Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17743

Full Text
/
Propriedade de Manoel Figueira de Faria efe Filhos
; PABA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE

Por tres meses achantados.
Por seis ditos idem......
. Por um anuo idem.....
Cada numero avulso, do mesmo dia.
wooo
12,5000
23000
0100
Os Srs. Amede Prince & C.
de Paris, sao os nossos agentes ex-
clusivas de annuncios e publica-'
^oes na Franca e Inglaterra.
PARA DEN! E WBA DO ESTADO
Por seis meses
Por nove ditos
Por um auna
Cada numero
13*600
20*000
26*000
#100
TELEGRAMHS
SfiSVZgO FASTIC7UB SD IIASIC
RIO DE JANEIRO, 9 de
lloras e 40 minutos da tarde.
Main,
as'


Foram nomeados
Juiz de direjto da comaipa de S. Fran-
cisco, no Estado do Cear, o bacbarel Joa-
quim Olympio de Paira ;'
Che fe de scelo da ferro-va do Rocife
. Caruar, no Estado do Pernambuco, o
engenheiro" Francisco Xavier Gfbmes
Foram promovidos na armada nacio-
nal :. .
A almirante graduado, o vice-almirante
Eliziatio Jos Barbosa ,
A contra-almirante effectivo, o gradua-
do Jos Manoel de Araujo Cavaicante de
Albuquerque Lios;^
A contra-almirantes effuctivos, os capi-
taes de mar e guerra, Carlos Balthasar da
Silveira, e Dionisio Manhaes Ribeiro ;
A contra-almirante graduado, o capitlo
de mar e guerra Joaquim Antonio Cordo-
vil Maurity.
Parti para Caxamb, onde vae usar
das aguas, o tenente-general Floriano Pe
xoto, ministro da guerra.
Ficou como seu sabstturo"interino nessa
pasta, o brigadeiro Benjamn Oonstant Bo-
telho do Magalhles.
Estao preparadas grandes fes tas para
conmemorar o dia 13 de- Maio, anniver-
sario da lei que extingui a escrayidjo no
Brasil. \ ?
Toda a imprensa toma parte^nessaVrfe^*-
tas.
O coronel Joaquim Verissimo do Re-
g Barros associou-ae Empreza de Obras
Publcis do Brazil para a realisajao da es-
trada, de ferro de Ta mandar Barra, no
Estado de Peraamouco.
Brevemente partirlo os engenheiros que
vio fazer os estudos definitivos dessa linba
forrea.
A mesma Empreza de Obras Publi-
car, do Brazil levantar capital para o en-
genho jentral Providencia de Agua Preta,
eiii Pernambuco.
saavisc u iunii sms
BERLIM, 8 de Maio.
O Sr. de Lovetzow, antigo presidente
do Ktichstag, acaba de ser reeleito.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
We Maio de 1890.
DSTRUCCiO POPULAR
essaio sisLio&alrico.....
A fogir destinado
Com o furto precioso,
Desde a patria, onde tive o berjo amado,
Recolbi Dumeroso
Thesouro que roobara diligente
A meo pai, que de nada era sciente
Assim pois prevenido
De um bosque a foote perto,
Esperara o poitento appetecido
Da nympba : descoberto
Me foi apenas, quando (ob dura empreza !)
Chego abraco a mais rara gentileza.
Quiz gritar; opprimida
- A*voz entre a garganta
Apollo ? diz, Apoll .. a voz partida
Lbe sega forja tanta :
Mas ah Eu nao sei como, de repente
Densa nuvem me pe do bem ament.
Inntilmente ao vento
Vou eslendendo os bracos ;
Buscar as sombras o raen bem intento :
Onde a meus temos lagos...!
Onde te escondes, digo, amada Eulina ?
Quera tanto estrago contra mim fulmina ?
Nao sabe o culto ardente
De Unios sacrificios
Abrandar o seu nome : a dor vehemente,
Tecendo precipicios,
J quasi me ebegava a extremo tanto,
Que o menor mal era o mortal quebranto.

Vendo intil o empenho
De reuder lbe a fereza,
Busque! na rumba industria o meu despea bo
Com ingrata destreza
Fiel de um ronbo (oh misero delicio !)
A ventara de um bem, que era infinito.
Sabia eu como linba
Eulina por costme,
(Quando o maior planeta quasi vinba
J i desmaiando o lome,
Para dourar de lnz outro borisontej
Banhar-se as correntes de orna fonte :
(Contina)
PARTE OFFICIAL
orerao do Estado de Pernam
buco
DESPACHOS DO DIA 9 DE MAIO DE
1890
Major Antonio Pereira da Rocha.-Vio
ser feitos por arrematacao os reparos de
que trata a presente petigo. O suppli
cante concorra a essa arrematacSo, que-
rendo.
Jos Gomes Ferreia Maia. Vao ser
feitos por arrematado os reparos de que
trata a presente peticao. O supplicante
concorra a essa arrematacao, querecdo.
Jacintbo Jos da Costa Braga.Sim.
Senborinha Amalia Gomes da Silva.
Informe o commandante da Escola de
Aprendizes Marinheiros.
Secretaria do Governo do Estado de Per-
nambuco, 9 de Maio de 1890.
O porteiro,
-----H. M. da Suva.

2.
licia
Antonio Manoel da Piedade. Nada ha
que deferir, em vista das informacSes.
Antonio Guedes da Trindade. Em
vista das informal,oes, nada ha que de-
ferir.
Jos Paulo Botelho. Informe a 1.*
seceso.
EXTERIOR K
DA
UTTKRATHA BMZILKIRA
N08
TEMPOS CG&^fuaaiES
XXIII
iCoHtin uacSoJ
Pela floresta e prado
Bem pulido mancebo,
Girava em mea poder to conHado,
Que al do mesmo Pbebu
Imaginava o uruuo peregrino
Ajoelbado aos ps do meu destino.
Nao licou tronco ou penba,
Que nao desse tributo
A meu braco f. liz. que j desdentia,
Desptico, absoluto.
As teoras flores, as mimosas planta?,
Em rendimentos mil, em glorias tantas.
Mas ah 1 Que amor tyranno
No lempo, em que a alegria
Se aprov itava mais do meu engao
Por aleivosa via
Intiitia crBl a desventura, ^
Que bouve de ser mortal, por nao ter cura.
Visinho ao berco caro,
Aonde a patria tive.
Y.'via Eulina este prodigio raro
Que nao sei, se inda vive.
Para brazao eterno da belleza,
Para injuria fatal da natureza.
Tres lustros, todos d'uro.
A gentil formosura
Yinba tocando apenas, quando o louro,
Brilbante'Dens procura
Accreditar do pai o culto atiento,
Na grata acceitajo do rendimento.
Mais formnsa de Eulina
Hespir va a belleza ;
De ouro a madeixa rica e peregrina
Dos corajes faz preza ;
A candida porjo da nev bella
Entre as rosadas faces se congela.
Mas inda que a ventura
Lbe foi to generosa.
Permjtte o meu destino que um outra
Cbndijo rigorosa.
Ou mais augmente emfim, ou mais ate
Tanto esplendor ; para que mais enle.
Repartidlo de Poliela
seccSo.N. 103.Secretaria de Po
do Estado de Pernambuco, 9 de
Maio de 189J.
Foram hontem recolbidos Casa de Detenjo
os individuos de nomes Loureojo. Jos dos Ao-
jos. Hermenegildo Joo Vicente, Porpbirlo Jos
Bernardo, Jos Feliciano da Silva, Jos Francis-
co da Silva, Manoel Vicente Borges, Antonio de
Oliveira Maciel e Domingos da Silva Peres. '
Pelo delegado do termo de Paoellas foram re-
metidos a esta reparticao 12 facas de ponta e
2 pistlos, tomadas a diversos desordeiros.
Entraram em exercicio :
Antonio Dias A. da Silva, delegado do termo
de Gamelleira, na qualidade de 2 supplente.
Jos Tbcmaz Nunes do Valle, delegado do
termo de Pao d'Albo, na qualidade de 2 sup
pente.
Constando ao delegado do termo de Bora Con-
seibo, que no lugar denominado Serra Grande
se acnava bomisiado o criminoso de morte Sa-
tyro Corleiro Manso, para aili dirigi-se a zelo
za autorldade no da 1 do crreme, acompaoba-
da de algumas prajas do destacamento e depois
de dous dias de constantes diligencias conse
fnio captural-o, recolbendo-o a respectiva ca-
sia.
Pelo delegado do termo do Ex foi remettido
ao juizo competente o inquerito policial a que
proceden contra Francisco Antonio Pereira, por
crime ae furto de cavados.
Recommendo aos mdicos de polica e auto
ridades policiaes dos diversos districtos desta
capital, queteobam multo em attencao a necei-
sidade de verificaren] as casas onde se acbarem
pessoas accommettidas de varilas, providen-
ciando em ordem a serem transportados os des-
validos para o hospital de Santa gueda, e para
que sejam as ditas casas convenientemente des-
infectadas.
Outro sim, para que sejam communicados a
esta chefatnra, pelos particulares, quaesquer
casos de varilas de que lenbam conbecimento
em seus quarteires, afim de serem dadas prom-
ptas providencias.
O chefe de polica,
Antonio Antunes Ribas.
necebedoria do Estado de Per-
nambuco
DESPACHOS DO DIA 8 DE MAIO DE
1890
Viuva e herdeiros de Joaquim Antonio
de Maris.Iuforme al.0 seccao.
Sebastiao Jos Bezerrs Cavaicante.
Junte conbecimento da quitaefio do impos
to, cem relacSoao 1." semestre do corren-
te exercicio.
9
. Alfredo Fiuza & C. Em viste d in-
formacao, nada ha que deferir.
Francisco Ribeiro Soares. Indeferido
em vista das informales.
Joaquim Francisco Lopes. Informe a
1." seceao.
Dr. JoSo Clodoaldo Monteiro Lopes.
A' 1.a scelo para attender.
Costa & Ca' 1.* seccao para os de-
vidos fins.
Antonio Jos Lopes Braga Lins. De-
ferido, em vista das informac5es.
EUROPA
1 talla
Receberam-se as primeiras informices acer-
ca j banquete poltico que se realisou em Na
poies, e a que se ligara grande importancia.
O banquete foi organisado pelos deputados da
opposico, e servio de pretexto p ra a apresen-
tacodo programma da colligaco contra o Sr.
CnspL Foi e 200 Ulheres.
Falln o Sr. Magliani, que atacou com muita
vehemencia a poiitic econmica do gabinete
italiano.
Disse que na3 pode baver illuses sobre a si-
tuacSo fioanceira da Italia. Cada exercicio ecBjL*
se com um dficit, e os dficits cada vezsSo mao-
res. O resultado deste aggraamento constante
80 pode ser a bancarrota. Para saldar os orca-
mentos so ba dous meios: deminuir o orcamen?
to da despeas em 50 milbOes. de liras, ou-au-
gmentar na mesma proporcSo o da receita. Per-
guotou se a nacao, sobrecarregada como est,
pode anda fazer este sacrificio.
Allinnan lo que o povo italiano nao pode nem
deve pagar mais impostos, concluio o Sr. Ma-
guan! que a nica solncao a adoptar fazer eco-
nomas.
Examinando os orcamentos da. rlespo^a, de-
monslrou que os que maior margem offerecem
para reducjOes sao os da guerra e marinba. Pa-
ra obter, porm, este resaltado era necessario
modificar a poltica externa, baseando-a no aban-
dono de aventaras e no estabelecimento de rela-
jees cordeaes, nao s com algumas potencias,
mas com todas.
0 discurso do Sr. Magliani produzo =*rande
impressio e por elle seconclue que o ataque que
as opposicoes colligadas vao dirigir contra o ga-
biocte Crispi, lera por base principal a quest&o
Knancelra, com a defeza de um programma de
rigorosa economa na administrarao e de conci-
liadora prudencia na poltica.
Quanto s manifestace3 preparadas para
o 1* de Maio em Roma e Milao, os socialistas in
si8tiam na idea de um cortejo as ras. 0 mes-
mo succede na Hollanda, na Suissa, e na Bel
gica.
Orei Humberto recebeu em audiencia so-
lemne o novo embaixador da Franja, o Sr. Bil-
lot. transferido recentemente da corte de Lisboa.
O Ilustre diplmala lembroa os serrinos do Sr.
Mariani, e declarou que se propunbacontinuar a
obra comegada por elle, e que conquistara a a 1-
hesio e o iocitamento da Franja e da Italia. 0
rei respoadou nos termos mais lisongeiros para
a memoria do Sr. Mariani, e os mais cordeaes
para o seu soccessor.
Exprimi o seu reconhecimento para com o
Sr. Carooi, pelo acolbimento feito esquadra
italiana, o que de certo urna prava das boas
relacoes que existem entre os dous povos.
Nanla S
Segaindo o exemploda maiona dos seus an-
tecessores, Leo XIII mandn fazer o tmulo em
que deve ser sepultado. ~s artistas encarrega-
dos da obra terminaram o projecto desse epul-
chro, que sera levantado na baslica de I.airau.
O mesrao*pont'fice esta representado por ama
grande figura deitada sobre um sarcophago, as
extremidades do qual se levanlou duas grandes
estatuas aJustica e a Religiao. O monunento
sera feito com marmore de Carrara e Porphyro.
S sera col I oca do na baslica depois da morte de
Leao XIII.
N'um dos ltimos dias Le5o XIII receben
6,000 peregrinos italianos. Pronunciou um lon-
go discurso, de que vamos extrabir os tpicos :
O papa assign.:lou j, por muitas vezes os pe-
rigos da rtligio na Italia; os perigos sao pre-
sentemente muito maiorcs. A guerra das sellas
persegoe o papado com um odio satnico.
Todos os actos referentes religiao sao ex-
plorados pelos sectarios, que querem satisfazer
as suas ms aspiraces.
Deve recordar entre estes actos, o novo cdi-
go penal dirigido cootra o clero, os escndalos
levantados pela questao Giordano Bruno, o pro-
jecto de lei sobre as obras pias e tudo isto a
continuaco da guerra emprebendida a im de ti-
rar ao papa o p"der temporal.
A guerra outrance feita pd governo igre-
ja impe aos caibolicos italianos deveres espe-
ciaes, sendo o primeiro declararem se franca
mente, e affrootar ludo para sustentar a sua
f.
Em Italia s podem actualmente existir dou3
campos : o dos catbolicos, que se resolverem a
astar com o papa e com os bi-pos : e o dos seus
inimigos. Os qoe quizerem fxar um meio ter-
mo estaro com os inimigos.
Leo XIII felicitou os catbolicos por aquella
bomenagem e pela prosso aberta da sua ti.
Professando assim unidos ao papa, cumprem o
sea dever, e dao ama prova de verdadeiro amor
pela Italia, pois prestam um serijo i patria,
conservando a religiao que eotbesoara tanto pa
ra es najes, como para os individuos.
A religiao a base da orden social que sus-
tenta os estados.
* Ao terminar o papa abencooa toda a Italia.
Inglaterra
O Sr. Goscben, ministro da fazenda. proferin
do um discurso no banquete do lord-mayor de
Londres, disse que nos ltimos doasanoos pou
de reduzr o imposto sobre o reodimento, e que
portanto deve agora alliviar outra classe de con-
tribnintes.
Os mineiros resolveram nao trabalhar.
Em Londres, John Burns, um grevista terrivel,
organisou um meeting em que espera 500,000
manifestantes, quando menos.
Receia-se que baja um grande conflicto en-
tre os delegados das Trode's Union, e os dos che-
fes radicaes e agrupameutos socialistas.
A discussao, em segunda leitura, do M
agrario sobre a Irlanda comecou Da cmara dos
communs de Inglaterra no da 22 do Abril.
Trata se de volar um crdito de 300 milhs
para adquirir as trras irlandezas, e revendel
as a pequeos proprietarlos mediante um foro
ou renda annual, comprehendendo o uro e a
amortisacao do capital.
Isto ja se fez urna vez, e por sorma qua3i
igual Por esta forma os proprietarios liqai-
dam a pouco e ,ouco os seas Dens, e abando
nam a Irlanda a si mesma.
Mas, em vez de ganharem com issso os iran
dezes, s mudam de credores, e tornam se de
vedores do Hsco, mais exigente, mais implaca
liarem na coordenaco das sois Menoras. Um
dos secretarios um medico, que aoxilia o pro
fessor Scb%;n-inger na sua clnica, o outro
um' joven sabio de Hamburgo, qae Bismarck co-
nbece pestoalmente ha mullos annos.
Confirman) se as noticias acerca do pro-
posito em qae se acba o principe de Bismarck
de continuar activamente na poltica.
Dizein de Friedricksrjihe, que o principe de
Bismarck pensa mesmo em organisar um parti-
da? cujo principal objectivo ser preservar o
imperio do desordenado ciume, que pode occa-
siooar serias comftlicaces.
A imprensa enrppa oceupa-se em commentar
o discurso ipanga/al do general von Caprivi no
Landtag da Prnssia; discurso que j publicamos
na integra.
Militar de carreira, diz urna folha que te-
mos i vista, roostrou se mais parlamentar do
que o priqcipe de Bismarck, que se dirigiu aos
deputados como um commandante se pode di-
rigir aos seus soldados.
O general von Caprivi, seguindo o exemplo
dado pelo imperador, fez as mais calorosas eas
mais eothusiasticas referencias ao seu anteces-
sor, mas indicando babUente que a sua presen-
ta nos coflseloos do -governo ja nao urna ne-
cessidade.
O novo coanceller aiMHo fez se sobre tudo
applaudir, ftendo definioaWtitude que emen-
de dvr toSBr, com relaca politica. Disse
Sue peraaH?nraa orca como a do principe de
isman k em muilo natural que fosse difficil
acbar lugar para outras, e que perante um modo
de ver as cotftas lo pessoal, era tambem natu-
ral que as epinies divergentes se esconirassem
na sombra.
O primeiro resultado da mudanca de pes-
soas, noque se relaciona com o governo, seria
garantir a expanso de certos elementos que at
aqu pouco se poderjam manifestar. Por isso, a
antiga organisaco collegial do ministerio prus-
siano ser d'aqui por diante mais rigorosamen
te observada do que o foi por aquelie poderoso
ministro presidente. Estaa declraces foram
cobertas de applausos.
E' difficil dizer mais delicada e claramente
que o principe de Bismarck opprimia o governo
com a sua personalidade dominadora, a qual,
coi:ceatrando todo em si, enfraqoec'a a vitalida-
de do estado, qae a nao serem colaboradores
doceis, nenbuns outros aceitava ou demittia; que
pelo seu autoritarismo havia feito desesperar a
opposigo sincera, obrigando-a implacavel e de-
sastradamente ao3 ltimos extremos, confunlin-
<>o-a, apezar dos seus protestos, com os inimigos
da monarchia.
Sera exagerar a significajao da phrase, pode
dizer se que o general von Caprivi realisou urna
ecolucao liberal, que foi agradavel aos partidos,
que uo oceultaram a sua satisfaco. Tanto o
Sr- Windiborst, chefe do centro catnolico, como
o Sr. Rlchster, chefe dos progressistas, exprim
raen-1 he a sua confian ja. x
(aspira serios receios, dizem os jornaes es-
trangeiros, a saude do principe de Bismarck.
As8eguram que esl n um grave estado de ex-
citajo moral. O sea medico assistente, o Sr.
Schwenueinger, ordenou-lbe um repouso abso-
luto, e prohibiu-llie a leitura de jornaes.
Contioaam os preparativos para a manifes
tajo socialista de 1 de Maio, que tem por fim
principal.oster a rednejao dotrabalho a oito ho-
ras por dia.
Como pode coraprebender-se, tendo a idea da
manifestajao achado adeptos em quasi todos os
centros operarios, os governos oas difTerentes
naje? adoptaram providencias tendentes a re
pnmir dejordens.
Na Allemanba ha grande receio das classes
trabatadoras.
03 tteiros reeolveraiB nao trabalhar.
__A era nova aberta n Allemanha deu nova
confianca aos ultramontanos de Aim Bbeno.
Faliou-se muito da conciliajo e da pacica-
jao, n'e-tes ltimos lempos, nos artigos. officio
sose nos discursos officiaes. E' preciso verco
mo os clericaes julgam praticar urna e outra.
O Sr. Windlhorst expoz h dias no londtag
prussiano, a proposito do orjamento dos cultos,
as reclama{0e3 do partido catbolico allemo'
Exigi a creajo de urna secjao catholica no mi-
nisterio da instruejo publica e dos cultos, e re-
ulamentajo definitiva das falculdades relati-
vas nomeajo dos funecinarios eclesisticos e
elaboraoo da lei supprimindo a congrua dos
padres." Mas nao foi s isto: o Sr. Windlhorst
atigio anda qoe a inspecjo das escolas tenha
o carcter csnfissiooal, que se preceituem as
formalidades do juramento dos adeinistradores
dos bispados, e que deixem reinstallar novamen
te na Allemanha todas as ordens religiosas. Fi-
nalmente, o lustre representante dos catholicos
allemae3 oppe-be a quejas igrejas catholicas se-
jam postas disposijo dos velhos catholicos.
Ve-se que os clericaes allemes se nao con-
tentara com pouco.
O imperador Gullherme II collocou em Bre-
meu a primeira pedra do monumento memoria
do seu av. ... ,, j-
Nao deixa de ser original o que elle disse por
essa occasio : ., .
A memoria daquelle qua j d5o existe, para
lembrar a sua memoria aos que boje vivera, e
para servir de exemplo aos que vierem de-
pois.
0 Monitor Offiaal do Impmto annunciou
que o con&lbo federal sanecionou a votajo do
parlamento imperial revogando a le da exp -
triH'n
Esta lei promulgada na poca da kulturcampf
autorisava o governo a expulsar do territorio do
rimpenoOs eclesisticos que persistiesen! era
exercer o seu ministerio, apezar da probibicao
das autoridades civis ; e em virtude desta.le fo-
ram expulsos muitos bispo3.
Posto que o parlamento imperial tive3se vota-
do por varias vezes a revogacSo desta lei.ern-
auanto o principe de Bismarck foi chancellar, a
conselho federal recusou sempre dar forja de
leaalidade votajo do parlamento. .
_ Dizem de Berlim ao Times, segundo mfor-
maces de boa foote. que o principe de Bismar-
ck nto pensa de forma alguma em vir oceupar o
seu lugar na cmara d5s seeiores, nem solicitar
o mandato de membro do reichstag.
acorte no Pra-
seculo no dia i de Maio
ter em cortejo de graalaeda.
Receiava se que ase jiMajMnTriM1 dsse la-
gar a conira-manifestage.
0 governo pensou priaK on. teer reoun
ciar a esse passeio, masa esemu*.
Os proprios joraae* a d'Austria dizem que a ajuc*a#6e tu azaauesta
de todos os lados em Anak.it Bengna, talvez
o cornejo de ama granie refuta*. ___
Alm disso, ajanta tlmm>\-mm, o governo
anda muito inquieto, porfe s aa!,e n ihe
eacoolra o remedio.
Rebentarara a 23 ae. B/nei desordens
m Riala, na Galicia
Uns 4,000 operarios purantam as mas que-
brando as vidrajas e saqnnto a*Ijas.
Iotervieram as tropas, uso das armas deixaadaatpais feaaaaa mortos
e muitos outros ferides.
As autoridades militares 4e B*U PeaUi rece-
beram ordem para sulfatar iagtaacomsqo toda
e qualquer tentativa de es*j4am aa da i de
Maio.
As direa|0e3 do camiato *e ferro preparam
edmboyos epeciaes para li nf tirria tropas
afim de reforjarem a geanisaa. _
Dizem de Vienua ae Miiiirnft) opera-
rio tem >occasionado M aa>Rifli de toreas
militares, qoe parece estar e eav taamde guer
ra. Diz se que f em ^ieaaa a aaawstacao do
Io de Maio compreheader*MMa*aerarios.
Nos outros ceniro3 aenriM a"agaso 6
grande e, para garaatir a mem aaataez, o go-
verno fez convergir para at Utr*t coasidera-
veis.
Foi aggravada a seatMca de deportajao
para a Siberia, proposu jMte aKselha de guer
ra contra o rasso Schmtdt, qtr vemlea a um
agente estrangeiro os pnaataa defex* de Crom
t'ads por 1.200 roblos.
0 coronel foi condemoadaianrie.
Dizem de S. Peterslwrg a? foram roc-
hados do ministerio da gaam todas os planos
de mobiliaco das tropas casan em cassde
guerra oas fronteiras alteo aaatraca.
0 mesmo corresponieate desacate a noticia
de que tivesse sido preso ojiada*.ir Constan
lino, acensado decombiaac*actoi o rerolucij-
o arios
Slervta
A Gazeta de Colonia reoeOet sai. tefegramata
de Belgrado, annunciasda-aw ae a agentes
russos n'aquella cidade eneat k, ao dia 27 de
Abril, rebentaria urna rewlaca.
Balearia
Corre com insistencia qae rasamente urna
nova revoluco na Bulgaria Aaeeata-seqoe
o governo russo offereceu wte it espragarda3
Berdau ao governo servio.
Urna con misso militar asra parta para S.
Petersburgo, com o fim de eaMnar a espingarda
de repetijo russa.
N'uma sesso secreta,aStaqrfteaaTOtoa por
unanimidade um imposto exttaardmmo addi-
cional para a organisajio de uta mita na-
cional.
Toda a opposijo se aseaciaazeste voto, para
lhe dar o carcter de nt auaiSeatacio patrio-
tica.
Turqabr
A Turqua nomeoo usa asnasato nliiar
para fazer o reconhecimento a totoral, e deter-
minar os locaes para o esubebemeota de novas
bateras.
Parece que os turcos m irign a saa captbl
sufficientemeute protegida omb w aterias que
acabaram de constrair ent ffenpa, i sobre a
Runisilikavat.
AFBICA
Itaaaaa
Os ltimos despachos deKataaaa dao noticia
de novo movimento dos dafanaenas: legando
partee, esto a 1 kilmetro de Pwtu Novo.
O aviso Msonge desemnareo Snonjeos das
coropanhia3 disciplinares, nadoedaSeaegal.
frica tiItlM ^^
Corren em Berlim o boalade qae as socieda-
des al lema e britannica da frica Oneatal bataam
feito accordo para urna revisa caaaoaaa dasi ta
rifas aduaneiras nos territorios da sea jurisdic-
jo. Tal noticia era inexacta.
Foi realmente estabetecide oatacoaedo entre o
major Wismann e o agente geni di oeiedade
bruannioa, mas versa apenas sabr as restaccSes
que con vm fazer no commereto das armas e das
munijes.
Especifica esse accordo, ipostmeate a extra-
diejo reciproca dos crimMsos awngeaaa; a
medida nao se estende aos earapea*.
Estipulou-se, alm d'isso, a'esae accordo, que
o commisario imperial alleart. e o agente bn^-
tannico se auxiliassem mitaameate noanto
execujSo dos decretos relativos a repressao
escravatura. e d'um modo geraf aanoto a
as questoes importantes que latera
partes.
Zaaxiliar
Annuncia um telegramma de Zuzibar para o
Times qoe 03 aliemos esUbeteearam m e?U-
co fortificada no monte Heoia, proefcuaando a
anoexajao do paiz, e me Eaa-PacaiBartio para
o inter.or com 600 caTregadorea, *OBBnaes alie
mcs e om corno consideravet de soldados nu-
bio, indo provavel nenie explorar a exlremidade
septentrional do lago Taugaoika.
velqueosfand/oid. ^cantes declarou que dara feriado no da
0 Sr. Parnell caractensou perfeitamente eaV cantea uec>a.uu q goverpador nn
mystilicicio, mas precisamente porque urna Mfo_, m
mystificajo em proveito dos inglezes e em pre-
juizo dos irlandeses, que ser vouda pela maio-
ria ministerial.
Bem longe de remediar as difficuldades da si
tuajo, esta teimosia em illudir as tendencias
paramente revolucionarias da Irlanda, causar
ama recrudescencia de agitajo.
AUeaanka
O principe de Bismarck j insta'.lou em Frie
dricksruke dous secretarios com o fim de auxi-
Tx-chanceller est firmemente resolvido a
permanecer em Fnedi ksruhe, e nao representar
nenbum papel parlamentar
Austria Hungra
_ Continuava o movimento operario prepara-
tn-lo da manifestajao de 1 de Maio.
jSa Austria as gnus alastrara cada vez mais,
havendo districtos, onde lodo o trabalho est
SUBandos de operarios percorrem o paiz, obri
cando o encerramento /das fabricas, nao em
ausarem grandes prejuizos matenaes n algu-
mas dellas. Lh.
N'alguns pontos tem havido contl
grentos com a forja publica.
Na Austria inferior, grande

da
todas
s duas
AMERICA DO NORTE
pwliia
As tropas mexicanas, aKBbateado contra os
indios yakeris, perderam 1 oScul e asoldados.
As pardas dos indios sao oooaideraveis.
Katade* l'nlslam
Na hulheira de Rokspiog, ao territorio de
Wyoming houve hontem amaexplosao de gris
que matn 30 miueiros, sendo chioeses os mais
d'elles. i- _i|_
Chegam noiicias de novas mnaadapses no vane
do Mlssissipe, em consequeneia de se terem ar-
rombado os diques. .
Diz um telegramma de Chicago qoe na ma-
nifestajao de t de Maio devemaUi tomar parle
ans 70,000 operarios.
Eiffel, de accordo com Edisaat propoz
direcjoda Exposico Universal aos Esjados
Unidos construir urna torre sesseftaate de Pa-
ris. mas com mais 150 metros da altara.
Esta torre ser illuminad* por aa aaunaa
lampadas elctricas de diuereatoi edres.
de
san-
numero de fabri
i de
publicou
maufesto aconselhand aos operarios que
tenbam prudencia, porque toda e qualqner ma-
nifestajao seta aesordeira enrgicamente repn-
mlEw Praga tomaram se precauces militares.
Todava a administrajo dos caminhos de ler
ro do estado seria obrigada a dar feriado no da
1 de Maio. cedendo assim maiona dos iraDa-
Ihadores de Praga. .
Em Vienna co3tume antigo de mais um
MEDICIN A
Excerptes de ai
Dr. Pedro AH
SOBBS
Faccinac3o
Parallelo entre as daasvanaoas
Tendo estudado cu'dadosasaaaieactaa hu-
mana e a vac:ina animal, e loado *"e*fc,a
as vantagens e inconvenientes da caa ama, e-
nos fcil agora confrontar as dsas vaccaas para
estabelecer entre ellas o paiale**.
Comejareoios por ah, mas nao nos limitare-
mos a esse confronto ; procuraremos basear
nossas concluso es no es tudo dos faclus, as es-
tatisticas aprsenla las pelos diversos autores e
reunidas no excedente trabalho de Ciando, pre-
miado peta Academia de Medicina de Paris e
publicado em 1881, e no relatorio sobre varila
e vaccina apresentado ao governo federal suisso
em 1880, por Lotz, relator da commisso sanita-
ria federal.
Comparando os attribatos de ama e outra vac
cia, vemos qae :
A vaccina humana mais fcil e mais cora-
moda para o vaccinador e ao mesmo tempo me-
nos dispendiosaqamio se pode dispr de crian-
gis em condijes para vacciniferos.
Esta ultima circumstancU deixa de existir
quando se tem de comprar tubos-de vaccina para
o trabalho de vaccinajao, como entre nos acon-
tece. Em segundo lugar, a vaccina humana era
considerada mais inoculavel, isto estando j
acciimada no nosso organismo, mais fcilmente
s traosmittia por inocalajao de um para outro
Esta vantagem boje nao real; a vaccina ani-
mal tanto ou mais inoculavel do que a vaccina
humana.
A lympbi humana se conserva melhor em
mbos e para remessa distancia tem mais van-
tagens, sendo mais tacil recothei-a e conserval a
do que a animal.
Ao lado destas vantagens ap'resenta a.vs
humana os segurntes iuconvenieates:
1.* E' menos enrgica que a animal a sea po-
der preservador menos seguro;
2. E" de produejo muito limitada; de sorte
que colloca os vacioadores em diiculdades,
quando precisara vaccinar grande quantidade de
pessoas de urna s vez ;
3* Degenera transmiitida de braco a brajo, e
necessua ser retemperada pela vaccina animal,
para restitoir-lhe a sua energa ;
4. Traosmitte a syphilis, e em cond ijes de
nao poder ser ella evitada. A crianja mais ro-
busta e do melbor aspecto pode ter a syphilis
latente e passil-a com a lympna, perfeitamente
pura na apparencia, fazenao assim a desgraja
dos individuos inoculados ;
5. Finalmente, mais sujeita erysipela do
qu a vaccina animal Sob este ponto e vista
preciso nao confundir erysipela' com o robor
que rodeia naturalmente as placas vaccinieas, c
qoe mais pronunciado as pstulas provenien-
tes da vaccina animal do qae as outras da vac-
cina humana.
A erysipela a affecjQo produzida pelo bacte-
rmm pumtum, e, sendo o terreno natural do
desenvolv ment deste o organismo humano,
comprehende-se immediatamente que mais f-
cil tel o inoculado pela vaccina de brajo a brajo,
do que tirando-a de nm bovino. Passemos ago-
ra a enunciar as vantagens e inconvenientes da
vaccina animal.
a vaccina animal mais abundan!^- em saa
produejo do qae a humana. Para ter idea das
vantagens da vaccina animal sobre este ponto
de vista, basta dizer que cada vilello pode servir
para a vaccinajao de 1.200 pessoas, e que com
pequeo numero desses aaimaes se pode, por-
tanto, fazer a vaccinajao de um exercito ou de
urna popula jo inteira de urna s vez.
Alera dssa vanugem, a vaccina animal per-
mute que se possa enviar a distancia, por exem-
plo, para provincias de um mesmo paiz, como o
nosso, vitellas vaccinadas, que, em diversos pon-
tos, sirvam para a vaccinajao das populajoes, e
de maltiplicajo da lympha, em logares s vezes
em que nao se acbariam crianjas para vaccini-
feros, como por exemplo naqueiles era qae as in-
fecces palustres tem depauperado as popula-
joes de modo a apresentarem as crianjas debili-
dade proveniente das ms condijes hygiencas
era que se encontrara.
Para a transmisso da vaccina em tubos ou era
placase necessario dizer que a vaccina animal,
depois dos progressos petos qsacs tem passad
a sua technica, pode ser preparada, conservada
e enviada em tubos e-placas a distancia, lo per-
feitamente coa.o a vaccina humana.
A vagina animal evita, pois, s crianjas o in-
commodo de servirem de vaccinifero3, incomodo
que muito contraria aos pas, que difficilmente
permittem a retirada da limpha, o que constitue
un dos embarajos generalisajao da vaccina.
A vaccina animal mais enrgica e mais pre-
servadora, ao mesmo lempo que completamen-
te isenta de perigos. Esta vaccina nao p Je trans~
mittir a syphilis, como a humana, e nem trans-
mitte a tuberculosa ou qualqner outra nfecjao.
E*. pois urna vaccina que d completa segnranja
ao'vaecinadoreao vaccinado.
Ao lado de taes vautageas. 03 nicos mconvi-
nentes davaccina animal sao : .o trabalho e a
despeza que essa vaccina acarrela. Entretanto,
esses inconvenientes que soreaes cm outros pa-
zes, nio podem ser aontados entre nos.
Quanto despeza, provavel que com metade
da ane f-'ita pelo nosso governo em introduzr
no paiz lympha humana da Inglaterra, a qual de-
monstraremos mais tarde que- a peior que se
podia escolher para o nosso paiz, se poderia ter
aqui a vaccinajao animal.
Quanto ao trabalho. sim ; realmente nada ha
mais commodo do que esta tranquilamente a re-
ceber custa do governo a quantidade de tubos
oue se pede, sopral os sobre o brajo das crian-
ras e fazer as picadas. E' essa commodidade que
muito se coaduna com a nossa ndole que faz es-
quecer que se pode estar inoculando vaccina de-
generada.uma vrecina envenenada pela syphilis,
ama vaccina que falha era grande numero de ca-
aos urna vaccina que pode transmuta-a erysipe-
la- mas Dus grande, e a sua Providencia de-
ve intervir para a oroteejao das bobres crianjas f
ais ah, pois, em rpido coofronto as vanta-
gens e inconvenientes das duas vaccraas. Pro-
curenmagora doestudodos factos os resultados
or ellas obtidos me diversos paizes.
Estudando o resultado das vaccinajes nos
Estados em que usada a humana e a animal,
diz Ciando, pag. 59: vfi-se que o numero
successos da vaccina humana inferior ai
vaccina animal. :. ..,
O numero dos successos da vaccina animal e
de 97,5 o/. emquanto os da vaccina humana re-
gular 90 a 94 [,.
Quanto s revaccinajes, ellas do resultados
sempre muito inferiores primeira vaccinajao,
mas mesmo assim a media da vaccina animal a
muito superior: emquanto a da vaccina humana
d 41 -u, a da animal d 45 i- .
Warlomont, no boletim da Academia Real de
Mediana da Blgica de 1877, d 03 seguintes
resultados:
Vaccina animal 96 'i. de successos.
iuSSu^'meliiores estancas da I.
glaterra, eom a vaccina humana, do 90 o,, e so
do 95% com as pontas de marlira.
Carsten, na Hollanda, d na estat.stica de 1880,
sobre 10.306 vaccinajes apenas 31 nsucces-
8Na Itla, os resultados da vaccina animal sao
extraordinarios.
A iunta de Milao. estudando as estatisticas,
chetou ao resultado de que nestts ltimos annos
a cifra proporcional dos successos da vaccinajao
de 90 i..
As revaccinajes apresentam sempre successe
superior da vccina animal sobre a vaccina hu-
mana, isto demonstrada pelos Drs. Fantonetti,
Manayra e on'.ros. ..-
Na Italia se tem verificado que a prejerra0r
dada pela vaccini animal superior im'
na humo a, -anto no que dii respailo ao
dos
aos da
I
4

*
4



i


nat
x
i



__ pela varila,
atacados por esse mal, fallecem.
Por 8so o govera* .itattaro designa por deJ
creto a Tacana animal como vaccin .fleta!.
(Ciaudo pag. 65 J
Eid aples as pidemiaB de varila dl'
1971 etc., deram o seguate resultad btaita-
tico :
1961 vaccinados foram atacados de.varila :
destes tioham sido iuccuiades pala vacaioa aai-
mal 135,o8 outroa4.811 ttunan sictaaceita-
dos Dla lympha hwaana.
O Dr. Margotta, vice-conserfBBBr vacd3H
em aples, escreveu a respeito nm trabalho :
Epidemia da varila de 1871, e ahi a pag. 109 diz
o seguinte:
Colloqoe-se de om lado a cifra enorme dos
vaccinados de vitella antes oe 1867; accrescen-
te-ee 47,71i vacciuados de 1867 a 1871, em Na
potes e muitas outras centenas de vaccinaces
praticadas com a vaccina animal na municipa
lidades de Pezzuola, Vico, Equosa, Ponticeili,
Giuglianu, Casoria, Afragola e em oatros loga-
rea ; tenha se em coma os milharea de vaccina
ces praticadas pelas familias, sempre com a tac
tina animal, e considere-se a longa durago de
14 meses de epidemia, a gravidade de suas for-
mas e de seas resaltados, e veja se qoe valor
nao se lem direito de ligar cifra de 135 vario
loaos vaccinados com o systema que em apo
les preferimos.
E depois dessa comparacao, venbam dizer que
a vacuna animal anda nao fez t uas pravas, e
qoe nao podemos estar certos de ana virtude
preservadoraI
ODr. JeroDvmo Orsi.em um re b torio mpres-
so as actas do Congreoso Medico Italiano, de 22
a 28 de Setembro de 1874, d provaa exuberan
tes da supenoridade do valor propbylactico da
vaccioa animal sobre a vaccina humana.
0 Or. Rafaelo Seralino, secretario da repart
(ao de bygiene de aples, fez ama eatatisuca
comparada dos morios da varila em aples,
em Turun (onde preferida lympba humana e
em outras cidadee da Europa at 1880.
Esta ealatistica apreseotada pagina 80 do
livro de Ciaudo, e por ella se v que comparan
do a mortalidade en. aples. Torim, Bruxellas,
Paria, Londres, Vienna, Budapeatb e S. Pe
teraborgo, a menor morialidade leve logar em
Braxellas, e depois em aples.
Explicando essa vantagem, transcreva Ciaudo,
do Dr. Raffaelo, estas palavras :
Este excedente resultado devido propa-
gacSo da vaccioa e, principalmente, adopeo
delinitiva da vaccina animal, em logar da vacci-
na humanizada
Ja citamos o facto de Warlomont, que, sobre
10.000 criincas, vacunadas pela vaccina animal,
nenbuma foi atacada pela lerrivel epidemia de
1870 a 1871.
Podamos continuar nesle terreno e dar ainda
maior numero de factos e de estatisticas, para
provar a supenoridade da vaccina animal sobre
a vaccioa humana.
Parece-nos, porm, desnecessario insistir oeste
ponto.
Chegamos, pois, naturalmente as conclusoes
desta primeira parte do nosso trabalho. e estas
lio as seguintes:
1 A vaccina jenneriana nada mais do que a
vaccina animal, cultivada no bomem, e precisa
del la constantemente para readquirir sua virtu
de propbylactica;
2." A vacuna degenera passando de braco a
lirado;
3." A vaccina nao a varila da vacca. A
vacuna nunca d varila e vice-versa;
4.' O cow-pox originario do cavallo; e, inc-
autado accidental ou artificialmente oas vaccas,
aprsenla os mesmas caracteres e a mesma vi-
rulencia. O denominado eow-pox espontaneo e
cultivado so idnticos;
5.* A retro-vaccina processo abandonado ;
6.* A vacuna animal tem sido pouco a pouco
introduzida em todos os paizes, e seus resulta-
dos se u*m mostrado superiores aos da vaccioa
humana;
7. A vaccina humana perigosa por poder
transmitr a syp >ilis e tal vez outras moles
las, *
8.' A vaccioa animal nao pode transmittir
molestia alguma;
9.' Nenbum governo tem o direito de iinpr
ao povo a vaccina humana ;
Essa vaccina pode ser tolerada, tomando se
precaucOes extraordinarias e de difficil execu
So;
10.a A vaccina animal superior vaccioa
humana, por qualqner lado qne se a considere.
o Mayrink logo qne effe-
eteou a compra da taha vapor de San-
toa a S. Vicenta, eawnwgou o eeu repre
sentante Benedicto 4a Suva Casino de or-
gaataar nnw turma de aagaoheir. s, asm
de estudar o respjtei* protatigamento.
Oe trabe!boa de aplosaftc eomecaram
no dia 22 de Abnl fiado.
IMHSTKIAS ARTES
El Ingeniero y Ferretero Espaol, em
nm dos teus nmeros de Margo, d nos a
eguinte noticia :
c Se a invencao do Sr. Norton de Pi-
tsbergo fOr o que promette, a las ele
etrioa o a de petrleo tero perigoao ri-
val.
Affirma elle que descobrio a luz rnelbor
e maia barata; intensissima, perfeita, e
nm foeo equivalente i 500 velas j.de
ser produeido pelo cueto de um centavo
por hora, &' producida por um reacclo
ehimica, e presta-se nao s illuminacao
das ras, como para lampadas portateis;
tem a vantagem de nao carecer de tubos
nem encanaiuentoa, nao explosiva nem
d fomuca. .
Alguna capitalistas de B: uver, qne as-
88tiram aos ensaios deste invento, forma
rara iinme. tatamente ama companhia para
explralo e desenvolver a brhaute
idea.
X i Estado de S. Paulo, coos.tuio se
imi cornpinhia par expirar a fazenda
Brunot, ao municipio do Ribeirio Preto,
com u.ii capital superior a cinco mil con-
tos, dividido em 2b,96L accSes de 2000
cado urna.
O titu'o da eompanh.i Companbia
Agrcola da fasenda Brunot.
Os accionistas da comoanhia sao Henri-
qu Brunot, seus 4 fiihos e mais 3 accio-
nistas.
No dia 23 de Abril ultimo rsalisou-ae,
em Mogymirim pra a asseinb'a ex-
traordinaria dos accionistas da Jompanhia
M- gyan, deliberar sobre a fuso de di-
versas liabas.
Aberta a sessao, o barSe de Ataliba
apresentou urna proposta de frailo, qu
fo c .rebatida pelo Dr. Costa Machado,
como inopportuaa.
Dep<>-,s de caoroc disenasito, foi apre-
sertuda a seguate emende cor.ciliatora :
A assembla geral renolve a
prop >sta de fusilo das diversas linhs da
paubja, sera prejuiao de garant
jnr a de que gozara sob as sagautes o n
di;o !S : 1*, o actoai tiiLdo de. reserva con-
stitu lo por 708 ac$8*a iatetafiaao>8fl e o
resto em dinheiro a' 317:139)>770, bem
afas.-n as acySes que iorem rateadas em
vistude da fusa^- scrao distribuidas pelas
actuaes acconixtas do tronco ; 2*, 3,150
acc5-s nttgralisadah e distribuidas, pro-
)iorcionalmente, p^loB 70,000 aegoes de
tronca, e pelas 8,750 do Rio Grande
A emenda foi approvada por unanimi
dade.
Aberta a sessSo ordinaria, foram appro-
Tcd o relatorio, o parecer do conselho
fiscal e a distribnifao do dividendo de 14
*{, para as acg5es integraliaadas em Outu
bro.
Foi approvada, finalmente, a propoate
elevando a 18:0u0j$ os venoimentos do
presidente, e 2:400)$ o de cada director.
Audiencia do KovemadarDa Secre-
taria do Governo do Estado remetleram-nos para
publicar o a.-'Kninte:
S. Exc. o Sr. Dr. governador do Estado dar
aud ocias as quiutas-feiras, das 11 horas do
dia s i da tarde.
Fra d'easis horas, S. Exc. s receber quem
o procurar nos mesmos di8 noite, ou em qnal-
quer outra occasiao oe ebefe- de repartieres e as
pessoas qoe tenbam de tratar de assumpto con
cernate ao servico publico. >
Dr. Hurtias Jnior Como appendice
rpida synthese que Hiemos hontem das gran
des festas promovidas para solemnisar o regres
so ilo prestigioso chefe do partido republicano
damos os seguintes detalnes :
A' tordo.Logo que o tetegranho ptico an-
nuociou a a proximacao do La Plata ama fioti
Iba, com posta dos rebocadores Aade e Arman-
do e divesos escaleres, aingroo para o LamarSo
conduzindo nma incalculavel multido que en-
ebeu completamente aquellevapor qaando leve
logar a baldeaco.
Apds ar primeias sandacoes e mostras de sin-
cero eothusiasmo, o Sr. Tranqnillino Leito, em
nome do Clno Republicano Parochial da Boa Vis-
ta, eotregou Exma esposa do Dr. Martins J-
nior um lindissimo bouquet, pronunciando por
essi occasiao um discursomuito applaudido.
Em seguida a (1 iiilha abicon para trra ni
meio de estrepito os vivas.
No caes. Na rampa interna do'Arsenal de Ma-
riana esperavam o llustreehefe muitas familias,
o honrado governador e chele de polica deste
E-tado, o inspector do mesino arsenal, os com
man lantes do Liberdaie e do corpo joJicial e da
da guarda civica com a respectiva oBcialidade,
oe 1 e 3o vice governadores, directores da Pa-
culdade e da ostruccAo pnoliea, lentes da Pa
:uldade, offiuaes de trra e mar e cornmi-ses
da academia, curso annexo, conselho superior
da Propagadora e dus G.uhs ti de Julho, Prei
(^neca, Parochial da Boa Vista, Belin, Magda
lena. Santo Amaro, 2 de Pevereiro c da cidade
de Olinda.
Nessa occasiao, o nossjcompanneiroDr. Thia-
go da Fon era. -m nome do Club Republicano
Frei Caneca, entregou ao prestimoso cidado,
cujo regresso nos enchen de jubilo, urna riquis
sima insigna do mesmo Club, formada das suas
inicaes. encimidas por ama estrella com om
bnlhaute a qual foi coHocada no peito do agr
ciado pelo Dr Jjo de Olivelra, digno presiden-
te do referido Club.
No Arsenal. Usaram da palavra, de ama das
janellas da face extei na do Arsenal, o Dr. S
Lima, que n'um brilbaa'.e imp-ovis j salientoo a
coragem, o denodo e a sinceridad); do ir. Mar
lins Jnior e a conanca do povo. de quem era
interprete, naquelles que actualmente dirigem
os destinos deste Estado
Depois de baver dis -ursado tambem a Sr. Ao- '
tonio Henrique de Almeida, apreientou-se na ja-
nelta aquelle int-merato pernambucano que pro
voroa eolio delirantes vivas.
Serenada a onda do eothusiasmo popular, co-
raecou elle .. fallar emocionado pelo espectculo
qne se desenrolava a saa vista.
onbecedor do corac/o humano, o illustrado
chefe, em sen discurso, que tocou todas as fi
bras do sentimento, fez a synthese da campanhi
republicana no passado. reivindicando para este
Estado a maior porco de glorias na grande
eclos&o de 15 de Noveiu; ro, e indicando a mar-
aba da poltica no futuro.
A energa de sua e-tylistica mostrou a todos
qoe urna nova era de garantas individua-s, e' "'"A",","'.'*!f
ramete na voaaa direccao poltica deste Estado,
comOAMi flmm lemea*a.oNeo>faot>ias
nao trtstafhtttas'dnwiii Mrtstaaa ita'wm
primeatar-i e nnfeef voauaHie>hatatn
ca e leal jarane soua*tolrttaa festaraissv. d
qual sata ataesBado cteefe.
0 Ctataiftetatalicaoa Psderalista 2 de ttave
r*iro, pas, fferasv vano sea mnimo auxilia e
apoio paM.o pdafresse..e final estabiltdade da
Republiealrazitaira.
Saadta frataaoidadaSata das-tessaes do
Club Bepaftlicaaa ffeetaatiista Me Faverairo, em
Tigipi, 8 de Malo de 1890, t da Repblica.
Ao illustre cidado Dr. Jos Izidoro Martins
Jnior, nclito chefe do partido republicano des
te Estado.
A commisso : acadmico J. C. Ribeiro da
Silva, (relator), -engenbeiro, Dr. Luiz de Castro
Goncalves. -Venancio da Srtva Flores.-AbilioA.
Cambra Lima majo,- Praxe les da Silva Gusmo
capitao A>G de Gusmio Loho.
Banquete polticoO Dtao de Not cas
nos seas ns de ti a 30 de Abril prximo fludo,
deu a seguinte descripgo do ba:qu3te offerecido,
38, ao Dr. Martins Jnior pelos seos amigos da
Capital Fe .eral :
N'o poda ser mais bciIhanteamauife>tacJq
de apreco futa bootein. por amigos e conterra-'
neas, ao talentoso professor da Facuidad do
Recife e chefe republicano do sen Estado, Dr.
Martins Jnior.
0 salan de honra do Globo achava-se enfei
todo com bastante gosto, tendo as paredes tro
phos de bandeiras republicanas e pendentes das
janellas bandeiras nacionaes.
A mesa, ds &9 talheres, esta va ornada com
summo gosto, apreseotando bnlhante aspecto.
A's 7 horas, a commisso organisadora
acompanhou Martins Jnior at ao lagar de
honra, que occjpou, tendo-a.sua direita os 3rs.
Francisc > Glycerio, ministro da agricultura, Io
tenente Velloso, re iresentande o Sr. ministro da
marinha, B-larmieo Carneiro, Dr. Almeida Per
nambuco, capitao Reg Barros e Dr. Vicente de
Souza, r -dador aa Democracia ; e esquerda o
Dr. Benjamn Constant, ministro da iostrueco
publica ; Lauro S idr, secretario do mesmo
ministro ; A. Azeredo, do harto de Noticias :
Rodtilpbo Aoreu, Luiz de Andrade, Dr. Seve-
riaoo Peixoto, I tenente Leopoldo Bandeira de
Gouvea e Affmsj de Albuqoer^ue Maraubo ;
em frente, desainbargaior Martins ereira. Dr
Silva Jardim, tenetite-ooronel Serzedello, Dr.
Liodolpho Correia, Dr. Augusto Netto de Men
doea, Henri Bfianibe. Syivio Romero, Dr. Pe
derneira- (Jornaldo'mmmercio) Antonio Leito
(Paiz), Joo Chaves (azeta de Noticias), Gabriel
Cruz, G. M*oedo (Gazeta da Tarde) e E. Roude
(Cidade do Rio).
O men era dos mais delicados, irapresso em
cano dourada, tenio no alto o escudo nacional
com as 81 estrellas e o le toma Ordera e Pro
gres-o. Soore elle lia se o titulo : Republi ;a
dos Ettados Unidos do Brazil e era seguida as
seguintes in li acOes : Han pete promovido pelos
per iD'iu''ano--, residentes ni capital tedtral em
honra ao Dr. Jos lai loro Martins Jnior.
O men constava do seguinte :
fotage Consomm de faisn la Rpubli-
que.
flor* i'muvro Attereaux de 'foie gras.
rtfs-Bidejo boatlh. Martins Jnior.
Supime de gibier. a Ruy Barhoza.
Enlre* -Filet de hocuf a Qaiiiuno Bocayuva.
r Cdtutettta d'agoeau f Estado de Pernaraouco.
Goupdu raiaf'unch governo proviso
em Peraambuco, quando alli estave ao aervico
4k (Manda repubUeaav ameagalAs ambos, I
0 banqoete termioou s ti horas da noite. ranaasatro
ecebidas ioglez La Plata,.
irdo do vapar
tocn em nosso porto ae
gr"-1':.";?'.?'^'"*' r"^"' I .. ""r""'. wy. ww nmm rewowas 10|s ^ p*^, qae tocn em nosso porto aa
lies, com as vtasn en risco, porm Hr- diversas cartaa-doa Bis. Qatntioo Baaiyuva,-Roy d 8. seguio em viaeem para a Europa onda
seuspostosaobngandoaauloruiadfl Barbosa. Manaes da Fonaeca. Dr. taeobina. Pe-i valoo-go|0 je ama heManltmamente oace-
llP.it H funitlllar o i imiaii nnirm i n sana < ** V^Im i A.* ----*- rii.jll,nJ.| r mHk;., ._
laijaica a capitulat e a eafiaquecer se,m reir Neto (da MevwU illuttrada) e Dr. Tobias
ata 4* attilude que asumtam. Monteiro, assaendo-se s manifestacnes a Mar-
^Paiaambuco. pela sua pstelo topapiaphica,! tins Jnior e daode aa razoes do sea nio com
aftrafl a Para e abraca a Babia, tafeando-se! parecimento.
comoiawofcoTiomohaeBto las id ". neferjndo se qusatto dacepublica uniura em virtude datacommodo es* pe-sea de sua fa-
e federalista, diz que os restibJicaoos o qne milia.
sempre anizeram foi a Tepnbbca una, o territo- 0 Dr. Silva Jardim representee ao feaBqwte
integro, e tanto que em seus nnni- o directorio republicano do Estado do Rio de Ja-
festos nao se encontra jamis a pala vraunitaria.
No actual momento acha que tuso depeode
mais da ordem do que do progresso e dever
de todos concorrer para que esta ee maotenha
completa e fora do alcance de quem quer que
seja. (Apnhusos). E. foi a em dizer que o go
verno, sabiamente constituido apa o 15 de No-
neiro.
< Terminando aligein narraco do banquete,
enviamos nossas felicitagoes ao Dr. Martins J-
nior pelo brilhantismo e elevada signincaco da
feata qoe ante hontem Ihe'offereceram os seus
conterrneos, desejosos de honrar o mrito e
consagrar os servicos de am conudado em
vembro, tem tiioo mximo cuidado em cumprir i quenMepositam tantas esperaogas.
esse programma. Sa la Mirtins Jnior princi-1 Allatamento de Itamaraea
Rons Diode farcie Norte, jambes de Bayo
de respeito aos mritos, u)as ao mesmo tempo|ul
ae predominio do pnocioio da autoridade, vail1
inaugurar se em Peraambuco.
Concluido o seo brilbatissimo discurso pro
gramma. anas geotis meninas. Hlhis do Sr. Do-
mingos Se-ve, entregaram-lbe, em nome do Club
23 de Julho um lindo ramalhate de flores natu
raes e d >us ejemplares de um jornal especial
impresso a ouro sobre setim.
0 prestito Desliiou em seguida o enorme pres-
tito, de que j demos noticia.
as ras do Bm Jess, Mrquez de Olinda,
B da Victoria e Imperatrit foram aurudas flores
sobre o illustre demcrata, sendo que a segumU
desdas ras, na parle frooteira ao escriptono do
nosso amigo conunendador Miranda Leal, estava
juncada de flores.
Na ra do vrogresso. Cbegada a imponente
uar'b. cvica residencia do illustre Sr. Dr.
Marun- Jnior, recomecaram -os discursos e a
off'Tta de rauialhet"S -
U D Thugo da Fonseca, ainda em nome do
Club Fre Caneca, aiis a apresentaco de since
rus pr .testos de solidanedade, eotregou Ihe um
liadissimo ramaihete de flores artiliciaes e outro
sua Exma. consorte e ama Mensagem congra
tuUUTia ao que o digno agraciado most-ou-se
re.-unhecido. pedindoa lodos os seus correligio
naric-s que se consiuam defensores leaes do go-
verno que tao bnosameuie nos dirige e que se
mostrem snp-riores s soliutacoes da intriga.
Fallarara em seguida os Srs. Drs. Almeida Cu
ntia (pelo Club Repunlicano de Olinda), ouza
Pinto (pelo de Santo Aiiaroi e Acau Ribeiro
(pelo Conselho Superior da Prop :gadora) e uda
daos Joo Baptisti (pela Fa tos (. elo Curso Annexo), Ribeiro da Silva (pelo
Club Republicano Federalista 2 de Feverei o)
entregando este lambem orna M nsagem con
gra'u'atoria; Ridolpno Lima (pe o Ncleo Art*
ti:o Republicano) Rocha Lima (peloCiuh Repu
blicaoo (ieBelem), corouel Apolmario Maranhao
(peo Club Republicano da Magdalena), professor
l' io Cirreiro eo menino Txraciliano Montar
royos (alunno da escola dirigida por esse piece
plor) o qu I recitou urna poesa
O banquete.A sata do banqaete estava Iuku-
uriiine .le orna.ia.
O scrvigo respe tivo foi fcito pelo hotel Inter-
nacional que apresentou o seguinte men :
Ombre ehevalier la Trtara,
Fiki de lo3uf*u Raufort,
P s de volaille en croute,
Galantiuea troufJees a la gele,
Jambona de York, la Boemienne,
Sorbet ;.u citrn,
Desxert.
Na pmneira mesa em que lomaram part' as
Exiiris. senhoras, autoridades, ofliciaes. raagis-
tr-'os, coiiiuiiss *jo nosso representante fo-
ram e gudos os seguintesfinndes calorosamen-
t- corrspindutos :
Do D'. .'i Lima ao iocorruptivei chefe Dr. Mir-
li'j Ju ilor.
D; Dr. Aliino de.Araujo*(; mesmo, a respeito
d > qi.: diiwe nfio saos- o qj/' mau u Imirar &e o
uleiii focan ique-Uutor, 'rutnpbos t.-m con-
E {B| m ~e a sua vantl :un lo
a expreasao do proprio brindado), e o sea cara
Do~etoauao 9. Gaaiaetio (ex propnatario da
Folhn do Norte) aos dignos cida-ios Dr3. Albino
M-ir baa, governador e chefe de
I)' Dr Mai tins Junio- Repblica,que elle ner-
sodoluam mi gum Bimihh Deadoro raja eser
gtae juj-'iiaii'O'imoeram atiest-idos selo ?u
BJ no a que. in memoravel da 15 de KoVtmbw,
elle condemnou -s 30 pessoaa de sua fa:.
ne.
Entbksts. Asperges sauce crme, gele
de pohu au kivch, Macedoine de fraila, fromage
glac.
Desssrt assobti.Vins : Madre sec, Rhin
frpp, Cbaieau Laffte, Bourgo^ne, Rhum de
Jamaique. Champagne frapp, T >k i et liqueurs.
i^rca das 8 horas comecaram os brindes,
tomando a palavr, o Or. Sylvio R imro, e no-
me dos peniaraoucanos, e saudind enihusiasti
cemente o chele repuDlicano, que all se acbava
presente.
E' fcil, disse o orador, saudar um poeta
am j irnalista ou umpoluico, encarando essa m
e sob o ponto de vista qoe caracie-
A uoitc foi nomeroaa a afflaencta de pessoas
que felieHaram o notavel >r. Dr. Martina Jnior.
A na I Progrese esleve illumm;:di.
Algn navios emtwndeirarar: em arco.
Graude sati-fago Oeve encher o corago desse
DuLvel perilaa.bLCallj, tul lUJa holiiu OiaUl
tS-j LwlLuiiles mauifcstijes.
E:~ a mjnsagcm di Club Republicano Fe-
'deralisa 2 de Fevereiro:
Cid do I 0 Club Republicano Federalista
2 de Fevereiro, representado pela commisso
abaixo asignada, vem com a mais ampia expan
Bao de ?na sentioentos "ssociar as suai con-
gratulacoes is deste povo pernambucano que vos
estima, que vos distingue pela nooresa e nnmo-
biiidade de vos -o cara ttea pela elevaco do vos-
so talento, P'lo vosso feliz regresso patria
pernambucana.
0 Club Republicano Federalista 2 de Feve-
reiro, que v-era vos a fiel seguranca da estabi
lidade da Repblica en re nos, que confia since
i. ,sa a pe-sonahdadj que se quer nonrar. Aqu,
porm, trata se de um homem, que soube elevar
a grande altura a poesa ; qoe na imprensa, em
1 poca meraoravel, susieolou acerbas lulas em
prol da democracia, e que na poltica do eu
Estado soabe conquistar o posto de priaas in pares. Alm d'isso, Martins Jnior, como profes-
sor, um dos luzeiros da Facuidade de Direito
do Recife.
< Difficil, se nao impossivel, seria dizer o que
o que vale o illustre moco, que todos neste mo-
melo Uesejam honrar. D r todava, que desde
os lempos de seu inicio na vida publica Martins
Jnior fui sempre um adepto eatbusiaata da i
berdade, pugnando sempre por essa poJiticj
adidiitada que leve a sua consagrado rtial a
15 de N ivembro, e que nao a plitica experi
mental -porque se uo experimenta cora a hu-
maudade mas qne aproveita a expeneucia de
outros puzes, que quer que a direceo perienga
aos republicanos, que organise a pina etn
a lopuir a incluso ahsoluta, o qae seria um er
ro, uem a excluso absoluta, o que seria um er-
ro anida maior I (Bravos e palmas).
Nhiguera entre nos quer a RepuDlica vio
lenta e exclusivista como a fran:eza em 48 e a
i espaohola em 68, mas urna repblica sensata,
bemquista e eterna sob a :ireo;o dos homens
que ibais conliang-i iuspiram, soh a direcrSo re
publicaoa. lApplausos).
Brindaodo a Martins Jnior, brinda ao espi
rilo de Pernambuco, orinda Repblica Federal
Brazileira I (Muilo bem I Applausos).
0 Dr. Martins Jnior. Diz que profundo
osen im-nto de gratido que o domina, vista
das raaoifestacoes de estima de que o rodeiam
os seas amigos e conterrneos, e que, para cor-
responder a ella, cumpre Ihe aprov-.itar o ense
jo que se Ihe oflVece. nesta solemne reunio.
para externaras suas idease apresenlar os piin
upios que o orientara na vida publica.
Reinndia para si a gloria de comprehender
e representar o espirito de Pernambuco, porque
loda a .-ua vida p-issou fascinado pelo ideal re-
publicano, servindo-o co.ti o mximo enthusias
mo B dedicaco inspirndose as t-iali^0
gloriosas desse povo. que tantos sacrificios tem
fetouela idea que boje, felizmente, vemos trium
pilante e consagrada em nosea patria I
Aproveita lamoem o ensejo para declarar
que os republicanos de Pernambuco nao pen-
sara Ue dous modos diversos sobre a organisa
;o da patria, nem tm dous nudos de* ver dif
fereotes, em rela;o ao governo provisorio : os
seus co religionarios de Pernambuco querem a
Repabl.ca Federal e dao apoio franco e decidido
a esee grupo de hom/nt, que a 15 de Novembro
sonbe realtsat a aspirago nacional e cobrir de
propria itaagem da patria.
Daspma aatn boatos e intrigas qun o do
e aos s> us correligionarios como partidarios d'i
repblica umiariu. Nao ha infamia maior do
que airibuir-lhes tal penaamento; isso pode
piovir dos que. procurara explorar a prseme
actual de e atricoal-a na raeihor occasiao.
(AppUoMs).
* .Sei ia iacapaz do, no momento era que o seu
p / se organisa, levantar ama quesio theorica
qu i pecer a ni reba des-e gove*ao pa
o. que ulo lem fefb em proi donme e
da gloria 'io Br.zil eque deseja dotar o paiz com
Ij' a o,niaupHblJca, ha tamo,
e l ni:: c qu' a monarchia senpre nos negou
ili: os o panas
Quer a repblica, como ella foi proclama a
a lo Novembro de 188:, u Repulilica F.'deru-
tiva. pondo cima de touas as contingencias a
ie nacional, e realizando as reforma-,
pe |ae lo o o paiz anceiava. Desojara s que
aoavesse umuad', na legistajao civil, em tuuo
9 qu ..om a ptopriedade, a amilia e os
seutimentos <\c povo braxileiro. (Mullo bem.
muito bem).'
E' contra o parla-centarismo, e quer insii-
tuicoes tortea, dasaa loica que asoediada de
tudoj os lados e a todos os momento; pelas res-
trementfas do governo I
Cotloqucmo tus .-o lado do governo, na mis-
sao patritica de organisar a patria e de enea
mullala a so felicidade. tornando a Repblica
F doral Bmzileira urna d;isracC s mais prepon
deranjtes da Amerita. Brinda, pois, ao governo
provisorio na pessoa do illustre Sr. ministro da
:igriu*iiDra, qne, de aa ranito,. admira o respeita
Cvujo um dos rondes batalhaiiores da causa
triompbaate a 16 de Novembro. (Applausos pro
long1os. Todos os assistentes se levantara e
taudara o digno ministro).
O Dr. Stta iarwtTem o dever de fallar,
encontrando-Be aqu, tiesta (esta, junto a Mart'ift
Juntar, depois dos ucontecimentos que se deram
- No dis-
tricto de pal de Itamarac terminaram regular
mentios trabalhos daqualiflcac^oeleitoral, ten-
do sido alistados, ao touo ,334 cidados.
Paitlntento Victima de urna leso car-
diaca falleceu antehontem, na idade de 46 an-
nos, o tenente honorario do exereito Antonio de
Alhuquerque Maranno Ca val cante, qne exercia o
cargo de ajudante da fartaleza do Buraco.
O tinada era um hornera honesto e trabalba
dor, e consumi os melhores annos de sua vida
em servico do paiz. Fez toda a campanha do
Paraguay, para onde foiem comeen das hostili-
dades como cadete; e alli conquistou os postos
de alferes e tenente por merecimeato, sendo tam-
bem condecorado com o ofcialato da extincta
ordem da Rosa.
A' sua f imilia, e especialmente a seu sobrinho
Dr. Henrique Millet, apresentamos pezames.
OutroAntehontem suocumbio victima de
urna congeslo pulmonar, o talentoso acadmi-
co do 8" anno de direito Amaro Rabello, maco
prestigioso e urna das influencias polticas da
cidade de Goyanna.
Lamentando o seu prematuro passameoto,
agora que os seus ideaes estavam sendo realisa-
dos, apresentamos sua digna familia e especial-
mente ao seu presado i'lrtnao Dr. Jos Rabello as
nossas condolencias.
Antehontem mesmo em trera expreaso, seguio
o corpo, acompanhudo or mnitos amigos para
Alag -Secca donde seria transportado para o
engenho Tabayr do seu honrado pal.
capturaEm diligencia effectoada pelo de
legado do termo de Bom Coeselbo no dia 1. do
correle, foi capturado, no logar Serra Grande, o
crimiuoso de morte Saiyro Cofdeiro Manso.
Varala.0 Dr. chefe de polica, na parte
que dirigi hontem ai Dr. governador de Estado,
e vae hoje publicada na secc ollicial, oceupa-
se com o assumpto das varilas; referindo as
providencias que anaba de tomar e das quaes
podem produzir-se beaedoos resultados.
Mariei> Jnior No Patz, de 3 do cor
reuie l-se:
No paquete La Piala embarca hoje 1 hora
da tarde para Pernambuco o Sr. Dr. Jos IsidO'O
Marios Jnior,
' 0 illustre cidado. durante a sua perma
aencia nesta capital, foi cercado de innmeras
pravas de consideraco e estima dos seus cou
terraoeos e.amigos polticos ealcanca dosmera-
bros do governo provisorio as mais decisivas
demonsiracOes de conflanca e aprejo, entre as
qaaes compre assignalar, pela saa mxima ira
portancia, diversos melhoramentos e medidas
do maior intresse reclamadas pelo estado de
Pernambuce e coocedidas pelo governa 4-instan-
cias do syopatmcB chefe poltico' Bernambuca-
no
Igualmente o Diario de Notuat, do Estado da
Baha, em data de, 5 deu a seguinte noticia, sob
o titulo que a esta encima :
De ve chegar aman h a este. Estado, em va-
gem para o Recife, a bordo do vapor inglez La
Plata, ,o uisiiucto chufe do partido republica-
no o'aquelle Estado, o Dr. Jos Isidoro Martins
iunior.
Este nome, que define o mais illustre o im-
portante repnolioano, dispensa todo equalqupr
reclame dos oossos cooudados com relaco
recepeo que Ibe devida.
' Patea de a. Pedro0 estado de immun
dicia em que acha se essa localidade. exige urna
providencia que solicitamos da autoridade com-
petente.
Alem d'aguas estagnadas, alli deposito de
quanta po-cana ha, com incommodo-geral.
Tribunal do Smrj do Recite Foi
hontem da Paixo Ramos, pronunciado no art 193 do
Cod. Crim., como autor do as-assinaio do infeliz
tenente Pedro Regaard.
Em vista da decisao do jury foi o reo condem-
nad" pena de gales prpe uas, appellando ex
, pureza dos mem'dl qu'e '^^^iodessa deciso para o Tribunal da Relaco
o juiz, presidente da sessao.
Daremos amanh noticia circumstanciada do
jolgamento, visto se terem prolongado os traba-
lhos.
Monte Po doa Voltentarlos da Pa
triaA directora dessa siuedaae para o ao
no de 1890 a .891 ficou emposta da seguinte
forma:
PresidenteSilverio F. de'Araujo Jorge Filho,
(reeleito). ,_
VicepresidenteAntonio Joiaum Machado,
! Secreiario Isidoro T. deMattos Ferreira,
(reeleito).
2a Do -Francisca Antonio do Cunta.
TbesoureroGeroncio dos Santos Teixeira,
(reeleim).
Orador=Henrique C. Brrelo do Almeida,
(reeleito).
Collegio Cummi ilal R 'uniram-se
hontem 58 eleitores, e foi eleito deputado da
Junta Commercial o commercianie Luis de Pau-
la Lopes com 30 votos, sendo seu competidor o
Dr. Antonio Gomes de Mattos, que obteve27 vo-
tos, tendo apparecido urna cdula era branco.
Juizu de pas da freguezia de 8.
Fre Pedro tunralvc* .o Recife A
cha-se no ex".rcicio do cargo de escrivo deste
juizo o cidado Adolpho Lins Viaira, que dar
audiencias as quanas feiras s 10 horas da ma
nh ra do Mrquez de Olinda a. 3, Io andar.
Tisipl -Cotnmunicam nos :
Os moradores deste pequeo povoado tm
vivido ltimamente em coounuo terror, pois os
ladrdes tm manifestado enorme desenvolvimen-
to e a;iividade.
A casa da professora publica, D. Taeiana Lo-
pes, foi ponto escolhido para as correras dos
cujas, que obrigam aquella senbora a nao dormir
e aguardar a hora do supplirio. E' assim que
por tros vezes tem sido s sua casa destelbada, e
cerrados os caibros que a guarnecem, apezar dos
gritos dos criados.
O caso du maior gravidade, convndo, por-
tanto, qua. sejam tomadas as devidas providen-
cias para evitar o mal que p le ser grande.
Plebiscito Damos em seguida a respo-t i
do Dr. Annibal Falcao a ara lelegr<,mma que Ihe
palmate, come um dos matares elementos da
ordem no actual momelo. Nos, que hontem nao
trepidavamos em morrer pela revoluco, hoje
nin trapidojtamoa em mervrSpela cituss da or.
dem e pela causa da conservago I SrJa Mir-
tina Juuior como um dos representantes da
ordem.
0 Sr. Francisco Ch/cerio (miniatro da agri-
cultura) : Diz qae lo vera fallar em nome do
governo, nao > porque a sua inlole revolucio
naria anda nao ae affeicoou s reservas da pa.
lavraofficial, como tara Dem porque Ibe mais
grato fallar como compaoheiro de Martins Jnior
e de tantos oatros boni republicanos aqu pre-
sentes. Falla por si, mas pode affirmar que to-
dos os seus collegas applaudem a justa manifes-
tajo que te faz ao illastre republicano, que to
bem representa o Estado de Pernambu;o, eque
por tantos ttulos a merece. (Appliusos.)
E' absolutamente federalista e est,' neste
ponto, na mais completa communbo de ideas
com o governo e com os amigos aqu: reunidos.
E'em nome aessas iaas e dos seis corap.nhei
ros do governo. que levanta um brinde a Mar-
tins Jnior. (Muito bem.)
O tenente coronel Serzedello : Nao tomara
a palavra se nao fra a posico especial om ;jue
se acha. O seu collega e illustre amigo, raajor
Dr. Espirito-Santo, nao pudendo comparecer pqr
achar se fra da capital, encarreou o de repre-
senta! o nesta festa de patriotismo e de justica,
como militar e como pernambucano Filho do
Para, julga, porm que pode fallar em nome de
um pernambucano, que urna gloria do exerei-
to, porque a mesma cousa fallar das margeos
du Amazonas, desse rio colo-sal que sabe ven
cer o ocano, que esleude com altivez as suas
ondas fazendo recuar o Atlntico ou de cima
desse bello arrecife onde as ondas impetuosas
do mar quebrara-se violentas sem perturbar a
serenidade tranquilla das aguas do portosim,
de cima desse bello arrecife, inagem da virili
dade do povo pernambujano, que com energa
soube guardar puras as tradices republicanas
de 1710 e 1848, na pessoa do Dr. Martins Jnior
chefe repuolicano de Pernambuco. (Applausos
prolongados).
Como militar, diz ao illustre cidado v para
s:u Estado, cont ao povo, tando escutado aqui
a alma nacional no, corafio do exereito, cont
Ihe como fu feita esta revolucoe com que ab-
negjgojesle exereito mantera a Repblicadiga
ibe que este exereito coofraternisou com o nova,
en 7 de Abril, sendo Iludido em ,s us intuitos
pela poltica das r.oudecen.leo-:ias : ilumina-
do por grandes patriotas, fez a abolico em 13
de Mato evaugelisado pela impreasa e educado
pela palavra de Benjumim Coustmt, ao prestigio
militar de Deodoro, fez a Repblica em Id de
Novembro. Contrario a dictadora, porque elle
quer um governo cora raspa.isanilidade de,seu8
actos e sobre o qual ae poss* exercer a fiscali-
saco; contrario ao rgimen da espada, elle to
dara est prevenido contra qualque.r poli'.i a de
descontianca contra si. nao conseniindo que se
possa lesiruir a sua obra.
Elle quer a Repblica nao pata si, nao para
grupos polticos de qualquer parciadade. mas
a quer sim para a patria. Brinda, pois, em
nome do Dr. Espirito Santo o on.-u'e do partido
re mblicauo de Peroambuco, como represantante.
deste mesmo modo de pensar e de sentir. (Ge-
raes applausos cobrem as palavraa do orador,
que foi cumprimeotado pelo Sr. miuisiro da
agricultura).
O Dr. Almeida Pernambuc em nome da com-
misso organisadora do pauquete, brinda a il-
lS'rada i-npreusa da capul federal.
0 Dr. Pederneiras (representante do Jronal do
Commerao) diz que a impreusa, sejam quaes
forem as suas opinies. tem sobretudo um de-
ver : fazer justica e, esta, tienbufli los represeu-
tantes do jornalismo fluminense pode recasal-a
au illustre moco, que fez das suas idis um
aposmlado, reconhecendo ao mesmojempo era
Mamas Jnior
cou mao e a supenoridade com que soui sem
pre haver se, mesmo as occasioes mais difceis.
> Sada, pois, em nome da imprensa flumi-
nense, o representante da* idea republicana no
Estado de p rnamnuco (tpplausus).
0 Dr. Sylvio Romero orioda o denodado pro
paganuisia Si.va J.rdim, que evangelisou no
norte e no sui do R'-azil.
0 Dr. Silva Jardim agradece o brinde, mas
transfeie as booras, que porveptura Ibe possam
caber, aos gran es batalhadores. da idea repu-
iilu-aua. aos signatarios do manifest de 3 da
Dezembro de 1871.
O Sr. Rodolpho de Abren brinda a Martins
Jnior em nome do leal e heroico Estado de
Minas.
O Sr Bellarmmo Carneiro brinda o exereito
e a armada, que foram a alma e 0 braco da re-
voluco de 15 de Novembro (Bravos, palmas).
0 Sr. Gabriel Cruz brinda o povo pernam
bucano.
O Sr. Io tenente Velloso (representante do
S minl'tro da marinha) agradece em nome da
armada b azileira a honrosa referencia que Ihe
atabava de ser feita, e brinda a Martins Jnior.
> 0 tenente coronel Lauro Sodr. em um elo
queute discurso, -ada Martins Jnior, em redor
do qual v reunida esta uoudade sincera e pa
triotica, que deseja ver a Repblica cproada de
glorias.
Tambem no norte, no Para, deu o contin-
gente que pode victoria da grande idea.
Brinda, pois, em Martins Jnior os hroes
do norte, e o faz em nome do seu amigo e chefe
Dr. Benjamin Constant.
0 Dr. Lindolpho Correia brinda Martins J-
nior.
0 Dr. Syltfio Romero levanta nm brinde ao
professorado militar, as pessoas dos Alustres
amigos Drs. Serzedailo e Lauro Sodr.
* Dr. Serzedello agradece o brinde do nota
vel sergipano e illustre professor. Elle e sea
oollega, porm, pedem licenca para atirar como
flores aos ps de Benjamn Constant as palavra -
generosas que Ibes sao dirig las. Brinda, pois,
ao sabio me tre, o grande educador em quem a
naiavra brilhante e 'a ntelligeucia superior s
de 1890. Annibal Fal
e a .
erara excedidas pela pureza da alma e a no foi dirigido por alguas amigos polticos:
brezi do carcter. Ao mestre Dr. Benjamin A tidelidade escrupulosa com-que tenho
Constant, que instruio c educou palo exemplo. j mantido to.os os principios polticos in>cnptos
(Graadas applausos saudaoi o Dr. Benjamn. era nosso manifest de 18 8 leva me a adoptar
Constant) o piehisuto como meio de approvar se o projec-
S srtnr e'-briDja a Qa[iiao i q^r?m&e^raeT,x^
*?F&: SfeS pede um brinJe ro. j V oprajec. >^J^"J
tkm, P repblica jo. > ritl Q maj01. gacnfldo que p.,dem azer os
Srnfln0Pe'X,0lC?a'ltaUm ^^ ^^^o^^^^rS^^^
0 Dr Alalia Pernambuco brinda o reina Com- r*** P^13^ tt^Sk^ ^
panhe.ro da propaganda da l.bed-i e. o Dr. Vi toantes arepnDlca apenas proclamada.
ata de Stmia, cc quera se eo u ."inore, j,J-P'^l Federal, Maio
s tempos riifli-.eis. pugnando pela abolico i ca0-'
peiarpubli:a. 1 Servico militar-Hojc 6 superior do da
0 Dr. Vicente de Souza explica a sua posicofo cidado capilSo Glaslo, e fas a r.-nda de vi-
de republicano na Repblica, pugnando pelas (sita o cidado alferes Campos. .?""_,.
ideas, que Ihe parecera boas e prevenindo o-} O *> bt.llio dar a guarnicao da cidade
amigos qu-in o julga que \o em mo caminho. Qnalacaco le Xaare.l-Pelas coaa-
No quer a excluso de uingueni, ns aolu que, fli^es di^tricues da comarca de Nazareth fo-
pertencendo a responsal-iu lade da uciu.d ordra ram alelados como eleitores 1.820 udadaos, as-
i epusas aos republicanos, piles desera ter a' sim descriminados :
diiPpSo. NiO qupr a eliminugo dp n^nhom: l'-idade de.Nazaretb 293
plt-mento bom;s qu-r a eliminsco de todos-' Allianca 171
os malfs da monarchia J (Applausor'). icuubSem
0 Dr. Pernambuco brinda a magistratura bra- Primavera
zileira na pessoa do desembargador Martins Pe-. Abga do Carro
reir. Alaga secca
0 Sr, Desembargador MertintPereiraagradece, .Murlos
0 Dr. Silva iari-m, tom*udo a palavra, pro- j Vcenua
pe se a faze- o brinde de honra. Tigueiro
dtaa pelo governo p-avtaorio, o ctdadao consa-
taeiro Nuno Perrera d'Andrade, inspector geral
da sa te dos portas.
Vaeelna paliHei' Vaccina rara se hontaflt
aa iospecioria de'bygtcaa 46 pessoas.
Nps8eaervico occu parara se os Drs. inspector
de hygtaae. Lopes Pessaae Paula Soares.
Perra va do Limaetro-No eseriptorta
dessa linha frrea esto sendo distribuidas ac
respectivos accionistas as cautelas dos juros cor-
respondentes ao semestre tjodo em 31 de De-
zembro prximo passado.
assaelacae Conaaaerclal Agnrleola
A nova directora dessa corporaco, eleita na
da 6 do correte, ficou aaslm constituida :
PresidenteFrancisco Faustino de Brilo (re-
eleito).
Vit e-presidenteFrancisco Jos Jayme Galvad,
(reeleito).
1 secretarioBernardino de S. Pontual.
2o secretarioEugenio Cardse, Ayres.
ThesoureiroJos Das A- Quintal (reedito). *
Comm'=*>o de rentas:
Joaquim J%tse Martins (reeleito).
Jos Ferreira Marques (reeleito).
CommendadorFranci8co Ribeiro Pinto Guima-
res (rerleito).
Crande Circo Americano0 espect-
culo de boje no Novo Grande Circo Americano
em beneficio do artista Williams Edwards e do
secretario da empreza Ramn Monteverde.
0 programma contem diversas novidades, e
promette maravlhas.
E' de esperar grande nchente, attenta a sym-
pathia de que gozam os beneficiados, especial-
mente o Sr. Eduardo, que um artista moita
d'stincto.
Kifico de contraria-Amanh, s U '
horas do da, reuoem-se em mesa geral os Iro-os
do Divino Espirito Santo para proce.erera a
eleica dos seus nnvos funccionsrioa para o anno
compromissal de 1890-91.
Coafnanbla la'na PintoSegunda-
feira, l do crreme, ao mel dia, devem re-
unir-se em assembla geral os accionistas da
Corapanhia Usina Pinto, aflm de tcman-m conhe-
cimento do relatorio."balanco, contas e parecer
fiscal relativos ao anno lindo em 31 de Man,
elegerem a nova commisso fiscal.
Artista* Merbanirom e liiberaes
Amanh, s 10 horas *Uo da. funcriona essa so-
ciedade, em assembla geral, para tratar da re-
forma dos respectivos estatutos
Concillar da roa do CabogEs-
ta souedade beneficente faz ses>o amanh, s
6 e 1/2 horas da larde, paft darposse a seus no-
V08 funccionarios.
Amia ing-iesa-0 Sr. Freir de Aguiar,
chimico pbarmaceutico, estabelDcido ra Gene-
ral Cmara n. 120, no Rio de Janeiro, obsequiou-
nos com um exeraplar do folbeto que all pobli-
cou sobre a Agua ingleza, sua origem e modifica-
edes.
Oontem um histrico completo desse producto
pharmaceutico, aventado no secuto passado, e
das operage- modificativas por que tem passa-
do al a ultima pelo Sr. Freir de Aguiar, a cuje
proprio sao dados documentos valiosos firmados
por :lmicos distinctos e pareseres da junta de
hygiene.
Agradecemos o mimo.
Bello Jardim-Km 8 do correntp, nos es-
creverara de Bello Jardim dizendo :
Estavamos aqui experiraentaudo os horro-
res du secca, qu indo, a 24 e 25 do passado, ca-
hiram bous aguaceiros que fize-am renascer a
esperaoca. >
Os vive.-es estavara por precos elevadissi-
mos. Venda se por 10 litros : i fannha a 2,
0 feijo a 25300 e o railho por 3000.
* Na-ultima feira, depois das chinas, cliegou-
se a vender o milho por 55000, em consequen-
cia Ja procura para plantafes; deixanio mnita
gente de o comprar, e porlanto, de piantar, pela
(alta de recursos.
Hoje tem chovido todo dia, e estas chuvaa
parecem geraes.
A jocalidade lica em paz. e reina ordem,
oorreoda calmos os negocios polticos.
Eta no exercicio desublelegado o capite
J-viqu m Muiotl de Siqueira Arco Verde, qae
tem sabido bem cumprir os deveres do cargo.
* Ternmaraai com toda regularidade, a 2*da
passado, os trabalhos da junta dutrictal de qua*
liticaco. Foram alistados uns trezentos uda-
dos -
Rto l40ureaco de Albaqu^rqae Le-
mas \io Jornal do Commercio, do Rio de Janeiro :
O* uossos leitores que lidam com a geo-
graphia m Bwsil, ou dedicara intresse ae
e.xa o eonneumento do nosso v^stissimo e em
tanu parle iaexploravel territorio, devero re-
cordar-se de que, ha menos, de anno, delibero*
a presidencia da antiga provincia de G->yaz ir.
por o umne oo ento ministro da agricultura, Sr-
couselheio Lourengo de Aibuquerque. a umaf-
fluenie do braco oriental do Ataguaya, que se
presuma ler r-nlo pela primeira vez navegad*
por vapor ou do qual nao havia pelo menos no-
ticia ceria e positiva- A menco que por aquel-
le lempo neldos da presumida descoberla. mo-
livou apreuaces de pessoas eoteunidas na geo-
grphia de Goyaz, afurmando se que o Ifluenle
j eslava notado em carta da regiao. A este res-
pe to leraus do Sr. coronel Joo Jos Correia da
Moris a seguinte commumeayo que uiteressa
a um temp a nydrograpbia e a caiech-se, daa-
do-nos nouua da existencia de mais urna triba
indgena de pelle branca: .
Sr. RecactorA grande ilha do Bananal,
nos tempos coloniaes explorada pelos portugue-
zes, delies rec.-beu a primitiva uenomiuaco de
Nova Beira, depois substituida por aquella, na-
turalmente por conter muitas banaaeiras. For-
mada p2la divisao do Aragnaya otn dous bracos,
da extenso de 8'J leguas sobre 40 de largura,
e collocada 400 metros cima do nivel do mar,
regio favorecida pela prodigalidade da nuture-
za, sendo facilitada a franca couimu<>icao para
o seu interior por grande rio afflaenie do braca
oriental. Esta aili maco resulla do reconheci-
mento que em Dezembro de 1878, maodei fazer
pelo coinraandante de ura d03 vap;,es da em-
preza do Anaguaya j ento por m.u custeada,
.o regresso da sua viagem de S raa Mari: para
Leopoldina, lendo por lira o mesmo reconheci-
ra nto veridear a exactidSo histrica" de haver
sido aquelle braco o caminho dos gove nadores
mandados dj reino para a capitana de Goyaz,
brra como dOiOommjruo da mesma capitana
com o Para ; o que alias pareca jusiific.idj pela
iiatureza da rego e das mangas tribus neda
existentes.
De feito realisou se naquelle mez o rece-
nhecmeuto, achaodo se differenp.i le 20 leguas,
para menos, na distancia coi;>ar occidental e tambem indicada pelos antigos na-
vegantes. Durante cinco das de viagem obser-
vou o comraandanle o curso do rio sempre e-
caixotodo por altos barrancos e ostentando so-
berb-s florestas abundantes ue uiad-i as piecia-
.-a?, ames o Vtihatico, Pao a'arco, preto e ana-
reltp, JatoM, Balsamo. Cedro, Gindy, Tamboril,
Ai u ira, Gonc-ilo Alves, Goncalvco ie Arrufa,
Peroba b.anca e vermelia,- Cacheta (semel i.^ate
a> Pmh de Riga), Piqui c outra inditas espe-
cies com largos troncos e altura d 6 a O me-
tros.
Nolou tambera a extrema ar,u 11 ucia de
peixe, encontrado era cardumes, sai ;^a-
te pescado de borio nem inrrup. cha
do vapor. No quarto dia, tentlo-s.i subp^ido de
grande quantidade de lenha, viajnu iiurat.to a
n-dte pela SLgur,mQu que o viluuu das azaas
off-reca ao navio, calando osle seis palmos.
Por oito horas dep irou-se urna ilha, -. parecen-
do que ao brco direito se acnava o canal das
raiiores aguas, por -lie contiauuu se a navegar
al orna horada madrugada, quau .o o fQgntata
annunciou esar oreste3 a Icnh^ a acabar e foi
neces-ark, porlanto. fqadear Ao da
dia. vista daagua^chrystalina, recoineceu-se
estar em algara afluente do brago e nao neste,
cujas.aguas deviain ser brrenlas ou turvas come
as do Ara^uaya ,naqnella estaco. Vericado a
facto, impoz-se ao affaente o aqeqqado aome de
rio de Aguas Claras, sendo que per du's rnzes
,' deixou o commandante de proseguir na impor-
449 i tante descoberla ; 1", por ignorar qual a distan-
134 cia a vencer para ch-'gar Leopoldina a tempo
jq3 de fazer outra viagem do contracto no mez de
273'Janeiro, j entrado; 2, pelo receto de st im-
143 pedido na subida da embocadura do braco pelas
2j0; frecuentes e rpidas vasant- s do no, le urna
____das qu-'-es havia indicios na jccasim.
Bebe sade do raarechal Oeodoro, bebe Apgelicas
Repblica I )
'( Todos se levantara e saudam com enthastaj- Totl ," ^"rcnmmimir'iips mra i nterinr :. .Iha
mo e vivas repetidos o here de 15 de Novem-1 cinta Hiar-Hoje, s 6 horas da tarde, jomm unicav0ee parao interior d* ilha.
5roj. j reune-8e o Club Militar em sessao ordinaria. f uiaa a um lago aescripio pelo padre Jos
i,8
A origem deste afluente, que
facilita as
attri-
A-
\ 1;*:
m
.

7,
r\
i
.".

:-
"V

:
' 1

l|HII|.. 11 ; #
^frtaHi'nVi T
d ^a **
^.^-..J^i'^.g
K^m*


*s
a Sta e Soasa na sae ::. t. r| i Acerca
ato o nao e
Pe raais o comnandante outra observacao
de alto ioteresse. De om dos pontos p^oxiajos
da emboe-a Jura do braco oriental re *he.oeu as
serras e morretes das falencias do importante
industrial. Angosto Cangnc que deraoram na
Tizinhanra da cidade do Parto Imperial, a mar
gem do Tociotins, e, estimando pelo golpe de
vista nflo ser maior de 15 leguas a distmcia
vericou reduzir se a metade ou atada menos a
distaoeia de 180 leguas que separa laquella ci-
dade por via terrestre capital de Ooyaz des-
de que a commnnicacao se effeciuasse pelo Ara-
guaya, m-diaute estrada (aneada do ponto d
observado para o Pono I nperial.
No decurso da sua viagern encontrn o
camraaodame tres alieianxuntos de indios Jo
vas, tribu da mata attr.iheote ronstitaieSo pby-
sica.ja p-lo porte, jpelas formas e pala cr
beni clara da tina cutis. M istraram se doceis e
portanto, com ptima disooaico para a cateche-
se, acudilo conludameute ao confite do com
mandante que os tmudou com timo, ferramen-
ta, rv.upa e missaogas, e para notar qoe nao
maoifi'siaram sorpreza dianle de taes objectos,
sem duvi u pelo contacto em qoe se acham eom
os Caraii, tribu da mesma familia, e, portanto.
fallando a mesas lingua, a qaal, estabelecida no
braco occidental, manteas com a expresa da
naveaaco do Aragoaya permuta activa de fer
rameril is e de outros artigos, sendo que algnns
destes foram eucootras njs tres ref5. idos al-
deamentos.
Tao freqoente a comojunicacao destas-tri
bus pelo interior da ilha qoe, em 1879, ao viajar
eu pelo Ara-guaya, na companbia do Or. Spinola,
tao presidente da antiga provincia, encontra
mos indios Jovas em aldeamentos dos Carajs
do b rae> occidental. S'ja occasiQo para recor
dar que a viagem daquells illustre funcionario
tivera, entre outros, o lito de eseolber localicUde
apropriada fundacio, por mim solicitada do
gove>oo eeral, de orna colonia militar que ser-
vase, nao somente de apoio A colontsacao naci
nal, mis tainb.m ao engrandecimentodas tribus
dos Tapirapes e parajs, centralisados na ilba
Baoanal. A localldade fol achada d -fronte da
barra do Tapirap', reunindo todas as coodics
de vida propria para grande popnlacao futura.
ao novo p sto milita.- deu aquelle alminis ra
dor a denommagao de Herval, em honenagem
ao benemrito mioiatro da guerra, creador da
instuico. O governo en eodeuabajdonar esta
til tentativo, mas, apezar disso, os beneficios
que a trra havia recebido pela cultura da can-
na e da mandioca influiro por algum lempo
para attrabir os Tapirapes, ate eolito internados
no rio deate nume, e delles ba anda alguns na-
quelle siti) em communiccao til cpm a em-
preza do Ara guaya.
E 1889, acbando me ea nessa capital, ou
tro commandaote doa vapores da empresa.
Sr. cipitio Sebasliao de Frenas Silvefra, ao re
gressar de Santa Mara para Leopoldina, procu
rou tambem passar p-lo braco oriental, e, deste
lacto dand3 conbecimento ao presidente da an
liga provincia, lembrou se este de, em lomena
gem ao eminente estadista, Sr. conselheiro Lou
rengo de Albuquerque. imoor o s- u illustre notne
ao afllueute aehado en? 1869 e eolo pela pri-
meira vez iie-gnado como rio das Aguas Claras
J. J. Correia de Moraes.
iiiri-ciuria uaa uurut di eoawna-
?o lo* porto* de Pernambuco[ir..
e, 8 de Maio de (880 /
H.iletuu meteorolgico
rniiicii f deajs
caridade, no dia 7 e Malo,
Horas 3X Barmetro a 0- Tenso Jo vapor i -a a
HC - a xc
6 m. 3\i "61-11 18,89 89
9 2i,9 76C90 2061 88
II 26'.7 761-75 20 82 78
.1 t. J6,9 760r<>8 1889 71
8 tM> 760-48 20,47 82
temperatura mxima27,07o. ,
Dita minima 2/50.
Evaporacao em 24 horas : sombra2,"3.
Chuva- 14.-0.
DirecgSo do vento : SE de meia noite aos 30
minutos da manba ; SSW at 10 horas e 45 minu
tos; SE al 2 horas e 3o minutos da tarde ; ENE
al 5 horas e 50 minutos ; ESE cominterrupcOe*
de SE at 11 boras ; NE at meia noite.
Veiocidade media do vento1,-15 por se
guedo.
Nebulosidade media0."76.
Roletim do porto _^_^_^
O
T I
ja i
fgi
B. M.
P. M
B. M
Oias
8 8a Maio
m
9 de Maio
Horas
0-49 da tarde
7-l
1-35 da manh
Alta-
0-.42
2-21
0-.65
18
14
6
455
as respectivas enfermarte
Entra ram
sateram
F&Uececam
Existem
Poram visitad
>e!os Drs.:
Moaeoso as 8 11.
Cysueiro As 1/X.
moas 7.
Be.-ardo as 7 1/1.
Mftlaquias As (0.
Poutuii As 8.
stevao Cavalcante as 8 1/4.
sinc>3 Barbosa As 9 3/4.
NAo compareceram os Ura.:
Ferreira Velloso.
) cirurgiAo dentista Numa PompUio As 8 1/4
horas. n .
o pbarnjaceico entroe aa8 1^ da manbA t-
aatoAa daUrfe.
O ajuanie do pharmaceutico ntron s 7 1/z
', s51/2 Horas da larde
atadouro Publico da Cabanga
Poram ab tilas para o consumo de boje 41 re
zes, pe-tencentes a diversos marchantes.
Loi A 1 serie da 1* lotera deate Estado, terA ex
trahida impreterivelmente boje, 10 do correte
(aabbado). A 1 hora da* larde no consistorio da
igreia de Nossa Senbora da Rosario.
buterta do re,aa-Par*A 13" serie da
31* lotera cuio nremio grande de 230:000*,
aerAextrahicfcihAje 10 de Mavo, (sabbado).
A 1* serie da J6* lotera, cujo premio gran
de de 120:000*000 ser extraada no dia .. d
correte.
A 1* serie da 37* lotera cujo premio gran
de de 60:00 '000 ser extrahida no dia .. do
correte. ___ __
Loirrin do Haranhio Esta lotera.
cujo premio /raode de 3(O:900O00, *-rA ex
trahida no dia .do corrate.
temllrrla publicoObituario do da 8
de Maio:
Antonio de Albuquerqne MaranhAo Cavalcante,
Pernambuco, 42 annos, solteiro, Boa Vista ; io
sufficiencia artica.
Jos Mara da ConceigAo, Pernambuco, 5 an-
nos, viuvo, Boa-Vista; gastro entente ebro
nica.
Bartholomeu Val iriano da Silva, Pernambuco,
46 annos, viuvo, S. Jos; tuberculoso polmooar.
Isabel Mana da Conwigo, Pernambuco, 22 an-
nos, solteira, S. Jos ; varila.
JoAo Soares de Souza, Pernambuco, 35 annos,
casado, Recife ; varila bemorrhagica
Manoel Ferreira Diniz, Pernambuco, 22 annos,
solteiro, S. Jos tuberculose pulmouar.
Joo da Costa Lisboa. Pernambuco, 26 annos,
casado, Santo Antonio; tuberculjse pulmonar.
Francisca Mana do Espirito Santo, Pernam
buco, 80 annos, viuva, Santo Antonio ; decrepi-
tude. ,
Zulmtra, Pernambuco, 4 aonos, S. Jos; va-
rilas. .
Marcellino, Pernambuco, 1 anno, S. Jos ; gas-
tro entente. ,
Feliciana,Pernambuco, 6 annos, S. Jos;sva
rila.
Jcs Pedro do:; Santos, Pernambuco, 20 annos,
solteiro, Boa Vista ; varlas coofluentes.
B-lmi-o, Aligoas. 28 annos, solteiro, Boa
Vista; vanlas confluentes.
Josepha Mana da ConceicAo, Pernambuco. 20
annos, solteira, Boa-Vista ; varilas confluantes
Honorio. PtrDamhnco, 28 annos, solteiro, Boa'
Vista; vanlas conflue ites. .
Joanoa Mana da ConceigAo, Pernambuco, 40
annos, casada, Boa Vista; tuberculose pul-
monar.
Jos Severino de Souza, Pernambuco 35 annp?,
casado, S. Jo3 ; varilas.
Aona Mana da Conceigo, Pernambuco, 75 an
nos, viuva, Graga ; varilas.
m feto do sexo masculino, Pernambuco, S.
Jos. "
Manoel, Pernambuco, 5 dias, S. Jos ; nene-
luon.
SPORT
Iielldes-EITectuar-se-hAo os segulntes:
Hoje :
Pelo agente GusmAo, As 11 horas, a ra Mar
uez de 01 nda n. 48, de 32 pares de sapatOes,
sapatos de charlte, movis, lougas e vid ros etc.
Pelo asente Brito, As 10 1/2 horas, A ra For-
nosa n. 31. de, movis, loucas e vidros.
Pelo ageute Stepple, As 11 horas, A ra do Li-
vramcoto o. 16, da armsgu, movis e geoeros
da taverna ahi existente.
Segunda feira :
Pelo agente Silveira, As 11 horas, A ra Es-
trello do Rosario n. 8, de urna casa terrea.
Peto agente Pestaa. As 12 horas. A travs
sa do Corpo Santo n. 27, de um terreno A roa
Imperial. .
Pelo agente Gusmo, As 11 horas, trapiche da
ompanhia, de fardos e meios ditos com alfafa-
Misoas fnebreSerAo celebradas :
Hoje :
A's 8 boras, na igreja do Paraso, pela alma
de Elias Bapti3ta da Silva ; As 7 1/2 horas, na
matriz do Corpo Srnto, pela alma de Jos Perei-
ra da Costa ; As 8 horas, na matriz do Corpo
ianto, pela alma de Jos Antonio de Araujo Li-
vramento.
Segunda-feira:
A's 8 horas, na matriz da Boa-Vista, pela alma
de Pedro Gongalvee Pereira Lima.
Paasagetroa Chegados do sul no vapor
americano AV/'atifa: .-
Joaquina Xavier Caroeiro da Cuolia, Ernesto
de Barros. Aithur Bios e sua aenbora, Eduardo
Pinto de Vasconcellos. Dr. Joaquim L. Cmara,
sua senbora, cinco Ribos e 3 criados, A. Ferreira
de Freitas. Francisco D. Paiva, Mjysa Feroan-
des, JoAo Krauae, Maria I. da Costa, M. B. do
Espirilo-Sauto Mme. Langford el menor.
Saludos para a Europa no vapor 40glez La
Domingos Duarte Ferreira, sua senhora e 2 H-
lhos. Joaquim Gomes Pereira, Florindo Teneira
de Carlina, sua senhora 1 fllho e 1 criada, Dr.
Alberto Oiiveira Ramos, sua seonora e sua ao
gra, Jos Aoues Barreiro, Reinaldo G. Fabre
Joaqoim Das A. Costo, Manoel Gongalves Alva-
res, Joa Pereira da Rocha Pedro Footes Solha
Camillo Bolrigoez y Rodrigoez e sua senbora.
Anna Mana Purceil, Maria Rawlinson, WiHiam
Cawni e Jutiu Hndesbi u.
InlradiiK'la Munirtpal do ktcclfe -
Reodimerit de 1 a 7 5:139*230
Dia 8.
Mercado deS. Jos 21?f^
MaUdouru 2|?n^
Cemiterio i#uuu
Diversos impoetos 103*780
5:879*3 0
Caoa de IietencftoMovimenlo dos pre-
sos da (" de Detfucio -'n """if". Rrtto'*
PerL. ifl 8d*iWdi 189
Exist.am 502; -.ut.aram 8; sihr-0m4; ens
tem 306.
A a' ,.
CWDi 473; mnlheres 21; estranre'-.-o, 11 ,
ata) 503
os 420.
a^Lv* :--'
a.
Lera* ob z.
Laucas 2.
-Total 420.
Movimento oa eniermarii'
Foram visitados os presos deste estabeleci
lento por 231 pessoas, seodo : bomeos 8
e mulueres 143.
Prado Peraambncano
AmanbA tem lugar a corrida do Prado do Luca
da sociedade sportiva do Prado Pernambocaoo,
no qual di-puta se o Grande Premio Progresso-
Si o programmB pnma por sua excellencia e
a ins--ripgAo nada Ihe ticou a dever, isto tan
bem razao para impossinilitar um estado rtepro-
bbilidade-i mais ou menos realisaveis, e .aesira
tornar inexequivel a sua assignalago em palpi
les que orientem ao3 nossos leitores em suas
apo-tas.
A isto aecnsce a superveniencia nao rara das
comunales. deaae Cabrioo que Untos Pipe
lets eornotra em seu passar de exploragao sobre
a trra do turf, A guisa do Asbaveros lendario
que nao cania, nem para.
NAo ha. pois, estudo possivel.
Suieitem se, porlaolo, os nossos leitores >s
eveotualidades que podem correr os palpites qpe
Ibes offer-icemos :
Io pareo-Io Maonty, 2o PlulAo.
A?ar-Gerfaul.
2 pareoIo Pindaro, 2 Faceira.
Azar Templar.
3* nareo-1" Coby, 2o Malaoge.
Azar Bonaparte. ',
4 pareo1* Djodoo, 2 Eiffel.
Azar-Africaoa.
5 pareo-Io Atila, 2" Gallileu.
Azar-Mioerva.
6 pareo 1" Village, i Cauby. .
Azar'olosso, com licenga de Phartseu.
7 pareo-Io Urano 2o, 2o Port3 Alegre.
AzarVivaz.
GRANDE CRUZEIRO DO SL
Foram coutlrmadas dos 41 janimaes inscriptos
somente as inscnpgO'3 do3 seis seguintes, para
diaputarera e3se Grande Premio, a realisar se
em Juoho prximo no Jo key-Club do Rio de
Janeiro :
Guarany, por Sans-Pareil e Nelegna, do Sr.
B. A Paes de Barros.
Goliaih, por S ns Pareil ou Damon e Debora,
do mesmo senhor.
Coca, por Millao U e Rosabelle, do br. L. A.
Puntes Barbosa. ,-._
Caline, por Valence e Tulipa, do Sr. M. U.
Lemgmber. _, .
Velocipede. por Sans-Parell e Diana ou Viva
ce, do mesmo senhor.
Hamleto, por Tangible e Melpoma, doSr. san
tiago Villalba.
A distancia do pao, romo ja ais-emos aqu,
" de 2 400 metros, e os premios de 5:000*000 ao
primeiro e 1.000* ao criador, 1.000* ao segun-
do e a entrada ao lerceiro.
Perderam a prim-ua prestogAo da entrada os
proprietarios de 33 animaes que deixaram ds
entregrar a inscripcAo.
O premio annual do P*ado Cjrytibano foi con-
seguido por Topttnra.
E' um meio sangue nacional, fino de bola-
master, e irmAo de Melln, daDinorah e da In-
dependencia.
Bem lembrado
Nos Estados Bidos da America do Norte, em
Nova Orleans, devena ter se realisado em 26 de
Marco ultimo urna-importante corrida, que, como
o LincolDshire Handicap effectuado no mes
mo dia, constitua um acontecimento sportivo de
primeira ordem.
Estavam indigitadas para ju'zoa de parktia
qua.ro senhora da D-ais una sociedade e 3porst
woi, o nthasUstos : M:sb Clara Moore, Miss
i Mis Ro Urna i'ia :
se qui tamoem se entregasse a bandeira- ae
juiz de partida a representantes do bello sexo,
benj cUcce,didS ?
(O'.-i.j nos que o Apollo tem de seguir tes
breve pura a Capital ?<-\ al, Je vai disputar
Derby Club, que realisa se
em Juiho vindouro.
. .
N-i Hpp . i qu-
NAo temos anda nnlkias do resultado d'esea
cunda

Derby Club de Pemambneo
So da 18 diepu '"do da Eitancta o
grande premio Etiado de Pernambuco constituido
ecoj. eccAopro
erra se na pegunda-feira pr-
xima, 13 do crrente

Recabemos o n. 21 da Semana 9portvv, coja
tineza agradecemos.
*..
Na segunda corrida do Derby Club neata actual
estacSo sporlivaljluminenst, a movimento da
casa das apostas apurn o total de 136:780*000.
Na mesma corrida ganbaram os animaes se-
guate :
Monaca, 1.000 metros. 63 segundos; Irnpro-
ver, 1 430 metros, 100 segundos ; Monitor, 1.450
m-tros, 100 l|l segundos ; Monaca, 1 609 me
tros, 107 segundos; Atlante. 1 609 metros, 111
sexuados; Feniaoa, 1-750 metros. H8aeguudC8
e Vivaz, 1750 metros, 126 segundos.
CHRONIGA JDICIARIA
Tribunal da Relaco
SESSO ORDLNAR1A EM 9 DE MAIO
DE 1890
PRESIDENCIA DO CIDADlO DESEMBARGADO*
QUOTINO DE MIRANDA
Secretario, o ddadao Dr. Virgilio Coelho
A's horas do costume, presentes os cidadios
desembargadores em numero legal, foi aberta a
sessAo depois de lida e approvaaa a acta da an-
tscedente.
Distribuidos e passados os feitos deram-se
os seguintes
JLGAMESTOS
Habea8-corpus
Pacientes:
Joo Bezerra da Costa e Silva.-Ficou adiado.
Manoel Ignacio da Costa e Silva. Mandouse
ouvir o Dr. chefe de polica e o juiz de direito
de Guarabira.
Aggravo de petigAo
Dj Recife Agfravante Francisco de Paula e
Silva, aggravado Manoel Marques Avila. R_ela
tor o desembargad-.r Oiiveira Andrade. Adjun
tos os desembargadores Pires Gongalves e Al
ves Ribeiro. Negou-sc provimento, unnime
mente.
AppellagOes crimes
De Guarabira Appellanle o juizo, appellado
Jos Bernardo Vieira. Relator o desemaargodor
Tavares de Vasconcellos. Mandou se a novo
iu y. < ootra os votos dos desembargadores Pires
Ferreira, Delfino Cavalcante, Silva Reg e Al-
meida Santos.
De Tacarat Appellanle o juizo, appellados
Luciano Ferreira Luna e outros. Ke.latoro des
embargador Monteiro de Andrade. Mandou se
a novo jury 'unnimemente.
Da Parahyoa Appellanle o promotor publico
appellada Francisca Rufina de A-sis. Relator o
desembargador Alvs Ribeiro Mandou se a
novo jury, unnimemente, e decretou se a res
ponsabilidade ao escrivAo do jury Aureliano
Monteiro da Franca.
De Bom ConseiboAppellanle o promotor pu-
blico appellado Liurentino t'ereira Sonral. Re
lator o desembargador Monteiro de Andrade.
Maodou se a novo jury, contra os votos dos des-
embargadores Relator e Alves Ribeiro
De Goyaona Appellanle o juizo, appellado
Joaquim Correia. Relator o desembargador Al-
ves Ribeiro.Mandou-se a novo jury, unnime-
mente.
De Goyanoa Appellnnte o juizo, appellado
Manoel Loorengo Xavier. Relator o desembar
gador Alves Ribeiro. Mandou-se a novo jury,
unnimemente.
Appellaco commercial
De Areiu Appellante Erminio Melquiano da
Silva, appellado Po de Vascoocellos Mello. Re
lator desembarga lor Oiiveira Andrade. Revi
sores os desembargadures Silva Reg e Alraei-
da Santos. Reformou ae a entenga, unnime-
mente.
PASSAGENS
Do desembargador Pires Ferreira ao desem-
bargador Monteiro de Andrade:
AppellagSes civeis
Da Parabyba Appellanle Joaquim Torquato
de A Cavalcante, appellados a viuva e herdeiros
de Francisco Gomes Marques da Fonseca.
Do Recife Appellaotes JoAo Bezerra C, ap
pellado leronyaio da Costa Netto.
De 01 inda Appellante Antonio da Cesta Mo Var, pagar,
reir appellado Fernando EsperidiSo de Agiar
M-ontarroyos.
-ppellacio commercial
Do RecifeAbpe.llautes Souza Moutinho A C,
appellado Joio Olympio de Albenins.
Do desembargador Monteiro de Andrade ao
desembargador Alves Ribeiro:
AppellagAo crime
Deoricory Appellante o juizo, appellado
Raymundo Sjius-ieino Soires.
Do desembargador Pires Gougalves ao desem-
bargador Alves Ribeiro :
AppellagAo civel
De Camaragibe Appellanle Maooel Heleno
Rodrigues dos Sanios, appellado Dr. Elysio Fir-
mo Martina.
Appellag) commercial
Do RecifeAppellan'es Ferreira da Cruz 4 C,
appellados Monnard Huber 4 C.
O desembargador Pires Gongalves, como pro-
motor da justiga, deu parecer nos seguintes fei-
tos :
AppellagOes crimes
Do IngAAppellante o promotor publico, ap-
pellado Jos Tavares de Albuquerque Menajpnga.
Do AltinhoAppellante o juizo, appellada Ma
ria de Barros e Silva.
De Garanbuns Appellante Francisco Pereira
da Silva, appellada a justiga.
Do desembargador Almeida Santos ao.desem-
bargador Delfino Cavalcante: -
AppellagOes crimes
De Nazaretb Appellante Herculano Mendes
da Silveira, appellada a justiga.
De Aguas BellasAppellante o juizo, appella-
do Ign icio Pereira Nunes.
De S. LourencoAppellante o juizo, appellado
Davino de tal.
DILIGENCIAS
Com vista ao desembargador promotor da jus-
tiga : s
AppellagOes enmes
De Alagda do Monteiro Appellante Claudino
Antonio de Oiiveira, appellada a justiga.
De Pedras de Fogo-Appellante o juizo, appel-
lado-Vicente Ferreira dos Santos.
Com vista as partes:
AppellagAo civel
De Atalaia -Appellante Manoel Gomes de Mes
sias, -ppellados o padre Jo; da Silva Machado
e outros.
distribuicOks
Recursos enmes
Da Parahyba Recrreme o juizo, recorrido
Claudino do Reg Barros Filbo.
Ao desembargador Monteiro de Andrade:
De Palmares Recrreme o juizo, rocorrido
Manoel Antonio de Siqucira.
Ao dtBemuargador Alves Ribeiro :
De Cimbres Recrreme o juizo, recorridos
Satyro Ferreira Leite e outros.
Ao desembarga'.'or Tavares de Vascoocellos :
Do Cabo Recorrente o Juizo, recorrido Jos
Pedro dos Santo?.
Aggravos de petigAo
Ao desembargador Silva Reg :
Do Recife Aggravante Thomaz Jos de Gas-
mAo, uggravados fcrnesto A Leopoldo.
ao desembargador Almeida Santos:
Do Recife Aggravante o cnsul de Portugal,
rgaravado Jo? Antonio Soares Jnior. ^fc.
Ao desembargador Delfiflo Cavalcante : Jf
Do Recife Aggravante Dr. Francisco Xavier
.Rotingues Campelio, aggravado o juizo do com-
meroio.
AppeMaco>8 crimes
Ao desembargador Delfino.avalcante:
Da Parahyba Appellante o juizo, appellado
S'dyro Jni-gp Ho'mi.j
Ab desembargador Pires Ferreira :
L) Iguarass-Appellaute o promotor publico,
appellado Manoel Ferreira Ja Silva.
Ao desemba.-gador Monteiro de Andrade :
De Goyanoa Appellante o juizo, appellado
Antouw de Araujo Alouquerque.
Ao desembaiaa.ior Alves Ribeiro :
D 3 B ..' -\ .ijjio, appellado
MauOC t-iauclMu 'iu a..ia.
Ao desembargador Td*a De Igoarasa Appellante o juizo, appellado
Manoel Bezerra das Neves.
AppellagAo civel
Ao desembargador Pires Gongalves :
De Palmares- Appellantes Miguel Aflbnsorer-
Manoel de Brito Quei- qi
Appeacio eooameiai J^--4 .*,,
A o desembargador Alves Ribeiro : ,"f*p "* ^6^
D Recife Appellantes AHtn Patersoa 4 Ce mua.
ppoMaao Paulo Jos deOMveira. Quanto a meu filbo
Eacerrou-se a sesso A 1 1/2 bo*a da tarde. ourado follar com o
vedkal), qew mais
rob mesma for
um
Prxedes ter pro-
De. Benj amina, lhe
Tfoi por mim determinado, afina da saber
j do mesmo Dr. Benjamim a resposta da
carta que lhe. havia dirigido, o que posso
asteverar que nunca assignei requer
ment.acerca dessa pretenjSo, nunca passei
telegramma sobre a materia, procurei,
tendo a maior franqueza com o Sr. Dr.
Benjamim Bandeira, que pode publicar a
carta que lbe dirig, o declarar se o que
se passou entre nos foi ou nSo o que
afirmo, e se elle at uSo me deslaro.i que
tanto era essa a vontade de sen sogro que
. havia facilitado ao Sr. Dr. BeltrSo a
Ve se da portara, fielmente, tranrenpta acqa8a0 dos documentoa precisoa para
lhe conseguir sua aposentadona, docu-
mentes que, segando mo constam, acham
se as dro Beltr&o, que nSo os apresentou por
ter encontrado mioha pretencSo bem en-
caminhada.
Nao uso de subterfugios, sou sempre
franco e verdadeiro, nunca procurei le-
vantar palacio sobre a sepultura por mim
aberta ; sa fysse meu habito ha muito
teria dado andament > a
PBL1CAC0ES A PEDIDO
Illegal e ineoaveDente!
Disse que o juriscerito consultado sobre
a creac&o do lugar pnvativo de curador
fiscal das massas fallidas, tem maior res-
ponsabilidade que o general Simio, pelo
menos perante a opiniSo publica,, e ver-
dade.
no artigo anterior, que foi de ftecordo
com o parecer do Dr. juiz especial do
commercio, oonstante do otficio de 5 de
Marco, que o g-neral Simefio oreou aquelle
officio de justici ;.logo, bem presumivel
que se nSo f5ra e parecer do digno magis
trado, o ex governador nSo teria baixado
a portada, que tantas censaras ha pro
vocado.
S o illustre magistrado que foi inves-
tido, especialmente, de execatar, oom rigor
e justiga, r legislacSo commercial, ti vase
ponderado no seu parecer que os curado-
res fiscaes as fallencias' devem ser no
meados dentre s credores, ou n3o os ra-
yendo taes que possam desempenhar este
cargo, a nomeacSo recahir em outra
pessoa que tenha a capacidade necessaria,
urt. 809 do Cdigo Commercial, ou, mais
claramente, que s pode ser nomeado
curador fiscal algum que n2o seja credor,
quando o comeado nito acceitar a nomea-
cao, ou quando entre os credores nSo
houver pessoa idnea para curador fiscal,
art. 70 do decreto n 159T ; por certo, que
o general SimeSo teria estacado diante
da lei, e nao teria assigoado tal por-
tara.
Mas, o parecer foi favoravel creac&o
'do lugar, e o ex governador, pode se di-
zel-o, foi induzido pratica de urna iile-
galidade, que teria evitado, se lhe rnu-
vessem lembrado qne temelhante acto
importava a postergacilo das disposicoes
apuntadas.
NSo ha, pois, duvida que maior a res
ponsabilidede do Dr. juiz do commercio
que a do inclyto militar, pela creaco de
um ofiicio d justiga, que s a injustica
poda suggerir.
Nao para a illegalidade do acto, na in-
fraccSo do art. 809 do oodigo e 70 do de
creto oitadoB, nSo ; essa illegalidade es-
tende-se, ainda, a outros artigos destas
leis
Diz a portariaque a curador fiscal n-
ter vira em todo os termos e actos do pro-
ce so da faUencia at a liqnidacao final,
sem prejuizo das actuaes attribuicdes dos
administradores.
O projesao de faUencia, segundo a le-
gislacSo commercial, ou termina pela
ioncordat, ou pelo contracto de uniSo:
em qualquer destes casos, acabam as
funecoes- do curador fiscal, porque, ou se
entrega a maesa ao fallido concordatario,
ou ella entra em- aministracSo, para a
qual sSo eleitos um ou mais administra-
tores, esm poderes para liquidar, arreca-
tiemandtrr, activa e pasiva
mente, e predicar todos e quaesquer
casa pretencSo
quando dispunha de melbores elementos,
e quando era fcil provar que o Sr. Dr.
Moscoso nSo podia por sen estado mrbido
continuar no exerciqio de seu emprego,
visto como a muito era o seu lagar preen-
chido pelo Sr. Dr. Barros, que tambem foi
pretendente ao logar, assim como outros
collegas, que sem duvida foram os que
passaram telegrammas.
Eu afianoo que eacrevi poucas cartas.
NSo volto a materia, porque nSo pre
tendo entreter polmica^ que a mim cus-
tam, quando nadao valor da impressSo.
Ricifo, 9 de Maio de 1890.
. Dr. P. Pitonga.
Ao l.xua. Sr. Or. overnader
do Estado de Pernambuco e
ao publico en scral
IV
Passou Be, entretanto, muitos dias que a
guarda negro, em marcha avancada. propa-
lava a minha demissSo, contando com o
apoio do actual chefe do trafego, o cele-
bre (iondim, como de costume todos os
domingos ir aos prados, fallava do Derby
para a estacSo danio as bubb invenciveis
ordena para que eu o mais breve possivel
fosse degolado.
E eu, como a victima que deparava com
as escodas do patibnlo, assim mesmo pe
dia, como o Martyr do Golgotha, prdSo
para elles porque nSo sabiam o que iam
fazer, pois certo que todos que trabalha-
ram para arrancar o pSo da bocea de meu
filhinho que coota somente 4 mezes de
nascido, ea s os considero como-persona-
gens dos Miseraveis de Vctor Hugo.
E' tambem digno de censura quem me
demittio, visto elle ganbar 5000'jOO mn
aaes e arrancar me os tao custosos 605000
qne ganhava para sustentar minha pobre
familia, pf>rm a futuro far justiga a elle,
que sabe tSo hem comprehender as mi-
serias deste mundo.
Com tudo sao, aconselbado por alguns
amigos, levei o facto ao conhecimente d.)
Dr. director, dizendo eu ao dito director,
acos lqUe 8e ^ acaBo fosse demittido, procura-
a bem da maesa, em r*a a imprensa para justificar me, tribunal
competente part jnlgar a todos.
Com cffeito por ess^ simples facto nSo
fui demittido o isso posso provar. _
O cta inoousciente da minha demissSo
veio por um lado, que eu n'este momento
julgo dever levar o alto conhecimento do
digno Sr. Dr. governador do Es
que necessartos sejim,
juizo e fora delle.
Entretanto, pela mem ravel portara de
21 de Abril, o carador fiscal tem; de fi-
gurar e fanecionar em todos os termos e
actos do processo de faUencia at liquida-
cao final !
Que figura irSo represeatar os adminis
tradors, sempre vigiados, superitendidos
por esse curador vitalici > ?
Elles, nSo terSo mais o pleno mandato,
que o legislador autorisou aos credores
conferir lhes!
Tudo na faUencia se far pela vontade
e deliberacSo nica dessa nova entidade.
E' realmente, illegal a creacSo do lagar
de curador fiscal das massas !
Rncarada pel lado da conveniencia, dos
interesses dos credores, impossivel qua-
lifical-o I
O commercio levantou vehementes e re-
petidas reclamacoes contra a pratica, in
troduzida no foro desta capital, de no
mear-se advogados para curadores fiscaes
de massas fallidas, com preteriyao dos
credores, fem que a respeito delles se
podesse allegar falta Jde idoneidade ; mas
inicuamente, o governo da monarchia, que
tudo corrompa, deattendeu o: e agora
que comesava a ver, com satisfacSo, que
voltava, com a judicatura do Dr. Sigis-
mundo, a pratica, correcta o legal, da no-
mea$So de credor do fallido para curador
fiscal, o commercio passou pela amarga e g0zavade tanta estima que^ alm de en-
decepcSo de yer-se espoliado, para sem !genhero residente de Garuar, foi nomea-
muito
tado e ao publico em geral.
Esse neto tSo digno de commentarios
que eu peco a attenjSo dos leitores, por-
que a oecaaiSo de ser, como j dase, a
salvacSo dos homens firmes.
Leudo' pelos jornaes a publicacSo dos
estatutos do Club 22 de Juiho, julguei-me
com direito de fazer parte d'elle e pro
pondo-me para ser socio fui regeitado
pelas aecusajoes iojustas que foram for
nacidas por um amigo e correligionario do
Dr. Jos Marianno, o que nunca pensei
qae fizesse parte do dito Club.
E com effeito por demais ncrivel um
bomem tSo amigo do Dr. Jos MariaDno,
que ha poucos tempoa contribuio com a
quota de 30<>000 para o banquete que se
ofFereceu ao dito Dr. no Arsenal de Ma-
rinha desta cidade, hoje fazer parte do
distinco Club 22 de Juiho 1!
Essehomem o mesmo que, quando aqui
esteve o couaelheiro Alves do Araujo como
presidente, nSo sahia do seu lado e ao
lado do Dr. Jos Marianno, acompanha
va-es em todos os passeios pelo interior
pre, d um direito, de que somente esti.
vera privado, durante a judicatura do Dr.
Montenegro.
Para o commercio nSo resulta vantagem
alguma de So mal lembrado officio de
justjca : isto urna verdade que se impoe
e nR precisa demonstracSo.
Cabe, poi, concluir se pelas mesmas
palavras da epigraphe : o acto foi iUegal e
inconveniente. *
Um commerciante.
Declarado necessaria
Muito contra minha vontade ^ e s em
attencSo a verdade e a muitas pessoas
que me honram com sua amisade. venho
declarar que tendo consultado ao meu
amigo o Sr. Dr. Benjamim Bandeira se
bou sogro o Sr. Dr. Lobo Moscoso, quera
ser aposentado, e depois de ter ouvido do
mesmo, que era sua vontade, escrevi a
pessoa que promoveu minha nomeajSo
para o lugar de Inspector da Saade do
Porto, tendo em minha carta dito que pro-
mova o lugar por me asseverar o Sr.
Dr. Bandeira, qne eUe so nao contraria-
va e que tinha tempo para gosar de seus
vencimentos, sob cajas condicjSos fia eu
o pedido, e tendo em respostaque seria
bom obter do Sr. Dr. Moscoso urna prova
de quo era essa sua vontade, escrevi ao
mesmo Sr. Dr- Benjamim Bandeira mma
corta, na qual pedia-lhe que obtivesse do
seu sogro um requerimento, ou oouaa que
provasse, que elle aoceitava a mesma
aposentadoria, e tive em resposta que
do fiscal de dous engenhos contraes com o
vercimento de 5000000 mensaes, o que
com 4005008 que tinha da residencia pre-
fasia o minguado ordenado de 9005000.
Esse homem o mesmo que ai oda con-
serva na va permanente da estrada de
Caruar hoaens empregados a pedido do
Dr. Jos Marianno e ainda visita e visi-
tado pelo dito Dr.
E' o mesmo que anda ha poneos tempos
utilisava se dos cartes do Dr. Jos Ma-
rianno para ser bem recebido logo que
aqui chegou, vndo da Escola Polyte-
chnica.
E' esse homem que, como chefe do tra-
fego da dita estrada, fas hoje parte do dis-
tiocto Club 22 de Juiho, que tem por che-
fe o prestimoso e incansavcl batalbador
Dr. Martins Jnior.
Foi elle quem deudas ms informas5es
contra mim, com receio" talvez da minha
entrada para o dito Club.
E acho que nesse sent lo pensou muito
bem, porque se eu fosse acceito pelo
Club 22, na 1.a seccBo eu pedira a pala
vra ao digno presidente e levaria ao co-
nhecimento da casa a inconveniencia da
pe manencia dos typos da actualidade no
recinto do dito Club.
Mas pergunto eu: Qual seria o motivo
que o Sr. Dr. Saraiva jalga me incompa-
tibilisado com o Club ?
Quaes sSo os atteatados de m condu-
cta que o olito Dr. aprsente contra mim ?
Quaes os indicios vehementes de crimi-
nalidade que o Sr. Dr. Saraiva possa ex-
hibir contra minha pessoa ?
Talvez por ser eu um seu subalterno,
pava"
Engaase, mau caro
dos pequeas que Baaoeai o* grandes
feitos.
Bu eom effeito ou pequeao aavastas
iocomprehenaiveis regras, seo'a oj pra-
prio autor, per oa^seguinte nao bou um
ente vegetavel ainda vivo 6 posso appare-
cer com a minha fronte erguida para fa-
zer parte de um dstincto club republi-
cano.
Se o nobre r. teve -por nascimenta
um berjo da rosasf eu'4fvo o metf^do aa-
pinhos, porm recabi de meus .pobrea
paes educacSo ne essaria para convver
entre os homens de carcter firme.
Se o digno Dr., na qualidade de-jsoltei-
ro, ganhando hoje 500jj000 mensaes, pra-
curou cobrir se com a bandeira do Club
22 de Juiho, qual a razSo que eu ganhan-
do 605000 com familia, nSo podia tambe
cobrir-me ?
A argumentado lgica, poram aSo tSa
patentes os pontos de accusacSo, compro-
vados com documentos (So aathenticos,
que para os bem entendidos, o meu per-
seguidor procurou collocar-se em maa
terreno.
Ainda por ventura estam- s no tempo da
decahida monarchia, que se pretera os
engauheros ajudantes de I.' e 2.1 claases
e os Conductores .la igual cathegaria para
se nomear um engenheiro residente sahido
da escola polytechnica ?
NSo: estamos em urna epocha de re-
construccSo, que o patiiotice g< verno pro-
visorio no curto espaco que goverua, si
tem sabido fazer justija, aprov=itando os
homens firmes e aquelles que nSo olhavam
sacrificios .por maiores qne fossem em
prol da invejavel Repblica Brasileira.
E ai de nos, se eUe nSo tiver por nor-
ma a escolha dos homens intransigentes,
que numa situacSo tao melindrosa com
a que atravessamos, possam Bera salvacSa
da riossa querida e idolatrada patria.
E que ser da familia brasileira se a
actual governo provisorio facilitar a pas-
sagem aos inimigos da repblica; esses
que com a mascara da hypocrisia bBo os
verdadeiros auxiliares do exilado Oijre
Preto ?
Terminando por heje, arraaco do meu
peito um echo dizendo :
Srs. do 22 cautela e cuidado com os
mascarados
Recife, 5 de Maio do 1890.
Maximiano Flix Baha
Dr. Martins Jnior
Acha se entre nos, vindo da Capt*0,e-
deral, este illustre perau.mbucano.
Sem familigextena e influente, sem ri-
quezas, o Dr7*Martins Jnior Conquistou o
lugar de chefe, quando ainda hoje nSa
conta 30 annos.d^.Jdadfi^e,. conquistou-o
com tSo bon8 ttulos, prestando tantos ser-
vicos^ que horneas prestigibsosjque '.jili-
tam as fileiras republicanas, respeitaveis
pelo carcter, pela idade e pela posijSo so-
cial, reconhecem quanto direito tem este
moco, dedicajSo e respeito dos republi-
canos.
A historia nSo nos offerece muitos exem-
pos desta ordem.
NapoleSo, nm general de vinte e pon-
eos annos, tendo sob o seu commando, na
Egypto, um exeteito, cujo estado-maior
era^composto de generaes respeiteveis,
pela idade e pela bravura; Martins J-
nior, um mojo de. 29 annos, dirigindq em
Pernambuco um partido em cujo estado-
maior se veem homens da estatura de Albino
Meira, Ambrosio Machado, Souaa Piuto,
Jastro e outros!
A viagem do Dr. Martins Jnior Ca-
pital Federal representa urna somma de
beneficios para Pernambuco.
O prolongamento da estrada de ferro da
Caruar at Pesqueira, applicacSo da par-
te da verba destinada mmigracjlo a ser-
vicos mais urgentes, urna vez que nSo po-
ia ter prompta applicacao, porque o* go-
vernos europeus e principalmeinte o italia-
no, embaragavam o embarque de emigran-
tes ; auxios Santa Casa de Misericor-
dia e outros, ah eBtSo para attestar a so-
licitado e o interesse que inspira o Dr.
Msrtins Jnior este peda$o de solo da pa-
tria, que ihe servio de bero.
Bem sabemos que a poltica republicana
da autonoma local e da descentralisa-
cSo administrativa e econmica, mas em-
quanto atravessamos este periodo proviso-
rio, em que nSo tem sido possivel entre-
gar a naeSo a si mesma, os filhos de Per-
nambuco que se interessam pelo seu futu-
ro, quo se impressionam com os seus sof
frimentos, nao podem fazer ma8 que pe-
dir o Governo Provisorio a adopcSo de
medidas que sejam um lenitivo para estes
Boffrimentos.
Com satisfacSo reconhecemos que o Dr.
Martins Jnior nSo esqueceu na Capitel
Federal, como os polticos da monarchia
esqueciam, na Corte do Imperio, as ne
ce88idades mais urgentes d Pernambuco
e qae-por isto mesmo exigiam medidas
promptase de excepeSo para este Es-
tado.
Durante o dominio do Visconda do
Ouro Preto a Santa Casa de Mserioordia
do Recife, debalde implorour auxilio do Go-
verno do Rio, declarndolo numero de doen-
tes, de orphSos, de alienados, de mendigos,
de que era o unioo amparo. Apezar da
crise financeira porque j passava nesse
tempo a nica iostituicSa que-em Pernam-
buco o arrimo dos pobres e desvalidos,
nSo foi attendida, sem que esta falte do
governo provocasse o mais ligeiro protesto
destes tribunos de comedia e corretores
polticos.
EsteB factos veem em apoio dos qae sus-
tentara que, tendo-se substituido o mecha-
rnamo poltico do Brasil, nSo possivel
monter-se um novo, com pecas estragadas
e carcomidas, sob pena de construimos
urna machina, que engaa pela pintura,
mas incapaz de conduzir os vagons da
felicidade nacional a uroa planicie elevada,
salubre e cheia de oxigenio.
Ao povo aproveitem estes lic(oes, para
que com segursnea possa constituir seus
representantes.
NSo podem ser bons republicanos, nem
contribuir para que a Repblica faja a fe-
licidade nacional, aquelles que a comba-
teram e estragaram Imperio, oceupando
os primeiros postos, porque ou sSo espe-
culadores ou ineptos, e em qualquer dos
casos nao sSo os horneo* de que careos um
rgimen novo.



% -.;
K


;!

j
1
!

1


1
) Dr. Martina Jai
que se batism em Pernamba^
blica e qae hoje o depositario da con-
flanea do* qae sonham com ama patria li-
vre, prospera e engrancida pela virtude e
pelo trabalho, felicita um
Pernmnbttcano.
Alistamento de Itamarac
Da accordo com o que preceitua o regulameuto
do alistamento eleitoral em vigor, conclniram-se
oa trabamos da commisso districtal de Itama-
rac, comparecendo mesa poltica da nova e
urea regeneraco social 33* cidados.
Dorante o interregno dos sopraditos trabalhos
e a felicissima ausencia do subdelegado Alexao-
drino, nao houve o menor vislumbre de pertur-
bacao a marcha dos deveres polticos, lembrando
por mais urna ves o grandiloquo eivUmo dos ila
maracaenses, e crescendo sobremodo a coofianca
que os meamos dispensam ao novo rgimen go-
vernativo.
A junta districtal, pois, coofraternisada com
os seus irmaos deste Estado, vem, em IVbric-
tantes expaoses de jubilo, felicitar o Dr. Albino
G. Meira de Va concellos, o mesmo que, coosti-
tuindo-se forte apostlo do dever, pela hombri
dade do sen carcter, envidar todos os esforcos
para que no terreno da legalidade. da ordem e
do progresso, triumpbem os elementos asceasio
naes da prosperidade tao vidamente desojada
pelos impvidos puritanos da democracia brazi
leira.
Itamarac, 7 de Maio de 1890.
Assignados:
Tbeatiao Carneiro Tavares de Mello.
Antonio Ferreira Goedes Sidronio.
Francisco Martiniano da Costa Lima.
Francisco Joo do Pilar.
Dr. Francisco Martiniano de Oliveira.
A.os magistrados
Devendo ter lugar no dia 15 do corrale, em
urna das salas do edificio da Relacao, a reuoio
dos magistndos do districto da magma Relaco,
cojos convites j foram expedidos, osabaixo as
signados repetem por mete deste o mesmo con-
vite extensivo tambem aos desembargadores
aposentados.
Recife, 7 de Maio d. 1890.
Os desembargadores :
Alvos Rlbeiro.
Alraeida Santos.
cano da
a de Olioda
Festa oommemorativa da Abolic-o da Es-
cravidao nos das 12 e 13 do corrente
Convidamos os habitantes da comarca
de Olinda a tomar parte nos festejos pu
blicos promovidos por aossa iniciativa na
cidade de Oiinda na Urde dos das 12 e
13 e madrugada de 13 e pedimos os
nosacs consocios qae, organisando commis-
sfies as ras onde morarem, promovam a
ornametacao e illaminacSo a gorno das
mesmas, afim de que mais brilhante seja
a commemoracao patritica das gloriosas
datas nacionaeB.
Olinda, 8 de Maio de 1890.
A directora,
Ernesto de Aqulno Fonseca.
Jote Faustino Eorto.
Antonio Pereira StmZes.
Alfredo P. Camello Pessoa.
Jote Elias de Moura,
Ao publico
Constando-me que um Sr. Antonio Campello
anda offerecendo a quem quer que seja em ar-
rendamento o engenbo S. Manoel,sem estar para
isso autorisado por mim, como proptielario que
sea de dito engenbo, cabe me o direito de vr
perante o publico protestar contra to estulta,
quo desarra-oada pretenco.q e s poderia par-
tir de um bomem as condii&'s do Sr. Campello
qae nao poupa occasio de off:nder-me, a scrae
lhanca da bjdra, que sdenla de sangue, nao
tre da em morder o incauto viajante : mas
pode ticar S. S. certo de que em qualquer ter
reno que me procure encontrar me ha rempre
prompto para repellil o cem a energa que roe
caracteria. Engeubo S. Maeoel, 8 de Maio de
1890.
Adolpbo Augusto P, arroto
E. F. de Ribeirao a Bonito
Alerta, Srs. da directora, toda a vigilancia
com os que querem enriquecer terca do suor
da pobreza.
Esperamos que a directorio nao se deixar -
ludir, mandando contiouar as obras como at
aqu tem f-ito; nada de contractos em beneficio
(de um ou dous) serapre acarreta prejuizos para
a companbia e para os Srs. accionistas, cautela
com elles. Voltaremos se for preciso.
0 Rtbeirense a...

>
COMERCIO
Ret respecto commerclal do nicz
de Abril de i*o
0 bataneo commercial do mes de Abril pro
vimo Ando, se tomado em absoluto nao foi bom.
em confronto com o de Abril do anoo pascado
aifla foi peior.
A exportado decres su tanto, qae, nao ob-
staste a alca dos precos dos pnneipaes artigus,
o valor exportado fot menor em Abril ndo do
qae no seu homologo de 1889, na somma de
103:451*790.
A importaco augmenten, porem, como ee evi
deacia pela renda adnaneira, onde, na verba
importaco, ni um excesso de 16:973*035.
E os demais factores do movimeoto mercantil
corroborara o acert cima, pois que as reas
publicas foram menores, as entradas e sabidas
de numerario mais reduzidas, os saques mais
numerosos para o exterior, as transaeces da
bolsa mais diminutas, e o rao vi raen lo do porto
menor do que em Abril do anuo passado.
Foi, portento, um mez de prejuizos o que vem
de Andar; e os seguiotes algarumos o provara :
As segrales estacos publicas arrecadaram :
Alfandega e Recebe Joa Geral
AS YIGTIMAS BAS FKBRKS
Bllxlr a ni 1 febril Cardo, appro
vado em tt de Marco deste anno pela Inspectora
Geral de Hygiene do Rio de Janeiro, vem hoje
apresentar-se humanidade soffredora do mun
do ioleiro, como taboa de salvaco que ao infe-"f
liz naufrago Ihe enviada por mo omnipotente!
Elixir anti f< brll Cardos*, appli-
cado em mnitissiraos casos de febres, tem, como
por milagre, levantado do lelto da dor a comple-
tos moribundos.
Este remedio, composto somonte de vegetaes.
6 ioteiramente inoffensivo, anda mesmo na mais
tenra e mimosa crianca.
As senboras, no estado de paridas, ou no pe-
riodo de incommodos oaturaes, podem usai o
sem recelo algum.
Deposites
Drogara dos Srs. Francisco Manoel da Silva
& C, A roa Mrquez de Olind n. 23.
I'harmicia Martins, ra Duque de Cax'as
n 88.
Pharmacia Oriental, ra Estreita do Rosario
n. 3
Pharmacia Alfredo Ferreira, ra do BarSo da
Victoria n. 14.
Pharmacia Imperatriz, ra da Imperatriz
n 49.
Para qoalquer explicsco podem dirgir-se ao
autor Manoel Cardoso Jnior, ra Estreita do
Rosario o. 17.
Dos innmero- attestados que temos, damos
em segniJa principio a sua publicaco; e isto
bastar para que sejara conhecidas as virtudes
do Elixir an ti febril Cardoso.
Attestados
N. 6
Recife. 5 Setembro 1889.
Illra. Sr.
Teobo a subida honra de participar a Y S.
mais om proficuo resultado de sen admiravel re
medio coaira febres. -
A' liando me fortemente incommodado de urna
fohse persUieote e um tanto grave, experimentei
o seu remedio e para logo senti scnsivel melho
ra, desapparerendo horas depos completamente
o mal que abatia-me.
Paxendo a V. S. a presente communicaco,
compro om dever de gralido, e ao mesmo lem-
po, permittindo-lhe que faca da presente o uso
que Ihe coovier. concorro, de bom grado, para a
dinilgaco de seo maravhoso elixir.
Permita me que subscreva, de V. S.
Criado e venerador,
Bacbarel L'onario J. Grrgo.
O movimeoto de numerarlo, tob a responsabili
d-ide das companhias de vapores que servem a
praca do Recife, foi este :
Entrado-
Em Abril de 1890 136:036563i
. de 1889 Gol:5595875
em Abril
de
do
1890
1889
807:976*031
814:809*175
Menos em 1890
Km Abril de
de
1890
1889
Correio Geral
Menos em 1890
6:833*443
12.300*963
12:837*004
556*039
Renda do Estado de Pcmambuco
Km Abril de 1890 157:429*516
de 1889 155 870*437
Mais em 1890
1:559*079
O seguinte quadro mostra as diffSpencas havi
das as rendas adnaeeiras oomparadardos tneies
de Abril de 189 e de 1889, cumprm toiteservar
que n'aquelles esto comprehendidas as prove
nlentes da extincta Recebedoria Geral :
Menos em 1890
515:323*241
Bm Abril
de
do
1890
1889
Sftfcifc
5*18:7321436
802:799*020
Meo is cm 1890
284:066*384
A rxnedico foi para:
Rio de Janeiro 80:059*001
Sergipe 2:100*000
Alagas 136:760* 00
Feruando 7:313*436
Parahyba 2:000*000
Rio Grande do Norte 110 000*800
Muranltio 11:500*000
Para 169:000*000
O balance das entradas e sahidas em Abril
pr..* un lindo da urna differenca, de 382:695*802
em po das sabidas, isto contra a praca.

Foram saccadas para o exterior :
Sobre Londres :
Abril de 189011:200:000 de 20 3/8 22 7 8 d.
de 1889 t 320:000 de 26 7,8 27 d.
Illm. Sr. Manoel Cardoso.
Participo-lhe qua no dia 15 do mez de Maio
deste auno, fui accommettido de febre paludosa.
como disse o facultativo que contraclei para o
meu restabelecimento, o Sr. Dr. Miguel Themu-
do. consultando me elle o tratamento, eu opioei
o homeopathico, porm vndo-me em lembraoea
o seu valioso preparado denominadoElixir an>
ti febril, consultei-me de novo com o dito fa
cultativo e elle opinou a nova idea ; Qz uso do
seu preparado app'icado por elle em doses e fui
de pouco o pouco obleado memoras, le que com
espaco de oito das esta va de todo restabelecido.
Oftereco-lbe esta para fazer o uso que qui-
zer e disponha de um amigo e criado obrigadis
simo.
Luiz Bonifacio Alees Ferreira.
.Y 8
Pernambuco, 28 de Fevereiro de 1889.
Amigo e Sr. Manoel Cardoso Jnior (presente).
Tendo adoecido o meu empregado de nome
Jos Ferreira de Castro, de idade de 20 annos,
natural de Portugal, mande! immediatamente
chamar o illustre facultativo o Sr. Dr. Miguel
Themudo, e este depos de o ter examinado, ve
rifleoo ser a terrivel molestia febre amarella,
fazendo eu ver ao mesmo Sr. doutor que existia
o Elixir Anti febril de Manoel Cardoso; o mes-
mo senbor fez applicacd do medicamento ncima
dito s 3 horas da tarde do dia 16 do corrente, e
s 11 horas do da 17 do mesmo mez, se achava
o dito enfermo completamente restabelecido.
E como seja esta a expressao da verdade le
escrevo a presente, ds qual poder fazer o uso
que Ibe convier.
Seu amigo e criado,
Antonio Jos da Costa Araujo.
K 9
Illm. Sr. Manoel Cardoso.
Amigo e Sr. Faltara a um sagrado dever se
deixasse de Ibe communicar um caso qoe se deo
em pessoa de minha familia, como vou re-
latar :
Tendo' om meo filho sido aecommettido de
urna terrivel e violenta febre, depois de o submel
ter a um tratamento ferio, per espaco de seten
ta mais ou menos das, com a medicina scienti
fica, sem de.la obter o menor lenitivo a seus
soffrimentos (diram Ihe tanto qoinino que o fez
orinar cor Je sangue), oeste terrivel estado sera
esperaoca de o salvar, fallei com o meu pairSo
o Sr. Dr. Miguel de Flgueira Faria. elle me deo
um frasco com um resto de seu Elixir Anti fe
bril e appliqcei o conforme sua prescripcao, o
effeito benfico nao se fez esperar porque em
poucos das o restebleceu. Deste meu dscripo
que e contera a verdade, far o uso que ;be ap
prouver.
Sem mais assumpto
Sou de Vmc. respeitador e muito obrigado,
Fi ancuco Augusto Xavier Maia.
Recife. 29 de J oeiro de 1890.
N.~10
Joo Pedro Maduro da Fonscca, doutor em me-
dicina pela Universidade de Bruxellas e cirur
giao mor de brigada honorario do corpo de
sade do exercito.
Atiesto que o Sr. Manoel Cardoso Jnior cffe
receu Illma. junta administrativa da SjoU Ci-
sa, dose vid;os de ura Elixir de sua coraposico
denominadoAnti febril, e que em viste de tes-
temunhos de pessoa insospeita, o referido Eli-,
xir An'.i-febril de grande ulilidade as fe
bres.
Recif.-, !9 de Janeiro de 1889.
Dr. Jodo Pedro Maduro da Fonseca.
(Ettavam reconhecidas as firma-).
Eis o que atiesta um conhecido mora-
dor de Pelotas com referencia a dous ca-
sos de asthma :
c Attesto qae as minhaa filhas Isolina e
Silvana soffriam, ha mais de tres annos,
horrivelmente de asthma, qne lhes vinha
por accesso} miuddos e to fortes, qoe
eu julguei em muitos d'eiles, ter se appro-
zimado o termo fatal de suas pobres exis-
ten ias. Depois, porm, que uaaram do
Peitoral de Cambar, preparacaodo Sr. J.
Alvares de Souza Soares, s Silvina foi
atacada, ha quinze das, de um novo ac-
cesso, que cedeu promptamente ao mesmo
peitoral.
Miguel Antonio dos Santos. >
(A firma est reconhecida.)
t
PASSS AZUSO J- SS OLXVSA SABCSLLOS
Oa 11 de Malo de 1SOO
5 ANS1VERSAR10 DE SEU PASSAMEiNTO
S Deus eterno.
Tudo mais illusao.
CELEBnAM-SBMlSSAS POR SU ALMA
SAUDADE DE SEUS PAS
Protesto
Jos Abilio Barros, negociante ra 1 de
Marco n. 5o -sob a lirm i Barr>s & C, proles-
te contra qualquer negocio que por veotura fa-
cara os Srs. Miguel Affonso Ferreira e Joao d'E-
mery. pelos engenhos Ocano e Lagrro, levan-
tados na propriedad". Impreas-n, da comarca oe
Palmares,! visto como alm das cobrancas de
hypotbeca e rendas que raove contra o primeiro
tem o direito adquirido por compra feita aos
Srs. Macelos, da propredada Imprensa, que foi
desmembrada da pe?maria Riachao.
Ue.ife, 8 de Maio de 1890.
Jos Abilio BairOtr
Mais em 1890 880.000
Sobre Parts:
Abril de 1890 fr. 440:000 de 434 490 res.
. de 1889 fr. 330:1-00 de 342 352 >
Mais em 1890 fr. 90:000
Sobre Hamburgo:
Abril de 1890 reieh. 60:000 de 523 i-568 rcis.
. de 1889 42 000 de 424 i 433
Mais em 1890 18:000
S-J>re Portugal :
Abril de 18*1 rs. fort. 50:000* de238 265 /.
. de 1889 60.000* de 192 204 %
f
a
2
E I

3
>< x re =
99-S.
a
3
a
-3
5
e
9
| I"

Q.CL
<9 O
8"
2.
3"
o .
ss
I
M
c
a
>
ir
Mais em^!890
5?i
$1
3S8 =
SS??
cooo^iet
3


1

P3
3
i
ce
I S
- 1
i
*
es
sis
lo
o>
5
f
SS !1
g
B
=9
1 X
I*
s
Meaos em 1890
lOOOOi
Os valores saccados calculados |>elas texa*
medias do camino foram :
Em Abr, de 189.) 13:684:420*000
< > de 1889 3:115:889*000
Mis cm 1890
16:568:531*000
Se, porem, forera tees valores calculados pelas
texas inedia* de Aril de 1889, sera este o re
suHado:
Em. Abril de 1890 10:933:9.*O*001
> de 1889 3:115:889*000
7:818.06I*OT9
A differenca entre os dous valores dos saques
etT'-tnados em Abril lindo, na somma de......
2:750:470*000. reprezenta prejuizo para o com-
meirii oa vciba differengas de cambio.
Compce dizer que o grande valor que se note
nne ssques sobre Lond/t'S, foi devldo venda e
revenda de pa el biocario em circulaco.
[..Os saques para as pracas do paiz que entre
tem relaces mercautis com a do Recif, foram
pequ. nos e eff> ctuados aos seguimos premios
3
H/4%
1 I 1 %
Abril de 1890
Rio Grande do Sul 1 2,3 /.
S. Paulo 1 Vi
Rio de Janeiro 1 38
Bahii -----
Cear ___
^aranhao -----
Para 11.8 ".
-11,1%
Os descontos do le1.lras na praca regularan) :
A5rjl : 90 s'M 12 /.
Ab t de 89 de 10 12 /.
En li'olos diversos, publico- ou de eoprezas,
houve apera* o sesomte moviuif uto na Bolsa
om Abnl prox-rao lindo :
Apoliees do Eitudo ae Pernambuco Vanderam
se 97 do valor de 1:0)0*000, de 1:010*" 1:020*.
ou com o prem o de 1 a 2 .
AccSes de ferro ras Vendoram-se 52 da=Te
Ribeirao Boirto, do valor de 100*. 80* ou
com 20 '/0 de descjnto.
Acedes de companhias de s'gnroi Von 80 da i'henix, do valor de 200*000, 300*000 ou
com 50 U de premio ; e 10 da 1 idemnisadora
do valor de 200*, 330* ou com 63 / de pre-
mio.
AccSes ds Bancos Venderam-se 5 do de Crepi-
to Real, do valor realsalo de 120*, 130* OS
com o premio de 12 1/1 */>.
Letras hupotkecariasVeoderam se 200, do va-
lor de 103*, ao par.
AccSes de diversas empiezasVcnderam e 18
da Compaotiia de Fuco e Tccidos, do valor de
100*. ao par; e 10 da do Bberibe, do valor de
100*, i 190* ou com o premio de 20 %

O movimento do porto foi este :
Entraras do exterior
24 vapores, tetando 40:820 toneladas.
12 navios 4:861 .
Entraram dos portos do interior
25 vapores, tetando 27:035 toneladas.
22 navios > 3:935
Dando para total das entradas
83 embarcaces, tetando 76:671 toneladas.
E. tendo sido o total em Abril de 1889, de*:
83 embarcaces, tetando 76:7071oneladas ;
V-sc qu entraram meaos 2 embarcaces, te-
tando monos 36 toneladas, em Abril ultimo.
Sahiram para o exterior
20 vapores
19 navios
SakjiH para o interior
28 vapores
16 navios
Dando para o total das sahidas
83 embarcaces.
E, tendo sido o total cm Abril de 1889, de 72
embarcaces,
V-se que sahiram em Abril ultimo miis II
embarcaces.
EXPOBTAQAO
O mercador exportador, despeo da alca
dos precos do assucar, aigooSo.. agurdente, al-
cool, mel e couros, sobre os da Abril de 18S9,
conser/ou-ae frouxo em geral. x-
Em assucar, nao obstante o txcesso de 29.093
saceos sobre as entrada^ de Abnl do anno pas-
sado, fez se menor exporUcaoem 14:947 saceos
Em algodo,.8e entraram menos 7 830 fardos.
tambera foram exportados menos 21:711 far os.
de 73 kilos cada um.
Em agurdente, porem, foram exportadas mais
713 pipas ; em alcoof ics 256 pipas ; em mel
menos 13 pipas ; e em couros mais 112 280 ki
logrammos do que em Abril de 1889.
Nos deai is gneros e artgos exportado* Fgn
ram alguns por quanlidades e vatefetf'Ugo no
lavis. Todava, o acervo geral corneja foi diio,
e os algarismos adente mencionaaos con.'ir-
raam, foi menor em valor ni somma de.....
403-421*790.
telo 6 claro e explcito, neni precisa commen
tenes para ser bem comprchcadido ; e, demais,
a explicaco lgica c ao alcance de todos : pe-
quenas safras dos principaes productos e con
sequenle retraego dos negocios.
Eis os dados la exportac&o:
Hospital Portugus
Assembla geral estraordloarla
,Nao se tendo reunido (tai-
vez, em vista do nido tempo, e
nao po?' indiferenga) numero
razoavel de socios, sao de
novo convidados a reunirem-
se na secretaria do Hospital,
no dia 11 do corrente, s 11
horas da inanhapara se pre-
ceder a e!eic,ao dos mnobros
da junta que tem de preen-
cher as vagas dos que regei-
taram os lugares para que
foram eleitos em assembla
gral ordinaria no da I de
Dezembrode 1889.
Duas horas depois da mar-
cada se constituir a assem-
bla com qualquer numero
que se ache presente.
Secretaria do ospital
Portuguez, 5 de Maio de
1890.
Cesario A. S. Papoula,
. Secretario.
Em Abril
de 1890
de 18S9
Mais cm 1890
Foram exportados:
Em Abril do 1893 -Ext.
- Interior
ius
Abril de 1889
3*212
2*800
*412
1.588.009
4.424.031
3.982.046
7,103.145
1.121.099
kilos
Henos om 1890
Calculado pelos respectivos precos medios, foi
e:te o valor exportado :
Abril de 189J 1.180:943*940
. de 1889 1.325:920*680
Menos cm 189J
44.974:*740
*
Algodao
O mercado diste artigo esteve um tanto aoi
mado, e os pregos bons. Foi, po:m, pequeo o
negocio.
En Ira rara :
Abril de 1890 11-591 fardos
. de 1889 19.411 -.
Monos em 1893
7.830
Regula ram as vendas por 15 kilos :
Do de 1* qualidade
Do mediano
Do do 2' qualidade
O oreos medios foram
Abr d" 1890
de 1889
Mais era 1890 .
Foram exportados :
Abril de 1890 -Ext.
Interior
Tolal
Abnl de 1889
M. nos om 1890
de 8*300 a
de 7*300 a
de 6*300 a
9*400
8*400
7*400
cidadlo Sr. Joaquim Soares
Gomes, vice-consul de Portugal Ingla-
terra, em Paranagu, trataado da cura de
urna bronchite de mau carcter, em sua
esposa, dia o seguinte:
t ... Minha mulher acha-se perfcitamen-
te restabelecida de sua grave enfermidade,
com o uso de quatro vidros do Peitoral d*
Cambar, tendo antea experimentado, sem-
Sre intilmente, talvez cineoenta remedios
versos.
Joaqnim Soares Gomes.
(A firma est reconhecida.)
Esmolas
As almas caridosas soccorram, pete amr de
Dens, a viuva pobre e doente Senhorinha dos
Santos Coelbo Bastos, rna das Cirrocas n. 4.
Essa infeliz vive na maior penuria, e merece
o obulo dictado pelos generosos sentimentos de
caridade.
Club republicano da comar-
ca de Oiinda
Ses3o solemne Mas salees da
Intendencia,
Nao nos sendo possivel dirigirmo-nos
pessoalmente a cada nma das autoridades
e pessoas gradas, da comarca de Oiinda
as convidamos pr este meio a temar par-
te na sessSo commemorativa, que se reali
sar no lugar cima indicado, s 7 horas
do dia 12 do corrente, perante S. Exo. o
Sr. govemador deste Estado.
Ser franca a entrada a todos os cida
dSos que ee apresentarem decentemente
vestidos, cando por este meio estendido
o nosso convite so povo olmdense.
Olinda, 8 de Maio* de 1890.
A directora
Ernesto de Aquino Fonseca.
Jos Faustino Porto.
Antonio Pereira Simoes.
Alfredo Peregrino Camello Pes.
Jos Elias de Moura.
EDITAES
O Dr. Antonio Domingos nulo, juiz ue uueitu e
privativo dos Foitos da Fazcnda deste Estado
de Pernambuco, etc.
Faco saber a todos que o presente virem e
delle tivercm noticia, qoe pete Dr. procurador
fiscal da Fazonda Nacional me foi dirigida a pe
ticaodotheor Reptete :
Illm. Exm. Sr. Dr. joiz dos Feitos da Fazen
da.O procurador dos Feitos da Fazcnda Naci
oal requer a V. Exc se digne mandar passar
mandado de sequestro sobre o prolucto do lei
lao effecloado pelo agente Alfredo Gjimaracs,
djs bens de Joaquim Can.'as de Castro, i> ra
pagamento de imposto de indoslria e prossao
do exercicio de 1889
Oatrosim, existindo mandados executivos
contra o allndido devedor, e estando provada a
ausencia do mesmo em lugar iocerte como se
ve da3 certdes passadas nos versos dos referi-
dos mandados, requer que seja a itacao feita
for edilaes, no forma da ullima par.c | 3. art.
do regulamenlo de 29 de Fevereiro de 1888.
Nestes termos ptde def-rlmcnto.E. R. M.
Recife, 28 le Marcjde 1890.-Francisco Magari
no de Souza Leio.
E nada mais se conlinba cm dita petico aqu
transcripta, a qual sendo por mim lida e exami
oada. foi d.fonda pelo despacho do theor te
guile:
Passe mandado na forma requerida, cite rr
Alcool
Cooservou se o mercado deste artigo era bom
pe.
Entraram : ,
Em Abril de 1890 63 pipas
. < de 1889 52
Mais em 90
13
75850
3*500
25350
Reolaram as vendas por pipa de 480 litros de
185*000 19.'*000 ; lento os precos medios :
187*300
160*500
Abril de 1890
de 1889
Mais era 90
Foram exportados
4bril de 90-Ext.
Int.
/
27*000
Abril de 1889
Mais em 90
Total
149.856
149.856
29.760
120.096
litros
o execntad
de 1890.Domingos Pinto.
E estando jus iticada e provada a ausencia
do executado em lugar incerto e nao sabido,
expeca se edital de citacto cote o praso de*30
das para todos os termos de execncid, caso nao
seja o debito pago dentro do praso marcado.
E para que ebegue ao conhecimento de todos,
passon se o presente que ser publicado pela im-
prensa e afQxado no lugar mais publico do cos-
tume, sendo por mim assignado.
Dado e passado nesta cidade do R do de Pernambuco. no cartorio dos Feitos da Fa
zenda Nacional, aos 7 de Abril de 1890.
Eu, Jos Francisco do Reg Barros, escrivao
privativo escrevi.
Antonio Domingos P.n'.o.
DECLARARES
Matriz de Santo An
tonio
Existindo nesta matriz cerca de 500 caixas ou
urnas comeado ossos de individuos que foram
irruios da veneravel irmandade do SS. Sacra-
mento, entre ellas urna grande quanlidade com-
pletamente estragada, e nao existindo no com-
promisso disposicao alguma que obrigue a ir-
mandade a ter sob sua guarda e cuidado, os
restos daquelles que foram seus irmaos, a mesa
regedera deliberou que por meio de annuncios
fossera convidados os Interessados na cooserva-
co deses ossos a virem reclamal os. o que o
taco pelo presente, marcando lhes o prazo de 60
das para este lim, nodos os quaes e nao baveo-
do reclamaco se dar destino a esses o 03 pre-
cedidas as formalidades legaes. Outrosim de-
claro, que foi tambem deliberado, que d'ora em
diante t serio reeebidos em nossa igreja 03SOs
de irmaos que na mesma lenbam j zigos, e que
'ierora acompanhados da respectiva proviso do
goveroo do bispado.
Coosistor o da veneravel irmandade do SS. Sa-
cramento da matriz de Santo Antonio do Recife,
30 de Abril de 1890.- O escrivao,
Francisco Jos dos Passos Guimaraes.
Thesouraria de Fazenda
Tendo o Sr. Ministro da Fazenda resolvido, no
intuito de mel hora r a circulaco monetaria, re-
tirar do movimento das trans'aeges as notas de
500 rs. e emittir moedas de prata de?/* e 500
rs esta thesouraria est desde logo procedendo
a e pa sobstituico, de cooformidade com a cir-
cular do Thesouro Nacional sob- n 22 de 26 de
Maico ultimo, para o que acta se de posse de
urna remessa, vinda da Casi daMoeda, de"moe-
das dos alludidos valore;, novameote conbadas.
Assim, pois, o facj publico, de ordem do Sr.
Dr. inspector.
Thesouraria de Fazenda do Estado de Per-
nambuco, 30 de Abril de 1890.
O secretario da junta,
Dr. Antonio Jote de Sant'Anna.
ompanhia Usina Pinto
De accordo com o que preceila o art. 15 dos
estatutos, sao convidados os senbores accionis-
las para a reuniao de a sembla geral ordina-
ria, que de.-era ll'ectuar mao dia 12 de Maio
prximo vindouro, na sede da companbia, rna
do Imperador n. 83, s 12 horas do dia, alim de
serera apresentado3 o relatorfo. balanco, contas
e parecer fiscal do anno social lindo em 31 de
Marco prximo passado, c bem assim el-ger-so
a commissao fiscal, de conformidade com o art.
14 do decreto n. 65 de 17 de Janeiro de 1890^,
Recife, 27 de Abril de 1890. X
A. de Sonsa Pinto, -
Secretario.
Sociedade
Benraernle Conciliaro da rna ti
Cabiig '
Convido a todos os socios a comparecerem se-
gunda feira 12 do corrente, s 6 1/2 Horas da
larde, afim de dar-se posse aos novos eleitos
para o cerrete anno de 1890 a 1891.
O secretario,
F. M. Moura.
Abril de 89
Mais em 90
;,4:440*000
"37:744*400
A domis exporlacao feita pola Alandega con-
stou do seguinte :
O valor exportado, calculado pelos respectivos
precos medios, foi esle :
Abril de 1890 58:537*500
. de 1889 10:428*000
Mais em 90
48:109*500
Jfci
O mercado deste producto esleve regular.
Vendeu-se a pipa de 480 litros de 55*000
6'1*000, sendo os precos medios :
Abril
de 1890
de 1889
57*500
51*000
kilos
519.229
117.750
636.979
2.265.291
1.628.312 >
Calcula te ocios respectivos precos medios foi
esto o valor exportado :
Abril de 1890 333 352*290
. de 1889 830.607*800
Assucar
O oercado de.-te genero es'.eve frouxo
re pequea -procura. Os precos man'iveram-
1883 teeni alca.
Entraram :
Em Abril de 1890 99.161
de 1889 7Q.066
000 ; sen Jo os precos medi03
U0u.LEra Abril ds 1890
6.1CC03
Mais cm 189)
29". 095
As vendas para exporteco effectuaraniso aos
seguintes precos por 15 kilos :
Branco 3 superior
3- boa
3* regular
4" surte
Somenos
Masca vado purgado bom
guiar
americano
Bruto replar
Foram estes o? precos m ^dios:
de ij300,a 4*400
de 4-J )0 a 4*200
de 35800 a 4*000
3600 a 3*800
3*200 a 33300
2*300 a 25400
25200 a 2
a 25030
- a 1*600
de
de
de
do
Menos cm 189-)
497:255*510
Agurdenle
O mercado deste artigo tambera esteve anima
do, ntu ulis.a .te terem decabido om pouco os
precos, embura lioando superiores aos do anno
lindo.
Entraram :
Era Abril de 1890 1.320
de 889 1.250
Mais cin 189)
Mais em 90
Foram exportados :
Abnl de 1890.-Ext.
Int.
7*500
9 90.) litros
79.000
. de 1889
Menos em 1890
Total
88.900
93.tl5
6.325
' Calculado pelos respectivos precos medios, foi
este o valor exportado :
Abril de 1890 10--649*000
. de 1889 9:9095250
pipas
270
t|feitd'U-sc por pipa de 480 litros, de 86*000
do 1889
88*000
82*500
Mais era 1890
5*500
Pera ni
Abril de
exportados :
I StO-Ext.
Interior
Abnl de 1889
Miis era 189>
Tolal
6.394
884.966
891.360
549.062
342.298
litros
Calculado pelos respectivos precos medios, foi
esto o valor exportado :
Abnl de 1890 163:516*000
do 1889 94:332*315
Mais ora 90
69:183*683
Mais em 90
Couros
Anda esteve frouxo o mercado
gos.
Entraram :
Abril de 1890
. de 1889
Mais em 90
739*750
destes arti-
3 08i
2.008
1.076
Bcrracba Ext.
Caf Ext.
Capil-lot.
Carocos de algodoExt.
Cora de carnauba-Ext.
Int.
Tolal
CocosEit.
Int. ^
Total
Corinbos e pelleeExt. -
DocesExt.
Iot.
Total
Drogas e medicamentos -Iot.
Farinlia de mandiocaExt.
Iot.
Total
Ferro velho-Ext.
Fillamenios de palbaIot.
Fio d'algodo Int.
Fructas Iot.
GeoebraInt.
GraixaIot.
Madoirs Ext.
Metaes velaosExt-
Milho-Int
Ouro veiho -Ext.
OssosExt.
Paina-Int.
Pao Brasil-Ext.
PoTatajuba-Ext.
Pasaros seceos -Ext.
Prata velhaExt.
Piassava-Iot.
Rapelar.
Sal-Iot.
Sebo Int.
SementesExt.
Int.
1 851 kilos.
240 <
' 18.litros
255.948 kilos
9551
350
9^901
iloo
37.400
38.400
707.633
40 kilos
1.525
1.565
252 vols.
106 saceos
12 363
12.469
Total
Regularam'as vendas por kilo :
Dos espichados de 400 420 rt u
Dos seceos de 390 a 400
Dos verdes 4 230
Os precos medios compa-ados foram estes
Espichados Seceos Verdes
Abril de 90 410 395 230
. de 89 403 370 205
Diffe- (mais
rencas (menos
10
25
20
Foram exportados :
Abril de 90 Exterior :
Espichados
Seceos
Verdes
1.587 kilog
80.691 .
42000 .
Abril de 89
Mais em 90
Total
124.280
12.000
112.280
NCalculado pelos respectivos precos medios, foi
este o valor exportado :
Abril de 90 Espichados 650*670
Secos 31:873*730
Verdes 9:660*000
Total
42:1845400
SolaExt.
TraposExt.
20 lons.
100 kilos.
56 saceos
18 vols.
3 357 litros.
2.272 kilos.
1 prancli.
14 184 kilos.
35 800
3 458 oitavas-
5,000 kilos.
80
25.000 kilos.
1350 .
2.000
8 366 mt.
12 molhos.
275 kilos.
23,000 litros.
1.033 kilos.
2 saceos
1
1.000 meios.
1 000 kilos.
O valor de toda exporlacao, calcjlado pelos
respeclivos precos medios, foi :
Assucar
Algodo
Agurdente
Alcool
Mel
Couros
Borracha
Caf
Capil
Caragos de algodo
i'era de carnauba
Cocos
Courinhos o pelles
Doces
Drogas c medicamentos
Farinha de mandioca
Ferro velao
FiUamentos de palha
Fio de algodo
Fructas
Genebra
Graxa
Maddiras
Metaes vollios
Milho
Ouro reino
Ossos
Paina
Pao Brazil
Pao Talajuba
1.280:915*230
333:352*290
163:516*000
58:537*500
10:649*000
42:184*400
1.831*000
160*000
7*200
5:118*960
2:579*600
2:304*000
64:579*800
1:565*000
4:860*000
68:655*000
200*000
20*000
1:120*000
36JO0O
1:618*800
833*250
12*000
5:308*800
2:864*000
13:832*000
100*000
80*000
2:500*000
135*000
*
,
" :-.
. ''
\
i

jr rnsmj


'ei
^^^^^


,1
y
ii
i

y
Irma tul ade doTJivino
Espirito Santo do
Red fe
Meza Geral
Eleic&o
Dando "cnmprimento ao 18 do art. 40 do nos-
so compromiso, de ordem da meza regedora
convido a todos os oossos carissimos ii mos a
comparecerera cm o consistorio de nossa igrej,
domingo, it do correte pelas 11 horas do da,
fim de se constituir a meza geral e proceder se
a eleico dos Huaos que bao de compor a nova
meza regedora para o aono ccmpromissal de
18-JOa 1891.
Consistorio. 8 de Maio de 1890.
O escrixo,
Miguel dos Santos Cosa Jnior._
Arsenal de Marinha
InscripcSo para o snp wimento de gneros
de racoes e dietas, aos navio s da arma-
da e s dependencias deste Atseal,du-
rante o corrente exercicio.
De ordem do cidndao capitao tenente Frede
rico Guilhenue de Souza Serrana, inspector
deste Arsenal, fajo publico que, de conformida
de com a aulcraco do Ministerio da Marinlia
em aviso n. 972 de 17 de Abril ultimo, e de
accordo com o disnosto no de-reto n. 10.110 de
ii; de Oulobro de 1889, acha-se aberta na se
crelaria desta inspecrto a inseripcSo. duracte
10 dias a cont-ir da dala deste edital, i ara a
concurrencia do fornecimeato de gneros de
races e dietas extraordinarias aos navios da
armada nacional e a este estabelecimento, du-
rante o correte exercicio.
Nenhum cand-Julo poder se inscrever sem
que, no acto dt mesma inscripeo satislaca rigo-
rosamente s fur.itulidad?8 exigidas no art. SI
e seos pargrafos do ii-guiaraento cima cita-
do, que uo os seguales :
Art. II. Os concurrentes que nao forem fa
aricantes serao abrigados :
1' A provar com documentos de repart gao
aduaneira, c na fal a dcstes com facturas ori
ginaes. que fo importadores das mercadorias
que pretendeui fenecer.
i" Aprsenlar documentos das estaces As-
edes, que provem teretu pag> o ultimo semestre
vencido do imposio de industrias c proflsses e
bem assim aliccuca da illma. Intendencia Mu
nictpM, ludo relativo ao ramo de negocio cojos
gneros se propein fornecer.
A provar com di runenlos da mesma In
tendeacia que f.rarn aferidos os pesos e medi-
das no exercicio em que se verificar a concur
rencia.
4o A presentar copia do contracto que tiverem
registrado na Junla Commercial do districto
qrando nao (r individual a firma que liver de
ser Janeada oa proposta e constante dos docu-
mentos exigidos p los nmeros antecedentes.
Secretaria-da In-perco do Arsenal de Mari
nba Ce Peroanibuco, 8 de Maio de 1890.
O secretario
Antouio da Silva Azevedo.
}!
NOVO'E
o
o
3
A manila! Amarilla!
I
Capitana do Porto
Dos cascos vclhos e sem destino
De ordem do cidaia > capiao-teoente capitao
do porto desit Balado, fico publico, para s:ien
cia de quem iolereasar posta, que nao leudo si-
do retirados da Coii dos Passariobos os cascos
velos e sem de.-tino, do navios alli existentes,
em imprmenlo d prescriplo oo edital de 26,
27 28 de Marco do correte nno e de confor
nidade com os arts. 4 > e 41 do regulamento de
19 de Maio de 184G e da circular do Ministerio
da Marinos s>b n. 1 09? Je 3 de Selembro do
aono prximo lindo, viio ser postes em veoda
aquelles cascos, convulando-se para isso aquel-
las pessoas que os quizerem comprar, para des-
mancho, a apresecUicn a esta Capitana do Por-
to as suas propostas, em cartas fechadas, al o
Ha 20 do corrente mez, s 11 horas da ma
ana.
Os proprictarios de lae3 cascos, lodavia, flcam
jeitos a multa que o caso cctermlnar, propor
cional a infra Capitana do Porto de Pernambuco, S de Maio
d#1890.
O secretario,
M..ro F. de Castro Chaves.
rasgaros seceos
Piassava
Prala vclha
Cap
Sal
Sebo
Sement
Sola
Trapo
Total approximi'd j
Km Abril de 1889
Mr nos em 180
1.000*000
18*400 -se o nacional de 600 a 700 ris os 100 litros.
2:928*100
273*000
161*00
344*500
30**00
2:o00*000
20*000
2.076:801*830
2 480:223*6:0
403:421*790
impobtacao
SORPRENDENTE E VARIADA FNOOiO..
As 8 e li2 horas da noite
Desta importante companlra
iNo seu proprio pavilho ao lado do ;<<
THEATfiO SANTA ISABEL |
Grande e duplo beneficio dos artistas favoritos do publico pernambucano rvj
Mr. William Edwards
o mu distincto agente geral e secretario da companhia Illm. Sr.
* RAMN MONTEVERDE
Os quaes esperara em sua noite de gala serem favorecidos com a
presenta do bondoso povo desta culta cidade.
MUIT AS NO VID ADES!
Grande mudanpa de programma
Actos completamente novos
O intrpido EDWARDS sorprehender o publico em seu grande acto
As pyramides das mesas
pondo mais uma mesa sobre as que j tem posto, assim laucando se qQ
^o. pela priraeira vez deesa immensa altaraem um arriscadiaaimo e sem p3
^ Igual SALTO, o que ser mais do que sorprendentemaravllhoao
J^> Edwards ser sobarbo e admirado em todos os seas actos.
HH Miss NOBLEX BLANCHE, positivamente comparecer pela pr-
r*-4 raeira e ultima vez em seu novo e grande duplo acto das
| Arbolas volantes
x^ Todos os artistas da companhia executarSo seus mais selectos e notaveis ^*^
DERBY CLXI
DE
PERNAMBUCO
pe?
o
PQ trabalhos.
$25
m
9
m
Ao Circo! Ao Circo!
Para admirar e favorecer os beneficiados em a noite de sua festa que
ser realmente explendida.
AO CIRCO" AO CIRCO
Domingo, 11, duas ultimas funeces
da companhia
Sal-283.080 litros e VO alqueires. Venden-
O commercio Je impjrtfccao, no prximo nodo
mes ue Abril, fez se com boin andamento.
i renda aduanuira ii erbaimporlaco
dea um excest-o ae 16:973*033 sobre Abril de
1889, o que Brota m iior eutrada de gneros e
artefactos em Abril ultimo ; fado que compa-
rado pelos segu al.'I algar8mo8 :

Em gneros alimenticios, bebidas alcoolisas
e fermentadas, acx'pipes e condimentos foraa
fitas as entrada-; :
Allios-i:252 eanutras, regulando as vendas
de 50 a 60 ris a maunca.
Ameixas17 vilumcs.
Amendoas-1 volume.
Arroz 4:123 saceos, vondendo-se os 13 kilss
le 2*603 3*0'."0.
Azeite de oliveira-13 barris e 239 caixas
vndendo-se ogalfio de 3*2 0 3*230.
Azeitonas i 12 volume .
Bacalho 21.301 barricas, vendendo se de
18*000 20*000.
Banhade porco-1:816 barris, vendendo-se o
kilo de 830 872 ris.
Batatas788 caixas vendendo-se 3*000.
Biscoulos 36 voluntes.
Caf1:297 saceos, vendendo-se por 15 kilos
ilc 8*000 12*300.
Carne de conserva-2 volumes.
Ceblas-5W caixas. Vndense a tt*00t.
Cerveia-719 caixas e 10 barricas, vendendo-
se a duziade garrafas etc. de 6*000 a 9*000.
Cevada 3 volumes.
Cha-37 voluuJes, vendendo-se de 2*300
4*300 o kilo.
Chouncas 8 volumes.
Cidra215 volumes.
Cognac246 caixas.
Ccos-I8:500.
Cominbos10 snreos. Venueu-se puk loki-
a I2*C00.
Conservas186 caixas.
Ervilbasi volume.
Fannba de mandioca 11.700 saceos Ya:
den-se de 5*000 a 3*3uO cada sacco.
Fannba de trigo- 8 590 barriaas e 2.000
accos. Vendcu-se a barrica: da amencaaa d*
t7* a 18*000 e da de Trieste e Hungra de 19*
a 24*000.
Feiao- 380 sacos, vendendo-se cada um de
10*000 a 13*000.
Polhas de louro 40 saceos.
Fructas50 volumes.
Gomma de mandioca80 volumes, vendenda
se por 15 kilos de. 4*300 a 4*0O.
GraodebicoI volume.
Licores-27 caixas.
Linguast voten* :.
Jlaizena 10u caiW .
Manteiga-680 I 2 barris e 58 caixas. Vendeu-
se por kilo : 1*787 ; e de diversas em late, de 2*398 a 2*441.
Massas alimeulaios 36 caixas, vendendo-se
a 7*000.
ilassa de tomate 1 caixa.
Milho i 900 s kcos. Veiideu-se o kilo de 86
i tOO ris.
Mortadelas1 caixa.
Noze8 1 volume.
Pexe de conserva 6 volumes.
Pimentada ludia- :3 volumes, vendendo-sc o
ko de 1*000 a 1*100.
l'resuutos11 c
Provisoes -187 c;iixas
Quejos 477 caixas, 2 ikias e 14 volumes.
Tendeu-se cada um dos flamencos a 3*000.
Salames1 volume.
Salpices2 volumes.
Sardinbas-7 caixas, vendendo-se a lata de i/4
a 300 ris.
Tapioca 21 aJaasas. VenaVa-se por 13
kilos de 3*080 a W90O
Toucinho-ifci karrM. Tendeu-se os 13 kilos
de 10*500 a 11*000. ,:
T remocos 1 volme.
Vinagre 5 pipas e 82 barris. Vendeu-se
por pipa.- do de Lisboa de 125*a 130* ; e do
nacional de 50* a 80*000.
VTnbo187 pipas, 1.622 barris e 1.935 caixas.
Veadeu-se por pipa : do de Lisboa de 220* a
230* ; do da Figneira de 230* a 240* ; e do
nacional de 100* a 120*000.
Xarque1 072:265 kilos e 8532 ardos. Vcn-
deu-se por 15 kilos : do do Rio da Prata, de
3*800 a 4*600; e do nacional de 3*700 a 4*400.
Xaropes1 volume.
Wermouth15 caixas.

Entraram mais pela Alfaudega os seguio-
tes artigos:
Alcatrao40 volumes.
/lala-223 fardos.
Alfazema7 volumes, vendendo-se por 15 ki-
los a 6*500.
Alpiste 70 volumes, vendendo-se por 13
kilos de 3*900 a 5*800.
Alvaiade-30 barricas.
Azeite de peixe-12 barris.
Barricas e barris vasios3.376 volumes.
Borracha39 volumes. Veodeu se por 15 ki
los de 12* a 15*000.
Breu -145 barricas. Vendeu se cada urna de
9*all*C00.
Cabos41 volumes.
Cal-53 barricas.
Calcados-17 volnmes.
Carocos de algodao-289 volumes. Vendeu-
se por 13 kilos ae 280 a 300 rcu.
Can-lo de pedra-2 185 toneladas. Vendcu-
se a tonelada de 15* a 20*000.
Cavallos, burros e ejruas-50.
Ceras diversas-90 volumes. Vendeo-se por
15 kilos da de carnauba de 3800 a 5*800.
Chapeos -30 volumes.
Charutos10 cafxoes.
Cobre101 volumes.
Gordas-3 volumes.
Courinhos e pelles 382 volumes c 6.842 avul-
80s, vendendo-se o cento de 50* a 128*000.
Couros de boi-3-084.
Drogas emedi amentos222 volumes.
Esleirs -12 volumes
Estopa15 volumes.
Farello-5.360 saceos, veudendo-se de 1*600
a 1*800.
Ferino60 fardos.
Forro-Em ac : 30 cunhelcs.
Era arcos : 322 feixcs.
Em barras : 628 e mais 188 feixcs.
Em canos: 19 feixes.
Em cnxadas : 28 barricas.
Em ferragens diversas: 363 volumes
Em oges, fogareiros e chapas para ellos:
31 volumes e pecas.
Em formas para assucar32 volumes.
Em foluds : 88.
Em ps: 50 leixes.
Em pregos: 168 volumes.
Em laxas: 5.
Em trunos: 1.321.
Em machinas e apparelho3 diversos : oov vo-
luntes e pecas.
Fio dealfjodao e linho-12i volumes.
Fumo482 volumes. Vendeu se por 13 kilos de
13* a 28*000.
Garrafas, frascos, botijas e garrafes531 vo-.
lumes.
Graxa 70 pipas, vendendo-se por 13 kilos a
3*500.
Joias4 volumes.
Kerosene-23-OSO caixas. Vendeu-se a lata a
3*500.
Lichas 93 caixoe?.
Lona 2 fardos.
Lonca 24 volumes. Ven leu se o gigo da
inglezi ordinaria de 80* a" 120*001
Madeiras550-pranctioes, 6 travs, 610 taboas,
109 enxamis, 60 remos, 11.000 loros de lenha,
236 pedacos diversos e 15 arrobas de tatajuba.
Marmores e pedras 53 volumes e 10 lages.
Mercadorias diversas1 307 volumes.
ovis18 volumes.
leos diversos-61 volumes.
Ossos -15 saceos.
Papel 67 caixas e 882 fardos Vendcu-se a
resma do de embrulbo de 560 a 1*250.
Penna d'avesl volume.
Per fumarias36 volumes.
Pliosphoros102 caixOes. Vendeu-se a grosa
de'caixinhas a 2*400.
Pianos9 volumes.
Piassava400 volumes.
Plantas vivas-1 volume.
Ponas de boi-300.
Pipas vasias1.002.
Saceos vasios10 fardos.
Sabio173 volumes.
Salitre -170 barrics.
Semente8224 volumes.
Sebo648 barris. Veudeu-se 08 15 kilos de
4* a 6*000.
Sola61 meios e 55 volnmes, vendendo-se o
meio da nacional de 1*500 a 3*000.
Tamancos20 fardos.
Tecidos diversos1 94 volumes e mais 1.466
fardos dos de algodao do paiz.
Tintas240 volumes.
Typos2 volumes.
Vassouras1 volume.
Vellas 422 volumes Vendeu-se o pacole
das nacionaes, a 300 ris; e das eslrangeiras,
de 300 a 800 ris.
Vidros57 volnmes.
Vimes- 2.200 hacas.
Revista do Mercado
RCIFK, 9 DB MAIO DB 1890.
O movimento constou de transaccoes nos mer-
cados de cambio e de algodao.
Cambio
PRAGA DO KKCIKK
Os bancos maotiveram a t'axa de 21 3/4, recu-
sando saccar cima daquelle algarismo.
Papel particular fji passado em pequea es-
cala a 21 7,8.
PRA^A DO RIO DB JANEIRO
Nao houve aiteracao no mercado, manteodo-se,
porm.os bancos pouco dispostos a continuar a
21 3/4.
f
a
a.
3
>
8
TBELL8 FFIXAD8
^ fe
3. m
a
o
I
9.

a
o
3
35
O
g
5
s
,x ? ts *
S3 W
f- ; -j
-!
Bolsa
o vt^gObs OFFICIAES DA JUSTA DOS COR
RETQRKS
Nao nouve cotacSo. _
Reeife, ) ae Maio M S&Om
PROJBCTO DE DSCSKBPCAO
Para a 8.a corrida a realizar-se em 18 de
maio de 1890
Grande Premio
' ESTADO DE PERNAMBUCO
t. "V^S EXPERIENCIA 800 BU el ros Animaes de Pernambuco qne
n3o tenham ga.ho primeiros e segundos premios nos prados do Reeife
nestea cinco mezes, podendo entrar eguas d'este Estado. Premios:
2000900 ao primeiro, 40.J0C0 ao segando e 2^1^000 ao terceiro.
*" ^\1^9 ANIMAOO1 .OOO Metros. Animaes do Pernambuco que
nao tenham ganho em distancia suprior a 800 metros nos prados do
Reeife em 1890. Premios: 2000000 ao primeiro, 400000 ao segundo
e 200000 ao terceiro.
3 !\^% PR\DO DA ESTANCIA i. SOO metros. Animaes nacionaes
at meio sangne. Premios: 3000000 ao primeiro, 600000 ao segundo
e 300000 ao terceiro.
4.a n.^S GRANDE PREMIO -- ESTADO DE PERNAMBUCO
1.1 OO Metros. Animaes pungas. Premios: 5000000 ao primeiro,
1000000 ao segando e 500000 ao terceiro.
*. "ilklktA PROSPERIOADE 50 Metros. Animaes de Pernambu-
co que nSo tenham ganho em distancia superior a 900 metros
no Derby em 1890. Promios: 20^0000 ao primeiro, 400000 ao se
gando e 200000., ao terceiro.
!\%!>% CONSOLACAO 8O0 Metros. Animaes de Pernambuco, que
nao tenham ganho em maior distancia n'estes quatro mezes nos prados
do Reeife. Premios: 2000000 ao primeiro, 400000 ao segando e
200000 ao terceiro.
I Observa^oes v
O pareo Grande Premio s se realisar com cinco animaes.
;0* outros pareos s se realizarlo inscrevendo-se pelo meno6 4 animaes do tres
rietarios differentes.
A inseripcSo encerrar-se-ha segunda-feira, 12 do corrente s 6 horas da tar-
de, na secretaria do Derby Club, ra do Imperador n. 22, l.9 andar.
O SECRETARIO,
Manoel Medeiros.
Sociedade
DOS
A.rtistas Mchameos e Li-
beraes
De ordem da directora, convido a todos os
nossos consocios que se acbarcm no-goso dos
seus direitos, a comparecerem na se le desta
associacao, no domingo 11 do corrente, pelas 10
horas da manb, aliin de tratarse da reforma
dos estatutos, como ji foi i esolvido em conselho
Secretaria da Sociedade dos Artistas Mcham-
eos e Lioeraes de Pernambuco, 7 de Maio de
1890.O secretario,
Joaquim Lopes Teixeira.
Convento do Carino
O vigario provincial, aitendendo as habiliti-
efies e boas qualidades do Sr. Jos A(Tiuso de
Azevedo Campos, 0 noraeou procarador do pa
trimonio do couvento do Carra) do Recite, c
nelle confiando, espera que seja diligente em
receber e.fazer o que estiver a eeu alcance a
bem do rnesmo patrimonio ; espora tambem da
parte dos foreiros que o reconbecam como tal, e
a elle satisfacam o que se aebam a dever.
Carmo do Reeife, 8 de Maio de 1890.
I Fr. AUwcto deS.Augusta C. de Vasconcellos.
answaaaaaiBiBSMSsaasssassssssssmj^
. O Dresidente,
Antonio Leona -do Rodrigues.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
!Vt1os t deseare
Barca portugueea Novo Siteocw, varios gneros.
Barca nacional Jfartaam'iiAa, -xarque.
Barca inglesa Lavinia bacvlho.
Brigue hollandec Meidem, xarque..7
Brlgue portugus Adelina, varios gneros.
Lugar portugus Temerario, xarque.
Lugar nocional Duas America, varios gneros.
Lugar ingiez Dora bacalhlo.
Lugar bollandez H. R. Leembw's, graxa.
Lugar americano Anna, milbo.
PaUcho hollandez Uenrtka, xarque.
Patacho norueguense Cera, xarque.
Patacho francez General Berge, xarque.
Algodae
Constou peqoenas vendas do de Ia soTte do
serlo a 9JC00 por 15 kilos.
A exportaco feta pela alfaodega neste mez at
o da 6, constou de 59 OVO kilos, sendo tv.0.0
para o exterior e 40.000 para o interior.
As entradas verificadas, at a dala de boje so
bem a 894 saccas, sendo por:
Barcacas.....
Vapores ....
Vnimaes.....
Via-rerrea de Caruaru.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea deLimoeiro
Sociedade
DOS
Artistas Vechanicos e Libe-
raes de Pernambuco
De ordem do director, sQo convidados todos
os socios no goso de seus direitos, para compa-
re ;erem na sede social, seguoda feira 12 do cor-
rente, s 6 12 horas da Urde, para ter lugar a
sessao de assembla geral do corrente mes, de-
vendo effectuar-se com o numero que compa-
recer.0 gecretario,
Joaquim L. Teixeira.
Great Western o f Bra-
sil R. C L.
Aviso
P. lo presente eSo^ convidados os senbores ac-
cionistas a virem receber no escriptorio central
a vigsima segunda distribuido das cautelas de
juros corresponaentes ao semestre flodo em 31
de Oezembro de 1889.
Kscriptono central, 8 de Maio de 1890.
Jason Rigley,
Superintendente.
Concurso para preenebiraento de dons
gares do praticwite e um de carte
2.* classe.
Paco publico que durante 30 dias, a contar
desta data, acha-se aberta nesla administr^So,
das 10 horas da macha s 2 da tarde, a inscri-
pcio para o concurso ao provimento de dous lo-
gares de praticaqle e um de carteiro, 1* clasae.
De conformidale com oa g 4. e 6. do art.
166 do Regulamento vigente, as provo3 vei
sarao:
1." Pjra os logares de pralicante sobre as ta-
guas poiluguet franceza, gegrSPuw ge?:} ZZ1
desenvolvimento quanto ao Brazil, e anthmetica
at a toeoria das proporces inclusive, devendo
ser motivo de preferencia o conhecimento das
linguas inglezae allem.
i.9 Para os logares-e carteiro sobre leilura 5
escripia corree as e as quatro oper?cOes funda-
mentaes da arithmetica.
No actj da inscripcao o candidato apresentar
com o sea reqaerimeuto, certido de idade, oa
documento que legal raen te o substitu, e bem
assim attestado de que gosa boa sade. de que
est vaccinado, e que tem bom procedimento
passado pela autondade policial do logar onde
residir.
Os candidatos aos logares de pralicante de*
vero ter mais de 18 e menos de 25 annos de
idade, e os candidatos ao logar de carteiro mais
mais de 18 e menos le 30 annos de idade.
Os candidatos podero apresentar documen-
tos que comprovem sua? babiaces e servicos,
sem ccmtudo dispensarem do roncurso o candi-
dato, quaesquer que sejam taes documentos.
Administraco dos Correios de Pernambuco,
em 7 de Maio de 1890.
Q administrador.
Affonso do Reg Borros.
Thesouraria deFa-
zenda
Aos tabelliSes e escrives de paz.
De ordem do Sr. Dr. inspector, e tendo em
vista a representaco do Dr. procurador Cscal
em oflicio n. 25 de 29 do mes fido, notifico a
todos os seobores tabelliSes e escrivaes de paz
do Estado para, sob pena de multa de 50 a lOOj,
comminada no art II da lei 0. 939 de 26 de
Selembro de 1857, remetterem a esta thesoura-
ria no praso indicado no art. 40 do decreto n.
5581, de 31 de Marco de 1874 (regulamento do
imposto de transmiisQo de proprieJade) as cer-
lidoes de que trata esse mesmo artigo, isto do
pagamento di imposto de transmisso de immo-
veis por titulo oneroso, sendo que a multa ser
imposta por cada certido que deixar de ser re-
mettida nos termos da citada disposic&n da le
oe!857.
Thesouraria de Fazenda de Estado de Pernam-
buco, 9 de Malo de 1890.O secretario aa junta
Dr. Antonio J. de Sant'Anna.
EngHsh Bank of Rio de Ja-
neiro Limited
A direccao resoiveu recommendar na prxi-
ma reuoio dos accionistas em Londres, no dia
23 do corrente mez, um dividendo de 8shilliogs,
pagavel livre de imposto ; no dia 2 de Jocho
tambem recommendar se ha transferir ao Fundo
de Reserva 25 000.
Pernambuco, 9 de Maio de 1890.
A. J P- Clarksoo,
Gerente.
THEATRO
130 Saccas
206
77
tl
2'jO
Somma.
89i Saccas
Astuesr
Os precos pagos ao agncultor, por 15 kUos, se-
gando a Associacao Commercial Agrkola, foram
os seeuintes:
Usinas.....
Branco .....
Sjmenos.
Mdscavado purgado .
Brutos.....
Rtame.....
3*700 a 40J0
33U a 319(0
zjO a 2*800
1*600 a U800
1*300 1 1 600
Z900 a 1*2.K)
A exportaco feita pela alfandega neste mez at
o dia 6, constou de 996.244 kilos, sendo 60.189
para o exterior e 936.064 para o interior.
as entradas verificadas at a ata de boje so-
bem a 8.809 saceos sendo por:
aarcacas ....
Vapores .....
vnimaes....
Via-ferrea de Caniaro.
Via-ferrea de S. Francisco,
via-errea do Limoeiro
3.122 Saceos
334
659
4 648
46
Somma.
8 809 S crav
Conros
Couros salgados 400 ris, e os verdes a 2V0
ris.
Agurdente
Cota-se a 94*000, por pipa de 480 litros.
Aleool
Cota-se a 190*000 por pipa de 480 litro.
Mel
Cota-se a 55*000 por plDa de 480 litros
ioaportaco
Vapor ingiez TAoaif. entrado dos portos da
Europa em 8 do andante e consignado a Amorira
Irmos & C, manifestou :
Amostras 62 volumes a diversos.
Bolsa de couro 1 caixa ordem.
Calcados 3 ratxoes a Costa Campos e C.
Chapeos 1 caixo a Adolpbo e Ferrao.
Camisas 1 caixa a J. Coimbra e C.
Cha 3 grades a Paiva Valente eC.,44 ordem
Esleirs 13 volumes a Manoel da Cuaba Lobo.
Estopa 10 fardos ordem.
Leite condensado 10 caixas a Carvalbo e C.
Manteiga 6 caixas a Ramos Geppert e C.
Mercadorias diversas 1 volume estrada de
ferro do Reeife ao S. Francisco, 1 a Guimares
i.ardoso e C, 1 a Olinto Jardim o C, i a C Da-
beaux, 2 a J. Hovre H. G. Holder.
Obiectos para escriptorio i caixa a H. Fletcher.
Oleo 100 tambores e zj barris a Fi aasco M.
da SHva eC.,41 ordem.
Presunto 4 caixas a H. Forster e C.
Queijos 24 caixas a J. B. de Carvalho. 11 a
Gomes e Pereira, 12 a Joaquina Felippe e Aguiar,
13 a Joo Fernandes de Almeida, 1 a Francisco
Manoel da Silva.
Tecidos diversos 1 volme a Manoel da Canoa
Lobo, 45 a Bernet e C, 44 a Machado e Pereira,
14 a Monnard Huber e C, 1 a F. Lauria e C. 6 a
N. Maiae C, 4 aF. Silva e C, 4 a A. Amorim e
C, 14 a Guerra e Fernandes, 1 a A. Lopes e C,
6 a Al ves de Brito e C, 25 a Olilo Jardim e C,
34 ordem, 13 a Joaquim Agostinho.e C, 9 a M.
D. da Silva Guimares, 4 a R de Carvalho, 16 a
Goncalves Cunha e C.,5 aAgostinho Santos eC,
5 a Rodrigues Lima e C. 4 a Silveira e >'., 22 a
A. Vieira e C, 11 a Andrade Maia e C, 18 a L.
Maia e C.
Tinta 2 barricas a F. P. Boulitreau.
Escuna norueguense Gejfion, entrada de Pelotas
a46 do andante e consignada a Joaquim da Silva
Carneiro e C. manifestou :
Xarque 139.300 kilos ordem.
Exportaco
rcifs, 8 db maiq n 1890
rara o exterior
. No brigoe portagaez Adelina, para o Porto,
carregaram : .-. .,
M. Lima & C, 146 saccas com 12,00. Kilos ae
algodao.
'ora o mtrioT
No vapor francez V. A Rosario, para San-
tos, carregou : .A-
M. P. Leite, 200 saceos com 1*,000 lulos de
assucar branco e 800 diioa com 48.000 ditos de
dito mascavaai.
Para S. Paolo, carregou :
F. A. de Azevedo, 3U9 saceos com 18,540 tilos
de assucar mascavado.
Para Rio de Janeiro, carregou :
F. Rodrigues. 300 saceos com 18,000 kilos de
o vapor americano Allian^a, para Para,
carregaram : ... .
P. Carneiro & C, 2 pipas coin 9b0 litros de
ilconl
M. Marques de Oliveira, 25 barris com 2,250
litros de alcool.
Para Maranho, carregou :
M. Amorim, 2 pipas com 960 litros de alcool.
No vapor nacional Guahy, para Penedo,
carregaram : .V
M. A. de Senna & C. 6 barricas com 360 kilos
de assucar refinado.
Para Babia, carregaram :
E. Pinto C, 20 barricas :om 2,500 kilos de
assucar mascavado.
No hiate Deus k Salce, para Ceara, carre
CTCi py ]
P. Carneiro & C, 50 barricas com 5,210 kilos
le assucar branco. 1
Para Aracaty, carregou:
Rodrigues Lima, 48 lab jas de ao. areno.
Iteudiineutos pblicos
HEZ DB ABRIL
Alfandega
lleuda geral :
o da 1 a 8 181.330*721
dem de 9 39:590*677
Terca-feira, 13 do corrente
GRANDE GALA
A actriz Rosa Manbonca prepara para sea be-
neficio um drama de grande espectculo, para
commemorar o 2.* auniversaro que extingui a
escravido no Brasil.
Ser urna brllbante festa que ella oTerece aos
seus convidados
Em lempo ser annunciada.
i________mwmBBmaB?mm
Segunda seccao da Alfandega de Pernambuco,
9 de Maio de 1890.
O tneaoureiroFlorencio Domingues.
O ebefe da seccaoCicero B. de Mello.
Reeebeorla 4o Estado de
Peroaalraeo
Do aia 1 a 8 12.435*308
dem de 9 590*213
-220 921*398
Renda do Estado de Pernambuco
Do dia 1 a 8
dem de 9
3TJ:337*271
7.558*468
438t5*739
Somma total iG4 8i737
13.025*421
Reeife ralnage
Do dia 1 a 8 3.631*059
dem de 9 307*744
3:938*803
Pauta da Alfandega
BXMAHA oa 5 a 10 db maio di 1890
Vide o Diario de 4 de Maio
Mercado Municipal de S. Jos
O movimento deste mercado no dia 8 de Maio
foi o segrate :
Entraram :
23 bois pesando 3,004 kilos.
715 kilos de peixe a 20 ris 14*300
23 cargas com farioba a 260 rs. 4*600
9 ditas de fructas diversas a 390 n> 2*700
31 1/2 columnas a 600 rs. 18*900
103 taboleiros a 200 rs, 20*600
8 sainos a 200 re. 1*600
1 escriptorio a 300 rs. 300
62 compartimentos com farinha a 500
rs. 31*000
29 ditos de comidas a 500 rs. 14*500
99 ditos de legumes e fazendas a
400 rs. 39*600
17 dRos de suinos a 700 re. 11*900
9 ditos de Treasuras a 600 m. 5*400
6 ditos de camares a 20 rs. 1*200
33 tainos a 2* 66*000
231*600
Rendimento de 1 a 7 do crreme 1.622*320
1.854*910
Precos do da:
Carne verde de 280 a 560 rjs-0 kilo.
Suinos de 520 a 560 ris dem.
Carneiro de 640 a 800 idem.
Farinha ele 500 a 560 ris a cuia.
Milho le 440 a 480 ris dem
Feijo de 900 a 1*200 idem.
Vapores a entrar
HBS DK MAIO
Arlindo........... 10
Ful...........
Sol...........
Norte........
New-York-.
Norte.........
Liverpool.....
Sul...........
FtMdPernamouco. 10
Advattce......... 12
Maranhense....... 13
Para............. Ifc
AurAor........... 14
P. do Grao Para.. 1*.
Vapores a sabir
HEZ DE MAIO
Santos e esc VU de Rosario .... 10 as 9 h,
New-York.... Allumca.......... 10 as 3 h.
Havre eesc. VUle de Pernambuco. 11 as 9Ji.
Sul.........Adcance.......... 13 as 4 h.
HoTimento do porto
Navios entrados no dia 9
Santos c escala9 dias, vapor americano Al-
tanja, de !20o tonelada!', commandante J. R.
Beers. equipagem 65, car;a \-aric3 gme.o-; a
Henry Forster 4 C.
Terra Nova28 dias. barca ingleta Beltrees,de
373 toneladas, capitao A. Service, equipagem
12, carga bacalho, a Johnslon Pater & C
Navio 8ahido no mesmo dia
Babia o-escala Vapor nacional GuoAy, comman-
dante Domingcs Viega, carga varios gneros.
Observac&o
0 vapor nacional Guahy Bahio para os pollos
do sul hoje e nao ji 8, como por engao foi mi-
blicp.do.





I
i
%
DULAS
DO
Banco Nacional
Troca se, pagando bom premio, cdulas da
emissao p*gael era ouio, do Bao Nacional
no arm aem n. 4, a ra do Commercio.________
ClubllIilitaF
Por ordem de cidado presidente, convido oj
cidados socios para a sessao ordinaria, que tera
lugar no dia 10 do correule, s 6 horas da
tarde.
O secretario,
R. Nano da Costa
..
IART1I0S
Cempanhia da Isla Real Portu-
gueza
O vapor Malange
E' espetado de Lisboa at 6 dia
18 do corrente seguindo depois
da demora do costme para a
Baha, Rio de Janeiro e Saatos
Sobre fretes e passageiros trata-se cora os
AtiKNTEb
Pereira Cameiro & C.
6-RA DO COMMERCIO6
Io andar
' CHAfeGttRS RNIS
Companhla Francesa
DE
liaregacSo a vapor
f.inhn quinzenal entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro r
Santos.
O vapor
Ville de Pernambuco
Commandante Koux
Espera-se dos portos do sol at
o dia 10 de Maio, seguindo
.depois da indispensavel demora
para o Havre.
Entrar no porto
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e fferece excellentes commodos e ptimo pas
iadio.
As passagens podero ser tomadas de ante
mao.
Recebe carga, encommendas e passageiros
para os quaes tem excellentes accommodacoes.
Para carga, passagenB, encoraan-nas e Ai
nbairo a frete: trata-se cora c
AGENTE
Aiguste Labille
9-RA DO COMMERCIO-9
Jompanhia Baha oa de Na-
vega^ao Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Babia
O VAPOR
Principe do Go-Par
Commandante Lacarda
E' esperado dos portos cima
at o dia 14 de Malo regresian
, do para os msenos depois da
kdemora do oostume.
- carga, passagens, encommendas e dinei-
o a frete trata-se com o
AGENTE
?edro Osorio de Cerqueira
17Ra do Viqvrio 17
oaipiaabia B rasileira ca;
Navegacao Vapor
PORTOS DO NORTE
Vapor Espirito-Santo
Commandante o Io tenente Guilhernie
Waddington
E' esperado dos portos do su
at c dia 12 de Maio e se-
'-guindo depoit da demora indis
" enaavel para oportos do nor-
te ale Manaes.
As encommendas s serao receidas na agen
cia at 1 horada tarde do dia da sahna.
Para carga, passagens, e ncommendas e vale-
res rata-se com os AGENTES.
PORT03DO SUL
O vapor Para
Commandante Roberto Ripper
E' esperado dos portos do-nor-
te at odia 14de Maio e de
rpoB da demora indispensave
^seguir para ot portos do sul
As en uwuieudas sero recebidas na ageheia
at i hora da larde do dia da sabida.
Para carga, encommendas, pas.igess e valo
res trata-se com os
AGENTES
Pereira Cameiro & G.
6=Rua do Commercio6
1 andar
United States and Brazil
?i s. s. c.
Ovapor Advanee
E'esperado deNevfYorli
at o dia 13 de Maio
o qual depois da de
mora necessaria seguir
_ para a
Baha, Rio de Janeiro e Santo
Para carga, passagens, encommendas e di-
oheiro a frete : trata-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Commecior8
1* andar
LEILOES
______Irii
fallid
leilo o qu- au na e um ou mais
lotes, a vor compradores.
O balance em poder do mesmo agente, ra o
Imperador n. 39. ________ ,
Leilo
Agente Brito
De movis, loncas e vidros
Urna mobilia de junco, 1 dita de amarello, 1
cama franceza, 1 guarda vestido, 1 toilette, 1 com
moda, 1 lavatorio, 2 banquinhas S marquezOes,
1 cabidrde columna, 2 ditos de parede, 1 cama
para menino, i berco 1 mesa elstica, 1 guarda-
louca, 1 guarda comida. 2 aparadores, 8 cadei-
ras de junco, 10 ditas de amarello, jarros, lanter-
nas, louca para almoco e jantar, callees, copos,
garrafas e ou'ros mui'os objec os.
O atiente iciraa, autorizado por urna familia
que retira se deste estado. fara leilo dos obje
dos cima declarados, cujos movis forera trans-
portados do Arraial para a ra Formosa n. 31,
1. andar.
Wabbado, lO do corrate
A's 10 1/2 hora*
2e ultimo leilo
Do terreno de equina 4 roa Imperial defron-
te da casa do Exm. Sr. Bario de Araripe, com
alicerces, soleiras e sepas de pedra tende o
comprador direito meiac/io do oilo da casa
annexa. importante ponto para nm estabeleci
ment de molhados, servindo de base a offerta
de 910. obiida no 1* leilo.
Seguoda-felra. do corrate
A* 19 horas
No armazem travessa do Corpo Santo n. 27
Asente Pestaa
8tfr* praf
Com] como tamben.
moedas, a ra do Cabug
n. 9., toja de Augusto Reg.
Herculano Baptista de Car
valho
Pede-se a ste senbor para vir ra larga do
Rosario n. 27 prestar coatas das cobran gas que
fez em Setembro do anno Ando, em Qouro d"An-
tas e Matta Virgem.
~ PAPEL RIGOLLOT
MOSTRDA EM F0LHA% pan SIHtnSMOS ,
INDISPENSAVEL AS FAMILIAS
E AOB VIAJANTES
s& do mando Intelro.
Agente Slveira
Leilo
Da casa terrea com sotao, sita roa Pan
lino Cmara n. 33, em terreno proprio
Segnnda-felra lldo correte
A's 11 horas
No armizcm ra Estreita do Rosario n. 8
0 agente Silv ira. por mandado e com assis
tenciao Exm. Sr. Dr. juit de direito da prove
doria, a requerimento da inventariaote do finado
Manoel Jos de Aimeida atanho, levar a leilo
a referida casa, com porta e janella de frente, 2
salas, 2 quartos, cosinha externa no pavimeoto
terreo, e no pavimento superior 2 salas, 1 quarto
de madeira e um terrado de nedra e cal, me
dk do de largura 4 metros e 1 centmetro, e de
fundo 12 metros e 50 centmetros, grande quin-
tal murado.
Os Srs. pretendentes poden; examinar.
Em contimiacao
O mesmo agente por mandado d'aquelle juizo,
levar a leilo 1 casa de taina coberta com telba
e parte com zinco, teodo 1 porta 1 janella de
frente, 2 salas e I quarto, mede 35 palmos de
frente, e 202 de fuodo, em terreno proprio, espo-
lio de Thomaz da Costa.
Leilao
De 90 fardos grandes e 115 ditos pequeos com
alfafa. vmdos no lugar yn
Negaoda-felra, 1 do corrate
A's 11 horas em ponto
- No trapiche da Compaohia, sito ao largo
no Corno Santo
Em lotes, vontade dos compradores
Por intervencao do agente
Gusmo
Leilo
De moris, quadros, esje!ho oval, porce-
)f as, loucas, vidros etrem de cosinha
Tcrea-felra. 13 do correte
A's 10 e 1[2. horas
No 2 Andar do sobrado ra Duque de
Caxias n. 57
Constando
"De 1 exceireBte mo .ilia austraca com encost
de palba com ti cadeiras de guarnio, 4 ditas
de bracos, 1 sota e 2 apnsolos com pedra, 1 es-
pelho oval com moldura dourada, 5 quadros a
oleograpbia, 6 eiageres, 4 pares de jarros, 2
porta flores toscos, 6 cadeiras de pao-carga, 1
jardmeira de junco branco com pedra. diversos
enfeites de paiede, vasos de louca para flores, 1
cama para casal, 1 guarda roupa, 1 toilete com
pedra. 1 lavatorio. 1 commoda, 3 cabides de pa
rede, 1 marquezo largo, 1 dito estreito, 2 meias
cemmodas de amarello 1 banc.', i camas de
ferro para menino, 1 dita de faia, i sof d jun
co para descanco, 1 mobiha de Jacaranda com
pleta. 1 mesa elstica de nogneira com 6 taboas, 1
aparador com pedra, 2 ditas torneadas. 1 sof de
Jacaranda, 10 cadeiras de dito, 1 sof de junco.
2 consolos de dito com pedra, 1 cadeira de dito
com bataneo, 9 cadeiras de dito de guarnico. 6
:uadros de madeira em alto relevo, 1 guarda
comidas, 1 mtsa para jogo. 5 quadros, 1 mesa
de ferro, 1 banco de jardim, 1 candierb de sos-
nenco. langa e pertences para cortinado, sane-
las e pertences, 2 jarras com torneiras. 2 pape-
leiras de palba, 2 capachos de coco, 1 lavo tono
de ferro com jarro e baca, 1 selim com pouco
uso, 2 consolos de amarello, 1 mesa de cosinba,
porcelanas para almo e jantar, 1 licoreiro, lou
cas avulsas, copos, garrafas, clices, facas, co-
Iberes, 4 bandejas, trem de cozinba e muitos ou
tros objetos do uso de casa de familia.
0 agente Gusmo, autorizado por urna familia
que retiren se para a Capital Federal, far leilo
dos movis cima mencionados, os quaes foram
transportados de Caxang para o referido so-
brado.
ftoyal Blend marca VlAO
Este exoe'letite Whisky Escocea pr
terivel ao cognac ou agurdente de cae
para fortificar o corno,
Vende-se a retalno nos melkores arma
sena de molhados.
Pede Royrt! Bend marca Tlado
cojo noine e emblema aSo registrados pars
todo Brazil.
BROWNS & C, agontea.
Herculano Baptista de Car-
valhd
Convida se este Sr. a comparecer i rila Du
que de Caxias a. 65, loja, a liquidar negocios. -
De Sorocaba
Declaro que soffri muitotenpo, fazendo
uso de medicamentos sem resultado, e,
usando tres aias apenas daIojeojaj M.
Morato sarei completamente de urna
chronica goaorrha qne me atormentava
Faca uso deste como convier.
Antonio F. Fontoura.
Est reconbecida a firma pelo tabelliao.
Agentes depositarios em Pernambuco :
FranciscoxM. da Silva & C, ra Mrquez
de Olinda n. 23.
',
AVISOS DIVERSOS
Leilo
Ae 32 pares de sapates inglezes, sapatos de
barlote, movis, lencas, vidros e muitos outros
obiectos
abbado, AO do corrente
A's 11 horas
No armazem da roa Mrquez de Olind
n. 48
Fm contlBuaco
Diversos barris com sardinhas novas
POR mTERVENQO DO AGENTE
Gusmo_____
Leilo
Da srmacao, balcao, gneros, cofre (prova
de logo), carteira e alguna moveB
abbado ti do corrente
A's 11 horas
Ra do Livramento n. 16
O agente Stepple por mandado e parecer do
Exm. Sr. Dr. juu de direito especial do com
Aluga se urna casa com bons commodos e
quintal, em Sanl'Auna de dentro n. 6 ; a tratar
na praca de Pedro 2.a n. 2, escriptorio.
-- Alugamse casas' eatadas e pintadas dch
nudos de S Goncalo, a 8*000; t tratar na"ni
la Imperatax n. 76.
Aloga-se por preco commodoo sobrado n-
155 ra Imperial, por partes ou todo, preferin-
do se atugal-o todo : qujm o pretender dirija se
ra do Imperador n. 36, 1 andar, direita.
Aluga se a casa n. 4 da roa Princeza Isa-
bel, com agua e gaz. muito fresca ; a tratar aa
ra da Aurora n. 85, taverna.
Precisa se de una boa cosinheira para
casa de familia, que durma em casa t seja ma
triculada ; a tratar na ra Nova o. 39, segundo
andar.
NADA DE
VBRDADEIRA
qoaoolevea
FIRMA
tinta
ElCiBSiU
A* randa m todmm ma FharmaciSiO \
DEPOSITO OEBAX.: AVENTJE VICTORIA. 24 "
PARXS
O mato
Imples.
o mals
oommodo
*
mals
efficaz
dos
Revulsivos.
EXIGIR
(a MARCA
para vitar
a ContrafacQet,
Carimbos de borracha
Recebeit-se encommendas e fuen-sc carim-
bos de borracha de qualquer formato e para
marcar roupa em 24 oras ; na Livraria France
xa, na l. de Marco n. 9.
Precisa-se
De nm criado de 12 a 15
annos para o 3. andar da
typographia do Diario de
Pernambuco.
Excel lente morada
Aluga se i grande casa e sobrado do Dr. Ay
c i Gama, na estrada de Joo de Barros, perto
das esta^es da En -ruiilhada, das ferrj-vias de
Ohnda e deLimoeiro, com immensas accommo-
dacoes, jardins, arvores fructifens da melbor
qualidade e vasto terreno, quer para plantacOes.
qner para criago ; a tratar no mesmo sitio.
Ao commercio
Alexandre Antonio da Silva uliveira declara
a quem intereastr possa, que tendo compado
ao -T Manoel Francisco de Almpid i, a 3 do cor
r-nte, o hotel denominado Ancordouro, ra
Mariz e Barros n. 9, livre e desembaracado ; pe-
de a quem te julgar credor de apresentar suas
contas para serem pagas.
Ao
commercio
O abaixo assigmdo, tendo de retirar se para
fora desta cidade, pede aos senbores que teem
transiiCcQps com elle, de remetterem sua3 con-
tas at o da 20 do corrente, rna do Imperador
n. 61, primeiro andar.
Arthur de Mello.
A's maes de familias
^OERKI8 V08S08 FILH08 8EMPRKSADICS
Adminstrae-lhes o XAROPE ou as
Plalas Vermipurgalivas
DO DR. GALASAKS
ptimas prepara95es de mastrnz
a rhuibarbo, para a expnls&o completa, sem
dores nem incommodo, dos vermes
intestiuaes ou lombrigas
(DA8 CKEAN9A8 E DOS ADULTO8^
SEIS ANNOS DE SCCESS!
c Estas excellentes preparacoes n8o ne-
cessitam de purgativos como auxiliares
visto serem purgativas por si mesmas. >
As pesBoas que tm vermes sentem co
licas, tem constantemente diarrhas, ind:s
posicSo, sensacao de corpos que se movem
nos intestinos, endurecimento do ventre, e
s vezes, vmitos. Rangem os dentes, quan-
do dormem, e algumas pessoas expellem
vermes com as fezes ou com as materias
dos vmitos. As oreancas apresentam ss
pupillas dilatadas e inapetencia.
As pillas levam impresso o nome de
DK. CALASANS e sao c6r da rosa.
1 caixa de pilulas Ii2t0
1 vidro de xarope 142( C
AS PRINCIPAES DROGARAS E
PHARMACIAS
PERFUMARA mgleza
r.xc:de todu aa ontraa pelo bou
perfume exquisito.
EA8 BE TOILETTE BE LOIDSES
DE ATKINSON
S iooa:i*tuvfl ptxa refrescar e giuviza/ *
peUe pela iuxo-ivel escolba 4*
Perfiimcs para o lenr.. Artigo?
vanicutc.
Eaconfrt-Mi em Cara.de todos o$ ffaja-
eantes e^FsDrictntu
4. t% t, MrUNSON
24, Od Bond Street, Londrec
arca dFalirn mi "^>s*branca"
obra urna I>yr d oaro "
Dous mila^res
Illm. Sr. D. Carlos Tomei o sea re
medio o Elixir M. Morato e foi com
elle quj pude earar das boubas que soffria
bu muito tempo e que deocorocoava por
nunca melhorar ; um meu visinho que
tambem soffre ^ largou de tudo que Ihe
receitaram e est tomando o seu mesmo
remedio. fct '
Agradecido pelo conselho e sou obriga
dissimo.
Santos.
Albino Jos CouXo.
Illm. Sr. D. Garlos. Eu e todos de
casa, faz muito tempo, que soffremos hu-
mores de boubas, com dieta sem resulta
dos. Fizemos uso agora do Elixir M.
Morato, propagado por D. < arlos, e
sarmos completamente.
O remedio, alm de ser muito bom,
anda tem bom gosto, pois as coiancae
bebiam com facilidade, misturado com
agua.
Sap.
Firmino Aguiar.
Roubo de vestido
Roubaram na noite do dia 8, M 7 para as 8
horas da noite, um vestido de cambra a e diver-
sos pertences do mesmo vestido, urna tesoura e
maie 1J em nikel, lu lo em um tmbrulbo, da
casa n. 186 da la Mrquez do Herval ; quem
apprehender, querendo entregar, ser gratifi
cado.
1^1)60 MK
Rna Mrquez de Otfnda n. 13
Armazem de cerveja, vi-
nhos, champagne, licores,
cognac, aaua mineral, con-
TT
servas, etc.} etc. nico
deposito da afamada, cer-
veja Phoenix de Dartmuud
e do chocolate Ph. Su-
chard de Neuchatel pre-
miado com a medalha de
Ouro na Exposi^ao Univer-
sal de Pariz em 1889.
Agencia da -grande fa-
brica de charutos Danne-
mann & C, S. Flix (Bahia).
Criado
Precisa-se
t-1 n. 19.
de urna ama ; na ra do Ran
utfe.cci &e U ca;al sem tiihos para fei-
tor ; quem precisar procure na ra Formosa nu-
meio z7.
PatacOese outras moedas de mroe prata,
compra-se pilo maior piegu ; na ra do Com-
merclo n. 4.
Torqualo L&ureolino Ferreira do Mello,
professor jub lado na 2.* cadeira do Recife, les-
iona primeiras 1- ttras, portuguei e francei, por
precos razeaveis : no pateo de S. Pedro n. 3.
primeiro andar________
Tendo se extraviado umc< nhecirmni"
ta de i.lOfOi'O c< n spr"d<-;.
que tu clin 30 Cff >' I
allm d arremaiai a obre dos r*iaros da ponte
de Afolados ; pejo .i quem o arhar qu; ir i ra-
treyar ao abaixo asstgnado qo r* gtatt&
Joao Lid : uflorrque.
Vende tt- cu adiuuie re ouj tuchi ni al-
, ir? o bott i ti i lt^u iiii I
i O .O-iVO C O i.+dU iij \i I I
ment aos gueies.
Precisa-se de uai criado
Caxias n. 70, l andar.
na ra Duque de
Caixeiro
Precisa-se de um menino que tenha pratica
de molbad >s eque d fiador de sua conducta : a
tralar no Caminlio Novo b. 79.
Club das toi radas
O' Sr. Venaaco das Picea, nade arranjou
V. S. aquelle tubo con que se c ncu p-ra fazer
Dio r.d.. ? Ex T.gipi uao a
tubo to formidavel, nem mesmo os das machi-
nas do Cariara. Sero .quisicOes a casta do
erario das torrsdinbas ?
Patacoes velhos
Compra-se na relojoaria David, ra de C.ibu
14.
Alila nova
Sella 30 rs. uk;-. em fai loa 60
de se no aruiazim a iua da Madre di! Deus nu
mtro 10.
diado
: recita e de tui triado para s.-rvi(S domes-
co ; uoPaco du 1-atria n. 5, quinta caa.
A o commercio
ma Urtii cidu )S;m, dei-iara ao <
commercial que deixu romo a.:u piucurador pa
ra todos os otfcitos ao Sr. t-nente-coronei f
cisco Pedro Boulitrean. Recite. ;1 de Mato de
1890.
Para engenhos
GUIMARES 4 VA LENTE, parteci
pam aos seas fregaezes e IIIras. Srs. d<
engenbo que, como sempre, tm grande
deposito aos artigos abaixo mencionados
garantindo tudo de prmeira qualidade
precos sem competencia a saber
Cal nova de Lisboa,
Dita de Jaguarbe.
Cimento portland.
Oleo de mocot.
leos americanos
especiaes para machinismoa.
Azeite de coco,
Dito de carrapato.
Dito de petxe.
Pixeemlata.
(5 galSes.)
Kerozene inexplosivel.
Graxa em bexigas.
Gaxeta. de linho.
Potossa dv Russia.
(em cairas, barriquinbas, latas grande
e peqaenaB.)
Formicida Cqpanema.
6--Corpo-Santo6
Professra
\]m.\ sechora habilitada offerece-se par
aliar iu caBub p on seus arrabaldep, as seguintes materias
prtuguez, francez, iuliano, thecrico e
p tico, fallando as lingaas correctamente,
ge-jgraphia, trabalLo do uguiba inclusive
Sores, mu
]n;i ^.- to tUif
ipuKfc, ito aue servirlo ae prors as
que actualmente ensina ba mais de annos.
Pnde se"r procurada na Livraria Con-
tempornea, ou n* ra da Ponte Velha
o. 1P
INPALLIVEL e RADICAL
no colativo de todas as affeccOes bronchiaes:'
Mal do Garganta, Toase e Tsica
-4o-
PEITOBAL
De ANAOAHUTE.
Remedio Vegetal da Natnreza paia o 7H-
vio e cura de todas as molestias
Do Peto e dos Pulmoes.
Ama
s
Precisa-se de urna boa cosinheira a tratar na
roa da Unian n 5.
Santa Casa de Misericordia
do Recife
Ellaa Baptiftin da Silva
A junta dminisiraiiva da Santa Casa da Mise-
ricordia do Recife far celebrar no da 10 do
corren e, pelas 8 horas da manh. na igreja de
N."*. do Paraizo. urna missa solemne, acompa
nharla pelas mocas da casa dos expostos, pela
alma do bemfeitor Elias Baplista da Silva, seti
mo anniversario de sen falleeiraento, e para esse
acto solicita o coOparecimento dos parentes e
amibos do finado.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 6 de Maio de 1890.
O tscrivao,
__________Pedro Rodrigan de Souza.____
t
Juac Pereira da Cotia
Anna Rita Pereira da Costa e seus tiihos, Ju-
lia A. Pereira da Costa e feus filhos, Joo Perei
ra da Costa, sua mulher e filhos, Nuno Alves da
Fonseca esua mulher Manoel Gonca'ves stella,
sua mulher e seos cunhados, Jo.* Lourengo de
Oliveira, sua rculher e filha, agradecem sincera
mente a todas as pessoas que se dignaran aom-
panhar ao o miterio publico o cadver de seu
sempre chorado esposo, pai, av, sogrO e cunha
do, Jos Pereira da Cosa ; e anda pedem a to-
dos os seuB parentes e amigos e aos do finado o
caridoso obsequio de as.-isiirem as missas do
stimo dia do seu fallfcimento. qe mandam re-
zar por alma do mesmo. no dia 1" do correnus
s D1/2 horas da manh, na matriz do Corpo
Santo, pelo que antecipam sena agradecimen
'a- 1 1
ttmsmsm
i
Som Antonio de .4 ran jo i.lvra-
ment
S ti mo d i a
Maria Moreira de Araujo Livramento e seus
fjlhos,Visonde3sa do Livramento, Carolina S a
res de Amorim Moreira e seua filhos. Ano Mar
ques d. Amorim, Joo Moreira de Araujo Livra
ment, sua mulher e filhos Dr Francisco de
Assls Rosa e Silva, sua mulher e fllho?, Dr. Jos
Marceliino da Rosa e Silva, e sua mulher, Can
dido AtTonso Moreira e sus mulher, Francisco
Augusto de Araujo e eua mulher, viuva, mi,
sogra. av, irm&os, cunhados t tio do finado Jos
Antonio de Araujo Livramento, convidan) a to
dos os amigos para ussistirem as missas que
vo ser rezadas s 8 horas de sabbado 10 do
corrente, na matriz do Corpo Santo, pelo que
desde [a Ihes ronriem un vol de grati'iao

anlonia Bosa de Jetun
Joaquim Antonio c'a Costa, tendo recebido a
infausta noticia do fallecimento de sua prezada
irmS Aa;onio Rosa de Jess, em Portugal, con-
vida a todos os seus parentes e amigos para as
sistirem as missas que manaa rezar s 8 1/2
horas da manh, na matriz do Corpo Santo pelo
seu eterno repoueo, no dia 20 do corrente, tri'
gesimo dia do sea fallecimento, confessaodo fe
>ummamente grato a todos que assistirem a este
acio de religio e caridade
1- .
Pedro tioncalvea Pereira Lima
Manoel Goncalves Pereira Lima e sua mulher
D. Candida Pereira Lima agradecem s pessoas
que asslstiram aos ltimos sufragios feitos pela
alma de_seu prezado fllho, Pedro Gongalves Pe
reir Lima, e convidam aae seus parentes e
amig is para assistirem as missas que por alma
do mesmo seu filbo mandam celebrar s 8 horas
da manh do da 12 do corrente, stimo dsse
pagamento, na nx- tgU> dJj.'ia,-V,i-ta.
LULAS
Para o tratamento i pnmpta cura dat '
Molestias do estomago e dos
intestinos, molestias do Arado,
dispepsia, indigestQes, clicas,
nauseas, diarrfiea, prisSo do
ventre, falta de appetite, incom-
j|i#dos depois .da comida, enxa-
quecas e dores de cabeca chroni-
cas, rheumatismo e nevralgias,
molestias da pelle, molestias pe-
ridicas das senhoras, e, alm
destas, multas outras enfermidadesque se
classicio debabeo de urna iuflnidade de
nomes, todas porm, oriundas da mesma
causa,a saber;
Desarranjos dos orsrffos de di-
sestSo e assimilacfio,
donde provm a impureza e o enfraqneci-
mento do sangue, com a debilidade e con-
gesto de todos os orgio vttaes do sys-
tema.
Procurem-se
AS P1LLAS CATHAnTICAS DE AYER,
PREPARADAS PELO
DR. J. C. AYER & CA,
Lowell, Mass., Est.- Unidos.
Dxaposiio Una*'.
>=- t.
Cozirileira
Precisase de urna cosinheira para casa da
peqm na familia ; a tratar na ra Duque de Ca-
xias n. 60, i andar.
Superior vinho de l-
colia^a
O acreditado e autigo armazem do Lima par-
ticipa ao publico e aos seus freguezes qu" acaba
de receber urna uova remeesa deste especial
vinho, escomido propnamente pelo chefe desta
casa, tornando fe recommendado' por ser puro
de boa qualidade.
Jos Fernandes Lima 4 C ra Baro d Vic-
toria n. 9
_________ Telephone 323
luga-se
no pateo da igreja do Poco da Panella urna casa
com 4 quartos, 2 salas, cosinha fra e copiar: a
ratarna ra da Impera'.riz n. 76.
Alaga-se
ama boa casa com bom sitio,- no Arraial, prxi-
mo Casa Amarella (becco do Bartbolomeo n. i):
a tratar na ra de Pedro Affonso n. 12.
Aluga-se
a loja dosobrado n. 67 ra do Bartbolomeo,
propria para qualquer e.-.iabelecimen'.o por f^par
'onfronte a crande ettacao de Caruar e^er
muito coneorido o lugar ; a tratar na ra larga
do Rosario n. 34. bolka.
Aluga-se
o sobrado de um andar e soto ra do Bartho-
lomeo n. ri7. com bons commodos ; a tratar na
ra larga do Rosario n. 34, botica.
luga-se
a casa terrea sita ra de Joaqoim Nabuco s.
30. reedificada, com accommodacSes para gran-
de familia, ani nua, bar.heiro, bom quintal, de
prego commodo, a tratar na mesma ra n. 28, on
ra do Mrquez de Olinda, o. SU.
Aluga-se
o i- andar do sohrado ra do Imperador nu-
mero 27.
----------------------------------------.-------------------_
Altiva-se
o 2- andar do predio n. 30 ra Mrquez da
Olicda, por 16# por mez ; a tratar na pharaacia
francesa ra Barao da Victoria.
5tffgrr|
Precita se de urna ama que co.-inlie bem ; na
ra imperial n. 17.
Ama
Piecisa se de ama boa cosinheira para casa
de familia ; a iratar na ra do Crespo n. 11,
loja.
Ama
Precisase de urna cosinheira para casa de
pouca familia : no pateo ao Livramento n. 22,
segunde andar.___________________________
Ama
No beco'da Liogoeta n.J, precisa se de urna
ama [ara casa de pequea familia, para cos-
nbar.
Ama
Precisa-se de urna boa cosinheira para casa-
de pequea familia, que durma em casa dos
patres e sej matriculada ; na ra de Fernan-
des Vieira n. 29.
Ama e criado
Precisa se de urna ama e de nm criado
ra do Camarao n. 1.
na
-
*
t
Com
endador Manoel Jone Ma-
chado
D. Margarida Julia Purreira Machado manda
celebrar missas por alma de seu finado marido
0 cummendador Manoel Ts 8 horas da manba de quarta-feira 14 deste
mez, na igreja do convento do Carmo do Recife,
na da cathedral de Olinda, 2- anniversario do
passamento do mesmo finado A's pessoas que
se dienarem assistir a esse acto de piedade e
relicto ronfe'sn-sp 'Xtremameitp grata.
t
Ama par* cosinhar
Precisa-se de urna ama pra cosiobar ; a tri-
.ift-aa praca Haciel Pinheiro n. 26, sobrado
amarello._____________________________ -
Menino
Quem precisar de um menino com jUzuma
pratica,de taverna, chegado ba pouco ta Europa,
dirjase ra da Madre de Dtus n 3, hotel.
Morada excellente
Alagare barato na ra do Hospital Pedro %
lugar dos Coelhos) urna casa assobradada,
com agta, muito fresca, prximo do banho
ialad,- grande quintal commodos para familia
snmerosa ; a tratar all das 8 s 10 horas da
manb. com Joaquim Mo eir Reis.-qne alli alu-
ga tambem casas de t*, 8 10*000.
Angellno
Beo Jos
An
Jo don lanle
drade
dos SanU^s Aodrade (ausente) e
Francisco de Oliveira L'-it'- Guunare*, irmo e
amigo, convidam ao3 seus amigos1 e aos do fal-
lecido AngelinO Jos dos Santos Andrade, para
assistirem a urna missa que por sua alma man-
dam rezar na-igreja gb N. S daConceigo dos
[.Militar.sr a- 8 hora; '(.a mau do da 13 do
corrente, s-timo do seu passamento. Antecipam
os seus agnidecimenios.
t
onventura Comen da Coala
A directoria do Monte Po P-irtuguea manda
rezar ama missa por alma do seu finado conso-
cio, Boivp'n'nra Gomes da Costa, trca-feira 13
4aacrftat?, 'ilgtsimo da do sru pasamento
P..C ujj aiu, i,u. te. lugar pelas 7 hor.s da
manha, na igreja da Madre de Dsus, ccnvida aos
senbores socios e amigos do raesmo finado.
Secretaria, 9 de Maio de 1890.
Manoel Velloso,
2 secretario.
Declara^ao
Antonio Noguei a Cale lio Branco faz sciento
ao publico e especialmente ao commercio,, qua
d'ora em diante passa a assignar-g* Antonio d
Padua Nogueira. Recife. 5 de Abril de 1890.
Antonio de Padoa Nogueira.
Ao
commercio
Manoel Francisco ue Almtida, tendo vendido
a 2 do corrente ao Sr. Alexandre Antonio da Sil-
va Oliveira o hotel denominado Ancordouro,
sito ra Mariz e Bar os n. 9. livre e desemba-
racado juljaudo nada defer, pede a qaew sa
julgor seu credor, apres serem paga<
D. Amelia. Alves da S Iva Oliveira, seu mari-
do o filos mandam ctlt brar missa no trigsima
dia do fallecimento de seu irmo, cunbado e tio,
Herculano Alves da Silva, < 8 horas do da la
de Maio, na matriz da boa Vista. Convidam aoa
|( ^eamigos^^^^^^^^^^^^^^
T
:
^-


?.

i


':,

?
V

>




LOJA DO POVO
HRa i; de MarcoII
Com este titulo acaba de se abrir, roa 1." de Marco n., 11 ama laja de fazen
das e snu proprietario convida o publico d'esta oidade e de fra a apreciar o seu
BELLO sortimento. Muitas de suas fazendas sao recebidas directamente.
GRANDE HOVIDADE rg
Descont de 1(V em compras de 200 XX) para cima.
Granadine, pura seda* de 1(581)0 a 80 > ra. o covado.
Toile pura 4* 4. liJGOO a 650 ra. o covado.
Las com liatrae, preparo de cachemira, a 200 rs. o covado.
Las com prepar- de eachamira a 240 rs. o covado.
i hitas de 200, 220 e 240 r. o covado.
Setinetas de c6res lindas a 3 Zepbyr largo de 8()0 rs, a, 320 rs. o covado.
dem idem o 200 rs. o covado.
dem idem a 160 re. o covado.
','ortes, costnmcB de caearira inglesa, a 125000.
fritos de casemira jngleaa de 3*500, 40000 e 60COO.
Ditos de fustao para cllete de 600 rs. e 20400
Cheviot de 305ii', '3Qi)Q o covado.
Oi>semira cor de caf de 3*000, a lOOO o covado.
Casacoa de Jers?y para aenhora & 30OGO e 60000.
Merm preto a 500, 200 e 10200 o covado.
Dito de cor a 400 rs o covado.
Casinetas finas de 500 rs a 360 rs. o poyado.
Colchas de crochet de 8000 a 305CW.
Cortinados lindos a 6\J00J.
Bramante de 10 palmos a 10400, a vara.
Ver para crr s na
x^ar.A. iidpoyo

FABRICA OE LIVROS DE ESCRITURADO
BUCABIIHACAO + MVTAOAO
ANOEL J. DE GQlRANDA
8&1V3S MM MOTAS
- 39 KA *> DUQUE # DE CAXIAS -*- 39 -
NUMERO TELEPHONICO 194


Pantufla* 'L. iHbl$!&X ctrtn Ji v^olaut
Estar F**tiiiA.*, ,*e sipor agr^davei. estsc r;{;arosajneEe ottd&a.
r> jSs P~(Hha.touamJXS M*V'(*bf ' Sf^ssfi es!: l pess* p* ?*, ir*p mm:m feww. -w AUtis.

2li-Roa de Jaiias Tinge e hmpa crna maior perteicao toda a qnahdade de estofo e fazendas en
pojas ou em obras, chapeos de feltros ou de palha, tira o mofo de fazendas ; todo
trabalho feito por meio de maehinismo aperfeicoado, at hoje conhecido.
Tintura preta as tercas e,sextas feira, tinta de cores e lavagem todos os dia>
SOLUCAO e CAPSJL.S
de Antipyrina do Br Clin
Laaraado pela Facuic/ade de Medicina de Pariz. Premio Montyon.
O Bfelhor Remedio contra a Enxaqueca,
A Verdade-a. Soluifo de An ti pirita, (Jo E'f Glina*ssu^yma poderosa
accao para acalmar as .ilres de : Lumbagos, TortieolU, Neuralgias, fScuUica, Mens-
truacio difficil, Clicas violentas e os Accessus de Goia e de llkeumati*mo.
c A Antipyrina pode ser considerada scientif icameme como o medica-
mento mals poderoso contra a dr. > HcademiadiSci;ncw.Se'^odiied^Abr,lb'iga7).
Pose : Tome-sV cada dia de 2 4 colhres da Verdadeira Solucao do
Antipyrina do Dor Clin.
NOTA.Q-ks Capsulas de Antipyrina do-D*r-Clin>saO destinadas s.pessoas
que nao podem tomar a Solucao.
. Gasa Clin e km PARIZ, e fhabmacias.
m
^
\1 lilil- llfl
Oiicina de costuras
FAZENDASE tfOUA'S
Ricos cortes de seda e phantasia.
CompleiosorUmeiito.de tecidos, confec-
coes e chapeos, apropriado para a presante
esta gao para o qual chama va a ttiujao dos
seus freg^ezes.
Ra do Cabug n. 1 A
PARA DORMffi CCMMODAMENTB
5 3
3 "
o s ,g
-o s
s
es 2 m
es S -3
SP4
LOTERA
no
ESTADO DE PERNAMBUGO
EM BENEFICIO DA
Santa Casa VNDESE NA LOJA DAS LISTRAS AZES MAIS
KOVIDADES
AS SEGUINTES
Espertadores e relogios com movimento.
Tesouras finas, quese do bram, a 1(J500.
Porta-lanterna para, theatro, a 1|$000.
Sabonetes para pannos e sardas.
Gramnos, novidade, para trancas.
Lapis-caneta de ouro romano.
Caaivetes de daas a qnatro folhas finas.
Oleados com repartimentos para mesa.
Sabonetes para Iimpar cuco e prata.
Albuns para retratos, a 3>000.
Bordados finos^ peca de 4 1/2 metros.
Fitas de todas as larguras e cores.
Biccos e rendas hespanholas.
Espartilhos de setim para noivas.
MadapolSo fino, peca com 10 varas.
Morim Lavrado cdm 20 varas, a 5^000.
Percales claras e escuras a 200 e 240 rs.
Setim branco e todas as cores com listras.
Surak, todas as cfires, a 1(5400.
Velludos1 pretos com con tas e palmas.
Cassas de ramsgens com lindas cores.
Teoido arrendados brancos e de cSres.
Cortes bordados em cartSo a 9/J000.
Cortinados bordados e da crf'cbet.
Colchas braceas e d cores, a 2|JK)00.
Crochets para sof e cadeiras.
Bramantes de linho e algodao.
Atoalhados lavrados em relevos.
Ouardanapos grandes e pequeos.
da se descontos e imitas vantagens
Meias de seda para aenhora.
Aos compradores de 20|JOOO para cima
para vendedores.
A' ra Duque de Caxias n. 61
LOJA DAS LISTRAS AZES
INJECTION CADET
Cura certa w 3 das sem ontro medicamento
JPAHIS T, Boulevard Jtenoin. 7 PARS
Depsitos em todas as principae- Fharznacias e Drogara
Cambraia branca bordada a'4f5O00.
Atoalhado pardo de linho com matizes
brancos a 35000 o metro.
Cambraia Victoria a 25800 a peca
EsguiSo de algodao a 5&5 0 a dita.
Crep de algodSo a 240 rs. o covado.
Sahida de bailo a 1,5000, 1*500 e 2*000.
Cretone voile a 400 rs. o covado.
Caaacos Jersey a 650OO.
Vestidos para meninos a 4*000 um.
LS Amazonas a 400 rs. o corado.
Cheviot, preto a -2*500 o covado, dnas
larguras.
Bramante de linho, quatro larguras, a
1*6 Ceroulas de bramante a 14*000 a duzia.
< ortes brancos bordados a. 18*000.
Leques transparentes a 2*500.
Colqh de c 'res a 2*0JO, 3*000, 4*000 e
5*000.
Meias para omem a 5*, 6*000 e 7*000.
Flanella azul para roupa, duas larguras, a
2*500 o covado.
Linn de cores a 500 r. o dito.
Creps matisados a 440 rs. o dito.
Gazes arrendadas a 500 rs. o dito.
Zephyr de quadro a 200, ,24Q e 280 rs.
Brim pardo a 28<>4 320, 400, e 500 s.
Esguiao pardo a 360 e 400 rs. 2 larguras.
Cachemira de listra, duas larguras, de
2)9000 por 1*400 o covado; de la.
Bramante trancado, duas larguras, a 500 e
600 rs. a vara.
Corte de coilete de fustao.
Seda palha para vestido.
LS escosseza a 240 rs. o covado.
Percales a 200 rs. o dito.
Zphyr, o que ha de mais fino, a 400 p.
o dito, muito largo.
Guarnico de crochet, branco e matisado,
a 7*000 um.
Espartilhos Cornete a 6*000 um.
Espartilhos Trae-fin a 5*000.
Balefas a ;40 to. a duwa.
Toalhas felpudas a 3* 0, 5*000, 6*000 e
7*000 a dito.
Toalhas para banho a 1*800 urna.
MadapotlV tranc do a 10*000.
Popelina b-anc;-- de eda.
Alpaca branca lavrada.
Camisas allemaes a 36*000 a duzia.
Fusta branco a 3-i rs. o.covado.
Lencos, meio-linho, em caixa,
duzia.
Flanella branca dd la a 400 rs. o covado.
La mesclada a 4 0.500 e 600 rs. o dito.
Cortinados bordados a 6*5110 o par.
. INTEGRAES
A priraeira parte da 1.a lotera deste Es-
tado ser extrahida impreteriyelfiiente sab-
bado 10 do corrate.
Todos os pedidos de buhles desta lote-<
ria devem ser dirigidos thesouraria rual
larga do Rosario n. 9. I. andar.
PELOS CONTRACTANTES
Bernardino Lopes Alheiro.
r
SAUDE PARA TODOS.
tlh0,jE NT0 H 0 L L0WAY

O Ungento de Hollow^y nm remedio infaJlivel para os males de pemar. e do peito; tsmbem pM,
as ridas uitgas chzgas e ulesras. E famoso para a gota c e rheumatismo e para (odas aw fufpilwW .
ades de peito nSo se reconhece egual I
JPan 03 males de garganta, bronchites resfrh.rnentos e tossss, r
Tu-uores dm gjndalas e todas.a* molestias da pelle n<:' sfl samcf.'ijote e Dar os merobrot!
ooptrahida inneturas recias, obra cuuiu k^ encanto. i
I
^sas medicinas fio prepr
i* HE* 0XFOR1?
' O* tx. xpradores
aq t.me"tc no Eslabcl^riir.'nto do Vi&ezsor Hclujwav,
?J5? antes 653, xford Street), LONDRES,
p. veno. an tedas as phamUcias do unve-so.
!o C9Cvidac -s res^eitosamcntR a examinar" Os rotlos de cada caira e Pote. ?;c
auCcso, 523, Oxfcrd Streot, po falsift^Qas.
i
f
-,

l*v
Jr '-'
Completo Bortimento do chapeos, capotas e gorros de fantasas em
curialidades.
Fitas, rendas e bicc de seda e algodao de todas as cSres.
Flores', plomas, passaros, algrttes e bljouterie para enfeites.
Chapete da nutra e castor, os mais modernos, para homens e menino
Recebe por todos os vapores as primeiras novidades de artigos de
gjnerc de negocio.
Kanhael Dias & C.
2 Ra do Barofda Victoria ^2
todas
se
Iiabayaona
Camisas d flanella de 25060 at 5|JO0O. Tapet? grandes e peqaenos.
Cortes de metim, em carao, a 7(J'XK). I tanno da Costa a 10200, 10500, 10600 e
Cortes de eephyr* bordado, a 140000. J08OO.
Variedades
Acha se nessa villa orna diligencia com os re
quisitos desjaveis para prporcforJr aos Srs
a 20500 a passageiros nm mfio de, viajarem cbmmodameo
te de Timbauba i' Itaoayann ao Pilar, e vi<*
versa, facilitando Ihes asm rpido transpon-
do Re' ife Parahyba. spi os inC'iDJmcYdbs e pe
rigos das viagens martimas.
No Recife. a ra Mrquez de 01 in 1a n. 58 em
Timbauba, no hrAel *J- Emilia, em Itabayan;-a
no estabelenmento de Mello 4 C, e na Pa
rabyha.'notl'ParahYbaDO. encontrar ee ha com
qoem tratar.
Extracto Rita Sangale a 20000.
Opiata de Oosnell a 10000
Pasta Rymodonl a 800 e 10000.
Extracto Eii-lo do JapSo.
Extracto Honbigant.
leos de todas as qualidades
Guartiicoes para camisas de ouro
cano a 10500 e 20500.
Guarda-p para hornem a 6A000.
Guar-la-p pi.,TH .ftciihora a K+ftOOO.
Tercos de casemira para menino
p.r$0OOO
ameri-
Extracto Porte Veine.
Extracto Flores Andinas.
Extracto Violeta de San Remo.
Extracto Cruz Verrcelha.
Extracto Flour de Lotus.
ImpPrmeaveis a 500 rs. um.
Sabonetes de divers te qualidades.
de 180
tfam negocio
Admitte-se*um socio com algum capital para
taverna ; a tratar na rna de Domingos Jos Mar
os n. 80. ___.
Rv upas, para banho palff^dos papa Lomem]
'8d006, henhora 100UXJ, menino 60000.
Colchas de damasco de la.
Bordados o ntremelos.
Criado
Precisa-se de um criado com idade de 12 an
nos ; a tratar na roa do Bom Jess n.
maxem.
Luvasdc seda '2>/H>> 2 500.
Sitio na ...Magdalena
Alaga se nm, comenceHeute casa para gran-
de familia, toda pintada e forrada a papel, com
, gaz, agua boa latrina e bond a porta ; trata-se
Hicos.branco, creme, par^o, lisos e mat6ados. com Antonio Gomes de Matto rna da Cadeia
Fidis, meias, oollarinnos, punhos, fitas, toalhas de cores, visitas de seda, numero 25.
Leis Provmias
Vendm-se colleccoe- das
leis prpvinciaes de.Pernam-
buco, dos annos de 1875,
1880, 1881, 1882, 1883,
1884, 1885, 1886, 1887,
1888 e* 1889 : no escriptorio
do Diario.
ei na e c6 miris.
20ua 1. de Marco20
Casa de confianca
DE
Azxiaral & C.
x
Cnadus e co^inhei^a
Na ;ua Direita n. 74. i- andar, u-ecisa-se de
criados que tenham pratica de vender, e d- unu
boa cosinheira q-iesaiba trabalhar bem em bo
' los e em^oulras iguarias de vendagem.
1
O Peitoralde Camba
para
as
Sempre foi, e ser o pi cipal remediogarantido
molestias t-o larynge, broncbos e pulmSes.
. A br-ncliite, aothma.^mal do peito, ronquidao, la yntfitj, coque-
luche e qu: IqiMr tosse, por mai; grave e antiga qtie seja, curtm se esm
o Peitoril du Cambar, medicamento approvado pela Jurta Certral de
Hygiene Publica, premiado com duas medallus de curo de 1.* classe e
rodeado de valiosos attestados mdicos e de innmeros de pessoas cu-
radas. Exija-se a firma do au'.or.
J. Alvares de Sonsa Soares.
SANTAL CLERTAN
aerlas de Esaencla purm
de Santal
A eesencia pora de Santal tem sido expon*
entada com o maior successo pelas celebrt
dades da Europa e da America. E inofFensiva,
mesmo a dose elevad, e nao occasiona nem
diarrheas, nem ('ores de estomago, nem arotoa
como produzem frequentemuite as preparares
4e copab.
A>essencia pura de Santal ^*lo exala cheiro !>
veedor.
/As perolas de Santal do 1> Ortan, prepara-
das com a approvai.'So da Academia de Medi-
cina de Pariz, contin esseniia pura, e na effi-
ecidade certa nos corrimentos contagioso*,
esquentamentos e todas as inflammacSes ou ca-
tronos dos orgtes genito-urinarios.
Podem ser tomadas a todos os periodos da
blenorrhagia. Tomando as perolas de 8antal do
1> Ciertan, os doentes slo asseguradoe de ter uas
producto que mereca toda contianoa. Exigir
t firma.
Venden xa mor parte das pharwsrtM
AZULE jas
Para frente de casas, banhairos
corredores, agongues, sendo de lindas
cores, vendem-se por 60^000 o mil hui-
ro, por er um saldo, na l raga da In-
dependencia n. 40.
I* M2J>AJLSAS de OUKG 8
2 as EjcpotifCe Unirersdes de
Pars 1SVS-18*9

Sordeos (Fraao>)
Depsitos em todas as vendas
de comestiveis. ,
n,mmHtmiiiiiiinmnmiHtim'
G asa e sitio
Alnga-se a casa n. 1, na estrada velha da 'as-
sagem. tem bastantes comraodus e miiic sitio
com muitos arvoredos. 'dons grandes'ariveirose
rouifo tprreno para rlantaco ip capim. onerece
grande vanta^em para qrtini t!Ver ftego;io de
vaccas ou de carracas, e se n* 'arrendanienio
por tempo Ccrto : a t-atar na ra Viscon le de
oyanna a 157, ou rna da Madre deDeus n. 7.
._.
u
m


os, que tn ns
-eu araazem pera a m<
contir. uanrto da mesma forma a r
reos para Ibes servir com o costumado cha
biuai desempenbo.
Jos Fernandes Liai k C,
Roa Bario da Victoria n.
Teleph iie323
Copeiro

i '
i
l
Precisa-se de um copeiro que eja fiel; na
roa de Pa}Siod n. 19.
Gosinheira
Na ra Barao da Victoria d. 30, precisa se de
ca perita cosinbeira, para casa de pequea fa-
milia estrangeira.
VENDAS
- Vea Je se um sitio no Camiabo Novo, com
muito terreno, duas casas' de morada, onde po
em morar duas faa ilias ; u terreno tem a qua
lidade de ser.mmto bom e de poder edificar se
um grande chalet : quem quizer dirija se%Jloja
do Cvsne. roa 1a Iraperatriz, oo roa Marqnez
do H'erval n. 23, qne saber quem veDde ; o lu
|ar s o mais fresco e o mais sadio que pos-
sivel. _________________________,______
Agua maravilhosa
Com a appiicacSo desta agua, quem soflrer de
espiabas, pannos sardas, femdss e vermelhido
do rosto, flcari perfeitamente curado, rtconhe
cendo a, desse modo, como nico especifico
efficaz. Alem desses efieitos, tem ella a pro
piiedade de, tornando a cutis limp;., dar-lbe
cor natural. A cida vidro quecusta l, acom
nanha a respecti ra indicacao do uso.
Abaixo as pomadas
Vendem Farias Sobrinho A C, ra Mrquez de
Oiind n. 41.
Livraria Conten pora
nea
Inatrnmenioa lie mmlra
Bomoardao, bombaraino, barytono, tromp
; -ombone, helicn, saxapbone. carrlon, nomiu
eaixa, pratos.clarinitas. flautas,rabecas, violOe.
calejos, caixas de musicante., etc.
Papel pintado
para forro de salas, quarlos, gabinetes, correat
res.
Molduras
dourades, pretas e douradas para quadros.
Malas
para viarem, diversos formatos, especialmeni
para roupa de senbora e camarote.
Novidades
para presentes, escriptorio, toocador, etc., etc
RAMIRO M. COSTA & C.
Bna Primrlro de Hrco n. S
Rendas
pretas, brancas, creme, beige e de cores
Chegou um esplendido sortime^to deste artigo
para a
Riinha das Flores
Ra Barao da Victoria n. 41
Ka mesma casa encontra se urna variada col-
ecco de fitas de seda (mais de 500 nmeros),
bordados de cambraia, espartilhoB, luvas, per-
fumaria, objectos para presentes, etc., etc.
Precos baratos
RA MA DAS PLORES v
Ra Bario da Victoria d, II
Movis austracos
Ha um riquissimo e variado sortimento de
movis austracos de diversas cores, lisog, tor-
neados e entalbados. para vendas em porcSo ou
s pecas avulsas bem como ricos espetos para
salao, camas de ferro com lastro de aro para
meninos, solteiros e para casal, e magnficos
tapetes avelludados, os melbores que veem ao
mercado; no armazem ra Marqnez de Olinda
- numero 34.
Pao centeio
Mello & Biset tendo recebido nova remessa de
farinba centeio, avisa aos seos fregnezes que
coatinuam a fabricar este delicioso pao centeio
todas as tercas e sextas-feiras ; na roa larga do
Rosario u. 40.
Engaito
Vndese ou ar enda se o engenbo Caldeirei-
ro, moente e corrente, na freguezia da Vanea :
a tratarna ra do Vigario n. 31, andar.
13 de Maio
Balea de papel e lantfrnas tulipas tambem
de papel, para llaminscSo ; vendem Ramos Sal-
gado C, na praga da Iodependencia ns. 22,
24 e 26.
FOLHETIM
POR
*
PRLM1RA PARTE
A andorinha
Continuado do n. 105)
I
\
O INCENDIO
Est dormindo, o queridinbo mur-
murou a 11109a commovida, com os olhos
dilatados por extraordinaria ternura ma-
ternal.
Approxiiuou o rosto do do filho.
fcob o doce calor dos seus beijos, a
crianza sorrio e, instinctivamente, murmu-
rou, sem mesmo abrir os olbos :
Mamai!
Depois, voltondo se para o lado da pa-
rede, continuou no sen tranquillo somno
mal interrompido.
Bem, disse Laura, todas as minhas
inquietares desappareceram. Agora, vou
ajudar l em baxo. O bem que se pra-
tica, reverte em beneficios para aqnelles
a quem se ib.
Fechon cuidadosamente a porta e des-
ceu a correr, afim de reunir se o mais
breve possivel ao marido.
A divisao de ferro baria resistido aos
eaforcos dos cincoenta trabalhadores dedi-
cados intelligentei.
1*000
000
4 vo 10*000
E( nos de lo pafln Guilber-
me Dias, 1 vol. ene. 2*000
D ccionario Biograpbico, por P. A. P.
Costa, 1 grosso volme ene. 10*000
V6o loaros, versos por M. Barreto, i
vol ene. 3*000
Flores Pluctuaotes, versos, l vol. ene. 2*000
V00& e quedas, versos, 1 vol. ene. 2*000
Guimares, poema, 1 vol. ene. 3/000
Sons, que passam, Torsos por Th. Ri-
beiro, 1 vol. ene SOOO
Alberto Pimtctel, Cantares, versos, i
vol. eoc. 3*000
Evangelios e Svllabus, drama, 1 vol.
ene. 3*000
Julio de Castilno -Livraria Classica,
Estudos biograpbicos e litterarios,
3 vols. enes., finos 15*000
Castrioto Luzitano, historia entre o
Brasil e a Hollanda, 1 vol. ene,
fino 5*000
Bibliotbeca do Pevo,|12 vols. enCB. 22*000
Morte de D. Joao, /omance, 1 vol.
ene. 2*500
Contos de Pedro Ivo. romance, 1 vcl.
ene. 2*500
O abandonado por Julio Verne, 1 vol.
ene. 1*500
O Proeesso Le rouge, romance hist-
rico, 1 vol. ene. 3*000
Gabriel Malagrida romance, i rol.
ene. 2*500
Neto do Acoitaao, romance histrico,
1 vol. ene. 2*500
Viagenj no dorso de urna baleia, 1
v5l. ene. 2*000
Chiqoinbo, Encvclopedfa da Infancia,
por G. Bruno! 1 vol. ecc. 3*000
Vate leguas submarinas, por Julio
Verne 1*500
Caricaturas em preza, por Loiz An-
drade, 1 vol- eoc. 3*000
0 Pastor e a ovelha, obra rara e es-
getado pelo finado bispo D. Joao. I
v. ene 15*000
Obirajara, lenda, 1 vcl. ene. 2*000
Arnaldo Ga ma Um motim ha cem an
nos 1 vol. ene, obra rara 6/000
O Dia de S. Nunca, romance, 1 vol.
ene. 2*000
P. de KockJoao, 2 vol. ene. 4000
As mil e nma mulheres, 4 vols. enes. 8*000
O rei Candla, romance, 1 vol ene. 2*000
Contos a Nincn, por E. Zola, 1 vol.
ene. 2*000
A caca de um baronato.l vol. ene. 1*500
Arraldo GamaO filho do Baldai^, 1
vol. ene. 4*000
Historia moral das mulheres "1 vol.
ene. 2*000
Os berdeiros de Caramurn, romance
histrico, 2 vols. ene, finos 6*C00
Factos da historia de Pernambuco, 1
vol. ene 2*000
A igreja e o Estado, por Gaoganelli,
4 vols. ene 10*000
Serpa PintoComo atravessei a fri-
ca, 2 vols. enes, linos", com gravu-
ras 12*000
Eca de QoeirozO enme do padre
Amaro 2*000
Csstello de Grasville, romance raro,
1 vol, ene 2*000
Leonor, D. Ambolse, 1 vol, ene i*O00
As obras de Julio Verne, 42 vols,
enes. 30*000
Tres Poemas em proza, e verso por ^^
Gomes Jnior, 1 vol, ene 3*000
Typos de cara dura, 1 vol, broch. 1*000
As viagens de Goliver, obra critica
ejocoza (rara,) 1 vol, broch. 3*000
Vozes da historia pelo Padre Gui-
lherme Dias, 1 vol, brocb. 2*500
Um mysterio de familia por F. Tava-
ra, 1 vol, brocb. 2*000
Um casamento no arrabalde, 1 vol.
broch. (mesmo autor) 2*000
Os martvres Pernambucanos victima
da liberdade. 1710, e 1817 1 vol.
broch. (obra rara) 5*000
Guarrigoes breve leitura sobre sci-
encia, 1 vol, ene 3*C00
Biblioteca do Povo 31 caderninbos
brochados 4*000
Paulo de Koke Barbeiro de Pariz l
vol. 3*000
Amulher fatal o 1*. vol so. 1*500
O matadouro, historia da Lsvadei-
ra Gervazia o lc. o toI s. 1*500
Pauson do Ferrail A beraoca myste-
rioza o 2. vol so ene 2*000
Repostas consisas e hmiliares por
Mr. Segur, 1 vol, ene 1/000
Carta sobre a Companhia de Jezus,
1 vol, broch. 2*000
Carta a Pae Tobas, 1 vol. broch. 2/000
No escriptorio deste Diario se dir qoem ven-
de todas estas obras, e faz-se grande abati-
meoto a qoem comprar todas juntas
Alfafa
Vende se solta qualquer quantidade a 40 rs. o
kilo ; na ra do Amoriro o. 52.
Muita attenco
Sapatos de feltro para fri, de homem, senbo-
ra e crianca a 500 rs. o par, estm se acabando ,
na loja roa da Imperatriz n, 80.
Ccmbinon se.
Bateu se desesperadamente porta da
casa da Sra. Foulon que dava para o pa
teo e a urna janella situada ao lado.
Ah, porm, como na frente, todos os
chamados ficaram sem rosposta.
t Havia nm instante, entretanto, ooviam
se os gemidos e os gritos da pequea Ma-
a, a filha da taverneira.
Soccorro !... distinguase vagamen
te, soltado por voz infantil suffocada, j
meio extincta.
A moga do waterproof, a esses gritos,
estremecer, e, inseosivelmente, approxi-
mara-se.
De um salto alguna homens atiraram-se
porta, tentando arrombal a.
Ella era, porm, muito solida, de car
valho forrada de pinho, resista, nao se
abalava sequer.
Abre, Maria! abre .'... grita ya nm
dos homens. <
N3o posso, responden frgilmente a
tos da crianca.. Meu Deus !.. Eu suf-
ro !... En suffoco !...
E tua mSi, onde est ella 1
Ouvio se um grito mais agudo, seguido
da queda de nm corpo.
Depois, mais nada, um silencio de mor-
te.
A mSi Foulon est bebada debaixo
de alguma mesa, disse urna visinha.
A desgranada bebeu com certeza
retrucon urna outra.
E' verdade, e nessas occasioes a casa
pode vir abaixo, que ella nao acorda. E
a prova abi est !
Urna mulher tao boa! Que pena ter
esse defeito! *
Bo e'-'n apj.roxiraou-se, acotovelando a
lodos*
Muito bonito isto Voces esto a dar
lingua, santo Deus!... E a pequea es-
t asphyxiada, morta de corto, e a mSi
tambem Urna vez que a amaldicoada be-
bada nao ouve, preciso arrombar a
porta.
J se foi chamar o commissario, Sr.
Boaelin, disse a porte ira, tal vez seja me
Ihor eaperal o.
ra a 320
Etamaes de cores a 280 o 300 rs.- o co-
vad
Zephires de cores a 120 e 160 rs. o oo-
vado.
Linda* las de cores a 2 0, 240, 300 e
320 rs^o covado.
Cachemira de quadros com lastras de seda
a 1)5003 o covado.
Merinos Iavrado a 500 rs. o covado.
Voile de algodo a -240 rs. o covado.
dem de 1S ultima m da a 800 rs. o co
vado.
Cortes de metim par. vestidos de dnas
cores a 65000 um.
Ditos branoos bordados a 121000, 140000
e 14000 um.
Ditos de cachemira bordados a 25# 00 um.
Cortes de cambraia branca de qaadros a
1*800 um.
Cort-'nados bordados a 6OQ0 e 70000 o
par.
Ditos de crochet a 80000 e 100000 nm.
Fecns de todas as cores de tros
10000 nm.
Colchas de cores a 20COO, 30QQQ, 40000 e
50000 urna.
Cobertas forradas j^ra casal a 20500
Toilettes para baptisados a 60000, 80OO
e 100000 um.
Camisas finas de meias a 14000 tuna
Toalbas para crianca a 100 e I20rs. ama.
Oeroulas francezas, a 10000 ama.
Pannos de crochet para cadeiras a 500
rs nm.
Atoalhado de linho de 40400 o metro por
20400
Dito de algodio a 10200.
Algodao trancado para toalha a 10000 o
metro.
Bramante de algodSo com 4 largaras, a
800 e 10000.
Lencos de algodao a 10200 e 2000 a
dusia.
Ditos de linho a 30000 aduzia.
Batistas de cores a 120*e 160 o covado.
Cretones escures e claros a 200 rs. o co-
vado.
MadapolSo americano com 24 jardas a
50000 e 60000 a peca
Cobertores brancos de 12 para acabar a
20COO um.
Bramante de linho, fazenda de 30000, a
20000 o metro
Panno para mesa a 10200/10400 e 10600
o covado.
Brim pardo trancado a 240 rs. o covado
Validos de Gersey para creanca a 60000
um.
Camisas de linho para homem a 20000,
30000 e 40000.
Granadinas ultima moda a 360 o covado.
Uostume de cachemira fina para homem de
2O0OOC a 150000.
Cortes de cachemira de cores muito finos a
4*000 nm.
Cortes de fustlo para collete a 800 rs. um.
Quardanapos c m franja a 20OCO a duzia.
Espartilhos de todas as qualidades e n-
meros por preco baratiesimo.
E muitas otras fazenrlas de lei e moda
qen vende por prego sem competencia,
em vista de sen proprietario querer acabar
com o estabelecimento.
S na Revolu^ao
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
T
Cera
Vende-se na ra do Cabog n. 2, segundo a
qnalid.de, de 1* a 1*500 a libra, e sendo de
arroba para cima, faz-se na de 2* o descont de
30 0/0, e na de 1. de, 200.0. So mesmo esta-
belecimento tem machinas para costara e mesas
para as mesmas por 10* cada urna.
Farello superior
a 2*200 ;tbq largo do Mercado n. 12.________
Vende-se .
urna boa machina de numerar e diversos cofres,
sendo nm mnito grande e qne foi da amiga tbe-
sooraria das lotera* ; a tratar na roa Mrquez
deOliodu a. 1, 1- andar.____________"
Ladrilh' s de mosaico
Vende-se excellente mosaico em desenhos e
gostos os mais variados e modernos, sem com-
petencia 00 mercado, e aos mais razoaveis pro-
cos ; na ra Mrquez de Olinda n. 54.
E se a crianca respira anda, acaba-
r por morrer suffocada. Nao, rom mil
raios o commissario dir o que Ihe apreu-
ver, eu arrombo a porta.
Sim, sim, visinho, approvaram di-
versos homens, arrombemos. Vamos aju-
dal o.
Sr. Roselin, gritou alguem, aquiest
o machado com que racho a lenha, elle
solido, com certeza abrir a porta.
Passaram-n'o ao provencal. emquanto
um serralheiro da ra Saint Maur, arma-
do de pesada barra de ferro, abra um bu-
raco junto ao portal da janella, e ontras
pessoas, com o auxilio de pedacos de pao,
batiam no alto da porta, cuja parte infe-
rior Roselin demolia.
A casa estalava como urna frigideira
com demasiado calor que ameacava re-
bentar.
lnsupportavel cheiro, nauseabundo e
acre, suba, invadindo o pateo, a ra, o
bairro inteiro.
Ao longe onvia-se a corneta dos prime i
res bombeiros que chegavam do posto mais
prximo.
A porta, que arda por dentro, acabou
por ceder ao cabo de alguns minutos.
A Ubareda jorrou impetuosamente pela
abertura, com o fracasso de urna tempes
tade que se desencadeia de sbito, que'
mando, offuscando, asphvxiando todos quan-
tos all se achavam.
Nao obstante, passado o primeiro momen-
to de estupor, os bravos homens voltaram
ao perigo, e dous ou tres precipitaram-se
heroicamente na fornalha, penetrando com
risco de vida, no pavimento terreo, con
vertido em vasto brazeiro, com as auas ma-
terias explosivas, segundo perigo maior
anda do que o outro.
Roselin foi o primeiro.
Mas quasi immediatamente te ve que re-
cuar, suffociido.
Asphyxio, balbuciou elle, cambalea-
do.
Aspirou demoradamente o ar fresco, e
como se a simples sensacSo do exterior lhe
houvesse re:tituido as forcas, precipitou-se
1 \ji -
:aiiHio3
de ttidos
Os abaixo assignados, tendo feito gran-
de reduejao de pre9os as fazendas
existentes em sen estabelecimento, convi-
dam o respeitavel publico e especialmente
a fieos bons fregnezes, a certificarem-se da
verdade que aqui fica dita e a aproveita-
rem a occasiSo de supprir-se de roupas,
para muito tempo, e por precos insignifi-
cantes.
Como sejam :
Voiles de 1S e algodSo a 240 rs. o co-
vado, cachemiras de quadros, fazenda de
800 rs. por 320 rs. o covado, zephyros de
cores diversas a 320 rs. o covado, baptis-
tas republicanas (inteira novidade) a 200
rs. o covado, lis de corea a 200 rs. o
covado, setinetas finas a 320 rs. o covado,
merinos de cores (II pura) de urna lar-
gura a 280 rs. o covado.
Grande quantidade de chitas finas, com
pequeo toque de mofo, de 200 a 240 fs.
o cavado. ( ^
Variado sortimentp de voiles de 13,
fazenda'muita fina de gostos lindissimos.
Crep da China, dem, dem, cambraias
da China, com palmas soltas, completa
novidade, voile com salpicos, dem, dem.
Chitas, chamalots, o qne ha de mais
exquisito em gosto, etamines lisas e ren-
dadas, cachemiras lavradas, pretas e de
cores, fustScs broncos, cretones pretos e
de cores lisos e com flores, baptistas de
cores, gostos delicados.
MadapolSo americano a 50000 a peca.
Metins, idem variado sortimento.
Espantoso sortimento de cretones para
cobertas e chambres, esgniSo de puro
linho, costumes de Jersey para meninos,
capas hespanholas, pura seda a 30000
urna, cortes de vestidos de todas ss qua
lidade, fichus de IB,- linho e prateados,
o que pode haver de mais chic.
Grande sortimento de camisas de linho
e flanella para homem, dem-, idem de
punhos, collarinhos e gravatas e martas
outras fazendas que seria enfadonho men-
cionar e qne tudo vendem sem reserva de
precos.
Os baratiros! os barateifos!
A' RA 1. DE MARCO N. 1
Bernardina Campos i G.
Receben ores directos dos n
eadt s da ^uropa
Apresentanc 0$ segumtea artigos, sendo
alguns anda do anno passado, razio justa
para serem actualmente baratissimas.
Brins pardo e de coresa 240. rs. o covado.
dem trancad'.', superior, a 26 J rs. o dito.
Cortes de fustuo para colete a 8 0 rs.
dem de casen etas a 10000 e 10fOO.*
dem de casimira inglesa de c6res a 30 e
400:0.
AlgodSo cr, marchetado para toalhaa, a
440 rs. o metro,
dem nacional, largo para lences, a 40 e
500-0 a pe9a.
MadapolSo euperior, com 24 jardas a/50
e 600.0.
dem Boa-Vista, verdideiro, a 508CO.
Cortinados bordados de crochets a 120000.
Colchas dem a 70000 e 80COO.
Grinaldas e veos para .noivas a 80003.
Espartilhcs modefnos 40000,
Percales claras e escaras a 240 o covado.
Merinoes de cSres, urna largura, a 200 rs.
o covado.
Toalbas nacionaes a 20500 a duzia.
Lencos em liadas caixinhas a 10800 e
20800 a dita.
Meias inglesas e nacionaes a 205GO e
30OCO a ditc.
Camisas de mfcia, dem, superior, a 120000.
Cerolas brrdadas de bramante a 120000 e
160OCO a dpza.
Guardanapos com franjas a 10800 a dita.
Pannos de cores lindas para mesa a 10600
o covado.
Cobertas de ganga, dous pannos a 2500.
Cretones par* as mesmas, a 10000 o me-
tro ; o melhor.
dem mosaicos, dem, a 440 rs. o covado.
Bramantes franceses a 10600 o dito.
Ca8emiras de cores, duas larguras, a
10810 o dito,
Cheviot azul, c8r inalteravel, a 20400,
30500 e 40000.
Merinoes para luto desde- 500 rs. a 10800,
duas larguras.
Sargelins de cores a 200 rs o covado.
Mantilhas e fichas a 10, 30000 e 5000.
Tcalhas de labyrintho, riquissimas, a 250 e
300000.
Vendas em grosso tem o descont de
14 V .
59RA DDQCE DE CAXIAS59
AO PUBLICO
O abaixo assignado resolveu participar
aos seus amigos e freguezes que contina
a ter sempre o mais completo sortimento
de :
COGNACS destacando o afamado
Pno, que um dos que mais se pres-
tam a tomar-se coa leite:
VNOOS -O Pedhete sem prejuizo das
outras marcas, especialisando tambem o
magnifico Bordeaux Republique Brsil-
lienne.
LEGUMESem conserva, especialida-
des como nSo-se encontram em qualquer
casa.
CARNESem conserva, especiaes como
nunca vieram aqui.
PEIXEStambem o que na de mais
variado.
CE R VE JASonde se destoca a bem
conheotda e digna de celebridade Paulino
Bier. ..
CHARUTOS nm grande sortimento
das mlhores marcas, e por precos muito
commodos.
Alem destes artigos acha-se o sen esta-
belecimento sempre snpprido de todo
quanto se possa desejar d'um bom esta-
belecimento d'aquelle genero
Roa do Imperador n. 28.
Paulino de Oliveira Maia.
Leitura s Selectas
Pelo Or. Joao Barbalho
Acba-se no prelo e brevemente ser exposta
venda, a 3* edieo deste importante livro para
leitura e outros exerclcios as escolas. ______
Casa e terrenos
Veodem-se: a casa terrea sita ra de Joa-
quina Nabucon. zi, com grande quintal cercado,
em bom estado de cooservacao, presentemente
alagada ; dous terrenos a mesma ra, sendo nm
do lado norte com urna grande baixa de capim e
um abundante coqueiral e outro do lado sul,
murado no lado da frente, sem portao ; a tratar
roa Marques de Olinda n. 54.
de novo e resolutamente no meio das cham-
mas.
Salva a crianga gritou-lhe Laura.
Dous minutos, dous seculos, se passa-
ram.
Os bombeiros tinham chegado, e, com a
sua coragem habitual, empunhando ma
chadinhas, precpitaram-se no rastro de
Roselin, no meio da fornalha.
Finalmente, o provencal reappareceu,
com os cabellos e a barba sapecados, rou
pas ennegrecidas, suffocado, tonto, mas
trazendo nos bracos urna pequea trouxa
branca, informe e m Lovel.
Trinta bracos se estenderam, emquanto
algumas vozes gritaram :
Bravo, Roselin 1... Bravo, camara-
da!...
Mas elle, tendo ao primeiro golpe de
vista divisado a mulher, entregou-lhe a
crianca, e limitou-se a dizer :
Ah! com a breca !... Se o inferno
quente como aquillo, meus filhos, facam
todoo possivel de nSo serem mandados para
l, com o favor de Deus!...
Laura, abracada ao sen pescogo, aolu
cava e balbuciava, desvairada :
Ah meu Roselin!... Que homem
de coragem s tu !... Como sinto orgulho
de ter um marido assim !...
De p, ao lado delles, a desconhecida do
telheiro, mais lvida do que um cadver
olhava para a trouxa que urna visinha se
gurava; parecia impaseivel, quasi indiffe-
rente ; smente urna ruga profunda divi-
da m duas partes a sua fronte soberba,
emquanto que os seus olhos brilhavam im
placaveis e crueis, na sua magnificencia
trgica.
Abrir&m o len$ol em que a pequea Ma
ra estova envolvida.
Era. urna bella menina de cinco ou seis
annos, que toda a gente do bairro ado
rava.
Aterradoramente branca, com as palpe-
bras aiues e as mSozinhas fechadas, ella
stva inteiramente molle, inerte. Nem
um suspiro escapava se-lhe dos labios vio-
lceos, a cabeca cahia-lhe inconsciente e
Piano
Vende-se um piano ,qna de Pleyerii novo ; na
ra Duque de Casias n. 54. loja.
Libras
Vendem se i. ra de O. Mara Cezar n. 26.
Farelo novo superior
Saceos de 42 kilos a 10800
Vende-se no Corpo Santo n. 6.
*
Vende-se um piano
de transpoao do au
tor VignesT, que preci-
sa de concert. No
escriptorio deste Dia-
rio se informa quem
vende.
Vinho puro de Santarem
a quinta do Barral
Os proprietarios do Armazem Central, rus
do Cabog n. 11, a visa m aos seas distinctos fre-
gnezes eao respeitavel publico que receberam
nova remessa deste especial vinho, o qua! se
recommenda por ser puro da uva, e s se reta-
Iba em seo armazem.
Joaquim ChristovSo & C.
Telephone 447
Muito barato
looo ou par
Na roa do Livramenta ns. 19 e 21, tem urna
grande quantidade de sapa toes riunos de vaqueta
branca, obra muito forte e propria para o inver-
so, e por preco baratissimo, 1*000 o par, c. em
porcao ter descont.
A' venda
Peitoa de celuloide
perfeitamente Ilnh".
Collarinhos^ modernos duzia 50MB.
Par irnHalbo de rroekts)e
Caixas de lmbas de cores com suesL.
. dourado a 10000 e um noveo ^ft.
Punhos para homem a 60COO a
Lencos brancos para creanca a1
duzia.
Para baile
Lindos ramos de flores artificiaos 2m
e com hastes de borracha.
Lindo e grande sortimento de soafeadbsxifc
todas as cores para enfeitor vestiAisufe
creanca.
Para as Sra*. modiaism ____
Bicos de cores brancos de algodie a &39BI
e 20000 a^eca. ___
Bicos de seda de diversas cores a SjHBs
peca.
Porta tran$a de prata, tartaruga suac
Punhrs e collarinhos de celuloide.
EspelhoB cara dura a 400.
Para liquidar grande quantidade 9m
modernas abatimento de 25 *M.
Fitos n. 9 Ta 400 o metro,
dem n. 5*a 200 o metro.
Lavrada para faxa a 20000 o rn^DA.
dem para faxa n. 30 a 30000 o
Espartilhos para 40000, 50000 e
Para natvaa
Capellas da cera,
dem de flores de larangeiras.
Ramos francezes e nacionaes, veos,
e lavas.
Encbovaes para baptisado.
Tocas e capotas para baptisado e
Cintos de chagrain para senhora,
estreitos a 10000.
Grande sortimento de galoes,
sas, pingentes e guarnieses
vidrilho para vestido.
Lindas costureiras de v
para presentes.
Lindas boleas com estojo para estes.
Grande sortimento de caixinhas casa
tractos proprias para presentes
J 30000," 40000, 50000 e 60000
Livros de missa, de madreperefa
velludo.
Lindos objectos de crystal para
como sejam : porto-relegio,
cto, porte-p de arroz de
/120000.
Finos alfinetes para gravatas.
Grande sortimento de broches
para senhoras.
Caixas com msicas a 20, 30096,
at. 120000.
Grande sortimento de galSzrnoc
e de cores para enfeitor casacas de criancas.
Porto-retratos a 200 e 300 ts. i
Grande sortimento de lencos
10000, 105OONJ 20000 W
GuarnicSes para toilet a 60000
Lindos porto- pie de-arroz a' 10508,
30000, 40000, 50000 e 60000
Finas ligas com ramo' de flor de
proprias para noiva a 10500 o f
dem de todas as cores a 100081,
10500 e 20COO.
Lencos de linho a 30000 a
xinha.
Grande sortimento de puleein*
canas. ___
Cortinados d erothet-para can**36flT.
170000 e 190000.
Ditos para janella a 70000.
GuarnicSes para cadeira a 60006.
Pannos de crochet para cadeira iflssW
10000
Grande* sortimento de lavas finas ^nsasBa
nhora a 10500, 20000 e 20502 sk
dem para menina a 800 e 10000.
Linha de machina a 700 rs. a
Idam idem a 60 rs. o carritel.
Toalhas para banho a 10500.
dem para rosto a 300 rs.
Babadores com inscripclo e
500 e a duzia a 40000.
Grande sartimento de espemos
e de canto redondo a 40000,
60000.
Beogallas de flauta a 10500.
103RA DUQUE DE CAXsIt-B
Batasa
1 piano Plyom, novo, 1 mobi'ia de junco en-
talbada, 1 cama, 1 mesa elstica de jantar, 1
esteira para grande sala, cujos objectos lm
pouco uso ; na ra Duque de Caxias n. 54,
toja.
flacida, vacillando ao menor movimento
daquelles que a seguravam.
Est morta exclamaram a chorar.
Algumas mulheres acercaram-se, escu
teram-o'a junto aos labios, procurando sor-
prender um sopro.
Nada.
Sim, est morta repetirn? de to-
dos os lados.
Nesse instante a desconhecida pareceu
respirar mais vontade, emquanto o arco
temeroso dos seus supercilios, violenta-
mente contrahidos, distendase ligera-
mente.
II
NO ENCAL.O
Circulou de repente na multidao um
boato.
Eram mais ou menos duas horas
quando urna operara doente, moradora no
segundo audar, em frente, e que n3o dor-
mir, vira urna rapariga sabir como urna
ladra da casa de Clemencia Foulon, pela
porto que abra para o pateo.
Um grande clarab illuminava a pelas
costas.
A operara affirmava mais que reconhe-
ceria essa moca, se a tornasse a ver.
A estes pulavras, segredadas, murmu-
radas, passadas de grupo a g.upo, a des-
conhecida, postrda ao lado de Laura, a
qul tioha aioda nos bracos a pequea Ma-
ra, estremeceu dos ps cabec^, e um in-
voluntario tremor comecou a agter-lhe os
ruembros.
Instinctivamente, sacou um leuco da al-
gibeira e levou o ao rosto, ou para occul
tal o, ou para eoxugar algumas gottas de
suor que porejavam-Ihe na testa.
Ao mesmo ternpo umligeiro ruido secco
como o de um objecto pesado que cahe ao
chao, se fez ouvir.
A desconhecida nSo o percebeu, e em-
brenhava se j na multidao compacta, mui-
to preoecupada, e galgava insensirelmente
a ra.
Um rapaz, porm, pintor de casas, cha-
mado Marcelo Barrer, que havia alguns
Fiores
DaMla
Sementes das mais raras qualidades -.
se roa do Y; gario n. 19, armazem.
momentos a observava, impresaiiin <% mil
duvida, pela sua soberana bailesa, i
xara se.
Quando ergueu-se, trazia na mae<
to um objecto fri, pesa%, flexivel
lhante.
Ao clarSo do incendio, examinas-* <
era, e reconhecen urna bolsinha de m
cujas malhas finas e moles asee
se ao tecido de urna coto de malha.
Estova quasi cheia de iuizes.
E' singular, pensou elle ; qaea
essa mulher?
Neese instante esto ultima attagsE
porto da ra.
Sem ruido, Barrer esgueirou se s
seu turno atravs os grupos,
alcancar aquella que se afstava.
Chegando ra, aviston-a, ienfej,
pois ella caminhava acceleradamente. t-
gada, um pouco alto, abmnovelmente ata-
porcionada, o sen andar era tSo oaiar
quanto elegante.
Ganhava-lhe avango.
O rapaz a vi vou o passo, mas rao erwar-
too ? distancia que os separava.
Ha de cansar, pensou elle. JHebbv
jala hei na prac.a da Repblica.
Enganava se, nao a apanhou.
Chegando ra do Templo, a descoaia-
cid entrn na ra do Inferno, onde ss-
appareceu.
Marcelo, aohando-se muito distante, ala
poda acompanhal-a com o elhar.
Morar all? disse elle coms"uj,
terei a m tortuca de perder-lhe a ptati?
Naquella rapariga singular elle psu
tia um mysterio
Ella era bella, inoontestavelmente i
mas a sua belleza, trgica, cruel,
impressionava o rapas, impellia-e
inconscientemente a querer rasgar a raa
em qne ella se envolva.
Juntou os cotovelos ao corpo, e, aas-
pando o folego, deitou a correr.
Quando chegava entrada da roa f Es>
trepot, vio a desconhecida dobrar a rea dk
Doaane.
(Continuar-at-aa)
Typ. do Di3rM>~Rua Duque de Caxia aJ

r*
v
fi
M
1



I,
i.
,{


y
X