Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17755

Full Text
ANNO 1 w- NUi iO 118
DO
DE MAIO WB-16
DE PERN
Propriedade de Manoel Figueira de Faria efe Filhos
S
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE
Por trea mezea adiantados. 61JOOO
Por seis ditos dem...... 12#000
Por um anno iem...... 230000
Cada numero avulso, do m carao da. 100
Os Srs. Amede Prince & C.
de Pars, sao os nossos agentes ex-
clusfjp de annuncios e publica-
res na Franca e Inglaterra.
PARA DENTRO F0RA DO ESTADO
Por seis mezea adantados. 13)0500
Por nove ditos idem...... 200000
Por um anuo idom. ..... 26)5000
Cada numero avulao, de di as anteriores. 0100
TELEGRAMMAS
mW 7ASTICLAS SO HLlll
RIO DE JANEIRO, 24 de Maio, s 3
horas e 17 minutos da tarde.
Foi norteado gnarda-mr da Alfandega
das Alagla, Maaoil Alfredo Ferreira
Crui.
as7i31 mili uu:
MADRID, 23 de Maio.
A grve na provincia da Biscara est
completamente terminada.
PARS, 23 de Maio.
Mr. Sad-Carnot visitou hoje as cidades
de Arigaon e Nimes, onde foi calorosa-
mente acclamado.
Agencia Hayas, filial em Pernambuco,
24 de Maio do 1890.
IlSTRDCqO POPULAR
essaio s:s:i::s:?s:::
DA
L1TTKRATUM BRAZILBIRA
NOS
UMPOS -02a^^IASS
XXVIII
(Conclus2o)
O fronteapicio urna bella allegoria, repiesen-
lando a chegada de Ferreira s plagas brazilei-
ras ; de um lado desenrola n duas indgenas um
mappa do corso do Aioazouas, que o explorador
examina com cariosidade ; de outro am mscate
eipe soas mercadorias aos indios cheios de
pasmo ; ao fundo avi3tam su os navios e no alto
ostenta se o basto de D. Joao VI em urna gra-
ciosa moldara. E' urna pagina rheil de anima-
gao e de vi la, di um deseuno que denuncia mao
de mestre.
Sob o numero 19.221 expO? se um volme de
243 follias, contendo, alm dos desenhos de toi-
maes e gentos, vistas de cidades, villas, lagares,
povoaces, fortaleza?, edificios, rios, cachoeiras,
etc. E' am d03 volumes mais preciosos da col-
leccao das obras de Ferreira e do mais alto va-
lor par? a historia topographi;a do Far.
XXIX
Padre Antonio Perelra de Soma
Caldas
Seia-noa permitlido aqui transcrever mais des-
te egregio cantor sacro a sua fumada ode
A lmmortalidade d'alma
Porque choras, Fileno ? Eoxuga o prauto
Que rega teu semblante, onde a amisade
De seua dedos gravou o terno toque.
Ah! nao queiraa cortar miuha esperanca,
E de dor embeber minha altgria.
T. cuidas que a rao fra
Da morte, congelando os frouxos membros,
N03 abysinos do na Ja inexcrutaveis
Vai de todo afogar minha existencia ?
E' outro o meu deitino, outra a promessa
Do espirito que em mim vive e me anima.
A horrenda sepultura
Gonter uao pode a lux brillante e pura,
Que soberana r ge o corpa inerte...
Nao descobres em ti am sentimento
Sublime e grandioso, que pare-'.:
Tua vida estender alm da morte ?
Atienta... escuta bem... Oa... examina...
Em ti deve existir : cu nao te engao.. -
Tu me dizes qu? existe. Ah meu F.leno
Como doce a lembran^a
Dessa vida immortal em que, banhado
De inefavel praxer, o justo gosa
Do sea Dtus a presenca mageslosa !
Desperla, morle :
Que te detem ?
Teu cruel brago
Esforga e vem.
Vem por piedade,
Ja traspassar me
E avisinbar me
DoSummo L'em.
E queres que eu preflra
Humanos passatempos ao momento,
Em que rala a feliz eternidade ?
Um Deus de amor m'inflamma ;
ti no peito meu mal cabe a chamma
e docemente o coracao me abraza.
a vo por elle : elle s pode
Minha alma, sequiosa do infinito,
De todo saciar : este desejo
Me torna saboroso
0 calix que tu julgas amargoso.
Fileno, doce amigo, a mao extende,
A minha aperta : nao te assuste o vela
De mortal fri j passada e lnguida.
Mais dnravel que a vida,
E" da amisade a tea delicada.
Se a virtude a teceu.. Em Hm, morle,
Tu me moetras a foice inexoravel,
Amarga este momento : eu nao t'o neg,
Mea amante Fileno : a voz j preza
Sinlo faltar me, o sangue
as veiis congelar se ; pelo rosto
Me cae fro suor ; a loz mal posso
Das trevas distinguir ; e sufocado
O corago desmaia.
Vem, immorlalidaaevem, grande,
Sublime pensamento,
Adocar o meu ultimo momento.
O' fame infinito,
Que aspiro a gosar,
O meu peito afflicto
Soche de valor.
Suave esperanca
De sorte melbor,
Quanto deite instante
Adocas o horror !
(Cmhmta)
FABTE 0FT1C1AL____
toverno do Estado de Pcrnam
buco
DESPACHOS DO DA 23 DE MAIO DE
1890
Antonio Horacio da Silva. Aguarde a
reforma.
Antoaio Juvino da Fonseca.Informe o
Inspector Geral da Instruccao Publica.
Tenente Aatonio Valerio dos Santos
Neves.Nesta data aatoriso a Thesoura-
ria de Fazenda a abonar um mez de
sold.
Augusta Elvira Uchoa. Remettid-; a
Junta Medica do Estado, a quem a peti-
cionaria se apresentar para ser inspeccio-
nada.
Companhia Pernambucana. Informe o
Inspector da Thesouraria de Fazenda.
Companhia Pernambucana. Informe o
Inspector da Thesouraria de Fazenda.
Capitao Francisco Evaristo de Souza.
Nesta data autoriso a Thesouraria de
Fazenda a abonar am mez de sold.
Jos arinho de Barros Falcao.Re-
mettido ao commandante do. corpo de po
licia para attender ao peticionario.
Joaqu'm Quirino VillarimNesta data
autoriso a Thesouraria de Fazenda a abo-
nar um mez de sold.
Desembargador Jos Mara Moscos o da
Veiga Pessoa.Informe o Inspector da
Thesouraria de Fazenda.
Secretaria do Groverno do Estado de Per-
nambuco, 24 de Maio de 1890.
O porteiro,
H. M. da Suva.
lasp-ctori* Geral da Instruccao
Publica do Estado de Pcrnam
buco.
EU ADDITAMENTO AOS DESPACHOS DO DA
22 DS MAIO DE 1890
Augusta Elvira Ueha. Enea ninbe se.
Mara Amelia dos Santos Porto. Curapra-sc e
registre-seo prsenle titulo.
Mara do Reg Barros Waoderley. Cuinpra-
se e registre-se o presente titulo e a postilla de
22 de Abril aquello e de 23 de Maio esta nos
respectivos livros..
24 -
Maria Augusta da Silveira.Cumpra-se e re"
gistre se. 1
Olympia Francisca de Paula. Cumpra se e re-
gistre se o presente titulo.
DA
BE-
2.
licia
RcparticSo de Polica
secgao.N. 114.Secretariado Po-
do Estado de Pernambuco, 24 de
Maio de 189 \
Foram bootem recolhidos Casa de Detenco
os individuos de non.es Bertholdo Antonio Jacob,
SebastUo Francisco de Lima, Antonio Jos Fer-
reira. Manoel Casado de Senna. Manoel Francis
co da Silva, Silvestre Ferreira, Jos Sirao do
Xascnento, Genuino Cavalcante de Mel, Igna
ci Jos dos Santos, Manoel Vicente de Souza,
Francisco Andr Soares, Antonio Severa Pereira
da Silva, Pedro Joaquira de Sant'Anna, Joo Epa-
minondas, Luiz Jos dos Santos, Juvino Henri
que Jos Ribeiro, Manoel Jos dos Santos, Rufino
de Aimeida Lima, Antonio Carolino da Silva e
Miguel Caetano da Silva.
Com destino aoasylo da Tamarineira foram
lambem r:colhidos os alienados Joo Izidio Fer
reir da Costa e Francisco Mirques. de Oliveira.
No dia 17 do correte assigoou termo de
bem river perante a subdelegada do districto de
Sertosinbo, o vadio Manoel Severino de Souza.
0 delegado do termo do Bonito remetteu a
esta repartcao, tomadas a diversos desordeiros,
40 faca3 de ponta, 2 granadeiras, 1 punhal e 1
pitola.
No dia 18 do correte assumio o exercicio
da delegada do termo de Boni Jardim, na quali-
dade de lsupplente o cidado Joaquina Goncal-
ves da Costa Lima Filho.
O chefe de polica interino,
Francisco Xavier Guedts Pereira.
< oniuianilo superior
QABTEL DO COMMANDO SUPERIOR
GUARDA NACIOSAL DO MUNICIPIO DO
CITE, 23 DE MAIO DE 189J
Oi'em do dia n. 104
0 commandante superior interino da guarda
nacional deste municipio recommenda aos com
mandantes de coi pos, que reunam as respecti-
vas parochias, na Ia dominga (da 1) de Junbo
prximo vindouro, 03 con3elhos de revisao da
qualificasao da mesma guarda nacional, lasen
do-se esse servigo de accordo com as Instrugss
n. 722, de 25 de utubro de 1850, regulamento
n. 1130, de 12 de Marco de 1833, e observaudo
se o dispesto no 6 do art. 1 da lei n. 230 i,
de 10 de Setembro de 1873.
Determina mais, em virtude do que resolveu o
cidado Dr. governador, que os conselhos se re-
unam : o da Parochia de Santo Antonio, no pavi
ment terreo da Intendencia Municipal, os das
do Recife, S. Jos e Boa-Vista, no Arsenal de Ma
rinha, estacao de estrada de ferro de Caruar e
Assembla Provincial, e os das demais, as es-
colas publicas.
Oppo:tunamente, devem os presidente? dos
conselhos mandar recebar do major secretario
geral deste commando, os livros em que 8erSo
aneados os nomes dos ciiadaos que lo'em alis-
tados,
ianoel Marttns Fiuza.
"EXTERIOR
Thesouro do Estado de
Pernaiabueo
DESPACHOS
do pa 23
de 1890
DE MAIO
Padre Manoel Simplicio do Sacramento, enge
nbeiro Antonio Pereira SimOes, Empreza de Na
vegacao a Vapor do B ixo S. Francisco, enge-
nheiro Paulo Jos de Oliveira, Antonio Vieira
da Costa e Trajano Osia3 Gomes dos Santos. -
Informe o cidado Dr. contador.
Deolindo Damasceno Rodrigues Coelho, D. Ida
lina Franiisca de Souza Mello, Jos da Costa de
Albuquerque Mello, Maria Cintra de Lima e Joa-
quina Alves de Carvalho Veras.--Registre-se e
facam se as devidas notas.
Francisco Pereira da Silva, Vicente G. Ferreira
Co3ta, abaixo assignados de empregados no ser
vigo interno da Escola Normal, Jos Maria Ma
chado, Pereira Carneiro & C. e abaixo assigna-
dos, carpiros e serventes da secretaria do Go-
verno.Baja vista o Dr. procurador fiscal.
Jos Castor de Araujo Souza e Maria Francisca
do Carmo.-Informe o administrador da Recebe-
dona.
Anna Candilada Silva Lobo.Certifique se.
- 24 -
Anna Carolina da Silva Miranda, Venceslao
Henrique Teixeira e oatros e Pereira Carneiro
a C Ao porteiro.
Candido Jordao Cordeiro.Cumpra o art. 282
do regulamento de 2 de Julho de 1879.
Severino Martins.Cumpra o art. 112 do regu
lamento de 2 de Junbo de 4879.
Joaquim Cavalcante de Albuquerque.Ao col
lector de Pao d'Alho para cumprir o despacho
da Junta e devo'ver.
Antonio Gongalves de Azevedo.e Andr Auoa
so Izabel.A' secgao do contencioso.
Jos Pacheco da Silva.Ao porteiro.
Joaquim da Silva Carvalho.Ao administrador
da Recebeioria.
Jos Paulo Botelho, Lessa Irmo 4 C. e Fran
cisco Ferreira Campos & CA'secgao do con
tencioso.
Geminiano Joaquim de Miranda.Certifique se.
Recebedorla do Estado de Per-
nambuco
DESPACHOS DO DU 23 DE MAIO DE
1890
Soares i C. A' 1.* secg5o para os ns con-
venientes.
JoSo Bezerra C Deferido, de a:cordo com
as informagoes
Camilla Perpetulina da SilvaSim.
Vicente Gongalves Ferreira Costa. Certifl-
qu6 i* _
Albino da Costa Ramos, Manoel Jos de Bas
tos Mello, William Halliday 4 C. e Jos Correia
de Brilo.Informe a 1." secgao.
Francisco Quirino de Millo e Guimaraes Bas-
tos 4 CA' 1." seceo, para os fins devidos.
Jean Meier. Deferido, de accordo com a in
formagao do chefe da l. secgao.
Tavares S. Barbosa Jantem conhecimento do
imposto com refereocia ao 1. semestre do cor-
rente exercicio. ir- .
Trajano Oiias Gomes dos Santos. Informe a
i.'ieccSo.
Inglaterra
Segundo informa a Gazeta Popular de Colonia,
urna communicagao autorisada, originaria de Dar
Jeeling, annuncia o mallogro completo da cam-
paas ingleza no Thibet.
O correspondente da folha catholica rhenana
assegura, dando muito3 promenores, que os ingle-
zes foram obrigados a retirar as tuas forcas do
Thibet.
O desastre militar cumplicar-se hia com urna
nova capitulagao diplomtica, porque a China te-
na obt.do, por um tratado ossignado em Calcutt.
em 16 de Margo ultimo, o reconhecimento da neu-
tralidade do paiz duftakkn pelo governo das lo
das. Sabe-se que este paiz divide o Thibet das
possessOes ioglezs.
Est s;ndo esluda !o em Inglaterra o pro
jecto para a coiistrucgao de um canal destinado
a atravessar a Escossia, estabelecendo urna com-
municagao directa do uiar do Norte ao Ocano
Atlntico, pela juo:gao dos dous rios, o Fort e o
Ciyde.
Este canal tera prximamente as dimensOes do
canal de Suez, isto ama profundidade de 9
metros em todo o sea comprimento, e ama lar
gura de 21,60 metros.
As clusas principaes terao um comprimento
de 180 metros com a largara de 21 metro3. Com
taes dimensas, esta importaotissima communi-
cagao pode dar passagem ao3 mai3 poderosos
navios actualmente existentes.
Diz um tele^ramma de Berlim para o Stan-
dard que a Allemanha nSo far na frica todas
as concesi:8 lesejada pela Inglaterra.
Pede a maauteugo do accordo celebrado com
Poriugal regulando asdelimitagOesdaipossesS
respectivas ; quer que o 'jnrso do Nilo ao aahir
do lago Victoria seja admittido como linha de
demarcago das zonas da iolluencia allema e da
Ingleza, ricando a primeira com as regios de
leste, e a segunda com as de oeste do rio ; a
Allemanha quer estender a sua influencia at
frunteira do Congo. Ninguem acredita qua a
Inglaterra acceite immediatameate tudo isto ;
mas ser obri^ada a fazer algumas concessOes-
.ttlrmanha
No dia 6 eclebrouse no salao branco do pala
ci real o acto solemne que inaugura os traba-
IIio legislativos do novo reicbstag germnico.
Assi=tio maior numero de depurados que as
outras o:casioes anlogas.
De.-de que se soube do resultado das ultimas
elfiges. e sobretudo desde que o principe de
Bismarck deixou a direcciQ. da polilica allema,
era esperada com impaciencia a inauguragao
desta legislatura.
Dizia-se, alem d'isso, que fora o proprio mo
narcha quem redi gira o discurso dacora, e essa
circumstancia ainda mais excita a curiosidade
publica. Esse discurso lido pelo proprio impe-
rador, toin realmente importancia.
Comeca por declarar que se tornou indispen
savel a adopgao de medidas legislativas t5o ur
gentes que a convocagSo do reichstag, recem
eleito, n5e podia adiar se.
Alimento a esperanga, disse o imperador,
ainda no coaieco do sea discurso deobter o vqs-
so auxilio para desenvolver muito ainda a legis-
agao proteclora das rlasses operaras.
As recentes grves levaram-me a investi-
gar as causas do descontentamente, e a averiguar
se as nossas leis linham em conla as necesida-
des e os desej03 dos operario!, e se permittem a
sua acgo emquanto seja conservada a ordem.
Quanto mai3 claramente os operario3 allemaes
apreciara o santo zelo com que o imperio fez tudo
o que est ao seu alcance para melhorar a situa-
gao delle, tanto melhor comprehenderao 03 pe-
rigos que aroxpaoham os exce3sos de qualquer
natureza.
as justas reclamacOes que formulei a favor
dos operarios, encontr! o mais enrgico apo:o
em todos aquelles que combatem resolutamente
todas as tentativas que se dirigem a destruir
violentamente o actual estado das cousas.
Estou especialmente agr lecido a todos 03
que tomaram Darte na conferencia operara, re
presentando aquelles paizes, cuja legislagao em
favor dos trabalhadores esta mais avancada.
Fallando da situago geral, o imperador disse :
A con8ervago da paz continua sendo o meu
principal empenho. Creo ter conseguido de-
monstrar isto a todos os governoa eslrangeiros,
inspirando Ihes confianga as miabas iatengOes
amigaveis. ,
Sao boas as nossas relages cam todasjas
potencias; mas, afm de conservar e garantir a
paz, preciso que baja um exercito poderoso no
centro da Europa. ltimamente temos julgado
qne estamos em situago desvantajosa sob o
ponto de vista militar. -
. E' preciso, pois, augmentar a forga do nosso
exercito em p de paz, especialmente pelo que
dii respeito artilbaria.
Para obviar a isso, ser apreseotado um pro
jecto de le depois do i* de Outubroprximo.
O imperador declarou com satisfagao que es-
lava pcguro de que dentro em pouco havia de
ser abo'ido o trafico da esclavatura, e de que se
completar em breve a pacilicagao da costa
oriental da frica.
Annuncioa um projecto de lei para augmentar
03 salarios dos empregados civis.
O discurso proiuzio gran le e ftvoravel eHeto,
especialmente entre os socialistas
Ha grande deacontentamento nos circuios
polticos por causa das continuas tentativas do
principe de Bismarck para nanter na ordem.do
da a questo da sua retirada, agitando a opi-
r.ifio por meio da imprensa.
Ptde-se a publicagSo de um relatorio official,
expondo a historia da demisaiodo chanceller.
Ni sesso de 3 de Maio, o conselho federal
do imperio aloptou o projecto de lei militar que
vai ser apreseotado ao reicustag. E' snppri-
mdo o septenado militar; eleva-se'o tffectivo
do exercito em p de paz a 480 000 homens;
augmentara se 44 bateras de artilbaria de cam
panha qua servirn especialmente para dotar de
6 cauhes cada urna das bateras annexas aos
corpos do exercito da frontera ; os effectivos da
infamara sero augmentados em 5-000 homens,
os de artilbaria em 6.0 0; lodosos batalbOes
dos 1, 15., 16. e 17. corpos da guaroigo daa
fronteiraa francezi e russa serao elevados ao
effectivo reforgado de 700 homens
D'aqui aos ipregoados projectos de desarma
ment vai urna distancia enorme 1
O ministro das obras publicas da Rassia pro-
poz o estabelecmento de um canal do mar Bran-
co ao lago Omega.
Dizem de Odess* que muito favoravel a
situago das colheitas em toda a Rassia meri-
dional.
FRICA
Marrocoa
03 jornaes allemSes referem se no3 termos
mais calorosos recepgo brilhante que teve
em Marrocos a raissio alterna encarr gada de
entregar 10 sultSo os presentes de sua mages-
tade o imperador da Allemanha.
Attribue se muita importancia aos resultados
da misso allema.
Dabomc
Os ltimos despacbo3 de Kotonon para o
miniterioda mannna fazem presentir que os
dahomeanos, desanimados pelos incidentes oc
corridos ltimamente, aceitaram um accordo. A
confianga que linham em si ficou muito abalada
com o bomb-rdeamento de Ajud.
O re de Daliora pedio espera at ao dia 10
de Maio, para responder ao ultimtum do com-
mandante Fouruier.
Corre o boato de que o padre Bergre se acha
j em Ajud e que oa refens dahomeanos esli
embarcados no cruzador San para a trra.
Diz um despacho de 9 de Maio de Kotonon,
que o rei do Donme trocou j os refens que le
vara de Ajud, pelos que os francezes all ha-
rtara tomado-
ugrmto
A questo do Egypio acaba de entrar n'uraa
phase nova. Os jornaes francezes exaggeram.
eraqu nto as folbas in^lezas atenuara excessl-
vamente a importancia da nova attitude do go
verno frunces. ,
Nao 6 ella com c?rlez"a medida de largo al-
cance poltico que apregi o Fgaro, mas e com
certeza Tima habilidad dipromatica qae ha de
crear eini)arago3 ao Foreign Office.
A Inglaterra tiuln, ha mais de dous annos,
feito propor pelo seu conselneir Hnancial
junto doK'iedi a, a conversoda divida privile-
giada, em ttulos novos de 3/, qua seriam ga
rantidos pela Inglaterra, esperaodo-se por meio
d'essa op:-rago alliviar bastite o thesouro
egypcio.
Mas para a converso era necessario o ron-
8entimentu das potencias interessdas e a Fran
ga poz como condigo que se marcasse o limite
para a -etirada do exercito inglez de oceupa-
gao.
O gverno inglez recusava-se a negociar so
bre essa base, langando sobre a Franga a respoa-
sabilidade dos encargos, que, por se nao realisar
a converso, contiouariam a pesar sobre o con-
tribuinte egypcio; a Friaga com igual firmeza e
nao menos razao, responda que a responsabili
dade dos taes encargos era toda aa Inglaterra,
que prefera os interesse3 da sua mesquinha
amblgo aos da humanidade e do contribuinte
egypcio; e como afina! de contas era este quem
ia pagando as divergencias entra os dous gover-
nos, a cavaqueira diplomtica ameagava prolon-
garle indefinidamente.
A Franga, porm, acnara por comprehender a
desvantagem desta attitule, que prejudicava o
Egypto, fen por forma alguma inco;nraodar a
Inglaterra, e que dava tugar a diutribes cons-
tantes na imprensa ingleza contra o egosmo de-
salmado do governo de Pariz, sacrificando os
nteresses do thesouro e dos contribuales a urna
questo de amor propri", ou antes, a um capri-
cho diplomtico. Conhecemos bem 03 impetos
humanitarios de John BulI, quando se trata de
esbulhar os outros:
De resto, a questo por parte da Franga tnha
sido mal posta. Os portadores francezes deobri
gag63s egypcias tinham todo o interesse em que
82 realisasse a converso, e, pelo contrario, nao
dese'avam era desejam a evacaaco do paiz
pelas tropas inglezas. porque nao soffre a menor
duvida que o resultado fioanceiro de similhante
passo sena, pelo menos, a principio, ama forte
depreciago le fundos egypcios, pela fraca con
nanga que se poderia ter na manutengan da or-
dem por um governo puramente indgena, des-,
deque se reabrase a luta entre as influencias
estrangeiras.
Tratava se, pois, para o governo francez de
acbar um meio de acceder no fundo a propqsta
ingleza, melnoraodo a, salvando as apparencias,
sustentando at onde fos3e possivel a doutrina
de que a oceupago ingleza meramente tempo-
raria, e obrigaedo a Inglaterra a submetter a
sua posigio no Egypto ao julgameato das po-
tencias.
Estes pontos parecem estar conseguidos pama
nota habiiissitaa dirigida ao governo do Khedi-
va e que attribuida ao Sr. Bibot.
A uota, recapitulando as vantagens da conver-
so, prope que ella se applique nao s divi-
da privilegiada, ma3 necesariamente e por sua
ordem aos empre3timos Dairos dos Dominios, e
de 1888.
Sraente (aqui que est a parte hbil da no
ta) a applicago dos fundos que reeultaro para
e thesouro egypsio da converso, car depen-
dente da resolugo ulterior da3 potencias, nem a
loglaterra, nem o proprio Egypto poderao tomar
dec3o alguma a esse respeito. E fazendo no-
tar em lingu^gera melliflua o carcter transito-
rio da actual oceupagn do valle do Nilo, o Sr.
Ribot accrescenta: A Franga consent? ira-
mediatamente na converso sob estas ccndigoes,
e reservas de ordem puramente ttnanceira, tacan-
do bem entendido que as quantia3 que ficarem
livres das receitas respectivas sero entregues e
fjcaro as mos do3 commissarios da divida,
ate se ebegar a um accordo entre o Egypto e to
das as potencias signitarias da converso de
1885, a respeito da applicago destas soturnas.
Tal o documen'o que os jornaes francezes
exaltara, e a que as folhas inglezis affecum nao
ligar importancia,
Aflnal carto que o Sr. Ribot conseguio achra
ama sabida airosa de urna situago diplomtica
diffieil. A sua nota deve causar a Lord Sasbu-
ry uns amargos de bocea; mas tambera mnega
vel que concede no fun.do o que a ligia .erra
quera.
Um lelegramma do Cairo, de 8 de Maio,
para o Daily Ntws, diz contar all que o gover-
oo egypcio adherio a todas as condices da Fraa-
ga para a converso da divila publica do Egy-
pto.
O ministerio das obras publicas do Egypto
approvou um projecto de canal, qae liga Char
ooub a Kanater Zi coem. Vai ser submettido a
conselh) de ministros o crdito necessario para
esta emprczi.
Zanzbar
O major Wiesemann occopou Quiloa sem
combale.
Os indgenas evacuaran) a povoago, sem es-
peraren! pelo desembarque das forgas alleme3.
AMERICA
Ntadoa Unido*
. A commisso do senado pronunciou se a
favor da adopgo do projecto de lei creando
urna linha postal americana, que far concur-
rencia s lindas estrangeiras que li.'am a Euro-
pa aos Estados Unidos. Ivga ae urna grande im-
portancia a este projecto que parece destinado
a abrir urna nova era a mantilla nacional.
Um violento incendio destruio a fabrica de
n achinas de costura Singer, era Elizabeth, Es-
lado de Nova Jersey.
As perdas excedem a 1 milho de dollars, e li
cara 3 0.0 operarios sem trabalbo.
Em virtude da lei sobre o trabalho contra
ciado, nao poder desembarcar a orchestra
Itranss, que vem actualmente em caminbo para
os Estados Unidos.
INTERIOR
NORTE DO BRAZIL
Polo paquete nacional Alagos, hontem
chegado do norte, tiyemos as seguintes
noticias :
Estad do Amazonas
Datas at 13 de Maio :
Nada referem a? folhas que merec
mencSo.
Eaiado do Para
Datas at 17 de Maio :
L-se na Provincia''do Para de 14 :
i Com destino a Monte Alegre, parti
hontem o Sr. Pr. Justo Leite Chermont,
governador deate Estado.
t D'ali o Ilustre cidado seguir a
percorrer diversas localidades do interior,
afim de conhecer-lhes as necessidadea e
ouvir as reclamagSes que por ventura ti
verem a fazer 03 respeettivos habitantes.
i Acompanham ao Sr. governador, em
carcter particular, alguns cidados.
a O Sr. Adtonio Bernardino Jorge So-
brinho tambera acompanha-o, por parte da
thesouraria de fazenda.
rado governador n3o durar mais de 15
das.
4 Com o interesse e dedicacSo pela
causa publica que o C3racterisam, eremos
que o interior do Estado muito ter a
lucrar com esta visita do Sr. Dr. Justo
\ Chermont.
Le-ee na mesma folha de lo :
No dia 26 do passado foi instal'.ada a
comarca de Alenquer.
Na ausencia do juiz de direito, coube
ao juiz municipal, Dr. Symphronio de
Menezes, presidir ceremonia do acto.
< O nosso estimagel collega A Gazeta
de A\inquer nota que o referido juiz mu
nicipal no corresponden ao3 deaejos da
populacho daquella cidade, porque n3o
imprimi ceremonia a solenaidade con-
veniente, deixando at de convidar para
assistil-a ts membros da Intendencia.
A populac3o, porem, festejou publi-
camente a katallacSo da comarca, dando
assim demonstragao de sua alegra por
esse faci.
Toda a imprensa commemorou a glo-
riosa data de 13 de Maio.
Estado do Marano
Datas at 19 de Maio :
Tmbem nesse Estado os jornaes
braram, com artigos edictoriaee, o
Maio, anniversario da lei n. 3353.
__ Nada referem as folhas de interesse
geral.
Estado do Plnahy
Datas at 3 de Maio :
Constava que no dia 10 de Maio
seria publicado ura decreto creando a
guarda republicana.
Nada mais contrahar 03 jornaes, que
offeresse interesse.
Estado doCear
Datas at 21 de Maio :
Toda a iraprensa saudou o dia 13 de
Maio.
Inaugurou-se nesse da o parque da li-
berdade.
Comecou 15 e terminou 18, a
kermesse em beneficio do monumento
Caio Prado.
Estado do Rio Oran de do- Norte
Datas at 20 de Maio:
__Acha va-se exercendo interinamente o
logar de capitio do Porto, o 1. tenente
Arthur Lisboa, commandante da compa-
nhia de Aprendizes Marinheiros, na vaga
deixada pelo capitao tenente Candido Bar-
reto, nomeado commandante da Escola de
Aprendizes de Prrnambuco.
Foi designado para servir como
administrador dos correios, durante o im-
pedimento do effctivo e do respectivo
contador, que se acham licenciados, o 1.
escriturario da thesouraria de 'faaenda,
Alipio Fernandes Barros, que j cstav
em exercicio.
Estado da Parahyba
Nao recebemos folhas deste Estado.
cele-
13 de
CORRESPONDERAS
Do Diario de Pernambuco
PORTUGAL Lisboa, 7 de Maio de
1890
Foi liquidada na cmara dos pares a chamada
questo constitucional. No qae realmente consis-
ta este conflicto largamente o expuz na minha
precedente. A opposigo colligada, quera que
se nao votassem os pareceres approvando as
leicoes dos pares electivos, antes de votado o
bil de indemniiade, relevando o governo da pro-
malgaco do decreto dictatorial que altern a le-
fisiago eleiloral dos pares de galao branco.
usteotaram esta pre'-engo com grande copia de
argumentos o Sr. Thoraaz Ribeiro e o Sr. Jos
Luciano de Castro. Defenderam a doutrina con-
traria o Sr. II niz? Ribeiro, ministro des nego-
cios estrangeiros, Antooio de Serpa, presidente
do conselho.
O Sr. Costa Lobo discutio qual seria o expe-
diente menos irregular que permittisse cmara
sahi- da inegularissiraa situago creada pela
dictadura, e opicou pela validago immediata
dos pares electivos, sem prejuizo das delibera-
goes a tomar acerca do decreto illegal, qae lhes
regulou a eleigo. Por ultimo o Fr. Visconde le
Moreira Res declarou que aceitera os seus novos
collegas de gx'ao branco, como se aceitam fados
coosummados, e em seguida, passando se vo-
tago 39 pares contra 15 decidiram que fossem
validadas as eltigOs dos pares electivos, embo-
ta fique para mais tarde a approvago do bil dt
tndemnidude, que elles tambem votaro, sendo
juizes em causa oropria.
A) maiorias que resolvem ; as minoras ape-
nas protestara, e o fado que o governo tem
maioria na cama'a alta, e agora depois da entra-
da dos pares electivos, anda mais numerosa ella
ser.
Acha-se constituida a cmara dos deputados.
Foi nomeado pelo chefe do Estado, sobre lista
quintupla, o Sr. Pedro de Carvalho para presi-
dente e o Sr. Antonio de Azevedo Castello Rranco
para vicepresidente.
Tendo se procedido eleigo de secretarios fl-
caram eleitos os Srs. Jos de Souza Cavalheiro e
Sooza Menezes ; e vice secretarios os Srs. Lima
de Honra e Cau da Costa.
Constituida a cmara, o Sr. Elvino de Bri'o.
progreasista, pedio pelos ministerios da marrana
e das obras publicas" diversos documentos, e re-
queren que fosse publicado no Diario do Governo
o termo da decaragao que os embaixadores do
chefe Melaure e o jtros regalos do Makololo tize-
ram. perante as autoridades de Mozambique, de
que eram e queriain ser vassallos da coroa de
Portugal, contra cuja bandeira se haviam revol-
tado por sogges:0es dos inglezes.
Foi renovada pelo Sr. Emygdio Navarro pro-
gresista) a iniciativa do projecto de lei, formu-
lado na legislatura passada pela commisso de
comme.-cio e artes, regulando o trabalho dos me-
nores e das omitieres na industria.
O Sr. Manoel d'Arriaga (republicano) apresen-
toa ama proposta para ser substituida a formula
do juramento poltico.
Na sesso de 5 o Sr. Antonio de Serpa apre-
sentn a proposta de lei relativa ao bil de ir.dem
nidade, e o Sr. Franco Castello Rranco, ministro
da fazenda, mandou para a mesa o crgamento
geral do Estado de 1890-91 ; a conta geral da
admiaistracSo financeira na metropole, gerencia
de 1888-i889 ; e o anr.exo conta geral daad-
inimstraco financeira do Estado na metropole,
gerencia de 18871888.
Tem continuado o tiroteio de antes da ordem
da dia. Um deputado da opposigo, por exem-
plo, pedio explicages e document s sobre a
questo com a loglaterra, fundando se em que o
goveroo ioglez apresentou o parlamento britan-
nico o Blue Boock, e tem dado repetidas expli-
cagoes sobre a questo, e que nao portanto.
jasto aem decoroso que o parlamento portuguez
s saiba sobre um asrampto, que to de perto
affecta nao s os altos interesses pblicos, mas
atea propria digmdade nacional, aquillo que os
inglezes Ihe queiram dizer.
O preaideate do conselho de ministros respon-
den oue o goverao ba de trazer ao parlamento
todos 03 documentos relativos questo com a
Iaglaterra, mas que s o far no momento oppcr-
tao.
Replicn Ihe o deputado interpellante que easa
cpportanidade chegou desde que o goveroo in-
glez fez idntica publicago. E' mister que o
goveroo e o parlamento em Portugal corres pon-
dam jaita aociedade do paiz. Ao cabo de qua-
tro mezes de sileocio, preciso que o governo
diga o que lez depois do ultimtum de 11 de Ja-
neiro, para jasto desaggravo da nago.
O presidente do conselho declarou ento que
o governo nao tem duvida cm mandar cmara
desde j os documentos correlativos aos que o
governo inglez publicoa ltimamente no Mero
Azul.
J se votou a lista quintupla dos supplenus a
presidencia da cmara dos deputados, bem como
a commisso de resposta ao discurso da cora, a
commisso de fazanda e a commisso adminis-
trativa.
Correque no ministerio ha grandes desintelli-
gencias entre o presidente do conselho e o mi-
nistro da fazenda. A causa das divergencias ,
dizem, o monopolio do tab?.co, que Sr. Frahco
Castello Branco (ministro da fazenda) pretende
incluir nos seus projectos financeiros, e a que o
Sr. A. de Serpa (presidente do conselho) se
opp". Se verdade o que se refere, o ministro
da fazeoda pe a sua pasta sobre esta questo, e
mai3 qae certo, para breve, a recomposigo
min'sterial de que se tem fallado.
Parece que ainJa nao est completamente
liquidad i a questo do emprestimo. Ha poucos
dias teve o syndicato contradador urna reuno -
em Pariz, para resover sobre as propostas que de
Lisboa Ibe foram eaviadas.
Voitaudo ainda questo do tabaco, o que se
diz que um grupo de capitalistas portuguezes,
d accordo com os arrematantes do monopolio
hespanhol Raneo de Hespanha offereceu ao
nosso govemo um augmeuto de receita de 900 a
1.000 contos de r3 forles, mais com a condigo
de ser estabeiecido o livre transito de tabacos
entre Portugal e Hespanha.
Esta clausula, porm, affigura se a muitos ser
to pergosa, que a maior parte da gente arada
duvida qae se]a aceita. Perigos, sob qualquer
aspecto qu', se considere.
Como sabido, em Portugal tivemos por gran-
de numero de annos o rgimen de monopolio
autigo contracto do tabaco ; ha ver 20 annos
foi declarado livre o comroercio do tabaco; du-
rante a ultima situago progressista estabeleseu-
se a riiie isto a adminislrago e fabrica por
conta do Eslado. ,..,_. .
Segundo se l no Datly Telegraph o almi-
rantado inglez contractou com a casa Yarrow i
C. de Londres a conslrucgo de duas canhonei-
raa de ago, destinadas navegago do Zambeze
e do Chire.
Bates navios sero expedidos em partes se-
paradas, que sero justas depois de transporta-
das a frica Oriental.
No contracto teito com a casa constructora fi-
cou estipulada a obrigago dos constructores
tema oa navios aptos para navegar a vapor na-
quelles rios, t4 horas depois decbegaroma
te lo primeiro deUes aa pegas componentes
do* barcos. e devendo a operago ser feta sem
tocar en Ierra, sera servir-se Pr,.SnM?f"
ma te. margena do rio, que conatituem ternto-
rio pertagaez.
1
>*
i







Diario de PemambucoDomingo 25 de Maio de J890
^veroo inglez, em quanto aqui Campos Jnior e outras dentre as mais applau amanha poda, e com o mera direito, decretar
mi iaboa se ho sibe nada de positivo quauto didas. posso demitlir lato ewdeote.
fanegociacoes diploma-teas jauto de lord. ralis- Consta me que vio adem dos ocionadej, oa CM8egutoray ooma* itlradara.dos em
Eir v p tratando de mandar esnstruir com actores Costa, A. Santoa, Polla, Cesar de Lira i
^7iP,ImeSs de contrariar a nossa actfi, e'Junw e as aiz Amelia Vieira, Elvira Costa, pregad nao flrara.ten
faoedir ou dificultar pelo menos, a posa que. Hara Faico e Mari das Dores, a rnra* do governador, bem se fia qae aqratte
ueiramos effectuar mais tarde. Ante hontem hoave rasara-..na Sociedade decret0 er> um acto de mera ostentacio. Sin
,oe I Geogrsshica com grande concurrencia de socios, uecrewo" u "" *V
Fntrens a mauVstacao operara do f abriod'se a sessio com urna mau.festagao calo- novo govenador quizesra dem,
fez sentir espectalmente rosa aos illastrea exploradores presentes Auto
nio Mana Cardosoe Victor Cordn e aoi nomes
dos outros dous recem chegados Serpa Pinto
Paiva da Aodrada.
Exaroo se na acta um voto de congratu agio
pelo regresso destes socios beaemeritos.
Foi lida e entrn em discussao a mensagem
daa-construegoes civis,
abandonaram o traba
de maio tambera se
por parte dos operarios
ue em grande parte
Ibo.
Esta inanifestagio, embora nio fosse geral,
aem em Lisboa, nem no Porto ; e em bora em
aiuitas obras continuassem os trabalbos princi-
Ealmente naqoellas que estavam menos expos
is as vistas dos manifestantes e oceupavam me
tos operarios, nao se Ihe pode deixar de reco
ahecera imporUncia que reveste como sympto-
ma de solidariedade, qoe liga entre si, pelos
los da disciplina, a numerosa classe operara
i todo o mundo. ..
O tempo favoreceu por sua parte os manifes-
tantes pois que a chuva servia de pretexto para
ne muitos operarios, qne trabalhavam ao ar li-
vre, podessem justificadamente abandonar as
Carpinteiros e pedreiros foram os que consti
mirara orincipalmenle a grande massa dos un-
nifestantes, os quaes foram cordatos quasi sem-
pre e nao comraette'am nenhuma violencia qua
uereca mencionar se. .
O carcter gerl da manifestago foi pacifico
e completamente ordeiro.
Este carcter da lhe por isso u.contestavel
torga e grangeialbe sympathias que se nao po
dera recusar.
Como se annunciara, pelo meiodaromega
ram affluir os manifestantes ao cemiterio dos
Prazeres, rodeando o tmulo de Jos Footona,
em tempo mandado fazerpor subscripgao pubh
aa pela. Associagio do3 Trabalbadores, chegando
es maotf'atantes acerca de tres mil.
Eoto dois cidadios fizeram dois pequeos
discursos, exalgaudo as virtudes civicas de Jos
Pontana, depondo, em seguida, tres coras de
violetas arliaciaes com litas vermelhas franjadas
a oui'i com as seguintes legendas i
O conselho federal do sul-a Jo3 Fontaaa
l'deMaiodeU.90*
O i operarios ua Cooperativa ndustnral social
a-Jase Fontana Io de Maio de 1890.
A classe trabalbadora.
Estas tres cordu foram depostas nojazigo
de JosA Fontana; tambem muitos ramos de ro
sus naturaes foram deposlas no jazigo.
E u seguida os operarios proromperam em vi
vas e palmas ; mas como se approximasse um
eoramissano, declarando qne por ordem supe
rior,ltiea nao po lia consentir niaquelle lugar ma
aifesiag5;s ruidosas, os manifestantes, a convite
dos dois oradorr 8, disp;rsaram na melhor ordem
sahindo todos do recinto do cemiterio sem que
ouvesse motivo para urna so prisao.
A' porta do cemiterio achava-se orna forga de
ragas de cavallaria. e dentro uns 80 policas.
as ras, os manisfestantes poucas vezes a
kandonaram a cordura e a ordem, que presidiu
manifestago. apenas um ou outro caso solado
dcstoou desta norma louvavel do seu proced
ment, que nao merece especial ineocao.
Na vespera reualra se a assembla geral
da classe dos officiaes de marcioeiros, c mo es
lava annunciado. Foi bastante concorrida.
O programma da commisao organisadora foi
amito applaadido.
A reuoiio correu muito pacifica.
Someote dons individuos, que estavam provo
eando conflictos, foram (envidados a sabir da
sala.
Ficaram inscriptos 150 socios, hcanrlo inter-
roinpi la a inscnpgao para poderem continuar os
trabalbjs.
Foi eleila a commisso encarregada de estu
dar o modo de promover o estabelecimento do
dia normal de 8 horas de trabalbo.
Pelas 8 i/i da noite rounio-se a classe
dos carpinteiros civia, sendo Ibes apresendo
um parecer pelo respeclivo relator.
Houve ampia discnsso resolveudo se por m
representar s cortes e pedir que seja represen-
tar s cortes e pedir que seja estabelecido por
le o tiia normal de 8 horas de traoalho e que
idntica represeatago se faga a cmara muni
si pal.
Ta libera se resolvea tratar do assnmpto com
es meslres ne obras.
A assembla este ve muito oncorrida, reinan
do a melbor ordem nos trabalbos.
No Porto haviam-se planeado duas man
[estac.'S diatinctas, nm comicio na Praga de D.
Pedro e outro no Monte das Antas, visando c
primeiro, ao que parece, a intuitos polticos e
desordeiros e o outro a simples manifestaco de
solidanedade operara.
Nesle, a coovoragio era destinada a pedir aos
poderes pnbli os o deferimeoto das peligoes se
fointes, as quaes, com ligeiras modificago-s no
erao i ereeer esse defenmento, que tao rasoa
vel na sua essencia.
Eis os pedidos:
Proiibigao do trab^lho aos menores de IV
anoos e reduegao a seis horas de traDalho para
os menores de 14 a 18 ;
Aboligio de irabalbo de noite, exceptuando
certos ramos de industria, qae por oat
teem fuoccionamento nio interrumpido ,
Probibigaa do trabalbo da nwlher em todos os
ramos de industria, incompativeis com o orga-
nismo feraioioo ;
Aboiigao do trabalho nocturno para mulberes
e menores de 18 annos ;
Descaogo nao interrompido de Jo horas pelo
menos em cida semana pa;a todos os opera
Prhioigo de certos gneros de industria e de
certos systemas de fabricagao pivjudiciaes
saude dos trabalbaiores ;
RpgpoosabilidaJe dos patroes pelos incidentes
dados no trabalbo;
Protecca aos velhos ou invlidos do traba-
lbo ;
Vigilancia de todas as cffi;inas e eslabi-leci
mentos oduslriaes, inc'.uindo a industria domes
Mea, por meio de inspectores pagos pelo est.do
e eleit08 ao menos em parte pelos trabatoa
dores.
O comicio operario do Monte das Antas foi ex-
IraoMininamentf. concurrido. Estaiiam cerca
de ao.000 pessoas. Correu todo em bdi ordem
fallando diversos operarios. Por ul'iiuo foi lida
e appro.vada urna represeotacao dirigida ao go
verno pedinde a regulameotagao nos trabalbos e
o estabelecimenio de 8 horas de trabalho.
A represeotago foi em seguida entregue ao
goveroa'tor civil por urna cominieso, que foi
aconipenada por qoasi toda a gente que assis-
Ho a renniao.-
O governador civil promtteu enviar a repr'
senlagao ao governo, diseodo estar certo qae o
pedido dos operarios seria atleadido tanto qaan
to fosae p03sivei.
Cerca de 1 hora da tarde reuniram-se alguos
grupos operarios e estudantes, alim de faserem
manifestagOes a convite dos anarchistas ; mas
como nio tivessem liceoga, a forga de cavaliano
e infatuara municipal que esUva nos pagos da
eooselbO/fel oe dispersar, iodo os manifestantes
para o^unicio do Monte das Antas.
Ao passar na roa de Santo Antonio, fizeram
com que 43 operarios, qae se empregan na
eompostnra dos passeios, abandonaswm o tra
balnu. dirigindo-se estes para a cmara.
A maior pirte dos operarios abandonaran, as
emciDafc.muitos pedreiros tambem iaagaram de
tarde o trabalho.
as Antas bavia ama forga de polica, mfan-
taria e cavallaria.
Na Rastellana tambem bavia cavallaria ; no
Poco pra^ ile D. Pedro forgas de iafaotaru e de ca-
Vallaria.
Em S. Liiaro, Fontaiohaa e diverraa pontos
luviam. tambem forcas miljJaraa^A' nona foi
publi-jido um, sopptemeato no Qorrmo dPtrte
censasaado o procodimento -oos opranos.
Os suplementos foram rasgaea a rasados,
dirigiodo se ^rande-namero de rapases oJaa
mcuotf a Tvpograpbia Naaooal, na ras s
Picha, onde
da direceo da sociedade, snggerindo um voto Te88e em mente faxer demissfijs, soa moderagao
no sentido de acaatelar e consolidar a navega
poderia ser atlribuida 4 forga moral do decreto
de seu antecessor, e assim perdera o mereci-
ellas, contra a coocorrencia estrangeira e contra ment que podesse ter.
aa intrigas e manobras com qce elfa procura s* Quanto ao Dr. Ayres
gao "nacional, regular e rpida, nao so para
das as nossas colonias como tambem, e en
intrigas
magal a.
A questo desperta grandes sympathias; pren-
de se com os noesos mais caros interesses naci
oaes, e com a questo da industria e do trabalho
portugus.
A concloso da mensagem a seguinte :
A Sociedade de Geographia de Lisboa ex
prime o voto de qoe o governo do Estado, consi-
derando a situag&o da navegagao a vapor, rega-
lar, entre a metrapole e-as cohnias, e a neces-
sidaJe de assega-al-a-e desenvolvel a em condi
goes que eficazmente a habilitem a resistir
concurrencia estranba, procure chamar a um
conveniente accordo as empresas poriugueas
que actualmente a servem e promova a organi
s,igo, sob a effectiva cooperagao e prolecgo do
Estado, em bases seguras e n'um sentido forte-
mente nacional, do servigo directo e combinado,
dessa navegagao para todas as colonias portu-
guesas e entre ellas, e par o Brasil.
Foi elevado a conde de Alcntara o Sr. vis-
conde do mesmo titulo.
Foram remettidos do arsenal da marinru
para Mossimedes, pelo paquete Cabo Verde, mui-
tos volumes com artilharia K--upp.de campanha,
canhes Ho'cbkirs, metralbadoras, caraninas
Ma^tiui, pegas de montanha e muito outrj mate-
rial d j guerra.
Do arsenal do exercito devia tambera embar-
car no mesmo vapor algum material de guerra
ar no mesmo vapor aigum roaieuai e"c"- ini, mi,nil,nal
Consta que o governorecebeu um telegramma JUi* municipal.
assusiaitr, com respeito ao planalto de Mo;-4-
mede8-
E' possivel que seja alguma guerra com o gen-
tio de Nano ; mas, mais provavel, atlendendo
boa qualula le do material enviado, ser a ques-
lao dos boers, queslio que, j ha muito, era de
esperar, bem como outras senas complicagOes
na provincia de Aogola.
A resrmlo desta remessa de material de guer
ra, obeserva o Da que. lhe nao parece proavel
que os boers nos incommodassera, e p efere
acreditar que os hotentotes, reunidos em gran-
des bando, teuham feito mcursoe* no ocssp ter-
ritorio e aojeacera sfriamentt; a Humpata e ou
tros estabeleciraentaa,1qundo baixem as aguas
do Cuoene.
Parece que esses terriveis vagabundos tecra
refluido para o norte, acossados pela colonisagao
allema. .
O Sr. D. Miguel de Braganga escreveu
viuva de Antonio Pereira da Cunha, que era cliefe
do partido legiiimista e Talleceu ha pouco a se-
uintK carta:
Brehobach, 19 de Abril de 1890.
D. Maria Anna Machado de Casudlo Branco.
Pode avahar a dor e consternagao com que re
ceb o telegramma de sen tilho e por e\h a noti-
cia da irreparavel perda, que todos nos acaba-
mos de soffrer !
Perdeu D Maria Anna um esposo adorado,
perdeu seu Mlho o melbor dos paes; perdi eu
um dos meua mais liis, mais valiosos amigos-
Sabem o mnito que eu quena a Antonio Pe-
reira da Cunha, o muito e grande aprego em que
o tinhi, a contianga inalteravel que me inspira
v tavel lidelidade, e podem ajuizar quanto eu me
vejo afll co e desconsolado, sabendo que o perd!
D.-us assimodecreioue, resignados <-om a Sua
Diviua Vontade, havemos de abaixar a cabega.
0 golpe, porm doloroso e s a lembranga
que Deas o chamoa para. Iba dar mais cedo o
premio das saas virtudes, pode alliviar a nossa
dor.
Es.eja D. Mana Anna Machado certa que nao
se apartam os meas pensamentos de D. Maria
Anna e de seu 9lho, e qq* Bel co upanhia lhe
lago na sua to profuada affli-go. O muito que
eu devo ao finado, pago agora com suffragios
pela alma delle, para que, quanto antes; possa
gosar da bemaventurada presetiga de Deus.
Pego lne que exprima a seu tilho estes meus
semiinenlos.
Mmba ra&i e minha irm encarregam me dos
seus mui sentidos psames para B. Mua Anna
Machado e seu tilho.
Pedindo 4 Divina Providencia Ibes suavise
nma dor em que, em a sua graca, nao pode ha
ver consolagao, rogo a Deus tuja D Maria Anna
Machado de Castello Branco em ua santa guarda
D Mtyuet Braganf:.
A fabri 'A de faiangas das Caldas da Rainha
vai emillir 666 otinyagoes ao juro de 5 % e na
importancia de. 60:000* ifortesj para desenvolver
o fabrico da louga commara de p de pedra e
da louga artstica.
fabrico nestas condigOes podera attingir
urna produego de cem cooto3 de ris annuaes,
visto como aquella fabrica se acha montada com
14 fornos, 12 anchinas diversas, va frrea, es
tufas e ludo o que indispensuvel para urna
avantajada proiuecao.
Falleceu o Sr. D. Manoel de Souza Coat
nho, descendente de uma das familias mais il-
lustres de Portugal. .
Era filuo do Marques de Santa Ira, que ro
mordomo uir da raitiha D. Maria li-
Sua mil pertencia a uma distincta familia da
aristocracia francesa.
D. Manoel e seu rroao, oConledArva
scompanharam a e".ed'co<,nf,^^f^ y'^" ceu de qae era real trr o Dr. Millet, no dia
no Miodelio. Suas irmas as condesas* de Murga _H u ... A mU
e de Souza Coatinbo, foran damas de D. Ma-
rta U.
O preatito fnebre aahio com grande acompa-
nhamento da casa dos Sr-. duques de Palmella;
onde D. Manoel falleceu.
Aggravaraii, se os padecimentos do S>r
conselheiro Couto Monteiro. chegando a coosi
derar-se desesperado o estado do Ulustre en-
fermo. .
O Sr. Feliciano de Mcnezes, chancheller do
consulado de Poruigal em Bombaim, foi promo
vido a consol de I. classe para servir no Para.
Falleceu honlem, 6, o Sr- Visconde de Al
ves de S, pres dente do supremo tribunal de
instiga, aposentado. O finado era um dos mem-
brosmaia reapeitaTeis. da magistratura portu
gueta.
Cootava-maifl de 80 annos, e foi um dos vo-
luntarios do Dalalho acadmico, em *833
J tres jorn-ies polticos foram querellados
em virtude da le ditactorial da mprensa : o
Ultimtum, de Coimbra, o Defmtme aFotka do
ioco, de Lisboa, todos tres republicanos.
proi-mamente a Soledad* de Gaographia
dar um esplendido banquete em .honra dos he
roicos exploradores africanistas. Ainda se na;
xon odia,; masji se abri i subscripgSo entre
os socios.
rada.


"i *r F'
Braid a-flompsafesa dra
L.
COIIKICADOS
Naoteua raaao
Aa censuras, mu A Provincia de hpntem fes a
alguna actos do governador desle Esdado, nao
tm.taata-raxaoqoan'a parece prioieira vista.
Lego, que appareceram os primeiros boatos
da prxima- retirada do Marechal Simeao,. e
DOffreDQia nacional, ua ras ua r
pariiram toara o< vidrra e.-ralai- aouae-se que este^havia decretado a vialicieda-
Ihos das jaoellas de 1* andar. Aa sprarraer; a aodosunccionarios pblicos, nao houve qocm
Lh Mratelar os emoresrados contra reaeebes ave a
tT ^ '---------------------- =
Per pois, ama prova de iscra/tanfa, qoe o no-
DHH VCUUfWIB pil>< *!? |i *- r..- ..,-,, ^
Ptraospo-Raa* de Liatnaf ro governador receben de seu antecessor.
S3fl o- A*-o,Jora^eBe-
", portori. dacompanbia pra araJ^**-' Wo principio
M BMMimortaates e^rama-D- ABraaoVI--, sr rjtutM talen* bem se v, que
Sir^ Jrao 4a Curara, aTorpraado Sr. Tomador, que boje dala naopoerti dnuUtr>,
Si o
demittir caprichosa-
mente, aqaelle decreto nao o inhibira, porque.
rillio de sua vontade,. elle seria impotente con
tra ella. A regra qup eu estabetego para mtm
nusmo, s me obriga enguanto eu quero.
Por outro lado, si o novo governador nSo ti
Quanto ao Dr. Ayres Bello, muito antes que o
Dr. Alomo Meira foase governador deste Estado,
quando nem siquer poda com tal soohar, porque
o Marechal Simeao ainda mereca apoio do pro
prio Dr. Meira, este teve occasiao de afirmar
que, no proprio interesae do Dr. Ayres, elle nao
devia continuar na promotoria de Barreiros.
Fasendo bom conceito da intelligencia do Dr.
Ayrea como em carta que a este or esse tem-
po dirigi, manifestou o Dr. Meira lastimava que
elle estivesae estragando o seu bello talento as
lulas estrellas e esterilisadoras da poltica local.
Entenda que o Dr. Ayres, que em ootra qual-
quer parte'podia ser um ptimo magistrado,
corria o risco de perderse no meio saturado de
odios, em que viva e em que, alera disso, esla-
va memjogo seus ineresses polticos.
E o proprio Dr. Ayres affirmoo pela Provincia,
que seus interesses polticos eram all 14o fortes
que nao lhe permitliam arredar-se dViquella co-
marca.
Nessas condigoes o Dr. Albino Meira pensou
prestar uro servigo ao talentoso mogo affastan
do-o de Barreiros; e por isso reselveu naraeal o
E a prova da generosidade do Dr. Albin o
M.'ira esti em que, nio tendo um termo vago,
n4o duvidou prejudicar seu cunbado, a quem
elle estima como filbo, fazendo o ceder-lhe o
termo de Salgueiro para o Dr. Ayres. O termo
de Salgneiro nSo 6 mau ; 4 pirte a cireamstau-
cia da distancia, um termo bem soffrivel: e
afinal, era o uoico de qae o governador podia
dispor, com sacrificio alias de sea proprio cu-
nbado.
Quanto ao promotor do Limoeiro, o qoe se
den fot o seguinte :
De3de que ee proclamou a Repblica, come-
garam a chegar ao Dr. Albino Meira noticias de
que o rico negociaote do Limoeiro, o Sr. Jos
Clementino, declar4ra qoe conlinuava a aer mo-
narchista, e qne faria 4 Repblica quanto mal
estivesse em suas m4os.
Essas noticias eram levadas ao Dr. Albino Mei
ra com tal insistencia e por pessoas que lhe me-
reciam tanta f, que elle deu Ibes todo crdito.
0 D.\ Meira, certo, nSo quer perseguir os
monarchislas : em quantJ se conservarem nos
limites da modeiag4o elles serSo respeitados.
Mas entende, que seria uma deslealdade ao go-
verno e 4 Repblica deixar que elles posaam, de
quilquer forma, jogar comlprestigio dos cargos
pblicos.
Ora o Sr. Jos Clementino sogro do D-. Affon-
ao, promotor publico da c. marca do Limoeiro :
e deade logo se v a inconveniencia d'esta sita
gao.
Nao que o governador duvidasse da intere-
sa do carcter do Dr. Alfonso de Alboquerque,
cujos predicados o D\ Meira o primeiro a apre
ca- e dos quaes deu testemunbo, dando loe lu-
gar elevado na magistratura. O Dr. Albino Mei-
ra tem por via de sea cunhado, em Salgueiro
amigos a quem muito presa ; portanto oomear
algum juiz municipal para all dar ao nomea
do uma prova de con anga.
Mas, fallando iraparcialmente, desde que o go-
vernador se convenceu (pelas assereragOes de
amigos), de que o sogro do Dr. Affjnso se havia
constituido centro do sentimenlo monarchista no
Limoeiro, podia consentir que aquelle Dr. con-
tinnasse no cargo, alias de contianga, de promo-
tor publico daquella comarca 1
Pode o governador estar em erro quanto ao
facto, isto pode nao ser exacto que o Sr. Jos
Clementino seja o monarchista exaltado de que
se falla ; mas, nesse pont3, a culpa nao do go
vernador, e sim dos amigos que o informaram
mal. Mas podemos afirmar que, logo que S-
Exc. se convencer de que foi induzido em erro,
nao hesi.a.- em dar lo Dr. Alfonso ama repara
g4o condigna. -
Quanto ao Dr. Millet, a consa ainda mais
simples. Desde que o Dr. Martins Jnior, a
quem, em mais de uma occasiao solemne, o pro
prio Dr. Albino Meira havia sagrado ebee do
partido republicano de Pemambuco, se conven
16
_e Novembro, requerido a priso dos republ ca
nos como conspiradores ; desde que o Dr. Mar-
ios Jnior affirmoo peisoalmente ao chefe e mais
membros do governo, na capital federal, a vera-
cidade desse facto, nao podia mais o governador
de Pernsmbuco conservar o Dr. Millet na promo
ra do Recite.
Os bomens imparciaes nao podem deixar de
chegar a esta conclusao.
E estamos informados de que o proprio Dr
Millet, apesar de negar a verdade das premis-
sas .confessa todava a procedencia da conclusao
ama vez que se queira tel as como reaes.
Sabemos qae o Dr. Millet, u'uma conferencia
qne em Fevereiro tivera com o Dr. Albino Mei-
ra, confessou que realm ote elle era fncompati-
vel com o Dr. Martins Jnior, e que s detejava
ser promotor at qua completasse o sea quatrien-
nio, e licasse habilitado ao cargo de juis de di
reito.
O Dr. AM>ino Meira tem motivos para ter o
r. Millet na conta de um hornera serio; e por
isso, 4 vista d'aquella franqueza com que lhe
llou, acredita que nenhuma violencia Iba fez
dia; ensando-o do cargo, depois que v<;rificou h i-
ver elle completado sea quatrennio.
Quer at nos parecer qoe, si A Provincia ti-
vesse consultado previamente o Dr. Millet, esls
nao consentira que o acta do governador fosse
trasido 4 discussao. Sabemos que tio de boa
smisade as relages pente* entre o Dr. Millet e
governador ; c qne este nao recusara seu apoio
preteogoes d'aquelle, que nao irnpliqnem
confianga poltica.
Podemos asragucar Provincia, que o gqvar-
nadsrnio alimenta pensamente algum de.per-
segoigSo. O qoe ha, que eHe reclama para si
a mais ampia Hberdade de aegio em reiagao ao
f nnctouaMoMBi|Billi)o,-quef se trate de nomea i
q D
Os foneciooarios pblicos tm uo governador pelhdando se o chefe tupremo encarregodo de re
do Estado um amigo; sera que entretanto esta" tabelecer o imperio da lei que o eslnbilho acos-
tamado em taes casos e qae sopplente ao gene-
ral Daz pira faser o mesmo que lhe servio de
amisade o embarace em reiagao 4s medidas que
forera reclamadas pela lealdade poltica, pelo
bem do servigo publico, e por ama economa
rasoa vel.
TiUMUirpiS
is
er de damlttir
E' o rgimen da dictadura, em que o pata 4
Em prtmeiro.lagM,JajoJ enxergur aimpro- do ra acba por forga da rewiugao, e que elle
enjunupo- aoeira-raraaia anpiusamuraa-; majom utctaii^
ge dan daquai Me paras.Wqna-sOra raryrapa, u*a
rao bem.
Hexico
(D'O Puiz do Rio de Janeiro)
Um poto que desde o sea primeiro alvorecer
luctou cun tenaci lade e regou o solo patrio com
o aaogue de seus hroes lera todos os defeitos
menos o de pusilnime e effeminado.
Tal o povo mexicano.
Pela fatal idadedraraus antecedentes histricos
calno o Mxico pfILVdo fanatismo religioso ; a
curia romana implamou ah o seu luctuoso e
negro pendi, mooopolisou as escola, avassalou
as coosciencias, aastardou e emoruteceu os
caracteres, at que por uma saluur rtaegio, em
1873. furara expulsos os jesutas, decretoj se a
separacij da igreja do estado, buppnmiram-se
os convenios, laugou-se interdigio de possuireo
as coramunidades religiosas beos mraives,
estabeleceu se o casamento civil, assim como
. uiras medidas d'onde o Mxico recobrou nova
vida, despertou 4 civilisagio e entrou na com-
muub4o dos povos adtantados.
Considerando esse paz anterior 4 poca indi
cada, s se d.visa a falta de co turnes polticos,
influenciados exclusivamente pelas tricas cleri
caes dirigidas a minar a paz, a fomentar rivali-
dades e, ainda pouco antes de sua destruigio, a
sustentar o tenebroso plan de urna in n reina
naquelle generoso torrao americano.
U elasterio que Mxico recebeu da sua eraan-
cipagio do jugo tbeocratico s se explica pela
torga inmanente ao espirito do seculo, quando
des abrochae acida sobre intelligeucias des>ireoc-
cupadas e livres e que anhelara alcangar os
gozos e as conquistas que as lazes modernas
proporcionan).
Al poucos annos o Mxico jazia no mais de-
ploravel estado miseria ; a agricuhura des
cuidada as riquezas naturaes sera proveilo ;
os meios de transporte quus nullos ; as cidades
separadas por dsenos ; os habitantes oellas
recolhidos, quando nao se degladiavam eutre si,
viviam prostrados as grejas em oragOes ou,
mudos e desconfiados, encerrados em suas casa ,
raarceadas no interior de santos e reliquias.
O quadro que o Mexio aprsenla actualmente
a aatiihese absoluta do anterior. Era tud
nota-se uma verdadeira evolugio i nos adianta
meotus scientificos, induatriaes e aercolas.
Sob o ponto de vista da instruegio, creara ra-
se ura sera numero de estabeleciraent03 de
eiisino superior e de sociedades luteranas e
s-ieniilicas. Os seus lumen- llustrados gozara
de repuiagio universal. Covarruoias receDeu as
1'eiiciiagOes dos .-abios mais afamados pelo xito
de uaa observagdes era cora mss4o mandada ao
Jupio afim de examinar a passagera de Venus
pelo disco do solo.
Entre os mais illuatres microbiologistas figura
o Dr Carmona y Valle, professor na faculdade
de medicina da capital do Mxico.
: i i 1 as aries admi.a o mundo inteiro
exiuio pintor mexicano Parra, autor do quadro
de Las Ca.-as, o grande abolicionista. Em ar
chiteclura, a catbedral de Puebla obra do mes-
rao artis.a que construioo Escorial de Midrid e
o seu costo orgoo por 30 000 c ratos.
Iniciando os pro^ressos a que uoj referimos,
dando treuaa 4s luctis fratricidas^ rompendo
cora as netaslas tradieces do passado, o Mxico
al ancou mais em uma dazia de annos do qae
em tros scalos e meio de existencia vasada njs
moldes da doutnna romana e subordinada ao
SyUabus.
Limitando nos a indicar os p.-ogressos mate-
riaes, compre notar qae, excepto talvez o Bra
zil, era parte alguma do globo foi a aaiureza mais
prodiga. Ergue -e no centro a cordilbeira d js
Andes com imraensas chapadas onde os cereaes
fruculicam prodigiosamente. O trigo mexicauo
mereceu em diversas exposiges o primeiro pre-
mio, por 8ua riqueza era gluten e demais quali-
uades.
As zonas qaentes, os terrenos balx?s cobrea
e das plantas das regies irjpi^aes : caona de
assucar, gomma (hule fumo, o precioso arbusto
do caf e as mais ricas ptantasrae libras textis.
Aos escarpados tritho*. onde a beata de carga
camiohava com difficuldade, succedeu urna ex
tensa rede de estradas de ferro de mais de
8,300 railhas, as quaes, ao norte, ligara-a ao
commercio activo dos Estados Unidos; ao sul
estio chegando is fronteiras de Guatemala e ao
oriente e ao poente 4s costas dj Atlntico e do
Pacifico.
0 Mxico mede 1,946 292 kilmetros qoadra
dos e tem uma populacio relativa a 5 habitantes
por kilmetro, isto 10,500,000.
A sua exportago de productos agrcolas moa
la a 40 000 coritos e a de metaes preciosos a -.
64 000; a divida externa de 100.000 contos e a
interna de 200 mil
O orgamento do Mxico orea em 80 mil contos
V-se d'abi que, deduzindo d esse algarismo 8 on
9-/,, chegaria a extinguir a sua divida no es-
pago de 40 aanos, o que nio se di com nenhuma
nacao do mundo.
Para dar umaid.ada importancia docommer
co que se faz no M-xico das plantas textis, das
quaes a principal a ramie, basta dizer que no
anno passado a exportago elevou se a 214069
fanios, pesando 76.000.000 de libras e do valor
de 24.000 contcs de rea.
Nao se pode imaginar a riqueza que propor
en na un vegetal que, quasi aem cultivo algn,
vende se 4 razio de 50 a 55 a tonelada.
A pennsula do Yucatn, sobretodo, acba se
em tal via de progresso assombroso, que casas e
pequeos lotes de terreno, que em 1873 nao al
cangavam l.OO dollars, valem boje de 50 a...
60.000.
O capital ingles investido em empresas mexi-
canas um pouco superior ao dos norte-ameri-
canos e eleva se a 33 milhes d; liDras esterli
as. todo elle empregado em estradas de ferro,
companbias de mineraco de metaes preciosos,
para beneficiara rato da huira e muitos outros
emprebeodimentos remuneradores.
Era um de seus ltimos nmeros, a bem infor-
mada revista South American Journal, em litio os
seguintes conceitos : Mexio acna-se na coadi-
go exuberante de crdito e prosperidade qae os
nossos primos pankees denera pelo vocabulo flo-
rescenteb oming.
O commercio da Repblica atravessa um no-
tavel periodo de desenvolvimento ; o sen estado
finaneeiro assignala um progresao decisivo e os
elementos sociaes e polticos do paii patenteiam
crescente estabilidade emquanto as industrias, a
agricultura e as empresas em geral exbibem to-
das e cada ama signaes animadores de vitalida-
de e resurgimento nacienal. Em ama palavra :
Mxico progride.
Se pelo lado econmico Mxico se engrandece
e se prepara para rivalisar condignamente com
a Repblica irmi septentrional, a sua sitoagio
poltica reflecte Idntico impulso e seguranca. A
nio ser que a permanencia, ha perto de li an-
nos, do general Porfirio Dtoiz no posto da pre
sidencia e a proposta que por sua suggestao vai
serapresentadaao congresso para adraittir-se a
reeleigo do presidente, motivam pronunciado
descontentamente e ameagam inaugurar no M-
xico o systema dos Castilla, Francia, Rosas, Bir-
rio, Zaldivar e Gazman Blanco, que pdemelas
siticar se de estrangulados da hberdade poli
tica, de sea respectivos pases.
Necessitaraos, para melhor intelligencia do lei-
tor, esbogar aqai a historia das ultimas asceoses
i presidencia.
Fallecend jo legendario general Benito Jurez,
o cidadao Sebasiiao Lerdo de Tejada entrou,
como presidente que era do tribunal de justiga,
a exercer o cargo de chefe da Repblica pelo
lempo que aiodaialtava, segundo o precedi con
lilueiooal; mas, como as seguintes eleigea
surgirn candidatura,do asmo Tejada, o geoe-
ral Porfirio Daz tomn as armas para impedir a
reeleigo, embora tal. ofio i fosee effectivimente.
Tejada vencida tevaque emigrar oPia oi eleito
presideswi- _,
SaocedniUw,m 1880-e por pfluraou de Das
b generalMaoralGiosalez e, depois de concluido
qaatriennio, voltou Dias i presidenoja, onde
se cooser*a>at boje.
AJaconsidenraa o repetida prorogago da
pretexto.
Esperemos, comtudo, que o brando militaris-
mo que at hoje tem pesado sobre o Mxico nao
degenere em dictadura deaeofreada, excluindo
toda idea de tiberdade civil.
ASSOCIAgOES
Instituto Archeologieo e Cleo-
graphieo Peraam'mcano
SessSo ordinaria em 8 de Maio de 1890
Presidencia do Exm. desembargador Manoel
Clementino
A uma hora da tarde, presentes os Sre.
Drs. Cicero Peregrino, Baptista Reg ieira,
1 secretario, Lopes Machado, conselheiro
Pinto Jnior, desembargador Oliveira An-
drade, Auguato i'eaar e major Codeceira,
2a secretan.-, foi aberta a sessSo.
Lida a acta i* antecedente, appro
vada,
O Sr. Dr. Io sacreario menciona diver-
sas offertas de ltvros feita ao Instituto por
differentes consocios.
Pelas respectivas redac;oes, diversos
joraaes deste e de outros Estados.
As ofFertas foram recibidas com sgrado
e mandou se agradecer.
Em 8 guida foi approvado para socio
honorario do Instituto o Sr. principe Ro
laad Bonaparte, proposto palos Srs. Drs
Baptista Regie ra, desembargador Olivei-
ra Andrade, Lopes Machado, Cicero Pere
grino, major Codeceira e Augusto Cesar.
O 3r. major Codeceira propoz que fos-
se n une ida uraa cjmmissS) para, em no
me do Instituto cumprimentar e felicitar
Exm. governador do Estado Dr. Albi-
no Grojalvea Meira do Vaeconcellos.
Sendo approvada a prjpoata, foram no
meados para essa commissSo oa Srs. Dr.
Lopes Machado, csnselheiro Pinto Jnior
e uajor Codeceira.
Nada mais havendo a tratar se, foi le-
vantada a sessSo e designado o dia 22 do
corrente para ter lugar a primeira re-
miti.
REVISTA DIARIA
presidencia a favor do general Dua,du im#or.
uate tola..iix!raadartm. feaoUadoo
lili
raotootufl
a.raasp
Reuiitii.i omaiureial Cj no estava
ammuciado, teve lu^ar tio.iu-ra, nos salO^s da
Associagio Ooraraercial eoettraats, a reunii
convocada dos comnerjuotes desta cidade para
manifestarea ao go/erno provisorio as suas ideas
a respeito do decreto relitivo ao pagamento d
direiras de iraportagij era ouro.
A' 1 hora da tarde, presente grande numero
de coraraerjiaotes e cora assisiencia dos directo
res d'aquella A-sociaco, comraen lador Manoel
Maia, 0.tuto Bastos, Joo Cardoso e Jo- Das
Fernandas, o Sr. Adolpho Ouveira Lima, aaaa-
raiudo a pre.-idencia, declarou aberta a sessio,
servindo de secretario o Sr. Luiz de Paula Li
pea, leodo sido Dr. Martins lunior convidado
para tomar assento em uma das cadeiras reser
vadas i directora.
Expostos pelo presidente os fias da reuniaa, o
Sr. secretario leu o seguinte telegramma en de
recado as Associag js Coramerciaes do Rio de
Janeiro, Babia, Santos, Para, Porto Alegre e
l'arahyba :
Decreto governo cobrando ouro parte direi
tos provoca reuaiio commer ial ik correte. \'s-
dimos coadjuvei'. Auociacao Commercial Re
afe.
Em resposta foram lidos os segualas tele
graramas :
Rio. Directora aguarda 'manifejtagao com
caeccio.Auociacao Commercial. *
Balita. Estamos tratando do assnmpto. -
Auociafo CommerciaL *
< Para -Decreto desconhecido aqui, qoando
publicado vos apoiaremos. Praga do Commer
CO. >
A este ultimo telegramma a directora da As-
sociagao Commercial deste Estado respondeu do
seguate modo:
Decreto diz 10 / direitos em moedas ouro,
estando cambio at julho 1 em diante. >
Depois da leitura dessas pegas, o Dr. Manoel
Gomes de Mallos pedio a palavra e fez a segaia
le proposta. que justicou :
Propoubo que a directora da Associagio
Commercial, depositara da mais pie .ia conflanga,
reclame por telegramma ao rainist-o da fazenda
e ao chefe do governo provisorio por intermedio
do governador deste Ettado contra a cobranga
do imposto era ouro, como andida vexatoha.
aguardando o decreto para em represeotago
mostrar a improcedencia dos motivos que o
determioaram. .
0 Sr. Das Fernandes, declarando votar pela
primera parte da proposta, apresentou a se
yuinte emenda :
Qie sejam directamente encaminha los ao
governo provisorio a represeotago e o telegram
ma. *
Fallaram a favor da proposta do Dr. Gjm.es de
Mallos os Srs. Faustino Porto e Antonio Bailar,
sendo dadas pelo signa ario, araas ligeiras ei
plica gOes
Encerrada a discussao e no acto de se en:a
miuhar a votagao, o Dr. Jos Manan no, declaran-
do ter chegado n'aquella occasiao, pedio a lei
tora das propostas, no qoe foi attendido.
Apurada a votagao, foi declarada appro vada a
proposta do Dr. G j.nes de Mattos por 60 votos
contra 33.
Encerrada a sessio a directora da Associagao
dirigi se ao palacio do governo e pedio ao ci Ja
dio Dr. governador para espedir os telegram
mas.
O commercio importador, em grande parte,
fechn ao meio da.
Telegrama oflUclal Era conseque i
cia da deliberagao tomada pelo commercio, e
cima referida, a Associagio Commercial Bene
tcenle eatendeu-se com o illustre Dr. governa
dor do estado, e este dirigi para a capital fede
ral o seguinte telegramma:
S^rvico publico do governador do estado de
Pernamouco ao ministro da fazenda.
t Rea fe, 24 ie Maio ifl%90
O commercio reunido encarregou a Asso
ciagao Commercial de reclamar peraote V.
Exc. contra a cobranga do imposto em ouro, af
firmando ser a medida vexatorta.-- (Assigoado)
Dr Albino Meira. >
Balado do Pismfcy -Pesso conceiluada
d'esta ci lade, e que tem tigagoes de familia na
Estado do ciauhy, tevsa delicadeza de mostrar
nosaotehontemo seguin'.e telegram na, que d'alli
receDeu :
Therezina, 23 de Maio as 7 horas e 20 minu-
tos d-i mauh.
O Dr. Taaunaturgo foi demittido do cargo
de governador, e foram reintegrados oa vice go-
veraadores. .
i O povo reunido em frente de minha casa foi
atacado pela forga publica, commandada pel ir
mi do governador.
< Tiros de revolver. Minha casacrivada.-As
signado : Baro de Uruuuku.
sendo graves aa noticias dadas n'eese tele-
gramma, nao obstante o nome que o tirmava ti
verao* escrpulos em publual-o hontem. .
Proco roa aos, porm, o mesmo civalheiro, a
quem alludimos, e nos disse que, tendo pedido
esciareciraentos para o Piauhy, recebera na ma
nhi de benlem este outro telegramma:
< Therezina, 23 de Maio, as 7 horas e 5 mino
ios da tarde.
f Nij houve ferimentos. Os Uros foram dados
em direegio a mim.
Fe-se corpo de decto.00 predio esbrio se
iaquerito.
Os criminosos sao Joao de Deus e Emygdio
Pedreira.-Assigoado : P*ra$,dt\ lk****t
Em vista d'isto, resolvemps publicar os
grammas, coq lea feito, embora
possa responaabdidade com osa dr
a Tt1iti*gigl|ti Mciados, visto como, se o
guem p le asseverar qne seja realmente a do
Bario de Urussuhy essa firma.
Depois, os faclos denunciados sao tio graves
que toda cautella pouca no recebel os boa-
mente.
Em todo caso, nio se perde por espe-ar a con-
Grmagao d'elles ; e o que fazemos e aconselba-
mos a todos que o fagara.
Ji estavam escripias estas linhas quaud
recebemos hontem a seguinte communicacao :
Sr. redactor do Diario.Acabo de receber
do Dr. G. Tnaumaturgo de Azevedo, honrado go-
vernador do Estado do Piauhy, o segoiute tele-
gramma :
Thetezina, 2.) d; Maio, is 7 horas e 36 mi-
< utos da tarde.
Grupo Tbeodoro Pacheco, Bario de Urus-
suhy e Nogoeira espalhou hontem rainha de-
misso, fez reuniio tumultuaria, indignando
populagio sensata. Chefe poli- a, delegado,
promotor publico informaram ter havido con-
flicto. Ordem publica inalterada. Al a jora
nada consta offialraente sobre demissio.
Corarauaique Diario, Provincia, Cornal Epocha.
ThauMaturgo Azeced).
Transcrevendo-o ua3 conceituidas colamaas
de vosso jornal rauito obsequiareis ao de V. etc.
Barros Guunares. -
Bem se v por esta coramuoicago oflicul que
inhamos razio em reconmendar toda reserva e
cautella na acceitaco dos factos, que nos foram
noticiados pela leitura dos telegrammas que pri-
me ira mente nos foram ministrados
nio trumii- do 0ul 0 Sr. Dr. Martins
Jnior recebeu da Capital Federal o seguintete-
legramma, que publicamos para oaciiicagao dos
nimos e abafamento de mal fundados temores :
Rio Grande bem ; Candido Costa teve recep-
gM fes iva; Assis Rrasil volta i assurair o seu
luaar na Repblica Argentina. Satisfagao com-
mercio aqui, entbusiasrao Ruy. Applausos da
imprensa republicana.
Ivleirao de cunfrarla- Hoje, s 10 ho-
ras ao da. reunem se em mesa geral os confra-
des do SS. Sacram nto da Boa Visla, para ele-
gerem es novos funecionarios da respectiva
confraria para o anno compromissal de 1890
1891.
O iluj-rakat O Sr. Dr. J. Barbosa Ro-
drigues, cm viagera do Amazonas para o Ri de
Jan-iro, no paqnete nacional Alagos, obsequion-
nos com a Eua visita e com o mimo do ultimo
trabalbo qoe publicou, em Maoos, e qun tem
por titulo -O Muyrakata, estudo da ori.-r-m azia-
tica da civilisagio do Amazonas nostempos pre-
histricos.
E' ura livro muito interessante de pesquisas
scientiticas, e que faz muita honra ao seu autor
nao s pelo labor improbo que esse livro revela
ter elle despeudido, como tambem pelo alto va-
lor histrico que teem as informages coludas e
as observagO.'s feitas pelo mesrao autor.
Pedin lo venia ao autor, taremos opportuna-
raente algun3 excerptos desse curiosissimo livro
para dat os aos nossos leitores, qee, de certo,
estiinaroxoohecer as origens dos povos primi-
tivos de una parte do Brasil.
Ao Sr. Dr. Barbosa Rodrigues agradecemos o
mimo, e a sua obsequiosa visita, tarad i votos
pela sua feliz viag^ra at a Capital Federa!, on-
de vai exatcer o car;.o de director, do Jurda
Botnico.
Dr. BibaaHo.item no vap. r Alagos se-
gura para a capital federal o Sr. Dr. Antonio
Antunes Kiuas, ex chefe de polica deste Fstado,
e que te-e a honrosa coramissio de igual cargo
no Estado do.Rio G.aude do Sul.
O Dr. Ribas foi acwmpannado por grande nu-
mero, de amigos e apreciado-es de suas quali-
dades at o pouto do embarque, onde recebeu
ainda as provas mais evueuies de tympatbias
que deixa nesta capital, e de reconbeciraento de
seus servigos no uiflicil lugar que exerceu-
Uese|araos a S. S. teliz viagera, e que em sua
nova cumraisso se saia lio bem quanto entre
nos.
ervioo militarHoje supeiur do dia
o cidadio capilao Lsoocio, e faz a r, n-da de
visita o cidadao al Teres Miguel.
O 14 batalhao dar a guarnigio da cidade,
menos a guarda da Thesourana de Fazenda, que
ser dada pelo 2 baialbio.
Araanhi superior do dia o cidadio capi-
tio Gjiasio, e fara a ronda de visita c i dadas
alferes Bezerra
O 2" baUllio dar a guarnigio da cidade e o
coraraaniltme da guarda de Palacio, menos aa
gua^>3 da Tuesouraria e Palacio que serie
dadas, a primeira pelo 14. n.talbio e a segunda
pela bateria de ar.iihana.
Lu erarla 16 de Sovembro lloje,
s 10 horas do dia, fuocciona essa sociedade em
sessao ordinaria, para assumpto de inleresse.
Bem a d Mino -Na igreja do Monteiro,
qoe .-erve de matriz da fregoezia do Pogo da
Panella, effectua se boje, s 5 horas da tarde, a
beogio do sino, qae i raesma igreja foi offerta-
do pelas seahoras que ah esto faseudo os
exercicios do mez marianno.
No trem das 4 horas vai para o povoado de
Monteiro uraa banda de msica, qne tocar na
festa. No mesmo trem .'.evem ir os paranym-
plios que foram escolbidos para o acto.
Caaeesio e prorogar* de llcenca
Forara uoutem registradas" na secretaria da
Insirucgao Publica as portarlas, pelas quaes re-
solveu o cidadio Dr. governador do Estado con-
ceder tres mezes de ticenga ao professor da ca-
leira di ensino primario de i aohotinho, Manoel
Ferreira Guedes, e prorogar por 60 dias, coa
ordenado, a liceoga ultim imente concedida i pro-
fcs8ora da cadeira de Taraandar, Marta Augusta
da Silveira.
Vaccina publica Hontem os Drs. inspe-
ctor de hygietie e Lopes Pessoa, vaccinaram na
sede da inspectora 49 pessoas.
Varioloso ti Dr. Barros Carneiro, eu
carregado pelo Dr. governador d'este Estado, pata
tratar dos variolosos indigentes e desinfecglodas
casas, da freguezia de S. Jos, pode ser procu-
rado a qoalqoer bora na soa residencia, ra Du-
que de Caxias n. 88.
Promotor publicoFoi nomeado pro-
motor puolico da comarca de Barbalba, no Esta-
rin il.i f'uurA n intiatlitrunta npi.tumii'^ lf n nnii
isto Tque utr general empune aa armas ap- ditos telegrammas nos merece todo reapeito,-aj tueca de caJcom o desfalque de kilos.
do do Cear, o intelligente acadmica do 5 anos
de direilo.da nossa Faculdade, Antonio Augusta
Ferreira Lima Jnior, nosso conterrneo. .
Club de auto Amaro da Malina
Amanni devem reunir se os asociados d'esta
club, s 7 horas da noite e no lugar do costu-
me, a cuja sessio dever assistr o chefe Dr.
Martins Jnior.
Orando aorlimento -Pela delegada |da
Bonito foram remetiidas ebefatura de polica
40 facas de ponta, 2 granadeiras, 1 punbal e t
pistola.
Tuyuty-Foi rauito concorrida a missa mas-
dada celebrar hornera, 24 anuversano da ba-
ta ina de Tuyuty, pelo Monte Pra dos Voluntarios
da Patria, era beneficia das almas dos gloriosos
soldados brasileiros que com. suas vidas sella-
ram a victoria gauba em 24 de Maio de 1866
A igreja da Cooceigio dos Militares, onde te-
ve lugar o acto, esteve replecta Je assistentes a
esse preito i memoria de tio bravos soldados.
J audacia lO estabelecimento de an-
iados ao Caes da .Regeneragio, oatrora 22 d
Novembro, de que sio propnetarioi os Srs. Va-
dete C, foi victima de um furto audaciose
hontem por obra de 7 horas da manhi, senda
objecco do mesmo furto uma sacca de caf com
o peso de 4 arrobas
Durante o da de sexta-feir i baviam os era-
pregados do estabelecimento desconfiado, qua
un certo individuo aisediava>o com nm propo-
sito qualqoer, qae nio poda ser o de garantil-o;
e assim, como praga cercada, mantiveram se vi-
gilantes, e por essa attitude precavida nio dei-
isvam en-ejo ao ataque qoe baviam sospeitade.
No dia segrate, por;m, ao abrirera o estabeleoi-
meato, eslava o camp abandonado ; nada da
suspetto notaram; reappareeeu a confianga, t,
libertos de apprnenses, deram.se aos-traba-
Ihos do dia qae Ibes comegava.
No eatretanto, o ioimigo apeBaa simulava ama
retirada ; e quem tem inimiKos nio dorme.
Sem preentirem n'o, houve o ataqie, e l fai
prsioneira uma sacca de caf ; de eorle que,
quando deram por falta delta, jft nem a sombra
lhe vi ram mais.
' Ji audacia, e por certo alguna finara stw-
trabir-se um grande volme, cerno -o alladwa.
jde om estabelecimento com o respectivo pessoaj
presente, sem ser visto e cegando assim a todos!
. 0 larapio suspettado sendo avstadavna ra i*
de Margo logo aps por-empregadoe do estabe-
.lecimeoto, sahidos em eiplorayio, poa se a oor-
rere perseguido por estes foi seguro na ra
tele de iMathias de Atbuquoraae, e d'akfe levado i
a 'preBejca do subdelegado, ooofoaaou ioal ser
o dfitpr do furto, cujool^to^isMtufci drpotU
- irom estabalecimeato srteao-B*, fjoguezia do
> ISpatfe, onde,vlftSimente foi encoatrada a
l*
I
sL
1
i



W.4
I
V


Diario de emambm'oDomingo % Maio
1890
ai
;

A saca o restituida ao dono, e o depositario,
longe de receber a armazenagem, te ve de pagar
Ihe a importancia do desfalque, como indernni
sacio de guerra por soa neutrahdads dumdoxi
- assim coucloiose a guerra, de que toi cansa
rea sacca de caf, tendo uin dos belligeraotes
soffrido os incomraodos das batatbas. ooiro to
nado urna chavera de caf tio ur. de 29 kilos,
e o tertius gaudet representado a ver dad eir
tica -vena.
O ciaado Valente nao dur na sob a quali-
dade do sea aome. Mesmo Vilenie deve estar
de sob rea viso.
Maairestacs Quinta-feira ultima a so
cieda ie musical da visinba cidade de OlinJa, 15
de Nivernbro, foi a Bebenbe cumprimeatar o
Sr. Dr. Ernesto de Aquiuo Foaseea.
A banda de msica, que nao podera por moti
vos justos e superiores a sua voniade, faser par
te da maolfestaco anterior, seguida de seus so
cios benemritos Dr. Beruardino de Sena Dias e
sngenaeiro Antonio P-reira Simoes e do Or. de
legado e de mais autoridades policiaee, se din
So para esse flm a casa de residencia daqoelle
ustre cidadac no Porto da Madeira.
Ao chegar all, porm, tendo conbecimento de
fU9 S. Exc guardava o leito por eacommodos
de saude, drsucou do seu se o o Dr. B-rnardi-
lo, que seria o interprete da manifestaco, am
de levar os seus cumprimeotos ao Dr. Ernesto,
segurado etn passeata at a povoacao de Bebe
ribe onde o Sr. major Luciano Eugenio de Mel-
lo lbe offereceu nm profuso ropo d'agua.
Ola Republicano da Boa Vista -
lm ses-ao do directorio no di* 2i de Malo licou
resolv ;o que este club se reunira todas as ter
gas feiras em sesso ordinaria.
Club le Fewerelro Esta associaco
poltica Deneticenle reuoe-se boje em sest-ao de
assembla peral, As 4 horas da tarde, no lugar
4o costume, atim de resolver sobre negocios de
iurama importancia.
Apprebeia-Acha se depositado na I *
estacao da guarda civi< a um sacco cootendo 37
tilos de caf em grao; quera se julgar seu d rao
venha perante o subdelegado da freguezia de
Santo Antonio provar o seu dominio.
Ltvro uili -O Sr. Dr. Ensebio Martins Cos
la, diguo facultativo desta ci lade, acaba de pu-
blicir urna interessante monograpbia cobre a
pidemia da varila, que actualmente assola esta
capital, lembrando os meios ie que devemos
laucar tno para extincco des. a desastrosa
epidemia.
A primeira das medidas por S. S. aconseja-
das e de que sao part.danas as mais notaveis ce-
lebridades medicas do mundo, a fuudaco de
nospitaes de isolainenlo, cara onde se reuiovam
todos os que forera atacados dessa e de ouiras
noleslias infecto contagiosas.
A desmfeccao geral de lodos os pontos fcil-
mente pre lispostos ao contagio da molestia o
complemento necessario dessa primeira medida.
Merece, porta:ito, ser lido o opsculo do Sr.
r. Martins Costi, a quem agradecemos a offer-
-B do exemplar com que nos mimoseou.
SJabscrlpca portuguesa -Ni ra Im-
perial f i recolbilo de :
Joaqm de Almeida Gomes
Jos Soares F. d'Oliveira
Manoel Jos da Costa
100*000
50*000
20*000
Total
Transporte
Somma
170*000
0:222*000
20:392*600
Jomo Duartc -Regresa boje para o esta-
do das Alagoa8 esse nosso estimado amigo e co
anecido poeta a quem abracamos e desejamos
feliz viagen.
inniiiuto karnnk-No estado do Pianby
fundou se um estael cimento de ensino sob a
direccao do Dr. Gabriel Fer'eira a quen agra-
decemos i coiumomcacao que nos fez.
Cas Republicano Federalista de
Tigipi Kec-cDi-uius e agradecemos o exem-
plar impiesso dos estatuto: desse Club.
O Binculo -Puuhcou se o o. 20 do anno
X deste hebdoma lario.
MiMaa fnebreSerao celebradas :
Amauba:
A's 7 boras, na Ordem Terceira do Carmo,
pela alma de D. Anna Cavalcante de Barros Mon-
teiro; as 8 horas, no convento do Carmo, pela
alma de Jos Aoto-io de Araojo Livramenio, s
7 boras, na matriz da Boa Vista, pela alma de
orgma Augusta de Azevedo; as 7 horas, na
igreja de S. Goncalo, pela alma de Francisca
Romana da Cunta Luiza.
Terca tetra :
As 7 horas, na ijjreja de S. Goncalo, pela alma
de Ant jnio Eleosipa di Lma; as 8 horas, na
matriz da loa-Vista, pela alma de Antonio Gon-
calves Ferreira Cascao.
Leii*ea EHecinar-se bao os seguintes :
Ainai)ta :
Pelo agente lirito, s 10 1/2 horas, ra da
Imperatnz n. 5, de movis, piano, loucas e vi
dros.
Pelo agente Silveira s 10 1/2 boras ra
Estrella do Rosario n. 8, de movis, loucas e vi
dros.
Terca feira:
Pelo agente Pinto s 11 horas, na armazem
Livramento, de alfafa em fardos.
Pelo agente Gusmo, s l horas, no largo
do Corpo Santo n. i9, de 27 barris de vinho.
Pannagetroa -Sabidos para os portos do
su! no vapor Beberibe :
Wenceslao Jos Baptista, Camillo Roberto, An-
tonio Bispo de Meoeiea, sua lia, 1 prima e 1 cria-
do, Ruhno Caelano de Azevedo, Luiz de Amono.
Leo, alferesDom ngos de Mello Castro, 3 Albos,
1 criado e 1 criada, 1 sargento, 4 cabos, 2 anspe
cadas, 23 soldados de Imha, 2 ditos de polica e
crirainosos.
Cbegados do norte no vapor brazileiro Ala-
9a* r.
Jos Antonio dos Aojos e sua senhora, rran
cisco A. Pontes, Joaquim Jos Ferreira Mendes
Vicente Aruv ndavo, Foite Veneral, Canodel Lar
dam. A. Wilsoo, Antonio C. Alvarenga, Vicente
Ferreira Galvo, Luiz Perdigo, Jjs Martins de
Freitas. Joaquim de S, Anna Mara Luna Freir
Costi, Maria Pereira da Costa e 1 criada, Anna
da Silva Bailar, Visconde de Jaguarlbe, sua se-
nhora e 1 nlba, Abdon da Fonseca Alencar, F -
lismino Marques Peixoto, Paulioo Joaquim Ba-
nojo, Jos Antouio aa Molla Guimaraes, JosFer
rein Bailar, Jos Candido da Silva, Alfredo Pi-
mentel, Antonio ds Costa, Joo Antones, Joan
Dantas Jos Marques Lima da Conceico, Ma
noel J. Bandeira, Vctor Febor, Manoel Antonio
9dne\, capilo A. Ohslson, sua senbora, 2 11
lbos e 9 tripolantes da barca Anna Maiia, Ma-
noel F. da Costo, Joo Krause. Carlos de Albu-
querque, Augusto Guanta, Venancio Figueiredo
Neiva, Candido Joaquim de Seixas, Francisco
Xavier M. da Fonseca e 1 criado, Manoel F. Car-
neiro da i unhn, Honorio Hermelo Carneiro da
Cunba Frederico Augusto Neiva e sua senhora
e Antonio B. Cavalcante.
rectora da* oMM de MBier
cao dos partos de Feraanasuco- !.c
fe, 23 de Maio de 1890.
Boletlm meteorolgico
Casa de Beteaemo -Movimento dos pre-
ses da C>sa de Delencao do Reclfe, Estado de
Pernaraboco. em 23 de Maio de 1890.
Bx'.stiam 491 eot-aram 22, sabio 9, existen)
504.
A saber:
Naeiorwes 472 malberes 21, estrangen* 11,
-Total 804
i rracoad >> 401
ions 368.
Doente 27.
L.ui-08 2
Loucas 4.
-Total 401.
Movtmento da enfermarla
Tiveram baixa:
Jos Antonio de Sooza Britto.
Manoel Balbmo Ferreira.
Te vera m alta :
Aolonio Caelano de Mello.
Jos Antonio B^zern de Maria.
Intendencia Municipal do Bcclfe -
Rendimeoto de i a 22 20:184*039
Da 22.
Mercado de S Jos 212*860
Maialoero ,8i*^
emiterio JSi'ria
iversos impostes 1.-607*479
21:635*658
Operaeaes elrurgleasForam pratica
das no hospital Pedro II as seguintes :
Pelo Dr. Malaquias :
Doas ampulacoes de penis, pelo processo de
Guyon, indicadas por epitbelioma.
Talha penneal, indicada por calculo vesical.
elo Dr Silva Ferreira :
Reciso a ibermo cauterio de um grande labio
elepbantiaco.
Rispagem e cauterisacao a thermo cauterio de
papiloma syphilitico da vulva e margem do
anua.
Pelo Dr. Bastos de Oliveira :
Foram vaccinadas 20 pessoas de amitos os se
xo?.
ospltal de variolosos O movimeoto
do hospital de Santa Agueda.(para Viriolosos)
no dia 23 do correte, foi o seguate :
Homens Uutkeres Total
Exiniam 99 52 151
Eolraram 6 J"
Saturara curados 8 3 11
Falleceram 4 9
Existem 93 52 145
Hospital Pedro II U moviui^nto desie
stabelecimento decaridade, no dia 23 de Malo,
foi o seguinie:
6
11
2
443
as respectivas enfermar*'
UM POCO DE TUDO
O Dr. C. E Burey, de Linchburgo,
leo reoefitemente Soeiedade Medica da
Virginia urna meaioria, na qual citou,
como facto de todos conhecido, que as
nados que cultivam o canto pussuem ha-
bitantes fortes e vigorosos, com ampios e
expansivos peitos.
Se se dedi&sse urna hora diaria em
nossas escolas publicas ao canto, nSo ve-
riamos o triste espectculo que apre-
sentam as criaicas rachiticas, de hombros
encolhidos e peito oonstricto e estreito.
c Ha demasiada tendencia em sacrificar
a tendencia corporal no altar da scien-
cia diese aqaelle doutor, accrescentsn-
Co gymnasti
desonvolve.
aperfeicoadas de
fasem pouco ex-
tempo em seus
45*000
30*000
30*000
en 56 esto
-Q
Horas S8?
p te
1
H-*
A m. 21',4
9 26',0
12 28,6
3 t. 28,7
26,9
Barmetro.!,;^
761-33
7tt-37i
76S-16
760-66
.60^2
15,64
17,35
17 50
17,82
17,04
a.
a
x
i
2
82
67
61
61
64
Temperatura mxima29,25.
Dita mnima0,00.
gvaporacao PDD tt noras : ~* sombra3-,9.
Cbuvanulla.
Direccao do vento i SE com nterrupces de
SSE dirante todo o dia.
Velodade intdia do ventoI,"85 por se
gnedo.
Nebulosidade media0,-49.
Boletim do porto
a.
P.

*.
Dias
M. 23
M.
M
II
de Mais
.
de Maio
a
Horas
0-53 da tarde
7-J.
1-19 da minua
tU
AKun
0-.68
2-,00
0-,89
J-,10
Entra ram
Sabiram
Fdleceram
Existem
Foram visitadas
< la Dr8.:
Moscoso s 8 1/2.
Cysue.ro s 10.
Uarros So ->nuno s 6 3/4.
Berardo s 10 1/4.
Malai;nias s 9 1/2.
Simoes Barbosa s 10 1/2.
Nao comparecern! os Drs.:
Pontual.
Estevo Cavalcante.
Ferreira Velloso.
O cirurgio dentista Numa Pomp'lio s 9 1/4
horas.
O pharmaceutico enirnu s 8 Ij4 da macha e
r,ios5 da tarde.
O ajudante do pharmaceutico enirou as 8
e sibio >-s 3 horas da tarde.
Halado uro Publico da Cabanga-
Foram abtidas para o consumo de boje 43 re
zes, pe-tencente8 a diversos marchantes.
.osera do Estado de Pernamfcuco
Eis o resuliado da extraeco da 3 serie da 1
lotera deste Estado, em beneficio d Sania Casa
de Misericordia do Recife, em 2i de Maio de
l898256 15000*000 3906 120*000
5332 1:500*000 4781 120*000
10361 600*000
Esto premiados com 90*000 os seguintes nu
mer8 7046 9800 102U 11863
EslSo premiados cora 60*000 os seguintes nu-
raeros :
53 190 805
1725 3870 5329
5794 5914 6142
7911 11547
Esto premiados com 24*000 os seguinles nu
meros : 1__
8251 832 8253
8254 8255 8257
8258 8259 8260
Esto premiados com 18*000os seguintes n-
meros : ..
5331 5333 5334
5335 5396 5337
5338 5339 5340
Esto premiados com 12*000 os seguintes nu
meros :
10362 10363 10364
10365 10366 10367
10J68 10369 10370
Approximac&es
8i55 60000 5333
8457 60*000 !0360
8331 45.000 10362
T. dos os nnmeros terminados
premiados com 12*000.
Todos os nmeros terminados em 3J esiao
premiados com 9000.
Todos os nmeros terminados em 2 e o estao
premiados com 6*000, excepto os terminados
em 3 e 56. ..
Ser extrahida a 4* serie desta lotera no da
31 do correte.
I-o- ri do Estado de Pernambuco
- A 4 serie da 1* lotera deste Estado, t-er ex
trahida impreterivelmente no da 31 do corrento
(sabbado), 1 hora da Urde, no consistorio de
igreja de Noasa Senbora da Rosario, de Santa
Antonio.
Lotera de tiraa-Par- A 3 serie da
37' lolena cujo premio grande de 60:000*,
ser extrahida no da 31 de Maio, (sabbado).
A 14' serie da 31* lotera cujo premio gran
de de 250:0O>*000 ser extrahida no dia .. do
correte.
A 1* serie da 36" loteria. cujo premio gran
de de 120:000*000 ser extrahida no dia .. de
correte.
Lotera do Baranbao A 19a Ferie
desia lotena cojo premio ser extrahida no dia 4 de Junho.
Ce mi le rio publico-Obituario do dia 22
de Maio :
Maria Candida dos Santos, Pernambuco, 60 an-
uos, solleira, S. Jos; eoterite chronira.
Francisca Candida da Silva, Portugal, 70 an
nos, viuva, S. Jos; insuffiniencia mitral.
Joanna Maria da Conceicio, Pernambuco, 50
anuos, solteira, Boa-Vista; tuberculose pulmo-
nar.
Joanna Mara Goozaga. Pernambuco, 70aooos.
viuva. Recife ; erjsipela infecciosa.
Manoel Martins Das, Portugal, 68 annos, sol
teiro, S. Jos; tuberculose pulmonar
Jos, Pernambuco, 7 annos, Recife: varilas
confluentes. .
Galdino Rosa, Pernambuco, 28 annos, solteiro,
Sanio Antonio; lesao artica.
i anua na (Mara da Conceico, Pernambuco, 40
annos, solteira, S. Jos; gastro enteriie.
Francisco, Pernambuco, 5 anuos, Recife, ac
ceseo pernicioso.
Rosa Amelia Monteiro de Carvalho, Pernam-
buco, 30 annos, solteira, Boa-Vista; diarrMa.
Elysio Arantes d'Oliveira, Pernambuco, 27 an
nos, solteiro, Boa-Vista; scirrnose do Hgedo.
Jos Francisco Corris de Mello, Pernambuco,
35annos, solteiro, Boa-Vista; varila confluente,
Ciraco Jos Soares Pernambuco, 38 annos,
solteiro, Boa Vista; varila confluente.
Joaquina dos Aojos, Pernambuco, 1 sano,
Santo Antonio; deoticio.
Marcionilla, Ptrnambuco, 1 mes. S. Jos) va-
rila confluente.
Luiz, leroambuco, 1 dia, Boa-Vista ; fraquesa
congenita.
Jos, Pernambuco, 4 Beses, S. Jos; coov
Oes. ___
Jos, Pemambaco
hemorrbagica.
Fertonsto, PeBBOMMico, U aaim, 8. J*;
'ariela. .
- ASonse, frica, 00 annos, nato, Boa Vista;
senilidade.
do que < o canto o e:
co dos pulmoes, cajos t
Os pulmCes nos ragas
gado, que naturalmente
ercicio e passam muito
estbalos, s&o de tamanho reducido, com
parados com os dos animaes que vivera
em liberdade. O mesmo succede com a
raes humana entregue pela civilisacSo a
urna vida inactiva.
Disse ainda o referido medico c que a
tysica comecava geralmente pelos pices
dos pulmSes, por que estas partes eram
menos activas, e por que os tub s bron-
chiaes estavam dispostos da tal modo que
condusiam o ar aspirado com mais facil-
dade s bazes do que aos pices.
Dorante a inhulacSo urna psssoa coin-
mu ii respira cerca de 480 polegadas cu-
bicas de ur por minut). Se, porm, ca-
minha razio de 6 milhas por hora, res-
pirara" 3:260 polegadas cubicas. No can
to o augmento aind maior do que no
ndar, posto que para cantar bem e re-
queira toda a cupacidade dos pulmSes.
t O mestre de canto, nlm de sua edu-
cacSo musical, deve conhecer a anatoma
e a physiologii dos orgaos respiratorios.

Eis urnas definieres para um novo dic-
cionario :
Negocio.Sob este nome genrico cos-
tuma se disfarcar todo embunte, ainda o
mais negro que urna carv aria, e o menos
limpo que a agua da brrela,. O p2o de
nfima qualidade e sem o peso ; os comes-
tiveis adulterados ou podres, que se ven-
dem como bons ; os sapatos com solas de
pape'ao para o exercito ; as vas frreas
te tas com malicia, ainda que logo se des-
pedacen! e fiquem s^m cabeca cem infeli-
zes christaos ; todas estas cousaa e outras
muitas que sao mais difficeis de eaumerar
que urna litania, se chamam negocios;
e com effeito, o sao, e mui productivo,
para aquelles que delles vivera e por elles
triurapham.
Quem o duvidar, d um passeio pela
Castellana ero companhiu de algum co-
nhecedor e chronista da sociedade madri
lhena porque fahi seguramente o prender
bastante para accrescentar varios capitu-
les vida e aventuras de Gil Blas de
Santillana.
E que captulos!
ama nomearfa que o colloca em Om plano deve
ras saliente.
O Cabros Ophinos de H. S'.epple, nosso ex-
, collega a'O fa tara urnareaeco ao rmrasmo, apainia que in
! vade a lilteraiura brazildra, estiolando todas as
intrlli^encas eeslenlisando muito talento que
por ahi anda perdido falta de einulaco.
Nos os bratileiros, temos uro gran Je e injusti
fl-. ado defeito : -amesq inhamoi ludo que nos
so, depreciamos ludo o qua nao importado,
despezamos todo que nao vier sallado com
quulquer exquisitceestrangui-a.
Os nossos autores, bom ou mos,sao irreme-
diavelmente condemnados ao esquecimento e
J'ahi essa ausencia quasi absoluta, de escriplo-
res robustos, aerv sos, qne digam aquillo que
pensam e que sentem.
D'ahi eesa ignorancia da nossa historia litte
rana, d'ahi a falta de cultivo da litteratura pa
tria.
Nem se nos venha allegar que no mercado das
lettras o cosmopjlitano a regra I
O espirito de nacionalidide urna condco
ponderosa no progresso, na desenvoluco, no
alargamento intellectual e moral de um povo
qualquer.
Tenba o Brazil, tendamos nos os tilhos d'este
solo, onde ludo grandioso e exuberante, amor
ao que nos pe-tence, ao que, como nos, tiver
origem sob o firmamento azulado que nos cobre.
Para que esse pesimismo ?
QuanU livros boas e sadios nio existem por
ah, ignorados por todos ou pela mahr parle?
Nao I
Reajamo; contra tudo isso e trabalbemos, cada
qual na medida das suaa Torcas, pelo alevanta-
meoto da litteratura patria
Justlca portante, saudar jubiloso to lo aquel-
le que revestido de coragem, se aprsenla lu
ciando, cheio da mais nobre abnegaco e esgri-
mindo com altivez.
Felicitamos, pois, ao nosso conterrneo, autor
dos c.ntos ophidios, H. Siepple, pela eobranceria
com que apresentou-se na arena luminosa da
laureas*.
E ] que tocamos o'este assumpto, devemos ex-
ternar a nossa opioiao a respeito do livro, um
dos melhores que temos lido este anno.
Os coirros opsidim baseam se, cert, n'um
falso suppost>, mas o seu autor soube dizer.
A psyub feminina o coraco, o conjuncto de
qoalidades qne tornara a mnlher um ser delica
do, terno, aBecluoso e sensivel, sao n'elles err-
neamente estudanos.
o sao serpentes que beijam envenenando
mas sao as mulheres individualidades que nem
sempre sao comprebendidas
Nao sao ellas um invencivel perigo mas
um balsamo consolador e bemdito que encontra-
mos para suavisar as nossas magoas, urna luz
suave que nts indica a trilba a s-guir, um ol ar
prescrutador e vigilante qne nos segu, que nos
anima, que nos revigora e que nos incita aos
mais noores commeitimentos.
On seia producto de um pe3simismo arraigado
ou concluso de seotimenlos mal apreciados, o
que exacto que onosso amigo aulor dos cor-
tos ophidios deixou se levar por urna falsa e.-ien-
laco a respeito da mulber.
Aiora quanto architeclura, qnanto ao desem-
penbo que deu na confeccio do livro.
Escriplos n'uma lin guagua vigorosa os cornos
ophidios deixam transparecer em todas as suas
paginas a individualidade do seu aulor, que vive
em todas ellas.
As bregeirices que contem 03 costos sao. (con
fesseinol o.) inofTensivas, apezar de bulhentaa e
provocadoras de riso.
Nove Bao elles : -Como um sonho, Tres cartas,
O primeiro beijo, O principe Azul, Uro desejo,
Deve e haver, &;vrosismo. Vencido e a Capa de
Jos.
D'eutre os melhores se pode destacar Vencido,
que cootm paginas scin/illantes e Nevrosismo,
muito delicada recerie, onde o seu autor deixa-se
levar por uro mysticismo que a cusi poderia re-
primir.
Eis, em rpida syntbese, as irapresses que nos
deixaram os cont ophidios.
Carlos d'Aubevil
s
SPORT
Hospital.Matadouro de pobres e apren-
dizagem d mdicos.
Pedera ser cousa um pouco melhor, e
alguna e slo mesmo; porm, com exce- ,ppodroiBO do Campo Craade
pc5es honrosas, pois costume sf gair a gHT & 1&> corrida d&af) do
rotina de gglomerar enfermos em vastos ^ mma e re8pectiva inscrip5ao
ed.ficos e em lugares pop lesos, de sorte | ^ c^ngecidog>
que c-nverte-se em fojos de infeccao e w^ ^i Aisput* ae o Grande Pre-
viveiros de epidemias, o que devera er^^ Es(adf}8 Unidm ^ BraziI) qae con.ti-
verdadeiras casas de cura e saude. ^ q fi_. Q da me8ma corrida> por ani.
A so idea de ir para o hospital arrep.a mae8 de ^ernambuco> que no me8mo es-
toda ao doe ite mais pobre, misero e aban
donado. E quando este horror garal
em toda parte, nao carece de outro fun-
damento,
*
Entre criada e patroa :
Se a senhora nao me augmentar o
ordenado, eu sentirei muito, mas terei de
despedir-me para o mez que vem.
O que Depois de tudo o que eu
tenho feito por ti! Quando entr.ste para
o meu servico, nSo sabias faxer cousa al-
gum a ; tudo o que hoje sabes fui eu que
le ensinci.
Sim, senhora, eu agradeco-lhe mui-
to. Mas a senhora ha de concordar que
hoje valho muito mais do que antes de
aprender.

Simplicio descobrio o meio infallivel de
evitar os desastres em caminhos de ferro:
E' viajar sempre a p.
Tres livros de sortes appareceram n'esta tem-
porada, para os migares das noites de Santo An
ionio, S. Joao e S. Pedro.
O A'coio. berliquu e Berloques e o Cabelltra
represi niara o paciente esforco de mocos que
timbraram mimosear as nossas gentis conterr-
neas com um puohado de novidades, de pone-
rlas, de originalidades que as arraocassem da
nostalgia em que vivem e que os tizessem rir.
O Alcoro, que foi o primeiro que nos appare-
ceu em casa, exhalando um ar de makometanis-
no, deixando transparecer urna pootinha do na
nz do grande prophela, firmado por Gregorio
Netto, Al (red Duval e Marras Pootmercy, tres
guapos rapazes que se souoeram sabir do com-
mvtt ment que tomaram sobre seus hombros.
Depois do reffiUamenlo da casa, escripio era
verso se seguem os assumptos que sao em nu-
mero de 11.
A s guoda parte intitulada Risos e flores contm
boas poe-ias todas dignas de acceilaco.
Berliques e Berloques, firmado por Gregorio J-
nior e Pedro Boteluo, nm livro de ouro, or-
gauisado com a prata de casa > e contendo re
vellaces comprometedoras e cousas do arco da
velha.
A sua leitura que variada e prohibida lei
tura ofTerece raargem a um riso prolongado,
retumbante, pois cada phra e um gracejo to
perfeiiaraente architectado que nao havera cora-
co, por mais entristecido, que deixe de abrirse
e de sentir-se rejubilado.
E' que o Gregorio Jnior e o Pedro Botelho
possuem o segredo de dizer pilherias, de obr. -
gar o individuo mais serio a soltar as mais ral -
dosaf garglbadas.
Eis alnons ttulos dos assumptos:
Skmpbb ro republicano ? Para os duvido-
tos de $t mesmo;
Ssa contrabandista ? Para os qae se jul-
gam honestos;
- Con. Qusa a Csnstituicao? Para os que
querem, mas nao entendem de lauras; etc.
Basta esse euuuciado para demonstrar o que
Berliques e Berloques.
! A in.-cri pejto para essa matine indistinc-
I tamsnte de 50 0, e ser encerrada no dia
130 do corrente mez s 6 horas da tarde,
[na secretaria do Hippodromu do Campo
Grande ra do Imperador.
Deve ser ama bonita testa e agradavel
entretenimento essa matine, que o Club
Esgrima proporciona ao nosso publico.
Dizem-nos qne tal vez n.to corram :
Pindaro, por ter sido mordido pelo
Atila.
Piramon, por haver mancado, quando
gallopava ante hontem.
O que fica dito, nlo garantimol-o : vai
pelo preco da carregacSo.
Depois, em pouc pd3-se verifical-o.
4 Beses, S. Jos;
6 annos, Recife; varila
maes
t2o soberbamente representados.
Effectivamente a composicao do pareo
de fcil previBao no tocante ao resultado ;
pois conhecida a forca dos animaes que
n'elle corre m, nao sendo ponto de questlo
a equivalencia d'essa forja com relacSo a
maior parte delles, nao para dizer de
avanco tambera, que ser vencedor o que
tomar a ponta desde logo, te ido isto cono
vantagem. j
A ponto poder ser galgada pelo jockey
mais atilado, experto ou na occasiSo mais
feliz ; mas tal circumstancia nao ter o
carcter de decisiva, e a victoria sahir da
luta, infallivel, inevitavel n'uma carreira
de honra, como deve ser a do referido
pareo.
Si este, pois, tom de ser frtil em alter-
nativas na competencia, e por conseguinte
fecuodo no desputomento de emoc5es, nao
todava isto razio para renegamos o
prognoetico, que offerecemos hontem aos
leitores.
Ser prudente nSo desprezal o de todo :
urna luz looginqua que sempre orienta.
A corrida de hoja attrahenta e convi-
da a concurrencia dos amadores de entre-
tenimentos hippicos.

ciiib EsgrlBia
A distincto directora desse CJub resol-
veo fazer urna mat ne no Hippodromo do
Campo Grande, na quinto feira 5 de Ju-
nho prximo, cujo pragramma, resumimos
no seguinte apanhado :
1. parte Abdcelo 200 metroscor-
rida a p por mocos at 16 annos. Pre-
mios : urna joia .o primeiro, e nm objecto
d'arte ao segundo.
2.* parteHipdromo do Campo bran-
de -700 metros pequiras deste Estado
montados por amadores. Premios: urna
joia ao primeiro e um objecto d'arte ao
segundo.
3*. parte Treze de Maio100 metros
corrida a p por meuinos at 12 |annos.
Premios : urna joia ao primeiro e um ob-
jecto d'arte ao segundo.
4.* parteClub Regrima800 metros
animaos que nao tenham sido inscriptos
nos prados do Recife, montados por ama-
dores. Premios: urna joia ao primeiro e
nm objecto d'arte ao segundo.
5.a parte Quinze de Novembro 800
metros corrida de carneiros montados
por meninos at 12 annos. Premios: urna
joia ao primeiro e um objecto d'arte ao se-
gundo.
6.* parte -xper.ncta1.500 metros
animaes deste Estado em esquipado, mon-
tados por amadores. Premios : urna joia
ao primeiro e um objecto d'arte ao se-
IHDICAvOES DTE1S
Mdicos
O Dr. Alcibiades Velloso d consultas
das 12 s 2 horas da tarde, na casa da
sua antiga residencia, ra do BarSo da
Victoria n. 45, 1. andar.
Lr. Joao Paulo especialista en- par-
tos, molestias de senhoras e de criancas,
com pratica nos hosptoes de Paria e de
Vienna d'Austria, d consultas de 1 s 3
horas da tarde, ra do BarSo da Victo-
ria n. 60, l. andar, e reside na estrada
dos Aflictos n. 30, junto estacao do Es-
pinheiro. Chamados a qualquer hora. Te
lephone n 467, na residencia.
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto
rio ra Nova n 32, onde pode ser en-
contrado do meio dia s 2 horas e fon
destos horas ra do BarSo de S. Borjc
n. 22. Espe ialidadesmolestia de enan-
cas, senhoras e parto. Telephone n. 326
da casa de residencia.
Dr. S Pereira, ra da imperatriz n. 8
d onsultaa medico-cirurgicas todos os dias
das 8 ao meio dia, menos nos domingos e
dias santificados.
Dr. Freitas Guimaraes, medico, tem
dess consultorio na ra Duque de '.'axiae
57, I ."andar; d consultas nos dias uteis
as U 1 hora da tarde e reside no Ca-
jueiro n. 4, onde attende a chamados em
qualquer hora do dia e da noite. Telepho-
ne n. 292.
O Dr. Simplicio Mavignier.Clnica mt
co-cirurgica. Especialidades : molee ai
pulmonares e partos. Ra doMarqi- d<
blinda n. 27, 1. andar. Consultas uas 1J
s 2 horas e na Casa Forte (Poco da Pa
ella) das 6 s 9 horas da manhS e t
ardo Telehone n. 392
Dr. Joaquim Louieiro medico e parte
ro, consultorio ra do Cabug u. 14
L. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
o Monteiro.
Dr. Castro Jess medico e operador,
Pratica a lavagem do tero quando c c>
3io aconselhada. Consultos das 11 a
3 da tarde em sua risidencia ra d<
Bom JesuB (antiga da Cruz) n. 23, l.
indar. Telephone n. 389
Dr. Ribeiro de Britto d consultos de
meio dia a 3 horas da tarde, no 1." an
dar a ra Duque de Casias n. 46, poden-
do ser procurado para chamados, na sua
residencia, a ma do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Advogados
O bochard Bonifacio de AragSo Faric
Rocha continua a adrogar. scriptor<
na do Imperador n. 46., 1. andar.
O baeharel Joaquim Ihiago da Fonseca
tem seu escriptorio de advogado ra do
Imperador n. 14, 1. andar.
Oceuliflta
Dr. Ferreira-, com pratica nos princ
jaes hospitaes e clnica de Pars e Lon
dres, consultas todos os dias das i
lorasdao meio-dia. Consultorio e resi-
lencia ra Larga do Rosario n. 20-
Dr. Barreto Sampaio, oceulisto, d con
mitas de 1 s 4 horas no 1. andar da
asa ra BarSo da Victoria n. 51. Resi-
lencia a ra 7 de Setembro n. 34, entra
la pela ra da Saudade n. 25.
Drogara
Faria Sobrinho A C, droguista por ata
jado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, deposi
-.arios de todas as especialidades pharma
euticas, tintos, drogas, productos chim
i&& e medicamentos homeopticos, ra de
Mrquez de Olinda n. 23.
Tinta de escrever
A melhor a tinto Victoria, vende-se *
WO rs. meia garrafa e a 800 re. urna gar-
rafa inteira na Livraria Comtemporane
de Ramiro M. Costa, ra Io. de Marco n.
2, loja de ferragens de Albino da Silv
A C, ra da cadeia n. 42; loja de fera
jens de BrandSo & C, roa Duque de C
xias n. 46.
o .
Alora u'easa parte contm o livro urna chistosa,
colleccao de poesas onginaes dos seos au-'gUndo.
tores, -y nsate-r-Steemlt chote90 metros
A respe lo do CabeUeva, aguardamos para a .*' .~V ^jft_^m;0. ioi*
primeiraopportunidade, visto o termes rebebido asnmaes deste Eata^wnios ubbjoi
ultima hora. ao primeiro e nm objecto d arte ao segando.
#% 8.' parte Tiro Federal -300 metros
. eorrida com obstculos por ssocoa at 20
Um Uvro novo snrgio ltimamente, chamando i m-tmim ; ma ioia ae rimeiro 9
aleselo dos poneos que ainda se dao ao trs- "^t3a?-ia a^lSnacr *^^ '
balso Vier Intratara e dando ao seu aato: o ob)oto darte ao seguaoo.
PUBLICCOES A PEDIDO
A Repblica Brazilelra e a Re-
Tiata de Portugal
(protesto ao sb. fbsdbbjco DE 8.)
VI
Ora depois de apresentar o dedo, o Sr. Frede
rico de S. poe em evidencia o lodo musculoso
de seu braco, e com urna forca superior a de um
vigoroso shake hands sacode por desfastio um
piparote no Sr. Buy Burbosa, procurando talvez
diminuir Ihe.. a pequenez do corpo.
Pobre ministro das linancas J tem o corpo
abaixado, achatado pelo grande peso de sua bem
alentada cabeca. ainda mais tal a cono alvo das
brincadeiras desceremoniosas do Sr. de S. I
0 novo e ardente ministro, sob a garanta
ds seu nome, at entao desconhecido na Euro
pa...
E' um falso. B.uy Barbosa citado como nm
artista superiormente delicado, critico de gran
de sagacidade e subtllesa, pensador de alta cul
tura e consideravel forca de raciocinio pelo Sr.
Ranialbo Ortigo, em um artigo que. sob o titu-
loQaadro social da revolucao brazilejra, es
te bruHante escriptor fez inserir no n. 7, de Ja-
neiro deste anno, da Revista de Portugal, o mes
mo em que o Sr. Fr?,derico alarma que elle era
at entao desconhecido na Europa.
Se, porm, a Eoropa passou a ser o Sr. Frede
rico de S., entao estamos calado. O Sr. Ruy
com effeito desconhecido, e agora que, a cus-
la da nacao que se poe en evidencia peran-
te a Europa, isto perante o Sr. Frederico, dei
xando na sombra os collegas bem amados*.
Depois disto o autor de Os scontecimentos do
Brasil comeca a tirar as luvas e mostrar se t:
qual : groaseiro, mal intencionado e incor
Ataca a bacbarelice revolucionaria, laxando
o ministro das ftaaneas de lettrado interprete de
sm soldada Alm disso vem logo com urna
respeiuvel inverdade, dizendo que o Sr. Ruy
Barbosa ordenara ao represeotsote floanceiro do
Brasil em Londres qne desmentwse todos os te-
legrammas desfavoraveis a Repblica.
Pelo contrario. O actual ministro da fazenda
no Brasil comuetteu at um grsoae erro, urna
xraude imprudencia, noticiando loco a Europa
que era muito critica a sttoselo Huaoceira no
Brasil, querenio desprestigiar o remasen pssja-
do. Seria esse acto do S\ Ruy o efTeito de ama
grande f republicana, mas era um erro grave
de estadista, urna enorme insensatez, quic ta-
xado por desaff ctos como anti-patriotismo.
Mas o Sr. de S. que nao coobecia o nome do
nosso ministro da fazenda, nao escolheu assum-
pto para aecusacao, por jue nao soube refiectir.
Pareo u-Ihe urna cousa, ebegou Ihe aos ouvidos
urna mentira, e elle lornou se echo della.
Citamos aqui um capitulo do artigo do Sr. Fre
derico, que vai prendernos sobremodo a atlen-
cio, provocando algumas consideracoes de nos
a parte. Eniao curaprimos a promesa que fl-
zemos era o numero IV, relativamente vida da
actual imprensa brasileira. E' assumpto grave
e com seriediide deve ser discutido.
Eis o que diz u Sr. Frederico :
Quando foi revelada ao mundo a inteocao
em que esta va o governo provisorio "dse con-
servar no poder o mais definitivamente que po-
desse, o Sr. Ruy Barbosa declarouqueaimoren-
s brasileira apoiava essa desinteressada reso-
lucio.
Que valor tem a opioiao dos joruaes, se nes-
se mesmo dia era anmnciada a t uppressao da
imprensa da opposigao ? E' desoladora a posi-
cao dos jornaes no Brasil; os mais independen
tes a costo arriscam a sombra de urna observa-
cao ao governo, diluida em longas e cautelosas
phrases ; os caricaturistas deseoham apolheo-
ses do vencedor; a espirituosa Gazeta de ffotias
deixa passar os mais soberbos assumptos, e o
grande lonal do Commercio applaude desageita-
do a dictadura. Elles sabem que um artigo con-
trario ao governo seria para elles a suppressao e
a ruina, e nao ignorare que so sao publicados
por mera condescendencia do poder militarisa-
do. A Repblica, assim, em menos de dous me
zes, destroe a liberdade de imprensa qae o im-
perio garantie Bustenlou durante eessenia an-
nos .
Eis em pencas palavras levantada una grande
questo, urna das mais Importantes circurasian-
cas de vidae civilisacSo nos estados moder-
nos :a liberdade de imprensa polticaisto
a liberdade de pensamento sobre as cousas pu-
blicas.
Ha certos tbemas scientifleos que tem a resis-
tencia do diamante para o uso. Por mais deba-
tidas que seiam, por mais discutidas e analysa-
das, por mais asseotes e conbecidos que sejam
os seus elementos, produzem sempre o bnlho
fulgurante das jdas luminosas.
A imprensa assim Elemento hoje indispen-
savel a ida social dos povos civilisaaos, luz
guiadora dos pssos dos magnos problemas u:
progresso e cultura, ella desprende, de si ai
mais sabias licccs de cousas sociaes, os mais
elevados principios de adiantamento Nunca se
farta dediscussfiese analyses. E' insaciavel de
luz, de evidencia.
E a vida que procara o reverbero r!-1. tacta
para se manter nao a pode dispensar.
Imagine-se u homem que sbitamente se tor-
na ceg e sent ao redor de si o vacuo insonda-
vel de trevas; tal conhecer se ha a sociedade
civiiisada a quem queiram bruscamente privar
da imprensa. Sentir em seu torno a desespe-
rados escorido do desalent, a aniquilaeao dos
corpos inanidos.
Mas como as sociedades nao podem desappare-
cer do convivio universal como s boras do C"e-
puiculo somem se no honsonte os ultinos raioi
solares que derramara las e calor, que vida e
animaco ; nao facto que esteja sob a aleada e
poder algum, retirar com a facilidade das trans-
formacoes e co o n rapidez dos acnteeimen tos
cleres, a imprensa em um paiz, que se acos-
tuinou a nao passar sem ella que elevousee
marchou ao impulsa de sua accao touicante.
Ser precua urna lucia desesperadora, como a
da prepotencia com o iostincto de conservagao,
lucia brutal, enorme, di qu. 1 nao baver ven-
cedor, porque todos sero vencidos. O aniqui-
lamento de um concorrer inmediata e inevita-
velmente para perda do outro. Do embate des-
sas fo gas msenlas, poderosas, resaltara o es-
phacelamento das vidas.
Entodas ruinas das potencias que se destru-
ram, surgir a.reconstrucco dos monumentos
degringolados. Como das pedridoes dos ester-
quilinios ne tira o adubo nara as trras que pro-
duzem a flor, e depois o fructo de subsistencia;
assim das forjas sociaes encontradas e arremes-
sadas urnas sobre outras pel immoralidade dos
acontecimeoto8, resulta a podridlo moral, da
qual ha de surgir de urna atmosphera convul-
sionada a placidez das sociedades felizes e ap-
tas para os grandes incrementos de civilieaco.
Esse embate da forca authotaria com a con-
sejen ca da nacao. esse encontr da tyrannia
com a elvilisaco, essaestraneulaco de vidas e
de esforcos, pode ser brusco, tota! ; pode tara
bem ser paulatino e fero. As consecuencias sao
as raesmas Ou perece a tyrannia ou desappa-
rece a civilisaco. Brusco, o resultado mais
rpido, porm a reacejo ser tambem mais bre-
ve, porm menos solida. Se, porm, a lucta vai
setravando aos poneos, o vencida cabe por cas-
safio e as suas forcas reactoras te fazem valer
tardamente, porm com mais seguraba, com
resultados mais prsperos e evidentes.
(Contina)
Recife, 24-5-90.
fyrso de Lewben,
Club Popular RepuMlcauo de
Relem
0 Club Republicano de Belem, cuja elpicSo da
directora foi publicada no dia 18 de Abril, re-
slveu em sesso de 18 do correte intitular se
Club P> pular Republicano de Belem, afina de nao
coofundir-se com ouiro posteriormente ins.alia
do sob a mesma denominacSo.
Recife, 19 de Maio de 1890.
O sec etario,
Ribeiro lachado.
Foi esta a publicaco que enviei redaeco
do Diario, que, por qua quer causa estranha foi
alterada como se verifica em sua revista de 20
do corrente.
Comparada a publicac&o cima com a que ap-
pareceu na Epocha de hoje, comprehende se f-
cilmente que um certo numero de cidados pro-
curara considerar se nossos consocios, o que em
nome do club de que faco parte, protesto, e pro-
metto publicar os nomes dos que fazem parte
do referido club, afina de qae fiquem bem conbe-
cidos.
Recife, 24 de Maio de 1890.
0 secretario,
Ribeiro Machado.
Monte Pi dos Voluntarios
da Patria
O Monte Pi dos Voluntarios da Patria declara
aos nobili88imos officiaes da guarda cvica qus
nao lhes dirigi convite de especie alguma, e
que, se alguma vez o fizer, espera que Ss. Ss.
no caso de nao o acceitarem, se limitera a na
comparecer, e nao venbam assim ao publico,
como que anciosos de manifestar sua ma vonta-
de a eBla corporajo.
Declara ainda que s dirigi convite (nao para
festa8 ruidosas na ra) aos Srs. officiaes de tr-
ra e mar, activos e inactivos, e aos pareles s
amigos dos brasileiros mortos na campanha ds
Paraguay. .... ,
Cooseguintemente, nSo estando os nobissi-
mos officiaes da guarda civica, por estarem re-
vestidos deste carcter, incluidos no numere
dos convidados, podem ficar descansados que,
nem mesmo de futuro, sero convidados pelo
Monte Pi dos Voluntarios da Patria, que nunca
se lembrou de officiaes da guarda cvica para,
neste carcter, confraternisar com elles.
i secretario.
Tenente T. Mattos Ferreira.
Preoccupado com os negocios de viagem, nao
me foi possivel despedirme pessoalmeote" dos
meas amigos, o qne fago pelo presente offere
cendo Ibes a rninba boa vontade em servir, na
Capital Federal.
Recife, 24 de Maio de 1890.
Major Espinto Santo.
Feata do Mrluo Espirito auto
Pragramma
Sabbado 24 do corrente, ao meio dia, una
salva, diversas garandlas e escoltadas pesas de
I
I

^



;rnambi
190
msica execu1 1 Arsenal de
Mariona, annunciarao a veepera da festa do nos
so divino padroeiro.
A's 6 horas da tarde oras gyrandolas de ro
cuetes fendero os ares.
A's 4 i|l oras da madrugada do dia 25, ha
ver missa rezada em intencao dos nossos r-
maoB vivos e defnnlos, fazendo se onvir a refe
rida banda de msica, senio anounciada a n
rora desse festivo da com diversas gyrandolas
A's 11 boras da maoba do referido dia, en
trar a festa com a missa do maestro Santos
Pinto, cujos solos sarao executados pelos me
Inores cantores desta cidade, estando a orebes
tra a cargo do professor Medeiros.
Ao Evaogeiho tari o paneeyrico dafeslivida
de o Revm. padre Pedro Paes e Paiva.
.4nte9 e depois da festa exhibir se ha a refe
rida banda de msica.
A's 7 horas da noite, depois que a banda dos
m&nores tiver execut do liadas e variadas pe
cas de seu reperlroio, se far ouvir da tribuna
sagrada o nosso prestimoso irmo Revm. Fr.
Augusto da Inmaculada Cooceicao Alves, nodo
o que ser entoado o Te Deum Laudamus deno
minadoRio de Janeiro-terminando ctm a
benco do Santissimo Sacramento.
Pelo presente convido a lodos os nossos caris
simos irraoj comparecerem em nofsa igreja
no referido dia, aflm de assistirem aos meamos
actos.
Consistorio, 22 de Maio de 1890.
0 e?crivo,
Miguel dos Santos Costa lunv.r.
Aviso
O abaixo assignado,t endo aido nomeado
Sara tratar de variolosos na freguezia de
auto Antonio, deixa o exercicio da vacci-
nacSo na inspectora de hygiene, por ser
anti-bygienico estar em contacto com a
varila e ao mesmo tempo c >m enancas
nSo vaccinadas.
Recife, 24 de Marco de 1890.
Dr. Francisco de Paula Soares.
Paris Mondain
Est agora de moda o collete Leoty, a
primeira casa de Pars, que todas ss par
sienses tm adoptado. Para reeeber orna
maravilba artstica e elegante, seja collete
de cambraia, de gaze, de seda para os ca-
lores fortes, de brocado ou de set'm, basta
mandar casa Leoty, 8 place de la Ma
deleine, um corpo que assentc bem, ou as
medidas tomadas por cima da roupa, e o
collete ser mol lado sobre o corpo, urna
verdadeira obra de gosto e da elegancia.
Atterifo
Hdame Fanu; Silva, costureira e
modista franceza, .-eguindo brevemente para
Pars, a fazer no'as compras, vende por procos
de liqudaclo. liodissimos vestidos fritos, de
seda e 1 para baile e passeio, assitu como cor
tes de seda, damass. foulards e muiias outras
novidades. LINDOS CHAPEOS E CAPOTAS.
Convida as Exmas. familias a aproveitarem esta
occasio nica de comprarem a procos sem
competencia.
Contina a confeccionar toda e qua'quei
toilette para baire, passeio e casamento?, com
mxima pontualidade, elegancia e picos mo
dicos Luto em 24 boras.
Ra Barao da Victoria n. 15.
sobrado
Telepbone 193
COMMERCIO
Revista do Mercado
EUcikk, 24 de maio ik 18". O
0 movimento na praca fui quasi nullo.
Canthio
PRAQA DO RKCIFE
A tua naneara foi hoje SO ;t 4 achando os
bancas pouco d'mheiro-
Em papel particular houve pe menos negocio;
a 20 15,K) e 21.
PRAGA DO RIO DE J.NEIRO
|M alteraco, is o 0, 20 3 bar.runo c 20 7.8
e 20 13/1 o particular, quasi rem movimento.
Algodao
O de Ia sorte do serto contioaa a ser colado a
9*000 firme.
Nao houve, porc. venias per se adiar esgo
lado o deposito e na o baver entradas.
A exportacao feita pela alfandega ne?te mnz ale"
o dia 22, constou de 165 493 kilos, sendo 80 53
para o exterior e 8.870 para o interior.
As entradas verificada?, at a data de hoje so-
bem a 4.403 saccaa, sendo por :
Barcacas.....
Vapores ....
Anunaes. -
Via-ferrea de Caruaro.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea deLimooiro
Dentes
Termina a horrivel dor de dentes usando
o excellente preparado de Msnoel Cerdoso
Jnior.
As cartas que lhe tem sido dirigidas
pelos {ornaos da m iorcjrculacSo, atiestam
a eficacia.
Depsitos:
Drogara dos Srs. Francisco Manoel da
Silva & C, ra do Marques de Olinda
n. 23.
Pharmacia Martina
Caxias e. 88.
Pharmacia Oriental,
Rosario n. 3.
Pnarmacia-^lfrado Ferreira, ra do
BarSo da Victoria n. 14.
Pharmacia Imperatriz, ra da Impe
rtris n. 49,
ra Duque de
ra Estreita do
QUE
ENFERMIDADE E* ESTA QUE
NOS ACOMMETTE?
Como o ladrSo que nos ataca noite,
ella acommette-nos s oceultas. Os afligi-
dos desta doenca tm dores de peito, de
lados e, algumas vezes, de costas. Nao
querem fallar, e sentem necessidade de
dormir. Percebe se na boca um sabor d-.s-
gradavcl principalmente pela manhS. Os
dentes cobrem-se de urna especie de ma-
teria viscosa; e o appetite desaparece. O
paciente sent como que um grande peso
no estomago, o, a vezes, -4ima censacSo
de vazio no mesmo orgSo. Na boca do
estomago ha muita fraqueza ; e a nutricSo
naoproduz satistacSo al guia Os olhos
empanam-se ; e as maos e os ps esfriam,
e tornam-se viscosos. Algum tempo depois
principia urna tosse, secca no cornejo e,
em seguida com urna expectoracao esver-
dinhada. O doente queixa-se de um can-
cajo interminavel, e, quando procura dor-
mir um pouco, nenhum all vio sent. Logo
depois, o enfermo toraa-se nervoso e iras-
cvel, e o seu espirito nJo v senSo tristes
presagios. Elle sentc vertigens urna es-
pecie de tontura na cabeca quando se le
vanta sbitamente. Ha prisao de ventre
a pelle torna-se secca e quente alternati-
vamente ; o sangue acha-sc espesso e iner-
te ; a cor do branco dos olhos amarelien-
ta; e a uri a quasi nenhuma e muito
corada, deixando um deposito no vaso. O
affligido muitas vezes obrigado a vomi-
tar os alimentos que toma, e estesvomitos
deixam-lhe na boca um gosto urnas vezes
amargo e outras vezes adocicado. Este
estado de coisas frequentemente seguido
de palpitacdes do coracSo. Enfraquece a
vista do doente, e elle parece ver nodoas
diante do olhos, sentindo um grande can-
caco e debilidade. Estes symptomas ap-
parecem cada um por sua vez. Dizem
que o terco da nossa populacho soffre da-
quella enfermidade sob alguma das suas
formas. Indubi avelmcnte, os mdicos sem-
pre 8'engfinaram sobre a natnreza da cita-
da molestia. Alguna trataram-n-a como
affeccao do figado ; e outros como doenca
dos rins; mas nenhum tratamento conse-
guio cural-a, porque o remedio devia ser
susceptivel de obrar harmoniosamente so-
bre cada um daquellcs orgiios, e tambero
sobre o estomago. Nos caaos de Dis-
pepsia (sendo este o verdadeiro nome da
enfermidade) todos os citados orgSos desor-
denam-se ao mesmo tempo, e procisam de
urna medicina que possa obrar sobre to-
dos elles simultneamente. O Xarope
Curativo de Seigel produz um effeito m-
gico em esta elasse de padecimentos dando
um allivio quasi inmediato. O Medica-
mento vende-se por todos os Pharmaceu-
ticos e Boticarios do mundo inteiro, e pe-
los l'roprietarios, A, J. White (Limited)
17, Farringdon Road Londres E. C. In-
glaterra.
Depositarios na provincia de Pernambu-
co por atacado : Francisco M. da Silva & C.
na cidade de Pernambuco.
Vendedores retalho, na cidade de
F rnambuco, Bartholomeu C, J. C. Levy
L J. A. M. Vera & C. Rouquayrol Fr;
res, Faria Sobrinho dt C. e T. S. Silva;
em Palmares, A. C. de Aguiar; e em 8.
Joao da Igreja Nova, J. A. da Costa e
Silva.
A o commercio
Os abaixo assignados, nicos socios re-
presentantes da firma Couto Santos & O,
avisam ao commercio em geral, que tendo
firmado novo contracto social, teem dis
solvido aquella firma, subst'tuindo a pela
deLopes, Santos & O,pela qaal ficaui
desta data em diante responsaveis, e
bem assim, pelo activo e passivo da ex-
tinta firma.
Kecife, 21 de Maio de 1890.
Epiphanio Lopes Machado Ramos.
Joaquim Arfiur dos Santos.
^*-
Esmolas
As almi caridosas soccorram. pelo amr des
Dos, aviuva pobre e doente Senhorhtu dos
-antos Coelho Bastos, i ra das Cirrocas n. 4.
Essa infeliz vive na uiaior penqria, e merece
o obulo dictado pelos generosos sentimentoa de
caridade. i
---
U^Z
de /
Pauta da lfandega
ce 26 a 31 de iiAto o 1890
9i" Saaas
47
501
2>i8
1.004
l.iOS
hu
- ssucar retinado (kilo) .
Assucar branco (kilo) .
ssucar mascavado (kilo; .
f:uardente .
cool (litro)......
Arroz com casca (kil.oi .
Algodao (kilo;......
Bagas de mamonas (kilo) .
Borracha (kilo) ;
Carogos de algodao ....
Couros seceos espichados (kilo) .
Courjs seceos salgados (kilo) .
ouros vardes (kilo) ....
acao kilo)......
Cef bom (kilo).....
Caf rcstolho (kilo) ....
Carnauba (kilo
tarocos de algodao (kilo) .
arvao de podra de Cardiu iton.j
Farinlia do mandioca (litro; .
Kolbas de jahorundy (kilo/ .
Genebra (litro).....
Graxa........
Jaborandy.......
Mel (litro).......
UiUio (kilo.......
Pao Brasil (kilo).....
Sola (muios;......
260
206
39
170
370
80
533
120
960
16
420
360
215
400
800
60b
260
20
16*000
70
300
200
350
200
80
100
35
2J500
Oculista
Dr. Barrete Sampaio, oculista,
ex-chefe de clinica do Dr. de
Wecker, de volta de sua via
gem Europa, d consultas de
1 s 4 horas da tarde, no 1
andar da casa n. 51 ra do
Barao da Victoria, excepto nos
domingos e das santificados.
Telephone 285.
Residencia ra Sete de Sctem-
bro n. 34. Entrada pola ra da
Saudade n. 25.
Telephone 287.
Dr. Joao Rangel
MEDICO
Pjde ser procurado para os misteres de sua
prolissao a ra do Bom Jrsus n. 45 1 andar.
Consultasde meio dia at 3 horas da tarde.
Chamadosa qoalquer hora do dia ou da naife.
Telephone b. 160
Somma. 4.401 SauoM
Assucar
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se
gando a Associaco Commcrcial Aercola, forai
os seguintes:
Usinas..... 3iT00 a 4/0
Branco..... 3.0 *J a 3 6 0
Somenos..... 2<5dO a 2:s7:>0
Misca>-ado nurgado U6 a r7i(>
Brutos *. 1*300 i li*t>
Rtame..... 1 'OO a Uf ti
A exportajao feita pela alfande(;a r.rstcn^ez a
odia 22, coo8toude4.4.2.608 k:ls s=endo. ..
1.095.180 para o exterior e 3.347 428 para t> tu
terior.
As entradas verific-idas a' a data de hoje so-
bem a 38.365 saceos sea Jo por:
Barcacas 10 493 8a;woi>
AmmieV. '.'.'. 1 008
Via-ferrea de Caruar. 1-832
Via-ferrea de S. Francisco. it 047 '
Via-ferrea do Limoeiro JC3 *
Somma.
38 363 S tv*t
Couros
Coaros salgados 40J ris, e os venbi a 2\0
rU.
Agurdente
Cota-se a 94*0 Aieool
Cota-se a 190;000 por pipa de 490 litros
Mel
CoU-e a 55*000 por Diia e 480 liiro
Bolsa
03TAC&KS OFFICIAES DA JUSTA DOS COK
RETOBES
Refe. 24 dt Maio 8.
ambio sobre Santos, 30 d/v. ccm3.4 0.Odc
descont.
o ores,
Antonio Leona do ttcdnsrues. '
O fcecretano,
Eduardo Dubeux.
\'arIos a descarga
Barca n jruegueose Cari Haartet, carvao.
barca noruegueuse Gler, ca vio.
Darca allein Mana, vatios gneros.
Barca ponugueza Novo Silencio, varios gneros.
Barca nacional Marianninha. xarque.
Brlgue poituguez Adelina, varios gneros.
Briguu tu llaiuiez Meidem, xurque.
Lugar inglrz Llutha, baoltiao.
Lugar auiericano I) Anna, mho.
LQgar portugu- z Temerario, xarque.
Lujjar bjllandez H R. Leembuis, gTaxa
Lugar iugltz Peggy, bacaitiao.
Liiar uocid-al Uv.as Americas, varios gneros.
Patuchj norueguense Ceres xarque.
Put iciio hcliandez Voowaatts, xa>que.
1'dUcho r.oHandez Hnmka, xarque.
('alacho bespaohoi Jo-enfura, xarque.
Pjiacho francez Geneial Herge, xarque.
('alacho porluguuz Mondego. vintio.
Patucho amernano John H. Cardn, varios gi-
ttfros.
Paijiyu instes Lo^aist, mho.
-^ Importaeo
Vap r alleuiJo Procida, entrado de
New xoi k em 22 do correte e consigna-
nado a J. l ater & C, manifestou :
Banha 55 barr s or-Jeai.
Earinha de trigo 2 1(0 barricas a Ma-
chado Lopes & (J., K)0l'^a Lopes Irmao
it C, 50u ordeiu.
M dicameotos 11 volamos ordem.
Mercaduras 7 rAum a a Albino Silva
4 C, 116 a Olivcira Basto & C, 10 a
Res 4 Santos.
Toucinho 3j barris ordem.
Tecidos diversos 1 oaisa a Francisco
Ourgel Irinios, 1 a Ovcira Camp.s 4 C,
1 a Frunciico de Azevedo 4 C, 1 a J.
Luiz Teixeira. 1 a F. Alves & C, 1 a M.
Primo & C 1 a H. Antonio C. de Vas
coiic.llos, 1 a J. Agostinho & C.
Tintas 25 barricas a Antonio Duarte
Carneiro Vianna.
Vidros e caodieiros 2 vo'.umes a Anto-
nio Pinto da Silva & C.
Vapor nacional 8. Francisco, estrado
dos portes da Stil em 22 do corrate con-
signado Companhia Pernambucaua, ms>
nifestou :
Barris 30 a Ferreira CascHo cfe'C., 70
Antonio Maria da Silva 4 C.
Pipas 23 a Pereira Pinto 4 C.# 24 a
ordem, 1 a
a Otto Fell, 1
ao capitao H.
Pinto Ferreira & C, 36 a Jos Rodrigues
Macieira.
Pelles 23 amarrados a J. H Boxwcll.
Tamaneca 8 fardos a Pinto, Alves vi C.
Vopor ioglez Irent, entrado des portos
de Europa em 22 do correntc e consigna-
do a Amo im Irmiios & O, manifestuti :
Alvaiade de zinco 30 barris a Fran ;is-
cisco Manoel da Silva & C
Amo3tras 43 volumes a diversos.
Biecoatos 3 caixos ordem.
Cha 4 grades ordem, 1 caiza a J. A.
Thon.
Calcados 2 caixS^s a Manoel B. Caval
cante.
Cartas para jogos 1 caixa a Maia e Silva
4 C.
Droga 8 volumes a Manoel Alves Bar-
bosa, suiceesor.
Esteiras 3 rolas a Manoel da Cunha
Lobo.
Encerado 2 caixSes a Monhard Huber
4 C.
Livros 1 caixlo a S. Wi liam, 1 or
dem.
Mercadorias 2 volumes
Manoel da Cunha Lobo, 1
a Manoel S. F. Basto, 1
Lacy.
Materiaes para telegrapho 503 volumes
e pecas a Braailiuu Submarina Telegraph
Company.
Objectos para eacriptorio l caixa ao
English Bank.
Presumtos 5 cautas a Carvalho C.
Queijos 5 caixas a Antonio Rodrigues
da Costo 4 C, 12 a Jlo Fernandes de
Almeida, 4 ordem.
Tinta 1 caixa ordem.
Toueinho 2 caixas a Carva'.h?.
Tecidos diversos 2 caixas a Francisco
de Azevedo 4 C, 57 a Machado & Pe-
reira, 41 ordem, 8 a Guerra Fernandes
& C, 4 a Albino Amorun 4 C, T-p A.
Saotos 4 C, la A- Lipes & O, 5 a L.
Maia & C, lia Alves de Britto 4 O., 2
1 N. Maia 4 C 27 a Gpocalves Cunha
4 C, 6 a Rodrigues Lima *dr C 15 a
Joaquim Agostinho & O, 9 u Bcr.:et 4C ,
3 a R. de Carvalho & C, 22 a L'oiksTd
Huber 4 C, 3 a A. Maia & C la Oui-
maiaes limaos 4 C, 4 a A. Vieira & C,
4 a Olinto Jardim 4 <-.'., 1 a B. Maia
4 O
Zarcas 10 barricas a M&noel Alves Bar
sa, successor.
boVidros 1 caixao ordem.
Vapor austraco Zethy, ntralo de Tries
te em 22 do corrente e consignado a J.
Pter 4 O, manifestoa :
Farinha de trigo 2.350 barricas- a H.
Porster 4 C, 1.330 a Machado Lopes
4 C, 350 ordem.
Papel 10 caixas ordem, 6 a Gomes
do Mattos Irmaos, 8 Prenle Vianna
4 C. Dito de embrulho 104 ferellos a T.
Just.
Vinho 5 barris 35 a R. de Druaina 4 C.
Hiate nacenal Bom Jetus, entrado- do Rio
Grande do Serte em 23 do correte e consigna
do a Manoel Joaquim Pessoa, maaie'.ou :
Sal 32,000 litros a ordem.
Vapor nacional Alagos, entrado dos portos do
norte em 24 do corrente e consignado a Perelra
Carneiro C, mstoifestou :
Elixir antl-febril Carioso
Manoel Cardoso Jnior, autor do Elixir
ante febril Cardoeo, fondo, no Jornal do
Becife de terca-eira, 20 do corrente, um
communicado sob a epigrapheO Elixir
Antifebril e as varilas,aconselhando o
a prestar gratuitamente aos variolosos po-
bres o seu Elixir anti-febril, em virtude
de produzir tambem n'eita molestiaac
cao benfica; vem declarar solemnemente
que nunca recusou dar aos desvalidos o re-
medio de sua invencao, especial para fe-
bres,O Elixir anti febril Cardoso;pelo
que nao se lhe poder arguii falta de ca-
ridade para com os seus semelhantes.
TenLo f. mecido gratuitamente a dive-
bosquatro mil cento e vinto e seis fras
eos,de lSasrammas cada um, do referido
Elixir, incluMro doze frascos Santa Casa
do Misericordia, como provo ora o docu-
mento abaixo transcripto.
Por isso o auter do communicado a que
me refiro parece nSo er conbecimento do
meu proceder para com a humanidide des-
valida, nem mesmo o ponera ter, desde
quj nao coslumo fazer ostentacao de meus
actos.
Recife, 21 de Maio de 1893.
Manod Cardoso Jnior.
Santa Ca3a de Mirericordia do Recife,
27 de Dczembro de 1888.
Illin. Sr.A junta administrativa desta
Santa Casa, por meu intermedio, agrade-
ce a V. S. o donativo que tez da 12 vi-
dros com o Elixir anti febril le sua com
posicao, os quaes foram remettidos para o
hospital Pedro II.
Deus guarde a V. S.Iilm. Sr. Manoel
Cardoso Jnior.O proredor, Joaquim
Correia de Aravjo.
A'S VICTIMAS DAS FEBftBS
O Elixir mili lYItril CanloNO, appro
vado em 21 de Ma>go dc^teanno pela Inspectora
Geral de Hygieue do Ilio de Janeiro, vem hoje
aprescnlar-te huioanidado soilredoia do mun
do inieiro. coaio taboa de ssrVaC&a qae ao infe-
liz naufrago lhe enviada pnr ma i omnipjtenle!
O Elixir nnll r atril Cardo, appli-
eado cin inuitissunos caios de l tires, teui, como
por mil'g e, levantado do lelto da dor a comple-
tos moribundos.
E>te remedio, composto smente de vegetaes
c ioteirametite iffoffensivo, anda mesmo amis
munosa e ten a enanca.
As eenhoras, no estado de pa-idas, ou no'pe
riodo de imomnoJos na'.uraes, p3dem usai o
sem receio algum.
Depsitos
Drogara dos Srs. Francisco Manoel da Silva
& C, ra Marquet de O.ind n. ii.
Phainiacia Mirtina, ra Daque de Cax'as
n 88.
Pharmacia Oriental, ra Estreita do Rosario
n. 3
Pharmacia Alfredo Forrcira, a ;ua do BarSo da
Victoria n. li
Pharmacia Imperatriz, ra da Imperatriz
n 49.
Para ququi-r pxp'ii'aco poJen dirigir se ao
autor Manuel Cardoso Jnior, i ra Eiireila do
Rosario u. 17.
Dos inaumrro? attestados q'ie temo?, damos
era segni la prna.i'o a sua imidicaco; e isto
basiai para que sejam conhecidas as virtudes
do Elixir anti fehnl Laudse.
Alteotados
N 16
Vigilio Aoguto Lopi-s, h iniaccutico formado
Fumo II volumes a Jruju m Goaiei de Frei
tas. Parate de o.andioca 39) saceos a Maia &
llezcode. 5W ordtin.
lipa- 3U u Ainurun Irmaos t C.
Tapioca paneirjs a Cirlro Lmos C.
lixnortacfio
aacirc. 2! de uno i> 181-0
rara o
allemao
DI
estertor
Ol nda,
pa-a Lisboa,
6ela Univursidode de Coimbra e Academia da
akia, etc.
Atiesto que tenio feilo a app'.icac.ao do Elixir
Anti Fenrii de M Cirdoso em urna miohi sobri
nba em caso de febre palustre, em 48 boras fi-
cen completamente restabelecida. Outro sim :
que tendo enviado ao S". Vicente Lagreca, da
cidade de Palmares, provincia de Pernambuco,
o mesmo Vicente Lagn ca me participou ter em-
pregado em diversos casos feoris, com resulta-
dos bons. nao contando caso nenhum perdido.
Outro sim ; atiesto que tendo fornecino o Elixir
Anti Febril de Ctrdoso a diversos individes,
de todos tenbo receido noticias de bom resul-
tado.
E por ser verdade passo o presente que juro
em f de raen grao.
Recife, 28 de Fevereiro de 1889,
Virgilio Augusto Lopes,
Pharmaceutico,
N. 17
Illni. Sr. Manoel Cardaso Jnior.Amigo e
senhor.Tendo applicado o seu preparado (tin-
tura), contra febres em meu fitho Henrique. de
idade de lies annos, que eslava muilo cahidi-
nho de febre de mao carcter, obtive excellente
resultado, tomando elle apenas duas doses.
0 que cima fica dito, verdade ; pelo que
poder fazer desta o uso que lhe convier.
Sou com todo respeito
De V- S. amigo venerador e criao,
Manoel Jos Das.
ReciN, 22 de Agosto de 1888.
N. 18
Eu abaixo assignado, achao lo me soDrendo
ha cinco dias tc urna febre de mo carcter, e
tendo usado de remedios proprios de combater,
como fosse acnito e quinino com receita de
medico, e nao tirando resultado algum desses
reaedios, mandei chamar o Sr. Manoel Cardoso
Jnior e expondo lhe o meu estado, elle ma deu
o seo preparado Anli-Febril, e fazendo usodelle.
fez desapparecer a febre no curto espaco de 6
horas, achando me completamente restablecido
desse incommodo.
Recife, 21 de Janeiro de 1889.
Manoel Monleiro Murtins.
Illm. Sr. Manoel Cardoso lunior. Presente.
P. esadis.simo senhor.SuflVvndo de urna febre
rebelde, que levou me oleito, usei do Elixir
Cadoso, a conselhos de diversas pessoas que re-
ftriram-me de sua sua proficuidade.
O resultado nao se fez esperar, restituindo me
a saude em poucos dios c dando-me na conva
Icccnca um admiravel estido fortifl^nte.
A' vis'.a do maravilhoso t-tT-ito do Elixir Cardo
so, quero cora estas lindas felicitar a V. S. pelos
prodigios desse preparado e habilitar a conbc
cel o out'os que podem no seu uso colher as
vartagens que elle iflere:e.
Contino a ser lhe grato, e por isso subscre-
vo me com muita estima e conside'ac&o de
De V. S- amigo, obriga lo e criado
Alfredo II Gutmares.
Recie, 31 de Dezembro de 1888
N. 20
Illm Sr. Manoel Cardoso Jnior.T.ecife.
Araigo e fenhor.Achando me soffrendo de
urna febre de mo carcter, que altingia a mais
de 40 g^os, lembrei me de fazer uso do Elixir
Cardoso, por me constar que esse remedio ti-
nlia conzt'guiuo dominar febres desse carcter
com efieito o resullodu nao podia ser mais ea
tisfactorio.depois da terceira dose nSo seotii
mais febre e julgo rae completamente restabe
leeido.
Dou-lhe os meus parabens pela importante
descebera.
De Vine, amigo respeitader
Fernando Carneiro Barbjsa.
Recife, 21 de Janeiro de 1889.
(Estavam selladas e levidamente reconheci
das as firmas)
Dr. Coelho Leite
participa a seus clientes e amigos queinoJou
sua residencia para v ra Bario da Victoria n.
61,1 andar, e contina a dar consultas de 1 s
3 horas da larde, no seu consultorio, ra Duque
de Caxias n. 57.
Keudliaeatos ptibllcos
HEZ DB AflaiL
Alfandega
Renda cera I
Do dia 1 a 23
dem de 21
127:433*706.
21:530Ji5
748.963 831
Renda do Estado de'Pernambuco
fructa.
fiic lau,
para
.No vapor
carret' iran :
Kpipluiiio L. Cal las, 1,088 couros seceos sal
gauus com I3.0'J6 k:!"S.
F M de Moura, 80 barris com 8,430 litros-)
de mel.
S. Bastos Amorra, 530 saccas com 43,793 1/2
kilos de algodao.
Para ilauburgo, carregaram :
V. Neescn 2.2:3 cou:os seceos salgados com
2.79 kilos.
Pondran &.C., 20 volum.3 com 1.378 kilos de
garrs de coro.
No vapor mglez Auhor, para Liverpool,
rarregamm :
. iitedliam 4 C, 2 barricas cora 100 kilos de
borracha de man^abeirae 114 saccas com 14,203
kilos de algodao.
rysrm o mierior
No vapor naciooal tarno, para Rio Gran-
de do SjI, carrrt'ou :
"'11. Ainor.oi, 13 pipas-com 7,200 l.toa de
alcool.
Para Porto Al g-e. cir clarara :
E. C Beltro x lrai>, i00 saocos com 15 000
kilos de as-u:ar m scavalo.
Para Rio d.- Janeiro, rarreeou :
M. K. I.eite, 393 saecus coin 29 625 kilos de
assucar masca va do e K'3 d.los com 7,875 ditos
de dito branco.
No vapor naciooal Alagis, para Babia,
carregou :
J. G. c Caoba Perm\ 4 barricas com latas de
doce pesando 320 kilos.
Para llio di- Janeiro, carregou :
A. C. de Hez. ole, 10 000 eonos.
No vapur f.ance V- de S
Santos, carii*garam :
S. Guimarias 6c l.'., 5J0 saceos com 33,000
kilos de asatiear branco.
No vapor allemo Troc'da, para Santos,
ctrregaram :
F. M. A*. Mjura, 60 .oipis com 28,8 0 litros de
aguardante.
urle 6 C. SKO sarcos cora 12 000 kilos de
assiicc-r b.anco e 300 ditos com IS.uOJ ditos de
di o mjcca\ad.
Para llio de Janeiro, carre.garara :
Burle C, 430 saceos com 27,000 kilos de
assucar branco.
A. C. M. Dias, 23 pipis com 12,000 litros de
agurdente.
M. Atiorim, 95 pipas cora H.353 litros de
agurdente.
No vapor aaiJM'.'Biberibe, para Ara^ij,
carretar-in :
t. iveira i C, 350 sccos com farinha de
mandioca.
No hiate Deus te Guie, para Parnabyba,
c-irregaraii :
P. A ves t C, 20 trrica- com 88i kilos de
acucar rcfinaJo
P.ia Mj?:ci carregaram :
E Belti) 4 l.mao. 7 barrics cora 487 kilos
de assa ar rtfiaaJo e 2 ditas cora 204 ditos de
dito br.ifict.
No luate D. Julia, para Ceara, carrega
rara :
P. l iuc 4 C, 50 barris com 1,500 litros de
m.>.
Para Afraty carregarara :
*P. Pinto .v C. I cii*> coa 40 kilos de doce.
No hiate Crrelo iemtat, para o Natal,
curregou :
J. J. do Silva Carpos. 2 barricas com 120kilos
de assucar reinado e 10 ditas co j COO ditos de
dito branco.
Na bar ac Erena. para Al i .roas, earregoo:
E. a. Mm'.eiro, 7,0.0 litros de sal.
Na oarcaca Joven Assencia, para Alagoas,
rarregaram :
H. Vicgas & C, 10 caixas com 80 litros de
genebra.
Ni barcaca Yen..t, para Macri, carregou :
A. Flores, 7 barris cooi 030 litros de espi-
rito.
Do dia 1 a 23
dem de 2i
132631*501
2.495760
135:1474261
Somma total 884:1114092
Segunda seceo da Alfandega de Pernambuco,
24 de Maio de 1890.
O UiesoureiroFlorencio Domiogues.
O chele da seceoCicero B. de Mello.
Reeebedorla do Estado de
Pernambuco
Do dia 1 a 23 31:131*454
dem de 24 i 4658i3
32:599*267
teelfc Draiunge
Do dia la 23 8:492*299
dem de 24 49*376
8:5414675
Mercado Municipal de S. Jos
O movimenlo deste mercado no dia 23 de Maio
foi o seguintc:
Entraram :
28 bois pesando 4,092 kilo?.
1374 kilos de peixe a 20 ris 27*480
12 cargas com farinha a 200 rs. 24400
16 ditas de fruclas diversas a 300 rs. 4*800
32 1/2columnas a 600 rs. 19*500
97 taboleiros a 200 rs, 19*400
5 suinos a 200 rs. 14000
1 escriptorio a 300 rs. 300
56 compartimentos com farinha a 500
rs. 284000
30 ditos de comidas a 500 ra. 154000
98 ditos de legumes e fazendas a
400 rs. 394200
17 ditos de suinos a 700 rs. i U9u0
8 ditos de fressuras a 600 rs. 4*800
29 ditos de camaroes a 200 rs. 5*800
32 tainos a 24 6W000
243*580
Rendimento de i a 22 do corrente 5.076*840
5.3304420
Precos do dia:
Carne verde de 280 a 480 ris o kilo.
Suinos de 520 a 640 reis idem.
Carneiro de 640 a 800 idem.
Farinha de 500 a 560 ris a cuia.
Milho de 440 a 500 ris idem
Feijo de 900 a 14200 idem.
Dlnhciro
EECEBIDO
Pelo vapor nacional Alagoas, do norte, para:
London ac Brasiliam Bank 190004000
Banco Sul Americano 17 0004000
Julio & Irmo 10,01)04(00
Eoglish Bank of Rio de Janeiro 3.505*000
Niemeier Cahu 4 C. U.OC04000
Duarte & C. 3.6004000
Almeida Machado & C. 3.1344130
Paisa Valente & C. 2.8004100
Meuron fe C. 1.02000
Fernandes & Irmo 1 750*700
Casimiro Fernandes k C. 994*500
anoel dos Sanios Araujo 911*009
Fonseca Irmaos & C. 4974000
Vapores a entrar
MEZ DE MAIO
Sul........... Mrquez de Caxias.. 25
Europa....... VOUde S.Nkolo.. 25
Sul.......... Tomar............ 25
Sul........... Otida........... 26
Sul .......... Pernambuco....... 26
New-York .... Fmance........... 29
De ordem do cidado Dr. presidente e para co-
nhecimento de todos e a mais rigorosa obser-
vancia, faco publico que as mullas impostas aos
cidados iu'z-s de fado 6ero desta data em
diante. coDradas executivamente. E para que
cidado algum se chame ignorancia, manda o
mesmo Dr. presidente publicar pela imprensa e
aflixar o presente nos lugares maiS pblicos
desta cidade e demais povoados do municipio
com a necessaria antecedencia. Pago da Inten-
dencia Municipal de JaboalDo, 20 de Malo de
1890.
O secretario.
______ Antonio Henrique de Almeida Jnior.
EDITAES
Obras publicas
ESGOTOS
Em virtude do que determina o decreto n.
135, de 11 de Abril do corrente anuo, e de or-
dem do cidado d'.rector d'esta reparticSo, de-
claro em concurrencia, por espayo de 4 mezes,
contados da dala do presente edital, o estabele-
cimento de urna rede completa de esgotos para
a capital d'este Estado, de accordo com as se-
guintes
Instfuegdes para a concerni e um privilegio para
0 estabelecimento de urna rede completa de esgo-
tos consoante os principios technicos e clausulas
abaixo descriptas.
Concurrentes e proposlas
1.a Os proponentes devero ter pleno confie
cimentu de todas es circunstancias locaes e
dispor dos recursos necessarios para iniciar e
ultimar os trabalhos e apreseutaro garantas
para liel e completa execuco das obras.
As proposlas e todos os papis que a acompa-
nurem devero vir selludos e reconhecidas as
firmas.
Os proponentcs assignaro as proposlas rom
os nomes por extenso, indicando a sua residen-
cia .
As propostas devem ser acompanhadas:
I. De um conhecimento de deposito da quan-
tia de dez contos de ris i ra diebeiro ou apoli-
ees da divida publica gerrl ou d'este Etedo, cao
se, lomando em coiisideraco as que cmit ircm
este conhfcimento:
II Dos documentos que provem ter o propo-
Genle a necessaria idoneidade pufl-sional.
i!l. Das tabellas das laxas que deverao pa-
gar semestralmcnte na menina ocrasiao da co-
branza da decima orbana e ?ob as mesmas ecn-
dicoes, todos es predios existentes ou que fon m
coustruidos dentro dos limites da cidade e su-
burbios servidos pela rede de esgotos, segundo
sen valor locativo, para oceorrer ao custeio do
servico. remunerado e amorusac&o do capital
tuettivamente eirpregado na ou.-'.rueco. Es-
sas laxas serio arrecadadas pela teparticao com-
petente do Estado, conjuntamente com a decima
urbana, as mesmas conoicoes e entregues a
compinhia ou empreza que se o:ganisar, per ee-
mestr s vencidos.
IV Di reduego das di'.as taxas no case em
que seja dada companhia ou empresa a isen-
cao dos direitos de importaeo para o material e
erramenta importados do egtraqgeiro.
V. Di praso, para apresentucao dos estudcs e
planos definitivos das obrs, e de todos os dea-
ihes das inesroa3 que sejam exigidas pela dire-
ctora das obr. s publicas, pelo e^gentieiro lial,
c(c, e t.em ossim os piaso.^ para o iuicio e cxn-
cluso das obrss.
CondicOes tethnicas, conftrucco e saneara?uto
2.' 0 auto-projecto e a memoria descri> iva
das obras a execu'ar. que arompantureo as
propostas, espccilicarao cora o mximo de deta-
Iht-s :
I. Os limites da efalade e sutu bios aos quacs
se estendei o servico.
il. As canalii-agCcs prlncipaes c secundarias e
suas ramir-accs as vias publicas com indica-
cao dos respectivos diamoios, espessurae decli-
vidades, e a nutureza das m .terias, tendo e:n
vista urna pc-pulacao urbana e suburbana dap'a
da actual.
III As canalissgOes a conlroir nos predios
terrenos, assobradados ou de sobrado.*, pblicos
ou particuljres, existentes ou que furem cons-
truidos at concluir se a execucio dos traba-
Ibes aeritro dos limites da cidade, com iudicaeao
idntica do n. 11; descripcao dos appareJbvs
interceptores do3 gaies as di rivacoes do colliv
' tor geral. para os predios, chamioes de Tentila-
e.!io, sua coilooaco material, ele, e altara sob
o ponto mais elvalo do predio ou dos predios
visinte.'1.
II. O lypc e a natureza das latrinas inodoras,
reservatorios d'agua para ellas, lacias, ralor,
tanques de carga para lavagera das galeras
encanamentos e syphes interceptores, appare-
Ihos separadores das matVrias gordas das cosl-
nbas, cbamins de arejamento e mais appanllios
necessarios ao funcdonam?2lo regular e bygie-
nico do yslema p-oposto.
V. As esiagoes de servico. suas dimensoes e
systema de conslrucco. localidades onile serio
construidas, numero, dimensOes e especie de
tanques para juntar, desi. tVci.ir e liltrar os pro-
ducios dos esgotos, typo e Torca das machina?,
meios de desinfec^o e pontos de nivel das em-
bocaduras das gleria;-.
VI- Systema de latrinas e mi torios pblicos,
seu funccionamenlc, limpeza e saneamento.
VII. Syslema de lavagem das catuliascoes ge-
raes e secundarias e do respectivo tornecimen o
d'agua.
VIII. Systema de v?nt;iicio da rede de cana-
lisaco publica e particular.
IX Systeoa de ligaco do esgolo de cada
predio, para a canalisagao das ras.
X. Systema da consolidaco da terreno para
proteceo dos conductos e para evitar a depres-
so do solo.
XI. Systema de ca:ali?aci quando tenba de
atravessar pantanos combinado com o n. X.
XII. Indicaco das precaugdes a tomar quan-
do as caoalisaces tenbam de passar sob muros,
predios, etc.
CondicOes geraes
3.' 0 contractante extender!, sempre que o
governo exigir, o servico de exgoto a noves
b.iirros ou a novas ras sitalas fo a do perme-
tro em que se obrigar pelo contra>:tu a execu -
tal o desde logo, urna vez que a renda corre: -
po idete, em vista do orcamenio orcanisado
pela empreza e approvado pelo goveroo. seja
equivalente a 7 oi0 ao anuo toore o valor do do
orramento.
4.a O servico de exgoto dos estabelecimeotos
pblicos e dos pos, sustentados cu auxiliad
p :1o governo, ser feilo gratuitamente.
5.* No numero das obras reclamadas pelo
-ys'.ema proposto e que o .contractante, empreza
ou companhia 4 obriga lo a reconstruir i sua
custa, esto tambem incluidas as seguintes :
1 Todo o encatpmento dentro do.- predios para
os esgotos das materias fecaes, agitas servidas
e pluviaes. dos pantanos e reas, calcadas e o
fornecimento de urna latriua (typo approvado
pelo goveroo) em cada pavimento do predi',
cem a respectiva caixa d'agua e um ralo com
sypho por cada rea ou p de ventafo e o appareiho iatercepio.- dos ga-
zes da canalifago geral para o da do domici-
cilio; pagando, poiem, o pro? curio, que qui-
zer outros encanamentos e appaivllios, a impor-
tancia do material e mo .de obra, por 'tabella
que ser appiovada pelo governo.
II. 0 fornecimento completo e a;.-entamento
das latrinas e mictorios pblicos.
III. A contlru'jco dos tanques d.; carga para
a lavagem dos encanamentos e galeras, segan-
do o typo e dimensoes approvdo-.
IV. O fornecimento e assentameoto de ama
bada e syphao as estalagens denominadas eo>
ticos, para cada grupo ou fruecao' de cinco ca-
sas.
6.' 0 governo do Estado concede o privilegio
erapeza o companhia que ge organisar at
50 annos e arante os juro3 de 6 "uunoaes so-
bre o capital que f. lixado; iratautla-se no
contracto final das disposicOes nlanas amor-
tisaco da renda liquida, do modo do pagamen-
to de juros, etc. .....
7." Fiodo o prazo do privilegio, todas as obres
reverters ao dominio da mumcip-lidade desta
capital, sem indemnisaco akuma; cabendo,
poiem, ao contractante, prefereocii em Igual-
dade de condicOes para o arn ndamento do mes-
mo servico, se nao convier daa uiunicipalida-
de executal o administrativamente, e iodemni-
sa8 todas as quantias que o Estado tiver dea-
pendido no servigo e garana de juros.
8. Ao contractante o governo do Estado con-
ceder o direito de desapropriaio, na forma da
lei, para os terrenos, predios e bemftitoriss que
forem necessarias execuco do servico con-
tractado.
9. O governo do E-'ado se compromtle a
P
t


r
o
I
Diario de Pernaabuco-Domingo 25 de Maio de 1890
5
o as-
sumir iy?| :uo(&d de di-
5 de itnp I, ferramenta,
machinas, carvo de pedra, pro lucios chiiuicos
e apparelfios oecessarios ao servigo contraclado. '
10 O contracUnte, a eompaohia ou empreza
recolber aos cofres da Tnesonraria do Estado,
no principio de cada trimestre, a quantia que
de accordo cora a rnesma empreza fr pelo go-
\erno txada para o pagamento da llscalisaco
do coniracio.
ti.'O propoocnlc preferido devera afsigaar,
o contracto dentro do prazo de 30 da, coate-
dos da data em que for publicada no jornal en-
carroado das pu'.ilicatOes olbiaes deste Esta-,
do a amtagSo de sua propjta, sob pina de
perdar a caucuo.
Palacio do yo ver do do E.-tado Confederado do
Para, 11 de Abril >ie
lasto Leite Cktrmont.
Devedorcs da Fazenda
Por e:ta seccio se faz publico que,
fica marcado o prazo de 8 dias, cantados
da data da presante doclarayo para os
devedores do imposto do industria e pro
fissBes, relativo ao exercicio de 1890,
virem pagar os seus dbitos amigavel-
mente, certos de que, se nSo o fizerem,
serSo as respe ct vas certido"es envalas ao
ju20 dos Fetos para a cobranza txecu-
tira.
Alfredo Francisco da Silva blQ3, An
tonio de Oliveira Mala 53J350, Alfredo
Lopes GuironnUs 49J4VO, Castro & C.
51^760, Dr. Carlos Bittencourt 280750,
Eduardo Coelh Lernas 57500, Oaldino
Burlty 56350, Dr. Jo2o Pedro
partisao, o conselho coa-Maduro 28*75'J, Jos Rodopiano dos San
ecuneoto das propost.s : t08 F(]ho n6J:00> joaquI Pedrosa da
1(5875, Jos< Antonio Pe-
1890, 2o da .Repblica.
No da 6 de Sele.nbro, as 11 horas da maflh,
na sala do palacio do overno desie Estado; Jos
onde funeciona esta rep
ptente tomar conb
apresentadas.
Todas as pessoas residentes cm Franca, lo-'1-08'
glati-rra, Portugal, Estados Un.dos da America
ao Norte e em outros paizes oude chegar o co
nbeciraento deste edital, bera como as que resi-
den oeste e nos oifforentes Estados da Rep-
blica Bra8ileira, que se quizereen prop^r, podem
fjzel o, apresentando s ou fazendo se represen-
tar por procurador legtimamente constituido,
no dia e bora marcados pira apresentacao das
propostas, iostruiodo estas coco, as clausulas
constante.* das instrucge.s cima litas.
li-'parco das obras publicas do E*la io do
Pa i, 6 de Maio da 1890.O a mmuease secre-
tario, Olimpio Anton>o VjZ de Lim.
reir 74,650, Dr. Jos Z.ferino Ferreira
Velloso 285750, Marcelino Lopes Catite
570500, Oliveira Tacares & U. 405250,
Santos & Silveira 3l62, Sitres Guima
rSes 74^<.-6 >, Dr. Simplicio Mavignier
285750.
Seceso do "Jm'ecciojO da Thesouraria
de Fazenda do EiUdo d^ Pcrnumbuco, 21
1 do Maio de 189'->.
DECLARAC0ES
O Io
J.
CEcripturartio,
Gomes da S la.
Matriz deS. Jos
Santa Casa de Misericordia
do Recife
Concurso para preenchiinento de dous lo-
gares de praticante e um de carteiro,
2.* classe.
Fajo publico que durante 30 dias, a contar
desia data, acha se aDcrta nesla adminictri.gao,
das 10 boras da macha as 2 da tarde, a inser
pgo para o concurso ao provimento de dou* lo
gares de praticaule e um de carteiro, 2." classe.
De conformidale com os 4 o e 6.* do art.
166 do Hegulamento vigente, as provm ver-
sarao :
1." Para os losares de praticante sobre as lin
guas portngurza e franceza, geograpbia geral com
desenvolvimento quanto ao Brazjl, e anthmetica
al a theoria das proporges inclusive, devendo
ser motivo de preferencia o conbecimento das
linguas ingleza e allema.
2 Para os legares ue carteiro sobre leilura e
escripia comeas e as quatro oper?joes funda
mentaes da aritbmetica.
No acto da inscripc.o o candidato apreseotar
com o seu requerimeuto, .jsertido de idade, ou
documenlo que legalmente o substitu, e bem
assim atieslado de que gosa boa sade, de que
est vaccinado, e que lem bom procedimento
passado pela autondade policial do logar onle
residir.
Os candidatos aos logares de praticante de-
ver o ter mais de. 18 e menos de 23 annos ue
idade. e os candidatos ao logar de carteiio mais
niaia d- 18 e menos le 30 annos ae idade.
Os candidatos podero ap'csenlar dovumen
tos que comprovem sua.< tiabililagSes e servicos,
sem anitudo dispensaren! do roncu'so o candi
dato, quaesquer que sejam taes documentos.
AdimnistragSo dos Crrelas de Pemjiubuco,
em 7 de Maio de 1890.
Q administrador.
Alfonso do Reg B rros.
Peraote a junta administrativa lesta santa
[casa, devero ser apresentadas propotas para o
SS. Sacramen'o arrendamento. por lempo le um a tres aonoa,
[da propriedadj Mirucira, perteocente a mesma
, santi casa.
Pelo presente sao convidados 03 carissimos As propostas devero ser em '.artas fechadas e
Veneravsl irmandade do
Eteigo
irmiios a comparecerem em nosso consistorio n
da 2o do orrente, pelas 9 horas da manha. para
asststireai a musa votiva ao Divino Espirito
Santo, e deoois proceder-3e a eleigo da m<8a
regidora paraoanni compromissal de 18:0 a
1891. Recife. 23 de Maio de 18f0.
J. G da Cunha Pern,
Secretario da commisso.
por Das o reco
de liOJJOJO .u-
sellada ,"e sjra preferida ainelta que m-lhores
vaatageos offrecer, tomaodo por bas o
|do actual arreu ii.Eenlo. que
'nuics.
Secretaria di Sinta Casi da Misericordia do
Recife, 2i de Maio de 1890.
O fscrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
HIPPODROMO
30001
GENDE
PROGRAMMA DA 15/ CORRIDA
QUE SE REALIZARA'
Domingo, 25 de Maio
>ome*
I
S
S
Pello*
Xa tu ra-
lle!.
Cor da o* t-
menla
Proprletarlo
Io Pareo Kie KoTCilro-800 metrosAnimaes de Pernamhuco que nao tenham ganho
no Hippcdromo em 1890. Premios : 200*000 ao 1, 40000 ao 2 e 20#K0ao 3'
1 Bonaparte...
2 Hercurea.....
3 Maranguape..
4 Talispher ..
5 Lucifer......
6 Fumaca.....
Rodado
AlazJo-.
Rodado
Russo.
Pernamb..
53
57
57
53
57
55
G-ena' e ouro........
Verde e ;nrarnado...
Azul c ouro........
Branco c acamado.-
Azul c encamado ..
H. L. da Silveira.
Jos C. Pinto.
Beato B. F. Filho.
i. M. da Silva.
A. Ucboa.
3. P. Marnbo.
2o Pareo-Commcrclo830 metros.Animaes de Peraambuco que nSo tenham ganho em dis-
tancia superior a 900 metros no Hippodromo. Premios : 200*000 ao 40*000 ao 2o e
20*000 ao 3.
Humilde___
Pnariseu___
Maurity... .
Village.-----
Cauby......
Castanho
10 I Russo.
5
5
8
5
Baio......
Castanho.
Pernamb.. 55
57
53
57
55
Ouro e preto. .......
Preto, ene. e ouro----
Ouro e preto.......
Amarello e encarnado
Azul e encarnado.
Antonio T. dos Santos.
E. F. de Paiva.
F. do Valle.
Pereira t Cosa.
Alfredo Marquen
PareoSapera
dromo em
e 15*000 ao3.
anca700 metros. Epuas de Peraaraouco que no tenham ganho no Hippo-
i 1890 e pequiras at i,-30 no mximo. Premios: 1304000 ao Io, S0*000 ao 2o
Suzana.....I 8
Sjbilla..... 8
Fantina......' 5
Invicta.......' 8
Coruja......! 8
Qoulanger__i 8
iomJardim 5
Zaina......
Castanho
Russo...
Rodado.
Alazo.
Rodado
Pernamb. - 54
54
54
t 54
. 58
* 55
53
Grenat c ouro.......
Azul e preto........
Azul e branco.....
Azul e facha......
Encarnado e branco-
t'relo e i ncaniado. .
Azul.............
] L. de S. Filbo.
F. A. A
M P. Albuqoerque.
Antonio F. Costa.
Henrique Gibson.
Coudelaria Arraial.
E. G.
PareoEstimulo800 metros.Animaes de Pernambuco que nao ti-uhara ganbo no Hippo-
dromo. -Premios : 200*000 ao Io, 40*000 ao r e 20*000 ao 3o
Potos......
Ally-Stoper
Despique -
4 Azarar.....
Vivaz.......
Talispher
Porto Alegre.
Riod'Ouro...
o
5
6
5
5
r,
5
8
Castanho .
Rodado......
Castanho
Mellado......
Castanho
Rodado......
Baio........
Russo.....
Pernamb.
53
55
55
53
55
53
53
Encarnado e preto.. .tJoaqoim
Branco..........|tt J. Pe
Azul c encarnado .
Grenat c ouro......
Preto e turo.......
Branco e encarnado
Encarnado e kxol
Rocha.
. .. Permann.
Manoel Lima.
J. L. de S. Filho.
R Cardoso.
Jos Nogueira da Silva.
A. Van na.
i. Nova Descoberla.
PareoBrande Pretnlo E. V. Bramli -1400 metros-Animaes
mios : 400* ao Io, 80* ao 2 c 40* ao 3
de Pernambuco. Prc-
Cupido.....
Transclave..
Florete.....
Sans-Souci...
Colosso.....
Mouro......
Cauby ......
Village.....
,Russo.....
'Rodado.....
Caslauho -.
Baio......
Rodado.....
Alazo.....
CastaDho...
Baio......
Pernamb.. 54
54
54
c 54
* 54
5i
1 54
54
Preto c amarello .. S. Nisrro.
Branco e encarnado..

Ouro e branco......
Preto e bnnei cmarn.
Encarnado e ci ro
Azul c encarnado
Amarello e encamado
Jote N. da Silva.
F. Freir. -
A. L O. L M.
Coud. Republicana.
JofTerreira da Costa.
Alfredo Marques.
Pereira A Costa.
6* PareoBedemico-1609 metrosAnimaes nacionaes at m- io .snue.
ao I. 60*000 ao 2 e 30*000 ao 3-
Premios: 300000
Danubio
Atilla.......
Fluminense..
Gallileu.....
[Castanho- ..
|ToM negro,
i Alazo.......
Rio de Jan 54
S. paulo'. . 51
54
54
Sain So e vfn!e.....
Azul, ene. c bronco.
Ouro c preto.........
D*. M N Ponte?.
Coud. Venturosa.
J tquira Rocha.
CuuU. Fraternidade.
ParcoAsricnlinra930 melrosAnimaes de Pernanruco M pungas. Premios : 200*
ao Io, 40* ao 2, e 20*000 ao 3"
Faceira
Templar.....
Pindaro......
Piramon......
Roda'to.
Alazo......
Castanho
Pernamb-. 49
t 53
W
m 55
Lyr'o c ouro.........J S C. Cunha.
Azul ccmro......C. & Pereira.
Encarnado e brafico. ,Coud. Venturosa.
Amarillo........... ICond.Bella-Vista.
OBSRVAQOES
O primeiro pareo correr s 11 horas em ponto.
O animaes que correrem no primeiro pareo, deven* o achar ce s 9 da manhS no
cnsilhamento.
O pareo grande premio c rrer com cinco ou ma nimae*.
Oa/or/oi* terSo recebidoa at sabbado 24 do cor rento.
Recife, 22 de Maio de 1890.
O secretario,
Souza Car val h o.
Irmandade
DO
SS. Sacramento da
Boa-Vista
lleta eral
De ordem do irmao juiz, convido aos nosso i
irmacs a comparecerem em a i osfa matriz s
10 horas da maoh de domingo 25 do corrente,
atim de assistirmos a missa votiva do Espirito
Santo, e em seguida procedermos a eleico da
n iva mesa regedora para o anno compromissal
de 1890 a 1891.
Secretaria da irmandade do SS. Sacramento
da Boa-Vista, 22 de Maio de 1890.
O escrivao interino,
Vigario Augusto Frinklin M. da Silva.
Vice-coisalado de Hespa- London & Brasilian Bank
nha
Faco publico para conbecimento dos subditos
hespar.hes residentes neste districto consular
que, no dia 14 de Junho vindouro, expira o pra-
so marcado pelo governo provi.-ono do Brasil,
para os estrangeiros aqui domiciliados que quei-
rara conservar a sua nacionalidade fazer, nao
someate nerante a cmara ou intendencia muni-
cipal e delegada e subdelegada de polica do
lupar do seu domicilio, como tamben peante o
emulado de suanagao a declaracSo que trata o
art. Io do decreto u. 53 A, de 14 de Dezembro'
ilo anno iludo.
Pernambuco, 23 de Maio de 1891
Francisco Affonso Moneiro.
_______Encarrega o do vice consulado.
Derby Club de Pernambuco
Tendo-se exonerado de director desta empre-
sa o Sr. Carlos Jos de Medeiros, e achando se
impossibililados os immediatos em votos, con
forme declararam ; pelo presente convido os Srs.
accionistas para se reunirem em assembla geral
t-xtraordiaaria no dia 29 do expirante mez na
sede da sociedade, ao raeio dia, afim de ser pre-
henchido o dito cargo.
ecretaria do D.rby Club de Pernambuco, 23
de Maio de 1890.
Jdanoel VeiHros,
secretario.
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
tas do mesmo banco em Portugal sendo
im Lisboa ra dos Capellistas n. 75. No
'orto, roa dos Inglezes.
Arsenal de Guerra
Arsenal de Mari nha
Concor.'o para provimenlo electivo dos cargos
de amanuense da secretaria ;a iuspeegao des-
te arsenal e escreventes das directoras de
machinas e cocsirirCeOes navaes.
De ordem do cidadSo capitao tenente Frede
rico Guilherme de Souza Serrano, inspector
deste arsenal, faco publico a03 interessados, qne
no dia 4 do mez viudouro ter logar nesta ins-
peccao o concurso para o provimenlo effectlvc
dos carg03 de amanuense da secretaria da ins
pecgo e escreventes das directoras de machi-
nas e construeges navaes deste arsenal, de
accordo com o disposto no art. 64 do regula
ment que baixou com o decreto n. 622, de 2
de Maio de 1874.
Secretarla da inspeccao do Arsenal de Man-
ara de Pernambuco, 20 de Maio de 1890.
O secretirio
Antonio da Silva Azewdo.
Club Militar
Por ordem do cidado presidente, p evino aos
cidados socios, que d'ora em diante as sessOes
ordinarias sero realisadas tod's as sexlavfji
ras, .- 6 horas da Urde.
O secretario,
R- -Nuoo da Costa
Companhia Alagoana de
Fiacao e Tecidos
Convidamos os senhores subscriptores desta
companhia para, de accordo com os arts. 9 e 10
dos e.tatutos, realisarem at o dia 14 de Jui no
prximo futuro, a 10.a entrada na razao de 10
0/0 do valor de suas acetes no l'anco de Per*
namhuc?. Macei, 14 de Maio de 1890.
Os direcloies
Jos Teixeira Machado.
Jos Janeado P. de Carvalho.
Propicio Barreto.
CKDULAS
DO
Banco N acional
Troca se, pagando bom premio, cdulas da
emissao pagavel em ouio, do Ban :o Nacional,
no armazem n. 4, ra do Commercio.
A rsenal de Maririha
venda de ferro velno
De ordem do cidado rapito-tenente Frede-
rico Guilherme de Souza Serrano, inspector
deste arsenal, faco publico que, na secretaria
desta inspecgo, recebe-se propotas em cartas
fechadas at as 11 horas do dia 28 do corrente,
para venda de 36,275 kilos de ferro velbo exis
tente neste estabetecimento, devendo ser por
kilos os precos das propostas.
Secretaria da Inspeccao do Arsenal de Mari
nha do Estado de Pernambuco, 22 de Maio de
1890.O secretario,
Antonio da Silva Azecedo.
Pf aso de 20 dias
Primeira praca
Edital n. 41
Pela inspectora desta alfaudega se faz publi-
co que s 11 oras do da 12 do mez de Junho
prximo vindouro nos termos do 3 do art
280 da :onsolid-JCo das l?is das alfandegas e
mesas de rendas, sero arrematadas porta
dtsta repartigo, as mercador.as abaixo meo
donadas:
Armazem n. 7
Mjrca MC, 6 mixta sem numero, viadas de
Liverpool no vapor ingtez lolbom, miradj m
10 de Janeiro de 1890, contengo 40 caix.n;lias
com passa?, pesando liquido 43kilo^r.-,.inin^.-;.
Marca C&C. 2 ditas sem numero, dem i l'-:n ,
contendo 1H calxinlias com passa*, pesando li-
quido 128kilogrammas.
3.' seceo da Alfandcga de Pernambuco, 22
de Maio de 1890.-O diere,
Domingos Joaquim daFonseca.
S. R. M.
Sociedade Recreativa Hociiladc
De ordem desta presidencia scientilico ios
senhores socios que deixar de baver recreio no
domingo 23 do corrente por ec acbar a s le em
reparo.
Secretaria da Sociedade Recreativa Mocidade,
23 de Maio de 1890.
O 1- secretario ad'boc,
A.-Affjuso Ferrc.ra.
Celestial confraria da
SS. Trindade
De ordem do prestimoso irraio provedor. par
ticipo a todos os nos jos carist irnos irmos e
irms, que ter lugar a fcsU da SS. Trindade e
a pro.issSo no dia 1 de Junho prximo futuro, e
faltando os recursos mesa regedora para tal
tim, venho implorar d> vos o vojo obulo, e
cojo especialidade dos irmos c irms que rao
foram cartiados por rao saberse de suas mora
da* ; espero, pois, que Of carissiraos irmos
mandaro levar as suas esmclas as mas i.'c S
Francisco o. 6, i' andar; Haras n. 158 ; Ca!
deireiro n. 50, e Jardim n. 42 ou ligaras pifa a
procisso no dia j mencionado, no conveaio de
S. Francisco, pelas 2 1/2 horas d Urde.
Secretarla ca Celestial coniraa da S3. Tiin
dade, 19 de Maio de 1890.
J69t Gudes de Lacerda,
Secretario.
O ccnselho de Comoras deste arsenal recebe
prdpostas no dia 28 do crranle, at 11 no:as da
macha, para a compra dos artigos seguiotes :
3677n,23 de algodozinbo de 80 82 centmetros
de largura.
234 metros de algodo msela.
18om2o do algodo riscado.
3737"7a de brtm escuro de linho trangado.
1.144 metros de brim branco liso.
200 bonneti do servigo interno.
38 bonnets do servigo interno, para operarios mi-
litares.
31 bonnets de formitura para os mesmos.
33 cobertores encarnados.
102 metros de cadarco para ecz (largo)
1482 de chita para calcas de enhar.
20 carnizas de morim.
20 colchas de chita adam scada.
438 gr.ivatas de couro envernisado.
8 metros de ganga encarnada.
110 metros de hollanda de forro.
3 pares de meias de l.
179 pares de meias de algedo, sem costura, de
n. 9 a 10.
10 metro* de morim p ra fronhas.
731 pares de sapatos de couro e bezerro. de ns
39 40e42.
4 aventaes de algodo trancado pora consi-
nheiro.
i arreio completo para traego de carrociaba.
1 baca e jarro de ferro estanbado.
1 baUnca de cima de mesa, com pesos, at 10
kilogrammas.
2 bataneas decimaes, com pesos, at 100 kilo-
grammas.
16 bandejas de folha para farinha, com capaci-
dade para lOpragas.
1 baoheiro de lolha.
1 bule de louga para amostra de rancho.
2 bules de folha para caf.
2 cadeiras de jacarandi com bragos e assento
de palhinha.
15 ditas de dito sem bracos e assento de palhi-
nha.
1 caldeira de f rro batido para 100 pragas.
2 ditas de lito para 25 pragas.
1 caixa de folba para amostra de rancho,
i caneco de metal branco para tirar agua.
11 ditos de ferro es'anhado com crrante.
1 carrocinha para conduego de rancho.
1 castiga! de lalo
8 cestos de paloa para faxina.
111 casaos de chicaras e pires de louga, grandes.
60 casaos de chicaras e pires de metal, grandes.
96 pares de chinelas de cou~o branco.
112 collieres de metal para sopa.
20 ditas de dito para cha.
t collecgo de traslados de calhgraphia.
16 conchas de metal para sopeiras e terrinas.
1 cencha grande de ferro para caldo.
400 enxergOes vasios de algodo ciscado.
16 ditos cheios de palba de dito.
2 ditos cheios de l.
3 espar.adeirs de ferro.
4 Taca9 para cosinba.
2 frigid iras grandes de ferro estanbado.
2 ditas pequeas.
3 mus de folba para 1/2 litro.
2 gaitas grandes de ferro.
5 lampeoog grandes para randiciros a kerosene
1 lata de folha para cat moido, de 5 kilos.
3 ditas grande pira aparar caf para 100 pragas.
9 marmitas de folba para condugo de raneno.
1 temo de medidas de folha para lquidos, at 4
litros.
16 morinques de barro com pratos.
8 oleadi.s rspessos para mesa de rancbo.
4 cunnes de louga.
124 pratos fundos, de loogas.
124 ditos razo?.
60 ditos fundos, de metal.
60 ditos tazos, idem.
24 ditos travessos. idem.
3 relogios americanos para parede.
26 saceos de algodo grosso para coar caf.
1 sacarolha de ferro.
i serrote para carne.
8 sopeiras de ferio agatba.
2 sinetes com armas nacionaes.
6 talhas de ta-ro com u-rapa.
t dita de dito com torneira e tampa.
8 terrinas de ferro agatba.
2 tigelas de louga.
6 toalh is de algodo grosso pare mesa de rancho.
entestado.
38 toalnas de algodo para lirapar louga,
4 travesseiros cneios de l.
50 ditos cheios de palha.
8 urnas de folha para caf.
ObservagOes
Previnc-se que nao ser&e tomadas em consi-
dengio, as proposlas que nao forera feilas na
forma do art. 64 do regulamento de 19 de Outu-
bro de 1872, isto em duplicata, com referencia
a um s arngo, mencionando o nome do propo
nenie, a indicacSo da casa comraercial, o prago
de Cada artife, o numero e marca das amostras,
dcr.larc/io ixp.e.-a de fujeitar-se 5 multa de
5 % no cao de recusar assignar o contracto,
liein como as de que tratam os artigos 87 e 88 do
citado retuljmento.
Outrosun, previne se mais q:e todo3 esses ob-
jc etc fo de prorapta entrega, excepto, porm,
aqueles que forei/i precisos manufadurar.
Secrelaria do Arsenal de Guerra de Pcrnam-
bucu 23 de Maio de 1890.
O secrptario,
Jos Francisco Ribeiro ilacedo.
SEGIBOS COMBA F060
EDIFICIOS E MERCADURAS
TAXA8 BAIXAS
Prompto pagamento de prejuzot
SEM DESCONT
A COHPA1II t
IMPERIAL
E LONDRES
Estabelecida em 1803
CAPITAL Rs. 18.000:000000
AGENTES BROWNS & C.
N. 5-RA DO COMMERCIO-N. 5
:mn fo&o
NORTHERN
de Londres e Aberdaea
Posisao financeira CDezembro de 1887;
Capital subscripto 3.000,000
Fondos aecumulados 3.421,000
Hecelta annu.il :
De premios contra fogo 607,000
De premios sobre vidas 197,000
De uros > 143,000
O AGENTE,
John H.Boxinett.
IIID EMNIS ADORA
Companhia de Segaros
martimos e terrestrf
Ent a be le cicla em 1S55
Estado flnanceiro em 31 de De-
zembro de 1899.
Capital 1,000:000^000
Fundo de reserva H0:376|000
Sinistros pagos 1,776:6831000
44^Ra do Commercio44
MARTIMOS
SEGKOS
MARJT1M0S CONTRA FOfiO
Ctv_<|>.iukla Pheoix Per-
uainbucana
RA DO COMMERCIO N. 46
D
CONTRA FOGO
fue Liverpool & LondoD i Globe
1NSTJRAMCE GD./EPA1TY
sLASsauas, mvm & c.
Ra do Commercio n. 3
Companhie de Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Nerthe
Commandante Lecointre
E' esperado dos portos do
8ul no dia 1 de Junho
segundc depois dademo
ra de costume para Bor-
deaux, tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes qne ha lugares reservados para esta
a ?encia, que podem tomar em qualquer tempe
Faz-se batimento de 15 0[0 em favor das fa-
milias compostas de 4 pessoas ao menos e que
pagarem 4passagensinteiras.
Por excepsao, os criados de familias que to-
marem bilbetes de proa, gozam tambem deste
a jatimento.
Os vales postaes s se dao at o dia 31 de Maio
co pagos de contado.
Para carga, passagens, encommendas e di-
ohairo a frete : trata-se com o AGENTE.
Companhia Brasileira de
Navega^ao Vapor
PORTOS DO NORTE
3 vapor Pernambuco
Cmmandante Antonio Ferreira da Silva
E'esperado dos portes do su!
at o dia 27 de Maio e se-
guindo depoit da demora indis
pensavel para o portos do nor-
te al Mauaos.
As encommendas s serio recebidas na agen
tia at 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, encommendas, passagens e valo
-es trata-se com os
AGENTES .
Pereira Carneiro & C.
6Ra do Commer.cio**36
1* andar
Royal Mail Steam Packei
Company
O vapor Tamar
E' esperado do sol no dia 25 de Maio
seguindo depois da demora neces-
sana para
SEUIJRO C0MR.4 FOGO
loyal Insurance G)mpan)'
de Liverpool
CAPITAL 1.000:000
AGENTES
H. Druzina &. C.
13-lina llnronez de OlInda-lS
AGENTES
Lisboa, Vigo e Santhampton
Rtducco de pastagen
Ida Idaevoltc
V Lisboa 1 classe t 20 30
4'Soathampton 1* classe 28 42
Camarotes reservados para os passageiros di
Pernambuco.
Para passagen?, tretes, encommendas. trata-s*
mu os
AGENTES
A morim Irmos & C
N. 3Ra do Bou JessN. 3
O paquete Orenoque
Commandante Mortemard
E' esperado da Europa no
dia 3 de Junbo e segui-
r depois da demora He-
cessana para
fahia, Rio de Janeiro, Buenos-Ayret *
Montevideo
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em quatquer tempe
Previne-se aos Srs. recebedores de mercado
riag qne s se attender a reclamaces por fal-
la i, nos volumee, que forem reconhecidas na
o xasiao da descarga, assim como devero den
tr j de 48 horas a contar do dia da descarga das
a varengas, faterem qualquer reclamaco con-
jernentes a volumes que porventera tenham se-
guido para os portes do sol, afim de poder-se
Jar a tempo as providencias necessarias.
'ompanhia Baha na de Na-
vegaijao Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Arac*-
j, Estancia e Baha
O VAPOR
Mrquez de Caxias
Commandante Bernardes
Seguir para os
portes cima
: indicados no dia
28 do corrente as
4 horas da tarde.
Para carga, passagens, encommendas e dinhei-
r j a frete trata-se com o
AGENTE
'edro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vigario-17
Rio de Janeiro, San:os, Rio Grande do
Sul, Pelotas e Porto-Alegre
O vapor inglez Cometa
Seguir em pon-
eos dias para os
portos cima in-
dicados.
Sobre car^a, encommendas e passagens, tra-
ta-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro &C.
6RA DO COMMERCIO6
1* andar
co
AXUIl
PEBKAHB1!CA.1IA
DE
tfayegaeSo costelra por vapor
PORTOS DO SUL
Tamandar e Rio Formoso
O vapor S.Francisco
Segu no dia 28 de Maio s 5
horas da manhQ. Recebe carga at o
Encommendas, passagens e dinheiro a frete
is 3 horas da tarde do dia 27.
ESCRIPTORIO
Ao cae da Companhia Pernambucana
n. 12
United States and Brazil
M.S.S.C.
O vapor Finance
E'esperado deNe^YorK-
at o dia 29 de Miio
o qual depois da de-
mora necessaria seguir
para a
B.ihla, Rio de Janeiroe Santos
Para passagens carga, encommendas e di-
leiro a frete:. trata-se com os /GENTES.
Ovapor Advance
E' esperado dos portos do
sul at o dia 3 de Junho
o qual depois da de-
mora necessaria seguir
para o
Haranhao, Para, Barbados, 9.
Thomaz, Martinique e \ew-
York.
Para carga, passagens, encommendas
aheiro a frete : trata-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8.fina 2o Commecior8
1' andar
Linhas de vapores mensaes
PARA OS PORTOS EO SUL
O vapor austro-hngaro
Zichj
E' esperado at o dia 26 do cor
rente e seguir depois de breve
domora para a
Baha. Kio de Janeiro e Santos
Faete mdico para carga a tratar com
E. S. Levy
Ra do Ceirmercio n. 22
e di-
Pacific Steam Navigation
Companv
STRAITSOFMAGELLAN LINE
O paquete John Eider
peq.gyg
Espera-pe da Europa at o dia
1 de Jonli o seguir de-
pois da demora do costume para
Valparaso coui escala por
Babia, Rio de Janeiro e Montevideo
Para carga, passagei red, encommendas e di
heiro a freie: trata-'se com os
AGENTES
Wson, Sons C, Limited
14RA DO COMMERCIO14
LEILOES
Bates paquetea
l i* elctrica.
Co (Iluminado *
Para carga, passagens, encommendas e di-
n eiro a frete: trata-se com o
AGENTE
Augu.ste Labille
9 Ra do Commercio 9
Segunda-feira 2o deve ter logar o leilo defa
rendas avariadas, miudezas, e perfumaras, pele
agente Pinto, no armazem da ra do Bom Jess
n. 43.
Terca-feira 27 o de 3 301 fardos de alfafa em
um ou mais lotes, no armazem Visccnde do Li-
vraraonto ces da Companhia Pernambucana.
Quarta-feira 28 Icilo de urna linda mobilia a
Luiz XV e mui'os oulrcs movis. _____ __
Agente Brito
Leilo
De movis, loacas, vidros e 1 pian
Urna mobilia de Jacaranda, 1 dita de junco, 1
cama franceza de Jacaranda, 1 dita de amareli,
1 marquezSo largo, 1 dito eatreito, 1 guarda
vestido, 1 toilette, 1 meia coamoda, 1 lavatora
com pedra, 1 dito de amarello, 2 banquinhas, 1
mi8a com 2 gavetas, 1 mesa plasi'ca com 4 ta-
boas, 1 ditagraude de amarello. ^uarda-louc*.
2 aparadores, 1 guarda comida, l cadeiras do
junco, 10 Jilas de amsrello, 1 marqueza, 1 sof, *
cadeiras de balarlo 2 ditas de brago, 2 cabides
de columnas, 1 dito de parede, mesa e bancos
de goiabeira, 1 mesa redonda, 1 relogio de pa
rede, 1 caixa graude de amarello, 1 moinaa
grande de caf, 1 mirador, 1 tapete para sof, f
jarros, talhercs, colhercs. louc* para almoco e
isntar, copos, clice?, garrafa? para vinho, bande-
jas, 2 serpentinaj de 3 luzes, escarrideiras e oa-
tros muitos objectos. ,
O agente cima, autonsado por urna familia
que retirou se para o E-tado Poeral, far letlis
dos objectos cima declarados,
A' ruada Impera tria n. 5, 2- andar
Segunda-feir?. 2 do corrento
A's 10' 1|2 horas.
Leilao
De bons movis
CONSTANDO DE:
Marquezoes para casal, ditos para setteir
mosqueteiros, colxOes. travesseiros, solas Se
accarello, dit03 de jaesraud. meias coowkOm
da amarello, ccmm->daa inteiras, ditas deaca-
rand, consolos de Jacaranda com pedra, uta
de amarello, cadeiras de balarco de amaren.

1



I
.4


adeiras de guarnicio de amaU-llo. ditas de
tacode jacarando dius de guarnicio de jaca-
5U palha da I>ba. lavatorio de amarello, di
fea de ferro, mesas para iogo, d Jacaranda, ditas
leainarello para cabeceira, ditas redondas de
anarello, mesa elstica de amarellc, dita para jan
fcr de am relio, mesas, banquiobas, jardinei
ras de amarello, cadeiras de juoco, cabides de
olnmna, ditos de pareae, ditos americano,
fcear para bordar, cavalete para pintara, apara-
dores de amarello, trufadores de Jacaranda, ta
totee grandes, ditos pequeos espelbos grandes
Conrados, ditos menores, guardi comidas de
lame e amarello, guarda roupa de amarello
goardavestido, quadroa de oleojrapbia, es-
fcte para livros, biombos, relogio despertador,
acbina de costura, jarros de alabastro, paooos
de mesa, escarraderias, porta-toalbas bonitos,
tico, do Cear, candieiros de gas, tabo>s de
tubo para divisOes e muitos outros movis.
Terca-felra. do correrte
As 11 horas
Ha ra dj Visconde de Goyanna d. 90,
sitio que volta para o Caminho Novo.
O asente Marltns, competentemente autorisa-
do fara leiiSo de todos os movis existentes no
sobrado n. 90 roa do Visconde de Goyanoa.
Ao correr do martello
As 10 horas e *| baver boode eapecial pela
Hnha da Magdalena que dar pasagem grates
ios concurrentes.
JLeilo
De miudezas e perfumaras
A SABER:
4 cairas c^m sabonetes, t caixa con botoes de
Jadreperola, collannbos, frascos com colla, can
eiros a gas, relogios, qmdros, bocaes para
OBndieiros. mangoeiras, silbas, accordioes, lan-
ternas mgicas, arandelas para gas, musa rda,
fppel almaco, de peso e dt cores, copos, louca e
fldros. _^ '
>cenada-feir. do corrate
A's11 horas
Leilo
Uiano
i
Pernambueo--lioiii
espe-
e vi"
Impe-
De mobilia de junco e Jacaranda,
lho oval, qoadros a oleo, toacas
droa
Quartafeia, 28 do crrante
A's 11 hora da manh
No 1' andar do sobrado ra do
rador n. 44
CONSTANDO:
De t mobilia df junco, medalho, com i% ea-
driras de guarnicao, 4 ditas de bracos, t sof e
2 consolos com pedra, i espelbo oval moldura
deurada, J quadros, a oleo, x dilos de paisa-
Kens 4 etageres, 6 jarros para flores, 2 casti
caes com lanternas, i escarradeiraa, 1 caLdieiro
para kerosene, 6 capadlos, I cama, para casal
1 guarda vestidos, 4 toilette, 1 lavatorio. 1 cotn-
moda 1 marqueao largo, 1 dito estreito, l|i
comm'oda de amarello, cama para menino, i
cabide de parede, i banc cob gaveta, i mesa
elstica de 3 taboas, 1 guarda lonja, 2 aparado-
res l caderas de junco, 1 relogio de parede'
i mobilia de Jacaranda completa, 1 caudieiro bele
ga de suspenso, 4 sof de jacaraod. cadeiras
de pao carga. 1 lavatorio de ferro com iarro e
hacia, 1 machina para gelar-bebidas, 1 carro
para menino, loucas para janUr e .Imoco, copos
garrafas licoreiros, talberes, colheres, bandejas
e muitos outros objectos.
0 agente Gusmo autonsado por uma familia
que retirou se para fora do Estado, fara leilao
dos movis e mais objecioi cima mencionados,
os quaes foram transportados para o referido
sobrado.__________________________________,
Leilo
de movis, quadros, jarros, candieiros, loucas e
vidros.
tgnsrf a-fe Ira, *8 do corrate
Agente Pinto
Ra
Agente Pinto
do Bom Jess n 45,
nii::< n
recida ao bello sexo pernambucano e editada
pela LIVHABIA FfUNCEZA a roa 4de Margo,
n. 9, Pernambuco de *. W. le Hedrira*
Prego de um volume nitidamente impresso rm
l*contendo iit paginas, nclusive a msica. .
8-JOOO ( I 1)
nlP* ^ f
Maio de
Ao commercio
Os abaixo a.snenados declarara que nesta data
dissolveram amigavelmente a sociedade com-
mercial que gira va sob a firma de Pinto & Costa,
ticaodo o socio Justino Antonio Pinto nico res
ponsavel pelo activo e passivo da dita firma, re-
tirando se o socio Manoel Gomes da Costa pago
integralmente de seu capital e lucros,
Recife, 12 de Maio de 1890.
Justino Antonio Pinto.
_________Manoel Gomes da Co3ta.
Precisa-se de urna casa
com gaz e agua encanada e
bastantes commodos para
pequea familia.
A tratar na ra do Mr-
quez de Olinda, n. 13.
Attenijo
Aluga se um bom sobrado na ra Direita dos
Afogados n li, tem commodos para grande fa-
milia, tem rauito bonita vista, muito fresco e
saudavel e o aluguel barato ; tratase na mesan
ra n. 96.
Precisa se de nm caixeiro ; na refloaco
da ra de S. Jorge n. 118.
Aluga-se
Agente Stepple
Leilo
De joias, movis, roupas novas e usadas,
e grande quanti de Angelina, diversos depsitos cheios
de liquido, rolos de salsa e barris wm
vinho do porto fino, e outras mais be-
bidas.
Dolata-feira. do corrate
A's 11 horas
A' ra de Paulino Cmara n. 19, e as ofici-
nas ra da Flores em frente travessa da Paz.
0 agente Stepple, por mandado e assistencia do
Bxm. Sr. Dr. juiz de direito de orpbios e ausen-
tes, a requerimento do Sr. cnsul de Portugal,
levar a leilo os bens pertencentes, ao espolio
do finado subdito portugus Angelino Jos dos
Sanios Andrade.
Os Srs. pretendentes desde j poderSo vir exa-
minar o mandado que icha-se em poder do mes-
ao agente. "______________
Leilo
De fazeadas avarladas
CONSTANDO
de differentes pegas de brim. fustao de cores
Sarle da carga marca T P d. V689. descarregada
e bordo do vapor fraocez VMe de Rosario, com
a vari a d'agua do mar.
Differentes pegas de algodao mesclado, tambem
avariadas e nutras fazendas.
Segaada-fela, se do corrate
A's 11 horas
Boa da Bom Jess n. 45, armazem
Agerte Pinto
jente Stepple
Novo leilo
da roatta Pitanga, na comarca de Goyan-
na, psrtencente ao espolio do finado
coronel Joao de S Cavalcante d'Albu-
querque.
Quarta-feira, 28 do corrente
A' 1 hora em ponto
Na Cmara Municipal de Olinda
0 agente cima, por mandado e assisteucia do
Exm. Sr. Dr. juizde direito da comarca de Olio
aa, a requerimento do inventarame, levar a
leilo a malta cima de?cripta.
Os Srs. pretendentes desde j podero ir exa-
minar a referida malla.
AVISOS DIVERSOS
Agente Silveira
Leilo
o>e movis, qoadros, Toacas e
vidros
Seguada-felra, do corrate
A' 10 12 horas
No 1.* andar ra Estreita do Rosario
E
aa --
O agente Silveira, autorif ado por urna seobora
e se retira para o Estado do Para. lnvar a lei-
uma mobilia de Jacaranda com pedra. cama
francesa, 1 toilette, mesa para jantar, cadeiras
de guarnieo. ditas oe junco, qua ros, louga.
vidros e.ageres e mais movis patentes no acto
do leilo.
Ao correr do martello
Leilo
De cerca de 3,300 fardos de alfafa
Em nm ou mais lotes vontade dos com-
pradores
Terca feira, 27 do corrente
A's 11 horas
Agente Pinto
o armazem dos Srs. Livramento & C.
ontr'ora Visconde da Silva Loyo
Agente Stepple
Leilo
de nm sobrado de dona andares sob n. 30
roa de S. Pedro Martyr, em solo pro-
prio e muito fresco, na comarca de
Olinda.
Quarta-feira, 28 do corrente
A' 1 hora em ponto
Na Cmara de Olinda
0 agente cima, por despacho e assistencia do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito de orphos e ausen
tes, levar a leilo o importante sobrado cima,
pertencente menor Mara, berdeira instituida
ao testamento do finado Domingos da Silva Tor
res.
Os Srs. pr tendentes desde j pedero ir exa
minar o referido sobrado. A chavo acha se em
poder do mesmo agente.____________________
Agente Stepple
Leilo
Be orna casa e soto, sitio e urna grande baixa
de capim de invern a vero. sita ra do
Baro de Vi-ra Cruz, sob n. S8. na comarca
de Olinda, e urna dita na meema ra sob n
30.
A' 1 hora em poeto
Na Cmara Municipal de Olinda
0 agente Stepple por mandado e assistencia
do Exm. Sr. Dr. juiz de direito da comarca de
Olinda, a requermento do inventarente dos bens
deixados por Jeronymo Justiniano Figoeira de
Melle, levar a leifo o importante sitio com
urna grande baixa de capim.
Os >rs. pretendentes desde j poderte ir exa-
minar o referido sitio e casa.
Leilo
De 17 barra de 5. marca C C com vi
nao Alcobaca, para fechamento de con-
tal
Teres-felra, t do corrate
A's 11 horas
No trapicke da Compaataia, no largo do
Corp* Santo a. 19 _____
P0|t INTEBvENCrAO DO AGENTE
Gusmao
a casa n. 121 ra da Aurora, com commodos
para graode familia, tendo agua, gaz, quntale
jariim bem plantado ; a tratar na ra Duque de
Caxias n 7i, 1- andar.
A pessoa que deixou por e qu?cimrnto um
chapeo oe'sol em bom estado, jumo a ponte do
Recife, pode apparecer a tjpographia do Dxwrio.
que pagando importe Jo anouncia lbe .-ei en-
trege. _________ ______
Saboaria
Vende s ou permuta se por predio urna pe
quena fabrica prompta a trubalnar, margem
de rioe dimanda de pequeo capital; a tratar
na ra da Madre de Deui n. 16.
Bom empregopara
capital
Vende se o extenso armazem n. 51, no caes do
Apollo, em fr?ri*.e da uova ponte Buarque de
Macedo, com capacnade para recolher de 9 a
10,000 barricas de farioba de trigo ou outra
mercadoria em proporgo, e dous sobrados con
tieuos com frente para a ra Domingos Jos
Martios, no todo constituindo urna boa acquisi
oso : trata-secom Matheus Austiu & C, ra do
Commercio n. 18.
Ao commercio
Precisa-se de urna pe.-soa para asso:iar se
com moteados n'um arrabalde des a cidade,
bem afreguezada e em boa localidade, com pou-
co capital : quem pretender deixe nesta typo-
graphia carta com as iniciaeB H. F M.________
Bom negocio
Precisa-se de um rapaz com bastante pratica
de molbados ou algum capital para eoco de urna
taverna em boa localidade, na freguezia de San-
to Antonio ; a tratar na ra da Detengo o. 29.
Excel lente morada
Aloga-se s grande casa e sobrado do Dr. Av-
(tGama, na estrada de Joo de Barros, perto
das estagOes da En :rnzilbada, das ferr j-vias de
Olinda e de Limoeiro, com immensas accommo-
Jages, jardios, arvores fructifens da melhor
qualidade e vasto terreno, quer para plantages.
qner para criago ; a tratar no mesmo sitio.
Vende-se um pequeo estabelecio eoto de
qoi an 1a ra do Bom Jess o. 53 ; a tratar na
mesma.
Alugam se duas casas .-itas ca ra Direita
de Afogados prximo a pmte, sendo urna coro
muitoi commodos para uaa familia, e a outra
propria para uegocio por ser em caixo ; a tra
lar ua mesma ra, la padaria do cidadao Justi
no Moura._________________________________
Precisa se de urna criada para entotumado
e tratar de auartos em casa de familia ; no Ar
seal de Marioba, residencia do inspector.
-- Alugam-se casas catadas e pintadas nof
indOB de S Goncalo, a 8#000; a tratar oa ra
a Imperatrii n. 76._________________________
Aliiga-sc por prego commodo o sobrado n
155 ra Imperial, por partes ou todo, preferin-
do se alugal-o todo : qnjm o pretender dirija se
i ra do Imperador n. 36, 1 andar, direita.
Precisa te de urna boa cosiobeira na ra
do Vigario n. 5 a-mazem.
OSr. I. T. A. S. ba dias nao lbe vejo, nao
se trata de reslituigio de ordenado, m s sim
daquellas apolices, do rordo, do recib Jaquel
le aocio. dofacto da padaria, et .eliqua, nao
obrigoe a usar se dos meios irregulares.
O Sr. J>> Francisco da Costa Fern ira
pratirante do Correio, appareca para lestuir
aquella..._____________________
Patacoes e outras moedae
compra-se pelo maior prego ;
mercio n 4.
de i oro e prata,
na ra do Com-
. Tendo se extraviado um coohecimento da quan
tia de 1.330*000 correspondente a igual quantia
que re.olhi ao cofre do Thesouro dcste Estado
am de arrematar a obra dos reparos da ponte
de Afogados ; pego a quem o achar queira en
tremar ao abaixo assigoado que ser gratificado.
Joo Lins Cavalcante de Albuqoerque
Precisa-se arrendar nm engenho
em bom estado e prximo a alguma
das linhas frreas A tratar Da travessa
da Madre de Deus n. 1.
A luga-se
o i.' andar da casa ra de Domingos Jos
Mari ns n. 138, com muitos commodos para
grande familia, com agua e apparelho, muito
en conservada e em estado de asseio, muito
bygiemca por ser de oito e leudo tres vistas
lindissimas, por prego inoito commodo ; a tra-
tar no armazem n. 54, ra Mrquez de Olinda-
Attengdo
Os proprietarks da Mercearia Ccmparativa
participara afis teus distinctos freguezes e ao
respeitavel publico que receberam pelo ultimo
vapor Paranagu urna grande remessa de um
especial
vinho Collares
qual se pode experimentar que nao tem alcool,
o puro de uva e tem um tabor agradavel. pois
nao ba igual para a saude. Recebem tambem o
jabem conbecidb e acreditado
Vinho I o uro
A ella que a noica casa que recebe e retalha
os vinhos mais puros ueste mercado.
A' ra Larga do Rosario n. 20
Marques Sobrinbo di O
Engenho
Vende se urna parte ou a meia acgo de um
engenho moente e frrente a agua, qoatro
legoaa da estago de Palmares, com cnpacidade
para saftvjar mais de 2,000 pues, pdenlo o
mesmo comprador arrendal o ; a tratar na roa
Mrquez do Herval n. U4_______________________
INFALLIVEL e RADICAL
Do curativo de todos ns aSeccoes bronchiaes :
Mal de Garganta, Tese e Tisica
PEITGRAL
De ANACAHUITE
Remedio Vegeta! da Natureza para o all,
vio e cura de todas as molestias
Do Peito e dos Pulm5es.
Antonio ticnraive Ferreira
Caaco
Antonio Gongalves Ferreira, sua mulber e
flbos, Candido Gongalves Ferreira c sua mu
Iber, Arlhur Gongalves Fereira Casco, sua mu-
Iher e Albos, Jeronymo Carneiro de Albuquer
que Maranbo, sua multur e fllho', Joio da >il-
va Faria, sua mulber e tllbos e Carlos da Silva
Faria, sua mulber e Albos, confessam-se sum
mmente agradecidos aos prente* e amigos que
se dignaram acompaohar at a ultima morade
os restos mortaes de seu seropre lembrade pai,
sogro e av Antonio Googalves Ferreira Casco
mandam rezar missas na matriz da Boa Vista
pelas 8 horas da manh* do dia 97 do corrente
stimo do fallecin ento.
AO PUBLICO
O abaixo assignado resolveu participar
aos seus amigos e freguezes que continua
a ter sempre o mais completo sortimento
de:
COGNACS destacando o afamado
Pn^, que um dos que mais se pres-
ta m a tomar-se coa leite.
VINHOSO PalheU sera prejuizo das
outras marcas, especial sando tambern o
magnifico Bordeaux Republique Brsil-
lienne.
LEGUMESem conserva, especialida-
des como nao se encontrara em qualquer
casa.
CARNE 3 em conserva, especiaes como
nunca vieram aqui.
PEIXEStambem o que ha de mais
variado.
CERVEJASonde se destaca a bem
conhecida e digna de celebridade Paulino
Bier.
CHARUTOS nm grande sortimento
das melhores marcas, e por precos muito
commodos.
Ales des tes artigos acha se o sen esta-
belecimento sempre supprido de tudo
quanto se possa dse jar d'urn bom esta-
belecimento d'aquelle genero
Ra do Imperador n. 28.
Paulino de Oliveira Maia.
^MtBJi

Auna Cavalcante de Barro Mon
telro
Jorquim Cavahante Leal de Barros, seus ir-
mos, mulher e tubos coovidam seus prenles e
amigos para assistirem a missa que mandam
celebrar na ordem lerceira do Carmo, s 7 horas
da manb do da 26 lo cortete, por alma de
?ua sempre chorada irm, cu'ihada e tia. Auna
Cavalcante de Barroj Montriro, fallecida em
Alagoas a 19 do corrente._____________________
.l
Ciorflna Augnata de Ave vedo
Jos Hdrtins de nlmeida, manas, tia, primos,
cunbado e mais prenles agradecem a todas as
pessoas que acompanharam os restos mortaes
da finada Gorgina Augusta de Azevedo ao ceu i-
terio publico, e de novo as convidara assisti-
rem a missa do stimo dia, na matriz da Boa-
Vista, n> lia 5W, s 7 horas da manh, e desde
jA agraiipcem este acto de caridy.de.___________
t
Francisca Romana da CunLa Lima, Joo Fer-
reira da Cunha Lima, Vicencia Ferreira da Cu
nba Lima, Joo da Cunha Moreira Alves. mu-
lber, lilhos, sogro e mais prenles do inditoso
finado Antonio Eleosipa de Lima, mandam rezar
urna missa uj dia terga feira 47 do correte,
pelas 7 horas da nanh. stimo do seu passa-
menti, na igreja de S Gongalo, para_o que con
vidam aos amigos e prenles do mismo finado a
ouvirem a dita missa pelo eterno repous > de
sua alma, pelo que muito gratos Ibes iicarao por
e8e acto de relieifto. ^_^_^_
Novissimo livro de inleressintes sortes
para recreio ds festivas noites
DE
Santo Antonio
POR
0LI7SS20 JSICB
COHTENDO:
Uma linda e variada collecgo de sortes e de
jogos de cartas, como o E'carti e de sociedades
como os PROVERBIOS.
X Em acf&o, uma immensa collecgo de receitas
uteis e de perfumara e cosmtico, um utilissimo
kaleodario agrcola, nma enorme quanlidade de
logrogripbos, enigmas, charadas e problemas e
uma inflnidade de contentes balalas, fbulas,
modinbas, luods, aoexins, anedoctas, romn
ees intisnlaueos, defloicoes espirituosas, poesas
e outras coosas mis, am de na uova e salti
Unte po ka de composigo do festejado professor
Oaudio da Cama
o inspirado antor da Stella, A Moreoinha, Uto
Sim, Seosivel, Risos de Amor. V Entrando,
Tais toi moa cceur t Nao C'eio ?, Ma-ieU, Risos
de Yaya, e tantas outras polkas e walsas qne de
continuo se tocam e se dansam aos sons das mes
mas. constituindo delicia dos melnores salOes,
denominada- Oa Ven* nnnloa I e offe-
t
*om6 Antonio de Amujo I-t
Tramonto
Segunda feira 26 do corren* mez, vigsimo
dia do passamento de Jos Antonio de Araojo
Livramento, ceiebram se missas s 8 horas d
maobS, no conven o do Carmo. por seu eterno
repouso.
t
Joaqun Jo Marlin*
Jos Julio de Souza Marios o sua mi Julia
Candida de Souza Mariios, convidara aos paren
tes e amigos para amissi do trigsimo dia do
fallecimenio de sen chorado pai e esposo Jos
quim Jos Martin?, s 8, huras da manh de
terga feira ti do corrente, no convento de N. S-
do Carmo, confesando se desde j agradecidos
aos que all quizerem apparticer.
Ibii
de Albuqarr
io Cardo ao
Fabrhio de Albuque que Cardcso convida a
todos M pa'tnti a e amigos para aasistirem as
missas qne manda rezar i a matriz de Nazareth
e no engenho Contra Agnde, em Jaboatao, no
dia 19, s 8 oras, trigsimo do passtmento le
sua indito'a esposa, per eujo acto de eardade
ereligio se confessa eternamente grato.
-;
i
i
i
-
i
1
->
)
-I
i
i
-i
-*
-i
-I
-i
-I
-)
i
^
-
->
^
l
-i
i
-5
i
i
i
-i
-
Preadrado vinos* tortita
Approvado pela mostrada Jasta de
Hyglene Publico da Corte.
Auctorisado por Decreto Imperial
de 20 de Junho de 1883.
COMPOSI9O
de
Firmino Candido de Figueiredo.
Empregado com a maior efiieacia no
rheumatismo de qualquer natureza,
em todas as molestias da ptUe, as
Uucorrhas ou fiares brancas, nos
soflrimentosoccasionadospela impureza
do sangue, e finalmente as differentes
formas da syphilis.
Ra Harqaez de Olinda a. 13
Armazem de cerveja, vi-
nhos, champagne, licores,
cognac, agua mineral, con-
servas, etc., etc. nico
deposito da afamada, cer-
veja Phoenix de Dortmimd
e do chocolate Ph. Su-
chard de Neuchatel pre-
miado com a medalha de
Ouro na Exposigao Univer-
sal de Pariz em 1889.
Agencia da grande fa-
brica de charutos Danne-
mann&C, S. Flix (Baha).
Criados e co^inheira
Na ,ua Direita n. 74, i- andar, precisa se de
criados que tenham pratica de vender, e dt um;
boa cosinheira que saina trabalhar bem em bo
seo em outras iguarias de vendagem.
Alugam-se barato
o 1 e 2- andares ra de BemhVa n. S (Passa
gem da Magdalena) com muitos commodos, agua
e gaz encanados, bom banho doce e salgado,
porto ao fundo, asseiados ; a tratar na pbarma
ca Conceigo, ra Mrquez ce Olinda.
Sitio na Magdalena
Aluga se um, com excellente capa para gran
de familia, toda pintada e forrada a papel, com
gaz, agua boa latrina e bond porta ; trata-st
com Antonio Gomes de Maitos ra ra Cadei
numero 25.
Ao commercio
Alexandre Antonio da S Iva cliveira declara
a quem interesar possa, que tendo comp'ado
ao r. MaPoeiFraoci8Co de Almeid >, a 2 do cor
r ni'-, o hotel denominado Ancoradouro, ra
Mariz e Barros n. 9, livre e desembaragado ; pe-
de a quem tejulgar credor de a presentar sua?
montas para serem pagas.
Aos agricultores
O bacbarel Petronillo de Sania Cruz Oliveira
contina a encarregar se de levantar empresti
moa para auxilio da lavoura sob hvpotbeca de
propnedades e penhor de safra ; na roa do Im-
perador n. 69, i andar.
Dse Nos primeiros seis dias uma
colher das de cha pela man ha e outra
6. noite, paramente ou diluida em agua
e em seguida mudar-se-ha para colhe-
jes das de sopa para os adultos e me-
tade para as crianzas.
Rgimen Os doentes devem ab-
ster-se apenas do alimento acido e gor-
-S) duroso; devem usar dos banhos frios ou
j momos, segundo o estado da molestia.
OV08IT0 OWTSAL
] i FruiecO Manoel da Silva & C.
t Droguistas
1 2' Ra Mrquez de Olinda
Pernambuco
Urgente
Vende se um sitio arborisado e com boa casa
je morada, na estrada do G qui ; tratase na
dua do Imperador n. 6i, 1 andar.
InjeccSo
Se nao morri desesperado, soffrende
muito tempo nma molestia ebronica que
ninguem poda curar; foi por encontrar o
santo remedioInjeccSo M Moratoque
insta' taneamente poa termo ao mea hor
rivel sofFrimento.
Taubat.
Augusto '' intra Magalh&es.
Agentes depositarios em Pernambuco :
Francisco M. da Silva & C ra Marquen
de Olinda n. 23.
MBDALHA X>B OURO
DA ACADEMIA NACIONAL
DO DOUTOR
viview
com EXTRACTO de
FIGADO wBACALHaO
Hall effleaz aluda do que o elto e$euro. O lair
mvltoagraanl. Scm delmr itrtebiromormiotooto.
recebado por todos os medios pura o
'Kachitiamo, Eorophula*>, Anemia, Tialoa,
Qillm Pulmonar, Oonatipac!6M,CU roa*.
KotortHi do Paito, etc
Jtm toda* aa P jarnaacia
PARS, BoMlavard da Straabeurg, BO
BmiBMBimaBMiiBW
VIGOR DO CABELLO,
DE AYER
Preparado sob bases scienttfiCM
e physiologlcas para o ftm de
beneficiar os cabellos, restaurar
a edr, impedir a queda, e promo-
ver seu vico e abundante cresci-
mento.
Esta apurada e excellente preparaco,
sem duvlda o melhor remedio at hoje
conhecido para os differentes defeitos da
cabelladura, merece a intima attencio de
todas as pessoas que tdm tido a infelici-
dada de perder em parte este mais rico
ornamento natural da physionomia.
Com o sen emprego intelligente tem-so
conseguido resultados realmente, sorpren-
dentes. Em muitos casos, porm nao
sempre, a propria calvicie tem sido curada
permanentemente.
Sempre se consegue fazer parar a queda
dos cabellos; emquanto que para opentta-
oo das senhoras, o objecto mais til
mais agradavel que se pode empregar.
PREPARADO PELO
DR. J. C. AYER & CA.,
Lowell, Mass., Est.-TJnidos.
A' venda as lejas de armarinho e per
(amarlas.
deposito gkraj }
.. ... :,-- -/ 'MBF.
A luga-se
em Afogados uma casa terrea, muit > limpa. com
bons commod >s para familia, na ra Direita,
junto a antiga esi-cao das diligencias ; a ti atar
na ma estreita do Rosario n. 9, junio a igreja.

' V
Ama
i-i
'
Precisa se de uma boa cozioheira, que faca
compras no mercado, para casa de familia com-
posta de duas pessoas. InformacOes na ra de
Cabug n. 3, leja. ______ ^^
Ama
Aos sapateiros
Acaba de chegar para a loja da ra do Livra-
mento n. 19. um novo sortimento de formas
f'acezas para calcados de bomens, senhoras c
mininos. No mesmo estabelecimeoto os senho-
res sapateiros encoilraro sempre um completo
sortimento de aviamentos para fabrico de caiga
dos e por recos sem competencia ; ; no Bazar
do Livramento n. 19.
ATKINSON
PERFUMARA INGLEZA
Ercee totlaa aa outras pelo seu
perfume oxcuiato.
EA DS TOILETTE DE LOHDRES
DE ATKINSON
Incompnravcl para refrescar c snaTtaar
Kla iiii'jtccliTPl cs^i'llia de
p*Ue
nUTOS
cxcluri-.
rerfnnies para o len.;o. Arti,
prc arada pelos InTetiturM
nnente*
ncon!ri'*9 am Can i fcrte es Seffr-
tfilleW F-ibric-rtei
J. E. ATKIK30N
24 Od Bond Street, Londrec
Jarta-ieTabrU- ma"Erbr----
obr* uir "* Ljrr de onro
oom enderoco na totalidade.
Elixir M. Morato
ROPAOADO POR D. CARLOS
Depois de. 6 annos de atroz soffrimento
de rheumatismo, estando verdaderamente
descorecoado, sarai completamente usando
o=Elixir M. Morato==que declaro ser o"
melhor e nico anti rheumatico at hoje
S. Paulo 2 de Novembro de 1889.
Cesario Rodrigues Alvim.
Precisase de uma ama pura enfirmmar e co-
sinbar ; a tratar na ra da Palma n. 29.
Ama
Precisa se de uma boa cosinbeira para casa
de pequea familia, que durma em casa dos
patrOes e sej i matriculada ; na ra de Fernan-
dea Vieira n. 89. ________________________
Ama
Precisa se de vma ama p?ra cosinba ; na ra
de Pedro nffonso n. 62.
v
M
Amas
Prf cisa-se de duas amas, sendo uma para co-
sinbar e outra para engommar. para casa de fa-
milia ; a tratar na ra Conde da Boa Vista n.
24 A cu a ra Duque de Caxias n. 93.
Ama de leit

Precisa se de uma ama de ir-ite para criar
uma menina, que tenha bom e abundarle le te,
seja sadia e carinhosa ; a tratar aa ra BarSo
do TriumpBQ u. 68._________________________
Cal Trgem de Jagna-
ribe
Depoaito no Caes do Apollo n. t3
Esta afamada cal, propria para o fabuco
de assucar, continua se a vender pelo mes-
mo preco e a batimento do costume No mes-
mo armazem vendem se todas as mais quali-
dades de cal de Jagoaribe branca e preta, em
p, assim como todos os materiaes proprios
para construccoe* e reconstroecOes por precos
menores do que em outra qualquer parte,
A2ULEJS~
Paitt frente de casas, bachairos
corredores, ncongues, sendo de lindas
cores, vendem-se por 6O>000 o milhei-
ro, por. er um saldo, na I raga da In-
dependencia n. 40.

-.

*************** *****
Tratamento Reconstituinte
ELIXIR DOHAMP
COM EXTRACTO
de Figado de ItaealhM
Quina e Cacan
Cada fraeco d'sste
ELIXIR contem os
principios depurativos e
tnicos do um litro de oleo
de figdd.j d9 bacalhu e
um Utro do vHho de Quina.
Tem sobre o oleo de
1 finido de bac>1hu a van-
1 tegam do fiu'-cisrar as
1 ftincooes do e3tT;nago
1 em lugar do t.r, perturbar,
' e de despertar o appotite.
Attenco
Os proprietarios do antigo e acreditado arma
em do Lima, eitc ra Bario da Vi :toria n 3
participara ao respeitavel publico e aos seus
distinctos fregueses, que tr; nsferiram tempora-
riamente seu armazem para a mesma ra n. 9,
conti uando da mesma fdrma a receberem suas
oruens para Ibes servir com o costumado e ba
bitual desempenbo.
Jos remandes Lina k C,
Bario da Victoria n.
Telephf ne323
Raa
Hercuiano Baptista de Car-
valho
Convida se a este cenhor a comparecer rna
Duque de Caxias n. 65, loja, a liquidar neg
cios.
Patacoes velhos
rna do Cabu
Comprase na relojoaria David,
an 14.
[Este Medicamento, de sabor e gsto
muito agradareis, obteve o melhor snc-
cessO em Franca para corabater :
ANEMIA, CH.ORSE,
AFFECQES des I3RONCHIOS
e PULMES,
e a FRAQUEZA das CRIANCAS
Depsito gera] em PARS :
DVCEAK, 16, rna &e Poltou
Em Pernambuco .
rrAMco P/l. da SILVA a C.
*****#***$* *
i
Rendas
pretas, brancas, creme, beige e de core
Cbegou um explecdido sortimento deste artiga
para a
Halaba das Flores
Ra Baro da Victoria n. 41
Na mesma casa encontra se nma variada col-
ercao de filas de seda (mais de 500 nmeros),
bordados de cambraia. espartilhos, luvas, per*
fumaria, objectos para presentes, etc., etc.
Precos baratos
RA NHA DAS FLORES
Ba Bar o da Vtrloria a. 41
. **
# Madalhas < Onro ni EiposicSn HniTersSes
1878
PARS
1389
ItWW
?x^
0 meihor tienutricio %
pa u Ftflip
mpragada com
Odontaliaa
f .11 XIHIU, IMPiM Wlll M WU,
fc?AW^feMlB1KTOu,a|*i
,
i_
BjajaB^Bjajapajajajaja
-.'>HSi-?*'*%S*P*
ua-ajajBjajajajajajajajajajajB



Diario de Fernambueo-Domiiigo 25 He Maio de 1890

LO JA DO P0V0
HRa l, de MarcoH
Com este titulo acaba de se abrir, ra 1." de Marco n., 11 urna loja de facen
das e seu proprietario convida o publico d'esta cidade e de lora a apreciar o sea
BELLO sortimento. Muitas de suas fazendas alo recebidas directamente.
GRANDE 1WOVIDADE
Descont de KV em compras de 20$ XX) para cima.
Granadino, pura seda, de 10800 a 80J rs. o covado.
Toile, pura seda, de 1(5600 a 650 rs. o covado.
Uts com listras, preparo de cachemira, a 200 rs. o covado.
Las 3om prepan de cachemira a 240 rs. o covado.
Chitas de 200. 220 e 240 rs. o covado.
Setinetas de cSres lindas a 300 rs o covado.
Zephyr largo de 8O rs, a 320 ra. o covado.
dem idem a 200 rs. o covado.
dem idem a 160 n. o covado.
Cortes, costumes de cseinira ingleza, a 125000.
Ditos de casemira ingleza de 30500, 40000 e 60COO.
Ditos de fustao para collete de 600 rs. e 20400
Cheviot de 305.<', a dOiX) o covado.
Casemira cor de caf de 300O, a 10000 o covado.
Casacos de Jers y para senhora a 300^0 e 60000-
Merin preto a 50H, 700 e 10200 o covado.
Dito de cor a 400 rs. o covado.
Casinetas finas de 500 is, a 360 rs. o covado.
Colchas de crochet de 86000 a 3050 .
Cortinados lindos a 60OO.J.
Bramante de 10 palmos a 10400, a vara.
Ver para crr s na
LOJA no POYO

#*?if%^
LOTERA
DO
ESTADO DE PERMMBUCO
EM BENEFICIO DA
Santa Gasa d$ Misericordia do Rooifo
,
i i

FABRICA OE LIVROS DE ESCRJPTURACAO
IOAOBRMACAO MVTA9A0
m
ANOEL J. DE ffllRANDA
i
? 39
-

RUA -*- DUQUE -*- DE *- CAXIAS -*- 39
NUMERO TELEPHONICO 194
sude para"'Todos.
i
mm%
Ffft
MOlLOWAY


C Ungento de Hollow-y ( nm reme as SMta i.v.tgas chcgas e ulreras. K famoso pan r gota e e rheumalisino e (uia todas av entena"
lacles de pei;c n3o s; rtconhec; erfjal <
P&i es ms/e? do taranto) brcnchite* resfr&nxnto* a tosses.
To-Twrcs -\z glandala e i.. ropCrahifiot tmmnaw recias. o!>ra mi (~ encanto.
INTEGRABS
A terceira parte da 1.a lotera deste Es-
tado ser extrahida impreterivelmente -sab
bado 24 do corrate.
Todo sos pedidos debilhetes desta lote-
ra deyem ser dirigidos thesouraria ra
larga do Rosario n. 9. I. andar.
PELOS CONTEACTANTES
Bernardino Lopes Alheiro.
L.T. PIVER em PARS
Novo OLEO Extra-Fino
CcmYiOP$l$ DO JAPAO
TINTURARA
888B8H8 KIKS
2oRua deHathias d'AIbuquerque, artigara das Flores25
Tinge e hmpa com a maior perfeic&o toda a qualidade de estofo e fazendas en
pocas ou em obras, chapeos de feltros ou de palha, tira o mofo de fazendas; todo <
rabalho feito por meio de machinismo aperfeicoado, at hoje conbecido.
Tintara preta as tercas e sextas feira, tinta de cores e lavagem todos os dia>
TROTADOR!
E' hoje a casa que vende mais barato !
FazeD>s de n< vikde
Crep de algodSo a 240 rs. o covado.
Cambraia branca com salpicos a 40000.
Crep m&tisado a 440 o covado.
LS Amazonas a 400 rs. o dito.
La escoBseza a 240 rs. o dito.
Voile a la a 800 rs. o dito.
Linn de ramagem a 600 rs. o dito.
Zephyr com padroes de voile a 640 rs.
Cretone voile a 400 rs. o covado.
Chitas percales p 200 rs. o dito.
Cambraia Victoria a 20800 a peca
Gazes arrendadas a 440 rs. o covado.
Cachemira de listra, duas largaras, de
2^000 por 10200 g dito.
Vestidos para crianca a 40000 um.
BaptiBtas fiaas a 260 rs. o covado.
Setim do Japao a 240 rs. o dito.
Cortes de metim, em eartao, a 70000.
Cortes de zephyr, bordado, a 100000.
Cortes brancos bordados a 185000.
Casacos Jersey a 60000 um.
Popelina branca de reda.
Setina de c6reB a 800 rs. o covodo.
Brilhautina de listra a 600 rs. o dito.
Atoalhado pardo de linho com matizes
brancos a 30000 o metro.
-\Lntilha ce seda, creme e preto a 40500.
Capas/ visites Pelerina e mantilhetes (ca-
chemira e seda).
Grinaid* para noiva a 1O0COO e 120000
Toalha felpuda para rosto.
Luvas de seda a 20000 e 2500.
Palitots de seda palha.
Merino de duas larguras a 40000 o covado.
Ricas caixas para presente.
Corte de collete de fusto. ,
Bicos de cores e brancos.
Extractos e leos.
Suspensorios americanos.
Camisas sllemSes a 360000 a duzia.
Cortinados bordados a 60t 0 o par.
Ceroulas de bramante a 140000 a duzia.
Meias para homem a 35500, 40500, 50000,
6<0:0 e 70000 a duzia.
Madapolao trancado a 90000 a peca-
Mirin preto de 800 rs. a 20000 o covado.
Fustao branco a 380 rs. o dito.
Leques transparentes a 20000.
Guaraigao de crochet com matizes a 70000
Madapolao com nm metro de largura
60500.
Cami.as de flanella a a 40000 e 50000.
Bramante trancado de duas largaras a
500 rs. o metro.
Panno da Costa a 10200, 10400, 10600 e
10800 o covado.
Lencos, meio-lmho, a 20500 a duzia.
Lencos com barra a 104O) a dita.
Toalhas para banho a 10800 urna.
Esgui&o pardo a 360 e 400 rs. o covado.
Tapetes grandes e pequeos.
Baleias a i 40 rs. a duzia.
Colchas de c res a 20000, 30COO, 40000,
50OO e 60000.
Colchas de damasco de la.
Sabidas de bailo a 10000 urna.
Ramos para peito e cabello a 20000.
Esguiao de algodao a 305 0 a peca.
Vasos para p de arroz a 10500.
Punhos e collarinhos de celuloide.
Abotoaduras americanas
Palitot de alpaca preta.
Espartilbos a 50000 e 60000.
Baptiste de cSres a 160 rs. o covado.
Renda hespanhola a 3/5000 o metro.
Bordados e entremeios.

fcsm r.fd':im< f--> t<--n -j .m-lc no F..-.mv>el-.-ira^r.fj J r-.isor Holumta*.
i, NS* 03rc:il-- '-'JKT ^tnles 4f 3, Oxford Street), LOHOKJtt,
l
;ii3a a; f.^..ir:?:iciai do univciO.
c&ua e Poto, it *o teyn r,,

:i
->i

Cardoso & Irmao
Rui do Baro do Triumphons. 100 a 104
Receberam novo sartimeito de vapores dos acreditados fabricantes Rooee
Jtobinson para trnbalhar com fogo de assentamento, moendas, taxas, forma de assu
e todas as mais ferragens precisas agricultura.
use
SOI1U9AO e CAPSULAS
de Antipyrina do Dr Clin
do
lo pala Facilidad* do Medicina da Pan*. Premio SSoatyou.
O Melhor Remedio contra a Enxaqueca.
' A Verdadeira Solucao de Antipirina do Dr Clin possue uma poderosa
acclo para acalmaras dores de : Lumbago, Torticolit, Xtintlgius, Soiatiea, Mens-
truafodifficil, Clicas vilenlas e os Aceestos de Gota e de Hhaumutitmo.
A Antipyrina poda ser considerada scientificamente como o medica-
mento mais poderoso contra a ddr. i iiciemita>ischnzis.st^'odeisri-bni-i.':).
Dosb : Tome-se cada dia de 2 4 collires da Verdadeira Solucao de
Antipyrina do D" Clin.
NOTAi
As Capsulas de Antipyrina do Der Clin sao destinadas s pessoas
que nao podem tomar a Solucao.
Casa clin e O im Pariz, e fharmacias.
E>cova; e pentcs.
Regatas c la^os
Completo sortimento de cachemira
E OFFICINA DS ALFAIATE
20Ra 1. de Margo20
Amaral & C.
AOS CMPRCGAOOS
KO

COMMERCIO
Descobriu se as mattas dos sertSes de S. Paulo, um vegetal com que fez-ae
parado, que conhecido por=ELxir M. Morato=propagado por D. Carlos.
medio indgena tem feito caras que espantam e que mais psreeem milagrea,
lis de qualquer natureza, e por mais inveterada que seja, desapparece com o
este preparadoo rheumatismo quer novo, quer chronico, cura se com este
edio, e com uma felisidade espantosa. Contra factos nao ha argumentos, e, oa
beneficios operados, sao j tantos, que nlo ha mais o dreito de duvidar. Procnrar:
Elixir M Mora'.opropagado por D. Carlos.'
Agentes depositarios em Pernambuc: FraJacico M. da Silva A C. ra do
Marques de Onda n. 23.
VERDADEIROS
AGUAtPOrtBOTOT
Os nicos fDentirftcios
approvados pela ACADEMIA de MEDICINA
Branqueam os Deoes. Forticsm as Geneivas.
DEPOSITO
Antig,
AeHj
17, Fue de la Palx, PARS.
aao, Roa 8aint-Honor.
PALnOA90HI
PtAUI k,fWMMIM.
ONBI-fiAO DE SINOS E BRO'NZi
DK
UM M CRUZ MESQITA
66-ra do Baro do Triumpho6
Tem parar vender o seguate.
Machinas ce cobre para fazer espirito de destillar e rastillar.
Alambiques de cobre do antigo e nove systema com esquente garapa.
Merpcnllnas de cobre e de estanco.
Campncas de cobre.
Talxaa, taixos caldeiras de cobre.
BtMhas de todas as quaiidades 'de repuchos, aspirantes e continuas. '
Tornclra.s de bronze e madeira de todos os tamanhos.
Cnea de cobre, de chumbo e de ferr.
Repart del ras, passaderas e escumedeiras de cobre estanhad* de ferro e
Cobre em lencol e arruelas
Sola.ingjeza e do Rio.
Cadlahoa patente e de lapi.
MiOOS de 1 libra-at 110 arrobas.
E muitos outros objectos.
ENCARREGAM-SE le qualquej*.concert e obras de encommenda, garsn
te a ^restezal perfeicto e preces mdicos, para o que tem nessoal habilitado.
VEBE a -oraso ou dinheire coi descont.
* H*.."f!,!, BROfiflUPET-
POTASA
* iAW <"'' wttaoaajp-
'y,ANFATBRSON&C
44-BUa 64R40 110 TI111NM4
./binas a vapor
Mocadas.
Rodas d'agaa.
faixas fundidas e batidas.
Taixas batidas, sem crava^ac
Arados

Aluguel barato
Visconde de Pelotas n. 5
Pedro Affooso, armazem n. 46.
Largo do mercado loja n. 17
Roa do Bom Jeso? i", andar n. 47
Rua Agoazinha8 em Beberibe n. 7
Ra Coronel Sua?suna N. 141, quar
Rua Itaparica n 43 1. andar.
Travessa do armo, loja n. 10.
Becco do Tambi d. 21.
A tratar rua de Commercio n. 5, 1 and:
escriptono de Silva Guimaraes & C.
Pmisa-s$
De nm criado de 12 a 1 I
annos para o 3. andar da|
typographia do Diario de
Pernambuco.
A 500 rs. a pepa
Bordados e entremeios, cambraia fina com uta
pequeo t< que de avaria de 500 rs., 800, 800 e
14010 a pec;< ; oa rua do Crespo n. 21, loja do
Campos.
Prata de lei
Compra se rua Duque deCaxias n. 91
Bom
negocio
Cura certa em 3 das smmitro medicamento
FARIS 7, BoiUevmrd Itennin, 7 PAMES
Depsitos em todas as pcincipaes Pharmacia e Drogara*
AOS ME
Magdalena
sita rua de Bemfica
Alaga se a casa terrea
D. 60; a tratar junto.
Admitte se um socio com alpum capital para
(averna ; a tratar na rua de Domingos Jos Mar-
tin? n. 80 ^^_______ __________
As maes de familias
QUERIS VOS808 FILH08 SEMPKK 8ADI06
Ariminstrae-lhes o XARO PE ou ai
Plalas Vermipurgativas
DO DR. CALASAWS
ptimas preparaces de mastruz
e rhuibarbo, para a expulsao completa, sem
dores nem incommodo, dos yermes
intestinaes ou lombrigas
(DA8 CBKAN9A8 E DOS ADULTOS)
SEIS ANNOS DE SCCESSO! -
c Estas excellentes preparaces nao ne-
cessitam de purgativos como auxiliares
visto serem purgativas por si mesmas.
As pessoas que tm vermes sentem c-
licas, tem constantemente diaxrhas, indis-
pos icio, sensacSo de corpos que se movem
nos intestinos, endurecimento do ventre, a
ais vezes, vmitos. Rangem os dentes, quau-
do dormem, e algumas pessoas expellent
vermes oom as fezes ou com as materias
dos vmitos. As creancas apresentam as
pupillas dilatadas e inapetencia.
As pillas levam impresso o nome de
DB. OALA6AN8 e sao cor de rosa.
1 caixa de pilulaa 1)9200
1 vidro de xarope 1)5200
AS PRINCIPAES DROGARAS E
PHARMACIAS
Queris cu ar-vos prompta e radicalmente de vosea enferm
dade pulmonar, bronchite, asthma, rouquidSo, defiaxo ou de qualquer
tosse ? Tomai o remedio garantido
0 Peitoral de Cambar
de Souza Soares, de Pelotas, que se acha 4 venda as principaes
pharmaciaa e drogaras desta cidade, a 2tJ60O o fraseo e 24)9000 a duzia.
Oa agentes e depositarios
Francisco M. da Silva & C.
RA MRQUEZ DE-OLDDA
aXaropediBepanM
una preparaclo 4* tost auavs a da uaa
ticaois esaenta contra as molestias dos broo-
efioaola
ehlos sdopeHo. Seos principios activos aso
tirados dne-piaaUs awtaaaes qes ttm &*{
iproprias para aliviare curara toase,
duas a tri colheres de Xarope de.
ocasionar perda do appetite. Prepara-se esta
produoto em casa de L. Frers, roa Jacob, n 19,
Part; K' Toada em todas as pbarmadas
de i' ardasCosa usas iastrucclo sofero o
Aos pais Urna sennora titulada pela Escola Normal,
offereco se par; leccionar em en^enhos e casas
particulares portufjuei, francez, ariltmetica,
esenho. geograpbia, geometriai bordados a
ouro, alto relevo, matis, papel de rros, flores
rao ilca. etc. ; a tratar na rua da Concordia as 1
mero 170-D.
1
PAPEL RIGOLtOT
U0STRDA EM FOLHAtura SINAPISMOS
IBOISPEilAVEL AS FAMILIAS
B AOS TIAJAHTES
I7sada no mondo inteiro.
O mala
simples,
o mais
commodo

o mala '
efflcaz
dos
Revulsivos.
EXIGIR
ata MARCA
por evitar
a ContraJac iaZea3rote0ar,a
! A VENUE
tt.
rf:
Compra-s, coniOtambem
moedsv^ rua-'du--'Cabtlgt'<
n. 9, loja de Augusto Reg.
Compra-* e
m cvlindro americano para nadara, osado: no
armazem de molbados de Gomes Alves t.,
no pateo do Terco n. 8*.

.'
: *
!
-
\
i
9
'
* 1 .
1
i !


\
i I


8
M-Jl<~l l*J
I \i\^(
'Ill-lIlS^ V* tmtJ ti" j-TAcliv)
lijj"
VENDAS
V de-se a ntiea leja- (te bhrbeiro, tem
afreguezada e bem roahecidu ; a ratao incom
medo de s.ie du dono: a iralar Da rc<
ra de Man e Barro.- u. 16, antiga ra da Co-
dorniz n. 16._____________
Livraria Conlempora
nea
loilrameuioa de msica
Bomoardao, bombardmo, barytono, tromp
trombone, helicn, saxaphone, carrilon, born.',
caixa, pratos.clarinitas. nautaa.rabecas, violG.
realejos, caixas de msica, etc., etc.
Papel pintado
para forro de salas, quartoa, gabinetes, corred-
rea.
Molduras
dou.MdiC, pretas e douradas para quadros.
Malas
para viacem, diversos formatos, especialmcr.'
para roupa de senhora e camarote.
Novidades
para presentes, escriptorio, toucador, etc., etc
RAMIRO M. COSTA & C.
Hua Prlmeiro de Har^o n. %
Agua maravilhosa
Com aappicacao desta agua, quem soBrer dt
espiaras, pannos sardes, femdsa e vermelhidc
do rosto, ficari perfeilamente curado, rtconbe
cendo a, desse modo, como nico especiflet
efficax. Alem desses effeito, tem ella a pro
piiedade de, tornando a cutis limpr., dar-lbe
cr natural. A cda vidr i quecusta lt, acom
panha a respecto 'a indicac&o do uso.
Abaixo as pomadas
Vendem Farias Sobrinho A C, a ra Mrquez d
Olipd n. 41.
Cera
"Vendo se na ruadlo Cabug n. 2, segundo a
qualid de, de i aljoOO a libra, e sendo de
arroba para cima, faz-se aa de 2* o descont de
30 0/0, e na de !. de 20 0.0. No mesmo esta
bslecimento tem machinas para costura e mesas
para as meninas por 10A cada orna.
Pao centeio
Mello & Biset tendo recebido nova remessa de
farinba centeio, avisa aos seus freguezes que
continuam a fabricar este delicioso pao centeio
todas as tercas e sextas-feiras ; na ra larga do
Rosario u. 40.___________________________
Vinho puro de Santarem
Da quinta do Barral
03 proprietarios do Armazem Central, ras
do Cabug n. 11, avisam aos seos di&tinctos fre
guezes e ao respeitavel publico que receberarx
ova remessa deste especial vinho, o qual s
recommenda por ser puro da uva, e s Be reta
Iba era sea armazem.
Joaquina ChristovSo 4 C.
Telephone 447
Vende-se
ama boa machina de numerar e diversos cofres,
sendo um muito grande e que foi da amiga the-
souraria das lotera? ; a tratar na ra Mrquez
deOlinda n. 1, 1- andar.

Manequins de Bazar
Para modistas
Para familias
PRECO DO MANEQUIM COMPLETO
250000
Qualquer senhora por mais gorda ou
magra, alta ou baixa que seja, pode fazer
Beus vestidos sem prova e sern auxilio de
outra pessoa.
VE.\DE-SE
Na loja das Listras Azues
A' ra Duque deCaxias d. 61
FOLHETIM
POB
PAULO D'AItREllOXT
^ RIME1RAPARTE
A andorinha
(CoEtinuacSo do a. 11J
V
KA. GASCOGNE
Qner preatar-me nm servico, Sr. cu -
ra?
Se puder, com certeza.
Nao falla na minha visita ajunguem,
sm ? r
Nem na morte do Clemencia Fou
Ion.
Pois bem.
E se aonber qualquer cousa concer
nente a ella, o senbor me communicar,
nSo verdade ?...
Eacrever-lhe-hei.
Obrigado. Clemencia deixa muito*
prente?
NSo, absolutamente nenhum ; a nio
serem primos afostados, que moram para
-oslado* de Cazaubor... Ella possuia al-
um cansa ?
* Nada. O sea commercio e as suas
mercadorias deviam representar toda a roa
fortuna. Or; foi Indo derorado pelo in
Vendem-se os seguin-
tes livros
Lourerco, romance histrico por F.
Tavoi a, 1 voL ene.
O Matuto, dito dito, pelo mesmo, 1
vol. ene.
Os Cavalheiros do Amor, romance em
4 veis. enes.
Echos de Roca, pelo padre Guilher-
me DicS, 1 vol. ene.
D.cdonario Bicgraphico, por F. A. P.
Cosa, 1 groso volume ene.
Voa fcaroa, versos por M. Brrelo, 1
vol ene.
Flores Fluctuantea, versos, l vol. ene.
Vos e quedas, versos, 1 vol. ene.
Guimaraes, poema, 1 vol. ene.
Sons que passam, versos por Th. Ri-
beiro, 1 vol. ene.
Alberto Pimeotel, Cantares, versos, 1
vol. ene.
Evangelius e Syllabus, d:ima, 1 vol.
ene.
Julio de Castilho-Livraria Classica,
Estudos biograpbicos e Iliterarios,
3 vols. enes., iiuos
Castrioto Luzitano, historia entre o
Brasil e a Hollanda, 1 vol. ene,
fino
Bibliotlieca do Povo,|12 jola, enea.
Morie de D. Joao, romance, 1 vol.
ene.
Contos de Pedro Ivo, romance, 1 vol.
ene.
0 abandonado por Julio Verne, 1 vol.
ecc.
0 Processo Leronge. romance hist-
rico, 1 vol. ene.
Gabriel Malagrida romance, 1 vol.
ene.
Neto do Agoitado, romance histrico,
1 vol. ene.
Viagem no dorso de urna baleia, 1
vol. ene.
Chiquinho, Encyclopedia da Infancia,
-por G. Bruno, 1 vol. ecc.
Caricaturas em preza, por Luiz An-
drade, 1 vol. ene.
O Pastor e a ovelha, obra rara e es-
gotada pelo finado hispo D. Joao, 1
v. ene
0 birajara, lenda, 1 vcl. ene.
Arnaldo Gama- Um motim ha eem an
nos 1 vol. ene, obra rara
O Dia de S. Nunca, romance, 1 vol.
ene.
P. de KockJoao, 2 vol. ene.
As mil e urna mlheres, 4 vol?. enes.
O rei i'andla, romance, 1 vol ene.
Contos a Ninon, por E. Zola, 1 vol.
ene.
A ca^a de um baronato.l vo!. ene.
Arraldo Gama-0 fimo do Baldai, 1
vol. ene.
Os herdeiroa de Caramuru, romance
histrico, 2 vols. ene., finos
A igreia e o Estado, por Ganganelh,
4 vola. ene.
Serpa PintoComo atraveasei a fri-
ca, 2 vols. enes finos, com gravu-
ras
Eca de QueirozO enme do padre
Amaro
Castello de Graville, romance raro,
1 vol, ene.
Leonor, D'Amboise, 1 vol, ene. P
As obras de Julio Verne, 42 vols,
enes.
Tres Poemas em proza, e verso por
Gomes Jnior, 1 vol, ene.
Typos de cara dura, 1 vol, broch.
Ae viagens de Goliver, obra critica
ejocoza (rara.) 1 vol, brocb.
Vozes da historia pelo Padre Gui-
lherme Das, 1 vol, brocb.
Um myslerio de familia por F. Tava-
ra, 1 vol, brocb.
L'm casamento no arrabalde, 1 vol.
brocb. (mesmo autor)
Guarriguea breve leitura sobre sci-
encia, 1 vol, ene.
0 matadouro, historia da Lavadei-
ra Gervazia o Io. o vol s.
Ponson do Terrail A beranca rayate-
rioza o 2. vol s ene.
Repostas consisas e h. miliares por
Mr. Segur, 1 vol, ene.
Carta sobre a Companbia de Jezus,
1 vol, broch.
Carla a Pae Tobas, 1 vol. broch.
No escriptorio dste Diario se dir quem ven-
de (odas estas obras, e faz-se grande abati-
miento a quem comprar todas jnnta8_________
erior yinho de Al-
cobaya
O acreditado e autigo armazem do Lim par
ticipa ao publico e aos seus freguezes que acaba
de receber urna nova remessa deste especial
vinho, escolhido propriamenle pelo chefe desta
casa, tornando se recommendado por ser puro e
de boa qualidade.
Jos Fernandes Lima & C, ra Barao da Vic
toria n. 9
Telephone 323
4*000
4*000
12*000
2*000
10*000
3*000
2*000
2*000
3*000
3*000
3*000
3*000
13*000
5*000
25*000
2*500
3*000
1*500
3*000
3*000
3*000
3*000
3*000
3*000
13*000
3*000
6*000
2*000
4*000
8*000
2*000
2*000
1*500
4*000
6*C00
10*000
12*006
2*000
2*000
1*000
30*000
3*000
1*000
3*000
2*500
3C0O
1*500
2*000
1*000
2*000
2/000
Sup
Movis austriaer s
Ha um riquiss mo e variado sorlimento de
movis austracos de diversas corea, lisos, tor-
neados e entalbados, para vendas em porglo ou
as pecas avulsas, bem como ricos espelhos para
salao, camas de 'erro com lastro de ac para
meninos, solleiros e para casal, e magnificos ta
petes avelludados, os melhores que veem ao
mercado ; no armazem ra Mrquez de Olinda
numero 54.
Veade-se
mero 8.
Armac.o
barato a da loja do Livramento nu
2 O, 240, 300 e
sede
co
Alerta com a Revoluto
1-Rua Duque de Caxlas4 *
Surth de linho fazenda muito larga a 320
rs. o covado.
Etaminea de efires a 28D e 300 ra. o co-
vado.
Zephires de cores a 120 e 16C rs. c co-
vado.
Lindas ISa de cores
320 rs. o covado.
Cachemira de quadros com straa de
a 1C03 o covado.
Merinos lavradoi a 500 rs. o covado.
Voile de algodSo a 240 rs. o ce vado,
dem de 13 ultima m da & 80 j rs. c
vado.
Cortes de metim par. vestidos de duas
cores a 6000 um.
Ditos brancos bordados a 120000, 140COO
e 15)5000 um.
Ditos de cachemira bordados a25C0?< um.
Cortes de cambraia branca de quadros a
1*800 um.
Cort:nadoB bordados a 60000 e 70COO o
par. -x
Ditos de crochet a 8)5000 e 100000 um.
Fecns de todas as co.'os de retroz
10000 um.
Colchas de efires a 20COO, 30000, 40000 e
50000 urna.
Cobertas ferradas para casal a 205(X
urna.
Toilettes para baptisados a 60000, 80OOC
e 100000 um.
Camisas finas de meias a 1000 urna
Toalhas para crianca a 100 e 120rs. urna.
Ceroulas francesas, a 10000 urna.
Pannos de crochet para cadeiras a 500
rs nm.
Atoalhado de linho de 40400 o metro por
20400
Dito de algod&o a. 10200.
Algodio trancado para toalha a 10OCO
metro.
Bramante de algodilo coa 4 larguras, a
800 e 10000.
Lencos de algodSo a 10200 e 2000 a
duzia.
Ditos de linho a 30000 a daz'a
Batistas de cores a 120 e 160 o covado.
Cretoaes escuros e claros a 200 rs. o co-
vado.
Madapolo americano com 24 jardas a
50000 e 60OCO a peca
Cobertores brancos de 13 para acabar a
20COO um.
Bramante de linho, fazenda de 30000, a
20000 o metro
Panno para mesa a 10200,104CO e 10600
o civado.
Brim pardo trancado a 240 rs. o covado
Vestidos de Gersey para creanca a 60000
um.
Camisas de linho para homem a 20000,
30000 e 40000.
Gran.dD83 ultima moda a 360 o covado.
Costumes de cachemira fina pai a homem de
2O0OOC' a 150000.
Cortes de cachemira de cores muito finos a
4000 um. *
Cortes de fustao para collete a 800 n. um.
Quardanapos c m franja a 20OCO a duzia.
EspartilhoB de todas as qnalidades e nu-
-. meros por preco baratiesimo.
E muitas outras fazendas de lei e moda
qen vende por preco sem competencia,
em vista de seu proprietario querer acabar
com o estabe'.ecimento.
S na Revolu^ao
HENBIQUE DA SILVA lIOREIRA
E' tudo bom, para bem
de todos
Perci a Hagafltes
mcr
Os abaixo assignados, tendo feito gran-
de reduccito de prec.os as fazendas
existentes em seu estabelecimento, coevi-
dam o respeitavel publico e especialmente
a scus bons freguezes, a certificaren! ao da
verdade que aqu fica dita e a aproveita-
rem a occasilo de supprir-se de roupas,
para muito tempo, e por precos insignifi-
cantes.
Como sejam :
Voiles de l e algodSo a 240 rs. o co-
vado, cachemiras de quadros, fazenda de
8C0 rs por 320 rs. o covado, zephyros de
cores diversas a 320 rs. o covado, baptis-
tas republicanas (inteira novidade) a 200
rs. o covado, lis de cores a 200 rs. o
covado, setinetas finas a 320 rs. o covado,
merinos de cores (12 pura) de
gura a 280 rs. o covado.
Grande quantidade de chitas finas, com
pequeo toque de mofo, de 200 a 240 tb.
o covado.
Variado sortimento de voiles de 12,
fazenda muita fina de gostos lindiasimos.
Crep da China, idem, idem, cambraias
da China, com palmas soltas, completa
novidade, voiles com salpicos, idem, idem.
Chitas, chamalots, o que ha de mais
exquisito em gosto, etamines lisas e ren-
dadas, cachemiras lavradas, pretas e de
cores, fustfics broncos, cretones pretos e
de cores lisos e com flore.*, baptistas de
cores, gostos delicados.
MadapolSo americano a 50000 a peca.
Mctins, idem variado sortimento.
Espantoso sorlimento de cretones p ra
cobertas e chambres, esguiao de puro
linho, costumes de Jersey para meninos,
capas hespanholas, pura seda a 30000
urna, cortes de vestidos de todas as qua
lidades, fichus de 1S, linho e prateaaos,
o que pode haver de mais chic.
Grande sortimento de camisas de linho
e flanella para homem, idem, idem de
punhoB, collarinhos e grvalas e muitas
cendio, e ella nao tinha nada no seguro-
Algumas contas a receber no bairro equa-
tro notas de cem francos achadas n'um pe-
queo cofre de ferro, respeitado pelo fogo,
chegarSo quando muito para pagar o que
ella deve.
EntSo, declarou o cura, podem ficar
tranquillos pelo lado da parentella; nin-
guem lhes disputar a crianca, estejam
certos.
Roselin felicitou ae por haver seguido
oa conselhos de Laura e por nao ter dito
palavra obre o desconhecido, nem mesmo
quelle cura, bom homem e expansivo, mas
que dizia as couaas naturalmente, sem
dellas ter consciencia, como a rgua que
transborda suavemente 'um copo dema-
siadamente cheio.
O provenjl acabava de dar ao padre o
seu endereco para a agencia postal da ra
Clry, quando um violento toque de cam-
pamba soou na porta que abria para a
praja.
Tinham voltsdo para a varanda, onde
saboreavam lentamente o caf e a agur-
dente.
Espere ahi, disse o cura, co co ho-
mem acostumado a poupar os passos da
criada, vou j l.
Alguna minatos depois, Roselin ouvio
do terrado, onde se achava sentado, mais
ou menos a conversado que elle propno
acabava de ter travar-se entre o cure e o
desconhecido que este introduzira na sah,
cujas jan ellas entreabertas davam para o
referido terraco.
Estremecen.
Urna outra pessoa tinha entSo igualmen-
te interesse em saber a origem de Cle-
mencia Feulon ?
Para qe ?
Para tomr a crianca, evidentemente.
Um paveo angustiado, pensando no des-
gosto de liaura, Roselin nlo se levanton,
como a delicadeza Ihe manoava que fizeise
Alfafa nova
Solta 30 rs. o kilo, era fardos 60 rs.; ven-
de se no armazem ra da Madre de Deus nu
miro 10.
Farelo novo superior
Saceos de 42 kilos a 10800
Vende-se no Corpo Santo n. 6.
WilSKT
Boya! Blend marea VIABO
Este excellente Whisky Escoces prs
ferivel ao cognac ou agurdente de cana
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalno nos melhores &rni"
zens de molhados.
Pede oyal Blend marca Vial?
cujo come e emblema silo registrados per
todo Brazil.
BROWNS 4 C, agentes.
PC *#LERY Vende-M em tuda a Drt
Farelo superior
a 20O0 ; no largo do Mercado n. 12.
em outra qualquer circumstancia, e, ao
contrario, retendo a respiracSo, poz-se
escuta.
Dentro em pouco, porm, a sua ancie-
dade acalmou ; o desconhecido era sim-
pleamente um agente mandado pela pre-
feitura de polica, afn de encontrar, nos
antecedentes de Clemencia Foulon, a pista
da tal desconhecida que tSo lestamente se
escapara das mos re Marcello.
Roselin tossio ento, para mostrar }ue
estava alli, que ouvia.
Sbitamente b agente, irqnieto, voltou
a cabeca.
Como, Sr. cura, perguntou elle, nao
estamos eos?. ..
O cura, primeira vista embarazado,
voltou logo co seu natural.
E' preferivel confeasar-lhe a verda-
de, disse : alm disso, elle t3o bom ra-
paz. ..
Quem ?
O que asta aqui ao nosso lado e que
veio pelo mesmo motivo que o senhor.
O agente sobresaltou se.
Pelo mesmo motivo que eu V.. per-
guntou elle, abrindo us olhoa enormes.
NSo se assuste. Elle nlo tem ares
de querer fazer Ihe concurrencia. Demais,
vou apresentar lh'o, o senhor o julgar por
seus proprios olhos.
E o cura, talvez com o vivo desejo de
fazer de novo -admirar as suas rosas e as
suas ervilbas, conduzio o agente ao trra
90 onde Roselin esperava que a visita se
retirasse, para entSo despedirse tambem
do obsequioso padre.
O agente, porm, nao via nem o jardim
nem as Adres, nem as arvores.
Com o seu olhar pardo, abrigado sob es-
pewas sobrancelhas, porm singularmente
fri e penetrante, encarava o machinista.
De repente o sulco que dividir-ilie a
frente ao meio desvareceu- ao paaso
que o seu queixo ligei ramee te ic cenado
Rccebedores directos dos
cades da Europa
Apr.-sentam 03 scguiLtes artigos, sendo
alguns ainda do anno presado, razao justa
para serem actualmente baratissimas.
Brins pardo e de cores a 240 rs. o covado.
dem trancado, superior, a 26) ib. o dito.
Cortes de fusto para eclete a 8.0 rs.
dem de casenetas a 1C00 a 10200.^
dem da casimira ingleza de cSres a 30 e
400:0.
AlgodSo cr, marchetado para toalhas, a
440 rs. o metro,
dem nacional, largo para lences, a 40 e
500-0 a peja.
MadapolSo superior, com 24 jardas a 50
e 60010.
dem Boa-Vista, verdadeiro, a 508CO.
Cortinados bordados de crochets a 120000.
urna lar- Colchas dem a 70COO e 80COO.
Grinaldas e veos para noivas a 80OOD.
EspartilhGs modernosa 40000,
Percales claras e escuras a 24) o covado.
Merines de cores, urna largura, a 200 rs.
o covado.
Toalbas nacionaes a 20500 a duzia.
Lencos em lindas caixinhas a 10800 e
20800 a dita.
Meias inglezas e nacionaes a 20500 e
30OCO a dita.
Camisas de meia, idem, superior, a 120000.
Cerolas bcrdad&s de bramante a 120000 e
160000 a duzia.
Guardanapos com franjas a 10800 a dita.
Pannos de cres lindas para mesa a 10600
o covado.
Cobertas de ganga, dous pannos a 2500.
Cretones para as mesmas, a 10000 o me-
tro ; o melhor.
dem mosaicos, idem, a 440 rs. o covado.
Bramantes francezes a 10600 o dito.
Casemiras de c6res, duas larguras, a
108CO o dito,
Cheviot azul, c8r inalteravel, a 20400,
30500 e 40000.
Merines para luto desde 500 rs. a 10800,
duas larguras.
outras fazendas que seria enfadonho men- sargeiins de cSre3 8 200 rs "aovado,
conar e que tudo vendem sem reserva de Mimtlibas e fichs a 10, 30000 e 50000.
preyos.
Os barateiros! os barateiros!
A' RA 1. DE MARCO N. 1
Bernardlno Campos & G.
Te alhas de labyrintho, riquissimas, a 250 e
300000.
Vendas em grosso tem o descont
14%.
59ECA DUQUE DE CAXIAS59
de
WIDADES
VENDE SE NA LOJA DAS LISTRAS AZUES
Espertadores e relogios com movimento.
Tesouras finas quese do bram, a 10500.
Porta-lanterna para theatro, a 10000.
Sabonetes para pannos e sardas.
Grampos, novidade, para trancas.
Lapis-caneta de ouro romano.
Caaivetes de duas a quatro folhas finas.
Oleados com repartimentos para mesa.
Sabonetes para limpar ouro e prata.
lbum para retratos, a 30000.
Bordados finos, peja de 4 1/2 metros.
Fitas de todas as larguras e cores.
Biccos e rendas hespanholas.
Espartilhjs de setim para noivas.
Meias de seda para senhora.
propria*
MAIS AS SEGUINTES
MadapolSo fino, per,a com 10 varas.
Morim Lavrado com 20 varas, a 50000.
Percales claras e*escuras a 200 e 240 rs.
Setim branco e todas as cores com listras.
Snrak, todas aa cores, a 1400.
Velludos pretos com contas e palmas.
Cassas de ramtgens com lindas cores.
Tecidos arrendados brancos e de c8re8.
Cortes bordados em cartao a 90000.
Cortinados bordados e de crochet.
Colchas brancas e do cores, a 20000.
Crochets para sof e cadeiras.
Bramantes de linho e algodSo.
Atoalhadoa lavrados em releves.
Guardanapos grandes e pequeos.
da se descontos e (cuitas vantagens
Aos compradores de 200000 para cima
para vendedores.
A' ra Duque de Gaxias n. 61
LOJA DAS LISTRAS AZUES
Vaccas tourinas
Vendem- se vaccas tourinas com crias, dando
I rite, por seu dono ter de retirar se para fra do
Es tado por incommodos de sade; na cocheira
da ra Sebastio Lvpes n. 33. Para iuformac.es
na ra do Pires n. 3f, tiverna, defronte da anti-
ga caixa d'agua.
Libras
Vendem se a ra de i. Mara Cezar n. 26.
Vende-se
urna (averna, afreguezada e de pouco capital: a
tratar na ra do Burao do Triumpho n. 62, an i
ga do Brum.
Peitos de celuloide com bordado imitando
perfeitamente linho.
Collaririhos nrodemos duzia 50OCO.
rara trabalhu de rrorbletc
Caixas de nbss de cores com mesclado
dourado a 10000 e um no vello 100.
Punhos para homem a 60000 a duzia.
Lencos broncos para creanca a 10000 a
duzia.
Para baile
Lindos rames de flores artificiaes de seda
e com bastes de borracha.
Lindo e grande sortimento de soutache de
todas as cores para enfeitar vestidos de
creanca.
Para as Sraa, modistas
Bicos de cores brancos de algodSo a 10500
e 20000 a peja.
Bicos de seda de diversas cores a 50000 a
peca.
Porta tran$a de prata, tartaruga e massa.
Punhi s e collarinhos de celuloide.
E-pelhos cara dura a 400.
Para liquidar grande quantidade de fitas
modernas abatimento de 25 0.
Fitas n. 9 a 400 o metro,
dem n. 5 a 200 o metro.
Lavrada para faxa a 20OCO o metro,
dem para faxa n. 30 a 30000 o metro.
Espartikos para 40000, 50000 e 60000.
Para noltas
Capellas de cera,
dem de flores de larangeiras.
Ramos francezes e nacionaes, veos, loques
e luvas.
Encrjov..es para baptiaado.
Tocas e capotas para baptisado e pasao.
Cintos de chagrain para senhora, largos e
estreitos a 10000.
Grande sortimento de gales, palmas, ro-
sas, pingentes e guamice pretas de
vidrilho para vestido.
Lindas costureiras de velludo
para presentes.
Lindas boleas com estojo para costura.
Grande sortimento de caixinhas com ex-
tractos proprias para presentes a 20000,
30000, 40000, 50000 e 60000 urna.
Livros de missa, de madreperola e de
velludo.
Lindos objectos de crystal para presente
como sejam: porta-relcgio, parta-extra-
cto, porta-p de arroz de 40500 at
120000.
Finos alfinetes para gravatas.
Grande sortimento de broches americanos
para senhoras.
Caixas com msicas a 20, 30000, 40000
at 12O00D.
Grande sortimento de galSzinhos brancos
e de edres para enfeitar casacos e roupft
de crianzas.
Porta retratos a 200 e 300 rs. um.
G rae de sortimento de lencos de seda a
10000, 10500 e 20000 um.
GuarnisSes para toilet a 60000 e 70000.
Lindos porta pos de arroza 10500, 20000.
30000, 40000, 50000 e 60000 um.
Finas ligas com ramo de flor de larangeirs
proprias para noiva a 10500 o par.
dem de todas as cores a 10000, 10200,
10500 e 20000.
Lencos de linho a 30000 a duzia, em ca-
xinha.
Grande sortimento de pulceiras ameri-
canas.
Cortinados de crothet para cama a 120000,
170000 e 190000.
Ditos para janella a 70000.
Guarnicoes para cadeira a 60000.
Pannos de crochet para cadeira a 800 e
10000
Grande sortimento de luvas finas para se-
nhora a 10500, 20000 e 20500 o par.
dem para menina a 800 e 10000.
Linh.i de machina a 700 rs. a duzia.
dem idem a 60 rs. o carrito!.
Toalhas para banho a 10500.
dem para rosto a 300 rs.
Babadores eom inscripsSo e paisagem a
00 e a duzia a 40000.
Grande sartimento de espelhos finos ovaei
e de canto redondo a 40000, 50000 e
60000.
Bengallas de flauta n 10500.
103RA DUQUE DE CAXIAS103
Mercearia
Vende se urna mercearia bem localisadaepro-
pria para principiante por ter poucos fundos;
para informales na ra Mrquez do Herval nu-
mero 73.______________________________
Leitura s Selectas
Pel Dr. Joo Barballio
Acha-se'no prelo e brevemente ser exposta
venda, a 3' edieSo deste importante livro para
leitura e oulros exercicios as escolas.
para a frente, reassumira a aua posicSo
normal.
Oh exclamou elle, o Sr. Rose-
lin !...
O senhor me conhece ? perguntou o
provencal estupefacto.
*!
Conh.co, vio no
senhor foi um hroe..
incendio. Oh! o
Foi elle quem sal
vou a criaba, arriscando a prepria vida,
Sr. cura, accrescentou o recem-chegado.
EntSo muito justo que ella Ihe
pertenca d'aqui por diante, disse o padre.
E' por causa da pequea Mara que
o senhor est aqui? perguntou o agente
naturalmente. '
Smente por causa della.
E Roselin, sem se fazer rogado, contou
como Laura gostava da crianca; e, que
rendo conserval-a em sua companhia, man-
dara o informarse sobre aquillo que com
corteza a policia nSo Ihe contara.
Muito bem, di;se Eugenio Greliche,
vejo que o senhor nSo me embaragar, ao
contrario, podemos fazer o caminho juntos;
o tempo pasear mais depressa. Tenciona
voltar hoje ?
Sim, pelo carro que me trouxe pela
manhS.
Carro de aluguel ?
NSo, a diligencia de Coudoni.
O cura, inquieto, puxou o relogio.
Ella parti ha meia hora, disse ao
mesmo tempo Cadette, da cozinha, com
urna opportunidade que provava a que pon-
to Ihe interessavam as conversacSes e as
visitas do patrSo.
Muito bem, exclamou Roselin, a bra
eos com urna deselacSo cmica, eis-me em
bellos lences .'... NSo haver mais algu
ma condcelo hoje ?
NSo, j partiram todas.
Mas eu, disse Greliche, tenho um
carro tomado em Coudom casta da prin
ceta i Vereco Ihe um lugar, aceita? *
-- Com reconhecimento.
Despediram se ambos do cura e dirigi-
ram-se estalagem onde o agente tinha
almocado, para buscarem a carruagem que
l estava estacionada.
O meu cavao est prompto ? per-
guntou elle a urna bella morena que tinha
acudido porta.
O senhor parte ? perguntou ella ad-
mirada.
Mas de certo, por que nSo ?
Porque d'aqui a pouco noita fecha
da, e amanhS de manha tanto o senhor
como o seu cavallo estaram mais deacan-
sados.
Ora as noites sSo esplendidas n a
sua trra, durante a primavera, e o cavallo
bom.
Paga a pequea despeza feita, Eugenio
e Roselin embarcaran! ambos n'um mo-
desto phaeton de quatro assentos, que o
commissario de policia de Coudom manda
ra o agente alujar pela manhS, respon
dendo elle pela despeza e pelo vehculo.
Conhece o caminho ? perguntou o
provencal.
Sempre direito, respondeu o ontro.
E nSo deixar nanea a estrada larga. Em
todo caso, este cavallinho muito intelli-
gente e nao se ha de engaar no caminho
de casa, esteja descansado.
E embrenharamse na bella estrada,
margeada de olmos e de pltanos, cuja bo-
nita fita clara e recta, via se ainda alon-
gar-se at perder de vista s vagas clari-
dades do dia moribundo.
De maneira, disse de repente Euge-
nio, que corremos ambos a mesma lebre ?
Roselin sobresaltou-se.
Oh! quanto a mim responden, nSo
a mesma coas?.
Sim, bem sei, o senhor qner canser-
var a pequea como boa pessoa que Mas
nSo teta igualmente interesse em conhe-
cer o nome da patie que queimou viva a
sua deggracada ?
De certo que sim.
E apanhou alguma cousa na conver-
sacSo do cura que o possa tranquillisar ?
Roselin arregalou muito os olhos.
Alguma couaa ?... repetio elle. Com
certeza que siin Estou convencido de que
a crianca foi confiada Clemencia Foulon
por alguma familia da alta roda que ti-
vase urna deshonra a oceultar; que essa*
familia tem ao menos tanto interesse em
esquecer a crianca quanto nos temos em
que ella a esqueja. Volto, portento, com
a certeza de que a minha pobre mulher
nSo ser nunca inquietada por ninguem, e
nSo desejo mais do que iaao.
O senhor nSo difficil...
Heim!... que diz?...
Que o senhor nSo difficil de con-
tentar.
Acredita entSo qu haja mais alguma
cousa ?...
Estou certo que sim.
Oh!... Por fim de contas, o senhor
sabe; eu nSo passo de um pacato opera-
rio e nao tenho o habito de martellar a
cabeca com cousas complicadas. Em casa,
accrescentou elle ingenuamente, sempre
Laura quem reflecte por dous.
E se sua mulher quizer saber da ver-
dale?
Roselin nSo ficou por muito tempo em-
barazado.
Repetir-lhe-hei o que o senhor me
vai confiar, respondeu elle.
E com a sua finura de proveneal curio-
so, continen:
Pode fallar ; isso far com que se
desembaralhem as suas ideas; e o nosso
interesse responde-Ihe pela nossa disari-
ci.
(Contntar-H-ha.)
Typ. do Dutrio.Jt* Duque de Caxias n. U
e
t
i
r*
' 1-
!
I