Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17672


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i >
s
AiVAO L iVlMERO 288
PARA A CAPITAL B LI GIBES OKOE HiO SB PAGA PORTS
jtresme .diaaudo.. v........... Jg^
for ieis ditos idem............. iSZnn
*orumannoidem........ ........ifSSSSi
Cada nomero avulso ....... ........a*X?J
MARIO DE P
PROPHIEBADE DE MANOEL FIG
ff f r*
**> Antonio AWes* Filhos.no Part, Gon^res 4 Pinto, no Matanhlo; Jotqnim Jose de Olireir. 1 Pilho, no Cemr.; An
Pereir. a'Afesa.. em Uamangaape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na P.rahvba; Antonio Jo* Gome,, na Till.
_____________________Apto0k) Ferreira de Afmiar.em Goy.nna s Jolo Antonio Maehaeo. no Pilar daa Alag.
PARTE OFFICIAL.
Governo da proviucia.
EXPEDIENTE DO DIA 31 DE AOUSTO DE 1874.
Ado
/." secctio.
0 presidente da provincia, attendendo ao qua
requerea Joaquim Cirreia de Mascarenhas, resol-
ve conceder-lhe liceuga para ir ao presidio do
Fernando de Noroaha, no primeiro vapor quo pa
ra alii seguir, e bem assim levar em sua campa-
nula os generos constants- da rela;ao junla, as
signada pelo secretai'io da preside :cia, os quaes
nao poderao ser desanibarcados no mesmo presi
dio, tern que por parle do respeclivo commandan-
te se proceJa a exame, afim do so veriGcar f e ha
agaardente ou outra qualjuer bobila espiri-
tuosa.
Ofllcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas. Sirva-se V. Exc de dar suas ordens para
?ue um batalhao se ache oostado no catnpo das
ripcezas, afim de solemnisar o act) do cortejo
que se tem da laser neste palacio a efflgie de S.
M. o Imperador, a i h ra da larde do dia 7 de
seterabro vindouro, anniversario da iudependencia
c do Imperio.
Ao mesmo. Declaran Jo o Exm. Sr. mi-
nistro da guerra em aviso de 21 do corrente, ter
expedido ordam a intendencia da guerra para fur-
oecer ao 9' batalhao de infiutaria, as pecas de far-
damenio da que trata o respeclivo comraandante,
no offlcio que veio annexe ao de V. Exc, datado
de 27 de junho ultimo, nob n. 504 ; assim o com-
munico para os Gns convenientes.
Ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar
por em liberdade o recrnta Egydio Gomes de Ma
cedo, que provou ser casado com Paulina Maria
dos Praterei.
Ao director do ar.-enal de guerra. Mande
Vmc. salisfazer com urgencia o incluso pedido que
faz o commaniante do ? batalhao de infantaria,
de um caixao para acondicionar o fardamento
qua tem de remetter para as pracas destacadas no
presidio de Fernando.
Ao mesmo. Transmiito a Vmc, para os
lias convenientes, o connectmeoto relativo aos vo
lames remettidos pela intendencia da guerra no
transpose Werneck, o qual deixou de acompanhar
o men ofllcio de 21 do corrente, pelos motives nel-
le expostos.
Ao comraandante do presidio de Fernando
de Noronha. Incluso re-nett i a V. S. as guias
dos sentenciadis que ja se acham neste presidio,
a saber: Antonio Feitosa de Mello, Jose Ferreira
da Silva Cbaves e Lniz Jose da SHverra.
Ao mesmo. Expeca V. S. suas ordens no
senlido de regre^sar para a casa de detenijao des-
la capital, conforme soiicita o Dr. jniz de direito
da I* vara, em.offlcio de hoje, o sentenciado TV
burtino Jose dos Santos, que tem de responder ao
jury na cidade de Nazareth.
Ao mesmo. Para esse presidio seguem os
XI sentenciados constaDtes da relagio nominal jun-
ta por copia. Incluso remeito a V. S. as guias de
23 desses sentenciados, st-ndo que as de Cesario,
escravo, e Francisco Alves Varejao opportunamen-
te serao reraettidas ; de Joe Ferreira de Oliveira,
Francisco de Sauza Coringa ja se acham nesse
presidio.
2." seccao.
Offlcios :
Ao promotor pubiico desta cidade. Afim
dc que Vmc proceda na forma da lei contra quem
de direito for, incluso remetto-llie por copia o offl
cio reservado que, em 29,do corrente, dirigio-rae
o inspector da thesouraria de fazenda desta pro-
vincia e bem assim a representacjio annexa do
respective contador, tudo relativo ao facto de ha-
ver Antonio i'acilieo SimSes do Amaral recebido
na raesma thesouraria, sem proeuragao, o soldo do
alferes reformado Fran.isco Joaquim Pereira Lo-
bo, achando-se compromettidos o pagador Helio
doro de Aquino Fonceca eo 2 eseripturano Cy-
riaco Antonio dos Santos e Silva. Do resultado
Vine, dar-rae-ha conhecimento.
Ao promotor pubiico da Victoria. Afim de
que Vmc. proceda na forma da lei contra quem
de direito for, incluso rametto-Ilie por :opia o ol-
ticio do juiz de direito dessa couiarca relativo
ao facto de haver o subdelegado do 1 districlo
de3se termo, Jose Maria Marques de Carvalho or
denado ao sen escrivao, Bibiano Francisco Perei-
ra de Mesquita que exigisse de cada guarda local
11 por attestado, o qne assim teve lugar.
3.' secgao.
Acto :
0 presidente da provincia, attendendo que
foi insutHciente o credito abcrto por portaria de
li de junbo Gndo a verba arscnaes > do minis-
terio da guerra, no exercieio de 18731874, se-
gundo a deraonstragao que acompanhon o ofllcio
do inspector da thesouraria de fazenda, datado de
27 do corrente, sob n. 430, serie H, resolve abrir
sob a responsabilida desta presidencia e nos ter-
mos do decreto de 1 de fevereiro de 1862, o cre-
dito de 6:5203674 aquella verba para occorreras
respectivas despezas.
Offlcios :
Ao inspector da thesourar a de fazenda.
Para os fins convenientes communico a V. S que
em 14 do corrente o bacbarel Aogelo Caetano de
Souza Cousseiro prestou juramento e assumio o
exercicio do cargo de juiz municipal e de orphaos
do termo de Villa Bella para onde fora removido
por decreto de 27 de raaio ultimx
Ao mesmo. Para os fins convenientes com-
munico a V. S. qne em 27 do corrente o jniz mu-
nicipal e de orphaos do termo do Rio Formoso,
bacbarel Jose Juliao Regueira Pinto de Souza, as-
sumio o exercicio interino do cargo de juiz de di-
reito da comarca do mesmo nome
Ao mesmo. Para os fins convenientes com
munico a V. S. qne em 5 d i corrente o bacharel
Joao Cavalcante de Albuquerque assnmio o exer-
cicio do cargi de juiz de direito da comarca de
Barreiros, para oade fora removido por decreto de
16 de ma;.j ultimo.
Ao mesmo. Transmit! a f. S. para os fins
convenientes, a inclnsa portaria pela qual o gover-
bo imperial concede 30 dias de licen;a ao Dr.
Franciso Pinto Pes?oa, lente suhstituto da facul-
dade de direito desta cidade com o respeclivo or-
danado.
Ao mesmo. Mande V. S. ajuitar comas e
pusar guia de soccorrimento ao 2* cirnrgiao do
corpo de sande do exereito Dr. Joao Cancio Nunes
de Mattos, que vai servir no presidio de Fernaudo
de Noronha.
Ao mesmo. Transmitto a V. S. para os
devidos fins, 2 ordens do thesouro nacional de ns.
125 e 141, e bem assim 3 em daplicata da repar-
ticao do ajudante general.
Ao mesmo. A' vista da informacao de V.
S. datada de 29 do corrente, sob n. 448, serie H,
antorio o a mandar pagar Joao da Silva Guima-
ries & C a qnantia de 1108306, constante da in-
clnsa conta documentada, em que importon o for-
aecimento de medicamentos feito no mez de jnlho
findo, a pharmacia do hospital militar desU cida-
da, na conformidade do qne soliciton o Exm. bri-
gadeiro comnaadante das armas em ofH:io sob
n, 619.
Ao mei-mo.Altendenl) a sua iBformacao,
datada de27 do corrects, sob n. 430, serie H, re-
folvi abrir o credito constante da portaria junta
por copia a v^rbaArsenaesdo ministerio da
guerra, no exercicio de 1873-74, com qual flea
essa reparticao liabilitada a pagar a Joae Baptista
Telles, a quantiade300j000, iraportincia da vends
de cadi-iras ao conselho de compras do arsenal de
guerra.
Ao mesmo.Da accorJo com a sua informa-
cao, constante do offlcio de 28 do corrente, sob n.
436, serie H, relevo nesta data Joao Kelippa Caval-
cante da multa que Iho foi imposta pelo collettor
S., de hoje, dsndo-sa conveofente destino as guias nientes
que acompanharam o citado offlcio.
QUOTA FEIRA 17 DE DEZEMBRO DE 1874
PABA DE.\TBO K FOBA DA PBOVIIKCIA.
Jor tres meres adianUdoa. 7........
KlSLfcS"...............
ror nove ditos idem .
Por am anno idem. .........
PTM
MHIO
T0M
AMBUCO.
OA DE FAHIA ft FILHOS.
Lemo. Brag., no Aractty ; Jolo Maria Jnlio Chive., no Ad; Antonio M.rqae. d. SUv., Natal 5 Jo^ Justin*
e'wmino dos Santos Bnlcio, em Santo Anti- ; Domingo. Jos. i, CosUlr^., em Baxareth,
Ives 6 C.,n. Bahi.; A. Xavier Leite d C. n Rio Jwieiro-
innico a V. S. que
signal ti feulhao de iofan-.aria
n'asta data de-
di guarda na
Vi*J!PaiLcoamaaxcir 7- s- qae nesta data ;doo aifem da 4- eo.npanhia do 9- hatalha'de in-
do raunicipio de Jaboataj, nor nai te.- dale a ma- j de juiz de direito dessa comarca pa-a
tricula no praz. legal a ingeuua Joaquiua, fllha removido por decreto de 16 de maio
de sua escrava Rita; o que commnoico a V. S. Ao jniz de direito da Victoria.-0
se expedio ordem ao commandants do presidio de I faotaria cK tnesraa guarda do de (Wind
Kernaodo de Noronha, no sentidj de fazer regres-1 Celestin>* Moraes.
sar para a casa de deten^ao o sentenciado Tibur-
'ino Jose dos Santos, conforms soliciton V. S. em
seu ofllcio de hoje.
Ao jal* de direito de Barreiros.0 Exm.
Sr. presidente da provincia manda accusar o rece-
bimenti do offlcio de V. S., -de 10 do corrente,
communicando haver em 5 atsumido o exercicio
onde fora
para seu conhecimento e devidos efTeitos.
A> inspector di tnesjuro provincial.-Con-
forman lo me c >m a sua informacao, datada de 28
do corrente, sob ii 358, autoriso Vme. a mandar
pagar a Antonio Jose* Bruno da Silveira, pelo art.
7" 6' d) exercicio em liquidaea >, a qoantia de
120i000, pioveniente do aluguel de jnlho do anno
passado a junho deste, na ratio de 1OJ000 men-
sae:, da casa qu>. continua a servir de cadeia e
quartel na povoacao de Timbau->a.
ao mesmo.Attendendo a sua infurma;io
datada de 28 do corrente, sob n. 336, autoriso
_ Exm. Sr.
I preiidente da provincia manda declarar a V. S^
| em resposta a seu offlcio de 27 do corrente, que
I nesta data se ordenou ao professor pablieo dessa
comarca que Jenonciasse contra quem de direito
fosse, pelo facto constante do citado offlcio.
- Ao juiz de direito interino do Rio Formoso.
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda acon-
sar c recebimento do offlcio de V. S., de 27 do
corrente, communicando haver m raesma data as-
sumido o exercicio interino do cargo de juiz de
direito dessa comarca.
Ao juiz municipal e de orphaos de Villa Bel-
Vine, a mandar eolregar mediinte, fianea ao viga- la. 0 Exm. Sr. presidente da provincia manda
rlo dafreguezia doCibo, Jose Luiz Pereira de Q-iei- accusar o recebimento do offl;io de V. S de 14 do
ra, a qoantia de 930*000, recolhida aojcofre desse corrente, communicando haver na mesma data
thesouro eproven.ento da 1* parte hi loteriain.; prestado juramento o assumido o exercicio do
o4. ex.rahida em beneficio da raatriz d aquella fre- cargo de juiz municipal e de orphaos desse termo
1 -.- c 1uara o Qual fora reondazide por decreto de 27
Ao mesmo.Lai vista desua informacao, da- j de maio ultimo.
tada de 28 do corrente, sob n. 3>9, autoriso Vmc. I Ao juiz municipal e de orphaos da Eseada. -
a mandar entregar, mediante fianea, ao tnesoureiro De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da p ovin-
dade de NossaSenhora do Terco, Antonio, cia, incluso remeito a V. S. o exemplar do regu-
20JOJO, existente nos co- laraento para arreeadagao da taxa de herancas e
Einigdio
As Jniz de diriio da conarca da Viet iria.
E u resposu a) offl-.io de Vine, de 20 da agisto
ultimo, omsultando se a concessio ou designijao
An lieenejf para casament i do raenw, de que tnta
o n. 6 dfrartigo 4* d> decret* n. 5,467 de 12 de
noverabrooitirn), so Iha compete qnan 11 hi nin-
testa^lo. trail > a dizer-ltie que, havendo novo in-
ventario, ien:pre que se trati de um manor, pelo
valor do aeervo. conheeida se torna a ompetencia
do juiz de direito ou municipal, conforme for elle
superior eu inferior a quantia de ;quioientos mil
reis, jmiii) fica respoalido o seu citado offlcio.
. "" A* mesmo. Remetti-me Vine, com urgen-
cia novj^fuias dos sentenciados vindos desa ci-
dade, a mbar : Jose Joaquim de Souza. Manoel
rrancisco dos Santis, Joaquim Moreira, Severino
Jose de Rarros, Lucio C-l-stiio Torres Minoel
Joaquim do*Saatoi. conform) soiicita o Dr.
de direitoSJa 1 vara desta cidade.
3.' sec0o.
Offlcios:
aceitado a mesma noraeacao, e nomear para o dito
lugar a Joriuiano de Azevedo Mallo.
O presidente da provincia, attendendo ao qne
informou o engenheiro chefe da reparticao das
ohras publics*, em data de 29 do mez proximo
passado, sob n. 247, relativamenle a prorogacao
requenda pelo arremaUnte dos reparos da pome
da Junqu^ira, Gracaio Pinto da Silva, para a res-
pectiva conclusio, resolve indeferir o pedido do
supplicante, e mandar que sejam encampalos os
nos reparos, imponao-se-lhe a multa de
teira a Vapor.Deferido com o oflcio desta data
i S thesouraria de fazenda.
Cantidio Cantidiano Barbosa Deferido com o
llcio desta daU ao Sr. inspector da tbesooraria d^
fazenda.
Cyriaco Antonio dos Santis
a deferir.
Glarinlo iiermeto Lins.Inform*
tor da thesouraria de fazenda.
Francisco Antonio da Rosa e Jjaquim Mannci
e Silra.-.ladahi
o St.
!S&lS*f! i? *."^5* regulamento? I SSSSL".TZ2l2&l1"
com
juiz
da
Pinto l.apa, a quantia de
fres des:-e thesonro, product) da i'oteria-n. I16, ex
trahida em beneficio das obras da mesma igreja ;
seguado requereu a respectiva mesa regedora.
Ao mesmo Mande Vmc. pagar a Fielden
Brothers a importancia do gaz consumido durante
o met de jnlho findo, na illuminacao publica desta
cidade, na conformidade da inclusa conta docu-
mentada.
4' uccao.
Offlcios :
Ao provedor da Santa Cisa de Misericordia.
Era addifameoto ao meu offlcio de 19 do corren
te, a que acorapanhou a nota das clausulas que
devem con.-tar do contrato da obra do hospicio de
ahenados, tenho a dizer que a 3' dessas clausulas
deve-se accreicentaras seguintas palavras.Salvo,
porem, se a obra necessaria a seguranga exceder
a quantia de quatro contos de reis.-Hija Vmc. de
scientificar disto 4 junta alministrativa dessa San-
la Casa.
por V. S. em offlcio de 29 do
legados, >olicitados
corrente.
EXPEDIENTS DO DIA 1 DE SETEMBRO DC 1874.
/." teccuo.
Act j:
0 presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Miria Paz Camiiiha, resolve conce-
der-lae licenca para ir ao presidio de Fernando de
Noronha, no primeiro vapor qua para alii seguir,
e b3ra assim levar em sua compaohu os generos
consumes da relacjio junta, assignvJa pelo secre
tario da presilencia, os quaes ni3 poderao ser
desembarcado3 n'aquelle presidio, sem que por
pane do respeclivo cam mania ata se pro:eda a
exame, afim de se verilicar se ha aguardente ou
cutra qualquer bebida espiriluosa.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro conmanJantJ das armas.
Sirva-se V. Exo, de mandar por em libardade o
Ao mesmo. H lja Vme. de apresentar a janta' recra.u lioi6l Evartsio do Nascimento, que provou
administrativa dessa Santa Casa a carla inclusa ,sencao "*"
que me dingio o Sr. Antonio J F. de Mendonca
Helena, afim de que a raeima junta providencie no
sentido de ser recolhida ao competenle hospital a
alienada, de que se trata.
5." seccao.
Offlcios :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas. -Accuso recebido o offleio de Vmc. da-
tado de 27 do mez que hoje finda, e n. 246, no
qual, expondo as razSes por que nao poleram os
eugenheiros mandados contratar na Europa estar
aqui e comegar os seus trabalhos se nao no fim do
corrente anno, pede autorisacao para contratar o
professor demathematicas VictorFournie, pai, afim
de prestar o seu poderosa concurso de conheci
mentos niathemaiicos e astrunomicos, durando
esse contrato ate o fim do corrente anno com as
vantagens conferidas nas disposicoes complemen
lares de 8 de julh., ultimo ao eneenheiro principal
auxiliar, na importancia de 316*667 mensaes, com
a obngacao de ensinar methodos malhematicos e
redigir as instrucc<5es, quer para a conslituicao do
servigo topegraphico da provincia, quer para a
intruccao do futuro pessoal technico dessa repar-
ticao. Em resposta tenho a dizei -Ihe que autori-
so-o a fazer esse contrato, c mforme soiicita em seu
citado offlcio
Ao engenheiro Victor Fournie\Preste Vmc,
com brevidade, informaffies minuciosas sobre a
altura a que chegaram as aguas do rio Gapibaribe
nas ultimas enchentes maiores, tanto aqui na cida-
de, como nos arrabaldes.
Ao presidente da junta de classiflcicao de
escravos do municipio de Bom Conselho.Intei-
rado da que t-xpoz Vmc. era seu efflcio de 19 do
corrente, respondolheque, conflado no seu zelo e
dos deiuais membros dessa junta, estou certo de
que eaa breve emcluirio os respectivos tra-
balhos.
Ao mesmo.Sirva-se V. Exc de dar suas
ordens para que as 9 horas da manha do di 16
do corrente, se ache postada em frente ao hospi-
cio dos capuchinhos, uma guarda de honra, afim
de solemnisar a festa de Nas*a Senhora da Penha,
que se tem de celebrar n'aquelle di i.
Ao mesmo.Para satisfacao eo qie soiicita o
Exm. presidente da Bahia, em ofllcio d 27 deagoita
ultimo, referente a rejuisicio do Exm. brigadeiro
commandanta da-armas daquella proviacia, sirva-
se V. Exc. de remetter me a certidili dos a*seota-
tnentos que constarno 2Jbatalhao de infaniaria acer-
ca do sol lado do 16 da mesma arm i, Man iel Francis-
co dos Santas, convindo que na dita certidao sa men-
cione se durante o tempo que aquella praga ser-
vio norefendo balalhao, commetleu o crime de a atiras orec
tZZA'HSZr o^.^opr,vedecon.aro co tSRTmSmSTg*
Ao mspector da thesouraria de fazenda.
A' vista das folbas e prets juntos, manda V. S.
pagar os *mcimenuidos offljiaes pracas, e calce-
Us do dapo-i o de recrutas, relitivos aa mez de
agos'.o pnsi no findo; na conformidale do que
soliciton > Exm. brigadeiro ommandaate das ar-
ma, em adB ;io de hoje, sob n. 661. /
Ao mesmo.Cimnunico a V. S., para os
devidos, fins qoepor desi acho d'esta data resclvi
abraar as falta* didas de 9 a 14 de iulho ultimo
pel) juiz de direil) da eoil)r.:a de.Nazareth, ba-
cbarel Joao Hircano Alves Maciel.
Ao mesmo. -En race do parecer d i Dr. pro-
curator fiscal d'esia thesouraria, e da informacao
i fi *" *** ^e a80J, proximo findo, sob n.
443 serie H, conceda n'esta data arelevacaodo
omraissoem que cahio Hanriques Barnardes de
Oliveira, sendo porem ell- obrigada a pagar o lau-
deraio devido e mais direitos fl caes.
Ao mesmo.Ao tenente do 2* batalhao de
Iofantaria, Liberato Pereira Ja Gjsta, que vai des-
tacar no presidia de Fernanda de Noronha, mande
V. S. aju-tar c-antas e passar guia de soccorri
mento.
Ao masm i. -Para os lias onvenientes com-
munico a V. S. que hontem reassumia o cargo de
comraandante superior da guarda nacional d'este
municipio o Exm. brigadeiro Antonio Gomes
Leal.
Ao mesmo. -Convido V. S. e o empregados da
reparticao a n cargo para assistirem a^ cortejo
one n esta p-lacio se tem de faz r a augusta ef-
flgie de S. M. 'o Iraperala-, a 1 hera da tarde do
dia 7 dicorrent). annivar.-ario di independent*
do Brasil. Igual aos in sou-o provincial, adrainist.-ador da recebedaria e
coa^uiado provincial.
Ao mesma. -Por conta do cred.to de 10:003,00)
reis autorisado pela ordem do Ihesauro n. 122 de 15
de julho ultimo, mande V. S. pagar aos diversos
negociantes de que tratan as conlas juntas, a
importancia dos object is p>r ella* faroecidis
para preparo da casa da inspecjao do araen ,1 de
mrinhi, onle foi recebido o engenheiro Sir Joah
Hiwkshaw, encarrefado de examinar o porto des-
ta capital.
Ao mesmo. Undo ne*ta data autorisado o
contrato com Manoel Firmiu a Ferreira Filno, para
execucaa dai obras precisas no quarlel das Cin-
artigo
concluinlo se es.-es reparos de conformidade
o citado artigo.
Offlcics:
Ao engenheiro chefe da npartieio das obras
publicas.-Declaro a Vmc, para seu cooaecimento
e devidos fins, qua nesu data neguei a proroga-
?ao solicitada pelo arrematante dos reparos da
poote daJunqueira, pa a a espectiva conclusao
encampandose os reparos, que serao cancluidos
de accordo com a sua informacao de 29 do mez
proximo passado, sob n 247, e inponla-se aa re-
ferido arrematante a multa da que trata o
56 do regulamento dessa reparticao.
Ao mesmo.-A' vista do que Vmc me expoz
era seu offlcio de hontem datado, sob n. ?50 re-
lativamenle aos reparos da ponte de Massing..
na, autoriso-o a mandar executa-los por adminis-
tracao, conforme soliciton em seu citalo offl-
cio.
_ Ao mesmo-De accordo com a sua informa-
cao constante do ollhio de 28 do mez proximo
passado, sob n. 248. autoriso o a recebor provi
soriamente a obra da ponte do Gaxito na eslrada
do sul, contratada por Jovino Baudeira, visto achar-
se concluida.
Ao mesmo.-Mande Vmc illuminar amanhi
o jardim do Lampo das Princezas, das 7 as 10 ho-
ras, accendendo todos os bisos, e po-lo a dispoi-
?ao da Santa Casa, para nelle ter lugar o concer-
to em favor da mesma Santa Gasa
Aos membros da commissao censitaria da
* PoHaDnasreV P0MiTt1, S6U *"*** I "Qflno *** d cm"a Pim.ntel.-Deferido com
-0 Sr. gerente da companhia pernambucana' %"* "* te iD5peCl0r da lhesoar *
mande dar passagem para o presidio de Fernando Ricardo Fonceca de Md^,r, ruf-,i* .,
rir.1 da Tjial* nn. B.l .III *..._____- .____!_ F,"TIUC''-
Rosa da Silva Coutinho.-Deferido com offlcia
desta data dirigido ao Sr. inspector da thesouraria
meiramente os reqnisitoVlegaes.
B icharel Francisco do Rego B.ipti-u Batre
gue-se.
Ignacio Jise da Silva.-loforme o Sr. inspector
oa thesouraria de fazenda.
Jose Marques de Almeida.DaferiJo com <-
eio desta data dirigid > aa inspector da thesoararia
da fazenda.
Jose Felix da Silva.Inforrae o Sr. Dr. chefe de
policia.
Julio Auguslo Torres.-lodeferido.
Joaquim Firmino de Paula.Informe o Sr. its
pector do arsenal de marinba.
Jose Paulino da Silva Filho. -Deferido com o
oflkio desta data ao Sr. inspector do tbetoaro
provincial.
Joaquim de Barros Correia de Laoi Deferido
com o offlcio desta data dirigido ao Sr. iapecior
da thesouraria de razenda.
Bacharel Manoel Anne* Jacome Pire*. Indefe-
ndo.
Maria Felicia da S.ladadcInfarme o Sr. ins
pector da thesouraria de fazenda.
Manoel Gomes da Cruz.-Nao tem lugar a re-
messa do vinho, viato como o supplicante nao jao
lou documeoto em qne prove o pedidi do alferes
serretario do presidio de Fernando de .%}-
ronha.
Maria LeopoMina da Silva.-Deferido com ofll
cio desta data ao Sr. inspector do thesouro provin-
cial.
Miguel Soares de Araujo. Deferido com oflki.,
Ao gerente interino da companhia pernam-
bncana.No primeiro vapor dessa companhia que
seguir para o presidio de Fernando de Noronha,
faca Vrac. transportar para aquelle presidio, por
conta do ministerio da jostiga, os 27 sentenciados
consumes da inclusa relacjto nominal, os quaes
he serao apresenUdos pelo Dr. chefe de po-
licia.
Portarias :
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
mande dar passagem para o presidio de Fernando
de Noronha, por conta do ministerio da guerra, ao
2; cirurgiao do corpo de saiiie, Dr. Joao Gancio
.Nunes de Mattos, e bem assim a sua Sra. D. Jesui-
na Amelia Guimaraes de Mallos e a uma filha me-
nor, de nome Olivia de Mattos.
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
mande dar passagem para o presidio de Fernando
de Noronha, por conta do ministerio da justija, a
Anna Josepha de Critto e a quatro filhos imaWffW,
familia do sentenciado Jose Calixlo de Mello, que
tambem segue para alii.
EXPEDIENTS DO SKCRETABIO
1.' seccao.
Offlcios:
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas.S. Exc. o Sr. presidente da provincia, tendo
expedido as orient convenientes ao embarque
para o presidio de Fernando de Noronha, do 2* ci-
rurgiao Dr. Joao Cancio Nunes de Mattos; assim o
manda communioar a V. Exc, era resposta ao seu
offlcio desta data, sob n. 359.
Ao mesmo.-De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, communico a V. Exc. que
nesta dita se nfli.-i m a thesouraria de fazenda,
maudaudo pagar a Joao da Silva Guimaraes & G,
a inp Ttaneia dos medicaoaentos fornecidos duran-
te o mez de julho findo, a pharmacia di hospital
militar; segundo V. Exc. soliciton em seu offlcio
datado de 10 do corrente, sob n. 6t9.
Ao mesmo.S. Exc. o Sr. presidente provin-
cia manda declarar a V. Exc, em resposta ao seu
offlcio de 29 do corrente, sob n. 658, qne nesta
data autorisou se o fornecimento do caixao pedido
pelo commandante do 9* batalhao de infantaria
para acondicionamento das pecas de fardamentos,
que tem de remetter para o presidio de Fernando
de Noronha.
2.* tecc&o.
Offlcios :
Ao iuiz de direito da !. vara desta cidade.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, communico a V. S. que nesta data se pro-
videncion em ordem a seguirem para o presidio
de Fernando de Noronha os 27 sentenciados cons-
tantea da relacao nominal annexa ao offlcio de V.
tempo de servigo.
Ao inspector do arsenal de marinha Com
munico a V. S. para sau conheeiraento, que o di-
rector do arsenal de guerra fica nesta data autori-
sado a mandar entregar-lhe um dos abuzes alii
existentes, que for indioada pala engenheiro Chrys-
sol.ta Ferreira de Castro Chaves.
Ao director da arsenal de guerra. Mania
Vmc. satisfazer o pedida junto, de um ca'xJo de
mideira para acondicionamento dos papeis dos
archives dos exiinctos corpoi de voluntaries da
patria, os ques vao ser remettidos para a corte, na
forma das ordens do ministerio da guerra.
Ao mesmo.-Mande Vmc. entregar ao ins-
pector do arsenal de marinaa um dos abuzes ex-
isteates nesse, que fdra indicado pelo engenheiro
Chryssolito Ferreira de Castro Chaves.
Ao commandante do presidio de Fernando
de Noronha.Tando por despacho desta data con-
cedido ao escr.vao do al noxarifado desse presidio,
Francisco Xivier Alves das Santa* Lima, daus rae-
tes de licenca para vir a esta capital tratar de ne-
gocios do seu particular interesse assim o decla-
re a V. S. para seu conhecimento, e afim de que
nomeiealgum que o sabstitua durante o seuimpe-
dimento.
Ao mesmo.Era additamento a meu offlcio
do 1 de julho ultimo, e de coaforraidade com o
que soliciton V. S em seus offlcios n. 14, da 9 de
raarca, e 39, de5 de julho d'este anno, incluso re
metto-lhe as guias seguintes: 2 de sentenciados
pertencentes a provincia do Rio de Janeiro; 7 de
ditos perlencentes a do Maranhao ; 4 de ditos per
tencentes a de S. Paulo, e finalmente uma de 5
pertencentes a esta provincia, e opportunamen
te serao enviadas as que faltam.
Ao mesmo.Incluso remeito a V. S.( para
fazer chegar a seu destino, a certidao que a pre-
sidencia da provincia da Ceara foi requerida pelo
sentenciado Jos6 Vicente Ferreira, em cumprimen-
to de pena nesse presidio.
Ao consul de S. M. Fidelissima.Sciente pe-
lo offlcio que em 29 de julho ultimo dirigio-me o
Sr. consul de S. M. Fidelissiaaa, de haver o pri-
meiro supplente do juiz municipal do termo de
Garanhuns -loio Corrfia Brasil, rubricadoura man-
dado de penhora exacutiva, expedido contra o
agenie ad hoc existeate na villa do mesmo nome,
tenho a honra decommunicar-lbe que praviden
ciarei como de direito for.
Junto devolvo a representacao do mesmo
agente.
Renovo ao mesmo Sr. consul os protestos de mi
nha subida estima e distincta consideracio.
Ao engenheiro das obras miliures.Davol-
vendo as propostas, qne vieram annexas ao seu
ofllcio de 29 de agosto ultimo, sob n 125, autoriso
Vmc. a contratar com Manoel Firmino Ferreira
Filno, pela qu-ntia de 2855817, a que Gca reduzi-
da a importancia dos respe;tivos orgaraentos com
o abate de 20 /, por elle ulTeresido, a construccio
das obras do quartel das Cinco Pontas e do arse-
nal de guerra, consistentes n'aquelle de um cano
para escoamento das aguas pluviaes, e neste de
concertos na eozinba e latrina do quartel dos ope-
rarios militares.
Pica assim respondido o sen citado offli-
eio.
3.
Acto:
0 presidente da provincia, attendendo ao qae
requereu o alferes da 4' compainha do 9* batalhao
de infantaria de guarda nacional de Olinda, Eraig-
dio, Celestino de Moraes, resolve designar o ba-
talhao da mesma guarda neste municipio para n'el-
e Scar aggregado.
Offlcios :
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal do municipio do Recife.Para os fins conve-
seccno.
------ guerra,
n aqualle, da construcca> de 1 cano para escoamen-
t) das aguaa pluviaes que fleam estagnadas, e nes-
I ta de concertos na coziuha e latrina do quartel dos
operarios militares, tudo pela quantia de2Jd:817,
as direccao
Ao inspector do thesouro provincial.Decla-
re a Vmc, para seu conhecimeoto e devido*, tins
que n'esta data autarisei a reparticio das ooras
publicas a reeeber a obra da ponte do Caxito, ar-
rematada por Jovino Bandeira, nos lermos da in
formagao do respeclivo engenheiro chefe, que lae
trnsmitla por copia.
Ao mesma.Nos terrao3 de sua informacao
de 31 da agosto proximo findo, autoriso Vmc a
mandar pagar a quem se mostrar habilitado, a
quaolia de 60*000, por quanto declara o director
da escola normal, em offlcio do do citado mez,
haver mandado lithographar 6,000 cartoes para
serera distr buidos pelos alumnoi da escola prati
ca daqaelle estabel cimento, que mais se dislra
guirem no estuda das diversas materias e tiverem
comportamento exemplar
Ao mesmo.Declaro a Vmc, em resposta
ao seu offlcio da 31 do mez proximo findo, sab n.
363, que a exoneraijao dos offlc aes do corpo de
policia canstantes da relacao annexa ao citado
ofllcio, na i deve ser contada da data d i portaria
3ue osdispensra dos repeetivos po-tos, mas sim
a em que tiverara della conhecimento.
Ao mesmo.A' vista da iocluso cerlificado,
mande Vmc, na conformidade da ordem desta
presidencia, de 27 de agosto proximo findo, pagar
a Reraigio Kneip a importancia de l:200ioOJ,
proveniente da construcfao de 4 balaustradas de
jacaranda para o recinta da assembles legislativa
provincial.
Ao mesmo.A' vista das contas juutas, man-
de vmc pagar a Lucas Evangelists Soares de
Bnto a quantia de 43*990, em que importou o
concerto de uma mesa para a bibliotbeca provin-
cial.
Ao mesmo.-Recaramenda a Vmc que de
accordo com o bibliothecario provincial, contrate
a construccao de uma estante era que possam ser
guardados os periodicos e brochuras pertencentes
a bibliotbeea.
Ao mesmo. Mande Vmc, sem perda da
tempo, pjr em hasta publica, para serem arrema-
tados, os matenaes da ponte velba da Boa- Visia,
que esta sendo demolida, sob as condicSes cons
tantes do offlcio do engenheiro fiscal, de hontem
datada, sob n. 251.
Aa mesmo. Tendo nesta data indeferido o
requerimento de Goocalo Pinto da Silva, arrema-
tante dos reparos da poote da Junqueira, pedindo
segunda prorogajio do respeclivo prazo, e multa-
do o mesmo nos termoi do artigo 56 d > regula-
mento da reparticao das obras publicas, devendo
esses reparus Serera cnncluidos de conformi-
dade com o citado artigo; as.-im o ci?imuni
co a Vmc. para seu conhecimento o devuos e(
feitos.
4.' seccao.
Acto :
0 presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Joaquim Pedro da Rocha Pereira,
professor da cadeira de Lagoa dos Gatos, e em
vista da informacao em offlcio n. 223, de 29 de
agisto findo, do inspector geral da instruccao pu-
blica, resolve conceder-lbe tres metes de licenca
com ordenado.
a* secgSo.
Aetos :
0 presidente da provincia resolve considerar
sem effeito a portaria de nomeacao de Henrique
de Azevedo Mello, para o lugar de agente pagador
da reparti;io das obras publicas, visto. nao ter elle
reira da Costa, qne vai alii destacar, e bem assim
a sua senhora e a um filbo de dous anoos de
idade.
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
faga transportar a seu destino, por conta do mi-
nisterio da marinha, no vapor Ipojaca, dous bar-
ris contendo azeite doce, para o custeio do pharo
letai dos Santos Reis Magos, e cinco volumes con-
tendo paramentos para a capella dos aprendizes
marinheiros do Rio Grande do Norte.
EXPEDIENTe DO SBCRETABIO.
t.' seccao
Oflliios :
Ao Exm. brigadeiro commaniante das ar-
mas.S. Exc. o Sr. presidente da provincia, tendo
provi Jenciado para que seja fornecido o caixao
de madeira constante do pedido annexo ao seu
offlcio de 31 do mez passado. sub n 660 ; assim
o manda coaamunicar a V. Exc, em resposta ao
seu offlcio ja citado.
Ao mesmo.-De ordem do Exm. Sr. presi-
deote da provincia, communico a V. Exc. que
nesta data foi autorisado o inspector da thesoura-
ria de fazenda a mandar pagar os venciraentos dos
offlciaes e prafas do deposito de recrntas, relativas
ao mez de agosto findo, conforme solicitou V. Exc.
em ofllcio de hoje, sob n.661.
Ao inspector do arsenal de marinha. De
ordem communico a V. S. que desta data offlciou-se a
thesmraria de fazenda mandando pagar a al-
guns negociantas desta praca a importancia de
diversos obje.tos fornecidos para preparar-se com
decencia a casa dessa inspeccao, onde foi recebido
o engenheiro Sir Jonh Hawkshaw e sua senhora ;
na conformidade das contas que acompanha-
ram o seu offlcio datado de 31 do mez findo.
2." seccao
Ofllcio:
Ao Exm. brigadeiro commandante superior
da guarda nacional deste municipio. 0 Exm. Sr.
presidente da prorincia mandi accusar o recebi-
mento do offlcio de V. Exc, n. 53, de hontem,
communicando haver na raesma data reassumido
o exercicio de comraandante superior da guarda
nacional deste municipio.
3.' seccao
Offlcios :
Ao inspector do thesouro provincial. De
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia
declaro a V. S. para seu conhecimento e fins con-
venientes, que, por portaria desta data foi consi-
derada de uannum elJeito a nomeagaa de Henri-
que de Azevedo Mello para o lugar da agente pa-
gador da reparticao das obras publicas, par nao
ter aceitado essa nomeaijao, e noraeado para o
mesmo lugar Joviniano de Azevedo Mello.
Aa mesmo. -Da ordem de S. Exco Sr. pte-
sidente da provincia declaro a V. S., para seu co-
nhecimento e devidos efTeitos que nesta data au-
toriiouse a reparticao das obras publicas a man-
dar executar os reparos da pante de Massangana,
por administrate.
4.' seccao.
Offlcio :
Ao director da escola normal. De ordem
do Exm. Sr. presidente da provincia communico a
V. S. para os fins convenientes, qne nesta data e
autorisado o inspector do tbesauro provincial a
mandar pagar a quem se raastrar habilitado a im-
portancia de 60o, por quant i declarou V. S. em
offlcio de I de agosto findo haver maadado lito-
grapbar os seis mil cartoes nelle indicados.
S.' seccao.
Offlcios :
Ao engenheiro chefe da repartifio das obras
publicas. S. Exc. o Sr. presidente da provineia
manda declarar a V. S. que nesu data offlciou ao
thesouro provincial para levar a praca os mate-
naes da velha ponte da Boa Vista, sob as condi-
goes constaates do seu offlcic de hontem dataio.
sob n. 251.
Ao mesmo. S. Exc o Sr. presidente da
provincia manda declarar a V. S. para seu conhe-
cimento e devidos fins que por porU'ia desta data
conslderou sem effeito a nomeajao de Henrique de
AtdVed i Mello para o lugar de agente pagador
dessareparticaj, onimeau para substituil o a Jo-
viniano de Azevedo Mello.
de fazenda
Beparticdo 4m policia
2." seccaoSecretana de policia de Pernambncc.
16 de detembro de 1874.
N- 1488.Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Etc.
que foram hontem recolhidos a casa de deteocio
os seguintes individnas :
A' minha ordem, Raymundo. escravo de Fran-
cisco Alves da Silva, a requerimento do senhor.
A' ordem do subdelegado du Recife, Jercnymo,
escravo de. Catharina Rosa de Jesus, por safer
fugido ; Francisco de Souza e Joaquim Bernardo
dos Santos, a requisicao do consul portoguea.
A' ordem do de SaniofjAnionio, J.muanu Pereira
do Nascimento, por disturbios.
A' uma e meia hora da madrugada de koje
desabou a cumieira de duas casas, sitas a rua de
Vital de Negreiros ns. 202 e 204, ao 2* district
da Treguezia do S. Jose, causando ftrircenlos leves
em Galdino de tal e a mais tres pessoas, e aggra-
vando o estado de saute de Florinda Archangeia
da Costa, residente no predio n. 204, a qual se
achava enferma, e pelo susto que saffreu, peiorou
e corre perigo de vida
Deus guarde a V. Exc.-Illm. e Exm. Sr. eom-
mendador Henrique Pereira de Lucena, digno pre
Sidente da provincia 0 chefe de policia. Ant on- -
Francisco Conea de Araujo.
TELEGRAMMA
despachos da pbesidbncia, do du 15 de dezsmbtto
de 1874.
Antonio Tavares Rodrigues Lima.Informe o
Sr. inspector da toesouraria de fazenda.
Antonio Victor de Sa Barreto.Passe portaria
concedendo dez mezes de prorogacao, pagos os di-
reitos provinciaes.
Antonio Cesar de Vasconeelkas Ribeiro Campos.
Passe portaria concedendo a exoneracao pe-
dida.
Companhia Peruambacaoa de Navegacio- Cos
AK\CIi HIV AS RIITII
?CLXTXSOS
VERSAILLES, 15 de dezembro.
A auemblea maeloaal |Wr
eat suas aeaadea. mme teat aiaa ea-
pecialnaeate oecaaadaa aria aiaaaa-
aao de projectoa de lei e verma-
deiro intereaae lornl. A dftaeaaadta-
daa lets coaalitaelamaea aareee ajme
aeacha deflnltltaaiente aaiaaa aa
ra depot, daa ferias do ^tat*l. IVea
aa occaalaa esperain-sr amlamaai'la-
airaoa debatea, aobrrtudu aar raa-
aa da ultima aaemaasemi
final Mac Mala on.
PARIS, 16 de dezembro.
A reapoata do duqiir IBerai
a nata d* milatalra daa mcyeiai*
eatrangetroa de Hcspanha. aeama
de ser en t re sue ao marques e
ca de Armijo. minUtro heapaama.
em Paris, afim de qur par elle aejm
rommunlrada ao aeu (itirrn* IVea-
sa reapoata o dmaae Oecaaea
em revlata (odaa oa factaa
ii mi (i m pela iicapanaa. e refaia
da forma a mala romplna, deeia
raado que a sea governo eavaom aa
mala termlaaasea laalrmeeaaa am
autoridadea fraaeezae. para qae
nao ao aeja rlaaraaaaaeate asar-
vada a neutralldade da rreaielra.
como todaa aa demals erdeas eaxp.
didas. O mlalatro doa
tranceiros teraalaa atari
as fniencdes da aea saves
eem o de Madrid ado aa amala"
dlaes; e que. par sma parse,
Cara lodoa oa esforeas para .
tar oa lacos de amtsade qrae
Ja oa dous paUea. o marqtaea Veam
de Armijo enlou am earreda eape-
clat a Madrid, aim de levar a rcm-
posta do duque Decaaes.
BEillJM, 1G de detembro.
V aeaaao de kamtem a adv
do conilr Irnim rnrrUn ,
lernainando-a hoje. >o aaM
(IP) Cera lugar a julaaameaco.
C 3M3UERCIAES
LONDRES, 15 de dezembro.
O mercado dm ease eatev-e
ealmo. eamservamma-ae am
sem alteracao t a deaasite maja
'-.



Diario de Peraambuco Qiunta feira 17 ae Dezembro de, l8W

-
4 .*
Rnero cm l.ondroM cteva-se 1
del mil loneladas. das quacs vinte |
e ires mil saccos prncedentes do I
itrnsil i durante a souiiiim foram
cntregucs mil e te loneladas. e
dcecmbarcaram ciuatrocentas.
O mrrB to quleto, demonslraiido os pre^os
rom lendencin A baixar j a denosi
lo dense genijra' hojc .erti Londrei*.
Liverpool. Bi4s(o| e Clyde elcvdse
a cenlo e clneoenta e nmaloncia
das : foram' eiiireguos dUranie a
Kemnna nclBSes portos d*e sail to
icladas. nTcsciaborrnrnm wos mes
uses portos dec mil toitcladafl.
LIVERPOOL., IS de dezbrobro.
KsK'vo hoje iiuieto mercado dc
elfjodiio, Miasisi-intiveram-seosprc
eos ontcriores ; reiidcrnm sc lieje
des "' fardos. smiiii mil proce-
dentcs do Urasil.
O niereado ile iysshi'iii1 na :iprc-
KpniiAi gran.lc Kni(n*ri\o, tons os
prccos austenlaram-ae sem allera-
eno! Cota sc : o age t'ernambtico
-vair '/ d. e e .* t: Sniitos idem a
9 5/8 d. por libra,.
HAVRE, lo dc deSearnri.
Foram comili .an'.-niH nullas a
transaceoes Uo^i-- "> merroda dec*-
re. e os precois-estaa !>ii\il. Co-
tamoMi o ordiwario ilePernamBu-
CO a OI (rancufi. o dito de Wwraea-
ba a SO franco* polos SO kllo;-r*.
H\MBURG0,'15 da dezembro.
As traasMcdci no nicrrada de ca-
re foram quasi nullas. e agjtrecos
uouiinacs i Cotase: o do Mu ordl-
nario a 94-ffoiicns. e o medinno de
Santos a *.~i francos os SO fcilogrs.
ANTUERPIA, 15 dejlezembre.
Ma merrado de cafe foram quasi
nullas a*i fratisaccdcs,' e o precos
iiominaes.
NEW-YORK, 15 de dozembro.
Cambio sobre l.ondres -1SS /*
Ourn 111 8/-1. O mercado le care
eitPTo calaio. miffrend* os precos
uma pequena balxa I o do Rio i in
IS. wo ono 18 1.'Scents porliara:
enderam-se em Scw-lork durance
a semaaa dciseiiove mil saceus. pro-
Mdenlei do Urasil : o deposito to-
tal dessa procedencla elcva se a
cincoenta e sels mil saeeos. Mgo-
libra t as cliejradas de boje aes
portos nnerieats elevarana se a
viuf e o novc mil fardos.
HlftSELHA, /."J de dezembro.
Care da Rio FIRST ordinario 8* frs.
pelOS SO Kilo;;:-'.
BOROEOS Iti de dezembro.
ciu'soii hnnteen n PoaUde o pa-
quctc ingles SORiTA, da comp.mata
do IMciflco, com as mains daAmc-
t i< i do Kul.
BVIU.V 1G de dezembro.
C.imbio sobre f.oudrcs 58 Ij* d.
.particular,
(AGECtCIA AMERICANA.)
Rio 16 de dezembro ds 2 h. da torla.--
Sabio o paquete inglez LIGURI.l para a
Europi, com escala por Balii.i e Pern&mbu
co. Esta annunciada a sabida do paquete
nacion.il PA HA', no dia 20 para os p irtos
do norle. Cngou honlem o patacli > Ul
VAL, procedento de I'ernambuco. Hercwhi
inalteralo.
B.iliia 16 a% i h. e 20 m. da tarde.
Cbegou bdj: pela manba o vai sabir para o
Rii de Joi'i-o o i>a juete turte americano
SOU Til AUK MCA.
Rio Graode do Sul 15. Cli-gou, pro-
oedente de IVrna-nbiico, a barea nacioual
MIMOSA.
mmmmm-
REVISTA DIARIA.
Instriirc:>i> piih'lca. Por poriaria da
rresiden^ia iia provinsia, di! li do cor rente, fii
remo^iJa da cadeirads TVjueupaDO para a do P.m-
ta de Pedra, a proDnsora publica Itachel Adotpha
Oavalcante Ferreira.
Para liquidar contas. IafoTMMl-
nris qne ehegon himtem dr1 Bom J irdim, c acha-
.-< rccalbido a uma das priroes do Recife, o alfe-
rei refciioado Manoel da Asfumpcao Santiago,
um des iniigitailos chefes do movimento sedicio
nesta e na provincia da I'urshxba, para respia-
der por crime militar por rile commeltido.
Dinheiro.-0 vap-tr Giqma Ipvou de no??a
praca pira a de VUctio 5:201^000.
PassamenCo. Ni povoacai de Marangua-
pe, da eomarea de 0!inda, deu a alma at Creal.tr,
no dia 11 Jo orrpnie, o Rvm. coaego Joao Chry-
sostomo de Paiva T-rres, sacerdote motto respei-
tado por ?nas virlades e dotes da intelligencra. 0
illustrado finado governou a dioce?e de Olinda,
desde a rrvirte de D. Francisco Cardoso Ay res ale
a posse de D. Vital de Oliveira.
Beinbamenlv. Na madrngada de hen
tem, cabio a enmieira de duas peqnenas casas si-
t a rna Vital de Negreiros, ns. 20! e 204, no 1*
districto da fregaezia de S. Jo?e, resaltan lo de se-
melbante desabamento ferimentos leves em Galdi-
no de Ul e mais em Ires pessoas, coins nomes se
ignora ; e a aggravajSd do estado de sadde de
Fl^rinda Archaogela da Costa, moradora na de n.
201, qne, acnando-fe' 'emenna, peior.n e corre
perigo de vida, em consequencia do graade sndo
de que foi victina.
Atropellamcnto. A's 10 e meia horas
da roanha de hontem, o bond n. i\, atrope!ln
uma carroja de eotfdnzir a6acar, na rua do Im
perador, de maneira qne den em re-*ultado o es-
raagamentn de nma perna do pardo J.ise, que a
fuiava. Comparecendo immedJat^mente ao lugar
o respectivo subJelegado, providencico o qne
exigia o caso.
0 ferimento foi julgado grave,-e o pacienta, que
escravo do barao de Muribeca.foi recolhilo ao
cospiui Pedro II, por ordem de sen senhor.
Eiimci. -No dia 7 do corrente .prestou exa
me, na esc la pnblica primaria da Gloria de Gona,
regida pelo professor Migael Arehanio da Silvi
Braga, o alumno da rnesma, Luiz de iPranca de
Andrade Lima, o qial foi approvado eom distin:
No dia 9, foram exatninadis, na 2. escola
f ublica primaria da frejwetia de Santo Antonio,
regida pelo professor Jose Martiniam de Souaa.os
alumnus Jose Maria de Mello, Manoel de Ar,r1a
Lima e Antonio Carlos de tfoura Acciuli; sendo :
o primeiro approvado corn djstinccao, eosd.u-
ultinsos pleoameote.
Art.* de piiilnntrojii.]. A gereocia
da compaobia pernambucana, J.ad u antes de
nontem ao Sr. consul dos Estados Uuidos nesta
capital, dan In parte de naafragio da galera am
ricana Joha Brtgld, avisando o da chegada do*
respeelivus trip-lanies, que foram transportado*
pelo seu vapor Ipojuca, reeolbido dos portos do
aiorte, e oncluio declarando que a coepanhU no
etigia pagamento algum pelas pa>saf^ns do ca-
piUo e trip ilantes, que foram encoutra-'os eo
um bole > recebidos n j alto mar.
Aeto^ d'esla ordem sao digno; de todo oapre^o,
e temos prater em registral-os.
Vapwi- daguariba. Voltou honteru do
Penedo por Maceio.
D;z o Jornal das Ahgoas, que o vapor bra-ilei-
ro Conde d.Ett, antes de largar do porlo de Ma
cei6, no dia II do correct-, qnebrou a araarra
pela 'jual estava ftindeadu, e foi de eneontrb ao
patacho hollandez Anna Maria, causando avan.is
e recebendo tambera outras.
Predilecta. 0 proprfetario do arma,tem
dessa denomma^ao, na nta do Cihnga n. t A, ten-
do de mudar de genero de n^gocio, iroci tolas as
fazendas ahi exhtentes com gran le abate nos pre-
cis estipolados.
i.otcrla. A que se a:ba a venda e a 129*,
a benefici) da Santa Casa de Mi*eriBordia, a qaal
e exlrahira no dia 22 do corrente.
liellau. lloje, 17 do carrente, erfectua o
agente Pinto, em seu escriptorio a rua do Bom
Jesus n. 43, o leilSo de roupa e nuis obiec-
tos pertencentes ao eipolie lo siibilitb francez Mo-
desto Post.61, fonfonne esti annuncflaflo na aecrao
ceoptente deste Diarit>,
Tambem hoje, na Peira Seminal, a rna do
ImperadoT, haveri leHio de moveii; quinquilhatias,
arti^os de onto e immensos artigos.do uso domes-
tlco, que serio vendtdos a troco Jo barato.
Ca de de*rn;ao.-Movimento daeasa
de det'Ticao do dia lo d'e dezembro de 1874:
'Exisiiatn preses 294, entrararo 6, sahio 1,
existem 299.
A saber: ,
Naeionaes 22e, nralheres 9, estrangerras ^6, es-
cravos 37. escravas 2. -Total Qg, ,
Alimentadoe a custa dos cofres pnblicas 244.
A saber :
Sioa 229, enrermos 15.Total 244.
I'assaft-ciros -Sabidos para os portos do
sul no vapor mcioual Ihihitt:
Barlholomeu Lourenyo, sua senbora, 2 lilhos, 3
criados e 1 e-cravo, Jose MarceHno da Rosa e Su-
va e Francisco de Assis Rosa e Sriva, alferes OJi-
|un Fiolc Romano e sea senhora, Rr. Franeelino
Auguste de Oliveira, sua senhora e m criado, Aa-
tonio da Costa Correia Leite, sua senhora, 4 fllhos,
1 eriada e 3 escravos, Jose Amanoio Outeiro e 1
escravc, Antonio Augasto Teixeira, Estevao So
Usco Cardoso, alfere* Menna Barreto de Barros
FalcSe, Jose Glaives Torres, F. de Albuqnenpie,
0. Cendiila Lopes Cardoso, 1 filia e um criado,
Josd do Valle Pedrosa e Souza a um escravo, Al-
vares Birgerth, Ign&cio da Srlva D;ir6 e 6 pessoas,
sen^o 2 escravas, Franciso de Paula Nevei, Anna
Maria da Conceiclo, Alfreio r>rres e uma irma.
Dr. Antonio Jo e Lopes Fil*o, Joao da Silva Pe-
dreira Filho, Manoel Franco de Medeiros. Mano Maria Lopes. Jose Paulino da Silveira, Jo,-* Per-
oandes Uuarte, Cantejauo Bi >pe de Geovanni, Ma-
nuel Luiz Freire Andrade, Manoel J >se do Bomfim,
Prancelino Jose Marino, Viriato Coelho da S. Cam-
pos, soldado Francisco Antonio de Sanf Anna, 9
recrutas 24 escrav..s e 1 cria a eotregar.
__ Sabidos para o sul no vapor nacional alma
ie Sinimbu':
Fraicscj Antonio de Castro, uidcrq Flaque e
um escravo, Jose Emilio di Sant'^nna e sua rau-
Iher, Jo.-e Augusto de Oliveira, Frei Antonio de S.
Camilio Lellis.
Sahidos para o sul no vapor Gi^nia, em lo
da corrente mei: .
Jostphino ReinaUo di Oliveira, Ainaro Joao Pe-
reira, Jo-e Lius Carneiro de Albuquerque,
Cisco Las Carneiro de
PlLtO.
Chegados d .s portos
leiro Jaguanbe:
I).-. Antonio de Oliveira
i lilhos e 2 eszravos, Jose M.n>el de Araujo, sua
afilliada d name Z-jferina Nicea da Silva Gusm.i)
e uma eriada, D. Lauriana Candida de Mello, Ce-
tani Rogerio e um filho.
Cetnilerio publlco. Obitaario do dia 12
de dezembro:
Maria, parda, Peraambuco, 5 raezes, Boi \i?ta ;
cnnvdlsoes.
Maria, recemoasciJa, parda Pernambuco, Santo
Antonii); ao nascer.
Eutebia, eserava, peta, Pernam'uco, 29 anno?,
Idltrir*, Boa-Vista ; tuberculos palmonares.
Elvira, branc-, Pernambuco, 10 mezes, Santo
Antonio ; convulsoes.
A.'ilonia Fraoji-ca do Albu-jnerque Monteiro,
branca, Peraambuco, 80 annos, viuva, Bda-Vuu;
eongeitao.
Maria, branca, Pernambuco, S. Jo;e; convu,-
soe--.
Maria, brama, ernambuo, 3 dm;, a. Jjsc ; le-
lano espontaneo.
Bosa, parda, Pernambuco, 7 neses, R*.e ; con-
vulsoes.
Manoel, recemniscid),branco, Peraambuco; ao
nascer.
13
Aleges'a, parda, Pernambuco, Recite ; te'ano.
BernarJino, branco, Pernambuco, 20 mazes, S,
Jose ; convulsoes.
Maria, branca, Pernambuco, 2 annos, Graca; en-
tero c.lite.
Maria Manoella daTrinlaie, branca, Pernambu-
co, C8 annos, viuva, Santo An'.mio; enterite chro
nica.
Nicolao, pardo, Pernambuco, I mez, Santo An-
tonio, casa dos expostos; phtysica.
Ludovina Maria do Espirito Smto. parda, Per
nambuco, 25 anoos, solteira, Boa-Vista, hospital
Pedro II ; tuberculos pulmonare*.
Manoel Joaqnlm da Silva, pardo, Pernambuco,
20 annos, solt.-iro, Boa-Vista, hospital Pedro II;
tuberculos pulmonares.
13 -
Maria Francnca do Nascimen'o, branci, Per-
nambuco, 32 annos, viuva, Boa-vHa, l;o-p.ial Pe
dro II; bexigas. .
Maria, parda, Pernambuco. 40 annos sulMra,
Boa-Vista, hospital Pedro II; tuberculos pulrao
nares.
Alexandrino Alves ie Sanf Anna, pardo. Pernam-
buco 34 anncs, solteiro, Bov Vista, hospital Pedro
II; hepatite clironica.
Daraiio Jacques Paulo, preto, Pernambuco, 36
anno-, solt iro, Boa-Vista, hospital Pedro II; febre
typhoide.
Maria, branca, Pernambuco, 9 mezes, S. Jose ;
gastro enterite chronic a.
Anna, branca, Pernambuco, 7anm, Bui-Vista ;
bexigas heraorrhagi :a<.
F.' assi'a que di elle : t ilna(Aeii aquem dis
ser r/ue o pontifice rMwuio deee reeotusiUar-s* <
kwmonisar-se con o progressO, o liberalismo, e a
cioilisaiio mode rna 1 a
Que mais lormal condemnaca), deque nuis ter-
riyel golpe peJem ser ameacadas as socle Jades
moderuas ?
Quern ler tal prexripcao, sustentara ainda de
boa fe, que o ai'tramouUnismo ensiaa a verdadei-
ra douinna eatholica, e que quer a verdadeira li-
iberdade f
O uue e o progresso senao a perfectibilidade hn-
i avise dVmfetsterio da* 'nRba, essa lei divina que*leva o bomem a aspirar
Fran-
Albuqueique, Antonio
do sul no vapor brasi-
Cardoso, sua senhora,
tro do 60 ilias os liiiilos de aatorisacao ; o qie
communico a V. Exc. para seu conhectmeuio.
Deus guarde a V. ExcHenrique Pereira de Ln-
cena.Sr. conselheiro presidente do tribunal do
commercio. O tribunal resolveu que se aceu-
sasse o reccbimento, dizendo ficar scieote, e ou
trosim, qne se extrahisse nma copia do d to officio,
aflm di ser enviaJa ao gereute ie ditacoajpa-
nhia.
Da mesmaT*B!idencia, com du de tOdo cor
rente e recebfto a 12, depots dis 3 hbras da tar
de, acompanbirudo uin exemplar irrtjiressa da're-
lacao quo aeompanlioti o aviso do mfocsteri) da
agricuUora; da 18 denoveitebro nltimo.-O tri-
bunal r?s*rreu que se respondesse com urgencia,
dando-se os esclarei:irttes-ii{tte conslrferadn ar-
cliivo da scrctaria.
Do ppesldente e sikJretarw daJontaMos correli-
res, remeltendo o bdleUVn das cotaclha offlclaes da
semaM de 7 a It do'corrente. naoo'-se'ar-
chival.
Da rnesma junta, cerflniunioanda a traosterencia
de *0 accSes da cotBpaoftia* da" 8abBTibe.- Man
dense archivar. H
po co.rretor Fraiicisco Jos6 de Oliveira Roan-
goes, participando ficar scienie ter sido nomeado
secretario da junta doscorretores qoe tem de ser*
r no anno de 1873. O tribunal ficou eaten-
dido.
Foram distribuidos osseguiotes livros :
D ario de Joaqnim Bernardo dos Reis^ copiador
deGirnes de Mattos Irmaos, dito de J-ouza Jua
queira 4 C
DB9PACH0S.
Requeriraentos :
De Fernando Gomes da Silva, pedindo que se
registre a procuragao qne passou a Jo>e de Souza
Ramos, Manoel Aztvjdo de Andrade e Adnano
Augusto de Almeida Jordao.- Registre-se.
De Mancel da Silva Nogueira, solicitando o re-
gistro da orocuraeao passada por Alexandre Kel-
ler, socio da firma Piulo Leite fit Sobnnho.-Seja
regislrada.
De Paulo Pereira Simdes, apresen^ndo a regis
tro a escriplura antenupcial, celebrada entre elle
e D. Tnereza ds Jesus Azevedo Vianna.-Registre-
se e publique-se.
De Antonio Ferreira Alves e Jos6 Theobmio Do-
mingue-", impctranlo o registro do coolrato so
cial junto era dupli-:ata.-Vista ao Sr. desembar-
gidor fiseaL .
De Manoel de Souza Tavares e Jjao Jose
de Medeiros Mello, replicando do despacho do tri-
bunal, de 10 do corrente, para que seja registrado
o sen distrato social Infirme a secr.taria.
De Daarte Amaral & C, cumprindj o despacbo
do tribunal, de 19 Je setembro ultimo, para pro
cederse ao registro do contrato que celebraram. -
Registre-se, nos termos do decrelo n. 4,394.
Nao havenlo mais n da a despachar, o Exm.
Sr. conselheiro presidente encerroa a sesslo as 11
horas e -i;i da maahi.
ihromi a Jiwmmi.
Tribunal da coiuruerclo.
ACTA DA SESSAO DE 14 DE DEZEMBRO DE
1874.
PBRSrOKNCIA DO EXM. SR. COSSELI1EIB0 AXSELMO
FBA^"CISCO PERETTI.
A's 10 boras da manha, presentes os Srs. de
pulados secreurio Olinto Basios, Lopes Machado,
Alves Guerra, e o Sr. supplente Sa Lettao, S. Exc.
o Sr. conselheiro presidente abrio a sess.ao.
Lidi, foi depots approvada a acta da sessao ante
celenle.
EXPHDIKNTF.
OQlcios :
Da presidenc/a da provincia, sobra nm
requerimento do otllcial maior da secrelaria do
tribunal, pedindo tres mezes de licmca para tra -
tar de sua saiide0 Exm. Sr. conselheiro presi-
dente do tribunal mandon informar, declarando
que nao S3 opp&e ao qne pretende o sup jiicaate,
uma vez que iuntou documento finnado por um
facnltativj, afflrmando os soITrimentos do raesmo
supplicante.
Teado o meretissimo tribunal, em sessao de 23
de abril do eorrente anno, ordinado a se."retaria
que informasse se a companbia Recife Drainage
procurou por vezes registrar os seu< estatulos^ e
qual o motivapor que nio conseguio esse registro,
e tendo sido prestada a infonnacao exigtda, a vis-
ta delta o tribunal resolveu, a 30 do mesmo mez,
que se enviasse a presidencia da provincia juu'a-
mente com a relacio dos despachos nella conii
dos, dita inf .rmacao, por onde se via que a com
panbia Recife Drainage, que funccioua nesta cid.v
de nao regislrou os cens estrlutos, parecendo ser
o motiv.j di.-to tsr-se exigido a apreseotacao do ten
contrato com a presirtencia por despacho de 11
de agosto de 1870, 0 qual deixou Je ser cumprido
pela inencionada companhia. IUvendo a pres
deocia da provincia, em offlciu de Hi de maio ul-
timo, levido ao conUecimeuto do g^verno as in
{ormaco'js minisiradas por e*te tribunal, agora i
dirigido a esle tribunal o oQi:ii seguinte :-Pala-
cio da presidencia de Pernambuco. Recife, 11
Je dezemoro de 1874.0 Exm. Sr. ministro da
agrieultura, commereio e obras puolicas, aecusan-
do eu aviso de 14 de fiel9rabro u tnno u olbcio
desta presidencia, de Ifi ie maio ultimo, com o
qual Ibe /train presente* aa luformacfl -s mini-tra
uas por V. Exc. rila'.ivainente a faita de registro
Jos estatulos da companbia Re>K Drainage, fie-
clara uu.- sendo o prncedimeno da Kie*ma eom
pauhia eoatrafio ao qne dispoe o art 13 do de-
creto n. 2,711 -de 19 da dezembro de 1860^6 e.-tan
d> pieschptano refrido decrelo a psjjJida'e em
qne incorrea, fiea-Jhe irnposU a multa de 1 pur
cento sobre o capUir, elTectuando-so a cobranca.
oa forma do art. Si do citado decreto, gnardadas'
as disposes do art. *. na lei n. 1,083 de 22 de
agyst* daqoele anno e decreto n. 3,974 de" 3 de
ouiubro < rtserva para o cato de nao serra reghtradoj den
PART POLITICA
RECIFE, 17 DE DEZEMBIIO DE 1874.
PIIITIIOO COHSEUVA0OR
Qae de ha muito o jesuitismo se prepara p3ra
nova luta e o que nao resta duvidi a vista dos fac-
los.
Como essas cascaves qae na> obstante en'.erra-
das a seculos, seccas e mirradas, inda tem vida e
veueuo, e picam ao iucaut > q e a< to :a, assim
a companbia de Jesus, pir todi a parte expellida
e arnaUiQoada, nem por 1st3 se da por vencila,
antes concentrandu o venenoroja fu'tiva e bus
ca dar golpes de merlena sociednde moJerna a
qae nao perdoa o nao querer tornar se um instru-
ment i docil em suas raaos uai ser perinle ac ex-
darerl
E' assim que ba annos comecon o jireparo, a
con-piracao para a graale lula : Suc:eleram-se
os concilios, decrelaram se novos dogmas, prepara-
rarn-se novos schismas, e perdiJo o poder tempo-
ral, resol/ease a agc.) do muaJo romano pa-
ra ru-cuperar-se o perdiJo 1
Emqaanto Jesus Cbrislo pr-gau I > uma religiao
do paz e de amor fundava na liberdade a sua san
ta douiriaa; emquanto o< apostolos e seus suc-
cessores nos priniciros seculos c obra que Ihes foi imp ala pelo Cirdwro sem man
cha, o ultramontanismo surgindo das paixoes Im-
manas veio perlurbar a igreja e fazer niscer os
scisroai e defeccoes.
0 Syllabus, fore* e dize lo, foi o manifesto de
guerra do ultraraoulanismi, e para que niogaera
so engane allamente declara o que preleude e a
que tende.
Monopolistas da razao, unicos formulalores das
ideas, os jesuitas cream um orgao iufal ivel, que
sirva de editor respousavel de seus pianos c dou
trinas, e condemoauJo a raiao como um mal, a
liberdade como um crime, a civilis qio como um
peccado, ei los a quercrera transformar a socieda
de em um ser -ptiinde ac cad izer I...
Como Mahometo Jesuitism* dis aos horaens e
aos pjvos crede eu roottei I e aos poderee da
terra :
a Obedecei me ou vos suscilarei obslaculos I
E' assim que diz o Syllabus: Anathema a quern
Utter. E" prohibido aos bispos publicar lelras
apostolic is sem permisao dos govemos. \
A allocucao de 13 de dezembro de 1835 prepa-
ra essa disposicSo I observada entrelanto sem re-
luctancia da Santa Se.
Mas que quereis ? 0 jesuitismo queria affrontar
o poder civil, rasgar as coacordatas, acabar o pla
cel\ Era preciso esse anathemaoma tantos ou-
tros que iem mais em vista o interesse iransilO-
rio do poder temporal do que o eterno ,do espiri-
tual.
Mas qne governo havera lao pouco prudente
que conheceudo as aspiracoss do ultrartoatanismo,
as aspirayoes do jesuitismo deixara a plena liber-
dade que quer o ultramontanismonao estando
a soc:edade torto e preparada ? Sera como agora,
expor-se a penurbaeoes, gracas ao fanatismo de
uns, a esperteza di oulros e a especulaca) e ce-
gueira de muitos I
Ah I quern lendo a Uniao, o Untters e TabUt,
ocisara de dizer com Rmken-:
Elles (os nltramontan) espalham entre o po
vo os products de uma imprensa cbamaJa Ca-
tholiia, qae era suas aguas turvas araontoa jor
naes e broehuras I
t Realraente muitas vezes elles coram de si pr >-
prios e recusam do tempos a tempos, ora esta, ou
aquella folha, depois eniao vem bem depressa um
breve de ammacao enviado peio papa para consolar
a redac^Ho!
A hisiona da Vniai entre nos pruva a verJadc
do que esereveu nessas poucas linhas o bi Rinkens. E' que 6 je-u.la tem scinpre as raes-
mas manhas, roja como a serpente c tngana como
a miragem.
Anathema diz ainia o Syllabus, a qaem dis
ser : o foro ecclesiastico para cousas temporaes do
ciero, quer civis quer criminaes, de'ce ter ubolido
absolutimente, mesmo sem consular a Santa Se
e apeznr de suas reclama-oes I
As allomcoes de 27 de setembro de 1832 e 15
de dezembro d) 1836 preceJeram e servera de ba-
se a esta di posi;ao.
Jesus Cnristo nia duvidou ir perante Annaz e
Caiphaz e perante elles e Pilatos respondersem-
pre que suas respo'tas podiam dar testemunho i
verdade ou deixar um ensino a bumantdrde, e s6
se calava quando a curiosidade ou a malicia que-
riam tenta I j I D. Vital porem e com elle os
Aihauasios de parochia-se julgam snperiores a
tudo, e quando levad.is aos tribunaes, nao por
pregarem a verdade, mas por trntarem contra as
lei por orgulho e capnehoj martyres carieatai
respondem como e jovem preladoJesns antem
tacebat.
E depots Gnge soffrer martyrios, c se dizem tor-
turados, e nas ilhas das serpentes pan qnando
contestado, declararern que arenas nsam de figu-
ras de rethorica, como prestaram juramebtu com
restri;c5o!
3e sujello as leis civiso clero orgulhoso e tur-
bulento perturoa a A leminha, a Suissa, a Hespa-
nha, a Franca e o Hrasil, o que seria da socieJade
se ptdesse mdo emprehe'ader e pratiear, c-rto de
ser apenas julgalo por tribunaes e juizes ex'lesi
asticos iWeressados em inndcental-os ? Do mes-
on modo qne cafttavlm TeOeum par um S. Bar-
thp.'emyk qiie Hzeram de Jacques Cloment um
saufo maTtyr, de D. Vital um sauto que se poe em
oratorio com as imagetn de Oltrisloeda Vtrftm ou
se faz opp irecer noi docel em quadra tustentad'<
por anjaem adirafSo -absolviam um Miojgrat, en-
deasariam um Lioloie e so conde nnariam am
Verger, urn Lamenais oa /acintho, por ler e pri-
metro matado am areebispo, e os nous oltknos af-
frontado o uliraax.mtanisrno I
0 linal do SylUbos eoroa loda a doulrina quo
elle encerra.
o bem e o justo '.'
0 que o liberalismo senio a prat ca da liber-
dade S qniil nio se poie conTondir com a licen-
fa,a liberdade essa lei divina iem a qual desap
parecerfc" o merio e demerilo, por ficar o fatalis-
mo e otiiMrerismoqaWquer Ojisuita?
0 que e a civihsacae moJerna tenao o resultado
das conquistas da humanidade, em seu caminbar
de secojos 1
E indo isso o Syllabus condeiBM, o nllramonta-
oistiw anathematisa, e o jesuhismo busca snffocar
ad majorem gloriam suaml para louvado seja
Deus I ficar tuda a humanidade perind ac c dwer I
B ha Iiheron (qne- liberaes I) que sustentam o
Syllabus e o apontam como piladium da liberda
de, e facho da razao que boiava no occeano de
duvidas I
E elles que ajudam os jeiuitas, nos accusam a
nos que defenlemos a lei, o progresso, a liberda-
de e a civilisacao, esses erros qae o Syllabus con
demna, de quererrao3 escravisar c povo e tentar-
mos contra os seus direilo* I
Fazia rir, se nao houvesse mMivo para entriste-
cer.
Sim, entristecer I porqae em quanlo em Portn
gal por menus os partidos se unem para comba-
ter um cabilo que nao aceita uma inJicacao do
governo,-aqui veraoi homens que se dizem libe
raesfazer causa commum com o es'.rangeiro pa-
ra prejudicar o seu paiz e distruir suas insiitui-
yoes e leis I
Entristoce, porque vemos que p nio duvidam servir a causa do inimigo jurado da
liberdade para Ter se por ahi chegam ao pod-r,
ajudanlo com doutrinas subversivas o jesuita au
daz, justificando e animamlo o quebra kilos e (in
gindo todo o imperio era confl igracao porque se
achnm presos bispos, por terem ousad) dar exem
plo ao pivo de resistir ao poder.....quando em mao
de outros I
Tartufos I Aclma de vos esta Deus, que Ie em
vossas almas negras corao as roupetas que endeu-
sais I Deus, que so quer a verdade e o bem, que
fez o bomem para ser bam e nao p.ra ser raachi-
uas, que Uic deu o amor e a fe e nao o falalismo e
o odio I
Desvarai, grilai, intrigai e metiti I
O oovo ie;u bom seoso e nao vos escuta I
Como ras, erguei vossa grita, vasso coaxar nio
nos faia mudar de tilbo.
llaveraos de chegar ao nosso fin, qne e o bem
da patria, por mais que vdsoutros pseados libe-
r.ie'-je-iuias, busqueis empecer nos.
Fazei o que quizerdes I
Deus quer a liberdade, ella sera invencive! I
(lacito).
AO PUBLICO
Etava bem longe da tarefa do arrancar a mas
cara aos irmaos Tar luinios. Taes, e tantas foram
as provocacoos que me fizeram, que a cootinua-
cao do meu silencio seria a deshonra das tninhas
erenjas religiosas, lao audazmenle por elles con-
lesta las. Estas crencas sao o nnico patrimonio va-
lioso que poasno. Zela las e em mim devcr impe-
rioso e sagrado. Hoje, porera, nSo defenderei a
mini: i causa pessoal. EutiJade muito mais eleva-
da ex'ge os meus esforcos. Mnguera tem .-ilo lao
mal avaliado e lao mal comprehendido como o pa-
pado. E' lasiimavel que nio sejam so os leus ini-
raigos naluraes que o infaraem. Falsos catholicos
nao raro concorrem para a derrogai;4o do seu ere-
dito e autoridado moral. E' preciso viogado de
tantas iojus.ti<;as e reiteradas calumnias. Nanca,
depois dos tenebrcsos tempos da iuade media, em
que a sltuacSo excepcional das coasas creou um
direi'.o pnbb.-o analogo, parlio do vatic^ano um
so analhma contra os direilos inalieuaveis d prin-
cipado civil. E' discussao em que nio reciio en
iTar ; mas, p spondo-a por ora,limitar-me-hei ho
je a mostrar que a Santa Se, pelo contrario, foi e
iem sido sempre a mais e trenua defensora da au-
toriiadee direilos dos prin ipes.
Veja-ros isso em breves traces, e digam la que os
irmaos Tarquinios e seus comparsas nJo tenham
sido pessi uosadvogidos da causa eatholica ; obli-
terando, por suas exagcraQ5es e imprudencias, o
espirito de rectidic e justica que sempre caracte-
risou o centro do catholicismo.
Corria o anno de 1832, quando, chegando ao
conhecimento da Saata Se a cruzada, que na Po-
lonia havia surgido contra o poder civil, a cuja*
leis pregava-se formal desobediencia, Gregorio
XVI, de saudosa memoria/Jbaixou no mez de julha
ao? respectivos bispos o Breve de que extractarei
o< jeguintes topicos : a Obrigavos o vosso dever
a velar com a maior sollicitude, alim de que ho-
mens mal intencioaados, propagadores de perigo-
sas opiniijss, nao derramem no seio dos vossos re-
banbos o ger.men de doulrinas falsas e corruplo
ras. Esses homens, a pretexto de zelo pelo bem
publico, abusam da credulidade dos simples, qua
na sua cegueira Ihes servem da instruments, pa-
ra penurbar a piz do relno e desiruir a ordem Ie
gal. Convem que, para vantagem e honra dos dis
cipulos de Christo, a perfidia e a raalvadez desses
prophetas da mentira sejam desmsscaradas. Con-
vex, outro sim, refular seus pomiciosos erros, pela
palavra iramutivcl da Escriptara e pelos monu-
ments aulhenticos da tradicao da igreja.
Esas fontes pura*, onde o clero calhelico de
ve beber os principios de suas accoes e do ensino
qoe deve dar aos fieis, demonstram com toda a
evidencia que a submissao ao poder por Deu>
initiiuido e um principio iramulavel, pois, diz S
Paulo : Quo toda a pessoa deve estir sujeila ao
poder eslabelfcido ; pcrque nio ha poder, que nio
venha de Deus. Ora os poderes existentes sao ins-
tituidos por Dens. Qn?m Ihes resista, resiste a or
detn de Deus. Assim, pois, cumpre qae Ihes obe-
decaes, nao so para evilar a ira de Deas, como
tambem por um dever de vossa coasciencia.
(Epist. Rom.)
t Nao menos posltivo 6 o apostolo S. Pedro
quando ordena aos fieis : a Sede sabmissos a todo
o poder bumano, por amor de Deus : ao principe
como chefe supremo, aos presidentes como-eus
delegados. Tal e a ordem por Dens instituida
para impor siledcio a ignorancia dos impruden-
tas.
Os chrislaos da primitiva igreja eram por tal
modo fieis a estes p-incipios, que obedeciam aos
imperadores romanos, mesmo no meio dos terro-
res da persigaicio ; trabalhando assim para glo-
ria do imperio. Como Jesus Christo, elles nao re-
cooheciam outro soberano se nio o do ceu ; nao
confundiam o soberano elerno com o soberano
temporal, mas obedeciam a cste ultimo por amor
ao primeiro.
Os Santos Padres ensina-am sempre esta dou-
trina, que e tambem a da igreja eatholica. Estes
principios guiaram os priraeiros ehristios, cujas
Igi5es nunca se polluiram com a irahicao, crime
commum entre os exercitos pagaos. Terluliano
diz : Somos calumoiad is na presenca do impera-
dor; entrelanto os chrislaos n5o foram nunca par-
ti lari is de Albin >, de Niger ou de Cassio. Nao
houve trahicoes se nio da parte daquelles qne, na
vespera, haviam Jurado Gdelidade diante dos deu
zes J j paganism i. e Ihes offerecido sacrificios, em
vez de ora^Ses, pela saule do imperador. 0 chris-
tio nao pode nnoca ser inimigo. Nao somente nae
somos inimigos do imperador, como sabemos que
elle foi constitaido por l)eu, e por issolemos obi i-
gacao de ama-lo, honra lo e desejar todo o sen
nem estar.
R?c rdando-vos estes principios, veneraveis
irmaos, nio suppomos qne vos sejam elles desco
nhecidos ; pelo contrario, estamos convencilo de
qug os propagareis com todo o zelo ; sd visaraos
qne este Breve vos sirva de prova das nossas in
tencoes a vosso respe:to, e do nosso ardente desejo
de que o clero do vosso rjno se destioga, tant
pela pareza da doutrin'a, como por proceder exem-
plar, all n de que aos olbos de todos sejaes iseotos
de t --la a cen ura 0 vosso magaanimo impi-ra-
dor ros acolhera com bondade, e onvira nossas
represenlayoes e or.ipdes, no intereise da rebgiao
eatholica, que eHe sempre promelieo proteger no
seu reino.
N'uma Encyelica, que enderecou a lodos OS Pa-
Iriarchas, Primates, Arcebispoi e bispos da cbris-
landade, aos 8 de setembro do referido anno, o
mesmo Cp, raeonnecenld qae da uaiao dos dous
PuJe^fls resn(n-a foiya da ambos, depois de ex-
hortar com Instaucias e gemidus a todo o-episco-
pado para que nio danna ua propagagao da ver
dade e na exlirpacio do erro, nao so dedignou de
tivocar a proteccao dos principes catholicos, nes
tes amoraveis termos : t Q ie os principes, nos
sos charissimos lilhos em Jems Christo, favore-
cam, auxtliem com seu concurso e autoridade to-
dos estes volos que formamos pela salvacao da re
ligiao e do Estado : que elles nao esquecam que
sua autoridade Ihes foi dada, nao somente para o
governo temporal, mas sobre ludo para defender a
Igreja, porque, defendendo a Igreja, defendem o
seu proprio poder, e o repooso de sens Estados :
que fiaalrhente se convencam de que a causa da
religiio Ihes deve ser muito mais cara do que a
do throne, e que o man imporlante para elles,
podemos dizer que o Papa S. Leio, e qne a co-
roa da fe seja snperposta pela mo de Deus no
regio diadema. Uicimus cum Leone pontifice :
si ipsorum diadematt de manu Domini, etiam
fiiei aidatur corona, o
Mas em nenhuma outra occasiao o Santissimo
Padre Gregorio XVI se moslrou lao energico e lao
leal defensor das prerogativas do poder doa prin-
cipes, como quando lave de condemnar por outra
Encyelica o livro Palavras de um Create de
Lanienais.
E porque ma nao fatigarei de contraminaros
principios subversivos (iropalados pelos irmaos
Tarqumios, oppondo-lhes as verdadeiras doutrinas
da Igreja Calholica, em relacao a boa origem do
poder politico, ch mo ainda a allencao do publico
para as sabias prelecfSos conteiiJas na sobredita
Encyelica.
Apes um grandiloquo preambulo, em que o
smclo PonliQce assignalajos erros queo livro en-
cerra, diz :
0 nosso espirito refoge horrorisado com a
simples leitura das paginas desso livro, onde o
autor se esforca por quebrar todos os vincnlos de
liJclidade, e submissao aos principes, e no qual,
derramando per toda a parte faiscas de sediQao,
e revolia, promove a deslruicao da ordem pubaca,
menospreza os magistrados, prega a violajao das
leis, e mina ate aos fundament os o poder religioso,
e o poder politico.
Alera disto, no correr de suas asserroes
lao iniuslas quanlo inaudilas, apresenta, p-r um
prodigio de calumnia, a autoridade djs principes
como conlraria a lei divina, como ibra do pecca-
do, e do poder de salanaz. Depois eslygraatisa
cam lafeeos infamantes os que presidem o gover
no das cousas divinas, assim como os chefes dos
Estados, Ggurando entre estes e aquelles uma al-
lianca de crimes, e conspiracies conira o direito
dos povo*;
t Mas o que sobretudo excita a indignacao,
e o que a religiio uao pole tolerar, e que o aulur,
para conlirmar erros tio graves, onsa auiorisalos
aos oluos dos incautos com os ensinos do mesmo
Deus ; assim como que, para desligar os povos
das leis da obediencia, e como se fosse algum en
viado, e inspirado de Deus, invocando sacrilega-
menie o augusto nouie da Saniissima Trindade,
revolve as sanctas escripturas, inverte suas pala-
vras, que sao palavras do mesmo Deus, e sem
pejo as eraprega ccm tanta aslucia, quanlo auda-
cia, para inocular nos eipintis os funestos deli
rios dc sua imaginacao. >
Ve se por esias iianscripcoes, e por muitas ou-
tras que oraitto, quao injusias sao as accusacoes
contra o Pontificado, que os iniraigos naluraes uio
cess?m de accusar de vi>las usurpadoras, e quao
sacrileges sao os abusos, que de snas intencdes
fizem aquelles que, sob a capa de caihol cos fer-
rentes, nao irepidam em delurpar o seutidu ge-
nuino da douirini da Igreja, torcendo-a, e accom-
modando-a arieirameotr as hypotheses mais absur-
das e perigosas !
Coraparem se esses luminosos principios eslabe
lecidos Dela Sancta Se, com relacao aos direitos
inalienaveis dos principes temioraes, com e.-sa
alluviao de err.s, de erabusles, e de maximas de-
leterias pregadas pelos dous irmaos terriveis nas
paginas do foliculario finiiio, e repetidas pelos
seus sectaries, Cuutra as prerogaiivas do Eslado
civil, conira o seu primeiro magistrado, conira as
suas leis, e direilos na ordem bumana I
Nao comprehendem esses arautus do bealerio
larluphal que, estabelecendo essas incompalibili
dades absolutas entre a Igreja e o Estado, dario
origem a inlerminaveis couuielos, a colis5es peri
gosissimas, cuja s.hida nao podera ser outra, '
sc
nao a separagao da Igreja do Estado com todas as
suas conscquencias desastradas e funestas t
Nao sabem os irmaos Tarquinios e seus com-
parsas, que tambem o Santissimo Padre Pio IX,
liel sos seus senlimentos de supreraa equidade,
inspirados e allamiados pelo pharol da tradicao
apostolica, lanto ponderou o perigo da escola, que
presnppoa antagonistic radical eutre a Igreja e o
Estado, que em Encycl ca de 9 de dezetubro, em
confirmacao do que ja tiuba dilo em Allocucao de
9de abnl da 1849, condemnou como anli-sociale
heterodoxa a seguinte proposicao : A doutrina
da Igreja eatholica c opposla di leis, e aos intt
resses da sneiedade cieil 1
Pois sera crlvd que esses dous Tarquinios so-
berbos andassem de boa le ne^ta desgracada con-
lenda por elles iostigada e alimentada, outra nio
teria sido a direccao, que deviam ler dado a dis-
cussio dos ponies cardeaes da conlroversia ? 0
facto 6 que com os seus erabusles e artimanbas,
tem baralhado ludo, e diffi:ultado nma solucao,
que teria sido fac lima, se uma falsa prev.sio de
resultadot inexequivets nao houvesse illudido aos
pilotos, que arremessaram a barquinba a mares
aparcelados I
Nao desanimo entretanlo. Confio muito na for-
^a do que deve ser. Confio nao menos no trium
pho do bom senso. A verdade, por mais enreda-
da que baja sido nas roaranhas urJtdas pe;os ir-
maos Tarqninios, e seus ccmpaisas, ba de resur-
gir irresistivel aos olhos do chefe espiri'.ual da
chri:landade. E ai dos embnsteiros quando a mas
cara Ihes for arrancada I... Entio sabera Roma
o Dm para qne se soliciiava do Santo Padre um
Breve apostohco para a famigerada l/aido I
Ilypocrilas I Vendilh5es que profanais o tem-
plo do Senhor I Simoniacos qoe lentais comprar,
e vender as gracas do Espirito Sancto I Pio IX
vos conhecera.... E voi conbecereis tambem que
se nao meute com irapunidade ao chefe do Apos-
loladol... 0 exemplo terrivel de Ananias, e Saphi-
ra, que menliram a S. Pedro, vos devia precaver....
Entao, como boje, loi a cobica qoe inspirou a men
lira I Que paridade de circumstaneiai I
Recife, 13 de dezembro de 1874.
Pinto de Campos.
Ao publico.
Breves constderacoea obre o abas-
terlmento d'ago* pctavel a el da-
de do Recife, seus esgotos e meios
de san ear sua atmosphera, pe-
lo Dr. Pedro de Athayde 1-oba
Moscoso. formudd em medlcina
pela Facaldade da Bahia.
(Conlinuacao).
CIDADB DO RECI.'E.
Sua posicdo e condiroes relativas ao fornecimento
d'agua e utitidsde de esgotos.
Foi sem da vita pelo estado da atrnphia, essa
quasi paralysia de movimento e sentimento, a cau
sa de nao ter alguma de suas administrates alar-
gado as vistas para abragar o immenso horisonte
de sens reaes interesses, e eslabelecer em cada
casa, em cada aposento nma torneira d'agua, qne
seria nao somenia ura beneficio inapreciavel para
a sad le, como nm conforu dos mais esiimaveis.
E quem deixaria de bemdizer a mao bomfazeja
que lal li'.esse t 1 I
Seis lustros sao idos que a companbia ciaiec v.i
a funccionar e ainda hoje se acha cirenmsenpta
ao ac,ulo em que etlade principio eneerrou-se.
Sera ella, porem, a unica criminosa por essa
ioaccao ; ou alguem hs, qae ella, mais culpado, e
cuja responsabihdade perante o pevo seja motto
mais iligna de nota ?
Vejamos :
Pela lei da 14 de juoho de 1837 que autorisoo a
encorpjracao da companbia para abastecimento
d'agna potavet a esta cidade, era a rnesma conipa-
nhia obt'gafla :
1.' A fornecer sem a mats pequena interruprdo
eeompromptidSo e abunianaa toda agaa qne
fosse prdci'i para o consnmo, sob pena do ser f -r
ni-ctda a sua casla pelos mews qne 0 governo jul-
gasse mais conveniente-.
2.* (condicao do contrato telnbrado em 11 d^
dezembro de 1818) a rturar o conlrto e privilege
exelusivo por 33 anno*, podendo ser nrorot'aJo
por mus lez, teas circumsiancias o exigiss .u.
3.* Prulongai'io do prfvilegw por mais dous an
nos por ca construisse, alem dos Ireze espeeift'Jados no con
trato.
4 A fornecer gratuilaaieiae agaa para as e-
tac;oes public*?, navios do estado, iiiartHs in-.cn-
dios.
5." Fiado o praze da dura^io do contrato e pra-
rogacao, a eutregar a adrainistraea o da provincia
os possuidos pela eorapauhia, qae passari.im a ser
propriedade provincial -e isto depois at te m*r-
cer por pet Hot qne ludo estura no melkir etlade
de peifacao e leparo como noo e ibid) de pro
iCftHa
6.* A respoa-abilisarie pelas nmissoci e eo-
travencdes, c sujeitar^i por ellas a mnlta de irtt
a doze coot is da reis, assim como a perda do pr -
vilegio e obras feiiaa.
7." A prestar Ires nadores idoaeos qne abona--
sem toda a execorao do contrato, He dual enire-
ga, sendo a liooca renovada toSvs os craco an-
nos.
8.a A gezar do dire.to da desaprv priar na for-
ma da lei de 10 de......de 1835.
9.* A vender anneis a'agua aoi particulars pe-
lo tempo que durassc o c mirat >, romtaolo qae
nunca faltasse agua para o consumo publico.
10*. Pelo art. 5* o governo garanie a compaahia
em toda sua plenilu le o privilcgio exclnsivo e re-
priedaie, a duranle o leeipodo prviiegio e con-
trato.
Em virtu le da aut>risacao conceJila por erta
lei, fie ningncm conteslaa qne foi lo'pirida p>r
um pftisamenlo muito patriolico, e p ir consegon-
te vitan lo espeoialmente o iotertsse do |>ovo, fo*
reiebrado o contrato em I i de lieztmbro de 18W
com os Srs. lieoto J c Fernandes Barros, Manoel
Coelho Cintra e Francisco Sergio de Mallos, l>a-ean-
dosecon pequraas molificac)-s ou antpia'/MS
uo espirtt > da lei.
Uma deslas alteracoes dizia re.-reito a taracac
do privilegio, cujo tempo deterannoo o contrato
que priwipiisw a ser contado do dia em que a
coraiianhia fornecesse agua a cida le do Recife } or
todos os chafanzes e aqueduclus ~\w. eslavaobriga
do a couslruir.
A seganda re'eria-se a itencao do STvico 4a
gnarda nacioual para os mes'ris di oDicios rtnpre-
gados nas obras da companbia
A lerceira coosistia oa facaldade de ser mo4,U
cado uma vez somente o contrato, qnando appare-
cesse motives jaslos e ponderosos.
Nesse mesmo contrato, porem, se achamespeci-
fieadas duas claosnlas de muiiu v.,I .r para o
governo, e que forcosamente leviara servir lied,
apoio sempre que uvesse de chamar a conipaaliia
ao cumpnmento d^s stus deveres.
A mporunria dacondicao 10' obriga-n a tran*-
crevel a tpsif ceibis, porqae mais para diante k--
remos de fallar deha.
< II4.- Qae a companbia sera sujeila a iapec-
;io da policia pelu que respeila.a boa qaaudadf
e abuudaucia d'agua que fornecer, e a limpeia d
aqueduct* c deposites, devendo a me-ma policia
participar ao govaroo as faHas e defdios que eo-
ecntrar, afira de tomarem-se as medidas qoe em
tal caso detTmnartm os regulirc el du gorpr-
n-i provincial.
Pela simpl s leitura deste artigo v* se qae c
governo tem a mais cotnplela e directa in-i"
sobre o scrvico da eompanbia, nao 6 quanto a'
finiccimento d'agna, como qnanti a confservaca
de seus de;osilos e aquednrtos qoe 4evea set
icantido- no melhor estado de acei i p nsrvet
Se o governo ttm pretcindid.) de sens direito*.
a companbia nenhuma colpa Iem ibt\ arm mwt
set censorada por ler se dirigido e governado *?-
pre conforme Ihe convem, e a sens inieresses : :
culpa e dc quem a deixou anJar a sen b.l t -.
zer.
Pelo art SO da lei provincial n. 87 de 6 de ai
de 1840, foi o prc-idenle da proviu-ia aut>n !
a Ciraccler a cotrpanhia d'agua potavel para <--t:.
cidade mais algum rspuco ie tempo tuffiriente en.
mdemnisar'io do prrjuizoque tin tem de tr.fr ei
com a eulrega que. segnndo o contrato deve fa
zer <'e Ddas as obra* coastruida^ (reparem !"
nes-a foluridade) assim ct.m > a c mceder-lhe a isea
cao do forccimei:to gratuito d'agoa a qnalqac
r, partieao publica, e tambem a | errr.itlir qu-> I
compant ia possa trazer agaa do agar qne t. ai
coiiveniente Ihe for, comunto qae seja potavel
Lulu as boas qaalidades qne seexigem, etr.
Em virtude de-ta l.-i foi innovado o coolrato rm
31 de marco de 1841, e concedido em prime:r i
iugar mais um praio de 20 anno*, alem do de 3 >
annos que estava eslatoido, e prorfacdes coae-
didas em virtude da lei de 1837 islo em eoor-
deraf*o aos prejaizos que a companbia ter com a entreg i das obrat.
Bern sc ve que nio e somente no tempo presen-
te qae se fazem os :ontrauu, e vio se refuitaaa-
do dia por dia, sem razio suflicienle.
Nmgaem podia prever qne a companbia h?c
vessede silTrer prejuizos para o faluro; o qae sa
podia prever eram os prejuizos qne ella h arena
neccssariamente l. ndo somente um pe joeno pr; -
zo de exi-lencia, durante o qnal nio era paaar*
ressarcir ou reembolsar o seu dptlal e jaros, o! -
ten lo um lucre razoaveL
Ainda qae se naoqneita conlestar que f<*e nia
acta de juslija oo pelo menos de beneveleoc a
o que se praticara c >m a cmipinhia, nao
a-s:verara comtudo que fusse licilo adivinhar < t
seus futures prejuizos.
Foi dlspeosaia entrelanto a companhia d f
neceragna gratuilaaiente, como estava ol-rigrsta
ptlocoutrato primitivo, a excepcio dos case* (te
Dcendio.
Ale o presenle, porem, nao U ella obrigada a
ter as emboceaduras necessarm, afira de a >-lia re
adaplarem as mangas da< butnbas, qoe al-m de
c'negarem srmpre muito tarde e em mso e-tad .
ainda muito tempo se ga-ta em procurar e ar-
r_.uil.ar o encanamento ; de sorie qoe quao lo a
agua vem a j .rrar e ja no lira, quando nao ha on
Ira cousa a (azer, senao apagar as brasas.
Concede u se alem a isso a face I dade de ir a eoe
panhia buscaragoa em oatro lupar qne jolga.'
conveniente, mesmo qne nao fossa Hoaleiro, Pr.
ta, Apipucos, qne cstavam Jesiguados aa let pr
mitiva
Esu cencessao era mais proveitasa ao povo rfk
que a companbia, porqne esta podia ir aascar
agua onde mais abundan.e e melbor h-verae, f
assim servir melbor a popnlacao d qoe Ccaaae
restricta a As detnais estipnlacdes nenhuma ircportanr a
lero pela qual merecam ser anal)*ada*.
Pela lei n. 243 de 21 da noveraoro de 1841, o!
teve a companbia o favir de ficarea benlos 4 *
direilos de importacao lodos os canes aaais objee-
tos qne ell* mandasie vir o dt-straageiro
A lei provincial n. 110 de 29 de abril de If 41.
autori-oti o presidente da pr vioria a comprar
600 ac^Oes da companbia de Beberibe, leveoav far
o rendi uet.to deltas applicado a compra (te er.-
tras.
Em uns itt-ressanles artigos pnblicados no Di i-
r/o de Pernambuco de 9, II, 14 e 16 de abril >_>
anno, afflrma o sen autor, qae parece pe. sea c -
nhecedora dos ncgocio* admini*tranvu* da pr >
vincia, que as intencies do sempre lembrado eca-
dc da Boa Vista, eram resgatar a empreza pr
meio da tu-'lla operacio, e tornal-a propnedsfte
publica, fornecendo ao poro apt* gratnitamemt.
E' sabido como lao patriolico designio foi aa -
lificado.
N j permiltio a fatatidade qne a magnanima i# a
lo distinclo adrainislrador prodorisee os aetafaav-
jo< frucos aue deviam de ser colhidos pela pofa-
lafao desta cidade.
Nao" devemo, porem, descrer da alt* prevaftoa-
cia do TODO PODEROSO.
Se apezar da ma vonlade de alguns, temos e -
perancasde em pou;otempo poaair um ban a-;-
lo de alienados porque nao haveorae ae esa>erar
qne anda nm dia teohamos agna de graca an **
muito pooco dinheiro ?
E-peremos. 0 sai-er e. perar ( acaktmcia.
Era 17de agosto d. 18*8 f'i approvadi ;
presidente da pruvia*ia o rrgulimealo estabes-
cenii as mullas que deviam ser impetus aqurfl-s
que f i.-sem encanlrad.-s a vendor agua, *em comprada a c>mpanhia on a damaiGcarera asaaas
obras -n mattas.
A'.e ahi ludo 6 em favor da cimpanoia, f-aiaa
as garantias Ihe foram concedida., alia de ol>r
aprov.itar s? hem da fruicio do sen privil'flo
Etla, para assim diier, receben I odas torn
monstracdes de favor e \ rolecjao de qne aa PBt-B>
dade se Itia aiertctdor*. _
Era com eff it> a iui-iiatrva do espirito o\jaao-
ci ri i q :e broiava ncatiadaie ; era o reMBI
J u.na arvire prometfe.lora de aboadantee fro -
t ~ qu- nfiecia serrndeaWi om mais assidoo* e
die id's euidal s. Vmha a carapantiia cou
uma eaianaco da l-wiaeiipia Diriaa *ti-rater a
ntcts-idide mus palpi'inle de qnaaias seataaaa r*
habiiiote* desia crtaoe.
For m .is qoe se conbecesse as vantigaas e be-
uelicios que devia pfudi'gabtar a corapiDba R *-
benba,por mais pre.i i-os que f issem eisestd*lr>
flews e vantag^ns dever-se hta lar etquecldv trie
a companhia coutrahira mui valKMas cbr'tgar/jaVa,

j



Dfefcrio fo PemattitiaccJ ~ Quifita feirfli'17 de DezembrO de 13T4.
e qoe era necessario precaverem se contra osabu-
80s que por ventura houvesse ella de praticar no
deserapenho dessas obrigacSes ?
Ninguem o (lira. Entretanta e ama verdade,
que nunca admiaistracao alguma peasoa em fazer
um ngulamento que suleitasse a eompanhia a
cumprir exactamente as suas obrigacoes, e assim
ficassem garantiJoi os interesses do publico, que
deveriam merecer mais seria attencao.
Nao queremos dizer coai isso que a eompanhia
tenha faltado ao cumprimento dos seus deveres:
mas 6 incmlestavel qua tera havido fartas, a qae
tern ella serapre procurado dar mais ou menos
prompt) reraedio, e qoe prova velraeota taes {alias
5e nao dariaro, se, par amor de algama inspeccao
administrativa, s, u regimen fosse mais peife to.
Vamos ver se nos explicamoj con*eoienteraentp,
para qae se nio supponba que somos adversis a
campanhia Beberibo-qoaodo pelo contrario, a
reconhecemos carco a mais ulil empieia desta
provincia, e qua grandos beutfnios tern prodigal i-
sado ao povo desta cidade, nao so em relacio ao
conforto como a sadie publica.
A eompanhia-lleberibe foi buscar agua quasi
a c'ittaneia de tres leguas desta cidade, agua po-
tavel, limpida, baslantemente pura ; mas nao
isenta de algumas subitancias vegetaes e aqimaes
de que e impossivel privar tutalmenle as aguas
potaveis, salvo qaando ellas nascem de rochedos,
e ahi e possiwl represal as encanandoas imme-
diatameute. Esta ag'-a provem de fontes nativas
a qv.e damos o nome de olhos d'vgua ou vertentes,
parecendo que emana das culinas que rodeiam o
lugar. Aos engenheiros compete dizer d'onde sahe
a agua.
[Conlinuarse-ha.)
Vii a quern toca.
A Provincia que anda a am tempo desta parte
inigmatica, e carapuceira, escreveu em sea numero
de boje o seguinte ;
t Somos uns viloes, e uns caldes improvisados,
por jae nao bajulamos o Sr. Joaa Alfredo '.'
a Da passe, pois, dis liberties independentes,
porque tanta ira contra nos ? "
Que nestes doas t-echos vai uma carapuca com
um subscript i a alguem, nao ba duvida. Mas
resta saber quern seja esse elgaem, que qualificou
de viliio e liberal improvisado o capitio Tiberio da
Provincia, e a quern esta denominaliberals in-
dependents -dos quaes insinua estar de posse o
governa.
0 Sr. Eduardo de Barros nao e certamente, por-
que nunca escreveu artiga era que empregasse a
palavra vilao.
Os protestantes de Gamelleira tambem nao, estes
nao a, ocuparam do viliio.
0 Sr. Dr. Model ros, menos, pela mesraa razao
qae milita em favor dos ootron,
0 ne-*ocio ha de ser sem duvida com o Sr.
conseiheiro Silveira de Sauza ; foi elle quern des-
afiou os viloes e cs cafoos improvisados a uma
pugna franca deal.
Por conseguinte tome o Sr. conseiheiro este piao
na unha. A Provincia qae transcrevea o sea ar-
tigo. como documento para a historia, dis agora
qae o go ver no esta de posse dos liber aes indepen-
denies.
Como anda o tempo f
16 de dezembro.
0 Pat da pobreza.
A anciedade publica.
O Dr. Aprigio Justiniaoo da Silva Guim-ra?s,
caracter altivo e liberal que nao torce, e chamaio
asatisfazT oseuempenao da honra, relativamen-
te a publicacao daquella amavel carlinha que di-
rigio ao viseonia do Camaragibe.
Na ausencia de S. Exc. o afaraado Dr. quasi fa-
zia desabar o ceo, para ver essa carta publicada;
agora qua esti o visceode na provincia, tres ma-
zes estlo dacorridos, e o iracunio liberal n3
moita...
Nao t? licito tamar se compromise tao solemne
como aiuelle que tomou para com o publico, e
deixar os seus admiradores assim e com agua Ea
bocca.
0 visconJe assegurou qua tiuha a carta gnar
daia, portanto ,queira o Dr. pedir-lhe couia para
ser publicada ra Chronici da sua Provincia E'
mais um d cumanto para a hhtoria, que nesse
jornal ficara regitrado.
E' preci-o qae os liberaes do imperio fiquem
conhecendj a tempera do caractei do Dr. Apri
gio, e, d- uma vezp>r lotos, sabend) que elle
nunca offereceu sua pena a tens servicos ao vu-
cone da Camaragibe>
0 publico tem anciedada por ver tio negro aloi-
ve aniquilado.
Venha, pois, o Dr. Apri.'io, com a publicagSo de
tal carlinha, e=tabclscer a verdade em toda a sua
forca.
Um ancioso.
Primeira via.
Sr. M. 5. do A. Tern V. S. consciencia do
pa pel que esta representindo ?
Parece-hV que tija bera a um negociante que
se presa, servir de testa de farro na perseguicao a
um homem que nunca Ihe -fez mal; que jamais o
ofTendeu; e isto para servir a um oulro, cujos
prccedenles fazem duvidar da sua gratidio por se-
melhaDte servigo? Tem V. S. a cooseiencia de
ter uma vida tio iraitaculada para crer que pode
fazer mal irapuneraeute ?
Nio receia raestno a pena de Taliao f
V. S. e negociaute, mas nao e um Rothscild
para se considerar sobranceiro as eventualidades
da fortana. Hoje 6 V. S. perseguidor de um ar-
lista com quem nunca teve relscfles, so por servir
a um seu amigo, cillega, ou la o que 6.
Tomando sobre si a respODsabilidade de tao odioso
papel, se amanba a sorte lhe for adversa e o la
var a necessidade de recorrer a generosidade dos
seus credores, no tribunal da sua consciencia jul-
gar-se-ha raerecedord'essa generosilalet
Panse n'isto.
Saiba tambem mats:
Ha cousas n'este mundo que nao se dizem por
falla de sinceridade e de coragem.
E' por isso que aquelles que s6 e.^laj habitua-
dos a ouvir as bajulacdes e lamurias dos caracte-
res servis, deserendo da fortaieza de animo que
da o infortunio, procarara tudo emagar sob a
aspereta e arrogancia que as vantagens das cir-
cumstancias lhe< permittem, convictos de qua nio
lbes ousarao reagir.
Fiem se n'isso I
A sua victima, o Sr. SI., tem a molestia chamaaa
da tinta.
v: nma mania de dar que fazer aos lypogra-
phos.
Quer que ella obedeca a febre d'essa doenc* t
Tem a consciencia de ser invulneravel ?
E' o qae haveaios de ver.
Rs. 3761050.
Barca franceza S. Andri mercadorfaa para
alfandega. ,
Patacho inglez Henry Trewbridg kerosene
ja dospacbado oara o cae3 do Apollo.
Barca portngueza Lisboa pedras de cantaria
para otrapicba Conceicao, para despa-
char.
Patacho allemao Colmar (atracado) keroae
at, ferro e cimento ja aespachsdoi para
o caesdo Apollo. 1
Patacho ioglez Lucy kerosene para o trapi-
che l!onceiQao, para despacbar.
Patacho inglez Cassandra bacalbao ja des
pachado para o irapiche ConceicSo.
Brigue inglez Dora bacalhao ja despacoad*
para o trapiehe Conceicao.
Hiate nacional Flor do Rio Grande generos
nacionaes para o trapiche Loyo.
Barca ingleza Volonta di Dio dormentes pa-
ra o trapiche Conceicao, para despachar.
Barca ingleza Amoy carvio e tijolos ja des-1
pacbados para o caes do Apollo. I
Barca ingleza MM Maria ferro e carvao,
ja despachados para o caes do Apollo.
IuiuortaiEo.
Patacho inglez Belle, enlrado de Terra-Nova em ,
16 do corrente e consignado & Johnston Pater &
C, manifesto :
Bacalhao 2,875 barrkas aos consigoatarios.
Patacho ingloz Lucy, entrado de New-York na
mesma data e consignado a Hanry Forster & C,
manifeston :
Barricas abatidas 1,000 aos consignatarios. Ba-
nha 100 barn's a Magalhaes & Irmao, 109 a Joa-
qnim Jo e Leitao & C, 80 a Paulino Jose da Cos-
ta Amorim & C Bulacbinbas 100 barriquinhas
a Magalhaes Si Irmao, 100 a Lebre &. Reis. Breu
162 barricas a Fernando da Costa & C.
Farinha de trigo 515 barricas aos consigna-
tarios
Kerosene 1,800 caixas aos consignatarios, 500 a
Niadiaes & Irmao, 300 a Souza Bastos & C, 300a
Paulino J -=e da Costa Amorim & C, COO a Lebre
& Reis. 500 a Domingos Joaquim Ferreira Cruz,
600 a Joaquim josa L9itao & C, tOO a Matheus
Austin & C.
Meza na 100 caixas a Magalhaes & Irmao, raer-
cadorias diversas 15 volumes aos consignatarios.
Papel 1,000 resmas acs mesrajs.
Barca ingleza Volante de Deo entrada de Lon-
dns na mesma data e consignada a Saunders
Brothers & 0., manifeston :
Carvao de pedra 100 tone'adas e 10 quintaes,
dormentas de madeira 6,655 a estrada de ferro do
Recife a S. Francisco.
Hiate nacional Flordo Rio Grande do Norte, en-
trado da villa da Penha na mesaia data e consig-
nado a Antonio da Silva Campus, manifeston :
Algodio 28 saccas a Bento de Freitas Gaima-
raes. Assucar 336 saccos a Jos6 da Silva Loyo
Sobrinho, 4 a Berto de Frei:as Guimaraes.
Milho 451 sascos ao barao de Campo Verde.
DESPACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 15 D?
DEZEMBRO DE 1874.
Para os portos do exterior.
.\'o navio hespauhol Francisquita, para Mar-
seille, carregoa : A. Loyo 600 sacios com 45.0U0
kilos de assucar maJfiavado.
Na barca ingltza P. Alice, para Liverpool,
carregou : V. Neesen 3i5 saccas com 24,046 1(2
kilos de algodao.
No navio inglez Bm, para o Canal, carregou :
F Cascao i Filho 1,400 saicos com 103,000 kilos
de assucar mascavado ; R. Cahu 4 C. 320 ditos
com 24.000 ditos de dlto.
Na barca portugueza Imperial, para Lhboa,
carregou : Baltar Sobrinho 44 prancbSe.s de ama-
rello.
No lugar portuguez Cidral, para Lisboa, car-
regou : J C. Monteiro 464 couros salgados com
3,568 kilos.
Para os pcrlot do interior.
Para o Rio Grande do Sul, na escuna portu-
gueza Helena, carregou : Amorim Irmaos & C.
530 barricas com 32,920 l|2 kilos de assucar I r.n-
co ; A. da Costa Araujo 150 barriquinhas com
7,023 112 ditos de dito reflnado.
Para o Rio Grande do Sul, na escuna allemi
Anna, carregou : Oiiveira Filbos Si C. 300 barri-
cas com 10.201 1(2 kilos de assucar branco.
Para 6 Rio Grande do Sul, no navio nacional
Eduviges, carregou: F. R. Pinto Guimaraes 63
barricas com 5,687 kilos de assucar branco.
Para o Rio de Janeiro, no vapor nacional
Bahta, carregou : M. L. Paes Barreto ICO saccos
com 7,500 kilos de assucar branco ; J. Maia So
brinh [ 1 caixa com 100 abacachii.
t'ara o Aracaty, no hiate nacional Graciosa,
carregou : M. A. de Senna 10 barricas cam 612
kilos de assucar rtfinado.
CAPATAZIA DA ALFASDKGA
Rendimento do dia 1 a 15. 7:188*888
UA do dii 16 5o9;458
Bhaves
Ivas
Emaranta
Auimaraes
Gvilha
Coelgago
MPoit'alegre
Aicoi de val de vez
Celorico de Baston
Caminba
Mangualda
Ponte de Lima
Povoa de Lanhosa
Lria
Lisboa
flarctllos
Coimbra
Mirandella
Penaflel
Re go a
Vizeo
Figuei
L^ mega
Estar r
Valen
Villa real
Cabecira de Bastos
Castello-Branco
E.-pozende
Oiiveira Ce Azomeis
Povoa de Varzim
Vianna de Castello
7:748*316
VOLUMES SAH1DG3
No dia 1 a 15......
lo dia 16......
Pnmeirapom .....
Seganda porta .
Terceira porta .
Titpicre Ccncic>o .
Villa nova Ja Porlima Villa nova de Faraalicao
Villa do Conde;
Was ilhaM
Madeira, S. Miguel, a Paial e Teiceira.
SE6UR0S
HARITIHOS
CONTRA 0 FOGO.
4 eompanhia Indemnisadora, estabelecidi
aesta praga, toiia seguros maritiraos sobn
oavios e seus oarregamentos e contra fogc
am ediucios, mercadorias e mobilias: di
-na do Vigario n. 4, paTimento terreo.
SEGUROS
Mrilim o e coDlra-fogo
GOMPANHIA
Phenix Pernambucana.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro contra-fogo
THE LIVERPOOL & LONDON INSURANCE COMPANY
tjfentcs
SAUNDERS BROTHERS & C.
11Corpo Santo11
GOMPANHIA ALLIANCA
ieguros maritimos e terrefe
tres estabelecida na Bahia
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0005000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
i*co maritimo em navio do vela e vaporei
jara dentro e f6ra do imperio, assim come
jontra fogo sobre predios, generos a f
ondas.
Agente : Joaquim Jos6 GonQalves Beltrio
us do Comraercio n. 5, l'andar.
Compankia Indemnisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:0000000.
Fhomaz de Aquino Foneeca 4. C, successores
agen'.es.
Esta eompanhia toraa seguros maritimos e ter-
restres, dando nestos o septimo anno gratis aos se-
gurados.
Unit do Vigario u. tO.
Enslisg Bank of Rio de Janeiro
Limited.
4 direcQao laz sciente que, hojo torn de-
clarado um dividendo por couta de 4l0 (8
shellings poraccjio) livre de imposto, so-
bre 500,001), capital realisado deste ban-
co, pagavel no dia 9 do dtzumbro proximo
futuro.
Cha.s Garrington,
Secretario.
18.921
22,487
JUNTA DOS CORRRTORES
Praca do Recife, IB de dezem-
bro del$74.
AS 3 HORAS DA TARDE.
cotacSks officiaks
Assucar-mascavado purgado I$900 por 15 kilos,
bootem.
Assucar bruto esMlhido U630 por 15 kilos.
hontem.
Cambio sobre Londres a 00 d|v. 26 3|8 d. por
l*i*00, do banco, hentem e boje.
Cambio sobre Paris a 90 d|v. Mi rs. o franco,
do banco.
Desconto da letras 10 a 11 OiO ao anno.
Dito de ditas 120(0 ao anno, hontem.
Pe o president?,
A P- <1e Lemos.
Pelo iwrstim,
Antonio Leonardo Rodrigues.
SERVICO MARITIMO
4j>arang&s descarrega atfudega.
Vo dia 16....... \
*o trapicte ConcaiQio ... 3
60
tBCEBEDORlA DS RENDAS INTFRNAS GE
RAES DE PERNAMBUCt
-.adimento do dia I a 15 28:759^835
am do dia 16. l.Wt*6
30:i02i489
GONSULADO PROVINCIAL
.ndiasanto do dia 1 a 15. 88:477*693
"lam do dii 16..... 7.654*755
96:112*448
AGENCIAS PROVINCIAES
Liquidos espiritnosos.
Rendimento de I a 14 1:554*719
idem do dia 15 344#t93
1 898/912
Bacalhao. etc.
Aendimento de I a 14 2:420*706
!dem do dia 15 4 ._ '
-------------2:420*706
Generos d estiva,
ftendimento de I a 14 2:851*032
Idem do dia 12 246*072 _-_._
------------- 3:097*10'
Farinha de trtgo, etc.
tendiraento de I a 14 1:228*948
'dem do dia 15 *
A.LPANnK'.;.
nn^imiitn do dia 1 a 15.
law do dia 16
476:006*215
34:lil*970
510 118/183
4)Mamgin Uo] 17 to dezembro de 1874.
Vapor iaglei Cordova (atracal>) nwrcado
rias para altandega, a viuuo para depo
sito no trapiche Barbo-a.
Patacho dlnaaarquat Ann* merci^nas pa
ra atftnrW*.
Famo, etc.
lendimento de 1 a 14 1:2505832
idem do dia 15 314*047
Vinagre, etc.
Rendimento de I a 14 760*640
Idem do dia 15 103*554
1:228*948
1:564*879
864*194
11:074*743
Th"souro provincial de Pernambuco, 16
de dezembro de 1874.
0 escrivao,
J. C. M. da Silfa Santos.
Banco do Minho.
Joaquim Jose Gomjalves Beltrao Si Pllho saecam
por todos os vapores sobre :
Anadia Evrra Monsao
Agoi a Fate Ovar
Aveiro Ftro Porto
Ceii Gar.rda Tavira
Navios enlrados no dia 16.
Penedo por Maceid-2 dias, vapor nacional Ja
guaribe, de 459 toneladas, commandante Julio
Gomes da Silva Neves, equipagem 30, carga va
rios generos ; a eompanhia pernambucana.
Terra Nova43 dias, pttacho ioglez Belle, do 216
toneladas, capitao W. Mulcohy, equipagem 9,
carga 2,750 barricas com bacalhao; a Johaston
Pater Si C. Seguio para Bahia.
Londre^ 48 dias, barca ingleza Volanta de Deo,
de 350 toneladas, capitao J. II Mallard, equipa-
gem 12, carga carvao e outros generos; a
Saunders Brothers Si C.
New-York-66 dias, patacho inglez Lucy, de 234
toneladas, capitao Irveng, equipagem 7. carga
d ITorentes genero3; a II nry Pursier & C.
Rio de Janeiro-20 dias, brigue portuguez Voador
do ilondego, de 289 toneladas, cipitao Antonio
Netto, equipagem 12, em lastro ; a Euzebio R.
Rabello & C.
Penedo por Maceio 2 dias, vapor nacional Ja-
guaribe, de 4">.i toneladas, commandante Julio
ii. da Silva Neves, equipagem 30, carga varios
generos; a eompanhia pernambucana.
Barcelona 55 dias, snmaca bespanhola Canne
e 94 toneladas, capitao Mateo Pages, equipa
gem 10, carga vinho; a Pereira Carnelro Waia
Si C. SAgue para o Rio Grande do Sul.
Rio da Janeiro 17 dias, patacho hespanhol India,
de 164 toneladas, capitao Lull Pdget, equipa-
gem 11, em lastro; a Beltrao & Filho.
Baltimore 46 dias, patacho americano 0 C.
Clary, de 248 toneladas, capitao Ryder, equipa-
gem 8, carga 2.600 barricas com farinha de
trigo; a Johnston iMer & C.
Navios sahidos no mesmo dia.
Lisboa Lugar portuguez Julio Jodo de Barros,
carga assucar e outros generoa.
Lisooa Brigue portuguez Rio Vouja, capitSo
Jose dos Sanios Junior, carga assucar e outros
generos.
Rio de Janeiro ttrigue brasileiro S. Paulo, ca
pitao Manoel C. Ferreira, carga assnear.
Rio da Prata Brigue hespanhol Principe, capi-
tao Granja; carga assnear.
~~ ISITAES-
FaruLlade de Direito
l.ista dosemmea dellagoaa, reitos
em novenaoro de i.SJ-1.
L!.\GUA NACIONAL.
Approvado com tkttinccSo.
1 Manoel Cyii Apuixvadas plenamente.
2 Affonso LoL-es de Mir>nda.
3 Alfredo Menaa Barreto de Barros Falcao.
4 Auimsto da Costa Gaedes.
5 Henrimie i aptulino Pereira de Mello.
6 Hooi.ino da oriveira.
7 Jwsa Izidoro Martins Jonier.
8 Manoel CoeMho Cintra Ramaiho.
9 Pe iro Soarea de Arauio.
10 Bay mundo-Nina Ribeiro.
Approvados.
11 Adolpbo Hilnrw das Santos.
(2 Aiolpao Naiies Lias.
13 Alfredo Hemeterlo Ribeiro.
14 Alfredo Litho Alves Guimaraes.
15 Agostinh} Josa\ Oiiveira Junior.
16 Alvaro Bar I)*! ho U.-hoa Cavalcante.
17 Andre Digs, de Araulo Jimirjr.
18 Antonio Alves da Silva Accioli.
19 Antonio Baptist) de Mello Peixoto Junior.
20 Antonio Cesario Ribeiro.
21 Antonio C'?m?atiao Freire.
21 Antam'o Josd da Figu^iredo Jonior.
23 Ar.tonio Roterto Moreira.
2i Antonio RoJrigues Autran.
25 Aatonio da Roeha Hollaoda Cavaleante Fl-
ibo.
26 Aristoo da Cunha Liaa.
27 Antonio RabelJo Quinlella Correa.
28 Arthur da Albuquerque Bezerra Cavalcante.
29 Arthur Bezerra de Menezes Lyra.
30 Arthur G>roes de Alatlos.
31 Arthur do Sa Cavaleante de Albuquerque.
31 Arthur do Souza (arvalbo.
33 Angusto GucJes Coxi^tGondim.
34 Angusto Si-raOm da Silva.
35 Astolptio Jjs4 Meira.
36 Basitio da Silva Santiago.
37 Bettarmino Alvares da Nj'.-rega Pinagf.
38 bellannino Cesar Giiidiin.
39 Bellannina Gaedes CorrSi Gondim.
40 Candida Goncalves ds Albuquerque.
41 Cypriano da Siqueira Alcoforado.
42 Dtrvino Jose da Silva.
43 Domingos Faiippe de Souza Le5o.
44 Ediurilo Olympio Ferreira Barbosi.
45 Elisiario de Torres Bandeira.
46 Elpilio.dos Santos Reis.
47 Estavao de Sa r.avlcante de Albuquerque.
48 Felippe Lopes Nato da Mendonca.
49 Flavio Gomes da Silveira.
50 Fortunato Augusio da Silva Junior.
51 Francisco.da Ba/ros Jlandon^a,
52 Francisco Dwmiagues ("a Silva Netto.
53 Francisco Gomes da Silva.
54 Francisco Santiago Ramos.
55 Francisco S^radco do Assis Carvalho.
56 Francisco Xavier de Andrade Moura.
57 Francisco Xavier da Cunha Montenegro.
58 Francisco Xavier Paes de Mello Barreto.
59 Gabriel de Azevedo Andrade.
60 Gabriol Ildefonso das Neves Cardoso.
61 Ga-parinoCabriel da Siva Barreto.
61 Gaslio de Aragao e Mello.
63 Henrique Augusta do Albuquerque Milet.
64 Henrique Tavares de Lyra Guimaraes.
65 Innocencio Peregrino Alves Ardxa.
66 Joao Adolpho Lins.
67 Joao Antonio Saraiva Leio.
68 Joao Clodoaldo Monteiro Lopes.
69 Joao Gomes de Albuquerque.
70 Joio Pinti Poitella.
71 Joao Pompeu de Andrade Lima.
72 Joao Quinuliano de Azevedo e Silva.
73 Joao Tavares Currda de Andrade.
74 Joao Zeforino F.rreira Velloso.
75 J >.. ja in Eloy Vasco de Toledo.
76 Joaquim Gomes da Silva.
77 Joaqnim Piulo Portella.
78 Jouathaj JuVen.il Maia.
79 Jorge Jacoma T<>sio Fiiho.
80 Joie Alves Villela.
81 J iiJ Agnpino de Mendonca Lins.
82 Josa Augu-lo de Oiiveira.
83 Jose Bezerra Civalcanie.
84 Jjse Cordeiro do Rego Barros.
83 Jo.-e Demetrio Ferreira Costa.
86 Josa Florentine de Farias Bittencourt.
87 Jose Francisco Ribeiro Pessoa.
88 Jose Games Leal Netto.
89 Jose Honri lues de Salles Abreu Junior.
90 Josa Iguacio Pereira do Lago.
91 Jo'ii Julio Fernandc3 Barros.
92 Jose Lucas Alvares Junior.
93 Jose Manoel He Araujo Junior.
94 Jose Paulino Cavalcante de Albuquerque.
95 Jose Pinto Nogueira.
96 Jo;6 da Rocha Lima.
97 Julio de Mello Filho.
98 Luiz de Albuquerque Maranhao.
99 Luiz Antonio Saraiva Leao.
100 Luiz Barbalho Uchda Cavalcante.
101 Luiz do Rego Cavalcante de Albuquerque.
102 Lup:cino Uemingues Lies.
103 Manoel Augusto de Medeiros.
104 Manoel ^alral de Mello.
105 Manoel Malet da Nobrega.
l()6 Manotl de Miranda Leao.
107 Manoel do Nascimento Machado Portella Ju-
nior.
108 Manoel Pacs Barreto Pereira dos Santos.
109 Manoil do P.ego Mello.
110 Manuel Rodrigues Leite Imbozeiro.
111 Manoel Torquato da Siva Marques.
112 Manoel Xavior do Moraes Vasconcello?.
113 Miguel Anlunes de Fsrias Torres.
l;4 Nuflierianj Honorio de Serpa Brandao.
115 Odiluo Fiock Rou ano.
116 Paulo Marlins Pereira Monteiro.
117 Perminio de Abreu Lima Figueiredo.
118 Presciliano Pri>co Paes Barreto.
Ii9 R. dutpho Honorio di Serpa Brandio.
120 Rodolpho de Moraes Coutinho.
121 Rodolpho de Pania Lopes.
122 Romulo Romano Stepple da Silva.
123 RozenJo Adnao da Foneeca Lima.
124 >ilvestre Marques da Silva Ferrio.
125 Theobaldo Alipio Martins SalJanha.
1-26 Thyrsoda Assis Ganido.
127 Thome Alves Ardxa.
128 Valenano Rodrigues & Hares.
129 Ventura Fernandes da Costa.
t30 Vicente O-car uuarie da Gama.
131 Vicente Tnomaz Pires de Figueiredo La-
in argo. ,
13J Victorio da Nascimento Accioli Lins Junior.
Reprovados 68. Nao compareoerain as chama-
das 13 e a prova oral 13, Uv.intou se da tanca I,
por ter sido encontrado copiando a prova escripta.
LAT1M.
Approvados C'tn distincgao.
1 Aifrcdo Meuna Barreto de Barros Falcao.
2 Joao Carlos Accioly.
3 Jose Bezel ra Cavalcante.
4 Jose Cordeiro do R?go Barros.
5 Joss Izid 6 Thyrsod'Assis Guedts.
7 Victorino de Paula Ramo3.
Apprtvados plenamente.
8 Adolpho Nunes Lins.
9 Anizio do Carvalho Paiva.
10 Antonio Alves Pereira de Lyra.
11 Ant mio Diniz Barreto de Vasconcelloi.
12 Antonio Pacilico de Lima.
13 Arthur Bezerra da Menezes Lyra.
14 ArthurOrlando da Silva.
15 Astolpho Jose Meira.
16 Augusto da Costa Gomes.
17 Bernardino Cavaicanta de Albuquerque Ma-
ranhao.
18 Domingos Bento da Moeda a Silva.
19 Elisiario de Torres Bandeira.
20 Elpidio dos Sanios Reis.
21 Frantisco Alves de Souza Carvalho.
22 Francisco de Barros Wanderley.
23 Franci-co de Borja do Nascimento Feitosa.
24 Francisco Leopoldo Marinho de Souia.
25 Francisco do liego Barros.
26 Francisco Xavier de Andrade Moura.
27 Henrique Augusto de Albuquerque Milet
28 Henrique Capitulino Pereira de Mello.
29 Hermiuo Moreira Dias.
30 Honorio de Oiiveira.
31 Joao Antinio Saraiva Leao.
32 Joao 'laulisla Lins Wanderley.
33 Joao Baptista das Santos Almeida.
34 Joao ^apistr mo Ribeiro de Souza.
35 Joao Quintiliauo de Azevedo e Silva.
36 Joaquim Eloy Vasco de Toledo.
37 Joaquim Gomes da Silva.
38 Joaquim Pinto Portella
39 Jos6 da Amorim Paes Barrelo.
40 Jose Augusto de Souza Araarantho.
41 JoseCahaWo Trigueiro da Cruz.
42 Jo6 Fiorentlno de Faria Bittencourt.
43 Jose Gomes Leal Netto.
44 Jo>e Paulino Cavalcante de Albuquerque.
45 Jma Pinto Nogueira.
46 Juliao Tuaorio de Albuquerque.
47 Leopoldo Marinbo de Paula Lins.
48 Luiz Antonio Saraiva Leao.
49 Luiz do Rego Cavaicanta de Albuquer-
que.
50 Lupicino Dotciogue* Lins.
51 Manoel Antero de Medeiros.
52 Manoel Augusta de Medeiros.
53 Manoel Cabral de MeUo.
54 Manaei Martins FiuzaJanioJ-. ,...,
55 M-uwel do Nascimento Machado Portella Ja-
56 Manoel Rodrigues Leite Imbnwiro.
57 Miguel Nunes Vianna.
8-e*Hmn Augusts d^Figaeirado.
M'Pedro Cavaleante 4e Almeida.
60 Pedro Soares de Aranjo.
61 Perminio de Abreu a Lima FiguweVio
2 Tirquinio Braulio da Souza Amarantho Jttr
nior.
63 Theoloro Joaquim do Sant'Anna.
64 vlrfinio Ramos Gortlirho.
Approvados.
65 Alvaro Angnsto Rarneiro Leio.
66 Antonio Jose H?nriqnes.
67 AulonioPIotarcho Rodrigues Lima.
68 Aprigio Gomes de Sa Banelo.
69 Ednardo Correia do Rego Barros.
70 Firrainj Pacheco Soares da Silva.
71 Franci;co da Rocba Wanderley.
72 Gabriel Azevedo de Andrade.
73 Genesio de Albuquerque Martins Pereira.
74 Joio Clodoallo Monteiro Lopes.
75 Jjao Pinto Portella.
76 Joaquim Al>ei de Souza Carvalho.
77 Joaquim D imicio Leopoldino Ferreira.
78 Joaquim Francisco de Miranda.
79 Jose Antonio Moreira Dias Junior.
80 Jo.-e Antonio Pinheiro de Lyra.
81 Jose EmigliaGauQaives de Lima.
82 Jase da Rocha Lima.
83 Jose Tavares da Cunha Mello Sobrinho.
84 Laurindo Arislotele* Carneiro Leao.
85 Luiz Iguacio da Silva Filho.
86 Manoel Antonio Pinheiro Lyra.
87 Manoel Carlos Myrinck Monteiro de An-
drade.
88 Manoel Cavalcante Ferreira Mello Junior.
89 Manoel Clementioo de Barros Carneiro.
90 Manoel Peijo de Carvalno.
91 Nuraeriano Honorio da Serpa Brandio.
9-2 Rodolpho Honorio da Serpa Brandao.
93 Roxenic Adriao da Foneeca Lima.
94 Tobias Cesar de Andrade.
95 l'home Alves Ardxa.
96 Vicente TUomaz Pires de Figueiredo Ca-
margo.
Reorovados 26. Nao compareceram as chama-
ias 9 e 5 a prova oral.
FRANCEZ.
Approvado com distincgao.
1 Manoel do Miranda Leao.
Approvados plenamente.
2 Alcides de Aquino Foneeca.
3 Antonio Alves Pereira de Lyra.
4 Antonio Diniz Barreto de Vasconcellos.
5 Antonio Jos-' Henrique.
6 Aatonio Rodrigues Au'ran.
7 Antonio Wanderley Navarro Lins.
8 Astolpho Jos6 Meira.
9 Augusto da Costa Gomes.
10 Carlos Alberto Burle.
11 Cypriano de Siqueira Alcoforado.
12 Domingos Bento da Moeda e Silva.
13 Domingos Felippe le Souza Leao.
14 Eduardo Curcino d'Assumpcio.
15 Estevao Joe Dantas.
16 Fernando da Costa Paes Barreto.
17 Francisco de Paula da Silva Rego.
18 Francisco Santiago Ramos.
19 Henrique de Barros Lins.
20 Joao Gomes de Albuquerque.
21 Joao Porupeo de AndraleLima.
22 Joao da Silva 11 g->.
23 Joaquim Cavalcante Leal de Barros.
24 Jose Bezerra Cavalcante.
25 Jose Cornelio Leitao Range!.
26 Jose Joaquim Guimaraes.
27 Julio de Mello Filho.
28 LiudolphoIsbello'Correi de Araujo.
29 Luiz do Rego Cavalcante de Albuquer iue
30 Manoel Alves Villela.
31 Manoel Moreira Dias.
32 Manoel do Nascimento Machado Portella Ju-
nior.
33 Odilon Fiock Romano.
34 Pedro Soares da VraQjo. .
35 Pedro Valrtiiauo Cvalcante Reis.
36 Rodolpho Honorio de Serpa Brandao.
37 ReiGlpho Je Moraes CootinbO.
38 Thomaz JoaO da Veiga Seixas.
39 Thomaz Luis Caldas Junior.
40 Urbano Maraede de Almeida Junior.
41 Vicente Thomaz P.res de Figueire"Jo Ca-
margo.
Approvado*.
42 Adolpho Duprai so.-ta da Cunha Lima.
43 Adolpho Nunes Lins.
44 Agg^o Eduardo Velloso Freire Filho.
45 Alfredo Litho Alves Guimaraes.
46 Alvaro Augusto Carneiro Leao.
47 Amaro da Rocha Wanderley.
48 Americo Soares de Nones a Mello Ave-
lino
49 Andre Dias da Araujo Junior.
50 Antonio Clementino Freire.
51 Antonio Jose Leile Pereira.
52 Antonio Jose M;ndes Bastos.
53 Anton! Mliz de Mvlureira Maciel.
54 Antonio Moreira da Silva.
53 Ant nio de Olinda .vlmei.la Cavalcante.
56 Antonio Plutarcbo Rodrigues Lima.
57 Apolonio Zanaydes Peregtino de Albuquer-
que.
58 Arthur de Albuquerque Bezerra Caval-
cante.
59 Arthur Gomos de Malt .s.
60 August) de Castro Madeira.
61 Bellannino Alvares da Nobrega Pinage.
02 Bellarmino Cesar Gau Jim.
63 Bellarmino Guedes Corieii Gondim.
64 Basilidei Getulio de Leiros e Silva.
65 Candido Goncalves de Albuquerque.
66 Elisiario de Torres Bandeira.
67 Elpidio dos Santos Reis.
68 Flavio Gomes da Silveira.
69 Francisco de Barros Mendonc.a.
70 Francisco de B-Kja do Nascimento Feitosa.
71 Francisco Caraello da Silva Marrocos.
72 Francisco da Costa Ma a Filho.
73 Francisco Ferreira da Costa Mello.
74 Francisco Xavier de Andrade Moura.
75 Francisco Xavier da Cunha Montenegro.
76 Frederico Alves Cavalcante Maciel.
77 Genesio de Albujuerque Martins Pereira.
78 Graciauo Xavier Carneiro da Cunha.
79 Henrique Tavares de Lyra Guimaraes.
80 Herculano de Oiiveira Torres Galiado.
81 Hersilio Lupercio de Souza.
82 Ildefonso da Silva Baixa.
83 Joao Adolpho Lins.
84 Joao Agostiuho Carneiro Bezerra Cavalcaals
85 Joao Antonio Saraiva Leao.
86 JuSo Clodoalda Monteiro Lopes.
87 Joao Luiz dos Reis Ntlto.
83 Joao Maria Save Junior.
89 Joao Soares ae Maced Sobrinho.
90 Joainim Eloy Vasco de Tdedo.
91 Joaquim Francisco de Miranda.
92 Joaquim Jose Rodrigues Collares.
93 Jos6 de Azevedo Maia e Silva Filho.
94 Jose Barges Dias Brito.
93 Jose Candid de Figueiredo da Cruz.
96 Jose Florentino de Farias BiUeucotttl.
97 Iota Franci 98 Jose innocencio de Jesus.
99 Jose Lucas Alvares Junior.
100 Jo.-e Manoel de Araujo Junior.
101 Jose Maria da Costa Rego.
102 Jose Manricio Barges Junior.
103 Joe Paulino Caval ante de Albuquerque.
104 Justiniano Barboza Lucena.
105 Lyndolpho 0 ynpio dos Reis Campello.
106 Luiz Antonio Sataiva Leao.
107 Luiz Iguacio da Silva Filno.
108 Manoei Antero de iMeiros Fartado.
109 Maniel Cabral de Mello.
110 Maa>el Cavalc^iita de Albuquerque Wan-
derley.
111 Manoel Malet da Nobrega.
112 Manoil Mend** Carneiro da Cunha.
113 Man'-el de Mesquita Lin-.. *
114 PaciQco Fnrn^nd-is Bandeira de Mello.
115 Pedro Caval.antede Albuquerque Lchoa.
116 Pedro Francisco de Melio.
117 Pedro Soa'es de Macedo Netto.
118 Rozendo AJnao ua Foneeca Lima.
119 Silve.-tre Maiqu^s d'a Siva Ferrio-
120 Th^odoro I'aquim de Santa Anna.
121 Thvrso de Assis Garrido.
122 Valerian' R>drigue.s Collares.
123 ^'eiit'ira Fernandas d.^ Costa.
124 Victorio 1o Nas.c.ment) Acc'uli Lins Junior.
Reprovados 58. nao cumpart-ceram as chamadas
9 e 1 nao comoarocen a prova escripta.
INGLEZ.
Approvados ctn disttnecao.
1 Joio da Silva Rego,
2 Julio Augusto de Luna Freire.
3 Lauro Auguto Castello Branco e Silva.
Approvados plenamente.
4 Adolpho Al'es Simdes Barboza.
5 Alfonso Lripes de Miranda.
6 Alfredo Alve* Siraoes Barboza.
7 Andre Dias de Araujo Junior.
8 Antonio Baptista jo Mello Peixoto Junior.
9 AntonJo Ferreira de Mello Santiago.
10 Aotonlo Pedro Cysoeiro Costa Reis.
11 Aatonio Rogerio da Gouvea Freire.
12 A ttiur Holland* da SHva.
13 XrtiMsW da Costa Gomes.
14 Duiniugos B tt') da Moeda e Silva.
15 ^1 tirno Olyraoio Ferreira Barboza.
(6 k -ipnanio Praoci 17 Eutropio Perei<-a de Paris.'
I is pBt!;- [,")< \tto.
19 Francisco Domingos da Silva Netto.
20 Francisco Goncalves Lcopiritfo de A ran la
21 Francisco Leopoldo Marinlio de I
22 Francisco da Mega llarra*.
23 Ger:ino Ferreira de Lerov* RaMte.
24 Henri iue Capitulmi I'tieira da Mc-IU.
25 Hermino Moreira Dias.
26 Joao Bapli-ia Lies Waude-by.
27 Joao Baptista d s Sanloi AimciJa.
23 Jose Aivas Villela.
29 J.j.-e da Amorim Paes Barrelo.
30 lore Augusta de SjUU AmaranlliJ.
31 Jom; EajgdiJ ij.':.i;alves de Lima.
32 Jose Fernandes do S..lles Jorge.
33 Jose Gomes Leal Nettn.
34 Jase Tavares da Cunha Mello Sobrinho.
35 Leopold a M.nnl.0 I'.rula Lins.
36 l.-iiz G nnga de Almeida Aranjo.
37 Mantel Cyridiio Biarquf.
38 Manoel C eiho Cintra linrnalh'.
3*J Manoel Clementina de Oiiveira Eseorrl.
40 M.inocl Falcao e Vzevedo.
41 Mauotl Marlins Fiuza Jnn i-r.
42 Maucel da Nas>imento Macbado Por^lla la-
Dior.
43 Manoel Xavier de Moraes VascooreNo*.
44 Miguel Josa da Brito Bastos.
45 Numeriano Honorio de Sarpa BraaMa.
46 HI dpho de Albaiuerque Araaj >.
47 Tarquiaio Braulio de S^uza Aau.-aotb< .J-
nior.
48 Theophilo Modesto Scares.
49 Virgilio Ramos Gordilha.
Approvatkt.
50 Adolpbo Moreira Gomes.
51 Alvaro Barbalho DtaMi Cavalcactr.
2 Anlcnio Ahes IVnira de Ljra.
53 Antonio Cirtw 54 Antonio C.i n i!ta> C Mm Cataaba.
55 Anlouia Dim I! irreto o> Vaseosserlios.
56 A .'it -in i FeriPtra de N mm e MVIIo
57 Ant nio Fran-i-e> de Aljujuer iue.
58 Ant nio J..-.' l'.-i:e.
59 Ant r.io PluUrshti toJrignes Una.
66 Ant i.:j RaJngora Autran.
61 Ant.iiu la 1! ,;.a II il in la Cavaleante fi-
lho.
62 Aristheo da V. < s Lima.
63 Arthur c S >; a '.irvalho.
64 Astolpho Jo-t- Meira.
65 Augusta S-ii.:ii:i <:a Silva.
66 Aurcaaio de Aibat]aa(faa Lima.
67 Cyridiio Enwllo de Sani'Aona Dorval.
68 DiomeJes Ti:eji.io da Ceali
69 Emilia Aai-m I i Mauulu Falcao.
7H Ernesto da Conha.
71 Estevao Carur iro Li'ao.
72 Estevao Jose Dttart*.
7-J Fausta Tartuliano Uandciri Ferrer.
74 Firma A tonia Daurada da Silva.
75 FlonsmunloTorres Galiudo.
76 Francisco de Barros Wioderlejr.
77 Francisco da Borja da Nioimtnta F it >sa
78 Francisco Carvalho Gaavalves da Raetta.
79 Francisco Moreira Dias-.
80 Francisca lloniano de UnU< Ratios.
81 Gabriel Cercales da Camari Gandira.
82 Ga'uii'-I lldefmso das Hem li.rd-ii.
83 Ga-par do Na-cirr.e.i'to It gaeia ota.
84 Hennqne Augusta de Um ]u 88 Hereilio Lupersio de Sauza.
86 lgiK.cio Americo de MmmJ i Junior.
^7 loio Alfredo de M.-deiios.
8< Joao Lopes de Siqueira SaiAos.
83 J. 3a Pampeu de Alirade Lima.
90 Joapiim Alves de Sauza C: rvalha.
91 J UTaaiertty.
92 J >rge Jcoa Tas^a Filiio.
93 Ja e Ant nio Morsira Utaa Junior.
94 J>-.'; Aiitaulo PinheTo d L>ra.
H J i a Comnlio Leitia Rangcl
96 Ja;6 Ernesto de Moraes Sanncnto.
97 Ja.-e Fraueiseo do Siqueira Suites.
98 Ja.-e Games da Sdveira Jan r.
99 Jae Innaaenrie de Jesu-.
100 Joe Libania Lias de Suiza.
101 Jose Mariano Carneiro ham Cavalcante.
1(2 J;se Netto de Sdj'ieira Civalcrf.
103 lose i'mto Nogoeira.
104 lose Cnbelina da Albuquriue Maranh^
Matt >s.
105 Laanade Aristoteles Carneiro Leaa.
105 Lr.irnco Caetana de Alju juerque.
tt>7 Luis BsrlMM d Silvi.
108 Lnia Franciace Pitta da Amiiqaarqae.
109 Manoel Autonio Piuh-sir L\ra.
110 Manuel Carlos Miyrmk ilonleira da Aa-
dradi.
101 Manoel Cavalcante de AlbaquerRie Wan-
derley.
112 Manoel Feijo de Cnrvalln.
113 Manoel Paes liarr.-,' i Pereira das .Santa'.
11 Marcelina Jose Lopes.
113 Patrido M >r ira da Silva.
116 Panto Marins Pereira Mint in.
117 Pedro Caval".ante de Almeida.
118 Rayraunlo IkslMa
119 Riearda P-reira de Fana Ju ior.
120 ebastiaa Lins Wand -rl. y Chaw*.
121 Theodiso Arystheu de souta Ca.-tra.
122 Theopnilo Bartiaa da Silva.
123 TnainazLins Caldis Juuior.
124 Vicente Oscar Duarte da Gama.
123 Z-si i o ZenatH da Carrara Lima.
R' provado.. 14, nil cam larecerain as c'aainadus
3 e prova oral 1
Seen Uria da faculdade de Jireita da Recife, 4
de dczemtaro de 1874.
0 NMMn,
Jose Honr-rio Bezen i le Mrnezr*.
0 Dr. Seoastiau di Regii Bar os de Lacer-
da, jttix do direito especial do ooinnam -
da, nesta cidade do R>cife de Pernain-
bue.j, pur S. M. Imperial e Constitucio-
nal, etc., tc.
Fac saner Ml qua o preseate edilal virea e
delio notieia tivere.o, qua no dia 17 de dezemkr >
do corrente anno, na sala dos auditorios, depo -
da respeetiva auiiencia, em prata publica deate
juizo, se ba de arremaiar por venJa, a quern ma
der pela exe-ujio de sentenca. era qoe 6 ex v
queute Salvador de Si |ueira C.valcaute, ex i
cutada Joaquim Salvador Pessoa d Siqoeira C .-
v.lc nit qae eorre pelo juiza da primeira vaia
civel desta c.dade, e cartoria do escrivaa iuterii >
Leopolia Borges Galvio Uchoi, do valor do ....
16:876320, da prin-ipal, jura* e curias ; a quo
execucao fun penhorada pela ex.cucaa qoe p r
este jui/ti especial da c mmercio, move o dito Jot-
quim Salvador Pessoa de Siqoeira Cavafcanf,
contra o raesmu Salva lor de Siqueira >a*atcari-
te, para pajamento da quautia de t0:872a4C<.'.
valor eontado nas reipeetiv^s exacovdes.
E nao haveoda lancador que cubra a qaaatia
acima decUr da, a arr^matacaa sera feita pe..
preco da adju-Jicai;* >, o f rma da I L
E para que choguo ao enhecirxeota de
todos, mandei passar o presente, qae sera
publieado nola unpreusa e ailiiado nos m-
ga.-es oo c-stume.
Ci-lade do Recife, 12 de noembro
1874.
Eu, Minoel Maria RoJrigues do Naaci-
m-ntj, es-'rivao o MbMVM
Roeife, 17 de novembrodi 1874.
S.bjstidodo Hcgo ll.irroi d'. Lacerdn.
0 D"-. Drilta.1 Augusto CavaUaota de Albnqner-
que, official da ordem da It isa, juiz 4a Mnw>.
i rphacs a auseotes Ua c nurci de ONaan, nor
S. M. o Imperador. a i,oem Dens foarde, nK.
F 5a saber as que o pre.*- ote eliUl vireaa, qca
por f-.-te juiz> foram .-.rrecadad is o% bans aer-
teucentes a<> e^polio da fioaJa Ajto.-iinha Maria
ad OmceicAa. pe!o que, a requei imealo do Dr. ca-
ra lor do itferi la espolia, c de eonfornaiaati OMB o
reguUmeoto de 13 de junho da 1859, i
x*r ediue r pela itnprenu. chanaaulo ns bei J.iro,
res iU mi>sina Tioada, e lodos qua Jiraila
na ta bi'.raoca a virem taabilftar-ee na "
ifguUmanto citado.
OlinJa, 3 la dezombro de 1874.
Ea baeaartl Francisco Lias Caidaa,
o subscrevi.
DelSna Augusto Cavaicanta in All
"^ 0 llTm. Sr. iospector do tha^aoro
em virtude da ordem da preside ncit, ii nato, do
lerioinapJ'i o resgate das apolices provinciaea a>
n. Ian. 320, serie A, einiltidas para pigianH
da e imoan-iia Recife Drainage, en .Ida ao* pm-
suidoies de ditas apalices a euapareeerem asa*
lbes. lira a recebereoi a imporunda das nnaa
os juros aid esta data, scientilleindi Mm ana
desta rwsno data era dianle ato vanaarlo etna
mais juro algum, em ob^rvaaeia di refnlaaKi-
-

7



^'-J-:UHmmmV > '--':' ." li-l^il.-. _-'L^.t r\f* JX _u^J<**-.
T

r
1
Diario do Pemambuoo Quinta feira 17 de Dezembro do 1874.
Secretaria dn thesouro provincial de Pernam
baco, em 30 de novembro de 1874.
0 secretario,
________________Miguel AIToaso Ferreira.
Edital n. 72.
Pela iaspectona da alfandega se faz pablieo qae
nio tendo sido despacbada deatro do prazo marca
do a mercadoria abaixo dedarada, annunciada a
consuxo por edital n. 69, se hi de arrematar a
mesma mercadoria, iivre de direilcs e sujeita a ar-
mazenagem, do trapiche alfandegado Caaba, as
II boras da manha do dia 19 do corrente.
Trapiche Cunha
Marca A M S G 13 pipas e 5 harris de 5
com vinho secco, mediado liquido 6,625 litrus, no
valor official de 3 091:660, vindas de Lisboa do
brigae portugaez Cotelt, descarregadas em 22 de
abnl do corrente anno e consignadas a J. J. Gon-
calves Beltrao & Pilho.
Alfandega de Pernambuco, 14 de dezem-
bro de 1874.
Servindo de inspector,
_______________Pedro Lopes Rodrigues.
V seccao. Secretaria da presidency de
Pernambuco, em 14 de dezembro de 1874. Por
esta secretaria se faz publico, de conforraidade com
o aiL 1* 1* do decreto n. 4,668, de S de jaoeiro
de 1871, quo a serveotia vitabcia dos offlcios de
justica do termo de Panellas, coucorreram : Pedro
Maximiano de Oliveira Mello, unenle Felix Atba-
nasio Villa-nova, major Mauoel Carneiro Caval-
caote de Albuquerque Lacerda, Francisco Xavier
de Souza Ramos ao offlcio de 1 tabelliao do pu-
blico judicial e notas e m;is annexos ; tenente Ti-
burtioo Piata de Almeida, e capitao Mam.el Elov
Meades ao de 2* tabelliao e mais anoexos ; Fran-
cisco Pereira da Cunha ao de partidor e distribui-
dor ; e fraalmente Miguel Joajuira do Rego Bar-
ros, a qualquer dos mesmos offlcios.
0 secretario,
JoioDiniz It.beiro da Cunha.
2* secjao. Secretaria da presidencia de
Pernaxbuco, em 14 da dezembro de 1874. Por
esta secretaria se faz publico, de conforraidade com
o art. 1 do decreto n. 4,668, de 3 de Janeiro
de 1871, qae a serveotia vitalicia dos offlcios de
partidores, distribuidor e contador do termo de
Itambe, eoncorreram Joao Florentino de Inojosa
VarejSo, Jose Francisco de Paula Cavalcante de
Albuquerque, e o tenente Jose Francisco de Al-
meida. 0 secretario,
Joao Dioiz Ribeiro da Cunha.
SANTA CASA DA MISERICORD1A DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
na sala de suas sessoes, n) dia 17 de dezembro, pe
ias 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas ;
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de urr
a tres annos, as rendas dos predios em seguidc
declarados.
ESTABELEC1MENTO DE CAR1DADE.
Vidal de Negreiros.
Casa terrea n. 94.......
Idem n. 112 .....
Rua larga do Rosario.
2.* andare loja n ii A fechada .
3/ andar n. 24 A idem.....
Rua de Antonio Henriques.
Casa terrea n. 26 (fechada). .
Largo da Campina.
Idem n 11 (fechada)......120JO0C
Rua do Coronel Suassuna
! andar do sobrado n, 94 4COJ0U0
Raa do Visconde de Albuquerque.
301*006
327*000
310/5000
251*000
991006
24I|000
681*000
481.000
2131000
Casa terrea n. 101. t
Idem n. 91 ....
Becco do Abreu.
Sobrado de 4 andares n. 2
Rua dos Pescadores
Casa terrea n. 11......,
Rua de S. Bento (Olinda)
Sobrado n. 17........408*000
PATRIMONIO DOS ORPIIAOS.
Rua do Commercio
Sobrado n. 30......800*000
Rua da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).. 400*000
Becco das Boias.
Casa terrea n. 18.......421*0O(
Rua da La pa.
Casaterrean.il.......202*000
Rua do Amorim.
Sobrado de 2 andares n. 23 6026000
Ctsa terrea n. 34......122*00C
Ruar do Bugos.
Casa terrea n. 21.......
Rua do Vigario.
V andar do sobrado n. 27 (fechada) .
1* andar do mesmo (feinada) .
Loja do mesmo fechada.....
Rua do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 13 (fechado). 1:400*000
Rua da Senzalia velha
Idem n. 16........209*000
Rua da Guia.
Casa terrea n. 23.....209*OOC
!dem n. 29.......201*000
Rna do Bnm Jesus
Sobrado .n. 41.......600*000
Rua de S. Jorge
Casa terrea n. 103......207*000
idem n. 108........208*C0O
Idem n. 98.......241*000
Parnameirim.
Siio n. 1 ... o 590*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arremat as suas fiancas, ou comparecerero
acornpaiihadoj dos respectivos fladores, devendo
pagar alem d \ renda, o premio da quanlia en:
que for sej, aro o predio qua contiver estabeleci-
mento commercial, assim como o servico da lira
peza e preco dos apparelhose e nnuidades.
Secreuria da Sanu Casa da Misericordia do R
eife, 10 de dezembro de 1874.
Oascrivao,
^__^______Pedro Bodrioues de Souza,
Companhia Fidelida'e
Seguros maritiinos e terrestres
A agenda desta companhia toma S'guros man
timos e terrestres, a premios razoaveis, dando no;
ultimos o solo livre, e o setimo anno gratuit > ao
iegurado.
Feliciano Jose Gomes,
____________________Agente.____________
Conferencias publicas.
De conformidade com o resolvido em sessao de
13, faco publico que, a primeira das confe-
rencias abertas sob os anspicios da ma;onaria
desta provincia, tera lugar nas salas do iheatro
Santo Antonio, as 11 boras do dia 20 do corren-
te dezembro.
E' orador o .'llm Sr. Florian* Correia de Brilo
que dissertara sobre a quest do re'igUsa.
As pessoas que prelendera ioscrever-.-e para
os conferencias qne se Ihe seguirem, devem di-
rigir-se ao abaixo assignado e preveni lo do ob-
jecto de sea disearso, afim de que a commissao
respectiva resolva nos te mos da disposicao VII
das bases ultimente appravadas.
Recife, 15 de dezembro de 1874.
Joio Martins de Andrade,
Secretario da lo].-. Ganganelle.
0 administrador da propriedade Apipucos,
em cumprimento do disposto no artigo 16 Jos res-
pectivos estatutos, convoca pelo presente aos con-
senhores da mesma propriedade que raoram fora
da cidade do Recife e seus soburbios, para a reu-'
niao geral ordinaria, que tera lugar no dia 10 de
Janeiro pruximo vindouro, ptlas 9 heras da ma-
nha, no consistorio da capella pertencente a dita
propriedade. Apipucos, 13 de dezembro de 1874.
No dia 17 do corrente, depois da audiencia '
do Sr. juiz de paz da freguezia de S. Jose*, as 4
boras da tarde, se ha de arrematar duas marque- i
zas de amarello com assenlo de palhinha, por 30*,
seis cadeiras de guarnicao tambem de amarello,
por 245000, duas cadeiras de balanco por 30*,
urn par de console* p 16*, tudo em bom estado,'
por execucao de Antonio Martins Duarte contra
Mauoel Moreira de Souza.
HOSPITAL MILITAK DE PER-
NAMBUCO.
Os senhores pharmaceuticos que quizerem for-
necer os medicamentos abaixo mencionados, e ou-
tros que possam ser precisos para o receituario do
hospital militar, no trimestre do 1 de Janeiro a 31
de marco do futuro anno, comparecam na secreta-
ria do. mesmo hospital, no dii 21 do corrente raez,
pelas 10 horas da manna, com as suas propostas
em carta fechada, indicando os precos dos ditos
medicamentos.
Manna,
Mostarda.
Flores de tilia.
Fios de linho.
Roas rubras.
Aguade Vichy.
Sal>a de Bristol.
Anniduo.
Amendoas doces.
Vezicatorios de Alhespepes.
Ennerado de Lepeldryel.
Alcool de 36 graos.
Tmtura de salsa e caroba.
Hospital mil.tar de Pernambuco, 16 de
dezembro de 1871.
0 escrivao interim),
7. Pinto de Almeida Junior.
Irmandade de N. S. da Con-
cei^ao dos Militares.
A mesa regedora era cumprimento ao disposto
no 9.* do artigo 22 dos estatutos, convida a to
dos os irmaos a reunirem se em mesa geral no
consistorio respective, as 8 boras da manbi do
dia 20 do corrente, afim de elegerem a mesa re-
gedora que lem de servir no anno de 1875.
Recife, 17 de dezembro de 1874.
0 secretario,
Capitao Leopoldo Uchoa.
AVISOS MARITIMOS.
Companhia de navegacfio a va-
por bahiana, limitada
Bahis, Aracaju, Pcnedo e Maceio.
E' esperado dos portos
acima ate o dia 26 do
corrente, o vapor Pe-
nedo, e seguira para os
mesmos no dia seguin-
te ao de sua ebegada.
Recebe-se carga, encommendas, passageiros e
dinheiro : trata-se na agenda.
57 Rna do Bom Jesus57
Conipanlila Foraaiubucana de
navcgacilo cowteira a vapor.
Mumamguapc pela Parnhyha.
0 vapor MandnliH, common-
danle Marraho, seguira para us
portos acima no dia 17 do cor-
rente, as 5 horas da tarde.
Recebe carga ate o dia 16, en-
commendas, passageiros e ninheiro- a frete ate 2
horas da taide do dia da sabida, no escriptorio do
Forte do Matlos n. 12.
iracaly
0 hiate Leonilia da Cruz sahe para o per to
acima mdicado, boje as 4 boras da tarde : os se-
nhores carregadores queiram procurar sens co-
nhecimentos ate ao melo dia, a rua do Am rim
nuraero 60.
COMPANRIAP ERNAMBUCAIfA
DE
\ave^acao costeira a vapor.
Parahyba, Natal, Macao, Mossor6, Aracaty,
Ceard, Acaracu e Granja.
0 vapor Ipojuca,
coramandante Moura,
seguira para os por-
tos acima no dia 22
do corrente mez, as 5
boras da tarde.
Recebe carga ate o dia 21, encom nendas, di-
nheiro a freie e passagens ate as 2 horas da tar-
de do dia da sahida : iscriptorio no Forte do
Mattos n. 12. ______________
Pacilic Steam Navigation Company
R. M. STEAMER
(4.691 toneladas).
Espera-se dos
portos do sal at6
o dia 20 do cor-
rente e seguira
para Liverpool,
tocando era Lis-
boa e Bordeos,
para onde rece-
bera passageiros,
encommendas e dinheiro a frete.
N B Nao sabira antes das tres horas da tarde
do dia de sua chegada.
AGENTES
Wilson Howe v c.
li-Rua do Commercio 14
COMPANHIA BRASILE.RA
DE
V'avegacjlo costeira a vapor
Portos do norte
153*000
243*000
240*000
300*000
V hlalliuo de inlantaria.
O conselho economico deste ba'albio contrata
para o fornecimento das pia?as arranchadas
no semestre do anno de 1875, os generos se-
guinles : arroz pilado, kilo ; assucar branco e
mascavinbo rellnados, idem ; bacalhao, idem;
cafe em caroco e moido idem ; came secca e
verde, idem ; roanteiga ingleza e franceza,
idem ; milho branco pilado do Rio de Janei-
ro, idem; touciobo de Lisboa, idem ; farinha de
mandioca da (terra) litro ; feijao mulatinho e pre-
to, idem ; azeite doce, idem ; vinagre, idem; le-
oba, achas ; e pans de Hoe 230 grammas ; pre-
veniodo-se aos concurrentes que devem apreseu-
tar suas propostas em cartas fechadas ac 10 boras
da manba do dia 19 do corrente na secretaeia do
batalhao, qae os generos serao todos de primeira
qualidade e postos no quartel por conti do con-
iratante, e que nao se admittem.propostas que nao
contiverem explicitamente os precos e todas as
declaracSes aecessarias sobre a qualidade dos
mesmos generos.
Quartel nas Cinco Ponus em Pernambuco, 14
4 e dezembro de 1874.
Joio Baptista de Siqueira,
________________Alferes secretario._________
Massa fallida de Pereira de
Mello & C.
Oscredores podem reee-
ber oterceiro dividendo de
sete por cento, apresentando
os titulos para ser annotado.
Thomaz de Aquino Fonceca & C.
Successors
todos os vapores, sobre as segaintei
Perante o Sr. juiz de Paz da freguezia de N.
S. da Graga, tem de ser arrematada no dia 17 do
enrreote, 1 casa de taipa, terrea, cita do Caropo
Grande, ccm 1 porta e 2 janellas de frente, em
caixao, cozinha aberta, em chaos foreiro, ava ia-
da por SO' ; a qual vai a praca com a quinta
pane de abate e per faita de quem lance, sera
cntregue pelo prego da adjudicacao, para paga-
mento da execucao que raeve Agapiio Antonio de
Barros a Claudioo de Jesus Bandeira.
Sociedadc Heerealiva Euterpe.
Por ordera do Illm. Sr. presidente sic convida-
dos todos os socios a comparecerem no rscinto
desta socidadeT. domingo 20 do corrente as 7 ho-
ras da manha, para em assemblea geral tratar-se
de negocio desta sociedade.
0 vice-presidente,,
A. Pacheco da Silva.
ADMl.NISTRAi.A0 DOS CORREIOS DK PERNAM-
BUC0.17 DE DEZEMBRO DE 1874
llalas a expedir-se
Pelo vapor nacional Madahu, esta administracao
expede malas para a Parahyba e Mamanguape,
noje 17.
Recebem-se jornaes, impressos de qnalqner na-
tureza, cartas a registrar e cartas ordinarias ate
3 horas da tarde, e estas ate 3 1|2 com porle
duplo.
Alfonso do Rego Barros,
____________________Administrador.
ADMINISTRACAO DOS CORREIOS DE PERNAM-
BUCO, 16 DE DEZEMBRO l.'E 1874
Relagao da correspondent registrada (sem valor)
recebida de diversas procedencias ale esta data,
e que nao tem sido entregue por ignorarse as
residencies dos destinatarios.
Antonio Gomes Pereira Junior, Ant "nio da Cos-
la Rego Lima, Antonio Annes Vieira de Souza,
Bernardo Vieira de Amorim, Felix Gomes Coim-
bra, Francisco Joao de Azevedo, Gil Alves de
Araujo, Joio da Silva Rego, Ji ao Tbeopbilo de
Marsillac, Jose" Mendes Vieira, Joio Cancio Pereira
dos Santos, Luiz Jose Pereira SiraSes (2), Joaquim
Soares Teixeira, Joaquim Hurgolino da Silva Fra-
goso, Jose Antonio da Silva Guimaries, Jose de
Meira Lima Sobrinho, Jose Firmo d* Siqueira,
Joao_Silveiri de Souza, Marcolina Maria da Con-
ceicao, Maria Amelia de Albuquerque Mello. Ma
noel Moreira da Silva, Pedro Bartrsa Vianna.
0 official encarregado do registro,
Jose" Candido de Barros.
Commandante Pamplona
Espera-se dos por-
tos do sul at6 o dia 18
do corrente, e depois
da demora do costu-
me segaira para os
do none.
Para carga, encommendas, valores e passagens,
trata-se no escriptorio.
7-RUA 00 VIGARIO-7
Pereira Vianna & C.
________________Agentes.______________
Para o Porto e Lisboa
pretende seguir com pouca demora a barca por-
tugueza Social, por ter porcao da carga engajada;
e para o res'o que Ihe falta e passageins, trata-se
com os consignatarios Joaqaira Itsi Goncalves Bel-
trio & Filho, a rua do Commercio n. 5.
Para o Ccara
egue em poucos dias o brigue allemao Colmar,
ecebe carga a frete mod ico a tratar no escrip-
orio de Domingos Alves Matheus, a rua do Viga-
rio n. 5.
Para Lisboa
o lugre portuguez Cidral, capitao I. Adriio da Sil-
va, vai sabir com brevidade : para carga e passa-
geiros, trata-se com Silva Guiraaraes & C, praca
do Corpo Santo n. 6.
c THEATRO .
Santo Antonio
QUINTA-FEIRA 23 DO CORRENTE
Pelos ce'.ebres campanologos escocezes.
Ultimo
Grande e variado espectacuio em beneficio das
Sras. D. Clara, D. Sophia, D. Graca e
D. E'isa.
0 programma e composto das melhores pecas
de musica do repertorio, e os intervallos serao
preencbidos com lindas scenas comicas.
N. B. Recebe-se desde ja encommendas de
camarotes e cadeiras no escriptorio do theatro.
Companhia Allinca Mariti-
ma Portuense.
Empreza do navega^So entre o Brasil
e Portugal
Barca portugueza Victoria
Para o Porto
A sahir com a maxima brevidade. Recebe car-
g e pasjageniros : a tratar com Jos6 da Silva
Loyo & Filho.
Para o Rio d Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o brigue
Isabel, tem pane de sen carregamento engajado :
para o resto que Ihe falta, trata-se com o sen con-
signatario Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, rua
do Bom Jesus n. 57.
Rio de Janeiro.
Pretende segnir com muita brevidade a barca
portnguezSopAia, por ter a maior pane de sen
carregamento eugajado, e para o resto qne Ihe
falta, trata-se com os cunsijnatarios Joaquim Jose
Goncalves Beltrao & Filho, i rua do Commercio
n. 5.
Para Lisboa e Porto
Vae sahir com muita brevidade o brigue portu-
g|uz Imperial, por ter grande pane de carga
prompt*. Para o resto e passagpiros, trata-se
com os consignatarios Tbomaz de Aquino Fonce-
ca & C. Successeres, a rua do Vigario n. 10.
Venda de navio.
Vende-se o patacho nacional Africana, que se
acha ancorado no quadro da descarga da carne-
secca : quem o pretender dirija se ao mesmo
nara examina-lo, e a tratar com seus consigna-
tarios Amonm Irmios 4 C.
Rio de Janeiro.
Para o indicado porto recebe carga a frete a
barca portugueza Lisboa : a tratar com Tito U-
vio Soares, a rua do Torres n, 20.
LEILOES.
mihm
DE
bons-e ricos moveis, louca, crystaes, cha,
rao salvas, objectos de ouro ebrilbante
BNfi
A's 11 horas da manha
no sobrado da rna 1p Ilortas n. 14, priinei-
ro aadar
A saber:
I'm rico piano de jacaranda, 1 dito nsado para
menina aprender, 1 rica mobilia de jacaranda,
composta de 12 cadeiras, 2 ditas de bracos, 1 so-
fa, 2 eonjolos, taropos de pedra, jardineira com
tampo de pedra, 1 rico toilette de jacaranda, tam-
po de pedra e espelho, 1 dito de amarello, 1 guar-
da vestidos de erable, 1 cama para casal, 2 mesas
elasticas, sendo uma deltas com pouco uso, com 4
taboas, 2 aparadcres, consolos, cadeiras, marque-
ras avulsas, 1 cadeira para piano, 1 relogio de pa-
rede, 1 bacatella, I lavatorio, 1 marqueza de jaca-
randa, camas de ferro, quadros, jarros, Oguras,
porta-licor, saleiras, garrafas, 1 apparelbo de lou-
ca para jantar e para almoco, calices, copos, 1 rig
ca secretaria para senhora, 1 seraflna nova, ca-
deiras de balanco, 1 toilette, 2 espelhos ovaes, 2
ditos pequenos, compoteiras, jarros, 1 rica caixa
de charao para cha, candelabro de electro-plate,
candieiros a gaz, e outros rauitos artigos de gosto
em perfeito estado.
Por intervencio do agente Pinho Borges e por
ordera de nma farailia que se retirou para fora da
provincia, sendo este em coniinaa;io doleilao
passado, por nio haver tempo de termina-lo.
LEILAO
DE
ronpa nova e nsada, livros em francez, 1 rewol-
ver, 1 lavatorio, 1 cama, 2 malas e 2 cadeiras,
objectos pertencentes ao tspolio do finado sub-
dito francez Modesto Postel.
noji:
as 11 horas da manha
0 agente Pinto, autorisado pelo Illm. Sr. consul
de Franca, levara a leilao, em presenca de sen
chanceller, e por conta e risco de quem per ten-
cer, os objectos acfma mencionados, pertencentes
ao espolio do finado Modesto Postel, existentes em
o escriptorio do referido agente, rua do Bom Jesus
n.43._________________________________
Feira Semanal
he
mobilias, pianos, guarda lou-
cezas, toilettes, guarda
vestidos, guarda roupa,
1 rica flauta de systema
oolm; apparelhada de
metal, com methodo, 1 es -
tojo derewolver, espelhos
grandes e pequenos, com
molduras douradas, qua-
dros com finas estampas,
figuras para cima de mesa,
1 lustre de crystal para
gaz, objectos de brilhan
te, ouro e prata, guarda
comida, mesa e secretaria
para advogado, relogios
dealgibeira de ouro e pra-
ta, santuarios, aparadores,
crystaes, relogios de pare-
de, chap6os para homem,
quinquilharias, e immen-
sos artigos do uso domes
tico, que serao vendidosa
troco do barato, por conta
de di versos
Hoje
as 11 horas
NA
FEIRA SEMANAL
.6-Rua do Imperador16
ARMAZEM
aaccam por
pracaa :
Lisboa. Regoa.
Porta Cbaves.
Braga. Villa-Flor.
Vianna. Mirandella.
Viaea. Alij6.
Guarda. Favaioi.
Coimbra. Braganca.
Guimaiies Lamego.
Rio de Janeiro.
J?a rua to Yigrio a-19.
Apparifao e desapparicdo
de uma menina de 14 an-
nos, que bebe, come e fal-
la com o espectador.
0 professor Gris d'Apremont tem a honra de
participar ao respeitaveljpublico desta cidade que
possue essa verdadeira maravilba, qae agradoa
extraordinariamente nio ;6 em Franca e na Alle-
manha, como na Italia e outros paizes onde tem
estado. A's familiaa nio devem perder a oeca-
siao de ver objeclo tSo carioso.
Batrada g*ral 500 r?. '
Libras esterlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Raa do Commercio n 43.
8AHIA
Segue com este destine nestes qnatro dias, o
palbabote Rosita, tomando para o referido porto
a carga que Ihe apparecer, por isso quem quizer
aproveitar, pode dirigir se aos consignatarios Joa-
Suim Jose Goncalves Beltrao & Filho, a raa do
ommercio n. 5.
Agente Pestana
leilao
DE
3 caixas com queijos londrinos, ultima-
mente desembarcados, com a marca J. J.
G. B. & F. e 20 barricas com cerveja
Bass, em garrafas inteiras e em ditas
meias
QUINTA-FEIRA 17 DO CORRENTE
Am ft horas em potato.
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
fandega.
0 preposto do agente Pestana fra leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 3 caixas com
queijos londrinos, uUiraamente desembarcados, e
20 barricas com cerveja Bass, em garrafas intei-
ras e em ditas meias.
Em um ou raais lotes, a vontade dos Srs. com-
pradores._______________________
Esplendido
LEILAO
nicao, 3 espreguipadeiras, 2 bancas de jaearanda
para jogo, 2 magniQcas etantesde jacaranda, pa-
ra livros, 1 mesade phantasia, 1 porta-musicas, 1
relogio de marmore, 2 vasos para flores, 4 sanefas,
2 cadeiras de balance, ameneanas, 2 ditas de en-
cesto, 1 mesa grande com tampo de pedra mar-
more, 1 sofa de jacaranda, 1 dito dito com encos-
to de palbinha, 1 costureira, 1 candleiro para ke-
rosene, diversos e bonitos quadros a oleo, com
moldnra dourada, ditos om diversas vistas, 1 va
so de alabastro, 12 tapetes diversos, 1 aleitifa nsa-
da, 1 panno de linho para forro da sala, 2 stereos-
copos, 4 leque?, 2 pares de bonitas figuras de
bronze, e I banca de phantasia.
1 quarto.
Uma cadeira de balanco, com descaojo, I tou-
cador e poria-joias, com ga?eUs, I apandor com
tampo de pedra, 1 cama de feno com colcbao, 6
cadeiras de amare.'l^. I e lavatorio, 1 porta i >ahs., 1 caixi de unasiea, 1
esteira para forro de qiuit>, lapela e okado, I
burra prova de fogo e o coinpelenle banci>( 1 pro-
ta cbapeos, 1 machina para costura e I armario
com espelho.
Sala de jantar.
Uma mesa elastica de 6 taboas, 22 cadeiras de
jacaranda, 2 cadeiras de balanco, de dito, 2 mag-
nifies guarda louca de dito, 1 grande e rico spa-
rador de mogno, I dito de dito menor, 2 grandes
consolos coin espelho e tampo de pedra marmore,
1 dito dito, I grande guarda comida de arame. 1
relogio de parede, 3 cadeiras para menino, 1 liltro
e banco, quartinhas diversas, 1 encerado para for-
ro de sala, diversas bandejas, fructeiras, garrafas,
compoteiras, copos e calices de crystal, fa^-as, co-
lheres a garfos de electro plate, de diversos taraa
nhr s, 1 banca com deposito para cha, 4 porta-fa-
cas e diversos vasos com plantas.
2.* quarto e despfnsa.
Um guarda roupa, I banca para costura, com
espelho, diversas cadeiras, 1 deposito para fari-
nha, diversas prateleiras com cavalletes era que
assentam as mesma;, 1 encerado para escada e
varoes. -
3 quarto.
Em cima.
Duas camas para menino, 2 meias commodas,
1 cama de ferro com eolchao, 1 mesa redonda com
tampo de pedra, l tear, 1 cadeira para piano e I
lavatorio de terro.
4 quarto.
Um toucador, com commoda e espelho, 1 gear-
ed vestidos de amarello, 1 secretaria, 1 marquezi
da amarello para solteiro, 1 lavatorio de dito e ap
parelho para o mesmo, 2 mesas com gaviitas, 1
porta toalbas, 1 caleira de fechar e diversos .ta-
petes.
Um grande guarda roupa, guarda-vestidos e
commodas, 1 commoda grande, i porta-lencoes,
1 deposito para roupa servida, t retreta e 5 trans-
parentes.
Sala do dormir.
Uma optima cama de ferro com 3 colchoes, pa-
ra casal, 1 sofa de jaearanda, 1 magnifico guarda
vestidos, 1 dito guarda roupa, ambos iguaes, 1 se-
cretaria e commoda de mogno, 2 ditas om gave-
ta' e armario, 1 mesinha redonda, 1 dita da jaca-
randa, 1 espelho para vestir, 2 lavatorios de mog-
no com tampo de pedra marmore, 2 apparelhos de
porcelaoa e vidro para lavatorio, 2 banquetas de
mogno para pe de cama, 2 porta-toalhas, 2 espe-
lhos, 1 apparelho para lavatorio, 8 tapetes, lal-
catifa, o trans parentes e 1 brace para corlinado
5." quarto.
Uma commoda, I espelho, 1 lavatorio com tam-
po de pedra, 1 mesa e taboleiro, I cesta, diver-
sas quartinhas e quadros, 1 silhao, 1 selim para
carneiro e 1 machina para engomraar.
Cozinha.
Diversas mesas de oinho. diversas vasilbas de
madeira e estanho, trem de cozinha, e muitos ou-
tros artigos que estarao patentes ao exame dos
Srs. compradorcs.
A's 10 lpl_horas da manha do referido dia, par-
tira da esta;ao da rua do lirum um bond que con-
duzira gratis os Srs. concurrentes. dos qoaes
aquelles que nao poderem ir abiolutamtnte nessa
cccasiao, poderao facilmente para alii se transpor-
tar, visto como de meia em meia bora ha bonds
para aquella localidade.
A casa era que deve ter lugar o leilao Gca a 4
passos ao vohar a fundicao do falleeido Starr.
0 leilao principiara logo que chegue o bond
ndicadoi.
0 palacete que se acba em perfeito estado de
conservacao, possue magaificos commodos para
grande familia e tem terraco com optima vista,
cozinha independente, quartos para criados, co-
cheira e estribaria, jardim, arvore3 fructiferas e
am bom viveiro muraio; pode ser alugado a
qualquer Sr. pretendente, a quem se offerecera
occasiao de examinar no dia do referido leilao.
1 dita para 1 cavallo.
1 cabriolet americano de 4 roda*..
Mallas,
1 ontima parelha de inullas para carro.
LEILAO
DE
2 caixas com chapeos do paiha, 700 cha-
peo dos Chile, e 1 caixa corn 50 resmas
de papel amizade, tarjado, para luto
SABBADO 19 DO CORRENTE
A's lO 1| horas.
Em o 1 andar do sobrado da rua do Marquez
dc Olinda n. 37.
0 agente Dias venders, no dia e hora acima de-
signados, por conta e risco de quem pertencer, 2
caixas com chapeos de palha preta e de cores, pa-
ra homem, 700 chapeos do Chile e 1 caixa com 50
resmas de papel amizade, tarjado, para Into.
Grande
moveis,
rurgis,
Cooapanhla alliaaew ataarirlaaaa
portneose
Empreza de oavegscSo entre o Brasil e Pot
tugal
PARA 0 PORTO
Barca portugueza Joten Adelaide, a sahir com a
maxima brevidade, recebe carga e passageiros : a
tratar com os seas consignatarios Jose da Siiva
J>v>> p|ho.
DE
magnificos moveis, louca, crystaes e diver-
art igos de electro-plate
Sexta-feira 18 do corrente
as 11 horas da manha
Em o palacete do Exm. barao da Soledade,
raa da Aurora em Santo Amaro n. 127,
casa de residence do Illm. Sr. J. Roberts.
0 agente Dias, competentemente antorisado pe-
lo Illm. Sr. J. Roberts qae retira-se para a Europa
com sua Exma. familia, levara a leilao no dia, ho-
ra e lngar aeima indicados, os moveis e mais ar-
tigos proprios de casa de familia, existentes em a
casa de ma residencia, a rna da Aurora em Santo
Amaro n. 117.
A saber: ,
1/ sala.
Um magnifico piano de jacaranda, em perfeito
estado, i cadeira para o mesmo, 1 mobilia de jon-
co, composta da 1 sofa, 1 mesa de meio de sala,
com tampo de pedra, 2 consolos dio, 2 cadeiras
de bracos, 2 dius de balance e. If (Jtla? de guar-i
luuca, vidros o ferramenta de ci-
de diversos carros, e de uma opti-
ma parelha de mullas, propria para carro
Tcrca*feira 3 '2 do corrento
A'S* 10 1|2 HORAS DA MANHA
Em o 2. e 3. andares do sobrado da rua
da Imperatriz n. 9.
0 agente Dias, competentemente autorisado pe-
lo Exm. Sr. desembargador juiz de orphaos, leva-
ra a leilao, no dia e hora acima Indicados, a re-
queriraento da Exma. Sra. viuva e inventariantes
dos bens qne ficaram por fallecimento do Illm. Sr.
Dr. Alexandre de Souza Pereira do Carmo, cs mo-
veis e raais artigos, como abaixo se mencionam
A saber :
Moveis.
Uma mobilia de jacaranda, composta de 1 sofa,
4 consolos, tampo de pedra, 1 jardineira, tampo
de pedra, 4 cadeiras de bracos e 18 de guarnicao,
1 grande espelho com moldura dourada, 1 piano
de jacaranda, 1 cadeira para o mesmo, 2 sofas de
jacaranda, com encosto de palhinha, 2 cadeiras
de balanco, austriacas, 2 camas de jacaranda, pa-
ra casal, 1 grande e optima estante de amarello,
para livros, 1 grande aparador de mogno, com
tampo de pedra e espelho, 1 grande guarda louca
de amarello, 1 machina para costura, 1 cabide de
amarello, 1 cadeira de bracos, de jacaranda, 2
commodas de amarello, 1 jogo de bagatela, 2 re-
logios para cima de mesa, 1 dito de parede, 1 ban
ca de jacaranda, 1 guarda ronpa de amarello, 2
mesas elasticas de dito, de 6 taboas cada uma, 4
aparadores de dito, torneados, 2 quartinbeiras de
dito, 2 consolos pequenos, tampo de pedra, 1 ban-
ca de jacaranda para escrever, 7 cadeiras de dito,
1 mesa redonda de dito, 12 cadeiras de amarello,
1 marquezao de dito, 1 secretaria de dito, 1 mobi-
lia de jacaranda, composta de 1 sofa, 2 consolos,
1 mesa redonda, tampos de pedra, I cadeiras de
bracos e 12 de goarnicao. 2 camas de amarello
para crianca, 1 lavatorio de dito com espelho, ta-
petes grandes e pequenos, alcatifas para salas e
quartos, quadros com vistas e redomas com Ogu-
ras de alabastro.
Louca e vidros.
3 pares de jarros para flores, 10 figuras de lou-
(a, 2 figuras do alabastro, louea para almoco e
jantar, garrafas, calices, copos, compoteiras, frac-
teiras de vidrd el porta-licoY.
Livros de medicina, diversos ferros cirnrgicos e
1 manequim.
Passaros.
Diversos passaros en; bonitas gaiolas, e diversas
gaiolas em tamanbo e gosto.
|Carros.
1 carro grande enviaracado.
1 dito bafxo para dons cavailos.
1 victoria para 2 cavallo;.
AVISOS OVERSOS
9
%
*

4os Srs fmnanles
Fumo desfiado de diverse quali-
dades. QP
Novo-C ipora ^^
Olbo de Pa.-sarj. H
Flor do Brasil. 2
Verdaleiro Rio novo.
Verdadeiro fumo de Goyaz
era pacotes e latas de 2, i e 8 oncas,
era composicao alguraa noeiva ao fo-
mador, manufacturado, e a veota na
fabrica a vapor, na aotiga ma do
Quartel de policia n. 21.
-#@::$':@$:i
0 AP0ST0L8
Publicacjio diaria
Este orgio do catholieisiuo na corte do imperio
comegara a ser publicado diariamente no proxrrr..-.
mez de Janeiro de 1875.
Sendo o seu principal programma snstcniar e
defender os principios da re:igiao catholica aaos-
tolica roroana, nao obstante elle se crrupara de
tudo qoanto possa offerecer uma leitnra vanala e
saccalenta aos sens assignaotes e interesur de
qualquer modo a prosperidade do imperil.
0 Apostolo enntera em snas cjlunnas as segnin-
tes secedes, alem de outras qae poderao ser ad-
mittidas opportunamente :
Redaccao (artigos editoriaes solre as queslSes
do dia, quer religiosas, qner civi*) ;
Secfao rtligiosa ;
S ccao scientific.) ;
Seccao litteraria ;
Folhetim ;
Exterior (correspondenci.,) ;
Interior (corre: pondeocia) ;
Seccao jurioira (raovimento d > tribaaut-
Seccao commercial;
Expediente do bispado;
Seccao noticiosa;
Secfio especial (avisos);
Secfio particular (paWfeafOM pedidas);
Declarafdes ;
Annunciog ;
us annuncios ou avisos pnb'.icados na seccao e
pecial pagarao por linba 400 is.
or artigos insertos na sreruo pui-alar pagar.
por linha (0 rs.
A a^signaiura do Apostolo por ura a mo na <
e provincias 20*000.
Por seis mezes idem 10 000.
A tirada da tolha actujlmente ex:eie jaa 4,000
exemplares.
Communicande aos catholicrs do mperio a re
.-ill M.-ao em qae estamo de publicar Apostolo dia-
riame jte, em maior foraato, typo novo horn pap.:
e ccm cs melhoramciit'S indispensaveis para
rreenchiment" da sn.i t? i -.-~i ca iicprensa brasi-
k-ira, tudo c.-p:!. .. valmso conenrso,afim
de que vejimos coroada de feliz exito a empreza a
que nos abalancamos, sem olhar a sacnfi?io.
0 Apoftolo, salvo os artigos de ques oes inuira-
mente pessoa^s, ainrfa quando retpoijsabilisados
Ipgalr.cn'e, admi'tira cm suas columnar tudo qoan-
to um jornal serio pAie sem desar almilti", desde
quenem de leve se flrao dogma c.Mhdico e a di-
ciplma da igreja, caja defeia e sustcn'acio consti-
tuem o principal programma da folba
Oj artigos que a redaccao julgar de interease
geral, serao aceitos c publicados opportunamente
sem que a mtsma se ic.-ponsaLilise ida entrega
dos authographos, e todos os que nao esliverem
ne.-te caso pagaraj o pre^o c;lipula(: > para aa pa-
blica(des feitas n&secfiio particular.
0 Apostolo recebtra s nheciiuento tola e qualquer acticia ciVte epro-
vincias, sobre o moviraento politico e religioso do
in peri i, desejanJo apenas que as itif rmacoes te-
jam daiadas e assignadas por ex ter so pelo infor-
mante, uuica.neuie para q;e artJaccio tenha
sciencia d sua procedencia.
0 Apostolo nao tun cor pobtica it ( lutameole e
por isso maoter^e-ba semrre no tirrcno da mai-
severa imparcialidade.
As pessoas que quizerem tomar a;ssignatora
poderao dirigir-se aos Srs. Guimarat s A. Oliveira,
a rua do Imperador a 5i.
Collegio de Santa Ursula
Para educcSo de meninas.
Este antigo e bem conheeid i c, Ilgi eslabele-
i !o no e-iiri *io n. 32 da raa da Imperatriz, co-
mecara os seus trabalhcis no dia 7 de Janeiro pro-
ximo vindouro. A direct ra abaixo assignada,
espera dos pais de suas alaranas, e do pablieo em
geral, o acolhimento qne tera raerecido ate hoje,
promellendo de continna;ao a sens e-fjreos na
boa edueacao das meninas qae Ihee sio confiadas,
manttndo assim n credito adqaendo na pratica
de mais de 14 annos de exercicio.
Recife, 16 de dezembro de 1874.
A director*,
______________Ursula Alexandrina de Barro8-
Ao Sr. da rua do
Imperador n. 24.
Antonio da Silva Proa, nio tendo negocio al-
gum de sea mteresse com o tal campeio da raa
do Imperador n. 24, declara ao mesmo qae ex-
pliqne o sea c a nado pelo joroal ( Diano de Per-
nambuco) de li intern, pois o abaixo atsifsado
nao gosta muito de ver o sea norae era letra re-
donda, com especialidade qnando nao ten Iraos-
accdes com bomeos peqaeninos em tudo como o
e o da raa do Imperador n. 24.
Antonio da Silva Proa.
Missas de natal.
Quem precisar de am sacerdote para eete-
brar: missas de natal ate o dh dos SaMos Hais,
em algum lngar distante desta cidado 6 a 8 le-
goas : dirija se a raa da Gloria, ojm a tt, foe
achara com quem tratar. ^^^^^^
Salsaparrilha nova
Cbegada no ultimo vapor do Part.
Tem para vender Anton o Luiz Moreira de Am
vedo : no sea escriptorio, a raa do Bom Josas
n. 57.
Balbino Antonio de Mora** lam <
comprar ao Sr. Francisco Henrique de
a sna loja de fooileiro sita a raa do Vis
Pelotas n. 24 ; se algaem so julgar com
a mesma, queira coraparecsr an pram da S mar
findos os qaaes nio ic r~tinmmi for eovsa
alguroa.
Recife. 14 de dezembro de 1874.
Precisa-se de um carxeiro de IS a
tratar na rqi ir> l\*rTO*M<, b. 7.
14
\


Diario de Pemambuoo Quinta feira 17 de Dezembro de 1874.
AttenQao
Os Srs. abaixo nomeados qaeiram vir a raa do
Imperador n. 14, a negoeio. A saber :
Antonio Joaquim da Silva Barbosa.
Antonio da Silva Proa, marmorista.
Francisco Jose da Costa.
Fabiciano Napoleao do Rego Barros.
Lagos, conductor dos bonds.
JoSc Antonio Portogal.
Jose AfTonso de Oliveira Guimaraes.
Felix Cantalice Lobo da Silva.
Manoel Jose Ferreira Bentevi.
Quintino Moreira Dias.
Ansberto de Soaza, conferente.
Jose Panlo dos Santos Oliveira.
Silvino Antonio Rodrigues.
Joao Gomes dos Santos Filbo.
Antonio Saraiva de Aranjo Galvao.
Augusto Lobo de Siqueira Thedin.
Francisco Sergio do Rego Dantas.
Francisco Xavier Pessoa Cavalcante.
Antonio Ribeiro Pontes.
Rufino Correa de Mello.____________________
Imperial
Fabrica de rape areia preta Cms, de Moreira
& Cunha, da Babia.
Deste excellente rape, que se torna recommen-
davel aos a mantes da boa pi tad a, tem estabelecido
esta fabrica o sea deposito a raa do Commercio n.
3, qoe tendem por junto e a retalho, faiendo-se
vantagem a qnera eomprar porcao.
Mademoiselle Eugemia Leconle e irma, avisam
a suas antigas freguezas e ao publico em geral
que abriram novamente sea estabelecimento de
casa de costuras a rua da Imperstris n. 5, primei-
ro andar, pelo que esperam cnntinuar a merecet
a concurrencia das po. soas que precUareui de
sens serviyos.
Aluga se pela tempo da testa uma boa casa,
na estrada da Torre, a margem do rto .
(tMarquez de Olinda n. 66.
Moieque.
Aluga se am moieque de IS annos de idade,
para todo service de casa de familia e tambem
se garante o sea bom com por tun en to : a rua do
Barao da Victoria n. JJ.
Perdeu-se.
Alugj
ja-se
o sobrado de am andar e sotao, na raa do Coro-
nel Saassuoa n. 20i, e am segando andar na rua
da Imperatriz n. 5 : a tratar no Cfe Imperatriz.
Pedro fugio.
Fngio do engenho Prado, freguezia de Seri-
nbaem, o moieque Pedro,crioulo, oe 17 annos, es-
cravo de Francisco Pinheiro de Menezes, senbor
do engenho acima, cnja faga teve Ingar no pri-
meiro do corrente. Este escravo veio de Pedras
de Fogo e fol alii escravo do Sr. Manoel Qairino
dp Nascimento ; e de snppor que tenba tornado
aquella direccao e que tenba se encaroinbado
pela linba ferrea, procnrando esta cidade, como ja
de outra fuga o fez : 6 preto, de olhos regaiares e
am poaco brancos, rosto oval, altnra raediana,
orelhas am poaco grandes e em pe, tem no joelbo '
esqaerdo uma cicatriz de am gran ie talho ; quern
o apprehender leve o ao dito engenho on a rna do
Imperador a. 77, 1* andar qae serarecompensado
generosamente.___________________________
Attencao.
Aluga-se am excellente sitio, na Passagem da
Magdalena, junto ao do Sr. Tneodoro Chistiansen :
a tratar na rna do Marquez de Olm ja, n. 62. 1*
andar
uma volta elastica com urn coracao de euro de
fin.-'gram, na noite do fogo do arco da Conceicao,
desde o dit arco pelo caes do Apollo ate os *r-
mazens de farinha do Sr. Tasso : Roga se a quern
a tiver acbado de a levar a raa do Vigario n. 33,
primeiro andar, que sera gratificado por sea do-
no Joao Jose da Cunba L> ges.
Rhum nacional.
Premiado na exposifjSo da Sociedade Doze
de Dezembro.
Vende-se pelo diminnto preco de UOOO a gar-
rafa na bem conhecida taberna Flor dos Progressos
na raa do Cabiga n. 8, confronte a matrix de
Santo Antonio. _______
Aluga-se uma casa terrea com 4 quartos, 2
saias, cozinba fora e quintal, por 25?, na Capun-
ga, Balxa-Verde n. 18 : a tratar na mesma rua
rua n, 10.
Fugio do engenho Goita, do termo de Naza-
reth, em dias do mez de novembro do anno de
1869, a escrava Thereza, mulata bem clara, de
30 annos de idade, solteira, baixa e bem refor-
cada do corpo, rosto redondo, cabellos castanhos e
annellados para as ponlas, orhos amarellos e gran-
des, narie am poaco ehato, bocca grande, tem
falta de am ou doas denies do lado de cima, can-
gulos, bracos e pernas groesas, pes rollcos,
dedos cnrtos, lava, engomma e e boa cozinheira,
tem sido vista na cidade do Recife, onde conser-
va-se_acoitada : roga se as autoridades policiaes
capitaes campo, e mais pessoas, a apprehensao de
dita escrava, sendo entregue a sen senbor o ma-
jor Christovao de Hollanda Cavalcante de Albu-
querque, no engenbo Rosario, do raencionado ter-
mo de Nazareth, ou no Montetro, a Antonio da
Rocba A. Lins, qae teri a gratiGcacao de cem
mil reis.
Aluga-se
uma pequona ca*a para pnnea familia na tra-
ve'sa do Fondao n. 5, na Boa- Vista : a tratar na
rua da Imperatriz n. 8.
Aluga-se
urn escriptorio no primeiro andar da rua do
Commereio n 4 : a tratar no armazem da mes-
ma casa.
Aluga se
Deposito de vioho Madeira em
Pernambuco.
Tendo jd obtido o meteor acolhimento nos mer-
cados da Allemenba, lnglaterra e mesmo em Fran-
ca, para os vinbos das minhas propriedades e de-
posttos, onde foram apre.-iados e mereceram os
primeiros fpreraios em .differentes expcsrcSes ;
e desejando tornal-os conhecidos igualmen-
Ie na provincia de Pernambuco, onde de cer-
to serao bem aceitos, ja pela diminnta qoanlidade
de aguardente que contem, como pela sua velbico
e tratamento especial resolvi estabelecer nm de-
posite na casa dos Srs. Pocas & C, a raa estreita
do Rosario n. 9, onde se encontrao seropre de
differenles precos e qualidades e directamente en-
viados.
Sao geralmente conbecidas as vantagens qae
auferera aos convalecentes do uso do vinbo Ma-
deira ;*permittam me, pqrem, os Exms. Srs. medi-
cos chamar a sua attencao para estes, nos quaes
encontrarao as qualidades mais apreciaveis.
Henrique Jose Maria Camacbo.
da cidade do Funcbal, Joaquim Mochade de
Souza)
AVISO
Conslando ao abaixo assignado que alguem se
serve falsamente de sea nome para conlrahir em-
prestimos ou outra qualquer transacgao. previne
que ninguem se presto a effectuar qualquer nego-
cio a nao ser com o mesmo abaixo assignado. que
de outra forma nao assume responsabilidade al-
guma.
Capunga, 14 de dezembro de 1874,
__^__________Antonij Alves Pacheco.
Cabelleireiro.
Na rua de Vidal de Negreiros n. 67, pateo do
Terjo, trabalha-se em toda e qualquer otra ten
denta a arte de cabellereiro; por pr-co razoavel.
r.nstortio lose de Oliveira parlicipa ao respei-
tavel corpo do commercio qua ate esta data juiga
nada dever nesta praca nem fora delia, e se al-
guem se julgar seu credor apresente seus titulos
no prazo de tres dias, para serem pagos : na rua
de Lomas ValtDtinas n. 15.
Recife, 14 de dezembro de 1874.
FUNDICAO DE FERRO
I' raa do Bar^o do Triumpho (rna do Brain) ns. 100a 104
CARDOSO & 1RMA0
AVISAM aos senbores de engenhos e outros agricultores e ao publico em geral qu
sontinuam a receber de lnglaterra, Franca- e America, todas as ferragens e machina s ne-
eessarias aos estabelecimentos agricolas, as mais modemas e melbor obra qoe tem vindo
M mercado
> apOreS de forja de 4, 6, 8 e 10 cayallos, os melhores qae tem vindo ao merado
UaldeiraS de sobresalente para vapores.
JiOeDQaS lllteiraS e meias moendaa, obra como nanca aqai teio.
LaiXaS lUDQldaS e batidas, dos melhorea fabricantes
tvOdaS U agua com cabaje de ferro, fortei e bem acabadai.
ElodaS dentadaS de todos os lamanhos e qualidades.
Relogios e apitos pwa eTapors.
tSODlDaS de ferro, de repucho.
AjadOS de diTersas qualidades.
FormaS para aSSUCar, grandes e pequenas.
VarandaS de feiTO fiindido, franceias de dwrsos 6 bonitos gostss.
rOgOeS IrancezeS para lenha e caryio, ebra superior.
Ditos ditos para gaz.
Jarros de ferro fundido p4ra ardim.
i eS de ieiTO para mesa e banco.
Machina paragelaragna.
V alVUlaS para bomba e banheiro.
Correias inglezas para machinsmo.
t>anC0S e SOlaS com tiras de madeira, Para jardim.
ConcertOS ooncer*am com promptidao qualquer obra ou maebina, para o que teem
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
SnCOmmendaS man(^am T'r Por encommenda da Europa, qualquer macninismo,
para o que se correspondent com uma respeitavel casa de Londres
com um dos melhores engenbeiros de lnglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
litas macbinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum)ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
uma excellente casa de campo, na Magdalena, a j
margem do rio, com grandes comtnolos para fa-
milia, tendo gaz, agua com deposito, tanque para
banhos, jardim, etc., etc. : quem pretender, diri-
ja se 40 cafe Imperatriz, que acbara com quern
iratar.
Para escriptono
Aluga-se o 1' andar do sobrado a rua do Amo-
rim n. il.moilo asseiado, caiado e pintalo, com
duas salas e dous quartos, por preco modico : a
tratar no armazem do mesmo sobrado.
Precisa-se de urn criado para todo servi^o'
prefere-se escravo : a tratar na confeitaria do
Campos, rua do Imperador n. 24.
Aluga-se
as casas das ruas da Una Carvalho n. 35, de S.
Jose n. 5 e becco de S. Jos6 n. 1 : a tratar no ar-
mazem do Campos, rua do Imperador n. 28.
Eduarda dos Santos Frelre.
Landelino de Luna Freiro, por si,
e por seus Glbos, agradece summa-
mente as pessoas que se dignaram
conduzir ao cemiterio publico, os
restos mortaes de sua mni presada
espnsa, e mai D. Edoarda dos San-
tos Freire, e convida as mesmas
pessoas e seus amigos para lhes fazerem o obse-
qaio de assistirem a celebra^ao de uma missa
pela alma da mesma finada, no dia quinta-feira,
17 do corrente, na igreja de S. Francisco, pel>s 7
noras aanha.
To
Joao da Rocba Hollanda Cavalcante, senbor
do .engenho Marrecas, na fregnezia de S. Bento, do
termo de Porto Calvo, na provincia das Alagoas,
faz publico que em virtude dos repetidos furtos
de cavallo que tem soffrido no dito seu engenbo,
reioiveu-se a marcar todos os animaes cavallares
de trabalho, com o ferroMarrecas, soletrado
de am a outro lado da anca, de sorte que e iegi-
vel o dito ferro, ainda mesmo estando o animal
em marcba ; portanto todo e qualqner burro ou
cavallo que tenha nas ancas o ferroMarrecas,
deveser tido por furlado, porqne nao se negocia-
ram ; pelo que peco a qualquer senhor e sobre-
tudo as autoridades policiaes qae vendo oa tendo
noticia de urn animal em taes cirenmstancias, qae
o apprehendam, e annunciando on mandaodo um
portador traze-lo a este engenbo, sera paga satis-
'itoriamente a viagera do dito portador.
.No veto, como se acbavam os ladroes, de virem
a ease engenbo furtar cavallos, ao amanbecer do
dia 29 de outubro proximo passado furtaram-me
am poldro castanbo grande, inteiro, manso, de
freio e sell*, tratador, pe esqaerdo calcado, uma
pequena eitrella na testa tendo na anca de am a
outro lado o ferro-Marrecasainda em ferida.
Recommendo, pois, isto a attencio das pessoas
ronscienciosas e das antondades policiaes na for-
ma que ja bei dito.
Entretanto 4 bem possivel qae os pnssuidores il-
legitimos deste cavallo procorem borrar a marca,
mas neste caso esta bem patente a ma fe.
Engenho Marrecas, 9 de novembro de 1874.
ALUGASE
o segando andar e armazem da raa de Pedro At-
fonso n. 59, o sobrado de uu andar e sotao da
rna do Hospicio n. 65, e o primeiro andar e ar-
mazem do sobrado da raa do Bom Jesus n. 63 :
a tratar na raa do Vigario n. 31.
Precisa se de nm homem nabilitado para
ensinar as lingoas portagueza, latina e franceza
a tre* memnosem um engenbo perto da cidade :
qnen pretender, dirija-se 6 casa n. 348 da ma
AngnsU._______________________________
Precisa-se de uma mulher de bons costumes
que ie ptes^ a ensaboar roupa em casa de fami-
lia : a tratar rj TU da Cror, armazern n. J3,
JARDIM DAS PL4KTAS
A rna da Ventura n. 95 (Capunga)
Ahi se encontram:
Larangeiras celecta e de umbigo enxertadas a 3 J
Sapotiseiros e sapoteiros em vasos.de I all
palmos e ate ja com flores para dar fructo, alem
das scguintes plantas de ornato e de fracto por
prego maito comraodo.
Laranja cravo.
Dita de doce do Para
Abacati.
Acacia.
Ariticum a pe.
Canella.
Casaarina.
Carolina do principe.
Coude^a.
Cora^ao da India.
Figueira.
Flamboyant.
Fructa-pao.
Inga do Para.
Jambo.
Jasmim laranja.
Laranja da China.
Uita do ceo.
Dbaia e ootras mvitas.
Dita branc .
Dita tangerina.
Lima da Persia
Dita dbig.
Limao francez.
Dito doce, enxertado.
Oiticor6.
Palmeira iprial.
Parreiris.
Pinhciras.
Romeiras.
Roeiras.
Rozeda.
Ubaia.
AnENCAO
Os proprietaries da Pre-
dilecta a rua do Cabuga d. 1
A, fazem sciente ao respeita-
vel publico que, tendo resol-
vido mudar de genero de ne-
gocio, deliberaram vender
todas as mercadorias exis-
tente3 em seu estabeleci-
mento com um abate de 20
por 0[0 afim de liquidar a
sua casa ate o fim do corren-
te anno, e por tanto e boa
occasiao do publico se pre-
venir do bom e barato.
ODILON DUARTE & IRMAO
aBELLEIREIROS
Premiados na exposicao de 1872
RUA
Dig
FJIPERATRTZ
RUA
DA
IMPERATRIZ
H. 823
1. ANDAR.
Dividas da massa fallida de
Bento da Silva & C
Tendo lido no Diario de Pernambuco n. 268 de
23 de novembro ultimo am annnncio do Sr. te-
nente-coronel Decio de Aquino Fonceca, qae na
qualiJale de arrematante das dividas dessa massa,
pede o pagimento aos devedores da mesma, sob
pena de se empregar na cobranca todo o vigor da
lei, vi com sorpreza meu nome na grande lista dos
devedores, com a qaantia de 2:752:400.
Declare qne nada devo a referida massa. pois
maito antes de fallirem os Srs. Bento da Silva &
C, minhas letras estavam descontadas em poder do
Sr. Joao Antonio da Silva Bastos, a qtiero paguei-as
no vencimento, e exi.-tem em men poder com o
competente reciao. Macabyba. 2 de dezembro de
1874.
___________Joaiuim Mancio Marinho Filbo.
Fannonia
Ao caes do Apollo armazem n. 69, so recom-
menda aos senbores de engenbo a mais superior
farinha pannonia, em meias barricas
Auounm de reformar o seu estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
die?5e possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e a"s Eimas. Sras. n'a-
quillo que (&r tondor.ta A rtf. dft cobUMoiro.
Fazera-se cabelleiras tanto para homenscomo para senhoras, tupete, chignon,
coques modernissimos, tran^ss, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabelio.
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 #/0 menos que outro qualquer, garantindo
perfeic,ao no trabalho, agrado, sinceridade e pre^o razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
por<;ao e a retalho e todos os utensilios pertencentes & arte de cabelleireiro.
100#000 de gratificacao. j Effl Oliflda.
Desde o dia 3 do corrente fugio da casa Aluga-se 3 boas casas sitas a rua do Pa;o Cas-
de seu senbor, abaiio assignado, o escravo elhano era S. Pedro Novo : e trata-se no segun-
Miguel, pardo porem nao muito escuro, ^^K^^'
corpo refor^ado, de 19 annos de iaade,-jo
licial da marcineiro, boa altura, e um tan-
to espigado, rosto comprido, olhos cas ta
nhos, dentes perfeitos, cabellos pixainhos,
nenhuma barba (8penas bu^o), pes gran-
des, leveu vestido cal(ja e camisa branca-
e jaqueta pardn, gosta dejogar gymnastica,
e c bastante regrista:
Quem o apprehender, leve-o & rua da
Uniao n. 43, (ilha dos Ratos) ou na rua
da Cadeia do Recife a. 56, primeiro andar,
escriptorio de Leal & Irmao, que sera" re-
comptnsado com a quanlia acima raencio-
nada.
Recife, 7de dezembro de 1874.
Manoel Gomes Miranda Leal.
Aluga-se
o terceiro andar do predio n. 22 da rua larga do
Rosario, com comraodos para familia : a tratar
uosepundo._____________________________
Quem precisar de uma perfeita engomma
deira, dirija-se a raa de Hortas n. 82.
Precisa-se de am caixeiro com pratica de
taverna : no pateo da Paz n. 23, em Afogados.
Manoel Alves Ferreira & C. mudar am o sea
escriptorio da rua do Vigario Thenorio n. 3, para
eamesma rua n. 10.
Alugam se o primeiro e segun oo andares com
sotao da casa n. 25 da rua de Santa Rita e o 3.*
andar da casa n. 3 da rna da Penha, a cas < ter-
rea n. 34, na Capunga, rua da Ventnra, e um
escravo de 14 a 15 annos : no segando andar da
casa n. 41, rua do Range).
t Jaixeiro
Precisa se de am com i fade de 13 a 15 annos,
par taverna, com alguma pratica da mesma : no
largo do Terc,o n. 34.
Aluga-se
10#U 0 0 de gratificagao.
No domingo 13, pelas 4 oa 5 horas da tarde, fa-
gio um papagaio com iwa [das aias aparadas;
quem o trouxer a ruaDuque de Cxia n. 41, S
andarj recebera a -uantia acima.
Fimilas Herniarias
ELECTRO-MEDICAES
Para ligar perfeitamente e curar radical-
raente
as quebradnras
Essas fundas, estabelecidas sobre os conheci-
meotos medicaes e anatonicos ni.-.ntem as quebra-
doras as mais volamosos e difflctis, impedindo o
seu desenvolvimento. Elles teem uma aceao elec-
trica qae ira gee era lid ade dos casos opera uma
cura radieal sem qne o doente se sujeite a pres-
cripf ao alguma, a excepcao do uso continuo del-
las. A cura opera-se no periodo de 12 a 20 me-
zes conforme a hernia mais on menos antiga.
Unico deposito em Pernambuco, pharma-
I'HARMACIA E DROGARlA
DE
Bartholomeu & C.
34 Rua larga do Rosario 34
Caixeiro.
O Pescador a raa Direita n. 21, precisa de
am caixeiro com pratica bastante de molhados e
cobrancas.
No collegio da Conceicio precisa-se de am
empregado portuguez, qae saiba ler alguma
consa.
o 3 andar do sobrado a rua Maricio Dias n. 120,
eom muitos comraodos, e agu do Imperador n. 81, das 9 boras da manha as 4 da
tarde.
Aluga-se o andar e soiao do scbrado sito a
rua do Marquez de Herval n. 61 (antiga rua da
Concordia), tem comraodos para grande familia,
eom gaz, piotada, esteirada e alcatifada ; a tratar
na rua Doque de Caxias n. 53
HECEBERAJI
A
Salsa e Caroba
VENDEra AS PELOS PRECOS DO COSTUME
Costureiras para modista.
Procisa-se na rna da Palraa n. 34.__________
Alnga-se uma escrava para servico interno
de casa de familia : a tratar na loja do Passo, raa
Primeiro de Marco n. 7 A.
Aluga-se
Alnga-se uma casa e sitio junto da esta-
cao do Porto da Madeira, em Beberibe : a tratar
com Manoel Firraino Ferreira, no Recife, rua da
Concordia n. 146.
seis casas para passar a Testa, era Apipucos, retira-
das da povoacao, muito frescas e perto do banho,
assim como um quarto assoalhado, forrado e es-
teirado, proprio para rapaz solteiro : a tratar no
caes 22- Aluga se uma casa not Quatro Cantos, na
Capunga, para familia: a tratar na rua do Vi-
gario d 33, primeiro andar, coro Joao Jo.'ti da
Cunha Lages.
Precisa-se de uma ama qne saiba engom-
mar com perfeicSo para casa de familia : a tra-
tar a rna do Duque de Caxias n. 93, loja.____
Aluga-se uma casa na raa Vinte e Qua-
tro de Maio n. 21: a tratar na rua do I^ivramen-
to n. 23, loja do sol.______,_________________
Aluga-se a sala e a alcova do 3. andar do
sobrado n. 70, a rna Duque de Caxias, proprio
pan niojO! SOlHrQJ ; tratar na loja.
Precisa se alugar uma escrava para o servi-
co externo e interno em casa de familia : a tra-
tar na rua do Rosario da Boa-Vista n 52.
Grande descoberla
Ourativo das molestias do
Este importante medicamento que acaba de ser
reconbecido pelos distinctos Drs Zalloni e Paras-
:hevas como um verdadeiro especifico contra a
pbtysica, segundo provaram nos grandes nume
roi de casos por elles experimentados, como se vd
oa wssio da academia de Paris de 24 de marco
Jo wrrenli aono, eoeoptra-se unicamente oo
PUNDICAO DO BOWMAN
mja m mm if. S2
(Passando o chafariz)
PK.DEM AOS senbores de engenbo e 9 tros >g:i..uit;rtS, e compradoret d xa-
chinismo o favor dc fazer uma visita a seu estabelecimento, para verem o novo sortia^t,
to completo que ahi tem ; sendo tudo superior em qualMadee fortidao ; o que com a ins-
truccAo pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUuAR DE SU\ FUSDICAO
VapOreS e rOQaS O. agua d0s mais mo&etwm systemas e em tamanhoi con-
venientes para as diversas circumstancias dos senhores proprietarios e para descarc.ar
algrdSo.
JxlOenuaS Qe Canna de todos os tamanhos, as melhores que aqui existem.
KOQaS dentadaS para animaes, agua e vapor.
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
Machinismos
JZSOmDaS de patente, garantidas........
lOdaS aS macninaS e pe^as do que se costuma precisar.
FaZ qualquer COnCertO de machinismo, a preco mui resumido.
rOrmaS de ierrO tem as mclhorese mais baratas existentes no mercado.
HmCOmmenOaS. Incumbe-se de mandar vir qualquer marhinisn.o i vontade Jot
clientes, lembrando-lhes a vantagetn de fazerem as compras por intcrmeJio de pesr-a
entendida, e que em qualquer necessidade pdde lhes prestar auxiiio.
Arados americanos e instruments agric in.
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
IPod^odo fc4
ser movidos a k>
p-r agua, vapor.
i u ao
GELO
^iAO ll\ MAIS FAL.TA CTC.1A*
AG0UA HA COM ARLNOANCIA
Gelo para almoco Geio para cerveja
Gelo para lanche Gelo para refrescos
Gelo para jantar Gelo para sorvetes
Gelo para ceia Gelo pnra remedio
Gelo para vinho Gelo para banhos
Gelo para conservar legumes
Gelo para conservar fructas
Gelo para conservar peixe
Gelo para conservar came
Em fim, gelo para Todos; e para qualquer L'so
.\'A
FABRICA NOVA DA VIUVA STARR
Caes do Capibaribe n. 38.
Aberta nos dias uteis das 6 horas da manba alii :s 5 bom da tarde. e tot tl.mingos i
santos ale as 11 horas da manbi.
N. B. Os pedidos de quantias grandes para os vapores ou para km d;. ciJ.sJe d
feitos com antecedmcia.
ESCRIPTORIO Rua do Commercio n. 10.
ARMAZEM DO VAPOR FRANCEZ
N. 7 Rua do Barao da Victor a, outr\>ra Xova t X 7.
O dono des:e cstabc!e:iraento tendo de ir a Europa, vende a praeos bamtis-i.T' s trigos, como sejam :
Calcado francez
para homem
senhora,
meniuos
o meninas.
Botas e perneiras inglezas
de montaria.
_ Mobilias de vinie c de faia.
Vende-se muito" em conta, cadeira's'avuisas, dc
balan^o, de brar;os e de dobrar.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
trifice. agua de flnr de laranja, agaa de toillete,
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
cosmeticos, muitos artigos delicados era perfnma-
ria para presentes em frasccs de extractos, caixi-
nhas sortidas e garrafas de differentes lamanhos
d'agua de Cologne, tudo de primeira qnalidade
dos bem conhecidos 'abricantes Piver e Condi >.
Bens pianos.
Djs melhores e mais od mos M.i
Biondt I : vende-s<>. troca se e aiugasc.
Quinquilharias.
it phanta.siiHM.
Espelh> ?, leqm-s, luvas, joiasd'ouro, tesooriBha*
canivetes, caixinhas de costura, albunr, .;uaoros,
e caixinhas para retratos, bolsinhas de vellalo,
ditas de couro, e cestinhas para brarjosde meninas,
chicotes, bengalas, ocolo, pince-nez, ponteiras j-ara
charutot e cigarros, escovas, pentes. cart-'irinl.. J-
madreperola, tapete para lacteraas, raa!.
de viagens, venesianas para janellas, ester
pos, lanternas magicas.cosmoramas, jogos ta gl ria
de damas, de bagatella, qnadroa com pai.-ag*c.
f lobos de papel para illuminances, macbinas de
fazer cafe, espanadores de palhas, realejos de e .
accordaos, carrinhos, mamadeiras de viJro jar
dar leite as crianr;as, e moit;s catros arlig";
Brinquedos para meninoe.
A raaior variedade que se p dos os brinquedos fabricados em diflcrntes penes
da Europa, para entretimentos das criancas. tad
i Dreco? mais resnra^.-^ m- wtmtf
LOJA DE JOIAS
DE
JOSK JOAQUIM DI48 DO REGO.
Isto sim .ji niio 6 liquidacS* e queima !
O proprietario deste novo estabelecimento aturdido com o inesperado estiid^r dos griloc out
sargem de todos os angalos desta grande cidade, annunciando a liqaidacio dos estabelecimentos de jo a .
e, receioso de flcar SOSINHO, apezar de bem avaliar as grandes vantagens qoe neste caso deveria au-
ferir; tomou a inabalavel resolugao de QUEIMAR todas as suas joias. com o unico fim de eneorpcrai-
se a grande caravana, e, com ella, seguir em romaria para.......e segiredo I
A pyra esta ardente as victimas agnardam brilhantes o momento do sacrificioso bzem
os sacrificadores.
Isto posto, espera-se, com justa razao, uma grande concurrencia dos amantes Jjdi eeoncmia
qne nao devem perder o ensejo dese proverem de objectos taes; e devemn'o ainda assim faier, cwnV>
que depois de todas essas liquidates, com o novo anno, acabam se as JOIAS desta cidade, e nSc aasi
sera publico aonde dellas se possa prover.
PRESERVATIVI DA ERVSIPELA
DO
Bacharel Manoel de Siqueira Cavalcanli
Remedio efficaz, nao so para curar qnalqcer ataque de erysipeta,
para impedir o seu reapparecimento.
Approvado pelo Governo Imperial, acha-se a dispoaicto do Pobhco
com as respectivas inslruccoes, altestados de pessoas notaveis, e de MerJicoi
do grande reputapao.
Depositos unicos.
Recife: rua do Barao da Viet ria (rna Nova) n. i0, casa do Sr.
Rocha Siqueira.
Rio de Janeiro : C6rte, rua do Onvidor, n. 78.
Gratis aos Pobres.
I
I





Oiario de fernanmuco Qumta feraa 17 de Dezombr de 1874
* .
m 2o:oooSooo i
; ill' loterlaa do Bio.
?.-ca da lndrpeniencia n- 3*.
*--. a ,e fallar com os aegtiintes senhoros,
*c ra neiro da Murjo n. 16, primeiro andar.
__: _to>ABSonio da Ounha, da Bahia.
Sangns Olympio 13- Cavalcjute. S.bral do
__
_****? j*an:afe*o da Silva.
j?2$?%
A. DELOUCHE
.5 Harquez de 01inda-2l
fiU^aslna do liceoo Largo
f,,.-,. St!US [rpguezes e amigos que mudou
aoel Mmento de relojoeiro para a raesma
Eta ?- _>, one's encontrarao am grande aortimento
wrhores go.-los e qualidades, relogios di
!i >Jas as qmhda :es, patente suiaso,
; dourada, fuleado (plaquet), relo-
, inglez, dosruberto, das melhores
?,., !eis de ouro, plaquet e prata, lunetas
|(didade?, ludopor precos muito ba-
la de Palmares
r': den>minada Matirty, sfta na pra;a
? ; c de aznjejo n. 2, desta villa, esta-
Fra sciaeo Serafico de Asis Vas-
liriea se coo a maior perfeicito, Unt-
il za, pio, bdacha e tudo quanto so
r da farinha de trigo. 0 annuueiaote
eon) esm?ro e agrado a todos quan
ti urar.-ei --tsbel-eiraeati ese cons-
e see c fiODsumidorea._______________
si \
L i*
le nma crlada p rtngueza para tra-
iroa cmnca : a tratar na ma Duque de
C> I 'ja.
A '

a casa n. 33 da rua do General
i > Ja-:.'. : : a tratar oa mesma ma
nuda mais barato.
I IS
ra
libra? de sabosetea inglezes
rua do Mirqiez de Oliuda
.: ites de horti
mais icm
flor.
Rrnn llsa
Sabdia.
Menciana.
Penea.
Lcubarda.
Frur.cbuda.
Galega.
>'abica.
Rep Ibo.
Br<.e*to.
Cenouras.
N'ab s.
Rabani tes.
i.hicuiia.
AUaee.
aoatarda.
i>bolla.
Silsa.

Pepinos.
i P(V; < & d, a rua eslrvita do Rosario
:. :-. ; ja.
Cbras de vergu.
' f ", as raais apropriadas para viag^ns.
luadi dot, p.-.ra armazens de fazenda*.
ra paJaria, os mais apropriados para
pao.
i mecinas de esco'a.
s ;: ra cntrada de e?tabelecimentos a
' ~U.
para meni-os.
di n).
fas & C, a rua estreita do Rosario
5 >. jouto a Igreja.

. ge folha de louro a 720 rs. o kilo :
i,-1 n. 67.
ca
Leques gratis
' i, i ma Dnqae de ('
"
>

Ikn'
xi.-is n. 45, esta
. 11 gratia a iui-m Ihe liz^r algam gaslo,
I ;u", vista c-'-alieccr a necessidade que
te arligo oe*te tempo tao caloroso.
Distraqao
>. a rua Diiijue de Caxias n. 45, 6 s6
- limtaa eons rmjS'-s on eseohos para
-ti- dos prmcipae* ediflcios da
;. e qua i-rvoia de di?trar;5es nas boras
Lubin
alem
para
r>stracU), rosmetijue desse afamado
: -6 qnem t m 6 a Magnolia, a rua Du-
*>.- la* n. '5.
Presentes
>!i, a raa Ouque de C xias n 55,
rua an-gos que teiu propnos
b.i li r<'ceber o s .' a r i que i Inn am papal e mamai.
BwHcaa ''. ::nuri;a com pesnoc/*, peroas e
*-" 'n'..".
< m rinissimes extractoa.
- com haoha e pot de arruz.
c i x s p ra cn-tura.
f->:::'i> ivii il ris ariiMciaea.
.: | reparais para eosiura.
3j ptisados
' jpj- sapa'inho^ de si'lim branco, de
9*>r?* gto, pai p is ^ara bapiisados.
Outkiu -iiia
*Jirm ti'.vr Dodoaa no ros"o e quizer ficar lem
**..( com pre um frasco de cntic liua, na Magno-
*.. rua Duijihi de Caxias n. 43.
hmkk litieraria
Wt. E' 0 CLKRO EM UMA MONAMHIA
CO.NSTITUCIONAL?
Pel padre
9 BENF.VESUTO ANTOX'O 0. DE CAMPOS
Off. recido
!ib?'M portiigueje? e brasileiros
Pr<0:
Bijchaflos rortt
Eacadirtfados 1^500
N va n. 59
Toda attenQao
Retalha se, com (rente para a roa da Amizade,
jobre 194 palmos de fundo, uma porcao de oplimo
terreno para ediSjagio, tirada do sitio contiguo
a igreja de S. Jo^e do Manguinno, do pre^o de
5(Ji por palmo. Aquella frente e toda mnrada,
bem como a parte posterior e a lateral extrema:
os pret^ndentes poiem enten.'er se com o Sr Dr
vVitruvio. _______________^__^__
11TITUT0 PARTICULAR.
Rua da Roda n. 48, sobrado.
Prime ras lettras, portuguez, francez, in-,
gk-z, desenbo linear e musica.j
Sob adirecQflo do professor Herminio
Rodrigues de Siqueira funccionam ditas au->
las todos os dias uteis.
Reci'be.alumnos internos, meio pensio->
nistas e externos ; Lrnece todo o material
para escripta e livros aos priocipiantes, por
precos muito razoaveis.
Alngani-sc
Boaa casas de carnpo, na Cruz das
Poco da Panella ; a tratar com o comm
Tasso.
Moleque fiigido.
GratiQca-se com a0,000 rols a quern ppgar For-
tunate, moleque do 13 a 14 anno?, preto, baixo,
cheio do corpo, ro.to e cabeQa redondos, narie
chato, cabellcs carapinh' s e cortades de fresco ;
ansenlon se na lard* de 10 de outubro do corrente
anno, com camisa de oiadapi ISo, calfa de brim
de cor, desbotada, e cbapeo de massa preto. Gra-
lifica se na lua da Cadeia do Recife n. 39, oa na
rua da Aurora n. 165.

O
3
o
EL
B
3g" s 5 5
9 u> &
2. S
D8-S.
B
a.
o 2
a 9
i
o
o.
o
3
n
a
a
a
o
B
a
-1 TO
3
H
a a
s. i
P 5
~3
a
a
n
o
a
a.
n
x
>
O
CO
ADV0GAD0
mUUi JlUQl'IM (il'EMES DA
SILVA MELLO.
9S Baa esCreita do Rosario S3
primeiro andar.
Consnitorio medico
DO
Dr. Hurlllo.
RUA DO VIGARIO N. 1, ANDAR.
Reeem-chegado da Europa, onde fre-
quentou os hospitaes de Paris e Londres,
rjodera ser procurado a qoalqner hora do fj
PENHORES
Natravessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
eompra-se os mes-
mos metaesepedras.
CIX^ADO
w
II
LIQUIDAgAO.
liquidando os cal.;ados
alto e
O Paris n'America esta
pelos segninte? precos
Bolinas de duraque, de cores, com eanno
laco, aLuizXV a5*0(>0lll
Bolinas de duraque, de cores, tordadas. canno
slto, a 6/III
Botinas de duraque com laco a 3#.
Botinas pretas ga^peadas, canno alto, a 4/, 5* e
I 6J00O.
Bolinas li-a? e enfsiladas, para meninas a 3},
> B< tinas de Suzer, de cordovio com ponteira ee
jverniz, para bomem a 8. Aproveitem, que e
barato.
MiftbAG
O Monte Lima
Esteiras da India.
Ji>rge Tas.'o tern para vender esteiras brancas
da India, com 4 palmos de largnra : a rua do
Amorim n. 37.
Por 600$ 6 barato
tern um completo sortimento de galao e franja de
ouro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoaduras donradas para offlciaes, canutilhos e
| enfeitea para bordado. Tambem se encarrega de
, todo e qualqner fardamento, como seja : bonets,
talina, pastas, espadaa, dragonas, cbarlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assitn como am completo sortimento de
ranjas, galao falso para ornamento, cordao de li
i ff^ww>E1in*Tto' ivwitViiVI J f com ^or'a Para quadroa e espelbos (conforme o
R \3t^3t?'^^*^'a v*3C5C3l?-llS3lS -W gosto da encommenda) tado por maito menos
dia oa da noite para objecto de sua pro
fissao.
Consoltas das 6 as 8 horaa da manhi t
do meio dia as duas horaa da tarde.
GRATIS AOS POBBES.
Especialidades : Molestias de senhoras,
da pelle e de crianga.
Foliihilia para 1875.
Sahio do prelo a bm conheci la folhinha de
\anedades, eootende tambem o Diccionario das
Fl'. res, da? co-e? e das pedras preciosas : a ven-
da na livraria Universal, rua do Inperador n 54,
a 4 0H rs.
Vicente fugio
Na noite de 13 para 14 de marco do corrente
anno, fugio o mul. 22 annos de idade, b.-.nita ligura, barba e estatura
rafinKr, || i-.nJn icmIO., ^ui uui ^rt^;cu |roupa 06
algudao branca e alguma fina pertencente a nm,
aixeiro da ca^a d'onde fugio, e naiural da fre-,
guezia de Saut'Anna de Maltos diz ser livre. cria-
do em corapanbia da raadrinha D. Anna Luiia da
Luz de quern alias foi eseravo : roga-se, portan
to, aoa Sre. capitaes dt- campo e autoridades po-
liciaes a apprehensao do dito eseravo e entrega
lo ua cidade do Recife, rua do Crespo n. 10, ao
Sr. Juaquira Moreira Reis, ou na cidade do Assii
ao Sr. Toriaalo Augusto de Oliveira Bapti.-ta
que ser3o g''nero;imentd recompensados.
ALUGA-SE
nma grande casa terrea com bastantes commodos
sita na estrada do Lucas : a tratar a raa do Vi
ireco que em ontra qualquer parte : na praca
ndependencia n. 17, junto a loia do Sr. Arantes.
da
i MEDIC0-CIRUUGIC0 I
jg DO 'fit
HI Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso 2
m
m
PARTEIP.O EOPERADOR
nun do Vlsconde de Albuqaer-0
que n. 39. _.
ESPECIAL1DADE
UolesilaB de aenhoraa e <
raeninoa. W
Consultas das 7 as 10 hora3 da ma- S
nha, todos os dias. m
Das 6 as 8 da noite, nas segandas, qnar- ^:
tas e sextas-feiras. ^J
Os doentesque mandarem os sens cha- '&!
0 mados por escripto at 10 boras da ma- m
5 nha serao vieitados em suas casas.
KM
Compra-se uma cscrava qua seja sadia e
de bons costnir.es e que eniendi do cozlnha e
engommado e mais servico da casa de familia :
a tratar a rua do Amorim n. 54 armazem, das 9
boras da manha is 4 da tarde.
IK

Aloga-se
En^ommadeira.
Precisa ?e de uma engommadeira para engorn-
mar pa>-a duas pessoas : a ratar na trave-sa da
rua do Vigario n. I, das 9 horas as 4 da tarde, ou
ao segundo sitio, dc-pois da e?ta';ao do Chacon.
i\ay ha mais cabelos
Tintura japoneza.
S6 e unica approvada pulas ajademias de
sciitncks. reennhe. ida superior a toda que
teii adparecido ate boje. Deposito princi-
pal a* fua da Cadeia do Recife, boje Mar-
quez as boticas e casas de cabelleireiros.
AMA
Preci>a se Jalugar uma escrava para
criada de casa de duas pessoas, assim
como de uma rapariga de 10 a 12 aunos de idade,
escrava ou livre, p.va andar com uma menina de
teura idade : a tratar oa rua do Ma.qaez de Olin-
da (antlga da Cadeia n. 54, annatem.
Precisa se de uma ama para com-
prar, c isinhar e engommar, para
uma sennora : trata se na rua da
Ouz n. 54, 3 andar, entrada pela
rua da SenzaU Velha.
i\
3 audar
\
Precisa se de uma ama forra ou
escrava: trata se na rua do Marquez
de Olinda, antiga da Cadeia, n. 52,
os armazens ns. 65 e 69, na praca do chafariz em
Fora de Portas, um onde teve tenda de ferreiro
o fallccid E. Mahult. 0 ontro que csteve occu-
pado com venda de molbados, para o que 6 op
limo pela localidade e set de esquina. ambos iivres
e desembara^ados de impostos: a tratar com o com-
mendador Tasso.
Bonsbanhos edormida fres-
ca no Monteiro.
Aluga se alii por preco commodo uma casa pe
qnena que tern 2 salas, 3 quartos, cozinha e boa
cacimba, e e perto do rio : a tratar na rua Nova,
~i _____________________________________________
Precisa se de ama para cozinhar : no ar-
mazem Baiiza, rua do Livramento n. 38.
I
Calplos baraios.
Praca da Independenc'a ns.
11, 13 e 15
lioja tlo Arantes.
Botinas de duraque de cdr, cano alto
para senhcra a if
Ditas de duraque preto, cano, para
seohora it
Ditas gaspeadas parasen'ora 21
Ditas de pellica e duraque, cor de cafe
idem idem 6*
Snpatos de setim de cor, idem idem 5i
Dit03 de duraque de cor, para menina 3
Botinas de duraque de cdr e preto, idem
idem 3
E' e6 quern vende a 600 rs.
Cambraias brancas borJadas com 1 -tra? e de
qnadros, abertas e tapadas, fazen la muito fina,
com 5 palmos de largura, e p >r" lermcs grande por-
cao resolveroos vender barato para acabarmos ; e
fazenda de 1 600 o covado, e no? estamos venden-
do por 600 rs. o covado, daose amostras : na rua
do Crespo n. 20, lnja de Guilherrae & C.
Esta encouracado!!
Lustres, lampadas e arandel-
las.
Obr do gnoto o mnito maio barato do que em
outra qualquer parte, tem para vender Joaqnim
J;se Gon^alvts Beltrao A Filho, a rua do Commer-
icio n. 5. __________________________
Vende-se o .-obrado de um andar da rua da
j Imperatriz n. 13, com excellente3 commodos para
jfamilia, tendo duas lojas e quintal, cujos fundos
dao para o caes do Capibaribe : a tratar na praca
do Corpo Santo n. 6, primeiro andar.
Asua mole em pedra dara
Tanto da ate qne a fura.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Me II
sscrivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Duqne de Caxias n. 36, a con-
clnir aqaelle uegocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira cbamada deste jornal, em
3ns de dezembro de 1871, e depots para Janeiro,
passou a fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
por este motivo e de noto chamado para d
3m, pois S. S. so devo lembrar qne e3te negoci
de mais de oito anno3, e qnando o Sr. sea dlho
achava nesta cidade.
Aluga-se
o segnndo andar e armazem da rua de Ped o
Affonso n. 59, o aobrado de um audar e sotao da
rna do Hospicio n. 65, eol' audar e armazem do
sobrado da rua do Bota Jesus n. 63 : a tratar na
rna do Vigario n. 31._________________
/'.luga-se uma ca
Beberibe, Porto da M-deira, com muitos commo
do3 : a tratar na rua Duque de Caxias n. 88, loj
Aluga-se barato ntnas meias-aguas, novas
na trave-sa das Barreiras (becco do Aquino) : a
tratar na rua doCotovello, casi de azulejo n. 25.
Amar
Precisa se de uma ama para
cozinhar em ca~a de hnmem sil-
ini : na rua de Pedro Affonso
n. z9.
Preci?a-e coutratar com nma senhora de
bons costumes, que se eneirregne da educacao de
tres meninas, distante de*ta cidade 10 minitos :
dirijam seao largo da matiiz de Santo Antonio,
loja de cirgufiio n. 4.
Qnera precisar alt.gar ami escrava que cose,
lava, eiigninnia e f >za cm prf i{4o, dirijase a
rua das Crozes u 34, 3" andar.
Alnga te a meia agua sita
cimba, a rua doa Prazeres n. 1 :
(a da Boi-Vista o. lo.
no becco da Ca-
a tratar na pra-
Hotel de 1'Europe
Vlm.ra-e este vaalo e maarniflco es-
labcleclinento a rna do Com-
mercio n. 13.
Este antigo e bem conhectdo HOTEL, que fa-
chou se por cansa do fa!le>:imento do Sr. Ednardo
Tourpin, acha-se providi de todos os pertencas e
ornamentos corre?pondentes a (ama de que sera-
pre gozoa, e estando situado no lugar mais ap-
parent^ e agradavel do Recife como e o do bou-
levard, defronto do desembarque de paasageiros,
os intere?aado3 nao acharao occasiao mais pro-
picia para eslabelecer se cm nm HOTEL bem
montado, em bom local e ja acrtditado.
Para tratar, flirigir-se ao escriptorio de Pereira
Caraeiro, a mesma rua do C< mmeccio n.fi.
IUwin.ii
Mi\ queimando
0 proprietario desto e?tabelecime:to tem resol-
v do vender as snas fazendas o mais barato pos-
sivel, alim de apurar diubeiro.
Cambraia bianca bordada.
0 desengano e^ta vendendo cambraia branca
bordada uelo dijnnuto ,rego de 360 rs. o cuvado.
E' grande peeljineha.
Cortea de organ ly de cflres a 11800.
Cambraia transparente, fina, a M a pega.
Bapti-ta de Undo? padoes a 360 r?. e covado.
Clutas, etcuras linas, a S40 rs. o dito.
Ditas claras idem, a 240, 280 e 300 rs. o dito.
Lazinhas de bonUos padrSes a 200 rs. o dito,
Flor do bosjue a 600 rs. o dito.
Camisa? de en t me, linas, a 31 e 3*500.
Madapolao ioglez, fino, a 4*500, 33 o 5S300 a
peca.
Dita francez, fino, a 5*500, 6*, 6/500 e 7* a
peca
Alpacas de c5res a 400 rs. o covado.
Bas juinas de gorgorao de ?eda a 6*.
Popelinas de linho e seda a 14 e 1*500 o co-
vado.
Cambraia Victoria a 4* e 4*500 a pega.
Gase de seda a 1* o covadu.
Brim hranco de linho n. 4, a 1*500 a vara.
AlgodSoT largo e lino a 4/, 4*500 e 5* a
peca.
Cambraia de cores a 200 rs. o covado.
E outras mnitas fazendas que deixam de ser
mencionadas para nao se tornar imssante, por
isso convida a t.das as pessoas a fazerem ama
visita a seu estabelecimento afim de sortirera se
do bom e barato para a fesM : a rua do Crespo
n. 25, junto a loja da esquina
e bara-
mesmo
Vende se nm eseravo de 30 a 35 annos,
to, proprio para refinacao, padaria, on
para am silio, por ser de boa condneta e sea se-
nhor retirarse para fora : na rua de Hortas n. 96.
Al'llOVEimi
A1|000
Cambraia branca, bordada, com listras e de
quadrinhos, ab rtas e tapadas, por termos ama
grande porcao, resolvemos vender barato para aca-
barmos, e fazenda maito larga e maito fina, que
sempre se vendea por 2) o metro, e estamos ven-
dendo a 1 a vara : s6 qnem tem para vender
fior este preco e Guilherme & C, rua do Crespo,
oja das tres portas. Dio-se amostras.
Proprios para bailcs.
Chegaram em boa quadra, para a loja do Passo,
riquissimos cor tes de seda com largas listras
achamalotadas e lindissimas cures ; cortes de tar
la tana com palmas bordadas a prata, proprios
para nailes : so na laja do Passo, a rua Primeiro
de Marco n. 7 A._____________________________
Pedras de marmorc
Vende-se pedras de m rmores, de diversos ta-
manhoa, com duas polegadas de grossnra, proprias
para muitos mistere3 : a tratar com Joao Jose da
Cunha Lagea._________________________________
Vende-se o dommio directo de um terreno
sito na rna da Santa Cruz, em que se acba edill-
cada a casa terrea n. 36 : a tratar ne rna do Vis-
conde de G'-yanna en. 5.
Cura das hernias, pelas fun-
das de borracha.
As melhoros e mais aperfeicoadas das ate hoje co
nhecidas.
Vende-se
na
Pharmaela e Drogarta
de
Earlolomco C
A'
34. Rua larga do Rosario 34
Vaccina. Yaccina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Loarenco de Magalhaes,
montado na corte am completo servico deste an
tigo, tem aqui aberto um deposito da melhcr e
mais recente, cujos tobos se encontram na
Pharmacia e drogaria
A'
34rna larga do Rosario I 34.
Vende-se
na rna do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vinho do Porto engarrafado, em barris e en
ancoretas.
Cera em vela.?, de Li3boa, superior qualidada
Retroz do Porto.
Cimenlo Portland, legitimo___________________
Leques gigantes
S6 quean tpm dos mais
a rua Onque de Caxias n
moderno31 a Magnolia
45.
Camisas francezas para me-
ninos a 2$.
0 Pavao vende camisas francezas para m- nino*
de todas as idades, a 2* cada uma, 01 em duzia
a 22* ; is o e para acabar na rua da Imperatriz
n. 60, loja de Felix Pereira da Silva.
Pasto fino.
Superior vinho de uva pura era narris e anco-
retas : vende-se no prLneiro andar do sobrado n.
56 da rua da Cruz.
Vende-se
tuna eaaa na villa de Barreiroa, na ma fe Goa.
mercio, por preco modico : a tratar coca Tarn
Irmaoa ft C
ffiun
UQUIDACAO
Loja de fazendas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores mindaa mnito boaa para roapa
meninaa a 100 e 900 ra. o covado.
La pretas, superior, a 400 rs. o covado.
Alpacas de cores finaa a 320 e 390 rs. o eoraak
SO se vendo.
Ditas com listras abertas, faztnda Gna, a COO ra
covado.
Chitas decdrea a 240 e 180 ra. o covado.
Metins de cores miudas a 280 rs. o covado.
Cretones, o melnor que tem vindo ao mercadc .
(00 440 rs. o covado.
Cambraias brancas, bordadas e abertas, fazeoa.
mais flna qne tem vindo ao nwrcaaa, d baiaja>
de 2*000 o metro, por 1*000 a vara ; d p*
chincha.
Ditas pretas com florea miudas a 200 rs. o eovaac
Cambraia transparent*, flna, a 3* a peca.
Dita Victoria, fina, a 4*000 a peca.
Organdy de asaenlo branco e de cores, com to
res miudas de seda e de 11, a 400 ra. o covadc
E' pechincba.
Cortes de caseraira da cores modernas a 5*900
corte ; i fazenda de 8*. E' pecbincba.
Camisas de linho fina*, liaaa, a 35* a dazia, U
zenda de 55*.
Brim branco de linho a 1*400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 ra. o covado.
Madapolao (ranees verdadeiro, 24 jardaa, a 6*
7* a peca.
Algodae T, largo e superior, a 5* a peca.
Gorgorao preto de seda para veslido e para coIl
a 3* o covado
Toalhaa aleochoadas a 4*500 a duzia.
Colcbas gracdes a 3*560 nma.
Cobertaa de ganga, forradas, a 3*.
Lencoes de bramante a 2* am.
Lencos de linho, abainbados e em caixiakaa
3*500 a duzia.
Ditos de caca de cores abainhados a 3*800 a a
zia.
E ontroa muitos ariigos qne se vende por id*
noa do qne ontra qualqner parte e para ae d*
So na lorem queiram mandar ver aa amostras.
enganaja de
f.HJllHTHlC I C.
Para o fabrico de chapeo*
A NOVA RSPERANCA recebeao ararae propn<
para armache de r-hapeos.__________________^^
Aos nervosos
A NOVA ESPERANQA acaba de receber aqaM
tea tailagrosos anneis electricos, cura infaUivel dm
teriuaos,
Sal do Assii.
Tem para vender Antonio Lniz de liveiri
Aze\tdo, a bordo do palbabote Johtn Arlrhr : a
tratar com o capitac a bordo, on no sea escrip-
tnrio. a rua d" Rom Jesus n. -%7.
CASA
Vende-se on alnga ae nma casa terrea em Olio
da. com grandee commodos, g.'.z a agua encanada
a tratar na rna 1* de Marco n 6.________________
Farinha demandioca supe-
rior.
Tem para vender, Joaquim JVso Gon^al-
ves Reltrao d Filbo, a bordo do palbaboU
Rosita, fundeado ao pe* do ca e para tratar a bordo ou no sea cscriptorio
a rua do Commercio n. 5.
BAZAlt
DAS
FAMILIAS
Rna Doque de Caxias n. 00
Para a f esta
desu
finaa
Vendt-se com as mindezas ou armar^ao so,
conforme cenvier ao comprador, a loja sita a rua
da Imperatriz n. 78, muito afregaeiada, propria
para algum principiante : a tratar na mesma.
para escriptorio. o
dia o segundo dito
da n. 4.
A!nga-se
primeiro andar e paramora--
: na rua d > Marquez de Olin-
Aluga-se
Precisa se de nma ama qu cozinhe perfei-
tamente : ca rna da Uuiao n. 29.
Liuii Ft.rr^ira da Sdva
tem duas cartas na rua do Vigario n 7, primeir
o sitio que Qca contiguo a igreja de S. Jose do Man-
go inho ; recommt nda se por sua excellente posi-
pao e ontras condicoes agradaveis a sua habiiag'.o
confortavel e de recreio : quem pretender, pode
eutenderse com o Dr. Witruvio.
andar.
- Da-se 2 200*00ii a premi". s. b alguma caw
terrea: na rna de Hm t..s o. 86.
JLTIfiiO
Paracas de familia
Precisa sede duas imas de condacta, nma para ITSmTfoiular
rempregada un.camente em engommado lil-'K"^
ser
guma costura, e outra para ensaboado e servico
domestico, papa se b-m : no Mai^uiubo, indo do
Recife o primeiro sitio de muro acinzentado do
lado direilo ante? da igreja.
Jose Antonio Domi agues de Figueiredo, proprie-
ark) dafabrica de-ci;arros do Becco Largo n. I,
n it A e n. 2, avi-a aos consumidores de aena ei-
Jgarroa, que mrdou sna ofSciaa de eigarros do n.
12 para o andar do n. 1 e n. 1 A, por ter de
entiar em obra o de n. 2. Fas este aviso para
>r o contrario, e seas treguezes
ficarem acie'ntes de que so oi-cupa as 2 lojas dos
numeros acima, eol* audar do mesmo predio.
*ITIO
Para tratar de um p iuuwio sit o, precisa ae de
am homem qne -e;a cuirladoso e entefldade flo-
res ; e denm rri-.rt> de 12 a 14 ; nuoa, para ser-
vico de casa e algum m .ndado : no ces do Apollo
na. We71.
Allencao.
Aluga-se
Carros
e ama excellente parelba de rnulas
para enrros.
Na rua d? Imperatriz n. 9, vende se uma excel
lente parelha de mulas para earro ; a?-im co
mo um carro envidracado, para famtlia, victoria e
nm cabriolet americano, de 4 rodas.
Aos charuteiros e cigarreiros
Vende se na rna da Santa Cruz n. 46, Boa-Visia,
fumo da Bahia, por menos preco que em ontra
qnalquer parte.
Doce fino de goi ba
Ha constantemente para todos oa precos, tanto
em lataa como em cajxao, de todos os taraanhos :
no pateo do Terco n. 52, e aonde se vende mais
barato._____________________________^__
As pechiofhas!
Una dnQiieiiiiaibin. 43.
Ju to a loja da Magnolia
Organdys branco com listras bonitas a 400 rs. o
covado.
Pupelina de linho com listras abertas a 320 rs. o
a casa da rna de Riachnelo n. 9, com bons Com- covado.
modos para tamilia, bom jardim, agua poUvel e i Listnhas a escoceza a 270 rs. o covado.
em perfeito estado de asseio : a tratar no arma-i Alphas de seda, goatoa aohamalotadoa a 600 rs. o
tem 25, da travesaa do Corpo Santo.. I ovado. .
--------n-------------;---------------7=.----------"------t-s- Ganga oarlba ennade para coberta a 160 rs. o
Alngam-ae tres asm terreaa na rua do Co-; joyaflo
^S^S^StJ^. *.Lii311 c^.m <*>mm<*' Cambraias de sorea a 200 e 240 rs. o covado.
e hmpas de novo : a tratar na rua Direita n. 8. 'Cniu, ei,curas a iK rg. 0 covado.
Cbales de caseraira chinezes a 2* nm.
Llfcoev 2* nm
Attenqao
Vtnde se manieiga ing.eza flor a 800 e 11(00 a
libra : na rua larga do Rosario n. 87.
\ Metins a 280 rs.
0 Pavao vende bonitos metins de cdres para
vestidos, pe!o barato prec,o de 280 e 320 rs. o
covado; assim curao, ora bom sortimento de chi-
tas de todas as cores, padrdes modernos e fixos,
pelo barato preco do 280 ate 360 rs. : a raa da
Imperatriz u. 60, loja de Felix Pereira da Silva
Gros preto a I*.
0 Pavao vende grosdenaples preto a 1* o co-
vado e dahi para cinn. ate 4} : na rna da Impe-
ratnz n. 60, loja de Felix Pereira da Silva.
Salsa-parrilha do Para
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aza-
vedo, no sea escriptorio, a raa do Bom Jesus nn
mero 57.
Para senhoras
Como sao lindas e modernas as gravatinhaa in*
a Magnolia, a rna Doque de Caxias n. 45, acaba
de receber
E' boQilo
As almofadas bordada* de la matlsadas qne ra
ceben a Nova Eapcranca, a rua Daqna da
Caxias n "
Cortes decasimira a 4j^,
e 6#000.
Na loja do Pavio, vende-se cortes de ca-
seraira para calca a 45, S> e 6$00, ditos
muito fnusde uma so cOr coin listras ao la-
do, fazeuda qne sempre se vendea a 9Jt e
109000, liquida-se a 6$000 para acabar:
i rua da Imperatriz d, 60, de Felix Poreire
da Silva.
Modas
Ainda esta por alagar a loja do ado
n. 2 a rua das Laranferras, aluga-se por preco
Precisa-se fallar com o Sr. Manoel de Si Cavalcante Junior a negncio de particular interes-, hospital portuguez, ate as 9 horas da manhl e Toa'.has para rosto a 4T500 a duzia.
se
: na rna do Mnr<".z do He-val n. 14i
das 3 da tarde era dhnto.
PAGINACMJNpmREn

Cambraia transparente a 3* a pe;a.
Coqaes de cabello.
Seltaa d< uradas.
Leques dourados.
D tos de osso, marfim e madreperola.
Meias de cdrea para soobora.
Gravatinbas para senhora.
Botoes de aco.
Cintos todo de metal.
Fivelas preia* para veslido.
Briocos de ago.
Voltas de madreperola, e muitos outros artigs
que s6 se eocootrara na Magnolia, a rua Duque de
Caxias n. 45.
Espelkos
donrado?, qaadrados e ovaes, de diversos tama-
abos: na Magnolia, a raa Uuque de Caxus nu-
< maro 45.____________________________
Vende e o estabelecimento de moihatlos da I
Reis e Silva & Gnimaraes, proprieiarios
bem conbecido estabek-cimeuto de fareodaa
convidam aos sens freguezes e amigvs a aortire-i
se dos artigos indispensaveis para a fe^ta, artig .i
da ultima modr e de fino gosto, oa quaes se veu
dem por modico preco, de forma qte ignal nao w
encontra em outra parte.
Afim de que o publieo avalie o que levam ditr
offerecem a jua preciosa con:iderai;_o a xr"ji'i
mencao:
Lacinhos para aenboras.
Tem a nm completo (oniraenlo de lacinhos da
seda e de cambraia bcrdados .qne estamo? TtB-
dendo por preen mnito barato, a 2*. 2*00, 'Si
3*500, 4* e fil cada um. Sio muito Undoa.
Gases de seda.
Temos um ennvb-to sorlimenln de gasea de se
da de seda, fazenda muito moderna, e ^6 se en
contra no Bazar das Familias, pela preco de 500
rs. o cuvado. Ninguem pide vender.
Popelinas de linho a_
Temos nm completo sortimento de popelinas de
lioho, fazen la prorr a para pas-ar a testa por ser
mnito barata, a 500 rs. o covado.
Faiai de seda de ta__
Recebemos urn crmpleto aortimento de fatal da
seda, fazenda inteiramente nova, que estamca
vendendo por 2*, 2*200 o covado.
Pt-pelinas dd linbo e stda.
Neste artigo temta um a-ajaakaa i rtirr. nts que
estamos vendendo por 7t0, 800, 5Xs), I*, 1*200
e l*8( 0 u covado.
Assim como temos popelina branca, pr< pha sa-
ra ajoivas, qne vendemoa por l*8iOe2* o co-
vado.
Itiquissimaa capellas com veoa para noivas,
que estamos vendendo por 13*. 18* e 204 t
Polonezas de percalina proprias para 'lanhoa.
Tcui-is nm completo sortimento de pe'onetas de
percalioas propnas para baaboa, [< ser em aaoi-
to cumoridas e mnito taralaa a 4* e 5* ami; ai
a fazenda importcu em muito mais do que etfaa
Maw,
Alpacas de seda com listras.
Temos npste. artigo um completo sottaaaaatn, qua
estamos v.-ndendo por preco muito barato. que e
820, 900, I* e 15200 ; aio larcn.
itajdi'a de cdr**.
Hecei-mos am cuaapaatn sortimento de bapjfes-
tas, pa.ieea inteiramente aovo>, goatoa mnito so-
nib's, que estamos vendendo por preco de 440.
480 e ;00 rs. o covado.
Corks degranadioe.
Recebemos um o nipleto sortimento de cortes
de graoadme branca; com lirirai de cCrea e pal-
mas aollas, que eaumos vendendo par 12* nan
corte.
Casaquinhos preto* de gorforsa.
Recbem-js a a ooopleto sortiateato de caaa-
3mnhfs prtt'M d gorgorao, que estamoa veaaaa-
o por 8}, 10*, 12* e 205 nm.
Setim branco e de core*.
rU'Pehfctroa nm completo aortimento de
Maca<>, tanti branco cmo de cores, qne
mos por 2*200 e 2-400 o covado
Cambaias branca, transparente e tapada.
Temos m>rrimeni>> de cambraia, qae
a it, 4 500, St, 6* e 7* a p?ea
1)3 v_raa.
A-un como, ontroa arUgos que se torna
douiio mea.iioaar.
REIS SiiVA A GinitJ_E__S.
E'
rna do Rangel n. 8.
com as noivas
A NOVA ESPBRAXgA, Tua Dnqae Caxlis i.
,-acaba de receber boas meias de sea. proprias
(p*ra noivas, e os apreclavets ramoa de Uraafra
__


\
I
9

Diario de Periiaia&uco Quinta feira 17 de Dezembro de lb74

Aos legitimos fogoes econo-
mieos.
Acabam de chegar a esta cidade os ver-
dadeiros fogdeseconotnicos, ja maito conbe
cidos nas provincias do Rio de Janeiro,
Minas, S- Paulo, Sergipe, llio-Grande, Ba-
hia e Alagoas, aonde lem raerecido do pu-
blico a maior aoeitacfto possivel, e sao ja*
preferidos aos de qualquer outro systema,
conhecido pela sua muita sol idea, especia-
lidade na collocacio, moderno systema,
e sobretudo grande economia no combusti-
Tel ; trabalham com lenba, coke, carvao de
madeira, etc., etc. Ha de diversos tama-
nhos, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de muita familia, collegios, boteis,
casas pias, hospitaes, etc. Acham-se ex-
postos ao publicj, aonde se darao todas as
explicacSes necessarias: na rua do Viga-
o n. 12
Soares Lei Irmaos, rua do Barao da Vic-
toria p. 88, antiga rua Nova.
Aos meninos
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Caxiai
d. 63, .seaba de receber um bom sortimente de fi-
nis bonecas que fallara, que riem-se e cboram ;
lamhem as tern mndas e surdas ou surdas-mudas
enham ver se nao e verdade._______________
Colchas para camas
Naloja do PavSo vende-se colcbas de fustao
brancos, para cama a 2,500, ditas de dilo de eor
a 4,000, cobertas de chita e de cretone, de 2,500
para ama e ditas de melim escarlate forradas com
madapolio a 5,000: a rua da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira de Silva.
N.72. Rua da I mpera t riz N. 7 2,
EM LIQU1WACAO.
Tendo recebido diversas qualidades de fazendas que ha tempo linliam feito encommenda e
agora estando em liqoidacao resolveu que estas fazendas fossera veudidas nas mesmas oradicoes o
que e muita vantagem para os corapradores, isto no Bazar National rua da Imperatriz n. 72.
Organds* branco a 400 rs. Chains de li a 640 rs.
Vende se organdys branco com listras muito Vende-se cha'ea de la a 640, ditos de merino
fino a 400 ra. o covado. : estampados a 1*600 e i&.
Popelinas a 1 00 >. Cortes de casernira a 5,5.
Vende se popelinas de c6res muito Bnas a 15 o Vende-se cortes de casemira de core3 a 5*,
covado. 15*500 e 6*.
EXPOSICAO
DE
fazendas e artigos de alta
novidade
m
M 1 PASSO
ilKa PiiiiiCiio de Marco n. 7 A.
Alpacas de cores a 400 rs.
Vende-se alpacas de cores para vestidos a 400
rs. o covado.
LSazinhas a 120 rs.
Vende-se laazinhas para vestidos a 120, 240,
320 e 400 rs. o covado.
Alpaca lavrada a G'0 rs.
Cotertas de chita a ii
Vende se cobertas de chita a 2* e 2*500.
Colchas de fustao a 2*.
Vende-ss colchas de fustao a 2*, 3/ e 4*.
Fustao branco.
Vende-se fustSo branco para ve.-tidos de senbo
ras, orgaodys branco San a 610 o metro.
Vende-se alpaca lavrada para vestidos a 640 rs.; Madapolio a 3 j.
o covado. Vende-se pecas de madapolao enfestado a
Granadina a 500 rs. | 31500 a peca. ditas ditas fiao'a 4*500, B
Vende-se grin dina preta com listras brancas a dito francez fioo a 6$, 7 e 8*.
500 rs. o covado.
3/ e
mm on nm.
A' praca circular do Apollo
vende-se:
Tijolos de roarmore, de differentes ta-
manhos e qualidades.
Tijolos francczes, sextuplos.
Cituento Portland verdadeiro.
Azulejos grandes muito proprios
para rodapds.
A*uIejos vcrdes e amarellos, tamanbo
Cordclro NimOe* c, proprietaries' regular,
leste importante estabelecimento, no louvavei pro-I Haquiuas de desc&rccar algodao.
>rosito de nao desmentirem o coneeito que os; Cadeiras de ferro, assento de palhi-
igus Bumerosos freguezes Ihes tern dispensado, TT^" '
is nco sor- uha, prepnas para campo._______________
E' pechincha.
DILE&A
Asunicas verdadeiras
Bichas hamburgnezas erne vem a este marcad*
na ma do Maranet da olinda n. 51
#GRANDE
Liquidacao
DE
Chap6os de sol de todas as
qualidades
Mm. Falque convida ao respeiiavel publico e
particularmentfl aos sens fregaezes, para que apro-
veitem a occasiSo desortlrem sedechapeos de sol,
os quaes se vendem por baralis'imos preijos, pois
deseja dimiouir o grande deposito que tem dos
mesmos, e de todas as qnalidades, como sejam :
de seda, panno e alyaca. para homens, senhoras e
meninas. No nifsmo estabelecimento ha um Op-
timo sortimento de seda, alpaca, merino e brim
para coberta dos mesmos. lla tambem chapeos
de panno com dous forros, proprios para os ba-
nfcos do mar, a 1:500 psra acabar.
Vende-se
No escritorio de Thomaz de Aquino Fonceca 4
C. Successors, a rua de Vigario n. 19, primeiro
andar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Lisboa.
Vinho Sherry.
Vinho d Porto em caixas, finissimo.
Idem em barris de quinto e decimo, lino.
Retroz.
Fio.
VENDE-SE
Na rua do Vigario n. 1, vende-se oseguint
Cimento de Portland, em priir.eira mao.
Vinho do Porto, engarrafado, linisjimo, em cat-
za^ de duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
Vinho Sherry, inglez em caixas de duzia.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.______
Wilson Rowe & C. vendem ho sen armaxt
a rua do Commercio n. 14 :_
verdadeiro panno de algodao anil amencaDo.
Excellente fio de vela.
Cognac de qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qnalidades.
Nova remessa.
Vinho verde de Ajnaranlc
Convtda-se os aprecia"dores a virera apreciar o
que ha de mais excellente neste artigo; vende-
se em decimos e a retalho, em casa de Pocas
4 C, a rua estreila do Rosario n. 9, junto a
greja._____________________________
Coll a superior
DA
Fabrica Camacho
Ja ebegou para o nnico deposito, no eseriptcrio
de Jjaquim Jose Goncalves Beltrio & Filho, a rua
do Commercio n. 5.
Farinha de mandioca
superior, chegada pela barca Saphira ; tem para
vender malsbarato do que em ontra qua'qoer par-
te, Joaquim Jo?6 Gon^aUes Beltrao 4 Filho, no
sen escriptorio, a rn> do Commercio n 5.______
OS
Grnade exposicao
i,ojo
Grande sortimento de chapeos de palha para
homem a 1J800 e ii, prego realmente baratissimo
em vi'ta da qualidade, e mnito proprios para a
festa : na ma do Passeio n. 60.______________
Cimento Portland
No caes do Apollo, armazem n. 69, de Jose
Duarte das'Neves, vende se o verdadeiro cimento
inglez Portland, a modico preco.
Potassa nova
chegada recentemente, verdadeira, em meios bar-
ris : vendem Cunha irmaos & C, rua da Madre de
Deosn. 3i.
Percales flnas a 400 rs.
Venfle-se percales Cnas para vestidos a 4CO rs.
o covado.
'Chitas Gnas a 2G0 rs.
Vende-se chitas de cores escnras a 260, 280 e
320 rs. o covado.
Cassas de cores a 260 rs.
Vende se cassa9 de cores finas a 260 e 320 rs.
o cevado.
Cambraia victoria a 3 500.
Vende-se peca de cambraia victoria a 3:500,
4je5. Cambraia transp: rente a peca a 3-,
3*500, hi e 54.
Cortinados a 61.
Vende-se cortinados para janellas a 64 e 7i o
par.
Algodaozinho
Vende-se pecas de algodao de tjdas as quali-
dades e barato.
Bramante.
Vende-se bramante de 10 palmos para lencoes
a 14600,24 e 24500 o metr.
Algodao enfestado a 900 re.
Vende-se algodao de duas larguras enfestado a
900 e 14 o metro, dito trancado a 14280 o metro.
Graode liquidac&n de roupa feila.
Vende-se cenulasde algodao a 14. ditas Unas
a 14200 e 145 0. oamista brancas a 14800, 21 e
24500, ditas de linho bordadas e lizas a 34 e
345(0, paletots de alpaca preta a 3|500, 44 e
44500, dilos de dito de cores a 24, camisas de
flanella a 24, ditas de chita a 1*280 e 24.
Festejos
Grande liquidaQao de fazendas finas e do
mclbor gosto, para vestidos dc festa, na
lftjn n. 44, & rua Duque de Caxiss.
Popelinas de modernissimos padroes, covado a
600 rs.
Ditas de ditos a 14200.
Ditas de ditos a 14400.
Ditas de ditos a 14600.
Cambraias organdys de padr5es e cores inteira-
mente novo9 e modernos, covado 320 rs, c6rtes
de cambraia* brancas para vestidos, bordados e
com babados, a 64-
Chapeos imiernos, gosto allemSo, para senhora,
proprios para a estacaa da festa, a 24500.
Ditos de diversas qnalidades, para homens, pelo
barato preco de 24, 24500, 34 e 44-
Camisas france'.as e in?lezas, de diversas quali-
dades, a 14500, 24, 2.50J e 34-
Collarinhos de linho, lisos e bordados a 400 rs.
Toalhas de linho para rosto a 400 rs.
Lencos finos com barra, duzia 14400
Ditos ditos brancos, duzia 1^500.
Metins esc eezes, inteiramente novos, proprios
phacraa mbre9, covado 240 rs.
Meias BoMsimw, para senhora, duzia a 3;600.
Lazinhas, chitas, cambrias, madapoloes, algo-
dees, brins, por pregos baralissimos, bem como
outros muitos art gos que 5e acham expostos para j
os amigos do bora e de barato, por 25 0|0 menos
que em outra qualquer parte, fiuahnente tudo,
tudo se acha em liqnidacao.
mm m fan
Bjoquetj de cravos e de todas as 11 ires, capellas
e velas para baptisalos, de muito gog.o, por barato
preQO, e tambem recebd-?e encommendas tres dias
antes : no pateo do Livramcnto n. 36, loja de
cera.___________________________________I
I\iio his quern veinia mais liaralo!
Gama & Brito, com irmazem de molhados no
largo da Santa Cruz n*. 2 e 4. vendem manteiga in-1
gleza em Larril a 800 e 1,000 rs. por daw 450
grammas ; vinho de maca a J,200 a garrafa, dito
Pigneira a 440 a girrafa, a Canada a 3,400 rs.,!
gaz (Devos) iiquidoaiiO a garrafc, velass'.earinas
a 560 o ma5", velas econcmicas a 760 o maco, \
cha perola a 3,200 rs. cada 450 grammas, dito al-
jofar superior a 3,000 rs. cada 450 grammas, am ,
completo sortimento de biscoitos em latas.que te '
vendem nor precos baralissimos, bervilhas france-
zas a C40 a lata, mam elada muito fina a 640 rs. ]
a lata com mcia kilc. queijos frescos, azeite doce ,
de Lisboa a 640 a garrafa, as-ucar de primeira '
sorte a 320 rs. o kilo, dito de scgunda sorts a 28 :
o kilo, dito de terceira sorte a 240 o kilo, vinho do j
Porto, em barril, a 800 rs a garrafa, dito engar-
rafado das marcas mais acreditadas a 1,000,'
1,200 e 1,5.0: o que pode.haver de melliur e
tudo mais a vontade dos compradores, certos de
que encoDt'arai a maior sineeridade e agrado
possivel : no largo da S;mta Cruz ns. 2 e 4, arma-
z em deGama & Silva Brito.
Admirem
trnnmlinn de seda a 1O0 rs.
Na loja do Pavao vende-se finissimas granadinas
de seda com listras assetinadas, fazenda que sem-
pre re vendeu a IrSOO, e liquids a 400 rs n env.
do ; assim como manguitos e golinhas de cam-
braia bordadas a 15 cada nm, e pechincha : na
loja do PavSo, rua da Imperatriz n. 60, de Pereira
da Silva. ___
Traves.
Salsa parrilha
Muito nova e grossa.
Vende-se por barato preco, em porcao ou a re-
talho : na ma larga do R isario n. 34._________
Cal de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpo
Santo n. 17, 1* andar, escriptorio de Joaquim Ro
drigues Tavares de Mello.
Rua 1 deM&rco n. 14 r
Gusmao & Leal receberam grande quantidade de
cortes de casemira para calca, e vendem por 45
cada corte, assim como" vendem sctinetas para
vestidos, fazenda linda, por 400 rs. o covado, fazefl-
da de 800 r*. : s6 na rua 1* de jftrgg n 14.
E'BOM SABER-SE
Que a NOVA ESPERANQA, a rua Duque dj
Caxias n. 63, bem conbecida pela superioridade de
sens artigos de moda e phantasia, aeaba de rece-
ber diversas encoromendas de mer.adorias de sua
reparticao, que pela eleganei i bem mostra aptidao
e bom gosto de sens antigos correspondentes da
Europa, e por esta razao a NOVA ESPERANCA,
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e constante freguezia e com especialidade ao sexo
amavel, a visitarem na, afim de apreciarem ate
onde toca o primor d'arte.
A NOVA ESPERANQA nao quer ectrar no nu-
mero dos roassantes (verdadeiros azucrins) com
extensos annuncios e nem pretende descrever a
immensidad3 de objectos que tem expostos a ven
da, o que serla quasi impossivel, mas limitarse-ha
a mencionar alguns daquelles de mais alta novidade
e toma a liberdade de aconselhar ao bello sexo,
que a visitem eonstantemeute, para depois que
comprarem em outra qualquer parte nao se arre-
penderem, a vista do bom e escolnido sortimento
que ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
bem demonstra que qualquer Senhora do bom torn,
nao podera completar a eiegancia de sen toilet
sem que d6ura passeio a NOVA. ESPERANCA, a
rua Dnque de Caxias n. 63, a qoal acaba de rece-
ber os scguint s artigos de luxo e inteira novida-
de :
Modems settas para prender os cabellos:
Primorosos leqnes de phantasia.
Booitas sahidas de bailes para senhoras e meni-
nas.
(nteressantes gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de touquim.
Buns aderecos de madreperola.
Delicados aderecos pretos de pufalo a borracha
feosto novo).
E' sempre assim.
AO SEXO AMVVEL.
A Nova E'peramja, a rua Duquo de Caxias n.
63, tema a lioerdade de a visa r ao bello sexo, que
acaba de reeeber diversos artigos dealta novi-
dnit,>, na qoiM pt3o expostos a vunda em dito
estabelecimento, 6 bom quo venham apreeial 09 .
para por esta forma satisfazerem o? capricbos de
sua- elegantes toilettes.
A Nova Esperanca, nao qu>-rendo tornar-se |
massante, limita se a mencionar alguns artigos
dos mais em voga no nundo das modas, os quaes
sao os seguintes:
Lindos cioKs de couro e flligrana.
Modernos bctdes de a50 para vestidos.
Xovos leques, grandes, matisados.
Elegantes flvellas de aco para vestidos;
Delicados ramos de fl ires de laran;eira.
Bolsas de couro e filigrana, prcprias para tra- apetes
zer pendentes ao cinto, __________^^
Eserava
Para vender na rua, precisa se alugar uma es-
crava : M rua da Florentina n. 22.___________
Assucar candi..
0 melhor e mais bonito, preparado e aper-
fcicoadp por systema novo, vendem BeitrSo 4
Quintal, cm sua refinacSo a rua do Barao do
Triumpho n. 56.__________. -;_______
icabam de receber de sua conti 0 ma
imento de sedas, popelinas, las e artigos de ul
ima moda em Paris, e conlinuarao a receber
jor todos os paquetes daquella procedeneia; por j
sso Chatham a attenc.au de sens freguezes e os
onvidam a darem nm passeio ao sen estabeleci- J
nento, garantindo-lhes que encontrarao a reali- j
lade do que 6ca dito, e para pr va dao um pe :
ineno resumo, cujo infallivelmente despertara a
ittencao dos pretendentes. I
Handam fazendas a casa dos freguezes, e dao
^raoerras mediaote penhor.
Artigos de alta novidade e
ultima moda.
Cortes de ve.-tido de liuho guarnecidos de bico
la mesma fazeuda e c6r, trazendo flvella, bolpa,
:into, etc etc.
Riquissimos chapeos para senhora, de cores e
jretos.
Cortes de cambraia brancos com lindos bur-
lados.
ni de cores com enfeites da mesma fazenda,
vino, etc. etc.
Capas de la para meninas e senhoras, guarne-
:idas de arminho.
Vestuarios para ha; tisado.'
Riquissimas camisas bordadas para senhora.
Leques de madreperola, para noivas.
Ricas colchas de seda, para casamenlo.
Cortes de seda, lindas corts.
Gorgorao de seda branea e dito preto.
Sedinhas de delicados padrdes.
Setim Macao de todas as cores.
Grosdenaples pretos e de cores.-
Vellulo preto e damasco de seda.
Granadine preta e de cores.
F1I6 de seda branco e preto.
Ricas basqninas de seda.
Casacos de merino de cores, la, etc.
Manias brasileiras.
Capellas e mantas para noiva.
Cambraia de cores, ditas mariposas brancas, de
tores, lisas e bordadas.
Flor do bosque (novidade).
Percalinas de quadro3, listras, etc.
Brins de linho para vestidos.
Fustao de cores.
Saias bordadas para senhora.
Grande sortimento de camisas de linho lisas e
ordadas. para homem.
Meias de cores para homem, senhora, meninos
meninas.
Sortimento de chapeos de sol para homens e
'ifllffTi
Merioas de cores para vestidos.
Dito pieto trancado e de Verio, bomnaziDa, can-
to, alpaca, etc. etc.
Atoalliado de liuho e a'godao para toalhas, e dito
>ardo.
Damasco de la.
Brim de linho branco e de cores.
Setlns de lindas cores com listras.
Chales de merino de cores e pretos
Ditus de touquim e ditos de casemira
Can.isas de chita para bom^r* n rtas de fla-
tella.
Cerouias de linho e ditas de algodao.
Panno* dc crochet para sofa, cadeiras, etc.
Lengos bordados e ditos de latiyrintho.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
ira bailes, e tarlatana de todas as cores.
Qolcbaa de damaseo de II, e ditas de crochet
K.-pariiliiOs Uses e bordados.
Poulard de seda, lindas cores.
Ueias de seda para seutiuiaa c iucu'idos.
Cisemiras pretas e dp. cores.
Popelinas.
Neste artigo temos ura variadissimo sortimento,
tao so em gosto como em qualidade.
Las
xjm listras de seda, ditas com pal nas bordadas,
irtas transparentes e de outras muitas qualidad s.
I.uvan
te pellica brancas e de c6res, do verdadeiro fa-
iricante Jouvin.
Flnaltnente :
apetet para V ta, cadeiras, cama,- enirada, etc.,
ias brancas, chitas de todas as qual'dades,
nadapoloes, esguia*, bMHtUt, bramantes, algo-
Ides, collarinbos, punbos, meias para homem e
s para senhoras, gravatas para homem e senho-
a, peitos bordados, kcos de linho brancos e de
:ores, dites de cambraia de linho, toalhas, guar-
'anapos, panno fino, etc, etc.
Loja do Passo
Rua Primeiro de Marco n. 7 A
antiga do Crespo.
A 160 rs.
Lazinhas de core?, padroes mnito lindos pro-
I lios jara vestidos dc senhoras e meninas, e ven-
de-se pelo iminuto prego do 160 rs. 0 covad i,'
por este preco so se eucontra na rua do Crespo n. :
20, loja d-< Guilliejme & C. ; dao se amostras.
Bom sapateiro
Vende-se ura escravo sapateiro de toda obra, e
de boa figura : na rua de S.-n!o Amaro n 6, se-
I gnndo an^ar.
1-
ili-
por-
por
tr.-
mais
U e
Vende-se trav*s de louro e qualidade; para
ver no caes do Ramos, e trata-se com Joaquim
Rodriguei Tavares de Melto, a praca do Corpo
Santo n. t7, U* andar. ^^___^_
Lazinhas brilbautes a 720 rs.
0 Pavao recebeu um bonito sortimentj das mais
lindas laziahas brilhnles, sendo de quadrinhoo
miudinhosi parecenlo de uma so c6r, e tendo diffe-
rentes cores ; esta fazenda tem um brilho corns
seda e bastante largura, e vende-se a 720 rs. 0
covado : na rua da Imperatriz n. 60, loja de Felix
Pereira da Silva.
Lazinhas modemas a 320 rs.
0 Pavao vende bonita* lazinhas de qnadnnhos,
tendo de tolas as cotes, pelo barato preco de 320
rs. 0 covado; sendo fazeuda que sempre se vendeu
a 500 rs. e p; chine a : na rua da Imperatriz n
60, loja de Felix Pereira da Silva.
Crochets para cadeiras.
0 PavSo vende uma porcao de panes de cro-
chet, proprios para encostj de cadeiras e de tu-
fas, que vende por precos baratlssimos : na rua
da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da
Silva.
Cdrtes de organdy a 2$.00
0 PavSo recebeu um bonito sortimento de cortes
de organdy, matisados, para vestldo, que vende
pelo barathsimo preco de 2.400 0 corte, 6pechin-
cha : na rua da Imperatriz a. 60, loja de Felix
Pereira da Silva.
0 Desengano esta quei-
mando
A 360
rs.
Imperial fabrica de rape
ai*afina de Moreira & C.,
da Bahia.
Oeste excellente ripe, que se lorna reeommen
davel aos amantes da boa pilada tem estabefeei-
do esta fabriea 0 sen deposito a rua do Commer-
cio n. 5, qoe vendem por junto' e a retatho, fa-
tendo se Vantagem a quern e- mfpi'sr pctrrao.
Bazar Universal.
Tem chegado a este estabelecimento nm gran-
de sortimento dos seguintes objectos : Ratoei-
ras magicas para rat->9, bonito sortimento de b>
necas de todos o~ tamanhoi, para crianga, cadei-
ras de halanco e r.ntros muitos artigos de rriohi-
lia, camas de ferro, aderec dernos, capa-hos, objestos de metal para servico
de mesa, espelhos de todos os tamanhos, e outros
muitos artig)s, que tudo se veide barat] para
satisfazer 0 deseji- dos freguezes
da Victoria n 22.
Vende se cambraias organdys de cores com .flo-
ras mlndinhas e de seda e la, padross modernos
e ainda pouco vistos, fazenda muito flna e vende
se por 360 rs 6 covado, e baratfsitmo : na rua do
Crespo n. 20, loja das tres portas de Gnilherme
&C;________________________ .
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA^ vende papel
proprio para cigarros
de diversas
arguras.
ii'nl
A 500 rs. o covado
Naloja do Pavao vende-se lazinhas japonexas
de cores muito modernas pelo baratissimo precc
de 500 rs. 0 c-vado, para acabar ; noUndo-se que
6 fazenda que iamais se vendeu por menos de
dois crujados ; ja ha poucas : i, rua da Iniperatrii
n. 60, hij* do Pavao, do Felix Pereira da Silva.
Lustres, candieiros e aran-
dellas paragfai.
No novo estabelecimento, Grande Exposicao, na
rua do Imperador n. 35. junto ao escrfptorio da
companhia do gaz, vendem-se FustTfS, eanVheiros e
arandellas de differentes tamanhos e modernos
gostos, tanto de vidro como de bronce, e tttdo do:
melhores fabricantes que ba na Inglaterra. Tam-
bem se vendem globos de bonitos padr5es, chnmbo
e tudo 0 mais que for preciso para 0 ServFco do
b. E como os donos de5te estabeleoimsnto maa-
dam vir de conta propria e se qnerem acreditar,
vendem tudo mais barato do que quatquer outro,
para 0 que os compradores podem experimentar.
Pentes girafe.
Pcrites girafe, proprios para sentora, ( ultima
moda) : a Magnolia a rtra Duque de CMias n. M5
e sa quera tem.
Papai, mamai.
Como sao lindas as bonecas de eefa que cha-
mam papai, mamSi, choram, andam, etc So ita
Magnolia a rf Ouqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolas.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias ti. 4"5,rt-
eeb^n gafOlas de aratae de lindisshnoS modelos,
proprras para passaros ; a ell is antes que se aca-
bem.
0 proprletario deste estabelecimento tem resol-
vido vender as fazendas existenles em sen estabe-
lecimento, por menos do que em outra qualquer
parte.
Vanzin&e de seda.
Vende-se esta fazenda de lindos patroes, de Ul-
tras e palrflas, pelo diminuto precU de 320 rs. 0 co
vado, por ter uns toques de mofo, e grande pechin-
cha. Esta fatendt tambem serve para Into, per
ser toda preta; 6 fazenda de 2*300 0 covado.
Damasco de la.
0 Desengano esta vendendo damasco de la de
lindos padroes e de duas larguras, pelo baratissi-
mo prep) de 1*000 0 covado, e fazenda de 2#5O0.
Aproveitem qne 0 Desengano esta queimando.
Casaquinbos de gorgorao de seda.
0 Desengano esti veodeado casaquinhos de gor-
gorSo de seda, enfeitados, peto baratissimo precd
de 6*000 cada unr, e frande peebincha. A elles
antes que se acabem.
Organdys a 320- rs. 0 covado.
Vehflem-se Organdys de listras, braBfio, peto ba-
rate preco de 320 rs. 0 covado. Aproveitem.
Madapoloes de 49000 a peca.
0 Desengano esta vendendo madapolSo francez
com SO varas a 4* a peca; dito mui'.o Dno, a 5*,
Sj|r500, 6* e 7* a pe'ci ; e grind* pechincha.
Algotfio marca T, largo, a 4*, 4/500 e H a
. Ricos chapeos de aol de seda, com cabo de mar
fim, a \Z% cada um ; e pechincha.
Baptistas de lindos padroes a 400 rs. 0 covado.
Latinhrt de CWres, bonitds padroes, pelo diminu-
to preen de 160 e 209 rs. 0 covado. A eHas antes
que se acabem. M. mi.
Cambraia VicDrii, a 3#500, 4/, 4*500 e 5* a
{fe?a.
Alpacas de eons, la e seda, bonitos padroes, a
600 rs. toffUia; e gra%de paebinefca. r
Metins de cores, bonitos padrSes, a 280 e 300 rs.
^htfes'cl8ras ieMSdi pa'drWs a 240,MOe *#>
re*.
' Retalbos de las.
0 PavSo vende uma pcrcao de retalnos t
para vestidos ti udo grandes e pequenos, q
quida barate para acabar, assim como urn*
cao de cassas e chitas pretas que se vende
qualquer preco para acabar : na rua da lu
tr z n. 60, de. Felix Pereira da Silva.
Espartilhos, a 3*500,4* e 5
0 Pavao vende um boiiito sortimento dos
mode~nos espartilius que Vcude a 3*5.0,
5*000.
Pechinca em lencos branc s a 2 500.
0 Pavao vende duzi-s do l.ncos finissiraos de
cambraia branea para tnio, sendo fazenda que
sempre se vendeu a 4.COO a duzia e li.juida-:-e a
2*960 por ter grande porcao de duzias, ditos abai-
uliados a tj, ditos chioez 1 muito fin-'S e dilos
francezes escuros muito finos para quem toma
rape.
Cassas de cores a 240 rs.
Vende-se cassas de cores para vestido a 540 rs.
0 covado : na loja do PavSo a rua da Imperatriz
a 60.
Camisas.
Vonde-se uma grande porcao de camisas bran
cas com peito de linho e de algodao, por muito
menos do seu valor, por eslarem um pouco enxo-
valhadas, assim como si roulas francezas e de al
godio a liSOO, ditas de linho a 2> e 2C500 para
acabar: na loja do Pavao rua da Imperatriz n. 60
de Felix Pereira da Silva.
Roupa para homem para acabar at6 ao fim
do anno.
Na loja do Pava> liquida se uma grande porcao
de roupa para homem como sejam : calcas de
brim d'Angola, ditas brancas, ditas de casemira de
cor de 65 ate 12 j, ditas de brim cores, palitols
e fraks de panno preto, de alpaca e alpacao, as
sim como de casemiras de etrea, colletes brancos,
pretos e de ewes, sssim como roupa branea de to
das as qualidades, nao se olha a prejuizo, 0 que se
quer e liqnidar ate ao fin do anno.
Cambraia Victoria etransparente
Na loja do Pavao vende-se um grande sortimen
to de cambraia Victoria e transparente para ves-
tidos tendo 8 1/2 vara cada pessa de 3.600 para
cima, isto na rua da Imperatriz n. 60 de Felix Pe-
reira da Silva
Cjilarinbos de linho para acabar a 43
a duzia |
QNa loja do Pavao liquida se uma grande porcao
dc dnzias de c"llarirrhos de linho, por estarem nm
pouco enxovalhados, pelo barato preco de 4i a
duzia, sendo fazenda que sempre se vendeu por
7i e pechincha : a rua da Imperatriz n. 60, loja
de Felix Pereira da Silva.
Chales de casemira a 4*.
0 Pavao vende chales de casemira com gostos
cmnezes, seuUo uiuliu gidodes, quo sempre cn
deu a 7* e 8i, liquida a 4j. Ditos de la, mnito
encorpados, com listras, a lj. Ditos de quadros,
azeada muito b. a 2.; ; assim como, um bonito
fortijiento de ditos de merino, lises e de quadros,
vende de 20 ate 5; e 6* : a rua da Imperatriz
n. 60, loja do Pavao, de F. Pereira da Silva.
Popelina de linho a 400 rs. 0 covado.
0 Pavao recebeu nm elegante sortimento das
mais bonius popelinas listradas para vestidos que
vende pelo barato preco de 400 rs. 0 covado, la-
vando se nao de?botam ; assim como, bonitas e
modernas laz nhas com listras de seda a 640 rs.
0 covado. Ditas transparentes com palmiohas a
500 rs., sao bonitas. Bareges de uma s6 cor, pelo
barato preco de 400 rs. 0 covado, e pechincha :
na rua da Imperatriz n. 60, loja do Felix Pereira
da Silva.
Corles do vestidos p-ra liquidar.
0 Pavao vende a 4^, 5* e 6* corte de cam
braia branea com eufeites bordados de cor, fa-
zenda que sempre vendeu a 7* e 8*, e liquida a
4* para acabar. Ditos brancos de cambraia aber-
la com listras e lavradinhas, que sempre se ven-
deram a 10*, liquidam se per 5*. Ditos Benoalao
com lindos eufeites de co:, fazenda que val 12j,
liquidam se a 6;. Ditos de cassa de cores com
7 varas a 3* ; "e pechincha : na rua da Impe-
ratriz n 60, loja de Felix Pereira da Silva.
Pechincha para criancas.
Meias a 2*500 a duzia.
Toalhas de fustao para mesa a 2,500.
0 pavSo vende toalhas de fustao para mesa de
jantar pelo bar. to preco de 2*500, e' pechincha
na loja do Pavao, a rua da Imperatriz n. 6
loja de F. T. da Si va. __
Brins de Angola a 2*, 2.500 e 3*.
0 Pavao vende cortes dos verdadeiros bins de
Angola a 2:, 2*500 e 3* ; 6 pechincha : na rua
Sa Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira
dilvai _^_-._______
\' rua do Cahiifta a. I
Os proprietaries da 1 redilecta, c -
:onservar 0 bom concfite que teem lucjaalB
respeiiavel publico, distinguindo 0 sea cataM
nento do* mais que n. gociaiu no m-.cw
veem scientilic3r aos MM boas irigueae*ojM^
veniram aosseus corresi.oudeutes iis d..
;as d'Europa para lhes enviarem por t quetes os objectos de iuxo e bum goti>j, j
jam mais hem aceitos pelas sociedrtdtfi
daquelles paizes, visto aproxiniar m a
festa, em que 0 bello sexo d*st> i
mais ostenta a riqueza de suas uiiteCM
mo ja recebessem pels paquete francez
artigos da ultima moda, veem pnleivat
d'entre elles que se lornam mais ricon
esperando do respeiiavel puMicj a t
coucurrencia.
Aderecos d tanarufra 01 mats ici-- pi I
vindo ao mcrcado.
Albuns com ricas capas de madreperaac
velludo, sendo diversos tanianbos e Ls*.r jp
os
Aderecos completes de borracha p.-. Htm-m
Into, tambem se vendem mcios aiere^es tsaa1
otto*.
Botoes de seiira preto e de cOrcs pan
nestidos de senhora ; tamo jm t-:i MM alitot
Bolsas para senhoras, ex-te um b*Ko tn
der seda, de palha, de ^chagrim, e4c^ **_
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tact3 M
como de cera, de borracha e de iuassa
mos a atteu.-So das Exmas. Sras. para
pois as vczes lornam-se as criancas nm pm a
pertinentes por fa lla de um obieclo pi t* -m-
'.retenham.
Camisas de linho lisas e com pchot av-fjkiai
MM homem, vendem-se por pree > ctnntait
Ceroulai de linho e de aigedae, de Ml
os.
Caixinha? com musica, c que ha ik* n,* 1
com disticos nas tanipas e proprios r>%r* y
te
Coques os mais moderno* e de Divers*
tos.
Chapeos para senhora. P.icsberam Mi 11
da ultima moda, tanto para senhora, c- meninas.
Oatiellas simples e com veo paia a>
Calcas bordadas para menina-.
Entremeios estampado* e bortaiM
lesenhos.
Escovas electricas para denies teir;
lade de evitar a carie dos dente-
Franjas de seda pretas e de cores, <
{-ande sortimento de divercas largurac
oreco.
Fitas do saria. de gcrgurao. d ?':?.
?lo'9, de divenus largura? c fc-nii> c vat
Fachas de gorgurao mnito ItaMa.
FktM artificiaes. A Predileeta ;nmaeK
ervar sempre cm bello e grand-1, sorti-x
tas floies, nao so para enre.:.' d' = eJ I 9m
ambem para ornato dc vest: !o dc a I at
Galoes de algodao, de li e do Mia, MMj -*.4M-
os ei de diversas cores.
Gravatas de seda para homem < MMa
Lacos da cambraia e de seda d.> diver.- aM
para sennora.
Liga* de seda de cores e branea- Lor'ais" ^M
noiva,
Livros para oavir missa, con casM
perola, marfim, 6s^o e velluuo, loan fn lot ia
bom.
Pentes de tartaruga e maif.:;. para -:.- r*-
belios; teem tambem para lirar ca-;,.i .
Port bouquet. Um bello MTlliin.ilto *s aM
perola, marfim, 6sso e duurados j r L.ri pwifc.
Perfumarias. Neste artigo e. U a -- JMk-
provida, nSo so em exlractos, coa oa: nm*
banhas dos melhores odores, cos 1 ;au ad
fabricantes, Louhin., Pi ver, Sotwdadt V-
Coudray, Go*nel e Rimel ; sai ndi-t c:pwIMM
\ festa.
Saias bordadas para seuhur, po: (..jscjlm
yreco.
Sapatinhos de la e de setim Mrd wa>-
Bsados.
Tape tea. Recebeu a Pn-dilecia \i,a bofii* **-
menio de diversos tamarbos, Unto paM
mo para entrada de saias.
Vestimentas para, baptisado 0 que h; is 1
gosto e os mais moderno rccobtu a PiMast
de or arcto preco, para liear M
inalquer bolsa.
.

60,
da
Alia novidade.
0 Barateiro, a rua 1" de Marco n. 1, acaba de
receber grande sortimento de enlremeios e babadi-
nhos tapados e transparentes, de todas as largu-
ras e vende a 1,000, 1,200 e 1,500, fazenda que
sempre custou 2,500; a uma experiencia n6s os
convidamos______
Para concertar meias
A NOVA ESPERANQA, a rua Duque de Caxu
n. 63, recebeu desta necessaria linha.__________
Para acabar.
Saccos e
280 reis.
Vende se saccos de estopi com nm pequeno de
feilo, proprios para ensacar milho, farinha etc. sio
grandes e de mnito boa qualidade e vende se pelo
diminuto preco de 280 rs. cada um, e pechincha,
vuem. precisar approve! 0 ista a rua do .n 0 Cresp
20, lojadas Ires portas de Goilherme It C
W^E -^ Ifii"S Wl4 0 sitio junto a igre-
ja de S. Jose do Mangu nho, com casa de vivenda
assobradada e outras acommodacoes, todo mura
do.eoni duas frentesiervi as por portio de ferro,
daawa par* a rua da Amizade e para a do Man
guinho. Tem de terreno proprio 194 palmos de
largura e 354 de fundo ; e a casa mede 52 palmos
de Trente e 84 de fundo. A sitaacao e a melbor
possivel para morada, e quem qniter edificar, teri
E ontras muKas fazendas n de de meacio
na-as par* nao se tornar eufadonho, P01"^"90 (bastante terreno para isto,. pelo Udo da ma da
proprletario convida a todas as pes80|s^a Jffl 1 Amizade. Tem agumas plantagSes de goto e re-
J9IAC,1PH.AKN
Na leja do Pavao vende-se madapolSes france
zes mnito Incorpados, com 20 jardas a 6.000 reis,
dilo moil finn com 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as
sim como om grande 'orlimento de madapoloes
a raa do Bario hsgtezes de 4,500 ale 8,000 e 9,000 : a rua da Im-
, perairfz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Olinda
Ooa acqnisicta.
Vende se um sobrado sito na pateo da Se, em
Olinda, ediflcado no ch5o proprio, com-frandes
accoromodacCes para-nninenjsa familia, reedifl
cado e pintado de novo, com bellissima vista,
mui'.o fresco e com quintal: a tratar no pateo
de Pedro II n. 6, t* t.ndar.
creio, havendo baetante agua fornecida por duas
caeimfeas, nma das quaes e nova. A entender-se
eotn o-8r. B+. Witrtrvio qo*m 0 pretender.
uma visita a seu estabelecimento, afim tre aorji-
rem se do bam e laralo. R* do Crespo n. 25,
junto a loja da esqnma. :
Bahngas, pesos mediate
do systema metrico deci-
1a Ortlnadoa a ? Aooo
mul. 0 Pavao vende cortinados bordados, pr. pno
Von Sohsten & t, na rna da Cruz n. 1, ven- 4ra. camas e janellas. a 7* 0 par^6pech.nc.ba
dem um completo sortimento, tudo feito na mes- aue logo se: aeaba ; na, rna da Imperajnz
ma fabrica da Europa onde foram os actuaeslde Felix Pereira da S ______
padrSes exlstentes ba camara municipal desta
Wttfle_____
n. 60
Vinho verde.
Especial chegads do nltimo vapor, tem para
vender era barris de quinto e de Colares em
decimos, no seu escriDtorio a raa do Commercio
n. 5, Joaquim Jose Goncalves Beltrao 4 Filho.
Burros & venda.
Ignacio Deir6 avisa a seus devedores qne esta
em seguimento para Pernambuco, onde ate dia
10 de dezembro espera quo lhe maodem satisfazer
seus debit'is na casa de Joaqnim Juse Goncalves
BeltrSo & Filhos. Conduz excoil- tes l.nrros para
vender. Pilar, 23 de noverabm de 1874.
m 0 i.u fflMi
A' rua 1 de Marco n. i
C'oufronle ao arco tie Saaafa
Antonio
Continna vendendo snss fazeudvs cam 29 #
cento menos do que seus antigos precis, feb-f
faz disso sciente aos seus fagMus.
A saber :
Grande sortimento de babadiuhos e eo.'-.J
bardados, Mia 1*. 1*200 e l*i00 I Qio pmm
pt^hincia.
BRILHANTINA de cores, fezenda suiwnax,
mais moderno que ha, a 500 r- 0 a
DITA branea para iOO rs.
CHITAS Claras e escuras a i\\ 280 e JM
fa-enda superior.
BAPTISTAS de cores escuras e Ma ,"*=* **
e muito finas para 400 rs. 0 cuvado
CAMBRAIA branea Victoria e iravpaiwBefM
a 4* e 4*500 a peca com 8 1(2 satu 1 Sai.
LAS1NHAS de gostos allemaes a 160 re
barateiro I
CRETONES escuros e claros para 300 e K a
0 covado.
CAMBRAIA para forro a 1*500 a pecacaa*
li2 varas. E' baralo.
SEDA de uma so cor a 900, 1* c 1*1 * vado, fazenda que sempre custou !* ; a &'!**-
es que se acabem.
POPELINAS te selaa 1*400.
DITAS de seda de superior qua idade. **
os mais modernos que ba, a 1*600 t t*8ftl: vem mandar.ver.
ES iUIAO de linho e alfodio par 1 froobas. an
misas. etc, etc., com 7 jardas a 3eV-00 a paM.
BRIM pardo trancado a 400 rs. 0 covado.
BRIM Angola, de cores bonitas e fixas, pMMM
rs 0 covado. ...
CHAPEOS de casemira para homem a JMJM
CHAPEOS de ol le alpaca a 3*. e urufejagtv
ra senhora, a 2* ^^
DITOS de sol de seda para senh< 'a a i*"aM*
para homem a 10*; mas sto paiar-a.
BRIM branco exposicSo a t*K' fJ* **
baratissirro -
COLLKR1NH05 oa aais ntoderaos qne ta, %M
e 7A5O0 a duzia. E' linho e sempre c-'jaist
PUNHOS a 6*500 e 7* a duzia.
TOALHAS felpndas, faa*nda muito b.i 1W1
duzia. M
CORTES de casemira dj cores, aonuos fMar
a 7*. S6 aqni. ^
LENCOS de linho abainhadoa, tazesiz a
boa a 3* e 4*200 a duzia.
MADAPOLAO franz c m 20 varas boa aaaa-
dade e custa 6* a peca i elle, a eHc.
So no Barateiro
A' rna Primeiro de Marco n. 1.
Loja de Agostinbo Ferreira da Silva Leal & C
Venda de terras eaa late*. Me
Ml grantle sliia je fan
te para a estrada de
be e becco do Faandao.
Caoilulino R. dri.ues do Passo e \tnaro dea
ros Correi*, aquelle no hotel d M.'nteirs eaM
em Beberibe :
Vendem lotes de terras de sen sit. aa
frente pr* a estrada da Agua Fri P.*"-'*'-*
be e peto lado n.rte par* o bee* 1 f
sendo os precos dos terreno* d f.-ent.-
7* 0 palmo e nas ruas novameiit.- t^tw
2 e4* As mas estio demarcds peo ^<
nh.-iro SeKe, eom fundos saOcwutes p fnossiti.-s; a planti esU jrrh.vada n-:j
de Olinda e ha copias em p der dw |T"PtM
uaf m>.strarao aos pretendent-'s.
Qu>'fO qniter dirija-se a algnm des 1
r.u ao ditoSr. eoveoneir". on 1111U a B'if'a
A Guimraes, a rna da C'oz n. 6
Vende-se am rarro M <|u m r-*
boi, por commodo pre? : a ver n tr-u<
do General Seara, antiga do laav-in n. W
\\
i


8
^iario de Pernambuoo Qumta teira 17 de Dezembro de 1874.
VARIEDADE
V
opora
DOUS HOVOS TENORES.-Debutaram
ultimamente dous tcnores era Paris, Mr.
Fernando, natural de Balle Isle, na Breta-
nha, debulou no theatro italiauo no Othello,
de Rossini.
Diz Eugenie G.mtier que o debutante tem
ujaa voz cxtrasa e anima-la, luminosx, co
mo dizam os italiaues, o quo e um tenor
di coraggio, po-suiub uni qinlidaJo h >j i
rara nos cantores, qoe e eant-ir com faci'i
Jadee valenlia, oslentan !o 11 la a torca da
sua tot. No duett) i!o 2 acto da
arrebatou os espida lores.
No dia 6 de noverabro debutou na )pera
franceza, ins Huguenoles, de Mayarbaer,
outro tenor, polaco, Mr. Mierzincski.
Diz o mesmo critico quo o uovel cantor
tern figora elegante e uma l.nJa voz, que se
presta a* expressdo do todos os sentimontos,
assira d ternura, corao A paixao e d colera,
carecendo, porem, ainda de sjr mais col
tivad.). 0 debutante pronuncia o f-ancez
com a accentuagdo slave, e quo nao agrada
muito aos francezes, mas ndo obstsnta es-
tes pequonos def.-itos f;i muito applau-
dido.
feito por elle, dirigio lhe alguraas recora-
mendagdes para a farailia e partio acompa-
nhido do padre e de um brigadeiro de
gendarmeria. Durante o trajecto, levava
na mdo um crucifixo e respjndia com o
brigadeiro ds oragdas do capelldo.
As tropas da guarnicSo de Limoges ti-
nbam to las onviado doslacamontos para o
campo da manobras. Mr. Favier, capitao
do 14" de linba tinha sido nomeado pelo
president do consollio de guorra para pre-
sidir a execucSo.
Ueinava silencio profunJo naquelle
reciato, os assistentes eram poucos; o tem-
po encoberto augnentava ainJa a tristezt
lo terrivel especlaculo.
B delta, danJo o brago ao pidre, foi
collocar-se ao pe do monticulo do t;rra que
se tinha erguido na extremidadedo Ca.npo,
e diante do qual se levant -ra o poste. Con-
servava a attitude Grmee serena que tivera
des le o momento em que soubcra que che-
gara o sou ultimo dia.
Diante delle veio postar-so o pelotdo
do cxecugao, composto de quatro sargentos,
quatro cabos e quatrj soldados. Mr. De
leporle, secretario do conselho de guerra,
leu o tbeorda sentenga.
um novo realce. Ligada com todas as au-
NOVA LUZ. -0; Srs Djlachanal e Mar-
met, cliiraicos do labjratono do Sr. Du-
mas, na escola central de Paris, acabam
de co-nbinar aim nova luz applicavel d
photograpbia de noite, que o Journal des
Debats iudica pela seguinte maneira :
t Quando u'um frasco se intlamma bio-
xyJo deazoto, contendo on suspensdo va-
por de sulfureto de carbonio, produz-se
deslumbrante claridade que em alto grd >,
tem a propriedade de impressionar a chapa
daguerrica.
Depois da expIicagSo scienlifica do appa-
relbo, o raesmo jornal diz que a intensidade
da luz permitte allumiar grandes superfi-
cies, mas que os olhos podem supporta-la
sem por isso serem affectadoi, e que o seu
custo e menor do que o das outras luzes.
Estas vanlagens fazem esperar que podera"
ser applioida a luz de sulfureto de carbo-
nio nao s6 d; reproducgoes photograpbicas,
mas a dos objectos microscopicos relativos
ds sciencias naturaes.
Comtu I o o Sr. Henriqne de Parville fez
a esse respeito as seguintes recommenda-
goes:
A nossa lampada d-ve ser manejada
com certa prudencia ; naj aconselharemos
a entrega-la nas raaos de qualquer pes-
soa.
0 sulfureto do carbonio faz detonacao em
condicoes que ainda sdo muito raal conhe-
cidas pela sciencia actual.
Tem-se visto muitas vezes, nos cursos
publicos accilentes causados por explosoes
imprevis'.as. 0 Sr. Ltebig, por exemplo,
apezar da sua grande babilidade corao ma-
nipulador, nao pode evitar uma dessas ex
plosdes n'um curso a que assistia o princi-
pe imperial da Prussia, que ficou ferido.
Ua sempre um certo perigo cm man^jar
substaucia; taa explosivas. E' prudente
advertir os experitnentadores que queiram
servir-se, sem precaucSo, da nova lampada
dos Srs. Manuel e Delachaual.
EXECUCAO.Escrevem de Limoges d
Gazeta dos Tribunaes :
0 crime commettido pelo soldado Ba-
lotte na pessoa do sargento Sittler teve esta
manba a sua expiacdo. Como dissemos,
Balotte, depois da sua condemnayao d mor-
te pelo conselho de guerra de Limoges, ap-
pellara da sentenga. Esta appellagd) foi
rejaitada e nai re^tava mais que o recurso
de perdao formulado pelo defansor do rcj
Mr. Sarazy.
Este recurso foi tambem rejeitado e
houtem chegou ordem de executar Balotte.
Esta manna ds cinco horas, o agante prin-
cipal da prisao militar entrou na cellula do
condemnado e com as precaugoes necessa-
rias participou-lhe a fatal noticia.
Balotte acolheu-a com firmeza.Pre-
firoque spja jd a esperar, disse elle. Pou-
cos instantes depois chegou o padre Cous-
seyroux que por ditlarentes vezes lhe tinha
prestadojd os soccorros da religiao. Balot-
te confessou-se e commungou.
Eraquanto esperava pelo carro que ha
via de conduzi-lo ao lugar do supplicio, co-
meu um pouco de pao, bebeu um copo de
viuhoe conversou com muita serenidade
com o padre Coosseyroux e Sarazy. Disse-
lhe que Sittler lhe tinha perdoado antes de
morrer e que csparava lhe perdoaria ainda
no ceo : que contava com a misericordia
divina e muito estimava poder cumprir
com os seus deveres religiosos.
A's seis horas e um quarto, chegou o
carro, escoltado pela gendarmeria. Balotte
despedio se das pessoas presentes, abragou
Mr. Sarazy agradecendo-lbe quanto havia
Sr. Deleporte, dissi o condemnado sem
perdara serenidade, consiiitaquo lheaper-
to a mao. Agradecido.w Adiantou-se um
soldato para venlar os olhos ao re>; este
desviou o primeiro com a mdo ; jd na pri-
sdo tinha podiJo que ndo lhe poz^ssem
venda ; mas, depois daquello momento de
hesitagdo, o por conselho do capelldo re-
signou-se.
Batiam seta horas : Meu Deus, disse
Balotte, entrego rainha alma em vossas
mao;. No mesmo instante, deu-se o signal
e elle cahio farido com novo balas. 0 padre
que, depois de tar abragado Balotte e recebi-
do o seu ultimo adeus, se prostara ao lado
do pelotao de execugdo, cahio quasi des*
maiado quando a detonagao se fez ouvir,
toridades esclesiastLas, conseguio obter o
apoio da propria imperatriz, a qual lhe deu
o encargo de eslatnlecer coramunidades de
irmSs do cari lade em Moscow e em S. IV
tersburgo.
A abbadessa Mitrofania, abuadando de
certo n i faraosa maxima jesuitica de quo os
fins justiicam os meios, laogou mdo de to
dos os racursos, chegando, a forga de um
excessivo zalo, a commetter graves abusos
de c.inflmga.e atd falsificag63s.
Bastantes boatos circularam]desde logo,
os quaes f >ram considerados corao cdum-
nias; mis as queixas das victimas muiti-
plicavam-se, ate que no fim de 1873 re-
bentou o escandalo, em consequencia de
uma denuncia apresentada no tribunal por
um tal Bazilio Solodoonikoff, a quern aquel
la abbadessa reclamava a restituigSo de
600:000 rublos, importancia de umas let-
tras de cam bio expedidas a favor delle por
seu fallecid irmdo.
Instaurou-se o processo, e a abbadaasa, a
quem de principio se permittio ficr presa
no seu proprio damicilio, foi, d-sdc aquolle
raoraento, transferida para o carcare. Des
de entdo, abateu muito o seu presligio, e os
instauradores d) processo reconhoceram que
a accusagSo era procedente.
Uma das soas primeiras victimas foi um
rico comraerciante, do qual explorou por
muito tempo a 9ua piedade e fortuna, con-
seguindo imitar a sua firma, e emittindo
em seu nome lettras falsas no valor de.....
60:000 rublos.
Deu por fim com o tal Solodoonikoff,
membra de uma seitade eunucos tenazmen-
te perseguida pelo govern*, ao qual offere-
ceu a sua protecgdo em troca de grossas
sommas, as quaes gostoso entregava para
escapar ds garras da justiga. A abbadessa
. porem pdde tdo pouco salval-o, que Solo-
mas levantou-se logo e correu a ajoelharjdoonikoff morreu na prisio antes de ver
junto do cadaver. A morta havia sido torminado o processo. Depois da sui mor-
FOLHETIM
l mmiL do. mmi
MVSTERIOS EINTRIGAS DA COR-
TE DE FELIPPE V,
POR
FERNANDEZ Y GONZALES
VOLUME I
PR1MEIRA PARTE
.4 Tres Esperan$as
(Continuag5o do n. 287)
CAPITULO IX
i>e como as relaqOes do cigano e do guar-
DI\0 SE ESTRE1TARAM.
I
Antes de onze horas da noite entravam
era Taracena e paravara d porta da estala-
gen;.
Tod.i a povoagdo estava completamente
solitari.i o immersa no mais profundo si-
lencio.
Bizarro bateu d porta,"devorado pela
anciedade.
Bateu impaciente, como se fosse verda-
deiramente um fride, porque ninguem em
outro tempo batia d porta d'uraa casa com
mais forga do que um frade.
Da banda de dentro perguntaram quem
era ; Bizarro respondeu, mudando a voz e
fczendo-a fanbosa, que sua paternidade o
padre guardido dos capuchos da Paciencia
de Madrid precisava de pousada. Ao ou-
vir islo, a pessoa que perguntdra quem era,
apressou-se a abrir a porta.
iustantanea e o medico ulgou inutil o tiro
do favor.
< As tropas desfilaram en seguida por
diante do cadaver ao som dos clarins e dos
tambores, e ds sete horas e meia estava tu-
do terminado.
ESTATISTICA CURIOSA___De estatisticas
colhidas pelo director da casa da raoeda dos
Estados-Unidos, deprehende o ditofunccio-
nario que ha no mundo uma massa de
oiro cunhada de 10 a 12 mil milhdes de pe-
sos, que augmenta annualmente em 1 1|5
por cento.
Calculada a populagd} do globo em
1,300 milhdes de almas, corresponde a
cala uma destas 8,45 pesos, mas desconta-
dos ospovosque ndo usam a moeda, pode
afiirmar-se que se a moeda de ouro estivesse
repartida entre^todos os individaos, toca-
riam a cada um 10 duros.
BUREAU VERITAS FRANCEZ.A direc-
gao do Bureau veritas francez acaba de
publicar a lista dos sinistros maritimos acon-
tecidos durante o mez de setembro de 1874,
concernentes a todas as bandeiras. Dd as
seguintes estatisticas :
Navios de vela perdidos61 inglezes, 24
fracezes, 16 allemaes, 10 italianos, 9 no-
rueguezes. 4 americanos, 4 hollandezes, 3
gregos, 3 peruvianos, 3 austriacos, 2 dina-
marquezes, 2 suecos, 1 guatamalez, 1 por-
tuguez e 1 turco. N'este numero com-
prehendem-sa 11 navios s uppostos per-
didos completamente, por falta de noticias.
N.uios a vapor perdidos7 inglezes, 1
hespanli .'I, 1 ailemao, 1 americano e 1
francez.
PROCESSO NOTAVEL.-O tribunal do
districto de Moscow, depois do veredictum
do jury, acaba dajulgar e condemnar um
personagem partencente d aristocracia russa,
que gozava da confianga da imperatriz e
da amizade das mais altas autoridades ec-
clesiastical. Este personagem era a abba-
dessi Mitrofania, do convento de Serpon-
chow.
Foi a primeira vez qne a justiga eo ju-
ry russos liveram de tratar com um perso-
nagem, cuja posigSo, credito e fortuna pa-
reciara collocal-a f6ra do alcance das leis.
Pode dizer-se, pois, que este processo, que
produzio iramensa sensacdo na Russia, e o
primeiro exemplo de igualdade perante a
lei, que se produzio n'aquelle paiz, desde
que se estabeleceram os jurados.
A abbadessa Mitrofania e filha do bardo
Rosen, que foi durante muito tempo go-
vernador do Gaucaso. Entrou na ordem
quando contava triota e quatro annos, ten-
do sido ate entdo dama de honra da code.
Como se ve, entrou em um convento, ndo
para en'contrar um reliro e o esquecimento,
mas para poder alimentar a sele de empre-
zas e intrigas que a devorava.
0 seu zalo pelas obras de beueficencia e
Era um mogo de cavallariga, que langou
mao dos machos e disse em altas vozes ao
passar pela cuzinha :
Old I salta aqui, Maria Peco, acorda,
mulher peccadora, acode que teraos um pa-
dre guardido com o seu leigo.
Ouvio-se uma especie de bocejo brutal ao
fun Jo da cozinha, e, pouco depois, appare-
ceu a esfregar os olhos a sobredita Maria
Peco, que era uma Maritornes das mais ro-
bustas, mais morenas e mais assalvajadas
de quantas tem havido no mundo.
Vossa reverendissima ha de querer
quarto, luz, cama e ceia ?
Guarde, guarde, o tratamento de sua
reverendissima para quando falls com o
arcebispo, irmda, disse o guardido, e leve a
minha paternidade e o meu leigo i um quar-
to onde nos deem de ceiar do que bouver ;
porque, como vamos com pressa, apenas
paramos para tomar algum alimento.
Entre saa merce para a cozinha em
qianto accendo um candieiro, disse Maria
Peco, que olhava com certa complascencia
para a robustez e bom aspecto do guar
dido.
Avie-se que eu espero aqui, disse
frei Jose*. Que faz ahi, irmio Melchor T
accrescentou o guardido, vendo que Bizarro
estava parado um pouco mais adianle do
pateo da estalagem, ao pe da area de pa-
Iha e da cevada, debaixo da agonisanto lan-
terna, unica luz que alumiava o quadra,
a ohar mudo c abstract) para certo sitio.
0 quo Bizarro contennplava era uma gran-
de nodoa de sangue, quo tinha coalhado
entre as pedra*.
Para aqui e que dovera tor trazido
te, a abbadessa Mitrofania poz em circola-
gdo algumas lettras do fallecido no valor
de 600:000 rublos, que os seus herdeiros
se negaram a satisfazer.
N'outra occasido, uma certa senbora, su-
jeita i curatel?a em consequencia do seu
procedimento, recorreu d influente abbades-
sa para fazer levantar aquella interdicgdo,
passando entdo a ser instrumenlo- servil da
Sra. Mitrofania, a qual por meio-de fraudu-
lencia fez circular a sua firma por mais
de 150,000 rubles.
Reunidas todas as sommas doe seus rou-
bos, aproxiraa-se quasi de um milhio de
rublos.
Perante o tribunal a accusada eonservou
uma attitude active inflexivel, a qual se
resentio logo que cooheceu que na^oelle tri-
bunal lhe tiravam es restos do sea anterior
prestigio.
As freiras, nas sues declaragdesr fizeram
quanto foi possivel para a favoreeerera, e
nada diremos tambem quanto ao que fize-
ram por ella todas a* autorid ules ecclesias-
ticas.
Apezar, porem, de- tudo isto, ojwy com-
posto quasi exclusivaraente de commercian-
tes e de homens do eampo, pronunciou o
seu veredictum de culpa sera oenbume ctr-
curastancia attenuante.
A baroneza Rosen, ou abbadessa de Ser-
ponchow, foi por consequencia coodemna-
da na deportagdo por tres annos para o es-
tabeleciraento penitenciario de Jenisaeisck,
devendo depois ser internada por ooze an-
nos na Siberia, com perdiraento total dos
seus direitos civis.
CAUSA CURIOSA.-Um negociaote de
pelles, chamado Brunereau, estabelecido na
rua dos Martyrios em Paris, foi official de
um batalhdo no governo da coramuna, e
tomou uma parte muito.activa nos comba-
tes dos ultimos dias com as tropas deMac-
Mahon.
Restabelecido o governo da republicaem
Paris, os parentes de Brunereau forara a
Versaille procural-o, e, depois de terem
percorrido.todas as prisoes sem o encontrar,
dirigiram-se d autoridade militar para obte-
rera informagoes delle. Um official de es-
ta Jo-ma ior assegurou-lhes que Brunereau
havia sido ferido em uma barricada, raorre-
ra do fe rim en to, e havia sido enterrado em
seguida. Em vista destas informagoes os
herdeiros procederam d liquidagdo dos bens
do defunto e tomaram posse delles Havia
algumas semanas que estavam nogozo pa-
cifico da heranga, quando receberam uma
carta de Brunereau que dizia estar de per-
feita saude, e protestava contra o prematu-
ro fallecimento.
Os herdeiros, fundados na certidao de o-
bito que obtiveram, sustentaram a posse e
propriedade los bens herdados, e Brunreaur
teve de recorrer aos tribunaes para provar
0 PRETENDFNTE TICHBORNE.-Em
uraa carta de Honolulu, segun lo refere o
New-York World, dataia de 8 deoutubro,
Jorge Claridge, velho marinheiro inglez,
nta que onterrou Rogero Tichborne em
1855 na Una Sydney, uma das ilhis deser-
tas do Oceano Pacilico do sul.
Claridge reconheceu as feigoes do defun-
to no retrato publicado na Uluslragdo de
Londres, e refere ass m o acontecilo :
Era 1856 estava a bordo da escuna An-
nie e recolbou dous naufragos que encon-
trouera uma chalupa no mar alto, um del
les era inglez ; Claridge desembarcou na
ilha de Sydnei com o inglez, oqual vinba
jd docnto, e peiorou ; estuido para morrer
pedio uma penna doava para escrever, e
com n sangue do animal trag m algumas
palavras n'um bocado de mdo pspel que
ontrogou a Claridge, pedindo-lhe que o n&o
perdesse, e que mdndasse copiar o escripto
e opublicasse logo que chegasso a um paiz
civilisado ; declarou chamar-se Rogero Ti-
chborne, e pouco dopois morreu ; nos ulti
mos momentos contou que havia naufraga-
doea um naviooue viuha do Rio de Ja
neiro e que tinha andado quarenta dias no
mar embarcado na chalupa ; no delirio quo
precedeu d morte, fallou de seu pai com
quem ptrecia nao estar em b)as relagSes,
e desua mdi a quem se dirigia em francez.
Claridge ten em seu podrr o pipel que lhe
deu o n.ufrago, o tex'.o ndo se pode ler,
mas a assignatura esld perfeilamente dis-
tincta.
0 Times diz que o consul inglez na No-
va York vai empregar as diligancias para
fazer n:apparecer por um proeesso chimico
as palavras oscriptas no pa pel que possue
Claridge. Este aulhograpbo (Jeve esclare-
cer a mysteriosa historia do desappareci-
mento de Rogero Tichborne.
JJTTERATURA.
o guarda d'el-rei, contra quem disparei,
murmur ou Bizarro estremecendo, Elle e
que teve a culpa. A bofetada que me deu
fez-me perdera cabega.
Calae-vos, Bizarro, disse o padre guar-
dido, que chegdra junto delle. Calae-vos,
que a mogi da estalagem aproxima-se, e
fallaes como se estivesseis so.
Aquel le sangue 1... murmurou Bizar-
ro com voz rouca.
Vamos, vamos, padre guardiao, disse
Maria Peco apparecendo com um enorme
candieiro de quatro bicos, dous dos quaes
iam acesos, tomando a dianteira e subindo
as escadas.
Quando chegou ao alto das escadas, de-
teve-se e disse em voz baixa :
Aqui, silencio, padre, porque vamos
passar por diante d'um quarto onde estio
dous guardas feridos, um dos quaes estd em
perigo, pois que o passaram de lado a lado
com uma bala.
E poz-se a andar nos bicos dos pe*s, ao
longo d'um cortedor, seguida do guardido
e de Bizarro,.que ndofaziam ruido algum
com as sandaliag.
II
Parou no fim do corredor, diante d'uma
porta sobre a qual se via toscamenta escrip-
to o numero 5. Abrio-a con chave, en-
trou n'um quarto quadrado de pequena
extensao, onde havia dous leitos deplora-
veis, uma mesa palo mesmo gosto e duas
cadeiras, tudo tdo pobre, tao nu, tdo pouco
aceitavel, comosuccede sempre nos quartos
das estalagens, estabelecimentos que tenaz-
mentd teem resistido ao progresso.
Com que entio sua merce' quer ceiar ?
O armaria de carvaHto.
(Coutinuagdo.)
Ah I ha viote annos, disse o rapaz
sorriode, a rua de Salisbury tem radhora-
do muitu desde entdo para cd. AleWn d'is-
so, que ladrdo se deixaria tentar por um
armario vazio, que esteve dous ou tres se-
culos entre a farailia do arrendatarw- Mer-
rywood ?
G* Sr. Benson dei'.c-o- suspeitosa olbadella
ao comprador, mas tranquilisou-se ao ver
a physionomia franca e aberta d'um rapaz
de vinte e quatro annos- apenas. Effe3tiva-
mente, quo podiaj reeeiar ? e depois-,. que
famosa oecasiao para eeouomisar a despeza
do mogo.
Em boa verdader disse entre sK eu
devia convidar este bonem a tomar alguma
eousa...
Mas esta boa idea desvaneceu-se rapida-
raente, com tantas outras.
Se o senhor chegar d casa de minha
tia primeiro-do que eu, disse o comprador,
laga favor de dizer unieamente que vai- dar
parte de seu sobrinho : espero, porem, es-
tar alii a tempo para eo proprio o receber.
So me demorarei um quarto de bora na
run Maior, e vai m fazendo tarde.
Dizendo isto-, embugou-se o rapaz na. sua
capa, e despedio-se do Sr. Benson.
Este deitou em redor um olbar satis
feito.
Ora vamos, disse, este negocio termina
o dia com am boa to ganho. Que rapaz
tdo perfeito 1 E' preciso quo muito estime
a tia para nio regatear quando trata do lhe
fazer um preseoto. Apressemo-nos era lhe
levar o traste, que sempre suppuz ficasse
aqui um bom par d'annos.
E depois de cb,.mar a criada para lhe
dar parte da sua sahiJa, o Sr. Benson poz
aos hombros o pequeno armario, fchou a
porta da loja, e encaminbou-se com ligeiro
passo para a rua de Salisbury.
A cbuva tinha parado ; chegado diante
do n. 2, bateu sem qua ninguem respon-
desse.
Ola I disro entre si l'arece me que
esta casa e a que tem estado hatanto tempo
com escriptos. Ndo sabia que jd aqui mo-
rasse alguem I Onde iriam buscar a mo-
bilia?
A' segunda argolada, deram por fim sig-
naes de vida ; deixaram-se ouvir uns pas-
sos no corredor, e uma velha abrio a porta,
parecendo assombrada de uma visita d hora
tdoinesperada.
Estava para me deitar, disse, e s6 es-
perava meu sobrinho. Caidei que fosse
elle...
Ndo poderd tardar, volveu o Sr.
Benson; encarregou-uiede trazer d sua tia,
da parte delle, este bonito armario. Esta
tudo pago... a menosque a senhora ndo
queira dar-me alguma cousa para uma pin-
disse Maria Peco, pondo o candieiro em
ciraa da mesa. Pois chegou vossa paterni-
dade om boa noite, porque como desde ma-
nbda ate* d tarde teraos tido na estalagem os
guardas d'el-rei, e estes senhores sdo mui-
to ricos, ficou comi J 3 bastante e boa om
que ninguem tocou, e 'que elles mandaram
vir. Ha perdizes, lebres com a cabega e
muitas outras cousas.
Uma lebre, pio e vioho, disse o guar-
dido.
Para ambos T
Porque, irraaa, entdo um leigo ndo
come?
Eu julgava que bastava que o guar-
dido oomesse, para que o leigo ficasse satis-
feito.
Yamos, vamos, ndoseja raaliciosa,
irmda, disse o guardido ; e avie-se, quero
chegar pela manbda & Madrid, e falta muito
que andar.
Melhor fdra que sua merce ficasse,
fiorque as noites vao estando frescas, e ndo
be havia de falter cousa alguma na esta-
lagem.
Va e ndo replique.
A Maritornes sahio, fazendo um gesto de
desgost .
Ill
0 guardido sontou-se, e Bizarro ficou a
passeiar pelo quarto.
Aquolle sangue I aquelle sangue I...
murmurou. l'arece que sinto o vapor del-
le na cabega.
Calae-vos, disse o guardido. Sabeis
se alguem ndo nos estd escutando T Se os
quartos provimos ndo estdo occupados ?
Essa mulher ndo disse nada, nera de
consciencia ; porque pousava o avarento
prestamista, eu ndo posso obstjr a que es-
ta boa mulher se mostre tdo ganerosa como
seu sobrinho.
Com muito gosto, aqui torn vosseme-
cd um tustdo. Pobre sobrinho! muito
amigo e da tia.
Ha muito tempo quo mora aqui, mi-
nha boa senbora ? perguntou o Sr. Benson,
emquantoa tia procurava na algibeira.
Ail Ha so tres dias! rcspondeu-lhe
ella.
Obrigado, minha boa senhor*, o se
necessitar ainda da mais alguns trastes, vd
<1 minha loja, que serd bem servida.
Gragas ao meu sobrinho, ndo creio
que me falte grande cousa ; e depois, a mi-
nha antigi mobilia chegou toda esta manba
pelo canal. Tenhs vossemecc muito boas
noites.
0 Sr. Benson guardou o seu tusldo e reli-
rou-se, n3o sc incommodando tanto pela
v-lha, como por so prolongar a conversa-
gdo n i corredor onde o tinha n feito deixar
o armario, sem o convidarem para entrar.
0 prestamista, ciiegado & casa, e como
bomem cuidadoso, tomou a acender a vela,
assenlou no livro caixa a ultima reeeita, e
permittio-se fumar uma cacbimbftda antes
do se metier na cama, n-do sem encber um
pequeno copo de aguardevrtc para bumede-
cer os labios de quando em quando. D'alli
a pouco ouvio dar meia noite n'um dosaeus
relogios ; mastendo outro (tad>e:n teguida
onze e um quarto, esperou a ver qual dos
dous tinha razdo, e enchendu- oulra vez e
cachimbo, preparou-so para ouvir outro.
Naquelle instante parou d porta uma car-
ruagem.
Quem siri a minha casa a esta hora?
perguntou comsigo quando bateram. Ahi
vou I ahi vou Serd talvez algora fidalgo
arruinado que vem offerecer-rae a sua bai-
xellaAereditaria, ou alguma condessa que
tem um diamante da mais no guarda-joias
Feita esta agrada-vel reflexdo, o Sr. Ben-
son foi abrir a porta.
Sabio uma senhora de um trem de alu-
guel, do qual o cocbeiro levantava o estri-
bo e fechava a p minbola, emquanto esta
lhe dizki :
Espera com a carruagem.
Tenho uma cousa importante quo lhe
dizer, Sr. Benson. Eutreraos em sua casa,
se e que podemos estar s6s.
0 Sr. Benson fez entrar a visita na loja,
e, d luz da vela, pOde observar que tinha
diante de si uma mulher de excellente as-
pecto, vestida com simpleza, e senhoreada
evidentemente pela maw viva commogdo.
E' o Sr. Benson, e-prestamista ? disse-
lhe ella.
Sim, minha senhora, o negociaute em
objectos usados, moveis, livros, estatuas, re-
logios, alfakis, espingardes de dous canos,.
pistolas e outros artigos.
Foi ao-leildo da casa do arrendatario
Merrywood, na quarta-feira da semana p*6-
sada ?
Sim, minha senhoca.
E comprou-o ?
0 que?
Ai j me esquecia ; ndo lh'o disse-
ainda nem devo dizer-lho. Quanto pagou
por todos os objectos, com quo ficou nesso
leildo ?
Fiz boas compraa, concordo ; ibas
custaram-rae cento e teinta e cinco mil
reJs.
Quer ter a bondada de mostrar-me- a
nota de tudo isso,. e deixar-me escolher ?
Ou sendo, quer ceder-me tudo por quatro-
centos e cincoenta mil reis, que vou contar-
Ihe agora mesmo sobre ejte mostrador ?
0 Sr. Benson encarava naquella mulher
tdo commovida, com os labios tremulos,
0 sollrimento era serio.
Ndo, minha senhora, quatrocentos e
cincoenta mil reMs e pouco. Valerd isso
para a senhora, mas para inim vale muito
mais.
OCferego-lhe novecentos mil reis, e 6
negocio feito. Que comprou vossemecfi?
As camas, as mesas, as poltronas, asestan-
tes?... Deixe-me ver a lista.
0 Sr. Benson tirou d'um prego a nota dos
objectos comprados, mostrou-a A dama, que
a examinou, e exclamou com a roesraa agi-
tagdo febril :
Para que e ver objecto por objecto ?
&6 preciso d'um, nada mais .. eelle aqui
estd... Guarde os demais e ceda-me este pe-
queno armario das quatro gavetas. Esti-
pule vossemecc o prego, e nao percamos
um tempo precioso.
Isso 6 impossivel, senhora I disse o
Sr. Benson, pallido e agitado tambem. Ven-
di esse armario, ndo o tenho, levei-o esta
mesraa noite e jd ndo esld aqui.
Desgragado I Vossemece arruinou-me
e arruinou-se tambem. Esse armario ter-
nos-hia enriquecido a ambos. Porque me
a visa ram tdo tarde do leildo?... Porque
cu tdo longe? Porque?... Mm
ndo p6Je recuperar o armario? Quem o
comprou ? Consentird o comprador am ce-'
der m'o ? Diga como se chama e onde mo-
ra... Talvez ndo se perdeate aiada da
todo!
Ndo sei o nome do comprador, volveu
o Sr. Benson ; mas, felizmciite set onde
mora, c talvez haja meio de o rehavensas.
Mas, diga-me agora, porque motivo e" tlo
preciso para a senhora aquelle armario ?
Lxaminei-o com attengio, aaseguro-loe, a e
um traste bastante ordioario ; ndo tem du-
plo fundo, iien mola secreta... A senbora
ha do e^tar cm erro.
Nao ha erro que valha. Vessemeca
examinou bem as quatro gavetas ? atteotou
na espessura deltas ? Ndo vio que a dw eim.i
tinha n'u.ma das bordas uma especie de
cana ?
0 prestamista parccra tao dcaeapcrado
pela eonvicgdo da sua neeedade. que a mm-
Iher nao po le deixar de eemmover-ae.
Escute-me ; se vussenm< quizer, po-
deremos ainda reparar eta firha ; e preciso.
pore.n, qo>: procedamos de eommum ac-
cordo. Quer concordar cjmijfo eaa que he
mos de repartir tudo quanto a gaveta con
liver ?
Mas que content ? pergunCow o Sr.
Benson biarxk> a voz. Con tem reelmeate
alguma cowsa ?
Pois curds que lhe taria offarecido
qualrocentns >' cincoenta, nem Dovacentos
mil reis por um traste semelhaute ? Mas jd
agora, quero conAar-Ihe tudo Vossemec*
conbecia o arreadatario Merrywood T
Nao, ndo posso dizer que o coufceeia
endi-lhe na tempos om objecto de barro,
e lembro-me que aeabo d'al|?uns dieaveic
qneixar se du que fka engauado.
dii~
mar
Cinta, nem de Agucena, redarguio Bizarro
em voz baixa.
Querieis que sem lhe perguntar couss
alguma nostivesse dado conta de quantaa
pessoas estdo nesta est.lagera ?
Ah I nao passarei sem a interrogar.
Fazei-o, porem, com prudencia. Ndo
sabemos que gente ficou com esses guardas
feridos, e, sesuspeitarera e vosconhecerem,
ndo s6 ndo poderei irapeJir que vos pren-
dam, como me coll oca reis em situagdo dif-
liul. Calae-vos em quanto essa mulher
ndovolta, e, quando voltar, repito-vos, sele
prudente.
Bizarro tornou a passeiar pelo quarto.
IV
Decorreram dez minutos desta forma.
Afinal, entraram Maria Peco e o mogo da
palba e da cevada, que trazia.n a ceia do
guardido.
Diga me, irmda, perguntou com voz
fanhosa Bizarro, que estava impaciente,|feri-
ram por acaso esse guarda debaixo da lan-
terna do patao|? Parece-me que vi alii san-
gue ?
Ora, irmdo, disse com alguma grosse-
ria Maria Peco, porque responderia de mui-
to melhor vontade ao guardiao do que ao
leigo, isso e outro sangue.
Outro sangue ? disse Bizarro fizando
um esforgo violonto para sustentar a vez fa-
nhosa.
E' da pobre cigana que mo-reu.
0 guardido levantou-se, agarrou na mdo
de Bizarro, e pondo-se diaute delle, di
se-lbe:
Quem o manda, irmdo Melchor, met-
Era um ho mem- de caracter receioso.
inqnieto, melancolieo... Mas o trifle aio
tinha sido sempre assira : a desgraga traaa-
forma a miudo um bom caracter. Tinha
uma filha cuja rara beUeza tolo u muadr.
celebnava havia vinte annos, uma filha mi-
ca... Pobre Carolina I era o idolo de seu
pai. eSarolina t nha pai die todas at at-
tengoes da ternura filial. Rexmbecida a
brilbacte educagdo qua recebera, Carolina
queria eousagrar toda a sua vida a esta baa
pai lia-lhe, tocava bonitaa pecis no piano ;
era, n'uma palavra, o anjo da casa. Tao
amavel, quo todos a estramecitmiie 1
Entdo a senhora cor.becej-a ?
So a conbeci I Fui sua amiga de in
faucia : era priaa por parte de sua mai, a
com quanto ou ndo tivesse riqueza, rhaaaa
va-me a sua boa priaa tiaba obtido do
pai licenga para qua babrtasee na granja
com ella : eu era util, sera cavida, para
muitissimas cousas... mas qm* delicadeza na
conducta daquelles parentes I Tar-ma biam
tornado por irmd de Carohaa i sempre vas-
lida como ella, participava da todas as sua
diversoes... iamos aos bairns... aos bailes
0 senhor cakula por certo a mats...
Ndo calculo nada, par Daus !
o Sr. Benson. Estou ouviodo.
Ndo tem ouvido fallar do velho
quez de... ? esquegaraos, porem,
odioso. Tinha am filho... o
de Roger... perfeito rapaz, tao g
tdo alegre, que m esquecia amudadas ve-
zes de que era nobre. Vio Carolina, naaao-
rou-se da sua belleza... amou a... Come
toda a gente... quem ndo teria amado '...
Ah 1 declarou-lhe o seu amor a foi corras-
pondido... Sempre a mesraa historia, Sr.
Benson... > amor a as suas rbonhaa iMa-
soes, depois o amor e as suas araargas ra-
cer Jagoes. .. Uraa tarde do mez da te-
tembro, ba isto doze anaos, aim, doze aa-
nos, foi Carolina procurar-roa ao
quarto...
Prime, disse-me ella, ere que
pai seja borne a capaa de perdoar ?
l*or certo, minha querida Caaolwa.
respondi. Naoe cbristao ?
E' cb'istao; mais perdoaria a ama
filha que tivesse a ambigao desabir da taa
esphera? Perdoar lhe hia, acerescaoloaCi-
rolina sorrindo, o ter chegado a ser conies
sa I Tirar Ihe-bia voluiitariameatt a caa-
peo como a qualquer marqueza qaaado
passasse diante delle de carruagom para ir
a igreja ?
Que loucura! disse eo A Carolina,
receiando comprehende-la.
E depois de me ter conn ado tudo, det
lhe os conselbos de uma b>a ariaaa, com
quanto em boa verdade me anranuaaa o ve-
la andar pelo meu quarto daodo-se ares da
condessa, abanicando-se coaa ama das aaas
cbinellas, e depois levantando a cauda do
seu veslido de gala... que era simplesraen
te o veslido caseiro...
E que suceedeu ? Apanbau uma ia-
flamagdo e morreu do peilo?
Conlinuar se-ha.
terse em perguntas que ndo lhe i
portar ?
E apertava a mdo de Bizarro, cujo
gue se lhe geldra de repente, como qc
recoraraendava prudencia, como quem pre-
lendia commuaicar-lbe valor.
Safa 1 que sdo pergontadores oa
leigozitos, disse Maria Peco cobrindo a
com a toalha.
Tenha caridade, irmda, c nao trata
mal o proximo, di.-se o guardiao. A ca-
riosidade e um peccado de que tjdos adoe-
cemos ; ate eu caio nolle, e vou fazy vos
algumas perguulas.
Sua merce e outra cousa, dime Maria
Peco cum modo affavel; perguntee-ae o
quo quizerdes, que eu vos raspoaderei de
bora grado.
Bizarro tinba conseguido doaioar a si-
tuagdo, e permaoecia immovel e silaaeioao.
Oguardido apardra opportunimante o pri-
or eiro golpe, isto e*, a primeira maaifcata-
cdo inconsidorada da dor qua houvara po-
dido comprometter Bizarro.
0 mogo da palba e ce va Ja poxera aaa
grande cacarola fumeganta aa eiaa da me-
sa, e Maria Peco um pio main alvo, dais
garrafas de vinho, o doas talaerm qie ti-
rou do cast'} ea que trouiera a toalha.
Quero quo se pensom baa os machos,
que teem muito qie andar, disse o guar-
diao descartando-se deste modo do
palha e cevada.
{Conli*Har se hi )
Y PO DIARIO. -RUA DUQ0B 01 CAII*



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOONFJR0Y_QXW2JP INGEST_TIME 2014-05-28T01:00:52Z PACKAGE AA00011611_17672
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES