Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17737


This item is only available as the following downloads:


Full Text
&r:
v" \
l>J
D!
90
Ir



.
T> >
i
DIARIO DE
Al

i
i
i
Propriedade de Manoel Figueiria de Faria cfc
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE
Por tres meses adiantados. .
Por seis dito idem......
Por no anno idem......
Cada numero avulso, do mesmo dia.
6\JO00
120000
23*000
*100
Os Srs. Amede Priice&c C.
de Pars, sao os nossos a< entes ex-
clusivos de annuDcios < pubca-
9oes na Franca e Inglaterra."
PARA DENTRO E ORA DO ESTADO
TELEGRAMAS
UBVi;: rASTICtAB DO DIASIC
RIO DE JANEIRO, 2 de Maio,
horas e 20 minutos da tarde.
as 4
.Foram nomeados commandantes das ar-
Do Estado de Pernambuco, o brigadeiro
Joaquim Mendes Ourique Jacques;
Do Justado do Para, o coronel Bento
Jos Fernando8 Jnior.
Foi nomeado fiscal do Banco Emis-
sor le Pernambuco, o Lr. Jos Izidoro
Mart; s Jnior.
tp Foi orneado fiscal do serrino dos
emprestimos lavoura, o Dr. Jos Eusta-
quio Ferreira Jacobina.
Foi nomeado porteiro de 2.a classe
do Hospital Militar, em Pernambuco, Fran-
cisco de S Leitad.
Foi nomeado subdirector do Thesou-
ro Nacional, o Dacharel Jlo Cruvello Ca-
r aleante.
Foi nomeado ajotante-general da ai-
mada, o contra-almirante Fortunato Foster
Vital.
SSS7IJ0 U 1MKIA SA7AS
LONDRES, 1 de Maio, ao meio
dia.
A manhS d'este dia pas:ou-se tranquil-
lamente em todos os Estados da Europa.
LONDRES, 1. de Maio, tarde.

de
(
ocialistas realisaram o sen projecto
e ge ral.
abalho foi suspenso quasi em toda
part la Europa.
Luri taram-se a manifestares pacificas e
a ordem nao foi perturbada.
PAKIS, 1. de Maio, noite.
11.J, grande numero de manifestantes
ocia' -tas reuniram se noi arredores do pa-
do Elyso, residencia do presidente
d Repblica.
A attitude dos socialistas foi tSo provo-
cadora que as tropas viram-se obrigadas
a fazer uso de suas armas.
Houve urna centena de pessoas ferdas
e a polica effectuou muitas prsoes.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
2 de Maio de 1890.
Passaros muitos de diversas cores
Se viam varias ondas transformando,
E dos troncos suavissimos licores
Em copia grande estavam dimanando :
Peixes t na grandeza superiores,
E animaes quadrupedes saltando,
A trra tem do metal louro as veas,
Que de alguna ros se acha as arlas,
E quando a vista estava apascentanio
Destas cousas na alegre formosnra.
l'm velho vi, que andava passeando
De desraarcada e incgnita estatura ;
Com sobresalto os olhos fui firmando
Naqoella sempre movel creatura,
E parecea-me, se bem reparava.
Que varios rostos sempre me mostrara.
Tinba os cabellos brancos, como a nev,
Pela velbice muita carcomidos,
E s com pennaa se trajava ao leve.
Porque lhe eram pezados mais vestidos
Andava sempre, mas com passo breve,
Posto que os ps trazia envejecidos,
L'm bculo em as* raaos accommodava.
Do qual para o passeio se ajodava. ,
Fiquei desta viso maravilhado,
Como quem de taes monstros nao sabia,
E logo pergantei sobresaltado
Quem era, que boscava, e que quera ?
Elle virando o rosto remendado
Da er da escura noite e claro dia
Quem en era, respondeu, quem procurara,
E que Postero, disse, se chavama.
Esta que vea (continen dizendo)
Terra aos teus escondida, e oceultada,
Quando eu velbo fr. mais envelbecendo
De um rei grande ha de ser avassallada :
Nao te pos80 dizer o como : e sendo
Esta noticia a outros reservada,
Basta saberes que sem romper muros
Sera, passados seculos futuros.
Porm isso nao foi o que a buscar-te
Me moveu, e a fallar-te desta moda.
Has de outra cousa venbo a informar-te,
Que muito mais do que isto te accommoda
Bem podes comecar della a gozar-te,
Que para isso vou andando em roda,
E para que nao estejas cuidadoso,
Quero dar*te a noticia presagioso.
Por seis meses adantados.
Por nove ditos idem. .
Por um anno idem. .
Cada numero avulso, de das
13J500
201000
260000
0100
Repartidlo de Polica
2. secco.N. 98.^-Secfataria de Po-
lica do Estado de Pernambuco, 2 de
Maio de 1890.
Foram hontem recolbidos Casa de De-
tenclo os individuos de nomes J0S0 Lou-
renco da Silva, Joaquim Jos e Sant'Au-
na, Ray mundo Cordeiro Cintra, Jo vina
Mara da ConceicSo e Jos Vieira da Cu-
nha. *
O subdelegado do 1. dstricto de Ja-
boatao obrigou em data de hontem a as-
signar termo de bem viver os vadios
J0S0 Monteiro Francisco "fe Francisco de
Assis Mello.
O Dr. Francisco Xavier Quedes Pe-
reira reassumio hoje o exercicio do cargo
de delegado do 2. dstricto desta ca-
pital.
Tambem nesta data o cdadlo Liberato
Luiz de Freitas, reassumio o exercicio do
cargo de subdelegado do dstricto de Ti-
gipi.
O chefe de polica,
Antonio Antones Ribas.
campos e
recommend]
ra o thesou
Para oceupar
rico mnnicr~*
fadou-o pa.
delta do Ni lo
pntre margena
das pyramides
tura! Foi abi
ai montanbas, revolvamos o solo como
idiva o veteo pal, que aos filbos lega
*do teaoalho oeculto no terreno.
Thesouro
Pe
do
DE8PACH08 DODU 2
-1890
Estado de
buco
DE MATO DE
(Contina)
PARTE OFFICIAL
IISTRUCtfO POPULAR
HUID HBIIO&SAHICO
DA
LITTERATRA BBAZILKIRA
NOS
TEMiP-OS COaVOHaVKS
(Coatin uacfio)
XXI
D'elle ficou, como poeta, n poema Eustachidos
impresso em um livro em 4." de 128 paginas, e
hoje ranssimo : Um epigramma latino I morte
do Bei Fidelissimo ; urna Canco fnebre ao mes-
mo a8Sumpto e trez sonetos, composigCes con-
servadas na relaco panegyrice das exequias que
a Babia celebrou pela norte de D. Joo V.
Has deve-se ter por certo que muito mais fe-
cundo fosse em produccoes poticas; pois que
Jaboato fallando de fre Manoel de Santa Mara
de Itaparica, diz : Foi destro cultor das flores
do Parnaso, e dos fructos do seu trabalbo se po
diatn tercolbido alguns voLmes, se assim como
se espalham por maos particulares, se ajumas
sem em um corpo. *
A obra que realmente recommenda o nome de
poeta itaparicano aquello j mencionado poe-
ma que tem o longo titulo de mo gosto; mas de
exlenso em qae delinquiam muitos escriptores
daquelles tempos : < Eustachidos. Poema sacro
e tragicmico em que se contera a vida de Santo
Eostachio martyr, cbamado antes Placido e de
sua niulher e filbos. Por um anonymo. natural
da ilba de Itaparica, da Baha : Dado luz por
uai devoto do Santo.
Baltbazar da Silva Lisboa no seu manuscripto
Apontamentos biograpbicos sobre a vida de va-
ros brazileiros Ilustres affirma que vira o origi
nal d'csse poema, e que este fdra impresso em
Lisboa.
Eustacbidos-consta de seis cantos : no 5." em
ligeiros traeos que apenas lbe custam dez oitavas
ve n'um sonho e, se nao descreve, assignala a
trra do Brazil antes de descoberta, e que
De um rei grande ba de ser avassallada.
No mesmo livro e depois do poema aprecia-3e
a seguinte :
pro da 11 ha Itaparlrtt
Em um vasto me acbei e aovo mando
De nos desconhecido e Ignorado,
Em cajas pr|as bate um mar profundo
Nanea at gura de ilgum lenbo arado :
O clima alegre, frtil e jocundo,
E o chao de arvores muitas povoado ;
E no verdor das folbas julguei que era
All sempre continua a primavera.
Deltas estavam pomos pendurados.
Diversos na fragancia e na pintura,
Nem dos borneas carecem ser plantados,
Mas agrestes se dao e sem cuitara ;
E entre os troncos muito levantad,
Que ainda a pbatansia me figura
Hara um pao de tinta mui fecunda.
Transparente na.cor^ rubicunda.
overao do Estado de Pera;
DESPACHOS DA SKCBETARIA DO GOVEBNO
DO ESTADO DE PBBHAMBUCO, 30 DE ABRIL
DE 1890
Abaixo assignados. moradores em Catende.
Attendidos, de conformidade com a informscSo
do engenbeiro fiscal da via- frrea do Recife ao
S. Francisco, de it do correte.
Abaixo assignados, moradores em Jatob.
Indeferdo.
Antonio Pereira de Carvalho. Mantenbo O
despacho de 2 de Juiho de 1886, enraprindo ao
peticionario a observancia do edital da repart-
cao das obras publicas geraes, que determinou
a retirada do material de junio da ponte Buarque
de Macedo.
Arinar Eloy de Barros Pimentel.Encami-
nhe se.
Alfonso Jos de liveira Sobrinbo. Informe
o regedor do Gymoaeio Pernambucaoo.
Andre de Albaquerque Mello.Nao ba cadei-
ras vagas.
F. P. Boulitreau, Jos Das Collago, Henrique
Florentino a a Silva Santiago. lo forme |o Dr.
contador.
Mara Angelina de Azevedo Tinoco e izabel
Maria dos Prazeres.Informe a seceo do con-
tencioso.
Joaquim Candido da Velga Figueiredo.-In-
forme o Dr. ajudante do procurador dos Feitos
de Palmares.
Antonio de Miranda Castello Branco. Bazilio
de Miranda e Joaquim da Silva Carvalho.Infor-
me o administrador da Recebedoria.
pecialraente com o nosso
dizer-vos que a natureza
esplendido futuro. E*o
ite do Mgtpto L, onde
s desee o legendario rio
ce .ambem a doce agricul-
j segundo berco da civilisa-
cao, que naso para o occidente o nobre trafca -
Ibo du cultvalo solo Sublime misso do bi-
mem, que mais o approxima do creador_Jla
phrase inspirada de Emilio Castelar!
Pois, bem5 senbores,'a3 lemos o nosso Nilo
sagrado ; vede o como se desenrtla mage9toso
desde as monutotn at peader-se- no ocano !
Qaanta poesa tem esse curso de agua magesto-
so, que da nossa trra riqnezs sem igoaes,
qae traz ao nosso clima as brisas salutares do
ocano, e transporta em sua superficie calma as
uleis embarcaces reelectas de mercadorias !
Salve, rio providencial!
O aosso trabalbo vai dentro em pouco cobrir
toas margeos admiraveis ; os nossos arados vao
desenterrar os grandes thesouros que tens aecu-
molado para nosso beneficio, e por nossa acti-
vidade sers em poneos anoos qual ou'.ro Missii
sipi, o pai das aguas, alegre vehculo e fonte de
nosso bem estar. Tudo ser pela cultura do
nosso territorio.
Senhores, desculpai o entbusiasmo com que
vou esbocaodo estas considerad-Oes, principal-
mente destinadas a concentrar vossa attenco
nos nossos ioesgotaveis recursos naturaes.
Entremos no assampto especial, que aqu nos
rene em fraternal coavivio.
Observemo-nos; somos todos soldados da
grande campanba que se vai travar : cada um
cumpre o seu dever sagrado de cidado, contri-
buindo com ma actividade para o edificio social,
que nes abriga a todos, e ser, depois que nos
retirarmos da arena, a patria de nossos descen-
dentes.
Recebedoria do Estado de Per
nambuco
DESPACHOS DO DIA 1. DE MAIO DE
1890
Jos Antonio Ferreira Porto e Joaquim Jos
de Carvalho.Informe a i* seceso.
Antonio Ferreira Prente e Arculina Josepba
Lobato-=-Cumprase.

Francisco & Adriano.Iadeferido.
Generoso Alves.Indeferido, em vista* das in-
formac5es.
Gomes Ferreira d-C.Em vista das informa-
coes nada ha que deferir.
AGRICDLTDRA
Conferencia em Canti
Antonio Teixeira Pimentel.Nao ha cadeiras
vagas.
Affonso Monteiro Pessoa.Prejudicado.
Bel I armio Octaviano Regueira Duarte.Nao
ba cadeiras vagas.
Companhia Pernambocana. Nesta data sub-
metio ao conhecimento e decalo do ministerio
dajustica a reclamacao da peticionaria.
Companhia Babiana de Navegago a Va-
por.Nao tem logar o que requer a peticio
naria, porquanto a isencao de que goza a Com-
panhia Pernambucana com relacao ao imposto,
de que se trata, por forca do contracto que a
mesma companhia tem com o Estado.
Estevo Francisco SoaresInforme o cidadao
inspector especial de Ierras e colonisago.
Emilia Joaquina de Meleiros Soaza Caldas.
Nao pode ter lugar a licenca requerida, vista
do art. 153 5 do Reg. de 18 de Janeiro de
1888.
Faustino dos Santos Costa.Deferido com of-
ficio de hoje Thesouraria de Fazenda.
Elisa Candida de Figueiredo Mello.De ac
cordo com o art. 151 o. 11 do regulamento de
18 de Janeiro de "888, prorogue-se a liceo ga
com metade de ordenado.
Francisco Ferreira da Silva.Tendo em vista
as decisOes anteriores e o art. 17 do contracto,
informe o cidadao inspector do Thesouro do
Estado.
Generosa Ramos Fernandes de Carvalho.
Indeferdo, visto j ter sido designada professo-
ra para reger a cadeira.
Henrique Manoel da Silva.AO Dr. juiz de
direito do commercio para informar.
Hortencia Maia Cortes. Informe o inspector
geral da instruccio publica.
Ildefonso Marinho de Araujo.Informe olns-
pector geral da iostruccao publica.
Jos Pereira da Cosa Miranda.Encamiube-
se.
Joo Bento Monteiro da FrancaDeferido com
officio de hoje Thesonraria de Fazenda.
Joaquim Pires da Rocha Pereira.Indeferdo.
Juvino Barroso de Mello Informe o inspector
geral da iostruccao publica
Capito Libaoio Presidio de Carvalho.Sim.
Lydia Aires da Puriflcaeao Bezerra.Informe
o inspector geral da instrueco publica.
Bacharel Luiz de Drummond.Remettido ao
Dr. secretario da extincta Assembla Provincial
para entregar, mediante recibo.
Mana Anta de Jess Campello.Informe o
inspector geral da iostruccao publica, ouviodo
o conaelho luterano.
Manoel Gabioo da Silva.O quadro da offi-
cialidade do corpo de polica est completo.
Manoel Xavier -Carneiro de Albaquerque.
Reqaeira ao governo federal.
Manoel Francisco de edeiros.Informe o
inspector do Thesouro do Estado.
Manoel Torquato de Araujo Saldanha.0 pe-
ticionario, fora como se acha do esercicio de
seu cargo, ex-vi da pena de suspenso por 30
dias que lhe impoz o inspector geral da instru
ejo publica em 26 Jo corrate?poder tiatar
se lndependentemente da licebca requerida.
Manoel da Paixo Ramos.Ao peticionario
por nao haver prestado juramento, nao cabem
as regalas de official da guarda nacional, A
entrega do requerimeuto nio pode ter lugar, ca-
bendo-lhe, entretanto, pedir certid&o, caso quei-
ra. Por essa razo nao pode ser attendido.
Manoel Ferreira Guede.Concedo.
Mijor Pedro Velho de S BarreteAguarde a
expedicao de sua patente de reforma.
Secretaria do Governo do Estado de Per-
nambuco, 2 de Maio de 1890.
O porteiro,
H. M. da Suva.
pos
Exm. Sr. governador. Mea* senhores.0
meu illustrc collega, director da agricultura e
industria do Estado do Rio de Janeiro, expoz
hontem, em clara e methodica conferencia pu-
blica, os grandes pasaos que deve vencer a nos-
sa agricultura, para poder medir-se no certamen
do commercio internacional, com os productos
similares de paizes estrangelros.
O seu espirito esclarecido Mona o impeto do
patriotismo ferido em seu orgulho; por mais
calmo que pretendesae estar, o alastre confera-
te revelava pela voz e pelo cuidado com que tia-
tou do assumpto, o sen pezar de brazileiro, por
ter de dizer aos seas compatriotas qae, ainda no
nosso mais aotigo ramo de cultura, as Antilhas
nos tioham excedido. Foi principalmente mo-
vido por esse nobre motivo que o Sr. director da
agricultura nao quiz deixar de vir dizer nos o
que vira e observara em^ua ultima viagem.
O obscuro orador, que neste momento oceupa
vossa attenco, est ainda sob a impresso
deixada por aquellas revelacOes importantsi-
mas.
Eu sinto, porm, senhores, toda a vida nacio-
nal manifestar se; vejo que i espirito publico
anceia pelas grandes reformas, que bao de dar
nossa patria o lugar de honra entre as nacoeg
elvilisadas; por toda a parte levantam se fabri-
cas, aram-se os campos e prospera o commer-
cio.
Esta manifestaos o o prenuncio de urna era
nova de grandeza e prosperidade; essa era vai
chegar; a sua aurora espalha j no horizonte
os fulgidos clirOes da libsrdade, condicSo essen*
cial para o desenvolvimento do trabalho e da ri-
queza publica.
Sejam as palavras do meu Ilustre collega ou-
tros tantos lemmas, de cujo desenvolvimento bro-
tarao fontes de riqueza immensa.
Senhores, todos quantos conbecem o nosso
paiz confessam-se extasiados diante de suas ri-
quezas naturaes; a sua flora a mais rica do
mundo.' em seu solo encontram-se todos os the-
souros, e entretanto oceupamos ainda papel se-
cundario no convivio da cirlisaco t
Porque to estraaha nomalia? Como I Pois
Caja, a ilba de rea insignificante comparada
com o nosso vasto territorio, tem maior impor-
tancia agrcola do que a nossa patria I Java e
Ceylo vem ensinar-nos a cultivar o caf, e a
Nova Zelandia e a Australia vm dizer aos Esta
dos de Minas, do Paran e Rio Grande como po-
de e deve crescer a industria pastoril I
E a nossa repblica ha de ouvir as ligues de
taes mestres e mostrar-se impotente para retri
buir Ihes o doloroso servico t Nao; a nossa pa
tria, entregue boje ao estimulo dos seus domi
nadores, formada da soturna de todas as ener-
gas individaaes, em breve conseguir lirmar
em bases eternas o seu podero, bases eternas e
solida^, como eternos e solidos sao os elementos
qae constituem o sea territorio.
Para conseguirmos, porm, to bello resulta-
do, permitti, senhores, que vos aprsente como
meto mais seguro de victoria o conselho de, an
tes de ludo, applicarmos os recursos da cien-
cia e da arte ao desenvolvimento e aperfeicoa-
mento do que possuimos de mais importante.
Se frtil o nosso solo, como abandonar a in-
dustria agrcola, que tem na
_ fertilidade do solo
o sea principil elementle xito, para ternera- maior capital, que alias nao mais do que o re
riamente atirarmo-nos aos azares do industria fa- sfl'-ado da unio dos capitaes parciaes valiosis
Animados por essa voz interior que ouvimos
bradar nos a cada aurora trabalna, traba Iba
sem cessar -, applicamos ao nosso municipio os
principios tbeoricos de admioistragao e folgamos
em declarar-vos que sao muito satisfactorios os
resultados da nossa observac&o
O trabalbo individual realisado n'esta planicie
abengoad%, por grande numero de seus Ilustres
Blhos, realmente admiravel e tem sido fecundo
em seus resultados econmicos.
Sem a menor intervengan dos poderes pbli-
cos, sem auxilio algum dos governos amigos,
levaotaram-se na vasta planicie limitada pelos
ros Parabyba e Ururahy magnficos laboratorios
onde a industria do assucar receben at ha pon-
eos annos a ultima palavra da sciencia.
Benemritos Hlho3 da Hollanda brazileira !
Vos transformastes por vosso talento e trabalbo
incensante os elementos da vida nacional em
nossa patria ; que vosso nome seja repetido pelo
povo como o de grandes bemfeitores da huma-
nidade : por certo, senhores, se considerronos
os effeltos salntares das reformas iatroduzidas (
na lavoura local pelos engenbos centraes, em
torno dos qnaes vive hoje contente e feliz urna
populacao laboriosa, se atteodermos a que desses
centros de vida irradia-se o bem estar por vas
tos circuios concntricos, os qaaes tocando-se e
entrecortando se cobriran* municipio de tra-
balho til, nao deixaremos de considerar bem
feitores sociaet-^t graades proprietarios de taes
estabelecimentoB.
E', portanto, a esses iniciadores do progres,
aos p'wneers de nossa industria saccarna qae
devemos aqu e por toda a parte tributar os mais
arde.ites elogios.
Pois bem, senhores, foi exactamente do estado
continuo que ha seis annos fazemos desta trra
privilegiada e de seus thesouros naturaes e in-
dustriaes, que ebegamos a formar o grandioso
plano de uoihcaco dos engenbos centraes.
Em poucas palavras vos exporei o nosso pen-
samento sobre a materia, o que alias est j no
dominio pblico-
Reunir em urna s companhia to bellos ele-
mentos, dar industria agrcola neste munici
pi a uoiformidade de aeco, economisar em
beneficio commum despezas ndispeosaveis no
regimeu da separaco, dar ao producto maior
importancia commercial, abrir talvez nossa
justa ambiguo novos mercados, dilatar o campo
da industria do assucar dentro de nossa propria
cidade de Campos, cidade sagrada para o povo
3ue abi vio nascer os seus filbos idolatrados,
esenvolver acuitara por meios mchameos fa-
cis de obter a urna poderosa campanhia, mas
fura da aleada da espbera individual, fundar a
instrueco agronmica, cuidar do operario to-
mando o na infancia e educando-o para o traba-
lho, taes foram, senhores, os nossos fias princi-
paes.
Nossa obra simples.
Coube ao3 fundadores dos eatabelecimentos a
gloriosa tarefa das latas colossaes, nosso pro-
gramma nao far mais do que reunir, para for-
mar grandioso edificio, as pedias monumentaes
por el les accumuladas.
0 ilustre governador do Estado, com os nobres
estmulos de seu patriotismo, veio ebeio de affa-
bilidade ao encontr do modesto iniciador pro-
curou animal-o na sua empreza, igualmente no-
bre e patritica.
Cbeio de entbusiasmo com mun i quei -vos a ale-
gre noticia de sua animago, e vos, accedendo
ao nosso convrte, demonstraes o vosso ardeute
anhelo em prol da grande causa de que se trata.
Senhores, dos nossos esforcos combinados re-
sultarlo vatagens incalculaveis; pego vos per-
miS8o para nao descer aos detalhes do vasto
programma : como sejam fabricac&o e acquisi-
cao da materia prima.
Para corresponder a grande amabilidade do
Exm. Sr. governador, aasumo o tremendo encar-
go de dirigir-voa a palavra, eu que nao possuo
esse sublime dom, e que mal posso encarar os dif-
ficeis problemas da nossa organisaco social.
Esta reunio simplesmente a esposigo pu-
blica do nosso projecto : ser um meio de o su-
jeitar discusso acordando argumentos que s
o estudo especial da questo pe a descoberto.
Senhores, accidentalmente pego-vos permiaso
para communicar vos que a companhia que tra-
tamos de organisar, reanindo e utilisando todo o
trabalho ja realisado em nossa trra, inspira il-
limitadi contianga aos capitalistas ; a sua renda
sera segura e de sua prosperidade vira a felici
dade para o cultivador pelo maior prego porque
pode ser paga a materia prima.
Calcnlae agora aa vantagens enormes, quepro-
viro desse estado especial de prosperidade V-
de os effeitos salutares qae, s vo derivar da
economa realisada espalhaodo se pela trra em
chuva benfica de riqueza e bem estar para o
lavrador I '
Como disse, a nova empreza, dispondo de
verno pelo Ilustrado Dr. Luiz de Castilho. pjs-
son j da poca experimental para poca indus-
trial ; at Ontubro de 1888 era elle applicado
com xito perfeito na Hespanha, em Java, na
Australia, em Demerara, as ilhas Sandwich e
em Guadelupe. Indicaremos, extrahiodo do mes-
mo Gente Civil cima citado, as diversas bateras
de diffuso montadas at aquella poca.
1 Sociedade assacareira peninsular Usina
de Mouserrat em Almena, Hespanha.
2 Colonial Sugar Refining Co, O. Broadwter,
Hespanha.
3 dem em Sidney, Australia.
4o U. Vonopringo, Java.
5' Duquerry, Guadelupe.
Devo ler vos o trecho do artigo do Gemie Civil,
a que me retiri. ,
Tendo entrado francamente no dominio da ia-
dustria o systema da diffuso, ser o nosso prin-
cipal cuidado adoptal o ao primeiro anno de fnn-
cionamento da no3sa companhia em utn doi ea-
tabelecimentos.
Considerando gravissimo o problema do tra-
balbo rural, a companhia, auxiliada pelos pode-
res pblicos, estabelecer nao urna colonia agri
cola, mas muitas ; esse trabalho de cuitara in-
telectual ser de grandissimo resultado, forne-
cendo a esta trra o melhor operario, e retiran-
do das cidadea o ocioso, que perturba a eeono
mia social por sua inactividade.
Igualmente poder a companbia, desde que lhe
seja franqueado o apoio do poder publico, intro-
duzir operarios de primeira ordem. que iro s
lavoaras enainar os procesaos de cultura, e por
seu exemplo excitarlo os naciouaes conquista
da fortuna, a cobica da fortuna, que ailrahio
California emigrantes de todo o mundo e que co-
brir nossos campos de trabajadores exceilen
tes.
NSo deixar a companhia de manter pequea
carteira hypothecaria para occorrer, sobre pe
obor de frncto pendente c outros, s necessi-
dades da pequea lavoura aanexa s soas fa-
bricas.
Ser de todo o interease da companhia tratar
com os proprietarios ruraes de sua louaairri-
gaco artificial das lavoaras ; ser esse servico
ao menos inatallado pela companhia e conser-
vado depois pelos proprietarios com remauera-
co razoavel do capital, que se honver despen-
dido.
Nao deixaremos de propugnar pelos direitos
dos lavradores ; a companhia, alera de associa
cao commercial, ser a mais legitima represen
taote da grande classe des lavradores, pois os
seus interesses estaro intimamente ligados aos
dos meamos.
Com todos estes elementos tal empresa deve
ser considerada como o inicio da aova era de
progresso a que me refer ao encelar esta des-
pretenciosa exposi;ao.
Domina-nos o espirito o amor de nos patria
unido ao justo impulso individual, que, no pre-
lio humano, identificando-se con ama idea, pas-
sa a representar o interease conectivo, que a
mesma concepgSo affectar.
Tenho concluido.
J. S. de Castro Babboza.
INDUSTRIAS E ARTES
Commercio, de 16 de
FINCAS E C011IRCM
No Jornal do
Abr! rindo, le-se
Quando o governo, interrompendo Ion-
ga pratica, deliberou reduzir as um anno o
prazo concedido para as pequizas necessa-
rias ao descobrimento e determinado da
minas, estabeleoendo por tal modo regra
uniforme que peccava pelo essencial defeito
de nSo attender desigualdade das eircum-
stanctas, repetidas vezes fiaemos sentir que,
se nao todas, a quasi totalidade das con-
cessSes vasadas em semelnante padrSo vi-
na a naufragar ante a impraticabiUdade,
de, em perodo tSo curto, levar a effeito
exploragSes regulares cajos resultados-fos-
se m para inspirar con flanea.
Com effeito, era fcil conjecturar que,
se pesar do praao de dous annos, at en-
tlo commmumente concedido, moitoa con-
cessionarios acudiam a solicitar proroga-
5}2o, allegando por motivos attendiveis em
grande numero de casos as longas dis-
tan tancias, a falta de vias de communi-
casao e a escassez de pesaoal idneo, me-
nos aoluveis seram estas diflicttldades no
curto perodo de um anno.
Muito pugnamos pela alterasad da nova
pratica administrativa porque a industria
da mnera$Se, ao passo que prospera em
Unto parte, constituindo valiosissimo ramo
do trabalho e fonte abundante de riqueza,
parece atormentada entre nos por eausas
de deafallecimento qae lhe impedem toda
a expansao, a despeito dos elementos na-
turaes que lhe depara o rico sub solo do
Brasil.
A dilacSo dos praaos nSo cortamente
o remedio de que carece a estacionaria in-
dustria.
NSo se dir todava que o constrangi-
mento da iniciativa particular pela insufi-
ciencia do tempo seja cousa indiferente ao
destino de um ramo industrial, evidente-
mente atrazado, que nao tem conseguido
attrahir e estimular o esquivo capital.
Os factos enearregaram-se de patenteiar
o fundamento de nosso parecer.
A administrac3o tem attendido a nume-
rosos pedidos de proroga$3o, quer no ac-
tual ministerio, quer no ultimo do rgimen
depoato.
Agora mesmo publicam-se a favor de
a s concessionario Manoel Antonio da
SHvm Reia, quatro decretos, todos de 9
cesto mes, prorogsndo por mais um anno
prasoe marcados a 24 de Novembro de
l888paraezplora9So.de ourp. chujcbT"~
enxofre.

I
As boas tendencias do mercado ioflaeaciaram
as cotages de fundos internacioaies, qae cen-
sa rain ligeiras subidas.
No mercado de Paria a situagio cootiotaasus-
tentar todas as condiges de desafogo que lhe
assegoram a persistente expansao ao awrimento
de suas operagoes.
No entretanto, essa expansao anda nao attin-
gio o sea logar, pois que nao s as eaixas do
Banco ae Franca, como naa de outros eatabele-
cimentos de crdito, as reservas meUUicas sao
muito importantes, e ainda nao poderara fazer
repercutir os seus effeitos na circalaeo geral dos
negocios.
O Banco de Franca v successivamaite
grossar a sua reserva, e ao mesmo tempo assis-
te a consideravel depresso as coatas de
movimento.
A diminuigo da carteira do Bauco, em rea
gao ao anno pssado, de cerca de O*/ mas
eSta enorme falta de papel de commercio n'esle
anno deve nicamente ser attrbuida s coudi
ges especiaes qae se deram com a abertura da
Expoaigo Universal.
O gigantesco saccesso d'este certamen, fes
desenvolver o commercio e a industria francesa,
proporcionando Ihes condiedes de nova vida, qne
lhe tea. feito tornar mala dispenaavel o auxilio
das instituiges de crdito, a qae permanente
mente recorram.
Os effeitos da Exposico ainda se nao de se-
ar por muito tempo na economa geral do paiz,
pelos grandes beneficios que lbe proporcionou
e pelos elementos de prosperidade que lhe asse-
garou.
A pletbora qae o Banco de Franca aprsenla
necessidade de um grande derivativo, para nao
produzr a estagnac na circulac&o.
E' necesaario abrir as vlvulas a esse grande
reservatorio de moeda, para que pela acgo ex
pansiva estabeleca, avigore e impulsione o mo-
vimento das correntes metallicas para outros
centros, onde possa produzr os seus resultados
benficos.
A operaco linanceira que o governo francez
pretende realizar parece que, maia outra ves foi
adiada, e de certo que d'ella nao afastam a vista
os principaes banqueiro3 e estabelecimentos de
crdito de Paris.
Ora, emquanto esta operago se nao decidir I, .
definitivamente, nao possivel que a situacao de passo invertido, i unccionando 1 1 en

., prata e outros mineraes nos mu-
nicipios de Arax, Abaet, Patos e DSres
do Indai, do estado de Minas Geraes.
De accordo com o que, ha dous annoa,
temos reclamado dos poderes pblicos a
bem da industria da mneracSo, considera-
mos equitativas toes prorogacSes, pois ton-
dem a facilitar iniciativa particular a
execucSo de pesquisas que nSo raramente
ato costosas e que devem de ser hbil-
mente dirigidas para nSo dar aao a empre-
sas venturosas cujo resultado s poder
contribuir para cada vez afaator mais os
capitaes de um ramo de trabalho que tanto
prometto riqueza nacional.
Exija o governo exploracSes dignas de
confianza e relatnos completos, mas nSo
regatis para esto fim praaoB proporciona-
dos s diBtancirs e a outraa difiicaldadee
com que lutam os concessionaros.
O Aerstato dirgivel de 21 de Abril, de
invencSo do Sr. Leopoldo Silva, que para
ana exploracSo obteve o privilegio de 15
annos, um balad susceptivel de direc-
$5o.
A forma do seu balao approximada-
mente a de duas pyramides cnicas trun-
cadas e unidas pela base e horisontalmen-
te dispostas, presentando em suas duas
extremidades dous lemes vertieses em for-
ma de cunha.

O propulsor formado por dous hlices
monetaria
mentei
da praca se modifique profunda
bril, onde a lucta com productos similares ser
toda em circunstancias para nos desfavoraseis ?
Foi jamis prudente abandonar o castello de
defeza para irem campo descoberto bater se um
homem contra urna pbalange ?
Tal a nossa situagio. Vejo, com pezar, que
nao empregamos na agricultura todos os nossos
esforcos, vejo qae muitos capitaes tm procara
do na industria fabril campo para sua utilisago ;
ora, precisamente na cultura do solo, especial-
mente em alguns gneros, que podemos desafiar
a concurrencia de todo o mundo.
Tal o methdo a seguir: antes de penetrar no
vasto templo industrial e artstico, corramos aos
8imoa, como sao, dever por em pratica imme-
diatamente em um dos actuaea estabelecimentos
o systema de diffu?o para a extraego do assu-
car.
Nao esta a occasio mais opportuua para tra-
tar de to grave assumpto, que por sua comple-
xidade exige muito mais vasta exposigo. Como,
porm. palpitante o interesse que desperta, nao
deixaremos de dizer sobre o mesmo algumas pa
lavras, e leremo3 um bem- elaborado artigo do
Genu Civil de a7 de Outubro de 1888, firmado
pelo Sr. engenbeiro Avisae. Tal systema, segun-
do as mais recentes publicages, entre as quaes
avnlta o minucioso relatorio apresentado ao go
Constara que a Companhia Leopoldina trata va
de comprar a estrada de ferro de Macah e Cam-
pos.
O prego da compra de 15 000:000* sendo
6 000:000* em dinheiro ou em debeutures de
tl|2|o e 9.000:000* em accoes da Companhia
Leopoldina.
Segundo essa proposta, por urna acgo da
Macah, receber cada accionista 100* em di-
nheiro e 150* representados por acgo da Leo-
poldina. .
Consta que a proposta foi assignada por ac-
cionistas da Macah possuidores de ama tota
lidade de 30.000 aeges, correndo igualmente
que ha urna outra proposta para a compra feita
pelo Banco Constructor.
A situacSo monetaria da praga de Lisboa de-
sahogada.
O dinheiro contina em abundancia, fazendo-
se reportes e descontos de primeira ordem entre
4"i. e43i4.
O Banco de Portugal mintm o prego de ?[.
para descontos, 4 liz |0 para emprestimos so-
bre ttulos do Estado e 4 3i4[, para opera
ges sobre quaesquer ostros valorea ahi admit-
lidos.
Para redescontos de bancos e casas bancarias
ouvimos que a taxa de 4 j..

Continuara as fallencias em Italia.
Depois do suicidio do banuueiro Spogliardi, a
pedido doa liquidatario8, o banco de que elle era
chefe acaba de ser declarado em quebra. Ele-
va-se o passivo a 3 098:887 francos.
sentido contrario ao outro, e collocados na
parte anterior do aerstato. ,.
Em frente dos helir" '"l outra e
midade, funeciona rm x -tict!, eombi-
nado com o movimon'-o outros ciois.
O auctor d'este aere 1. ;e i, coi
se viu, bastante origlaftl, ,i fez .
duas experiencias parf .ir os, uue foram"
coroadas de feliz succ. so e eui breve re
alisar urna experiencia publica, que de
presumir d os mesmos satisfactorios re-
sultados.
No valle de Ontario inauguren-se, nao
ha muito tempo, um tramxoay que atra
vessa a avenida Euclides, urna estrada
agradavel, marginada de larangeiras e li-
moeiros.
Afaatando se da cidade, a estrada en-
contra collinas, e por vezes ha rampas
difficeis de vencer.
Urna pirelhas de bestas faz a trcelo
dos carros as plan icis e as en ostaa;
mas qn.:ndo se desee, o proprio peso
utilisado para transportar os carro3 e os
animaes.
As bestas sao levadas para urna pequea
plataforma moyedic* cercada de grade e
presa ao carro. .
A porta, collocada na extremidade, abai-
xa-se e faz plano inclinado ; os animaos
ft
_A


Diario de Pernambuco-Sabbado 3 de Maio de 189(V
Bobem d^travam se o freioe do carro,
que desee assim com os animaos a toda
velocidade.
Desta forma da-ateaos animan aljpm
tempo de repaoa.
Desce-se ooaruma sapidez que elleamao
poderiam alcangar, e-como nBBoncavse
faz rpidamente, recnpe*aae da tow
pequeo atraso caaaado pala dsanom no
systema da traeflo.
QUESTOES S0CI4ES
.
Mensageni que ao governo pro-
visorio dirigi eta Repu
bllcano Fre Canee. __
Generalusmo :gs<4i
0 Club Republicano Fre Caneca, fundado Da
cidade do Recife, Estado de Pernambuco^em 28
de Julbo-e 4889, eoawwB veHeareniu (iiuujuiw
s verifonbosas scenas de 19 na Baha e 22 do
mesmo mes uo Recife; na esoena, grandemente
calamitosa, em que o ministerio, encarregado da
anti patritica empreitada de impr i.napio um
impopular 3.' reinado, praticava, directamente
ou por seus agentes, as maiores violencias contra
aquees que nao se curvavam, genuflexos, ante
a ana autocracia burlesca; vem, por intermedio
dos abaixo assignados, escolhidos para esta hon
rosissima tarefa, pedir-vos, em nome da patria,
quesuieiteis a Constituipio, elaoorada pela illus-
tradissima commissao respectiva e revista por
Vos, com audiencia da opiuiio publicabase de
todas as institoipoes democrticas,-i decisic-
popular e nao urna assembla constituinte.
as circumsiaucias que atravessa o pa>z no
actual momento histrico, quando tratara corajo
smente da operosa taiefa da roconstituipo ra
dical dos- nossos hbitos, preciso que da ma
Sima prudencia e energa se revistan, todos os
actas, de que dependam os nosso3 crditos no
exterior e a nossa pax interna.
Em Polia achar se perfectamente constituida, possue um
ia crescido cabedal de conhecimentos) tfevese,
invariaveimeote adoptar o mais curto cumiBho,
a lintaa- de menor resistencia. _-. .-
Esse apoantegma, cuja justeza iqconteste,
tem urna rigorosa applicapio ao monentoso as
sumlo qoe faz objecto da presente Mensagem
que, mbora mal redida e desconnexa, sycnbo-
lia siooeridade das convicfiOes do Club Hepu-
bficann Fiei Caneca.
"O Peoiscito, idea, a soberana popular exer-
citatWo-se em oda sua amplitude, directamente,
lem mediadores.-, evidentemente, a trajectona
mais fcil, mus commoda, ais rpida que po
der se ha descrever para a assegurapao das
ideas triumpbantes no memoravel f5 de Novem-
bro, em qoetVs e os vqssos dignos, ieaes e in:
trepiios eompanheiros, infloenciados pela le
eral da evoiucao, ligaram-ee aos nossos ante-
passados, formando urna sOcadeia de dedicapoes
lnolvidaveis em prol da democracia.
0"presente sempre, o desdobramento ao
Sisado e o ponto de partida de urna evoiucao
tura : elle o conjoncto das condipbes accti-
muiadas pelas ideas e seotimentos (sitn porque
idea e sentimentos governam e transforman! o
mundo, affirma o Augusto Comte, muito embora
.eocer atieste o contrario) das geracoes idas
a modificadar (as condipoes) pela le que cita-
E ji que fallamos na influencia do pussado so-
bre o presente devemos perguntar aot que com-
batem o Plebiscito como contrario a nossa ndo-
le :nao fbi oonsequencia de um Bimulacro, ara-
na que rude, da iostkuipio plebiscitariaiO Fieo e
a acclamapio de D. Pedro por forca fe itaes
lambam nlo era um arremedo dessa bnlhante
manifestoc&o daaclividaae popular?
Mas, como diziamos antes de desviar- nos- das
aossas consideraces primeiras, o Plebiscito e o
meio mais efficaz dse votar a lei fundamental
por que-regular ae-ha a RepnWica Brisilelra.
O estaa provisorio em que acha se o pare,
por mais incondicional que seja a coottanca ins-
pirada pelos acluaes directores.da nacao (que nao
podera deixar de dar a effectividade aos que lio
vanUjosamente formaui o poder supremo) de ve
ser extracto o mais breve possivel; assim o exi-
gem as nossas relacbes internacionaes que pre-
cisam ser consolidadas e assim o impOe o regu-
lar funeciooameotoda machina politico aaoajUB
iva. _^ -' ___
Em face das anormacs cireamstancias, crea*
~~aMflla derruicfto de urna forma de governo;
u* no m aimura, eb perdurara ateo occaso-do-
velho Monarcha que no exilio lamentara certa
mente nao ter sido um Amadeu de Saboya de-
ve-se, antes de tudo. tratar de solidificarse, eee-
nretada a indagacao da belleza das thep-ias, o
yslhema inaugurado, felizmente, |Sj|S lf|iiB*a]
te moembrmo. impulsiooando se, devidamenie,
o mechauismo funeciooal para o terreoo da es-
labilidade.
E nao 6 so i>-so. ..
A approvjcao daconstituicao pelo poder learf-.
lativo coasMbstanoiado n'oma assembla pol>u
ca para tal lim eteita, demanda um loauo praso,
afim de serem seguidos todos os tramites r?gaes
e observadas todas as fermaiidades MMM
e nOs precisamos, e ns tenaos o imperioso de-
ver de economisar, reduiir e dim nuir o tnipo
em que, por falta de Ibis coastitu ionaes, se lem
de manter o esudo provisorio, em que se adiam
todas as nossas resCes jurdicas e soeiotogi-
Alra da grande economisaco do prajo dessa
noss vitermidade o voto immediato do povo, de-
cidiodo dos seus direitos e deveres, da orgatn-
sacao dos poderes, etc., te a vaotagess de ex-
tirpar quaesquer prelenses obstruccionwtaa da-
uelles, que, loncos, nao se conformaram com a
magnitude do passo que fizestes o Brazil dar no
caminbo luminoso e explendente do progresso
A demagogia revestida de fallaciosos fioroes
de um lado, e o sebastianismo hipcritamente
occulto de entro, nnllificarao, oo, pelo menos,
difficultarao a prosecuco da obra regeneradora
que o vosso patriotismo inicioa, se nao for adop-
tado um alvitre que, stm coarctaco de direitos,
salvaguarde os interesses nacionaes que na j Je
vem estar mare dos agitadores.
Em nada soffre a osageslade de que se deve
revestir a approvaco do nosso cdigo politico
se esta fr dada pelo Povo.
E nio se explica que naja espirilos que se
sbalancem a negar a este meto o tom solemne,
requerido em taes occai6es, para concede I o,
ezclusit. a urna Assembla. que por emanada
do proprio povo, nao Ibe pode ser superior!
Sabe-se qaa-o miaissario da Rapnbliaa*Vraa
sesa reaolveo oao permrttir a representaban em
Franca do MsAasv. ae-Bernier.
O eBObaixador fraases em Coastautiaopla as-
sim acatos da o communicar ao goaarno do
sultao.
Esta prohibirao o resultado das reclamac6>s
da Porta contra a rppreseotacao em Baria de
urna peca cujo assumplo e feitio de tratal-o ella
achou attentatorios da sua dignidade poltica e
das circumstancias que formam o esteio da con
stituicao da Turqua. Como estado que, pelas
suas excellentes relacOes com os outros estados
europeus, pode reclamar delles as garantas de
respeito e de tratamento internacional a que se
sent com direito, a Porta Ottomana, eateodeu
naturalmente, e achamos que eatenJeu muito
bem, que a inculcada liberdade de pensar que
TIANSCElPCfiS
seuia
de outros que se tem formado em diversos pon- Do Dr. Regueira Coala ao presidenta do Club
tos este jsstado. nrniitna amulla huuaadn dou- Ropablica Booiteose M de Abril.
tor lao ingente tarehn aonflo na-grasate prea I Da cap tao Napolelo Duarta ao Dr. Mam de
tigio>iaasamaa sympilhia, apne inerecdamenla Vagoaocellos
gozama _
reapsBMlii'-
e pode de.saodobrltoanie cor
inga
m
*\njmumr m-ivuiiuu^ei hhu ipu^uau*. "i
ihnnHaiiilii !'' i ni wmn iiliiiii......n iiniiu n e Do Dr. Vasccncellos ao Dr..ftegueMs*Co*t*.
._ \ UJ*>n nAM UnniUB.n ; faala TaYi Iip Hnriioipa f.naJa i i i nsisaa i n'i lia i mili
para o brioso novo tonitaose, vio com a festa
imponente de 20 de Atril ooroadns os asa? es
forgos por urna forms,4|uenaam duvida .axcedeu
i sua espectaliva.
No" referido dia 20 araaoheceram as roas des -
ta villa vistosamente enfeitadas com arcos de fo-
lbagem e flores.
Pouco dtsnois das 10 horas comecaram a che
gar de todos os pontos da comarca numerosos
grupos de cavalbelros; o povo affkiia para a
villa, emquanto que urna excedente b inda de
msica enchia o esp?co d? harmonas alegres e
vibrantes, tudo annunciando que ia ter lugar
urna festa deslumbradora.
BteprofesBor Guimacaa a Pernamtoaco Repu
Do Dr. Regueira Cosa ao escrivas da orbaos
Joaajoim Roberto Peraira.
Da oicnvao Joaquiai Roberto ao Dr. Luis Bsr-
baiao.
DoDr. Regueira Costa ao Commamtante-Ma-
rianno Tavares Ledo.
Do Dr. Jos de Vasconcellos aos illustres so-
cios do Club 22 de Julbo, Alfredo Falcfco, Telles
de Queiroz e Napoleao Duarte.
Do cidad&o Alfredo Falcao, como brinde de
henra, ao generalissimo Deodoro.
Brindes do segundo banquete :
Do Dr. Regueira Costa, em nome do povo do
Benito, aos cidad&os Alfredo Falc3o, Telles de
assietir
cano Bonitenee
20 de Abril, os distinntos cida-
revwa-oela represeataoio-saaaiaa wiiiBtss efdaos Alfredo Palcao, presidente do C ub 22 de
________I______^r.J.n n -*nnH..rfnn F,rt ntirn nnaln I..II. f\- Tallan ia AnaMM a *. n~m.ikK^ VI,iUt.
de pessoas respeitados o sagrados no paiz posto
em scena, criticndoos satyrica ou mordazmeu-
le, aehincalhando os, ridicularisando-os, emfim,
longe de dever 6er considerada como um coro}-
lao de boas e cordeaes relaees polticas entre
naco e naco, nao passa, na verdade, do que :
-nao passa de ser urna vilania gresseirissima
de escriptores indignos, que especulando com a
maior baxeza, com a ignorancia e com a falta a cbe de senso e de criterio das muliidoea, compro
mettem as conquistas do espirito humano, con
fundlndo a liberdade com a lcen$a, atrepellando
o direito alneio com a allegaco de um supposto
direito. que outra cousa nao senil um abuso
infame, e vertendo cyoisa ef erversamento entre
as nacoes motivos de mutuus a.alquerencas, de
represalias odieotas e de retaliajes que podem
ir al s nais graves e funestas consequencias.
Assim como a Turqua, Portugal tem tambem
e aioda maljde reclamar dogoveroo da Re-
pblica Fraoceza que se sirva de por cobro
indecencia com que os portuguezes estao sendo
tratados, de ha lempos a esta parte, nos theatros
de Paria.
Emquanto as cousas nao passaram de meros
ridiculos, va I Ridiculos todos os tm, e do
mesmo modo que em pontos de muito maior se
riedade, nao a Franca que. pode gabar se de
possuir privilegios de isenco, corapreheodemos
que se nao ha de estar todos os dias a dar sorU
porque o> escreviohadores de semsaborlas sce
nicas qoe la por Franca sao Untos, quasi, como
03 bostiques que nella medram, I
Eram esperados do iReoife tres membros do, Queiroz e Napoleao Duarto.
Club 22 de Julho, que unham sido convidados Do cidadao Alfredo Falcio ao povo do Bonito,
para assietir a ioauur nheiros os obsequios e finezas que receberam do
mesmo povo.
Do Dr. Regueira Costa ao Club 2a de Julho,
'representado as pessoas do seu presidente ci-
dadao Alfredo Falcio e socios Napoleao Duarte
e Telles de Queiro*
Do Dr. Regueira Costa directora do Club
Bontense.
Do Dr. Telles de Queiroz ao Dr. Vasconcellos.
Do Dr. Regueira Cosa ao Dr. Annibal Falcao.
Do Dr. Jos de Vasconcellos ao Dr. Telles de
Queiroz e sua gloriosa provincia, o Rio Sraode
do Sul.
Do commendador Benicio ao conselheiro Sal-
danba Murinbo.
Do Dr. Regueira Costa aos Drs Luiz Birbalho
e Sebastiao Ildefonso, promotor e juiz municipal
da comarca.
Julbo, Dr. Telles le Queiros e o capitao apo
lelo Duarte. Todos os cavalheiros que chega-
ram dirigiram se ao engenhodo coronel Thomaz
de Aquino Pereira, situado a duas leguas da villa,
onde estavam aquellos cidadoe, para formarem o
prestito que os devia acomoabar al a villa.
A' urna hora da tarde numerosasgirandolas
de foguetes, atroando no espaco, annunciavam
22 de Julno.
Entao pdde-se contemplar um espectculo
grandioso : mais de trezentos cavalleiros, acom-
pantiando aqoelles illustres republicanos, desti-
la vam a passo, compactos, unidos, formando um
cortejo imponente, soberbo, que era virtoriado
pelo povo na sua paBsagem pelas ras da villa.
Ao approximar se o enorme prstilo i casa de
residencia do Dr. Regueira Costa, oade tinham
de hospedar se os illustres excursionistas, no-
vas girndolas subiram ao ar, rom pendo a mu
sica qu 9 se acha va postada porta da casa, em
fortes, alegres e vibrantes harmonas, que tize
ram subir o enthusiasmo ao seu maior auge.
Nao podando a casa do Hr. Regueira Costa
conter todo o povo que se agglomerava na praca
da Matriz, o cidadao Alfredo Palcao, de urna das
jauellas da mesma residencia fallou ao povo, de
diando de si e de seus eompanheiros a honra
da festa, diaend i que ella pertcncia de direito
Repblica, ao seu legitimo triumpho, devido nao
a individualidades, mas a grande massa de bra-
zeiros que coo-tituera anaci. Ri-lembrou os
servicos prestados no goverao provisorio pelo
os oasoaques que nena mearain, se icmuicuu uc ci i^ ijicjwuus uu eu.ri,... ,, unam K*-"
por em scena pu.rsonagens ridiculos, aos quaes honrado cidad&o Dr. Demetrio Ru eiro e a orien
diu -*--------mattuttinii nos cartazes. tacao segura me vai dando aos pblicos uego
elles chamam portuguezes nos cartazes.
Agora, porm. o caso vai sendo mais serio.
Certoa vuudtoUiutas fran -ezes comecam a tratar
a aaciooalidade portugueza como se ella fosse,
como a da Turqua, que, aioda assim, nio esteve
pelos autos; -a de um pars kart cketient.
A falla de christaudade, porm, a ausencia do
espinto de sol lariedade moral e poltica, nao
esto em Portugal, mas em Pars, capital da cm
lisacio, f;o do progresso universal, etc., etc.
Em Psris, onde meia duzia de rabisydores sem
brio, nem digoidade enxovalham com as suas
calumniosas faeecias, toman k> por alvo -o por
tugues a distincta e nobilissima classe dos ho-
meos de lettras da Fraoca; em Paris, onde meia
duzade miseraveis e seinsabores fabricantes
de comedias torpes enodoam e conspurcam a
scena francesa com a diecio laboriosa daa
mais repugnantes e abjectas paix6es, attribuidas
ao carcter e i alma dos portuguezes I
Esta infamia,porque ji oio um mero abuso,
lac&o segura me vai dando aos pblicos uego
cios o ilustre cidadio Benjamn Coostant.
Em seguida mostrou o alcance patritico Moni
(esto de 1886 e lerminou saudando o heroico povo
bontense pela sua firmeza de carcter e connanca
no futuro.
O orador foi estrepitosamente applsudido e
coberto de flores. -
A's 4 horas da tarde, no paco da Intendencia
Muni ;ipal, teve lugar a sessio de inauguracio
do Club. Era enorme o coocur.-o de cidad&os
de todis as classes que vieram assistir a esta
Testa da Repblica; a sala da Inten lencia, bs-
tanle vasta, esta i completamente cheia, calcu
lunl'-se em mais de quatrocentas as pessoas
qoe consegulram tomar all lugar, alera das que
estaciona vam na roa por nio po lerem penetrar
no recinto, onde se celebrava a sessio
Presidiado a gr nde assembla popular, o Dr.
Regueira Costa abri a sessio com um eloquente
discurso p.m que demons rou as vantagens e. os
lAIILIOI^U,
Do coronel Joas F. de A. Santos ao professor
Gui maries.
Do cidadio Alfre lo Falcio, como brinde de
honra, ao cida io Beaiamin Contant.
A's 5 horas da manbi do oa 22 retiraram-se
os illustres hospedas, deixando gratas records
(Oes pela amenidade de trato e dislinccao de
maneira com que a todos pennoraram.
E assim termlnon a grande festa, a que den
lugar a organisaco do Club Republicano desta
comarca.

PERNAMBCO
mas antes, como por 14 se diz, un part pns, um j ns do Club Repuhlicano. que se ia crear, deseo-
proposito feito de verter no conven cimento da volveu os principios do Manifest de 10 de De-
populaeao parisiense a idea de que o portugnez. iembro de 1888. fallou largamente sobre o grande
, emgeral, o que io os individuos que com I acouleciraento de 15 de Novembro, e eoncluio
pbenra escoria da socieiade francesa, e para os declarando em nome de seus amiaos presentes,
quaes La Forc. Mazzat, Clkhy, La Roquetle se; que eslava oreanisade o Club Republicano desta
editicaram esta infamia, dizemos, carece de, comarca, o qual aceitira o Manifest de 10 de
ser reprimida pelo governo politico da Franca, i Dezembro, e se flliava pela communbio de eren
ja que o siso e a aprugoada civilisacio e polica cas e ideas do Club 22 de Julho deate Estado.
do povo qoe lhe habita a celebrada capital a to
lera,mais do que issoa applaude alvarmente,
com vergonha e escndalo do direito inleraacio
nal, ao qual semelhantes attentados nio devem
ser nem-estranhosnem indifferentes; com ver-
gonha e escndalo das mestnas tio apregoadas
urbanidade e delicadeza francesas.
I" ii jo-nal orKo sem ofliciai do actual gover-
no, tratou i* ha'uhis esta quesiio.
Deuuociaudo as vilissimas demasas dos es
ereviflbadofes psrisieoscs, insinuava que com
. ama pequea advertencia da nossa legagao em
Pars a com uissao da censura Iheatral, ludo n-
cai sanado ,
Para as, este caso esti muito longe das ques-
ees dissotvenles da poltica pariidana nteioa.
O resoeiio que deven.os tod08 querer que se tri-
ibute nossa nutria, em Franc. ou na Mingrlia,
oos boulewrdt de Paria oo entre os broncos ha-
bitantes de Tombuctu. une todas as diftereocia-
toes da poltica nacional em omi so legitima
mas vigoeosa aspirajao -a de que preva ecam
as medidas teadeoles a assegurar-nos por toda a
parte esse respeito. __^
rtqufoos, pobres, insultados pelos pr spotea-
tes, abandonado* pelos poderosos, outra menos
digna do respeito universal que fosse a nossa as-
cendencia potinca, e menos honrosas as raizes
da arvoregenaalog'ca deendebrotam os serapre
mode.-ios ?eoewo que por ahi se faaem conhe
e r oo mundo por rilhos de Portugal, nio nos
fallecera o direiio que temos a ser poupaaos as
A instituicio plebiscitaria que vem desde 03
aregos e oo romanos al a Franca e d'ahi at a
Suissa e 4 grande naci Norte Americana, lem
atravessado todas as pochas e dado os mais
beflos resultadsaMsm^gne a caudal do parlamen-
tarismo a pode ase ounmergir I
Porque nio dever o Brazil adoptal-a ?
Qaera ti-ansormou, por iniciativa generosa dos
_Cdad4os fardados, (que nos paizes latinos sio d
proprio povo cosa ciqaa ioaas communaain) o seu
systema gevernauvo pode, com memoria de ra-
lbes, ralitlcar a sua obra, e se nio precisimo*
de urna Constituinte para abater o tbrono nio
iulguemul a indispensavel para a consolidacao
dac instituid Oes victoiiosas a 15 de Novembro.
Gbneralissimo 1
0 Club Republicano Fre Caneca, cujo civismo
nunca foi posto en duvida e cujo encenlrado
amor a Cansa Democrtica comprovado pela
data de sua installacfto e pelas conferencias do
oroDa"anda que realizoo. antes da proclamacio
da RepuWica, e das quaes se encarregaram os
seus associados:-ciadios Alcebiades Pecaoha
a Felicio Buarque e a Exma. Sra. D. Mana Ame-
lia de Queiroz ( ujo brilbaote trabaiho corre im
6rewo);-vea, peraote Vs, rogar-vos e 4 bn-
unte pleade que vos auxilia e cojos fulguran-
tissimos raios illumina o Pais, que a reverencia,
submetuea o Piojecto de Coastolcao 4 dirosta
deews do Poso, pauso de paste, como perigosa
e aasi poUMea a ideada convocacJo de ama Con
sUluiate.
Em nome da RepubUca, o Club. Republicano
Fre Caneca vos pede adoptei o Plebiscito.
Sata tfaa renaastess OassWtoMa Fsei
Gnete, sos 130 de Abril da 800, da Rapa-
JWMbj
calumniosas diatribes scemeas "desses generoso Sanios.
escr:ptores, que aproveltem justamente o mo-
memo da nossa d torosa provaco, para nos
tratarem como o burro do seu inmortal dDuiisia
tratan o Icio moribundo 1
Abaixo, e de vez! -abaixo com essa borda de
salteadores da ntwsa honra e decoro 1
O governo, que acaba de promulgar dicUto-
rialmenteimialeiderepre^so^ e de censuras
previas, tendo por alvo a maior das conquistas
da liberdade-adamanifestacio legal e segitima
d peusameoto, deve cooiprehen Jer quanto a
siogela lembraoca do seu orgao semi-oOi^a t
pp^rtuna, a n-speiio d^s moestaa P^a^ *=
qneelt*. pretende se tomem contra as demasas
aos escriptores seenices francezes. .
Se o governo qoer, com efferto s ncerameote
avilar que d futuro se abu prensa em desprestigio das ingaioicOes e d a
aelles qoeas representam. MrveBeaoaleniam,
por egual mot-vo deve cuitar em que o seu wio
Sio diixe de alcancar lambem os quei lai tora,
ide tanto periga a nos a reputacio prevalecen
jo se de iinmonidades de que nto devem gosar,
se a mr vrbamJadc internacional, essa mesma,
aio tamtoem outra mentira, nos calumnia cy-
Bica e dasbragadamente.
Ese para convencer o governo deque inecum
are semduvidas nem nesitacOes, dar
antes a este assumplo mais alguma latitude do
que a que pode ter, tratado por urna simples
advertencia da nossa legajio 4 commissao tran
ceza da censura theat-al, se para o convencer
de que lhe cempre' de fado e para honra ero-
busUcer as suas recentes internas providencias.
:eiara-r enrgicamente perante o *overno da
Repblica Francesa contra o objecto da nos^a jus-
ta ndignacao, preciso que elle ouc* os proprios
orgios Ja imprensa ministerial exorar-lhe c
Este discurso provo ou vivos applausos, sendo
o orador estrepitosamente saudado com urna sal
va de |i.ilmas, quando term.nou.
fieguiram se na tribuna os cidadios Alfredo
Falcao e Telles de Queiroz, os quaes em pbrases
eloquentissimas explicaram o Manifest da 10 de
Dezembro, cooseguindo prender a attencio por
mais da meia hora, e sendo calorosamente ap-
plaudidos ao descerem da tribuna. .
Por ultimo o capitio Napoleao Duarte, depois
de breves e bonitas palavras, distajbuio pelo povo
300 exemplares desse Manifestofcoatendo tom-
bem os Estamtos do Club 22 de Julbo.
Era tal a muiudo que muitos nio poderam
Conseguir um exemplar destes.
Nio havendo mais quom fallasse, de novo o Dr.
Regueira Costa, dirrgindo se 4 assembla popular,
disse que aiteodendo a necessidade da organisa-
cio do partido republicano desta comrrea, tinha
revolvido formar um grande directorio do Club,
com posto de 17 cioados no primeiro di*iricto
policial, e de 5 nos outros seis, em que esta divi-
: dioa a comarca; e qoe esperava que nao so fosse
i approvada essa sua idea, como fossem acclama
dos para o directorio no 1." districto os nomes
dos cidadios qoe elle ia indicar,
Presidente honorario. Dr. Annibal Falcao.
Presidente efectivo, Dr. Jos Victoriano de Vas-
concellos. ,
1 vicepresidente, coronel Francisco Benito
das Cbagas. .
2, dito, coronel Jonaa fernandes de Aranjo
Acta
da EessSo ordinaria ta Companhia Per-
nambucana do Navegaclo L'osteira por
Vapor, aos 7 de Abril de 1890.
Presidencia do Sr. conselheiro Jo3 Bernardo
Galvao Alcoforado
Ao meio dia, feta a chamada e verificando se,
pelo vro de presenca, haver numero legal de
accionistas, representando o capital de632:70a#,
oSr. presidente declara aberta a sessio.
E' approvada, sem debate, a acta da antece
dente, sendo dispensada a leitura. a requen-
mento do Sr. Sebaslio Lepes Guimares, visto
j4 ter sido publicada pela imprensa, de confor-
midade com a lei. .
Sendo lambem dispensada, a reqaenmento
daquelle accionista, a leitura do rotatorio apre-
senlado pelo Sr. A. B Dallas, gerente interino,
era vista de achar-se, igualmente, publicado e
distribuido, approva lo, sera debate, o parecer
da commissio de exame de contas.
Passando sea proceder a eleicio do presidente
e secretario da assembla geral, foi este o resul-
tado: ,r ,
Votos
Presidente-Conselheiro Jos Bernardo
Galvo Alcoforado *98
Th. Gomber *
Secretoriolos -Nicolao Tolenlino de
i.arvalho *ff
Procedendo sa a eleifo d09 membrOs da di-
reclori foram eleitos oa Sra.:
Votos
274
269
239
60
30
25
Manoel Joio de Amorim
A. B- Dallas
Dr. C Mamede Alves Ferreira
Sebastiao Lopes Gatmaraes
A La o lie
Izidoro Bastos de Oiiveira
O resultado da eleicio para membros da com-
I rjMsso fiseal foi-o segaiata-:
I Votos
Antonio G. de Miranda Leal 298
J. H. BoxWWt 295
Sebasiiio Lopes Guimares 276
Isidoro Bastee de Olriretra 28
Nada mais havendo a tratar, o Sr. presidente
enc-rra os trabalhos as 2 horas da tarde.
E para constar lavrou se a presente acta.
En, J. N- Tolentino de Carvalbo, secretario, a
68CT6V
J. N. Toteatiao aVIComalAo.
!. secretorio, Dr. Francisco Antonio Regueira
Costa.
2. dito, professor Joaqmm da Cpsla Guima-
Thesoureiro, commercianle Mariaono Tavares
Lio.
Dr. Luiz Barbalho Ucha Cavalcante.
Major Jos Honorato Chaves. .
Major Francisco Qmntino da Silva Vieira.
Agricultor Jos Ferreira dos Santos.
Agricultor Antonio Gomes da Silva Magro.
Cotlector Otilio T. Lina de Albuquerque.
Capilao Francisco Ribeiro Ribas.
Escrivo Joaqmm Roberto Pereira.
Alferes J>ao Francisco Brayner.
Capiiao Manjel Joio da Cuuha Bastos.
Caflito Antonio Jos Pereira.
No meio de estrepitosos applansosegeraes ac-
clamacoes, foi acceita a idea oo directorio pela
forma propos pelo Dr. Regueira Costa, e appro-
va dos os Junes por elle indicados para o 1." dis-
E como decarassem outros cidadios, que nio
tmha havide tempo para proceder-se a eleicio
dos membros do directorio dos outros distrrcios,
resolveu se, que o mais cedo possivel se hzessem
essas elecoes, e que enlao se mandara publicar
os nomes de todo o directorio do Club Republi-
cano Bontense 20 de Abril.
Assim ticou constituido esse Club no meio do
maior eulhusiasmo e jubilo da populaeao.
0 que havia de mais selecto na comarca, os
ciladaos mais conspicuos e qnalicados, e o povo
em intima fraterni lade com elles, <-onstituiram o
Club Republicano 20 de Abril, affirrflando por
este uiu io solemne que a causa da repblica
coita entre nos vivas e geraes sympathias,
Dissolvi'la a imponente ass^mola no meio nos
Cai\a Econmica e Monte de Soc-
corro e Pornambueo
Balancete este SO de Abril de
ISttO
OA1XA ECONMICA
Activo
Thesonraria de Fazenda i.fc37:937319
Monte desoccorroc/depassagens 1*?:382*540
Caixa 5:990*000
l,191:309839
Pastivo
Depsitos em contas correntes 1,191:3094859
MOSTE DE80CCOBBO
Activo
Empresti-no sobre penhores
Movis
Apolia da divida publica pronn
cial *
Caixa
Despezas geraes
156:3231716
6:1264627
1:0004000
5144670
6:7064250
Pattvo
Capital -
Caixa econmica
Saldos de penhores vendidos em
leilao
Saldo de penhores proscriptos
Lucros e perdas
Juros
Gastos com leilbes
170:6714263
13:1614698
147:3824540
3:8984432
161*603
7304230
5:319*790
174000
170:6714263
gatdala poltica do palze! mais cnthuslasticos "vivas 4 Repblica, ao.Club
vele, corno ^* l ^' '',-.%,,, em Lon : Bouitense, ao povo do Bonito, e aosom-da excei
dos seos coosidadios, em Pars cmno em Loni ^^ Q(ios trech
drf' a^U^r^noa^nro^u?? sal va? nos a Uurante toda a sessio; um numero consideravsl
outra das duas mwropolesprocute majg qUclllIicad03 da comarca
w^^^^lf^l^^^^u^Momvmhinm os illustres hospedes at a casa
Portugal levante unisona "^/"'" ^ Prlf j0' um sumptuoso banquete que o mesmo Dr e ou-
que r*^**"?*1"**^*^^ tros amigos seus resolvern off^recer aos disn-
SUfiamo^C,Uem um"^XS rolK, otos republicanos do CU 22 de Julho. em sua
aualaucr que seja a sua cor ou a sua baudeira i
jrt?
ZtmWn Vefo Barrot, MekMmdeVie Santo
R Mamad toZkxm* a> JsVo Filho (mem-
toros), _^.
ca
oolitica, deixsrt de repetir comnosco:
Abaixo com es calumniadores do nosso
racter nacional I _____.
-Ab*ixo com os auctores francezes de come-
dias em que o portuguez, figura como um
torpe exemplar da raga bomana !
(MRSfMlMiJAS
Bonito, 28 de Jtt de I89Q
. ma festa esplendida e-realcada porumeon-
efarso immenso-de para, tora lagar no-da 20-do
. brreteo. neste sila-pof oocasiao da natoUar-se
' TSCtebRepoblisaaa daito comarca.
y.**. ^lso.nBrFradasAi^ioRsteiairaroato
**. *Dido a 2oW4telp 50;te-rta do
-* grande cidadao, Dr. Analbal Palcao, na qual o
convidava para organisar nesU comarca um Cloo
Republicano, filial do de 22 de JuihC* i tmitocao
A mesa que era para cincoento talheres foi al-
ternativamente oceupada quatro vezes pelos nu-
merosos convivas que enebiam a residencia do
Dr. Regueira Costa.
As finas iguarias, a3 ores, a profusio das lu-
ces, as barmoniae da msica davam um realce
encantador a este festim, que corren no meio do
mais expansivo jubilo, n tando-se em todos a
maior alegra e cootentamento.
Anda no da seguate, e ;om o mosmo ex-
plendor da vespera, a neama concurrencia e en -
ibuaiaemo, honro segundo Danqaete, trocndo-
se em ambos os jaotar s, ou iesurt e ao estonro
da champagne, numerosos eloquen>B brindes
dos quaes so temos recordacio dos segniotes :
i Do cidadio Alfredo Falcio, em nome do-ClHD
J2. ao povo d Bonito.
Do Dr, Regueira Casta ao Dr. nnibal Fslcip.
Do Sr. Telles de Oaairoi a Exma. familia do
Dr. AnnibalTalcao.
Do capitao Napoleio Duarte ao Dr. Marns
Jnior.
S. E. & O.
Pernambuco, 2 de Maio de 1890.
O gerente,
Felino D. Ferreira Coelho.
Pernambueo. 2 de Maio de 1890.
/. A- Hduco,
Gerente.
A. Th. Glama,
Sub-gerente.
de Pernam-
buco
Capital do Banco Rs. 8:00O:O00i5O0O
dem reasado 1:600:00041000
Bataneo
EM30DE AHRILDE1890
Activo
Accionistas
Letras descontadas
Contas correntes caucionadas
Diversas agencias
Valores depositados
Diversas contas
Letras-a receber
Caixa x
6.400.000 000
199.6944080
1.595 6694940
3.732.90348HI
1.321.7024150
143.2974040
106.3204730
Rs. 15.183.3494340
Capital
Depsitos:
Contas correntes de
mo vimento.....\
Ditas d ita s comf
aviso...........i
Letras a premio. ;
Diversas garantas
Diversas agencias
Diversas contas
Passivo
8.000.0004000
1.264.6874920
1.193.2174790
2 381.2814210
---------------- 4.839.196920
1.32I.702415O
324:51'. 4270
697.9364200
Rs. 15:183.3494540
S. E. & O.
Pernambuco, 2 de Maio de 1890.
(Aseignado) W.-li. Westoter,
gerente,
c .*. aato,
contador.
REVISTA DIARIA
Banco SiI4raericaoo
Sede no Rio de Janeiro
Capital do Banco .... 20.000:0003vK)0
Capital realisado .... 4.000:000*00.
BALANCO
DA CAIXA FILIAL EH PEEKAMBUCO EM 30
DE ABBIL 1890
Activo
Ttulos descontados Hi^SeJS
Letras a receber '3tt:i;
Valores depositados
Contas correntes e empresti-
mos garantidos
Diversas contas
Mobiliae utensilios
Calxa-Adinheiro existente
Denordelroi* e anarcbiiilaa0 illustre
goveruador do Estado, no pensamenlo de des
embaracar o mesmo Edado, e principalmente a
cidade do Recife, do elemento pertni badur que
traz aprehensivos os espinlos ordeiros, expedio
os seKUintea officos, que, ebriamente, estao de
accordo com as ordeos anteriormente dadas a
respeito:
tsecc6o.Palacio do governo do Estado de
Pernambuco, em 1 de Maio de 1890. Convin
do desembarapar o Estado de Pernambuco. e
principalmente esta cidade do Recife, dos des-
ordeiros e anarchistas de tolo genero que a in
festam e perturbara ; e sendo, para isso, prova-
velmente neeessario fazel-os transportar para o
presidio de Fernando de Norona, recommen-
do-vos que, de accordo com as mstruccoes que
recebestes do governo provisorio, tenhaes ocru
zador Lib'Tdade prompto para, a prlmeira ordem
deste governo, seguir para aquelle presidio.
< Nesta data recommendo ao inspector do Ar-
senal de Manaba que vos forneca, sem a mini
ma demora, logo que requisilardes, todo o que
precisardes para dita viagem. Sade e frater-
nidade.Dr. Albino Goncalves leira de Vascon-
cellos, Ao commandante do cruzador Li6r
dude. *
1 8eccioPalacio do governo do Estado de
Pernambuco. em 1'deMaio d 18H>.
Transailmdo^ro8'cobia'dojon1ci3qiie dirijo
hoje ao commaddante do cruzador Liberdade, re-
comaiendo vos que, sem a urtnima demora de
accordo com a sua requislco fornepaes 4quplle
offwial tudo o que for preciso para a viagem de
'que trata o citado officio. Sade e raternidade.
3r. Albino o--calves Metra de Vasconcellos. Ao
inspector do Arsenal de Marinha.
Forra policialPelo cidadio Dr. chefe
de polica foram dirigidos ao governador do Es-
lado os offi ios seguintes :
Secretoria de polica do Estado de Pernara
buco, 28de Ar.ril de 1890.iseccao. N. 835.
Cidadao. -Na ?ctual quadra le reorganisa
ci poltica'que soffre o paiz, a forea a princi
pal garanta da ordem, cuja manuteoplo o pri-
meiro deverdo govrno; acontece, porm, qoe
neste Estado o numfcro de pracas de que se
compGem a guarda civica e o corpo de polica
insufficiente para o regular policiameoto nf-sta
capital, e para satlsfaser as justas requisipoV
das autoridades do interior no intuito de proce
der convenientemente contra os criminosos e
velar pela segU'enpa e tranqullidade publica.
esla chefatura, como na feito mais de urna vez
vem rogar vos em visto do que acaba de expor
que vos dignis decretar o augmento das pra-
cas da guarda cvica e corpo de polica.
Saudeefrsternidade.-Ao Dr. Albino palves Metra de Vasconcellos, mdiio digno ge
vernador desteEstoio.0 chefe de pOlrcia.
Antonio Antones Ktbat:
Secretaria de policial do Estado de Pernam-
buco, 30 de Abril de 1890.-1* Secpio. N 847.
Cida lio.Actwndo^e quasi desarmadas de
modo a nao pojerem prestar os servicos que se
de vera exigir da forpa publica, as forjas do cor
po de ponera e guarda cvica, mxime na qua-
dra actual e estando quasi todas defeituosas as
armas em numero insufnciehtisimo que pos-
sue o corpo de polica, rogo-vos que providen-
ciis no sen ido de ser com a maior brovidade
convenientemente armadas aquellas prapas, pa-
recendo a esto cbfefatura qae para a guarda c-
vica preferivel que o armamento conste de es
pada e revolver em suastituipo do actual, que
nio o mais adquado ao respectivo servipo que
exclusivamente o do policiameuto da cidade.
Devo dizer-vos que esto chefatura tem por
mais de urna vez redamado conlra a falta de
armacento, e agora o fax novamente por julgaf
essa providencia de urgente necessidade.
Siude e fraternidade etc-0 cuete de po-
lica, Antonio AnHna Ribas. __
Colonia Agrcola disciplinar0 nit-
rado D.\ chefe de polica dirigi ao digno Dr.
governador do Estado, o segrate' officio, que
seri lido, fiamos, com todo interesse :
Secretoria de Polie.ia do Estado de Pernam
buco, 2 de Maio de 1890.
i. Seccao. N. 857.- Cidadio.
Incumbido de dirigiro servipo da polica oeste
Estado no actual periodo de reorganisapio pol-
tica e social porque atravessa o paiz, empenhei-
me logo no emprogo de medidas rpressoras da
vadiacao, recommendando as autoridad s subal-
ternas que obrUassem todos os vagabundos a
assignas-em lermo de bem viver, prendendo 03
remcidentes, alm de outros alvitres policiaes,
usados com o lim de affastor esses elementos
de constante perturbapio i vida social concor-
rendotambem para s^rem aproveitados no tra-
balho tontos forpas intilmente consumidas no
VI *10
esse pensameato tenho insistido, e como
em outros Estados se tem praticado, com auto-
risapo de vosso antecessor foram por mim en-
valos pa'a o presidio de Fernando alguna indi-
viduo* ronliecidos como incorrigiveis, vagabun-
dos larapios e desordeiros ; desse recarso, po-
rm, arbitrario e so justilicavel pelas cond p6e3
espciaes em que nos achamos nio licito abu-
sar. 0 numero de pessoas que se entregam a
fagabunda^em nene Estado pordemais avul-
tado, existindo muitos outras casadas com fami
lia, as quaes salvo rarissimas exceppea nio po
lem ser remettilaa para o dito presidio.
Assim, reconheceudo que a principal causa da
vadiapio a ausencia ampete de trabalho, pelo
qual possam taes individuos prever a sua sub-
sistencia e de suas familias, contribuindo lambem
pura a riqueza publica, lembret ao vosso anteces

851:2084432
4.Ot.-0r743
Passivo
Depsitos:
Por contas correntes, letras,
avise e praso flxo
tfiversas garantas e depsi-
tos voluntarios
venas contos
S. E. & 0.
l.'88TJ!4650
l'mwm
0/"-"*J*^**" unita a 1 luuoaa #* -w _-
910:1874*81 3ur a creaco de una colonia agrcola disciplinar,
7:I044SM) ,0D 0 -cgimen militar ondi deverao ser coi'oca-
nos todos aquelles qne na se dedicarem ao tra
balho, por -vicio ou por nao o encontraren).
, !?* occasiao cbarnel a sua attenpio pata a
fazenda Suassuna, em Jaboatao, ji preparada,
allm de ser divididd por coloaos e .que .por sua
situaci) prxima a esta cidade, se prestanaja
fcil ttscalf8ac*). Tomando o aasnmpto em
cou8ider &s terreBOB daextlnuto Oolwro'gooeorre,^attaya
comarca de AguavUrata, afteuMe jObtertafcatoy
assim, mais habWlado, pwbrjm***
camosque por sua grande fertiUdade poderto
prestar-se a ser nelles (andada urna colonia agri
5i
lf47
cola. A fazenda^Suassuna, ji destinada a cola-
nisapio tem a vantagem de estar mais prxima
e ser melbor fiscalisada, os alludidos terrenas
da extincta Colonia Sjccorro sao vantajosamea-
le feriis.
Submeitendo, pois, aemelhante aasumpto a
vossa illustr.-da apreciapio espero que de accor-
alacomo vosso patriotismo e sinceros desejes
de concorrer pira a felioidade deste Estado, de-
cidiris a tai respeito o que for mais acertado.
Saude e fraternidade, Ao Dr. Albino Goa-
palves Meira de Vasconcellos, moi digno gover-
nador deste Estado.
0 chefe de oolicia. Antomo Anlanet Ribas.
ReclamacaoTambera foi dirigido pete
Dr. chefe de polica este outro officio ao illustre
, governador do Estado :
Secretaria de Polica do Estado de Pernambu-
co, 2 de Maio de 1890.Secpao 1. -N. 862.Ci-
dadio.Entre muas questoes que diariamente
preoecupam a attenpio dos que se acbam en car-
regados da polica neste Estado, sobresane a
que resulta do modo arbitrario por que se one-
43.2974040 ram a3 relacoe entre os proprietarios agrcolas
^"Si*^ 'e'lavTadores.
0 E' assim que tenho observado o seguinte fa-
do : Qualquer individuo obtem liceopa do se-
ahorio para ocenpar urna porgan de terreno en
alguma propnedade, e em virtude ua mesma
desenvolve :.hi sua actividade durau'.o "rto es-
papo de tempo, construe casa e cultiva a torra;*
chega, porm, o dia em que o proprietorio nio o
quer mais por seu morador, intima o a re tirar-se
incontinente, indemnisando-o mal do seu traba
Iho e, muitas vezes nada indemnisa ao pobre tra-
balhador e at derruba e queima lhe a ea.-a.
Por outro lado nenbuma garanta tmis pro-
prietarios agrcolas nos negocios que realizan
cora os lavradores, n-m sobre a sua permanen-
cia e constancia no trabalho.
Esta a situapio geral verificada por esta
chefatura pelas queixas que diariamente recebe .
nesta re par tipio, directamente das garles e por
intermedio das autoridades subaltarnas, coma
veris do officio que, por exemplo, junio vos
trrnsmitto por copia, e no qual acha se exposta
o procedimento irregular do rendeiro de um en-
g.-nlio silo as proximidades desta capital para
com um individuo lavrador no dito engenho.
Tenho recommendado por circular s auto-
ridades r-oliciaes, qoe nio intervenbam em taes
questoes entre proprietarios e lavradores, desde
que em semelhantes casos, difficilima senio ia-.
possivel a aepio da polica, por se tratar de as-
cumplo fura de suas attribuices.
Entretanto, a experiencia faz me reconbecera
necessidade de reclamar de vos a adoppio de
medidas reguladoras das relapoes entre proprie-
tarios e lavradores, sendo a polilla babiliada a
intervir com proveito entre uns e outros, assis-
lind aos sens contractos, cuja formula e regrai
deverfio ser decretadas, providenciando-se sobre
o seu reciproco cumprimento.
Rogo-vos que tornen em consideracao o que
deixo exposto, e com a vossa esclarecida intelli-
gencia providenciis no scutido de fazer cessar
essa situapio, que lamentovel para o la-
vrador, prejudicial aos proprietarios e embara-
posa i polica.
Sade e fraternidade.Ao Dr. Albino G.-M*.
de Vasconcellos, governador do Estado.0 che-
fe de pulira, Antonio Antunes Ribas.
PiiNo poltica em GoyannaTele-
gramma particular, que nos foi obsequiosamente
mostrado, dirigido d'aquella cidade a pessoa
d'esta capital, noticia que o Sr. Dr. Pereira de
Lyra com todos os seus amigos de communbae
republicana reuniramse ao partido conservador
da referida comarca.
Aseim combinados, em grande reuniao que i-
zeram, foi organisado um directorio, cujo pes-
soal cou composto dos seguintes cavalbeiros:
Dr. Bellarmino Correia.
Manoel Ignacio Pessoa de Mello.
Luiz Antonio de Andrade Luna.
Dr. Melhodio Romane.
Miranda Lelte.
Bernardo Pinto.
Jos Cjsar.
Manoel Gomes.
Francisco Monteiro.
AliNtamento elelloral da Vanea
Tenlo se no prazo legal encerrado os trabalhos
dacummissio districtat d'essa parochia coma
apurameoto de 467 eleitores, est correndo de
da 1 do correle o praso de cinco dias para ai
recUmapes perante a commissio municipal por
aquellos que se julgarem prejudicados.
tnnudurao Commercial Agrricola
:Esto de novo coavocada a sessio de assem-
bi 1 geral d'essa assouiapo para o dia 5 do cor-
rente, pelas 10 horas da manba, visto nio ter sa
reainado a mesma sessac no dia 30 do pas-
toado,
Mervlco militarHoje superior do dia
o cidadao major Srra Marns, efaz a ronda de
vis ia o cidadio alferes Campos.
O 14 batolbao dar a guarnipio da cidade e e
comman lante da guarda de Palacio, que ser*
dada pela balera de ar.Hharia.
Devtri tocar'noje. no jardim do Campo 'da
Kepub ica, das 6 horas da tarde is 8 da noite,
a msica do Ai seal de Guerra.
Amunhi superior do aia o cidadio capi-
tao AgUiar, e fara a ronda de visita o ciddae
alferes Mello Castro
O 2 batalhio dar a guarnipSo da cidade.
Tocar*, das 4 'horas da tarde io 8 danoite na
jardim,doHauupo da Repblica amusica do 14*
,a-^aM*girtd#firn rKnor dw-rfta- o ci-
dadio capitao Loncio, e faz a ronda de visita a
ajudaote do 14..
O 14 batilhio dar a uuarnipio da cidade e
o commandante da guarda de palacio, a qual
ser prestad pela bateria de cavallaria. -
EmbarqueDeve hoje, no Equateur, es-
guir em viagem i Europa, onde vai por ncom-
modos em sua sade, o Sr. commendador Luiz
Jo3 da Silva Guimaries, honrado commercianle
desta prapa e digno presidente da Caixa Econ-
mica deste Estado.
Acompanba o sua Exma. familia.
Desejamos acs illustres viajantes prospera
viagem, e pessoalmente ao estima vel conterrneo,
que obtehha o restabelecimeuto de sua sade, re-
gressando em pouco i patria e ao meio dos ami-
gos.
Club IS de NovembroReune-se ama-
dh, s 4 e l| beras da tarde, esse Club Repu-
blicano, de sede em Tigipi, para discutir os
respectivos es atufos.
Oueatfio angio-portugoesaNa ca*
mar dos communs declarou Sir James Fergus-
son, secretorio politico dos estrangeiros. que
coottnuam por decidir com Portugal certas ques-
toes .-espertantes i frica do Sul, inclnindo a da
caminho de ferro de Lourenpo Marqate; mas
nio duvida por forma alguma da lealdade de
Portugal sobre compromissos tomados.
Importante leilao -Hoje, s 10 e 1|2 ho-
ras, o agente Pinto fari leilio dos movis e mais
objectos existentes no predio de azulejo do largo
da Saledade, onde residi o Exm. Sr. Visconde
de Jaguaribe.
Ha alli bons novis e objectos de iuxo; e e
urna boa opprtunidade para as pessoas que se
quizerera prevenir.
Mcnwagem Em outra- secpo vai publica
da a que ao governo provisorio dirige o Club
Republicano Fre Caneca, declarando se favor?
vel i idea do plebiscito. Essa mensagem, as-
signada por urna cummissio de que foi relator o
nosso companbeiro Dr. Thiago da Fonseca e que
merece ser lida, foi ftontem entregue ao illustre
governalor deste Estado pela alludida commis-
sio. aura de ser devidamente eocaminhada.
PruroKaco de prazoFoi espapade
pir uiai 30 dias o prazo marcado pelo fiscalate
municipal desta freguezia de Santo Antonio para
caiapio e pintura externa dosredios da mesma
freguezia. .
Binculo Deixa de ser dado regularmente
o n. 18 desse peridico, por guardar o leito
urna aecffpio febril paludosa o seu redactor Sei-
xaa fiorges, que actualmente acha-se s na di-
rtecio do mesmo peridico.
Esta noticia aos seus signantes nol-a solici-
ta o collega, cujo resiabelecitnento desejamos.
VaeeltM. pnbllcaForam vaccinadas hon-
tem, na inspectora de trjgiene, 62 pessoas; e
oeose servipo occuparam-*e os Dra. Lopes Pes-
soa e Paula Soares.
. Ncleo Arttottco lnatmctlva Sob a
presidencia do cidadio Eleuterio Jos dos San-
tos, fnn?ciona8sa sociedad, ditreufiado diver-
sas medida de interesse social.
Foi propottoaocto honWatto'n'Dr. Joao Prtn-
clsco Teixeira.
Resol vea safloe Mnem .promovidos festqioe
em honra do memotitePdia 13 de Msto, qne1
approxima e cuto dala relembra o neto mati

' I
momea toso 4o Brasil.


Mjrta
da Alfandega de Pernambuco, no mes de Ac
anno de 18.
o mappa demonf*
M, comparado coa
w W. ^m
dmez da
DKTO1UNACO DAS BC1TDAS
Direilos de importado

Para consumo.....
Augmento de 60'/o-
Di'-o de Vt /"
D ui de 6 V......
Imposto de fumo, 40 %
Expediente de 5 / uob gneros
Inres de direitos de consumo
Dito d 8 c^pataiiai.....
Armazenagt-m
Despacho martimo
imposto de pharoes.....
Dito dedcas .....
ExportacSo

' )

.
Direitos de 9%......
Ditos de 7 /o......
Ditos de 5 /......
___ o Je pao Brasil. .
Interior
Rendas das matriculas nos esta -
belecimentos de instruccao su-
perior ........
Ditas dos proprios nacionaes. .
Foros de terrenos nacionaes.
Ladennos .
Premios de depsitos pblicos
Sello do papel proporcional por
verbas........
Diio rixo por verbas .
Dito adhesivo......
Sello 'las matriculas das aulas do
carso preparatorio
Imposto de transmissao de pro-
. prieddede 5 / da venda de
embarca;6es
de % do3 bens de raiz. .
de 1 /. de arreaiatacoes dos
bens movis .
Imposto de industria e profises.
Duo predial.......
"Dito sobre subsidios e vencimen-
tos........
Cobranca da divida activa. -
Extraordinaria
Indemnisaces por custas da fa
zenda......
Receita eventual coroprebendidas
as multas por infraeces de leis
' ou regularaeulos.....
getto de bilbeies de lotera .
Producto do imposto addicional
de 5%.......
Depotitos
Depsitos de diversas origens
Ditos pblicos
Ditos de contribuico de caridade.
Sommas
1890
684:355*434
*
*
i: 195*457
19*100
5:349*850
2)6.9*087
7:039*150
3:620*000
1:450*922
3:147*725
9*450
17:037*961
*
2:611*200
*
18*613
17*5(10
6* 16
1:807*518
1:594*260
21:113*100
30*000
*
2617*181
4:733*650
5:316*050
1056*721
104*850
1:427*100
i
36:133*861
468*602
292*006
2:939*504
808:268*018
1889
652:995*405
52*320
9:673*'35
*
33*000
6:789*250
2:655*411
11:706*062
3:380*000
1:260*280
866*776
4*217
38:225**57
*
*
*
*
*
*
5*480
*
*
20*080
*
*
*
*
*
*
840*341
' *
34:291*756
1:045*908
*
2:551*874
766:397*272
MrrnmoAs
Pare mais
31:360*049
*
*
lr5*477
*
- *
163*676
*
240*000
190*642
2:380*949
5*233
*
*
2:611*200
*
18*613
17*50
6*026
1:502*038
1:594*2*0
21:113*100
30*000
*
2:617*181
*
4:733>650
5:316*050
*
1:056*721
104*850
586*759
*
1:842*105
*
992*006
387*630
79:465*715
Parameos
*
52*320
9:673*733
*
13*000
1:439*400
*
4:666*912
*
*
*
*
21:151*496
*
*
*
*
*
*
*
*-
*
20*000
*
*
*
*
*
*
*
577*306
*
*
37:594*969
RECAPITULACO
DINOMISACAO DAS BBNDAS
taportacao.......
Despacho martimo.....
Sxportaco.......
Interior........
Extraordinaria f
Depsitos........
Total
700:878*218
5:070*922
20:331*136
40:621*819
37:665*811
3:700*112
808:268*018
683:905*183
4:640*280
39:096*4,0
25*480
35:132*097
3:597*782
766:397*272
16:973*035
430*642
*
40:396*339
2:533*714
102*330
60:636*060
*
*
18:765*314
*
*
18:765*746
Differenca para mais. 41:870*746
2 de Maio de 1890.O chefe de seceo, Cicero B.d?
seceo da Alfandega de Pernambuco. 2 de Maio d
MelloOescripturario, Deomedonte de Almeida Gmmaraes.
Taboieiro abandonado Na quarla
feira ultima foi deixado no Mercado Publico um
teboleiro com toalba. pires, etc. O dono poder
all procurl-o, entendendo-se com o respectivo
administrador para recebel-o.
Faculdade de Dlrello-Eis O resultado
dos actos de tnotem procedidos nessa Faculda-
de :
i. anno
Jayme GomesTle Argollo Ferro plenamente.
Torquato Rufino Jorge de Sousa, idem.
Alfredo Martins Castello Branca, idem.
Joiquim Mancho le Araujo, simplesmente.
Antonio de Oliveira Ramos, idem.
Mnoel Firmino da Silva Freir, idem.
Na segunda feira. 5 do corrente, abrir -ge-nao
as aulas dos-diversos amos, visto terem-se ter-
sainado lodos os actos. '^
rande circo Amefwa-Se a com
panhia que actualmente rabalha no circo ao
lado do Tneatru Santa Isabel e da qual sao di-
rectores os Sra. Stickaey e Donovan, ] n5o bou
vesse lirmado os seus crditos, n'esta capital, de
companhia de primeira ordem, a funecao reali-
zada ante bontem, em inoeflcio de Miss. Viola
Rivers e Mr. G. C-iron, bastara para conferir Ibe
tal titulo, poia tanto quanto licito des-jar, tra
balha-am os artistas com summa felicidade em
irera! e aos beneficiados em particular; pelo
que foram alvo de grandes applausos, recebendo
tambem bonitos ramos de flores.
Hontem, a tarde, houve espectculo, grande
ment concorrido e applaudldo, offerecido s fa
milias inglesas.
Hoje e amaoh da a companhia tres funecoes.
aLunrnmrnio do Imposto de Indas-
trias e roflssdes e predialO langa
dor Manoel Antonio Ribeiro, addido a Alfandega
d'este Estado, est procedendo, desde o da 1 -
de Maio correle, collecU desse* impostos na
freguezia da Boa Vista, para o anno de 1891.
Club Rrpublirano da Boa Vista-
Reahsou te no dia Io do corrente a seeso de
assembla geral desse Club, na qnal tinba de se
proceder a leilura do officio, em que o meamo
Club levava ao conhecimentodoDr. Meiraa mo-
lo votada em assembla de 26 de Abril.
Aberta a sessao fot lido o officio e assigoado
por tolos os socios presentes ; e em seguida o
cidadao Sebastio Manod do Reg Barros, pre-
sidente do Club, con idou aos associados pre
entes para acompanbarem a commlsso que
tinha de fazer entrega do mesmo officio ao go-
vernador ; o que se fez.
Chegados a palacio falln em nome do Club o
Dr Tranquellino Leito, depositando as maos
do Dr. governaJor o referido officio, concebido
lestes termos : _
Cidadao governador do Estado de Pernam-
buco
O Club Republicano da Bsa Vista, amante
da ordem, admirador da moralidade poltica e
administrativa e sempre prompto a auxiliar os
bons cidadaos no comprimento do dever cvico
resolveu em assembla geral de 26 de Abril de
clarar vos que ero vos deposita contianca e vos
promette lodo poio a bem da voasa administra
cao para o que empeuba a sua dedicaco e o-
dartedade de repub.icanos convictos e esfor-
cados patrio**
Sade fraternidade.
Recife Sala das sessies do Club Republi-
cano da Boa Vista, 1 de Maio de 1890.
O presidente. Sebastio Maosel do Reg Barros.
Secretario, Manoel Rodriges ?e SouzaYiaona.
Tbesoureiro, Joio Euthimio de BnttoMaccdo.
Auxiliares :
r. TjioquAllioo de MelloLeitjo.
Artbur Aotero de Modeiros.
Jos Francisco Mendes.
Patricio Jos Tabres de Vaseoncews.
Henrique de M.randa Hennques.
Gregorio Targme > ccioli.
FraociBco Moreira Das
Joaqnim Elias de Albuquerque Reg BarfS*.
Jote da Cunha Rabello.
Amaro Pessoa.
Jos Correia de Amosjm.
Luiz de Sa Lima.
Henrique Mara Palmeira.
Tbomaz Placido Teixeira de Farias.
eia dos partas d
fe, 1 da Maio de 1890.
Bietun meteorolosco
eci
Roraa Thermcme tro centgrado

6 m. 23,4
9 i-.l
12 27',7
3 t. 28',0
6 26,8
Barmetro a
0
759-44
760-48
759-89
758-48
759 01
Tensao
do vapor
20,12
21.78
21.69
20,55
20,33
94
8
77
72
77
Temperatura mxima28,50.
Dita minima3/00.
Evaporacao em 24 horas : 4 .sombra1,-6.
Chava-3-.2.
Direccao do vento : SE de meta note at aos
30 minutos da maoba ; S at 9 horas; SE com
aleumaa laterrupcoes de ESE at meia noite.
Velocidade media do vento1,-99 por e
goedo.
Nebulostdade media0,"74.
Boletim do porto

2 a
:a
P. M.
B. M
P. M.
Dias
1 de Maio

2 de Maio

Horas
2-40 da tarde
8-48
3-01 da msnba
Altor.
2-,32
0-,59
2-.33
Alvaro Aruozo de Mullo Leito.
Placido Ser rano Pinto de Andrade.
K )dopbo Jo s da S;lva.
Francisco Antn o de Souia Leao.
Valdevino Demetrio da Roi Wanderley
Antoaio Pe tro de Azevedo.
Candido Firmino de ello Leito.
Fabio Rio.
Antonio do Rpro Pacheco.
Francisco Joaquim Ribeiro de Brillo.
Affonao H. Cruz.
Francisco Xavier Guedes Pereira.
Beerelo D ramatlco familiar Victo -
rlense Essa soc>e lade de sede Da cidade da
Victoria desle Estado, levar amanha scena,
era seo espectculo mensal, o apparatoso drama
de propaganda em 4 actos : COra, a lba de
Ajar, cnbecida produzcado acadmico Ribei-
ro da Silva, deveodo o mesmo espectculo ter-
minar com a chistosa comedia : Manda quem
Consta-nos que para a representacSo do refe-
rido drama os mocos do Recreio nao-tem omit-
tido esforcos e ludo tm envidado alim de que a
enscenacao seja rigorosamente observada.
E' urna noite de agradavel di8trac{ao qae vao
ter/jg babiUntes da Victoria.
Tribunal do dnry da ssife-Fnc-
cionou este Tribuaal no julgameoto do reo Ma
noel Francisco Maria, pronunciado por despacho
do Dr. juiz dedireito do 3.' dislricto, no an. 20o
do cdigo criminal e acensado de baver em 24
de Novembro de 188% na praca do Capim, dis
tricto policial do Peres, ferdo gravemente a Ma
noil Jess do NascimenU Borges.
A's 11 horas da maoba, foi aberta a sessao sob
a presidencia do Dr." Joaquim Correia de Ol-
veira Andrade, jniz de direito do 2. distrett.
oceupaodo a tribuna da accosacao, o Dr. Joao
Evangelista de Frota Va&concellos, 2." promotor
punlico. ,
O jary d senteDca compoz-se dosv gegnmtes
jurados:
Dr. Jos Bandeira de Mello.
Jos Mana Carneiro da Cunba.
Fabio Moreira Temporal.
Jos Rodrigues da Silva Barroca.
Heliodorc Candido Ferreira Rabello.
Tnomaz Garret.
Joao Pinbero Catle.
Tneodomiro Cezar Duarte Ribeiro.
Regino Ferreira de Carvalho.
Francisco Canuto Emerenciano.
Joo Pereira do Reg.
Vicente Goncalves Ferreira Costa.
O Dr. promotor publico, allegando terem con-
corrido na pratica do crime a3 aggravantes na
noite e superondade de armas, previstas no
art 6 88 l.'e6.do c digo criminal, pedio a
condemnacao do reo na penas do grao mximo
do rt. 2o5 do dito cdigo.
Produzio a defe3a do aecusado o cidadao Joa-
quim Francisco de Mello Santos.
De accordo com as decisOes do jury e em
vista do disposto no art. 332 do cdigo do pro-
cesso restaurado pelo art. 29 1. da le de 20
de Setembro de 1871, foi o reo condemnado a 5
anoos e 3 mezes de prgao simpleg e mal cor-
respondente a metade do tempo, gio medio do
art. 205 combinado com o art. 4* do cdigo en
minal. .
Foi levantada a geggao g J
para boje g 10 borag.
Eludes -Effectuar-ge-hio os Begutntei:
Pelo agente Pinto, s II horas, roa da So-
ledade, de movis, louess e vidros.
Pelo agente Silvelra, s 11 horas, ra Es
treita do Rosario n. i, da fabrica de cigarros ah
sita.
Segunda-feira:
Pelo agente Pestaa, s 12 horas, travea-
sa do Corpo Santo n. 27, de um terreno sito
ra Imperial.
Mlasas fnebre* bc-ao celebradas :
Hojh
Casa de Deteneao Movimenlo dos pre-
sos da Csa de Detenco do Recife, Estado de
Pernambuco, era l de Maio de 1890.
Existiam 464; entraram 6 ; sahiram 11; exia
tem 459.
A saber: .
Nacionaes 429; mulberes 19; estrangelro 11;
-Total 459
Arrafioados 402
Bons 374.
Doenles 26
Louco 1.
Loucal.
-Total 402.
Foram visitados os presos deste estabeleci-
m-nto por 194 pessoas, sendo : bomeng 78 e
mulheres 116.
Hospital Pedro II O movimento deste
-stabelecimento de caridade, no dia 30 de Abril,
foi o seguinte:
Entraram 2"
Sahiram |
Falleceram 6
Existem 465
Foram visitadas as respectivas enermartai
el08 Drs.:
Moscoao s 8 1/2.
Marrn So -nanos 7 1/5.
Ferreira Velloso s 9 1/2.
Berardo s 101/2.
UataqoiaB*a91/2.
Pontual s 9.
.SimOes Barbosa s 101/4.
Nao compareceram os Drg.:
B8tevo Cavalcante.
Uysneiro.
0 cirurgia o dentista Numa Pompilio g 9
horas.
pharmaceutico entrou s 8 1;2 da manbi e
libio s 3 da tarde.
O ajudante do pharmaceutico entrou s 8
e sihio ss 5 1/2 horas da tarde.
Hatadonro Publico da cabanga
Foram ab tidas para o consumo de hoje 43 re-
zes pemtencentes a diversos marchantes.
Lotera, do Estado de Pernambuco
- A 1 serie da 1* lotera dsle Estado, ser ex
trahida impreterivelmente no da 10 do corrente
(sabbado).
Lotera do eram-ParaA 12 serie da
31' lotera cujo premio grande de 230:000*,
ser extrahida hoje 3 de Maio, (sabbado).
A 1* serle da 36* lotera, cujo premio grao
de de 120:000*000 ser extrahida no dia .. di
corrente. .
A2' serie da 35* lotera cujo premio gran-
de de 60:00:1*000 ser extrahida no dia .. do
correte. .
botera do waranhao Esta lotera.
cujo premie trahida no dia .. do corrente.
Cemlierlo publicoObituario do dia 1
de Maio: ,,.
H*nnqueta Fernando Gama, Pernambuco, ou
annos, solteira, Poco ; tuberculose pulmonar.
Etflvino, Pernambuco, 22 mezes, S. Jos ; con-
vulsOas. ., .
Luiz, Pernambuco, 4 annos, Recife ; varilas
confluentes. _
Rosal i na Amelia Goncalves" Paixao, Pernam-
buco, 26 annos, casada, Afogados: tubercu
lose. ., .
Francisco, Parahyba, 1 anno, Recife; vanla.
Jot, Pernambuco, 3 annos, Recife; varilas
confluentes. ..
Joaquim, Pernambuco, 6 annos, Recife ; vano
las confluentes. .
Francisca Maria da Conceico, Pernambuco,
22 annos, solteira, Boa-Vista; varilas con-
fluentes. ,
Amelia, Pernambuco, 9 1/2 mus, Boa-VisU ;
varilas confluentes.
Joo Sabino Pereira, frica, 80 annos, solteiro,
Boa Vista; enterite.
Honorata Maria da Conceico, Pernambuco,
54 annos, solteira, Boa-Vi:ta; tuberculose pul-
monar. .
lldefioa de Souxa Ramos. Pernambuco, 2o an-
nos, solteira, noa-Vista ; branchite.
Isabel Ma-ia da Conceico, Pernambuco. 70
annos. viuva. Boa Vista ; cancro no estomago.
Joo Chnstioo da Fonseca, Pernambuco, 23
annos, solteiro. Boa-Vista; varilas confluentes.
Inscripces
Botequins
PorcenUgetn
Fraccftes
Portoes
Diversas reodas
i
7:30i*000
210:8744000
4:130*10)
48:1571000
20:241*000
1889
63:43
6:282*000
215:168*600
7:130*800
30:994*000
12:915*800
Total 338:783*000
O lucro liquido da sociedade foi de 28:491*270
Em umseu edictrial, a Semana Sportiva, da
capital federal, aasignala um facto, e accenta
conceitos, que nos impoem a-aua reproduc(ao
nesta secjo como incentivo por um lado e jas
ticamento por outro. na hypolhese.
Diz o collega fluminens :
Duas corridas realisaram se j este anno na
nossa capital, e em nenhu na deltas foi feliz-
mente observado caso algum de fraude ou pa-
tota, teodo sido disputados todos os pareos dos
progrmalas com a mais louvavel lisura.
Este facto, que > para todos nos sports.nen
um motivo de'regosijo, significa sem duvida
que os poneos proprieurios e joclf-ys desho-
nestos que conseguiram figurar nos saldos dos
annos paseados acham se coagidos finalmente a
trilbar o bom caminho, ou ccossados pelos pre
juizos qne sempre occasiona a rapinagera spor-
tiva aos proprios que della usara, ou por falta
de comparsas, ou anda pelo terror que Ibes in
cute a attilude digna das directoras, dispostas
a applicar em todo o seu rigor as disposicOee
do cdigo de corridas.
Se ainda existe, portanto, specimens dessa
raca maldita, qne procura destruir, abalando a
confianza do publico, aquillo qun as directoras
construem com ttoto trabalho e com tanto es-
forco, elles nao poHer&o, seno em raros casos,
exercer a sua aeco corrosiva, pelas razfies que
cima expendemos e que os obrigam a ser ho-
nestos.
Dessa-raca podemos, pois, considerar nos li
vres, 00 quasl livres.
Qnnndo se apresentar occasio favoravel s
suas facanhas. e ella se esqueoer de que os pra
dos de corridas nao sao estradas da Calabria,
um golpe de honra das directoras livrar nos-ha
por urna vez da praga.
CHKONICA JDICIARIA
SPORT
Hlppodromo do Campo Grande
Amanh a sua corrida do presente mez.
Eis os palpites que a respectiva inscripto sug-
gere ao nosso reporler_especial.
Io pareoIo Urano2 Gerfaut.
AzarMercurio.
2 pareoIo Phariseu -2 Turco 2."
Azar Maurity.
3o pareoIo Arumary2 P'ndaro.
AzarFaCKira.
4" pareo -Io Despota2o Gerfaut.
AzarTalispher.
5 pareol* Gallileu2' Minerva.
Azar-Atilla,
6 pareo1" Coruja2o Boulanger.
Azar -Fantlna.
7 pareoIo -Cauby.
AzarVillage.
Tribuaal da Relaco
SESSO ORDINARIA EM 2 DE MAIO
DE 1890
PKESIDENCIA DO CIDADXO DESEMBARGADOB
QUINTINO DE MIRANDA
Secretario, o cidadao Dr. Virgilio Coelho
A's horas do costume, presentes os cidadaos
desembargadores em numero legal, foi aberta a
sessao depois de lida e approvada a acta da an-
t Medente.
Distribuidos e passados os feitos deram-se
->s seguintes
J CL GAUE NTOS
Habeas'-corpus
Pacientes:
Petronio Miguel. Negou-se a ordem, unni-
memente.
Joo Gaalberto de Castro e Souza. Mandou
se ouvir o juiz de direito do 2. districto crimi-
nal.
Recursos crimes
De Palmares Recorrente o juizo, recorr ios
Manoel Villefa de Lima e ontro. Relator o des
embargador Pires Fereira. Negou-se provi
metito ao recurso, unnimemente, e decretou-se
a responsabilidade do subdelegado de Motuns,
Joaquim Bezerra Cavalcante.
De Nazareth Recorrente o juizo, recorrido
Manoel Francisco do Nascimento. Relator o des-
embargador Monteiro de Andrade. Negou-se
provimento ao recurso, unnimemente.
De Olinde-Recorrente o juizo, recorrido JoSo
Domiog a da Costa. Relator o desembarga ior
Alves Ribeiro.Negou-se provimento, unnime-
mente.
Da Gloria de GoilRecorrente o juizo, recor-
rido Jos Joaquim de Sant'Anna. Relator o dee
embargador Oliveira Andrade. Negou-se pro-
vimento, unnimemente.
Aggravo de petigo
Da Viclorii-Aggravantes Antonio de Oliveira
Mello e outro. aggravada D. Mara do Espirito
Santo. Relator o desembargador Alves Ribeiro.
Adjuntos 03 desembargadores Tavares de Vas-
copficJIes e Oliveira Andrade. Deu se provi-
mento ao aggravo, unnimemente.
Appellacoes crimes
De ItambAppellante o juizo, appellado Jos
Maeena de Lima. Relator o desembargador Ta
vares de Vasconcellos.Mandou se a novo jury,
unnimemente.
Do RecifeAppellante Joaquim Jos dos San
tos, appeilada ajustica. Relator o desembarga-
dor Tavares de Vasconcellos. Mandou se a
no o jury, unnimemente.
Da EscadaAppellante o juizo. appellado Se-
bastio Ignacio da Silva. Relator o desembar-
gador Oliveira Andrade.Mandou-se a novo ju-
ry, unnimemente.
De Pesqueira Appellante o juizo, appellado
Francisco Jos Leite da Silva. Relator o desem
bargador Oliveira Andrade.Mandou-se a novo
jury, unnimemente.
De Palmares Appellante o joizo. appellado
Nazario Felippe da Penha. Relator o desembar-
gador Tavares de Vasconcellos. Mandou se a
novo jury, unnimemente.
PASSAGENS
Do desembargador Pires Ferreira ao desem-
bargador Monteiro de Andrade:
Appellaj6es enmes
De Bom JardiraAppellante Manoel Paulo Go-
mes da Silva, appeilada a justica.
De Campioa Grande-Appellante o juizo, ap-
pellados Joaquim Manoel Fidelis e outros.
Do desembargador Tavares de Vasconcellos
ao desembargador Oliveira Andrade :
Appellaco crime
De Goyanna Appellante o juizo, appellado
Manoel Lourenco Xavier.
Do desembargador Almeida Sanios ao desem-
bargador Dellino Cavalcante :
Appellaco crime
Do Pianr-Appellante o juizo, appellados Ma-
noel Francisco Vieira e outro
DILIGENCIA
Com vista ao desembargador promotor da jos-
Appellac5es crimes
De Altinho Appellante.o juizo, appeilada Ma-
ra de Barros e Silva.
De GaranhonsAppellante Francisco Pereira
da Silva appeilada a justica.
DISTRIBICOES
de Janeiro comamos as
vai comepar a traba-
Era jornaes do Rio
seguintes noticias :
O invicto Hugaenotte
Ihar. ..- ... :i
A sua mo affectada resente-se de ligeiro en-
tumec nento, mas parece qie aquillo est calle
jado qae o here dos 100,000 francos conti-
nuar este anno a honrar as suas tradicSes.
O nao menos'invicto Breas tem trabalhado
moderadamente^ porem tirme e bem disposto,
horas e adiada apeza'r da manqueira que o accommetteu em
fios da estacao sportiva do anno paseado..- e
a despeno dos pellos brancos da idade, adversa-
ria qae elle parece tambem levar de vencida.
T-.nio a f(. ti t o'iita alaz do Sr. F. Sch
midl coiu) Porte Boahcu:, a trina do Mv Boy, de
2 annos. l passeiaram na raa do Jockey uun.
Ambas, polo *eu todo e pelos cuidados ti-
nboraticios que lb%s dispensa o Santiago, pro-
metlem.
A renda bruta do J:ck>y Club do Rio de Ja
neo prospero para
o turf, em censequencia d.'. epidemia qn
A's 7 horas, no conrete de S. Efianciaco, pela jou esU capital nos pnmeiros mezes
A S : '.: T=A Martina 4o Ihi Pinua mlM RHlO Or-.SentflS
Nao colhe a iotriara
O Sr. Chico Lsoerda, na sua aaafama
344:910*9! eateril e ridicula de intendente vadio, nlo
eesaa de levantar calumnia* e mover in-
trigas contra o honrado Sr. conselheiro
JoSo Alfredo, que delle se nSo lembra
absolutamente.
Em falta de conga melbor est agora o
grande fiialgo a denunciar uns conchavoe
que nunca existirn e qe provavelmente
nlo existir&o nunca, porque os conserva-
dores sao e foram sempre amigos da or-
dem e inimigos da anarchia.
Quaesqner que sejam os acontecmentos
lrtnfM, os antigos oonservadores de Per
nambico, quer dizer o partido disciplinado
e forte que tem por chefe o lustre conse
lheiro JoSo Alired iio de ter por divisa
o grande lemma, pelo qual sempre bata-
lharam e que se aoha inscripto no pavi
lbao nacional:OBDEM B FBOGBB880 !
A intriga nlo colhe.
Perdem o seu tempo ra despeitados ve-
lhos e novos, fidalg.s ou plebeus.
Cortos desta verdade, nem ao menos
escreveriaraos as palavras que ah ficam,
si nSo tivessemos neeessidade de desatas-
caran "celebre tartufo, o eterno trahidor
do partido a que dizia pertencer.
Nao foram de certo os amigos do Sr.
JoRo Alfredo os que, ,na ultima eleicSo
geral a que se procedeu neste Estado,
deixaram de apoiar a candidatura do pres-
timoBO conservador Dr". Tolentino de Car-
valho, para dar ganho de causa ao Sr.
Jos Marianuo; mas o Sr. Lacerda com a
meia duzia de amigos que o ouvem.
E' que naquello tempo o Sr. Jos Ma-
rianno tinha o bafejo offioial e o Sr. La-
cerda n3o perde occasiSo de bajular o
poder I (
O ministerio Ouro Preto s mereceu
censuras da Epocha depois qne a revolu-
9S0 deu com elle em trra.
E hoje que o onservador da junta do
couce, que no dia 16 de Novembro se
submettia mas nao adhera, v consolidada
a repblica, o mais fervoroso adepto da
nova forma de governo !
Muito amigo do poder o ex Reg
Barros !
Mas que tenham os republicanos a maior
cautela; onde elle est, est tambem a
trahicSo sempre e sempre !
Um velho conhecido.
Recursos enmes
Ao desembargador Silva Reg:
De Iguarass Recorrente o juizo, recorridos
Bernardino Feliciano dos Santos e outros.
Ao desembargador Almeida Santos :
De Palmares Recorrente o juizo, recorrido
Dionisio Baroosa da Silva.
Ao desembargador Delfino Cavalcante :
De Barreiros Recorrente o juizo, recorrido
Jos Fe'.ix de Souza.
Aggravo de peticao
Ao desembargador Tavares de Vasconcellos :
Do Recife Aggravante Francisco de Paula e
Silva, aggravado Manoel Marques Avila.
Aggravo de instrumento
Ao desembargador Tavares de Vasconcellos ;
De TaquaretingaAggravante Seraflm Gomes
Barbosa aagravado Manoel Florentino Bezerra
Cavalcante.
AppellacOes crimes
A't desembargador Pires Ferreira :
De Alagda do Monteiro Appellante Claodino
Antonio de Oliveira, appeilada a justica..
Ao desembargador Monteiro de Andrade :
De Pedras de Foro Appellante o juizo, ap
pellado Vicente Ferreira dos Sanios.
Ao desembargador Alves Ribeiro :
Barreiros
Escnvemos para o publico sensato, para
aqnelles que sabem comprehender a posigao do
individuo na sociedade, para aquelies, emlim.
que reconhecem o verdadeiro papel do cidadao
sinceramente patriota, e, te estas linhas tivercm
de passar para o dominio da historia, que nao
vo banbadas pelas lagrimas do enthusiasmo,
nem to pouco eivadas de termos escolhidos que
tenham por flm agradar seus leitores, pouco
nos importa, mas que levem o cunhoda verdade,
este o nosso desidertum.
Agora que o Brazil acaba de passar pelas dnas
pilases mais bnlhantes da nosea historia, agora
que o Brazrl acaba de espedacar os gnlboes de
mais de um milho de s-,u fllhos, apagandj ao
auriverde pendo a mancha negra e infamante
da escravido, agora que o Brazil acaba de ex-
pulsar de sen seio o governo autocrtico e bas-
tardo da familia de Bragaoca, estabelecendo o
governo livre do povo pelo povo, preciso mais
o que nunca que os caracteres dos seus nios
sejam bem definidos, e que nos saibamos se
devemos estender a mo amiga, ou voltar o rosto
quelles que se nos apresenlam; este o nosso
fim e procuramos prebenchei o,
O estado de anarchia e de devassido poltica
que chegou esta comarca, oesses ltimos lem-
pos, que nos frga vir, peraote o publico
deste Eitado e do Brazil iateiro, demonstrar o
carcter altivo e sobranceiro de um dos cidadaos
mais honestos e prestrnosos desta localidade.
Queremos Tallar do Dr. Manoel Victorino da
Costa Barros. .
Bem sabemos que vamos ouender a roconne-
cida modestia do disliocto doutor, mas. pouco
importa, Do escrevemos para elle nao temos
satisfico a guma que dar Ihf ; nos eeereveasos
para o publico, este que nos julgue sem a bene-
volencia de que nao precisamos, mas com ajus-
tica que temos direito.
No anno prximo passado, quando a repblica
ainda era urna utopia, quando ser republicano
ainda era um crime de lesa magestade, de leso-
patriotismo, fundn se nesta localidade um N-
cleo Republicano, com o 6m de propagar as
ideas livres e sublimes do governo democrtico,
trabalhar para affirmar victoriosamente os bons
principios inherentes ao rgimen republicano,
n'oma patria una e forte, livre e gloriosa.
Foi nesta occasio que o nobre e honrado
aucio Antonio dos Santos Pinbeiro. de saudosa
menora, dirigi se ao Dr. Costa Barros, pedin-
do-lbe com insistencia que acceitasse a presi
dencia do Ncleo recem-tormado ; aquelle dou
tor, que morando tres annos em Barreiros,
collocra-se fra, completamente fora, dos ar
raiais em que se degiadiavam conservadores e
liberaes, de forma que nem ao menos se Bzera
eleitor, excusou-se s rogativas do digno ebefe
republicano, fornecendo Ibe, porem, ao mesmo
tempo, as mais robustas pnuas do seu desin-
teresse e desprendimento e da pureza e sincen
dade de suas convieces democrticas, recusan
do trabalhar como chete, mas pondo se sua
disposico como soldado. Dous infaustos e
luctuosos acontecimentos quesuccederam se com
o intervallo de mezes, vieram trazer a dor ao
coraco dos poucos que tlnham cerrado nleira a
sombra do pavilho tricolor : a ascensio do
orleanismo liberticida ao ooder 7 de Juono e
pouco depois a morte do iotemerato e puro An-
tonio dos Santos Pinheiro.
Este triste acontecimento iniroduzo o aesani-
mo no coracSo de todo3 os que sonhavam n urna
solida a?greniiaco republicana : sem chefe. sera
tuia que os dirigisse pelos trilhos escabrosos da
noliiica, n'aqueila hora de sua existencia, em
que viam o paiz entregue nma commandita
aue tanto mais profundamente enterrara as
mos as /i*ro depositadas no erario nacional,
auanto maior fosse o preco que ebegasse o
paiz em almoeda, n'aquelle ttrico momento em
que, sem garsntias para sua existencia indivi-
dual, para seus haveres e propriedades, sentiam
que os seu3 pasaos, as suas menores accOiS para
salvarem a patria, eram espionadas pelo oioar
sinistro do rabe aventureiro que teve a rara
ventura de, com seu sapato de romeiro, pizar,
victoriado e acclamado, a trra que os martyres
do nosso kalendario fenilisaram com sea san
gue os republicanos de Barreiros viram o pr-
ximo anniquilamento de saas mais charas espe
panppg
Appareceu ento o hornera que foi rae braco
protector que ampara, cerebro esclarecido que
dirige, animo inquebrantavel que nao verga, co-
raco magnnimo que combate; es-e braco, es-
se cerebro, animo e coraco foram o Dr. Manoel
Victorino da Costo Barros, por elles acclamado
n'uraa votoco unnime presidente e chefe.
Eis ahi o papel representado pelo digno dou-
tor at o dia mais charo ao coraco brazileiro.
Para fallar, porm, no Dr. Costa Barros depois
de 15 de Novembro preciso que apresentemos
ao publico um outro pergooagem, pseudo adver-
sarlo poltico d'atruelle doutor, o baebarel Ayree
alma de Joujioi Jos Martins.
A'fltorn, na matriz da Boa-Visto, pela alma
de D. Mana SeDhornba da Silva.
asso
...........-............- QC
de outras cansas qu-j esto presente ao espirito
do publico, foi de 344:940*000. ou mais.......
6:157*000 do que em 1888, como se t do se-
guinte quadro:
Joo Jos Barbosa.
Ao desembargador Tavares de Vasconce los .
De CaruarU Appellante o juixo, appellado
Joao Antonio Vieira. ,
Ao desembargador Tavares de Vasconcellos :
Do Ingi Appellante Jos Tavares de Albu
querque Mendonca, appeilada a justica.
Encerrou-se a sesso 1 i/a hora da tarde.
ssiaw ESESvx^^
mar^rfiXiros'. iVde Novembro. data me-
moravel, da feliz, em que todos 03 corac&es bra-
zileiros verdadeirameote patriotas, sentiram pul
sar com mais violencia a Rbra do enthusiasmo,
dia em que a esperanca comecou a penetrar em
todos os pontos deste vasto au, dest
do lenhador ao palacio do fidalgo, desde.o cora-
co do proletario ao do mais rico cidadao, con
sent que na miaba fraca vos eu vos
^Poi neste dia, quando a electrieldade nos tran-
smittia pelo telegrapho a grita noticia do esta-
beJecimento do governo provisorio e da expul-
so da dynastia reinante, qaando o entbuslasm
rebeotova de todos os peitog e a alegra se va
estampada em todos pa semblantes dos habitan-
tes desta villa que enchiam a estaco telegra-
phica, qae o promotor publico, que viera do ea-
genho para inteirar-se dos acontecimentos, pra -
nunciou as seguintes palavras. inflamraado e c#-
lerico-isto nao passa de urna sedieco militar,
esta repblica dictatorial nao vai adiante, Ouro-
Preto voltar as podar ; se i hontem era moaar-
cbista de boje por diante que serei com todas
as forcas, pois nao me curvare! ao goreruo (
bayoneta. E continuou a detrahir da revolucis
e endeosar o Visconde de Ouro-Preto.
Passa se o dia 16 e nao eoganou mais a n:a-
guem a illuso de um abatamento da revoit-
cao.
No dia 17 o bacharel 4 y res Bello convoca*
povo para um meetiog no qual, mostrndose o
partidario mais fervoroso da repblica, langoa
sobre a fronte do ex-deus e ultimo ministre
da monarchia, na qual o sello da desgrana im-
pres3o tornava-o immune a amitos inimigos, os
mais offensivos baldoes, os doestos mais grog-
3eiros, che^ando sua insensatez ao ponto de le-
val-o a dizer que o visconde roubara da naca*
35 mil con'os para faier as eleicoes | I
Perguntamos ao publico : um individuo qae
assim procede, tem carcter poltico ? Ab I as
nao fosse a indignaco reclamar os seus direi-
tos, jamis o nsum teneatis amici encontrara
melbor enseio para urna homrica estrepitosa,
gargalhada II..-
Ioterrogar nos ha o publico : que relaco exis-
te entre o Dr. Costa Barros e o bacharel Ayres
Bello E' que o bacharel Ayres Bello, procura
Intilmente certo, mas procura, por todos os
modos cercar o Dr. Costa Barros de despresti-
gio, pralicando as maiores arbitrariedades, per-
seguindo as autoridades desta comarca, Hornea-
das por indicaco do illustre doutor, reconheci-
do pelo governo como o chefe republicano desta
localidade. +
Convm notar que ao ser coouecida a denos;-
cao da monarchia, o bacharel Ayres Bello diri
gio-se ao Dr. Costa Barros, pedindo para ser
dissolvido o Ncleo Republicano do qual niofa-
zia parte, e creado um directorio onde elle po-
desse ser contemplado; foram baldados, porem,
os seus intentos.
E nao terminam ahi as incoherencias do ba-.
charel Ayres Bello ; ellas vo muito mais longe
e dalam de muitos temos.
Ainda a momn liia nao tinha batido suas u-
reas plumagens procura de outras plagas, ain-
da estovamos nos tempos dos dous extremados
partidos polticos; dominava ento o partida
conservador, quando o bacharel Ayres Bello, que
fazia parte do partido liberal, vendo o grande
terreno conquistado pelos novos ideaes demo-
crticos, e nao podendo descobrir um mero de,
como muitos outros, participar dos cofres pbli-
cos, veio otterecer os seus prestimos ao dstinc-
to chefe do partido republicano de Pernambucs
Dr. Jos Isidoro Martins Jnior a quem pedi*
cara ser o candidato do partido as futuras elei-
coes provinciaes pelo 8 districto \ o illustre Dr.
Martins Jnior respondeu loe que o directoris
nao apresentaodo candidatos, e sira os directo-
rios e nucle locaes, era com estes que o ba-
charel Ayres Bello devia entender-se ; qne fosse
para Barreiros on^e tinha familiaje coltocasse-se
frente do movimenlo republicano, para assim.
adquirir direito ser candidato. O bacharel
Ayres Bello responden que ira tratar disto.
Eis, porm, que poucas semanas depois em-
punha as redeas do poder o partido liberal, e ao
mesmo tempo que a naco mudava de governo
ou melbor de governantes, mudiva tambem o ba-
charel Ayres Bello de poltica, de carcter, e a
republicano da vaspera lornou se o ferrenho mo-
narebisto do dia seguinte, tao ferrenho qne 15
de Novembro invectivava com os maiores insul-
tos os principaes organisadores o movimento
revolucionarlo, endeosava o Visconde de Ouro-
Preto, pira no dia 17 virar de novo o frak, e elo-
giar os revolucionarios, chamando o ultimo mi-
nistro ladrSo e defraudador dos cofres pblicos
Proh pudor f...
E um individuo tal que procura despresti-
giar o Dr. Costa Barros nomem de reconheclda
reputajo, de carcter sincero, de incontestovel
influencia, e cuja coovicso e firmeza de princi-
pios, ninguem, o ser um detractor infame e
mi8eravel, proairar por em uvida/-
N3, porm e comnosco todos aquelle3 que
pugnara pelo bem da patria, que sentem dentro
do peilo vibrar ainda aquella corda que anima-
va os verdadeiros patriotas d'outro tempo. dire-
mos ao Dr. Costa Barros:avante Dr., fronte
altiva, carcter impolluto, nao vos importis com
as ameacas e ainito menos com as calumnias
dos vossos diffamjdores, as quaes nao vos attin-
gem s plantas e lembra vos destas memora-
reis palavras ditas por Saldauba Marioho na
questo com os jesutas:Os homens Bensatos
riem-se das pedradas dos loucos.
Barreiros, S8 de Abril de 1890.
Os republicanos de Barriiros.
Srs. redactores.No Diario de Pernambuco de
28 do mez passado publicou.o Dr. Vicente Ferrer
de Gouveia um artigo contra mim e o Sr. Dr.
Laurino de Moraes Pinheiro por me ter este dou-
tor vendido o seu engenho Serra, considerndo-
me instrumento de suas vingancas, e querendo
atlribuir-me cumplicidade em um incendio ha-
vido na casa de bagago do seu engenho, can-
nas, etc.
Ha mais de trinta annos que resido nesta co-
marca de Palmares, ende tou bem conhecido,
pasiando aqu mioha mocidade, estabelecendo-
me como negociante, e ltimamente como agri-
cultor, creando familia, e durante todo este tem-
po sempre promovendo os interesses de rumba
Familia, nunca tive o desprazer de ver meu nome
pela imprensa, denunciado como homem de raaos
costumes e considerado mo visinho : estova re-
serrada esta gloria para o Sr. Vicente Ferrerde
Gouveia por meras suspeitas e sem o menor fun-
damento.
Sendo rendeiro do engenho Serra, e susten-
tando o Sr. Gouveia urna questo de trras com
o Dr. Laurino, como- era do meu dever, zelava
aquella propriedade, e nunca consent que o Sr.
Gouveia se apossasse do terreno litigioso, sem
que primeramente fosse julgado o litigio pelos
tnbunaes : d'ahi parti toda desaffeico que hoje
me vota aquelle senhor, augmentada ltimamen-
te porque nao tendo podido o seu cunhado erre-
ctuar a compra do referido engenho, uve a au-
dacia de compral o, burlando assim os clculos
do S\ Gouveia.
Nenhuma colpa tive de nao se ter realizado a
venda do engenho ao cunhado do Sr. Gouveia, e
depois d'ella realizada commigo, nenhuma des-
avenga tive com aquelle senhor, e. ao contrario,
estova as melhores disposicOes aflm devi yer-
mos em harmona, respeitondo os seU3 direitos,
alim de que tambem fossem os neus respai-
lados.
Causou rae, portanto, surpreza que, appare
cendo o incendio na casa de bagajo do Sr. Gou-
veia, elle tivesse a infeliz lembranga de me mi-
gar cmplice em tal fado, sendo para extranhar
que, havendo urna venia em frente tal casa de
bagaco, e havendo dous moradores tros fundos da
mesma casa, ainda bem cedo, das 8 para 9 horas
da noite pouco miis ou menos, estando os mora-
dores de toes casos e venda acordados, nenhum
d'elles visse o ateador do incendio I .
E\ portanto, sem fundamento a cumplicidaae
que me quer attribuir o Sr. Gouveia, e o publico
sensato me far justica, pois todos bem compre-
hendeoa que, sendo eu tambem propnetano.
nao havendo entre nos questo to renhida, que
era um momento de desespero me impellisse a
la n car mo de to reprovado recurso para dam-
oificai-o, nao o faria, sujeitandome a soffrer
igual represalia.
Sobre o incendio, das canoas de que ralla o
Sr. Gouveia, bom que se saiba, que era meia
duzia de touceiras de canoas novas e verdes,
e que estamos em tempo de invern, para se
poder avaliar do graDde prejuizo, pareceodo
antes um mysterio, ou algum d'estes incendios
i^ropositolmente ateados por alguma mSo amiga,
aflm de constituir o Sr. Gouveia urna victima
perseguida, chamar sobre si a compaixo das
autoridades e talvez de mata alguem.
Facim, portanto, as autoridades um minu-
cioso inquerito sobre os tactos, procedan com
toda imparcialidade e justica, afim uracos a
limpo, e conhecer se quem os seus JvA,18
autores e culpados : por miaba parte nada re-

.


-
I


a
i
'
i
Pense com calma, c reL;ia m.T..or o Sr. Gw-
veia, e nac venba a i aprensa h icr accnsacoes
infundadas e sem pravas, senio quizer passar
por um horneen leviano o de seutimeotos baixos.
2delfaio'de 1890.
Domingos Goncalves Peretra.
A tProvincia e o Club
Republicano 29 de Ju lho
Este Clab, verdadeira espinha de gar-
ganta d'.-l Provincia, porque o orgSo or
leanista v nelle um adversario Unto mais
formidavel quanto sabe que um gremio
de cidadaos, que nao alo ladrees nem as
saasinoa, procura o tal jornal por todas as
formas, nio faser-lhe mal, porque as iras
da tal gaceta nao attingem ao Club, mas
dar-lbe attributos que possue.
NSo admira, portanto, que a Provincia
procure dar ao Club 22, a paternidade
dos arulsos, quando o Dr. Jos Mara,
co-proprietario do mesmo jornal j disss
em artiga assignado, que o assassino de
Ricardo GuimarSes era o distincto cidado
Dr. Martina Jnior.
Cesteiro qne fas um oesto...
O ap orismojurdico muito de seguir.
Quem tinha interesae na convocacSo do
meeting para pescar em aguas turvas ?...
Nada se pode duvidar do que pode faser
o orgSo do principe consorte no desespero
da sua derrota.
Convocou se um meeting para solemnisar
a morte do Tiradentes, e transformou se
a reuniao em demonstradlo contra o novo
gobernador telegraphando-se pedindo um
governador militar !
Botou se urna placa com o nome do
grande patriota mineiro, e no dia seguinte
profanou-se a memoria do hroe, dizendo
se que o motivo da conjuracao fora a ga
nancia do ouro !
O que se pode esperar do jornal que
em plena Repblica disse que re:ebeu da
COSTE o telegramma da comeac&o .do ma
rechai Smelo para ajudante genenal ?
Tudo, menos. .
Fique tranquilla a Provincia, que o Club
22 de Julho nem sequer lembra sa que
ella existe.
O. Lima.
,Twaio aeadsszfca, abaixa assig-
nada, novanente convida os 1. 6 4. an
nos a procederem a eleicSo de seas ora-
dores, visto os eleitos terem, um, declina-
do de aaa eleielo e outro, sabido deste
Estado.
Est marcado para esse fim o dia 5 do
corrate, ao meio dia, no edificio da Fa-
culdade.
Almeida Jnior.
Costa Neto.
Placido Serrano.
Rat/munio Miranda.
Oswaldo Machad/).
Yerreira Lima Jnior.
Alberdo Magno.
Jocto Honorato.
Feata do Seahor Boaa Jeu da Via
aera a Igreja de anta Cruz, no
' domingo -I de Maio le I 0.
Sabbado ao meio dia subir ao ar grande
qnantldade de girndolas de fogo do ar, e toca
ra na igreja a msica do corpo de polica.
A Ave Hara, sero soltadas outras tantas gi-
rndolas de fogo.
A's 7 horas da noite ter logar a ladaiohi em
acco de gracas ao dia 3 de Maio a invencSo da
Sania Cruz.
Domingo pelas 4 e i/2 horas da madrugada
ser celebrada a missa resada; linda esta ao rom
per da aurora orna salva real annnnciar o dia
da festa do glorioso Senhor Born Jess da Va-
Sacra.
A's 10 e 1,2 horas do manh, entrar a Testa
solemne, presente o Revdm. ex provedor viga
ro Augusto T. M da Silva, ocupando a tribu
na sagrada, o irmo o Revdm Fre Augusto d j
I. C Alves.
A orcheatra dirigida pelo mu digno e bem
coohecido professor Jos Tarares de Medeiros,
sendo executados os solos pelos princ paes can
tores.
A' noile, s 7 I-oras, entra oTV-Deum'occupan-
do a tribuna o mesmo pregador, e ser execu-
lado um Te-Deom novo.
Tocar em todos os actos a musa do corpo
de polica que executar as melhores pegas do
seu repertorio. *
Consislorioda C mirara de S. Bom Jess da
Via-Sacra da greta Santa Cruz, 2 de Maio de
1890.
O escriv&o interino'
M. D. Siloa.
COMPANHIA
DE
S3HSSXS03
Aos restos morta.es de
joj jcu:mras
No 7. dia de seu
passamento
Peaaei
AO HOSBO TENENTE
Jte Julio de 8. Martina
As proco*.
Barreiros
O abaixo assignado declara solemnemente,
para confundir inimigcs pequeoinos e mesqui-
nhos, qae nanea escreveu para A Provincia, e
que. portanto, sao acceila a paternidade une Ibe
qoereu dar das pablicacdes insertas o'As Pro
rindas de 9 e 13 do correte relativas presi
dencia do directorio do Club Republicano Bar
reirrnse e a pessoas d'esta villa.
2") de Abril de 1890
Lourewro Gucdes Alcoforado.
\o commercio
Manoel Lopes de S, retiraodo-sc boje para a
Europa, no vapor francs Equoteur, e nao tendu
temp.i de despedir-se de todos os seos amigos
pela presten da vagem, pede aos mesmos des-
culpa e offereeeos sens prestimos em qualquer
parte onJe se acbar.
Ootrosim declara que deixa como sens procu-
radores : em !.* logar ao Sr. Jos Azevedo dos
Santos, em 1* ao Sr. Joo Fe mandes Juliao eem
3.* ao mm socio Joo F. Noreira.
R. efe, 3 de Maio de 1890.
Stanoel Lopes de S.
COMERCIO
Revista do Mercado
RKCfFK, 2 DK MAIO DB 18fc0.
O moviments limitou-se a Ir nsaegoes no mer
cado de cambios.
Bol
sa
chaces officiaes da junta dos COB
RETOBES
Recife, 2 ae Maio de J8M
AccOes da estrada de ferro do Ribeiro ao Bo-
nito, valor de 1004 a 80/ e 83/ cada urna.
Na Bolsa veoderam-se
40 acedes da estrada de ferro do Ribeiro ao
Bonito a 80 i.
35 ditas dem idem idem a 85/.
J presidente,
Antonio Leona -do Rodrigues.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
Caaabio
PBACA DO RECIFE
Os bancos abriram a 20 3.1 nomiaal, saccando,
porm, o de Pernambuco a 21, s 11 horas da
manb.
0 mo vi ment foi pequeo
PRACA DO BIO DE JA SEIKO
O Banco Nacional esleve saccando a 21 d. e os
dentis bancas a 20 7,8
H;uve falta de papel particular no mercado.
Jjgodo
Nao constou rendas.
__
Aexporlaco feita pela alfandegn (m Abril lin-
do, constou de 718.016 11 kilos, sendo 600.o>
!/2 para o exterior e 117.750 para o Interior.
As entradas verificadas em Abril lindo, j co
ieciflas so bem a 11.305 saccas, sendo por:
Dr. Eusebio Martins
Costa
tem o sea Kn?attorio medico e residencia ra
Bailo da Victoria a. 7, t andar, oode pode ser
procura lo para os misteres de sua proissao.
Consonas de 1 s 3 horas d a tarde.
O advogado
Dr. Maooel Portelia Jnior
transferio o sea escriptorio
para a roa u. 44, 1. andar. (Entrada
pela roa do Torres).
Via-ferrea da S. Francisco
Vis-frrea do Lkaoeiro
Swnsaa. .
Couroi
rea
Couro
salgados 40) res, e
42 775
1.697 -
96.707 g.ccos
os verdes a 240
Elixir depura
tivo vegetal.
Formu'a de Angeliifb Jos
dos Santos ndrade
Approvado pela Inspectorio Qeral de Hy-
giene Publica do Rio de Janeiro em 20
de Julho de 1887.
Este depurativo de grande eficacia as mo-
lestias syphiliticas eimpurea dosangue ; assim
como em todas as molestias das senfioras.
Tem curado radicalmente muitas pessoas c
commettidas da terrivel molestia beriben.
MODO DE USAR
Os adultos tomaro quatro" colneres das
sopa pela manb e quatro noite.
As enancas de 1 a 5 anaos tomarlo ama co
Iber pela manhS e outra noite, e as de 5 a 11
annos toma rio duas coltieres pelamanhS e duas
noite.
Deverao tomar banbos trios on momos pela
manh e noite.
Resguardo regular.
Encontrase venda na drogara dosSr?.
Francisco Manoel da Silva & C, ra do Mrquez
de Olioda n. 33.
O autor deste preparado pode ser procurado
na ra do Bario da Victoria n. 37,onde ser en-
contrado para dar toda e qualquer explicaco
que for precisa.
Cuidado cosa as QalalflcaaSes
.V*it '
Atiesto que a pedido de D Hara Vicente Fer-
reira, comprei na.rua do Bar&a da Victoria o.
37. seis garrafas do Elixir depurativo e restan
rador, preparado pelo Sr. Angelino Jos dos San-
tos Andrade, para ella, asm de conseguir cu-
rar se de diversos fenos que tinba na perna
direita, aos quaes davam o nome de formiguei-
ro, e conseguio restabelecer-se da referida en-
fermidade adquirida ha dous annos, e rebelde
a muilos remedios que bavia usado, conforme
me declaron a mesma senhora.
Pode o Sr. Angelino, aier deste attestado o
uso que Ibe convier urna vez que com esta de
claracao sem duvida se presta um servico bu
manide.
Recira, 10 de Selembro de 1881.
Jjs A. da Costa Pontes.
N. 112
Engenho Amoroso, da comarca de Agun Pre-
ta, 12 de Junbode 1887.
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade
Amigo e Sr.
' Communico Ibe que, ten.lo soffrdo em Junbo
de 1^81, de norrivei rbeumatismo, por mis
e um anno, recorrendo eu a diversos mdicos,
usando das suas receitas durante esse periodo,
sem obter o uensr alivio aosmeus soffrimentos.
a molestia progredia de dia para da, a poni de
me atacar os olbos, dos quaes rae perturbava
vista com bastantes dores nos gloio3 dos cutos.
Fui aconselbado poa u.n amigo para nsar do
eu Elixir depurativo do sangm', e gracas a
Deas, em tio r>oa hora Uncei ma* delle, ecom
o uso de duas garrafas adime completamente
restabelecido de raeus eocomm idos.
Beatas poucas iinhas que f contera a verda
de, poder V. S. (j** o uso que Ihe convitT.
' Sem mais assumpto sou de V. S. criado.
Francisco. Paes de Luna.
N. U3
Illm. Sr. Angelino n dos Santos Andrade.
Estando urna pessoa menor, de mintu rasa,
de3 ara 4 annos, foUVendo da terrivel moles-
tia Flores Brancas, e tendo tornado diversos re
medios sem resultado algum ; c chegando ao
mea conhecioiento o prodigio do seu preparado,
lancei mo delle, tomando apenas urna garrafa
flcou compltame rcstabelecida.
E' de lastimar que esse precioso purficador
do sangue nao seja conbecido por todos para
bem da humaoidade.
Pode fazer o uso que lueapprouvcr desta m-
nha carta.
Sou u> V. $.
Alten loso o obligado."
Antonio Mneles C irdeiro d-j GJsaii).
(Estavam SilliJos e reconnecidn as Hririas.)
Despedida
Josei.h Gerard e sua senbora retirando se
temporariamente para Europa, pedem desculpt
quelles dos seus amigos e fregueses, de quero
nao poude despedir-se pestoalmente; outrosim,
offerece seos diminutos prestimos en qualquer
parte onde se acbar. Recife, 1 de Maio de
1890.
Attentjao das autoridades
>r. Jos Salv. dor Perel a Braga, andando a
propalar que vai perlilbar o <-e crianza que tem
em sua casa, Ulna ds>pais in mitos, e como o
nao possa fair, prevenimos -is autoridades ci
vis, para nao admiltirem tal perfilhacao, qae tem
por fim desberdar os seus legi limos herdeiros,
em favor do qoem elle quer perfllrar.
O mencionado Sr. Braga e herdeiro do uso e
fructo da terca que Ibe deixou seu finado pat,
com a clausula de por sua morte passar a be-
ranea a seus irmos, no caso de nao ter prole.
Ora esle senbor viuvo, e no tem ftlhos, quer
de matrimenio quer natnraes.
Reci e, 1 de Maio de 1S9D.
Um herdeiro.
Irmandadc do ni tino Espirito
auto do Recife
CON3ELHO FISCAL
Consulta
Em face do que determina s primeira parte do
art. 68 do oo3so compromisso, convido a todos
os irmos ex juizes e bemfeitores, membros do
conselho lis:al, a comparecerem no consistorio
de no:sa igreja, domingo i do correte, pelas 11
horas do dia, alim de darse cumprimento ao que
dispoe o arL97 do mesmo compromisso.
* Consistorio, i. de Maio de 1890.
Domingos Jos Antunet Guimaret,
P.ocurador geral:.
Gabela de negro
Elixir sedativo e antrhtumatico, formula
do pharmaceutico Hermee de Souta
Peretra.
SEM MERCCBIO
Approvado pela Inepecto ra Qeral do
Hygiene
Este poderoso medicamento j bem co-
nbecido ha mais de 10 annos e cujos ma-
r vilhoss effeitos tem sido at 'estados por
muitos mdicos e numerosos doentes, cura
radicalmente os bhecma i ismos, ebtsi-
PELAS, SYPHILI8 S8CBOFCLA8 O todas as
molestias que teem por origem a impuresa
do sangue. ;
O verdadeiro e mais antigoElixir de
colega de negro e da formula do phar-
maceutico Hermes de Sonsa Pereira, e
para arastia dos consumidores traz elle
em seus rotules e envolueros o retrato do
autor.
Vndese a varejo em todas as phar
macias e em atacado na pharmacia Fer-
reira, praca de Maciel Pjnheiro, n. 19,
(antiga do Conde d'Eu, e na drogara de
Francisco Manoel da Silva & C, rus do
Mrquez de Olinda, n."23.

O Dr. Bastos de Oliveira
tem o seu consultorio rnedico-cirurgico
ra do Marqu.a de Olinds, n. 1, 1. an-
dar, onde pode ser procurado todos os
das uteis das 12 s 3 horas da tarde.
. Chamados a qualquer hora em sus resi-
dencia, ra do Hospicio n. 46.
Telephone n. 365.
Advogado
^1
%
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de scchoraa e creanas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n. 18, 1 andar.
Consulta de 8 s 10 da manha.
Chamados (por escripto) i qualquer hora.
TKLEPHONE N. 226
MEDICO HOMEPATA
Dr. Ballhaza.' da Silveira
Especialidadefebres, molestias
' das criancas, dos orgaos respirato-
rios o das senhoras.
Presta-sea qualquer chamado para
ora da capital.
AVIVO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
!
RestaurantPortu ;uez
O primelro esa I'ernamniico
2123 BA DAS LARANGEIBAS 2123
COSINHAS
Brasile:ra, Portuguesa e Francesa
Proprietarios: C'-arles Rozier & C.
Iguarassu'.
Dr, IraiicUcu X. Paea Barre lo
ADVGADO
1 Encarr-ga-se de qualquer trabalho
, m'ereute ao seu cilicio mediante
ajuste muito raxoavei
Advogado
O cidado Ismael Mirque* da Silva encarre-
ga-se de defecas perante o ju y da cidade *u
UABO.
Agurdente
Cou-e a 14*600, por pipa de 80 litros.
Alcool
Cola-ce a 190*000 por pip?. de 480 litros.
He!
Cota-se a 55W00 por pipa de 480 litros
ranta | da Alfandeca
Btfl DI 5 A 10 DE MAIO Di 1890
Mo baove exnortacao
Assuoar rcrinado (kilo) .
Assuctr braoco (kilo)
a sanear nwscavado (kilo;
J gurdente ". .
Alcool (litro) ....
'rroz com casca (kilo i
Aigodia (kiloj
Barcacas
/aperes .
"vaimaes.....
'ia-ferrea de Caruar.
Via-lerrea de S.Francisco,
ia-ferrea de Limoeiro
Somma.
2.8S5 Sxeas
1.272
6 0
38!
2.057 .
4.033
Bagas de mamonas (kilo) .
Borracha (kflo) ......
Crneos de algod2o .
Cour?i seceos espichados (kilo) .
Coarj seceos salgados (kilo) .
ouros t arto kilo)......
Ccf bom lidio) .
Cai reaolho (kilo) .
Carruflsfca tkito.....
1 aromos de algodao (kilo;
arro de pedra deCardilf ton.)
Furinlia de mandioca lluro) .
Folhas de abanmdy (kilo? .
Genebra (litro).....
liraia........
laborjndT.......
Mel (litroi......*.
Milho (kilo.......
fio Brasil (kilo).....
Sola (Bteiasj......
300
2)3
IOS
170
370
80
560
120
960
16
420
360
215
400
800
000
260
20
16/000
70
300
200
350
200
80
100
35
2500
11 305 Saccas
Asquear
Os procos pagos ao agricultor, por 15 ktloe, se-
*; jndo a Associayo Commercial Agrcola, (oram
os seguintes:
Uansa..... 3>700 a fcJOJO
Braneo..... 3*300 a 3**0
aos. .... #6-10 a 2*8X1
Kvado purgado tjfiuu a 1WJ0
1*300 a 1*600
- ... *kOU a 1*2 lo
Aexportaco reita pela alandega em Abril tin
para o exterior e i.421.53/ para o interior.
As entradas Terifi&taas em Abril flndo, a co-
niiecidas, sooem a 96.767 rceos sendo or:
Barcacas..... 45.154 Maceo;
.'aores..... .
Aataues.... 2 641 .
ia-ferrea de Caruaru. 4 tOJ *
.Varios a descarga
H.irc- p>rt.gttcaa Moco Silencio, varios eneros.
ia ca /mKXiaJ Maiianninha xarque.
B..r-j i,frlesa LtxoMta bS'.lllO.
Hrifu^ li.HjikSe Meidem, xi.-que.
Bngue (mMoksi'Z Adelina, varios gneros.
LOg^r |*rbiguf i Temerario xarque.
Lu^ar ooti-j-ai Duas AWUricut, varios gneros.
Lu^'ai mi^Wi ftjj'ii bacaliuu.
L'Jiar ln-Uo-tn H. R. L'-embu'S, grasa.
Logr un- rk-oDo Auna, iniitio
P PaUlij ajiur^oeoBe teres, Xiqoe.'
Caucoo trasera Genual tieige, xarque.
laavoriafo
Vafor nart telonio, ei-trado do Hatee e
L^uia ios andante e consignado a Augnsle
L oilI.-, anmfestn :
Garirs de Havre
> oa '.i->-rl 3 tab* a Francisco Maooel da
Snvat-C. l->a Solier KiuD'manu eC, 2 a Rou
qosytr.l Vier..
A.mce 10 barricas a Francisco Maooel da
S.v;i* C.
A InvHm I caixa a Maooel V Xeves.
Ajji ;t *j s vuiomes a di venios.
Azeite 30 caixas a Domingis Ferreira da Sil
va e C, 20 a Goncalves Roza e Fernandes.
Ameixat 13 caixas a Domingos F^rroira ds
Silva e C.
Batatas 100 caixas ao consignatario.
Hot's i caixa a Manoel i. R b. iro.
Bengala 1 caixa a Ribeiro e Almeida.
Brioquedos 1 caixa N Penceos eC 1 a Maia
Sobrioho e C, 1 a Fraaciicj Manoel da Silva
eC
Brinzao 2 fardos a Caeta.io C. da C. M,reir
eC
Bilhar e nertences I raixa a Jos R. da C ista.
Camisas 1 .-a i xa a Das Fernandes e C, 1 a
Manoel F. de Souza
Cognac 20 caixis a Domingos Ferreira da
Silva e C.
Chocolate 2 caixas ordeirr.
Cactas para jogos I caixa a A-.Ionio D. Car
neiro Vianna.
Couros 1 caixo a G. de Sjuzi Pi'ixc.
Chapeos de sol 1 caixa Ja Francisco Gurgcl e
Irmao, 1 a F. R. da Silva e C.
Calcados 1 caixao aos tnesmos, i a Albino
Crux e C.
Chapeos 1 caixao a RapHacl Das c C, i a
Adolpho & Fer.o, 1 a drvalho e Ir nao.
Feltro i caixa a Francisco R. da Si I va e C.
Drogas 2 caixas ao consgnatario. 8 a Francis-
co Manoel da_S;lwi e C 3 a Mmoel Alves Br
bosa Succefsor. 3 a Faria So'mnbo c C, lia
Rouquiyrol Freres.
Espelhos 2 catxas a Ribeiro e A!mo iU, 1 a
N. Pooseca e C
Ervilhas 5 caixas a Diminsoj Ferreira do
Silva eC
Ferragens 1 caixa a Goncalves B aga, 1 a
Antonio Duaite Carne iro Vianna.
Impressos 1 cui.vi a Francisco Mantel da
Silva C
Livros i caixao a A Lopes & C.. 1 a J.aj \V.
de Medeiros.
Limalha 4 caixas a Fr.:ncisro Mano I da Silva
e l'., 3 a Miranda e Souza. 3 a Vianna Castro
eC.
Licores i caixa a Domsngo* Ferreira da S.l
va e C.
Louca 1 caixa a t-Yaorisco Manoel da Sil/a eC.
Manteiga 20 barris a Sania Casa do Miseiiio.-
dia, 70 e 130 mei s ditos ordeno, 15 e 20 a
Joaqun) Ferreira du Carvalho e C., t u 10 a
Joaquim Feippe c Avuiar, 15 e CO a Riiva Va-
fete e C, 3J e 40 a Joo Fernandes de Almei-
da, 35 e 60 ao cousignatario. i el) a Souza
Basto, Ataonm e C, 60 e 100 a D iiuingos Cruz
e C-, 20 e 30 a Donvng-u Ferreira Silva e C, i
Caixa a Manoel Francisco de Soaza.
Mercadorias diversas 1 caixa nr.lem. 2 a G
CardOJO e C, 3 a C Plujm 4C..3 a Francisco
Gurgel & I'inao, 3 a Alhiuo silva o C, 2 a R. de
Druzina Almeida, 3 a Alves M na e (.'.. I a M. F. ( Souza, 5 a Nunes ronseca e C, 2 a N'-ito Cam
pos e C, 2 a Guimares Irmos e C., 2 a R .nos
Salgado eC.,1 a Ferreira e C, i a Comes de
Mattos Irm5o. i a Alvim e Chante, 1 a Francisco
Maioel da Silva e C.
Materiaes para engenbo 3Sf volme o prcas
ao consignatario.
Madrirnsmo par corta* fe no i caixas a Aze-
vedo e C ,
Mtssas i caixa a Jos* Joaquim Alves e C
Perfomarias i caixa a Guimaraes Irmios e C
1 a R. Salgado e w.
Porcellana i caix- a E. V. te Araujo.
Pealas I caixa a Kunes Fonseca e C, I a Ncl-
to, Campos e C
Objectos de escriOlario 3 caixas a Ramiro M.
da Costa, 1 Jos a Nogucira de Souza.
Promp.luaro da le
DO CASAMENTO CIVIL
Acha-se Dre.-les a sah'r do prelo esta obra ce
guida da lei ar.notad.i onde se discutem diversas
qms'Oes pratic. s e faz se um estudo compara
tivo cojo o din iio antigo.
Como sppensos, l az o livro as instruccoes
O .ixadas paia a execnc^o da le e mais actos
publicados a seu rtsp'itj e bem assim o regu
lamento do regstio civ>l, como materia que se
prende ao ar-sutnpto.
O livro que te compota, mais ou menos, de
OO paginas, offeiece utilidades quelles que se
leiiicarem ao istedo e t-x> cuco da me^ma lei,
bem como ao publico ein geral.
Seudo a tiragein de poucos exemplares visto
uAo poder sen autor accaneiar cora despezas
.-upciiores, se dir preferencia os pedidos que
for. ni feitos, parj o que se indica a iivrana
l'.n.-ieni'e i iua de Marco n. 7.
Prtco do vtlume, pagavd a eutrega deste :
lime-hura 2*000
Har, denudo 3*0O>
sa. a. clm:altc rs sqza
Mudou o seu escriptorio para a ra do
Imperador n. 32, pr.meiro andar, onde
pode ser procurado de 10 da manh s
4 da tarde.
Residencia Ra Imperial n. 148
$5 Telepaoae n. 102.
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLDSON, for
mado pela Universidade de Maryland no
Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na ra BarSo do Victoria 18, Io s*
lar.
Consultas dan 10 s 4 horas da tarde.
Collegio d N. S. da
Penha
PARA O SEXO FEMININO
S oh a dlrceru de Ansusta Carne iro
Boa da Aurora n. 37
Segundo anda r
Memf contestadlo
Principiamos a publicar hoje urna sene
de attestadoB em favor do Sr. Jos Alvares
de Souza Soares, sobre as prodigiosas cu-
ras que tem feito o seu acreditado e po-
pular Paitoral de Cambar.
Ha tempo um dos redactores d'esta fo-
lba, sendo atacadado de urna forte e per-
tinaz tosse, e depois de ter usado diversos
xaropes sem resultado satisfactorio, fez
uso do Peitoral de Cambar e ficou com-
pletamente restabelecido de 3ua alterada
sade.
Particularmente noj disse o Sr. Dr.
Ilenriqson, quando aqu esteve ha pouco
tempo, que esse importante remedio era
muito procurado em Santa Victoria e que
elle receitava-o a seus doentes, sempre
com vantagem sobrequalquer outro, pois
que a cura era radical.
(Extr. do Diario de Pelotas.)
A's familias
Ensino de primeiras lettras, por-
tugus, frncez e inglez ; pelas
residencias dos alumnos, dertro
da cidade e em seus arrabaldes :
a tratar na ra do Imperador n.
75, 2." andar.
Prego* 6 eafxaa a It.iaos eppert a C, 4 a
Gome- de Mattos Irmao:
Papel 0 cjxss a-ordrm, 1 a .Maooel V. Kevas
2 a iNuses Fonseca e C.
P. lies 1 volunte a Gomes de Mattos Irmao, 4
aJRaiiK s G pert e C.
Queijos 10 caixas a Carvalho e C, 12 a Jo 6
de Micedo, 10 a Celes de Arujo c Filho, 29 A
ordein, IH e 1 fardo a Jo<6 Jjaiuira Alves o C,
10 e I a Miguel Joaiuim C Cardoso, 10 caixas a
Paira Valeulee C 10 a Smza Disto, Amorim
eC. s
Soda I barrica ao consignatario
Tecid is 4 .aixas a Azevedo e C 4 i Alves de
Rrito e C, i a Joamim Goncalves e C, 1 a Gon-
calves Cunda e (,.. 1 a Tihurcio de Oliveira, 7 a
ordem, 1 a J. L. Grcgo, 2 a J. Coimbra, 1 a Ber
net e C, 2 a Mouhard, llub ;r e C, 5 a Olinto.
Jardim e C., 1 a Alvim a Cbne-\
Tintos 2 caix s a Vianna Castro e C, 2 a
Francisco Manoel da Si va C.
Vinho 1 caixa a M uioel F. de Souza.
Vela- U caixis a Onoingos Ferreira da Silva
c C, 5 a Das Feruaades e C.
Vidrjs i barricas a Ueodato Torres cC.a
Jos Gooe s de Amorim e C.
Vermoulh 30 caixas a Domingos Ferreira da
Silva e C, 10 a L >pes Alheiro e C, 25 a Carva
ibo e C.
Carga de Lisboa
Azeilc 27 caixas a Ferreira Rodrigues e C, l
a Jos de a. Coxneiro.
Baga 1 bonica a Antonio D. SimOes, i a J. F.
da Cos'a
Batatas 25 caixas a Pava Valente c C, .'0 a
Fernandes e limaos.
Conservas 1 caixa a Martins Cordeiro, 1 a
Amorim limaos e C.
Ceblas 50 caixas a ?aiva Valepte e C. 35 a
Lopes c Araujo, 50 a Ferreira, Rodrigues e C.
Capachos 2 fardos a Aulouio Pinto Carneiro da
Suva.
Ferragens 1 caixa a Goaes de Mallos Irmos,
7 a Antonio Pinto da Silva e C.
Livros 1 caan a J Salgado, 1 a F.P. Bouli-
Ircau.
iVnei-as 2 farJoi a Aulouio Pinto da Silva
eC.
Q itijos I -j xa a Fcrua idos o Irmos.
Vimgre 2o bariis a Joa|Uim Felippe e
Afuiar.
Vmho 10 p'pas e 40 barris a Souza Basto,
Araonra e C 1 e 3 Viuva Mirqucs e C, 50 a
Jo.-c RoJrijues Ma-.ieira, 3 a Aulouio S. Cosa, 1
a J. de M. Carneiro, 11) a Antonio de S. Braz, 1
a Dilphira Lopes da Cruz. 2 a D. P. Vilot, 110
caixas a Paiva Valente e C 3 a cJoncalves Cu-
uha e C
Aula publica
ENSINO PRIMARIO E SECUNDARIO
SEXO M4* Roa da Penba u. 23, 2 andar .
O professor publico Landelino Cmara tem sua
aula aberta ra cima, onde pode ser procu-
rado. |
Lecciona particularmente portuguez francez a
arithmetica commercial, mediante mdica re-
tribuido,
Fdra das horas regulares do ensino publico
estabeleceu um curso de doulr.na clirisl para
os meninos lhos das familias catholicas, que o
quiserem frequentarindependente de pagamen-
to.
Prestase as horas vagas do ensino a escri
piurar livros commerciaes por p.rudas dobradas
e simples.
Leonor Porto
Ra Larga do Rosarlo nn
mero
SEGUNDO ANDAR
Contina a executar os mais difccis
byurtaos recebidos de Londres, Paria,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicio de costuras, em
em brevidade, modocidade em precos e
fino Kosto.

I

Frederico Chaves Jnior
Homoepatha
39RA BARO DA VICTORIA
Primelro andar
-II
Dr. Silva Leai
CLNICA MEDICO C1RUROICA
Consultorio e residencia rna do Livramento
n. 6 1 andar. Con su. tas das 11 s 3 horas da
tarde. Chamados a qualquer hora, por escripto
M. Amorim, 25 pipas com 12,000 litros de
agurdente.
A. GuimarSes, 770 saceos com 46.200 kilos de
assucar braoco e 230 ditos com 13,800 ditos de
di lo ni asea vado.
No vapor ingles Planeta, para Rio de Ja-
neiro, carregaram :
G. A. Furlado, 50 pipas com 24,000 litros de
aguarden te e 50 ditas cem 24,000 ditos de alcool.
P. Carneiro 4 C, 600 saccas com 40,000 kilos
de algodao
Para Rio Grande do Sul, carregaram :
P. Carneiro C, 750 barricas com 78,020
kilos de assucar braoco e 150 ditas com 16,210
ditos de dito mascavado.
P. Alves & C, 150 barricas com 15,303 luios
de assucar mascavado. ~* v
P-ra Porto -Alegre, carregaram :
P. Carneiro & C, 275 barricas com 24,975
kilos de assucar branco e 100 ditas coa 9,150
ditos de dito mascavado.
No vapor nacional. Pernambuco, par Rio
de Jaoeiro, carreeou :
A. Cesar da Silva, 500 saceos com 30,000 kilos
le assucar branco.
No hiate Aurora, para Mossor, carrega-
ram :
E. C. Beltrao & Irmao, 5 barricas com 2 2
kilos de assucar refinado.
P. Alves 4 C, 42 barric. a com 2,188 kilos de
assu:ar refinado e 24 d.tas com 1,987 ditos de
dito branco.
Na bascaca .Vota Espsranca, para Ma%i
carregon:
E. Monteiro, 2,500 litros de sal.
Rendlanentoa pulo II eos
ana na abril
Alfandega
Auxilios lavoura
Pereira arneiro 4 C. conlinuam, autorisados
rio Banco do Brasil, & conceder emprestimos
lavoura das provincias de Pernambuco. Ala-
goas.Parahyba e Rio Grande do Norte, media ate
as condicoe8 de que os inleressados serao infor-
mados no escriptorio a ra do Commercio n. 6
das II horas da manb s 2 da tai de.
826 kilos de peixe a 20' res 1645
7 cargas cora farinba a 200 rs. 1
5 ditas de fractas diversas a 300 rs.
33 columnas a 600 rs. 19<80D
100 taboleiros a 200 rs, 2000O
8 suinos a 200 rs. 14600
1 escriptorio a 300 rs. 300
63 compartimentos com fariuha a 500
rs. 314500
29 ditos de comidas a 500 rs. 144500
% 99 ditos de legumes e fazendas a
400 rs. 391600
17 ditos de suinos a 700 rs. 114900
9 ditos de fressuras a 600 rs. 54400
4 ditos de -camaroes a 200 rs. 800
3J tainos a U 664000
Precos do dia :
Carne verde de 280 a 5C0 res o kilo.
Suinos de 520 a 560 ris idem.
Carneiro de 640 a 800 idem.
Farinba de 560 a 600 ris a cuia,
Milho de 500 a 520 ris idem
Feijo de 14 a 14280 idem
2304820
Renda geral
Do dia i
dem de 2
Vapores a enfrar
HEZ DE MAIO
...... Montevideo ........
..... Equoteur.........
...... Guahij........'....
..... Olinda..........
Hertne...".........
Potos
180974719
(6:9744681
38 072 403
Patacho he:panhol J-ivu l'wa, eutrado do Rio
Grande do aui em i no crreme e coosignado a
Ju:.quun da S Iva Carneiro manifestou :
Graxu em brxipus 13 500 ki los.
Xarque a grauel 16s CUO kilos aordem.
Renda do Estado de Pernambuco :
Sul...........
Sul.........
sui.....:.....
Europa......
Europa.......
Europa.......
Norte........ Pernambuco
Europa....... Thames...........
Sul.......... LaPlata..........
Sul.......... B'anos...........
Europa...... Vdk de Rosario... .
Sul........... Vle de Pernambuco.
New-York..... Maranliense......
Norte......... Para.............
3
3
3
4
4
&
4
8
8
8
9
11
13
14
Do dia i
dem de
43934271
5:5864280
9.9794551
Somma total 45:0514954
Segunda seccao da Alfandega de Pernambuco,
2 de Maio de 18)0.
O tnesoureiroFlorencio Domingues.
O chefe da seccaoCicero B. de Mello.
Reccbedorla do Estado de
Pcrnaaabuco
Do dia 1 1:7634682
dem de 2 3:6764467
Exporzaoio
Bciru. i oa maio sa 1890
faro o exlmor
i\o ?apor francez Ejuateur, para Bodeaux,
carrCgou :
flouquayrol Ficres, 71 caixas cotn fractas no
valor do 1004. *
Para L cboa, carregou :
A. Te borda, 8 0 sacos com 60,000 kilos de
asquear musjavaJo.
fura o uuerioi
.No vapor f.anc-.z olonia, para Uto de Ja
neiro, carn-garam : I
0.4404149
Vapores a sabir
HEZ DE MAIO
anlos e esc.. Colonia........... 3 as
Hamburgo.. Montevideo........ 3 as
Bordeaux .. Equoteur.......... 3 as
santos e esc.. Otiiuta---------.....' i as
Valparaso ... Potos............ 4 a
Sul..........Pernambuco....... 5 as
Soulhamoton. La Plata........
Buenos-Ayres. Thames
Norte........
Santos e esc
Havre e esc
Sul.........
Sul.........
Norte........
Mandos
Ville de Rosario------
Ville de Pernambuco.
Par..............
Paianagu........
Espirito Santo
3h.
a h.
11 h.
3h.
1 h.
5 b.
11 h.
12 h.
5 h.
9 h
&
Do dia 1
dem de 9
Reelfe Dralnage
824900
1014044
1R3 4944
creado Rnnlelpal de S. Jos
0 movimenlo deste mercado no dia 1 de Maio
foi o seguinte :
Entraram :
ti bois pesando 3,117 kilos.
Buenos-Ayres. Trent.........
Souoampton. 7aai-.......
Sul.......... Alagos.......
Norte........ Pernambuco ..
8 as
8 as
8 as
10 as
12 as
15, as
17 as.
18 as
34 as
25 as 11 tf.fr
23 as 5 h.
*8as;,5h.

oriniento do porto
Navios entrados no dia 2
Liverpool e escala-21 das, vapor inglez Mer-
ehaut, de 849 toneladas, com mandante J. D.
Pialt, equipagem 25, carga varios gneros : a
William Biackburn.
Montevideo33 dias, patacho dinamarquez Dana,
de 180 toneladas, capitau F. Bonnellcke, eao.i-
pagem 7, carga jtarquaJ a Pea-ira Carneiro
Observacllo
Nao hoave sabida.






i
: ;
'




I j5
B 3*

r
m H


Diario de Pernambuco--S 3 de le 1890
i

...

&
. <
Revela^oes e aer< rmenlos
Pateas vetes leaos experimentado urna 15o
intima eatisfacao; roelbor diramos om It^iiimo
rguibo por noticiar ao respeitavel publico qoe
a cerneja La Rosa Altcvuna urna mensugeii a para
o corpo tanto Debida como-regalo que 6 de R
ninnimn paladar, como infalfvel na cura de
nchaqueca. ataques heraorrboidaes, corr;mcn
los e flores bromeas.
Nao alongamos consideraedes e limita rao nos.
pois, a descobrir a riqueza da cerveja La Rosa
AMemana. j professada publicamente. A verdale
4 tesnpre verdade Alem do estabcleciinenios
j annunciados est venda em oetros im-
portantes estabelecimentos dos Srs. Joao da Cu-
afea Vasconcellos, ra do Livramenio; *>tonio
Giilhermino dos Santos, roa Direita, Moreira Ir-
mie, rua de Pedro Affonso; Jos da Silva Perei-
ra Lisboa, rua do Imperador, Manoel Uartios
Lourenco, Jaboatao; Francisco Menles da Fon-
seca, Pilar de Aiagas, Jos Domingos d'Olivei
rae Manoel Ferreira Silva Veiga, Natal; Joao,
faveoal Barbosa Tinoco, Raplista Jnior & C..1
Ismael Cesar Duartc Ribeiro. Macabiba.
Advogado
O Dr. Gomes Prente mudoa sea escriptorio
para o pateo do collegio n. 77.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, oculista,'
ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, de volta de sua via-
gem Europa, di consultas de
1 as 4 horas da tarde, no 1
andar da casa n. 51 rua do
Bario da Victoria, excepto nos
domingos e das santificados.
Telephone 285.
Residencia rua Sete de Setem-
fcro n. 34. Entrada pela rua da
Saudade n. 25.
Telephone 287.
Trosressua da Medicina
& sciencia nos da alegrer novas, armunciaodo
aos que se tem feito em grande e importante
aEfiimentos cansados pelas molestias da gar-
ganta e dos orgos da respiracao, podern er
ataJfeidos com o mmedialo uso do Peiloral de
Aaacahuita, e slo com urna certeza e infallibi-
lida nediema.
A base fundamental deste delicioso e riquis-i-
mo xarope consiste do balsmico sueco exlrahi
4o de ama arvore mexicana, chamada Anacahui
u. o onico especifico natural ale boje conhecido
para as affeccOea pulmonares. As esquinencias,
as broochites e a asthraa, cedem a su aeco
tosa orna facilidade verdadeiramente assombro
sa. Fas desapparecer a rouquidao dentro <5c pru
os bocas, e lomado a lempo e a horas iicpede a
ossiMidade da thisica.
Cono garanta contra as falsicacocs, obscr
s-ge ocn que os noraes de Lamman Kemo,
venfeam estampidos em leliras transparentes no
papel do livrinho que serve de envoltorio a cada
arrafa.
Actia se venda em todas as boticas e droga-
liss.
g*t a qualquf r dos individuos do que trnta
o art. 1.*, o servico de que o incumbir
ser multado em 20CO, alem do que
Ihe estiver a dever, ou soffrer 8 'das de
prisao.
Art. 10 -A pena de prifto so se torna-
r efiectiva, quando o infractor no prazo
de 5 das nao poder ou nao quizer pagar
a multa em que r.ouver incorrido.
Art. 13Pela caderneta e placa pagar
e inscripto a quactia de liJOO ris In-
tendencia.
Art. 15As pessoas mencionadas no
art. 1. que demorarem a entrega dos
objectos que Ibes f ore ai confiados, alem do
lempo rasoavel para lvalos ao seu des-
tino, ou que os extraviaren!, serio multa-
dos om 20J000, >u soffrerSo 8 das de pri
sao alm de ficarem obrigados a indmnisar
o valor dos mesmos objectos e snjeitos as
penas em que ncorrerem pelas leis crimi
naes.
Outrosim tornase anda publico qne
continua aberta nesta repartico as terc-s,
quintas feiras e sabbados, a matiicula de
criados, j em vigor.
Secretaria do polica do Estado de Per
nambuco, 30 de Abril de 1890.
O secretario,
Antonio Jo da Costa Ribeiro.
DECLARACuES
A Junta Comrner< jQvida os com-
mcrciante .3 d'este distri-
co a coin,jareceic;n uo dia 0 de Malo prximo
viiiduuro, as 9 horas da raaoha, na sala da Asso
ciacao Commercial Bcneficente, para a cleico
de um depilado commerciante, em substituico
do depuiado Jo^quim Olilo Bastos, qne foi eleito
presidente em v.rtude do decreto n. 298, do Io
da corrente, e cuja eleicao terminar a 31 de De-
zembro do presente aono, devendo o novo elailo
servir somente palo tempa que falta ao substi-
tuido, en virtude do disposto no art."3" do pre-
dito decreto e na ultima parte do art. 4* do titulo'
nico do Cdigo Commercial.
E para consiar maadou a sobredita junta fazer
o presente o Jital-, que, assignado pelo sen pre-
sidente, ser publicado pelo Jornal do Recife,
Provincia e Diario de Pernambuco e affixado na
iraca do commercio art. 5o do decnto o. 696 de 5 de Setembro de
1850.
Junta Commercial do Recife, 23 de Abril de
1890.
O presidente,
Joaqun Olinto Bastos.
Thesouraria de Fazenda
Tendo o Sr. Ministro da Fazenda resolvido, no
intuito de melborar a circulaco monetaria, re-
tirar do movimento das transaeces as notas de
500 rs. e emittir moedas de prata de U e 300
r8 esta thesouraria est deide logo procedendo
a esa substituico, de conformidade com a cir
cular do Tbesooro Nacional sob n ti de 26 de
Marco ultimo, para o que acba se de posse de
urna remessa, vinda da Casi da Moeda, de moe
das dos alludidos valores, novamente cunbaaas
Assim, pois, o fago publico, de ordem do Sr.
Dr. inspector.
Thesouraria de Fazcnla do Estado de Per-
nambuco, 30 de Abril de 1890.
O secretario da junta,
Dr. Antonio JoU de Sant'Anna.
. LI-TA
i Antonio Gomes Miranda Leal.
2 Antonio Geraldo do Bego Barroca.
3 Aulooio Valentim da Silva Barroca.
4 Anjonio Itodrigues de Sooza.
5 Antonio Gomes de Mallos.
6 Antonio S-raphim -la Silva.
7 Antonio Mniiado Pereira Vianna Jnior.
8 Antonio Luir. Rodrigues de Almeida.
9 Antonio da Cunha Ferreira Baltar.
10 Antonio Vicente de Magalliaes.
11 Antonio da Hlva Ferreira Jnior.
li Antonio Guilhcrmlno dos Santos.
13 Antonio de Olivera Maia.
14 Antonio Uunii Machado.
15 Ante ni: Xavier Bozerra.
16 Adolpho Francisco'Lavr. "
17 Aurrliano Auguslo de Oltveira.
18 Augusto Oclaviano de Sooza.
19 Alexaudre de Souza Nogaeira.
Alfandega de Pernambuca
O abBixo asignado, na presente data, di prin-
cipio ao lancatrentoilos imposlos de industrias
e proflsEoes e predial, na freguezw de S. Fre
Pedro uoncalves, percorrendo as ras do brum,
Areal do mesmo, Pharjl, Chaco, S- Jorge, Vo-
luntarios da Patria, Guararapes, Oriente. Occi
dente, Pedro I, Barao do Triumpho, Apollo, Vis-
conde de Itaparica, BeatauracSb, D. Maria Cesar,
Domingos Jos Martins, Barbosa. Chafariz, Luiz
bpocaltas e Campello; por isso previne aos Srs.
locatarios do3 predios situados em ditas ras,
que apresenlem os respectivos recibos e contra-
ctos de arrendamento, como mtnda a lei. afim
de evitar-se o devdo arbitramento ; e para que
em vista dos mesmos recibos e coniracios se
possa hxar o imposto com que cada um tem de
contribuir para o futuro exercicio de 1891.
Alfandega do Estado de Pernambuco, 1. de
Maio de 1890.
O lancador,
_________Htnoel Jos Soares de Avellar.
A8SOCIACI UOMMEBCAL .&BI-
COLA DE PERNAMBUCO
Nao tendo tido logar a assembla geral d'esta
associagao por falta de numero sufficienie doai
or. socios, por ordem da directora ae:
convido a se reunirem ni dia 5 '

-----------ni na a do
n ^iraB moha na sala das ^eVUv
<' um da assembla geral o npesnio snencio-
nado na .' convococao e faocdonar com os
srs. socios que comparecerem, seja qualfor o nu-
mero. n
Becife, 1-deMaiode 1890.
B. d S. Pontual,
_!_______ 2." Secretario.
I
H
Dr. Mello Gomes [
Medico operador parleiro !
46Rua de Barao da Victoria46 |
(DEFBONTE DA PHARMACIA PINBO) | ,
Onde tem consultorio e real- i
4rnrla i potiendo ser encontrado e '
rocebendo chamados qualquer hora
do dia e da noite.
Especialidades: partos, febres, moles
toas de senboras e dos pnlmdes, syphilis
em geral, cura rpida e completa e ope- <
roldes de estreitamentos e mais sofi'ri- '
snentos da uretra.
Acode de prompto a chamados para
fra, a qualquer distancia.
Telephoac a. 371
CDULAS
DO
Banco Nacional
Troca se, pagando bom premio, cdulas da
emisso psgavel em orno, do Ban;o Nacional ;
no arm zem n. 4, a ruado Commercio.
S. R. C
ocieda.de Berreallia Commercial
Sarao bimestral em 24 de Maio
olas para convites, as qoartas feiras, das 9
as 101/2 horas da noite, na sede social ; previ
ne se que nSo sao admissiveis aggregados.
lngresso aos socios o recibo do mez de Maio.
Secretaria da Sociedade Recreativa Commer-
cial, 2 de Maio de 1890. O 2- secretario,
________________Manoel Menezes.
Sociedade Uniao Beneficen-
te dos Machinistas
De i rdem da directora, convido todos os ci
dados associados a comparecerem boje, as 61/2
horas da Urde, rua do Pilar n. 20.
O 1* secretario,
Mauoel dos Santos Siqueira.
9
i
M
:i
Xaes e Caes docofas...
Sao s dizer se : tal remedio tur. laca e
taes 4oencas...
E" precico qno es*a curas se provem por mrio
de atlestadoe flrmadoe pelos proprios pacientes,
preciso que este remedio seja consagrado
sjeta experiencia de illoslree lbos da fcivncia.
cima de todos suantos se apresentam por
al|i a redamar a consideracao publica, podemos
ale apresenlar um remedio que foi approvado
la coprema aoioridade medica do paiz, aulo
"tsad j pelos poderes competentes e consagrado
oao s por illnstres facultativos nacionaes c es
rsageiras. como por um grande numero de pes
as curadas.
Referilo nos ao Pcitoral de Cambara, qu;.
flsoo muito bem diz om Ilustre medico da ci-
ode de Pelotas, o Sr. D-. Octacitio Cunar,
pelos effeitos que exerce robre a muco.-a das
u reso ira lorias, cojas molestias cuia e allivia,
^oza actualmente de urna crescente procura e
aceitacao, como anda nao leve producto alguru
vfficnal n'este paiz.
Osigentes, Francisco M. da Sitca < C.
ED1TAES
Edital
"D ordem do cdadao Dr. chefe de po-
iicia se faz publico para conbecimeto de
todos que do da 5 de Maio prozimo em
diante, acha-se aberta nesU repartcSo,
aas segundas, quartas e sextas feiras, das
10 horas da manba s 3 da tarde, a ma-
trcula para aquelles que se occupain no
aervico de ganbadorea de rua, mocos de
-ecados, carregadores d'agua, de assucar
ede qntiesquer outros objectes e mercado-
rias aem aux.lio de animaes ou de carr 9a
da trcelo animal, occupacSes de que trata
o art. I." da postura da Intendencia Mu-
nicipal, decretada em sessao de 13 de
Feverero deste anno.
Para sciencia dos interessados slo pn-
btcadofl os seguintes artigos da referida
1*.
Art. 5 As pessoas de que trata o art.
!. nao podero exercer a sua pr< tsao,
aem que tragam ao peito urna placa me-
allica contendo o numero de ordem da
y^y inscripcSo, sob pena de cinco mil ris
de multa ou trez dus de prisao.
-Ninguem podera utii-sar so do
qaalquer das pessoas de que
irf. 1., 8e ella n3o tronzar a com-
alaca com a numeracao de sua
Foscripclo" sob pena de 10||000 de multa,
oa 4das de prisao, podendo exgir-.'be a
apreaentacSo da respectiva caderneta.
Art. 8Qualquer das pessoas de que
trata o art. 1.* que falsificar a sua cader
neta ou os registros nella feitas na forma
da artigo antecedente ou usar da placa
miaesada sem achar-se debidamente in-
scripta, ou cuja numerario nao correspon-
da i de sua inscripcSo, incorferi na multa
de 2OJ000 ou em prisao por 8 diaa alem
da snais, a que possa estar eu jeito pelas
lea crarinaes.
Art. 9A peisoa que te recasar a pa-
Derby Club de Per-
nambuco
Pela directora e em sessao de 29 de Abril
prximo pas;ado foram multados em SO i cada
um os seguintes iockeys : Pedro Figueiredo 00
S* pareo, Luiz de Franca no 3 Amaro 00 6- e
Jo e Mendrs em .104 no 5- pareo, quando mon-
tiva o cavallo Gladiator, e de coofo>-midade com
a 3. parte do art. 49 foi considerado distancia-
do o cavado Vi lage c o seu jo gueiredo multado em 100*.
Secretaria do D.-rbj Club de Pernambuco, 2
de Maio de 1890.-0 secretario,
Manoel Medeiros.
Veneravel
Confraria de Santa Rita de
Ca?6a
BeoeaMtraiofslo da apella naor
D orden do cooselho administrativo desta
coifraria, scieLlili :o a quera ioteressar possa,
que tendo de aer reconstruida com urgencia a
capella-mr de nosea igreja qne foi devo.ada
pelo incendio, recaben se propostas{para a refe.
rida n contrcelo, devendo os proponentes en
dereca las a respectiva commissao, aoe se com
poe d m nossos irmos major Jos Elias de Oli-
veira, major Itronymo Emiliano de Miraoda
Castro, tenenle Manoel Domingucs da Silva, ca
pio Juvencio Aureliaoo da Cuaba Cesar e com-
mendador Manoet Goocalves Agr, podendo
mesmo ser entregue ao commendador Agr, na
rua do Imperador n. 9.
Secretaria da veneravel confraria de Santa
Rila de Cassia. tm 2 de Maio de 18C0.
O secretario,
Jos de A. Costa Pootes.
-
.;.
Veneravel
Confraria de Santa
Rita de Cassia
Collegio Representativo
De ordem do conseibo administrativo desta
confiara, convido todos os nossos carissimos
irmios para, no dia 4 do corrente, pelas 9 boras
da manba, comparecerem em nosso consistorio,
aflm de eonstituirem o Collegio Representa'ivo
para eleger o novo conseibo que tem de admi-
nistrar esta contraria no anuo cimpromissal de
1890 a 1891.
Secretaria da confraria da veneravel Santa Rita
de Cassia. em 2 de Maio de 1890.
O secretario,
_________ Jos de A. Costa Pontes
Hospital Portuguez
Assembla geral extraordinaria
Nao tendo acceitado o 1- e 2- secretarios, es-
moier e mais seis mordomos es cargos para que
foram eleitos cm assembla geral ordinaria do
I de Di zembro prximo paseado, sao de novo
convidados o seohores associados a reunirem
se na secretaria do hospital no dia 4 de Maio, as
II boras aa manba, para se proceder a eleicao
dis lugares recusados para coa-pletar a junta
admimslrativa de 1890. Em vista do additivo
ars estatutos, duas boras depois da marcada, se
couititoira a assembla geral com o numero que
se. achar presente.
Itecife, 28 de Abril de 1890.
O secretario,
___________ Cesario A. S. Papoula.
A commissao districtai da Varzca faz pu
bll.o que foram boje encerrados os Irabalhos de,
ulisiamfnto dos cidadaos moradores neste dis-
iricto da Varzea, tendo sido qualificados 467
cleitores ; podendo nos termos do artigo 30 do
decreto n. 200 A, de 8 de Feverero do corrente
aono, o> cidadaos que se julgarem prejudlcadcs
apresentar snas reelamacoes a commissao muni-
cipal no praso de S das a contar da data do pre-
sente edital.
E eu, escrivao ad hoc, o eicrevi e subscrevo.
Antonio Amaro Secundino de Mello.
Vanea, 1 de Maio de 1890.
Ignacio Alces Monteiro Jnior,
Presidente.
Joao Hermino Correia,
Subdelegado,
Apngio Alces de SovsaMogalXes.
20 Alfredo Gibson.
21 Alfredo Jos Ferreira.
22 Barao de Petrolina.
23 Barao da So I edad e.
24 Barao da Santa Cruz.
25 Bario de Aguas Bellas.
2G Barao de Nazaretb.
-7 Corbiniano de Aquino Fonseca.
28 Claudio Jote de Sant'Anna.
29 Carie8 Hinto de Lmos.
30 Carlos Jos de Medeiros.
31 Carlos Paula Lopes.
32 Candido Jos da S Iva Guimaraes.
33 Candi lo Goncalves Ferreira.
34 Carlos de Moraes Gomes Ferreira.
35 Demetrio Acacio de Araujo Bastos.
35 Deodato Luiz Francisco Monteiro.
37 Ernesto Arcelino de Barros Franco.
38 Eduardo Candido de Oliveira.
39 EuEebio da Cunha Be 11 rao.
40 Eneas Americo de Medeiros.
41 Eugenio Regadas.
42 Francisco Ferreira Baltar.
43 Francisi c Amonio Gomes de Mallos.
44 Francisco Theophilo da Rocha Bezerra.
45 Francisco Apollonio Bezerra da Silva.
46 Francisco Gumes de Araujo.
47 Francisco Boielho de Aodrade.
48 Francisco Ignacio de Oliveira.
49 Francolino Rodrigues de Moura.
50 Frat cisco Ferreira Baltar Jnior.
51 Francisco Jos da Silva Guimaraes.
52 Francisco Gurgel do Amarl.
53 Francisco de Paula Gomes.
54 Francisco Correia di Mesquita Cardoso..
55 Flix Pereira c Souza.
56 Genuino Jos da Rosa. ''
57 Graloano dos Santos Vital.
58 Grariliano Octavio da Cruz Martins.
59 Gabriel Ildefonso cas Neves Cardoso.
60 H nrique B<-rnardcs di; Oliveira.
61 Hrnrique Xavier de Araujo Saraivt -de
Mello. I
62 Hermino Egydio de Figueiredo.
63 Ivo Antonio de Andrade Lana.
64 Ignacio Bcz> rra Pessoa.
65 Jos Antonio Pinto.
66 Jos Mircellino da Rosa.
67 Jos Francisco Sa Leilo.
68 Jos Gomes Leal
69 Jos Adolpbo de Oliveira Lima. -
70 Jos da C^eta Pereira.
71 Jos Fiuza de Oliveira.
7z Jos Braz da Conceicao Silva.
73 Jji de Oliveira Castro.
74 Jos More ira da SIvm.
75 Jos Augusto de Araujo.
76 Jos de S Leit&o Jnior.
77 Jos Francisco do Reg MeHo.
78 Jos Antenio M ireira Dios.
79 Jos Ferreira da Silva.
0 Jos Feliciano Naiaretb.
81 Jos Rodrigues da Silva Birroca.
82 Jos Al ves Barbo a Jnior.
83 Jos da Suva Loyu Jnior.
84 Jos Ferreira Billar.
85 Jos Candido de Moraes.
86 Jos d'Assampco Oliveira.
87 Jos Luiz de Mello.
88 Jote Rufino Climace da Silva.
89 Jos Luiz Goocalves Penna Jnior.
90 Jos de Brito Bastos Filbo.
91 Jos Ferreira Marques.
92 Jos Francisco Pinheiro Ramos.
93 Jos Antonio de Araujo Livramento.
94 Joao Ignacio de Medeiros Reg.
95 Joao Bapiisla Gomes Peona.
96 Joo Fernandos Lopes.
97 Joo Pinto de Lumos.
98 Joao Manoel da Veiga e Seixas.
99 Ju&o Baptisia Caslaoba.
100 Jwo Jo.- da Silva.
101 J,aj Jos de Carvaluo Moraes.
102 Juao Wrflfredorfe Medeiros.
103 Joio Rodrigues de Moura.
104 Joao de Aquino Fnsoca.
105 Joao Ferreira Louroiro.
106 Joao Pereira Reg.
107 Joao Joaqoim de Mello.
108 Jo4j Chrysostomo Galvao.
109 Joao Vicior Alvos Uatbeus.
UO Joaquim 01 mo Bastos.
111 Joaquim de Souza Silva Cunha.
112 Joaquim Alvaro Garca.
i 13 Joaquim Bernardo dos Res.
114 Joaquim Lopes Machado.
115 Joaquim Francisco das Chagase Silva.
116 Joaquim Mauricio Goncalves Rosa.
117 Joaquim Fellppe da Costa.
118 Joaquim Nicolao Ferreira.
119 Joaquim Jos Goncalves Bettrao Jnior.
110. Julio Cesar Paes Barreto.
121 Joviniano Manta.
122 Jovino lesar Paes Barreto.
123 Jjvino Bandeira.
124 Bacharel Liurino de Moraes Pinheiro.
123 Leocadio Jos de Figueiredo.
126 Lenidas' Tito Loureiro.
127 Luiz Antonio Sequeira.
128 Luiz Jos da Silva Guimaraes.
129 Luiz Alfredo de Moraes.
130 Luiz Lopoido dos Goimtires Pclxoto.
|13t Ladislao Gomos do Reg.
132 Luiz de Paula Lopes.
133 Ladislao Jos Ferreira.
134 Leopoldo Marques da Aumpco.
133 Manoel Ignacio Pessoa de Mello.
136 Manoel dos Santo* Villaca.
137 Manoel da Silva M 138 Manoel los da Mira Guiraares.
139 Manoel Paulo de Albuquerqne.
140 Manoel Moreira de Souza.
141 Mano+1 Pereira da Cunha.
142 Manoel Bernarries de Oliveira.
143 liacharel Manoil Gomos de Mattos.
144 M-mocl Jjs Monioiro.
145 Manoel Joaquim da Cosa Carvalno.
146 Manoel Honorato .la Silva
47 Marcelino Jo- Mara dn Airaetda.
148 Marcelino Goncalves Rosa. t
149 Malinas Tavan-s de Almeida.
150 Miguel Jos 151 Narciso Jos Monieia.
152 Olympio Goncalves Rosa.
153 Olympio Frrtlrico l^eup.
154 Pedro Jiaquim Vianna do Lima.
151 Peciro Osono de Cerqneira.
156 Pedro o'ge da Silva Ramos.
15* Pedro Alexandiino Maia e Silva.
158 Paulo Pereira SiffiOes.
189 Primenio Duarte Ribeiro.
160 Satyro SeraHm da Silva.
161 Thomaz Teixeira Baslos.
162 Tbomsz Ferreira le Carvalho.
Secretaria da Junta Commercial do Recife, 23
de Abril de 1890.
O secretario,
Julio Augusto da Cunha Gwmaraes.
FacuJdade de Direito
De ordem do Sr. corfselheiro director interino
e de coaformidade com o telegramma do Minis
tro dofctenor dflM6 de Ab il ultimo faco pa-
bUO0.se?rt>riiao no dia 3 do corrente (te-
guaaajfeira) as aulas dos diversos annos desta
raculdade, visto teremse terminado todos os
actos acadmicos, pelo que de novo abaixo se
repete o rescecti *o horario.
1- aono
fi.* cadeira, Dr. Adelino Filho, em substitu
io ao conselheiro Silveira de Souza, das 12 a
bora.
2.* cadeira, conselbeiro Pinto Jnior, de 1 as
2 horas.
2- anno
Dr. Augjito Vaz, das 10 as 11
1
I
No
i. cadeira,
horas.
2.a cadeira,
asi!
Dr. Barros Guimaraes, das 11
3* anno
conselheiro Tarquioio, das 11
1.* cadeira,
as 13.
2. cadeira, Dr. Joao Vielra, das 10 as 11.
4 anno
i. cideira, conselheiro Correia de Araujo,
das 11 as 12.
2.* cadeira, Dr. Cirne, das 10 as II.
5- anno
I. caleira, Dr. Portella Jnior, em substitui-
co ao Dr. Albino Mei-a, de 1 as 2 horas.
2* cadeira, Dr. Seabra das 12 a 1 hora.
3. cadeira, Dr. Jos Hygino, das 11 as 12.
Secretaria da Facnldade de Direito do Recife,
2 de Maio de 1890. O secretario,
Bonifacio de Aragao Faria Rocha.
GRANDE B VARIADA FNOgAO
Desta importante companha
seu proprio pavilhao ao lado do
THEATBO SANTA ISABEL
As 8 e I{2 horas da noite ~
MITAS NOYIMBES
9 bellase sympathicas damas americanas.
i

Matriz de Santo An
tonio
Existindo nesta matriz cerca de 500 caixas ou
urnas contendo ossos de individuos que foram
irmaos da veneravel irmandade do Ss. Sacra-
mento, entre ellas urna grande quanlidade com-
p'.etamente estragada, -e nao existindo no com-
promisso disposicao alguma que obrigue a ir
mandade a ter sob sua guarda e cuidado, os
restos daquellos que foram seos irmSos, a mesa
regedera deliberou que por meio de aononcios
fossem convidados os interessados na conserva-
cae desses ossos a vircm reclamal 03, o que o
taco pelo presente, marcando Ihes o prazo de 60
das para este lim, (indos os qua'>s e nao baven-
do reclamacao se dar destino a esses o- eos pre-
cedidas as formilidades legaes. Outrosim de-
claro, que foi tambem deliberado, que d'ora em
diante s sero recebidos cm nosa greja o sos
de irmSos que na mesma lenbam j izigos, e que
Cerera acompanhados da respectiva provisao do
governo do bisnado.
Consistor o da veneravel irmandade do SS. Ka
cramento da matriz de Santo Antonio do Re:ife,
30 de Abril de 1890.-O escrivao,
Francisco Jos dos Passos Guimaraes.
Colunia Orpianoogica Santa
Isabel
-^De ordem da directora
desta colonia, previne-se s
mais ou tutores dos meuores
despachados para serem re-
co!hidos neste instituto, de
nao os apresentar se nao
quando forem chamados por
annuncio publicado nesta
mesma folha.
Colonia Orphanologica
Santa Isabel, 15 de Marc,o
de 1890.
O secretario,
Francisco das C. C. Campos.
Obras da igreja do Divino
Espirito Saoto
A irmandadii do Div no Espirito Santo do Re-
cife, tendo de dar principio brevemente, a- obras
de que carecem os corredores da mesma igreja,
pois o do lado do nascente ameaca desabar, e
balda de recursos para emprehender esta urgen*
lissima obra, recorre aos sentimen'.os religiosos
e coraces philantropicos dos distinctos mordo-
mo (irmos novos) aprovados em sessao de 2
de Junbo do anno paseado e constantes da pu
blicacao no Diario de Pernambuco de i i do mes-
mo mez e anno, que ainda jiao realisaram suas
entradas, rogando Ihes que se digoem de entrar
com a joia respectiva, que desuada a tao til
fim, de cujo recebimento le acha encarregado
o cidado Joao Pinto Moreira ; ceriudequeo
Divino Espirito Santo, cm rocompeasa, espargi
ra sobre suas pesso s os t fflivio- de -ua divina
graca. Consistorio, 29 de Abril de 1890.
Miguel dos Santos Costa Jnior,
Esrivio.
ompanhia Usina Pinto
De acco-do com o que proceiia o art. 15 dos
estatutos, sao convidados os senhores accionis-
tas para a reoniao de a sembla ?oral ordina-
ria, que devora cITectuar se no dia 12 de Maio
prximo viudouro, na sede da companbia. rua
do imperador n. 83, s 12 ho-as do dia, alim de
serem apresentados o relato.io. balaxco, contas
e parecer liscal do anno socil lindo om 31 de
Marco prximo passadn, e bem assim el ger-ee
a commissao (iscal de conformidade rom o art.
14 do decreto n. fo de 17 de Jan- iro de 180.
Recife, 27 de Abril de 1390.
/>. de Souia Pinto,
Secretado.
Terceira praca
Ediisl o. 39
Pela inspectora desta Alfandega se faz pub.i
co que s II horas do dia 5 do corrente mez,
ser arrematada a porta dests renarticao, urna
caixa marca AS n. 75, viuda de Uauburgo na
Barca alloma Loutse, entrada em 21 de Junbo de
1889, con.'ignada a Augusto Seixas, contendo
coosolos de madeira ordinaria me Im o al 100
centmetros de comprimento.
3.' seccao da Al andega de Pernambuco, 1
de Maio de 1890.Servindo de chofe da secefto,
M. A. Rodrigues Pinheiro.
Amanhar-Domiiigo
Dous grandiosos e variados espectculos
Especial matine s 4 horas da tarde,
dedicada s familias e eriancas, erariado es-
pectculo s 8 e 1 [2 horas da noite.
Novos cavallos de puro sangue, amostrados em alta escola.
DifSceis e sorprendentes actos. Grandes novdades artsticas.
Programma variado
pREgos
Camarotes com 4 assentos......10^000
Sf"1"'..........2*000
Plateas........ i,joO0
n bUfaetes se venderao durante a semana em casa do cdadao Francisco Xa-
vier Ferreira, rualde Marco n. 4, e noite no Circo.
Haver depois do espectculo trem at Apipucos e bonds para todas as lnhas.
TRABALH08BSPECAE8 E NOVOS
Ao Circo! Ao Circo!
Ao commercio
Os abaixo assignados participam ao respeita-
vel corpo commercial, que do commum accordo
dissolveram em 22 do corrate mez, a sociedade
que gyrava sob a firma social de Suitberto & C,
retirando se o socio de industria, Evergisto de
Hollaoda Vasconcellos, pago e satisfeito de seus
Incros.'flcando todo o activo a cargo somente de
Suitberto de Siqneira Barbosa Ateo Verde.
liba das Flores. 28 de Abril de 18S0
Evergisto de Hollauda Vasconcellos.
Suitberto de Siqueira B. Arco Verde.
Club Esgrima
Projecto de inscrfpgao para urna corrida, a
realisar-se no dia 13 do corrcnle mez, no Prado
Pornambocano.
1. pareo-13 de Maio 150 metros. Corrida rasa
para meninos de 8 a 10 annot. Pre
mios: Urna joia ao 1.a, um objecto de
arte ao 2.*, e o 3. salva a entrada.
2.* pareoTiro Federal- 70D metrosPeqniras
1,*28, montados por amadores. Pre-
mios : urna jola ao- 1.*, um objecto de
arte ao 2.*. e o 3. salva a entrada.
3. pareo15 de ocembro -250 metros. Cor-
rida rasa para rapazes. Premios : urna
jola ao 1., um objecto de arte ao 2.*,
e o 3 salva a entrada.
4. pareoPrado PernambucanoSO metros. Me
ninas de 8 a 10 annos. Premios: urna
joia ao l., um objecto de arte ao 2.,-
e o 3.' salva a entrada.
5.a pareo Estado de PernambucoISO metros.
Corrida rasa pelos joikeys, com sor
preza. Premios: una joia ao 1.*, um
objecto de arte ao ., e o 3 salva a en-
trada.
6. pareoClub Esgrima800 m Jiros. Animaes
do Estado, mentados por amadores. Pre
mios : urna joia ao 1., um objecto de
arte ao 2., e o 3.* salva a estrada.
7." pareo22 di JulholQO metro?. Carnelros
montados por meninos. Premios : ama
joia ao l.\ om o'jecro de arte ao 2.a,
e o 3.a salva a entrada.
Obcrin^e*
As inscripcoes para os2. ( 6 pareo3 pagaro
5000, e dos demais pareos 3M00.
A directora tem o direito de rejeitar qual juer
inscripeo, antes de publicar o prugramma.
A inscripcao encerrar se-lia na quartafeira, 7
do corrente, s 6 boras da tarde, rua do Impe-
rador n. 13, 1 andar.
O secretario,
Francisco Oouceia.
Companbia Brasileira de
Navegado Vapor
PORTOSDOSUL "N
O vapor Pernambuco
Ownmandante Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portos do nor-
te ate odia 5 de Maio e de-
pois da demora indispensavel
seguir para os portos do sol.
As encommendas serlo recebidas na agencia
at 1 hora da larde do dia da sahida.
Para carga, passagens, e ncommendas e vale-
res rata-se com os AGENTES.
> > T a? **>
k? IK? K
MARTIMOS
COaUPANBUA PtHVAHllIClS*
tm
.VaTegacSo costelra por vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Araca-
ty e Uear
O vapor Beberibe
Commandante Pereira
>Mi Segu no dia 3 de Maio as 5
^ ^^horas da tarde. Recebe carga at o
Encommendas, passagens e dinheiro frete,
i as 3 horas da tarde do dia 5.
ESCRIPTORIO
Ai Caes da Companhia Pernambucanu
n.12
Eioyal Mail Steam Packei
Company
O vapor Thames
Este novo o magnifico paquele,
tendo sabido oo Lisboa no dia
28 s 6 horas da larde, espe
(rado aqu at o dia 8 de Maio
lepla da denota necessaria para
Baha,Mo de Janeiro, tloule
video e BnenosA jjre
* fr
PORTOS DO NORTE
O vapor Manos
Commandante o 1* teaente Guilherme
Waddington
E' esperado dos portos do sol
at o dia 8 de Maio e se-
guindo depois da demora indis-
pensavel para os portos do or-
e at Manaba.
As encommendas s serio recebidas na agen -
i a at i hora da tardo do dia da sabida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
es trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
rJ=r/ua do Commercio=6
1 andar
Companhie de Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Equateur
Comandante Morcan
E' esperado dos portos do
sul no dia 3 de Maio
seguindo depois da demo-
ra de cosime para Bor-
deaux, tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos Srs. passageiros de untas as
classes qne ha lagares reservados para esfc-
a Faz-se abatunento de 15 0[0 em mor das ra-
ra ilias compostas de 4 pessoas ao menos e qoe
pagarem & passagens inteiras.
Por excepcao, os criados de familias qne to-
maran bilhetcs de proa, gozam tambem deste
a tmente.
Os vales postaes s se do at o dia 1 de Maio
co pagos decentado.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nhiiro a frete: trata-se como AGENTE.
O paquete Nerthe
Commandante Lecontre
E' esperado da Europa no
dia 4 de Maio e segui-
r depois da demora ae-
cessana para
P.ahia, Rio d Janeiro, Buenot-Ayret e
Montevideo
Lembra-se aos Srs. passageiros da todas as
classes qne ha lagares reservados para esta
agencia, que podem tomar em quatqner tempo.
Previne-se aos Srs. recebedores de mercado-
ras qne s se attender a reelamaefies por fal-
tai, nos volomes, qne forem reconiecidas na
0 asio da descarga, assim como deverao dep-
tro de 48 horas a contar do dia da descarga das
a varen gas, fazerem qualquer reclamacao con-
ementes a volumes que porventura tenham se-
ruido para os portos do sol, afim de poder-se
Jar a tempo as providencias necessarias.
Batea paquetea afto Mlaaataa^a m\
1 a elctrica.
Para carga, passagens, encommendas e di-
q leiro a frete: trata-se com o
AGENTE
Auguste Labille
9 Rua do Commtreio 9
.1
:-.







I
I

.
ri
i
'1

i
DK
aTecae** teira por vapor
" ^^PORlOS DO SL
licei, Penedo, Ar-caj e labia
O vapor S. Francisco
4ttaf
Safo* no di 7
5 horas da tarde,
ateo da 6.
de Malo a*
Recebe car
Encommendas, passagens e dinheiros frete
M as 3 Doras da (arde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Cas da Compankia Pernambueana
______________n. 12___________
^ Onited States and Brazil
M. S. S. C.
O vapor- JJlian^a
B' esperado dos portos oo
sal at o dia 8 e Maio
o qual depois da de
mora necessana segnir
pa*a,o
Haraaho. Para, Barba*, S.
Thoaaaz, MartloJque c
York.
Para passagens carga, encommendas e
ineiro a frete:. trata-se com os AGENTES.
Ovapor Advance
E' esperado de NewYors
at o dia 48 de Haio
o qual depois da de
mora neoessam seguir*
para a
Baha, Rio de Janeiro e Mato*
Para carga, passagens, encommendas
nheiro a frete : trata-se com os
AGENTES
Hern-y Forster & C.
8Ra do CommeeJor8
1 andar
LEILOES
0 leilo de movis, espetos, pianos, ciys-
taes, objectos de electro piste, pratos chnenos,
palmeiras, paisaros e muitus ootros objectos
existentes no obrado de azulejo do largo '
Soiedade, residencia do Exra. Sr. Visconde de
Jaatasrbe deve ter logar, eubbado 3 do corrente,
ptio agepfr Pin._____________________
Leilo
di
e di
a vapor
o Havre, Lisboa
Rio de Janeiro
Pacific Steam Navigation
Compan\
STRAITfiOFMAGELLAN LUJE
O paquete Potos
Espera-se da Europa at o dia
,4 de Maio e seguir de
Ipois da demora do costme para
*Valparaiao com escala por
Babia, Rio de Jaoeiro e Mootevido
Para carga, passageiros, encommeadas e di
nheiro a freie: trata-se com os
AGENTES
Wilson, Sons i C, Limited
14RA DO COMMERrrrO14
CHARGEURS KfUNS
Companbta Pranm
DE
MaregaeSo
Liaba quincenal entre
Pernambuco, Babia,
Santos.
O VAPOR
Ville de Kosario
Commandanto Portier
E' esperado da Europa at o dia
7 de Maio seguindo depois
da indispensavel demora para
Ko de Janeiro e Santos
oga-se aos Srs. importadores de carga pele>
vapores desta liona, qoeiram apresentar dentn
de 6 das a contar do da descarga das alvarenga
qoalquer reclamado conceroeote a volomes qut
porveutora teaham seguido para os portos dt
sol afim de se poder dar a tempo as prov
dencias necessarias.
Expirado o relerido praxo a compaobia nao
responsaDilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete: tra'.a-secom o -GENTE.
O vapor
Ville de Pernambuco
Commandante Houx
Espera-se dos portos do sol ate
o dia iO de Maio, seguindo
depois da indispensavel demora
ara o Havre.
Entrar ato porto
Condox medico a bordo, de marcha rpida
e offerece excellentes commodos e ptimo pas-
adi.
As passagens poderao ser tomadas de ante-
mao.
Recebe carga, encommendas e passageiros
para os qoaes tem excellentes accommodacOes.
Para carga, passagens, encommeadas e nneiro a frete: trata-se com c
AGENTE
jaste Labilie
RA DO COMMERCIO -9
De m< veis, porcelana, eryataes, candieiros
a gas, jarros para flores, objectos e
electro-plate, espalos grandes, cana
ros do imperio,urna vaoca, um cavallo
manso para menino e um sil hilo
A SABER
Satis a eatraoa
Doos espelhos graudes, um piano forte, orna
mi billa com ura sufa, doos consolos duas ca-
deiras de bracos e doxe de goarnicao, duas ca
deiras de bataneo, doos candieiros a gas com
duas torcidas, qualro jarros para flores, doos
quadros. urna estante para msica e seis pratos
ehioezes na partde.
Urna linda mi bilia de Time.
Prtaaelro qnario
Urna cama, orna loil tte, urna mesa de eama e
duas cadeiras, todo de madeira fresca.
Segundo quario
Urna cama f ancesa, um guarda vestido, um
lavatorio, seis caaeiras, om toucador e urna mar
qoeza.
Nala de Jantar
Urna mesa el te tica com 4 taboaa, om guarda
louca envidrando, om aparador de armario,
doua ditos torneados doos consolos, om sof,
doxe cadeiras do guarnido, dous apparelbos
para cha e jaotar, qaatro garrafas, 24 copos fi-
nos, 13 clices, qaatro compoteiras, talbercs e
colberes de electro-plate, om apparelbo para
cha. tambero de electro pate, fructeiras, orna
mezinba redonda e seis pratos ehioezes na pa-
rede.
Sala de copa e eoalnns
Um armario, urna praieleira, mesas de engonr-
mar e de cosinha, trem de cosinha e objectos de
agatba.
PAVIMENTO SUPERIOR
ala da frente
Um piano qnasi novo e forte, urna mobilia com
om sof, dous cooso'os, doas cadeiras de bracos
e doze de gcaroicao, qaatro ditas de balanco,
doas de abrir, tres pares de cortinados de creto
ne e orna mesa oval.
Tercelro quarto
Urna mesa pa>a escrever, urna estante para li-
vro, seis cadeiras e om cabide de, p-rede.
Quario quarto
Duas marquetas, orna cama para menino, una
berco, seis cadeiras e cabides torneados.
Sala de detrs
Doas lindas camas d< madeira eslrangeira, um
toilette, om guarda-vestido com espeibo, orna
coa>moia toucador, om lavatorio com bidet, doas
cadeiras de guarnicio e doos pares de cortina-
dos de cretone.
Objectos avulios
Um banco de jardim, um carro de'mo, om
lote de trem de jardim. om Bilbao, orna vacca,
um cavallo e quatro canarios do imperio.
Ao commercio
0 abaixo assignaflo, teodo de retirarse para
[lora desta eidade, pede aos senbores que team
transscjoes com elle, de remetterem auai con
tas at o dia 90 do corrente, ra do Imperador
o. 81, primeiro andar.
Arthur de Mello._____;
Criado Ou criada
Precis se de om hornero oo molber qoe saiba
fazer o servteo de copeiro e os ootros de ca de,
familia, e qoe tejam de Doos costme* e matri
calados na polica ; na roa da Aurora n. 37, 1-
andar.
Caixeiro
Precisa se de om cxeiro rom pratica de mo
Ihados; a tratar na ra de S. Jorge o. 91.
Attenco
fia roa do Imperador o. 39, tem urna pessoa
habilitada a vender predio, oesta capital.
Criado
Preeisa-se de om criado para o sorvico do-
mestico ; no Paco da Patria o. 5, quinta casa.
Farelo novo superior
Saceos de 42 kilos a 10800
Veode-se no Corpr/Santo n 6.
Precisa-se de urna
ama para o servido
interno, preferindo-
se estrangeira, ra
do Pires n. 28.
Aug
vapor La Plata
2fe
E' esperado do sol no dia 8 de Maio
seguindo depois da demora neces-
saria para
J
Sabbado, 3 de Halo
No sobrado de azulejo do largo da Soledaie
O Vizconde de Jaguar.be, teodo se retirado
desie Estado com soa familia, fax leilo. por in-
tervenco do agente Pinto, dos movis e mais
objectos existentes na casa em que residi, so
brado de azulejo do largo da Soiedade, em f^n
te da igreja.
Os c ocurrentes ao leilo que tomarem o bond
da liaba de Feroandes Vieira, das 10 horas e
1/4. terao passagem gratis.
O leilo principiara as 10 e 1/2 horas
Leilo .
Agente Silveira
Nabbado. 3 4o corrente
Da fabnoa de cigarros e charutos ra
Estreita do Rosario n. 1
A'i 11 hora
O mesmo agente devidarpente autorisado pele
propnetano do dito estabelecimento fari leilo
em om oo mais lotes, vontade dos comprado-
res.
Leilo
Agente Pestaa
De um importante terreno na esquina com
alicerce, oombrelras e sepes de pedra, com di
relto a meico de oitao da casa anuexa, sita
ua Imperial defronte da casa do Exm Sr. Barao
de Araripe, excelente Oponto para om estabeleci-
mento de moihados.
Segnnda-felra A do corrate
Ao meto dia
No armazem travetsa do Corpo Santo
n.'7
Ao torrar do mariello
Livre e desembaracado de qualquer
onus. ______________________
Leilao
Agente Pinto
De cerca de 4.000 fardos de
alalas
Tere a-f el r a, do eo.renie
A's 11 horas em ponto
O agente Pinto legalmeote autorisado levar
a leilao por coala e risco de quera perteocer
cerca de 4,00 fardos de alfafa; os qoaes se
acham depositados no trapiche Angelo eTravas
so, onde dever ter lugar o leilao.
81 flcate, Lisboa, vlgo, e Moa
tkaaaptoBi
Redulelo de pamagen
Ida Ida e volt'.
A' Lisboa 1> claase *-0 30
A'Soutbamptonl'cIassc a*
Camarotes reservados para os passageiros dt
Pernambuco.
Parapassageop, fretes. encommendas. trata-st
cosos ___
AGENTES
Amorimlrmos & C.
K.3Ruado Bou Joro, a
Jompanhia Bahiana de Na-
veeacao Vapor
Macei, Villa-Nova, Pened, Araca-
j, Estancia e Babia
O rapor Guahy
Commandante Viegas
E' esperado dos portos cima
at o dia 3 de Malo regressan
.do paraos mesuios depois d,
___________hdemora do costme.
, passagens, encommendas e dinhe)
ro a frete trata-se com o
AGENTE
?edro Osorio de Cerqueira
7Rua do VigarO' 17
AVISOS DIVERSOS
lar i ^
m
Para Lisboa e Porto
Segu com brevidade para os portos cima a
barca portogoexa Novo Silencio ; para o resto da
carga que falta, trata-se com Bailar Oliveira &
C. i roa do Vi gario n. 1, primeiro andar.
Precisase de orna ama cosinbeira na es-
trada de loao de Barros o. 27, collegio Pry
taeo.
,_-------------- i 11
Aluga se orna casa com booe commodo) e
quintal, em Sanl'Auna de dentro n. 6 ; a tratar
na praca de Pedro 2 n. 2, escripiorio.
Aluga-ee orna refinaco prompta a traba
Ibar, com muito boa fregoezia, na roa dos Gua-
rarapes n. 70 ; a tratar a roa do Brum n. 82.
Alugam-se casas caladas e pintadas ;noe
ondos de S Goncaio, a 84000; a tratar na roa
ia Imneratriz n. 76.
Alagase o 2- aoaar do sobrado o. 18 da
roa do Pogo ; a tratar Da roa Direita n. 31, ar
nasan.
Aloga-se por preco *gnmodoo sobrado n-
155 roa Imperial, por ?>*?& ou todo, preferin-
do se alogal o todo : qu^oia pretender dirija se
3 roa do Imperador n. 36, 1- andar, a direita.
Aloga-se a casa terrea n. 78 i ru Padre
Nobrega, com 4 qoa/tos, 2 salas, quarto de en
gommado, cosinha, apparelho e aeoa da compa-
nhia, pelo aluguel meosal ae 284300 ; a tratar
na travssa da Praia de Forte n. 6.
loga Be a casa n. 4 da roa Princea Isa
bel, com agua e gas. muito fresca ; a tratar na
roa da Aurora n. 85, laverna.
Torquato Laorenlino Ferreira de Mello,
professor jubilado na 2.a cadeira do Recife, lec-
:iona primeiras li ttras, portagoez e francez, por
precos razoaveis : no pateo de S. Pedro o. 3,
primeiro andar %_____
Vendem se 150 e tantos palmos de terreno
ao logar muito ameno para se coUocar om cba
let para quem livor hom gosto; no Caminbo
Novo n. 128 se mostrara o terreno Tamoem se
vende orna mobilia de Jacaranda em perfeito
estado, looceira e mais algufr objectos.____
(Sr. Manuel Tortioato de Araujo Saldanba
pedio para esperar, allegando isto. aquillo e
aquil'outro. o que vi rdade (que deo hontem 1)
com a mo dizendo ja volto, anda se est a
espera ; pede se a este senhor que nao obrigue
a declarar-se a comedia para o publico eenne-
cer o...
Prefinido yhom deparativa
j Approrado pala mostrada Junta de
Bjrgien* Publie- da Corte.
3 Auctorisado por Decreto Imperial
de 2o de Junho de 1883.
COMPOSI9P
de
Firmino Candido do Figueiredo.
!
i
i
i
-)
H
H
i

->
->
4
i
Emprendo com a maior efficacia no
rheumatismo de qualquer natureza,
em. todas as moUstias da pelle, as
UucorrhJas ou flores brancas, nos
soffrimentos ocasionados pela impureza
do sangue, e finalmente as differentes
formas da syfkilis.
p^se Nos primaros seis das urna
colher das de cha peta manh e outra
noite, puramente ou diluida em agua
e em seguida mudar-se-ha para colhe-
,-es das de sopa para os adultos e me-
tade para as crianzas.
Rgimen Os doentes devem ab-
ster-se apenas do alimento acido e gor-
duroso; devem usar dos banhos fros ou
momos, segundo o estado MP0SIT0 OBKTBAL
Francisco Manoel da Silva & C.
Drogalstas
23. Ra Mrquez de O!inda
Pernambuco
AaWW
Para frente de casas, banhairos
cprretforejf, acoigues, sendo de lindas
cores, vendem-se por 60|O o milhei-
ro, por er um saldo, na raca da In-
dependencia u. 40.
Bom negocio
Admitte-se um socio com algum capital para
taverna ; a tratar na roa da Domingos Jos Mar
tios n. 80.
Ooro t prat
Compra-se, como tamben
moeds, ra do Cabug
n. 9 loja de Augusto Reg.
Perei i k Ma^'hfs
Reeebedorea directos des mer
cades da Europa
Apr?sentaa os seguutes artigos, sendo
alguna anda do anuo passado, ruzSo justa
para seren actualmente baratissimas.
Brins pardo e de cores a 240 rs. o oovado.
dem trancado, superior, a 26 J rs. o dito.
Cortes de fustao para oolete a 8 0 rs.
dem de casen etas a 100 e 15200^
dem de casimira inglesa de cores a S\J e
40 0.
Algodao cr, marebetado para toalhas, a
440 rs. o metro,
dem nacional, largo para leocea, a 4-5 e
5 MadapolSo superior, com 24 jardas a 5
o 600 0.
dem Bda-Vista, verdadeiro, a -5i58G0.
Cortinados bordados de crochets a 12)5000.
Colchas dem a 70; .00 e 8CO0.
Gnnaldas e veos para noivaa a 80003.
Eapartilhos modernosa 40iK>O,
Percales claras e escuras a 24 o covado.
Merines de cores, urna largura, a 200 rs.
o covado.
Toalhaa nucionaes a 20500 a duzia.
Leo$oa em lindas caixinhas a 10803 e
20800 a dita.
Meias inglesas e nacionaes a 205CO e
30OCO a dita.
Camisas de meia, dem, superior, a 120000.
Cerolas b< rdadas de bramante a 120000 e
160OO a duzia.
Goardaoapos com franjas a 10800 a dita.
Pannos de cores lindas para mesa a 10600
o covado.
Cobertas de ganga, dous pannos a 2500.
Cretones par as mesmas, a 10000 o me-
tro; o melhor.
dem mosaicos, dem, a 440 rs. o covado
Bramantes franceses a 10600 o dito.
Casemiras de cores, duas larguras, a
108 0 o dito,
Cheviot azul, cSr inaltoravel, a 20400,
30500 e 40000.
Merines para luto desde 500 rs. a 10800,
duas larguras.
Sargelins de cores a 200 rs o covado.
Mantilhas e fichas a 10, 30000 e 50000.
Toalhas de labyrintho, riquissimas, a 250 e
300000.
Vondas em groas o tem o descont de
14"/0.
59BA DUQUE DE CAXIAS59
hm Provincias
Vendem-se collec^oes das
leis provinciaes de Pernam-
buco, dos annos de 1875,
1881, 1882,
1885, 1886,
1883,
1887,
1880,
1884,
1888e 1889: no escriptorio
do Diario.
Declaro que soffri muito terrpo, fazendo
uso de medicamentos sem resultado, e,
tusando tres aias apenas daInjeccao M.
Morato sarei completamente de urna
ebronica gonorrha que me atormenta va.
Faca uso deste como convier.
Antonio F. Fontoura.
Est reconhecida a firma pelo tabelliSo.
Ageotes depositarios em Pernambuco :
Francisco M. da Silva & C, ra Mrquez
de Ohnda u. 23.
Attenco
Os proprietarios do atitigo e acreditado arma-
sem do Lima, tito ra Barao da Vi :toria n. 3
participam ao respeitavel publico e aos seut>
distioctos freguezes, que trt nsferiram tempora-
riamente seo armazem para a mesma ra n 9,
conti oando da mesma forma a receberem soas
ordens para Ihes servir com o costumado e ba
bitual desempenbo.
Jos Fernandos Lina 4"C,
Ra Bario da Victoria n.
Teleph ne323
Farelo do Rio da Prata
A 10600, di nheiro prompto
Vende ee no trapiche Compaobia, largo do
Corpo Santo n 19.
Copeiro
Precisa-se de um copeiro
roa de Paya;ndn. I.
qoe seja fiel ; n;
Morada excel lente
Aluga se barato na roa do Hospital Pedro J
llagar dos C3elbos) urna casa assobradada,
;om agua, muito fretca, prximo do banbo
Izado, grande quintal commodos para familia
numerosa ; a tratar alli das 8 19 horas da
maaha, com Joaquim Moreira Res, que alli alu-
ga tambera casas de 6*. 8/ 10*000.

De Sorocaba
Esmolas
As almas caridosas soccorram, pelo amor dt
Deus, a viuva pobre e doanie, Senborinba dos
Santos Coelbo Bastos, ra das Carrocas n. 4.
Ei-sa infeliz vive na mak>r penuria, e merece o
bolo dictado pelos generosos senmenios de
caudado.
Attenqo
Ao Sr. Jos Joaquim Uoncalves, portu-
gus, de 14 annoa de idad-, natural de
Villa Nova de Serveira, tendo perdido
nesta capital o vapor, Elbe, na ana ultima
viagem para o sul rega se o favor de
comparecer na ra da Moeda, n. 19, a
negocio de seu interesse.
Recife, 1 do Maio de 1890.
MU
-DE--
Murray laonan.
0 MAIS EXQUESITO
DOS
Perfumes do Toucador.
Perfuma o Corpo e
Vivifica a Mente
NO BANHO.
Superior n dgua de Colo-
nia pela delicadeza de seu
aroma e a durabilidae de
ten perfume
NO LEKQO.
Aluga-se
no pateo da igreja do Poco da Panella urna casa
com 4 quartos, 2 salas, cosinha tora e copiar: a
ralar na roa da Imperatriz n. 76.
Aluga-s
orna boa casa com bom sitio, no Arraial, prxi-
mo Casa Amarella (becco do Bartbolomeo o. i) :
a tratar na roa de Pedro Affooso n. tJ.
Aluga-se
a loja do sobrado o. 67 roa do Bartholomeo,
propria para qualquer estabelecimento por licar
onfronte a eramte esta cao de Caruar e ser
muito concar-ido o lugar ; a tratar na ra larga
do Rosario n. 34, botica. v
AIu
ga-se
o sobrado de um andar e soto ra do Bartho
lomeo n. r>7. com boas commodos ; a tratar na
roa larga do Rosario n. 34, botica.
Aluga
-se
orna excel!ente casa roa da Aurora n. 133,pro'
xima do bond qoe passa na ra do Lima, tem
ptimas accommodacOes, agoa, luz apparelbo e
qointal ; quem desejar entenda-st roa Mar
qoez de Ohnda n. 56, i andar.
Precisa-se de urna cosinbeira
peratriz n. 20, 1- andar.
na roa da Im-
Ama
Precisase de urna ama para cosinhar; no es-
tabelecimento ra Mrquez de Olioda n. 80.
Precisase de urna ama para andar com crian-
cas ; na roa Visconde de tioyaona n. 167, casa
encarnada confronte ao collegio das irmas de
carldade.
Ama
Precisase de orna cosinbeira
do Cotovello n. 27.
a tratar na ra
Ama
.Precisa-se de orna ama ; na roa do Camaro
numero 1.
Ama
Precisase de ama ama a tratar na roa Barao
da Yictoria n. 64, nova agencia de movis.
Precisa-ae de orna ama
ralar na roa Ofreita n. 65
Ama
ia q
*> 1
Ama
oe cosinbe
andar.
bem
Precisa-se de orna ama para casa de familia
ou de ama menina para servico domestico ; na
ra Formosa n. 37.
.______________________________ ____.-...~~. ,.? ...
Ama
Precisa-se de ama boa cosinheira para casa
de pequea familia, que durma em casa dos
patrOes e sej i matriculada ; na roa de Fernn
des Vieira n. 28.
Predsa-se
numero 89.
Ama
de* orna ama ; na roa de S. Jorge
Ama deleite
Preti-a-se de urna
roa da Uoiio n. S.
ama deleite : a tratar na
::d

Excellente morada
Aluga-se s grande casa e sobrado do Dr. Ay-
11 Gama, na estrada de Joau de Barros, per
das estacOes da En ;ruzilhada, das ferro-vias de
Ohnda e de-Limoeiro, com immensas accommo-
dac6es, jardins, arvores froctifens da melbor
qualidade e vasto terreno, qoer para plaotacoes,
qner para criacao ; a tratar no mesmo sitio.
Segundo andar
Aloga-se e da ra do Crespo n. 17, tem agua :
a tratar na loja.____________-^
Dous milagres
Illm. Sr. D. Carlos Tomei o seu re
medio o Elixir M. Morato e foi com
elle que pude sarar das boubas que soffria
h muito tempo e que deecorocoava por
nunca melhorar ; um meu viainho que
tambem soffre j largou de tudo que lhc
receitaram e est tomano o seu mesmo
remedio.
Agradecido pelo conselho e aoux obriga
disaimo.
Santos.
Albino Jos CouXo.
Illm. Sr. D. Carlos. Eu,e todos de
casa, fas muito tempo, que sofiremos hu-
mores de boubas, com dieta sem resulta-
dos. Fizemos uso agora do Elixir M.
Morato, propagado por D. (.arlos, e
sarmoe completamente.
O remedio, alera de ser -muito bom.
ainda tem bom gosto, pois as coiaoca
bebiam com faciiidade, misturado com
agua.
Sap.
Firmino Aguiar.
Jnaqalra Som Martina
O tenente Jos Julio ce Souza Martius e soa
mai. Julia andida de Souza Martina, agrade
oendo anda mais urna vez a todos aquelles que
acompanharm ao cemiterio pobiieo os reatos
mortaeb de seo para sempre chorado pai e es*
poso Joa ruim Jos Martins, de novo os convi
dam assim como aos demais parentes e amigos
para a miss.) que, pelo eterno repooso de soa
alma, ?er celebrada no convento de S. Francia
co, s 7 tior..s da m.ul. de sabbado 3 do mez
vindouro. stimo da de seu infausto passa
ment ______
t
D. Mara Krahoiinba da Uva
Ernesto de Figueireiio, D. Mana Carolina de
Figueiredo, Dr Jeronym Materno Pereira de
Carvalbo e soa muiht r, Ociavia.io Augusto de
Figueiredo (ausente) sua mulber e seu lbo.
e Manoel Lopes de Souza Carvalbo,
aeradecem a todas as i essoas quf se digo;
B'-orapanhar os re-toa ruoit ezaua
lia, e de novo couvidaui i i uo Je. ais paieu
tes e amigos para assistirem as miasjs que bc-
rao celebradas na matriz da Roa Vista segunda-
reir 8 do corrente, s 7 horas, stimo dia do
aeu paaaamento, e por cujo acto agradecen)
desdej^^^^^^^^^^^^^^^^^^^
Aiugnel barato
Visconde de Pelotas n. 5
Pedro Affonso, armazem n. 46.
Largo do mercado loja n. 17
Ra dos Gaararapes n 96 '
Ra do Bom Jess 2*. andar n. 47
Ra Aguazinhas em Beberibe o. 7
Ra Coronel Saassona N. 141, quar
Ra Itaparica n 43 1. andar.
Visconde Goyanna n. 163 com agoa e gas
Traveasa do armo, loja n. 10.
Becco do Tarobi n. 11.
A tratar rea de Commercio n. 5, and
escriptorio de Silva Guimaraes & C.
Piano
Vndese um piano de Pleyer, quai novo ; na
ra Duque de Casas n. 54. loja.
Boaaequisigo
Vende-se um bom estabelecimento de mercea-
rias ; a tratar na ra Goronel Saassona (antiga
de Hortas) n. 1.
Perdeu-s-e
na noite de 28 do passado, entre a roa da Impe-
ratriz (odrinas) at a eslajo da Torre, um ero-
ciflxo de marfm ; roga-se a quem o acbon o
favor de entregar,nt ra da Imperatriz o. 5, I-
andar, que pera recompensado
Cosinheira
Na roa Bario da Victoria n. 50, precisa se de
urna perita cosinbeira. para :asa de pequea fa-
milia estrangeira.
PILULAS BLAIR
JOTA oEs RHMATISMOS
0 Celtb$rrima rtmtdia inglti ra
Gota, Rh e nmatiamo a, Sciatea,
Lumbago e Nevralgiaa.
AooBieHut-se a toda as ptaaoai que padewrem
ai molestias cima, rcenles ou antigs, aae
tem as PILLAS BLAIR CONTRA A GOTA"
E OS RHKUMATiSMOS, por serem esUs plala*
cons .eradas o romudio mais seguro e eficaz qnt
jamis fui upresenladu ao publico, sendo empre-
gadas com ptimo eiito ba ji largos aBDOt taoto
na Europa como na America.
Estas Pilulas, alias perfeitamente iooffeosiras,
nao -sig^m dieta alguma. Vendida en eaixas
de I i 000.- t S 500 res. Acham-e em ca=a de todos
os PlianmceoWe ou Orognitas do mondo enteiro.
HswsitirlM em Prnambuco rr" l.da SIIti O
Ao
commercio
Jo?', li Gi- h-.i rt.mido-8e umporariamenle
para a Europa, julga nada dever a pessoa algu-
ma n<-.-ia ci'dadc outrosim, declara ao corpo
commercial que deiSa como su procurador pa-
ra todos o? effeitos ;\o Sr. tr-ntnte-coronel Fran-
cisco Pedro Boulitrean. Recife. 1 de Mato de
1890.
t
<> irenieio
Mello & Bi8et tendo recebido nova remessa dt
farinha centeio, avita aos seos fregnezes qf
'ontinnam a fabricar este delicioso pao centeio
todas as tercas e sextas-feiras ; na ra larga de
Rosario u. 40.
PETTORAL de CEREJ A
Do Dr. Ayer.
As eBftfuiMadea mais dolorosas da rargmata
doe palnaSes, ordinariamente desenrolTem-aa,
tendo porprlnclplo bases peqsenas, cojos resulta-
dos nlo sao drffloU de curar se promptamente m
tratio eom o' remedio conveniente. Oa Resftf-
ados e as Toases dio reciprocamente o resaltado
de Laringitis, Asthiua, BronchiUa, Affec-
cao Pulmonar e a Tlslra.
Todas aa familias qne tem crlanca devem ter
Peitoral de Cereja do Dr. Ayer
em casa para o usar em caso de neceas.dade.
A perda de um e6 dia. pode em moltos caso
accarretar serlas con^eqoenclas. Por tanto Da-
se deve perder tempo precioso, experimentando
remedios de efficacia duvidoea, emquanto ana
a enfermidade se apodera do systema e se arraiga
profundamente, entfio qoe se neoesslta tomar
nesse instante, o remedio mais certo e activo em
seu effeito, e este remedio sem duvida alguma
o rxnxibAL de Cereja do Dr. Atkb.
PRBPABADO PELO
DR. J. C. AYER & CA.,
,I DEPOSITO GERAi
h
Para engenhos
GUIMARAES & VA LENTE, partocl-
pam oa seos fregoezes e Illms. Srs. do
engenho qoe, como sempre, tm grande
deposito dos artigos abaixo mencionado!,
garantindo tudo de primeira qoalidada e
presos sem competencia a saber:
Cal nova de Lisboa,
Dita de Jaguaribe.
Cimento portland.
Oleo de mocot.
leos americanos
especiaes para machinismoa.
Azeite de coco,
Dito de carrapato.
Dito depeixe.
Pixe em lata.
(5 gaI5ea.)
Kerozene inexplosivel.
Graxa em bexigas.
Gaxetdi de linho.
Potassa do Russia.
(em eaixas, barriquinhas, latas grande*
e pequeas.)
Formicida Capanema.
6--Corpo-Santo6
Professora
Urna senhnra habilitada offerece-se par
leccionar em casas particulares, na eidade
oo seus arrabaldes, as seguintes materias:
portuguez, francez, italiano, the> rico e
p-tico, fallando as linguas correctamente,
gengrapbia, trabalho de sgolha inclusive
flores, msica e pi no.
Interessa-se pelo adiantamento de snaa
discpulos, do que servirSo de prora aa
qoe actualmente enaina ba mais de annoa.
Pode ser procurada na Livraria Con-
tempornea, ou na ra da Ponte Velha
o. 19.

O
E' tudo bom, para bem
de todos
Os abaixo assigoados, tendo feito gran-
de reduccSo de presos as fazenda
existentes em seu estabelecimento, convi-
dam o respeitavel publico e especialmente
a seus bons freguezea, a certificaren! se da
verdade que aqu tica dita e a aproveita-
rem a occasiSo de supprir-se de roupaa,
para muito tempo, e por precos insignifi-
cantes.
Como sejam :
Voilea de 13 e algodao a 240 rs. o ce-
vado, cachemiras de quadros, fazenda de
800 rs. por 32) rs. o covado, zephyros de
cores diversas a 320 rs. o covado, baptia-
tas republicanas (inteira novidade) a 200
rs. o covado, ls de cores a 200 rs. e
covado, setinetas finas a 320 rs. o covado,
merinos de cores (13 pora) de orna lar-
gura a 280 rs. o covado. f
Grande quantidade r?e chitas finas, com
pequeo toque de mofo, de 200 a 240 rs.
o covado.
Variado aortimento de voiles de II,
fazenda umita fina de gestos linriiesimos.
Crep da China, dem, idem, cambraias
di Ch;na, com palmas soltas, completa
novidade, voiles com salpiuos, idem, idem.
Chitas, chamalots, o qoe ha de maia
exquiaito em gosto, etamines lisas e ren-
dadas, cachemiras lavradas, pretas e de
cores, fustocs brincos, cretones pretos e
de cores linos e com flores, baptistas de
cores, gustos delicados.
M dapolao r.mericano a 5i$000 a peca.
Mrttins, idem variado sortimento.
Espantoso Borliment > de cretones para
cobertas 6 chambres, esgaiSo de pare
linho, coatumes de Jersey para meninos.
capas heEpanholas, pura seda a 30000
urna, cortes de vestidos de todas as qoa-
lidades, fichns de 18, linho e pnteudos,
o que pode haver de maia chic.
Grande aortimento de camisas de linhe
e flanella para humem, idem, idem de
punhos, c^llarinhos e gravatas e muitas
outras fazendas que serie, enfadonho men-
cionar o ." tuo'o vendvm sem reserva de
prejos.
Os barateiros! os barateiros!
A'RTJAl.oDEaiARCON. 1
Beroardifl Campos C.
rn

i


Ltfrio de Pernamhn-ooSabbndo. 3 de Maio de 1890
ERLAIN DE PARS
*## PERFUMARA DE LUXO, Roa de la Paiz, 15 #**
UMM I UBI ESPECIALMENTE lECOmRBIM
pata
AgHjaW *"IW* arta. Grwne ae Miwnim cAc *
Briauuiaada^ Oatta pa dar lustro toa caballas i buba. Ana
Ayos drfllggr e Aya de Oiia para o toaeador. Alooof deoc
ipat olaocormUotropio braaoo, Utplal Hi
mua*, otra o toast*.
para dar
! Agua
pan dar atan a
LOJA DO P0V0
HRa l. de Marcot
Com este titulo acaba de se abrir, ra 1. de Marco n., 11 urna loja de fazen-
jaa e seu proprietario convida o publico d'esta cidade e de fra a apreciar o sen
BELLO sortimento. Muitaa de suas fazendas sao recebidas directamente.
GRANDE IV OVIDADE
Descont de KV0 em compras de 2O0OQO para cima.
Granadine, pura seda, de 10800 a 80J rs. o covado.
Toile, pora seda, de lf)600 a 650 rs. o covado.
L2a com listras, preparo de cachemira, a 200 rs. o covado.
LSs com preparo de cachemira a 240 rs. o covado.
Chitas de 200, 220 e 240 ra. o covado.
Setinetaa de cores lindas a 300 rs o covado.
Zephyr largo de 800 rs, a 320 rs. o covado.
dem idem a 200 rs. o covado.
dem idem a 160 rs. o covado.
Cortas, costumes de cssemira inglesa, a 125000.
Ditos de casemira inglesa de 30500, 45000 e 60:00.
Ditos de fustao para ollete de 600 rs. e 2)1400
Cheviot de 3*5:0, a 280 K) o covado.
Casemira c6r de caf de 3*000, a lOOO o covado.
Casacos de Jersey para senhora a 30OoO e 6*000.
Merm preto a 500, 700 e 1*200 o covado.
Dito de cor a 400 rs o covado.
Casinetas finas de 50 rs., a 360 rs. o covado.
Colchas de crochet de 800) a 3*500.
Cortinados lindos a 6*0OU.
Bramante de 10 palmos a 1*400, a vara.
Ver para crr s na
X^OaTJV. DOPOVO
I
A VAPOR
FABRICA DE LIVROS OE ESC81PTURAA0
BVttAMMMtAO -> PAaTACO

&ANOEL J. DE ffilRANDA
!-. M
? 39
c>
BA -*~ DUQUE nit- D E -*- C AXI AS -*- 3 9 -?>
NUMERO TELEPHONICO 194
\

I
' XAfiOPE DE PAGU ANO
Depurativo e Regenerador do Stingue
Privileaiado pelo Governo de S. M el Rei d'Italia
ttofunto ProlMMF JERONVMO
VEftDB-SB BXC'.USIVAMKNTa KM
aples, 4, Calata S. Marco (Casa propria)
A CASA OE FLOREHCA EST SUPPRIUIDA. 0 So/Ir. ERNESTO PAGUAMO pasada
Mal i$ rece/tan etci-iptai pela proprit mo to defunto Professor JERONYMO PAGLIANO,
mu ta, eutroaim um documento qu* o detigna como nico tuootuor :
ERNESTO PAGUA HO.
atptitas eam ftwawlaiw't rk\AX- ac a aava *. o*.
F1V TOO* AS MIMCIP4SS PBHIUCUS DO

asais wmm
m.

PARA T03S.

AY
1
r*T"~-~:cn'> :]z I~..*V-\v-*- '--r-n re,*c^to ;*i:xlmtl ?r;ntcr- males de perna/.ed (^peito; tamban f*ll
ir:. 'r^..; i. j t; .-. _.-. i. laoco prx a g^ia.: j rhcnat9tsmoepat todas at. enfermi
i ... .a O pc&c alo st ricoahec-s cgjal
j fr/;- c3 B' tfe i'-'zfiia, brcwhitvs pesfriaMento e tomes,
4 '-. uhta .- 8. HEW OSFOni: .'"': riWia:--,Ci.;:J t.i;,ivSiffl.
EnH -;? n' phir n-i-xi^ do tiiive-^-.
Os k- *44101-^ --^ ci^vidnt -s te^-e't.sancai .'- ttam^ur o* rotiio?. cic cacta O;. srVdkft, au do4aWt
u.--cc^-\o. ^3, Oxfc-d Street, rio alrifi:assa*. j
--r. ..i, i mi i umtmef
V
Ii
AUNPATBBSONSC
Machinas a vapor.
Moeadas.
Rodas d'agua.
Taixas fundidas p batidas.
TaixaR i>Ri Arados
uc-tiM tut "/JxatMtia'WKitiaao o iwawii'* rat>:
CAPSULAS SNDALO Cl
TNfWK!
25Ra de Malinas d'Albuquerque, aati^a roa das Flores2^
Tinge e limpa com a maior perfeiclo toda a qualidade de estofo e faBendas en
ou em obra, chapeos de feltros ou de palha, tira o mofo de* fazendas; todo <
lho feito por meio de maehiTsmo aperfeicnado, at boje conhecido.
Tintura preta ns te cas e sextas feira tinta'de oAres e lavBgem todos os dia
Cambraia branoa bordada 4*000.
Atoalhado pardo de linho com matizes
brancos a 3*000 o metro.
Cambraia Victoria a 2*800 a pega
EsgaiSo de algodZo a *5 0 a dita.
Crep de algod&o a 240 rs. o covado. |
Sahida de baile a 1*000, 1*600 e 2*000.
Cretone voile a 400 rs. o covado.
Casacos Jersey a 6*000.
Vestidos para meninos a 4*000 nm.
LB Amazonas a 400 rs. o covado.
Cheviot preto a 2*500 o covado, duas
larguras.
Bramante de linho, quatro largaras, a
1*600 o metro.
Corontas de bramante a 14*000 a duzia.
Cortes brancos bordados a 18*000.
Leques transparentes a 2*500.
Colcha de c res a 2*000, 3*000, 4*000 e
5*000.
Meias para homem a 5*, 6*000 e 7*000.
Flanella azul para roupa, duas larguras, a
2*500 o covado.
Linn de cores a 500 rs. o dito.
Creps matisados a 440 rs. o dito.
Gazes arrendadas a 500 rs. o dito.
Zephyr de quadro a 200, 240 e 280 rs.
Brim pardo a 280, 320, 400 o 500 rs.
Camisas de flanella de 2*000 at 5*400.
Cortes de metim, em cartSo, a 7*000.
Cortes de zephyr, bordado, a 14*000.
Variedades
Extracto Rite Sangale a 2*000.
Opiata de Oosnell a 1*000
Pasta Rymodonl a 800 e 1*000.
Extracto Kil-lo do JapSq.
Extracto Houbigant.
leos de todas as qnalidades
Guarnieres para camisas de ouro ameri-
cano a 1*500 e 2*500.
Guarda-po para homem a 6*000.
Guarda-p para senhora a 10*000.
Temos de casemira para menino, de 18*
por 9*000
Bicos branco, creme, pardo, Usos e matisados.
Fichs, meias, collarinhos, punhos, fitas, toalhas
setins e casemiras.
20Ra 1. de Marco20
Casa de confianza
DE
EsguiSo pardo a 360 e 400 rs. 2 largaras-
Cachemira de listra, duas larguras, de
2*000 por 1*400 o covado; de 1S.
Bramante trancado, dnas larguras, a 500 e
600 rs. a vara.
Corte de collete de fustSo.
Seda palha para vestido.
LS escosseza a 240 rs. o covado.
Percales a 200 rs. o dito.
Zephyr, o qae ha de mais fino, a 400 rs
o dito, maito largo.
Guarnilo de crochet, branco e matisado,
7*000 um.
Espartilhos Cornete a 6*000 um.
Espartilhos True-fit a 5*000.
Baleias a HO ra. a duzia.
Toalhas felpudas a 3*5C0, 5*000. 6*000 e
7*000 a dito.
Toalhas para banho a 1*800 urna.
MadapolSo trancado a 10*000.
Popelina branca de teda.
Alpaca branca lavrada.
Camisas allemSes a 36*000 a duzia.
FustSo branco a 360 rs. o covado.
Longos, meio-linho, em caixa, a 2*500 a
duzia.
Flanella branca do 13 a 400 rs. o covado.
LZ mesclada a 4< 0 500 e 600 rs. o dito.
Cortinados bordados a 6*5(X) o par.
Tapetes grandes e pequeos.
Panno da Costa a 1*200, 1*500, 1*600 o
1*800.
Extracto Porte Veine.
Extracto Flores Andinas.
Extracto Violeta de San Remo.
Extracto Cruz Vermelha.
Estrado Flenr de Lotus.
Impermeaveis a 500 rs. um.
Sabonetes de diversas qualidades.
Lavas de seda a 2*000 e 2500.
R( upas para banhos salgados para homem
8*000, senhora 10*000, menino 6*000.
Colchas de damasco de 1S.
i Bordados e ntremelos.
liOTEBIA
ENTADO DE PERNAMtUCO
EM BENEFICIO DA
Santa Casa 4a Misaricordia 4a Rcift
A primeir serie da 1.a lotera deste Es-
dado ser extrahida impreterivelmente sab-
bado 10 do corrente.
Todos os pedidos de bilhetes desta lote-
ra devem ser dirigidos thesouraria a ra
larg"a do Rosario n. 9. I. andar.
PELOS CONTRACTANTES
Bernardino Lopes Alheiro.
de cores, visitas de seda,
Amaral & C.
ni ij'
O Peitoral de Cambar
as
Sempre foi, e ser o pt i cipal remediogarantido para
molestias do larynge, bronchios e palmos.
A bronchite, asthma, mal do peito, ronquidSo, laryngite, coque-
luche equalquer tosse, por maia grave o antiga que seja, curam se esm
o Peitoral de Cambara, medicamento approvado pela Junta Central' de
Hygiene Publica, premiado com duas medalhas de aro de 1.* classe o
rodeado de valiosos attestados mdicos e de innmeros de pesaoas ca-
radas. Exija-se a firma do autor.
J. Alvares de Soma Sotares.
GRAGEAS
# CapsMka. Cubf
fTO, UNRM
i.rrs*HMaa.a*
FORTN
INJECQAO
NjrffMM*
_ forto ai prwraa.<|BaobtTrmB aaffroralo4a
(1860) qu ilitin nea HoapHaaa. Qwtmr* aa motasttas
taHgMM
a inmooIo fortn *
riiii........rcma#sa.v*>o>,.
VCRDADEIROS GRAOSdeSAUDEBo D^'RANCfi
* LICBNCIABOS PBLA INWBCTOBIA OIRAL DB HTGIENB DO IMPERIO DO BRAZH.
I* All lm>, ElKmachicoi, Purgativos, Ospurativoa
I* :oDtra aFtH de cppetlte. a Obtrnc?o. a Emaqnrca, as VerUnn
ai; Const6e, etc. Dote oriinarxa 4. t S. arot
Dfeacon*ar as (alsificagOcs. Exigir o rotulo ninto Imprimido em francez
n lot-as da 4 cores, sendo Q g^j,, /. ^ja^ d|S Fllriciltet
S*
cada nina letra de urna cor dlllerente e
IMB *XII. harmacl* LBKOI
Mi
rs. o _
Crotones lisos, francezee, cores fixas, poohincha! por 240 rs. o covado.
Cambraia de efir, florzinhas e ramagens, a 24U rs. o dito.
Cambraias com menos larguras a 160 rs o covado.
Lautines de cor, padrees lindos com um metro de largura, a 320 rs. o dito.
Cachemiras lisas e achamalotadas para vistido a 200 rs. o dito.
Variodado de artigos que se vendem por todo pveeo.
21-RA DO CB3SPO--21
OLIVEffiA CAMPOS & 0.
500.800 H5200 o covado
21RA DO CRESPO21
Merino preto trancado, duas larguras, 1S pura, de 500, 8C0 e 10000 o covado
Dito Uvrado, pnto, com ranagem, padrees de voe a l'|200lo dito: fa
onda de 2<54 0.
Cachemira preta -para caaaeos, duas largaras de 2(5000 e 20500 o dito.
Na RA DO CRESPO N. 21
Oliveira Campos & C
B. UBBO IHA&.
Rua-Harqnez de Ollnda u. 13
Arnazeiii de cerveja, vi-
nhos, champagne, licores,
cognac, agua^naineral, con-
servas, etc., etc. nico
deposito da afamada, cer-
veja PIkbox de Dortmuud
e do chocolate Ph. Su-
chard de Neuchatel pre-
miado com a- medalha de
Ouro na Exposicao Univer-
sal de Pariz em 1889
Agencia da grande far
brica de charutos D.jnne-
mann&C, S Flix (Bhiaa).
' ^osioheiro
Precisa se de nm coainb/ iro : na rpa de Paj-
lando D. 19. ____ ______
Paiaces
e outras moedas de ouro e uraia eoMataavee
pel maior prego, na ra do Commerclo n 4.
De nm criado de 12 a l
annos para o 3. andar da
typographia do Diario de
Pernambuco.
0 OLEO CHEYR1ER
i d*alnIctsdo pelo Aloatrio,
tnico t C'MmCO, o QU* multo
Mugmtnti ai proprltdidu do
BE
0 OLEO de FIGADO
BE BCL0 FERRUGINOSO
0 a unta prtomrmcto ou permit*
admint*trr o Ferro atm o.
Hluilr Prtrto de Ventre, nim
Xaoommo4o.
HMS1TO prtl ( riUS
21, ni di Faik'-loataurtrt, 21
DIPLOMA DE
BR/' 'RO
E ferruginoso)^
*9 ALCAT^

BBCKITAIiO POB TODAS AS
Cclc"brldad03 Z(0dlou|
DA KIUNCA K DA EUROPA
MOLESTIAS DO PEITO,
affeuqOes ESCROFULOSAS
CrILOROSIS,
ANEMIA, DEBILIDAOE,
TSICA PULMONAR,
BMNCHITES, RAUHITISMO
Vinho de Coca
Sitio na Magdalena
ftiuea sr ut;, com excclleac casa para rrau-
de Itietln, inda pinlaila e forrada a papel, cune
: g/., agua b(Rj lairioa e bood a porta : trla-se
com AnUmio Goiiks de Mattos ra da Cadeia
numero 5.
Frecisa-se
de um menino para criado ou caixeiro ; a tratar
na ra Murqut-z doHerval n. 141.
Ct-peiro
Precisa se de um copeiro de 14 a 18 annos,
dando tianca de sua conducta ; na ra do Bom
Jess n ti.
Arlhur &' Desiderio
.ontinuain a comprar ouro e prata velos, e
bem rsim fibras ?terlmas e outra3 moedas -
ouroje tfe prata, e paga se bem ; na ra do Ca-
buga n, 3o
Patacoes velhos
Compra-se na relojoaria David, ra do Gabu-
g n. 14._______________________________
C/avallos de corada.
Dii pessoa entendida que o catarrho. nos aox
maes devido ao capim verde, cujo mal se pd
evitar, dando-Ibes alfafa ou feno, que se venae
por baratissimo prepo, a 60 rs. o kilo ; aovt-
mazem da ra da Madre de eus n. 10.
Attmqo
Vendem-se duas cannhas na ra FmperiaJ,
Pue (oram do fallecido Joao Dutia ; a tratar na
oa-da Santa Cruz.n 38._____
i ^
LICKN'CUDOS PBLA INSPECTOBIA. DB HYOjENB DO IMPERIO DO BAZ1L.
2
**** OWK A P, > MtKc1____KYAWm, t.K! Urr.U
Engenho Brilhante
Arrenda-t-e o engenho Brilhante, eui Seri
nhem, m6ent e enrrente ; a tratar na ra dr
Bom Jess n. 23 armazrm de cal.
resteEstomago
DISPEPSIAS, GASTRALGIAS
A commissl aomeada pala Academia di
Medicina de Paiui. par atadar os Saltos do
Oarvlo de BeDoc, Ttjrignon o facto da que as
An*os, sto, deuppram da -o dsaUaediaaniuito. DaOrdiarie, o Urfis
mudfoitMe desdea. priutai MfOMpatto
volts e i'ooiMtfpt^i de TBtre, OoliaMtual nesus ;
teolatiai, deMaperece. Aa propriedades mtsep*
cadoOartBelk>cfmdelleMdosinefoi '
esaaisi*
Itabajanna
Acba se nessa villa urna ditieencia com os ra-
quisitos desejaveis para proporcionar aos Sra.
iassageiros um meio de viajarem cmmodamen
e reTimbauba a Itabayanna e ao Pilar, e vicr
versa, facilitando Ihes.assim rpido transporte
lo Re> ife Parabyba. sem os incommodes.e pe-
-igos das viagens martimas.
No Recife. ft ra Mrquez de Oliod n. K8 epi
Timbsuba, no botel O. Emilia, em Itabayanoa,
qo 8tabelecimento de Mello 4 0., e na Pa-
rabyba, botel Parabybano.eQComrare-|ia co
jjjtttn tratar.
TKINSON
PERFUMARA ingleza
Excerte toks t ootras pelo sea
perfnme exqui sito.
Afamada
AGU de COLONIA de TKINSOH
incomporavel peo sea perfume e su
oncentnv^o. excede todof ofl pro-
1 ductoB similares rendidos sob o meamo
Dome.
frtConri- em Cim de todo* o ffego-
etnttt e Fsbrictntts
4. A E. A/TUflSON
24, Od Bond Street, Londres
Marc .de F-iV r* ma" Roiabmack"
sobra um Lyra d Ooro "
oomendoroco aa> lotaUdada.
Mercearia Compara-
tiva
Os proprietarios desk conceiluado estabeleci-
menlo parlicipam aos seus distinctos fregueses
e ao reispeita! publico, que receneram nova
remessa do i muito acreditado e especial
Vinho Douro
nicos que recebem e retalbam este delicioso
vinho, escolhido propriamente pelo chefe de
nossa casa, o Sr. Antonio iarques de Oliveira ;
por isso convidamos o respeitavel publico a vlr
ao nosso estabelecimento, com o que multo nos
honrarlo, e experimentar o quanto vale urna
pinga boa, viudo ra larga do Rosario n. 20
Margues Sobrinho & C.
US!......

IMNWMI
EXPOSniON ^ Umw*"1878
Hsillli iOf^Crii.Ciwilisf
iu us hhuus nommiut
AGUA DIVINA
E.COTJDRAY
MTiMUAMIAUtt
pin mtttm, m
mdk
CMoron, -^mto,^tkM*r%putrmar',--a
ftharro ta axlg, Phtlslca, Tosa conouisa, Dysp$n.i,c, ~ r:a'Mm\
vertas ssm'naas, Canarros anttgos e compirca tos, su
. larffa, 1 .
tvMDo aar'-i
tas saolatta.
Oada Irato de Pos e oada oatxa la Paitilhat '.
aerem trm matgmttmtj.o daete da T> Bew. t
.....>*i, '
AftTNOS ReOOtWMWOeS
PERFMARI DE tiCTHHl
lulil mu WtkHUtm Umt*.
TU CtUCRTRABAS fk' >-^
iwmu Nn.*ri *-*-






m
4
I




? endem-se oss
tes livros
Lourecco, rv-mence histrico pe
Tavora, i vol. ene. 3*000
0 Matuto, dito dito, pelo mesmo, 1
vol. eac. 3*090
Oj Csvalheiros do Amor, romance em
4 vola. enes. 10*000
Echos de Boma, pelo padre GuiIner-
me Dias, i vol. ene. aJOOO
D.ccionario Biograpbico, por F. A. P.
Costa, 1 grosso volame ene. 10#000
Vaos Icaros, versos por M. Brrelo, i
vol. ene. 3O00
Flores Fluctoantes, versos, 1 vol. ene. 5*000
Vooi e quedas, versos, i vol. ene. J*000
Goimares, poema, 1 vol. ene. 3*000
Sons que passam, versos por Th. Ri-
beiro, 1 vol. ene. 3*000
Alberto Plmentel, Cantares, versos, i
vol. ene. 3*000
Evangelios e Syllabua, drama, 1 vol.
ene 3*000
Julio de Castilho -Livraria Classica,
Estados biograpbicos e luteranos,
3 vols. enes., tiucs 15*000
Castrioto Luzitano, historia entre o
Braiil e a Hollanda, 1 vol. ene,
fino 5*000
A India Christa por Pinto de Campos,
i vol. broch. 2*0^0
Bibliotheca do Povo, 15 vols. enes. J5*000
Morte de D. Joo, romance, 1 vol.
ene. 8*500
Contos de Pedro Ivo, romance, 1 vol.
" ene. 2*500
O abandono por Julio Verne, i vol.
ene. 1*300
Os juramentos dos homens vermelhos,
romanee, 2 vol. ene. 4*000
0 Processo Lerouge, romance hist-
rico, 1 vol. ene. 3*000
Gabriel Malagrida romance, 1 vol.
ene. 2*500
Neto do Afoitado, romance histrico,
,1 voL ene. 2*500
Viagem no dorso de ama baleia, 1
vol. ene: 2*000
Cliiquinho, Encvclopedia da Infancia,
por G. Bruno, 1 vol. ene. 3*000
Vinte leguas submarioas, por Julio
Verne 1*500
Caricaturas em proza, por Luiz An-
drade, 1 vol. ene. 3*000
0 Pastor e a ovelha, obra rara e es-
gotada, 1 vol. ene. 10*000
0 birajara, lenda, 1 vol. ene. 2*000
Arnaldo Gama-Um motim ha cem an-
uos, 1 vol. ene., obra rara 6*000
O Dia de S. Nunca, romance, 1 vol.
ene. 2*000
Durao Caramur. poema, 1 vol. ene. 2*000
Alfarrabios, por J. de Alencar, 1 vol.
ene. 3*000
Escrich Manuscripto Materno, 6
vols. enes. 10*000
P. de RockJoao, 1 vol. ene. 2*000
As mil e urna mulberes, 2 vols. enes. 5*000
O rei Candla, romance, 1 vol. ene. 2*000
Contos a Ninon, por E. Zola, 1 vol.
ene. 2*000
A caca de um baronato.l vol. ene. 1*500
A-raido GamaO filho do Baldai, 1
vol. ene. 3*000
Historia moral das mulheres,;i vol.
ene. 2*000
Os berdeiros de Caramur, romance
histrico, 2 vols. ene., finos 6*C00
Factos da historia de Pernambuco, 1
vol. ene. 2*000
A igreja e o Estado, por Ganganelll,
4 vols. ene. 10*000
Serpa PintoComo atravessei a fri-
ca, 2 vols. enes, unos, com grava-
ras MJOOO
Eca de QueirozO enme do padre
Amaro 2*000
Castello de Grasville, romance raro,
1 vol, ene. 2*000
Leonor, D. Ambroise, 1 vol, ene. 1*000
As obras de Julio Verne, 42 vols,
enes. 30*000
Tres Poemas em proza, e verso por
Gomes Jnior, 1 vol, ene. 3*000
Typos de cara dura, 1 vol, broch. 1*000
As viagens de Guliver, obra critica
ejocoza (rara,) 1 vol, broch. 3*000
Vozes da historia, pelo Padre Gui-
lberme Dias. 1 vol, broch. 2*500
Um mvsterio de familia or F. lava-
ra, 1 vol, brocb. 2*000
Um casamento no arrabalde, 1 vol.
broch. (mesmo autor) 2*000
Os martyres Pernambucanos victima
da liberdade. 1710, e 1817 1 vol.
broch. (obra rara) 5*000
Guarrigues breve leitura sobre sci-
encia, 1 vol, ene. 3*000
Biblioteca do Povo 31 caderninhos
brochados 4*000
Paulo de Koke Barbeiro de Pariz 1
vol. 3*000
Amulber fatal o 1*. vol s. 1*500
O matadouro, historia da Lavadei-
a Gervazia o 1. o vol s. 1*500
Pauson do Ferrail A heranca myste-
rioza o 2. vol s ene. 2*000
Bepostas consisas e familiares por
Mr. Segar, 1 vol, ene. 1*000
Carta sobro a Companhia de Jezus,
1 vnl, brrrb. 2*000
Carta a I': u Tobas, 1 vol. broch. 2*000
No escriptorio deste Diario se dir quem ven-
de todas estas obras, e faz-se grande aba ti-
ment a quern comprar todas jautas
HDAS
f u
Vaae ee 40 a 60 patmo3 de terreno arto-
risado, no Caminho Ntvo n. 128, logar maito
ameno, entre os trena e boads j a tratar na mes-
rea casa. Pode all fazer-se orna casa muito
bem colloca ja.
Vende se no caes do Ramos n. 4, algum
macbinismo, sobresaleotes, caldeiras, bombas
bydraucas,' etc. e c, em perfeito estado.
Vende se urna meia agua em terreno pro
prio e por preeo commodo, no lugar da Torre,
denominado nova Descoberta; a tratar na roa
de Rio. faVf rna junto a padaria.
Rendas
pretas, brancas, reme, beige e de cores
Cbegou um esplendido sortimento deste artigo
para a
Ranha das Flores
Ra Barao da Victoria n. 41
Na mesma casa encontra se urna variada col-
e ccSo de Utas de seda (mais de 500 nmeros),
bordados de cambraia, espartilhos, lavas, per-
fumaria, objectos para presentes, etc., etc.
Precoa baratos
RA'NHA DAS FLORES
u Barao da V el o ra .41
Vinho puro de Santarem
Da qulutn do Barral
Os proprietarios do Armazem Central, i ru;
do Cabug n. 11, avisam aos seus dis ti netos fre
guezes eao resneitavel publico que receberan.
nova remessa oeste especial vinho, o qual s*
recommendapor ser puro da ova, e s se reta-
Iba em seu armazem.
Joaquim ChristovSo & C.
Telephone 447
Libras
Vendem se ra de D. Mara Cezar n. 26.
Liyraria Contempor-
nea
InalramruCua de anilri
Bombard&o. bombardino, barytono, tromp
trombone, helicn, saxaphone, carilln, bombe
caixa, pralos,clarinitaa. flautas .rabecas, violosi
realejos, caixas de msica, etc., etc.
Papel pintado
para forro de salas, qoartos, gabinetes, corred'
res.
Molduras
dourad.s, pretas e douradas para quadros.
Malas
para viaxem, diversos formatos, especialmeci
para rcupa de senbora e camarote.
Novidades
pare presentes, escriptorio, toacador, etc., etc.
RAMIRO M. COSTA & C.
Bna Prlmpiro te Hai-o n. 9
pega com ; 10 varas,
fio>,' a 50000 e
4300 e de li-
Vende-se um piano
Je transposic,o do au-
tor Vignes, que preci-
sa de concert. No
escriptorio deste Dia-
rio se informa quem
vende.
FOLHETII
ODIO GE TIGRE
POR
mu TESSIES
|l ARTA PARTE
AS GOTTAS M SANGUE
99)
(ContimaacSo do n.
TU
^\ Foi, ao aahir desta segunda visita,a
primeara tinha sido feita durante o aomno
de Paulo,que o. doutor escreveu ao Sr.
Diniz a carta que Lerat lhe entregou no
sea regresso de fians.
No dia immedrato, conforme o itinerario
que tinha tragado, o inspector, depois de
ir por formara a escriptorio, sabio ao ca-
bo de vicie minutos, e, encontrando-se com
JoSo no ponto marcado, dirigio-se com elle
casa do duque de Beyuoid.
Apezar de seren onze horas apenas,
Herminia j estava vestida, e, escondida
por detraz de ama cortina, espreitava a en-
trada do-policial.
O Sr. Diniz, acomoanhado de Comtois,
subi immediatamente ao quarto da moja,
que correu ao sen encontr e o abracou
com grande aatisfacSo.
Vamonos embora, nao verdade,
Sr. Dinii ? dase ella com ama entonadlo
febril.
D'aqui a pouco, miaba querida me-
nina, replicou com meiguice o inspector :
s ao meio dia podemos ser recebidos, e
[**f espejar aqui do qae ao hospital.
MAIS DE 10:000 CUBAS
TIHTB* BIYIHA
HCSTS SC SSaTOTISKO
DORES E DkDENTES
PREPARADO NICAMENTE
POB CALA8AN3 & C.NA BAHA
Medicamento heroico-contra os rheum*
tismos, inchacoes, dores aciaticas, nevral
gias, dormencia, etc., empregando-se er
fomentacoes sobre os lagares affectadoi
Cara o beri-beri, as paralysias e aa dota
de dente.
Todos os frascos levam direegoes pan
oso d'este medicamento admiravel.
Prego 1)5200. Descont de ama duzL
em diante.
DEPOSITO NO RECITE
Francisco Manocl da Silva & C. roa
Mrquez de Olinda n. 23
Engarito
Vndese ou ar. enda se o engenbo Caldeirei-
ro, moente e corrente, na fregoezia da Vanea ;
a tratar ha ra do Vigario n. 31, t- andar.
De resto, se assim m'o permitte, conversa-
remos para passar o tempo.
Con ver sar! murmuro u a duqaezinha
com ngenoidade. De Paulo ?
Pois seja do Sr. Paulo, se assim o
quer.
Vio ? Como est elle ferido ? E'
maito grave o sea estado ? A sua vida pe
riga ? Oh! peco-1 he qae nSo me occalte
cousa alguma. Eu sou corajosa.
Tao corajosa quanto adoravel, sus
pirn o Sr. Diniz. Mas trnquillise-se. Co-
mo lhe mandei dizer, o Sr. Paulo Lundi
est melhor e d'aqui a quinze dias nem
elle se lembrar de que foi atacado pelos
ladroes.
Ah! Eram ladros ?
Eram, de certo.
E elle sabe que eu vou vl o ?
Ti ve o cuidado de lh'o nSo dizer.
Oh! Como o mea querido Paulo vai
ser feliz !
Isso vai E justamente a sua feli
cidade que me assusta.
Por que ? gergunton Herminia, em-
pallidecendo.
Ora... por que, geralmente, entre
duas pessoas que se amam, pego-lhe per-
dio, menina, da minha brusca franqueza ;
mas entre duas pessoas que se amam, a
felicidade presente implica a felicidade fu-
tura, e desgracadamente, pelo que diz
respeito menina, receio bem qae essa lei
seja irrealisavel. ~
Qae diz elle ? pergaatoa a menina
de Reynold, approximando se instinotiva-
mente do Sr. Comtois.
Ai!...' digo o qae a menina deve
j ter pensado muitas vezes,sem ousarcon-
fessal-o a si propria.
Conclaa, meu amigo, interveio o ve-
lho mordomo com acciedade.
A'abo de chegar de Mans. Estive
em casa do Sr. Landi, e adivinhei ahi,
visto que a minha profissao consiste em
adivinhar todo, qae aquello mancebo a ama
e que...
E qae ea o amo tambem! ezclamoa
vivamente a duqaezinha, erguendo a ca-
beca. Mas bastava-lhe para isso ter-m
interrogado e ea responder-Ihe hia : Sim,
iNUVIAUf
A BA DVqCE DE CAXIAS K. 61
MosqaiteiroB americanos com armacSo a
lOtfOOO, 12,5000, 15#000 e 2O#000.
Estantes de msica, para amadores, fe--
cham-se como ama bengala, a 5|JOO0.
Relogios espertadores com movimento a
6^000, 8,5000 e 10^000 e^ara orna
ment do sala a 20)5000.
Lapis 'e caetas de ouro fino a ISoOO e
2,5000.
Espartilhos ingleses com elsticos de seda,
ultima novidade, a 7,5000, todo de se-
tim brauco a 10,5000
Sarah de lindas cres e gasea de listras a
1(5400.
Setins cem listras largas e lindas odres a
11200.
Tecidos le linho fino, fazenda muito lar
ga, a 500 .ra.
Morim lavrado,
3,5200 a peca.
MadapolSo americano,
6<5OO com 20 varai.'
Bramante de 4 largaras a
nho a 1^600. .
Cortinados bordados para cama ou ianella
a 5,5800. J
Cortinados de crochet de lidas corea para
janellas a 1^600.
Atoalhados oom lindos desenhos a 1^000.
Guardanapos finos a 1,5800 i duza.
Toalhas pequeas a 1^500 a duzia gran-
des a 450CQ. *
Cassas de cures, desenho em'matiz, pe-
cas com 9 metros a 1,5600
Bordados largos para saias de crianca a
54000.
Babados bordados, lindos patrSea, a 440,
500, 600 e 800 rs.
Bicos brancos com ponto, novidade, a
30000.
Fitas de cores, todaa as largaras, melhor
sortimento, a 320 e 500 re.
Baleias fortes a 180 re. a duzia.
Arco de ac a 100 re. o metro.
Cortes de vestidos bordados de cores, em
cartao, a 9*000.
Tecidos de quadrinhos a 100, 200 e
400 re.
Percales claras e escuras a 200 re.
Grampos para tranca novidades a 600 re.
Sovaqueiras de borracha para vestidos a
400 re.
Sabooetes finos a 500 e 600 re.
Extractos finos todos os che iros a 2*000.
Espartilhos courassa 3*500,4*000 e 5*0?0.
Meias croas alcoxoadas para seohoras a
8*000 a duzia.
Meias de cores para meamos de 6 mezes
at 8 aunos a 400 re.*
Casacos Jersey bordados pretos e de cores
a 5*000. .
Para nolras
Setins brancos, lisos, lavrados e de listras,
a 1*000, 1*200 e 1*500.
Grinaldas com lindos veos de blond a
7*000 e 10*000.
Meias de seda e "de renda
1*5Q0
Espartilhos de setim, ultima
10*000.
Lencos de cambraia de linho, ~ embainha
do largo a 9*000 a dama.
Panno de linho, maito fino, para toalhas e
fronhaa a 1*500.
Lavas de seda e pellica a 2*000 e 2*500.
Colchas de crochet a 5*500 e 6*500.
Colchas de damasco com borlas a 35*000.
Leques de gazes, bordados e de renda a
6*000.
Ligas de seda enfeitdas a 1*000.
Camisas bordadas, finas, para seniora a
5*600.
Casacos bordados, penteadores, a 2*500 e
3*000.
E muitos artigos que se vendem maito
barato e d se descont a quem comprar
de 20*000 para cima.
Novidade amt-ricajia
M LINDO RETRATO DE FAMILIA
I*or x&aooo
Qualqoer familia pode ter um retrato de
um parete ou amigo em sua sala de
visita, mandando um pequeo retrato pm
cartao de visita nao importa qae seja
antigo, bastante mandar dizer a cor
dos olhos e do cabello para chegar um
lindo retrato desejado. Reeebem-se en-
comendas na
LOJA DAS LISTRAS AZUES
Jtejyl'HefliareaVL4M
Este ceUonte Whisky Escoces pra-
ferivel ao cognac oa agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalhq nos melhores arma.
zens de molhados.
Pode Rojpal Blend marca Alado
cojo nomo e emblema sSo registrados par
todo Brasil.
BROWNS C, agentes.
*
'a 3*000 f
novidade, a
Cautelas do Monte de Soc
corro
Comprase Cautelas do Monto de Soc
corro de qualquer joia, brlhantos e relo-
gios, paga-se bem na ra do Cabug n.
t4. n.Leja da relojoeiro.*
Agua maravilhosa
Com a applicacao desta agua, quem soffrer de
espionas, bannos sardas, femdas e vermelhido
do rosto, ficari perfeitamente curado, rtconhe
cendo-a, desse modo, como nico especifico
efficai. Alem dessss efTeitos, tem ella a pro
piiedade de, tornando a cutis limpa, dar-lhe a
cor natural. A cada vidr > qae custa If, acom
panba a respecti ra indicacao do uso.
Abaixo as pomadas
Vendem Parias Sobrinho & C, ra Mrquez d
___________Olipd n.41._______________
Muito barato
l^ooo um par
Na ra do Livramento ns. 19 e 21, tem orna
grande quantidade de sapatOes runosde vaqueta
Branca, obra muito forte e propria para o inver-
so, e por preco baratissimo, 1*000 o par, e em
porcao ter descont.
AO PtW-
O abaixo assignado resolveo participar
aos seos amigos e freguezes que contina
a ter sempre o mais completo sortimento
de:
COGNACS destacando o afamado
Pno, que um dos que mais se pres-
tan a tomarse coa leite.
V1NHOS--0 PalheU sem prejuizo das
ootras marcas, especialisando tambem o
magnifico Bordeaux Republique Brt-
BGssMKi
LEGUMESem conserva, especialida-
des como nBo se encontrara em qualquer
caaa.
CARNESm.conserva, especiaes como
nunca vieram aqui.
PEIXEStambem o que na de mais
variado.
CERVEJASonde se destaca a bem
conkecida o digna de celebridade Paulino
Bier.'.
CHARUTOS nm grande sortimento
das melBores marcas, e por procos maito
commodos.
Alem destes artigos acha se o seo esta-
belecimento sempre sopprido de todo
quanto se possa desojar d'um bom esta-
belecimento d'aquelle genero.
Roa do Imperador n. 28
Paulino de Oliveira Maia.
Engenho Riacho de Pedral
Vende se orna parte (3:000*) no engenho
Riacho de Pedras; tratase com Jos Goncalvee
de Magalbies, em Palmares, ou com Jos Erme-
lindo las Chagas, na villa d'Agua Preta, em cojo
termo est situado dito engenho.
Azulejos
Alfafa
" Vende-se solta qualquer quantidade a 40 rs. o
kilo : oa roa do Amorim n. 52.
Farello superior
a 2*200; ao largo do Mercado n. 12.
Taverna
Vt nde-se a taverna da roa Imperial n. 158,
bem afreguezada, com bons commodos para
grande familia ; a tratar na mesma.
amo o, ardente e santamente, como elle
merece ser amado.
O Sr. Comto8 baixou doloroaamoto a
cabeca.
Seo filho pegn paternalmente oa mo
da menina de Reynold e continuou, sobli-
nhando intencionalmente as palavras:
Sim, a menina bella e nobre e tem
orna alma tao para, como generoso cora
5S0. Mas j pensou at onde poder con-
duzil-a nm affecto que deixou progredir a
tal ponto ?
N2o, nunca pensei nisso, mormarou
Herminia estremecendo.
A menina conhe^e bem o Sr. de Rey
nold para saber que, apezar de fazer jus-
tica aoa muitos merecimentos do Sr. Pau
lo Lundi, elle nunca
ro.
o aceitara como gen
i
Taverna
Vende-se a pequea taverna ra estreita do
Rosario n. 36, o ponto bom, e o motivo da
venda se dir ao comprador a tratar na
mesma.
Cera
Vende se na rna do Cabug o. 2, segando a
qoalidide, de 1* a 1*500 a libra, e sendo de
arroba para cima, faz-se na de 2" o descont de
30 0A>, e na de 1.a de 200,1). rfo mesmo esta-
blecimento tem machinas para costura e mesas
para as mesmas por 10* cada urna.
Quiz o acaso que eaaa pobre e excellen-
to moco nao tenha pai nem mSi. A cul-
pa nao delle, de certo, mas sea avd, mi-
nha querida menina, nSo raciocinar assim
e a menina nao pode querer-lne mal se elle
se oppuser a que a ultima representante
da sua raca v unir se a nm exposto da
roda, usando nm nome de emprestimo.
Oh que mal o senhor me fes!...
exclamou a joven em urna vos dilacerante.
NSo se zangue commigo, proseguio o
inspector, tomando entre as suas as roaos
da duquesinha. O que me fas fallar as-
sim o interesse que me inspiram, tanto
a menina como o Sr. Paulo Lundi. Deus
tostemonha de qae eu faria todo o pos
sivel para Ibes evitar um desgosto, mas...
Mas julga que eu vou loucamente ao
encontr desse desgosto, nao assim ? re-
plicn a menina de Hautefort.
E, erguendo-se repentinamente, prose-
guio com energa:
Pois nao pense em tal E verdade
que nunca sondei de tSo perto o futuro
como o senhor ; qae me techo ffeixado en-
ievar no encanto de um affecto que todaj admirajao
a minha vida. Mas eu sou *)a raca dos ~
Reynolds, Sr. Diniz, e nada receie ; pro
cederei sempre como ama Reynold !
Oh! Valoro crianca!
Deixe-me, pois, soohar, se a affeico
qae me domina um sonho. E se uindia
ti ver que despertar, poder o eoracSo par-
tir se-me, mas nada, juro-lhe, m'o far
mudar.
E como os Sre. Diniz e Comtois a con-
tmplassem n'oma sorpresa qaasi exttica,
Herminia accrescentoo:
SSo onze e meia; vamos.
Pois vamos, responden o inspector.
A carruagem da menina est posta, meu
pai ?
NSo, mas um instante emquanto se
arranja.
Pois bem, mande atrelar e v depois
ter commigo, que marcho adiante para ir
preparando o nosso doente.
Ao menos nao lhe diga nada do que
estivemos conversando, acudi a joven com
vivacidade.
- Nada lhe direi, prometto-lhe. At
logo, e ainda urna vez, perde-me, sim ?...
Por nica resposta a menina de Reynold
dea a fronte a beijar ao inspector, mar-
murando :
Devo-lhe j muito, para que o senhor
possa inspirar-me outro sentimento que
nao seja o da gratidSo.
O Sr. Diniz sahio apressadamente.
Entrando na carruagem, recommendoo a
JoSo Brunel que tocasse a toda a forca,
e des minutos depois chegavam a Gros-
Caillou.
Iotroduzido sem demora no quarto de
Paulo Lundi, encontrn ao lado do feri-
do o Dr. Yamloff, que acabava de infor-
mal-o de tudo quanto havia feito por elle.
O pintor quiz manifestar ao excellente
homem a profunda gratidSo, mas o Sr. Di-
niz fechou-lhe a bocea logo s primeiras
palavras.
Silencio, nSo fallemos nisso, inter-
rompeu elle alegremente; tal vez que d'a-
qui a pouco mereja os seus agradecimen-
tos, mas espero ao menos que chegue o
momento opportuno para m'os dirigir.
E como o mancebo olhasse para elle com
o policial proseguio com bonho
ma :
Vejamos, meo rapaz, reconheco qoe
o Dr. Yamloff um amigo adoravel, e que
a sua companhia lhe deve ser preciosa ;
mas na sua idade, nSo tem... alguma ou-
tra affeicSo que deseje ver?
Paulo corou sem responder.
Com Iiudissiraas cores e desenhos variadi?*:-
mos, encontra-se para vender um grande sorii
ment desse artigo, proprios para trente de es
8as, corredores, cosinbas e banheiros; por prt-
eos sem competencia na roa do Visconde dt
Govanna n. 45.
&M____________________________________
Alerto coi a Eevolocio
4-Rna Dnqne de Caxlas4 9
E' BARATISSIMO
Sara de linho a 400 re. o covado.
Etaminea de todas as cores a 300 e 40C
re. o covado.
Zephiros finos a 120, e 160 e 200 re. o
covado.
Merinos de cSres com duas arga r as
400 re. o covado.
Cachemira com quadros de seda para ves
tidos a 1* o covado, fazenda de 2*000.
Ditas com toque de mofo a 800 re. o co-
vado.
Cortes para vestidos, ultima moda a 7*000
um.
Ditos bordados a 10*000 um.
Ditos bordados brancos e creme a 13*000,
14*000 e 15*000 um.
Casacos de seda francesa a 2*000 um.
Cort'nados bordados a 6*000 o par.
Ditos de crochet a 8*000 e 10*000 o par.
Ficns de retroz prateado a 1*000 um.
Colchas de todaa aa cores a 2*C00, 3*000,
4*000 e 5*000 urna.
Cobertas forradas a 2*500 ama.
Bramante com 4 largaras, trancado e liso
a 800 e 1*000 o metro.
Toiletts para baptiaadoa a 8*000, 9*00G
e 10*000 urna.
Pannos da Costa para mesa a 1*200 o cc-
vado.
MadapolSo americano a 6*000 a peca com
24 jardas.
Camisas de meia a 1(5000 ama
Ditas de linho e algodSo com collarinho a
2*000 orna.
Toalhas para crianca a 120 e 160re. orna
FostSo de cores para costomes a 500 re. o
covado.
Pannos de crochet para cadeiraa a 500 re
um.
Ceroolas francesas, a 1*000 ama.
Atoalhado de linho com toque de mofo a
2*400 o metro.
Dito de algodSo a 1*200 o metro.
AlgodSo trancado para toalha a 1*000 o
metro.
Espartilhos cooraca a 4*, 5*000 e 6*000
Lencos de algodSo brancos e com barra a
1*200 a duzia.
Ditos de linho a 2*500, e 3*000 a duzia.
Naosok fina a 120, 160, 200 e 240 re. o
covado.
Cretones claras e escaras a 200 e 240 rs.
o covado.
Organdis a 400 re. o covado, fazenda de
800 re..
Setineta lisa de todaa as cores a 240 rs. o
covado.
Ricos cortes bordados a seda para vestido,
de 6C*000 por 25*000 e 30*000.
Costumes de Jersey para criancas a 7*000
um.
Voile de algodSo a 240 re. o covado.
Merinos bordados, de cores, a 600 re. o
covado.
Crep, ultima moda, a 600 re. o covado.
Cambraia de quadros para vestidos a 1*800
a pega.
Brm pardo trancado a 240 ra. o covado.
Casemira de cores para roupa de homem a
l*2CO ra. o covado.
Para a qnaresma
Mermes pretos a 800, 1*000 e 1*200 o
covado.
Manteletes pretaa a 5*000 e 7*000.
Fichas pretos a 1*000.
Ricos cortes de cachemira preta bordados
de vidrilhos a 30*000 um.
E muitas ootras fazendas pretas como
sejam gorgorSo, setim e cachemira qae se
vendem com o abatimento de 50 /0.
Xao esqueeendo
qae em sua officina de alfaiataria sprom
pta-se qualquer costme e em 24 horas
assim como tem um completo sortimento
de brins, casemiras de cores e pretas, qoe
vende por procos sem competencia.
A Revolucao
HENRIQE DA SILVA MOREIRA
Tem, nSo assim ? Lsmbro-me disso,
como nada me dissesse, tive de substituir
o seu mutismo. Pois nos outros, nem so-
mos verdadeiros feiticeiros ?
Pois foi o que fes e annuncio lhe urna
visita.
O ferido se ntou-se bruscamente na cama,
cor fugitiva qae lhe sabio ao rosto, sac-
cedea-lhe ama estrema paludos.
Urna visita... para mim? interro-
gou elle com um tremor na vos.
Sem dovida! Pois nSo merece qoe
se lembrem de si ? replicoo o Sr. Diniz.
E devo confessar-lhe que nSo encontrei
difficuldades Mal pronunciei o sea nome,
vieram logo ao encontr dos meas dese-
Mas... sabe entSo ?
Soa filho do Sr. Comtois, mea jo-
vea amigo.
Paulo sol toa om grito.
Oh EatSo verdade ? ella ella!
que vem ahi ? exclamou elle com exalta-
9S0.
Oh 2 senhor qoanta felicidade lhe devo
e. como lhe agradeco!
Com os olhos chammejantes, as narinas
a tremer, agarrou as mSos do policial e
apertou as com pbrenesi.
Neste momento o olhar do Sr. Diniz ca-
hio sobre o brego n do mancebo.
Por seu turno soltou elle orna. interjei-
cSo enrgica, e inclinou se para Paulo.
Quando se levantoa, o sea olhar tinha
urna tal expressSo de triumpho, qoe Yam-
loff nSo pode deixar de o notar mental-
mente.
Ah 1 com mil raios! tinha dito o in-
spector.
E abri os labios para formular urna
pergunta, quaudo a porta se abri t Her-
minia appareceu, acompanhada pelo Sr.
Comtois.
De um pulo, a moca chegou perto da
camae ao mesmo tempo um grito sahia
do sea peito e do de Paulo.
Paulo!
Herminia!
E sem se importarem com as pessoas
presentes, os dous mocos trocaram um dea-
tes beijes meigos e castos, puros penhoros
.
Lindo sortimento de fias verdes n. 5, 9
12, padrees o que ha de modernos.
Fitas lavradas com om palmo de larga-
ra a 2*000 o metro. *
Grande sortimento de galdes, palmas, ro-
sas, pingentes. e guarnieres pretaa *V
v.'dnlho para vestido.
Lindas costureiras de velludo propriat
para presentes.
Lindas boleas com estojo para costara.
Grande sertimento de caixinhas com as-
tractos proprias para presentes a 2ffQt
3*000, 4*000, 5*000 e 6*000 ama.
Livros de missa, de madreperola e a
velludo.
Lindos objectos de crystal para presente
como sejam : porta-relegio, parta-extra-
cto, porta-p de arros de 4*500 ata
12*000.
Finos alfinetes para gravatas.
Grande sortimento de broches nninii anas
para senhoras.
Caixas com msicas a 2*. 3*000. 4*00C
at 120000. .
Pegadores de prata de transa a 1*500.
dem de tartaruga a 1*000.
Grande sortimento de galSsinhos branet*
e de cores para enfeitar casacos e ronm
de criancas.
Caixinhas com sabonetes a 500, 600,700
e 1*000. '
Grande sortimento de bengalas finas a
1*000, 1*500, 2*000 e 2*500, o qae ka
de mais bonito.
Lindas chapelinas para crianca, gost mo-
derno.
Porta-retratos a 200 e 300 re. om.
Grande sortimento de lencos de seda a-
1*000, 1*500 e 2*000 um.
GuarnisSes para toilet a 6*000 e 7*000.
Lindos porta-pos de arroz a 1*500, 2*000,
.3*000, 4*000, 5*000 e 6*000 ...
Finas ligas com ramo de flor de laraagaira
proprias para noiva a 1*500 o par. '
dem de todas as cores a 1*000, 1*200,
1*500 e 2*000.
Rendas hespanhola de todas as c6rea
dem pretas com e sem vidrilho.
Grande sortimento de bicos matisados e 4c
urna e cor.
Sabonetes perfumados a 500 re. a rusia.
Lindos desenhos para talagarca.
Grande sortimento de bicoos pretos s-
seda, algodSo e de la com e sem van
Iho.
Mantilhas de seda e de algodSo pretaa
de cor de -creme, proprias para moea.
Collarinho para homem a 3*000 e 4*00C
a dnzia.
Bordados de cambraia tapada a 500, 600,
800, 1*000, 1*200 at 2*000 a safa..
dem com 3 e 1/2 metros, de qaafqswr
largara, a 1*200.
Lencos de linho a 3*000 a duzia, a cat-
xinha.
Grande sortimento de pulceiraa ameri-
canas.
Coninados de crothet para cama a 12*000,
17*000 e 19*000.
Ditos para janelia a 7*000.
GuarnicBes para cadeira a 6*000.
Pannos de croehet para cadeira a 800
1*000
Capellas com veo para noiva a 6*000.,
8*000 e 10*000 -
Panno de crochet para sof a 2*000.
Lindos enxovaes para baptisados a 8*000,
10*000 e 12*000.
Grande sortimento de lavas fina para aa-
nhora a 1*500, 2*000 e 2*500 o par.
dem para menina a 800 e 1*000.
Grande sortimento de espartilhos pata-
moca a 4*000, 4*500, 5*000 e 6*000.
Linha de machina a 700 re. a dosia.
Idam idem a 60 re. o carrito].
Espartilhos para crianca a 4*000 e 4*500,
Toalhas para banho a 1*500.
dem para rosto a 300 re.
Babadores eom inscripcSo e paisageaa a
600 e a dnzia a 4*000.
Grande sartimento de espelhos finoe nvaa
e d canto redondo a 4*000, 5*000
6*000.
Bengallas de flauta n 1*500.
103RA DUQUE DE CAXIAS109 *
Barbosa & Santos
' '
i*

i'*
- T.
'-.'
g
i

de dous coracoes que palpitam om pelo-
ootro.
O Sr. Comtois abanoa tristemente a saz. .
cabeca branca.
O Sr. Diniz, pelo contrario, sonrio eom
om ar nao equivoco de satisfacSo.
Mas depois de ter deixado expandir se
a alegra dos gentis namorados, qae coc-
templava com tSo tranquilla serenidade, o
policial approximou-se de Mlle. Reynold e
diese-lhe em vos bsixa:
Ha pouco, minha senbora, pedi-Jhe
qae tivesse cautela com o futuro.
Herminia fitoa o inspector com am olhar
tmido e sempre s.
E' verdade, disse ella.
Pois bem! tem confianca em mim ?
Oh confianca absoluta', Sr. Diniz
Tanto melhor, disse elle com finara,
porque vou parecer-lhe um verdadeiro ca-
taveoto.
Porque ? perguotoa a moca com an-
ciedade.
Por que agora lhe digo ; ame esse
excellente rapaz, sem remreos e sem te-
mores I porque juro-lhe que o hei de fazer
sea marido.
Herminia abafoa am grito de alegra e
em prontos lancoa-se nos bracos do Siv,
Diniz.
O Inspector teve-a um segundo aportado
contra o peito, depois, soltndose com
brandura daquelle abraco apaixonado, vol-
too se para o doutor e para o Sr. Comtois:
Estes mogos devem ter muita cosa
qoe coatar um ao outro, mormuroo elle
com a voz alterada ; deixo-te eom elies,
mea pai. Venha commigo, Dr. Yamloff,
bem aabe que nos esperam. -
Quando chegaram ao corredor,-o Sr.
Diniz agarren com foroa o medico petos
hombros e collocando se bem na soa fren-
te, disse lhe :
Quer ver am homem estupefacto, e
ao mesmo tempo muito alegre ? pois ohe
para mim !
Efectivamente, mea caro Sr. Dinia,
notei ama mudanca sbita.
Sabe o que a produzio ?
NSo!
____________________Continuar-te-ka)
Typ. do Diario, Ra Duque de Cazias aria
Ir


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZECV35AM_ZNFAUM INGEST_TIME 2014-05-28T02:11:38Z PACKAGE AA00011611_17737
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES