Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17753


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO LXVI
BRO 116
SBKTA-FBIRA 23 DE MATO M 1890
DIARIO DE PERNAMBUGO
Propriedade de Manoel Figueira de Paria efe Filhos
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE
Por tres meses adtantadoe. .
Por 8cis ditos dem. ^aar*'.
Por um anno idem. .%, .
Cada numero a valso, do mesmo da.
6)fOU
12*000
23JHJ00
iOO
Os Srs. Amede Prince & C.
de Pars, sao os nossos agentes ex-
clusivos de annuncios e pubiiea-
coes na Franca e Inglaterra.
PARA DENTRO E FORA DO ESTADO
Por seis meses aiantados. 134500
Por nove ditos idem. ..... 204000
Por um anno idem. ..... 264000
Cada dumero avulso, de das anteriora*. 4100
TELEGRAMAS
urna mncuua:: roa:
i
i

RIO DE JANEIRO, 22 de Maio, s 3
horas e 30 minutos da tarde.
Foram hojo publicados decretos eonce-
dendo direito a serem aposentados aos
empregados das estradas de ferro do Re-
cife a Caruar o do prolonga meato da do
Bacife ao S. Francco.
Foi nomeado offioial-maior da Secre-
taria do Ministerio da Fazenda, V r.ssim.v
Julio de Moraes, sendo aposentado o
actual.
- W Foi dispensado do exsreicio de suas
funches o Dr. Jos Hygmo Dciarte Pe
reir.
O extenso catbalogo dos eslitiiaveis escriptos
deste llustre naturalista, nio o comportam as
estrellas dimenses destas pagina*. 0 Instituto
Histrico den o no anco de 184 i no volme II
da sua Revista, tal como Ibe foi fornecido pala
Academia Real das Sciencias.
De todos esses trabalbos apenas les at o pr-
senle iem visto a luz da puuicidade Das paginas
da Revista do Instituto Histrico, sao elles : Io;
Propriedade e po^se das Ierras do Cabe da or
te, pela cora portugueza, Revd. vol. III pag. 363
2 Dessripcao da gruta d j inferno, dem, vol
IV pag. 163; 3. Viagetn gruta das oacas, idem
vol XII pag. 87. t
Na Corographia histrica do S-. Dr. Helio Mo-
raes eucoutram se taubein longos extractos de
algamas das obras de Ferreira.
A bibhutheca Ni ioual expoz cerca de 40 tra-
balbos, en* aothograpaos, outros copias aulhen-
licas e outros ainda reproduges maouscriptas
oa daplfcafa do memorias lambeta expostas.
J
(Contina)
Mari Leopoldina Chaves Peixoto.
Cumpra-se e regstrese, devendo contar-
se a licenca do 1." do corrente.
Mara Augusta da Silveira. Enea mi
nhe-se.
I

w$.
1
vi
V
VIENNA, 21 de Maio.

Nos arenlos polticos desta capital acre-
dita-se que o ex-Imp--ader D. Pedro de
Alcntara, partir prximamente para a
Austria, afim de fixar a sua residencia.
PARS, 2f de Maio. j
lia Bolsa de Pars, as accSes da Com-
pauhia do Canal de Panam descem ao
curso de 28. '
PARS, 22 de Maio.
Mr. Sadi-Caroot, presidente da Rep-
blica, sanio para naar alguna deparla-
ment s do Sul e do Este da Franca.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
22 de Maio do 1890.
IKSTROCqO POPOLAR
. UUT. 8!3LI0&aA?SIC0
- LITTIMTURA BRAZILKRA
TSMFOS CQkOHAKS
XXVIII
(ContlnuacSo)
Por circumstancias descoabecidas do biogra-
pbo que temos presente, demorou se o Dr. Fer-
reira cinco aooos ainda em Portugal; mas esses
cinco aunas foram aproveitados em vanas e im-
portantes oouimissoes, das quaes d-u elle sem
pre a maisnonrosa coota vileodo Iheessas pro-
vas de capaciiade o ser nomeado socio corres-
pondente da Academia Real das Sciencias de
Lis >oa.
No mez de Selembro de 1783 fej se Alexandre
Rodrigues Ferreira a vela, chegando capital do
Grao Para em Oulubro do me&mo anno.
Longo seiia, diz o seu biograpbo. acompa-
nbar passo a passo o nosso ptnlosopbo em toda
a sua viagem. O sertao do Para e Rio Negro, o
Rio Branco, o Madeira, o Gaapor a Serra de
Cuauuur. Helio Grosso e Cu yaba, nada se eva-
di as nvesugaces do Dr. Ferreira ; nem aquel
le espirito inlaligavel se ccolentava com eslu ar
os producios da naiureza, tambem laagava mo
da p. nna para defender os direikis da lota por-
tugueza ro territorio invadido pelos hespanhoes,
para descrever as eofermidades proprias de Hallo
Grosso e para historiar a nascente civilisacSo
dos Horas.
Di z aooos consumi o eminente natura'ista no
-riupenho drssa commissao, nica que loe
coube de tal genero, mas que ihe foi de sobra
para k-gar posteridade a copiosa beranca que
por abi tem andado malbaratada e que agora
podemos na Fxpooicao admirar tantos e iuo va-
liosos traDalbos jumos alloal, ainda que momen-
tneamente, aos nossos olbos, para que corasse
mos de pejo pela ignorancia em qoe viviamos
da existencia de semelbantes tbesouros.
Voliaodoao Para, permaoeceu Alexandre Fer
reir oove meses em Belem, nao na ocinsidade,
que nao a componava neo genio laborioso e ac-
tivo, mas des-m pe oh ando o encaigo de vogal
as 'juntas da azena e da justiga, para o qual
o nomeara o governador.
Foi nessa epocba que se cas .u o Ilustre ualu
ralisia, e a bislona deste consorcio lao origi-
nal que nio nos podemos furtar ao desejo de
mu irauscrevel a.
Cneg.odo o Dr. Ferreira ao Para, di Costa e
Sa no panegynco lido em sessao da Academia
Real de Scieucias, na volta da sua viagem, poo-
derou-lbe o capitao Luiz Pereira da Guuba, que
tinha remetiido. couf.-rme suas ordens, os pro
duelos da sua viagem para Lisboa, mas que se
acbava, por sso, uo desembolso de tal quaatia,
que com ella podena dolar urna Qlha
.Is=o nao servir de ein barago a seu casa
ment, reicrqou-Ibe Ferreira coiq a sua oatoral
bondade ; eu sere qoem receoa esa tua tilba
por aiulber ; e assiui o fez, casando a 6 de Se
lembro de 179J.
Regressando a Lisboa, foi nomeado omc-.al da
secretaria d'estado dos negocios da mai.nba. no
anno segrate di=peo*du d'esse encargo para
exercer o de vice diiecior do Real Jaidim Bota
oleo e posteriormente administrador das reaes
aaious de Queluz Cxias e Bemposia e depuU-
do da Junta do Gommercm. Como onica dis
tineco honorfica leve o habito de ChnsW.
O lempo que Ibe Ocava de ba uuUipias oc-
cupacoes officiaes. emprtgava Alexandre Fere
ra em \>6' por ordem os seos vaaosissimo Ira
balbos, procuraodo ao mesmo tempo corngil os
deaccoidocom asidtas correles da scieucla,
de cojos progressos o segregaram os dex annos
de suas peregrlnatoes pelo norte do Brazil; a
falla de meios, porem. para dar publicidade
esees fructos de ieu labor, e com os qoaes a
con?cieDcia assegorava Ibe iovtj .vel renome, o
aba .dono em qoe o deixava o governo e uivez o
desdem ou inveja de contemporneos, acarreto
ram Ibe tao profonda meUucolia, que, como a
Slana a falta de lox e ar, foi se estiolando aquel
preciosa existencia at de todo finar-se a 13
de Abril de 1815.
rARTE 0FF1CIAL
Abaixo assignados, preteridos de serem ma-
triculados na Escoli Normal. Informe o cida-
dadSo director da Escola Normal.
Adolpho Firmo de Oliveira.Informe o cida-
do inspector do Tnesuro do Estado.
lementina Elisa Honieiro.Informe o iaspe-
ctor geral da nstruccao publica.
Herculano Theolooi > da SilvaGi'ioares.In
forme a Iatendencia Municipal de ftamelleira.
Capitao Joaquim Agnpioo Furiado de Men-
'onra.Ao cidad&o com mandante das armas
para to;uar oa considera;o que merecer. :
Hara Bgo de Barros WaoderleyFasso-fiF-
taria, a vista do pareqpr do conselbo Iliterario.
Secretaria do Governo do Estado de Per-
ambaco, 22 de Maio de 1890.
O porteiro,
H. M. da Silva.
feiove/rno do Estado de Pernam
buco
DESPACHOS DO DA 17 DE MAIO DE
1890%
Bacbarel Honorio Hermetto Correia de Brito.
Sim.
Heraclio Colombo de Cantalice.BeferWbfeom
officio de boje ao Ministerio da Agricultora e ao
eogenheiro.
Joao Ribeiro Pessoa de Lacerda Deferido
com officio de boje ao Hin-steno da Agricultura
e ao engenbeiro director do proloogameoto.
SO
Abaixo assignados, moradores da frpguezia de
Nussa Senbora da Paz de Afogados,Nao tem lu-
gar o que requeren:. t
Antonio Auxusto de Oliveira.Nao tem logar
o que reqoer, visto estarem prescripias as cus-
tas segundo informa a Intendencia.
Felippe Manoel de Oliveira. Nao cabe recurso
do ano da maiona da commissao districtal que
impoz a multa, contra a qual reclama o peticio-
nario.
Resta-loe, portante, smente rec arorf perante
a maioria da mesma commissao contra dito acto
em vista das razoes expendidas.
Joao Jos Ribeiro de MoraesInforme o in-
spector geral da in^tru^cao publica.
Joaoiveg Pereira Lima Filbo.Nao tem lu
garp^fcrq'uer, visto estarem proscriptas as
cu-fas, "Segundo informaba loiendencia.

Reparticio de Polica
2.* aeccSo.N. 112.Secretaria de Po-
lica do Ks'ado de Pernambuco, 22 de
Maio de 19 J.
Foram bootem recolbidos Casa de Detengao
os individuos de nomes Mauricio Alves de Ol
veira, Antonio Marceliioo da Silva, Deodalo Fran-
cisco Jos Sanios, Braz Basilio de Lemos, Hanoel
Raposo Ferreira de Souza, Joaquim Looreoco da
Silva, Hanoel Correia de Amorim, Jo- Tneodo-
ro, connecido por Josepba Preta, Joao Justino
Correia Francisco Tbemoieo, Francisco Libanio
dos Santos, conbecido por Chico Damnado e Jos
Antonio dos Santos.
Commuoica o delegado do termo de Gara
nhuns, que no dia 17 do corrate e no logar Ser
nnba da comarca de S Bento. suicidara te, dis-
parando urna arma de fo Joo Paulo Rosa Cesse. que exercia o lugar de
commatdaote da 6* regio policial.
O delegado arrolou diversos oojectos perten-
centes ao Infeliz, os quaes teem de ser rmetti
dos a esta repariiciio para serem entregues aos
interesados.
Pelo subdelegado do districto de Catende
foi remettido ao juno competen'e o inquerito po
licial a que proceden contra Viceote Ferreira,
preso em flagrante na o: :asiao em que, armado
de orna faca de pona, pncorava forrar para
tins limdino803, a Bermina do Espirito Santo.
Tambem pelo subdelegado de Palmares ti-
veram o conveniente destino os inqueritos poli-
ciae a qoe proceden cootra os individuos de
oomes Hanoel Jos do Nascimeoto. conhecido
por Deco e Hanoel de Siqueira Cavalcante co-
nbecido por Tnico, o p'imeiro como iocorso
as penas do art. 192 do cod- crim. eo segando
por crime de deflor-meuto.
O capitao 01 gano Pires da Luz Cantarelll,
assumio no dia 14 do corrente o exercicio do
cargo de delegado do termo de Aguas Bellas.
O chele de polica interino,
Francisco Xavier Quede Pereira.
The so uro do Estado de
Peraaaabueo
DESPACHOS DO IA 22 DE MAIO
PJS l9U
Francisco Antonio de Souza Ayres.
Sim
Jos Correia de Britto. Informe o
admiois rador da ReCebedoria.
Luft Manoel Rodrigues Valenca.Volte
ao Dr. Contador.
Antonio de Souza Duarte Ferreira.
Informe < Ur. Contador.
Adelaide R.-udnia Bittencourt Barbosa.
Registre ae e facam-se as dendas
notas.
inapeetori- eral da aii-hcco
Publica do Raiado de Peraaaa-
buco
BH ADDITA MENT AOS OK8PACH08 DO DIA
21 D MAIO DK 1890
Lula Gonzaga de Aenezes Jnior.
Compra ae registre .
Adelaide B. Bttei.court Barboaa.
Cumpra-ae e regtre-i.
___0MUKVMMKI.4
QIPAPA
ACTA DASESSlO DA INSTALLA^i.0 DO CLUB
BEPCBLICANO DE O.CIPAPA, AOS 18 DE
MAIO DE 1S90.
A's 11 horas da manha do dia 18 de Maio de
1890, reunido no paco da iatendencia Municipal
da villa de Quipapa immenso concorso de cida
do.s constante de magistrados, professores, ad-
vogaios. negociantes arti (tas e ugrji u'ores, cujo
numero exceda a 130, foi pela multido accla
mado director o Dr. Antonio da Silva Guirnaraes
que, dando principio aos trabalbos, pr. ferio om
eloquente e bem elaborado discurso expondo o
fin da reun*), cuja idea de si havia partido,
historiando a marcha evoluciona! do movimento
republicano no Brazil e exaltando o mrito de
todos que coacorreram par* o grande acontec
ment do dia 13 de Novembro de 1889, sendo
durante o seo iJiscuro geralmenle applandido.
Em -eguida, depoi provados as estatutos do club j previamente
ordoisado8, passaodo se inmediatamente elei-
gao da directora e das diversas bmmissOna.
N'essa occasiao pediodo e obtendo a palavra o
cidadio Florentino Bezerra Leileapresentou para
presidente, 1 e S viee prndenles os cidadtas
Dr. Antonio da Sltva Guirnaraes, Henholdo Gal
vo e Antonio Roberto Mcretra oa ordem em que
eslo collocados, s ;ndo todos unnimemente ac
clamaOjS, caben do os demais cargos aos segu n-
tes evdaos: 1 secretario, o professor Jos Xa-
vier da Cuaba Alvarenga ; j, Florentino Bexerra
Leite; orador, o professor Bardominiano yl j
doa^antos Ferreira Barros ; tbesoureiro, o" ca-
prdb Djmiogos Ferreira de Micedo; conselhei
ros, Jjy Rodrigues de Lima, H.norio H^rmeto
Goocalves d'Oit veira, Alfredo Santos, tenante Joa-
quim Isidro da Silva capitao Jos Loorenco da
Sil'aluza, Jos da Comti, capitao Diogo Henri-
que de Souza, tenftote coronel Silvestre Pereira
da Silva Cesar, Sebaetiao Goocalves de Oliveira
Baixa e alferes Joajuim Felippe Ribeiro ; com-
misses execntivas: de Quipap, Antonio Ber
tholdo Galv&o, major Firmino Pomposo de Mello
Falcan, tenente-roroaei Francelino Giilhermj de
Azevedo, capitao Jos Maoncio de Araojo a nro
fe-sor Jos Xavier da Cunha Alvarenga ; de S
Benedicto, capitao Manoel Ferreira de Helio An
ionio Pereira da Costa Jnior e Hanoel de Si
queira Passos Sobrtnho ; de Queimadas, padra
*ianoei Tbeotonio i'ereira da Casta. Rnno Vleiri
de Lu jena e Antonio Manoel Pessoa ; de Pao
Ferro, professor Jos 0 lente Antonio Demetrio da Silva e Jos Ber-
nardo de Oliveira.
Eleiti e empo8sada directora, foram inscri-
ptos oo liv-o da matricula todos os socios fon
la ores prc-enies caben lo depois a palavra ao
orador do club que, de um modo^treciso e con
venii nte pz em relevo o alio valor da associa-
c&o quese constituir principalmente pela o*
vontadedos:u presidente, o Dr. Antora da
Silva Guiionraeu, louvan-Jo ao mesmo'* letnjkft a
concor-enca dos habitantes da localidad? aqulla
reunido.
Occupou depois a tribuna o professor Jos Xa-
vier da Cunhi Alvarenga, que em linguagem li-
mada e concisa sauou ao club e bem assim ao
seu fundador, que abrir urna nova era para os
Habitantes de Qulpapa, propondo ao mesmo tem
po, -:in uomeuagem ao seu recoohacido mrito,
o titulo de socio benemrito ao cidao Dr Joao
Joaquim de Freitas Henriques, joiz de direito da
comarca, o que foi unnimemente approvado.
Em seguida o ote ve a palavra o capitao Floren
lu B-zerra Leite que propoz o mesmo titulo
para o cidadj Dr. Jos Paulino Cavalcante de
Albuquerque, juiz municipal do termo, tendo
sido tambem unnimemente approvado.
Occopaodo anda a tribuna o presidente do
clob. e salieotando em um bello improviso os
servicos prestados causa republicana pelos ci
dadnos Drs. Hrtins Judior e Albino Heira, pro
poz qoe Itiea fossem conferidos os ttulos de so
cos benemritos, o que, alm de unnimemente
approvado, foi calorosamente applandido.
Achando se sobre a mesa diversas communica-
coes de cidadSos que nao poderam comparecer
foram, depois de (idas, inscriptos os seus nomes
no livro dos socios.
Nada mais b a vendo a tratar o cidadSo presi
denle, usando analmente da palavra, procurou re
tirar de si toda a gloria que o bom resultado do
club possa trazer, para distribuil a entre todos
os associados, recabiodo os beuefl ios nSo s so
bre a cabera de seus queridos Albos como tam
bem sobre a cara e estremecida patria ; e agra-
decen Jo aos cidadSos presentes o seu concurso
aquella reuniSo. ord non ao cidadio Io secretario
que 6zesre as commuoicacOes ds estylo, e em
seguida levantou a sesso.
Silve.-tre Pereira d i Silva Cesar.
Prancelioo Guilherme de Azevedo.
Floreniiuo Becerra Leite.
Jos Loorenco da Silva Zaza.
Antonio Berioldo G Ivo.
Firmino Pomposo de Mello Falcac.
Affinso de Castro.
Antonio Manoel de Helio Azevedo.
Miguel Joaq iiin do Reg Barros.
Alfredo Santos.
J >aquim Izinoro da Silva.
Job Mauricio de Araujo.
Jos Ferreira de Azevedo Macedo.
Antonio Roberto Hjreira.
Vicen e Ferreira dos Reis.
Joo Gulberme de Azenpdo.
Diogo Henrique de Souza.
Hanoel Henrique de Souza.
Gregorio Nziazeoo da Silva.
J'.So Goncalves da Costa.
Hanoel Tenorio de Hedeiros.
Juao Clem>nt- de Mesqutta.
Jodo Nepomuceno Galvo.
Jos Alves Camello.
i.uiz de Hollanda da Silva.
Francisco Alves le Azevedo.
Joao Fumino Leite.
Manoel Fernandes Fontes.
Jos Correia.
Uuacio Alves da Silva.
Jos Ferieira de Lacerda.
Fortnalo Guiberme de Azevedo.
Hanoi 1 Vicente Ferreira.
Pedro Iguciio de Oliveira.
J is Francisco Florentino.
Ursuliuo,To'-reao
Macario Teix-ira de Lima.
F-aocisco Teneira de Heudonca.
Jos Joaquim dos Santos.
Do.mngos Ferreira oe Macedo.
B- Iiarmino Tavares Bezerra.
Tito Livio Bertboido Gal vo.
Jos Domingues da Silva.
Costo no Gomes da Rosa.
Francisco Vieira de Carvalho.
Antonio Paulino de Sa Peixoto.
Hju rio Hermel o Goi.f Ivs de Oliveira.
Hanoel Couslautino de Oliveira.
Jos Loorenco da Silva.
Jovino Ferreira de Souza.
Lourenco de Antojo Carola.
Jos O Uviano da Rocha Helio.
Antonio Knzendo da Rocha.
Antonio Fl >rentmo Leite.
Se#iuo J .s da Silva.
Antonio Demetrio da Silva,
Pe tro JoSo de Souza.
Ladrentino Coruelro Reg."
Antonio Bazilio de Oliveira.
Joao Tavares de Araujo Jnior.
Jos fereira da Silva Cesar.
Cddaiio Pestaa da Costa.
Antonio Odonco Pestaa.
Joce Odorieo Pestaa.
Lau indo Al ves da Cunha.
Firmmo de Helio Falcan.
Hawel Bezerra da Silva.
Adriano Ferreira da Silva.
otonio Ferreira de Lacerda.
Tbeotonio Nogueira da Silva.
Mantel Nogueira da Silva.
Mviael de Siqueira Passos Sobrinbo.
Jj.-c de Siqueira Passos.
I.-naci de Siqueira Passos.
J So de Siqueira Passos.
Framisco de Siqueira Pasaos Sobrinbo.
Manoel Severino de Siqueira.
Francisco de Paula Siqueira.
*Qionto S. Pereira Costa Jnior. (
Oiympio Costa.
Tar.'ino Beterra de Mello.
Joao de Houra e Mello.
Minoel Joiquim Beierra.
FirmiQO Mooteiro Leite,
Franciscv) Siqueira Passos. _
los Henrique de,Souza.
Q.'ii'.niano Vieira dos Prazeres.
Joo Gomes de Almeida. ,
Joaquim Jo'^odngaes Fonseca.
Joao Francisco de Araujo* '
Jos Soares de Houra.
Avelino Alves da Conba.
Joaquim Tenorio de Hollanda.
Amonio Horeira de Bruto.
Manoel Ramos dos Santos Filho.
Francisco Uves Lene.
inamerico Clodoaldo de Oliveira Guirnaraes.
Hanoei Joapoim da Silva.
Domingos Soares da Silva.
Hanoel Antonio de Louza.
BelUrmino Pereira da Silva.
Hanoel Gomes da Silva.
Joao Raphael Gomes. ?
A.nonio Bernardo de Sobral.
Joiquim Feliciano da Silva.
Jos de Aodrade Lima.
loaquim Jos Correia.
Aoionio Luiz de Franca.
Joo Fereira da *nlva Cjsar.
Firmlno Jos de Araujo.
Jos Raposo de Vivemos.
Ciementmo Rodrigues.
Antonio Velho de Oliveira e Silva.
Jos Soares de Mlfcedo.
Tertuliano Pereira da Silva.
Joaquim Marques de Vasconcellos.
Ca>- ano Carlos da Silva.
Bardominiano N. S. Ferreira Barros.
Jos Xavier da Conha Alvareoga.
Antonio da Silva Guirnaraes.
Pereutmo Ltns Cavalcante Filho.
Sebasliao Goncalves de Oliveira Baixa
Agostiftho Juviniano de S P.
Pedro Americo Galvao.
Penrentino Lins Cavalcante.
Jo> da Conti.
Daui-i Ju-uodino de Araujo Peixoto.'
Jjs* Vaz de Sooza.
Jos R drigues de Lima.
Antonio Hanoel Pessoa.
Jos Francisco da Silva.
Rulino Vieira de le Lacena.
Manoel Gones dos Santos.
Jos Francisco de Lucena.
Fian cisco Mmoel da Silva.
Esperidii-': Francisco Nepomuceno.
Gregouo Arago.
Manoel Sabino da Silva.
Joaquim Felippe Ribeiro.
-
PIMPAS E C011ERCIO
A Gazeta de Noticias, do Rio de Janeiro, sob
0 titulo de-Exposicao talo americana,deo a
seguinte ooiicta, cujo coobecimeulo importando
geueralisar, faz-nos isto o dever de trasldala
para esta geqcao.
Cou-i t jio se em Genova urna commissao com
o lim uiilisslmo de promover urna exposicSo dos
producios italianos, que lm probabilidade de
ser iuiroduzidos no commercio aas duas Amen-
cas. e as*nn tamb m a exposicfto dos productos
americanos al hoje mal coobecidos na Italia.
A ningue a poae passar dpsapercebida a alta
importancia deste commettim-oto, a coja frente
se acbam o mofessor Jacoo Virgilio, Godofredo
Canepa, De Amezaga, Arnaldo Tortesi, Bensa,
Rosseiu, e o no^so estimavel e inteili.ente pa
tncio Manoel Maria de Carvaiho, qoe todos os
das presta oovos servicns a patria n'aquelle pos-
to que Ihe f ai dado peio Brasil.
Damos em uegaida a circular dirigida pela
coinmissa > aos joroaes americanos:
No decorso de Fevereiro coosliiuio-se em
Geoova orna cammisso com o fim de preparar
e inaugurar nesta cidade, em I89i, por occasiao
das festas colombianas, urna exposicio Ilalo-
americapa. ... -
Mediante tal exposicao, de carcter exclnsiva-
mente coinmerciai, lm os seos promotores em
meule dar o maior desenvolv ment possivel ao
commercio emre a Italia e a America, estrenan-
do os lacos de affecio, de fraternidade e de in
teresses entre estas nobres populacfies.
A commissao de Genova, para bom xito de
semelhaote exbosico, dirigio-se as cmaras
commerciaes ialiauas- e muito espera do escla-
recido patriotismo de que ellas se lm mostrado
animada- em todas as circumstan. ias
Mas esie proj^cto, que tem a seu favor entre
nos a pleua approvaco de quantos amam os po-
vos americanos, nao poderla conseguir segaros
e esplendidos resultados, se a imprensa desss
paiz"es o nao favorecesse e defendesse, e se do
inelhor modo nao demonstrasse a sua opportu
nidade e o seo inmensj proveito.
E' por este motivo qoe-, anenas empossada, a
presidencia desia commissao reioaheceo a coa
veaieocia de dirigir se aos Srs. directores e pro-
pietarios dos jornaes americanos mais notaveis
e de maior circulac.o, para solicitar o seu va-
lioso concurso n'uma obra que visa a solemoisar
o qoano centenario do fa.:lo mais memoravel
da historia moderoa, com uuia exposico que re
vele as awuaes i ondipOes das relacoes commer-
ciaes eulre a llalla e a America, e inumue o meio
seguro de se conseguir o incremento de taes re-
laces. .._
A commissao propOe-se a aproveitar tao feliz
opporiuuiJ .de pra congregar llustres ecouo
mistas, publicistas e estatisiicos americanos e
italianos, afim de dis;utirem e proporem n'nm
CdBgfufeo o que pode melhorar as relagfies de
toda a naiureza entre estas nacOe-s, e aogmen
ur lbe< a respectiva prospendade.
C ros os abaixo assiguados de que V. com
preheuder plenam nte o m patritico em que
i--, inspira a no isa eommissao, confiara na auto
risada propaganda que V. e seu jornal faro n6s
le particular, e de ameraao agradecen! o efficaz
apoto que cerlamenie*V. se dignar de prestar
Srojecuda ex po si cao.-Jacob Virgilio.-Basilio
itudini. Henrique Bensa. Vicente Ros-
etti.
R -celemos o re..toiiu da companhia Mogyana
o qual fu api-eseniido em assembla geral aos
iccionisiis en JO do corrente.
O dividen.io di-..i ibu do por esta estrada no
.-emestre p tasado foi de 11 0,0 por acgo e ele-
vou o fun (o de reserva a 317:139*770.
A receita foi de 1.718:36 5440 e a despeza de
896:678i3i.
A.- rendas do E-talo do Espirito Santo subi-
ram oo ultimo trimestre a 197:000 tres do que em igual periodo de 1889 e mais oi
teota do que em igual periodo de 1888
Todos os pagamentos do Tiiesouro acham-se
em dia, extstindo um saldo importante.
INDUSTRIAS AHTES
Acha se constituida a Companhia Na-
cional manufactura de fumos, ees. ionaria
do privilegio concedido a Francisco Comas,
para explorar a industria de preparados
de fumo, tonlo sido feito o deposito.de
10 i, do capital subscripto e approvados
os respectivos estatutos. "
A directora ficou composta dos Srs. :
conselheiro Dr. A.fredo Rodrigues Fer-
nandes Chaves, presidente ; Dr. scar
Varad^ vica-pres dente ; Dr. Jeronymo
de Castro A>j% MagalhJes, secretario ;
Antonio Jas miao Esteves Jnior, the
sou-eiro; Joao Franc:oo de Freitas,
vogal.
t.onselho fiscal: cominendador Carlos.
Juaniano das Cbagas, barao da Drura-
mondr, mjor Jos Das Delgado de < 'ar-
valhe, commendaior Albino 4a Costa
Lima Braga e visconde de Duprat.
_ Supphmtes : Cari Valaia, Carlos Tei-
xeira de Uarvalho e Pedro Estoueigt.

O expansivo desenvolvmento de re-
guezia^que adquireai os productos da em-
preza de tecidos da^S. ChriatovSo, inspi-
rou directora desse eatabetecimento
fabril a neceasidade de promover a acqui-
sicSo de macbnas e oemprehendimentode
obras de grande valor.
Para levar a effeto esses projactos, a
mesma directora cooaeguio do Banco Co
lonisador e Agrcola um emprestimo
de 1.000:000*000 em debenturet, sobre
I.4! hypotheca, do iuro de 6 1* e amor-
tioacao de 1 "0, pagavel em 3' annos,
aproveitando a occasiao desse emprestimo
admini6tragao da fabrica, ao passo que
prov ao seu deseavolvimento, resgato o
emprestimo que ja tinha de valor de
25<:000iJ e cujo juro era 8 [0 e assim
mais oneroso do que o actual.
Foi esta urna bella operacSo, que traz
vantagena para o estado financeiro acta>I
do importante estabelecmento fabril, ao
mesmo tempo que -parmitte meioraoien
tos exigidos pela evolucSo de suas transac-
cSes, de aorte que, feitas as obras, disp*
r a fabrica de 74" ? teares e de 25,vAK)
fosos, dando trabalbo a 1,200 operarios.
O resgat9 dos ttulos do aatigo empres
timo do juro de 8 j0 j comecou no Banco
Colonisador.
A Companhia Industrial Agrcola de
Villa Rica do Eatado de Minas, foi orga-
nisada com o capital de 1,000:00000 0,
sendo de 2.<00J0 o valor nominal das
accSea e com garanta de jaros de 6 "[.
Os seos fins sao :
1." ExploracSo da industria do cha
cultivando-o pelos processos mais moder-
nos.
2. Cultura e fabrico do vinho e outros
productos de uva.
3. Criacao de aves e insectos uteis,
com exploracSo dos seus productos pe s
meios aperfeicoadoi.
4." PreparacSo de conservas, doces,
licores e lacticinios.
Como vl-se a empreza se prop5e a au-
xiliar aa industrias, cujas localisajSes em
Min-B GeraeB estao admittidas como bas
tante proprus e promettedoras das maio-
res vantagens, por profissionaes compe-
tentes.
Essa empreza abri a subscripgao de
suas accSes na praca do Rio de Janeiro
por intermedio da caixa filial do Banco
de Minas Ge raes na Cagjtal Federal.
AGRICULTURA
A borraeka
A borracha -Hevea braziensis substancia de
naiureza vegetal compoata de carbono e de hy
d-.-genio, encostra se em su9pen^ao no su co
leitoso de um graode numero de plantas equato
naes e coostitue ora ramo imprtame da iodos-
tria moderna e a principal riqueza do valle do
Amazonas.
Tolos os paizes quentes as proiuzem, parti-
cularmenie o Brazil, Guyanna, America Central,
India. Iiio Ch na, libas Malasias. Madagascar
e Costa oriental e occidental A& frica Eacon-
tra-se portaoto a borracha na America, frica, A-ia
Oceania. nao ten 10, porm, todas o mesmo valor
no commercio. A da America e especialmenta a
do B<-azil (Para-Amazonas) a mais eslimada.
Foram os hespaunoes e portuguezes os pri
meiros que em seos escriptos fizeram mencSo da
oorracha, s-m coos-guirem piiem, lixar a a.-
tencao geral sobre este precioso producto. Um
viajante francez -Carlos Maria de Condamiua,
foi quera o tornou mais conhecido na Europa,
depois de orna viagem America do Sol em
1736 em companhia de outros uiembros da Ac
demia de Silencias dePariz.
tmnuanto seus companhgiros oceupavam se
exclusivamente com o objecto de su i mlsso,
Coodamtoa percorria o paiz, estudando seus pro
doctos tia'uraes e i-olheado tedas as informagOee
qoe podessenr ser uteis nao s a selencia como
a idu8ina eoropa Em urna de suas exmrco*s
obteve vanos rolos de ama substancia escura e
esinosa que os indios extrabiam por meio de
incises as arvores, a qoe a* diversas triDus
davam nonios Jiff rentes, mais connecidas toti a
dtnomraacao de heve, su's'aacia que os inlige
as de Qaito chamavam caoutehouc (suco da ar-
vore). O engenhetro fra tcez Presnean visiou
tamoem nesse tempo o Para e commooicoa a
Academia ama nota sobre a borracha.
Nessi poca servia apenas a borracha para a
conlecco de grandes tochas. S mais tarde foi
empregada para tornar os tecidos impermeaveis
e em nina innnidade de objectos de utilidade ge-
ral.
O oome de seringa ou sermgueira, com que
conhec.da a arvore da borracha no norte do Bra-
zil, pro v io de pequeos apparelhos em forma
de seringas fabricados pelos indios.
No valle do Amazonas, particularmente no
Para, existem immensas florestas de Hevea. To-
dos os annos milbares de trabalhadores, vindos
de outros pontos, procedem extracto da bor-
ractia por meio de incises as arvores de onda
curre nnmediaiamente um sueco branco, leitoso,
que recomido em tigelinhas de baro fixadas
ara pouco abaixo da incisao.
Nao insistiremos sobre o processo de extrac-
co para nio alongar sem grande utilidade esta
pequeo estudo. Sao bastante conhecidoa entre
nos os tres processos empregados para recoluer
a seiva oa socco leitoso no qual a borracha adia-
se em suspenso: 1, de simples incises n>
carca da arvore; JJ", incises com ligadura do
tronco; 3% corte da rvere para dindU-a eot
pedacos.
Dieren'es processos sao igualmente osados
para coagular 1 borracha, isto e, para separar a
oarie liquidai o calor; J*.addico de diver-
sas suDsiBciancojo alu en. ce-tas plantas,
agua doce ou salgada.
Couvra accresceofar que a exlraccSo da bor-
racha, como ella pralicada actualmenio, das
"tois primitivas e menos econmica. Ja
saiou-se recolher o sueco em caixilhos de tela *
grossa repousando sobre areia fina, de modo
que a pane aqu a ripidaosente absorvida depo-
sita sobre o tecido orna espessa carnada de bor-
racha pura. Para evitar que se desenvolvaa
f^rmentacao apezar da A*apidex da poeraco,
ajnata se um pouco de 'agurdente. Se fosse
possivel obiur o meio seguro de evitar a coaga-
lacao oualteragao do yeco oato'al, poder-se hia
envial o neste estado a todos os paizes em qoe t
se prepara a borracha. 0 ammomaco j foi m-
pregalj para ravrecer a conservasao do sbeco
natural, leudo sido reinettida Inglaterra urna
certa qoantidade aseim conservada. Essa ten-
tativa, qprnT, nfio foi corada de completo xito
i
A industria da borracha ioteiramente mo-
derna. T rn ella actualmente numerosas appli-
cajoes tornando-se, por assim dizer^de primei-
ra necsjssidade. Sua importancia comuiercial
augusto todos os dias, sendo na Inglaterra e
nos '_Hadee Unidos bode seo consumo mais.
onsderavel. Anplica se principalmente coa-
feccSo fle vestimentas i ni perra na veis tecido
elsticos, caaaehos, rolos de impressao, instru-
mentos de clnmica e cirurgia, tampes de loco*
motiva, correas, tobos, proteccSo de Hos elctri-
cos, das rodas de carro e velocipedes, etc., etc.,
e experimenta se actoalraente na Allemanha, o
sea emprego no calgamento das' roas. Esla In-
dostria nao foi realmente creada seno a parta*
de 1810; foi desde etuao que indicou se o meio
de cortar e tecer a borracha e que Hat ktntosh
a iplicou-a taaricacio de vestimentas imper-
raeaveis gracas sua solobilidade em essencia
de carvo de pedra.
A' tmtcanisacao da borracha devido o xito
rpido e protfressivo de seu emprego e de suas
mltiplas appiicaces. Esta volcaoisacao obtem-
se pela comomaco da borracha com urna certa
quantidade de eoxofre, 1 ai1/, de seo peso, o "
qs Ibtfda propriedades e.-peciaes.
Os processos de volcamsac&o ou sulphurisa-
(So sao assas numerosos : processo por immer-
so em um baabo de enxofre, processo pela in-
troduego do enxofre ou de um solphoreto na
raassa da borracha e applica$ao do calor para
realt.-ar a combln..gao, processo por imbiuigo
na diasolucao de um .-nrapo-to su'phu-cso, pro-
cesso pela unmersao em ama dissolucao de sul-
pbureto alcalino com applicacao de calor sob
pressao.
0 processo. porm. mais geralmenle empre-
gado o de Goodyear, que consiste en. misturar
a borracha com ama certa qoantidade de euxo-
fre e a prodozir a co t.binajo por meio do ca-
lor. A dose de euxofte e geralmenle de 7 a 10
pjr ceoto da borracha empregada
Augmeoiando se a proporc&o de enxofre na
preparac&o da borracha vulcaoisada, ohtem-se
um pro.tucto com oroDriedadPs especiaes. entre
outras o deoma excessiva dureza que permute
irabalhal o como se fosse madeira, marm ou
chifre e applical o aos mesmos usos.
Ei" producto recebeu em Franca o oome de
caoutehouc durci, e na Inglaterra o de ebonite
guaud i tem a sua cor na'u-al (preta) e vulcunite
quaodo e colorido artificialmente.
A borracha bruta, qualqoer qoe seja a sua
procedencia, preparase do mesmo modo e por
um processo mecbamco. Este trabalho seria ex-
tremamente simplificado se a materia prima vies-
se ao mercado convenientemente pura, de modo
a poder-se empregal a immediatamente. Salvo
as boas qoaiidades do Para, a borracha cootm
O'dinanamente ierra, atea, pe lagos de pao, cas-
cas, loihas, etc., que oella se iotroduzem doran-
te a colbeita oo dorante coagulagao, enfardamen-
ot e transporte.
Antes, cois, de empregar a borracha, neces-
sario geralmenle purifieal a. isto limp.il a, e a
esuo perago da se o nome de Tegeneracao. Depois
de ter suo amohecida ligeir mente em agua
queme e cortada em pedacos. a borracha pos-
ta nos cyl maros lavadores que a expurgam de
todas as impurezas.
As fulhis ubtidas por esta passagem pelos ci-
lindros sao neceadas ao ar livre, e depois de
bem secas vao pnssadas nos r.ylindros tritura-
dores (metangeurs) e nessa occasiao addiclona-
se Ihe a queme a quantidade de enxofre ne-
GBasaria a vulcanisago para a'tigos que d.-v m
ser ansolutamenle puros, oo de enxofre com
urna m stura de outras materias -xidos meia-
liicos principalmente para os objectos qoe exi-
gem menos flexibilidale e tm menos valor.
.A borracha assim misturada amontoada e de-
pois coruda em folhas ou simplesmente passa-
da em oma prensa, por meio da qual obtra se
folbas da espejara qoe se deseja. E' eoiao
transformada em tubos, em placas oa laminas e
01 jectos de toJas as formas e applicages. Sio
vul anisados e o producto obti Jo entregue ao
concomo.
A borracha do Brasil, e particularmente do Pa-
ra, incootctaveimente superior, como quali-
dade e q- antidade, as de qualquer mira p-bce-
lencia o ieve -er empregada tle pref reacia oo
fab ico dos ilos qu euu-am na cvnfrccao de ie-
odos elsiicos, de \es.iiue.i>as-iintetmeaveis,
insirumeum8 de 'irargia etc ."etc. As folhas
de borracha erapregadas nesles diversos obje-
ctos sao provenientlh de grandes le.iegos de
borracha do Para abaolutaaiente pura, addn i t-
naJa a ura. certa quantidade de benzma, posta
em moldes especiaes fortemrate comprimida e
cortada na espesura Con emente, depois de bem
resfriada. A vulcaoisacao destes objectos faz se,
como .lisemos, em tiaonos de enxofre.
E' inc.ontestavel que os prodoctos obti los por
meio da borracha do Para sao p efenveisaquaes-
quer outros nao s em raiao da qualidade, ruis
ainda pela sna maior duracfto, sendo muiio m.us
leou fu ..xiJago ao ar.
A alta qne teve a borracha do Para ha a'*''is
annos, atiogindj 13 francos por kilogramma, nao
d.-ix .u le ufl dr no maior emprego d
borr.chas inferiores em pregoj
breludo da borracha facticia,!

I S

-.

m<

'.*--
ata


<*
Diario de Fernambco--Serxla-feira 23 de Maio de 1890

mente de oleo de Irabaga clarificado e oxidado
Une se obtem por baixo prego- 8 centeetmoso ttt-
, g?2e aerVepare ofobrieo euaa. iaHoidaaad
eauenos objeclos.
*OS
Estados Uaidos, onde:* borraj


i

maiorea appuoagoes, ap'roveitaavt lo** otfl
iects ja fra le oso atiradosr ra, MbretMft
o calcado. Desembaragado da inaWNas es-
tranhs (tecidos, etc.), submeWMea aTeacttros
aoe os desvulcanisam e misturaste com botw
cita nao serfida, sao noeuto*iprtdosna
fabrico de diversos artigaa. Bfcu csymo
actualmente qatel igual ao da borracha DW*. U
emprego da borracha, porm, augtneota de tal
maoeira que diminue grandemeite o pengo que
possa offerecer a concurrencia destes succeda
neos O verdadeiro perigo consiste na devasta
.cao das arvores, das quaes extrabe sea borra
a Os proce8sos para isso empregados sao
anda primitivos e pouco radonaes.
Esta importante iodustria oftereee oiciati-
" de indua mes uaciooaes e estrangeiros um
vasto campo de acgo e reclama o estabeleci
ento de fabricas centraes em Belm, Maoaos e
ontros pontos do Amazonas
Conbecendo a importancia da exploragao de
am producto que constitue um dos elementos de
riqueza nacional, o ministro da agricultura cha-
mou sobre elle ltimamente a attencao das ad
mioistraces do Pari e do Amazooas, pedindo-
Ihes informacoes que habiiitem o governo-
ouanto couber em sua espberaa dar providen
cias tendentes a melbonr as condigoee ieste
ramo de trabalbo. .
AimDoriaco da borracha feta principa
men pelos portos de New Pork, Liverpool
Londres e do Havre. Seus precos variara de 6
10 francos por kilogramma, sendo o curso
actual de 9.50 9 60 o par-hne e o Sernamby
de 6 75 6.80 francos. .
Eis um pequeo quadro estaliatico da sua ex-
oortaco oelo porto do Para em 1888:
CSSX 1-qual.dade.. 10 000.000 kilogram.
, 2 Sernamby.. 5 000.000
bomba a vapor, 1 carro de matena^i: bomba, urna maauaea, 4 pipas para agua, que servem igual
maule para a coooneeao do pessoal, 1 carro de
escada, ludo iaso tirado por aniones
Alm desia grande quaotidade de apetrechos,
a admioiatracao approvou um crdito m llJOOO
para o sea augmento.
Em S. Paulo a companbia se compoe de 50
pracas, possoiodo 2 bombas a vapor, 4 manuaes
puxados tambera por animaos.
Em Nictheroy, o corpo coala M pravas em
ideticas circumstaocias.
O da capital federal nao necessita de apre
ciacoea. pois, por sua organisaco eapecialisai
ma, pela enormidade de materiaes qoe possue,
nao tem em todo o mundo urna que Ibe seja so
perior.
Mesmo o corpo de bombeiros de Boston, tido
como o melbor do estrangeiro, nao ultrapassa
em importancia o da capital federal.
Em Pernambuco, porem, onde as condicoea
de riqueza e numero d: populacho exige um
granJe cuidado na soa conservaco, a compa
Dbia de bombeires conta apenas 38 pragas, com
6 carros, aomeate, de materiaes, inclusive bom-
bas e pertencea.
Mats ainila ao passo que em outros Esta
dos esses corpo9 esto sob a immediata direc
cao do governo que os administra e aubveLCio-
ua, oeste Estado a companbia est a cargo de
particulares, nao lendo a3 pragaa direito reto-
rna, que, em caso de invalides, as salve da mi-
seria- ...
Orge, pois, que ao governo pasas a dlreccao
de urna corporago inteirameute ofcial e que
este, attendeodo a03 reclames geraes, augmente
o material e livre o pessoal do peior de todos o i
encargos: a conducgJo dos carros, que Ibes
tira as forgas de tul forma que, quando chega
doa ao local do incendio, j se acbam debilita-
dos e extenuados.
Vctor HusoCinco annos se completaran)
bontem que desappareceu do vasto scenario dea
te mondo a maior ndividoalidade litteraria deste
seculoVctor Hugo,o primoroso escriptor dos
Chatiments, Legendes des Sicles, Burg Jargul, No
tf. Dame de Parts. Orientales. Lucrece Borgia.
Marin Deforme, Hernani, Contmplations. Ruy
Blas, Mane Titdor. Napolen le petit, L'art d'lre
aran pre. Miserables, Uand'Islande. etc., etc.
Nascido a J6 de Fevereiro de 1801 quanda
ainda echoavam na Franca os hymnos de 789,
esse grande bomem, que foi a encarnago da
mais alta florescencia da li'.tera ura moderna
falieceu no dia 21 de Maio de 1885, tendo gozado
em vida da maior ventara que podena aspi-
rar : aasislir a soa apotheose, sigraca de
sua iaimortalidade em Fevereiro de 1881.
Mas Vctor Hugo, alm de poeta e escriptor,
era um cidadao ousado^desde que e tratava da
defesa dos interesaes piblicos. e sor isso mere-
ceu de ruiz liooaparte as maia-atrozes perse-
guigOes.
.Em 3 de Dezembro de 1831, ura da apa.0 ce
*i
lebre golpe d Estado, foram promettidos 25000 ^ondo a tfticao da
t~,.w*nr.m o nnom r\ r..n fin =o mi m.nt.iap n intrpm- dar Dar6CCT 80Dr
capital, oe socoj Jaaino de ArfO| Manoel Arau
lo o Cari* Pa
folMecutidofy jury histrico Carlos V peloi
ocidfIMilio Vfetor, pfootor, efcsino de Mi-
ra' sifegado. Foi absolvido.
O soeio Jos Franca fas o histrico de Pedro I.
FOi dissertada a tueseQuaotos morimentos
tn a trra ? pelo socio Carlos Paes.
Fofam sorteado*: Agostinho Jorge, para hia-
toriador d- ero ; (li3aHiQte da these-Qual a
verdadeira origem d'aMat twocio Themistocles
Pava. "* ,
Cancreuo AgrWtwia^L-^e 'O Patz, do
Rio de Janeiro, de 15 de Maio :
Realizou se nes a capital, no dia 11, a reu
niio de tavradores do Estado do Rio de Janeiro,
convcala pelos Drs. Joao Plrajyba e Jo&o Ba
ptita de Castro.
Pouco depois do meio-dia o Dr. Pirajyba
abri a sesso, expondo os fina da reuniio. Fa
zendo urna rpida apreciago do pr^gramma,
concloio pelindo aos lavradores qoe algoma
coisa de til se fizesse: que se o congresso se
limitasse a discutir, nomeando commissoes que
reoreseoiassero, ante os altos poderes da Rep-
blica, as necessidades da lavoura, o resultado
seria o mesmo qoe sa. tem obtido de tantos on-
tros congressos, que aflnal nada conseguiram ;
que o seu otoito era colher resultados praticos
da rt-uniao e que por isso fazia se necessario
unidade de pensamento entre os agricultores,
isto era impresciadivel a uniao da lavoura.
Propoz que se transformaase o congresso
em urna associagao agrcola central, eocarre
gada de promover associados em todas as fre-
uezias e municipios dos estados, em perfeita
communhao de ideas com o centro, e procedeu
leitura dos e3tatutos ja organizados, que deve-
riam servir de lei orgnica, caso fosse adoptada
a sua idea.
Eotran lo no salao o Dr. Francisco Portella,
governador do Estado do Rio de Janeiro, o Dr.
Joao Pirajyb pedio Ihe que preaidisse reu-
niao. sendo convidados os Drs. Pedro Gorailho
-jes Leme e Tneophilj de Almeida para secreta-
rwe.
Entrando em discu3so o projecto de trans-
formar ae a reuniao em urna associagao agrcola
central, falaram desenvolvidamenta os coramen
dadores Joaquim Leite Ribeiro de Almeida, An
gelo Eloy di '".amara, Drs.. Almeid.. Avallar e
outros fazendeiros, que. mostrando o estado pre
cario da lavoura, flzeram sentir a atcessidade
de bracos, crdito e instruccio profissiooal.
O conselheiro Angelo do Araaral, mostran-
do se contrario s associagoes agrcolas, opinou
pelos congressosoffi:iae*, como mais proveitosos
a lavoura. ,
O commendador Eloy da Cmara, oterprelan-
doas inienges dos iniciadores, mostrou se fa
voravel a creagSo da soCteHade.
. O cidadao Furquim Werneck propaz urna
mo(j*o apjrovandJ a idea da aBsociagao, e pro
horas, no oratorio do engenbo Tapera, pela al-
ma de D Hara da' C .nceigao Souia Leao ; ia 8
horas, na matriz da Graga, pela alma le Hnnri-
qe Fcrnandes da Costa ia 8 horas, na igreje
teiro, pela alma de Agostiobo Antonio da
:elro Sabidos para o nortino va
lal Manos :
Pdvao,.Jo-iqu'iu (i--.i de.C stro
iyrapio de Olivetra, Juvenci Alfonso de
[Emiliano Riheiro d" OKveira M^no'-I
_-^osta, Francisco d- Mira s. sua uhora
e 3 filfcOs. Jo^ Ffivira de SnOI i. A itooto Fe."-
reir Braga, Alexau Iruii K i i i. Oi>sta Li
ma, Antonio Tuom da Su-a. M rfses, Vhrta E i
lalia. Fran :isco Mmoel da Sil .a Mu u > > >
Nunes. Augusto da Silva Nunes. Luiz Quadroa
e Emygdio Ramo^.
Cana de Den-nfu M >> nenio dos pre-
sos da C*sa de Detengao do Recife, Estado de
Pernambuco, em 21 de Maio de 1890.
Existiam 491 entraram 12, sahio 15, existem
488.
A sabor:
Nacionaes 45o mulheres 22, estrangeiros 11,
-Total 488
Arragoados 405
Bons 375.
Doentes 23
Loucos 4.
Loucas 3.
-Toui 405.
Movmento.aa enfermarla
Tiveram baixa:
Antouio Caetano de Mello.
Jos Antonio Bezerra de Maria.
Tive alta :
Antonio Bonifacio Ferreira de Mattos.
uonpiiui Pedro ii u movimento deste
s:abeleciuieuU) decaridade, no dia 21 de Malo,
foi o seguate:
3
8
2
449
Ja desde alguns anuos que. em vista do alto
preco attingido pela borracha, nao se limitam os
ne se oceupam de soa exlracgo a explorar so-
mente aa heveas silvestres e tratara de cultiva as
principalmente no valle do A nazonas-.inter-
calando as com arvorts de cacao, pratica que
devena ser mais geralmente adoptada.
Alm do lucro com aextracc da gomma
lastica, empregam-se as se.menfa no fabrico oe
aban e verniz. .
A Hevea braaliensis eleva-se geralmente a al
ta*a de 8 a 18 metros e sua grossura vara de 2
a 3 metros.
A arvore, porm, sO -oraega a fornecer o sueco
leitoso aos 10 annos e se a exiraecao feta con
veniente nente, pode ella dorar 80 annos. O
sueco ou s. iva contera 30 /. debo rracha. ^
superficie de 1.000 hectrea pode conter 100000
arvores plantadas com iolervallo do l metros ,
cada orna dellas produs annoalmente pooco mais
oo menos 8 kilogrammas de borracha.
A exhibicao de excellentes amolras deste im-
portanie pn rosos visitante do elegaoie pa a. 4o Campo de Marte eoDieve ,..-. .i. h m--
dalba de ouro alm de outras oe prela e de
bronze. _. _
Dr. Q. Ptres Garaa.
(Memb-o da commisfao Dr.zileira de estados da
exposigo universal de Pariz).
327 ps a menos do qoe o limite de penetracao
na agua, assignalado peloa alternaos as aguas
doMditerraDeo quando flzeram-se os estodos
de Cbom e Petersen.
SPORT
REVISTA DIARIA
H.bre vavial^M>a-0 D.-. governaaor do
Estado ei pedio hootem o aegointe acto:
. i* SecgSo.Palacio do Governo do Estado de
Pernambocu, 22 de Maio de 1890 :
O gobernador do Estado resolve nomear para
trataren! os doentes accooiuieltidos de vanlas
nesta cidade e desinfectar as respectivas caras
os Drs. Francisco de Pania Suares, Manoel Cle-
cieiuino de Barros Carneiro e Antonio Joaquim
de Barro. Sobrinbo, devendo o primeiro funecio-
nar na freguezia de Santo Antonio, o segundo na
de S. Jos e o 3o na do Santsimo Sacramento da
Boa Vista.
A cada um dos nomeados ser abonada a
gratificacao mensal de 300*('00. emquanto dora
rem os seus servigoa.-Dr Albino Weirn. \vy\f
InU'ndenritt Municipal de Linuel- yjt v.
ro Por acto de 21 do crrante do cidadao Dr.
Gobernador do Estado foi nomeado Walfrido Mo-
reira da Costa, para exercer o cargo de membro
da Intendencia Municipal do Limoeiro, em eubs-
tituigao do bacbaral Esperidiao Ferreira Monteiro,
que foi nomeado p'omotor pualico..
Untrnrcao PublicaPor acto da rresma
data foi transferida a cadoira mixta do povoado
de Caooclo. em 'etrolina, para o povoado Prima-
Tera na Escada, sera prejuizo da respectiva pro-
fesara Mana Reg de Bu ros Wanderiey.
NkuIu Casa de MisericordiaPor acio
da r 4o Galvo Alcoforado, para o cargo de mordomo
da junta administrativa da Santa Caza, de Mise-
ricordia, em substiiuigao do conego Dr. Francis-
co do Reg Maia, que nao aceitn o cargo
Casamento civilComega amanhS a ter
exeruco o decreto n. 181, qoe estaioio sobre o
casamento civil. .
Deasa daffiem diante s sero considerados
validos es casameatos celebrados de accordo
com as disposigoes regulamentares dease decre
to, cando em todo caso aalvo aos .ontractantes
observar, antes ou depoia de rerimonia civil, aa
formalidades exigidas pra a ctkbrugao do ma
trimouio pela religiao delles.
O acto civil ua comarca .o R.-cife lera lugar
perante o respectivo juiz e duaa testemunhas,
pelo meaos, no Paco da Iat*nlon ia Municp, 1
logar para tal Um designado p-lo Di guv>
dor deste Esado ou em casas particulares, o&ser
Ttdas as mesmas presenpeoea.
O 3r. Lycurgo flascimcoto, aigoo juiz de ca
tamentoa, despacha em sua rf aideocia 4 roa
Viscoodedo Ro Branco u. 7.
AmaohS daremos algasias das mais impor
tantea dispos efle* do ettado 'deb eto.
Cupawf de >lav*lr O Es-
j do ara possue um corpo devidamente or
o. com 100 pragaa, inclusive quatro ofh
aoMuneroso material, composto de 1
francos a quem prendesse ou matasse o intrpi-
do, nobre e altivo propagandista dos aeito3 do
poo. .
Em 9 de Janeiro do anno seguinte-coi expulso
da soa idolatrada Franga.
Dando esta noticia cumprimos ura dever sa-
grado, qual o de render preilo a cm dos maio
res espintos do seculo*XJX.
Eatarao de Baraana Tendo sido crea
da recenlemeote orna agencia postal na estago
de Barauna do ramal de Timbaba, foi bontem
insullado o respectivo servigo, que sera feito,
diariamente.
As correspondencias sero recebilas na re
partigao geral dos correios a 3 tforas da tarde
e na agencia da estago do Brum at urna hora
antes da partida do trem,
Jk. voi do Calxelro -Hontem foi distri-
buido o 1." numero d'esse peridico, cuja visita
agradecemos.
E' orgao dos empregados do commercio, e pa-
ladino esforcado da clasee caixeiral, nao tem ou-
tra pre> ecupago que nao seja o lirmar o reco
nbecimento dos seos direitos e promover-lhe a
respectiva prosp^ridade, nao eximindo se, po-
ro, no desenvolvimento de soa vida jornalistica,
da diacosso franca de assumptos que interessem
a felicidade social.
O contemporneo se confeasa extranbo s ln
cas polticas, es suggestoes de influencias par-
tidarfas ; Tdeclara que, maniendo na uevida ele-
vagao a livre critica dos actos que entorpecem a
mar;ba regular das ckvses laborio?as e doa fa-
ctores do bem estar feral, nao se ul'a*t.i a ja
mais dos vigorosos principios da verdade e da
juatica 00 exercicio da manifeaiag doa ai-o-
petisameutos.
S^ia. pois, bemvindo; e que em vida loiiga
consgaos seos as, recebende oestas palabras
a nossa saodagao.
OMerta- Agradecemos a offerta de um ex-
emplar do Esbozo do projecto de Con^tUuigo Fe-
deral da Repblica dos Estados Unidos do Bna,
pelo Dr Jos Antonio Pereira de Ma^alnaen C a-
tro.
Este trabalho ja publicamos oea'e Diario.
Maria Eu;-nia-Valsa para piuoo com
poste por Claudio da Gama, que mais uiua tg
d prova do aeu talento para a mostea MM ex
celleole produrgao, cojos exempla-es pruu -
smente impreasos acnara 8'^ ao prego de \t*\
oa Livrana Boulitreau, ra do Imperador n. 46.
casa de msicas Victor Prealle, ra i!o Baraoo
Victoria o. 59 e no salao Odilon Duarte, ra da
Imperatriz o. 60.
Agradecemos o exemplar coa qu a diguou
de oi qoir nos o S'\ Claudio -a Ga u .
Paorlra CmxUm E sa fab lea lein 1 %got
o.-. ai seu .11 (>ojiiu bu Li'K" do Corpo &J I I
n. 9, nos bons cigarros, preparado- oe fumu
agradavel e de ramaca aromtica, que nao pode
deixarde aalisfazer aos fumantes.
E' a marca Tobacco Best Btra" s e*e, qu
deve ser procorada peloa amantea da Ixm lum.i
ga, condigao esta que ja llie foi recuiin>-i:i u p.
lo jury da Eupoaigo de 1862, qu a pre.mou
devidamente e da qoal damos oosso le^euiuiin,
de propria apreciago ao degustar a prova que
DameDle nos foi enviada.
Mervico militar Hoje supenur do dia
o Cidadao maor erra Martins, e faz a r.uda
de visita o cidadao alfere.s Odorico.
O 14" b.taluo dar a gua.ii.gau na cidaJe
ttevacciaaco Fazeui 00a a segutote
comiuunicagiio:
A immunidade conferida pela inoculacao da
vacciua contra a vanla, nao dura por toda a
vida da pessoa vaccioada; valo que esaa immu
nidade varia, segundo a individualidad!; do vac-
cinado, a qaalidade da vaccioa e o successo da
vaccinaco, e ouaras circomstancias.
Geralmente se er qna o poder preservativo
da primeira vaacinago dura no medio 10 an-
uos : e por isso que, passado este tempo, para
maoter a rapacidade de resistencia vanla,
mu qu seja utro tzido no orginismo no
acema, ou, em outras palavras, deve sub
metter-se a pessoa revacciaagao, que consiste
simplesmente na re eiigo da vaccinago, sen-
do que deasa repetigo nao resulta um to gran-
de numero de mcounno.ios, como d ae com a
primeira vaccinago e effeito qoe deve atribuir-
se circumstancia de estar ainda, em mullo.
qoe se submettera a revaccinago, conservada a
mmunidade de sorte qoe assim como se proce
de a respeito da vaccinaco, coovem igoalmen
le fazel o no onc irnente revaccinago, isto ,
repetir esta de anuo em anno at que se effec
loe o deaenvoWlmento.
Demais os factores da vaccinago, por certo
nao se contentam s com o soccesso de ama re-
vaccinago, aconselham ainda urna e 'duas, co
mo por exemplo Tonssagrivea, que pede alm
disso orna a 20 e a ootra a 40 annos.
Como quer que seja, ai ao vaccinado no pri-
meiro anno de vida, e revaccinado ao dcimo,
durante ama epidemia variolosa, aconselha-se
o submettimento revacemago, nao menos de-
ve prestar se qaando houverem decorrido largos
annos, aioda em idade avangada-
Cas Mepubllcaao 9 de Fevereiro -
-( rioi' i. -u-i -s-odei8 do corrate, a re
qoenmo do respectivo orador, engeabeiro
Lniz A<- Castro Goiicaives, iaserio em sua acta
um vut" ue pes^i palo faliecmunto do bngadei-
ro PraO'aaco Juaquim Pereiia Lobo, e pelo mes-
m. ii.n.iiao o'-:i i'-ii ) i'-itiaihos dease dia.
alaciedade Pni orna tica Fuuccionou
hontem essa sociedade sob a presidencia do i.
vice i.rtsiI'Lte Oililou BJoeii
L u a ac ua s:-.->aao anterior, foi approvada.
p.iraui proptvtoa, ettevm o empossados como
socios 09 alumnos Antonio Pereira de Andrade
Ju.' 11 o A^ocliul do Araujo Jorge.
Foi concedida Mualieenca deflO das, pagando
as menaalidadeayia sodo Athaydd Bibelro.
Nao foram eltwMdos os socios Doria Mondim
e Tb -mimoilea Paiva.
Foi ora -ada a a*-guiute commissSo para pedir
1 urna cornMtsso para revetyi
f os estatutos, o qua foi unant-
dar parece*5 so
memente aceito.
O cidadao Aldrovaudo de Oliveira discorreo
sobre o imposto de 4% cobrado sobre o tafo,
demoostrando qne o lavrador ti ava em extremo
sobrecarregado, em coosequencia do mecanismo
das guias, vindo afina! a pagar maior imposto do
qoe o exigido pela lei.
Respoadeu o sr. governador qoe o sea maior
desejo era acertar, e por isso procorava ouyir
com a mxima attengo todas as queixas ala la
voura, podendo ella car certa de que envi
dara todos os seuajaflforcos para a prosperidade
da agricultura.
Que podia garantir que o Estado do Ro ue
Janeiro nao recebia mais um real alm dos 4 %
do Imposto, sendo qualquer facto em contrario
completameote eslranbo administrago.
Que attendendo aos reclames da lavoura
apresenlaria brevemente quesitos aflm de seren
respondidos pelos lavradores.
Passou se depois eleigao da commisso
para rever e dar parecer sobre oa estaiutoa e
foram eleitos os lavradorea commendador Ange-
lo Eloy da Cmara, Drs Pedro Gordilho Paes
Leme, Theopbiio de Almeida Weraeck, JoSo Pi-
rajyba, Autonio Furqoim Weraeck e conselheiro
Angelo Thomaz do Amaral.
Estiveram presentes cerca de 100 faaen
deiros e entre elles repreaentantes de grande
numero de municipios e intendencias munici
paes.
Encerrbu-se a seaso s 5 horas da tarde.
C lub Hepubllrauo Pnrvrblal do-Be-
clf Por delioeracao da directora este Club
reone m- tiojp >m sftsio d;assembla geral.
Yarrinuco publica II u ai foram
vacclnadas na inspectora de bygiene 78 pessoas,
trabalhando nesse servigo 08 Drs. Paulo Soares
e Lopes Pessoa.
Hospital de varioloao 0 movimeoto
lo hospiial de Santa gueda (para variolosos)
no da 21 do corrente, foi o seguiste :
Homens Mulheres Total
Exirtiam 95 3 148
Entraram 6 7
Sabirain curados 3 3 8
Falleceram ,,|
Existi 95 51 146
Pr >l .nianit-nlu da Btrd de 8.
1 r .iicmco e Batrada.de Perro de Ca
uar Tenuo o actual miontro da agricultura,
iiuuercio e obras publicas, Dr. Fraacisco Gli-
ceno. n-esiado s e3tradas de ferro do governo
11' ate Estado, relevantes servigos, resolveu boq-
e .1, o I) Ernesto Antonio Lassance Cooha, di-
-n '"iecior e engenheiro chefe das raesmaa es
1 ...1.1-. o. n .minar e Francisco Glicerio a estago
la e.-na la de ferro de Ca uar at hoje conheci
1.. p*-la denominago de Pombot;
Entre os servigos que o referido ministro ac*
ba de prestar, salientam-se como de grande al-
cance os seguintes:
I, Resciaao de um contracto oneroso para a
nn truegfto das estradas;
2.- Reforma do servigo da construegao;
3. Prolongamento da estrada de Garuar at
Pe-quelra;
4." Ri-forma geral da parte em trafego, melhor
acauelaudo a arrecadago da ieceita e liscalisa-
go da despeza, garaniindo o futuro do seu pes-
soal e melhor estimulando-o para o cumprimen-
to de seua deeres. concedendo-lhe as vaotagens
de. apoaentadona anteriormente concedidas ao
pessoal da estrada de ferro Central do Brasil.
O pesaoal lechnico e administrativo deliberou
mandar coilocar 00 salo de honra da Estago
Central da estrada de Caruar os rectratos a
oleo em corpo intclro do mesmo ministro e do
tigoo engenheiro chefe a cujoa esforgos deve-se
em grande parte os benelicios de que acabam de
aer dotadas as mesmas estradas, manifestando
assim o seu reconbecimento a to Ilustres cava-
Ibeiros.
Entraram
Sahiram
Falleceram
Existem
^oram visitadas as respectivas enfermar.;. >
ielos Drs.:
Moscos o s 8 1/2.
Cysneiro s 10 1/2.
barros 80 11110 s 6 3/4.
Berardo s 9.
Malaquias s 9. fc
^imOes Barbosa s 10.
Nao comparecern! os Drs.:
Pootual.
Ssievo Ga vafeante.
Ferreira Velloso.
) cirurgio dentista ama Pompilio s 9 1/2
horas.
0 pharmaceutico entrn s 8 tj2 da manh e
itrio s 5 da tarde.
O ajudftnte do pbannaceutico enlrou s 8 3/4
esinio's2 horas da tarde.
Lotera do Estado de Pernambuco
-A 3 serie daj' loteria deste Estado, ser ex
Iraliida iaapret (8abbado), 1 hora da larde, no consistorio da
igreja de Nossa Senhora da Rosario, de Santo
^ Antonio. .
Coterla do rana-ParaA 2* sene da
37* lotena cujo premio grande de* 60:000*,
ser extrahida amanh 24 de Maio, (sabbado).
A 14 sene da 31* loteria co]o preap gran
de de 250:00i000 ser extratada no d* .. do
correte.
A 1* serie da 36" loteria. cuio premio gran-
de de i2O:000O008er extrahida no^dia .. de
corrente.
jterla do Haranhao A 19* sene
desia lotena cujo premio ser extrabida no da 4 de Junho.
M POUCO DE TUDO
O Dr. A. Ivert, em sua recente permanencia
00 Tojquuu. eiupre^uu co. bju r^Miliado i bi
chlororeto de merco lo para curar o cholera,
daodo esse preparado em dsesque variavam de
2 4 centesimos de grao em 24 horas.
De 45 pacientes submettidoa esse tralameo-
to 8omeate 9 succobiram isto 20/0,0, quando
a proporgao ordinaria do* bitos nessa rego,
como na Europa, de 66 0|0.
Em alguas diatnclos, de onde havia des-ppa
resido a epidemia, e para onde voU den so a varios convaloscentes como preserva
vo a referida substancia, e nenhura dos que a
lugerirara foi rovameute atacado .-1

Segnuao diz um ch-oniala, a paixao pe os. di-
*veraos jogos entre os res est assim distribu
da:
O imperador da Allemanha tem urna verda-
deira paixo pelo xadrez, jogo favorito dos cal-
culistas. .
"* O re Humberto da Italia so gosta de jogar as
damas. ,
A affeigo do czar dedicada a um jago de
cartas, cujo nome ainda se nao sabe.
O re da Hollanda s gosta do piquet.
O baccarat faz as delicias do principe de Gal-
les.
As preferencias de cada um destes principes
d urna idea bem symbolica dos seus ceracte-
res. .
O czar e o imperador Gailberme sao homens
de grande capacidade e goatam dos jogos em
que tenbam muito que pensar.
O re Humberto, como bomem mais superficial
e maia vivo, e nao sabemos se inaiB galante, joga
as damas. .
O pnucipe de Galles e o re da Hollanda, dous
genios alegres, este em activo servigo e o se-
gundo j retirado, fazem o mesmo que os bons
vivants de boje cm dia, jogam o oocarot e o pi
quet.
E'o caso de dizer: die-me oquejogas,
que eu te dire quem s.
E' de Demosthenes d'Olinda:
Perfil
E quando os olhdS para os cos levanta
Inundad03 de mystica dogura
Nem parece mulber, parece santa !
No Manot, aoguio a egua Minerva
para Belem, do Estado do Para, caja turf
vai fcar com urna parelheira magnifica.
Ou vimos que foi vendida por 3:0 UdUO.

O Diario do Commerfio tratando da ne-
cesaidade da ereacSo de Cgfidelariot or-
maes, caer ve 1 o seguinte em sua secgSo
sportiva :
O Estado do Paran pela excellencia
de seu clima, pefiftigueza do3 seus pas-
tos, pela sua posico "fstrategica, est t s-
tmado a ser o centro da criagSo dos ca
val loa de remonta.
A urgencia da creagSo de coudelarias
normaes naquelle Estado grande sobre-
todo se atteodermos difficiencia de ani-
maes robustos para o exercito e mesmo
para a lavoura. Por estes dias devem
chegar de^Bio da Prata cerca de 2,000
cavallos para a remonta do exercito e se-
gundo noB consta o governo paga por cada
um lOOfJ. Ordinariamente a remonta do
exercito faz se de 'res em tres annos e
se calculronos qne s6 importamos 2,000
animaos de cada vez, n'um exercicio de
aove annos o governo ter gasto em ca
valLada a bagatella de 800 contos de ris.
Com aa coudelarias normaes a econo-
ma seria extraordinaria.
O governo poderia adquirir no Paran
animaes superiores aos do Rio da Prata a
903 o que importara, a eitando se os cl-
enlos cima feitos, urna economa de 300
contos em 9 anuos.
Pof iaso n> ceaaaremoB de pedir ao
governo que, para nao onerar grande
mene os cofres pblicos, creando, por
sua conta, coudelarias normaes, proteja
as emprezasrfarticulares impondo-lhes a
condigao de teiem gar^nhBes de puro sin
gue nglez, haonovenan a, anglo norman-
do* e at mesmo rabes, obrigando se a
falereu. monta gratui a das reproductoras
que apparecerem. Assim, teremua dentro
de poucos annos urna cavalbada forte e
robusta, e jod-remos dispensar a impor
tagSo do Rio da Prata, e isto com grande
economa para o Estado e augmentando
a riqueza do paiz pela introduegao de um -
indstrii que tem feito a fortuna de ui
ta geute, tanto na Europa como no Rio
da Prata.
Urge pois, comecar a ereacao das Coa
delarias Normaes, pois as suas vantagens
sao extraordinarias.
ifao casaremos d pedir ao Sr. minis-
tro da agricultura que anee oa olhos para
esta industria to descurada no noaso paiz
e cuja creacSo de incalcolavel. necesai-
dide para livrarm > nos d* imaartagao de
cavallos para o exercito e parSraHiar a
1 voira que entrt agora n'um panodo de
progresao.
Ocenata
Dr. Ferreira. com prctca no princi-
>aes hospitaea e clinica de Pari8 o Lon-
dres, consulta todo o dia- das 9
iorasdao mew-dia. Consultorio e rei-
uci a ra Larga do Rosario o. 20.
Dr. Barreta Sampaio, occulista, d con-
.ultas de 1 a 4 hora no 1. andar da
aa ra Baro da Victoria n. 51. Resi-
iencia a ra 7 de Setembro n. 34, ntra-
la pela ra da Saudade n. 25.
Drogara
IVana tobrinho s C, droguista por ata-
ado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, deposi-
arios de todas aa especialidades pharma-
seutica, tintas, drogas, productos cbimi-
;as e medicamentos homeopticos, ma do
vlarquez de Olinda n. 23.
Tinta de escrever
A melhor a tinta Victoria, vende-se a
>00*8. meia garrafa a a 800 ra. urna gar-
rafa inteira na Livraria Com tempornea
ie Ramiro M. Costa, ra Io. de Margo n.
3, loja de terragens de Albino da Silva
4 C, ra da cadeia n. 42; loja de fera-
gens de Brandao & C, ra Duque de Ca-
las n. 46.
PBLICACOES 1 PEDIDO
Por telegramma, sabia-se no Rio de Ja-
neiro que foi embarcada em Liver-
pool, no vapor La Plato, urna potranca de
annos. de excelrente tiliagao, mandada
vir por yitermedio d*. acreditada casa dos
Sra. viax, N.itbmanu >V C, pelo sportsman
Sr. Manoel Joaqunn Marinho.

Cansa q e as .liree'nri s lias socieda-
des sportivas d* a*pit*i Ped ral y3-> bre
vemente reunirse para c nfe<-eionirern
um cdigo de corrida gem, flF.-ndj o
actual dodgo do Jockey (lub, ue vai
servir de b^se, alguwaa imourUattsa mo-
dificagSes.
Os telegranmas apoeryphos do
or. los Hurla uno
O pubblico pemambocano nao espera de cer-
to que, para responder ao artigo que o Dr. Jos
Marianno fez hiserlr n'A Provincia de hontem
aob o titulo Asseveracdes inexactas do Dr. Martins
Jnior, eu venha hoje entrar em polmica com o
mesmo Dr., estendendo aqui um longo artigo
ebeio de palavras inates e de innteis exercicios
de lgica muilo subtil ou multo complicada.
Ainda menoa espera o publico que eu faga o
doloroso sacrificio de responder Provincia.
analyaando as odientas Trabas em que essa ra-
lba meia urna vez disse de mira aquillo que o
seu^retinisme e o sea despert the inspiraran!.
O publico pernambucaao espera de mira sim-
plesmentetstou certoque eu prove com do-
cumentos qoe o Sr. Dr. Jos Marianno Carneiro
da Cunha nunca rkcbbe tblkgramm.v ALGoa.no
GBNERALISSIMO DEODORO E DE QUINTN! BOOATWVA,
como aadacioaamente affirma.
- E' isto o que paaso a fazer sem perda de tem
po e de palavras. ^
Disse eu, em meu segundo, artigo, publicado
ao Diario de Noticias, do Rio, sobre a proclama-
gao da repablicaem Pernambuco, o seguinte :
: O meu eminente concidado e amigo pla-
tino Bocayuva, dignissimo mraiatro das relagOes
exteriores, com quem me entend pessoalmente
ha das, autorisou me a declarar que nonsa pas-
sou TELEGRAMMA ALGUH AO DR. JOS* MARIANNO.
Este periodo cheio de franqueza e de amor
pela verdade hiatorioa incommodou, como era
natural, o Sr. Dr. Jos Marianno. Dabi o seu
artigo de bontem e a insergao nelle do texto dos
telegrammas qoe Ihe foram dirigidos.
Pois bem : Em face mesmo daquella explica;
gao documentada que eu ahumo desasaombra-
damente ao Sr. Dr. Jos Marianno e ao publico "
QKiTINO BOCATUVA NWtf^TSWeaAtfHOB AO Di.
JOS MARIANNO.
A' vista mesmo das allegagfles do ex deputado
pelo 2 districto que eu accrescento minha
primitiva ascergo esta outra :
O GENERALISSIMO BKODORO NUNCA TBLEGRAPHOO
AO SR. DR. J06B MABIAMRO NAO S 0 TBLEGRAM-
MA DO MINISTRO QUE B APOCRU7H0 ; 0 DH. CHSM
DO GOVERNO TAMBBM O 1
Quero o diz ainda urna vez Quintino Bocayu-
va; quem o assevera solemaemeiite, por sua
parte, o benemrito chefe do governo.
Leam-se os despachos telegrapbicoi que se
guem e que me foram dirigidos hontem da capi-
tal federal : *
? irveioritt das oliraui a erv*-
e lo* oorioa de PeraiauaUmeoReci-
fe, 31 de Maio de 1890.
Boletim meteorolgico
i. s
I S '* 9
Horas gpa. Barmetro a O" Tenso do vapor a n I
6 m. 25,8 761-78 1858 74
9 27,5 762-83 18.92 68
11 S9M 762-60 20,40 67
3 t. 28,7 760-81 18,7; 64
6 2ff',9 760-82 16,58 63
Adelino Fontoura.
Tem as faces o puro asseliaado
Das pealas geotis da rosa amella,
O seio recender como a bromelia
Seus perfumes purissimos no prado.
Tem nos olbos um brilho aluarado,
Na bocea o vago aroma da camelia.
Bem como n'agua desusando Ophelia,
Desusa um riso no seu labio amado.
Seu cabello caslanho e annellado,
Ora sollo em desleixo, esvoejando...
Ora preso n'um broche prateado.
E so'almalindo cofre perolado
Onde as florea dormilam su8pirando
Como se fosse um leito de no vado I

O profes8or Flower, presidente da Brilish A i-
sociation, er, como sir Jobo Lubbock, que o
campo da iovestigigao limitado, e que podem
existir cincoenta outros sentidos, tao distinctos
dos nos80s como se diatingoem o ouvido e avis-
ta ; e que, portanto, dentro doa limites dos nos-
803 proprio8 8ectidoj pode haver ionomeros
aons que nao podemos ouvir e cores tao distinc-
tas entre si, como o roxo do verde, que nao s
nao percebemoa, mas tambem nao concebemos
Estas e mil outras questes ticam incontes-
tadas esperando solucao.
0 mundo que nos rodeia, e com que esta
mos familiarisadoa, pode ser complelamenle dis-
tincto para outros seres do que para nos. Para
esees outros seres pOde estar cheio de melodas
que nao ouvimos, oe corea que nao vemos, e de
8ensage8 que nao experimentamos.

0 Sr. Germn Pol den conta Academia de
Scienciaa de Pars das investigages que fez no
vero ultimo no Mediterrneo no intuito de ave
riguar at que profuudidade penetra a luz na
agua.
Suar operagoes foram levadas ao cabo as
aguas de notavet claridi.de situadas cutre a Cor-
sega e as praias^o departameato dos Alpes Ma-
rtimos, urna distancia de 18 milbaa geogra
poicas da trra. .
O Sr. Foi fez uso de placas bromo gelatinadas
dando lhes exposigo de 40 minutos; e por meio
dellas certiflcou-se de que o limite de penetra
Temperatura mxima29,50.
Dita miniraa 5,00.
Evaporagao em 24 horas : sombra3-,4-
Cauvaaulla.
Direcgo do vento : SE com pequeas inter-
rupces de SSE dorante todo o dia.
Velocidade media do vento2-87 por se
gando.
Nebulosidade media0,-28.
Leiiea -Ellcciuar-se-hao os seguintes:
Hoje :
Pelo agente Pestaa, s 12 horas, travesea
do Corpo Santo n. 27, de um predio com sitio.
Amanba:
Pelo ageute Stepple, 8 11 horas, ra do Im-
pera lor n. 39 de dnas casas em Afogados.
! f unekrec-Serao celebradas :
Hoje:
A's 7 horas, na igreja da Soledade, pela alma
de Francisco Antonio da Silva C.valcante ; s 8
horas, na matriz do Corpo Santo, pela alma do
capillo Jo&o Panlo da Rosa Cessi: s 8 horas, na
matriz da Boa-Vista, pela alma de Antonio (Ja-
mes de Oliveira e Silva.
afhora? na matriz de Santo-Antonlo, pela gaTda ^f^*j^J!^ ZtS^VZ
alma de Maria Urolina da Costa e Silva *- i*"*i*a* de l. } oes 465 stros). u l ,
g 8 profundidade de 1,818 ps (W8 metros), isto ,
l
O Dr. Alcibiades Vlico d consultas
das 12 s 2 hora da tarde, na esa da
sua antiga reBidencia, ra do BarSo da
Victoria n. 45, Io andr.
ur. Joao Pauloespecialista en par-
tos, molestias de aenhoraa e de cnang-e,
com pratica nos hospitA-a de P r-s e de
Vienna d'Austria, d aoaanttaa de 1 s 3
horas da tarde, ra do rWito da Victo
ria n. 6J, l. andar, e reiJe n estrada
dos Aflictos n. 30, uuto a a*tagaa do Es-
pinheiro. Cbamudoa a qtialq 1er hora. Te
lephone n 467, na residencia.
Dr. Cerqueira *"e, tem o seu escripto-
rio ra Nova n onde pude ser en-
i-ontrado do meio dia s 2 horas e fora
destas horas ra do BarSo de S. Borjc
a. 22. Espe alidadesmolestia de crian-
oas, senhoraa e parto. Telephone n. 326
da casa de residencia.
Dr. S Pereira, ra da imperjptriz n. 8
d onsultas medico-cirurgicas todos os dias
das 8 ao meio dia, menos nos domingos e
dias santificados.
Dr. Freitas Gruimares, medico, tem
deas consultorio na ra Duque de Casias
. 57, l. andar; d consultas nos dias uteis
as 11 1 hora da Urde e reside no Ca-
jueiro n. 4, onde attende a chamados em
qualquer hora do di e da noite. Telepho-
ne n. 292.
O Ur. Simplicio Mavignier.Clinica me
iico-cirurgica. Especialidades : molea'j.at
pulmonares o partos. RuadoMarq-* de
Olinda n. 27,1. andar. Consultas uas 11
ts 2 horas e na Casa Forte (Pogo da Pa-
ella) das 6 s 9 horas-da manhS e i
arda Telehone n. 392
D-. Joaquim Louteiro medico e partei
o, consultorio ra do Cabug u. 14,
i." andar de 12 s 2 da tarde; residencia
10 Monteiro.
Dr. Castro Jess medico e girador,
'ratica a lavagem do tero quando e co-
no aconselhada. Consultas das 11 s
i da tarde em sua riBdencia ra dt
om Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.*
indar. Telephone n. 389
Dr. Riieiro de Bruto d consultas de
meio dia as 3 horas da tarde, no 1. an
dar a ra Duque de Caxias n. 46, poden-
do ser procurado para chamados, na sua
residencia, a roa do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Advocados
O bochar d Bonifacio de Aragao Farm
Rocha contina a advogar. Eacnpton
m do Imperador n. 46., 1. andis
O baeharel Joaquim Ihiago da Fontal
:em seu eacriptono de advogado ra do
Imperador n. 14, 1. andar.

'
\ l
|
Telegramma n. 2821. (Recebido do Rio s 6
horas e 10 minutoa). Rio, 21, s 4 horas e 10
minutos. _' -
Dr. Martina Jnior.
K FALSA NOTICIA DADA POR JOBS. MARlAtWO.
NUNCA PASSKILHF TBLK6RAMMA NFM CARTAS.
PDS PUBLICUK BSTA RUSPOSTA.
KODORO
Telegramma n. 2867. (Recebido do Rio s 11
horas e 52 minutos). Rio, 21, s 8 horas e 40
minutos.
Dr. Martina Jnior.
O TBLBGRAM1IA QUE SE MB ATTRIBUB K FAUO.
PODRS ASSRVERAL 0 EM MEO NOME. SI ALGUBM 0
DIRIGI SERVINDO SE DO MEU NOMB, ABL'SOB. CON.
VBM REQUBaER CBRTIDAO DO MESMO.
BOCAXUVA.
Eis ah : Os telegrammaa que o Dr. Jos Ma-
rianno tem c que publicou sao apoaryphos.
Nuoca o generaliaaimo Deodoro e Qaintino Bo-
cayuva se lembraram de pedir apoio ou de offe-
recer cargos ao Sr. Dr. Jos Marianno.
Si o ex-deputado pelo 2 districto quer que eu
exponha oa telegrammas cima em alguma ct-
tnne da cidade, ou que requeira, para publicar,
cerlid&es delles na estago telegrapbra desta
capital, digne-se manifestar ease dezejo e vel-o-
ha r r al izado.
Quanlo a mim, estou quiles com a minba con-
sciencia e com a verdade histrica.
Recife, 22 df Maio de 1890.
Izidoro Martins Jnior.
^
-'
.

..
c
:
Novos horizontes
x
Depois da interrupgso, a que fui obrigado por
forga maior, volto ao estudo e apreciago de as-
sumptos que me parecem de aclualidade e a res-
peito dos quaes, em presenga da nova ordem de
cousas que com o movimento de 18 de Nowm.-
bro se abri para o paiz. nao ser de certo. tra-
balho perdido o. de trazer informada a opiniSo
publica.
As minhas ob9ervag6es se tm dirigido, oraao
governo, ora aos directores da poltica, ora, prin-
ci palmete, ao povo, que, mais do que aquellas
entidades, carece de ser orientad e Instruido,
tanto mais quanto este, no dominio do novo re-
gimen, nao tera menor importancia do que
aquellas.
Neete intuito, teoho feito sentir, ainda que r-
pidamente, a necesaidade e urgencia:do bons
exemploai e de urna intelligeate iniciativa, por
parte do primeiro;da maioraotividade, tempe-
rada por bao entendida mode"ragao e decidido
T~


eira

w
r

..
-


)
\
)
p
Jet coacordia por parte dos segundos ;
le boa vontade e conscencio803 esfor-
. pos, por parte do ultimo.
Desde que estes elemento] nao se coabinera,
lio se es forc m pa ralle lamen te para o mesmo
fim, o resultado ser ou incompleto ou negativo
Qaalqoer que seja o elemento que falte, qual-
quer dos trez factores que seja eliminado vio
lentamente ou voluntariamente se retraa, pro-
dux inevitavel desequilibrio nos resultados do
grande empenho, que deve ser obra de todos,
fue carece ser um trabalno commum, combina-
do e homogneo.
Era o que se dava frecuentemente no antigo
rgimen Os partidos se faziam urna guerra sem
treguas, multas vezes lavrava a discordia entre
governo e o proprio partido de cojo seio elle
sabia, e a iodiffersnga do povo era quantilade
permanente. E, pjis, a machina, que devia pro-
dozir a liberdade e o progresso, fuaccionava im
perfei lamente por faltade urna das mola3 prin-
cipaes e por causa dos attritos constantej das
nicas que existiam.
Nao se compreheudem partidos sem povo, es-
pecialmente em um rgimen que proclama- como
dogmao governo do povo pelo povonem tao
pouco governos completamente indiffenles ac-
eto dos part ios; a vida regular dos Estados ca-
rece tanto da cambinaco e coufraternisacao dos
primeiros quanto da intervenco discreta dos se-
gundos.
A primeira destas duas proposices n> pre
cisa de demonstracao; oceupar-me-hei da se-
gunda.
Estamos muito longe da parfeico, uo pode -
mos t'-r as veliei iades de ebegar de um salto at
onde anda nao ebegaram pases mais antigos e
mais cultos. As aspirares positivistas, por bem
combinadas, por perfeitas e generosas que se-
jam, nao podem anda pretender a sagrac&o; ha
muito caminbo anda a vencer para que entre
nos se aclimem a phiiosopbia e os principios em
que ellas se fundam.
Una sociedade fundida nos moldes os mais
perfeitos, desde o alicerce at cpula, desde o
individuo at suprema autoridade, em que esta,
por isso mesmo, se pode conservar em urna
grande altura, quasi indiffepente gestao dos ne-
gocios pblicos, que tem seus agentes especiaes,
nao maniendo com estes relacbes inmediatas,
um criador que forma as criaturas e as entrega
aos seus proprios destinos entre os caminhos do
bem e do mal. urna especie de sjmbolo, quasi
ama diviociade; essa sociedade e essa autorida
de nao sao exequiveis anda ; cedo.
Deseamos das alturas dessas apiracOes que
parecem suchos, dessas theorias que anda esto
mais nos livros do que nos nimos, e aceitemos,
para urna transformo exequivel, a sociedade no
p em que ella est. O idelogo, em poltica, nao
o meibor edificador.
Por ora, desde o individuo at familia, da
familia al ao municipio, do municipio at cada
um dos Estados que constituem a Onlo, destes
at ao governo central, e, finalmente, deete ulti-
mo at ao ebefe supremo, as retacees devem ser
immediatas, gradativas, sensiveis, palpaveis,
mas sem urna centralisaco que atropnie e sem
tal independencia que desaggregue.
O individuo e a familia perdem-se na consti-
tuirlo do; municipios, e destes me oceuparei em
outra occasio, para apreciar agora o papel qne
cabe aos governos, no sentido da proposico qne
aventureide que estes nao devem per comole
lamente indifferentes aeco do? partidos.
A formaco destes fatal, porque urna ne-
cessidade, urna condico de vida regular para
os estados ; tarde ou cedo elles se formam, se
dessriminam e at se subdividem.
Da existencia delles se orginam deveres para
03 governos, e al certa ordem de relacOes en
tre os dos Estados componentes do todo e o do
centro, conforme a constituido d'aquelles, c en
tre este e o eu chefe.
A lucia dos partidos to fatal como a su for-
maco, sob pena de nao preeneberem elles os
fins a que se destinara e nao passarem de crea-
cries eonvencionaes, to facis de desapparece
rem quanto de serem criadas; e tanto mais real
es Para modificar at onde for possivel a violen
cia dos choques dos partidos, para evitar que as
consequencias da lucta vo alem dos proprios
luctadores e attinjam e affectem os interesses
pblicos, i.idispensavel um mediador, e esse
mediador o governo.
A intenrencto deste um equilibrio, um cor-
rectivo entre os partidos, que sem ella ebega-
riam a todos os excessos, a todos os erros e vio-
lencias. Isolem-se, facam-se neutros os gover-
nos, nao reconheeam os partidos nenbuma
autoridade, nenhom mediador, e nao ha ordem
possivel, a opinio publica, ou ser artificial ou
impotente, mesmoquando legitima, e at perder
sua forja a mauifestacSo eleitoral ; seria, por
fim, a lucta violenta da forja material.
Nao conheco forma nenbuma de governo das
actualmente praticadas, nem paiz nenbum, onde
esse equilibrio e correctivo esteja ou possa estar
nes proprios partidos. Dupont-Wite cita
exemplo da Inglaterra, e parece fundarse na
- circunstancia de serem os partidos all aristo
orticos e encorporados ao solo, quando contra
isto protestam os fados contemporneos e at a
organisajo do parlamento ingles.
Essa intervenco, porem, j o tenho dilo, deve
ser discreta, imparcial, quanto possivel, e patrio
tica. E por isso que, especialmente -no actual
rgimen que nos reg, nao admitto que um
governo possa ser ou parecer chefe de um par-
tido por muito que tenba sabido de sen seio e
se tenba formado a custa de seos esforjos.
Durante o rgimen monarebico, em regra ge-
ral, os nossofl governos eram chefes de partido,
como tal procedlam, e como tal erravam e gas
tavam-se. Alem das ludas que abriam par seus
proprios actos, por sua poltica, adberiam as
luctas dos partidos que represeotavam, e espo -a
Tam as pretencoes destes e mu tas vetes at os
seus caprichos. D'ahi as quedas repentinas, os
revirameotoi polticos inesperados e amiudados e
a repetida intervenco do poder moderador; e,
na opinio de Sieys, a I -bfrdade iDCompativel
com o domiuio i-uccsmvo dos partidos, o qu-
verdade. si a expresado sucettsivo tem a sigaifl
sacio de (repunte.
Quando, pois, o paiz estiver competentemente
organisado, e. agora, que se projecam e se or*<<
n: am c instituijoes, lempo upportuno para
lemnral J, mire os par.ld"* e o gove ao ik>-
Esudjs, entre estes e o centro, enere o cniru
e o ciele mpre oo deveiu *-; maoi do< lac.- e
relajo -s in imperita ve abraioge'iei lade uoloi .
Heiu um.- iuit*rveoc4< qoe df ienere e o etnH a
lis.'jAi nem u n i independe.icia qne perturbe a
harmona di e Pareire-me estar oo-iudo a >-e mw tuto i-i<>, naM ou in>'ii<> pu-mu no re
gimen neertido ; a-i'i-U w re, ^rjes que rrcom-
avadan. q tanto precouiMic, nao eram diver
aae aa nwo-rcba.
Antes de qoalquer rseosla, eonem corrigtr
o modo de dixer da objecjo : aa relajftes exis
tiam, nao eram diversas, oto ; deviam existir,
deciam nao-ser diversas. A constituijo e o acto
addicional, que bonram sem autores, prepara,
ram elementos para que fossem urna verdade
essas relacoes, mas nao foram respeitados nem
cumprid03, e o que de fado exista era urna
centralisaco atropbtadora, contra a qual todos
gritavam, mas que ningnem corrigio, chegando
a'. a conatituir-se um cancro, urna das moles-
tias que mais concorreram para a morte da mo-
narchia.
Reformar nao i innovar linka por linha. J
ti ve o:casio de citar esta velha pbrase, e a
repito agora. Por se ter mudado a forma de
governo. pi coasequeucia que se condemnem
as normas e regras do antigo rgimen que sao
applicaveis ao novo; melhoral as, aproprial as.
lorn il as mais evequiveis, r.Ui0prl sis mais con
.-cien osaiueute, msto que consiste a reforma,
no caso.
O paiz vai se governar por si, a fiscalisajio
dos poderes vai ser urna verdade, vai equilibrar
se a intervenco das classes, vai ser maior e
mais e Efectiva a responsabilidade de todos, e,
desde que ludo istb se d, aquellas normas e
regras nao bao de ser fcilmente burladas, nao
sero meotira nem letra morta. Na repblica a
responsabilidade sobe desde o povo at ao mais
alto representante do poder e de ice deste at
aquello, porque a repuMica, como define Naquet,
urna forma de governo que nao draitte ne-
nhm poJer irresponsavel, nenbum poder irrevo-
gavel; na mooarcbia, ao contrario, havia gran
des responsabilidades disculiveis, e as que nao
soffriam contestajo, para se acobertarem, iam
subtnde, subindo at se apadrinbarem muitas
vezes com o poder constitu oualmeatc irrespon-
savel. Desde o presidente da repblica at ao
povo a mellas relajees bao de ser mantidas de-
vida e regularmente, porque desde um al ao
outro ha responsabilidades e dependencias. Os
governos tero menos facilidade para o abuso
porque (ero maiores correctivos, e os par-
tidos difficilmente ebegaro ao estado dos do
tempo de Sallustio, dos quae? dizia o Ilustre
historiador que deitaram a perder os grandes
estados, por querer cada um vencer o outro,
fosse como fosse, e fartar-se de vinanja nos
vencidos. Qua resplerunque magnus cintiles
ptssutn dedil, dum alteri alteros, vincere quovisl
modo, et victos acerbius ulcuci volunt.
Recife, J2 de Maio de 1890.
Jtincio d'Agciar
cas
clavos que, podando aa igrejas
sociales e institutos religiosos consti-
tuirem-se e viverem collectivamente, sem
intervencSo do peder publico, e sen-
do Ihes reesnhecida personafidaie jurdica
para adquirir bena e os administraren!,
nos termos dos arts. 3 e 5a do citado
decreto, cessou a competencia que tinha
o poder judiciario da tomar-lhes contas.
Saude e fraternidade.Prudente J- de Mo-
raes Barros.
(Do Cruteiro de 6 de Maio do corrente.)
n -1 padre, afim de haver de sen pai a entrega
e ontras associajrSes religiosas, de-|de urna casa, em que elle anteriormente
residi e de outros bena a ella pertencen-
tes e de que se apossara o mesmo sen pai,
fim de reduzil-a
Ao ommtrtio
J nao sem tempo que o
paizinteiro se levanta em de-
feza dos eeus direitos e dos
seus interesses.
J nao sem tempo que se
deva levantar de codos v.s la-
dos, le todas as classes con-
tribuintes o grito de basta ao
estado lastimoso em que pre-
cipite se l&ncam todos os
seus recursos. ,
Muito antes mesmo de
quinze de Novembro nos as-
sistimos a grande lucta con-
tra os desmaudos ouro-preta-
nos; quando na orgia fnan-
ceira do ultimo ministro da
fazeada da monarchia, na fe-
bre do ouro, passageira, illu-
dentt
oque
foi o nsso evan-
Marcha civica
Nos jomaes de hontem sao convidados o exer-
cito c armada para tomarem parte na marcha
civica que se pretende fazer, solemnisando a
data de H de Maio, lutuosamente memoravel
para a ilumanidade em geral, e em particular
para a nossa estremecida Patria.
Em outros lempos, quando o Brasil eo Para-
guay viviam sob regimens polticos diametral
mente opposlos e nao existiam as ponderosas
raze? que mais adiante exporemos, compr-
hende-se que os amantes das exhibises publi-
cas lizess-m festas e pozessem luminarias nesse
dia que relembra urna brilhante anda que san-
grenta victoria para nossas armas.
Depois, porm, da significativa prova de ca
valbeirlsmo e amisade que o Paraguay acaba de
dar nos, reconhecendo pressurosa e alegremente
a repblica do Brazil; depois de haver todo o
paiz eorpjrisanlo o pensaroento do governo
provisorio, ee ergoiio a 15 de Janeiro ultimo,
jubiloso e unnime, para sau lar o anniversario
do advento da repblica irm, depois da entre-
ga dos tropheos dessa najo; depois de haver o
generalsimo Deodoro, respondendoaoDr. Hen-
rique Moreno, declarado que designava o da
SS de Maio para a recepjo officisl das medalbas
q ie esse plenipotenciario vioha encarregado de
entregar Ibe, porquanto, se era verdade que o
dia 24 de Maio relembrava urna data, qne, de
fado. Ibe era agradavel, como dissera o llustre
diplmala, nao era menos certo que relembrava
tambem a lula sangrenta que sustentramos
com urna najo, hoje amiga e irm; depois de
todos esses fados, que nos parecem razOes pon
derosas, como dissemos, fazer urna passeiata ci-
vica para, amaoeirando e conceilo do inclyto
general, solemnisar urna data que, se relembra
gloriosa victoria para o Brazil, record a igualmen-
te tremenda catastrophe para o Paraguay; pare
ce-n>s urna coniradicco publica de nossos sen
timentos, uma apparatosa affronta najo ami-
ga, que hoje coiifralernisa comnosco na immen
sa trra livre da America, e, at. uma descorle-
zia ao cavalheiroso ebefe do governo proviso-
rio I...
Pensamos assim; comnosco pensa o distin-
ctissimo commandanle do 2 batalho de infan-
taria, tenente-coronel Manoel Euphrasio dos
Santos Dias, como o declarou em presenja da dif-
liculdade do corpo, e acreditamos que pensaro
todos os nossos companbeiros de classe, de cuja
coherencia e gentileza nao duvidamos.
Recife, 23 de Maio do 1890.
Um militar.
24 anniversario da batalha
de c 24 de Maio
O Monte-Po dos Voluntarios da Patria,
nao podendo por motivos puramente eco-
nmicos, fazer com a devida solemnidade
a fest de 16 anniversario de sua
instalacSo com que annnalmantr comme-
mora, e o anniversario da maior batalha
que j se ferio na America do Sul em
Tuyuty, onde os ezercitos alliados colhe-
ram os mais virentes louros de sua corda,
limitar se-ha nesse dia ao que foi delibe-
rado em sessio de 8 do corrente.
a's 8 horas da manhA, na igreja da
C once 1920 dos Militares, e pelo repon so
eterno de todos es irmSos de armas que
all suecumbiram por amor da patria, ce-
lebra se-ba uma missa, para a qual sao
convidados todos os officiaes de trra e
mar, activos e inactivos, e todos os parentes
e amigos daquelles gloriosos martyres;
durante todo dia estar&o basteados os pa
vilbSes da triplico allianca ; e as 5 boras
da tarde effectuar se-ha sessao magna de
posse da nova directora, e noute estar
illuminada a fachada de sua sede, e ne-
nhuma parte tem com a testa externa
que se pretende faaer.
Io secretario,
Tenent-: /. T. de Mattos Ferrevra.
gelho quasi no grande com-
bate contra o maior de todos
os escndalos corruptores, fo-
ram de certo os artigos do
actual ministro da Repbli-
ca, o Sr. Ruy Barbosa.
Basta! Basta!. escre-
via S. Exc. contra os ltimos
esbanjament03 da monar-
chia !
E' tempo agora.
A lei do ouro, a imposicao
das tarifas novas das alfan-
degas, o imposto ultra=vive-
re$, cahido da pasta do mi-
nistro da fazenda da Rep-
blica nao pode deixar de le-
vantar a opinio!
A populacho, o povo, a
entidade que elles nao co-
nhecem, o commercio, vao
levantar contra elles, contra
o ultimo decreto Ruy barbo-
za, o mesmo basta que elle
antepunha ao ultimo minis-
tro do Sr. Pedro de Alcnta-
ra.
Por aqaelle imposto novo,
o povo tem de pagar em tri-
plicatao importo que pagava
at hoje, o commercio vai
sujeitar-se ao cambio actual
para pagar na Alfandega os
seus direitos pelo preco legal
do ouro!!
Era tempo j de mover-se
a grande besta, como elles a
chamam, e repellir o ultimo
insulto do primeiro ministro
da Repblica!
O commercio.
:om o tim de reduzil-a miseria e ao
desespero, e vingar se por esse brutal pro
cedimento da um erro que a mesma Q:-
noveva havia commettid?, quando enviu
vara de sea primeiro marido ; ao appro-
ximarem-se Honorio e Francisco Antonio,
da easa de Antonio Felippe, que previa
mente tinha acquiescido por carta accSo
humanitaria de Honorio, foram traicoeira-
mente reoebidos por uma descarga de
tiros dados de emboscada pelo mesmo
(-Antonio Felippe, seus filhos Francisco,
um* outro conhecido por Caboolo, seos
genros JoSo Corre 1 a da Costa, Jos de
Brito Guerra, conhecido porDesinho e
Manoel de Brito Guerra, conhecido por
Niinho e um crioaia de nome Vidal.
Honorio e seu companheiro Francisco
Antonio cahiram fulminados por trra,
atravessadoB de balas, e seos cadveres
ficaram oxpostos no pateo da casa dos
vis assassinolT' at o dia 30, quando por
parte da familia das infelizes victimas
foram retirados j em adiantado estado de
putrefaccao.
Qke facinoras selvagenp e cobardes qne
atbafaram os sentime tns de homanida-
de'vde religiSo !
sera vea, alm de semelhante can iba-
tmq^ saquearam os cadveres, apoderan
do-s* dos objectos de valores que elles ti-
nbam em si, tendo-se ceiteza de que uma
das victimas levava comsigo a qnantia de
quiahentos mil ris e a outra duzentos e
tantos!
Astonio Felippe e seus apaniguados fu-
giram immediatamente apos a pratica de
to horripillantes crimes, ( S assassinstOB e
o roubo); e consta que foram refugiarse
no cintro dos Estados daParahyba, Cear
ou Kio Grande do Norte e ha serias pre
sumpcBea de que elles estejam actualmente
homi8ados no lugar Espinhra onde pos-
8uem bens e esperam encontrar prote ite-
res f
Roga-se aos Ilustres e activos chefes de
polica e demais autoridades judiciarias e
policiaes deste Estado de Pernambuco e
dos Estados cima referidos que promo-
vam a perseguicSo e captara de taes as
suainoB; verdadeiras fras humanas !
Antonio Felippe anteriormente j foi
perseguido e desterrado da provincia das
Alagdas, onde era tido como um mo ci
dadSo e o terror do lugar.
Ha nnos costuma elle negociar com
^ado vaceum e cavallar pelas provincias,
hoje Estados, da l'arahyba, Cear e outros
visinbbs ao norte.
Esperamos, p)is, a effectividade di pri-
sSo e justa punijio de taes monstrua; ho
mens fras, e para isto muito confiamos
uo zelo e actividade das autoridades na
novel Repblica Brazileira.

P 24 de Waio
Os voluntarios da Patria, solemnisando o anni-
versario da gloriosa batalha de ii de Maio, nao
que rem avivar odios contra uma najo boje ami-
ga, e que foi a primeira a recenbecer o governo
republicano do Brazil ; mas pagar a nomenagem
a que tem direito todos os qne se biteramem de-
feta da honra nacional, conquistando glorias que
nao podem ser esquecidas, porque sera apagar
a historia dos fe.tos do nosso exercito.
A commisso.
Muitas vezes til associar a creosote
de alcatrao de faia ao oleo de figado da
bacalho no (ratamente das affecoSea do
larynge, dos bronebios, dos pulmSes, e
principalmente as bronchites chronicas e
nos catarrhos
Esta associacao aprsente grandes van-
tagens, mesmo na ausencia de doenca e
qnando se fas uso somonte no fim de
fortificar um peito fraco ou um tempera-
mento dbil.
Estes dons medicamentos encontram se
reunidos as Capsulas de Berth creosota-
das, onde a creosote de alcatrao de faia
acha-se em disaotuc&o n'um oleo de figado
de bacalho particularmente recommenda-
vel visto ser obtida por processos que sao
os nicos que tem merecido a approvaco
.da Academia de Medicina de Pariz.
Dentes
Termina a horrivel dor de dentes asando
o escolente preparado de Manoel Cardoso
Jnior.
As cartas que Ibe tem sido dirigidas
pelos jornaesde maiorcirculacao, attestam
a eficacia.
Depsitos:
Drogara dos Srs. Francisco Manoel da
Silva & C, ra do Mrquez de Olinda
n. 23.
Pharmacia Martina, ra Duque de
Casias d. 88.
Pharmacia Oriental, ra Estreita do
Rosario n. 3.
Pharmacia Alfredo Fcrreira, ra do
Bario da Victoria n. 14.
Pharmacia Imperatriz, ra da Impe
ratrz n. 49,
Notice
Festas de 94 de Maio
Esto presentemente fra de proposito as fes-
tas nacionaes da commsmoraco deste dia.
A allianca ltimamente feita entre as repbli-
cas Brasileira e Paraguaya nao admitte que
uma deltas commemore nma dala que nm dia
de 1 j para a outra.
Entre brasileiros e paraguayos nada, mais
deve haver que relembre a poca de lucta en-
tre esies dous paizes, boje irmos, tanto mais
qoaoto tiaga o festejo de um a tristeza do ou-
tro.
Um crep" sobre o passado e viva a Repblica
dos Estad os- Unidos do Brasil I
Viva a Repblica do Paraguay!
A Intendencia Municipal do
Recife
Consta-nos que essa Intendencia vai obritrar a
remollo dos depsitos de kerosene para fora da
cidade, e por isso j obrigou um negociante a
assignar um termo de responsabilidade, com
peoa de grande multa, para dentro de certo
praio, marcado por edital, rearar dita mercadu-
ra para fora da cidade.
E' digna de louvorto til e urgentissima me-
dida mas seria a maior iniquidade e mais cla-
morosa iujustica, se a mesma obriga^o nao
fosse imposta a todos os outror negociantes da
sopradita mercadoria, inclusive o alfandegado-
Chamem-se, pois os outros a assignar o mes-
mo termo de responsabilidade, e aceitem a In-
tendencia e os habitantes do Recife os mais sin-
ceros parabens do velho
Republicano.
As irmanJades
Ao commercio
Os abaixo assignados, nicos socios re-
presentantes da firma Couto Santos & C,
avisam ao commercio em geral, que tendo
firmado novo contracto social, teom dis
solvido aquella firma, substitundo a pela
deLopes, Santos & C,pela qual fcam
d'esta data em diante res ponaveis, e
bem assim, pelo activo e passivo da ex-
tinta firma.
Recife, 21 de Maio de 1890.
Epiphanio Lopes Machado Ramos.'
Joaquim Arthur dos Santos.
Assassinatos monstruosos !
No dia 28 de Marco findo, no lugar
MuluDg, da comarca de Alagda do Mon-
teiro, do Estado 8a Parahyba, foram bar-
bara e horrorosamente assassinados o im-
Eurtaute iazendeiro e prestimoso cidadao
[onorio Bezerra do Hego Barros e um
Eis o desp-cho que o governador de S. sea companhniro de nome Francisco An-
P ut<> acaba d dar >o jais de direito de ionio,, residentes no tormo de Cimbres
TWiai, a rmpeiti da rnter^encao deste deste Estado de Pernambuco.
n administraelo dos bena das ordena re- j Dirigindo-se Honorio e sea companbei-
hgm iaa : ro naquelle dia eaaa de Antonio da Costa
8 P*ulo, 30 de Abril de 1890.N. Monteiro, conhecido por Antonio Felippe,
226. i morador no referido lugar Malunga, no
km resposfd ao vosa officio de 25 do louvavel intuito de pftr tormo pelos meios
corro te, em q ie m- c >nsultaeB se o de- amigaveis ama stulta e esprichosa des-
o eto n. 119 A de 7 de Janeiro do cor- avenca de Antonio Felippe com nma sua
renta anuo. x mguio a juriadioclo do filha casada, de nome Genoveva, que ta-
jis scsular para* tomar conta ai ir- vocra a proteccSo de Hon>r.o, sea oom-
Pobres crianzas
Olinda
No dia 13 do corrente tarde, na occaaio em
3ue passava pela ra dos Gatos, o cidado Can-
ida Guedes Alcoforado, digno supplente de sub-
delegado desta cidade, notou que de uma das
casinbas d'aqaella ra sabia nm choro de crian
gas; bateu rpidas vezes e nada, silencio s,
ninguem respondeu. Ento tomou elle a deli-
beraco de chamar algumas pessoas, em pre-
senca das quaes deitou a porta a dentro.
Triste qoadro!
Qoatro criancinbas all atiradaa, cboravam de
fome, tiritando de fri I
A mal, criatura sem coraco retirou-se, e Dio
Irepdou, nao teve remoraos, em abandonar os
seos filhinbOB 1
O seloso supplente levou o facto ao conbeci-
mento do digno delegado que providenciou.
Brilish subjecis are informed that, by a Decree
of the Provisional Government of Brazil pu-
blished on toe 15* instant, they can, sbonld they
not wish to be considered brazilian citizens as
notitied in the naturalization Decree of the 15*
of December 1889, make the declaration of na-
tionality required by tbe last mentioned Decree
at tbe office of the plice delgate or sub-dele-
gate of any district, or before the undersigned :
and tbose wbo have already made or may make
their declaration of na.ionaiy before any local
authority can enter their name9 at tbis Consu-
late.
British Consulate.
Pernambuco 10* May 1890.
A. Cohn,
H. B. M. Consol
t
23 de Maio de 1890
3." ANNIVERSARIO
Uai grlaalda de saoSades
sbhb o tmulo de
Francisco Antonio da Suva Cavalcante
Penhor sincero da mais pura estima e affecto,
que Ibe coosagrava sua familia, nico lenitivo
para a justa magua o ter de recordar a sua me
mora ante a qual curvase respeitosa.
Missa na igreja de Nossa Senhora da Soledade
s 7 horas da manh.
Recife, i35-90.
Esmolas
Aa alma caridosas soccorram, pelo arar des
Deus, aviuva pobre e doente Senhorinha dos
Santos Coelbo Bastos, ra das Carracas n. 4.
Essa infebz vive na maior penuria, e merece
o obulo dictado pelos geueroscs sentimentos de
caridade.
^x
Oculista
Pesia do Divino Espirito Santo
Programma
Sabbado Si do corrente, ao meio dia, uma
salva, diversas gyraodolas e escolhidas pecas de
msica executadas pela banda do Arsenal de
Marinba, annunciaro a vespera da festa do nos-
so divino padroeiro.
A's 6 horas da tarde novas gyrandolas de fo-
guetes fendero os ares.
A's 41|* boras da madrugada do da 25, ba-
ver missa rezada em intenco dos nossos ir-
mSos vivos e defnntos, fazendo se ouvir a refe-
rida banda de msica, sendo annunciada a rn-
rora desse festivo da com diversas gyrandolas.
A's 11 boras da manh do referido dia, en-
trar a festa com a missa do maestro Santos
Pinto, cujos solos sarao execntados pelos me-
lhores cantores desta cidade, estando a orehes-
tra a cargo do professor Medeiros.
Ao Evangeiho far o panearyrico da festivida
de o Bevm. padre Pedro Paes e Paiva.
Antea e depois da festa exhibir se ha a refe-
rida banda de msica.
A's 7 horas da noite, depois qne a banda dos
menores tiver execut do lindas e variadas pe
cas de seu repertroio, se far oovr da tribuna
sagrada o nosso prestimoso irmo Revm. Fr.
Augusto da Immacnlada Conceico Alves, findo
o qne ser entoado o Te Deum Laudmus deno-
minadoRio de Janeiroterminando com a
benco do Saitissimo Sacramento.
Pelo presente convido a todos os nossos caris-
almos traaos 4 comparecerem em nossa igreja
no referido dia, aflm de asatetirem aos meamos
actos.
Consistorio, tf de Maio de 1890.
0 escrivao,
Miguel ios Santos Costa Jnior.
Dr. Barrete Sampaio, oculista,
ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, de volta de sua via-
gem Europa, d consaltas de
1 s 4 horas da tarde, no 1
andar da casa n. 51 roa do
BarSo da Victoria, excepto nos
domingos e das santificados.
Telephone 285.
Residencia roa Seto de Setem-
bro n. 34. Entrada pela roa da
Saudade n. 25.
Telephone 287.
Paranagn
O honrado cidadao Sr. Joaquim Soare-
Gomes, vice-eonsnl de Portugal e Inglas
torra, em Paranagn, tratando da cura de
uma bronchite de man carcter, em sua
esposa, diz o seguinte :
i... Minha muiher acha-se perfeitamen-
te restabelecida de eua grave enfermidade,
com o uso de quatro vidros do Peitoral de
Cambar, tendo antes experimentado, Bem-
pre intilmente, tal vez cineoenta remedios
diversos.
Joaqnim Soares Oomes.
(A firma est reconhecida.)
A'S VICTIMAS DAS FKBRIsJ
O Elixir antl-febrtl Cardoso, appro-
vado em 21 de Marco deste anno pela Inspectora
Geral de Hygiene do Rio de Janeiro, vem boje
apresentar-se humanidade soffredora do oran-
do inteiro, como taboa de salvaco qne ao infe-
liz naufrago lhe enviada por mo omnipotente?
O Elixir surt fVfcrll Cardoso, appli-
cado em muitissimos easos de febres, tem, come
por milagre, levantado do lelto da dor a comple- ~
tos moribundos.
Este remedio, com posto smente de vegetaes 1
inteiramente inoffensivo, anda mesmo amis
mimosa e tenra crianca.
As senhoras, no estado de paridas, on no pe-
riodo de incommodos naturaes, podem usal o
sem receio algum.
Depsitos
Drogara dos Srs. Francisco Manoel da Silva
& C, ra Mrquez de Olinda n. 23.
Pharmacia Martina, ra Duque de Casias
n 88.
Pharmacia Oriental, ra Estreita do Rosario
n. 3.
Pharmacia Alfredo Ferreira, ra do Barao da
Victoria n. 14.
Pharmacia Imperatriz, ra da Imperatriz
n 49.
Para qualquer explicaco podem dirigirse ao
autor Manoel Cardoso Jnior, ra Estreita do
Rosario n. 17.
Dos innmeros attestados que temos, damos
em segni ia principio a sua publicaco ; e isto
bastar para que sejam conhecidas as virtudes
do Elixir anti febril Cardoso.
Attestados
N. 16
Vigilio Angosto Lopes, phamaecutico formado
pela Uoiversidcde de Coimbra e Academia dfc"
Baha, etc.
Atiesto que tendo feito a app icago do Elixir
Anti Febril de M. Cardoso em nma mioba sobri-
nba em caso de febre palustre, em 48 boras fi-
cen completamente restabelecida. Outro sim:
que tendo enviado ao Sr. Vicente Lagreca, da
cidade de Palmares, proviuqa de Peraaitfeuco,
o mesmo VicenteLagnca me participun ter em-
pregado em diversos casos febris. com resulta-
dos bons, nao contando caso nenbum perdido.
Outro sim ; atiesto que tendo fornecido o Elixir
Anti Febril de Cardoso a diversos individuos,
de todos tenho receido noticias de bom resul-
tado.
E por ser verdade passo o presente qne juro
era f de meu grao.
Recife, 28 de Fevereiro de 1889,
Virgilio Augusto Lopes,
Pharmaceutico,
N. 17
Illm. Sr. Manoel Cardase Jnior.Amigo e
senbor. Tendo applicado o sea preparado (tin-
tura), contra febre3 em meu lilho Henrique, de
idade de tres annos, que eslava muito canidi-
nbo de febre de mo carcter, obtive excellente
resultado, tomando elle apenas dnas dosee.
0 que cima tica dito, verdade; pelo que
poder fazer desta o uso que lhe convier.
Sou com todo respeito
De V. S. amigo venerador e#criado,
Manoel Jos Das.
Recife, 22 de Agosto de 1888.
N. 18
En abaixo assignado, adan Jo me soffrendo
ha cinco das de uma febre de mo carcter, e
tendo usado de remedios proprios de corqbater,
como fosse acnito e qninino com receita de
medico, e nao tirando resultado algum desses
remedios, man Jei chamar o Sr. Manoel Cardoso
Jnior e expondo lhe o meu estado, elle me dea
o seu preparado Anti-Febril, e fazendo uso delle,
fez dsapparecer a febre no curto espace de G
horas, adiando me completamente restabelecido
desse incommodo.
Recife, 21 de Janeiro de 1889.
Manoel Monteiro Martins.
N. 19
Illm. Sr. Manoel Cardoso Jnior.-Presente.
Presadi8Simo senhor.Soffrendo de uma febre
rebelde, que levon me eo leito, nsei do Elixir
Cadoso, a conselbos de diversas pessoas que re-
feriram-me de sua sua proticuidade.
0 resultado nao se fez esperar, resijtniBdo me
a saude em poneos das edando-mr nteonva-
leceoca um admiravel estado furtifi :ante.
A' vista do maravilboso effeito do Exir Cardo
so, quero com estas lindas felicitar
prodigios desse preparado e habif
cel o outros que podem no sen
vantagens que elle offere;e.
Contino a ser lhe ralo, e por isso j^Bck-
vo me com mnita estima e consideracW^
De V. S. amigo, obriga lo e criado
Alfredo H GutmarSes,
Recife, 31 de Dezembro de 1888".
N. 20
Illm Sr. Manoel Cardoso Jnior.Recife.
Amigo e senhor.Achando-me soffrendo de
uma febre de mo-carcter, que attingia a mais
de 40 graos, lembrei me de fazer oso do Elixir
Cardoso, por me constar que esse remedio ti-
nha conseguido dominar febres desse carcter ;
com effeito o resoltodo nao poda ser mais sa-
tisfactorio, depois da terceira dose nao senta
mais febre e julgo me completamente restabe-
lecido.
Dou-ihe os meus parabens pela importante
descoberta.
De Vmc. amigo respeitador
Fernando Carneiro Barbosa.
Recife, 21 de Janeiro de 1889.
(Estavam selladas e devidamente reconheci-
das as firmas.)

Culto Evanglico
Ha culto publico com leitnra e explica-
cjlo do Evangeiho, todos os Domingos s
11 horas da manh e s 7 horas da noite,
e as quintas feitas s 7 horas da noite,
na roa do Imperador n. 71, 1. andar. A
entrada franca.
Convidam se aa familias e o publico em
geral a assistirem.
< Fiirn"""" as escriptoras, pois julgaes
ter nellas a vida eterna; e ellas mesma
sSo as qne dSo testemuuho de mim >
Evan.oe JoSo, cap. 5. ver. 39.)
Dr. Joao Rangel
MEDICO
Pode ser procurado para os misteres de sua
profissio 4 ra do Bom Jess n. 48 i-* andar.
Consultasde inelo dia at 3 boras da tarde.
Chamadosa qualquer hora do dit ca da noite.
Telephone ai ICO.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creanas. -
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n. 18, Io andar. ;
Consultas de 8 s 10 da manhi.
Chamados (por escripto) 4 qualquer hora,
TELEPHONE N. 226
MEDICO HOMEPATA
Dr. Balthaz da Silveri
Especial idadefebres, molestias I
das criancas, dos orgSos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-Be a qualqaer chamado para-
era da capital.
AVI*
Todos os chamados devem ser di'
rgidos pharmacia
ra do BarSo c"
onde se indicar
mados devem ser di- w
lacia do Dr. Sabino, i)
da Victoria n. 43, l\
sua residencia. f i
Promptuario da lei
DO CASAMENTO CIVIL
Acha-se prestes a sahir do prelo esla obra se-
guida da lei annotada onde se discutem diversas
questoes praticas e faz se um estudo compara'
tivo com o direito antigo.
Como appensos, traz o livro as nstrnc
baixadas para a execoso da le e maj
elicados a seu respeito e bem assim J
ento do registro civil, como maten que j
prende ao aBsnmpto.
O livro que se compor, mais ou menos, a
200 paginas, offerece nulidades qnelles que
dedicarem ao estudo e execoco da mesma 1
bem como ao publico em geral.
Sendo a tiragem de poneos e
nSo poder seu autor accarretar
superiores, se dar preferencia
forem feitos, para o qne se I
Parisiense roa 1* de Marco n. J
Preco do volme,
Brochara
Encadernado
deste: i
3*0
z*m
^T"*" -----1wiiswaMsaMaiMMwiiw niiM.......v> nm.....inwiniisa


de Pernambneo-Sexta-J
Via i o I89C
?>v
I

i
V

--
i

5

*
I

.1
1
I
I
1
1
I
f
Auxilios lavoura
Pereira arneiro & C. coatiann, autorisado*
fio Banco do Brasil, conceder empreslimo*
lavoora das provincias de Penaambuco, Ala
goas.Parahjba e Rio Grande do Norte, media a te
as coodicOes de que os inleressadoe aero infor-
mados no escriptorio a ra do Commercio n. 6
das li oras da manh as 2 da taide.
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLDiSON, for
toado pela Univeraidade de laaryland not
Eatadoe-Unidoa, tena aborto o mu cnsul
tono, na ra Bario do Victoria 18,1* an
dar.
Consultas da 10 s 4 horas da tarde.
Collegio de N. S. da
Penha
PARA O SEXO FEMIN1NO
lok m dlrec^&a de AmfunUk Carneiru
lia da Aurora i. 37
Segundo andar
(
Frederieo Chaves Juior
Homoepatha
3 RA BARO DA VICTORIA 3
PrlDif iro adar
Dr. Bastos de Oiiveira
tem o sen consultorio medico-cirrugico
ruado Marques de Ohoda, a. 1, 1.* an-
dar, onde pode ser procurado todos os
das uteis das 12 s 3 horas da Urde.
Chamados a qualquer hora em su a resi-
dencia, A ra do Hospicio n. 46.
Telephone n. 365.
*
II
46Ra do Bario da Victoria46 j (
(DEFKONTE DA PHAJIMACIA PIKHO)
Dr. Mello Gomes
Medico operador partciro
Onde tem coaaatUerto e real
deacla i podendo ser encontrado e
recebendo chamados qualquer hora
do dia e da noite.
Especialidades: partos, febres, moles
lias de senboras e dos palmees, syphilis
em geral, enra rpida e completa e ope-
raees de estreitamentos e mais sottri-
mentos da uretra.
Acode de prompto a chamados para
fra, a qualquer distancia.
Telephone n. 894
t
CTs
. l na enra de atilinta ,
De Santa Victoria (Rio Grande do Sol) remet
leram-nos o seguinte tlestado :
En abaixo assignado atiesto, a bem da liorna
nidade, que lendo urna iillia qu soffrera. ba mais
de quatro anuos, de aslhma e ouiras molestias
do peito, toi radicalmente curada pelo inarav-
Ihoso remedio Peitoral de Cambara, do Sr. J. Al
vares de Sonsa Soares, de Pelotas. Detfim Jos
Rodrigues.
(A arma esta reconheclda).
COMMERCIO
Revista do Mercado
Reare-, 22 n* maio m 1ftO.
O movimento limitou se a irans. ec.-s no mer-
cado de cambios.
Bolsa
C3T*(OBS OFFICIAES DA JUSTA DOS COR
BETOBEH
Recite, 21 (U Maio *t 1SM)
Nao ouve colaro.
O oresdeole,
Antonio Leona -do Rodrigues.
Pelo secretario.
Auiustu P. de Lr-ruos
Cambio
PBACA DO REOIFK
Os bancos abriram a 20 7 8 nominal, mostran-
do-se o Eoglish i-potu a saciar para quaulia
redonda sem effectuar negocio.
Mais tarde bouve signcs de frjqu'zi, reali
sando-se transaeces a SO '. 8'c !() 3,4 banrario,
fechando o mercado a esta ultima taxa.
PRACA DO RIO DE J SEIKO
Pela manb cotaram 20 3\ hanrario nominal,
havendo algum negocio a 40 7 8.
Mercado frouxo por falta de papel particular.
Algodo
Nio constou-vendas.
sal
Aexportaco feia pela alfandega ne#U mez
o dia 20, constou de 153 2*7 (tilos, endo 71.099
para o exterior e 8. 128 para u Interior.
As entradas verificada?, ate a data de boje o-
bem a 3-944 saccas, sendo por
Barcacas.' ....
Vapores
ioimaes.....
Via-ferrea de Caruari.
Yia-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea de inoeiro
SwBbsn
As&ucar
js precos pagos -o artCWi r,
pandos AssociacSo Coiuuat:>ial
os seguintes:
Usinas.....
Branco.....
Smenos.....
Maseavado porgado .
Brutos .
Rtame.....
A exportado frita pela aiiiiinga neslemez at
o dia 20, constou de 3 938 276 kllcs sendo 915.180
para o exterior e 3.023 OiiO ara o interior.
As entradas verificada: ae. a lata de boje so-
Dem a 32.218 accoa sendo i or -
Barcacas ....
Vapores .....
ajumaes.
Via-ferrea de Garuara.
Via-ferrea de S. Pranciseo.
Via-ferrea do-Limoeiro
683 Sacras
147
483
261
930 .
1432 .
3.9'*' Sacnj
jt-r 15 k>os. ce-
Agricola, foram
3i70 a 4*010
3:OX) a 3.6(0
ttl&tt a 2/700
t*!ki0 a l*7u0
(#300 ) 14500
1 J'00 a 1*200
12 636 Sao-O
SoQima.
32 218 S #*>*
Coaro
Gooros salgados W) rfis, e os ver's a 2\0
r.
Agurdente
CoU-se 94*000, por pipe de 48!. litros.
Aleool
Jola-se a 190*000 por pip je i0 U.pi-
ci
vott-ie 58/000 por pisa le 480 litros.
A praga anlversal
Em todas aa regioes e entre as pessdas
de todas aa oocupacSea e pronssdes, preva
lecem as onfermidades pulmonares. Por-
tanto, o grande e admiravel remedio con
tra alias e que produi a sua completa ani
quilacio o Peitoral de Anacahuita, o qual
aa deve perseguir e em aeu derido tempo
as perseguir iudefectivelmente 'at nos
mais remotos confias do mundo.
O soldado nos acampamentos, o mineiro
as minas d'ouro, o colono as fronte iras,
o lavrador, o viajante por mar e por ter
ra, e especialmente todas as pesadas su-,
jeitas a padecerem de tosse, constipacS^s,
resfriamentos e catarrhos, bronchites, asth-
ma e outra affec^Ses n2o menos afHictivas
da garganta e dos orglos da respiracao, e
que to fcilmente se desenvolvem e pro-
pagaos nos lugares hmidos, inclemencia
da atmosphera ; acharlo com a naais gra
ta satisfacSo, no Peitoral de Anacahuita,
um remedio irresistivel e absoluto, para o
completo subjugamento de tSo perigosas
enfermidades. Compre se em tempo, pois
6 bom estarse prevenido.
Como garanta contra as falsificacSes,
observe-se bem que os nomes de Lanman
& Ketnp, venbam estampados em lettras
transparentes uo papel do livrinho que ser
ve de envoltorio a cada garrafa.
Acha-se de venda em todas as boticas e
drogaras.
Cabeca de negro
Elixir sedativo e anti-rheumatico, formula
do pharmaceutico Herme* de Sonta
Peretra.
SEM MERCURIO
Approvado pela Inipectori a Oeral de
Hygiene
Este poderoso medicamento ja bem co
onecido ha mais de Id annos e cujos ma-
ravilhoBos effeitos tem sido at 'estados por
muitos mdicos e numerosos doentes, cura
radicalmente os rheuma > HMOS, erysi
PELAS, SYPHILIS 58CROFCLA8 e todas as
molestias que teem por origem a impuresa
do sangue.
O verdadeiro e mais antigoElixir de
cabera de negro o da formula do phar-
maceutico Bermes de Souaa Pereira, e
para ara? ta dos consumidores tras elle
em seus rotules o envolueros o retrato do
autor.
Vende-se a vare jo em todas as phar
macias e em atacado na pharmacia Fer-
reira, praca do Maciel Pmheiro, n. 19,
(antiga do Conde d'Eu, e na drogara de
Francisco Manoel da Silva & C, rut> do
Marque de Olnda, n. 23.
Dr. Eusebio Mariins
Costa
tem o seu consultorio medico e residencia rna
Barao da Victoria n. 7. t- andar, pode pode ser
procura io para os msteres de sua urofissao.
Consultas de i s 3 horas da tarde.
A's familias
I!
Ensino de priineiraa lettras, por
tugues, francs e ingles; pelaa
residencias dos alumnos, dei tro'
da cidade e em seus arrabaldes :
a tratar na roa do Imperador n.
75, 2. andar.

Dr. Silva Lea]
clnica medico cirurqica
Consultorio e residencia A rna do Livramcntc
o. 6 1 andar. Consultas das (1 s 3 horas da
tarde. Chamados a qualquer hora, por e-enpto
Dr. Coelho Leite
participa a seus clientes c amigos que inudou
sua residencia para a roa Barfto da Victoria n.
61, 1 andar, e contina a dar consultas de 1 4?
3 horas da tarde, no seu cjusultrio, ra Duque
de Caxias o. 57.
Pauta da Alfandeca
Vide o Diario de 18 de Maio
\avlo a descarga
Barca norueguensc Caii Haarte*, carvao.
Barca noruegueose Gier, carvio.
Barca allem2 Marta, varios gneros.
Barca portuguesa Novo Silencio, varios gneros.
Barca nacional Mariauninka, urque.
Brlgue poi tuguei Adelina, varios gneros.
Brigue hi llandez Meiem, xarque.
Lugar inglt-z Cintila, bacalhao.
Lugar americano D Anua, milho.
Lugar portuguex Temerario, xarque.
Lugar hollandez //. R. Ltembuis, grasa.
Lugar ioglez Peggy, bacalhao.
Lugar nocional Ditas Americas, varios gneros.
Patacho noruegoense Ceret xarque.
Patacho hollandez Voowaarts, xarque.
Patacho nollandez Henrtka, xarque.
Patacho hespanbol Joven Pura, xarqne.
Patacho francs General Berge, xarque.
Patacho poriuguez Mondego. vinbo.
Patacho aiueri>-,ano John H. Cardn, varios ge
eros.
Caucho inglez cya'uf, aiillio.
itnportario
Vapor in^l-z Serjpis, eolrado de New York
em'16 e consignado a J. Peter e C.
Parinba de trigo 3000 barricas a Machado Lo
pea e C
Patacho Jinamarquez Arken, entrado do Rio
Grande do Sul em 17 e consignado a ordena.
Parinba de mandio 600 saceos.
Xa que 270,000 kilos 4 ordem.
Vapor nacional Mandos, entrado dos porto? do
sul em 20 do correte e consignado a Pereira
Carneiro e C
Carga do Rio de Janeiro
Azeile 1 caixa ordem.
Bucalo 293 tinas ordem.
Caf 2* arcos a Guioaraes e Valente, 154 a
Joaquio Ferrara de Carvallio e C, 200 a Souza
Basto Amorim e C.
Chapeos 1 caixo a Sama reos e C.
Fcijao 25 saxos a Alves da Costa e Fillio, 50
a Guimarai's e Valente.
Goiabada 5 csi'xas a Paiva Valente.e C .
Hiudezas 4 ceixas a Mathias.
Mercadorias 2 volume ao Dr. Lassances, 6 a
Caodidoltosas 2 a Manoel Collaca e C t a J.
Bezerra, 4 a i. ColaoDi)8,51 a Capitana.
Massas lOOcaixaa a Souza Basto Amorim e C.
Panno de algjdao 35 fardos a Goncalves Cu-
nba. 86 a Machado e Pereira, 23 a Narciso
Maia c C, 5 a Manoel Collaco e C, 4 a Rodri-
fues Lima e C 10 a Fernandes e C, JO a Olin-
to Jardini c C, 100 a Cramer Frey c C 27 cr-
dem.
Vinagre 5 barris ordem.
Cargada Babia
Amostras 3 volumes a diversos.
Calcados 4 caixas ordem.
Chapeos 2 caixas a Antonio P. C da Silva
e C.
Fio de algoJao 40 fardos a JoSo Francisco
Lte.
Panno do algodao 4 fardos a "Antonio Pinto C.
da Silva e C.
Vanor nacional Bebertbe, entrado dos portos
du norte eui 19 do crreme e consignado a Com-
p&nhia PernambU!*ana.
Algodo 6 taceos a Gomc3 de Mallos lrroaos
18 a RoJriguej Lima o C, 14 a Borstelmann
e C. _
>ra dv carnauba 6 soeces a S. NSguetra e C
Penoas 1 caixa aos mesmes.
Pelles 28 fardos a Pereira Carneiro e C, I a
Medeiro Irmaos e C. 17 a Rosback Brothers e C,
o0 a Abe Sieiu e C.
Queijoe 4 csivis a J. F. de Albuquerque, 3 a
S. Nogneia e C.
Villa* de carnauba i barrica aos mesmos.
Barca oacinal Primo de Castro, entrado do
Rio de Janeiro em 15 e consignada ordem.
Farinha de trigo 5300 2 saceos.
Farellj idOO saceos a H. Borle e C.
Reveiaenea e mcr. cimento
Poocas vezes temos experimentado urna lo
intima satisfacAo; melbor ('iramos um legitimo
crgulho por noticiar ao respetUvel publico que
a oerveja La Rosa Alimaa urna mensagcia para
o corpo tanto bebida como regalo que de
nissimo paladar, como infallivel na cura de
enchaqueca, ataques bemorrboidaes, corrimen
tos e fiares brancas.
Nao alongamos consideraces e limitamo nos
pois, a descobrir a riqueza da cerveja La Rosa
Allemana, j professada publicamente. A veriat
setnpre verdade Alm dos estabelecimento>
j annunciados est venia em uutros im-
portantes estabelecimentos dos Srs. Joan >la Cu
nha Vasconcellos, ra do Livramento; Antonio
Guilhermino dos Santos, ra Direita, liore.ira Ir
mo, ra de Pedro Alfonso; Jos da Silva .l|urei-
ra iiisboa, ra do Imperador; MarioprMartms
Lourenco, Jaboato; Francisco Mentas da Fon-
seca, Pilar de Alagas. Jos Domingos d'Oliyei
ra e Manoel Ferreira Silva Veiga, Nalal i ^oao
Juvenal Barbosa Tinoco. Baptista Juuior .& C,
e Ismael Cesar Duarte Riheiro. Macahiba
*3rsr---------------------Sf
Advogado
IS. A. CLQSCAZfSD SE 3QV2A
Mudou o seo escriptorio para a ra do
Imperador n. 32. pr meiro andar, onde
ide ser procurado du 10 da manba s
da tarde.
Residencia Ra Imperial n. 148
ft TeleploBC n. 102.
#;&,---------------------%n&
RestaurantPortu ;uez
O prlmelro en Pcrnambuco
2123BA DA8 LARAKGEIBA8 21 23
COSINHAS
Brasileira, Portuguesa e Francesa
Propietarios : -Charles Rosier & C.

EDITAES
Acomraisso municipal revisora do ai lame i
to eleitoral do municipio ilo Recife, faz publico
que, por portara do cidadao governador-do li-
tado, de 18 do correntp, foi prorogado por 5 das
o preso do art. 40 n 2 do decreto n. 200 A de 8
de Fcvereiro ultima, visto nao faavar at aquella
data remetlido a commisjiao dislriclal da Boa
Vista as listas de qualificag do respectivo lis
trido. Em virtude do que convida os cidadaos
que se julgarem prrjudicados, por tetem *ido
excluidos do referido alistamenlo, a dirigirse
a esta cemmissao dentro d'aquelle prasa, a c-m*.
lar do dia 19, atlrn de senm altmdidos amo
de direito.
Bacbarel Antonio Mara de Furia Noves, mudado.
Lucio da Silva Antones.
Manoel Jos Dantas Jnior, modado.
Baymundo JJo dos Res. dem.
Victoriano Jos Marioho Palhares.'
Vicente Si i va, m'ndado. *" -"* r~ T ,"#" ^*
Vicente Si I verlo de Souza. dem.
Barca norueguense GUr entrada de
em 12 e consignada a Wil Sons e C.
Carviodc pedra 991 tone'.aiasA orde
bwPoil
Sillustiaoo Justo de Afollo Ca-tro.
Jos Joaquim Cerrea de Araujo, mudado.
Baibaiel Jos Antonio de Luua Freir. dem.
Adolpho de Almeida Guedes Alcoforado.
Conselheiro Juio Antonio de Araojo Freilas Hen-
nque, mudado.
Joao Francisco dis rbagas Xavier, dem.
Jos de Barros Pimentel.
Manoel da Silva Leal L yo, modado.
Roqoe Jaciniho de Oiiveira Souza.
Pompeo Colomeo Casanova.
Tnomaz de Carvalbo Soares Brando Sobrinho,
mudado.
Ba.barel Francisco de Carvalbo Soares Brando,
dem.
Fran :isco de Paulo de Albuquerque Maranbo,
dtm.
Bacbarel Joao de Siqueira Cavalcante, dem.
Barbare! Pedro Celestino Feliclo dos Santos,
dem.
Joo L 'onidas Durvillos e Silva.
Candido Lyra.
Gregorio Thaumaturgo de S Leit&o, mdalo.
Dr. J. So edro Maduro da Fun^eca.
Tbt odoliudo Augusta do Reg, mudado.
Desembargado! Silverio Fernandes de Araojo
Jorge, idem.
Elias Avelino do Barros, idem.
Thumaz Garrelt.
JoSo Lucio de Lemos Duarte, mudado.
Joaquim Mareohno da Silva, idem.
lit Gomes Villar. dem.
Manoel de Christo Pacheco, dem.
Ceriliano Mamede de Almeida, idem.
Ernesto Jos de Souza Leal, dem.
Manoel Malhias de Azevedo Villaroca, dem.
Ji>s Flonano Coir ia de Bruto.
Bachirel Ral Coelho da Silva.
Dr. Augusto Trajano de Hjllaoda Chacn.
Bacharel Manoel Baltbazar Pereira Diogenes
Jnior, mudado.
Miguel de Novaes Mello, idem.
Antonio Argemiro de Gouveia.
1! .clurel Jos Soriano de Souza Flbo, mudado
Desembargador Loiz Correia de Qoeiroz Barros,
idem
lose Leopoldo Bourgard, idem.
Bacbarel Jos Novaes de Souza Carvalbo, idem.
Bacharel Ansberto Rodrigues do Passo, idem.
Valdeviuo Demetrio da Rocha Wanderley, idem
Major Luiz Antinio Ferros, idem.
Benveuulo da Silveira Lobo, idem.
Carlos da Silv ira Lobo, idem.
MHjor Estevo Jos Ferraz, idem.
J > Machado Soares Jnior, idem.
Drcslcs da Costa Reg Monteiro.
Ildefonso Lucio Mjoieiro da Franca, modado.
Auguito Martins de Barros, idem-
Miguel de Castro Oiiveira.
Jet Alves de Carvalho Porto.
Tnom Augusto da Silva Villar, mudado.
Francisco de Paula Meode?, idem.
Lu.z Jos Ferreira Guimares, idem.
Kodolpho L-iyiue, idem. y
Bacharel Joaquim Francisco d'Arruda, dem.
Manoel da Silva Bastos Jnior, idem.
Bacharel Jos Felippe de Gosmio Uch i, idem.
Jos Augusto de Mello, idem.
i'adre Manoel Lobato Carneiro da Cucha, idem.
Bji harel Thomaz Landim, idem.
Vicente T. ixeira Cuimbra.
Francisco Goncalves Reg Bairo?.
Mtn:el d'Oiiveira, mudade.
Antonio Salgado d'Alboquerque Maranbao, idem
Antonio Muniz Tavares, dem.
Francisco Pbilomego da Cosa Mello.
Bacharel Aflbnso Olindense Ribeiro de Sauza.
II .iilio dos Santos Barros.
Marcolino Freir Gaireiro.
Mitfut-I Pereira Geraldes.
Major Tiburcio U. da Silva Tavares:
Francisco Antonio do Nascimento, mudado.
Ilaiharel Alfonso O. Pinto Guimares, idem.
D -r-embargador Antouio Buarqu I.ma. idem.
Il.irtiarel Ant mi Estevo d'Oiiveira, idem.
Kulino Francisco de Sanl'Anna, idem. '
Jo.- Joaquim Das Fernandes.
He.iro Cavalcan'i d'Albuquerqoe.
Antonio d'Araujo Marques.
Liberato Angutio Penna.
JoUS Cvrillo do Carino.
D -. Amonio Vctor de S Barretto.
Aniooio Jeronymo de Oiiveira.
Haiharel luho Anguso de Lona Freir, mudado
Desembargador Adehno Antouiode Luna Freir,
dem.
I|r. Joaquim Correia de Araujo, idem.
"Oicbsrel J-jo Telesphoro da Silva Fragoso, idem
Exporta^ o a :.z
BECir, 21 DB MAIO DB 1890 I
Vara o exterior i
No vapor ingles Au'kor, para Liverpoil
carregaram : ...
B. Needham A C 1.650 kilos de tal: j iba r
100 saccas com 8,363 kiloi de algodo. \ ,
H,For8lereC. 2.000 saceos com 150,000 kilos
de assucar mas avado.
S Nogueira A C, 2 fardos coco 355 kilos o>
borracha de mangabeira. .
No vapar aliemo Olmda, para "LUbda,
carreg iram : j. ,
S. Guimaref.* C, 400 saceos com 30,000 kilos
de assucar masca vado. '
r"ara o interior -.,
No vapor nacional Camillo, para Ro Gran-
de do Sul, carrecaram :
M. F. Marques, 700 volumes com 00,5*1 k los
de assucar hraoco e 100 barricas com 11,-'69
ditos de dito maseavado. ,
J. Silva, 1,00 i co:o8 com cas:a (fructaj.
Para Pelotas, carregaram :
M. Borges A C 5 pipas com 2,400 lilos le
agua-Jente e 3 di as com 1.440 -unos de'ulcoal,
lio barricas com 12 950 kilos de assucarbramio
e 40 ditas ce ni 4,200 ditos du dito mascavad>
Para Rio Grande do Sal, carregou :
M. Amorim, 15 pipas cou 7,200 litros de.
agurdente.
No varor nacional Manetos, pira Maranbao
arregou : .
c J. M. Das, 8 e/Jtas com 217 kilos de ra, e
Para Mandos, carreearauj :
Amorim Irmaos 4 C 50 wccos com 3,750 kilos
de assucar branco. ,
P. Piulo & C. 1 pipi eSObanis com So
litros de agurdente.
.*ara Maranbao, canvsou :
A. Moraba d, 10 barricas com 1,103 kilos de
assucar branco. -u.
No vapor nacional Btberibc, para, i5ahia,
carresarm :
Amorim Irmaos & C,
kilos de assucar branco
ditos de dito maseavado.
Na baicaca Paragucs-. para tSitabfba,
carregaram : -__ .
P. da Costa C, 44 saceos com 3,30* kiLs
de assucar branco.
F. da Costa tfr C 20 caixas com 120 litros de
genebra.
No hiate D. Julia, para Ccar, carrrga
ram: '
P Carneiro C, 175 barra com 14,000 iitres
de mel.
{00 saceos com 37,500
c 100 ditoj com; il,oo
Heelfe Dralaage
4),> da la 21 8:101 275
1461164
9 dem de U
8:2i7>439
Hfreado fluniclpal de 8. los
O Uiovimento deste mercado no dia 21 de Maio
foi o seguinte ;
Entraram :
23 t/2bo8 pesando 3.265 kilos.
1161 kilos de peixe a 20 res 211220
0 cargas com farinha a 200 rs. 1 000
8 ditas de fructas d versas a300r 2Si'iO
32 I/Jcolumnas s 600 ra. 195u0
111 laboleiros a 200 rs, 22*200
G suinos a 200 rs. 1*200
1 escriptorio a 300 rs. 300
CO compartimentos com farinha a 500
rs. 30000
30 ditos de comidas a 500 rs. 15*000
98 ditos de legumes e fazendas a
400 rs. 39*200
17 ditos de suinos a 700 rs. 11*9 0
8 ditos de rressuras a 600 rs. 4 i 800
15 ditos de camaroes a 200 n. 35000
I3 tilhos a 2* 66*000
Henimento de I a 10 do Crrente
239*720
4.624*260
4.863*980
Precos do dia:
Carne verde de 289 a 480 ris o kilo.
Suinos de 520 a 560 ris idem.
Carneiro de 640 a 800 idem.
earinha de 500 a 560 rea a cuia.
Milho de 440 a 480 ris idem
Fcijao de 900 a iJOO idem.
, Vapores a entrar
MRZ DE MAIO
Eiropa...... Malange------
23
Sul........... Mrquez de Caxias . 24
Norte......... 21
Alagoas.......... 24
Europa....... Ville de S. Nicolao.. 24
Europa....... Zichij............. 2
Sol.......... 'lmar........... 1>
Sul........... Oiinda........... t
Sut.......... 27
New-York Finance........... 29
Dinhesro
EXPEDIDO
Pelo vapor nacional para;
Maranho *&)**
Para 2 0-0*01.0
Bendiineuto publico
tUl DB AUl'.L
Alfandega
Malange......... . 23 as 2 h
Beberibe......... . 24 as 5h.
JYflzf........... . 24 as 2b
Cumulo.......... . 24 as 4 b
lagoas.......... 25 as 5 h.
7umar.......... . 25 as 11 b
Ville de S. Nicolao. 25 as 4 h
27 as 4 h
28 as 5 h
30 as 3 h
Renda ceial
Do dia 1 a 21
dem de 22
G33.C0i*97
52 SJAIl'
Renda do Estado de'Periiambucb
087.4.;8:o:i
Do da 1 a 21
dem de 22
120 086*814
7 5 9;60.'
127 3ftd3t
Somma lolal fl4:824i0?
Segunda secco da Allandega de Pcrnamnuco,
22 de Maio de 1890.
O Ihesoureirc Florencio Domingues.
O chele da secesoCicero B. de Mullo-
Reeebedarla do Estado de
Pcrnambuco
Do dia 1 a 21 27 030*499
dem de 22 1:425*701
28.435* X>0
Vaporea a saUr
HKZ DE MAJO
Suatos e esc..
Baha e csc
uenos-Ayrcs.
Sul.........
Sul..........
.-uulliampton.
Sanios e esc .
II i ni burgo.. .
tfOFtC.......
anlos esc..
Hoviniento do porto
Navios entrados o dia 22
New-York o escala, 23 dias Vapor al-
Ien>3o Procida, de 1667 toneladas,
commandante J. Watson, cquipagem 29,
carga varios gneros, a Johnston Pa-
le- & C.
['rahybft, 6 diasHyate nacional Fior
do Jardmi, de 80 toneladas, uieatrc
Jos Bernardino Bandeira, equipagem
5, carga algodAo, a Paiva Valente.
Sanios, 6 dias -Vapor inglez tAltimoro,
de 135U toneladas, commandante James
Vatson, equipagem 26, em lastro, a J.
11 Boxwell.
Navios sahidos no metmo dia
Barbad tio O. G. Joyee, em lastro.
Unrtinique Patacho franoez General
Bergea, oapitSo A. Quign&rd, cm
lastro.
bai harel Eugenio Lauro Macie; Monteiro, idem.
Joo Raptla de Vasconcellos, idm.
Ludgero de Maltes Pereira Dutra, idm.
Pedro Francisco de Paula Baplista, id*-m.
Antonio Pedro de Bairos Cavalcanti, idea.
Ifredo Brava.
Manoel Ignacio d'Oliveira Marti.ia
fedro Alexacdnno Beckman, modado.
Juao Gomes de Barros, dem.
AiiaiotTi" B^llarmino Silva.
Francisco Vctor Coelho.
Joo Luis Rabello, mudado.
Jus Rodopiano dos Santos.
Manoel Ge.miniano Alves Sanliago, mudado.
Francisco Pedro de Mello.
Eugenio Amonio da Silva.
Felippe Nery Goncalves Ferreira Cosa.
Antonio Barge* da Silveira Lobo.
Jos Marcal de Souza.
Domingos Jos de Saboia e Silva, mudado.
Horacio de Gus n i CoelDo, Mem.
Jarge Clemf nte de Borba Cavalcanti.
Dr Jor-e Flix da Cunba Menezes, mudado.
Aukusio Dionisio Gomes do Reg.
Pedro Antonio da Silva Braga.
Bernaroino Auslriclwno Per.ira de Brillo.
Augusto Jos da Silva Ribeiro, mudado.
Marco- J >s da Silva Jnior, idem.
Joaquim Gomes de Lima.
Pergentino Rodrigues de Miranda, mudado.
Francisco Jos dos Santos Honorato.
Manoel Nunes Correia de Mattos.
Capiio Francisco Genuino Simes.
Sala das 6ese3 da commissao, cm 19 de Maio
do 1890.
Alvaro Barbalbo L'choa Cavalcante.
Antonio Martiniano Veras.
Francisco do Reg B. de Lacerda.
O escrivo ad hoc,
Galdioo de Barros.
De ordem do cidadao Dr. presidente e para co-
nbecimento de todos e a mais rigoro.;a obser
vanria, faco publico que as multas impostas ao*
cidadaos ju'z-s de facto serao desta data em
dame, cobradas executivamente. E para que
cidadao algum se chame ignorancia, mauda o
nifsmo Dr. presidente publicar pela imprensa e
allixar o prsenle nos lugares mais publico*
'testa cidide c demais povoados do municipio
com a necessaria antecedencia. Paco da luten
dencia Municipal du Jaboalo, 20 de Maio de
1890.
O secretario.
Antonio Henrque de Almeida Jnior.
DECLARAGOES
Recife Draynage
Rolajo dos concr-rtos fcil03 nos apparclhos no
m z de Abril do rorrente antjo de conformi-
dade com o art. 10 do contracto e 2o da art.
15 do regulamento de 12 de J.neijo de 1872.
Fitguezia do Recife
Alfa'udega 7*100
Marqnez ne Olala a. 4 2*580
Dita u. 12 7*4<>
Dita n 30 2*5n0
Uita n 46 2*580
Unan. 9 4*850
Bom Jesus o. 22 4*800
D.U ii 30 2*580
D;ia i.. 53 2*58.
Gooiiuercio n. 12 2)0
Dha n. 18 5*1*'
Uita ii. 20 3*650
Dila n. 32 2*500
Dita n. 42 2*5.-0
Torres u. 14 12515'
Viccrio Tnenonio n. 10. 4*530
D.u n. 16 i*650
D.tan. 3 2*)00
Dila n 5 3*000
D la n. lo '*670
I), a d. 25 17*00
Dita n. 9 3*730
Travs a da Mado de Deuj u. 3 7*590
Amorim o. 31 12*150
ompahhia l'ernambucana n. 20 4*350
Largo da Assembla u. 4 SSoO
lina n. 11 14*090
Di'a n. 17 2*5t
M-xl < de Oeus n. '! 8*550
Damiiigos los Ma/lins n. 50 t'bV
UiUii. 136 2*580
Trave^a do Campelio n. 2 2*8 0
B-Cjo Largo u 6 2>580
Travessa do Bom Jess n. 2 *58
Geslauraco n. 36 2*4 0
DIh n. 13 4*350
Dita n. 21 24*050
D. Mara Cesar n 6 2 500,
Dita n. 16 4*430
Dilau. 9 l* 50
Visconde de Itapariaa n. 28 2 5-<
Dita n. 51 2*580
Dila n. 53 *4500
Pharol n. 16 2*5'JO
Dila n. 76 2*500
S. Jo-ge ii 112 11*300
Dila n. 127 2*380
Travs? para a fundicio n. 1 12*150
iuaraiapes n. 48 2*500
Caes do Apollo n. 83 2*650
Freguezia de Santo Antonio
Imperador n. z4
40
n. 8
Una n 54
Dila n 21
Dita o 29
Dila n. 33
Olla n. 45
Diu n. 61
Dita n. 65
Praca de Pedro II n. 6
Io de Marjo n. 18
Duque de Caxias o. 16
D.ia u. 18
D.u n. 2t
Dita n. 22
D.u n. 52
una ii. 6'J
i lia n. 11
Oua n 15
Da n 55
Da n. 75
Cabuga n. 18
Dita n. I
Dila n. 11
Bar&o da Victoria n. 48
Dita n. 50
Dita n 7
Dila n. 15
Oua n. 6i
Dita n ii J
Trinchriras n 40
Travessa das ruzes n. 2
Dila n. 10
Dita o. 14
Largo do Paraizo n. 2
Dita n. 12
Dita n. 28
Larga du flasario o.
Esireita do Rosario :
Dita n. 38
Dita o. 5
S. Francisco n. 24
D.U n. 40
Dita ii. 64
Dita o. 68
Dita n. 17
Dita n. 43
Joao do Kcg) n. 34
Iiha Jo Camino n. 22
Dita n. :0
Dila (i. 39
Roda u. 23
Travesa da ra Bella a. l
Travessa d3 Qaarleis n. 3
Dita n. 37
Diu n. 41
Becco doCalaboujo n. 28
Di:o n 40
Travessa dos Expoatos a. 18 .
Dita n. 8
Matias de Albuquerque n. 6
2o becco da Camboa n. 6
Largo do Car mu n. 20
Dita o. 1
Travess i do Livraruento n. 10
LivrauK-uio n 15
P.nba n. 23
Visconde de Iobauma n. 40
Dita ii. 13
Pedro Alfonso o. 74
D.ta n. n
Dila n. 31
Nova da Praia n. 4
Marcilio D.as n. 12
Dita 0 34
Dita a. 58
Lomas Vuleniuas n. 38
ii m$o
3*95-1
11*000
2*500
2*500
4*30
2.68J
1*650
2*500
4*150
21*380
t2*l.0
4*4)0
4*350
5*370
16*150
2*500
2*500
1*650
2 i obi i
2*100
\ 5510
'i800
2.580
2*5o0
1*650
9*8a0
75300
36*430
7*850
5*960
6*6>0
4*150
2*5'-0
2*500
2*500
25-H)
32*3i 0
2*7>0
4*330
5*500
3*650
2*590
4*109
1Ji50
5* 150
12*26!)
2i;>00
2*5"J0
*500
25500
11*150
4*50
I9.S990
2*5 JO
5;-20
5*680
2*500
5*190
2*500
2*500
14*300
8*700
2*5'H)
5*101
9*560
3*950
5*080
2*500
7*910
2*500
2*500
2*500
6*500
2500
5*7J0
Dita n. 46
ioroael Su.ssuaa n. 4
Dnan. S8
Dila o. 78
Travessa do becco do Falcao n. 3
Travessa do Pcinho n. 40
Travessa da Concordia n. 16
Palma n 24
Dila n. 59
Mrquez do Herval o, 43
Dita n 57
cadeia Nova n 13
Arsenal de Guerra
Frrguezia de S. Jos
Lomas Valentinas n. IsO
Dita n. 35
Dita n. 59
Coroael Suassuna n. 102
Dita n. 148
Da n. 252
Dua n. 47
D ta n. 97
Dt,i n 119 <
Dita n. 121
Dita n. 133
Di a n. 161
S. Joao n. 10 A
Palma o. 94
Dila n. 124
Dita n. 83
Dna n.85
Mrquez do Herval n. 120
Dita n. 152
Dita n. 215
Dita n. 217
24 de Maio n. 35
Das Cardoso n. 22
Vidal de Negreiros n. 20
D.ta n. 64 .
Dita n. 86
Dita n. 126
i-.a n. 149
Dique n. 12
Travessa do Prala n. 18
Assompgao n. 6
Dita n. 70
Domneos Tbeotonio n. 60
Padre Flonano n. 18
Dita n. 40
Dita n. 3
Dita n. 17
Cbristovao Colombo n. 13
Jardim o. 30
Forte n. 3i
Nigueira n. 2
Sania Cecilia n. 43
Santa Rita u. 50
Dita n. J3
Dita n. 35
Da n. 45
Nova de Sania Rita n. 13
Jita n. 19
Largo do Mercado n. 3
Pescadores a. 2
Dita n. 14
Travessa da Praia do Forle n. 26
Imperial n. 55
Travessa do Lima n. 3
Dita D. 7
Freguezia da Boa-Vista
Imperatriz ti. 24
-Ha n. 58
Dila n. 82
Uita ii. 77
Conccirao n. 52
Dita n. 11
Visconde de Pelotas n. 28
Visconde de Albuquerque n. 14
Dila n. 20
Dita n. 44
Oua n. 66
Dita n UO
D la a. 123
Aurora n. 1
Dita n. 3
Dila n. 9
Dila o. 25
Di a o. 55
Ponte Velha n. 33
Da n. 80
Dila u. 21
Dita n 87
Dila n.95
Conde da Boa-Vista n. 21
Riachuelo o. 13
-audades n. 4
Srte de Seleuibro n. 4
Dila n. 30
Hospicio n. 8
D.ta o. 9
Dna n. 51
Dila n. 69
Cama rao n. 9
Diu n.13
Rosario n- S
Gervasio Pires n.
Dita n. 77
DiU n. 123
Travessa da ra de Gervasio Pires n. 10
Travessa do Palacio do Bispo n. 20
DiU n. 31
Sacego n. 27
Santa cruz n 68
S Goncalo n. 18
Coelhos n. 16
Dita u 20
General Sera n- 4
Coronel Li raen lia o. 4
Travessa das Bar reiras n. 1
Alegra n. 6
Diu n. 19 ,
Barao de S- Borjan. 42
Recife, 14 de Maio de 1890.
/. F. Mackintosh,
_____________________gerente.__________
Matriz de S.Jos
Veneravel rmandade do SS. Sacramen'o
Eleicao
Pelo presente saa convidados os carissimos
irm2os a comparecerem em nosso consistorio no
dia 25 do crrente, pelas 9 horas da manba, para
aBsfstlrea a missa votiva ao Divino Espirito
Santo, e desos proceder-se a eleicao da mesa
regidora para o aono compromissal de 1810 a
1891. Recife. 23 de Maio de 1890.
J. G. da Cunba Pern,
_______ Secretario da commissao.
A rsenal de Mariiiha
Venda de ferro veino
De ordem do cidadaa capito-teoente Frede-
rieo Guilbarme de Souza Serrano, inspector
deste arsenal, fago publico que, na secretaria
iesta inspeccSo, receoese propof tas em cartas
fachadas at as 11 horas do dia 28 do corren te,
para > venda de 36,275 kilos de ferro vclho exis-
tente nesto esUbelecimento, devendo ser por
kilos os precos das propostas.
SecreUria da Iospeccao do Arsenal de Mari-
nba do Estado de Peroambuco, 22 de Maio de
(890.O secretario,
Antonio da Silva Azecedo. '
Arsenal de Mari nha
C >iicuro para provimento effeclivo dos cargos
de amauuense da secretoria da iuspccgao des-
te arsenal c escrevenle3 d*s direcorias- de
liaili'.nas c cocsiruccOes navaes.
De ordem do cidadao capito tenenle Frede--
rico Guilberme de Souza Serrano, inspector
deste arsenal, faco publico aos interessados, qne
no dia 4 do mez viodouro lera lugar nesta ros-
pecco o concurso para o provimento effeclivo
dos cargo3 de amanuense da secreUria da ins-
peccio o escreventes das directoras de machi-
nas e coDsirucgOes navaes deste arsenal, de
acto.-da com o disposto no art. 64 do regola
ment qu baixou com o decreto n. 5622, de 2
th Maio de 1874.
Secretaria da inspeccao do Arsenal de Mari-
nlij de Pcrnambuco, 20 e> Maio de 1890.
O secrete rio
Antonio da Silva Azevsdo.
1
3*950
24*61
2*500
2*800
12*150
16*360
2*500
2*;eoo
4*350
10*840
5*aoo
2*500
0*120
2*500
9*980
5*410
4*350
2*500
47*250
26*430
2*500
2*500
7*700
7*090
2*500
7*30u
7*660
14*400
2*500
4*050
:650
23500
2*500
2*500
2*910
4*450
4*050
3*650
2*800
*5C0
17*860
2*500
2*500
5*500
2*500
2*500
2*500
4*810
. 6*6.x
2550i
2*5GO
7*600
52*9 iO
39*010
5*330
14350
2*500
3*650
l*6O0
2*50.1
2*500
12*130
2*500
2*900
7*300
6*950
2*500
7*270
4*810
2*500
3*650
6*410
1*65 J
19*140
6*850
474900
6*630
2*010
24500
2*980
2*500
54600
2451X1
2.4500
2*500
3**9U
2*5'J0
2*500
2*500
6 000
2*500
28#KW
3*650
5*770
55000
34550
25500
5*1-00
2*500
23*290
13*270
94250
:W6:o
33*870
5*090
20*500
55*300
2*500
5*10.1
6*8.0
26*750
2*500
6*100
3*850
4*530
2*5CQ
2*500
4*5r0
6*150
24500
V

Jr*-:'
[
-
;
,.
1
jfc ~ *

Y-&.
G G.
Club Commercial Euterpe
Sarao familiar em 7 de Junho
0; = cubares socios podem enviar as notas dos
seus convites para a secretaria deste club.
Ingressos na mo do thesonreiro, prevenndo-
f e porm que naa lerio direito a elles os socios
qrje nao tiverem o recibo do mez de Junho.
Nao se permitte sggregados.
Secretaria do Club Commercial Euterpe, 21
de Maio de 1890.-O 1 secretario,
Francisco Lima.
-ti I '!: 1 i m 'l
>



Bario de Pernambuco-
<
I
HIPPODROMO
roa
CAMPO BRANDE
^^&& ,,., as: ;
PROGRAMMA DA 15/ CORRIDA
PUE SE REALIZARA'
Domingo, 25 de Maio
Na
a
Pello
datura-
lid.
Cor da vesti-
menta
Proprietari o
Io PareoBlmBlo800 metros.Animaes de Pernambuco que n5o tenham ganbo no Hippo-
dromo. -Premios: 200*000 ao 1, WWGO aofo 20*000 ao 3o
Potos.......
Ally-Stoper .
Despique ...
i Azanir......
Vivaz.......
Talispher...
Porto Aleare.
Rio d'Ojro..
Castanbo
Rodado....
Castanho.
Mellado...
Castanho
Rodado....
Baio.....
Russo
Pernamb.. 55
c 55
55
* 55
55
* 55
55
C 55
Encarnado e prelo..
Branco.........
Azul e encarnado..
Grenat e ouro.......
Preto e ouro........
Branco e encarnado
m m
Encarnado c azul.
Joaquim Rocha.
H J. Permanu.
Manoel Lima.
J. L. de S. Filbo.
R. Cardoso.
Jos Nogueira da Sil v j .
A. Viaona.
O. Nova Descoberla.
2* Pareo-CmBerelo850 metros.nimaes de Pernambuco que n5o tenliam ganho em dis-
tancia superior a 900 metros no Hippodromo. Premios : 200*000 ao 1*. 40*000 ao 2 e
20*000 ao 3.
I
4
3
Humilde..
Pnariseu.
*aurity...
Village...
Cauby...
10
o
I
8
5
Russo
Castanho

Baio.....
Castanho.
Pernamb.. 5o
a 57
55
57
53
Ouro e preto......
Preto, ene. c ouro..
Ouro c oreto......
Araarello e encarnado
Azul e encarnado.-
Antonio T. dos Santos.
E. P. de Paiva.
P. do Valle.
Pereira C03U.
Alfredo Marques.
3 PareoEneraac*-700 metros. Eguas de Pernambuco que nao teoham ganho no Hippo-
dromo em 1890 e pequiras at l."30 no mximo. Premios : 150*000 ao Io, 80*000 ao 2-
e 15*000 ao 3.
Suzana
Sjbilla ..'-.
Fantioa...:.
Invicta......
Coruja.....
Boulanger...
Bom Jardim..
Z.iid...... Pernamb.. 52
CasUoko c 54
54
54
58
Alazo..... ? 55
55
lirenat e ouro........J L. de S. Filho.
Azul e preto.........
Azul e branco.......
Azul e faena.........
Encarnado c branco..
Prelo c encarnado
Azul...............
F. A. A
M. P. Albuqucrquc.
Antonio P. Costa.
Henrique Gibson.
Coudelaria Arraial.
E. G.
V PareoABrlcuKnra950 metrosAnimaes de Pernanbuco at pungas. Premios : 200*
ao 1, 40* ao 2*. e 20*000 ao 3
Faceira----
Templar-----
Pindaro.....
Piramon......
Rodado...

Alazo...
Castanbo.
Pernamb.. 49
55
55
55
Lyrio couro..........
Azul c ouro .....
Encarnado c branco..
Amarello.............
J. S C. Cunha.
C. & Pereira.
Coud. Venturosa.
Coud. Bella-Vista.
5* Pareo__(irande Premio E. U-Brasil 1400 metros Aniinacs de Pernambuco. Pre-
mios : 400* ao r\ 80* ao 2 e 40* ao 3
Cupido ....
Transclave.
Florete.. ..
Sans-Souc!.
o Colosso
-5
Mouro.
Cauby.
Village
o RUSSO.....
5 Rodado.....
6 Castanho
a Baio......
6 !Rodado.....
7 I Alazo.....
5 .Castanho...
8 iBato.......
Pernamb.. Si
54
54
* 54
54
a 54
54
54 1
Prelo e amarello
Branco c encarnado..

Ouro c braoco......
Preto c boaet oncaru.
Encarnado c ouro
Azul e encarnado----
Amarello c encamado.
S. Micro.
lor M. da Silva.
F. Freir.
A. L O. L M.
Coud. RepuDllcana.
Jos Ferreira da Costa.
Alfredo Marques.
Pereira & Costa.
6* ParcoRedemprio1609 metrosAnimaes naciooaes al mi io sangue.
ao Io, 60*000 ao 2 c 30*000 ao 3
Premios: 300*000
Danubio.....
Atil!a......
Fluminense..
Gullileu.....
5 iCaslanho----
4 Tord. negro.
7 i Alazo.......
Rio de Jan
S. Paulo...
54
51
54
54
Salmao e verde.....
Azul, ene. e branco.
Ouro e preto........
Dr. M. X. Pontos.
Coud. Venturosa.
Jmquim Rocha.
Cood. Fraternidade.
7 PareoIS do iWaweaabro 800 metrosAnimaes de Pernambuco que nao tenham ganho
no Hippodromo em 1890. Premios : 200*000 ao l, 40*000 ao 2 e 20*000 ao 3
liBonapartc-.
2 Hercules.....
3'Maranguape..
4Talispner ...
5 Lucifer......
6 Fumaca. -
Rodado
Alazo..
Rodado
Russo.
Pernamb.
55
57
57
55
57
55
Grenat c ouro........
Verde e jacareado...
Azul e ouro.........
Branco e encamado..
Azule encarnado___
H. L. da Silveira.
Jos C. Pinto.
Beoto B. F. Filho.
J. M. da Silva.
a. choa.
S. P. Mariano.
OBSERVACOES
O prime i ro pareo correr s 11 horas em ponto.
Os an nes que corrercm no primeiro pareo, dover'o achar se s 9 da manhS no
ensilhamento.
O pareo grande premio s correr com cinco ou maia animaes.
Os forfaits serSo recebidoa at sabbado 24 do correte.
Recife, 22 de ilaio de 1890.
O secretario,
Souza Carvalho.
Englisb Bank, o Rio de Ja-
neiro Limited
A direcco resoivcu recommendar na prosi-
ta areuoiao dos accionistas em Londres, no dia
23 do corrente mez, um dividendo de 8shillings,
pagavel livre de imposto ; no dia 2 de Jnnfio
tambero recom.neudar se lu transferir ao Fundo
de Reserva 23 000.
Pernambuco, 9 de Maio do. 1890.
A. J P. Clarkson,
Gerente.
Club Militar
Por orJem do cidadao presidente, previno aos
cidados socios, qae d'ora jm diante as sesses
ordinarias serao realisadas tod s as sextas-fei-
ras, 6 horas da larde.
O i- secretario,
R. limo da Costa
Companhia AJagoana de
Fiacao e Tecidos
Convidamos os scnboros subscriptores desta
companhia para, de accordo com os arts. 9 e 10
los e Ututos, realisarem at o dia 14 de Jucho
prximo futuro, a 10. entrada na retao de 10
0/0 do valor d" suas aegoes no Banco de Per-
namhuc-. Mcelo, 14 de Mato de 1890.
Os directores
Jos Teixeira Machado.
Jos Januario P. de Carvalho.
Propicio Barreto
Celestial contraria da SS.
Trindade
De or.leni da mesa regedora, coavldo a todos
os no--os carissimos rmeos a comparecerem
em nosso ronsislcrio -exta feira 23 do corrente,
pelas 6 1/2 horas da larde fim de acompanha-
rem a baadeira, e em seguida aesistirem as no-
Consistorio da celestial coofrana da SS. Trin-
dade, 50 de Maio de 1890:
Joao J. Guedes de Lacerda,
Secretario.
CfcDULAS
DO
Banco N acional
Trota se, agando bom premio, cdulas da
emiisao pagavel em ouio, do Ban;o Nacional,
00 armazem n. 4, & ra do Commercio.
Juizo dos feitos da la-
zenda nacional
(Eserlvao Rogo Barros)
Perante o Sr. O juiz substituto dos Feitos da
Fajen la, Benicio N'elson Tavarcs da Cunha Mello,
se icnJerao em praca publica depcis du audien-
cia no dia 23 pelas 11 boras da manh, os bens
seguinles
A casa terrea de lijlo c cal ra Real n. 12 A
com um pequeo sitio e diversas accomraodaces
teado o mesmo sitio 89 metros de fundo, e 18 e
50 centmetros de largura com urna cacimba no
quintal, no lugar da Torre, freguf zia de Afogados
avahada por 900*000, pertcncenie aos herdeiros
do Or. Pedro Alfonso de Mello.
Um sobradiobo c otaria contigua sobre esleios
de madeira caberla de te.ha, sendo o mesmo so
bradioho de tijolo e cal, sito tudo no lugar dos
Coelhos freguezia da Boa Vista pelo preco de
930*000, pertencenle a Antonio Carneiro da Cu-
nha.
ma casa terrea n. 284 ra do Coronel Suas-
suna freguezia deS. Jote, edificada de lijlo e cal
coberta de telha com trente de azulejo pelo pre-
go de 2.250*000, pertencente a Jos Simplicio de
54 Estevea, boje a seas herdeiros.
Um caixao de casa n. 22 no caes de Capiban-
be freguezia da B a Vista e edificado em terre
no foreiro avahado, em 600*000, perteocecte a
Jos Rodrigues dos Passoj, hoje a Andr Rampk.
Urna casa terrea de taipa coberta de telba com
casa de fazer fa.inha com stus perten;es em
chaos proprios. no lugar denominado cabeca de
cavallo. freguezia de S. Lourencu da Malta pelo
preco do 3< 0*000, pertenecnte a Leonel Bandci
ra oe Carvalho.
Urna casa terrea de tijolo e cal n. 70 i ra dos
Guararapes freguezia do Recite, edificada em
terrenos foreiros de Marinha casa que c ecupada
com urna relloacao avallada por 1 000*000, per-
tencente aos herdeires de Manoel Duarte Ro-
drigues.
Recife, 14 de Maio da 1890.
O solicitador,
Luiz Machado Bot^lho.
Ao commercio desta
praca
a Associaco Commercial, em vista do decre-
to do governo provisorio mandando cobrar em
ouro urna parlu dosdireitos de consumo, convi
da o corno commercial a reunir se sabbado
24 do corrente, as 12 horas, no edificio da mea-
ma associac&o.
Luiz de Paula Lopes, Secretario.
Juizo substituto dos Feitos
da Fazenda
EscrlvioTorre Baadeira
No 23 da deste mez.depois da audiencia, irao &
praca os predios abaixo declarados, penhorados
pur execucao da Fazenda.
Recife
Sobrando de 2 andares a ra de Domingos
Jor Martius n 36, com 6 metros e 70 cenlime
tros ue frente, 18 metros e 60 & ntimeiros de
fundo, varandas de ferro, 2 salas, 5 quinos, em
cada um dos andares, avahado em 2:ti00*t'00
pertencenle boi herdeiroe de Joanna Mana da
Trindade.
Boa Vista
Casa Estrada Velha do Santo Amaro n. 12
A. tom port e janella, 2 sala, 2 quartos, co-
sinha lora, quiotal murado e cac.mba, 4 metros
e 10 centmetros de frente, 11 metros e 20 cen
limetros de fundo, avahada em 600* perte.;cen
te a Joao Carneiro Rudriguea Ca tu pello.
S. Jos
Casa i roa do Padre Florianno n 55, com por
la c janella, 2 salas, 2 quartos, coslnha tora,
quintal mura o eracimoa, 3 metros e 60 centi
metros de frente, 11 metros e 32 centimeiros de
fundo, avhala em 1000* pertencente a Felicia-
na Mara da C nceicao
Casa ra de Santa Cecilia n. 1, com poita e
jgfiella. 2 salas, 2 quartos, e quintal, 2 metros e
90 centmetros de frente e 6 metros do fundo
avahada em 6003, pertencente a Guilhcrmiua F.
dos Anjos Paula.
Casa a ra do Coronel Suasenna n. 113, com
porta e janella de frente, 2 sa!a9, 2 quartos, co
zmha Toa. quintal murado, cacimoa, 4 metros
e 20 centmetros de frente, 11 metros e 60 cen-
timetres de fundo avahada em 800*, pertencen-
te a Manoel da Silva Santos.
Cas* ra de Frei Heorique ti. 12, com porta
e janella do frcnle, 2 saos, 2 quartos, cosinba
fra, quintal, 4 metros e 70 centmetros de fien
te, 8 metros e 30 centmetros de fundo, avaha-
da em 800*/00 pertencente a Jaaoel A riaoo
de Souza.
Afogados
Casa 4 roa Je S. Miguela. 162, de pedra e
cal, porta e janella, 2 salas, 2 quartos, cosinba
fra, quintal em a'.erto e cacimba, 4 metrose 90
centmetros de frente. 10 metros e2 centmetros
de fundo, avahada em 300* pertencente a Manoel
Ja Costa Lopes.
Caxang
Casa terrea chalet, no lugar Barreiras da Es
tradn do Caxang, com 2 portas, i janella no
oitao, sera repartimento, quiotal, 4 metros e 60
centmetros de frente, 7 metros e '0 centmetros
de fundo em bom estado, pertencente a Francis-
co Lopes de Albuquerque, avahada em 600*.
Annacao. balcao c luciros de madeira de pi
nho cnvtmisada c envidracada ra do Viscon
de de ionauma n. 56, avahada em 200* pe-ten-
cen le a Faria C______________________
Concurso para preenchimento de dous lo-
gares de praticante e um de carteiro,
2.' classe.
Paco publico que durante 30 dias, a contar
desta data, acha-sc aoerta nesta adininistracfio,
das 10 boras da manba s 2 da tarde, a inscri-
pcao para o concurso ao provimento de dous lo-
gares de praticaute e um de carteiro, 2.* classe.
De cooformidale com os | 4o c 6. do art.
166 do Rcgutameoto vigente, as prova ver-
sarao:
1." Para os logares de praticante sobre as lio-
guas portugu'-za e francesa, geograpbia geral com
desenvolvimeoto quanto ao Brazil, e arilhmetica
at a tbeoria das proporces inclusive, devendo
ser motivo de preferencia o conbecimento das
hnguas iogleza e allem.
2. Para os logares ue carteiro sobre leitura e
escripia corree as e as quatro operpces funda
mentaes da aritbmetica.
No act > da inscrlpc&o o candidato apresentar
com o sen requeriraento, cenidao de idade, ou
documento que lcgalmente o substitu, e bem
assim atlestado de que posa boa sade, de que
est vaccinado, e que tem bom procedimento
pass*do pela aotoridadc policial do logar onde
residir.
Os candidatos aos logares de praticante de-,
vera>> ior molo do 18 e menos ae 29 annos de
idade, e os candidatos ao logar de carteiro mais
maia de 18 e menos le 30 annos ae idade.
Os candidatos poderao apresenlar documen-
tos que com pro vera suas habihtacoes o ser vicos,
seni ccmtudo dispensarem do roncurso o candi
dato, quaesquer que sejam taes documentos.
AdministracSo dos Correios de Pernambuco,
em 7 de Maio de 1890.
Q administrador.
Affonso do Reg Boros.
tonselho de compra da He
partleo de narlnha
Supprimento de vveres este estabrlecimentoe
aos navios da armada nacional, fuadeados no
porto desta cidade, durante o corrente exer-
cicio.
De ordem docidadao capito lente Fredorico
Guilh-rme de Souza Serrano, inspector deste
Arsenal, faro publico que, de conformidade com
a autorisacSo do Ministerio da Marinha cm avis
n. 972 de 17 de Abril ultimo e de accordo com o
disposto no decreto o. 10,410 de 26 de Oulubro
de 1889, recebe ce propostas em cartas fechadas
no dia 24 do corrente, s 11 horas da manha, em
urna das salas da secretaria desla nspe cao para
o fornecimento dos gneros abaiso declarados, a
sab*r :
Agurdenle, litro.
Arroz, kilo.
Assucsr branco em caroca, Kilo.
Assucar refinado, kilo.
Azcite doce para comida, litro.
Batata ingleza, kilo.
Bolachinha ingleza, kilo.
Biscoutos de araiuta. kilo.
Caf em grao. kilo.
Carne secca, kilo.
Dita de conserva, kilo.
Conserva picante nacional, kilo.
Caf moldo, kilo.
Cangica, kilo.
Ceneja Gu;nt-ss, litro.
Chocolate, kilo.
Fannba de mandioca, litre.
Feija preto ou mulalinbo, litro.
Galiinha, urna.
Golea de marmcllo, kilo.
Gjiabada, kilo.
Legumes conservados ou juliana, kilo.
Leite condensado, kilo.
Manleiga ingleza, kilo.
Milho, kilo.
Sal, litro.
Toucinho, kilo.
Tapio a. kilo.
Vinagre, litro.
Vinho de Lisboa, litro.
Viiiho velho do Alto Douro, litrr.
Dito Figueira, litro.
Cerveja pretaou branca, nacin .1 cu c-Eirangeira,
litro.
Carne de vitelo, kilo.
Praogo, um.
Filho.e de pombo, um.
Maim?llada, kilo.
Cevad;nba, kilo.
Ovos, duza.
Sag kil.
Viniio do Porlo, garrafa.
Dito Madeira, idtm.
Pao, kilo.
Bolac ha, kilo.
SSo deveres dos fornecedores :
Ai i. 34. Os fornecedores, firmando contracto,
ipto fado se i bligam :
Io A foroecer os artigos ou gneros as quan-
tidadtis pedidas ;
2 A entregal-os nos lugares que toreen desi
gnados, airu.natido-os a sua conta, depois de
apnrovados ;
3# A sat^sfazer os pedidos, dentro de qualro
das uleis, contados da data em que so Ihca hzer
entrega delles, salvo quando se traUr de ferro
madeiras, cal, barro, arcia, lijlos communs,
telhas de barro e parallelepiptdos cm que o prazo
mximo ser de 15 das uleis
A. Q-iando o artigo pedido pela sua nalurcza
e tendo-se em vista a quanlidade, depender de
manufaciura, o prazo mximo para o forneci-
toenlo ser marcado nos despachos langados nos
pedidos pela auloridade competente ;
B. Quaodo o eervico publico exigir que se
lance tos pedidos a nota de urgentissirao, enao
dependendo os artigos de manufactura, os con-
traC'Sntes serSo obrigados a efectuar o forneci-
mento oo prazo de 24 boras.
4* A organizar suas facturas conforma o mo-
delo n. 3 e a legalisal as com o sello proporcio
nal, na conlWBBidade do* aris. Io o 2- do de-
i-retu o regulamento n. 8 946 de 19 de Muio de
1883, inulilisando as esiampilbas com a data e
a assiguatora, escripias, parte no papel e parte
no sello, conformen art. 17 do ditoregulameolo.
5- A nio reclamar iudemnisac&o por prejuizo
algura, seja qual tur a sua procedencia, salvo o
caso de avaria occaalunado pelo pessoal dmi-
nistrativo durante o recebimento.
6' A continuar a fornecer os geneos pelos
mesmos precos, se o goveroo julgar convenien-
te, por mais 60 das alen do prazo do contracto,
s.-m que por sso Ihe lique direito sua proro
gaco.
Art 35. T'dos os artigas serio suieitos a ap-
provaco e reprovaclo oos peritos cmcialmenle
designadns. Picando os conlractantes sujeitos a
multa de 20 |, do valor delles quando forera re-
jeitados por m quaHdade, ou a de 10 |0 quando,
apezar da boa quaiidada, nJo servirem para o
fim a que forem de-tinados.
Paragrapho nico. A repartcao competente,
lavramlo termo de molla, marrar o prazo p.ra
a 8ubKtito.!io do Aigo ou genero por qoalquer
circumstan na rejertado, e nao se verifican Jo a
subsiiluicao nesse prazo, sera o artigo adquir
do por ajuste no metcado, pagando o contractan-
le ao Estado a difierenca existente entre o preco
do couiracto e o preso do ajuste.
Art. 36 Os contrectantes que apresentarem
artigos on gneros depois do prazo designado
rlcarao snjeiios a multa de 5 0 Jo valor delleffl
e na de-10 /, os que declararen! que n5o os po
dura fornecer, qoafqaer que seja o motivo apre-
sentado.
' !. Quando se reconbecer qne o artigo ou
genero nao fornecido pelo contractante existe
no mercado, en vez da multa de 10 % ser o
dito contractas obrigado a indemnisar o esta
do da differenca que se verificar entre o prego
do contracto e o prego pelo qual ell foi adqui-
rido.
2. Quando o fornecimento nao se realizar
dentro do 15 dias uleis contados da data em qne
expirar o prazo surcado para a entrega, os em-
preados liscaes conslderaro o fado como se
o contractante dedarasse nao poder etTecloar o
fornecimento e, rassado o pedido, se lavrar o
competente termo de multa.
Art. 37. U governo portera rescindir os
contractos, sera direito a reclamaco alguma por
parte dos cootraclintes em caso de faltas com-
mettidas por estes.
Art. 38. Quando por qualquer circumstancia o
contractante pedir t resciso do contracto, se
observar o que determina o paragrapho nico
do art. 33 salvo caso especial de extinrc&o ou
liqu'daco de seu eslabelecimento mercantil ou
industrial.
Art. 39. Todos os contractos firmados em vir-
tude do presente regolamento nio poderao ser
transferidos se nao s firmas commerciaes, snc-
cessoras dos contrartantes, precedendo declara-
cao escripia de qoe acceitam iodos os onus o
vantagens de seos imtecessori's.
Secretaria da Inspecco do Estado de Pemam
buco, 19 do Maio de 1890.- O secretario, Anto-
nio da Silva Azereip.
Companhia Brasileira de
Navegaca Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Alagoas
Conunandante Jo3o Mara Pesaoa
E' esperado dos portos do or
ceatt odia 24de Maio e de
pois da demora indispensave1
.seguir para w portos do sol
aa i.iuiuv-inlas sero recebidas ta agencia
at 1 hora da tarde do (ta da sahidn
Para carga, passagens, e ncommendas e vale-
res rata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
0 vapor Pernambuco
C smmandante Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portos do sui
at c dia 27 de Maio e se-
guido depon da demora indis
iensavel para os portos do nor-
te ate Siaiiaus.
Ab encommendas s serSo recebidas na agen.
:ia ata 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, eacommendas, passagens e valo
-es '.rata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro 8t C.
6=Iiua do Commereio^S
! andar
Roy al Mail Steam Psickei
Company
O yapor Trent
^
Espera-se da Europa at o dia 23 d >
Maio, segurado depois da demo
ra indippensavel para
Baha, Ra de Janeiro, Saatos,
Montevideo e Buenos-Ayres
Para passagens, fretei e encommendas trata
se com os AGENTES.
MARTIMOS
O vapor Tamar
^
E' esperado do sul no dia 25 de Maio
segurado depois da demora neces-
saria para
(OlPiMIIt PERVtMB ICAHA
* DK
larecaeSo costelra par vapor
PORTOS DO SUL
Tamandart e Rio Formoso
O vapor S. Francisco
"^aLiss. Segu no dia 28 de Maio s '>
inoras 4a manir! Recebe carga at o
Encommendas, passagens e dinheiro frete
is 3 boras da tar.1t-do da 27.
ESfRIPTORIO
Ao cae da CoJhpanhia Pernambucana

n.
12
United States and Brazil
MS.S.C.
O vapor Finalice
E' esperado de NcvrTor-
at o dia 29 de Maio
o qual depois da de-
mora iiecessaria seguir
___________para a
Baha, Ra de Janeiro e Mantos
Para carga, passagens, encommendas e di-
aheiro a frete trata-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ba do Commeor8
1* andar
Marq
^ompanhia Bahiana de Na-
vegaca Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
i, Estancia e Baha
O VAPOR
^uez de Caxias
Commandante Bernardos
E' esperado dos portos cima
at o dia 24 de Malo regressan-
do para os mesmos depois da
__.demora do cestume.
. _ra ;arga, passagens, encommendas c diniei-
ro'a frete trala-se com o
AGENTE
'edro Osoriode Cerqueira
17Ra do Vigor io -17
CHARGEURS REUNS
Fran
a vapor
o Havre, Lisboa,
Rio de Janeiro t
Cmpenhla
DE
Xavcgaeo
Liha quinzenal entre
Pernambuco, Babia,
San toa.
VilledeSan Nicols
Commandante Tauquery
E' esperado da Europa at o dia
24 de Maio segurado depois
da iDdispensavel demora para
~Banui Rio de Janeiro e Santos
Houa-se aos Srs. importadores de carga pelos
apores desta linha, queiram aprosentar dentro
le 6 dias a contar do da descarga fias alvarengas
inalquer reclamagao concernente a volumes que
sorveutura tenham seguido para os portos do
    lencios necessarias.
    Expirado o reierido praio a companhia nao
    esncnsabisa por extravioB.
    Para cp.rga, passagens, encommendas e di
    ir-airo a frete: trata-se com o
    4GEN1
    c
    9 -RA K COMMERCIO -9
    _ CBiA^HIA PKU*MBIC.iXA
    DE
    -,avegac5o eostelra por vapor
    POR'lOS DO SUL
    Haeei, Penedo, Aracaju e Baha
    O vapor Beberibe
    Commandante Pereira
    Segu no dia 24 de Maio as
    8 horas da tarde. Recebe car-
    ga at o dia 23.
    Encommendas, passagens e dinheiros frete,
    t as 3 horas da tarde do dia da partida.
    ESCRUTORIO
    Ao Catt da Companhia Ptrnambueano
    n. 12
    Lisboa, Vigo e Santhampton
    ReducgSo de pauagen*
    Ida Ida t voUc
    V Lisboa 1 classe t 20 30
    i Southampton classe 28 i 42
    Camarotes reservados para os passageiros d
    Pernambuco.
    Parapassagenp, fretes. encommendas. trata-s*
    x>m os
    AGENTES
    Amorimlrmos & C.
    N.3Ra do Bon JesuaN. 3
    Linhas de vapores mensaes
    PARA OS PORTOS E0 SUL
    O vaper allemSo
    Procida
    E' esperado da
    Europa al o dia
    24 do corrente,
    e seguir depois
    _______ de breve demora
    para o
    Illa de Janeiro e Saatas
    O vapor austro-hngaro
    Zichj
    E' esperado at o dia 26 do cor
    rente e seguir depois de breve
    demora para a
    to de Janeiro e Santas
    Faete mdico para carga a tratar com
    E. G. Levy
    Roa do Cemmercio n. 22
    Companhie de Messageries
    Maritimes
    LINHA MENSAL
    O paquete Nerthe
    Commandante Lecointre
    E' esperado dos portos do
    sul no dia 2 de Junbo
    seguindo depois da demo
    ra ds cosiume para Bor-
    deara, tocando em
    Dakar a Usboa
    Lembra-se ana Srs. passageiros de vodas as
    classes que ha lugares reservados para esta
    a Fai-se batimento de 15 OjO em favor das fa-
    milias compostas de 4 pessoas ao menos e que
    pagarem 4 passagens inteiras.
    Por excepcao, os criados de familias que to-
    marem bilhetes de proa, gosam tambem deste
    Os vales postaes s se dao at o dia 31 de Maio
    co pagos de contado.
    Para carga, passagens, encommendas e di-
    nheiro a frete : trata-se com o AGENTE.
    O paquete Orenoque
    Commandante Mortemard
    E' esperado da Europa no
    dia 3 de Junbo e segui-
    r depois da demora ae-
    cessana para
    EaMa, Rio de Janeiro, Buenos-Ayres e
    Montevideo
    Lembra-se aos Srs. passageiros de todas aa
    classes que ha lugares reservados para esta
    agencia, que podem tomar em quatquer temoo.
    Previne-se as Srs. recebedores de mercade-
    ras que so se attendera a reclamacoes por fal-
    ta i, nos volumes, que forem reconhecidas na
    0 casio da descarga, assim como devoto den-
    trj de 48 horas a contardo da da descarga das
    a varengas, fazerem qualquer reclamaco con-
    jementes a volumes que porventura tenham se-
    guido para os portos do sul, ahm de poder-se
    Jar a tempo as providencias necessarias.
    tea paquete nfco lllnmlaado
    1 a* eleelrtca.
    Para carga, passagens, encommendas e di-
    q eiro a frete: trata-se com o
    AGENTE
    Auguste Labille
    g Ra do Commercio 9

    LE1L0ES
    f K *9' tf
    Agente Pestaa
    2* e ultimo leilo
    Do importante predio e sitio a ra do Conde
    da Boa Vista (Caminho-Noro) n. 106, pertencen-
    le ao espolio de Joao Jos da Silva, servindo de
    base a offerta de 12:0<)0y. obtida no leilo.
    sexta-feir *5 do corrente
    A'$ 12 horas em yonio
    No armasem 4 travesea do Corpo-Santo n. 27
    0 agente Postana, autorisado por mandado do
    Exm. Sr. Dr. iuis de orpbaos e a requenmento
    da inventarianie D. Mana Venancia da Silva, ven
    dera a qoem mais der, o importante predio e
    sitio cima mencionados, com os commodos se-
    guinles : urna grande casa rom solea, tenuo no
    pavimento terreo um al pendre na frente, anas
    salas, diversas saletas, sete quartos, diversos tan-
    ques para bu;hj, agua emanada, gas, tendo a
    solea cinco janeilas ae frente, tres no oitao, qua-
    tro saletas e tres quartos, grande terreno na
    frente com portao e gradeamento de ferro, um
    grande parreiral com armacao de ferro, jardim,
    canteiro.- para hortalica*, diversos tanques pjrs
    agua, multas arvores fructferas, puchada con
    diversos quartos, cosinha. send> o sitio todo mu-
    rado.
    aSrs. pretendenles poderao examinar o re-
    ferido predio no dia de quinta feira, qae eslar
    aberto, ou antes, procurando a chave em poder
    do mesmo agente.
    Agente Stepple
    2 leilo
    De 2 casas terreas de ns. 56 B e 36 C, ra Mc-
    tocolomb em Afogados, em solo foreiro
    Sabbado, do corrate
    A' 11 horas em ponto
    No armasem ra do Imperador n. 39 ,*
    O agente Stepple. por mandado e assistencia ae
    Exm. Sr. Dr. jais de direito de orphSos e ausen- ,
    tes, levara a leilo as casas acima.a requerimento
    da inventarame D. Mara das Merces Ferreira
    Alves.
    Os Srs. pretendenles desde j poderao ir exa-
    minar as casas, e urna casa terrea n 9 ra das
    Larangeiras, terreno proprio, com 2 portas de
    frente, 2 salas, 3 qnarlos e quintal.
    Agente Brito
    Leilo
    De movis, loacas, vidros e 1 piano
    Urna mobilia de jacareada, 1 dita de janeo, 1
    cama francesa de Jacaranda, 1 dita de amarello,
    1 marquezao largo, 1 dito eetreito, 1 guarda-
    vestido, 1 toilette, 1 meia conmoda, i lavatorio
    com pedra, 1 dito de amarello, 2 banqoinbas, 1
    mesa com 2 gavetas, 1 mesa elasfca com 4 la-
    boas, 1 dita grande de amarello, 1 guarda-lonca,
    2 aparadores, 1 guarda comida, li cadeiras de
    junco, 10 Jilas de amarello, 1 marquesa, 1 sof, a
    cadeiras de bataneo, 2 ditas de braco, 2 cabides
    de columnas, i dito de parede, mesa e bancos
    de goiabeira, 1 mesa redonda, 1 relogio de pa-
    rede, 1 caixa grande de amarello, i moinho
    grande de caf, 1 filtrador, 1 tapete para sof, 2
    jarros, talheres, colheres, louca para almoco e
    jsntar, copo9,.calices, garrafas para vinbo, bande-
    jas, 2 serpentinas de 3iozes, escarradeiras con-
    tras mnitos objectos.
    O dgeate cima, autorisado por urna familia
    que retiran se para o Estado Federal, far leilo
    dos objectos cima declarados.
    A' roa da Imperatris n. 5, 2- andar
    Segunda-fclr:'. s do corrate
    A's 10 1|2 horas
    Leilo
    De bons movis
    CONSTANDO DE:
    MarquesOes para casal, ditos para solteiro,
    mosqueteiros, colxes. travesseiros, sofs de
    amarello, ditos de Jacaranda, meias commodas
    da amarello, commjdas inteiras, ditas de jaca-
    randa, consolos de Jacaranda com pedra, ditos
    de amarello, cadeiras de bataneo de amarello,
    cadeiras de guarnicSo de amalello, ditas de
    braco de jacaraud i, ditas de guarnicao de jas-
    randa, palba da liba', lavatorio* de amarello, di-
    tos de ferro, mesas para jogo, d i Jacaranda, ditas
    de amarello para cabeceira, ditas redondas de
    amarello, mesa clstica de amarello, ditapar jan-
    tar, de am-.rello, mesas, banquinhas, jardine-
    ras de amarello, cadeiras de janeo, cabides de
    columna, ditos te pareae, ditos americanoe,
    thear para bordar, cavalele para pintora, apara-
    dores de amarello, loucadoresde Jacaranda, ta
    petes grandes, ditos pequeos, espelhos grandes
    doorados, ditos menores, guarda-comidas de
    rame e amarello, guarda roupa de amarello,
    guarda-vestidos, quadros de oleograpbia, es-
    laute para livros, biombos, relogio despertador,
    macoioa de costura, jarros de alabastro, pannos
    de mesa, escarraderias, porta-toelhas bonitos,
    ricos, do Ccor*, candiciroa de gas, taboas de
    pinbo para divisoes e muitos outros movis.
    Terea-felra, J do carrate
    A's 11 horas
    Na
    ra
    d) Visconde de Goyanna n. 90.
    perto da estafa o
    O agente Martins, competentemente autorisa-
    do far leilo de todos os movis existentes no
    sobrado n. 90 roa do Visconde de Goyanna.
    Ao correr do martello
    Leilo
    De cerca de 3,300 fardos de alfafa
    Em um ou mais lotes vontade dos com-
    pradores
    Terca feira, 27 do corrente
    A's 11 horas
    Agente Pinto
    9o armazem dos Srs. Livramento & C,
    outr'ora Visconde da Silva Loyo
    Agente Stepple
    Leilo
    De um bom sitio e casa em Caxang,
    occopada pelo cidadSo Nicmeyer
    Quarta-feira, 28 do corrente
    A' 11 horas
    No edificio da Cmara Municipal, em
    Olinda
    O agente cima, por mandado e assistencia do
    Exm. Sr. Dr. juii de direito da-provedorla da
    comarca de Olinda, a requerimento de Flix Ari-
    quiod Liutier, invenlarlante dos bens deixados
    por seu tinado lio Joo Luis Vctor Lieulier, le-
    var a le o a irx portante casa e sitio no lagar
    denominado Ilha do Cexang, freguezia da Var-
    zea, da comarca do Recife.
    Os Sre. prelendentes desde j poderao ir exa-
    minar a referida casa c sitio.
    Agente Stepple
    Leilo
    de um sobrado de dous andares sob n. 30
    ra de S. Pedro Martyr, em solo pro-
    prio e muito freso, na comarca de
    Olinda.
    Quarta-feira, 28 do corrente
    A' 1 hora em ponto
    Na Cmara de Olinda
    0 agente cima, por despacho e assistencia do
    Exm. Sr. Dr. juiz de direito de orpbos e ausen-
    tes, levar a leilo o importante sobrado cima,
    pertencenle menor Mara, herdeira instituida
    no testamento do finado Domingos da SilvaTor-
    rpa
    Os Sre. pr tendenles desde j podero ir exa-
    minar o referido sobrado. A chavo acba-se em
    poder do mesmo agento.______________.
    Agente Stepple
    Leilo
    De urna casa e soio, sitio o urna grande baixa
    de capim de inverno.a vero, sita roa do
    Baro de Vera Cruz, sob n. 28, na comarca
    de Olinda, e urna dita ni ixe;m ra sob n.
    30.
    Quarta-feira, 98 do carrate
    A' 1 hora em porto
    Na Cmara Municipal de Olinda
    O agente Stepple por mandado e assistencia
    do Exm. Sr. Dr. juiz de direito da comarca de
    Olinda, a reqcer ment do inventarame dos bens
    deixados por Jeronvmo Justiniano Figoera de
    Mello, levar a Mito o importante sitio com
    urna grande baixa de capim. .
    Os* rs. pretendenles deMe ja poderfio ir exa-
    minar o referido sitio e casa.
    "-!.


    Diario de Peraambuco-- Sexta-feira 23 de Maio de J890

    Agente Stepple
    IWovo leil&o
    4a nafta Pitanga, na comarca de Groyan-
    na, pertencente ao espolio do fioado
    coronel Jlo de S Cavalcante d'Albu-
    querque.
    Quarta-feira, 28 do corrente
    A' 1 hora em ponto
    Na (Jamara Municipal de Olinda
    0 agente cima, por mandado e assisteucia do
    Exm. Sr. Dr. juiz de direito da comarca de Olio
    da, a requerimento do inventariante, levara a
    leilao a malta cima descnpta.
    Os Srs. preteadeates desde j poderao ir exa-
    minar a referida matta.
    AT1S0S DIVERSOS
    -- Aluga se o chalet do Caminbo Noto n 118
    e tamben se vende o mesmo sitio cumas duas
    Casas.-eojo ar saudavel, trra e froctas sern
    nemor ; a tratar no mesmo sitio at as 9 horas
    OU W da niaona. No mesmo si io rende se ama
    moblria de acarand macice, em perfeite esta
    do e loaceifa e v-irian plantas preciosa).
    Aiugam-st- casar- catadas e pintadas nos
    Jondos de S Goncalo, a 84000; a tratar na ras
    da Imperatriz n. 76.
    Atoga-se por prego commodo o sobrado n -
    155 roa Imperial, por partes ou todo, preferin-
    do-se alogal o todo : qu ni o pretender dirija se
    6 ra do imperador n. 36, 1- andar, direita.
    Precisa be de urna ama boa coslnheira
    para casa de peqoi na familia ; na estrada de
    Joo de Barros n 16.
    Precisa se de urna
    largo do Carmo n. 16.
    ama ; no 2- andar do
    Precisase de urna boa cosinheira na ra
    do Vigario n. 6 armazem. ________
    _ Vende-se a antiga loja de barbeiro, bem
    afregaezada e bem conhecida; a razao incom
    modo de sarte do dono: a tratar na roesina,
    rus de Mariz e Barro* o. 16, antiga ra da Co-
    florniz n. 16._______________________________
    O Sr. M. T. A. S. ba das nao loe vejo, nao
    se trata de restituidlo de ordenado, m is sim
    daquellas apolices, do eordao, do recib daquel
    le anciao. do facto da padaria, et eliqua, nao
    Obrigue a usar se dos meios irregulares.
    O Sr. Jo- Francisco da Costa Fernira-
    praticante do Correio, appareca para restituir
    aquella...
    Vende se urna egua russa, grande e com
    bons sigDaes, pr. pria pira tirar raca ; a tratar
    na Pas*8gem a 6
    PatacOes e outras moedas de < uro e prata,
    compra-se pelo maior preco ; na ra do Com-
    mercio n 4. _________________
    Ten do se extraviado um conhecimento da quan
    tia de 1.350JOOO correspondente a igual quantia
    que recolhi ao cofre do Thesouro dcste Estado
    aflm de arrematar a obra dos reparos da ponte
    de Afogados ; peco a quem o achar queira en
    tregar ao abaixo assignado que ser gratificado.
    Joao Lins Cavalcante de Albuquerque
    Precisa-se arrendar um Ingnito
    em bora estado e prximo a alguma
    das linbas frreas. A tratar Da travessa
    da Madre de Deus n. 1.
    Afinador de pianos
    O abaixo assignado, teado se despedido da
    casa Prealle a C, previne a seus amigos e fre
    guezes que co itina residir ra Duque de Ci-
    xias n. 11, I e 2 andares, onde o encontrarlo
    sempre prompto a satisfaser com perfeico qual
    quer trabalho que Ihe for confiado, garantmdo
    a mais escrupulosa sinceridade no compromisso
    de seos tratos.
    Antonio Paes de Lacerda.
    Aos pais de familia
    Urna senhora titulada pela Escola Normal,
    offerece-se pan leccionar em engentaos e casas
    Sarticulares portuguez, francez, aritcmetica,
    esenho. geographia, geometra, bordados a
    curo, alto relevo, matiz, papel de arroz, fiares
    mu'ica. etc. ; a tratar na ra da Concordia no
    mero 170-D.
    JacrvtacS
    Precisa se de urna ama para cosinhar e en-
    tornar, para urna pessoa ; na ra estreita do
    ario n. 22, 2- andar.
    Ama de leite
    Precisase de orna ama de leite para criar
    orna menina, que ten ha bom e abundante leite,
    seja sadia e rarinhosa ; a tratar oa ra Baro
    do Triumpho n. 68. ____
    Ama delfite
    Precisa fe ae urna orna di- leite; na ra da
    Praia n. 53, 2- andar.
    x luga-se
    o 2 andar da casa ra de Domm08 Jos
    Mart ns n. 138, com mullos commodos para
    fraude familia, c.jih agua e apparelho, muito
    en conservada e em estado de asseio, muito
    hygiemca por ser de oiio e teodo tres vistas
    lindissimaa, por preco muito commodo ; a tra
    tar no armazem n 54, ra Mrquez de Olinda.
    i
    Medalhas < Ouro ui Expotic&cs niyersaei
    J. FAU
    BOTOIOI (FRANCA)
    # Otposltot tm toast u nnOts O* Comuttnit.
    ffffffffffftfffffffffff
    Injecgao
    Se nao morri desesperado, soffrendt
    muito tempo urna molestia chronica que
    ninguem poda curar; foi por encontrar o
    santo remedioInjeccab M Moratoque
    instantneamente pos termo ao meu hor
    rival aafmnento.
    Taukat.
    Aagutto lintra MagalhRt.
    Agentes depositarios em Peroambuco :
    Francisco M. da Silva & C ra Marques
    de Olinda n. 23.
    Attencdo
    Os proprietarios da Merceara Comparativa
    participam aos seos distinctos fregueses e ao
    respeitavel publico que receberam pelo ultimo
    vapor Paranagu urna grande remessa de um
    especial
    Vlnho Collares
    o qual se pode experimentar que nao tem alconl.
    puro de uva e tem um mbnr aaradavel. pois
    nao ha igual para a sade. Becebem tambem o
    j bem connecido e acredi'ado
    Vlnbo Donro
    A ella que a antea casa que recebe e reta I ha
    os viuhos mais puros neste arcado.
    A' ra Larga do Rosario n. 20
    Marques Snbnnhn A O.
    "AVIS
    Estando anoonciado para ir praca a casa
    rea do Cawnel Suassnna n. 84, pelo uizo dos
    Ceitoa da fazeuda, previne se que dita casa (oi
    arreaatada vre e desembaracada, do espolio de
    Jos Simplicio de S Estevea, e nao (em nada
    com auna retjnaco que nunca estere em nome
    do falle ido; quem arreroaiou dita casa desde ja
    protesta pelos seas direitos.
    edk,nL>ILioie 1890
    Ao commercio
    Os abaixo asignados declarara que nesta dala
    dissolveram amigavelmenie a sociedade com-
    mercial que gira va sob a firma de Pinto k Costa,
    ficando o socio Justino Antonio Pinto nico res
    ponsavel pelo activo e passivo da dita firma, re-
    tirando se o socio Manoel Gomes da Costa pago
    integralmente de seu capital e lacros.
    Becife, 12 de Maio de 1890.
    Justino Antonio Pinto.
    Manoel Gomes da Costa.
    Protesto
    Son coosenbor da casa n. 55 a ra do Padre
    Floriano, nao pode a execugao da Fazenda com-
    prar e vender a minba parte, da qual nada devo
    de imposto, protesto facer valer meu direito,
    __________ Gedeao Borba Pereira.
    Cautelas do Monte de Sor
    corro
    Compra-se Cautelas do Monte de Soc
    corro de qualquer joia, br i Iban tea e r elo-
    gios, paga-se bem na ra do Caboga o
    n.14. Loja de relojoeiro.
    Precisa-se de urna casa
    com gaz e agua encanada e
    bastantes commodos para
    pequea familia.
    A tratar na ra do Mr-
    quez de Olinda, n. 13.
    Asroniinho Antonio de Sosia
    Maria Jos de Sooza, Jos Antonio de Sooza
    sua n uiher e filhos. Mana Etelvina de Souza,
    Joao Antonio de Souza, sua molher e Albos.
    Lino de Abren Cerqueira e sua molher, agrade-
    cem do intimo dalma a todos aquelles que
    acompanbaram ao cemiteric publico os restos
    morlaes de seo prezado pai, irmSo, cunbado e
    lio, Agostinbo Antonio de Souza, especialmente
    so amigo Looi3 Vernet, pelo muito qoe prestou-
    se, e convidam aos pareotes e amigos e aos lo
    finado para assistirem as missas do stimo dja,
    qoe tero logar na i reja do Monteiro, sabbado
    24 do corrmte. is 8 horas da manba, pelo que
    se confessam eternampnte agradecido.________
    24 DE MAIO DE 1889
    tfarin Carolina da Cotta e Uva
    Jo- Bulino Ciimico da Silvc e seus filhos
    a enores, Miguel dos Santos Costa e sua molker,
    Miguel dos Santos Costa Jnior, Joaquim Bamos
    da Costa, Manoel Thomaz da Costa. Jos Beni-
    cio dos Santos Costa, capitio Francisco Jos da
    Costa, convidam aos seus amigos e prenles
    para assistirem as missas qoe mandam celebrar
    na igreja matriz de Santo Antonio, pelas 7 horas
    da manb de sabbado 24 do corrente, pela alma
    de sua presadissima esposa, raai Giba, irm e
    sobnnba Maria Carolina da Costa e Silva. 1
    anniversario de seu fallecimento, agradeceodo
    desde j a todos aquelles que se dignarem com
    parecer a este ac ile religifto e candarte._____
    V
    Anna Cavaleaate de Barro Hon
    telro
    Joaquim Cavalcante Leal de Barros, seus ir-
    ruaos, mulher e filhos convidam seos prenles e
    amigos para assistirem a missa que mandam
    celebrar na orden lerceira do Carmo, as 7 horas
    da manb do da 26 lo coriente, por alma de
    sua sempre chorada irm, cunbada e tia, Anna
    Cavalcante de Barros Monteiro, fallecida em
    AI a goa a 19 da corrente.__________________^^
    t
    Dr. Miguel Feppe de Souza Leo, seus fi
    Ibes, genros e oras agradecen] a todos os ami-
    uos que fizeram o favor de a ompanbar os res-
    tos mortata de sua filha D Maria da Conceico
    Sooza Lelo, e rogam a todos os seus amigos o
    favor de assistirem as missas que por sua alma
    maodam rezar no dia 24 do corrente. stimo do
    seu fallecimento. na igreja matriz de Sanio An-
    tonio e oratorio no engenho Tapera, as 8 horas
    da manb, pelo qoe se confessam summamentc
    graios._____________________________________
    t
    Mara Jos Forjas Couiinbo
    Gedeao Foriaz de Lacerda Jnior, Fran xilina
    Forjaz de Lacerda, Maria da Gloria Porjaz Vc-
    tor, Maria da Conceico Forjaz de Lacerda. Ma-
    ria Thereza Forjaz de Lacerda e Olintno Vctor
    agradecem do intimo d'alma a todas as pessaas
    qoe acompanbaram ultima morada a sua sem
    pre lembrada filha, irmS e cunbada, e de novo
    convidam a seus amigos e prente para assis-
    tirem a missa do stimo dia, que ter logar na
    matriz da Boa Vista, sexta feira 23 do corrente,
    as 8 horas da manh pelo seo reoouso.
    t
    Joa Antonio de Araujo 1.1-
    vranento
    Segunda-feira 26 do correne mez, vigsimo
    dia do passamento de Jo.- Antonio de Araujo
    Livramento, celebram se missas s 8 horas da
    manb, no coaven a do Carmo. por seu eterno
    reponso.
    t
    Henrlqne remande da Coala
    Manol Feroandes da Costa e Jovioa M Fer-
    nandes da Costa, convidam seus parentes e ami
    gos para assistirem a urna missa que mandam
    rezar no dia 24 do corrente, na matriz da Graca,
    s 8 horas da manb, por alma do seo nunca
    e&qoecido filho Henrique Fernandes da Costa.
    Desde j e confessanvagradeeidos___________
    t
    Antonio tono de Olivetra e Silva
    Emilia ae Oliveira e Silva e seus filhos coovi-
    dam aos seos parentes amigos para assistin-m
    a miflsa que pelo eterno descanco de seu sem.
    pre bmbrado esposo e pai Antonio Gomes de
    Oliveira e Silva, mindam celebrar na matriz da
    Bja V-t., peU8 8 horas da manba, do dia 23 de
    Maio. trigsimo do fallecimento e desde jante
    lerioam seu aeraiterimento
    taoJoao
    Capto doae Paulo da Boaa Crsue
    Jof Loorenco Oa Su.i. O vtir.. kus i
    sua filha. Anna Bita Pereira da Coi eso w
    Ihos, Agostinho da Bosh Ces-e roa e-|> Ma e
    seus filhos, lendo recebiio a infausta im br a "d
    morta da seu aempr^ chorado amigo, euiibnl<>
    irmio e (io, Ccpitao Joao P-ulo da Huf timas
    convidam a seus amigo* e acs assistirem a missas do stimo dia que lerau lu
    gar na matriz do Corpo Santo, sexta ffira. 23
    io corrale, ae 8 horas da manb, aniecipando
    '>-d ja 'ort'-ti i (MihwiOfn1 .
    Bom empregopara
    capital
    Vende se oextenso armazem n. 81, no caes do
    Apollo, em frente da nova ponte Bnarque de
    Macedo, com capacidade para recolber de 9 a
    10,000 barricas de fannha de trigo ou outra
    mercadoria em proprco, e don* sobrados con
    tieuos com frente para a roa Domingos Jos
    Martios, no todo conslituindo urna boa acquisi
    g) : trata-secom Matbeus Austm & C, ra do
    comercio n. 18.___________________________
    Casa e sitio
    Aloga-se a casa n. 1, na estrada velba da Pas-
    eagem, com baixas di capim e muito terreno
    para plantaco, dous grandes viveiros e mullos
    arvoredos de fructo ; offerece muita vantagem a
    quem ti ver negocio de vacas oa carrocas ; fazse
    arrendamento no/ tempo quo se con vencin ar:
    a tratar na ra Visconde de Goyanna n. 187, ou
    ra da Madre de Deob n. 7.
    Ao commercio
    Precisa-se de urna pessoa para as so ciar se
    com molnados n'um arrabalde desia cidade,
    bem afreguezada e em boa localidade, com pou-
    co capital: quem pretender deixe nesta typo-
    graphia carta x>m as iniciaes H. F M.________
    Bom negocio
    Precisa-se de om rapaz com bastante pratica
    de molnados ou algum capital para socio ae urna
    taverna em boa localidade, na freguezia de San-
    to Antonio; a tratar na ra da Detenco n. 29.
    Excellente morada
    Aloga-se e grande casa e sobrado do Dr. Ay
    fGama, na estrada de Joo de Barros, peno
    dasestacOes da En ;ruzilbada, das ferrj-vias de
    Olinda e de Limoeiro, com immensas accommo-
    dacoes, jardins, arvores froctiferza da melhor
    qualidade e vasto terreno, quer para plaatacCes,
    qner para criacao ; a tratar no mesmo sitio.
    ""AOm^~
    O abaixo assignado resolveu participar
    aos seus amigos e freguezes que contina
    a ter sempre o mais completo sortimento
    de:
    COGNACS destacando o afamado
    Pno, que um dos que maia se pres-
    tam a tomarse cora leite.
    VINH0S--0 Palhete sem prejuiao das
    outras marcas, eepecialieando tambem o
    magnifico Bordeaux Republique Brtil-
    lienne.
    LEGUMESem conserva, especialida-
    des como nSo se encontrara em qualquer
    casa.
    CARNES em conserva, especiaes como
    nunca vieram aqui.
    PEIXEStambem o que ba de mais
    variado.
    CERVEJASonde se destaca a bem
    conhecida e digna de celebridade Paulino
    Bier.
    CHARUTOS nm grande sortimento
    das melhores marcas, e por preces muito
    commodos.
    Ale destes artigos acba-se o seu osta-
    belecimento sempre supprido de tudo
    quan t o se possa de Be jar d'um bom esta
    belecimento d'aquefle genero
    Ra do Imperador n. 28.
    Paulino de Oliveira Maia.
    1
    H
    4
    1
    i
    ^lft8f'
    Prefini tinos dcpnraliti
    'h Approvado pels. lnstrada asta de
    Eygiene Publica da Corte.
    Auctorisado por Decreto Imperial
    de 20 de Junho de 1883.
    COMPOSICO
    de
    Firmino Candido de
    4

    Empregado com a maior eficacia no
    rheumatismo de qualquer natureza,
    era todas as molestias da pee, as
    eucorrhas ou flores brancas, nos
    som-imentos occasionados pela impure%a
    i do sanrue, e finalmente as differentes
    formas da syphis.
    Dse Nos primeiros seis dias urna
    colher das de cha pela manha e ontra
    noite, puramente ou diluida em agua
    e em seguida mudar-se-ha para colhe-
    es das de sopa para os adultos e me-
    tade para as enanca.'.
    Rgimen Os doentes devem ab-
    ster-se apenas do alimento acido e gor-
    duroso; devem usar dos banhos fros ou
    momos, segundo o estado da molestia.
    EXPSITO CENTBAL
    I Francisco Manoel da Silva & C.
    Droguistas
    23 Ra Mrquez de Olinda
    Pernambuco
    Criado
    Precisa se de um criado de 15 a 16 anus,
    para sf rvico de casa ; do Paco da Patria n. 5,
    quinta casa.
    Protesto
    Os herdeiroa de Manoel Antonio Soares da
    Fonseca, proprietanos da sesmaria Capivara,
    da comarca do Bonito, ce parte da qual acbam
    se lllegalmente de oosse os herdeiros do corone]
    Marciomllo da SiUeira Lins e cutros tendo se
    de proceder ao inventarlo dos bens deixados pelo
    me-m coronel Marc.anillo, protestam em tempo
    contra o pretendido direito a pos'e da referida
    parte di qu< lia sesmaria em que indevidamente
    se acham os rae-mo" herJeiros, e bem assim
    rtBlrs qu-l u- [raOso.issab que da referida
    propriei;aile queiram f **r ootros injustos pos
    soidor-s, visto como pretend' m os prole-tantea
    brevemente proceder a dem-n^cn judicial de
    dila propriedade Capiv a.
    Urgente
    Ven >e-*> o:i> >.\ i'" 1 1 m boa casi'
    1" >- >' IV 1 i''a d G qiuj ; i,a'a ai it^
    IH4 iiiiii -frt..r n 61 I iiiiir
    CRMIRJGE COLMET
    CHOCOLATE m SANTONfNA
    [ uraurra pan tnm u
    1 VaraaAAsr* 1 recama.
    [ mi wttf ifnairaj 1 saaarTsfa*
    I Par, 28. roa dn T mple 1 US iruaiMi rUflllal
    Huito barato
    NA RA DO CRESPO 21
    Na lejodo Campos
    Cintas escuras cor de cafe, a 200 re. o
    covado.
    Ditas brancas, panno de cretone a 250 re.
    o dito.
    Ditas de odres, finas, de 240, 280, 300 e
    320 re. o dito.
    Baptistas de cores de 160 re. o dito.
    Ditas idem, finas, a 200 rs. o dito.
    Nazuhus de cores finas, a 240 re o dito.
    Merino de cor, liso, IS pura, urna s lar-
    gara, a 280 re. o dito.
    Ditas lavrados duas larguras, boas corea,
    a 500 re o dito.
    Las de cores, liaaa, listras e de quadros, a
    200 re o dito.
    Ditos com quadros de seda, a 400 re. o
    dito.
    Ditas acbamalotadas, 500 rs. o dito.
    Cretones lisos, a 200 rs. o dito
    Sarielins trancados, todas as cores, a
    200 re. o dito.
    Etamines de cores, tudo phantasia a 400
    reis o dito.
    Zephiros de quadros, a 160 re. o dito
    Linho pardo para vestido, a 400 re o dito.
    Cambraia Victoria transparente de 3)5000
    a peca.
    Atoalbado para mesa, fazenda de gosto, a
    10400 re. o metro.
    Fichus de todos os tamanhos, qualidade e
    pr jos.
    Toalhos para mesa a 25000, nma.
    Colchas brancas, portuguezas, fazenda de
    10(5000 a 5,5000.
    Meias, sortimento completo para homem,
    senhora e criancas.
    Lencos de algodao, brancos e de cores,
    linho, e grande sortimento em seda.
    Cortes de calca para homem, um corte
    10000.
    Gravatas, fichus, voile e 13 o que ha de
    mais em n o vi dad e.
    Setins, surah, sedas de cores e pre tas,
    merino preto, lisoo e lavrado, grande
    quantidade de artigos que vendemos por
    todo preco.
    LOJA DO CAMPOS
    CRESPO -21
    Lea ProTiiMjiaas
    Vendem-se colleccoes das
    leis provinciaes de Pernam-
    buco, dos annos de 1875,
    1880, 1881, 1882, 1883,
    1884, 1885, 1886, 1887,
    1888e 1889': no escriptorio
    do Diario.
    3XDASA.0S
    MUITA ATTEAiCAO
    Os melhores cigarros, que ha hoje
    tanto de fumo picado como desfiado sao
    osMINHA ESPERANQA.
    Olhai com attencffo par o envul ero -hm
    cigarros onde se le a pal.vr* ESPE-
    RANZA.
    Ha muito quem venda gato por lebre !
    as grandes merciarias, as casas de
    ef j.eSes, as tabacarias, nos saloes de
    cabelleireiros, vendem-se os nossos ci-
    garros.
    Deposito central.
    Fabrica Minba Esperanza
    Ra larga do Rozarlo n. 21 A
    Telophone 191.
    Antonio Francisco da Cruz.
    Criado
    Precisase de nm criado com idade de 12 an
    no ; a tra'ar na ra Ho Bom Jpsus n. 68, ar-
    uiaieiu.
    o commercio
    Alexandre Antonio da Silva oliveira declara
    a qnem interesar possa, que tendo comp-ado
    ao Br SiaPoelFrancisco de Almeidt, a S do cor
    r -nte, o hotel denominado Ancoradouro, ra
    Mariz e Burros n. 9, livre e desembaracado ; pe-
    de a quem sejulgar credor de apresentar suas
    contas para serem pagas.
    Aos agricultores
    0 bacbarel Petronillo de Santa Cruz Oliveira
    contina a encarregar se de levantar empresti
    mos para auxilio da lavoura sob bypotbeca de
    propriedades e penhor de safra ; na ra do Im-
    perador n. 69, 1 andar.
    a. SAMTONfNA -,
    UMBUMI aK
    Onro prats
    Compra-se, como tamben
    moedas, ra du Cabug
    n. 9.,;loja de Augusto Reg.
    Acaba de cnegar do Bio de Janeiro a 4.*
    edico ltimamente publi :ada da
    Herona por Excelleneia
    ou
    TVoto Mes Mariano
    Approvada e indulgenciada pelo Episcopal Bra-
    silero
    PSLO MONSENHOR DR.
    Manoel da Costa Honorato
    Acba-se venda na livraila Econmica de
    Jos flogueira de Souza, ra do Imperador
    numero 73.
    CaJa exempl: r encadernado -3J000
    O FUMO
    Higyenico Nacional
    E' isento do qualquer composicao
    mimica e nociva.
    E' eecolhido d b melhores qualidades de
    tonto.
    Um pacote de 50 gramm-s ciista200rt>.
    Fabrica Ninha perauca
    Ra larg dn R mno 'i
    Telephone
    Mercearia
    V'-ndf gp orna me r.enria bm i cnlisi da e pro
    prH pn'a pnncipiai te puf W p >m i- fundo- ;
    para m rmacfW na iua Mrquez do Herval nu
    II KO 7 i.
    Aos sapateiros
    Acaba 'le >nevar par a luja da ua doL'via-
    me ni n. 19. um novo Mordmenlo de f ina*
    f a i ez ,s |nra cakadoi de IkMBaoa. seobores
    m' nwws. fo n.e-ni- edar t^c monto os enho
    apateirus tw:utt*ro pemprf um romp \>
    soiliii -ni' de aviament s para fabrico de alca
    di* e p>r r> tos -e'n cmu|iet-neia ; u no Basar
    do L vrameaio n. 19.
    OTh.
    REXESIC
    IFALLIYE!
    ii em tedo o cuso de
    RHEUMATISMO
    Impurexas do Sangne, Erapgoss, Escr-
    fulas, Ulceras, SipMlis
    e toda affeocSo de natureza
    eruptiva ou venrea
    SALSAPARRLfA
    DE BRISTOL
    5) Remedio de Familia m excellencta!
    E. HUUDZLN& &G.
    Roa Mrquez de Olinda n. 13
    Armazem de cerveja, vi-
    nhos, champagne, licores,
    cognac, agua mineral, co-
    ete, etc. nico
    servas
    5
    deposito da afamada, cer-
    veja Phcenix de Dortmund
    e do chocolate Ph. Su-
    chard de Neuchatel pre-
    miado com a medalha de
    Ouro na Exposicao Univer-
    sal de Pariz em 1889.
    Agencia da grande fa-
    brica de charutos Danne-
    mann & C, S. Flix (Bahia).
    lilil"
    Para engenho
    GUIMARES & VA LENTE, partee
    pam aos seus freguezes e Illms. Srs. d.
    engenho que, como sempre, tm gran i*
    deposito dos artigos abaixo mencionados
    garantindo tudo de primeira qualidade
    precos se competencia a saber
    Cal nova de Lisboa,
    Dita de Jaguaribe.
    Cimento portland.
    Oteo de mocot.
    leos americanos
    especiaes para machinismos.
    Azeite de coco.
    Dito de carrapato.
    Dito de petxe.
    Pixe em lata.
    (5 galSes.)
    Kerozene inexplosivel.
    Graxa em bexigas.
    GaxetdL de linho.
    Potassa dn Russia.
    (em caixas, barriquinhas, latas grande *
    e pequeas.)
    Formicida Capanetna.
    6--Corpo-Santo-6
    Aluga m-se
    as casas ns. 63 roa da Gloria, hoje Visconde de
    Albuquerque, com 3 quartos, 2 salas, quintal,
    apparelbo e cacimba de muito boa agua, e a de
    numero 11 travessa do Corpo Santo, am jas
    caiadas e pintadas, por precos commodos: a
    tratar na ra Direita n. 45, sobrado.
    Criados e cosinheira
    Na ua Direita n. 74, i- andar, precisa-se de
    criados que tenbam pratica de vender, e di ume
    boa cosinheira que saiba trabalbar bem em bo
    seo em outras iguarias de vendagem.
    Gompra-se
    um cylindro americano para nadara, usado; no
    armazem de molbados de Gomes Alves & C,
    no pateo do Terco n. 86.
    Alugam-se barato
    o 1- e 2- andares i ra de Bemlica n. 5 (Passa
    gem da Magdalena) com muitos commodos, agua
    e gaz encanados, bom banho doce e salgado,
    porto ao fundo, asseiados ; a tratar na pbarma-
    cia Conceico, ra Mrquez de Olinda.
    Sitio na Magdalena
    Aluga se um, com excellente caes para gran
    de familia, toda pintada e forrada a papel, com
    gas, agna boa latrina e bond porta ; trata-se
    com Antonio Gomes de Mallos ra a Cadei;
    numero 25.
    Elixir M. Morato
    PROPAGADO POR D. CARLOS
    Depois de 6 annos de atroz aoffrimento
    de rheumatismo, estando verdaderamente
    descoroooado, sarei completamente usando
    o=Elixir M. Morato=que declaro ser o
    melhor e nico anti rheumatico at hoje
    . Paulo, 2 de Novembro de 1889.
    Cetario Rodrigues Alvim.
    Precisa-se
    il" urna mulher de meia idade. que viva indepen-
    .i.iiii- t- que i. nha tu ns costuuies, para os ser
    vici s im< rno- ne casa de duas pessoas e dnrma
    ei> cuca k tratar na rna do Caldeireiro n. 7. A.
    iias 7 as 9 da aanba e das 4as 6 da tarde.
    ILOB
    Hfiii .OLiTftn*1
    GL-Ou2.ri.AS PEGFtETfeH
    fJ-MClu -,;.-. iciBC, ;l*l4iC (US KtDAl.ll.
    FAI>OPTftrO!l0sHl-Sr ITAtSDE P*BS'
    i OH-1 p;i cnOUS]
    f dcSECht" f.
    BM!|) ial. 12, tu Dtcia.;i, ua Tais
    iPtrnumoucu K.vN' ALna jii^VA e CM
    REMEDIO DO AYER
    CONTRA
    AS SEZES OU MALEITAS.
    O Remedio do Dr. Ayer, descoberto
    vegetal que nao coirtfm a quina nem o
    arsnico, nem topouco ontro ingrediente
    nocivo, um remedio infallivel e prompto
    para toda a qualidade de febres intermit-
    ientes ou maleitas. Seus efleitos sio per-
    manentes e certos c-nenbum mal abso-
    lutamente pode advir do seu emprego.
    Da mesma lorma torna-se o melhor
    remedio possivel para todas aquellas
    doencas que provm dos effeitos dos
    miasmas, que se deseuvolvem nos lugares
    pantanosos e infectados, e que geralmente
    caracteris5o-se pelas affeccSes do
    ngado e do baco.
    O Bemedio de Ayer curar sempre,
    mesmo nos casos peiores, toda a vez que
    for empregado convenientemente c se-
    gundo as direccSes.
    PREPARADO PELO
    DR. J. C. AYiZR & CA.,
    I*owelL Maas.a Est.-Unidoa.
    Alg
    a-se
    o 2- andar do predio 30 ra Mrquez de
    Ol' da, por 164 por mez ; a tratar na pha.-n.acia
    francesa ra Baro da Victoria.
    Aluga
    se
    em Afogados urna caga terrea, muit i limpa, com
    bons commod >s para familia, na ra Direita,
    junto a antiga estaco das diligencias ; a tratar
    na ra estreita do Rosario n. 9, junto a igreja.
    Ama
    Precisa se de urna boa cozinheira, que faja
    compras no mercado, para casa de familia com-
    posta de duas pessoas. InformacOes na ra do
    Cabug n. 3, loja. ______
    Ama
    Precisa-se de urna ama ; na ra do Camaro
    numero 1.
    Ama
    Precisa se de urna ama para trat r de casa, e
    engommar para duas pessoas ; na ra Mrquez
    do Herval o. 10.
    Ama
    Precisa se de urna ama para engommar e co-
    sinhar ; a tratar na ra da Palma n. 29.
    Ama
    Precisa se de urna boa cosinheira para casa
    de pequea familia, que durma em casa dos
    patres e sej i matriculada ; na ra de Fernan-
    des Vieira n. 29.
    Ama
    Precisa se de tma ama para cosinha ; na ra
    de Pedro Alfonso n. 62. __ .
    Ama
    Precisa-se de urna ama de meia idade para
    cosinhar, para casa de pouca familia ; no Paco
    da Patria n. 5. quinta casa.____________
    Amas
    Pr> cisa-se de duas amas, sendo urna para co-
    sinhar e outra para engommar. para casa de fa-
    milia ; a tratar na ra Conde da Boa Vista a.
    24 A cu a ra Duque de Caxias n. 93.
    Itabayanna
    Acha-se nessa villa urna diligencia com os re-
    quisitos desejaveis para proporcionar aos Srs.
    passageirus-um meiode viajarem comm odamen
    te de Timbauba Itabayanna e ao Pilar, e vice-
    versa, facilitando Ihe? assim rpido transporta
    do Redfe Parahyha. sem os incummodos e pe-
    ricos das viagens martimas.
    No Recife, ra Mrquez de Olinda n. 58 em
    Timbauba, no hotel D. Emilia, em Itabayanna,
    no estabeiecimento de Mello & C, e na Pa-
    rahyba, hotel Parahvbano. encontrar se ha com
    quem tratar._____________________
    Cal virgem de Jagna*
    rihe
    Deposito no Caes da Apolla n. 9 3
    Esta afamada cal, p-opria para o fabuco
    de assucar, continua se a vender pelo mes-
    mo preco e abatimento do costme. No mes-
    mo armazem vendem se todas as mais quali-
    dades de cal de Jaguaribe branca e preta, em
    p, assim como todos os materiaes proprios
    para construeges e reconstruccoe3 por precoa
    menores do que em outra qualquer parte.
    Excediente vivencia
    Aloga-se o importante sitio de Jaboatao, per-
    tencente ao Baro de Lucena; tem urna cssa com
    accommodaco para grande familia, jardn
    com gradeamento de ferro, um lindo pomar,
    agna canalisada para o servico interno e exter-
    no da casa, banheiro, coebeira. estribara e
    quartos para criados e feitores : a tratar na ra
    Mrquez do Herval n. 61, sobrado.
    Tnico Ju-Mutamba
    Este tnico, preparado com plastas de pro-
    priedades conhecidas pelo nosso publico, a
    melhor de todas as preparaces at boje deseo-
    bertas para impedir a queda dos cabellos, dissi-
    par as caspas e es conservar no mais formse
    estado, alm de ser om magnifico perfume para
    a toillete.
    Encontra-se venda em todas as principaet
    pbarmacias e lojas de miudezas.
    Duzia iOOO I Vidro lOO
    Deposita
    Pharmacia Martins. Ra Duque de Caxias n. 8$
    AlimentosCriangas
    Pira remediar a fraqueza das criancas, desenvolver
    tu suas Torcos -e prestmal-os las doencas aa tdaaf
    tenra, os principass Mdicos do Pars, meraDro
    da Academia de Medicina de Parts, receito com
    ptimo xito o verddelro
    acahomt tu Artu artfiwilr, ts T arla
    Este agradavel limen to.couiposto com suDetandaa
    vegetaesnulritivascfDrUd. caloras dlvMe-se ua eco-
    noma tuda, e, pelas suas propriedades analepUcaa,
    melhoraacomposicodoleUedassenhorasoueama
    mentio, e acorda as forcas lnguidas do estomago.
    51. na TMeue, toa. UftiUt tu rtmtriu io luO I
    AZLBJ8S
    Para frente de casas, baohdiros
    corredores, agongues, sendo de linda
    cores, vendem-se por 60&000 o milhei-
    ro, por. er oro saldo, na Traca da In-
    dependencia n. 40.
    V

    i
    i
    i


    a Da

    -.'-
    - ..




    --vf-

    '*f.

    /
    /


    "lasBssBB

    JLliario de Pernambiico-Sexta- feir 23 de Maio de 890'
    i


    a


    *

    'l
    )

    .

    LO JA DO POVO
    HRa r. de MarcoII
    Com este titulo acaba de se abrir, ra l.de Marco a., 11 urna loja de t'aze.
    4m e sea propnetario convida o publico d'eeta cidade e de 'ora a apreciar o ser
    BELLO sortimento. Muitas de suas fazendas sao recebidas directamente.
    t
    GRANDE WOVIDADE
    Descont de 10o/ em compras de 2O0UOO para cima.
    Granadino, pura seda, de 40800 a 80J rs. o covado.
    Toile pra 8eda' de 1(5600 a 650 rs. o covado.
    L5s com listras, preparo de cachemira, a 200 re. o covado.
    Las com preparo de cachemira a 240 rs. o covado.
    Chitas de 200, 220 e 240 re. o covado.
    Setinetas de cores lindas a 300 rs o covado.
    Zephyr largo de 800 rs, a 320 ra. o covado.
    dem idem a 200 re. o covado.
    dem dem a 160 rs. o covado.
    Cortes, costumes de casemira ingleza, a 120000.
    Ditos de casemira ingleza de 30500, 40000 e 60000.
    DitoB de fustSo para collete de 600 rs. e 20400
    Cheviot de 30501', a 20030 o covado.
    Casemira c6r de caf de 30000, a 10000 o covado.
    Casacos de Jersey para senhora a 30000 e 60000.
    Merino preto a 500, 700 e 10200 o covado.
    Dito de cor a 400 rs. o covado.
    Casinetas finas de 500 rs a 360 re. o covado.
    Colchas df> c-ochet de 8000 a 3050;'.
    Cortinados lindos a 6000'.
    Bramarte de 10 palmos a 10400, a vara.
    Ver para crr s na
    ,aX.A. DOPOYO
    AMEN,ES
    Queris cu ar-vos prompta e radicalmente de vossa enfermi-
    d; de pulmonar, bronchite, asthma, rouquidao, defluxo ou de qualquer
    toase? Tomai o remedio garantido
    0 Peitoral de Cambar
    de Souza Soares, de Pelotas, que se acha venda as principaes
    pharmacias e drogaras desta cidade, a 20500 o frasco e 240000 a duzia.
    Os agentes e depositarios
    Francisco M. da Silva & C.
    RA MRQUEZ DE OLDDA
    FABRICA DE LIVROS DE ESCRJP TURACAO
    MOADIftNAfAO PASTACAO
    m
    QANOEL J. DE ffllRANDA
    ? 39 *> RA -*- DUQUE DE CAX AS 39 -
    NUMERO TELEPHONICO 194
    1------ 3e3O^H0O

    SAUDE PARA TODOS.
    PILULAS HOLLOWAY
    At PHulas purlflcb o Sangue, eorrigem todas as desordems de Estomago 9
    tos Intestinos.
    Fortalecem a saude das constituir delicadas, e sao d'um valor incrivel para todas as enfe mudarles |
    peculiares ao sexo iminino em todas as edades. Para es meninos assn como tambem para i
    pesaoas de tdade avancada a sua efcacia e incontcstareL
    ------------------,---------------
    !^&as mcdiuoai klo pr'paiarias sroente do Estabelecimcpto do Profe& f8, NtW OXFORD STKE3T (antes 533, Oxford Street>, LONDRES,
    E venderme em todas as pharraacjis do un veno.
    f!TOs compradores sA4 convid;-.dc re*peit^smente a examinar ot rtulos de oda c&ixa e Pote se no tOCB 2
    dii**=cao, 533, Oxford Street, sso taliihcaSoe*.
    O
    ESTADO DE PEHMMBUCO
    EM BENEFICIO DA
    Santa Casa de Misericordia do Rcift

    NTEGRAE8
    A terceira parte da 1.a lotera deste Es-
    tado ser extrahida impreterivelmente sab-
    bado 24 do corre rile.
    Todo so-* pedidos debilites desta lote-
    Ha deven, ser dirigidos thesouraria ra
    larga do ti osario n. 9. f. andar.
    PELOS CONTRACTANTES
    Bernardino Lopes Alheiro.
    -j
    Oardoso & Irmao
    Rui d Barao do Triumphons. 100 a 104
    Re b rsm nov. sortirre ito de vapores dos acreditados fabricantes Robee-
    Robinso pura 'bar com fogo de asse itamento, moendas, taxas, forma de assu-
    inca- e tflidsft < s ferragf-us precisas agricultura.

    Xarope e Pasta de Berth
    UM
    Pharmaceutico, iMureeido palo Houpitm de PmriM.
    O Xarope e a Pasta Berth de Codeinapura, possuera umaefficacia incontestavel
    aos casos de Defloxos, Bronchites, Catauro, Asma, Molestias da Gar-
    ganta, Tnsomnias, Toase nervosa e exbaustante das Molestias do Peito e
    para acalmar as Irritacoes de qualquer natureza. As pessoas que usaai do
    Xarope ou da Pasta Berth experimentao um somno calmo e reparador que
    nunca seguido de pezo na caneca, perda de appetite, nem de constipacao.
    as receitas especiflque-se bem Xarope ou Pasta Berth e como garanta exja-
    se a Assignatara Berth e o Bello Azul do Estado Francez.
    Pariz Casa CLIN C* e por intermedio de qualquer pharmacia.
    ODONTINE
    SAMO DENTIFMCIO
    DO
    DR. RIEDEL
    A melhor preparado hjgienica para clarear e conserva!
    OS Et>iTK
    Approvada pela junta de hygiene do Rio de Janeiro, com a marca registrad)
    para todos os Estados Unidos do Brasil.
    YKNDK-SK MSSEGUINTES EASAS:
    !
    Maia Sobrinho & O.
    Castro Medeiros & C.
    Darte & C.
    Pedro Antunes & C.
    JoSo Bezerra & C
    Netto 'ampos & C.
    Manoel Joaquim Ribeiro & C.
    Maia e Silva & C,
    Barbosa & Santos.
    Barros & C.
    Numa Pompilio.
    Nunes Fonseca & C.
    Manoel Vieira Neves.
    Manoel Cardoso Jnior.
    Manoel Colago & C.
    Papoula & Bastos.
    Ribeiro & Almeida.
    Antonio D. de Lima & C.
    Sabino Finho & C.
    Joao Ramos.
    I
    Deposito por atacado:
    THE O. J1TST
    Largo do Corpo Santo
    ADMINISTRACAO :
    "MZ, 8, Bor.lrvrri V '---,
    , 4,m riLHAS D
    ^1 i* jfi Kl P*5 fiPi '' "' 'certa c
    "CHY M.\ n rolo para mnJaoim, lr *v"
    uT.i en: ir as imuace; c;iuir em toioi os prAAntio* *_
    ">" ^ROA X>A. OOMP. XJ33 VICJTTV
    ;-. Perr.imbuoo. n 'ra-'.aru aoaa efcio m m mu u 6UUR a kocchlin,
    S5. "i t Cii: Auo LAVH.U.
    3
    lasiSii mmM
    2!-Rua de Matlrias Tinge e hmpa com a naer pfrteivili- i"d. qualidale de estofo e fazendas en
    pocas ou em obras, chapeos de t.ltm- <> He i.^itu,, tira o mofo de fazendas; todo <
    .rabalho feito por meio de machnitrnio perteiy ado, at koje conhecido.
    Tintura preta as toreas ft*m rinta de cores e lavagem todos os dia
    ND^AO DE SINOS E BR0NZ1
    LUIZ DA CHUZ MESQUITA
    66ra do Barao do Triumpho(?
    Teva para vender o seguate r
    Machinas de cobre para faaer espirito de destillar e rastillar.
    Alambiques de cobre do ant'go.e novo systema com esquente garapa.
    Serpestsiaa de cobre e de estanho.
    Carapacas de cobre.
    Tullas, taixos caldeiras de cobre.
    Bombas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continua .
    Toroelras de bronze e madeira de todos os tamanhos.
    nos de cobre, de chumbo e de ferro.
    Re*arlidelras. passadeiras e escumadeiras de cobre estauhadi de ferro e
    Cobre em lencol e arruelas
    Sola inglesa e do Rio.
    Cadinhos patente e de lapis.
    Sinos de 1 libra at 110 arrobas.
    E muitos outros objectos.
    Tr.TOAEREGAM-SE le qualquer concert e obras do encommonda. garaii
    . va, j.srf<4j;ao e precos mdicos, para o que tem uesseal habilitado
    VEKDE a oraso ou dinheiro com descont.
    se a
    ^LESTiUS uo C0RACA0!
    Aser:ckiT^i^rtimiLEBROS.liMdiiuMM4aor!Scirliii ?
    .^rCBMIDA8C0KAa0,PUriTlC0ESiiiBTDB8Plg!A8i
    LS IKUN, iiiiiiiursiin rus rrrrt rniinnn n iwlaMisi
    bepoMtartos em Pernwmtmtr : PSAM- da tOX
    tmn"
    E' hoj a casa que vend^ luas barato!
    fwts de iii vilude
    Crep de algodSo a 240 rs. o corado.
    Oambraia branca com salpicos a 4|J0O0.
    Crep mutisado a 440 o covado.
    de
    LS Amazonas a 400 rs. o dito.
    LS escosseza a 240 rs. o dito.
    Voile a 18 a 800 rs. o dito.
    Linn de ramagem a 600 rs. o dito.
    Zephyr com padrees de voile a 640 rs.
    Cretone voile a 400 rs. o covado.
    Chitas percales :: 200 rs. o dito.
    Cambraia Victoria a 20800 a peca
    Gazi-s arrendadas a 440 rs. o covado.
    * achemira de listra, duas larguras,
    2000 por 1^200 o dito.
    Vestidos para crianca a 40000 um.
    Baptistas finas a 260 rs. o covado.
    Setim do JapSo a 240 rs. o dito.
    Cortes de metim, em cartao, a 70000.
    Cortes de zephyr, bordado, a 100000.
    Cortes brancas bordados a 180000.
    Casacos Jersey a 60000 um.
    Popelina branca de reda.
    Setin* de cores a 800 rs. o covodo.
    Brhantina de listra a 600 rs. o dito.
    Atoalhado pardo de linho com matizes
    brancos a 30000 o metro.
    Mfcntilha e seda, creme e preto a 40500.
    Capas, visites Pelerina e mantilhetes (ca-
    chemira e seda).
    Grinalda para noiva a 1O0COO e 120OCO
    Toalha felpuda para rosto.
    Luvas de seda a 20000 e 20500.
    Palitots de seda palha.
    Merino de duas larguras a 40000 o covado.
    Ricas caixas para presente.
    Corte de collete de fustao.
    Bcjs de cores e brancos.
    Extractos e leos.
    Suspensorios americanos.
    Completo
    Variedades
    j Camisas alientes a 360000 a duzia
    Cortinados bordado* a 60000 o par.
    Ceroulas de bramante a 140000 a duzia.
    Meias para homem a 30500, 40500, 50000.
    60OCO e 70000 a duzia.
    Madapoiao trancado a 90000 a peca-
    Mirin preto de 800 rs. a 20000 o corado.
    FustAo branco a 380 rs. e dito.
    Leques transparentes a 20000.
    Guarnicao de crochet com matizes a 70000
    Madapolo com nm metro de largura s
    60500.
    Caninas de flanella a a 40000 e 50000.
    Bramante trancado de duas larguras a
    500 rs. o metro.
    Panno da Costa a 10200, 10400, 10600 e
    10800 o covado.
    Lencos, meio-hnho, a 20500 a duzia.
    Lenjos com barra a 10400 a dita.
    Toalhas para banho a 10800 urna.
    Esguiao pardo a 360 e 400 rs. o covado.
    Tapetes grandes e pequeos.
    Bale as a 40 rs. a duzia.
    i Colchas de c res a 20000, 30000, 40000.
    50OO. e 60000.
    Colchas de damasco de la.
    Sahidas de baile a 10000 urna-
    Ramos para peito e cabello a 20000.
    Esguiao de algodao a i&b 0 a peca.
    Vasos para p de arroz a 10500.
    Punhos e collarinhos de celuloide.
    Abotoaduras americanas
    Palitot de alpaca preta.
    Espartilios a 50000 e 60000.
    Baptiste de cores a 160 rs. o covado.
    Renda hespanhola a 30000 o metro.
    Bordados e entremeios.
    Ivcovaw e pentes.
    Regatas e lacos
    sortimento de cachemira
    E OFFICINA DS ALFAIATE
    20Ra 1. de Marco20
    Amaral & C.
    -

    .

    44-HUa BARAO m TRIlPH-44
    "fachina* a vapor
    Moendas.
    Rodas d'aga.
    laicas fuiGuJac- < hatidat.
    Tinz.it .ar' ero eravac,ao


    ' -\
    Alug-ue^ barato
    Viscoode de Pelotas n. 5
    Pedro AffoBso, armazem n. 46.
    Larfto do oi< rcado loja n 17
    Ru. do Bom fc8B8 ". andar n. 47
    Ra A-uazinli>- em Beberibe n. 7
    Ra Coronel Suasuna N 14t, quar
    Ra (tapanca n 43 i. andar.
    Travessa do armo, loja n. 10.
    Becco do Tambi n. 31.
    A tratar ra de Commercio u. 3. 1 sntf
    ^scripiono de Silva rujrnar&es 4 C.
    A 500 r. a pofa
    11 fi. i .inni. -.-. hnn;i fu'1 um um
    peqofin. i ]*! iff alaria rte MW rs.. W)0, 800 p
    li 0 .. i;:. ; ii.. ra rio Crespo n. ti, loja do
    Caiiif/o-.
    Prata de le
    Ci )
    Pr$cisa-se
    De nm criado de 12 ale
    a mi'"* para o 3. andar da
    tv. oirrafbia do Diario d
    Pcrnambuco.
    ^ciadfi^
    ' ;- iu Duqoe ii Cxias n. 91
    nmtm ehlogicos
    : ?f v?'f ROY, em Poitiers (Franga)
    Emite PCUST, Suc*- & Genro
    1. Per um.' ea .ntico doa Vinhos ou sobra) o/w> -
    i.' > '..............08OfrMO "i tt
    3. B ir io tsenc-a :Cognac.os lu.1 frasco 600T.
    3. Parlun.es ;i 1 us 0= Licores os 100 (nscoi 300*
    '. i; -' i':Rhu::iu,i.cTafia, oslOOfraKOt COOtr,
    Km Peru&nnuco: FRAK" M. da SIVA O.
    '
    ^
    BRAYAIS
    -Secundo as experiencia! dosmaii coDhecidMinedJoe
    r tem urna ftoc~o immedat iobr a Economa eem ^M
    d'ahi r^eulte a menor perturbacao, e do mesmo paaeo
    que restltue ao eangue a tua cor oaturai da-lhe o Tlfor i
    l neceiurio reconituindo-o.Outra qnaUdaiie tm tain-1
    |bem o ferro BraraU que de nfo enegrecer 01 den tei.|
    1 Htls toda t ciuttlt com ai ImltifSet ou
    Contrtftleou.
    Exialr a OrmaR-BRAVAfS,lmprimidaTermUia
    I Diiosno noa pa Mirmiinu
    .VutoapoEATicaiKi: *0t a,r.SU*are,Priai
    Magdalena
    A Inga se a casa terrea sita ra de Betfifli
    11. ii ; a tratar jnn!o.
    4TTENCAO
    O uranio nssigDido declara que, na
    poite il' para li do corrente mez, furta-
    ram destu ugenho Pocos, situado no mu-
    taicipio de Garaelleira, urna cavallo ru-
    dalii com as or has cortadas, o qual foi
    Comprado aos Srs. Jos Piedade & C.|
    negociantes estabelecidos ra de Pedro
    Alfonso n. 22.
    Com este faz o numero de 6 cavallos
    que me ^foram j furtados; por isso o
    abaixo assignado vem, por meio deste,
    pediv providencias s autor dadeB policiaes
    que o auxiliem pa apprehensSo do referido
    animal.
    Igualmente roga e implora respectiva
    >:ntoridade palicial deste districto qualqner
    r.ividencia no sentido de que o abaixo
    dignado n3o continu a aer esbulhado
    :-sses seus auxiliares de trabalho, do que
    hu sido constantemente victima pela
    exploracjto dos vadios e malfeitores pu-
    b'icos que infest:;m este districto.
    Engenho P090S, 10 de Maio de 1890.
    Ignacio Pereira Callado.
    -
    Cosinheira
    iiecisa-te de ua.a ama que syiba btm 'o:
    nbar ; na ra Marques do Herval n. 10.
    ATKINSON
    PERFUMARA INGLEZA^
    Sxcede todas tu outns pelo sea
    perf ame xqn iailo.
    Agua afamada de
    LAYAIDA IH5LE2A de ATKHS0H
    o outro!* muitos conheo.don perfumea
    poli na qu&Udode e odor deleitard e
    exquisito.
    Pasta Oriente. r. Denles Alkinsos
    em riTml p^r alvcjar cmbe'pcer os
    denteu e preaerrar as g'igiras.
    Enoontn-t* t/n Ct o tolos os fpffh
    clAfet Ftrieuntes
    J A E ATKIfoON
    94, Od Bond Street, Londres
    Marca de Fabrica Un" Ros brauc"
    obre ama ** Lyra d Oum "
    * o nder90 na totalidad*,
    T6 a. Rog,
    medicamento approvado pela Aca-
    demia de Medicina de Paria, 6
    verdadeiro porgante das senhoras, das
    enancas e das pessoas de oonstituicao dekV
    cada. Com um ridro de P de Bog, fcil
    levar com sigo por toda parte, pode-se prepanff
    na occasifto necessaria, urna limonada SS
    fosto agradavel s muito refrigerante.
    O P6 de Rog conserva-Be infinitamente sea
    se alterar.
    Emprega-se' o, deitando e contedo do
    vidro em meia garrafa d'agua, deixando ea
    ooolacto durante urna hora, ou melhor da
    noite para odia; rolhar a garrafa se desejar-sa
    lar orna limonada gazosa. _
    Fabrica e venda por atacado: Casal*. Frera.
    raa Jacob, 19, Parta. A varejo, em qnal
    as pharmacias de todos os Pes-_____
    Bom
    negocio
    Admitte-se um socio com algum capital para
    tuverna; a tratar na roa de Domingos Jos Mar-
    lis D. 80


    Aitenco
    Os pro editado arma
    iem do Lima, eiio a ra Burdo da Vi tona n 3
    Ssrticipam ao repeitavel publico e aos seo
    stim tos fregueses, que tn nsferiram tempora-
    riamc-D'e seu armazemapara a mesma ra n 9.
    oooq Bando da mesma'lriua a receberem stias
    oroi as para ibes servir com o coeinmado e ha
    bituai despmppnlio.
    1 s Fernandos Lina C,
    Rata Bario da victoria n. 9
    23 de M
    Teleph ne323
    -seos segufir
    ^livros
    histrico por F.
    pelo mesmo, 1
    Hercuiano Baptista de Car-
    valho
    Convida se a este senbor a comparecer roa
    Duque de Casias n. 65, loja, a liquidar neg
    ta.
    ......-------------.....---------------------------------*-----------------------------------_
    Patacoes velhos
    Compra-se na relojoaria David, ra do Cabo
    g n 14
    VENDAS
    V palmos de comprido e 4 de largo ; a tratar na
    travessa da Piedade n. 3, on na ra do Capitao
    L ii a > o w Santo Amaro
    Livraria Conten pora
    nea
    iniiruiBentoi de aanalca
    Bomoardao, bombardino, baryono, tromj
    irombone, helicn, saxaphone carrilon, bomb
    caixa, pratos clarinitas. flaotas,rabecas, violfV
    realejos, caixas de msica, etc., etc.
    Papel
    y
    pmtaao
    para forro de salas, quartos, gabinetes, corred-
    res. .
    Molduras
    donradcS, pretas e douradas para quadros.
    Malas
    para viacem, diversos formatos, especialmeo
    para roiipa de senbora e camarote.
    Novidades
    para presentes, escripiono, toncador, etc.. elr
    RAMIRO M. COSTA h C.
    Bu Prlmi-lru de Ha re o n. 9
    Agua maravilhosa
    Com a applicaco dexta agna, qoem soflrer d*
    espinhas. pannos sardas, femdis e vermeinidt
    do rosto, Acara perfeitamente curado, rtconhe
    cendo a, desse modo, como nico eapecifiu
    efficaz. Alem desses effeitoe, tem ella a pro
    piiedade de, tornando a cutis limp;. dar-lhe b
    cor natural. A c, da vidr > que curta 14, acoto
    panha a respecti 'a mdicaedo do uso.
    Abaixo as pomadas
    Vendem Farias Sobrono 4 C, A ra Mrquez dt
    ______________Olii'd n. 41.______________
    Libras
    Vendem se ra de I> Mara Cezar n. 16.
    c
    era
    Vende se na ra do Cahug n. 2, segundo a
    qpahd de, de 1* a 1*300 a libra, e sendo de
    arroba para cima, fdi-se na de 2* o descont de
    30 0/0, e na de J.'detOOO. So mesmo esta
    belecimento tem machinas para costura e mesas
    para as mermas por 104 rada urna.
    Pao centeio
    Mello & Biset tendo recebido nova remessa di
    farinba centeio, avisa aos seus freguezes qm
    continuara a fabricar este delicioso pao centeii
    todas as tercas e Bextas-feiras ; na roa larga ce
    Rosario u. 40.
    Rendas
    pretas, brancas, creme, beige e de cores
    Cbegou um explecdido Bortimcto deste artigo
    para a
    Rainlia da? Flores
    Ra Bardo da Victoria n. 4t
    Na mesma casa encontra se urna variada col
    eccao de utas de seda (mais de 500 nmeros),
    bordados de cambraia, e^partilhos, I uvas, per
    fumaria. objecto> para presentes etc., etc.
    Preyos baratos
    RA NHA DAS FLORES
    Boa Ha rao de Vi Coria n, 41
    Vinho puro de Santarem
    Da quinta do Barral
    Os proprietarios do Armazem Central, ru.
    do Cabug o. It, avisara aos seus distinctos fre
    guexes e ao respeitavel publico que receberaa
    aova remessa deste especial vinbo, o qual s<
    recommenda por ser puro da uva, e s se reta
    ha em seu armazem.
    Joaquim ChristovSo & C.
    Telephone 447
    Lourecco, rvmance
    Tavora. 1 val. ene.
    O MVuto, dito dito,
    vol. ene.
    O Cavalbeiros do Amor, romance em
    4 vols. en".
    E. bos de Loma, pelo padre Guiiher-
    raeOi-s, i vol ene.
    D ccionario Biographico, por F. A. P.
    Costa, i groseo volme ene.
    Vo* loaros, versos por M. Barrera, 1
    vol ene.
    Flores Flurtuantes, versos, I vol. ene.
    Voi e quedas, versos, 1 vol. ene.
    Guimarae*. poema, J vol. en.
    Sons que pas.-am, versos por Th. Ri-
    beiro, 4 vol. ene.
    Alberto Pimeotel, Cantares, versos, i
    vol. ene.
    Evangelios e Syilabus, druna, 1 voJ.
    euc.
    Julio de Castiibo -Livraria Classica,
    E 3 safa enes finos
    Ca-tiiolo Luzitano, historia entre 0
    Bratil e a Holtanda. 1 vol. ene,
    fino
    Kthiiotheca do Povo.JH vols. enes.
    Morte de D. Jo&o, romance, 1 vol.
    ene.
    Cnntos de Pedro Ivo, romance, i vol.
    ene.
    O abandonado por Julio Verne, i vol.
    ene.
    0 Processo Lerouge. romance hist-
    rico, 1 vol. ene.
    Gabriel Malagrida romance, i vol.
    ene.
    Neto do Acuitado, romance histrico,
    i vol. ene.
    Viagem no dorso de urna baleia, i
    vol. ene.
    Chiquinbo, Enciclopedia da Infancia,
    pr G. Bruno 1 vol. esc.
    Caricaturas em proza, por Luiz An-
    drada. ( vol. ene.
    O Pastor e a ovelba, obra rara e es-
    cotada pelo finado bi.-po D. Joao, 1
    v. ene
    Obirajara, lenda. 1 vcl. ene.
    Arnaldo Gama Um motim ba cem an-
    uos 1 vol. ene, obra rara
    Dia de S. Nunca, romance, 1 vol.
    ene.
    P. de KockJoao. 2 vol. ene.
    As mil e ima mulberes, 4 vols. enes.
    O rei i andfila. romance. 1 vol ene.
    ontos a Nim n, por E. Zula, i vol.
    euc.
    A caca de um baronato.l vol. ene.
    Arraldo GamaO filbo do Baldai, 1
    voi. ene.
    Os berdeiros de Caramuru, romance
    histrico. 2 vols. ene, finos
    Pactos da historia de Pernambuco, 1
    vol. ene.
    A reja e o Estado, por Ganganelli,
    4 vols. ene
    Serpa PintoComo atravessei a fri-
    ca, 2 vols. enes Unos, com grava-
    ras
    Eca de Queiroz0 enme do padre
    Amaro
    Csstello de Grasvie, romance raro,
    1 vol, ene
    Leonor, D'Amboise, i vol, ene t
    As obras ae Julio Verne, 42 vols,
    enes.
    Tres Poemas em proza, e verso por
    Gomes Jnior, 1 vol, ene
    Typos de cara dura, i vol, brocb.
    As viagens de Guliver, obra critica
    ejocoza (rara.) 1 vol, broch.
    Vos-8 da historia pelo Padre Gui-
    Iherme Das. 1 vol. broch.
    (Jm mjsteno de familia por F. Tava-
    ra. 1 vol. brocb.
    Um casamento no arrabalde, 1 vol.
    brocb. (mesmo autor)
    Guarrigues breve leitura sobre sci-
    encia, 1 vol, ene
    Biblioteca do Povo 31 caderninbos
    brochados
    O matadouro. historia da Lavadei-
    ra Gervazia o i* o vol so.
    Ponson do Terrail A heranca myste-
    rioza o 2 vol so ene
    Repostas consisas e familiares por
    Mr. Segur, i vol, ene
    Carta sobre a Companbia de Jezue,
    1 vul, brorh. 2*000
    Carta a Pae Tobas, 1 vol. brocb. 2*000
    No escriptono deste Diarto se dir qoem ven-
    de todas estas obras, e faz-se grande abati-
    mento a qoem comprar todas juntas
    Superior viaho de Al-
    eo baca
    O acreditado e autigo armazem do Lim par
    ticipa ao publico e aos seus fregueses u,u acaba
    de receber urna nova remessa deste especial
    vinbo, escolhido propriarnenle pelo che fe desta
    casa tornando se recommendaoo por ser puro e
    de boa quahdade
    Jos Fernandes Lima & C, roa Baro da Vic
    toria n. 9
    Telephone 323
    4J000
    4*000
    12*000
    ZMJO
    3*000
    2*1100
    2*000
    3*UV
    3*000
    31000
    3*000
    1S000
    5*0iTO
    20*000
    2*600
    2*600
    1*600
    3*000
    2*600
    2*600
    2*5-0
    3*000
    3*000
    151000
    2*000
    6*000
    2*fK>0
    4 000
    8*000
    2*000
    2*000
    1*600
    4*000
    6*000
    2*000
    10*000
    12*000
    2*000
    2*000
    1*000
    30*000
    31000
    1*000
    Alerta com a fe volado
    4S-Rn *<|ae 4* CaiJa *-
    Surah de linho ftaenda muito larga
    320
    Ors. oco
    A
    120 e 160 rs. o co
    a 2 O, 240, 300 e
    rs. o covado.
    Etamines de c6rcf
    vado.
    ephires de cores
    vado. '^
    Lindas las de cordV
    320 rs. o covadoi
    .^-~L44ja**,en,ir* de qoadree coat liatraa de seda
    10*000 a 1^00 o covada.
    Merinos lavrado- a 500 rs. o covado.
    Voile de algodao a 240 rs. o covado.
    dem de 13 ultima mds a 80 > rs. o co
    vado.
    Cortes de metim par vestidos de duas
    cores a 64000 um.
    Ditos braucos bordados a 12^000, 14 e 154000 um.
    Ditos de cachemira bordados a 25-5 0 um.
    Cortes de cambraia branca de quadros a
    1A8H) um.
    Con nados bordados a 60000 e 7^000 o
    p.
    Ditos de crochet a 80000 e 10(5000 um.
    Fectis de todas as coi es de retroa
    10OUO um.
    Colchas de c6res a 2* 00, 30000, 40000 e
    50000 urna.
    Cobertas forradas para casal a 205O(
    ama.
    Toilettes para baptisados a 65000, 8000
    e 1O600 i um.
    Camisas finas de meias a 1000 urna
    Toalhas para crianCa a 10' e l2(Jrs. urna.
    Ueroulas frauceiiaa, a 10000 urna.
    Panno* de.crochet para cadairas a 500
    a um.
    toalhado de linho de 40400 o metro por
    20400
    Dito de algodao a 10200.
    Algodao trancado para toalha a 160(0 c
    metro.
    Bramante de algodSo com 4 larguras, a
    800 e 10000
    Lencos de algodio a 10200 e 2000 a
    duaia.
    Ditos de linho a 30000 aduza
    Batistas de cores a 120 e 160 o covado.
    Crotones escuros e claros a 200 rs o co-
    vado.
    Madapolao americano com 24 jardas a
    50000 e 600 0 a peca
    Cobertores br&ncos de 1S para acabar a
    20COO um.
    Bramante de linho, fazenda de 30000, a
    20000 o metro
    Panno para mesa a 10200, 10400 e 10600
    o c< vado.
    Brim pardo trancado a 240 rs. o covado
    Vestidos de Gersey para creanca a 60000
    um.
    Camiss de linho para homem a 20000,
    30000 e 40000.
    Gran*dinas ultima moda a 360 o covado.
    O'ostumea de cachemira fina para homem de
    2O0OOC a 156000.
    Cortes de cachemira de cores muito finos a
    4400t um.
    Cortes de fustao para collete a 800 rs. um.
    Juardanapos c m franja a 2601,0 a duaia.
    rLspartilhos de todas as qualidades e n-
    meros por preco b&ratixsimo.
    muitas outras fazeadas de lei e moda
    qen vende por pre9<, sem competencia,
    em vista de seu piopretario querer acabar
    com o estabelecimento.
    S na Bvolu^ao
    HENRJQUE DA lLVA MUSE IRA
    E* ludo bm^para bem
    de todos
    Os abaixo assignados, tendo feito gran-
    de reduccSo de precos as fazendas
    existentes em seu estabelecimento, convi
    dan o respeitavel publico e especialmente
    a cus bons fregueses, a certificarem se da
    verdade que aqui fica dita e a aproveita-
    rem a occasiSo dd supprir-se de roupas,
    para muito tempo, e por pregos insignifi-
    cantes.
    Como sejam :
    Voiles de IS e algodio a 240 rs. o co-
    vado. cachemiras de quadros, fazenda de
    lO rs por 32 > rs. o covado, sepbyros de
    cores diversas a 320 rs. o covado, baptis-
    tas republicanas (inteira novidade) a 200
    rs. o covado, 12 de cores a 200 rs. o
    covado, setioetas finas a 320 rs o covado,
    merinos de cores (IS pura) de urna lar-
    gura a 280 rs. o covado.
    Grande quantidade de chitas finas, com
    pequeo toque de mofo, de 200 a 240 rs.
    o covado.
    Variado sortimento de voiles de II,
    fazenda omita fina de gostos lindissmos.
    Crep da China, dem, idem, cambraias
    ds Ch ns, com palmas soltas, comp'Btp
    novidade, voiles com salpkos, idem, idem.
    Chitas, ch malots, o que ha de mais
    exquisito em gosto, etamines lisas e ren-
    dadas, cachemiras lavradas, pretas e de
    fustScs broncos,
    Per
    Recebetfore directos dos
    cades da Europa
    Aprcsentan os segoioteB artigos, sendo
    siguas anda do anno passado, r.ao justa
    para serem actualmente baratissimas.
    Brins pardo e de cores a 240 rs. o covado
    dem .raneadj. superior, a 26 J rs. odito.
    Cortes de rusti para colete a 8 0 rs.
    dem de casesetas a 16000 e 10200.
    dem de casimira inglesa de cores a 30 e
    iJO o:
    AlgodSo. cr, marchetado para toalhas, a
    440 rs. o metro,
    dem nacin*!, largo para iences, a 46 e
    540 0 a peca.
    MadapolSo superior, com 24 jardas a 50
    e 600 0.
    dem Boa-Vista, verdadeiro, a 508CO.
    Cortinados bordados de crochets a 120000.
    Colchas dem a 70100 e'804 00.
    Grinoldas e veos para noivas a 80003.
    Espartilhos modernosa 40000,
    Percales claras e escuras a 24. o covado.
    Merines de cores, urna largura, a200 rs.
    o covado.
    Toallas nucionaes a 20500 a dazia.
    Lengos em lindas caixinhas a 10800 e
    20800 a dita.
    Meias inglezas e sacionaes a 20500 e
    30000 a dita.
    Camisas de meia, idem, superior, a 120000.
    Corolas b- rdadas de bramante a 126000 e
    160000 a duzia.
    10800 a dita.
    Pannos de cores hndas para mesa a 10600
    o covado.
    Cobertas de garga, dous pannos a 2500.
    Cretones para as mesmas, a 16000 o me-
    imitando-
    tro ; o melhor.
    3*000
    2*600
    2*000
    2*000
    3*000
    4*000
    1*600
    2*000
    1*000
    cores, tustocs broncos, cretones pretos e
    de cores linos e com flores, baptistas de I ..V^j
    eres, gostos delicados. P 16na"lanPo =om franjas .
    M dapolSo americano a 56000 a peca.
    Metins, idem variado sortimento.
    Espantoso sor imento de cretones p-ra
    cobertas e chambres, esguiSo de puro
    linho, costumes de Jersey para meninos,
    cnpas hespaoholaa, pura seda a 30(00
    urna, cortes de vestidos de todas as qua
    lidades, fichus de 13, linho e prateados,
    que pode haver de mais chic.
    Grande sortimento de camisas de linho
    e flanella para homem, idem, idem de
    punhos, collarinhos e gravatas e muitas
    outras fazendas que seria enfadonho men-
    Idem mosaicos, dem, a 440 rs. o covado
    Bramantes francezes a 10600 o dito.
    Casemiras de cores, duas larguras, a
    108< 0 o dito,
    Cheviot azul, cor inalterarel. a 20400,
    80500 e 40000.
    Merines para luto desde 500 re. a 10800,
    duas larguras.
    Sargelins de cores a 200 rs o covado.
    propruu
    pre/os ^ 8Cm re8erV* Manchas c fi^s a 10, 30000 e 5*000.
    Os barateiros! os baraleiros!
    A' RA 1." DE MARCO N. 1
    Bernardiuo Campos k C.
    Toalhas de labyrintho, riquissimas, a 250 e
    300000.
    Vondas em grosao tem o descont de
    14*
    55 BA DQCE DE CAXIAS----59
    COM ARMAGAO
    PARA DORMIR JMSIODAMBNTB
    Vende-se
    urna boa machina de numerar e diversos cofres,
    sendo um muile grande e que foi da antiga tne-
    souraria das loteria : a tratar na ra Marqoer
    eOiinda n. 1, 1- andar.
    rOLBETIl
    POE
    PIULO II UIIII'nOM
    R1JEIRA PARTE
    A andorinha
    (ContinuacSo do n. 106)
    V
    VA. GA8COGNE
    NIo, as suas Adres nSo eram tSo nota-
    veis, os seus traeos recursos nSo lhe per-
    atittiam procurar colleccSes e novidade^.
    Entretanto, tinham lhe dito que as suas
    osas tinham um pequeo valor... Aquella
    rosa branca, principalmentee ello a de-
    ignava tinha a conseguido de sement e
    porsaato era bem sua. Ora, a outra que
    na vi* obtida o grande premio de honra
    em Bordeaux Nephtot, ato a valia...
    I as ervilhas?... D'abi a oite das o
    cara poderia comal as ; urna cousa extra
    ordinaria.
    Com certeza nem d'alli a tres semanas
    aa haveria'de Aach a Toulouse... E an-
    da a maldita lagarta tinha comido muitas
    das flores..
    E o cura que pareca maito meigo, ani
    nava se e arregalava olhos furibundos ao
    fallar na lagarta, o seu maior, o sea nico
    inimigo neste mundo.
    30 ao voltar para on caramanchSo qua
    Movis austriaef s
    Ha um riqniss mo e variado sortimento de
    movis austracos de diversas cores, lisos, tor-
    neados e entalbados. para vendas em por(o ou
    a pecas avulsas bem como ricos espetos para
    salao, camas de ferro com lastro de seo para
    meninos, solteiros e para casal, e magnficos ta
    petes avellndados. os melhores que veem ao
    mercado : no armazem roa Mrquez de Olinda
    numero 54.
    Alfafa nova
    Solta 30 rs. o kilo, o fardos 00 rs.; ven-
    de se no armazem a ra da Madre de Deus nu-
    mero 10.
    Farelo novo superior
    Saceos de 42 kilos a 10800
    Vende-se no Corpo Salto n. 6.
    aoyal Bleud narca VIAiO
    Este excellenta Whisky Escoces pre
    terivel ao cognac ou agurdente de cana
    para fortificar o corpo.
    Vende-se a retalho nos melhores arm-*
    sens de molhados.
    Pede Rojal Blead marca Tiado
    cjo nome e emblema sao registrados pan
    todo Brasil.
    BROWNS i C, agentes.
    A CHEGAR
    VENDE-SE NA LOJA DAS LISTBAS AZES MAIS
    MVIDADrS
    AS SEGUINTES
    n;i:ubt.Ti
    M0MAISL
    LEHY
    VnUt-ta era tmi a or'
    Fareilo superior
    a 2*200 ; so largo do Mercado o. IS.
    abrigava toda a trente da casa que o cu-
    ra se leabrou de que o seu visitante tinha
    alguma cousa que lhe pergontar.
    Fel-o sentar n'uma boa poltrona de pa
    lha e Roselin aomecon.
    A's primeirss palavras, porm, o cura
    interrompeu-o:
    EntSo, perguntou elle, o sechor che
    ga directamente de Paria ?
    Por Agen e Coudom, sim, Sr. cura.
    E nSo conhece ningaem em Castel
    au ?
    Absolutamente ninguem : nunca aqui
    vim. Meu p.i era jardineiro em Hyre,
    onde nasci; eu sou machinista em taha,
    onde reaido ha dore annos.
    EotSo, urna ve que nSo tem paren-
    tes nem amigos, vai almocar commigo.
    Oh! Sr cura...
    Est dito. A gente nlo conversa
    bem sent i mesa. Dar lhe h >i a provar
    urna agurdente loara, tSo velha como eu,
    e que nSo fabricada, sabe, como essas
    que por ahi se vendem...
    J da cozinha, muito prxima, escapa-
    v se um bom aroma fino e appetecivel.
    O abbade, sem esperar a resposta do
    seu vii'Miite. den algn? pasaos no terraco.
    O' Cadette! gritn el'a.
    Urna voz r^asconha responde u :
    Senhor?
    Po*e um prato mais, tenho um con-
    vidado, h prepara urna cxa de pato com
    linguica como sabes faaer, para que se
    saiba oue es habilidosa, t'adette.
    Bem, bem, responden urna voa rou-
    quenha.
    O cura accrescentou, mas meigamente,
    quasi humildemente :
    E nSo demora muito isso, Cadette,
    ests ouvindo ? O meu convidado parti
    hoje de Coudom s seis horas da manhS.
    Ouvio se na coainha o arrestar e o ba-
    que de cacarolas, o ruido de fogo aticado,
    e o cura voltou a sorrir para Rjselin.
    Agora, meu caro senhor, continu,
    disse elle, estou s suas ordena. Cadette
    vira chamar-nos quando o almoco estiver
    prompto.
    Sr. cura, perguntou o provencal, ha
    muito tempo que o senhor est aqui na
    trra ?
    Sim, e nSo me aborreco. Tenho muito
    boas ovelhaB. Ha de faaer quinse annos
    no dia de S. Luiz que, de vigario de Bsuse,
    me removeram para aqui.
    Conhece bem a sua parochia ?
    Oh I com certeza. Como qualquer,
    por fiu de contas que precisa faaer exer-
    cicio e que tenha de andar incessantemen-
    te quando est fra do seu jardim.
    Conhece tambem a historia da sua
    gente, as suas aventuras, e at as suas in-
    trigas.?...
    O padre orno.
    Com Cadette, respondeu elle, e as
    outras nguas arladas que vejo aqui e ac
    l, nSo poda ser de outra *rma NSj
    sei como sSo as cousas em Provenga, meu
    caro senhor, mas posso affirmar lhe que
    por aqui uSo ha ninguem mudo.
    Por l a mesma cousa, Sr. cura..
    Dizeui que o vinho e o sol que fazein
    isso.
    O sol, sim ; o vinho nSo. Aqui nao
    se faz grande gasto deile ; a gente i em
    geral srbria.
    Recordase de Clemencia Foulon, Sr.
    cura ? perguntou Roselin, que, todo entre-
    gue ao seu negocio, nSo pensou em acom
    Saohar as suas digreasSos o abbade, fal-
    idor como todos os gascSes.
    Oh! se me record dalla, a querids
    Clemencia, com certeza !... Por muito
    tempo a tomou c>nta das cadeiras da
    igreja. Era bem boa, bem modesta crea
    tura ; smente, beba um pouco... seu
    nico defeito, afinal...
    E em urna trra em que quasi |todas as I
    mulkeres nSo bebiam aaoap saca !
    Espertadores e relogios com movimento.
    Tesouras finas quese do bram, a 10500.
    Porta lanterna para theatro, a 10000.
    S boi.etcs para pannos e sarda*.
    Grampos, novidade, para traocas.
    Lapis-caneta de ouro romano.
    Ca .ivetes de duas a quatro folhs finas.
    Oleados com repartimentos para mesa.
    Sabonetes para limpar ouro e prata.
    Albuns para retratos, a 30000,
    Bordados finos, peca de 4 1/2 metros.
    Fitas de todas as larguras e cores.
    Biccos e rendas hespanholas.
    Espartilhos de setim para noivas.
    Meias de seda para senhora.
    Madapolao fino, peca com 10 varas.
    Morim Lavrado com 20 varas, a 50000.
    Percales claras e escuras a 200 e 240 rs.
    Setim branco todas as cies com listras.
    Surak, todas as cores, a 10400.
    Velludos pretos com contas e palmas.
    Cassas de rarntgens com lindas cores.
    Tecidos arrendados broncos e de cores.
    Cortes bordados em cartSo a 90000.
    Cortinados bordados e de crochet.
    Colchas braceas e do cores, a 20000.
    Crochets para sof e cadeiras.
    Bramantes de linho e algodao.
    Atoalbados lavrados em releves.
    (Juardanapos grandes e pequeos.
    da se descontos e auitas vantagens
    Peitos de celuloide cus bordado
    perteitamente linho.
    Collarinhos o odernoe duzia 50000.
    Paro uabalhu (!e rrurhlrlr
    Caixas de linhs de cores com mesclado
    dourado a 10000 e um novel lo 100.
    Punhos para homem a- 60000 a duzia.
    Lencos brancos para creanca a 10000 a
    duzia.
    Para baile
    Lindos rames de flores artificiaos de seda
    e com haatuB de borracha.
    Lindo e grande sortimento de soutache de
    todas as cores para enfeitar vestidos de
    creauca.
    Para aa Sra*. modialaa
    Bicos de cores broncos de algodSo a 10509
    ' e 20000 a peca.
    Bicos de seda de diversas cores a 50000 a
    pees.
    Por a tranca do prata. tartaroga a masas.
    Punh
    E pelhos cara dura a 40u. ,
    Para liquidar grande quantidade de fitas
    modernas abatimento de 25 l#.
    Fitas n. 9 a 400 o metr<.
    dem n. 5 a 20U o metro.
    Lavrada para faxa a 20000 o metro,
    dem para faxa n. 30 a 30000 o metro.
    Espartii os para 40000, 50000 e 60000.
    Para nui>ai
    Capel las de cero,
    dem de flores de larangeiras.
    Ramos francezes e nacionaes, veos, leqoaa
    e luvas.
    Ercnovaes para baptisado.
    Tocas e capotas para baptisado e pssseo.
    Cintos de chagrain para senhora, largos o
    estrenos a 10000.
    Grande sortimento de galSes, palmas, ro-
    sas, pingantes e guarnieres pretas da
    v-dnlho para vestido.
    Lindas costureiras de velludo
    para presentes.
    Lindas boleas com estojo para costura.
    Grande sortimento de caixinhas com es-
    tractos proprias para presentes a 20000,*
    30000, 40OOl>, 50000 e 60000 urna.
    Livros de missa, de madreperoia e de
    velludo.
    Lindos objectos de crvstal para presenta
    como sejam : porta-relegio, parta-extra
    cto, porta-p do arroz de 40500 alt
    120000..
    Finos alfinetes para gravatas.
    Grande sortimento de broches americanos
    para senhoraa.
    Caixas com msicas a 20, 30000, 40000
    at 120003.
    Grande sortimento de galSzinhos branoos
    e de cores para enfeitar casacos e roupa
    de enancas.
    Porta retratos a 200 e 300 rs. um.
    Uracde sortimento de lencos de seda a
    10.OO, 10500 e 20000 um.
    Guarnieres para toilet a 60OUO e 70000.
    Lindos porte pos de arroz a 10500, 20000,
    30000. 40000, 50000 e 60000 um.
    Finas ligas com ramo de flor de larangeira
    proprias para noiva a 10500 o par.
    dem de todas as cores a 10000. 10200,
    1(5500 e 20000.
    Lencos de linho a 30000 a zia, em cai-
    xmha.
    Grande sortimento de
    canas.
    Cortinados de crothet para C:aa a 120009.
    170000 e 190000.
    Ditos para jacella a 70000.
    uarnicSes para cadeira a 60000.
    Pannos de crochet para cadeira a 800 a
    10000
    Grande sortimento de luvas finas para se-
    nhora a 10500, 20000 e 20500 o par.
    dem para menina a 800 e 10000.
    Linha de machina a 700 rs. a duaia.
    |Jdem idem a 60 rs. o carritel.
    Toalhas para banho a 10500.
    dem para rosto a 300 rs.
    Babadores eom inscripgSo e paisagem a
    LOO e a duzia a 40000.
    Grande sartimenfo de espelhcs finos ovaas
    e de canto redondo a 40000, 50000 o
    60000.
    Bengallas de flauta a 10500.
    103RA DUQUE DE CAXIAS103
    F1- iras amen-
    Aos compradores de 200000 para cima
    para vendedores.
    A' ra Duque de Gaxias n. 61
    LOJA DAS LISTRAS AZUES
    Eflgtitlto
    Vende-se ou ar enaa se o engenno Caldeirei-
    ro, moente e correte, na freguezia da Varzea ;
    a tratar na ra do Vigaiio n. 31, r andar.
    Leituras Selectas
    Pelo r. Joo Barba Ib o
    Acha-se no prelo e brevemente sera exposta i
    venda, a edicao deste importante livro para *
    leitura e ouiros exerclcios as escolas.
    Isso custou-lhe caro !
    O bom do cura teve um profundo es-
    tremecimento.
    Dia o senhor ?... perguntou elle in-
    quieto.
    Explicar-me-hei depois.... Preciso
    prmeiro saber de outra cousa.
    Escuto-o.
    NSo lhe conhece senSo esse nome de
    Clemencia Foulon ?
    Sim, elia tinha igualmente outro.
    Tocou a Roselin a vez de erguer os
    ojhos, um pouoo commovido. Esteva con-
    tente : os seus presmimentos nao o haviam
    engaado.
    Sim, continuou o abbade, ella cba-
    mava-se tambem, creio eu, Justina.
    Sim, est visto: Justina Clemencia
    Foulon. Mas depois ?...
    Como depois? NSj comprehendo.
    Vamos, nao nos confundamos com
    interrupc'es constantes, isso iria longe
    A pessoa de qu3m lhe fallo tinha o nome
    de nascocca Justina Clemencia Foulon e
    era natural d'aqui, Castelnau d'Auzan.
    Perteitamente. E' isso mesmo.
    Mas o marido; como se chama elle?
    O marido! r<-petio o cura arre alan-
    do olhos estupefactos; mas Clemencia
    Foulon nunca foi casada.
    Como, nunca foi casada?... E a fi-
    lna, entSo ?
    Que filha?
    Mas a filha della, com a breca 1...
    A pequea Mara, urna adoravcl pequea
    de cerca de seis annos.
    NSo sua filha, com certeza.
    Ora essa 1 ella dira se viuva e affir-
    mava que a Mara era sua filha.
    As phrases do provencal, empregando
    os verbos no passado, impressionaram o
    cura.
    Disia se ?... ara ?... repetio elle,
    acon'eceu entSo alguma desgraca :S.-
    tada?
    Sim, ella morrea queimada um des-
    tes das n'om incendio que redusio a cin-
    zas a sua loja em Paria, situada no predio
    em um dos sompartimentos do qual eu e
    minha mulher moramos desde que nos ca-
    samos.
    E que fazia ella em Paria?
    Era taverneira.
    Onde ?
    A' ra da Fontaine au-Roi.
    Ha muito tempo ?
    Roselin reflectio.
    Homem disse elle, Mara tem seis
    annos, e ella nSo andava ainda quando
    Clemencia abri a taverna.
    E ia bem ?
    Sim, porque ella era honesta, arran-
    jada e boa, e smente bebia um pouco.
    Era excellente mulher. Quando a minha
    Laura estove doente, de molestia grave,
    que duron tres annos e comeu nos todas as
    economas, C'emencia tratou della com to-
    da a dedicacSo. E' por isso que toma
    mos lhe amizade e pequea.
    Pobre Clemencia 1 suspirn o abba-
    de. E o senhor diz que ella morreu quei-
    mada'!. E' horrivel!...
    Ros din contou enJk> os pormenores do
    incendio, o que se acreditava no bairro, o
    que se diaia, como a culpada tinha fgido
    sem deixar vestgiosl
    Fallou em tudo, eicepto na visita do
    desconhecido, que Laura tanto lhe recom-
    mendara que calesse.
    Depois, como o padi e, commovido e per-
    urbido, perguntasse:
    E a crianea, que vai ser feito della ?
    O provencal fallou novamente no pro-
    jecto de adoucSo de sua mulher; disse co-
    mo Laura imaginava, por urna supersticSo
    notavel, que alma de sua filhinha morte
    passara para a pequea orphS, e que por
    isso ella queria conserval-a em sua com-
    panhia e crala.
    E o senhor sabe, Sr. cur., accres-
    centou o bravo provencal, minha mulher
    o meu bom anjo, a minha conselheira, a
    minha boa estrella ; assim nSo ha receio
    que lhe recuse cousa alguma. NSo tomos
    ricos, mas urna vez que ella quer parti-
    lhar o nosBo pSo e o nosso humilde tecto
    com o pobre possarinho do bom Deas...
    que o faca. A gente poupar um pouco
    mais; porque temos para tr^ssomos
    nos e um bedo filhioho de dea annos, Sr.
    curahavemos de arranjar para quatro. ^
    Mas sao muito bo*s pesaoas f... ex-
    clamon o padre commovido e enthuBiasma-
    do.
    Faz-se o que se pode, com a ajuda
    de Deus !... E minha mulher nSo quiz
    esperar pelo relatoro da polica. Em pr-
    meiro lugar, ella nao conta qne se saiba
    da verdade por essa gente. Depois, quer
    saber o que f>zer, ter certeza do q-io ha
    sobre a familia de Clemeucia, se ella lhe
    deixar tcar a pequea, se nSo ha perigo
    de mais tarde, quando a tivermos criado,
    algum prente nos venha dizer: Alto l...
    Ella nossa, restituam-n'a !... Quanto a
    mim, bou um homem, ainda a cousa passa-
    ria, mas minha mulher morreriadedesgos-
    to. EntSo para tranquillisal-a, vim aqui.
    Dir-lhe hei tudo quanto poder.
    Comecemos pelo p-imeiro capitulo.
    Est corto de que a pequea nao era filoa
    de Clemencia?
    Certissimo, como da sua pr.senca
    aqui. E isso por muitas razSes, as prn-
    epaes das quaes vou enumerar lhe : Em
    pr.meiro lugar, diz o senhor que a peque*
    na tem sais annos...
    Tel os ha d'aqui a um mea.
    P< is bem, ha mais de seis, ar nos,
    Clemencia moravaaqui, em Castelnau.
    (Coatnuar-ss-as.)
    -
    f-
    "
    f "
    Y.
    ""*
    t
    ? r-
    h-
    Typ. do tono, Rus Duque de CaxiS ja. 41
    -t


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAV3BYPCJ_8PHULZ INGEST_TIME 2014-05-27T23:17:43Z PACKAGE AA00011611_17753
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES