Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17754

Full Text
DIARIO
Propriedade de Manoel Figueira de Faria db Filhos
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE
4
- i
&
' *
f
-?)
Por tres meaos adantados. .
Por seis ditos dem......
Por nm nao dem.
Cada numero avulso, do meimo dia.
64000
12*000
23tfO00
4100
Os Srs. Amede PrinceSc C.
de Paris, sao os nossos agentes ex-
clusivos de annuncios e publica-
goes na Franca e Inglaterra.
PARA DENTRO E F0RA OO ESTADO
Por seis meses adiantados.
Por nove ditos idem. .
Por um auno idem. .
Cada numero avulso, de dii
TELEGRAMMS
SSfiVI&O te A3S! um
PARS, 22 de Maio.
Acaba de fallecer o deputado Joffrin.-
A proposta de lei do deputado Marjal}
Barthe, ac rea da impreosa, foi regeitada
em primeira leitura por 349 votos contra
189.
Telegramma de Havana annancia a pri-
sSo de Eyraud, o assassino do Sr. Gouff,
t'fficial de justica.
LISBOA, 23 de Maio.
O Sr. Serpa Piaientel,
cousjlho ic ministros, foi
S. M. El Re D. Carlos,
da Torre-Espada.
presidente do
agraciado por
com a G I Cuz
Eduardo Antones de Albuquerque Mel
lo.Informe a Intendencia Hun.cipal de
Cimbres.
Enedina Floresta dos Sute* Cordeiro.
Entregue se, mediante recibo.
Francisco de Hulianda Cavalcante de
Albuquerque.Informe o cidadSo director
das Obras Public; s.
Bacharel Fausto de Barros Bezerra.
Concedo, coro os vencimentos a que tiver
direito.
Francisco Jos Guedes de Lacerda.
Informe o I aspe :tor da Tnesooraria de
Fazenda.
Garcinia Mara de Barros Correia.
Informe o Dr. Inspector Gera' da trastrue-
co Pnblica.
Francisco de Moraes Ii-
dos
urgencia o juis
casa
por
Agencia Hayas, filial em Pernambnoo,
23 de Maio de 1890.
INSTRCCiO POPULAR
ES5AIC 8IBLIQ&BA?2!CQ
DA
LTTKIUTUA BMmEIM
NOS
TKMiP-OS COLOlISJCS
XXVIII
(Continatelo)
Parece que o donto escripor previa a disper
po que limara de ter os seus escriptos, qurado
lio pacientemente o passava a limpo, cupiava
os ama e can vezes, quer por sua propria mo,
qaer por estranbas, ern-dava com su a ledra as
reprodceles dos copistas e robricava-as para
que dos naufragio) saccessivos dessa disperso
se reconhecessem quaes os salvados de legitima
procedencia.
D03 munascriptos expostos, chamam particu-
larmente a n issa attenco :
I iveniario de todos os productos naturaes
e articiaes ; instrumentos, livros, movis, uten
sis, etc., do Gibinete Botnico c casas annexis, etc. do Misen da Aju
da. Cdice voluraoso u btante nteressaute,
fots d noticia de ludo quanto posFuiam em
794 aquelles estabelecimentos iodican lo os pro-
ductos naturas e artiticiaes do Brazil, que all
cxistiam igualmente.
Observagea geraes e particulares, sobre a
classe dos manaes observados nos territorios
dos tres rios, dos Amazonas, Negro e do Madei-
ra, etc. Precedida de ama extensa e bem ela-
borada introdueco, em que trata da constitaicao
phy-ica, moral, espiritual e poltica dos indge-
nas brazilicos da regiao amaznica ed numero-
sas noticias histricas, geographicas e ethnogra-
phicas e at bibtiog-apbicas sobre o Brazil.
Relacao dos animaes quadrupedes, sylves-
tres que haoitam as maltas de todo o coatinen
o do E-:al3 do G jj Para Cdice original.
Memorias sobre as tartarugas ; sobre os ja-
cars, sobre o peixe pir-urucu sobre o peixe
boi, etc., origiaaes, 6 cdices, authographos e
copias.
Cerca de vi ate memorias importantes sabr as
ragas, u-os, cost mes, religiao, agricultura e in-
dustria dos indgenas seini civilisados e selva
gees, que habitavam as margeos exploradas
pelo tiosso naturalista.
Memorias sobre as madeiras do Brazil, que
gervera p.ra as candis tanto dos Indios como
dos Mazom ios do Estado do Grao Para : que
servem cara casas, para obras de marcenena;
cascas para o crtame de couros ; sobre a casca
do G-jainb raa appcada cordoaria ; sobre
as palmeiras cujis folhas servem para cobrir
rasas, eic.
Memorias sobre as salinas do Canha ; tra
sendo no fim urna nota sobre as minas de sal
de Jaor.
Relacao circumstanciada das amostras de
ou:<>, remettidas ao Real Gibtuete de Historia
Natural.
Nada escapou a doutas investigarles do sabio
explorador, ludo foi por elle visto, examinado,
avaliado, analysado e descrip.o.
As obras de Alexandre Rodrigues Ferreira sao
como que o grandeinv -alario, o mais verdadeiro
ma;s completo, mais exacto dos inexhauriveis
thesourus que, com razo, dizia o padre Joo Da-
niel havel os descoberto no Amazonas.
Acorapanham essas obras as mais bellas col-
lecgoes de estampas, encadernadas em volamos
separados, representando quadrupedes aves,
amphybios, peixes, armas, instrumentos masi
caes, mecnicos, vestidos, ornatos e utensilios
domsticos dos indgenas, etc. O interior de
suas h bitages, saa archiicctura, modo ae pre
parar as bebidas, de fabricar as redes, de enve
aenar as armasetc.
O volme sob n. 19.320 ama veroadeira pre
r-iosidad -, quer s b o ponto de vi -ta da histo-ia
c da etbuographia, quer sob o ponto-de vista ar-
tstico, pois os desenhos sao de irreprehensivel
correejao e admiravel n'tidez.
(Contina)
Henrique
forme com
mentos.
Irineu Henrique Cardim.Venha
intermedio do Dr ebefe de polica
CapitSo Jlo Pires Ferreira Deferido
com offieio de hoje ao 'fhesouro do Es
tado.
Jos Migael dos Santos. Indefe-
rido.
Josepha de Godoy e Vasconcellos.
Concedo.
JoSo Francisco de Torres Bandeira.
Indefenso.
Joaquim Tarares de Mello. Defe-
rido.
Luisa Maria do Lirramente. NSo tem
lugar o que requer.
Luisa Maria do Livram-nto. Indefe-
rido, vista do despacho desta data.
Luis Alfonso Ferreira.Encaminhe se.
Manoel Xavier Carneiro de Albuquer-
que.Deferido, com offioio de hoje ao In-
spector da Thesouraria de Fazenda.
Mana Candida da ConceicZo Tavares.
Eatregue-se, mediante recibo.
Manoel Cavalcante de Albuquerque
Mello.Eatregue-se, mediante recibo.
Miguel Leopoldo Lima. Informe o Dr
juiz de direito da comarca do Rio For-
mse
Manoel Joaquim Barbosa. Entrege-
se, medante recibo.
Mara Augusta da Silve'ra.Concedo.
Alferes Nicanor Guedes de Moura Al-
ves. Informe o Inspector da Thesouraria
de Fazenda.
Pedro Pereira de Souza Lemos. Re-
mettido ao Inspector do Tjoeaouo do Es-
tado para attender.
Rosa Maria da Concedo. Deferido,
com olficio de hoje ao Inspector da The
souraria de Fazenda.
SebastiSo Jos da Costa Trigueiro.
Informe o Inspector do Thesouro do Es-
tado.
Sociedade Uniib Beneficente do3 Ma-
chiai8tas.Infirme o Inspector do Arsenal
de Marinha.
Superintendente da Estrada de Ferro
do Recife ao Sao Francisco.Informe o
Inspector do Thesouro do Estado.
O mesmo.dem.
O mesmo.dem.
Thomaz de Aquino Barbosa de Souza.
Sitn, com recibo.
Vicente Ferreira da Costa Miranda.
Seja aposentado com o ordenado propor-
cional ao tempo de servico.
Valentim Auxencio Ferreira.NSo tem
logar.
liosas gionticacOes que anda o auno passado
ille recebeu ios seas compatriotas.
Nao houve, oeste scalo, em Hespaoha es-
cri|itor mais popular que Zorrilla. Os seu* Cantos
del Trotador entoatram se em todas as bibl'O
thecas ainda as mais modestas. Njo ba ninguem
em Hespana que nao tenha visto o sea D.
Juan Tenorio,.drama que enriqueceu um editor,
e que elle vedea por ama somma insigniliean
te I Oseu Theatro tem sido representado cente-
nares de vezes. Nao ha casa de espectculo, por
mais pequea que seja. que uo tenha represen-
tado El Zup itero y el fi*y, Sancho Garca y un
Traidor, Inconfeso y Martyr, talvez a sua obra
pn na.
Quem nao conbece tambem os seus Ecos de
la Montana e .t legenda del Cid. os Rejtterdes del
tiempo viejo, o famoso poema Miramir ?
E* gravissimo o estado do general Cis
sola ?
Em Barcelona a situaco quasi a mesma.
As fabricas esto desertas, e poucos sj os ope
rarios que se resol ve ram a (rabal Dar. Anda as-
sim cousexoio-se que os carregalores do porto
acabassem agreve, e dabi resoltou que j pdde
levantar ferro o vapor Alfonso XII, que segu
para as Antilbas.
O general Blanco raandou reti-ar urna parte
das torcas militares, que esta vara as ras des
de que a cidade toi declarada em estado de si
to. Esta ordem foi motivada pela declaraco de
alguns op rarios, que coasideravam ama amea
ca a presenca das torgas militares, e por isso se
recusavam a entrar as fabricas. As patrulbas
oavallara e infantana cootiou ira 0 seu gy o as
ras principaes, mas sem bayoneta callada.
Os aaarchistas coatiauam ameagando aquel-
les que vao entrar as fabricas. Dtvidem se em
pequeos grupos e passeiam as roas prximas
dasofiioina8. Qaando cliega algum operario dis-
posto a apreseuiar S6, parara junto delle, o di
zem-lhe : < Tem cuidado, nao entres na fabri
ca. Vai te embora, ou Turamos-le a barriga.
O general Blanco continua as suis diligencias
pan dar ama solugo pacifica o conflicto. Tem
tido innmeras coaerenciaa com os operarios e
patres, e parece ter conseguido acabar a qoes-
to dos padeiros.
Na noite de 6 a polica acorapanhada d-
um piquete da guarda civil sorprendeu em S.
Martin de Prevenais urna reuniu de anarcbstas
no subterrneo de urna casa, que, alera da pona
principal, tem ama outra para a va-frrea. Fj-
ram 33 os individuos presos, e moitos os papis
apprehendidos. Ligaram-lhes os pulsos, e leva-
varam-nos presos para Atarraganes.
Oalli foram removidos para a fortaleza de
Moujuicb.
Os fiscaes militares tratara activamente da
iostrurg dos processos summanos. Os traba-
balliadores contra qnera se provar que instiga-
rara us companbeiros desordem, serao casti
gados com penas de desterro e prisao.
Em Valencia, a discussao do centro anar
> hista desconcertoa os planos dos grecistas, que,
nao leudo local para a reuoiao. dingiram se em
numero de 300 ao passeio da Alameda. A poli-
ca intimou os a dispersar, e como nao obede
cessem. fez urnas 100 prises.
13J600
aoiooo
961000
#100
boulaogi.ta. Diz que se nao deve considerar
come abandonado o programiia do partid.), e
declara jue, ap zar de nao querer produzr per
Os cigarreiros e machiMstas voKa#a as-seus- rslme
Secretaria dGoverno do Estado de Per
nambuco, 23 de Maio de 1890.
O porteiro,
ff. M. da Suva.
2.
licia
riRTE OFFICIAL
veruo do Esta de de Pe
Nm
DESPACHOS DO DIA 22 DE MAIO DB
1890
Abaixo aasignados, moradores e eleito
res do pttvoado de Santo Amaro de Se-
rinbaem.Informe o Inspector Geral da
InstruccSo Publica.
Antonio Marcellino Regueira Costa.
InforiLC o cidadSo Inspector Geral da
InetruccSo Publica.
Altina Maria do Espirito Santo.Re-
queira ao director do Arsenal de Guerra
na forma do art. 168 do Regulamento de
19 de Outubrode 1872.
Antonio Jos Conrado. Aguarde op-
portunidade.
Bernaidio Francisco Duarte. Infor-
me a Intendencia Municipal de Cim
bres.
Elyoio Amancio Gomes do Mello.En
tregue-e, mediante recibo.
Repartlcio de Polica
seccSo.N. 113.Secretaria de Po-
do Estado de Pernambuco, 23 de
Maio de 189 J.
Foram hontem recolhidos Casa de
DetencSo os individuo de nomes Manoel
Joaquim Torres, Severo Badiga, Elpidio
Licultier, Manoel Orqueiro da Silva, Pe-
dro Vieira dos Santos, Jos Antonio de
Maria, Luiz Bernardo Nogueira, Ludo
vico Mach do, Antonio Bernardo l aval-
canta, Bellarmino Jos dos Santos, Fran-
cisco Miguel do Nascimento e Manoel do
Nascimento Vera Cruz.
Communicou-me o delgalo do ter-
mo de Tacarat, que no dia 10 do cor-
rente foi recolhido cadeia o roo JoSo
Roque da Coata, pronunciado no art. 192
combinado com o 34 do cdigo criminal.
O chefe de polica interino,
Francesco Xavier Cfueies Pereira.
trabalbds, e ha esperaoca de que funecionem
todas as fabrica-: de fanijeo dentro em pouco'
No Atheneu Mercantil Roave ama reuoiao de
commerciaotes e industriaes. Foi discutida a si
tuagao actual, pred minan Ja a crenga de que
a solugo do conflicto depende da energa das
autoridades, l'-na commisso all nomeada, foi
procurar o governador civil, e perguntou Ibe se
dispunba de forgas para ter.ninar um estado ta
grave.
A autoridade respoodeu que empregaria todos
os esforgos, at o ponto em que julgasse neces-
sario resignar o cargo
Como aguarda civil tem estado concent-ada
na cidade, os malfeitores campeiam livremeate
nos arrabal-Jes.
No (lia 9, dez homens armados entr-ram
num moioho de Montrey, exigiado ao pro
pietario 6,000 reales, para recuperar a sua li-
dade.
0 seqaestrado. pai do relator do tribunal de
Valencia, escreveu para a cidade, 'pedindo essa
quaotia, que enlre cumpriram a eoa palavra e deixaram n'o Iivn-.
Das depois succedea o nesmo ao marquez
de Cruilles, que eslava retugiado o'uma propne-
dad i que possue em Aleira. Os salieadores exi-
g ram e receberom 5,000 pesetas.
E u Valen ;ia co.itinuava a grve quasi
geral. Esto fechadas a maior parte das lojas.
Foram effecaiadas mais prises. As autoridades
redobram de ecergia. Re:omegou o trabalho no
porto.
Em M.dnd pode dizer-se que completo
o so:ego. apezar de se terem contioaado a tazer
ainda algumas pries. Em Cdiz a grve
ameaga toraar se geral.
turbaco alguna no paz, e de renunciar a toda
a agitacSo que seria estril, maulera integra a
lo mala de reconciliago entre todos os agrupa-
mentos polticos da Frauga, e plano de reformas
socaes. terminando por Vivas revieo consti
tucional, lioerdade, e repblica nacional.
(Jjoe acontecer ao baulangismo depois da
grande derrota que sjffreu com as ultimas elei-
i-5es de Pans ? Que posigo, e porque caminbo
tjiuaro os chefes abandonados pelos soldados ?
Sao estas as duas oerguntas que ee lormulara
geralmentc em^-auga, e que esio despenando
justa curiosidade no eslrangeiro.
Naquet publica na Preste ura artigo a este res-
peito, que tem iacoatestavelmente ama grande
signiflcagao.
E'le que na fespera da grande batalha, pre
goava e pareca acreditar n'uma brilbante Victo
ra do partido ao da 4 de Maio, recunnece, de
pois do ultimo escrutinio, que a batalha est ir
remediavelmeuie perdida.
Estarnas denotados e bem derrotados 1
escrere elle com completo desanimo.
Nao trata de arcbtectar sopbismas, nem de
esconder a significaco dos algarismos, orna-
mento signit cativos.
Esta atutude do 'principal bomm poltico do
boulangismo tem feto no publico ama impres-
sao profunda.
A deaiocago do boclagismo pois, conside
rada definitiva.
A Cocarde o nico jemal que protesta ainda
mas acensa as desergoes.
De resto, o comit nacional reuni, e o que
all se passou e diversamente narrado.
O Gaulois diz que a discussao foi acalorada, e
durou mais de qeatro horas.
Naqoet foi vivamente increpado por langar em
publico um tal artigo de desanimo, sem cnsul
ta previa com os seus amigos.
0 debate Iravon se enlo sobre este assumpto.
N iquet, Lagure e Deroulde, os tres grandes
campees do partido, opinaram que se devia
romper com Boulanger.
Outros houve que foram de parecer contrari j,
e parece que do lado des tes ultimes ticou a
maioria do numero, que. dada a separaco dos
tres noraens que indicamos, urna maioria do
numero de signicagao muito conteslavel.
Por ultimo a reuoiao couclao votando a se
guinie ordera do dia:
Na querendo perturbar o paiz com urna
agitacao estril neste momento, mantearas inte-
gralmente o nosso programma de reconciliago
fraoceza, e das reformas socaes. *
De molo que depois de io feras e estrondo
sas ameagas, alguns boulangistas aspirara agora
a irarisformarem se em apostlos do trabalho
tranquilo e fe ionio, e todas as recordacoes do
cesansmo, s conservam a celebre divisa do im-
perador romano Laboremos!
O Malin publica ama carta do Sr. Lvque
sub goveruado. emissiouano do Credit Foucier
de Frunce, com a copia de sua utraissao motiva-
da, na qual repudia a responsabilidade dos ac-
tos praiieudo3,fcLdt3 despezas lenas pelo Sr.
'ario dos estatutos e dos io-
leresses do Croan Foncier.
Na sesso do dia 8 da cmara dos depata-
dos, o Sr. Laur pedio para inlerpellar o governo
sojre a questo do Odit Foncier, e sobre o em
urego dos (uu los da caixa ecouuinica.
O Sr. Rouvier pedio que se dividisse a nter-
pallago, porque as duas questOes nao sao con-
uexas.
A interpellagp sobre os fundos da caixa eco-
nmica foi adiada para a sesso de 17.
A cmara decidi a discussao immediata da
interpellago sobre o Crdit Foncier.
O Sr. Laur explanando a sua interpellago,
leu a carU-do Sr. Lvque publicada de manb.
Dase que nao qnena accrescentar nada a esta
exposigo, e asperava, que bao de ser dada ao
p.iz 'xplicagoes completas.
O Sr. Rouvier respoodeu, commuoicando a car-
ia e Jemissau do Sr. Lvque ao Sr. Ornato
phle, que lhe deu urna resposta muito circam-
stanciada.
Di8.se que alm disso o ccnselho de adminis-
trago do Crdit Foncier, a qual conhecla as ac
ces do Sr. Lvque, renovoa ao Sr. Christo-
pble o testemunho de saa inleira confianga.
Nestas condigOcs, o governo nao pode deixar
de aceitar u demisso do Sr. Lvque.
O governo nao addc intervir na questao do
Credit Foncier.
Compete s pessas iuteressada3 uo caso ex-
por os competentes pormenores.
O Sr. Lvque subi a triouna.
Depois de longo debate dos discursos dos Srs.
Lvque e Ohnstopble e das observares dos
Srs. Rouvier e de Freycinet, declarando que o
governo rejeilou'o ioquerito parlamentar, mas
que fura elle proprio o iuquerito por meio dos
deputados approvuu quasi por uuauimidade urna
raogao de ordem, dizendo que toma nota das de-
clarage8 do governo, e conla com a sua vigilan-
cia.
Em conformiaade com a mogo approvada
uo da 8, pela cmara, o governo designou os
Srs. Mapat, Jacquin e Jo!y, inspectores de fazen
da, pa a fazerem um iuquerito ao Credit Foncier
de France.
Couiinuam as buscas policiaes as casas
dos anarcbstas mais salieutes, contando se en
tre estes o Sr. Elyseu Recles, geographo emi
nenie.
Malla
E mais adiante :
Nao pode escapar a vossa pru leaci ojvj
por maiores que sejam os meios de que po*
dispor o poder civil para benefiar a coadica ot
operarios, essencial a tarefa que a igreja 4e-
sempenba nesta obra salutar.
Dous das antes da conferencia, de Berln.a 13
uj Margo ultimo, o papa servia se de expreasOes
anal jgas n'uma audiencia particular. Como o
seu interlocutor lhe perguntasse se a Santa S
nao se faiia representar na conferencia respon
deu-lhe :
Nao sei. De resto, nao de fazer lhe que tra-
tamos. 0 nosso papel ioteiram ate moral, as
nossos meios todos moraes. A questo social
a grande questo do da. Para resolvet a. are
ciso ir procurar onde realmente existem. islo ,
no espirito de submissSo, os principios de esta
bilidade. Disse o na mioba encycliia, e repito
o n'uma caria em que estou trabaihando, j ia-
teresse e o dever dos principios
Na gente que cerca o poot.rice maior aiadi
a clareza e a preciso do dizer. Urna das razocs
pelas quaes o Vaticano se volta para a Allema-
nha, e tambem para a Inglaterra qu) oestes
dous paizes comprehende semclhor do que em par
te nenhuma a forqa da Santa S. E porque se
camprih-niealli melhor? Porque setenta a*
plical a para resolver a quesillo social.
Na Allemanha M;r. K pp e M,t. KremeaU;
na Inglaterra o cardeal Maning, na Irlanda Walsta,
deram lucta econmica, e desuncm com bisos;
levando a cruz arvorada.
Disse o cardeal Ra apolla por mais de ama
vez que se poda aproveitar aquella forga da Saota
S para exercer urna acgo social. Affirma elle :
Sem ordem, nada se consegue; ora. nao ha
ordem sem moralidade e nao ha moralidade sem
religiao.
Mas, por qnaes meios, pode a aeco da Santa
S exercer-se til e praticamente Esto indi-
cados pelos bros loglezes e allemes: por estes
ltimos sobretudo.
Por occasio da conferencia de Berlim, o pria-
cipe arcebispo de Berlim prooos ao clero ser
subordinado as seguintes quesiis :
1 Quaes sao as providencias que devem to-
mar se para qae os operaras frequentem a igreja
com maior assiduidade
2." Quaes sao as instituirte de beneficencia
3ae se poleria crear em beneficencia dos tilbos
os operarios t
3.* E' possivel fundar associagOes na ctasse
operara, como associagSes de operarios e ope-
raras t
*. NSo deve o clero conhecer a legislago pa-
blica em materia social ?
E em presenga de ludo isto que a carta de
Lelo XIII tem alta importancia. E' mais do qae
urna carta do pontfice ; um verdadeiro pro
gramoia polit co.
C0HKtSt,0\UL>4S
EUROPA
O paquete Malanga da Real Mala Portugueza,
hontem chegado da Europa, trouxe datas qae de
Lisboa ?lcangam a 12 da correte mez ; adan-
laudo qur-ze dias s Iranias pelo inglez Tka
mar.
Alera das de Po tugal constantes da cariado
nosso correspondente, publicada na competente
rubrica, eisasdemats noticias trazidas pelo re
fendo paquete :
Hi-ipanha
Escreve o nosso ailudido correspondente so
bre este paiz:
Morrea o grande poeta hespanhol D. Jote Zor
rilla. Ha pouco menos de um anno a3sistira
soa ap'jtbeose eran mamfestagao calorosa e
enihusiastica de admirago e respeito, em qae
tomoa parte toda a Hespaoba, desde a rainba
regente e na familia rea! hespanhola at ao mais
obscuro dos seus cidadaos.
A oa morte cobre de luto a htteratura hes
PDhoU, que perdeu no insigne poeta ama das
suas maiores glorias deste seclo. Aswciamo
008 sentidamente s homeoagens que bao de
er consagradas ao ilustre exilado, e qae nao
erto mais doqoe a revivesceocia das eslron
FraufA
As ultimas noticias dos ue prtame otos do nor-
te e Pas de Calais, comqoaolo sejam aioda gra-
ves, aecusam nm estado mais satisfactorio.
Em Lille j trabalba urna fabrica, e nao coali-
nuaram as desordeus.
Em Turcoiog abriram alguns estabelecimentos
operarios, que esto guardados por tropas. A
erve completa em 74 fabricas, parcial em 60,
e 20 e to no estado normal.
A polica prendeu na frooteira fraoceza um
agitador belga chamado Ausecie. que vinlja de
Gmd com 6 socialitas para organisar a resis-
tencia dis operarios.
Fti distribuida urna proclamago em que se iaiAr(.nimi <4r Piiani iltaii ao rei
advogaramo principio de uoio dos grupa, so J 8atra mais 8 000 individuos suspeitos.
nal.stas, afim de poderem no da de Maio rali- JMCS encerados, ou Udm rmel iJS
mar os patres a satisfazerem as aspiragoes dos We 7 rra8 da sua naturalidade ; eranra, lo-
operarios, se at eato os poderes puolieo. forem ge melliaa3 discipli.iares coctra 300 mi
rapoteuies para estabeleceem o accordo d se eDi;0atrardm e3-
A sitaacao continua a melhorar na reg.o de JJJ^ ^JuUa.
Rjubais. ftM>rf.n ui-. Coatinuam a estar em termos de terem um
Em Turcoiog proxjmo da fronteira belga, 8atisfatorio as negoelages entre os go
voltarnm ao trabalbo lo.OOO opranos. d s Iu relatlvo H0 esiabeleci
O conseloo de ministros exammou diversas dd U(U tuuQd a(ravz dj Sia,plon.
propostas submettidas cmara, teodentes a 0 seiia(i0 .onciu,ndoa Jiscus^o, approvoa
tributar os estran^eiros qne residem em Franca. .Qg m gi proposta de le sobre
O conselho nao parece disposto a adherir a essas P^*^^^ v K
propostas, visto os fraocezes nao serem tributa Nj "Cen1ros offieiosoa desmente se que o
dos nos paues estraijeeiros. A n,a,na coasedn de ministros se oceupasse da questo
- Foi interpelado na cmara dos deputados disBolucao da cmara dos deputados.
g ministro do int rtor C nstaas. acerca do era v^ a<.
KS^O ^^^'SSStSJt -O soberano %,ce dgia ao arcebispo
r,duzila a haver se emitlido 4700 ob.igag s de Colonia urna caru internate. Lonsla efU
suSimas por mdiv.duos que nao nnbam di- de duas partes: P^l^ii^^
mo a 1 raal as. Poreste motivo fra demitlido so.-ial, era -.special altitude as>um da peran
o %*"urou contador dos fundos muniepaes. te esta questo pelo episcopado da Al emanha;
V^que'se refera intervengan do prefeito a seguuda .uodaglod, urna nova casa aliema
Jo Sena, o Sr. Constans declarou que o bavia Je nussi-narios em Roma,
mandado instailar no editic.o dos pagos munici- L^ao XIII faz notar em p.ime o logari im
paes, desde qae vio a municipal ida de querer por-aocia *1W^^*m"2,
Fuucci nar em sesso permanente, e como que as urcumstaneudas na qajsto .wcul. o*qw
coustu.ado ama junta revolucionaria. As de todos os es ados da Europa se mitrara preocu^
claraces do Sr. onslans foram approvados nados com tal asburafr, e que portan o a San a
por 416 votos contra 55. O Sr. Contans foi h nao .he pode ser mifferenle. R^
mnim aiinianai j na pouco es-re/eu na sua carta do Iraperadoi
Osjornaes franeezes ltimamente receidos GoilhermeII a propositada conferencia de Ber-
occuoam se principalmente do desaotre soflVldo bm. ____
pelo"boulangistas uas ultimas leiges de des Exprimimos ca,ament o mierewe que po-
empaie. A Presse poblicou urna noticia torjada mos emsoccorrer os pobres on^o, tem
de p.eto como os convites fnebres, e assigna- prestar Ibes, segundo as nossas forgas. os cuida-
da pelo Sr. Laisan I, vicepresidente do comit I dos mais affectuosoa.
Do Otarlo de Pernambaeo
PORTUGALLisboa, 12 de Maio de
1890
Pelo MalangetU Sala Real Portugueza qae -
nba annunciado para 7 do correte a sua partida
para os portos do Brazil, escrevi e remetti a eos
turnada correspondencia. Sabio a barra ncite
do da indicado, mas foi forgado a arribar daas
horas depois, vindo fuadear em trente de S. Jos
de Ribamar, em consequencia de baver soffrido
avaria oa baste d um dos mbolos da machina.
Ornar tstava muito agitado e embori boa-
vesse a bordo a peca sobresalente, era impossi-
vel collocal a em boas condiges com os fortes
balangos qae dava o navio. Foi n'estas eireata
stancias que o commaodante do Malange resol
veu arribar. A nova pega foi collocada e go no
dia 10 pelas 10 horas da man ha que pdese
guir para o seu deslino depois de reparadas as
avarias que soffreu.
Nao sei se estes promenores aero ahi conhe-
cidoo dos meus amigos, mas servem de explica
toes a quaesquer oceurrencias relativas ao atraso
da correspondencia.
Esta, aKora, segas pelo Trente da Mala Real
Ingltza, que, bem pode succeder qae ah chegoe
ao mesmo tempo, ou mesmo antes da miaba com
dala de 7. E de tado isso Uvo as minhas mos.
*
Prosegaem os trabaluos parlamentares, mas
por ora sem grande mteresse. Faz excepeo ao
que deixo dito a sesso da cmara das depotados
de 9, cuja parte mais importante foi consagrada
a assumptos africanos.
O Sr. Elvioo de Britto (progressista) requereu
todos os documentos relativos aos actos de vas-
salagem prestados pelos regalos do sertao de
Mogambique de 1888 a 1889 e formuloa differea'
les perguntas ao Sr. Julio de Vilhena, ministro
da marinha, que respondeu, como passo a resu
uiir:
Vassallagens: -O ministro da marinha dlsse que
nao tinha duvida era mandar publicaros actos de
vassallagem ltimamente realisados na frica
Oneulal. Seriara auxiliar para a defeza dos nos-
sos dircitos e testea,unho dos patriticos esfor-
gor prestados ao paiz pelos exploradores portu
guezes.
Concordata .Que n3o tinha noticia de qual
quer nvaao do uisp; de Calcutl no Padreado
portuguez. Combatiera a concordata: mas agora
cumpria-lhe respeital-a, e para a respeilar. de-
via defendela. Repelliria enrgicamente qu l
quer usurpago, ainda que fosse patrocinado pelo
Vaticano.
Occupacao de Chilomo (Villa Coutioho): Era
verdaneira a oceupjgao do Chilomj pelos ingle-
ze3. Nao podia approvar os cxaggoro c ph.ase
do governador de Q elimane, no protesto que o
Sr. Elvioo de Britto lera cmara, mas achava os
Ldesculpaveis e per.ilhava o pensamento do pro-
testo.
.\o dira se o etatu quo tinha sido violado;
isso era questo adstricta ao cjnfh< to pendente,
e fazia um appello ao patriotismo do Sr. Elvino
de Bruto, para que nao insi.-tisse n'uma discus-
se irritaote. que pouia reflectir se as negocia-
goes com a laglaterra.
Expedicao ingleza Mashonia. Dissera-se que
urna expedigo ingleza uceupara o territorio dos
Mashonas. Pedir ao sea collega dos neg.cios
ostrauge.ros, logo que lhe constara a uoucia, que
sobre o assumpto solicitasse explicag5es ao go-
verno inglez. Este respondeu que nenhuma ex-
pedicao fora enviada para aqueile paiz, nem par
ticularmente lhe constava que fosse orgaoisada
quaiqiihr forga para este lira.
0 Gangunhana .^Estimara a perguuta do Sr.
Elvino de trii'o, porque lhe d ensejo de affir
mar que se empenha na oe.cupago effectiva Uo
paiz do ti>za, para o qual partiram ji seto iolre
pidos exploradores, que sero all resideotes
militares.
Nao sabe se ba intrigas inglesas junto do 6un
gunhana ; o que sabi que Portugal tem, pelo
meaos, lauto direito ao paiz de Gaza como a la
glaU-rra ao dos Malebelles.
Se houver intigras hostis aos nossos direitos,
ha-de coniranal as e maniera soberana da ban-
deira portugueza, com a cooperaco patritica de
todos.
0 momento tn3is para obras que para pala-
vras.
As respostas do Sr. Julio de Vilh* na pro-tan-
ram bo impreso, e alguem commenton :
Parece que temos bomem para as coto
nias I ...
O r. Carios. Lobo d'Avila (progressista) de-
iaraii que a op^osigo ouvira com jubilo as de-
rarag*-s lo Sr. ministro d i marinha, e enten-
queaestas grandes quesees africanas nae
* Saver preoccupjgoes partidarias Pergan-
tanao Sr.Julio de vihenaseteficiooavamandar
cmara o relatorio dos exploradores portugue
xes e das autoridades de Mogambique, relativos
aos acoatcimentos qae precederam o ultimtum
se a re iiessa de mi erial de guerra para Mos-
stoedes indicava algum facto grave, e se era'
verdadeiro o tnassacre da expeigo Valladim *
O Sr. Mo de Vilheoa respondeu dando os
aemmtes esclarec mea tos :
Selatorws ; Viriam em breve para a cmara
os relatnos a que se referir o Sr. Lobo d'Avi-
la, reservando-3e o governo o direito de omittir
a parte eonS leo :ial desses documentos.
Materiat de guerra para Mossamedes:Nao a-
fia acontec rae o tos graves no plaaalto de Mossa-
medes. Era preciso mandar para l material
ie guerra e para ouiras partes da frica. Ago-
ra nada mais pode dizer; a ?eu tempo dar ic-
formajoes completas cmara
Erpetbfao Valladim :NSo ba noticias positi-
vas cerca da expeJigo Valladim. O proprio
governador de Mogambique duvidava do massa
ere dos expedicionarios. Leu nm trecho te um
jornal de Qaelimane. pelo qual se v qae at all
se davida do desastre.
O ir. Lobo d'Avila extnnhou o voto de pre -
matara condolencia, a que o Sr. Arroyo (entao
ministro da marinha) se associara.
O Sr. Arroyo, que agora ministro da instrn-
cga aublica replicou humorsticamente, que a
aoiaenagetn fe sentimento era provisoria, o que
tes rir a cmara.
Caminho de ferro de Lourenro Marques : 0 Sr.
Ressano Garca (qae foi ministro da marinha do
tamo gabinete progressista) pedio esclarec
QK'utos cerca do caminho de ferro de Loareagc
Marques e falln da nota dos goveroos da ngia-
ra e dos Estados Unidos, qual se referir um
proal est-angeiro
O Sr. Lopo Vaz, ministro da justiga, negou
qae o governo boevesse recebido urna aota com-
miaatona daquelles governos ; disse qae as ne-
eociagoes proseguiran! e que o governo accei-
tara en these a arbitragem para se resolver a
qaesto. Que nada mais podia dizer, e qae
brevemente viriam cmara os documentos rela-
tivos questo.
E pissoo ae ordem do dia que era eleico de
varias commissoes parlamentares.
Este resumo d idea, posto que sucinta de
estado Us qoest&es coloniaes que ltimamente
ais tem ocenpado a attenco pnbl.ca oeste
paiz.
Btz se que nm grupo de negociantes e afri-
caotsu se prop >e construir urna linba frrea no
valle de Limpopo. e ao longo da (rontnra de
Transwaal, prolongando-se at costa, atravz
do damelo de Inhambaoe.
Parece trae esta empreza nao pede subven-
gSea. mas sollicita eran des concsssdes de terre-
no, asado a maior de 500000 nctares na regio
atraeira. Por cada kilmetro de caminho de fer-
f ro, par cada canal, fetoria, caes ou obra impor-
ante, pede a eoncesso de 5:000 kectares de ter-
rean, alem de concessdes- especiaes para a fun- ,
da9 de colonias.
Ma sesso de ante hontem da cmara dos
depotados o Sr. Manoel d'Ar'iaga (republicano)
apreseatoo ama mogo convidando o aoverno a
recaonecer a repblica dos Estados Unidos do
raail.
At agora, diz a este respeito as Nocidades nc
sea artigo editorial dessa noite, nenhuma poten-
cia earopa, indurado a repblica franceza, re-
caohecea a nova repblica americana.
feites assumptos, prosegue o mesmo jornal,
; praxes teplomaticas. que sao veraadeiras re -
en te direito internacional, impedem s poten-
de segunda ou terceira ordem tomara ini-
cial va. que so perteoce s de primeira.
Quaesquer que sejam as i.ossas sympathias
aeu aacSo brazileira, e independentemeote da
forma de governo que ella livremente escolba.
a> podemos tomar adianteira em tal assumpto.
O estato do Brazil por emquanto anormal;
anda se nao reuni o coDgresso constituate qae
ba de sanecioaar e legalisar o novo estado de
eaisaa. As potencias agaardam essa reanio e
a debera$ao respectiva, como natural, para
eatao se pronanciarem.
Foi esta, pouco mais oa menos, a resposta que
den o Sr. Rinize Ribeiro, ministro dos negocios
estnogeiros, o qual ponderou tambem a incoa-
neacta de se abrir discussao sobre a propos-
ta da Sr. Arriaga.
Cota ella Bcou para segunda leitura para boje
(segaada feira), provavel que por isjo nao se-
|a admttida discussao.
A maraa receben pois as palavrai do minis-
tro saacto e seoha para abafar a discussao da
pro posta do Sr. Arriaga
Es alguns dos considerandos cm que o Ilus-
tre deputado republicano fundamentou a saa
proposta :
> A cmara, considerando que a nago portu-
gueza conquistou para a civilisago ao mundo,
tu frica, Asia. America e Oceaaia, em conti-
nente e libas, vastos dominios, dos quaes uns j
boje sao e outros bao de mais tarde converter-
se, sob as leis evolutivas da vida, em tneatros e
emporios gloriosos do genio e actividade huma-
na, e qae lhe bao de perpetuar o nome para lo-
do o sempre, embora sob outras bandeiras ;
Consideran lo que d'entre os seas numero-
sos padrOes de glona, sobreleva a todos o haver
fundado uas Ierras de Santa Cruz com o seu va-
lor, o seo saogue, a sua alma, a grande colonia
que atravessaado os esplendores e as vicissilu-
des do imperio, brilha boje sob o sol fecundan-
te e triumpbador da democracia americana, com
o nome de repblica feueral do Brazil;
< Considerando que, se um dia forem ebega-
los para nos das adversos, qae aos obrgae a a
todos os sacrificios para mantermos intemeratas
e impolutos a iutegridade e a honra da patria,
em nenhuma outra nago encontraremos apoio
mais espontaneo, natural e decidido do que n'a-
qaelle qae sempre mais do que qaalquer outro
aos tem honrado com as suas ad.besOes e sym-
paihias, e que atravez de todas as vicissi'udes
nos ba de perpetuar o nome e a gloria, fallando
a mesma liogua com que o genio le Caru oes im-
mortalisra os nossos feitos nos Luziadas >.
Le a-se aa cmara electiva o decreto auto-
grapho pelo qnal S. M el rei boave por bem
uoraear suppleotes presidencia e vice presi-
dencia da cmara os Srs. Joaquim Germano de
Seqaeirae Augusto Jos Pereira Lene, que pres-
tarais a devidojuraniemo.
Foi concedido o titulo de coa de de Otolioi
ao Sr. visconde do mesmo titulo A merc em
duas vidas e pertence ja ao Sr. Jos da Veiga
nolini, engeuheiro de Minas, iha primognito
do agraciado.
Ao coronel de engenharia Sr. Correia Aleixo.
aenro do fallecido conselheiro Jos Feliciano de
Cstilbo Brrelo e Njronha, foi concedide o ti-
tulo de visconde de Villa Aboim.
Annoaciou a ultima ordem do exercito es-
tar aberio concurso durante 30 das pura o de-
aempeobo da commisso de escrever a historia
orgnica e poltica do exercito portuguez desde
as suas viageos, sendo a este concurso admiti-
dos todos os ofli -iaes das diferentes armas e do
orpo fe esta lo maior que najara publicado es-
cripius que revelera a sua capacidade litierana.
Ao reioerimenlo, o coucurrente dever juutar
ama deearacio do subsidio de que carece e
jaaes ascoadiges em que se obriga a escrever
a obra.


i.
-
.i

- :


i
m
\m\ I Al 1
ILhUII
1


2
Diario de Pemambuco-Sabbado 24 de Maio de 1890
a
H^^H^^HBH^^^^^^^^HHBb
1 #
ca no paix niscolooU e no Brasil, inclua 1 oa*eepectva..Ade 4a S4a*. da tarde** aquell*
4o a subscripclo dos empregado* do Balado aa as.a. ^ras ^ajanu navCoa>amcjto.toM*>|iUr**
n o fondo permanente da J",aaf![ "ll i* ^r^i^ e se extica; o mais
vem approxmars-muito de 00 coa'.oaja ri
Parece fra deduaid qae j e3'#*or^
4a a proposto para o arreo lamento ..dp OMBopo-
lo do tabaco. Sera posto emipraea po*4o *-
os, em coudices aemelhaales aasdaiBraeost
4o Sr. Mara ido de Carraltak
Coasta que existe
4e Comillas, 'que o BBBspoli
am H-Mpaotia. Esta proposta fundada na abo
lco da fronleira fiscal.
Affirma se que o ministro da marinha, Sr. Ju-
lio de Vilbena, vai apresentar ao parlamento
ama proposta para a coastrucjao do caminho de
Ierro de Mossmedes, qu-s esU oreado em cerca
de 3:000 cootos (fortes) e que um grupo de ca
pitalistis belgas daseja ncar com a adjudicacao
4a linha. _
Corre que o Sr. Franco Castello Brtneo, mi-
Mistro da fazenda, apresentar brere
Uto se comp ranead e e se xp
deria ser 4amadn*Mmo um,a**4* descorte
Qacie amigar* ciaba quer aMigor, nao ped.6
ser responeabiliaada petoaerroc 4a*omem que
Ihe. foi anta carrasco do e protector; e, pow,
por deferencia amistos*,- por acto de cavaltai-
uom pasposte, no mrque rtftHB em que ^empre souba distinguir o
^Sil', nao deve ser praticado.
Acto* ofllclaePor actos de 12 do cr-
reme do Dr governador do Estalo :
Foi nomeado Joo Cancio Cavalcante de Albu-
querque, para exercer interinamente o Jugar
de professor de geometra e desenlio do Arsenal
de Guerra. ,
Foi nomeado o cidado Joo Ltns (.avalcante
de Albuqoerque, para o lugar de membro da
Intendencia Municipal de Iguarass, em subeti-
tuicio de LuuScipiao.de Albuqoerque MaranbSo
orles a proposta da reforma da secretoria do
seu ministerio. ^^
O esma-ministre-vai-pedir ao parlamento ora
imposto addicional de 6 por seoto sobre todas as
ontri&uicOes assim directas como indirectas, ia
cluindo a coairibuieao do rendlmeoto. So os
juros dos titulos da divida publica ficaro uves
A Sociedade de Geog apbia esl discutindo
ma mensagem ao governo, relativa oavegaco
nacional para as nossas colonias e prao Branl,
por meio de carreas regulares de vapores, en-
eodeodo que essas carreiras, asseguradas e
desen*oividas como podem e devem ser, consti-
tu rao o auxiliar mais poderoso para o engran
4eciment da3 nossas po.ssesses coloniaes e para
o alargamento das nossas relaces commeraaes
com ellas e com o Biatil.
Reuni ba poucos dias a commissao execu-
Mva do partido Esquerda dinstica, estando pre
sent grande numero de seus membros e a
maior parle dos seus deputados eieitos.
Tratou se largamenle das quesioes polticas, e
lesolvfu-se combater os acto dutatoriaes e de-
fender as leis da liberdade da imprensa e do
municipio de Lisb a, e o direito de re io, la
mentando que o governo, eob pretexto de man
ter a.ordem. s encontrarse o caminho. do cer-
eeamento das liberdades publicas.
E* esperado em Lisboa um dos ajudanles
4o Sr. D. Miguel de BragaDca, que vera expres-
aixente represenul o as exequias por alma do
illust e e honrado legilimista Antonio Pereira da
Cuno*. ...
Foi muito concorndo o lunera! do brioso
militar D. Francisco d'Almeida, antigo fiel e de-
aicajo servidor, e amigo de sua magestade el
rei o Sr.- B. Luu, de saudosa memoria.
Toda a familia real se fez representar. Sua
Magestade a rainba maodou depositar pelo Sr.
Conde de Mossamedes. sobre o atauJe Jo illus
Ir offUial urna magnifica corda de violetas, lili
es e casas com iargas fitas cretas de setim, com
a seguinle dedicatoria : Ao leal serv !or de
S. M. eJ-rei EL Luiz e seu muito amigo dedicado
Mara Pa. .....
Chegou a Lisbao Sr. Bihourd. ministro pie
ipoteiiciario da Fraociem Portugal.
Dii se que tem liorrorosUsimos precedentes
iplomaticos.
E' na prxima quinta fcira, 15 que sua ma
Sestade o imperador da Au.urta receSer*m au
ienca solemne o novo ministro de Portugal
aquella corle Sr. Conde de Valenca-.
Parte por estes dia3 para S. Petersburgo,
onde vai assumir as fonecoes de i" sucrelno da
legacao de Pjrtu.al Baquella corle, o Sr. Eie-
uiel Prego ..... .
Ja est no prlo a Botona da luicersiaaae
de C mbra, escripta pelo Sr. t>r. Tneophilo
Braga. ,
Reuni ha dias a Associagao dos t.oguUs
4e Lisboa Depois de varios socios terem feito
B30 da palavra, foi approvada urna moco de
Sr. Rodrigues de Souza, niqual se diz que a as
sociacio confia em que a commissao de resisten
da continuara a promover a guerra comm'-rcial
aos productos de origem iugit xa, e em que a
lasse commercial auxiliar a commissao neite
patritico emprehendimeuto.
Esta conclido o orcamento de ura grande
fcarraco. que deve conter cheio, o balo dirigi-
vel do Sr. Cyprianu Jardim. Sera construido era
Teos, lego que all acabem os exercicios de*te
auno.
Com dimenses bastantes para que o aerstato
possa ser choto dentro delles e sabir para as ma-
obras de instruccio dos soldado balontiros,
ser o arracio levanUdo noespaco coaiprehen-
4ido en re as edificaOes militares existentes oa
escola; depois das evolucOes necessarias para a
aprendixagem das prac^s, ser feito a viagem
de experiencia, que pruvar da utilidade do n
venio Assim se explica a demora que tem ba
do a. experiencia. N4o se comprehende
uu www jnuilas vezes ser enchido e esva-
siadj em seguida ao ar livre, um aerstato, que
tem de capacidade 1,500 metros cbicos, que
custaram 1 500 francos, ou 270*000 fortes.
Lisboa asjora vai ter urna companhia de
xanola rro Coljseu. E^reiou se ante bontem
aom a Martna.
Vai uegando a moda de reservar a la* ou a
JO* represeulaco de cada peca original para
oe loJo m producto bruto da recita seja entre
gue ao axilar, a quem, por essa occasio os seos
amigos e admiradores festejam e brindam com
Efertas, flores, versos, applau trondoaas. ,.
Ante bontem den o Uiea'ru oe Mana u
urna -ecita axtraordinaru de Duque de Viteu. e,u
honra e proveilo exclusivo do t>r. Lopes de Mea
don;a festejado autor daquelle drama original
e soturna. .,
Ha poucas seoianae fizera o roeaoio com o Af-
fnso VI do >Sr. D Joio da amara, que leve um
iuuipho eompleto e urna recei'.. esplendida.
Ha dias o tbeatro do Gymnasia deu o Sr. com
miisuru do Dr. Gervasio Lobato em 5 r leniaco, sendo toda a receito do espectculo
para o autor que o* seu amigos vieloriaram e
briBdaram affectuosamenle.
ppBaWPia
REVISTA DIARIA
j e Fazsm luje 2i aanos que os
exerciios alliadosdo Brasil, Repblica Argentina
e l'.epub'ica Orieatal do Uruguay, em guerra
contra o Paraguay, inflingir! urna derrota, em
aiemoiavel e sangrenta batalna, ao exerco do
lyranno Lpez, dictador daquella napao, entio
Bossa inimiga, e hoje amiga, que procura cercar
a Braz de respei.us e coaside.aces.
Se Tuyuty lembra os metbores Jouras colhidos
pelas bostes brazileiras naqutlla campanba de
cinco aooos, pelo que uo poie ser esquecida a
gloriosa pugna ferida a 24 de Maio de 1866; se
o exwcilo aacioaal nao pode deixar de palpitar
de emojoes ao recordar esse seu distioctissiiao
feito n'uma.epocha que, sob mullos pontos ae
Tista, lu catemitoja para o Brazil; nao razoa-
vel, todava, qae, depois das ultimas maoifesu=-
coe's de svmpattiia que uOi Jeu o Paraguay, e
depois das que em todos os Estados da oiao
Brazileira foram dadas em honra do Paragu.y ;
seja hoje commeaaorado com festos aquelle
grande eito d'armas, que foi urna catastrophe
pata a nago paraguaya, embora a declaracao
extravasaata do tratado da trplice allianca de
que o Braiil mova guerra ao governo de Lpez
nio 4 nafiioque elle txazia opprimida.
K eremos que sera esse o modo de ver e de
sentir da todos oa bra leiros de um ao ootro
extremo da Umao, e qne nenhuma festo popular
vira eoaombcar a amuade que em boa bora e
com proveiio de lodut os povoa sulameric uos-
Tai sendo cimentada entre ettea aera a malta
base 44 poltica internacional do continente.
O MoBteP4i Votactarosda?auia, adhe
rindo *-. cetta foza. es#e penaananto, u
loog-4nraiat"'**'><*aa,tt*al>,Mtc***-
pehxcpntrario iuanwaenie alteroso ao patrio
smo, Umita as sus manifeatacOes i celebra cao
de orna mia*a pato descanso dos gloriosos mor
tos dbatalha de Tuyuty, ea|umaseseao magna
q e pedio exoneraco.
Foi pror.'gaia por 60 dias a licenca em cujo
gozo se actia a profe3aora publica de Tamarrda-
r, Mana Augusta da Silveira.
tuineato da forra pollcl! Hesol-
veu o Sr. D". governador ao Estado augmentar
o eflectivo do corpo de polica e da guarda cvi-
ca; e nest sentido expedio as seguintes por-
tarlas :
Palacio do governo do Estado de Pernam
baco, em 12 de Maio de 1890.-2* seceo.O
governador do Estado, de accordo com o que
p'opoz o Dr. che de polica, e tendo em vista a
deficiencia d forca publica actual e reclamaces
feitas por diversas autoridades policas, resol
ve augmentar o corpo de polica com cem pra-
caseuin alferes, cu]o lugar fica creado. Dr.
Albino M'ira.
Palacio do governo do Estado de Pernambuco,
em 22 de Ma.o de 1890.-2* seccio. -O governa
dor O-Esta<1o, de conformidade com o que pro-
poz o Dr. chefe de pulira, e tendo e vista a
deficiencia da forja pu'ilica actual e as reclama
coes que nesse sentido teem sido feitas por di-
versasaatoridades pulhiaes, resolve augmentar
a gaarda cvica com cem pracas, sendo 25 mon-
taias, coramandadas por um alferes que ser o
commandan'.e da U ostacio.
Resolve. outrosim crear um lugar de alteres e
urna eslacjao em Alogados.Dr. .Ubtuo Meira
Aciociara Commercial enefleea-
tepor convite dessa associagao, deve reunir se
hoje, ao meio da nos salO-'3 do seu palacete, o
corpo commercial desla capital, attm de tratar
dos .eio8 de representar, e se convm fazel o,
ao governo provisorio contra o decreto que man
dou cobrar era ouro as alfand:gas urna parte
dos dmitos de imnoitaco.
F relisloaaAmanha, na igreja do
Divino Espirito-Santo, celebrase a festa desse
Orago 'onstanJo de missa solemnes 11 horas
do dia era sermo pelo R'vdm. padre Pe Iro
Paes e Paiva, e Te Deum s 7 horas da noite,
precedido de predica pelo Revdm. frei AugU3to
da Imraaculada ionedeo Alves.
Na missa se' execulada a partitura do maes
tro Santos Pinto, sendo os solos can lados |>elos
melhores artistas desto cidade; e no Te Deum a
partituraRio de Janeiro.
Tocar antes e lepois dos actos a banJados
menores do Arsenal de Marinba-
Caaamenio civilEntran lo hoje em vi
gor o decreto n. 181 de 24 de Janeiro prximo
tiuJo. que estatuto e regulou o modo de serem
celbralos os casameatos,como actos-civis, eos
s na (ffeitos para ac.nstituico da furailia. cuco
primos a p'omessa hootem feita, reproduznido
algumas das disposicOs desse decretu por n*
\s publicado em sua integra.
is os trechos que mais convm ter presen-
tes :
CAPITULO I
Das form dula' preltminaret do calamento
Art. 1." As pessoas, que pretende>em -asar
se, devem habilitar 83 pernote o oftieial do re-
gistro civil exhibindo os seiraintes docunen+os
em forma que Ihes d u fe publica :
i 1." A certidao de idade de cada um doi con
liabeutes. ou orova que a supra.
8 2 A declaracao do estado e da residencia
de cada um del es, atsim como a o estado e
resjdeuc:a de seus pais. ou do lugar em que
morreram, ss forera fallecidos, ou a declamgaj
do anotivo por que nao sao confleci ips os mes
mus pais, ou o seu estado e residencia, ou o lu-
gan do seu fallecimento.
.f 3." A aaMSjMti das pessaas, de ojo coa-
sen miento dependerem os contrabenies para
casar-se, se foreo menores ou inteidictos.
4." A declaracao de duas testeinunhasanio
res prenles ou estranhos, que aitestem conhe
cer ambos os contrahentes e que nao sao pan o
tes era grio prohibido nem lea eulri imp-d
meato coahecido que 03 inhiba de casr-se oai
com o utro
S 5. A cerlido de bito do conjuge f lle.wo.
ou da annullaco do pnmeiro casamento, se ai
gum dos nuocntea o houver contrahiO.
ArL 2.* A' vista dos docuraen os exigidos nu
artigo antee.: dente, exhibidos p. los coiican-u
tes, ou por seus procuradores, ou rej*rese-:lautas
legaes, o official lo registro redigira um acto
lesunwdo em iorraa de edital, que ser por ell<-
publicado duas vezes, cora o intervalio de tete
uias de urna outra, e aJBxado em lugar oslen
sia oo ed:ficio da repartico do registro, desde
a prtmeira publicacan al o quinto dia depois di
s gunia
Ait. 3." Se, de-orrido este prazo nSo Uverap
pa.e iuO quem se o do iba- ao > s-wn n*o >'
comrahenies e nao ihe constar aigt.. i >s imp
dime.tos que elle ple declarar ex oficio o ol
cial do registro certificar s parles que eetu
habilitadas para casar se dentro dos dous mese
segu.ntea quelle prazo.
Art. 4. Se os con ir. he i tes restdiren em di-
versas circumscripcoes do reist--o civil, urna
c6jia do edualser rem aida ao ofli;ial looutro
disiricto, que devera aflixal a, e. Hodo o prjzo,
cerl fiar s foi ou nao posto impedimento. m
Art. 5.' Se algum dos contrahente< houver re
sidi-io a mor parte do ultimo anno era outro Es
lado, devera provar que sanio delte sem impedi-
mento para cas ir-se ou, se linba impu imanto,
que es i'- ja cesaou.
Art. 6 o Os ediiaes dos pruclaaias sero regis-
trados no canoi lo do officral que os tiver puOli
cado e que dever dar certidao delles a quem
lli'a pedir.
CAPITULO II
Djs impedimentos dos casamentes
Art. 7. Sao prohibido* de easar se :
8 1. Os ascendentes cora os descendentes, por
parentesco legitimo, civil ou natural ou por affi-
uidade, e os pareutes eo lateraes, paternos ou
maternos dentro do segundo grao civil.
A-alRuiuade llicita s s. pode provar por con
tissao espontanea nos termos do artigo seguinte,
e a hliacao natural paterna tambera ple provar-
se ou por contisso espoolanea, ou pelo reconhe-
cimeoto do lilho, feito em e^crioiura de notas, ou
no acto do oas-imenio, ou em outro documento
authentico, offerecido pelo pai
% 2." As pessoas que estiverem lgalas por
outro casamentoinia n5j dissolvido.
3.- O coujuge adultero com o seu co reo
condemaado co.no tal.
4.* O cenjuge condemnado como aulor ou
coaplioe de homicidio ou teototiva de homicidio
coulra o seu coosorle, com a pessoa que lenha
perpetrado o criae ou directamente cencorrido
para elle.
% &.9 As pessoas que por qualquer motivo se
aciiareui coa-tas ou nao forera capases de dar o
seu consen'.imeulo, ou naopuder emmanifestal-o ,
por patovias ou por escupi de modo inequ-
voco.
8 6. O raptor com a raptada, emquaato esta
nao estiver era lugar seguro e lora do poder
delle-
8 7 As Dessoas que estiverem sob o poder
ou sob a adininistraco de octrem, emquan'.onao
obtiverera o ccnsentimento ou osuppnmento do
coseutiu-enio daquellas sob cujo poder ou ad
miaistragao esliverem.
8.' As raulneres. menores de 14 annos e os
homens menores de 16.
9o O viuvoou a viuva, que tem fiho do
"coujuge. fallecido, emquanto nao flier imreotorio
dos bens do casal.
J 10 A molher vuva. ou separada do marido
por Duiltoade ou aonulla$ao do casamento, at
tt) mezea depois da vinv.z ouseparacSo radical
dos coraos, calvo se depois desto, ou daqueRa e
loto* dn referida praxo, ttver algum. fiJno.
flll. O tutor oa o carador-o seos anaceoda-
tes, ascendentes, irmaos, conhados, 00 sobrlnbos
com a pesaos-tateMaoa, ou corateila4a, emquanto
nao ce.-s-r a tuiella, ou curadora, e nao estive-
rem saldadas as respectivas coutas, salvo per
mis8o deixada era testamento, onoutro instru
ment puojie >, pelo .fallecido.pai ou uiiutojae
or tufllaar aWinteliaMa,
12 O ju z, m# esclalo dNaajus riceaj|aa-
s",asceBdeutaa#M!Baao3vcuobadofc ouaottfiBjaw,
m orna ou -finta di rcumacipcAo leanaft-
rial, ondJMMhaaniuatro twar .exercicio, sainad
nca eanaeaiit^PfeaidaaM AAelacSo tem*-
activo (badicto.
Art. 8.t A conftalo, dane tiao.antnaadapu1, at.potor ser teila por abjBMS
asosadeaia da pesaos impedida..*, quan io elle
Bio<|uiwf^Jr-lie"Oatro effrtito,*poitor*-f8el-9
emsegredo de justici, por termo lavrado pelo
oficial'do registro perante duas testemuohas e
em preeenca do juiz, que no cato de recurso
proceder de accordo com o J 5o da le de 6 de
Outubro de 1784, na parte que Ihe for appcavel
o paragrpho nico.
Paragrapho nico. O pa-eotesco civil prova-se
pela carta de adopcio, e o legitimo, quando oo
fr notorio ou confessalo, pelo acto do nacimen-
to dos contrahentes ou pelo do casamento dos se
us as endestes.
CAPITULO IV
Da aUbracao do casamento
Art. 23. Habili'ados os confrahentes e com a
cerlido do art. 3* pedir autoridad' que ti
ver de presidir ao casamento, a designaco do
dia, hora e mgar da celebrag) do mes no.
Art. 24. Na filia de designaco de outro lugar,
o casamento se far na casa das audiencias, du
rante o da e a portas abertas, na presenca, pelo
menos, de duas testemunhas, ou en outra casa
publica ou particular, a ap-azaraento das partes,
se u:na deltas nao poder sahir da sua, ou nSo pa-
recer inconveniente aquella notondade a desig
naco do lugar desejado pelos contrahentes.
Art. 25. Quaado o casamento fr feito em casa
particular, esta dever conservar as portas aber-
tas, durante o acto, e as ti3temunhas sero tres
ou quatro, se ura ou arabos os contrahentes nao
soube: era escrever.
Art. 26 Nj dia. hora e lugar dentados, pre
sentes as parles, as ti-siemunhas e o offi ;ial do
egistro civil, o'presidente do acto lera em voz
clara e iotelligivel o art. 7; e depois de pergun
sal a cada um dos contrahentes, comecando da
raolher, se n4o tem algum dos impedimentos do
raesmo artigo, se quer casarse com o outro por
sua litro e espontanea vontade, e ter de arabos
resposta affini.aiiva, convidal os ha a repetirein
na mesma ordena e cada um de per si a formula
legal do casamento.
Art. 27. A formula a seguinte para a mu
Iher : Eu P. recebo a v3 ?. por meu legitimo
marido emquanto viverraos. E para ohoraem :
Eu F. recebo a vos F. por minha legitima mu
Iher emquanto vvennos.
Art. 28 R petida a formula pelo seguodo eon-
t. aliente o presidente responder de p: E eu
F. como juia (tal ou tal) vos leconheep e declaro
leoninamente casados, desde este momento.
Art 29. Em seguida o oficial de registro lau-
car no respectivo livro o acto do casamento nos
termos segualas cora as modtficaces que o caso
exigir : Aos de de s horas
da era i asa das audiencias do juiz-
presentes o mesmo juiz commigo-official (afectivo
(ou nd hoc) e as testemunhas F. e F. (tantas quao
las forem exigidas conforme c caso) receoeram
se era matrimonio f. (exposto, filbo de F. ou de
F. e P. se for !egit rao oa reconue ido) com os
annos de idade, natural de residente
em e F. (com as raesraas denl.iraiOea
conforme a flliaco) con annos de i lade, na-
tural de rcideateem osqua s
no mesmo acto declararam (aa este caso se dr)
que tinhara tido antes do casamento 03 segomte
flllios : F. com annos de idade,""*. cm an
nos de idade, etc. (ou um Hiho ou 4il6a.de nome.
F. com annos de ida le) e que sao prenles
(se o forem) no 3o grao (ou no igro duplicado)
da linha collateral. Em firmeza do que eu F-
lavrei este acto que vai por todo ass-gnado-ou
palas testemu iha3 F. e F. a rogo d js con trinan
tes. |U3 nao sabera ler nem esorever.
Paragraphr. nico. N'etse acto as dtaseos
nmeros serio escriptos por extenso e as teste
raunhas declararo, ao assignar se, idade e pro
lissao e a residencia, cala una (te per si.
Art. 30. S um dos contrahentes tiver ooi-
festado o seu consentimentopor esenpto, o termo
tamo 'm mencionar esta circumslancia e a razao
d'ellu.
Art. 31. Timbara se mencionara sftste termo
o rgimen di; casamento, com df^cHrajao da data
* do eartorio", em cujas notas foi pnaaida a esen-
i-iura antenupcial, quando o- rgimen nao fr o
commum, ou o legal eslabeledo n'estalet para
canos conjoges
A'i. 32. Se no acto do casamento algara dos
contrahentes re.usar repetir a-formula legal oo
declarar que nio se casa por sua vontode espon
procuiacao, sem provar que a sua le nacional Hsso feito nos termos do ait. 8." ou do paragra
admilie.a.,validade do caaameolOgJsito por-esta -^ho nico do art. 17, a parte interesada em.fa
'ser ou impedira^asamento pader haver- vista
Art. 46. Quando os cotUrahooles forem p.- delta no carloaia, e reclamar perante o juiz, no
rentes aaatro do 3 grao civil, oaido 4o raoda- i. caso coutra o impedimento e no 2.a contra o
piicadoio>seu parentesco serA deelaraio no re- i levanlamenio deile, e sendo iadefeiido, aggravar
giatm. deaue trata o art. 2He.nos altestadoa. de petico na faena 4o 8 1* do art 14 do decre
das
i:
mea. ou que est arrependido, o presidente do
e nao ad
do suspedel o ha imaaediataraeole
mura retractoco n'aquelle d-ia.
An. 33 Se o contrah nte recusante, ooarre-
nendidu fr mulher e raeaor de 21 amos, nfto
i ra recetada a casar com o outro contrahente
rata que este prove qua ella est deposUada em
iugar seguro e fra daoompanhn dapesso-i, sob
asna poder ou administraco se achata na data
da recusa ou arrepeodimeato.-
Art 34- No caso de inole3Ua rave de um dos
lulliilUril o pre ideBie do acto ser obrigado
a ir asswiil -o em casa do impedido e mesuro
aoile. comante que, n'eate caso, alm das duas
te*ternunba8 exigidas oo art. 2i assistam mais
duas que saibam ler e escrever e sejam maiores
d^- 18 annos.
An. 35..No referido caso a falto, ou imped-
neuUi da autoridade comiwwote pan presidir ao
-.jmenlo ser snpprina po- qual jaar dos seus
>ub.-titulos legaes, e a do (fi :ial do registro ci
vil pjr outro ad hoc nomeado pelo presidente, e
i termo avulso lavrado por aquelle i-;ra lauca-
do oo livro competenie no prasomais brete pos
sivel.
Art. 36. Qoando algum dos contractanles esti
rer em mraineote risco de vida, ou fr obrlijalo
a au'entar se precipitadamente em servico pu-
blico, obrigatorio e notorio, o oficial do registro,
prec-'deudo despacho do presidente, poler
vista dos documentos exigidos no art. 1* e nao-
pendentes dos proclamas, dar a cerlido de que
trata o art. 3 >.
Art. 37. No priraeiro dos casos do artigo an
teceilente, se os contrahentes nopoderem obter
a presenca da autondadeaompeteote pira ore
sidir ao casamento, nem de algum dos seus sub-
stitutos, poderlo celebrar o seu em presenca de
seis testemunhas, maiore3 de 18 annos, que nao
sejam parentes emgro prohibido do enfermo ou
que nio o sejam mais d'elle do que do outro
conlrabene.
Art. 38 Essas testemuohas, deutro de 48 ho
ras depois do acto, devero ir apresentar se au
toridade judiciana mais prxima para pedir ihe
que tome por termo as snas declaracos.
Art. 39 Estas deelaraces devem afirmar:
Que as teslemuuhas foram convocadas da
parle do enfermo.
% 2o Que este pareca em perigo de vida, mas
.'n .-eu uizo.
g 3 Que tmha iho do outro contrahente, ou
viva coucubioado com elle, ou que o hornera ha-
va raptado ou dellorado a mulher.
% 4" Quena presenca d'ellas rep liram os dous
as formulas do casamento, cada qual por eua
vez.
\rt. 40. Autoado o pedido e tomados os de-
poiraenlns. o juiz proceder s diligenciaz neces
sanas para verificar se os contrahentes podiam
te.p-se habilitado, aos termos do art. Io, para ca-
-a--se na forma ordinaria, ouvinio os interessa
.ios pro e contra, que Ihe requererem, dentro de
15 dias.
Art. 41. Terminadas as diligencias e verifica
'da a idooeidade dos contrahentes para cas ir se
um com outro, assim o decidir, se fr magis-
trado, ou remetiera ao juiz complante para de-
cidir, e das decises d'este poderlo as partes ag
gritar de petico ou instrumento.
Art. 42. -e da deciso nao houver recurso, ou
loca que ella passe em julgado, apezar dos re-
cursos que Ih; forem o?posto3, o juiz mandar
regiBt ar a sua decuo no livro do registro dos
casamentes. ,
Art. 41 Este, registro far retrolranir os ef-
feitos do casamento, em relaco ao estado dos
conjuges dala da celebracao, e em reiacSD aos
finos communs data do oas:UBetito, se nasce-
rem viavais.
Art. 44 J3mc3SO argente.e de forca maior,
era que um do cooiraheptes nao possa trans-
portar-se ao lugar da residencia do outro, nem
demorar o casamento, poder o noivo impedido
fazer f e representar no acto por um procurador
bastante e especial para receber em seu nome o
outro contrahente, cuja designaco certa dever
aer feito no instrumento da procuracSo.
Art. 45. O eatrangeiro, residente fra do Bra-1
sil nao poder casar-se nelle com braslleira por
nhas, a que se refeana) % 4* do art,. ,[0 o. 143 de lia Macee de 1842.
Art.' 120. NojBHBBlros casos de Impedimento ca-
bera centra uadocisfias do juica remarao daNag-
gravo de petico eu de instrumento,-eeaforme a
Uissancia do juizo adquem.
Art. 121. 0 offl.ial do registro ter aiais um
livro, que poder ser menor que o dos casamen-
tes, mas dever ser aberto e encerrado como
este, para o registro dos editaes dos pro clamas,
na forma do art. 6."
ArL 122. O ju'z de paz pe'ceber por assislir
ao casamento 24 se for celebrado na casa das
audiencias e o dobro, alm da condueco, se for
fra. 0 oficial do registro perceber metade
daquelle salario e a mesma condueco por ntei-
ro, incluiodo no seu salario o custo do termo do
casamento.
Art. 13. Alm daquelle salario, o oficial do
registro perceber de cada registro dos termos
lavradoa na conformidade do art. 35, das sen-
tencas a que so referera os arts. 42 e 55, dos
prege3 de edital ios proclamas, das carlides
de habilitacao dos contraheutes ou da apreseata-
co do impediment. e. das averbaces a que se
refere o art. 116, 1/ por cada acto.
Art. 124. Os iemais actos do juiz de paz, ou
do offi 'ia! do registro, relativos a > casamento,
qu^ nao estiverem laxados no regiment de cus-
tas ou no decreto n. 9 886, sero gratis,.e os
mesmos do artigo antecedente tambero sero, no
caso do art. 40 do referido decreto.
Vapor Malanga Chegou hontem, com 10
das de viagem, o vapor Malange da Mala Real
Portuguesa e sobre o qual j escrev-mos qoando
aqui locou pela primeira vez.
Conforme havia aos previsto o vapor teve de
ar ibur a Lisboa para concertar um pisten de
cyliudro de alta presso que esquenton 3 oras
aps a sabida aa barra do Tejo.
Feito o reparo o vapor sabio novamenle da-
quelle porto no da 12 do correte 1 hora da
tarde, fazen-lo urna espleodida viagem, digna
dos cred.tos de qu goza a notvel c mpanhia
que tamanho encargo tomou sobre seus hom-
bros.
osseus directores recebemos a seguinte :ir-
ular que rauito agradecemos e que atiesta o
cavalheinsmo daquelle a que esto confiados os
destinos dessa com|ianhii cujo futuro summa
mente.lisongeiro:
. Lisboa, 7 de Maio ..'e 1890. Ilim. e Exm.
Sr.Foram tSo eloquentes e to animadoras as
manifestac's com que a imprensa brasileira
acolheu a nossa viiciaiiva de estabelrcer um
servigo regular de paquetes entre 03 portos do
Brasil e os de Portugal, foram to penlurantes
os testeinunhos de sympathta que d lia recebe-
mos por occasio da primeira viagem do Malange
que nao podemos deixar de Ihe all 'mamar por
esta forma, o nosso maior recon'.'.ecimento asae
guraa lo-liie que o sea generoso favor e valioso
applauso sonovos incitamentos ao coraprimen-
toda mi sao, que voluntariamente nos mpnze-
mos e qu- para o desenvolv nento do iwsom-
tnotico intuito, esperamos conlinnar a merecer
a sua sy.npalhja e o seu auxilio. Dgne-se V.
Exc. aceitar para si e para lodos os membros
dessa illustre redaeco as homenagensda nossa
consideaco e do nosso respeito.
Iilm. e Exm. Se. director do Diario de Vernam
iioo.-Pcla Mala Real l'ortugueza.-Os auminis-
tradoies.Aatoaio alio Machado.Alfredo de
Oltveira S.uza Leal.Joo Gongnlves ereiraBas-
tos. >
Club Republicana Federalista da
(iraoa Amannu as 7 horas da nolis rene se
esse Club en assembla geral.
Beberlbe Esse novo vapor da Companhia
Pernambucana segu hoje em viagen na linha
do sal, taeaqde em M*>cei. B.nia e Sergipe.
i-.iiamiaii do SantMimo Sacra
inrui d.- H. Jos-A-uauia pelas 9 horas
do da, depois ia missa votiva do Espirito San-
io, proced -ra a eHcO de sua mesa regedora
para o armo coonoromisal de 189091.
oitvri de naualcam O cstabe'ecimento /,.
de impresso de msicas do Sr A. i. de Azeve-
do, iu do Baro da Victoria n. 9, fez-nos a
fin-za de offertar a quidrilha BmdilasLagrimas,
a tal a Betja Flor e o dobrado Saududes da Pa-
tria ij.iu- para piano.
A quadnlaa e reimpregio a valsa 2o edi^o e
o dobrado ultima publieicao, cojos ex-rap'ares
ata, v.'ii-iidos a lOu no rae mo rst.b l.-cimen
lo, a cujo propnetano agradeoemoi o ob equio.
eperiorie Univerael de Medielne
Uonimtrique Pernos uDsequiados em gra-
ciosa coutiuuaco com o exempio dessa publica-
cao do distincto Sr. Dr. Barggraeve, correspon
deute ao mez de Abril lindo.
tirora -Ese originaIiss!no livro de sor-
tee, de palpitante a".tualidaie e de notavel chiste
por Gregorio NetiO, Alfred Duval, Ma-ius Pont
mere
nossa
ceno
CAPITUU)*!!
Dos effeitoi doeasn __
Art. aaVialio efijitos do-caapunto
Io Goaeiituir amlia legitima e legitimiros
filhos anteuormente havidos de um dos contra-;
nenies com o outro, salvo se um destes ao tom-
bo do nascmento ou da concepeo dos n.esmos
filhos, esliver casado cora outra pessoa.
e laves ir o marido da represe ilaco legal
da lamilla e da admiaistracao dos bens cora
mans, edaquellesque por coutrato ante nupcial,
devam ser administrados por elle.
g 3* Investir o raaildo do direito de fixar o
domicilio da familia, de autorisar a proiisso da
mulher e dirigir a educacao dos Albos.
4 Coofenr mulner o direito de usar do
nome da familia do marido e gozar das suas tara-
ras e direitos, que pela legislajo brazileira se
possam comraunicar a ella.
J 5" Obrigar o marido a susteatar e defender
a mulher e os filhos.
0* Detentan ir os direitos e deveres reci-
procos, na forma da legislajo civil entre o ma.
rido e a tnuiher, e entre elle^ e os flzhos.
Art. 57. Na falta do contrato ante-nupcial, os
bens dos conjoges sao presumido3 communs,
desde o dia segrate ao do casamento, salvo se
provar-se que o matrimonio nao foi consumma
do entre eiles.
Paragrapho nico. Esta prova nao ser ad
missivel quando tiverem ttlho- anteriores ao ca
sanenlo ou forera concuoinados antes delle, ou
este houver sido precedido de rapto.
Art. 58. Tambera nao haver comraunhao de
bens:
g Io Se a mulher fr menor de 14 anno3 oo
maior de SX
g 2* ie o marido fr menor de 16 ou maior de
60.
3o Se os conjuges forem prenles dentro do
3 grao civil ou do 4a dup'icado.
8 4* Se o casamente fr conlrahido com m
fraeco do 11 oa do 12 do art. 7, anda que
nesie caso tenha precedido liceoc do presiden-
te da relaco do respetivo distncto.
Arl. 59. En cada um dos casos dos paragra
phos do artigo antecedente, todos os bens da
inuiner, p-esent3 e futuros, sero considerados
dotaos, e como tees garantidos na forma do di
reito civil.
Art. 60 A faculdade conferida pela segunda
parte do art. 27 do coligo commercial mulher
casada para nypothecar ou alhear o seu dote,
r estrela s qne, antes do casamento, ji erara
cooiinerciantes.
CAPITULO xn
Dtspisicdes penaes
Art.'99. O pai ou rai que se casar cora in-
fraeco do g 9' do arl. 7 perder era proveilo
dos ilhos du.s tercas parte3 dos beo3 que Ihe
deven ara eiber no inventario dj casal, se o ti-
vene fei o antes do seguinte casamento, e o di
nito administroco e ao usufructo do? bens
dos mesmos tillios
Art. 100. A mulher, que se casar com infrac-
co do g, 10 do raesmo artigo, nao poder fazer
testamento, nem commun-car com o marido mais
de una terca parle de seu3 bens, presntese
futuros.
Art. 101. O tutor ou o curador, culpad i ae
infraeco do g 11 do citado art. 7, ser obrigado
a .iar ao conjuge do pupillooucuratellado quao
.lo biste para igualar os bens daquelle oudeste.
An. 02. Na mesma penado artigo anteceden-
te, incorrer o juiz, ou o escrivo culpado da
nrfracgo do 12 do mesmo art. 7 e bera assim
nade perder o cargo com inhabilitaeo para ex
ercer ootro durante dez annos.
Art. 103. A le prsame culo do o to'cr, cu-
rador, o juizo o escrivo, nos casos dos 11
e 12 do art. 7.
Ait. 104. Oofli;ul do registro civil que pu-
blicar proclamas sem antonsaco de amos os
contrahentes, ou der a cerlido do art. 3 sem
Ihe terem si o apresentados os documentos exi-
gidos pelo art. 1, ou peniemio impedimento
anda nao julgado improcedente, ou deixar de
deolarar os impedimentos, que Ihe terem apre
sentados, ou que Ihe coastarem com certeza e
poderera ser oppostos por elle ex ofiia, n-.*r
sujeito multa de-SO a 200# para a respectiv
mu>iicip: Arl. i05. Ni mesma mntta ineorrer o j nz
que assisttr ao casamento, antes de levantados
os impedimentos oppostos contra algum dos con
trahenles, ou deixar le recebel os quando op
portuoaminte cfferecidos, nos termos do art.
13, ou de oppol-os quando Ihe cons'.a'-em ou de-
verem ser oppastos ex t/ficto, ou recusa--se a as
sistir ao casamento sem motivo iastili',a Art. 106. Se o casamento fr declarado nullo,
ou annullado ou deixar de effectar-se por colpa
do juiz. ou do oficial do registro civil, oculoa-
do perder o seu lugar e ficar durante 10 an
nos inhibido de exercer qualquer ootro cargo
publico, anda mesmo gratuito.
Art. 107. As penas cotnminadas neste capi-
tulo sero applicadas sem pr.juizo das que pelos
respectivos delictos estiverem comrainadas no
Cdigo Criminal e no decreto n. 9,886 de 7 de
Marco de 1888.
CAPITULO XIU
Disposio'S gerats
Art. 108. Ksta le c.mecar i ter execucSo
de-, e desto data pir
diaute s se.ao considerados validos os casa-
mentes celebrados no Braz se o forem de ac-
cordo com a3 suas disposices.
Paragrapho nico. Pica em todo calo salvo
aos contrahentes observar, antes ou depois do ca
smenlo civil, as formalidades e ceremonias pre-
scriptas para celebracao do matrimonio pela re-
limo delles.
Art 109. Da mesma data em diante todas as
causas matrimoniaes Hcaro competindo exclu-
sivamente jurisdicco civil. As pendentes,
porm, coatinuam o seu curso regular no foro
ft*CPRl9t(*il
Art. 110. BmquMto nao forem creados os lo-
gares de < ffijial privativo do registro civil e do
juiz dos cisamentos, as funeces daquelle sero
exercidas pelos escrives de paz, na forma do
decreto n. 9886 d' 7 de Margo de 1888, e as
deste pelo respectivo i.*iui de paz, quanto a
presidencia do acto e quanto-ao conhecimento
dos impedimentos pelo juiz do direito das co-
marcas gecaes ou pelo juiz de direito especial
de orphas, as comarcas onde o houver, ou
pelo da 1.' vara onde hoaver mais--de um.
Art. 111. Os impedimentos a que se refere o
art. 47 g 3. sero ddciddos pelo juizo do domi-
cilio do impedido, antes de sahir do Brasil, e se
elle houver sabido ha mais de dous annos, ou
nao tiver deixado um domicilio notorio, sero
decididos pelo juiz de orphos da 1
Capital Federal.
Art. llt. Ao juiz de direito da comarca ou ao
de orphos, conforme as distioccoes estabeleci
das no art. 110, compete o conhecimento das
causas de nuldade ou aonuilafo de-casamento
e as de divorcio litigioso, ou amgate!.
Art. 113. Para as causas do artigo anteceden
te no haver aleada, nem ferias forenses, as
de annullago do casamento e -de divorcio sero
ordinarias. ...
Art. 114. as causas de divorcio, movidas nos
termos do art. 81, ser eempre ouvido o curador
de orphos.
Art. 115. as causas de annullaco do casa-
mento o juiz nomear om eurador especial para
defender a alidade delle at a appelaeao inclu
sive. Esse curador perceber os mesmos emolu
mentos e honorarios toxados para os curadores
dos orphos pelos arts.W e 91 do decreto n. 5737
de a de Setembro de 1874.
Art. 116. As senteocas que decidirem a nulli-
dade ou a annullaco do casameuto. ou o divor-
As cualidades distiactas que possue e de que
sempre deu prova em sua estada nesta capital,
Ihe cosvquistaram geral estima aqui; e por issa
pode levar a certeza de que deixa verdadeiras
saudades no circulo de seus amigos.
Desejamos que faca boa viagem e que em sea
novo destino, seja, como ao pode deixar de sel-
o, devidamente considerado.
Clab RepmJslIcaao da lo Joa
Tete logar ante hornera a poste da directora
desse Club a qual corape ae des sent ores :
Presdanle e vice -presidenta Joo Facundo
de Castro Menezes e Joo Carolino de Nasc-
mento.
Secretarios1." Felicio Buarque e 2 Sindol-
pbo Baviera.
Orador Dr. Jos Joaquim Pereira do Reg.
Tiie-mureiroBellarmioo Loureuco da Silva.
Procurador-Salustio Coelho.
ConseiboClementino dos Santos Lineo Se-
ment, Tneodomiro dos Santos Selva Enedino
Rodrigues N. Lima e Vicente Campello.
Commissao de contasJ io Gervasio da Cunha
Pern, Evari ito Mendes da Cunha e Juventioo
dos Sanios Selva.
Companbln do Principe RealPas-
sou hontem para a.Capital Federal, a bordo do
vapor Hala-ge a importante corananh a que, em
Lisboa, irabalha no theatro do Principe Real.
Fazera parte de-sa applaudda troupe o conde-
cidos artistas Amelia Vieira, Cesar Paila, M Lo-
pes, Mana das Dores, F. Costo, Brando, Joo
Gil. Carmen e muitos outros. E' pena que nao
livesse vio lo directamente a esta capital, mas
esperamos que m eua volta nos proporcionar
noite to agradaveis como a da ultima tempora-
da.
OCabellelra-Fo'.-nos offertado um volu-
me dessa publicacao, du que j traamos d'outra
vez nesta scelo; e consta de sones para as
imites de Santo Antonio, S. Joo, S. Pedro e
Sant'Anna, addicionado da polkaOs tem encan-
tos, fe Claudio Ga na e de oulras pegas.
E' a obra de Oliverio Jnior.
Sua apre enlaco ao respeitavel publico a
seguinte :
Atiro-vos, leiior, cordialmente,
s vossas meigas mos.o Cabelleira,
mas nao o CaDelleira, fasto ingenie
da fera deste nome, rapineira.
Ao contrario, a'.iro vos, lbente,
conscio disso, urna obnnba feiticeira,
um livniho de luxo, transcendente,
em que podis sesta ento fagueira,
com proveito, sem custo a vossa sorte,
que bella e venturosa vos auguro,
mais cedo que socapa venba a morte
risooho consultar, om gr despeza,
pos ura trago do xeres ou maduro,
cora o auxilio dos dados sobro a mesa.
Club Internacional do Recife Ama-
nha ter lugar o sarao mensal desse Club, ha-
vendo trem para Api pucos e bonds para a Ma-
gdalena.
A entrada dos socios fran:a, me.- mo nao ten-
do recebido convite.
vai'cna publicaVaccinaram se no dia
23, na inspectora de nygiene, 59 pessoas, nesse
8ervico t#Dalharam os Drs. inspector de nygie-
ne, Lopes Pessoa e Paulo Soares.
Arrecadaco Improrogavel E' du-
rante este mi z que se realisa o pagamento,
bocea do cofre, dos diversos impostes coramer-
ciaes deste Estado, a cargo da respectiva Rece-
bedona.
Os interessados, portante, que se previnam,
alim Je nao incorrerem subsecuentemente na*
multas impostas aos que nao salisfazem os seus
dbitos lentro do praso regulamtnlar.
Catado* de Sergipe e de Atagaae-
Deite temos noticias at.22e d'aquelle al 18 da
crreme :
Nu Esndo de Sergipe nada havia occorrida
que obrigue noticia ; e ni de Alagas encon-
tramos no collega do Estado de Alagas o re-
. guite:
O governador do Estado mandou que con-
tinu o ensino religioso as escolas primarias a
que os can inlatos ao magisterio publico ossea
examinados nesta parte por neuhuma desvanta-
gem na ver ni sao.
Consta que pessoa competente est escre-
vendo a histeria da adminstraco Pedro Paulina
acompinliando, pan pasto, o expediente do go-
verno pnblicada no jortial offlcial.
Consta que o bello sexo naceioeuse vai of-
ferecer ao batalbo n. 26 urna rica bandeira
bordada a fio de ouro.
duiaiido do casamento Hoje que
entra era vigor a lei toncerneaie ao casamenta
civil, bom saber se que o respedivo juiz di
expediente em sua residencia ra do Viscon-
de do Rio Branco, antiga Aurora n. 7, 2 andar;
bein como que o eartorio do official de registra
ceitos, u.verie pem \*u^"*%"-,Tae fr solicitado com indkaco peios con
expansiva pelo sal que tempera nao .-o as sor-'.
tes, como as composices'outras que forman 0
mesmo Lvro.
Este encontra-se ra do Mrquez deOlinda
na chapellaria do Sr. Affooso de OUveira e no
estabelecimento do Sr. Jos Pereira Santos o.
1; ra do Duque de Calas n. 107 ; ra da
l.np.-i airi, nos estabeleci meo tos dos Srs ache
co, Pita a C e Aluno.
annualre Bulletin Re,:ebrao^ o 21*
volume doAnauario Botletim da Sociedade Pro-
tectora da Infancia, funda la em Pars no auno
de 1865, e cuja utilidade publica foi reconheci
me as hypoiheses previstas no art. 24 do decreto
n.9886. .
Art. 117. A averbacao se fara nos casos de
oullidade ou aoiiullacioao casamente do segaju-,
ta modo : Declarada nullo (au annullado) por
seutenca de de de do juizo (escrh
vas F.) confirmada aor accordao a"e' de
de do Tribunal.Appellaco n. (Escri-
vo F) etaao.'* atoada, para asjantengasde
divorcio. ,___.
Art. 1*8. Antes da averbagio no agia ci-
viles referidas seoteacac nao produauao effeito
contra tereeiros.
Art* 11. Quaoaa o casamento far impedido
ou o impedimento levantado em virtude de con
da por decreto de 18 de Mato de 1869
E'urna publicacao de evidente merecimento
epor 1330 mais reconhecidos somo3 Huea da
0fie ra.
Pastoral Gallee decemoso exemplar que nos oi enviado dessa
pastoral do episcopado Drasiieiro, dirigida ao
clero e aos fiis da igreja do Brasil.
Club K le toral Republicano e Be
nedeente Amanb pelas 6 horas da tarde
rene se i-m sesso esse Club, no lugar do eos-
tuiae.
wervico militar-Hoje superior do da
o cidado capilo Carvalbo, e faz a r.rada de
visita o eidado alferes Serpa Pinta.
O 2* b.talho dar aguarnico da cidade.
uarda cswlea Damos a seguinte decla-
racao ao conhecimento publico;
Os offlciaes desto eorporaco achara se au-
torisados pelo seu respectivo commandante ge-
ral a declararem que deixara de tomar parle no
coavite leito pelo Monte Po dos- Voluntarios da
Patria, por eotenderem qne foi a primeira nacao
a reconhecer o governo republicano do Brasil
anda mesmo tendo o exercuo brasileiro con
quistado glorias nafuelle territorio; por sso
mesmo nao de;e ser permi'.tido a nina e outra
nacao relembrarem se de epochas de Iotas san-
KUiuolentas entre estos duas repblicas tioje ir-
mas. -Kedro C. de Bnto Macedo.-Francisco A.
P. Magalhes^-Jos P. Ferreira.- Beltrando Pe-
dro de Azevedo. Manoel do Nascmento B.
Noaacacaea de delegad UMera-
rio-No da l do aniute fica^ara registra-
dos na secretaria da iuetrucco publica os ttu-
los de nomeacao do cidado Dr. Manoel Antonio
Accmly Moreira, para delegado Iliterario de
Grav,.ta ; do cidado Maviael Marques da Silva,
para o mesmo caigo no distncto luterano do
Cabo; do capito Antonio Valentim. de Barros,
para o mesmo cargo no districio luterano de
Mucambo; e du Dr. Jos Julio Feruandes Barros,
para delegado luterano de Santo Amaro das >a-
linas. _
Gonce* e prorogacao de llcen
cai 2le2i do correte mez forao regis-
tradas oa excretara da nstrucco publica as
o cidado gover-
trahentes.
aniel Matbi*. em Londre A' sol
citaco dos Srs. Montasti Irmos, proprietorioc
desse hotel, muito conbesido dos brasileiros qua
teem estado em Londres, e cuja frecuencia ac-
tual compe se de nossos patricios, portuguezee
e fraucezes exclusivaraenu;, declaramos qua
nao foi de.-truiio por inceu lio algum, coma
coo-teu aquelles seuhore.s ter se propalado na
Brasil. .
Vallecimento Fallecen hontem as 7 a
1(2 horas da noite, na casa de sua residencia na
Caminho Novo, o antigo negocame e capitolis-
^eZ^T^^sZc^d^T,en^ .penar... pelas quaes; reso.veu j ado gjjr-
^Kcreto^^
prorogar
conced-
Barbosa, profes-
a M*ria LeopoIdL-
dacideira do^rejao de Santa Cruz,
por igual lempo a licenca ltimamente
da a Luiz Gonzaga de Menezes Jnior, professor
da cadeira de eo6ioo primario de Lagoa ao
Emygaio ; e por 60 dic a licenca coocedifi
Adaiaide Rosalina Bettencourt
ora da cadeira de Itamarac.
Jalao Beneflcente da *
-Hnje as 7 oras da noite rene se essa soae
dade ra do filar n. 20 em soasad ordinaria.
Dr. Jee JFeU da ^**2f,2^'
-*omoi noonaaos com,a vuito de.despen
doral a tomar coota dooar*), para que..,!, no-
meado na Intendencia Municipij|.
ta Joo Christiani, qu por muitos annos foi es-
tabelecido roa do Baro da Victoria.
Tinlia o finado cerca de 70 annos de idada,
era allemJo de origem, mas brazileiro pelo ca-
racSo, esuccumbto a urna leso cardiaca, que se
aggravuu ltimamente.
Homem Ihano e affavel, Joo Christiani soube
fazer um- amigo era ca Ja pessoa cem quem tra-
ta va, e era digno de estima peto seu carcter
bondoso. '
O sahimento do corpo teri logarla referida
casa que lae foi residencia, fazeoda.se o sepul-
tomeoto no cemiterio de Santo Amaro, s 4 ho-
ras da-tardo. ,.,.
A' sua familia, e especialmente a.seus ulhos e
g^nros apresajitamos nossas condo:encias.
Beata annuiiada E a outra seccao des-
te Dioiio vai publicada urna declaracao dos ci-
dadaos que haviara aventado a idea de urna pro-
cisso cvica para commemorar o dia de hoje
no sentido de nao ter lugar essa manifestaco.
Applaudimos essa sensato resoluco pelas ra-
zes qu; adduziraos em outra local.
Hoapltal de varalo 0 moviment
do hospital de Santa Aitueda (para variolosos)
no dia 22 do corrente, foi o seguinte :
Bomens .Vmtheies Tolat
Exitiatn 95 5J i4f
Enlraram o a
Fallecern! 3
Existera 99 15.1
Um os.dcenlea fallleceu 3 horas depois
de ter entrada no hospital.
Le i loe -Efeetuar-se-Mto os segninies:
SegundatiNi:.
Pelo agente Brito, s 10 1/2 horas, ra da
Imperatnz. o. 8, de moveis; piano, loucas e vi-
dros
Pelo agente Silveira s 10 1/2 horas ra
Estreita do Rosario n.-8, de movis, toncas e vi-
dros.
Mia fnebreSero celebradas :
Hoje : *
A's 7 oras, aa matriz de Santo-Antonio, pela
alma de Maria Carolina da Costa e Silva ; s
horas, no oratorio do engento Tapera, pela al-
ma de D. Mana da Craceico Souza Leo ; s i
horas, na matriz da Graca, pela alma le Henri-
que Fernandes da Costo ; s 8 horas, na igreja
do Mooteiro, pela alma de Agostinho Antonio da
Souza.
Segunda-feira: .
A's 7horas, na Ordem Terceira do Carme,
oela alma de D. Auna Cavalcante de Barros Mon-
teiro; s 8 horas, no convnto do Carmo, pela
alma de Jos AotoEio de Araujo Livramento, s
7 horas, na matriz da Boa Vista, pela alma da
Gargina Augusta de Azevedo; s 7 horas, na
igreja de S. Gonealo, peto alma de Francisca
Remana da Ctmhai Luiaa.
Paaaaajelro-Chegados do sul no vapor
nacionai S. AvMoacft.:
LniFerreira do Nascmento, Mana Prcnci^oa
I do Nascmento e Antonio Lamo.

-
-I
u
r

ti*|i aja


I Fl
B
I
I
r
i
'rent:
Miss A. Bddowes, Richard Robeftoowe, sus
tetina e% Albo* sus ira fl I criada, P.Evan-
siisk, Aaloriio de Oliveira Francisco Gareia,
Ib'no Gomes Alves e Maooel da Cosa Cam
os.
Sabidos para o sal no mesmo vapor :
Jos Martins A. Estrella, Arlhur Ros, Mtnoel
Perera, J. Dunsmure e sua senhora.
Chegados da Earopa no vapor portaguez
M*la*ge.
Elisa Amalia A Souza Lemos, Antonio Guedes
Tlente, sua senhora, 1 suDr.nlio e I criada, Dj
miagos Martins Barros Monteiro, Joaquim David
as Neves, Pblomena d'Albuqaerque Mello, Au
Sasto R )sa de Jess Figueiredo, Jos da Silva
osas, Augusto Pereira Pedrosoe Antonio Perei-
ra de Oliveira.
Sabidos para o sul no masmo vapor:
Filemon Re9lier, Dora Franck, Dr. Lus Frede-
co Codiccira, Drago S. Brrelo e Maooel Telles
e Queiroz.
rectora da* obra* le cmrrvi.
Jilo do* parto* de Pernaoabaco!?e
B, M de Maio di! 890.
Boletim meteorolgico

oras @8l 1
H-*
6 m. 25\0
9 27".8
11 2o ,6
3 t. 28,5
0 27',fl
"^oSXr
7GO*87
761-92
;6166
760-35
:60' ta
17,81
17,35
16,90
16,90
17,50

7.6
62
58
58
66
Temperatura mxima29 ,00.
Dita mnima4,00.
Evaporacao em 24 horas : sombra3",5.
Chuvaaulla.
Direcco do vento : SE durante todo o dia.
Velocidade media do vento2 "44 por se
gando.
Nebulosidade media0,"33.
Boletim do porto
anha a 18.' corrida do Hippodrom do
Campo Grande.
Preconisa se, porventura com rato. que ser
urna boa jornada, de emocoes, que se reflectlrao
lambem em effeitos diversos.
Como qu*r qne seja, nSo veroira de proposito
os nesaos palptese quesa> o eiraintes :
! pareo1 Talispber, 2* Porte-Alegre.
AsarPotos.
2 pareol* Cauby, 2o Maurily.
AzarVillage.
3 pareo1 Bom-Jardim, 2o Coruja.
Atar -Susana.
4 pareoIa Piodaro. 2* F*ceua.
AzarPiramon.
8 pareo-l' Cauby. 2>> Sans Souci.
AzarTransclave,
fl" pareo-l- Gallileu, 2 Atila.
AsarDanubio.
7 pareo Bonaparte, 2" Lucifer.
AsarTalispber.
i
a^
I
a
B. M.
P. M
B. M.
P. M
Dias
22 de Maio
23 de Maio
Horas
0 -24 da tarde
6 51
0-49 da roenha
710 .
Aitur
0-.59
2M0
0-82
2-.17
Casa de Detencao -Movitneolo dos pre-
sos da Casa de Detenco do Beclfe, Estado de
Pernambuco, era 22 de Maio de 189J.
Existiam 488. entraram 13, sabio 10, existem
491.
A saber:
Nacionaes 455, mulueres 22, BttMBgcUU 11,
-Total 488
Arragoados 464
Bous 317.
Dcenti-s 24
Loncos 1.
Loncas 2.
-Total 404.
Hovimento na enfermarla
Tiveram baixa:
Libanio Jos de Sant'Anna.
Francisco Jos de Souza.
Severino Fran:isco dos Santos.
Teve alta :
Francisco Soares de Qaeiroz.

Intendencia Municipal do Beclfe
Rendimecto de 1 a 21
Dia 22.
Mercado de S. Jos
Malaiouio
Cemiterio
iversos impostos

'.:1U:J3
239*720
235*320
2io00
523086
20:184*039
Hospital Pedro II-O mov.mem-j desie
stabeleciuiento de caridade, no dia 22 de Malo,
foi o seguinte:
Euiraram 14
Sabiram 6
Falleceram 7
Existem 450
Foram visitadas as respectivas enfermara'
idos Drs.:
Moscoso s 8 3/4.
Cysneiro s 9.
Barros So nano a= 6 3/4.
Malaquias s 10.
Slmoes Barbosa s 10 3/4.
Nao cornpareceram os Drs.:
Berardo.
Pontual.,
Estevo Cavalcante.
Ferreira Velloso.
O cirurgio dentista Noma Pompilio s 8 1/2
horas.
O pharmaceutico entroa s 8 li4 da maaha e
lahiosi da Urde.
O ajadante do pharmaceutico entrou s 7 3/4
e sanio as 8 Horas da tarde.
Naiadouru Publico da t'abania-
Foram ab.tidas para o consumo de boje 43 re-
es, pe-tencentes a diversos marchantes.
Late rl do Estado de Pernambaco
A 3* sene da 1' ioteria desle Estado, t,er ex-
trahiua impreterivelmenle boj s 24 do corrento
(sabbado), 1 hora da larde, no consistorio de
igreja de Nossa Senhora da Rosario, de Santa
Antonio.
Lotera do rana-ParA A 2* serie da
37* lotera cujo premio grande de 60:000*,
aera extraada hoje 24 de Maio, (sabbado).
A 14' serie da 31* lotera cujo premio gran-
de de 150:000*000 ser extrahida no dia .. do
correte.
A 1" serie da 36* lotera, cujo premio gran-
de de 120:000*000 ser extrahida no dia .. de
correte.
Latera do liara ana* A 19a serie
desta lotera cujo premio ser exlrabida uo dia 4 de Juobo.
Cemiterio publicoObituario do dia 22
ie Maio:
Antonio Goncalves Ferreira Casco, Pernam-
buco, 68 anaos, viavo, Boa-Viste ; apoplexia
pulmonar.
Francisco de Assis Miguel da Costa, Pernam-
bnco, 12- annos, casi do, S. Jos ; tubercalose
pulosonar.
Anglica Mara da Conceico, Pernambuco, 59
annos, solteira, Santo Antonio ; hemorrhagia ce-
rebral.
Leoncio, Pernambuco, 30 annos, solteiro, tra
ca ; varilas confluentes.
Joaquim Coeiho, Pernambuco, 16 annos, sol-
teiro, Recife ; varilas confluentes.
Pedro, Pernambuco, 1 anno, Recife ; varilas
confluentes.
Angelo Custodio Sampaio, Pernambuco, 42
annos, solteiro, Boa Vista ; enterite ebrunica.
Manoel Francisco de Oliveira, Pernambuco,
26 annos, solteiro. Boa Vista ; pneumona.
Henrique Jos Barbosa, Parahyba, 81 annos,
Tiuvo, Boa-Vista ; anemia.
Hooelman, Allemanba, 27 annos, solteiro, Boa-
Tiste ; febre amarella.
Ixidoro da Costa Ribeiro, Pernambuco, 82 an-
nos, viuvo, Loa-Viita ; gastrite.
Simplicia Mara da Conceico, Pernambuco,
20 annos, casada, Boa Viste ; diarrba.
Mauocl Joaquim das Candelas, Pernambuco,
68 annos, solteiro, Boa-Viste ; ulcera da perna.
Mifcoel des Aojos, Pernambuco. 18 anuos, ca-
ndo, B..a Viste ; varila.
Manot 1 Telles de Menezes, Pernambuco, 23
tunos, solteiro. Boa Viste ; varilas confluen-
tes.
Silvana Mara da Conceico, frica, 80 annos,
java, 'Boa-Vista ; seoilidade.
Marcioailo, Peroambnco, 3 metes, Boa-Vista;
ouvalsOe8.
Ora feto, Pernambuco.
SPORT
ruratn registradas as segnistes transferencia
e aaimaes, no Piado Peraambueano :
Monea ao Sr. Joaqnim Maximiaoo Pessoa.
M>'U>o 1*, a Sra. D. G. Amelia de StqueiM.
Pork. Alegre, ao Sr. Alfredo Vianna.

Prso TVrnanibocano, faot-ndo a sma ,' cor
JAV o e.a 1 de Julno, fecaa a respeaiva ib
" .'aste.
CHRORICi JDICIARIA
Tribunal la Helar
SESSO ORDINARIA EM 23 DE MAIO
DE 1890
PRESIDENCIA DO CIDADAO DEglCMBARGADOK
QIHNTINO DK MIRANDA
Secretario, cidado Dr. Virgilio Coeiho
A's horas do costume, presentes os cidados
desembargadores em numero legal, foi aberta a
sesso depois de lida e appro\-aaa a acta da an-
t acdente.
Distribuidos e passados os fetos deram-se
os seguintes
J OLQAME NTOS
Habeas-corpus
Paciente :
Joao Bezerra da Costa e Silva. Mandou se
soliar contra o voto do desembargador Silva
Reg.
Recurso enme
De Machio -Recrreme o juizo, recorrido F-
lix de Moraes Bandeira. Relator o desembarga
dor Oliveira Andrade.Deu-se provimento, un-
nimemente, para se annullar o processo.
Aggravos depetico
Do Recife Aggravante Francisco Gaspar de
Pinho, aggravados Francisco Pociieco Gomes e
outro. Relator o desembargador Pires Ferreira.
Adjuntos os desembargadores Monteiro de An-
drade e Dellino Cavalcante. Negou-se provi-
mento, unnimemente.
Do Recife A?gravant. Joaquina Isabel de
Pontes ageravado o juno. Relator o desera
bargacior Tavares de Vasconcellos. Adjuntos
os desembargadores Almeida Santos e Delfino
Cavalcante. Deu-se provimenlo, unnime-
mente.
Aggravo de instrumento
Do Bonio Aggravante Jos Candido de Mo
raes, aggrava io Severino Ferreira da Silva. Re
lator o desembargador Almeida Santos Adjun
tos os desembargadores Tavares de Vasconcel
los e Oliveira Andrade. Xegou-se proviraento,
unnimemente.
AppellacOes crimes
De Nazarelh Appel'ante Herculano Mendes
da Silvtira appellada a justica. Relator o des
embargador Alraeida Santos. Conhrmou-se a
sentenga. unnimemente.
De Camaragibe Appellante o juizo, appella
do Maooel Torres do Naseimento. Relator o
desembargador Almeida Santos. Era diligen
cia-
Do Pianc Appellante o juizo, anpellados
Manoel Francisco Vieira e Miguel Bernardo de
Faria. Relator o desembargador Almeida San-
tos. Mandou-sc a novo jury unnimemente.
De S. LourengoAppellante o juizo, appella
do Davino de tal, machioista. Relator o desem
barga ior Almeida Santos.Era diligencia.
PA88AGEN8
Do desembargador Pires Ferreira ao desem-
bargador Monteiro de Andrade:
Appellaco commercial
De Bio Formoso Appellante Pedro Joaqnim
Vianna Lima appellado Jo* Vicente Ferreira
da Silva.
Do desembargador Monteiro de Andrade ao
desembargador Alves Ribeiro:
Appellac5o crime
Do Allinho- Appellante o juizo, appellada Ma-
ra de Barro., e Silva.
Do desembargador Oliveira Andrade ao des-
embargador Mariins Pereira :
Appellacao crime
De GAranhuns Appellante Francisco Pereira
da Silva, appellada jusfica.
O desembargador Pires Goncalves, como pro
mo.or da justica, deu parecer na
Appellaco crime
De Caruar Appellante o juizo, appellados
Joo Antero Vieira e outro.
Do desembargador Silva Reg ao desembarga-
dor Almeida Santos:
Appellaco crime
De Goyanna Appellante o juizo, appellado
Firmino Ignacio da Silva.
Apnellagao civel
De JaboatJo --Appellante J-Ao Baptista Gomes
Peona appellado Amonio de Barros Cavalcante.
Do desembargailor Almeida Sautos ao desem
bargador Dellino Cavalcante :
Appellaco crime
Do Recife-Appellan o juizo, appellado Ma-
ooel Luiz Ribeiro.
Appellaco civel
Do Recife Appellante Francisco Piolo de
Leo, appellada D Mana Tbereza de Jess.
DIJJGENCIA
Com vista s partes:
Appjllacio commercial
De Palmares Appellante Jeronymo Alberto
Maia, appellado Lourenco Ribeiro da Cuaba.
DIST BIBU 1 ytE8
Recursos crimes
Ao desembargador Almeida Santos :
Do RecifeRecurrente o juizo, recorrido Ade
lino Francisco Antonio de Oliveira.
Ao desembargader Dellino Cavalcante :
Do R'CifeRecorreute o juizo, recorrido Fruc-
iuoso Pereira de Moraes.
Ao desembargador Pires Ferreira :
Do RecifeRecorrente o juizo, recorrido Joo
Pedro de Alcntara.
Ao desembargador Monteiro de Andrade:
Do RecifeRecrreme o juizo, recorrida Ger-
trudes Rosarla Maria da Conceico.
Aggravos de petico
Ao desembargador Oliveira Andrade :
Do Recife Aggravante Antonia Maria Porto,
aggravado Jos-de S e Sooza.
Ao desembargador Martins Pereira :
Do RecifeAggravanle Affonso Moreira Tem
poral, aggravado o juizo.
Appellaces crimes
Ao desembargador Alves Ribeiro :
De Floresta Aopeliante Tito dos Paasos de
Almeida Rosas, appellada a jastica
Ao desembargador Tavares de Vasconcellos :
De Cururipe Appellante Manoel Antonio dos
Res, appellada a justica.
Ao desembargador Martins Pereira :
Do Brejo da Madre de DeusAppellante o jui
zo, appellado Antonio Jordao do Espirito Santo.
Ao desembargador Silva Reg :
Do CaboAppellante o juizo, appellado Anto-
nio Joo Pereira.
Eocerrou-se a sesso 1 hora da tarde.
IHDIMCES TEIS
n. 22. Espe ialidadesmolestia de crian-
as, senhora* a parto. Telephono n. 326
da casa de residencia.
Dr. S Pereira, ra da imperatria n. 8
d onsultas medico-cirurgicas todos- os das
das 8 ao meio dia, menos nos domingos e
dias santificados.
Dr. Freita GruimarSes, medico,
dess consultorio na ra Duque de ','axiaa
. 57, 1." andar; di consaltas nos dias uteis
as 11 1 horada tarde e reside no Ca-
jueiro n. 4, onde attende a chamados em
qualquer hora do dia e da noite. Telepho-
oe n. 292.
I O Dr. Simplicio Mavignier.Clnica me
iico-cirurgica. Especialidades : mole* as
ouhaonares e partos. Ra do Marqi de
^>iind a. 2~i, i." andar. Uuiuultaa uas li
is 2 horas o ua Chsa Forte (Poco da Pa
.lia) das 6 s 9 horas da manba e i
arife Telehone n. 392
D Joaquim Loui tiro medico e partei
o, consultorio ra do abug u. 14,
!. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
io Monteiro.
Dr. Carero Jess medico e operador,
Vtica a iavagem do tero quando e c
no aconselhada. Consultas das 11 rs
) da tarde em sua risidencia ra dt
3om Jess (antign da f.'ruz) n. 23, 1.'
indar. Telephone n. 389
Dr. Ribeiro de Britto d consultas de
meio dia 3 horas da tarde, no 1. an
dar a ra Duque de Caxias n. 46, poden-
do ser procurado para chamados, na sua
residencia, a ra do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Advogados
O bochare), Bonifacio de Arago Fario
Piocha contina a advogar. Escriptoric
ua do Imperador n. 46., 1. andar.
O baeharel Joaquim Ihiago da Fonsecu
tem seu escriptorio de advogado ra dr>
Emperador n. 14, 1. andar.
Occallsta
Dr. Ferreira. com pratica nos prinoi
oaes hospitaes e clinica de Paris e Lod
djes, consultas todos os dias das i
orasdao meio-dia. Consultorio e resi-
iencia ra Larga do Rosario o. 20-
Dr. Barreto Sampaio, occulista, d con-
i altas de 1 s 4 horas no 1. andar da
usa ra Barao da Victoria n. 51. Resi-
lencia a ra 7 de Setembro n. 34, entra
ia pela ra da Saudade n. 25.
Drogara
Faria Sobrinho A C, droguista por ata
:ado, ra do Mrquez de linda n. 41.
Francisco Manoel ds Silva & C, deposi
".arios de todas as especialidades pharma-
je-ticas, tintas, drogas, productos chimi
jas e medicamentos homeopticos, ra d<
Marques de Olinda n. 23.
Tinta de escrever
A melhor a tinta Victoria, vemde-se t.
500 rs. meia garrafa e a 800 rs. urna gar-
rafa inteira na Livraria Comtemporanes
le Ramiro M. Costa, ra Io. de Marco n.
2, loja de ferragens de Albino da Silvs
S C, ra da esdeia n. 42; loja de fera-
jens de BrandAo & C, ra Duque de Ca-
las n. 46.
?derieo de 8. qual ser
a grande figura que sobrepujar a tudo e
entrar com dignidade para os dominios da
historia ?
- Ser a grande naeionalidade braeileira'
formada pelo esforz de seus filhos ; ser
o vulto venerando e gigantesco de nossa
tem-j patra ; ser o solemne protesto de- nossas
Justas. ambicSos, refiect-.-s riel do nossa
consjiencia popular.
Sabo o Sr. Prederico qual ser a nica
grande figura que subsistir eternamente,
respeitando-a o tempo e evidenciando a a
historia ?
Ser o povo brazileiro, que, apezar de
todos os defeitos que herdou de seu p*i o
velho Portugal, se ha de parificar pelo
ambiente da virgindade e pureza de sua
natureza, se ha de aperfeicoar no rgimen
das instituicffea livres. O- Brasil j ser
um grandj vulto histrico, um adiantado
povo, quando Portugal estiver na-infancia
de suas liberddes conquistadas.
O Brasil novo, nSo tem paseado e por-
tento vive Dar o futuro; mas o velho e
glorioso Portugal ter que esqueqer o seu
passado, desmanchar lhe os erros para en-
tilo construir urna nacionalidade nova, urna
alma cheia de progre&so A carreira do
primeiro ser ni ais rpida, porque elle
m hoara nao nos con 11
* 'H^, igo, vieti- ma8i 'e|.0 tempo epidmico due atrtfessa
ma de um lyraano que alera d todos os males recei0 a minh aprosimacfto d'esse foco de mias-
quelseimpoijprovocouajovasSo do Paragaay ma ^ipta-in. Hnritando-me a publicar o pedido
PUBLICACOES A PEDIDO
a Re-
. Hepnbllca Brazilelra e
vi.ia de Portugal
(PBOTBSTO AO SR FRKDKB1CO DE 3.)
V
Um artigo publicado n'O Tempo, attri-
buido ao Sr. Oliveira Martins, tSo bem ac-
ceita e .citado na imprensa europea, prev
a diviso do Brazil em tres grandes re-
giSes independentes: a mazonia, um Es-
tado central e o extremo sul. Nao tem
porm, fundamento.
At entao um nico sussurro de divisa
se tem algumas vezeB levantado no Brazil,
apregoado por interessados no esphacela-
mento da patria, em beneficio sei: o ce
separadlo do norte e sul.
E', porm, uru facto sem significacSo al-
guma seria, quado muito de iraprensa
demaggica. E', porm, repellido pela qua-
si totelidade do norte e pela quasi totali-
dade do sul. Anda nenhum movimento
seria, cujo fim fosse esse, teve lugar, quer
irais forte, a do segundo t>er mais demo
rada e lenta, porque precisa resarcir for-
cas.
A par desse vulto assombroso, desea fi-
gura colossal qne pretendemos e havemos
construir, a historia registrar tambera o
nome de reptis, de traidores que preten-
deren! assassinar a dignidade e alevanta-
mento do Brazil. Sao tambem figuras
o brigadas de todos os grandes e generosos
emprchendimentos, porque para estes a
verdade urna especulado e o be a urna
roleta. Ma'dic&o sobre elles e o nosso
despiezo como estigma.
Entilo quando o Sr. Frelerico de S.
tronunciar o sea juizo severo para esses
ccinoras, batter ihe-emos palmas, porque
faz um bem e pratica urna verdade.
O Brazil, como dia o escriptor 'Os
Aconteci/nent08 do Brazil, est com effeito
sob o rgimen militar; e quanto elle du
rara, nos nao sabemos, como o Sr. Frede-
rico tambem nlo sabe, como confessa.
Escreve ent^o ao terminar o seu pri-
meiro artigo, o seguinte trecho :
c No tempo do imperio, quando o sobe-
< rano resista, se os ministros insistan),
t a corda ceda.
c Hoje, quando o marechal Deodoro
pensar de um modo e os seus ministros
de outro, qnem ceder ? A espada que
nZo tremeu ao ser desembainhada con
* tra as instituicSes que o general jurara
c defender, nao precisar mesmo reluzir de
c novo para fazer eramudecer e sumir se
< debaizo do p da trra os nossos miis
< tros, talentosos patriotas, mas patriotas
< desarmados,
a Quera garante-ao Brazil quo a revo-
lncSo de 15 de Novemdro ser a ulti-
ma ?
E' falso que a corda cedia, quando os
ministros insistiam. Nunca cedeu em
quanto o imperador tinha realmente o go-
verno do paiz. A sua vontade era pre
potente, abs iluta, inconstitucional. E foi
isso que muito concorreu para o abrevia-
mento do rgimen monarchico no Brazil.
A revoluySo de 15 de Novembro nao
ser can effeito a ultima no Braz 1, se o
conflicto se establecer entre a VONTADE
do general Deodoro, e a consciencia na-
cional ; porque cima de nos, do ezercito,
' j da ui'ia. 'uj^da pAvn ft do general Deodo
ro, est o Brazil inteiro, est a alma da
nacionalidad^ brazileira, esto a vontade e
a justica nacionaes, tudo formado pelo con-
pelo exererto braiileiro. dando lugar' s malo
res bata I has qoe se feriram na America do Sul.
Q lando anda este voso geme peto effttitos
d'este guerra, quando o coracSo de saas mis,
esposas e irmas, sangrara pela perda de um
ente querido, esta fsla parece um escarneo li-
rado a sua face.
Na) assim que se correspon le s gentilezas
e ao cavalheirismo de.urn pov, nao assim que
ronsiguiremos a harmona e o bem es ar da fa
milia sol americana.
Sadi Ctrrnot.
Bg
Cinco Chagas
DI
Deus Nosso Senho-r
de um, quer
, Medico
O Dr. Alcibiades Velloso d consultas
das 12 s 2 horas da tarde, na asa* da
ana antiga residencia, ra do Bario da
Victoria n. 45, 1 aod.r.
Lr. Joao Pauloespecialista eir par-
tos, molestias de senhoras e de criancas,
com pratica nos hospita:s de Pars e de
Vienna d'Austria, d consultas de 1 3
Wra da tarde, ra do Bario da Victo
ri n. >, l.* andar, reside na atradta
do* Aflictos n. 90, nto establo do Es-
pmbeiro. Chamados a qualquar hora. T'
lephone n 467, na residencia.
Dr CmsMim Lsite, tam O seo escripto
rio ra N.v o 3tf, onde pode ser es-
dhiv
ontrado do-mera di 2 bun*
oras roa do Bario de S. Borj. roete mcreci.awote lhe oaosou
de outro extremo do Paiz
A revolt de 1818 em Pernambuco, que-
ra a teparaco, porque queria a Repbli-
ca, que anda nio tinhamos. Mas se ago
ra j a temos, porque a hSo de querer
aquelles que s erara movidos pelas suas
crencas democrticas, pelos sons idaes re-
publicanos ? Nao podemos suppor possi-
vel qualquer acto com esse fim; e affir-
mamos mais, porque disso estamos convi-
ctos, que Be resurgisse do tmulo a alma
colossal de Nunes Machado cercada da
santa luz do patriotismo, havia de affirmar
que queria norte e suLindistinctos, for-
mando urna so patria onde repousasse eter-
namente a sua memoria de hroe. Ver-
gastara o grande cidadao com a indigna-
co de olhar de martyr, esses miseraveie
que nSo trepidara calumniar a sua memo
ria, calumniar os intentos deste grande
povo de cujo seio surgi.
O Brazil sempre foi, actualmente e
nunca deixal-o- de ser um, indifisivel, pa-
tria nica de um -grande povo. Mas sen-
do novo e sendo habitado por urna gente
que levada e sempre guiada atravez dos
tempos pelo ideal das grandes conquistas
da liberdade, pelos principios dos progres-
bob da actual civilisac^o, porque nacio-
nalidade moderna, tambem pode adoptar
para sua vida poltica e sociolgica, as
grandes reformas, as sabias normas dos
Estados bem constituidos; bem governa-
dos e bem socialisados. Esta qne a
verdade.
A confusilo que muita gente faz da fe-
deras!) e da descentralisaslo, nao nos
causa receio de urna orientacad poltica
desviada de um fim seguro e determinado.
Temos confianca na intelligencia do nosso
povo, na dedjacio de nossos escriptores
patrios, na boa intenclo dos nossos ohefes
po i ticos. E nio duvidamos do concurso
dos escriptores estiangeiros, especialmente
os portugueses.
Nao era o imperador desthroado a
unioa grande figura que fioar atrave
de todas as oonvulsSes porque passar
a alma brazileira, como diz o Sr. de S..
nlo Elle ser lembrado pela historia
pela forca de sua posico officia1 uo Brasil,
* quem absorven e c"nc.-etipou em .
ber o velhy imperador desth ro ado lam*
brad pela historia, nio i elo pouco de bem
qne fes a grande naci a cojos destn
pra-idio, mas p-*h> inuit<> de mal que
juncto e concurso de todos r.3, desde (
autor destas liohas at o
no, quera quer que ella
chefe do gover
seja.
(Contina)
Recife, 20 -590.
T^rso de Lewben.
di,
Jess Christo
(Continuacao do n. 116 do ornal do Recife)
Os motivos da qneixa j os tinha, amitos, mas
anda boje pretend b'ital-a, Sr. Luis de Paula
Lopes, olhe bem para os documentos que vou
expor, c seus collegas de directora da Associa-
go Commercial, antes do meio dia e sabera en
to o que convm pedir ao governo com relago
aos addicionaes em ouro, lea :
*
*
Ilira. e Exm. Sr. Or. joiz de directo especial
do comme! ci.Antonio Francisco Corga, ere
dor de sua casa fallida de crdito, e por este
facto com os bensem adrainistraco, por Hornea
gao clandestira que fes sea antecessor porster
gando o artigo 856 do Cdigo de Comreercio.
?orneando para o fim o Dr. Henrique A. Milet
que tem delapidado ou esbanjado os heos e di-
reito de algnns credores, provas que teem sido
submetlidas apreciaco de V. Exc. pelo pe icio
nario e multas delias estao nos autos e conti
nuou V. Exc. a deixar que a arrecadaco fosse
feita por esse infiel administrador; para evitar
qne os credores em face do que determina o ar-
tigo 872 do Cdigo do Commercio, lenhara aeco
sobre o futuro trabalbo lo peticionario ou he
raneas que podera ser conc.elidas por horneas
oa pessoas christas qce o conbecem desde a in
faocia como homem honesto e laborioso e pelo
direilo que lhe concedido na condico de ere-
dor da sua casa eommercial em administraco
como se evidencia Da ultima parte do artigo
838 do Cdigo do Commercio: requer a demis-
so do adrain>3trador cm face dos documentos
us. 1 e 2 que submette aoreciaco de -V. Exc
e assim nestes termos o supplicante Pede < V.
Exc. deferimento e E. R. Mr. Recife, 23 de
Maio de 1890.- Antonio Francisco Corga.
Venha nos autos,
S. Goncalves.
24 de Maio
Os voluntarios da patria convidara aoexercito,
armada c ao povo para em ama marcha cvica
comraemorarem o 24 anaiversario da batalba de
Tuyuty. n i
(juera contestar que os grandes fetos de um
povo, illaminando o sea passado, como pbaroes
esparsos na immensidade da historia, o guia no
rumo da liberdade, o anima nos grandes actos
de dedicaco e de patriotismo ?
Ninguem.
Para os argentinos a batalha de Monte Caceros
em que com o auxilio do exercito brazileiro, este
paiz se vio livre da dictadura de Rosas ; parj Por-
tugal a revoluco de 1820 que dea em resultado a
queda da mooarchia absluia e a victoria oo syste
ma constitucional e representativo, formula me
dianeira entre o absolutismo e a repblica ; para
a Italia e a Allemanba o facto assombroso de sua
uuiticaco levada a effeito por Cavour e Bis
marek; para a Franca o grande acto de 1789,
de 1848 e a prova de vitalldade e de energa que
deu depois do desastre de Sedan, proclamando a
terceira repblica; para a Suissa o nome de
Guilberme Tell o iniciador de sua emaocipaco
poltica; paraos Estados Uaidos a proclamacao
de sua independencia, alcancada a golpes de au
dacia e de patriotismo por parte de Washington,
a golpes de sciencia por parte de Franklin ; para
a Colurabia os fetos de Bolvar 11 I
Estes grandes actos livrando pases inteiros da
oppressao e do aviltemeuto devem ser recorda-
dos com veneragao, tanto para lembrar ao povo
o seu dever, a sua missfio, como para recordar
aos despotes e especuladores polticos que ua
paiz nao propriedade de quem quer que seja.
O facto, porm, qne os voluntarios da patria
procurara festejar hoj i, nao est n'este caso.
Os brazileiros, promovendo estas festas, geram
desconflanga e fazem crer que existe anraiosl
dade entre os dous povos.
E isto poderemos fazer boje depois qne o go-
verno provisorio mandou entregar a este paia os
tropbeus que lhe foram tomados no campo de
batalba, depois que em Janeiro este mesmo ex-
ercito, este mesma armada, este mesmo povo
promoveu em honra do Paraguay urna pas
sciata cvica, tendo sua frente o marechal S-
meio t
Lopz, o dictador*-o tyrannoj nao existe, mas
existem milhares de paraguayos cujos pas, ma-
ridos, irmis, prenles e amigos encontraram a
morte oeste batalba.
Ser prudente que hoje, quando toda a Ameri-
ca pela identidade de systema de governo, forma
como que urna vaste unio democrtica e se
procura estrellar os lacos de sympalbisu e de
amisade, se record scenas que si se josafleam
perante a dignidade do Brazil, com certa** fare
a de urna naco amiga ? .
Foi impensado o convite que os voluntarios
da patria Hzeram aos seas companheiros ; foi
impoltico porque gera a descontianca de urna
naci amiga, que na pouco3 metes sos distingui
reconhecendo a nova forma da governo ; foi
antipatritico porque pode crear diffieaUadss
ao governo provisorio ao momento supremo que
o Brasil atrevsssa de sua reorgankacao. social
e poltica. ,_.
com a franqueza que deve caractensar todo
aqoelle que se mteressa pela sua paUter-apre-
sentemos ao publico nosso modo de pensar.
Nao emprestemos mis intencOe, mas- con
Recife, 23 de Maio de 1890.
***
lllm. e Exm. Sr. j jz.0 supplicante pondera
a V. Exc, qae nos autos existem algumas peti
(Oes anda por despachar, antiguissimas, que
foram juntas para o fim de seren despachadas,
e para isso lieram desptzis da juntada e foram
contadas.
Ainda tambem pondera que o escrivo(ulli
mmente deixa de juntar os documento i que
oo Ibe agradam estejara nos aptos e V. Exc. o
sabe, por aquellas duas peticOesque se desenca
minbaram em poder dells j com seus despa
ehos.
Ainda o escrivo tambem desobedece quand0
qujr, como fez as que tinha de informar com
relaco ao autnoamento do lugar Corpa /// para
receber da companhia Amphrite 5:600000 e
da companlTia Nova Permanente 15:0O000O. e o
supplicante quer evitar que o administrador v
receber esta somma no Rio de Janeiro mais. os
12:000^000 que deve o governo ao biale Corga
II, por constar que vai sem demora e por isso
digne se reformar o sed despacho, e demetlil o
das funeedes de administrador, intimando-se-lhe
o despacho, e assimE. R. M.Data snpra.
Antonio Francisco Corga.
Venham conclusos os autos.
Recife, 23 de Maio de 1 90.- S. Goncalces..
# #
Ora, analyse bem, mais os seos collegas de
directora, o que expuz na petico e abra o co
digo do :ommercio para verem os artigos que
cilei; depois combine com elles o allegado na
petigo, e vejam se o despacho est conforme a
juslica da causaSr. secretario da directora da
Associago Commercial Benecente.
Se a directora achar justo o desuacho, prosiga
e expliq; o que alleguei na replica ao'Jaiz wra
reformar o despacho caso a directora ainda se
conforme com a instiga d-j despacho do requer
ment, eoto, nao precifo 1er o despacho da
replica, netn representar coosi algoma ao gover
no sobre os addicionaes em ouro, meu amigo.
Em todo o caso, como meo o amigo fez um ao
nuncio lacnico, mas qne visa o qae nenhum
dos seus (pomadistas) antecessores alcancou;
comparece a hora designada para ouvir o que
se pretende peiir ou representar ao governo.
Fique certo que o commarcio est j descren
te de tudo, mas como os representantes das ca-
sas qae de prompto se vo ver as difficuldades
nao sao muites, com estes poucos se ha de re-
presentar ou pedir ao governo, com todas as
probabilidades de ser pela primeira vez o com
mercio atteodido com justica.
E, o ha de ser por mim que darei o plano
para cea vencer o governo a attender de
prompto, e por causa do de Pernambuco atfn
dera sem duvida ao commercio de todos os Es-
tados do paiz, Sr. Luiz de Paula Lopes, dignis
simo secretario da directora da Assoag&o
Commercial BeneScente
Recife, 23 de Maio de 1890.
Aufonw Franetsco Cprga.
Santo Antao
O bitchurel Jom Kullno e ana co
nerarao
Sendo convidado pelo delegado de polica,
Joo de S, para fazer parte da Intendencia Mu-
nicipal, como ara dos poucos borneas puros des
ta comarca, recusei me, por entender ser elle o
menos competente para fazer apreciages e es-
colha3 de caracteres, accrescendo a isto, a sem
ceremonia com que elle j dictava 03 futuros
actos da nova Intendencia, nao estando eu ds-
posto a servir de iustrumento a to despresti
giada e ridicula influencia aldeia.
Depois de aomeados os tres membros do con-
seibo de Intendencia, contra a espectetiva de
Joo de S, encontrei-me com o coronel Manoel
Cavalcante, qae pedio me com insistencia, dizen
dome ser um grande servieo particular que lhe
prestara, que acceitease o cargo de membro do
conselho de Intendencia, recusado pelo cidadao
Lniz Ignacio de Andrade Lima, ao que respon-
d lhe : para o servir sempre estarei prompto.
Da exposigao feita, evidencia se que nesse
tempo eu era para o Joo de S, um homem
puro e digno de ser aproveitedo.
Resta me explicar a razo pela qual, to de
pressa, impuriflquei-me a ponto de ncompatibi-
lisar me com o purtssuno delegado.
Commetleria alguma falta oo exercicio de mi-
abas fuocces ?
Nao ser por certo capaz de apontal-a, e se
em erro cahi, foi de accordo com os meas com-
panheiros, e nesta nica hypolhese deveriamos
ser demittidos conectivamente. Incorremos,
verdade, no gravissimo erro de portarmo nes
sempre com altivez, e diante desse cadver am
bulanlt, que depois do dia i& de Novembro teve
a velleidade de soobar que a seu carcomido ce-
rebro e a sua dictatorial vootede, deviam ser
entregues os destinos dessa in el comarca,
pondo margem o respeitevel e mui considera
do chefe republicano coronel Maooel Cavalcante.
Para conseguir minba exonerago, teve o
actual delegado de polica seguir a vereda
da diffamago e calumnia, exigindo a como coa-
digo essencial conservago do coronel Manoel
Cavalcante na poltica, o que oo passa de urna
torpe calamnia, como se evidencia da carta abai-
xo transcripta.
Em ves de abater me, como snppunha em sua
acanbada intellectualtdade, forteleoeo-e, ror-
neesodo me momento opportnno de, pelas de:
rnonstracoes de aprego e consideragao qae hei
recebilo, oonheeer o mea pequeo llmento
ueste comarca. ^^
proceder dissecagio d'esse cadver
Podia______
aabalaale, toedelegado dcmiUido a bem do ser
de exonerago dos meus corupanhelros de inten-
dencia para o qual ch. mo a attenc'dc*que me
teem.
Aos meus companheos felicito pela attitade
enrgica que assumiram, e a Joo de S, por ser
longoqua a distancia que nos affaita o mais so-
lemne desprezo.
Victoria. 22 de Maio de 1890.
Jos Rufino Bezerra Cavalcantel'ko.
Em 17 de Maio de 1890
Cidadao goveroador.Os signatarios da pre-
sente, membros do Conseibo da Intendencia da
Victoria, sorprendidos com a exonerago, por
demais injusta, do Dr. Jos Rufino, d'este Coa-
seibo de Intendencia, substituido pelo inepto e
desmoralisado Antonio Fernandes Peixoto Rosal,
accrescendo a isto a incompattbilidaoe existente
com o actual delegado aepolicia, que em seus des-
mandos c arbitrariedades inccessivas, procara
desmoralisar e atirar ao ridiculo todos oa actos
d'este Intendencia, vera respeitosanien'e, com
insistencia, solicitar vos saas exoneragoes, soli-
darios como se achara com o comiaubeirtr desti-
tuido bruscamente de suas funegoes, apezar de
tersabido haver-se com a venladeira honestda-
de e criterio.
Assim, pois, esperara ser altendidos.
Sude e fraternidade.
Ao cidadao Dr. Albino Goncalves Meira de Vas-
concellos, mui digno goveroador do Estado de
Pernambuco.
Luiz de Caldas Lins.
Theodomro falois.
Cidadao Dr. Jos Rufino Filho.Respondendo
aos quesitos formulados na vossa carta de hoje,
cumpre me dizer vos o seguinte :
! qae?ito. -E' exacto que offereeensd me o
actu-,1 delegado de policiao lugar de intendente,
recusei o, acceitando o depois a instancias tos-
sas t
Respondo-Conste me que o acta! delegado
vos offerecera o logar de intendente* qual re-
cusastes, acceitando o depois a pedido meu, ac-
cordando na vo3sa nomeago para dito lugar o
mesmo delegado actoal e o Dr. Luiz de Caldas
Lin?, que por esse tempo achavoir se- noiRe-
cife.
2- Qual a falta por mim commettida no tempo
era que exerci as funcgOes de intendente muni-
cipal ?
Por xhir me.affislalo da cidade, onde pou-
cas vezes vou, nao conhego a ponto de attester
qual o vosso comportamento mantido durante o
tempo de intendente municipal; entretanto af-
tirrao que se algumafcousa flzestes em favor oa
contra o municipio, procedesles de accordo
sempre com es mais membros.
3* E' exacto que tenbaes autorizado o delega-
do de polica aera vosso nom'pedir minba
exonerago ?
Nao autorkeU o acloal delegado a pedir vos
sa exonerago.
Podis fazer o uso que vos appronver de mi-
nba resposta.
Do criado attenlissimo. Manoel Cavalcante
di Albuquerque.
Cachoeirinha, 19 de Maio de i890.
Marcha cvica 24 de Maio
Perganta-se'ao Sr. Jos Marianno, o grande pa-
triota (de sua barriga e amigos), o grande frita-
no (de oitiva) o horneardo povo (dos arabos para
sua defeza e spplaudir) se se far representar
hoje na g ande marcha civica.como ojfez na fes-
ta do Tiradentes no embarque do Simeo e 13 de
Maio, e como sempre fazia nos tempos tos (da
raonarchia) em idnticas manifcslag,:s em que
c.racler poltico e moral comparece.
Um velho republicaao.
24 anniversario da batalha
de 24 de Maio
O Monte-Po dos Voluntarios da Patria,
n2o podendo por motivos puramentes eco-
nmicos, fazer com a devida solemnidade
a festa de 16 anniversario de sna
instalacio com que annualmantr comme-
mora, e o anniversario da maior batalha
que j se ferio na Ameivca do Sul em
Tuyuty, onde os exercitos alliadoa colhe-
ram os maia virentes louros de sua corda,
limitar se ha nesse dia ao que foi delibe-
rado em sesso de 8 do corrente.
a's 8 horas da manhS, na igreja da
Conceico dos Militares, e pelo repouso
eterno de todos es irmSos de armas que
all suecumbiram por amor da patria, ce-
lebra se ha urna missa, para a qual sio
convidados todos 03 ofiiciaes de trra e
mar, activoa e inactivos, e todos os prente
e amigos daquelles gloriosos niaityres;
durante todo dia estarlo basteados os pa-
vilhoas da trplice allianga; e as 5 horas
da tarde effectuar se-ha sesslo magna de
posse da nova directora, e noute estar
iiluminada a fachada de sua sudaba ^ne-
nhuma parte tem com a festa externa
que se pretende fazer.
Io secretario,
., Tenente /. T. de Mattos. Ferreira.*
t
FALLECIMENTO
Joo Christiani
Fanny Reymoad Christiani, Ricardo Alberto,
William Eduardo Chr sliani, Julieta Christiani
de Carvalho, Helene Christiani Barza, Adelia
Christiani. Constenlino Barza, Tbomaz Ferreira
de Carvalho, esposa, filhos e genros de Joo
Christiani, fallecido hontera noite, s 7 1/2 ho-
ras, convidam aos pareles e amigos do finado a
acompanbarem ao sahirnento do corno de -sua
casa, ra Conde da Boa Vista n. 116 A, rara sua
sua ultima morada, o que ter logar s 4 horas
da larde, pelo que antecipam os seus sinceros
agradecimentos
Carros disposigao na ra do Imperador.
Festa do Divina Espirito Santo
Programma
Sabbado 24 do correte, ao meio dia, urna
salva, diversas gyraodolas e escolbidas pegas da
msica ejecutadas pela banda do Arsenal de
Marinha, aonunciar&o a vespera da festa do nos-
so divino padroeiro.
A's 6 horas da tarde novas gyrandolas de fo-
guetes fendero os ares.
A's 41|S horas da madrugada do dia 15, ba-
veri missa rezada em intenco dos nossos ir-
raaos vivos e defuntos, fazendo se ouvir a refe-
rida banda de msica, sendo annunciada a u-
rora desse festivo da com diversas gyrandolas.
A's 11 hora3 da maoh do referido dia, en-
trar a festa com s missa do maestro Santos
Pinto, enjos solos sarao execulados pelos me-
Ihores cantores desta cidade. estando a erebes-
tra a cargo do professor Medeiros.
Ao Evangeibo far o panecyrico da festivuia-
de o Revm. padre Pedro Paes e Paiva.
Antes e depois da festa exhibir se ha a refe-
rida banda de msica.
A's 7 horas da noite, depois qae a banda dos
menores tiver execut do bodas e variadas pe-
gas de seu reperlroio, se far ouvir da tribuna
sagrada o nosso prestirooso irm&o Revm. Fr.
Augusto da Inmaculada Conceico Alves; linde
o que ser entoado o Te Deum Laudamus deno-
minadoRio de Janeiro termtaando esm a
bengao do Sastissimo Sacramento.
Pelo presente convido a todos os nosaoa>earis-
simos irm&os comparecerem em nossa-greja
no referido dia, aflm de assistirem aos sseamo
actos. _^
Cotfsiitorio, 22 de Maio de 1*90.
O escrivo,
Mifusl des Snie* Cosf immr.





:*;>


*


I
I
Club Republicano 22
de Julho
Cenvida-se aoe bocios deste CUh a
comparecerem hoje, s 3 horas ansia
da tarde, na chefatura de polica, afn de
acompanharem o ci dadlo Dr. a atona
Antunes Riba, ex che fe de polica deste
Este do, at o caes da Linguete, ~
embarcar aqnelle distincto amigo
destino Capital Federal.
24 de Maio
A commissao, abaixo assignada,
regada do promo ver e realisar o festejas
commemorativos da grande btalas de
Tuyuty em sea 24. anniversirir,
declarar que, accedendo a ooosaderapfca
faifa? por div3rso8 membros da deas*
Militar, resolveu nSo fazer maia a ataiiaa
cvica, que esteva annunciada para o da
de hoje, a 5 horas da tarde.
Mjor Jos Franklin de A.
Teoente Olavo Antonio Ft
Tenente Felicissimo de A. MeM.
Notice
Britista subjecls are ioformed tbat, by a Deeree
of tbt Provisional Government of Brasil as
blished oa toe I5,k instaot, ibey can. fboaM laey
not wish to be coasidered braxilian citoeas as
notitied in tbe naturalizaron Deeree of tbe 15*
of Decemb'T 1889, make tbe declaralion of oa
lionality reqaired by tbe laet meotiooe* Deeree
at the office of tbe plice delgate or saa-ette
cate of any district, or befo re Ibe oneragasd :
and those wbo have already made or saay sate
ineir declaralion of nadonality befbre any local
authority can enter tbeir ames at Oria Coass-
late.
Bntish Coosulaie.
Pernambuco 20"1 May 1890.
A Cohn,
II. B. M Coassl
A o commercio
Os abaixo assignados, nicos socios re-
presentantes da firma Cont Santo & C,
avisam ao commercio em geral, que tendo
firmado novo contracto social, teeai da
olvido aquella firma, subst tuindo a pela
deLopes, Santos & C,pela qoal fie* na
desta data em diante responsaveia, e
bem assim, pelo activo e passivo da ex-
tinte firma.
Recife, 21 de Maio de 1890.
Epiphanio Lope Machado Romo.
Joaquim Arthur dos Santo.
Dentes
Termina a horrivel dor de dentes ajando
o excellente preparado de Msnoel Cardoso
Jnior.
As cartas que lhe tera s'do dirigidas
pelos jornaes de ra iorcirculaclo, attrat as
a eficacia.
Deposito* :
Drogara dos Srs. Francisco hfaoeel da
Silva & O., ra do Marques de Oliada
n. 23.
Pharmacia Martins, ra Duque de
Caxias n. 88.
Pharmacia Oriental, ra Estreita de
Rosario n. 3.
Pharmacia Alfredo Fcr reir, ra do
BarSo da Victoria n. 14.
Pharmacia Imperatriz, A ra da Impe
ratrs n. 49,
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, partairo trate com cspecaali-
dade de molestias de senhoras e creara
Consultorio e residencia ra da nnpe-
ratrs n. 18, 1 andar.
Consaltes de 8 s 10 da mauhl.
Chamados (por escripto) qualquer han,
TKLBPnONE K. 226
COMERCIO
Revista do Mercado
RlCOT, 23 DE MAIO DC 1-SiO
Podco movimento, limitando se a iranfarjcs
no mercado de cambios.
Cambio
PKAA DO RECIFE
A laxa official adoptada pela manh foi 20 5/8,
accando alguns dos bancos a 20 3, 4 duraste o
dia.
Um pouco de papel particular foi (lerendo a
0 7/8.
Movimento insignificante.
PRACA DO RIO DK JASKIRO
Papel bancario 20 :)i nominal, sea rnovimen
to algum.
Algodo
0 de 1* sorle do erlSo procurado a 9*C00 lir
me, sem vendedore?.
Aexportacao feU pelaaltandega n^f t* mes al
o dia 21, constou de 163 892 kilos, mo.I 73 45*
para o exterior e 8'. 128 pa/a o iuteriur.
as entradas verificadas, aW a data delire so-
bem a 4.035 saccas, sendo por
Barcacas.....
Vapores ....
.mmaes.....
via-ferrea de Caruarb.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea deLimoeiro
Somma.
*ssncar
Os precos pagos ao agricultor,
ando a ssociaco Commertiai
M seguintes:
Usinas .
Uranco .
Smenos.
Mascarado purgado
Brutos .
Rtame .
C83 Sacras
147
i83
286
JJft
l.iO .
i.055 San**
cor I jllt*. .*
Agrcola, lora 8-
zyM a i;o
5.0) 3.60
i*.y 2J7"0
i 600 a U7
t300 i 1/snu
USX-a lJs
Aexportacao feita pela aifanriega nosu.ii.cx ale
o dia 21, constou de 4.170 898 kilos mido- -
1.095.180 para o exterior e 3.173.718 para o ni
terior.
As entradas veriGckta a' a
bem a 32.408 caceos seado por:
barcacas ....
Vapores.....
inlmaes.
Via-ferrea de Caruarb.
VTa-larrea de S. Fruncir
via-ferrea do Limoeiro
Somma.
lata de lije *o-
12 C3C Saccjs
si '.
1823 .
10 49
35S .
32 4 8 i vrt
Elixir anti-febril Carioso
Manoel Cardoso Jnior, autor do Elixir
ante fabril Cardoso, lindo, no Jornal do
Mtcift de terca-feira, 20 do corrente, um
eesamunicado sob a epigrapheO Elixir
Antifebril e as varilas,aconselhando o
a prster gratuitamente aos varilo ios po-
bres o seu Elixir antifebril, em virtude
de produsir tambem n'eita molestiaac
(lo benfica; vem declarar solemnemente
qne nunca recusou dsr aos desvalidos o re-
medio de su in venci, especial para fe-
bles,O Elixir anti febril Cardoso; pelo
qae n2o se lhe poder argir falte de ca-
ridade para com os seus semelhantes.
TeoLo f mecido gratuitamente s dive--
osquatro mil oento e vinte e seis fraa
eos,de 15 grammas cada um, do referido
Elixir, inclusive doze frascos i Santa Casa
de Misericordia, como provo om o docu-
mento abaixo transcripto.
Por isso o autor do communicado a que
me refiro parece nao er conhecimento do
aten proceder para com a humanidade des-
valida, nem mesmo o poderia ter, desde
qa nio costumo fazer ostentacio de raeus
setos.
Recife, 21 de Maio de 1890.
Manoel Cardoso Jnior.
Santa Casa de Mirericordia do Recife,
27 de Deaembro de 1888. '
Illas. Sr. A junta admiaistrativa desta
Santa Casa, por meu intermedio, agrade-
ce a V. S. o donativo que tea de 12 vi-
dros com o Elixir anti febril ie sus com
poaicio, os quaes foram remettidos para o
hospital Pedro II.
Deus guarde a V. S.Illm. Sr. Manoel
Cardoso Jnior.O provedor, Joaquim
Correia de Araujo.
Esmolas
As alma caridosas soccorram. pelo amr des
Deas, aviuva pobre e doeate Senborinba dos
Santos Coelbo Bastos, a ra das Cirrocas o. 4.
Bsaa infeliz vive na maior penuria, e merece
o obelo dictado pelos gem rosos sentknentos de
eardade.
guantas vezea acontece f
Urna pessoa muito conceituada roora-
doura na cidade de Bg (Rio Grande do
Snl,) achou se gravemente doente do peito.
Foi chamado, jajp a tratar, o Ilustre
Dr. Penna, e nuRHude, o tambem Ilus-
tre Dr.,Albano.
O doente nda vez ficava peior: a mo
lestia, Bombando do ratimento m edico,
segua seu fu i esto curso.
Urna petsoa da familia, tendo confinca
no Pei toral de Cambar, deseo berta de J.
de Souza Soaras, de Pelotes, lembrou ao
medico a sua apphca$So.
Este, porm, qus talvez nao conheces-
se, por experiencia propria, os cffeitos de
to suberano rem -.dio, reeusou se a recei-
tal-o, continuando com outras applica;5es.
Vendo s3 que o doente nada aproveita-
va, e que a morte era inevitavel, m-.n
don se, em segredo, comprar um vidro do
dito peitoral e o doente principiou a to-
mar o novo remedio e a melhorar, e no
fim de algum tempo achava-se completa-
mente restabelecdo.
Um bagtnse.
:rx
Oculista
Dr. Barrete Sampaio, oculista,
ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, de volte de sua via-
gem Europa, d consultas de
1 s 4 horas da tarde, no 1
andar da casa n. 51 ra do
Bario da Victoria, excepto nos
domingos e das santificados.
Telephone 285.
Residencia ra Sete de Sotem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Telephone 287.
Tac e tacs docncas... __
Ro dizer se : tal remedio cura taes e
bes doencas
K' preciso que essa.-; curas se provem por meio
de aKestados Armados pelos proprios pacientes
e preciso que csse remedio seja consagrado
pela experiencia de ilustres lillios da sciencia.
cima de todos quantos se apresentam por
abi a reclamar a coasideracao publica, podemos
hoje apreeentar um remedio que foi approvado
pela suprema aoiohdade medica do paiz, auto
risada pelos poderes competentes e consagrado
__p so por illuslres facultativos nacionaes e es
irogeiros, como por um grande numero de pes
oas coradas.
Beierimo nos ao Peitoral de Cambar, que,
como mutto bem di otn ihiatrc medico la cT-
dade de Pelotas, o Sr. Dr. Octacilio Cmara,
pelos efleilos que exerce robre a mucosa das
ras respiratorias, cujas molestias cura e allivia,
goza actualmente de urna crescente procura e
aceilacao, como anda nao leve producto algum
oficinal n'esie paiz.
Osigeoles, Francisco M. da Silva C.
.Dr. Joao Rangel
MEDICO
Pode ser procurado para os misteres de sua
profsso a ra do Bom Jess n. 45 1.* andar.
Con?olasde meio dia al 3 horas da tarde.
Chamadosa qoalqoer hora do dia ou da noite.
Ttlephone h. ItW
CouroM
Cettrcs salgados 400 ris, e os verdes a 2\0
reas
Agimrdenlr
Cora-e a S4*000, por pipa de 480 litros.
A Ico OI
Cola-so a I90000 por pipa de 480 litros.
el
Cosa-se a 554000 por pipa de 480 litros.
Pauta da Islandesa
SM>n CB 19 A 14 DE MAIO DB 1890
Vide o Diario de 18 de Maio
\avio* a descarga
Barca noruegneose Cari Haartei, carvao.
Barca norueanense Gltr, carvao.
Barca allem Mana, vaiios gneros.
Barca poriugueza oco Silencia, varios gneros.
Barca nacional JfariaaniMAa, xarqne.
Brlgue poitugoez Adelina, varios gneros.
Brigoe bollandez Meidem, xarque.
Lftgar inglrz Chttha, bacalho.
Lugar americaoo D Anna, milbo.
Lhgar portagu- Temerario, xarque.
Logar bollandez H. R Ltembw's, graxa.
Lugar ingltz Peay, bacalho.
Lugar nocional Dwu America, vanos gneros.
Patacho norueguense Ceres xurqoe.
Pe tubo bollandez Vootcaaits, xarque.
PaUcbo rio'lande Bennka, xarque.
Patacho ho*panhol Jovfn Puro, xarqni!.
Patacho irancez Gencial hroe, xarqoe.
Patacho portugus Monirgo, vinho.
Paticbo americano John H. Cardn, varios gt
eros
i'aia-h i iogle oya'ut, mllho.
IiiporiacSo
Vapor portuguez Malange, entrado de
Lisboa em 22 do andante e consonado a
Pereira L'arneiro & O.
Aseitu 26 caixas orde o, 40 a Silva
Guimares & ('.
Batatas 50 caixas a Paulino de Oliveira
Maia, 50 a Domingos Fer.eira di Silva
& \, 13> a Ferreira, Rodrigues & C.
Comnhos 10 caixas a S.lva Guma-
rnea A C.
Cadeiras 1 atado a Pauliuo de Oliveira
Maia.
Conserva ? cajxas ordem, 14 a M.
de Barro
Cevada 2 barrica a Rouquayrol Freres.
Drogrs 2 caixas a Parla Sobrinho & C.
Ferra^ens 2 caixas a Miranda* Sonxa,
1 a W. Halliday & C.
Medicamentos 1 caixa a A. Ferreira ce
Miranda, 1 a Rouquayro! Frerea.
AS YIGTIMAS BAS PEBRES
O Elixir mi-febril Cartloao. appro
vado em 21 de Marco dente anno pela Inspectora
Geral de Hygiene do Rio de Jjneiro, vem hoje
apresentar-se 4 humanidade soflVedora do mun
do inteiro. como taboa de salvago que ao infe-
liz naufrag Ibe enviada pormo omnipotente!
O Elixir asid r biii Cardes*, appli-
cado em muitissimos casos de febrea, lem, como
por miUgre, levantado do lelto da dor a comple-
tos moribundos.
Este remedio, composto smente de vegetacs
ioleirameote inoffensivo, anda mesmo na mais
mimosa e tema crianca.
As senhoras, no esudo de paridas, ou no pe
riodo de incommodos naturaes, podem usai o
sem receio algum.
Deposito
Drogara dos Srs. Francisco Manoel da Silva
& C ra Mrquez de Olind o. 23.
Pharmacia Martin?, ra Duque de Caxias
n 88.
Pharmacia Oriental, ra Estreita do Rosario
o. 3.
Pharmacia Alfreda Ferreira, ra do Bario da
Victoria n. 14.
Pharmacia Imperatriz, i ra da Imperatriz
n 49.
Para qualquer explicaco podem dirigirse ao
autor Manoel Cardoso Jnior, ra Estreita do
Rosario n. 17.
Dos innmeros attestados que temos, damos
em segni la principio a sua publicacao ; e isio
bastar para que sejam conhecidas as virtudes
do Elixir anti febril Cardoso.
Atteatados
N. Ifl
Vigilio Augusto Lopes, hamaecutico formado
pela Universid.de de Coimbra e Academia da
Baha, etc. .. .
Atiesto que tenJo Teito a app icacao do Elixir
Anti Fehrii de M. Cirdoso em urna roinln sobii
oba em caso de febre palustre, em 48 horas (i
cou completamente reslabelecida. Outro sim i
que tendo enviado ao S-. Vicente Lagreca, da
cidade de Palmares, provincia de Pernambuco,
o mesmo Vicente Lagn ca me participon ter em
pregado em diversos casos febris. com resulta
dos bous, nao cootando caso nenbuin perdido.
Outro sim ; atiesto que tendo fjrnecic'o o Elixir
Anli Febril de Ordoso a diversos indiviou ?.
de todos teohj recebido noticiai de bom rebul-
tado.
E por ser verdaJe passo o presente que juro
em f de meo grao.
Recite, 28 de Feveroiro de 1889,
Virgilio Avgutto Lopes,
Pharmaceulico,
N. 17
Illm. Sr. Manoel Cardoso Jnior.Amigo e
senbor.Tendo applicado o sru preparado (tin-
tura), contra febres em meu lilho Heuriqoe. de
idade de tres aonos, que eslava muilo enhidi
nbo de febre de mili carcter, obtive excelleole
resultado, lomando tile apeuas daas doses.
O que cima (lea dito, 6 veruado ; prlo que
poi rr doaiu o u^o qe ihc conner.
Son com tod i respeito
De V. S. imigo venerador e criado,
Manoel Jote Das.
Recif-;, 22 e Agosto de 1888.
N. 18
Eu abaixo amgnado. a. han lome cOrmdo
ha cinco das de urna febre de mao carcter, c
tendo usado de remedios proprios de combater,
como fosse acnito e qniuino eca receila de
medico, e oSo tirando re.-ulta lo algum desees
remedios, man Jei chamar o Sr. Manoel Cardoso
Jnior e expondo lhe o meu estado, elle me den
o seo preparado Anti-Kebril. c fazendo uto delle.
fez desapparecer a febre no curio espaco de 6
horas, achando me completamente resUbi-lecido
desse incommodo.
Recife, 21 de Janeiro de 1889.
Manoel Monteiro Martiu.
19
Illm. Sr. Manoel Cardoso Jnior.-Presente.
Presadsimo senbor.Soffrtndo de urna febre
rebelde, que levou me ;o leo, osei do Elixir
Cadoto, a couselbos de diversas pessoas que re
fenram-me de sua sua procuidade.
O resoltado nao se fez esperar, restitoindo me
a saude em poocos dias o dando-me na conva
lecenca um aiimiravel estado fortifi -ante.
A'vista do maravilhoso tffi-ito do Elixir Cardo-
so, quero com stas linbas felicitara V. S. pelos
prodigios desso preparado e habilitar a conbe
cel o ontros que podem no seu uso colher as
vartagens que elle ttere.
Contino a ser Ibe grato, e por isso subscre-
vo me com muita estima e connderacao de
De V. S- amito, obriga lo e criado
Alfredo H Guimardes.
Recite, 31 de Dezembro de 1888
N.lo
Illm Sr. Manoel Cardoso Jnior.Recite.
Amigo e senbor.Achando me soffrendo de
urna febre de mao carcter, que altingia u mais
de 40 giaos, lembrei me de faser uso do Elixir
Cardoso, por me constar que esse remedio ti-
nba conseguido dominar febres desse carcter ;
com cffeito o reultodo nao podia ser mais sa
ti8'actorio. depois da terceira dose nao sentia
mais febre e julgo me completamente restabe
lecldo.
Duu-lhe os meus parabens pela importante
descoberla.
De Vmc. amigo re?peitador
Femando Carneiro Barbosa.
Rtcite. 21 de Janeiro de 1889.
(Estavam selladas e devidamente reconbeci
das as firmas)
!
>
MEDICO HOMEPATA
Dr. Bautizo; da Silveira
Especialidadefebres, molestias
das criancas, dos orgos respirato-
rios e das senhuras.
Prosta-se a qualquer chamado para
ora da capitel.
AVISO
Todos oa chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Mercurio 1 caixa a Manoel Co'laco
&C.
Massa de tomate 5 barrs a J. da S.
Pereira Lisboa.
Passae 4 caixas a Paiva Valente & C.
Palitos 5 caixoes aos mesroos,
Pregos l barricas a Mirand i & Souaa,
17 a W. Halliday C.
Roupa 1 mala a Paulino de Oliveira
Maia, 1 caixa u .'tutano Caraero.
Vinagre 10 pipas e 50 barr* a Souza
Bast, Amonm & C la Rouquayrol
Freres dt C.
Vioho 3 pipas e 15 barris a Joaquim da
Silva Carneiro, 10 e 20 a Antonio Maia
da Silva, 5 e 25 a Vct rio Silva & O,
20 a Paulino de Oliveira Maia, 5 i or-
dem, 25 h Souza Batto, Amorim & C,
18 ao conego Jos Vass Quiterre, 10 a
A. Cruz & O., 4 A. Lopes de Mediis,
10 a Ferreira Rodrigues 4 0., 2 a Do-
mingos Cruz A C, 2 caixas a Manoel
Leite de Azevedo, 40 a Joaquim da Silva
Carneiro.
iponacao
RECIFB, 22 0B MAIO DB I8S0
ara o exterior
No vapor inglez Trent, para Liverpool,
carregou :
G de Mattos Irmao, 21 banicas com 1333
kilos de borracha de mangabeia.
Para Buenos Ayrc3, carrcgaran :
M. Huber & C, 15 saceos com 1,159 kilos de
algodao.
Pora o interior
No vapor nacional Lomillo, para Rio de Ja-
neiro, carregaram
P. Carneiro C, 250 couros seceos espicha-
dos com 175 kilos.
Para Porto-Al-gre, car.c^aram :
11. Fernandos, 300 saceos com 22,5oO ki'os de
assucar branco c 100 ditos ccru 7,500 ditos de
dito,mascavado
Amorim rmaos C, 27 saccas com 7i2 1/2
kiloade algodao.
P. Carneiro C, 225 barricas com 23 798
kilos de assucar branco e 75 ditas com 8,107
ditos de dito mascavado.
Para Pelotas, carregaram :
Amorim Irmaos & C., 150 barricas com lti.fOO
kilos de assucar branco
A C. da Silva, 325 barricas com .'il oiO kilos
de asfurar mt sea vado.
Para Rio Granae do Sul, carregaram :
P. Carneiro ('., ICO barrics com 10.6J9
kilos de assucar branco.
No vapor nacional kbenbe, para Babia,
carresanm :
P. Carntiro C, 7fl saceos com 5.700 kilos
de assucar mascavado.
Prompturio da lei
DO CASAMENTO CIVIL
Acha se orc?tes a sabir do prelo esta obra se
guida da lei amolada onde se discutem diversas
quesees pratids e faz se um estudo compaia
tivo con o dinito antigo.
t:orao sppensoi, t az o livro as instruccoes
biixadas para a tx>;ci:gi.o da lei e mais actos
publicados a seu resprit-j e bem assim o regu
lamento do rrg stro civil, como materia que se
prende ao assumplo.
O livro que se compor, mais ou menos, de
200 paginas, o(T rece utilidades quelles que se
dedicarcm ao < stedo e execucSo da mesma lei
bem como ao rublico em geral.
Sendo a lirag m de poucos exemplares visto
nao poder seu autor accarretar com despezas
superiores, se ljra preferencia aos pedidos que
forem feitos, pan o qoe se indica a livraria
Parisiense a tua 1" de Marco n. 7.
Proco do volume, pagavel a entrega deste :
Brochura 20O0
Eocadernado 3W
Auxilios lavoura
Pereira arneiro & C. continuara, aatorisado
"elo Bauco do Brasil, a conceder emprestimos
i lavoura das provincias de Pernambuco. Ala
ojs P.irahyba s R as condicOes de que os interessados serao infor-
mados no escriptorio ra do Commercio n. 6
das II horas da manh s 2 da tarde.
Cirurgiao Dentista
DR. ROBERT P. RAWUNSON, for
nado pela Univcr^idade de Maryland noi
KBtad.is-Unidos, tam aberto o seu cnsul
rio, na ra BarSo do Victoria 18, Io an
lar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
Collegio de N. 8. da
Penha
PARA O SEXO FEMHINO
ok a sllrec^fta de Auidiu Carneiro
Ma da Anrora i. 37
egnndo andar
Frederico Chaves Jnior
Homoepatha
39 RA BARAO DA VICTORIA 3?
Prlaaelra andar i I
Dr. Coelho Leite
participa a seus clientes c amigos qu'inilou
sua r 61, I andar, e contina a dar consultas de 1 at
3 horas da larde, no seu onsultorio, ra Duque
de Caxias u 57.
Pohlman & C. 500 saceos com 37,500 soipi
de assucar mascavado.
Para Peuedo, rarrcearam *
L Albino & C, 1 volume com 16 litros de
genebra e 3 barricas co:u 160 kilos de assucar
r.liudo.
$)f>por poriugutz Malange, para Rio de
lanero, carregeu :
A. d. Oliven Main, 45 caixas cora 3,000 man-
gas, fiu;ta.
No vapar nacional Alagis, para Rio de
Janeiro, carn-garaiu :
P. Pinto & C, 70 pipas com 33.C00 litros de
agu.-ri't'ntc.
No lugar portuguez Mano, para Porto Ale
gre, carregaram : .
P. Carneiro C, 211 couros sccs espicha
dos com I 477 kilos.
No patacho nacional Industrial, para Villa
Nova, carregou :
J. S Leitao, 1,340 saceos com 100,500 kilos
de carolos de algodao.
N j hate Crrelo dt Natal, para Munu, car
regou :
i. J. da Silva Campos, 4 barricas com 180 kilos
de atsucar renado e 4 ditas con 187 diios de
(Jilo biauro.
No biatc D. Julia, para Parnabvba, carre
garaiu :
P. AI ves & C, 80 barricas coar 2,408 kilos de
astucar briico.
Paa racaly. carregaram :
P. Alves C, 25 barricas com 753 kilos de
assucar branco e 5 ditas com 302 dit03 ce dito
mascavado
No Date. Victoria, carregaram :
P. Aires A C, 12 barricas com 976 kilo- de
assucar braiu-o.
No tille Veus le Guie, para Camossim,
carregou : ,
y. M. Dnaite de Azevedo, 3 barricas com 480
Uro* dts aguarde te.
Na barcaca Santa Catharina, para Paraby-
ba. carrtKou : .
j. J. da Silva Ciinpos, 2 oamcas cora 120
kiloc de assucar rcliuado.
Na bu:caca Jorc Taurino, para Alagoas,
carrciiuram :
M. Vi-gas 4 C, 25 caixas com 270 litros de
genebra. ,
Na barcada ilaitha, para Paiah-yba. carre-
gou :
F. DuiSo, oOO saceos com farioha de man
dioca
HetMllmeutos publico
US.I DB AUlllL
Alfondega
ilcuda ceja' :
no dia I a 22 687.458.'091
Idea, de 23 55M .^^
Rondo do Eslado de'Pernambuco ;
Do dia 1 a 2 127 368*316
Wcm de 23 3 2881185
' --------------132651*501
Somma total 560.085*107
Dr. Bastos de Oliveira
tem o sen- consultorio medico-cirrugico
ra do Marqu b de Ohoda, n. 1, 1. an-
dar, onde pode ser procurado todos os
dias uteis da 12 s 3 horas da tarde.
Chamados a qualquer hora em sua resi
dencia, ra do Hospicio n. 46.
Telephone n. 365.
Dr. Mello Gomes
Medico operador parteiro
46Ra do Bar2o da Victoria46
(DEFKOSTE DA PHARMACIA PINHO)
Onde tem coimuiiorlo e resi-
dencia t podendo ser encontrado e
recebendo chamados qualquer hora
do dia e da noite.
Especialidades: partos, febres, moles-
tias de senhoras e dos pnlmes, syphilis
em geral, cura rpida e completa e ope-
racoes de estreitameatos e mais softri-
mentos da uretra.
Acode de prompto a chamados para
fra, a qualquer distanda.
Telephone o. 394
A praga universal s
m todas as regioes e entre as pessa-
de todas as oceupacoes c profissSes, preva
lecem as cnfcrmidade3 pulmonares. Por
tanto, o grande e admiravel remedio con
tra ellas e que produz a sua completa ani
quilacao o Peitoral de Anacahuita, o qual
as deve perseguir e em seu devido tempo
as perseguir indefectvelmente at nos
mais remotos confins do mundo.
O soldado n^s acampamentos, o mineiro
as minas d'ouro, o colono as fronteiras,
o lavrador, o viajante por mar e por ter
ra, e especialmente todas as pessas su-
jetas a padeesrem do tosse, constipacS s,
resfnamentos e catarrhos, bronchites, astli-
ma e outras affic^oes nao menos slictivas
da garganta e dos orgSos da respiracfto, e
que to fcilmente se desenvolvem e pro-
pagara nos lugares hmidos, inclemencia
da atmoaphera ; acharao com a maia gra
ta satisfacSo, no Peitoral de Anacahuita,
um remedio irresBtivel e absoluto, para o
completo subjligamento de tSo perigosas
enfermidades. Compre se em tempo, pois
e bom estarse prevenido.
Como garanta contra as faUifiea^oes,
observe-se bem que os nomes de Lanman
& Kemp, venbain estampados cm lettras
transparentes uo papel do livrinho que ser
ve de envoltorio a cada garrafa.
Acha-se de venda em todas as boticas e
drogaras.
Dr. Silva Leal
clnica medico cikurgica
Consultorio e residencia rna do Livrameott
n. 6 1 andar. Consultas das ti s 3 horas da
tarde. Chamados a qualquer hora, por escripto
Dr. Eusebio Martins
Costa
tem o seu consultorio medico e residencia ra
BarSo da Victoria n. 7.1- andar, onde pode ser
procurado para os misteres de sua proflsso.
Consultas de 1 s 3 horas da tarde.
Cabera, denegro
Elixir sedativo e anti-rheumatieo, formula
do pharmaceutico Hermes de Souza
Pereira.
SEM MERCURIO
Approvado pe a Inspector Ta Qeral de
Hygiene
Este poderoso medicamento j bem co-
ohecido ha mais de 10 annos e cujos rna-
ravilhotos effeitos tem sido at 'estados por
muitos mdicos e numerosos doentes, cura
radicalmente os bheumaismos, erysi-
PELA8, SYPHILIS 5SCR0FCLAS e todaS as
molestias que teem por origem a impuresa
do sangue.
O verdadeiro e mais antigoElixir de
cabega de negro o da formula do phsr-
maceuteo Hermes de Souza Pereira, c
para arartia dos consumidores tras eliu
em seus rtulos e envolueroB o retrato do
autor.
Vende Ee a vare jo em todas as phar-
macias e em atacado na pharmacia Fer-
reira, praca de Maciel P-nheiro, n. lt>,
(antiga do Conde d'Eu, e na drogara de
Francisco Manoel da Silva & C, ra do
Marque de O!inda, n. 23.
A's familias
Ensino de prixeiras lettras, por
tuguez, fraccez e inglez; peks
residencias dos alumnos, dettro
da cidade e em seus arrabaldes :
a tratar na raa do Imperador n.
75, 2.a andar.
Reveiacoes e men cimentos
Poucas vezes temos experimentado urna lao
intima satisfaco; melhor diriamos um legitimo
i rgulbo por noticiar ao rcspeitavel publico que
i cerveja La Rosa Allitnana urna raensageia para
o corpo lano bebida como regalo que de (i
oissiino paladar, como infallirel na cura de
emh-queca. ataques hemorrhoidaes, corr.mcn-
tos e flores brancas.
Nan alen-Minos consideracOes e limitamor.es.
pois. a descubrir a riqueza da cerveja La Rosa
Altcrnana j professada publicamente. A verda t sempre verdade Alm dos estabelecimentcs
aonunciados est venda em outros im-
portantes pstabi-lecimrntos dos Srs. Joo daCu-
nha Vasc.'.ncellos, ra do Livrameoto; Antonio
Guilhermino des Santos roa Direita, Horeira lr-
aio, ra de Pedro Alfonso; Jos da Silva Perei-
ra uisboa, roa do Imperador, Manoel Martins
Lourenco, Lboaio; Francisco Mendes da Fon-
seca, Pilar de Alag-as. Jos Domingos d'Olivci-
ra e Manoel Ferreira Silva Veiga, Natal; Joao
Juvenal Barbosa Tinoco. Baplista Jnior k C,
e Ismael Cesar jarle Itibeiro. Macabiba.
RestaurantPortu ;uez
O prlmciro em Pernambaeo
2123 BA DAS LARAKGEIRAS 21 3
COSINHAS
Brasilera, Portuguesa e Franceza
Proprietarios :Charles Rozier & C.

ED1TAES
De ordem a cidaJo Dr. presidente e para co-
nhecimento de lodos e a mais rigorosa obser-
vancia, fago publico que as multas impostas aos
cida ditos ju z s de fatto sero desta data pin
diante cobradas executivamenle. E para qoe:
cidado algum sp chame igorancia, manda o
mesmo Dr. presidente publicar pela imprensa e
aflixar o prsenle nos luga: es mais pub'icos
desta cidade e demais povoados do municipio
com a necessaria antecedencia. Paco da loten
dencia Municipal de Jaboalo, 20 de Maio o
1890.
O secretario.
Antonio Henr ijiie de Almeida Juntoy.
DECLARACOES
Segunda seccao da Alfandega de Pernambuco.
23 de Maio de 1890.
O thesoureiroFlorencio Domingues.
O chele da seccaoCicero B. de Mello.
Recebedorla do Estado de
Pernambuco
Do dia 1 a 22 28:456*200
dem de 23 2.6 74254
31:133*454
Reeife Urninage
Do dia la 22 8:217*439
dem de 23 244*860
8:497*293
Mercado Municipal de f. fose
O movimento deste mercado no dia 22 de Maio
foi o seguate :
Entraram :
22 bois pesando 2,548 kilo?.
358 kilos de peixe a 20 ris 7*160
6 cargas com farinba a 200 rs. 1*200
10 ditas de frucias diversas a 300 rs 3*1)00
32 i/2columnas a 600 rs. 19*500
98 taboleiros a 200 rs, 19*600
8 sainos a 200 rs. 1*600
i escriptorio a 300 rs.
58 compartimentos com farinba a 500
rs.
30 ditos de comidas a 500 rs.
98 ditos de legumes e fazendas a
400 rs.
17 ditos de suinos a 700 rs.
8 ditos da fressuras a 600 rs.
3 ditos de camaroes a 200 rs.
30 Ulnos a 24
Rendimenlo de 1 a 22 do Crrente
291000
15*000
39*200
ll*9iK)
4*800
600
6C*00u
212*860
4.863*980
5.076*840
Precos do da:
Carne verde de 280 a 480 ris o kilo.
Suinos de 520 a 640 ris dem.
Carneiro de 640 a 800 dem.
Farinba de 500 a 560 ris a cnia.
Milbo de 440 a 480 ris dem
Feijo de 900 a 1*200 idem.
Vapore a entrar
MEZ DE MAIO
Sul........... Mrquez de Caxias 24
Norte......... Alageos........... 24
Europa....... Vleie S.Nicolao.. 24
Sul........... Tawr............ 25
Sul........... Olinda........... 26
Sul........... Pernambuco....... 27
Nirw-York .... Fhunee........... 2
Vapores a saaJr
tOtZ DE MAIO
Babiaeesc .. Beberibe...........24 as 5 h.
bul.........Omiti........... 24 s 4 b
Matriz deS. Jos
Veneraval rmandade do SS. Sacramen'o
Ele i gao
Pelo presente ia& convidados os carissimos
irmaos a comparecerem < ra nosso consistorio r.
dia 25 do c trente, pelas 9 horas da manh, para
assistiren a mi.-sa voiiva ao Divino Espirito
Santo, e de-ois proceder-je ; eleigo da me^.i
reeedora para o anni compromissal de 18f0 a
1891. Recife. 23 de Msio de 1890.
J. G da Cunha Pern,
Secretatio da commissa '.
Sul.......... logos........... 24 as 5 b.
Soulbamptoii. Tamar.......... 25 as 11 _
Santos e esc Vilte de S. Nicolao.. 25 as 4 h
Hamburgo.... Olinda.......... 27 as i n
. Hovimeno do porto
Navios entrados no dia 23
Southampton e escala, 15 dias Vap r
inglez iTrtnt, de 1698 toneladas,com
mandante A. E. Bell, equipagem 98,
carga varios gneros, a Amorim Ir-
maos & O.
Lisboa e escala, 10 das Vapor portu-
guez Malango, do 2404 toneladas,
commandantc Joo Nunes da Silva,
equipagem 122, carga varios gneros, a
Pereira Carjciro & C.
Fiume e esc!a, 27 di-sVapor austraco
Zichy, de 1227 toneladas, comman-
dante G. Debavichi, equipagem 27,
carga varios gneros, a Johnston Pa-
ter & C.
Baha e escala, (5 dias Vapor nacional
S. Francisco, de 382 toneladas, com-
mandaate Albino Vaz, equipagem 30,
ca.-g* varo? gneros, Companha Pvr
nsMisafinn
Rio Grande do Nwrt*, 10 das HyAtc
nacional R;>m J^sus, do 60 toueladap,
mestre Mainel Francisco de Mello,
equipagem 5, caiga sal a Manoel Joa-
quim PessGa.
Navios saludos no mesmo dia
Buenos Ayres c c:cala Vapor inglez
Trout, comiuandanto A. E. Bell, car-
ga var' gneros.
Santos e tecalaVap.r portuguez Ma-
lange, coinmandante Jouo NuneB da
Silva, carga varios gneros.
,
dantc l>b;r. Ow?, carga varios g-
neros. *
CearIIyale nacional D. Julia, mes-
tre Laurentno F. da Costa, carga va-
rios gneros.
Rio Grande do Norte Hyate nacional
Correio do Nat-.!, mestre JoXo Go-
mes do Moura, carga varios gneros.
Bremern 15 rea dinamarqueza Profes-
boi, captio H Christiansen, carga
madeira e couros.
O&*ercac3o
Procedente Livorpool fundeou no
LamarSo o ve por inglez Dona ti e nao
commonicou com a trra; entrar hoja-
pela macha para o ancoradouro interno.
MaoeiVapor inglez Author, comman
? '
-i
* i
m
f;

-


i--.-



i
r~
Ki


imm
}
u
:.
)
.



?
HIPPODROMO
Ginri BRANDE
PROGRAMMA DA 15/ CORRIDA
QUE SE REALIZARA' #
Domingo, 5 de Maio
>ome
s
S
s
Pelln
>ulura
lid.
C6r da veti-
nrnla
ProprlPlarlo
'! Pareo-i* de Novemt.ro 800 metrosAnimaes de Pernambuco que nao tenham
no H^drorno co 18.00. Premios : 20OJO0 ao I, 40*000 ao 2 e 20*000 ao 3
ganho
AiBouapartc.
.2 Hercules.
i Maranguape..
i Tdlisner ...
5 Lucifer.......
6 Fumaca.....
Itodado .
Alazn
Rodado
Russo.......
I'e mamb.
33
87
57
55
57
55
Grenat e ouro.......
Verde e jncarnado..
Aiul e ouro........
Braneo e encarnado.
Azul e encarnado
H. L. da Silvcira.
Jo8C. Pinlo.
Beato B. F. Filho.
J. M. da Silva.
A. Uchoa.
S. P. Marinho.
i* Pareo -Commerclo-830 metros.Animaes de rernambuco que nao lenbam ganho em da-
tancU s!p7rTor a 900 metros no Hipdromo. Premios : 200*000 ao !. WOOO ao 2 e
20*000 ao 3.
Humilde.....
Paariseu.....
tfaurity.....
Village......
Cauby.......
10 I Russo
5
S
Castanho ..

Baio.-------
Castutiho
Pernamb.. 33
m 57
m 53
* 57
m 33
Ouro e preto......
Preto,ene. e ouro..
Ouro e preto......
Aroarello c encamado
Azul e encarnado..
Antonio T. dos Santos.
B. F. de Paira.
P. do Val:e.
Pereira & rosta.
Alfredo Marques.
Pareo-EsDcranca-700 metros.Eguas de Pernambuco que nao tenham ganbo no 1
droaio era 1890 e pcqukas al 1.-30 do mximo. Premios : laOOOO ao 1, fOOOO
e 15*000 uo3.
Hippo-
ao2
Suzana .....
Sjbla.....
Fantina......
Invicta.......
Coruja......
BouUnger....
Bom Jardiin.-
Ziini......
Casto nho...
m
Russo......
Rolado-----
|Alaz;Vi.
'Rodador..
Pernamb.. 52
S\
* 51
3*
58
55
55
Grenat e ouro........ J L. de S. Filho.
Azul e preto.........| F. A. A
Azul e brauco.......M. P. Albuqocrque.
Azul e facba.........| Amonio F. Costa.
Encarnado e branco..!Henrique Gibsoo.
Preto c encarnado___ICoudelaria Arraial.
Azul.............. IE. G.
f PareoEstimulo800 metros.-Animaes de Pernambuco que nao tenham ganbo no Hippo
i i-areo dro(no .premios : 200*000 ao I, 40*000 ao 2* e 20*000 ao 3-
\
2
3
4
3
ti
7
Potos.......
Ally-Stoper .
Despique
Azainr-------
Vivaz.......
Talispher
Porto Alegre.
Riod'Ojro..
Castanho
Rodad*...
Cusan lio-
Mellado...
Castanlio
Rodada...
Baio.....
Russo ...
Pcrnamb.
55
55
55
53
55
55
55
53
Encarnado e preto.-
Branco...........
Azul e encarnado.
Grenat e ouro.......
Preto ei uro.......
Branco e encarnado
c
Encarnado e azul,
3 Pareornle freuilo E.
inios :
Cupido.....
Transclave .
Florete.....
Sans-Souci. .
Colosso.....
Mouro......
Cauby......
Village.....
Russo-----
Rodado...
Castanho
i Baio.....
Roduilj.....
Alazn-------
Castanho...
iBaio......
i. Braiil 1100 metrosADimaes
iOO* ao 1, 80* ao 8 e 40* ao 3
Preto e amarello
Branco c encarnado. -

54 Ouro e branco......
54 i Preto e boaet encaro.
Encarnado e ouro-----
i Azul e encarnado-----
Joaquim Rocha.
H. J. Pe rmanu.
Manoel Lima.
J. L. de S. Filtro.
R. Cardoso.
Jos Nogueiri da Silva.
A. Vianna.
0 Nova Descoberta.
de Pernamboco. Pre-
Pernamb. 34
54
54
< 54
* 54
54 !
54
* 54 !
S. Nigro.
Jo M da Sha.
F. Freir.
A. L O. L M.
Coud. Republicana.
Jos Ferreira da Costa.
Alfredo Marques.
54 lAuareUoe encarnado. Pereira & Costa.
">* PareoBedempci
-1G09 melrosAnimaes naciooaes almt-io sangue.
ao Io, 00*000 ao 2 c 30*000 ao 3
Premios: 300000
I Danubio
Atilla
Fluminense..
Gallileu.....
5 iCastanho.
4 Tonl negro-
7 | Alazn.......
3 I
Rio de Jan 54
S. Paulo.. 51
54
54
Sain.ao e verde.....
Azul, ene. e branco-
Ouro e preto........
Dr. M N. Pontea.
Coud. Venturosa.
Jcaquim Rocha.
Coud. FratcrmJade.
1 PareoAKrlcuimra-950 metrosAnimaes de Peroanbuco at pungas. Premios : 200*
" ao i, 40* ao 2, e 20*000 ao 3
J.Faceira
Templar..
1 Pin duro...
'i ramn..
J.Fai
2lTe
lPii
|Pii
Hodado.
! Pernamb.
<
Alazao... .
Caslanlio----
49
55
55
55
Lyrio e ouro..........
Azul e ouro........
Encarnado e branco..
Amuri-llo.............
J. S C. Caoba.
C. & Pereira.
Coud. Venturosa.
Coud Bella-Vista.
OBSRVACOES
O primeiro pareo correr as 11 horas em ponto.
Os ao maes que correrem no primeiro pareo, dever'o achar-se a 9 da manhl no
onsilhamento.
O pareo grande premio so crrer com cinco ou mais animaes.
OtforfaiU serSo n. cbidos at sabbado 24 do correte.
Recife, 22 de Maio de 1890.
O secretario,
Souza Carvalho.
Club Militar
Por ordem do cidadao prc.-io>nt<\ previno aos
cidados socios, qae d'ora m dimite as sessoes
ordinarias serao reulisadas loi s as sextei-fei-
j-as, t 6 horas da urde.
O i' sferelario,
R. 3ati Ja Costa
Companhia Alagoaoa de
Fiacao e Tccidos
Convidamos os senbore.- tubsen plores desla
companhia para, de acecido -om o* aits. 9 e 10
dos e tatutos, realisarcm at o da 14 de Jucho
prximo futuro, a 10.* citraita na raiao de 10
nambuc?. Macei, 14 de Maio de 1890.
Os directotea
Jos Teix.-ir. Machado.
Jos JailCari. V. de Carvalho.
Propicio Barrein
J [L DULAS
DO
Banco Nacional
Troca se, /.agando bom premio, cdulas da
"oussao pagavel em ouio, do Han-o Nacional,
oo annazem n. 4, a ra du G inmrito.____
commerrio tiesta
pra^a
a Associato Commercial, ui virt do decre-
to do governo provisorio ntamimidj cobrar em
.ouro uma parte dosdireitus de oi;umo. convi-
da o corpo commercial emi-i! sabbado
24 do corfct s 12 hora, do i dillelo da mes-
(na a-sociavo.
Luiz de Paula l.-ps ;ecreUrio
A rsenl de Marlnha
venda de forro ribo
De ordem 4o cidada> capiio enrole Frede-
jico Guilberme de Souza S rfaoJ inspector
lesle arsenal, faco publico qa<*, na secretaria
rfesta inspeccao, receDe-se pvp la? em cartas
fichadas at as II boras do da 28 do correte,
paras venda de 36,275 kilos t9 ferro vi-lho exis-
tente oeste estabelecimeato, devendo ser por
'kilos os preces das proposta.
Secretaria da Inspeccao do Arsenal de Man-
ttfia do Estado de Pernambuco. 22 de Maio de
4890.O secretario,
Antonio da Stca zecedo.
Arsenal de Mariuha
Concurso para provimenlo elTectivo do9 cargos
de amanuense da secretaria ca iuspe; (-o des-
te arsenal e escreventes das direc orlas de
machinas e consirucves navaes.
De ordem do cidadao capiao tenente Fede-
rico Guilberme de Seaza Serrauo, inspector
deste arsenal, fago publico aos interessados, que
nodia 4 do mez vindouro ter lugar nesla )n3
peceo o concurso para o provimento rffectivc
do3 cargos de amanuense da secretaria da ios-
pecgo e escreventes das directoras de machi-
nas e conslrocQes navaes desle arsenal, de
accordo com o disposto no art. 64 do regula
ment que baixou com o decreto n.".'2, de 2
de Maio de 1874.
Secretarla da inspeccSo do Arsenal ac Man-
nba de Pernambuco, 20 de Malo de 1890.
O secrete rio
Antonio da Silva Az?r>.1o.
C C.
Club Commercial Euterpe
Sarao familiar em 7 de Junho
Os senbores rocos podem enviar as notas dei
seus conviles para a secretaria d-ste club.
Iugressos na mo do tbfsoureiro. preveninde-
se porm que nia terio Jireito a cl'es os socios
qce nao tiverem o recibo do mez de Juuho.
Nao se permilte ?ggregades.
Secretaria do Club Commercial Eu'.erpe, 21
de Maio de 1890.-O I secretario,
Francisco Lima.
Praso de 2*1 dias
Primeira pra^a
Edital n. 41
Pela inspectora desta alfandega se faz puLli
co que as 11 horas do d:a 12 do m<-z de Junho
prximo vindouro nos termos do 3- d*.rt
280 da onsolidacao das lea das aifaodegas e
mesas de rendas, sero arrematadas porta
desta reparlico, as mercador.as abaixo uien
cioaadas:
Armazem n. 7
Marea MC, 6 caixas seo numero, viudas de
Liverpool no vapor inglez Holbom, entrado em
10 de Janeiro de 1890, contendo 240 caixinhas
com paisas, pesando liquido 413kilogrammas.
Marca CAC. 2 ditas sem numero, idcu ideu,
contendo 16 caixiooas com passan, pesando li-
quido 118 kilogrampias
3 scelo da Alfandega de Pernambuco, 22
deMaiode1890.-0 chefe,
Domingos Joaquim daFooseca.
gart ante e uro de carteiro,
2.' classe.
Fajo publico que dorante 30 das, a contar
desia dala, acha se aieita nesla administracio,
das 10 boras da manha as 2 da tarde, a inser
PVlo para o concurso ao proviroeoto de dous lo
jares de praticaute e ura de carteiro. 2.' classe
De confermidaje com os g 4 e 6." du art.
166 do hegulamento vigente, as provns ver-
sarao :
1." Para os logares de pralicantc sobre as lio
guas portoHUi-za e ranceza. geograpbia geral com
desenvolvimento quanto ao Brazit, e anthmeiica
at a tbeoria das proporcoes inclusive, devendo
ser motivo do preferencia o conhecimento das
hngoas ingleza e allema.
J. Para os logares ue carteiro sobre leiiura e
escripia corneas e as quatro oper?c0e9 funda
mentaes da aritbmetica.
No acto da nscnpcSo o candidato apresentar
com o seo requerimeulo, certidn de idade, ou
documenio que legalmentc o substitu, e bem
assim atleslado de que gosa bOa sade, de que
est vaccinodo, e qoe lem bom procedimento
passsdo pela autondade polleia! do logar onde
residir. t
Os candidatos aos logares de pratieante de-
verao ler mais de 18 e menos de 25 annos ue
idade, e os candidatos ao logar de carteiro mais
mais de 18 e menos le 30 annos a Os candidatos poderao apresenlar documen-
tos que comprovem snaf habilitacOes e serviecs,
eem c. raludo dispensarem do roncu'eo o candi
dato, quaesquer que sejam taes documentos.
AdministracAo dos Correios de Pernmboco,
em 7 de Maio de 1890.
Q administrador.
Alfonso do Reg Bnos. ____
Irmandade
DO
SS. Sacramento da
Boa-Vista
eoa eral
De ordem do irmao juiz, convido aos nosso
irmacs a compartcerem em ai osea matriz s
10 horas da maaha de domingo 25 do correte,
anm de assistirmos a missa votiva do Espirito
Santo, c em seguida procedermos a eleicao da
n iva mesa regedora para o anno compromissal
de 1890 a 1891.
Secretaria da irmandade do SS. Sacramento
da Boa-Vista, 22 de Maio de 1890.
0 escrvao interino,
Vigario Augusto Fraoklin M. da Silva-
ConseJho de compras da Re
partieo de Ularlnka
Sopprimento de vveres aesie estabrlecimentoe
aos navios da armada nacional, fondeados oo
porto desta cidade, durante o correte exer-
cicio.
De ordem do cidadao capitaotenente Fredenco
Guilh-rrae de Souza Serrano, inspector deste
Arsenal, faco publico qoe, de conformidade com
a autorisajao do Ministerio da Marinha cm aviso
n. 971 de 17 de Abril ultimo e de accordo com o
disposto no decreto n. 10,410 de 26 de Oulubro
de 1889. recebe fe propostas em cartas fechadas
no da 24 do correte, s 11 horas da raanha, em
urna d3 salas da secretaria desla inspet c&o para
o fornecimenlo dos gneros abaixo declarados, a
saber :
Agurdente, litro.
Arroz, kilo.
Assucar branco em caroco, Kilo.
A-sucar refinado, kilo.
Azeite doce p Btala ingleza, kilo.
Bolacbioha ingleza, kilo.
Biscoutos de aramia, kilo.
Caf em grao. kilo.
Carne secca, kilo,
una de conserva, kilo.
Conserva picante nacional, kilo.
Caf raoido, kilo. *
Caugica, kilo.
Ceneja Goioess, litro.
Chocolate, kilo.
Farinba de mandioca, lilre.
Feijo preto ou mnlatiobo, litro.
Gillioba, urna.
Gelea de marmcllo, kilo.
Guiabada, kilo.
Legumes conservados ou juliana, kilo.
Leite condensado, kilo.
Manteiga ingleza, kilo.
Milbo, kito.
Sal, litro.
Toucinho. kilo.
Tapio a, kilo.
Vinagre, litro.
Vmho de Lisboa, litro.
Vinho velho do Alio Douro, litro.
Dito Figoeira, litro.
Cerveja preta ou branca, nacional ou eslrangeira,
litro.
Carne de vitelo, kilo.
Frango, um.
Filho'.e de pombo, um.
Marmetlada, kilo.
Cevudinba, kilo.
Ovos, dozu.
Sag. kih.
Vinho do Porto, garrafa.
Dito Madeira, icU m.
Pao, kilo.
Bolacha, kilo.
Sao deveres do forne.'eJores :
Art. 34. Os farnecedores, firmando coritracto,
ipsofacto se i brigam :
1 A fornecer 03 arligos ou gneros as quan-
lidades pedidas;
2# A eolregal-os nos lugares que forcm desi
gnados, arrasando os a sua conta, depois de
approrados ;
3* A satisazer os pedidos, dentro de quatro
das uteis. Contados da data cm que se Ihes zer
entrega delles, salvo quando se traUr de ferro
madeiras, cal, barro, arela, lijlos cominuus,
lelbas de barro e paraleleppedos em que o prazo
taazimo ser de 15 dias uteis ;
A Q jando o artigo pedido pela sua natureza
e lendu-se em vista a quantidade, depender de
uiaDufacura, o prazo mximo para o fomeci-
inento ser mareado nos despachos lancados nos
pedidos pela auloridade competente ;
B. Quando o servico publico exigir que se
laoce n03 pedidos a nota de orgentissimo, e nao
dependendo os artigas de manufactura, os con-
traciames tero obrigados a effectuar o forneci-
ment oo prazo de 24 horas.
4o A organisar suas facluras conformo o rao
dlo o. 3 e a legalisal as com o sello proporcio
nal, na conormidade dos arts. Io e 2- do ue-
creio c rcgulamento n. 8 946 de 19 de Malo de
1883, inutilizando as esiampilhaa com a data e
a assiguatur. cscriptas, parle no napel e parte
no sello, conformen art..17 do dito regulamento.
5- A nSo reclamar indemnsagao por prejuizo
algum, seja qcal for a sua procedencia, salvo o
casotc avaria occaslonado pelo pessoal ;dmi-
nistrativo durante o recebimento.
6- A continuar a fornecer os gneros pelos
mesmos precos, re o governo ju'gar convenien-
te, por mais 60 dias alen do prazo do contracto,
sem que por sso Ibe liqne direilo sua proro
gacSo.
Art. 33. Todos os arligos serfio sujeiios a ap
provogao e reprovaco uos peritos cfficialmenie
designados, ficando os contractantcs sujeiios a
mulla de O "|0 do valor delles quando forem re-
jeitados por m qualidade, ou de 10 r|0 quando,
aperar da boa qualidada, nao servirem para o
fim a que forem de-tinados.
I'aragrapho ooico. A reparlico competente,
lavrando lermo de multa, marcar o prazo para
a ub.-tiiu fo d artigo oo genero por qualquer
circumstanoia rejeitado, e nao se verilicmilo a
ubstituicao nesse prazo, ser o srligo adquir
do por ajuste no mercado, pagando o contractau-
le a Estado a diflerenca existente entie o prego
do coutracto c o prego do ajuste.
Art. 36 Os contractaotes que apresentarem
arligos ou gneros depois do prazo designado
licafo sujeiios a mulla de 3 !<> o valor delles,
e na d dem fornecer, qualquer que seja o motivo aprc
sentado.
g 1.* Quaodo se recoobecer que o artigo ou
genero nao foroecido pelo contractantc existe
no mercado, em vez da multa de 10 % ser o
dilo contractanie obrigado a indemnisar o esta
do da differenca que se venlicar entre o prego
do contracto e o prego pelo qual elle: foi adqui-
rdo. ,.
I 1.* Quando o fornecimenlo nio se realizar
dentro de 15 dias otis contados da data em que
espirar o prazo marcado para a entrega, os em-
ssadfl o pedido, se lavrara o
competente termo de multa.
Art. 37. O governo poJer rescindir os
contractos, seo direilo dMamacao alguma por
parte dos contractantcs eflHbso de faltas com-
meltidas por estes.
Art. 38. Quando por qualquer Jf'cumstancia o
contractanie pedir ? resciso do contracto, se
observar o que determina o paragrapho unco
do art. 33 salvo caso especial de extiorcfto ou
liqu'dagio de seu estabelecimenlo mercantil ou
industrial.
Arl. 39. Todos os contractos firmados em vir
tude do presente regulamento nio podero ser
transferidos se nao s firmas commerciaes, tuc-
cessoras dos coolractantes, precedendo declara-
gao escripia de que acceitam todos os onus e
vantagens de seus antecessores.
Secretaria da Iospecgao do Estado de Pe: nam
buco 19 de Maio de 1890. O secretario, Anto-
nio da Silva Azei-edo
Vice-consalado de Hespa-
oha
Fago publico para conhecimento dos subditos
hespanhes residentes ueste districto consular
que, no din 14 de Junho vindouro, expira o pra-
80 marcado peto governo provisorio do Brasil,
para os e.-lraogeiros aqu domiciliados que quei-
ram conservar a sua nacionalidade fazer, nao
somcate oeraote a cmara ou intendencia muni-
cipal e delegacia e fubdelegacia de polica do
luyar do seu domicilio, amo tambem pe-ante o
amulada de ana amo a declarago que trata o
art. 1 dodecreio n. 53 A, de 14 de Dezembro
do anno Ando.
Pernambuco, 23 de Maio de 1891.
Francisco A/fonso Monleiro.
Eocarrega o do vice consulado.
Coasulado de Portugal
Terminando no dia 14 de Junho prximo, o
pi aso concedido aos estrangeiros para fazerem
a declarago de que desejam manter a sua na-
cicnaiidade, e facultando o decreto n. 396 de
15 do correte qoa Ues declaragOes possam ser
Teitas nao s p< rante a municipalidade como
tambem peante os esenves de delegadas, sub-
delegbase consulados, don pela presente scien-
cia de taes disposigOes a todos os cidados por-
tugueses recebendo oeste consolado das 9 bo-
ras da manb at s 3 horas ca larde as deca
rages de todos aquelles que desejarem manier
a nacionalidadejrartugueza.
Consolado de Portugal em Pernambuco, 23 de
Maio de 1890. tt
A. J. Barbosa Vumna.
Encarregado do consulado.
Derby Club de Pernambuco
Tendo-se exonerado de director desta empre-
sa o Sr. Carlos Jos de Medeiros, e achando se
impo8sibilitados os immediatos em votos, con-
forme declararan!; pelo presente convido os Srs.
accionistas para se reunirem em assembla geni
extraordinaria no dia 29 do expirante mez na
sede da sociedade, ao meio da, afim de ser pre
henchido o dito cargo.
ecreiaria do Derby Club de Pernamboco, 23
de Maio de 1890.
Uanoel Vedtiros,
secretario.
Arsenal de Guerra
O conseibo de Comoras deste arsenal recebe
proposias no dia 28 do cor rente, at II no as da
manb. para a comprados arligos seguiotes :
3677-25 de algodozinbo de 80 82 centmetros
de largura.
234 metros de algodao msela.
183"5 de algodao riscado.
3737-75 de bnm escaro de linbo trangado.
1.144 metros de bnm branco liso.
100 bonnets do servico ioterno.
38 bonnets do servigo interno, para operarios mi-
litares.
31 bonnets de formstura para os mesmos.
33 cobertores encarnados.
102 metros de cadarco para ecz (largo)
14-82 de chita para caigas de en liar.
20 carnizas de marim.
20 colchas de chita adam scada.
438 gravatas de couro envernisado.
8 metros de ganga encarnada.
110 metros de hollando de torro.
3 -pares de meias.de 16.
179 paree de meias de algcdo, sem costura, de
n. 11 o 10.
10 metros de morim p ra froohas.
731 pares de sapatos de cooro e bezerro, de ns.
39 40 e 42.
4 ovenlaes de algodao trancado pira consi-
nheiro.
I arreio completo para trargo de carrocinba.
1 baca e jarro de ferro estaohado.
1 baUnga de cima de mesa, com pesos, at 10
kilogrammas.
2 balangas decimaes, com pesos, al 100 kuo-
grammag.
16 bandejas de folba para farinha, com tapaci-
dade para 10 pragas.
1 banheiro de (olba.
1 bule de louga para amostra de rancho.
2 bules de folha para caf.
2 cadeiras de jacarandl com bragos e assento
de palbioha.
15 ditas de dito sem bracos c assento de palhi-
nha. ,_
1 caldeira de f rro batido para 100 pragas.
2 dilas de dito para 25 pragas.
1 caixa de folba para amostra de rancho.
1 caneco de metal branco para tirar 8gua.
11 ditos de ferro es'aohado com crreme.
1 carrocinba para condueco de rancho.
I castigal de lato
8 cestos de palba para faxina.
113 casaos de chicaras e pirts de louga, grandes.
60 casaes de chicaras e pires de metal, grandes.
96 pares de chinelas de coa'o branco.
112 colheres de metal para sopa.
20 ditas de dito para cb.
t collccco de traslados de calligraphia.
16 conchas de metal para sopeiras e terrinas.
1 concha grande de ferro para caldo.
400 enxergoes vasios de algodao riscado.
16 ditos ebeios de palba de dito.
2 ditos ebeios de l.
3 espacadeiras de ferro.
4 facas para cosinha.
2 frigldeiras grandes de ferro estanhado.
2 ditas pequeas.
3 funfs de folha para l,a lilro.
2 garfos grandes de ferro.
5 lampees grandes para caodieiros a kerosene.
1 lala de oltia para cas moido, de 5 kilos.
3 ditas grande para aparar caf para 100 pragas.
9 marmitas de folha para conduelo de raocno.
1 lerno de medidas de folha para lquidos, ate *
litros.
16 raofinques de barro com pratos.
8 oleadi s espseos para mesa de rancho.
4 ourines de louga.
124 praios fundos, de lougis.
124 ditos razos.
60 ditos fundos, de metal.
60 ditos razo, idem.
24 ditos travessos idem.
3 relogios araeri anos para parede.
26 saceos de algodao grosso para coarcare.
1 sacarolha de ferro.
1 serrote para carne.
8 sopeiras de ferro agatba.
2 sinetes com armas naciooaes.
6 talhas de barro com tatnpa.
1 dita de dito com torneira e lampa.
8 terrinas de ferro agatba.
i tcelas de louga. .
6 loalhas do algodao grosso pare mesa d? rancho.
entestado.
38 loalhas de algodao para limpor louga,
4 travcsseiro3 ebeios de l.
50 ditos cheios de palha.
8 urnas de folha para caf.
Obscrvag6es
Previne-se qoe n5o serio lomadas era consi-
dengOo, as propostas que nao forem feitas na
forma do art. 64 do regulamento de 19 de Outu-
bro de 1872, isto em duplicata, com referencia
a um s artigo, mencionando o nome do propo-
nente. a indieagio da casa commercial, o prego
de cada artigo, o numero e marca das amostras,
declarago expressa de sujeitar-se y molla de
5 / no caM de recosar assignar o contracto,
bem como as de que tratam os arligos 87 e 88 do
citado regulamento.
Ootrosim, previne se mais qse todos esses ob-
jectoi sao de prompU entrega, excepto, porm,
aquelles qoe foreui precisos manufacturar.
ernam
23 de Maio de 1890.
O secretario,
Jos Francisco Ribeiro Macedo.
MARTIMOS
Ik'ICK
Companhia Brasileira de
Navegado Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Alagoas
Commandante Joao Mara Pessoa
E' esperado dos portea do or
teaie odia 24de Maio e de
pois da demora indispensavel
seguir para Of portos do su)
Hondas sero recebidas na agencia
at 1 hora da larde do dia da sabida.
Para carga, passagens, e ncommendas e vale-
res rata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
3 yapor Pernambuco
C smmandante Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portos do sol
at c dia 27 de Maio e se-
guindo depoit da demora indis-
ipensavel para of portos do nor-
te ate Mauaua.
Aa encommendas s sero recebidas na agen
da at 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, encommendas, passagens e valo
es trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6mmRua do Commercio=6
l andar
Royal Mail Steam Packei
Company
OvaporTamar
E' esperado do sul no dia 25 de Maio
segundo depois da demora necea-
sana para
? *
2&
Lisboa, Vigo e Santhampton
Reducida de passagens
Ida Idaevolto
1' Lisboa classe 20 a 30
1 Southampton 1* classe a 28 t 42
Camarotes reservados para os passageiros dt
t>e.-nambuco.
Para passagenr, fretes, encommendas. trata-s
a n os
AGENTES
Amorimlrmos & C.
N. 3Ra 6o Bon JesuaN. 3
Companhie de Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Nerthe
Commandante Lecointre
E' esperado dos portos do
sul no dia 2 de Junho
segurado depois dademo
ra de cosiume para Bor-
deaux, tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
clasaesqueba lugares reservados para este
a encia, que podem tomar em qualquer tempe
Fax-se abatimento de 15 0|0 em favor das fa-
ro das compostas de 4 pessoas ao menos e que
pagarem 4 passagens inteiras.
Por exccpgo, os criados de familias que to-
marem bilbetes de proa, gozam tambem deste
aiatimente. ,,..
Os vales postees s se do at o da 31 de Maio
go pagos de contado.
Para carga, passagens, encommendas e di-
ah-ro a frete : trata-se com o AGENTE.
O paquete Orenoque
Commandante Mortemard
E'esperado da Europa no
dia 3 de Junbo e segui-
r depois da demora ae-
cessana para
Fala, Rio i* Janeiro, Buenot-Ayre t
Montevideo
fjembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em quatquer temno
Previne-se aos Srs. recebedores de mercado-
ras que s se attender a reciamaces por fal-
ta i, nos volumes, que forem reconbeddas na
0 aaio da descarga, assim como deverao dep-
tr de 48 horas a contar do dia da descarga das
a varengas, fezerem qualquer reclamac4o con-
3ernente8 a volumes que porventura tenham se-
znido para os portos do sul, afim de poder-se
Ja.* a tempo as providencias necessanas.
Bates aq-aetea o iiinml-aado *
1 i eieclrlc.
Para carga, passagens, encommendaa. e di-
q leiro a frete: trata-se com o
AGENTE
Auguste Labille
9 Ra do Commereio 9_____
lUCAHA
cipaSTia pbm
DE
'aregaeSo costelra pr vapor
POR'IOS DO SUL
flacei, Penedo, Araqju' e Baha
O vapor Beberibe
Commandante Pereira
Segu no dia 24 de Maio f
,5 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 23.
Sacommcndas, passagens e diheiros afrete.
u as 3 horas da tarde do da da partida.
ESCR1TTORIO
ia Caes da Companhia Pernambucano
n. 12
CHARGEURS REUNS
Companhia Frm--
DE
Navegado a vapor
LLiha quinaenal entre o Havre, Lisboa
Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro t
Santos.
ViUe de San Nicols
Commandante Tauquery
E' esperado da Europa at o dia
2i de M:iio segurado depoi*
da irdi?pensavel demora para
., Kio de Janeiro e Santos
Aoga-se aos Srs. importadores de carga pelef
.a ;-crcs desla linha, queiram apresentar dentrr
le" 6 dias a contar do da descarga das al varengat
ma'.quer reclamag o concernente a volumes qut
jorveutura teaham seguido para os portos de
ul afim de se.poder dar a tempo as prov
iencias necessarias.
Sxpirado o reerido prazo a companhia nao
esponsaisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e ai
ifairo a frete: trate-se como
AGENTE
igflste Labille
9 RA DO COMMERCIO-9
i^"
-ompannia oan
vega Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Eatancia e Babia
O VAPOR
Mrquez de Caxias
Commandante Bernardes
E' esperado dos portos acuna
al o dia 24 de Malo regressan-
do para os mesmos depois da
^^emora do costme.
Kitt carga^asesgens, encommendas e dinbei-
ro a frete trate-se com o
AGENTE
'edro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vigario 17
'S? a.'
COMPANHIA PEBNAHBUCAJVA
DK
tfavegacSo eos te Ir a por vapor
PORTOS DO SUL
Tanandar e Rio Formoso
O yapor S.Francisco
i^M^>, Segu no dia 28 de Maio s 5
SLboras da manh. Recebe carga at o
Encommendas, passagens e dinheiro frete
is 3 boras da tarde do da 27.
ESCRITORIO
Ao cae* da Companhia Pernambucana
n. 12
d i ted States and Brazil
M.S.S.C.
O vapor Finalice
E'esperado deNewYore-
at o dia 29 de Maio
o qual depois da de-
mora necessaria seguir
para a
Baha, Ro de Janeiro e Santos
Para passagens carga, encommendas e di-
leiro a frete:. trate-se com os AGENTES.
Ovapor Advance
E' esperado dos portos do
sul at o dia 3 de Junho
o qual depois da de-
mora necessaria seguir
para o
HarauhSo, Para, Barbados, S.
Thomaz. Hartlnlqoe e Mew-
York.
Para carga,
aheiro a frete
passagens, encommendas e a>
trala-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Commecior8
1'andar
I
Lmhas de vapores mensaes
PARA OS PORTOS EO SL
O vapor austro-hngaro
Zichy
irtfir s
E' esperado at o dia 26 do or-
rente e seguir depois de breve
__,damora para a
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Faete mdico para carga a tratar com
E. S. Levy
Ra do Cerrmercio n. 22
Pacific Steam Navigation
Compan\
STRATTS OF MAGELLAN LDIE
O. paquete John Eider
Espera-se da Europa at o da
1 de Junbo e seguir de-
pois da demora do costme para
Valparaso com escala por
Baha, Rio de Janeiro e Montevideo
Para carga, passageiros, encommendas e di-
heiro a treie: trate-se com os
AGENTES
Wiisou, Sons k C, Limited
14RA DO C0MMERCI014
LE1L0ES
Agente Stepple
2 leilo
De 2 casas terreas de ns. 56 B e 36 C, ra Mo-
locolomb om Afogados, em solo forero
Sabbado, S'd do corrente
A's 11 horas em ponto
No armazem ra do Imperador n. 39
O agente Stepple, por mandado e assistencia da
Exm.Sr. Dr. juii de dlreito de orpbos e aasen
tes, levar a le:ISo as casas acimaa requerimente
da inventariantc D. Maria das Mercs Ferreira
Alves.
Os Srs. pretendente3 desde j poderao ir exc
minar as casas,e uma casa terrea o. 9 ra daf
Laraogeiras. terreno proprio, com 2 portas de
frente, 2 salas. 3 qnartcs e quintal.____________
Agente Brito
Leilo
De movis, toacas, vidrose 1 piano
Uma mobilia de jacareada, 1 dita de junco, n
cama franceza de Jacaranda. 1 dita de amarello.
1 roarquezo largo, 1 dito estreito, 1 guarda
vestido, 1 toilette, 1 meia commoda, i lavatonc
com pedra, 1 dito de amarello, 2 banquinhas, I
mesa com 2 gavetas, lmesa elasfea com 4 boas, 1 dita grande de amarello, 1 guarda-louc;,
2 aparadores, 1 guarda comida, 12 eaaeiras ac
junco, 10 ditas de amarello, 1 marqueza, 1 sof, 8
cadeiras de balaoco, 2 ditas de braco, 2 cabidef'
de columnas, t dito de parede, mesa e bance?
de goiabeira, 1 mesa redonda, 1 relogio de pa-
rede, 1 caixa grande de amarello, 1 mointc
grande de caf, 1 filtrador, 1 tapete para so, %
jarros, talheres, colheres. louja para almos c-
jsntar, copos,clices, garrafa; para vinho, bande-
jas, 2 serpentinas de 3 luzes, escarradeiras e oc
iros moitos object03.
O agente cima, autorisado por uma famiU
que retirou se para o Estado Federal, far le'r
dos objectos cima declarados.
A' roa da Imperatriz n. 5, 2- andar
Segunda felr*. do correcto
A's 10 lj2 horas
Leilo
De bons movis
CONSTANDO DE :
Marquezes para casal, ditos para eoltein.
mosqueteiros, colxOes. travesseiros, sofs dt
amarello, ditos de Jacaranda, meias commoaa
da amarello, commodaa intciias, ditas deacr
randa, consolos de Jacaranda com pedra, dito
de amaiello, cadeiras de balanco de amareMe.
cadeiras de guarniSo de traalello, ditas de
brajo de jacarando ditas de guarnico dejacf-
rand, palba da liba, lavatorio) de amarello, dr
toa de ferro, mesas para jogo, d Jacaranda, ditB
de amarello para cabeceira, ditas redondas ti
amarello, mesa elstica de amarello, dte pae~*
tar, de amarello, mesas, banquinhas, jan
ras de amarello, cadeiras de junco, cabide
columna, ditos ce parede, ditos mericaBOfc
thear para bordar, cavalele para pintura, igm


i -



*
I


-}
A
i
A
1
*
Inorados, ditos menores, ondas de
trame e ama'ell o, guarda roupa de amarillo
Eirda-vestidos, quadros de oleorapbia, es-
te par litros, biombos, relogio despertador,
ticbiaa de costura, jarros de alabastro, pannos
ale mesa, escarraderias, porta-toalhas bonitos,
lieos, do Cear, candieiros de gai, tabobs de
pinbo para diwses e moilos outros movis.
Terca-feira, 9 da corrate
As 11 horas
Na roa do Visconde de Goyanna n. 90.
perto daestajS)
O agente Martins, competentemente autorisa-
o far leilao de todos .os movis existentes no
sobrado n. 90. ra do Visconde de Goyanna.
Ao correr do martello
Leilao
De miudezas e perfumaras
A SABE'<:
4 caixas cjm sabooetes, i caixa com botOes de
adreperola, coliarinbos, frascos oes celia, can
tfeiros a gaz, relogios, qmdros, bocaes para
Otndieiros, 2 mangueiras, silbas, accotdioes, lan-
ternas mgicas, araadelas para gas; anustarda,
papel almaco, de peso e dt cores, copos, louca e
fiaros.
Segnada-feira. do corrate
A' 11 hora
Ra
Agente Pinto
do Bom Jess n 45, armazem
Leilao
De fazeadas avariada.
CONSTANDO
te diferentes pecas de brm, fustao de cores,
arte da carga marca T P n. 2689. descarregada
Se bordo do vapor fraocex Ville de Rosario, com
avaria d'agaa do mar.
Differentea < e^as dealgodao mesclado, tambem
araadas e nutras fazendas.
Segunda-fela, do corrate
A' 11 horas
Boa da Bom Jess n. 45, arnatem
*te Pinto
Agert
Ag-ente Sil v eir
Leilao
De movis, quadros, toncas e
Tldros
eganda-felra, *G do corrate
A'b 1012 hora
No 1." andar ra Estreita do Rosario
n. 9
O agente Silveira, autorizado por ama eenhora
Sie se retira pan o E.-tado do Para. f vara a lei-
o urna mobilia de Jacaranda com pedra, cama
francesa, 1 toilette, mesa para jantar, cadeiras
te guarnico. ditas ae janeo, qua ros, louca,
Tldros. e:ageres e mais movis patentes no acto
do leillo.
Ao correr do martello
UiCUlUl
UfMituuuu to aiudi'
cabide de parede, 1 banca coa gaveta, i meta
elstica de 3 taboas, 1 guarda lonja, 2 aparado-
res, U cadeiras de junco, 1 relogio de parede'
i mobilia de Jacaranda completa, 1 caudieiro bele
ga de suspeuso, i sof de Jacaranda, 6 cadeiras
de pao carga, i lavatorio de ferro com jarro e
baca, i machina para gelar bebidas, 1 carro
para menino, loucas para jantar e Jmoco, copos
garrafas iicoreiros, talberes, colheres, bandejas
e muitos outros objectos.
0 agente Gusmo autonsado por urna familia
que retiroa se para fora do Estado, fara leilao
dos movis e mais objectoi cima mencionados,
os quaes foram transportados para o referido
sobrado.
Leilao
de movis, quadros, jarros, candieiros, toncas e
vidros.
Quar/a-f elra, *da arrate
Agente Pinto
Segunda-feira 2!$ deve ter logar o leilio de fa
sendas ava riadas, miudesas, e perfumaras, pelo
agente Pinto, no armazem da roa do B.m Jess
o. 45.
Terca-feira 27 o de 3.309. fardo? de alfafa em
om ou mais lotes, no armazem Visconde do Li
vramonto caes da Couip..ohia Pernauibu:ana.
Quarta-feira 28 leilao de urna linda mobilia a
Luiz XV emui'08 outres movis.
AVISOS DIVERSOS
Aluga se o chalet do Caminho Novo n 128
e tamben, se vende o mesmo sitio com as duas
casas, cojo ar sandavel, trra e fructas sem
melbor ; a tratar no mesmo sitio at as 9 horas
ou 10 da manh. No mesmo si io vende se ama
mobilia de Jacaranda macico, em perfeilo esta
do e looceira. e varias plantas preciosas.
Alugam se duas casas sitas na ra Direita
de Afogados prximo a ponte, sendo urna com
muitos commodos para urna familia, e a outra
propria para negocio por ser em caixi ; a tra-
tar na mesma ra, ra padaiia do cidadao Justi-
no Moura._________________________________
Precisa se de ama criada para engoramado
e tratar de quartos em casa de familia ; no Ar-
senal deMarinha, residencia do inspector.
Alugam-ae casas caladas e pintadas nos
sndos de S Goncalo, a 8*000; a tratar na rna
a Imperatris n. 76.
Aluga-se por preco commodo o sobrado n
153 ra imperial, por partes on todo, preferin-
do se alugal o todo : qu^in o pretender dirija-se
a ra do Imperador n. 36, 1 andar, direita.
Precisa se de urna ama ; no 2- andar do
largo do Carmo n. 16.
Leilao
alfafa
dos com-
C,
De cerca de 3,300 fardos de
Em un ou mais lotes vontade
pradores
Terca ftira, 37 do crrente
A'b 11 horas
Agente Pinto
So armazem dos Srs. Livramento d
outr'ora Visconde da Silva Loyo
___Agente Stepple__
Leifo
De 27 barra de 5." marca O C com t
nko Alcobaca, para fecbamento de con
tas
Terca-feira. ti do corrate
A' 11 hora
No trapiche da Companhia, no largo do
Corpo Santo n. 19
POR INTERVENCO DO AGENTE
Gugmao
Leilao
de um sobrado de dous andares sob n. 30
ra de S. Pedro Martyr, em solo pro-
Srio e muito fresco, na comarca de
linda.
Quarta-feira, 28 do corrente
A' 1 hora em ponto
Na Cmara de Olinda
0 agente cima, por despacho e assistencia do
Ism. Sr. Dr. juis de direito de orpbos e asen
tes, levara a leilao o importante sobrado cima,
pertencente a menor Haria, herdeira instituida
ao testamento do flnado Domingos da Silva Tor-
res.
Os Srs. pr tendentes desde ja podero ir exa-
minar o referido sobrado. A chave acba-se em
poder do mesmo agente.____________________
Agente Stepple
Leilao
e ama casa e soto, sitio e orna grande baixa
de capim de invern a verao. sita ra do
Baro ae Vera Cruz, sob n. 28, na comarca
de Olinda, e urna dita na mesma ra sob n
30.
Qaarta-felra, do corrate
A' i hora em poeto
Nm Cmara Municipal de Olinda
O agente Stepple por mandado e assistencia
do Exm. Sr. Dr. jais de Jimio da comarca de
Olinda, a reqaer ment do inventa rante dos bens
deixados por Jeronymo Justiniano Figneira de
ello, levar a leiu o importante sitio com
ama grande baixa de capim.
Os Srs. pretendeotes desde j podereo ir exa-
minar o referido sitio e casa.
jente Stepple
Novo leilao
da matta Pitanga, na comarca de Goyan-
na, pertencente ao espolio do finado
cororel Jlo de S ('avalcante d'Albu-
sjsjsaaaa.
Quarta-feira, 28 do corrate
A' 1 hora em ponto
Na Cantara Municipal de Olinda
O agente cima, por mandado e assistencia do
Hxm. Sr. Dr. juizde direito da comarca ae Olio
do, a requerimeoto do inventariante, levar a
lalao a matta cima deecnpia.
s Srs. prelenli-stp* desiin ja poderao ir exa
sanar a referida mat'a.
Precita te de urna boa cosmheira ; na ra
do Vigaro n. 5 aimazem.
O Sr. M. T. S. ha das nolhe vejoTao
e trata de restuicao de ordenado, inissim
daqoellas a plices, do cordo, do recib Jaquel
le ancio dofacto dapadaria, et :eliqua, nao
obrigne a usar se dos meios irregulares.
O Sr. lo francisco da o.-ta Ferrtira
praticante do Correio, appareca para eslitoir
aquella...
abaixo a declaram que nesta data
dissolveram amigavetmente a sociedade corn-
ial que gira va sob a firma de Pinto & Costa,
Sondo o socio Justino Antonio Pinto nico res
ponsavel pelo activo a passivo da dita firma, re-
tirando se o soca Manoel Gomes da Costa pago
integralmente de seu capital e lacros.
Recife, 12 de Maio de 1890.
Justino Antonio Pinto.
Manoel ftomead Costa.
Ama de Jeite
Precisa fe ae urna nma deleite; na roa da
Praia n. 83, 2- andar._______________
Precisa-se de urna casa
com gaz e agua encanada e
bastantes commodos para
pequea familia.
A tratar na ra do Mr-
quez de Olinda, n. 13.
JF melhur snmrlcto
_* *a
e >' a
2 *progad oom a
% Odontalina
*L PBlS :-SiMlfli- 24. na JTbeMsi _

*r*
Vende-se
ama (averna, afreguezada e de pouco capital: a
tra'ar na ra do Baro do Triumpho n. 62, an i
ga do Brum.
Arma^o
Vende-se barato a da loja do Livramcnto nu-
mero 8.
Va ceas tourinas
Vendem se vaccas touiinas com crias, dando
leite, por seu dono ter de retirar se para fra do
Estado por incommodos de sadc ; na cocheira
da roa Sebastio L -pes n. 33. Para mformacoes
na ra do Pires n. 31, Uverna, defronte da ami-
ga caixa d'agua.
Patacoes e ootias moedas de < aro e prata,
compra-se pelo maior precu ; na roa do Com-
merclo n. 4. _______
Tendo se extraviado um conhecimenio da qaan
ta de 1.350*000 correspondente a igual quantia
que rerolbi ao cofre do Tbesouro tesle Estado
afiu de arrematar a obra dos reparos da ponte
de Afogados; peco a quem o adiar qneira en-
tregar ao abaixo assignado que ser gratificado.
Joo Lios Cavafeante de Alboquerqae
arrendar uro engenho
c prximo a algurua
Precisa-se
em bom estado
das linhas frreas. A tralar na travessa
da Madre d&Deus n. I.
o 2 andar da casa roa de Domingos Jos
Mart ns n. 138, com muitos commodos para
grande familia, com agua, e apparelho, muito
bem conservada e em estado de asseio, muito
bvgienica por ser de oito e tendo tres vistas
lindissimas, por prego muito commodo ; a Ira
lar no armazem n. &, ra Mrquez de Olinda.
A os pais de IV. mil i a
Urna seuhora titulada pela Escola Normal,
offerece-se par, leccionar em engeohos e casas
particulares portuguez, rancez, aritbmelica,
deseabo, geographia, geometra, bordados a
ouro, alto relevo, mtiz, papel de arroz, flores
ma ira. etc. ; a tratar na ra da Concordia nu
mero 170-D. > _.,_________^__
Ama
Precisa se de ama ama para trat r de casa, e
engommar para duas pessoas ; na roa Mrquez
do Herval n. 10.
agostinho tmonio de Sonsa
Mara Jos de Souza, Jos Antonio de Souza
sua mulber e (litios, Mana Etelvina de Souza,
Joo Antonio de Souza, sua mulher e filbos.
Lno de Abren Cerqaeira e eaa mulher, agrade
cem do intimo d'alma a todos aquellos que
acompanbaram ao cemilerir publico os restos
mortaes de seu prezado p to, Agostinbo Antonio de Sonza, especialmente
ao amigo Louis Vernet, pelo muito que prestou-
se, e convidara aos parentes e amigos e aos io
tirado para as6stirem ae missas do stimo dia,
que tero lugar na i reja do Mooteiro, sabbado
24 do corrjnte, s 8 horts da manh, pelo qu
se confessam eternamente agradecidob._____
A luga-se
Attengo
Os proprietarios da 'Mercearia Comparativa
participam aos -eus d;.- lindos freguezes e ao
respeitavet publico que receberam pelo ultimo
vapor Paranagu urna grande remessa de um
especial
vinho Collares
qual se pode experimentar que nao tem alcool,
o puro de uva e tem um tabor agradavel. pois
nao ha igual para a sande. Recebem tambem o
jbem conhecido e acreditado
VJnho Douro
A ella qne a nica casa que recebe e retalha
os viobos mais paros neste mercado.
A' ra Larga do Rosario n. 20
Marques Sobrinho Novissiuao livro de ioleress-mtes sortes
para recreio ds (estivas noiles
DE
Santo Antonio
8-
-POR
OLI7SBI0 JTO10S
COKTENDO:
Orna linda e variada collecco de sortea e de
jogo* de cartas, como o E'cart e de sociedades
como os PROVERBIOS.
. .En acedo, ama immensa collecco de receitas
uteis e de perfumara e cosmtico, um otilissimo
k'ilendaro agri ola, nma i m rae quaitidade de
logrogripbor'. enigmas charadas e problemas e
orna iriflnidaae de contemes Dalaias, fbulas,
mi-timbas loodas, an^xins, anedocias, romn
re* nihi nUntos, definigM s eitpirilosas, poesas
h ontrtt ci>ba*s m>i8 alen, de ui a nova e salli-
une po ka de composivo do festejado professor
i 'audio da Cama
o inspirado amor da S'eila, A Moremoba, lato
Sim. Sensi el Rsks de Aun i Va Entrando,
Tais toi mon cosur? Nftn C ei ?. Ma iota, Risos
de Yaj, e tantas outas pinkar t w.lsas que de
continuo se toraiu e n- dans in at)- si ns ais mes
mas, constituindti deiiiin do- nipih<>re4 salos,
dencjn.uiada pa Teu fcn<-nioa f eoffe-
recida ao b'-^ln seiu pfri,i,i)jtiooo h editada
pela LIVRARIA FR NChZ rna i .ip Marco,
, n. 9, Peinambun de 4. ~T jSe Medrlroa
Ba.uarro* fan. bono,, 1 earfi Preco de om vi.lnme iuujiiieu jcum fcstfr^iecs*fadein8, tcatdifirp>h ntend.. 112 paginas, ioelusive a marica. .
a;8Vfos*ai-. caf tnur Isa** pua .MaaiJ bo o i I f)
l.eilci
espe-
e vi-
De mobiliaa de, junco e jpcarand,
lho oval, quadroa a oleo, iougaa
droa
Quai tafeir, 28 do corrente
A'b 11 horas da manhS
Ho 1' andar do sobrado ra do Impe-
rador n. 44
COMSTAJIDO:
% i-mobjtia d janea f dtlsiia, qom $ Mi
draadasnarnuai) 4.ditas.44hsafflS, ,1, as e)
molo* casp pedra 1 eetbo .oval mMm
., %%uUxm. a oleo 1.ditos ile^
24 DE MAIO DE 1889
arla Carolina da Coata e Silva
Jos Rufino CUnuco da Silv- e seus filho.-
rcenores, Miguel dos Santos Costa e sua mulher,
Migiipi doi Santos Costa Jnior, Joaquim Ramos
da Costa, Manoel Tbornaz da Costa losa Brul-
cio dos Santos Costa, capito Francisco Jos da
Costa, convidam aqs sena amigos e parentes
para assistirein as missas que mandam celebrar
na igroja matriz de Santo Antonio, pelas 7 horas
da manh de sabbado 24 do corrente, pela alma
de sua presadissima esposa, mi, fili, iruia e
sobrinha Mara Carolina da Cosa e Silva. 1
anniversario de seu fallecimento, agradecendo
desde j a todos aquelles que se dignarem com
parecer a este acto de relit;io e caridade.
Anna Cavalcaale de Barros Mon
tetro
Joaquim Cavalcante Leal de Barros, sea ir-
mos, mulber e lhos convidam seus parentes e
amigos para a.-sistirem a missa que mandam
celebrar na ordem terceira do Carmo, s 7 horas
da manh do dia 26 io correte, por alma de
sua sempre chorada irm, cunbada e tia, Anna
Cavalcantu de Barros Munteiro, fallecida em
Alagoas a 19 do corrente.
t
Dr. Miguel Felippe de Souza Loo, seas fi
Ihos. genros e oras ogradecem a todos os ami
gos qoe fixeram o favor de a :ompanbar os res-
tos mortaes de sua tillia D. Mara da Conceico
Souza I.f ao, e rogam n todos, os seas amigos o
favor de assislirem as missas que por sua alma
maudam rezar no dia 24 do correte, stimo, do
sea fallecimento. na igreja matriz de Santo An-
tonio e oratorio no engenho Tapera, s 8horas
da manb, pelo que se conlessam summamente
gratos. .._______
1
fcorgina Aukumim e Aieved
Jos Martins de almeida, masas, tia, primos,
cunhado e mais prenle* agradecen) a todas as
pessoas que acompanharam os restos mortaes
da finada Gorgioa Augusta de Aievedo ao cea )-
terio publico, e de novo as convidam assisti-
rem a missa do stimo dia, na matriz da Boa-
Vista, no dia 26, s 7 horas da manb, e desde
j agradecen) este acto de caridade. __ -
t
Francisca Romana da Cuni.a Lima. Joo Fer-
reira da Conba Lima, Vicencia Ferreira da Cu
oha L'ma. Joo da Cunha Moroira Al ves. mu-
lber, lilhos, sogro e mai parentes do mditoso
finado Antonio Eleosipa de Lima, mandam rezar
urna missa no dia terca fcira 27 do correle,
pelas 7 horas da manb. s timo do sea passa-
montc, na igreja de S Goncalo. para, o que con
vidam aos amigos e prenles do mesmo finado a
oovirem a dita missa pelo etreo repous > de
sna alma, pelo qne muito gratos loes ficarao por
p>>p a<'tn .e i> livio.
capital
Vende se o extenso armazem n. 51, no caes do
Apollo, em fi\n'.e da nova ponte Buarque de
Macado, com capacnade para recolber de 9 a
10,000 barricas de farinba de trigo ou outra
mercadura em proporco, e dous sobrados con
liauos com frente para a ra Domingos Jos
Martina, do todo constitundo ama boa acquisi-
cio : tratasecom Matbeus Austin & C. ra do
Commercio n. 18.
Casa e sitio
Aluga-se a casa n. 1, na estrada velba da Pas-
sagem, com baixaa dt capim e muito terreno
para plantaco, dous grandes viveiros e muitos
arvo.edos de frocto ; offerece muita vantagem a
quem liver negocio de vacas ou carrosas j faz-se
arrendamento por tempo que se convencionar :
a tratar na ra Visconde de Goyanna n. 167, ou
ra da Madre de Deui> n. 7.
O commercio
Preciea-sd^b urna pe;soa para assoar se
ctp) molnados n'ura arrabalde des'a cidade,
bem afreguezada e em boa locslidade, com pou-
co capital : quem pretender deixe nesta typo
graphia carta oom as iniciaes H. F M.
B
om negocio
Precisa-se de um rapaz com bastante pratica
de molbados ou algum capital para eoco de nma
taverna em boa localidade, na freguezia de. San-
to Antonio; a tratar na ra da Detenco n. 29.
Excellente morada
Aluga-se agrande casa e sobrado do Dr. Ay-
uGuma, na estrada de Joo de Barros, peno
das estafes da En :ruzilbada, das ferr j-vias de,
Olinda e de Limoeiro, com immensas accomiuo-'
dacoes, jardins, arvores frnctifer; s da melbor
qualidade e vasto terreno, quer para plantacoes,
qner para criocao ; a tratar no mesmo sitio.
JlSPtrBJFJCe
O abaixo assignado resolveu participar
aos seus amigos e freguezes que contina
a ter sempre o mais completo sortimento
de :
COGNACS destacando o afamado
Pn>, que um dos que mais se pres-
tara a tomar-se coa leite.
V1NHOSO Palhete sem prejuizo das
outras marcas, especial.sando tambem o
magnifico Bordeaux Republique Brtil-
lienne.
LE6UMESem conserva, especialida-
des como nSo se enconbam em qualquer
casa.
CARNE 3 em conserva, especiaos como
nunca vieram aqu.
PEIXEStambem o que ba de mais
variado.
VER VEJASonde se destaca a bem
conhecida e digna de celebridade Paulino
Bier.
CHARUTOS nm grande sortimento
das melhores marcas, e por precos muito
commodos.
Alera destes artigos acha se o seu eeta-
belecimento sempre supprido de tndo
qusnto se possa desejar d'um bom esta-
beleciment d'aquelle genero
Ra do Imperador n. 28.
Paulino de Oliveira Maia.
Preparado vinosa depurativa
Approvado pek Illnitrada Juta de
Hygiens Putlic-, da Corte.
Auctorisado por Decreto Imperial
de 2o de Junho de 1883.
COMPOSICO
de
firmino Candido de Fipeiredo.
Empregado com a maior efficacia no
rheumatismo de qualquer naturea,
em todas as molestias da p*ll*, as
leucorrht'as ou flons brancas, nos
soffrimentosoccasionadospela impureza
do sangue, e finalmente as differentes
formas da syphilis.
Dse No primeiros seis dia nma
colher das de cha pela manlia e outra
noite, puramente ou diluida em agua
e em seguida mudar-se-ha para collie-
.-es das de sopa para os adultos e me-
tade para as changas.
Rgimen Os doentes devem ab-
ster-se apenas do alimento acido e gor-
duroso; devem usar dos banhos frios ou
momos, segundo o estado da molestia.
BIPOUTO OIKTSAL
Francisco Manoel da Silva & C. *,
l>roguitasi j;
23 Ra Marques de Olinda
Pernambuco
t
f.i
>lm> Aaloaio de AraJ
Sgan feira 2* do corren e mez, vigsimo
da do passaraantq de Jos Anloaio de Araojo
Livr;.m"rt.. ceicbram se missas a 8 oras o*
manhi. noQpnvcn do Cana, por wu eterna
repouso. _________
sp{4.'+'+l++4-4"r++++-f++++++>{
Protesto
Os berdeiros de Manoel Antonio Soares da
Fonseca, proprietarios da sesmaria Capivara,
da comarca do Bonito, Ce parte da qual acham-
se illogalmente de oosse os berdeiros do coronel
Marciomllo da Siheira Lins e outros tendo se
de proceder ao inventario dos bens deixados pelo
mc.-mo coronel Marcionillo, protestam em tempo
contra o pretendido direito pos.-e da referida
parte dequella sesmaria em que indevidamente
se acbam os mesmos berJeiros, e bem assim
contra qualquer transmissio que da referida
propriedade queiram f zer outros iojnstos pos-
suidores, visto como pretend^m os protestantes
brevemente proceder a demarcaco judicial de
dita propriedade Capivara.
Urgente
Vende-se om siii diborisado e com boa casa
je morada, na e- irada do G qui ; trata** na
doa di Imperador n 61 I andar
VERMIFUGE COLMET
CHOCOLATE m SANTONINA
OViUtni im ttuu a liubmu .
Itti vrnitmgo t KM11.W1 pal (L
outtticnitiil t/
Exigir 1 iuintturi : J
8ri. ae, s do Timpu m >raa>m tfci
Practsa se de-urna ansa pasa oaatobar en
in.nnr. para nma nessoa : na roa a#treita de
K.arfen. 2, I Mdar.
^00 enTz
PARA O CABELLO.
Augmenta, Aformosea
E FA2 CBJHSCEB O CABELLO
com assombroba rapidez
HJUKDZlW&.
Rna narque* de OUada n. 13
Armazem de cerveja, vi-
ohos, champagne, licores,
cognac, agua mineral, con-
servas, etc., etc. nico
deposito da afamada, cer-
veja Phoenix de Dortmuud
e do chocolate Ph. Su-
chard de Neuchatel pre-
miado com a medalha de
Ouro na Exposic,ao Univer-
sal de Pariz em 1889.
Agencia da grande fa-
brica de charutos Danne-
mann & C, S. Flix (Rahia).
Criad
heira
os e cosin
Na ; ua Direita n. 74, 1- andar, precisa-se de
criados que tenbam pratica de vender, e dt urna
boa cosmheira que saiba trabalbar bem em bo
seo era oulras iguarias de vendagem.
Compra-se
um cylindro americano para nadara, asado; no
armazem de molhatlos de Gomes Alves C,
no pateo do Terco n. 86.
Alugam-se barato
o 1- e 2- andares ra de Bemtira n. S (Passa
gem da Magdalena) com muitos commodos, agua
e gaz encanados, bom hatillo doce e salgado,
porto no fondo, asseiados ; a tratar na pharma
cia Conceigo, ra Mrquez Ce Olinda.
Sitio na Magdalena
Alaga se um, com excedente casa para gran
de familia, toda pintada e forrada a papel, com
gaz. agua boa latrina e bond aporta; trata-so
com Antonio Gomes de Mattos ra a Cadek
numero 25.______________________________
Precisa-se
de urna mulher demeiaidade, que vivaindepen-
dente e que lenha bons costumes, para os ser
vicos internos de casa de duas pessoas e durma
em casa ; a tratar na roa do Caldeireiro n. 7. A.
das 7 as 9 da manb e das 4as 6 da tarde.
Ao commercio
Alexandre Antonio da Silva oliveira declara
a quem interesssr possa, que tendo comprado
ao Sr. ManoelFrancisco de Almoida, a 2 do cor
rente, o hotel denominado Aucoradouro, roa
Manz e Barros n. 9, livre e desembaracado ; pe-
de a quem tejulgar credur de presentar suas
con tas para serem pagas.
Aos agricultores
O bacbarel Petronillo de Sania Cruz Oliveira
contina a encarregar se de levantar empresti
mos para auxilio da laveura sob bypotheca de
propriedade? e penbor de safra ; na roa do Im-
perador n. 69, 1 andar.
Coro $ arate
Compra-se, como tambem
moedas, ra do Cabug
n. 9.,;loja de Augusto Reg.
Acaba de ebegar do Ro de Janeiro a 4.a
edicto ltimamente publi 'ada da
Herona por Excellencia
ou
Sovo Mee Mariano
Approvada e indulgenciada pelo Episcopal Bra-
sileiro
PELO MON'SENHOR DR.
Manoel da Costa Honorato
Acba-se venda na livrana Econmica de
Jos nogueira de Soasa, ra do Imperador
numero 73.
Cada exemph.r encadcrnado-3#O00
Aos sapateiroe
Acaba de ebegar para a loja da rna do Livra-
mento n. 19. um aovo sortimento de formas
f-ancez^s para calcados de bomens, senhoras e
meninos. So mesmo eslabeleciOiento os senbo-
res sapaleiros encotraro sempre um completo
sortimen'j de aviamentos para fabrico de s-alga
dos e por r-coB sem competencia ; s6 no Bazar
do L vramo'i'o a. 19.__________________
De JSorocaha
Declaro que soffri muito ten: po, fazendo
uso de mei'-icament^s sem resultado, e,
asando tres aias apenas da -Injeccao M.
Morato sarsi coota)tamente de urna
chronica g iwirrba qo-me aiwrmntava.
Faca uo deste fumo ci-nvier.
AnUmi* F. Fonioura.
Est i-fcoobaaida a airan* poi. ubeHilo.
Agentas opnauaros m Fernabuco:
Francisco M. d Silva :., roa Marqoaa
da Ol.uda u. M.
PETPORAL de CEREJA
Do Dr. Ayer.
Aj enfertidadoa mais dolorosaa da nrnmts
C doa pulmSea, ordinariamente desenvolvem-se,
tendo bor principio bases peqi-.enas, cu jos resulta-
dos nao sfio dlmola de curar se promptamente ae
tritio com o remedio conveniente. Os Rcaft-i-
adoa e u* Toases dSo reciprocamente o resultado
de Laringitis, Asthma, Bronchitia, AflVw-
co Pulmonar e a Tsica.
Todas aa famllus que tem eriantjas devem ter o
Peitoral de Cereja do Dr. Ayer
em casa pare o asar em caso de necessldade.
A perda de um so dia, pode em muitos casos
accarretar serias corieqaencius. I'or tanto nao
e deve perder tempo precioso, experimentando
remedios de efUcacla duvidosa, emquanto que
a enferraidade se apodera do systema e se arraiga
profundamente, entilo que se necesslta tomar
nesse insiuntc, o remedio raals certo e activo em
seu effeito, e ette remedio sem duvlda ulcuma
o r-rrofw;- oe Ckkeja do Dr. AT_r.
PREPARADO PELO
DR. J. C. AYER & CA.,
liowell, Mass., Est.-Unido..
DEPOSITO GERAI.
A
Alaga-
se
em Afoga los urna casa terrea, muit < limpa, com
bons commod s para familia, na ra Direita,
junto a ant'.ga estaco das diligencias ; a tratar
na ra estreita do Rosario n. 9, jnnto a igreja.
Ama
Precisase de urna boa cozinheira, que faja
compras no mercado, para casa de familia com-
posta de duas pessoas. IoformacOes na ra do
Cabug n. 3, loja.
Ama
Precisase de urna ama para engemmar e co-
sinhar; a tratar na ra da Palma n. 29.
Ama
Precisa se de urna boa cosinheira para casa
de pequea familia, que durma em casa dos
patrOes e se]i matriculad) ; na ra de Fernaa-
des Vieira n. 29. _______
Ama
Precisa se de ima ama para cosinha ; na ra
de Pedro Alfonso n. 62.
i -......... ...--."- i
Amas
Prf cisa-se de duas amas, sendo urna para co-
sinbar e outra para engommar. para casa de fa-
milia ; a tratar na ra Conde da Boa Vista a.
24 A cu ra Duque de Caxias n. 93.
.......----
Ama de leite
Precisa se de urna ama do leite para criar
urna menina, que tenha bom e abundante leite,
seja sadia e cariohosa ; a tratar na ra liara
do Triumpho n. 68.
Cal ^irgem de Jagua-
ribe
Deposito no Caes do Apollo n. 93
Esta afamada cal, propria para o fabrico
de assucar, continuase a vender pelo mes-
mo preco e abatimeoto do costume. No mes-
mo armazem vendem se todas as mais quali-
dadea de cal do Jaguaribe branca e preta, em
p, assim como todos os materiaes proprios
para construcs6e3 e reconstrucjOes por preco
menores do qne em outra qualquer parte,
AZLEJ8S
Para frente de casas, baohairos
corredores, acongues, sendo de lindas
cores, vendem-se por 6O#000 o milhei-
ro, por :er um saldo, na fraga da In-
dependencia n. 40.
D(
dli
ous mu a gres
IIlm. Sr. D. Carlos Tomei o seu re
medio o Elixir M. Morato e fbi com
elle qne pude tarar das boubaa que soffria
ha muito tempo e que deocorocoava por
nunca melhorar ; um meu visinho que
tambem soffre j largou de tudo que he
receitaram e est tomando o seu mesmo
remedio.
Agradecido pelo conelho e sou obriga-
dissimo.
Santos.
Albino Jos Couto.
JJlm. Sr. D. Carlos. Eu e todos dt
casa, faz mnito tempo, que soffremos hu-
mores de bonbas, com dieta sem resulta-
dos. Fizemos uso agora do Elixir M.
Morato, propagado por D. (arlos,
sarmos completamente.
O remedio, alm de ser muito bom,
anda tem bom gosto, pois as cojancas
ebiam com f'acilidade, misturado com
agua.
Sap.
Firmino Aguiar.
wmmM
Manequins de Bazar
PRECO DO MANEQIM COMPLETA
Qualquer senbora por mais gorda o
magra, alta ou baixa qne seja, pode fazer
seus vestidos sem prova e sem aujtilio ds
outra pessoa
TB^afi-NB
Na loja das Listras Azuti*
A' ryaDoquedeCaxias. 61
X
..;
"i

**.
?
A

aC


Diario de Pernambueo--Sabbado 24 de Maio de ?890
a*
;/
LOJA DO POVO
HRa l, de MarcoM
Gom este titulo acaba de se abrir, roa 1. de Marco n., 11 ama loja de fasen
i$s e sea proprietaro convida o publico Testa cidade e de tora a apreciar o seo
BELLO sortimento. Muitaa'He suas fazendaa sao recebidas directamente.
GRANDE WOVIDADE
Deaconto de 10o/ em compras de 20^000 para cima.
Granadine, pura seda, de 108OO a 80>) rs. o covado.
Toile, pura seda, de 10600 a 650 rs. o covado.
Las com listra?, preparo de cachemira, a 200 rs. o covado.
Las aom preparo de cachemira a 240 rs. o covado.
Chitas de 200. 220 e 240 rs. o covado.
Setinetas de cores lindas a 300 rs o covado.
Zenhyr lar#o de 800 rs, a 320 rs. o covado.
dem idem a 200 rs. o covado.
dem idem a 160 rs. o covado.
Cortes, costumes de c gemir inglesa, a 120000.
Ditos de casemira ingleza de 30500, 40000 e 60COO.
Ditos de fuEtJto para collete de 600 rs. e 20400
Cheviot de 305: <>, a 20030 o covado.
Casemira cor de caf de 3 000, a 10000 o covado.
Casaeos de Jers y para senhora a 30000 e 60000.
Merino preto a 50, 700 e 10200 o covado.
Dito do cSr a 400 rs. o covado.
Casinetas fines de 500 ib a 360 rs. o covado.
Colchas de crochet de 84000 a 305>.
Cortinados lindos a 6000'.
Bramante de 10 palmos a 10400, a vara.
Ver para crr s na
LOJA 30O POYO
*> .
FABRICA OE LIVROS DE ESCRJPTURACAO
INOfiBMNAOAO ? MVTWft
CQanoel J. de Diranda
39*I- + DUQUE* DEHfcCAXPAS*39 -
NUMERO TELEPHONTtO 194
5EK^M^/0O
i\
OS MDICOS SBSTITOEM COM XITO
o OLZO de FIGADO de BACALHO assim como o VINHOde QUINA
ELIXIR DUOHASWP
CON EXTRACTO OE FIGADO OE BACALHO COM QUINA E CACAO
ite CHEtME de CACAO m poderoso Depurativo
tneompnravel Corroborantm.
PO ATAJA : DCKAMP, iS, RU OE PO*T<&, PARIS^
Depositarlos em ftrnamnco : aTMMSf II ttM O*
-^il
k.
Cardoso & Irmao
Rui dti Brslo to Triumphons. 100 a 104
Rcebiram novo Bortine-ito de vapores dos acn dnados fabricantes Robee
irtxon para trabalhar com fogo de assentamentn, moendas, taxas, forma de assn
r e todas as mais ferragens precisas agricultura.
Mob
ac
d FQADO FRESCO de BACALHO, MATUAL 9 MBIC/MAL
FNaonpt ama ao umot, m mov. Inglaterra. HMptntt.
HammbUoa mtoaao- wtimui Mo* rtir.. menee* m I i Mil Teme*. Olla lYuriau. >n
[il nwtti
O Peitoral de Cambar
Sempre foi, e ser o p cipal remediogarantido para as
molestias do larynge, bronchios e pulmSes.
A bronchite, aathma, mal do peito, ronquidSo, laryngite, coqe-
luche e qualquer toase, por mais grave e antiga que seja, curam se csm
o PeitOi-al de Cambar, medicamento approvado pela Junta Ceotral de
Hygiene Publica, premiado com duas medalhas de onro de 1.' classe e
rodeado de valiosos attestados mdicos e de innmeros de pessoas cu-
radas. Exija-se a firma.de autor.
J. Alvares de Sonsa Soares.
scm nenkttm mitro medicamento e aem femar- accidentes.
PAHIS 7, Bouievard Denein, I PARS ^
Depsitos em Penmmttuco t FRAM- M. da &U.VA & C. e as principias Ptarrmaelas. X
L1
no
ESTADO DE PERMMBUCO
EM BENEFICIO DA
Santa Casa 4 Misericordia do R$cif$
INTEGRA-ES
A terceira parte da 1.a lotera deste Es-
tado ser extrahida impreterivelmente sab-
bado 24 do corrate.
Todo sos pedidos de bilh tes desta tote*
ria'dt*vem ser dirigido thesouraria ra
l^r^a do osario n. 9.1. andar.
PELOS CONTRACTANTES
Bernardino Lopes Alheiro.
TINTUK1EI1
25~Riia de Malhias dAlbuquerqne, antiga ron das Flores2S
Tinge e limpa om a mainr perteicto toda a qualidade de estofo e fazendaa en
socas ou enrobrs, chapeos de feltros ou de palba, tira o mofo de fazendas; todo i
trabaH> feito fn>r meio de machDismo aperfei^cado, at hoje conhecido.
1 .!. pMClMiM Mfm sextas feira. tinta de c<5res e iavagem todos os diat
UmmU4m r*lt iMfKtMta U lriM i laptrl* t lrU.
QUINA E FERRO
ChlOTOse, Anemia, Debilidade
Oura daa Febtea
DONTINE
SAMO DBNTBFWK3
o

DR. RIEDEL
A'iHifeWidrprepara^ao hygienica para clareare conserva!
Approvad* pela junta de hygiene do Rio de Janeiro, com a marca registran,
todos os Estados Unidos do Biazil.
YBNDE'SK NASSHHJIVm KASAS:
Maia Sobrinho & <'.
Castro Medeiros & C.
Duarte & C.
Pedro Antunes A O.
Jo2o Bezerra & C.
Ketto ; ampos & .
Manoel Joaquim Ribeiro & C
Mua e 8ilva & C,
Barbos & Santos.
Barros & C.
Deposito por atacado:
Numa Pompilio.
Nnnes Fooseea & C.
Manoel Vieira Neves.
Manoel Cardoso Jnior.
Manoel Oolaco & Cf.
Paponla & Basto.
Ribeiro & Almeida.
Antonio D. de Lima ft C.
Sabino Pinbo C.
JoZo Ramos.
THE O, JSf
Largo do Corpo Santo
nnuo. te*. 4minlt Itrtctm *nrti, 4MU ahiditUcc m jictU tk&um**.
A tell reiitilflo, n'eslo pwjpa ad i tonto ; r erci'cncia, a qumA.J
e o Tattrio, cnnsUuie nm precioso meJlcatnraio cotra a ruiro*e. *""
pr._j6>t*, Ai:ri-,iii, flore branca*., t'viiittitui-.'vcn /roca, le.
PARJR, BAIN & FOUftNief?, 43, ra d'Amsteram.
Dspo:luos em Pwrnini 1,-tco : FiAM" M. SILVA le Cfc.

im MOLESTIAS NERVOSAS ,./
XAROPE HENRY MURE
Bom xito verificado por 15 annos de experiencias nos Hospitas de Pars
PBLA CUBA OB
Epilepsia- Hifnttrta
Wumem -
Uumt*rm Kmitepnim
Holtjtiam do Cerebro
e do Empinhaco
JHahete aamuoarado
Conrulnocs. Vertigenm
Crises tterroitwf
Eacaqttmemm, Toitetrn*
Congamte eereortrem
IiMmnia
(9p*rinatovrha
t* WWti lita fnfUiU irigMi mUllMwtli nilgwr ytuh him o pMl
tY MURE, e PoBt-Saint-Esprit (Franca) I
TBKM-M KM TODA* *S PaiCJPAS PHmr,U8 "M'l'fl
NDIdO DE SINO 8 B BR-ONZ)
BE
LUIZ DA r,RJZ MESQUTA
60ra ck) Baro do Trrampho^-fr
Teix para vender o aegnnte*?
flacklnas de cobre para fzer espirito de destillar e restillar.
AlamMqaes de cobre ao ant;go e novo systema com eeqnente garapa
Serpenffnas de cobre e de estanho.
Carapacas de cobre.
Tafias, tarsos caldeiras de cobre.
Bomba* de todas as qualidades de repuebos, aspirantes e oontinnai.
Toraelras de bronze e madeira de todos os tamanhos.
Caos de cobre, de chambo e de ferro.
epartlfr!hra!r;pasBadeiruj e esctimadwrss c cobre estanbad: de hivo i
't>r#rcm forreo! e arruelas
ola inglesa e do Rio.
Cadinho* patente e de laps.
Minos de 1 libra at 110 arroba.
E mijitos outros objeetos.
ENCARREOAM-SE le qualquer concert o obras de encommenda garar
ge a wsteea, perfeigSo e precos mdicos, para o que tem oessoal habilitado.
Vlilf BE a oraso on -dinheiro com descont.
VERDADEIROS
AGUA.PleBOTOT
Os nicos Dentirfictos
approvados pela ACADEMIA da MEDICINA
Bnaqaeam os Pestes. foiticsm as QenffirtM.
DEPOSITO : 17k Be de la Parx, PAI5;
AlltaMM i 08#i Une Bmtat-SUttor:
/kCHI
E' hoje a casa que vende mais barato!
FaztDirS de n*vdjde Vanidades
Crep de algodSo a 240 rs. o corado.
Cambraia branca com salpicos a 4(5000.
Crep m^tisado a 440 o covado.
L2 Amazonas a 400 rs. o dito.
L2 escosseza a 240 rs. o dito.
Voile a 12 a 800 rs. o dito.
Linn de ramagem a 600 rs. o dito.
Zephyr com padrSes de voile a 640 rs.
Cretone voile a 400 rs. o covado.
Chitas percales & 200 rs. o dito.
Cambraia Victoria a 2(J800 a pega
Gazcs arrendadas a 440 rs. o covado.
Cachemira de listra, doRB larguras, de
20000 por 10200 o dito.
Vestidos para crianoa a 4)J00O um.
Baptistas fioas a 260 rs. o covado.
Setim do Japao a 240 rs. o dito.
Cortes demetim, em cartlo, a 70000.
Cortes de zephyr, bordado, a 100000.
Cortes brancos bordados a 180000.
Casacos Jersey a 60000 um.
Popelina branca de *eda.
8etins de corea a 800 rs. o covodo.
B.-iihantina de listra a 600 rs. o dito.
Atoalhado pardo de li.-ho com matizes
brancos a 30000 o metro.
M ntilha de seda, creme e preto a 40500.
Capas, visites Pelerina e mantilhetes (ca-
chemira e seda).
Qrinalda para noiva a 1O0COO e 120OCO
Toalha felpuda para rosto.
Lavas de seda a 20000 e 2500.
Palitots de seda palha.
Merino de duas largaras a 40000 o covado.
Ricas caixas para presente.
Corte de collete de fustao.
Bicns de c6res e brancos.
Extractos e leos.
Suspensorios americanos.
Camisas allemSes a 360( 00 a duaia.
Cortinados bordados a 6000 o par.
Ceroulas de bramante a 140000 a duzia.
Meias para homem a 30500, 40500, 50000,
640C0 e 70000 a duz;a.
MadapolSo trancado a 90000 a peca-
Mirin preto de 800 rs. a 20000 o covado.
Fustao branco a 380 rs. o dito.
Leqaes transparentes a 20000.
GuarnisSo de crochet com matizes a 70000
MadapolSo com nm melro de largura a
60500.
Camilas de flanella a a 40000 e 50000.
Bramante trancado de duas largaras a
500 rs. o metro.
Panno da Costa a 10200, 10400, 10600
10800 o covado.
Lencos, meio-linho, a 20500 a duzia.
Lencos com barra a 10400 a dita.
Toalhas para banho a 10800 urna.
EsguiRo pardo a 360 e 400 rs. o covado.
Tapetes grandes e pequeos.
Baleias a 140 rs. a duzia:
Colchas de c res a 20000, 30000, 40000,
50000 o 60000.
Colchas de damasco de 12.
Sahldas de baile a 10000 urna.
Ramos para peito e cabello a 20000.
EsguiSo de algodSo a 305 0 a peca-
Vasos para p de arroz a 10500.
Punhos e collarinhos de celuloide.
Abotoaduras americanas
Palitot de alpaca preta.
Espartilhos a 50000 e 60000.
Baptiste de cores a 160 rs. o covado.
Renda hespanhola a 30000 o metro.
Bordados e entremeios.
Efcovas e pentes.
Regatas e lagos.
Completo sortimento de cachemira
E OFFiriNA DS ALFAIATE
20Ra 1. de Marco20
Amara! & C.
Grageas DemazireI
Ajwpro^xlf pala Znpotorlai da Hygisne do Bruz
CASCARA SAGRADA
IODURETO^FERROeCASCARA
Vmrdadulro Ramodlo O mal* activo dom Ferruginoso*
Contra, a Priao da Ventre habitual. tfSo produzindo a Primao do Vantre.
Deposito 5eral: PHARIAGIA G. DEMAZIRE, 71, arenue de Vilers, Pars
lto Pimambtm : FRAH M. da SILVA C*.
digestOes
difficeis
Dyspepsla
Parda
do Appte\
DOWSdiESTOMAGO
ELIXIR GREZ
GASTRALGIA
AJIEMM
Vmitos
0 lar r/la
entonten
TNICO DIGESTIVO oom QUINA, COCA
taoo KM TODOS OS HOSPITAS3 lfxtith de Onro Diolomam
~ PAmiS COLLIN C*, m a* "*-,,> u
Curados pelos CIGARROS ESPIG
OpprettHCea Tese l>ejiujcot> 2* evr algias
I.ICENCI4DOH PULA IKCTO*? D HTOIENB DO IIIPT.MO DO 3HA2IL
Aspira-se a rumaca que penetra no peito, acalma o systema nerroso.
facilita a expeciorai,*> e farertsa as funecocs dos onrSos re^p'rs'orlo's.
Vanda om atncao. J EPUC, LO, ras &t-i.ozar, c.-n Pniu. tx-;a-u csm w:
toi- "--------------------- -..... -
" FBAN& M. da SILVA k C-. e :-. ;.-.. :;, i ...i.,
fe.-.
'4$ -~r
mWwnWmw m
44Htl HAnAVlili IPU M
HackBQs a vapor
iVoeiKias.
i i*m : ; 'as e batidas.
ti batidas sem crava^ao
Arados

Alugne^fearato
Visronde de Pelotas n. S
Pedro Affooso, armazem n. 46.
Largo do mercado loja o. 17
Ra do Bom Jesns S". andar d. 47
Ra Aeuairrhas em Beberibe n. 7
Ra Coronel Suassunn N. 141, qoar
Ra I tapa rica n 43 1." indar.
Travessa do ('armo, loja n. 10.
Becco do Tambi n. Si.
A trata.- na do Commercio n. 5, n":
escrjptwn "Pww&isa-s*
De nm criado de 12 ale
annos para o 3. andar '3a
tyr Ojgraphia do Diario d<
Pernamhuco.
iVlagdalena
Aluga se a casa terrea sita & ra de Bemflca
ii. 60 ; a tratar junto. ._______________
B rdados e entremeios, cambraia fina com un
pequpno t que de avaria de 500 rs., 600, 800
I 010 a pega ; na ra do Crespo n. 21, loja d
Campos.
Prata de lei
Compra se ra Duque deCaxias n. 91
Bom negocio
A'lmitte-se um socio com algum capital para
tav. roa ; a tratar ua ra de Domingos Jos Mar-
tio o. 80
CURA CERTA
. oas as Affsocoes pala*jures
Cosinheira
Precisa-se de urna ama que miba bem cosi
nhar; na ra Mrquez do Herval n. 10.
^a ** aaaaaa.^a.1
ANEMIA, CHLOROSE
EMPOBPECIMENTO DO SANGUE
4 CIES fLLI0S, COmiESCHQA
%rw-^v
Oalo a Hospaes de Pan
* 0BADE WfUMA li atllt.Urimllll
j (OTTAS frocuMs
Mu oonomicaa.daram 1 mea
.YINH0 E0BIN
4 Iom-Hu titmntt
JflRUGJK ROBN
i
<
i
4
Jl
* 4

T>)ios aquellcs que softem
Belfo, devem experimentar
"r Capsulas do Dt. Pournibb.
fnposltartos tn PvtmMto :
FRANCISCO M. (U SILVA .
Afinador de pianos
O abaixo arsigoado, teudo se despedido da
fcana Prealle & C previne a seus amigos >e re-
goeieB que cotftiOa residir ra Duque de Ca-
sias n 11,1 e 1 endares, ende o encontrarSo
sempre prmpto ajatisfrter eopetfeicao mi-
"quer trabalho que Ihe for cooflado, garantmd
a taaie < scrupulosa sinceridade no compromisM
de seas tratos. .
Antonio Paes de Lacerda.
i


7%
uin.no
Mam de 181




i
-
Attengo
Os proprietar do anligo e acreditado arma
iem do Lima, sito a na Barao da Vi :tona n 3
participara ao respeitavel puhlico e aos seu?
distinelos fregueses, que tn nsferiram tmpora-
ramele seu armazem para a mesma ra n 9,
oonti uando da mesma forrea a reeeberem anas
ordena para Ibes servir com o costumado e ba
bitual rteseropenho.
J;s Fernandos Lima k f,
Ra Bario da Victoria a.
Teleph ne323
Hercuiano Baptista de Car-
vallio
Convida se a este senbor a comparecer -na
Buque de Caxias n. 65, loja, a liquidar neg
cioe. ______ __
Patacoes velhos
Compra e na relojoaria David, roa do Cabu
gan 14.
VENDAS
Vende-se a anliga loja de barbeiro. bem
afreguezada e bem conhecida; a razio incom
modo de sade do dono: a tratar na mesma,
ra de Mariz e Barro.- n. 16, antiga ra da Co
dorniz n. 16.
Livraria Contempora
nea
Imtrnmentoi de rnaaica
Bombardao. bombardino, barytono, tromp
trombone, helicn, saxaphone. carrilon, bomrj
caixa. pratos clarinitas flautas,rebecas, rilos
realejos, caixas de msica, etc., etc.
Papel pintado
para forro de satas, quartos, gabinetes, corred)
res.
Molduras
dourade g, pretas e douradas para quadros.
Malas
para viacem, diversos formatos, especialmen:
para roupa de senbora e camarote.
Novidades
para presentes, escrptorio, toucador, etc., etc
RAMIRO M. COSTA & C.
Ba Prlmclro de Barco a. 9
Agua maravilhosa
Com a applicacao desta agua, quem sofirer t
espionas, pannos sard>s, femis e vermelbido
do rosto, Acara perfeitamente curado, rtconbe
cendo a, desse modo, como nico especifico
eficaz. Alem desses effeltos, tem ella a pro
ptiedade de, tornando a cutis limp;., dar-lhe a
cor natural. A ctda vidr> qoecusta lt, acom
panba a respecti ra indlcacao do uso.
Abaixo as pomadas
Vendem Farias Sobriobo & C, arua Mrquez dt
Olind n. 41.
Libras
Vendem se ra de I. Mara Cezar n. 26.
Cera
Vende se na ra do Cahug n. 2, segundo a
qualid de, de ti a 1500 a libra, c sendo de
arroba para cima, faz-se na de 2a o descont de
30 0,0, e na de 1.a de 20 0 0. No me amo esta
belecimento tem machinas para costura e mesas
para as mesmas por 10 j cada urna.
Pao centeio
Mello 4 Bisel tendo recebido nova remessa dt
farinba centeio, a vita aos seas freguezes que
continuam a fabricar este delicioso pao centeio
todas as tercas e sextas-feiras ; na ra larga do
Rosario u. 40.
Rendas
pretas, brancas, creme, beige e de cores
Cbegou um esplendido sortimento deste artigo
para a
Ranilla das Flores
Ra Barao da Victoria n. 41
Na mesma casa encontra se urna variada col-
ecco de titas de seda (mais de 500 nmeros),
bordados de cambraia, espartilhos, luvas, per
fumaria, objectos para presentes etc., etc.
Pregos baratos
RA NHA DAS FLORES
Ba Barao da Victoria n, 41
Vinho puro de Santarem
Da quinta do Barral
Os propretarios do Armazem Central, nu
do Cabnga n. 11, avisam aos seos distinctos fre
gnezes e ao respeitavel publico que receberan
nova remessa deste especial vinho, o qual s*
i^commenda por ser puro da uva, o so se reta
itia em en armazem.
Joaquim Christovao & C.
Telephone 447
Vende-se
urna boa machina de numerar e diversos cefres,
sendo um muito grande e que foi da antiga the-
sourara das lotera? : a tratar na ra Mrquez
de Onda n. 1, 1- andar.
FOLHETIM
s
PK
PAULO D AIGREJIOVT
RLME1RA PARTE
A andorinha
(QbntinuagSo do n. 116)
V
KA GASCOGNE
Ella parti fez cinco annos na ultima
esta de N< tre Dame de Septembre. lem-
bro-me perfeitamente, porque fez me en-
trega das caleiras nessa occasiSo.
E a sua vida era clara?
Tudo quanto pode haver de mais cla-
ro. Viva das cadeiras, de algumas costu-
ras e de trabalhos caseiros. fiesta trra
pobre nSo se precisa de muita cousa para
ser feliz. Ella tinha urna casinha com o
se quicial e a sua horta, ondo criava gal-
uchas e plaotava couves, e legumes ; com
isso ganhava mais alguna vintens, que lhe
hartaran.
E a sua vida privada?
NSo foi nunca suspeitada por nin-
gU-'m. Ao contrario, ella tinha, meamo
quando muito moca, um carcter retrahi-
do e tmido, como o de ama velba. Nin-
guem e iato n'uma trra em que tudo Be
sabepode dizer que ella tenba deizado
nunca um homem apertar lhe a mSo.
Vendem-se os segnin-
tes livros
Lourenco, romance histrico por F.
Tavora, 1 voL ene. 4*000
O Matuto, dito dito, pelo mesmo, 1
vol. ene. 4*000
Os Cavalheiroe do Amor, romance em
4 vols. enes. 11*000
Ecbos de liorna, pelo padre Guilher-
me Dias; 1 vol enr 4*000
D octonario Riograpbico, por F. A. P.
Costa, 1 grosso volme ene. 10*000
Vs Icaros, versos por M. Brrelo", 1
vol ene. 3*000
Flores Fluctoantes, versos, l vol. ene. 8*000
Vooi e quedas, versos, 1 vol. ene. 1*000
Guimares, poema, 1 vol. ene. 3*000
Sons que passam, v.rsog por Tb. R-
beiro, 1 vol. ene. 3*000
Alberto Pimentel, Cantares, versos, 1
vol. ene. 3*000
Evangelios e Syllahus, drima, 1 vol.
ene 3*000
Julio de Castllho -Livraria Classica,
Estudos biograpbicos e licteranos,
3 vols. enes finos 15*000
Cactrioto Luzilano, historia entre o
Brazil e a Hollanda, 1 vol. ene,
fino 5*0.0
Bibliotheca do Povo,{12 vols. enes. 30*000
orle de 1). Joao, romance, 1 vol.
ene. 2*500
Contos de Pedro Ivo, romance, 1 vol.
ene. 2*500
0 aDandonado por Julio Verne, 1 vol. <
ene. 1*500
O Processo Le rouge, romance hist-
rico, 1 vol. ene. 3*000
Gabriel Malagrida romance, 1 vol.
ene. 2500
Neto do Aceitado, romance histrico,
1 vol. ene. 2*500
Vsgem no dorso de urna baleia, 1
vol. ene. 2*500
Cbiquiobo, Encyclopedia da Infancia,
por G. Bruno. 1 vol. ecc. 3*000
Caricaturas em proza, por Luiz An-
drade, 1 vol. ene. 3*000
O Pastor e a ovelba, obra rara e es-
colada pelo nado hispo D. Joao, I
v. ene 15/000
O birajara, lenda. 1 vol. ene. 2*000
Arnaldo GamaUm motim ha cem an
nos 1 vol. ene, obra rara 6*000
O Dia de S. Nunca, romance, 1 vol.
ene. 2*000
P. de KockJoao, 2 vol. ene. 4*000
As mil e tima mulheres, 4 vols. enes. 8*000
0 rei Candla, romance, 1 vol ene. 2*000
Tontos a Nincn, por E. Zula, 1 vol.
ene. 2*000
A caca de um baronato.l vo!. ene. 1*500
Arraldo GamaO filho do Baldai, 1
vol. ene. 4*000
Os berdeiros de Caramur, romance
histrico, 2 vols. ene, finos 6*000
Fados da historia de Pernambuco. 1
vol. ene. 2*000
A igreia e o Estado, por Ganganelli, ,naltnn
4 vols. ene. 10*000
Serpa PintoComo atravessei a fri-
ca, 2 vols. enes, finos, com gravu-
ras 12*000
Eca de Queiroz0 enme do padre
Amaro 2*000
Castello de Grasville, romance raro,
1 vol, ene. 2*000
Leonor, D'Amboise, 1 vol, ene 1*000
As obras de Julio Verne, 42 vols,
enes. 30*000
Tres Poemas em proza, e verso por
Gomes Jnior, 1 vol, ene 31000
Typos de cara dura, 1 vol, broch. 1*000
As viagens de Guliver, obra critica
ejocoza (rara,) 1 vo!, brocb. 3*000
Vozs da historia pelo Paflre Gui-
lherme Dias, 1 vol. broch. 2*500
Um mysterio de familia por F. Tava-
ra, 1 vol, brocb. 2*000
Um casamento no arrabalde, 1 vol.
brocb. (mesmo autor) 2*000
Guarrigues breve leitura sobre sci-
encia, 1 vol, ene 3*000
Biblioteca do Povo 31 caderninhos
hrnrhados 4*000
O matadouro, historia da Lavaaet-
ra Gervazia o Io o vol s6. 1*500
Ponson do Terrail A beraoca myste-
rioza o 2 vol sO ene 2*000
Repostas consisas e fmiliares por
Mr. Segur, 1 vol, ene 1*000
Carta sobre a Companbia de Jezus,
1 vul, brocb. 2*000
Carta a Pae Tobas, 1 vol. broch. 2*000
No escriptono deste Diario se dir quem vt-n
de todas estas obras, e faz-se grande abat
ment a quem comprar todas juntas_________
Superior yinho de Al-
cobaca
O acreditado e autigo armazem do Lim par
ticipa ao publico e aos seos freguezes que acaba
de receber urna nova remessa deste especial
vinho, escolhido propriamente pelo ebefe desta
casa, tornando se recotnmendado por ser puro e
de boa qualidade.
Jos Fernandes Lima A C. ra Bardo da Vic
toria n. 9
Telephone 323
Movis austriac s
Ha um riquiss mo e variado sortimento de
movis austracos de diversas cores, Isob, tor-
neados e entalbados. para vendas em porgo ou
as pegas avulsas, bem como ricos espelhos para
salao, camas de ferro com lastro de ac para
meninos, solteiros e para casal, e magnficos ta
petes avelludados, os melhores que veem ao
mercado ; no armazem ra Mrquez de Olinda
numero 54.
aaaaMaaalaaaaMaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Morou sempre aqu em Castelnau ?
Na sua primeira mocidade esteve
empregada como criada em Coudom e de-
pois em Agen, em casa de gente muito se-
ria, quer n'um, quer noutro lugar. La, co
mo iiqui, a sua conducta foi irreprehensi-
vel.
Est ent&o convencido de que ella
nunca comme teu algnma falta?
Poria a minha mSo no fogo em como
nao commetteu; alm de que, repito lhe,
ha seis annos, quando a cianea nasceu,
Clemencia tinha volU do havia muitos an
nos para aqui, de onde nlo se arredoumais,
nem por espago de um dia. Ora, como
as enancas nao fazem a sua entrada neste
mundo sem se annunciarem de certa ma
neira muito visivel, quer se queira quer
niSo, nSo foi certamente de Clemencia Fou-
lon, sempre ma?racomo um prego, e chata
como urna taboa, que ella nasceu.
E ella nao tinha relac5es estreitas de
amizade co u algusm aqu da trra?
Nao.
as familias ricas dos arredores nSo
haveria alguma fa't* a oceultar, alguma
crianja que fosse preciso fazer desappare
cer?...
O cura rc-fliictto alguns instantes.
Nao, responden elle. Apezar de to
das as preciusSes, sempre transpiri al-
guma cousa desses negocios. Ea seria sa-
bedor.
Mas de repente os olhos tornaram-se-
lhe fiaos ; no mais longinquo da sua me
mona despertava urna recordajSo.
Ah espere... disse... Talvez sa-
ba de alguma cousa...
O que ? perguntou Roselin, estre
meceudo.
Mas Cadette, urna criada um tanto pa
tar6a, deixando appareeer no vfio da porta
do terra9o a sua rotunda pessoB, severa e
autoritaria, o cura poz se sbitamente de
p, com urna pressa que provava um certc
Alert
con a RevolacHo
48Raa Dnqae de Caxias!
Surah de linho ftzenda muito larga a 320
rs. o covado.
Etamines de efirea a 283 e 300 ra. o co-
vado.
Zephires de cores a 120 e 160 rs. o co-
vado.
Lindas las de cores a 2 0, 240, 300 e
320 rs. o covado.
Cachemira de quadros com listras de seda
a ljOO*) o covado.
Merinos lavrado. a 500 ra. o covado.
Voile de algodSo a 240 rs. o covado.
dem de 12 ultima m da a 80 j rs. o co
vado.
Cortee de metim par vestidos de duus
cores a 6^000 um.
Ditos brancos bordados a 12,5000, 14iJOO0
e 15O00 um.
Ditos de cachemira bordados a 255<"0"> um.
Cortes de cambraia branca de quadros a
15800 um.
Con nados bordados a 64000 e 74000 o
par.
Ditos de crochet a 84000 e 104000 um.
Fecns de todas as cores de retroz
14000 um.
Colchas de cores a 24C00, 34000, 44000 e
54000 urna.
Cobertas forrada para casal a 24501
oma.
Toilettes para baptisados a 6J000, 8400'
e 104000 um.
Camisas finas de meias a 1000 ama
Toalhas para enanca a 100 e l2rs. ama.
Ceroubui rrancesas, a 14000 urna.
Pannos de crochet para cadeiras a 500
ra un.
Atoalhado de linho de 44400 o metro por
24400
Dito de algodSo a 14200.
AlgodSo trancado para toalha a 140G0 o
metro.
Bramante de algodSo com 4 bu-guras, a
800 e 14000
Lencos de algodSo a 14200 e 2000 a
duzia. -
Ditos de linho a 34C00 a duzia
Batistas de cores a 120 e 160 o covado.
Cretones escuroa e claros a 200 ra o co-
vado.
MadapolSo americano com 24 jardas a
54000 e 640i.O a peca
Cobertores brancos de 13 para acabar a
24C00 um.
Bramante de linho, fazenda de 34000, a
24000 o metro
Panno para mesa a 14200, 14*00 e 14600
o ci vado.
Brim pardo trancadp_ a 240 rs. o covado
Vestidos de Gersey para creanja a 64000
um.
Camista de linho para homem a 24000,
34000 e 44000.
Granadinas ultima moda a 360 o covado.
Costamos de cachemira fina para homem de
20400C a 150000.
Cortes de cachemira de cores muito finos a
44000 um.
Cortes de fustSo para collete a 800 rs. um.
liuardanapos c m franja a 24010 a duzia.
Espartilhos de todas as qualidades e n-
meros por preco baratsimo.
E muitas ontras fazendas de lei e moda
qen vende por prego sem competencia
em vista de seu proprietario querer acabar
com o estabelecimento.
So iia Revolu^So
HENBIQOBJ)4 SH.VA MUKED2A
Alfafa nova
Sola 30 rs. o kilo, em tardos 60 rs.; ven
de se no armazem a ra da Madre de Deus nu
mero 10.
Farelo novo superior
Saceos de 42 kilos a 14800
Vende-se no Corpo Santo n. 6.
WIISIT
Boyal Blend marca V1AD0
Este excellente Whisky Escocez pre
terivel ao cognac ou agurdente de cana
para fortificar e corno.
Vende-se a retalho nos melhores arma
zens de molhados.
Pede Hoyal Blend marca Tlado
cajo nome e emblema sao registrados pan
todo Brazil.
BROWNS A C, gentes.
Pr ^LERY Venie-je en teda a mi*
Farello superior
a 2*200 ; bo largo do Mercado n. 13.
attractivo pelos preparos da sua cozinbei-
ra, ou grande habito da mais ecclesiastica
de todas as virtudesa obediencia.
NSo fagamos esperar nem Cadette
nem o sea almogo, declarou o abbade. A'
sobremesa lhe direi o que sei. Mas pre-
vino-lhe de antemSo que nSo grande
cousa.
Quem sabe l ?.. .
Oh! t5o vago !
Veremos.
E Roselin acompanhou o seu ampbytriSo
sofregamente.
Tinha sabido effectivamente de Coudom
s seis horas da manhS, e achava que, Be
na Provenga o ar salgado do Mediterrneo
alimentava, dava-se o cootrjrio ao p do
Pyreneus, onda a brisa que vem das mon
tanhas, impregnada dos aromas inebrian-
tes das flores, abria extraordinariamente o
appetite.
Emquanto Cadette sahio, entrou, fez o
servijo, immiscuindo se vontade na con-
veraacSo, com a familiaridade de pessoa
convencida de sua importan ia, nem Rose
lin nem o padre pronunciaram ama pala
vra sobre o assumpto que os nteressava.
Fallava-se no lugar, que era soberbo ;
no verSo, qne comecava de maneira ma-
ravilhosa.
E, de facto, collocada como era a sala
de jantar do cura, ella poda dar idea da
quella regiSo magnifica, calma, baila, fe-
cunda e pittoreaca, que se estende do Agen
aos Pyrineos.
Pelas ampias portas abertas via se toda
a lmpida e bella paysagem do Armagoac,
sobre a qual o sol cahia a jorros, amadu
decendo os trigos, dourando asvinhas, dan-
ro a tudo quanto os olhos podiam abran-
der a apparencia de se iva e de vida que
gilata o coracSo.
Reinava urna grande calma, a calma do
mtio dia no campo, interrompida ae longe
em longe pe'o canto sgiido das cig-rras.'
E' tudo bum, para bem
de todos
Os abaixo assignados, tendo feito gran-
de reducclo de preyos as fazendas
existentes em sea estabelecimento, convi
dam o respeitavel publico e especialmente
seus bons freguezes, a certificarem se da
Terdade que aqui fica dita e a aproveita-
rem a occasiSo de suppnr-se de roupas,
para muito tempo, e por precos insignifi-
cantes.
Como sejam :
Voiles de 13 e algodSo a 240 rs. o co-
vado, cachemiras de quadros, fazenda de
800 rs. por 32) rs. o covado, zephyros de
cores diversas a 320 rs. o covado, baptis-
tas repubjjaioas (inteira novidade) a 200
rs. o covflp ^8 de cores a 200 re. o
covado, setinetaB finas a 320 rs o covado,
merinos de cores (13 pura) de urna lar-
gura a 280 ra. o covado.
Grande quantidade de chitas finas, com
pequeo toque de mofo, de~200 a 240 rs
o covado.
Variado sortimento de voiles de 18,
fazenda muita fina de gostos lindisBmos.
Crep da China, idem, idem, cambraias
da China, com palmas soltas, completa
novidade, voiles com salpicos, idem, idem.
Chitas, chamalots, o que ha de maU
exquisito em gosto, etamines lisas e ren-
dadas, cachemiras lavradas, pretas e de
cores, fuBtocs broncos, cretones pretos e
de cores lisos e com flores, baptistas de
cores, gostos delicados.
Mdapol3o americano a 54000 a pega.
Metins, idem variado sortimento.
Espantoso sor'iment) de cretones p ra
cobertas e chambres, esguiSo de puro
linho, costumes de Jersey para meninos,
capas hespanholas, pura seda a 34uOO
urna, cortes de vestidos de todas as qua
lidades, fichus de 1S, linho e prateados,
o que pode haver de mais chic.
Grande sortimento de camisas de linho
e flanella para homem, idem, idem de
punhos, collarinhoB e gravatas e muitas
oatras fazendas que seria enfadonho men-
cionar e que tudo vendem sem reserva de
preco*'
Os barateiros! os barateiros!
A' RA 1. DE MARCO N. 1
Bernardina Campos i C.
Recebetforea directas dos Mer-
cad* s da Eairopa ___^
Apr?sentare os seguiutes artigos, sendo
alguns anda do anno paasado, ruzo justa
para serem actualmente baratissimas.
Brins pardo e de cores a 240 ra. o covado
dem trancado, superior, a 26 J rs. o dito.
Cortes de fustSo para colete a 8 0 rs.
dem de casen etas a 14000 e 14200.
dem de casimira inglesa de corea a 34 e
440 0.
AlgodSo cr, marchetado para toalhas, a
440 ra. o metro,
dem nacional, largo para lencdes, a 44 e
540-0 a pega.
MadapolSo superior, com 24 jardas a 54
e 640 0.
dem Boa-Vista, verdadeiro, a 548CO.
Cortinados bordados de crochets a 124000.
Colchas dem a 74000 e 84000.
Gnnaldas e veos para noivas a 84003.
Espartilhos modernosa 44000,
Percales claras e escuras a 24 o covado.
Merines de cores, urna largura, a 200 rs.
o covado.
Toalbas nacionaes a 24500 a dazia.
Lengos em lindas caixinhas a 14800 e
24800 a dita.
Meias inglezas e nacionaes a 24500 e
340C0 a dita.
Camisas de meia, idem, superior, a 124000.
Corolas b< rdadas de bramante a 124000 e
164000 a duzia.
Guardanapos com franjas a 14800 a dita.
Pannos de cores lindas para mesa a 146U0
o covado.
Cobertas de ganga, dous pannos a 2500.
CretoneB para as mesmas, a 14000 o me-
tro; o melhor.
dem mosaicos, dem, a 440 rs. o covado
Bramantes rrancezes a 14600 o dito.
Casemiras de cores, duas larguras, a
148i 0 o dito,
Cheviot azul, cor inalteravel, a 24400,
34500 e44000.
Merines para lato desde 500 rs. a 14800,
duas largaras.
Sargelins de c6res a 200 rs o covado.
Mantilhas e fichs a 14, 34000 e 54000.
Toalhas de labyriutho, riquissimas, a 254 e
304000.
Vendas em grosso tem o descont de
UL
59RLW DUQUE DE CAXIAS59
IIIJIUVU J
GQM ARMAIJAO
PARA DORMIR CCM&ODAMENTE
A CHEGAR
VENDE-SE NA LOJA DAS LISTIAS AZES MAIS AS SEGUINTES
^0VIDADES
Espertadores e relogios com movimento.
Tesouras finas quese do bram, a 14500.
Porta-lanterna para theatro, a 14000.
Sabonetes para pannos e sarda.
Grampos, novidade, para trangas.
Lapis-caneta de ouro romano.
Caiivetes de duas a quatro folhas finas.
Oleados com repartimentos para rresa.
Sabonetes para limpar ouro e prata.
Albuns para retratos, a 34000.
Bordados finos, pega de 4 1/2 metros.
Fitas de todas as larguras e cores.
Biccos e rendas hespanholas.
Espartilhos de setim para noivas.
Meias de seda para senhora.
MadapolSo fino, pega com 10 varas.
Murim Lavrado com 20 varas, a 54000.
Percales claras e escuras a 200 e 240 rs.
Setim branco e todas as cores com listras.
Surak, todas as cores, a 14400.
Velludos pretos com contas e palmas.
Cassas de ramagens com lindas cores.
Tecidoa arrendados brancos e de cores.
Cortes bordados em cartSo a 94000.
Cortinados bordados e de crochet.
Colchas brancas e de cores, a 24000.
Crochets para sof e cadeiras.
Bramantes de linho e algodSo.
Atoalbados lavrados em releves.
Guardanapos grandes e pequeos.
Aos compradores de 204000 para cima da se descontos e muitas vantagenB
para vendedores.
A' ra Duque de Caxias n. 61
LOJA DAS LISTRAS ZOES
Jardins da aldeia, prados que bordavam o receber estranhos, nem mesmo parantes
Galize, sobretudo os canteiros do padre teve de repente varias visitas seguidas.
ezhalavam suaves e inebriantes aromas,
em que o heliotropio e o resed mesclavam-
ee aos perfumes subtis dos fenos cortados
que seccavam nos campos.
Roselin mostrou os morros cobertos de
vegetagSo, no alto dos quaes grupos de
carvalhos seculares destacavam no ar puro
do co os seus vultos vigorosos
E' muito bella a sua tena, disse
elle. Quando se mora, como eu, naquella
Parta, onde se abafa, com o nariz mettido
atrs de urna machina, a gente sent se
tSo bem aqai, que nSo quizera mais sahir.
Por que nSo ha de voltar por aqui ?
perguntou o cura, expansivo e aventuroso
como todos os gascoes. A gente boa nun-
ca de mais nesta trra.
E para viver ?. .
A trra grata para quem a cul-
tiva.
Obrigado, nSo esse o meu officio,
e tenho os tubos que esperara o p3o. So
bretudo agora, que vamos ter dous, a cousa
ser spera.
Estas palavras convilavam o padre
sua confidencia
Alm disio Cadette tinha sahido tornara
a fechar a porta, o cat fumegava sobre a
mesa, mesclando o seu aroma agradavel
aa perfumes penetrantes do exterior ; ao
lado da cafeteira a garrafa promettida pelo
cura mostrava-se hirta e clara, cheia na
suas duas tercas partes da agurdente do
grandes dias, a que nSo se bebia senSo
Ah!... exclamou Roselin. E de
que n eram essas visitas ?...
De urna mulher.
Que se chama ?
Nunca se soube.
Ora essa !.... N'uma trra como
aqai... onde de tudo se falla e torna a
fallar ?...
Oh I mas que essa mulher tomava
as suas precaugoes. Trazia sempre um
veo muito espesso, que lhe encobmo r08-
to; nSo fallou nunoa a pessoa alguma ; e
vinha sempre a p, sem que se soubesse
de onde.
Era velha ou moga ?
Moga; ao menos parecia-o pelo seu
todo, pelo seu andar.
Mulher do povo ?
NSo, ao contrario, pessoa muito ele-
gante, apezar de urna simplicidade appa-
rente, e cutas Batas eram cheias de borda-
dos e de redas.
O Sr. cura vio-a entSo ?
O padre corou. Mas restabelecendo-se
desde logo :
Sim, respondeu com franqueza, via-a,
mas tardmh i. bocea da noite. Os de
talhes que lhe fornego me foram dados por
outros.
E nSo lhe fallou ?
NSo, nunca, Somente urna tarde
ella sahia di reja quando eu entrava.
Passo por mim, e sent um perfume mu
com os amigos, muito loura e appetitosa, to fino, tal que nem as luiohas rosfcs e to-
como se fosse feita do mais puro ralo da- das as michas flores reunidas me dariam.
queile sol que Roselin achava tSo bello
Vamos, Sr. oura, disse elle, estamos
sos e espero o que o senbor me annon-
ciou.
E' muito pouco, j lhe preveni: Ha
cerca de cinco annos e meio, Clemencia,
qne vivia traaquillamente aqui, sem nunca
EnUo imaginei que essa mulher era joven,
rica e provavelmente muito bella.
Roseiin soriio da deducgSo, caja reeor-
dagao devia ter provavelmenta produzido
no rosto honesto e ingenuo do cura o ru-
bor passageiro q'ue nelle se mostrara al-
guiis minutos antes.
Peitos de celuloide com bojdado
perleramente linho.
Collanohos trodernos duzia 54000.
Para irabatho de crucbtttc
Caixas de linhas de cores com moscladc
dourado a 14000 e um novello 100.
Punhos para homem a 64000 a duzia.
Lengos brancos para creanga a 14000 a-
duzta.
Para baile
Lindos rames-de flores artificiaos de seda.
e com hastes de borracha.
Lindo e grande sortimento de soutache i
todas as cores para enfeitar vestidos d-
creauga.
Para as Sras modlataa
Bicos de cores brancos de algodSo a 14500*
e 24000 a pega.
Bicos de seda de diversas cores a 54000 a
pega.
Porta tranga de prata, tartaruga e masa.
Punbi s e collar nhos de celuloide.
E pelhos cara dura a 400.
Para liquidar grande quantidade de fita
modernas abatimento de 25 .#.
Fitas n. 9 a 400 o metro,
dem n. 5 a 200 o metro.
Lavrada para faxa a 24000 o metro,
dem para faxa n. 30 a 340C0 o metro,
EspartiLos para 44000, 54000 e 64000.
Para aolvaa
Capellas de cera,
dem de flores de larangeiras.
Ramos francezes e nacionaes, veos, Ieque.
e luvas.
Encnovses para baptisado.
Tocas e capotas para baptisado e passeio .
Cintos de chagrain para senhora, largo*
estreitos a 14000.
Grande sortimento de galSes, palmas, ro-
sas, pingentes e guarnieres pretas Y
vdnho para vestido.
Lindas costareiras de velludo propaa-
para presentes.
Lindas boleas com estojo para costara.
Grande sortimento de caixinhas com ex-
tractos proprtas para presentes a 24000,
34000, 4400C, 54000 e 64000 urna.
Livros de missa, de madreperola e di
velludo.
LindoB objectos de crystal para prseos
como sejam : porta-relegio, parta-extra-
cto, porta-p de arroz de 44500 at-
124000.
Finos alfinetes para gravatas.
Grande sortimento de broches americana
para senhoras.
Caixas com msicas a 24, 34000, 44000
at 12000D.
Grande sortimento de galozinhos branco
e de cores para enfeitar casacos e roup*
de criangas.
Porta-retratos a 200 e 300 ra. nm.
Grande sortimento de lencos de seda a
14000, 14500 e 24000 um.
GaarnigSes para toilet a 64000 e 74000.
Lindos porta pos de arroz a 14500, 24000,
34000, 44000, 54000 e 64000 um.
Finas ligas com ramo de flor de larangera-
proprias para noiva a 14500 o par.
dem de todas as cSres a 14000, 14200,
14500 e 24000.
Lencos de linho a 34000 a duzia, eia cai-
xinha.
Grande sortimento de polceiras ne-
canas.
Cortinados de crothet para cama a 1- 500,
174000 o 194000.
Ditos para janella a 74000.
GuarnicSes para cadeira a 64000.
Pannos de croehet para cadeira a SOO
14000
Grande sortimento de lavas finas para se-
nhora a 14500, 24000 e 24500 o par.
dem para menina a 800 e 14000.
Linha de machina a 700 rs. a dazia.
dem idem a 60 ra. o car rite!.
Toalhas para banho a 14500.
dem para rosto a 300 rs.
Babadores, eom inscripgSo e paisagea *
500 e a duzia a 44000.
Grande sartimento de espelhos finos ovaea
e de canto redondo a 44000, 54000
64000.
Bengallas de flauta a 14500.
103RA DUQUE DE CAXIAS103
Mercearia
Vende se urna mercearia bem localisada e pro
pria para principiante por ter poucos fuaos .;
para informaces na ra Mrquez do Herval no-
mero 73._______________________________
Leituras Selectas
Pelo Dr. Joo Bul-bulbo
Acha-se no prelo e brevemente ser exposta
venda, a 3a erlico deste importante livro para
leitura e outros exerclcios as escolas.
E veio multas vezes aqui a tal des-
conhecida ? perguntou elle. SSt
Tres vezes, creio. A' ultima, Cle-
mencia vendeu a sua casa e os poucos mo-
vis que a gnarneciam a um joven casal
que precisava delles. Depois, sem dtaer
palavra a ninguem, nem mesmo a mim,
que entretanto sempre me interessara por
ella, retirou se. D'ahi para c ninguem
aqui ouvio mais fallar nella, nem soube
que fim levara.
E o senhor diz que ha isso seis an-
nos ?
N3o completos ; cinco annos e meio..
Conclue entSo ?
Que essa menina lhe foi confiada pela;
tal mulher descoohecida, que lhe pago,
quantia que valen o seu expatriamento.
Como todas as aldeSs, Clemencia gostava
de dinheiro.
A crianga, nesse caso, seria o fructo
de alguma falta ?
O bom cura corou novamente.
O Evangelho nos ensina: NSo juf-
gueis vossos irmSos, replicn elle ingenua-
mente. Apezar dassa recommendac .o,creio
que o pensamento expressado pelo senhor
deve acudir ao pensamento de todos.
Mas nesse caso vamos encontrar-nos-
as meamas difficuldades qne minha mu-
laerteme: Um bello dia, essa mSi, legi-
tima ou nao, poder appareeer reclamando
a pequea Mria, nSo verdade?...
Nao provavel. Quando as mata
abandonara os filhos, qualquer que seja a
situaca) em que se achem, muito raro
que os procurem depoisfrehaver. Em todo o
caso, senbor, criando a pobre orphSzinha,
o senhor e sua mulher pratioam urna bel-
lissiina acgSo, de que Deus, o nico se-
nhor dos nosios destinos, o recompensar.
(Continuar-$e-ha.)
Typ. do Diario, liua Duque de Caxii.a. il

-i
m
i
.iii
^