Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17744


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Propriedade de Manoel Fig^einjfra de Faria db Filhos
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE
Por tres mece* adiantados. .. 60000
Por seii ditos idem..... "12I00
Por um anuo idem...... 23|fOOO
Cada numero avulso, do mesmo dia.' flOO
-'-rJ------*J--------LJ-------!
Os Srs. Amede
de Pars, sao ofcnosj
elusivos de annuncw
c,oes na Francae
ice& C.
ntes x-
mbtica-
TELEGRAIHAS
O
sssvz;c mimu so siasi:
He Maio,
RIO DE JANEIRO,
Leras e 20 minutos da
10 Ue
tarde.
s 3
V-
, Foi comeado desembargador para a Re-
lrSo de Cuyab, o Dr. Jo* Mara Moscoso
da Veiga Pessoa, actual juS>de direito da
ce marca da Escada, em Pernambuco.
Foi removido da comarca de. Can-
garata;ma, no Estad de,f^G&ttT1fo f*
Serte, para a da Escada, no. de Pernam-
buco, o juiz de direito Dr. Francisco Ai-
tino Oorri a de Araujo.
Foi tambem removido da coma-ca
de Triumpho, no Estado do Rio Grande
do Sul, para a de Canguaretama, no do
Rio Grande do Norte, o juiz de direito
Dr. Antonio Augusto de Carvalho.
Foi nomeado o pessoal da^Sereta-
ra da Iastrucgao Publica ia Capital Fe-
deral, sendo romeado director geral o Dr.
Joaquim H. d'Oliveira.
Emfim, cm estoranca,
Qii'j allv;os me^ermitta,
Aqu choran it< eitou mioha rnudanca ;
E a engauaiora dka, -
Para que eu viva sempre descontente,
Na muda fantazia est preie^te.
Um murraj
Apanaa.se'.o
Que al das toesmAragrimas. que choro,
A deidade absoluta
Nao conseateao clamar se forc tanto,
Que mova a compaixao-f^u torno praoto..
'aqui vou deseobrindo^
A fabrica
.1. Estando a decido f$ra dralcada,
te poder requerer que a aesritosef
tidaa arbitrajtnlo. e >ntao o
di aposto no rnHf.a'p,..3|>. seccao
da Art, (6 Fica substituido o juram
trata n art. 350 da consolidacao por ama
-
PARA DE
E MJHIJlii ESTADO
racao de procederem os]
consceocias, sem dolo n
Art.17. O ttnal (ia prin
da ctSolidtrao ser obse
restrtcco: '
Se tLUiercadoria neos
rente]
ritos segando i
licia.
parte do-art.
ado com a
ooi
Bittenco
Pf
-JE"'
ionio GeratoO de Aodrade, Pinto,
artos da feui.oln' de Cerqvira
llaa'et Je tima e-Silva, Car-
i Pieaiei.'
s : Kliaar Jos Barbosa, Joa
i de Abreu, Eduardo Waodetkdlk,
i graduado Baro reles:. Bario de SntoMariha.Ma
Ha, Fortafato Pbrsler Vidal,
I Ricuf^i Guaba Couto,
FrtmM^
Por seis mezes; atudoa. .
Por nove ditos idem. :* .
Por um anuo, idem......
Cada numero avulso, de fias anteriores.
I9
13^00
*.
raes
co Jos Coeibo
el Luiz da Bo-
mandar passar a guia de que
decreto n. 1,139, dVaJUe; Mar-
ca do B:
trata, o ar
co de 1853.
Empresa ciscoInforme o inspector do Tbesouro do Es -
rado.
Ernesto de Oliveira- Cavalcan'.e,Sim, median-
te renio.
Felippe de S e Albuquerque,Passe portara
em vista da iuL>rmac,5o.
Hermelinda de Aibuquerqu: Mello.Remettido
ao director lia Secretarla da extinta Asaemblea
Legislativa para entregar, mediante recibo.
fos da Rocha Guedea.Informe comargenci
z de direito da comarca da Escada.
Visir de MfJtJv-JQfor-
*.
mW IA AHKIA SAVA5
PARISk, 9 de Maio.
O goyerno foi interpellado a respeito da
decnissao do sub-goveraadoffelqjC'redtf Fon-
cier de Francs ^ .
A Cmara 'dos DepBtados adoptou, de
accordo como governo, utta ordem do dia
implicando um inquerito por agentes da
admiafstracSo sobre a marcha do Crfdit
Foncier. + r ^
' ROUBAIX, 10 de M.io.
A nrve dos operarios das fabriefl^de
tiayJo augmenta em grandes >roporc3es.^
MADRID, 10 de Maio *
fi
3
O governo hespanhol resolvedabsolver
o> generaes D*ban e Salaedo,
Agencia Hars, filial em Pnuubuco,
10 de Maio de 1890.
INSTRCClO POPULAR
...............BJ10""BIBLIO&aAPS!CO'"
DA
UTTERATURA BRAZILEIRA
gtj- NOS
(Contin uacSo)
Mas ia por diente, ._^^_
Qoaodo entre a nnvem densa
Apparecjndo o corpo mais briloante,
En vejo (oh dor immensa !;
Pascar a bella nympha, ja roubada
Da Numen, a qnem fora consagrada.
Emseus bracos a tioba
O louro Apollo preza
E ja ludibrio da fadiga minba,
Por amorosa empreza,
Era despojo da deidade ingrata
G bem, que de meas olbos arrebata.
Eotao ja da paciencia
As redeas desatadas.
Toco de meus delirios a inclemencia :
E de todo apagadas
D acert as Iczes, busco a morte impia,
De um agudo punbal na ponta fra.
As entranbas rasgante,
E sobre mim cahiodo,
Na funesta lembranca solncando,
De todo coBfandindo
Vou a verde campia ; e quasi exange
Entro a hachar as flores de meu sangue
Inda nao satisfeito .
0 Numen soberano,
Quer Tingar ultrajado o sen respeito,
Permi lindo em meu damno.
Que em pequea corrente convertido
Corra por estes campos estendido.
E para que a lembranca
De minba desventura
Triumphe sobre a trgica mudanca
Dos annos. sempre pora,
Do sangue, que exbalei, bella Eolina,
A cor inda conservo peregrina.
Porm o odio triste
De Apollo mais se accende ;
E sobre o asesino estrago que me assiste,
Maior ruina emprende ;
Que ebegand a ser impia ama deidade,
Excede toda a humana craeldade.
Por mais desgraca minba,
Dos tesouros preciosos
Chegou noticia, que eu roubado tioba,
Aos borneas ambiciosos ;
E crendo cm mim riquezas tao^stranbas,
Me estao rasgando as miseras entranbas.
Polido o ferro duro
Na abrazadora cnamma
Sobre os meus hombros bato to seguro,
Que nem a ddr, que clama,
Nem o estril desvelo da porfa
Desengaa a ambiciosa tyrannia.
Ah mortaes I At quando
Vos cega o pensamento 1
Que jMdrinas estaos edificando
-e tao louco intento.
Como um inda no sen reino imnmndo
Vive seguro o Baratbro profundo !
Nao se escuta a harmona
Da temperada avena
as margeos miabas : que a Xatal porfa
Da humanaseCde ordena,*
Se atienda apenas o ruido horrendo
Do tosco ferro, que me vai rompendo.
Porm se Apollo ingrato
Foi causa deste enleio,
Que muito, que da Musa o bello trato
Se ausente de mea seio,
Se o D-.-U3 qae-o temperado coro tece,
Me foge, me castiga, e me aborrece t
Emfim sou, qual te digo,
O-Rioeiro pesado,
De meus engennos a fortuna sigo :
Comigo sepultado
Eu choro o meu despenho : el les tm cara
Choram tambem a sua desventura.

* (Contina)
Actos do poder ejecutivo
BKCBBT 5.DB.SS DE ABRIL DK 1890
Altera algunas iitposir'itt da consolidacao das eis
das alfandega's e nwas de rendas
0 marechal Manoel Deodoro da Fonseca, ebefe
do.gov*ruo provisorio, constituido pelo exercito
e armada, em nome da nardo, attendeodo con-
veniencia de alterar alguma& disposicOes da con-
solidacao das eis das alfandegns e mesas de rendas,
amie barmonisatas com as necessidaies do
servjiB, .
Decreta:
Art. i .Fica extincta a 3 secc&o as alfande-
gas le i* ordem, -codo os servicos que Ihe in-
cumben) desempenbados pela 1' seccao.
Art. 2* Os dous lugares de chefes de seccao
ns alfandegas de 2* ordem ficam sabstituidos
pelo de um ajudante, com attribuicoes marcadas
no art. 98 da consolidado.
Art: 3 O individuo que pretender a nomeaco
ae guarda, dever : s
1." Prestar exame de portuguezleitura, es-
cripia e grammatica e de aritbmetica e opera-
cOes fundamentaes sobre nmeros inteiros. fra-
ccOes ordinarias e systema mtrico;
1 Ter de 18 a 40 annod de idade ;
3.* Ser bem pocedido e nao* bave commeiti-
do crtme pelo quai tenria soffrido pena infa-
mante : .,
4." Nao soffrer molestia e dispdr da robustez
necessaria para o servio;
5." Assigoar termo, que lbe servir de titulo,
em que se sujeite a todos os deveres, obrigacOes
e penas impostas pelo regnlamento.
Art 4. numero e vencimentos dos guardas
da Alfandega do Rio de Janeiro serio os constan-
tes da tabella annexa a este decreto, o qual tam-
bem compreheade os de todo o pessoal mme-
diatamente subordinado guarda-moria.
Art. 5. A dispjsicao do art. 287 da comoiida-
rao fica limitada ao caso previsto no art. 281,
4.
Art. 6. Logo que o navio pedir descarga, se
r remettida a necessaria commuoicac&o guar-
da-moria, afim de ser por esta expedida a liceo-
ca para comecar o servico da mesma descarga.
Art. 7." A embarcacao que conduiir as merca-
dorias em descarga ser acompanhada desde
bordo por um guarda at doca da Alfandega
oa at ao ponto em que deva effectuar se o des-
embarque das nesmas merca lonas.
Al. 8." Se a descarga effectuar-se na Alfande-
ga., o guarda conductor a entregar na doca ao
administrador das rapatazias, que dever adiar-
se j munido da respectiva folha.
Art. 9. A descarga ser feila em presenca do
capito ou de seu preposto, e os volumes serao
arrolados por empregados das capatazias sob a
fiscalisaco e immediata responsabiliiade do ad-
ministrador, que responder por todas as difie-
rencas que se veriBcarem. Assim organisada a
folha de descarga, ser assignada pelo mesmo
administrador e pelo capito e sea preposto, e
enviada desde logo Ia seccao para servir
conferencia do manifest e outros effeitos le-
gaes.
Paragrapho nico. Quando a descarga se ti-
zer directamente para os armazens externos, se-
rao as folhas assignadas pelos respectivos neis.
Art. 10. Quando as mercadorias em descarga
forem para despacho sobre agua sem transitar
pela Alfandega, ou para deposito em trapiche al-
tandegado, a folha de descarga ser feila pelo
guarda conductor e dever conter as mesmas
formalidades indicadas no artigo antecedente.
Art. 11. Ao administrador das capatazias, seus
ajudantes, fiis e guardas que Torem encarrega
dos de assistir s des argas e de organiaar as
respectivas folhas, incumbe dar parte de todos
os volumes que opparecerem a vanados, quebra
dos, repregados e de qualquer modo dam
dos; devendo essa circunstancia ser
tada na folha de descarga, e lavrando-
sarios termos no mesmo dia em que
rem.
Art. 12. Serio expedidas tantas folhas de des-
carga para cada navio, quantos os pontos de
desembarque para onde forem destinadas as
mercadona- ; notando-se na secgo competente
o numero de taes folhas, respoosabilisando se
a quem competir pelo extravio ou demora na en-
trega de qualquer deltas.
Art. 13. Dentro do prazo de oito das depois
de terminada a descarga da embarcacao sero
remettidas seccao competente tolas as folhas
para tal tim expedidas, e nenhuma demora ser
mais admittida em sua organisaeflo, salvo po
rogaco concedida pelo inspector por motivo
justificado.
Art. 14. Ficam dispensados de apresentacao
da lista dos sobresalentes, de qne trata o art.
378 da consolidacao os comman iantes de paque
tes a vaporea de linhas regulares que navegarem
para os portos do Brazil.
Arr. 15. As questoes que se suscitarem sobre
cla8sirkaco ou qualiticacSo de mercadorias, so-
bre o valor das que devem ser despachadas ad
valoren e obre as assemelhagOes, serao resol
vidas da seguite maneira.:
S 1. Quando a parte n&o se conformar com
a clasfiBcacSo do conferente do despacho, recor-
rer para o chefe da repartico, e este, depois de
ouvir a cotnmisso da tarifa e maiB a quem jal-
ear conveoiente, resolver como for de justica
Meando em todo caso Iivre parte o
reexportar a mercadona, nos termos
16, i 5 e 524 da consolidacao.
as disposices
1889.
Art. 13 O pagaraenlo do imposto esta!
oo rt. 599 da cosuolidacuo, a que sSo saj
embarrares qus sermanecem as docas da al-
fandega, sem atracar ao caes, ser feito de con
formidade coma arquacode registro dis mes-
mas embarcarles e nao pela tonelagem mtrica
de carga que possam transportar.
Art. 20. As aleadas dos inspectores das alfan
degas e administradores das mesas de rendas, e
bem assim a dos inspectores das ihesourarias de
fazenda, sero de ora em diante resularisadas do
reguinte modof:
Alfandega do Rio de Janeiro
Alfaadega de 1* ordem
dem de 2* ordem
dem de 3' ordem
dem de 4' ordem
Mesas de rendas de 1' e 2* ordem
Thesourarias de Fazenda dos Estados
onde houver alfandegas de 1* or-
dem
dem de 2J ordem
dem de 3* ordem
dem de 4* ordem
ta Bahia"^o,
io da ccBstruc-
Qaixad, no estado
600*000
400JW00
300*000
20)*000
1004000
100*000
600*000
500*000
400*000
OOOOO
g Io As mesas de renda de 3* ordem nao tea
aleada. *
2o As arcadas regutitn iarisd ceo dos che
tes das repartieses cima indicadas na solacio
das questoes que se su*citarem as alfandegas e
mesas de rendas em materia de despachos eap
prehenses de mercadorias, imposiges de mul-
tas ou penas pecuniarias equivalentes.
Art. 21. O reflurso ordinario de que trata o
art. 667 da consotcao das lea das alfandegas e
mesas de renda, aMbta :
1 as differencas de qualidade. sobre a im
purtancia dos dirertos resultantes da differeng,
addicionada da multa que no caso lbe couber :
2' as assemelbacoes, sobre a importancia
dos direitos que accrescerem, segundo a decisao
impugnada pela parte;
3 Nos accre3Cimo3 de mercadorias, sobre a
importancia dos direitos correspondentes ao ac-
crescimo e malta respectiva;
4a Nos contrabandos e apprebensOes. sobre
o valor dos objectos apprsaendidos e mates ac-
crescidas ;
5 as imposicOes de multas, sobre a impor-
tauc a d'estas. ,
Art. 22. O recurso ordinario dewser. ioter-
posto. as especies previstas no 1* e2*S*> >r-
ligo antecedente ara b jtfho* a^bitrTat0^
trata o 2* do art. 15 d'este decreto; e nos ou-
tros casos para a repartigo da instancia supe-
rior competente, urna vez qae as decises recor
ridas excedam a aleada de quem as proferio.
Art. 23. O recurso de revista so poder ser
imposto nos precisos termos do art. 608 da con-
solidacao.
Art.-24 Ficam revogadas as disposicOes da
consolidacao das leis das alfandegas e mesas de ren
das na parte em que forem expressament alte
radas oa substituidas pela3 do presente de-
creto.
T) ministro e secretario de estado dos negocios
da fazenda assim o tenha entendido e o faca ex
ecutar.
Sala das sessoes do governo provisorio, 25 de
Abril de 1890, 2o da Repblica.Manoel Deodoro
da FonsecaRuy Barbosa.
Tabella do pessoal e vencimentos da companhia
de guardas e mais empregados da guarda-
moria da Alfandega do Rio de Janeiro.
2T
3'E
2.
-i m
C
,. -den -oflssBCce i
o3ooM=o
r "^ s: o B
''oSg;
a g
S
F"
P
| Numero de em-
pregados
sterlo da Marlaha
reformado compulsoriamente o Sr.
rante Baro de Santa Martba.
nomeados:
sro Freir de ViIIaIba#AUim para
udante do inspector geral de saode
m substituco do Dr. Datse de
Sdveira, que est servindo de in-
quim Quiotanilha Netto Machado,
interinamente a iospeceo do ser-
das p.-aia?, remoja* je incinera-
Regueir Costa.-Re-
. ector do Tbesouro do Estado rara
atlender. nos termos de sua informaco n ^07 de
do Ceara. hontem datada.
Joao Baptista das Neves.Sim.'pagandoasco-
nwdorias.
Joanna Maria d Gonceico.Iodeferido.
Joao Lins Cavalcante du Albuquerque.Infor-
me o cidado director geral das Obras Publicas.
Jos Paulino da Silva Fiibo e Alfonso Monteiro
Pessa.Indeferido, em vista da disposicao do
art. 172 do Regnlamento de 28 de Jmeiro de
1888; os actos em contrario sao irregulares e nao
devem ser repetidos.
Laiz Eagenio d* Araujo Pinheiro. Sim, na
forma da lei.
leopoldina Maria Teixeira Jacobina.Provi-
denciado.
Manuela Maria da Conceicao.Sun, pagando
as comedorias.
Manoel EmigdioRodrigues Viauna.Deferido,
com officio de boje ao coronel commandaote das-
armas interino
Maria Leopoldina da Silva. Indeferido, em
vista da disposicSo do artigo 172 do regulamen
to de 18 de Janeiro de 1888 ; os actos em con-
trario sSo irregulares e nao devem ger repeti
dos.
Maria do Rosario de Oliveira e Mello.Entre-
gue-se, mediante recibo.
Manoel Goncalves de Siqueira.Ioforme o Dr.
juiz de direito da comarca de S. Bento.
Maria Amalia Forjaz de Licerda.Entrege-
se, mediante recibo. ->
Pedro Pereira de Sooza L-mos. Informe o
inspector lo Tnesouro do Estado.
Virginio Horacio de Freitas.-^lecorra o peti-
cionario ao poder uidiciario, nico competente
para tomar conhecimento de sua reclamaco e
perante o qual nao esgotou anda todo i os re -
cursos legaes.
Abaixo assignados, negociantes e moradores
no povoado Cortes.Informe o Dr.- juiz de direi-
to da comarca do Bonito, ouvindo a intendencia
municipal.
Albino Fernandes & CSim.
Augusto G. da Silva- Providenciado com o
acto deste governo de 7 do corrate.
Constantino Jo3 Teixeira Tones.lteme o
Dr. chefe de polica.
Heurique Maioel da Silva.Nao Ja o que de-
ferir, vista do acto desie governo de 7 do cor
rente.
v.apito Joo Presciliano da Costa.Informe o
cominandaate superior daguarda nacional da
nisterlo da Guerra
Foram borneados para servir : no hospital mi-
litar de ftsrnambuco : almoxarife Honorio Silva,
1 escripBjrano Theotonio Freir Jnior, 2 dito
FrandscqXavier Teixeira de Carvalho fiel ma-
jor Mano1 Joaquim Bello e porteiro Francisco
Gomes dq S Leitio.
No bosM^l do Para : almoxarife Bernardino
do Esptrio Santo Araujo, Io eseriptorario Theo-
doro Pentlker, 2o dito Jos Paulino Souza For-
tana.
No de Cuyab : almoxarife Francisco Antonio
da Costa Campos, 1' eseriptorario Custodio Al-
ves Ferreira, 2o dito tenente Antonio da Costa
Garca Jnior, archivista Flavio Crescencio de
Mattos, porteiro Joaquim Anastacio Monteiro de
Mendooga e ajudante de dito Thomaz de Aquioo
Rodrigues.
No hospital de Corumb': almoxarife Francis-
co Sizenando Peixoto, Io escripturario alferes
Indalecio da Silva Bondon, 2o escripturario Jorge
de Veaeza Monteiro, archivista tenente Paulino
Jos Seares das Neves e porteiro tenente Ado
Kemper
Foram nomeados : 03 Drs Domingos Alves
Requio e Alloaso Pereira da Silva-para adjan
tos do carpo medico do exercito no Estado do
Rio Grande do Sul e o pharmaceutico Aristteles
Ramos de Menezes para adjunto do corpo pbar-
niactntico do exercito no Estado deSergipe.
De conformidade com a resoluco de 1 de
Abril lu 1JJ71 tomada sobre consulta do conse- liamarri Ibo W*o ailiiarjVoram rransfertdos para a" *
2a ciassedo exercito os capitaes Ral Pedro de
Drummoad Cabrita e Alvaro Marques Martina,
este do 5 regiment de artilbaria e aquelle do
35* de infamara, ficando aggregados s armas
a que perlencem, em vista do resultado da in-
speceo de saude a que foram submettidos.
Foi transferido para o Estado do Piauhy o
medico de 4* classe icapito Dr. .,Everaldino Ci-
cero de Miranda que eslava no Ceara, continuan-
do a servir neste Estado o mlico de igual clas-
se capito Dr. Candido Hollanda da Costa Freir,
que estava designado para" Pianby.
Foi exonerado a seu pedido, o medico ad-
junto Dr. Galdioo Tude de Assumpo Santiago
e nomeado pare o substituir o Dr. Jos da Cu-
aba Romaguera Correia.
Foram tranferidos:
Arma de infamaraPara o 6 batalhao, alfe-
res do 32 Fabio Penaforte de Araujo e alferes do
20 Antonio Monteiro de Albuquerque ; para o
9 batalhao, alferes do 7 Henrique Lefevre e te-
nente 40 28 para o 16 Ildefonso Coimbra ; para
o 20 batalhao, alferes do 6 Alcebiades Cardoso
de Menezes e Souza ; para o 28 batalhao, alfe
res do 29 Jos Rodrigues das Neves ; tenente
do 16 Agostinho Meira Henrique de G> uveia
para o IIo e alferes do 5* Leopoldo de Souza
Salles paro a 1' comnanhia e para ajudante da-
quelle o capillo da i* companhia Aristides Ro-
drigues Vaz.
Arma de cavallariaPara o 4 regiment, al
feres do 3 Julio Lopes Duro".
Arma de artilbariaPara o 3 batalhao, o ca-
pito do!5 Liodolpho Alipio Rodrigues da Sil-
va.
Foram transferidos no 9 regimeuto de ca-
vallaria ; para ajudante o capito do 4 esqua-
dro Antonio Neto de Oliveira Silva Faro e para
este esquadro o capito ajudante Antonio Car-
los Fernandes Leo.
Foi tranferido do 35 bafalho de infanta-
ria para. 32 da mesma arma o tenente Joaquim
Benevemto de Almeida Nobre.
Jos Tbomaz Cavalcante Pessoa. informe o
inspector do Tnesouro do Estado.
Manoel Xavier Carneii o de Albaquerque.
Prove o peticionario que pagou o preco das car-
nes e comprio as demais condicoes do sea con -
tracto.
Secretaria do Governo do Estado de Per-
nambuco, 10-de Maio de 1890.
O porteiro,
H. M. da Suva.
fraecido pordbt repartlcSo aos que .se acna-
rem em condicoes de implorar a caridade nm-'
blica.
Da mesma data aciaa, recommendando a ap-
prebenso de todos os menores encontrados em
abandono, atiaa-. de serern entregues aos iuizes
eorphaos para (ftflhes tutor 'occupadSi
fiodo, mp
2.
licia
direito de
aos arts.
Os i e 2e* machinistis, os 1 e 2" patrjs, fo-
guistas e marinbeiros veace'ro a diaria corres-
pondente ao vencimento aonual cima indicado.
Rio de Janeiro, 25 de Abril de 1890. Ruy
Barbosa.
Ministerio do Interior
Foi nomeado governador do estado da Baha
o marechal Hermes Ernesto da Fonseca.
Foi nomeado secretario do governador do
estado da Babia o Dr. Elpidio de Mesquita.
Foram condecorados com os seguintes graos
da ordem de Aviz:
Gran cruzesMarechaes Hermes Ernesto da
Fonseca e Floriano Peixoto.
Generaes de divo : Baro de Batovy, Carlos
Resin Joe de Almeida Brrelo. Antonio Nicolao
FalcSo da Frota, Jos SimeSo de Olive*, Baro
de Anhambahy, Julio Anacleto Fatc&o da Froto e
Candido Jos da Costo.
Generaes de brigada: Isidoro Fernandes de Oli-
veira, Jos Ctarindo de Queiroz, Conrado Jacob
de Nlemeyer, Joaquim Mendes Ourique Jacques,
Tude Soares Neiva, Carlos Frederico da Rocha,
Benjamn Constant Botelho de Magalbes, Anto-
nio loaquim Bacellar, Joo Jos de Bruce, Loiz
Henrique de Oliveira Ewbanck, Carlos Machado
rao do Estado de Pe mam-
buco
[AMENTO AO DESPACHO DO DIA 7
DE MAIO
ps, officiaes da guarda civica.
DIA 8 DE MAIO DE
4890
. Baptista Nogueira.-Rem
_J%Thesouraria de Fazenda bara
cordo com a sua infi rmacSo p.. 322
lindo,
andes de Albuquerque.- Como
Pernambucina.Ioforme o inspe-
ctor do Thesouro do Estado.
Manoel de Hollanda Cavalcante de Albuquer-
que.-Deferido, com officio de boje directora
de obras publicas.
Manoel Francisco Campos.Informe a Inten-
denci.Municipal do Cabo.
DE
SPCHOS
DO DIA 9
1890
DE MAIO DE
Abaixo signados, domiciliados n'esta capi-
tal. Providenciado com o acto d'este governo de
7 do correte.
Antonio Damasio Leite.-Iaforme, com urgen-
cia, o Dr. juiz de direito do i." distncto criminal
do Recite. _,
Antonio Viei-a das Virgens.Informe o Dr.
jaiz de direito da comarca de Bora Conselho, ou-
vindo o delegado de policiJ.
Cosme Padro Regaldo.Informe o inspector
da Thesourarla de Fazenda.
Directorio Republicano 10 de Dezembro,In
forme, com argeocia. a Intendencia Muncipal de
Cimbres.
Eduardo Correia da Silca.Informe o inspe-
ctor da Thesouraria de Fazenda.
Erasmo Alves Campos.Remettido ao com
mandante superior da guardi nacional da comar-
RepartleSo de Polica
scelo.N. 104.Secretara de Po-
do Estado de Pernambuco, 10 de
Maio de 1899.
Foram hontem recolhidos Capa de Detengo
os individuos de nomes Camillo Manoel de Lima,
Antoaio Ribeiro de Andrade, Manoel Joaquim
da Silva, conhecido por Mawgiuira, Jovino
Francisco das Chagas, Manoel Barbosa Silva,
Manoel Jaboatlo, Raymundo Jos Ignacio, Ben-
jamn Alves de Miranda, Octaviano Pereira Fe-
lippe Santiago, Jovino Henrique Jos Ribeiro,
Henrique Manoel dos Sant03, Pedro aodrigues de
Souza Caetano Correia de Lima, Antonio Bar-
ros da Sirva, Manoel Jos dos Santos, Joo de
Deus, Pedro Vicente Ferreira, Julio Goncalves
Pinto, conhecido por Macaco do Para, Manoel
Jos do Nascimento, Joo Vasco Marinho da Sil-
va, Antonio Camillo dos Santos, Guilherme Mi
gu'el do3 Santos, Manoel Jos do Nascimento,
5ue diz chamar ee tambem Jos Francisco do
ascimento, Jos Theotonio, conhecido por Jos-
pha Preta, Hygino Honorato dos Santos Filho,
Antonia Maria da Conceicfo, Josepha Maria da
Conceicao, Jos Hemeterio de Parias, Vicente
Ferreira de Lima, Maria da Conceicao e Antouio
Joo da Silva.
0 subdelegado da freguezia de Santo An-
tonio obrigou a assignar termo de bem viver s
muiheres de nomes Mara Francisca de Oliveira
e Miria Rosalinajio Amor Divino, moradoras
ra da Florentina.
De ordem do subdelegado do 1 distncto da
Graca, foi cecolhido boje Casa de Detencao o
individuo de nome Jorge Ferreira das Neves, por
se achar incurso as penas do art. 201 do cdi-
go criminal.
Continuo a chamar a attenco das amon-
es policiaes para o conteudo das seguintes
pedidas por esta repartigo :
ezembro rindo, recommendando que
am muito em attencSo as disposices dos
arts. 205 e 209 da lei n. 1.129 das posturas mu-
nicipaes, empregando todas as diligencias ne-
cessarias para apprehens2o das armas defezas,
sendo os seus possuidorespunidos rigorosamen-
te de accordo com a lei.
De 22 de Janeiro iJ corrente anno, no sentido
de promoverem por todos os meios a rearesso
da vagabundagem. obrigando os vadios e vaga
bundos a terem urna profisso decente e licito e
fazendo os que a i3so nao se sujeltarem. a as-
signarem termo de bem viver para serem reco-
lhidos cadeia no caso de infraecto.
De 28 do mez cima, recommendando a maxi
ma brevidade na formaco dos inquerilos poli-
ciaes, a que devem proceder, sempre qae occor-
rer qualquer facto deliituoso, nao deixando em
taes casos de effectuar o resfjeotivo corpo de de-
licto, sendo os dit03 iuqueritos remeltidos ao
promotor publico por intermedio do juii crimi-
nal a quem competir conbecer da culpa, sempre
que se tratar de um crime em que caiba a aeco
publica, e mandando archival os quando se trata
de crimes de aeco particular para serem entre-
gues aos iateresisados e para que sejam pagas as
castas. .
De 31 ainda de Janeiro, recommeadanflo que
providencien! no sentido i e serem os mendigos
e especialmente os cgos recolhidos ao Asylo
de Mendicidade oa oatro qualquer estooeleci-
mento a cargo da Santa Casa de Misericordia,
impedindo que ditos mendigos andera a es
molar pelas roas e pontos de3te capital, Sal-
vo aqaelies que forem portadores de um carto
De 12, do. mez de Fevereiro nodo", eTp ad-
ditamento circular expedida em 22 de Ja-
neiro, chamando a attenco para diversas di*,
posicOes io coligo do processo acerca da vaga
buudagem c do modo de proceder contra os
mesmos.
De 2 do referido^mez de Fevereiro, recom-
mendando aos delatados que a<- abstenbam c
m.aisjiojgiTei ij^^Wif em assumptos de di-
iitt'^mnafff Wlujmftcnirem se ei quest6e3 de
rerrast como" abusivamente feem alguns pratic-
do, com queixa justa do paciente.
Da mesm data cima, recommendando aos de-
legados, chefes do servigo policial em seas ter-
mos, qae facam seas subalternos entrar em
exercicio dos cargos respectivos, vistd ser do con-
curso de todos qae deve resaltar vantagens para
o servigo.
De 6 de Margo, recommendando toda mode-
raco no modo de tratar o cidado depois de en-
tregue e sujeito priso, dispensando-lne todas
as garantas possiveis atim de que nada soffra.
De 17 de Abril, recommendando aos delegados
de polieta e commaodantes de regio, que de ac-
cordo com as autoridades judiciarias providencien:
no sentido, de seremOransferidos para a cadeia
da localidade mais prxima e qoe melhor garan-
ta offereca e d'abl para as das sedes das regios
ou dos pontos termmaea das linhas frreas, os
sentenciados que devem ser remettidos para a
Cas-i de Detencao, atientas as condicoes desfa-
voraveis em que se acbam algumas adelas do
centro deste Estado.
O chefe de polica,
Antonio Antones Ribas.
Thesouro do Estado de
Pernambuco
DESPACt&S D*DIA 7 BE MAIO
DK 189*
nna Carolina da Silveira Mirauda.
Jos Pacheco da Silva e Wenceslau Hen-
riques Teixeira. A' seog&o do Conten-
cioso.
Dr. Je2o Clodoaldo Montdlro Lopes.
Ao administrador da Kecebedoria pra
attender.
JoSo Faustiniano das Neves.Ao Por-
teiro.
Jos Paulo B telho e Eugenio de Si
queira.Informe o administrador da Re-
cebedoria.
"Maria Amelia P. Moraes Pinheiro e ou-
tra.Sellados os documentos, volte, que-
rendo.
Padre Dr. Jeronymo Thom da Silva,
bacharel Joo Baptista Begueira Costa e
Leontino Pimentol Angelim. Haja vista
o Dr. Procurador Fiscal.
Fielden Brothers, Enedino Mendes de
Hollanda, Genoveva Joaquina da Cunha,
Anua Hermina Castello Branco, Charles
Bozier, Francisco Ferreira da Silva, An-
tonio Moreira Reis e Eduardo Duarte Ro-
drigues.Informe o Dr. Contador.
Olegario Pires da Luz Cantarelli, Joa-
quim Basilio Pyrrho, Antonio Cadenna
Bandeira de Mello.Registre-se e faeam-
se as devidas notas.
9 ?
Domingos Oomes de Amorim, Jos
Maria Pires Justo. Volte ao Dr. Con-
tador.
Jds da Costa de Albuquerque Mello,
Isabel Maria de Lima LeSo, Theodoro
Jos Tavares, Companhia de Santa The-
reaa e Mcdeiros & CInforme o Dr.
Contador.
Felippe Moreira da Cruz, Francisco
Pinto de MagalhSes, Francisco de Paula
Pereira, Vicente Ferreira Baptista, Jos
Manoel de S e Luiz Manoel Rodrigues
Valenca.Informe o administrador da Re-
cebedoria.
Joaquim Pires da Silva. Dirija-se ao
cidado Dr. Governador do Estado, viste
faltar a este thesouro .--competencia para
attender ao peticionario.
Victorino Domingos Alves Maia Ao
Porteiro.
lnspectori Publica do Estado de Pernam-
bueo.
" DESPACHOS DO DIA 9 DE MAIO DK
1890
Luiz Gonzaga de Menezes Jnior. En-
caminhe-se.
Clementioa Elisa Monteiro. Encami-.
nhe-se.
Jos Francisco Florencio de Souza.
Justifico. /
Carlos Jos Das da Silva.Abono. -
Maria Leopoldina Chaves ;Peixoto.
Encamiche so.
- 10 -
Genoveva Ramos Fernandes de Carva-
lho.DS-se.
A mesma.Certifique.
Philomeno Rsymundo Nunes de Lima.
Encaminhe se.
INTERIOR
SUL DO BRAZIL
Pelo correio terrestre tivemos folbas do
Estado dan llagn*
Datas at 7 ie Maio :
No palacio da governaco effectuou se no tita
4 ama reunio convocada pela governador para
recolher a opinio do Estado relativamente a
organisac&o civil e judiiiaria.
Referindo o qae alli se passou, escreveu o-
Diario das. Alagos :
O Sr. goveroador abri a sesso expondo o
flm della em termos concisos e claros, e termi-
nou pedindo ao Sr. Dr. Costo Ramos, digno juiz
de direito da comarca da capital, ha P^co che-
gaio da Capital Federal, que expusesse os ter-
mos da questo tal como ella ventiladai all.
O Sr. Dr. Costa Ramos em um ligeiro esbo-
j
4

>
%
m
lili



2
Diario de Pemambuco-Domingo 11 iiWwaio de 1890

co expos as opinioes discutidas acerca e os fOB-
Samentos dellas, coocluindo por opinar que sem
mora se representasse ao governo federal pe-
nando para que se consgnese no pacto fonda
mental da federacio como as ampio de attrtboi
cao geral a legislaco civil e a organisajaaiu-
diciaria, excepto nesta o que fosso meramente
policial.
O Sr. Dr. Antero. advogado de nosso foro,
declarou sea voto em favor da opimo do Sr.
Dr. Costa Ramos.
OSr. Dr. Oilicica declaran. la rafcem s*u
voto favoravel e propoz que se.oomeasse ama
commisso para redigir a raensagem e offereceu-
Se para ser portador delta.
YeflWdora a proposta o Sr. governador no-
meoa pa redigir a mensagem os Srs. Drs. Qjs-
ta Ramos, Antero e Aureliano, que meia bora de-
pois presentaran) redigida a mensagem que
sendo approvadi foi assignada pelas pessoas
presente?.
O governador teve cuidado de reunir em
palacio representantes das classes mais intima
mente interessadas no assumpto*e os versados
no estado e medita jo de tic importante ques-
to de direito privado e ao aesmo tempo com
UMB. .
L'om efTeito, tratando se da constituijo do
direito civi, nao nos importa saber smente se
oe sagrados direitos iodividuaes sao bem garan-
tidos, mas saber tambem se a consagrado de*
ses direitos coocorrem ou nao para fortalecer
os lajos da urna > que formam a patria brasi-
leira.
< Duas coasas essencialmentc devem concor-
rer para fortalecer a uni2o de todos os brasi-
leros : a desceutralisjo de todos os ioteres-
ses locaes, e a perfeita unidade do direito com-
mam.
Nfto" a lingua, era a religiito, nem a iden-
tidad e de cosluro.es que fazem a uoio patria :
qualquer que seja a infleucia que sobre o sent
menlalisrao exerjam esses fact03, sem duvida
muito ponderosos sobre o espirito humano, rica
cima de todo a sati.-faco dos interesses que
concorrem para o cumprimeoto dos deveres
imperiosos que o hornera tem a desempenbar na
tociedade.
E', poii. necessario desligar osiindividoo? na
quillo em que a uniao subordinada a activldade
de uns indolencia ou incuria de outros, e li
gal os na campo em que os interesses sao com
muDs.
* Andaramos mal avis crear difJereotes direitos civis, afastando-nos da
lenden ia ctvilisadora da unilicajo dos povos
peta ronmunidade do direito.
Nem era racional que se procurasse ere ir
applica'O'S diversas dos pnocipios jurdicos ab
soluto*, mu mdo as najoes civlisadas tendem
as conferencias internacidbaes a apagar as desi
gu?U. rted de condijes dos bomens nos estados
eslrenireiros.
A opiniao vencedora na reuniSO foi a mais
racional e daqui fazemos votos para que bem
inspirados os outros estados tomem delibera
"s i fen.icas e sej;.m todos attendidos pelo go
verno telera]
Rem avisado andou o Exm. Sr. governador
convi i:i lo a reuniao de ijue se trata e assim
aeceniuamo o sentir do povo alagoano; deve
ramos a S Exc. mais este acto honroso para
nossa Ierra que tanto se orgulha de telo por ri
Ibo
L se na mesma folha de 6, sob o titulo de
Suici'lto :
Antonio Brancisco de Paula, couhecido por
Antonio Cabo Verde, cor preta, tentando suici
ar-se, emendo de embriaguez, lancou mo de
ama navalba e com Ha deu um grande golpe da
extens-'io de cinco pollegadas na face anterior do
peseteo, justamente na linha que divide ai daas
regioes super e infra-hyoidiana, tendo o refer
do golpe comprehendido tambem a cartilagem
tjroidiaoa.
O paciente parece ser bomem de 35 a 40 an-
os mais ou menos.
Recolbido ao hospital de caridade as 3 bo
as da madrugada de hontem, as 5 l|2 da ma-
ib, encontrando nina faca di mesa, jue se
acbava sobre a banta de um enfermo, della lan
So inao e renovou a tentativa, que anda foi
ustrada.
< Chamado o i" delegado de palicia. compa
teceu immediatamente e mandoa proceder a
corpo de delicio e re pectivo tratamento.
CORRESPONDENCIAS __
Uo Mario de Pernambuco
BOM CONSELHO, 3 de Maio de 1890
J esta va mos desengaados de melhor tempo,
quando o Omnipotente enviou-oos chuvas inces-
tantes, desde o da 28 do mez pretrito.
Todo o genero humano ale.rou-se com a mu
danja ao verti para o invern
Oxal que elle nao seja escasso I
Os agricultores, com mais ou menos sacrificios,
staa fazendo novas pl.nia;0<-s.
Nao bavendo contratempo, em 3 mezes, desap
parecer a caresta, desapparecer a fome d'a
fuella que sufftvra os seus terriveis effeitos.
E' propicia a oceasiio para a intendencia do
municip;o em iregar todos os meras, impon.lo
penas rigorosas aos criadores, no intuito de lira-
rem seus ammaes cavallar e vuecum do solo
destinado culiui a, pois, do contrario, em breve
tonino ^eremos as lavourinhas damnificadas por
esses aginias, com detrimento do direito do*
in'elizes i.pncuitores.
Em 29 do referido mez. terminaram se os Ira-
salhos da commisso districtil, tendo sido alis
lados 881 i idados aptos para serem incluidos
o registro eleitoral, inclusive .179, eleitores da
lei de 9 de Janeiro de 1881.
A mesma c'mmissSo, satisfazendo as exigen-
cias do nico do-ft. 28 do Regalameoto a que
ge refire o decreto n '00 A. de 8 de Feverairo
do cor:ente nntio, remetieu ao presidente da In-
tenl-; c u urna copia do alir lamento, acompa
hando a urna relajo nos termos da 1 parte
do ari 29 do citado decreto
No dia 1. do corrate, foi preso no Logradou-
ro do Leao e recolbido cadeia da villa, a or-
dem do delegado de polica, o celebre Satyro
Gonleiro Manso, desertor do Corpo de Polica
deste Estado, e pronunciado neste termo no
art. 92 do Cdigo Criminal.
Con tal priso, suppom'is que desapparecera
< |!k devorador dos atiimaes cabrura e ovelhum
dVqu-lia- plagas.
Ni ate da, fui igualmenU-. preso, n'esta villa, e
recclh.do cadeia ordem da mesma autorida-
de, o individuo de nome Pedro ulio, pronun
ciil' era Quebrangulo do Estado de Alagas, ao
art. 122, do eferido Cooigo.
Damos no?sos parabens autoridade executora
de (ao i;:.penantes cap uras-
ilo Sr. consalheiro Barros Gomes, quan-
,o ministro da marinha.
O caminho de ferro made cerca da 170
kilmetros tem um ramal de Mopeia
f$*a a margem esquerda do Zambeze oaws
eca de 9 kilmetros.
E' de via reducida de Ia de largurtrtan
to a linha principal, como o ramal.
A natureaa do terreno obrgou a proje-
ctar n'esta caminho diversas obras de arte
importantes, sendo a principal a ponte do
Lualua de vigas de ferro, com 400' de
comprimento.
A construccSo d'este caminho de maior
importMia parado commercio das colonias
portuguesas da frica Oriental, dando sa
hida pelo porto de Quelimane aos produ-
ctos taDto do Zambeze como das regiBea
dos lagos.
*'
O nitrato de soda nm composto de
acido nitrioo (o alimento mais activo das
plantas) e da soda. O sal tira todo o sea
valor da forma sob a qual offerece o azo-
to aos vegetaas, sendo a soda sem valor
nutritivo para estes ltimos.
Existe na provincia de Tara peca (no
Per) jazigos inexbauriveis de nitrato,
accumulado8 o solo por urna serie de
resecaos d'agua de mar sobre os detrictos
de animaes, reacjSes bem conhecidas des-
de alguna annos.
O porto de Iquique o centro
pal do commercio do nitrat
As primeiras ex
datara de 1827 a
ctU'.sas, o valor feri
do entSo desconhecido dos a
Mas em 1831, comecaram a empregar em
Franja o dito sal; vendtam-u'o entao por
65 fres. (26000 >) 100 kilos, prego que aia sahir o kg. de azoto razSo de 4
fres- 20.
Dd 1830 a 1835, a mportag&o do ni
trato ua Europa foi um pouco mais de
3,U00 toneladas por anno : elevou-se, po
rm, ca Europa a 600,000 toneladas no
anno de 1888, e os clculos para 1889
chegam a elevar o consumo a mis de
800,000 toneladas.
O prego do quintal foi diminuindo desde
o cornejo da exploracSo ; de sorte que de
65 fres., a principio, foi deseando a 37
fres, at 1879, o que rednzira o kg de
azoto a 2 fres e 35; e chegeu a 19 fres,
e 25 em 1889, o que reduz o kg, de azo-
to a 1 frc. e 23 (500 rs:) havendo por
tanto, de 1879 a 1889, urna baixa de 1
47
lo
no
frc. e 12 por kig. do azoto, ou
valor venal de nitrato.
Essa diminuicao enorme explica :e
muito naturalmente pela actividade ex-
traordinaria empregada no desenvolvimen-
to da extraeco e da purificagSo do nitra-
to no lugar de sua origem,
Mais de 50 companhias formaram-se
com capitaes consideraveis, afinle ex
uloracem os jazigos do Pe 'e do Chile;
os trabalhos estao sendo fetos com tami-
oha energa que actualmente o consumo
tatal da agricultura sendo avallado, para
1890, em 83,OJO toneladas mtricas, a
prodo.cc.3o possivel olevar-se ha quasi ao
dobro dessa cifra, visto que est previs
to que terSo 1,470,000 toneladas dispo
sijo.*
A superproduecilo trouxe, portanto, a
baixa do prego do nitrato at nm ponto
inaudito, do qual os agricultores devem
apro eitar-se, sendo possivel.
O sal nSo pode, todava, dar bons re
saltados em tod< s os terrenos, mas nos
jardins o seu emprego Oea sido de pti-
mo resultado.
Nao podemos entrar aqui em detalhee ;
mas fiquo eoahtcida a baixa por que tem
pausado e a que ora est ttujeito o nitrato.
INDUSTRIAS E ARTES
No Eatado da Baha van ter cornejo o
trab:Ut s de construcjSo dos Burgos Agri
olas a cargo de Silva Moreira & C que
onstituo a erapreza Valenja Industrial.
Cada'familia receber um lote de trras
sua escolha, que pagar pelo prejo da
?abeila, no prazo de um a dez annos.
Ser forneeida c*sa at ao estabelec'-
aento da ana propria, no seu lote.
A empreza fornecer alimento at a
priuipira 'olheita (gratis) aasim como a
lem menta para o principio io t'abalho,
asedie/^ e remedios.
Far adiantamento sobre plant j3ea e
iructos pendentes, e obriga-se a comprar
todos os productos da lavoora do Burgo
pelos precoz do mercado, corro tambem
fc-reoer gen ros alimenticios e outros as
mesmhs condijSes.
Todo o lavrador ser obrigado a azer a
alai tajio de cereaes que pelo menos pos-
ta chegar para sustento de sua familia.
*
Foi j entregue no Ministerio da Mari-
nha c pr&jecto do caminho de ferro de
%u.limane 6t do hire, estudado pelo
Sr. capitao de engenheiroa Affonso de Mo
raes Sarment, em virtude de ama conces-
io- pera o estado d'este esminho feita
Eiposlfio talo-Americana
Jornal do Commercio d > Rio de Jaaeiro)
Por occasio da- festas colombianas com qu
a cidade de Genova honrar em 1892 a memoria
ao intrpido genovez a quem deve o mando o
de^cobrimento da Amrica, ser commemorado
o granJe feto por ama exposic&o italo-america
na, inspirada do intuito de fomentar a ezpaas&o
das relages ommerciaes entre a Italia e o nos-
so continente. Para realizayo do bello projecto
organisou se commisso da qual fazem parte o
nosso compatriota, engenheiro Manoel Mara de
C.rv. ho. solicito coinmssario do Urazil nos ne
gocios da mignjfto italiana, o cnsul geral do
nosso paiz em Genova e o uirector do escriplo
rio de informajoes que mantera s najaella ci-
dade e to til nos tem sido para disipar pre
conceitos. corrigir apreciajes exageradas, res
taurar a verdade alterada e dar-nos a conhec-r,
com lealdade e exaciido, qaaes somos ni rea-
lidade.
E u circular, qoe nos foi dirigida por parte da
cnnnisso. sao indicados os lineaineotos gera -s
u \eitada a feliz opportuuidade pura a reumo de
um congresso de ecouomistas e pu dieis'as ila
linos e americanos, tendo por oojecto exami-
nar e suggerir providencias alimentes a meino
rar as reucOiS de lodo o genero entre as naje*
representadas e a promover a sua reciproca
prosperidade. 0 commettimento de ndole
puramente commercul e ideado e planejado por
espontanea iniciativa pjrticular. Entretanto ja
a inunieinalidade de G.raova assegurou o seu
concurso reolizajlo da idea e aguarda a com
misso organisadora que he nao faltar eificaz
apuio do goveroo italiano.
App illa a mesraa coiumissao puaa a imprensa
americana, propondo Ihe e solicitan to Ine a col
laooracao que repu'a indispeusavel ao xito
tentativa. E' a este gracioso convite
mos e felizmente podemos fazel o, a
e leco.araead indo o projecto como txcelle1
ins.rumeato de propaganda utiiissiraa aDs nos
lisas o aos inieresnes econorai X)s da I alia. Com
effi-ito nada peder jnfluir mw energicasieute
para multiplicar us reayOes m-rcanti.- das duao
ua.^O'-s do que urna exposijao que permuta s
classes interessadas examinar de vita quaes os
productos que :nais v ntajosamen.e poderao
prestar se a permatajo internacional, alimen-
tando o commercio e activando-o E dadas as
especiaes circuinslancias em que se achara o
Brazil e a itato, quan lo entre nos residem tan
tos miineiros de italianos oceupados as p~of?s-
soes mais diversas, roleiando os campos, abnn
do estradas, constroindo Obras e serviodo s
mais variadas industrias urbanas, fcil cura
prehender como a p^ojectada exposijo encon-
trar desbravado o tarainho para >b ir depres
sa rcalizajao do sea generoso desidertum eco
Qomico.
A este respeito pondera judiciosamente ura
or^ao da imprensa de Genova quanto pa a des-
gostar que emquanto uenhuoi commercio existe
entre a Italia e exteosas regioes do Brazil prin-
cipalmente as do norte,' por outro lado varios
productos brazileiros cheguem indirectamente
aos mercados italianos deixando na bolsa dos
iniermedimos lacro ap>-eciavel q*ie naturaimen
te encarece o. artigo- em pura perda do produ
ctor e do consumidor. E mente perniciosa ao Brazil e Italia. A e.xpo
sicao italo americana de 1892 nao sanar de m
provisoesta escassez de retajos commerciaes ;
nao Car* brotar como por encanto o commercio
directo entre regioes nao ligadas pelo espirito
fecundo de permuta nao acarretar transforma
cao immediata, qual fdra para desejar ; os seus
efleitos serio mais ou menos vagarosos, como os
de toda a tentativa deste gtaero ; mm em ex
cluir a eoltafcorac'j do tempo e a teeacidade es-
sencial a iga a propaganda que tende a cavar
ou a preQMter o leito da correte commercial
esperaoja solida para ser depositada na exe-
cujo do auspicioso plano que, estamos cerlos,
achara na imprens* do Brazil o acolhimento
sympalhico que merece.
O Brazil cu^tea em Gmjva e Milao esc ipto
ros destinados a facilitar o conhecimento exa
cto das cousas do nosso palz. Entra no pro
gramma de aes estabelecimr-a os aexhibijao de
productos brazileiros e alguus eslo all patentes
ao exame dos visitantes em expoicto permanen
te e methodica. 0 p^nsamento, que oictou esta
creajao. despertar sem duvida esfo jos que se
encaminhem a oroporcionar nos na testa nter
nacional de 1892, commemorativa.de acontec
ment cuja recordajio para tocar noj mu
de perto, papel condigno do nosso grao le civi
lisajo e da pajanja dos nossos eisjmentos na
turaes.
0 Brazil e a Italia estao destinados a consti
tuir, ao atravez do Atlntico, duas poderosas of
fleinas do trabalho. ligadas entre si pelos lajo*
da mais estreita. affiuidade e da mais perfeita
harmona de interesses. A Italia est collabo
raudo e anda mais eficazmente ha de collabo
rar no progresso do Brazil pelo concurso ypes:i
mavel da immigrajo, recebando compensajao
equivalente no bem estar de numerosos italia
nos que entre nos vivem felizes, satisfeisos e
cheios de- esperanja nos resulladp^^a*pplic .
cao inteiiigente das suas faculdj^ kpo-i
jo italo-ameosaaa de l8ftJUfl____mi lo
as relacdes econmicas e
vos. ^m^mtJ
O COI
de um aosso cotnpatr
dente em Londres di qnal ofl
aproveitassemos osspgWWesT]
V. pergnnta o que se sa be-
llo nosso desgrajado conflicto cL_
e jasii.lca a sua curiosidade, dizenao qaeahi
nada se sabe.
Ento admira se d'isso ? Ea nao, porque
estou convencido de que, se nada se sabe, e
porque nada ha. E como ha do haver, se lord
Salisburyba mais de. quinze das que ost era
Beaulieu. -arca de Mjnte Carla, e e hoje (18)
deve regressar a Inglaterra ?
0 Btrjooa fazalrairavelmente de diplmala
no que tova a reservas I Como uo adianta
nem atraza, nao diz nada ; e i'este seu sttefiero
concluem os seus admiradores, que n'aquella
:ra|M'netrabilidade esta o mais fino estofo do
diplomata emrito 1
A energi i colonial, que est desenvolvendo
a Allemaoha p-le perfeitamente ser aproveitada
em benepcio dos nossos interesses no momento
presente! por isso qi.e os inglezes sitio cora
verdadeiro medo dos allemaes I lne que nislo
nao ba a mnima exagerajo. Repare no que
d zem os jornaes, siga co n alteojo o que se
passa no parlamento, e ver qoe nao trunco de
Tal so
> Oxal soubessemos n3 tirar partido desta
circumstancia t
As ultflas noticias de MojamblsjK sao de
que andim por la outra vez, praticando actos era
tlagrante cootradicjao com as declarajoes cathe
,'oncas do nosso zoverno I
Se isto assim continuar, arranjar nos-hao
outra carrapaia, de que s sahiremos deixando
parte da nossa pello as garras de John Bat,
que ja adiantadamente vai falando na necessi
dado de represalias.
Esta ultima parte da carta tem a mxima im
portancia e coincide com as ultimas noticias,
que nos chegaram pelos jornaes estraugeirOs e
depois p- la Agencia Havas.
Com efTeito, grave o que se est fazendo em
Quelimane.se com eff'ito all se organisou ura
corpo de voluntarios, que vai marchar, ou j
raarchou, para o Cbiromo, porque, estando nos
compromettidos a rnaoter o statu quo ante o ul
timatum nao podemos rea mente proceder de
um molo hostil e cootrariandj as fo.-maes pro
raessas do goveroo portoguez. Para qoe este
leuba forja p ira sustentar as suas propostas e
insistir n'eilas, preciso que o seu procedimento
correclissimo Ibe sirva de argumento anda con
ira quaesquer demasi :s commettidas or. parte
da Inglaterra. .
Azevedo C'.u'.inho um intrpido oQical da
uossa armada e leal porlagoez. Elle deve ser o
pruneiro a cora prehender a que vexames e a
que pergos exp6e o sea paiz, emprebeudendo
ualque- commettimento arrojado em sentido
aggressivo contra os inglezes. Mas Azeve ,o
Coutlnbo ao mesmj tempo am temperamento
ardenie e am hornera mojo. Pode, pois, o3o ter
a moderajo a sopeiar-lhe i indignajo (e santa
el'.a I) ao ver o velho e honrad) Portugal escar-
necido e ludibnado por ama nacao de ambicio
sos e de egostas.
Convm portanto, qu> o goveroo, que e quera
responde boje pelos destinos da patria pro ure
por lodos oh modos, anda os mais enrgicos,
evitar as spoos as aggressOes, que justificaran!
as represalias a que se alia >e na carta que tran
screvemos- E nos lodos de vemos coadjuv. I e
nesse p.oposito, porque, S" em vez de o auxiliar
mos nos momentos apurad- s Ibe levantarmos
uifficuidades embaracos, ticaremos sem auto
ridade para exercermos o nosso direito de en
tica, tanto mais justa quanto ella for indepen-
dente e patritica.
Em relajo a aproveitarmo* a acjSo colonial da
Allemanha, muito e muito teriauos a dizer;
mas, se tempo do governo operar activamente
o"esse, sentido, cedo anda para a imprensa
manifestar ideas que a opinio ou n5o corapre-
henderia on receberia com descoofianja e at
taivez com indignjo.
Cremos, porm, que nio tardar muito qu-
chegue o momento de todos disermos o que
pensamos sobre o modo de Dreveair no futuro
as vergoohas e os nerigos que tanto nos ames-
iju nhim e nos afiTzem boje.
REVISTA DIARIA
l n si hu o Areheologico e deo-
graplilco l'irnam ucano
SessEo ordinaria em 24 de Abril de 1890
Presidencia do Exm. destmbargador J
Cleraentino
A' 1 bora da tarde,jreses
iro
aira. 2 hCT.
Lida a acta la antecedente, foi
O Sr. Dr. I. secretario, menw
tes offertas :
Pelas resp;ctivas redacjOes,
deste e de outros estados.
Forara receidos cora agrado e mandoa-se
agradecer.
Pelos Srs.'major Codeceira, Drs. Lopes Jfa.-.ha
do e Esmeraldino Biodeira, foi proposto que se
oflLsuae Iatendeacia Municipal pedindo Ibe
liara que mndasse o no-"e d praja de Pedro 1
para o de praja de Bu nardo Vieira, adra de
:oram -morar o am- desse di-iincto peraambu
cano, que foi o primero que uo Brazil pugnou
pe.o tstabelecimento da repuolica no solo ame
rijaoo, bem como q-ie tizesse resUtuir ra do
Viseo t e de Pelotas o seu antigo nome dera
do Arago -para commemorar o nome do grande
;)atriola Eslevao Soares de Arazo, um dos vul
tos salientes da revolnjao de 1710.
Fji approvaJa a proposta.
Em seguida o Sr. Dr. Lopes Ma-hilo propoz
e o approvado, que se consprvasse senpre fe
chalo o sa'o da biblioteca e do museu.
O mesmo Dr. Machado inscwvea se para 1er
o'araa das prximas sesses um trabalho seu
-oore a -brlada.
Fin lmente, o Sr. Dr/Cicero Peregrino com-
munica que o consocio monsenhor Arcover^e
manda apresentar as suas despedidas ao Instituto
e offerecer Ibe os sas servijos ooEst do deS.
Piulo, para onde seguio.
Nada mais bavendo a tratar-se, foi levantada a
sesso e designado o dia 8 de Maio para ter lu-
gar a i.' reMio.
I m entienda Mtiaicipal a Beeife
Viraato de hontem do Dr. governador do Esta-
do foi-elevado a 9 o numero de membros se.bo de Intendencia Muoicipil do Kecife, sendo
nomeados para os doas nofo lagares o Dr. Joio
Carlos Balthazar da Silveira e o bacharel Ma-
nuel d* Trindade Peretti.
I* 13 de Malo eaa Olinda ^Darnos
em seguida o programma das fenas cotnrae jo
rativas dos das 12 e 12 de. Maio, organisado
pelo Club RoDublicano la comarc. de Olinda:
No da 12, as 5 1/2 horas da tirde, as ban-
das masicaes 13 de Maio e H de Novembro
em dous coretos eaoecialmente arm idos na pra-
ja da Abolijo. to-jaro at s 6 1/2 as memores
pejas do sea repertorio, sabiudo a essa hora em
passeata pelas pnncipaes ras da cidade at o
elindo da Inendencu onde assistirj, tocando
no- int-rvallos, asesso sol.emue.'que ah se ef
f ciuir s 7 hora3 em presenja d Sr. gover
nador deste Estado e demais principae3 autori-
dades que o acompanharem. e presidida pda
di -e tona do Club Nesta sessao o que ser aber-
la pelo Sr. presidente Dr. Ernesto de Aqaino
Fonseca, far a orajo commemorali /a o cida
do vice presidente do Club, Jos Faustino Por
to; fallando em seguida as~pessoa3 que se ti
verem inscripto.
No da 13, s 5 horas da madrugada, a um tiro
de peja, e aos toques da alvorada ao largo da
Abolijo, repicaran os sinos de todas assigrejas
da eidade de Olinda, subindo ao ar urna salva
de 21 tiros e girndolas de foguetes, e tocando
coretos as baruas 13 de Mi o e!5 deNj
s hy nnos di abolijo e republicano.
adeJBar illuminada as nuiles de 12
tadas com
cidado administrador dos crrelos, fazer ex pe i
Pelo agente Gusmao, s 11 horas, trapiche dt
)m ilfafa.
dir malas para all', nao s nos das determina-1 Gomn"anhia~ie 7ar"ir rrfaa dit^"'i^m TranT
como, tan s das | Tefo a^nt/Brto, lfT&, "
i
As correspondencias serio recebidas na res
P'Cliva repartijo al o meiudia.
Tiro -Estando hontem, s 7 horas da noute,
em sua casa, ao beeco da Boia, da freguesa de
S. Frei Pedro Goojalves do Recife. a malber de
nome Mara Litis Barros foi alvo de am tiro de
emboscada, que a attingio no p direito, deixan-
do o grandemente maltratado.
O criminoso evadi-se e a offendida foi reco-
lada aa Hospital.
A polica procede nos termos da le.
Facada-Hontem, s 4el|2 horas da tarde,
na Praja da Repblica, travando-se de razoes o
indivilnu de nome H-leodoro Rodrigues da sil-
va e ura empregado do G*aade Circo America
no, chegaram a vas de facto, ferindo aquelle a
este com oma facada no Drago esquerdo.
O ferimento foi considerado leve e o crimino-
so preso em flagrante, delicto, procedendo a po-
lica local s demais exigencias da lei.
Tribunal do Jury do Beeife -Ante
hontem foi submettido a julgamento n'este Tri
ounal o reo Manoel.ila Paixao Runos, proces
sado em viitude de queixa de D. Joanna Archanja
Regaard, e pronunciadj por despacho do Dr.
juiz de direito do 2 districto, como iosurso no
art. 193 lo cdigo crimina', porque em 9 d<; Fe-
vereiro do anno pissado, deonze e meia para
mua tioite. depois de urna ligeira troca de pala
vras com o estrangeiro naturalisado Pedro Re-
gaard, na esquina Jo estabelecinento commer-
cial de Jos iti Krause, ferio-o mortalmente com
diversas facadas, tendo em coasequenjla dos fe-
riraentos fallecido- Pedro Regauri no da inme-
diato ^s i hjras da tarde no Hospital Pedro II.
sessao s 11 horas da maahS. sob a
_. Francisco Djraingues R beiri
oiproco sajo
Teroa-
Pelo agenta Gusmo, s 11 horas, i ra Du-
que de Caxias n. 57, de movis, esperaos, vidros,
ai majao, cofre e Inujas.
niaeasi fumebrea SerSo celebradas :
Amanb :
A's 8 horas, na matriz da Boa-Vista, pela alma
de Pedro Goncalves Pereira Lima.
Terja fera.-
A's 8 horas 03 Conceico dos Militares, pela
alma de Angelino Jos dos Santos .Indrade ; s
7 horas, na igreja da Madre de Deus, por alma
de Boaventur i Gomes da Costa.
Pumagelro Salud >s para o sul no va-
por nacin.:! Guahy :
Dr. Bipiista rilno, Jolio Pires, Rodolp'o Ka-
pa, Dr. Joaqaim Fontes. Dr. Joviniano Telles,
Mano'l Francisco de Oliveira Cavaquinlio, Ma-
noel Gregorio dos Santos e Joo Pedro dos Sal-
tos.
Sahidos para o norte uo vapor americato'
Altanea :
Es ephanio Barroso, Helio loro de Brito, Bar-
roso Rebello, Dr. Joo ae Lavor e sua senhori,
Aolonio Gomes Veras, Dr. C. Curvello, A. J.
Miller, J. M. Rhoder. Mary Phanlin, Gbas M.
Cartg, Arthur H. Swift^Dayse Lake, J Franklu
e Caetana.
Intendencia Municipal do Recife
Rendiraeoto de i a 8
Dia 9.
Mercado de S. Jos
Mala touro
i^emiterio
Diversos impostos

5:879*3 "
23260
181*26*
81*00*
501*71*
6:87590*
eponso (
o Livraojento, o n utoso oco ha poucos
rematuraraente roubado aos cariuhos da
e a affejo dos amigos, que mtitos con
lie.
Em frente capella mor ergua se rico e ele-
gante catafalco, emeimado por urna urna tambem
ricamente adornada.
A grande concurrencia de familias e cavalhei-
ros fallaram all muito alto em favor das quali
dades que em vida exornaram o espirito do fi-
nado Jos do Livrameuto e das sympathias e
affeijdes de. que ura elle objecto, como anda
sua uoje d '.-olada familia.
creativa Commercial -N dia 24 do
corrate da essa 3ocn tral, uo qual nao faltar a magnificencia que a
digna directora sabe imprimir s suas festas.
Somos gratos rin.-za do coiwle.
Banda Musical 13 de tlaio -En com
oiemofajio a essa grande data brazileira, que
a da le da abolijo do captiveiro no Brazil, essa
sociedade musical eaauagense far urna ex
curso em passeio cvico visinba cidade de
olinda, o ide s ussociar aos festejos que na
mesma ridade se exe^utaro depois d'aman.
Es|ra--e que a digna gerencia da empreza
dos idilios urbanos de Olmda proporcione pas-
sagera gratuita ra swa banda.
I.aalenitt M*glcn -Disinbuio-se 0 n. 290,
edijo de bootem.
Est interessante.
Club Commercial EnterpeHoje abre
esse club os seas salees a um rerelo de dupla
diverso.
Segundo seus honrosos precedentes, nao fal-
lar a essa funeco animajo,
Em sessao ordinaria do mesmo club foram
designados directores de mez os Srs. Mano 1 J.
Sanios Porto, Agredo O. Machado Porto, Antonio
Cmara Braga, Jos Joaquim de Aodrade, Joo
branles Gouveia, Augusto Jos Caroeiro, Anto-
nio Monteiro Martms, Benicio J. Silva Oliveira.
Antonio Alfredo Pacheco, Alfredo Domingos Mo-
reira, Mauoel Pires Leite e Antonio Augusto
i alco.
Vaceina publicaHontem foram vacci-
uadas na inspectora de bygiene 105 pesse-a-, tra-
bainando n'esse serv jo os Drs. inspector de hy
giene, Lopes Pessoa e Paula Soares.
Promoco -Telegrarama particular rece
bido da capital federal annuncia que foi promo-
vido a capito lente, o Io ten. ate da armada
nacional Leopoldo Bandeira de Gouveia que foi
nadante do mnecior do Arsenal de Marraba
denle Estado.
O Binculo -Publicou-se o a. 18, do X
anno -sse beodomadario.
s*reaoNo vapor Arlindo, che gado do sol
hontem larde, vtio o Sr Jos Elisio dos Res,
que, como capoelra fra preso na capital fe de
ral e mandado para Fernando de Norouha.
Acompanbarara-u'o o teoente Manoel Pereira
de Soasa e quatro prajas do regiment policial
daquella capital.
Logo que fundeou o vapor dirigiram se para
seu bordo oito prajas da guarda cvica que fo-
ram buscar o preso, e este desembar ;ou por
ellas escoltado, segurado para a Cisa de Deten
jo por raeio de urna grande escolta sob a di-
reejao do comnaodante geral la mesma guarda
cvica
Club Eigrima Ni terja-feira prxima
13 versarlo da urea le da abolijo no Brasil.
Com este lira naqaelle dia ha urna corrida ao
Prado Pernambucano, promovida pelo referido
Club.
E' urna fon jio variadissima, e a este titulo
convida codeurrencia, que ser compensada
pela variedade uo divertimento realmente novo,
que na mesma corrida ter atli o publico.
Servtco militarHoje supenur do dia
o cidado major Serra Martms, e faz a r.rada
de visita o cidado alteres Bezerra.
O 14 b :t illiao dar a guarnijo da cidade.
Amanh superior do da o cidado capi-
to Camino, e far a ronda de visita o cidado
aderes Serpa Pinto
O i' butalhao dar a guarnijio da cidade.
viuru da Bepubl'ca -Sob este titulo
publicou o Jornal do Commerao a seguate no-
ticia .;:
Comraunicam-nos.0 seguinte:
A commisso incumbmade orgaoisar o pa
no geral de viajao da Repblica, solicitou do
mraistetQ da agricultura expedjao de ordens
para que Ihe sejara foroecidos pelos governos
dos estados documentos e informajoes com re-
lajo aos portos de mar, vas frreas, hydro-
graphia, orographia e minerajo na parte que
a cada um diz respeito; devendo taes informa-
joes ser acorap-nhadas de dado3 estatisticos con-
cerneles popuiaco, produejo, imcortajo
eexportujo para os demais estados ou dire-
te para o eslrangeirj.
esclareciraentos sao reclamados eom
or indispensaveis ao conhecimento
.ladeipiH UI"J.IIH1 sg
i na rcesma escala do original que de
i' no equador. *
_&a copia sero feitas as correcjoes deter
minadas por trabalhos posteriores orgauisaj&o
da mencionada carta, bora como em vista dos
dados que a propria commisso poder eolher de
seus esludo< e pesquisas; e. assim corrgida,
sor nella figurado o piano geral. alera das li-
nhas actuaes em trafego ou em construejo ou
em vias de execujo por concessoes j feitas,
quer pelo governo geral, quer pelos dos esta-
dos, devendraguatmenie all tigararem os limites
dos estados com a possivel approximjao e coa-
venientemente issignaladas as zonas litigiosas.
A commisso recebe com reconhecimento
qoaesqner informajoes de origem part ailar que
possam interensar ao trabalho que loe foi com-
metudo, as quaes devero ser dirigidas ao seu
escri,dorio, praja da Repblica n. 28.
Tbentro Santa laabel"ara comme-
'norar o 2a anuiversario da le n. 3,333, que ex-
tingui a scravido no Brasil, ha ver espect-
culo de gala*no tbeatm Santa Isabel, assistindo
o cidado governador dj Estaoo, na prxima
terj?-felra 13 do correte mez.
Abrir atesta urna marcha tritnphal, se-
gurado se Ibe hymno nacional, e depois o dra-
ma A F O tneatro estira decorado, e ser brilhante-
mp.nte illa uado.
Tocaio duas bandas de msica
servioo postalTea Jo em vista a conve-
niencia do aervico pubiieo e os interesses dos
habitantes da cidade de Bom Jardim, resolveu o
da comarca,
sentenja compoz-se dos jorados se
guintes:
H-lioioro Candido Ferreira Rabello.
Vicente Gonjalves da Silvaosta.
Manoel Vicente da Silva Ros.
Joo Pereira do R-'go.
Antonio Luiz Teixeira Elias.
Arthur Augusto de Almeida.
Miguel Archaojo Mindelio.
Pedro Antunes Ferreir^.
Jos Ignacio Pereira do Lago
Dr. Francisco Canuto Eraerenciano.
Dr. Manoel Sebastio Arclianjo Pedrosa.
Dr. Amonio Francisco Pereira de Carvaiho.
Deferido ao jury de sentmja o juramento le
gal, e interrogado o reo, disse que era natural
deste Estado, de 32 annos de idade, soltero.
commerciante morador ra larga do Rosario
d'esta cidade, e que sabia lere escrever;
Que sabia o motivo porque era aecusado, co-
imecia bem as testemunlas Drs Jo- Mara de
Albuquerque Mello. Luiz Demetrio DiasSiraes
e capiKo Antonio Pedro Dionysio, e de vista al
gumas outras testemun las ;
Que acnava-se em ca do Manuel los R irnos,
ra da Moda, quaivlb deu sa o orime;
Que na nolte de 9 de Feverelro esteve com
L lurentina Maria da Conceijo no Hotel Globo
onde tomaram ama refeijo, depois do que se-
pararan se, seguindo Laurentraa em direcjo
roa do Livramento, e elle interrogado em direc-
jo a sua casa, onde alias nao nao eotrou e foi
para a casa de Manoel Jos Ramos, de onde ao
amanhecer, seguio para a Varzea, com o um de
as8istir a urna festa que all havia ;
Que nao coahecia a Pedro Regaard e nunca
o vio ;-
Quer finalmente, as testemunhas Drs. Jo* Ma-
ra, Demetrio Smoes e capilo Dionysio eram
seus adversarios e inimigos; e que atlribuia a
aecusajo perseguijo das referidas teslemu
nhas.
Concluido o interrogatorio, o escrlvo do Tri-
bunal capito Florencio Rodrigues de Miranda
Franco proceden a leitura do processo de forma-
jo de culpa.
Em seguida foram iniciados os debates e dada
a palavraao Dr Luiz Drammond. que fazendo do .
histrico do facto delictuosa,-analysando os de
poimentos das testemunhas e expondo ao jury
todas as provas e circuraauncias constantes o
processo, que sustentavam a sutoria, pedio a
condemnajao do aecusado as penas do grao
mximo do arL 193 do cdigo criminal, visto ter
elle por um motivo frivolo praticado o crime
noite, com sorpreza e superioridade em armas,
d maneira que o offendido nao poda defender-
se com probabilidade de repellir a jffensa.
Foram ouvidas as testemun.ias da aecusaco
Dr. Jos Maria de Albuquerque Meilo e capito
Antonio Pedro Dionisio.
^Successivamente foi dada a palavra ao Dr
promotor publico, que sustentou todos os argu
meotos do aecusador parti-ml r, bem como as
aggravantes articuladas no libello, econcluio pe-
drado tambem a condemnajao do acensado.
O Dr. Adelino Antonio de Luua Freir, patro-
no do reo, negoo a autora do crira \ e arguraen
tando por hypolbese, procurou demonstrar qoe
sendo aceita a autora, devia o jury reconhecer
em favor do seu consumite a justiticativa da le
git ma.defeza, estabelecida no artigo 14 g 2" do
cdigo criminal.
Os debates foram longos e animados, bavendo
replica e (replica.
Terminados os meamos debates s 8 horas da
noite, o Dr. jmz de direito consulten ao jury de
sentenja se eslava esclarecido para julgar a cau
sa e tendo res posta afnrmativa, resumi os ar-
gumentos da aecusajo e defeza e propoz os
quesitos.
Recolheu-se o conselho sala das conferen-
cias, voltando sala pnblica urna bora depois,
cora snas respostas escripias, que foram lidas
pelo p-esidente do mesmo conselho.
O jury reeonheceu por 11 votos a autora do
delicto com as aggravantes do artigo 16 1.
4o e 6 e 15" do cdigo criminal articuladas no li
bello, e a nao existencia de atenuantes, e negou
a justificativa da legitima defeza, articulada pe:
defensor do reo, pelo que foi o mesmo conde m-
nado pena ?. gales perpetuas como incurso
no grao mximo do artigo 193 do dito cdigo,
appellando o Dr. juiz de direito ox-officto pira o
superior Tribunal da Relajao.
Tcimioon o julgamento s 9 horas da noite.
Achaodo se esgotados os 15 dia3 da leijfoi en
cerrada a sessao.
aireciuriH das obras de eonserv-
co los portos de PernambucoReci-
fe, 9 de Maio de 1890
Boletun meteorolgico
12
1
1
467
as respectivas enfermarlas
4796 4798
45*000
30*000
30*000
em 39 est
Horas
sf?3
gil
a
barmetro a
0
Tenso
do vapor
6
759-94
761-12
76068
759-25
759-J4I
20,77
1965'
2113
10,18
2016
89
83
82
75
78
-1,-9.
Temperatura mxima27,*25.
Dita mnima 3,75.
Evaporajo em 24 horas: sombra
Otara-It."*.
Direcjo do vento : SE com varias nter
rupjoes de ESE e E de meia noite s 6 horas e
35 minutos ; S at 7 horas e 15 minutos ; SSW
at 7 horas e 40 minutos ; SE e ESE alternados
at meia noite.
Velocidade media do vento3 "32 por se
gando.
Nebulosidade media0,"77.
Boletira do porto
3 jC
il
a,
P.
B.
P.
B.
Dias
M.
M.
M
M
9 de Maio
10 de Maio
Horas
damanh
da tarde
7-31
2-03
7 55 .
2-37 da nitnba
Altar*
J-.26
0-57
2-,08
0-.82
L.eii*es EfTcctuar-se-ho os segrales :
Amaina:
Pelo agente Silveira, s 11 horas, ra h
trcito do Rosario o. 8, de urna casa terrea.
Pelo agente Pestaa, s li* horas., travs,-
sa do Corpo Santo n. 27, de um terreno ra
Imperial.
SPORT
Prado Peraamlmoano
E' hoje a corrida desse Prado, na qual dispu-
ta se o Grande Progresso, qoe no 5 pareo faz
parte do programma dessa festa hippica.
Programma esplendido e inscripgSo magnii-
ca anguram concurrencia e animajo fra de
comrouni ; e pela constitu'Co dos pareos, onde
avnltam competidores de forjas quasi oa mes-
mo guaes, de prever qoe se levantem lucias
e emoje3 que resu'Um de ama real compjtea-
cia', e por conseguate possam abrir margem i
esperanja de boaspoules..
Mais tarde veremos se reahsa se essa magna
asjirajo, assim como tetemos de presenciar
un festa bonlte e attrahente por qinerentei
motivos.
#
' Diz a Semana Sportiva, que na corrida ie ds-
mingo 27 de Abril ultimo, foi inaugurado no Der-

Uospttal Pedro U -O movuneun.. den
abeiecuuento de caridade, no di 8 de Mais,
i;i foi o segrate:
Entra ram
Sabiram
Falleceram
Existem
Foram visitadas
utos Drs.:
Moscoso s 8 1-2.
Cysue.ro s 9 1/3.
barros So;riunos 7 1/4.
Berardo s 10 3/4.
iialaqaias s 9 1/4.
Estevao Cavalcante s 7 1/2.
iraes Barbosa s 10 3/4.
Nao compareceram os Drs.:
Pontea!.
Ferreira Velloso.
ciiurgio dentista Numa Pompilios 8 1/4
horas.
O piarniaceutico entrou s 8 112 da DaiiDh e
aiao s 2 da tarde.
O ajuuaute uo parmactntico entrou s 7 1/2
exilioks6 lioras da tarde.
Lotera do Estado de Pernambuco
Eis o re lotera deste Estado, em beneficio do Santa Casa
de Misericordia do Recife, em 10 de Maio d
I89u.
1339 15.000*000 2125 120*000
1038 1:5UO*000 4623 120*000
4797 600*000
Eslo premiados com 90*000 os seguiotes at-
raeros :
1051.3386 4474 6439
Esto premiados cora 60*000 os seguintes n-
meros :
530 1575 1935 4423. 6643 7315 8123
8365 8503 10274 -1TI60 .
Estao premiados com 24*000 os seguintes n-
meros*:
1331 1332 1333- 1334 1335 1336 1337
1338 1340
Esiao premiados com 18*000 os seguintes rn
uleros : ^
'031 1032 1033 1034 103 1036 1037
1039 1040
Esiao premiados com 12*00,) os seguintes n-
meros :
47M 4792 4793 4794 479>
4799 4800
ApproximajQps
1338 60000 1039
3i0 60*0000 47 6
1037 45 000 4798
T dS 03 nuineros termina tos
premiados com 12*000.
T-jdos os nmeros terminados em 38 ests
premiados com 9*000.
Todos os nmeros terminados era 8 e 9 ests
premiados com 6*000, excepto os terminados
em 38 e 39.
O esei-ivao,
A. A. de Caldas Branda.
Lotera ido firo Para -Eis os premios
la 13.* serie da>3L* lotera do Grao-Par, ex-
trabilla em 10 de Maio de 1890:
IU93 9 50:000*000
iotl ll:00*000
422<> 10:000*000
9077 4:000*000
9513 4:000*000
Esto premiados com 2:000*000 os seguintes
nmeros :
. 824 1145 3278 5138 8988 9305
Esto premiados com 1:000*000 os seguintes
numero:
1004 3035 4221 6525 7032 8051
1233 3139 4627 6807 7735 8927
APPROX1MACES
4692 2:000*000
4694 2:000*000
1839 1:200*000
2541 1:200*000
4225 600*000
4z7 600*000
Esto premiados com 600*000 os seguintes
nmeros :
4691 4692 4694 4695 4696 4697
4698 4699 4700
Esto premiados com 400*000 os seguintes
nmeros:
2531 2532 2533 2534 2535 2536
z5j7 2538 2539
Esto premiados cora 200*000 os seguintes
naraeros:
4221 4222 4223 4224 4223 4227
4228 4229 4230
Todos os nmeros terminados-em 93 esto pre-
miados com 200*000, excepto o da sorte grande.
Todos os numero* terminados era 44 esto pre-
miados com 200*00, excepto o da sorte imms-
diata.
Todos os nmeros terminados em 3 este
premiados com 100*000, excepto os terminadas
em 93.
Todos os nmeros terminados em 0 esta
premiados cora 100*000, excepto os terminados
em 40.
A seguinte lotera corre no dia 17 de Maie
com o plano de 60:000*000.
Matadouro Publico da Cabanga
Fora.n ab lidas para o consumo de hoje 43 re-
tes, pertencentes a diversos marchantes.
l.ix rl do Estado de rernaabu*
A 2" serie da lotera deste Estado, i>er es>
trahida impreterivelmente no dia 17 do corrate
(sabbado) 1 hora da Urde, no consistorio da
igreja de Nossa Senhora da Rosario.
rotera d *irm-ParA 13 serie da
31' lotera cujo premio grande de 250:009*.
ser extrahida no dia 17 de Maio, (sabbado).
Lotera do taranbao Esta lotera,
cujo premio
trahida no dia 14 do correte.
-
.-
.5 -
- .
"
-



Diario de Pernambu
ev



I3f
0
by Gluu, do Rii de Janeiro, uno roelnora
aue, na sua simplidade, entretanto cteeleva-
o alcance.
Consta elle de um apparelbo enllocad) no pa
vilhao do juiz Ja chegada, de modo a ser vi-to
por todos o espectadores, a no qual, em gran-
des caracteres, e im mediatamente depois de rea
Usados os pareos, figurara os nmeros dos aai
raaes que aloaocaram as tren pnraeiras colloca
ces ou empataran), segundo a daciso do res-
pectivo juiz.
Deste modo, qaaudo se derem cbegadas duvi
dosas para todos qua nao so amaren eolio :ados
em ponto conveniente, o que succede tfo amiu-
dadas vezes, la sta o marcador automtico para
iaformar immedlatamente o publico da decisao
do juiz. nico competente alias, pela posicaouue
ocupa, para deterimoar precisamente a die
renca de cbegada entre oe- competidores de um
pareo.
A duvida, qne a maior parte das vezes a
origen de reelamacces inuteis e desarraxoadas
por parte lo< joga lores mais exaltados, o- quaes
eutendem que por meio d gr.toiconseguem fa
zer ora que se d a victo: ia ao animal t-m que
comprarain poule, flca assim evitada.
Alera Iisso, resalva a directora da responsa
bilidad ', que os ignorantes ostuinam atribuir
lbe, uas dacu&es sobre cUa#*.da3, que de direito
e de fado cabe sempre aos juizes.
ReconbeciJa a importancia d'esse anpirelbo
automtico, pois, convm que as nossas soeieda
des sportivas tratera de fazer acquisijo do raes
mo para isq uso que julgamoa impreseiniivel,
oto obstante a respeitabilidade dos cidados a
3uem a3 mesmas sociedades commette oencirg)
e juizes le cbegada.

Realizou-se no dia 26 de Marco ultimo era Lin
col, n is Estados Unidos da America do Norte, o
Grande Lincolnshire Hindicap.
A. distancia foi de 1609 metros.
Diaputarara 31 anim..es e sabio vencedor, como
j o dissemos autes. o cavallo inglez Rejecel, |
caUanlio, Milu d King of Trompa e Acconted
carregando o peso de IS3 libras.
O premio, foi de 1,000 soberanos, e a poule, do
valor de urna libra sterlioa, deu o rateio de 18
libras.
Em segundo cbegou Shimmer, cavallo russo,
por Seu Saw e Beatrice G.-ay, carregan lo 90 li-
bras ; e em terceiro, cora u peso de 101 libras.
Lord Georse, inglez, por oulet e Luy Emily
irarto da Tue Witcb, do Atlante e da Tnessalia,
que fazera ora parte do turf fluminense.
No vapor Plato erabarcou em Liverpool com
destino Capital Federal e posje do sportsman
Marrano urna potrn.-a de 2 anoos e notavel ti-
liaco.
_r_:
club Esgrima
Depois d'amanha 13 do correte faz esse Club,
no Prado Pernambucano, urna grande testa com-
meraora iva Jessa urea data, que nos fastos da
bumaoida le asgnala o facto mais momeo
toso do seculo XIX, e nos do Brasil a conquista
incruenta dos lr s de paiz livre.
E' urna festa, pois. qne se impe pelo seu ob-
jectivo patritico convidando assim a assisteo
cia de todos a esse acto comraemorativo que o
referido Club celebra, revestmdo o das formas
mais agradaveis e attrabentes.
a corrida que aquella sociedade proporciona,
variada por constar de catiras diversas, de
animaes e rasa, conslilue por ceno urna no-i
dade int'oduzida pela raesma sociedade neste
Estado, oode foi ella b-m aceita era sua inicia
gao pelo nosso publico que por sso no dia 13
tem um duplo motivo de attraccao ao Prado Per.
nambucano, cujas an hioancadas regorgitaro
de familias e pe^soal distincto, como observa
mos na alludida estra.
O programma da corrida j demol o nesta
seccao, e agora tem n'o os leitores na respectivo
inscripgo na seccao propna deste Diario.
O corpo de juizs ge compora de senhora3 e
ivalbeiros.
PUBLICACES A PEDIDO
i\ovos horizontes
VIH
J disse bastante c quanto razoavelmente po-
da caber as propones destes artigos, no ia
taita, oo t di precooisar ;'. neeessidade e ur-
gencia da reforma mais pa.pianteno actual mo-
mento poltico,a da instrnrc&o popular-como
de despertar no espirito dos que esto no caso e
tO.n o dever de dal a, a lembranca dessa oorga-
gao, e no dos que delh precisara, o desejo de
recebel-a em proveito proprio e do paiz.
E* preciso descer agora a terreno mais prati
co, e, por Isso, passo a oceupar-me de alguns
neios que, em minba opiniao, podem facilitar o
empenbo de ambos,os que devem encinar e os
que precisara aprender.
Nao escrevo, nao me ebegam as forjas para es.-
crever nm (atado; limito me a despertar lem-
braogas e dar conselh ,s, e, pois, abstenbo-me de
principia- peto principio.
Embora as presentes circamslancias a mlnba
principal preoecupaco atti ija instruego do_
povo activo, dos cidados j feitos, que tm de
deliberar, que devem fazel-o, nao deixarei de
aventurar algumas observares relativamente
que se inicia na primeira escbola e que dada
s enancasos futuros cidados. Nao que eu
ligue maior importancia aquella do que a esta ;
a especialidade do momento explica tal pre-
ferencia.
.^Estamos a bracos com ama reconstruejo, ou
ntes com urna transformado e do que nos de-
vemos oceupar principalmente oeste mo nenio
dos obrein)8 que a vo realisar: estes j derem
ser, quanto possivel, exemplos e modelos para
os obreiros futuros.
Si ba urna occasio era que justificavel o con-
trariar a norma geral e preferivel de proceder,
precipianto um tanto o que melbor sera feilo
gradual e metbodicamente, actual.
E' verdade que a natnreza, a grande al.-tra
nao anda aos saltos, e, ao contrario, eosina a
colber bons resultados cora procesaos regalares
gradoaea, metbodicos; embatde o bomem tenia
rt alterar esses procesaos por necessidade e ven
fade sua : so ella raesma, dadas certas circura
stancas, tem um. tal poder : o caso da excep
cao, e ueste ceso estamos nos com relacao a ama
inslrucco que convm ser dada j i e sem perda
de lempo, ama vez que uo veio de longe eaca-
minbada, como seria preferivel.
A nossa inatruccao primaria anda muito de-
ficiente, material e moralmente fallando. Temos
multas ascbolas, seria para desejar que muito
mais tivesaemos, porm, com outra dl/cecao, com
outros methodos, e, principalmente, com melbor
destribuico. Emquaato esse rapo da admiuis-
!rago publica nao se libertar completamente d*
aeco perturbadora e atropbiadora dos partid^.-,
no constituir ama ispirago patritica dos go-
rernos e de todos, nao oolber os resultados de-
gejaveis, porque nao conseguir dar a instrneco
conveniente.
Sao alada mullo rotineiros, senaoos procesaos
admittidoB, ao menos a sua execugo ; e a nter
fereacia malfica dos partidos polticos tira todo
a estimulo ao professor, qne procura mais re-
commendar te pelo numero e valor dos patronos
do qae pelo estudo e ba6ilil.g0us, e, eoo iu
localidades, priva as enancas de boa iontrucco.
de qaalqoer instrnecio s vetes, porque, com of*
fea a nunlfesta da moralidade administrativa e
dU leise regulamentos, al analphabetos tm ci-
o nomeadoe I
A retribaicio aos profeasorea est aittdi longtf
das proporces em que ella pode eonslluir se
um elemenb de independencia e am desafio e
animajao s verdadetraa vocagO^s, sem distrac
gao de :lasses. No da em que o professorado ti-
ver verdadeira independencia, e, por esta e pela
exacta coraprnensao da musi elevada a qne
e destina, alevantar-se al toda a altara a que
tem direito, possuiri em si musina os elementos
de resiatencia'eontra as preteogoes dos que, des
viaadoo do camrabo que lhe tragado, quize
ra n converteNo em instramento de seas planos
e ambicies.
Q jan lo islo se dar, quando forera adoptados
os metbodos mais inielligentes e aperfeigoaios,
qao vizem ao meirao tempo a facilidade de ensi-
nar e aprender, o guato por arabas a-, ous) e a
provcitoia ..ntecipagao de nogOaa qua despertem
a curioaidade e a vontide por estados mais
adiantados que tm de ser feitos mais Urde;
quando at o materiil e casas das eschols dei -
xarem de ser o que de vemo, caruncbo30, sem
gjsto, Si'm arte e sera propneiale slo noje, fal-
lando portanto esse adminiculo de desalio ao es-
tudo j quando, finalmente, a destribuigao das es-
cholas foi determinada pela importancia das lo
calidades e freq'ieocia provavel dos alumnos, e
nao pela n .cesiidade de atteadar s pretengCea
d-. inQaenciaa e circuascripgdes eleitoraes, o en
9ino primario tomar melbor caminbo, ter
deaeovoivimonto e pieencb
mais eficaz 1
A
graade forc, nm"gTaaab
qaem apren fe e de qaem tem i
com quebutros aprendam, mas ha clrcumstan
cas qne aconselbam o jastiQcam ama excepgao
a esta regra. Em um paiz novo como o nosso,
i&o baldo anda de instruego, to sera babi'.os e
tradigSes neste s-ntido, era que um avultadissi
mo numero de paes, por isso qae nenbuma|cul
tara litteraria tiveram, nao comprebeadem lodas
as vaatagens da que convm dar aos filbos, tai-
vez fosse muito proveitosa e nada violenta a
obrigatoriedade do ensino, concorreado o estado
e particularmente as municipalidades com cer
tos auxilios em favor dos mais de*providoa de
meios, auxilios mais tarde tartamente reproduc-
tivos em beneficio de loJos. Tirar motivo da mi-
sera para tornar mais miseravel nm desgraca
do um crime com relaco ao individuo e ama
s 'ra ameaca sociedade, porque atira em seu
seio am espirito accessivel a todos os rros e
desvos. E. Lnbiulaye nao alcanga todos os in-
convenientes e riscos do hornera que nao sabe
ler era escrever, quando o compara simples-
mente ao cgo de naacenga, para abrir os olhos
do qual nao ha meio ; o cgo de nascenea, quan-
do nao pote ser aproveitado pelos iastitutos es
peciacs, dos quaes temos ara exemplar aa
capital federal, e oade dispendiosa a educagao,
nao paasa, era geral, de um ente nulf e como
tal, um peso para a sua familia e para a socie
de ; aqaeile, porem. a quem, no uso perfeito de
todoa os seas sentidos, falta absolutamente a
mstruccSo, mais do que isso, po-que 6 um pe-
rigo possivel, si, para nao sel-o, nao loe deu a
narareza o remedio e a salvaco na brandu'ra
dos ins'.inctos.
Tudo quanto resumidamente ventio de esc/ever,
refere sea instituigao primaria desle osea pnn
apio, c tal qual deve ser iniciada, eocamiobada
e realisada a ra.i Ha quc-io actual, porem, a
rastruegao especial a matrtegao de occasio, de
que carecem os colaboradores da nova ordem
de cousas.
Ou se prescinde do povo, e, em tai caso, a re-
pblica est perdida, porque falta-lbe ora ele-
mento principal ; ou nao se pode prescindir de
sua collaborago, e, enta, preciso instruil-o
e-orieatal-o, quanto possivel. Para uraa tal ins-
uuego especiaes devem ser tambera os metho-
dos e os meios ; nao pela caria de a bc que
se deve coraegar com relaco a)s aaalphabetos,
nem com o proseguimeoio da iaatruegao inicia
da, trauado-se das que j sabem ler e eserever.
i quem combata, como pouco elliciz e pre-
judicial ao desenvolviraento de certas facaldades
do alumno, ainstruego dada nos verdes anuos;
e, efectivamente, a razao mais desenvolvida
mais apta para aprender, para instruir se.
Nao portanto, desarrazoada a minha idea de
instruir os borneas feitos, os cidados que sao
ou podem ser activos, e por isso mesmo que o
sao e podem sel o, no sentido de melbor se ha-
bilitaren] para a iraportantiasima intervengao a
que vo ser em breve chamados no traba ho da
reconstruegao do paiz.
O U mpo urge, e alguma cousa se deve fazer
nete sentido.
Os netos ?me pergantario. Na estreiteza do
tempo que resta nao sao muitos os sascepliveis
de serem aproveitados, mais os p jucos que o
sao, muito podem produzir.
A administrago publica em aeco, a impren
sa e a tribuna popular, islo os actos do gover
no, os joroaes e as conferencias sao grandes au-
xiliares para a boa or ientago do povo.
Um governo qae compre a lei. que respeita a
justica, que promove com solicitude o bem e a
felicidade dos governados, qae fecha os olbos e
cerra os ouvidos aos inteiesses inconfessiveis e
desarrasoadas solicitagoes dos partidos polticos,
e, por isso, tem o pleno direito de ser um mo
dlo de brandara, e am grande exemplo de
energa, instrae o povo,
Os joroaes, que propagam as ideas e as di-
catem, qae noticiam o movimeato scieatifico e
poltico do mundo, que d circulagoA verdid
e combate o erro, tudo isto^^a kj(a&_
ronbe muito tempo a qnera^B
trtara, era sobrecarrega as mtell
co Dabitaadaa ao esludo, e que, ar
estes prestimos, tem a facilidade de Insinuar
se por toda a parte, desde o palacio do rico at
ao albergue do pobre, e de ser lido em casa, na
ra, nos vehculos de locomogo e at as offi
cias e as casas de liabalho durante as horas
de deseango, os joroaes, digo, iastruem tambera
e muito.
As conferencias publicas, feitas especialmente
hura o povo, em lingoagem despreteuciosa, cb
e ciara, con o convm aura auditorio que precisa
ser instruido, e em que sejam discutidos os acou-
ecimenlos do dia, os principios fundamentaes
da sociedade, os direitos e deveres de todos, as
excellcncias e utl.-.tu. d^a aifferentes formas de
governo, o papel do povo "m cada urna n'ellas,
a necessidade da nstrucgo, do respeito lei, da
manotencio da ordem e de tantos ou.ios as-ura-
ptos, sao tambem um grande meio de instruir, e
tanto mais eficaz quanto as indiligencias poseo
celias a instrucjj ea:-a ani ficiimentj \<"\-
dUu,|W UO i^UO jico loiium.
-Ha entretanto observares aJaier com retaco
a estes doas alttmos meios, das quaes nlo qaero
prescindir, para evitar objeccOes qae, sem ellas,
naturalmente te levauuriam.
O nosso jornalismo anda caro, e, por isso,
pouco accessivel a todas as posses. A difirenos
de pregos dos nossos jornaes desequilibra a ia
strueco que elles proporcionam.e, muitas vezes,
em lugar de orientarem, dwsorienlam, pois a opi-
niao, que pode o8o ser a melbor, do jornal que
por mais barato mais geralmente lido, faz me
Ibor.caminbo e nais impressiona a opiniao, na
ausencia das refulages insertas nos joro es mais
caros e onseqoentemente de menor circuladlo-
Eu sei que o facto nao provm do mercantilis
mo e ganancia das emprezas senio dos unas ex-
ce..sivos com que o imposto sobrecarrega as ma
terias primas do jornalismo e da imprensa em
geral. Era o caso de se unirem aquellas e ped
rera aos poderes competentes, em uome da nr-
cessidades da occasio, allivio e moiiQcago as
imposigOes que tanto as onerara.
E nilio Girardin, o iniciador da impren sa ba-
rata, e que fui por uso um benemrito para a in
struego popular da Pranga, nao leve de que se
arrepender mesmo na questo de interesse. Sua
peana de mestre ea baratez* de seu jornal rea-
zarara a grande procura e o grande lucro prove-
niente de muitos lucos pequeos; estas leis
econmicas nfto podiam deixar de coroar de
bons resaltados a 3ua louvavel inlcntiva.
Seja, porm, como for, possam ou nao os jor-
naes modificar o seu custo, si eu para tanto ti
vesse titulos, pedir Ihes-bia que, ao menos, man
tivessera a maior actividade c frequencia, e do
modo o mais apropriado possivel, na discus-)
dos assumptos e das theses de mais,
c
A resposta fei instantnea e negativa,
porqu foi a espreesSo da verdade.
Pois bem, esta resposta est, devidamen
IjJ*?** _6i Be^a^J*rc"v*8 ** *'__*^oivilidade o*nai* lastinetivos Finalmente, procedendo sob clrseiita-
tfBaforBndo em vemna o'cas to aggravantes, tornou se o-maifesv
adminUtraQjo geral, onde pode ser ex,mi
nada por qaem quizer.
Este a razao, Sr. ^scrivinhador, d',4
Provincia, porque o Sr. Affonso co Reg
Barros nSo me destituio o cargo que
exer^o, e nSo por servijoj eleitoraes que
lhe prestasse, pois nem ao menos en era
eleitor naquelle tempo.
Anda falso que eu demore em minha
"reparticao a correspondencia de pessoa al-
guma ; pelo contrario, neste partioular
exhorbito das minhas atti-ibuigSes, sa indo
ei proprio de casa em casa destribuindo
a correspondencia, ao que como sabido
nlo sou obrigado pe'.o regulamento.
Ksta a verdade attestada e testemu
nhada por todos is habitantes deste po
voado.
O pasquineiro d'A Provincia deixe o
cbiquerador e venha pela imprensa e com
a autoridade do seu nome, provar o con-
trario dos meus assertos.
Voltarei se for preciso.
Palmeira de Garanhuns, 6 de Maio de
08*rio Paet de Barros.
gia te*a fraque* de f*r, chegrou mes Pernambuce, osteniivas leceps^isi, prom#-
m> a abusar de sua attitude momentnea, vendo urna guerra de externinio- aos i*.
ultrapasaando todos os prceitos de ova publicanos- ? !
emprego dos agentes de
iadkjueie o*tros de igual iateress
rerencia s rpcriminagea pesaoaes e ao ajuste de
contas das velhas querelas qu- s devem <
lembradas para serem de iodo esqueeidas.'
E* por taea meios que se po le auxilia^^ode
rosa e proveitosamento a iastruegao popular, que
actualmente urna imperiosa necessidade; 6 as
sim que se ho de fundar 03 elementos de urna
verdadeira opiniao publica, esclarecida e m ira
usada.
J tempo de evitar que o critico ou o bisto
riador, nos julgando, possa dizer, como Joo
Francisco Lisboa, o notavel brazileiro que tanto
hon.-ou as lettns do Uaranho, Tallando da opi-
niao publi-a do seu tempo : Tenho observado
que em regra geral, entre nos, nSo a mu
danga da opiniao publ ca quem determina a
mudanga da poltica antes esta quem deter
rama a mudanga apparente da sombra de opi
n o que na realidad? ou nao existe, ou mu
to fraca para que entre em liona de conta no
exercicio das faculdades e velleidades, que
do em resultado as mutacOes de scenas.
coherencia de
correJacJo.
Tornoa-se, pois, nm fiel reproductor das
scenas caractersticas da opposico syste-
matica e virulenta jne uo dia 22 de Ju-
Iho eatendeu desenvolver contra os repu-
blicanos, quando, no pateo da matriz de
3anto Antonio, fina flor de uta gente
dirigi a palavra. intimando-ihe que nao
p-rmittisse a effeotuaejio da caferencia
annunciada.
Nao fallamos oom o ouvimos dizer : re-
signado ao sacrificio do martyrio aos repu-
blicanos que nos estava aguardando, tive-
mos, em abono da verdade incontestavel
dos factos, a felicidade do sermos testemn-
nha oceular e auricular do que referimos.
Pois bem. Coherente com suas kabili
dade polticas, o Sr. Jos Marianno bra-
dou, com os ares allucinantes de um des-
peitado, que o llustre Di-. Silva Jardim
era um emiuario e caixeiro itinerante do
faxendeiro8 do mi.
E' notavel para attenuante condicSo res-
pectiva que taes palavras b pela primei-
ra vez forana pronunciadas pelo autor da
onferencia de 14 de Abril. '
ando-se victima de accusac5ee in-
revoltantes, s o che-
------------- sja.do Estado de Pernam
fi. mTI ^Vr- '' TCal, grosseira e aviltantemente
ir-se publica, porque
e vulgares,
eu diseurso ; pois foram esses os meios' tante dign" do nome pernambucano qns,
de .qae eempre tem usado, com a entrevia-' n'aquelle momento mais. de qu* aounes^
. embora em detrimento da' exigia a coherencia do passado ? !
Illm. Sr. Dr. Maaoel
5o, de certo.
Entretanto, somante h>je auto la da
todos esses factos de lesopatri .t. ao 4
attribuida a um telegramms .do Yucoada.
de Ouro Preto J
Recif.; 8 de Maio de 1800. -
Licinio de Mttcdo.
Nossa Senhora h Monte
Becslta geral
Como tivesse sido publicado o resiftflJo da
receila de ebuloa para o concert c ou-lhora-
meato da capella-mr da milagrosa ua^ <\ qae,
com justa razo os fiis appeliidaram- Sen ha-
r do Monte, pela posigo da col lin i era que sa
acha edifleado aqaeile venerando templ>: resdU
vi dar a publicidade de toda a receitu' anura s
artigo, alean da necessidade que ha eoj J ;cri-
mlnar urna quantia de 200/000 que pab'iquei
como receita no artigo de 9 de Maio do anna
que presentemente corre, sendo a poblrcago as-
sim :
Urna bemfeitora 209A; deven Jo sab-r -e, qae
os94000 foi ama libra esterlina que illa sus-
vencionou pela vez primeira, cont nu>n!o a sub-
vencionar at quasi o fim das obras, coi C0#
raensaes.
No-artigo de 29 de Junhoeu, publ irn lo o re-
sultado de"Margo a Maio, desenmimi, c verda-
de, os 2004'>00, explicando rado miou .osamea-i
I
Recife, 10 de Maio de 1890.
JuvBNcro d'Acoiar.

A.0 cidadoo Ministro
da igricultura
Com a epigraphe cima inserio o jornal
A Provincia de 2'2 de Abr! pr ximo pas
sado um artigete anonymo contra o digno
e honrado administrador dos "orreios deste
Estado, por conservar alguns dos aotuaes
agentes, desp ito da graves faltas all
enunciados, como premio dos servicos
eleitoraes prestados pelos ditos agentes na
ultima eleicXo geral do 11 districto.
Quiz, mas nlo coaseguio, o rafeiro es-
crevinhador oceultar as suas unhas do
tigre na c-.pa do anonymo. porque bastou
elle referirse eleiyio do 11. districto,
para logo se saber que outro nSo elle
se nao um dos hroes d'aquella celebre
campanha, fiada a qual entrn elle trium-
phante nossa capital, de chiquerador em
punhc, tangendo um cavallo em direccSo
ao armaaem da... Lanterna Mgica.
Deizando a margom tudo quauto elle
araes relativo aos agentes de Aguas-
Bellas e Garanhuns, vou refutar a parte
que me diz respeito, patenteando ao pu-
blico a razSo pela qna' anda sou conser-
vado no humilde cargo que exerco.
Se, de facto, como diz o articulista,
fui nomeado agente deste povoado no do-
minio liberal, era este motivo mais que
suffijiente para eu ser hoje demittido,
se o diguo administrador pautaese os seus
actos peta cmveira lo anonymo d'A
Provincia ; mas, o honrado administrador
nSo costnma proceder partidariamente na
repartiere a sen cargo.
Nao me demetti aps a accusacSo que
me foi feita, porque chegou a evidencia
de que o todo da denuncia era nm mon
tao de falsidades, como passo a dem ns
trar.
E' certo que o subdelegado deste dis-
tricto nao tem relacSes amistosas com
minha familia, mas 6 falso, inteiramentc
falso que ea, por este ou por outro qual
quer motivo, me negasse a receber sua
correspondencia, j porque um tal proce
dimentonXo se harmonisa com os prece
dentes de minha vida publica e particular,
e j porque a inimisade existente entre
minha familia e aquello subdelegado nao
passa de urna friesa de relacSes, alem do
que, nao ignoro o regulamento que rege
a minha repartic&o, cuja doutrina se oppSe
formal e terminantemente a semel
procedimento.
O caso este : ^-
O subdelegado em questo
BP9> absoluta, razo pela qoal
r n citada q
^Pb>pBBBs^tWsWB
para cons-guir seus malvolos
so pela publica-
illa 'que se saientam as almas sen-
lve3.'
Neste caso estou eu para com o modesto
e hbil clmo Dr. Mano^l Palcao, a quem
abaixo de Deus devo a vida.
Soffrendo de molestia chronica e pro.
tongada ouvi a diversos mediros e ne-
nhum deles poude achir recurso para al-
liviar os meas padecimentos, chegando a
estado to deploravel, qua j contava a
vida por momentos.
(feralmente inchado ao ponto de estar
disforme, tendo ancias de morte, man lei
chamar o Dr. Manoel Falco, mais para
tentar um ultimo recurso, do que pela
espera 9a de ser salvo.
Accudio pressuroso ao meu chamado, e
feitas as applicacSes dos remedios que
julg u conveniente, em muito pouco tem
po sent melhoras to ensiveis, que read-
quiri a esperonca perdida.
('ontinuou o tratamento, e boje j me
acho rebtabelecido e frente de mea ne-
gocio. /
O Dr. Manoel Falco nao fez urna cura,
collocou se de parmeio en re a morte e o
tmulo, e arranon de ambos um ca-
dver.
A elle, pois, devo tudo porque dev>-
Ihe a vida; e fazeedo esta pequea pu-
b11 cay5o com risco de ofiender sua reco
nhecida modestia, pego-lhe desculpa, dei-
x ndo que ella corra por conta das ex
panales de urna alrai agradecida, que nao
tem recurso para lhe pagar o favor rbce-
bido, porque o salvamento de ama vida
nao se paga com dinheiro.
agendi, sob
E', que, estes quidant
Palmares, 3 de Maio d 1890.
Lturenco Dia da Bocha.
*S> D
f
C ir doria de Mil fallida
ndo o Dr. Vianna qualiHcado os Fnoda
mentos da reprentacao dirigida pela Associa-*
gao Comraercial ao Exra. 3r. governador de ba-
nalidades era direito, abaixo publica-se a inte-
gra da alludida repreientago, afim de ser jul
gada pilos entendidos.
A directora.
GidadSo Dr. covemador do Estado fle-ernam-
t)Ui:o. a Associino Commercial Beneticente de
i'ernambdco vem reclamar contra a creagflo e
iramediato provimento do lugar privativo d cu
rador fiscal das massas fallidas neste Estado e
esia sua reclamacSo determinada pela obriga-
cao que, em face dos seus estatutos tem de de
tender os direitos e interesses da classe commer-
cial, que representa.
Como sabis, nenbuma lei creou o lagar pri
vativo de carador fiscal das massas fallidas, e,
entretanto, vosso antecessor juleou se com com
petencia para fazel o, ai instar do que fez o go
ver no provisorio no decreto n. 139 de 10 de Ja
neiro deste anno, que creou idsntico lagar, na
Capital Federal.
Explica-se o citado Dec. n. 139, desde qae o
governo provisorio pode alterar a legislago ge-
ral ; mas o acto do vosso antecessor manifes-
(amente, llegal; porque os governadores dos
Salados tem suas attriboic&es limitadas pelo
Dec. de 20 de Dezembro de 1889, no qual-no se
encontra disposico aiguma que os autorisc ou
Ibes d competencia para alterar a legislaco ge-
ral, como o Cod. Gommercial, art. 809/e o,
Dk n 1,597 de 1 de Maio de 1855, art. 70, por
forca dos quaes os caradores liscaes das massas
fallidas sao nomeados pelos juizes d'entre os
credores.
Alm da illegalidade do acto contra o qual re-
clama a supplicante, nao se divisa motivo ou
convenienciajde ordem superior, que provocasse
a creagio e provimento immediato do lugar pri
vativo de curador fiscal das massas fallidas ; ao
contrario, elle importa nao s o esbulho de ura
direito outorgadu ao commerciante, mas at vem
prejudical-o em seus interesses, pois, com cer
teza ficariam melbor salvaguardados, se os cura
dores liscaes continua.sem a ser de nonieacao
dos juizes, na forma da citada legislago com
ercal.
Confiada a supplicante na vossa illustragao,
ioridade de animo e espirito de justiga, es-
qae daris <> devido aprego presente re-
, para declara rdes sera effeito o alludi-
do vosso antecessor. ^ v
rimento. E. R. M.
grosseira e avutantemente a um
cidadSo, cujas virtudes cvicas, moraes e
intellectuaes sao dignas de ser imitadla,
mesmo pelos que se tm em conta da irre-
hensibilidade de sua norma
qualquer ponto de visa.
Se fosse possivel aquilatar os sentimen
tos cvicos o moraea do Sr. Jos Marian
no, t omparados com os do Ilustre cdadao
a quem procurou ferir de emboscada, de
peudendo a decisSo da equidade das cen-
chas de urna balanca, tendo como thermo-
metro a rigorosa equidisposico de seu
fiel, nao exitariamos antecipadamente em
iiffirmar que o Dr. Silva Jardim seria o.
victorioso, apresentando maior peso ; tan-
to o grao de confianja inconcussa que 00
seus actos inapiram aos que o conbeoem
ao menoa de vista.
Ao envez de tudo isso, analvsemos a
falta de fundamento de semelhaDte meio
de ferir a dignidade alheia e despertar o
antagonismo entre os povos dos Estados
do Norte e os do Sul, como se os brasi-
eiros, apezar da insignificante agentes
modificadores, nao constituissem urna s
familia !
Como inimigo do regimsn republicano,
o Sr. Jos Marianno teve inaudita infe-
lcidadede tentar ferir o maior propagan-
dista da democracia, cora as mesmas ar
mas de vingancas, odios, desespero e fer-
renho de&peito, de que sempre usaram 01
inimigos da abolilo, quando s pelis
plantas dos ps, se fazendo crguer de sua
baixeza de sentimentos, proenravam ultra-
jar o Dr. Joaquina Nabuco.
Apezar de se tornar : bolcionista, quan-
do-a-oauaa dea- asaravos havia-assumido a
te; pelo que. eis o resoltado de Maro
a Marco ile 1890," bseguiteT
Marco .99100
Abril -1790
Maio
!88'
'-. 1
Juntio
Julho
Agosto
Setembro
Outabro
Novembro
Dezembro
2
o
1934800
WW
20o4230
2445690
1204140
1834080 '
2304870:
1344720

1:7704900-
1:0964470 i
1:0694000
Dm*
importancia de ama idea gaa, o Sr.
Jos'Marianno se julgaria 'feriio em sua
'digid'ade ultrajada, se um dos Tazendei-
ros do sul > levaste tao alto a seu escra
vismo a ponto de atiral o irriso publi-
ca, com a injuria do infamante epitheto
de instrumento dos salteadores do norte,
como em relacao deviam expressar-se.
Entretanto,- assim nuuca saccedeu: no
momento em que se julgava offendido in-
j ustaante na posse e goso de urna cadei
ra assembia goral qoandu concurreqt
com o Dr. Theodoro Machado em Janei-
ro de 1886, foi do proprio seiodesses mes-
moa f fazendeiros > que se ergueu um
brado de indignuco, fazendo o ir. Jos
Marianno ganhar mais com a sua depura-
co, do que se como deputado oontinuasse
a exercer as respectivas funcgSea !
Essa grandez 1 de sentimento irrompeu
do peito da altiva e heroica provincia de
Minas que, expediodo lhe um diploma,
julgou nao circumlimitar o cumprimento
de seu dever a essa ou aquella personal i-
dade ou diviso territorial.
Por ama dessas coincidencias esmaga-
doras, o amip e sectario do Conde d'Eu
pagou, na linguagem vulgar, a fineza com
a ingratidao, hostiliaando um Ilustre mi-
neiro, o maior paladino das liberdades pu-
blicas de seu tempo, principalmente quan-
do em espiritos bem formados nao devem
prevalecer os accidentes geographicos, vis-
to serem todosfilhos do Brasil.
De mais: fallando sob a rigorosa a con-
seqoente responsabilidade de seu protno
nome individual, em todos es effeitos, nSo
teria, de fact), usado da linguagem a mais
ferina ; pois, que absolutamente lhe seria
!
Somma
De Janeiro a Margo
Pela commtsso
Total
A qnarjiia cima se pode vtrrftar ifo-*
rws de 1889:
2 de Abril.
fn'e M,ai0;
29 de Junbo.
31 de Julho.
31 de Agosto.
3 de Outabro.
24 do mesmo.
19 de Abril de 1890.
22 do mesmo.
1, 4 e 8 d Maio deste cjrrnte.
Deve notar-se, que na receita de Janeiro a
Margo, ha um eogauo de 64000 para ;....;*, de
am devoto; verifica se perfeitameote pelo re-
sultado de 1:0954470, como foi no artigo para
publicar se ; nao quero que ninguem me pegue
na menor contradiego.
K n vi?ta do expusto liel, ver o respeitavel
publico o quanto se arrecadou para as obraa e a
quanto se despendeu :om as mearais; licanda
cen de quea iespeza exceden a receita I
Urna ligeira considera$ao : com qucfimblaa-
te ficaro os inimigos da grande obra, os detra-
ctores e calumniadores I t f...
Houve quem jurasse em como o D. abbade da
Mosteiro de Olinda dea me dinhelto pop duas
vezes para as obrab ; permuta mera Sr). ab-
bade e os sena adeptos, a seguidle pegunta :
Porque, desde o Diario de 2 de AbnJ a Marga
deste correte anno. nao se reclamen pela quan-
tia dada e nao publicada ? I'? %
Sim, respondo : wrque, para um doenmen-
to (dizem) o nullo e vil, s uas treas se po-
derla conseguir, ese conseguir de pes'spas ca-
pazes de tudo e at de mais, se ma 5 =e exi-
giseel II... >- --
Ni concluso teremos occasio de ver de
quanto capaz a fraqueza humana ; nao tocarei
nos nomes dos adversos da Senbora do Monte,
at aonde quis chegar a malicia d'aquelTVs que
nao tendo o temer de Deus, chegariam por sua
fraqaeza, a altura to desmedida, que o mes-
mo Deus e sua Vir.em Maios hvrariam de, de l
se precipitaren! I
Quant03 christos, com suas propriaa. mos e
proceder cavara sua propria ruina 11....... ab I,
que nao seja a eterna, pecamos Seuhora do
Monte. _____1
Qnal ^er o justo dnte do Deus ae toda a
santidades
Olinda,8 deMaio de890.'
Clrigo Jucmal.
j
I

A

I'
UJ;
reentregar ao ex agente Bel
cargo que exerco ; mas, na ausenc
factos que podeseem motivar a minha de-
missio, soccorreram-sa da crendice e sim-
plioidade do subdelegado, induaindo-o a
denunciar ao Dr. chefe de polica um
facto inteiramente imaginario, denuncia
que elle assignou sem conhecer o papel
q -e o fizeram representar, garantindo lhe,
talvez, que a tal denuncia produsiria o
miraculoso effeito sem que me viesse s
mos
Suoceden, porem, o contrario.
O digno administrador, seguindo as boas
pratica* ofilciaes, remetten-me a alludida
denuncia, para que eu reapondesse sobre
o contando delta.
Fcil, muito fcil, me foi esta resposta,
P'irjue o (acto artfcolado era inteiramente
^uim, -.. ~. at pela pro-
prio denunciante ; e to certo estava eu
disso, qua imm diatamente Iba requer
para que me respondesse se da agencia a
mea caigo Iba tinha sido devolvida alguma
correspondencia.
Sr. dTos Marianno c a sin
conferencia
(VTVEB AS'CLARAS)
xv -
Prasentindo que as suas palavras nao
produziriam chos de persuasSo e convic-
j5o na animo do auditorio, o Sr. Jos Ma-
riano reoorreu ao emprego de offenstts pea
soaes, injuriando a cidados cuja regra de
proceder assigoala um exemplo edificante
que muito lhe aproveitaria, se a tivesse
por modelo de sua conducta moral e ci
vil.
Ftido por intencSeB malvolas com o
emprestimo de fins indignos sua pea
soi, o orador teria o incontestavel direito
seu procedimento poltico. Conforme a
gravidade emergente da offensa, justifica palavra ao exemplo ? 1
riamos at a necessidade de u oa satisfa-
ca pessoal ou a pratiea de outra qualquer
medida que de momento lhe occorresse
como soluclo imprescindivel.
Mu nlo i cercado da protaeelo daquel-
les seas < amigos dedicados cuja apolo-
impsssivel provar a p ropos cao qua, so por
um rasgo de audacia archi-revoltante, se-
ria proferida.
Resalta primeira vista o valor positivo
deesas inexactidSes malvolas, consideran-
do que o grande emissario da Repblica
exhibi urna brilbante profisso de f
causa abolicionista, como espirito discipli-
do; e considerando que os seus recur-
i proveniente j de seu patrimonio de
ilia, ja de sna profisso de advogado e
leccionador em diversos estabelecimentos
de iustrucco, attestam as maiores garan-
tas citas de seus meios de subsistencia.
Em concluso. Quando se desenvolva
a questo abolicionista os agitatares, co-
mo Joaquim Nabuco, nao hmitaram so-
mente a aeco da propaganda s suas pro-
vincias: ao contrario, sendo a sua causa a
de toda a naco, cumpriram o seu dever,
como apostlos da idea, indo leval-a ao
proprio seio dos fazendeiros do sul; por-
que, com maioria de razo, j sendo all a
Repnblica um pleito ganbo, um distincto
brazileiro deesa regio nao de va propa-
gal-a na do noria ?!
Se nao era admiravel que das pro-
vincias do sul viesse um propagandista
Alerta, Srs. da directora, toda a vlgancia
com os que querem enriquecer torca do suor
da pobreza.
Esperamos qae a directorio nao se deixara 11-
ludir, mandando continuar as obras como at
aqu tem feilo; nada de contractos em beneficia
(de nm ou dous) sempre acarrea prejuizos para
Ja companbia e para os Srs. accionistas, cautela
com elles. Voltaremos se for preciso.
0 Rtbetrmt a...
x I
4.os magistrados
Devendo ter logar no dia 15 do corren te, em
urna das salas do edificio da Relagao, a reuniao
dos magistridos do districto da mesma Relacao,
cujos convites j foram expedidos, os abaixo as-
sigo* dos repetem por meio deste o mesma con-
vite extensivo tambem aos desembargadores
aposentadas.
Recife, 7 de Maio de 1890.
Os desembargadores :
Alves Rbearo.
Almeida Santos.
1
----------------1
E. F. de Ribeirab a bonito
OOOOC ooooioooeoxoooo**.
i ao cidadao Dr. Heronydes Costa pela |
I sua nomeac&o de eogenheiro resi- *
dente do Prelongamento.
Canhotinho-8-8-90,
I Utn entpregado e amigo. |
I l
Aguas Bellas
le, zelando a propria reputaco, defender se nos dar liccSes de liberdade; > para que
de taes invectivas, se fosse muito outro o o comiciante nao se tornou um digno com-
petidor de Silva Jardim, reunndo, assim,
Declaro que nao deseo a responder s calum-
nias, que contra mim e a forca volante sob mes
commando, tm sido publicadas em alguma
folbas da capital.
Opportunamente remetterei s autoridades su-
periores deste Estado, informaces documenta-
das, de modo a destruir semelhantes aecusa-
coas.
Declaro mais, que continuare no meu posta
de honra, at ulterior deliberacao das referida
autoridades, sem temer ameacas de desordeiros,
vagabundos e bandidos qae se arvoram em in-
fluencias polticas.
Aguas Bellas, 2 de Maio de 1890.
Francisco Cabral da Silviira,
Alferes do exercito.
Si, no anna prximo fiado, em sua ex-
cralo de propaganda mo archica, o Sr.
Gonde d'Eu nlo fera bem recebido as
ento provincias do sul, especialmente na
de S. Paulo; com qua fundamento a Sr. I
Jos Marianno Iba preparou, em nome de'
Notice
British subiecls are inforaed ttaat iba declara-
tion required by the nataralization act, decree*
by the provisional goverument of Brazil on iba
15lk of December 1889, sboold becomplied wiU.
A. Csn,
H. B. MconauL

n



w
*
a


*
*
f
n
o
-.
k
1
'.1
i-
h
*
*
1 -
& ti

1
*
* *



#
ti
i'
i



i-

?

Diario de Pernambuco-l^binmgo
r^->
Viva a marinha orazileira
Por telegrarama particular, sabemos que foi
promovido a capiUo (Mete o 1 teaeate Leo
poldo Baodeira de Gouveia. .
Militar brioso e cavalbeiro dotado de ajtas qoa-
idades, o illitstra capitao tenente por mais de
urna vez exerceu aaui oeste Estado o cargo de
ajodante do-Arsenal de Mario la.
Na novo posto a que Jbi promovido o cidadao
Leopoldo Baodeira de Gouveia vai prestar rel
-vantissioios servicos sua patria. -
Club Republicano da
Comarca de Oiinda
Festa commemoratva da Abolig' o da Es-
cravidao nos dias 12 e 13 do corrente
Convidamos oa habitantes da comarca
de O Inda a tomaf parte nos festejos pu
blicos promovidos por uossa iniciativa na
cidade de O.lnda na tarde dos dias 12 e
13 e madrugada de 13 e pedimos aos
aoesos consocios que, organisando commis
s<3es as ras onde morarem, promovam a
ornamentacSo e illuminacSo a giorno das
mesmas, atim de que mais brilhante seja
a commemoraeSo patritica das gloriosas
datas nacionaes.
Oiinda, 8 de Maio de 1890.
A directi ria,
Ernesto de Aquino Fonseca.
Jos Faustino Eorto. .
Antonio Pereira SimZes.
Alfredo P. Camello Pessoa.
Jos Elias deMbura.
Quantas vezes acontece !
Urna pessoa muito conceituada mora
doora na cidade de Bag (Rio Orando do
Sol,) achou se gravemente doente do peito.
Foi chamado, para a tratar, o Ilustre
Dr. Peona, e mais tarde, o tambem Ilus-
tre Or. Albano.
O doente cada vez ficava peior : a mo
lestia, sombando do rat.ment medico,
segua seu funesto curso.
Urna pessoa da familia, tendo confisca
no Pe toral de Cambar, de seo berta de J.
de Souza Soares, de Pelotas, lembrou ao
medico a sua apphcacSo.
Este, porm, que talvez nao conheces-
e, por experiencia propria, os effeitos de
to suberano rem ?dio, recusou se a recei-
al-o, continuando com outras applicagoes.
Vendo se que o doente nada aproveita-
va, e que a morte era inevitavel, msn
don se, em segredo, comprar um vidro do
dito poitoral e o doente principiou a toj-
tsar o novo remedio e a melhorar, e no
nm de algum tempo achava-se completa-
mente resUbelecido.
Um bagtnse.
Culto Evanglico
Ha culto publico com leitura e explica-
co do Evangelho, todos -os Domingos s
11 horas da manhS e s 7 horas da no i te,
e as1 quintas feitas s 7 horas da noite,
na ra do Imperador n. 71, 1." andar. A
entrada franca.
Convidara se as familias e o publico em
geral a assistirem.
c Examinae as escripturas, pais julgaes
ter nellas a vida eteroa; e ellas mesmas
So as que dao testemuuho de niim >
Evan. de Jlo, cap. 5." ver. 39.)
JLfr EsmoJas
As almas caridosas soccorram. pelo amr de
>eus, a viuva pobre e doente Senhorhha dos
-'autos Coelbo Bastos, ra das C irrogas n. 4.
Essa infeliz vive na maior penuria, e merece
o bolo dictado pelos geacroses sentimentos de
aridade.
COMMERCIO
Club republicano da comar-
ca de Oiinda
Se!* oIese aos saldes da
Inteadeacla,
Nao nos sondo possivel dirigirmo-nos
peasoalmente a cada urna das autoridades
e pesaoas gradas da comarca de Oiinda
as convidamos por este meio a temar par-
te na sessao commemoratiVa, que se reali
sar n< lugar cima indicado; s 7 horas
do da 12 do corrente, peracte S. Exc. o
Sr. governador deste Estado.
Ser franca a entrada a todos os cida
daos qae ee apresentarem decentemente
vestidos, ticando por este meio estendido
o nosao convite ao povo olindense.
Oiinda, 8 de Maio de 1890.
A directora
Ernesto de Aquino Fonseca.
Jos Faustino Porto.
1 Antonio Pereira Simos. |
Alfredo Peregrino Camello Pe
Jos Eas de Moura.
Este remedio, composto soiente de vegetaes
ioleiramente iooffensivo, anda mesmo na mais
mimosa e tenra crianca.
As senhoras, no estada de paridas, oo no pe-
riodo de incommodes naturaes, podem usai o
\ sem receio algom.
Depsitos
Drogara dos Srs. Francisco Manoel da Silva
& C, ra Mrquez de Oliodi n 23.
Pharmacia Martins, roa Duque de Caras
n 88.
Pharmacia Oriental, roa Estreita do Rosario
n. 3
Pharmacia Alfredo Ferreira, ra do Bario da
Victoria n. 14.
Pharmacia Imperalriz, a ra da Impero triz
n. 49. '
l ma cura de asta
Da Sania Victoria (R'o Grande do Sul) remet
teram-nos o segulnte atiestado :
Ba abaixo assignado atiesto, a bem da huma
nidade, que tendo urna tillia que soffrera, ha mais
de qnatro annos, de aslhma e cairas molestias
do peito, foi radicalmente curada pelo maravi-
lloso remedio Peitoral de Cambar, do Sr. J. Al
ares de Sorna Soares, de Pelotas.Delfim Jos
Rodrigues.
(A firma esta reconhecida).
Para qualquer explicaco podem dirigirse ao
autor Manoel Cardoso Jnior, ra Estreita do
Rosario n. 17.
Dos innmeros attestados que temos, damos
em seguida principio a sua publicac&o; e isto
bastar para que sejam conhecidas as virtudes
do Elixir anti febril Cardoso.
Attestados
--
N. 6
Recife, 5 Setcmbro 1889.
Ulm.Sr.
Tenbo a subida honra de partid]
mais um proficuo resultado dejt
medio contra febres.
Achando meforlemeote
febro persistente e um tan)
o seu remedio e paja iogo
ra,' desapparecendo uor
o mal que abatia-m*.
Fazei
lar a V. S-
el re-
que contm a verdade, far o uso que be p-
prouver.
Sem mais assumpto
Son de Vmc. respeitador e muito obrigado,
Franeisco Augusto Xavier Maia.
Recife. 29 de J neiro de 1890.
N. 10
Joo Pedro Maduro da Fonseca, doutor em me-
dicina pela niversidade de Bruxellas e cirur-
giao mor de brigada honorario do corpo de
sade do exercito.
Atiesto que o Sr. Manoel Cardoso Jnior ee
receu lllraa. junta administrativa da Snta Ca-
sa, doze vid:os de um Elixir de sua composicao
denominadoAntifebril, o que em vista de tes-
temunhos de pessoa insuspeita, o referido Eli-
xir An'i-febril de grande utilidade as fe-
bres.
Recife, 59 de Janeiro de 1889.
Or. Joao Pedro Maduro da Fonseca.
(Eslavam reconbecidas as firmar).
Protesto
Jos Abilio Barros, negociante roa l." de
Marco n. 55-sob a firma Barros & C., protes-
ta contra qualquer negocio que por ventura fa-
cam es Srs. Miguel Afionso Ferreira e Joo d'E-
mery, pelos engenbos Ocano e Lageiro, levan-
tados na propriedad'1. Impreosa, da comarca de
Palmares,? visto como alm das cobrancas de
hypothec c rendas que move contra o primeiro,
tem o direilo adquirido por compra feita aos
Srs. MaceJos, da propriedude Imprcnsa, que foi
desmembrada da sefmaria Riacbo.
ife, 8 de Maio de 1890.
Jos Abilio Barros.
Muita
O abaixo assignado, legitimo cessionario dos
bens defxados por Jos Crdeiro do Reg Pon-,
le, fallecido nesta cidade do Recife, deparando
com un anouncio inserto no Diario de 3 do cor-
rente, oflerecendo aquelles predios venda,
previne ao commercio e ao publico deste e dos
mais Estados Unidos do Brazil que nao facam
Iransacco afguma com os bens abaixo declara
dos perteoceotes ao mesmo espolio, pois que os
tribunaes do paiz ainda nao se pronunciaram
definitivamente a respailo, e por sso, estando
disposto a bavel-os do poder ;de qnem os liver
por qualquer modo, faz a presente declarado
para qae mais larde nao se allegue ignorancia
ou boa f por qnem quer que seja.
Os bens sao os seguintes :
1 casa terrea ra Imperial n. 48.
t dita i roa do Nogoeir n. 33.
1 sobrado no pateo de Sao Pedro n. 3.
1 dito na Iravessa do Carmo n. 12.
7 armazens, travessa da ra de Pedro Alionso
antiga roa da Praia ns. J a 14.
Armaiem. caes do Ramcs, n. S4.
Sobrado, roa Pedro Alfonso, n. 57.
Armaseis, dem, idem, n. 61.
ideas, idem, idem, n. 63.
Uem, caes do Raaos n. 42.
dem, idea, idem, n. 44.
44 aooliees geraes de ns.:
300 022 a 300.029,208. 914 a 208.91o. 248 663 a
16.589 a 162.593, 162 594 a 162 598, 84.346
a 84 355.
24 apolices provinciaes de ns.:
1883 a 1888,1179 a 1188, 1269 a 1278.
17 aeroes do Banco do Brazil de ns.:
152 639 a 152.653.
Em tempo o abaixo assignado declara liaver
do mesmo modo todos os reodimentos e o mais
que al esta dala tem sido recebido pelos procu-
radores de Antonio Jos Machado de Portugal
Mcnoel Roberto da Costa ou Costa & Meleiros
da roa do Amorm n. 39, nesta cidade onde sao
situados loaos os bens.
Recife, 5 de Abril de 1890.
Jos Soares d'Amaral.
A'S YIGT1MAS DAS FEBRES
O Elixir mi febril Cardoso, appro-
vado en 21 de Marco deste anno p la Inspectora
GerJ de Uygiene do Rio de Janeiro, vera hoje
aprrseotarte a bumanidade soffredora do moa
do ioiciro. como taboa de salvacao que ao infe-
liz naufrago llie enviada por m&o omoipotente!
O Kiixir anti r atril Cardoso appli-
cao em muitissimus casos de febres, tem, como
por mibgie, levantado do leito da dor a comple-
tos moribundos.
N. 7
Pernambuco, 29 de Agosto de
II Im. Sr. Manoel Cardoso.
Participo-lhe qus no dia 15 do mez de Maio
deste anno, fui accoromelti do de febre paludosa,
como disse o facultativo que conlractei para o
mea teslabelecimento, o Sr. Br. Miguel Themu
do, consaltando me elle o tratamento, eu opinei
o homeopalhico, porm vindo-me em lembraoca
o seu valioso preparado denominadoElixir an-
ti febril, consultei me de novo com o dito fa
cultativo e elle opinou a nova idea ; fiz uso do
seu preparado applicado por elle em doses e fui
de peuco o pouca obtendo melboras, t que com
espaco de oito das esta va de todo resUbelecido.
Offereco-lhe esta para fazer o uso que qui-
zer e disponha de um amigo e criado obrigadis
simo. 0<
Lut'z Bonifacio Altes Ferreira.
.V~8
Pernambuco, 28 de Fevereiro de 1889.
Amigo e Sr. Manoel Cardoso Jnior (presente).
Tendo adoecido o meu empregado de nome
Jos Ferreira de Castro, de idade de 20 annos,
natural de Portugal, mandel immediataraente
chamar o illostre facultativo o Sr. Dr. Miguel
Themodo, e este depois de o ter examinado, ve
248 664.248665a 248.671,248.672 a 248.676. rificou ser a terrivel molestia febre amarella.
Revistado Mercado
BlCCIFK, 10 DKMAIO DS 185 0.
O raovimento na pcaca hmilou se a transa'
jjts, no mercado de cambios.
as entradas verificadas, at a data de hoje so
bem a 894 saceas, sei.d 3 por :
Barcacas..... 130 Saceas
Vapores
t umaes.
Via-ferrea de Caruaro.


Bolsa
CJTAV&E8 OFFICIAK8 DA JONTA OOI COK
BETOKE8
Recite, 10 de Maio te 1890
Obrigaces preferenciaes da comparih;a de Fia
cao e Tecidos de Perinmboco, valor de 2(H
juros de 7 0/0, de 1- de Abril ultimo, 30 par.
.ambio sobre o Rio de Janeiro, 60 d/v. com o
descont na razao de 8 0/0 ao anno, bonteav
Cambio sobre Dotares, 90 d/v. 21 1/2 d. ror
WOO. do banco.
Na Bolsa 'veruirame '*
100, 00,'50, 25, 25, 25, 20 e S obriza
I,
;<>es.
'>fleneceram Vender Comp-ar
250 obngafOes preferenciaes -
da Fiacfto e Tecidos de 200*
e joros de 7 0/0, a 202 200*
u oresidente, -
Antonio Leona *do Kodngues.
O fcecretario,
Eduardo Dubeux. ,
v I-----
Cambio
PRAQA DO RECIFE
A laxa cdoptada pelos bancos foi 21 1/2 no
uiinal pela manha, baix;.ndo mais tarde para 21
3,8, fechando-qnielo nestas condigOes.
i
PEAQA DO klO DE JANEIRO
. !?ao obstante terem os outros bancos recusado
accar cima de 21 5/6, o Nacional continuou a
otltrecer 21 3*4 para o itercado somente.
' doave fal a absoluta de papel particular.
Via-ferrea de S. Francisco. -
Via-fertea deLimoeiro
Somma.
206
77
IM
2&0
fazeodo cu ver ao mesmo Sr. doutor que existia
o Elixir Anti febril de Manoel Cardoso; o mes-
mo senhor fezapplicacao do medicamento ncima
dito s 3 horas da larde do dia 16 do corrente, e
As 11 horas do da 17 do mesmo mes, se achava
o dito enfermo completamente restabclecido.
E como seja esta a expresso da verdade II e
escrevo a presente, ds qual poder fazer o uso
que Ibe convier.
Seo amigo e criado.
Antonii Us da Costa Araujo.
ufe.-
'N. 9
Illm. Sr. Manoel Cardoso.
Amigo e Sr. Faltara a ura sagrado dever se
deixasse de Itie communicar um caso que se deu
em pessoa de minha familia, como vou re-
latar .-
i Tendo ora meo ttlho i sido accommeltido de
urna terrivel e violenta febre, depois de o submet
ter a om traiamento ferio, per espaco de seteo
ta mais cu menos dias, com a medicina scienii
Jica, se iu de.Ia.^ibuu- o mt nar.Unitivo a seus
soffrimenls (d..ram Ibe lano quinino qoe o fez
orinar cor Je sangne), nest terrivel estado sera
esperanca de o salvar, fallei com o meu patrio
o Sr. Dr. Miguel de Figueitda Farla. elle me deu
um frasco com um resto de seu Elixir Anti f.-
bril e appliquei o conforme sua presc'rjpco, o
effeito benfico nao se fez esperar porque em
poucos dias o restabeleceu. Deste meu escrip.o
89* Saceas
Aasoar
Ot piteo* pagos ao agricultor, por 15 Kilos, se-
gindoa Associaco Commerciai Agrcola, foram
o i seguintes:
Uiinas ..... 3a7O0 a 40JO
B'anco 3*300 a 3*900
S -menos..... 2f600 a 2*800
Miscavado purgado .. 1*600 a 1*800
B utos ... 1*300 a 1*600
K tame *900 a Itt
AexportacSo fela pela allandega neslemez at
o uia 8, cooslou de 1 08 8t kilos.(sendo 60.180
para u exterior c 1.022 674 para o interior.
As entradas verific-iias at a
bem a 8.800 rceos sendo por:
f darcacas .... .r.-
Vapore .
\nimaes.
vla-ferrea ae Caruarr.
Via-ferrea de-S. Franeisro.
Via-Jerrea do Limoeiro
Somraa.
3
s >
S- -2
3 ?i
TBELL8
fTIXADS
P b g
m f= ^
*
C I
e
w K EL
i
ce
"O
o

'u
.
.a

r
i
*
JK
)
-:
4rr|nfe
data de boje so-
3.122 Saceos
334\ *
659"
4 644 >
40.
Navios a descarga
Barca portuguesa oco SUenao, varios gneros.
Barca nacional Marianninha, xarque.
Barca ingleza Lacinia, baclho.
Bngue hcllandez Me idem, xarque.
Brlgue pot tnguez Adelina, varios gneros.
Lugar portu^uez Temerario, xarque.
Logar nocional Duas.Ainericas, varios gneros.
Lugar inglez Dora bacalho.
Lugar bollandez II R. Leewbiu's, grasa.
Lugar americano A*m, milbo.
Patacho bollamiez Henrtka, xarque.
Patacho noruegueuse Ce res xurque.
Patacho francez Genei al Berye, xarque.
Nao se rendo reunido (tal-
em vista do nido tempo, e
nao por indiferenca) numero
razoavel de socios, sao de
novo convidados a reunirem-
se na secretaria do Hospital,
no dia 11 do corrente, s 11
horas da man ha para se pro-
ceder a eleicao dos m^mbros
da junta que tem de preen-
cher as vagas dos que regei-
ta-am os lugares para que
foram e).eitos em assembla
geral ordinaria no dia 1 de
Dezembro de 1889.
Duas horas depois da mar-
cada se constituir a assem-
bla com qualquer numero
que se ache presente.
Secretaria do ospital
Portuguez, 5 de Maio de
1890.
Cesario A. S. Papoula,
Secretario.


Con
8 809 S OV2
;
Couros
res.
salgados 400 Cis, e os verdes a 240
Agurdenle
Cola-se a 94*000, por pipa de 480 litros.
Alcool
ColA-se* 190*060por,pipa de 480 litro
Isuporlaco
.
Vapor francez VUlede Rosario, entrado do Ha-
vre e Lisboa em 8 do corrente. e consignado a
Augusto LabjJIe, manifeslon : (
Amos .ras para chapeos de sol, 2 caixas a L.
Couraot.
Armas 5 caixas a Ferreira Guimaraes e C 3 a
Antonio Uarte Carncro Vianna, ii i ordem.
Agua mineral 23 caixas a F.aucisoo Manoel da
Silva eC.
Dilase drogas 15 caixas a Martins J. Costa. '
Amostras 1 volume a Qrde.ro
Andydreoc sulfuroso 1 caixa a II. Foa^Deau.
Carbonato de soda 3 erixaa aos mesmo;.
Cachimbos 1 caixa a .Nunes Fonseca e C.
Charutos 1 caixa a Sulzer KaotTinana e C.
Calcados 1 caixao a Thomaz de Carvalho e C
Conservas 6 caixas a Quedes de Aracjo e Filho
Chapeos 3 caixo^aa A: Muta e C.
Drogas 1 caixa a Ferreira e Irmaos, 10 a Fran
cisco Manoel da Silva. 22 4 S.mla Casi de Mise-
ricordia. 2 a Manoel Al ves Barbosa .^uccessores.
Espelhos 2 caixas a Maia Sobrinho e 0.
lastruruentos de cirurgia 2 caixas
Filas o grvalas 1 caixa a to
Irmaos.
Ferragens
UMA HBIL OPERACAO DE CIRUR
GIA
O embaixador americano .era Vienna,
Mr. ^a8sorj, tem communicado recente-
mente ao eeu governo urna dcscripcao in-
teressante da notvel operacSo cirurgica
pn tica da, *a pouco. pelo professor Bill-
roh, daquclla cidade. Por certo, a cir-
cumstancia parece ntaravilbosa; mas
mingos Ferreira da Silva e C, 4 a Jos Joaquim
Al\es e C.
Seccante 4 caixas a Ferreira Gumar5es e C.
Tecidos dive-so 4 volomds a Rodrigues Lima
e C. 1 a Paul Julieo, I a Mjnhard II oer e C ,'
5 a Bernel e C o a Ol.nto J ir Jim eC, 2 a Mi
diado e Pereira, 3 a taiinares Irmaos e C, a
Francisco Gtirgcl e Irniaisj 4 orJem.
Tintas'6 barricas e 21 caixas a Francisco Ma
noel da Silva e -., 21 a Farta Sobrieho 8 C.
Vniros 4 birrias a M i. IVreira, 2 e 6 caixas
a J. Dias Moreira, I a M lia e Silva e C.
Ditos para vidracas 20 caixas ordem.
Vinlio 1 barril a Paulino de Olivelra Miia.
C. '- a
Vapor aoricano AMuica, entrado dos porlos
do sul em 9 do correte e consignado a II. F-
rster e C. man festou :
Arroz 1,00* saceos a Sobzi Basto, Amorira e
C, 050 a J. P. de G rvalho e C.
Ainotiras 4 volumes a. diversos.
Caf 110 saceos a Victorino Silva e C,- 50 a
Feroandes e Irmaos, 10J aS. Basto Amorm e
C.. 100 a J. Ferreira de Carvu Oo e C.
Cegnac 1 caixa a Castro^Lemos e C.1
FuuiO.lO volumea a A. F. da Cruz o C, 19 a
Costa Lima e C_A6S a Azevedo e C. o a Lote-
cae C, 20 a J. B. dos P.eis, 76' a.Carlos Arroda
e C a a ordem, 6 a F. Res e C 10 a Souzc e
C, 1 a Esnatv Rodrigues e C, 23 a Carvalho
Pialo t Ojj la J. P.Jontes, 6 a.FigueiredoCos-
a e (.'., ti t a, Almeidu Machado e C 10 a Fraga
Rochq e C-.5 a Santos e C.
Ptfijtto 50?accs a GimarSes e Valente.
Malas 8 volutnes a Mua Sjbrloho e C.
'..nii i de ulgodo i' fardos a Ferreira e Ir-
maos e C. .
Papel 1 cix a. Joaquim Bernardo dos Reis
Bipase 23 barris* Castro Lernas eC.
o) I {saceos a Hallar, Oliveira e C,
300 a, Maia c Rezende
Curnein
verade que a citada eperco tinha por
fim a remoco de quasi a terca parte do
estomago humano. Executou-se a opera-
cSo e restabeleceu-se o paciente, sendo
esta a primeira vez que urna tentativa de
tal genero tivesso tido bom xito na histo-
ria do mundo. Aquella facanha scientifica
manifestou-se n'um certo caso de cancro do
estomago, doenca que gcralmente ai
acontpanhada dos seguintes symptomas :
O enfermo carece quaai inteiramente
de appetite; sentem-se como que um pe-
so sobre o estomago, e s vezes ume sen-
sSo de raziot no mesmo orgSo, a qual
causa um mal estar indisivcl j e urna es-
pecie de materia gelatinosa accumula-se
junto aos dentes, acompanhada de um gos-
to desagradavel, principalmente pela ma-
nha. A nutri:o, demorando-se no^esto-
mago, augmenta em fazer desapparecer
aquello mo estar ? os olhos ficam rodea-
dos de um circulo lvido, e o seu branco
toma urna cor araarellenta ; e as mSos e
ps tornam-se viscosos, achando-se cober-
tos de um suor fri.
O doente sente-se sempre caneado, e o
somiio nSo Ihe d r'epouso. Algum tempo
depois, tornase nervoso e irritavel, e o
seu espirito nao v senao tristes presa-
gios.
Qnando se levanta bruscamente de urna
especie do tontura na cabeca e urna sen-
sasa9ao de syncope, e cahiria se nao se
ma cousa. Ha.prisao de
p&ssa sem causa do
fe Sspoflfo e pesa-
idade. m^k
a nutrido passa com diffi-
e e frequentemente rejeitada, ora
deixando na bocea um gosto agro e amar-
go, ora um gosto adoccado. A estes
symptomas ajuntara-se quasi sempre as
palpitajoes, que fazem suppr aos doentes
que elles soffrem de urna molestia do co-
raf;ao. Quando o fim se acerca, o pacien,
te nao pode reter nutricao alguma, por
que a passagem dos intestinos ou cerra-se
completamente ou ao menos est quasi
cerrada.
Mas, ainda que esta enfermidade cer-
tamenie assustadora, os afligidos daquel-
les symptomas devera tomar animo, por
que de mil casos ha novecentos e noventa
e nove nos quacs os enfermos nao tem
cancro algum senao simplesmente dyspep-
sia, doenca que o verdadeiro systema de
tratamento cura infallivelmente. O re-
medio mais seguro e mais ele caz o xa
rope curativo de Seigel, preparacao vege-
tal que vendem todos os pharmaceuticos e
boticarios do mundo inteiro e os seus pro-
prietarios, A. J. Whitc, Limited, 17,
Farrington Road, Londres, E. C. Este
xarope destrae a causa do mal, expulsan-
do-a radicalmente da organisacao puysica.
Depositarios na provincia de Pernam-
buco por atacado, Francisco Manoel da
Silva & C, na cidade do Recife.
Vendedores a retalho, na cidade do Re-
cife, Bartholomeu & O-, J. C. Levy & C,
A. M. Veras & C, Rouquayrol Frres,
Faria Sobrinho & C. e T. S. Silva; em
Palmares,-A. C. de Aginar, e em S. JoSo
da Igreja Nova, J. A. da Costa e Silva
pagamento de imposto de iddnstria e proflsso
do exercicio de 1889.
Oalrosim, existindo mandados executivos
contra o allndido devedor, e estando provada a
ausencia do mesmo em lugar incerto como se
v das eertides passadas nos versos dos referi-
dos mandados, reqner que seja a citaco feita
?or edilaes, no forma da ultima parte 3.art.
, do regularaento de 29 de Fevereiro de 1888.
Nesles termos pide deferimento.E. R. M.
Recife, 28 de Margo de 1890.-Francisco Magari-
oo de Souza Leao.
E nada mais se contraria em dita petico aqu
Iranscrijta, a qual sendo por inim lida e exami-
nada, foi dt fertda pelo despacho do theor se
guinte :
Passe mandado na forma requerida, cite-se
o excutado por editaes. Recife, 21 de Marca
de 1390.Domingos Pinto.
E estando jusicada e provada a ausencia
do exectado em lugar incerto e nao sabido,
expega se edital de citacio coa o praso de 30
dias para todos os termos de cxecuc&o, caso nao
seja o debito pago dentro do praso marcado.
E para qae chegue ao conhecimento de todos,
passon se o presente que sera publicado pela im
prensa e aftixado do logar mais publico do cos-
tme, sendo por mim assigDado.
Dado e passado nesta cidade do Pu cife, Esta-
do de Pernambuco. no cartorio dos Peitos da Fa
zenda .Nacional, aos 7 de Abril de 1890.
Eu, Jos Francisco do Reg Barros, escriva
privativo, esertvi.
Antonio Domingos Pinto.
DECLARARES
O Dr. Antonio Domingos Pinto, juiz de direito e
privativo dos Feitus da Fazenda deste Estado
de Pernambuco, etc.
Facq saber a lodos qne o presente virem e
delle tivercm noticia, qne pelo Dr. procurador
fiscal da Fazenda Nacional me foi dirigida a pe
ti gao do theor seguinte :
Illm. Exm: Sr. Dr. juiz des Feitos da Fazen-
da.O procurador dos Feitos da Fazenda Naci
nal requer a V. Exc se digne mandar passar
mandado de sequestro sobre o p-oJucto do lei-
lao effectuado pelo agente Alfredo Guimaraes,
dos bens de Joaquina Canelas de Castro, p.-.ra
Matriz de Santo An
tonio
Ex8tindo nesla matriz cerca de 500 caixas ou
urnas contendo osso3 de individuos que foram
irmaos da veneravol irmandade do SS. Sacre-
ment, entre ellas urna grande.quantidade com-
pletamente estrgala, e nao existindo oo com-
promisso disposigao alguma que obrigue a ir-
mandade a ter sob sua guarda e cuidado, os
restos daquelles que foram seus irmaos, a mesa
regedera deliberou^ue por meio de annuncios
fossem convidados os interessados na conserva-
cae desses ossos a virem reclama! os, o que o
fago pelo presente, marcando Ihes o prazo de 60
dias para este lim, lindos os quaes e nao haveo-
do reclamarlo se dar destino a esses o os pre-
cedidas as formalidades ltgaes. Outrosim de-
claro, que foi tambera deliberado, que d'ora eu
diante strao recebidos em no-sa igreja osos
de irmaos que na mesma tenham j zigos, e qae
iereni acampanhados da resptciiva proviso do
governo dr/bispado.
Coosisior o da veneravt-1 irmandade do SS. Sa-
cramento da matriz de Sanio Antonio do Recife,
30 de Abril d 1890. O escrivSo,
Francisco Jos dos Passos Guimaraes.
Thesouraria de Fazenda
Tendo o Sr. Ministro da Fazenda resolvido, c?
intuito de melhorar a circulagao monetaria, re-
tirar do movimento das iransacgOes as notas de
500 rs. e emiuir moedas de prata de 1 e 500
rs esta thesouraria esla desde logo procedendo
a e sa substituigo, de conformidade com a cir-
cular do Theeouro Nacional sob n 22 de 26 de
Margo ultimo, para o que aci.a se de posse de
urna remessa, vinda da Casi da Moeia, de moe-
das dos al ludidos valore.-, novamente cunnadas
Assim, pois. o fag publico, de ordem do Sr.
Dr. inspector.
Thesouraria de Fazenda do Estado de Per-
nambuco, 30 de Abril de 18E0.
0 f ecrelario da junla,
Dr. Antonio Jote de Sani'Anna.
Club Republicano Progres-
sista do Reeife
De ordem da dircc'oria, convido a todos 03
associados aini do asststirem a sessj extraor-
dinaria na stgumlafeira 12 do corrente, as 5
horas dalirde*, c Jepois -da sessao irmos'encor-
porados com primen tar o distinctissimo cidad>
governador dsto Estado, Dr. Albn.) Meira.
Recife, 10 de Maio de 1890.
O secretario,
A. Mendonca.
Sociedade
licuefice ule
it
P. Alves & C, 5 pipas com 2,400 litros de
agurdente.
Amorm Irmaos Sr. C.. 32 pipas rom 13,360
litros de agurdente, 15 ditas com 7,200 litros de
alcool, 75 barris com 8.100 ditos de agurdenle,
lo saceos com 0,375 kilos de assucar branco e
8 barricas com 1 09 ditos de carvao animal.
F. C & Filho, 150 barricas com 13,201 kilos
de assucar branco.
H. da C. Fernandes, 10 barricas com 355 kiios
de graxa.
M. F. Martins, 150 barric s com 13.090 kilos
de assucar braaco.
E. C. fcellrio Irmao, 50 barricas com 1,550
kilos de assucar relindo e 150 ditas com 6,302
ditos de dito bran:o-
A de Albuquerq^ue, O barris com 4,800 litros
de agurdente, 200 barricas com 16.15 > kilos de
assucar branco e 100 ditas com 4 030 ditos de
dito mascavado.
Fcrnand:s a frmao, 5 .caixas com 450 kilos
de doce.
No hiate Deas Je Salce, piratear, carre
garam :
P Carneiro 4 C, 3 barricas com 443 kilos de
carvao animal.
No hUte nacional Apod?, para Mossor
carregram :
M. viegas & C, 42 caixas com 420 litros de
genebr.
.-: Na barcaga D. Ama, para V. daPenba,
carregou :
A. Flores, 10 parrafees com 150 litros de ge-
nebra.
Na barcaga Bemfica, para Maragogy,. car
regou :
F. J. Pereira, 1 caixote contendo 2o pares de
tamancos.
Reudlutentos pblicos
HBZ DB ABRIL
Alfandega
Coiicillnco da ru
cuiMia "
Convido a todos os socius a comparecerem se-
gunda fei ra 12 rio corrente, s 6 1/2 hora i da
tarde, adra de dar-se posse aos novos eleitcs
para o cerrente anno de 1890 a 1891.
O secretario,
F. M. Moura.
22092U398
6i:t463
nal
4igado
Cola-se o de t sorte do ierlWa fJOQfr
' A exfwrtacio RHta rAr'nlfa1
odia8.ceWpn aeJoOiS kilos,
(iara ^xteriwesOOO para
Mcl
Cola-se a 53OOObpr pipa d'e'480 lros
- i, .. ir __
Paat >ila tlfandcza
. > 'iAjl* VI 42 A 47 ME..MAIO DI 4890
AtWariertnadj) (kilol- .f .. .
Asiucar branca (^iloj ..
Assucar'mascavftlo Tcilo) .' .
aguntente '. :
airos (lilro) j_ i q
iroj,p>ra,cscajto;r t ^
'lilafis'de mamonas' (kilo)*"1.' .'
"Bofrartfe -fkilor .
Carngost^e algodo .
Csuro..8Cxco*.ej3pifibailoe (kilo)
CctrM seceos salgados &i}q) .
Couros verdes (kilo) ....
I afeo kilo!......
Cele, bora (kilo) ,-.'. .
Cale restolho .(kilo
Caniba (kilo.....
( a rogos de aTgod (kilo I' -
f'arvaO de pedra de CaMtr don.)
Farinlia de mandioca ifcro> .
Foteas de lanorndi (felo/, ..
Ira WMi t
braxa.....
14 ditas de fructas d versas a 300 rs 420O
32 1/2 columnas 600 rs. 19/500
110 taboleiros a 200 rs, 21400o
6 suinos a 200 rs. 120')
1 escriptorio a 300 rs. 300
58 compartimentos com farinha a 500
re. 29*000
29 ditos de comidas a 500 rs. t4*30>
99 ditos de legumes e fazenas a
400 rs. 39*600
17 ditos de suinos a 700 rs. 11*900
9 ditos de fressuras a 600 rs. 5**00
O ditos de camaroes a 200 rs. 4*00.)
32 tainos a 2* 64*000
Rendimento de I a 7 io Crrente
24i*8o>
1.8^4*920
.09W78J
Pregos do dia :
Carne verde de 280 a 560 ris o kilo.
Suinos de 520 a 640 ris idem.
Carneiro de iO a 800 idem.
Farinha de 500 a 550 ris a cuia.
Milbo le 440 a 480 ris idem
Feijo de 900 a 1*200 idem.
o
s
Vapores a entrar
MRZ DE MAIO
Sul...-----...
Norte........
New-York-----
Norte........
Liverpool
Sul..........
Europa
Vtlle de Pernambuco.
Adcanee .........
Maranliense .......
Para.............
kvthor...........
P. do Grfio Para..,.
Paranagu
Sul.......... Espirito Santo......
Sul......
Europa- ...
New-York ..
Europa.....
Norte.......
Sl....:..
Sul.......
Camillo.
Malane .
Ftcape,
....
11
li
13
1*
1*
14
16
17
18
!
....
233.061*861
nomf'
. .
r
280
220
100
170
370
80
333
120
- 960
U6
420
360
: 215
400
800
600
260
20
16*000
,70
A 300
- 200
350
'200 '
I 80
400
Limalha 1 caixa z Antn
a FffrfeifajfaMnarafjre*;. w
Lunetas Lcaua a Etu^nio.Cie h
Manteigas 10'ftarris cTO ajeios dif
de Araujo e Filho,.15 c d0 a Paiva V;i
65 e 110 orde.ro. SO e 30 ao consignatario, lo e
15 a J.'aquim Felippe c Aguiar, 2ti.e 30 Gomej
e Ferreir,a.
Mercadoris diversas 1 caixa a Manosl da Co-
nfia Lobo, 2 a It. de Drusina ti C, 2- ordem, 4
a Manoel Collago cC, 3 a Frederico<. 1 a;
Maia e S I va,. 3/ a Ramos i Silgado e 6 2 a E.,
Gojicalves Cascao, 3, a Gma4 de M^uos Irmaos,
1 Nunes Fonseca C, 101:a Francisco Manoel
da Sihra'eC: 2 a Azevedo e'C. a Fernandes'e
C.,3aG. Wachmann, 2 a Domiogos Manoel
Martins, i a Francisco Lnuria e C, 2 a Brfebte
Vianna e G-. 3 a Gujmaraes Cardoso o C:
Mate.-iaes para 'eosenlib 18 voluuies ao consi-
gndlario.
41ahi:i88 de lavagera 1 ordem. 1 a Ti Ju^t.'
Perfumara 2 eaixaa a Antonio Daarle Carnei;
ro Vianna, 1.a E. G^agahe Cascao, 2 a La-
frle.
Porcelana O barricas a Jld Dias'Toura l*S
A. 8. CamrifVSilva.--. I
, Piaujw 3 caixoes a Riealk od
i.: |a*el.-Mifar4?s,a/ieira dj Ra/ia,.^ caixas.
fdeu). i
Qudros/l ca^xd a-R. Sjni'pai.'
Queijo l-tttfitt4.olin<> de 0l#eira MUa e C,
35 caixas aordtm, (.sJ^e Macado,Ala Gauol
a Sartholomeu
paUctjo iii^Ier l..yulisLf entrado"da Babia em
7 do corrente e cousignado a B. NVdjhara e C,
Tbanilefroo:
Milbo 7/i)S saceos ordem.-
"rrr:-.-. i
lliala.uaiouaI Dms le ijuk, entrado de.Macau
em :i do crrenle consignado
LocrL'f.ro.'maaifsMo : '
Sal 106 :il'iue:rt;s i. or-;:n.
>f i_ r. ~ 1:
tixsortaeo
0a5i.ini. 0 os ii vio d 13S0
Vara > exterior
' Nd "vafjor ingfez Merc/ant^para. Liverpool,
carregou :
de Pernambuco :
52.369*101
a'
2*oS- i^saass
. Ariaar, dc\Araujo, 3,143 saceas. com. 22,235
kilos de aloao.
- .\o v#|)or atneiicaao AUiave, para New-
York car.'x'if-am : -
asm SWin & C, ;8.oC! pelles de caBra.
i de Mattos I tai.}, .COtipeiles de cabra.
rpfc) \a*aj fraocez \r./ltJ>tmambu:u, para.
A':\M\t"t$i' o?\&fi verics com
42*034 kil<-'
ttra a uuermr > ; t,c
Somma total 3?7:4SO*962
... '
Segunda secgo da Alfandega de Pernambuco,
10 de Maio de 1890.
O tneBouretroFlorencio Domingues.
O che fe da secgoCicoro B. de Mello.
Recebedorla do Estado de
Pernambueo
Do dia la? 13 023*521 ,
dem de 10 1:171*116'
14:196/637
Reclfr Uraiuage
Do dia la9 3:93S8>3
dem de 10 I5242
i i
3:954*045
Mercado Uualclpal de S. Jos
O movimento deste mercado no dia 9 de Maio
foi o segrate :
Eotraram :'
37 bois pesando 4,541 kilos." a
No vapor americano JUigacq, (Cari- PoraJ 1U3 kUos,.de peixe a 20 ris. ,. a3050
aram : ^ r 3 cargasico ai fariha'a 300 rs. '4*600
.8
Trent..........;.. 24
Alagoas..........
Tatuar............
Pernambuco....... 27
. i.______
Vapores a sahlr
HEZ DE MAI-1
Havre eesc. Ville de-Peruambuco. 11 as
Sul.........Adcanee........... 13 as
Sui:.........Par.............. 15 as
Sul.......... Paranagu........-17 as
Nort Santos e esc. Malange' ......c 18 as
Buenos-Ayrcs. Trent.......'.. ..." 24 a3
Southampton. Tamar........... 25 as
Sul.......... *lagoas ............ 25 as
Norte........ Pemanihu:o ......28 as
t9
4
B
2
o
h.
h.
b.
b.
h-
r2h.
h.
h.
* h.
f?
'arreaaram
Movimento do porto
Navios entrados no dia 10
Figueira 31 dias. patacho portuguez
Mondego, de 173 toneladas, capitSo
David ugusto Fernandes, c-quipagem
9, carga vinho; a Amorim Irmaos & C.
Rio Grande do Sul e escala21 dias, va-
por nacional A,rlir.do# do 031 tonela-
das, commandane Slaqel Gomes, .'.equi-
pagem 32, carga vares" gneros: Pe-
reira Carneiro & C.
-\avio salado na mesmo da
New-Yoik e escala Vapor am'eric
Allianca, commandanto J. R^"
carga varios gneros. '_
Sautos "e escalaVapor francea tVilIe de
Rosario, commandari' P
varios gneros.
americano
R, Bers,
I
-


:
-
....
I
- i- "


'orlier,
c^rga
savaataasMai



I
<.

.
I
i
-


1


r
V
'
S



.1



\

1 de Maio
Arsenal de Marinh;.
Iascrp$So p*ra o snppriraeato de generas
-de rculas e dietas, aos navios da arma-
da e as dependencias deste A-seal, du-
rante o corrente extrclcio.
De ordem do cidado capito tenente Frede-
Tico Gui'bertne de Souza Serrano, inspector
de6te Arsenal, fajo publico que. de conformida-
de com a autonsacio do Miuisterio du Uarioha
em avi n. 972 de 17 de Abril ultimo, e de
accordo como disposto do de-re!3 n. 10 410 de
20 de Ootubro de 1880, acha se abeita na se
crelaria desta iospeccao a inscrpro. duracte
10 das a contar da data deste edital, > ara a
concurrencia do fornecimecto de gneros de
racOes e dietas extraordinarias aos navios da
armada nacional e a este estabelecimenlo, du-
.raate o corrente exereicio.
Nenhum candidato poder se ioscrever sem
que, no acto da mesma inscripeo salislaca rigo-
^osaniente s formalidades exigidas no art. 21
sena paragraphos do R^gulamento cima cita-
do, que sao os seguintes :
Art. II. Os concurrentes que nao forem fa-
-orieantcs sero obligados :
Io A provar com documentos de reparticao
auaneira, c na falta destts com factures on
gmaes, que sao importadores das mercadorias
que prelendem fornecer.
^Apresentar documenlos das eslacss fis-
caes, que provem terem pa?j o ultimo s?roestre
vencido do imposto de industria* e pronssOes e
jira assim a liceoca da Illuia. Intendencia Mu
aicipal, ludo relativo ao ramo de negocio cojos
genero se. propOom fornecer.
8 A provar com documentos da mesma In
tendencia que forain aforidos os pesos e medi-
das no exereicio em que se verificar a concur-
rencia.
4 presentar copia do contracto que tiverem
registrado na Junta Com'nercial d > districto
cando nSo for individual a firma que tiver de
:*?r (aneada na proposta e constante dos docu-
mentos exigidos pelosnmerosantecedentes."
Secretaria da Inspecco do Arsenal de Mari-
iba de Pernambuco, 8 de Maiodc 1890.
O secretario
Antonio da Silva Azevedo.
Capitana do Porto
D s caicos veihos e sem destino
De ordem do cidadaj capito-teneote capilo
Jo porto destt Estado, faco publico, para seien
;ia de quem interessar possa, que au lendo si-
lo retirados da Cora dos f'assariulioa os cascos
velos e sem destino, de navios ai!t txi?tentes,
>ra curapnmento d prescripto no edital de 2G,
-21 e 28 de Marco do corrente nno c de coofor
-nidarie com os arts. 40 e 41 do rrgulamento de
19 de Maio de 1846 e da circular do Ministerio
Ja Marinba sob n. I 699 de -I de Setcmbro do
rano prximo lindo, ao ser postes (m venda
iquejies cascos, convidando-se para isso aquel-
as pessoas que os qaizerem comprar, para des-
mancho, aapresectaiem a esta Capitana do Por-
to as suas propostas, em cartas fechadas, at o
lia 20 do corrente inez, s 11 Iteras da ma
-ba.
Os proprielarios de taes cascos, todava, ticam
-ojeitos multa que o caso ecterminar, propor
:ional infraccao.
Capitana do Porto de Pernairbuco, i de klaic
.ie 1890.
O secretario,
Mario F. de > astro Chaves.
Companhia Usina Pinto
De accordo cora o que precciia o art. 15 do3
.sUtutos, sao convidados- os senbores accionis-
tas para a reuniio de a sembla eral ordina*
ra, que de,era cffecluar se no da 12 de Maio
nroxlmo viudouro, na sede da companhia. ra
!o Imperador n. 83, as 12 boras do oa, atim de
serem a presentados o relator io. balarco, con tas
; parecer fiscal do anuo social lindo em 31 de
Marco prximo passado, e bem assim el ger-se
icommissao Hscal, de conformidade com o art
l do decreto n. 63 de 17 de Jun iro de I8C0.
.Recite, 27 de Abril de 1890.
A. de Souza Tinto,
Secretario.
Sociedade
DOS
Artistas Vlechanicos e Libe-
raes de Pemambuco
De ordem do director, sao convidados todos
os sjcios no goso de srus di re tos, para compa
r<3*erem na sede social, segunda feira l2do cor-
rente, s 6 1/2 horas da tarde, para ter lugar a
-esso de as'sembla geral do correnle inez, de-
pendo effectoar-fe com o numero que compi-
recer.O secretario,
__________Joaqtnm L. Teixrira.
Crreat Western of Bra-
sil B.C.L.
Aviso
P- lo presente gao convidados os senbores ac-
onistas a virem receber no escriplorio central
a vicsima secunda diftribu <,io das cautelas de
juros corresponaentes ao semestre linio em 31
iie Dezembro de 1889.
Escriptono central, 8 de Maio de 1890.
Jason Rigl'-y,
Superintendente.
CLUB-ESSRIMA
Grande festa em cornnlemora^o ao 2. anni
versario da urea lei da abolic,o
a seaijzas-se N3 :: is is 2Cazo no mu mmmm
Sero jalzcs scuheras c caralhelros
I.* poreoTiro Federal700 metros"'equiras l,"i8, montados por amadores.Premios
urna joi* ao 1., um objecto de arte ao segundo, ejo 3. salva a entrada
NOVO
Pnntemps.......
Cucuruc ........
Conquistador......
Pirraca...........
Andarilho........
Wolf.............
TraDkfort........
Pardal...........
Verde eam'areo.....A. A. Martins
Azul e encarnado......[L. Galvo.
Branco e preto.........Jos 0. Castro.
ICatu'Io...........
2 Tejuca...........
I Mongonga.......
4 Provisto........
3 Rocambole........
( Boulanger........
7 Coriseo...........
8 Capba ... *......
U barabertio.......
10 Zinxis.,.........
3. pareo-15 le Novembro-230
ao i.0, um obj
Relmpago...
Tribofeirr.....
Rosa........
Telegramma.
Republicano.
o
25-

s
Azul eetreito
Eacarnado e branco
Ecarnado e azul
Encarnado..........
Branco............
.. J. P. de Mello.
. J. L. S. Filho.
. A. M.
.. T. O.
.. J. L.
2. pareo-1a de Maio150 metros-Corrtla rasa fara oipbdos de>.8_i 1Q anosPremios:
Urna joia to 1., um objecio de i-teto 2., e o 3. sal?a a- cstrdda
Encarnado e liranco ..]P. T. F.
Eocarnado............| Antonio L
Azul............
Escarate eazul...
Verde...........
Aman lio..........
Branco............
Branco e azul ...
Encarnado e azul...
Branco
P5
&4
O
os
)I
o
Estrella d'Alva....
Sereia...........
Bogara..........
co..
'ncarnado
Rosa
'Azul
Encarnado............ Mura S.
AFUNOCAO^
ite dq
4.'
Rosa e branco.........M. G
Rosa.................L. Lima.
Verde e azul........... E. Baptisla.
pareoPrade Pernambucano-50 nvtros.-Meninas de 8 a 10 anuos.Premios
joia ao 1., um objecto d'urie ao 2. e o 3.* salva a entrada
^^^^

urna
Bom Jardim
Bigle........
Cab>ciinbo..
Menino.....
Borracha___
Azul..................
Amarello.............
Encarnado, preto e ouro
Encimado c branco-----
Azol e branco.......
Alfredo Nogueira.
Augusto Pimenjel.
Antenor Netlo.
Amancio Pereira.
Joo Mnreira de Abres.
P5
Seu proprio pavilhao ao lado do <
rTHEATR0 SANTA1 ISABEL
Grande e duplo beneficio doa artistas favoritos do publico
Mr. William Edwards
o mui distincto
pernambucano r^
E
5. pareoEado de Penm mburo -130 metrosCorrida rasa pel03 jockeva, com sorpreza
Premios : orna joia ao 1., um objecto d'arle ao 2. e 3." salva a entrada
Dspota..........
Sulom "o.........
Azaraor..........
Cndor..*.......
Eclypse 2.......
Ally Tper.......
Gal... ........
Turco 2.......
Branco e bonet ene.. i Antenor Netto.
Encarnado e branco___Llos Luiz Souza Filho.
Branco..............Nicolao Hartery.
Encarnado e azul.....A. M.
Verde e branco........L- C.

Branco. ,
Escarate e azul.....
Azul............. .


C.
Herberto J. Permam.
A. D. Braga.
pareo-Club de Enarlma-800 metro?.Animaes do Estado, montado por amadores.
Premios: urna joia ao 1.*, um objecto d'arle ao 1* e o 3. salva a entrada

Sociedade
'
Ruy-Blas.......
Pira: on.......
Conforme......,
Roldo........
Trigueiro......
Apollo.......
Ormonde.....,
Despique......
Encarnado.,......
Rosa e amarello......
Eocarnado------......
Amarello e preto
Azul..............
Azule branco........
Preto e amarello
Eocarnado ebranco..
Antonio de Freitas.
Pedro Alexandrino.
tjaibino Benjamim.
Martins Ferreira.
tfanoel Arcnaojo.
John llinds.
bandido Ramos.
Sebastin? da Silveira.
-

.

7.' pareo- de dalho-100 metros.Carneiros montados por meninos.Premios:-urna
joia ao 1, um objecto d'arte ao 2. e 3." salva a entrada
Cinco Ponas.
Jpiter......
3 Ormonde
Tigre.....:.....
Village.....'.. ..
-'
Azul e encarnado.
Amarello.........
Azol e ouro......
Branco e azol----
Verde ..........
Tlieobildo Saldanba.
U. B. 8.
Francirco A RegO.
A. G. Souza.
A. Nunes.
'

. .
As
Observa c es

.
i
corridas principiara o s 11 horas em ponto da man bu e terminarSo e 4
hora* da tarde.
As pessoosque insoreveram-se devem se achar na toilette a 10 horas da manbl.
Poule dos pareos dos animaes. 60
dem dos outros




Arebibanca
Oeraes
0rt'"ies para familia
_
Precos
3/5000


lr5000
A500
2jJ000
0 GERENTE,
J. M. Letnos Duarte.
-
agente geral e secretario da companhia Illm. Sr.
RAMN MONTEVERDE
Os quaes esperam em sua n ite de gala serem favorecidos com a
preienca do bondoso poyo desta culta cidade.
MUITAS NO VIO ADES!
pq Grande mudanza de programma
^ A^Los completamente noy os
0 intrpido EDWARDS sorprehender o publico em seu grande acto
P-!
pondo mais
pela primeira
As pyramides das mesas .
sobre
tesa
vez deesa
inu oil/iu, o que ser mais do que sorprendente
r^) Edwards ser soberbo e admirado em todos os seus actos.
Miss NOBLEX BLANCIIE, positivamente comparecer pela pri
as que j tem posto, assim lancando-se j^Q
immensa alturaem um arrisoadissimo e sena 3
Ihoso c^
positivamente compa nula nri- ^^
P^ meira e ultima vez em seu novo e grande duplo acto das
g Argolas volantes
C^ Todos os artistas da companhia executarSo seus mais selectos e uotaveis
p^ trabalhos.
Ao Circo! Ao Circo!
Para admirar e favorecer os beneficiados em a uoite de sua festa que
ser realmente esplendida. -r -
AO ORCO" AO CROO
Domingo, 11, duas ultimas fraccoes
da companhia
C5
i *
P
E
CLUB
RNAMBUCO



DOS
fVrtistas Mechanicoe
beraes
Li
De ordem da directora, convido a todos os
<;jsso8 consocios que se acharcm no goso dos
seas directos, a comparecerem na rule desla
issociaco, do domingo 11 do corrente, pelas 10
horas da manba, afim de tratar-89 da reforma
dos estatutos, como j foi esolvido em conseleo
Secretaria da Sociedade dos Artistas M-chni-
508 e Lioeracs de Pernambuco, ? de "Maio de
.I*i90.O secretario,
Joaquim Lipea Tt-kceira.
*____ ______
THEATRO
Tenja-feira, 13 do corrente
BENEFCIO DA ACTRIZ
,E0SA.MANH02fCA
ESPECTCULO EM
GMOE GALA
Para festejif o 2o anaiversano la UREA LEI
*'-que extingui'de ama vez para sempre a nodoa
l escravida*tio BIfAZIL.
Com a presenca de S. Exc o Sr. rv.vrnador
4esle Estado e mais autoridades.uper.or.s.



i)epols que a orchestra hoover exetutado urna
jiarcba triumphal. ser executado o hvmno
a nacional para dar'logar -a representagn nesta
<*norUa do drama de grande espectculo, divi-
_ rfidfl em 5 actos e que tem por uu!o
a A. du*
fitta o Lavraor
* Orieinal do1 eminentes dramaturgos ANIOE
ORGEOISAEDEMNERY.
" Tomando parte nes esjectacnlj por expoa^
tsaea voulade, para mais'abrilhantnr sis festa,
o briosa Orto fCenico.da ?eciecil dramstlca
CoDgresso Dramtico Hcrreflcx-nte que geucrota*
v, mente se pKStou a bcmltiada : jg^iui como o
yl synpathiqeLyr, ft bfnec'adae Hoiiortop.
. O Chealros acbar se a brilfaMUenents deco.-,
^ rado.
tt- Ouas baadasdo mu>ica faro as lloaras dcsla
g-<'Sta.
m Boods para Fecnapties .Vicira, Magd(,lena e
Juizo substituto dos Feito's
da Fazenda
KserWSoTrrea Bandelra
No 23 dia deste met.depois da audiencia, iro
praca os predios abaixo declarados, penhorados
por execucao da Fazeada. -^atfHtf
Recite
Sobrando de i andares ra de Domingos
Jos Martins n 36, com 6 metros e'ceniiaie
tros de frente, 18 metros e 00 c ntimetros de
fundo, varandas de ferro, 91 salas, o quartas. em
cada um dos andares, avaliado em 2.1 OOlKX)
pertencente sos erdeiros de Joanna Mana da
Trindade.
Boa-Vista
Casa Estrada Velha de .Santo Amaro n 12
A- tom porta e jaoella, 2 salas, 3 quartos, co-
sinha fra, quintal murado e cac.mba, b metros
e 10 centmetros de frente, 11 metro, e 20 cen
timetros de fundo, avahada em 6091 perteucen
te a Joao Caroeiro Rodrigues Campello.
S. Jos
Casa i ra do Padre Florianno n 35, com por
ta c janella, 2 satos, 2 quartos, cuslnha (ora.
quintal muraio e catmba, 3 metros e 63 centi
metros dg frente, II metros e 32 centmetros de
fondo, avaia em 1 000* pertencente a Felicia-
na Maria da Conceico
Casa roa de Santa Cecilia n. I, com poita e
janella, 2 salas, 2 quartos, e quintal, 2 metros e
K) centmetros de frente e 6 metros do rondo
avaliada em 6001, pertencente a Guiltf^mina F.
dos Anjos Paula.
Cata i ra do Coronel Saassuna n. 113, com
porta c janella de frente, i salas, 2 quartos, co
inha fra, quintal murado, cacimoa, 4 metros
e 20 cenlimelros de trente, il metros coUcen-
tftnelro de rondo avallada em SO*)*, perrencen
te a Manoel da Siiva Santos.
Casa ra de Frii Henrique n. li
c janella de freo, 2 satos. 2 guar
fura,quintal, i metros e 70 centmetro
tu, 8 metros e 30 centmetros de fundo?
da em 800O pertencente a Manoel A ri!
de Souza.
A Togados
Casa ra de S- Miguel n. 102, de ptrfra e
caH porta e janella, 2 alas, 2 quartos, cosintia
fra, quintal em at-erto e cacimba, metros e 9o
cenlimelros de frente, 10 metres e 2 cenlmiet os
de fundo, avaliada em 300/;perlencente a Mainel
da Costa Lopes. -
^-iCam ra Direito n,.7>toa-l-paftas e 2 ja
Concarao para preenchimento de dous lo-
gares de praticante e um de carteiro,
2.a classe.
Pa;o publico que durante 30 das, a contar
delta'dala, acha se aberta nesta administracao,
dai 10 horas da manba s 2"da tarde, a inser-
pg|o para o concurso ao profimenlo de dous l-
gales de praticaute e um de carteiro, 2.' classe.
D conformidade com os f e 6. do rt.
J66 .do -ftegnlaBien vigentt?, ai provs ver-
iarO :
I. Para os logares de praticante sobre as lin-
guas portogueza e francesa, geographia geral com
desenvolviraeoto quanto ao Braiil, e anthmetica
at a tbeoria das proporces inclusive, devendo
ser motivo de preferencia o conbecimento das
lingoas ioglea e allema.
2 Pira o logares ue carteiro sobre leiiura e
escripia corree asi as quatro operpces funda
menes da aritbmetica.
Ko actj da ioscripgao q candidato apresentara
com o sen roqueriaieuto,* cerlido de idade, on
document que legajmente o snbitiina, e bem
assim attestado de que gosa b.6a sade, de que
esta vaccftwdo, e't)ae tem bom procediaento
passddo pela autoridaJe policial do logar onde
residir. ."'.)
Os candidatos aos logares de praticante de-
rero ter mais de 18 e meos de 23 amias ue
idade. e o-candidatos ao logar de carteiro mais
mais de 18 e menos le 30 annos ue idade.
Os candidatos podero apresentar documen-
tos que comprovem suas hablilacOes e arvicos,
e.i (i mtudo dibenssrem do concu'se-oicandi
dato, quaesquer que sejara tac documeatps.
Amirisracao ttos Correioa' de PernirJbuco,
em 7 de Maio do 1890.
Q administrador.
.^ffnso <(o Reg Birros.x

.




L



PROJECTO DE DSCKIPCAO
Para a 8.a corrida a realizar-se em
maio de 1890
Grande Premio

18


de


:
ESTADO DE PERNAMBUCO
- ;

llklAQ EXPERIENCIA 800 metros. Animaes de Pernambuco que
nao tenham ganho primeiros e segundos premios nos prados do Recite
.'
nestes cinco mezes, podeodo entrar eguas d'este Estado. Premios:
2000000 ao primeiro, 4-W)CO ao segundo e 200000 ao terceiro.
YlklA ANIWAQOf.OOO metros. Animaes de Pernambuco. que
\Jtio tedham ganho em distancia superior a 800 metros nos prados do
Recife em 1890. Premios: 200(5000 ao primeiro, 400000 ao segundo
e 200000 ao terceiro:
^Vfcl. PRADO DA ESTANCIA i. SO metros. Animaes nacionaes
at meio sangue. Premios: 3000000 ao primeiro, 600000 ao segundo
e 300000 ao terceiro.
SV&-&S RAXIiE PREIIO ESTADO DE PERNAMBUCO
l.tOO metros. Anrmaes pungas. Premios: 5Ofj0OfX) ao primeiro,
10'0000 ao segundo e 500000 ao terceiro
. ?\*t&
co
no
PROPERlDADE -850
que ni!o tenam ganho
metros.
em distancia
Derby em 1890. Premios: 20 0000 ao
ido e 205000^ao terceiro.
Animaes
superior
primeiro,
de Pernambu-
*: 900 metros
400000 ao e-
^ONSOyUAC'-P -^0Q metros.
snho em ra'
Animaes de Pernambuco, que
es quatro mezes nos prados
'iro, 400000 ao segundo
ao
i
videndo de 8sbi
IH
2:1 do corrente mez, om divi
pagavel.li^re, de imposto; nbdla Jd4.
lambem reconSmendar se ba transferir p Fuul
de Keserva i-W0. .1
Pernambuco, 9 d Maio de 1890.
t\ A. J P. Clarin,
\\l\ Gerente. \

nelias, 2 salas, i quartos, cosinha fra, quintal, o
metros e 55 centaaetro de frente, 16 metros i
93 centmetros ale. fu ido, avaliada em l.COO :
pertencente a Miguel Rodrigues Esteves.
r Caxnft
Casa terrea chalet, no lugir 'Barreiras fia Es
trada do Caxang, cora 2 portas, 1 janella iw
oitao, sem reparlimenlo, quintal., 4 ir.eiros e ()
'Centmetros de frente, 7 metros e 0 cestitetrus
A
Vaj-ia de Fa-
zenda
Aos tabclliaes e escrivaes de paz.
De ordem do Sr. -Br. jnpajetor, e tendo em
vista n ^trsenOCTifT ds-)r.procurador Oscul
em cilicio n. 23 de 29 do mea li ido, notifico a
!Le U" S.S!2.0J K2K?" !!?* toda os senhores .abeliaes e escriVes de paz
hrff:'^'"8lhVal.,
Magdalena
1/
erque, avallada em 6CU-
enwfros jc madeja- de pi
envernisaia e envidracaaa 'run abiYiscon-
di dephauma 0. 56,avaliada Om 20'J/' pesien
cente a Farla C-.
CDULAS
P.
Banco Nacional
Traca se,pigando -bom -premio, ceduiai1 da
d6 Estado para, sob pena de multa de 80 a 1004
romintaada noart II da lei n. 939 de 26 de
*ete-*Bro do 1857, remetieren a esta thesoura-
riajionraso indiado noart. 40 do decreto n.
5581, ce 31 de Marco de 1874 (regulamento do
imposto d transrntso de propreladeraser-
tidOes de que trata esse mesmo ortigo, isto e, do
aagameoto de imposto e transmissao de immo
por litulp-oneroo., se/ido que.a multa ser
su por cada certido que deixar de ser re-
meitjrJa fioi termos"da citada disposicn da le.
de 1857:
-ITiiuiourariaidelaienda do Estadode Pernam-
buco, 9 de Maio de 1890.O secretario-da )nta
ur. Antonio J. de Sanl'Auna.
TjDserva^oes = }
Grande Premio so so realisar com cinco animaes.
pareos so se realizarlo ihscrevendo-se pelo menos 4 animaes de tres
propTrlHV arfferentes. ^
^Kscrip9o encerrar-se-ha segunda-feira, 15 lo dorrnterfia 0 hras da tar-
de, na secretaria do Derby Club. .rua do Imperador n. 22, 1.* andar.
O SECRETARIO,
Manoel Medeirps.
Irmandade do Divino
Espirito Santo do
Reeife
Meza Geral
Eteicao
GI nb i 5 de Npyembro
4^%ip
. Boje, pelas i 1 2 oras da tarde, havera ses-
~H) Qjesia club, p^ra tratar se da uova direc-
tora. Pede-so o eompareciraento doa socios.
Tigtpi, lOdeMaio de 1890.
Dando cumprimento ao 18 do art. 40 do nes
so compromisso, de ordem da meza regertora
convido todos os nosso3 carissimos iirsos a
comparecerem em o consistorio de nossa igrp,
domingo, 11 do corrente pelas 11 boras o di".
aflrn dse constituir a meza geral e proceder ?
a eieicao dos irmaos que ho de compor a nova Alerta^ alerta,
ateza reaedora para o anno compromissal te
18'JOa 1891.
Consistorio, 8 do Maio de 1890.
Oescn
Miguel dos Santos Costa Jnior.
i
fi. F. detlibeira ao
Bonito^
yerta,- alerta, seohores da Grecloria, loda
vi^ilan^ o.eeatfa o^que qutrem enriquecer
cuita (loruor da pobreza;' mas contra os que
querer illudir- ve9sa.hoa f4. A-nossa divisa
ser os interesses vitaes da companhia.
Os sinceros accionistas.
omento 4p C
. O vigaro BcovincialJflBpdeodo^
cOes e boas |ilidadj(Kde S/^Josf
evedo Campo3, omvedu procurador1
triraonio do couvenlo do Carraj idoJSecfle,. i
nelle confiando, espera que seja aurente em
recener e fazer o que estiyer a
bem do mesmo patrimonio
parte dos foreiros que o rCconhcara i____
a elle satisfagam quseacbamadrflH
Carmo do Hecile. 8 de Maio de 1890.
Fr. Alberto deis. Augusta G. de Vasconcellos-
Derby ClAb der Per-
nambuco
Nao se tendo reunido numero tufficiente de
accionistas na reuniao de 24 de Abril prximo
passado*, en que se tinha de tratar de negocios
de interesses sociaes, sao convidados de novo os,
senhores .cclonistas para urna sessao extraordi-
naria na quiuta-feira 15 do correte, ao meio
dia, aSm de ter lugar o assnmpto que fez objec-
to daquella reuniao.
Secretaria do Derby Club de Pernambuco, 10
de Maio de 1890.O secretarlo,
_________________Manoel Medeiros.
Escrlptorlo da Empresa da Es-
trada de Ferro do RIbeIrao
ao Bonito.
De ordem da directora desta empresa se i'az
publico, a quem interessar possa, que se acha
iberia a concurrencia para a construcco de
mate 38k.700m desta Estrada e suas obras, at a
villa do Bonito, de accordo com os estudos,
plantas, f reamente e especicaces existentes
no escriplorio central ra Duque de Caxias n.
741* andar.
Os pretendentes referida construccSo pode-
rao apresentar suas propostas em cartas fecha-
das, neste escriplorio, al o meio dia, de 20 do
corrente mez.
A preferencia ser dada a quem melbores va:.-
tagens offerecer e melbores garautias aprese:.-
lar, para o cumprimento do contracta, ^ue sera
lavrado com as formalidades do egtyfc ;Frlcando
iuteirados os Srs. pretendentes, que em igoalda-
de de propostas e condicOes, ser preferido o
proponente que for accionista da empresa.
Recife, 2 de Maio de 1890.
O 8ecrelario.
Manoel de Hollanda Cavakan'.t
i
*
____ MARTIMOS______
Companhia Brasileira de
Navega^ao Vapor
PORTOS DO NORTE .
Tapor Espirito-Santo
Commandante o 1 tenente Guilherme
Waddington
E' esperado dos portos do sel
at c dia 12 de Maio e se-
gurado depois da demora indi;
ipensavel para os portos doncr-
te at Manaos.
As encommendas s serao recebidas na agen-
da at i hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, passagens, e ncommendas e vale-
res rata-se com os AGENTES.
PORTOS DO SUL
O vapor Para
Commandante Roberto Ripper
' esperado dos portes

.
nor-
te ate odia 14d Maio e de-
pois da demora indispenfeavei
seguir para or portos do sol.
as euuommeodas serfio recebidas na agencia
at i hora da larde do dia da sabida. .
Para carga, encommendas, passagens e'Valo-
es trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C*
. 6=Rua do Comrwrcio*c6 m
1* andar
COMPANHIA
UXASA
Vapor
PEBKAMB
DK
VavegaeSo costelra por
Pata Fernando de Reronha
vapor Jacuhyp
Commandante Esteres
0
i
Segu -no dia 17 do cbren-
te s 12 boras da manh.
Recebe carga at o.,dia 16.
Passagci.s at s 10 horas do dia da sabida.
ESCRIPTORIO
J, C7ae da Companhia Pernambucar.a
OS tf* f'
*' :M
PIHi*!
ATVHIA rKKAAHBICAMA
I | oa
Navegaco costelra por vapor
PORTOS DO NORTE
?arahyba, Natal, Maco, Motsor, Araea-
ty e Cear j
O yapor-Un^
Commarwantse Monteiro v
Segu no dia 20 de Maio as 6
-. horas da tarde. Recebe carga at o
'dia 19. -' e
B 'i"
m
Encommendas, passagebs c dinheiro frete,
i s 3 horas da tarde do dia 20.
-ESCRIPTORIO
Ai Can da Companhia Pemamhucanu
n.12
.
I- -"
-......>' !M
vompanhia Bahiana de Na-
" s vga^ao Vapor
Macei,.Viya>Nova, Pencdo, Arba-
la,-Estancia Babia c
O VAPOR
Principe, d Go-Par
Commandante Lacerda
~t E' esperado dos portos cima
at odia 14d Maio regressan-
do para os mesmo* depois da
________idemora do ajstume.
Fara carga, passagens, encommendas e dinhei-
o a frete trata-se com o
AGENTE ,
^dro Osoriode Cerqueira
do Ficjario 17. 5>
PKB*i.l!HBCCJV4
DB
avegaeS costelra por rapar
PORiOS DO SUL
flacei, Reffedo, Aracaju e Babia
O
9
-
i- *-^
17^-I^ua
COMPISHIA
Encornin
yaporBeberibif
Coxptpapdante ^ffft
Segu no dia 24 de, Maio
5 horas da tarde. Recebe 'c
gt ateo: dia 23.
as", passagens e dinheiros.
I -, I
s
t as 3 horas da lardeado *>_da pariida.
do
ES^IPTORIO.
v.C%a da Companhia. Ptrnambucana
n.
12
?
tm
rsm
I H '/*V(SS&S"


io de Fernambuco-rDomingo. II de
l
Cftipanhla da Mala Real Fort*
goeza
O vapor Malange
E'esperado de Lisboa at odia
18 do correte seguiudo depois
da demora do costme para a
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Sobre fretes e passageiros trata se com os
AOiNTES
Pereira Carneiro & C.
6 RA DO COMMERCIO6
Io andar
United States and Brazi
M. S. S. C.
Ovapor Advanee
E' esperado de, NeirYori
at o dia 15 de Miio
o qual depois da de
mor necessaria seguir;
para a
Baha, Rio de Janeiro e Manto
Para carga, passagens, encommendas e d)
aheiro a frete trata-se'com os
AGENTES
Henry Forster & C.
' 8Ra do Commecior8
an
dar
ri
ARGELRS REUNS
Fran *a
Companbia
DE
^aregaco
Linha quinzenal entre
Pernambuco, Babia,
Santos.
a vapor
o Havre, Lisbo
Rio de Janeiro f
O vapor Paranagua
Com mandante Deliens
E* esperado da Europa at o dia
16 de Maio seguindo depoii-
da iDdispensavel demora para
Macei, Babia, Rio de Janeiro e Santop
Roga-se aos Srs. importadores de. carga peie
vapores desta linha, queiram apresentar deutn
de 6 das a contar do da descarga das alvarenga
qualquer reclamacao concernente a voluntes qu+
aorveutura leaham oeguido para os porloa it
snl afim de se poder dar a tsmpo as provi
dencias necessarias.
Expirado o referido prazo a companbia nao
responsailisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e d)
qbeiro a Irete : trata-se com o
AGENTE
Augusto Labille
9- RA DO COMMERCIO-<
LEILOES
Agente Silveira
Leilo
Da casa terrea com sotao, sita ra Pau
lino Cmara n. 33, em terreno proprio
Segunda feii- It do corrente
A's 11 horas
No armizem ra Estreita do Rosario n.
O agente Silv ira por mandado e eom assis
tencia do Exm. Sr. Dr. juii de direito da prove
doria, a requeriinento da inventariante do finado
Mam el Jcs de Aimeida < atanbo, levar a leilao
a referida casa, com porta e janella de frente, 2
salas, 2 quanos, cosioha externa no pavimento
terreo, e no pavimento superior 2 salas, 1 quartp
de madeira e mu terraco de edra e cal, me
dii do de largura 4 metros e 1 centmetro, e de
fundo 12 metros e 50 centmetros, grande quin-
tal murade.
Os Srs. pretendentes poden: examinar.
Em continuac,ao
O mesmo agente por mancado d'aquelle uizo,
levar a leilo 1 casa de taipa coherta com telha
e parte com lineo, tendo 1 porta e I janella de
frente, 2 salas e I quarto, inerte 35 palmos de
frente, e 202 d fundo, em terreno proprio, espo-
lio de Thomaz da Costa.
oleojrraphia, 8 etageres. 4 pares'de jarros, 2
porta flores toscos, 6 cadeiras de nao-carga, 1
jardmeira de junco branco com pedra. diversos
enfeites de paiede, varos de louca para flores, 1
cama para casal, 1 guarda re-opa, 1 teilete com
pedra. 1 lavatorio. 1 commoda, 3 cabidos de pa
rede, 1 marquezao largo, 1 dito eslreito, 2 meias
commodas de amarello 1 baoc>, i camas de
ferro para menino, 1 dita de faia, 1 sof de jun
io para descanco, 1 mobilia de Jacaranda com-
pleta, 1 mesa elstica de nogueira com 6 taboas, 4
aparador com pedra, 2 ditas torneadas, 1 sof de
Jacaranda, 10 cadeiras de dito, 1 sof de junco,
1 consolos de dito com pedra, 1 cadeira de dito
com balanco, 9 Cadeiras de dito de guamicao. 6
uadros de madeira em alto relevo, 1 guarda
comidas, t n> sa para jogo, 5 quadros, 1 mesa
de ferro, i banco de jardim, 1 candieiro de sus
penco. lauca e pertrces para cortinado, sane-
ras e pertences, 2 jarras com torneiras, 2 pape
leiras de palba, 2 eapaebos de coco, 1 lavatorio
de ferro com jarro e bacia, 1 selim com pouco
uso, 2 concolos de amarello, 1 mesa de costaba,
porcelanas pata almo e jamar, 1 licoieiro, lu
tas avulsas, copos,- garrafas, clices, facas, co-
llu-r. s, 4 bandejas, trem ce coznba e muitos ou
tros objeslos do uso de casa de familia.
O agenie Gusmo, autorisado por urna familia
que retn u se para a Capital Federal, far leilo
dos movis cima mencionados, os quaes foram
transportados de Caxang para o referido so-
brado.
Leilo
De tres meias aguas, senda urna ra Imperial
n. 294 e as outras auas no fundo da de o. 294
no becco do Macedo e 1 casa terrea n. 2 na tru -
vessa da ra do Commercio na cid. le de Olinda.
Quartafeira, 14 do corrente
Depois que chegar o trem de meio dia
Na porta da sala das audiencias em ."liada
O agente Marlins f ira leilo das casas cima
em presenca do cidado Dr,
orphos da cidale de Olioda
inventaiianle dss
pno Florentino
moed
(faro prate
Compra-se, como tamben
Cabug
as,
a
ra
du
n. 9., loja de Au^uetoHego.
licito barato
NA RA DO CRESPO 21
Na lojo do Campos
Cintas escuras cor de caf, a 200 rs. o
covado.
Ditas brancas, panno de cretone a 250 rs.
o dito.
Ditas de cSres, finaa, de 240, 280, 300 e
320 rs. o dito.
Haptistas de corea de 160 rs. o dito.
Ditas idem, finas, a 200 rr... o dito.
NazuhuB de cores finas, a 240 rs o dito.
Merino de cor, liso, 12 para, urna s lar-
gara, a 280 rs. o dito.
Ditas lavrados duas larguras, boas cores,
a 500 rs o dito.
L8s de cores, lisas, listras e de quadros, a
200 rs o dito.
Ditos com quadros de sedi, a 400 rs. o
dito.
Ditas acbamalot d
Cretones liso, a
Sar^elins trancados,
200 rs. o dito.
Etamtni

Precisa-se
De nm criado de 12 a 15
annos para o 3. andar da
ty\ ographia do Diario de
Pernambuco.
Excellene morada
Aluga-se i grande casa e sobrado do Dr. Ay
((Gama, na estrada de Joo de Barros, perio
la estafes da En :ruzilha Olinda e deLimoeiro, com immensas acrommo-
iaces, jardins, arvores fructifec.-s da melhor
qualidi.de e vasto terreno, quer para plautaces,
qner para criacuo ; a tratar no mesmo sitio.
Ao commercio
Alexandre Antonio da Silva uliveira declara
a quem interesser possa. que tendo compodo
ao -r Mapoel Francisco de Aimeida, a 2 r^ntp, o hotel denominado Aucoradouro, ra
Mariz e Barros n. 9, livre e desem barajado ; pe-
de a quem se julgar credor de apresentar suas
:ontas para serem pagaH.
commercio
O abaixo assigmdo, tendo de retirar se para
fra das i a i idaj^jiede jios senhores que teem
transir
I FUI
DE
Murray Lanmao.
& MAIS EXUESITO
DOS
Perfumes do Toucador.
Perfuma o Corpo e
Vivifica a Mente
NO BAtNHO.
Superior a Agua de Colo-
nia pela delicadeza aroma e a durabilidae de
Eeu perfume
10 LEKgo.
Ama
Precisa se de urna boa cosipheira
ra da Unio n 5.
a tratar na
Escada
ei
Agcdte Pestaa
:
De dous cavados de c Tridas denominados
Borgalez e Massarico, sem achaques e
um dito pequeo para sella, proprio pa-
ra menino ou seohora.
Na misma occasiao vender-se-haodous pianos
em perfeito estado, um cofre prova de fogo. urna
commoda de Jacaranda, urna dita de amarello.
liversos vasf-s para flores, garrafas co n cognac
e ouio.- muitos objectos que sero vendidos ao
c rrer do uiarli-llo
Quarta-feira, 14 do corrate
A's' 11 hora
Yo armazem travetea do Corpo Santo
n.7
Leilo
transparente de 30000
De tres partes e um stimo do sobrado de tres
aadares da ra Primeiro de Marjo n. 10, no valor
de-iu:: 4*283.
lii:u:a-feira. 1. do corrate
A'$ 11 hora
No armazem ra do Imperador n. 16
O agente Martins levara a leilo, a requer
ment do inventariarte dos bens deixados pelo
tinado commeodador Jo- Joaqmm de Farla Ma-
chado e por maudado do ciddao Dr. Francisco
Domia4ues Bibeiro Vianna, jai* de direito da
provedoria de capellas e residuos, em sua pre
.-enea, treze partes e um stimo do sobrado sito
ra Pi imeiro de Marco n. 10.
Leilb
Leilo
De 90 fardos grandes e 115 ditos pequeos com
alfafa. vindos no lugar yn
Segunda-fefra, 19 do correte
A's 11 horas em ponto
No trapiche da Companhla, sito ao largo
uo Corpo Santo
Em lotes, voatade dos compradores
Por intervenc,ao do agente
Gusmo
2 e ultimo leilo
Do terreno de e quina ra Imperial defron-
te da casa do Exm. Sr. Barao ue Ara. pe. com
alicerce8, soleiras e sepas de pedra tendo o
comprador direito meiaco do oitao da casa
annexa, importante ponto para um estabeleci
ment de molbados, servindo de base a offerta
de 9104. obtida do 1* leilo.
egnnda-felra, 1 do correte
as l* lloras
No armazem i travessa do Corpo Santo n. 27
Agente Pestaa
De 1 mobilia de Jacaranda com tampo de pe
dra, 1 pi-nn. 1 espelbo oval, 4 quadros 4 jar
ros para flores, 2 etageres, 2 candieiros para ke-
rosene, 1 maquina de costura de dous pjspou
tos, ^ imporiaute gualda vestidos de amarello,
1 marqueao dar casal, i berg >, 1/2 commjda,
2 cabidesde parede. 1 lavator.o, 1 sof de ama
relio, 1 excellene mesa elstica comN taboas,
1 armario, 6 cadenas. 1 .bauco de madeira, 1
lindo pete cravetro, i:mesa de cosinta. taboas
e ferros para engommado, jarras para agua, lou
gas, vidros, trem de cosinha e maitos oirlr-?
objectos.
Sext^-Ielra, t do correte .
A's 11 horas
No sobrado ra dos (Juararapes n. 49 A
0 geme Gusmo, autorisado por urna familia
qse relira se p^ra Europa, tara leilao dos ob-
jectos cima mencionados, os quaes serao vendi-
dos aocorrer do martello.
Entrega e recebimenlo em acto continuo.
AVISOS DIVERSOS
nno pa;
Carobroa
a peca.
i 'ita fina com salpicbs a 45000 a dita.
Atoalbad" para mesa, razenda de gosto, a
1)J400 rs. o metro.
Fiohus de todos os tamanhos, qa;TWade e
pr eos.
Toalhos para mesa a 25000, urna.,.
Colchas brancas, portuguezas, fazenda de
10^000 a 5600U.
Meias, sortimento eompleto para homem,
si- hora e crianzas
Ufencos de algodao, brancos e de cores,
linho, e grande sortimento em seda.
Cortes de calja para homem, um corte
15000.
Gravatas, fiebus, voe e 1S o que ha de
mai8 em novidade.
Setins, surah, sedas de cores e pretas,
merino pt-eto, lisoo e lavrado, grande
quantidade de artigos que vendemos por
todo preco.
LOJA DO CA1P0S
CRESPO 21
Criado
Precisa-se de
(^axias n. 70, 1
Um criado
andar.
na ra Duque de
* V
Caixeiro
Precisa-e de um menino que jenha pratica
de molbad is e que d fiador de sua conducta : a
tratar no Caminho ovo n. 79.
o commercio
Joseph Ge ard, retrando-se temporariamente
para a Europa, julga nada dever a pessoa algu
-ma nesta cidade : outroeim, declara ao corpo
comrnercial oue deixa romo seu procurador pa
ra todos o< eneitos ao Sr. tenente-corotel Fran
cisco Pedro Bpolitreaa.
1890. "
Reofe, %A de Maio de
Aluga se urna casa com boas commodoi e
quintal, em .-ani'Auna de dentro n. 6 ; a tratar
na praca de Pedro 2.' n. 2, escriptorio.
Alugam se casas caladas e pintada* nos
, indos de S Goncalo, a 8*000; a tratar na ra
' la Imperatm n. 74. ________
Aluga-se por preco commodoo sobrado o-
155 rui> Imperial, por partes oo todo, preferin-
do se aiugal o iodo : qn-tm o pretender dirija s
a ra do Imperador
Aluga te a ca-a
bel, com agua e paz, mult fresca
ra da Aurora o. 86, tarveraa.
Precisa se de uaa boa cosinheira para
casa ae familia, que durma em casa t seju ma
triculada ; a tratar na roa Nova n. 39, segundo
andar.
a.'36, 1- andar, a-direita
n. 4 d'a'rua Princez'a Isa
a tratar oa
3* leilo
Agente Brito
De um bom predio
O agente Brito, a mandado do cid. dao Dr. juiz
ae direito do rivel, em sua presenca e a requer
ment do Dr. Mauoel Joaquim Ferreira Esteves,
inventariante dos bens deixados por seos fina-
dos paes. levar a leilao o sobrado de 2 andares
a ra Imperial o. 6, novo, frente de azulejo solo
proprio.
Segunda-feira, 12do corrente
A' ru da Imperatr,i2 n. 13
A's 11 horas
Leilo
Agerte Brito
Da armaco, 1 cofre e ioucas
I m continaaeio
O agente cima vender em leilao, em cooti
nuaco, a arm^go envidrajada, 1 cofre prova
de fgo, 1 bomba nova, Ioucas de porcelana fi
aa e iti outrao qualiddes, serpentinas, vid ros,
candieiros e l relogio de parede.
Segunda-feira, 12 do corrente
Ba dalmperatriz n. 13
A' 10 1/2 hora
Ao correr lo martello*_________-
Leilo
De movis, quadros, espelbo oval, porce-
Hnas, lougas, vidros atrem de cosinha
Terea-filra. 1 3 do corrcate
A' 10 e 1[2 hora
No 2o andar do sobrado roa Duque de
Cana* d. 57
Constando
De i excelleBte mn iba austriaca com encoi'o
de palba. com 12 cadeiras de guarnisSo, 4 ditas
de bracos, i sofl e t coosolos com ptdra, 1 es-
pelbo oval com moldara dourada, a quadros a
\
Precisa se de urna criada e de um criado,
para o servico de casa de pouca familia a t ra
lar airea da matriz de Santo Antonio n. 24.
Trave* do Sicupira de 30 u 36 palmos, e
prao'.h s de acnarello : vende Antonio Ferr ra
de Oliveira, rna Marciiio Das o. lO.________
Patac'-s e outras moedas de < uro e prata,
compra-re pelo maior preco ; na ra do Com-
mercio n 4.
Torquato Lturentino Ferreira de Mello,
professor jub lado na 2. cadeira do Recife, lec-
hona pnmeiras l> tiras, portuguez e francez, por
precos razcaveis : no pateo de S. Pedro n. 3,
primeiro andar
Teodo se extraviado nm conbecimento da quan
lia de 1.3o0*Oii0 correspondente a igual quantia
que rei.olbi ao cofre do Tbesouro deste Estado
afim de arrematar a obra dos reparos da punte
de Afogados; peco a quem o acbar
tregar ao abaixo assignado quvfi
Joo Los Cavakante
YICHY
Admimstrafo : PHII. S, Boul*r*rlcntmirtr*.
QBAKDE-OMHX.-iir.c"%8 Itmihaliraa, non-
ra* ilas 11..s Jestra.,OIstraec4k i J|Eulo do han,
l'Stinc^. i vis eraes. Concrerc.* c.*Fiilo5 'S da bUi*.
HOPITAL. Atker/vs da* viasdi.-rsvas, Incnnimo-
ilos d c*lomai;o.' Oiges!o difftd!, Io.ipeteni-.ia,
Gastralgias, Pyspepia.
-CtLESTINS.- Affi-cv8>'S dos rn. da beilira, Areias,
VXoorr.'^o^s das i.urinas,fila, D.atieU-s, Albiiminura.
HATJTERiVE. AnVrreadosrins.da be\i2a. Arnias,
k Concretes Jas ou i:i s'.fiuta l)ialieie<, AHmminDria.
EHTA-SE 0 Wi la FONTE na CATSU
Ea Ptrnamtiucf,y% Agnas da< Fon te de Vichy,
, aeimi im-w*. nrt&o-se era cavas de
StTLZFB A KOECHUN,'i5.ri;s da (-1 i;/: Auff LABI.
tmmmmmmmmmmtmmm
-
QEBKIS V08808 FlLHOS 8EMPRK 8ADK S
Adminstrae-lhe o XARO PE ou a
Pillas Vermipurgativas
DO DR. CALASAS
ptimas preparacSes de mastruz
e rhuibarbo, para a expulsao completa, sem
dores nem incommodo, dos vermes
intestinaes ou lombrigas
(das cranlas e dos adultos)
SEIS ANNOS DE SUCCESS!
< Estas excellentes preparacSes nSo ne-
cessitam de purgativos como auxiliares
visto serem purgativas por si mesmas. >
As pessoas que tm vermes sentem co
ticas, tem constantemente diarrhas, indis
posirjao, sensacSo de corpos que se movem
nos intestinos, endurecimento do ventre, e
as veaes, vmitos. Rangem os dentes, qnan
do dormem, e algumas pessoas ezpellem
vermes com as fezes ou com as materias
dos vmitos. As creancas apresentam as
pirpillas dilatadas e inapetencia.
As pilulas levam impresso o nome de
DR. CALASANS e sao cor de rosa.
1 caixa de pilulas i2t0
I vidro de xarope 1)52( C
AS PRDCIPAES DROGARAS E
PHARMACLAS
OEIIaC.
Ra tlarquez de Olinda n. 13
Armazem de cerveja, vi-
nhos, champagne, licores,
cognac, agua mineral, con-
servas, etc., etc. nico
deposito da afamada, cer-
veja Phoenix de Dortmuud
e do chocolate Ph. Su-
chard de Neuchatel pre-
miado com a medalha de
Ouro na Exposicao Univer-
sal de Pariz em 1889.
Agenqia da glande fa-
brica de charutos Danne-
mann & C, S. Flix (Baha).
No dia 14 do corrente ter lugar a venda dos
movis e in.'trumental da S. P 5. E. 6 de Abril,
visto a mesma ter sido diss^hida.
E cada, 9 de Maio d. 18:0
Cautelas do Monte de So<
corro
ra-se Cautelas do Monte dn Soo
qualquer joia, brilhantes s r&lo-
a-se bem na ra do Cahug n
f4. n. Loja de reiojoeiro.

Antonia Rosa de leaua
Joaquim Antonio ca Costa, ten ?o recebi lo a
infausta noticia do fallecimtmto de sua prezada
irma Aa:oni.i Rosa de Jess, em Portugal, con-
vida a tod< 8 os seus prenles e amigos para as
sistirem as missas que maoua rezar s 8 1/2
horas da manha, na iDatriz do Torpo Santo pelo
seu eterno repouso, no dia 20 do corrente, tri
gesimo dia do seu fallecimento, confessando se
: uraniamente grato a todos que assislirem a este
acto de religiao e candarle
t
Copeiro
qae sea fiel
na
Precisa-se de um copeiro
ra de Piysind n. 19.
Cosinheira
Na roa Barao da Victoria n. 80, precisa se de
urna perita cosinheira, para :asa de pequea fa-
milia estrangeira.
Criado
Elixir M. Morato
PROPAGADO POR D. CARLOS
Depois d* 6 annos de atroz soffrmento
de rheumatlsmo, estando verdaderamente
descort (ofedo, sarei completamente usando
o==Elxir, M. Morato=que declaro ser o
melhor e nico anti rheumatib at boje)
S. Paulo, 2 de Novembro de 1889.
Cetario Rodrigues Alvim.
ttengo
adame Fanuy Silva, costureira e
modista francesa, .-e^uindo brevemente pari
Pars, a fazerno'as compras, vedd por precos
de liquidacao, lindissimos vestidos Ritos, de
seda e la, tara baile e passeio, assim como cor-
t, s de seda, damass. Xoularda e muitas outras
novidades. r.INDOS CHAPEOS E CAPOTAS.
Convidu as Exmas. familias'a aproveitarem esta
occasiao nica de comprarem a precos sem
competencia.
Contina a confeccionar toda e qualquer
toilette para baile, passeio e c
mxima pontualidade, el '
dicos Lulo em 84 horas.
Ra Barao da Vi
Arthur &
continuam a comprar ouro
bem assim libras sterhnas e
onroe de prata, e pags se be
bug n, 3.
ra do Ca-
Precisase de um criado para servico domes-
tico ; no Paco da Patria n. 5, quinta casa.
Criado
Precisase de um criado com idade de 1S an
nos ; a tratar na ra do Bom Jess n. 58, ar-
mazem.______________________________
Baldes yenesianos
Para as illaminacoes nos festeros de 13 de
Maio ha um novo e variado sortimento dessee
baldee, bicolores e tricoloras, com as insignias
da gra de repblica dos fstados Unidos do
Br... 1. a precos absolutamente sem competeu
ca no mercado ; no armazem a roa Mrquez de
Olinda n. 54.____________________________
Patacoes velhos
Compra-te na reloioaria David, ma do Cabo
ean 14.
CURA CERTA
a tafos s Affeco.cs palmtu>rrs
Todos a4u'.iic- ^ M>aTem|
Idojpeito, deven, experimentan
[as Capsulats do Dr. rouKUimJ
OeootiUrlot em Ptmimmm i
nuaoisco a. a* iLV* ex
Para engenhos
GIMARAES & VA LENTE, parteci
pam aos seus fregueses e lllms. Srs. .
engenho que, como sem pre, tm grandt
deposito aos artigos abaixo mencionados
garantindo tudo de primeira qualidade <
prcf len competencia a saber
Cal nova de Lisboa,
Dita de Jaguaribe.
Cimento portland.
Oleo de mocot.
leos americanos
especiaos para macbinismos.
Azeite de coco,
Dito de carrapato.
Dito de peixe,
Pixeemlata.
erozene nterptsivef.
Graxaem bexigas.
Gaxeta fe linho.
Potassa dv Russia.
(em eaizas, barriquinhas, latas grandet
e pequeas.)
Formicida Capanema.
6--C orpo-Santo--6
Amaro (omet da Cuaba Ualullo
Junier
A aro Gomes da Cunoa Rabello, sua mnlber
e tilbos (.urentes), Laurino de Moraes Pinbeiro,
sua mulher filhos, transidos da mais acerba
dor pelo prematuro e inesperado passameoto
de seu arezadissimo liiho. irmao primo e ami
go, Amaro Gomes da Cunln Rabello Junio-, ten-
do de mandar cel-brar atgumas missas pelo seu
eterno repouso. quarta fetra 14 do corrente, s-
timo dia do su passameoto, pelas 8 horas da
manha, na ijreja do Espirito Santo, convidam
aos seus prenles e amigos e os do finado e
seus collegas da FacrHdde de Direito. para Ins
fazerem o caricioso obsequio de assistil-as, pelo
que desde i se confessam agrade-idos.______
REMEDIO DO L.2, AYER
CONTKA
AS SEZES OU MALEITAS.
O Remedio do Dr. Ayer, descoberts
vegetal que nao contm a quina nem o
arsnico, nem to pouco outro ingrediente
nocivo, um remedio inlullivel e p romp o
para toda a qualidade de /ubres intermit-
ientes ou maleilas. Seus effeitos sao per-
manentes e certos e nenham mal abso-
lutamente pode advtr do seu emprego.
Da mesraa forma torna-se o melhor
remedio possivel para todas aquellas
doencas que provm dos effeitos dos
miasmas, que se desenvolvem nos lugares
pantanosos e infectados, e que geralmente
caracteriso-se pelas afeccSes do
fijarlo e do buco.
O Remedio.de Ayer curar sempre,
mesmo nos casos peiores, toda a vez que
fr empregado convenientemente e se-
gundo as direcc,Ses.
preparado pelo
DR. J. C. AY1LB.& CA.,
LowelL Mass.. Est.-Unidos.
Coziuheira
Precisa-se de urna cosinheira pera casa de
pequea Tamilia ; a tratar na ra Du ue de Ca-
xias n. 60, i andar.
Superior vinho de Al-
eo baga
O acreditado e autigo armazem do Lima par-
ticipa ao publico e aos seus fregueses u acaba
de receber urna nova remessa deste tspecial
vinho, esrolhido proprian;ente pelo cbe.'c desta
casa tornando ?e recommendaao por sr puro a
de boa qualidade.
Jos Femandcs Lima A C.. ra Barao da Vic-
toria n. 9
Telephone 323 ______
Aluga-se
no pateo da igreja do Poco da Panella urna casa
com 4quartoe, 2 salas, csinha fra e copiar: a
ratar na roa da Imperatriz n. 76.
A luga se
um3 boa casa com bom sitio, no Arraial, prxi-
mo Casa Amarella (becco do Bartholomeo n. 1) :
a tratar na ra de Pedro Alfonso n. t2.
~rr
t
Tenante Antonio de Alnuquerque
Mxranlio
O Dr. Henrique Augusto de Albuquerque Mi
let esua mulher mandam rezar missai* do sti-
mo dia do fallecimento de seu tio Antonio de
AlbuqUrrque Maranho, no dia 14 do co-rente,
s 8 1/2 horas da manhS, na matriz da Boa
Vista. Convidam os sr u> pareutes e amibos
para 'od pare -.erem a esse acto de i eligido e
caridade. e desde i se confessam gratos._____
W
I
Pedro tonoaheo Pereira Lima
Manoel Goncalvs Pereira Lima e sua mulher
D. bandida Pereira Lima ayradecem as pessoas
que assistiraui aos uit.mbs suffragibs feitospela
alma de seu prezado filho, Podro Goneulve.- Pe
reir Lima, e convidam aa> seus par. ntes e
amig >s,para assistireui as missas que por alma
do mesmo seu filho mandam celebrar s 8 horas
da manb do da 12 do corrente, stimo desst
pagamento, na m; tnz da lina-Vista.



t
'
Commendador Manoel chado
D. Margarida Julia Remira Machado manda
celebrar missas por alma de seu finado marido
o commendador Manoel Jos Macnado,
s 8 horas da manbi de qoaita-feira 14 deste
mes, na igreja do-convento do Carmo do Recife,
na da cathedral de Olinda, 2 anniversario do
passamento de mesmo finado A's pessoas que
se dignarem aesistir a esse acto de piedade e
reliiiro eonfessa-se f xtremameite grata.

t

An-
Angellno Jone doa Sanio
drade
Beo Jos dos Santos Andrade (ausente) e
Fraocijco de Olive:ru Lei' Guimares, irmao e
amigo, convidam aos seus amigos e aos do fal-
Ir-tido/Aogelino Jo.- dos Santos Andrade, para
assisnrem a urna missa que por toa alma man-
dam retar na igreja oe S da Conceigo dos
Militares, 8 horas da manb do dia 13 do
corrente, stimo do seu passamento. Antecipam
os seus agradecimenlos. __________^^^^
t
Professora
T" bom h*h'litHo ofFerece-se par
lecctnar -m es.sus particnlares, na cidade
ou seos, arrabaldes. as seguintes materias
portugus, francs, italiano, therrico e
p tico, fallnndo as linguas correctamente,
geographia, trabalho de egulha inclusive
flores. mQHca pino.
inf'"" r pelo i diseipoUt, do jue servirSo de provs aa
que actualmente ensina ha maia de annos.
Pede ser procurada na Livraria Con
tempornea, ou na rna da Ponte Velba
n. 19.
Jar &
Boaveatnra tome da Costa
*% directora do Monte Pie Portugus manda
rezar urna missa por alma do seu finado Conso-
cio, Bo!ventura Gomes da Costa, terga feira 13
do corrente, trigsimo dia do seo passameoto.
Para ujo acto, que ter lugar pelas 7 hgrs da
raanh, na igreja da Madre de Deus, convida aos
sencores socios e amigos do n>pBmo finado.
Secretaria, 9 de Maio de 1890.
Manoel Velloso,
. 2 secretario.
D. Amelia Alves da Silva Oliveira, sen mari-
do e tilhos mandam celebrar missa no trigsimo
dia do fallecimento de sen irmao, cuobado e tio,
Her. ulano Alves da Silva, i 8 horas de d a 13
de Maio, ua matriz da hoa Vista. Coavidam aos
luga-se
a leja do sobrado n. 67 ra do Barthclomeo,
propria para qualquer e.tabelecimen'.o por licar
enfronte a ttrande estajo de Caruai e ser
muito concar-ido o lugar ; a tratar na ra larga
do Rosario n 34. botica.
Al.
uga-se
o sobrado de um andar e -olo ra do Bartha-
lomeo n. <''. com bons commodos; a tratar ua
ra larga do Rosario n. 34, botica.
Aluga-se
a casa terrea sita ra du Ji^qnim fabuco a.
30. reedificada, com accommo laces para gran-
de familia com agua, oar.heiro, bom quintal, de
prego commodo, a tratar na mesma ua u 28, oti
ra do Mrquez de Olinda, n 51
Aluga-se
o 1- andar do sohrado ra do Imperador ni-
mero 27. _____
Altiva- se
o 2- andar do predio n. 30 ra Mrquez da
Olioda, por 16 por mez ; a tratar na pburaacia
francesa ra Barao da Victoria.
Precisa se de urna ama que co^inhe bem ; na
ra Imperial n. 17. _____
Ama
P.ecisa se de urna boa cosinheira par.- casa
de familia ; a tratar na ra do Crespo n. 11,
loja.
Ama
No becco da Lingoeta n. 3, precisa se de urna
ama para casa de pequea familia, para cos-
nbar
Ama
Precisa-se de urna boa cosinheira para casa
de pequea familia, que durma em casa dos
patroes e sej matriculada ; na ra de Fe man-
des Vieira n. 29.
Ama e criado
Precisa se de urna ama e de nm criado ; na
ra do Camaro ni.
Ama para co^inhar
Precisa-se de urna ama para cosinbar ; a U\."
lar na praja Maciel Pinbeiro n. 26, sobrado
amarello.
*
Henrique una Herrn Jannen
Mana Justa das Merts, Dr. Vicr ate Jansen,
de Cas'ro o Albuquerque (ausente), Rosa Candi-
da Jansen, Luiza Rosa das Mercs Jansn, Joanpa
Jansen, Paula Jansen e Abilio Jan en, mai e ir-
mlos d' fiado pharmsceutk Henrique das Mer
jio iauc-en. vcnvid-.-oi 8 ana Mas e amigas para
ai-Biei.ivm as uiieoao iiue ueverio t-er celebradas
por alma do mesmo finado, no mosteiro de S.
Bento. em Olinda, as 7 horas da manb, do da
13 do correte (30* dia de sen fallecimento).
Desde j se confessam gritos aquelles qujtcom-
pareetrem a ese acm de candad* e re pfcq
A Jugue' barato
Vizconde de Pelotas n. S
Pedro Affonso, armazem n. 46.
Largo do mercado loja n. 17
Ra do Bom Jess 2". andar n. 47
Ra Aguazinhas em Beberibe n. 7
Ra Coronel SuassunaN. 141, qnar
Ra Itaparica o 43 1. andar.
Travessa do < armo, loja n. 10.
Becco do Tambi n. 21.
A tratar, ra o Commercio n. 8,1 andar,
a8cnptono de Silva Guimares 4 C.
Injecc.ao
Se n&o morri desesperado, soffrend<
muito tempo ama molestia ebronica que
ninguem podia curar; foi por encontrar
santo remedioInjecgo M Moratoque
insta tuncamente pos termo ao meu hor-
rivel soffriment.
Taubat.
Aagusto intra Magalhaea.
Agentes depositarios em Pernambuco :
Francisco M. da Silva & C ra Marque
de Olinda n. 23.______ "______
l\l ercearia 1 ompar a-
liva
Os proprieta ros desk conceituado estabeleci-
ment participara aos seus distinctos fregueses
e ao respeitavr 1 publico, que receDeiam nova
remessa do ia muito acreditado e especial
Vinho Douro
nicos que recebem e retalbam este delicise
viubo. esco hilo propnamente, pelo'cbefe de
nossa casa o Sr. Antonio larquc ie Oliveira
por isso convidamos o respeitavel publico a vlr
ao nosBo estabeletimeolo, com o que muito nos
honraro, e experimentar o quaoto vale urna
pinga boa, viudo roa larga do Rosario o. i9
Marques Sobrinho & C.
V
-;
+

*

I
.
>'
V

'


io de Pernambueo--Domingo 11 de
i
LOJA DO POVO
11Ra l, de Marco11
Com este titulo acaba de se abrir, -^-aa 1. de Mareo n., 11 urna loja de fazen
das e seu propnetario convida o publico d'esta cidatle e de fra a apreciar o sen
BELLO sortimento. Muitas de suas fazenrlas sao rebebidas directamente.
GRANDE N >VIDADE
Descont dfe 10o/ em compras de 205 '00 para cima.
Granadine, pura seda, de 168'i0 a 8f> rs. o covado.
Toile. pura seda, de l600 a 650 rs. o covado.
Las conv listras, preparo de cachemira, a 200 rs. o covado.
Las com preparo de cachemira a 240 rs. o covado.
Chitas de 200, 220 e 240 rs. o covado.
Setinetas de cYes lindas a 3*X) rs o covado.
Zephvr largo de 800 rs, a 320 rs. o covado.
dem" idem a 200 rs. o covado.
dem idem a 160 rs. o covado.
Cortes, costumes de c-.seroira ingleza, a 125000.
Ditos de casemira ingleza de 3500, 4500) e 60COO.
Uitis do fustao para ollete de 600 rs. e 25400
Cheviot de 355't, a i50 >0 o covado.
Casemira cor e cel de 35000. a 15000 o covado.
Oaaaeos de Jersey para senhora a 30CK;O e 65000.
Merino preto a 50', 700 e 15200 o covado. %
Dito de cor a 400 rs o cando.
Casinetas tinas de 500 is a 36 rs. o covado.
Colchas de crochet de 8000 a 3650 .
Cortinados lindos a 6500; I.
Bramante de 10 palmos a 15400, a vara.
Ver paia crr s na
x, ar .a. :aa poyo
GOH AftMAGAO
PASA DORMIR CCMftMMENTE
<
ce
ti

2
-
3
cS
O)
s
s

(A
^^5

V
ll
i
.
a vapor
-----------*-----------
FABRICA DE LIVROS DE ESCRIPTURACAO
UOADUIIAOAQ -*- M0TAOAO
-
Qanoel J. de CQiranda
*- 3 9 -* RA -*- DUQUE DE -*- C AXI AS -*- 39 i
NUMERO TELEPHONICO 194
s
5ST%MSireo

fl) a.

-?
o CB "5
-S"
OSS
Os <
s
o
s
o
E
o
O
VNDESE NA LOJA DAS LIST8AS AZUES MAIS AS SEGUINTES
MrflDBES
Espertares e relogios com movimento
Tesoura8 fin*8 quese do bra'm, a 15500.
Porta-lanterDa para theatro, a 150U0.
Sabonete8 Para pannos e sardas.
Grampo8. novidade, para trancas.
LapB.caneta de ouro romano.
Caivete8 de duas a quatro folhas tinas.
Oleados com repartimentos para mesa.
Sabonete8 Para limpar curo e prata.
Albuns para retratos, a 35000.
Bordados finos, peca de 4 1/2 metros.
Fitas de toda3 as larguras e cores.
Biccos e rendas hespanholas.
Espartilho8 de setim para noivas.
Meias de se^a par* senhora.
MadapolSo fino, peca com 10 varas.
Korn Lavrado com 20 varas, a 55000.
Percales claras e escuras a 200 e 240 rs.
Setim branco e todas as c6res com listras.
Surak, todas as cores, a 15400.
Velludos pretos com contas e palmas.
Ca9Sas de rambgens com lindas cores.
Tecidos arrendados brancos e de cores.
Cortes bordados em cartSo a 95000.
Cortinados bordados e de- crochet.
Colchas bra-cas e de cores, a 25000.
Crochets para sof e cadeiras.
Bramantes de linho e algodSo.
Atoalbados, lavrados em releve s.
Guardanapos grandes e pequeos.
Aos compradores de 205OOO para cima da se descontos e ii.uitss vantagens
para vendedores.
A ra Duque de Caxias n. 61
LOJA DAS LISTRAS AZUES


.
- jj



- . 1

-1
.

sfi ,
)viso aos ffieguezes
Oc "BODUCTOS fia.
firlifflm lis k
O*?, VUB. de S+-ITG~ior&, JPAJJS
nutra: OMZfrtm, ESS.-SIZ&, CR12A-UCT, CRMWMHZA
ORIZA-Ya'JT, CBIZA-TSklSA, C3BALWE, *ABAS-Qf?!ZA
DL'.'fM 0 SEU GP.AKQE EXIT zVt COMO 0 FAVOR DO PU5LIC0 :
1 Ao oificlaiio peroito ce::- q-M". ec.o sendo fabricados;
2* A'sl> ui.idr.e Inalttrevei e tuavidade do seu perume.
(i-s, cara Se faz wmr3$8ES oestss procuctqs oriza
/ com intiiiio =- v;ver ass.'.x .-. c/jstu da tena tl que gozan,
ponos ds obraaviso o?. regueaes no fim qae se nao
cteixsm eiiganar.
Os Kf.MOtlsos pr.CSCTOS se \xtx tr. ts ss 63is caws de Perfumara e Orccarta.
' 1AKEA-SB DE PLS < C\TA.CO(> [UUBTa&DO FBASCO DE PORTB
2:)-Fisi de lalhias lAibuquefiuc, solida rus das Flores25
t Tinge e impa com a maior perfeiySo tida a qualidude de estofo e tazendas en
BoCi"1 '' ,m 'bras, chipaos de feltros oi de palhh, tira o mofo de fazendas; todo
trab.!! '' '" f",r meio de-nachinipmo sperfe9 Tint'.ra t>reta nsa tercas e sextos reir, tinta de cores e lavsgem todos os das
fS*3?\,
VINHO DEFRESNE
UN
NEVRALGIAS
Pilulas do Docteur Moussette
As VERDADEIBAS PlLtJLAS MOUSSETTE acalmao e curto as
Nevralgias mais rebeldes, a Enxaqueca, a Gastralgia, a Sciatica, as Affecfoet
rheumatitmaes agudas e dolorosas que resistirse a qualquer outro remedio
As VERDADEIRAS PILULAS MOUSSETTE devem ser tomadas as
refeicoes. No primeiro dia tomar-se-ha tres ptlulas; pela manha, ao almogo e o
jantar. Si nao se tiver experimentado allivio tome-se quatro pilulas no segundo
da, duas pela manha, urna no almoco e outra no jantar. E' preciso nao tomar mai
de quatro pilulas Moussette por dia.
Exija-te a$ Verdadeiras I iltas Monssette de CtW O, de PA1UZ
que m comprio em toda a drogariat e pharmaciai.
IOS MENTES
Queris cu ar-vos prompta e radicalmente de vossa enfermi-
' dsde pulmonar, bronchite, asthma, roH toase? Tomai o remedio garantido
0 Peitoral de Cambar
de Souaa Soares, de Pelotas, que se acha venda as principaes
pharmaqjas e drogaras desta cidade, a 25500 o frasco e 245000 a duaia.
Os agentes e depositarios
Francisco M. da Silva & C.
ODONTINE
SABAO DENTIFRICIO
DR
DO
A melhor prepara^ao hygienica para clarear e conservtf
Approvada pela junta de hygiene do Rio de Janeiro, com a marca registrad
para todos os Estados Unidos do Brasil.
YKNDE-SK AS SEGUINTES EASAS:
Maia Sobrinho d C.
Castro Medeiros & C.
Duarte A C.
Pedro Antunes & C.
JoSo Bezerra & G.
Netto < ampos & C.
Manoel Joaquim Ribeiro & C.
Maia e Silva & C,
Barbosa & Santos.
Barros & C.
Numa Pompio.
Nunes Fonseca & C.
Manoel Vieira Neves.
Manoel Ca'rdoso Jnior.
Manoel Colaco & C.
Paponla & Bastos.
Ribeiro & Almeida.
Antonio D. de Lima & G.
Sabino Pinho & C.
JoSo Ramos.
*


Deposito por atacado:
THE O. JSf
Largo do Corpo Santo
m -
RA MARQOEZ DE OLINDA
____.
^ |k %J POR lEin
f* ^ Elixir, F e 2
eivrj
Pasta dentfricios
RR. PP. BENEDICTINOS
da ABBADIA de SOULAC (Gironde>
DOM BKAOUELONNE, Prior
fS Medalhu de Ouro : Bruxellet 1880~Londm 1884 I
AS MAIS ELEVADAS RECOMPENSAS
rmaoo
MO AMNO
1373
Palo Prior
Fierre BOUBSAITB
TOHI-HUTRITIVO
COM
PEPTONA
^>-Aii._.
AMHTTIOA OFHCIALMEim, IA MAR1MHA E NS HOSPITAES DE PAR
O FiMfc* e\e feptmum Se/reme e o mala precioso dos tnicos, conten a
fibra muscular, o ferro nematlco e o phosphato de Cl da carne de vaoca, e o nico
recoosiHuinte natural e completo.
Este Delieieo f'inho, que desperta o appetlte, restltue as torcas ao esto-
mago e memora a dlfestfo, como reconstliulnte lncomparavel. qu e. por taso que
eucerra o elemento plstico dos msculos que susia a consumpcao, colore o
san-'ue dyscraslado pela anemia, prerlne os desvos da columna vertebral.
O Fin* reptmttm e/ree lmpoe se em todos os casos ue affeccw
das Tas digestivas o de enXermidades de forma deprimente, agudas ou cnronicas,
como as dysnepslas, ulceras do estomago, etc.. e no marasmo, cnlorose. aiaDeie,
cacbexia Uslcs pulmonar, etc. Devem usal-o egua.mente as pessoas de consum?*"
dbil as crlancas cuja saude posta em risco pelo cresclmento rpido, as maens
cujo vigor oomprometUdo pelo trabalbo do aleitamento. j>.-_. -'" ---'
OEfRESSE o primeiro preparador do Hnhu de fp otv*. Cuidado com ajimiiacoes.
A Tiaaio i Bm t*du u mu urtdiudu
aanurlai ds Praaca
O uso quotidiano do Elixir Dentiricio
dos RR. PP. Benedictinos, com dose de
alpumas pottas com apua, ]>revem e cura a carie
dos dentes, smbranqueceos, fortalecendo e tor-l
nando as gengivas perfeitamente sadias.
Prestamos un verdadeiro servico, aasipna-j
lando aos nossot litorc este' antipo e ntilis-'
simo preparado, o melhor curativo e o nico
preservativo contra as Aeccdes den-
tarias. >
gente geral: SEGUIN, BORDEAUX
Acha-se em todas as PeriTunaria, Phannacias e Dropar>ae to mundo int4?iro.
^1 11 it' ^^ 111 i\
h jv
li*.Oicina de costuras
R icos eii.e* l B#ia e phanbisi .
Cft:-.t| ,s > le ?erKl:?.s? confoc-
^o'^ cbi>pos, prj o pan: a pres ote
sncio- oaxa ir axial caama a U nc;<> Jos
x^oex^dso?
miiih i! wiimuw"iiiiiin irr c*r<*tmmi.
f
I #.i axouoii.t e ifiuoo o^udtaeowu. ov.i aninmoj 'ovtsiSA <> 3
..jxjI Jod s^
n-
44.-1114 um m iiiiiif ?f


<*binas a vap
Moetidae.
Rodas d'agua.
1 aixas uiKidao e batidab.
X% Taixas batidas sem cravaj^tj
Arados
uaiaa NissoofxS@isMJA
Bpvvijiqeq 'rnzwT 'osojonfD
oa3d a vNinD
i9svajr-
C-iuipieto sortimento de chapeos, capotas e gorros de fantasas em todas
qualidades.
Fitas, rendas e bico de seda e algodao de todas ss cores.
Flores, plomas, pasearos, algrttes e bljoaterles para enfeites.
Chapeos de f itr.) e castor, os mais modernos, para homens e menino
Recebe por todos os vapores as prime i ras novidades de artigo de se*
g .'aere de negocio.
Raphael Das & C-
2 Ra do Baro da Victoria 2

AOS SMmSGAOOS
COMMERCIO
Descobriu se as mattas dos sertoes de S. Paulo, um vegetal com que fez-se
um preparado que conheeido por=Kl xir M. Morato=propagado por D. Carlos.
Este remedio indgena tem l'eito curas que espantam e que mais parecem milagres.
A syphilis de qualquer narureza, e por mais inveterada que seja, desapparece com o
uso d'este preparadoo rhenmatismo quer novo, quer ehrenico, curase com este
remedio, e com urna felisidade espantosa. Contra factoa nSo ha argumentos, e, os
beneficios operados, sSo j tantos, que nSo ha mais o direito de duvidar. Procurar :
Elixir VI Voratopropagado por D. Carlos.
Agentes depositarios em Pernambuc : Franscico M. da Silva & C. ra"5 do
Mrquez de Olinda nr23.
hm Pro vincia$s
Vendem-se collecc,oes das
leis provinciaes de Pernm-
buco, dos annos de 1875,
1880, 1881, 1882, 1883,
1884, 1885, 1886, 1887,
1888 e 1889 : do escriptorio
do Diario.
I_______________________
hzmmm
Para frente de casas, banhairos
conedores, afnngups, sendo de lindas
cores, vendem-se por 60^000 o milnei-
ro, por er um saldo, na Praga da In-
dependencia n. 40



.



*"-.
JtSLim
Iab
ajamva
Acha ? nessa villa urna diligencia com os re
{trisitos, desejaveis para propon'ionar aos Srs
i;;ssM.peir ce dt- Timbauba i Itabayanna e ao Pilar, e vice
versa, facilitando Ibes assim rpido transportt-
io Re ife Parabybu.f era os incummodos e pe-
raos das viagens mantimas.
No Rhcil'. d ras Marqsez de Olinla n. 38 era
Tioib-iUba, no hotel O. Emilia, em Itabayan'.a
qo estabeleciroenlo de Mello & C, e na Pa
rHbyba, hotel Parabybano, enconirar-se ha coru
qcera tratar.
8
om neroco
Admitte-e um sccio cora Jum capital para
(averna ; a tratar na ra ds Domingos Jo; Mar
ttog ik_80._____________________________________
Crados e colnheira
Aa :na Dircita n. 74 i- auiiur, nreci?a se de
iT;r.d'"sqne tenoG pratica de vender, e d- um,
hu csiobeira aae&ajha trab^i:,ar be/, em bo
los e rm outras goarias de vendag' m.
Sitio na Magdalena
Alaga se um, com xcellenle casa' par? ra)
de familia, luda pintada e forrada a papf-1. corr
ap. agua boa latrina e bond porta ; trata "8-
"rc Antonio Gomes de Mattos ra a Cadeia
uojero iS.
m lez vezas, oito vezes
[se dissipam as enxaquecas e n*
_ivraJgias om alguns minutos oosa
prego das Parolas da tarebinthina da
ftwGlartan. ___
Tras ou qaatro d'estas parolas prodoaeas
snvio quasi instantneo, de modo tal qaa
dse nlo flzer ffeito qoaai
rapiUl-a.
la frasco contm 30 parolas, tomaba
ala insignificante o praoo do orathio 4
BM nsTralgia ou enxaqueca.
Casso a assencia de tersbinthina
com o maior cuidado,
das imiucoas tilfir
da origen que em cada Tidro sa i
a gnu deClertan.
(Hrls, casa L. Prara, roa laaob,tt
V)/L1I>A.X.XIA. DE OU30
O* ACADBM NACIONAL
VIKTI^O

DO DOUTOR
com EXTRACTO oe
FIGAOO de BACALHIiff
Ha/3 tff/car anda to que o oleo eecueo. 0 ai >
multo agrodavel. Sem delmr otroeber o menor mc gusto.
receitado por tocios es mdicos para o
Kachitismo, Esrro- huas. Anemia, Tsica,
Catarrho Pulmonar. ConStipacoes,Chlorosft
Molestias do Palto, eic-
Sm toda as PJcrnjaea*
PARS, Bouleward de Sirasbourg, BO
Menino
Qn-m precisar de um.menino com alguma
praiica de taverna, cAegado ha pouco da Europa,
Ikija se roa da Madre de Deus n 3, hotel-


^rietarios do antigo" e acreditado arma
c' ra Bario da Vi tona n. 3,
ipaai a respeiiavel publico e aos seas
distioctos fregueses, que trnsferiram tempora-
riamente seu armazem para a mesma ra o. 9,
continuando da mesma forma a receberem soaa
ordens para lhes servir com o costumado e ba
bitual desempenho.
os Fernaodes Lima C,
ario da Victoria n.
une6fB

elepht
YENDAS
Vndese oo admitte-se um eoco com al-
capital, para o hotel no largo do Paraizo n.
12 ; o motivo o dono nSo poder dar venci-
mento aos freguezes.

Agua maravilhosa
Com a applicacao deeta agua, qnem soflrer de
espiobas. pannos sardas, femdas e vermelhido
do rosto, Acara perfeitameute carado, rtconhe
cendo a, desse modo, como nico especifico
efficai. Alem desses effeitos, tem ella a pro
piiedade de, tornando a cutis limpa, dar-Ioe a
| cor natural. A cada vidr > que custa 1J, acom-
panba a respecti ra indicacio do uso.
Abaixo as pomadas
Vendem Farias Sobrinho & C, ra Mrquez de
Oliud n. 41
Livraria Contempora
nea
Instrumento* de maiira
Bomoardao, bombardino, barytono, tromp
trombone, helicn, saxaphone. carrilon, bombe
caixa, pratos.clariaitas. flautas,rabecas, viol*,
realejos, caixas de msica, etc., etc.
Papel
pintado
para forro de salas, quartos, gabinetes, corred
res.
Molduras
acurados, pretas e douradas para quadros.
Malas
para viacem, diversos formatos, especialmea'
para roupa de senbora e camarote.
Novidades
para presentes, escriptorio, toucador, etc., etc
RAMIRO M. COSTA & C.
Bina Prlmelro de Marco n. %
Rendas
pretas, brancas, creme, beige e de cores
Cnegou um explecdido sortimento deste artigo
para a
Rainha das Flores
Ra Barn da Victoria n. 41
Xa mesma casa encontra se ama variada col-
ecgo de fitas de seda (mais de 500 nmeros),
bordados de cambraia, espartilhos, luvas, per-
fumaria, objectos para presentes, etc., etc.
Pregos baratos
RA NHA DAS FLORES
na Baro da Victoria n. II
Movis austracos
Ha um riquissioio e variado sortimento de
movis austracos de diversas cores, lisos, tor-
neados e entaihados, para vendas em porcao ou
as pegas avulsas- bem como ricos espelbos para
salo, camas de ferro com lastro de ac para
meninos, solteiros e para casal, e magnficos
tapetes avelludados, os melhores que veem ao
mercado; no armazem ra Mrquez de Olinda
numero 54.
Pao centeio
Mello & Biset tendo recebido nova remessa de
ferraba centeio, avisa aos seu3 freguezes que
continuam a fabricar este delicioso pao centeio
todas as tercas e sextas-feiras ; na ra larga do
Posario u. 40.
Eng8iiho
Vndese ou ar enda se o engenho Caldeirei-
ro, moente e correte, na freguezia da Varzea ;
a tratar na ra do Vigaro n. 31,1- andar.
Alfafa oova
Solta a 30 re. o kilo, em fardos 60 rs.; ven-
de se no armazem ra da Madre de Deus nu-
mero 10.
WIISET
Boyal Bleed marea YUDO
Este ezcellente Whisky Escoces pro
ferivel ao cognac ou agurdente de caca,
para fortificar o corpo.
Vende-se a reame- nos melhores arma
zens de molhados.
Pede Rojal Blend marca Vlado
c-jjo nome e emblema sao registrados pan
todo Brazil.
BROWNS & C., agentes.
FOLHETIM
mm mimm
POR


PMl*- 3G> AXGRKMGHT
PRIMEIRA PARTE
A andorinha
(Continuaco do a. 106J
n
KO EKCALCO
>
Ella vai tomar o boulevard Magenta,
difee elle comsigo, depois atravessar pro-
vavelmente q boulevard Saint Martin e de
la embrenharsse ha pelos velhos bairros
Turbigo e das Halles. E, nesse caso/ o
remedio perdel-a caladinho.
Bedobrou de velocidade.
Efectivamente, quando desembocava no
boalevard Magenta., ella chegava pelo pas-
elo opposto; o seu avanco era ento mul-
to diminuto.
inieta, ouvindo atrs de si aquella
Msnfrsada, ella voltou a cabeca.
iba senhora! gritn o pintor, mi-
senhora, espere me !
deaconlecida, em vea de obedecer-
parecea aceommettid da indiaivel
rror, e por sen turno, deitou correr
%" "ifes livros
Lourecco, romance Histrico \m F.
Tatora, 1 vol. ene 3*000
O Matuto, dito dito, pelo metno, 1
vol. ene. 31000
0) Gavalneiros do Amor.fomarfe em
4 vols. enes. 10*000
Ecbos de Roma, pelo padre Gnilher-
me Dias, 1 vol. ene. 2>000
D ccionario Biographico, por F. A. P.
Costa, 1 grosso volme ene. 10*000
Vos Icaros, versos* por M. Brrelo, i
vol ene. 3*000
Flores Fluctoantes, versos, l vol. ene. 2*000.
Vos e quedas, versos, 1 vol. ene. 3*000
Guimares, poema, l Vol. ene. 3*000
Sons que passam, vreos por Tb. Ri-
beiro, 1 vol. ene. 3*000
Alberto Pimentel, Cantares, versos, 1
vol. ene. 3*000
Evangelius e Syllabus, drama, 1 vol.
ene. 3*000
Julio de Castilho -Livraria Classica,
Estudos biographicos e Iliterarios,
3 vols. enes., finos 15*000
Gastrioto Lusitano, historia entre o
Brazil e a Hollanda, 1 vol. ene.
fino 5*000
Bibliotbeca do Povo,|ll vols. enes. 20*000
Morte de D. Joao, romance, 1 vol.
ene. 2*500
Contos de Pedro Ivo, romance, 1 vol.
ene. 2*500
O abandonado por Julio Verne, 1 vol.
euc. 1*500
0 Processo Lerouge, romance hist-
rico, 1 vol. ene. 3*000
Gabriel Malagrida romance, 1 vol.
ene. 2*500
Neto do Agitado, romance histrico,
1 vol. ene. 2*500
Viagem no dorso de urna baleia, 1
vol. ene. 2*500
Cbiqmnbo, Encvclopedia da Infancia,
por G.Bruno" 1 vol. ene. 3*000
Vinte leguas submarinas, por Julio
Verne 1*500
Caricaturas em proza, por Luiz An-
drade, 1 vol. ene. 3*000
O Pastor e a ovelba, obra rara e es-
gotado pelo finado bispo D. Joao, 1
v. ene 15*000
0 birajara, lenda. 1 vcl. ene. 2*000
Arnaldo GamaUm motim ba cem an-
nos, 1 vol. ene, obra rara 6*000
0 Dia de S. Nunca, romance, 1 vol.
ene. 2*0C0
P. de KockJoao, 2 vol. ene. 4*000
As mil e urna mulheres, 4 vols. enes. 8*000
0 rei Candla, romance, 1 vol ene. 2*000
Conto3 a Ninoa, por E. Zola, i vol.
ene. 2*000
A caca de um baronato.l vol. ene. 1*500
Arraldo GamaO filbo do Baldai. i
vol. ene. 4*000
Historia moral das mulheres,;! vol.
ene. 2*000
Os herdeiros de Cramo ru, romance
histrico, 2 vols. ene., finos 6*CO0
Factos da historia de Pernambuco. 1
vol. ene. 2*000
A igreja e o Estado, por GaDganel,
4 vols. ene. 10*000
Serpa PintoComo atravessei a fri-
ca, 2 vols. enea, linos, com grava-
ras 12*000
Ega de QueirozO enme do padre
Amaro 2*000
Castello de Grasville, romance raro,
1 vol, ene. 2*000
Leonor, D'Amboise, 1 vol, ene. 1*000
As obras de Julio Verne, 42 vols,
enes. 30*000
Tres Poemas em proza, e verso por
Gomes Jnior, 1 vol, ene. 3*000
Typos de cara dura, 1 vol, broch. 1*000
As viagens de Guliver, obra critica
ejocoza (rara,) 1 vol, broch. 3*000
Vozes da historia, pelo Padre Gui-
lherme Dias, 1 vol, broch. 2*500
Cm mysterio de familia por F. lava-
ra, 1 vol, broch. 2*000
Cm casamento no arrabalde, i vol.
broch. (mesmo autor) 2*000
Os martyres Pernambucanos victima
da liberdade. 1710, e 1817 1 vol.
broch. (obra rara) 33000
Guarrigues breve leitura sobre sci-
encia, 1 vol, ene. 3*000
Biblioteca do Povo 31 caderninhos
brochados 4*000
Paulo de Koke Barbeiro de Pariz 1 .
vol. 3*000
Amulber fatal o Io. vol s. 1*500
0 matadouro, historia da Lavadei-
ra Gervazia o 1". o vol s. 1*500
Pauson do Ferrail A berenga mvste-
rioza o 2. vol s ene. 2*000
Repostas consisas e ftmiliares por
Mr. 8egur, 1 vol, ene. 1*000
Carta sobre a Companhia de Jezus.
1 val, broch. 2*000
Carta a Pae Tobias, 1 vol. broch. 2*000
No escriptorio deste Diario se dir quem ven-
de todas estas obras, e faz-se grande abati-
mento a quem'comprar todas juntas
48-Rua Dnqae de Caxta4*
Surah de Hnho faz enda muito laraE-a 320
rs. o covado.
Etamines da, cores a 280 e 300 ra. o co-
vado, 4r-
Zephiraa d cores a 120 e 160 rs. o co-
vadt.
Lindas las de cores a 2CO, 240, 300 e
320 rs. o covado.
Cachemira de quadros com listras de seda
a 1(5000 o covado.
Merinos lavrados a 500 rs. o covado.
Voile de algodlo a 240 rs. o covado.
dem de la ultima m da a 803 rs. o co-
vado.
Cortes de metim par. vestidos de duas
cores a 60000 um.
Ditos brancos bordados a 120000, 140000
e 150000 um.
Ditos de cachemira bordados a 250003 um.
Cortes de cambraia branca de quadros a
10800 um.
Cortinados bordados a 60000 e 70000 o
par.
Ditos de crochet a 80000 e 100000 um.
Fecns de todas as cores de retroz
10000 um.
Colchas de corea a 20COO, 30000, 40000 e
50000 urna.
Cobertas forradas para casal a 20500
ama.
Toilettes para baptisadoa a 60000, 80OOC
e 100000 um.
Camisas finas de meias a 10000 urna
|*Toalhas para crianca a 100 e 120 rs. ama.
Ceroulas francesas, a 10000 ama.
Pannos de crochet para cadeiras a 500
rs um.
Atoalhado de linho de 44400 o metro por
20400
Dito de algodao a 10200. '
Algodao trancado para toalha a 10OOO o
metro.
Bramante de algodlo com 4 larguras, a
800 e 10000.
Leocos de algodao a 10200 e 20000 a
duxia.
Ditos de linho a 30000 aduzia.
Batistas de cores a 120 e 160 o covado.
Cretones escaros e claros a 200 rs. o co-
vado.
MadapolSo americano com 24 jardas a
50000 e 60000 a peca
Cobertores brancos de la para acabar a
20000 um.
Bramante de linho, fazenda de 30000, a
20000 o metro.
Panno para mesa a 10200, 10400 e 10600
o covado.
Brim pardo trancado a 240 rs. o covado.
Vestidos de Gersey para creanca a 60000
um.
Camisas de linho para homem a 20000,
30000 e 40000,
Granadinaa ultima moda a 360 o covado.
Costumes de cachemira fina para homem de
200000 a 150000.
Cortes de cachemira de cores muito finos a
4-5000 um.
Cortes de fusto para collete a 800 rs. um.
Guardaoapos c m franja a 20000 a duzia.
Espartilhos de todas as qualidades e n-
meros por prego baratsimo.
E multas outras fazendas de lei e moda
qen vende por prego sem competencia,
em vista de seu proprietario querer acabar
com o estabelecimento.
S na Revolu^ao
HENRIQE DA SILVA MOREIRA
iludo bom, para bem
de todos
Os abaixo assignados, tendo feito gran-
de reduegao de prego* as fasendas
existentes em seu estabelecimento, convi-
dam o respeitavel publico e especialmente
a neus bona freguezes? a certificarem se da
verdade que aqui fica dita e a aproveita-
rem a occasiSo de supprir-se de roupas,
para muito tempo, e por pregos insignifi-
cantes.
Como sejam :
Voiles de la e algodao a 240 rs. o co-
vado, cachemiras de quadros, fazenda de
800 rs. por 320 rs. o covado, zephyros de
cores diversas a 320 rs. o covado, baptis-
tas republicanas (inteira novidade) a 200
rs. o covado, las de cores a 200 rs. o
covado, setinetas finas a 320 M. o covado,
merinos de cores (II pura) de urna lar-
gura a 280 rs. o covado.
Grande quantidade de chitas finas, com
pequeo toque de mofo, de 200 a 240 rs.
o covado.
Variado sortimento de voiles de 12,
fazenda muita fina de gostos lindiasimos.
Crep da China, idem, idem, cambraias
da China, com palmas soltas, completa
novidade, voiles com salpicos, idem, idem.
Chitas, chamalots, o que ha de mais
exquisito em gosto, etamines lisas e ren-
dadas, cachemiras lavradas, pretas e de
cores, fustScs brancos, cretones pretos e
de cores lisos e com flores, baptistas de
cores, gostos delicados.
MadapolSo americano a 50000 a pega.
Metins, idem variado sortimento.
Espantoso sortimento de cretones psra
cobertas e chambres, esguiSo de puro
linho, costumes de Jersey para meninos,
capas hespanholas, pura seda a 30000
urna, cortes de vestidos de todas as qua
lidades, fichus de 18, linho e prateados,
o que pode haver de mais chic.
Grande sortimento de camisas de linho
e flanella para homem, idem, idem de
punhos, collarinhos e grvalas e umitas
outras fazendas que seria enfaaonho men-
cionar e que tudo vendem sem reserva de
pregos.
Os barateiros! os barateiros!
A' RA I.0 DE MARCO N. 1
Bernardino Campos & C.
i cre
a lagaihes
Alfafa
Vende-se solta qualguer quantidade a 40 rs. o
kilo ; na roa do Amonm n. 52.
Muita attenc,o
Sapatos de feltro para fri, de homem, senbo-
ra e enanca a 500 rs. o par, estam se acabando ;
na loja na da Imperatriz n. 80.
i
era
Vende-se na ra do Cabug n. 2, segundo a
qpalid.de, de 1* a 1*500 a libra, e sendo de
arroba para cima, faz-se na de 2" o descont de
30 0/0, e na de l. de 20 0/0. No mesmo esta-
belecimento tem machinas para costura e mesas
para as mesmas por 10* cada urna.
Farello superior
a 2*200 :~bo largo do Mercado n. 12.
AO PUBLICO
O abaixo assignado resolveu participar
aos seus amigos e freguezes que contina
a ter sempre o mais completo sortimento
de :
COGNACS destacando o afamado
Pno, que um dos que mais se pres-
tan! a tomar-se com leite.
V1NHOS-O Palhete sem prejuizo das
outras marcas, especialisaado tambem o
magnifico Bordeaox Republique Brt-
lienne.
LEGUMES7*-em conserva, especialida-
des como nao se encontram em qua!quer
casa. /
CARNES/- em conserva, especiaes como
nunca vieram aqui.
PEIXEStambem o que ba de mais
variado. *
CER VE JASonde se destaca a bem
conhecida e digna de celebridade Paulino
Bier.
CHARUTOS nm grande sortimento
das melhores marcas, e por pregos muito
commodos.
Alem destes artigos acha se o sea esta-
belecimento sempre supprido de tudo
quanto se possa dse jar d'um bom esta-
belecimento d'aquelle genero.
Ra do Imperador n. 28.
Paulino de Oliveira Maia.
Recehedores directos dos mer-
cados da Europa
Apresentam os seguintes artigos, sendo
alguna ainda do anno jjassado, razao justa
para serem actualmente baratissimas.
Brins pardo e de cores a 240 rs. o covado.
dem trancado, superior, a 26 J rs. o dito.
Cortes de fustao psra colete a 8 0 rs.
dem de casen etas a 10000 e 10200."
dem de casimira ingleza de cores a 30 e
40OCO.
Algodao cr, marchetado para toaihas, a
440 tb. o metro,
dem nacional, largo para lenges, a 40 e
50OtO a pega.
MadapolSo superior, com 24 jardas a 50
e 60OCO.
dem Ba-Vista, verdadeiro, a 508CO.
Cortinados bordados de crochets a 120000.
Colchas dem a 70000 e 80000. -
Grinoldas e veos para noivas a 80003.
Espartilhos modernosa 40000,
Percales claras e escuras a 243 o covado.
Merines de cores, urna largura, a 200 rs.
o covado.
Toaihas nacionaes a 20500 a duzia.
Lencos em lindas caixinhas a 10800 e
20800 a dita.
Meias inglezas e nacionaes a 20500 e
30000 a dita.
Camisas de meia, idem, superior, a 120000.
Cerolas brrdadas de bramante a 120000 e
160000 a duzia.
Guardanapos com franjas a 10800 a dita.
Pannos de cores lindas para mesa a 10600
o covado.
Cobertas de ganga, dous pannos a 2500.
Cretones para aa mesmas, a 10000 o me-
tro; o melhor.
dem mosaicos, dem, a 440 rs. o covado.
Bramantes francezes a 10600 o dito.
Casemiras de cores, duas larguras, a
108CO o dito,
Cheviot azul, c6r inalteravel, a 20400,
30500 e 40000.
Merines para luto desde 500 rs. a 10800,
duas larguras.
Sargelins de cores a 200 rs o covado.
Mantilhas e fichas a 10, 30000 e 50000.
Toaihas de labyrintho. riquissimas. a 250 e
300000.
Vondas em grosso tem o descont de
o-
.
uv.
59BOA DUQUE DE CAXIAS59
Piano
Vende-se um piano ,qua de Pleyeni novo ; na
ra Duque de Caxias n. 54. loja.
Libras
Vendem s ra de D. Mara Cezar n. 26-
Vende-se
ama boa machina de numerar e diversos cofres,
sendo um muito grande e que fpi da amiga tbe-
souraria das lotera? ; a tratar na ra Mrquez
de Olinda n. 1, 1* andar.
Ladrilhns de mosaico
Vende-se excellente mosaico em desenhos e
gostos os mais variados e modernos, sem com-
petencia no mercado, e aos mais razoaveis pre-
gos na ra Mrquez de Olinda n. 54.
pelo
i t ---.-.--
lo boulevard Saint-Martin.
Barrer nao desanimou.
Achava-se entilo ao alcance da sua voz.
" Olhe, gritn elle, que, se a senhora
nao para, eu gritoPega !... E denun-
cio-a ao primeiro policial que encontrar !
Esta amcaga podia realisar se.
Mesmo noite, ha sempre policiaes pe-
los boulevards.
Como se essas palavras tivesse o poder
do raio, a desconhecida estacou hirta, ira-
movel, pregada ao chao.
A sua cabega achava-se de novo envolta
na mantilha de rendas pretas.
Aos primeiros clarees do dia embaciado
que despontava, podia se vela branca co-
mo urna defunta, os seus admiraveis olhos
negros, mais duros, mais implacaveis do
que nunci.
Mas, emfim, disse ella bruscamente,
que me quer o senhor ? Por que corre no
meu encalgo ?
E continuou a caminhar muito rpida-
mente para o centro de Pariz, escoltada
agora pelo rapaz.
Para lhe entregar um objecto que
perdeu, minha senhora, no pateo da casa
incendiada, ra da Fontaine-au-Roi, res
pondeu o pintor.
Eu, replicou ella, estremecendo hor
rivelmente, nao perdi cousa alguma.
Marcelo sacou da algibeira a bolsa de
ouro.
E isto ? perguntou.
Ella nao altern se.
NSo mepertence, responden categ-
ricamente.
Ora esta pois se eu vi cahir da
sua algibeira!
Eoganou-se.
Estou certo.
-- NSo, esta bolsa nSo me pertence.
Demais ha urna boa razSo para isso...
Qual ?
Urna operara como eu, urna desgra-
gada sem vintem, nSo possue bolsas dessas
e nem o que ella contm.
E operara, a senhora ?...
Cortamente. Que acha de admira-
vel nisso ?
Tudo. A sua elegancia, o seu^dar,
o seu vestuario nao sao os de urna! pesoa
ds tal categora. Y
A elegancia e o andar podem ser os
mesmos em todas as condiges ; quanto ap
vestuario, faz rir at a sua observagUo';
um vestido de merino preto, feito por mim,
a um franco e noventa e cinco o metro, e
um waterproof, comprado por onze fran-
cos no Temple !
Marcelo, um pouco desconcertado com
estas respostas, que deaotavam formidavel
audacia, se nSo eram a exprsalo da pura
verdade, ficou alguns segundos sem fallar.
Nao entretanto do bairro ? inter-
rogou elle, porm, mais timido.
Perfeitamente, sou, por que nao ?
E pode se lhe perguntar onde mora ?
Nada se oppoe a isso.
EntSo?...
Ra Oberhampf, onde trabalbo
minha mili as coras de perolas.
E' singular !...
O que singular ?
Nunca a encontr!.
E' que o senbor talvez nSo v
l frequentemente.
Leitura s Selectas
Pelo Dr. Jio Barba I ti o
Acba-se no prelo e brevemente ser exposta
venda, a 3* edigao deste importante livro para
feitora e outros exerclcios as escolas.
Casa e terrenos
Vendem-se: a casa terrea sita ra de Joa-
qnim Nabuco o. 24, com grande quintal cercado,
em bom estado de conservacao, presentemente
alugada ; dous terrenos a mesma ra, sendo um
do lado norte com urna grande baixa de capim e
um abundante coqueiral e outro do lado sul,
murado no lado da frente, sem porto; a tratar
a ra Mrquez de Olinda n. 54.
Farelo novo superior
Saceos de 42 kilos a 10800
Vende-se no Corpo Santo n. 6.
Vende-se um piano
de transposic,o do au-
tor Vienes, que preci-
sa de concert. No
escriptorio deste Dia-
rio se informa quem
yende.
Vinho puro de Santarem
Da quinta do Barra!
Os propretarios do Armazem Central, rus
do Cabug n. 11, avisam aos seus distinctos fre-
guezes e ao respeitavel publico que receberanj
nova remessa deste especial vinho, o qual se
recommendapor ser puro da ova, e s se reta-
Iha em seu armazem.
Joaqoim ChristovSo & C.
____________Telephone 447 ________
Muito barato
14000 na par
Na ra do Livramento ns. 19 e 21, tem urna
grande quantidade de sapatOes ranos de vaqueta
branca, obra muito forte e propra para o inver-
so, e por prego baratissimo, i 000 o par, e em
porgo tera descont.
com
por
Todos os dias, ao contrario;
meu
patrSo mora l.
Entao que nSo sabimos s mesmas
horas.
Sem duvida, replicou elle pensativo.
Caminhavam depressa ; depois de subi-
rem o boulevard Sebastopol.
A senhora vai para longe ? pergun
tou o pintor.
A rapariga estremecen.
Para o Mercado, responde j ella ao
cabo de alguns segundos.
Par o Mercado .'... A esta hora ?
Eila encolheu os hombros.
O senhqr bem curioso, disse. Que
lhe importa onde vou ?
Talvez muito.
Ah!...
Sim; sobretudo de onde vem...
Ella paroa bruscamente.
Fique sabendo, disse de sbito mi -
to decidida, que tenho horror aos enig-
mas.
Pois bem, se quer a verdade...
Diga.
Nao acredito urna syllaba de tudo
quanto acaba de me dizer.
O que ?... NSo sou urna operara da
ra Ob-rbampf ?
Quem vai ao Mercado s cinco horas
da madrugada...
A' Valle, sim, para cpmprar flores
de que preciso; pois me encommendaram
seis coras de perolas e flores, e pata ter
a fazenda mais barata, levantei-me com
escuro.
Quer dizer que nlo se deitou.
NSo por muito tempo, verdade.
E como d-se o caso que estava na
ra Fontaine au-Roi ?
Poder ia responder lhe que isso nao
da sua conta,
Seria perigoso, talvez, tome sentido.
Sob a renda da mantilha, a desconheci-'
da langou um olhar de soslaio ao compa
nheiro, olhar negro, duro, mo.
Como que ao acaso, ella voltou-se.
Tinha chegado ae canto da ru No boulevard, excepglo de urna tur-
ma de varredores, que execntavam a sua
penosa tarefa ao despontar da aurora, ha-
via pouca gente.
Apenas alguns transentes, encaminhan-
do se apressadamente para o Mercado, com
agola dos paletos levantadas at as ore-
Ihas, maos nos bolsos.
Carrogas de legumes chegavam com as
lanternas ainda acoesas.
A cerca de vinte metros de distancia,
um coup nobre segua a passo, pela larga
calgada- > -''
A desconhecida vio &' companheiro oc
cupado a olhar para/utra cousa, fez um
signal rpido, e ^0' coup encostou-se ao
passeio, na entrada da ra Turbigo.
Ella voltou se eotio vivamenta para o
lado do pintor. \
NSo vejo o que haveria d>e perigoso,
disse, em nSo consentir que um deaconhe-
cido me interrogue/ Mas eu sou boa ra-
pariga, accreacentoa procurando urna fami-
liaridade terrivel, que era desmentida pelo
seu fino e altivo pprfil, quero responder-
a natural e mais di
mpf para o Mercado
oi, nao verdade ?
A' yenda
1 piano Plynm, novo, 1 mobiiia de iunco en-
talhada, 1 cama, 1 mesa elstica de jaotar, 1
esteira para grande sala, cujos objectos tm
pouco uso ; na ra Duque de Caxias n. 54,
loja.
lhe. O caminho
recto da ra Ober
a ra Fontaine-
Sim, conti;
Pdis bm, passando em frente casa
incendiada, n3o resist ao desejo de en-
trar para ver um pouco o fogo. O qu
foi urna grande asneira, porque afial as
flores mais bonitas j hao de estar vendi-
das.
- Que horas eram quando passou em
trente casa incendiada ?
NSo sei ao certo, tres horas mais ou
menos.
Desta vez ainda a senhora rente-
me.
Ella sentio nm sobresalto, como se ti-
vesse sido mordida por ama serpete.
Estavam na ponte de Saint-Eustache.
Abi havia urna muitidSo louca, urna ag-
glomeragao de carrogas, de transentes,
de vendedores, de compradores, um vai-
vem cantinuo.
Que tem a senhora ? perguntou-lhe
Marcelo, a quem nao pasara desapercebi
do o sea estremecimento.
Empurraram me, responden ella. Mas
por que pretende'que lhe ment ?
Porque'vi a na casa da ra Fontai-
ne-au Ro antes deesa hora.
O senhjr-? _.
Sim^-e.
..Estava sonhande.
.- N3o, porque nSo dormi.
Que nova historia essa ? Na ver-
dade, o senhor tem boa imaginagSo, disse
ella com um riso amarello.
A historia simples. Entrei em ca-
sa entre meta hora depois de meia noite e
urna hora. Como se dava o caso de estar
a porta apenas cerrada e nao fechada?
Nao sei, mas isso evitou me o incommodo
de tocar a campainba. Acabava de atra-
vessar o pateo, quando vi urna mulher es-
gueirar se pelas paredes 9 ir esconder se
no telheiro do pai Fauvel, o fabricante de
papello. Essa mulher era a senhora, te-
nho disso plena certeza. Certeza tenho
tambem de que a senbora a pessoa que
a operarla doente do terceiro andar avia-
tou no limiar da porta da Sra. Foulon.
A desconhecida nSo tivera um estreme
cimento, nem um sentimento de terror;
as siias feigSes impassiveis haviam apenas.1
Peitos de celuloide com bordado imitando
perfeitamente linho.
Collarinhos modernos duzia 50000.
Para Irafmlho ge cructat etc
Oaixas de linbas de cores com mescladc
dourado a 10000 e um novello 100.
Punhos para homem a 60000 a duzia.
Lengos brancos para creanga a 10000 a
duzia.
Para baile
Lindos ramos de flores artificiaos de seda
e com bastes de borracha.
Lindo e grande sortimento de soutache de
todas as cores para enfeitar vestidos de
creanga.
Para aa Sra. modltia
Bicos.de cores brancos de algodao a 10500
e 20000 a pega.
Bicos de seda de diversas corea a 50000 a
pega.
Porta tranca de prata, tartaruga e massa.
Punhr s e collarinhos de celuloide.
E:pelhos cara dura a 400.
Para liquidar grande quantidade de fitas
modernas abatimento de 25
Fitas n. 9 a 400 o metro,
dem n. 5 a 200 o metro.
Lavrada para faxa a 20OO o metro,
dem para faxa n. 30 a 30000 o metro.
Espartilhos para 40000, 50000 e 60000
Para nolvaa
Capellas de cera,
dem de flores de larangeiras.
Ramos francezes e nacionaes, vaos, leque
e luvas.
Encbovaes para baptisado.
Tca e capotas para baptisado e passeio.
Cintos de cbagrain para senbora, largos e
estreitos a 1000.
Grapde sortimento de gafos, palmas, ro-
sas, pingentes e guarnieres pretas s
vidrilho para vestido.
Lindas costureiras de velludo propraa
para presentes.
Lindas boleas com estojo para costura.
Grande sortimento de caixinhas com ex-
tractos proprias para presentes a 20000,
30000, 4)5000, 50000 e 60000 urna.
Livros de missa, de madreperola e de
velludo.
Lindos objectos de crystal para presente
como sejam : porta-relegio, parta-extra-
cto, porta-p de arroz de 40500 ate
120000.
Finos alfinetes para gravatas.
Grande sortimento de broches americanos
para senhoras.
Caixas com msicas a 20. 30000, 40OOC.
at 120000.
Grande sortimento de galozinhos brancos
e de cores para enfeitar casacos e roupa
de criancas.
Porta-retratos a 200 e 300 rs. um.
Grande sortimento de lengos de seda
10000, 10500 e 20000 um.
Guarniges para toilet a 60000 e 70000.
Lindos porta-pos de arroza 10500, 20000,
30000, 40000, 50000 e 60000 um.
Finas ligas com ramo de flor de larangeira
proprias para noiva a 10500 o par.
dem de todas as cores a 10000, 10200,
10500 e 20000.
Lengos de linho a 30000 a duzia, em cai-
xinha.
Grande sortimento de palceiras ameri-
canas.
Cortinados de crothet para canta a 120000,
170000 e 190000.
Ditos para jnella a 70000.
Guarnigues para cadeira a 60000.
Pannos de croehet para cadeira a 800
10000
Grande sortimento de luvas fin.
nhora a 10500, 20000 e 2
dem para menina a 800 e 1
Linha de machina a 700 rs. a,
dem idem a 60 rs. o carritel.
Toaihas para banho a 10500.
dem para rosto a 300 rs.
Babadores com inscripgao e pjaisagem a
500 e a duzia a 40000.
Grande sartimento de espelhos finos ovae
e de canto redondo a 40000, 150000 e
60000.
Bengallas de flauta a 10500.
103RA DUQUE DE CAXIAS103
13 deMaio
BaI5es de papel e lanternas lulipas tamben-
de papel, para lluminago ; vendem Ramos Sal-
gado & C, na praca aa Independencia ns. 22,
24 e 26.
V v

':

*

l
' I
}
revestido a expresslo de profunda admi"
ragSo, mesclada do ar mais positivo de ne
gagao.
Asseguro-lhe que tudo isso archi-
falso, replicou ella com en ton? gao tSo tran-
quilla e tao natural, que Barrer sentio-se
abalado. Se foi vista alguma mulher vol-
taedo de incendiar aquello pobre armazem,
se o senhor proprio vio-a esconder-se no
tal telheiro, essa mulher nao son eu.. .
Mas por que diacho nao foi o senhor olhar
debaixo desse telheiro ?
Minha mSi esperava-me, inquieta, cq-'
mo sempre que me recolho tarde.
E o .senhor reconheceu-me ?...
Positivamente. E a bolsa de ourc
cabida do seu bolso nao dissipou as. mi-
nhas suapeitas, ao contrario.
Que suspeita tem entSo ?
Suspeito que a senhora alguma
pessoa muito rica, muito altamente, oollo-
cada, e que se cceulta para...
N2o hesite; vamos, acabe.
Pois bem, v l, urna vez que issim
o querpara commetterum crime Jf^uil.
tem interesse.
Nem,_um_ mscalo Mi:irahio-sanoJp8to
de mar more da desconhecida.
Engana-se, replicou ella smple*men-
te ; sou o que lhe disse, urna pobr<*#pe-
raria que trabalha para ganhar a
nada mais.
Vou ver isso.
Ah! como assim ?
Muito naturalmente, ver,
largarei emqnanto a senhora nao en
ra Oberhmpfa.
E se eu nao quizer que faga
Irei prevenir o policial que
adianto.
O* que me completamente
rente. Mas por fim de contas
assim o quer. Levar-me-ha as
volta. E' preciso que sirva pan
cousa.
(Continuar
diffe-
ue.
res na
alguma
Typ. do Dtarto, Ra Duque de Caxias 1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQ7Z0OWDR_D85TDF INGEST_TIME 2014-05-27T22:27:36Z PACKAGE AA00011611_17744
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES