Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17698


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANDO LU flMEBQ
*
l'AKi A Al*XAJL E LlCiAHI) OMIl- &XO K PACA PORTE
Por tres mezes adiantadoi -........ 6#00U
Por seis ditoB idom. ................ 12<$000
Por um anuo ideai................. 24)5000
Cada numero avoilso, do meamo dia............ 100
SEXIA--FEBA 19 BE flViD DE 1886
PARA OESl'HO E FORA 1)1 PRO VA CA
Por seis meses adiantudos.............. 1350Q
Por nove ditos idem................. 2OJOO0
Por um anuo dem................ 270OUO
Cada numero avulso, da das anteriores........... 0100
DIARIO DE PERNAMBUCO
ProptieiraiK %t JRatwel f\$uchfa *t Jma i illjos
Os Srs, Amcde Prlnce & C
de Pars. sita os oossos agentes
exclusivos de aunarlo e pu-
blic icSes da Franca e Ingla-
terra.
Aviso
Aos Srs. subscriptores deste Diario avi-
sa a respectiva direccZo que, do 1." de
Janeiro prximo em diante, far-se ha a ar-
recadagao das assigaaturas pela forma se-
guinte :
Na cidade do R-scife e lugares para onde
nao se paga porte, 6#000 por trimestre,
adiantado ou durante o 1. mez do mesmo
trimestre, 6500 qos 2. e 3. mezas.
No dm do trimestre ser suspensa a re-
messa do Diario aos que nio tiverem sa-
tisfeito o seu debito.
Fora da cidade, nos lugares para on le
se fazem as remessas pelocorreio, 135500
por semestre, pago as mesmas condic".-s
cima.
Aos que quizerem pagar o anno a ian-
tado, faz-se-ha o abate de 15000, para to-
dos os assignantes.
TELEGRAHMAS
::s:::: da a&sncu satas
(Especial para o Diario)
NEW-YORK, 17 de Novembro.
Calioni ih'ipi abunJanic* no re-
giao de Kew-Vork.
A* commnnloarficR esta* interrom-
MM.
NICE, 17 de Novembro.
l ma tempeatade conaou rondes
domnoM na coala* desta reguo.
SOFA, 17 de Novembro.
O goierno rano propui. oo t'Mne-
Iho de Regencia o principe "Vlcolo
Hinsrciio para principe da anisa-
rlo.
VIEN'NA, 17 de Novembro.
O Conde de KalaocKI. presidente
do runoellio. reapondendo oo Conde
Andrainy. que fasto parle de nma
delegocwo do parlamento hngaro,
declaron que o gotero o anmru nun-
ca ro lo dirlcir-se oos ooolnotes es-
trangelro* pedlndo que a" grandei
potencian europeas orontam o au-
tonoma da Bulgaria.
LONDRES, 16 de Novembro.
O STAXDAKD annnncla que tratase
do rcunlo prxima de ana confe-
rencia Internacional inrumhida de
regular om negocio* da Bulgaria.
PARS, 18 de Novembro.
C!rculam multo* boatos contra-
dictorio* acerca do* projeetos do
asu**ia reais mense & Bulgaria.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
18 de Novembro de 1886.
iHSTRCCaFpbPLAr
nao, que se tornaram celebres por haverem man-
dado construir as tres grandes pyramides, que
foram destinadas a servir-lhps de tmulos.
Situadas na planicie de Gyzeh, na margem es-
qaerda do Nilo, a breve distancia de Memphis,
sao aquellas pyramides os mais notavea munu-
mentus da civilisaclo egypcia. A de Cheops teic
147 metros de altura, a de Khavr 138, e a de
Mycerino 66. A mais alta ioi construida em 30
annos, por 101:000 horneas, que eram substituidos
de seis em seis mezes.
O reis de onlra dynastia, a duodcima, torna-
ram-se notaveis pelas grandes obras bydraulicas
que iropreheaderam no Kilo,eoustruindo um gran-
de numero de canaes, para distribuiris as agnas
pelas dfferentea regioes do solo, afim de Ibes
augmentar a frtil dade e de prevenir as inunda-
coes.
Mais tarde, reinando Timaos, um p >va origina-
rio da Asia ( os Hyksos on Pastores ) invadi o
Egypto, coja antiga cvisagio destrua. A inva-
so, comtudo, nao se estendea alm do delta do
Nilo e 00 baixo Egypto. A parte de que Tochas
era capital, escapou denomioagito d >s hyksos que
porfm tor-.im expulsos dopaispor Amenopbis Tuet-
moris, descendente dus antigos reis do Egypto.
Entre es reis que succederam a este, houve no-
ta vel (alem de outro) Ma-.is que executou diffe-
rentes obras muito importantes, no numero das
quaes figura o f<.-n so lago que tomn o nome dalle
e que foi destinado a reeeber as aguas do Nilo,
quando a sua grande abundancia ameagasse o Egy-
pto de ser totalme nte inundado. Este lago i >rne
cia agua, por uin grande numero de canaes, a diffe-
rentes roas que fertilisava.
Tornou-se tambem muito uotnvel o rei Sesostris
( iamas Meamun), que ioi o primeiro qoe armou
una esqaadrilha ; bateu-ae com os rabes, que
subjugou- e outrotanto tez aos Lydios e Ethiopi-
cos. Imprehendcu a conquista da Asia ; o tendo
deixado seu irmio Danao no govern1 do reino,
bateu e derrotou os assyrios, os medos, os sey thas
e os pbenicios ; submetteu a Tbracia, a Colchida,
e ebegon al as margeos do Ganges,.
D-ixou p r toda a parte nacnpges, commemo -
rando as suas victorias. Regressando aos seus
estados, dedicon-se a promover o progresso das
artes, ft-liciton o povo com urna paz duradoura, e
accrescentou s suas glorias militares a de ter tun-
al do iuatituigoes polticas e promulgado leis de
geral utilidade. Tendo cagado na velbi x, nao
pJe resistir a essa infelicidade e suicidoj-se. Os
egypcios gratos sua memoria, ergucram-lhe tem-
plos, nos quaes Ihe prestavam aa mesmas honras
que aes seus d-uses.
Por e8se tempo tinha chegado e Egypto phase
do seu maior <-xplendor. Tempos depois comegoa
a pronunciar-se a sua decadencia, que as p-Ttur-
bagoes intestinas contrbuiram bastante para pre-
cipitar. A Etbiopia proclamou a sua indepen-
dencia ; e os povos da Syria, sempre insubordina-
dos e irrequietos, negaram-se a pagar os tributos.
A unidad-- nacional veio a quebrar-se, e o pas
dividio-se em vinte pequeos estados iodrpen-
deutes.
As rivalidades entre estes differentes estados le
vou os a admi'tirem no sea seio os estr*ngeiros,
cuja entradaatallifOra sempre vedada no Egypto.
Foi eotao que os ethiopes e os assyrios d isputaram
o pan e fizeram conquistas que, comquanto ni)
fosaem duradoaras, coiniudo apresaaram bastante
a ruina da naci. Depois de expulsos aquclles dous
povos, o Egypto ficou sendo goveruado outra ves
por principes No delta do Nilo havia doze deste*
principes, os quaes constituirn) urna confedera
ci", formada dos seus estados, que se cbainou do
^decarchia. Um daquelles principes, porm, chama-
de Psammrticbo I, derrubou mi armada os
outrss principes e restabelecea a anidade nacional.
Durante o reinado deste monarea, anda o Egy-
pto se ergueu um piuco da sna decadencia epare-
cen qoerer rollar ao seu antigo esplendor e gran-
deza ; floresceram de novo as lettras, as bellas
artes e a indusria ; e continuaram outra vez um
pouco as grandes obras de imgacao que estavam
havia muicosuspensas, oustentou se no thro-
no durante 47 annos a dynastia de Psammeticho ;
no reinado de um dos seus descendentes, Amasis,
teve o Egypto uns annos de certa prosperidad*, a
que 'ogo pos termo a conquista persa, realisada
p ir Cu>bydes. Desde esta at a conquista por
Alexandre Magno medeiam doui seculos, durante
os quaes os egypcios tiveram politicamente urna
existencia miseravel. Com a conquista pelos ro
maos, depois da morte de Cleopacra, encerra- se
a Historia Antiga do Egypto, que durou un cin-
coenta seculos, e na qual se contam 31 dynastias.
( Continua).

HISTORIA ANTIGA.
(Extrahido)
OA *BIULIOTIIECA DO POVO B DAS ESCALAS
(Cont inri arao)
CAPITULO II
OS EGYPCIOS
As ppulacea qne primitivam-'nte babitaram o
valle do Nilo foram subjugadas, ou compellidas
pata o sol, por um povo vindo da Asia pelo L-thino
de Suez. P*38"U -se isto em lempo interior aos
mais antigos monumentos histricos. Aquelle povo
conquistjlyr, qie all se estabfleceu, veoa consti
tuir o que na Hist >ria Antiga, conhecido pela
denominacio de povo egypeio,
Nada ao certo conb i-ido quanto ao governo
primitivo dos rgypuios, que se Ipresnme ter sido
oos primordios theocratico ou sacerdotal. Parece
provavel qu aquelle paiz tinha ebegaao ji a um
oerto es'.ado de civil-saca > e estava bastan'e po-
roado pela t-p cha de 2OJ0 annos antes da era de
Cbristo. Segundo fl-rodot), fii Menso fundador
da monarchia egypcia, a qual uur.u 1663 annos,
.desde a sua origem at i conquista do Esypto por
Oambyses. O dominio daqu'-ll monarchia limi-
tou se primeiro a Theba, cidade fundada pelo
meamo Menee, e aos sena arredores ; mas este mo-
nareba acereseentou considerav Imente o eu ter-
ritorio, constrnindo.diqnes para impeJir que o Nilo
ciotinaassea alagaros feus campos margioaes.
Nos tei renos a->sim conquistado* ao rio, e na ex-
tremidade da d'elta .'este, edificou urna cidade
grande e importante, qne teve o nome de Memphis
Dos seclos que se"s*'guir*in ao leinado de Me-
us apenas ba vestigios muito obscuros na Histo-
ria. Beinarrm durante elles differentes dyn-isHaa
a saais notavel das quaes foi a quarta, de que foi
funiadur Snt-rvn, eque se denominou a dynastia
dik Pbaras Os tres Pbaraa immediatos suc-
C;esores deSuervu foram Cheops, Khnvra e Myce-
JARTE UFFICLU
Gaveras da l'roviucia
EXPEOIEMTC DO DIA 6 DE KOVEMBSC DE 1886
Actos :
O vice-presidente da provincia, em execucio
da le n. 2,3ib, de 10 Set-imbro de 1873, resol ve
nomear para preenubimento das va_;as existentes
no 27' batalbio de mfancaria do aervic > activo e
4- corpo decavallaria da guara nacional da co-
marca do Cab, os seguiotes "ffijues :
27- BATALWO
3' companhia
Alferes, Francisco Campillo Lms.
8' companhia
Capitio, Joio Preaciliano da Casta.
4* COKrO DE CAVALLAEIA
4a comp -nhia
Teen te. L-anidas Francisco Paes Barreto.
Alferes, Luiz de Franca de Hoilanda Chacn.
' ommuuicou-se ao respectivo commandante su-
perior.
O vic-presidente da provincia, em execucio
da lei n. 2.3J5, de 10 de Setembro de 1873, raeoive
nomear Antonio Man-l dos Santos para o posto
de teen te da 6* companhia do 9* batalbio de
n.fantaria do aervico activo da guarda nacional
da comarca do Itecite, que se acha vgo.
Communicoa se ao respectiva commandante su-
perior.
O vice-presidente da 'provincia, attndeodo
ao que requereu o 8 escripturario do Tbesouro
Provincial, bacbarel Antonio Adolpbo Coelho de
Arruda, r- solve prjrogar por tres meses com me
tade do ord-'na lo, na forma do disposto no art
4' da lei n 1810 de 1884, em vig.r pelo art. 3-
da de n. 1,860 de 1885, a liceuca ltimamente
concedida ao peticionario para tratar de sua
saude.
0 viee-presidente da provincia, resolve, de
accordo com a pr iposta cntida no offinic do ins-
pector do Tbesouro, d 5 Jo corrente, n 246, no-
mear |j cida'lio Adol.ibo Targioo Accioly para
exerci-r o i-asgo de cullector das rendas pr.ivn
ciaes do municipio de Oaranbuns, vago por falle-
eimentj do resp-etivo funecionarn Mauoel T res de Oliveira Barros.C mini'uicou-se ao ins-
pector do Thesouro Provincial.
O vice-presidente da provincia, resolve,
vista da pr 'p >sta contida no oflijio do inspec-or
do Tbesouro de 80 de Outubro ultimo, n. 237, no-
mear o uidadio Nicanor Prescilian da Canha
Souto Maior para exrcer o carg I de escrivio da
collectoria pri^iucial do municipio de Bxn Ji.r
dim fiesudosem eff-ito a n meauo de Jos G r-
cinn Beaerra Ctbral por nao ter este aceitado o
-ef. ri'lo cargo.Communicoa se ao inspector do
Tbesouro Provincial.
^ vice-proaideate daprofincia, de confirmi
dade eou a proposta do Dr. chefe de polica ero
oficio o. 1 081, de hontem datada, resolve exonerar
a pedido, o teuente Joio Antonio Cavalcanre de
Albuquerque, d. cargo de 1- supplente do subde-
legado do 1- districto de Iguarass e nomear
paoa snbstituil-o o cidadio Herculano Bandei.a
de Fraga
O vice-presidente da provincia, ue conformi >
dade com a propasta da Dr. chete de polieia, em
oficio d. 1,087 de hoje datado, resolve exonerar, a
pedido, o baeharel joseOsorio deCerqaeira do car-
ga de delegado do 1 districto da capital, e no-
mear para substitu!-o o actual 1' supplente ba-
cbarel Francisco Isidoro Ridrigue Costa.
Outro sim, para o referido cargo ue 1* supplen-
te, que fie* vago, resolve nomear o baeharel Ane-
zo Augusto de Carvalho Serrano.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requereu o alferes commandante da 3* esta-
cao da guarda cvica Joia da Silveira Tav ira, e a
idformaca > da Dr. chefe de polica em oficia n.
1,082 de hontem datado, resolve conceder-Ihe 60
das de lie enea com os vencimentos na forma
da lei.
O vice-preeidente da provincia, resolve exo-
rar, a pedido, o baeharel Fulgencio Infante da
Albuquerque Mello do cargo de delegado do dis-
tricto litterario de 3oa Viagem, e nomear para
substituil-o Libanio Presidio deCarvalho.Com-
municoa-se ao inspector geral da lustruccio Pu
blica.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requeren a professora de 2* entrancia em Ta-
carat Mara Antonia da Costa, cuja cadeira foi
classificada de 1* entrancia en vrtude do regala-
menta de 6 de Fevereiro de 1885, determina que
a peticionaria sem p-ejuzo de sea direito, nos ter-
mos do art. 50 do ctalo regulamxnto, tenb* exer-
cico na cadeira do povoado do Oiho d'Asjua da
Onca at que se Ihe designe outra de 2' entrancia
a que tem direito. Communicou-se ao inspector
geral da Instruccio Publica.
O vice-presidente da provincia, de confor-
midade com a participacio do engenheiro chefe
da Reparticio das Obras Publicas, em oficio de
4 do corrente sob n. 191, resolve impor Compa-
nhia Santa Tberesa as multas de que tratam a
clausula 17* do contracto de 4 de Julbo de 1870 e
art. 18 do reguiam-nto de 12 de Agosto de 1873,
por terem sido encontrados no decuoso do mez de
Outubro na illumioacio publica da cidade de
Olnda 32 lampeoes apagados e 13) de luz amor-
tecida.Remetteu se copia ao inspector do The-
soura Provincial, Cmara Municipal de Olindae
R-'partieSo das Obras Pnblicas.
O vice-presidente da provincia, tendo em
vista a proposta do inspector interino da Alfande-
ga, de que trata a informacio do Inspector interino
da Tbesoararia de Fazenda, de h je datada, sob
n. 784, resolve de conformidade com o disposto no
3 art. 39 da consolidacio das leis das alfande-
gis, nomear o cidado Francisca Jos Guedei de
Lacerda para exeroer o cargo de porteiro da re-
ferida Alfandega.
O vicepresidente da provincia resolve, de
accordo com a proposta do administrador da re-
cebedoria de rendas internas geraes a que se re-
fere a informacio do inspector interino da Tbesoa-
raria de Fazenda, de boje datada, sob n. 787, no-
mear Seratm Vctor de Miranda pira exercer e
lugar de cobrador da mesiaa recebedoria, vago par
ter sido nomeado solicitador dos feitos da fazenda
geral o cidadio Luis Machado Bjtelho, que o
exercia.
Oficios:
Ao coma andante das armas.Deferindo o
requerimecto do soldado do 2" batalbio de infan-
tina Honorato Gaiola de Binda, autor i so V. Exc,
vista da sna informacio n. 541, de hoje datada,
a conceder-lhe baixa do tervico do exercito, me-
diaste substituto.
Ao meamo.Devendo aqu chegar no vapor
Baha, esperado do su I, o Exm. Dr. Pedro Vicente
de Asevedo, presidente nomeado para esta provin-
cia, sirva-se V. Exc. de expedir saas ordens para
que no da 9 do corrente, s 7 h ras da manba, se
acbe postada em frente aa Arsenal de Marinba
um* guarda de honra, afim de fazer a 8 Exc. as
continencias devidas, por occasiio de seu desem-
barque, providenciando ao mesmo tempo para que
a f >rtaleza do Brum d a salva do estylo qaaodo
o referido vapor demandar a barra.
Ao mesmo. Afim de que 7. Exc. providen-
cie convenientemente n* parte que Ihe disser res-
peito, transmiti a copia inclusa do oficio que di-
rigi me hijo o conselbeiio director interino da
Faculdade de Direito do Recife.
Ao Dr. chefe de polica.Transmiti a V.
S., afim de providenciar na parte qne Ihe disser
respeito, a copia inclusa do oficio qns me dirigi o
couselheiro d rector interino da Faculdade de Di
reito do Recite.
Aa inspector da Tbesouraria de Fazenda.
Remetto a V. S., para os fins convelientes, as in-
clusas notas do gas consumido no Arsenal de
Guerra, durante o mez de Outubro findo, na quan-
tidade de 7,200 ps cbicos, e bem assim a intor
magia juiua, por copia, do engeogeiro encarrega-
lo das obras militares, de hontem dataaa, sob n.
67, relativo ao mesmo consumo.
Ao mssmo.Cammunic > a V. S para os de
vidos fins, que de accordo com a propoeta do ad
ministrador da recebedoria de rendas internas ge-
raes, a que se refere a informacio desaa Theaun-
raria, n. 787, nomeei hoje Serafim Vctor de Mi-
randa para exercer o lugar de coorador da mesma
recebedoria, v^go por ter sido nomeado solicitador
dos feitos da fazenda geral o cidadi > Luiz Ma
chado Botelho, que o exercia.
4o mesmo.Nos termos ds sua informaca >
de 25 de Outubro ultimo, n. 756, mande V. S.
abonar, quando forem distribuidos os crditos para
o exercicio de 18*6 a 1887, a quantia de 20UJUU0
a que tem direito o maior do 14 batalbio de m-
fantaria Jos Francisco Ribeiro, promovido a este
posto por decreta de 28 de Agosto do corrente
anno, para a compra da cavalgadura de que trata
a tabella anneaa do decreto n. 2,161,de 1 de Maio
de 1858.
Aa meamo.Communico a V. S., para os de-
vidos fins, que, vista da proposta do inspector
interina da Alfandega, de que trata a inturmaci
deas* Tesouraria d n. 784, resolv hoje, de con-
formidade com o disposto ao j 3" art 39 da eoaso-
lidtcio das leis das alfaudegas, nomear o ciladis
Fran-ia 'o Joa Guedes au Lcerda para exer cer
o cargo de port-ro daqu-lla reparticio.
Ao inspector uterino da AlfandegaExp-ca
V. S. as conveniente* ordens para que pela repar-
ticio a seu cargo se facilite a sabida do vapor na-
e onal Espirito Santo, esperado h.je dos portos do
norte.
A mesmo.Providencie V. 8. para que heje
mesmo sej* visitado o vapor Espirito Santo espe-
rado dos partos do norte as 7 horas da noite e
possa descarregar e carregar.
-- Ao cimmandaute da escola de aprendizes
mariuheiro*.Com a infornacio juma, por copia
do fiCil da Compinhia de Beberibe, de hoje la-
tada, r sp indo ao oficio de Vmc. de 28 de Outubro
tinao, sob u. 213, relativo a talla d'agua as tornei-
ras de que trata o citado oficio.
Porranas :
K- sp nido ao cfficio de 24 de Setembro ultimo,
autorisaudo a cmara municipal de Nazareth a
mandar por uovamentu em praca oa impostos, que
d<-ixaram de ser arrematado* pur falta de licitantes,
servind i de base o termo medio da arrecadacio do
ultimo trimestre.
Qunto ao p-dido antecipadod' augmento do
eredito i algumas verbas do orcamento vigente nio
im possivel purquanto a cmara cuinpre re-
L"ulr as suas desuelas segundo os meios votados
nsl < poder competente, convindo para isao empregar
a m ii severa economa e fiscalisacio afim de
< vitar deseu,uilibrio entre a receita t, despeza.
Approvando a arrematadlo dos impoatos a
2se alinde o oficio de 4 de Outubro findo, declaro
cmara municipal de Bezerros que a despeza
d'eaae municipio est oreada i-m 1:386000 a- gundo
I c insta do art. 9 da lei u. 1882 V- te anuo e que de
10JO0U o imposto a cobrar-se nesse muncipio sobre
fogo de artificio, segundo v se do art. 57 30^da
lei citAda.
Declaro cmara municiptl de 8. Bento que
nao pode ser autorisada a recontruccio do acude
desaa villa porque, alem de de nio haver crdito
suficiente para a despeza, o contracto annexa por
copia ao seu oficio de 20 de Setembro ultimo, foi
celebrado sem concurrencia publica e, con prcte-
ricio de formalidades exigidas pelo art. 47 da lei
do 1." de Outubro de 1828, accrescendo que nio se
cogitou de pena alguma contra as intraccoe* do
contiacto e nem o fisdir, alem do sua resposabili-
dade pessoal, nenbuma obrigagio contrahio para
garantir os interesses da municipalidada por ven-
tura losados.
O Sr. gerente da Campaohia Pernambacana
faga tranpoetar provincia do Rio Grande do
Norte, por son'a co Ministerio da Guerra, no vapor
lpojnca, o zapitao-cammandante da compa-h a de
infantaria saaquella provincia Capitnlino Cezar
Lourciro, SBHrm assim a sua mulher Anna de Oli-
veira Ceijflijureiio e seos falhos Luiz com 15
annoe, NicStiu com 12, Arthur com 7, Anala c m
8, Gr-iciliano com 5 e um criado de nome Ray-
mundo.
O Sr. gerente da Companhia Pcrnambucana
mande trsnspor'ar gratuitamente pro* na pri-
men-a opputfunidade para e Cear a Jos Antonio
de OliveJB'
O 3fbfente da Companhia Pernambacana
provideneivafe modo a sei em transportados gratui-
tamente do ierto de Macei ao de Aracaj o baeha
re Juio Diij V4pTa8-Bons, secretario da presiden-
cia da provnof* lie Alag is e a sua familia.
t\ I tlSSMZ DO SECRETARIO
Ao iospeuor do Arsenal de Marinh.S. Exc.
o Sr. vice presidente da provincia manda commu-
nicar a V. Exc, para seu conhecimento, que no
requerimento dos abaixos asaignados propnetarina
de madeiras do aue trata a saa informacio n. 569
de hoje datada, foi exarado o segainte despacho :
Sim ,
Ao commaudante do Corpo de Polica.De
ordem de S. Exc o Sr. vicepresidente da provincia
communico a V. S. que no seu oficio n. 957, rela-
tivo ao pagamento de ju 'a de custo ao tenente
Joaquina FaJix Bezerra Cavalcanti, que destaca
para o Bonito, foi hoje proferido o despacho se-
guinte : Remettid j ao Sr. inspector do Thesouro
Provincial ptra mandar effectuar o abono soli-
citado.
Aos Srs. agentes do Laadon Brasiliaa Bank
Limited.S. Exc. o Sr. vice-presidente da provin-
cia manda acensar o oficio de VV. SS.acompanbado
do balango das ope-acoes effectuadas durante o mez
de Outubro \iltimo pela respectiva caixa filial nesta
cidade.
DESPACHOS DA I'KESIDEN'CIA DO DIA 17 DE
NOVEJBBO DE 1886
Antonio V.tal Pereira de M-ndonca e Antonio
Joaquim Marques da Silva. Deferido com o of-
ficio ao Sr. brigadero commandan.e das armas.
Antonia Basilia Badaur.Nio ha rag*.
Amalia Prudencia Alvea Lima,Deferid > com
o oficio desta data ao Tbesouro Provincial para
esenpturar o debito.
AbaiM awigaado de moradores da Villa de
Panel'as.Fm vista da informacio nSt>-pode ser
deferida.
Antonio iinje de Almeida.Deferido com o
oficio expedido boje ao Tbesouro Provincial para
esenpturar o debito.
Companhia The Great Western of Brasil Rail
wy CompanyInforme o Sr. inspector do Tbe-
souro Provincial.
Dr. Eatevio Ca val can te de Albuquerque.Em
visu da poitaria de 19 de Outubro de 1874, nada
ba que deferir.
Francisca de Mondonga Pinto. Jante attesta-
do medico. ,
Joio Climaco Pinto More ir a. Deferido com o
oficio desta data ao Thesouro Provincial.
Luiz Joaquim de Freitaa. Ao Sr. Dr. juiz mu-
nicipal de Timbaba para informar.
Lanrentino Vitoloo de Mello. Deferido nos
termos do oficio que nesta data dirijo ao Dr. che-
fe de polica.
Nympba Mus Tarares. Sim, mediante re-
cibo.
Ulysses Floriano do Reg Barreto.Informe o
Sr. director do Arsenal de Guerra.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, em 18 de Novembro 1886.
porteiro,
Francelino Chacn.
-------------*ge3ee*
Repart cao da Polica
SeccSo 2N 1120. Secretaria da Po-
lica de Pernambuco, 18 de Novembro de
1886.- lila, e Exm. Sr.Partecipo a V.
Exc. que hontem foram recolbidos Casa
de Detenc&o os seguintes individuo :
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio
Francisco Cypriano da .Silva, Antonio da Silva
Francisco de ul, Alfredo da Cunha Guimaries,
por disturbios.
A' ordem do do 2- districto do S. Jos, Ilde-
fonso Pereira de Oliveira, por disturbios.
A' ordem do do 1' districto d* Boa-Vista, Ma-
uoel Francisco do Espirito Santo, conhecido por
Cigana, por disturbios ; e Manoel Bento de Me-
deiros, por offensas moral publica.
A' ordem do do 2 districto da Boa Vista, Ma-
rianno de Albuquerque, por embriagues e ofen-
sas i moral publica.
A' ordem do do 1- districto de Atogados, Cae
tao Alvea Feitisa, por disturbios e embriagues;
Mara Francisca da Conceicio e Maria Cleinenti-
da Conceigio, por ffensas 4 moral publica.
Commanicou-me o subielegado da Torre que,
na noite de hontem foram arrancados alguna tri
lbos da estrada de ferro de Caxangi, e da Cem
panhia Ferro Carril, na curva, lagar em que cru-
aam os mismos trilbos na estrada que condux
aquelle pjvoado.
A autoridad* tomou conhecimento da tacto e
procura descubrir os autores de semelhant tacto
Deus guarde a V. Exc.Iilin. e Exm.
Sr. Dr. Pedro Vi-ente de Azevedo, muit.
digno presidente da provincia. O chefe
de polica, Antonio Domingo Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 18 DE NOVKMBBO DE
1886
Joio Gonoalves da Luz, Manoel Joaquim Pe
reir e Costa Lima A C.Deferido, ficando irres-
pousaveia o* supplicantes pelo debito anterior dos
estabelecimeutos u. 40 ra de Podro Affonso,
o. 2 ra do Salto em Gainelleira en. 37 ra
do Ainoriui, visto provarein ai ter succedido aos
meamos estabelecimentoa.
M-n el Mar juos de Amorixt.Informe o Sr.
Dr. administiador do Consulado.
Jos Munz Teizeira Gomes.Deferida, fican-
do approvado o calculo da peugo de inactividade
do qual se faria as notas em folha.
Antonio AquilibO de Campos.Deferido as
termos das iuformagocs.
M rtioiano C, e Jos Francisco dos Pasaos
Guimaiies.ludeterido a vista das nform.gocs.
Coo'as da irmaodade das almas da matriz da
Boa-Vista e do coilectur de Jaboatio.Approva-
das.
Amorim Irmios & C, e Antonio Joio de Am -
nm. DeteriJo, fazendo-se a transferencia da*
apolic's que para tsce fim .erio exhibidas Con-
caioiia.
Uermes de Souza Pereira.Bestitaa-se.
Jos Joaquim de Miranda Alvea. Certifiqe-
se.
Jos da Vera Cruz Campos e Feliciana Eduwi
ges da Costa Gama. Registre-se e fagam-se os
aseen tos.
The Great Western of Brasil Company. In-
forme o Sr. contador.
Padre Wa'frido de Soasa Gurjia e Elnuterio
Roberto Tavares do Espirito Santo. Deferido
tomando-so pir termo a flanea off-recida.
Amalia Prudencia Aires Lima.Escripture-se
a divida.
M. Dornellas Pereira Catanha e Joio Climaco
P. Moreira.Pague-se.
INTERIOR
Kicurso liuperlal
(Jornal do Commercii, da corte)
Rio Claro, 7 de Novembro de 1886.A'a 6
horas da manh de hontem Suas Magestadea fo-
ram a matriz ouvir mssa, a qual foi muito con-
corrida. Depois percorrerara diversas ras da
cidade e dingiram se para a estagio, ande haviam
grande numero de senhoraa e senbores que tinha
ido para despedir-se dos augustos viajantes. As
7 horas parti o trem para Araraquara.
Diese na anterior que a primeira caaa de S.
Carlos fdra construida em Dezembro de 1857 >
para demonstrar que foi realmente nesse anno que
uasceu a povoagio, que hoje ci iade de S. Carlos,
damos em seguida o requerimento pedindo a de-
aignaiv i do lujar para a capella :
lilm. e ttvJm. Sr. Dizem os abaixo assigna-
dos, Jesuino Jos Soares e sua mulher Mara Ger-
trudes de Arruda, moradores na freguezia de Ara-
raquara, que sendo-lbes sammumente difficil a re-
cepgio do Santissimo Sacramento da igr ja, em
razio da distancia em que resid m os supplicautea
da sua matriz, e por isso esejando erigir urna ca-
pella com a invocagio de S. Carlos, atina-de terem
mais perto de suas babitages o Santissimo Sacra-
mento, para cuje fim j fizeram a doagao do pa-
trimonio, coma consta do titulo que junto offerec m
consderagio de V. Exc, e aasim tambem pe-
dem os supplicantes licenga para benzer um cern
terio no lugar da mencionada capella ; pela que
pedem a V. Exc. se digne mandar designar o lu-
gar em qoe deve ser erecta a dita capella; e bem
assim o cern terio, e elles orabunt ad oslernum
O despacho foi P. P. na forma requerida. S.
Paulo, 31 de Janeiro de 1857.Por commissio de
S. Exc. Revdn.Coitinho
No verso est a seguinte provisio : D. An-
tonio Joaquim de Mello, por merc de Deas e da
.-Santa-S Apostlica, hispo de S. Paulo, do con-
seibo de Sua Magestade o Imperador, etc.: Aos
que esta nossa provisio virem, saude e bengao no
Senhor. F-.senos saber que attendendo coi :io que
por sua petigio representaran! Jerony.no Jote S >a-
res e sua malber, miradores na freguesia de Arara-
quara, havemos por bem, pela presente conceder
faculdade para que p >ssa erigir e edificar urna
cap lia com a invocagio de S. Carlos, com tanto
que seja em lugar decente, desviando dos lugares
inmundos e solidos, digo solidos (te) e de casas
particulares, do sendo, porm, em lugar ermo, e
que na dita capella tenha mbito para poderem
andar prociesoes.
T-Ra-4WtiLaaresentada ao muito digno visorio
da vara e registrada no livro !oTlma*-4*tr,.
e na dita capella nio se celebrar sem lice*
Dada na cmara episcopal de S. Paulo sob o sello
de noaaa* armas, ao* 4 de Fevereiro de 1857.
Antonio Augusto de Araujo Mona, escrivio que a
subscrevi.Anacido Jos de Araujo Ctinho-
Sua Magestade deixou 1U0>000 para o gabi-
nete de leitura e OO'OOO para os pobres.
o A viagem deS. Carlos a Araraquara foi feita
sem o menor incidente desagradavel, indo Sua Ma-
gestade Da frente da machina com os Srs. Viscon-
de de Paranagu e do Pinhal.
A's 8 1/2 chegou o trem estacio do Arara-
quara, tendo feito pequea parada as do Vis
conde do Pinhal e da Fortaleza, que estavam en-
feitadas.
Os habitante de Araraquara, como os dos ou-
tros pontos percorridos por Saas Magestade*, re-
ce beram os com as maiores demonstragdes de en
tbasiasmo. Na estacio, que se achava muito en-
feitada, estavam os vereadores e as autoridades,
as colonias portugueza e italiana, os alumnos das
escola* de meninas e meninos e gra -de concurso
de povo.
c Saas Magestsdes seguiram em carro por urna
ex'.ensa ra lindamente ad rnada, para a residen
cia do Dr. Randolfo Margando da Silva, onde Ih^s
prepararan) hospedagem o coronel Jos Pinto Fer-
raz e o mj ar Joaquim Duarte Pinto Feraz, que
offereceram um lauto e protuso almogo, sentndo-
se ao lado de Sua Magestade a Imperatriz o Sr.
coronel Ferras e ao lado de Sua Magestade o Im-
perador a senhora do mesmo coronel.
Depois do almogo Suas Magestades foram a
matriz e d'alli casa da cmara e cadeia onde es-
tavam cinco presos, dus quaes quatro cscravos pro
cessados por homicidio. Na sala da cmara ve- ra-
se era quadroa as paredes os retratos de diversos
filhos da localidade que partram para o Parag iay
como voluntarios da patria. Suas Magestades fo-
ram em seguida ao Club Araraqaarense, que serve
para recreio e instruccio, promovendo para isso
coneertos e baile*, e mautendo um gabinete de lei-
tura coja bibliotbeca tem cerca ds 200 volumes.
O club foi fundado ba dous anuus. Sua Mages-
tade dignou-se assignar o livro dos visitantes.
Ha em Araraquara quatro escolas publicas, duas
de meninas e duas de meninos, e um collegio par-
ticular.
Saa Magestade visitou urna de meninas e ou
tra de meninos e foi em segu la examinar urna
machina de beneficiar caf e arr z,propriedade de
hduardo Kneese- Depois desta visita recolheram-
se SS. Magestades i casa, em que foram hospe-
dado* e na qual eativeram sempre muitas senho-
ra*, fasendo companhia a 8. M. a Imperatriz. A
colonia italiana foi encorporada felicitar Soa* Ma
geuadea e offereceu a 8. M. a Imperatriz um
grande e lindo ramo de fl ir* naturaea.
Para c mmemorar a visita de Saas Magesta-
des pu ilicou 8' o primeiro numero dujorndo
Municipio de Araraquara.
Sua Magestade deu 1004 para compra de
livros para o Gabinete de Litura e loO para
os pobres.
O Sr. Almeid-i, morador do lugar, offereceu a
Sua Magestade, apresentando-lbe um memorial,
urna substancia que diz ser eficaz contra o veue
no da coorai A's onse e meia parti o trem de
Araraquara.
O municipio tem approximadamente 10,000
habitantes e a cid de 2,000 com 200 casas, mai*
ou menos. Entr: as estaces de S. Carlos e do Vis
coude do Piubal, p me antes desta, est o ponto
mal* alto da* estradas de ferro da provincia, a sa
ber: 85 metros cima do nivel do mar.
< Do Municipio de Araraquara colhi os seguio-
tes dadlos S'ibre a fuudaga dea!* localidade :
. Em 1788 o Dr. Frauci-o Jos de Lacerda e
Alenla, astrnomo portugus, navegando pe.lo
rio Tel, Ma viagem de. expioragio, i-h-'^ou ca-
choeira do Baubarioedescortiaou d'alli urna gran-
de coi-dilbeira, que, quando tarde nella bata o
ol, pareca-Ib1* urna grande cidade. luforinaram-
Ihe os caooeima que aqu- lies m >ntee, na lingua
iudinena, enamavam se Aracora, de ara da e
coar toca ou inorada, porque os indios, que habi-
tavaina murgem direita ju Tiet. vendoo sol as-
cer por detras da cordilheira, acreditavam que all
morava o dia.
Estes anotes de Aracoim, que te stendem
pela margen direita dus rius Piracicaba e Tiet,
derara o u >me ao vasto territorio, campreh -adido
entre aque'iies rios, o Mogyguass u o Ru-Gran-
de, at o Paran, territorio conh eido pela deno
minacio geral dosCampos ds Aras ira, onde se
ai-lia-u os municipios do Araquara (ninho de ara
ras), Jabiticabal, S. Carlos do Pinhal, Jah, Bro-
tas e Dous C-irregos.
De todos o mais vasto e antigo q de Ara-
raquara, que mede na sua maior extensio ntais de
80 leguas pela margem direita do Tiet at so
foz no Paran. E' tradigo que nos montes de
Araraquara havia miuas de ouro, tendo-se encaav
trado em alguna lugares os vestigios da minera.-
gio. Alm dos montes, porm, ninguem havia pa
sado, sendo completamente descouhecido o serto
de Aracoar.
Em 1790, Pedro Joa Netto, fgido de Itn,
por motivo de crime, internou-se naa matta*, onda-
est boje S. Carlos do Pinhal, e, depoia de per
correl-aa em varias direcgdca, descobrio os caz*
pjs de Araraquara.
Fugindo empre s ju3tga3 de It, exploren *.
campanba e estabeleceu aa posses de Ouro, Ras
cbo Queimado, Cruzes, Lageado, Cambuhy, Mon-
te-Alegre e Bomfim, a fixou residencia em Monte-
Alegre.
Tendo apparecido jy>?" exploradores, Pedro
Netto reparti com elles os seu8 dominios eom a
condgio de o livrarem das justigaa de It, cedes
a diveraos a mor parte das trras, que possuda ",
ao major Duarte vendeu Monta-Alegre e tez doa-
gao das posses de Ouro, Cruzes e Ranch Q leima-
do, a Jois Manoel do Amaral a do Bomfim; a Do-
mingos Soares de Barros a do LageaJo e a i coro-
nel Joaquim de Maraes Leme a de Cambuhy.
< Os no vea donas requereram cartas de sesma-
rias, e por isao veio de P-rto-Feliz em 812 o jur
das medic.-s, ajudante Jos Joaquim da Racha,
que deu principio div sj das trras.
O capitio Domingos Soares de Barros tiroa
carta de sesmaria de S. Antonio do Lageado eom
duas leguta de testada e duaa.e meia de tanda;
major Duarte tirou a de Monte-Alegre, o pdre
Jos Duarte as de Varzea, Ouro, Cruzes e Ran-
cho Q ueimado, cedendo as primeiras ao capUic
Pinto Arruda ; a padre Fraucisco Duarte tirou a
seamaria de Cambaiuvoca, que tem hoje o nome
de S. Simio e pertence ao Dr. Antonio Joaqnirc
de Carvalho.
maria do Bomfim; D. Francisca Pinto Ferraaess-
1815 tirou a sesmaria do Baguaas, hoje proprie
dade do coronel Jos Pinto Feraz. A sesmaria do
Laranjal foi tiradapor Francisco de Lima em 1819
e a das Almas pelo capitio Antonio Soares- de
Barros. Todas as seamarias foram demarcadas de
1812 a 1819.
Foi na sesmaria do Ouro que teve oriesa
povoagio de Araraquara, que comegoa por un,
capella construida pelos priineiros habitante sob
a invocagio de S. Bento.
O primeiro nella baptisado foi Bento Luis d
Franga, conhecido por Bento Estanislao, e estan-
do verificado que elle tem 66 annos, d'ahi resolta
que a capella ja exista ante* de 1818. Nio se sa-
be quando foi elevada freguezia, mas foi vil!*v
por carta de 16 de Julbo de 1832.
O poaco desenvolvimento qae tem tido em rtr-
lagio a uutros, o municipio do Araraquara expli-
ca se pela sua divisio em vastas sesmariaa ejot?
impediam a entrada de novos habitantes c pe
distancia em que est dos principaes centro d*v
lavoura. _____
O clima excellente e o solo de exhuberante
Jertili iade. No trabalho agrcola, j tem Hnp'e-
g^dTgTanJe1 BMW ni Qultft^^eado tasa"
que b cota elles trabalham.
A linha de S. Carlos a Araraquara
grande extensio pela divisio das aguas de Stogy-
Ouass e Tiet, d.-scendo ora a caboceiras dester
rio ora ao do Mogy. O terreno por va de regrs
arenoso, as encostas porm dos seus afBinSe,
quer de um quer do onrro rio, vm se grandes ea-
leasoes de matta vrgem ou soberbos cafezaas.
N'estes lugares o terreno todo muito frtil e it-
nomnado trra roxa apurada, resultado da decoss-
posgio dos cabeg is de doley tho que con vergirampor
vrtude da eroga > do gres que as cobria nos tempo
remotos. Por felicidade da provincia estes terrenos
tendem a desenvolver-se, isto a. sua superficie
vai todos os das augmentando, par que o gss
que cobre anda urna grande parte d'elle, vai to-
dos os dias desappareceado. Em oatros lagares
j nio a trra resultado da decampasicia djiey>-
tho, onde se distinguen opulentes cafesaes e sim.
no propria terreno Sedimentario, onde predomina
um pouco de argila.
Na provincia d-se a esta trra o nome d tr-
ra vermelha miatuiada, onde nio s se cultiva me
vaotagem o caf, como tambem os cereaes. Esta
especie de terreno predomina entre S. Carlos-do
Pinhal e 8. Joia do Rio Claro, existindo no em-
tanto de permeio gran es zonas de trra roa, apa -
ra ia, quasi todas aproveitadas na plantagi da
caf. Oa campos sio todos arenusos ; a agua d
chuva que infitra-se interiormente e vai Drota
quer direita, qaer 4 esquerda do planallo, au-
mentando ora os afluentes do Mo^y, ora os do
Tiet.
O propro campo pode ser aproveitado sos
muito* lugares, onde existe urna parte de argila.
mas g ramente e se prestam para a cri icio de-
gado, avistando se algumas manadas dos ladea da
estrada. Esta d.spoaicio predomina persistente
at s margens do Paran, segundo informara pes-
soas da localidade.
< O planalto de Botucat fraoteiro nio mais
do que a r-prodoccio do d Araraquara, que aca-
bo de descrever, porm aqai as aguas correm para-
o Paranapanema, rio que Ihe parallelo.
A partir de 30 legua* da teata oriental do*
dous planaltos, o terreno se limentaria v^i deaap-
parecendo e dominando o eraptivo ou a trra rosa
tia afamada; assim que a partir de Jaba, do
um lado, na margem d r ita do Tiet, a Leneaea
na margem esquerda a trra roxa se eocontra qua-
si por toda a parte, j aproveita la com a cultura
do caf Infelizmente a distancia, em que tic
este genero do mercado exportador, diminm o ses
valor econmico, porque os fretea vio augm*n*a-
do sempre diminundo os lucros do lavrador. Mui-
to breve esta difficaidade tem de ser vencida en
consequencia da lucta travada ltimamente entre
aa diversa* linhas, que procurara o norte e noroes-
te da provincia, de um lado a Mogyaoa competa-
do com a Pauli-ta, de outro a lo Rio-Claro eomta
Ituana com a Sorocabana. D'esta lata nase/u oa
tro mtdhoramento a uavegacao do M jy-uas8-
Ti.-t e Piracicaba, que to bons resultado i
produzin io e multo breve ser completo, quando
as compaas dspuzerem de meios sdequados ao
meihoramento dos rios e do systema de trans-
porte.
A's 11 1/2 parti o trem de Araraqu ira e,
tendo parado na estacio do Visconde do Pinhal,
onde f rain servidos cat e doces, e nm piuco ce.
frente da fazenda do B irio de Araraquara, cno-
gou ao Rio-Claro s 2 e 50 da tarde.
A c i.p-i lina d> Rio Claro, pira cimmemorar
a vi ita de Suas Magestades, publican urna des-
cripcao com a sua historia, sua vida industria!,
desde a data de sua funi.gio.
Deste folh-t-i extrabimos os seguintes dados :
o decreto n. 7,838 de 4 de Outubro de 1880, con-
ceden aos engeuheiros Adolpho e Luiz Augusto
Pinto e ao major Benedicto A. da Silva, privile-
gio por 50 anuos para con->truirem urna estrada
da bitala de um antro, a partir do p mto termi-
nal da estrada Puuiis'a, no Rio Claro, t-noinaa-
di 3m S Cirios do Pmhal, pudendo proloug>I-
a Araraquara e construirem rainaes pai Br
tas, Dous Corregot e Jn. Os dous primeiro
ced-ram o privilegio ao Buio di Piubal, h ]< vis
con i qv-, Ci m a empieza Pinhal z C, dea co-
mego obras em Outubr i de 1881. Mus taris,
a empresa fez plena a sociedade an .oyma <,opa-
ahi_ R. Claro, luauguraulo se pro.isonameDte a
linha a'4 S. Carlw do Pinhal, em 2 de Mato do


amo l


Diario de Pernambiie*Scxta-feira 19 df> Novembro de !886
<


|
1883 e oficialmente o trafego definitivo em Oa-
tubro de 1B84.
A eumpanhia coinecou a cnnstruccSo do pro-
longaui' nto de S. Carlos a Arnquara em Feveiei-
ro le 1884 e inugumu-o em fin de 1885.
Em Julho de 1884 iniciar,m-se o* trabalhos
do ramal de Jab, partir da estacao do Vizcon-
de do Rio-Claro, inaugurando-se o trafego provi-
terio i ntre esta estacSo e Brotaa em Julho de
1885. Em 30 de Jullio comecaraui os trabalhos
de Brotas em diante, inaugurando-leem 7 de 8e-
tembro o trafego provisorio t Dous Corregos.
Estao em andamento o; trabalhos entre os Duus
Corregoe e Jab.
A estrada tem 21 cstacoea, Bendo 11 na linha
do tronco. A liaba #o tronco, entre o Rio-Claro o
Araraquara. mede 127 kiLinetros, sendo 77,124
at 8. Carlos e -40,974 entre este ponto e Arara-
MH.
. O ramal at Jab ser 137k,392, sendo por-
tento de 274k,490 o total da exteaso das linhw
da estrada Rio-Claro.
Ha no servico do trafego 10 machinas, 2 car-
ros de pnssageirus de Ia classe, 4 de 2a, 2 mixtos,
2 de bagagim, 17 gndolas, 70 vagoes ceberto3 e
2 gaiolas para animaes.
O canil al da companhia de cinco mil con -
tos, dividido em 25,000 accoes do valor neminal
de 200J0, estando realizados integralmente as
entradas de 21 mil. A companbia nada devo. Nos
qnatroltimos semestres, a cintar_ de Julho de
1884, distribuirn--se os seguintes dividendos : 1
10*000 por accSo, 2 9*000, 3-8000 e 4 7*400.
A companhia nao tem garanta de juros nem
subvenelu do governo geral on provincial.
A directora compoa-se dos tire. Visconde do
Pinhal, Dr. Francisco Ernesto Malheiros e Joa-
quim de S uta Pinheiro Pilho.
O Sr. Visconde do Pinb.il e todo o pessoal
technico acompanharam Suas Magestades na via-
gem por toda esta estrada.
A estacao do Rio Claro estas a muito hem en-
eitada, e nllla esperavam Suas MagesUes, os
vereadore, autoridades, alumnos dos collegios,
colonias talians e portugi.eza, o grande Btuwco
de senhoias e sniores, que acclamaram Suas
Magestades quando desembarcaran!, tocando dnas
bandas de msica o hymno nacional.
Suas Magestades toram em carr J para a eida-
de atravessando pela aveuida n. I, muito bem
.adornada e onde se viam varios arcos de folhas
artsticamente feitos.
A casa do presidente da Cmara, Dr. Squci-
Campos, foi a destinada para Suas Magesta-
des, s-ndo a hosprdagem oliereeida pelos Srs.
Viseonde de Pinhal, Dr. Antonio Au^Ucto da Fon-
ieca, oommendador Francisco de Assis Negreiros
e Jos Perras Sampaio.
. Tendo deixado em casa Sua Mugestade a Im-
peratriz. eaho o imptrador acompanbado dos Srs.
Viseondes de Parauagn e Pinhal, Barao da Par-
nahyba, Dr. Antonio Augusto da Foneeca, e An-
gelo Ramo*, juii de direito e Siqueira Campos, e
visitou o i aificio da Cmara e da cade.a, urna es-
cola de meninos e outra de meninas, indo depois
a caixa d'a^na, que obra municipal, e cujo en-
eanamento e acreuorios custaram 6U:0*000. A
caixa conserva 2,WC0 litros d'agua, que distri-
buida a raaao de 2*000 por 20.0 litros para casas
Ktcularea, pagaodo-se maii IfOM porcada 100
os de excesso. Ha 50 pa uas pira casas par-
ticulares a 22 torueiras as praeas o roas.
De; is do lame da caixa d'agna Sua ala-
gastado f i examinar as oito bjmbis hyJraulicas,
que tazem ir a agua caixa.
< Voltanda para casa, fci servido uji lauto j in-
taa.
A sala apresentava o mas bello aspecto por
attar (Iluminada por lu elctrica.
Fiado o jantar foi Sua Magestade o Irpera-
dor visitar o Gabinete de Lcitura Rio Clrense,
fundado ha 10 snnos, que tem urna bibliotheea
eom perto de 3,000 voluntes, e sustenta urna esco-
la nocturna, de que prolessor D. Caio da Fonsc
ea. que tem no lugar um col'.egio particular. A
matricula de 90, mas a frequencia de SO a 40
Sua Magostado dirigi perguntas a alguna meni-
nos, em portuguez e coi syatema me'rico. Neeta
risita foi Sua Magestade aeompanbado peta pre-
sidente do Gabinete o Dr. Manad Goncalves
Theodoro.
Trata-se de construir um edificio para o club
evitando assim as mudancas, a que tem sido obri
gado, e o eeu actual presideute, que j tem algosa
dinh. iro para este fim, espera mediante urna refor-
ma dos estatutos, conseguir a summa necessa-
xia.
Logo que as circumstancias o i rmittirem
all se estabelcccr nm curso de instrnecao secun-
daria.
| I Sua Mages/a/j dignou-sc de assignar o hvro
>os visitajrteg:"
>v5 gabinete, foi Sai Mageetado para casa, e,
jafaindo com Sua Magestade a Imperatriz, foram
a casa, onde est a machina da luz ltctriea, e
ande grande numero de seuhoraa e seuhores espe-
raram Sua- Magestade?.
A iilumicaoio era tata pela Caaura, a qual,
sor falta de recursos, cedeu esse servico a urna
companhia ha poneos meses o-ganisada, e da qual
i director o Dr. Januano de Bario*, s-sudo enear-
regado do servico da machina o engenheiro Aarao
Avila. Ha na cidade 10 lampadas, que vio ter
substituidas, elevando se o seu noroero a 16 : ero
a fobstituieao muio melhorard o servia i, porque,
em vez de um terio as iampadis doiis pires de
earve8, dosapparecendo, o inconveniente, qu-iage
ra se da com um, por ser oreciso subir ao poste
para preparal-os.
Sua Magestade extminou minuciosamente a
iaaeh>na e bem ass m urna 'ampada das que dc-
vem subst iur as actuaes.
Dalli voltaram Suas Magestades par* casa,
ende reob-ram os cuinor'.m-ntna de muitae p*s
anas do lugar e sud..coe8 da eolouia iuliaua, que
por meio de uica commis- entreg--u a Sua Ma
ceata-le a Imutratnz um lindo ramo de ftares.
Na praca da matriz, bt-m illutninad i e na
quil est a residencia imp rial, tocaram n'.ite,
em dous coretoa, duas bandas dj msica, couser
vando-se ato s 10 horas grande cuneurso de povo
em trente da casa.
Hoje, cedo, visitau Sua Magestade o tneutro,
o matadouro, a Santa Casa e as oficina da es
trada de ferro do Rio Claro.
Ainanha Jarei conta minuciosa do que occor-
ier- .
. __ Na mtcia que del de Iiu, esquici-me re-
ferir que o vigurio Miguel Pacheco apresentou no
aeto da partida a Sua Magestade o Imperado., um
crnxifixo de prata e uin t cruz de cedro, trzalo
de urna aldeia de j suit^s na margem de Iguate
my. Os paulittas all chegaram em suas excur-
dfca. intimaran) os j^sui'.as a retirarem-sc dalli ou
reconheci rem esse lugar como pertencente co-
r* de P..riegal, o quando tspcravam a respost
intimacao, touberam que se hsviam retirado os
jesutas o os teus cathecumeuo Eu rarain en
ti i.a aldvin. e tiraram o cruxifixo e dous sinos,
ue tiouxeram para Itu'. Provavelmente o facto
deu-se i>a mesma occasio em que os j-suitas fo-
ram r< peludos de Villa Rica pelos paulistas, pois
o rio lguatea y ponco dista da Cacnoeira de Sete
Quejas', prxima d.quella povono. O facto do
erucifixo occoneu ha m .ia de 1(X) i.ncos.
1-ndo o vigario cfterecido a Sua Magestade
crucifico paia que o mandasse guardar em qual
quer estateleciinento da corte, cimo reliquia his-
trica, Sua Magistade declarou que nao pjiia ei-
tar raeihor guardado do que pelo vicario Miguel
hcheco. Este sacerdote, de procedimento exem-
plar e muito caritative, nada quer para i. In-
farmarnm-mc que despende coinsigo aoeuas 12
mensaes, tudo o mxi* d de esujolas. Ha em I'u'
tm orgao que eustuu quautia avultada e toi offe-
reeido pelo vigario Pachi co. Nao dispensa henea-
ses, seja de quem for, porque da que Uso lhe nao
pertence; obriga ao p-gan.ento que nm dever,
mas multas vezes iccebe de um pobre duas pata
cas pjr um baptiado e d lhe di esmola 2*000 a
aaia. A duan patacas uo lhe pertcncem, mas
ea 2 eio seus e p<5i<< dal os.
Anda sobr Itu': a interessantiseima meni
aa que no eollegi > Patr> cinio npresenton to bem
a provincia de s. Paulo, no dialogo de que d. i no-
ticia filha do Dr. Tbeophilo Brags, da cidade
de Lonna.
Foi nomeado promotor publico da comarca do
Brejo, o bacbarel Trujano Alipio de Carvalho Men-
donca Janior,
Instrncro publicaPor acto da presi-
dencia da provincia de 8 do corrente:
Foi nomeada professora publica effectiva da ea-
deira do sexo femenino de Tacara'., Feliciana
Eduviges da Costa Gama.
Foi permittido que penrutassem as respectivas
cadeiras Francisco Lucio de Castro e Antonio Mar-
tins de Olivcira Ma Cruz de SiWos Novos e aquella do Brejo dos Pa-
daes.
Foi transferido de Quixaba da comarea de Fie-
reata pava o povoado Caruahyba em Flores a ca-
deira do instriiecao primaria regida pelo protes-
resui-
de
sor Jos de Vera Crux Campos.
E\ane. prepjvrtirl**Eis o
tado dos exames de portugus do da 17 :
Miguel Felippe Vie:rt de Birros, plenamente.
Joaquin Geraldo de Bastos, idam.
Joio Jancio da Costa Prazeres, approvaio.
Delvino Jos de Sant'Anna, i lem.
Joao Baptista Rodrigues, dem.
Jo; Carniiro do Si Birreto, dem.
Joaquim Francisco do Amaral e Mallo, i len.
Gabriel Cursino Ferrera Lima, plenamente.
Henrique Oliveira Cavaquiaho, dem.
Jaeintno Buarque de H)llanda Cavalcsnte, idem.
Manoel da Paixio Vieir-, dem.
Nelson Vieira de Amorim, approvaio.
Gustavo Marqu 's de Amorim, dem.
Henrique Sergio de Paras, idem.
JoSo Carlos Pinta, idem.
Joao Evangelista de iMbcjusrquo MaranhJo, idem.
Joio \lves Lessa, idem.
Jola Evangelista de Sjusi Viano^i, idara.
Francisco da Rocha Pontual Filho, dem.
Irina Pedro Casciio, idem.
J ao de Barros Corris de Arnujo, dem.
Henrique Cavalcinte Lins, ilem.
Joaqnim Pnto de Preita?, id-im.
Joaquira Th.olro F.'rreira Costa, dem.
Eis o results 1) dos eximes le historia,
hontem :
AatoutaFrauk'ia Freir G;imeiro, approvado.
Joaquim Ignacio Ribciro, dem.
Frau^iseo Paes Batreto Lun;chi L;.QS,.Jetn.
Joaquim de S.ozi Leo, idem.
Levantaram-se depois d panto 10.
Nao comparaceram os reatantes,
llavera novamente dest* matoria. quando for
annunciado.
Eis o rciultado dos exames de inglez, de
hontem :
Alberto Castello Brauco, approvado.
Alcxtndre Felicio de Le-nos, idem.
Ado'pho de Almeida Guimarles, pen'.rabote.
Alfonso de 15 HTM Cava'.cante de Albuquorquc,
approvado.
Alfredo Vas de Oliveira Lima, plenamente.
Ar'hur Henrique da Silva, pprovtdo.
Arthur CoelhoLemos de Oiveira, plenamente.
Arthur LobodaSilvi, distncclo.
Asenub da Alcantar* dos GumarSes Peixoto,
pl mente.
Ni) foi admittido a prava oral 1.
lt.'provad;s 2.
Hoje havera, s 2 noraa di tarda, pro va oral
de latim, e ontnuiraa aa chamidas para partu
cuez 2 horas e para laglex o arithmetica 1
ora da tarde.
Feim nlo traic-No dial! do corrente,
na travessa das Mt?as, do 2." districto policial de
Ueberibe, Mano 1 Antonio da Silva ferio com urna
MCadi no pescoco Maria Faustina da Concei-
cio, com quem vivia amatiado, senda a origem do
cride urna briga que cem ella tivera, por nao tel-o
esperado paia jantar.
O delinqoente foi presa em flagrante.
Nnbeiro,,0 paquete Para trouxe do sul
para
Diversos 17:000*000
__ O vapor Mrquez de Caxias trouxe do sul
Pa" : Diversos 230*000
Paquete francex Oreaoqae Segundo
t legrainma, hontem recebi lo pelo Sr. Augusto La-
blle, agente da Companhia Messageres Mariti-
mi'i, o paquete Orenoque seguir directa nente da
Ilha Grande para Dakar. .
l'ciimi'iiio ieeAntehontem cerca de u
horas da UrJ n'uma tav.una da ra do Bom-
Gosto, no pivoado da Torre, travaram disDUta
Jos Tenorio da S..uza Cirvaiho e o menor Val-
devino Manoel do Nascimonto, sendo este fendo
por aquell", que lhe jogou urna garrafa juuSf.
O ferimenAo,fiTonSir"aa3 leve pelos mdicos
.que O vsitaram-
criminoso evadio-se.
A autoridade competente abri inquerito.
Tribunal do Jury d BeclfeAnda
hontem uio compareceram juiaes de facto em nu-
mero legal,
Fram multados em 20* os que faltaran), e
sorteados mas os seguintes :
Freguetia do Recife
Jas Antonio de Couto Vianna.
Freguezia de Santo Antonio
Igoaco Jos Alves de Souza.
Francisco Joaquim Antunes.
Dr. Manoel Gomes de rcelo Ferrio.
Miguel dos Santos Costa Jnnior.
Dr. Francisco Amynthas de Carvalho Monra.
Dr. Virgilio Tavares de Oliveira.
Freguesa de S. Jos
Mano 1 Jo de Asevedo Santos.
Landelino de Lua Freir.
regitezia da Boa-Viita
Dr. \dolpho A'ves Simoes Barbosa.
Jos Luis Salgado Accioly.
Frankliu Jo de Andrade Poggy.
Joaquim Teixeira eix ito.
Freguezia da Graga
Camillo BaptlsU d- Madeiros,
Freguezia do Poco
Manoel Airee Vill.la.
J-8 Ces*ri> de Mello Jnior.
Cb do Caritiaa Obscrvacocs thermo-
mtricas :
15 de NovembroSul
Therm cent. Direceao do vento
Joio Francisco da Crux com Anna Phl
phia Gome da Silva.
Joio Martn da Silva Jnior com Mara Men-
des de Oliveira.
Joaquim Francisco Leite com Rosa de Souza
Soares.
Bartholomeu da Silva Ancantara com Antonia
Amelia Cesar Lima.
Antonio Luis da Silva eom Anna Flora Tei-
xaira.
EmolO Sr. Benedicto Marques Vieira,
escreveu-nosde Nosna Senhora do O' de Goy n-
na, reine'ten :o n. s 10* para as casas do cari-
dad do padre Ibiapin) das quaus eamoler o ir-
^io'lijaacio.
Essa quantia, diz o Sr. Vieira, que o proluc-
to d ia esmolas dos profeasur.a de um o outro aexo
da li a (Ws aeepeutivos .liunnoa.
ilnduMra. JpoueiH. Por convite que
no* dsrigio o Sr. I. Beudtr, recem-vindo da Eoro-
5a, de-onde trouxe- urna bonita allooaSe de pro-
uctos e artefactos da industria japoueza, fon.os
examinar* essa colleccio, e ficam-s maravlnados
anta alguos dos artefactos, que rc.velam o grande
adiautamonto d iquilla parte da Asi-.i Jupio
na3 art's manufuctureiras, qu i nadn cedem em
elegancia e bom gosto s europeas m lis desenvul-
v las.
Na brilhante colleccio do Sr. Bender, que a tem
expasta no 1" andar d) predio n. 67 da ra do
Bario da Victoria, figuram teeidoa primorosos,
objectos de marfim, da nasa, de madeira, de cha-
rao o outros, de fiuissiinos lavares, de ballissimas
corea, de tio paciente trabalho, que chega
causar o desespero da muit >s artistas.
Tamb.-m all G ias de ouro e prata, tra-
balhadaa cam o molhir g ato e groada sentimento
artstico, leques, vaaoa, movis, estatuetas de mar-
fim e o:u inait ia para casia, de bronze cloaca,
omliin umi grande vari'dade da artefactos, todos
aprnn. radua, todos credores do apreco, e, O que
mais como jamis toi vi to neata cidade.
Val- a pan i ir visitar eaM eipoaicao, o quem
pu ler e quizer p^ssuir um d .quelles mimo3 artis-
ticos, nio deve perder tSa bia oppartunidade.
Sr. Beuer est aqu de passagem, poia se-
guir em breva para o sul.
Club CommerclM Acadmico. A-
manhi inaugura-ao esta club, no o-a 22 de No-
vembro n. 20.
Saudades de miaba Ierra.E' o ti-
tulo de una valaa par i piano, cimpjsta peta Sr.
Manoel Tirgiao Leipddia) dos Santos, c impres-
si p-la casa Vctor Pralle, successar, onde se
encontra venda.
Fr- queut- menta vn se j iveni de ambas oa so-
xoa morosos, sem energa man goato para causa
argoma, envolvidos co um profundo aborrecim1 li-
to e abatm. nto desconso'ador, quando a alegra e
o aorriae d>viaaa iluminar a sua phyaionomia.
Bate lastimoso estado, que a anemia, deve se
exclusivamente pr -dominancia do syatema ner-
voso, ao qual o sangue empob.-ecido nio pode
resistir, prodosiodo a debilid>de, a comumpcia.
A pruneira" cousa que so deve f-ser enriquecer
o sangue, recorrendo-se ao Ferro de Lera
a iluvcl e assimilavel, que representa a oompasicao
lo glbulo sanguneo, ao mcamo tempa que um
bain regim. n obtein se a saude, regulara .udo to-
das as funecoes do organismo.
lueimaduraCan nito sao pouco fre-
cuentes oa Coso de queimadura que esia) appa-
recendo nesta Cidade, sobr-tu lo t-.pia que o pe-
treleo se tornou d'um grande pxlcr Iluminante <
passou, em eonaequencia de su* barat> z i. a ser
geralmente usado em qu asi to laa as casas, ere oos
nao ser coua desaproveitavel fas-r a proposito
lembrar as procaucoea qu deve tomar a p ;sso i a
quem as roupia so iiitl uuinar ai pr-las i-h immas
afim de que o damno nai teja matar, ussim como
a indicavao doa remedios que devo emprgai para
a sua cura.
En're oa muitos acci lentes e inciden'.s que pJ
encontrar o pobre filho Je Prometheu, atravea
Ihrcis
6
9
12
3
6
9
6
9
12
8
6
23.5
27<>,5
30
3(.o,5
27,5
26
Dia 1(1-Sol
4,5
27,2
:M
3l,4
27,6
Dia 17Sol
22,7
27 6
81
29. 5
27
25,5
entro nuvens
ESE
E
E
E
E
E
i
E
E
E
E
E
entre nuvens
6
9
12
8
6
9
Directora da* otara de conserta-
cao *do corloUMetim mi-teorologiea d
di 117 de Novembro de 1886 :
Nulla
ENE
EME
ENE
ENE
E
v .
S'3 3
Hoias t
J*
H
6 ni 25-G
9 273
12 28-9
3 t. 272
A 26 4
Barmetro a
0
76">27
76I-2J
76U"i6S
759-77
760-M
Tensa o
do vapor
17.85
17 31
18.15
18.27
lt.8
a
a
a
S
3
a
70
65
62
68
li
tttVST DIARIA
i*romoto*-e publica* Por actos da
prrfliaeucia da provincia de 8 do corrente :
Foi ex. neradd do cargo dp promotor publico da
eomar a de Cabrob, o bachure I, Lydio Aler no
Bandeira de Mell", vista t. r sido nomeado jma
iai.icipi.1 do teroao de Jnnnaria
Foi removido da comarca de Boa-Vista para a de
Cabrob, < promotor publico hachare! Helvecio de
Oarvlu.1 G. mes Guirnaries.
Foi exonerado pedido do cargo da promotor
publico da comarca do Brejo, o baoHarel Joio
Buarque de L ma.
T. inpi-raTiirn m Xima -30.
Dita miiiitna255.
Evaooracaoem 24 horas : to sol bra 5'3.
Chova0,1"!.
Direoca i do vento : E e ESE de meia note at 2
horas e i0 minutos da manhl alternativamente
(eom int. rrupeio de 10 minute SE); E at 1 h ra
e 16 nintos da tarde; calma at 11 horas e 24
miautos da noite; E at meia note.
Velocidade media do vento 1,'16 poreeguudo.
N> bulosidade media : entre 0.6 e 0,7.
Paquete La Piala legenda telegram-
ma pelos >rs. Adau.sou wie C, agentes dos
paquet- s da R-l Malla Inglesa, aabe-ae que o
La Plata, que devia tocar en Pernamouco 29
do eorren'e, vai em dircifnra do Rio para a Eu-
ropa.
Diccionario de/ Educacao e emslmo
__Ueste diccionario chegou a cadernela r 38
para a Livratia Franceza, na ra 1? e Marco.
Proclama de casamentaForam li-
ds na inaliis do. Boa-Vista, no dia 14 do cor-
rente :
Jouquim Macario de Araujo Pinheiro com Anna
El y da Costa Aaevedo.
s.ul) este valle de lagriaaa, ni turo o de
queimar-se.
Tambem sem merecer o inf rno e tambem antes
de para l ir, um* encarla pio derramar o seu
eontelo sob.-e as mi>s, se por al^um tempo 6e
conversar com alguma c sioheira ; asaim como na3
altisiimas espheras d .a inais altas gerarehias so
ciaes, fechando com muita preasa urna curta que
dev i levar nua sua3 visceras a subalterna deati-
cnicSo da um (.le-sa deixar cahir o lacre inflam-
mado sobre os dedos. _-------
.^ F-ssendo" "ciie"u ^Oecdo o leito a um deen-
te, com o fagareiro, com urna cateteira, com a vela
acceaa, com a locomotiva, com a cbammi da cha-
mie e com a da officioa ; de m ,modos diversos
pic-se desorganiaar urna parte da preciosa super-
ficie, do veruiz, que se chama a paillf.
Os medios que perteocendo aos nomina de
sciencia, sentem como todos os seus collegas a ne-
ceasidade de dividir a distinguir, recordando tal
vez o Divide et impera, e a disinguo, quidi pens
d'um gr-.nde philosopho diviuirain aa queimaduras
em tres grana divenos.
As queimaduras de primiiro gr-J, qne s apre-
s.aitaui urna vermelhi-io viva da pello.
As queimaduras de tegundo grao quando a epi -
darme se levanta em frina da vesculas.
As queimaduras de lerceiro grao quando lodos
os tecidos protundoa da pelle e tambem os sobp >s-
tos a ella leea-item-se da influencia da queima-
dura, se ii.dimmam e morn m ; de maneira que a
cura da parte .'Hendida e veja com a aeparacio
que ea- i gasta ou ir.orto a'aquillo que anda
ie viver. Estas queimaduras dcixam depais
cicatrzea mas ou menos disformes.
(jauto aos symptcmas que aeompanbam, as
queimaduras variam muito, uio s segundo o seu
grao, mas confirme a parte tesada, c mais ainda
secundo a extensi > da ciui ima ura.
Quau'lo ama grande superficie da corpo csti
queimada, por cx-uiplo com a agua fervenio, sem
que olguma viscera eateja directamente compro-
mettlda e s in que tamb.-m etr apoarencia muito
can-ja mudaaa organisacio da p-le, todo o sys-
teiua nervoso recebe tal abaio pela vasta irritacio
doa ervos cutaueos, que a vida liea empromet tila
e o quei nado em poucas horas despedeae oara o
outro munlo, ataca lo de tebre tiaumatica e de-
trio.
A's vezes por outro lado no casos ligiro3 do
qaeimaduraa de pouca extensaa a r symptama
pr.ncipal e o maia importante. Nos casaa de me-
dioce grvida ie podo ha Ver febre.
E agora tr.iti raos dos remedios.
Nao se deve fugir da urna pessoa cuja roupa
pegou fouo. Duve-se tratar do impedir que ella
foja para oo fiear de veras queimada.
E' lusiiuctivo, mas fatal o deitar-se a correr
novada se mil mmam aa roupaa, e intia de um que
palera ter-se salvado, fugindo com a roupa em
ctnimmaa no oerpo, t m duplicado o figo u ficado
logo inor.o p r piopria culpa.
Atire-sa no corpo do hainem ou da mulh-r (de
ordinario sao as muitv rea que inais se qu"imau.
pelo seu mo.lo eppeui^l e ber .. t.aado de seus ves-
inais ligairos), com o que se bouver mi',
um pete, um capot--, um lncol. Pode se
tambuiu rolar a victima no cha- ou entre as tr-
ras O qaa convm que se oufoj,ae a chamina.
Apgado u fago, oe*pe so 1 g.' o quenna i '.
a i piando a teaoura mas do que as mi ; o Be
:J.. um i "laca de v.-stido ou da camisa adherir
pe e, eumpre d. ixal-o no lugar/ de preferencia a.
nanea! o.
Qaaudo a queimadura nio levanta cmpolas,
deve-se inmergir logo a parte qu. inida u'ngua
fra, a qual ple-sa juntar u ia coiter grande de
vinagre ou d'agua vegeto-nnueral.
i lindo n o s pu I- r fazer tomar um banhu ao
orgia p parto que.m di, deve-te ipplicar ah
pannos en&jad ia u'aqu- He meamos lquidos.
He fallar agua, j,de-ae applicar papas de gi
riu., ou de batatas, clara de ovo, ou de gomma.
Oa banhos fros deveui ser continuado* por inul-
tas horas, depois do que pd' -ctmppliear panues
com i.gua avinagrada, ou cataplasmas de batata
como j tica declarado.
So a parte queimada produxir vesculas ou em-
palas, como succede no segundo gnio, euda-se esaos
reaiotu com urna agulba, m punta do teaoura,
de moda que a epidtrme nio fique levantada e
nem rasgada afim de evitur-se o apparecimento de
ulceras e graudes sippuracoea, porque entio.o
curativo seria prolongado, e a vida do individuo
poderia correr perigo.
A ji Ih r mediCMyao para este caso o lini-
mento olea calcreo, que se applica por meio de
un a rama de penna sobre as teridas, cobriulo-as
depeis com pastas do algodo.
Logo que com. car a suppuraco, nao convm
mudar o methodo de medicamento. Continese a
usar do linemento oleo calcreo, e nos cas- a raai
ligeiroa contenta-se com cubrr a parte olfendiJa
com o p de amido, at que se consiga a perfeita
cura.
LeilAe.Eftcctuar-sc-njo;
Hoje :
Pelo agente Buiiamaqui, s 41 horas, na ra do
Imperador n. 30, de movis e objectos de prata.
Pelo agente Pinto, s 10 hora, na ra do Ba-
lo da Victoria n. 42, de fazendas. miudeza", per -
fumarias e ontras mercadoriaa, bem cama a arma-
cao do'etabelecimcnto ahi sito.
Amanhi :
Pelo agente GutmSo, s 11 horas, na ru ^
Coronel Suassuna n. 220, do estabeleeimento'a'
ito.
Pelo agente Brito, a 11 horas, na ra de Pe-
dro Alfonso n. 43, de um sobrado na mesma ra.
Seguoda-feira :
Pelo oyente Martins, s 11 horas, na ra do
Imperador n. 16, de predios.
Pelo agente Brito, s 10 1/2 horas, na ra de
Pdro Affouso n. 43, de movis e espelbvs.
Masa fnebres. Serio celebradas:
Hoje :
A'a 8 horas, no convento do Carmo, par alma de
Joio Jos Mendes Bastos ; As .7 lloras, na Sole-
!ade, por alma de D. Juveutina Amelia Vieira
1' rres.
Amanhi:
A's 6 1/2 horas, na ig^ja do Carmo, por alma
de D. Maria Joaquina da Conceicio.
Segundi-feira :
A's 7 horas, na igreja da Madre de DeU3, pela
alma de Americo Vespucio de Freit .3 ; s 7 ho-
ras, na matriz de Santa Antonio, pela de Manoel
de Araujo Guimi.rie.
Operacdc clrurnicoaForam pratica-
das no hospital Pedro II, no dia 18 da corrente, as
seguintes :
Pelo Dr. Pontual :
Posthotoma a bistur indicada por phimasis e
cancros.
iaspagcm o cautcrs.cio de gaoglioa ingunaes
ulcerados.
Pelo Dr. Berardo:
Amputacio de catapbybma traumtico da con-
juntiva.
Lotera da provinciaQuieta feira, 25
do Novembro, ao meio dia, so extrahir a 11* parte
da 1." lotera em beneficio da Santa Casa de
Misericordia do Recife, pelo novo plano appro-
vado.
No consistorio da igreja de Ncssa Senhora do
(Jouccicao dos Militares ser teita a extraccio
pelo systema da machina Ficbet.
Grande lotera da provincia A lo-
tera em beneficio dos ingeuuos Ja Colonia Isabel,
cuj i premio grunde 240:000000, ser exirahi-
da no dia 24 de Novembro.
Os bilhetes acham-se venda na Roda da For-
luua ra Larga do Rosario n. 3l>.
boteraA 11a purte da 1 lotera da provio
;a, em beneficio da Santa Casu do .Misericordia
Jo Recife, pelo novo plano, cujo premio grande e
l'K):0vX) te, priucir ando-a extrcelo ao maio dia.
Oa bilhetes garautidos acham-se A venda na
J.i-. i da Fortuna, ra Priinei.'o de Marco nume-
ro 23.
Tambem acbam-so venda na Casa Fei;s,
praca da Independencia us 37 e 39.
botera Kxtraordluria do Vptrau
a O 4." e ultimo sorteio das 4. e 5." Masca
lesta importante lotera, cuja maior premio d
t5"):O00Jl(X)O, ser eitiahida no da 20 de Novem-
bro.
Aefa vm se expaatos venda os reatos do ti-
tea na Casa da Fortuna ra Primciro de Warp
a 23.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
dendeucia ns. 37 e 39.
botera uo BloA 1 parte da lotera
366, da novo plauo. do premio de. IOOiOuJOOO,
sera extrahida uo dia .. da Novembro.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For
tuna na Primero de Marco.
Tambera aeham se venda oa praca da nat-
aen lencia us. 37 e 39.
LiOterla da norteA 2* parte da 2 roria da corte, cujo premio grande de 100:000*
lera extrahida amanlia 20 de Novembro.
Oa bilhetes ach .m-se venda na Casa da For-
tuaa ra Prirneiro de Marco n. 23.
Tambem aciam-se venda na praci da Inde-
pendencia n3. 37 e 39.
Maiadouro PntllcoForam abatidas ne
Itatanowra da Cabanga 55 rezes para o consumo
lo dia 18 de Novembro.
Sendo: 45 rezes pertencentsa Oliveira Castr\
4 C, e 10 a diverso.
Mercado Sluniclpal de S. loi-l.
moviinento deste Mercado no dia 18 docoi rent
toi o se quinte :
Entraram :
33 b ns pesando 5,197 kilos.
576 kilos de peixe a 20 ris
85 cargas de fariuba a 20O ris
56 ditas de fructaa diversas a 300
5 taboleiros a 200 ris
14 Sumos a 200 ria
Poram occuaadoa :
251/2 columaa a 600 ria
5 compartimentos de farnha a
500 r.a.
22 ditoa de comida a 500 r8
67. ditos de legumcs a 400 ris
16 ditos de suino a 700 ris
11 ditos de tre3Buras a 600 ria
10 taihos a 24
2 ditoa a 1J
A Oliveira Castra & C.:
51 tainos a 1J ria
2 tainos a 500 ris
Ocve ter aido arrecadada neste dia
a quantia de
Hcndimento dos dias 1 a 17 do No-
vembro
-ment, o primeiro da provincia n'oste ge-
nero, compra-se 6 venda-se madeiras de
todas as qualidades, serra-se madeiras de
conta alheh, assim como se preparara obraf
de carapira por machina e por precos cerr
0OPlta0M,
Oroeorla
Faria Sobrinho & C-, droguistas por at-
acado, ra do Mrquez de Olinda n. 41
1U520
17#0U0
168X)
1*01-0
2*8U0
15*300
12*500
11*000
2649 o
11*20
6*600
20*000
2*000
51*000
1*000
209*520
3:413*700
3:623*220
Foi arrecadado liquido at hoje
Preeoa do dia :
Carue verde di 320 a 480 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ria idem.
S nnai de 560 a 600 ris idem.
('arlaba de 20) a 320 ris a cuia.
Milho de 240 a 320 res idem.
Feijao de 540 a 640 idem.
Cern te= io PuBllco Obituario do da 1<
do corrente :
Manoel, Pernambuco, 3 annos, Boa-Vista ; ane-
mia. .
Antonio, Pernambuco, 50 annoa, aolteiro, Gra-
ca ; cangestio cerebral.
Mara Ca.tro de Barros, Parahyba, 32 anno,
casada, Boa-Vista ; tsica.
Caetauo Alves Feitosa, Pernambuco, 24 annoa
soltiiro, Boa-Vista; degenerescencia.
Maria Francisca da Conceicio, Pernambuco, 14
annos, solt. ira, Recife ; nepbrite.
Um feto do sexo feuoinino, Pernambuco, Baa-
Vista ; re met'ida pelo subdelegado.
INDICAgOES OTIS
Medico)
O Dr. Lobo Mooiso, de volta de sua
viagero ao Rio de Jan-iro, contina ne
ex-rci'io de ua protisi-So. Consultas das
10 s 12 horas da rn-tnhS. Especialidade :
'[i r dea, p>rto e molestias do senhoras e
meninos. Ra la Gloria n. 39.
Ur. Hurreto Sampaio mudou seu coosul-
tori i 'l 'i. audar da casa n. ib, a ra do
li.rao ia Vi tona, para o 1." andar, da
i n. l, mesma ra, como consta do
su i) inicia inserto na scelo compe-
tnf. (i sil ncia a ra Seto de Setem
bro n. 34.
O Ur. Castro Jeeus tem o seu consul-
torio medico, ra do Bora-Jesus n. 23,
obrado.
Dr. Qama Lobo medico operador e par-
teiro, residencia ra do Hospicio n. 20.
Consultorio: ra Larga do R>sario n. 24 A.
Consultas lis 11 horas da manha s 2 da
tard Loes dos orgilos genitourinarios do homem
e da mulher.
titvocnio
O Dr. Henrique Milltt tem o seu es
criptorio de advogacia ra do Imperador
n. 22, 1." andar.
Oroearla
Francisco Manoel da Silva <& C.. depo-
sitarios de todas as especialidaaes pharma
eeuticos, tintas, drogas, productos chimicn
a isedicamentos homoaopaticos, ra do Mar-
ques de Olinda n 23.
errarla a Tapar
Serrara a vapor e officina de carapato
Francisco dos antos Macedo, eaes do
Capibariiie n. 28. N'oste grande estaba e
PIBLICACOES A PEDIDO
i ..
tfs. redactorcKm resposti uo .irtigo publica-
do no Jornal do Ilecija de 14 do corrento, em que
se chama a attenyao dos Exms. Srs. conselheiro
Ministro da Guerra e presidente da proviucia so-
br o secretario do Arsenal de Guerra, rogo a V.
S. se digne publicar em seu conceituado Diario o
documento abaixa :
Illin. Sr. major director lo Arsenal de Guerra.
O bacharel Jos Francisco Rbeiro Machado,
secretario dcste Arsenal, precisa a bem de seu
direito que V. S. se digne att star se o suppli-
cante tem ou nio coinprido com <-s deveres inli-i
rentes ao seu lugar durante todo o tempo em que
o tem cxorciJo. Nestes termos pedo a V. 8 de-
terimentoE. R. Me.Recife, 16 de Novembro
de 1886.Jos Francisco Rbeiro Machado.
Attcsto que o supplicantc Dr. Jos Francisco
Kiiieiro Machado, secretario deste Arsenal, tem
exercido os deveres inl.creates ao seu carpo com
zelo, assduidaiie e dedicacao, desde q.'.a foi para
elle nomeado at a presente data.
Directorio do Arsenal de Gu'-rra de Pernam-
buco, 16 de Nivemlro de 1886.Antonio Villtla
de Castro TavarJs, major director.
Ilcconheco a urina do mujor Aut nio Vilella de
Castro Tavares. Recife, 17 de Novembro de 1886.
Em tcstcmuuho de verdadcO tab.dl ao pu
blico, Joao Presciano da Costa.
Ueifo 17 do Novembro de 1836.Jos Fran-
cisco Ribeiro Machado.
Ao publico e as asi iiladc-
saiperiores
No Diario de h'je (17) a^.pareceu o Ur. Jos
Francisco Ribeiro Machado, asis contrariada
com oa signatarios do abai.xo astignado, publicado
no Diario de 13 do corrente.
Ma hi maior ceg do que o que nio qwr ver.
S. 8., permittano3 que lhe digamos, enten.-eu
de si para si que de.ve ter e'i f-, e, anida m- amo
repollido por quelles a qu-m ti.iha a preteacao
de commabdar, >iiz que nao lhe c h ve a come-
tcDCia para ne ; ir ;i sna compet ncia do c'i Te.
Chefc, Sr. doutor, aquelie a quem o c.eito-
rtdo eonatttQe e a quem i itr ..; i basti.
Bom syatema o de S .S. contestar-n s pnrqac
nao mostreu qu i i '-I i: 're* d^ ou ra fregu
z ns e bem asann quacs os lib-raes que a=signa
ram o protest de Vi d > ot|tfflfi
Nao b.ista iz- r, projjloj jPifro sen dever.
Censura S S. o^^J^j^WTaV'T assi niio o pro-
.-.'. [i u-.'iit jHgjW?* do *"'' el S:-. F rrei-
ra Guies; indjpt'i r i^rodaceute e m pro-
ra que o ni'sairveueranilj nmgn conta eom muitos
prente n > el iterad o e coi ps qUaca >. i. o
j. I- hs ilutament' cont ir.
E:n eis- oeata orJ.n. o par longe d
criar suspeicao, d mas forja porque a unido
fuz a forja.
i'ie S. S. c sorvar-se na alta e h raen que
so suppe enllocado e nao se dignar dr responder-
lo--, como disse, mns conveoca de ama rea para
-ouipie que o seu inculca io prestigio nao passa de
um s.mho de quem, para teus tu-, quer arrugar-
se urna posicio qu-; nio posse e impr-se c.mo
necessaroaos que nio o couhece.
Fiqn S. S. sb ndo que aim do3 56 Bleitores
que aeoi^naram o abaixf aasi|{nadi s de 13, mui
tos outros tem rindo se u .s o&ereeer, e a'. Ibes
puolicsremos 03 n imea se S. 8. quixer.
Se loase DOMO intento que l'b rae, muito d-'S-
tiuetos aaaignassem, crea o r. d >utoi que teria-
mos um grande nomero da assiguaturas. pois que
h->uve dentro cues quem se n.a iff reccase, con-
servando porin o seu d'tiretTO de lib- ral.
O n' sso int' uto era outro c s inir vamos cou-
a uiio diff-rente, isto dcafazer a illuaio em
que "S7S. gri,tur.va trazer os thefes do nosso
partido.
Belin, 17 de Novembro de 18S6.
Jos Diii.*. Rarp-to.
Pedro Barbosa de Arnujo.
Manoel Jote de Campos Barbosa.
Ao inspector da Saude Puhlica
Toda aicnvo !!! *
Oa rnradores di lurg.. d.s (Jui 0-Pontas (hoje
Vilal de NcgN-iroe), ped'm a atientio de V. 8.
pira urna cacimba que tem a Conpniiha Recife
Urainaie, que quando a d' stampam txhala um
fe lito tal, a ponto de ai-ph/xiar os moradores ou
qualquer transente que tenba a iiif-licidBde de
pasear por slli nesta oCeasiV. Pedimos desde i
a V. 8. que tome em consideradlo -sta nossa re-
climacio, ffim de evitar a terrivtl e devoradora
peste ehamaiia colera, sendo urna dis medidas de
ocm xito ; pois fendo a d. ntro da cidade um
foc i de miasmas, certo que por ele se manifesta
a peata;
Euperrmos todas as providencias a tal respeito,
afim do evitar urna correspondencia Sobre este
ponto.
tetro de Variedades
Xa Cervejarla -\<%a ll^mburso
Sorprendido com um muiunicudo jnoerto "b
a epigraphe cima, n s jo mies de h je, em que
malignamente se iifH.mi ter cu ne.ado o Iheatro,
depois de o haver prcmettido aot artistas france-
ses para nclle darem seus beneficios.
Cnmpre-me por dif rucia ao pnbl'co e aos
mesmos artistas, em nome dos qaa' s se fez dito
communicado e mesmo para que nao vingue mais
esta falsidade, explicar a verdade do facto tal qual
se den.
Douugo, 11 do corrente, resolveu o empresario
Richard, por falta d. concurrencia aqu, transpor-
tar a corspM-hia para outras provincias do norte.
Recusando se, poim, os artistas a seguir paia o
nerte, o mesmo empresario dissolveu a cmpanhia,
\e retirou so para o sul.
i Desdf entio terminou o contracto da empresa
! com o theatro.
Vendo eu a triste sitaacio em que ficarain os
artistas, condoi-me delles, e cffereci grataitamen-
te o thr-atro a todos o que quizessen dar alguna
beuefici s ; cumprindo notar qac este meu offerc-
cimert. foi todo eipontaueo de miuha parto, e sem
quo para isso mediatse qualquer pedido da colo-
nia fraaceza ou de quaesquer cutres philantro-
pos, e se n a putencao de fazer esvoacar pela
imprensa e roas da cidade tal fferecimento.
E notorio que repetidas vezes tenho concedido
gratuitamente o theatro para fins diversos.
Nenhuma qncixa tenho dos iufciizes artistas, de
cujo nome se Iin;ou mi para me ferir, porque sei
que foram, c>mo nos, victima de' urna empreza
mal orgauisada e pessimameute dirigida.
Eis em p ucas palavras explicado o facto, cuja
verdade se procura deturpar, t porque nao pude
acarr tar ainda mais com o prejuizo resaltante de
repetidas reclamacoes do publico e frequen'adores
lo estub-leciment', os quaes us dias de espect-
culo se viam privad-s d entrar para a*, gtleriaa
dos bilharer, com perda notavel d' 8 mrus iute-
resses.
0 Theatro de Variedades csteve c est dispo-
sicio dns artistas, mas lias condices que estabe-
leci ao offerecel-o gratuitamente. egoa lo ta- s
eondieoVs, os esp ctaculo nio deviam.enibiracar a
entrada finnca do estabeleciment', o que em na-
da prejudicaria os artistas, desde que me compro-
meta a mandar fechar o theatro, d.- modo a im-
pelir que de fon do < u recinto, pjdi-sse alguein
assistik- s r'-piea'-utn(;0-'8.
( reio ter dito o quaut basta para mostrar a u-
jnst ca e inexicliuii do alludido c mmuuicado.
Recife, IS de Novcmoro da lo6.
J. 6'. do Amaral.
Curas asonibresas ne fysica
3s>
As disseccoei feta reerntemente nos hospitaes
do Baria, provam que 03 tubrculos dos pulmdes
podem ser cicatrisad. s de um modo permanente,
curando se a tyoica. Os casos referido foram de
pessoas que %nnos antes haviam padecido de en-
tei-ini ludes dos pulmes e que ao dep >is morreram
por outras causas. Oa bulhctin officiaes dizem,
que foram curado de ulceradlo dos pulmoes me-
diante o uso constante do oleo puro de ligado de
bacalho. Porm toda a diffieuldade consiste em
poJ. r se alcanzar este inapreciavel especifico.
Torna se, pois, da maior importancia, que o docn-
te saba que o oleo puro medicinal de figado de
bacalho, de Laura .n Kemp, se acha isento da
impurezas, conforme o indica seu nome. Ccmpoe-
se elle do principio salutfero o vital, que se en-
contra nos figad^a si .s do bacalho que acaba de
ser pescado. N-* sua composicio nio entra a mais
leve pinticula de materia estranha. E' claro e pu-
ro e acha-ac sent) do raneo, que geralmcnte ca-
racterisa aquelie quo imaierccidamente se appelli-
da oleo de ligado de bacalho.
O nome da casa quo o prepara urna garanta
mais quo suflieiento da sua excellenca, e tanto o
cnmmercio como o publico podem confiar n'elle
com toda a seguranca
Aeha-ss i v-nda em todas a boticas e lojas do
perfumaras.
Agentes em Pernambuco, Eeury Festor & C,
ra do Commercio h. 9.
I Nenhuma familia deve estar desprovida desla
inestimavel preparacio, o Trlcofco de Bar-
ry, pora o cabello. Em todas as partes do mundo
civilizado o tricofero tem rt-cebid) a sanecio c
ap;)rovacio das ficul iadej medicas, e o professor
Barry iem em seu poder e est prompto a mostrar
a que.u.1 deseje vcl-oa, 03 atte3tados orignaes de
mdicos eminentes, do caraetsr m-iis convincente.
O Tricofero le Barry nao di brilho ao
cabello, mas promcvc-lho o crescimcuo a ponto
tal qna em poucos tnezes qualqurr cab.'ca escassa-
me^te prvida do' cbelo adoaire com o seu 1130
tuna verdodeira abundancia de brilhintea fibras
Despedida
O Dr. Demiento Ciraleante, devendo seguir
pira o norte, com destino capital do Para, pede
leaculpa a s seus amigos do nio ir pes3.almen!e
despeiir-s-: e rcoeber ru-i orde.is.
Oereee-ilies all sem s rrfe 9, e previne a to-
dos de do Imperad r u. -11 (entrada pelo citio) fica en-
-a i 1 do ns n'_- co.
It.eil'e, 17 de Novembro de 1886.
ao pu*
4o commercio e
Mico
O abaixo assignado teado de retirarse
pira fra d^sta provincia, por motivos de
d ) iv;i, declara que desle o ia 3 do cor-
rente mi-z, deixou da f aer parte da firma
le Cooto &C, da fabrica de cigarros,
denoraioadaHarvilha sita a ra ia
Imperatriz n 19, ficando o activo o. passivo
a cargo do Sr. Candido A. S. da Motta
Jnior.
Outro-sito tan!)3rD julgo conveniente de-
clarar nada dever a p-ssoa alguiia, quer
nesti, qaer n'uutra qu.tl.juer praca, tanto
da iirraa social cima, como particular sua,
e quera 8". julgar seu credur queira dignar-
si oro apresentar suas con tas ou ttulo3 de
qualquer especie no referido cstabelleci-
ruentOj para depois da reconhecido a au-
tenti. i-lado das mesroes contas ou ttulos,
serern pagos no iropror 'gavel praso de
ciu.-tro dias a cantar da data desa publ'l-
LSU&0 .
Uocife 17 de Novembro de 1886.
Augusto Jote do Couto.
Su iuii li". uo a jsoo i.iiii" 1 -'i leciao amigo
Jou Baptista Uerbster
Urna einbianca nema
Stimo dia do seu pauamento
Cabo, 19 de Novembro de 18b6.
Adolpho Vieira.
Paulino Jnior.
Jus Pereira.
Emilio de Vasconceilos.
Horacio dos Sautus.
Francisco Campello.
Fraterno Var-ji .
Diversas pessoas que na> podora ser i.i-
diffrentes j gruid-zas q ta aiada rostam,
erabera em estado de ruinas, nesta eilad",
reuniram-se na casn da residencia do xm.
e Rvm. Sr. conego c r. Luia Franoisco
io Araujo, para o fim de combinarero nos
recios do reparar o majestoso templo de
N. S. do Carmo hoje tito arruinado.
Estudados os reparas e senciacs pelo in-
teligente e pratico engenheiro architeete,
Dr A. Pereira SiroJJes, que de boa ven-
tado a ioto se prestou, e est prompto a
dirigir a parto techniea do trabalbo, foram
eleitas duas corainisso'es : uuia g r..I, con-
posta do Dr. II. S. Tavares de Vascon-
cellos, presidente, tenente Manoel J. de
Castro Villela, secretario, padre Julio Ma-
ria do Reg Barros, thesoureiro ; o outra
le esmolas, cornposta lo desorob.irgs.dor
Juao Francisco da Silra Braga, presiden-
te, Antonio Estevao de Oliveira, se Teta-
rio, eonego Manoel J0S0 Gomes, o conego
Dr. Joaquim Graciano do Araujo.
As commisso-s trabalhara com fsforjo
para obter os recursos necessarios effec-
tividade do intento, quo emprehenderam e
de esperar que encontrera ap io e ani-
macao da parte do todos aqielks, aos
quaes recor/erem para fim tao pieiosj.
Nesse sentido vao dirigir circulares^
otebiAuTealgoasI
Pede-se s pessoas
quejogam nesta lote-
ra que procurem lr
o que escreveu nos
jornaes da mesma pro-
vincia o Sr. Joao Alves
Este ves, g-uarda-livros
do thesoureiro das
mencionadas loterias,
e, por esses escriptos,
podero julgar da li-
sura |ue existe na ex-
traern desta mesma
lotera.
Um quejogava.
Dr. Joao Paulo
MEDICO
Especialista em partos, m destias de seuhoraa a
de enancas, com pratica as principaes materni-
dades e hospitaes de Paris e de Vieana d'Austria,
faz todas as operaces obsttricas e cirurgicas
enneernentes as suas especialidades.
Consultorio e residencia na ra do Bario da
Victoria (antiga ra Nava) u. 18, 1- andar.
Consultas das 12 s 3 horas d tarde. Tele-
pbone n. 467.
-

'
V
^" "V
3
IlGlVEl


Diario de PernambucoScxta-ira 19 de Tovembro de 1886
Quatro filustres mdicos liras!
lelros residentes na Impor
tanta cldade de Pelotas

VICO
Santa
pelos
e da
ex-dele-
da iin-
.01. Dr.
)
Dr. Miguel Rodrigues Barcelloi,
presidente da provin i a, mdico da
Casa do Misori 'ordia, condecorado
governos da Alleroanba, de Portugal
Italia.
Dr. Vicente Cypriano da Maia, medico
da Cmara Munuipil, commissario vacci-
nador da mesma, capitao cirurgiao-mr do
commando superior da guarda nacional do
municipio, delegado da salo publica, etc,
Dr. Serafim Jos Rodrigues de Araujo,
ex-meiieo da Cmara Municipal,
gado da sau'de qublica, cavalleiro
perial ordom da Rosa, etc.
Dr. Octaclio Aristdes Cmara, medico
bomeopatha, cirurgiao honorario da u"raa-
da nacionol, etc.
Atiesto que o xarope Peitor de
Cambar, prf parado pelo Sr. Jos Alvares
de Souza Soares, estabelecido. nesta cida
de, goza do propriedades emolientes e fa-
cilita a despectoracaj, e o considero como
um excellente meio para alliviar e curar a
tosse quando convenientemonto pros-
cripto.
O referido 6 verdade e o affirmo sob f
de meu grao.
Pelotas, 27 de Fevereiro -
Miguel Ro-higu^ tPeoral de Cambar
\ oi-'^os" Alvares de Souza Soares, pre-
parado de una arvoro aromtica deuomi-
nada -CAMBARA' que vegeta na Serra
dos Tapes, desta provincia, um excel-
Jente balsmico e expectorante, e como tal
o tenho exprvgado sempre coa bom resul-
tado nos affe.ec.d'es pulmonares.
O o referido verdade e o juro sob a f
de meu grao.
Pelotas, 28 de Fevereiro de 1884.
Dr. Vicente Cyprirno da Maia.
Attesto que o Peitoral de Cambar,
preparado pelo Sr. Jos Alvares de Souza
Soares, um cxcellente medicamento em-
pregado com rauito bons resultados as
molestias broncho pulmonares.
E por ser verdaie passei o presente que
assigno em f de meu grao.
Pelotas, 38 da Fevereiro de 1834.
Dr. Serajim Jos Rodrigues dt Araujo.
Attesto que o Peitoral de Cambar,
preparado pelo Sr. Jps Alvares de Souza j
Soares, tera urna accao especial sobre a j
mucosa da3 vias respiratorias, curando ou
alliviando muitas molestias destas mesmas
vias, o que prova cabr,lincute a sua crescen-
te procura e aceit.cSo, que ainda n5o teve
producto algum oficinal nesta provincia.
O referido flpviade, o que affirmo em
f do meu grao.
PeloUs, 28 de Fevereiro de 1834. -Dr-
Octaclio A Cmara.
nicos agentes o depsitos geraos em
Perafcmbuco
FRANCISCO MANOLL DA S|LUA C.
Ra Mrquez de Ollnda n. 23
.Vriso
\.
O Dr. K. Osalan Bonnet .Medico pela
Faculdade de Medicina de Paris.
Condecorado com a melalha dos hoapitaes.
Socio correspondente : das Academias do Med
cia do Rio d- Janeiro e de Barcelona ; da So
ciedade de Medicina pratica de Paris e da Sjoie-
-dade Franet-ia de Hygiene, ex-director do Musen
AnatomoPatolgico da Fjculiade de Medicina
do Rio de Janeiro, tem a honra de prevenir o pn-
lico que durante a sua estada em Pernambucc
cj a diap osicio dos doentes que desejarem hon
ral-o com a sua confianza.
Chamad--3 e consultas de 1 s 3 horas da tarde
ra do Mrquez delinda n. 51, 1.* andar: na
hospedara de D. Antonia (Caminho Novo).
Especiali ladea : rnoleutiaa das vias respirato
ras coraelo, estomago, ligad j, etc., molestias
nvas, o syphilittc as.
Consultorio medico-
cirargico
O Dr Castro Jess, contando mais de 12 annoi
de escrupulosa observaeao, r. abre coosaltorio nes-
ta eidade, ra do Bom Jess (aotiga da Crua
n. 23, l.o andar.
lloras de consultas
De da : das 11 i 2 da tarde
De noite : das 7 as 8.
as demais hora,,** no!e 8er_ encontrado no
eitio trav-v- R*io n. 7 primero por-
uerda, alem da porcao do Dr. Cosme.
Oculista
*Dr. Mattos Barrcto, ex-ebefe da clini
ca de olhos do J>r. Moura Brasil e da
policlnica gcral do Rio de Janeiro e Be-
llico aggreaado do hospital Pedro II
desta eidade.
Consultorio, roa do Impera ior n. 65, 1-
andar, das 12 s 3 horas da tarde.
Residencia, Can>nho Novo n. 159.
As operacoes sao feitas sem dor, por
meio da cocana. <
Consultas e operacoes, gratis aos
brea.
po-
C, Heckniano
sinas de cobre, iatlo e ronze ee d
Golitzer Ufer n. 9. Berlim S. O.
Rspecalidade:
Construidlo de machi-
mas e apparelhos
para am icas de assuoar, destillayoes e re
inacoes com todos os aperleyoamentot
modernos.
DSTALLAQA DE:
Engenlios de assucar completos
Estabeleciment filial na Havana sob
mesaa firma de C. Hecknann
C. e San Ignacio n. 17.
Inicos representantes
Hanpt Gebru'der
EIO DE JANEIRO
Para informales dijamse ai
Poli I man &C
Bna do GoBieieio 110
alista
Dr. Ferrara da Silva, consultas
das 9 ao meio dia. Residencia e
consultorio, n. 20 ra Larga do
Rosario.
N. 9. A Emulso de Scott fortifica e
desenvolve o systema osseo e nervoso das
criancas debis e racbiticas, e nao ba nada
que nasa se comparar este remedio t j
agradavel a reconstituinte para a cura das
doencaa devidas a m condicSo de sanguc
e debilidade do corpo.
V
Dr. Cooi Liih
Medico, paneiro c operador
Rezidencia ra Barao da Victoria n. 15, 1' andar
Consultorio ra Duque de Caxias n. 59.
D consultas das 11 horas da manba s 2 d
tarde.
Attende para os chamados a qualquer hor
telephone n. 449.
Leonor Porto
Rua do Imperador n 45
Primeiro andar
Contina a eiecaUr os mais difficeis
figurinos n-cebid.'i de Londres, Parie,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicaode costura, em bre-
vidude, modicilade em precos c fino
gesto.
Dr. Fernandes Barros
Medico
D. Carlota Pereira Carneiro Leao e D. Antonia
Francisca de Jess Carneiro, por si e como tutora
de seua filhos, forme dirigida por parte da autora
a petieSo do theur e maneira seguate :
Iilm. e Exm. Sr. Dr. jais de direito do civel.
A Companhia da Entrada de Ferro do Rccife a
Caiaug, na accSo de desapropriacao que propoz
a diversos consenhores dos terrenos do Ambol
para estrada do rodagem, ao lado do ramal da
Vanea, estando em vigor esta accao at que para
ella fosse igualmente citada a consenhora D. Fran-
cisca Idalina U:h* Carneiro Leilo, que se acha
ausente em lugar nao sabido, como ordenou V.
Ezc, havendo a supplicante provado a ausencia o
residencia iocerta da supplicada no juzo de paz
da freguczia da Varzea, onde hontem se efiectuou
a concilavaj revelia da mesma, como tudo
consta dos documentos juntos, digne-se V. Exc
mandar tambem cital-a editalmente com o prazo
Icgul, para C3m os outros consenho'es responder
em commum com elles aos termos da dita accao,
na primeira audiencia deste juiso, depois da cita-
c5o, com a peaa de revelia, caso nSo campareca
para louvacao e deteza do seu direito. Nestes
termos requer a V. Exc. que sejam affixados os
respectivos editses.
Pede a V. Exc. deferimento.E. R. M.Recite
10 do Novembro de 1886.O advogado, Altino de
de Araujo. (Sellada na forma da le).
E mais se nao continha em dita peticao, na qual
profer o despacho do theor seguinte :Sim. Re-
cite, 10 de Novembro de 1886.Ribeiro.
P. mo < "' ~n~;-k .ui aitu meu despacho,
em virtude do qual fes o escrivo respectivo pas-
sar o presente edita), e por elle chamo, cito e hei
por intimada a D. Francisca Idalina Ucha Car-
neiro L-ao, para que compareca na primeira au-
diencia deste juizo, depois de findo o prato legal
de 30 das, para o fim contido na pet ico neste
transcripta.
E para que chage a noticia a todos, mandei
passar o presente cdital, que ser affixado no lu-
gar do costume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta eidade do Recife aos 10
dias do mez de Novembro de 1886.
Eu, Felicsimo de Azevedo Mello, escr vao fiz
escrever e subscrevi. Recife, 10 de Novembro de
1886. _
Joaquim da Costa Ribeiro.
Sexo Jeminino
D. Marii da Purificacao V. da 8ilveira.
D. Mara do Carmo Rodrigues de Almeida.
D. Adorinda Simplicia Santa Ros*.
D. Olindina Theophila do Saeramsnto.
D. Maria Candida Vihdla.
D. Floriuda Maria de Carvalho.
D. Mirandolina Borges Pestaa.
D. Josepha GomeB de Soasa Ferraz.
D. Maria Joaquina de Salles Braga.
D. Maria Evangolina Ferreira.
D. Arcelina Maria de Araujo.
D. Idalina Veroiiica do Amor Divino.
D. Amelia da Silva Pinto.
D. Francisca Barbosa de 8 Leito.
D. Oreste Tvares da Silva.
D. Maria Umbelina da Costa.
D. Francisca Maria de Araujo.
Madame Blanche d'Herpoal Torgo.
D. Rhiladelphia Ernestina de Almeida Fortes.
D. Alu Virginia Waaderley de Albuquerque.
Miss AnB Caroll.
Tbesouraria de Fazenda
No dia 24 decore, pe.as 1 horss dama- ^^ ^ ^"^
nh, serao pagas no Arsenal de Guerra as costu-: V7n^d8'8e *M s". accionistas a virem recabar
ras relativas a 1- quincena do corrente mez. .'7 dmdendo "a Prop,rcto 4*400 por aecio
Thesouraria de Fazenda de Pernambuco, 18 de ujopagam'nto seeffcctuar neste escripterio das
10 hora da mmhi a 1 hora da tarde, dUriamea-
te at o ultimo deste mez, o ao depois aos sabb
Novembro de 1886. Servindo de secretario,
J. 11. Oliveira Amaml.
dos.
Obras do Porto
Reeifa, 14 de Novembro de 1886.
O director secretario,
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.

Consultorio rua do Bom Jess n. 30.
Consultas de meio dia i 3 horas.
Residencia rua da Aurora n. 127.
Telephone n. 450
(| Dr. Paula Lopes
De volta de sua viagem Europa,
abri seu consultorio rua do Marques
iindan. 1.
Especialidades Molestias da creaocae
1 nervosas.
Tratamentus-pela electricidade (Electro
therapia)
Consultas : De 1 hora s 4 da tarde.
Residencia : Rui da Sol dade n. 56.
Telephone*) n*. 95 c US
Clnica medico cirurgica
DO
Dr, Alfredo Gaspar
EspecialidadePartos, molestias de senhoias e
criancas.
Residencia Rua da Impcrutriz n 4, segunda
andar.
Oculista
!
Dr. Barreto Sampaio, medico ocu-
lista, cx-chefe de clnica do Dr. de
Weckei, mu loa seu consultorio, do 2.*
andar da casa n. 45 rua do Barao da
Victoria, para o 1. andar da casa n.
51 da mesma rua. Consultas de meio
da s 3 horas da tarde. Redidencia
rua Scte de Setembro n. 3 A.
Dr. Carpir Le
HBDIl'O
Tem o seu escriptorio a rua Duque de Ca-
xias n. 74, das 12 s 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em sua residencia 4 rua da Bas-
ta Cruz n. 10. Especialidades, molestias de se-
ohorag c criancas, telephone n. 326.
&
\
MEDICO HMEOPATHA
Dr. Ballhazar da Silveira

Especialidadesfebres, molestias das
criancas, dos orgos respiratorio das
senhorss.
Presta-se a qualquer chamado par*
onda capital.
AVISO
Todos os chamadas devem ser diriga
dos pharmaca do Dr. Sabino, na do
Bar3o da Victoria n. 43, onde se indicar
sua residencia.
Licor depurativo vegetal iodiK.4
DO
Mcdho ([.lintella
Este notabilsimo depurante que vem precedi-
do de to grande fama inf illiv.d na cura de t)das
as doencaa sypbiliticas, escrofulosas, rbeumatica
e de pclle, come tumores, ulceras, dores rheumati
cas, osteocopas e nevralgicas, blennorrhagias agu-
das c chronicas, cancros syphiliticos, inflaman
cSes visceraes, d'olhoe, ouvidos, garganta, intes
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diatbericos, assim como na alopecia ou qa.da
do cabello, e as doencas determinadas per satu
raco mercurial. Dio-je gratis folhetos onde se
encentram numerosas exp 'riencias feitas com est-
especifico nos hospitaes pblicos e mnitos attesta-
dos de mdicos o documentos particulares. Fas-se
descont para revender.
Deposito em casa de Paria Sobrinho & C.
Rua do Mrquez de Olinda n, 4!.
Ao publico
Os abaxo assignados, tundo registrado e depo-
sitado as suas marcas industriaes e rtulos das
suas preparacoes na junta comuierciai do Rio de
Janeiro de conf rnvdade com as prescripces das
leis do imperio do Brasil, declaram e participan
aos interessados, que como nicos proprietarios,
tem direito exclusivo de usar as mares a indus-
triaos e rtulos relacionados com manufactura
fabricacao e venda das s guies preparado ;
Agua de Florida de V orray e Laman.
Tonicj Oriental.
Peitoral de Anacahuita.
Pastilhas Vermfugas de Kemp.
Oleo de figado de bacalbo de J..uman & Kemr
Emulso de oleo de figado de b.calho com hy
Kphosphites, de Lanmam & Kemp.
iparnlha de Bristol.
Extracto duplo de aveleira mgica de Bristol, e
ungento de aveleira mgica de Bristol,
e que, portanto, perseguiro a todos os falsificado-
res ou imitadores das ditas marcas industriaes e
rtulos, procurando que sejam castigados com toda
a severidade da le.
Tambera acautelamos e publico contra todos
aquelles que intentara substituir as nossas prepa
racoes cima mencionadas com artigos falsificados
que levam rtulos ou marcas industriaes que im-
tam as nossas.
Lanman de Kemp.
EDITAES
O Dr. Joa (uim da Costa Ribeiro, juiz de direito
do civ 1 desta eidade do Recife e sen termo,
capital da provincia de Pernambuco,'por Sua
Magestade I nprial e Constitucional o Sr. D.
Pedro II, a quem Deus guarde, etc., etc.
Faco saber aos que o prosete edital virera ou
delle noticia tiverem qne, csrrendo por este juizo
e cartorio do escrivo que o presente snbscreve,
uns autos de cansa e materia civel de desapropria-
cao entre partes como autora a Companhia da Es-
trada de Ferro do Recife a Casanga e reos D.
Ludovina Ucha Carneiro Campello, Antonio U
cha Carneiro Campello, D. Anna Joaquina Ucboa
Carneiro Lelo, D. Francisca Idalina Uchda Car-
neiro L-o, D. Mara Ernestina Ucha Carneiro
Leao, Alvaro Ucha Carneiro L-o, sua mulbtr
Eosino particular
Por esta secretaria e deJrdem do Sr. Dr. inspec-
tor geral se faz saber aos^professores constantes
da relaco infra e dos demais professores particu-
lares e directores de collegios de ensino primario
ou secundario, tambem particular, que, sob pena
de multa de 10/ a 50/000 sao elles obrigadoe a re-
metter a esta secretaria, no corrente mez por in-
termedio do delegado litterario competente, ma
relacSo dos alumnos que leccionam em suas escolas
e collegios e dos qnaes leccionam em casas parti-
culares, com declaracs da naturalidade, idade, fi-
liagao e aproveitamento dellos (art. 187 2#, art.
190 paragrapho nico e art. 192 do regalamento
vigente.)
Sexo masculino
Jos Antonio da Silva.
Julio Soares de Azevedo.
Amaro de Sus* Peisoa.
Luiz de Franca Bezerra.
Jos de Souza Cardoso Pimentel.
(ireg to Joo de Sonsa Lyra.
Joo Ribeiro Pessua de Oliveira.
Fortunato Ooeniano da Costa Landim.
Thelcsphoro (roncalves Lima.
Francisco Alves Dantas.
J >s K .yniiimio Ferreira de Moraes.
Luiz J s da Silva Cavalcsnte Filho.
H'-nrquc de Paula Ferreira Rabelb.
Anta-) Bernardino da Ruda Arago.
Salustiauo Cavalcante Correia de Mello.
Jos Francisco de Soares Iateraminense.
Man ci Viceute Elias Cavalcante.
Miuerviio Franciscj L>bo.
Antonio Cardoso de Aguiar.
Thomaz valcaute da Silveira Lins.
Antonio Herm negildo Bezsrra.
Joto Msptista dos Aojos.
Qiiintino Freitas No^ueira.
Manuel Gomei dos Passos.
Frauciseo Wanderlcy.
Manoei Ribeiro.
Laurindo Pinto Seabra.
P.-dro Martina Braga.
Manoi-I Ve. isoimo do Reg Barros.
Valentino Goncalves Mendes de Britto.
Alexandre Olympio de H.llanda Chacn.
Antonio de Vasconcellos e Silva.
Mano-1 Ribeiro da Silva Pontea.
J ao Baptista de Medeiros.
Joaqnim Bellarmino de Mello.
Qa ri' I Cabral de Guerra.
Tertuliano Severino Pereira de Souza.
Firmino P mpeu de Mello Falco.
Claudino F.rn-ira de Macedo.
M .11 >-! Jo da Roda.
Flix Pessoa Camello.
Juo Braga.
Joo Renda I Wercerter. i
Landelmo Rocha.
Jos Ouarte Caliste
Z ferino Ferreira de Andrade.
Padre Joo Servulo Teixeira.
Jos de Sjuza Cordeiro Simoes.
Jco Januario doa Santos.
Vicente Ferreira Fonseca Carvalho.
Antonio Clementino Bezerra.
Lnduvino Augusto Soares Barreto.
L"odegario F. S. Santos.
J. 5o Ali-es da Silva Vianna.
Ant .nio Xavier Ribeiro.
Johquim Cavalcante Leal de Barros.
Jos (andido Fonseca de Medeiros.
Btnor Gadouk F. de Medeiros.
.l-o II. da Silva Braga
William T. Robsson.
Manoel C. da Silva Braga
Antouio Marques.
Antonio Cosario Moreira Dias.
Jos de Oliveira Cavalcante.
Ar^emiro Leodegario deS. Santos.
AU'xan Ir Jos Rodrigues Filho.
Joaquim Francisco Pereira da Silva.
Vigario Jos Francisco da Silva Braga.
Rxymupdo Nonato da Silva Braga.
Joaquim Jos de Sant'Anna.
Antonio Bcnicio Cavalcante.
Jos Arnaldo Feitosa.
Cbilon Heraclito Peixoto e Silva.
Manoel Ribeiro da S. Campos.
Zet>Tino Candido G.ilvo Filho.
Bartholomeu G. de Ancbieta e Silva.
Jos Antonio de Miranda.
Jos A. de S e Oiiveira.
Elysii Alves Figueira. v
Manuel Francisco de Medeiros. ^k
Severino Cyrillo da Costa. ?
Joo Herm >genes da Silva Braga.
Francisco Aureliano do Reg Medeircs.
Justino de Faria Maciel.
S-t!uatane Cavalcante Correia de Mello.
Manoel da Silva Chaves.
Joaquim Goncalves de Souza.
Malaquias Jos Pereira.
Manoel Francisco Alves.
Anto Alves de Sant'Anna.
Jos Accioli Cavalcante de Albuquerque,
L'onardo Joo Grego.
Manuel Alves Vianna.
H ormino Rodrigues de Siqueira.
Dr. Manoel Sebastio de Araujo Pedrosa.
Augusto Hygino de Miranda.
Dr. Manoel Barbosa de franjo.
Dr. Jos Antonio Moreira Dias.
Francisco R. Res Lima.
Francisco Delfino da Silva.
Padre Francisco Adelino de Bnto Dantas.
Lr. Joaquina Jos F. da Rjcha.
Asccncio Miaervino Meira de Vaseoncellos.
Dr. Jt'suino Lopes de Miranda.
L"onidas Suva.
Jos Maria de Hollanda Cavalcante.
Dr. lovis Bevilaqua.
Jos Ferreira da Cruz Vieirs.
Dr. Affonso lindense Ribeiro de Sonsa.
Jos Marques Acau.
Dr. Luiz da Costa Ferreira Porto Carreiro.
D. Olympia Afra de Meadonca.
Jos Antonio Pereira da Silva.
Dr. Jos Diniz Barreto.
Dr. Joo Feliciano da Motta e Albuquerque.
Madame Levy. *
D Leonor Pbilomena da Silva Vianna.
Joo Baptista Feln.
F. F. Rose.
James Fanstone.
Torquato Laarentino Ferreira de Mello.
Adolpho Schsebel.
Antonio Claudio de Oliveira.
JoSo Jrs Rodrigues.
Colonia Labe!.
Lyco de Artes e Offieios
Carlos Ferreira Porto-Carrciro.
D. Carlota A. F. Belfort.
D. Francela Dornellus Pessoa.
D. Amelia Suzana Zocher.
D. Josepha L. Marinho Sarment.
D. Rita de Jess Barros.
D. Fortunata A. de Almeida Fortes.
D. Amelia Jacobina Romangnera.
D. Emilia Augusta Alder
D V .ldetrules Primitiva da Fonseca Telles.
Di Porcia C. di Mello.
D. Maria Candida Bandeira de Ma/talhes.
D Angelie* F. de S. Viat.
Irma V. Jaioser.
D. Anna do R. Almeida.
D. Vicentina Cesara de Mello.
D. Maria Helena da Rocha.
D. August de Ornellas Bcttencourt.
D. Augusta Carneiro.
D. Prescill S. M. de Albuquerque.
D. Zima R. xo Lima.
D. Maria Coelho da Silva.
D. Maria Capitalina Martins Ribeiro.
D. Leopoldina de Siqueira Varejo.
Madame Adonr.
Collegio de S. Jos.
Irma Lesart
Secretaria da Instruccao Publica de Pernambu-
co, 5 de Novembro de 1886..
O secretario,
_^^ Pergentino Saraiva de Araujo Galvo.
Juizo dos fei'os da fazenda na-
cional
Escrivo R-go Barros
Perante o Sr. Dr. juiz substituto dos feitos da
fazenda Alvaro Barbalho Uchoa Cavalcante J-
nior, s vender em praca publica no dia 19 do
corrente mez, pelas 11 horas da manh, depois da
audiencia, os beni seguintes :
O dominio utl dos terrenos de marinha ns 87 H
sito rua da Saudade e 87 I, ruada Unio, per-
tencentes a Rosa Candida Guedes Alcoforadoava-
hado cada um em 200/.
A casa terrea n. 70, rua dos Guarar^peS, sita
em terrenos de marinha, pertencente a Manoel
Duarte Rodrigues, avaliada por 1:500/.
O dominio til do terreno de marinha, alagado
n. 240, sita rua de Santa Rita (freguezia de
S. Jos), comalcerce de tijlo e cal junto a casa
n. 101, olbando para a rua dos Pescadores, per
tencente aos herdeires de Antonio da Costa Reg
Monteiro, avaliada por 80/, sendo todos os bens
mencionados penhorados e vendidos para paga-
mento de foros devidos a fazenda nacional e custas.
E para constar paesou o presente que assigna o
juiz.
Eu Jos Francisco do Reg Barros, escrivo
a escrevi.
Alvaro Barbalho U. C. Jnior.
Estrada de ferro de
Ribeira. Bonito
De ordem do Illm 8r. engenheiro director da
rejrartico da1 obras de conservaco dos portos de
Pernambuco, e de conformidade com a autorisacao
de 8. Exc. o Sr. miuistro da agricultura, com- j
mercio e obras publicas de 27 de Cutubro prxi-
mo passado, faco sciente a quem interessar possa '
que, no dia 20 do corrente mez, ao meio dia, na De ordem da directora sao convidados os se-
mesma repartirn, reuebem se propostas em cartas nhores accionistas a r- colherem m London & Bra-
ecbadas e competentemente selladas, para a venda silian Bank, no preso de 60 dias, a contar de
dos seguintes objectos : \ boje, a terecira entrada de 10 /0 do valor nomi-
Uma machina completa da baixa presso de ba- nal de suas accoes.
lanceiros, em perfeit estado de conservaco, me- No escriptorio da empreza sero dlst a.buidas
dindo o cyIiudro_26 polegadas iuglezas de dame pelos senhores accionistas as suas accoes, median-
te a exhibico das caotellss dos recolhimentos da
1; 2 e 3 entradas
1886.O gerente,
Recife, 5 de Novembro de
Hyplto V. Pederneiras.
tro, com forca effectiva de 25 cavallo
Urna ealdeira cylindrica completamente nova
(anda nao servida) com 49 tobos de lato de 3 1/4
depolegada de dimetro, e 11 ps ingleses de com-
primento de forca evaporativa eioctiva de 25 ca-
vallcs.
Cavername contado de um navio, compondo se
todo de madeira de sicupira e amarcllo, faltando-
lbe fomente o tu bando do costado, tendo as seguin-
tes dimensoes : 33,m44 de roda roda, 31,n>35 de
quilha, 3,m24 de pontal, e 7,"il0 de bocea.
A machina e a ealdeira acbain-se na officina de
machinas sita ao caes do Ramas e o cavername,
no estalheiro da officina de carpinteros e calafatei,
em Fora de Portas, onde podem ser examinadas
pelos pretendentes. | oras da manta, para assistirem ..
Rcpartico das obras de conservsco dos portos latorio e tratarse de urgentis .irnos interesses so-
Moute Pi Portuguez
Assembla geral
Para eleico dos no vos funecionarios que tem
de dirigir os destinos desta pia instituico no auno
social de 1886 a 1887.
Nao se tendo reunido numero sufli 'iente doe
senhores socios no domingo 14 do corrente, de
novo rogo aos mesmas 8'-nhores seu compareei-
mento para dommgo 21, na sede social, s 1L
horas da manh, para assistirem a leitura do re-
ciaeo.
Recife, 17 de Novembro do 1886.
Jos Vieir de Siqueira Ferraz,
Secretario.
Arsenal de Guerra
de Pernambuco, 11 de Nov.rabro de 1886.
O Io escripturario, Manoel Duarte Pereira.
Monte de Soccorro de
Pernambuco
Os poasuidores das cautellas de pecho- ^TS^^^-0** M *
res dos nmeros abaxo sao convidados a
rosgatal-as at o dia 23 do corrate :
11,632 11,633 11,615 11,705 11,976
11,988 12,010
12,107 12,168
12,319 12,34
12,346 12,349
12,361 12,362
12,381 12,387
12,402 .12,405
PECLARAC5ES
Companhia de Edificado
Communica-se acs Srs. accionistas, que por de-
lbersclo da directora foi resolvido o recolbi-
ment da quinta prostaco, na razao de 10 pir
cento do valor nominal das respectivos .a :ccs, a
qual devora realisar-se at o dia 5 de Dezembro
prximo futuro, no escriptorio da companhia
praca da Concordia n 9.
Recife, 5 do Novembro de 1886.
Gustavo Antunes,
_________director secretario.
Obras Publicas
De ordem do Illm. Sr. Dr. engenheiro chefe,
faco publico que no dia 17 do corrate, aomcii
dia, recebe-se na secretaria desta repartiro pro-
postas para a execoco d s reparos das pontee da
estrada da Luz, de Tapacur e de Maus, ore idos
em 780/000.
O orcamento e mais condicoes para o contrato,
acham-se dia pos cao dos senhjres pretendentes
para sercm examinados.
Secretaria da reparticao das Obras Publicas de
Pernambuco, 5 de Novembro de 1886.
O secretario,
Jo&o Joaquim de Siqueira Varejdo
11,981
12,103
12,306
12,336
12,360
12,376
12,394
12,408
12,416
12,444
12,467
12,486
12,510
12,522
12,533
12,565
12,584
13,603
12,628
12,650
12,669
12,693
12,704
12,719
12,733
12,749
12,765
12,780
12,790
12,802
12,855
12,877
12,895
12,918
12,935
12,949
12,965
12,987
12,995
12.409
12,422
12,149
12,470
12,497
12,511
12,524
12,538
12,566
12,592
12,610
12,630
12,652
12,672
12.694
12,709
12,724
12,742
12,750
12,771
12,784
12,792
12,809
12,858
12,878
12,898
12,922
12,936
12,950
12,966
12,988
12,998
13,004 ,13,005
13,014 13,016
13,024
13,040
13,058
13,072
13,080
13,093
13,026
13,044
13,061
13,073
13,088
13,095
12,411
12.431
12,462
12,472
12,499
12,516
12,525
12,551
12,567
12,594
12,614
12,633
12,661
12,679
12,6:t7
12,715
12,726
12,744
12,755
12,777
12,786
12,793
12,841
12,870
12,886
12,89)
12,923
12,437
12,953
12,978
12,989
12,999
13,006
13,017
13,032
13,045
13,065
13,076
13,089
13,096
12,022
12,202
12,329
12,351
12,370
12,391
12,406
12,412
12,438
12,463
12,473
12,501
12,517
12,531
12,552
12,569
12,595
12,62i
12,6:15
12,665
12,684
12,700
12,717
12,731
12,746
12,757
12,778
12,787
12,79 4
12,847
12,871
12,888
12,912
12,924
12,939
12,955
12,980
12,991
13,001
13,007
13,018
13,034
13,050
13,067
13,078
13,091
13,097
12,025
12,302
12,335
12,359
12,371
12,392
12,407
12,414
12,439
12,465
12,483
12,505
12,521
12,532
12,561
12,533
12,596
12,622
12,636
12,668
12,689
12,702
12,718
12,732
12,747
12,764
12,779
12,788
12,801
12,850
12,873
12,889
12,914'
da manh, para a
compra dos rticos seguintes :
76 bonets de servido interno.
71 gravatas de sola envernisada.
103 pares de lavas de algodo.
1 banda de l p"ra inferior.
216 pares de cothurnos para as pracas do ca-
vallaria.
27 pares de perneiras de sola para a3 mesmas
conforme o 6gurino.
7 chapeos de Braga c>m a lenda-^S
8 esteiras de palha.
15 pares de tamancos.
200 pares de meias de algodo.
H5,m00 de panno azul par* ponches das pra-
cas de cavallsiia.
4IO,mOO de brim braceo liaj.
HO.mOO de brim pardo trancado.
40,m00 de algodoziuho.
513,m70 de algodo msela.
15,m0 de hollanda para forro.
I,m60 de casemira branca.
2,m0J de aniagem para intertella.
7,ml6 de ganga encarnada.
69,m0 de zuarte.
156,0)53 do baeta encarnada.
4 cadeiras de braco de Jacaranda.
Previne-se que nao sero tomadas em conside-
raco as rropostas que nao for m f tas na forma
do art. 64 do regulnmento de 19 de Outubro de
1872, em duplicada, con referencia a um s arti-
go, nieucio lando-o nomo do propon n'.e, a inlica-
?o da casa commercial, o preeo de cada artigo, o
numero e marca das amostras, declaraco expres-
an de sujeitar-se i multa de 5 0,0, no caso de
recusar assign ir o contrato, bem como as de que
tratamos arts. 87 e 88 do regulimente citado.
Secretaria do Arsenal de Guerra de Pernambu-
co, 17 de Novembro de 1886.0 secretario,
Jos Francisco Ribeiro Machado.
Fica suspenso o expediente dfste club nos das
17, 18 e 19, cm virtude do fallecimento do nofso
prestimoso consocio Joaquim Augusto Queiroz.
Secretaria do Club Carlos Gomes, em 17 de
Novembro de 1886. 0 1- secretario,
___________________P. C. Casanova.
Tribunal da Relago
De ordem de S. Exe. o Sr, conselheiro presiden-
te da Relaco faca publico, que foi designado o dia
25 do corrente para ter lugar o exame de habilita-
cao requerido pelo Sr. Jos de Assumpco Santia-
go, que pretende obrer proviso de advogado para
a comarca do Inga da provincia da Parabyba.
Recife, 18 de Novembrj de 1886.
O secretario,
Virgilio Co-lho.
Lyco de rlese Offieios
De ordem do respeitavel irmo director, faco
publico a quem interessar possa, que em vista de
algn i expositores nao terem podido acabar os
productos que tencionavam expor,e pedircm a esta
directora a transferencia da abertura da sexta
exposico artistieo-industrial, marcada para o dia
21 do corrate, e como a directora visse que d'ah
traria bem nao e aos expositores, como tambem
exposico, que se enriquecer da mais productos,
houve por bem nao s a exposico, como tambem
o anniversario, designar para o da 12 de Dezem-
bro futuro, esperando que os seus esforco3 sejam
coroados do melhor xito possivel.
Secretaria da imperial sociedade dos Artistas
Mchameos e Liberaes do Pernambuco, em 19 de
Novembro de 18860 1 secretario,
______________ Jos Castor de A. Souza.
S/. B.\ Cavalleiros da
Cruz
Da ordem do Rfsp.-. Ir.-. Ven.-, convido a todos
os OObr. da noss i Aug. OfF. a se reunirem
em nossa sed no dia 21 do corrente, s 10 horas
da manh, para se proceder a eleico das LLui. *.
e mais DDig. que tem de funecionar no anno
mac. de 5887 5888, procedendo se dita eleico
com o numero de Ilr. ". que comparecer, visto
nao se ter reuuido nu ero suficiente na sesso
convocada para o dia 15.
Secretaria da Aag. -. Loj. Cap. -. Cavallei-
ros da Cruz, ao Va). -. da rua da Imperatris. em
18 d; Novembro do 1886.-E. V. .
O secret. Adj. .
Eduardo G. Goucilves 18.
Monte Pi Popular
Pernambucano
Pelo presente sao convidados os socios desta
siciedade para, na forma do 2 do art. 2 i dos
estatutos, n-unirem-sc em assembla geral domin-
go 21 do corrente, s 10 horas do dia, nfim do
effectuar se a eleico do conselho administrativo
e commisso de contas, que tem de funecionar no
seguinte anno social.
Secretaria da sociedade Monte Pi Popular
Pernambucano, 17 de Novembro de 1886.
O 1 secretario,
Regioo F. de Carvalho.
12 929
ilv. i Coi)i|ui!iiaiI f;fl2i Recife Olinda e BeberUe
12,9^4'ASSEMBLA GERAL, CONVOCACAO
13,003 j D.! ordem do Exm. Sr. presidente da assembla
13 013 geral convido aos Sr. accionistas parasereuni-
- q'qi q rem em asscmb'a geral extraordinaria na sexta
i a na feira 19 do corrente mer> na 88'* das sessoes, ao
lo,UdO meio dia, na forira do art. 63. 3 purte di rega-
13,056 lamento n. 8821, de 30 de Dezembro da 1882,
13 069 afinl de se tratar da reforma dos estatutos, fijan-
1 rt'o7*) do 8C,ente8 d* .1ue a reunio se eftectuar com o
'la'nao numer0 ^e accionistas que mparecer, em virta-
10,092 de de ser esta a 3* convocaco.
13,101! Sala das sessoes dacorpanhia de trilos urba-
Recife, 8 de Novembro de 1886. jnos dofcie00^ 0Iind* eBeberibe, 12 de No-
r j i- vembro de 1886.
O gerente e guaHa-hvros. 0 gecretar0i
________Felino D. Ferreira Coelho. < _________ Jos Antonio de Almeida Cuaba.
SANTA ISABEL
Companhia lyrico-comica de operetas francezas
Regento de orchestra : de Mirecky Ensaiador: Gargon
Sabbado, 20 de Novembro de 1886
ESPECTCULO DE GALA
Honrado com a presenga de S. Exc. o Sr. presidente da provincia
BeneOcio em favor dos artistas da companhia
promovido pelo CNSUL DE FRANCA desta eidade, com o concurso dos sympatbics
e reputada artista. Madame Regina Dura mi
PROGRAMMA
PRIMEIRA PARTE
Ouvertura pela orchestra
On demande une institutrice
Opereta em 1 acto, executada por Mr. e Madame GARfON.
Ouvertura pela orchestra
1.GAGA, canelo cmica por Mlle. Cenase,
2.0JE N'ENTESDS PAS DE CETTE OREILLELA, tyrolea por Mr. Valere.
3.LES TROIS LAYETTES, canconeU por Mlle. StalnvlHe.
4.0MIGNON, romance por Mr. rala.
5.0LES PETITES COCODETTES, canco cmica por Mlle. lio.
6 o-GILLETTE DE NARBOXNE, aria por Mlle. Lafleur,
uo da Pr anx oleres, por Mlle. VALDI e Mr. HOVEN
Ituvonn Sec cn$oneta franceza por Madame REoINA DURAND.
SEGUNDA PARTE
Ouvertura pela orchestra
LE ESOffi DIABLE .
Opereta em 1 actn, executada por Mr. ARSIA e Mlle. VALDI.
Ouvertura pela orchestra
7.0LE PETIT FICTON DE SUKESNES. canea* cmica por Mlle. Lenage.
aAVEC QA ,(bis : LES AMOURS DE YATUS), tyrokta por Mr. Valere.
9.0LE PECHE DEMDAME GRGOIRE, c^nconeta pbr Mlle. Ktainvllle.
10.-LA 8EKESADE INTERROMPUE, por Mr. lio*cu
ll.oANATOLE C'EST UNE C.iLLE 1 enneao cmica' por Mlle. Leo.
12o_LES BAVARDS, aria por Mlle. Laflenr.
13.0VIRGULE, UN P01NT C'EST TOUT, cancSo cmica por Mr. tnrron.
Oh Min de Cornes-llle. rondo em portuguez or Madamu REGINA DURAND.
TERCEIRA PARTE
Ouvertura pela crehestra
L$ retoar do Saltimbaii Cpercto em 1 acto, execuUda por Mrs. HOVEN, GARgOw e Miles. STAINVILLE e VALDI.
O espectculo priciplar 6a S hora* esn poala
O programma sendo escolhido os artistas esperam merecer a proteccao das distinctas fasai-
las pernambucanas.
A msica do corpo de polica presta-se generosameot< tocar durante os intervallos.
Bonds para todas as linhas- Trena pira Apipucos o Olinda.
PRESOS : os de costume. A
Os blhptes desde j A venda as caas do Illms. Srs. A. Ducssble, rua Nova; Charles Playa.
& C, Recite, e na bilhcteria do theatro partir de 3 horas da tarde no dia do espectculo.

f

ti

fc



i-


Diario de PcrnaiiibucoSexta -feir 19 de Novcmbro de 13E6




Direito
Art. 8 do regulamento da ExposicSo
A rtistir o-Industrial:
Somente aos expositores permlttido
abrir as vitrinas para mostrar aos visitan-
tantes os .seus productos.
A directora conscia de que mito se es-
forjarSo para o faustaso r aullado deste
certamen tao proveitoso e lisongeiro a to-
das as classes industriaes, antecipa seus
devidos agradecimentos.
Secretaria da Imperial Sociedade dos
Artistas Mecbanicos e Liberaos, em 18 de
Setembro de 1886.
Jos Castor de A. Souza,
1* secretario.
Companhia de Ediieaces
O escriptorio desta
companhia acha-se in-
stallado na pra$a da
Concordia n. 9, conser-
vando-se aberto das 7
horas da manh s 5 da
tarde, em todos os dias
ufis.
Incumbe- se de cons-
tracQes e reconstruc-
$oes.
Recebe-se informa-
coes acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios^ a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mesmoescripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do Taquary, pro-
priedade da m e s m a
companhia.
Lyceu de Artes e Offieios
A Imperial Sociedade dos Artistas M-
chameos e Libcraes ae Pernarabuco, que
tom a seu cargo o Lycea de Artes e Offi- _
dos, no Intuito de Mitrar as classes artis hUlMUM lOUOS O S TCCIDOS
as mnfAm nrtmrt lo A \
dessa empreza deve-
roserpassados emta-
loes carimbados e fir-
(OMPANHIA
K/:
Imperial
DE
EMPREZA DU G4Z
Pede-se aos Senho
res consumraidopes que
queiram fazer qualquer
comunicaco ou recla-
maeao, seja esta eita no
escriptorio desta empre-
za r na do mperador n
29, ohde tambem se re-
cebera qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
flermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Antonio da Silva Oli
veira, e quando for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
tos Car.valho.
Durante a anzcncia
doabaixoass.51.ado na
ECIR08 CONTRA FOGO
E8T: 1803
Edificio* e mereadoria*
Taxat baixa
Prompto pagamento de prejuitot
CAPITAL
fia. 16,000:0004000
Agentes
BROWNS 4 C.
N. Ra do CommercioN. 5
Vapor Aymor
Srgue hoje, ao meio dia, di-
rectamente, para o Rio
Grande do Sul e Pirto Ale
gre.
Recebe encommendas e pasaageiroi, para os
qu.es tem excelentes aceommodacoes; a tratar
com
PEREIRA CARNEIRO & C.
N. 6 RITA DO COMMERCIO-N. 6
BOYAL MAIL STEAM PAMET
SEGUROS
MARTIMOS CONTRA FOGO
companhia Phenlx Per-
nambucana
Ruado Commercio n. 8
SiGSR
CONTRA FOfiO
The Liverpool & London & Glob
INSURANCE COMPAM
Saiders Broters & c.
Baha, Rio
video e
ticas e manufactureiras, matm como j
bem conhecido em seu palacete no Cani-
jo das Priucezas, aulas de diverjas lingual
c sciencias, as quses, funecionam em tO'Jos
os dias uteis, das 6 s 9 horas da noite.
Com o mesmo intuito mantea) ella urna
pequea o modesta bibliotbeca que, com I ~ ~
patriticos donativos, augroeata se de dia (lia (IOS OCIO I\ Na IIIII'* I
para dia, e franqueada ao publico em r
geral diariamente, as mesmis boras cima JonCS 86sil O QUC IIJIO
Assira, po's, com o mui applaudido in-1 *
tent de tornar bem conhecido o progres- tCflO VfllOr so-das artes e offieios entre nos a perfei-
gSo e utilidade de seus productos, fazer
aonbecido seus autores, bem como os la-
gares de seas estabelecimentos, afm de
facilitar a sabida e o consr.mo delles, pro-
nove ella tolos es annos para o dia de seu
aotpersario, segundo dispoe o G. do
-irt. 2." dos seus estatutos, urna exposicSo
dos trabalbos d'artes offi'ios e manufactu
ras. E' para a consecucSo de tSo aper
iieif oado quo vantajoso tiro, que a directo-
ra, da sociedade vera pelo presente, soli
jtar de todas aquellas pessoas que pos-
suera por pergaminho o trabalho, sua efi-
caz con urrtncia Exposieao que, em 21
do Novcmbro deste anno se tffectuar em
Ana sede, Lyceu de Artes e Offieios.
Cumpre tambem a ella fazer conhecedo-
res 6 Ilustre senhores e senhoras, que
x qoizerem honrar com seus productos, os
seas direitos e
Deveres
1.* DeverSo at 15 do dito mez envia-
ren! as amostras de seua vendaveis pro-
.'actos para o dito Lyceu.
2." Em todos os objectos deverao acom-
unhar o nome do autor, ou proprictario
dos roes tos.
3. Ser iroprescindvl em todo c qual-
quer objecto a declaracSo do prego, e lu-
rar d sua lubrica ou deposito.
4. Que os objectos para a ExposicSo
devein ser tal qual os coatuma fazer e
rendir.
Companhia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelclda em 1S&S
CAPITAL 1,000:0001
SINISTROS PAGOS
%< 31 de dezembro de 884
Martimos..... 1,110:0009000
Terrestres,.- 310:000^000
4* Roa d Commerlo
COIIPA\IIIA D SEGUROS
NORTHERN
de LOncirc e Aberdeeu
PonleaH Quanrcira (llezrnihrn 1885)
Capital oubsciipto 3.000.000
Fundos accumuladoB 3.134,348
Itci tila animal t
Da premios contra fogo
De premios sobre vidas
De juros
m com
577,330
191,000
132,000
O AGENTE,
John II- Boxioell
IEBDOCIOK.ee 1 \Ot
MARTIMOS
George Wmdsor,
London and Braslllan Ha
Limited
Ra do Commercia a. 32
Sacca por todos os vapores sobre as oa
S do mesmo anco em Portugal, sendo
em Lisboa, roa dos Capellistaa n 75 N
Porto, ra dos Inglezea.
N. 7
AGENTE
Miguel Jos Alves
-RA DO BOM JESS-N.
COMMERCIO
lelsa eoi
imerclal de
buco
Pernam
&ECIPE, 18 DE NOVEMBRO ^)E 188b.
As tres horas da tarde
l'oatie ulfii ;aet
"^cbio sobre o Rio de Janeiro, 20 d/v. com 3[4
0[0 le descont.
Catsbio seore Santo, 30 d/v. com 7(8 0/0 de
descont.
' :mbio sobre S. Paalo, 60 d/v. com 1 5j8 0/0 de
de* cont.
Uabio sobre Londres. 90 d(V. 22 d. por 1*000,
honteni.
O presidente,
Pedro Jos l'imo.
O secretario,
Candido C. Q. Alcoforado.
aSNMfiSTS PCBUCOS
Mji M Njvembro de 1886
ALFANDEGA
Sesuro marhlaio* e terreetre*
Ne-ies ultimo a umea conponhia neata prao*
que concede aos Srs. segnradis isesipeXode saga
ment de premio em cada stimo aoao, o que
equivale ao d-sconto de cercajdo 15 por centa em
avor dos segurados.
lIPAMSEuIr
COSTRA FOGO
\rlb British & Mercantle
CAPITAL
l.ooo.ooo de libras sterllnat
A O EN TES
4domson Howie & C.
(OHPtMIM PKH\tUBl(A\4
DE
*avegac5o eostelra por vapor
PORTOS DO SUL
Tamandar e Rio Formse
O vapor Mandahu
Segu no dia 22 de
Noveu>bro,pclas 5 ho-
ras da manh.
Recebe carga at o
dia 21.
Enejmmenda., passagens e dinheiros fretc at
s 4 horas da tarde do dia 21.
ESCRIPTORIO
Ao Com da Companhia Parr-arnbucana
n. 12
0 paquete Tagus
E' esperado da Europa no dia
24 do crrante, seguin-
de depois da demora neceasa
ria para
de Janeiro Monte-
Iludios lj res
Este Yapor traz simplesmonto
passageiros e mala^ e immedia
lamente cegar depois do desem-
barque dos mesmos.
Para passagens, fretes, etc., tracta-se m os
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
Companhia Bahlana de navega
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, benedo, Aracaj,
Estancia e Babia
0 rapar Marpez le Caxias
Commandante Nova
Segu impreterivel-
mente para os prrtos
cima no dia 22 do cor
rente, a. 4 horas da
tarde. Recebe cargn
nicamente at ol/2
dia do dia 22.
Para < aiga, passagens, encommendas e dinheii i
a fretc t racta-se na agencia
7tiua do Vigario 7
Domings Alves Ha heos
Lnned States & Brasil B S. ^ C
O vapor Advance
Espera-se de Ncw-Port
News, at o dia 19 de No-
vembro o qual seguir depon
da demora necessaria para ti
Rio Granii do Sul
Segu com brevedad? paraos portos cima o pa-
tacho allemSj Brilhante.
Para carga trata-se ecm Bailar Oli veira & C.
Mossi
Segu para o porto cima o hiate S. LourenQO,
tem parte dj seu carregamento, recebe o resto
que lhe falta a fretes baratos ; a tratar com Bar-
tbolomeu Lourenco, ra da Madre de Deus nu-
mero 8.
LE1L0S
I-
DamprschinTahrts-Geselischalt
0 vapor Santos
D 2 17 4em et 18 660.3124831 57:l23482 717;736/373

jfaaca paoviacii Da 2 a 17 tsoni du 18. lo5.!)43OJ2 10.434014- 116:377 .076
Tela' 834:113/410
: 28 025/440
musa nwvraouii 2 a 17 m ia 18 14.013*518 814 641
15.1284189
! r.wmor. al 18 e 2 al7 I52f02 124*183
6:576/135
DESPACHOS DE IMPORTACAO
Hiate nacional Dana Antonia, entrado do Ara-
caty no da 17 do crrente e consignado a Bar-
tbolomeu L urenco, manifestou :
Algodio 186 saccas a Prente Viann. & C,
120 a Maia & Reaende, 12 a Perreira Casco &
Filho-
"EMPACHOS f)E EXFOITACAO
Em 17 de Movembro de le--i
Para o exterior
Ss barca portuguez Pereira Borget, carre-
garaa :
Para Lisboa, A. C. da Silva 9 saceos com 500
kilos de polvilho ; Burle 4 C. 200 aseos com
15,0JO kilos de assucar branco e 600 ditos com
45,000 ditos de dito musen vado ; S. Gruimsnles
t C. 222 coaros talgados com 9,561 kilos.
E' esperado do sul
h je 19 do correte,
spguimlo depois da de-
mora necessaria para
Lisboa e llambnrgo
Pa-a carga, pn- g;ns e encommendas e dinhei-
ro a frute tracta-se com os
Consignatarios
Borstelmann & C.
RUADO VIGARIO N.
I' andar
rloi
No patacho allemao Brilhante, c^rregarsm :
Para o Rio Grande do Sul, Bailar limaos ai C
2' pipas com V.iiil litros e agurdente.
No vapor nacional A&mor, carregaraui :
Para Purto-Alegre, P. Carneiro & C. 1600 vo-
lumes co.n 128,220 kilos d-. assucar branca 1,150
ditos com H6,00 ditos ue di:o mascavudo.
No lugar nacional Jurenal, carregaram -
Para Santos, Maia Se. Keteode 600 >accos eoin
36.0I.O kilos de assaesr branco e bOO ditos com
30,000 ditos de dito masca vado.
No vapor allemao Paranagu. >'.arregaram :
Para fantof, F. A. de Azevedo 357 saceos com
21 420 kilos de assucar branco e 671 ditos com
4^,260 ditos de dito mascavado ; Maia & Rezeude
4-O saceos com 37,Olrti kilos de assucar branco e
550 ditos com 33,000 ditos de dito mascavado.
.ao vapor americano Advance, carregaram :
Para o Rio de Jane'ro, H. Burle & C 200 saccas
cora 14,750 kilos de algodio.
No vapor nacional Para, carregaram :
Para anaos, F. A. de Asevedo 180 \o!uaies
;oin 10,250 kilos de assucar branco ; A morir Ir-
mS"S & l'- 50 barricas c-m 3,239 kilos de assucar
branco ; P. Pinto it C. 45 barris con 4,320 litros
de agurdente ; A. B Lorreia 20 caixas cajnru-
Ixba. .
Para o Para, F. A do Ascvedo 400 barricas
) kilos de asracar tiuuco ; E. Barbosa
30<) barricas com i(',128 kilo; de assu-ar branco ;
T. de Azcfedo S. uza 600 barricas com 11,040
kili s de assucar branco ; Amorim Ii-mSos & C.
120 barricas com 9.264 kilos de assucar branco.
Para Maranlio, P. A. de Aim-edo 5 barrica?
com 5:".0 kilos ae assucar mascavado e 15 ditas
com 1,660 ditos de dito banco.
No vapor nacional Pirapama, carregou :
Para Maco, Jote V. Crmpjsl6 sac o- com f
rioha de mandioca.
No hiate nacional Correio de Natal, carre-
gon
Para o Natal, J. P. Castro Ferreira 2 barricas
com 0 kilos de assucar branco.
= Sa bareac* Pedro Americo, carregaram :
Parn Villa da Penh, F. Rocha 4 C. 1 barrica
com 6 i kilos de assacar branco.
Na bsreaca racinda, carregaram :
Para Mamniiguape, E. C. BelirSo & Irine 10
barricas c^tn 6 0 kilos de nssncar refinadu.
No vapor nacioaal ii. de laxias, carrega-
ram :
Para a Babia, Rodrigues Lima & C. 659 saces,
com 16,785 kilos de algodV
Na barcaca Helena, carregou :
Para a Cidade do Passo, J. Onimtres 10 m ics
de sola.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios sahidos no dia 18
New YorkBarca'americana Wallace, ca-
pito John M. Cosnmck, carga assucar.
Msnaos por escalaVapor nacional Ma-
ndos, commandante Carlos (Jomes, carga
vi ros gneros
PelotasBarca nacional Mimosa, capito
JoSo Ignacio do Mello, carga assucar.
Rio Orando do NorteBarca ingleza Char-
lte, capitao D. Nicols, em laslro.
Maco Hiato nacional Ires, rurstre Fran-
cisco F. de Aran jo, caiga varios gene-
ros.
ParabybaBaria ingl> za Southern
capitao G. D. Frozer, em 1 stro.
Ossfrsasfc
Nao houve entrada.
VAPORES ESPERADOS
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encommendas e dinheir
a frete, tracta-se com os
AGENTES
Henry Forster k t
N. 8 RUADO OOMMEKCiO N. 8
/ andar
COMPANHIA PetHAIiaiiCA.\A
DE
^laTegaco Costeira oor vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyha, Natal, Macu, Mossor, Ara
caty, Cear, Acara hit e Camossim
O vapor Pirapama
Segu no dia 20 dr
Novembro, s 5 horat
da tarde. Recen
carga at o dia 19
HEsV$^3^SasMP
Encommendas passagens e dinheiros a fretc at
4 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Pei^iamb'irsina
n. 12
CHARGEIRS IUTUS
Comp.iHhia Franceza de Xavegs-
co a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis
ooa, Pcrnambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santoa
Steanor Ville U Victoria
Espera-se dos Dnrtob de
sul at o dia 22 de Novem jro
seguindo depois da indis
pensavel demora para o Ha-
vre
Conduzem medico a bordo, so de marcha rpida
e offerecem excellentes coinmodos e ptimo passa-
dio.
As passagens podero ser tomadas Je autcinc
Recebe carga encommendas e paesageiros para
os quaes tem excellentes accommodacoes.
sTEMEaViUe de Cear
E' esperado da Europa
n i dia 24 de Novembro, se -
guindo depois da indispen
sa ve.) demora para a Ba-
ha. Rio de Janeiro
e Manto*.
Roga-se aos Srs. importadores de carga plu.
vapores desta linha,quciram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvareng.. m.-
quer reelamacilo concerucute a volumes, que po-
ventura tenham seguido para os portos do sul.afu
de se poderem dar a tempo aa providencias necea-
sarias.
Expirado o referido praso a companhia nio s.
responsabilisa por extravos.
liecebe carga, encommendas e passageir* par<
es quaes tem excellentes ascomodaces.
AususloF.deOiveirat
" Hje, 19. eeve ter lugar o leilo em li tes a
voutade dos compradores, das perfumaras, miu-
dezas, fa.endas, armacSo, cofre, mezas o espe-
dios e mais pertenece da I ja da ra do Bar&o da
Victoria n. 42, principiando as 10 horas por se-
rem muitos os lotes.
Terceiro e ultimo ieilo
Das azendas, miudezas, perfumaras, malas e
mais mereadoria. da lija da ra do Barilo da Vi-
ctoria n. 42. Em lotes voutade dos comprado-
res.
Q'^f/ifeira 19 d* Novembro
A'S it> horas
Constando de ereton-s, mao...r.,. brn 8ed
cortes de vestidos, mtias, luvas, g.'. .,. ..n.
rinhos, lencos, mallas para viagem, maiA.^ *^*"
iac,i p, ettamnes, sabidas de baile, aDqui.haa, ves-
tuarios para baptizados e outrus fazendas.
O agente Pinto vender em muitos e differcn-
tes lotes ss fazendas, miudezas e perfumaras da
loj da ra do Bardo da Victoria n. 42, bens
prrteneentes a massa fallida de Cactano Ramos &
C, por mandado qo Exm. Dr. juiz de direito es-
pecial do commercio, em virtude do rcqucrimmto
do curader fiscal e depositario da referida irassa.
Em continuado
Levar a srmaeao envidracada, balce, urina-
<>ri inglezas. csj^lhos, cofre prova de fogo, me-
sas, ead.'iras, carteiras, candieiros a gas, relogio,
repartimento de escriptorio c mais pertences Ja
referida loj a.
Principiar s 10 horas
(rame Ieilo
DE HOVEIS E PIMA
SESTa-FEIRA, 19 DO CORENTE
A's 11 h^ras
Ra do Imperador n. 30, andar terreo e
sobrado
O ageiite Burlamsqui, p.ir ordem el" urna fami
lia que se ntira para fra da provincia, levar a
Ii ilo as seiiiiites pecas: urna impirtante e nova
mubilia de faia a Luiz XV cora encost de palhi-
ntia, couip sta de 1 sof, 4 cad-ira Oe braco, 12
de guarmcao, 2 dnuckeiques com cspelho, outra
dita de dito, outra de Jacaranda, 1 cama de Ja-
caranda francesa, gU'irda-louca, puarda-vestido,
marqnezoes, cadciras, marquizas, quadros, espe-
Ihoa, banco para jardun, mesa de pedra, salvas,
colheres de pmta obra de gosto e muitos cutres
artigos que estaro patentes no acto do Ieilo.
Leilo
Boa compra
Do sobrado n. 37 ra do Pedro Affonso
Agente Britto
O agente cima mandado do Exm. Sr. Dr. juiz
de direito e da provedoria, ea requerimiento de D
Anna Mara dos Santos, levar a leilo urna parte
do refer lo sobrado na importancia de 2:6085563,
para pagamento ae legados, e por autorisaco da
proprietaria vindei as outras partas, rndenlo
1:2000:0.
SABBADO, 20 DO CORENTE
No armazem ra de Pedro Affonso n 43
A's 1012 horas _____
Preeisa-se fallar com o Sr. Epiphanio per
Rocha Wanderley, que nlo tem querido respond -
as cartas que se lhe tem escripto, nem mandar en
tregar o que tem consciencia que deve fazel-o ;
tuda isro peque est lon^e e zombando de aeu
amigo.
Da casa de O. P. Loup7no Ch^-MenhivleT
encaminhou se, em dias da semana paseada, ama
cachnrrinha preta de raca, que acode pelo nomo
de Mascte, quem a tiver achado e )eval-a refe-
rida casa ou ra do Imperador n. 83, 1 andar,
ser recompensado.
Prcisa-se de uma ama para cotinhar ; no
pateo do Terco n. 32, loja.
Aluga-se em Olnda, ra de MathiaTPer-
reira, uma boa casa novam-nte reconstruida e
com a^ua canalieada ; trata-se no Recife. casa
n. 23 ra das Cruzes ; chaves para ver em
Olinda, roa da Ladeira da Ribeirs, cartorio do
escrivo Thecdomiro n. 16, e ra de Mathias Per-
reira, loja de barbeiro n. 31.
Aluga-se o 2- andar n. 31 e o armazem n.
39 ra do Imperador ; a tratar com Lniz de
Moraes Gome. Perreira.
illenfio
Precisa-se de uma senhori que entenda de cos-
tura, d-se casa e alimento : a tratar no collegio
de Santa Lucia, ra Duque de Caxias n. 50,-
segundo aedar.
lo cooimercio
net ,Hp?.ix0 asignado declara que Dada deve
credor, apreseft? 6ta de"H : quem se julgar seu
tria n. 63. Recife, T# &9Dt** na rja da Impera-
Jr3i Mano"0'' de 1886.
inm-s.
ISlilllLRi)
AOS
100:808>$Od8
Riii do Baro da Victoria n.o
e casas do costante
BfllEu ^EANTiaOS
O abaixo assignado acaba de vender
um vigsimo de n. 4,952, cora a sorte
de 10:0000000, um dito de n. 22,892 com
i sortedo 2:000,5, tres ditos de n. 10,175,
9,083 e 4,914 com a sorte 1:000| e tres
ditos de ns. 18,495, 4,097 e 7,489 com a
sorte de 500^000 da 10.* parte da 1. lo-
tera que se extrahio a 18 do corrente.
O mesmo abaixo assignado convida acs
po8suidores virera reeeber na conformi-
dide do costume, sem descont algum.
Acharo-8e a venda os afortunados bi-
hetes garantidos da 11.a parto da 1.* lote-
ra a beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife, que se exrabir a 25
do corrente.
Presos
1 vigsimo 1^000
2m quantidade malor de loo*
1 vigessimo 900
Joo Joaauim da Costa Leite.
i
Leilo
da armsgjo, balanza, gneros e utencilios da ta
verna sita ra do coronel Su issuna n, '20
Cfquina da ra de S. .! ao
jabbado 20 do corrente
A's 11 horas
O agente Gusmo, competentemente autorisado,
far I- ilo do, taverna cima mencionada, a qual
s" acha bem localisada, e s^r vendida em um ou
mais lotes, vontade dos compradores. Garnte-
se s> chuves.
Aos 00.000S000
Leilo
De uro piano, movis, espelhos etc.
tS'-ue Br do
O agente cima autorisado por uma familia que
rctira-se oar* fra, far li ilo do seguinte :
Um piane, 1 mobilia de jacarando, 1 dita de
junco, 1 mesa elstica, esp-ihis, 1 guarda-vesti-
dos, 1 marqu'-zo, 2 caderas ae balanc/i de Jaca-
randa, 1 marqueza, 1 quarlinheira, 1 mes de
jogo, 1 raachioa de costura, 1 cabido columna, et-
tagers, 6 cadeiras de june, 1 guarda loucs, 1
canaieiro de t-uspenso, 1 lavatorio com pedra. 1
cadeira de vme, jarros, quatiros, lotiza e objectos
para cog aba.
Segunda -teira 22 de Novembro
Pateo do Trrc n. 111, 2- andar
A's 10 1|2 boras
Leilao
16-K,ua do Cabug-16
O abaixo assignado vendeu nos seus ven-
turosos bilbetes garantidos os premios so
guintes : 21016 com um cont de reis, no
n. 6207 com 5000, no n. 22051 a 22060
com lOO^n o n. 11341 a 11350 cora 2000
da 10a parte d Ia lotera.
Convidase aos possuidores a virem reee-
ber sem descont algum.
Acham-se venda os venturosos bilhe-
tes garantidos da 11* pirte da 1* lotera da
provincia em beneficio da Santa Casa de
Misericordia do Recife que sa extrahira
quinta feira 25 do corrente.
Presos
1 Vigsimo 10000
Mendo qnantidade superior
a 1> <>#000
A dezeua 90000
Joaquim Pires da Silva.
42 RIJA DO COMMERCIO -42
Bell,
Advanee de New-Port News h. io
Ville de Victoria do sul ama liba
John Eider da Europa a 21
Taqxu da Europa a 24
Ville de Cear da Europa a 24
Merchanl de Liverpool K 25
Cear do norte a 26
Espirito Santo do sul a 27
Paranhtnte de New-York a 27
Orenoque do sul a 30
Paciflc Sieam Navigation Compam
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquete John Eider
E' esperado da Euro -
pa at o dia 21 de No-
vi mbro, e seguir de-
pois da demora do eos
'turne para a
Bahia, Rio de Janeiro, Monte
-Ideo e Valparaizo
Para carga, passagens, encommendas e din
heiro a frete tracta-se com os
AGENTES
ttilson Sons de c .. Limited
N. 14- RA DO COMMERCIO N. 14
Lisboa
Segu com brevidadj a barca portugueza Ve-
rtir Hvrq^t i para o resto da carga que fal'a,
trata-se com Silva GuimurSes C, ra du
Gommcrci-) d. 5.
Para Porto-Alegre
Pata o porto cima segu com toda a brevidade
a escuna dinamarqueza Ane Johannt, por ter a
maior i>arte da carga engajada ; para o resto
tratar com W. W. fiobilliard.
Da casa terrea n. 23 da ra das Trincleiras
com 2 portas de frente, 3 quartos, 2 salas, eosiuha
fra e quintal com cacimba.
A's ti horas
Sctjunda-feira 22 do corrente
No armazem da ra do Imperador n. 16
'O agente Martius vender em leilo no dia 22
a caca terrea cima livre e desembaracada, pu-
dendo ser vota p-ba pietendentes.
Leilo
Quii.ta-fjira-26 do corrente baver um leilo de
imp 11: lites movis na Ponte do Uehoa.
PELO AGESTE
Murtins
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a 8 Ihos, junto de S. Goncallo : a tratar na ra d>.
Emperatriz n. 56.
Aluga se os andares superiores do predio n.
51 ra do Imperador, com excellentes sccommo-
lacoes para familia : a tratar com N. 1. Lidstonc.
rui do Commercio u. 10.
Preuisa se de uma ama para tratar de duaj
criaiicap, lavar e engommar para 5 mesmas : na
ra da Aurora 11. 81, 1- t.ndar.
Precisa-se de uma boa cosinheira ; na ra
da Aurora n 81. I* rodar.
Precisa-se de una boa cosinheira, que dur-
ma em casa de familia, e de um criado de 14 an-
uos, que nao seja fidalgo ; na bj* ra do Baro
da Victoria n. 35*.
Aluga te uma casa para familia regular
caiada c p:nta 1.1 de novo, com agua e gas, na ra
das Kymphas n 26 ; a tratar na lucerna, ou ra
do Co i mercio n. 15.
Ompra-sc uma escrava de 40 a 0 annos,
cosinbi-ira c lavadi ira ; no largo de Pedro K-n.
75, 1 andar, a tratar com Prederico Chaves.
Precisa-se de uma ama para coainhar em
casa de muito pouea familia, e que durma na casa
do seu imprego ; a trattr u:\ Capunga, ra das
Pernambucanas n. 18.
Prccisa-se saber onde se acha morando o
Sr. .loio Marinho da R chi Falco, que aceitando
uma hypotheea em 9 de Marco de 1878, nesta po-
ca dnia morar m- Palma es, como consta da es-
cri^tur8, nunca mais procurou o sea credor, e
este procurando sabr n.tilias de eeus prenles,
dizem que nao sabem aondn o mesmo se acha :
qu.'to souber, informe na rut dos Kartyrios n.
148, J- anda'.
Sem dieta esein modifi-
caf oes de costantes
Laboratorio central, ra do Vieonde [do
Rio Branco n. 14
Esquina da ra do Reqente .Rio de
Janeiro
CspcciGcos preparados pelo pliar-
maceutico Eugenio Marques
de Hollanda
Approvndos pelas juntas de bygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Pariz.
Elixir de imbiribina
Restabelcce os dyspepticos, facilita as diges-
toes e promove as ejeceoes dfficies.
Vinho de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chloro-anemicos, debella a hjpoemia
intertropical, rtconstitue os hydropicos e benbe-
ricos.
Xarope de flor de arueira e mutamba
Muito recommi ndado na bronehte, na hemop-
tyse e uas tosses agudas ou clironicas.
Oleo do testudus ferrugihoso e cascas de
laranjas amargas
E' o prmeiro reparador da flaqueza do orga
nismo, na fysica.
Pilulas ante peridicas, preparadas o.om a
pererioa, quina e jaborandy
Cura radicalmente as febres intermitientes, re-
mitientes e perniciosas,
Vinho de jurubeba simples o ta.nbem fer-
ruginosi, preparados em vinho de caj
Efficazes as inflammacoes do ligado e baco
agudas ou chronicas.
Vinho tnico de capilaria e quina
Applicado as convale.cencas das parturientes
urtico antefebril.
Deposito : Francisco Manoel da Silva i C.
Francisco Manoel da Silva &C.
RA MRQUEZ DE OLINDA-23
Elixir carminativo e Inico do
pharmaceulico Ve as
Remedio que cura dyspepsias, gastralgias e to-
das as perturbacoes ligadas desarranjo de es-
tomago e intestinos. Aeonselhado por vi rios oli
nicos dos mais conceiruados desta cidade, acba-M
venda exclusiv- mente na pharmscia americana
de A. la. eras & C, ra Duque de Caxias nu-
mero fi7. ,

.
I
t
IBWB 1


%
Diario de PeroambocoSexta-feira 19 de Novembro de 1886
5
-. ---.
EXTRACCAO
DA
3." ferie da Vi lotera que se extrahir naigreja da Conceift dos Militares
EM 24 DE NOVEMBRO
SOB O SEGUIRTE
PARA EXTRACCAO DE LOTERAS NESTA PROVINCIA
LOTERA
nnn^
DA
COLONIA ISABEL
COICED.Oi.S PEU LO PiHWIICIIL I.I4?, E APPR^VAOO PELO EMMEPHESIOEMTE Di PfiOVIHCIA
POR ACTO D l OE SETLM8R0 OE1886
o.ooo bifhetes era vigsimos l$ooo ..... 800:000$
ftwpezas............ H8;8o$
m4
l premio de.
i dito A ........
i dito de < .
i dito de -
i J;io de ........
9 ditos de.......2:000$
23 ditos de....... 1:000$
400 ditos de 100$ para todas as centenas, cujos dous algarismos
forem iguacs aos dous ltimos do primeiro premio inclusive
1 dito de 1:000$ para a sorle, cujo numero na exlraccjio for mais alto
1 dito de 1:000$ para a sorte, cujo numero for mais baixo
99 ditos de 400$ para toda a centena do Io premio.
99 ditos de 200$ idem idem do 2 premio .
99 ditos de 100$ idem idem do 3o premio .
2 apps. de 4:000$ para o Io premio ....
2 ditas de 3:000$ para o 2' dito ....
2 ditas de 2:000$ para o 3o dito ....
2 ditas de 1:100$ para o 4o dito ....
2 ditas de 850$ para o 5o dito ....
4,000 terminaces de 24$ para o Io premio inclusive
4,000 terminaces de 24$ para o 2o premio inclusive
240.0C0J
40:0001
20:00)|
10:0001
5:000|
18:00D
23:0001
40:00(31
1:0001
1:0001
39.-600J
19:8001
9.-900J
8:000
6:
4:
2:2001
1:700$
96:000,
96:0001
681:2001
MINAS-GERAES
600:000S000
200:000^000
100:OOOSOOO
31,913 PREMIOS!
0 pnitidor do I \fsiiini Smi laloria pide tirar:
30:00S$000
CORRE A 25 DE NOVEMBRO
BILHETES A' VENDA
RODA DA FORTUNA
36-Ra Larca do Rosario36
ir ft nllo
'rtnot-
SOLUCO COIRRE
AO CHLORrtYDRO-r MOSPHATO DE CAL
_*** poslaroao ana roconatttalntea adoptado por todos os Mdicos da Barata na
i5*""** J?""8? 1***iMCM>lrotis, Tinca, Cachexia, Escrfula*, RaeMttmo, Dotnau
das ouot, Cretctmento difylc as crirteos. Patito, Dysptpsuu. '.""
FsrijjCOIRRE, rr, 71, ni it Cierche-Bidi. Diputa eu
Esta lotera ser dividida em 20 series de 4,000 dezenas. Quando as terminales do 1. e 2. premios forem
iguaes, a d'este passar ao algarismo immedialamente superior. De9 passa a 0 c de 0a1. Os premios sao
pagos sem descont algum.
O premio grande de cada serie acha-se garantido por um deposito equivalente c igual quanlia no Baa
ftural do Rio de Jineiro.
21 deOulubrode 1886.
O THESOUREIRO,
Francisco Goncalves Torres,
Ama
\
i. Precisa-se Je urna cosinbeira para casa de pe-
quea familia : a tratar na estrada nova do -
laogii, no sitio do 8r. Valenca, on no escriptorio -
Precisase de utn copeiro : na ra da UniSo
numero 4J.
ASA V1LIZ
BANHOS DE MAR
Supi
r t
leriores coslon.es de excellenle azenda pa t
DBJLasrxxas Dais xiXAJB.
Para senhoras...... 10$000
Para homens...... 8$000
Para crianzas...... 5$000
Promptamente prepara-se qualquer eos-
turne para o que temos os melhoies teeidos.
\o mesmo estabelecimento se continan
a encontrar constantemente verdadeiras pe
chinchas.
no
JUNTO DO LOUVRE
proprietarios do muito conhecido estabelecimento denominado
MUSEU DE JOIAS
sito a ra do Cabug n. 4, communicam ao respeita<-el PUBLICO que receberam ut
grande sortimento de joias das mais modernas e dos mais apurados gostos, como tan>
bera relogios de todas as quaiidades. Avisara tarobem que continan, a recober po
todos os vapores vinds da Europa, objectos novos e vender por muito menos que er
outra qualquer parte.
MIGUEL W0LFF & C.
N. 4 RA DO CABUG----N. 4
Coropra-se ouro e prata velha.
MEDALHA DE HONRA
DIPLOMA DE HONRA
&ICK1TADO POR TODAS AS
Celebridades Medicas
DA FR.-.N( A R DA i: ROPA
Mi
MOLESTIAS DO PEITO,
affecqOes ESCROFULOSAS
CHL0R0SIS,
ANEMIA, DEBILIGADE,
TSICA PULMONAR,
BRONCHITES, RACHITISM0
2i n. *. Piai'-ionuurtr., ai %ZaSZt "^ Vinho de Coca
DEPSITOS EM TODAS AS PBINCIPAES PHARMACIAS DO BBAZIL.
0 OLEO CHEVRIER
4 deeinfectedo pelo AlcatrSo,
tnico blumico, o quo muito
$ugmentt tt proprledade* do
0 OLEO de FIGADO
0E BACALAO FERRUGINOSO
4 I utt'.a prapmclo qu ptrmitt
administrar o Farro ttm pro-
duzr Prisa o de Veotre, ntm
Incommodo, ^ Q,
BRANCO.LOIR0
[E FERRUGINOSO]^
- dO ALCATr\^ '
9L
L
Aos ,00:i
RILDETEN .HHMIOOS
t^ra^a da Independen-
cia ns. 37 e 39 ?
O abaixo resignado vendeu da 10a parte
da 1* lotera extrabida boje, 18 do corren-
te, os seguintes premios : de 2:000$ em
os ns. 943 e 5334, de 500$ em os ns.
11369 e 13685.
Acham-se venda os felizes bilhetes
garantidos da 11 parte da Ia lotera a
beneficio da Santa Casa de Misericordia
do Reeife, que so extrahir a 25 do cor-
rente.
De cada vigessimo 1^00
Emporc3o de 100$ para cima 900
Antonio Augusto dos Santo* Porto
FUNDICAO GERAL
Regulador da Mari-
nha
Q

I as
!^5

oa
O
* ^

ss
zsz
m

rs.
^j
te*
ZS2
as
5
Chapeos c chapelinas
36AO.....PRAGA DA ffiDBENDEIA--36 A 40
B. S. CARVALHO & C.
Propietarios deste bem conhecido estabelecimento pajtecipam
as Ex mas. familias e ao publico em geral, que mensalmente recebera
das priucipacs casas em Pars e Manchester o que de raelhor e de
apurado gosto ha em chap:lina e chapeos para senhoras e meninas
e das prraciras fabricas de^H.mburgo o que ha de melhor em cha-
peos para homens e crianc^s, e muit<-< lutrcs artigog concernen'.es
chapelara.
Flores artificiaes para ornamento de salas.
s

Cfi)
<^-
5

"53
Este importante estabelecimento de re
lojoaria, fundado ero 1869, est funecio
nando agora ra Lirga do Rosario n. 9.
O seu proprietario cncarr.gado da Ro
gulamenta(So dos relogios: Arsenal de Ala
rinha, Estrada de Ferro de Liraoeiro, Com-
panhia Frrro Carril de Pernarobuco, As-
soccSo r.ommereial Beneficente, Estra
da de Ferro do Reeife a Caxang, Estra
da de Ferro do Reeife a Olinda e Beberbt
e Estrada de Ferro de Caruaru' ; cercado
de intelligentes e habis auxiliares, fazcon
' certos por mais difficeis que sjam, nao
js em relogios do algibeira, roas de pendu
la, torre de igreja, caixas de msica, ap
parelhos elctricos e telcgraphicos.
O inesmo acaba de receber variado sor
timento de relogios americanos que ven
de de 7$ a 20$ de parede e de mesa, des
pertadores de nikel.
Aos seus collegas vende fornecimeto en
grosso e a retalho : e aceita eucommendaf
para seu correspindente em Paris.
Acha-se bem montado nesti; cstbeleci
ment um observatorio pelo qual regula to
dos os relogios martimos > ttrestres.
Recebe asssignaturas para dar a horacrr
ta desta cidade pelo telephone n. 458.
Prej;o cjmmodo
Em frente de seu estabelecimento s
acha enllocado um relogio, cujos mostrado
(res poder3o ser vistos pelos passageiros di
Ferro Carril, t?ndo semprc a hora innd
desta (idade determinada pelas suas ob
servajoes astronmicas.
Antonio Jote da Co$ta'mAraujo.
LINIMENTO SNEAU
ALLAN PATERSON ft
N. 44Ru t do Brum--N. 44
JUNTO A E? f AA0 DOS B0XDS
Tem para vender, por prw mdicos, as seguintes ferrageni:
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivac3*es de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portasd fornalha.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para jardim.
Vapores de lorca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavailos
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panadura
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de cone^rtos, e assentamento do machinismo a execuiam
trabalho com periic^o e prestes^.
C
Aos 100.0001000
BILHETES GARANTIDOS
23-raa Primeiro de Marco23
Da 10.a parte da 1.*lotera da'prcvncia,
venderam Martins Fiuza i& C, ob seguin-
tes premios garantidos :
11,384 100:0090000! 5,763
22,039 30:OC0$OO0 12,424
18,240
iO,U5
14,774
7,428
l,923
6,362
18,556
11,934
17,461
16:413
17,951
5,261
,0344
l:000!000
500$000
500$000
5005000
500$000
500,5000
5000000
5005000
qual
SAUDE PARA, TODOS.
rara os cavaiiob
soppbessao jm B.' ;:;;T sntmti
do FOSO Jnfe|^>ag*-| o F O G O
CUELA X JMBpL tedas U UM
A cura fiiz-se com a tait em 8 minutos, '
sem acr e sem cortar, ne..i raspar o pello.
| PhsnnGNEA,r?6,RuaSl-Honcr,PARIS I
EM TODAS M PHARMACIAU
UNCU ENTOHOL LO WAY
, O L nguento de Kolloway um remedio nfallivel pata 0.1 males de pernas e do peito 5 tambem pv.ra
as feridas antigs chagas e ulceras. E famoso para a gota e o rheumatismo e para toles as enfermi-
dades de peito na* se reconhece egual
Para os males de garganta, bronchites resfriamentos e tosses.
Tumores as glndulas e todas as molestias da pelle no teem semelhante e para os membros
contrahidos e juncturas recias, obra como por encanlo.
ssas medicinas sao preparadas sraente no Estabele.- imento do Professcr Holuwav,
78, HEW OXFORD STEEET (antea 583, Oxford Street), L05DEES, '
vendemse em todas as pharmack s do univeno.
K3t O compradores slo convidados respeitosamenie a examinar os rtulos de cada caixa e PV se nao teem a
direccao, 533. Oxford Street, s; /alsificacoes.
DOMESTIC
S2o reconhecicas ser as luair
elegantes, as utais em todos os sentidos.
AS MBLHORES
Para precos, e circulares com'
illustraioes de todos os eslylos, dir
jato so
Domestie Sewng Machine k i
NEW YOR, U. S. A.
Telephone n. .58
4:000,5000
2:000^000
2:000^000
2;000rj000
J .-ooo^xio
1:000500(3
1:000,>000|
Acha-se venda os afortunados bilhefes
garantidos da 11 a parte da m s-ua lotera,
que so exfrahir quinta-feira, 25 do cor-
rente.
Preeoa
1 vigessirao 1000
Ea ;*oreo de too* par cima
1 vigessimo 900
Falsifcales
Para evitar fUificacoes cem reierncia ao coi
nhecido -EITOEAL DE CAMBAP, deve ex
gir-se este preparado com a firma do aucttorAr
vares de S. Soures em rotulo circulando a ro
Iba do frasco e a icrea da fabrica no nvltorio?,
iruh.da pelo lume dos a gentes c de pzitarios,
rerai-a em Pernaabuco Frscsco M n el da
Silva s C' ra do Mrquez de Olindaln. 23
Manocl de ArNJo Coimaraet
Mxnoel de Souza de Azcvedo Pires manda ce-
lebrar urna missa ne martiz de Santo Antonio
s 7 boras da manba, segunda-feira 22 do cr-
rante, pela alma do eeu finad} amigo Manoil de
Araujo Guimares, trigebimo dia de geu passa-
mento, convida para assistirem a este acto seus
amigos e ana Ho finado.
ifai ia Joaquina da Conceiro
Joaqoim Ferreira da Costa, sua mulher efilhos
convidam as pessoas de sua amizade p^ra assis-
tirem a missa que inania celebrtr poralmade
ma presada prin., D. Mara Joaquina da Con-
ceicao, ni dia 20 do corr.-nte, s 6 1,2 horas da
manha, na igreja de N. S. do Carmo, trigsimo dia
do mi lallecirni'nro.
Manuel *unea Crrela de Mallos
Eugenia Mana da CoueeicS-) agradece cordiaU
mente todas as pessoas quo se dignaram ac< n-
panhar os restos mortaes de seu presado irmao
d novo as convida para assistirem as mistas
que por alms do mesrno finado, manda celebrar n*
igr ja de N. 8 da Soledade, s 7 hitas da ma-
nha dj da :H docor.en'e, stimo do seu falleci-
mnto.




>
'

^
6
Diario de PeruanibucoScxta-feira 19 de NYcmbro de 1886
0 4A
'contra sezoes
(ATIE'SACreciHE)
cuv. im_cnr e cok cnra
as
^Fbres Intermitientes!
^'fleinittentes eBiliosas:
r.s
Htas,os Calafri
C TODAS AS
aJestias Paludosas.
Luz brilhante, sem Fumo
oleoIratico
Hygienico e Econmico
PARA LAMPARINES
i
Aluja-
se
o segundo andar da casa i roa da Aurora n- 81,
JBnto a estacao da estrada, de ferro de Olinda ; a
tratar na ra do Commercio a. 15, cscriptorio de
Scbastio de Barros Barreta.
Aluga-se
j predio n. 140 ra Imperial, proprio para es-
-belecimeuto fabril: a tratar na ra do Commer-
lio n. 34, com J. I. de Medeiros Reg.
Aluga se barato
Ra do Bom Jess n. 41, 1 andar.
Ra de Lomas Valntinua i. 4, com sotao'
Largo do Merend n. 17, I ja com agua.
As casasda ra do CoroniJ Suassuna n. 141
Roa do Coronel Suassuna n. 50,1 andar.
Largo do Corpo Santo n. 13, 2. andar.
Boa da Palma n. 11.
'Tata-se na ra do Commercio n. 5, 1* andar
eseriptorio de Silva (juimarSes & C._____________
Alnga-sc
I casa n 1 i u.i Lcuibianfa do Gomes, em Santo
Amaro, tem agua : a tratar na ra da Imperatriz
. 32, 1. andur.
Aluga-se
a casa de sota ra do Conde da Boa-Vista n.
58, com bastantes commodos, agua e gaz ; a tra-
tar na mesma ra n. 91, padaria, ou ra da Ca-
deia do Recite n. 60.
Aluga-se
ama casa nova no largo da Casa Forte, junto a
estacao, com grandes commodos, prestando se para
urna ou duas familias, tendo entre quartos e salas
26, e mais duas casinhas com duas saletas para
engommado, tendo gsi encanado, com boa agua
de oeber, tendo duas bombas, banbeiros, com agua
encanada, tanques, apparelbos e gallinheiros, ten-
do o predi > terreno sos lados, cercado estes por
muro, e no fundo por quinto?, com dous porues
na frente, pre$o razoavel : a tratar com o Gui-
marSes na Casa Forre, junto a loja de facendas.
Aluga-se
quartos limpos c frascos, para do-mida, e tambem
fornece-se comida com previo ajuste ; _:i tratar no
_ andar da ra do Visconde de Itaparica n. 24
Ama
Precisa-se de urna ama de idade, para eosinbar
e ensaboar ; no largo da Santa Cruz n. 14.
Ama
Na praca do Conde d'Eu n. 7, 2- andar, precsa-
le de urna ama que cosinhe bem, para casa de
, familia.
Ama
Precisase de duas amas, sendo urna pa-
ra eosinbar e lavar e outra para engor-
mados e outros btvcos de caaa de pouca
familia; tratar na ra Dnque de Caxias
n. 42, 3o andar por cima da typographia
do Diario de Pernambuco.
Precisa-se de duas amas, urna para cosiahar e
outra para andar com enanca ; na Capunga,
ra do Dr. Joaquim Nabuco n. 3.
Ama
Precisa-se de urna ama para eosinbar : na tra-
vesa dos Pires (GeriquitiJ n. 5.__ _____
Casa no Arraial
Aluga se urna casa terrea no Arraial ao p da
estacio da Casa Amarella, com commodos para
familia ; quem pretender dirija-se ao estabeleci-
meuto de molbados do Sr. Domingas.
Preeisa-se
MARTAS* BASTOS
J*et'numbtieo
NUMERO TELPHONICO : N' 33
Agua florida. -Lxtrabuia ae flores bra-
sileiras pelo sen delicado perfume, suavida-
de a suas propriedades benficas, excede
a tudo que neste genero tcm epparecido de
mais celebre.
Tnico americano.- E' a primeira das
p'eparaces para a lon&ervaciio dos ca-
bellos. Extingue as caspas e outras mo-
lestias cepillares, faz nascer os cabellos,
impede que enibranquecaai e tem agrande
vantagem de tornar livres de habitantes as
cabecas dos que os usam.
Oleo vegetal- Compcsto com vegetal
innocente, preparado para amaciar, for-
tificar e dar farilho aos cabellos.
Agua dentifricia. Exctente remedio
contra a carie dos dentes, fortifica as gen-
gives e faz desapparecer o no balito.
Vende-so as principaes casas desta ei-
dade e na fabrica de leos vegetaes ra
da Aurora n. 161.
TF.LEPHONE N 33
Tricofero de Barry
Garntese que faz nas-
creerrsoor o cabello anda
aos mais calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
todas as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva
mente impede o cabello
de cabir ou de embranque-
cer, e infnllivelmente a
tornr espesso, macio, lus-
troso e abundante.
*.U,llrV
//filloa
Agua Florida de Barry
I'ioparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1X29. E' o nico perfume noPiun-
uo que tcia a approvncSo ofeial de
um Governo. Tem duas vezes
mais l'racranciii que qualquer outn
odiin.odobrodotempo. E'muito
mais rica, 6uave o deliciosa. E'
milito mais fina o deliendn. E'
mais permanente e agradavel no
lenco. E' duas veaas mais refres-
canto no banbo e no quarto do
loint.. E' especifico contra a
frouxidio e debilidaUc. Cura as
dores de cabeca, os consacos e OS
desmaios.
Xarope le Tila le Renter No. I
AJTTES DB VSUf-O. DBPOIS D-Cs-Is-A.
Cura positiva 6 radical de todas as formasde
scrofulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
AffeccSes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todasaa do-
encas do bangne^Pigad o, e Rins. Garante-a*
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangua
e restaura a renova o systenia iuteiro. 0
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian.
Sas e para a cura das moles-
as da pel!e de todas as especies
em todos os periodos.
Deposito em Pernambuco casa
Francisco Manoel da Silva & C.
de
Madenioiselle Cotinha
Ainda contina na ra do Imperador n. 55, 2-
andar, onde suas amigas e freguesas podem eu-
contral-a para confiar Ibe os trabi'h c, que como
modista desempenha, con sejam, toil ttes per.
teados de todo gosto, dceeorde iom os bguri :-s
modernos
de urna ama para l_var e engommar ; na ra das
Cruces n. 14.
___________________________--------------_
mm
PILLAS do D'
de I0OUMT6 de K*M I de QUIMIi 1
TBXNTA JtNOS ll bom xito ~d__-_*-*
-hada li conter-a d'autu PUalaa, qussucst aa
UimmwUfprtertfaTifTStm'-^aoitim/m.
PaUu um proprisdsdsi lonicat $ mtmratfm,
oaosv-urro < rxauac q_t_t?_-
4 o nvHlicamenK a v-trn oo-tia M
Mtm Uttorago ^ioroa* Mmmla
Pvo dt Mppetltt
Caw-r empibrflmjntP lo tona*
4flbccoet etc-ofulotU, eU
Mrs-U) Sar;l: 5, a> u Gjs;ll-tlhlt-8-ta, TL1H
_| AnM**6Ms : FUN- -L t_ SO.T4. 9
ifw.ys 5*6 -f"-^_t7,ro* *h ?
Para cosinhas* c engoainiar
JPre:isa se de uid ama para casa de duas pes-
oas ; a tratar na ra du Marquiz de Olinda nu-
mera 41.___________________
Caixeiro
l'rt cisa-sc de um pequeo de 14 a 16 annos de
idade, par cix?iro depiduria; a frat-r com
Gomes & Primo, r^vessa da Madre de Dens
numeio 14.
Cascas le canellciras
mpra-se qnal(|uer qnaniidade no armazem de
Guimaries & Valente ; Cirp Criado
Precisa se de tim criado de 14 16 anaos
tratar na ra do Ck>mmcrcio n. 44.
Eusrommaderj*
Precisa-se de *ima asa que rngommc cem per-
fe:c"o ; na ra do Marqqez do Herval n. 10.
Bazar de passaros
Bbr tlu Hom Jcu* ii. C8
Neste estabelecimento encootra se sempre gran-
de sortimento de especiara passaros e gaiolas,
nacionaes e cstraogeiras, fruc"jts de diversas qua-
lidades, balainbos para ninboa du canarios do
imperio, jarros e cestos de timb, tri.balbo muifo
aperfticoado, a saborosa pimenta em conserva em
lindos fratquinhos viudos da America, pelo barato
preco de 120 is. cada um, e outros mu tos gene-
ros, que se tornam enfadonbo mencionar, tudo por
precos mdicos.
\
APPROVACAO DA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS
O quinium Labarraque 6 um Vinho eminentemente tnico et febrfugo destinado substituir todu a
0-traa preparaceg de quina.
O quinium Labarraque contem todos os principios activos dos vinhos mais generosos.
O quinium Labarraque prescripto com vantagem aos convdcscentes de doencas graves, as parturiente e
a toda* as pessas fracas ou debilitadas por urna febre lenta.
Tomado com as verdadeiras plalas de Vallct, sao rpidos effeitos que produz nos casos de Morse, ane-
mia, cores pallidas. *
Em razao da eflicecia do Quinium Labarraque, preferivel /-^
tomal o em copo de licor, no fim da refeico e as pilulas de Vallet antes. _jS^_ $&c,
Vende-se na mor parte das pharm acias sobe a asignatura : y*+> *>
Fabrica9o e atacado : Casa L. FRERE
Aos 1.000:0008000
200:000^000
100:0001000
Pa a escripia rio
Um rapaz de 20 annos de idade, desejando pra-
ticar em qualquer esenptorio ou carto.io, pede
pessoa que precisar, c'eixc carta na ra daPcnte
Velha n. 118, taverne, com as i liciaes E. C. S.
l^?TefIo~
^ O tenente cncarregado do paiel da plvora pre-
vine aos sinhores negociantes em plvora, quei-
ram v.companbar seus pedidjs de pessoas compe-
tentes para este servico.
Aluga-se
a casa n. 3 em Beberibe a tratar cora J. I. de
M. Rege. ________________
Aluga-sc
o sobrado de um andar o sotao ra do Mrquez
do Herval, travessu do Pocinho n. 33 : a tratar
no lurgo do Corpo Santo n. 4, 1 andar.
IJTill
DE 3
Em favor dos ingenuos da Colonia Orphanologiea Isabel
DA
PROVIMi DE PERNAMBUCO
EllPCCi a 15 le Dfi] % 1896
0 tbesoureiroFrancisco Goncalrcs Torres
Cuidado com Flmcacoes
AGUA de MELISSA1
dos Carmelitas .
IB O *ST _E_I I*
nico Successor Jos jCarmelitael
PABI8, 14, Ra de l'Abbaye, 14, PARS
Contra Apoploxia, o Cholera. Enjoo do mar, o? Flatos, as Clicas, Indi- ^"N fj
gosts. a Febre amarella, etc. Ler o pro$pecto no qual vai envolvido cada vidro. j -S/f^f)'
Deve-se exigir o letreiro branco c preto, em Iodos os vidroa,
seja quai fr o tamanbo, como tambem a aisii/natura:
Depsitos em todas as Pharmacias das Amerioas.
__(___
........
Omrm tupida e trtm pe*
lARSENIATOdeOURO DYNAMISADO
do Doutor AEDISOIV
i Chioroaa. anemia, todw u Molaotiaa > Systems narroao, Bono u
ais rsbeld, Molestias ch ron leas do* Pi> s_iens iaosfrsooes medlou ten stteftado o poder iutsUto oeste medioneato _w_ram-n'a
o frimeiro t o mait eturgieo io rteorutituintee.
O RAMO I FRANCOS (EM FRANgA) yO
Todo r*emo me nao trouxer a Marta de rabrtca registrada ewttnttwv^f^f-'*1*0 ***-< |
deve eer rigorosamente reoos-da. ^^-^ dMt*
_v_xs, rb_n_-ola~OBJ__r, i__ 3toche*.mrt, le. 'Z*' Producf
Deposito e-i Pernambu-, v : FRAN M. da SILVA & O.
rwin
_r_r-rTT-r-LJLiij-L-Lj-j_.B.w w nmr

Tonteni ola
nhos para engenhos
WAQONS PARA CANNA
Locomotivas
Hachlolsmo completo para en
genhos de todos os taannos
Systema aperfeijoado
Especijica^oes e presos no escriptorio do
agentes
Browns & C.
IV. & -Roa do Commercio
N. B Alm do cima B & C, tem cathalogos de
mu'l simplementosneerssarios agricultura, como
ambem machinas para deacarocar algodb, moi
ahos para cat, trigo, arros e milho; cerca d fer-
ro galvanisado escolente e mdico em preco, pes
toa nenhuma rod trepa'.-a, nem mal que-
bral-a.
Criado
Pr-cua-ie
nuoieio 109.
de um criado; na ra da Aurora
Atteiifo
Aloga-sc a loja do sobrado n. 20 da ra da Im-
peratriz, C' m uiuitos commodos para grande nt-
nrgocio ; a tratar com Capitulino do Guama;, na
ra do Bem Jess n. 11, 1- undar
iro
na ra de Marcilio
PrrcisH-se Je um caixeiro
Diasn. 141.
AGUA SALLES
Acabara..--se as Cas
Cotumitnlea aoi Cabello* e a Barba
i Cor natural
ir i) i'Ei n 'oas A? l'C-Cfies _eo LaTaopm i3n Pejara^c
35 ANNOS DE BXiTO
E. SALLES fila; J. MONEGHETTI, suscessor
Per'imis'a-tlilmtto, J3, ru Tsrt'j, PAEIZ
Ver.:'imw em t.da s principad Perf-marlat o Droarlaa
.i -o F-sn'-Mis SILVA *C".
Marca
Registrada
alugvr um sitio com boa m irada para familia, de
preferencia nos arr:baldea da cidade; quem tiver
dirija-se botica frauceza, na ra da Cruz n. 22,
ou a ra da Madre de Deas n. 7.
-MULSAQ
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Figado de bacalho
COM
Hypophosphilos de cal e soda
Approvada pela Iunta de Uy-
glene e antorlsada pelo
governo
E' o melbor remedio at hoje deecoberto para a
ilalra bronclilteii, encropltalaa, ra-
rliliin. anemia, ebllldadc cm geral.
defla-OM, loc cbronlca e oircrre
do pello e da aruanta.
E' muito superior ao oleo simples de figado de
oacalbao, porque, alm de ter cheiro e sabor agra-
daveis, possue todas as virtudes medicinacs e nu-
tritivas do oleo, alm das propriedades tnicas
reconstituintfs dos hypopbosphitos. A' venda nai
Irogarias e boticas.
Deposito em Pernambuco
TiuiTiii
PARA TINGIR A
Barba e os cabellos
triada
Precisa-se de urna criada para cuidar e andar
com um menino de dous nnnos ; a tratar na es-, com bons comino los e perto do mar ; a tratar na
trad_ de Ju&u de -arros, siti n. i7. ; ra de S Bento u.-1S, das 6 s 8 li v.s da mauha
e das 3 da. larde i m disute.
Cal irgem deJaguaribe
Abri se ra do Bom Jess o. 23,
um armazem onde se vende constantemen-
te a superior cal virgem de Juguaribe,
acondicionada un barricas proprias para o
fabrico do assucar.
Esta cal, em nada inferior que nos
vem do estrangeiro, vendida pelo preco
tixo de 6$000 a berrica por coutracio que
f.z o Sr. Vicente Nascimento com o Sr.
Jos Costa Pereira proprietario do engenho
Jaguavibe, cujas pedrtiras lha d o nomo
f encirregacio lia venda unianifcnte
uesta ciJr.de o Sr. Sebastio Bezerra,
com esciiptorio ra do Bom Jess n. 23.
NA EXPOSICAO UNIVERSAL
INHO de CATILLON
de OLYCERINA e QUINA
O mais p>ieroio tnico recoastituiote prescripto
[ no* rizo i(h Dores d"estomago. Langor, Anemia
Diabetis, ConsumpcSo, Fe-res,
Convalescen;a, Rezultados dos partos, etc.
O DM-M inho cora torro. VINHO FERRUGINOSO DE
I CATILLON rivenerador por excolleacia do sangos pobre
I e descorado. Este tinho faz toU-rar o ferro por todos
I os estomago e oo oecasiona priso de rcnlre,.
iPARIS, :3. rja Si ntVinctntdt-Pijl. EmPtroimbixoi
Franc "I.claSilvaeCvn priocii* Ptuu-u
NICO VINO QUINADO QUE OBTEVE fSTA
LOTERA do cear
200:000*000
0 portador de dous vigsimos d'esta nova lotera
est habilitado a tirar
20:012$000
BILHETES VEXDA
E0DA DA FORTUNA
36Sua Larga do Rosario36
tFERRO GIRARD
Approvado pela Academia de Medicina de Pariz.
Approvado pela Juncta Central de Hygiene publica do Brasil.
O Professor Hrard encarregado do Relatorio Academia demonstrou t que
fcilmente acceito pelos doentes, bem tolerado pelo estomago, restaura as
forcas e cura a chloro-anema; que o que distingue particularmente este
novo salde ferro, que nao causa priso de ventre a qual combate, e elevn-
dose a dse, obtm-se dejeccoes numerosas.
O FERRO GIRARD cura anemia, cores paludas, caimbras de estomago,
empobreoimento do sangue; fortifica os temperamentos fracos, excita o
appetite, regulariza as regras e combate a esterilidade.
Deposito em Pariz, 8, ra Vivienne e as principan Drogaras e Pharmacias
Caixeiro
Precsa-EC di um caixeiro de 12 a 14 ann-:s
com pratici de molhados, e que d fiador sua
conducta ; a tratar na travrasa do Monteiro nu-
mero 180.
te.irto
No 2. andar da ra do Imperador n. 55 offere-
co-se urna pesci ao corpo commercial desta pra-
?a para no centro das provincias de Alagas ao
Rio Grande do Norte, promover qutlquer cobran-,
liquidacr-, etc., poi j4 e t nisto versada ha mui-
40 tempo. Ueixa de mencionar os nomes d s ne-
gociantes cksla praca do quem tem feito cebrauja,
paia n3o ser to extenso. Est piompta j>ara dar
st-u fiador, se tanto Ihc f'.r exigida. 1
(
r


Atten^o
Toma-se urna menina de 6 a 8 annos de idade,
com pai e mai, para casa do familia, ra de D.
Mara Cesar n. 4.
Ao commercio
O abaixo i-asignado declara quo nesta data
deixa de ser socio do estabelecimento de molha-
dos, sito ra do Padre Muniz n. 5, o qnal pyra-
va sob a firma soc al de Silva Campo3 4 C, e
retira-be pago de seo capital e lacres e li ae de
qualquer reepansabilisado, fienndo o activo e nas-
sivo a cargo do ex-socio Jos Lop-s Ja ftiim
Camp.s. Kecifo, 16 de Novembro de 18b6.
Manoel de Sr?uz* Almeio'u.
Casa em Olinda
Aluga-se a de B. 15 ra de Matbias Ferreira,
Boa pinga
Maude e vigor
PABA TODOS QCE PIZEBBlt CZO DAS PILU-
LAS ANTI DYSPEPTICAS E BEGULDOBAS
DO VENTBK.
Preparadas por Bartholomeu &. C*.
Estas pilulas, cuja formula nos foi con-
fiada pelo distincto clnico desta cidade, o
Illm. Sr. Dr. Carneiro da Cunha, sao np-
plicadfls com o melhor xito contra a fra-
queza do estornsgo, priso de ventre, en-
gorgitamento do figado e baco, anemia,
tonteiras hemorrhoidaes, etc. ctj. Ellas
nao causam o menor v xame ou dor no
estomago, produzindo sua acjilo operativa
branda e suavemente.
Nao prostam aa forcas, nem abatem o
espirito, nntes pelo contaario do alecto,
desenvolvem o apatita, d2o maior vigor e
r^stituem aos doentes auas primitivas for-
cas, concnendo assiro para o completo
rcstabel>>cimentd da gaude.
DEPOSITO
EM SUA PHARMACIA
RflA LABGA DO EOSABIO N. 34.
Acaba de ebegar para a roa de Hortas n. 17,
pelo vapor Senegal, consignafo, urna qualidade
de viuho especial, o que s torna muito recom-
mendnve! porque n-j tem cjnfecc^o, e sen sab r
puro e agradavel.
Ill(|llls
Faz se l.ndos bouquets para casamento; e for-
mi.iuru, com lindas fitas e sem ellas, e pac pre-
c s ci m modos ; a tratar na ra do Imperado) nu-
mero 45.
Vcude-se urna r i'Bcao propria pura |liarmcia
cu drogara ; a tratar na ra larga do Rosario
nuui'.'io 31.
EngoDiniadeli a e criado
Precisa-se para casa do pequen 1 familia ;
tratar raa da Cruz (Reeife) n. 32, Io andar.
Firmas de ferro galva-
nisado
. Piecisa-ae de 500 formas de ferro galvanisado,
! no caes de Capibanbe n. 40 A ; quem as five,
\ dirjase ao lugar indicado, que encontiari com
l quem tratar.
CAPSULAS
IYIATHEY- CAYLUS
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
As Capsulas Mathey-Caylus com Envolucro delgado de Gluten nao fatigSo nunca
o estomago e s3o recommendadas pelos Professores das Faculdades de Medecina e
os Mdicos dos Hospitaes de Pars, Londres e New-Ycrk, para a cura rpida dos :
Corrimentos antigos ou recentes, a Gonorrhea, a Blennorrhagia, a Cystite
du Collo, o Catarrho e as Molestia da Bexigas e dos orgaos genito urinarios.
U2V Urna explicado datalhada acompanha cada Frasco.
Exigir as Verdaderas Capsulas Mathey-Caylus de CLIN & Cie, de PARS,
que se achao em casa dos broguistas e Pharmaceuticos.

Molestias das Creanoas
XAROPE DE RABAOIODAC
de GRIMAULT e Ca, Pharmaceuticos
Approvado pela Junta d'Eygisne do Rio-de-Janeiro.
Este Xarope que, pela sua reconhecida efflcacia, figura na Plianuacnpa francesa
/Edieao de 8&4], goza da melhor reputagao en've os mdicos de lodos os paizes.
Substite o oleo de figado de bacalho pela inlelligante comhjnac-o imima do iodo cem
o sueco de plantas antiscorbulicas, como o agriao, o rhSo e a cochlearia, bem
conhecidaa na medicac&o dos adultos e das creincos pelo iodo 4 o enxofre quo ellas;
contm. Este xarope convm as creangas paludas, iracas, sem appetite, predte-
postas a certas molestias, como a ozagra, as czostas do loite, o eii^oigitar.ento
das glndulas do pesceco, q
Essensialmente depurativo c inoffensivo,
eoloduretode ferro, mas como c- iridcaro -mente:
debis e para combater a tisica, astosses c.atarrhaes, o
os mos humores, as molestias da pelle e led
do saqgue. -----------------
)sjto em PARS, 8, Ru Vivienne, e Las pri 1;.
r__??-_ _H_r__2-_J _3 _3 _._3-_H_M_K'
COMVIT
J0SEPH RRAUSE a C.
Aeabam de augmentar o sen j bem conhecid
mporlantc estabelecimento rna i
de mar^o n. 6 com mais,
om saldo no \ andar lnxnosamente prepa-
rado e prvido de urna exposi-
( 4f tm de prata Porto eeMrafitl
dos mais afamados fabricares do
mnndo inteiro.
nonvida, pois, as Exmas. familias, seus nume-
rosos ^amigos e freguezes a visitarem
o sen estabelecimento, aOm de
apreciarem a grandeza bom gosto com que
nao obstante a grande
-despeza, o adornaram, eui honra
desta provincia.
ACHA-SE ABERTO DAS A'S D NOII


Diario de PernambueoSexta-feira 19 de Novembro de 886
I
li
VENDAS
Vende se um kiosque no pateo do Paraso
a trat*r no mesmo.
__ Vendum-so doas curros baix*>s e bons, don
bois gordo, que serve in para .tirar asquear naa es
tacoes ou outro qu-tlquer trsbalbo, veude-ee ba-
rato, quem quizer dmja-se ra do Coronel Suas-
sana, casa n. 173, ou detron-e eoctatira de An
tonio Borborcma, oadc achara com quem tratar, e
3 horas da tarde. ^^__^
__ Vende-se ou permuta tu o sitio do B com
daas oasaa, sub n. 103 t 105, c.>m inultos arvoro
dos de fiicU', inclusive quarenta o tantos pea di'
coqueiros, o qual sirio fica coufrontando cooi o do
Sr. escrivSo Cunha, ra de S. Miguel de Afo-
Sidos : a tratar ua ra das Trincheiras n. 17,
* _______
Padaria
Vende se um cylinJro americano, pjr barato
prego : a tratar no Catuinho Novo n. 91.
A KevoluQo
A' ra Duque de axias, resolveu Tender
os aeguintes artigos com 25 /0 de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Zephiros finos, lindos pudroes, a 600 rs. o ovado
Las de quadros, a 400 ri o covado.
Ditas tarrada* a 400 reis o dito.
Ditas com boliuhas a 500 e COO ris o dito.
Ditas cora listrinhas-de seda a 560 ris o dito-
Ditas mesclauits de arda a 7iK) ris o dito.
Cachemira de cor a 900 e 1V00 o dito.
Ditas pretbs a 1#20 o 2 Ditas de cor bordada de seda a 1 500 o dito.
Lmlios escosseres a 240 re. o covado.
Zephiros do quadrinh.'s e lisos a 200 ris o oo-
yado.
Linh s lisos a 100 ris o covado,
Setim maco a 800 e 1*200 o dito.
Dito damaf s& a 320 rs. o dito.
Setinetas do quadrinh.e a 320, rs. o dito.
Dit;i3 escocesas a 410 rs o dito.
Ditas matizadas a 360 rs. o dito.
Cretones finissimos a 360, 400 e 440 ris o co-
yado.
Chitas escuras e claras 240, 280, 300 e 320 ris
o covado.
Nansuc fina3 a 300 ris o dito.
Enxcvae3 para baptisado de 9*000 um.
Colchas bordadas a 4S, 5*, 7*, e 8*000 urna.
Seda erna a 800 rs. o covado.
Colchas brancas a 1*51 0, 1*800 urna.
Cobertas de ganga a 2*8..0 urna.
Fecbs prateados a 2#fc e 8*0C0 um.
Ditas, de pe lussia a 60tK) um.
Ditos de a a 1*000, 2*000, 3*00, 3*600 4*00u
e 5*000 um.
Panno preto fino a 1*000 o covado.
Cortes dj casimira a 3*000, 5*000 6*00(
Doce de caji secco
Do primeiro da pre-
sente safra, tem para
vener, em latas de
libras, ra do
Bom Jess n. 35, arma-
zcm.
Pecliinchas!!!
Hito aa segalnles que deflnillva-
niente nao enlraro no prximo ba-
lando
Admirem!
Loja e arma $ao
Vende-se urna, prnpria para qnalquer ramo de
negocio, na ra do Cabng, que muito se reeom-
menda p>r ser urna das principacs ras para todos
os neg cios. Garant-se ao comprador as chaves
da mesma : a tratar na ua Nova n. 15.
Pinlio de Riga
Acaba de chegar pelo brigtto Atalanta um com-
pleto sortimento de pinbo de Riga da melhor qua-
lidade e de diversas dimensoes, como sejam :
4 X 12
4X9
3 X 12
8 X 11
3X9
2 X 12
e tabeas da mesma madeira de 1 e 1 1/2 polle-
e;adas.
Vcndcm MATHE3 AU8TIN & C, 4 rna do
(J. mmcrcio n. 18, 1 andar, ou no caes do Apollo
5l,n. por precos commodos.
Uocheira yenda
Vende-se nma cocheira com bons carros do
psacio, brm localisada e afreguezadt., por preco
muito mdico, em razao de sen dono nao poder ad-
ministrar por ter de faxcr urna viagem : os pre-
tendentes acbaiao com quem tratar ra Duque
de Caxias n. 47.
nm.
Creps para oob-rta a 1J>000 o covado.
Cntcne para cubtrta a 400, 500 re. o covado.
Leucocs a 1*800 um.
Bramante d* linbo a 24000 a vara.
Dito de algodao a 1*200 a dita.
Dit) de 3 larguras a 900 ris a dita.
Panno da costa a 1*400 c 1500 o c\a o.
Dito adamascado a 13300 o dito.
Espartilhos de c-.uraca a 4*000, 5f 000, 5/500,
-3*000 e 7*500 om.
Cortinados bordados a 6*500, 7*500 e 9*000 o
par.
Ditos de crochet a 24*000 o par.
Lencos de 1*200 a 2*000 a duzia.
Velludilbos lisos e lavrados a 1*000e 1*200 o
se vado.
Anquinhas a 1*800 rs. urna,
Panno de croiher para cadeiras e aif a 1*000,
1*200, 1*600 e 2*000 um.
Henrique Attenqo
Vinde-se cma rtfinseo b*m afregoesada :
Tratar na ra do klarcilio Dias n. 106.
Vende se
rijo'cs de alven&ria grossa de boa qualidade e for-
mato ouplo per seren do Aracaty, por commodo
preca ; a tratar na ra da Madre de Deus n. 8,
com Bsrtbolomeu Lcurenco.
Terreno na ra Impe-
rial
Vende-se um proprio, junto ao cbafariz, que
mede 90 palmos de fre te e 1,000 de fuudo, at a
estrada de ferro do Reeife Caruai, e outro da
referida estrada n a baixa mar; a tratar na rui
Imperial u. 181.
Altencao
Camisas naeionaes
A OO. 3*000e S*500
32^= Loja ra di lmperatriz m 32
Vende-se neste novo estabeleeimento um gran-
de sorlim'-oto de camisas brancas, tanto de aber-
turas e pannos ds linbo como de algodao, pelos
barates p-i \os de 2*500, 3* e 4*, sendo tazenda
muito melhor do qu<" as que veem do estrangeiro e
ai.it>, mais bem fritas, por serem cortada por
im bem artista, espec'anente camiaeiro, tumbem
e manda faier por encomniendas, a vintade dos
fnguezes : na nova loja da ra da Imperatris n
3-*, de Ferreira da Silva.
Ao32
Nova loja de fazer Jas
A ~ Ra da Impc z = 3'
DE
FERREIRA DA Si^VA
Neste novo estabeleeimento encontrar o ras-
pjitavel publico um variado sortimento de razen-
das de toJ.s as qualidades, que so vendem por
precos baraflsimos, asaim como om bom sorti
asate de r^upas para homens, e tambem se man
ia tazer por encommendus, p r ter um bom mee-
tre altaiute e completo sortimento de pannos finos
easemiras e brins, etc
7*00i
10*0
i2*ax
12*001
5*50t
6*50t
8*001
3*001
1*60
l*O>

Venle-se oa importa?ite tavirna ; a tratar na
ra do Mrquez do Herval n. 29. A razao de se
Tender se dir ao pretendente.________________
Novas ls.nhas
A 3 3 e 400 reis o covado
Acabam de chegnr para a loja da ra da Im-
seratriz n 32, um grande e bonito sortimento de
siiihiis; Oe ci-res pa:a vestidea, sendo fazenda de
mnita phantasia, com cores clar-is e escaras, e li-
qnidam-se a 320 e 400 rete o covado, por ha ver
grande porcao na loja de Pereira da Silva.
Excellente aequisico
Bom rmprego de capital
Vende- ss por pceo cmnr do o bem localisado
predio da ra Duque de Canas n. 'i9, reedificado
tltimami nte o dando um bom rendimento ; a tra-
tar na ra 1 de Marco n. 20. _________
Tceidos de linho
A 500 rs. o covado
Na leja da ra da Impi-ratris n. 32, vende se
um bonita sortimento de tazendas de iinbD para
vestidos, fendo largura de chita frmceza, com
muito bonitas cores e palminhas bordadas, pp
?hincha a 500 reis o covado, na loja oe Pcrejra da
Silva.__________________________________________
Serrara a vapor
Caes do Cap'barlbe o. **
N'esti serrara entontraro os s< nbori's fregue-
rineo a dez metros de compnmeuco e de 0,08 a
\24 de esquadros Garanta se preco mais como-
do do que em outra qualquer parte
Francisco dor Santi ( Macedo.
WHISKY
ROYAL BLEND marca VlADO
Este excelleute Whisky Escosse preferiT
ao cognac ou aguarden^ de canna, para fortifica
o corpo.
Vende-se a retalho nos tu Iheres armazens
solhados.
Pede ROYAL BLEND marca VLADO cujom-
cae e emblema s*s registrados para todo o Brasx
BRI)WS8_&_C, agentes____________
"Oleopara machinas
Em latas contendo cinco gaies, a 9*000 ; ven-
de-se nos depotitos jja fabricaApollo.
E R1G\
de 3X9, 4X9 e SUS vend--so na serfari.i a va-
por de CUsbSKO da Silva, caes Vin-e Dous de No-
vembro n. o.__________________________
Liqudalo
Cbpos modernos, palmas, pluma flores e fitas
do por preco muit o barato.
Mme. Miquelina
Ra i as CruO n. 39
9-Roa da Imperairia-3t
hoja de Pereira da Silva
Neste estabeleeimento vende-se as roupes aba>
zo mencionadas, que sao ba- ..-: u as.
Palitots pretos de p>r... aiagonaes e
aoolchoados, senao tazendas muiio en-
corpadas, e forrados
Ditos de casemira preta, de cetdao muito,
bem feitos e forrados
Ditos de dita, fazenda muito melhor
Ditos de flanella azul sende ingleza ver-
dadeira, e forrados
Calcas de gorgorito preio, acolchoado,
sendo fazenda maitc encorpada
Ditos de casemia de cores, sendo muito
bem f,-itas
Ditas de flanella inglesa verdadeira, e
muito bem feitas
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2*, 2*500 e
Ceroulas de greguellas para homens,
sendo muito bem feitas a 1*200 e
Colli-tinhoB de greguella muito bem feitos
Assim como um bom sortimento de lencos d
inho e de algodao, meias cruaa collarinhas, etc
to na loja aa >ua da lmperatriz n. 3St
es, elinela e liizinbas m SO
* o covado
Na loja da ra da lmperatriz n. 32, vende-
un grande sortimento de fust&es brancos a 50
rs. o covado, lasinbas lavradas do furta-cores
fbsenda bonita para vestidos a 500 rs. o covad.,
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas si
cores, a 500 rs. > covado, pecbincba : na loj
do Pereira da Silva.
Algodaozinlio francs para lence
_ a OOOrsi.. l e llsuo
Na loja da ra da Imperatris n. 32, vende-
superiores algodaozinhos franceses com 8, 9 e K
palmos de largura, proprioa para lencoea de un
o panno pelo barato preco de 000 rs. e 1*000
metro, e dito trancado pa a toalhas a 1*280, as
sim como superior bramante de quatro largura
para lencoes, a 1*500 o metro, barato na loj
Pereira da Silva.
para meninos
A I*. 4*500 e 4
Na nova loja da ra da lmperatriz n. 32,
vende um vanado sortimento de vestuarios prt
prios para meninos, sendo de palitosinho e calo
aba curta, feitos de brim pardo, a 4*000, dittu
de moleequin a 4*50C e ditos de gorgorito pretc
imitando casemira, a 6*, sao muito barates ; su
loja do Pereira da Silva.
Bonito sortimento de mariposas e fust5es, cores
firmes, a 240 e 320 rs. o covado !
Nansok do cores mimosas a 180, 200 o 320 rs. o
dito!
Linho3 escoceses, novidades em padroc-s, a 200 e
240 rs. o dito !
Setinetas, as mais finas que tem vindo, a 320 e
360 rs. o dito !
Cretones frsncezes a 260, 280 e 320 rs. o dito!
Sargelim dgonal, todas as cores, a 240 rs. o
dito !
Popelinas de cores, a 160 e 240 rs., listras de se-
da, barato!
Lazuritas modernas, a 440 e 500 rs. o dito !
Cachemiras, lindos gostos, a 600 e 700 rs. o dito !
Renda indiana (imitaeJn), linda fazenda, a 700 rs.
o dito!
rlsn Ja, delicados desenbos, um metro de largura,
a 809 rs. o dito !
Merinos e cachemiras, pretas e de cores, a 900 rs.,
1* e 1*200 o dito!
Setim maco, todas as cores, a 800 e 1* o dito!
Veludilho d tedas as cores, lisosebardados, al*
e 1*200 o dito !
Caaeiniras inglesas, de cores, a 1^200 e 1*400 o
dito!
Cberiots, preto e azul, a 2*500, 3* o 3*500 o
dito I
Casemira diagonal, a 1*800 o dito !
Panno ingle?, superior, preto e azul, a 2*200 e
4* o dito!
Pecas de esguiao para casaquinhos, a 4*500 e
4*!
dem de superior algodao, a 4*, 20 ids !
dem de ronda poles americanos, a 4*$00, 5* e
C*, 24 ids !
Para as Ezmas. noivas, lindas grinaldas c veos,
por 12* e 15* !
Ricos cortinados, todo bordado, completo, por
Lindas guarnic5es de crochets, cadeiras c sof, a
8*!
Superior bramante de algodSo, quatro larguras, a
900, 1* o 1*200 o metro !
Atoalhado bordado a 1*400 e 1*800 o dito !
Pannos de diferentes cores para mesa a 600,1*200
e 1*600 o covadoI
Cobertas de cretones, lindos padrees, a 3*800 e
4*.
Lences de bramante (cama de casal) a 2* um 1
Colzas francesas, de cores, a 2*, e 6* superiores I
Lencos de cores, lindos desenhof, a 2* a duzia 1
Seroulas bordadas, de bramante, a 16* a dita 1
Meias inglesas, brancas e de cores, a 3*200 e 6*
a dita.
Cambraia bordada, branca, a 6* e 7*, as melhores
que tem vindo 1 '
Sortimento completo de sedinhas de cores, grosde-
naples, filos bordados, crep, mantilbas, capas
de la, fich-i.
ChamadosTemos pessoal habilitado.
Venda* cu ki*onuDesenlos da praca.
5 IIna Duque de Caxias-.

-\
fla Cania & C.
Pianos
com pouco uso ; a tratar

A' Florida
Ra i Duque de Casias n. 103
Chama ie a atrcic,So das Ezmas. familias para
os pr. eos seguintcs :
Luvbs (i- seda pruta a 1*000 o par.
Cintos a 1*500
Luvas d>- peluca por 2*500.
2 caizas de pi.pt-1 e envel pes 800 rs.
Luvas de sed, cor granada a 2*, 2*500 e 3*
o par.
Suspensorios p ra meninn a 500 rs.
dem aun r.canos par huinein a 3*.
Mfias de Escofina p.ra enanca a 240 rs o par.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albuns de 1*500, 2*, 3*, at 8*.
Ram. s de fl i'.s Gnus a 1*500.
Luvaa d- Eseossia para menina, lis s e borda-
das, a8()0e l*o par.
Pcrta-retrati, a 500 n 1*. 1*500 e 2*.
Pentes de uikrl a 600 ra., 700 e '0 rs. um.
Rosetas de brilhanter chimicos a 200 rs. o par.
Guaruicoes de idem ideui a 500 ra
Ai.quiuhar. de 1*.V0, 2*, 2*5(0 e 3* urna,
Plisss de 2 a 3 .ird.-ns a 400. 500 e 600 rs.
Espartilho Boa Figura a 4*500.
Me.. La Figunne a 5*000.
dem estreitinhos com 10 metros a 800 e 1*000
a peca. .
Pentes para coco com inscripcao.
Babadores com pintura e intcnpc,oes a 500 rs.
Para toilet
Sabo de areia a 320 rs. um.
dem pbenicado a 500 vs. um.
dem alcatrao a 500 rs.
dem de ameudoa a 300 rs.
dem de alface a 1 *000.
Agua celeste a 2*000.
Agua divina a 1*500.
Agua Florida a 1*000.
Mao_cos de seda a 100 rs.
Meias brancas para seuhora a 3* a duiia.
Eslojos para crochel a .$000 rs.
Lionas para crochet cor de creme 200 rs.
Linhas para crech t d seda mesclada 300 rs.
BARBOSA & SASTOS
Vende-se dou piar ,s
ns ra do Hospicio n. 3.
Leitura para senhoratr
Brolhes nikelados e dourados a 2*000.
1! nitos gramp 3 deurados a 500 ris o maQO.
Esplendido sortimento de gaioes de vijnlhc.
Grande variedade de legues de silim, a 4*000.
Frisadores americauus pa>a cabello a 3*100 o
maco.
Setas de phantasia para cabello.
Bonita colleccao de plisss a 40" ris.
Brineos, imitaco de bullante, a 00 ris.
Aventis bordados para enancas a 2*000.
Chapeos de fustn e setim para crianzas
Sapatos de merino e setim dem, idem.
Meias brancas e de cores, fio de Escocia*.
Pomada de vozelina de diversas qualidades.
Sab metes fiuos de vozelina e alface.
Extractos finos de Pinaud, Guerlaine Lubin.
Lindas bolsas de cour e velludo.
Fechs de l para senhora a 1-00.
Sapatos de casemira preta a 2*000.
Tesouras para costura, de 400 ris a 3|000.
Pacotes de p de arrez a 300 ris.
Fitas de todas as qualidades e cores.
Immensa variedade de boioes de phantasia.
E milhares de objectos preprios para tornar urna
senhora elegante, e muitos outros indisp- nsaveis
para uso das familias, tudo por precos admiravel-
mente mdicos.
Na Graciosa
Ra do Ciespo n. 9
___________Duarte & C.____________
Graode reionna!!!
Realmente foi grande a quo se fez n* Loja dos
Barateiros.
Hnu ta Impcatrii n. io
E sao os nicos que tem as s; cumies especia-
lidades !!!...
Lie alpacas, grande e importante sortimento,
e lindissimos padies, o mais liuo e apurado go> que tem indo, e por preco baratiasimo, de 500 600,
700. 8(0e i*000,o covado, porm fino e bom !...
Querem ver ?... aparefam .'!!...
Ezmas. W nhoras II...
T mos um lindissimo sortimento de failhe, que
a vista agrada a mais excepcional fregueza ; lato
por menos do que em outra qualquer casa ; n.
40 I....\
Pois custa 600 rs. o covado.
. Temos mais .indos sortimento de fustoes a 500
rs. o covado.
Chitas finas, especialidade, porque houve gosto
na cscolha, c vende se por 240, 280, 320, 360, 400
e 5( 0 rs. o covado, n. 40.
Tambem temos! !!...
Lidos padroes em baptista de 180 a 200 rs. o
covado.
Cambraia vieti ria e transparente finas e boas
de 3*300 a 800 a peca.
Bnm brauco de linbo especialidade de 1*500 a
3*5t.0 avara peehincba 1
Brim pardos I izo e trancados do 700 a 1*600 a
vara, apr..veitem festa! 1 !...
Mohstk m grande sortimento a vontade dd fre-
qaez, vende-se de 400 a 560 o covado, vt-nluHn !...
Sitiuctas !!!... esplendido e importante soi ti-
mento uesse artigo, sendo brancas, pretas c de co*
n s, lavradas < lizas, o que se pode desejar em bom,
vende se de 400 a 6l 0 o covado.
Temos mais 1 !. .
Casemira de todas as qualidades e cores, e ia-
ztmos eostumes d. 30 a a 60*00, barato e em
cuvadi s de 2*5'i0, cousa fina e que a todos agr-
dam, app.irC'm !
Aer. ili'i m ?...
Veuham ver, para crer 1 1...
Madauola.de la quali.lade de 4*500, 5*500.
6*oOO, 7*500, 8^500 e 10 a peca, e que ha de
ui Ihor.
Alg -dao de 3*5C0 a 7*500 e 8*000 a peca tem
20 jardas.
Caniihas re meia de bres e brancas de 800 a
1*800 e 2*00.
Co cha de lindos desenhos a 4*0"0, casta6*000
em nutras casae.
PxiiHoa da Custa do melhir quo ha custa apenas
2*750, o mi tro, pi chincha !
Bsamaute de linbo a 1*800 a vara, 10 palmos,
para a eabar.
Id m 'lealg daoa 1*300, palm-s tambem b>m.
Algodao e.i festad-, 10 palmos a 900 rs. o uv tro,
muito om para lencoes.
Al. m das ra* ni. j i uiencic nadas temos muitos
artigos de modas c m < m-ja, leques d- fino gosto,
gravatas, Cularinhos, puuhus, meias ele. etc.
Allieiro &(\
RA DA IMPERATR1Z N. 40
Taverna
Vende-se a taverna da ra da Gloi ia n. 104,
livre e deseujbar-.cada de qualquer uuus, con p u-
cos fundos e bem loelisada, propria para um
principia nte, enea excellintcs commodos para fa-
milia ; o rootivu da venda se dir a > comprador, 4
tratar na iu>sma.
COLOMA ISABEL
EXTRACQAO SEMANAL
5.a parle da 'IV lotera
CORRE
No dia 24 de Novembro de 1886
Infranserml! Iaransfriv$II
0 PORTADOR DE M VIGSIMO ESTA' HABILITADO A TIRAR
12:006$200
Esta lotera est garantida, alm da fianza, por um deposito
no Baneo Rural do Rio de Janeiro equivalente ao premio grande
de eada serie.
BILHETES zV VENDA

VA
DA FORTUNA

36-Ra Larga do Rosario36
fernard'mo Lopes Alheiro.
<
Ba 18.a parto da 1.a lotera om b$n&io a Sataasa da
M8$ri$ordia do Rooifo
EXTRAHIDA EM 18 DE NOVEMBRO DE 1886

U384
PREMIOS
OOIOOO^OOO
22039 30:0005 18556
4952 I0:000 21916
18240 4:000-S 1460
943 2:000^ 2656
5334 2:000$ 4097
7428 2:000$ 5261
10115 2:000| 6207
14774 2:00 74S9
18309 %'MU lt44
22892 2:000$ 11369
4914 1:000$ 11793
5763 1:0001 11934
6362 1:0001 12424
9083 1:000| 13685
10175 1:0001! 16413
15246 1:000 17461
15923 1:0001 17951
18495 1:0001 22283
1:0001
1:000$
500J
500^
500
5001!
500^
5001!
500$
500|i
500$
500$
500$
500$
500H
500|!
500$
500$
11383-2:
11385-
. Os nmeros de 11:301 11:400 (excepto o premio da sorle grande) estilo premiados com 200$.
Os nmeros de 22:001 22:100 (excepto o premio de 30:0008) estilo premiados com 100S.
Os nmeros de 4:901 3:000 (excepto o premio de 10:000$) estilo premiados com 60$*
Todos os nmeros terminados em 4 e t* esto premiados com 20$. (Vejase o piano na
verso dos bilhetes)
S. B. 4 extracto da 11.a parte da !.; lotera, em beneficio da Santa Casa, ser
na quinla-fcira 25 do corrente. '*
0 tliesonrciroAugusto Octawmo deSouza.


8
Diario de PcrnambucoSexta--feira 19 de Kovembro de 1886
L!TTRAT1)R


CASAMENTO 4 REVOLVER
POE
JULES MARY
-)()(-
VII
(ContiouacSo)
Um instante, Gabriella deixou-se domi
nar por sua raaginajao febril e pelo encan
to do espectculo que se dea -nrolava a
seus olhos; parecea lhe que aquellas fl >ros
ainavaiu. Que duas inulheres, ao lado
ama da outra, deslisavam-se lentamente
palas alamedas, ora visveis, ora iavisveis,
conformo as voltas do camiaho, oa eram
oceultas pelas arvores.
Estavam envoltas em veis brancos, se-
melhantes a fantasmas, e tiubam o rosto
meio escondido.
Camiahavam tao de vagar, com urna
graca tao deseuidosa e natural, estavam
tilo chegadas urna outra, qua dir-sa-hia
nao formarem senao urna mesma pessoa,
oa antes urna b apparijo, idntica e so-
brenatural. .. fadas da naite, da primave-
ra da felieidade !
E sem duvida, como para rhythmar o
que havia nesta scena, de mysteriosamea-
te suave, ao longa, vindo do lugar onda
destacava-ac a massa o obria do palacio
oceulto pelas arvores, Gabriella julgava
ouvir harmonas melanclicas at um pou-
co tristes, acoinpanbadas por estranhos in-
strumentos.
Depois, tudo desapparaeeu de repente ;
nada raais ouviu : fijou apaas a seus pi
a paizagim de encantos e da sonaos.
Naquella momento, a brisa, soprando
um pouco mais forte, impelliu e fez bater,
com estrondo, na parede, urna das persia-
nas que ella tinha aberto... Gabriella es-
tro meceu. .. se aquello ruilo ti vase acor-
dalo Lauffard, estara perdida 1 1
Fez o sigaal da cruz e disse :
Meu Djus, se eu morrer, protegei
mea pai,
Subiu escada e, passanlo o corpa pa-
ra fra, segurou-se com as raaos, priraei-
ra padra, ao primeiro degro daquella es
cala ptrigosa, abaixo da qual esperara en-
contrar a salvacao 1
Um momento fi-ou suspensa no espa-
90, procurando un lugar para firmar os
ps.
Fecbou os olbos... e eom os Jen tes cer
rados, sem respirar comecou a parigosa
descida...
Dez vezas saus ps escorragaram, dez
dez vezas s agitadas por um tremor convulsivo. .. dez
vezes conseguu segurar se.
A alguns segn los, apenas comecara a
descida e j Iba pareca que tinham se pas
sado horas...
Na altura do terceiro andar, viu-se par-
dida ; o suor eacorria-lhe pelas raSos con
trabidas, quo j nao tinham a forja de
crispar-se sobre as padras.
Sua respirarlo tinha-se tornado sibilan
te... Em vao teehava as palpebras para
na la ver... diante de seas olhos dansa-
vam as innmeras estrellas do co... ao
mesmo tempo aentia-se entorpecida por um
fri mortal...
Est acabalo, disse ella... nao po-
1 #
^Rodeava" co^ bracos nma das pedras
e firmava os pe na de baixo, encostando
o corpa parede. Com um ultimo esforco
desesperado, em risco de cahir, desceu ra
pidamente dous ou tres degros.
Mas ahi a vertige.r, quo ameajava a
desde cima, apoderou se della; pareceu-lhe
que a suspendiam o atiravam um tubrbi-
Ibao em que gira va sem cessar.
Suas p >bres mos todas feridas deixa-
ram a pedra em quo si firmava, dobraram-
se-lhe as pomas e Gabriel'a cahiu para
tr3... sem mesmo soltar um grito.
Ao cahir, julgava-sa pracipitida no va-
cuo e estava prestes a desmaiar.
Um abalo violento veiu tiral-a daquella
torpor.
Havia chegado, sam dar por isso, a um
dos ltimos degros do pedra e tinha ca-
bido da altura de um metro, mais ou me-
nos ...
Lavantou se admirada di nao ter-se des-
pedazado na qu la, julgando que sonhava;
olhaodo para todos 03 lados...
Mis nao era um sonho...
A especia de escada pola qual acabara
de desaer, alli estiva, diante della... ele-
vndose at a sacada onde, ha pouco an-
da, estivera...
Tinha as milis e os pea dilacerados e
estava agitada por un tremor nervoso,
consequencu do susto horrivel par qua ha-
via passado. .. L'Vantou se de todo cam
b ili-aod 1 e quasi cahindo, a cada passo que
dava.
Roconheceu o lugar onde se achava...
Conseguir chegar ao telhado da co.h =i
ra do palacio Mturad.
O jardim estar alli, os ramos das arvo-
res pendiam por sobr a sua cabera. ..
Caminhou at eztremidade do telhado,
em forma de terrajo.
O jardim qu entrevira da sacada eston-
dia-se na sui frente...
O luir continuava a illumioal o do.-e-
mente.
De repente, por entre as arvores, julgoa
distinguir as duas sombras quo vira, ht
pouco, e que deslisavam-se pelas alamedas,
sem ruido, sem tj.-ar im no oblo..
Ainda estavam abrcala* e to al/as,
tao extraordinarias que dir-se-hia nao per-
tencerem ao mundo dos vivos...
E as masmas suaves htrraonies, em sur-
dica, despren liam-so navamente das som-
bras que rodeavam o palacio.
Pareca que para aug nentar o que ha-
via de maravilhosi naquella scena, cada
arvora, cada moita, animando-se, tornara-
so mus '.0.
Gabriella, de joelhos boira do telhado,
juntau as maos :
Soccorro por piedade, soccorrei-
me 1
As duas sombras tnham-n'a ouvido.
Pararam bruscamente paraesauttr sem
duvida, chegaram-se m is, urna outra,
como se tiv-essem molo.
Soecorro repeto a joven, soccor-
rei me, por piedade !
As duas levantatam a cablea e viran-
n'a... a la dav i-!he em ebeio...
Gabriella estendeu lhe os bracos, como
fazem as cran ja3 As mais, quanio estas
lhe ensinan a andar...
Os vultos roysterio30s rocuaram ; depois,
como se realmente fosaem fantasmas, su
rairam-se as treras, por entre as moitas e
arvores...
Soacorro gritava Gabriella ; quem
quer qua sejais, tende compaixaj de
mim '.. .
R.-inava agora profundo silencio no jar-
dim.
A msica longinqua tinha cessado. Ha-
via apenas o ruid) produzido pelos ramos,
bateado ans nos outros.
Entao Gabriella deixou-se 'cahir sobre o
telhado, solujando Entretanto, ouviram-
se os pasaos de mtitos homens qua appro-
zimavam-se, corrando.
Eram M turad Azap e outros criados.
E' allij senhor disse Azep, desig-
nando o telhado, onde Gabriella, meio mor
ta de desespero, da caasac.0, de affl'ecSo,
deitada de costas, nao se raovia. ,.
Sobe v o que se passa...
Dous criados en jstarjm ama escada
parede.
A;5p subi ao telhado.
Senhor, ama rnuluer. Urna mofa...
desmatada.
Traze-a carregada... precisa ser soo
corrida... mais tarde nos dir quem ,
donde vem e por que se acha ahi a seme-
lhante hora.
Era ama esplendida morada o palacio
Mourad, disposta com aquella sciencia do
luxo um pouco afeminado, aquella scien-
cia que privilegio dos orieataot.
Mourad, cuja fortuna era colossal, ti
nha-a comprado, loga que chegou a Pars
e immediaUmenta empregado um exarcito
de operarios, a arranjal-a a seu gosto.
Nao ha ciclarte no mundo onde so traba-
F0LHET1M
0 OOKCUNM
POR
PAULO P7AL
PRIMEIRA PARTE
OS 1USIBES l'kim
Ibe mais rpidamente do que em Pars ; a
inet Uitplo das-jaJa pelo million >rio tez -i/
como p>r encanto j em poucos das tu lo
estava mudado, prompto.
Mas Mmrai nSo se limitou somenta a
fazer dessa palacio o templo de laxo
asitico multo apurado, para a satisfaclo
do qual dospresou as regras severas da re-
ligio a que pertoncia, tudo quanto o luxo
raoierno tem de mais rico e maravilboso.
O palacio, habitajo principesca, tinha
alguas ap isentos mobilialos europea.
O vestbulo era forrado de antigs ta
pee-ras.
N>8 salS i havia urna profusao da esto-
fas b >r lados a ouro e prata, dispostos com
todo o gasto, aachemiras, tapetes, movis
rabutiios de ouro, prata e madreperolas;
armas riquissimas, soberbamente tauxia-
das.
Muitos dos aposentos estavam arranja-
dos segundo o antigo gosto oriental, capri-
choso e fantstico ; arabesco?, tectos imi-
tando colmeias, stda ^tites.
Por toda parte grande quaptdade de di-
vans e tapetes onde os ps Hesapparaciam,
como em espuma compacta, at os torno-
zellos.
/i. sala de banhos era toda de marmore
branco.
O perstyllo, que dava sobre os jardns,
era atravessado por duas ordans de colum-
nas da marmore e fchalo por urna gale-
ra de vdro, contando arbustos raros, plan-
tas tropiaaes, ires da ludia, de cores es-
plendidas.
A esc ida qua conduzia estufa -e esta
formava um jardim parte, dentro do jar-
dim -era construida 00 o frag uentos de ro-
cha e guarnecida, de ambos os lados, com
p-d coa enormes de graaito, cob irtos de
musgo, sobre as quaes despauhavam se
cuscutas de agua, que recahiam sem ces-
sar em escama navada, em tanques de mar-
more.
E u cada anfraatuosidade, em cada can-
to rguiam-se arvores dos pa;Z!S quantes,
pltanos, palmeiras, silgueiros, sycomo-
ros, o os tanquas estavam povoados de
passaros aquaticos oa mais raros.
E nessa estufa, nesse jardim dos trpi-
cos, onde havia ama confusilo de perfumes
embriagadores e de cores virissimas, ha-
via pequeos jardns formando terrados,
caramancheles, canaes de marmore por
on le ama agua lmpida corra murmuran-
do sobra um Jeito de seixos que pareciam
ter sido lavados com leite ; de todos os
lados, caminhos cagalos de mosaico for-
mado com pedras de cores as mais sor-
prendentes ; em toda parte, arbustos, flj-
res.
Azep tinha tomado a joven nos brayos
robustos e descidj sem quo ella fizosse o
menor movimento.
A um aieraal do Mourad, levou-a para
os aposentos particulares deste e depoz
sobre um divam baixo seu pecioso fardo,
amparando-lha as costas com urna pilha da
riquissimas almofadas.
Depois retrou-se deixindo Mjurad s
com Gabriella.
Os cabellos da joven tinham se desata
cado e enrola .\un-sa lha pelo pea :05o e
hombros, formando um colar elstico, que
despeda ureos refl;xos luz das lampa-
das turcas suspensas ao tecto... luz tao
doce que pareca a mea claridade que
c6a-3e atravez de urna persiana, quando
surge a aurora, em manhs do verao.
No rosto tinha a pallidez da cera... os
olhos estavam fechados, as moa e as
uobag ensanguentadas... as botinas roas
deixavam ver os ps e trazia o vestido co-
berto de jj e ae poeira.
Da onde vira e o que lhe ter acon-
tecido ? perguntava-se Mourad.
E' molhaado urna toalha em um jarro
de ouro cinzolado, banhou lhe as fontes, o
rosto, as maos... ao mesmo tempo nao po-
da iiopedir-se de admiral a. .
E, a meia voz, proferio a mesma excla-
maco que Norberto deizara um dia esca-
par, quando vio a joven, pela primeira
vez :
Como bella !!
Gabriella ia voltando a si, e senta ca-
lofros; Mourad estendeu-lhe, por cima,
urna coberta de casemira e afastou-se dis-
cretamente.
Resp itiva as malheros e recniava acor-
dal-a.
Gbrialla 89ntoa-83, e a principio na la
viu, naquella meia obscuridade.. .
Com a cabala entre as mos, comecou
a pensar, procurando reatir as ideas...
Mourad chegou-se a ella e dissa-lhe,
suavemente :
Muha senhora, nao se assuste...
Gabriella estremeceu e olhou paca elle...
Oade estou ? Quom o senhor ? O
quo foi qae me aconteceu ?.. .* J nao me
rejordo... Ajude-me I... Estou louca...
Mourad contou lhe o qua sabia:
Ouvindo-o fallar, Gubriella ia lembran-
de-se...
E quando Mourad termiaou :
Ser pessvel que eu esteja salva?
murmurou ella. Nada mais terei a receiar
daquella homem ? Poderei encontrar meu
pobre Valentina a quem amo o qua deve
estar chorando por minha causa ? Estes
tres dias, emfim, terao passt.do em miaba
vida, como um desses pesadellos horriveis
que dssipam se ao despertar ?
E emquunto ella assim falava, Mourad,
com o olhar admralo, o rosto refljetindo
um doj3 pensamento, contamplava a...
vm
A situajao de Valentim era desespera-
da: quando voltou a si lovou muito tem-
po a coordenai as idis, to fraca tinha
a cabega ; zuniam-lhe os ouvidos, era o
singue qua afilia lhe ao cerebro ; lateja-
vam lhe as fontes com violencia o senta
as palpebras tao pasadas que mal poda
abrir.os olbos.
Passou-so a noite sem trazer modificarlo
alguma.
Havia trinta e seis horas que Valentim
nao tinha comido, nem habido; triata e
seis horas que estava estendido naquelle
tubo estreto, atauda em que a ser sepul-
tado vivo.
Bigarraau tinha requintas de crueldade
para raartyrsal-o.
Adivinbando os tormentos da fome e da
s le, por que passava o prisioneiro, collo-
cava-se parto da grade do respiradouro,
cala vez que em seu antro entrava para
comer ou beber.
O pao qua 1-vava boca passava a dous
dedos do rosto de Valentim ; os copos de
vinho, que esgotava do um trago, bata
com ellas na grade, sob o pretexto de o
fazer saude de Valentim e dzia :
A' tua, mou hcmemzinho I...
Valentim senta qua am faltando-lhe as
forcas e a loucura apoderou-se pouco a
pouco do sau cerebro ; um entorpecimento,
durante a noite qae seguiu se a esse se-
gundo dia, domnou o completamente e par
deu a nocao do que so passava.
Naquella noite La Guyaoe voltou.
A pequea fugiu hontem... disse
elle transtornado ; foi por culpa de Lauf
fard, qua adormeceu. O patrao e o mar-
quaz quasi o mataraiu. .. A pequea abriu
a janella. Como desceu? Nao se sabe...
Deve terse despedazado sobre acalcada...
Eutretaat >, nao so achou no chao ne-
nhu-n vestigio de sangue/...
O patrao ameacou Lauff.rd de fazer-lhe
saltar os milos, se dentro em oito dias a
pequeni nSo for encontrada... E o pa-
trao homem de palavra... II1 de fazer
o que disse !...
(Continua.)
No Theatro Real de Munich fez levar a
scena desdo o repertorio de Corneille, Ra-
oine, Moli :e etc., at ao de Auger, Du-
mas, Sardn e outros dramaturgos coet-
neos.
Para estimar-se o fausto d'essas repro-
sentacoes basta citar-se que a decoracao
soenica da Thaodora a nltima e inspira-
da creaco de Sardou -importou em somma
superior a 200,000 marcos.
Adquira todas as edicuas de luxo que
expunham a venda Hahette, Hetzel, Fir-
min-Didot, Charpentier, Lavy, Quantin e
outros grandes editores parisienses.
Consta mesmo quo obtvera um tran-
sumpto do manuBcripto de La Faustin e
qua tizara imprimir um exemplar nico em
sua capital -capricho com despender....
14,000 marcos.
VARIEDADES
O valle de Loaron
Existia outr'ora n'aquelles lugares urna
cidade : a cidade de Lorre, com templos
Dag3os, arop .itheatros e um capitolio.
Hole um valle deserto, onde a charra
vagarosa do lavrador gascSo parece ter me
do de embotar o seu ferro de encontr ao
marmore das columna soterradas. A mon-
tanha fi :a perto d'alli. A alta cadeia dos
Pyreneus rasa na nossa frente os horizon
tes brumosos, e deixa ver o co azul do
territorio hespaahol, atravez do orte prc
fundo que serve do caminho aos contraban-
distas e Venasco. A pouaas leguas d'alli,
Pariz tosse, danga, brinca e sonha que ha
de cur r a sua incuravel bronebite as fon
tes de Bagnres de Luohou ; nm pouco
mais Unge, do outro lado, um outro Pa-
liz, Pariz rheuraatico, pensa que vai dei-
xar as anas sciaticas no fundo das piscinas
sulfurosas de B .rg-s-les Bains. A i ha
da sempre salvar Pariz, a despaito do fer-
ro, da magnesia ou do enxafro.
E' o valle de Louron d'Aura e o valle"
de Barousso, o manos conhecido talvez dos
viajantes que vao tolos oa annos explorar
aquellas regiS 38 selvagens: o valle de
Louron, iora es seus oasis fljridos, as suas
torrentes prodigiosas, os seus rochados fan
tasticoe o o seu ribeiro, o escaro CUrabide,
que morre entre duas margeM eolossaes e
o sea velho castello vaidoso, enfatuado, in-
verosmil aomo um poema de cavallara.
ADascendo a montanha, esquerlado
rasgao, pela vertente do pico de Vejan,
abrange-se em un & olhar toda a paysa
gem.
O valle de Loaron forma a ponta extra
ma da Gasconha.
Abre-se em forma de leque, entre a flo-
resta de Ens e aquellas esplend las ma tas
da Freohet, quo ligam atravez do valle de
Barousse as florestas do Mauleon, de Njs-
tes e de Caupan.
A trra pobre, mas o aspecto rico.
O slo fende-se violentamente por toda a
parte. A jui, sao as torrentes que arran-
cara as reivas, que desnudam profunda-
mente os ps dos carvalhos gigantescos,!
que p5am a descebarte a base dos roche-
dos ; alera b5o as rampas cortadas a pi-
3ue, fendidus de alto a baixo pelas raizas
os pinheiros. Um troglodyta teria cava-
do a sua habitacJo na baso, eraquanto que
um pastor ou um guia vai suspender a sua
no pincaro do rochedo.
A flirestad'Eos auompanba o prolonga-
mento de urna collina, que vai acabar de
chofre, maarao no meio do valle, para dar
passagem ao Clarabide. A extremidade
oriental daquella collina aprsenla um cor-
ta abru^t), onda nunca vereda alguma foi
trzala. O sentida da sua forraaca- ao
inverso daji cadeias circumstantes. Tende-
ra a fechar o valle, como urna enorme
barricada atirada da urna montanha ou-
tra, se o rio nao a detivesse.
Chamara aquella asocio miraculosa-a
Machadada. Como nataral, exista a ess^
respeito urna lenda; mas nio a daremos
ao leitor. Era abi que se ele va va o capi-
tolio da cidade de Lirre, qua aera duvida
deu o seu norae ao valle de Louron. E'
ahi que aindu se v n as ruinas do castello
de C*ylus Tarrdes.
De ionge, aquellas ruinas t n um aspec-
to imponente. Oecupatn um espago consi-
derav-1, e a maia d>a cem p8803 da Ma
ckadada v se aiada romper por entro as
arvores as pontas recortada! das yelhas
torres. Da parto parece ra a na aldeia for-
fiacada. A* arvores nasceram por toda
1 parta nosj^rocos, e muitos pinheiros
civeram, p*f gescer, da rorapor urna aba-
Mas a maior parte d'a-
Luiz II da Baviera
POB
* Kd mundo asco
(Continuado)
ni
SUAS EXCESTBICIDADES
(Continuayxu)
Tmha as ardentea iospiracoas
de am espirito privilegiado qoe
procura rodear se de todo quan -
to ha de delicioso e de mais
snbtil na terrs, a las e o perfu-
me, a flor e a m ludia.
Pinhro Chagas (')
Este monarcha idolatrara tambera a ar-
te de Melpomene.
Era enthusiasta dos roaos siaraezas da
litteratura francezaoa nota veis estystas
Edmond et Tules do Goncourt 00 preito
que reniia a Vctor Hugo era tao enor-
me qua recitava exeerptos e excerptos dos
primores do assombroso poeta.
Araava doidaraenta as oraanagii 3 olori-
feras. Qneimava constantemente cajoilaa e
cayolas da perfumes mollicia que custa-
va-lhe diaramenta uns 200 marees I
S. M. era muito sobrio s refeicSes.
Sao jantar habitualmenta cingia-se a
urna sopa, um assado, am peixe, urna ome-
lta e alguns fructos.
Consuma a cada repasto urna garrafa
de vnho branco e levo. Entretanto o seo
nctar favorito era urna combinacSo de vi
nho branco com champagne que violetas
em profusao esmaltavam e aramotisavam.
Fuma va raramente: ora um cigarro, ora
em narghileh quando traja va turca e re-
festelava-se no Kio-que das Delicias.
OreiLuiz eraapaixinado pelaequitacao:
sempre que se achava no castalio de Barg,
habitualmente, antea de jantar, rodeava
cavallo o Starnberg. Havia mesmo sendas
especaos para o trajecto de S. M.: o tran-
sito por ellas ora defeso a quem quer quo
fosse.
A respeito am bographo (*) narra urna
nteressante anedocta: encontrou (as taes veredas privilegiadas)
um rapaz, raontanhez de aspecto, qua pas-
seava aera ceremonia. O rei dtem no e
pergunta-lhe quera .
Sou da Suissa, disse elle ; estou es-
tudando na Uuiversidade de Munich.
Ah 1 o senhor da Suissa, disse o
rei em com benvolo ; deve saber de cor o
GuUherme Tell, de Sehiller ?
Sou capaz de recitar lhe actos intei-
ros.
A"s mil raaravilhas Alegra-me este
encontr. Venha com roigo ao castello,
representaremos Quilherme Idl.
Mas, senhor, o castello do rei....
Nao faz mal. Son o amigo mais
ntimo... Venha,. hade ver que nos dei
xarSo entrar.
Experimentemos j que o senhor o
quer.
Puz D-se bem em Munich ?
Nao, a cidade aborrecida : haja pro-
va que o rei nanea assste n'ella.
E que dizem do rei ?
Dizem qua no fundo muito bom ra-
paz.
O senhor nunca o vio ?
Nunca. Sou republicano. Assegu-
raro que o rei muito bello e que todas as
mulheres sao doidas por elle.
Quer jantar com elle 1
Ora esta O senhor quer cagoar
comongo ?
Absolutamente nao porque o estou
convidando.
Pois qae... entao 1 PerdSo ser o
senhor o rei?
O senhor o disse: e mea prisionei-
ro.
Tinham chegado ao castello : as senti-
nellas apresentaram as armas.
Depois do jantar o rei tocoa no piano a
ouvertara do Quilherme Tell, depois man-
dn o estudante declamar a tragedia de
Sehiller.
No dia seguate recoine$aram. Desta
vez o re dava replica.
Passado tres dias, mandn seo hospede
de carro at Munich e mandou entregar
lhe pouco tempo dep>is um relogio de ouro
com a scena de Grutli gravada na tampa.
Ainda o niesrao au'or coata : Mutas
vezes a meia noite monta a cavallo e atra-
se a toda a brida atravez dos campos trans-
pondo regatos, sebes, todos obstculos.
Ao nascer do sol cha-se no cimo de urna
montanha. Ha alguns annos subir as-
sim ao Harzogland. Os cagadores de car-
muga acudirara de todos os lados, esperan-
do quo o re se decidase a cacar com elleBj
porm elle ficou tres dias no chalet, sem
s-ahir, immerso na leitura das obras de Fene-
lon.
Tornou a partir a noite como viera. Os
cagadores quizeram alluraial o com ar mo-
tes; despedio os e por pouco nao quebrou o
pi'SJOCO.
Infinida le de ausencias intempestivas o
rei Luiz realisava una apozoutras.
Quantas vezes os ministros de S. M.
carecendo consltalo, euib-.lde o procura
vara em seas castalios !
E o qua celebre nem mesmo os servi-
dores do castello qua o soberano deixava
instantes, conheciara o destino que leva-
va !
Nao caasavam porra inquietado taes
ausencias: deprehendia-se quo o heteroclito
touriste oceupava-se em suas peregrina-
c3es clandestinas.
Assim irapulsiooado pelo seu enthusias-
mo por Luiz XIV foi incogaito a Paris
(1874), expressameote contemplar o opu-
lento Versailles, que tanto o extasava, e
egualraente foi ter a Reims, especialmente
visitar a monumental cathedral, quando
em festividade dia de S. Luiz.
J mencionamos a mana de S. M.
phantasar-sa qual o hroe que preoecupas-
se o seo espirito.
Agora, pois, os factos, tao somante.
E caso dessirainado, qua ura uos minis-
tros indo communicar ao soberano o desas-
tre de Sadowa encontrou o transfigurado
era Tristao, e que S. M. ao saber tao
cruel nova, para consolar-se da derrota ca-
pital infligida ao seo xeroito, correo ao
piano e executou urna das celestes melodas
de Schubert.
Note-se que a essa pocha ainda nao era
cahido em graca o iasigne agitador musi-
cal.
Consta, outro-sira, que poucos dias apoz
seos plenipotenciarios o procurando para
firmar o tratado de Ni_-olsburg, que ha
viam negociado, depararam com S. M.
n'um delicioso chalet erecto n'uraa ilhotado
Staruberg, absorto na liitura do Ultimo
Mohicano, de Cooper, vestido a moda in-
diana, os ps calcados era mocassins, os
cabellos atraveasados cora pennas d'aguia e
urna manta cobriado as espaduas.
< Urna outra mana do rei Luiz (diz
uraa gazeta d'onde transcrevo) era disfar-
gar-se era cavalleiro andante, de grande vi-
zaira sobre o capacete, rquissimo escudo
no braco e langa em rste e r galopar co-
mo os cavalleiros da Mesa Redonda, em
demanda de princesas encantadas.
Rebentava assim cavallos sobre cavallos
e apenas descangava para beber um copo
de cer veja, que algum dos seos servidores
disfarcados estalajadeiros da Idade Media
lhe servia
Quando S. M. passava urna temporada
Lindenhoff s traj.va a Luiz XIV.
As libres dos servidores, etiquetas, etc.,
tudo restrictamente como fra no admira-
vel Versailles.
bada de
quellaa
rtencem a humildes cous-
trucyo*eg, em que a madeira e o barro sub-
stituem mutas vezes o granito.
Conta a tradieSo que um Caylus-Farri-
des mandn levantar urna maralha em tor-
no da pequea aldeia de Tarridos, para
proteger os seus vassallos huguenotes, de-
pois da abjuracao de Hanrique IV. Cha-
mava-se Gastn de Tarrides e tinha o ti-
tulo de barSo. Se o leitor for s ruinas de
Caylus, l lhe mostrarSo a arvora do barao.
E' ura carvalho. As razes penetrara no
solo, beira de fosso que defenda o cas-
tello para o occidente. Uraa noite ura raio
cabio sobr ella. Era j urna arvoregran
ie ; torabou com o choque e cahio atra-
vessaio no fosso. Desde entao, alli ficou,
vegetando pela casca, que ficou viva ni-
camente no lugar por onde qu-brou. Mas
o facto curioso qua ura rebenta desta-
co a se do tronco, a trinta oa qaarenta ps
da beira do fosso. Essa robentao cresceu.
tornou se um carvalho soberb", um carva-
lho suspenso, am carvalho mlagra, sobre
o qual dous mil e quinhentos 'ouriitet j
gravaram os nomas.
Estes Cayius-Turrides extinguirra-se
nos principios do seaulo XVIII, na pessoa
de Francico de Tarrides, marquez de Cay-
lus, ara dos personagens di nossa historia.
Era 1869, o marquez de Caylus era um
hornera de sessenta annos. Fez parte da
corta no principio do reinado da Luiz XI7,
mas sem muito xito, e retirou so descon-
tente. Vi ra agora as suas trras com a
b-lla Aurora de Caylus, sua filha nica.
ti lia raa vara n'o Caylus Ferrolho, e eis por-
que:
Prximo dos quarenta annos o marquez,
vuvo de sua primeira mulhar, que nao lhe
tinha dado filhos, apaix mou se pela filna
do- Coade de Souto Maior, governador de
Pamplona.
I^nez de Sonto Maior tinha entao des-
sete aunas.
Era uraa filha de Midrid, com olbos do
foga e oorajao mais ardeate que os ollio*.
O marquez passava p ir nao ter dado
muitt felicidade sua primeira nmlher,
sempre enceirala no velho castello de Cay-
las, onde morrea na ida le de vinta e
cinco annos. Ignez dedarou a seu pai
qua ounca seria esposa d'aquelle hornera.
Mas era realmente difficil, n'aquella Has-
panha dos dramas e das comedias, forjar
a vontade de uraa moja!
Os alcaides, as aias, 03 criados patifes
e a santa inquisico nao serviam para
outra cousa.
Urna bella noite, a triste Ignez, occul-
ta por detraz da sua gelosia, teve de ouvir
pela ultima vez a serenata do filho do
corregedor ; o qul tocava muito bem gui-
tarra. No dia inmediata parta para Fran-
ca com o marquez, que levava Ign--z sem
dote, offerecendo pelo contrario nao sei
quaotas mil pistolas ao Sr. do Sonto Maior.
Essa hespanhol, mais nobra que o rei e
mais pobre ainda do qua nobre, nao poda
resistir a semelhantes maneras. Quando
o marquez trouxe para o castello de C*y-
lus a sua bella madrilea, toda envolvida
no sou veu, foi urna fubre geral entre os
joven fidalgos do valle de Liuron. Nao
havia entao tourstas, osses Lovelaces am-
bulantes, que vao in -endar os corHjSes as
provincias, por toda a parte onde os trens
de recreio favorecer as viagens a precos
reduzidos ; mas a guerra permanente com
a IIspanha entretinha numerosas tropas
na fronteira e o marquez tinha que segu-
rar-se. %
E segurou-se bem : aceitou valenteraen-
te os refeus. O galant-ador que tivesse
qaerido tentar a conquista da bella I^nez,
devia primeiro munir-se de pecas le cam-
panba. Nao se tratava nicamente de um
ooracao : o corac\o estava guardado por
detraz das muralhas de uraa fortaleza. Os
b'dbetes amorosos nada podiam ; 03 olha
res temos perdiam chamma e o languor,
a propria guitarra e a impote3tc. A bulla
Ignez era inexpugnavel.
Ao cabo de tres annos transpoz fin l
mente a porta daquelle terrivel solar. Ia
para o cemiterio. Traba morrido de tedio
e de solidio. Deixava urna filha.
O odio dos conquistadores vencidos dea
ao marquez o appellido de Ferrolho.
D-pois da morte da sua segunda mulhar
tntou casar outra vez, porque tinha
aquella boa natureza do Barba Azul, que
nao desanima: mas o gonernador de Pam-
plona nao tinha mais filhas, e a reputacAo
do Sr. da dylus estava to bem firmada,
quo as mais intrpidas entro as moyas sol
teiras recuaram diante do pelido.
Ficou viuvo, esperando oom impaciencia
a idada em que sua filha precisasse de ser
aferrolhada Os fidalgos dos aradores nao
(*) O Sr, V. Tissot, j citado.
ca, o marquez via-se mutas vezes sem
companhia.
O aborrecimento levoa-o para fora das
suas masraorras. Acostumou se a ir todos
os annos a Paris, onde os jovens cortezoa
he pe tiam dnheiro emprestado e escar-
necan delle.
Durante estas ausencias Aurora flcava
confiada aos cuidados do dous ou tres das
e do velho capelln.
Aurora era torraosa como sna mi. Era
sangue hespanhol quo lhe corra as veas.
Quando corapletou os dezeseia annos, os
moradores da aldeia de Tarrides ouviram
muitas vezes, duranto a mita, ladrar os
caes do castello.
Naquella poca, Fepoa de Larraine,
duque de Nevera, um dos mais brilhantas
fi talgos da corta de Franja, tinha i 10 ha
bitar o seu castello de Buche, em Juran-
jo n.
Tinha apenas vinte annos, e por ter
abusado muito da vida, ia se finando de
tristeza e dosfalle.:imeiij. O ar das too-
tanh-s fez lhe bem, ao cabo de alguraas
semanas virara-no conluzr o seu trem de
caja at ao valle de Louron.
A primeira vez que os ces de Caylus
ladrarara noite, o joven duque de Na-
vres exhausto de fadiga, tinha pedido pou
sada e ura lenhador. da fl-resta d'Eus.
Nevera ficou ura anno no seu e st -lio da
Bu h. Os pastores de Tarrides diziam que
era um fiialgo muito g-neroso.
Ns pastores de Tarrides contavara duas
aventuras noaturnas, que tiveram lugar
durante a sua residencia naquellas para-
gen. U na vez virara meia noite lusas
atr Caylus.
Os caes nao tinham ladrado; mas um
vulto sombro, que a gente da al lea com-
mecava a conhecer por t vezes, havvse deixado escorregar pelo
fosso, quaudo anoteoeu. Aquellas casttl
los antigos sito todos cheios de fantasmas.
Uraa outra vez, cerca de onza horas da
noite, a Sra. M .rtlm, a mais moya das aias
de Caylus, sabio do solar pela porta prin-
cipal e foi a correr aquella cabana onde o
joven duque de Nevera tinha outr'ora ro-
eebido huspitalidade. Uraa oadeirnha atra-
vessou pouco depois a fl resta d'Eas. De-
pois gritos de mulli-r sahirara da cabana
gostavara delle, e, apezar da sua opulen Ido lenhador. No da seguate este bom ho-
E tinha sua razao de ser. O interior do
castello guarnecido e decorado de modo
memorar a pocha brilhante do grande
rei e o exterior, no parque, povoado
da estatuas niveas, em varias altitudes, das
suas favoritas:da doce L> Valliere, da
altiva Mont.-spane da arguta Maintenon.
O rei Luiz portanto alli viva em pleno
8eculo XVH.
(Continuaj
mem tinha desapparecido. A sua cabana
ficou abandonada.
A Sra. Martba deizou tambem nesse mes-
mo da o castello de Caylus.
Havia quatro annos que estas coasas se
tinham passado. Vunca mais se ouvio fal
lar do lenhador nem da Sra. Martba. Fe-
lippe de Nevera j nao estava no seu so-
lar de B ch. Mas um outro Felippe, nao
menos brilhante, nao menos fiialgo, hon-
ra va o valte de Lourron com a sua pre-
senta. Era Felippe Polyxene de Mantaa,
principa de Gonzaga, a quem o Sr. mar-
quez de Caylus pretenda dar sua filha
Aurora em casamento.
Goazaga era um homem de trinta an-
nos, um pouco afeminado de rosto, mas
de urna belleza rara.
Nada diramos da casa de onde sahia. O
nome de Gouzaga so to alta na historia
como Boullioo. Este o a Montmoreney. As
suas retaco as valiam a sua nooreza. Tinha
dous amigos, dous irmans, um dos quaes
era L>rraue e outro Bourbon. O duque
de Chartres, depois duque da Orleans e
regente da Franca, o duque de Nevera e
o principe de Gonzaga eram inseparaveis.
Na corto charaavaraoa 03 tres Felippes.
F dippe de Gonzaga era -o mais velho.
O futuro regante tinba apenas vinte e qua-
tro annos e Navers contava ura, anua de
mraos.
Fcilmente se imagina como a idea de
ter sera dhxnte genro lisongeava a vaidade
do velho Caylus. A voz publica dava a
GoDzaga gran tes bens na Italia e era,
al n disso, primo iruio e uni :o herdero
de Nevers, que todos consideravain como
destinado a uraa morte precoce. Ora, Fe-
lippe de Nevera, uujo herdeiro do nome.
possuia urna das melhores propiedades da
Franja.
Com certeza, ninguem poda suapeitar o
prncipe de G raz ga de dse jar a morte do
seu amigo ; mas nao estava em seu poder
imp lila, e o qua facto qua essa morte
O faria duas 011 tres vezes^p^onario.
Sogro e genro estava n/quasi d> accor-
do. Quanto a Aurora, om mesmo tinha
sido consultada. f
System Ferrolho.
(Contina)

j

I
v
;
;
T/p. do Diario roa Uiniae de Cana a, IU.
riHiL




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERX354MEN_3EH0W1 INGEST_TIME 2014-05-27T23:35:55Z PACKAGE AA00011611_17698
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES