Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17680


This item is only available as the following downloads:


Full Text
>
ANNO L. NUMERO 296
I, ~ i i
PARA A CAPITAL E. LIIQ1RE9 OXDE !VlO SB PAGA POBTE.
Por tres mezes adiaatados............... 69000
Por seis ditos idem.................. 129000
Por urn anno idem...... .............. SijjtOOO
Cada numero avulso................. 9320
SEGINDA FEIRA 28 DE DEZEMBRO DE 1874
PABA DEITRO K FOB A DA P HO VINCI A.
Por tres mezes adiantados............*
Por seis ditos idem...............
Por nove ditos idem ........... MfWO
Por am anno idem. ................ *I>Qt#
DIARIO DE PERNAMBUCO.
PR0PR1EDADE DE MANOEL FIGVIROA. DE FARIA. FILHQS.
|8 Irs. Gerardo Antonio Ahead Filhos, no Pari; Gonjahes ft Pinto, no Maranhio ; Joaquim Jose de Oliveira A Filho, no Cearij
Pereira 1 'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Anxencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio loti Gomel, na Villa
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar das
awcm f::"l:.:,
Eleiuentos de playaica
LIVRO TERCEIRU
Oaics
CAPITULO IV
AEROSTATOS.
lovrnrno d)M bnKieS.
aerostats s sao vastus globos de
com cuidado em am vemiz que
meavel; estes globos, cheios de
baloes aa
embebido
o lorna imper-
um gaz mai.+ leve
-Os
tafeta
do que o ar, elevam-se na atmosphera em virtude
do impuxo que supportam de baixo para ciraa.
A iuvencao dos baloes e devida aos dous irmaos
Estevao e Jose Momgolller, fabricames de papel na
pequena cidade de Annonay, deparlainento das
Ardeches, onde teve lugar a priraeira experiencia
em 5 de junho de 1783, em presenga dos e?tado-
garaes, com urn balao de panno, forrado de papel,
tendo triniae seis metros de erreumfereocia e pes
sando duzenlos e cincoenta kilogramme.
Ease balao. sendo abeno na parts inferior, quei-
mou se por fcaixo delle papel, palha molhada e
la. 0 ar quenie que desi'arte penetroo no seu
interior eocheo-o pouco a poueo, e, logo qua o
. balao ficoa cheto de ar dilataJo, menos denso que
o ar exterior, o peso do euvoltono e do ar quente
qae elle contiuha, sendo menor do que o peso do
ar deslocado, deu azo a que o balao se elevasse
jm poucos inomenlos a mais de dous mil metros,
com grande aduiiraga> dos numerosos especlado
res da experiencia ; mas pouco depois elle cahio,
pelo facto de se tcr resfriado rapidamente o ar
qae elle continaa, nas alias regioes da atmes-
phera.
A experieacia de Annonay teve m grande ecoo
por toda a Franca, e por toda a pane excitou
tact a sorpreta quanta admiragas
Paris, admirado de se ver assim excedida por
uma pequena cidade de provincia, apressou-se
am repetir a experiencia dos irmaos MontgolQer.
Emquanto se espe-ava o acabamento de urn ira-
menso balao, que o governo man Jou conslruir
sob a inspeccao do irmao Estevao Montgoifier,
os irmaos Robert, mechanicos, sob a direcgao de
Carlos, professor de physica, construiram am ba
ao de tafeta untado com caoutchouc (borracha) ten-
do apenas quatro metros de diaraetro. E te pe-
queno balao, em vez de ser cbeio com ar quanta
eomo o dos Mi-ntgolfier, roi eochido com hydro-
* geneo on ar inflammavel, cjmo era elle entio
ehamado.
0 emprego desse gaz apresentava inconlesla-
veis vantagens, porque, sendo quasi quatorze ve-
zes mais leve do qae o ar, dava ao balao uma for-
ga aicencional mailo superior a que se podia obter
pelo emprego do ar qaente ; alem disso, nao se
era mais obngado a queimarmaterias combustiveis
abaixo do balao, processo ranito perigoso, visto co-
mo o fogo podia a caJa instante coraraunicar-
se ao aerostato.
Foi a 27 de agosto, no Campo de Marte, que,
com ease psqueno globo inauguraram-se os pri-
meiros baloes da gaz hydrogeneo. Um tiro de pe-
gs aanaaetoa parttda- ?, Uvra dos freio.
que o sustlnham, elevou-se com um tal velocidade
qua em quatro minutos achou-se a mais de oito-
centos e cincoenta metros de altura, perdenlo-se
depois em uma nuvem. Um segundo tiro de pe-
c annunciou seu desappareeimento. A chuva,
que nessa occasiao cahio, nao impedio que uma
nialtiaao euthusiastica seguisse o com o olhar,
dando palmas comas mio', at6 que elle des-
aopareceu. .
Jamais, diz Mercier foi dada uma licao de
jiliysica peranta um maia numeroso e attento au-
ditorio. d .
Esse balao foi eahir a cinco leguas de Pans,
ptrto de Gonnesse, com grande espanto dos habi
tantes desse povoade, que, nao sabendo a que at
tribuirera essa singular meusagem, recebjramna
cm bem pouca cortezia.
Para distinguir os baloes de ar quenie dos de
hvdrogeneo, deu-se aos primeiroso nome de mint-
il'ilfieiros, do nome de seus celebres inventores ;
a aos segundos o nome de lavras latinas, que signiticam sustentar-se no ar.
(Continuar-se ha).
PARTE OFFICIAL
l.i?ACHOS DA PREilDENCIA, DO D1A 2! DB DEZEMDB
' DE 1874.
Antonio Manoel do Sacrameoto.-Defendo com
0 offlcio desta data a thesouraria de fazenda.
Abaixo assigoados baUitantes de Cruangy.In-
forma o Sr. inspector da inslruccao publica^
Antonia Maria da Gonceigao.Informe o 3r. Dr.
ehefe de policia.
Bazilio Jose da Hora Dofendo com of0.cio des-
ta data a ihesourana de fazenda.
Floriano Jose de Azevedo Santos. Informe o
Sr. Dr. chefe da policia.
Francisco de Pinho Borges.Defarido com offl-
cio desta data ao thesouro provincial.
Julio Auguslo Torres. -Deferido, com as ordens
^xpedidas nestadata ao Exm. brigadeiro comman-
dante das armas. -
Luiz Rodrigue8 de Oliveira. Concelo lo dias.
(aria Pa*tora Paes da Souza. Deferido com
offlcio desta data, dirigido ao Sr. inspector da the-
souraria defazenla.
Maria Francisca c'a ConceijSo.-Indefendo.
Thereza Maria de Jesus.-Deferido com o oflkio
desta data, dirigido ao Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda.
drrlurar que vai iiit<>rp ;;io do julgaineiato do tribunal n
proceaao do eouile Arnia, basean-
dose em que o factos revelation
no eorrer do proveaaiu exislam urn
in ui to malar praco de pri sao.
LONDRES, 2i de dezombro, & tarde.
Deu se lioje uma exploB&o por
coiubustau eMpontanea u'uuia ml
aa de carvao de~ pedra do codde
SlaiTord, quando os minclros come-
fiivum oh trabaluos. morrendo Ins-
tantanenmenle lnte mineiros. e li
cando muitos feriiius.
LONDRES, 25 de dezembro.
I oi (errivel aecldeniede camlnho
de ferro teve itontein lunar em la
glaterrn, em eonaequencla do olio-
que de dona trens. Pereeerana arln-
(a peaaoaa, e uearam gravcnente
ferido* mailos passaKelros. Pcoce-
dosti a um innuerito para a verlfl-
cacno do moiivo que deu lugar ao
desastre.
MADRID, 23 de dezembro, pela msnba.
Segundo Informacoea digrnns de
eredlto, eulauolaraiu-ae ullimamca
le negociaf des entre 01 ckefes dos
r i'publican os moderados e os dos
monarchliitns liberaes, e espera-se
que dentro em pouco deem bom re-
HUiiailo essas negociafdcs, coocor-
dando os dous partidos em obrarem
de eommum accordo not futuros
aeonteclmenios.
eoanftSRCiAES
LONDRES, 2ide dezembro.
oTods os mercados eonservar-se-
hao fecbados ate a pro\ima seguo
da-felra por causa das ferias do
Natal. Os bancos partlculares des-
contaram taoje a B / **** */ abaixo
da cotacao oin<-ial do Banco de in
Klaterra I'oram reculares as trans
acrdes no mercado de cafe, man
teiidose os precos. Mercado de as-
sucaricalmo, sustentando-se os pre
cos do dia anterior i o mascavado
bom de Pernambuco flea eotado a
sb. e od. eo dlto dito da Ba-
bia a II ih. aa lit libras.
LIVERPOOL, 24 de dezembro.
O mercado de al^odao calmo ; os
precos uianlcm se sem alteracao
notavel ; venderam se boje 10,000
fardos, sendo i .100 procedentes do
Brasil 1 durante a aemana hoove o
seguiate movimcuio <
Vaiadsaa j 1
endo do Bramll a.www
Foram Importados 5S.OOO
Sendo do Brasil 0,000
Oeposito total boje 5 10.000
aendo do Brasil 99.000
HAVRE, 24 de dezembro.
Foram quasi nullas as transac
fiics no mercado de cafe, e os pre
cos vsio a balxur 1 cota-se-o ordi
iiario de Pernambuco a BO francos,
e o dito de Sorocaba a 88 francos
os SO Kilogrs.
HA.MBURGO, 24 de dezembro.
Mercado de cafe calmo, e os pre-
cos anteriores mantiveram-se.
ASTUERPIA, 24 de dezembro.
Foram quasi nullas as transac-
cues nos mercados de cafe, e os
precos sao nominaes.
NEW-YORK, 24 do dezembro.
Cambio sobre Londres *SO- Pre
Co do ouro III 3/-I t o mercado de
cafe estevc baslante anlmado e os
precos tlrmes ; o do Bio fair cargoes
is, e o good cabgobs 18 l/S cknts a li-
bra. Alj;oiao mediano uplands 14
cents por libra as chegadas de boje
elevnrana se a 5.000 fardos.
RIO DE JANEIRO, 23 de dezembro.
Cambio sobre Londres SO 3/8
d. bancarlo.
fardos
-^- -
B


BAIIIA, 26 de dezembro.
Cambio sobre Londres SO 3'8 *.
bancarlo. 20 3/8. to l.'i e *6 5/8d .
particular.
BA1IIA, 27 de dezembro.
Chegou boje pcla maulia. do Bio
de Janeiro, e sahe a tarde para a
Europa por Pernauisuco, o paquete
inglez nEVA, da companhia da Beal
Mala.
TELEGRAMMAS
AGEXCI* OIVAS BEUTEB
POLITISOS
VERSAILLES, 24 de dezembro, A noite*
Em sua sessao de boje a assem-
blCa nacionai mandou proceder a
um Inquerito para verittcarem se-
tt existencla. as infencoes e os tra-
balhos do Comitk d'appell au pecplb.
VERSAILLES, 26 de dezembro.
A asscmblea nacionai encerron
seus trabalbos ate S de Janeiro, por
causa das ferias do anno novo. Cor-
re que om legitimistas pretendem
traier & tela da disrussao a ques
tao do restabcleclmento da monar-
cbia. equedlversos deputados dea-
se partldo partiram para Froha-
dorff. aUai de obter permissao do
conde de Chambord para i*so.
PARIS, 26 de dezembro.
O princlpc OrlorT acaba de ser a-
graciado com o grande cordao da
Legiao de Honra,
BERLIM, 24 de dezembro, d noite.
procnra dor da coron acaba de
(AGENCIA AMERICANA.)
Rio 24 do dezembro. Sahio para Per-
nambuco o brigue nacionai GALGO. Eu-
trou hontem do Pernambuco o patacho na-
cionai S. LUIZ.
Bahia 25.Entron hcje e sahe amanha
para o Rio de Janeiro o vapor nacionai
GEAR A.
Para* 26. Frocedente dos portos do sul
chegou o paqueto niciDnal PARANA, que
rogressara araaoha.
Bahia 27.Entrou procedente do Rio de
Janeiro o paquete inglez NEVA, que sahe
hoje raesmo d tarde para Europa por Per-
nambuco. Xarque : mercado firme, exis-
tem 789,000 kilos, tendo 603,000 do Rio
Grande do Sui e 126,000 do Rio da Prata,
que se venderam, o do Rio Grande de 48
a 69 e o do Rio da Prata;de^53 a 60 : a sa-
hida da semana foi de 173,000 kilos. Sa
hiram para Pernambuco, no dia 24 a bar-
ca ingleza C AMELIA e no dia 26 a bare a
allemS CARDINA.
DIARIO D PERNAMBUCO
1874.
RECIFE, 28 DE DEZEMBRO DE
Noticias da Europa.
Sabbalo chegou ao dosso porlo o vapor inglez
Boyne, traiendo datas ie. Dos jaruaes e cartas oolbemos o que segue :
FftANCA.
Realisaram se do dia H de Dovembro eoa tnda a
Prao;a as elei;oes para a renovacao dos coaselboa
municipaes, a excepcio de Paris.
As listas republicanas triumpharam em grande
numero de cidades-, tanlo de primeira eomo de se-
gooda ordem.
Era Marselha, em qne a Iuu era cireumscripU
entre o radicade e-t republicanos moderados;
foram os primeiros que venceram por graode
tnaioria.
Pode-se dizer que a eleicio do dia 22 {oi uma
das mahres victorias eleitoraes que ate aqai lem
alcancado o partido republicano de todas as suas
cambiantes.
Em qualquer outro paiz, Ul eleicao teria um re
jultado decisivo. Eax qualquer paiz de liberdade
parlamentar, um gabinete contra qaem se tiresse
pronunciado de um modo tao claro e decisivo o
corpo eleitoral, ver aa-bia forcado a abandonar o
poder.
Em Franca, porem, as cousas passam-se de ou-
tro modo : os veocidos conservam as suas poairSes
e pcrsistirlo em querur governar o paiz a sua van
tade, em riseo de o desesperar, e de o forcar as
peiores resolufSes.
As cleieSes municipaes de Paris realisaram-se
no dia 2, com o maior socego. Tem de se pro-
ceder a segunda eleiQao para 5 membros qae nio
obtiVeram a maioria aecessaria; as eleiedes reali
sadas dio os resuludos seguintes : ai candidaloa
radicaes, 10 republicaoos raoderados, e 12 conser-
vadores, segundo a classifica;ao apresentada pela
agencia Havas.
Nesta classilica^io ha alguma exagera^io; mas
o que 6 certo e que os radicaes ostiveraaa uma
grande maioria, mas qua abandonados aa aoaa (or-
qas proprias nao tem maioria absoluta nos couse
Ihos municipaes.
A assembled nacionai rennio-se novaraente
no dia 1* de dezembro, e procedeu a aomeacio do
seu presidents'. Todas as esquerdas se abstive
ram.
OSr. Buffet foi eleio por 348 voto., menos de
metade do numero de membros qua compoem a
asserablea.
Tres vice-presidentes (6, foram eleitos em pri-
meiro e=crutinio ; foram os Srs. Martel, do centro
esqaerdo, Benoist d'Azy, e Kerdrel da direita. 0
Sr. d'Audriffet Pasquier nao reunio o numero de
votos necessarios para ser eleito, e tem de ser sub
mettido a um novo escutinio.
No primeiro si obteve 267 votos, em quanto o
Sr. Martel leve 422 votos. Esle cheque do anligo
presidente do cenlro direito, 6 devido a hoetilida-
de dot membros da extrema direita, em conse-
quencia das tendencias do Sr. d'Audriffet para uma
aproximacao com o centro esquerdo.
A eleicao dos secrelarios deu so 5 em primeiro
escrutimo ficando a eleicao do sexto para segundo
escrulinio.
Osaecre'arios eleitos foram o Sr. Voisin.candidato
da esquerda aceito peia direita, e quatro deputa-
dos da maioria.
Na sessio do dia 2 foi eleito vice presidente o
Sr. d'Audriffet Pasqnier par 288 votos contra Ml
Rao abUy a Sr. Ranipoo, oandiJato da< Bqnr-
as. Abstiveram-ss de vetar os bonapartistas e
os membros da extrema direita.
Depois procedeu-se a eleicao do 6* secretario,
sahindoo Sr. conde Duchatel.
0 Sr. Buffet toraou posse da presidencia, agra
decendo aos sens collegas a sua reeleicao para a
presidencia, e alludindo a questoes de uma impor-
tancia capital que a assembled tera de resolver, e
mostrando a sua conOanQa, em que esta desempe-
nb&ra em toda a sua exlensao a missao que lhe
esta confiada.
Na seaio de 3 o general Cissey leu a assemblea
nacionai a mensagera do presidente Mac-Mahon.
Eis o resumo do documenlo :
Senhores. No momento em que ides conti-
nuar vossos trabalhos, o governo tem o dever de
vos expor a situac.au geral do paiz.
Devo-vos tambem a mauifesiacSo leal de meus
p.oprios senlimentos.
< Tenbo-me esforgaclo, durante a vossa ausencia
de cumpnr escrupulosamente a dupla missao que
me estava designada : a confirmacao da paz, e a
manutencao da ordem.
a Nenhunu complicacao exterior veio oppor-se
a obra da reorganisa;ao a que nos dedicamos.
t 0 men governo nao despresou occaiiao alguma
de afflrmar tanto pelas soas palavras como pelos
seus actos a firme resolucae de cumprir fielmente
todos os compromisso3, e de respeitar rigorosa-
mente todos os tralados.
c Esta polilica, que vos sempre approvasles, e
em que temos perseverado, tem tornado cada vez
mais intimas as nossas relates com as potencias
estrangeiras.
a Nenhuraa deltas duvida hoje do HOMO sincero
desejo de conservar com todos os gabinetes rela-
coas pacificas e amigaveis.
i No interior, a situa&ao economica do paiz tem
melhorado.
A mensagem expoe depois que as colheitas se
eletrarama uma imporlancia, a qua nunca tinham
attingido ; que a actividade industrial setem tam-
bem desenvolvido sensivelmente e que as expor-
lac,<3es foram consideraveis nos ultimos quatro
mezes, que os resultalos do anno de 1874 sao dos
Tnais satisfactorios ; qua o impulso dado as obras
publicas auxiliara o trabalho nacionai, o qual as-
segurara a cjbranga dos impostos.
Diz mais que o governo se occupara especial-
menle de levantar as financas, restaboleccr o equi-
librio do orcameuto de 1875, de re fur mar a admi
nistragio iinanc8ira e de repnmir as fraudes, e
que apresenlara am relalorlo especial sobre o es-
tado flnanceiro.
Conlinuando, diz :
a Percorrendo alguns dos nossos departamen-
tos, vi por toda pane afflrmar-se o amor da ordem
com a necessidade da paz e da seguranga.
a Desejo que uma organisaclo, reconhecida por
vos como indispensavel, venha dar ao poder, que
sabio da lei de 29 de novembro, a forca de que
necessita para cumprir a missao que Ibe confias-
tes.
0 paiz, agitado incessantemente pela propa-
gagao das mais perniciosas doutrinas, pede-vos
que assegureis a marcna do governo que o deve
proteger conjunctamente comvosco, e que lhe ga-
rantais, por meio de disposicdes pendente previden-
cia, durante o perlodo de estabilidade que propor-
cionastes a Pranga, o meio do funccionarem com
regularidade todos os poderes publicos.
Sobre estas questoes tio graves do que vos
ides proximamente occupar, espero que se csta-
belecera um accordo entre vos.
Em todos os casos nio declinarei a minha
parte de responsabilidade, e a inter venvao do meu
governo nio a desamparara.
Quero-vos, porem, dizer, desde ja, como com'
prehendo os meus deveres a respeito da assem
blea e de paiz.
Nao aceitei o poder senao ppra uSo servir as
aspiracoes de partido algum ; prosigo unicamen-
te a obra da defeza social e da reparacao nacio-
oal.
a Chamo a mim, para ma auxiliarem no cumpn-
raento de minha missao, sem espirilo algum de
exclusao todos os homens de boa vontade, todjs
aquelles, cujas preferencias pessoae9 se inclinam
diante das necessitates do preiente, dianto da
causa sagrada da patria.
o Desejo ardentemente que o concurso de ne-
nhaai delles me ftlle ; reclamo o em nome da
de Leruui Braga, no Aracartj ; Joio Maria Jalio Chxvdf, no kuh; Intonio Marqnei it Silra, Ratal i(M JostiM
Penha; Be'trmino ios Santos Bolcio, em Santo Airti. ; Domingo* JobI da Coita Iraga, am laxaretb}
AJvea A C.,aa Bahia; A. Xarier Leite d C. d ftk> Janora*
qoem so tenho em vista a salvaeao e a
desaniissrj no
Franca,
gfandexa.
a Em' todos oe sasos nada me
camprimeato da nuana missao.
A Side novembro, no interesse da paz, da
oMem mm seguraoga publica coDSaste-me por 7
aanosolWc'r execuJivo.
it 0 ajlsmo iDteresse me faz am dever do nao-
deiertar do posto, em ifue me collocasles, e de o
occupar a*e o ultimo itiareom nma llrmeza inaba-
Uvel, a-eo*-*spe4o ewrapulesg pctas-lWK *
0 que havia de mais inportancia na mensagem
marecbal Mae-Mahon, era a forma ptrque elle
ei ia a organisacao dos poderes constilueionaes;
sobre esta ponto qua veisavam as dneussoes
do) conselho de ministros, aaies e depois da carta
da conde de Chambord. Como se vd pelo texto
dc| documenlo, o pedido e feito nos lermos mais
maderados e conciliadores. Ja nao e a soberba de
a bo, em que o marechal, em nome dos iiHeres-
. publicos, reclamava imperiosamente as leis
eotostitucionaes. Huje contenta so em pedil-as. Se
lad forem recusadas, conservar-se-ha no sen pos-
lo, d'arma ao hombro, como fiel respeilador das
lea ; quanto aos iuteresses publieos, elles que se
tirem do embaras^ como poderem.
A leilura da nrffisagem foi recebida pela as
sociblea com muita reserva. Houve peqaenos
apv'ausus da direita moderada e do centro direi-
to, par* as phrases ftnaes. A extrema direita con-
setvou uma attitude glacial ; parece, poreui, qae
ait tem razoes algumas de se queixar com a po
sieio do governo ; e a nao exigir que o marechal
Mac-Mahon va proclamar o rei llenriqoe V, e iin-
poi-o por meio da forca, o que pode a extrema
diieila desejar mais do que ver o marechal
gairdar o lugar do toberaao aaseate como am liel
ainleale, ate que um milagre permilta ao lilho
S. Laiz de subir ao throuo dos seus raaiores.
EITeclivamente, a men-agem, depois das altera-
cdes que lhe f ram feitas, paroae inclinar se dian-
u das ultimas instrucgoes que o conde de Cham-
bord transmitlio aos seus fieis, e parece que as
inspiracoes do Sr. de Broglie prevalecerara. aos
conselnos do dnqne de Decaxes.
A assemblea nacionai tratou do projecto de
M sobre a fixagao dos quadros do exercito, e de-
pais de uma insignificante discussao, ficon para
sefunda leitara. Occupou-se depois da discussao
da lai sobre o ansino superior, que tambem foi ad-
oMtido, e adiada a discussao para a segunda lei-
tara.
Assegura-se que o governo francez entrou
ea negocta.oes preparatonas com a Italia, Aus-
tria, Belgica, H jllanda e Inglaterra para a revisao
daa tralados de commercio concluidos entre a
P|aoga e estas potencias.
0 conde de Chambord dirigio ao Sr. de la
Rochette, chefe da extrema direita, uma carta, que
prescreve aos legitimistas fieis, que recusem toda
a ospecie de vuto que possa dar em resullado re-
tardar a resUuragao da realeza, is to 6, que com-
baiain por todos os ratios toda a organisagao se-
ria do si-ptenado.
jpearta do eonde de Chambord tem feito gran-
de aensagio nas rcgioas politieas, e veio dar ura
allimo golpe nas tentanvas de reorganisagao da
nsaiurla reascion .ria da aasfloiMea nacionai. Aa
manobras do Sr. de Broglie para a recoustitnir,
ficaram sem resullado.
A Union em um artigo a proposito da missiva
de Henrique V, dizque a nao quererem declarar-
se em rebelliao cjmpleta contra o seu soberano,
os fusionistas do sentro direito deverio resignar-
se a volar contra todas as proposias do septe-
nado.
O.mesmo jornal diz sobre o me3mo as-
3umpto :
c Os jornaes fallam de uma carta do sr. conde
de Chambord, alguns pronunciam mesmo a pala-
vra manifesto.
< AQm de impedir commentarios erroneos, di-
remos primeiramente que esta carta, dirigida ao
Sr. de la Rochette, tem um caracter particular.
Nas circumstancias actuaes, no meio da per-
turbagao do3 espiritos, uma palavra do rei con-
Sando os seus pensamenios a ura dos seus mais
lleis servidores, devia exercer indubitavelmeote
uma grande e salatar influencia. Por isso a carta
do Sr. conde de Chambord foi hontem commnni-
cadi aos deputados realistaa, e nao nos admira-
mos da viva impressao produzida no muado poli-
tico.
t Em presenca, porem, dos boatos que circu-
lam e dos texlo3 qne diversos jornaes publicam
ja, sob forma de analyse, julgamos dever dar al-
gumas explicagoes.
t A carta do Sr. conde de Chambord nao traz
mudan;a alguma na politica realista, que tem por
base immutavel um principio.
Ba muito lerapo que o dever da direita esta
claramenie delineado, e o Sr. condo de Chambord,
consultado por muitos depulados so pole aflir-
mar as resologSes dos realtsta3 da asseu-blea, ex
priraindo a um delles a 3ua conQangi em que seus
amigos nao votariam cousa alguma que possa im
pedir ou demorar a restauragao da monarchia.
Nao e novo para nos, mas comprehenderaos
que outios se tenbam commovido. Possa e3ta coin-
mogao marcar o tim de emprezas chimericss e
apertar o vinculo que une as forgas monar-
chies 1 >
ITALIA.
Abrio se no dia 23 de novembro o parlamenlo
italiano. 0 discurso do throno, recitado pelo rei
Victor Manoel insiste especialmente em dous pon-
tos imporiante3: a situacio floanceira do reino e
a seguranga publica.
0 discurso do ihrono produzio um excellente
effeito, pols, foi por muitas vezes inlerrompido
por vivos applauses
0 rei Victor Manoel, acompanhado pelos seus
dous fllhos o princide Humberto, e o dujue de
Aosta, no seu trajecto para a assemblea, foi viva-
mente acclamado pela populacao de Roma, e pela
guarda nacionai em armas, nas ruas de transi'o.
A eleicao para a presidencia da camara ser-
vio para contraprovar as forgas do governo e da
opposigao e limitar provisonamente os carapos. 0
governo tinha escolhido para candidato a presiden-
cia, o antigo presidente o Sr. Biancbien, e a oppo-
sigao o Sr. Doprets. 0 candidalo do governo teve
236 votos, e o da opposigao 172. Tem o governo
pois, uma maioria provavel de 64 votos.
Enlretinto, p6de ser que nas questoes de pnn-
cipios, e em votacoes imporl^ntes a maioria se
desloque, ou offerega menos differenga.
SU1SSA.
A repartigao federal do commercio na Suissa,
acaba de elaborar um projecto de lei sobre o tra-
balho nas fabricas, previsto pelo art. 34 da cons
tituigao federal.
Este projecto em 19 arligos etabelece em dis-
posigoes geraes prescripgSes. relalivas a3 induslrias
insalubres, assim como a responsabilidade dos fa-
bri:antes era caso de feriraeotos ou morle dos
operarios. Estas ultimas disposig5es sao seme-
lhantes asda lei sobre os cara.uujs de ferro.
0 projecto institue al6m disso caixas de soccor-
ros obrigatorios nas fabricas ; estas caixas serao
administradas direclamente peios operarios.
Quanto a duragao do trabalho, a lei flxa um
tempo normal de 11 horas por dia para os ho-
mens, com um descango de 5 quartos de hora ao
meio dia. .
0 trabalho de noite s6 e admittido a titulo ex-
cepcional, e nao pode exceder a seis horas por se-
mana.
0 trabalho de noite e ao domingo e prohiLido
riotnens. As mulheres gravhlas sao excluidM da
fabrica durante quairo secaanas azttes e seis depois
do par to.
As criangas menores de ti arraos nao podera ser
admiitidas nas fabricas ; do* li aos 16 ann^s nJo~
devem trabalbar senao 6 horas pur dia.
A execugao da lei pertence- aos caatoes, sob a
raspecgac-da confeieragao. O projecto-de lei crea
para esse Bm dous Ingares de iaepector com i>,000
francos de- ofdeoado annual. As- eontrareacoes a
lei sio punidas com muitas de \ i.iie a mil francos
e em caso de rerucidencia com praao; qewpodtra
elevar-se at* 6 mezes.
HOI.LANDA.
A seganda eamara di>s estados geraes dos Pai-
zes Baixos voloe por 35 votos contra 20, a pro-
posta dos Sr3. Vao Eck e Bredius em favor do e3-
tabelecimento de uma arbitragem internacional.
Como se sabe, ji foram voladas mucoes analogas
pelas camaras da Italia, Suecia, em seguida ao
parlamento- de Inglaterra.
Qmiuislro dos negoetos estrangeiros declaron
qae uma noia sobre os veihos eatbolicos da Hollaa-
da, publirada pelos jornaes allemaes, come em do-
cumento official, e reproduzida sob este titulo pelo
Vudetlajni, dj emanara, Dem delle nem do set*
predecessor.
A nota alludida tinha indignsdo a opiniao publi-
ca em razio das suas teodendas nltramontanas, e
da parcialidade das suas ioformaeoes sobre a igre-
ja de que pretendia fazer conbecer a origem e o
dogmas.
A declaracao do ministro (oi acolhida favoravel-
mente pela ramara.
0 orgauaento foi approvado por unanimi-
dade.
wiiaBiaci
Ao Polkelhisg da Diuamar.-a, em que predomina
o elemento demoeratico, foi apresentada uma pro
posta bastante radical, pedinlo a aboligao dos ii-
tulos de nobreza e das eondecoragoes.
A camara tomou esta proposta em considerable
por 18 votos contra 16, e enviou-se ao exame de
uma eommissio.
tKGLATERRA.
0 partido liberal em Inglaterra tem bastante dif-
liculdade era se levantar da sua ultima qaeda. As
eleigSes paraiaes que se succedem no paiz nlo fa-
zem mais do que coofirraal-a. Um dos sens can-
didates acaba de ser vencidos em Birkenhead, com
um desvio de ura milhar de votos em 5,895 votan-
tes. Etta derrota 6, porem, relativa; pois a cir-
rumscripgao e, ha muito tempo, devotada aos to
cies. 0 deputado eleito succede a Mr. Laird,
constructor naval, que Unto roal fei ao seu paiz
com as suas sympathias pelos estados escravistas
da America. Foi nos sens est.leiros que foram
construidos o AI a ba ma, e outros corsarios dos in
surgentes.
0 Morning Advertiser recebeu, pela mala
da Australia, noticias das ilbas Pidji, que vao ate
o principio de outubro.
Antes dos factos consummados por Sir Hsrcule
Robinson, a* paries interessadas haviam maaifes-
tado unanimemente o receio de que, se o pavilhao
iaglez nao Qactuasse com brevidade sobre o terri-
torio liijio, qualquer outra polencia civilisada se-
ria convidada a tomar este paiz sob a soa protec-
cao. U apparecimento de am nayio da guerra
francez, fornecea occasiio a discutir-se se convi-
ria travar negociacoes com a Franga por esta a-
ceitar o governo destas ilhas. A julgar pelos sen-
timentos expressos por toda a populacao branca,
nao se pode duvidar que se Sir Robinson nao pro-
cedesse a annexacao desejada, se nao perderia tem-
po em a offerecer- a outra potencia.
0 negocio, porem, concluio-se rapida e satisfac
loriamente. Log > que o novo governador teve uma
entrevista com o rei das ilhas, este manifestou a
mai3 viva impaciencia em ver o negocio ultimado,
e pedio que lhe dessem iramediatamente conheci-
mento, claramente, e sera disfarces, em um docu-
mento escripto, tudo o que delle desejavam.
Feito Uto, 8 dias depois de ler a Perola ancora-
do na bahia de Levuka, o rei eedeu com todas as
formahdades, a totalidade do territorio que com-
poe as ilhas Fidji a rainha de Inglaterra. Algnns
chefes indigenas que estavam presentes, flrmaram
com a sua assignatura o aclo de cessao.
RUSSIA.
As noticias recebidas da Asia central nao sao
satisfactorias nem para a Russia e nem para a In-
glaterra, potencias cujos interesses se tocam de
perto nestas regiSes em que domina a sua influ-
encia.
Os russos, senhores de Turkestan e protectores
dos khnatos de Bokhara e de| Khiva, tem diante
de si um inimigo incoercivel, e sompre perigoso,
as iribus nomadas, que ate agora, tem impedid >
o estabelecimento de uma situagao regular em
Khiva. ,
Por outro lado os ingleze3 protectores do Afgha-
nistan, estao alTectados por um facto qne acaba de
se dar em Kaboul; e que demonstra ainda uma
vez quanto a situagao naquella regiao 6 difflcil o
precaria.
0 emir de Afghanistan Shere-Ali, protegiuo pela
Inglaterra, mandou preider seu filho Yakoub-
Kban.que tinhacreado uma especie de soberania era
Herat, e qae segundo se dizia, tinha ido a Kaboul,
fiado nas promessas inglezas, para se entender
amigavelmente com seu pai.
Shere-Ali queria as^egurar a successao do seu
throno ao seu lilbo mais novo ; o mais velbo, que
e chamado a successao pelo direito do nascimento,
procurou o apoio da Russia.
Parece, segundo diz o Standarl que a Inglater-
ra se tinha corapromettido pelo procedimento de
Shere-Ali ; e, segundo o mesmo jornal, importa
muilo para o presligio da Inglaterra, na Asia, qae
a sua garantia e lealdado sejam respeitadasi'
Entretanto o ministro da India, lord Salisbury,
mandou desmentir no Times que a Inglaterra ti-
vesse entervindo de qualquer modo, no encontro
entre o pai e o GlUb.
ALLEMANHA.
A commissao noraeada pelo Reichstag alleraao
para o exame do projecto de lei sobre os bancos,
e uoanime em favor do estabelecimento de um
Banco Central. _-.i
A commissao dirigio a chancellana imperial o
pedido do se explicar sobre as suas intengoes re-
Fativas a esta instituigao e as condigoesa que que-
reria sujeitar o seu consentimento. A commissao
6 de parecer que a sorte do projecto de lei sobre
os bancos dependera das resolugoes do governo.
Esta questao foi apreseutada pelo ministro o br.
Delbruck ao conselbo fideral do imperio da Alle-
manha. e prevenio os seus collegas do conselho,
one o governo prussiano se estava occupando de
resolver a questao, e convidou os outros governos
federaes a tomarem igualmente a proposta em con
sideragao. -
Os governos federaes nSo se oppoera a creagao
do banco do imperio, ja adheriram em principio
a este projecto. As difflcnldades versara porem
na irausformaglo do banco da Prussia, que ja e
um banco privilegiado de um estado de contede-
ra'.ao em banco central eommum a toda a Alie-
ma'nba, e no systema que sera preciso seguir para
levar os outros bancos existentes a nao serem
mais do que succursaes do banco central.
Entretanto esta-se de 'accordo em raanter o an
tigo projecto de lei regulando a situagao dos outros
bancos de emlssio, modificando-o unicamente no
sentido da instituigao central regularisadora.
Diz-se que o publieo sera admittido a subscrever
raeSes, qaunto lhe penaiuirem as garantias qae
tem de d*r ao Estado.
Trala se ignkente do projecto de unifor-
inisagao do codigo judicial em lodo o ; Dpeno. O
ministro A jostiaa da Bavi-ra, o Sr. Facostla, de-
clarou coRiegoricaraeate qo o goverao da Ba-
viera nao aceitaria a creaigao de um iribooal su-
premo imperial para toda a Allemaaha,
se a sua competeocia fosse reservada aa q-i
i|uo dizem rcspetio as leis do imperio.
A Bhviera qaw scrv.ir os 'ribunaes rafa-
riores do sen paii, para >ulg;r das cousas da-ai-
gada das leis bavaras.
O ministro jnlfa que 6 areeiso nao ir alem d*>
que exige a onidtde do direito, jur jae proao-
guindo uma obra da reorralisacao ab-oluu, jar
veriacs bem depressa forgadospela BBBBBBb
voltar ao antigo syssema.
A discussao geral dos tres graode* projecto*
jndiciarios caminha cm rapidei.
A lei sobre a orgausarao judxriaria foi enviadd.
a uma eommissao de. i+ membros.
A' mesBa commissao foram ignaliurBte enviadc*
os projectos do codigo do processo criOMnal, e do>
codigo do [irocesso civil.
Os membros oeta graooe commisw. que et-
lao encarregados da part* mais diOlcnl.a tra-
balbosa, a de eraminar ea detalba e>tos projectos
de lei, gozarlo de uma poaicao exwprional.
Trata-se de os retribuir aim de podemni oecu-
par-se de so* immensa tarcfa duraate > inter-
val I o das Jessies.
aBBBki
No dia 22 de novembro abrio o priocipe- Milaa
a assemblea nacionai ser via por um diacurs* tao
fez uma boa inpressao.
Recordou o briltui te acolh'.meatn que tinhtk re-
cebido por occaeiio da sua visita a CoostaaSoo-
plj, da sua viagem a Itouraaoia, e as suas eatra-
vistas com os loberanos e sens ministro*. qae to-
dos exprimiraoa as soas sympartiiM pela prospe-
ridade e fuluro da Servia. O pnocipe enumerout
depois os diversos projectos de lei de que a
Skouptchina tera de se occupar. Termiaaaao.
annnncion que a assemblea tera de se occupar da
revisao da consiuaigio servia eoa seabdo liberal.
BOB MANIA.
0 principe Caries da Roumania abrio ao dia 27
de novembro a* camaras. (>?u discusso aao
offereee interesse senao sob o peato as vista ao
negocios interiores dos psineipaios noidot. Pass*
inteiramenls em silencio o iacideate retativo aos
tralados de commercio em negoeiacao coa a Alle-
manha, Austria e Russia.
0 discurso annaoeia a apreseataaao ds naae
rosos projectos ds lei entre os qoses se aotam os
relativos ao recruumento e a instrucvao publica.
BKIPAMIA
Aearca desse paiz escreve nosso correspon-
dents de Lisboa:
t 0 correspondents de Madrid para uma folaa
de Lisboa escrevia lhe nos ultimos du de novem-
bro, poaco mais ou menoi, nos seguintes lar-
mos:
c A situagao inangurada com a faassu polilica
do grande Caste liar, esta daa do os seas fruelor.
A dietadora mililar com to Jo o sen vigor, a ira-
moralidade elevada ao seu maior augc s a rrtasa-
gao mais degraiiauie ieuiimono aaaaaBBB*
cao.
i A reacgio & uma eocosta muito does, e todo
aquelle que poe o pe soars eUa, ha de torcosamea-
te ir ateao lira, sera que ningnem o pessa deter.
0 ministers Castellar desarmou a milicia repu-
blicana, suslentou as camaras municipaes e depa-
tai.-oes monarchicas, respeilou a mag^tratora pri-
vilegiada dos tempos do depotismo deauttio os mi-
litsres republicanos, snbstiiuindo os pelos boorbo-
nicos, com encarnigamenlo penegoic os federaes
a imprensa que mais ardentemente susieulava oa
principles das corles constitumles....
c Hoje a republica e apenas um nome ea Hes-
panha, nome com que especnlam miseravelmeata
os aotigos ministros unionistas para medrareia a
sombra da traigio, que forjara nos qaarteis e nos
governos das provincial.
Com a guerra civil, sustentada d'uma maaeira
artificial para qne snbam determioadus bomeas
ao port) de capitao general; com a iosurreicao da
Cuba ; que ba ja tres annos etta to-ando o sea
dm ; com a bancarrota qae nos araeiga ; coa a
eslado de silio erigido em anormal penodo da visa
politica, com as cortes dissolvida-; mnnicipioa
noraeades por ordem dos governadores e as depa-
tagdes impostas pela vontale do superior unionis-
ta. Em vista de tudo iato ja pods o men amig<*
ler coniiaoga de qt e a restauragao bourboaica
esta a porta e qne para o sea triuii pbo conspiraaa
incaasavelmenle Sagasta e Serrano.
E ainda em cima a perseguigi) ao eleraeato
mais ardente do partido republicano, decidido ini-
migo da rostauraclo; as poteotes forgas do car-
lismo; a indifferenga do paiz a lula que os carlis-
las e sagastinos snstentamem mil p>;ots da penin-
sula, lhe provara evidentemenle que a restauragao
sera possivel antes de pouco tempo.
A I do corrente o mesmo desaaimado cmres
poodenle soltava estas signio^alivas lameau-
goes:
A situagao segne da mesma forma, como llxf-
indiquei na minha anterior. Com a sabida do
duque da Torre para o aorta, pronuaciai-se-aa
uma politica mais conservadora, ectraado par*
ministro da guerra Lopez Domingnez e para -
nistro da governagao Romero Ortiz.
Assim o etemeolo progressisU liistorko rt-
presentado por Sagasta, no gabinete, sahira deals a
Ticara uma situagao plenamente uni.nista. Ss la,
succeder, sera o ultimo erro do duque da Torre.
o A politica do isolamento, agora que era mis-
ter junlar todos os elemenlos demo:rati^os, sera
fatal, porque nao consolidara uma sitoafio eoer-
gica que possa veneer o carlismo, inimigo commana
que teem aqui todos cs liberaes.
a Ja devera ter noticia dos fozilameot** por
ordem de Cucala em Espadilha. 0 sesrelario da
camara municipal, velbo liberal que conlava 70
annos de idade, entrou no numero das victimasis
faror desenfreado dos soldad s de Cncala. Esta
procedimento encheu de indignaflo a toda gente,
ainda mesmo os mais indepeodeotas da politica,
e o prole-to contra o carlismo e nninime.
a Castellar, Topete, Pavia e Royo Arias, hontem
e hoje teem conferenciado largaroente com o du-
que da Torre. Vio-ae adoptar serias meditas
para ver se ss acaba com a tacglo, e sabe-ss aas
Castellar 6 o primeiro que secunda a politica do
rainisterio, comegando por pedir toda a energia
contra os affonslnos, que slo, ao qne parece. os
qne mais trabalbam para levantar a sua baa-
tte'ra u:
i Uma nova victoria contra o exercito repuou-
cano com a derrota dos carlistas em Tarragona e
no priorado de Valencia ; Tristin foi frndo.
6 o que ha de mais recenie qoanto aos successoa
da guerra.
Conlinua a crise ecoaomica. Nao ss paga
senao os onus da guerra, na qual ss eiaprrgas
tres milh5es de reales (138 eontos de reis fur
por dia I Daqai nasce a dilBculdade em <]
encontra Camacho para poder pagir oa
vencidos. c .
a Hoje conferenciou este com o marqueade san-
maoca e nao pole encontrar dinbeiro. Toaos
seguram qae Camacho abandonara oasa
conjantamente com SagasU o
guerra.
Hontem finalmente
paFaaTmulheresTo"descango do meio d.a comega para o ?Pl*rn''0^"ronb^^
para as mulherea casadas meia hora antes do dos I ests sera indepeudente para todas as suas ope-
.'
t

foi fuzilado em Abbacato
,m. Era r***|f"5
teria do exercite quando e patsou para a bbb

J



------ -
Diario de Pernambuco ~ Segunda feira 28 do Dezembro ds 18?4
earlista, e commettea depois com a sua gente os
inais horrendos crimej que se podem relatar.
0 goveruo desta vez houvese energicanienle,
ordenaado u- (uzilauiealo do Lptsnp. Infelizmeate
e com magoa, e lorposo confessar que s6 assira &e
podera esperar qae t-rmiae a guerra, nao deixan-
do Hear impnnes tautos e lacrenormcs attemados.
a 0 alvordto poduzido hntcm no quartel de
Santa Isabel, pelo balalhao provincial de 3adajoz.
cAmposto da ultima reserva, nlo tevo resulta.(os
desagradaveis. Os soldados, movidos p'tlo imfint-
so desuas faruiliss, be.Mlaram e:n mart-bar i'5ra a
campanha. Port in, a yo* .aermtaante dos seus
chefes, eulraram ua ordem e obeleceram.
Neste negocio, asgur.do ao cni, gyxeti al^um
diaheiro, e, sefrundo e voz pohlica, esse drahoin
foi dado pur cailistas.
a A peaiJj do general Pavia, o supremo conse-
Ibo de j'astica u.; tar esta U alamlo de ubier todos
os documeiitos qua digum respefco ao sea pro-
cesso.
0 ministro da guerra aprcsentara um projecto
lei concerueote ao reerutamenlo. 0 exercito
fossem as suas crencas, tem dlreito asersepul-
'-ilj conn gento o nao a s-;r eoterralo eomo cao
)' preoes'os rae lerawde incineracao para os na-
lavqres, terao do acabar con] est.s o outros con
fllCtOB.
t Foi norneado o Sr Eca do Queiroz, que ex.r-
eta o cargo de vice-consul poriuguez na Havana,
para o oonsulado portugaes .de New-Castle* O
barao de Wildick, nosso consul n'aquello porto, foi
nomeado para o ccnsulado geral do Rio de Janei-
ro, (como era tempo Ibes aanunciei). No dia II,
partio no vapor Douro, para a Inglate.ra, o Sr.
Epa dd Queiroz.
Depois de sua chegada. A'quo part Ira para o
rtio'de Janeiro, o Sr. Dr. Wildick.
Acba-se estabeleeida a' corrosaondencia tele-
graphica eotre a estagio de Villa Real de Santo
Antonio, (Algarve ) com s de Ayamonte. Esta
nova communicacao facilita as relacdes e corres-
pondences enlre Portugal a Hespanha, principal-
meate, com as estacSes da Aadaluzia, cujo eentro
e Seville, com a qual correspondo directamenle a
estacao de Villa Heal de-Santo Antonio.
Alflrmava hontera o Diario lllustraio que ia
nao segue viagem para o Para a corveta Duqae ia
Teixeira.
t 0 governo porluguez recebeu no dia 11 in-
formacoes acerca de am deposito de espingardas,
bayonetase outros objectos de armamentos, que
so suppSe quo eram destinados para os earlistas
Eslavam eulerradas em am sitio do lagar de
Aldeia da Dona, no conselho de Sabuga-I. Parece
que foi um ecclesiastic < quera descebrio o deposi-
to e deu parte as autoridades.
" Cliegou do Havre o ccade Armani, minnii-
*ro de Kranca, cm Lisboa.
" No ultimo couselbo de ministro foi approvado
um projecto relativo a prooosta de tei para a do-
tacao do clero. Esta dotacao tem por base a vea-
da dos passacs das parocdias dos conveotos sup-
primiioa. Os parochos conservario o pe do al
tar, mas acabara a derrama.
" 0 celebre prestidigitador Herman (.le que fal-
lava o Sr. CamHIo Castello Branco ha poucos me-
lea n'um de seus preciosos voluminboa das Noitei
de insomnia) voltara a Lisboa para o principio do
mez de Janeiro.
" Ainda nao esta sanado o cooQioto entre o go-
ve.no e o cabido de Braganca, mas em bom cami-
nho, ao que parece, pela nomeagii de um gover-
nador do bispado que seja a contente dos cone-
gos, do governo e segundo os canones. Tcm se
escripto muao a este respeito, mas o gnverno do
bispaao ten rei nem rcque e que tem sufrido com
ettasdelongas, desde que falleceuo virtuoso bispo,
Peijo.
Um telegramma de Roma do dia 8 diz que um
breve de sua saotidade nomeia monsenhor Pessoa
coadjuctor, com futura successio* em monsenhor
de Uoiua arcebispo de Braga, primaa de Por-
lug I.
" Os estragos enormes causado3 era Macao pelo
foi chamado ao norte sun ; mas I tufao e inceudio de sctembro, vao ser reparadus
para t.mar o commando dos guiasIpljr meio de quantiosas subscript levantadas
em Hongkong, Macao e Shangue.
de
pertuanente compor se-ha de 350,000 homens;
milic;a mobilisada 240,000 ; territorial lOO.O'JO.
Partio de Madrid o mareibal Serrano, p-ra o
norte. Chegou a Logrcno no dia 10 ao meio dia.
Tomou immediat mcute cotta do commando do
exercito.
Continuam a a empreza que vai realisar o duque de la forre
(Serrano). Para ella se tem accumuiaJo grandjs
recursos, assim de pessoal. como de material.
a 0 namerofo reHvUmeoto e as gran las
contribuiiioes que o paiz tem dado, lostmeam a
esperaofa de -jin cok; como dizia ha poucos -i; >a a Ep)ca.
CoRtinnava m l.ogron uaaral Lazerna,
mas o__genri| (.::, &unde t-crevom de Sin-
Sebastiao, era alii espfrado com 12 b&talhSes, e
du-se qne o icora,>anliara n g^Mral Blanco com
os oito batalboes ^ue compoeTa'a divisao di van-
guarda do exercito do norte.
A ser a?-im, e vi leaie a iateo;ao de operar
contra os oartistas na pr.AmciadeGuipuzcoa, corao
se cuidava qaese fa i:i d-wde logo que le levan-
tou o cerco de [run, a'.acaqda-oa sertameute e ao
mo;mo tempo com urn ataqd-j sobfe as linhas de
E^tella, ou r'.ifl.-and > apedas u.-sa diver?ao. amea-
;andn- 80S destruir algumas das fabric is e depositos que
teem em Guipu-coa.
To'avia, auezar desjas n.anobras com que
fle tietn msacados, os earlistas cntir.uam a Coa
x-ntrar seem E-tella, E' aqui, pois, que tudo faz
rer que se dara a granle batalha.
I*or fin) do eoDtai nao se pole bem saber
quem commanda cs earlistas do nort-.
Dorregaray, dizem as folhas de Bilbao que
ira eoinmandar o exercito do cenlro, e tambem
affinnam qne Lizarraga fora nomeado comraan-
daute geral da Catalunha.
* Tri bay
aiinplesmeuto
e^uarda a cavallo, de D. Carlos. Elie, assejoraia
quo nao e.-ta com o pratendente
* As operacOas estao immincntes, e dentro em
pouco so sab ra quoin dirige as oparapoes dos car-
ii>tas am E-tella
a Os earlistas destruiram a e;lrad:. principal d
V'alui-?eda, entriucbeirando se nas e^tradas de
Alava, Navarra, e Guipnacoa, d'unde foram des
aloj d- s p. r inn batalhao das laimodiacoes de
flernani, commaadada pele p>ucral Loma.
D. Carlos entrm no dia Seal Vcrgar*.
0 e.>tido do oppFeasao em quo vegeta a im-
i-rensi e nsumpto de lastimas d-i a I guns jornaes
de Mailril. i|ue ainda a?sim se alfoitara a lameu
taroseu forcado mattsnuu*
I'OItrCGAl.
Njsso c )rrc.-DJnden-.e de Lisboa Mereve em
13 do correni-':
c tJintinuam manife taree por part.; do go-
reran portugu z os seus bons desejos em relajao
an armametit i do paiz, d<-foz-t dos portos, ar
uiba neiiti das fortaleza*,quipannntos e arreios
aperi" ii; iados para cavallaria e artilha ia, etc,
ao taesroo lempo qua. prosegucm a* eaetaK
cjnstrnc^oes navaes qu sj a:tistarara co n algu-
uias ca.-as construct Ta ? de Inglaterra, sob a "i-
iilancia de a'gtius di-ntre os mais peritos dos of-
niiaes da no>sa armada. l>t) vora a cu-tar gros-
sos cabed es ; 6 provavel que sobr'e as verbas
votadas em cada anno economico para despozas
desta natareza ao orQameato geral do Estado, da-
ta nece-sidade de antcipar sobre as do anno
econ.mico proximo futuro. E' mesmo de presu
mir que alem desse esfer^o ainda seja preciso
qua as eamaras legisiatiras sob proposta do ga
Cinete, votem raaores som as do que as or
Oiaaraa, e qu? terao do sahir do impjslo, som
mas que o parlanenm nSo devera re.-usar ao go
verno, i.rovada que Ihe seja a necessidade de o
lazer, o quo perante a cpinia:> pubiica ja e cousa
pfovadfesiro*.
E' de erar que os corpos coiiegi r<=cusem, em nome das falsas economias, a votar
as aatorisacdas pedidM ; e de presurir, porem.
que se Ih'as re:us.,s^em, o governo (que ainda
nao prop itnem aToawtboa ao poJer oioderadir
a diss i.icao de uraa cimaia de d pulalos )
recorrena a esta tuprema ratio do svsiema re-
{mwntattvo, e o faria consultar.do novamente o
NMragio nacional, a deliberando no inierregno
vafUmentar em dictadura, o que e urgente que
se delibere o que se faca.
0 socego publico vai conliuaaudo inaltera-
- ve!.
_ A quoitao da disciplina railitar debatiia ate
a saciedudo, deu lugar a appiric^o de varias bru-
xuras, cm alguraas da3 quaes se nota grande
eompetencia e circumspec^ao.
Osfe-tejjs do !. de dezembro em Lisboa
e nas pro'ineias nao foram inferiores aos dos an
dos precedent*.".
A commUsio central !. de Dezembro de 16W,
den o costuraado sarao patnotico no hislorico pa-
^acio dos conies d'Almada. Discursou, entre ou-
tros cavalhfciros, o mavioso escriptor e excellante
poeta Tnomaz Uibciro.
A asso^iacao popular l. de Dezembro recem
fandada por alguns membros dissidentes da pri-
meira, iaangnraram nesse dia a sua escola que
abriram desde ja para 40 rapazinhos do povo
Osjoraaes de provincias ainda trasbordam de
aoticias relativas a festejos patrioticos. As folhas
de Paris publicaram telegramraas em qne se men-
cionam c^ra wdade os festejos do !. de Dezem-
i>ro, ann versario da restaura,ao da independen-
cia de Portugal.
* E' bora que la fora se saiba tudo isto. As
luminarias, disenrsos, cantatas e outras demons-
trates Dao salvam a patria, repito, mas demons
'Jim o que queremos, e isto ja nao e mao, quando
:amos publicistas raachiavelicamente se tem esfal-
.ado em fazer persuadir ao mundo que os portu-
gjuezes estao morrendo pela uniao iberica.
Continua no seu andar, o proce^so de arbi-
^agem entre o governo e a corapanhia das aguas.
A direccao desta companbia ja votou o processo
com a contra-minuta do procurador geral da
Cjroa.
Foi a*signado no dia 10 do corrente o decreto
qne approva o eontrato celebrado eutre o governs
e a empreia que se propoe a construct de um
eaminho de ferro entre Loanda e Ambaea (Africa
osciaental portugueza.)
E.-te eaminho de ferro sera de via reduzida,
constru:dj em leito proprio e para tracgSo por via
de locomotivas. A via ferrea sera dividida em
dnas se.-poes, uma de Loanda ate Caseeago, e d'alli
ale Ambaea, com um ramal termioando na mar
- gem direita do no Quanea. A empreza e obriga-
da a apresentar o projecto de uma das seccoe*
aous annos depois da assign3tura do coatrato. 0
governo ^encedeu Ihe os terrenos do Estado baldios
e incultos qua a linha occupar, e uma zona de
oOO metros do largura do cada um dos Iados di
directriz; o direito de cortar nas jnattas do Es-
tado as madeiras de que precisar; a entrada li-
vxe de din itos dos materiaes aecessarics para a
onstrac>,'4o e expluricao do caminbo de f^rro.
A empreza 6 obrigada a construir um telegrapho
ao lado da via. a empreza coaaervara a po9ee
das rinhas construidas por ?9 annos. a exlensau
da liuht ferrea 6 approximadameDte de 250 kilo
ajfltros.
A eaipreza teaciona dar eoraeco em primeiro
JUfar a seceao de Gassengo a Ambaea.
Ate ao dm do actual dezembro, rspera-se a
oeeisa.) arbit-al do govern franciiz, pelo que res
peita a qaestio pendents e at a Inglaterra, relati-
uiO'-iii a s-ifc-raaia ^ acese de uma parts da
alua L"oreiiei) Marques. Sin tao fundados os
Ittssos dnni.j<,,;ac:di:vomo ter plena :cnfiuca na
Beiica aroitrnl.
ou pelo scnado. 0 c-ongresso Fudubitavelmente ha
; direito do iospacgaa ; In de iuHxir, ditemos, em to
das as esphrras Ua v;! i p ..liti-.-a. ec-inomjea 0*1-
m;;mtr:itiv.u Has nao su Jcve esquecet rhj o
presidents v-ta armalo com a faculd podeodo portanto suspender as resolupocsTegioU
tivas que Ihes nto parecerem convenieates.
0 New York Herald, quo tao podorosamente
coutribuio om a .-na propaganda contra a reelei-
?ao e triampbos do partido democratico hz lem-
brar ura successo, cuja recordapao vem a propo-
sito. Durante a gnerra oivil o general Early, a
testa do coafederados, aUcou os federals no valle
de Sheaanloah, e ganhoi a batalha; mas era Tea
de perseguir o inimigo, julgou dever coatiouar a
occupar ob seus acampasaeatos', o a aproveitar as
suas provisoes.
Xeste meio torapo, Sheridaa soocorreu as
vencidos, a estes cheios de novo enthusiasmo ata-
caram os confiideradoa, e repararam o anterior
desastre com uma victoria decisiva. A intencao
do penodico n-6-yorfcmo coBaprebeade-seCacilmoii-
te; qnerqus oj de^ocratas senao descuidem ate
qne o general (r*ant''ia derrolado, irapedindo as-
sim a sua reeleicaa. Onserva que o general Grant,
ainda que vencido em raaitos combitos_parciaes e
um adversario tarrh-el, or iau que quaesqutr
que sejam os sens defeitos, tem inspira;3es reli-
cissiraas de habibdade bom senso, que raalcara
e fortalecem a sua boa fama e o seu grande pres-
tigio. .4
Os hmitacites de Luiziania mostrarn-se saiis-
feitos com o resnttado dn eWcSas geraes nos E-
udos-Unido'. E>peram ver cessar a odiosa tv-
2SiLS*JE2^55! '#*F&\ "K" ^^ re^rfio Sk. ^nZTo.". ioA
Em breve re
surgira Macao mais bello do que foi antes da ca
tastrophe.
" .N'oticiara os jorna:s de^isboa que o deficit do
orcainento do estado para o exercio proximo futu-
ro, se a delncc/k-s nos vencimenlos. e fazendo face
a todas as despezas votadas pelo parlamenlo, nao
alcan^t a 1,000 contos de reis.
' 0 me-mo jornal iuforma que o goveruo pro
pora na proxima s"ssao legislativa os meios para
so t-ir-ctuar a ponte sobre o rio Douro, do eaminho
de ferro do norte, porqua e impossivel asolupao
de continuidade entre aque.le camiuho de ferro e
os do alinho e Douro.
' Tem silo visitados nas salas lo banco nacio-
nal ultramarino por el-rei D. Fernanda e muitas
outras pessoas, aconvite da respectiva commissao,
os bu-tos dos her.es brasileiros, a que ja me re-
feri u*uma das rainhasanteriores cartas.
" Estes bustos foram mandados fazer pela com
raissao dos festejos com que Lisboa Jemonstrou o
seu t-.jutentameuto pela visits de S M. o Impera
dor do llrasil a Portugal, era;)regando nelleso sal
do que licou das quantias subscripts para aquel-
les festejos.
" Os que estao expostos sao obra do esculptor
italiano signinoli. 0 de S. M. o Imperador D. Pe
uro II e de grandes dimensoes, e os do duqae de
Gaxias, visemde de Amazonas e barao de Trium-
pho, de tamanLo natural. Estao muito pareeidos
com os personagens representados, segundo diiem
as pessoas que conhecem os ires ultimos. Sao de
granda linura a suavidade de toque as physion-i-
irias, e as barbas e cabellos de inexcedivel perfti-
pao. 0 manto do imperador esta adrairavelmente
trabalhado e as roupas dos outros tres sao magni-
licas. Os outros artistas encarregados dos mais
bustos restantis, teem os seus trabalhos muito
adiaotados.
' Fallsoeu ha dias o antigo e nourado nego
ziaule inglez Joao Laidley, residecte em Lisboa.
' Os Srs. Henrique Juse dos Santos Cardoso e 1.
Lamillo de Castro, do Porto, pediram licenca para
e-tabelecer um eaminho de ferro de tra.-cao a va-
por, que iuue a estapao do eaminho de ferro do
norte, em Goimbra, com Portugal, M.nte maior o
velho e Figueira da Foz.
" Falleceu o Sr. Joao Ricardo Cordeiro, pai do
illaslrado escripl r o dramaturgo portuguez Juao
Rieardo Cordeiro Junior.
" Ainda se nao decidio quera ira de governa
dor para a India Portugueza.
" 0 visconde de S. Januario, ex-governador ge-
ral de Macao e Timor ja vem de viagem para
Lisboa.
" Foi ordenada agora uma inspecpao as escolas
primanas do estado. At6 fevereiro de 1875, os
governadores civis dos districtos deverao ter pro-
posto ao governo as pessoas que Ihes parecerem
mais idoueas para aqudle deiic.do servico, bem
como as cireumscripi;ois em que lhes parecer
mais conveniente serem subdivididos os districtos
para maior vantagem do o mesmo servico de ins
peecao.
"Fallaseem que sera apresentado bi3po da
diocese de Braganca o Rvd. conego Martins Fer-
rao, irmao do i/rocu-ador geral da coroa e fazen-
do o preceptor dos principes, o Sr. J. Biplista Fer-
rao de Carvalho Martins. A essoiha parece acer-
tadissiraa e e de crer que sent deloBgas prejudi-
ciaes seja confirmada a aprescntacao pelo sum
mo pontiQce.
" Diz so que o ministro dos negocios do Reino
tenciona na proxima reuniao das cdrtes propor
algumas providencias para melnorar a edu-
capao popular, sendo a primeira de todas a
que eleva os provemos dos professores de intruc
cao pnmaria.
'* E' possivel, mas nao e provavel. Nao che
gon a sasao a este assumpto ainda por ca Du-
vido por isso, a duvido muito.
'' Falleceu no dia 3 o Sr. Vicente Ferrer Barre-
raalho, capitao de mar e guerra reformado.
" Excederam muito os donatives deste anno,
aos do anno passado, para os festejos do dia 2't
de julbo, commemorativo da entrada do exercito
hbertador em Lisboa. 0 taldo importante que li
coo, foi entregue ao thesoureiro dos veteranos da
iiberdade, pelo thesoureiro da commissao, o Sr.
Visconde da Abrigada, era harmoaia com a delibo-
raeao da granle commissao.
" No dia 2 do eorrente grande numero de pas
soas, enlre ellas os liinistros da coroa, foram cum.-
pnmentar Sr. Barao de Japura, dign> ministro
do Brasil em Lisboa, por ser o dia de annos de S.
M. o Imperador D. Pedro II.
" Foi concedida a tociedade gmal agricola e fi
nanceira autorisacio para enchugar, vedar a re-
duzir a cultura os teneoos pertenceotes a bacia
salgada na raargem direita do Guadiam, em
Castro Marira. "
multidio de negros sediciosos a insoieuiai. Ota
Bam em que a paz e a harmonia se ha de ros
tabelecer de novo naquelle estado, que foi ou
tr'ora um dos mais prosperos da Uniao.
Com !io grandes esperangas, na> e para estra
nhar que os luizianos se tenham dedicado a ponco
usuaes manifestagoos de regosijo puWiso. Era
Nova Orleans celebrou se no dia 7 do novembro a
noite uma esplendida prccissao de archotes. Mar-
chava na frente uma luzida cavalgata eomposta
de 5'jO cavallo.- magniicamente ajaezados, Se-
guiara depois infinidades de bandeiraa eom emble-
raas ailusiyas ao fausto successa Mais de taOOO
pessoas tomaram parte nesta procis*o. Toda
ciladeestava coberla de calchas, cheia de illumi-
uapoes. A festa era geral.
0 embaixad r dos Estad.s Onidos em Paris,
Mr. Washburne, foi chamado a lo la a pressa a
Washington. E-te facto e a repentlna partida da
lugar a muitos commentarios. Mr. Washburne e
o horaem mais importante, mais autorisado e de
mais prestigio do partido republicno, o qual ja
apontoa o seu nome para a presidencia da grande
republica, em substituipao do general Grant.
Todavia parece que este so poderia sneceder-
Ihe no caso de Grant ter renuncLdo a sua reelei
Sio, pur isso que \Vsbburns estPTigado com elle
por vinculos de iutiraa araisade.e conformidade de
ideas.
nheiro por gados q is nao teem senSo carne 'a na-
da degordnra; o lucro do xarouea-Jor ptvda ssr
aliaal zero.
Q icro crer que mi jaaeiro nao falt-.rao gados
regnlare.s b-ons, mas agor.', em deze'j dost slogans ; e ni?smo de quasi to do o E*Udo
Onontal, a:Uo uma jjrando asueira esporalus...
OSr. Menara-Peaiez, por occasiao do anniver
SarJ da ,sua esp aade a dous cscravos, jue para esseflm comprou,
de nomes Adao a Abd. Tambem nesse dia o Sr.
Juio Antonio Martius de Freitas alforriara sua es-
crava Eva.
Ralativamente ao assassinato do iafeliz Antonio
Garcia diz o Cruzeiro do S*l, de Bage :
Na capella da Luz um negociante das lmme-
diagoes daqaelle povoado roi autor de am barbaro
assassinato aa pessoa do u n arlesio da nome Aa-
tonio Garcia e de tres graves allentidos contra a
mu.her do assassinado, a eunhada e a filha, que
ua occasiao da luta procuraram defender da merle
a victima do mesmo JoSo Tel les.
a Eis como nos narraram o facto
Este individuo, que era credor de Antonio
Garcia da quantia de its, tendo mandado cobrar
ao assassinado es.*a importaacia, em occasiao que
Garcia nao linha diaheiro para a salisfazer, vo'tou
o ineumbido da cobranga dhenlo ao referido
lelles quo Garcia nao somente negava a ao pa-
gamenlo, como ale o correa de casa.
II jmem perverse, se.n indagar a verdado do
occomdo, armou-se Joao Felles a dirigio-se a mo-
rada de seu devedor, dizendo ao sanir de casa,
qne Antonio Garcia Ihe ia pagar os seis pataoOes
com seis facadas. E de facto,
go queo teve proximo, deu-lhe duas facadas.
c Aos gritos da victima chegaram a mulher
deste, uma eunhada e a filba, as quaes foram so':-
cessivaioente feridas todai as vezes que tentaram
livrar das garras daqaelle abutre o infeliz Garcia,
que pagou justamente com seis facadas a sua di-
vi da fatal I
Joao Telles, depois de ter coramettilo o pre-
meditado e horrivel crime, logrou escapar se as
vistas da policia, e ate hoja e ignoralo o covil on-
de so abriga o ferocissimo credor.
Fallecera
No partido republican ba muitos caadidatos,
mas os prmcipaes sao Washburne e Blaine. Mas
dlz-se que Blame, com quanto seja um grande
politico, a um horaem de muita reputapio, esta
comtudo envolvido no famoso negocio do Pacifieo
emquanto que M'ashburne e irreprehensivel neste
pouto.
Alguns correap wienies entendem que talvez o
genera! Grant tenham chamado a Washington o
seu amigo para aproveilar os sens conselhos a o
sea prestigio, na crilica situacao creada pelo
iriumpho eleitoral dos democratas.
^iotioius du stil do Iinperfo.
Ilontem & i bora da tarde fuinleou em
nosso po.to o vapor brasileiro Pard, tra-
zendo datas : do Rio da Prata 12, do Rio
Granle do Sul 13-, de S. Paulo 16,
d'> Rio de Janeiro 20,
Macei6 20 do corrente.
mos dos jornaes.
REPL'ELICAS DO
N) Chile os olericaes
baoaoete d maioria do
da Bnhia 24 e de
Eis o que colhe-
PAC1FICO.
deram um
senado e
granda
minoria
la camara dos deputados, quo haviam sus-
teutado os interesses daquelle partido. Os
directores do banquete foram o arcebispo da
ConceijSo e-o bispo de Aucu la, quo toda-
via d8o assistiram pessoalmento, mas Gze-
ram-se representar por uma carta em que
exaltavam os membros do congeesso qoe
tinbam sustentddo os principios catbolicosi,
e excitavam os oonvivas a serem coastantes
defensores da n.-ligiao.
Alem daqut-lla carta d.rigida aos convives
do bsnquete, piblicaram os dous prolaios
uma extensa pastoral a toJos os lieis das
suas dioceses.
No Peru contiuuava a anarchia. Ao sul
tiriba a revolugSo o seu quartel general em
Moquegna, onde Pierola d frente de uns 9J0
homeas se prociamou chefe supremo da
repub'.ica, organisanlo logo o
seu miuiste-
administrati-
llntici ss da imericu.
Por via de Lisboa recebemos as seguin.es no-
ticias :
HHeu^a aroilrnl.
\u!- nu p -no licos uma jubscripjio para ,-o
' u ii in reto HKinumento ao emigraau fr.n
(yti. ijgrapu) Arsmc K.iyej (,Uecido ua pou-
uai,,i B'ii \\ iimbra, e
que uus pjdre-i do la
au --M.-.nurani qu-^-fowe se'pulial.) em s'.grVl';,
sec prw, \\, ae ua. sei que irreg,Iaridad... E-te
caa-. ,.,.,t,v0u ,ia,n .-^tracdes om foe vai toraaudo
9W puUdohtoeral. E* uma qa suo ,.,u que
ser-pKi-i iUIi vtue-s. em quanto uao 'se dtrH
r ,a,- c miterio perteaeeao m.iawipij e nao
^ jwrochias, e que todo o Cidalb quiegjae
t
ESTAD03-LNIDOS.
As noticia6 desse paiz dio conta do estado da
opiniao no momento de se aproxiinarera as elei-
poes, diz o Jornal do Ccmmercio de Lisboa.
0 effeito qne a victoria eleitoral dos deraocra
Us produzira na marcha politic* da ripublica, 6
um prohleraa cuja suIdqIo se busca nos jornaes
amencanos.
A julgar pelos symptomas di imprensa, que
6_ a exacta expressao dos seniimentos pablicos
aquelle paiz, os democratas dispoem se a gozar
eom m.lerapao da victoria, e os reoub icanos a
emendar na opposigio os viclos qae adquiriram no
p ider. Al<5 agora parece que as eleifdes geraes
for im uma granle %ao,a proveitada igualmente
pelo vpneidos e pelo- vencedores.
Nao se creia, porem, do quo flea escripto, que
oj democratas estao veuced' res no m is absoluto
seuti-fo da palavra, e que, sob a sua uoica respon-
aabihdade, se vaj encarregar da adraioistracao
pubiica. Nao, aseleicfijs Jeram uuieamente uraa
i/iAioiia deiuiiC'atica para o coagressd
0 seuado cuHimua a ser republicaBo. 0 cbe-
no e noraeando autoridades
vas.
0 governo preparava for^as para man-
dar para alii, mas a situaQao complicava-se
por tsr a revolurSo levantando eabtfa
tambem no norte, rebentando em Caja-
raarca. Dizia-se que em Lima e Galbdo li-
nha o governo dez batalbO.es aquartelados.
0 congresso la Bolivia depois de caloro
sos debates approvou com algumas modifi-
cacoes o trata Jo com o Chile.
Publicou-so um decreto amnistiando os
accusados de crimes politicos e trancando
os processos levantados. Foram postosem
iiberdade todos os prosos politicos e Casi-
miro Coral sahio para Puno, declaranloque
deiiava a patria a bem dos grandes inte-
resses da republica e da conservacdo da
ordem pub'ica.
De Venezuela dizia-se que rebentdra nova
revolur;ao ; que o presidente Gusraao Blan-
co se retirdra com o seu estado-maier de
Puerto Cabello para Caracas ; e que Coro
fora tornado e Maracaibo era sitiado pelos
azues, que esta vatiT tao fortes que faziam
rec.'iar a queda do presidente da republica.
niO DA PRATA.
Os jornaes nenh-im noro acontecimenlo de im-
portancia referem relativamente as duas republicas
plalinas.
Annunciava-se em Montevideo que o resto dos
msurgentes anlavam por Cerros de Ojosmin, a
umas 12 leguas da villa de S. Jose.
HO GBANDS DO SUL.
Ssguudo no3 refere o Rio grandense, corria co-
mo certo que a iripolagao da caohoneira Vital de
Negreiros, estacioiiada no porto de Urugaayana,
achava-se toda pnsa, por haver desrespeitadb or-
dens do chefe da esquadhlha.
Fora esta noticia communicada de Itaqui por
pessoa eircumspecta.
Accrescenla a mesma folha :
Asseguram cartas vindas de Alegrete que,
nio tendo as autoridades tornado providencias pa
ra a eaptnra dos saltsadores que roubaram a fa
zenda do Sr. SeraQin da Silva e assassinaram um
seu nalo, algamas Dessoas do povo, om numero de
50, reuniram se, afim de dar caga a e3ses mal-
feitores e extermina-los, saso resistam a pri-
sSo.
Catfstava jue esta partida estava dispo-ta a lr
procurar os salteadores era qualpar lugar em
que estejam. o
Organisarase no Jagu3rao uma companhia se-
ricultora para maater em grande escala o cultivo
da armreira ea creapao de bichos de seda.
Acbavase em S.-Gabriel, de passage para U-
ruguayana o cad:itao Dr. Santiago Dantas, que
vai reunir se a commissao de engenceiros mili-
lares.
Esereveram do Cerro Largo ao Diario Us era 23 do passado.
A not/cia de mais vnjto e loleiramente com
mercial. No dia do mez de dezembro vao dar
oomepo ao feitio de uma tropa na stancia do Sr. vmcia da Bahia, por nao ter solimtado o'respecu?o
. JLa_p.I1?. ,: **. Ar"rai1*: *adi\ que nao passa de I litulo dentro iki prazo legal.
pataedes, Por de-reio- Je it
repentinamente, em Pelotas, Manoel
da Silva Moreira, vulgarmente conhecido pela al-
cunba Maneco da Libaoia. Contava 03 annos de
idade.
Progrediam rapidaraente os trabalhos da exca
vacao no Sangradouro da Lagoa mirira, estando ja
aberta a primeira secjao, que ia ser examinada
pelo engenheiro fiscal.
Foram rsencetados os trabalhos de excavacao
da barra de S. Gongalo, e restando apeaas um ter
po do banco a cortar, esperava-se que em panco
tenpo ficasse franco o accesso de navios de gran-
de calado ao porto de Pel-das.
Estava para ser awignado o eontrato da estrada
de ferro do Cany, quo promette va;to futuro as
ubernmas regioes colonies diqnella parte da
provincia.
Ld-se no Commercial do Rio Grande de 10
do corrente:
Cimmunicarara-nos o seguinle, cuja exposi-
pan foi feita pelo Sr. G. H. Bowne, capitao do pa-1
tacho americano .llury Allerton, eatrado neste
porto no dia 7 do corrente, de procedeacia da Ri-
chmond, com am carregaraeuto da farinha de tfi-
go, cora 59 dias de viag.'m.
No dia 13 de ou'.ubro, ao aneftecer, em 57,52
Lcng. e 35,i0 LaL Norte, pouco depois de ter
atravessado os maiores perigjs, com um horrivel
tufao q apanhou, avistou petto de seu navio
de;tropos de outra embarcapao e grande qnantiJa
de de caix5es com kerojene, que naturalmente
pertenciam a carga do navio submergido, e fir-
mando-os mais, descobrio qaatro desgracadas crea-
turas que so sastinham n'::gua agarradas a diver-
sas taboas.
OeapitSo ainda estava ioffreudo o? effeitos do
grande temporal, porqne o mar era agitadissimo e
o vendaval desfeito, pi rem nao se conteve o seu
nobre e huraaaitano rorajSo, apezar do risco que
corria o seu navio e as vidas dos tripolantes, e
applicando todos os meios e esforpos ao seu alcan-
ce couseguio salvar um dalles; dutando um cabo
a outro que se achava mais perto, o nauf ago nao
o poude agarrar, mas o capitao B.>wne, nao es-
moreceodo e condoido da desgraeada posiijao dos
seus semelhantes, deu nm novo bordo e pode
aproximar se ainda do infeliz naufrago, apezar de
ja ser quasi noite, e conseguio salva-lo, nao Hie
sendo possivel continuar no impulso a que o leva-
vam os seus humanitarios seniimentos por escu-
reeer oorapletamente e nada mais ver, e o mar
continuar sempre bravo; licanio entregues a mer-
es de Deus os dous ontros desgrapados.
0 intrepido marinbeiro Bowne seube depois
pelos naufragos que sahou, que o navio perdido
era o brigae iuiiano Maria, de Napoles, de 400
toneladas, que tinhi sah do de Nova York no dia
5 de outubro para Gousiauiluopta com um carre
gamento de kerozene ; e que atripo!a;ao do navio
se compunha de 11 pessoas, in-olasive o capitao
A'ph Garzulo, e que trazia em sua companhia
dous fllhos. Os marinheiros salvos, e que se
acham a bordo do Mtria Allerton, charaira-se Es-
posito Giuseppet e Esposito Luize.
s. PAULO
0 Barao de Atibaia, na quahdade du presidente
da eommissSo cen itaria da parochia de Santa
Cruz, de Campinas, fizera doa^ao, paraodesen
volvimento da instru?cao pubiica as imperio, da
quantia de 720?, vtada para as despezas do re-
senoeamento daquella parocbia.
Sob a epigrapbe grave attentilo, refere o Cons-
titucional da mesma ci Jade :
Na noite de 28 do mez passado, ua villa de S.
Carlos do Pinhal, foi accommettido o Sr. major
Jose da Silva Braga, collector de rendas daquella
villa, por um sicario, que, armado de cacete, deu
pancadas neste senhor, produziadolhe, alem de
outras graves offensas, diversas brechas na cabe
pa, que o p-o-traram por terra.
i 0 attentado foi praticado iraicoeiramente, na
occasiao que este senhor se recolhia para sua
casa.
t Este facto, alem de horroroso em si, torna se
mais digno de censura e de reprovacao, quando e
certo que o aggredido, alem da posipio qae occu-
pa, aos coosta que e um cidadao honesto e res
peitavel, e pai de nuraerosa familia.
Dera-se tambem em Brotas, na noite de 8, este
outro attentado :
Desfecharara sobre a casa do advogado Dr. Gar
los Augusto de Souza Lima dous tiros, cujas balas
penetraram no aposento de dormir do dito doutor.
A variola conUauava a fazer estragos em S.
Roque, onde segund) se dizia, tinhara ja raorridoj
100 pessoas, apezar dos soccorros que sao- presta-
dos a todos os atacados, e da dedica^ao cora que
as mais prestimosas pessoas do lugar as ten tra-
tado. Comec iu alii a epidemia era setembro.
No Rio Claro o Dr. Viceote Maria de Paula La
cerda encetara' no dia 28 do passado uraa serie de
conferencias no papo da camara municipal, sobre
iastruccao.
Na noite de 6 para 7 os pr:so3 da cadeia de
Mogyrairira, eom o auxilio de uma varruma e de
fogo, arrancaram um pedajo de taboa do forro da
prisSo e comeemm a furar a parede, qnando fo-
ram preseotidos pelo carcereiro. Ha entro elles
criminosos de importancia.
Constava qae o comraandador Nicolao Verguei
ro e o Sr. Camillo de Andrade, alem de offerece-
rem ao hospital da Beneficencia Portugueza os
objectos com qae montaram a enfermaria do povo,
deram, aquelle a quantia de 3:0 0/, e este a de
5009000-
Le sena Aurora de Silveiras
( Os casaraentes entre a elasse baixa da nossa
sociedade abundarara nos ultimos dias.
c E' para crer se que a causa destas alliangas
de familias fosse motivada pela nova lei do reeru-
tamento, qae tanto medo esta incutindo na rapa-
zeada solteira, pelo sorteio nas parochias. >
Falleceram : em S. Roqu? D. Vitalina Blanco
Ribeiro, natural do Carrao do Passo Alto, na pro-
vincia de Minas; em Mogymirim, o fazeaeeiro da-
quelle municipio, coronet Manoel Antonio Gurjao
Cotrim.
RIO DB JANEIRO.
Por portaria de 16 do corrente, foi nomeado
o agrimensor Francisco Marroso y Guardi, para
servir de ajadann do engenheiro Deolindo Jose
Vieira Maciel, nos trabalhos de que se acha en-
carregado na provincia do Espirito Santo.
Pot nomeado o 1* lenente Ferna do Xavier
de Castro para command*r o rebocad >r Guarany
Declarou-se sem effeito o decreto de 31 do
oatobro do anno proximo passado qae noraem o
bacbarel Jerooymo Loureng* de Aranjo para o Iu
gar dojuiz mumciual e de orphaos dos term >.-
renmaos de Ctiupo-Largo e Santa Rita, na pro-
Foram nomoados : 1" escripturario da lh*ou-
rana do (Jiara u 2- dito Iguaeio Ferreka G mcs.
Tnoscntrelro d* do Amazooas Manoel Fcrniia
:' Anjos. em sutistilnieaj de Raymn-ii-.. Jo e
i>errtra de Alcantara, qu-, a seu pedido, f.i apo
aeotado nan e|)e lugar.
Por titulos do li, do corrente, foram habili-
tados Jeroaymo Pinto Nelto'dos Reis, Luiz Alvds
da Silva Castilho e Pedro Luiz Soares de Souza,
para exerjerem aa funccdes de agrimeusor.
Em 14 do corrente foi concelida ao capitao
de mar e guerra Pedro Antonio Luiz P. rreira a
exoneracao qae pedio do lugar de assist-nle do
ajudante-geueral da armada.
Na mesma data foram nomeados :
0 capitao de mar e .guerra Joaquim Francisco
de Abreu para comraandar o eorpo de imperiaes
marinheiros.
0 capitao de mar e guerra Jose Antonio de Si
qneira, para commandar o en mdracado Sete de
Setembro.
0 1 lenente Francisco Xavier Rodrigues Pi
nheiro, para commandar a patacho Iguassu'.
0 1 lenente Jo:e Manoel Footes para commin -
dar o monitor Santa Calnarina.
Em 17 do corrente foi nomeado o capitao de
fragata Thomaz Pedro de Bitteacourt Cotrim para
commandar interinamente o encourado Brasil.
Por titulo de 16 do corrente foi nomeado o ca
pitao de mar e guerra Antonio Manoel FenianJes
para exercer o lugar de vice-inspector do arsenal
de marinha da cOrte.
Ao ajudante general da armada, foi determi-
nado quenao seji dpositada nos cofres dos na-
vios quaatia alguma provoniente da venda de far-
damento e outro3 objectos das pracas que fallece-
ram ou desertaram, sem a respectiva carga ao of-
ticial de fazenda, com indicacio do nome, naraero,
companhia e corpo a que pe'rtencer a praca ; e
bem assim que taes circurastantias se menciooem
nas guias de entrega dessas quanlias a reoarticao
eompeteitei
Resultado d s exaraes, na Faculdade de Me-
dicina, nos dias 16, 17 e 18-Jo corrente :
6* anno (defeza de theses). Domiogos Jose an-
gueira Jaguaribe Filho, Antonio Romualdo Mon-
teiro Manso, Augu.-to Cesar da Miranda Azevedo,
approyados om distinc^ao; Octaviano El.w e
Antonio Jose de Vasconcellos Junior, approvados
plsnamente ; Francisco Cassiand Ferreira Alves,
approvado por 3 votos contra 2 em 2 escrutmio.
2* anno pharmaceutico : Ernsto Frederico dos
Santos e Joaquim Correa de ft.ello Junior, appro
vado3 com disiinccao; Jayme Ramos da Finctca e
Luiz Ferreira de Souza, approvados plenamente ;
Antonio Joaquim Pereira, approvado simplesmen
te. Houve um reprovado.
! anuo pharmaceutico : Jose de Lemos Dantas
Uranlao e Angasto Gomes de Almeida Lima, ap-
provados plenamente; Augusto Luiz da Fonceca
Ramos, Luiz Anlonio Martins Teixeira e Joaquim
nnho da Azevedo, natural Jo H o de Janein ; As-
I la T rra f-nin, uaiura! do Ku d Jar.
\ u;> KartaJ'. Ca:ujos Jju'.i.i. aalu.-ai le Mioa*
; .Nun-. Teixeira L-,. u..i.r, na; r I de
a.:i.s'. ia-s; loiaUtoau} h Obvra fagidi,
natural l, R,u le Jau .. r.aebc. J. <**-tho
de H ura, natural deUiuas Goraw; Aiit M-. ioai
de Varconcellos Joaior, naturai do Rio de Jaactaa;
Lourenco Ju>un:aoo v- leira, nalural de aiiaas Ge-
raes ; M.,aoel de M-llo Brag) Jamor, aaiarad ia
It.o de Janeiro ; Francisco du Paola Rirroso Nu
natural d > Rio de Janeiro ; Urtivi,. Eileae. i
deS. Paulo; Fraacisco Ci-.-ano Pcrreira Ahw,
nalural do Riode Janeiro; Samuel Unit -n Rran-ao
de Souza liarros, natural do Itin 4* J laeiru ; Cdw
iiug.mio dos ,'teis Junior, natural d> li.. ee Ja-
neiro; Joaquim Jose da R s>, natural d i Mo de
Janeiro; Marcoa Manso Moi.teiro da 0U Rr,
natural de Miaas Geraes; Anere Ferreira dae
-Neves Aneonde, natuial do Epirito Santo ; Ma
aa Malta Machado Junior, natural de Mma-
raes.
Ge-
i
l'restiram juramenlo de posrmaceoUeo os tm-
guintes srs.: Jose Carlos Fruandes K.r.-, naln-
Oliveira Mello Jum^r, natural ee Parana Jos*
da Silva Lucaro, nalural do Uio de Janeiro; Ma-
noel Maria da Funceca e Costa, natural do hi de
Janeiro; Joaquim CandiJo >.rrs eV MrircOe
natur.,1 do Rio de Janeiro; Renedicto Detaad*
Hutta, nalural do Ri. de Jae n ; JoAu F-raiadea
da Costa Thibao, nalural do It de Jn ;r..<; Sal-
vador Jose Pereira le Almei i, lut ual do Oara ,
bed Vieira Pwes, atoral d.- Ponocal; kj*tC.ri do i'. trocioio, natural do Ri d i..-,r..; Alf.ede
Jose le Oliveira, natural iLR.^o Januio; uuta-
vo Alolpho da Silv.-ira, natural Je Mua- (W.,.-<
Juio Ho Irigues de Camarro, niturad eV s l>ao|e -
Carl s Francisco Xavier, aatsnl do Riu Jr j
neiro.
A alfanlega readeu de I a 19 du r.r, ate
2,317:1244399.
Eis as aoticias con mere. Mi da aitmta ia
ta :
0 mercado de cambiu Mi pela aunba e ft-
cbou a ultima bora muito firrne.
Como ja baviautus previ-t j ha dias, a laxa do
papel bancano elevon-e a iii 1|2 d. sobre La-
dres, e o yapel particular loi i "gocadj a aC ii e
zb 3,4 d., taaas a que effectoaraia se oper.v--> r*.
guiares.
i Sobre Fran;a pouco se Yez a 360 por u-*t-t,
bancario.
i Nao houve vendas de s heranos e de fitd
pUbliCOS.
No mercado de ac^des o re -vimeato lim,u.-
se a venda de am lete das d Banco do Comin-.*-
cio a 5., a drabeiro.
As venlas de cafe" foram hoijim-nos due re-
gnlares. "^ '
.dos simplesmen: .ewca'A.OIJO^* ""^ ** ""o4,:Tkm
re ao rppuhticanismo, liraot, cootiuua a occupar a mais der sera o feliz prefendo..
mrnudo ja obteve offerta do dezesete t
tend* a Sr. Agapiio dvixado do aceitar, porque nrl
dia se a^resentarara dous eompradores, e o que
pr que
pres'dea/cia da epuh ica, e o lugar de chefe do p>o-
der exueuiivo.
a Os aljtus funcciuuarios pubJlcos (incluindo os
proprios ministros), sio-nomeados pelo presidents
Todos por aqui di/.em qua ahi, aa T blada de
Pelptas, os primeiros gados obterSo de 404 a $9$
por cabega I
a N5o acao que s-aja acertado pagarte tisto di-
do corrente foram no-
meados'para ii conselho fiscal da aixa ecooomica
e monte de soccorro da provincia de Sant i Catha
rina :
Presidente, Joe Pelielaao Alvas de Brito.
Membros :Manoel Luiz do Livramento, Domin
gos J-d da tlosta Sobrinho, Alfonso de AlDuqusr-
gue Mello e Fernando Hackradt Junior.
te. Houve um reprovado.
6 anno (defeza de theses) : Pedro Macedo ue
Aguiar, approvado com distincpao ; Antonio da T^.r
ra Peieira, approvado em 2 escrutinio por 2 votos
contra 1.
! anno pharmaceutico. Ildefonso Augusto de
Oliveira e A'.eve Jo, Joao Pereira Leitao, H-nri |U<
Joaquim d: Avila, Manoel Feliciano Alves da Sou-
za, approvados simplesmente. Houve dous repn-
vodos.
2 anno pharmacoulico Jose Antonio Augusto
de Sa, Jose Raphael de Azevedo Vianna, Jose Anto-
nio de Azevedo Vianna, Jose G racahas da Silva
Vianna, approvados eom distintcao ; Samuel Per-
tence, approvado plenamente. Ketirou s um por
incomraodado.
Ra=ultado dos exames, na Escola Polyle:hai-
ea, noi dias 16,17, 18 a 19 :
2J c^deiia do 3 anno. Ezequiel Correa dos
Santos Junior a Luiz Goffredo de Escragaolle Tau
nay, approvados com diftinccao ; Alfredo de Pau-
la Freitas e Antao Goucalves de Faria, approvados
plenamente
V caielra do 5* anno. JoJo Eugenio Barboza
Coelho, approvado plenamente; Jose Osorio No
gueira da Silva, Alberto Caetano de Castro Nasci-
mento e Ernesto Antonio Lassance Cunha, appro-
vados simplesmente.
Djseuho do 2 anno. Manoel Basilio Teixeira
Pircs, a.iprovado simplesmente. Houve ura repro-
vado.
2" cadeira do 3 anno.Alfredo Hervey da Silva
e Americo Werneck, approvados plenamente; Al-
fredo^ Henrique Pacheco e Josd Augusto Brant de
Bulhoes Carvalho, approvados simplesmente.
i' cadeira do > anno. Eduardo Pereira de
Campos, Hildebraado Pompea de Souza Brasil [e
Jose Gassiano Horta Barboza, approvados plena-
mente ; Carlos Augusto de Avilez Barrio, approva-
do simplesmente.
Deseuho do 1* anno.-Arthur Cesar de Andrade,
Paulo Emilio Loureiro de Andrade a Carlos Alber-
to de Menezes, appioyados plenamente; Luiz Jose
de Sa Freire, Francisco de Salles de Macedo, Al-
varo Monteiro de Barros, Etervino Freitas de Sa e
Henrique Pinto Hibeiro, approvalos simplesmente.
2* cadeira do 3" anno -Octavio Augusto Lassan
ce, bacharel Eloy David Beuedicto Ottooi, Beato
Francisco Sayao Lobato de Bulhoes Carvalho e Au-
gusto Carlos da Silva Telles, approvados plena-
mente ; Jose Francisco Cantarino, approvado sim-
plesmente.
2" cadeira do 5' anno.Antonio Borges da Costa
e Francisco "erreira Pontes, approvados plenamen-
te ; Ludgere Ernesto Lassance Cunha a Joaquim
Jose Ignacio de Mello, approvados simplesmente.
Desenho do 2 anno. -Joao Jose de Andrade Pin-
to, approvado plenamente ; Virgilio Ricardo dos
Santos, approvado simplesmente. Hauve um re
provado. Nao comparecerain a exarae 26 alum-
nos.
Desenho do 3" anno. Elisio Firmo Martins e
Jorge Desmarais, approvados plenamente; Jose
Luiz Coelho, approvado simplesmente.
2" cadeira do 3 anno. Joao Baplista Gortiz
Monteiro e Antonio Pereira SimSes, approvados
com dis'.inccao; Fortunato Fausto Gallo, Alvaro
Rodovalho Majcondes dos Reis e Miguel Ricardo
G.I vao, approvados plenamente.
2' cadeira do 5 anuo. Mouoel de Saldanba da
Go.ma, approvado com distincpao ; Alfredo Jose
Nabuco de Araujo Freitas, Joaquim Francisco Leal
Junior e Adriano Nunes Ribeiro, approvados pie
namente ; Elyseu Josd Lopes e Fernando Pereira da
Silva Cootiuentino, approvados simplesmente.
Desenho do 1* aana.Jolo Goncatves Damasce-
ao e Adolpbo Augusto Pinto, approvados plena-
mente ; Antonio Pereira Espinheiro, Francisco Ma-
nool Tourioho, Jose Francisco de Faria Juuior, Ar-
thur de Lima Campos, Luiz Pires Farinha e Felis-
berto Martiniano de Aguiar, approvados simples-
mente.
No dia 19 effectuou se, na augusta presenpa
de S. M. o imperador e peranle um numeroso con
curso de senhoras e pessoas gradas, nas salas das
sessoas do hospital da Santa Casa de Misericordia,
a collacao do grao de dootor em medicioa e pros-
lacao de juramento de pharmaceuticos.
Foram recitados tres discursos allusivos ao acto,
ura pelo Dr. Moraes e Valle, director interino, e os
outros dous pelo Dr. Miranda Azevedo, commissia-
nado pr seus collegas doutorandos, e pelo Sr. Jose
Carlos do Patrocinio, em nome dos pharmaceu-
ticos.
Tomaram o grao de dootor os seguintes Srs.:
Francisco Correia Dutra Junior, natural do Rio
de Janeiro; Antonio Jose de Faria, natural do Rio
Grande do Sal; Gailherme Ferreira de Abreu, na
tural do Rio de Janeiro ; Josd Lopes Ferreira, na-
tural do Rio de Jaaeiro; Jose Ignacio Carvaloo,
natural de Minas-Geraes; Carlos Augusto de Mo-
raes Sarmento, natural do Rio de Janeiro, Joaquim
Jose Marques, natural do Rio de Janeiro; Jose
Gomes do Amaral, natural do Rio de Janeiro; Au-
gusto Cesar de Miranda Azevelo, natural de S.
Paulo; Heorique Cesar de Souza Vaz, n .tural do
Rio de jaaeiro; Antonio Romualdo Monteire Man-
so, natural da Minas Geraes ; Carlos Claudio da
Silva, natural do Rio de Janeiro; Domingas Jose
Nogueira Jaguaribe, natural do Ceara; Jose Au-
gusto la Rocha Almeida, natural de Portugal; Au-
reliano Goucalves de Souza Portugal, natural do
Rio de Janeiro; Camillo -Maria Ferreira da Fon-
ceca, natural de Minas Geraes; Joauuim Silverm
Barbosa da Silva, natural do Rio de Jaoeiro : Cy
pfiano uarbosa Betaaio, natural da Baaia ; Hono-
rio da Cunha e Souza, natural de Minas Geraes;
C-ni-tlu'.itio Ferreira Leal, natural do Rio de Ja-
neiro ; Lucas Tavares d e Lacerda, natural de
tfraas Geraes ; Ambrosio Vieira Braga: natural
de Minas Ceres; Jo.-d Celestino Soares, Oatur.l
de S Paulo ; J nquim Pedro Villaca Junior, daiural
do S, Paulo; Fr ncisco Antonio Hibeiro, n aural
d S. Paulo; Aluaodie Pereira de SoUia, natnral
do Maranhao; Eduardo Hearique Pereira de Mello,
natural do Km de Janeiro; Gabriel Ant-nno Pi-
menu, natural de Miua--Grae<; Lucio da Cunaa
s de cafe, lican lo ea
coi o.. de 22o,000 sacoos.
Cotamo' por 10 kilogramme;
Lavado Nominal
Suu:rior e Ono r. u o .
boa
regular
urdiuar.a
boa
ordinaria
o 700 a
5 :h..i a
5 OUla
4 7UO a
4-*w a
Fueram-se vendas reguiares du a.-si
o Consomo Leal.
a Pretos-se um navio para N.ra York, cafr, a
37 i. 6 d. e 5 */. de capa.
Sahio para Pernambaco, ut dia 19, o pata-
cho americano Ossipee.
Mfaa.
Cuega a da cikte, a borde do l.iftri*, o eo-
rono! Joao de Souza Mello e Alv.m, diriinct
genhe.ro das obras civis, miliurtu e h> Jraucij
do arseual d i marinha da corte, iacuaziMdo da
perstcrar c examinar todos os arsaaaes do corte
do imperio e expender saa cuinpctenle opiaiao
sobre os meiboramentos de qu* |-risbi e tie
susceptiveii deveolo especialmsale taeM^ioaar
0 dique do Maranhao.
Felleceram : o negociame porluguez J0..0
Manoel de Souza Lima ; a irmi de can lade A ;
na Laeia, li.ua do commend 1 jor Mtaoel Jo e ae
Almt'.da Cuio ; ou leaenl; c-ron.l Joao I
Hjineui, commandaiite do LI* bauiUaa de ia-
faalaita de linha.
Em oov-mbro ultimo se .ul;oa se nocea.i-
lerio da Quiata dos Lazaroj, d.;-.u cidade, a a.'n
e.aua Claudina Maria da Conce.sio, com a idaic
de 10S annos.
No dia 21 arritiara, por falta d'agna, 0 pata-
cno Esperanfoso 11.
0 capitao da barca portugneza Omrense, ea-
trada da ilba do Sa em 19 do corrente. Soli' ia
ter encontrado na lat N. 40* 5', e long. 2> V
uma galcra inglsza sanida de Liverpool a G do
c or re at j, com destioo a CalcuU, coataada. i~ d *
tie viagem.
No dia 16 do corrente na let, S ao 9* It e
1 ng. etf e 0' um patacho luglot saaido de Ne*
ca-ile para Montevideo, conaado &5 dias d- i a
gem.
Tudo ia bem a bordo do ambos os aavio.-.
Resumo da lisia do 8." loteria em bsaeiici
da mairiz de Abrantes, extrabida a 19 do cor-
rente :
ill
583
1363
2956
HI,
3035,
2382
1315,
269 e 2600
1867, 1665,
3300, 2902 e
5.0004
8001
JH0,<00
100,00c
i64M.
2um
104UH
Pavoble e M u^zes, natural do Rio de Ja
Francisco de Paula da Silva, naMral do B in de
Jaaeiro ; Ce-ario Gabriel de Freitas, naiura de S
Paolo; Cartel Pereira da Silva Guim.rae*. n
do Km d-Jaueir.; Pedro Macedo de Aguiar, na
tural -la Hahia, Joio Baptists Ferreira FerBo, na
tural das -.. -s; Francisco de Salles Jeizo
Frauco, numai do Rio de Janeiro ; Frederic> Ma
ueiro
3163, 1905, 1897, 1379,
388. 1171, 3218, 250* e 1118
2609. 3210,2*36, 2319,1191, 51,
2*9*, 3317, 28*0, Wi, 382, 192*.
523, 25, 662, 1138, 203, 51*, 1311 e
eo99
A alfaadega renden de 1 a 23 do
549:191 -oil.
ALAGOAS.
Lemos no Jurnal d-it Al-igoat :
Consta-nos qae na povoacao da Lage do Ca
ohoto, e limites do termo da Imperatriz com a
provincia de Peroambaco, alguas inlinJaos s-
meavam sizznias entre 0 povo no seatido de fa
zerem desordens.
Ficando aquelle povoado perto de am van*
couto de criminosos capitaoeados pelo celebre Ce-
sario, S. Exc. 0 Sr. presidente da provincia, por
bem entendida previdencia, bontem tnviea for^a
a disposicao do delegado do termo e 4ea a tree
providencias, offloiando ao cbefe de policia e auto-
ridades da respectiva comarea.
e Aguardamos noticias, crendo en'relaato qu-:
a ordem pubiica nao sera alterada. e
Cbegou ao nosso conheclmento que am grup
de sediciosos iovadira 0 povoado de Canhotinoo Da
province de Pernaoobuco, quebrara pesos e ate-
didas e queiaiara pap-is.
t Esta noticia, por^ro, precise de confirm-soio.
e sua origem nao e official; suppa-ba se etuv-
Unto aaeaca Ja a Lage do Canboo, desta pre-
vincia.
Sua Exc. 0 Sr. presidente da provincia, aiea*
das providencias anleriores ja dadas, coaeta aos
que enviou para a Imperatriz mais am coatin
genie de policia, e de accordo com 0 chefe de po-
licia, tomou medidas preventivas.
Cbrreu tambem que havia agitacao aa villa
do Bom Conselho, de Pernambaco, e aUeatt a aaa
vizinhan;a das villas de Palmeira e Quearaagal
desta, foi para essas lo:al;dades forea saflkteate
dons offlciaes.
< Estamos certo qne se os commaadaates
forcas, soaberem camprir 0 sea dever, 0
publico das referidas localidades nao sera
rado, e nem se presenciara 0 espectaculo selva-
gem de destruigao de pesos e medidas e iacenlk
de papeis, como tem aoonlecido em ilgain lo-
calidades da provincia vizinba.
Muito confiamos nas prov.deacias aadas por
S. Exc.
e 0 vapor Valeria do Sinumbu' quo sanie deate
porto para 0 da Bahia e escalas, aa aoile ae It
do correite, naufragou a 1 hore da sushi se-
guiute, nos baixios de D. Rodrigo.
Constade telegrammas e cartas parttastari'
recebidas que salvaram se os paseageiras east
suas bagagens, indo elles aboletar-se ea Carsr-
pe ; a-im como tambem coosta qae vaaor G.
ouitayi, que faz a navegacao fluvial do Baixo-Sac
Fraucuco, fora expedido em soccorro do Talma,
logo que- no Pened0 soube se do aanfrafio.
EfiSAiMICu ~
REVISTA DIARIA.
InMrerrao puklicav Par Bortaria a
presidrocia d 1 provincia, de M de eeorraate, (oi ss-
mih io Mo le-to Leopol lo Xavier Baatarl. para e
ragar le ainaoueose da secretaria sa taMraasia
puMi'-a.
Mer<-cidon lauvares.-S. Bis. oSr. easi-
raeadador presidente da provincia aeaha se eipe-
dir 0 seguiote ofllcio :
'
S.-S-iO
5:450
5 2*
i 850
V sOO


'




Diario de Pernazflfcaco Segunda feifft 28 de Dezembro de 1874,
Seccao 2.' Palacio da prasidencia de Per-
nambuco.- Recife, 26 de dezembro de 1874.-Pico
inteirado do quo expoe Vmc., en offlcio de 20 do
caTrente, relativamente ao confliclo travado entre
urn grup-) qae invadio essa villa no dia 19, e a
forca pablica. E' digna de louvor e imitacio e
attitude energica de Vmc. nessa emerg>racia; das
cidalioa D:. Manoel Aatonio da Silva Rio?, capi-
tal Francisco Teixeirade Maeedo, tea ante Fran
celiuo Brasiliano da Figaeredo Lima, uegociante
Antonio Feiloaa da Silva, major Manoel Cirneiro
Cavalcaote de Albuquerque Lacerda, Americo la
fante Marinho Faloao e o tenente Marlioho Avelino
de Albuquerque, e assim tambem o modj brioso
e denodado porque se portaraqa o destacamanto de
policia, a guarda naciunal e paisanos que auxilia
ram a forca pablica. com especialidade o sargenlo
ITermino de Senna Barros e o alferes da gaarda
n^cional Manoel S)ares de Alboquerque_ Preaoo.
t Rec-aba Vmc. e transmilta Ms cidadaoa raen-
cionados, de minba parte, e em name do governo
imperial um voto de loivor pelo procadiraeato quo
tiveram.
a Rajomraendo a Vmc. qua continue a esforcar-
se em proegnir e capturar os cnmiaoaos.
Deus guarde a Vmc. Henrique Pereira e
Laces*. Sr. p'omotor publico aa comarca de
Bom-Cocselho, baeharel Fiel Vieira Torres Gran-
geiro. >
UovimcnioN sediclosos. Sabbado
chegaram communicacoes da villa de Buique ; e,
seguado ellas, enlrarara oj sedieiosos na dita villa,
no sabbado 19 do corrente, e alii procederam como
praliearam n'oatros pouios, islo e, quebraram a*
medidas lineares e inutilisaram os pesos do syste-
ms metrlco decimal, e quefraaram os papeis dos
archivos da camara raanlcipal e da collect-aria,
poodo em alaroa os concorrente da faira.
Nenhuma resistencia houve, apeiar de alii se
acbar uma forca de 15 homens I
IS'oticias de S. Bento dizem tambem que os
sadiciosos alii eutraram a 19, pozeram em sustos
a feira, e praticaram as gentilezas ja sabidas, e
outrosim foram a CanUotinho, povoa lo proximo de
S. Bento, e soltarara um preso.
-Tambem chegaram noticias mais receates,
alcancando a 23 do corrente, de Bonito, Caruarii,
S. Bento, Santo Antio e toda a zooa coraprehendi-
da na disUncia em que fleam aquelles lugares;
e, segando essis noticias, as respeetivas feiras do
dia 24 de dazenbro, quo de crdinario sao muito
agitadas, correrara perfeitamente calmas e Iran-
quilLs, sem que o manor accidente tenba pertur-
bado a ordem e a c.branca dos impostos.
Transpor-ie tie juerra. -Procedente do
Rio de Janeiro, chegou a esta proviocia, no dia S3
do commie, sexta-feira ultima, o traosporte de
guerra brasileiro Wcrneck, trazendo a seu bordo
10J pracas do cirpo fixo da provincia de Santa
Catharina, sob o man Jo do capitio Can lido Alfre-
do de Amorim Ca!das, eujas pracas vem auxihar
a repressao dos movirnentos sedieiosos do interior.
Liuha-rerrea do Lieuoeiro. A bor-
do do paquele inglez Boyne, da linha de Soulhamp-
ton, chegaram, no dia 26 do carren'.e, a :s!a pro-
vincia os S.-s. William Gill, W. S. Henderson e Jo-
seph Stubbs, enzeiiheiros commissionados pela
Geat Western of Brasil Railway C-mpany Limi-
ted, a queni o Sr. baraa da SaleiaJe transferio o
sea ccn'.rato de construccao da eslraia de ferro
do Limoeiro, para o ii.u do darem comego aos tra-
balhos da raesma eslrala.
Esses trabalh is coraesarao pela verificacao do
traco la lo para a dita e-trala, depiis do que, e
logo que caegarjm o- materiaes, serao incetados
os de construccao da linha.
Em consequencia de lerem chegado os refe
rldos cngenheiros e terera de eomeear os tra'oaiho-
da linha, o Esm. Sr. pre-i lento da provincia dofes
rio juramento do cargo de engenheiro fiscal do
governo geral ao Sr. Dr. Felippe de Figueiroa Fa
ria.no dia 26 do corrente, orde;iando-it;s qae en
tra-se era exercicio do dito cargo, para o qual loi
nomeado o mesmo engenheiro por pcrtarla de J7
de setembro do corrente anno, do rainiaterio da
agricultura, commercio e obras publit'as.
Fcsla lo Xatal.- Dnrante a noite do 2t
e o dia 23 do correate foi extraorJiuana a con
currenia de passageiros nao ;6 uas vias-Ierrca*
de Caxanga e de Olioda, como nis diver.-as linhaa
de carros da companhia ferro carril, havendo em
toda* ellas trens e carros extraurdinarios para sa
ti?fizor asexigenciaa do public).
Na cidade do Reaifa as igrejas, na noite de 21
do corrente, regoriiitavam da povo, reinando por
toda parte baa ordem.
Cliuvas.Na madrugada do dia 2i e em
graide parte de 25 do coiren'.e cahiram ssbre a
ciiale do Recife e seus arrabaUes abundantes ti
copiosas chuvas, que raliigarara o calor intcn30
qne ha alftuns dias se sentia. .....
Eamnsamcnto. tni zo uo uumuuil*. ijb
las 5 horafda tarle, a maclv.na n 2 de um trem
da linha ferrea do Recife a Caxanga, esmagou
uma menina de 2 annos de idade, na curva que
descreve a linha do Monteiro para o Arraial
A desven'ura la criOTQa era filha do Sr. l-ran-
cisco Passos, morador no Monteiro, qae foi outro
ra empregado ni respectiva companhia.
Nionaieseroritadisemolhante desgraca es-
tiva ?- rrianca a brin.-ar com ontra, pouco mau
--^v'elhaque ella, a beira do tr.lho, de minaira que,
a poaca distancia de3cbrio-as o raachmista, o
anal nao obstante oi esfargo, que empregou, so
coasaguio pararo trem, qnando as pnmeiras ro-
dis dest". ia esnngavam a criancinha b a outra
crianca tambem seria victima, se o mach nistaa
nJo agarra e suspeide palos cabellos, na occisiao
em que ella se atlrava para salvar sua amiga.
Confereacia. Hint-m pela manna, teve
luear no Unoirtf do Santo Aatonio, ante o con-
curso de cerca de 70J a 800 peasoas, algumas das
quaes compar-cera n cam suas famitias, a segunda
flas conferenciaa pnblicas promovidas pela loja
maconica Gany iiwK. .
Oicupando a tnbuna o >r. Dr. Malaquia3 Anto-
nio Goncalves.-oroferio am discurso, torn ml i por
as3umpt"o as relagoes di igreja torn o eslcido, quo
Ihe valsu um triumpho, pelo justo applauso, qua
inspiraram o^ dotes oratorios de qae dispSe.
)|anamliao.-No dia 23 do corrente, Ber-
nardino de Sena Patriot*, Gilbraz de Santilhena,
Maria label da Paz, Maria Vicencia do Vascon
cellos e Jos6 Felippe Gomes, condoaiinos daescra
va lgntz, concederam lhe carta de liber lade, de-
poi3 que foram mandados c'uar p-^lo Dr. juiz mu-
nicipal da comarca do Cabo, para provar em juizo
que nio houve culpa ou omissao em d^ixarera de
ter dado a matricula a referida escrava no prazo
da lei.
Banco Commercial de Pernambu
co.Segundo a declaracao, pablicada na seccao
competeute, pela directoria deuse banco, sao con
vidadoa 03 respectivos accioni?ta3 a uma reuniai
em a3emblea geral extraordinaria, no dia li de
janeir> proximo vindouro, ao meio dia, e a raa
do Vigario Tnenorio n. 1, afim de deliborar-se sa-
bre a reforma de estatutos.
De conformidade com o art.'ol dos referidoses
tatutos nao p^dem toraar parto eja^emelhante reu
niao os aecionistas que nao hoaverora.quatro mez
antes registrado suas acjSes; e pelo menos tras
dias antas da reuniao nio apresentarem an ban-
os documentos comprobatirios do direito ite
nos arts. 60 e ol dos
do PaciQco, e o Gironde, das Messageries, que se
esperam i 13, o primeiro de Liverpool, e o segun-
ds de Bordeos;
0 Almeida Garret, da companhia P,ogre9so
maritimo do Porto, devia sahir a 12 do Porto e a
13 de Lisboa, mas soffreu avirias no canal de In-
glaterra e nao pode desempenhar o que se pro-
mettera no3 avisos publicados.
Passamento. Ni cidade de Lisboa deu a
alma ao Greador, no dia 2 do corrente, o Sr. Bar-
thalomeu Francisco de Souza, qae foi entre nos
proprietary da pharraacia da rua larga do Rosa-
rio n. 34.
Havia feito as suas disposijoes testamentanas no
anao de 1868, deixaado testaments carndo, no
qual declarou ser natural do Recife, de Pernara-
buco, ter sido casado em primeiras nupcias com
D. Ursula Maria Leite, de cujo consorcio huve 4
Qlao, I"" sa fallaaidoa, Ocando por obito de uma
desuas tres filhas netos, que ainda exiflem : Bar
thuLmeu Torquato de Sousa e Silva Jo.-e Pedro
de Souza e Silva, e Ursulina Ephigenia de Souza e
Oiiveira, easada com Paulo Jose de Oliveira, os
quaes sao os herdeiros dos doustergos de seui
ben3.
Deciara ser ca3ado em segundas nupcias com
D. Genovsna Julia Menlellei de Souza, por es-
criptiira em qae lhe marcoa arrhas no valar da
12:000i000, que devem ser tirado3 de seas beas,
que lite serio entregues logo depois do sea falle-
mento, ou 100/000 no principio de cada mez, em
quanlo se nao realisar a entrega da dita quaniia,
sera que a imporuncia dessa mensalidade possa
ser deauzida dos 12:000:000.
Pade qua o sea corpo seja envolto no haoito da
Ordem i'erceira de S. Francisco, e sepultado uo
turaulo que tem no ceraiterio pablico na cidade do
Recife, de Pernambuco, prevenindo que, qaando
naja ni9so inconveniente, qaer ser sepultado em
ama catacamba da mesma ordem ; porem, que
se o failecimento for em Lisboa, entSo quer ser
sepultado no cemiterlo dos Prazeres, de modo que,
qaando Qnde o termo da lei para so exbamarem
os ossos, serera estes trasladados era caixao do
chumbo para Pernambuco, afim de serem ahi de-
positados no seu turaulo, e na urna onde estao os
restos mortaes de sua primeira raulhor e filha, tu-
do isto sem pompa.
Deciara que e irmao das irraanaadcs do bantis-
sinoS.cramento d freguezia de Santo Antonio,
da Ordem Terceira de S. Francisco, da do Espiri-
to Santo, da da igroja do Collegio, e confrade do
Gjrmo e S. Pedro.
Datarmina que se mandem dizer 290 missas na
icreia da Ordem Terceira de S. Francisco, na ci-
dade do Reeife, com diversas applicacSes, mas da
esmola de if cada uraa.
Determina que ao T dia do seu failecimento se
distribuam 200*000 a porta da sua antiga botica
na cidade do Recife, para serem distribmdos por
200 pobres. E qae fallecanlo elle fora daquella
cidade o prazo para a d>slribuicao das refendas
esraolas nao devera cxcoder a 3 raezes.
Deciara que estao saldas as contas com o seu
ex socio daquello estabelecimento, Jose Uctano
de Garvalho, liiando psrteacenio a botica a seus
dons netos, para entrar-em conta da suas iegiti-
Deixa a sua mu'her toda a raobilia da casa e
parte da prata do servica, a sab^r : daas dams
de colheres para sopa,dua3 duzia3 de garro*, uraa
coiner de lirar sopa, duas duzias de colaeres para
cha, jarro, bacia, cassarolas, coco, paliteiro e tres
salvas. .__
Deciara qaetodos os objectos de ouro de ador
no de sua inulher, pertsneem a ella por terem sido
comprados cam dinheiro seu, trazido de tranca.
Deixa as sua3 aClhadas Carolina Amalia
Soaza Ramos e Zolmira, filha de seu irmao Bento,
1003000 a rada um;.. .
Delia a cada uma das fi.has de seu concunha-
Jose de Azevelo Amorim, estando sol-
de
do Manoe
te,De%a a c'ada uma das filhas de seus tios, Ma-
noel Jos6 Peixoto Guimaraes o Joao Baptista Got
maracsPeixoto, estandisalteiras, 100-.
Deixa a sens afilhados Felippe Maria Bessone,
Franklin Pereira de Souza, 300) a cada urn.
Deixa a sua irma D. Maria de bouza Ramos
1 Deixa a D. Anna de Jesus Maria de Carvalho
' Deixa libertos 4 escravos, do3 quaes Roque e
Joaquina (pretos), Jose (pardo) e Quirino (oreoul^),
e deixa mais ao escravo Jose 200/.
Deciara que os legado3 serio i*entos.para os ie-
gatarios d pagamento do respectivo imposto de
contribugao. .. .
Dac'ara que dotou sua neta Ursulina Eph'Sf-
nia de Souza o Silva, mulher de Paulo !! de
Oliveira, com aquamia de 28.000-, sendo em^01
e que
de 1:400/
"oSR sua inu h:r acaaa que possue em Qae
lui de Cima, no valor de 1:700/000, quo lhe cus-
t ,i e deixa-lhe mais o usofructo do remanescen-
WSna"t rca deoois de satisfeitos oa legados
te de sua terija, depois
d6Edeixa apropriedadc do remanescente
ca a" us netos Bartholomcu Torquato de Souza e
-eT6 Pedro de Souza e Silva, no valor
da ter
Si
d
a cad*
280005, raoeda brasildra, relauvamente
u^ d-li's se o remanescente attingi ou exceder
o valor de 56:000/000 (mooda brasle:ra), porqua
senaoMtin'gir.calauni de sensnetos tm um.
parte igual na propnedado desse ***?m-
Se oarem, o mesmo remanescente .exceder a....
56:000/, esse excesso o deixa capt.vo tambem M
s!br.;diio usofructo, aos seua bisnotos, div.dido em
PADecla?a qoe todos os legados em dinheiro sao
por uma so vez e com relacao a moeda flo_ WMH.
co
votar, segundo o expresso
mesmoa esiatutos.
Katrada de asaacar e algodao.
Durante a semana de 21 a 26 do corrente "eram
ao nosso mercado, por mar e por terra, *7,o8b
laccos com asiucar. e 1,357 saccas com algodao.
Biapo de 8. Paulo. Afim desere tabe
lacer dos seus padecunentos physicos veio hontem,
a bordo do vapor orasileiro Para, o Extrj. e Rvm.
Sr. D. Lmo, bfspo de S Paolo, natural da provin
cia do Ceara, para onde seeue.
Dinheiro. -0 vapor Para trouxepara :
A.F.de01rveira 16:000/000
Jose Nicdao Ferreira 10:000/0_H)
Jose Rodngaes de Souza 4:80O*'fjS
Manoel Marlins Fiaza 2:000/000
Bafao de Bemflca 1:809/200
A. Hivemat & C. 30H/000
Para o moI do lmperlo. Cam 12 rece
bide9 e nesso porte, levon o vapor inglez Boyne
482 paisafeiros. ,
ts**0inato. -No dia 6 do corrente, ne iu
tar Coaceicio d*s Crioalas, do termo de Catorobo,
foi assassiuado com tres fawdas- Luiz Gome* dos
Santos por J-rdio de tal, qde logfou evadirsa.
Captara Foi preso, no dia IV do corrente,
ereeolbjdoaealeia da cidade da fictoria.Jose,
escravo dftfanoet Gomes do R^go, ahi proaun
ciado no art 193 do eodfgo criminal
R.sko A mei ntite da 2i do corrente
penetraram oj ladion na casa do Sr. Lulgero &&
Fartaa N*ve, siW aa estrada d- Joio de B^iriw, e
foubarara do qaarto, ooie reside o feitor do sitio,
o portJgues JoJo detal, diverias moeias de our-.
a prata e varlos objeetoi de oufo. A policia local
nrocede is necessaflas pesjui'/H.
vapores traasatlaatco Da carta
do nuaae correspoadeote de Lisboa extrabimja o
,0( paquete* a s-guir eora a^ malas para Per-
nambaao e dewm^TO ss-o : Pire pm* de Li-
verpool, -ipfd* i**;> Vllle d,i aacre<
do Hwe gue s, sspera a 10 ortl; a AcincagM,
Noraeia iestamanteir..3, sua mulher, seas netos
Bartliolomeu, Jos6 Pedro, Antonio Jose Goraes do
Correia e o Dr. Manoel Jo;e Pereira de Mello, to-
dos estes, a excepcao de sua mulner, o serio so
mente em rela.^ i aos bens que p ssue no Brasil ,
porquanto relativamente aos bens o valores qae a a
temoo de seu failecimento exislirem em Portugal,
nomeia a referida sua ranlher e Antonio Jos* Far-
nandes, negociante, os quae3 cnmpnrao com o di-
nneir >, que elle por ventura tenha era Portugal, oa
lecados que deverera ser no mesmo reino, e bem
assim recommenda qne Ihe facam seu funeral com
a devida decencia, mas sem pompa.
Convocacao das camara*.-Consta.
diz o Jornal do Commercio, do Rio de Janeiro
aue o governo resolveu antecipar a abert ra aa
proxima se.sio legislativa. Pareee que as raz5e<
que Inflatram para esta resolncao, foram, alein
ue outras medidas urgentes a que cumpreatten-
der a convaniencia de -e votar a tempo ftorea
mento que deve principiar a vigorar no l. do ju
lh e a de evitar, qaanto tot possivel, qua a dis-
cussao da reforma eleitoral tome necessma uma
ororoBacao que obrigae a encurtar demastada-
ineate os prazos para as proximas e.e.c5es, no
casode terem de ser feitas par lei nova. Nestas
circums'.anciaa 6 natural queo governo deseje re
unir as camaras antes do fin de marco.
Gfposlciio de PliiIadelptola.-0_Je-
creto n. 5.7HJ, de 11 de novembro sbno ao mmis-
teno da agricultura, commercio e obras pabbcas,
um creditolextraordinaria de|2320O0/ para ser ap-
olicado as deapezas com a fatura exposicao na
cioual e internacional de Puiladelphia, darante o
exercicio de 1S74 a 1S75.
Habilitacao ao carjo de Jus* ao
aireito. -Pli mini3terio da juniea passou -e
titulo habilitando os bachareis Maauel Aooes Ja-
corae Piees e Jose Ferreira de Mello aa cargo de
juiz de direito.______
CauHas da faxenda que nao exec
dem 500/000. -0 raiuisterio da justica,
em 14 da correate, dirigio o segurata aviso a pre-
sidi-naia do Para :
< lllm. e Exra. Sr.-Em raspjita aoafflcio n. oo
de 12 de novembro ultimo, lenho a declarar qae,
como bom eatendeu.V. Exc, a competeaaia exolu
3iv*daia"ws substitato* nas coma'cas especia-u
comprehenla tambem aa causas f*JM*?*%WP*
o respecUTO valor nao exoeaer de 500/, contormo
a dispnsigao do 8 2. do art. 68 do deoreto |Mj
de te uovembro de 1871, claramente exphcada
pelo. aviso n. 53, de 27 de feyefeirp de 1871-
Oon. gnarde a V. Etc.-Mamel Antonto Dtttrte
ie Azevedo. .... _..;,
Pena de acoites -0 mimsteno da jn'tiQa
era 10 do carrente, d rigio a presideocia de Minas
Geraes o segainle aviso : ..-,. 7
. lilm. e Exm. Sr.-Cam o offloion. 120, de 27
de abrl proximo flado, reroetttu V, Etc., por co
rtia, o do iaia municipal e drorphaos do terras
de Caeiiie, eonsaltando se ho caso de condemna-
nio da urn escravo a acoites, por crime dft nvet\
deve ser novaraente processailo, ou Hollo, qMaoo
4ats da applicada a nena provar se que elle ?.
acha liberto por abandouo de aea senhor. E Sua
lagestadeo linperador, conformando se, por im
madiau reeblucao de 3 do corrente, com o pareaer
da*se;c5eireunidasdo3 negocioj dajunm a do
iinpeno do eonaelho de estado em coi
na cspeaie sujeita, deve se executar a pena cor-
respondente ao delicto, e nSo A de acoites, em que
fdra ella eommutada, uos termos do art. 60 do co-
tligo criminal, e que nao p6je mais ser eumprida,
por haver raudado a condicao eivil do reo. Deos
guarde a V. Exc. Manoel Antonio Ouarte de
Azevedo.
Conselno supremo mill tar.Na ses-
sao de 17 do corrente foram julgados defioitiva-
mente os seguinles procassos :
Exercito.Anspejada Manoel Antonio de Je-
sus, accu-ado de 3' do;ercio simples e condom
Dado em sois annos de pri;ao com trabalh a. Foi
coutlrmada a seatenca. Corneta Miguel Arclian-
Jo, accusado de 2* desercio aggravada, condemna-
do a 4 annos de prUao coin trabalho. Foi confir
mada a senten^a. Sol-la los Lourenco Joao da
Cruz, accusado de 2' de3erc3o simplas e condem-
nado a 2 annos de prisio com trabalho. Foi con-
Grmada a sentenQa. Manoel Serafim Pereira dos
Santos, accusado da 1* deserjio aggravada e con
demnado a 1 anno de prisao. Foi reforraada a
sentenca, para imparem ao reo a pena de 2 annos
do trabalh as pnblicas e mais castigos, por s-r a
de.-ere.ao 2' e nao i*, como coasta doi assentamen-
to3 do mesmo reo ; e advertem ao conselho para
Sue preste mais cuidado em seas julgamentos.
everiano Pereira da Silva, accusado de l*deser-
cio aggravada e condemaado a 1 anao de prisao.
Foi confirmada a sentenca. Kstevao Lourenco da
Silva, accusado do mesmo crime, condemnado em
8 mez as de prisio, por se ter apresentado voluata-
riamente. Foi confirmada a sentenca. Ricardo
Lopes, accusado de 1* deser^ao simples e eondem
nado em 6 mezes de priaio. Foi far mada a
sentenca para iraporem ao r6o a pena de 4 mezes
de prisao e mais castigos, como incurso no art. 2*
tit. 4* das 1" deserjoes simples da ordenanca de
9 do abnl de 1805, visto constar de seu assen-
timento queapreseotou-sevoluniariaraente pasaa
dos os 3 mezes. Martinho Diogo dos Santos, accu-
sado do ) desercao simples e condemnado em4
mezes de prisao, por se ter apresentado volunta
rianant>. Foi confirm ida a sentenca. Ambrosio
Luiz Pereira, Jos6 Antonio Bastos, Jos6 Maria Gui-
maraes, Joao Vicente de Freitas, e Manoel de Oli-
veira Zuzart, todos accusados de la desercao sim-
ples e condemnados em 6 meze3 de prisio cada
um. Foram confirraadas 83 sentencas
Sapremo tribunal de justica. -0 Sr.
Dr. Joaqaim de Azevedo Monteiro, hoje desembar
gador aa relacao de Gayaz exercla a jndicatura
da vara de orphaos da cidade da Bahia e foi de-
nunciado perants o supremo tribunal de justica
pelo Sr. Dr. Francisco Marques de3 S?ntos, ca-
ralor das horaugas jacentes naquelia cidade.
0 Icnunciante queixon-se de ter-lhe o Sr. Dr.
Monteiro contrariado no exercicio de suas funccoes
do carador .las herancas, nao consentindo que
seus despachos fcnsem cumpridos.
Dislribuida adonuncia ao Sr. conselheiro Val-
dataro, e no dia 19 do corrente, relatado o pro-
cesso, o supremo tribunal de justica iulgouaim-
procodente, sendo sorteados jnizes os Srs. coase-
loeiros Mariani, Braga e Figueira de Mello.
Ordcnacao..No dia 19 do cqrrenle obis-
po de Olinda'confeno, na capella de sua prisao^a
sagrada ordem do diaconato ao subdiacono Joao
Carlos do Moura, e a sagrada ordera do presbyte-
rato ao diacono Themistecles Gonjalves de An
drade, sendo arabos os ordenandos naturaes da
diocese deOlinda.
0 acto, que foi feito com tolas as solemnidades
e ceremonias preacriptas no pontifical Rimano,
a-teve magestoso o imponente.
Presidencla do Jury e auditoria
le marlnha. Em iO do corrento mez, o mi-
nisters da justica rcspondeu nos scguintes termo-
ao de marinna :
t Ill.ii. e Exm. Sr.-Cam a aviso de 28 de no-
vembro proximo findo, sob n. 3,033, ramctleu V.
Exc, por copia, o offlcio era que o auditor de ma
nnha deciara ser materialmente imp03sivel i
exercicio simultaneo das respecti'-'as funccSes i
da'prcsidencia do jury, prescripta no dtcreto o.
5,720 de 27 do agosto ultimo. Em resposta, ten ho
a declarar a V. Exc. que nao existe incompat bi-
lidado nesla accumulacio, exercida .pel s outros
juizes, e da pual nao pode eximir-se aquelle ma-
gistralo. Deus guarde a V.EfcjtanaeJ Anto-
nio Duarte de Azevedo.
Estrada de ferro. -Por decrelo n. 5,792
dell do mez passado, foi concedida a Jacques
Bonuefond autoruajao para prolongar a estrada
de ferro do Maceio ao valle de Jacuipe at6 a pro-
vincia de Pernambuco, a entroncarse na estrada
de ferro do Recife ao S. Francisco.
0 fundo social da companhia sera de del mi
conto3 de reds (10,000:000/) dividiloa em cin
Coenta mil accoa.-. de 200 j cada uma.
Aempreza obrigar-3e-ha por escriptura publiea
cu?a?#mmpSi^4e5ns(li Su,>'ia,"Se!fo -preliWS-b
prejo (deduzida a deciraa urbana) do aluguel de
suas casas durante quinze anno3, e dahi por dian-
te a porcentagem qup se convencionar na escrip-
tura ate que sejam defiaitivaraenle eutregues os
predi .s, Hndo o prazo da mesraa : os proprmta-
rios, por6m, poderao rehavel-os antes por um ac-
cordo com a con panhia.
Wtteratura.Encetarao3 hoje em na-sa 8.-'
pagma a transcripcao de uma serie de cartas do
Exm. Sr. conselheiro Jos6 de Alencar dirigidas ao
Sr. Joaquim Serra, acerca do assumpto litterario
demagna importancia : a naturalisacao da htte-
ratura"brasileirj, e o estado da poosia popular.
Nesse trabalho falgem, enq,todo o seu esplendor,
o talento o a perspicuidade do critico que tao bom
analysou o poema dos lamoy^s.
Recoramendamo3 aos njssoaassigoanles
Ura desse trabalho.
Proclamas.-Lidos no dia 23 de dezembro
na igreja da Nossa Seahara do Rosario que serve
da rnatriz na freguezia de Santo Antonio.
1* denunciacao.
Agostinho Jos6 de Saul'Anna, com Maria Ange
la da Conceicio.
Pedro FranciscaTheodoro do Senna, com Anna
Senhorinha da Porciuncula. .
Celestioo Augusta deSa Barreto, com Maria
Isabel de Si Barreto.
2" denunciacao.
Andre da Silva Dutra, com Guilh rmina Clotil-
des Vieira.
Pedro Luiz de Oliveira, com Hermiua Januana
Tenoria de Luna.
Joaquim Onofre de Mendonca, Ribeiro, ci-ji
D >rsulina Francisca Gomes de Souza.
Joaquim de Araujo Alve3 da Foaceca, com Ma-
ria Annunciada Rodrigues Pereira.
Francisco Mauricio d'Abreu, com Belmira Eliza
dos Santas e Silva .
Joviniano Alexandre dos Santos, com Gregona
Maria de Albuquerque.
Alexandrino da Malta Silveira, com Nympha
Laura da Foneeca. .
Joao Geralio Martins com Umbeliua Alexandria*
de Ncronha .. ... .
Manoel Joaquim Flore3, ccra Eufrosma Maria da
Conceicio. _
Dr. Francisco Rodrigues Pe3soa, com Eugenia
3 phia Pessoa dos Anjos.
Joaquim Fernandes Ramos, com Eudocia Fran
cisca da Souza e Silva.
Jjse Manoel da Foaceca, com Maria da Annan-
ciacao Velloso.
Jcse ErtevJto do Nascimeato, com Maria Zetenna
1'Oliveira. : ,.
Joaquim Rodriguo3 Pereira, com Amelia Au-
gusta Brand io.
3* dennnciacao.
Martiniano Eleuterio da Silva, com Emilia Mon-
teiro da Silva. .
Hurindo Francisco de Assis, com Maria Lyra
do Amor Divino.
Joao Leite, com Leopoldioa de Souza S)aros.
Alfredo Bapiista Braga, com Maria Adelaide Pe
res da Cruz.
Joaquim Manoel dos Sant:s da Conceicao, cem
Maria da Conceicao Neves..
Sam .el do Espirito Sauto Chorita, com Francis-
ca .le Souza Borgft.
Protesto de lelras. -0 escrivao dos pro-
te-uw, Pares Catapello. eta de semana nos protes-
ts de letras a fria do I nparador n. 46, primeiro
indar.
PltBLIOACQES k PEPIPO
Santissima Trindade.
Collegio franoez para naeninas.
Direete-ra D. Philomena M. 3e A. 0"Coanell Jersey-
O run dos Coelhs*0
Neate estabedeclmento onde as aluraaas interni-
mente- s6 fallam francez, aprendem ellas, alera de maz de Aquino Foneeca~& Successares, 1301
portuguez, calligraphia, arithraellca e doutrina ge Joaquim Alves & C., 22 a Antonio Jos6
christi, a traduzir, fullar e escrever correctaraen- Brasil, 90 a Carvalho 4 Nogueira,. 51 a
aBel-
a An-
1 vo-
Rio de Janeiro na mesma data e consignadi
tra? & Pilho, manifestou :
Barricas vazias 230 inteiras e 230 quartos
tonio Joio Furtado & C. Bonds e pertence:
lume a ordem.
Cangica 10 barriquinhas aos consignatari is. Ca
fe 60 saccos a Paulino Jose da Costa Amo im
C, 200 a Leal & Irmios, 200 a Uagalbaes
ma), 110 a J. J. R. Mendes, 16C a Manoel
de Figueiredo, 60 a Fraiga Rocha & C, 110
-___i I .(a l!.Miti\K V. w ii ft net no -. w t ')t
te inglez, francez e italiano
e mythologia.
Deseoho a crayon, a aquarella e a bico de pen-
aa ; rausica, canto, danoa e piano.
A todas estas roaterias s6 profeisalas no culle-
|io pela directora e -suas duas irmas, accresce o
ensino de civilidade, e de todas as prendas que
uma senhora de boa so;iedade deve sab-r, come :
bordar a ouro, a prata, a oranco a rnatiz, a ca-
bello, a escumilha, a la demi-point p poi'nf de ve
lours, a missanga e todas as curiosidades que com
esta se fazam, a cartaoe em cimade vidro.
Toda a especie de obras da la, manias, toucas
sapatinhos, etc.; flores de la, de couro, de seda
trouxa, de cera a de papei.
Muitas obras curiosas para on ama tt de sala,
como tapeies para jarroa, cestinhas d i contas, de
oravo, de arroz, de pedra hume, etc., alem de cos-
lura chi, fazer melas, labyrinths e crochet.
A esmerada edueacao que a directora e snas ir-
mis receberam oa Europa duraate sete aonos,
permitte assegurar aos pais e miis de familias,
qae nao serao illudidos em sua espectativa, uma
vez qua as alamnas frequentem o tempo preciso
para sua instruecio.
Os pre'eos sio : ioternas 40/000, meio pen3io-
nistas JO/000, externas 5/0.0, pagos adiautados
por trimestres, qae uraa vez comecados estio ven-
cidos.
As anlas pnncipiam a funccionar a 7 de Ja-
neiro.
&
)narte
iTho-
a Jo-
Jda S.
A ntoni a
geographia, historia Luiz de Oliveira Azevedo, 50 a E. R. Rabillo 4
C, 120 a Doming)s da S. Torres, 140 a Frincisco
Jose da Coata Araujo, 100 a Manoel Marqi es de
Oliveira, 150 a Antonio Francisco Corga, 100 a
Ca-dozo & Martins, 30 a Canha Irmaos 4 C 100
a Marcelino da Rosa & Filhos, 200 a Tito Livio
eOMMERCie.
JUNTA DOS CORRETORES
Prnca do Recife, de dezem-
bro de 1814.
AS f HORAS DA TARDE.
CVTACSSS OFF1CIAKS
Cambio sobre Loudres a 90 d|V. 26 1(2, e do
banco 2G3|8d. por 1/000.
Cambio sobre Paris a 90 d[v. 363 rs. o franco,
do banco.
Dito sobro dito a 3 div. 370 rs. o franco, do
banco.
Cambio sobre o Porto a 90 d[v 102 OiO de pre-
raio. ,
Cambio sobre Figueira a 3 d[v. 108 0|0 de
premio.
ts. ae VasconceiloJ,
Presidentf.
A P. de Leraos,
Sacreun-.
Soares, 100 a Antonio Josd Gomes, 50 a Libre 4
Rois, 50 a Doraiogos Joaqaim Ferreira Crai, 50 a
Aotonio Ferreira de Carvalnq, 51 a Daai te de
Amaral 4 C., 50 a Jose Adolpho de Oliveira Lima,
45 a Tnomaz Times 40 a Pinto Moreira, 30 a Fer-
reira & Vellozo. 25 a Pacas & C, 50
Araujo, 25 a Franco da Caoba 4 C,
nio A. Jacome.
M astro de peroba 1 a Aatonio Joio
Companhia.
Pipas vazias 18 a Luiz Duprat.
Sabio 36 caixas ao director da collegio
Vicente.
Vinho branco 20 barrU a Luiz Duprat.
25 a
Furt
de S.
sul
Viaana & C, mauifestou
Carga do Rio de Janeiro.
Farinha de trigo 300 barricas a Joao
de Aguilar & C. Fumo 47 caixas aos
natarios, 25 a Beltrio & Filho, 1 a ordem,
taa a Jose Pereira de Miranda Cunba.
Oleado 1 caixa a Jose Joaquim Lima Bair^o.
Carga da Bahia.
C..arutos 6 caixas a D. da Costa Ferreiri
Loal A Irmaos, 2 a Jose Pereira de Miraui a Cu-
nba, 1 a Hermann Luodgreoa. Chape-as d' sal 2
caixas a Oliveira & Irmio, 2 a E. A. Burli 4 C.
Pauuos de algodao pacotes a B3ltrao &
Papeis 1 caixa a Lopes 4 C
C uirino |
C jQSIg
10 la
15 a
Filho.
OESPAGQOS DE EXPORTACAO NO
DEZEMBRO DE 1874.
Para os portos do exterior.
DIA
I D I
.te^dioicn.. o
l.-.ic du dia 26
.LPANDtivA.
u 1 a 24. .
726 978/175
13:873/691
740.831,868
Dtsc.irregam hojo 28 de'deiembra de 1874.
Patacho portuguez Santa Maria de Bcllem -
varios ganeros para o trapiche Conceicao,
para dospachar.
Barca nacioaal Aguia varios generos para o
tnpicha Conceicio, para despachar.
Patacho inglez Silas Alward mercadorias
para alfandega e farinha ja despachada
para o caes do Apollo.
Patacho inglez Lucy kerosene ja despachado
para o cats do Apollo e deposito no tra
piche Vieira.
Brians portugu z Ligeiro III lageamento para
o trapiche Conceijao, para despachar e
vinho para deposito n6 trapiche Cunha.
3rigne portuguez Soberano vinho e vinagre
para deposito no trapiche Baibosa.
ingleza'j- Vohnta di Dio dormente3 ja
daapachados para o caes do Apollo.
nasional IKncdo (esperado) generos
nacioaacs para o trapiche Dantas.
No navio francez S. Luiz, para Liv -rpool,
carregou : J. Puerslenberg 30,450 kilos de o sos.
Na barca franceza S. Andre, para o la-re,
carregou : P. Sim5os 4 C. 238 kilos de f
medicinaes.
No navio inglez Jane Marie, para o Canal,
carregou : F. Cascao & Filho 570 sacco i com
42,750 kilos de assucar mascavado.
No navio allemao Guciff. para o Canal car
regou : A. Loyo, 1,600 saccos com 120,0O( kilas
de assucar mascavado.
No navio hespanhol Marcelino, para o Rio
da Prata, carregou : A. Loyo 50 pipas com 24,000
litros de aguardente.
No navio hespanhol Celestino, para o Rio
da Praia, carregou : A Loyo 50 pipas com 24,000
litros de aguardente.
Na barca ingleza Lusa, para o Canal, carre
gou : Simpson & C 1.510 saccos e,m 12,500
kilos de assucar mascavado.
Na barca portugueza Victoria, para < Porto,
carregou: M. L. Paes- Barreto luO sacc s
7,500 ki'os de assucar mascavado ; A. L yo 8
dito3 cam 15 000 duos de dito.
No vapor inglez Boyne, para Bueno. -Ayres
430 barricas com 31,160 kiloideas-
carrcgou: 4au narricas com oi,-w n.iu
sucar brauco e 50 ditas com 3,834 ditos
raascayado: para o Rio da Pratt, P. G
de dito
rneiro,
Maia & C. 300 b rricas com 34,443 kilos e assu
car branco. ....
Para os porios do interior.
Para C ruraiia, na sumaca hespanh la Des-
jada, carregou : N. B. Noguei'a 200 barri :as cox
21,937 kilo* de assucar branco.
Barca
Vapor
CAPATAZ1A
Re.'iimento d^> dia 1
[it* do dis 20
DA ALKA-Nl.
a 24.
BA
11.
11
VOLUMES 3AH1DD"
24.
a lei
VLTBRAqAO NA 1'AUTA DOS PRRQ0S_ DOS GENEROt
SIIE1T03 A DIBKITOS DE BXPOnTAQAO, NA SBMAN*
DE 28 DE DEZEMBHO A 2 DE JANEIRO DE 1874.
Assucar-mw,WaVl!^'^^-0-ki'fr --
Caarosde doi verdes 327 rs. o kilo.
Folhasmedicinaes 500 rs. o kilo.
La de suama ou barriguda 666 rs. o kilo.
Crina animal 100 rs. o kilo.
Alfandega de Pernambuca, 2o de dezembro dt
6 i conferenle-Raymuado F. Barbosa.
0 l* confereule-Franci3co das Chagas Gatvao.
Approve. Alfandega de Pernambuco, 29 de
dezembro de 1874.
Serviudo de inspector,
Pedro Lopes Rodrigues.
Iiuperiacffo.
Briguo national DM IrmSot, entrado de Mon-
tevideo em 24 do corrente e eonsignado a Amorim
Irmaos 4 C, manife3tou :
Xarque 182,040 kilos a ordem.
No dia 1 a
No dia 26. .
Primeirapotta
Segunda porta
teriita.n*tia
aERVigO MARIIJJIO
ii>areogai des-:arreg?.das aottaniuatt
alfandesa.
\o dia 1 a 24 ...
So dia 26. -.
lo trapiche CoitMifiae
26 3/4 d. por 1/000.
Dito sobre dito, 90 d|V 26 3|8 d. por IJOM,
banco.
Dito sobre Paris, 90 d|v 360 reis 0 franco.
Dito sobre dito, 90 d|v 364 363 reis 0 franco,
banco.
Dito sebre dito, 3 d|v 370 reis 0 franco, basso.
Dito sobre Lisboa, 90 d,v 104 a 105 por cssv
to de premio, banco.
Dito sobre dita, 3 djv 108 por cento de premio.
banco.
Dito sohrc 0 Porto, 90 d|v 102 par cento as
prpsnio,
Dito sobre Figueira, 3 djv 108 por cento, de
premio.
Dito sobre 0 Rio da Janeiro, 8 djv ao par.
Dito sobre dito, 15 d|V 1 por cento de dotna*.
. Dito sobre dito, 30 djv I '( por c-nto de sea
conto.
Dito sotire Bahia, 8 d|i- i!> par.
Apalice da divida puMica de 6 por cento......
1:040/000 cada nma.
Deswnto de lettras, 9, e 12 por cento ao ass*
Algodao de Maceio, I' surtp. 7/600 por 13 kil *.
Auto-
do &
a Madras 4 poslo a bordo, frele de :/ 3 por cento.
Dito de dito, mediano, 7/100 par 15 kilos, fusto
a bordo, frete de '!% e 5 por cento.
Dito da Parabyba, 1" sorte, 7/000 f-.r 15 kdae,
post) a bordo, freta de 3,\ e 5 por cento.
I Ent'aram 939 saccas por terra e mar.
Assucar do Rio Grande do Nirte, 1/880 par IS
kilos, poslo a bordo, frele 55 sebs. e 5 por ceslo
Dito da Parabyba, 1/720 por 15 kilos, poslo
bordo, frele 45 srhs. e 5 por cento.
- Vapor nacional Pard, entrado dos poijlos do1 .< brolo, es:olhido, de 1/600 a 1/630 por
I em 57 do corrente e consignado a Pareira ^ bruto> ^^ ,. ^ pQr ,. ^
Eutraram 39,320 saccos por Mm e mar.
Fretes. -Para o Canal, earregaada ea aoati s
Rio Grande do Norle, 60 sch. 3 por ceuto, aa-
sucar.
Dito para Liverpod, envaando e^i Maecis, 4-'
'schs., sera c isa, a-ancr.r.
Dito para uto, carre; an 1. en. iUceiZ, 3/ schs.,
sem capa, alg<>dao.
Dito para carr.-cr n 1 It Grsui; do Norte,
'scli., e 5 por eeoto, as.-uc-r.
DiM para car.-rgar 1. Ri> Gr..n.'e do Norte,
15/|6 e 5 por renlo.
Dita pira K- w-Tora, ,-anegandj afajL 40 .^cs?.,
0 3 por cento, aissear.
Dito para Bverp..ni, .- rr.'gando >ii, :m vapor,
5/ e 5 por ceato, si, -
Aguardente. Ven a I G2 r Cl (> 0 a pipa.
-, v.ibda S/.>59
- C!i l ram 13 caixa*.
i04.s79n
49. 303
(54/093
43,175
50 i
45,718
Arroz. Cbegaraiii
por 15 kilos.
1 Azeite doce-em caixr:
cotamas a 10/000 a caixa.
Dita dito cm barris. Sera cheg; da, cottaaos a
2;60J 0 galao. .
Alpibte Sem cb-gada, venda a G/500 por 1*
kilos. ...
Banha. Chegaram 150 barris, uluma venda,
a 991 reis okilo.
I Brcu Chegaram 100 barrica, ultima venda
12/000 a barrica.
Batatas.- Chegaram 60 mcias caixas, uiUaue
vend.s, de 4/400 a 4/300.
Bacalhao. Chegaram 3,500 b 13,000 barricas, e relalha-se a IT/'uOO e 18/ a
Carno. Chejtaram 152,01" aflat. Em deaaaa*
46,000 arrobas da do Rio GrapsA ae 4*>0 a
6/SOO, 0 da do Rio da Praia 34, 5/4'K) a 5/80 i a arroba. ,
Conros secc .3 salgados. Sem ch 'gada, venda
de 534 a 544 reii 0 kil.'. .
Ditos verd." salgados, venda 32; ru- okilo.
Cimento.-Sem abajaaaa, saJaaaM dc 9/000 a
10/000 a larrica.
Cebolas. Chegaram loO caixas,
lOlSO .; -1 -' "i a caixa.
Cha. C ipgarara 2 caixa?, u:lina
4 247 0 kilo, r-nr-rme a qualiladr
Cafe. Si 11 ohpgada, eotamos dc 8 000 a
8/200 por fi kilo-. ..... v-w
Cane'a Sea c! egada, venda 1* / 2 o kilo.
Cerveja Has.-, leruega e Tenenlc Chegaram
652 barrka, cotarnos aos precos ^;:llc,esi-.
I Bass, cotaaoa a 0^000 as inleirai c OOOT a
HorWfa, eotamos a 5.5000 as inteiras e 6jW
: as nieia*. .-,,
Temntc, colamos a 3/500 as int .ras e 4/oW
as meias. _, .,,
Cognac. Sem chegada, eotamos d: 9/ a 1!#
a duzia, cenforme a qualilade.
Carvao de pedra. Chega'am M loneladw,
eotamos a 19/000 a toneada.
Farinha de trigo. Chega'am 2.00O larricas.
100/, DptosiIo 16,519 b^iricas, i n-lilha-a :
Uiiuaria. S8/ a 3!> Fr.nceza, 22/000.
Farinha de mandioca.- Ch'garam W'(. (
3 500 scd, letalho de <>/ a 6/.)"U 0
vcniai
venda
90!
1,
*i
!
-Sem chegada, clamos a 4fMt
de Mon
Balthar
Deposito
sacco.
Dita de milbo.-
3 Fi?M.- Sem chegada, eotamos a iZ-4 a
CaFarcl!o. Chegaram 1,3 0 sa:: eotamos a
4/800 e 5/000 0 sacco.
Fumo em rol s.- N*o ha no ^.
Dito em lalaa. Baa chegitt, veudas de
lIUBOO a 13/500.
Dito em caixas. Sera chfgaoa,
'Sbra'S'anja. Sem chegada, cotaaos a
cotamo" > it-
vendas de
Patacho hespanhol Gaadalupe, entrado
lovideo em 25 do corrente e consignado a
Oliveira C, manifestou :
Xarque 152,010 kilos a ordem.
Vapor iuglez Boyne, entrado dos portos da Eu-
ropa era 26 do corrente e consignado a Adarason
Howie 4 C-, manifestou :
Amostra3 12 volumes a diversos. Alcool 3 cai-
xas a Carvalho 4 C. Arreios 1 caixa a Joseph
Stnbl Agulhas 1 caixa a Alfredo Gibaon.
Bot'oes 1 caixa a Vaz & Leal, 1 a Guimaraes
rEo & C, 1 a Alfredo Gibson, d.tos e art.gos
para palyorama I caixa a A. Hyvernat & C
Caraisas 2 caixas a Pinto da Silva 4 La cio di-
hsegravatas 2 caixas a Mendes Azevedo &C
Calcado 1 caixa a Joaquim A. de Araujo 4 C 1
aos consignatarios, 3 a, ordem 1 a Vaz 4 Leal, I a
Luiz A. sfqueira, 1 a Moreira BMta, k ^. *fJ
4 Filh03,
Eduardo
I caixa a
1 a Joao Cbristiani 4
IRCBBBDOfUA DB RENDASI INT1 -.INAb Gh.
RAE3 DE PRBNAMBLU.
.sndiraento do dia I a 24 WWl
ha :863;4l7i'*Dila"commum. Sem ahsgsja,,
diiK do dis 26
,7:968/350' iA500.
17:723/071 j
bT, vldaeterna.amche^c.^aSgllL
AGENC1AS PROVINCIA
Liquidos espirituosos.
Aendimento de I a 2
Edam do dia 24
3138/-206
343/544
Baealhao, etc.
a 23 4:304/022
I
Alfredo Gibson, 2 a Meades Lobo 4 C. Cha
caixa3 a Joao Martins de Barros k Filhos. 2
Augusto Frederico de Oliveira & C ,2 a I
Fenton, 6 a Luiz A. Siqueira. IMM I
Damiugos Manoel Martins, la Joao Chris
G 1 a Monhard Mettl,r & C, 4 a Cramer Prey &
C, ditos eoutrosartigos I caixa a Costa Maia &
r iai-arvalho 4 C, 2 a Costa Irraa>s4 C. Cou-
?os 2 ca^xlsa Monhard Metller & C Chocolate 3
caixas aos consignatarios. Chapeos de sol 1 caixa
SuftSEft mesmo. Grav.ua I caixa a
GTrnatf 2RcSs a De Lai.hacar & C. Joias 2
cax s a A:nyve,-..at 4t.li Lehman; Freres
Lavas 1 caixa a ordem. Livros caixa a E. FoUj
ton, 1 a Wallredo 4 Sauza, 1 a De Lailbacar
Companhia.
Mercadorias diversas 2 caixas
Obiectos p.raescriptario 1 caixa a
ao Eaglis bank ol M10 de Janeiro, 2 ao New Lon-
don and Brasilian Hank, dito para estrada de far
G 0. Manil, ditos diversos 2 caixas a
7 volumes a W.
1 a A. Pereira
rtendimento de I
idem do dia 24
Genoros de estiva,
rtendimento de 1 a 23 5:930/600
Idem do dia 24 100/404
_ 3.431*750
aos consignata-
\V. Gill,
Farinha de trigo, etc
Aendimento de 1 a 23 3:847/608
:49m do dia 24 *
Fumo, etc.
*endimento de I a 23 1:976*30!
Idem do dia 24 #
neadimento de 1
Idem do dia 24
Vinagre, etc.
a 23 1:9411*3
/
4:304/022
6:031/004
3:847/608
K.-rosene. Chegaram
^tSSSmSR ho,- Chegaram MM
S hamcas uluma venda da 0, dinana, 410 por
cento e da Una, ultima vend., 3J0 par c^nto
M.l'ho- Sem chrgsda, eotamos de 100 a 110
"US?- Ml chegada, vendas de 9/000 a
9/500 a caixa. rhisau
Mantciga ingleza ^*^RUjTg5
coumos Qas latas amarellas a 1/614 o wuo, e sa*
r%^.Stam-S chegada, cott-
^uSa.-10^ chegada, vendas a 1*33
6 pS,ork 2*Pmaeu,r--Sem chegada,
1:9765305
klpassa.- Chegaram 7 caixas, cotimo
vend*, a
venda a I/OIS 0
a 7/5CO
ven-la a
chegada,
ch.-gada, retilha a
Thesouro provincial de Pernambuco, 26
4e dezembrode 1874.
0 escrivao,
j. CM. da Silva:Santos.
e 8/0.0 a caixa.
Papel de embrulho. Sem
l/OoO a resaa, do auuricauo.
I Oueijos Qamengos. Sx-m
i^^S-Semchegad^retaaoMlae
ItOfcUmifctto, ^^ -g| ^r^ ,4as a
21:581/920 {iw; a 1/500 o alqusire. -wp-,**. veaea
-^ 1x11" ingles ordinano.Sem cbogaaa, vessa
a 360 reis o kilo.
Dito da terra.-Vendu
etH-gada,
looter-la. -- A qtte se acha a Venda e a 130",
1 Deueficio da-nova igreja de .V Sntr>ra da Pa-
gha. a qual tt ettrahira no dia 31 dt corrente,
eio novo piano.
CAsa de deten^ao. -Movimento da casa
la oetencio do die 23 de dezembro da 1874 :
ExisUam preios 325, entron 1, faUeeau 1, eals-
tem 318.
Naclorrven 255, mnlheres8, estraogetrns 23, es-
cravos 36a iserava 3. -Total 325.
AlimetiBitos 4 eusu dos eofres publico* 171.
A saber __,
j Saos254.enfermosl8.-Toul 171-
' Mav'unenla da enhmurJa do dia W oe deaem^
-ro de \m:
\ Tave alW':
Viceow'Goimbra da Silva.
Falteceu :
fcanoel,'escravo le.BslUrsiin') Alfee-Arocha,
3H
ru 2 caixas a
Brazilian Telegraph ..0 npany,
Hayne, I a L-iiz'Aulouio fciqueira,
Mpapelicaix*aGulraartes Rib-iro 4 C. dito
aaracigarroa lealxaaLebre & Reis. Periama
?ia 6 caixas a CWalho 4 li,. 1 ^>mr"8T(1Rt
beiro 4 C. Puolicacoes l-caisa a Silva Cardozo 4
P^^wa Pcovi<5es I caixa a C. R. Panver.
Sos 74 caixas a Antonio F-ancisco Corga
a Beltrso 4 Filho, 17 a Jue C. Braga 35 a
Fernandes da Cos.. & ft, 34 a eanl.no Jos* '
Co-ta Amormi 4 C 35 a Cardozo & Martin^
a L^hre & R--Is. 5 a /intmia Ferreira de Carva-
},o 45 a Joie Marcelino da Rosa & Fiboe. 17 a
Cma&snvaTnlasni. Alves & C 23 a Joa-
aiin lose LeiOb & C, 50 8 Sduz* Baslos C-,
IsaJoloS^neirodaCnnha, to a Suva Gu.
ausaaa-ka. 1 a H. I. HtWh.
Roapa l caixa a R. Eichbanr. .
Saoiuesuga. 2 eaixas a Jose T. Leite Baatos, I
a ordem. Sabouetes i.eaiu a Alfredo Gibson.
Traacelras de seda I caixa a Galmariis .Ribeira
r Tecidos 10 caixas t consignatariQS,
Banco do Minho.
Joaqnim Jos* Gongalves Be'trao & Filho saccam
por todos os vapom sobre :
Anadia
de 420 a 460 reis 0
da outubro ultimo, maada declarar a V. Exc. qua,
38
Alco-
feller & C, 105 a Cramer Frey & 0
Airado Vieira 4 S., 3 a Goncalves IrraSo 4 Gui^
ifawaes, 37 a ordem, 3 a Browa ThomMW.fc U. *
Joa,utm Monteiro d^Cruz,^ g
4e\'ssooacellos, I a Luia
immaraesRibeiro*C.
Vinho 1 em a A. B. aevrm
JJarci portugueza
Novo silencio, enlrada do
Evora Monsao
Fate Ovar
F&ro Porto
Guarda Tavira
Leiria Rfgoa
Lisboa Vlzeo
Barceflos Figuei
Coirabra La mega
Mirandella Estarr
Penafiel Valen
Villa real
Cabaeira de Bastos
Castello-Branco
Espozende
Oliveifa de Azemeis
Povoa de Varzim
Vianna de Castello
Vilirnowde "Portimi Villaaova de Faaaucao
Villa do Cnade;
Was Haas
Marlelra.S. Miguel, e Faial e Teiceira.
Agui 'a
Aveiro
Ceja
Bhaves
Was
E mar ante
Auimaries
Gvilha
Coelgaco
MPort'alegre
Areos de val de vea
Celorioo de Bastos
Caminha
liangualde
Pont* de Lima
povoa de Lanhosa
k,S.:.rdinha de N:mtes. Sem
'SJoiw-^Saa, ultima venla Is^O
^fTrl Sea chegada, ve^ a 3
^Vin^.- Chegaram 55 pitas IHjjWa. e
40 decimoe, eotamos a ll.-*Oi) a ,4^a
VuVo Unto da Figueira> e delJ^'a.^yaiisa
lo3 ,pas, 63 meias, 483 quintcs e 30 deeaaa,
e eotamos aos precis ^f0'8^-,,,,,, tMMOk
Da Figueira, cotama d^l^O a 2JUJWJ
De I.-0 -a, eotamos de 10^ a JWaJ
Din tiawat S*-m chegada, 4aJa a areas-,
UO/COii, raa itoataa.
Dito branco (ranca, -
eh'gida,
F..1.1I;.\ retalho a 230*000 a PJP-
Dito branco e LUboa^-gwiaraa IB f
cotann* dc 220/000 a *W#O00
Din SH Estrjito.- Sem ch-gada,
* dSX na.- <*"* *"*
a 10-000.
CIT/i*.
Peraate a cafnara mmueisal BasM aj
< nnvnttv-nte em orsta ssi a
Da
HevUta commercial
sera.ina do 21 a 2B d deaombro
de 1874.
Cambio sobte Londres, 90 di> W /*.!{<
! estrai novam"nte em or*,- -
j di r.itfenie O^a aasa abreast
.aior prcJ oHJfea, a
14 lit. 18 e 10*' ...igmets Ban
praca da las^fMi
-,*
I Osnwa-*
! m ..aentes a law arreaat tfiia,
... lormada lei.


jr.rs
K
Diario ^e pernambuco Segunda feira 28 de Dezembro de 1874.
Paco da camara municipal do Recife, 24
de dezembro de I87i.
M. J. do liego e Albuquerqne,
Presidente.
F. Augusto da Costa,
Secretario.
ufcCLAHACOES.
Sociedade propn^ndnra de ius-
trucotio public*.
(Parochia do Poco da Panella.)
Pan dominRo, 27 do corrente, as 6 horas da
tarde, na casa da povoa$io do Mouteiro, em que
funeciana a respectiva escola, sao pela segunda
vez oonvidados todos os socios, aflm de procede-
rera a eleicao djs membros do eoaselho director
bo proximo viDdooro.
Poco da Panella, 2i de dezembro de 187i.
u secretario,
_______ Augusto Carlos Vaz de Olveira.
0 Illru. Sr. inspector do thesonro provincial
manda faxer publico, que em cumprimento da or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia, datada
d* 12 de setembro proximo passado, se ha de ar-
rematar perante a junta do mesmo ihesouro, no
dia 31 da corrente, a quem por menos fizer o fir-
necimento dos presos pobres da casa de detencao,
no trimeslre de Janeiro a mar;o proximo vindou-
to, sendo os generos de que se corapoem as diariai
e dietas dos mesrao9 presos, os constantes das ta-
Jbellas abaixo transmptas.
As diarias e dietas dos presos pobres nao pode-
rio exeeder a 400 reis diarios, com excepcao do
fornecimento feito aos presos militares, que sera
de 332 reis diarios, conforme o disposto no aviso
do ministerio da guerra de 22 de maiu de 1858.
E para cons tar, se mandou publicar o presente
pelo Diario de Pernambuco.
Secretaria do thesouro provincial, 21 de dezem-
"Iro de 187i.
0 secretario,
Miguel Alfonso Ferreira.
Tabella n. 1.
Copia. Para o fornecimento do sustento
dos presos pobres recolhidos d -casa de de-
tenc^o.
Almoco para todos os dias vda semana, para uma
pessoa.
143 grammas de p5o.
28 ditas de cafe em caroco.
50 ditas de assaear mascavado, refinado.
Lea ha, a necessaria.
Ceia para todos 09 dias da semana, para uma pes-
soa.
86 grammas de pao on bolacbas.
28 ditas de eafe em caroco.
SO ditas de assucar mascavado, reflnado.
LenOa, a necessaria.
Jantar para os domingos, terras e quintas-feiras,
para uma pessoa.
459 grammas de caroe verde.
44 ditas de toucinho (o necessario para tempero).
$ decilitres de f*rinha de mandioca.
JLenha e sal, o necessario.
Jantar para os dias segundas e quartas-feiras, pa-
ra urna pessoa.-
229 grammas de carne secca.
14 ditas de toucinho.
2 decilitros de feijao.
t> ditos de fariuha de mandioca.
Lee ha, a necessaria.
Jantar para os dias sexta3 e sabbados. para uma
\ pessoa.
229 grammas de baralhao.
2 decilitros de feijao.
S ditos de farinha de mandioca.
7 mililitros de azeite docs.
3 centilitros de vinagre.
Lenha, a necessaria.
Alem dos generos contidos na tabella preceden-
te, sera fornecido, independente de indemnisacao,
o barbante necessario para formular as rac.oes de
earne e baealbao, moinho e torradorpara torrar e
moer o cafe.
Tabella n. I
Tara o fornecimento das dietas
doentes.
Dieta n. I.
Compoe se unicaroento de urn quarto de gaili-
nha para tres caldos no dia, lenha, a necessaria.
idem n. 9.
Almoco.HI grammas Je pao.
57 grammas de arroz para canja.
Lenha, sal e vinagre, o necessario.
Idem ii. 3.
Almoco.-0 mesmo da dieta n. 2.
Jantar. Meio quarto de gailinha cozinha.
Urn quarto de gailinha assada.
Ill grammas de pao.
Lenha e sal, o necessario.
Idem n. I
Almoc,o.31|2 grammas de caa da India.
114 g.-ammas de pao.
50 grammas da assucar relinado, 2.'
sorte.
Janlar. 4S9 grammas de carne verde, cozida.
5 decilitros de farinha de mandioca.
Lenha e sal, o necessario.
Idem ii. 5.
Almoco.0 mesmo da dieta n. 4.
Jantar. 459 grammas de carne verde, assada.
114 114 ditas de pao.
Lenha e sal, o necessario.
Sob as bases acima, obrigo-me a fornecer, tanto
as diversas qualidades de rac0e9, como dietas na
razao do 400 rs., umas pelas outras, sendo os ge-
neros necessarios para ellas entregues na casa de
netencao, cuja conduccao correra a minha custa.
Tinha estampilha de 2(0 rs. Pernambuco, 8 de
outubro de 1S74. Jose Flias de Oliveira. Con-
lorrae..-^) official-major, Luiz Salazar Moscoso da
Venja Pessoa.
Conforme,
____ Miguel A/f'onso Ferreira.
RQ*:do.ft!SCOnde de- Albuquerque.
241$000
681*000
481,000
243/000
243*000
240/000
300/000
Casa terrea n. 101.
(dem n. 91. "t \
_ BeCCo do Abreu.
Sobriao de 4 andares n. %.
Rua dos Pescadores
Casa terrea b. it........
Rua de S. Bento (Olinda)
Sobrado n. 17........408/000
PATRQIONIO DOS ORPHAOS.
Rua do Commercio
Sobrado n. 30.......800/000
Rua da Uoeda.
Casa terrea n. 21 fechada).. 400/000
Becco das Boias.
Casa terrea n. 18.......421/00*
Rua da Lapa.
Sasa terrea n. 11.......202/OOC
Rua do Amorim.
Sobrado de 2 andares n. 23 6020000
:sa terrea n. 34......122/OOC
Ruar do Bagos.
Casa terrea n. 21.......153/OOC
Rua do Vigario.
t* andar do sobrado n. 27 (fechada)
1* andar do mesmo (fechada) .
l.oja do mesmo fechada. .
Rua do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 13 (fechado). 1:400/000
Rua da Senzalla velha
Idem n. 16........209/000
Rua da Guia.
Casa terrea n. 25 209/000
Idem n. 29.......201/000
Rua do Bam Jesus
Sobrado .n. 41.......600/000
Rua de S. Jorge
Casa terrea n. 103......207/000
Idem n. 108........208/000
Idem n. 98 ...... 241/000
Parnameirim.
Sho n. 1 0 590/000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
irremat as saas flanr.as, ou comparecererr
acornpanhado3 dos respectivos nadores, devendo
pagar alem d 1 renda, 0 premio da qaantia em
que for sej,nro 0 predio qua contiver estabeleci-
mento commercial, assim como 0 servico da lim
peza e preco dos apparelhose e nnuidades.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do R
cife, 10 de dezembro de 1874.
Oescrivao,
______________Pedro Rodrigues de Souza,
Consuld provincial.
Pelo consulado provincial, faz-se publico aos
respectivos contribuintes, que do 1.* de dezembro
vindouro por diante comeca a correr 0 prazo dos
30 dias uteis, marcados no art. 34 do reg. de
17 de junho de 1873, para a cobranca do primei-
ro semestre de decima urbana e de 5 0|o sobre
bens de mao morta, no corrente exercicio de
1874 a 1875, incorre ndo na multa de 6 0(0
aquelle3 dos contribu ntes que nao sati3fizerem
nesse prazo os seus debitos.
Consulado provincial, 27 de novembro de 1874
0 administrador,
__________Antonio Carneiro Machado Rios.
Tliomaz de Aquino tonceca & L
Successores
saccam por todos os vapores, sobre as seguintei
pracas :
Lisboa. Regoa.
Porto. Chaves.
Braga Villa-Flor.
Vianna. Mirandella.
Viseu. Alijo.
Guarda. Favaios.
Coirnbra. Braganga.
Guimaraes Lamego.
Rio de Janeiro.
Na rua do Vigario n. 19.
esposo, os sens remlimentos serao applicados aos
encargos do roalrimon 0, sem qua flquem sujeitos
ao pagamento de dividas contrahidas antes do ma
irimonio ou na cont.tancia deste.
Por morte de um dos esposos 0 sobrevivente sa-
hira com os bens com que entrou, com os denials
que Ihe deve pertencer por forca desla escriptura,
e com a meacao des adqniridos na eonstanua do
matnmonio, e 0 mesmo direito teem os herdeiros
ou legatarios do conjuge fallecido.
Em caso de separacao dos esposos por qnalquer
motivo, serao todos os bens dotaes restitoidos, e
sua admiuistracao e renJimentos caberao exclusi-
vamente ao conjuge a que pertencerem sem de
pendencia de senteiica, por forca desta escriptura.
Secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco, 17 de dezembro de 1874.
0 official-maior,
Julio Guimaraes.
COMPANHIA
Recife Drainage.
A companbia faz sciente para conbeeimento dos
senhores proprietarios dos predios abaixo declara-
dos, que os apparelhos nos mesmos collocados
urinciiiiarao a funccionar no correate mez.
Travessa do Paltcio do Biipo n. 21.
Rua do Riachnello n. 55
Rua do Visconde de Govanna n. 79.
Rua da Ponte-Velha n. 28.
Recife, 26 de dezembro 1e 187,
0 gerente,
J. Dowriey Junior.
AVISOS MARITIMOS.
rptos
Real companhia de paque-
tes inglezes a vapor.
No dia29 correnteo don
espera se dos portos d,
I ul, 0 vapor iogtez Neva
commandante West, 0
3ual depois da demora
0 costume, aeguira para
f Southampton, tocando nos
de S. Vicente e Lisboa
sagens, fretes. etc.,. trata-se na agen c >
Rua do Comm ercio n.iO.
COMPAMIAP ERNAMFUCANA
DE
^'avegacSa costeir* a vapor.
Macei6, escalas, Penedo e Aracaju'.
0 vapor Jaguaribe,
commandante Julio,
seguira para os por-
tos acima no dia 30
do corrente met, as 5
boras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 29, encomnendas, di-
uheiro a frete e passagens ate as 2 horas da tar-
de do dia da sahida : escriptorio ao Forte do
Mattos n. 12.
LEILaO
10 Caizas com queijes londrinos, chegados
pelo ultimo vapor
SEGUNDA-FEIRA 28 DO CORRENTE
as 11 horas
Rua do Bom Jesus n. 43.
0 ageme Pinto, levara a leilao, por conta e risco
de quem pertencer, 10 caixas com queijos londri
nos novos, e proprios para 0 tempo de festa, as 11
horas do dia acima dito, em seu escriptorio, rua
do Bom Jesus n. 43.
LEILAO
DE
uma berlinda nova e em bom estado, 3 car-
ros depasseio, 2 pares de arreios e 3
cavallos, existentes na cocheira n. 25, a*
rua do Imperador
Terca-feira 29 do corrente
as 11 horas da manna
Por mandado do Illm. Sr. Dr. joiz de direito
da 2.' vara desta cidade, e por execucao que mo
ve Albino da Silva Leal, 0 agente Pinho Borges,
levara a leilao os bens acima especiflcados, penho-
rados a Manoel Baptista do Nascimento, os quaes
desae ja se aeham patentes para os Srs.-preten
denies examinarem.
ne escriptorio a rua do Bom-Jesus n. 83,1* andar.
0 agente Pinho Borges, levara a leilao as refe-
ridas casas, por conta e risco de quem pertencer ;
is Srs. pretendentes podem desdeija examinar, e
lualquer esclarecimento com 0 mesmo agente.
Ao publico.
Terceiro
LEILAO
DAS
armaches, moveis, drogas e mais utensilios
existentes na botica denominadaPopu-
lar, sila .1 rua da Imperatriz n. 71, per-
tencente a massa fallida de Gon^alves
Fiaiho & C.
TERgA-FEIRA 29 DO CORRENTE
A's 11 horas da man ha
0 agente Dias, competentemente autorisado pe-
lo Ulm. Sr. Dr. juii especial do commercio, leva-
r a a leilao, no dia e hora acima Indicados, as ar-
maches, moveis, drogas e mais utensilios existen-
tes em 0 referido estabalecimecto.
0 mandado contendo todos os esclarecimentos
precisos, acha-se em poder do agente, onde desde
ja pode ser examinado pelos Srs. pretendentes.
avisos DVEBSOS
Atten^ao
0 abaixo assignado declara a toJos os seus de-
vedores que quizerem saldar suas c Bias que 0
pr;curem na taverna n. 48 da rua do Raagel, isto
ate_o flm de Janeiro de 1873, e aquelles qt>e assim
0 nao fizerem, nio se arrependam de todae qual-
quer meio de que 0 abaixo assigaad > lancar mao
para esse flm. T
______________Boavenlnra Jos6 Coelhp.
Maria Thertza Fernandas Baptista.
Estevao Jorge BaptisU, Paolo Jos6 Baptista,
Rosa Maria Baptista, Joaquina Rosa da SBa Per
nandes. Rosa Maria Fernandes Baptista, Jose Joa-
quim Fernandes e Braz lanuario Fernandas, pun-
gidos da mais aeerba d6r pelo passament'i de sua
presada e sempre lerobrada consorte. nori filha e
irma, Maria Thereza Fernandes Baptista,lagnde-
cem cordialraente a todas as pessoas que se dig
naram acompanhar os restos mortaes ate ao cemi-
teno publico ; e de novo rogam a todos os seu*
parentes e amigos 0 caridoso obsaqnio d assist!-
rem as missas, que pelo repeuso eterna de sua
alma, mandatn resar na igreia da Madre de Deo
as 7 horas da manha do dia 29 do corrente, seli-
m" dia do sea fallecimento ; par ste acfc de ca-
ridade e religiao, desde ja antecipam os seas eter
nos agradecimentos.
Antonio Ferreira da Rocha, outr'ora mora* 1
na cidade de Sibrai, provincia do Ceara, e acta*!-
mente nesta praca, de hcie em diante asskaar-te-
ba por Antonio Iridoro Fernandes. Recife, M Me
dezembro de 1974.
Alugase
0 armazera da rua do Burgos n. 11, 0 I* andar *
mesmo sobrado, assim como 0 2* andar do sobradi
da rua da Sen ala velha n. 76, a no qoarlo bo
mesmo sobrado, no becco lapado, e uma oatr*
casa na travessa do Mooieiro, em Santo Antowa,
n. 2 : a tratar oa roa da Praia n. 20. com Jow
Feliciano Nazareth.
aos presos
Companhia Fidelida 'e
Seguros maritimos e terrestres
A agencia desta companhia toma seguros mari-
timos e terrestres, a premios razoaveis, dando nos
ultiraos 0 solo livre, e 0 setimo anno gratuitj ao
segurado.
Feliciano Jose Gomes,
Agente.
Imperial sociedade dos artis-
tas mechanicos e liberaes.
Tendose novamente marcado 0 dia 3 de Janei-
ro proximo futuro par- proceder so a eleigao dos
membros da direcloria, convido a todes os socios
one paiin.vwa'iiJ^ABVaicceitfiir-coIJi' o's aemais
no dia aesignado, pelas 10 horas da raanhS, afim
de seeflectuar a eleicao. Recife, 21 de dezembro
0 1 secrets rlo,
_______________P. P. dos Santos'.
Porto por Lisboa
a barca portugueza Firmeza vai sahir com brevi-
dade : para carga, trata-se com Silva Guimaraes
& 6., praga do Corpo Saoto n. 6, 2 aodar.
Companhia Allinga Mariti-
ma Portuense.
Empreza do navegagao entre 0 Brasil
e Portugal
Barca portugueza Victoria
Para 0 Porto
A sahir com a maxima brevidade. Recebe car-
gj e passageniros : a tratar com Jose da Silva
Loyo& Filho.
LEILAO
DE
um sobrado de um andar, em a rua do BiDo
Cooiinho, outr'ora Nova, em Olinda, com s'ia
nellas de frente, 2 grandes salas, 9 quartos e 1
vasto salio no sotao, com gaz canalisado, can-
diciros e lustres; 1 grande cocheira ao lado do
mesmo, quintal cercado, com arvoredos tract!-
feros, e ama grande cisterna que conserva agua
de inverno a verao e vice-versa.
Este predio torna-se muito fresco por ser edifi-
cado no melhor local de Olinda, e esta livre e des
embaracado de qualquer onus.
Quarta-feira 9 de dezembro
as 11 h.ras da manha
Em a rua do Marquez de Olinda n. 37, | andar.
0 agente Dias, competentemente autorisado, le-
vara a leilao, no dia e hora acima indicados, 0 re-
ferido predio.
Os Srs. pretendentes podem desde ja examina
ah pois as chaves do mesmo estao em poder do
JS- Luiz do Rego, administrador do hospicio de
o[,enados.
Joatiuim Pedro de Gtigmao
Villela
A viuva do tenente-coronel Jolo
Valentim Villela, D. Isabel Ignacia
de Gusmao Vilkla, seus filbos e
genros agradecera profundmente a
todos os amigos e parentes que se
dignaram acompanhar ate ao sea
ultimo jazigo 0 corpo de sen amado
lilho, irmao e cunhado, Joaquim Pedro de Gusmao
\il!ela,e rogam acs mesmos parentes e amigos 0
caridoso obsequio de assistirem as miisas que
mandam resar na igreja do Carmo, as 7 faoras da
manha de quarta feira, 30 do corrente, setimo dia
de seu passamento.
/Anna Pinbciro Leal Reis
Antonio Jos6 Leal Reis Filho,
Joaquim Pinheiro Jacome, Joaqaioa
Pinheiro Jacome, Antonio Jose Leal
Reis, Carolina Libania de Lemo3
Reis, seas irmaos e cunhados, agra-
decera cordialraente a todos os seus
parentes e amigos que sc dignaram
acompanhar ao ultimo jazigo os restos mortaes de
sua presada esposa, filha, nora, irma e ennhada,
Anna Pinheiro Leal Reis ; e do novo convidam
para assistirem a missa, que pelo repouso eterno
da mesma Dnada, mandam resar na igreja de H
*, d0o Carmo, na segunda feira 28 do cprrente
pelas 8 horas da manna, setimo dia de sea passa-
pelo que coufessam gratidao.
mento
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade 0 brigue
Isabel, tem parte de seu carregamento engajado :
para 0 resto que lbe falta, trata-se com 0 seu con-
signatario Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, rua
do Bom Jesus n. 87.
Para o Porto e Lisboa
pretende seguir com pouca demora a barca por-
tugueza Social, por ter porcao da carga eDgajada;
e para 0 res'o que Ihe falta e passageir .s, trata-se
com os consignatarios Joaquirutuse K"-1......">'
tORREIO
ReIar;ao das cartas que deixaram de seguir
a seus destinos por falta de frsnquia
Correio de Pernambuco, 11 de dezembro
de 1874.
. Agust n Costa Errero, A. J. Gomes Nelto, Anto
nio torreia, Antonio Joaquim dos Santos (2), An-
tonio Jose de Brito, Bessa & Cardoso, Directores da
companhia alliaoga maritiraa, Domingos Francisco
Kios, Encarnacion Ballon de Julia Barcellona
brnilia Rosa Gomes, EstevSo Jose" Brochado, Fran-
cisco Salles Mendonca Silva Carvalho, Julia Casals
oe Usales, Joaquim Antonio Vieira da Silva, Joa
quim Adrian da Rocha Sobrinho, Joaquina Jacin-
ha Joaquim Jose Marques Guimaraes, Joito Bote-
Ino Juni r, Joao Mendes de Araujo, Jo.'6 Bio Bar-
reto, Jose Marques de Farias, Maria Rosa Gomes
Maria \ egundo, Maria Thereza, Manoel Gomes dos
Santos Sena, Placido Irmaos, Tablo Julia, Paulino
andido Santiago, Serzedello & C, Severino de
ePot
Companbia allianco maririma
portuense
Empreza de navega^ao entre 0 Brasil
tggal
PARA 0 PORTO
Barca portugueza Jvven Adelaide, a sahir com a
maxima brevidade, recebe carga e passageiros :
tratar com os seu3 consignatarios Jose da Silva
Loyo & Filho.
LEILAO
BAHIA
Segue com este destino, nestes quatro dias, 0
palhabote Rosita, tomando para 0 referido porto
a carga que Ihe apparecer, por isso quem quizer
aproveitar, pode dirigir se aos consignatarios Joa-
quim Jos6 Goncalves Beltrao k Filho, a rua do
Commercio n. 5.
Bance Commercial de Per-
nambuco.
A directoria do Banco Commercisl de
Pernambuco convida aos Srs. accionistas
a reunir-se em assembled geral extraordi-
lwria, no dia 14 de Janeiro vindouro, ao
meio dia, na casa do Banco, a* rua do Vi-
gario Thenorio n. i, afim de resolver sobre
- reforma dos estatutos ; notando, porem,
tjie nao podem tomar parte os Srs accio-
nistas cujas acgoes nSo tiverem sido regis-
^radas quatro raezes antes, como dispoe 0
artigo 51 dos mesmos estatutos, assim co-
0 encarregado da expedigao,
A. H. de Araujo Pernambuco.
51 dos
mo deverSo ser apresentados no banco, pe-
lo menos tres dias antes do da reuniSo, os
Acumentos comprobativos do direito de
*Dtar, conforme 0 disposto nos artigos 60
61.
:,Recife, 26 de dezembro de 1874.
Os directores,
Joao da Silva Regadas.
Antonio Jose" Leal Reis.
_____________Franciseo Ferreira Baiter.
COJteLLHO DE COMPRAS DO ARSENAL
DE MARINHA
0 conselho no dia 30 do corrente mez contrata
roLhVODdlloe3 d0 e9t5'l0> e vista de propostas
receb.das ate as 11 horas da manha, 0 forneci-
mento ne tnmestre proximo vindouro de Janeiro a
marco, dos seguintes objectos :
Para aprendizes artifices.
Bonets do uniforrae, bonets do servico, cober
lores de la, cobertores de algodao, sapatoes e lac-
cos de guardar roapa.
Para imperiaes roarinheiros, aprendizes ditos
a marinhagem.
nonets de panno azul ferrete, cobertores de la
fiS .de.8edaJP''eta para gravatas. sapatoes e
saccos de loua de marinhagem.
Para 0 arsenal.
Lanao cok e dito de ferreiro.
Sala das sessoes do conselho de eompras
do arsenal de marinha, 26 de dezembro de
eslerlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio n. 42.
DE
uma casa terrea n. II, sila a rua 27 de Janeiro,
outr ora Paro Castelhano, na cidade de Olinda
a qual tem 88 palmos de comprimento e 29 li2
de largura, com porta e janella na frenle, porta
e janella no oitao, 2 salas, sendo a de deiraz
assoalhada, sob a qual existe uma loja, 4 quar-
tos, cozmha interna, quintal murado com 160
palmos de extensao, cacimba, 1 terreno ao lade
TerQa-feira 5 do Janeiro de 1875
A's 11 1| horas.
No escriptorio, a rua do Bom Jesus n.
primeiro andar.
Por ordem do Illm. Sr. Dr. Jose Antonio de Fi-
gueiredo.testamenteiro do finado Dr. Antonio da
hSTCi Ca1bra1, agenl9 PiDh0 B^S fart
^/ef,rida casa' e *'ua,(luer esclarecimento!
corn 0 mesmo agente. '
Os pretendentes podem desde ja examina /a.
53,
Ao cunoso.
Jose Antonio Domingues de Figueireda tendo
vislo un? anouncio no Diario de 26 do correnie
respopde ao curioso que leia, conte, e veja se sao
OU DclO oi.
Manoel Ignacio das Neves.
Joao Marinho Barros Falcao.
Manoel Firmo do Nascimento Gouveia.
Pedro Satiro d9 Sales.
Antonio Ferreira de Oliveira Santos
Jos6 Pergentino de Oliveira.
Possidonio F. de Barros Couqueirao.
Cosrae de Souza Ferraz Bandeira.
Antonio Maximino Luiz Medeiros.
Inneu Placido de Freitas.
Joveniano Simpliciano da Silva Albuquerjue.
Antonio Gregorio do Carmo.
Antonio Ignacio Vieira de Mello.
Manoel Jose Cardoso.
Joaquim Francisco da3 Chagas.
Alfredo de Souza Cirne.
Manoel Roberto .da Paz.
Miguel Augusto Moraes.
Ivo Severino II. da Garaa.
Paulino Joventino S. de Souza. "
Silveslre Ribeiro de Albuquerque.
Manoel Bassos Cascmiro.
oao P. R. da Silva.
Jose A. Rodrigues.
Jose F. de Mello Carneiro.
rrancisco A. de P. Machado.
Antero Regio da Silva.
Thoraaz Francisco de Aquino.
Pedro A. Rodrifcues.
Heleodorio.
Jose Januario da S. Santos.
Aula particular de primeiras
letras
Mano'l de Souza Cordeiro Simoes avisa aos f-
nhores pais de seas alumacx, qae no dia 7 de i.
nuro proximo vindouro se achari aDeiia a u-
aula ; e ao respeitavel public j, qae coatioua ada
mittir alumnos externos e ioterai-a, peasiomstas .
melo-pensionislas: na mesma roa, travessa dot
expostos, 2* andar da casa n. 16, frecaesia de Sao
to Antonio do Recife.
Perdeu-se na noite de 2i do corrente, m
entrada da raatriz de S. Jose, ama mania de file, dr
seda : a pessoa qae a achoa, querendo restitai-la
pode entregar na roa Vidal d-* Negreiros n. 153'
padaria ; mailo se agradecera, e se for eiigido sc
recompeosara.
JARDIM das rums
s (CapoBga)
n
A rua da Ventura
Abi se encontram:
Larangeiras eelecta e de nmbigo enxertadas a
Sapotiseiros e sapoteiros em vasos, de I all
palmos e ate ja com (lores para dar frncto, ale*
das seguintes plantas de ornato e de Iructo
pre?o mailo commodo.
por
Abacati.
Acacia.
Ariticum a pe.
Canella.
Casuarina.
Carolina do principe.
Condeca.
Corafio da India.
Figueira.
Flamboyant.
Fracta-pao.
Inga do Para.
Jam bo.
Jasmim laranja.
Laranja da China.
Uita do ceo.
Dbaia e ootras mvitas.
Laranja eraro.
Dita de doce do Para.
Dita branc.
Dita tangerina.
Lima da Persia
Una dbig.
Limao francez.
Dito doce, enxertado.
Oiticor6.
Palmeira iprial.
Parreiru.
Pinheiras.
Romeiras.
Roeiras.
Rozeda.
Ubaia.
Arrenda-se a propriedade Rarra de Stri-
nha.-m, sita a freguezi 1 do mesmo nome, com qaa-
.' 3|i de legua de extend, e meia legoa de lar-
gura, beira mar e na foz do Rio Serinhaem, com
muitos pes de coqaeiros a desfrucUr, e maitas
rendas de solo a receber anoualmente, mnito oro-
pna pnncipalmente para qual juer tstibele'-lmen-
to de seccos e miiliiadris : a tratar a rua da Aa-
rora 0 Co, ou a rua do Imperador n. 20.
_ .1 Precisa-se de aim ama para ozinhar
padaria da rua da Santa Cruz n. 3.

Tiiumpho da
S\L.SAPaVlUUL.Ha\
DE
BRISTOL
LEILAO
DE
Kkt?e a,AmaKem D- 33' com tres P^tas de
eaco,n stea, bastante grande e fresca e tendo
?m ,kl'Cada de volta' ^Uin,al- "<> 1e esgoto e
2LSaoProPr'. "qualfoi reedificado ha pouco
tempo e bastante iendoso.
Ter^a-feira 5 de Janeiro de 1875
Ao meio dia.
no escriptorio a rua do Bom-Jesus n. 53,
dar.
I. an
Rio de Janeiro.
Pretende seguir com muita brevidade a barca
portuguezSoz-fca, por ter a maior parte de seu
carregamento engajado, e para 0 resto que lbe
falta, trata-se com os consignatarios Joaquim Jose
Goncalves Beltrao & Filbo, a rua do Commercio
Por intervened do agente Pinbo Borgeo.
Os
pretendentes podem desde ja examinar e
qnalquer esclarecimento com 0 mesmo agente.
Lisboa e Porto
Vae sahir com muita brevidade 0 brigue portu-
ffrLJ,'Hperual' porter *rande Pe de carga
prompta. Para 0 resto e passageiros, trata-se
com os consignatarios Thomaz de Aquino Fonce
ca & L. Successsres, a ma do Vigario n. 19.
JUNTA CASA
DA M1SEK1COKDIA DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrattva da Santa Casa da
Kiaericordia do Recife, manda fazer pablico an
na sila de suas sessoes, no dia 17 de dezembro, V
tta 3 horas da tarde, tem de ser aiTeinatadMi
qa*m mau vantagens oflerecer, pelo tempo de am
a**!68 "m08aB rendas dos predios am seguida
BSTABELECIMfiNTO DE CARJDADB.
Casa terrea n. 94
idem n. 112 .
Vidal de Negreiros.
3014006
327&0O0
310/000
ssuooo
.. ,Rn* ltr* doRosarlo.
i* andare loja n. 2i A fechada .
J.' andar n. 24 A idem.....
Roa de Antonio Henrique*.
Casa terrea n. J6 (fechadaV .
Largo da Campina.
limn. 11 (fechada)......ijoiooo
Rua do Corooel Suassuna
ndar do sobrado n, 94 400/000
99/000
0 secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
TRIBUNAL DO COMMERCIO DE PERNAM-
BUCO.
De ordem do meritissimo tribunal do commar-
cio de Pernambuco faz-se publico qae nesta data
foi registrada nesta secretaria a eseripmra ante-
nupcial, celebrada entre Manoel Joaquim da Costa
Carvalho, na qualidade de tutor da orpba, maior
de 12 aouos de idade, D. Thereia de Jesus Aze
vedo Vianna. e Paulo Pereira Simoes, para oste se
casar com a dita orpha, mediante as seguintes es-
tipaiaeoes, fixadas pelo desembargador juiz de or-
ptiaos deste termo do Recife, no competente alva-
ra de Iicenca :
Nio havera commnnhSo de bens entre os espo-
pss ,senao quanto aos bens adqniridos por traba-
Iho on neg cms na consuncla do matrimonio. A
nuoenie entrara por6m para a commnnhlo com a
quantia de 8:300 em apolices da divida publica
provincial e a importancia do saldo em dinheiro
que se verificar na presucao de cxntas de sea ac
taal tut r.
Considerar e-h5o bens dotaes 0 predio sito i
rua do Marquez de Olinda 0.17, a sexta parte do
sitio a Passagem da Maglalena roa de BemBc. 0.
11, 0 predio sito a rua de Marcilio Dias n 108, os
bens on vaiores que vierem a pertencer a nubente
pela doapio feita por sua mSi, conforme a escrip
jura de 23 de dezembro de 1869, em notas do ta
belliao Almeida.
Tambem nio entrarSo para a commnnbao e se
considerarao doUes todos os bens qae por heranca
on titulo gratnito tourer de pertencer a orediu
nubente.
COMPANHIA PERNAMBUCANA----------
.^avegaeuo casteira a vapor.
Fernando de Noronha.
0 vapor Giquid, comman
dante Martins, seguira para os
portos acima no dia 2 de janei-
ro, ao meio dia.
Recebe carga ate as 10 horas
n dia da sahida ; eneommendas, passageiros e di-
*hro a frete ate as II boras do dia : no e,crip.
ono do Forte do Mattos n. 12. p
DE
uma grande casa terrea site & rua de S. Jo-
se" n. 37, com as coramodidades seguin-
teu : t? Salas' 3 luarlos g^nde cozi-
nha fora, quiptal murado e bastante gran-
de, e cacimba
Terca-feira 5 de Janeiro
A'S 11 HORAS DA MANHJ.
No escriptorio da rua do Bora Jesus n. 53,
primeiro andar.
Por >ntei-Ycn-uo do agente Pinbo
Borges.
Os Srs. pretendentes podem desde ja examinar e
qualquer esclarecimento, com 0 mesmo agente
Agradeclmento.
Francelina Gomes Powell e seus lllhos faltariam
a um eminente e sagrado dever, se nao ouassem
romper 0 silencio, para do alto da impren*i offe-
recerem aos Illms. Srs. Antonio Vieira de Barros e
Tito Augusto Porto Carreiro, uma significava pro-
va de sua amizade, pelos espontaneos serrieosaos
se dignaram presiarna o;casiao do cnterro'de eu
chorado esposo e pai, Jos6 Roberto Powell, como
tambem se reconheciam ingratos senao escreves-
sem aqui, com 0 mais vivo reconhecimento 0
honroso nome do Illm. Sr. commendador Alfredo
Garcia, que voluntariamente se olfereceu para 0
que fosse preciso. Renov r 0 que se dlgnou fa-
zer-nos este benevolo cavalheiro, tornar-se-hia des-
necessario, em virlude do valor e grandeza de seu
coracao ; entretanto podem a9 pessoas que teem a
dita de 0 conhecer, avaliarem 0 importante auxilio
que sinceraraente nos tributou, em tao aeerba oc-
casiao. Aceite 0 Illm. Sr. commendador Alfredo
nossa profunda gratidao, cuja maior valia consiste
em ser sincera e verdadeira ; e desculpe-nos, se
com estas pobres palavras, dictadas do coracao, va-
mos ferir sua modestia. Recife, 28 de dezembro
de 1874.
Ama
leilao
LEILOES.
LEILAO
Em o armazern
- DE
magnificos objectos de bellas artes em ala-
bastro e marmore de Florence, esculpido
copiado daa melbores galerias da Italia
Hoje
a 11 haraa em ponto.
" 9, na pracn do Corpo
Santo.
?* lf?!f Di*"' e9"Pt>tementa antorisado, le-
vara a leilSo, no dia e bora acima indicados, as
8 caixas com objectos de alabastro e marmore de
Florence, os qaaes nio paderam ser expostos em e
. leilao, p>r falu de espaeo
Aber x
Vasos romanos.
Ditos gregos.
Ditos etruscos.
Tacas diversas.
Fructeiras ditas.
Porta-joias.
A administracao de todos c, ben. pertenceri Jp^efa^ M5
DA
armajao, ntensilios e generos da taverna si-
te a rua da Santa Cruz, no bairro da Boa-
Vista, propria para qualquer principiau-
te do commercio
Sabbado 2 de Janeiro de 1875
A'S 11 HORAS EM PONTO.
0 agente Pinho Borges, bastante autorisado, le-
vara a leilao 0 que acima se declara, por conta e
risco de quem pertencer. 0 balanco e a chave
da refenda taverna acha-se do poder do mesmo
agente, qae tambem dara qualquer explicacao re-
" LEILAO ~
DE
Predios
S casas terreas, em chao proprio, slus no Cal
deireiro, freguez.a do Poco da Panella, as quaes
fleam bem eontronle a estacSo da via-ferrea, com
as seguintes commr.didades, cada ama deltas: 2
salas grandes, 2 qoartos, cosinha f6ra, qoinui
grande e cactmba, sao recommeodaveis por serem
bem construidaa e acbarem-se em boa lecalidade
com agaa eneanada; rendem annnalmeote 1:200/
e sempre estao alugadas; estao livre? e desemba
rarudas de qaalqa-r onus.
Os Srs. proprieurios e capitalistu qneiram an-
parecer a este leilao v
Teruafeira, SdeJaneiro
ds 11 horas
Pre isa-se de uma ama para
cozinhar : a tratar na rua da
Uniao n. 33, junto a macnam-
bomba de Olinda.
Martinho fugio.
No dia 21 do corrente desappareceu 0 escravo
acima, tendo os signaes seguintes : idade 33 an-
nos mais ou menos, cabellos carapinhos, sobrance-
Ibas pretas, barba aparada, cor parda, tem todos
os denies, nsa de chap6o de ceuro, 6 muito ladino
tocador de violao, e se intitula forro; esse escra-
vo e natural do Seridd, e consta que para alii se-
guio em companbia de uma preta; roga-se a to
das as autoridades e capitaes de campo naeiram
aprehender dito escravo, e leva-lo a raa da Madre
de Deus n. S, 1 andar, das 9 horas da manha as
1 \*' oa a rua de s- GonCa|o n. 29, sobrado
ao lado da igreja, que serao reeompensados.
Vende se oa arrenda-se 0 engenbo S. Gas-
par, sito a freguezia de Serinhaem, terreno de
CURA OS CASOS MAIS DESESPERAnOS
A SAFSAPARRII.HA DE BRISTOL pur>
Gca a massa do sangue, expelle para f?ri
todas as materias e fezes viciosas e impnres,
regula todas as secrt^Ses, di vitalidadt c
onopori* a tnitnc nc inline o Ai forra, vi-
gor ao systema afim de poder melhor res*
tir a todos os ataques da enfermi lade. T
pois este um remedio constitutional. Elk
nunca distroe afim de poder curar ; por^rr.
constantemente assiste a nalureza. Portant?
em todas as doencas constiluciomies e em to-
das asmolestias locaes dependent?, dum es-
tado vicioso e imperftito do systema em ge-
ral, achar-se-ha que a Salsaparrilha M
Bristol e um remedio seguro e efficassis?:
mo, possuindo inestimaveis e incontesUvcle
vrtudes.
As curas milagrosas de
Ilaicroriilasi,
llcerns.1
Chagas antijra*,
ENFERMIDADI1S SYPnlLIifCAS
ERYSIPELAS,
RHELMATISMO,
NEVRALGIAS,
ESCOUBUTO,
ETC.,ETC., ETC.,
que tem grangeado e dado o alto renorae
Salsaparrilha de Bristol
por todas as partes do universo, sio tao se-
meme devidas A
CNICA LEGITIMA E ORIGINAL
Salsaparrilha de Bristol
__________PHARMAQA CfyTRAL
Vigor do CabelTo
DO I
Dr. Ayer.
Para a renovadlo do ca-
beilo, restituicSo de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
massape e paul, com erabarqne mui proximo, bas-
tantes partidos de malUs, a roda da moenda : no
caso de arrendamento serio concedidrs alguns
annos de fogo morto, segundo as respectivas con
dicoes : a traUr a rua do Imperador n. 20, on I
ua da Aurora n. 65.__________
Massa fallida de Jose Narci-
so da Silva & C.
Manoel Monteiro da Conba tendo arrematado
todas as dividas da mas a fallida de Jos6 Narciso
da Silva & C, por mandado do Illm. Sr. Dr. Juiz
especial do commercio, avisa aos senhores deve
dores a mesma massa, qae flodo 0 prazo de 15
dias, tenham a bondade virem satisfazer seas de-
bitos; findo este prazo e 0 nio tendo feito, elle se
vera constrangido a juiza los. Ontro aim, avisa
que a unica pessoa autorisada a receber taes divi-
das 6 0 Sr. Jose Maria de Carvalho, a raa da Im-
peratrix n. 32, loja.
Alugam-sc
boas casas de campo, na Cruz de Almas, P6co da
Panella : a tratar com 0 commendador Tasso.
(iaixeiro
Ainda se precisa de am caixeiro com idade de
13 a 14 annos, portuguer : na rua da Florentina
numero 22.
Aluga-se
3* andar e sotao do sobrado da rua da hnpera-
ran. B3; a tratar no andar do mesmo so-
rado.
0 Vigor do Cahftxo & uma preparacfc m
mesmo tempo agradavel, saudavel e efficac para
conservar 0 cabeUo. Por meio rlo sea nso o
cabello rnco, grisalho, e enfraqnecido, dentro d
pouco tempo revolve k cor one Ihe e* natural *
primitiva, e adquire 0 brilho e a freecur* do
cabello da juventude; o cabello ralo se torna
denso e a calvicie muitas vesea, posto que ttia
em todos os casoe e neutralizada.
Nao ha nada que pode reformar o cabello
depoie doe follicnloe estarem deetruidea, e as
glandes cansadas e idas, mais se ainda restarena
sJguma podem ser salvadas utiliradas pla
apphcacSo do Vigor. Libre de essas snbstaztciae
deleteriaa que tomam muitas preparacoes de este
genero tarn nocivas e destructiras ao caWDo, 9
Vigor sdmente lbe e beneficial. Esa rec d
sujax 0 cabeUo e o fazer pegajoso, o osswerra
umpo forte, embeUizando o, impedindo a qwd*
o tornar-ee ruco, e por consequinte prerine
calvicie. ~ u
Para uso da toflette nio ha nada mais adW-
jar; nSo contendo oleo nem tintora, aJo pod
manchar mesmo o mais alro lenoo de casabaua;
perdura no cabello, Ihe di um lustre '
um perfume muita agradavel.
Para reformar a cor da barba, e* i__.
mais tempo de que com o cabello, porem s pod*
apprenar o effeito, enrolvendo a barba de uoit*
com um lenco molhado no Vigor.
Dr. J. C. AYER OA, Lowell,
SsMadoa TTniOom,
VKNOB ax SOB

i
-
A


M*.

JL
Diario de Pernambuco Seguuda feira 28 de Dezembro de 1674.
PARIS
CARVAO db BULOG
1PPR0V4DO PEL* ACADEMIA IMPERIAL DE MCOICIMA
cm 27 detembro de 1819
PARIS
PARIS
7

PARIS
I
E'sobretudo as suas propriedades eminentenienteabsorventes.
qne o Cinio ate Belioe deve a sua grande efficacia. Recom-
menda-se-o especialcmente contra as affeccCes seguintes ;
OASTRALGIAS
DYSPEPSIA
PYROSIS
AZIA
digestCes oifficeis
DORES de estomago
CONSTIPACilO
COLICAS
DIARRHEA
DYSSENTERIA
CHOLERINA
IHODO DE EIPBEGO. 0 Cmio de Bell** (ChrDon it Be!loe)
toma-se antes ou depois de cada comida, sob forma de Pi ou de
Pasiilhas. Geralraente o bem estar sente-se logo depois das pri-
meiras doses. Uma informacao entensa acompanha cada Vidro
de pu e cada caixa de pastilhas.
Deposito em Paris, L.. FRERE, 19, roe Jacob.
Unico deposito na phortnacia de P. Maurer & Crun do
Barao da Victoria n. 25.
PARIS
PARIS
Alugase
urn sobrado de am andar e sotao, con agin e gaz,
na rua nova de Santa Rita n. 55 : a tratar na
Forte do MjUos, por cima do traplche Dantas. '
Escrava
Para vender bolos precisase alugar uraa esera-
a q is seja boa quitandeira, pagase bem : na
jua da Florentina n. 22.________
Perguntase ao Sr. Jose Antonio Domingnes
de Pigaeiredo, proprietario da f>brica de eigarros
do becco Largo, no Recife, se 6 certo (como diz)
ter 31 ofllciaes Ihe trabalbando, on se ist) nao e
ma is do que vontade de os ler.
Urn cnrloso._________
Collegio de Santa Ursula
Para educacSo de mcninas.
Este antigo e bem conbecido collegi', estabele-
eido no edili:io n. 32 da rua da Imperatriz, co-
mecara os seas Irabalhos no dia 7 de Janeiro pro-
ximo vindoaro. A directora abaixo assignada,
espera dos nais de suas alamnas, e do publico em
geral, o acolbimento que tern merecido ate boje,
promettendo de continuacao a sens esforcos na
boa edueacio das meninas que Ihes sao confiadas,
mantendo assim o credito adqnerido na pratica
de mais de II annos de exercicio.
Recife, 16 de dezembro de 1874.
A director*.
Ursula Alexandria de Barro.s
SW^ A tlen^ao
Os Srs. abaixo nomeados qneiram vir a raa do
Imperador n. 24, a negocio. A saber :
Antonio Joaquim da Silva BarbOsa.
Antonio da Silva Proa, marmorista.
Brancisco Jose da Cesta.
Fabiciano Napoleao do Rego Barros.
Lagos, conductor dos bonds.
JoSo Antonio Portugal.
Jose Alfonso de Oliveira Guiroaraes.
Felix Cantalice Lobo da Silva.
Manoel Jnie Ferreira Bentevi.
Quintino Moreira Dias.
Jose Paolo dos Santot Oliveira.
Silvjno Antonio Rodrigues.
Joao Gomes dos Santos Filbo.
Augusto Lobo de Siqueira Thedio.
Francisco Sergio do Rego Dantas.
Francisco Xavier Pessoa Cavakante.
Antonio Ribeiro Pontes.
Ruflno Correa de Mello.
Obras de verga.
Sofaes.
Cadeiras, as mats apropriadas para viagsns.
Mesas.
Cestos quadradoa, para armazens de fazendas.
Ditos para padaria, os mais apropriados para
venda de pao.
Cestinhas para meninas de escola.
Capachos para entrada de estabelecimentos a
portas de sala.
Carriobos para meninos.
Bercos idem.
Veodem Pocas & C., a rua estreita do Rosario
" 9, janto a igreja.
GLOBULOS DE JOSEPHAT
DE COPAHIBA PURA
ASPECTO DA CAIXINHA ABERTA
Os Globulos de Josephat, como se pode ver no dcsenho que aqui vai, sao
completamcnte esphericos e pouco mais ou menos da grossura de uma ervilha,
tornando-se d'esta maneira faceis a engolir-sc ; sua capa gelatinosa sendo muito
fina, pode-sc absorver uma quantidade relativamente consideravcl de copahiba
n'um fraco volume.
Cada caixinha contem 70 globulos reprcsentando 28 grammas de copahiba,
isto e sete grammas de copahiba de mais que as caixinhas ordinarias de commer-
cio, cujas capsulas grandes e ovaes sao engohdas com diificuldade.
Em todas as circumstancias os Globulos de Josephat tern gra'nde vantagem.
. AVISO IIYIPORTANTE
A copahiba do tommercio i frequentemente falsificada e n'este caso perde
todas as suas propriedades. 0 prospecto que acompanha cada caixinha indica
um meio facil de reconhecer as falsificacdes. Por este meio cada qual poderd in-
teirar-se da pureza absoluta da copahiba que introduzo nos meus globulos.
Deposito geral: na casa L. FRERE, 19, rua Jacob, era Paris
Unico deposito na phirmacia de P. Maurer & Crua do Barao da
Victoria n. 25.
PR0DUCT0S de J.-P. LAROZE
Pbarmaceutico, 2, raa des Lions-Saint-Paul, Paris.
XAROPE DEPURATIV0wieir.4:J0DURET0DEP0TASSI0
Remedio infallivel contra as affeccdes escrophulosas, tuberculosas, can-
crosaa, rheumaticaa, tumorea brancoa, glandulas no peito, accidenles
syphiliticoa tecundarios e terciariot.
XAROPE LAROZE
dacaica da
Laranja mar(a
T0NIC0, ANTI-NERV0S0
Recommendado por todos os medicos para regularizar as funccoes do
tatomago e do intestino,
XAROPE FERRUGINOSO^H^&'ilODURETO de FERRO
O estado liquido 6 o melhor meio de inocular o ferro contra as cdrea palli-
daa, as florea brancaa, as irregularidades e falta de menstruacSo, a
anemia o rachitismo. *
XAROPE SEDATIVO
eiKi Ltnnjt unarp,
.BROMURETOdePOTASSIO
.Cbjrmicamente puro. E o calmante mais certo contra as affeccSea de coracSo,
daa viaa digeativaa e reapiratoriaa, naa nevralgiaa, na epilepaia, no hya-
teriamo, naa nevroaea em geral, na inaomnia daa criangaa ditrante
0 periodo de dentiqUo.
DEPOSITO BEML
MO BRAZIL
Rio-de-Janeirt: I. DDPOHCHELLI t (X
FALSIFICA?OES
DAS PILULAS DE BLANCARD
Qaem fetenUitwnte Tend* nm mMiciaento fjlaiScado e contra-
Uilo m hi complic* Aa nm hlsario maila* vna comprometU
a candc do doautc dapois d abusir da nx confian^a.
Amataeao cada yet maior ie oouat pilulas | este> honradei intarroediarios julgarao qua lh
lea mimaaa tm qoati lodos 08 paizei a tudncia inrumbe 0 deter de comprar tio someote aa vn-
dos faleiScidoret. A eobicia lei mesmo con que
muitos d'ellei tern ee atrerido em sobslitear 0
.. em
iorfureto de lent pelo vintioLOltt
Rotamot aqai eieareeiiamenle aus aouM* f.*e-
oieo nome, appellaodo,
Boa f* dos
Ces para qae learprw e eertiBanem da on'geitf
jiilulM qtw traatm s aouo nome.aDiiellando. '.
enlre ootroa aeioi praticoi
OMoe eallegae m piarmaeeViieot. gem davida^
'alicoa, para a
irmaceBiiees. i
Am veJNUolelrM rilulaa ale ni.,r,rd
tadk nas FiLDlil de blakcard quer em no*
em Paris, qaer em casa
do- noasos eorretpoa-
deDicv, qner emflm naa (
casa* de mail reputa-
cSo de aao paix.
fhomacevUco, rua Bonaparte, 40, em farii.
ae m f*ianj ha.r*mMms.
Collegio delV. M, da Saude.
PARA MENINAS
Dirigido por D. Maria U. da Rocha, rua da
Imperatriz n. 17.
No dia 7do proximo Janeiro, abrira a directora
deste collegio o sea novo anno lectivo.
0 ensino religioso, o de primeiras letras e o do3
irabalhos manuaes, como bordados a ouro, froco,
seda branca, crochets e objectos de la, sao dados
pela directora e por anas sobrinhaa suas, que a
acoinpaaham na regeneia do estabele^imento.
As linguas portngueza e franceza, assim como a
geographia e bistoria, sao professadas pelo illus-
trado professor Dr. Jose Soares de Azevedo, o qual
legos em sea ensino o novo sytema americano,
qne tao ateis resaltados tern apresentado para a
infancia de ambo. os sexos.
A musica, o desenho e a danea estlo a cargo de
professores mui babeij.
Os variados trabalhos de agulba e os exercicios
de cada uma das disciplinas podem ser vistos e
avaliados pelos chefes de faailii>, a qoalqner hora
qne queirara visitar este estabelecimento, ja lao
conhecido e acrediiado pelo favor publico.
== Precisa-se de um ho-
mem de idade que entenda
de jardim, para tratar de um
em ponto pequeno: na rua
doVigarion. 1.______^^
Lino Ferreira da Silva
(em. dnas cartas na raa do Vigario n. 7, primeir
andar.
Para escriptono
Alnga-se o 1* andar do sobrado a ma do Amo-
rim n. it.muilo asseiado, caiado e pintado, com
duas salas e doas quartos, por prero modico : a
tratar no armazem do mesmo sobrado.__________
Vicente fugio
Na noe de 13 para 14 de marco do corrente
anno, fug".o o malato Vicente escravo, de 20 a
22 annos Ie idade, bonita figura, barba e estatura
regular, le^ando vestido e em um sacco roupa de
algodao braica e algoma fina pertencente a um,
caJxeiro da casa d'onde fugio, e natural da fre-,
Suezia de Sau'Anna de Mattos diz ser livre. cria-
o em compatbia da madrinba D. Anna Luita da
Lu de quem *lias foi escravo : roga-se, portan-
to, aos Srs. cavities de campo e autoridades po-
liciaes a apprehonslo do dito escravo e entrega-
lo na cidade do lecife, rua do Crespo n. 10, ao
CASA DO OURO
Aos 4:000$000
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'or'a Nova
n. SO, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nos sea?
maito felizes bilhetes a sorte de i:000* meio bilbete de n. 1591 e am meio de n. 838 com
* JS* de ,(10*> alem de outras sortes menores de
40*000 e 20*000 da loteria quo se acabou de
extrahir (129*); convida aos possuidores a virem
receber, que promptamente serao pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeio
vel publico para vir ao sen estabelecimento com
prar os muito felizes bilhetes,qa9 nao deixario de
tirar qualqaer premio, como prova pelos meames
annuncioa
Acham-se a venda os maito felizes bilhetes ga-
'antidos da 27* parte da loteria a benerlcio da
nova igreja de H. S. da Penha, qae se extrahira
no dia quintafeira 31 do corrente mex.
Prepo
Inteircs 5JIO0O
Tres qnintos 3*000
Dons quinios 2*000
De 1009000 para eltata.
Inteircs 4*500
Tres qnintos 2*700
Doas qnintos 1*00
Recife, 22 de dezembro de 1874.
Joao Joaau.m da Cnsta LeiU
Senhores chefes de familae
afilha^los.
E' chegado o tempo de virdes ao deposi-
to depao e cestas na rua larga do Hosario n
36 ; abi podeis munir-vos d-j ac^fates gran-
des para acondiciouardes vossos presentes
de festas, designados a v.issos padrinhos.
Nestes vasos o mimo tomar-se-ba mais ele-
gante, digno de uma justa recordacao ou
remunerarao. OsSrs. pais de familia, aqui
ten um esplendido sortimento de obras de
vime para todos os misteres ius suas MM,
sobresahindo as raelhores conde^as gran-
des para arrumar roupas de passar os dias
festivos no campo.
Pharmacia Torres.
A
Salsa e Caroba
VEXDEm A5 PEI.OS PKECOS I.O CdSlTHE
D. Anna Maria dj Nascimento ;az pnblico
qne o Sr. Joaquim Francisco de Uedeiros deixou de
ter toda e qualquer ingerencia no estabelecimen-
to denominado Livraria Olassica, pertoncente ao
annunciante ; que a firon Nascimento & Hedei-
ros. sob a qual entabolara com o dito senbor so-
ciedade, que nao chegou a realisar-se, acha-se ex-
tin:ta ; e que havendo ella annunciante assumido,
em yi'tude do mandado judicial, a posse e a ad-
ministracao do referido estabelecimento, tem dado
procuracao a sen irraao o padre Ignacio Francis-
co dos Santos, para tratar de todos os negocios
concernentes ao mesmo. Recife, 23 de dezembro
de 1874.______________________^__________
Precisa se de uma ama para cozinhar, en-
gommar e Iavar alguma roupa de menino : de-
fronte da estacao das CincoPontas, sobrado n.
184, confronte a mairiz nova.
Precisa-se de uma ama para cozinhar, para
uma familia de duas pessoas : na rua da Cruz n.
55, 3* andar.
Os Srs. devedores desle eslaveleeiment sao ro-
Sr. Joaquim Moreira Reis, ou na cidade do Assu eados a virem pagar os seus dt-bitos ate o fim
qo Sr. Torqaato Augusto de Oliveira Raptista d corrente mex, do contrario verao os sent no
mes por extenso ne.-ti jornal.
Recife, 19 de dezembro de 1874.
Manoel Tnoroaz P-reira d) Rejo.
aue serSo generosamente recompensados.
I\$)o ha mais cabelos
brancos.
20^000
O Monle Lima
tem am completo sortimeato de galio t frsnja de
ouro e prata, verdadeiro, de todas as UrfWas,
abotoadnraa douradas para uOctaea, eaHMB
eafeites para bordado. Taiabeta m occarr'fa At
todo e qualquer fardam< oUi, como s*ja ; toaats
ulins, pasut, eapada*, dran das, abotoaduras lias e Osaradas, para dials
etc.; assim como nm completo sort meal' 'a
raojas, galao falto para onaniealo, -win at a
com borla para quadros eaa*4atw (oaafcraa a
gotto da encemmenda) tuJo por me** mtaos
preco que em ontra qualqcer part*: aa prara aa
Indcoendencia n. 17, junto a loja do Sr.
Aos Srs fumaolcs
Fumo desfiadn de diversas quali-
dadtf.
Haaa-Ciawa'.
Olho de Pawara.
Fior do ItraMi.
Verdaleiro Itiu aovo.
Verdadeiro fumu ite Uoyaz
em paaaan e_ lata de t, e 8 f.n;i,
fern CumpoM^ao algun a oociva ao fa-
aaW, uianula turado, e a veada aa
fabrica a apar, na aatiga raa do
Quaitel de po.icia n. 21.


9

A!us[a-se
^
para escriptorio. o primeiri andar e para'
dia o seguod i dito : aa rai di Manicez d
da n. 4.
Pharmacia Torres
Tintura japoneza.
S6 e unica approvada pelas academias de doHospTclo"n"23.
sciencias, reconhecida superior a toda
tem apparecido ate- boje. Deposito princi-' rua Imperial, esqnina da travesia do
pal a* rua da Cadeia do Recife, boje Mar-
quez de Olinda n. 51, 1* andar, e em todas
as boticas e casas de cabelleireiros.
135 Largo do Terco135
0 traprielaiio ti>te "n i;o e acr*^i*ado ct;-
belecimtnto teno n feiio ( .-Mr ^or nwa r
ma e_-p*.ial. e la e aa%*i'aa>
de sent emprefad % na" rae 'a era e
A\T"A Precisase de uma ama que rozinhe respei.tvel pnbliru e | a i ,n uu-rn*ate a>t a>ra-
bem o diario de uma casa de lainilia, dores da freguezia -v ), *, a Atrm xaaj
forraon escrava : a tratar na Capunga, rua das na-em dito csub:lc,n.cn'o : ^nde tacoati
Pernambucanas, casa de sotea n 17, ou na rua alem do preciso em ra;a d;-ta or*>m, ;
quan.d-iJe i- tulas -^e todt as jua'
jBj garaan
baixos/lugar muito proprio pata let veiiJanas aviar q .a.-qner r-c i a-, s-ja rual f.-r
pr<"*i<: .
vai | -
d*j as in
superior a toda que; Alnga-se o sobrado de um iudir n da,*im c"mo I",c "" Liin^ altiii e JU,r,'s *" aj|i ; i-m <*o
SriEVf.ll MFDUM!
mmm particular.
Rua da Roda n. 48, sobrado. I
Primeiras lettras, portuguez, francez, in-
glez, desenbo linear e musica.
Sob a direcgao do professor Herminio
Rodrigues de Siqueira funccionam ditas au-
las todos os dias uteis.
Recebe alumnos internos, meio pensio-
nistas e externos ; fornece todo o material
para escripta e livros aos principiantes, por I
precos
lojas qoe tem os coropetentes arranjos: a tratar fj? ou u "^ c!d:,dj, aa-.-i > e |
com o proprietario narua do Hospicio. >obraio n. <""fl xi> m,!' C'nde vantaf'm Ie
35, pela manhaa ate 10 horas, e das 3 as G horas tac, P'r mfn y d" 1n* "' tr T "' l"-*
datarde. Aluga-se uma c.ia na b s
9>

Em tem pos modernos nenhum descubri-
mento ope uromaior revolu^ao no modo de
curar anteriormente em voga do que o
PEITORAL DI AMCAHII1TA!
TANTO NO TRATAMENTO
DA
Tosse, Crupo,
Asthma, Thisica,
RouquidaOi Resfriamentos.
Bronchites,
Tosse Convulsa,
Dores de Peito,
Expecturagao de Sangue.
Allivia a irritajao,
Desenvolvo e entendimento,
Fortifica o corpo
e faz com que o systema
Como em toda a grande serie de enfetmi
dades da Gargauta, do Peito e do.-
Org&oH da respiracao, que tant
atormentam e fazem soffrer a humanidade
4 maneira antiga de curar consistia geral-
mente na applicagao de vesicatorios, San-
grias sarjar ou applicar exteriormente un-
guentos fortissirnos compostos de substan-
cias vesicantes, afim de produzir empolhas;
cujos differentes modos de curar, nao faziam
senao enfraquecer e diminuir as forgas do
pobre doente, contribu in do por esta forma
d'uma maneira mais facil e certa para a en-
fermidade a destruic,8o inivitavel de sut
victima I Quam differente 6 pois o effeitt
admiravel do
FEITOBAL BE A3TAUSUZXA!
Em vez de irritar, mortificar e cauzar inaa-
ditos soflriraentos ao doente,
Calma, modifica e suavisa a dor,
desaloje d'uma maneira prompta e rapid*
ate o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhores votos em medicina da Europa, (os
entes dos collegios de medicina de Berlim-
testiucam serem exactas e verdadeiras estas
relafdes analogicas, e alem disso a expe-
riencia de milbares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes foram cur ad as cott
PEITORAL DE ANACAHUITA I
Deve-se notar que este remedio se acha
inteiramen'.e isento de venenos, anto mine
raes, como vegetaes, emquanto que alguns
destes ultimos, e particularmente aquelle*
qae sSo dados sob a forma de opio, e aci-
do hydrocianico, formam a base da maior
parte des Xaropes, com os quaes tao fa-
cilmente se engana a crodulidade do pu-
blico. A composic^ao de anacahoita peito-
ral acha-se linda a curiosamente engarrafadr
em frascos da med.ida de cerca de mei*
quartilho cada am, 9 ,como a dose que $
toraa-6 so d'uma cottier pequena, bast*
gecalmeate a appKcac&o d'um on dous fraa-
cof para .a effectua^ao de qualquer cura. J
CASA DA FORTIA.
AOS 4:000^000.
BILHETES GARANTIDOS.
A' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua do I
Crespo} n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado, tendo vendido nos seus fe-
lizes bilhetes am meio n. 1591 com 4:000?, dous
meios ns. 26i8 com 1003 e ontras sortes de 40* e
204 da loteria que se acabou de extrahir (129'),
convida aos possuidores a virem receber na ecu-
formidade do costume sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantidos
da 27" parte da loteria a beneficio da nova
igreja de Nossa Seohora da Penha (130*), que se
extrahira na quinta-feira, 31 do corrente mez.
PREgOS,
Bilhete inteiro 5*000
Tres quintos 3#0( 0
Dous qnintos 2/000
Em porcao de 1004 para cima
Bilhete inteiro 4*500
Ties quint s 2-700
Dous quintos 1*803
Manoel Marlins Fiuza.
Aluga-se uma caaa na biila praia de -
Francisco, n uito proxiina a s l< lbs bail
mar : a tratar no i ..rr< : r do lii-po n. "
viuva Villrla. Na n i-.-n.a ca-a prata-M 6i
menina di-jvalida para f.? r c npsnhia a aam *'.
nh< r*. qne e pr-'sie tamhri a MfBai
me-tKo. p.-iratiiindo ;e o ira'.ini^ut e me*ato
eafia, eotaa muitos i-m Htto ra tr>*iBaea*a .
impi rta a cor; sra4o nrp "i in !. -::
reci'lidi n nit hoa wlaeaclaaawa nus-na ..-'.
Molcque I'ugido.
Gratifi-a-=c m 50,OWttis j mar|
tQTuilo, mol.-qne de 13 a II a i t
elfio do < rpf, ro-to e cit'ca r p.1. i
Jll.-eiilou I: r If I
ami". Com c.n.-a de our, dctboUaa, e r! apee aa m- pr to.
tifu-3 se na tua da Cadeia do Reci'e a. 3*
rua da Aurora n. IC3.
Aluga-se a sala e a alccva do 3." andar do
sobrado n. 70, a rua Duque de Caziaa, proprio
para mocoa solteiros : a tratar na loja.
CRIAD A
Precisa-se de uma criada p.Ttugueza para tra-
tar de uma crian^a : a tratar na rua Duque dc
Caxias n. 84, loja.
Criado.
Rua da Imperatriz n. 1.
peito pelo
Xarope de salphito de soda
A. BERXET
Deposito da pbarmacia e drogaria
de
Bartliolomeu .ft
4 Raa larga do Rosario 34 N
Pharmacia e drogaria
A
34rua larga do Rosario 1 34.
Villa de .Palmares
Na padaria denominada Hanr tv, sita na pra;a
deste nome, casa de azulejo n. 2, desta villa, esta-
belecimento de Fraocisco Serafico de Assis Vas-
eoncellos, fabrica se com a maior perfeicio, lim-
peza e barateza, pao, bolacha e tndo quanto se
pode obter da farinha de trigo. 0 ancuueiants
protesta servir com esmero e agrado a todos quao-
tos quizerem honrar sea estabeleciment > e se cons-
Utoirem fregaezes e consamidores.
Da se 2:200* a premio de 1 1|2 so'o hypo-
theca em casa terrea : na raa de Hortas n 80.
CASA
Alaga-se a casa n. 46 da rna do Fogo : a chave
para ver esta na taverna ahi perto, n. 20, e trata
se no Recife, raa da Cadeia n 3.
Bartholomeu & 0.
PABA
Liquidacao de contas
vendem por barato preeo
SALSA-PARRILHA
DO
PARA'
34RUA LARGA DO ROSARIO -34
ADVOGADO I
P4CEABEL J0AQD116DENNES DA
I SILVA HELLO.
% 3 Bua estrelia do Bosai'lo *3
Para casa de pouca familia preeisa-sc de nm
que d6 fiador a sua eonducta ; preferc-se escra-
vo : a tratar na rua do Commercio n. 17, entra-
da pelo largo do Pelourinho.
MOFINA i
Esta encouracado I!!
Aruh mole em pedra dura
Tanto da ate qae a fura.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de M^!l
escrivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a raa Daqne de Caxias n. 36, a con-
clair aquelle negocio qae S. S. se compromettea a
reaiisar, pela tereeira chamada deste jornal, em
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passoa a^fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio,
por este motivo e de novo chamado para d
fim, pois S. S. se deve lembrar qae este aegoci
de mais de eito annos, e quando o Sr. sea aLho
achava nesta cidade.
ALUGA-SE
ama grande casa terrea com bastantes commodos
sita na estrada do Lucas : a tratar a rua do Vi
gario n. 3.
Aluga-se
os armazens ns. 63 e 69, na praca do chafariz em
F6ra de Portas, am onde teve tenda de ferreirq
o fallecido E. Mahult. 0 outro qae esteve occa-
pado com venda de molhados, para o qae e op
qai
mbc

0 n. Ill, s'to a rna Duque de Caxiaa, r i
corapli lo rtim n-.o 6> b t ni fina* de set.a i
eo,eaaaoall I BfeMadat, aara.rh-a. i
de doraqne branco e dc r -
ntaraa*,sapatos leentraia laixa, i!e cl
de duraque, de ron-s ebraici, para senh
meniras, bf-rz Linns do vari.i* q ia..JatIa>., j. .
meniaos, cbiqu:: s aa euro d* lu-tre, pre:
ro-fs, para trlaaa>, bowaaiai de Matt
I' i em, evendt- ludo rrais karaai ai pa :.. .
tra rju.il jiifr aatla
O peseadof
preci-a de uma ama para curinhar, a#?:3 I
tamtiem preei?a oom^r.i- urr.a rei..
qne entenla de r.zinha : a MM ra rua D.rt. .
n. 21.
Aluga-se
o segnnlo andar e armatem da rna de r-<<
Affonso n. ,*)9, o sobrado de ura andar e :.
rua do Hospicio n. CS, col* andar e arxaz. I
sobrad-> da rua do It m lam a. 63 : a triti
rua do Vigari> n 31. _____________
Hotel del Europe
Alnca-e osle vasto e Mapntfir* <-
tabeleelineato a mad. Coaa-
taerelo "___
Este antigo e tnn conbecido HOTF.L, aae '?-
chou c por causa do fallecimcnto do Sr. Elcar
Tourpin, arhH-s- provida de t-'4oa os prrtfara* *
omauo-nt s i-orrespondentes a lataa M aaa ata-
pre goz< u, e fsianoo situado do lugar aaa #
parent* c agradavel do Recife como t o do b -
In aid, dt-iioiite do deserobarqne de pas-ap
os interessados nao achario occasiao mat* ; -
picia para eslabelecer se c<>m on HOTEL 1 *
montado, em bom local e ja acrtditado.
Para tratar, dirigirse ao escriplorio de Pin.ra
Carneiro, a mesma rna od O mmrrcio n.i>
Eiorava.
Precisase de uma para comprar, ecz.uni'. :
mais algum servicp de caaa de pequena taatli*'
na raa do Cabnga a IB.
100*000 de gratificaqao.
Desde o dia 3 do corrente fugio da casa
de seu senbor, abaixo assignado, o eacravj
Miguel, pardo, porem nio maito escur-,
corpo reforcado, de 19 annos da idade,-jo
ficial de marcineiro, boa altnra, e xxm lan-
timo pela localidade e.ser de esquina. ambos livres l0 eSpigado, rosto comprido, olhoa casta
e desembaraqados detmpostos: a tratar com o com- ur? ,* -,_ 1 If
mendador Tasso. DD0S dentes perfeitos, cabellos pixainbc*.
nenbuma barba (apenas bugo), pes pa.i-
des, levou vestido calca e caBisa bran .a
e jaqaeta parda, gosta de jogar gyaiiaaica,
e e bastante rrgrista.
Mademoiselle Eugemia Leconte e irma, avisam ,^i,.j i- t -~. Am
a suas antigas fregnexaa e ao pnblico em geral ,. 9?" PPf!Je' ,.eT?' "" ul
que abriram novamente sea estabelecimento de Lniao n. 4 J, (ilna dos natos) oa aa rua
casa de costnras i rna da Imperatrit n. S, primei- da Cadeia do Recife n. 56, primcin andar,
ro andar, pelo que esperam conUnnar a merecer escriptorio de Leal d Irmao, qae serf ra-
pessoas qne precisarem de imJ_'^jL con, a qo,ntia aciaxa mmnc-
nada.
Recife, 7de dezembro de lv74.
Manoel Gomes Miranda Leal.
a conenrrencia
sens services.
das
Grande descoberta
Ourativo das molestias do
Aligse
(o iti" uuh fica eontisao a igraja ae S. ** Maa-
' guinho ; fcoronvnda e por sua xMlaair r m-
peitrf).
Este importante mei- mo qne araba de ser [-So e oni < r n raV* afraaanii i Ma bab.
reconhecido petoe disi l>r Zalloni e Paras-.c-mftrttwi e ... i- mj : \imtm tx *mi t.
jhevas como am ver-i d.a.. e-peifico contra a'eotendrr se en. It. Witravf. _______
potysica, segundo pro*rkn. nos grandes name pr _\-------j--------."T
ros de casos por elles f xi.f nueoudos, como se v 1JOCO UUO 06 ffOl Oft
aa aess2o da academla df Mans de 14 de marco ^ -...>, para taiaa as
eml.ta.c....H.ameaiiaa:tela*3Saa
Precisa-se de ama aroa qn cozinbe pi-rfci- no pateo do Terco
tamente : Da raa da Uniao n. 29. barato.
alt. caoade *


I


*K


i :
9
Diana ae tQiuasaowo. Segunda feira 28 de Dezombrc de 1874
ESSEMCIA CONCENT RABA
Premiada nas expo-
sioo'es do Pernambuco
e Rio de Janeiro.
MEDALHA. DK PRATA.
DE
AWJBSWttMSr^..^
Pharmaceutico
Pela escola de Paris
Successor de

AiilSTIOE SA1SSET E. J. SODM
Tratamento poramente vegetal verdadeiro puriflcador do sangue. sem mercnrlo.
A BKDcnda de Carotin e am remedio hoje reconhecido corao am poderoso depura-
ttvo e especial para cnra de todaa as molestias que teem a sua origem na impareza do aangue,
ennv< sejara : as rr.destias Stphiliticas, Bodbaticas b Escbofulosas, Rheumatismo, Empingkns, Dar-
yws, Clceras, Ehupc5ks, etc. etc.
Os prodigiosos effeitos que tem produzHo a E agenda de Caroba, por toda pane
ande ella tem sido apropriadamente experimentada, a tem feito adoptar como am dos medicaraen-
(B9 mais seguro? e mais energicos para a cura de todas as molestias de natureza syphilitic*
fcmbstict.
A cada frasco aeoropanha nma instruccao para a maneira de usar.
Pomada anti-dartrosa
Coctr?. as affeccoes cutaneas, darthros, comichSes, etc., etc.
liigncnto de Caroba
Para cura das boubas, nlceras, chagas antigas, etc.. etc.
UNICAMENTE PREPARADO POR
BOUQDATEiOL IBHAUS, SUCCESSORS
Mm Franceza
22 Rua do Bom Jesus 22
AMIGA RUA DA CRUZ )
\os 2o:ooo$ooo
Bates de Iotcrfan do Rio
Praca da luiiupendeocia a. 22.
Precisa se fallar com os seguinles senhores,
aa rua Primeiro de Marco n. 16, primeiro andar.
Dr. Candidi Vieira da Cunha, de Sergipe.
Tito Antonk da Canha, da Rahia.
Domingos Olympio B. Cavalcante, S.-bral do
Ceara.
Maooel Pauta.eao da Silva.

D1CA0 DO BOWMAN
DO BRUM H. S2
(Passando o chafariz)
PEOEM \OS senhore? de engenho e outros agricultores, e compradores de ma-
chinistoo o favor de fazer urn a visita a seu estabelecirnento, para verern o novo sortimen-
ip!eto quo ahi tem ; sendo tudo superior em qualidade e fortidfio ; o que com a ins-
traceao ppssoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LU1AR DE SU\ FUNDIQAO *
\ apOreS e rOClaS u agua dos mais moderaos systemas e em tamanhos con
vouetHea para as diversas circumstancias dos scnhorts proprietaries e para descarocar
aigndao.
MOCnufi/S de Caillia de todos os tamaDhos, as melhores que aqui existem.
IvOCldS CieiltaClaS para auimaos, agua e vapor.
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
M'lfliin-^TfinG iii. i I Podendo todo;
OHjUIU iiiu para .nan-noca e algodao, e para serrar madoira.|Ser movidos a mao
BombaS ,!e p;ilentc, garantidas........ fenSs."*"'
lOCaS aS QiaCHinaS e pecas do que so costuo.a precisar.
qnaiC|UeT COnCertO do machinismo, a preco mui resumido.
(-0 rerrO torn as melhores e mais baratas existentcs no mercado.
incumbe-se de mandar vir qualquer machinismo & vontade do-
ndo-lhes a vantagem de fazerem as compras por intermedio de pessoa
\ ftifl em qualquer npcessidade p6de lhes prestar auxilip.
riCanOS e instruments agric las.
: DO O CHAFARIZ
GELO.....
AGORA HA COM ABUNHANCIA
Mo para almoco Gelo para cerveja
Gelo para lanche Gelo para refrescos
Gelo para jantar Gelo para sorvetes
Ge Gelo para vinho Gelo para banhos
Gelo para conservar legumes
Gelo para conservar fructas
G< lo para conservar peixe
Gelo para conservar carne
Emfim, gelo para Todos; e para qualquer Uso
NA
FABRICA NOVA DA VIUVA STARR
Caes do Capibaribe n. 38.
Ab-Tta nos dia? atcis das 6 hora3 da manba ate rs 5 horas da tarde, e nos domingos e diaa
Mntos ate" as 11 bora? da manhi.
N. B Os pedidos de quantias grandes para os vapores ou para fora da cidade devem ser
fe;Ios com niitcct'd-ncia
ESCRIPT0R10 Rua do Commercio n. 40.
E. A. DELOUCHE
24-Bna do Mavquez de Olinda-M
Esqaina lo beeco Lar^o
Participa a sens fr>gueies e amigos que mudou
o seu estabeleciments de relojoeiro para a meima
rua n. 54, onde encontrarao am grande lortimmto
de relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostoi e qualldados, relogioi do
alfibeira, de todas as qaahda de ouro e prata dourada, foleado (plaquet), jelo-
fios de onro. ingUs, descuberto, dos melhores
fabricates, cadeia de ouro, plaqaet e prata, lunetas
detod?s as quaKdades, tudo por pre^oa jflutto ba-
ratos.___________________________^
Leques gratis
A Magnolia, a roa Duque de Cax^s n. 45, esta
distribuindo gratis a quem lbe fizr algum gasto,
am lindo leque, vistD conhecer a aecessidade que
ha deste artigo neste tempo tao ca|broso.
Distra A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, 6 s6
quem tem as lindas consTucpe; ou desenhos para
formar diversaa vistas dos priacipaes ediQcios da
Europa, e que servem de JistrajSes nas horas
vagas.
Lubm
Banha, oleo extracto, crsmetique desse afamado
fabricante : s6 quom tern 6 a Magnolia, a rua Du-
que de Caxias n. 45.
Presentes
A Magnolia, a rua Puque de C xias u 45, alem
de muitos outros artfeos qne tem propnos para
presente, acaba de nceber o seguinte :
Bonecas de cera q>ie chatrara papai e maoiai.
Bonecas de caaTurga com pescoci, pernas o
bracos movedifos.
Lindas caixas torn tinissimos extractos
Ricos vasos con banha e p6s de arror.
Bonitas caixas para costura.
Ostinhas con flores artiflciaes.
Ditas com prepares para costnra.
Baptisados
Ricos chapeo3 e sapatinhos de setim branco, de
diversos gostos, paopries para baptisados.
Cuticulina
Qaem tlver nodi>a8 no ros'.o e quizer Bear tem
loas,l compre um frasco de cuticulina, na Magno-
ia, la rua Duque de Caxias n. 45.
Modas
Coques de cabello.
Settas douradas.
Leques donrados.
Ditosde osso, marfim e madreperola.
Meias de cores para > nhura.
Gravatiuhas para senhora.
BotSes de aco.
Cintos todo de meial.
Fivelas pretas para vestido.
Voltas de ma'dreperola, e muitos outros arug ?
que s6 se encontrara na Magnolia, a rua Duque de
Caxias n. 45.
Espelhos
dourados, quadrados e ovaes, de divers s tama
hnos : na Magnolia, a rua Duque de axias nu
mero 45.
%MA
Precisa se de uma ama para ca
sa de homsm solteiro, que saiba
cozinhar, eque qieira ir para fora da cidade : a
tratar na rua do Imperador n. 57, loja.
>
Preci^a-se de um caixeiro, prefere se por-
tuguez, de idade de 13 a 14 annos: na padaria da
rua Imperial n. 204. Na mesma vende-so utenci-
lios para pa jar W.
Vende-se um terreno proprio, na esirada de
Luiz do Rego, em Santo Amaro, Cim 50 palmos
de frente e 600 de fuadot: a iratar oa mesma es
trada n. 19.
Attencao
--
As accoes entre amigos de um piano de dons
' teclados, que linha de correr com a ultima loteria
; do mez corrente, Qca transferida para a ultima do
mez de Janeiro, em razao de ser ja novo piano que
"em de ser extrabido no Dm do corrente mez.
CKIAIl.%.
Precisa-se de uma ama para comprar & cozi-
nhar em casa de pequena familia, podendo ir as 6
horas da manhi e rotirar-se a 6 i|2 da tarde : a
tratar na fabric* de iiacao e tecidos com o guar-
da-Iivr< s.
Attencao.
Precisa-se fallar com o Sr. Manoel de Siqueira
Cavalcante Junior a negocio de particular inte-
resse : na rua do Marquez do Herval n. 14.
Na rua de S. Joao n. 63 precisa se de uma
ama para cozinhar.
ARMAZ1M DO VAPOR FRANCEZ
N. 7 Uua do Birao da Victoria, outr'ora Nova, a 7.
0 d .n i ii.'s e fciabele^imento teudo de ir a Europa, vende a precos baratissimos odos os sens
artrgns, com s oj .em:
Calc-ado fraocez
para honiem
fenhora,
meninot
e naeninas.
Botas e perneiras inglezas
de montaria.
Inbili-js de vime e de faia.
Vende-se"niuita"em coma, caSeiras avnlsas, de
baian*,.), de bracos e d dbrar.
Perfumarias.
Finos extm-tos, banhas, oleos, opiata e p6s den-
trifice, apia de flor d laranja. agua de toillete,
divins, florida. lavandi, pos de arroz, sabunetes,
eoame;icos, wcitos arti^os dolicados em pfrfoma
ria para presgntes era fraseos de extractos, eaixi-
abas sortidaj p garrafas de differentes tamanhos
d agua de Cologne, tudo de primeira quilidade
dos bem c-inhw.idos 'ab-icante. ^ivor r.-jndrav.
Bons pianos.
Dos melhores e mais modernos raodelos de
Bljndil : vende-se. troca se e aluga-se.
Quinquilharias.
trtigos de lifferentes ;asta* e
phantaslas.
Rpelhos, leques, lavas, joias d'ouro, tesourinhas
I'amvetes, eaixmhas de costura, albuns, quadros,
caixinhas para retratos, bolsinhas de valludo,
ditas de couro, e cestinhas para bracos de meninas,
chicotes, htwgalas, ocnlo, pince-nez, ponteiras para
cnarutos e cigarros, escovas, pentes. carteirinha de
inadreperola, tepete para lanternas, malas, bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esterioco
pos, lanterna* magica.s,co8moramas, jogos da gloria,
te daman, de bagatella, quadros com paisagens,
vriobos de papel para illuminacSes, machinas de
fazer cafe, espanadores de pal has, roalejos de veio,
accordaos, carrinhos, mamadeiras de vidro para
<*ar leite as cTiangas. e mortis outros artiges.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se p6de desejar de to
dos os brinquedos fabricados em differntes paries
1a Europa. para entretimentos das criancas, tudo
- preco mais resnm>d-^ in' e nosaivel.
Precisa-se alugar um
preto de meia idade. nesta
typographia.
Preei-a-se alegar um escrave qne entenda
alguma c .usi de {ardim c horta : na roa do Mars
qpa zde Olinda n. 18,
Alnga-se o 1* andar da casa n.... da rua do
Torres: tratar na rua da Soledade n. SO.
Aluga-se duas sal as e dons quarto*, propria:
apra escriptorio, por cima do trapiche Santas :
a tratar no mesmo.
Preetea se alngar um rooleque 1
annos, para servico de casa estrangeira
boa do Carmo n. 17.
)a
oa Cam-
Escrava
Precisa-se alngar nma escravarpara vender bo
linhos na rua, que seja boa quilande m : na rua da Floreutina n. 22.
5 CoasyUorio medko %
& DO &
5 Dr. Harlllo. ft
9 RUA DO VIGARIO N. 1, l* ANDAR. J Reoem-ehegado da Europa, onde fra- S
6 quentou os hospitaes de Paris eLondres, M
fS podera ser procurado a qualquer hora do fl
dia on da noite para objecto de sua pro- Q
fiisao. Q
Cousnltas das 6 as 8 horas da manhl e y>,
do meio dia as duas horas da tarde. *
GRATIS AOS POBBES; 0
rd Bspecialidadet: Moiestia* de senhoras, S(
V da pelle e de crianca. ~J
Da>XSK^-Oi>KXMK^
Nesta typographia precisa se de um menino
da 14 a IS annos, para asrender botar paael na
machina.

Aluga-se por festa oa aunualmente uma
de casa em um dos mekores poatos do Ca:
reedtHeati nltiaaavmte, ooate4o 2 grandes kalas.
7 quartos internal, i grands terraco, coztnlte af
grandes qnarfcs eztoraos, em terreno eUvado,
aonde nio chegam as enchentes do Capibaribe, e
molto perto da esta^o e do rio : a tratar n raa
do Imperadar n. 84, loja de livros.
Alugarse o l aadar com soUo, sito a rua de
D. Maria Cesar, outr'ora Senzila-nova n. S7i ree-
diflcado e pratafln, erm grandes eommodos: a tra-
tar nartlWroWfagos hsi Martina n. *
m se de nma
AMA
3* andar.

escrava : trate se na ma do Ma
de Olinda, antiga da Cadeia,
52,
g
o'
a
B

B
o
a.
93
B

|
I
a
"8
g
I
2 3.&B"
u^

?
I

o
|
M
O
e
1
5
o
i
0
0
D
I
9
o
a
q
a
a
B

=; 2.
a 1.
m
a
w
i
I
O
oo
a

a
x

s.
o
8.

-. = CO
s
e
|
a
0
NHORES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a* quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
mm
LIQUIDACAO
NA
; Loja de fazeite
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores mindas moito boas para roaaa
! meninas a 160 e 200 n. o covado.
La pretas, saperior, a 400 rs. o
rs. cot4..
Alpacas de cores finas a 320
So se vendo.
DiUs com listras abertas, fazenda fiaa, a 600 rs
covado.
Chites de ajree a 240 e 280 rs. o comdo.
Metins de cores miudas a 280 rs. o ovado.
Q-etones, o melhor que tem vindo
400 e 440 rs. o covado.
; Cambraias brancas, bordadas e akertae.
Parts, 36,
HH33D weci!i
Ml nmHIDADAf MS inDta,
GlITA?lt4S. K
{
s-
o
-1
g
i
9
o
a
2
B

| MEDICO-CIRURGICO 1
M DO
Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso |
PARTEIRO E OPERADOR
i((Raa do Y'isconde de Alhuijuer- ?
OEPURATIF
.in SANG
Rtui Vivleiine, P
srtcm
IS UVBCOMi
30,000 curaa liMfwyta
gens.pmlutas, UfJW,
sarna, c mania, e allertot*, H-
tannm, <-
tern mercurio
ca
ciotas do sangm,
W|
epnratlvaa
-se doi
rut, e aUcrucoes do tangut. (Xarope vegetal
ral
t\BM nEB*ES tomao-se dons >or
PLUS DE
semani, seguindo o tractamento DepurtUiva: 4
npregado nas mesmas molestias.
Est Xarope Citreto d
ferro de CH ABLE, can
imraediaumenie qual-
qaer purgacao, r*4>-
_^JjdikmMJklMra(ai, tdtbilidad*.
e iguahneme os Jiuxos i floret brancat das
mulheres. Etta inieccao oenigna empregaaM
torn o Xarepe de Cttraeto de ferro.
esiorroida*jPomada que as cun eras dial
POMADA ANTIHERPETICA
Centra: nu afleccoet cutaneat e ctmixoei.
PI/.ULAS VEGETAES DEPUBATIVA3
is > caabie, cada frasco vral acceBpakad*
de na folheto.
AVISO A08 SRS. MEDICOS.
I Car* eatarrhee, mm
coqatbuU*, trricaf>W
aswasai ast dot area*
chits t aaai at aiemtm
I do peimy bad* ao daaaat
ma oolhe rchdea delta xarop* D' Foacrr.
Or. CKAWLB n Parts, raa VUleaaa,
mais fina que tem vindo ao mercado,
de 2*000 o metro, por 1*000 a
cbincha. ___
Ditas pretas com flores miudas a 200 rs. o eovaac
Cankiaia transparente, fina, a 3# a peca
DiU Victoria, fina, a 41000 a peca.
Organdy de assento branco e de cane, eca au
res miudas de seda e de la, a 400 rs. o cotsOi
E' peehincha.
.Cortes de casemira de cores moderate a S#100
corle ; e fazenda de 8*. E' perhinefca.
Cam is as de linho finas, lisas, a 35* t duzia, 4 t
xenda de 55*.
Brim branco de linho a 1*400 a van.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. covado.
Madapolao trances verdadeiro, 24 jardat, a 6*
7* a pe;a.
Algodae T, largo e saperior, a 5* a peca-
GorgorSo preto de seda p^ra vestido e pirra eoita.
a 3* o covado
Toalbas alcochcadas a 4*500 a duzia.
Colchas grandes a 34500 uma.
Cobertes de ganga, forradas/a 3*.
Lencoes de bramante a 2* um.
Lencos de linho, abainhades e en eaamhaa
3*500 a duzia.
Ditos de eaca de cores abainhades a 3J000 a de
. Sirop du
DrFORGET
."V
que n. SO
ESPECIALDDADE
Holestlas de genbora ? -
jftC mentnos.
S Consultas das 7 as 10 horas da io-
f9. nha, todos os dias.
0, Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar-
X tes e sextas-feiras.
QK Os doentesque mandarern os seas cha- 1j?
iK mados por escripto at 10 boras da ma- 3g
5 nha serao visitados em suas casas.
*m&& tmmmmm
Dcposito de\i'-h') Madeira c
remaisiljuco.
Tendo ja obtido o melbor acslhiraento nos mer-
cados da Allemenh^, Inglaterra e mesmo em Frin-
ra. para os vinhos das minhas propriedades e de-
positos, onde foram apre:iados e merecerara 03
primeir-os premios em differentes expcsiQoes ;
e desejando tornal-os conhecidos igurilmen-
te na provincia de Pernambuco, onde de cer-
to serao bem aceitos, ja pela diminuta quantidade
de aguardente que cintern, como pela sua velhicc
e tratamento especial resolvi estabelecer um de-
Sosite na casa dos Srs. Pocas & C, a rua estreita
o Rosario n. 9, onde se encontrao sempre de
differenles precos e qualidades e directamente en
viados.
-.JsikSeralmente conhecidas as vantagens que
deira ; permiltam me, porem/os Exms? Srs!,mecfi:
cos chamar a sua atten;ao para estes, nos qnaes
encontrarao as qualidades mais apreciaveis.
Henrique Jnee* Maria Camacho.
(Este documento esta reconhecido pelo tabelliSo
uda cidade do Funchal, Joaquim Mochado de
Soza.)
Gratificicaode 100$
Fugio da casa do seu senhor, no dia 25 de no-
vembro proximo passado, o escravo de nome Pau-
lo, preto fulo, de 21 annos de idade, miis ou me-
nos, altara regular, tem parta do dedo minimo de
uma das maos cortado, umas cicatrizes grandes
no bra^o esquerdo e nas pernas, provenientes de
gammas, tem uma marca grande de talho nas cos-
tas em cima da pa direila, and: ligeiro e 6 muito
esperto, sabe engommar, c zinhar e faz todo e
qualquer servigo domestico: rog^-se a qupra o
pegar, que leve o a rua do Conde da Boa Vista,
outr'ora Formosa, n. 8, qne sera recempensado.
Telegramma.
Deposito botica Franceza
22Rna da Cruz 22
Rhum nacional.
Premiado na exposi^So da Sociedade Doze
de Dezembro.
Vende-se pelo diminuto preco de 1*000 a gar-
rafa na bem eonheeida tabcrna Flor dos Progressos
na rua do Cabuga n. 8, confronte a matriz de
oiSan Antonio.
A 1^000
Mil
PM$*
Compra-se uma escrava que seja sadla
de bons cos;ume3 e que entendi de cozinhae
engommado e mais servico de casa de familia
a tratar a ma do Araorim n. 54 armazem, das 9
horas da roanha a- 4 da tarde. .
Compra-se caixas de sabao vazias a 400 rs.:
oa fibrica de sabao dos Afogados e ca traves?a da
Madre de Deus n. 10, Recife.
D\
dias
dos
Assembled do commercio, a rua
do Commercio n. 22, 18 de dezem
bro as 6 boras e 45 minutos da
mania.
Prepara-se neste e.-tabelecimento. quantidade
extraordinaria de
Pasteis
Bolos
Pudins
E doces
para sati.-f -.zer as exigencias do publico, nos
de festa que estao a porta.
Recebem-se encommendas para qualquer
artigos.acima, e mais dos seguinles:
LEITOES (assados)
PERLS
PATOS
GALLINHAS
PEIXES
E FRUCTAS (sem ser assadas.)
e tudo mais que for necessario para uma mesa
(comme il faut).
Ha tambem sortimento completo de bebidas
finas:
CHARTREUSE
VERMOUTH
ABSINTHO
VINHOS GENEROSOS
E CERVEJAS.
(Agencia) Meira & Lima.
Escravo f ugido
Ausentou-se ha dias do engenho J-gu tribe, o
preto crioulo, Ma ieei. ie 30 annos, alto e secco,
(alia rnansa, pes e maos bem foiioi. Um fata de
dona dentes na Create, na f ente e lado superior,
oThos pequenos e nariz afllado, bo-ci regular, foi
escravo naParahyba, de Vietorfn- Perefra Maia.
Uralifica se bem- a quem o levar em Jagu.ribd,
ou no Decife, ma Nova n. 8._______________<
Bons banhos edormida fres-
ca no Monteir).
Alnga-se alii por preco eommodo nma casa pe
tjnena que tem 2 saias, 3 quartos, coaaha fe boa
caeimba, e i perto do rio : a tratar na rua Hova,
loja n. 7.____________________'
Toda attencao
Retalha-se, Com frente para a rua da Amjzade.
obre 194 ftelmos de fando, uma porgio de optimo
terreno para edificacto, tirada do sitio eoniguo
*igreja de S. Joje de Manguinno, da preto de
80# por palmo. Aquella frente e toda murada:
bem como a parte posterior e a lateral exttema,
os preteMeaws podem entealer-se com o Sr Dr,
Wtoaite. t
Cambraia branca, bordada, com li>tras e de
qnadriahos, abertas e tapaaas, por teraos nuu
grande porc.So, resolvemos vender barato para aca-
barmos.e fazenda moito large e maito fina, que
sempre se venden por 2; o metro, e estamos veo-
dendo a I* a van : so quem tem para vender
por este pre^o e Guilherae & C, raa do Crespo,
loja das tres portas. Dao se aao^tras.
E outros muitos artigos qne se vende por a*
nos do que outra qualquer parte e para se da
So na lorem qneiram mandar ver as aaostra*
enganaja de
Guilhcrsic k C.
E' s6 quem vende a 600 rs.
Cambraias brancas bordadas com Istras e de
quadros, abertas e tapadas, fazenla anito fina,
com 5 palmos de largura, e pw lermos grande por-
cao resolvemos vender bara'.i para arab.rmos; e
fazenda de 1 600 o covado, e nos estamos venden-
do por 600 rs. o covado, dio-se am"*tra : na rua
do Cresw n. 20, loja de Gnilherm* & C.
LIQUIDAQAO.
0 Paris n'America este liquidaudo es cal;ad"
pelos segointes precos:
Botinas de duraque, de cores, com canuo alto e
lar,o, a Luiz XV a 5*000 Ml
Botinas de duraque, de cores, bordadas cann
alto, a6* III
Botinas de duraque com laco a 3*.
Botinas pretas gatpeadas, canno alio, a 4*, 5* e
6*000.
Botinas li-as e enfeitadas, para mnina a 3*,
Bitinas de Snzer, de eordovao c^m penteira ee
Diz, pa:a ujiueui a e*. A|toTeittm, qne *
barato.
Metins | 280 rs.
0 Pavao vende bonitos metins de cores para
TMtidoe, pelo barato preg.i de 2S0 e 320 rs. o
covado; as?ira como, um bom sortimeao de eai-
tas dc todas as cores^padrrie* m'dTnr.s e fixos.
pelo barato preco de 280 ate 36*i m. : a rua da
Imperalrun. 60, loja de Felix Pcreira da Siva
Gros preto a 1*.
0 Pavao vende grosdenaplcs pMi a I* o eo-
j vado e dahi para cima, ate 4; : o\ rua da Impe-
T>^- M.2n.MA ^,-./% ^i,,r.l .ralnzn. 60, I ja de Felix Pereira da Silva.
Por maior preco que qual- Vpnde se 0 etlabelecimeD,l) s mMot da
aua po Range) n. 8.
Doce de goiaba
Vende se mui to bom doce de g^aba a t 200 a
lata c 9 j a arroba : na rua velha ie Santa Rita
n. 3.
A 500 rs. o covado
Na bja do Pavio veade-se laziohas jsr. nezas
de cores muito modernas pelo baratis de 500 rs. o covado, para acahar ; aotando-se eae
6 fazenda qne jamais se venlea ror aseaos as
dois cratados ; ja ha poueas : 4 rua da tawnMi
n. 60, loja do Pa vio, de Felix Pereira da Sirs*.
PENNAS DE EMA.
Compram Lehmam Fre-
res. a rua Primeiro deMar-
cpn. 16, 1. andar- ______
Compra- e~
duas ou tres ca^as terreas nas melhores ruas dest*
cidade : a tratar na rua do Barao da Victoria
n. 22.
AS
quer outrem, compram Drei-
fus & Fonceca, a rua do Viga-
rio n. 11, primeiro andar,
V1NDAS.
Atteocao.
Festas
Festas 1 I
Festas I I !
AnnosI
Annos I 1
Annos
Rets I
Reis 1 I
Reis 1 I I
3 dias 3
DE
RI^GIBOFE
O comer da forpa e vida 1
O beber an or content :
noaamos psis e bebamos
Que a morte nao longe vem I
N.
I!
28.
tT.
Rua do lmperadif
28.
Aluga-se
net it rasas dta ruu da Una Carvalho a. 35, de S,
Jose n. ft" e becco de S". loifi n. 1: a tratar nt) ar-
matem do Campos, rua do'lmperador n. 28.
Viva o pr.zer r. quintedo 1
Viva o amor sublimado I
Viva a earidade- amiga,
Da cabega e da barriga 1
Triple exultacao.
Alaaoea fraternidade
Na rua do Imperador n. 28, en-
contra se todo quaato ha de aaie
delicado e sah.>roso para o arranjo
de qualquer almooo por maia mag-
niflco e aub.Tbo jue seja I I
-------Jantar' llberdade t
Presuntos, salames, dotes, quei-
jos, vinhos e ama inflnidade de
pr-parados de aves, peixe3 e ma-
risco1, nio iuciuin-io uma immen
sa variedade de e-pecialidades das
mais apreciadas na Europa 111
---------Celaifualdade t
Vinde ao armaiem do Campos
e ficareis aiyjmados deter tan-
la.' iguarias e petiscos precioaos
qne ficareis convencidos de que
es as no c ntro do que ha de me-
Inor no grande mundo das vic-
tualhas I T
P Campas vende barato I
Venae bom e do me'tiur t
Ver para crer I
Compra* pa-a saber I
Reaareaa beat.
Quem ao caropos nao comprar
Festa ate ha de paMar I
I ^t, Annos tera muito feio
E Reis... nao digo... mats crela
Serf moito mao fregnez
E nio tera prazer nos tres dias de
Os proprietaries da Pre-
dilecta 4 rua do Cabuga d. 1
A, fazem sciente ao respeita-
vel publico que, tendo resol-
vido mudar de genero de ne-
gocio, deiiberaram vender
toda3 as mercadorias exis-
tentes em seu estabeleci-
rnento com um abate de 20
por 0|0 afim de liquidar a
sua casa ate o fim do corren-
te anno, e par tanto c boa
occasiao do publico se pre-
venir do bom e barato.
Vende se uma porfM de madeira de apg
mas qnalidadet, enmpriaKnto e groara, proprau
para eon'tmir nma boa caa de taipa : tw
tratar, no Campo-Grande, na tavenu da Br.
Pessoa Velloso da Silva.
, Vende te 70palmos d terr*
de fundo, u ma do
qaem qauer coaprar,
Salinas, casa detroate
mos d i terr* : nalijO j
lo Cacundo, em teber
i airUo-w-4 &anto Amar.
i da do tencnte ftMitui.
ditc
beribe
das
al
vindo da Ma do Sal: veade-se
hespaahol Nueva ProvUencic ,
Amoria Irmto a C
Vende-sc
nma casa na villa de Bamlros, a ruado 0
cio, por preco modfeo: a trada* eoata
ACompaaaa. _________
Fiodealgodio daBahia
te_para tente loaprlm Jo?* 0#cIa ld-
traoATObn.At'oadfrCattaTBTioi.l_______
Potasbanova
chegada reewtraentn,
rie vendet
de Deos a. 34.
J PnEMACJUl WflBBB [
a



^= s


"?
:s*
I I
Diario de Peroaiabaco Segunda feira 28 de Dezembro de 1874.
Aos legMmos fogoes econo
micos.
Ac,.Li.".m Jc chegar a esU ciJade os ver-
dadeiros fogoes'economicos, ji muito conhe
cidos nas provirieias do Rio de Janeiro,
Jlinas, S. Paulo, Secgipe, Rio-Grande, Ba-
uia e Alagoas, aondo tem merecido do pu-
btico a maior aceitagao possivel, e sao ja
preferidos aos de qualquer outro systema,
conhecido pela sua rauita solidez, especia-
lidade na collocasao, moderno systema,
e sobretudo grando economia no combusti-
el ; trabalham com lenha, coke, carvao de
madeira, etc., etc. Ha de diversos tama-
ahcs, propriOs para casas de pouca, regu-
lar, e de muita familia, collegios, boteis,
casas pias, hospitaes, etc. Aebam-se ex-
postos ao publico, aonde se darao todas as
axplicacSes necessarias: na rua do Viga-
on. 12
Soares Lei IrmSos, rua do Barao da Vic-
toria n. 28, antiga rua Nova.
Colchis para camas
Naloja do Pavao vendese colchas de fuslao
brancos, para eama a 2,500, ditas de dito de cor
a 4,000, cobertas de chita e de cretone, de 2,500
para c'nia e ditas de metim escarlate forradas com
madapolao a 5,000 : a raa da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira de Silva.
I
N.72.Rua da Imp era t riz N. 7 2t
EM LIQUIDA^AO.
mJtoM&oi\vamwMiiie&tohiwiu 1ue ha l('B'P nham feito encommenda e
SV"* em, l'qnwa?ao resolveu que estas fozendas fossem rendidas nas mesmas condico*es o
6 muita vantagem para 09 compradorcs, isto no Bazar Nacionai rua da Imperalriz 0. 72.
Fazendas e'
de
Vende-se
No e9critorio de Thomaz de Aquino Fonceca 4
C. Successores, a rua de Vigario n. 19, primeiro
andar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Lisboa.
Vinho Sherry.
Vinho di Porto em caixas, finissimo.
Idem em barris de quinto e decimo, fine
Retroz.
Fio.
VENDE-SE
Na rua do Vigario n. 19, vende-se 0 seguint e
Cimento de Portland, em primeira max
Vinho do Porto, engarrafado, finissimo, em cai-
xas de duzia.
Dito di(o em barris e ancoretas.
Vinho Sherry, inglez em caixas de dozia.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa.
Cera pro grume, idem.___________________
Wil.on Rowe 1 rua do Commercio n. 14 :
verdadeiro panuo de algodao azul amencano.
Excellente fio de Tela.
Cognac de 1' qnalidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidades.
[\oyh remessa.
Vinho Yerdede Amaranle
Cenvida-se os aprecia"dores a virem apreciar 0
que ha de mais excellente neste artigo; vende-
se em decimos e a retalho, em casa de Pocas
4 C, a rua estreita do Rosario n. 9, junto a
greja.
Organdys branco a 400 rs.
Vende-se organdys branco com lislras muito
flno a 400 rs. 0 eovado.
Popelinas a t 000.
Vendese popelinas de c5res muito Unas a IS 0
eovado.
Alpacas de cores a 400 rs.
Vendese alpacas de cores para vestidos a 400
rs. 0 eovado.
Laazinhas a 120 rs.
Yendese laazinhas para vestidos a 120, 240,
320 e 400 rs. 0 eovado. ,
Alpaca lavrada a 650 rs.
Vende-se alpaca lavrada para vestidos a 640 rs.
0 eovado.
Granadina a 500 rs.
Vendese granadina prela com listras brancas a
500 rs. 0 eovado.
Percales finas a 400 r3.
Vende-se percales finas para vestidos a 4C0rs. dades e bantu
0 aovado. 1
.'Chitas finas a 260 rs.
Vende-se chitas de cdres escuras a 260, 280 e a
320 rs. 0 eovado. j
Chales de li a 640 rs.
Veude-se cba'es de li a 640, ditos de merino
e3tampados a 1*600 e i*.
Cortes de casemira a 55.
Vende-se cortes de casemira de cores a 5*,
5/500 e 6/.
Corertas de chita a 2*.
Vende-se cobertas de chita a 2a e 8*500.
Colchas de fnstao a 2*.
Vende-ss colchas de fustao a 2*, 3* e 4J.
Fnstao branco.
Vende-se fustio branco para ve?lidos dc senho-
ras, organdys branco fino a 640 0 metro.
Madapolao a 3;.
Vend.* se pecas de madapolao enfestade a 3* e
3*500 a peca, ditas ditas fino a 4*500, S 1
dito francez fino a 6*, 7 e 8*.
Algodaozioho.
Vende-se pecas de algodao de todas as quali-
Cassas de c6res a 260 rs.
Vende se cassas de cores finas a 260 e 320 rs.
0 eovado.
Cambraia victoria a 3 "500.
Vende-se peca de cambraia victoria a 35500,
4*e5*. Camtiraia transpirente a peca a 3 .
3*500, 4* e 5*.
Corlinados a 6*.
Vende-se corlinados para janellas a 6* e 75 0
par.
A.dmirem
Granadina de seda a 4O0 rs.
Na Icja do Pavao vende-se flnissimas granadinas
de seda com listras assetinadas, fazenda que sem-
pre se vendeu a 1*200, e liqnida a 400 rs. 0 eova-
do ; assim cumo manguitos e golinhas de cam-
braia bordadas a I* cada om, e pechincha : na
loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Pereira
da Silva. _______________________
parrilha
Muito nova e grossa.
Vende-se por barato preco, em porcao on a re-
talho : na rua larga do Rosario n. 34.
Cal de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpo
Santo n. 17, andar, escriptorio de Joaquim Ro
drigoe3 Tavares de Mello.
Bramante.
Vendese bramante de 10 palmos para lencoes
1*600,2* e 2*500 0 metro.
Algodao enfestado a 900 rs.
Vende se algodao de duas larguras enfestado a
900 e i* 0 metro, dito trancado a 1*280 0 metro.
Grande liquidagSo de roupa feita.
Vande-se ceroulasde algodao a 1*, ditas finas
a 1*200 e l*5i 0, camisas brancas a 1*800, 2a e
2*500, ditas de linho bordadas e lizas a 3* e
3*5f>0, paletots de alpaca preta a 3*500, 4* e
4*500, ditos de. dito de cores a 2*, camisas de
flanella a 2*, ditas de cbita a 1*280 e 2*.
Si
DE
artigos
novidade
NA
LOJA DO PASSO
itaa Priraeiro de Marco n. 7 A.
proprietaries
Retalbos de /,>.
0 Pavao vende uma pereid de retaihds
!
i li-
por-,
per,
tra-'
BAZAil
DAS
FAMI LIAS
lluqne de Caxiss n. M
Para a lesta
para vestidos tendo grandes e pt'queuos, q
j quida barale para acalar, assim como urn >
l cao de cassas e chitas pretas que se vende
qualquer preco para acabar: na rua da In
alta 'lrt n- ^ de Felix Pereira da Silva.
| Espartilhos, a 3*500, 4* e 5;,
I 0 Pavao vende um bonilo sortimentu dos mais
roodernos espartilhos que vtnde a 3*5u0, 4* e
5*000. ;
Pechinca em lencos branci s a 2 500.
j 0 Pavao vende duzi.s de lencos finissimos de
cambraia branca para mao, tendo fazenda que Reis e silvm & Gnimaries, pmpri-urU
sempre se vendeu a 4,100 a duz.a e lijju.da-.e a bera conhecido estar-el-ciu ento d- huSm
,Por,fr r"de Prf de dums d.tos abai- convidaro aos seus frifuex. s c ; r,
nnados a 2^, ditos chlnez^s muito nna e ditos P -in, .rij,,,,, in fraucezesescuros muito finos p.ra quern toma u1SSSf^t^^J"l,\lS^t^S
V Cassas de eo-es a 240 rs dem ^ m"dico *"*'de f6ra" '''''^,
Vr. -assas aeco.es a Ziurs. encontra em outra pane.
0 eovado : na loja do Pavao a rua da Imperatm offerecem a sot precis wn>id-,a^o i ZvZ.
ou- mencao:
camisas._ Lacinhc- para senbrras. *
Vende-se uma grande porcao de camisas bran- Tem,, nm complete sur.in.enlo de Uciasm *
idao, por muito seda e de cambraia b-rdados qoe &tm **-
um poucoenxo- dend0 pf,r preft, ^u,,., bUtl0 4 j. jj-^ jx
ade do que fica dito, e para pr^va dao um pe va'hada8. *" cmo Jst1rou.la!j faneei"8 de al 3*500, 4* e $i cada um. Sao iouiu> SioT
lueno resumo, cuio infallivelmente dosnertara a 8od- a *500, duas de linho a U e 2,500 para, o.i-es de seda
ttencao dos pretendentes. j acab^,r "a >?ia do Pav*o rua da Imperatrix n. 60 Temos nm comjd. to sortim. i,t .'t t^m i* s
Cordclro SisuAes A C, ,,.,,..,
leste importante estabelecimento, no louvavel pro-
irosito de nio desmentirem o. conceito que os
;eus nnmerosos freguezes Ibes tem dispensado,'
icaiiam de receber de sua conta o mais rico sor-'
irnento de sedas, popelinas, las e artigos de ul-,
ima moda em Paris, e continuarao a receber |
jor todos os paquetes daquella procedencia ; por
sso chamam a attenjao de seus freguezes e os'
onvidam a darem um passeio ao sen estabeleci- cas coni peit0 d,e ,inno e de
nento, garantindo-lhes que encontrarSo a reali- me?os.do "eu1 valor> PT estarem
Ma'ndam fazendas a 'casa dos fregueaes, e dao \de iel,x Pereira da Si,va-
imostras m diante penlior. Roupa para homem para acabar ate ao fim
Artigos de aim novldade e ,.do nno-
ulilina moda "a lc'ja d0 "avaj bquida se uma grande porcao
Certes de vestido de linho guarnecidos de bico de.roliPa Pa homem como sejara : calcas de
lamesma fazenda e cor, trazendo fivella, bolca, I bnm,dAD0'a;^,as1.braD,ca81.' ditl
' cor de 6$ ate 12;, ditas de brim cores, pah tots
e fraks de panno preto, de alpaca e alpacao, as
j sim como de casemiras de c res, colletes brancos,
pretos e de cores, assim como ronpa branca de to
das as qualidades, nao se olba a prejuizo, o que se
quer 6 liquidar ate ao Go do anno.
Cambraia Victoria e transparente
para senhora, de cores e
braccos com Jindos bor-
fazenda,
I CIA
Banquets de cravos e de todas as (lores, capellas
e velas para baptisados, de muito gos:o, por iarato
prego, e tamuein recebe-se encommendas tre? diae
antes : no pateo do Livrainento n. 36, loja de
cera.
Coll
a superior
DA
Fabrica Camacho
Ja chegou para o unico deposito, no escripUrio
de Joaquim Jose Goncalves BeltrSo & Filho, a rua
do Commercio n. 5.
Farinha de mandioca
superior, chegada pela barca Saphira ; tem para
vender mais barato do que em outra qualquer par-
te, Joaquim Jose Goncalves Beltrao & Filho, no
seu escriptorio, a rua do Commercio n. 5.
Chapeos
Grnade exposi^ao
I,OUO
Grande sortimeoto de chapeos de palba para
homem a 1*800 e 2?, preco realmente baratissimo
em vista da qualidade, e muito proprios para a
esta : na rua do Passeio n. 60.
ilmperial fabrica de rape
area fiaa de Moreira db C.,
da Bahia.
Oeste excellente rape*, que se torna recommen-
davel aos amantes da boa pilada tem estabeleci-
do esta fabrica o sen deposito a rua do Commer-
cio n. 5, que vendem por Junto e a retalho, fa-
zendo-se vantagem a quem cemprar porcao.
W E % OE"SsG o siUo junto a igre-
ja de S. Jose do Manguinho, com casa de vivenda
assobradada e outras acommodacoes, todo mura-
do.com duas frentesserviias por portao de ferro,
dando para a rua da Amizade e para a do Han
guinho. Tem de terreno proprio 194 palmos de
largura e 354 de fundo ; e a casa mede 52 palmos
de [rente e 84 de fundo. A situacao e a melhor
eossivel para morada, e quem quizer edificar, tera
astante terreno para iste, pelo lado da roa da
Amizade. Tem a'gumas plantacSes de gozo e re-
creio, havendo bastante agua fornecida por duas
caeimbas, u i.-a das qcaes e nova. A entender-se
com o Sr. Dr. Witruvio quem o pretender.
E$(a queifnando
0 proprietario deste estabelecimento tem resol-
vido vender as suas fazendas o mais barato pos-
sivel, afim de apurar dinheiro.
Cambraia branca bordada.
0 desengano esta vendendo cambraia branca
rdada pelo diminuto i reco de 360 rs. o eovado.
E' grande pechincha.
Cortes de organdy de cSres a 4:500.
Cambraia transparente, lina, a 3* a |peca.
Baptista de lindos padioes a 360 rs. e eovado.
Chitas escuras finas, a i-'tO rs. o dito.
Ditas claras idem, a 240, 280 e 300 rs. o dito.
Lazinhas de bonitos padroes a 200 rs. o dito,
Flor do bosque a 600 rs. o dito.
Camisas" de cretone, finas, a 3* e 3*500.
Madapolao inglez, fino, a 4*500, 50 e 5 ,500 a
boga.
Dito francez, fino, a 5*500, 6*, 6*500 e 7*
peca
Alpacas de cores a 400 rs. o eovado.
Basaninas de gnrgorao de coda a 6f.
Popelinas de linbo e seda a 1* e 1*500
vado.
Cambraia Victoria a 4* e 4*500 a pe;a.
Gase de seda a 1* o eovado.
Brim branco de linho n. i, a 1*500 a vara.
Algodao.T largo e lino a 4.', 4*500 e 5* a
peca.
Cambraia de cores a 200 rs. o eovado.
E outras muitas fazendas que deixam de ser
mencionadas para nao se tornar massante, por
isso convida a t das as pessoas a fazerem uma
visita a seu estabelecimento afim de sortirem se
do bom e barato para a fesla : a rua do Crespo
n. 25, junto a loja da esquina
Lazinbas brilhautes a 720 rs.
0 Pavao recebeu um bouito sortiment3 das mais
lindas lazinhas brilhautes, seudo de quadrinhoo
miudinhos, parecendo de uma so cor, e tendo diffe-
rentes cSres ; esta fazenda tem um brilho corns
seda e bastante largura, e vende-se a 720 rs. o
eovado : na rua da Imperatriz n. 60, loja de Felix
Pereira da Silva.
Lazinhas taorlernas a 320 rs.
0 Pavao vende bonita llzinhas de quadrinhos,
tendo de todas as ceres, pelo barato preco de 320
rs. o eovado; sendo fazenda que sempre se vendeu
a 500 rs., e pechincta ; na rua da Imperatriz n.
60, loja de Felix Pereira da Silva.
Crochets para cadeiras.
0 PavSo vende uma porcao de panos de cro-
chet, proprios para encosto de cadeiras e de so-
fas, que vende por precos baratissimos: na rua
da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da
Silva.
C6rtes de organdy a 2pi00
0 PavSo recebeu nm bonito sortimentode cortes
de organdy, matisados, para vestido, que vende
pelo baratbsimo preco de 2 400 o cdrte, 6 pechin-
cha : na i ua da Imperatriz n. 60, loja de Felix
Pereira da Silva.
Lustres, candieiros e aran-
dellas para gaz.
No novo estabelecimento, Grande Exposicao, na
rua do Iraperador n. 35. junto ao escriptorio da
companhia do gaz, vendem-se lustres, candieiros e
arandellas de diltcrentes tamanhos e moderno;
gostos, tanto de vidro como de bronze, e tudo do:
melhores fa'ricautes que ba na Inglalerra. Taru-
bem se vendem globos de bonitos padroes, chumbo
e tudo o mais que for preciso para o servicp do
I gaz. E como os donos deste estabelecimento man- '
j dam vir de conta propria e se querem aerediur, |
: vendem tudo mais barato do que qualquer outro,'
0 eo', para o que os compradores podem experimentar.
into, etc etc.
Riquissinios chapeos
retos.
Cortes de cambraia
ados.
' de cores com enfeites da mesma
nrino, etc. etc.
Capas de la para meninas e senhoras, guarne-
idas de arminno.
Yestuarios para baptisado.'
ftiquissimas camisas b'rdadas para senhora.
Leque8 de madreperola, para noivas.
Ricas cilchas de seda, para casamento.
Cortes de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda brauca e dito preto.
Sedinhas de delicades padrSes.
Setim Macao de todas as cores.
Grosdenaples pretos e de cores.
Velludo preto e damasco de seda.
Jranadine preta e de cores.
Filo de seda branco e preto.
Ricas basquinas de seda.
Casacos de merino de cores, la, etc.
Mamas brasileiras,
Capellas e mantas para noiva.
Cambraia de cores, oitas mariposas brancas, de
res, lisas e bordadas.
Flor do bosque (novidade).
Percalinas de quadros, listras, etc.
Drins de linho para vestidos.
Fnstao de cores.
Saias bordadas para senhora.
Grande sortimento de camisas d linho lisas e
>ordadas. para homem.
Meias de cores para homem, senhora, meninos
meninas.
Sortimento de chapeos de sol para bomens e
enbora.
Merioas de cores para vestidos.
Dito pieto trangado e de verao, bombazina, can-
to, alpaca, etc. etc.
Atoalhado de linho e algodao para toalhas, e dito
>ardo.
Damasco de IS.
Brim de linho branco e de cores.
Setins de lindas cores com listras.
Chales de merino de cores e pretos
Ditos de touquim e ditos de casemira
Can.isas de chita para homon* #> ditas de fla-
tella.
Ceroulas de linho e ditas de algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e ditos de lanyrintho.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
ara bailes, e tarlatana de todas as cores.
Colchas de damasco de la, e ditas de crochet.
Espartilhos lisos e bordados.
Poulard de seda, lindas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Casemiras pretas e de cores.
Loja do Passo
Rua Primeiro de Marco n. 7 A
antiga do Crespo.
E'BOM SARER-SE
Que a NOVA ESPERANCA, a rua Duqne d*
Caxias n. 63, bem conhecida pela superioridade de !
seus artigos de moda e phantasia, acaba de rece-
ber diversas encommendas de mercadorias de sua
reparticao, que pela elegancia bem mostra aptidao
Assuear candi..
0 melhor e mais bonito, preparado e aper-
feicoado por systema novo, vendem Beilrao &
Quintal, em sua reGnacao a rua do Barao do
Triumpho n. 56.
Balangas, pesos medidae
do systema rnetrico deci-
mal.
Von Sohsten & C, na rua da Cruz n. 18, ven.
dem um completo sortimento, tudo feito na me-s
ma fabrica da Europa onde foram os actuae
padroes existentes na camara municipal desta
cidade.
VENDE-SE
iparuyao, que peia eiegancia nem mostra aptiuao um terreno no prmcipio da Estraca Nova, do la
^^^^J^T^^X^c^\^^V^.^ ** de 400 palmos de frenle
Vinho verde.
Especial chegado no ultimo vapor, tem para
vender em barris de qninto e de Colares em
decimos, no seu escriptorio a ma do Commercio
n. 5, Joaquim Jose Goncalves Beltrao & Filho.
Cortes de casimira a 4$,
e 6|000.
Na loja do PavSo, vende-se cortes de ca-
semira para calr.a'a 4$, 59 e 6#000, ditos
muito fines de uma s6 c<3r com listras ao la-
do, fazenda que sempre se vendeu a 9J! e
109000, liquida-se a 6a0OO para acabar:
a* rua da Imperatriz n, 60, de Felix Pereira
da Silva.
Na loja do Pavao vende-se nm grande sortimen-
to de cambraia Victoria e transparente para ves-
tidos tendo 8 1/2 vara cada pessa de 3-600 para
cima, isto na rua da Imperatriz u. 60 de Feix Pe-
reira da Silva
Collarinhos de linho para acabar a 4,j
a duzia
C. Na loja do Pavao liquidate nma grande porcao
de duzias de Collarinhos de linbo, por estarem um
pcuco enxovalhados, pelo barato preco de 4, a
duzia, sendo fazenda qne sempre se vendeu por
7j e pechiucha : a rua da Imperatriz n. 60, loja
de Felix Pereira da Silva.
Chales de casemira a 4*.
. 0 Pavao vende chales de casemira com gostos
ehinezes, sendo muito grandes, que sempre ven
deu a 7* e 8... liquida a 1,. Ditos de la, muito
encorpados, com listras, a 3;. Ditos de quadros,
azenda muito b. a 2 ; assim como, um bonito
fortimento de ditos de merino, lisos e de quadros,
vende de 2 n. 60, loja do Pa^ao, de F. Pereira da Silva.
Poptlina de linho a 400 rs. o eovado.
0 Pavao recebeu um elegante sortimento das
mais benit s pupelinas listradas para vestidos que
vende pelo barato preco de 400 rs. o eovado, la-
vando-sc nao desbotara ; assim o-mo, bonitas e
moderoas lazinhas com listras de seda a 646 rs.
o eovado. Ditas transparentes com palmiobas a
500 rs., sao bonitas. Bareges de uma so cor, pelo
barato preco de 400 rs. o eovado, e pechincha :
na rua da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira
da Silva.
Cortes de vestidos pjra liquidar.
0 Pavao vende a 4 ,5* e 6* corte de cam-
braia branca' com enfeites bordados de cOr, L-
zenda que sempre vendeu a 7* e 8*, e liquida a
4* para acabar. Djtos brancos de cambraia aber-
ta com lislras e lavradinhas, que sempre se ven-
deram a 10*, liquidam se pi r 5*. Ditos Benoatao
com lindos enfeites de cor, fazenda qne val 12-,
liquidam se a 63. Ditos de cassa de cores com
7 varas a 3* ; e pechincha : na rua ua Impe-
ratriz n 60, loja de Felix Pereira da Silva.
Pechincha para criancas.
Meias a 2*500 a duzia.
Toalhas de fustao : ara mesa a 2,500.
0 pavao vende toalhas de fuslao para mesa de
jantar pelo bar-to preco de 2*500, e pechincha :
na loja do Pavao, a rua da Imperatriz n. 60,
lcja de F. T. da Silva.
Brins de Angola a 21, 2,500 e 3*.
0 Pavao vende cortes dos verdadeiros bimde
Angola a 2;, 2*500 e 3* ; e pechincha : na rua
Sa Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereir ;da
dilva.
Na leja do Pavao vende-se madapoldes franco
zes muito incorpados, com 20 jardas a 6.000 reis,
dito muito fino com 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as-
sim como um grande sortimento de madapoldes
inglezes de 4,500 ate 8,000 e 9,000 : a rua da Im-
peratriz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
da de si da. fazenda muito moo", ma, f. -ii
contra no Bazar das Faroilias, |fl<>irccu de M
rs. o c. vadu. Nitiguem p. de v> nuer.
Popelinas de Miibo .-o
Temos um eoaultlu < rtiment i de poi>.ji,.v fc
brim d Angola ditas brancas ditas de casemira de ,iuho ffIlJl pro ria pkIi r ^
CAP tta l\ 7\ 'i til 1 "T it li".' Jit li* im .anmn nnlil.Jn I .. Kin
muito barata, a SOo rs. o covad->.
Faiai de seda de r6n-.
Recebemos nm ci i:.; !>-tu .< itiM
seda, fazeoda iMeinNMala nova, qne rntimm
vendendo por 2*, 2#2o0 o cova.|.\
Pup* lioas a* linho r. se Ja.
Nette artigo tem< s um e-inpl. i. s..r:.ui*a > 4V
estamos vendeudo p-r 7< 0. 800, Duo, t#, :*?*
e 1*8(0 o eovado.
Asim como temos popelina Lranra, pr>prapft-
ra noivas, qoe vendemis por i^HJi i*
vado.
iliquissimas capellas l- m vu (.-, .
que estamos vendendo por 13*, 18* e JO* n*.
Polonezas de percalina prpna> p..ra
Temos nm eomplelu surtiau'iito o.
percalinas propria? para baoims. M> i i'
to compiidas e aaito bantM a e S* iai m
a fazenda iitporUu em muit n.. s ao ~ tae
feitas.
Alpacas d seda com iL-lras.
Temos neste artigo om cou.,' < 11 -i rtioM a
e>tams vendendo p. r pre? n..o;o baritn. ,l
810, 900,1* e 14200 ; sao lar. x.
BaptMa* de r...
ReceV-mos nm compktu m r:imentu > 6*; tas, pairSes iuieiram-nu> o.r. goM v#
nite.-, que e.tamos v 480 e TOO rs. o eovado.
Ortes dcgran.Mlufc.
Recebemos nm complete, sortiuitnto de tctim
de granadine br:.nca; om IMtai i m
mas soltas, que estamos vebtiendo j.or 12; *m
corte.
Casaquuihos pretos de '."ijc-rio.
Reeobemos u i c o>pletu son d- -
quinh s pretos de g rgnrio, on '.-tmi i' .
do por 8 -, 10*, 12* e io vm,
Setim Lracco e d> .
Reccbenius um Banplala swfiiiiamlfi
Macao, tanl-i branco como de r.i.>, q.^ .
mos pr 2*200 e 2 400 o eovado
Cambaias branca. tn.o-parrule e U, *ii-
Temos s< rtinieiu > de iau.br.oi,
a >*, 4 500, .*, f* e 7* a |.m ; guaaUBnat
1(2 varas.
Assim como, outros arttgaa qce se t-rsasala-
donbo mencionar
REIS E SILVA & GCTMARAES.

Aos 1,000 chapeos de sol de
seda de cores com cabos
de marfim a 43 e
Admireffls
Corlinados a 1SOOO.
0 Pavao vende corlinados bordados, prcprio
para camas e janellas, a 7* o par. e pechincha
que logo se acaba : na rua da Imperatriz n. 60
de Felix Pereira da Silva.
Salsaparrilha nova
Cbegada no ultimo vapor do Para.
Tem para vender Antonio Lniz Moreira de Aze-
vedo : no sen escriptorio, a raa do Bom Jesus
n. 57.
Asunicas verdadeiras
Bichas hambnrguezas qne vena a esta marcade
oa rua do Marrmex deulindan.81
Farinha de mandioca supe-
rior.
Tem para vender, Joaquim Jose Gonca i-
ves BeltrSo & Filho, a bordo do palbabou
Rosita, fundeado ao pe" do caes doCollegio.
e para tratar a bordo ou no seu escriptorio:
a rua do Commercio n. 5.
No Barateiro!
A' roa 1 de Mar^e p. 4.
Acaba de re eber grande quantidade de lazi-
nhas com fen* de seda para 300 rs. o eova-
do II... aproveitem antes que sa acabejn.
Rua 1.* da Marco n. 1
Agostinho Ferreira da Silva Leal.
Viohos garaolidos. 1
Caiih i Irmaus & QA roa da Ma-
d e de Dens n. 54.
Pign^ira superior em quintos e ancoretas.
Pasio i-iem em ditas
Portn iil.m em ditas encapadas.
Porte em qninto- e ancoretas.
Porto en caizas de duzia.
Idem Miuerior para festas e doentes.
Hesperediiu verda.lt-ira.
Cera de caroauba boa.
Cafe do Rio bom.
Europa, e por esta razao a NOVA ESPERANCA,
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e constante freguezia e com especialidade ao sexo
amavel, a visitarem-na, afim de apreciarem ate
onde toea o primor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer enlrar no nu-
mero dos massantes (verdadeiros azucrins) com
extensos annuncios e nem pretende descrever a
immensidada de objectos que tem expos to s a ven-
da, o que serfa quasi impossivel, mas limitar-se-ha
a mencionar alguns daquelles de mais alta novidade
e toma a liberdade de aconselhar ao bello sexo,
que a visitem constantemente, para depois que
comprarem em outra qualquer parte nio se arre-
penderem, a vista do bom e ecolhido sortimento
que ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
bem demonstra que qualquer senhora do bom torn,
nao podera completar a elegancia de seu toilet
sem que de um passeio a NOVA ESPERANCA, i
rua Duque de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
ber osseguintes artigos de luxo e inteira novida-
de :
Modernas settas para prender os cabellos.
Primorosos leques de phantasia.
Bonitas sahidas de bailes para senhoras e meni-
nas.
interessantes gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de touquim.
Bons aderecos de madreperola.
Delicados aderecos pretos de pnfalo e borracha
(gosto novo).
100 de lut do.
Um dito no princi io da estrada do Remedio,
com 500 palmos de frente e 1,200 da fnnJo.
Uma casa terrea na ru' de Vital de Negreiros,
perto da estacSo da estrada de ferro, com muito
bons eommodos e excellente peco d'agua : quem
pretender estes terrenes e esta casa, pode diri
gir se a rua de Vigario n. 31, qu<. se dira com
quem se deve tratar a venda.
Aos meninos
Cora dos eslreitamento doretra
pela facil applica^ao das
SONDAS OLIYAES
DE
GOfflMA ELAST1CA
As mais modernas e aperfeir^oadas de todas
as conbecidas
Yendem-se
NA
cia e drogeria de Bartbolomeu d C.
Rua larga do Rn.ario n. 34.'
A NOVA ESPERANQA, & rua Duque de Caxias
a. 63, aeaba de receber um bom sortimente de fl-:
aas bonecas que fallam, qoe riem-se e choram ;
tambem as tem mndas e surdas ou surdas-mudas
venham ver se nao e verdade.
AO SEXO AM4VEL.
A Nova Esperanca, i raa Duque de Caxias n.
63, toma a liberdade de avisar ao hello sexo, que
aeaba de receber diversos artigos dealta novi-
dade, oa quaes estao expostos a vnnda em dito
estabelecimento, e bom que venham aprecial-os
para por esta forma satisfazerem os caprichos de
suas elegantes toilettes.
A Nova Esperanca, nio querendo tornar-se
massante, llmita se a mencionar alguns artigos
dos mais em voga no mando das moaas, os quaes
sao os seguintes :
Lindos ciot s de couro e filigrana.
Modernog botSes de aco para vestidos.
Novns leque*, grandes, matisados.
Elegantes dvellas de aco para vestidos.
Delicado* raraos de Hires de laran.eira.
Bolsas de couro e filigrana, pn P'ias para tra-
pezerndentes ao. einto.
Olinda
Boa a e q ii i n i c A o .
Vende se om sobrado *ito na pateo da Se, em
Olinil*. edificado em chao proprio, com grandes
sreouimodiigdos para nnmer-sa familia, reedifl-
ead'i e pintado de nvo, com bllisaima vista,
mni'o fre-cn e com 'juintal: a. tratar no paHeo
de PedrpII n. 6, f andar.
Lustres, lampadas e arandel-
las.
Obra de gosto e muito mais barato do que em
outra qualquer parte, tem para vender Joaquim
J se Goncalves Beltrao Si Filho, a rua do Commer-
cio n. 8.
Fiiwlas Ilerniarias
ELECTRO-MEDICAES
Para ligar perfeitaraente e curar radical-
mente
as qnebraduras
Essas fundas estabelecidas sobre os conheci-
mentos medicaes e anatonicos mantem as qnebra-
duras as mais volnmosos e difflceis, impedindo o
seu desenvolvimento. Elles team uma acgao elec-
trica que na generalidade dos casos opera uma
eura radical sem que o doente se sujeite & pres-
et ipcao alguma, a excepcao do uso continuo del-
las. A cm a opera-se bo periodo de 12 a SO ma-
zes confonne a hernia mais ou menos antiga.
Unico deposito em Pernambuco, pharma-
PUAfiMAClA E PROtiARJA
DE
Bartholomeu & 0.
34~ Rua larga do Rosario 34'
Vaccina. Vaccina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Lourenco da Magalbies,
montMilo na cdrte um completo servicp deste ar-
tigo, tem aqui aberto nm deposito da melhor
mais receute, enjos tubvs se encontram na
0 desengano esta queimando chapeos de sol de
seda de cores com cabos de marfim, para senho-
ras, pelo dimiouto preco de 4S cad> um, com um
pequeno toque de mdfo, e limpos a 5, sao cha-
peos que muitos vendem a 126 e 15i cada um ;
a elles, antes que se acabem : na rua do Crespo
n. 25, junto a loja da esquina.
Vejam todos
Baa do Quelmauo n. 43, Junto a lo-
ja da esquina da rua do Crespo.
A 240 rs. o eovado.
Lazinbas de listras k imitacio da seda, bonitos
padrSes a 240 rs. o eovado.
Organdys de listras a 3*500 ou a 380 rs. 0 eo-
vado ; organdys de cores com listras muito bo-
nit, s a 3*500 a peca on 320 rs. o eovado.
Aproveitem que e grande pechinch-.. So o 43,
nao se enganem.
Cimento Portland
Verdadeiro
9*000 a barrica
Jorge Tasso
37 Rua do Amorim 37
Bacalhao imperial
Noruega superior
em Betas caixas, proprias para casas par ticuhres.
9.000 cada meia caixa
Jorge Tasso
37 Rua do Amorim 37
Presuntos e queijoslondrinos
37 Rua de Amorim 37
Jorge Tasso
Pedras de marmore
Vende-se pedras de m -rn.ores, de diversos ta-
manhos, com duas polegadas de gros^ura, proprias
para muitos misteres : a tratar com Joao Jose da
Cunha Lages.
d saiugi
AIMAZfiM D
A' pra^a ciiculur
dc Al :.'
mil o b
SITIO
Vende-sa um sitio com 240 palmos de fiente e
700 de fundo. em Beberibe de baixo, com algu-
mas arvores fruotilers, agua pouvel e larangel-
ras novas ; tambem se permuta por uma pequena
casa ou escrava mo?a, ou mesmo sitio pequeno,
perto da cidade : a tratar na rua da Florentina
IU ___________________
Vende-se
a am
a rua do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vfiho do Porto eogartafado, em barna
ancoretas.
Cera em velas, de !***, snpwor qnalidada
Retroz do Porto.
Cimento Portland, legititno
A' rua 1 de Mar^o n. 1
Confronte ao arco de Santo
Antonio.
Continua vendendo suas fazendes com 30 por
cento menos do que seus antigos precos, pelo que
faz disso sciente aos seus freguezes.
A saber :
Grande sortimento de babadinhos e entremeios
bardados, oara 1*, 1*200 e 1*100 I Que grande
pe;hincna.
BRILHANTINA de cdres, fazenda superior, o
mais moderno que ha, a 500 n. o eovado. .
D1TA branca para (:0 rs.
CHITAS Claras e escuras a 240, 280 e 300 rs.
o eovado.
CAMBRAIA para forro a 1*500 a peca com 8
1|2 varas. E' barato.
SEDA de uma so cor a 900, 1* e 1*200 o eo-
vado, fazenda qne sempre custou I*; a el las an-
tes que se acabem.
POPELINAS le DITAS de seda de superior qnalidade. gosto-
os mais modernos que ha, a 1*600 e 1*800 ; cods
vein mandar ver.
ES3UIAO de linho e algodao para fronbas, ca-
misas, etc., etc., com 7 jardas a 3*200 a peca.
BRIM pardo trancado a 400 rs. o eovado.
BRIM Angola, de cores bonitas e fixas, para 500
rs o eovado.
CHAPEOS de casemira para homem a 3*000 I
CHAPEOS de sol de alpaca a 3*, e tambem pa-
ra senhora, a 2*.
DITOS de sol de seda para senhora a 3*500 e
para homem a 10* ; mas sao paragom.
BRIM branco exposicao a 1*800 e 2* a vara, e
baratissimo
COLLERINHOS os mais modernos que ha, a 7*
a 7*600 a duzia. E' linho e sempre eustam 9*.
PUNHOS a 64300 e 7* a duzia.
TOALHAS felpudas, fazenda muito boa a 6* a
duzia.
CORTES de casemira it cores, bonitos gostos
a 7*. So aqui
: LENCOS de linho abainhados, fazenda muito
boa a 3* e 4*200 a duzia.
MADAPOLAO francez cim 20 varas boa quali-
dade e eusta 6* a peca i elle, a elle.
. So no Barateiro
A' rua Primeiro de Marco n. 1.
Loja de Agostinho Ferreira da Silva Leal & C
vende-se:
Tijolos de marmore, d' iiUtr :.:
ruanhos e qualidades.
Tijolos franceies, textupl 5.
Ciaocnto Portland ver- *.;
Asalejos sni;i!e."i muit-i ;
para rodpes.
Azulejuo verdes o MNhI s, tamsri
regular.
Haquinas dc descar-'.-.^r algodao.
Cadeiras de ferro, aseento de pa'.bs
nba, pmpriaspara cairpo.
Camisas francezaL para riie-
ninos a 2$.
0 Pavao vende camisas frar.c sh para ra'BSto*
de todas as idades, a 2* cada uma. o*i tm tmm
a 22* ; is.o e para a a bar na r:;- da mpetaSJS
Seneitf s de harlalires
As mais u.v;:s.
Couve flor.
Brnxellas.
Saboia.
Menciana.
Penca.
I>tbarda.
> Frunchuda.
t" Galega.
'.abira.
Repi'lho.
Broealo.
Cenouras.
Nabos.
Rabanttes.
Lhicoria.
Alfaee.
MosUrda.
Obolla.
Salsa.
Pepinos.
Vendem Pdcas k C, a rua estreita do r *
n. 9, jnnu a igreja^______
I
A's pechiofbas !
Vende-se
0 estabelecimento de molhados a rua do Barao da
Victoria n. f>5. com armacao de amarello nova
0 mais mod-ma passive); vende-se com os gene
ros ou sem elles, por ser propria para qualquer
outro negoci'i e esta em boa localidade : a tratar
na mesma.
SaTdoAsstL
Tem para vender \utoaio Luiz de Oliveira
Azevedo, a bordo do palhabote Johen Arlvhr : a
vtratsr com o capita a bordo, on no seu escrip-
torio, a rua do Rom Jus n. W.
I'n |rios pirn bailes.
Chegaram em boa quadra, para a loja do Passo,
riquia&imos curies de seds com largas listras
achamaloladas a lin lissimas cdres ; curies de tar
latana com palmas bordadas a prata, proprios
para naile- : so na laja do Passo, a rua Primeiro
ed Marco n. 7 A>
Baa ds Qucissado n. 43.
Ju to a loja da Magnolia
Organdys branco com listras bt nilas a 400 rs.
eovado.
Popelina de linho eon listras abertas a 3)0 rs
eovado.
Lasinhas a escoceza a 270 rs. o eovado.
Alpacas de seda, gostos achamaJotados a 609 r
covado.
Ganga carliea en nada para conta a 140 r
eovado.
Cambraias de cores a 100 e 240 rs. c cvado.
Chitas es:uras a 22 (rs. o eovado.
Chales de casemira ahinezes a 2* um.
Lencoes a 2* om.
Cobertas le ganga a 2; e 3* uma.
Toalhas para rosto a 4.500 a diuia.
Cambraia transparente a 3* a peca.
Cura das hernias, pelas fiin-
das de borracha.
As melhoros e mais aperfeicoadss das ate boja m-
nnecidaa.
Vende-oe
Dro|CS*o
dl C
84
- I
Kosario J4
Traw
Vesde-se traves de lour,
ver ao caes d<> Ramos, e t
Rodrigue- Tavares de Veil
Saam andir
iiiS
o-ras
Vende-se
1 a taverna e padaria da Ponte de Ucboa n 37,
' sendo junto ou ?parado, a vonta-'e do compra-
dor : a tratar na mesma.
Liquidai
Chaptoa de todas a
senhoras e rr.eoiB< :
oatr'ora DireiU n. 61.
qnai
\ -
) Du



8
Diario de Pernambuoo Segunda feira 28 de Dezembro de 1874.
LITTERATUEA.
Qae 6 O clero em umu mnnurctain
eenslituclonal 1
(Conclusio.)
0 cardeal Zarabella, bera conhecido pelo
nornedo cardoaldeFlorenca.se distinguio
no concilio de Coustanga, tanto pelo seu
zelo corao pelas suis luzes. Eis-aqui o mo-
dovporque ella se eiphca sobre a ueoe?si la-
de dos concilios, que ha largo tempo pare-
cem estar sepultadas no vaso do esqueci-
mento : Ndo d necessario, diz este grande
homem, provar qual d a utililadedos con-
cilios, porque d uma cousa bem conhecida
aos olnos do todo o muudo. Com tffeito,
se considerarmos a causa original de todas
as calamidades, de t >dos os males e abusos
queteui experimentado a igreja, Gcaremos
logo conveucidos que olios nao tern procedi-
do sendo da negligencia de se convocarem
os conciliosi Se regularmente se celebras-
sem, como em outro tempo, nenhuma du-
vida hiveria de remediar a todos os males
Antigaraente, conlinua ainda este sabio
cardeal, o costume era ter.ninar por este
roeio todosos negocios diffioeis, e os conci-
lios eram frequentes. Mas, depoisquecom
oaniar dos tempos alguns papas, que no
governo da igreja tern imitalo antes a con-
ducts dos principes temporaes que a dos
aposlolos, calcando aos pes todas as leis
primitivas ndo sem lembraram ou nao qui-
zeramconvocar mais estas verdadeiras c6r-
tes ecck-siasticas. Todos os aduladores
que desejam agradar aos papas lhes tem
cbegadoa persuadir, assim como fazem os
validos aos rais, desde tomp >s immomoriaes,
e ainda hoje, qin Ibes era permitlido
p6r em pratica tudo quanto lhes lembrasse,
ate mesmo as cousas mais illicitas e preja-
diciaes ao bom reg-men da igreja. Eis a
origem de u ma iulinidade de abosos. Os
papas se tem do manoira apolerado de
todos os direitos das igrojas inferiores, qu
os prelados destis igrojas sSo lidos em ne-
nhuma conta. Ou I se a Deus nao apraz
a vir_em soccorro da sua bem amada espo-
sa a igrt-ja universal, e de temer o perigo
qne a ameaca Ecclesia periclilatur.
Praza aos ceus que o Verdadeiro espi rito
da igreja de Jesus Cbristo torne a appare-
cer em nossos dias, livre dessas nuveus
que as falsas decrotaes tem cspsrjrido, e que
tantos males tem causado a" igreja, d religao
e aos estados.
O nosaa caneioneiro
CARTAS AO SR.J SERRA
Illustre collega.E' nas trovas popula-
ros que sente-se mais viva e ingenua a alma
de utna nacao.
E quern melhor o sabe do que o inspire
rado poeta das Sertanejas, que jd colheu
tldres das mais graciosas neste nosso agreste
vergel, ainda tao desdeahado da litteratura
militante ?
Escusado e. pois, repetir o muito que ja
se tem escripto a.erca da poesia popular.
Sobram-me, assim, para o assumpto desta
carta, tempo e espaco, que se disperdiga-
riara com aquelles prologos.
S6 da poesia popular do Ceard tratam es-
tas linbas, que lembrou-me de enviar-lhe
agora, por uma circumstancia minima.
Recebi ha dias, do um patricio meu, es-
tudante nesta c6rlo, a quinta versdo de um
dos poemas popularos mais curiosos de mi-
nha terra natal.
Ha muito que trato de colligir as trovas
originaes que se cantam pelas cidades ain-
da, porem mais pelo interior ; rapsodias
de improvisadores desconhecilos, maiores
poetas em sua rudeza do que muitos lau-
readoscom esso.epitheto.
Estou convencido de que o nosso cancio-
neiro nacional e muito mais rico do que se
presume. Faltam-lhe sem duvida o sabor
antigo e o romanlismo das formosas len-
das gothicas e mouriscas, pois no Brasil
nem a terra e velha, mas tem o mesmo pi-
co esobram-lhe em coropensagao o perfume
de nossas florestas e o vigoroso colorido da
natureza como do viver americano.
E' preciso, porem, ndo s6mente o gosto
FOLHETIM
rancm sos :s:::::
MYSTERIOS E INTRIGAS DA COR-
TE DE FELIPPE V.
POR
. FERNANDEZ Y GONZALES
VOLUME I
PRIMEIRA PARTE
Jka Tres Esperancas
CAPITULO III
KX QUE ANNA MARIA COMEi.'A A 1NTKIGAH.
[Continuagdo do n. 294}
Mas dera.ii Ave-Marias e ninguem appa-
recou.
Deram nove, dez horas da noite ; o mar-
quez julgou que n'aquella noite a dama
ndo sahiria, e ia, a retirar-se, quando ouvio
o ruido d'uma chave no jardim.
Tornou a occultar-se no mesmo sitio.
" Sahiram o homem e a dama ; elle em-
bugado e com a sua lanterns, ella comple-
tamente envolta no seu manto.
Como na noite anterior forara d igreja
de S. Andre*.
Pouco depois chegaram o frade de S.
Thomaz e o seu leigo, alamiando-o este com
a lanterna.
0 marquez vio-se obrigado a esperar ate
a uma hora da noite, em que o frade e o
leigo sahiram.
Minutos depois tornavam a sahir o ho-
mem e a embugada.
Era fora do duvida, ou pelo menos muito
provavel, que o frade dissera missa e ddra
tambem a communhao d dama embugada.
Por isso, quando a embucada se recatava
tanto para as suas praticas religiosas, quan-
do vivia n'uma casa, cujas janellas princi-
Eaes nunca se abriam, e que parecia desha-
itada, d porque devia ser um mysterio.
A.
0 marquez resolveu sahir de duvidas na
noite seguinte por meio d'um golpe de mdo
atrevido.
N'aquelle tempo, como agora, abundava
em Madrid gente de ma* casta : soldados des-
pedidosdo servigo pelo seu mdo coraporta-
mento, espadachins, rufioes, homens rijos e
proprios para qualqaer pendencia de honra,
capazes de darem uma estocada no mais
habil, com tanto que se.lhe pagasse bem.
Miudou o marquez procurer oito d'esses
dcstas excavagoes pacientes, como folga pa-
ra as emprohender ; cousas muito difliceis
de reunir em um paiz onde as lettras, lon-
ge do serem profissdo, entram ainda para
muita gente no numero das futilidades no-
civas d reputagdo do homem grave.
Na primitive poesia popular do Ceard,
prodomina o genero pastonl como era de
razao entre populagdes principalmente da-
d s d industria da criagdo e derramadas
por uberrimas campinas coalbadas do toda
a espe ie de gado.
Mas o estylo dessa poesia pastoril contras-
ts con o estylo classico da rausa grega e
romana, tanto quanto se destaca do estylo
romanlico dos zagaes do Tyrol e dos vaquei-
ros da Suissa.
Talvez "ndo se encontre afHnidade com
estas rapsodias senao entre os arabes, povo
com o qual, apezar da difference da raga,
o cearense tem analogias Jopographicas,
aptas a se the rtflectirem na indole e cos-
tumes.
A razSo da singularidade provem de n8o
revestirem as cancoes cearonses a f6rma do
idilio. Ndo se inspiram no sentimento ly-
rico, tem cunho epico. Sio expansoes,
ou episodios da eterna heroida do homem
em luta com a natureza
Succedeu nos sertdes do norto o mesmo
que se observou uos pampas do sul.
Desde os principios da povo3C,8o, que as
liversasespecies de animaes domesticos io-
troduzidas pelos colonisadores se propaga-
ram com iutensi lade. A Providencia nos
seus imponetraveis designios havia prepara-
do a America para a regeneragao das rac,as
exbauslas do velho mundo.
As immensas campinas, que se dilatam
desde o 3. Francisco ate o Parnahyba, por
quo a natureza as proveria de tamanha
abundancia de plantas forrageiras, quando
a sua fauna indigena-.nao contava mais que
um typo da ordem dos grandes rumi-
nantos ?
Ou logo nos primeiros ensaios, de colo-
nistcao, ou mais tarde com a devastagao
das granjas e engenbos durante a invasdo
hollandi'za ; o gado amontou-se. Iuteroan-
do-se pelo sertdo, abi voltou ao. estadb sel
vagem. Ainda hoje encontra-se pelos si-
tios escusos alguns, e que na proviucia cba-
mam barbatao.
Ndo otino com a etymologia deste voca-
bulo, que se nao e jeauino cearense, veio
provavelmente da ribeira do S. Francisco.
NoDbuma analogia torn elle com o termo
baguu que no sul designa o cavallo, e nao
sei se tambem o boi amontoado.
P6do ser que barbatdo ndo passe do aug-
mentativo de barbato, para signiGcar o Ion
go e denso pello do galo criado no matto.
Ndo seria desarrazoado tambem deriva-lo
de brabo, variante rustica de bravo. Neste
caso o augmentativo so afastaria da forma-
rao grammatical ; mas destes solecismos ha
muitos exemplos no dialecto popular.
Assim de fama, por exemplo, compuze-
ram os sertanejos dous augmentativos, cou-
tra todas as velbas regras etymologicas, di-
zem famanaz e famaraz para designar o
sujeito de grande fama. Equivale ao su-
perlativo famosissimo, com maior intensida-
de na significagao.
E' tambem moito commum entre o nosso
vulgo o augmentativo em ama, como oira-
ma, poeirama, de que raros exemplos se
encontram na lingua portugueza. Com o
instincto grammatical de que e dotado, vai
o povo creando aquelles termos de que pre-
cisa para exprimir suas ideas.
Disse Garret que o povo tambem e classi-
co. Penso eu que devia dizero primeiro,
dos classicos e igualmente dos grammati-
cos.
Quando por 8ns do seculo dezasete divul-
gou-se a noticia da uberdade e riqueza dos
campos do Geard, acudiram a situar se nel-
les muitos homens emprehendedores, al-
guns jd abastados.
Como, apezar de sua extensdo, ndo bas-
tassem os pingues sertoes d cobica dos pos-
seiros que os retalhavam entre si; e as con
cessoes de sesmarias oblidas por favor con-
trariassem pretences e vaidades ; origina-
ram-se dabi as lutas sanguinarias que asso-
laram a nascente capitania no decurso do
seculo dezoito.
Foi por aquelle tempo que se fundaram
as primeiras fezeodas de criagdo do Ceard.
0 vaqueiro cearense aobou-se em face
de um sertdo iramenso, e de grandes raana-
das de gado, esparsos pelo campo. Este
systems de criacdo, inteiramente diverso
do europeu, obrigava o homem a uma luta
constante.
Livre, tendo prra esconder-se brenhas
impenetraveis, e o deserto onde refugiar-se,
esse gado almargio, se ndo era de todo sel-
vagem. tambem se ndo podia chamar do-
mcstico.
0 vaqueiro, forgado pelas condigdes do
paiz a cria-lo &s soltas, tinba necessidade de
doma lo, sempre que, sefazia pre:iso ama
lhar as rezes para a ferra e outros miste-
rs.
Havia aldm disso o gado barbatdo nascido
no matto, ou fugido das fazendas. Era es-
sential acabar com elle, para que ndo attra-
hisse.jo outro chamado manso, e o desenca-
minhasse.
Dabi as emprezas para o cosso das rezes
silvestres, curiosa e intrepida monteria, que
estimulava os brios dos vaqueiros e no qual
lies desenvolviam toda a destreza e excellen-
cia de sertanejos.
0 touro bravo e um animal terrivel. Sua
forga prodigiosa, a impetuosidade do assalto,
a ferocidade que o assanha na pugna, sio
para incutir pavor ao mais valente.
Nao se reconbece, de certo, o animal, que
geralmente consideramos o symbolo da pa-
ciencia e mansidd), nessa fera de o'.hos ?an-
grentos, que escarva o chdo com urros me-
donhos e de repente se arroja, cego e bo-
leado como a bomba de um canhao.
Espera-o, porem, a pe iirme o vaqueiro,
que tem por arma unicamente a sua vara de
ferrdo, delgada haste coroada de uma pua
de ferro. Com esta simples defeza topa elle
o tjuro no meio da testa e esbarra-lhe a
furiosa carreira.
Outras vezes o boi, reconhecendo a supe-
rioridade do homem na luta, tenta escapar
Ihe d unba e dispara pelo matto. Segue-o
o vaqueiro sem toscanejar; e ap6s elle,
rompe os mais densos bamburraes. Onde
ndo parece que possa penetrar uma corsa,
passa com a rapidez do raio o serlanejo a
cavallo ; e ndo descsnga emquanto ndo der-
ruba a rez pcla cauda.
0 boi que recobra a sua liberdade e ha-
bitua se d ella, emprega para conserval-a
uma sagacidade admiravel. Ninguem sup-
poria que esse animal pesado e lerdo, fosse
susceptivel de tamanha agudeza.
Ha rezes que vivem muitos annos fora-
gidas pelas mattas. Os vaqueiros tem noli-
cias deltas pelo rasto apenas.
Raro conseguem descobrir-lhes o vulto;
e ainda assim 6* trabalbo inutil; pois ndo
se encontram muitos cavalloi capazos de
alcangal-as d disparada.
Esses veteranos das boiadas zombsm da
destreza e perspicacia dos mais a til ados ser-
tanejos, os qua-s, affrontados em sua fama,
julgam-se obrigados, para desaggravo dos
brios, a pegar o barbatdo e trazel-o ao
curral.
Todas estas scenas dos costumes pastoris
de minha terra natal, conlo eu reproduzil as
com sua cdr local, em um romance de que
apenas estdo escriptos os primeiros capi-
tnlos.
Delias se vS que nos sertoes do Ceard, a
vida do voqueiro ndo se repoasa da sereni-
dade e cordura, que sao os toques das abe-
goarias da Europa. Ao contrario a agitam
os enthusiasmos e commogoes da luta, que
Ihe imprimem antes um cunho cynegetico.
Ndo podiam, pois, as nossas rudes buco-
licas cearenses se impregnarem da mesma
dogura e araenidade das que outr'ora canta-
ram Tbeocrito e Virgilio, e que ainda hoje
se reproduzom nos colmos dos pegureiros do
velho raundo.
Rem diversas, porem, sio estas scenas ser-
tanejas, dos barbaros espectaculos de Touros,
tdo populares na Hespanba, e que nos vie-
ram outr'ora por importagdo. Nos cur-
ros o boi encerrado em um ambito estrei-
to, assustado com a presenga da multiddo
homens, aos quaes se encontrou com pouco
trabalbo ; pagou-se-lhes bem, sem se lhes
dizer quen Ihe pagava, e deu-se ordem d
quatro d'elles para que se fossem postar
antes das oito boras da noite por traz da
igreja de S. Andre\ com recommendagdo
de alii permanecerem toda a noite, se pre-
ciso fosse, e aos outros quatro mandaram-
nos estar meia bora antes das Ave-Marias
junto da igreja de S. Mil Ian, e esperassen
alii que lbes apparecesse um bomem mas-
cara do, d quern deviam seguir e obedecer.
Effectivamento, depois das oito horas, o
mascarado apresentou-so aos quatro vadios
que estavam postados junto da igreja deS.
Millan.
Aquelle homem era o marquez de Cas-
troviejo, que vinha de vigiar o postigo, e
que vira sabir por ella e dirigirem-se para
a igreja de S. Andre o bomem e a dama
embugada.
0 facto de n'aquella noite fazer luar con-
trariava um pouco o marquez.
Entretanto a sua impacieneia ndo Ihe per
mittia esperar muito.
0 ascendente do almirante sobre el-rei
augaentava d meJiJa que o do marquez di-
minuia.
XI
0 marquez foi esperar com os seus qua
tro homens que a dama sah'isse da igreja.
Pelo caminho disse-lhes de que se
tratava; ordenou-lhes que, quando a
dama e o bomem sahissem, dous d'elles
saltassem ds estocadas sobre o homem, e
os outros dous se apoderassem da dama, e,
apezar dos seus gritos a conduzissem para
o outro lado da igreja, onde a esperava
uma cadeirinha e a mettessem deotro
d'ella.
Dispostas assim as cousas, quando davam
dez horas sahiam o homara e a mulher ;
elle com a lantarna e ella embugada com
muito recato no seu manto.
XII
Quando chegaram ao meio da praga o
homem passou a lanterna da mdo direita
para a mdoesquerda, desembainhou a es-
pada e cobrio a dama com o corpo.
Vira quatro embugados que se dirigiam
decididamente para elle.
k' pouca distancia, dous homens desem-
bugaram-sd, puxaram das espadas e ata-
caram o da lanterna.
A' luz d'esta, o aggredido vio que aquel-
les homens traziam mascara.
Os outros dous que ndo tinham desem-
bainhado as espadas, correram para a dama,
arranaaram-n'a violentamente do bragodo
seu comnanheiro, e abalaratn co.n ella.
e a algazarra ,dos capinhas, ndo passa de
uma victims a immolar.
Outra cousa e o campear de nOssos vaquei-
ros. Abi ha combate leal; o novilho tem
a liberdade de aceitar ou evitar o assalto ;
a Qoresta abre-se diante dello. E' uma luta
de f >rga e destreza; em que nem sempre o
homem 6 o vencedor.
Entre os poemas pastoris da musa natal,
distinguem-se pela antiguidade, como p^lo
entrecho, dous, cuja noticia an la mais divul-
gada. Sdo o Boi Espacio e o llabicho da
Geralda.
Erpacio na lingua do sertanejo significa
o boi que tem a armagdo aberla e esgalha-
da. Os nossos rusticos fizeram este adjec-
tivo pelo mesmo processo que os sabios
empregaram para de olympo tirarem olyra-
pio, de rosa, roseo, etc. E' a desinencia
iui muito frequente no latim. Espacio re-
presents, portanto, a furma passiva de espa-
cado.
Ndo escapard de certo a um critico tdo
illustrado e reflectido, como aquelle a quem
me dirijo, a novidade de outros termos aqui
empregados. Ndo os encontrandq nos mais
copiosos diccionarios da lingua portugueza,
naturalmente os attribuird ao dialecto ser-
tanejo, do qual talvez possua melhores
subsidios do que atd hoje eu pada obter.
Como, porem, 6 o senhor, mou prezado
collega, entre todos os nossos escriptores,
brasileiros pela patria e pela musa, aquel-
le que mais excusa, sendo acorogoa as mi-
nhas insurreigdes contra a esquadria dessa
cousi chanada vernaculidade (sexquipeda-
lia verba) com que pretendem d forga com-
passar-me a palavra ; aproveito o apropo-
sito para uma observagdo.
L'ns ce.tos profundissimos philologos ne-
gam-nos a nos, brasileiros, o direito de le-
gislar sobre a lingua quo fallamos. Pare-
ce que os canones desse idioma ficaram de
ama vez decretados em algum concilio cele-
brado abi pelo seculo XV.
Esses canones so tdm o direito de inflin-
gil-os quem nasce da outra banda, e goza a
fortuna de escrever nas rib as historicas do
Tejo, e Douro ou nos amenos prados do Li
ma e do Mondego.
N6s, os brasileiros, apezar de orgarmos jd
por mais de dez milboes de habitantes, ha-
vemos de receber a sent) a de nossos inn aos,
que ndo passam de um tergo daquelle alga-
risrao,
Nossa imaginagdo americana por forga
que teri de accommodar-se aos moldes eu-
ropeu, sem qua Ihe seja permittido revos-
tir suas fonnas originaes.
Sem nos emmaranharmos agora em abs-
trusas investigates pbilologicas, poJemos
affirmar que e este o caso, em que a reali-
dade insurge-se contra a theoria. 0 ficto
eiiste; como ba poucos dias escrevou o
meu distincto collega em uma apreciagdo
por demais benevola.
E' vd, sendo ridicula a pretengdo de o
aniquilar. Ndo se junge a possanta indi-
vidualidade de povo joven a expandirse ao
influxo da civilisagao, com as teias de umas
regrinhas mofentas
Desde a primeira occupsgio que oi po-
roadores do Brasil, e ap6i elles seas des-
cendentes, estdo creando por todo este vas-
to imperio um vocabulario novo, d propor-
gdo das necessidades de sua vida americana,
tao outra da vida europea.
Nos, os escriptores nacionaes, se quizir-
mos ser entendidos de nosso povo, havemos
de fallar-lhe em sua lingua, com os termos
ou locugOes que elle entende, e que lhes
traduz os usos e sentimentns.
Ndo e* sdmente no vocabulario, mas tam-
bem na syntaxe da lingua, que o nosso po-
vo exerce o seu iaauferivel direito de impri-
mir o cunho de sua individualidade ao ins-
trumento das ideas.
Entre varios exemplos, recordo-me agora
principalmente de um muito para notar.
Fallei-Ihe ha pouco da e.tcentricidade de
certos augmentativos. Usa-se no Ceard um
gracioso e especial diminutivo, quo talvez
seja empregado em outras provincias; mas
com certeza se ba de generalisar, apenas se
vulgarise.
Ndo permitte certamente a rotina etymo-
0 manto, descomposto por aquelle ata-
que rapentino, deixou ver & luz da lua uma
joven d'uns vinte e dous annos de idade,
extraordinariamente formosa.
A joven poz-se a gritar ; mas, apezar dos
seus gritos, os raptores arrebataram-n'a e
desappareceram com ella por traz da igreja.
Entretanto o seu companheiro cabia mor-
to com uma. estocada no coragio, e os as-
sassinos fugiam.
XIII
Ndo acudio ninguem, nem uma s6 janella
se abrio.
Os moradores receiam que a justiga lhes
pergunte se viram alguma cousa, eefre
quente matarem-so os desordeiros sem que
alguera procure obstar d isso.
0 cadaver ficou abandonado, e a lanter-
na accesa ao pe* d'elle, illuminando Ihe o
rosto negro em que se uotava a expressdo
da agonia.
Um homem embugado approximoa-se
d'elle, e examinou o por um momento afim
de se certificar se era cadaver.
Aquelle homem era o marquez de Cas-
troviejo, que immediatamente se encami-
nhou d toda a pressa para a banda de traz
da igreja, echegou onde estava a cadeiri-
nha, em que tinham mettidoa dama. Ro-
deiavam n'aseis homens.
Dous- d'elles pogaram na cadeirinha e
pozeram-se a andar acompanhados do mar-
quez e dos outros quatro em direcgdo i rua
de los Mancebos, na qual pararam diaate
d'uma velha casa, cuja porta se abrio quan-
do o marquez bateu, tragdndo no seu es-
curo fundo a cadeirinha e os que a levavam
e acompanhavam.
A porta tornou a.fechar-se, e tudo per-
maneceu em trevas.
XIV
0 marquez abrio a portinhola da cadei-
rinha, e ordenou d dama, alterando a voz
e em torn imperioso, que se apeiasse de
mandado do Santo Otlicio da geral inquisi-
gdo.
Em se valor do aome e da influencia do
Santo Officio, dava uma prova da sua gran-
de audacia.
A pobre da joven obedeceu, e o marquez
agarrou-lhe n'uma das mios que estava
tremulae fria, ecouduzio-a tenteando o ca-
minho, fe-la descer uma escada, sempre is
escuras, deu algnmas voltas n'um recinto
escuro, humido e tenebroso, fe-la subir e
descer repetidas vezes as mesmas escadas,
e por fim, quando a joven jd devia estar
convencida de que- se achava n'um 4abr-
rintho, largou-a, tornou a subir a escada,
fechou a porta, e, depois de subir uma ou-
logia applicar o diminutivo ao verbo. Poislarf provintiam ;
om minha provin :ia o povo teve a lembran- iheatrum. RaIa
ga de sujeitar o participio presente d esta
formula grammatical, e creou de tal sorte
uma expressdo cbeia de encanto.
A mai diz do Qlboque acalentju ao col
lo: Estd dorminiinho. Que riqueza de
expressdo nesta phrase t3o simples e con-
concisa ? o mimo e ternura do aff 3Cto ma-
terno, a delicadeza da crianga e subtileza de
seu somno de passarinbo, atd o receio de
acordal-a com uma palavra menos doce ;
tudo abi estd nesse diminutivo verbal.
Entretanto, meu illustre collega, suppo-
nha que em algum romance eu empregasse
aquello idiotismo, a meu ver mais eleginte
do que muita roupa velha com que os pu-
ristas repimpam suas iddas.
Ndo faltariam, como de outras vezes tem
acontecido, criticos deorelha, que depois de
medido o livro pela sua bitola, escrevossem
com impoftancia magistral: Este sujeito
ndo sabHygrammatica.E tern razdo ;
gramatica para elles e a artinha que apren-
deram na escola, ou por outra, uma meia
duzia de regras que se affogam nas excep-
gdes.
Emquante a lingua portugueza vai assim
enriquecendo-se d proporgdo que a brasilei-
ra, por outro lado man tem em nosso paiz
certas franquezas que sempre gozou desde
sua origem, e das quaes o classismo lusita-
no pretende depojal a.
Tenbo entre outros um exemplo mui fri-
sante dessa benefica loadencia da nossa indo-
le litteraria ; como porem jd se desraedio
esta primeira carta, Qcard para a seguinte ; e
ndo estranbe so d sombra da epigraphe de
nosso cancioneiro,' vou "dando folgisd pen-
na para estas digressdes.
luet in Iheatrum oa mi
iheatrum. Releva comtudo observar qne
os bons autores preferiam geralmente ea-
pregar com os verbos de repoaso e perm-
nencia a preposigao in da preferencia a mi.
A regra latina passou con a mesma am-
plitude para o portugnez. Ik o tiaba dito
o nosso compatriots Moraes, que ainda hoja
e o prineiro lexicologo da lingua.
Sendo por conseguinte bem semelhanta
o uso desta preposigao em portaguez ao da
latina in, porque assim como eo> latim sa
pode dizer turn in Africa e profit itcor in
Africam, assim diziam os nossos classicos
estive em Africa e passou em Africa, como
disse barros e Camoes.
(Continuarte-ka.)


TABIED1DE
C ha via- aper-lurca.
K STL'DO ZOO LOG ICO.
Nos museus zoologicos da Europa
Consta que ossadas ha tdo desconformes
De extinctas ragas de animaes enormes
Na forma e natureza
Varias, estravagantas,
Que para ellas olbando os mitantes
Esta cam de sorpreza.
tra escada, entrou n'um quarto pequeno
onde estava um bomem muito mat encara-
do que lbe deu uma lanterna accesa.
0 marquez tornou a descer ao pateo,
abrio a porta novamente, desceu o outro
lango, e achou em meio do subterraneo a
joven de joelbos a rezar.
XV
Quando o vio, a donzella levantou-se
cheia de terror e olhou para elle com as-
sombro.
0 marquez estava muito bem mascarado,
e, ainda mesmo que o ndo estivesse, ndo
o conhecia.
Que crime, que falta commetti para
a inquisigdo me prender ? perguntou ella
em mdo castelhano e com prouuueia estran-
geira.
Enfeitigastes el-rei, disse o marquez
de Castroviejo com voz rouca e nasal para
disfargar a voz que Ihe era propria.
Eu, meu Deus, ndo 1 exclamou a jo-
ven. Eu estou innocente, ndo quero en-
feitigar el-rei, ndo o enfeitigo ; sou muito
desgr^gada 1
E fixava os seus formosos olbos azues ve-
lados pelas lagrimas nos olhos do marquez.
Fallaes secretamente de noite com
el-rei n'uma casa de campo d beira do rio.
0 almirante, o almirante e que tem
a culpa, eu ndo ; eu ndo amo el-rei, eu ndo
amo o almirante ; sou uma victima. Ouvi-
me, ouvi-me, senhor, ouvi-me e ndo me
condemneis. Diem que a inqaisigdo quei-
ma vivas as criaturas de Deus. Se me ac-
cusaram de ter dado ieitigos d el-rei, quei-
mam-me; senhor, eu estou innocente. 0
almirante commetteu comigo uma infamia.
Sou, sem vontade e sem amor, rade d'uma
criatura, que ha de nascer dentro em pou-
co. Nao accrescentem ao desespero em que
estou o desespero de ser queimada em vida.
E como podereis desculpar-vos do de-
licto de ter tido, em resultado d'uma impu-
reza, um filho d'el-rei nosso senhor, que e
casado ?
Ah I ndo, ndo I el-rei acredita, porque
el-rei e muito bondoso e credulo, que a
crianga que ba de nascer Ihe pertence, mas
ndo d verdade, nao. 0 almirante engana-o,
e el-rei soflre, el-rei tem remorsos, a sua
consciencia estd perturbada, eu nio ma
atrevo a dizer-lbe a verdade, porque o al-
mirante me mette medo, porque o almiran-
te me disse : Cala-te, Margarida : cala
te, contintia aenganar el-rei, el-rei ama-te ;
eogana-o, porque se ndo o eoganas, mor-
res. E o almirante d capaz de tudo, se-
nhor j pois ndo foi atd capaz de deshonrar
por violencia urua pobre crianga que viera
No fim de sontas verd qae tudo entra e
ajusta-se perfeitamente no assumpto ; pois
outra cousa nao d sendo comments
rio e glosa das trovas e cantigas populares.
Creia-me o mais sincero dos apologistas
de seu bello tilento.
II .
Illustre collega.Ha de saber que nossos
irmdos de origem e lingua riem do nosso
povo brasileiro que diz moro na rua
de... estou na janella, chegueiem casa.
A questdo ndo d rir, cousa que depende
apenas de um confrangimento dos labios;
mas sim de quem tem razdo para rir e taxar
nos outros como defeito aquella usual lo-
cugdo.
Ndo souphilologo, nem pretendo para
mim os faros de grammatico, que entretan-
to se arroga tauta gante. E d ao ponto que jd
se pode bem parodiar aquelle dito cbistoso :
que todo bomem tem por forga uma aduela
de doudo e outra de medico.
Como, perem, os dous melhores mestres
que eu conhego da arte de fallar sdo o bom
senso e o uso ; e eu todos os dias tomo li-
gdo com elles, considero-me habilitado para
affirmar que nesta questdo damos quindo
aos nossos irrados mais velhos.
Sdo elles que se conspiram contra a gram-
matica, firmando como regra o exclusivo da
preposigaod para as locugoas acima in-
dicadas e outras analogas ; e exigindo que
sediga impreterivelmente moro d ruade...
estou a janella, cheguei d casa.
A contestagdo d entre as duas preposigoes
a e em, que ninguem ousard contestar nos
viessem directamente do latim. Anda em
moda nas altas regioes da philologia negar
a filiagdo evidente do portuguez, e buscar-
Ibe as origens em linguas desconbecidas e
truncadas ; porque deste modo a cousa ndo
poda ser nntendfda por todos e toma ares
de intrincado problems.
Felizmente ndo carecemos de metter-nos
com essa algebra conjecturar da liuguisiica
moderns. Para o nosso caso basta-nos um
lexicon latino, livro que todos conhecemos
desde o collegio.
No mais puro e classico latim achamos o
emprego simultaneo das preposigoes ad e in
para significar o lugar, onde sem outras res-
triegfies alem das que eram peculiares d har-
moniosa prosodia dos romanos e d discrimi
nagdo dos casos.
Assim diziam elles proftcisci in Grceciam
ou ad Graciam, advenire in provintiam ou
Eu aposto, porem, (e com certeza
Desta aposta ganbar)
Que entre ossadas e bichos empalhador,
Km algum dos museus mais afamsdos,
Francez, ou belga, ou allemio, oa turco.
Um chavis-aper-lurco
Alguem podesse achar.
para Hespanha confiada na sua protecgdo ?
Isso ndo desculpa os amores que ten-
des com el-rei e as feiticerias de que vos
valestes para o seduzir, disse mostrando se
cada vez mais severo o marquez de Castro-
viejo.
Escutae-me, senhor, escutae-me por
compaixdo I disse Margarida de Egmont,
sou bisneta do desgragado conde Egmont,
que, declarado traidor por pelejar pela inde-
pendencia da sua patria, foi degolado por
ordem d'el-rei D. Felippe II. Os bens de
minha familia tinham sido confiscados em
proveito d'el-rei. Eu vivia pobre em Bru-
xellas com a minha velha av6, que Deus
perdoe. Sustentavamo nos d'uma pensao
mesquinha quo a cidade de Bruxellas nos
dava. Tinha dezesete annes, e amava com
toda a minha alma um capitdo de arcabu-
zeiros hespanhdes, chamado D. Diogo da
Silva, do qual ignoro o que fosse feito co-
mo elle ignora de certo o que foi feito de
mim. Partio para Bruxellas ndo sai com
que encargo do almirante, e, como este d
grande personagem e alem d'isso goza mui-
to do favor d'el-rei, D. Diogo, que o conhe-
cia, disse-iae que era cavalleiro muito no-
bre e generoso, dispondo de grande influen-
cia e que el-rei de Hespanha tinba acimo
muito bondoso e poderia conseguir-se talvez
por intermedio do almirante, que a corda
me restituisse o que tinba sido confiscado d
meu quarto avd o conde de Egmont.
Eu fallava alguma cousa hespanhol, por
que D. Diogo assim queria, e o meu amor
uzera maravilbas.
Um dia Diogo disse-me que tinha fallado
com o almirante d meu respeito, que este
me queria conhecer, e que, visto fallar eu
alguma cousa hespanhol, quanto me bas-
tava para me fazer entenier, lbe declarasse
a minha pretengdo, a qual na minha boc-
ca teria mais forga para elle.
Dirigi-me com minha avd e D^ Diogo a
casa magnifica do almirante, o qual nos
recebeu muito bem, me escutou com extre-
ma boudade e me deu grandes esperangas.
Mas nunca eu tivesse ido fallar com o
almirante ; naraorou-se cegamente de mim
e decidio-se d tudo para me obter.
Quinze dias depois, D. Diogo pallido,
triste, aterrado, disse-me que nos iamos se-
parar, qae o tinham mandado partir para
o exercito de Italia, que era soldado e ndo
podia desobedecer, sob pena de ser preso e
julgado.
Senti que me arrancavam o coragio. Pre-
vi o quer que fosse de horrivel 4 nio havia
porem remedio : mandavam partir no mes-
mo mstaute D. Diogo e elle obedeceu.
E' um animal voraz, manhoso, immundo
Malevolo e traidor,
Qued dos calabrios bosques uriunJo
E engorda bem ao sul do Equador.
E' de suina raga; e a semelbanca,
Por ser bipede, tem
De um colossal bogio, cuja panga
Vai. da bitola fraociscana alem I
Povoa-lhe a cabega de fuinha
Grisalba carapinba.
Tem olhos cdr de ri ; cara de gato ;
Louro pello no labio superior
Com forma de bigode ;
De esfomeado cdo possue 0 olfato,
Sendo tal comedor,
Que come.... come. .. come quanto pode
Filar de noite e dia
Com risco de morrer de apoplexia f
Por divertir-se com tal gula, is vezes
Offerecem-lhe enormes feijoadas.
Bam grossas a adubadas,
Que elle devora desde a ulna is fezes I
Mas ai do louco que d'est'arte 0 affaga t
Manboso, traigoeiro, em breve espaco
Vrraa-lbe 0 perfido um terrivel laco
Em que 0 obsequio c'o a traigao ihe paga 1
A autiga zoologia e a moderoa
Nio conbece inda a raga
Deste bruto fatal, que por desgraca
Entre os mais mansos racionaes se jnterni.
Tem veneno na lingua como a cobra I
E quando irado estd,
0 rosto se lbe torna cor de a bo bra,
E comega a ladrar como am rafeiro I
0 seu halito, entio, exbala um cheiro
Como tdo mio nio ha I
0 so contagio seu produz cobreiro,
Pois mnguem delle aproximar-se poda
Sem experimentar qualquer um damno,
Mesmo quando estd calmo, como bode
Dd marradas em todo ser humano
Que delle estiver perto.
Onde quer que appareca 0 mal e certo 1
Despersa os grupos, emporcalba os lares,
Dd dentadas falaes I
Corrompe, estraga e empegonha os ares f
E' 0 mais p'rigozo, em fim, dos animaes '.
A. Lopes Cardoso
Ndo 0 tornei a ver: nio recebi d'elle
uma so carta, nem tire noticias su is.
Desgragadamente minha av6, qua era
muito idosa, adoeceu e morreu.
Fiquei so e orphia, sem pa rentes, sem
amparo, sem outro recurso mais do qua a
escassa pensio que me dava a caridade de
Bruxellas.
Eu ndo conhecia 0 almirante : jalgava-a
bomem 0 mais nobre e mais generoso do
mundo, esoccorri-me a elle.
Disse-me 0 almirante qae as miubas pra-
tengdes teriam melhor resultado se me apre-
sentasse na corte de Hespanba. Eu retor-
qui ao almirante que nio podia viver em
Hespanha, por ser descenionte dam ho-
mem declarado traidor, e que me era prohi-
bido ahi apparecer.
Nio imporla, me ponJerou 0 almi-
rante. Ides debaixo da minha protec;io.
Precisamente acabei 0 q-ie tinba a fazer em
Flandes e regresso d Madrid. Podeis ir em
minha companhia.
Aceitei. Julgava-o u n homem de hon-
ra. Parti com elle n'um nivio e fomos
desenbarcar d Barcelona.
Assim que me apanboa d bordo, 0 al-
mirante deu-me a conhecer a sua paixio.
Foi para mim um tyranno odioso. Nio
havia ninguem quo me protegesse, e tornei-
me sem vontade, sem amor, dese.perada,
dilacerando a alma e sacrificando o amor
que tinha a D. Diogo, amante forgada da
almirante.
E niobastou isto. 0 almirante disse ma
que eu nio podia viver em Hespanba, Ml
cdrte, mas sim ucculla, porque sobre a
minha familia, e por conseguinte sobre
mim, pesava uma seoteogs de infamia e i
degredo para fdra dos domioios do mjpar-
cha hespanhol ; qae se tolerira a minha
residencia em Bruxellas, mas oio se havia
de tolerar a minha permaneocia na corta.
proximo d'elrei; qua era |necessano vivar
em Madrid occalta. e que ella almirante se
encarregeva de arranjar isso. D'am modo
incognito me transportaram de Bireel00a
para Madrid, onde entrei de noite a fai
ipqsentada na casa onde vivo ha am anno.
{Conlinuar-te-hd.)
TYP. DO DIARJO. RUA DUQUaDS QULa'
r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXJ6X6E2S_SPLB1I INGEST_TIME 2014-05-27T21:33:58Z PACKAGE AA00011611_17680
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES