de trra? celouisago oeste Estado, fago
l*lico que no escripterio desta delegacia rece-
kezi-je propostas em cartas fechadas, para se-
*je iberias perante os proponeotes, s 2 horas
terlarde do dia 30 do rorrete taex, para venda
Je todo o canoavial existente na propriedade
jtsritoal Socoorro tob as segeintes condi-
Im:
1.* Corladas as cannas, nao ter o arrematante
Jzmta s socas.
%* Nao sert ind< mnisado de algom pequeo
trsgo qi.e te eoha de fazer no mesmo canna
v) por occasio da medic&o das ierras.
2*Bevera eiilieear as machinas e mais per
ft^Cas do Ubnco de a-sucar no mesmo estado
aa que r.'...!><-
ECipcrio Ja di-lcgat'ia da inspectora geral
Je fcr.-as c CJlooisacJo no Es;ado de Pernambu-
j,I2 JeUaio de 1891.
O oflbial
A. G. de Qusmao Lobo.
London &.Brazi n Bank
Limited
O Loiidon & Brazilian.
Eaok Limited avisa ao
espeitavel corpo do com-i
lereio, e a todos os seus
reguezes, que a datar de 1/
de Junho do correte anoo
aliante, nao abonar mait-
so juros de 2[o ao anoo as
contas corre rites de movi-
nento.
Pernambuco, 1 de Maio
i* 1691.
W. H. Billn, manager.
Banco 4* Psrnam
buco
O Banco de Pernkmbuco
avisa aos seus fregbezes e
ao respeitavel corpo do
qu
viano deSouza.
Antonio J. B. Vianna.
Augusto de F. Costa.
Gommis ao fiscal
T. Comber.
Commendar J. A. de Oli-
veira Lima.
A. Pohlman.
Esto subscriptas todas as acc,3s e pe-
dimos aqu,ellej? que honraram nos com a
sua assignatura a satisfazer a primeira entrada
de 3t>[, no Banco de Pernambuco dia
11 do correnteato dia 16.
BROWNS&C.
5 RA DO COMMERCIO 5
Sero banqueiros da Companhia o
Banco de Pernambuco
AMemkla feral xlraordinrla
De actoi do cou. a le das noc aades anooy
mas, eo convi ados os seohores acciuMslatt
de ta comptbi para comparecerem a orna reo
nio de assembla geral extraordinaria, no da
ii.do correte as 11 horas -do dia. na sua sed
roaMarqoez de Olindao. 19 1- andar, eatra
da pela roa do Encaatamemo, aun de delibe
rar se sobre negocios de ateresse da mesma
companhia
Recfc, 4 de Malo de 1891.
Jos Joaqun da Costa Maia,
__^___________Presidente.___________
Ai re mataba o
N) dia 14 de Maio. s 11 horas da manfe, ser
levado praca publica por ?en la, peraote o jai
zo io commercio desta comarca, em virtode de
execoco que Domneos Gomes de Amorim e
Jjs Gomes de Amo-im movea ao D>. Paulo
Caeano de Albaquerqoe. a parte do 29 007*059
que este po.-sue ooengeoho S. Barlbolomeo di
ta comarca, em Manbeca, avallado em 60 000*,
valor este que servir *le baee para a arrema
taco.
Ja oaio, 35 de Abril d 1891.
# O escrivo,
_________Joaqnim Ramos da Silva Moreir.
A' classe dos mercieiros
A directoria da sociedde U- C. B. d js Merciei
ros declara aos seos dignos collegas que. em vista
das diversas reclam..c0.-s que receben de seus
associadus, reureeeotua ao Exm. Sr. goveroador
do Estado, sobre a elevaco da collecta para o
pagamento do imposto de agurdente oo alcool,
e conada como esta no direito que assiste sua
representaco. aguardo o judicioso despacho de
S. Esc. do qual loes dura immediato conbeci-
mento
Recife, 7 de Mab de 1891.
Joo Alces de Freitas.
---,i^.
Estrada de Ferro Cen-
tral de Pernambuco
Ettilal
De orJem do Sr. director engenheiro
chefe, se fas publico quo at o dia 15 do
correte, ao meio dia, recebem-se pro
postas no escriptorio da directoria e no da
o forneci-
omentos
2.* sec$-o em Gr^vat, para
ment, por contracto, de mil
seuintes
especiaos, para vi -daetos, das
dimentSes 2mX), 18X0, l.
Esees dormentes serao perfectamente
saos, de quinas vivas e isemptos de bran^
eos, endas, nos cariados, etc.
SerSo rectos, de secgSes rectangnlares,
terao os topos serrados em esquadria e
deverao ser das madeiras segaintes:
Aroeira, barana, pao ferro, pao carga,
louro cheiroso e angelim amargoso.
O contratante obrigar se ha a collocar
os dormentes nos pontos designa los pelo
engenheiro chefe da 2.a seccao.
As prwpostas, que virao em cartas fe-
COrOIiel AUffUStO Oda- <&****,. deverao ser accompanhadas de
. ', am recibo da Thesouraria desta Estrada
BANGO EMISSOR
DE
PERNAMBUCO
COMMBKCO
a
contar
commercio,
da dia Io de Juiiho em
diante, so' abonar as con-
tas correntes de mo vi men-
t juros a razao de um por
cent ao anoo, at segn
do aviso.
ffflliam M. Webster.
Gerente.
RA DO COMERCIO H. 38
Capital subscripto 20:000:000^000
Reasado 4:000:000^000
Efiectua todS as transaccoes bancarias.
Compra e vende saque sobre todas as pravas
da Repblica.
Carteira hypothecaria ser brevemente ini-
ciada.
Empresta'SOb garantas de quaesquer effei
tos que representem valor real.
Recebe dinheiros em deposito por letra a pra-
zo fixo ou em conta corrente de movimento, s se-
^umtes taxas
Em :onta de movimento
A prazc de 3 5 mezes
A prazo de 6 12 mezes
Recife, U de Mar^o de 1891.
2
4
5
o

Companhia de Trilhos
Urbanos do Recife
a Olinda eBeberibe.
ASSEMBLEA GERAL, ULTIMA COK-
VOCACAO
Nao se endo ainda boje reunido numero legal
de accionistas, 6 pela lerceirae ultima vez convo-
cada a assembla geral para o dia 14 do corrate,
so meio dia. uo escriptorio da Compa: hia (aulao
das sessoes). Nesta reoniSo fonecionar a as-
sembla com qualquer numero ie accionistas pre-
se+tes ; por isso de todo o nteresse qu Sa Ss.
levem isto em conta e coosiderem que as delibe-
racOes que a convite da directoria serao tomadas
anectam intimamente a economa da Compa
ibia.
O fim principal, coa o ja foi annunciado, e
a reorganiacSo da Companhia iudispensavel para
que nao entre ella em liquidaco de Dezembro
prximo em diantc.
Es;riplorio do gerente, 5 de Malo de 1891.
A. P. Simoei.
Thesoararia de Fazenda
Recolbiment de notas
Di ordem do cidad&o Dr. inspector e em vista
do telegramma do Sr. ministro da fazenda de 29
do mez prximo nodo, fago publico para os de-
vidos effeitos, que a junta administrativa da
Ca xa de Amortisac&o resol veo que sejam reco-
Ibi'ias no praso imp-orogavel de seis mezes a
contar de boje as notas de 500*000 emittidas
pelo Banco Uoiao de S. P*ulo, fleando sem valor
as que detxarem de ser apresectadas ao troco oo
dito Banco dentro d'ess^ praso na forma do art.
118 do decreto n 10 982 de 6 de Jalao de 1889.
Em 1 de Maio de 189i.
0 secretario da junta,
Dr. Autooio Jos de Sant'Anaa.
da quantia de duzentos mil reis que os
proponentes, depositaraj como caacao
previa, e que perderlo, caso, sendo as
propros'as acceitas, deizem de aasignar o
respectivo contracto, dentro do prazo
marcado pela directoria.
Secretaria da Estrada de Ferro Central
de Pernambuco, 9 de Maio de 1891.
O aacretario,
Aquilino Cavaalcnte B da Swei a.
Prado Pernambu-
cano
A directoria desta sociedde resolveu dar na
ultima corrida deste mez um pareo Steeple-Cba
se, na distancia de mil metros, para anima-s
deste Estado ; previne aos senbores proprieta-
nos que a elle quierem coacorrer, que desde j
po em mand r ensaiar seus animaes na raia do
mesmo Prado.
Premios 400*000 ao I-, 80*000 ao 2-,
404000 a. 3 .
Recife, 5 de Maio de 18V1.
Servindo de secretario,
_______Jos Gomes Ganches.
Estrada de Ferro de Per-
nambuco do Recife ao S.
Francisco
Aviso
Pelo presente, sao convidados os se cho-
res accionistas desta companhia para re
ceberem na eutacao de Cinco Pontaa o
55.a dividendo, relativo ao semestre lindo
em 31 de Dezembro do anno p&ssado.
Escriptorio da Superintendencia, Cabo
12 de Maio de 1891.
Wes Hood,
Superintendente.
Aviso aos navegantes
0 cidadao capitao do perto do Estado
do Cear communicou por telegramma a
capitana do porto deate Estado, que o
pbarol da ponta do Mucuripe est parado,
conservando somente um luz fixa.
Capitana do Porto do Estado de Per-
nambuco, 5 de Maio de 1891.
O secretario,
Mario F de Caaro (Jhgves
Libras esteriioas
Vende-se no
Banco Emissor de Permmkoco
Boa do Cei<*rcIo n 38
EngshBankofRie
1* Janeiro M.
OEnglihsBankcfRiode
Janeiro Limited avisa ao
respeitavel corpo do com-
mercio e a todos os seus fre-
ffuezes que do Io de Junho
do corrente anno e 2 diante,
nao abonar mas jures so-
bre depsitos em conta cor-
rente.
Pernambuco, 2 de Maio
de 1891.
Thotnaz Eis,
Gerente interino,
.trina
LAKOO BA REPBLICA
DE
ALMEIDA.EOIELHO
HOJe! HOJH! HOJS!
SMDMt IIWSiDSglS
Programma novo e variado
Benefic.o das jovens Rozita e Guillermina de Al me ida dedicado ao Lelo do
Norte e ao grande tribuno Dr. Jos Marianno com a prese 51 do mesmo Exm. Sr.
Camarotes
(ad-iras
Geraes

O Secretario,
oduoo
20000
IpOOO
GRAU
Estrada de Ferro Sul de
, Pernambuco
De ordem do Sr. director engenb?iro chefe s-
faz publico que a partir do dia iS 1o corrente s
sero expedidos trens de carga trez vezes por
semana, sendo para o interior s segundas, quar-
tas e sexias-feiras e do interior s tercas, quio-
Ub e -aDbadcs, continuando a ser observado o
horario aciualmente em vigor.
Ootro siv, a partir ao mesmo dia 14 tica sup-
primido c trera mixto de Quipap a Garanhuns
o trem de passagens para o qual vigorar tam-
bem o mesmo horario.
Secretaria da Es rada de Ferro Sul de Pernam-
buco em 9 de vi aio de 1891.
Victaliano P. Ribeiro de Souza.
Celestial contraria da
SS. Trindadt
De ordem da mesa regedora, con vid > a todo
os nos03 carisstmos irmios a comparecerem
em nosso consistorio bexta feira 15 do corrente,
pelas 6 1/2 horas da tarde, atim de acompanha-
rem ao levantamento d bandeira, e em seguida
a8sisiirem as novenas. asim como domingo 17,
pelas 8 horas da manb, a missa cantada do
divino Espirito Sauto.
Secretaria da celestial contraria da SS. Tria-
da le, IS de Miio de 1891
J. J. Guedes de Lacerda,
Secretario.
1m necretaria da Santa Cana de MI
erleordia alagan ae aa aeguinte
cana1
'lgario Tenorio 1 ai.dar n. 25 2046X0
ua do Dr. Ivo Miquilino, casa terrea n. 15 40J00(
iurgos, terrea n. 21 12*00(
uapa n. 2 12*00(
'.ua Imperial casa terrea n. 131 i5(K (
'litio da Casa Forte n. 25 25*00"
vmorim n. 47 58*33
?alma n. 34 50*00
ateo do Paraizo n. 29 2 andar 20J0W
.cronel Suassuna.sonrado n. 43 20*006
ua Imperial loja n 159 10*00(
ttua do Amorim armazem. n. 60 20*000
Encantamento loJa n. 11. 30*00i>
Travesea de S. Pedro sobrado n. 2 30*000
Ra do Bom Jess 0. 29 2." andar. 20*000
Rna de Duar e Coelho, em Olinda casa
trra n. 7 5*000
Ra Nova n 10 idem. 6*000
Thesouraria de Fazenda
Nuhstitul{o de notas
De ordem do cidadao Dr. inspector, e
tendo em mSos o telegramma da inspecto-
ra da Caiza de Amortieacjto de 6 do cor-
rente, meo publico que se acha prorogado
it 80 de Junho prozimo futuro o praso
pan a substituicao sem descont das no-
*as de 500 e 10 da 5* estampa.
Em 9 de Marco de 1891.
O secretario da junta,
Dr. Antonio Jso de Sant'Anna.
De ordem do Sr. Dr. Delegado da Ins
pectoria paral de Trras e Colonisacao,
aviso que se re ce bem no escriptorio des-
ta delegacia at o dia 25 do corrente mez
propostas em cartas fechadas para con
struccao de obras relativas conclusao
das casas, hospedara etc. no ncleo colo-
nial Suassuna, devendj os proponentes
declarar as ditas propostas os pr eos das
unidades dos seguintes trab>lhos :
Um metro cubico de alvenaria de pedra
secca.
Um dito de alvenaria de tijolos para
paredes, com rganas ssa, tendo 2 partes
de cale urna de areia.
Um metro quadrado de embobo e rebo*
co de cal e arera em partes iguaes, tendo
espessura de 0,"030.
Um metro cubico de pedra quebrada
para concreto ou Mac Adau.
Um dito de pedra eztra ida a co abor-
to por meio de fog->, e collocada em mon
tes de 2mX 2mX Ia.
Um metr > qu&drado de tijolo de ladri
lho, sendo as juntas tomadas com argamas-
sa de cal e areia em partes iguaes.
Um metro cubico de aterro, eecavando-
se e transportando-se a trra distancia
de 50 a 10b metros, inclumdo-se o espa^
lbamento da mesma por igual, e batendo
se o aterro a mago.
Um dito dito de eecavacao de argila od
pecura, lancando-se a trra a 5 metros de
distancia.
Um dito dito de pedra solta, ou eztra^
bida sem o emprego do fogo.
Um mbtro linear- de tesoura completa
de pendural, asos, linh-- etc. incluindo fer-
ragens e assentamento para um vao desde
4" ht 8m, sendo a madeira de le i e tendo
14 de ponto.
Um dito dito de frechal de madeira de
lei, comprehendendo assentamento e m5o
d'obra e de 15 centmetros de esquadrio.
Um dita dito de eumieira, terca, laro
ou espigan de m&deira de le de 12 a 15
centmetros de esquadrio, comprehenden-
do a mao d'obra e assentamento.
Um dito d to de hombreira, verga e
peitoril, comprehendendo a collocacSo res -
pectiva, tendo cada pega a grossura de
12 a 15 centmetros.
Um metro quadrado de porta ou jan<
la, de madeira de le, incluindo o assenta-
mento com terragens.
Um metro quadrado de rocado e darri-
hada em matto virgem.
Um dito dito de destacamento.
O proponente nfio poder contractar a
conclusao de mais de 4 casas, e na pro-
posta decl rara o tempo em que as entre
gara concluidas.
Recife 11 de Maio de 1891.
A. G de Gu8mSo Lobo.
Instituto Benelicenle des Offieiaes
da Goerda Nac onal du Estado
de Ft rtitmbneo
Assembla geral
Sao conviri.d-5 todo^ os cidadaos socios a se
reonirem no da 15 do corrente, ? 6 1/2 horas
ia tarde, na sede social ra o Imperador n.
39, 1- andar afim de iratar-se de ssumptos
Importantes e urgentes.
Recife, 10 de Maio de 1891.
Capitao Adolpho Gentil,
^^^ Presiden!'.
Veneravel
Iroiandade do SS. Sacramento da
matriz de S. Jos
ELEIC0
De ordem do irmo ju z. convido aos carisei-
mos ira.aos p- ra comparecerem em nosso con-
sistorio no doming i7 do correte, pelas 10
b ras da manba afim de assistirem a missa
votiva do Espirito S uto, e em seguida proce-
der se a eleicao da me?a regedora que tem de
administrar esta irmanaade no anuo compromis-
sal de 1891 a 1892.
Consistorio, 13 d- Maio de 1891.
0 escrivo,
I. G. da Cuoba Pern.
Monte de Soccorro de Per-
nambuco
46 lelio de jolas
Este estabelecimento fura leilo no dia 20 de
Maio prximo, por intermedio do igr-nte Mar-
tin?, em sua sede, na ra do Hom Jess n. 32,
s 11 horas da manfla, dos objectos que nao fo-
rem resgatados ate a vespera, constantes das
seguintes cautelas vencidas:
19 484 4 botOes de ouro com brilhantes.
20-045 1 medalhao de ouro cravejado de bri-
lhantes e (urquezu. 1 pulseira com bri-
lhantes e diamantes, 2 medalhas com
ditos, 1 volta de ouro com medalhao,
ouro de lei.
20.161 2allinetes, 1 medalha e 1 par de brin-
cos, ouro de lei.
20.184 1 afinete de ouro. I corago em corne-
lina engastado em ouro, 1 par de brin-
cos e 1 unncl. ouro de lei.
20.649 1 par de brincos, 2 anneis, ouro de lei,
1 par de brincos cravejado de diaman-
tes, em prata.
20.652 1 par de rosetas de ouro combrilbantes.
20.665 1 moeda de ouro de valor de 5/, com
argola, 2 moedinhas de ouro, rboto e
1 par de rose'as, onro de lei.
20.679 1 aniiel de ouro com 1 brilhante.
20.684 1 corrente e medalha parr. relogio, ouro
de lei.
20.69i 1 volta de trance'im. 2 pares de rosetas,
2 allinetes, 3 botfies, 1 coraco de cor-
nelina, ouro de lei.
20.699 1 corrente e medalha para relogio, ouro
de lei.
20.702 1 annel de ouro com pequeo brilhante,
1 corrente e sinete para relogio, 6 bc-
toes, ouro de lei.
20.703 i trancelins, i medalhas, 2 cruzes, ouro .
de lei. 13 colheres para cha e 1 marac,
prata baixa.
20.709 l corrente de ouro para relogio, ouro de
lei
20.713 2armis de ouro com brillantes.
26.714 1 par de rosetas d ouro com diamantes
e 1 annel com pequeo brilhante.
20 718 1 par de rosetas de ouro com brilhantes
pequeos e I annel com 1 dito.
20.719 1 reloma e cordo, ouro baixo
20.720 1 afinete de ouro com pequeos bri-
lhantes, 1 dito de ouro, 1 volta de ouro,
2 pares de rosetas c 1 cruz, ouro de
le.
20.721 t pulseira de ouro com pequeo bri-
lhante e i volta de ouro de lei.
20.722 1 alnete. 2 pai es de brincos, 1 luneta, I
trancelim, 1 volta Je dito, 2 anneis, 1
casto, ouro de lei.
20.721 1 medalha de ouro de lei 2 cruzes, ouro
baixo, 1 calix com colher e fatona, 1
paliteiro e 1 salva de prata.
20.725 l allinete de ouro para retrato e 1 par de
brincos, ouro de lei.
20-726 1 annel de ouro com 1 brilhante.
20.727 1 annel de ouro contendo 1 sapbira cir-
culada de briihantes pequeos.
20.728 1 pulssira de ouro com rubins e perol as
e 1 allinete. ouro de lei, 1 cruz com pe-
queos brilhantes e 1 annel com 1 dito.
20-735 1 relogio, ouro de lei.
20.705 1 corrente de ouro de lei para relogio-
20 764 1 trancelim, medalha, 1 par de rose-
tas, ouro de lei, I pulseira, ouro baixo,
16 colheres para ch de prata.
20 768 1 assucareiro, prata de lei.
20 769 1 emblema da Senhora da Conceiio,
ouro de lei.
20-770 4 casticaes com bocaes, prata de lei.
20.77! 1 salva, prata de lei.
20 777 1 salva pequea, 1 paliteiro, 7 colheres
para sopa, 35 ditas para cha < concha
para sopa, prata de lei, 1 copo, prata
baixa.
20.791 1 corrente para relogio e 1 relogio, ouro
de lei.
20 81O 1 pulseira de ouro com brilhantes.
20.814 1 pulseira, 1 a flnetc, 1 par de brincos,
l cordo, 1 borlota, ouro de lei.
2J.8J5 2 pulseiras, 1 corrente e relogio para
senhora 1 relogio, ouro de lei
20.817 1 corrente e relogio, ouro de lei.
20 819 1 trancelim, ouro de lei, l dedal, ouro
baixo.
20.820 1 par de brincos e 1 cordo, ouro de
le
20.832 1 pulseira de ouro compedras de mosai-
co, 1 par de rosetas com pedras pretas,
1 medalha esmaltada e 1 dita pequea,
de ouro.
20.833 1 volta de ouro e 1 medalha ouro.
20.834 1 annel de ouro com i pequeo brilhan-
te e 2 esmeraldas, 1 corrente e medatba
de nikef para relogio, 1 pulseira. 2 alfi-
netes, 1 cruz e 1 dedal, ouro de le.
20.840 1 par de rosetas de ouro com brilhan-
tfifl
20.84.1 i pulseira de ouro com perolas.
20.842 1 annel de ouro com brilhantes.
20 844 18 colheres para sopa e 1 concha para
tirar sopa, prata de lei.
20.841* 1 salva e 2 casticaes, prata de lei.
20 849 2 castiraes e paliteiro," prata de lei.
O.831 1 alhne'te de ouro e 1 relogio, ouro de
lei.
20.852 i relogio,"ouro de lei.
20 853 t medalha e 1 par de argolas, ouro e
lei.
s

.--'
i]
3
.
/
*


Diario.de Periiaisbaco Quinta-feira 14 de Maio de 1891

2i.854 i pulseira e 1 alfinele, ouro delei.
20.855 1 annel de ouro com i brilhante.
28bS56 i corrente, ouro de lei.
201157 1 tranceiim, i medalha, < annel, ouro de
lei, e 5 mocdinhas de ouro era botoes.
2f.58 1 pulseira, 1 alfinete e 1 par de rosetas,
ouro de lei.
20a8s2 1 tranceiim. 2 medalhas, 2 altiuetes, 2
botoes.^l moeda de prata com engaste e
lago, ouro de !ei.
SO.865 2 casticaes com anglicas, I palitairo, 18
colberes para sopa, 28'ditas para cha, e
i dita para tirar arroz, prata de lei.
20.871 1 broefie de ouro com diamante, 1 par
de briucos com dito, ouro dt lei.
22.883 i par de rosetas de ouro com 2 braban-
tes grandes.
20-886 2 pares de brincos, 1 cordo, 1 cruz, ou-
ro de lei.
20 899 4 aunis el par de botes, ouro de iei.
20.908 l cruz d ouro com brlnantes, 1 fio de
pe rolas 4 casticaes, I salva, 3 conxas <
colher para peixe. 12 di as para sopa, e
U garfos prata de lei.
20.909 1 salva t paliteio, 1 assucareiro, 12eo-
lheres para sopa, 12 garfos, 3 conxas
para sopa de a-roz e peixe. prata delei.
2*.976 1 pulseira, ouro de lei.
20.977 1 rejogio, ouro de lei.
20.988 1 relogio, ouro de lei.
a*.994 i corrente cgn cinete, ouro de lei.
20.995 1 relogio de ouro para senhora.
21.000'1 pulseira de ouro com brilhantes.
21 004 1 volta de cordo, 2 medalhas milagro-
sas, e 1 moedinha de ouro com argolla,
ouro de lei.
21.0(38 1 volta de tranceiim, 1 dita de cordao,
1 cruz, 1 medalha, 2 pares de rosetis, e
3 anneis de ouro de lei.
21.012 1 allinete, 1 par de. brincos. 2 coracocs
em ouro, 1 annel, 1 figa de coral em
ouro, ouro de lei. e cordo ouro baixo
21.014 1 annel de ouro com 1 Drilhante.
21.019 1 corrente e medalha para relogio, oaro
de lei.
21039 1 pulseira de ouro com letas, ouro de
le.
21.043 1 relogio, ouro de lei.
21.047 ^ cruz de ouro com brilhantes e fio de
pe rolas.
21 062 3 pulseiras. 3 trancelins, 3 medalhas, 1
volta de tranceiim, 1 cruz, 1 cordao. 1
emblema da Conceigo, 2 anneis ouro de
lei, par de brincos, 1 allinete, 1 roseta, 2
anneis, 1 emblema de S. Braz e 1 dedal,
ouro baixo.
21 091 1 pulseira, 1 broche, 1 par de rosetas, 1
medalha ouro de lei.
21.100 12 colheres para sopa, 11 ditas para cha
3 conchas para sopa, arroz e assucar, 12
garfos. 14 cabos para facas, de prata.
21-103 i relogio. ouro de lei.
21-106 1 par de rosetas de ouro com 2 brilhan-
tes pequeos, 1 Tolta de tranceiim, 1
cruz 1 cordo c emblema da Sra da
Conceigo ouro de lei. 1 cruxifixo e 1 liga
ouro baixo.
21 124 1 tranceiim chalo, ouro de lei.
21-123 2 voltas de tranceiim e 1 annel ouro de
lei.
21.126 8 botoes e annel, ouro de lei.
21.127 1 par de brincos c 1 cordo ouro de
le.
21129 1 pulseira de ouro com brilhantes e 1
annel com dito.
21.136 2cordesde ouro, 1 coraco em onro, e
1 liga de coral, ou-ode le.
21 143 1 salva e 2 comeres para molho, prata de
lei.
21.146 1 pulseira, 2 correntes de ouro para re-
logio, 1 volta de tranceiim comjnedalha,
2 pares de brincos, 3 ditos de rosetas, 1
allinete 1 volta de tranceiim com 4 te-
teias. 4 anneis e l relogio, ouro de lei, 1
relogio ouro baixo
21- 177 1 par de rosetas, 1 dito de ouro de lei, 1
salva prata de lei.
21 196 1 corrente e medalha para relogio, ouro
de lei.
21.197 1 par de rosetas de ouro, e 1 luneta
ouro de lei t colher para sopa e 3 ditas
para cha. de prata.
21.202 1 corrente de ouro para relogio. 1 tran-
ceiim, t par de brincos. 1 alflnete e 1
relogio, ouro de lei.
21.320 i annel de ouro com um brilhante pe-
queo.
21-222 2 altinetes, 2 pares de brincos. 1 dito
de rosetas e 2 voltas de tranceiim ouro
de lei.
21.230 1 broche formado por 4 moedas de ouro.
21.237 1 tranceiim ouro de lei i salva e 1 pali-
teiro prata de lei.
21.248 i pulseira de ouro com brilhantes pe-
uenos, 1 par de rosetas de ouro com
itos e 2 botes com dois ditos, ouro de
lei.
21.255 1 volta de ouro e 1 pulseira ouro de lei.
21.297 1 corrente e medalha para relogio, ouro
de lei.
2i.261 1 par de botei, ouro de lei.
21.205 2 pares de rosetas. 1 volta de tranceiim,
i moedinha de ouro com argolla e 16
anneis. ouro de lei.
21:267 1 par de brincos, 1 d ito de rosetas 3
anneis, e dedal, e 1 volta de tranceiim
com liga, ouro de lei.
21.268 1 par de brincos, 3 ditos de rosetas, 3
anneis e 1 boto, ouro de 1er.
21.278 1 annel de ouro com 8 buhantes e esme-
ralda.
21.281 1 pulseira, 1 tranceiim Ipar de brincos
1 dito de rosetas, 2 anneis, 1 liga de
coral em ouro e 1 relogio, ouro delei.
21.283 1 tranceiim onro de lei.
21.286 12 colheres para eh, de prata.
21.287 2 coroasde ouro pequeas, 1 chapa de
ouro com emblema da Sra. das Dores, 3
resp'endores, ouro de lei, 2 coroas
maiores. ouro baixo.
21.292 1 tranceiim ouro de lei.
21.293 1 par de rosetas de ouro com i brilhan-
tes, 1 cruz com pequeos ditos e 1 volta
tranceiim ouro de lei.
21.303 1 tranceiim ouro de lei.
21.3061 pulceira pequea 4 moedinhas de ouro,
com lago e argollas, 1 emblema de S.
Braz, 1 annel deouro de lei. 2pukeiras,
3 alunetes, emblema do Espirito Santo e
2 anneis, ouro baixo.
21.309 1 trDncelim, 1 moedinha de ouro com
laco, e 1 cruz, ouro de lei.
21.314 1 -orrento de ouro para relogio e 1 par
de brineos, ouro de lei.
21:340 2 pulseiras. 2 pares de brincos e 1 dito
de rosetas, ouro de lei.
21.342 1 annel de ouro :om 1 brilhante boto
com i dito 1 volta de ouro e 2 cordoes,
ouro de lei.
21 356 1 medalha, ouro de lei.
21 361 1 1 par de rosetas de ouro com 2 bri-
lhantes.
21.362 3 pulceiras 2 alfmetes, 1 tranceiim, 2
pares de rosetas, 1 alflnete para manta,
e 1 anuel, ouro de lei.
21.370 1 corrente para relogio, ouro de leL
21.374 1 pulceira, 1 tranceiim e 1 medalha pe
fena, ouro de lei.
corrente e medalha para relogio e 1
tranceiim, onro de lei.
21.382 1 alune e de ouro com cornelinnas,
tranceiim, 2 ligas e 2 botoes. ouro de
lei.
21.387 1 alflnete, 1 par de rosetas, 1 volta de
trance im 1 dita de cordo e 4 anneis,
ouro de lei.
21.388 1 corrente para rologio, e 1 relogio ouro
de lei.
Recife, 16 de Abril de 1891.
O Gerente,
Felino D. Ferreira Coelho.
MRmMS
Aviso martimo
M. N. M ,H8en, esputo do paiaoso dinamar-
quet Marra, ,i r,do a esie porto em loa viagem
de Sania H< lena para o Cna para receber or
dem com nu-a carg- de 14 230 chlfres, 4,168
abogo*, l,r50 f. r.ga* #- tal e 7 260 coaros sal-
gados, prti.wa c ii atd< o descarga, beneficio e
armazaaatiL do uno <' re^aojento, para o ^ue
recebe te pr po ts an coui-utaido dioaamqoez,
dirigidas ai. dio >.it>iuui le ab meio da de
Sexta fe ra 13 no < n.ri m /
Conapanhi* .**--.. kur*ua u.- >
'""*' tetra por Vapor
Est3 ciii.|i.. dii ai* nii tu j regalles liona*
regalare- o. u. ve^acao :
Noit*, tocando nos portos aa Parahyba, Natal,
1-ico, Mossor, Aracaty e Fortaleza, partindo
este porto um vapor a 6 e 21 de cada me*.
Sul, com escala pelos portes de Macei, Pene
lo, Aracaj, Estancia e Babia, sabindo destt
orto a 9 e 24 de cada mez.
Fernando de Noronha, partida no melado de
oes.
Rw Formato e Tamandar, sabida a 28.
Rio de Janeiro, (directamente) parte o vapor
e 25 a 30 do mes.
io Grande do Sul, (viagem directa) aahe de
5.a 20 do mee.
Tsdos os vapores sSo novos, tem excellente-
.ccommodacOes para passageiros e para cargt.
i os precoa sao moito redozidos.
Os passageiros encoatram, apar do bom Ira-
amento, todo o conforto desejavel a bordo de
im vapor.
Os vaporea que 1 ajena as vi apeas ao Rio dt
aneiro, alm de terem todo o que se em-cntra
ios vapores modernos, accresce qoe faz a va
la 1.a classe 6000.
O vapor empregado na viagem para o Rio
rande do Sol e somente para carga, e tem o
alado adequado a entrar no porto daqoelle Es
ido em qoalqoer occasiio.
Recebe se engaj amanto de carga por qoanti
lade Uxa para todas as viagens.
Outrosim, a companhia expedir vapores ex
raordinarios desde qoe baja carga para e enga
mtnto completo de om vapor.
E-i-ripioriu, da Companhia Pernambucana
i. 12._______________
Hala Real 1'orlogneza
Vapor Malange
E' esperado aqu, at o di a 30
do corrente. e-te paquete illa-
minado a loz elctrica, da Hala
Real Portugueza. que depois da
indispensavel demora seguir para
Babia, Rio de Janeiro e Santos
Reservara se as passagens para a Europa, at
a passagem do paqoeie por este porto, para os
do sol.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
res trata se com os
AGENTES
Pereira Caneiro & L
6RA DO COMMERCIO6
1* andar
COMPANHIA PKBNAjVBUCANA
DE
lavegaeSo coste! r a por Vapor
Pira Femando de Noronha
O vapor Beberibe
Commandante Io teen te Fabio Rio
Segu no dia 15 do corren
te s 12 horas da m nb.
Recebe carga e passagens
at as 10 horas do dia da
'sabida,
ESCRIPTORIO
Ao caes da Companhia Pernambucana
n. 12
Companhia Brazileira de Es-
tradas de Ferro e Navega-
cao do Norte do Brasil*
Vapor Satellite
Para passageiros, encommendas e diDheiro a
(rete*trata-se com os
AGENTES
Amorim & C.
Roa do Vieconde de I tapar i ea n. 26
Lloyd
Macei.
a,
Jnited States and Brazil
Jl. o. o. V/.
O vapor Allian9a

E' esperado dos portos do
norte at o dia 16 do cor
rente, seguindo depois da
demora indispeasavel
para a
Bakla, Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encommendas e *1-
nheiro a frete traU-se com os AGENTES.
O vapor Seguranza
E'esperado dos portos do sal
at o dia22 de Maio seguindo
depois da demora necessana
para o
Maranhae, Para, Barbado, S.
Thonsz. e New-York
Para carga, passagens. encommendas e di
nheiro a frete : trata te com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Corr.mercio8
1 andar
toyal Mail SteanT Packei
Company
O vapor Magdalena
deiras do goaraicao, 2 con*iog e 1 jardineira, 1,
piaoo ingles forte, 1 cadeira e estrado para o!
meamo, 1 espelho oval, 3 quddros, 4 jarros para
flores, 2 candieiros para g s, 2 ca-iiges e lao-
ternas, 2 eecarradeiras, i cama anceza para ca-
sal, meio com.i oda, 1 lavatorio com baca de
porcellana, 1 mesa de amarello, 1 marquesa, 1
mes com ps torneados para jantar, 1 bacca
com gaveta, i armario, 1 mee* e eostureira, 4
molduras com vidro, 5 cadeiras de unco, 3 ca-
bides, 1 bab grande de couro, !ouc s para al
mogo e jantar, 1 apparelho de porct-liana com
fri-os, para cha, compoteiras, garrafa, copos,
ulberes, colberes, trem deosinba e moitos oo-
tros objectos de casa de familia.
O agente Gusmao, autonsado por orna familia
que letira-se para fra do Estado, far leilao dos
objeclos cima moocion idos.
Espera-se da Europa at o dia 21 ce
" io, segoindo depois da dtmo
ra indispensavel para
Rio de Janeiro. Monte
nnnnnnr.,
Baha,
video e Bnenos Ayre*
Para carga, passagens, encommendas e di-
aheiro a frete tratase com os AGENTES.
O vapor Clyde
E' esperado dos
portos do sol no
dia 23 do corra-
te e depois da
da demora todie
lenspve! segoir rara
. Vicente. iJsnoa, vigo e Son
thampton
Paracarga, passagens encommendas e di
Qeiro a frete:. trata-se com os AGENTES.
O vapor Trent
E' esperado dos portos ai
sol at o dia 30 de Maio
segoiDdo depois da de-
mora do costme para
Lisboa, Vigo e Santhampton
Reducido do panagtm
Ida Ida e vou
4' Lisboa 1 classe 20 4 30
V 3oothampton 1' classe 4 28 4 42
Camarotes reservados para os passageiros oe
'ernambnco.
Para passagens, frates, encommendas. trata-se
com os
AGENTES
amorim Irmos & C.
N.3Rua do Bon JessN- 3
CHARQUES REUNS
Brasileiro
PORTOS DO SUL
O vapor Maranho
Commandante Antonio da Silva Ferreira
^j. E' esperado dos portos do sol at o
Lfc^w da 16 de Maio segoindo depoi
m Blda demora necessai ia para a
Parahyba, Natal, Ce ara, AmarracSo, Ma-
ranho, Para, Obidos e Manaos
As encommendab se rao recebidas at 1 hora
io tarde do dia da saluda, no trapiche Barbosa
ao largo do Corpo Santo n. 11.
Para passagens, fretes eeocommendas e di -
obeiro trata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
^apor Espirito-Santo
Commandante Antonio Francisco de
Almeida
E' esperado dos portos do or
te ate o dia 19 de Maio e de
pois da demora indispensave
________segoir para oe portos de
Macei, rjabia, Victoria e Rio de Ja-
neiro
Recebe carga a baldear no Rio de Janeiro:
jara Santos, Canana. Iguape, Paracagua, Au-
to una. S. Francisco, Itajahy, Santa Catharina,
Rio irande, Pelotas e Porto Alegre.
As encommendas ser&o recebidas at 1 hora
la tarde do dia da aahida, no trapiche Barbosa
ao largo do Corpo Santo n. 11.
Para carga, passagens e valores : trata se om
os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
O vapor Brazil
Jommandante o capitSo de fragata Pean
Hyppolyto Duarte
E' esperado dos portos do norte
at o dia 21 de Maio, e se-
guir depois da demora do eos
orne para
Espirito Santo e Rio de
Janeiro
Recebe carga a baldeiar^no Rio de Janeiro,
para Sanios, Caoana, Iguape, Paranagu, An-
tonina, S. Francisco, Itajahy, Santa Catharina,
Rio Grande do Sul, Pelotas e Porta-Alegre.
As encommendas serio recebidas at 1 hora
da tarde do da da sabida, no trapiche Barbosa
ao largo do Corpo Sant} n 11.
Aos Srs. carregadores pedimos a soa attenc&i
jara a clausula 10 dos coobecimeatos, que
No caso de haver alguma reclamaco contra i
ompanhia, por a varia oo perda, deve ser feiti
*or escripto ao agente respectivo do porto d;
'escarga. dentro de tres das depois de final)
a da.
Nao procedendo esta formalidade a companhu
ca tsenta de toda a responsabilidade.
Para passagers, fretes e encommendae tra
-se com os ____
AGENTES
Pereira Carneiro& C.
')'Rua do Commsrcio^=6
1 andar
Companhia
DE
Maregaeo
uioha qninaenal entre
Pernambuco, Babia,
Santos.
Vraaia
a Tapor
o Havre, Lisboa1
Rio de Janeiro e
O vapor rarahyba
Commandante Voisin
Macei
co
laucAJMa
rapo*
ANUA
DK
Mavegaeio eoateira por
POR'iOS DO SUL
Maci, Penedo, Aracaj, Estancia
e Babia
O vapor Jaboato
ComnsndMte JoJki da Silva Pereira J
Segu no dia 14 do correte i,
5 horas da tarde. Recebe car
,ga, encommendas, passagens e
dinbeiros afrete at s 2 horas
'da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia Pemambucann
n. 12
E' esperado da Europa at o da
23 de Maio segoindo depois
da indispensavel demora para
Rio- de Janeiro, Santos e.
Rio da Prata
Roga-se aos Srs. importadores de carga pe o
a p ores desta linha. queiram a presentar den ro
le 6 das a contar do da descarga das al vare i as
roalquer reclamaco concernente a volme qot
Dorveotnra tenham seguido para os portos de
ni afim de se poder dar a tempo as previ
lencias necessarias.
Expirado o referido praxo a companhia nao se
-esponsabilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas di
aneiro a frete: trata- e com o
AGENTE
Aagnsle Labille
9RUA DO COMMERCIO9
.E1LIS
Sexta-feira 15 leilao de movis, looca e vi*
dros, na casa da roa do comaendador Joaquim
Felippe n. 2 em Fernandes Vieira, onde partir
s 10 1/4 om bond da linha de Fernandes Vieira
qoe dar passagem gratis aos concurrentes.
A's cooenmeotes do leilao de bons mo
veis, tapetes, mobilias de junco, porcelana e
cristaes, na casa perto da estaco da Torre em
qoe morou a familia doSr. Borsiel, tero passa-
gens gratis no trem das 9 e 45 minutos e no
boud das 10 horas por Fernandes Vieira.
Agente Stepple
5. e ultimo leilao
De ama importante armajo de Amarello e
toda envidracada, b-dcov importantes fileiroa,
lustre, arandellas, prenea para cartas, cadeiras
de rosca para escriptorio, moxo-, mesas, orna
armaco ingleza, cera em vellas, meias para
senbora, ditas para menino, lioha de carnteis,
sospensorioa fiooa, e om grande sortimeoto de
miudezae, marroquim e orna collecgo deleqnes
Unos.
Quinta feira, 4. do corrente
Ai 11 hora em ponto
No estabelecimeato a rua do Marquei de
Olinda n. 1
O propoato do agente Stepple em continua-
cio e mandado do Exm. Sr. Dr. jtiiz de direito
de orphes e ausentes, levara leilao, armaco,
dividas,emais mecadoria*;cima pertenceotes
ao espolio do tioaeo JoaPerajpi Santoa eaua
mulber. ser* vendido ludo a retalbo a voarade
dos 8enhores licitante. ,' '
HeSab
v as '
De 50 barricas com cimento ioglez Portlaad mar-
ca triangulo RD dos lados e C no centro com
avaria d'agoa do mar, vindo de Londras no
patacho noroegnense Susanne.
Inlnta-feira !4Hro corrente
A' 11 hora
as offleinas da Companhia Recife Drai-
nage em Cinco Pontea
O agente Gosmo, autonsado farra leilao dus
barricas eemcimenb a variado cima menciona-
das em om oo mais lotes a voatade dos compra-
dores.
Loilio
D movis, piaoo, espelbo, qoadros, porcellana,
loocaa, vidros e trem de coainha.
Wexta-felr, i a do corrente
A's 11 horas
Na casa aila roa da Palma n. 47
CONSTAJKK)::
De 1 mobiia de amarello com 1 sof, 12 ca-
Leilao
de movis, um cao para aitloe
uui caroelro manso
faeata feira 1 a de Halo
Roa do Coo.mendad.>r Jo^qom.Felippe, em
Fernandes Vieira
SALA DE VISITA
Urna mobilia de janeo com 1 sof, 2 consolos
com pedras, 2 cadeiras de bracos e 12 de goar-
nico (aovas ou qoasi novas), 2 cadeiras de ba-
taneo, 1 piano forte, 4 quadros douradoa, 2 es
carradeiras, 4 jarros para flores e tapete?.
SALA DE JANTAR
Urna mesa elstica, i guarda looca, 2 apara-
dores, 1 guarda-comida, .12 cadeiras da junco,
I juci para cb e jantar e urna cadeira alta para
menino, copos, clices e garrafas, mesas de co-
zinba e engommalo. jarras para agua e taboas
de eogommar.
QARTOS
Urna cama franceztt, 1 dita para menino, la-
vatorios, 1 commoda de Jacaranda, 2 cabides, 2
mesas de costara.
Um cao para sitio e 1 carneiro manso.
Sexta feira, 15 de Maio, na chcara n. 2 da rua
de Fernandes Vieira
O agente Pinto, autorizado por orna familia
qoe mu don de residencia, far leilio dos movis
e mais or-jectos cima mencionados, existentes
na casa da roa de Fernandes Vieira n. 2.
A's 10 1/4 partir o bond que dar passagem
gratis aos concurrentes.
Antonio Noces da Cros-v leeee de faaer orna
viagem Europa, com soa familia, faz leilao, por
otervenco do agente Pialo, dos mawis e mate
objeclos da casa da sua residencia no Mooieiro.
Os movis sao qua*i novos, solide e em pti-
mo estado de con electros, porcelanas em estado permito, pelo que
tornam-se recorjn>eQdaveisaos preteodeoiea.
A's 10 1/1 boras partir do largo de Palacio
om trem extraordinario que dar passagem gra-
tis aos cuncurreute-, parando as estafOes em
que bouver passageiros.
Sero distribuidos catlogos numerados.
AVISOS DIVERSOS
Quena precisar de moeodss, Iaia3, formas
de ferro, roda d'agoa, balc6es, couchos para re
tame, foros para casa de purgar, machioas a va-
por, forga 6 cavallos, Quasi oovas (autor Robsoo),
alambique, ripertiuos, esquenta garapa. tudo em
perfeito estado, dinja-s ao engeobo Bastio da
comarca de Gamtlleira, estaefio de Ribeiro, a
entender se com o abaixu assignado.Obacoarei
^ooo Lopes de Siqueira Santos.
Vende-se urna taverna no bairro da Boa
Vista, bem situada e afreguezada, propna para
qualjuer principiante ; a tratar no largo da Al
fandega n. 18, com Fraga Rocha & C.
Leil
ao
De christaes de bacarat, finas porcelanas,
mobilias austracas, cadeiras de junco,
e 1 faqoeiro de 1 Ii2 duzia.
A SABER:
Sala de visita
Um piano forte. 6 langas e 6 lindos pares de
cortinados, 1 excellente tapete avelludado forro
00 centro da sala, 1 mesa oval, 1 dita redonda,
4 cadeiras de baiaogo de janeo preto, 12 ditas
de jruarnicao e de braco, 1 porta-flores, 1 etta-
ger grande, 1 mesa de jogo, 4 quadroa com finas
gravaras.
Primeiro qaarto, gabinete
Urna secretaria de armario. 1 mesa de escrip-
torio, 1 estante para livros e 6 cadeiras de junco
brinco.
Segundo quarlo
Urna cama de ferro com rame, 1 colxo, 1
toilette pedra e espelbo, 1 commoda, l lavatorio,
1 goarnigo, 3 qoadros, 1 relogio, 1 mosquiteiro,
1 Tampeo, 2 cadeiras e 1 guarda vestido e 1 es-
pelho.
Terceiro quarto
Urna cama de ferro, 1 guarda roupa, 1 toilette,
1 lavatorio, i mesa, i mosquiteiro, 1 porta toa-
Iba, 1 bacia e jarro, 2 quartinbas e 1 lampeo.
Quarto quarto
Um marqoezo, 1 lavatorio, 1 toilette, e com-
moda, 2 cadeiras. 1 espelbo e 1 mosquiteiro.
Sala de jantar
Urna mesa elstica com 4 taboas. 1 guarda
louca enviuraeado, 1 apparador grande com ar-
mario, 1 divn americano. 1 lamreao, 1 relogio
12 cadeiras de janeo e 3 bandeijas.
Porcelanas e crystaes
Um apparelho de parce I ai a para jantar. 1 lin-
do apparelho deBserl, 1 apparelho para cha, 1
porta gelo. copos, clices, garrafas, compoteiras
de tino cryslal.
Urna ca'ixa faqoeiro de i 1/2 dozia com garfos,
facas, colheres, trinchantes e pertei ees.
Terrago, cosinba c dispensa
Um goarda-coiaida. 3 mesas, 2 machinas para
caf, trem. de cozinha, objeclos de agalha, h-
lalos, bacas, flandres, forma para padins, latas,
deposito para gaz muitos ootros objeclos exis
lentes ua casa Ponte d'Ucba o. 35.
Terea-felra 19 do corrente
H. C. Burstel, ex cnsul americano, tendo
mudado de resideacia com soa familia para os
fcsudoa-Unidos, fas leilao. por intermedio do
agente Pinto, dos boas movis e mais objectis
existentes na casa em qoe residi na Pobte
d'Ucba.
Os concorren tes qoe toma re m o trem das 9 e
45, oo o bond de Fernandes Vietra das 10 boras
tero passagem gratis.
A's 11 horaem ponto
Agente Pinto
Grande e variado
Leilao
De bons movis, lindos qoadros, espelhos
douradoa, jarros e vasos de bacarat para
florea, porcellana, louca, crystaes, ele
ctro-plates, talhares de cabo de marfim,
salva de prata, plantas e 1 canario, do
Imperio.
A SABER:
Sala de visita
Um piano de Pleyel (quasi novo), 2 cadeiras
de piaoo, 1 estante para msica, mobilia de Ja-
caranda a Loiz XV com om sof, 2 donquerqoes
com espelhus, 4 cadeiras de bracos e 12 de guar-
nico, 18 pannos de crochet, 10 etageres, 14
vasos e jarros para flores, 1 espelbo doorado
grande, 4 qoadros, 2 escarradeiras, 2 tapetes
avelladados, 4 capachos de coco, 2 serpentinas e
casticaes de crystal, 1 redoma com oavio e caixa
de msica, 1 lbum de madreperola, 2 jardinei
ras, 1 mesa pequea, 2 langas, e 5 pares de cos-
turados brancos.
Sala de jantar
Urna mesa elstica com 8 taooas, cabeceiras
redondas, 1 guarda louca moderno e en vid raja-
do, 2 apparadores com tampos de peora, 24 ca
deiras de janeo branco, 2 de balaago, 1 qaarti-
nbeira, 1 relogio de parede, 2 qoadros, 1 sola de
amarello, 1 guarda comida de rame.
Porcelana, crystaes e metaes
Doos apparelhos de porcelana para Cb e jan
tar, Daedtijas, coraires, galheteiros. copos, c-
lices, garrafas, compoteiras, frocteiras, geladei-
ras. facas cabos de marfim, garfos de electro-
pate, talheres, campas, jarros e vasos para ca
chepot.
1.1 quarto
Urna cama iranceza de Jacaranda moderna e
nova, 1 mesa de cama, 1 copula e cortinado, 1
eolebao colcha de eda e de ebrochet, toilette e
lavatorio de Jacaranda com pedra e espelbo, 1
gnarnigo de porcelana, 1 braco a gaz kerosene,
1 commoda de Jacaranda.
2. quarto
Urna cama de faia, 1 mesa de cama, 1 guarda
vestido, 1 guarda roupa, 1 lavatorio com espelbo
e guarnigao, 1 espelbo dourado, 1 caixa forrada,
2 cabides e 1 tapete, 1 mesa de cama e 6 cadei
ras de junco.
3. quarto *
Doos guarda vestidos de amarello, 1 marqueta,
1 cama para menino. 1 mesa de cama e 2 thears,
1 linda colcha de seda e 6 cadeiras de junco
branco. >
4.* quarto
Urna commoda com pedra e mocador, 1 com-
moda, 1 toilette com pedra e espelbo e 1 mesa
pequea.
Dispensa e coainha
Trem de cozinha, mesas de eogommar, flan-
dres. bacas, taboa e cavaletes, escudas e obje
ctos de agatba.
Objectos avulsos
Doas bancas de jardim, 1 velocipede, trem de
jardim, palmeiras. bigooias e ostras plantas.
' lian canario do Imperio cantador.
No Mooteiro casa grande de azulejo a direita e
jnoto da eslago do Monteira
Alogam-se casas catadas e pintadas no.-
'Hidos de S. Gongalo, a Sf ; tratar na roa o
mperatriz n. 76.
Alaga se o sobrado u. 40 a rua do Paysan
i, com commodos para grande familia ; a tra
tar atraz da inat.-.z de Santo Antonio n. 24.
Precisa se de urna ami para cosinbar a
eogommar; no paleo do Paraizo o. 20
Precisa se de um caixeiro com praca de
taverna ; n tratar na rua de Aguas Verdes nu-
mero 17
O Sr. professor Sebastio Antonio de Al-
buquerqoe Mello, queira apparecer rua de S.
Francisco de Paula n. 32, em Caxang, ou es-
trada de Luiz do Reeo o. 40 F, em oanto Amaro
das Salinas, a negocio de intereaee.
Aluga-se o 2- andar do sobrado da rua ao
Bemflca n. 7, com agua, limpo, etc. ; a tratar
defronte n. 6.
Novo porto de carvo, embarricas e a varejo ;
Bemflca o. 6.
Armazem de molbados e fabrica de pao e mas
sas: Bemflca n. 6. Passagem.
A Fabrica de Teci-
do da ^orre, precisa
de meninos, e mulhe-
res.
i
Rrisadeiro Franclmco Joaquim
Pereira Lobo
O major Antonio Graciado de Gosmo Lobo,
sua mulber e seas Albos, convidam aos seus pa
rentes, aos offkiaes do exercito. reformados,
honorarios, da guarda aacioaai. capellaes e m-
dicos civis e militares, c ffi.-iaes da guarda local
e da companhia de bombeiros, e mais pessoas
de suas relacCes de amizade, para assistirem as
missas com librame, que, pelo descaugo e erno
de seo estremecido pai, sogro e av. o brigadei-
ro Francisco Joaquim Pereira Lubu
maooam celebrar na Conceigo dos Militaiea, as
7 1/2 horas do da 14 do correte, 1* anoiversa-
rio do passamento do mesmo brigadeiro ; e des-
de ja se coofessam agradecidos a todos que se
dignarem comparecer aqueltes actos de caridade
e religio.
f
Aagneto Cario* doa Santos
Teaao recebido a infausta noticia d i fallec-
mento.de nosso presado rmo, Augusto Carlos
dos Santos, vimos por n.eio deste convidar os
noasos amigos e do finado, a assistirem as mis
sas qoe por alma lo mesa o mandamos rezar
quinta-feira 14 do corrente, s 8 horas dama-
nha, na matriz da Boa Vista, pelo qoe confessa-
mo-nos desde j summamente gratos por este
acto de caridade.
Joaquim Arlhur dos Santos.
________ Alvaro Arthor dos^aoios.
t
O Dr. Celso F. Ilennques de Sooza, soa mu-
lber. conbados e Lupicino Amyntas da Costa Bar-
ros dolorosamente surprehenoidos peda noticia
do fallecimeoto de seo nnmo e eanhado DR.
JOS' ALEXANDRE DE AMORIM GARCA a 10
do corrente, na cidade do Natal convidam os
amigos e mais parantes do finado, nesta cidade,
para assistirem a missa que por alma mandam
celebrar na matriz da Boa-Vista, s 8 horas da
maob de 16 do correte, 7. dia do fallec
ment.
t
Eulalia Leopoldina Estima Lei le
NA MATRIZ OA BOA V13TB
Joo Joaquim da Costa Leite Jnior mandando
celebrar missas por alma de soa espesa Eulalia
Leopoldina Estima Le te no dia 14 do corrente,
30 dia de seu infausto passamento, pelas 7 1/2
horas da maob, convida aos parantes e pessoas
de sua amizade pata assistirem a esse acto de
religio e caridade, confessando-se desde j
agradecido.
Coronel Joaquim Custodio Daar-
le de* Aievedo
A directora dasociedade musical Sete de Se-
tembro de Ipojaca, convida aos parantes e ami
gos do pranteado socio e amigo, coroael Azeve-
do, a assistirem a orna missa que por sua alma
manda rezar segunda-feira 18 de Maio, pelas 7
1/2 boras da maob, na igreja matriz de Ido
joca.
Antonia da Costa Cunna
Joto Antonio da Caoba Carteila, tendo rece
ido a dolorosa noticia do fallecimeoto de soa
prazadissima mal, D. Antonia da Costa Conba,
oo reino de for.ugal, convida os seos amigos
para assistirem as missas qoe, pelo ScU eterno
repouso, manda dizer na igreja do Divino Espi-
rito Santo, na seguoda-feira 18 do andante,
pilas 7 horas da maob, confessando se a todos
desde ja grato por ease acto de eariJade e re-
ligio_________________________________
f
Consef Metro Jos Bernardo Cal-
lao Atemorado
1' anniversarlo
A familia do tinado convida aos parantes e
amigos do mesmo a assistirem as missas que,
pele repouso de soa alma, maoda rezar no dia
16 do correte, s 8 horas da manh, na matriz
da Boa-VisU.
eaixeiro
o
o
o
ce
<
UJ
D
LL
CC
LU
?_
DELICADO
AGUA
FLORIDA
e/?s^* v H fe/S^9
PURA SEH
RICA RIVAL
^ar K f
Mantcm sempre a sua popu-
laridade. Cautela com as
HHCAOOBS
DU
RAD
OIRO
m
n
m
co
o
>
H
m
m

7
Eulalia Leopoldina Estima
elle
D. Leopoldina Maru dos Santos Estima e soa3
gibas mandam celebrar missas por alma de sua
lilha e irm, Eulalia Leopoldina Estima Leite,
trigsimo dia do passamento, s 7 1/2 horas da
manh do da 14 do corrente, na igreja de S.
Gongalo ; para assistirem este acto de reluio e
caridade, convidam seus parantes e cenbecidos,
por cojo favor antecipam iesde j seus agrade-
cimeotos.
Ama
Preciso-se de urna ama para casa de um casa
s m albos ; na rua das Calcad, s n. 10.
Ama
Precisa-se de urna ama para cesinha' ; a tra-
tar na rua Baro da Victoria n. 3i. antiga agen-
cia de movis.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar: na
Pedro Affonso n. 70.
Ama paracoinbar
Precisa se na rua da Aurora n. 85, taverna.
Ama
Precisa se de urna ama para cnsinhar :a tra
tar na roa Pedro Affonso o. 11.
Ama de menino
Precisa-se de ama ama de bons costumes para
andar com dous meninos ; a tratar na roa da
Cabu- n. 14, primeiro andar, de meio dia at 2
boras.
Criado eama
Precisase de om criado e de urna ama de
rceia idade ; na roa do Padre Flor ano n 46
a esedo tenente Matbias.
Ama
Para cosinhar, precisa-se de urna ama ; oa
Dnque de Caxias n. 63.
Ama
Precisase de urna ama que compre e csica?
bem : na ruaestreita do Rosario n. 27, prknei-
ro andar.
Anta
Na rua da matriz da Boa Vista o. 26. primeir
andar, prenisa-se de urna ama que cosinhe bem,
e orna outra para lavar, comprar e fazer o maio
eservigo de casa de pequea familia.
Amas
Precisa-se de urna ama para cosinhar e mate
algom servigo.e urna para eogommar e arromar
casa ; na rua do Hospicio n. 81.
Ama
Precisa se de urna ama para cosinhar e serr-
Sos domsticos ; na roa larga do Rosario n. 9:
egolador da Marhha.
Aluga-se
O pavimento terreo do sobado n. 30 da
da Roda, com proporces para morada e oo
bom estabelecimento, qualqoer qoe elle seja, e
principalmente para um hotel, por j estar afre-
guezado. tem agoa, banbeiro e est limpe : a
tratar na roa dasLarangeiras n. 29, das 11 hora
s 3 da larde.
Vende-se
6 sioal de 30 aeces da companhia de drogas
r productos chimicos com alguma JiKereaca :
ua Nova n. 16.
Tnico Ju-Mutamba
Est tcnicc. preparado com plantas pro
prledades conhecidas pelo nosso publico.de
melhor de todas as preparacoes ate boje deseo-
bertas para impedir a queda dos cabellos, disai-
par as caspas e es conservar no mais formo
estado, alm de ser um magnifico perfume par
a toillete.
Encontra-se venda em todas as principa
pbarmacias e lojas de miudezas.
Duzia 104000 | Vidro l^OOf
Deposito
jbarmcia Martins. Roa Pague de Ca xi as n.
Sementes novas de fiares
Vendem Gnimares & Valenle
6CORPO SANTO-6
Tnico americano
Camacan
Premiado na expoaleao de Paran d*
isa*
Este precioso prepaiudo a melhor compoai-
;io conhecida para confortar e conservar os ca-
jellos, promove o seo desciment, limpa a cas-
ia, e fortifica o cooro da cabeca, e o que Isa do-
nis suave e odorfico para a toilette. A' venda
ttn grosso e a retalbo naa principaes lojas da
niodesas desta capital, e roa daiAororafn. IO,
deposito geral na Fabrica de Olios Vegetaea,
WHISKY
Boyal Blend mica YiABO
Este excellente Whisky Esoocoa pro-
t'erivel ao cognac ou agurdente de
oara fortificar o corpo.
Vende-se a retalbo nos meihores
tena de molhados.
Pede Royal Blend marca Tla
;uio nomo e emblema sao registrados par
'-oda Brazil.
BROWNS & C., agentes.
Precisa se de om a en id o com pratica de mo-
ibados e qoe d fiador de sua conducta ; a tratar
no Camrnho Novo n. 79.
A's; almas carido sas
Mara Candida Wanderlev Autran, viuva dt ,
empregado publico Candido Autr. x da Matta
Albuqoerqae, moradora na roa de Sauta Toere.
sa n. 50, tendo em sua companhia tras niooaa-'
solteiras, orpbs, achaoda-se na maior indigen-
cia, sem recursos para manter-se, v m >recorre
s almas eaaidosas%qae a sacattrat>> c auxilieas
na pelo amar de Deoa, visto con nao eneberg
mais coosa alguma. i




V

Qtfwte^feira H - t*
Qoem liver urna pequea casa -no toairro da
Boa-Visia on S. Jos, qoe qoeira vender, diri-
ja se roa ua Uaogaei a n. 6.
Venderse
O deposito roa do Sowgo n. 8, tem bons
commodog para familia; a tratar no mesmo, das
10 Doras as 2 da tarde.
^,
ft
/
\'
\
'

-
>
*

*,
v
r*
J. DA SILVA a- C.
76Ra Brigadeiro Tobas 76
S. PAULO
Receben a consignacao tocio e qualquer genero na-
cional ou f strangeiro.
Fazem libeiaes adiantamentos sobre gneros con-
signados sua cas ;.
Descontam e pagim a vista o liquido de suas con tas
de vendas.
Fazem pagamentos em S Paulo, Santo i e Rio de
Janei o.
Mandam vir por commissao qualquer enccmmenda
e qualquer procedencia.
SVOSSSCO POSTAL: CA1ZA ... TELEG-aUrSO: AVLZS
78--RUA BRIGADEIRO T0B1A8-76
XS. PaVLTLO
BAXaBKIKIS OA CASA :
Banco de S. Paulo
Banco Coramercial e Industrial.
Baneo dnstrador e Agrjgoia
oipaniia llmaclil de Ohas Pobl cas: Sec<#o Bancaria
MAffflVILHA CURATIVA
DO CELEBRE
Dr. Humplireys de Nova York.
A Verdadeira Maravilha do Seoulo.
APPEO\> ADA LICENCIADA
yela Insfiectarla Geral de llyrlmr o
laiiurlo lo Brasil.
Ttllin
irned lo prompto
Oontusoss, Tor
. a2TS A Maravlllra Curativa remedio i
Mam, Oortadaras, ou Laoaraeoae.
estanca o eanfrue, fax parar a fnuamma.ao. redur.
e inuhaco. tira o ile-sonramento, t faz sarar a ferkla
como por escamo.
A Ylnrnvlllia fnrnilva 6 alllvlr, prompe
cura rat-lda para Qutliuadsras, Escaldadnraa. e
Vu<-roaaura do bol, e superior a qualquer outro
r*medio.
'^'''a Cwrstlva tmpagave! para
182?%?* HeniorrUaglaB,: Ja rto Nariz, das Oeagvaa.
dos KUmoco- do fc>tomago. ou ut H aDorreimascurapcmprte i.ur..a falla.
A Maravilha Oarativ-'. rjBalllTloprompto
ira L>6r de Denles, ae Outuj, da Face. ly^gJ^
i Face e NevralKla.
A MarrpVlOia Carel iva (r. ..
e precioso para Dt.rcs rheuma ticas, A le
tlgldez as Juntan ou Fernn.
A Maravilha Curativa o crnnde redadlo
pora BbooIopiii la. Angina. AmyK>lala Inchadesos
tinammadassempre segriTO, Benrpre efflcaz.
A AffVravIlka Carativa de multo valor
como ksjeecao para o Catarro, a Leucorraea ou ai
Flores Granean, e dutrne corrimentos debilitantes.
A Maravilha Oaratlva lmpagavel pan
curar picara. Ohanas antigs. Apostemas, Panarl-
ci. ^j. Callos. Frlslras, foanet ese Tumores.
A MaraTilba Caralva remedioprompto
l \ Warnvillin Csrrativa cnente -acs
Eso sub las e rav.-i rtartca*. para Toreeduraa. Dores,
Pisad urac e 'stoledoras, Contusoes. LaceracCes, &c
MARAVILHA CURAl.s
DO CLEBES
Dr. Humphreys e Nova Yon*
A Verdadeira Maravilha do Scula
APPEOVADA E UCENCIAflA
pela Inspectora Geral dn Hyg-ieno 2a
Imperio da Brazil.
A Maravi 1 ha Carntl v remedio nrorrmtn
cedaraa, Cortadnras, ou Laceracoas, AUlvia i d,>
estanoa sangue, taz parar a Ynnamtusco radui
a mcnacao, ur.u derocrrniento, c fazBjiar afp'rui"
como por encanto. ornieriua
A Maravilha Cnrativa 6 alvlo nromnroo
cura rpida para t,Ai.M.,yaT,,h.nJc'!rBtiv:' f iaipasavcl para
AlmSf^: uo """.ou -morrnoim- :
uinorreunaacura sempre o uun.-i ralua.
n.*,^?.*?.'?,' -? e un alilvk)proni Mo
5aFelferSgS *""""""^ "'' FaCe"^"^
co-MUJCt-ret l-ORQA E SAUOE che
AS PESSOAS IDOSAS E ENFRAQUECIDAS
l^^ VINHO de BAYARO %&*%
CAHHE t PHOSPHtTOS. Tnico Nutritivo e Reconstituirle |
*Empregado em todos os Hospltaes Medalhas de Onro ^
receben.
. tibs um
Lapos e capotas o que de mais novidade se naa presentemente em Par
acaacco
XAROPE Anti-nervoso
do Doutor SAINT-DENtS
Preparado por H. MAYAD, Pharraaceutico
Bse Krllrt: 39 e 3H, Parim
Socio da Academia Nacional Industrial, msnibro e Salubridade de Paris
MEDICAMENTO NOVO, ACTIVO, AGRADAVEL E QUE NDCA PAOD* "DORES DE ESTOMAGO
O Xarope Anti-Nervoso do Dr Saint-Denys liojo, pr.icas s numonkis curas alcau-
carfas nos Hospitaos do Paris e da Franca, o mais empro-railo, mais efficz, no tratamento ta
Mcenos que, tendo o seo puato departida no Eystema nervoso, exercem urna influencia terrivof
obre organismo inteiro.
EPILEPSIA,
HYSTER1A.
NSOMNIAS,
tit ,.ias em FERNiliDCO
TSSE, TREMORES SENIS, I ENXAQUECAS,
CONVULSOES, RHEU1MATISMAS. TSICA,
NEVRALGIAS, I ASTHMA, I FEBRE.
fran" m. da silva C" t Das prluclpaes Ptearmaclas e Drojarlat.
Zspecklades do Pr. Hunphreya.
Reiaedlea Especficos,
liosrneato KaraTlIboso,
Kemedlos ByphllllicaM,
Remedios Veterinario*.
<> Manual do Dr. ri umphreys 144 paginas sobre as
Enfermldades'_ modod^'ural^issedagratls, pde-
se ao seu boticario ou a
HCHraiIVS' MED' IM. CO
109 Fultoa Street, NEW YORK.
NICOS AGENTES
Para vendas em grosso
PBfsWAiMBUCO
Fina .'ftkMo i C.
DBOOAsBiA
'A' Ra Marguez d Olinda n. 1
A MnrnTlIha Cnrativa f oreenrso prompto
o .-"-loso para parea rheiunatKaz, Aleljio, l).!r o
Kigidez as JuntaiouPru. ^^
A MaratTilha CtirntiTu fo irrande remedio
para Esqn nencla, Ari-laa. Aniy^dalns luchadas ou
mnammadassempre seguro, sempre efflcaz.
A Maravilha C'nrattvs. de multo valor
como lnjeccuo para o Citarro, a Leurorrhea ou as
r .ores Brancas, e outros corrlmeutos debilitantes.
A Maravilha Curativc Impagavel para
curar ulceras. Chapas amigas, Apostema*,, Panarl-
cios. Callos, Frletras, Joai.ctes oTamorc-s.
/ Maravilha Curativa remeu'o prompto
para Dlarrhea simples, e de Dlarrbea Cronlc.'..
A Maravilha Curativa e exeeilente as
Fstrebarla. o Cavn llaricas, para Terceduras. DCres.
Pisaduras e Ksf oladuras, Oontasoes, Laceracoes, &c.
Au Faradis des daraes
CRMEdeBISMUTH ouesnevill
_..___. __"*v,LKO" MoiOAaBisrro contra .-
DIABRHBA, DY.INTI-JA, DVSFKPSIA. ULCERAS ,
AS DIQMTOE, CHOLERINA, MSARRANJOS DB VBNTRK
fUB sskn s Tsriadslra Cala a CRtHC K aiSHUTart
Gosinhi^ra
Precisa se de urna cosioheira ;_ na roa Doqoe
de Casias n. 44.
em
Valiosa Recomiaenaco
0 conceituado clnico Sr. Dr. Araujo Fiiho, estabelocido em
A.:ta, Estado de Rio do Janeiro, recommenda pela eloquente forma o
apreciadissimo medicamento rio-grandense Peitoral de Cambar:
e Tenho emprtgado em minha clnica o Peitoral de Cambar,
do Sr. Dr. J. Alvares de Sonsa Soares, oos casos de molestias bron-
cho-pulmonares, colbendo sempre resultados muito satisfactorios
c Posse mesmo, em virtude d'esaca bons resultados, ga.rantir o
efcacia d'esse medicuneoto, principalmente qnaudo atas affeccoes
iivcrcm tomad o carcter de cbronicidadeDr. J.
(A firma est rMonhecida.)
0 Peitoral de Cambar vende-se 25500 o frasco, 13^000 meia
iuzia e 249000 a duzia, as prinoipaes pharmacias e drogaras.
Sao aicos agentes e depositarios ueste Estado
Francisco M. da Silva & C.
23-Bua .iarqyeHe Olinda23
Exc3ltntlsstmas Senhoras, Queris
conservar a alvura da cutis, o avelu
dado da pelle, evitar as racha assim
como as Picadas dos Mosquitos ?
SIPIE6AI CflI TOBA SGiAHfA
o reme Espumoso
GLYCYA
DI
B. HATWA wT
S'mrT^irxiMtaL.-Cixyrzxiloo
Este Creme superior sos Cold
Cream, A Glycera liquida o muito
preterir! A toaos os sabonetas por sua
espuma leitosa avie resttne Apelle toda
a sua sWihiliriaae.
lUustrtistmos Sanhoru, qnenb
evitar aa afceoee qae poden asnear a
peale ? Aeoisai smeate para os cuidados
do nato, poro a Barbo, o Crema
Mmmmmm GLTCYA., ineoaapa.
ravajJ pela sua unotucHridade, de
E. RATsaAUD pertumista-chynioo.
O Vreme G XCYA cauerva-M
sob todas as temperaturas, Msaoa fin
rsteos o alo pardo sea perfisate fino e i
agrndavnl.
imtmimPkm.U,mkmmm
Cm 0aAauJM?WrmmmWLmfaUtm s 7
srasa anacipses esass.
3specialidadss do Dr. HumpJireTs.
Remedios Especiflcos,
Ingnento Maravilhoto,
Remedios Syphilitico*,
Remedios Veterinarios.
o >f amtal do Dr. Hnmphreys 144 peanas sobre as
Enjermidadesemododecural-assecgratls, pedo-
be ao sea boticario ou A
HUMPHREYS' BIBDICINE CO.,
1U Faltn Street, NEW YORK.
nico deposit o para vendas em
groso na imperial drogara de F.
Manel da o Silva & C.
7"
CRIADO
No becco dos Ferr iros, n. 8, precisa Be
do um bom criado copeiro, fiel e de ptima
conducta.
Modista
D. Leonor Porto
Contina a executar os mais dificultosos fien
nnos rrcebidos de Londres. Paris. Lisboa eCa
pital Federal. Prima em perft-cao de coatara
em brevidade. em pregos fino costo; na roa dt
I Hospicio n 58.
_____________Teleph6oe-147
Professora de piano
Urna senhora competentemente habilitada e
com pratica de ensino de piano, offerece se i
1 leccionar em casas de familia por mnite modicc
I preco, e poder ser procorada para fra cu den
| tro deela capital; a tratar aa roa Barao da Vic
toria, acmazem de movis n .49.
ATKINSON'S
O mais admirado dos perfumes. Os on__
I esneam em qnanto que s Rosa branca "^l
do A'nuKsoK oonssrra-se sempre treacaJ
e suaTe. L
a TKason-s I
AGUA de COLONIA I
Com fama desde dous seoalos, tem
lagar a ua arefasao desiaataeses
[ alar. SapSCguts a da aois.son ne i
> mais Aun.
Vendem-se em toda a parte.
**'. ATxnrsoii,
swic'n Bond strOBt- * aSlf ISO .' Legitimas tomento com o rotulo- '
escudo azul e smarello e mares do
tsbrics un "Rosa brsacs" com
o completo endereco.
6
CosiBbeira
Precisase de nma cosinheira que seja perita
paga -se bem ; na roa de Riachuelo ti. 51.
(ozinheira
Precisa te de ama ama qae cosinhe com per-
feco ; na roa Marques do Hervai n. 10.
Vende-se
Aluy;a se
Na praca do Tira Dentes n. 2,
. nm armazea
que se presta para deposito dequafaner rrerca
doari ; a tratar no mesmo.
Alnga-se
0 2- anh'ar do sobrado n. 18 da roa do Fogo
limpo e maitu fresco ; a tratar na ra Direita
n. 31. armazem.
Alagn-se nuiiio hrao
O 1-, 2-e3-adarfs do sobrado & roa do
Brnm n. 84, e o 1 e 2- andares do sobrado no
ca.s do Apollo, todos lm muitos bens commo
dos ; a tratar no 1 andar ra larga du Rosa
rio n. 34, das V s 5 da tarde.
AVISO
l.hHH
Participamos ao publico e aos nossos fregu
re! que resolvemos desta data em diante eolio
car sobre todos os productos sahidos de nosst
casa, a marca registrada, conforme o desenht
cima. Aqnelles que nao levarem esta marca, po
derao ser considerados, como nao sabidos di
Bt.lica Francesa,
22- Ra da Cruz -22
Ctiorose,Anemia Catharropulmonar, -BronctiiU cnrvntca
t&qrro da Bexiga, Phtisica, Tosse conoulsa, Dyspeosia, Faiiei
Partas wrnes, Catharros antlgos e complicados, ate.
^ul.-jvPTd Denain. /; so PARIZ. o usa ps-tBKdraoa riiannniiTir
da FIGADO FRESCO de BACALHAU, NATURAL B MEDICINAL
O nclhor qtt ttiite, pon cae obture m mota alta recompensa, na
Esfosic.o Univisml Ot Paatl t 4 888
RecalUdo desde 40 annos, em Franca. Inglaterra. Hespaolu, Portugal no Brtcl
e ua- Hepubllcas Hisaano-Americaiias. pelos prtmelros saasUcos doannua
lntelrs as Crlaneaa rachlticaa, Pesiesj rracaa, contri as sBOteattaa O*
_____maanu. Tunas, atanaasa, Inpalnn da Vana, etc.
B omito mmirn metivo que t$ gipnlsf o* mirttm mettie a/as s M as Olexm brineoa <|n
JVoruojra soi qiuu i spurjco taz psrder umt frind* ptrtt asi lasi prtfirmtdm mrttiw.
fade-a tanau ta Irastat TRIARtOlAIEt. Enj airtaris mus ti Union des Fabrlcsnt*
BCOCsVO. 3, Rae GaUaUoe. Pars, a sa TOBAS as paaJUaACUS
sica
mmimm
(CAEDUS BENEDICTUS)
Approv; do pela Inspectora Geral de Hy^iese
Excellente producto medicinal, especialmente confeccionado pelo
cfaimico pharmaceutico Granado, para a cura das affecsCeB dos or-
gos respiratorores, taes s|o: defluxo, laryngile, crou, bronchvUs agu-
das e chronicaa, asthma, rouquidao, tottes catarrho ehronico e do es-
tomago.
Este valioso medicamento recommenda-se pela sua enrgica
accao TNICA, FEBRFUGA e EXPECTORANTE, para facilitar a
expulsao dos catarrhospulmonares e auxiliar a franca respiracSo. Cada
irasco acompanhado de nm prospecto explicativo para o sen uso.
GRANADO & C.
PHARMACEUTICOS E DROGUISTAS
, 12-RUA 1 DE MARCO-12
A' venia na Nacional Drogara de
Francisco Manoel da Silva db G.
2-RUA MRQUEZ DE OLINDA23
REC1FAG
\MDALHA DTOTflfiT
0 OLEO CHETRI8
i 4tMlnlectado pelo Alcatrio,
tnico tilumico, o ougmont ai proprieddet do
RP0.
0 OLEO de FIGADO
0E-CLAO FERRUGINOSO
h a olc prepraco quo perrmtto
dminiotrr o Ferro em pro-
diploma de monri
FRANCO.LO FO
(E ferruginoso;^
1- AcCAT^^
Vr/r Prlalo de Vestir, ntm
lacommodo.
DINSITD rTt ta riEB
II,rM4iFias:-ltiiUiartrt,21
&ttm
*"^aS-fi
^^'
aiX'IlTADSr SOB t.imi 1| i
Celebridades Madicas I
DA FltaNCA C DABUROPA
aas
MOLESTIAS DO PEITO,
AFFECgES escrofulosas!
CHLOROSIS,
ANEMIA, DEBILIDAD:,
TSICA PULMONAR,
EJONCHITES, RACHITISMO
Vinho de Coca
LICENCIADOS PKLA INSPECTORA DB HTQIENE DO IMPERIO DO BRAZIL.
Fabrica Caxias
Devido aos precos que esto cnstando
os tumos fino i e o augmento de salario
aos operarios : Os precos dos cigarros de
cossa fabrica, ser&o os da tabella abaixo,
com o descont de 10 r0 at 25 milhei'
ros, e d'ahi para cima 15 0i0.
Nlo se toma nota de menos de um mi
Iheiro, as quantidades abaixo s serao ven-
didas a dinheiro.
Tabella de Precos
Fumo picado
MAIS BARATO
-Va loja da Llstras lzt.es
A ra Duque de Caxias n. 61
Vestidos bordados em cartSo a 5<5000.
Vestidos bordados em linho phantaaia a
9,J000.
Mibxns lavradps infestados de todas at
cores a 10C0.
Folab de seda e Etamines de seda
10200.
Gobgobao preto de seda a 2(5500.
Caxehibas pretasn lizas e lavradas i
10000. V
VoAiLKg pbantaaia largos a 500 res.
Tecidos arrendados a 400 res de todas
as cores.
Mobih entroncado para familias a 30500
a peca.
Bbamants de linho com 10 palmos
10700.
Atoalhado adamascado-a 10250.
Goabdanapos de bonitos desenhos a
20000 a duzia.
Toalhas grandes e para banho a 10500.
Cortinados bordados e de crochet a
70000.
Cbochets para sof e cadeiras 5 por
80OCO.
Alcatifa para forro de sallas a 10200.
Costinas de cores, novidade a 10500 o
metro.
E8PABTILH08 de setim branco para noiva
a 100000.
Espabtilhos de todos os tamanhos desde
"40000.
Meias finas brancas cruas e de cores
todos os precos.
Camizas para ho.nens, meninos e se-
nhoras. J
Sebodlas francezas de L'nho e nacionaes
a 10000.
Leqdes transparentes para Boiva.
Ca pellas com neos veos para todos os
pregos.
Enchovaes para baptizado desde <60OOO.
Middezas tambem se vende mais barato,
como sejam: fitas, baleias, borrachas
para vestidos, ligas, grampos, phanta-
zias, extratos, pentes, escovas para
dentes, flores, bicos, rendas, bordados,
na loja de
alOS Augusto Das
Por 3C;
Aluga-se o 2 andar e soto da casa n. 41 a
ra nova de Santa Rita, muito fresco e com bo-
oita-vjgta : a tratar na nadara junto,
Padaria
Vende se urna padaria bem localisada, des-
manchando 24 arrobas diariamente, sendo o
motivo da venda acbarse o seu proprietario
doente : para IoformacSes, no largo do Mercado
numero i2.
Caja ejanipabo
Compra-se em peqnena e grande porcao ; na
roa do Priocipe n. 28.
Pede attencao ao publico, para o sortimento de fazen-
zendas
que annuncia, por precos commodos
TNICO
ANALPTICO
RCOKSTITINTE
O Tnico
mais eavgiu) que devem
em pregar os Convaleioentes,
as passoat idsas,
ar UtHtens, as Crianzas dbil
e as Peasas
traou de. Comtittiii.
DE
JUIH
COM OUiNA
SUMO DE CARNE
PHOSPHATOdeCALl
/\ Cotnpomto
com Substancial nocessirits
e indispensaveis nt
formaoio a no desenrolvlment
da Carne
muuular e dot Systemat
naryoioi s ojjosoi.
. ri, ^S!S P^Y^r? ***<**<&> eUi dos Medicamentos mais acUvos, para combater a Ane
l;raS'ii?f1^fiPy8p5psla-Gastralgias ou Oastritas, a DiarrhSa^^aldade^crlUci:
'rr^rt*^?a1, M l?0rafi ^nvalescenclasTaie. Bm nma palavra, todos ageites tadotideLM
I" '*&^mi;tgT-egmenU)'K*e*unitonervoso,a6sqiesos temrXmeaSdeSiiititi
lar-ibaj>n, Pmarannrta J. VIAL, ra fe botirtx
M. DA MXVA t C- t sa tsat U fslraadlf 1
Merinos de cores com dnas larguras.
Nanzuks de todos os precos.
Lans de cores, sortimento c mpleto.
MadapolScs de todos os precos.
Sargelins de todas as cores.
Grande sortimento em chitas e cretones.
Visites de seda e merino, novidade.
Bramantes de linho e algodlo.
Voiles de algodlo, baratos, causa chic.
Merinos pretos, lisos e lavrados.
Grande sortimento em brins e cassinetas.
Fichs pretos, de cores e pratiados.
Amor da China, lindos padrSes.
Fuatoes brances e de cores.
Mariposas de cores, barato.
Cambraias Victoria e transparente.
Creps veile, novidade.
Colchas de cores, lindos padroes.
Vistuarios de Jersey para crangas.
As fazendas que annunoiamos assim como outras mnitas que seria enfadonhc
mencionar, veniem se por precos raaoaveis e ha sinceridade na medida.
VER PARA CRER
A LOJA DO GLOBO
55Ra Duque de Caxias55
Antonio Fwnanfos e Av$dlo
Caxias 60000
FSr das Flores 70000
Operas i Daniel 60000
60000
Operetas 50000
Japonezes 60000
Fumo desfiado
Especiaos 705OC
Aristocrticos 605OC
Manaarns P0OOC
Cubanos 605OC
Flor do Estado 605CO
Caporal 60OO
I
PEBPMMIA
PARIZ
Segredo itv Jnventnde
AGUA LAFERRIERE
Para o Torneador.
POS LAFERRIRE
Para o Roto.
PRODUCTOS HTGIENICO
DPr-os''nrir('s pro Peitnnxfiu
UFWM
PARIZ
Segredo da Ju /trntnie
OLEO LAFEBBIRE
Para o OHekToe.
ESSENCIAS DIVERSAS
Paro e> lineo.
f-rw a Belleza tro Rosto do Corpa.
W M. &* 8ILVA e Compa hia DistiHacao Cen-
tral
Sede roa do Passeio S. 13
JEndereco telegraphico- DistiacS]Cat-
ira postal n 689Ro de Janeiro
A companbia filiou a si os seguintes
eBtabelecimentos.
Companbia Nacional de DistillacSo o
Perfumaras, antiga casa Fritz Mack & 0.
Companbia Nacional de AIcooIb Extra-
Finos, em Campos, e em Pernambuco.
Di-tillaria da Lapa em Campos.
Schnmam & C, ra da Saude 156, 164
e ra do General Cmara, 116, 118, 190.
E. Gomes de Oliveira & C, ra do
Cende d'Eu ns. 51, 53.
S. Carvallio & C, ra do Areal n.
27, 29.
Viuva Drouhins & C, ra do General
Caldwel n. 176.
Grande importacSo e exportacSo de
i gurdente, alcools fie s e communs, ma-
nufactura de licores, vinagre, xarope, ver
moa h, laranginha, genebra, kummel,
guas mineraes e de todas os artigos con-
generes a sua industria.
Ra do Passeio n. leCapital Fede-
ral
A succursal desta companbia em Per-
nambuco, sita no Viveiro do Mus, com-
pra qualquer porcao de agurdente e al-
cool, pagando bons pregos.
Salina eMossoro'
Soasa riogoeira & C. avisam aos seas fregu
zes e mais commerciantes, que coottnaam a ter
na cidade de Mossor grande deposito de sal e
de todas as qoalidad s, a saber : alvo pedreso
eteuro pedroso, fino alvo e fino escuro, e final
mente lavado ; garante se a qualdade e promp
tidio no carregameoto dos navios, dentro on
fra da barra ; a tratar com os mesaos a roa
Dnqne de Caxias n. 85 on saqu-lla mesma cida
de e casa de identi. a firma, e qnanto ao preco,
este ser o menor do mercado.
Engenho
Vende se o eogenho Matapagipe, sito na fre-
guezia do Cabo, distante da cidade urna legoa,
com excepgo de urna decima parte que perten-
ce a outro consenhor, cujo eogenoo moe com
rio Pir.pama, tem obras por demais e terrss
para safrejar 3,500 pes de assacar annnalmen-
te, mais um terreno coberto de malta virgem e
de madeiras de pnmeira qualdade, que d para
levantar-se outro engenho, cercado bom e multe
grande. Tambem se vende o engeebo S. Pedro
contiguo ao Matapagipe, o qaal tem boas trras,
est bem obrado, moe a vapor. O pretndeme
dirija-se ao engeobo Boa Vista do Cabo.
Oeulo de alcance
Qoem tiver nm, e queira vendel-o. annuncie
ou appareca & ra de Lomas Valentinas n. 22,
p imeiro andar.
Aluguel barato
Alugam-se as seguintes casas :
Ponte Velba n. 22.
Estrada Joao de Barros, n. 19.
Ra Visconie Itaparica n. 43 1.* andar.
Visconde Itaparica n. 43,3. andar
Roa Pedro Alfonso n- 46. 1*. andar.
Pedro Affonso, n. 46, armazem.
Ra das Aguaziobas n. 7, em Beberibe.
Ra do Rosario n. 39-
Travesea d i Carmo n. 10, loja.
Roa Visconde Goyanna n. 163.
Lombas Valentinas n. 4.
Coronel Suassuna a. 50. I. andar.
Becco do Cara pillo n. 1,1.* andar.
0 1. andar roa do Bom Jesns n. 47.
A tratar rua do Commercio n. 5. 1. andar
escriptorio de Silva Guimaraes & C.
Guard=nape s a 10200 a duzia.
dem com franjas a 10800 a dita.
Toalhas superiores para mesa a 40000 a
50000.
dem para ruaos a 20600 a duzia.
Velbutinas bordadas e lizas a 800 rs.
covado.
Meias casemiras de cores, 2 larguras
10000 o covado.
Caaemiras pretas, diagonal a 10800 o co
vado.
Cheviots azul e preto superiores.
Pannos para mesa a 10200 o covado.
Atoalhados adamascados a 700 rs. o metro
Colehas superiores a 20000, 30000 e 40
Cobertas de ganga 2 pannos a 20800.
Cortinados bordados a 70000 o par.
Setins braacos para noivas a 10 e 10200
Sedas dem para noiva a 10200.
Todos os artigos cima encontram-s
aa roa Dnqne de Caxias n. 59.
I<9ja de Perelra Uajtalhie
.

-
"f 'i
'-fl
r


V
i
, H


Diario de Pernambuco Quinta



J



i
VENDAS
Esparuini:- btius wAios para seoras
eninas r#-n << -. "d* a>diide.
4u Parodia dea Dame*
Libras Sterlinas
Vende-ae na loja de oas de Augusto (do Rea
, C" ra* 'lo OatWii ._________________
S-ba lealeatro
Ha iraiie cunw-i u-ucia em se osar este b>
portante sab < di todas r,s asas de familia
tanto para bautio ligo para lavagem de roopa
oeeoectao:e. aOMCI a pe lie c Tai dcsappa
recer u.pmgens.
Deposito rus da Madre de Di u
Urna boa Ccllcca^io
Venie se a tnve na a roa de Hurtas 1.1, urna
das melbores localidades nesta praca a tratar
na mesmii.
Pa daras
Farinba para under ; ven ra do Brom n. 62.
Vapor "J aguarme"
Vende-s.) este vapor em bom estado de roo*
servacSu, ceja cmara 6 construida Ide liadas <
especiaes madeiras, prestando se elle ainda
faser viagen- que nio sejam de longo corso
medame pequeos reparos ; podendb, t-m case
contrario, ser aprwveitado cooio um excellem<
pontao, para descarga de navies, ttcl
As pessoas que pretenderen) e qtjizerem exa
minai-o, podem dirigir-se 6 bordo do mesmt.
que acharan pessoa haoit>tada a dan-Ib. s quaes
quer explicacOes ; a tratar no cae s da Compa
obia Pernambncanan. 42.
Aos senhores deen^enhos
Tri-selpbllo de cal
Superior a cal de LUboa e potasa*
Para alvejar e limpar o a33 icar
Vendem Guimares^ valente
6--CorpA Santo6

Pao centein
Mello & Bisel tendo recebido no
irinba centeio, avisa aos sens
onnuam a fabricar este delicioso
odas as tercas e sextas-fei ras
losario n. 40.
a ri-measa ii
^eguezes qi
pao cent'
ra argj n
rr.
Carvo
Vndese na padaria de Mello & Bis!, roa
larg do Rosario n. 40, a 400 rsJ a barrica-
Feijo
Vende se barato; no largo do Mercado nume
ros 7 e 9.
MANEQU1NS
Para famiJias e irodistas
\ '5(1000
Serve para aualqner aenh ra, por mais
magro ou gorda que sej*
Na oii flri Lisiras /znes
N. 61 RA DIQUE DE CAXIA3 N. 61
uiin lu lu
O Bazar da Boa-Vis-
ta, a ruada Imperatriz
n. 88, acaba de rece-
bar o cha especial mar-
caBULL DOG
o melhor que tem rin-
do ao mercado e ven-
dem a 33600 a la ta com
urna libra.
ALFHFDO IOPES t
Licor depurativo vegetal lodadc
do medico Quintilla
Este notabilissimo depurante que veo
precedido de tao grande fama infallivel a-
cara de todas as doencas syphiliticas, e
crofulosas, rheumaticas e de pelle, com-
tumores, ulceras, dores rheumaticas, oe
teocopas e nevralgicas, blenorragias agu
das e chronicas, cancros ayphiliticos, in
flamacSes viceraes, d'olhos, oavidos, gar
gantas, intestinos, etc., e em todas a
molestias de pelle, simples on diathericaa
assim como na alopecia ou queda do ca
bello, e as doencas determinadas por s*
turaejao mercurial.
Dao-se gratis folhetos onde se encon
tram numerosas experiencias feitas con
este especifico nos hospitaes pblicos
muitos attestados de mdicos e documen
tos particulares.
Faz-se descont em casa de
FARIA SOBRINHO d C.
Ra Mrquez de Ol oda n. i
F0LHET1M
FLOR M MAO
POR
JORGE PRADKL
SEGUNDA PARTE
FELICIDADE COMPLETA
A ?lori-Ja
Tem para vender o peroevecida, ou a
extinecao dos percevej s a 1)5 o rasco.
Acaba- (fe receber directamente.
Es jartilhos para 5 e 6(5.
dem finos bordados a seda frouxa a 8(5 e
95000.
Luvas de seda e de peilica para Sras. e
meninas.
Bicos de seda e de algodao brancos e de
cores.
I em preto de U e de suda, sem e com
Tidrilhos.
Qa!8es, palmas, pingentes e gaarnicao de
vidrlao.
Leques de gase, setim e papel para Sras.,
meninss e mocinbas.
Bolsas do chagrn, couro da Rossia, vellu-
do e palha para Sras. e meninas.
Boleas de couro e de p.-lha, proprias
para yiagem.
Sintos de couro e de seluloide.
Sapatos e toueas para bapt sado.
Sapatinhos de setim, merm e 18 para
b. ptisado.
Pulseir.is, anneis e brincos finos de pa
q'ie americano, com e sem podras.
Grande sortimento de bordados brancos e
de cores.
Perfumaras des melbores fabricantes,
agua den tritcea, leos e pastas.
Grande soitimento de fitas modernas de
n. 5 80.
Mantas Regatas e Plastrons, de gastos
modernos.
Lindas c.-ixas de perfumaras para pre-
sentes de 24, 3(5, 1(5, 5(5 e 640U0.
Porta joias pellucia e de lectoplata.
Co tureira de pellucia.
Caixas com msica para presentes de 7(5,
85, 95 10d e 125000.
Grande sortimento de botoes modernos
para vestido.
Caixas de linha de cor para crochet a
15000.
A RA DUQME DE CAXIAS* N. 130.
14 de Ma:o de 1891
4 .45000 e
VENDEM-SE
Na Loja das Listras Azue}-
J A
Ra Pnqiic de Callas m. 91
Liqoidacio & aU
A FLOR DO BOSQUEa ra do Li-
vramento n. 10, chama a attencSo de seas
fregueses para os artigos obaixo descrp-
tos, cujos sao vendidos p r presos resum
dissimos para fechamento de coritas.
Grande sortimento de botinas inglesas
de diversas qualidades a 95000, 105000 e
115000 o par.
Botinas para hornees, das melbores fa
brcas do Rio, por preces sem compe
tencia.
Botinas de cordavSo, com salteiras obra
forte e elegante, fabricadas especialmente
p ra as Exmas. Sras. normalistas.
Sapatos brancos de setim e duraque
proprios para as Exmas. Sras. noivas.
Esplendido sortim-nto de botas para
montara, tanto de couro da Russia preto
oomo branco.
Chaucos e tamancos portugueses para o
invern.
But eos e cothurnos proprios para caya.
Botinas nacionaes impermeaveis, obra
solida e propria para o invern.
Lindo sortiment de sandalias de todas
as qualidades, tanto estrangeiras como
nacionaes.
Para creancas de ambos os sexos ha
sempre nesta casa o mais completo e va-
riado sortimento de botinas, cothurnos,
focos e sapatos. %
A FLOR EO BOSQUE
10 R.\A DO LIVRAMENTO 10
Costa Campos & C.
Palpitante
llIMMIlaWMI
Acha me muito mudado, nao ver-
ade ? pergantou Dneoti es iudo ao en-
contr de urna objecclo em que nSo p^n-
sava o mar cebo, K' certo, estoa mmtQ
metamorphoseado, e a ponto tal que me
admiro de mim proprio... Sou um ver-
odo, um resignado... O que desejo
agora o silencio, a paz, o esquecimen-
to___ D'aqui a algara mezes.. reque-
reremos, Mlle. Chabrance (frisou o tra
tamento de mademoiselie) e eu, urna se-
parngSo completa... Supplico-lhe que me
conceda at. l urna tregua que necessa-
na para obter do Sr. e da Sra. Chabrance
o sea consectimento a essa nova ordena de
causas.. Simples questao/de conve-
niencias... Mas antes* disso.. pre
cfso combinarme... desejaria, prrtanto,
poder fallar com...
Fdar fez um movimento.
Tema naturalmente ama cilada.
Ainda exist m veuda alguns ejemplares
desta liodissima valsa, os qaaes se acham as
segu;ntes casas : ra Marques de Olloda n. 38;
Crespo ; Duque de Caxias ns. 63. 67 e 77; lm
perain n. 82.
Oh tranqulise-se, observon D
ment eres amargamente, o senhor assistu
nossa converaacSo.. Trata-se de in
teresses pecuniarios que preciso venti-
lar. .. Existem trras que perteuceram a
familia Chabrance, e que fazem parte da
propredade de Boursac... e eu qui-
zera...
Mas parece-me que um procurador...
Dmenteres re^licoa com extrema vi
vacidade :
Has um procurador nada tem que
ver com tuco isso : desejo que sejam os
notaos negocios tratados sem ruido e ami-
gavelmente. De outro modo a cousa cus-
tar-nos-hia os olbos da cara .. e transpi-
rara forzosamente... As trras que li-
mitam com Boursac...
Ola !... disse o conde comsigo mes
mo, mas este sujeitinho, de cuja serte es
tava quasi a comp.-d cer-me, procara sim-
piesmente aproveitar-se da eituacu para
fazer um bom negocio 1... Assim, pois
julguei-o mal, elle deixa de inspirar re-
ceto., bter-se-ha d'elle tudo qaanto
se quizer com dinheiro e mostrando con
desceno.ncia quanto s ccndiy5es qne elle
quizer impor.
Dmentiercs voltava incessantemente s
suas terrss e bosques... Pareca ligar-
Ihes extrema importancia.
Comprehende perfeitamonte, nao ces-
sava elle de repetir a Fdar, as pequeas
trras de Brivages contm sessenta ncta-
res de florestas de qu ze annos, e essa-
florestss '.ncravam se de algum modo nos
bosques de Boursac... Deve calcular de
que importancia...
O sonde Stroganoff julgou dever por um
termo a essa tagarelhce, pois o ataumpto
egradava t nto ao proprietaro de Boursac,
qne elle nao se res> lvia e abandonal o.
sses arranjos rao a presen tarao a
menor difficuldade, posso afiancar-lhe.
O rosto sombro de Dmentires pare-
cen illuminor-se de immensa satisfazlo.
f
KO. JUST. te-J. ir*..
fertdo sua casa de Agencias e Commisses para
o predio n. 62 a ra do BOM-JESS, alli con-
tina disposico dos seus numerosos fregu
zes e amigos, encarregando-se de pedidos para
todos os paizes da Europa e para os
Estados unidos da America do Norte, para
fazendas, miudezas, ferragens. papel, loupa.
vidro, porcellana, movis, relogios, joias de
ouro e douradas, farinha de trigo, cerveja, vi-
ahos, cognac, licores, todos os gneros de es-
tiva, perfumaras, ohjectos de arte, quadros,
machinas para todos os misteres, industriaes.
.irtisticos e agriculturaes, material fixo e ro-
dante para pequeas e grandes estradas de
ferro, iustallapoes de usinas e destilares,
pontes e edificios metallicos, bombas balan-
zas e em geral de todos os artigos produ-
zidos n'aquelles paizes; habilitado para isso
com um esplendido sortimento de amostras,
desenhos e catlogos.
62RA DO BOM-JESUS62
P.
Cr-fllf qm ari de fazendi*
O proprietaro da lofa das Estrelbav
t' ndo retoivid > acabar sua ] que d Jaxias n 58, afim de estshele^r
a mesma ai mzem p' a vender pecan at-
teiras cm descont, liquida todos os ar-
tigos existentes na mesma, sem limites m
preco a saver :
Sedas
Esplendido sortimento de gravatas chics, reti-
roa da Alfandeea.
Au Parodia dea Damea
Ra BarSo da Victoria n. 38
Antiga fabrica de Cajiru-
bba
Vende-se os utensilios des fabrica e
teuB preparados, como sejam :
Grande quantidade de depsitos, ma-
minas para diversos mysteres vasilha-
me; grande quantidade de rolhas para
frascos e garrafas : um vapor de torca de |
t cavallos, e seus pertences, urna caldei-
ra para coser no vacuo ; urna prensa para
enfardar, e grando quantidade de lqui-
dos diversos, prospectos e una folies de 28
i 30 pollegadas, e novo, etc., etc.
A tratar na mesma fabrica com o pro-
pietario que ar qaalquer negocio em a
nesma, ra de Luis do Bego n. 14.
Movis austracos
4 Ruado Baro d Victoria 5 1
ANTIGA AGENCIA DE MOVIS
Receberam completo sortimento de
movis de junco, austraco, como sejam
cadei as, Bofas e mobilias completas, bem
com tem movis nacionaes e vendem por
precos sem competencia.
Plant-, s
Na estrada dos Afllictos n. 28, sitio, vendem
se enchertos de laraogeiras e linioe.ros de todas
as qualidades, arvores fractiferas, Indos e va-
riados crotons a precos resumidos.
Chombo de municao
DA
FAKRIC4 DO RIO DE JANEIRO
EMPREZA OBRAS PUBLICAS
Moura Borges cfcC
Largo do Corpo-Santo 19
Tem sempre para vender e receben)
encommendas pelos precos da fabrica.
Sedas
Surahs de todas as cores, sedas brancas e de
cores, receben lindo sortimento.
Au Parodia des Domes
Alfafa
De superior qnalldade: veDde-se no pateo
i utiga as&embla armazem n. SI.
Resta fixar o lugar onde devem rea-
lisar se essas entr vistas, porque, confas-
so-lne, os arranjos a fazer sao numerosos,
mltiplos... nao quero ficar com afor-
tuna de ning.em .. mas emfim no que
diz respeito minha propria... enten-
do que devo salvaguardal-a, e justo
qne cuide dos meus interesaos... E de
sen agrado qae... Mlle. Chabrance me
receba aqu, em ana casa ?... ou na cisa
em que ella mora, e que nao sei onde
?...
- No lugar que Ihe aprouver, senhor,
foi obngado Fdar a responder.
Dmentires hetiton ligeiramente :
Cre que s ;ria mais conveninte que
as nossas conferencias se realizassem em
casa d'ella... em todo caso, desejo que
V. Exc. esteja presente
Qual o meio de recusa.
Era q ups tao resol vida. Dmentires le-
vantava-se para despedirse.
Fdar marcava lhe entrevista pira o da
aeguinte no chalei de Neuilly, s duas ho-
ras da tarde.
O castellao de Bousac retirou-ae agr-
decendo muito ao conde de Stroganoff.
Pareca satsteitissimo, e mal poda dissi-
mular o seu contentamento.
O melhor, disse elle ao conde, fique
certo disso, arranjar nos nos proprios os
aossos negocios. E' o verdadeiro, por
fim de contas
NSo se oe em duvida de certo que
Fdar era da mesma opnio.
Estava, certo, um ponco sorprendido
de ver o Sr. Dmentires metamorpho-
seado d'aquella maneira, e tao mudado a
todos os respeitos.
Mas, conforme disse um sabio chamado
Bacen, a gente acredita de boa vontade
n'aquillo que deseja acreditar.
Alm disso, Dmentires tivera o cui-
dado de insistir tanto no sen desmesurado
desejo de augmentar os sena bosques, as
SEGURO DE VIDA
A C0MPANHIA
EQUITATIVA
Lendo no Diario de honteni, 5 do cor-
rate, urna transcripc,o com referencia a
Companhiade Seguro de Vida New-York
Life e tendo recebido o Equitable Record
p as sanios a fazer comparares :
O New-York Life diz que
os sens seguros novos du-
rante 1890 foi
A Equitativa foi
Diz mais aquella Compa-
nhia que a importancia de
seguros em vigor no fim
do annoera
A Equitativa so ruma em
Notamos que o augmento
nos seguros novos de......
1890 para o anuo ante
rior foi da New-York
Life
Emquanto o augmento da
Equitativa era
Estas cifras sao significativas da grande
confianza depositada na Companhia Equi
tativa, e com razo.
59:1,00.000
$ 203:826.107
569:338.726
720:662.473
8:456.977
28:562.007
suas trras, que a mudenca observada na
sua pesaba pareca explicavel
Ma! Dmentires tinha sahido, Flar
precipita va-se na sua carruagem.
Depressa, d' pressa, d sse elle ao co-
chero, toca para Neuilly !
Marcelina, continuando accommettida de
iinexp'imiveis angustias, esperava, peadi-
da na sacada do chalet
Fdar fez-lhe um gesto com a mSo.
Elle chegava, vinha sosinho!
Nao lhe tinha s iccedido nada !
Meu bom Deus 1 murmurou fiarce-
\ lina.
E fundio-se em lagrimas.
Ob a sen hora chora a Sra. con-
dessa est aflicta... disse una voz por
I detrs d'ella.
Marcelina volton-se bruscamente, offen-
; dida por ser sorprendida assim, accom
'mettida de tal fraqueza.
r Era Julieta,
i A criada de quarto accrescentou :
Se a Sra. coodessa soubesse quanto
me tfiiige vel-a assim, inoommodada !...
Marcelina nao responden ; a compaixao
d'aquella rapariga indignava-a.
A m disso, Fdar chegava, subindo a
escada de quatro em quatro degros.
| Julieta retirou-se discretamente.
E entao Marcelina, atirou-se nos bra90B
' d aquelle a qaem amava.
Que se passou ? perguntou ella com
'vos entrecortada. Quero Babel-o !.. Vais
' bater-te !. vais...
j Lonca! louca! repeta elle cobrin-
do-a de caricias, nada do qne dizes t...
Nada! reptate.. Aclmate... Arran-
ja-se tudo !... Vai tudo pelo melhor 1...
| E, em aigumas palavraa, pol-a ao facto
de explicajao cortes e toda pacifica qne
1 acabava de ter com Dmentires.
Marcelina meneou a oabeca.
Aquelle homem arma-nos urna ci-
lada, disse ella
i Receiei isso a principio.. mas elle1
parece na terdade fazer tanto empenbo
pelas suas trras.
Elle faz mais empenbo ainda na sa-
tisa^ao do seu odio e da sua vinganca.
Mas, minha amiga, eu estarei pre-
sente a teu lado !... B comprehen-
des perteitamente que, se elle ttvesse a
desgrasa de erguer a braco para a tua
pessda. Nao... estou doido... file
sabe muito bem que eu o es raoguli.ria an
tes que elle pudesse approximar-se de ti...
Marcelina persista na sua desconfiarle/*.
Elle premedita, com certeza, alguma
cousa infama! E' capaz de tudo para vic-
gar-se.
Marcelina, porm, como se saba, nao
era mulher que recuasse ante o pergo.
Apezar de tudo, disse ella, apezar
das minbas apprehensSes, dos meus pre-
sentimentos, dos meus receios, e preciso
sabir da sicuaclo em que nos seamos
t' pr -ciso recebel o aqui... Deus sabe
que horror me cansar a presenga de se-
melhante homem...- Foi necessano...
Sim, foi necessario o terror que meu pai
e minha mSi me inspiraram desde a mais
tenra infamia para que eu consentises
em casar com aquelle homem, pelo qual
senta invencivel repulsao... Alm dias ,
sabia i a que me obrigava... E nao
paguei essa santa ignorancia com urna
viJa inteira de t .rcuras ? .. Mas h<>je
qae ei'.-o de novo na nossa pretensa, nao
ha qne hesitar... \ preciso recebel-o. ..
Nao podemos recusar essa entre
vista.
Mas se me acontecer alguma desgra
ca!... Lembra-te, meu Fdar, qne o
meu derradeiro pensamento ser para a
tua pessoa!...
Alguma desgraca!... Mas esse ho-
mem nSo pode ter o designio de assassi
narnos, a ti ou a mim!
Pois aSo tentou elle urna vea j ma-
tar-te Govardemente ?
Sedas croas para vestidos rietme
bordadas e lisas.
Setins de todas as cores com pequen*
toq e de mofo.
Damasss, gase, foulard, reps etc.
Lans
Cachemira de todas os pauroes.
Merinos pretos e de cores.
Lans de todas as cores e qualidades.
Tecidos de algo dalo
retoes, chitas, batistas, hnnns, zeph*
ros, glacs, setins do Japo, voiles, f uriie
etamiuea renda da China, cambalas brm<
0 s e de c< res, lisas e bordadas, eetioetas
e damasss de algodao.
Confecces para se-
ohoras
Robes para senhora
oortes de linn, cambraia de coks*
cretone etc.
Vestidos feitos de cachemira, ricamente
en'eit&dos.
Ditos em cortes de seda e de 15.
Casacos de Jerseys de todos os tams>
nhos e cores.
Tecidos de l e algo-
dao para homem
Cortes de casemira de todas as quahdad*.
Ditos de bnm.
Casemira pret e de cores de todas ai
qualidades.
Bnns de linho e de algodao, brancas
de cores.
" Cassineta de todas as qualidades.
Confecces diversas
Roupas feitas para meninos, divemt
idades.
Sahidas de baile.
Fechos de todas as qualidades.
Enfeites de vidrilhos de diveisas tpa-
1 idades.
Espartilhos para senhora.
Jollarinhos e pnnhos para sedhora.
Meias brancas e de cores, para senktxai
e meninas.
Bicos, babados, entremeios de todas aM
larguras
Confecces para ho-
mem
Carnizas brancas e de cores para borneas"
e meninos.
Ditas de flanella e de meia braasatt
de cores.
Meias para homem. -
Ceroulas, collarinhos e gravatas.
Artigos de le
Bramante de linho e algodao, de 2 e &
larguras.
Cobertores de 11 e de algodao detjaa
ss qualidades. i
Atoalhados para mesa, brancos 4a
cores.
Toalhas e guardanapos para mesa.
Ditas para rosto e para banho, fabneaK
e alcochoadas, de algodao e linho.
Lencos de todas as qualidades.
Ditos ricamente borlados.
Grande quantidade de realhos de aas,
seda, chitas, cambraias, algodao, brice,
casemiras, fustSes e muitos outros artigos.
58-RUA DUQUE DE CAXIA8-5B
Leja das Estrellas
Servindo ae indicacSo a bandira
Loja das Estrellas 58
Trfaghman,.21Q
Fabrica de g"elo
igaas e limonadas gasosas s
todas as qualidades
Soda water ginger, ale, limo, laranja, an-
ao, a oacaxis, granadina, grosellas, bntaesee,
oaunilha, bnrtelS-pimenta. etc., etc.
13 A-' AES DO CAPIBARIRE -U A
, H. je nao a mesma cousa, e tem-
pos mudaram, a situac&o j nao igoai J
No dia seguinte, as duas horas
alguns minutos, Dmentires desemearsa-
va de um fiacre em frente porta de
chalet de Neuilly.
O rosto de Marcelina foi invadido pr
palidez profunda
Dment eres ao contrario, pareca imita
calmo e muito vont. de.
Comrrimentou a moja como se a hoa-
vesse encontrado pela pr ..eir vez.
E, sentando-se acto continuo, comecoe
a tratar do seu negocio de trras com ex-
traordinaria volubilidad'.'.
Do urna pejada pa.-ta de m.-rroquim que
trazia debaizo do bra$o, sacaia urna mut-
tidao de plantas de terrenos e bosque de
Boursac e dos dominios visinhos.
Enrolava urnas as outras,deixando e. para langar mao d'aquella, e tornande
ainda intilmente a outra.
Fdar, a distancia, espreitava lhe oa
menores movimentoe e olhava de quondo
em quando para Marcelina, parecendo di-
zer-lhe :
Bem vs que eu n3o me hsvia ear>
ganado.
No meio de urna peroracao, que repeta
com certeza pela decima vea Dmentires
deteve se:
Ah! mea Deas peco-lhe mil dea
cu'pas, minha senhora ; mas esqued-aae
do documento mais importaste... ama
pa .ta geral de Boursac... Na verdade,
uSo sei onde estava com a cabeca.... Voa
commetter ama indiscripcSo... Pedir-lia|
hei a bondade de receber-me ainda urna
vez... alo amanhB... tenho todo dia ta*
mado... depois de amacha tambem nao, ^
Se podesse conceder-me.. Vejamos: aaai
hora no correr da tarde de aegnnda-feti*
da i emana prxima...
(Ccntinuar-teJu^
Typ. do Dtarto roa uuque de Gsxias a 'II
i
>/ y

v ,

:
/


~-*rw
'
<4





Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXR2XNVHU_2MGES2 INGEST_TIME 2014-05-29T19:38:06Z PACKAGE AA00011611_17798
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES