Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17671


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i

AMO L. MJUEKO 287
PABA A CAPITAL E LUGUBES OYDIi xJkO SB PAG A PORTE.
Por tres mezes adiantados................ 69000
Por seis ditos idem...................129000
Por am anno idem..............,.. 148000
Cada numero avulso....._............ jj320
OlIARTA FE1HA 16 l DEZEHBR0 DE 1874
I
mu
PABA I>JLM It O B FOBA DA PaC?WCIA.
Por tres mezes adiantados. .......* *
Por seis ditos idem .....'......... / |
Por note ditos idem ... v ......".; t
Por am anno idem. ...... V ,........ 70tt
PR0PRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA FILH0S.
It In. Ser.rdo Antonio Aires d Filhos, no Para^ toncaWe. d Pinto, no Maranhio; Joaqoim Jose de OliveiradFilho, no Ceari; Antonio de Lemus Braga, no Aracatj ; Joio Maria Julio Chras, no Assd; Antonio Marques fa Siva, H.UI ; M Judm
Pereira d'Almeida, em M:mangnape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franea, na Parahyba ; Antonio Jose" Gomes,na Villa fa Penha; Be'armino dos Santos Bulclo, em Santo Ant*-.; Domingos Jose" da Costa Iragi, emlazJethi
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna: Joio Antonio Machaeo, no Pilar das Alagdaa; Abut d C.na Bahia t e A. Xavier Leite d C. o Rio Janeiro-
NSIMCaO POPULAR
Eleuaenios de physicn
LIVRO TERCEIRO
CAPITULO II
HEDIDA DA F0RQA ELASTIC A DOS GAZ -:S.
(Continuacao.)
anometros. Da-se o nome de minome-
tros aos instrumentos que servera para medir a
forc,a elastica dos gazes e do? vapored.
Se o nome e formado por dnas palavras gregas
que signilicam medida dos gazes.
Distingue se dnas especies de nvinometros, que
sao : mtnometros de ar litre e manomttros de ar
comprimido
Manometro de ar litre. Este manometro se
eompSe : de urn tubo de vidro, da seis melros de
comprimento pouco raaisou raenos, aberto na ex-
tremilade superior, recurvado aa inferior e ligado
por esta a uma cuba eylindrica, tamb^m de vi-
dro, contend) mercurio. Ao alto desta caba h-
ga so urn tubo que a faz coramunicar com o re-
servatorio d) gat cuja tensao se quer medir.
Supponharaos o instrumento fix ado a uma para-
de e era communicacao com uma caldeira de
vapor.
Quando a tensao do vapor na caldeira e igual a
pressae atraospherica, esta tensao faz equilibrio
ao peso da atmosphera qua se trwsmilte pelo al-
to do tubo, a nesse caso o nivcl do mercurio e o
mesmo quer para o tubo quer para a cuba ; pe-
lo que inscreve-se o n. I n'uma regoa, collocada
ao lado do tub), e no ponto de nival do mercurio.
Depois, saMdo como a, que a ca la setenta a seis
centimetres de mercurio era altura corresponde
uma atmosphera, a partir do ponto que tern o o. 1,
conta-se nma altura de setenta e sen ceotimetros
e no ponto termino dessa altnra inscreve-se o n.
2; a partir desta torna-so a contar outra altura
de setenta a seis centimetres e no ponto respec-
tivo inscreve se- o n. 3 a assim por diante, valen-
do desta arte cada intervallo uma atmosphera.
De accord) com este modo de graduacao do tu-
bo, se o vapor, compriraindo o mercurio da cuba,
impelle o para o tubo e fa-lo ahi elevar se, por ex-
emplo, a 3 1/2, isto indica que a teisao do vapor na
caldeira,e de tres atmospheras e meia ; isto a, que,
sobre cada centimetre quadra 4o da parade inte-
rior da mesma caldeira, a pressao oxercida pelo
vapor e tres vezes e raeia um kdogramrao e trinta
e tres grammas on tres kilogrararms a seiscentas
e qninze grammas.
Manometro de ar comprimido. Este instrumen-
to, fundado na lei de MariotH, comp5e-9e de um
tubo de vidro de cincoenta a oiteota centimet.-os
de comprlraeito. Sua extremidada superior e
fechada, a sna extremidade inferior, reeurva-
da em syphao, communica com uma cnba con-
tendo mercurio. Esta cnba, inteiramente se
melhante a do manometro de ar livre, communica
tambem, por um long) tubo, com o vaso ou reser-
vatono qua con tem o gaz ou vapor, cuja tensao
ou forca elastica se quer raedir e conhecer.
Isto posto, o tabo contem ar em quantidade suf-
ttciente para qua o nivel do mercurio sejao mes-
nio no tubo e na cuba, quando nesta o raercurio
supporta a pressao de uma atmosphera ; mas,
para nma maior pressao, o mercurio e impellido
da cuba para o tubo ate uma cerla altura, e o vo
luma de ar que a principio era igual a todo o vo-
lume interior dc tubo, passa a occuparsomeote a
parte superior do mesmo tubo.
Para ter a pressao que, nesse ca3o, se exerce
scbre o mercurio da cuba, e prrciso, acolumna de
mercurio que se elevar no tubo, juntar a tensio
do arcontido no alto do mesmo tubo, tensao que
se calcula, segundo a lei de Mariotte, tendo em
vista a reduccao de volume soffrida pelo ar do
manometro.
Uma escala collocada ao longo do tubo indica,
em atmospheras, a pressao que resulta do pe-
50 da columna de mercurio luvantaia e da tensao
do ar do alto do tubn, e, por conseguinte, a pres-
- i, qua se exerce sob o mercurio da cuba.
(Continuarse ha.)
aviso do ministerio da justica, de 22 do corrente, tituto vaccioico. Accuso o recabimeoto do ofO-
declaracdo nao ter lugar o augraento do pessoal, cio de V. Exc, de 18 do corrente, ao qual acora
dessa secretaria, por ser necessaria autorisapao do panharara trinta tubos e oito pares de lamioas
corpo legislativo. com lympha vaccinica.
Ao juiz de direito da I" vara desta cidade. Portarias :
Para os fins eonvenientes remetto a V. S. a A' Illra. camara municipal do Recife. Para
pcrtaria e documentos inclusos, pelo conselheiro poder resolver sobre a autorisacao que pede a Illra
presidents do supremo tribunal de justica trans-
miltidos a V. S., os quaes n,e devolveta opportu
oameote.
Ao juiz municipal e de orphaos de Panellas.
Em resposta ao offlcio de Vmc, de 22 do cor-
rente, cumpre-me dizer-lhe i|ue no silencio da lei
proviucial n. 1,093, de 2i de maio do anno pro-
ximo passado, os oillcios de 1 e 2 tab lliao do
public.) judicial a nolas desse termo estao creados
por disposiQao do decreto de 30 de Janeiro de 1831;
o de escriva) privativo do jury e execucoes crimi-
nae- pela lei de 3 dezembro de iH, e Uaalmeate
os de partidor e contador, partidor e distribuidor,
pela lei provincial n. 501 de 29 de maio de 1861,
: -dos ainda nao provilos de-da a creagao desse
termo, o que deve mencionar no edital que pozer
era concurso taes olBcios.
Ao commandante do corpo de policia. Em
additamento pode Vmc. entregar ao sargento da
guarda local de Goyaona, Silverio Pereira dos
Aojo-, o fardaraento de que trata o meu offlcio de
bontera, relativo a mesma guarda.
Ao comraissario de policia de Santo Antao.
Aliste Vmc. mais duas pracas afim de completar
o numero da der.,- metade daquelle com que foi
creada essa guarda local.
3.' seccao.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
'Segundo aviso do ministerio do imperio, de 4 do
corrente, sob n. 7,090, ficou apprevado pela verba
soccorro' publicos doexereicio de 1874
1875, o credito de 100-000, aberto sob a respon-
sabilidada desta presidencia para occorror a des
peza com o tratamento dos indigentes accumraet-
lidos da variola, na freguezia de Alagoa Secca ;
assim o communico a V. S. para os devidos ef-
feitos.
Ao mesmo. Para os fins eonvenientes
immumco a V. S. que em 21 do corrente, pelo
ministerio da justica foi solicltado do da fazenda
ordera para ser paga ao juiz municipal e de or-
pbaos do termo de Ingazeira, alem do ordenado, a
gratiiicarin annu; I de 1:0304, seguado consta de
aviso daquella data.
Ao mesmo. Transmitto a V. S., para os
tins eonvenientes, oito ordens, sendo 7 do thesouro
mcional, de ns. 131 a 110, e 1 do ministerio da
guerra, datada de 20 do corrente.
Ao mesmo. Determinando o Exm. Sr
rainistro da guerra por aviso de 10 do corrente que
o fiel Jeronymo Odon Ferreira Cabral e o escrivao
Loareoco Naaes Campello, amhos do afmoxarifado
dd arsenal de guerra desta provincia, fiquem sus-
pensos por tres mezes, a contar da data em qua
com a cofducclo de alg m ohjectos para essa
guarda I al. sagundo solicitop em seu offi io da-
tado de 20 do corrente.
- Ao urgent* da guarda local de Serinhaem
b. sxc. o Sr. prdsidente da provincia mandadecla-
rar a \- s-. *m resposu ao seu offlcio sera data, que
tcab* de ser autorisado o inspector do thesouro
iroviucial a raaadar entregar Ihe para pagameoto
Ja de-peza feitt com o transporte effactuado da es-
camara municipal do Recife, afim de despender
mais a quanlia de 500:000 por estar quasi ejgota-
da a verba expedienle a imprassfi s voUda aa ta?ao de Garaelleira para esse muaieipio" do farda-
lei do orcaraento vigente. cumpre qua a mesma | meoto a arraamento in pracas da respectiva guar-
Illin. caraara remetta a dem raslracao do despea- j da local, soraente a quantia de 104000 visto ser
didj e do que falta despender. excessiva a quantia eonnante da cont'a qua veio
A' camara municipal da cidade de Olinda. annexa to seu citado oilicio.
Autoriso a camara municipal da cidade da Olinda 1 Ao sargeno da guarda lucal de Jaboatao
a despender mais a quantia de ISOMMO pala ver- j 0 Exm Sr. presidaota da provincia minda decla-
ba or eventuaes do presente exercicio, qua se "
acha e^gotada conforma declara a mesma camara
tarn a .1 &/9 por cento, isto e. S/8 por
cento menos que a taxa official do
Banco de Inglaterra. Omeroario de
cafe esteve liojeraimo, mantendo-
se os preeo* do dla anterior.
em offlcio de 27 do orreale, ao qual res -
pondo.
A' camara municipal da villa d) Cabo.
Communico a camara municipal da villa do Cabo,
para os devidos effeitos, que, segundo 0 aviso do
ministerio ao iatnerto, de II do corrente, a. 7089,
a camara dos Srs. desputados approvou para a 15'
It-gislatura a eleicao pnmaria qua se proceJ 18 de gosto de 1H72, na parocbia dessa villa.
A' camara municipal di villa do Limoeiro.
De aviso do ministerio do imperio, de 13 do cor-
rente, n. 8,018, consta terein sido appmvadas de-
finitivaraente as eleicdes para vereadores e juizes
de paz, a que se procedeu na 2' dominga de Ja-
neiro ultimo na parocbia dessa villa, sob a preti-
dencia do 4* juiz de paz, alferes Antonio Jose Dou:
rado da Silva, por impedimento provido dos ou-
tros ; e na da Taquaretinga, sob a presidencia do
1* juiz de paz, cidadao Antonio Plorentino Bezer-
ra Cavalcan'.e. Assim 0 communico a camara
municipal do Limoeiro para seu coahecimento e
devidos fins.
5' seccao
Offlcios :
Ao engenheiro cbefa da reparticao das obras
publicas. Etpeca Vmc. as suas ordens afim de
que seja pago a Bastos & C. e por conta da ver-
ba c decoracao de palacioo recolhida aos cofres
dessa reparticao, a quantia da 10?280, important
cia de 26 metros de tapete e 2 vassouras de palha
para 0 asseio e limpeza do duo palacio.
Ao engenheiro Victor "ournie, fiscal das
obras da nova ponte da Boa Vista. Observe
Vmc. aos empreiteiros da nova ponta da Boa Vis
la que o arcos da mesma ponte devem ser cons-
truidos com eleracao tal que na prea-mar das ma-
res vivas as.barcacas e canoas possam passar li-
vremente, evitando-se de.-le modo 0 ioconveniente
que se da nas pontes Sete de Setembro e Santa
Isabel.
-r Ao engenheiro Antonio Vicente do Nascimen-
to Feitosa. Determino a Vmc, em curaprimen
to do aviso do ministerio da agricultura commer-
ce e obras publicas, de 17 do corrente, sob n. 17,
rar a V. S, em re-posta a seu offlcio de 26 do
corrente, que ue-ta data se lha mindju fornecer
10 tercados pelo ar enal de guerra.
3" seccao.
Offlcio :
LIVERPOOL, li de dezernbro.
Venderam.se hoje des mil fardos
de algodao, sendo mil e cem proce-
dentes do Rrasil.
HAVRE, 11 de dezernbro.
Assuear de Pernambuco ordina-
rlo ;1 francos os 50 kilo^rs.
RIO DE JANEIRO, 15 de dezernbro.
Cambio sobre Ijondres CO 3/8 d.
bancario. e SO / d. particular.
Chegaram aqui. procedentcs de
Montevideo, o paquete ingleas LIGU-
RfA, da companhia do Paciflco. e o
vapor lnslez RICHARD COBDES. Este
deve partir anianha
BAHIA, 15 de dezernbro.

de Janeiro.
Pernambuco
PARANA'. Knda
camBio.
sabio a tarde para
paquete brasileiro
se fez-no mercado de
effectivamente 0 forara pela directoria do mesmo; que concluindo a commissao em que se acha nes-
MRTE OFFICIAL
Governo da provincia.
BXPEDIENTE DO DIA 29 DK AOOSTO DK 1874.
1* seccao
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas. C nstando de aviso do ministerio da guer-
ra, de 19 do corrente, que foi deferido o requeri-
mento do alferes do 2* batalhao de infantaria,
Manoel Ferreira Guimaraes, pedindo a cidade do
liecife por menagem ; assim o declaro a V. Exc.
para os fins eonvenientes.
Ao mesmo. Send) de toda a conveniencia
concentrar na reparticao do ajudante general do
pxercito os archives dos extinctos corpos de vo-
luntaries da patria, sirva-se V Exc. de dar as pre-
efsas ordens para que tenham aquelle destino, os
que por ventura existem nesta provincia, cooforme
6 deterrainado no aviso circular de 12 do cor-
rente.
Ao inspector do arsenal de marinha. Em
resposta a seu offlcio desta data, cabe-me auteri-
sar V. S. a contratar a corapra de tapete on feltro
pedido pelo commandante do transporte Wemeck,
nio excedendo o preco de 15500 o covado.
Ao mesmo. Devolvo a V. S. as comas
apresentadas pelos negociantes que forneceram
objectos para preparo da casa dessa inspccao, e
a que se refere o sea offlcio de 27 do corrente, sob
n. 113, afim de serem liradaa em duplicata e
convenientemente selladai.
Ao director do arsenal de guerra. Ao
,-argento da guarda local da Jaboatao, Sebastiio
Kaymnndo Carneiro, ou a quem se mostrar por
alle devidamente autorisado, man le Vmc. forne
cer dez tercados com as competentas bainhas e
cinturoes.
Ao mesmo. Em additamento pode Vmc.
entregar ao sargento da guarda local do munieipio
de Goyanna, Silverio Ferreira dos Anjos, os objec
tos de que trata o meu offlcio de hontem.
Ao mesmo. 0 Exm. Sr. rainistro da guer-
ra, a cojo conhecimento level o facto occorrido
no recinto do almoxorifado desse arsenal, entre o
fiel, Jeronymo Odon Ferreira Cabral, e o escrivao,
Lourenco Nunes Campello, determina em aviso
de 10 do corrente que ambos esses empregados
devem ficar suspensos por tres mezes, a contar da
data em que o foram effectivamente por essa direc-
toria ; o qoe declaro a Vmc. para os devidos
eSeitos.
S.' seccao.
Acto:
0 Dresidente da provincia, attendendo ao que
requerea o promoter pablico da cemarca de Cim-
bres, bacharel Joaqaim Francisco de Barros Bar-
ratio, resolve prorogar por sessenta dias a licenga
com que se acha.
Offlcios :
ao Dr. ehefe de policia. Para os fins con-
veoienies, iocluso remetto a V. S., por copia, o
arsenal; assim o communico a V. S. para os de
vidos effeitos.
Ao mesmo. Para os fins eonvenientes in-
cluso remetto a V. S. os decretos dispensaudo o
lapso de tempo decorrido, afim de poderem apos-
tillar suas palent-s os majores ajudantes de ordens
do commando superior da guarda nacional de
Caruarti, Francisco Alves Maciel e Joao da I'or-
ciuncula Valenca.
Ao mesmo. Remetto a V. S. os inclusos
prets para que mande pagar ao capitao Francisco
Antonio Pereira de Barros, ou ao seu procurador,
os veociraentos das pracas de guarda nacional,
destacadas durante o met de julho findo, na villa
de Floresta, segundo soliciton o respectivo com-
commandante superior era offlcio de 18 do cor
rente.
" Ao mesmo. Para os fins eonvenientes in-
cluso remetto a V. S. o decreto de nomeacao do
bacharel Bento Ceciliano dos Santos Ramos para o
cargo de juiz de direito da comarca de Bom Con-
selho.
Ao me-mo. Tendo nesta data, de accordo
com a sua informacao, constante do offlcio de hon-
tem daudo, sob n. 435, serie H, relevado D. The-
reza Flnr^ntina Leite da raulta que o admioistrador
da recebedoria Ihe irapoz, por nio ter dado a ma-
tricula no prazo legal a ingenua Amelia, filha de
sua escrava Raymunda; assim o communico a V.
S., para seu conhecimento e devidos effeitos.
Ao mesmo. Transmilto a V. S. para seu
conhecimento e devidos fins, copia do aviso do
ministerio da agricultura, commercio e obras pu-
blicas, de 31 do met proximo passado, sob n. 6,
relativamente ao augmento de 12:5355327 nos ere-
ditos ate hoje concedidos a esta provincia para o
servico do correio durante o exerciclo de 1873
1871, devendo esse augmento ser levado a verba
do 18 art. 8 da respectiva lei do orcamento.
Ao mesmo. Para os fins eonvenientes com-
munico a V. S. que o Exm. Sr. mini-tro do impe-
rio, em aviso n. 7,091, de 6 do corrente, declaron
que fica approvado pela verba a ajuda de custo de
vinda e volta dos deputados a do exercicio de
18741875, o credito de 600* aberto sob respon-
sabilidade desta presidencia, para pagamento da
que competia ao bacharel Manoel Clementino Car-
neiro da Cunha, deputado por esta provincia.
Ao inspector do thesouro provincial. A' vis-
ta da conta e recibo juntos, mande Vmc. pagar a
Antonio Jose de Souza e Silva, a quantia de 175
que despenden o commissario de policia de Ipoju
ca com a couducclo de objectos pertencentes aquel-
la guarda local, na conforraidade do offlcio do mes
mo commissario, dalalo de 20 do corrente.
Ao mesmo. Mande Vmc. pagar ao delega-
do do termo de Iguarassii ou ao seu procurador,
a quantia de 512780, constante dos sete inclusos
recibos, despendida com o curativo de alguns pre
sos da respectiva cadeia e corapra de alguns obje-
ctos para a mesma, segundo soliciton o Dr. cbefe
d i policia era offlcio datado de 27 do corrente, sob
n. 1,073.
Ao mesmo. Transmittindo a Vmc. a conta
junta, cabe-me recommendar-lhe que mande en-
tregar ao sargen'o da guarda local do mnnicipio
da Serinhaem a quantia de 10) para pagamento da
duspeza feita com o transporte do arraamento e
fardamento das pracas da mesma guarda, da es
la cio de Gamelleira para o referido munieipio.
Ao mesmo. Mande Vmc. pagar ao padre
Francisco Raymuudo da Cunha Pedrosa, coadju
tor da freguezia de Timbadba, a sua congrna cor-
respondente ao mez de Janbo ultimo, na conforrai-
dade do attestado annexo.
Ao mesmo. Mande Vmc. pagar ao conego
Luiz Jose de Oliveira Diniz o que Ihe eomnetir pe-
lo exercicio da coadjutona da freguezia de Ipojuca
desde o 1 de marco a 31 de maio deste anno, na
conformidade do inclaso attestado.
Ao mesmo. Em additamento, pode Vmc.
entregar ao sargento da guarda local do muniei-
pio de Goyanna, os livros de que trata o meu offl-
cio de hontem relativo a mesma guarda
4.' seccao.
Offlcios ."
Ao Exm. preside ate da provincia de S. Pau-
lo. Recebi e agradeco a V. Exc. os doas exem-
plares impressos dos regularaentos confeccionados
por essa presidencia, am para o enslno primario
obrigatono, e outro para a eseola normal dessa ca-
pital.
Ao Exm. conselhetro inspector geral do ins-
ta provincia, por conta do mesmo ministerio fac>
recolher a directoria das obras publicas na odrte
os instruments que liver recebido para essa com
missao. Igual ao engenheiro Luiz Jose da
Silva.
Ao superintendenle da estrada da ferro d >
Recite ao S. Francisco. Declaro a Vmc. para
sua intelligencia e direccao que os passes dados a
particulars por ordtm desta presidencia so podem
ser pre|udicados nas estacdes do ponto de partida
nelles delerminado por outros qua tiverem sido
concedidos a mili tares.
Portarias :
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
navegacao a vapor mandem dar passagem para a
corte por conta do ministerio da marinha, no va-
por esperado do norte, ao 1 teuente da armada
Francisco Xavier Rodrigues Pinbeiro.
0 Sr. gerente da companhia pernambucaua
mande dar passagem para o presidio de Fernando
de Noronha por conta do ministerio da guerra ao
cadete invalido Manoel Coelho Casado Pontes, e
bera assim a mulher a a dous filhos menores do
mesmo cadete.
GXPEDIENTE DO SKCRETAIUO.
I. seccao.
Officiu :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas.Ao offlcio de V. Exc, de hontem datado, sob
n. 656, dirigido a S. Exc. o Sr. presidente da pro
vincia, respondo de ordem do mesmo Exm. senhor,
declarando que fica providenciado no sentido de
serem transportados ao presidio de Fernando de
Noronha, o cadete Manoel CeeJho Casado Pootes,
sua mulher e 2 filhos.
2." seccao.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.S. Exc. o Sr. pre
sidente da provincia manda declarar a V. S., em
resposta a seu offlcio n. 1,075, de hontem, que
nesta data se mandou completar o numero de 10
pragas na guarda local do munieipio de Santo
Antio.
Ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr. pre
sidente da provincia, remetto a V. S., para os de-
dos fins, 5 exemplares impressos do regulamenlo
expedido para a cobranga do iraposto de 1004000
por escravo exportr.do.
Ao mesmo.S. Exc. o Sr. presidente da pro
vincia manda coramunicar a V. S., para os fins
eonvenientes, que por offlcio desta data, dirigido
ao thesouro provincial, mandou pagar a iraportan-
cia dos recibos que acompanharam o seu offlcio
datado de 27 do corrente, sob n. 1,073, despendidi
com o curativo dos presos recolhidos a cadeia do
termo de Iguarassii, e compra de alguns objectos
para a mesma.
Aoraesmo.-De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, remetto a V. S. os medica-
raentos heracBpathicos, solicitados em offlcio n.
1,068, de 26 do corrente, com destino a subdelega
cia de Ponta de Pedras e bem assim 3 tubos de
pas vaccinico e um exemplar das insiruccoes
para a propagacao da vaccina com igual des-
tino
Ao ju'z de direito de Limoeiro.0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda declarar a V. S.,
em resposta a seu offlcio de II do corrente, que,
nao havendo oesta secretaria as collecde? de legis-
lacao por V. S. solicitadas, deixa por isso de ter
saiisfeiiu o pedido constante do citado offlcio.
< Ao commandante superior dos municipios de
Tacaratil e Floresta.De ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia, coraraunico a V. S. que
nesta data expediram-se as necessarias ordens a
thesouraria de fazenda no sentido de serem pagos
os vencimentos das pracas de guarda nacional
destacadas durante o mez de julho findo na villa
de Floresta, segundo V. S. soliciton em offlcio de
18 de corrente.
Por esta secretaria se communica ao Sr. ma-
jor ajudante de ordens do commandante superior
da guarda nacional do munieipio de Caraard,
Francisco Alves Maciel, que na thesouraria de fa-
zenda se acha o decreto dispensando o lapso de
tempo decor rido afim de apos tillar sua patents.
Mutatis mutandis ao major Joao da Porcinncula
Valenca-
Ao commissario de policia de Ipojuca.De
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
communico a V. S. que por offlcio desta data se ex-
pedio a necessaria ordem ao thesouro provincial
atim de ser paga a quantia de 175000, despendida
. Ao injector do thesouro provincial.De or-
dem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, re-
metts a V. 5., para os fins couvenientes, 50 exem
plares impressos do regulamento expedido para a
cobrauca do impiito do 100 OK) por escravo ex
portalo.
4.' seccao
Offl:ios : ^
Ao Dr. Jose Ramos da 'ilva Junior secre-
tary di assemblia legislative provincial de Santa
Cathariua.Remetto a V. S. urn exemplar iropres-
so do regulamento de 27 de juuli > fiudo, e do de
18 de agost corrente. expedidos pira execucao do i
duposio no arl 45 da lei I,111 do orcamento desta : (AGENCIA AMERICANA.)
provincia relativamente a arrecadacao dos irapos-! Bahia 15 de dezernbro is 3b e 30 m
tos sobre genero3 de censurao. -Assim respondo ao da tanln __V*i c*hir n djbivi1 ... ~'~
ufflcio de 18 do corrente, que V. S. d.rigio me. 11 "'Z'Z I ?.'" S
Ao commissario vaccmador provincial -Da p a norte- tntrou esta manha o va-
ordem de S. Exc. o Sr. presideote da provincia, | Por 'rancez VILLB DE SANTOS, e vai sa-
accu-oo recbiraento di offlcio de hontem datado, btr hoje mesmo para o sal.
com o uu l V. S. re.nelt eu 12 tubos con tendo lym-
pha vaccinica.
Ao Srs. Braz Janurrio, Fernandes & C-De
ordem de S. Exc o Sr. presidente da provincia, e
para tor uumpriinento o aviso do ministerio do im-
perio, de 20 do corrente, n. 8,065, communico a
Vv. Ss. que nao pode ter solucio o requerimento
que dirigiram ao governo imperial, pedindo para
o seu estabelecimento o titnlo de -Fabrica Imperial
de Cal.ado Nacional-em quanto nSo provarem
com documentos o que allegara na referida pe-
Beio.
Todos sabera que, em geral, o pfastto a eats.
e a colheita se fazem ainda hoje pafo smmm -
thodo ji segoido ha cam aooos passados I
E se vh qoe, seodo assim, e>>mo elfeethraaKa te
e, os prodUiMos do uosso paiz n io p com os similares de outras nacwas
Diante de am progress-) industrial aecelerad
econtinuo, comoo progress) de-te secolo, ea hh
dia por dia novos bonsootes deseortisas^se a
trabalbo e acliridade humana ; trtsM ssffle ^iU
por certo reservada a quem se deixa li :ar ist| a.
sivel, qu.-do, indilTarente emfim, no men des--
movimento espantoso e rapido.
Os esiabelecimeatos raraes partieipam das c
dicoes de todos os outros esiaoelecimeaios.
A direccao defies nio seodo intelligeote e act v..
como e mister qne seja, ha de pp-judicar-lhe* is
fehz e neressariameme.
Entretanto, o que vemos not '
Os admioislradores de imgeoho-, os seat propne
tarios mesmo, na) possuem as vezes neohuu-
dessas qnalidades essenciaes.
Plantam e colhem sera rnuiU coascieoeia d
que pralicam. Procurara apeoas ioMtar os s o-
antecessores ; e assim o que estes ea cerla epc Qzeram, serve de norma para ttdos cs testpis.
, apezar de variarera moito as circam^taocias, dV
Chegou boje pela manha do Rlo serem outras as condifoes da iodustria.
DKSPACHOS DA PRESJDRNCIA, DO DIA 14 Dg DEZEMBRO
DE 1871
Antonio Manoel do Sacrament Informe o Sr.
engentieiro das obras militares.
Bicbarel ArisUrco Cavalcante da Albuquerque.
Pase porlaria na f >rma requTida.
Antonio Ferreira de Almeida. Passe porla-
ria.
Antonio de MenezcsCysneiroBandeiro da Mello.
- Indeferido.
Andre Alves Gima>-Deferido com offlcio desta
data, ao Sr. engenheiro fiscal da companhia dos
trilhos urbanos do Recife a Olinda e Bebe-
ribe.
Basilio Jo.e da lion. Informe o Sr. engenheiro
das obras militares.
Cyriaco Antonio dos Sanios e Silva. -Nao tem
lugar o que requer o supplicaote.
C .mpauhia Recife Drainage.Passe portaria
oncedendo a permissao pedida, obrigando-se o
supplicaote a retirar os trilhos quando o goveroe
julgar de uecessidade.
Francisco da Costa Figueirelo. Deferido com
offlcio desia data ao Sr. inspector da thesouraria
de fazenda.
Fr-ncisca Maria da Sjlva.Indeferido
Gon;alo Angusto da Graga e Mello. Informe o
Sr. inspector do arsenal de marinha.
Jose Pinto da Cunha.Passe portaria.
Jesuina Hosmina Paulina dos Santos.Indefe-
rido.
Manoel Archaojo da Cunha. Sa;isfaca o suppli-
caote o que exige a thesouDria de fazenda.
Manoel Joaquim da Conc-icio. Inleferido, por
compi-iir o servico de que pede remuoeracao de
econorao. nos termos da 2* do regulamento de 25
de julho de 1855.
Rachel Adolpha Cavalcante Ferreira.Passe por-
taria na forma requerida.
Bononio Rosa de Lima LealIndeferido.
TELEGRAMMA
Para 15 as 3 h. e 55 m. da tarde.
Vai sahir o paquete nacional CEAR.X' para
os portos do sul. Cambio sobre Londres
26 1|2 e 26 5[8.
Bahia 15 in 4 h. e 35 tn. da tarde.
Cambio sobre Londres 26 3(8 bancario, 26
7[16 e 26 l|2 particular.
INTERIOR.
Neeessidades da laioura.
Temos a vista nm dcoumento importante.
E' o volume era que o governo imperial man-
dou eoordenar as informacoes por elle obti
das, em resultado do inquerito a que se prucedeu,
no anno proximo passado, sobre o estado da gran-
de e da pequena lavoura. causas de sua prospe-
ridade ou decadencia em cada provincia, afim
de que o mesmo governo ficasse habilitado a to-
mar qoaesquer providencias em favor da piimeira
industria nacional.
Nem de todas as provincias vieram os esclare-
cimentos de que se carecia. Apenas trese deltas
remetteram as informacoes exigidas.
E, cumpre confessa-lo, nenhuma o fez com tan-
ta solicitude nem com lanto interesse e com pro-
ficiencia do que a Bahia, cujo estado foi perfeita-
mente descripto e cujas necessidades foram muito
bem comprehendidas e inlerpretadas pela distincta
commissao incumbida de tao ardua quao louva-
vel lartfa.
De 'iU paes causas do entorpecimento da lavoura, os ma-
les que mais a torturam, sao geralmente os se-
guintes :
Falta de conhecimentos profissionaes.
Escassez de capitaes.
Falta de etradas.
Quem nao sabe que rnuiias das propriedair
ruraes pis, nesta mesma provincia, dihgidas |km
escravos bocaes, que so se distingaem pelo ngor -
severidade com que tratam seas parreiros ?
De seraelhante modo o trabalho p*>ie ser tal -
improbo, fatiganle, cruel ; mas com certeu i a
ba de ser productivo e eflicaz.
Sem certa somma de conbeei nentos prois naes, que levera o lavrad >r a iotro-lazir aa calm
ra melhoramentos in tispensaveu, ella por for;*
se ha de arruinar e perder.
0 solo vai eofraquecendo bora por bora ; e pre
ciso que se Ihe imprima aenipre am vigor so >
Os outros paizes ubteem dia por dia profresi -
que dao em resultado a tuperiondade m seas
productos sobre os similares de no-so paiz :
preciso ao menos de longe tegoi I >.
Os braces vao escaueando a olhos vidos ; r
preciso que se trate de sobstitui-lot proasia
mente.
E to se conseguira remsdiar a todos esees aa
les, insiruindo convsnienlemenle o lavrador, sar
que, eolao, elle sabera ageitar o solo as soaa
ces.-idades, aperfei^oar do melbor modo ot pr
ductos de sna lavoura, e coojurar as tormeat .-
com que for por a:aso ameacado.
(Do Correto di Bahia i
DIARIOJD PERNaMBUOj
RECIFE, 16 DE DEZEMBRO DE 1871
Notieiaa da l.nropa
Pelo vapor inglez Cordova recehemos o Jorn-ii
do Commercio, de Lisboa, de 28, 27 e 28 de ooven
bro, os quaes adiaotam tres dias as datas qae i-
cebemos pelo Britannia.
Desses jornaes colbetoos o que segne .
a Mr. Cbnslophle, depatado a asseaablea nan
nal, e anhgo presidente do centro esqnerdo, dir
gio aos sens eleitores uma caru.de jue extra imrs
os seguintes paragraphos :
t 0 ponto capital e evitar eleic>>s plebiseita-
rias, e impedir que diante do soffragio oniversa
a forma governamental seja o umco objecto etn
discu'sao.
i Fazei desapparecer esta eterna qoestao qa<,
ha tres annos, canea e enerva o paiz : ot emir
tos socegarao, o imperio perdera a eventuaMa-
des de empolgar o poder, rttnmaodo a hanaM
attitude que tiaha sob o governo de Mr. Tbiers,
o governo do paiz perteneera sem contestacao at
que tiverem reconhecido os sens vertadViros sea
timentos e se tiverem submetlido ao peosastest
que elle nao deixa de expressar nas eleicdet par
Afa:\CI 1 II1VAK BEUTEB
POLIT1SOS
BERLIM, 14 de dezernbro, a noite.
Terminou o depolmento das tea-
temnnhas no processo do conde
Arnim. O promotor pnbllco. obten-
do a palavra, prodnslo nma lonja
aecutacao) na qual fex sobresahir
os Caelos que, durante o curso do
juigamento, foram lancados a car-
f?a do rei, eonclulndo por pedlr ao
tribunal a condemnncao do conde
Arnim a dous annos melo de pri-
sao. Deve seguir-ae a defesa do
eonde. feita pelo seu advogado. de-
pots da qual o tribunal pronuncia-
ra a decisao.
PARIS, 14 de dezernbro, a noite.
Os jornaes de todas as cores poll-
ticas fasem extensos comnaenta-
rios aceroa das revelaf oes feltas
sobre a pelltica segulda pelo prln
eipe de Blsmark, apos a guerra
franco allema. Os Jornaes republi-
canos mostram-se bastante eireum-
spectos nas suas apreciacdes. mas
os lecltlmistas. e especial mente os
bonapartistas. atacam o prlncipe
de Blsnaark. a quena accusam de
proceder em polltica com dupla fa-
ce. Essas revelacoes causaram pro
runda sciisiii'iin em todo o pals, e
sao dlscutidas cm todos os clren-
los polltlcos.
MADRID, 15 de dezernbro.
O movlmento combinado de ata-
que contra os earllstas. que tlnha
Ido decldldo pelo mareehat Merra-
no, acba-se forcadamente adlado.
em conseqnencla da grande quanti-
dade de neve qne cahio, nos uiti-
mos dias. nas provincias do norte
da Hespanha.
GQHUERGXAZS
LONDRES, 14 de dezernbro.
Os baneos partlcnlarea deacon-
Klevados impostos de exportacao.
Sobre cada um desses pontos nos demoraremos
um pouco ; e nctando o que a respeito delles liver | ciaes.
opinado, quer a commissao ja referida, quer o ex- Erara esses os principaes motivus qne tar
presidente desta provincia, ajuntaremos as obser- viam de guia aos autores da proposta Perier. A
vaeSes que nos suggerirem a pratica e os modestos i rejeicio daquella proposta desligoa-os. Votaran i
conhecimentos, que sobre o assumpto possuimos.' a dissolucao ; vota-la-hao ainda no dia em qu -
A falta de conhe'imentos profissionaes e, como qualquer ontra proposta aoaloga hf systemalica
ja por vezes o temos dito, embaraco muito serio. mente rejeitada. lias que retiradi* nos
para o desenvolvimento da lavoura. nates, recusam-se abiolulameole pronaaciar on
Esta nao podera prosperaV desde que cegamente '
seguir a rolina, em vez de promover os melhora
mentos do progresso, que diariamente a industria
universal registra.
Instrumentos aperfeicoados de trabalho ; raa-
cbiuismos que subslituam braces ; meios de tor-
nar o solo mais proprio a dar o que delle se quer;
pos.-ibilidade de multiplicar a produccao ; sciencia
bastante para nao desconhecer qual o genero de
cultura que mais convem a essa ou aquella por-
clo de terreno ; eis do que nao pode se prescin-
dir n'um lavrador, que deseje ser util a si mesmo,
aos bomens de sua classe e a seu pair, emfim.
Temos por vezes abuadado nessas considers-
5oes, e folgamos de ve las robustecidas pela com-
missao de inquerito sobre a lavoura desta pro-
vincia.
Disseram a er-te respeito os Srs. commendadores
A. de Lacerda e F. de Sampaio Vianna :
O meth- do de cultivo e, na maxima patte, o
de dous seculo3 passados ; sendo muito lim ta lo
o numero dos cullivadores que arrastando os pre-
conceitos, diga-se mesmoa indolencia, a incu-
ria habitual da maioria, admittem e empregam
instrumenios aratorios e outras machinas, adopta-
das pelos agricultores europeus e norte-ameri-
canos. >
Da-se realmente nm facto inexplicavel, no que
se refere a seraelhante assumpto.
Nao e so por falta de capitae3-que os nossos
lavradores deixam de fazer acquisi;ao de alguns
instrumentos modernos de trabalho. Maitos ha
qoe poderiam consegui-los, independentemente de
qualquer sacrificio.
Nota se, porem, de parte da grande maioria dos
agricoltores uma certa repugnancia em se afasta-
rem da rotina para ensaiar um novo methodo de
cultura ; parece que receiam com essa beroica
retolucao dar nma queda immensa, fatal.
Entretanto, como bem observa certo presidente
de provincia, no offlcio de que fez preceder o re-
latorio de uma commissao de inqnerito, $6 por
meio de nm estudo acurado a baterrada esta hoje
competindo com a canna, para a (abricacao do as-
suear.
NSo sao os direitos protectores, diz elle, mas
o progresso rimlante e agigantado, que vai ope-
rando na indusuia peculiar, as causas do movi-
menlo ascendente do assuear de beterraba ; mo
vimento que se estende a propria cuitura, tao
profundamenle estudada, que converteu uma rait
mesquinha, onde o assuear existia na proporcao
de 3 nor cento ao maximo, em nma raiz tubercu-
losa, dn grande f irmato, com 12 por cento e mais
de assuear crystalisado.
c Entre nos, a eanna, qne tinha de Ifi a 18 por
cento, veio ter 10 por cento, e nio poucas vezes
menos, segundo as indicacSes areomelrieas.*
Basla assignalar- se esse facto para ae compe-
netrarera todos do maravilhoso poder da industria,
da qual, e forca confessar, nos temos desenidado
muito.
ira palavra qae nio seja a de dimolncan, dign
nao se deve esperar isso dot conservadores repu
blicanos.
f Nestes qoatro mezes que dararam as feria*.
suttentaram ontra linguagem perante o saffragi
universal.
Disseram qne aceitavam a lei de 20 de n
vembro, qne voiariam a organisacii republican*
e que o marecbal Mac-Mahon ficaria presiaaate 4a
repnblica ate a expira;ao do seu maadato ar
crescentaram que se esta organisaeio republican.
fosse rejeitada, sastentariam o sea vmo de A*so-
lucio.
a Eis o qae el les disseram.
c E' preciso qae o digam de novo, e provem pe-
los sens actos a sineerldade das sou deciaracoe*.
Nio e certamente davidota esta tnceriaade
< 0 paiz tem disso a certeza, e o aolbistoat
qae fez aos candiditos qae se collocaram aestr
terreno, desde 21 de maio, mostra a este respeit
qne esta de accordo com o centro esqnerdo.
t Mas quem ignora qae nas espkeras goreraa
mentaes se attribne aos qoe cbamam a os cabs-
cas do centro esqnerdo, fins mui diversos !
c A repnblica importa-lhet poaco, diz-se ; r o
poder, e, para obter o poder, derrjbariara se pre-
ciso foste o qne su-tentam hoje.
a Mr. Thiert, esta atraz da iatriga dings aa-
bilmente todos os fios della, e era ten proveito
exelusivo, qus t abalbam todos o< veccidot de 21
de maio.
e E" este o eterno argamento ; argnmento as
teravel para qnem cooheee o patrratismo o aes-
interesse dos homen i contra os quaes saw aim
ques sao dirigidos, mas argumenio temivei aa*
mios dos adversarios da republics.
e Pois e com o auxilio destas perpetati e awn
tirosas accasaeSes qae se tem donate taalo teaa
po eniretido no espirilodo president' da repohlr
e no pessoal qae o cerca, a descoaflaofa contr
os repoblicanos mais conservadores.
Nao e so daquelle lado qae esta o aarigo 4-
applicacao pratica dos conselhho* do Sr. Lai.
Blanc.
c 0 Sr. Luiz Blanc parece nao se preoccaasi
senaj com uma faccio do paiz, a qoe adkere (
ha muito tempo, a forma republicans. 0 re
esquerdo, porem, nao perde de viu todo o |
Se at paixoes polnicas, se iajatus sotpeiU* e a
mesquinhot rancores tem algomas vezes inspiraaV
conluios parlamenlares systematicameate hostit
repnblica, o pa z, fracas a Dens, tem se coster
vado, na su totalidade de, melbor joiz e saat-
imparcial. .
c Veio para a repnblica por esta iDflneacia Ir
resistivel qoe exerce a pacieocia, a vontaae perse
verante, o espirito de progredir e a inabalavel lr
meza junto a mais persistente naoderaeio. Bat-'
espectacnlo eselarecea-o a reaaeito do valor so.
bomens e dos seas projectos. Vio-ss a sat traa -
Juillidade impenarbavel perante os jnizea, esa nr
os procetMnMBtos arbitrarios applicalos i b>-




i.fhi :in miiiZ^^i^s r\ iianu
Diario de PeraaniDuco Quarta feira 16 de Dezembro d6 1874
=s
_______
prensa republicans, earn a escolba partial da3 ma
nieipalidades, e com a qued-i do governo d^ |ua'5
preferencias. Vjfaro-se submettidos n0/a wv
liJade, respehesos na forma e .-cj.ciiosos -na as-
sencia.
i Si-ij rjo&saario abdicat esia posigSo, declarar
que ludo esli cunclui io, e que qualquer concilia-
cao e de iutuYo imp ssive! ? Pot minha conta, di-
fo resoiutamente, nao. Julgo certameule inevi'a-
el a di*solucao, se, quando recomecarem as ses-
s.5es, a asseniblea nao pozer termo ao estade pro-
visorio ; mas nao Ihe nejrarei o poder consliluin-
te, que Ihe. reconheci n'outro tempo.
c Esta atlitade seria impolilica. Nao iria um
dia alem da dissolucao, a qual so nao pode pro-
uunciar sera o apoio do um ccrto numero de mo
uarchistas desabusados; lancaria o presideute da
ropublica nos br.cos dos bonapartistas, e se enlao
se flies-seaa as eleicSe--, haviara de realisar-se com
um Tniuisterio a outrance. Talvez que, em sum-
mit, porquc e nece-sario prever o inverosirail, jus
tiiiisse ai.s olhos de ccrlas pes:oas, a seplenali-
sacao da assemblea.
a Rejeitai, se ousarem rcproduzi I03, os pro-
ject.s devidos ao espirito invenlivo dos Srs. Bro-
$lie e Venlavon ; am prestai altencao a todas as
prop;stas razoaveisqae juntassem a existencia de
fact > de que gnza a republica, a existencia lepal ;
eis aqui a posicaa do centro esquerdo, afim de
que os inimigos da republic a nao rcvel?m-com
as nossas fellas um poder de agitafio., que os
convidaria a praticar tudo.
Acccitai, e\c-Alter! Ckl'istnphle, dcpotado
de I'Orne.
a 0 Popolo Romano julga saber q ie o Cm da
Tiagem dos bispos inglezr a Rom* bi ambinar
crato Vatican? sobre os uieus de dtf-za queffl
devem erapregar no caso do governi mg!>z qua-
rt r limilar a liberdade u'ae.ao U; ekrj cat;io
lico.
Os bispos iaglezes pedirian n-.-to ca>o, que
se Ihesdeixassea liberdade do feseolhtr os locios
do opposicao.
EsWo alem disso resolvid.ua Boaservar ores-
peito das leis do estado, e a ter em cunta a situa-
cac poiitrca de lugkitorra, in .s s ca aoter do povo
ingles nao Ihes perinilte aeeitur riMiiienie as
niesmas prescripts queforaiii iainesjas Ma bis-
pus italisnos < allemie*.
t O Bat*, ncstas eircamstaucia-, convidou os
fci-p is ingiezes a foriaularem uma serie de pro-
po?las para serein submellidas ao exarae da con-
greg ii;.'.u da peaiteocia.
u Srgandi o Times, eis aqui as condi^oos de
paz entre p. China e o Japan :
a 0 goviruo chiaez pagara ao Japao 500,000
Meat, semlo 100,000 t -elt pagaveis desde logo, e
4uii,000 tael* em 20 de dezembro proximo. E'
oesta u.tinia daia que as tropas_ japonezas hao de
vacuar a iltu Formosa. 0 Japao rejerva se o ti:-
reito de mandar, no caso de nccesMdade, furcas
amadas para iina Ponao3<.
O Evening Standard pnblica um especie de
Jos boat is qae se tern espalnadn, o recrsiamccio
do exerciti inglezero gerid, cstae Um rslado nes-
les ul'.imos tempos u'nma -ituacao muKo satisfa-
loria. 0< quadros esliveram com letos durante
to.lo o anno paH.-ido ; e os re^ntas ainda que
jjvens, sag de uma (MrruiteifaoTobuSta, eem maior
uuinero d i quo. exigem' os quadros. Os recrutas
incorporad is foram ma-is niiTicrosos em todos os
mezes dn que o Unban s:d) nos meKs correspon
denies do anno pa-sadu.
Logo depots deata noticia pnblica e mesm
jornal o seguiute:
u i'arece nue as ieserc.o.:s augniontam do exer-
cit) inglez com ^ravissnna propor^io. Provem
antas de um impulsu para a emigrac;ao: do que de
u; profunl.i de.-c>nlentanieu!) do servic;o mil tar,
qae possa cxistir no Kxercito inglez.
a sejundj o Pifittt Gazfill, uada merjds do ris*
330 oasoa de deseveio se deram no eipaea de V>
dias. ->o decurso do um anno, isio daria n;n
numero d*U,000 desertores, reprer-entaria uma per-
da annual de 20/OM lumens, quando o ricruta-
memo para o anno nao e maw do qua 17 000 ho-
mens. Mas o numero ciudo polo Police Gtitett 6
ama exoepcAo^ a situ3c;io ainda nao e lao ma
Todavia toroa-M necessana uma reforma.
a No decurso de 1872, liveram a baixa por in
eorregivcis 1,662 homensj e desertarara o,6i>l.
c Ja se tern foito algumas propostas para-seme-
lioror .1 -itnarw. Uas pediraai qie se raodifi
cas>e o regimen m:4itar, e que se augmentassem os
eoidos. Oolros, pelo contrario, re'.lamaram a re
crudescencu de severidade.; accusaram alguns go-
vernos do amarem a pupularidade, sendo assim os
principles autores d.i mal; nis veera outra salva-
<;ao scoao Do restals^lecimeoto minis do eente de nova peraas, abolidcs em
(8:J3 pjr I rJ W.lliain BrfDtiiick no exercrto da
CoinpMbia das iadias, c depois da guerra da Cri-
mea ......xereito inglez.
0 -Siandui'd escreceu a favor do restabeleei-
tnento das marcas com as letras D (Jesertor) e B
D. (bad candid mao comporiamento; que ou-
tr'ora se apphcava aos condemnados. DenuEcion
como culpadtta os membroi do governo e os jerna-
lislas qu-: teem pre^ado um falso humanitarismo,
e que irooxeratu a ruina dd vi^oro3a discipline
das tropas inglezas.
< O que se ttlMnoa um sy-i'ni i liumanUario
disse o-Xiindard, ^5de couvir a um exercito que
se ranuta p-r meio da obnga^io d i servico inili
tar, e que conlem no seu seio a elyte da oa^ao ;
onde ha um exereibi que atlrahe a si represeotao-
.< das ciaes elevadas da sociedade por diversas
aaolaigaaa. e na Severn, a'as o exerailo inglez de i871 nao se as-
semima a -eerihum aVtaaa dous e-xercil >s, e se se
quer manter nelle a crdem, e neoessario res.ta.ije-
lecer o mesmo ijulfan que eslav*. em vigor ha 10
annos. >
c Sir Henry Rawlconcommuoicouau*icialuiea-
le ao liail'j Telegraph a seguinle carta que Ihe foi
dirigida pelo primeiro lord do thesouro, anout
ciando que S. M. DriUfnica Msolaea que tives-v
lagar unia u >va expedii^ao polar. sla noticia ita
de sit bem acolhida \i< todos os geograpbos-esa-
bios, e por todos os inarilimos.
Charo Sr. Henry Rawlinson. O governo ite
S. M- tomou em considesagao as observacoes qae
me haveis feito, em newe do conseibo da socielade
real de geographia, da associacao britannica e de
ontras corporapej de sabiosde priTaeira ordem, a
favor de uma nova expeaVgiio destiaada, sobre o
patronato e direccio do g*veruo, a explorar as re
gioes de polo do norte.
a Tenbo a boora de roa in'ormar que, depois de
ter examinado as raioes que podem militar em fa
vor desta projects, os resu(ados scieatifloos a que
pode dar Inpar a cxpedigao, as suas probabilida-
de- de exito, assim como c importance impulse
que poie dar p3lo Irapulso 4e descoberla quesem
pre it m aracterisado a marinba iogleza, over-
iio de sua magestadc resolves que, sem dj:n..ra,
se organise essa exp :Ji;ao, e se faca a vela.
Tenko a honra 'e ser, etc. (Assigaado, D.
Disraeli). *
Dizem de CunsUbtinopla qae Aanii-IV-:.-.' es-
creveu uma carta conlidencial aos seus coli<'ga. !.
Berlim, V'ienaaeS. Ptorsburgo, sara Ibes declarar
que a Port i uao pode ceder no tegoci rt-lai.v .
aos tratado8 de commereio com a ^oumama, eou-
vidando aquellas potencks a em' regarem tada, a
sua influeucia para decio'trem a Roumaaia a ;;;
a Porta auionsaji) para cjqcIui.- coEveucoescouj-
uierci.4-3, uii.prucurar us modo oiialquer uue
possa garaolir os direitos reciprocos dos dous pai-
zes. e a dignidade da Porta.
Kalla se de uma carta qae o sultao escreveu

IP
oel ao kfeedm, peddo algumas van a^wa pajal j --49i-*gg#aciaJo com o li.bitJ
aua condescendeucia, especialmepte um dos luga- ihur do Alvim, sublilo brasileiro.
res de jnfz fesprtado aos europetfs Btribunal, que
e vai crear..
Se esta noticia e exacia, .0 gpverpo fraocez
vai ficar isolado aa sua resistencia aos project is
do vice-rei, e este veifa desapparecer urn dos obi*
taculcs que encoatrava. De 60,000 estrangeiros,
pouco mats ou tnenos, que vivem no territorio es-
trangelro, nao ha ellectivamenle menos de 3i,6t0
egypcios, o que da nrna granle importancia a op-
poiicao do gii-inete helleniob. >
c Le-se o segaiato, n uma carta de S. Petersbnr-
go, dirigida ao Danubio, jornal hebdomadirio
francez que se pnblica em Vienaa, e que de ordi
nario e?u sempre bem iaformalo, pelo que respei
ta aos negocios do Oriente:
Em Varsovia, os offlciaes de engenhalroa ro
ceberam as segninte3 eurio-as iostruecoes : Es-
ludar todos 03 cursos d'agua, grandea e peqdenos,
que se laccam no Vislsla, nas immediafoea da ci-
dadella de tiracovia, e ver o partido que se pode-
ria lirar, quer no oaso offensive, quer no caso de-
fensivo, d.baixo do ponto de vista eslrategico au
simplesmente como melo de fortiflcac.ao.
t A respeilo dos diveraos outros poutn, os of-
flciaes receberam ordem para estudar questoes
analoga*, e isto traz a meinoria a conferencia que
aqui leva lugar, em presenca de um audilorio mi-
litar. relativamente a posi^ao qoe a esqnadra rus-
si poderia ser chamada a occupar n'um caso de
guerra com a Allemaaha, da dupla hypothese em
que a Austria fosse alliada de uma ou outra das
duas potencias belligerantes. Os ministros russos
sao lumens de precaucao, como vedes.
o Eram dignos de inventar, 3e nao honvesse an
tes delles o famoso axioma : Si vis pacem para
helium, i
- Eis os telegrammas reeebldoj em Lisboa do
25 a 28 de novembro :
t Londres, Ji Noticias reoobidaa do Mexico
dizem que no congresso fora approvada uma lei
autorisando a constituir o senadj.
t Londres, 25. Telegrammas de Uirkenhead
avisamter vencido o Canaidato coaserVador com
3,121 votos contra o candidato liberal que otJteve
so 2,47i votes. Os jornaes conservadores celebram
a victoria com grande regosijo. >
Londres, 26. Foi bontem lancada ao mar a
saaiioueira de guerr* Mexico, aendo este o primei-
ro vapor da esquadra mexicanj. Estao se eons-
truindo outros aqai.
Paris, 2i. Diz-se que os depuUdos repubh-
cauos inlerpellaram o ministro da guerra pela or-
dem que o general Dacrot dirigio ao exercito, de-
clarando qae se lomariam as roedidas conveditn
tes para uiaotr a ordtm. Os deputados dizem quo
nao lendo Efflo a ordem alterada, estas palitias
puderiam dar occasiao a isso. Avalia-se em SoO
u numero dos deputados repobficanos que tein
chegado; da direita qnando muito teem chegado
apeuas 50 Rouber comparecera sex-ta feira pe-
rante o juiz de primeira instancia. ET esperado
tt'jui o principe de Hobenlole, A imperatriz da
Russia acliase um tanto indisp.ista. UMfOV
liners. Amanlia recebera os chetes dos divprsos
gi,3 js rcpublicaaos da assemblea. As modificacoes
ministeriaes estao adialas para depois da reiber-
tur.i do parlamento.
Paris, 25.Houve uma discussao no conselho
municipal para se trat r de om emprestimo im-
mediato. Amanha liavera no Elyseu nm grande
banquete di jiooatico c politico offere'etdo aos mi
Bistros quo viaitaram a imperatris da Russia. O
duqae de Remoursassistio hooteta a re'vistai Mac-
Maiion e os ministros visitaram a imperatriz que
p.irle amanha.
Paris 25.Esta noite ha rceepcio militar no
ininisterio da guerra precedida de jautar a qae as-
s strut, alem do raarechal MacMahon, os com
mandanies dos corpos d > exercito, o general Chan-
ty, o goveruidor d'Argelia e os inembros do a-
premo conseibo do ju-tica mditar. A vioda de Mr.
de Nadaillaj a Pans teve por fim fornecer es es-
elarecimentoc precisos paia a respo-ia do ministro
dos estrangeiros ao memorandum de Veja Armijo.
Hoje teve lugar uma larga conferencia com o pre-
sidents da republica. 0 grande empreiieniedjr
Fernando Lesseps e-U 4 tesla do projecto de aber-
tura do isthmo de Gabes que dotara ^r^elia com
um mar interior que fertilisara as andas pla"nicies
do deserto. Prosegueatambem os iraballio- para
o gigantesco camiulio de ferro asiatico que ligaria
os camichos russos com oj anglo-indianos. Par
tio para o Senegal o general Pelissier, que vai
iospec;ionar aquella colonia. Falla se da cbegv
da a Paris do principe Jeronynn N3poleao. No
ticias de Versailles dizem que a esquerda fara a
sua primeira reuniao no dia 25. >
Paris, 26.-Na reuniao dos deputados da es
auerda foram discutidas quatro interpellacBes
acerca da condncta do governo durante as (erias
parlamentares. A decisao (icon adiada para do-
rr ingo. 0 Jornal Official publica um decreto es'
tabelecendo os direitos de tonelagera no port) de
Dieppe que serao triota centimos por tonelada
Dovernois foi coodemnado a dous annos do prisao
Gozavewitch e o o gri duque Constantino jantarao
hoje com Mic-Mahon A imperatriz da Russia
deixa Paris na segunda-feira, dirigindo se para a
Italia.
t Madrid, 2J!.-Um cdital do governador civil
i-xhoila os eslndanles a en'rar na ordem e lem-
bra-lbes que o dislricto esta em estado de sitio.
H intern teve lngar o enterro do general inglez
15 istow. A este acto .presidio Layard, represen-
tante de Inglaterra. 0 acompanhamento era gran
de. 0 capitao general ordenou que Ir e prestasse
as hunras fuoebres um Latalbao. A Iberia diz :
A tenaz opposicao contra o presidente do conse-
lho 6 o seu maior elogio. n
Madrid, 25.Notieias de AragSo dizem ter si-
do :lc3Dcada a partida carlista em Manzanera, It-
cando qu?tro moilos e viote e oito prisionciros.
De Valrocra sabese qne os ,:arlislas invadiram a
pjvoacao de Madrlgueras, levando quatro refens
Comniunicam de Orense que em Outeiro foram
rtorlos o cabecilha Rodriguez e o sea immediate
e mais 3 guerrilheircs. Ficaram em poder da for-
ca publica 9 prisionetres, entre es quaes o capel-
lao da guerrima, armas, monicSes e varios objec-
tos.
Madrid, 25.Apezar do desmentido dado por
uma agencia teligraphi.-a, podemos asseverar qne
o supremo coaselho ae jnstija militar confirmou
a sentcnea de morte profeiida contra o cabecilha
carlista Lozano.
Madrid, M Os periodicoa n3o disserjn na-
-aUlMI tffcff
neste seniido ao priacip* Carlos. Quanu> a Fran -
Ya, Inglaterra e Italia, sao de opiaiao que oenhuma
potencia pode conclnir iraiado on coa*eacau coin
a. Ronmania, senao com a condirlo desta ce-nsealir
tea telicitar a ratificacia da Port*. *
* 0 estabelecimento do Egypt) d^ uma jurwdir-
cao internacional de>tiuada a subslitair a dns eoa-
sules, e a prodnzir a snpprcssan da? .capitola;&es,
* uma idea que o khediva do Egypto procura ha
muHc tempo por em execucio, e a coja reaiisacio
muilos governos europeus teem ja deeiarado nao
ae opporero. A Pra-.ea e a Srecia, que teem do
ae occupar dos inleresses e da segnranca de mi
flierosos cacionaes que vivem n Egypto sob a pro
teccio dos seus sobditos, teem ate agora Mctfliilfj
abandonar as garantias certas de qae gozavam,
para obter outras que, sem duvida, llaes pareciam
j nsofflcientes.
Has um jornal allemao diz que o gabinete da
flerliiu, cheio de prevencao pelo khedivsj do qual
nm dos fMho3 foi admiltido na escola mtJiiar da
qualla cidade, ja reuunciou a provale;er se sl '=
neleio as eapituiac0ea> 0 me uw jornal asuuu-
cia toinbeui que a Grecia, qne new mesmo quiz
fazer-.-e representr na eonferaacia europea a
esta na actualidade complelaoiente dtsposU a acei-
tar a reform* proposta, 6eu pai l das suas inten-
da acerca da remisslo do onselbi, qne hontem
teve Lgar debatxo da presideucia de Serrano. Lo-
go qu o conseibo terminou-Sagasta e Ulloa visi-
taram Topete. A columna commandada por Vil-
bigas Encaroaeioues operou em al^nns movimen-
\m. Os carlistas que occupam Balmaseda estao
abrigados pela partida do mor.
< Madrid, 26. 0 duque da Torre vi-itoa hon-
tem a Topete, ao t;ual tarabem visitou hontem Cas-
teila,r. Diz se qae entrara de novo na campauba
o cura Santa Cruc. > Gnzeta publica decretos
passaodo o brigadeiro Sagasta que estava de go
vernador militar em Cadiz as orcens do ministro
da gorra substiluiodo o pelo marechal de campo
Soria i>> Santa Cruz. 0 Imparanl diz que mo-i
menlos antes de sertoido o general Cmcha dan
Ine o braco o capitao de artilheria Villar, que foil]
promovido ao posto imrnediato.
Irun, 26.Os carlistas atacaram hontem pela
manba as p i-iroes na altura de S. Marcial, -end
repel idos e soffrendo bastantes perdas. Acerca
da proposta do ministro da guerra de Portugal pa-
ra no proximo parlameolo se votar o aogmento
do exercito para defcza da napio. pergonta a Ban-
deira quaes zko os perigoe que ameafaE) a nacki
visinba.
u Pfciiadelalii.', 2i.- N'a cidade de Tuseumbia,
estado de Alabama, rebentoa uma vioiecta tem-
pestade,causaado varios prefiizos. afprreram 12
pessoas, eado ccasiJeravel o numero de ieri-
dos.
Madrid, 27. 2I;uve hoje um almoco dado
pelo uiareehal Serrano a quo a**isuram o preti
Jente do consclh >, o ministro d< jiuerra, i.sra-
oreseutaotes de fnglaferr-, Aliemanna, Relgieae
E>lado3 Unidos Parece que o duque de la T.rre
ee acfia inclioado a- urganiKar a milicia nacJonal.
Aberlas as anlas da ouivarudade a excepcao de
liUerai jra ger.il e bespauhola. Passaraui por Per-
pi^aam Canovas, Cislro Lara, CarbouiJI, Onol e
Gom-.-z que vao acompanbar U. Atfoaso OiDiurio
E:;paml tern infonaaeo.'.s de qae Stffrauo o^.rUra
brevemeate p.ua o tlieatfo da gjrr*. A PUii ca,
Ztispondeudo aa jornal, a Ubtrti qpa aumiuciou
so reuoiiiam c6its i in Madrid, aJcKd> qu^
fossa triompho s-bre os carlila ate. o Am do an
r, mz que a* cofhw *ao mdispea-avais ^fUr/ baja
inaoi. ho ou revez..
Failwcara;!) : ei L -b4., i Rvm. prior da Ife -
guoaia da Encamacao pad/* Antonio Jo>a Aflon-
>..; i! i m Ctuche, D. Jo-6 Manoel de M-neaes de
Alarcao, filho da Bnada condessa deS. Vicente.
REVISTA DIARIA.
Professoii'H puiilicoai.-Por portarias
da aresideBcia da provmcia, d 23 de novembro :
Foram aupprimidas as cadeiras- da instraecao
primari* do Caminho Novo, na cidada do Recife,
e da villa de Fibres, na comarca desse nome.
Foram efeadas duas cadeiras de in-trnccio pri-
maria, do sexo masculiuo : uma na rna Marcilio
Di.is, da frsguetia de 8. Jose; e outra no Becco
do Espinheiro. na fregnezia da KOa-Vista, ambas
na eidadc do Recife.
Foram removldoa : a profes^ora pnblica There
za Alexandrina da Barros Mello, da cadeira do Ca-
mi.iho N..v.i, qne foi lupprmida. para da ran
Marcilio Dias e u profawor Jofe Vicente Ferreira
Karros, da cadeiri do collegio dos orphaos para a
do Becce do Espiirlieiro.
llepai'ticiio das oltras publicas.
Por portaria da presideucia da atoviacia, de 10 do
corrcnte, foi nomeado o engerjieire ioterino da re
partieao 'as obras pubheas, Felix Ramos Lien-
thier, para o lugar de engenheiro effectivo da mas-
ma reparticao, na f6rma do art. 32 do regulamen-
ti de 24 defeveroio de6te aouo.
(Jinlector ia provincial. Por portaria
da presideucia da provincia, de 12 do corrente,
foi nomeado o bacuarel Augusto Hygiao da Cunba
Souto Maior, fiscaljda collectoria provincial do mu
nicipio de Itambe-
ltaiie. N dia 21 tera lagar um bail', que
alguns amigos do Sr. conielheiro Cofr6a de Oli-
veira offerceem, no arsenal de marinha, as senna-
ras que foram convidadas para o que S3 havia
projectado para o diaJ2, e qne nao teve lugar etn
consequencia do fallecimento do venerando bario
de Goyanna. /
Xuurraulo Pel.) vapor Ipojuca, recolhido
hontem dos pjortos do norte, tizeraos noticia de ha
ver naufraga^a, id dia 10 do corrente, pelas 11
horas danoile, no lugar denominado-lltia dis Ca
bras proximo a ilba de Fernando de Noronha, a
galera amcricani John Bright, de cerca de 1,800
toneladas, capitao Joseph E. Hadlei, que ia de
New-Yoik para S. Franxiseo da California, com um
compluto carregamento de trilhos de ferro e varios
generos.
1)3 Natal veio n'aqueile vapor a tripoacao do
John Brigth, lendo parW alii embarcado, constan-
io do !. piloto Charles B. Berce 6 man 18 pas-
soas, e parte foi recebida n> alto mar, na altura
da Ponla Negra, constando do capitao, o 2." pilolo
e 8 pessoas mais, sendo igualmente recolhido o
Dote em que vinham, trazendo ja 61 horas de via
gem.
0 Sr. cornmandante Moreira que havia sahido
d'aqueile porto as 4 e 15 minutos da tarde, avislou
o bole com os naufragos as 4 e 40, e preslou-se
oa melhor vootade em recebe-los a bordo, dispen-
sando-lhe n'essa occasiao e durante a viagem o
melhor t at.mento, tornando-se assim digno dos
raaiores encomios.
0 John Bright havia partido a 8 de novembro
proximo fiooo, trazendo, portanto, 32 dias de via
gem.
Dintaelro 0 vapor Ipojuc-i troaxe para :
Gomes de Mattos & Irmao
Luiz Antonio Siqueira
A. Alberto de Souza Aguiar
J. L. Gon^alves Ferreira & C.
load Joijuim Fernandes dc Irmao
J. J. Goncalves Bellrio & Filbo
Alfredo & C.
Monteiro Junior & Fernandas
J. Christiani & C.
Lehmann freres
Alipio F. Ferreira
0 vapor Btihia rovoa de aosa
M*ce'6
Bahia
Rio de Janeiro
A tcHtado. Pelas 9 horas da
do eorro-aie. Mam el Antonio Izidro dos Passos fa-
no com uma fa.a a Aogefo Joa|uim de Situ'Anna,
no 2* dislricto da freguezia de S. Jo.-e 0 delin-
quent foi preso em flagrante.
I'aicde. Os aguaderos fUeram parede com
o tim expresso de eevarem o preco de um balde
d'agua a qusntia de 320 ruis seja qual for a dis-
taouia ou altura, a que tenham de levar aquella.
0 excosso de semeihante preco e desarrazoado, vio-
lent-, vexalorio; como, porem, providenci r na
coojunctn.a, que e seria bastante para os mono?
favorecidos da sorte ?
Quern nao estiver, pois, no caso de ser victim*
dos aguideiros, toine-se de coragem, fjca-se D.
Joao, criado de si mesmo, e pegando do pote va
comprar agua ao cliafariz, do mesmo modo que
vai comprar o pao a padariae a came ao acoogue :
a p*reie se desabara.
Estrada le ferro do Recire a *.
I'raiii'ixeo.Esta via de commuoica^ao no
mez proximo Undo de uovembro :
Itendeu 95:38i9l20
De.-pendeu 37:250*128
D^u de saldo a favor da garantia de
juros 58:133*992
A relacao entre a despeza e a receita foi de....
39,05'/..
Transitaram na liuha 15: i33 1/2 passageiros,
sendo 496 por conta do governo, e foram trans
portados 3,9i8 volumes de bagagem, pesando
70,033 kilogrammes; 7.486:4'-2 kilogrammos de
mercadorias e 341 animaes.
Nas mercadonas acham e incluidos 75,471 sac-
cos de assucar, pesando 5.750:597 kilogrammos,
518 fardos de algodao, com o peso de 39,506 ki-
logrammos.
Moviaaaento aediciogo. Censta-nos
que um pequenc- grupo, composto de sets desor
deiros, viado da Serra Bonita, na provincia da
Parahyba, apreseotou-se na feira ultima de Ver-
tentes, da cumarea do Limoeiro, e tncilou em alias
vozes o povo a auebrar as medidas decimaes; e
que, tendo se apre.-enlado odelegado com a forca
do destarcaraento, composia de nove pracas, e a
companhado de algumas pessoas do povo, oppoz
se aos desmandos que ditos desordeiros pretendiam
praticar, eetes deitaram a fagir, depois de peque
na luia, da qual sahio um delles ferido com uma
bayonelada.
Tendo chegado hontem noticias de Perto-
Calvi, na provincia das Alagoas, de que os animos
achavam se exaltados e a populacao alarmada, em
consequencia dos rumores espalhados relativa-
meute ao quebramento de pesos e medidas, S-
Exc. o Sr. commendador president* da provincia
fez para alii seguir uma for;a de 20 pracas de
Iintia
Presideacte da PfcuuUj. Aiim de res-
labelecer-se an grave moleslia, que soll'reu no
Piauby, cbegeu bonlra, a bordo do vapor Ipojuca,
o Exm. Sr. Dr. Adoiiiho Lameaba Lins,que obteve
do governo imperial a resuectiva licenga.
Nova niiiiicacao.-a' iivraria popular,
dos Srs Silva Cardoso ik Pessoa, rua do Bar ao da
Victoria n- 59, acabaia de chegar alguns exempla-
res de uma brocliura; de cerca de 150 paginas.
do illustraso escriptor Rvm. Benevenuto Antonio
Caetauo de Campos, denominala Oque e oclero
v7ja monarch ia imsUtucipnol, obra quo pjro-
duz.io verdadeiro freneft em Portugal, iaes sao
as idea!* ni exp',ndidas em relarcio a qne-tao re-
ligiosa que se agjta no mando, e especlalmente no
B'rasil.
A priwente edipSo vem Hlntfrada com inumeraa
notas'sobre o estado aettaf da sociedade, e'p'rece-
dfda de am proeario do editor.
Beauties. -No dia il realisaram-se os exa-
mes dVaafaninos oa 3.* escola p;iblfea primaria,
do. sexb maseiflino, do dislricto tttterarlo <(a fre
gnezra de 9anib Antonio, fej?>da pelo prpfewnr P
A. Monteiro P?ss8a. Foram approvarfos plena-
irrenfe Hodolpho Pereifa Lima, Affmso Mentefro
Pe^-Si. e Heurfaoe de Sriueira Figaeiredo.
No dia It prestaram exame, na escola pu-
blica primaria, do sexo femenino, localisada na
Eucruzilnada d) Rounnlio, revida. pela pro/ayso-
ra D. Fraacelina Maurini da Silva AfbCu]uerqau,
a- iBma Mamia da Coacaigaa salgade hA'-c*U,
Maria. Jaaaaai da VanJonceiioa CwaiMtt Mari
Aineiia aV Ltub, as qx/e feaara
de ChriiH, A> Ahloni i BaziPo Ferreira Barros, os arcrrrmos Vi-
cente Ferreira Benzteu dns Santos, Viigdiu Fran
aia.Pereira da Silva, Vicente' Ferrerra dot ^tI
tos e Silvino Eduardo Pereira, que (oram pleua-
mente a'iprovado;.
aa^neiicio. Como drama original brasi
leiro do Sr. Jose de Lima Penaute Beucao Ma-
ternal e o duetto 0 Meirihho e a Pobre
tem lugar hoje no theatro de Santo Antonio o es-
pectaculo em beneficto da sociedade Propagadora
da fnstruccao Publica (no Poco da Panella)
0 Sr, Colmbra, proprietario do theatro, a maior
paite dos artistas da companhia que fun:cionani
aetualmente nesse theatro, e dos music.is da or-
chestra, assim como o gerente da empreza de gaz,
deaistiram da vantagera quo lhes devia caber no
espectaealo dessa ncite, em vista do fim a qne e
de-tinado o mesmo bein-ficio.
Nao deva ser esquecido esse desinteresse e basla
ser mencionado para ter d->vidmente apreciado.
Esperamos que o publico concorra a esse e3-
pectaculo, animando assim os que se esforcam em
bon da iastrac^ao Jas clas3es desvaiiJas.
Para maior facilidade aos qae quizerr-m assistir
?quelle beneficio havera depois do espectaculo um
trem ate o Caxanga e doas bonds, senlo am para
Fernandes Yieira a outro para Magdalena.
M uido pordiiio. \i delegaeia de poll-
cia da capital esta um menino de 6 a 7 annos, par-
do, cabellos crespos, que diz chamar-se Manoel, e
vagava pelas rua sem deslino.
Ora diz que tem parentes, nra diz que nao; e
parece ser das bandas de Tegipio, lugar em que
as vezes falla.
Va por elle, quern liver direito.
Fcriaa. As aulas que funccionam na asso-
ciacao Portagueza de Bene6cenc a dos Emprega-
dos no Commereio e Industrfa em Pcrnambuco, a
rua dolraperador n. 35, fecharam-se, principiando
as ferias que devem continuar ate 10 de Janeiro,
comecanlo a fuuecionar em 11 d.) dito mez com a
aula de francez.
niamangruape.-Escrevem-cos dessa cida-
de, na provincia da Parahyba :
t No dia 5 do corrente mez, as 8 h^ras da noi-
te pouco mais ou menos, chegou a esta cidade a
ala es inerda do 18 batalhao de infantaria de linha
sob o Commando d) distincto major o Illm. Sr.
Paiva, e as 9 e 1|2 horas da mesma noite foram os
dignos ofllciaes obseqoiados pelo commerciante
Jose da Silva Lonreiro Junior, com nma lauta ceia
que se prolongou ate ale 1[2 boras da ma-
uha do dia seguinte, reinando entre os convivas a
mais perfeita satisfagao pela segursnea publica
que estei offlciaes e seus comraandados vieram
trazer a esta provincia. a
Vapor Ipojuca. Voftou hontem do Piauby
pelos portos desua escala, nada adiantando em
noticias as trazidas pelo Buhia.
Arsenal dc marlnbn. Ainda nos en-
viam o seguinte :
t Com re'erencia a escola de primeir3 letras
da queue estabelecimento, dirigida polo Sr. Captuli
na Concalves Lessa, ratiflcamos o seguinte : os S
alumuos sens que foram approvados com distioc
gao responderara satisfactoriamente priiicipios de
historia patria e nas mai3 materias com o maior
desenvolvimento, como ja noticiamos. Um desses
alumuos e externo aprendiz do arsenal.
Eis os discursns pronunciados pelos oradores
das duas orporacSes que frejuentam a mesma es-
cola, as quaes se fizeram representar pelos seus
proprios condiscipulos.
o A poesia que lambem transcrevemos foi re
citada pelo alumno Vicente Ferreira Paes Barreto,
depois de lindos'os exaines :
Illm. Sr. in.-pector.Escolhido pelo nosso dig-
no me-tre de inslruccao primaria para felicitar a
V. S., em nome de meus umpanheiros de escola,
me e summamente grata e honrosa esta distmccio
que la i altamente me calloca.
N6;, Sr. inspector, examinandis do dia de ho
je, t2o solenice e tao glorioso a historia infantil d<
nossos dias, felicitamo-no3, e felicitamos a V. S
por haverm>s c'legad) ao ponto que devera dar
Gm as n^ssas fadigas escolasticas, moslrandonos
o termo imposto pela lei de 21 de julho de 1860,
decreto n. 2,615.
t A Deus primeirameate rendemo3 as graca3
devdas, e depois a V. S.. a qacm tio paternal-
mente devemos a boa applicafio desse anxilio que
o estado nos conceden, lao bem comprehendido
por V. S., e tao intelligentemento executada pelo
nosso distincto cotnraandante, a quem com o mais
profuodo reconhecimento nos confessamos gratos.
a Ja sabemos, Sr. inspector, que a aprendizagem
das arte3 e ofBcios que professamos, nos propor
cionara um futuro feliz, no qual encontrarttnos
essa garantia que nos 6 precisa para subsi-fr
mos com honra e vivermo3 indep?ndentes. Esta
doutrina nns foi sempre insinuada pelo no3so in-
cansavel professor ; a elle devemos a felicidade
dc nos a haver cimentado na idea. in os raciocinios discretos c verdadeiramente repa
radoros de sua boa razao. Elle indicou nos' a
obra e mis como operarijs a executamos.
t Finalment, senhor, cm nome de nossas csri-
nhosas mais agradeccmos e rogamos a Deus, qne
sempre laurealo de gloria seja V. S. neste munflo,
onde tao humanamonte vai preparando a certeza
de uma gloria beatiSca aos pes do grande Deus,
que sobre nos vela. Firmino Riphael de Paiva.*
film. Sr. inspector. Os afamnos exteruos,
pertencentes a classe de aprendizes arti-tas deste
arsenal, unisonos em agradecer o nimio zelo com
que V. S. os tem animado na cultura das letras,
eujo principio lhes era inteiramente itldisnensavel;
aproveitam a opportunidaie para manirestarem os
seus agradecimentos a "V. S.
t Se por effeito de um aeaso os no;s03 pais nlo
fossem iuspirados a admittir-nos neste estabeleci
mento para frequentarmos as artes e ofBcios a que
nis dedicamos, de carlo passaria desapercebido em
nossa vida infantil esse bem que nos vai prodiga-
lisando V. S., nao inferior a mais perfeita das fe
licidades.
Em V. S. encontramos o preceptor iutelligenle
que soube descoDrir o erro e desfazer a lacuna
em qne os nosso* pais desapercebidamente incor-
reram.
t Quindo usnfruinnos este bem que V. S. n03
esta fazendo, neste tempo, lembraremos com grati
dao o name daquelle qae se constituindo nosso
protector, asseutou-nos a primeira pedra no edifl*
cio da educacao.
aSomos, fioalmente.bemsatisfsitos com esta von
tade qne vos predomina, senhor, qae e a propria
vontade de Deus I
< Em nosso mestre de instrnceao primaria have-
mn encontrado um bom ioterprete de vossa von-
tade e de vosso eoracio : elle arem de seus
deveres tem a bondade de animar-nos o espirito,
mostrando-nos o que e virtude e quaes os ele
raentos precisos para innos attinglddo o seu
bem.
Finalmente, senhor, tendes uma prova de nos-
sa satisfacao em vossa propria ooseiencia. Deus
vos retribuira conforme mereceis. Miguel Ar-
clianjo Saraiva de Araujo.
t Illm Sr. inspector.E' hoje a ventaroso dia
em qae devemos dar contas de nossa roissao esco-
lastica apresehtando-nos a apreciacao de V. S. e
no9sos dignos raestres com o ffm do alcancarmos
aquelles loaros que devem honrar nos pelo exito
de boisas fadigas e estudos priraarios.
c Os effeitos, posto qae acanhaJos de nossa pe
qaena intelligencia, ja nos d.eixam distinguir o es-
tado ebscuro em que estivemos, cuja desvantagem
nao podia deixar de occorre -nos a mais sever* in
feHcidale na carreira da vida que irtlhamoe.
ttca e no" desefo do bem que se manifest* cm V.
jS. com tanta aoadade de eoracio.
d Esp3ramos que V. S. se dignara continaar a
amparar-nos como filhos do destine que soraos, e
qne sobre nos decarregue teda sua piedaie para
o perfeito eqgraudecimento de-ta obra emprehen-
dida pelo estadonas maos de V. S. eomo pai I
E por todos estes bens que nos forem dispensados
nos o recom nendaremos ao Eiemo a quem nao
sera esquecido V. S. pelos seus numerosos actos
de humanidade e boas intencops que outre para
com os seus semelhant.-s. I'enancio Gomes dos
Santos. >
Muito bem temos vencido
Nossas lidas de instruccio,
Agora cumpre o descanso,
Folgar livre, o coracao.
Estarmas juntos daq'ieiles
Que o nosso amor aprecia,
Daqaelles que nos suppertam,
Com prazer e alegria,
De nossas mais, nossos pais,
Em seus regac/'s estar,
Gozando meigas caricias
Junto a dies descansar.
Nos somos muito felizos
Liudo porvir nos procura,
Depois de alegres brincarmos,
0 trabalhi e a ventura I
Cada qual nos seus ofDcios
Perseverand > em saber,
Para o futuro aer certo,
Nunja deixar de aprendcr I
Mas precisamos constancia
Neste lidar espin ioso,
Cada um melhor que todos !
Cada qual mais caprichoso I
Pecaraos aos nossos chefes
Uma licsnea bem grinde 1
Muitos dias dilatados....
Por ordem sua nos mande ;
Para brincarmos, surrirmos
Cora ineffavel prazer,
Qae os dias sejara bem longos I...
Para mamai innos v.t.
9:972*000
5:289*000
2:648*000
2:2005000
1:01103000
908*170
634 :ooo
BJ'.iiOOO
577:000
230*000
200*000
praca para-:
3-500:000
400*000
990*720
manhit de 14
* E a-i-im & sanftjr in*pe:tor, que a c-ntinua-
cio das lutes qoe V. S. se dignar proporoioriar-
nos, como filhos desvalidos, nao menos nos fara fe
lizes, ae bem que era nossas voatades persists o
eompetente estimulo a desejo da recefec-tas, snjei-
tando-nos bumildemente as pre9crtpcoes qae nos
imp5e o regulament i de 1860, que tao sabiamente
tem silo cemprehendldo.pelo nosso distincto corn-
mandante.
Conflamos, senbor, noa esforcos jus nos haveis
tio dignaaiente dispensado.
t A aureola que cerca os venturo3os de espiri-
te, como em vos, nos mostra am quadra qua mui-
to bem se revel* naquelles que se encaminbam ao
servieo de Deus.
For meio de accoas generosarnaote pralicadas
tendes chegado ao apog^) da caridadja, e mereeidu
par mo uma viJa s mare feliz e moralisaJora '
Nasles exemplos qua haveis_traasra'mjido a socieda
gao as 7 3,4 da tirde na Encrazilhada de Belen,
mandada pela policia.
Felippe, preto, Africa, 55 annos, solteiro, B-v
Vista, hospital Pedro II; varioUs.
Lourenca Maria Ja Con:eicio, Pernambno, 10
annos, s lieira, Santo Antoni-i; sarnas.
Vital, pardo, Peraam uco, 9 mezes, Santo An o
nio, casa dos expost.s; convuboes.
liria n. 52, pri-
aapfVavadasi .
dMiooa. QoTav. ft qjw tat9 vos recorrlmenaam e.qqands
ttu>d*a.lav>wan*rlifary na e*ceta> warjawajjiuas j] verladeiro prism* de doss* felicidide,
Hu, suit, peaa'pna para tla ceao cnphacer q vul
,f.OiMiia> da sej#-i AnacitiaBtv Mtuwaa T^rrey n>8
ie^esa> pel* pfaf\sov kkirnteliaa. Eiisaa fe Silv*
Caneca, os exames do- alumno* Felfcciwmft A*
gusto da Camra Pimentel e Prancelino Francis
co Daarte, sat|mf>> er prrmerroaaBaado com dis-
tintcao, e o eg\lodo plen!tmen'rt'.
No du 14. fyram exatninados na 5.'escola
pabhea onmarfa a freauciia da Boa-Vijta, regid* pelo profevsor
ta qttv nos adimpifltfa ;. ra( aicl>rcido sempr-
f3 nos o dign I profes or, ja vou ron-ideraulo
S. como pai e finalmente c imo om typo daquel-
las- vinuJes sem as quaes n*o podenamos nos
aperf'-icjar pe-ta iua vsrdadeiro fim para qae n-turaiay por m2p3 do
Parahyba. Da capital escreve em 14 do
corrente nosso correspondente :
Segundo o que hontem lhe3 communicdmos,
cessaram inteiramente as reuniSes popnlares no
centro da provincia, na podendo, entretanto,
affiaugar-lhes a terminagao completa da jonfla-
gragao, por nJa nos ser licilo prescrutir o aoim i
do povo.
t Entretanln, em vista das madidas de eaergia
tomadas pela presideucia, acreditamos que as
scena3 ultimimente representadas pelo povo em
diversas localidades da provincia, nao serao re
produzidas, laulo mais porque es sublevados ja
devera ter conhecido o seu erro e a cilada em
que o mjtteram cert03 demonios quo se acober
tain com a capa da nypocrisia e a santa palavra
de Deus.
Na raanha de II do corrente partiram desta
capital ao mando do dLtinclo coroncl de artilba-
ria, Severiano Margins da Fonceca, cornmandante
era chefe das lorgas era operagdjs n?sta provin-
cia, cerca de 80 pracas, senjo 40 de infanta-
ria, e as demais de ci.vallaria com uma peca de
campanba, tendo esta voltado, depois de ja se
achar a seis leguas desta capital, pela difflculdade
dos caminhos, que, posto nao fosse insuperavel,
tiuba, toil v,a, de fa:er demorar a marcha da pe-
quena columna, que uigia avancar sem deraora.
Tomando essa forca o caminho de Pedras de
Fogo, ira collocar-se entre as qut ja seguiram,
compostas das alas dos batalboes 14 e 18 de in-
fantaria.
Nao obstante haverem cessado os movimentos
populares, como ainda uma vez o repetimos, toda-
via, a presidencia coniiada embaragada por falla
de forca regular para certos misteres, que todos
coraprebendem ; n3o sendo bastante a que Ihe
tem siilo fornecida, quer da corte quer da B que chegaram aqui incomplelas, por ter o Exm.
presiJente dessa provmcia lancado mao de pane
della a bem do servieo publico.
Logo que essas forgas aqui chegarem, loraa-
ra S. Exc. outras medidas importaotes, que se
acham adiadas, so bem que a seu pezar, mas quo
urgera prompta execugao.
t Acaba de chegar a corveta de guerra Ypi-
rangi, que, segundo somos inforraados, vein aqui
estacionar.
i Ale o dia II do corrente reoderam, a alfande-
gi 19:928*613 e o consulado provincial .
12:365*408.
< No peso publi:o,no mesmo period), entraram
2,047 saccas de algodao.
a Despachou para Liverpool a galera portugue-
?a Tenladora, manifesUndo 2.000 saccos com as-
sucar e 1,650 saccas com algodai.
Ficam no por|j, carregaido, 13 navios, sendo
1 galera, 10 bare**, 1 brigue e 1 lugar.
Undanca-0 cabelleireiro Jayme avisa aos
seus fraguezes e ao respeitavel publico, que mu
dou-se para a rua do Barao da Viet
meiro andar.
i.oicria. A que se a^ha a vend* e a 123',
a beneficio da Santa Casa de Misericordia, a qual
.-e extrahira no dia 22 do corrente.
Iiellao.-Hoje, effectua o agente Dia, o lei-
lao de um b-.te e uma lane! a, 17 remos e 14 for-
quttas, as 11 boras da manba, junto a guarda-
moria da alfandega.
Ainda hoje conlinua o leilao das caulelas
vencidas, da ca-a de penhores da travessa da rua
Duque de Caxias o. 2, primeiro andar, pela agen-
te Marlins.
Hospital Pedro II.-0 movimento deste
estabelecimento, do dia 7 ao dia 13 de dezembro,
foi o seguinte :
Existiam 389, entraram 43, sabiram 22, falle-
ceram 5, existem 405, sendo :
Homens 251 e raulheres 154.
Advcrtencia.
Foram visitadas as enfermarias nestes dias :
A's 6 1|4, 6, 6, 7 l|4, pelo Dr. Ramos ; as 7
li2, 8 Ii2. 8 1|2, 8, 8, 7, pelo Dr. Pereira da Sil
va ; as 10 1|2, 7 i|2, 10 Ij2, 9 l[3. 9 1|3,10 l|i,
pelo Dr. Malaquias; 4s 9,9 i|2, 9, 9 1(2, pelo Dr.
Murillo Vianna.
Fallecidos.
Anna Joaqui ja Maria dos Prazeres ; absorpcao pn-
rolenta.
Constanca Rosalina ; variolas eoafluentes.
Mina Maria da Couceicio; cachexia canserosa.
Manoel Joaquim da Silva ; tubercalos pulmo
nares.
Ludovina Maria do Espirito Santo ; tuberculos
pulmonares.
Hospital Portuguese. Movimento das
enfermarias na semana de 6 a 12 de dezembro de
1874 :
Fiearun ea tratamsato 31, entraram 3.To-
tal 34.
Sabiram 8, falleceu 1, Beam exislindo 28To-
tal 34.
Entra de mordomo o Sr. Jose Paulo Botelbo.
Casa de deteneao.-Movimento da casa
de deteucio do dia 14 de dezembro de 1874 :
EXistiam presos 294, entraram 4, sahiram 4
existem 294.
A saber :
Nacionacs 223, mofhercs 9, estraogeires 25, es-
cravos 35, escravas 2.Total 294.
Alimentados a custa d)s eofres publicos 244.
A saber :
Sabs 229, enfermos 15.Total 244.
Moviraeuto da enferraaria do di* 14 de dezem-
bro de 1874:
Teve baixa :
Caetauo Viialino da Silva, aneml*.
Teve aha :
Joao, escravo, sentenciado.
Paasagjelros Cheaados dos portps do nor-
te no vapor brasileiro Ipojuca :
Exm. Sr. Dr. Aaolpao La'mapba, tins e sua fa
iiiilis, major Joaquim Jose Barbosa, Dr. Manu-1
Ambrozio da Silva,Torres POrtueal e um escravo,
Jose Lopes Ferreira, Jo3o RaptiVta R,, Joaquim
Ferreira d.i Silva, Vicente Fdrraira, da Silva, Pre
ruencio D. Riheiro e sua famljia, Fra^isco Gurgel
de Olivdra a 4 escraws, capit2o jQte, padre Pre-
derico Raposo da Camar* e 1 escravo, Francisco
de Paula KnJrigues e sua famifia, Hutchjnsou, J^se
Felippe de Souza, Juao Casemiru de Soaaa, 1 ca-
piUo, I 1" plbjto, |. 8 dito a 2B ouriohairos da"ga
lera am-Tioana John BrigM, 2Md|rfc, 2 pra cai,
10 escravos a entregar.
Cenaitcrlo publico.Obiloario do di*. 14
Creador, nos tem desfmado. Louvbriu ao ceo qa? de dezembro :
nasta idade tao tenra me vou estira'ulando na pra-1 Guiihermina de tal, qu,e foi esmagada pelo va
. KROM( i JUDWI1RI1
TRIEBD.1AL l* RKL VC io
SESSAO DE 15 DE DEZEMBRO DEI874.
PRESIDENCIA DO EXM. St. COXSFLIK1M
CAETANO SA2ITUGO.
Secretario Dr. Virgilio Cc^rko.
A's 10 horas da manba, preserves os Srs. d rs-
embargadores Silva Guimar RejS e gn -,
Lourenco Santiago, Almei.Ja Albaquerqne, M-H-
U, procurador da corui, Acchli, Domingue> Silva
e Souza Leao e o Or. juiz de direito Manoel Oe-
menliuo, abrio-se a sessio.
Lida e approvada a acta da sessio antemr, o
Dr. secreUno procedeu ao sorteio dos aljant^a
par* o julgameuto dos recurm* criatea a d\* -
guintes :
Aggravos de pelici >
N. 102.Aggravanle Maaoel taaf da C sta Pe-
reira, aggravado Manoel Pereira Magalhaea. I >
ram soneaJos os Srs desembarg-tdores Domingass
Silva e Sou* Leao.
N. 103 Aggravanles Go s & Ua-tos, ag/rava-
doJosdde Mello Aibu]iK-rque M nten-gro. K Tata
soileados os Srs. disemharnaJor;s Souza Lea> a
Reis e Silva.
N. 107.Aggravanle ). Aim Ma ia do Raaot-
meoto, aggravado Joaquim Fran i-oo de Medeir..
Foram sorteaJos os Srs. deseiubargad ves K<-is
e Silva e Souza Leao.
Aggravo de instruments.
N. 13.-Aggravnle Anlero Francisco de Paola
l^valcante, aggravaio o juizo de dir-it > de ijiio-
pina Grande. For soruraJ is m Srs. desemb^r-
gaJores Souzi Leao o Almeida Albuquerque.
JULGAMRNTOS.
Habeas corpus.
Pacienle Forluoalo Gaaaaa Pioheirj. Conced;
ram ordem, mandiul i ouvir u l)r cbel.: da l
licia.
R--euros crimes.
Do Recife.R^correntu J ao Dometriu Ferreira
de Albuquerque, recorrid ) o jui'.o. Aljanio* os
Srs. dcseiubarg-td Tes Soura Le*o a Almeida AJ-
buquerqae. Reialor n Sr. dese.nbaigador St!ra
Guimaraes. Imprucedente.
De B jm Jardim.KaaaaVaMa o juizo, recorri 1
Joao Bezerra d s >anlos. H-Utor o Sr. d ;ub r
gador Lourenco Santiag). Adjunct os o> Srs d- -
embargadores Souza Leao e Almeida Albujuerjue
Improcedente.
Do Recite.lt-;corrente o joito, recoriido Aauo-
oio Pe xoto de Mello. Relator o Sr. desembar-
galorSouia Le5o. Adjuulos os Sr.-. descmbarfa
dores Djiuiago.es ..Silva a Silva Guiraaraes.la
procedenle.
Aapellacoes crimes.
De It nub'-. Appallaule u juizo, appellado Ma-
noel Nary Teixeira de Bjibi. -A novo jury.
Do Recife. Appellaule Joaquim Martins Gj-
mes, appellada a lustica.-Improcedente.
De Oaricory. Appellante o jnizo, appella 1
Sever in i Torjuato dot Aujos. Improcedente.
De Villa Bella. Appellante Manuel Francisco
de Mura, apoeilaJo o juizo.I.nproceJcn'.--.
De Buique.Appellanl>;LoureuooJo*e da Arau-
jo, appelUda a Juslica. Improcedente.
Do Recife.Appellaule Jim- Euiigd.o Ferreira
Lima, appelU Jo liandido Marlins de '^otro It -
formada a senien. i para coademnar o reo ao nii-
nimo do an. 336 do codigo criminal.
De Muncy. Ap<*e laute o juiz i, appellado A i
gusto Pereira da Rosa.A novo jury.
Appa UcOes civ eis.
De Agua Praia.Embaigante Jose Affjnso Fer-
reira, euibargado Antonio Gomes de Uacedo.
Desprezaram os embargo*.
De Uiia la. Appellante Manoel Elias de Moara.
appellado Manoel Caldas Barrel .Nao tomara-n
conhecimenlo dos embargo-.
Do Recife.Eutb^rgaute Antonio Cesario Morei
ra Dias, embargada Elis* Gal vao Ctrapeba. Des-
prezaram os embargis.
De Oiinda.Appellante o juizo, appellado Ma-
noel Dioni/io Gomes do RegoCoofirmada a sen
lenca.
Da Aiei. Emuargant" Francisco Antonio da
Silva, embargadj Alexandre Gue Desprezados os embargos.
De Campina Appellante Ago.-linbo Ferreira
de Oliveira, appellada Perpeloa, por sea curad. -
Desprezados os embargos.
A ppella; io com raercial.
Do Recife. Appellante Adamson Howie A (.
appellado Ant mio Valentim da Silva Birr oca. -
Itef irma la a sentenca para condemnar o reo i c
que se li juidar na exerncio.
PASSAI.KNS.
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr
desembargaJor Reis e Silva :
Appellacd s crimes.
Do Recife. Appellante Aurelio dos laaMn
Coiubra, Appellados Francisco de Paula Cosu r
outros.
Appellacoes civeis.
De Mamangaape. Appellante Maaoel Lias c
Albuquerqne, appellados Antonio Jonralves a oo-
tros.
Da VictoriaAppellante o juizo, appellado An"
nio, por seu curador.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Reis e Silva :
Apptllavao crime.
De Pedras de Fogo. Appellante Loarenc,
Benlo da Rocha, appellado Domingos Gnedes d
VascoBCtllos.
Do Sr. desembargador Ueise Silva ao Sr. des
embargador Almeida Albuquerque :
Appellacdes crimes.
Da Boa-Vista. Appellante o jaizo, appellad
Victorino, escravo.
De Pao d'Albo. Appellante o juizo, appellad
Jose Alexandre da Lnz.
Da Imperatriz. Appellante a jnizo, appella !
Manoel Anlonio do Nascimento.
Da Victoria. Appellante klanoel Joaquim da
Boa-Sorte, appellada a ju>tca.
Appellacdes civeis.
Oo Recife. Appellante Anguttn Oclaviano de
Sauza, appellado Manoel Fernandes da Silva.
Appellante Carlos Leclerc, appellados Joajniro
Bsrnardino Ferreira e ontro.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. deaembarga
dor Accioli :
Appella;ao civel.
De Mamangaape. Appellante Maaoel da Co
ta Lima, appellados os administradores da aaassa
fallida de Marques Barros dt C
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desnnbar-
gador Domingues Silva :
Appellacao commercial.
Appellante Francisco Rodrigaes dos Santos
appellado Jose Goncalves da Cruz.
Appellacoes civeis
Do Recife. Appe lante o viaconde de Snassnna
appellados Maaoel rires Ferreira a oatro. Ap-
pellanles a administracio do recofhimento de
Nossa Senhor a da ConoeijSo de Ohnda, appeflade
Jose Dativo dos Passos bastos.
.Appellacoes crimes.
De Pedras de Fogo Appellante o jam, ap-
pellado Guilbermino Carneiro da Silva.
De Bom-J.irdim. Apitellantea Juio Vieira da
Silva, appellada a justica.
De Agua-Preta. Appellante o jaizo, appellados
Estevao, Joaquim, Sebasllao,' e outros escravos.
Do Sr. desembargador Domingues Silva ao Sr
desembargador Souza Leao:
Appellacoes crmes.
De Limoeiro. Appellante o juizo, appellado
Christovio Gomes da Silva.
Da I'almeira dos India*. Appellante Aatoaa*
Felix de Moara, appellada jnsti.a.
Appellacao civel commercial.
Do Recife. Appellante Joaquim Candido Per-
reira. appellada D. Juaquin* Bandeira de Meio.
Do -r desembargador Souza Leio ao Sr. des-
embargador silva Guimaraes:
Appethcdes crimes.
AnpellaQte o promoter, aypeftado Dfoai-io An-
tonio da Silva. Appellante Jnsd G-riai da Costa,
appellado Manoel Odil-n de Uma Viraes. Appef-
lante o juizo. spuell dns loaqnnu Prtlro Patriot* a
ouiros. Appellant- o pr.inn tor, appellados IsMo-
rd, ascravo.e Iria Francis, a Igoacia de >t*t.
Ap.iellacao ciVef.
' Dp Recife. Appelant* Manoel de Azeveda
Anlrade. appellados ernnmeniadsr Matoia* da
Azevedo Villaronco, e notro.
Diligencia crime.
Ao Sr. desembargador promoter da jastiea.


Diario de Permifewc Qaarta feim 10 de Dezembro de 1874

Appellanta ojaiso, appellado Antonio Nunes da
Silva. Appellante Manuel Rodrigges da Silva Nery
appellado Jose Claudino Bezerra Dantas. \p-
pellante o juizo, appellado Daniel Ramos da
Silva. Appellaute Manoel de Hello Faleao, ap-
fiellada a justica. Appellanta o juizo, appel-
ado Joaquim Francisco de Lima. Appellants
Joao Chnsostomo de Oliveira Peligio, appellado
Brasiliano de Magalbaes Castro. Appellante o
juizo, appella 'o Israel Bezerra Cavalcante. Ap-
pellante Antonio de Sou** lira?, appellado Jose
Alves Barboza. Appellanta Vicente de Santiago,
appellada a juslioa. Appellante o juizo, appellado
Manoel Francisco das Chagas.
Ao Dr. curador geral :
Appellacao crime.
De Aguas-Bellas. Appellanle o juizo, appella-
do Manoel Bezerra de Araojo.
Assignou-ssdia para julgamento dos seguintes
feiks :
Appellacoes crimes.
De Itambe. Appellanle o juizo, appellado Ma-
noel Nery Teixeira de Borba.
De Tacaratu Appellanle Joaqaim Jose Viei-
ra, appellada a jnstica.
Appellacoes civeis.
Do Recife. Appellantes herdeiros de Manoel
Luiz Goncalves, appellado Francisco Autonio Pe-
reira. Appellante o proto Joao, por sea curador,
appellado Dr. Nabor Garneiro Beterra Cavalcanle.
Appellanle o par lo Galdino, por sea curador, ap-
pellado Antonio Machado Pereira Vianna. Appel-
lantes os adminislraoores da massa fallida de Se-
bastiao Jose da Silva, appellado Antonio Valentim
da Silva Barroea.
Da Fazenda. Appellanle Firmino Eduardo Ri-
beiro Varejio, appellados a fazenda e Jose Felix
da C. Pimentel.
De Granji. Appellante D. Leonor Maria de
Olinda, appellado Manoel Jose do Carmo.
Ectbargante a companhia Recife Drainage, era-
bargado Joaquim Dias da Silva Guiraaries.
D1STR1BUIQ0ES.
Recnrsos crimes.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
De Palmeira dos Indios. Recorrente o juizo,
recorrido Alipio Coelho de Barns Lima.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
Do Brejo. Recorrente o juizo, recorrido Gal-
dine Soares la Silva.
Ao Sr. desembargador Accioli:
Do Brejo. Recorrente o juizo, recorrido Pau-
lo Jose de Lima.
Ao Sr. desembargador Domingues Silva:
De Palmeira dos Indios. Recorrente o juizo,
recorrido Manoel da Costa Brasil.
Appellacoes crimes.
Ad Sr. desembargador Sou'.a Leao :
De Ignarassii. Appellaute o juizo, appellados
Jo;e Henrique de II >lian h Chacon e outros.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes :
De Iguarassd. Appellante o juizo, appellado
Joao Jose Vieira.
AO Sr. desembargador Louren^o Santiago :
De Bom-Jariirn. Appellante o juizo, appella-
do Joao Francisco Xavier.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
De Horn Jardim. Appellante o juizo, appellado
Joe Francisco oV>s Santos.
Ao Sr desembargador Almeida Albuquerque :
De Iguaras.-u. Appellante o juizo, appellado
Bernardo Jo;e de Campos Carupante. y
Ao Sr. desembargalor Accioli :
De Palmeira dos ludio?. Appellante Faustino
Jose de Santa Anna, appellada a justica.
Appelacoes civeis.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
De Maceio Appellante Autonio Jose de Mel-
lo, appellado Joilo Evaugel sta de Gusmio.
Ao Sr. desembargador Motta:
Appellatao commercial.
Do Recife. Appellantes Mirinho& C, appel-
lada a massa fallida do Manoel Teixeira Bastos.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Do Recife. Appellaute Francelino Carneirode
Lacerda, appellado Manoel Xavier Carneiro da
Cunha.
Recurso commercial.
Ao Sr. desembargador Louronco Santiago :
R correote o juizo de direilo, recorrido tfanoel
Teixeira Bastos.
Encerrou-se a sessad as 3 boras da tarde.
as ventas na Provincia, pintado coroo roara-
cala I
E' meltido a dizedor de gracas, com fnm$a de
chisioso ; mas todo liel christao, fuja dalle como
passarinho do gato I
Que pensa compadre Guedes? os outros qne
lambem rabiscam a Prevtncia, sad uns cara sujas
cobertas de andrajos qne eomo elle tem konrai da
bispopassam pelas tavernas e repieam os co-
pos I I I
Ja me romou que papai presidents e padrinho
ministro, nao goslam que se falle desses vestaes
das trevas e da cacnaca ; tenham santa paciencia,
porque quando me lerabro de Ze Tungao a o co-
rdado meu irmao marido de minha mai, flco lam-
been mordido, e mesroo que cabir sobre raim am EsiTftsa do Illm. Sr. Jorge Carol!.
Siv commendador AJfredo Henri-
I B^W** d0
qne Garcia.
1 Esposa do. lllm. Sr. Adoipbo Gomes N'ello.
EJsposa dd Illm. Sri Adoipbo (.Fernandes da Silva
K-posa do Illm. Sr. Angusto Fernandes da Sliva
Mtala.
Eap'osa do Illm. Sr. Maximiano Jose da Costa.
Esoota do Illuj. Sr. Antonio Ferreira de Almeida, i pernambneana de navegacao costsira por vapor.
Esposa do Illm. Sr. Do ningos Manoel Martins.
EsDota do Illm. Sr. Jose da Costa Moreira.
Esposa do Illm. Sr. Julio Monssc-n do Fans.
Esposa do lilm. Sr. Eustaquio Jose Rodrigues.
Esposa do Illm. Sr. Terencio Pires Galvlo.
Esposa do Illm. Sr. M; noel Jose do Nascimento.
Gonrinho 33 raolboe a ordem, 3 a E. de Olivei-
ra Lacerda. Cera de carnaiiba 6 saccos a ordem.
Esleiras 40 mollios a ordem.
Sal 480 a.queires. Sola 3J meios a Farenie Vi-
anna & C, z7S a ordem.
Vapor nacional Ipojua, entrado dos portos do
oorte ua mesma data e consignado a companhia
punbado de maribondos I
Compadre, nao conhece essas duas galantes
zebras ?
Zi Tungao e o Cordado, sao aquelles que dis-
cursaram a matauca sacrilega na Soledade, que
por tun triz o Tertuliano os nao trancaliou.
Quando vi out cathedratico de lengo rajado na
mao, botando a perna na rua fora de hi ra, e o cu-
joolho nelle, vai d.reiiinho a palacio fazer apon-
tamento de um por um dos companheiros da Pro-
vincia, que salpicam injurias a papai presi-
dents. .
Na noite da malanca o vi nella bem assanbado
e logo depois em palacio com o dedo estirado apon-
Esposa do Illm, Sr. Estevao Jjrg) Baptista.
Esposa do Illm. Sr. Jeronymo Gomes da Ponceca.
Esgpsa do illm. Sr. Pedro Jose de Siqueira.
D. Firmina Rosa da Silva Vaz.
D. Joaquina Maria Baptista.
Procarador geral.
Qaalquer dos Srs. praticos que queira aceitar.
Procuradores.
Todos os Srs. praucos e aratlcantes.
Thesourelro.
QuaJqaer dos Srs. praticos qne queira aceitar.
Juizes perpetaos.
Os IIIras. Srs. :
Exm. Bario de Livramento.
tando os criminosos junto com o papa mitrado de Commendador. Jose Joao de Araorioi.
Declaro que nao assignei a manifestacao honro-
sa feiia pelos juizes de facto da ultima sessao do
jury ao seu digno presideute o 5r. Dr. Quratino
Jo-6 de Miranda, e publicada no Diirio de hoje,
porque elli nao me foi apresentada, e nem eu es-
lava presente quaado disso se tratou.
FaQj semelhante daclara^ao, unicamente, para
que da omissSo da meu ooraa nao se infira u
reprovacao aqaelle acto.
Recife, lo de dezembro de 1871.
lnnocencio Seraphico de Assis Carvulho.
uma j
Olinda, que tarabem 6 da venta
Tudo mais da matula sacrilega cahh no anzol,
na tarde seguinte-merendaram peixe espada a
encber barriga 1
Faiia rir compadre, o retombado neto dafia
latu, nao foi a palacio, mas deu uma carrei-
ra a cantada do gall, que foi ter a um engeaho
botando a alma ptla bocca I
0 resto dos tribunos raata-bispo, corriarn tao ve-
lozm-nte pelas ruas, que batiam com os calea-
uhares nas nadegas, resullando acbar-se no dia
seguinle o PU6 de macaco trepado em am ca.-ti-
nheiro, e Machadioho com os outros, atolados nos
canos da rua da Praia t I
Estou pa-mo compadre, vel-os hoje de camisa
lavada, abragados com donaconstiluicao, escreven-
do parolas para o vemo.
Compadre, tenha juizo nao se melt j com elles, e
gente que cresce como correia no fogo; lembre se
Jo que me disse o araigo Carrao, que, 4 excepr^ao
de um ou oulro liberal em Peroambuco, digno
deste nomo, tudo mais nao passava de am coito de
verdadeiros velhacos e criminosos.
0 Zacaria-, chefe delles, accrescentoa que nunca
mais seria liberal com semelbante gente, porque,
alem de exigent?, havia notado, que a estatistica
dos cri:ues crescera cjnsideravelmente em name-
ro egraviJade em sua infeliz admiuistracao, mais
do que at de seus adversarios politicos I
Nao se engane compadre, V. sabe quantos sao
os liberaes presentments ?
Duas vezes tres sei* -e tres -nove, noves fora
oadava contando :
0 neto da lia Tatu' l ; Zi Tungao -2 ; o Pa-
pamilra'i ; Janjio mulatinho -4 ; Mao de on-
55 ; D. Brites-6 ; Quandd -7 ; Pito de ma-
caco -8 ; e Machadioho-9 ; fechoa o flro : tudo
mais, o Rollia levou para o cartorio I
Nao me da canceira, compadre, com um ou
dous capities de campo, amarro um por am e le-
vo-os de presea'.e ao papa, guardo isto para noite
de festa.
A honra e respeito publico tao ultrajada por
estes canalha3, nao iicara impune, hao de resti-
luil-a na corda, ;6 se nao muJarcm a linguagem
iufamo de que usam.
0 goveroo nao precisa de iufames e criminosos,
tem necessidado de obstar a imprensa ineendiaria
que de qualquer modo passa a concorrer para
encorajar ts auiraos e allerar o socego e paz pu-
blica
Esta a bracos com uma cruzada religiosa que
anieaci as instituicoes do paiz ; portanto, nao to-
lera de modo jlgum, cousas que possa em al-
gum sentido acoro?oar essa cruzada como os e;-
cripios da Provincia (papel).
Fieara sem braco o especulador quo oppozer
resistencia a sua marcha ; e devsr que nao admit-
te deveres de outra ordem.
J.i ve Machadioho. que nao son um qualquer ;
lamb, m rabisco no serio depois de algumas cha-
la^as,
Entao, compadre Guedes, e ponta oa cabec-a,
nao ve que bonila tirada ?
Estou ds quiry em punho, nao me escapa am
so da ta! Provincia
Duas cousas muito innocentss vao acontscer,
perJa de empregos e cadeia I estou miando por
alguma vaga para ver se papai presidents oa
diinho ministro me encaixa nella.
(Saiba morrer quern viver nao soube).
Novembro25.
Trescocos.
pa-
Ao publico.
Inlimudo, segun-lo me dis;e o Sr. Dr. J. B. P.
COrte Real, paw defender se cao que s-jffrea, duvu fze-lo, sem ollcnder a
quem nao tiuba tnotivo algiun para the querer
mat.
A verdade do que se pas-ou foi referida por
mim na declaragao que liz nesie Diario, e quo deu
iugar a resposta do Sr. Dr. Ci'-rte Real.
0 capataz de 'tamaraca, como diss2, nao conhe-
ce o Sr. Dr Corte R-.-al; seudo certo que a pes
soa que Ihe fallou e lheentreg<>u as proclama^oes,
dis3ese ser o mesmo Dr., a os signaes qua me fo
ram referidos, com elleito pareciam-se com os do
Sr. Dr.
E, e certo que o Sr. Dr. Corte Real, acrolita,
que alguem, qua se parece comsigo, procura com
prometta lo, tanto quo me pedio com empenbo pa-
ra qus tizesse vir a cidads o capataz de Itaraara-
ca para este reconbece-lo, e a pessoa que elle pre-
sume ser.
Estava disposto a ajudar o Sr. Dr. Corte Real
neste empenno, mas, desde que o Sr. Dr. offends
tao po-itivamente, servindo-ss do epitbeto de *men
tiroso de quantos denies tern na bocca,t> a pessoa
com quern pretend.! justificar o eogano que diz
haver com sua pessoa, eu o du'xo eutregue a seus
proprios recursos.
0 Sr. Dr. Corta Real, tiejicersindo, pretendeu
tirar arguments do qua eu disse, suppondo offen-
der me.
Nao faco caso disso, e ate desculpo o Sr. Dr., di-
zsndo ssmpre, que, se quizesse proceder de igual
modo, aproeiaria muito a data de 14 de maio de
1873, por S. S. cita la como g.irantia de seu proce-
dimento, en id IS do mesmo mez e anno, e ainda
outras: nao quero, portim, faze lo.
Do capataz de itamaraca eootindo a fazer o me-
Ihor conceito, embora o Sr. Dr Corte Real fa fa o
contrario ; o que da direito a que de si se fa$a
igaal on peior.
E, nada raais direi ao Sr. Dr. Corta Real, que
quando quirer, breve ou tarde, pole vir a im-
prensa.
Recife, 15 ds dezambro de 1874.
Decio a"Aquino Fonceca.
Eleiqao
do juizos, escrivaes, tbesoureiro, e mordc-
mos, quo hao de festeja- Nossa Senho-
ra do Bom Successo dos Navegantes,
sua augusta padroeira, no anno de
1875.
Juiz
0 Illm. Sr. Manoel da Silva Maia.
Juiza.
A Illma e Exma. 5ra. D. Joanna Amaneia da Sil-
va Costa.
Juizes por devocao.
Os Illras. Srs.:
Dr. Ignacio Joaquira de Souza LeSo.
Commendador Joe Jacome Tasso.
Commendador Francisco Ribeiro Pinto Guima-
raes.
Jose Joao de Amorim Junior.
Commendador Joaquim Lopes Machado.
Antonio Correia ds Vasconceilos.
Jose Pereira Vianna.
Manoel Ferreira Bartholo.
Antonio Jose Dantas.
Jose Ferreira Raltar.
Joaquim Jos6 Gongalves Beltrio Junior.
Joaqaim Jose Gomes.
Jose Mends de Freitas.
Manoel Ramos ds Oliveira (Manoel Carroll.)
J.'se Gonijalves da Costa.
Antonio Hanrique Rodrigues.
Antonio Ignacio do Rego Medeiros.
Joie Eleutsrio ds Azevedo.
Jaizas por devocSo.
As Exmas. Sras.:
Esposa do Exm, Sr. brigadeiro Hvgiuo Jose Cje-
I ho.
Esposa do Illm. Sr. Miguel Jose Alve3.
Esposa do Illm. Sr. Jorge Jaome Tasso.
Esposa do Illm. Sr. Antonio Ferreira Baltar.
Esposa do Illm. Sr. Henrique Bernardo de Oliveira
Junior.
E E>posa do Illm. Sr. Francisco de Panla Amo-
rim.
Esposa do Illm. Sr. Jose Ferreira da Silva.
Esposa do lllm. Sr. Joaquim Moiteiro da Cruz.
Esposa do Illm. Sr. Manoel Jose de Sa Araajo.
Esposa do lllm. Sr. Antonio Joaqaim de Vascon-
ceilos.
Esposa do Illm. Sr. Eduardo A. Burls.
" Esposa do Illra. Sr. Jose dos Santos Natividade.
Compadre Queues. Esposa do Illm. Sr. Manoel Alves Barbosa.
Compadre, V. lea a Provincia (papel), qua Ihe Esposa do Illm. Sr. Jos6 Alves Ribeiro.
disse eu ? Hsposa do lllm. Sr. Jose' Monteiro de Almeida.
Faca coata com Machadmho, e homem da pelle D. Anna Candida dos Anjos Beltrao.
do diabo, iasto como bocca ds bods ; mas eu pin- j D. Alexandriaa Leopoidiua doe Reis Costa.
lo-lhe a m ;iia, hei de fazer sabir o dlreetorio D. Isabel Candida da Miranda Penna.
Malungmnho em pro-.issao. Esorivao por eleicio.
As -in t por tres o monto ds betas e esporas; o
prelinho tomoa a correia na venta sem couhacer
o terr*a.>, arranooo espantado e foi ter a ponta
do pito 1
1st-1 rues.uo.e que eu qu-uia, agora nao me esca-
pa am se dos quadrilhairoi da tal Provincia, von
remecher o covil, a ja sinto a catinga de macaco.
Dou-ini paiavra, qua oiog.ai;n ras iia de aguen-
tarsou o alpha e o oarg*, que vem da bacalhao
em punoo tomar ejnta a esses desavenlurados
syeopnaatas I
Arrels-ss compadre Guedes I. dou seaipre
nos homen*, nao tolero e sou daqaeUes qua eomsm araras ; a g nie mordida
de cachorro damnado ha raais ds duasloat, e nao
qaero qne mo preguem o dente impunemsnte.
Arrede-je, nas me falle nisto-. doa-lhes sem-
pre, V. bem sabe, que quando faco estas graeejos,
amigos s inimigos, tudo prova mais oa menos a
ponta do meu quiry, e men particular alemane.
Irra 1 Ja se nao poda upoortr essa canija-
iaa, esta muito mais pira la, da mulata Rosa da
ritairt; rwaodo lbs atam os braoos, cusps aa eara
de-quem IIm flea em (rents, e nao se rends I
G*fc, Machadioho damnou-ie aqui e foi tar a
f(o l^'^rol vi-.-.*, ^*>.n., n A* v.->ln K^t*,*, >--
0 Illm. Sr. Antonio Alberto de Souoa Aguiar.
E9riva por eleicio.
A lllma. e Exma. Sra. D. Rosa de Lima Gondim
Costa.
Escriaes por devocio.
Os niffl9. Srs.:
Jov.niano Ferna des da Silva Manta.
Sebastiao Lopes Guimaraes.
Mfredo Ferreira Baltar.
Joao Ferreira Baltar.
Antonio Bernardo de Oliveira.
Antonio Lopas Braga.
Jose Teixeira Leite Bastos.
Joaqaim Jose de Amorim.
Januario Jose da Costa.
Walfredo Oaraillo Pessoa.
Joao Quirino de Agailar.
'rin'.isco Fernandes Correia.
Caetano da Costa Moreira.
Leopoido Martha.
Antonio Sabino Torres.
Joae Roftae Torres.
Ignacio Dial Fernandes.
lose Henrique da Sil.
.EscrivSte por devocao.
Commendador Jose da Silva Loy6'.
Jose da Silva Loyo Junior.
Adolpho Pereira Carneiro.
Manoel Marques de Amorim.
Manoel Joao de Amorim.
Juiza protectora.
A Illma. Exma. Sra. D. Amelia Alves Ferreira
Bartholo.
Juizes protectores.
Os Illma. Srs. :
Capitao de fragata Francisco Romano Stepple da
Silva.
Capitio de fragata Francisco Jote" Coelho Netto.
l tenente Francisco Xavier Rodrignes Pinheiro.
1* tenente Ernesto Ignacio Cardim.
2* tenente Herculano Jose Rodrigues Pinheiro.
2 tenente Manoel Estaui-lao da Costa.
Jeronymo Jeal Bustorff.
Dr. Manoel de Figueiroa Faria.
Jose de Vasconceilos.
Rvm. vigario Antraio Manoel d'Assum. cl).
Rvm. padre Leonardo Ji ao Grego.
Rvm. Fr. Jorge ds Sam'Anna Locio.
Julias protectoras.
As 'Illma*. Exraa. Sras.:
D. Rita Maria Firmiaa de Almsi-la.
D. Luiza Maria dos Reis Pardeina.
D. Eugsnia da Costa Mende*.
Mordomos.
Todos os Srs. devotos que contribuirem para a
festividade da mesma Excelsa Senhora.
Consistorio, 22 de novembro de 1874.
0 vigario, Antonio ilanoel d'Assumpcao.
Ao Rvai. goYcrnaiisr d) Mspado.
Qual a razao porque ainda nio foi offerecido
um suspensoriozioho ao padre Manoel Marques
Barboza, qne reside em G yanna ?
Sera porque elle conta com proteccao escanda-
losa ? Ou porque o Rvm. governador do bispado
tem conlemplacoes com a Sra. Candinha, e esta
garante a invuinerabilidade do padre Mtrqnes ?
Creraos que a lei devo ser- igual para todos, e
que em outros tempos do rigorosa justica esse
padre nao escaparia.
N. -1-18. For ncano experinientais
os scsuintes syniptoinas ? Tenles losse
violenta? Senti3d6res nos pul.Sei? Expectorais
phlengma ou raucosidades? Vos incommodam e
debiiitam os su-'res nucturnos ? Tendes a gargan-
ta inflamraada ? Eitais rouco? Sentis oppressao
no peito ? Se por acaso, ou dado o caso que adoe-
de3 mencionadas, achar vos-hai na nrgeniissiraa
no 'essidii'le de empr^gor uio remodio eulr.az e se
guro tal qual seja o Peitoral de Anacahuita. Nio
deixeis passar uma hora sem qua fa(ais uma
prorapla applicafao deste inapreciavel e prodigio^.i
remedio. Os males e soffrimentos, para logo sera>
alliviados, e pr flm acabara por restabelecer com-
pletamante vossa saille e com elle vossa alegria e
prazer. Sua bistoria e uma serie continuada de
prodigiosas euras e da triumphos sem dm.
I'irrata.
Onde esta escripto exlu lei.i-se excluo.
Genipada leia-te genipapa la, mas qua
lidades, leia-se mais qualidades, os auioos
leia-se unieas, soraento leia-se la-
mento .levimente leia-se levianaraenta.
JUNTA DOS CORRSTORES
Praca do Recife, 13 bro de 1894.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTAfjOES omCIABS
Assucar Canal tjiKH) por lo kilos.
Cambio aobre Loudres a W) div. 26 l|2 d. por
uooo.
Dito sobre aito a 90 div 2G 3|8 por 1*000, hon-
tem.
Desconto de letras 12 OiO ao anno, hontem.
Pelo president*,
A P. de Lemos.
Pelo s^ereunr,
Antonio Leonardo Rodrigues.
ALFANDKG*,
dendlraeaio do d)a I a 14. .
Id in? do dia US
449 94i 623
26.0o659J
476:006*215
Descarregam hoje 16 de dezembro de 1874.
Vapor inglez Cordova (atracalo) mercado-
rias para alfaadega e trapiche Conceicao,
e vinli j para deposito no trapiche Bar-
bosa.
Vapor nacional Ipojuca generos nacionaes
para o trapiche da companhia peruam
bucana.
Hiate nacional Deus te Guic generos nacio-
uaes para o armazera d'Avilla.
Patacho allemao Colmar (atraeado) merca-
dorias para alfaudega.
Patacho inglez Henry Trewbridg kerosrne
para o trapiche Conceijao, para despa
char.
Lugar ingl.z Corisande bacalhio ja despa-
chado para o trapiche Gonceicao.
Patacho inglez Jucentu cimento ja despacha-
do para o caes do Apollo.
Barca ingleza Amoy carvJo e tijolos ja dss-
pacbados para o cues do Apollo,
Barca franceza S. Andrt mereadorias para
alfandega.
Patacho dinamarqaez Anna mereadorias pa
ra alfandega.
Barca ing|exa Jam Maria ferro e carvao
ja despaohados para o oaes do Apollo.
Barca pertagaeta Lisboa pedras de cautaria
para o traaich* ConceiQao, para despa-
ekar.
Itpor t f tie.
Barca alleroa Leopoldina rmude, entrada ds
Hartlepool em IS do corrente e consignada a Saun
ders Brothers & C, manifestou :
Carvao de pedra 431 toneladas aos consignata-
rlos.
Brign* inglez Dm, entrado de Terra Nova na
meama data a eoosigaado a Johu>ton Pate.* A c.,
maaifestou:
Bacalhao 3,049 barrleas aos coniignatarios. '
Pataefee lagtoa Catxmiru, aatrado de terra Ko-
va na metma date ecenstgaado a Jokaatoa fattr
h C, manifesou j
Batataae t,863bar*iia aaa coo-jg-iUrioi.
Hiate nadonal Vm H Quit, enuradti do Araca-
t a Maaaa na, rn*aa data acansfciada afllf-
iMoaMtt LcurQ, matMtotMi
manilestou
Aigodao 96 saocas a H. Xavier ds Araujo Sa-
raivade WMlo, 77 a Braga & Costa, 5J a Luiz An-
ton.Siqueira, 08 a ordem, M a Manoel J. Ilodri-
gqes, 18 a Peraaades A |,.aao.
Courinho %) raolh .s a Gome- de Mattoi \ Ir-
maos. Courossalgidos 2'Jia 11. X ds Araujo Sa-
raiva do Mello, 114 a Luiz Antonio do Siqueira.
Csra de.abelha t barrica A. A. de S. Aguiar.
Jarabaody 9 saccos a Pereira Simujs & C.
Milho 120 saccos a Pereira Vianna A C.
Srdinha 25 caixas a ordem. Sola 2,668 meios
a Moraes ,i Irmaos, 2,261 a Gomes de Maltos &
Irraaos, 840 a Tito Liviu Soares, 130 a Luiz Con-
ceives da Silva & pmto, 100 a Perdigao, Olivei-
ra& C, 130 a Gonc-ilves, Irmao & C, 2:0 a
' Alheiro & Araujo, 360 a 3a Leilao & irmau. 290
a Pereira Vianna & a
! Vapor inglez Cordova, enirado ds Liverpool e
Lisboa na mesma data o coosig.udo a Saunders
Brothers 4 c, manifestou :
Car-?a ds Lisboa.
Azeite de oliveira 53 barris a Silva Guim-.rae<
4 C, 10 a Jos6 Feraandas Lima & C. Alpi.-te to
barncas a Franco da C inha & C. AnenJoas 5
barncas a Jose Correa Braga, 4 g)lpschas a Silva
Guimaraes 4 C.
Batatas 100 mei.is caixas a Antonio Annas Jaco-
me, 90 a Jorge Tasso, 50 a Silva Guimaries & C,
50 a Jos6 Correa Braga* Uagjs de zimbro 1 caixa
a Pedro Maurer & C. Broxas I caixa a Manoel
Jose do Brito 4 C, 1 ao Dr. Joao da S. Ramos.
Cebola- 50 ciixas a Antonio A. Jacome, 50 a
Jose" C- Braga, 50 a Silva Guimaraes 4 C, 30 a
Franco da Cunha & C, 23 a Jorg Tasso. Conser-
vas 4J3 caixas a Luiz Buptat. Castanhas 3 caixas
a A. Jo:6 Ferreira da Cnnha, 1 a Saixas A Almei-
da, 30 meias a Francisco Guedes ds Araujo, 3 a
Antonio Jose Dantas. Cominhos6 surr5;s a Fran-
cisco Jo:e da Silva Guimaraes. Cravo da India 5
surroes a Jorge Tasso. Chinellos do ourello3 2 cai-
xas a orlem, 1 aL. J. A. Maia, 1 a Manoel Nunes
da Fonceca & C, t a E. R. Rabello & C la Cal-
das, Santos & C
Drogas 2 caixas a Manoel da S. Faria & C, 1 ao
Dr. Joao da Silva Ramos.
Flores msdicinaes I far io ao mesmo. Firello
50 saccos a Franco da Cunha & C, 40 a Lao Ro-
cha \ C, 150 a ordem. Figos 10 grades a Beltrao
& Filho, 12 a Silva Guioriraes & C, 16 caixas a
Jose" Crrreia Braga, 6 a Francisco Guedes de A-
raujo. Ferragen 49 barrleas a Joa S. Carueiro
da Cunha, 1 a Silva & Alves.
Liuha 4 caixas a P.ironte Vianna & C. Livros 1
caixa a Silva Cardoso & Pessoa, i a Jo?6 N. de
Souza, 1 a G. 0. da Co-la Mart ns. Louca 1 caixa
a Graciano Octavio da C M trtins.
Marmelada I caixa a A. Jo-6 Dantas. Morcurio
doce 1 caixa a Moreira Holiday & C.
Noaes 10 barricas a Franci-co Guedes da Arau-
jo, 5 a Jo^e V,. Braga.
Passa! 12 fardo3 a Antonio A. Jacome, 23 a P.
J. da Costa Amorim 4 C, 2't atados a Silva Gui-
maraes 4 C, 25 e 8 caixas a J. C. Bragi, 1 caixa
a Francisco Guedes de Araujo, 2 caixas a J. F.
Lima & C, Paras 3 caixas a Francisco Guedes
de Araujo Papel 1 caixa a Silva 4 Alves.
Queijos I caixa a J. F. Lima A C.
Sardinha 2-'i barns a Silva Guimaraes & C.
Tuucinho 23 barris a Cardoso Manias & C, 10
a Alfredo P. Barbosa, 5 a Francis-o Allomao Br-
bosa.
Violin branco 55/5 a Silva Guimaraei & C, 5/5
a Oliv. ira Filhos & C. Viabo tinto 19 pipa3 o 50
barris ao mesmo, 21 e 75 a Silva GuimsraVs 4 C,
20 barris de jiinto a Francisco Gioralves Bastos
Si Sa, 2 a Rodrigues 4 Martins, 3 a Maaoel Jose
de Sa Araujo, 3 8 10 dscimos e 5 caixai a Jose
reroandes Lima, 30caixas a Keller A C, 4 caixas
a Franeisco R. Pinto jiiimaraes, 1 caixa a C. dos
Santos Martins. Vt-la ds cera 3'3 caixas a Silva
Guimaraes & C
Carga de Liverpool.
Amoatras 21 votnrae* a diversos. Ancoras de
ferro 8 a S. P. Johnston 4 C. Arroz 200 saccss a
ordem, 50 a Antonio Francisco Corgi, 100 a Joao
J. Rodricues MenoVs, 50 a JirgeTisso, 50 a Joao
S. C. da Cunha, 25 a Johnston Paler 4 C. Armas
1 caixa a ordem.
Bi>coutos I caixa a J. M. da Rocha & Filhos, 7
a ordem, 4 a J. Correia Braga. Barras de etanho
2 barricas a S. P. Johnston & C. Ban ilia 20 tam
bures a Fernandes da Costa A C.
Cera 14 caixas a Thoniaz Aquino Fonceca & Snc
cessores. Cabas 51 ptcisa ordem. Canola 10 caixas
a ord^m. Cimento 50 barricas a Johnston Paler
A ?j. Cha 31 caixas a o.dem, 5) a Duarte Ama-
ral & C, t3 a Thomaz Aquino Fonceca A Succes-
sores, 6 meias dilas a Mills Latham' & C, 4 a
Men.l1.n5a Correia A C, 10 caixas com 40 aos
consignatanos. Cevada gretada 20 barric.is a or-
dem. Correntes do ferro 3 a S. P. Johnston & C.
Conros 3 caixas a ordens, 1 a D. F. Bastos fX Fi-
lho, 1 a J-jse T. Leite Bastos. Chapeos 1 caixa i
ordem, 2 a Monhard Meltler & C, 2 a Joaquira 51.
da Cnu, i a Joao Christiani. Confeicoes 18 cai-
xas a ordsm. Chapeos de sol 1 caixa a II. Le.de-
biur. Carne 1 caixa a Mills Lalham & <;. Gal
deiras 2 a ordem. Cerveia 25 barricas a Paulino
Jose di Costa Amoiim 4 C, 120 a Johnston Pater
4 C, 20 a, Beltrao Jt Filtio, 2 aos consignatarios, 1
a M'l s Laihara & C. Conservas e provisoes 17
caixas a ordem, 7 aos consignalarios, 8 a H.
Nuesch. Cutilaria I barriea a Joaqaim Antonio
de Araujo, 6 a S. P. Johnston Pater & C.
Drogas 1 caixa a A. Caors, 1 a Hawkes 4 C.
Estupa 7 fardos a Machado & Pereira, 30 a Rou-
bach C.liiuSi G, (0 a Mills Latham&C. Estsiras
2 rolos a Keller & C. Eia-tieos 1 caixa a ordem.
Enxadas 42 barricas a S. P. Johi-ston 4 C.
Farinha de trigo 300 barricas aos consignata-
rios, 150 a ordem, folha de Flandres St conhetes
a Braga e Pimentel. Ferro galvanisado 22 caixas
a S. P. Johnston & C.
Ferrageas 1 voiome a O.to Bohres, 1 a Cardoso
A Irmao, 4 a Parente Vianna 4 C, 2 a Hawkes &
C. Fio 3 fardos a S. P. Jjhasloo & C, 5 aoscou-
sigoatarios. Fundos de ccb^s 3 fsixes a S. P.
Johnstun & C. Folha decobre 6 feixes aos mes-
mo*. Formas para assucar 8 gigas a Cardoso A.
Irmao.
Luvas 1 caixa a Otto Bohre3. l.inha 16 c.iixas
a Parente Vianna A C, 1 a ordem.
Meias 1 oixa a Monhard Meltler & C, 1 a
Adamson Howie AC, la ordem. Mereadorias
diversas 5 caixas a Otto Bohres, 1 a ordem, 2 a
Faria Irraaos, 3 a Doraingos F. Bastos 4 Filho, 2
a Jose T. Leite Bastos, 2 a A. L. dos Santos, 4 a
Pareute Viauna & C. Mant-iaa 8 caixas a Jose M.
da Ro>a & Filhos, 7 a Ferreira Thomaz do Aquino Fonceca 4 Succsssores, 57 a
Beltrao A Fil.m, 3 a 0. Joaquim Ferreira Cruz, 6
a E>levao Joe da Mctta, 5 a Keller & C, tt a B.
Tompson A G., 12 bajrris a Leao Rocha 4 C, 10 a
Johnston Pater Si C, 10 a Men! mca Correia 4 C,
15 a '.riem, 25 aoscon.-igaaiarios.
Navalhas 1 caixa a Joaquira Antonio de Arau-
jo & C.
Objeetos de te'ograpma 1 caixa. a Western and
B'asiliam Telegraph CootaBy. Ditos para gaz 3
volumes a Simpson & C, la oHera, D.tos para
estrada de ferro 10 volumes a R. C. Balterbee. Oleo
de llnhai^a 10 latas a orlem.
Qaeijos 15 cnxi* a Jorge Tass >, 11 a Menlon-
es Oirrei* & C, 34 a Jose Correia Braga, 10 a
MiUs Latham & C.
Pimenta 30 saccos a orJero. Presuntos 5 cai-
xa- a J. C B--sga, 6 a B Jtrao 4 Flho, potassa 30
lajphenrf *!j4aipi e Arauj'. Pnaaaa de aco I
caixa a D. T. Ba-tos & Filho. Paano para assoa-
Hi > i fardos a Pinto d 1 Silva 4 !'a.i 1.
S -oe< de eslopa 3 far Jo* ao-* mm gnatarjoi, 2
a-irlew. 8*bao 1 coxa a a. T Bastos 4 Filho. 1
a A 'ittslo Qaars, 9 a odenj.
Teeidos 79 v iiumes 4 ordem, 1 a Alfredo Gib-
so 18 A H, L-idebonr, 9i a Kallar & C, 33 a
Lui/. A. Siqneira, 9 a Braga >on A C, W a *d
ao# Hv*ie A C,, 1 a Pjnaaja 4 G k bad
6i'aJvas ferreira A t. (2 a g. A, Burla 4
II a Monhard, Meltler & C, 2 a F. Linden, 16 a
Goncalvei Irmao 4 C, 1 Joaqii'm M. da Cruz,
li3 a, Cramer Frey AC., la Pinto da Sjlva &
41$ui^1&\ QUato J,Hdi\& 4 \t ^?lo>
1 Mendes
44 a
a Al-
kfilofa*. Vieira. 4 (J a con -igaattnos-, 5 a
Rodngaes Irmao A Guimaraes, 3 a Carneiro A
II, la ordem. Trapos 4 fardos a companhia
pernambneana. Tmta 20 barris i mesma, 50 a
ordem. Tintas e drogas 23 volumes a Manoel da
S. Faria AC, 14 a P. Maorer 4 C. Tmta i cai-
xa aos consignalarios.
Viuho Cherry I barril de quarto a Luiz A. dc
Siqueira. Velas 25 caixas a ordem.
0ESPACH03 DE EXPORTACAO NO DIA 1* LM>
DEZEMBRO DE 1874.
Para os portos do exterior.
Na barca ingleza P. Alice, para Liverpool,
carregou : S Brothers A C. 239 saccas com 18,183
kilos de aigodao.
No navio inglez Ilva, para o Canal, carreaou :
F. Cascao 4 Filho 2,816 saccos com 88,700 kilo* de
assucar mascavado.
No navio hespaubol Francisquita, para Mar
seille, carregou : A. Loyo 1,000 saccos com 75,000
kilos de assucar mascavado.
No navio hespanhol Hortencia, para 0 Rio da
Prata, carregou : Baltar Sobrinho 550 barricas
com 61,820 1)2 kilos de assacar branco.
Na barca portugueza A. Herculano, para
Lisboa, carreuou : Amorim Irmaos 4 C. 1,000
saccos com 75,000 kilos de assucar branco e 3,000
diios com 225,01)0 ditos dedito mascavado.
No lugar porluguez Julio, para Lisboa, car
regou : J. F. do Rego 23 barris com 2,400 litros do
mel.
No brigue portngnez Rio Vouga, para Lis-
boa, carregou : J. R. de Faria 42 saccat com 3,387
1|2 kilos de aigodao ; M. L. Paes Barrelo 200 sac-
cos com 15,000 ditos de assucar branco.
Na barca portugueza Victoria, para 0 Porto,
carregou : J. R. da Faria 40 saccas com 3,631 i|2
ki'os de .slgodad.
No vapor portuguez Julio Diniz, para Lis-
boa, carregou : Penna Junior 4 C. 1 barrica com
96 kilos de assucar branco.
Para os portos do interior.
Para 0 Rio Grande do Sul, na escuna allemi
Anna, carregou : Oliveira Filhos A C 525 barri
cas com 41,499 kilos da assucar branco.
Para 0 Rio Grande do Sal, no navio national
Eduviges, carregou : F. R. Pinto Guimaraas 330
barricas com 37,02! kilos do assacar branco.
Para 0 Rio ds Janeiro, no brigaa nacional
Isabel, carregou : A Aive3 de Souza 800 saccos
com 60,000 kilos de assucar braoco.
Para Urnguayanna, no brigue hespanhol
Principe, carregou : M L. Paes Barreto 3'.0 bar
ricas com 23,139 kilos de assacar branco.
Para Uragaayanna, no brigue bespanho!
Francisco, carregou : A. Loyo 600 barricas core
46,949 kilos do assucar branco.
Para 0 Rio Grande dj Sul, na escuna portu-
gueza Helena, carregou : Amorim Irmaos A C.
385 volumes com 40,733 li2 kilos de assucar bran-
co e 50 barricas com 5,680 ditos do dito masca
vado.
Para 0 Rio de Janeiro, no vapor nacional
B.ilua, carregou : M. L. Paes Barreto 4C0 saccos
com 30.000 kilos de assucar branco ; J. N. Soares
430 ditos c ;rn 33,750 ditos ds dito e 150 dit com
11,230 dit-s de dito mascavado : para a Bahi3,
Amorim Irmaos A C. 100 ditos com 7,500 ditos do
dito branco.
Para Maceio, no vapor brasileiro Sim'mbtt',
carregou : M. A. Barbo3a 1 barril com 96 litros
de alcool : para Penedo, A. A. Pereira da Silva 4
barricas c >;ii 232 kilos de assucar relinado.
P.ira Penedo, na barcaija Fe em Deus, car-
regou : M. J. Rodrigues 4 Prim) 2 barricas com
110 kilos de assacar branco e 2 ditas com 120
ditos da dito refinado.
Para Maceio, na baroaea A. de Maria, car-
regou : J. F Juliio 1 casco com 234 litros de
alccol.
Para Porto-Alegre, no navio portuguez Olin
da, carregou : P Carneiro Maia A C. 820 saccos
corn 61,500 kilos de assucar branco e 280 ditos
com 21.0J0 ditos de dito mascavado.
CAPATAZ! A
Readimonto do di.-i l
l!"*i do dii 15 v
DA M.ff.\UK'.',A
a 14.
H;
VOLUMES 3AH1D08
No dia 1 a 14......
I., dii 15. -
P-im.e:r?.{.-ri*
Seg man porta .
TeiCeura porta .....
Ttrpiobe Ounce. ..-ao .
6:"3I;270
437,618
7;l8Sp888
10,6il
18i
694
261
1,645
18,924
atBRVlCO MAR1TIMO
.i>4rsiij,as nescarregiidas no traaleba da
aifandeea.
dia 1 a 14.....
dia 15. ...
trapicie Genceta^le .
52
I
.33
lECEBBDURlA DS RRNDAS INTbRNAS UK
RASS DE PERN AM BOt:
,o do dia 1 a 14 26:346*069
0 dll 15 2:413,1766
28:759*835
CONSULADO PROVINCIAb
-^aommanto do dia 1 a 14
de do dia 15
83:1211396
5:3.36.. -> 91
88:477*687
AGENCIAS PROVINCIAES
Liquidos espiritaosos.
.lendimento de I a 12
dara do dia 14
1-3581778
1951941
Hendimento de I
Idem do dia 14
Bacalhao, etc.
a 12 2:175*528
245*178
Generos
aendirasnto de 1 a 12
Idem do dia 14
ds estiva.
2:512*444
338*588
Farinha de trigo, etc.
aendimento del a-12 1:228*948
idem do dia 14 *
1:554*719
1:420*706
2:851*032
Fumo,
aendimento de 1 a 12
tdem do dia 14
-------------1:228*948
etc.
555*170
695*662
aendimento de
Idem do dia 14
Vinagre,
a 12
ete.
760*640
*
1:250*832
760*640
10:066*877
Pereira, 22 a Johnston Pater A C.<
Simpson 4 C. 61a Mills Lathan 4 C, BJ
Aigodao lOBtaceai a ordem, Vr a Alfredo G#f iNamsira, 7 a Peoaa Jouior 4 C, 19 a Joie Nar
cia & Irmao, 20 a f. Pereira da Silva, 18 a E. de cise- A C, 82 a Brown Thompson A C. Tapetes
Oliveira Laserda. v, ^r+vs *h beftihrVj |jyfJ*JWlprn'U,,',n *
TUesouro provincial de Pernambuco, 15
de deaembro de 1874.
0 escrivao,
________________J. C. M. da Silva Santos.
iMENTOHO PORT
Navios entrados no dia 15.
Portos do norte7 e maio dias, vapor nacional
Ipojuca, de 360 toneladas, commandante Mou
ra, equipagein 30, earga aigodao e outros ge-
neros ; a companhia peraambucana.
Terra-Nova42 dias, lugar inglez Pearl, de 192
toneladas, capitao \V. H. Cross, eqaipagem 8,
carga 3,142 barricas com bacalhao ; a Johns-
ton Pater A C
Terra Nova31 dias, patacho inglez Cassandra,
de 176 toneladas, capiUo Thomaz Rsdinon,
equipagem 8, earga i,863 barricas com baca-
lhao ; a Johnston Pater 4 C.
Terra-Nova -40 dias, brigue inglez Dora, de 228
toueladas, capitao William Burman, equipagem
20, earga 4,043 barricas com bacalhao ; a or-
dem.
Hartlepool 42 dias, barca allemi Leopoliina
' Fraude, de 327 toneladas, capitao H. Voitig,
eqaipagem 11, earga carvao : a Saunders Bro-
thers 4 C.
Macao5 dias, hiate nac'onal Deus te Guie, de,
150 toneladas, capitao Manoel Francisco Salles
eqninagem 7, earga aigodao e outros generos ;
I Barth'ilomeu Lourenjo.
Haviot sahitns no mesmo int.
Bahia e portos interraediosVapor naeioeal Va-
teria de Sinimba\ commandante Jose Pedro a>
Almeida cjija, vxrios neros.
Aracaju' e portos lntermedios Vapor brasMr*
Giquid, commandants Marlins, earga dinereaaw
generos.
ParaCorveta nacional Trajano, commandante o
capitio de fragaU Joao Anionio Alves Sofein.
Mossoro-Hiate nacional Adelin do* Anjos, ea
pilao Maaoel F. Muntciro, ca g varius ge-
neros.
Macao-Hiate naeional Joten Artktr, capitio Rai-
mundo M. ds Souza, em lastro.
Para Briyu; nacional Raio, capitio Antonio Fer-
nandes Lcureiro, earga atsacir e catros ge-
neros.
:0IT
0 Dr. Delflao Angnsto CavaleanU de Albaqaer
que, official da ordem da Rosa, uiz de Direilo,
crphaos e aosentsa da comarca de Oiinda, por
S. M. 0 Imperador, a quem Dem guard*, etc.
Faco saber acs que 0 presents edital virem, qne
por este juizo foram arrecadados os bean per-
tencentes ao espolio da finada Azosiinha Maria
ad Concelclo, pelo que, a reqnerimenti do Dr. cu-
rador do referido espolio, e de conformidadc eoai o
regulamento de 15 de junho de IK.w, manl'i a4kV
xar editaes ros lugares do co*nm. e public*, loo
pela imprensa, chamando os herdeirx, su-c<-o-
res di mesma flaada, e todos que lire to uh*m
na sua heranca a virem habi iur-^e di f riaa do
regulamento citado.
Olinda, 3 ie de7.embro da ^.374.
Ea. bacbanl Praacisei Lins CilJas, eserivAa,
0 sub3crevi
Delfino \ugu-to C1v.1lc1.nM d Albuqoerqae.
Joao Marine.- Correia, juit da pa* U fresnaua de
S. Fr. P0J10 Qoacalves Ji cilads do Recife de
Pcrnambuc 1, em vinud-r da lei, etc.
Faco saber a-is senh ir.-< .-ieilir-s a suppleol.-s
abaixo dejl .ra lo, o-ie em vista da lei regniamea-
tar das eko'.-i is, :<-nv i-> para qj comparei*aoi
na terceira d.niiivi li m-r. da Janeiro proxseaa
fatun, no c irn 1 ui mitru Jest* fregue.ii as t
huras da manlii. afiui de organisar se a junta
qualiflcadora que 1- in de raver a qualilieacao do
corrente aon >, u q ml li: r o svoUnies para as elet-
coes da eleit >res, juizes da paz e vereadores* da
camara municipal, li.-anl) os senh Tes eleitores
e supplenles certos que na falta do c < npareei-
mento, serao muliados c nfjrma let-rmina a lei.
Eleiiores.
Jose da Silva Loyo Juohr, J ao da Cnnha Ma-
galnaes. Dr. Antonio Goacalvcs Ferreira, Ber-
nardo Ferreira Ltureiro, E-tavio J irge Baptista,
Joao Marques Correia, Minoel Es'.annlao da Cos-
ta, Mmoel Marqn s da Abrea Porto, J>se Pedro
dos Santos Neves, Balthazar Jo-e 11- Reis, Jose
JeroayoM de AlbuqueMua Maranrio. Joao Anto-
nio da Co la Moreira, Joaquim Aaaetacia da Ca-
n-i 1, Manoel Francisco Marques, I m 1 .! Ni-
cimento Araujo, Autonio Kutino de Anlrade La-
na e padre Miguel Vieira de Barn 3 Marreca.
Sapplcnte-.
Capitaliao GonQslves Lmu. Antonio Francisco
das Neves, Manoel Joauuim da Silva Rios, Joa-
quim Mauricio Lins, Pedro Jo-a da Siqueira,
E'uardo Rodrigues, Jose Pedro Vaz de Oliveira
Joao Mirinbo de Arauj s Caetaae da Coata Mo
reira, Francisco Felix (ioic.lves, Joe Luiz Sor-
ra Cavalcante. Manoel Mendes da Cruz Guimarae*.
Antonio Cardoso Ayres, j-iao Francisco de Carva-
Iho Juuior, Joss Joaquim F-ruand- Antonio Al-
ves de Souza, QaetaM Jose da Fouta, Manuel Jose
da Fonceca MarH, rYaactie-i J ni Alves Jo.e Ma-
rii do R"go AHju |urqiie, HareM Franniscc in
Paula Reis, Silvino Antonio hodnn'ues e Francis
co Fernan-Jes de Afello.
E psra cou^t:tr, nnnlei najsar opn-.-ente e afli-
xa-lo nos lugares mais publicos desti fregueaia
publica-lo ptla imprensa. Freguezia de S. Fr. Pe-
dro Gmealves da cidade do Recife da fernambn
co. 14 ds dezembro da 1874.
Ej, Ianocencio da Cuuha fiafatJBa, escrivao, o
subscrevi.
__________________JJio Marqaes Correia.
0 Illm. Sr. inspector do tbesnoro provincia-
em virlude da ordem da pre>id 1; i 1, d li..j, de
terminando 0 resgate das apouoes provmciaes d
n. 1 a n. 320, erie A, emittiuas para pagameatu
da companl.ia Recife Drainage, c nvida a.is pos-
suidores de dilas apolices a comparecerem neste
llte.-uuiu ck rrcobcrcm a im{>'-)rtAuriu iu- utc.-ai-
os juros :.'.: esta ii.il 1, scienliflcandu-lhcs que
desta mi'smo data em diante nio vencerao ella-
mais joro algum, cm ob.i-rvaticia d rcgulauien
lo respective.
Secretaria dn toesouro provincial de IVraaD.
buco, em 30 de novembro de 1874.
Osecretarh,
MigU' I Affoaso Ferreira.
0 Dr. Joaquim lonr;alve-- Luni, |uiz d feito*
di fazenda dssti provincia, por S. M.0 Impera
d r, a quem Deus guarde, etc.
Faco saiinr aos que 0 presume edital virm, que
em cumpriment 1 da orJe a do daasaar*, Je 30 de
dczeaibro de 1865, e das laatjrneeoas | 1 coqia
ruer-ma baixaram, findo 0 prazo a* tres awaaa, a
rontar da dita da publicngao deste. sera v.ndido
e arre natado em hasta pullica ci Ie bra la na con
marca de Itambe*, a quem maior praca cff.recer. a
vista ou a prazo ate II annos, quando muito, con.
juros de60|rjao anno pelo tempo da demur*, a
coin, resen-ao denotuinada Buraco do x-
tincto vinculo de Itambe, siu naqnella con area,
a qual se acba avaliada era 5.00u 000 e coniesa
segun lo a medifao a que se proceoeu e c ioaantoa a cxtensio stguiute : -do lado doleste
1,110 iracas, do lado do none 409 braras. do lado
do noroesle 681 bracas, doladudo poenia til bra
(as, e do lado do sal 681, send) todc oterreno pro
proprio para a culiura u 3 mandioca e outros legu-
mes, e ficando certos os interessad.-s de qua, ta*
to por tanto sera, referidoo la nco do poseire res-
pective na conform;Jade da ordem do thes ur 0.
15, de 29 de Janeiro de 1874
Recife, 15 de aetembro de 1874. Eu. J. se Fran
Cisco do Rago Barrus, escrivao, o suwerevi.
SCLaH*C0E8.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Illma. junta administrativa da Sanu Casa c-
Misericordia do Recife, manda fazer puboco qn
ai sala de snas sessdes, n> dia 17 de derembro, p
.as 3 horas da tarde, tem de ser arr-niauo-. -
iuem mais vantagens oHerecer, pelo tempo da am
1 tri-s annos, as rendas dos predios em sefaidv
iclarados.
ESTABELECIMENTO DE CARIDADK.
Vidal de Negreiros.
Cassterrean.94.......301*0-*
Idem n. 112 327 OW
Rua larga do Rosarin.
! andars loja n 24 A fechada 3Wp**<
1.-andar n. 24 A idem.....131 jou
Rua de Antonio Henriqnas.
iisa terrea n M (fechada). W*
Largo da Campitu.
1cm n 11 (fechada)......120*00)
Rna do Coronel Suassnna
! andar do s brado n, 94 .... 4U)*Oik
Rua do Viscoude de Albuquerque.
68U000
48lj00
uuooo
MBJOOO
80OMi
400*00"
Casa ter'ea n. 101.
Idem n. 91 ....
Becco do Abrea.
Sobrado de 4 an-v.res n. i
Rua dos Pescadores
Casa terrea d. 11..... .
Una de S. Beuto (Olinda)
Sobrado n. 17........
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Raa do Commerei Sobrado a. 30.......
Rna da Moeda.
Casa terrea n. 91 fechada)..
Baeco das Boias. _^
Casa Voxe* ft. 1-......tHJOK
Rna da Lapa.
Zui terrea n. 11.......2OU0W
Rna de Anaonra.
sobritdo da t andares a. M
r.asa terrea a. Si.....
RnardaBsjajsa.
Casa tarfea a, td. ^^ -
Rna do Vigario,
f andar do sebrado a 17 (faahala) lUjOBi
I* andar do raesmoXfecnada) MMM(
Loja do mesmo fechada.....
Rna 4p MaaaniaaneBto.
Sobrado de 1 andaaaa 13fgcbaio). 1
Rua da Somalia vein*
idem n. 16. ......
Rna da Gala.
Casa terrea a II.....
idem n. 19 .....



Diario de Peraambueu Quarta feira 16 de Dezembro de 1874.

Rua do Bnm Jesus
Sobrado ji.il......600*000
Rua de S. Jorge
Cast lerrea n. 103......207*000
Idem n. 108........208*C00
Idem o. 98.......241*000
Parnameirim. __
Siio n. I ... o 590*008
Os preteDdenles deverao apresentar no acto da
arrant as suas flancas, ou comparecerero
acompanhados dos respectivos fiadores, devendo
pagar alem d v renda, o premio da quantia em
que (or set, aro o preaio que contiver estabeleci-
mento commercial, assim como o servico da lim-
peza e preco dos apparelhose e nouidades.
Secretaria da Santa Casa da Miseruordia do R*
cife, 10 de dezembro de 1874.
Oescrivao,
______________Pedro Rodrigues de Souza,
V balalh&o de infantaria.
0 eonselQO economico deste batalhao contrata
para fornecimento das pracas arranchadas
00 { iemestre do anno de 187a, os geoeros se-
gulnte* : arroz pilado, kilo; assucar branco e
oiasea7'000 refinados, idem ; bacalbao, idem;
cafe bm earoco e moido idem ; caroe secea e
verde ><*eDj > manteiga iogleza e franceza,
idem'; mHno branco pilado do Rio de Janei-
ro idem; toacinbo de Lisboa, idem ; farinha de
mandioca da (terra) litro ; feijao raulatinho e pre-
to idem ; azeite doce, idem ; vinagre, idem; le-
nha, achas ; e pans de 115 e 230 grammas ; pre-
venindo-se aos wracarrentes que devem apresen-
lar uas propostas era eartas lecbadas ac 10 horas
da manha do dia 19 do correote na secretaeia do
batalhao, que os generos serao todos de priraeira
qaalidade e postos no quartei por conU do con-
iralante, e que nao se admittem, propostas que nao
eontiverera explicitamente os precos e todas as
declaracoes necessarias sobre a qualidade dos
mesmos generos.
Quartei nas Cinco Ponias em Pernamouco, i*
de dezembro de 1874.
Joao Baptista de Sique;ra,
Alferes seereUrio._________
Quarta feira, 16 do corrente, depois qne o
Dim. Sr. Dr. juiz subsiituto da 2* vara der audien
cia tern de ser arrematado um piano de jacaran-
da, na rua da Peoha, sobrado n. 21, no andar,
por execucio de Joao Luiz Ferre'.ra Ribeiro
contra Jose da C-ista donrado.___________^
QuirU-feira 16 do corrtnle, nnda a audien-
cia do 111m. Sr. Dr. juiz de direito da 2" vara, as
10 horas do menciooado dia, tem de ser arrema-
uda a armacao torn todas as suas pertencas e os
generos existentes na laverna n. 30, sita no largo
do Terco, tudo avaliado era 575*480, por exe-
cucio de D. Anna Felisar.la de Souza e Silva
contra Manoel Antonio Pego.________________
COMPANEIAP ERMMBUCANA
DE
Vavcgacio costeira a vapor.
Parabyba, Natal, Macao, Mossor6, Aracaty,
Cearf, Acaracii e Granja.
0 vapor lpojuca,
commandants Moura,
seguira para os por-
tos acima no dia 22
do corrente mez, as 5
boras da tarde.
Recebe carga ate o dia 21, encom nendas, di-
ubeiro a fre:e e passagens ate as 2 horas da lar-
de do dia da sabida : tscriptorio ao Porte do
Mattos n. 12. _____
Pacific Steam Navigation Company
R. M. STEAMER
(4.691 toneladas).
Espera-se dos
porlos do snl ate
o dia 20 do cor-
rente e seguira
para Liverpool,
tocando em Lis-
boa e Bordeos,
para onde reee-
bera passageiros,
encomraendas e dinheiro a frete.
N B Nao sahira antes das tres horas da tarde
do dia de sua cbegada.
AGENTES
Wilson iswe *S C.
14 -Rua do Commercio14
COMPANHIA BRASILE.RA
DE
(Wavegatpao costeira a vapor
Porlos do none
0 admioistrador da propriedade Apipucos,
em cumprimento dodisposto no artigo 16 dos res-
pectivos eslatutos, convoca pelo pressnte aos con-
senbores da mesma propriedade que raoram fora
da cidade do Recife e sens soburbios, para a reu-
niao geral ordinaria, que tera lugar no dia 10 de
jaDeiro pr-jximi vindouro, ptlas 9 horas da ma-
nha, no consisto-io da capella perlencent? a dita
propriedade. Apipucos, 13 de dezembro de 1S74.
No dia 17 do corrente, depois da audieocia
do Sr. juiz de paz da fre^uezia de S. Jose, as 4
horas da tarde, se ha de arrematar duas marque-
zas de amarello com assento de palbinha, por 30*,
seis cadeiras de guarnicao tambem de amarello,
por 245000, duas cadeiras de balanco por 30*,
um par de consolos p)r 16*, tudo em bom estado,
por execucao de Antonio Martins Duarte contra
Manoel Moreira de Souza.
Commanclante Pamplona
Espera-se dos por
tos do snl ate o dia 18
do corrente, e depois
da demora do costu-
me seguira para os
do norte.
Para carga, encommendas, valores e passagens,
trata-se no escriptorio.
7-RUADO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C.
_______Agentes.______________
Para o Porto e Lisboa
pretende seguir com pouca demora a barca por-
tugueza Social, por ter porcao da carga engajada;
e para o res'o que Ihe falta e passageir >s, trata-se
com os consignatarios Joaquim Jase Goncalves Bel-
trio & Filho, a rua do Commercio n. o.______
lavatorio de pao setiro, 1 gnarda ve^tido, 1 tapete,
1 bidet, 1 cabide.
Sala de espera.
1 mobilia de faia com ttmpo de pedra, 2 pares
de jarros, 1 candieiro a gas.
2* quarto
1 cams de jecaranda, 1 gnarda roupa, 1 bidet.
1 cabide, I \i commoda de amarello, 1 lavatorio,
3* quarto.
1 commoda inteira de amarello, t berco, 1 toilette
de junco com ecpelbo, I cabide, I marqpeza, 1
lavatorio de ferro, 1 mesa elast:ca de 4 talPoas, 2
guardas lonQas, 1 par de aparadores, I sofa, 12
cadeiras de amarello, i| J apparelho para jantar, 1|2 .
dito para almoco, 1|2 dito de electro plate, 1 cadeira
i de balanco, 2 pares de quartinhas, I jarra.
Sala de engommado.
1 par de aparadores, I mesa para engommado,
1 par de consolos, 12 cadeiras de carvalho, I so- \
fa, 2 cadeiras de balanco, 2 ditas de braco, 1
jarrSn, I halle e muito* ontros objeetos, qne se'
torna enfadonho meLCi nal i^, os qnae? se achara.i
1 patentes no acto do leiiao, e os irastes m toruaiu
recommendaveis por terem 3 mezes de nso.
DE
uma casa lerrea n. II, sita a rua 27.de Janeiro, (
outr'ora Paco Castelhano, na cidade de Oliada, a i
3oal tem 58 palmos de comprimento e 29 1|2 j
e largnra, coin porta e jane la na frente, porta
e janella no oitao, 2 salas, sendo a de detraz as-1
soalhada, sob a qual existe uma loja, 4 (]natos cozinha interna, quintal murado com 160 pal-1
mos de exteosao, cacimba, um terreno ao ladoi
do norte com portao.
HOJE
A'S 11 HORAS DA MANilA
No escriptorio da rua do Bom Jesus p. 53,
primeiro andar.
Por ordem do Him. Sr. Dr. Jose Antonio de Fi-
gaeiredo, tes'amenteiro do finado Dr. An'onio d'As-
sumpcio ("abral, o ag*-nte Pinho Borges fara leilio
da supradita casa. Qualquer esclare:imento com
o mesroo agente. .______
LEILAO
DE
uma optima lancha, um salva vidas, 7 re-
mos e 14 forquetas
Boelm; apparelhada de
metal, com methodo, 1 es-
tojo derewolver, espellios
grandes e pequenos, com
molduras douradas, qua-
dros com finas estampas,
figuras para cima de mesa,
1 lustre de crystal para
gaz, objectos de brilhan-
te, ouro eprata, guarda
comida, mesa e secretaria
para advogado, relogios
de algibeira, de ouro e pra-
ta, santuarios, aparadores,
crystaes, relogios de pare-
de, chapeos para homem,
quinquilharias, e immen-
sos artigos do uso domes
tico,que serao vendidosa
tr6co do barato, por conta
de diversos
Qoinla-feira 17 do corrente
as 11 horas
NA
FEIRA SEMANA.L
16Rua do Iinperador16
_____________ARMAZEM______________
Agents Pestana
leiiao
madeira e esunho, trem de cozinha, e muitos on-
tros artigos que estarao patentes ao exame dos
Srs. compradoros.
A's 10 l|2 horas da manha do referido dia, par-
tira da estaijao da ma do Brum um bond qae coo-
duzira gratis os Srs. coocurrentes. dos quaes
aquelles qne nao poderem ir absoluumente nessa
occasiio, poderao facilraente para alii se transpor-
tar, visto como de meia em raeia bora ha bonds
para aquella localidade.
A casa em que deve ter lujtar o leilio flea a 4
passos ao voltar a fundirao dofallecido Starr.
0 leilio principiara logo que chegue o bond
ndicado'.
0 palacete que se acba em perfeito estado de
conservacau, possue magaiiicos commodos para
grande familia e tera terrao-i com optima vista,
cozinha independent, qaaits para criados, co-
eheira eestribatia, jardicn, arvures fructiferas e
um bom viveiro muraln; pode ser alugado a
qnalqner Sr. pretenduiite, a que-i- se ofler-cera
occasiao de examinar no dia du teferido leiliu.
ALUGASE
o segundo andar e arraazem da rua de
fonso n. 59, o sobrado de u n andar e
rua do Hospicio n. 63, e o pritaetro
mazem do sobrado da roa do Boa
a tratar na ma do Vifario 31.
At-
4a
ar-
CS :
iHlSOSGVfhSOS
Para o Ceara
egue em poucos dias o brigue allemSo Colmar,
ecebe carga a frete modico a tratar no escrip-
orio de Djraingos Alves Malheus, a rua do Viga-
rio n. 5.
Santo Antonio
ESPECTACULO EXTRAORD1NARIO
EM
Bencflcio la Socledade Propa-
andorn tin Iiih(i-iici;o Pll-
blica.
(Parochia do Poco da Panella.)
Quarta-l'oira 16 do corrente.
Com o drama original brasileiro do Sr. Jose de
Lima Penanle,
A Heunn Malerna
e eswlhidas comelias, que serao depois annuncia
das, os actores que representam actualmente no
theatro de Santo Antonio, com os musicos da or-
chestra e o proprietary do mesrao theatro, er-cer-
ram definitivamente os trabalho3 do corrente anno,
prestando seus servifos gratnitos em favor do con-
selho director da sociedade Prnpagadora da Ins
tmccao Publica (no P050 da Panella.)
Semelhante servico, e para fim tao importanle,
nao pode deixar de ponhorar todos quantos fazem
parte da referida sociedade e despertar 0 favor e
benevolencia do publico.
Havera depois do espectaculo um trem ate 0 Ca-
xanga, assim como dous bonds, sendo um para
Magdalena e outro para Fernandes Vieira.
THEATRO .
Santo Antonio
SABBADO 19 DO CORBENTE
P^\Pelos ce.ebres campanologos escocezes.
Ultimo
Grande e variado especuculo era beneficio das
Sras. D. Clara, D. Sophia, D. Graca e
D. Elisa.
0 prograrama 6 composto das melhores pecas
de musica do repertorio, e os intervallos serao
preenehidos com lindas scenas comicas.
N. B. Recebe-se desde ja encoramendas de
camarotes e cadeiras no escriptorio do theatro.
rara Lisboa
0 lugre portuguez Cidral, capitao I. AdriSo da Sil-
va, vai sahir com brevidade : para carga e passa-
geiros, trata-se com Silva Guimaraes & C, praca
do Corpo Santo n. 6._____________
Companhia Allinca Mariti-
ma Portuense.
Empreza do navega^ao entre 0 Brasil
e Portugal
Barca portugueza Victoria
Para 0 Porto
A sahir com a maxima brevidade. Recebe car-
ga e passageniros : a tratar com Jose da Silva
Loyo & Filho.______________________________
Rio de Janeiro.
Pjra o indicado porto recete carga a frete a
barca portugueza Lisboa : a tratar com Tito Li-
vio Soares, a raa_do Torres a. 20. _______
Rio de Janeiro.
Pretende seguir com muita brevidade a barca
portuguezSop/u'a, por ter a maior parte de seu
carregamento engajado, e para 0 resto que lbe
falta, trata-se com os consignatarios Joaquim Jose
Goncalves Beltrao & Filho, a rua do Commercio
n. 5.
as 11 horas
Em 0 trapicbe em frente & guarda-moria da
alfandega
0 agente Dias, competentemente autorisado, le-
vara a leilio, no dia e hora acima indicados, com
licenga do lllm. Sr. inspector da alfandega, e assis-
tencia de um empregado da mesma re particle, em
presenca do lllm. Sr. consul de S. M. Britannica,
uma optima lancha. um salva vidas, 7 remos e
14 forquetas, salvados da galera iogleza The Foun-
dling, capitao N. W. Butter, incendiada era alto
mar, em viagem de Liverpool para Bombaim.
Agente Pestana
LEILAO
DE
uma mobilia de jacdrandi, rom tampos de
pedra, quasi nova, cantendo as seguintes
pegas:
.4 saber :
18 cadeiras de guarnicao.
1 sofa.
2 consolos.
2 jardineiras.
4 cadeiras de braco.
HOJE
ASH HORAS EM PONTO.
Em continuacio ao leiiao de moveis e mais ob-
jectos, no 2." andar da rua do Marquez de Olinda
n.33.
Por intervenes do preposto do agenie Pestana
DE
queijos londrinos,
caixas com queijos tonannos, ultima-
mente desembarcados, com a rmrca J. J.
G. B. & F. e 20 barricas com cerveja
Bass, em garrafas inteiras e em ditas
meias
QUINTA-FEIRA 17 DO CORRENTE
as It horas em ponto.
No armazem do Sr. An'nes, defronte da al-
fandega.
0 preposto do agente Pestana fara leiiao, por
conta e risco de quem pertencer, de 3 caixas cam
queijos londrinos, ultimamente desembarcados, e
20 barricas com cerveja Bass, era garrafas intei-
ras e era ditas meias.
Era um ou mais lotes, a vontade Jo3 Srs com-
pradores.
Dividas da massa fallida de
Bento da Silva AC
Tendo lido no Diario de Peritamlmot a. 168 de
23 de novembro ultimo um aonuocio do Sr. te-
nente-coronel Decio de Aquino Foo:eca, qae na
qualida'e de arremaunie das dividas deua mm,
pede 0 pagtmenlo aos deveJiire* da me-m, sob
pena de se empregar na cobrau;a toio 0 eifir 4a
Iri, vi com torpr devedores, com a qjaniia d-- 17"! '.ini.
fvclar' i|ue njui J;.o a itlenJa iimm*. pOiS
muito antes de faliirem ot Srs. Il-nle 4a Silva A
(1, minhas leiras estavam desc..oUds en aider t>
Sr. Joa.i Antonio da Silva Bastos, a qoeo papei-as
no vencimento, e existem em men poder epm o
competente recibo. Macabyba, 2 de dezembro de
1874.
Joa-iaim Mancio Marhibo Filho.
Pannonia
Ao caes do Apollo, ancazeni n. 69, m reconc-
menda aos senbores de engenho a mais superior
farinha pannioia, em meias brri*,aj.
Paracasu de familia
Precisa se de duas amas de conducts, uma para
ser empregada unicamente em engemmad') e ai-
guma costura, e outra para ensaboado e servico
dumeslico, pag se b it
Recife 0 primeiro silio de muro arinzeotado do
lado direito antes da igreja. _____
Para tratar de um pequeuo sit>o, precisa *t *^
um homem que seia cuidadoso e coimda de ti-
res ; e de um eriado de 12 a 14 anoos. para ser-
vico de casa e algum raandado : no res do Apcib
ns. 69 e 71.
Allencao.
Precisa-se Ullar com 0 Sr. Manoel de Siqneira
Cavalcante Junior a nrgocio d particular inlre-
se : na raa do Marques do Heral n. li._______
Esplendido
LEILAO
4os Srs fnniantes
Fumo desfiado de diversas quali-
dades.
Novo-Copora1.
Olho de Passaro.
Flor do Brasil.
Verdadeiro Rio novo.
Verdadeiro fumo de Goyaz
em pacotes e latas de 2, 4 e 8 oncas,
fern composicao algutna nuciva ao fu-
mador, manufacturado, e a venda na
fabrica a vapor, na antiga rua do
Quartei de polieia n. 21.
m
m

Aluga-sc
as easas das ruas da Una Crvalhc n. 3-'i, de t
Jose n. j e becco de S. Jose n. I : a tratar ao ar-
mazem do Campos, rua do Imperad>r n. 28.
Henrifue de Coatro Wearta
Jose RuliooCiimaoda Silva ci n-
vida aos amigos do fallecido Hear;
qne de Castro Soar<*, para ait
rem as missis qne em teofio do
mesmo finado raaniii resar no :-
time dia de seu passanento (16 do
correote), peJas" horas da manhJ.
na igreja de N. S. do Car mo._____________^^
0
Para Lisboa e Porto
Vae sahir com muita brevidade 0 brigue portu-
gjuz Imperial, por ter grande parte de carga
prompta. Para 0 resto e passageiros, trata-se
com os consignatarios Thomaz de Aquino Fonce-
ca & C. Successeres. a rua do Vigario n. 19.
Venda de navio.
Vende-se 0 patacho naciooal African*, que se
acha ancorado no quadro da descarga da carne-
secca : quem 0 pretender dirija se ao mesmo
para examina-lo, e a tratar com seus consigna-
tarios Amor.m Irmaos & C._________________
Libras esterlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercir1 n 41.
Grande
LEILAO
Em continuaqao
DE
cautelas dadas em penhor
CONSTANDO DE :
Objectns de brilhantes
aderecos
relogios
correnldes
e trancelins.
Na casa de penhores, travessa da rua das
Cruzes n. 2.
Principiando as 11 boras.
BAHIA
MISSIMO
Apparic&o
e desapparicao
de uma menina de 14 an-
nos, que bebe, come e fal-
la com o espectador.
0 professor Gris d'Apremont tem a honra de
participar ao respeitaveljpublico desU cidade,que
possue essa verdadeira maravilha, que agradou
extraordinariamente nao s6 em Franca e na Alle-
jnanha, como na Italia e outros paizes onde tem
estado. A's familias nio devem perder a occa-
siao de ver objeeto tao enrioso.
Entrada geral 500 rs.
Rua da Imperatriz n 1.
AVISOS MARITMOS
Compauliia Pernambneana de
naiegacSo costeira a vapor.
Mamamguape pela Parabyba.
i i 0 vapor Mandaku, common-
JMka^)^. dante Marinbo, seguira para os
Bicl^W. portos acima no dia 17 do cor-
m rente, as 5 horas da tarde.
^BBm^w Recebe carga ate o dia 16, en-
commendas, passageiros e ninheiro a frete ate 2
boras da ui de do dia da sahida, no escriptorio do
Forte do Mattos n. 12. _______^_
Aracaty
0 Mate Leoniiia da Cruz sahe para o porto
acima mdieado, hoje as 4 horas da tarde : .os se-
nbores carregadores qneiram procurar seoi eo-
nhecimentos ate ao meio dia, a raa do Am rim
Segue com este destino, nestes quatro dias, o
palbabote Rosita, tomando para o referido porto
a carga qne lbe apparecer, por isso quem quizer
aproveitar, pode dirigir se aos consignatarios Joa-
quim Jose Goncalves Beltrao & Filho, a ma do
Commercio n. 5.
Companhia h Ilia new maririma
portuense
Empreza de oavega^ao entre o Brasil e Pot
tugal
PARA 0 PORTO
Barca portugneza Joven Adelaide, a sahir com a
maxima brevidade, recebe carga e passageiros : a
tratar com os sen? consignatarios Jose da Silva
Loyo & Filho.____________________________
Para a Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o brigue
Isabel, tem parte de sen carregamento engajado :
para o resto qae lbe falta, trata-se com e sea con-
signatario Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, rua
do Bom Jesns n. 57.
LEILOES.
Importante
leiiao
DE
boos moveis, lougas, vidros, crystaes, ouro,
p.-ata e ob/as de electro-plate.
Hoje
A'S 10 1|2 HORAS EM PONTO.
No 2* andar do sobrado sito a* rua do
Marquez de Olinda n. 53.
0 preposto do agente Pestana, competentemente
autorisado por uma familia qne retiroa-se para o
Rio de Janeiro, fara leilio por conta e risco de
quem pertencer, dos moveis e mais objectos, abai-
xo mencionados, a saber :
Salade visita.
1 riea mobilia de jacaranda com tampo de pedra-
a Lnis XV, 1 piano de jacaranda, 1 par de espel
lhos, 1 par de serpentina, 1 par de jarros cor asa*
com pingentes, 1 dito cor de rosa com pingentei,
2 pares de lanternas, 1 candieiro a gaz, 1 machina
de cnstnra, 1 tapete grande. 6 di tos pequenos, 1
porta musica, 1 banco.para piano, 1 custureira.
1 quarto.
1 rica cama de jacaraudi, l toilette fle dito, l
bons e ricos moveis, louga, crystaes, cha-
rao, salvas, objectos de ouro e brilhante
QUINTA-FEIRA 17 DO CORRENTE
A's 11 horas da manha
no sobrado da rua de Hortas n. 14, primei-
ro andar
A. saber:
Um rico piano de jacaranda, 1 dito nsado para
menina aprender, 1 rica mobilia de jacaranda,
composta de 12 cadeiras, 2 ditas de bracos, 1 so-
fa, 2 consolos, tampos de pdra, jardineira com
tampo de pedra, 1 rico toilette de jacaranda, tam-
po de pedra e espelho, I dito de amarello, 1 gnar-
da vestidos de erable, 1 cama para casal, 2 mesas
elasticas, sendo uma deltas com pouco uso, com 4
taboas, 2 aparadores, consolos, cadeiras, marque-
zas avnlsas, 1 cadeira para piano, 1 relogio de pa-
rede, 1 bacatella, I lavatorio, 1 marqueza de jaca-
randa, camas de ferro, quadros, jarros, figuras,
porta-licor, saleiras, garrafas, 1 apparelho de lou- j
ca para jantar e para almoco, calices, copos, 1 rig I
ca secretaria para senhora, 1 serafina nova, ca-1
deiras de balanco, 1 toilette, 2 espelhos ovaes, 2
ditos pequenos, compoteiras, jarros, 1 rica caixa
de charao para cha, candelabro de electro-plate, [
candieiros a gaz, e ontros muitos artigos de gosto
em perfeito estado.
Por intervencao do agente Pinho Borges e por
ordem de uma familia que se retiron para fora da
provmcia, sendo este em continoaQio do leiiao
passado, por nao haver tempo de termina-lo.
LEILAO
PC
roupa nova e usada, livros em francos, 1 rewjl-
ver, 1 lavatorio, 1 cama, 2 malas e 2 cadeiras,
objectos pertencentes ao tspolio do finado sub-
dito francez Modesto Postel.
QUINTA-FEIRA 17 DO CORRENTE
ds 11 horas da manhi
0 agente Pinto, autorisado pelo Ilia. Sr. consul
de Franca, levara a leiiao, em presenca de sen
DE
magniiicos moveis, louca, crystaes e diver-
artigos de electro-plate
Sexta-feira 18 do corrente
as 11 htras da manha
Em o palacetfi do Exm. barao da Sjledade,
rua da Aurora em Santo Amaro
casa de residencis do lllm. Sr. J. Roberts.
0 agente Dias, competentemente autorisado pe-
lo lllm. Sr. J. Roberts que relirase para a Europa
com sua Exma. familia, levara a leiiao no dia, ho-
ra e lugar acima indicados, os moveis e mais ar-
tigos proprios de casa de familia, existentes em a
casa de sua residencia, a rua da Aurora em Santo
Amaro n. 127.
A saber:
l,a sala.
Um magnifico piano de jacaranda, era perfeito
estado, I cadeira para o mesmo, 1 mobilia de jun-
co, composta de I sofa, 1 mesa de meio de sala,
com tampo de pedra, 2 consolos dito, 2 cadeiras
de bracos, 2 ditas de balance e 12 ditas de guar-
nicao, 3 espreguicadeiras, 2 bancas de jacaranda
para jogo, 2 magnificas estantes de jacaranda, pa-
ra livros, 1 mesa de phantasia, 1 porta-musicas, 1
relogio de marraore, 2 vasos para flores, 4 sanefas,
2 cadeiras de balanco, amencanas, 2 ditas de en-
cesto, 1 mesa grande com tampo de pedra mar-
more, 1 sofa de jacaranda, 1 dito dito com encos-
to de palhinha, 1 costureira, 1 candieiro para ke-
rosene, diversos e bonitos quadros a oleo, com
moldnra dourada, ditos 'om diversas vistas, 1 va-
se de alabastro, 12 tapetes diversos, 1 alcatifa usa-
da, 1 panno de linho para forro da sala, 2 stereos-
copos, 4 leques, 2 pares de bonitas Gguras de
bronze, e 1 banca de phantasia.
i quarto.
Uma cadeira de balanco, com descan>;o, 1 tou-
cador e porta-joias, com gavetas, I aparador com
tampo de pedra, 1 cama de ferio com colcbao, 6
cadeiras de amarello, 1 espelho, 1 apparelho para
lavatorio, 1 porta toalbas, 1 caixa de musha, 1
esteira para forro de quarto, tapete e oleado, 1
burra prova de fogo e o competente banco, 1 pro-
ta chapeos, 1 machina para costura e 1 armario
com espelho.
Sala de jantar.
Uma mesa elastica de 6 taboas, 22 cadeiras de
jacaranda, 2 cadeiras de balanco, de dito, 2 mag-
nifies guarda-lonca de dito, I grande e rico apa-
rador de mogno, I dito de dito menor, 2 grandes
consolos com espelho e tampo de pedra marraore,
1 dito dito, 1 grande gnarda comida de arame, 1
relogio de parede, 3 cadeiras para menino, 1 flltro
e banco, qnartinbas diversas, 1 encerado para for-
ro de sala, diversas bandejas. frncteiras, garrafas,
compoteiras, copos e calices de crystal, facas, co-
Iheres s garfos de electro plate, de diversos uma-
nhrs, 1 banca com deposito para cha, 4 porta fa-
cas e diversos vasos com planlas.
2." quarto e despensa.
Um guarda roupa, 1 banca para costura, com
espelho, diversas cadeiras, 1 deposito para fari-
nha, diversas prateleiras com cavalletes em que
assentatn as mesmas, 1 encerado para escada e
varoes.
3 quarto.
Em cima.
Duas caraas para menino, 2 meias commodas,
1 cama de ferro com colchao, 1 mesa redonda com
tampo de pedra, l tear, 1 cadeira para piano e 1
lavatorio de ferro.
4 quarto.
Um toucador, com commoda e espelho, 1 gear-
ed vestidos de amarello, 1 secretaria, 1 marqueza
da amarello para solteiro, 1 lavatorio de dito e ap
parelho para o mesmo, 2 mesas com gavetas, 1
porta toalhas, 1 caieira de fechar e diversos .ta-
petes.
Um grande guarda-roupa, guarda-vestidos e
commodas, 1 commoda grande, I porta- lencoes.
Publicagao diaria
Este orgao do catholicismo na cdrte do imperio
comecara a ser publicado diariamente no proximo
mez de Janeiro de 1875.
Sendo o seu principal programma sustentar e
defender os principios da religiao calholica apos-
tolica romana, nao obstante elle se ocenpara de
tndo quanto possa offerecer uma leitura vanada e
succulenta aos seus assignantes e interessar de
qualquer modo a prosperidade do imperio.
0 Aposlolo contera em suas columnas as seguin-
i. 127 Ites seccOes, aleui de oulras que poderao ser ad-
* mittidas opportunamente :
Redaccao (artigos ediloriaes sobre as quesldes
do dia, quer religiosas, quer civis);
Seccao religiosa;
Srccao scientific* ;
Seccao lilteraria ;
Folhetim ;
Exterior (correspondencia);
Interior (correspondencia);
Seccao juridica (movimento dos tribunaes);
Seccao commercial;
Exp'ediente do bispado;
Secgao noticiosa;
Seccao especial (avisos);
Seccao particular (publicacoes pedidas);
Declaracoes;
Annuncios;
Us annuncios ou avisos publicados na seccao es-
pecial pagarao por linba 400 rs.
or artigos insertos na seccao particular pagarao
por linba 60 rs.
A assignatura do Aposlolo por um anno na corte
e provlncias 20*000.
Por seis mezes idem 10:000.
A tirada da iolba actuilmente excede ja a 4,000
exeraplares.
Communicande aos catbolicos do imperio a re-
sol 15S0 em que estamo- de publicar oApostolo dia
riameate, em maior formato, typo novo, bom papel
e com os melhoramentos indispensaveis para o
preencbimento da sua missao na imprensa brasi-
leira, tudo esperamos do seu valioso concurso, afira
de que vejomos coroada de feliz exito a empreza a
que nos abalancamos, sem olhar a saenficio.
0 Aposlolo, salvo os artigos de ques.Ses inteira-
raente pessoaes, ainda quando responsabilisades
legalmente, admi'.tira em suas columnas tudo quan-
to um jornal serio pole sera desar admitir, desde
quenem de leve se flra o dogma catholico o a dis-
ciplina da igreja, cuja defeza e sustentacac consti-
tuent o principal programma da folha.
Os artigos que a redaccao julgar de interesse
geral, serao aceitos e publicados opportunamente
sem que a mesma se responsabilise pela entrega
dos autbographos, e todos os que nao estiverem
neste caso pagarao o preco estipnlado para as pn-
blicac5es feitas na secgao particular.
0 Apestolo recebera sempre com agrado e reco-
nhecimento toda e qualquer noticia da corte e pro-
vincias, sobre o movimento politico e religioso do
imperio, desejando apenas que as informacoes se-
jam datadas e assignadas por extenso pelo infor-
mant, unicamente para q ie a redaccao tenha
scien:ia i> sua procedencia.
0 Aposlolo nio tem cor politica absolutamente e
por isso manter-se-ha sempre no terreno da mais
severa impareialidade.
As pessoas que quizerem tomar a sssignatnra
poderao diriglr-se aos Srs. Guimaraes & Oliveira,
a rua do Imperador n. 54.

f'M.
XaESft fS? eonu'Trisc? ffJS Jff, [d^stTpaJa roupa MrBvid., ,' reima e 5 trW-
cer, os objectos acima mencionados, pertencentes P Ie>-
ao espolio do finado Modesto Postel, existentes em
o escriptorio do referido agente, raa do Bom Jesus
n. 43.
Feira Semanal
Sala do dormir.
Uma optima cama de ferro com 3 colchoes, pa-
ra casal, 1 sofa de jacaranda, 1 magnifico gnarda
vestidos, 1 dito guards roopa, ambos iguaes, 1 se-
cretaria e commoda de mogno, 2 ditas om gave-
tas e armario, 1 mesinha redonda, 1 dita de jaca-
randa, 1 espelho para vestir, 2 lavatorios de mog-
no com tampo de pedra marraore, 2 apparelhos de
porcelaoa e vidro para lavatorio, 2 banquetas de
.... m^.m-* mogno para pe de cama, 2 porta-toalbas, 2 espe-
mODlliaS, DIanOS, guarda lOU-,ltwa. apparelho para lavatorio, 8 tapetes, i al-
7 r f, i catifa, 5 transparenies e 1 braco para cortinado.
ca, commodas, camas fran- j
cezas, toilettes, guarda v^pSE,0
transparenies e 1 braco
5.* quarto.
Uma commoda, 1 espelho, 1 lavatorio com tarn-
i de pedra, 1 mesa e taboleiro, 1 ceata. diver-
sas quartinhas e quadros, 1 silhao, 1 selim para
Ve8tia08y guarda rOUpa, earoeiro e I maenlna para engommar.
1 rica HautU OQ SyStema. mverias aes de j}inlao diversas Yasilhsu de
1
llonriqiK' de Castro Sooreo.
A directoria da Associacio Por-
tngneza de Beneficei cia dos Erapre-
gados no Corrmercio e Iodoatria
ex Pemamboco, manda rezar uma
missa no convento de S. Francisco,
quarta feira 16 do e.-rrfntt*, as 7
horas da manha, para snlTragar a
alma de seu finado consocio Henrique de Castr
Soares ; e para esse acto de pnra e verdadeira
religiao, convida, nao 6 os socios desU aMBdacli'.
como igoalmente os parente e amiges d queile fi
nado.
Recife, 14 de dezembro de 1874
Jose da Silta Rodriguet,
_________________1* secretano.
Etluardn dos Woniois Frrire.
Landelino de Luna Freire, por si
e por sens filho". agradece summa
mente as pessoas qne se digmaran
conduzir ao cemiterio publico. (
res tos mortaes de tua moi proud .
esposa, e mii D. Ednarda 4m S*b
tos Freire, e convida at aesaaa
pessoas e seus amigos para Ihes fazerera o obse
quio de assistirem a celebracao de uma aittv
pela alma da mesma finads, no Jia juiula feira
17 do corrente, na igreja de S. Francisco, teUs '
horas_____anha.
m ai immL'
AOS 4:000jf000.
81LUETES GARANTiDOS.
i rua Primeiro de Marco (outr'ora rum in
Crespo) n. S3 e caxas do costume.
0 abaixo assignadj, tendo vendido not mu It
lizes bilbetes um icteiro n. 1983 cm 4:000?, oci
meio n. 3676 com 100? e ootra tones de 40* -
204 da loteria qne se acaboa de extrahir (128' ,
convida aos possnidores a virem receberoa cos-
formidade do co-tome sem desconto algum.
Acbam-se a venda os felizes t.ilieies garaatido-
da 22' parte da loteria a beneficio da Saan
Casa de Miferieordia d> Recife (!**), qua s-
extrahira na terca feira, 22 do correnle met
PRECOS.
Hlhete inteiro 41000
Meio bil bete 1,1000
Em porcao de IOOA para rluaa
Bilnete inteiro 3^800
Meio bilhete 14750 ;
Manoel Marlins Fiuxa.
CASA DO OURO
Joao da Rocha Hollanda Cavalcante, senhor
do engenho Marrecas, na freguezia de S. Bento, do
termo de Porto Calvo, na provincia das Alagdas,
faz pnblico que em virtude dos repelidos furtos
de cavallo que tem soffrido no dito sen engenho,
resolven-se a marcar todos os animaes cavallares
de trabalho, com o ferroMarrecas,-soletradoj
da nm a outro lado da anca, de sorte qne e legi-1
vel o dito ferro, ainda mesmo estando o animal
em marcha ; portaato todo e qnalqner borro ou .
cavallo que tenha nas ancas o ferroMarrecas, |
deve ser tido por fnriado, porque nao se negocia-1
ram ; pelo que peco a qualquer senbor e sobre- [
tudo as aatoridades policiaes qne vendo on tendo j
noticia de nm animal em taes cirenmstanciat, qne
Aos :
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Ntva
n. SO, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender not tea*
aiuito felizes bilhetes a sorte de 200*000 an
meio bilbete de n. 3331 earn meio bilhete dec
3676 com a sorte de 1004, alem de ontras aartas
menores de 10*000 e 90*000 4a loteria aw .
acabou de extrahir (128*) ; coovida aos
res a virem receber, qae i
pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao
vel pnblico para vir ao sea esubnleeiatealo i
prar os mnito felizes bilbetes,que aao 4eixario 4V
tirar qualquer premio, como prova pelot aim-
annuncios
Acham-se a venda os mmto Miiee Mhataa fa
'antidos da 22* parte da tetoria a
Santa Casa da Misencordia do Recife, <
trabira no dia terca-feira, 22 do i
Free
inteiro
Meio
Inteiro
Meio t*7
Kecife. 14 de dezembro 4a 1874.
Joao Joaeutm dm Cmtta
o apprehendam, e annonciando ou mandaodo nm' T~ *IU5* -r Pe' lei
portador traze-lo a este engenho, sera paga satis-1 {Jeoerme ae cima, nos
fatoriamente a viagem do dito portador. | merme s>tepie: a trail
No vezo, como se achavam os ladroes, de virem mer0 *6-
a esse engenho furtar cavallos, ao amanhecer do!
dia 29 deontobro proximo passado fnrtaram-me|
um poldro castanbo grande, inteiro, manto, de
freio e sells, tratador, pe esqnerdo calcado, uma
pequena estrella na testa tendo na anca de am a
outro lado o ferro Marrecasainda em ferida.
Recommendo, pois, isto a altencio das pessoas
conscienciosas e das autondades policiaes na for-
ma qae ja hei dito.
Entretanto e bem nossivel que ot possnidores il-
Iegitimos deste cavallo procurem borrar a marca,
mas neste caso esta bem patente a raa fe.
Engenho Marrecas, 9 de noveattro 4* 1874.
Ainda esta por alugar a loja do sobrado
n. 2 4 raa das Larangeiras, aluga-se por preco
eommodo: a tratar no Cajneiro n. 8, junto ao
hospital portuguez, ate* as 9 boras da manha e
du 3 da larde em diaate,
! Aluga se pelo tempo da fesu uma can an
terraoos de HearitfW Gai
traUr nopateo do ParaiaoM-
Aliga-se
seis casas para patsar a taste, an Apipacot,
das da povoacao, maito freseat a perlo do
assim como um quarto aatoalhado, (orrad
teirado, proprio para rapat tolialfa : a
caes 22 de Novembro a. Jl
Qoatro
Alnga se uma casa
Capunga, para familia: a tratar na raa da Ti-
rade n 33, primeiro aadar, eoat Joaa Jaa4 da
Canha Laget.
10^000 degratifioa^ao.
Dei para 5 do correate,fattenaataagataaaaa
nsa das atas aparadai: qnaa trouar i raa
Dnque de Caxiai a. il,S*l
tia acima.


"?
Oiario de Pernambuoo -* Quarta feira 16 de Dezembro de 1874.

5
\
*

AttenQao
Os Srs. abaixo nomeados qneiram vir a ma do
Imperador n. 24, a negocio. A saber :
Antonio Joaquim da Silva Barbosa.
Antonio da Silva Proa, marmorista.
Barrelier, cozinheiro.
Francisco Jose da Costa.
Fabiciano Napoleao do Rego Barros.
Lagos, conductor dos bonds.
JoSc Antonio Portugal.
Jose Aflbuso de Oiiveira Guimaraes.
Felix Cantalice Lobo da Silva.
Manoel Jose Ferreira Hentevi.
Qainlino Moreira Dias.
Ansberto de Souza, conferente.
Jose Panlo dos Santos Oiiveira.
Silvino Antonio R >drigues.
Joao Gomes dos Santos Filbo.
Antonio Saraiva de Araujo Galviio.
Augusto Lobo de Siqaeira Thedin. .
Francisco Sergio do Rego Dantas.
Francisco Xavier Pessoa Cavalcante.
Antonio Ribeiro Pontes.
Rnfino Gorrda de Mello.
Imperial
Fabrica de rape areia preta fina, de Moreira
& Cuoha, da Babia.
Deste excellente rape, que se tjrna recomraen-
davel aos amanies da boa pitada, tern estabelecido
esta fabrica o sea deposito a rua do Commercio n.
5, que vendem por junto e a retalho, faiflndo-se
vantagem a quern eomprar porcao. .
Aluga-se
o sobrado de um andar e so'.ao, na rua do Coro-
nel Suassaoa n. SOI, e um segundo andar na rua
da Imperatriz n. 5 : a tratar no (Me !mperatriz.
Livraria papular
L'HIustracIon Espanola y
America na.
Ete jornal illu-trado com as mais finas gravn
ra* que se conhecem, e collaborado pelos distinc-
tos escriptores bespanhoes Emilio Osiellar-D.
Antonio de Trueba-Campoamor Palacio Mar
que* de Molinr Duque de Itivns Larmij', etc.,
etc., etc.
La Hilda Elegante lllnstrada.
Jornal excluiivo para senhoras.
As modas mais modernas representadas pelos
melhores Ggurinos coloridos qne se eonbeccm, as
explicates mais detalbadas que se podem desejar,
a morafisadora leitara dp novella? e artigos, fa-
zem com qne esta publicacao nao tenba rival
nem mesmo no estrangeiro.
A empreza offerece aos assignantes de anno,
am brinde.
Assignalura.
Hoda Elegante (am anno) 304000
Illustration Espanola (um anno) 30JC0O
A assignatura de ambos 62*000.
Em qaalqoer dos easos o astignante lem direi-
to ao briude.
Agenda geral
para todo o imperio do Brasil.
Livraria Popular
.? Rua \ovtt &S.
31
Pedro fugio.
Fugio do engenho Prado, fregueiia de Seri-
nbaem, o moleqae Pedro, crioulo, de 17 annos, es-
cravo de Francisco Pinheiro de Menexes, senhor
do engenho acima, cnja faga teve lugar no pri-
meiro do corrente. Kste escravo veio de Pedras
de Fogo e foi alii escravo do Sr. Manoel Quirino
do Nascimento ; e" de suppor que tenba tornado
aquella direccao e que tenba se encarainbado
Sela linba ferrea, proearando esta cidade, como ja
e ootra fuga o fei: 6 preto, de olbos regmares e
am poaco brancos, rosto oval, altara medians,
orelhas nm poaco grandes e em pe, tern no joelbo
esqaerdo ama cicatriz de am grande talho ; quern
o apprehender leve o ao dito engenho on a rna do
Imperador n. 77, 1* andar que serarecompensado
generosamente.___________________________
AttenQao.
Aluga-se am excellente sitio, na Passagem da
Magdalena, junto ao do Sr. Tneodoro Cbistiansen :
a tratar na rua do Marquez de Olinda, n. 62. 1*
andar
Fugio do engenho Goita, do termo de Naza-
reth, em dias do mez de novembro do anno de
1869, a escrava Thereza, mnlata bem clara, de
30 annos de idade, solteira, baixa e bem refor-
cada do corpo, rosto redondo, cabellos castanbos e
annellados para as pontas, olhos amarelios e gran-
des, nariz am poaco chato, bocca grande, tern
falta de am oa doas dentes do lado de cima, can
gulos, bracos e pernas grossas, pes rolicos,
dedos cur tos, lava, engomma e 6 boa cozinheira,
tern sido vista na cidade do Recife, onde conser-
va-9e acoitada : roga se as autoridades policiaes
capitaes campo, e mais pessoas, a apprehensao de
dita escrava, sendo entregue a sea senhor o ma-
jor Christovao de Hollanda Cavalcante de Alba-
qaerqae, no engenho Rosario, do mencionado ter-
mo de Nazareth, oa no Monteiro, a Antonio da
Rocha A. Lius, quo tera a gratincacao de cem
mil ris.
Triumpho da
1
u
Mademoiselle Eugemia Lecoote e irma, avisam
saas antigas fregaezat e ao pablico em geral
que abriram novamente sea estabelecimento de
casa de ccsturas a rua da Imperatriz n. 5, primei-
ro andar, pelo que esperam continoar a merecer
a concurrencia das pessoas que precisarem de
sens servicos.
Aluga se pela tempo da testa uma boa casa,
na estrada da Torre, a margem do rio : na rua
d' Marquez de Olinda n. 66.
Precisa se alugar ama escrava para o servi
to externo e interno era cisa de familia : a tra-
tar na rua do Rosario da Boa-Vista n. 52.
Iloleque.
Alnga se nm moieque de 15 annos de idade,
para todo servi$o de casa de familia e tambem
se garante o sea bom comport, mento : a rna do
Barao da Victoria n. 22.
Perdeu-se.
ama volta elasiica com um coracio de ouro de
finagram, na noite do fogo do arco da Conceicao,
desde o ditt arco pelo caes do Apollo ate os r-
mazens de farinha do Sr. TasaQ : Roga se a quem
a tiver achado de a levar a rna do Vigario n. 33,
primeiro andar, que sera gratiticado por sea do
n j Joao Jose da Cunha L) ges.
Rhum nacional.
Premiado na exposicao da Socie-Jade Doze
de Dezembro.
V'ende se.pelo diminuto preco de 1*000 a gar-
rafa na bem conhecida laberna Flor dos Progressos
na rua do Caboga n. 8, confronle a matriz de
Santo Antonio. ___________________
Aluga-se uma casa terrea com 4 quartos, 2
saas, cozinha fora e quintal, por 25?, na Capun-
ga, Balxa-Verde n. 18 : a tratar na mesma rua
rna n, 10.
FUNDICAO DE FERRO
l' rna do Barao do Triumpho (ma do Brom) ns. I00 a NM
CARDOSO & IRMAO
AVISAM aos senhores de engenhos e outros agricultores e ao publico em geral qu
continuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens e machina s ne-
cessaries aos estabelecimentos agricolas, as mais modernas e melhur obra qce tem viudo
10 mercado.
* aporeS de forca de 4, 6, 8 e 10 catalloa, os melhores que tem vindo ao merado
UalaeiraS de sobresalente para vapores.
MOenQaS lllteiraS e meias moendas, obra como nnnca aqui veio.
TaixaS fandldaS e batidas, dos melhores fabricates
CvOaaS Q aglia com cabaje de ferro, fortes e bem acabadaa.
RodaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidadea.
RelOgiOSeapitOS paraevapors.
BombaS de ferro, de repucho.
AJadOS de drversas qaalidades.
PormaS para aSSUCar, grandes e paquenas.
VarandaS de ferrO fiindidO, franceras de diversos e bonitos gostes.
r OgOeS trancezeS para leoha e carvio, obra superior.
DitOS ditOS para gax.
Jarros de ferro ftmdido pra ardim.
res ae ierrO para mesa e banco.
Machina para gelar agna.
V alYUlaS para bomba e banheiro.
Correias inglezas para machinismo.
BailCOS e SOtaS com tiras de madeira, para jardim.
Concertos cone&riiTa com promptidSo qnalquer obra on machina, para o que
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoa].
EnCOmmendaS man^am y'r Por encommenda da Earopa, qnalquer machinismo,
para o qne se correspondent com uma respeitavel casa de Londres
com nm dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incnmbem-se de mandar assents'
litas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO d IRMAO.
tees
VENDE-SE
Iflfe
Em tem pos modernos nenhum descubri-
mento ope uromaior revolucao no modo de
curar anteriormente em voga do que o
I
Deposito de vioho Madeira em
Pernambuco.
Tendo ja obtido o melbor acolhiraento nos mer-
cados da Allemenha, Inglaterra e mesmo em Fran-
ca, para os vinhos d..s minhas propriedades e de-
posito?, onde foram apretiados e mereceram os
primeiros [preraios em differentes expcsigSes ;
e desejando tornal-os conbecidos igualmen-
te na provincia de Pernambuco, onde de cer-
to serao bem aceitos, ja pela diminata quantidade
de aguardente que contem, como pela sua velbicc
e tralamento especial resolvi estabelecer um de-
posite na casa dos Srs. Pocas & C, a rua estreita
do Rosario n. 9, onde se encontrao sempre de
differenles precos e qualidades e directamente en-
viados.
Sao geralmente conbecidas as vantagens que
auferem aos convalecentes do uso do vinbo Ma-
deira ;'permiltam me, por6m, os Exms. Srs. medi
cos chamar a sua attencao para estes, nos quaes
encontrarao as qualidades mais apreciaveis.
Henrique ki Maria Camacho.
(Este documento esta reconhecido pelo tabelliSo
da cidade do Fancbal, Joaquim Mochado de
Souza)
Em boas condicoes a loja da rua -a Imperatriz n.
a qual loja pertenceu ao fallecido
8
DUBARRY.
Esta antiga e bem afregaezada loja, collocada em um dos principaes lugares para negocio, e
achandose sempre sortida, nao $6 com ferragens finas, como tambem de muitos outros artigos, sen-
do dos mesmos fabricantes de quem o fallecido Dnbarry sempre recebia, artigos estes de
prompta venda e que deixam grande lucro ; porem o proprietario tendo de partir maito breve para
a Europa, esta inteiramente resolvido a vende-la.
N. 8 Rua da Imperatriz W. 8._________________________
ODILON DUARTE k IRMAO
aiLLLEIKElHOS
Premiados na exposicjlo de 1872
u
TANTO NO TRATAMENTO
DA
Tosse, Crupo,
Asthma, Thisica,
Rouquidao, Resfriamentos.
Bronchites,
Tosse Convulsa,
Dores de Peito,
Expecturagao de Sangue.
Allivia a irritacAo,
Desenvolvo e entendimento,
Fortifica o corpo
e faz com que o sy sterna
Como em toda a grande serie de enfeimi
dades da C-arganta, do Peito e dot
Orgttos da respiracSo, que tant
atormentam e fazem soffrer a humanidade
A maneira antiga de curar consistia geral-
mente na applicacAo de -vesicatorios, San-
grias sarjar ou applicar exteriormente un-
guentos fortissimos compostos de substan-
cias vesicantes, afim de produzir empolhas ;
cujos differentes modos de curar, nfio faziam
senao enfraquecer e diminuir as iorgas do
pobre doente, contribuindo por esta forma
d'uma maneira mais facil e certa para a en-
fennidade a destruigSo inivitavel de sua
victima I Quam differente 6 pois o effeito
admiravel do
FEITOBAL DE mCABUITA!
Km vez de irritar, mortificar e cauzar inau-
ditos soQrimentos ao doente,
Calma, modifica e suavisa a dor,
desaloje d'uma maneira prompta e rapida
ate o ultimo vestigio da enfermidade. Oi
melhores votos em medicina da Europa, (os
entes dos collegios de medicina de Berlim-
testificam serem exactas e verdadeiras estas
relagfies analogicas, e alem disso a expe-
riencia de milhares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes foram curadas com
PEITORAL DE ANACAHUITA I
Deve-se notar que este rcmedio se acba
inteiramente isento de venenos, anto mine
raes, como vegetaes, emquanto que alguns
destes ultimos, e particularmente aquellei
que sio dados sob a forma de opio, e aci-
do hydrocianico, formam a base da maior
parte dos Xaropes, com os quaes Uo fa-
cilmente se engana a creduUdade do pu-
blico. A eomposicAo de anacahuita peito-
ral acha-se linda e curiosamente engarrafada
em frascos da medida de cerca de meio
quartilho cada um, e como a dose que se
toma 6 so d'uma coiner pequena, basta
geralmeute a applicacio d'um ou dous fras-
cos para a effectuacAo de qnalquer cura.
Acha-se a venda em todas as boticas.
H. Frosters d C, agentes.
AVISO
Constando ao abaixo assignado. que alguem se
serve falsaraente de sea nome para contrabir em-
preitimos ou outra qualquer transaci;ao, previne
que ninguem se presie a iffecluar qualquer nego-
cio a nao ser cm o mesmo abaixo assignado. que
de cutra forma nao assume responsabilidade al-
guma.
Capunga, 14 de dezembro de 1874,
_____________Antonjj Alves Pacheco.
Cabelleireiro.
Na rua de Vidal de Negreiros n. 67, pateo do
Terjo, trabalba-se em toda e qualquer obra ten
dente a arte de cabellereiro; por pr IMPERATRIZ
?!. ASDAR.'j

RUA
OA
IMPERATRIZ
N. 82,
1. ANDAR.
Acauam de reformat o sen estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
dicoes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e is Exmas. Sras. n'a-
qoillo qne fdr tendente A arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, cbigtion,
coquc-s modernissimos, tran^as, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
cnnlares Cores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
eeiros recebe directamente por todos os vapores da Europa, assuas encommendas e fign-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 /, menos que outro qualquer, garantindo
perfeicio no trabalho, agrado, sinceridade e preco razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
por$ao e a retalho e todos os utensilios pertencentes A arte de cabelleireiro.
Custodio Jose de Oiiveira participa ao respei-
tavel corpo do commercio qua ate esta data julga
nada dever nesta praca nem fora della, e se al-
guem se julgar sen credor apresente seus titulos
no prazo de tres dias, para serem pagos : na rua
de Lomas ValeDtinas n. 15.
Recife, 14 de dezembro de 1874.___________
ATTEND
Os proprietaries da Pre-
dilecta a rua do Cabuga d. 1
A, fazem sciente ao respeita-
vel publico que, tendo resol-
vido mudar de genero de ne-
gocio, deliberaram vender
todas as mercadorias exis-
tentes em seu estabeleci-
mento com um abate de 20
por 0|0 afim de liquidar a
sua casa ate o fim do corren-
te anno, e por tanto e b6a
occasiao do publico se pre-
venir do bom e barato.
100#000 de gratificacao.
Desde o dia 3 do corrente fugio da casa
de seu senhor, abaixo assignado, o escravo
Miguel, pardo, porem n8o muito escuro,
corpo reforcado, de 19 annos de idade,-jo
ficial de marcineiro, boa altura, e um tan-
to espigado, rosto comprido, olhos casta-
nhos, dentes perfeitos, cabellos pixainhos,
nenhuma barba (apenas buco), pe"s gran-
des, levou vestido calc,a e camisa branca
e iaqueta parda, gosta de jogar gymnastica,
e e bastante regrista.
Quem o apprehender, leve-o A rua da
Uniao n. 43, (ilha dos Ratos) ou na rua
da Cadeia do Recife n. 56, primeiro andar,
escriptorio de Leal & Irmao, que serA re-
compensado com a quanlia acima mencio-
nada.
Recife, 7de dezembro de 1874.
Manoel Gomes Miranda Leal.
Em Olinda.
Aluga-se 3 boas casas sitas a rna do Pa;o Cas-
telhano em S. Pedro Novo : e trata-se no segun
do andar do sobrado n. 73 na rua Duque de Ca
xias, por cima da loia do Sr. Rolim.__________
Manoel Alves Ferreira & C. mudaram o sen
escriptorio da rua do Vigario Tbenorio n. 3, para
eamesma rua n. 10.
Alugam-se o primeiro e segundo andares com
sotio da casa n. 25 da rua de Santa Rita e o 3.*
andar da casa n. 3 da rua da Penha, a cas ter
rea n. 31, na Capunga, rua da Ventura, e um
escravo de 14 a 15 annos : no segundo andar da
casa n. 41, rua do Rangel.
Aluga-se
o terceiro andar do predio n. 22 da rua larga do
Rosario, com commodos para familia : a tratar
no segundo. _____________________
Grande descoberta
Ourativo das molestias do
peito pelo
Karope de suljphlto de soda
a. Hi.it\i:r
Este importante medicamento que acaba de ser
reconbecido pelo* distinctos Drs Zalloni e Paras-
:hevas como nm verdadeiro especifleo contra a
pbtysica, segundo provaram nos grandes name-
os de casos por elles ezperimentados, como se ve
oa sessao da academla de Paris de 24 de marco
to corrente anno, eneontra-se nnicamente no
Deposito da pharmacia 0 drogaria
de
Baribolomen A C.
& Rua larga do Rosario N. 34
$ Quem precisar de ama perfeila engomma
deira, dirija-se 4 rua de Hortas n. 82.
Precisa-i>e de am caixeiro com pratica de
'averna : ao pateo da Paz n. 23, em Afogados.
Fimdas Herniarias
(aixeiro
Precisa se de am com Hade de 13 a 15 annos,
par tavern.i, com alguma pratica da mesma : no
largo do Terco n. 34.
Aluga-se
o 3 andar do sobrado 4 rua Uaricio^Dias n. 120,
com muitos commodos, e agua: a tratar na rna
do Imperador n. 81, das 9 horas da maobs 4s 4 da
tarde.________2________________________
Aluga-se o andar e soiao do sobrado sito a
rua do Marquez de Herval n. 61 (antiga rua da
Concordia), tem commodos para grande familia,
eom gaz, pintada, esteirada e alcalifada ; a tratar
na rua Doqne le Caxias n. 53
Caixeiro.
FUNDICAO DO BOWMAN
RDA BO mm % 52
(Passando o chaiariz)
PKDt.M AOS senhtHVS de uiigenho e outroa agricuit'jres, e compradorcs de ma-
chinismo o favor do fazer uma visita a seu estabelecimento, para verem o novo sortimen-
to completo que ahi tem ; sendo tudo superior em qualidade e fortiJao ; o que com a ins-
trucc^o pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENQAO AO NUMERO E LUtiAR DE SU\ FUNDICAO
V aporeS e rOdaS U agUa dos mais modernos systemas e em tamanhos con-
venientes para as diversas circumstancias dos senhores proprietarios e para descarocar
algdd&o.
MOeiluaS de CaUUa de todos os tamanhos, as melhores que aqui existem.
KOdaS dentadaS para animaes. agua e vapor.
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
jViaCIliniSmOS para mandioca e algodSo, e para serrar madoira.
rJOmDaS de patente, garantidas........
lOdaS as machinas e pe^as de que se m*mm pnaam
Faz qualquer concerto de
Formas de ferro
llnCOmmendaS. Incumbe-se de mandar vir qualquer machinismo 4 vonUde do
clientes, lembrando-lhes a vantagem de fazerem as coinpras por iutermedio de pessoa
entendida, e que em qualquer necessidade pode Ihes prtstar nuxilio.
Arados americanos e instrument agric is.
RUA DO BRUM N. 52
PASSAJNDO O CHAFAIUZ
Podendo todos
ser movidot a mao
por spua, vapor,
oa animaes.
de que se costun.a
machinismo, a preco mui resumido.
tem as melhores e mais baratas existentes no mercado.
GELO
NiVO H\ MAIS FALTV 1TO U\AA\
AGORA HA COM ABUNDANCIA
Gelo para almoco Geio para cerveja
Gelo para lanche Gelo para refrescos
Gelo para jantar Gelo para sorvetes
Gelo para ceia Gelo pan remedio
Gelo para vinho Gelo para banhos
Gelo para conservar legumes
Gelo para conseTvar fructas
Gtlo para conservar peixe
Gelo para conservar came
Emfim, gelo para Todos; e para qualquer (Jm
NA
FABRICA NOVA DA VIUVA STARR
Caes do Capibaribe n. 38.
Aberta nos dias uteis das 6 h> rss da manha ale rsl horas da tarde, c- ots domingos e iu<
santos ate as 11 boras da manhS.
N. B. Os pedidos de quantias grandes para os vapores ou rar'a f. ra da cidaie devt-n
feitos com antecedencia.
ESCRIPTORIO Rua do Commrrcioji. 10.
ende-se muito em conta, caaeiras avulsas, de
balanco, de brac.os e de dobrar.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
trifice. agua de flor de laranja, agua de toillete,
divina, florida, lavande, p6s de arror, sabonetes,
cosmeticos, muitos artigos delicados em perfuma-
ria para presentes em frascos de extractos, caixi-
nhas sortidas e garrafas de differentes tamanhos
d'agua de Cologne, tudo de primeira qualidade
dos bem conhecidos 'abricantes Pfwr e Condrav.
Bods jiiaiios.
ARMAZEM DO VAPOR FRANCEZ
N. 7 Rua do Barao da Victor a, outr .. Xova \ X 7.
0 dono des:e estabelecimento tendo de ir a Europa, vende a | raeo I ar.M:sjlmos odof
trigos, como sej.- m :
Galc-ado francez
para homem
senhora,
men i nos
e meuittas.
Botas e perneiras inglezas
de montaria.
Mohilias de vime e de faia.
'
Dos melhores e mii moderns m del s
blond-1 : vende-M. troca se e aluga-se.
Quinquilharias.
Artlgom de differentes gestoa e
pbaninsiaui.
Espelhcp, Ie>|Ur:, lavas, joiasd'onn t. nnhas
canivetes, caixir.has de cosiura, alban, quadros,
e raixinhas p: ra retralos, bolsinha< de vefMo,
ditas.de couro, e ce^tinbas para brae is de uiemnas.
chicotes, beng; las, oculo, pinre-nei, ponteiras para
charutoi e cigarros, escovas, pentes. carteinaha de
madreperola, tapete para lanternas, malas, bola
de viagens, venesianas para jaoellas, estflrioeo-
pos, lanternas magicas.cosmoramas, jogo; da gloria,
de damas, de bagatella, juadro* com paisagni*.
globos de papcl para illuminacSes, macuioat do
fazer cafe, espanadcrc-s depalhas, reaiejos de vaio,
accordaos, carrinbe.-, mamadeiras de vidro para
dar leite.as criaD(as, e muit.s outros artigos.
Brinquedos para meni nos.
A maior variedade que se pode deaejar de to
dos os brinquedos fabricados em difleiote? paries
da Europa, para entretiraentos das criancas. tado
1 h precn mais re^nraHlr n- c- s; -
radical-
ELECTRO-MEDICAES
Para ligar perfeitamente e curar
mente
as quebraduras
Esss fandas .estabelecidas sobre os conbeci-
mentos medicaes e anatonicos manlem as qnebra-
duras as mais volumosos e difflceis, impedmdo o
sen deienvolvimento. Elles teem ama aecao elec-
tric* que na generalidade dos casos opera uma
cura radical sem que o doente se sujeite a pres
cripcao alguma, a excepcao do uso continuo del-
las. A cura opera-se no periodo de IS a SO ma-
zes conforme a hern a mais ou menos antiga.
Unico deposito em Pernambuco, pharma-
FBARMACIA E DROGARIA
DS
Bartholomeu & C.
34 Rna larga' do Rosario 34
0 Pescador a rua Direita a. SI, precisa de
am caixeiro com pratica bastante de molhados e
cobrancas.
Da estacio dos bonds de Joao Fernandes
Vieira ale a praca do Conie d'Ea, pordeu-ife ama
caixa de tartaruga para rape : quem a achou que-
rendo restituir, sera recompeasado nesta typogra-
phia.
No collegio da Conceicao preeisa-se de um
empregado portugaez, qae saiba lor alguma
cousa.
LOJA DE JOIAS
DE
JOSE JOAOl'IH DIAS DO REGO.
Isto si in j nrto e I i|uidaco qucinaaa !
0 proprietario deste novo estabelecimento aturdido com o inesperado esihdjr dot gritoa gargem de todos os angalos desta grande cidade, annunciando a liqaidaclo dos esubeleciaieatos daWai,
e, receioso de flcar SOSINHO, apezar de bem avaliar as grandes vantagens qae neste caw deveria aa-
ferir; tomou a inabalavel resolucao de QUEIMAR todas as saas joias, com o unico fim de eaeoraorar
se a grande caravana, e, com ella, segoir em romaria para.......d segredo I
A pyra esta ardenteas victimas aguardam brilhantes o momento do sacriaeioai tmai
os sacrificadores.aaa&S ...
Isto posto, espera-se.com jasU razao, ama grande concurrencia dos amaates |d awtaasi
que nao devem perder o ensejo dese proverem de objectos laes ; e devem-n'o ainda aaaaa laaar. ataaa
qae depois de todas essas Iiquidac5es, com o novo anno, acabam se as JOIAS desta cidalo, e aac aasi
sera pablico aonde dellas se possa prover.
PRESERVATIVE DA ERYSIPELA
Aluga-se ama casa e sitio junto da esta-
cao do Porto da Madeira, am Beberibe : a tratar
com Manoel Firmino Ferreira, no Recife, rna-da
Concordia n. U6.
Precisa-se de uma ama que saiba engom-
mar com perfeicao para casa de familia : a tra-
Ur a rna do Dnqne de Caxias n. 93, loja.
Aluga-se uma casa ua rua Vinte e Qua-
tro de kaio n. SI: a tratar na rua do Livramen-
to a. S3, loja do sol._______________________
Aluga-se a sala e a alcova do 3.* andar do
sobrado n. 70. i rua Duque d Caxias, pr.;fto
para mocoj softelros : a tratar na loja.
Racharel Manoel de Siqaeira Cavalcaoli
Remedio efflcaz, nao so para curar qaalqoer ataque do eryiipeia,
para impedir o seu reapparecimento.
Approvado pelo Governo Imperial, acha-se a di.-posicio do Pabiieo
,com as respectivas iustruccoes, a'.testados de pessoaa notaveia, e de Medi roe
do grande repntacao.
Depositos unicos.
Recife: rua do Barao da Victoria (rna Nova) n. 40, casa ae 8r.
Rocha Siqueira, *
Rio de Janeiro : Curie, rua do Ouvidor, a. 78.
Gratis aos Pobres.



Oiario de ^ernamouco Quarta feira 16 de Dezannbre de 1874
Aos 2o:oooSooo
Bit ctes de loteriaa do Rio.
Praca da Independence n. 22.
Precisa se fallar com os seguioies senbores,
na raa Pricueiro da Marco n. 16, primeiro andar.
Dr. Candido Vieira da Cuaha, de Sergipe.
Tito Antonio da ;unlia, da Bahia.
Doiningos Olyrapio B. Cavalcante, S bral do
Ceara.
Maaoal Panlalelo da Silva.______________^^
- Todaattengao
Retain* ae, com frenie para a raa da Amizade,
fobre 194 palmos de fando, ama porcao de oplimo
terreno para edifkacao, lirada do silio contigao
a igreja de S. Jose do Manguinno, dj preco de
30* por palmo. Aqaella freale e loda murada,
bem como a parte posterior e a lateral extrema:
M pretcndentes podein entenler se com o Sr. Dr.
Witruvio.
H8HTDT0 PARTICULAR.
Rua da Roda n. 48, sobrado. I
Prime ras lettras, portuguez, (rancez, in.-!
glez, desenho linear e musical
Sob a direcgao do professor llerminio J
Rodrigues deSiqueirafuDccionam ditas au-[
las todos os dias uteis.
Recebe alumnos intemos, meio pensio-
oistas e externos ; f jrnece todo o material
para escripta e livros aos principiantes, por
prec,os muito razoaveis.
E. A. DELOUCIIE
U-Bia do Marquez de Olinda-24
Eavqninai do becco Largn
Participa a -ens freguezes e amigos que mudou
o sea estabel -iniento de relojoe'ro para a mesma
raa n. 2i, onde encontrarao am grande sortimento
de relogics dn parede, americanos, e cima de me-
sa, dos mclbires go*tos e qualidades, relogios dt
alsibeira, de todas as qualida :es, patente suisso,
de onro e prata dourada, foleado (plaqnet), relo-
gioj do onro. inglez, descnberto,,4os melhores
nbricantes, cadeia de onro, plaquet e prata, lunet^s
de todaa a.- qualidades, tudo por precos muito ba-
ratos.______________________________________
Villa do Palmares
Na padaria d.'n>rainida Maurty, si:a na pra;a-
deste Dome, casa de atolejo q. 2, desta villa, estar
belt-cimecU de Fr*. cico Seraflco de As is Vas-
eoncellos, fabrica ae com a maioi perfeicao, lim-
peza e baratesa, pao, botacha e tudo quanto se
pode obt r da fariaha de trigo. 0 annunciante
protesta servir com esmirj e agrado a todos quan
tos qaizerem honrar-ci estabelcctmonti ese cons-
hlnirem fregueaes e consumidore*.

Precisa---e de uma eriada j> rtogueta para tra-
ttrde nma enauca : a tratar na rua Dnqne de
Caxias n. *i, loja. ____
Aluga-se a casa n. 3 i da rua do General
Sean, antiga io Jasmim : a tratar ua me-uia rua
n. 30.
SeiD'aN k hwtaliees
, mats aiiias.
Goiive Br.
Bi'U:. lias.
t-aboia.
t Menciana.
c Penca.
l.ombarda.
Frucchnda.
Gaiega
f alii'-i.
t Ri-polbo.
brocalo.
Ctnoora?.
Nabos.
Rabat* les.
ibicoria.
Alfaee.
Mostarda.
S:Na.
popincs.
Ve! :i Pd ;4 (1, a rua esireita do Rosario
a 9. ji-.t a .ri- ja.
(II
.1
\dm ue vcrga.
Sufaes.
Cad^iras, as man apropiiadai para viag?ns.
Me>as.
Gu>tos quadradoa, para armazens de fazendas.
D.ios para |iadaria, os mais apropriados para
venda tie pio.
Cetinbai para meoinas de escola.
Gapachoa para entrada de eatabelecimentos a
porlas de sal*.
Carri, l.os para meuinos.
B/rgos id-- rn.
Ve ,dem Pdeaa & G., a rua estreita do Rosario
D. 9, loflto a igrt-ja._______________________
Veade se foiba de louro a 720 rs. o kilo : na
rua do Itangil n. 07.
Leqnes gratis
A Magnolia, a r:ia Ouque ile C-.xias n.' 4o, esta
distriboiodo graiid a quern Ihe liz-^r alburn gasto,
um liodo leque, vistu eonheeer a necessidade que
ha deste arligo uete tempo tao ealoroso.
Difetru(,ao
A M guolia, a raa Duqua de Caxias n. i">, e s6
que:u tern as lino;.* coos iu^o s ua :esenhos para
fo ma. oiv.i=a vii-la* dos (irJicipaes edificios da
Eur^ pa, e que rervera de dislrajoes naa horas
vagas.
Lubin
Banha, oleo ext acto, sOBmetiqm de;-se afaraado
(aLiii-anie : so qo< m l-in e a Magnolia, a rua Da
que de Caxias n. >5.
Prfseiites
A M .jii-.!i i, a iua Duque de G xias n 45, alem
de muit s i'nil as artigos que tern propnos para
present?,- acaba d" receber o spguinte :
Bonec.is dr; BO/a que clian am papai e mamai.
Biii.-ras de camurea coin peseoeo, peruas e
brag is movedicoi1.
Lin'ns caixa< eon linissinms extractos.
Rico* va t com >>auha a pos de arruz.
Bonitai c.X'S pwa coatnra,
CMtinbaa com n.r.s artificiaes.
Ditas com pre; ir-js para cosiuxa.
Moleque ftigido.
Gratiflca-se com .10,000 reis a quem pegar For-
tunato, moleque de 13 a 14 annos, preto, baixo,
cheio do corpo, rosto e cabeoa redondos, nariz
chato, cabellc3 carapinboa e cortados de fresco ;
ausentouse. na tarde de 10 deoniubro do corrente
anno, com camisa de madaptlao, calca de brim
de cdr, desbotada, e chap6o de massa preto. Gra-
tifica so na ina da Cadeia do Recife a. 39, oa na
rua da Aurora n. 163.
CJkI< ADVOGADO
SBACH.\REL ,I0AQ11 (iLENNES DA
SUVA HELLO.
*3 Baa estreita do Rosario S3
primeiro andar.
Alugam-se
Boas casas de campo, na Cruz das
'o'.'.o da Panella ; a tratar com o comm
Tasso.
i. 5
o
a v
5, IS
O
3
a.
1 ass^i
t ** o 2 3
" s ~ %
M
n
o
5


a>
"o
a.
& I
8' e D o *-*
o 5 p
CD N
i ^0 s
09 tM OD
O 0 p
a ^t 9
a o a a 1 9 rf*.
I B
tit
I i
H 5
a
i
a.
O
D
S
^2
o

a
o

g
o
o
z--
5-
on
CD
&
P-
O "
P
P
Cdf^J
Folhinlia para 1873.
_ Sahio do prdo a bem eonhecida folbinha de
Variedades, eonteode tambem o Diccionario das
FlGres, das cores e das pedras preeiosaa : a ven-
da na livraria Universal, rua do In.perador n 54.
a 400 rs.
Vicente fugio
Na noite de 13 para 14 de marco do corrente
anno, fugio o mar.to Vicente escravo, de 20 a
22 annas de id.de, b .nita figura, barba o esutara
regnlar, hvando vestido e em um aaeeo {ronpa de
algudao liranca e algnma fina pertencente a um,
nalseiro da r-a-;a d'uii'le fugio, c uaiural guezia de Saul'Anna de Mattna iliz ser livre, cria-
do em companhia da madrinba D. Anna Luita da
Luz de quem aliis foi eseravo : roga-se, portan
In, aos Srs. raultaes dn campo e autoridades po-
liciaes a appreiiensao do dilo escraro e en'rega-
lo na cidade do Hecife, rua do Crespo n. 10, ao
Sr. Juaquon Herein Reis, ou na cidade do Assu
ao Sr. Toriuato Angusto de Oliveira iiapti.-la
que seran {rfiiprn-iiiient recoinpposad Eu^ommadeira.
Precisa ?e de uma engommadeira para engom-
raar para dues pessoas: a .ralar na trave.tsa da
ru'. do Vigario n. 1, das 9 horas as 4 da tarde, ou
no segundo t-ilio, depuis da estatao do Chacon.
l\aa ha mais eabelos
kaneos.
Tmtura japonfza.
S6 e uniea appovada pelas aMdemiasde
sciencias. rpcnho' ida superior a toda que
teti app.ireciMu ate" hoje. D^posito princi-
pal a rua da Csdeia do Recife, hoje Mar-
quez de Oliuda n. 51, 1 ^n-lar, e em todas
as boticas e casas de cabelleireiros.
\ma
Preclsa se alugar nma escrava para
cnada de casa de duas pessoas, assim
como de uma rapariga de 10 a 12 annos de idade,
e.-crava ou livre, para andar com uma menina de
tenr idade : a tratar na rua do Ma quez de Olin-
da (antiga da Cadeia n. 54, armazem.
. ir I Precisa se de uma ama para com-
A \/l \ prar' co>innar e eogommar, para
l\ VI l\ uma senhora : trata se na rua da
x iiix u (;ruz 5^ 3. j,njar) entrada pela
ruada Seozah Velha.
3* andar
Precis se de uma ama forra ou
escrava : trata se na rua do Marquez
de Olmda, antiga da Cadeia, n. 52,
Ama
Precisa se de ama ama para
cciziuhar em casa de homem sol-
ttir.i : na rua de Pedro Affonso
D. 19
Caixeiro
3.- ptisados
Ricos chapdoa 0 japatinhos de setim branco, de
diveraos g (uticu ina
Quem liver nol>as no ms'.o e quizer ficar iem
leas.l corapre um frasco de ciilic-lina, na Maguo
ia, la raa Puiju" fie. Caxias n. 43.
tenrii
OUE E' 0 CLkil EM UM V MONARCHIA
CO.NSTITUCIO >AL ?
Pel 1 padre
D. BEJIEVENUTO ANTON 0 G. DE CAMPOS
OffereciJo
Aos liberaes Portugueses e brasileircs
Pr 50:
Biochados 1000
EncadToados U50O
Livraria Popqlar, raa Nova n. 59
Kao ha nada mais barato.
Caixas com salt Hnras de sabonetes tnglezes
a 34 a caixa : na raa do Marqiez de 01ii.d ft 93.
Preci-a-se do uru caixeiro de 14 a lGanno<, com
pratica de tavema, e que de" flaato de sua con
ducta : na iua du Marize Barrj- n. i.
Precisa se coniratar com nma senhora de
bons co-lumes, me se mcarregue da educajao de
tres menuias, >ii>ianie de-t 1 cidade 10 minitos
diiijun se ao largo u matriz de Santo Antonio,
loja de cirgueiro n. 4.
Quem prwcisar alugar uma escrava que cose,
lava, engomma e fua cun perfricao, dirija-se a
rua das Crozes n 34, 3* andar.
no becco da Ca-
a tratar na pra-
Aluga se a innia agua sita
cimtia, a rua dos Prazeres n. 1 :
i;a da Boa \ isla n. 10.
AMA
delraz do sobrado n
Jose.
Oflereee se unja mulher pa-
ra ama imiia : a Iraiar na sala de
5, do largo da Ribaira de S.
Precisa^e de uma ama qu cozmbe perfei-
tamente : na rua da Uuiao n. 29.
Costureiras part modista.
Prociase n rua da Palma n. 34.
Lino Ferreira da Silva
tern dnas cartas na rua do Vigario n. 7, primeir
andar.
Precua -e de am homem habilitado para
ensinar as linguae portagaeza, lalina e frJnceca
a tres memn i-em u" engenho perto da cidade :
qu- ii pretender, d-nji se 6 casa n. 248 da raa
Augnsta._________________________
Precisa se da uma mulher de boos costumes
que ae presto a ensaboar roupa era caea de faxni-
lia : a tratar na raa da Cruz, armazem n. 13.
Da-se 2 tOO^oOO a premio, sob alguma casa
terrea: na raa de Hortas n. 88.
Gonsoltorio medico
DO
Dr. Murlllo.
RUA DO VIGARIO N. 1, l ANDAR.
Recem-chegado da Enropa, onde fre-
. quenton os hospitaes de Paris e Londres,
Spodera ser procarado a qoalqner hora do
dia ou da noite para objecto de sua pro-
fissao.
Consultas das 6 as 8 horas da manhl e
do meio dia as duas horas da tarde.
GRATIS AOS POBBES.
Especialidades : Moiestias de senhoras,
da pelle e de crianca.
ALUGA-SE
ama grande casa terrea com bastantes commodos
sita na eslrada do Lucas : a iratar a rua do Vi,
mmmmis-mmmmmmmmm
| COMSULTOBIO 1
MEDICO-CIRURGICO S
S DO S
jk Dr. Pedro d'Atha.yde L. Moscoso
PARTBIHO E OPERADOR
$Raa do VlMfonile de Albuquer-j3$
qne n. 39. K2|
ESPECIALIDADE
Molestfas de eenboraa e gg
menlnoH. ^*M
Consultas das 7 as. 10 horas da ma- g*
nha, todos os dias. fSt
mt Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar> }f\
25 tas e sextas- feiras. E
Os doentesque mandarera os sens cha- W
mados por escripto at 10 boras da ma- as
nha serao visiiados em suas casas. Xj
PENHOBES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaese pedras.
mm w WEsm age
O Monte Lima
tern nm complete sortimento de galao e franja de
onro e prata, verdadeiro, de todas as largaras,
abotoaduras douradas para officiaes, canutiihos e
enfeites para bordado. Tambem se eccarrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, chariateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assim como nm completo sortimento d
ranjas, galao falso para ornamento, cordao de la
com borla para qnadros e espelhos (conforme o
gosto da encommenda) tudo por muito menos
Ereco que em oulra qualquer parte: na praca da
ndependencia. n. 17, junto a loja do Sr. Arantes.
COMFBAS
Compra-se uma escrava que stja sadia e
de bons costumes e quo emend* de cozinha e
engomraado e mais servico-de casa de fair ilia :
a tratar a raa do Amorim u. 54 armazem, das 9
horas da manha a-- 4 da ta-de.________________
mm
n
LIOUIDACAO.
0 Paris n'America esta liquidando os cal^ados
pelos f eguintes precos :
Botinas de daraque, de cores, com canno alto e
jlago, aLuizXV a 5*000 III
Botinas de daraque, de cores, tordadas. canno
alto, a6* III
Botinas de daraque com laco a 3 J.
Botinas prelas gaspeadas, canno alto, a if, Si e
6*000.
Botinas lhas e enfeitadas, para meninas a 3*,
Bi tinas de Suzer, de cordovio com ponleira ee
verniz, para homem a 8*. Aproveitem, que e
barato.
Esteiras da India.
Jorge Tasso tem para vender esteiras brancas
da India, com 4 palmos de largnra : a rua do
Amorim n. 37.
Por 600$ e barato
e bara-
mesmo
Vende se nm eseravo de 30 a 35 anaos,
to, proprio para refinacao, padaria, on
para am sitio, por ser de boa conducta e sen se-
nhorretirarse para fora : na rna de Hortas n. 96.

Aluga-se
H*mm
Vende-se dons pedaeos de balcao e itotn fi
I teiros, proprios para loja de miudezas ou rigairei-
l ;ros, e um dit-j para balcao : na rua da Florentina
n. 22.
Caicados baralos.
Pra(ja da Independencla ns.
11, 13 e 15
Loja Jo Arantes.
do dnraque de cdr, cauo alto
os armazens ns. 63 e 69. na praja do chaiariz em
F6ra de Portas, um onde teve tenda de ferreiro
o fallecido E. Mahult. 0 outro qae esteve occu-
pado com venda de molbados, para o que e op
timo pela locaiidade e ser de esquina. ambos livres
e desembaracados de impostos: a iratar com o com-
mendador Tasso.
Bonsbanhos edormida fres-
ca no Monteiri.
Alnga-se alii por preco eommodo ama casa po
quena que tem 2 atlas, 3 quartos, cozinha e boa
cacimba, e e perto do rio : a iratar na rua Nova,
loja n. 7.___________________________________
Precisaso da ama para coiinhar : no ar-
mazem Baliza, rua d Livrauiento n. 38.
MOFINA
Estd encouracado! I !
Agua mole era pedra dura
Tanto da ate que a fara.
Roga-se ao Hire. Sr. lgnacio Vieira de Mali
sscrivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, a con-
oluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
dns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou a fevereiro e abril de 1872, e nada enmprio;
a por este motivo e de novo chamado para d
dm, pois S. S. ae deve lembrar qne este negoci
de mais de oito annos, e quando o Sr. sen tiiho
achava nesta cidaiie.
Aluga-se
o segundo andar e armazem da rua de Ped o
Affonso n. 59, o sobrado de um andar e sotao da
rua do Hospicio n. 65, e o 1* andar e armazem do
sobrado da rua do Bom Jesus n. 63 : a tratar na
rua do Vigario n. 31._______________________
Aluga-se uma ca Beberibe, Porto da Madeira, com muitos commo
dos : a iratar na rua Dqque de Caxias n. 88, loj
Aluga-se biraio umas raeias-aguas, novas
na travessa das Barreiras (becco do Aquino) : a
tratar narua do Cotovello, casi de aznlejo n. 23.
Hotel de I Europe
Aluga-se eate vaato e oaagninca ea-
tabeleclmento a rua do Com
merciu n. IS.
Este antigo e bem conhocdo HOTEL, que fe-
chou e por causa do fallecimeuto do Sr. Edaardo
Tonrpin, acba-se provido de todos os pertencas e
ornamentos correspondentes a fama de que sem-
pre gozou, e estando situado no lugar mais ap-
parente e agradavel do Recife como e o do bou-
levardi defronte do desembarque de paseageiros,
os interessados nao acbarao occasiao mais pro-
picia para esiabelecer se com am HOTEL bem
montaao, em bom local e ja aereditado.
Pa/a tratar, airigir-se ao escriptorio de Pereira
Carneiro, a mesma rua do Commercio n.6.
Botinas
para Mnhora a 4 $
Ditas de duraque preto, cano, para
senhora 4f
Ditas gaspeadas para senhora 2^
Ditas de pellica e duraque, cor de cafe
idem idem 6/
Sapatos de setim de cor, idem idem 5J
Ditoa de daraque de cor, para menina 3|
Botinas de duraque de cor e preto, idem
idem 3(3
E' s6 quem vende a 600 rs.
Carabraias brancas bordadas com listras e de
qaadros, abertas e lapadas, fatenla muito fina,
com 5 palmos de largura, e p >r u rmos grande por-
cao resulvcroos vender barato para acabarraos; e
fazenda de 1-600 o covado, e nos estamos venden-
do por lid rs. o covado, dao-se amostras : na rua
do Cresjo n. 20, loja do Guilherme & C.
Lustres, lampadas e arandel-
las.
Obra de gosto e muito mais barato do que em
ontra qualquer parte, tem para vender Joaquim
J >se Goncalves Beitrao & Filho, a rua do Commer
cio n. 5.____________________
Vendc-se o .-obrado de um andar di rua da
Imperatriz o. 13, ein excellentes commodos para
familia, tt-ndo duas lojas e quintal, cuj<)3 fundos
dao para o caes do Capibarite : a iratar na pra^a
do i:orpo Santo n. 6, primeiro andar.
Aluga-se
Sara escriptorio, o primeiro andar e paramora--
ia o segundo dilo : na raa do Marquez de Olin-
dan. 4.
4inga-se
o sitio qae flea contigao a igreja de S. Jose do Man -
guinho ; recommi nda-se por sua excellente posi-
cao e outras condicoes agradaveis a sua babitac confortavel e de recreio : qnem pretender, pode
eDtender-se com o Dr. Witruvio.
Aluga-se uma casa terrea na rua de S. Fran-
cisco n. 27 : a tratar no paieo do Paraizo n. 16.
\% INO
LMa queiniiiodo
0 proprietario deste estabelecimeito tem resol-
vido vender as suas fazendas o mais barato pos-
sivel, atim de apurar dinheiro.
Cambraia bianca bordada.
0 desengnno esta vendendo cambraia branca
bordada oelo diminato t-rejo de.360 rs. o covado.
E' graudo pechincha.
Cortes de organdy de cores a itSOQ.
Cambraia .transparente, fina, a :i$ a pega.
Baplista de lindos padioes a 360 rs. e covado.
Chitas escnras flnas, a 240 rs. o dito.
Diias claras idem, a 240, 280 e 300 rs. o dito.
Lazinhas de bonUos padroes a 200 rs. o dito,
Flor do bosque a 600 rs. o dito.
Camisas de cretone, Qnas, a 3 e 34300.
Madapolao inglez, fino, a 4/500, 3.-3 o 5;500 a
pega.
Dite francez, Cno, a 5/500, 6/, 6/500 e 7/ a
peca
Alpacas de cdres a 400 rs. o covado.
Basquinas de gorgorao de seda a 6/.
Popelinas de linho e seda a 1/ e 1/500 o co-
vado.
Cambraia Victoria a 4/ e 4/500 a peca.
Gase de seda a 1/ o covadu.
Brim branco de linho n. 4, a 1/500 a vara.
Algudao T largo e liao a 4/, 4/500 e 5/ a
pega.
Cambraia de cores a 200 rs. o covado.
E ontras maitas fazendas quo deixam de ser
mencionadas para nao se tornar massante, por
isso convida a t .das as pessoas a fazerem uma
visita a sea estabelecimento aflm de sortirem se
do bom e barato para a festa : a raa do Crespo
n. 25, junto a loja da esqnina
Carros
e uma excellente parelua de mulas
para carros.
Na raa da Imperatriz n. 9, vende se uma excel
leote parelha de malas para earro ; assim co
mo am c.i ro eavidrac.i !o, para familia, victoria e
am cabriolet araericauu, d- 4 rodas.
VEND&^SE
am boi e carrocit com pipa para vender agua :
na Eslrada de Joao ae B..rro> n. 23.
Jose Antonio Domiagues de Figaeiredo, proprie
ario da fabric* de cigarros do Becco Largo n. i,
a it A e n. 2, avis* aos consumidores de seas ci-
garros, que modou sua offietna. de cigarros do d.
I para o 1* andar do n 1 e n. 1 A, por ter de
entrar em obra u de n. 2. Fax eate aviso para
algnem nSo julgar o contrario, e seas 'reguezes
flcarem scientes de qae so o.-cpa as 2 lojas dos
numeros acima, e o 1* andar do mesmo predio.
Aluga-se
a can da ma de Riachueto n. ?, com. boat Com-
modos para familia, bom jaraim, agua potavel
em perfeito eatadu de aaeeio : a trtar no. arma-
xam a. 25, da travessa da Ggrpo Sanlo..
AIi gam-se traa caaai terreae na roa do Cor
e litaztaa de bo;: a- im*d* aa, ra> Dtreitf a. ft
Afuga-se nma 'aiacava para sarvico- iatarno
Na leja do Pavao vende-se madapoldes france
zes muito inoorpadoi, coot 20 jardas a 6.000 reis.
dito mail i fino com 12 jardas a 3.000 3,500 ; a-
sim como um grande ?orti.-.-ntj de madapoloei!
inglezes de 4,500 ate 8,000 e 9,000 : a raa da Im-
peratriz n. 60, de Pelix Pereira da Silva.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papal de lick
proprio para cigarros. de diversas Urgorat.
Aos eharuteiros e cigarreiros
Vende ae na rua da Santa Cruz n. 46, Boa-Visia,
fona da Bahia, por menos preco que em outra
qaalqaer parte.
A 360 rs.
Vende se oaatbraias organdya de cores com flo-
ronel Suassunans. 103, 193 e 1M com MnMsodo* jrfl8 mmainhas e de seda e la, padroes modernos
APROVEITEM
A 1*000
Cambraia branca, bordada, com listras e de
qnadrinhos, abertas e lapadas, por terraos uiaa
grande porcao, n-solvemos vender barato para aca-
barmos, e fazenda muito larga e muito Gna, qae
sempre se vendea por 2s o metro, e estamos ven-
dendo a 1/ a vara : so qnem tem para vender
por eate preco e Guilherme & C, raa do Crespo,
loja das ires portas. Dao se amostras.__________
Proprios para baiies.
Chegaratn em boa quadra, para a loja do Passo,
riquissimos cortes de seda com largas listras
achamalotadas e lindiseimas cores ; cortes de tar
latana com palmas bordadas a prata, proprios
para baiies : s6 na laja do Passo. a raa Primeiro
Je Mar^o n. 7 A.____________________________
Pedras de marmore
Vende-se pedras de msrmores, de diversos ta-
manhos, com duas Doljgadas de grossnra, proprias
para mnitos mistere3 : a tratar com Joao Jose da
Cunha Lages._______________________________
Vende-se o dommio directo de nm lerreno
sito na raa da Santi Cruz, em que se acha edifi-
cada a casa terrea n. 36 : a tratar no rua do Vis-
cocde de Gi vanna en. 5.
Cura das hernias, pelas fun-
das de borracha.
As melhores e mais aperfeicoadas das ate hoje eo-
nhecidas.
Vende-se
na
I'barmaeia e Drogaria
de
Bartolomeo & C
A'
34. Rua larga do Rosario 34
Vaccina. Yaccina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Lonrenco de Magalhaes,
montado na corte um complete servico deste ar
tigo, tem aqui aberto am deposito da melhor e
mais recento, cujos tnbos se encontram na
Pharmacia e drogaria
A"
34-raa larga do Rosario I 34.
Vende-se
na rua do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vinho do Porto engarrafado, em barris e ea
ancoretas.
Jera em velas, do Lisboa, superior qoalidad
Retroz do Porto.
Cimento Portland, legitimo
Leques gigantes
S6 quem tem do? mais
a rua Ouque de Caxias n
modernos t a Magnolia
45.
Camisas francezas para me-
ninos a 2*.
0 Pavao vende camisas francezas para rmninoi
de todas a- idades, a 2/ cada uma, o-i em dnzia
a 22/ ; is.o e para acabar na rua da Imperatriz
n. 60, loja de Felix Pereira da Silva.
Pasto fino.
Superior vinho de uva pura em narris e anco-
retas : veude-se no pri.neiro andar do sobrado n.
56 da rua da Cruz.
Vende-se com as miudezas ou armacao so,
conforme cenvier ao :nmprador, a loja sita a rna
da Imperatriz n. 78, muito afregaeiada, propria
para algum principiante : a tratar na mesma.
Attengdo
Vende se manteiga ing.eza flor a 800 e l-(00 a
libra : na rua larga do Rosario n 27.
Meiins a 280 rs.
0 Pavao vende bonitos metins de cores para
vestidos, pe.o barato pre?o de 280 e 320 rs. o
covado; assim como, um bom sortimento de chi-
tas de todas as cores, padroes modernos e fixos,
pelo barato preco de 280 ate 360 rs. : a rua da
Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da Silva
Gros preto a I/.
0 Pavao vende grosdenaples preto a 1/ o co-
vado e dahi para cimi, ate 4$ : na rua da Impe-
ratriz n. 60, loja de Felix Pereira da Silva.
de casa de familia
Primeiro de Marco n. 7 A.
e ainda ponco viitos, fazenda muilo Una a vende-
se por 360 rs o eovatro, e baratissimo : na rua do
a tratar na loja do 'Passo, rna Crespo n. 20, loja das tres aortas da Guilherme
& C-
Salsa-parrilha do Para
Tem para vender Antonio Luie de Oliveira Au-
vedo, no sea escriptorio, a rua do Bom Jesus no
mero 87._________________________
Para senhoras
Como sao lindas modernas as gravatinhas qne
i Magnolia, a raa Duque de Caxias n. 48, acaba
de receber
As almofadas bordadas de la matlsadas qne r*-
ceben a Nova Eaperaaea, a rna Dnqna it
Caxia.'P "-_____________________________
Cortes decasimira a
e 6|000.
Na loja do PavSo, vende-se cortes de ca-
semira para calca a 49, 9 e 6^000, ditoa
muito fines de uma so cor com listras ao la-
do, fazenda que sempre se vendeu a 99 e
109000, liquida-se a fr^OOO para acabar :
a rua da Imperatriz. n, 60, de Felix Pereira
da Silva.
Modas
Coques de cabello.
Settas douradas.
Leques donrados.
D tos de osso, marfira e madreperola.
Meias de cores pan senhora.
Gravatinhas ;ara senhora.
ItoiSes de a;o.
Cintos todo de metal.
Fivelas pretas para vestido.
Brincos de a?o.
Voltas de madreperola, e mnitos outroa artigos
que s6 se encontrart na Magnolia, a roa Ouqne de
Caxias n. 45.
Espelhos
dourados, qoadrados e ovaes, da diversos tama-
nhos : na aragnolia, s rna Duqne Ae Caxias na-
mero 45.______________________
Vende se o estabeleeimenlo de molbados da
rna do Rangel n. 8,
Vende-se
u.na casa na villa de Barrairos,
mercio, por preco modtco : &
Irmaos & C.
na rasa*
mm
LIQUIDACAO
Lojade fazendas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores naiodas moiie boa* pan n
meninas a 160 e 200 rs. o eataan.
La pretas, superior, a 400 rs. o cuvaaa.
Alpacas de cores fiaas a 320 ilNn.ii
So se vendo.
Ditas com listras abertas, (aaeaaa tea, a <
covado.
Chitas de core* a 240 e 280 rs. o covado.
Meiins de cdres mindas a ISO rs. o eovada.
Crelones, o melbor qae teas vaaa* at aaareaie
400 e 440 rs. o covado.
Cambraia* brancas, bordadas a aaartaa, fkaaac*
mais Bna qne ten vindo ao nwreaaa, a taaaaaa
de 2/000 o metro, por 1/000 a vara ; a>
chincha.
Ditas pretas com Acres mindas a 200 rs. o eovaac
Cambraia transparente, fina, a 3/ a peca.
Dita Victoria, fina, a 4/000 a peca.
Organdy de assenlo branco e d* cores, corn
res mindas de seda e de li, a 400 rs. o covad,
E' pechincha. ___
Cortes de casemira de cere* rooaaraas a 5/JOC
corte ; e fazenda de 8/. E' perhincba.
Camisas de linho flnas, lisas, a 35/ a dazia, t f*
zenda de 58/.
Brim branco da linho a 1/400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a 108 n. o rovaat,
MadapolSo francex verdadeiro, 24 jardaa, a U
7/a peca.
Algodae- T, largo e superior, a 5/ a peca,
Gorgorao preto de seda para vesiido e para i
a 3/ o covado
Toalhas aleochoadas a 4/800 a
Colchas grandes a 3/800 nma.
Cobertas de ganga, forradas, a 3/.
Lencoes de bramante a 9/ nm.
Lenj.* de linho, abainbados e em can
3/500 a dntia.
Ditos de caca de cores abainbados a 3/880 a aa
zia.
E ontros mnitos artigos qae se vende por cw
no* do qae ontra qaalqaer parte e para se c *
So na lorem qneiram mandar ver as amcstraa.
enganaja de
Guilherme & C.
Para o fabrico de chapeot
A NOVA ESPERAKCA recebea o arame aropi
para armacao de chapeos.____________________
Aos nervosos
A NOVA ESPERANGA acaba de receber aqx*:
tes milagrosoa anneis eiectricos, enra infallival do*
nervosos.___________________________________
Sal do Assti.
Tem para vender Antonio Lniz de livej
Azevedo, a bordo do palhabotc Jokrm Arlrhr : a
tratar com o capita a bordo, on no sen escr p
tori", a rua d> Rom Jesc n "
CASA
Vende-se ou aluga se nma casa terrea eaa 01 a
da com grandes c< mmodos, gat e agua encanada
a traur na rua I* de Mar^o n 6.__________
Farinha demandioca supe-
rior.
Tom para vender, Joaquim Jn ves Beitrao d Filho, a bordo (] palhabxat
Rosita, fundtado ao pd do caes duColleg r-
e para tratar a bordo ou no seu escriptori I
a" rua do Commercio n. 5.
BAZAK
DAS
FAMILIAS
Rna Duque dc Caxias n. 00 \
Para a festa
Reis e Silva & Guimaries, proprietarios 4a*k
bem conbecido estabelecimento de fazendas fia>
convidam aos sens freguezes e amigos a sortire i
se dos artigos indupensaveis para a festa, arti{<
da ultima mode e de fino gosto, os qnaet se v< o
dem por madico preco, de forma qne iguai nao s<
en^ontra em outra parte.
Atim de qne o pnblico aval.e o qne levam di.
offerecem a sua preciosa conMderacao a segnit.u
men^ao:
Lacinbos para senboras.
Tem- s nm completo aortimealo de lacinhos le
seda e de cambraia bordados qae estamos vi a
dendo por preco muito barato, a 2/, 2/"00, 3*.
3/500, 4/ e Si cada am. Sao muito lindos.
Gases de seda.
Temos nm compl'to sortimento de gave* de ? e
da de seda, fazenda muito moderns, e so se ea
contra no Bazar das Familias, pelo preco de 800
rs. o covado. Ninguem ptde vender.
Popelinas da linbo so.
Temos am completo sortimento de popelinas k
linbo, fazenda propria para pis-ar a festa par ser
muito barata, a 500 rs. o cov*4.
Faiai de seda de core*.
Recebemo* urn couipleto sortimento de fatal da
seda, fazenda inteimmente nova, qua estaaat
vendendo por 2/, 2*200 o covado.
IVpeliaas V linho seda.
Neate artigo temos nm cmplet.i aoinmeato ana
estamos vendendo por 7i.O, 800, 900, \^ i jJu.
e l/8tO o covado.
Assim como temos popelina braaca, prr.pria au-
ra noivar, qne vendetao* por 1/800 e 2/ o ao-
vado.
Hiquusimaa capella* com veos para aaica*.
que estamos vendendo par 13/, 184 e 20/ ama
Polonezas de percalina proprias para 'iiaajo*.
Temo* um completo soitimento da pnlnaiaia a*
percalinas proprias para baaaas, por saraa ma -
lo compridas e muito barytas a 4/ 5/ aau ; 11
a fazenda importou em muito mais do qae mm
feitas.
Alpacas de seda com listras.
Temos neste artigo nm completo sortimaHo, qte
esiamos vendendo por preco mnrto barato, aaa *
800, 900,1/ e 1*200 ; do larga..
Baplifta* da cores.
Receaemos nm completo sortimento de baaab-
tas, padioes inteirameMe novos, goetos mail* a>
sitos, qne estaaaoa vendaado pot pvaco da MHl
480 e oOO rs. e covado.
Cortes de granadiae.
Receberoos nm completo sorthneoto ae cortrt
de granadiae braaca; com Ksara* da eCres e pal-
mas soiias, qae esumos vendaate par 11/ am
corie.
Casaquinhos. preto* ae gnrgnrlo.
Recobemos nn completo sortimeato de
qainars pretos de anrgarao, qne u
do por S, #, tU SB* naa.
St Um araaea a at aoras.
Recebemo* nm complain serbasaato de
Macao, tanto branco omo de corn*, qne
mos por 2/200 e t 400 o <
Cambaia* braaca, trai
Temos aeraanaii a* caaaiavaia, ^m
a 4*% 4*500, 5*. M 7/ a paf* ; gai
1|2 varaa.
Assim como, ontraa artent qaa se
Mat B atLVA 4 GWmttm.
E' com as nodTa*
ANOYAKiiA*fCA,faali
, acaba de receber boa* aaataa
para notvat, a oa apreciavel* ran

PAGINACAOINCORRETA


r

Diaric de i^tia*ftJbiio Quarta feix-a 16 de Dezembro do 1&7*
Aos legitimos fogoes econo-\
micos.
Acabam da obegar a'esta cidade os ver-
dadeiros fogoes eeonomicos, jd muito conhe
cidos nas provincias do Rio de Janeiro,
Micas, S. Paulo, Sorgipo, Rio-Grande, Ba-
bia e Alagoas, aoode tern raerecido do pu-
blico a maior aceilagio pos9vel, e s8o ji
preferidos aos de qualquer outro systema,
conbecido pela sua muita solidez, especia-
lidade na colloca^ao, moderno systems,
e sobretudo grande econotnia no combusti-
tel ; trabalhata com lenha, eoke, carvio de
madeira, etc., etc. Ha de diversos tama-
abos, propnus para.casas de pouca, regu-
lar, e de muita familia, oollegios, boteis,
casas pias, hospitaes, etc. Acham-se ex-
postos ao publico, aonde se darao todas as
explicates necessarias: na rua do Yiga-
o n. 12
Scares Lei Irroaos, rua do Barao da Vic-
toria n. 28, a-ntiga roa Nova.
Aos Minos
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Caxias
o. 63, ic.ba de receber um bom sortimente de fl-
ats boneeas qae fillam, que rfem-se e choram ;
tambem astern mudas e sardas ou surdas-mudas
venham ver se nao & verdade.
Colchis para camas
Na loja do Pavio vende-se colchas de fustao
brancos, para cama a 2,500, ditas de dito de cor
a 4,000, cobertas de chita e de cretone, de 2,800
para cwna e ditas de metim etcarlate forradas com
madapulao a 5,000 : a rua da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira de Silva.
Asunicas verdadeiras
Bichas hamburguezas one Tern a este marcad*
na rtta do Marrraet deuhnda".Sl__________
] GRANDE
Liquidacao
Chap
DE
60s de sol de todas as
qualidades
Mm. Falqoe convida ao respeitavel publico e
particularmente aosseus freguezes, para qae apro-
veitem a occasiao de sortirem se de chapeos de sol,
os quaes se veodem por baratissimos precos, pois
deeeja diiiiiuuir o grande deposito que lem dca
mesmos, e de todas as qualidades, como sejam :
de seda, paooo e abaca, para bomens, senhoras e
meninas. No nn-smo estabelocimenio ha am Op-
timo sortimeQto de seda, alpaca, merino e brim
para coberla dos mesmos. lia tambcm chapeos
de panno com clous fon os, proprios para os ba-
nhos do mar, a i^SOO para acabar.
Vende-se
No escritorio de Thomaz de Aquino Fonceca 4
G. Successores, a rua de Vigario n. 19, primeiro
andar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Lisboa.
Vinho Sherry.
Vinbo d) Porto em caixas, finissimo.
Idem em barris de quinto e decimo, lino.
Retroz.
Fio.
VENDE-SE
Na rua do v"igario n. 19, vende-se o seguint e
Cimento de Portland, em primeira mao.
Vinho do Porto, engarrafado, finissimo, em cai-
xas de duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
Vinho Sherry, inglez em caixas de duzia.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem. ______________
Wilson Kowe & C vendem no seu armaaaa
a rua do Gommercio n. 14 i*
verdadeiro panno de algodao aiul amenctno.
Excellente Bo de vela.
Cognac de 1 qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as quaJidadM________
Nova remessa.
Vinho verdc de Amarante
Couvida-se os apreeiadores a virera apreciar o
que ha de mais excellente neste artigo; vende-
*e em decimos e a retalho, em casa de Pocaa
& C, a rua estreita do Rosario n. 9, junto a
rejja.___________________________
Coll a superior
DA
Fabrica Camacho
Ja cbegou para o unico deposito, no escriptorio
de Joaquim Jose Goncalves Beltrao & Filho, a rua
do Commercio n. 5.
Farinha de mandioca
superior, chegada pela barca Sapkira ; tern para
vender mais barato do que em outra qualquer par-
te, Joaquim JoM5 Goncalves Beltrao & Filho, no
sen escriptorio, a rua do Commercio n. 5._______
thajwos
Grnade exposicao
1,00
Grande sortimento de chapeos de pallia para
homem a 1*8 JO e 23, pretjo realraenle baratissimo
emviMa da qualidade, e muito proprios para a
festa : na rua do Passeio n. 60.____________
Cimento Portland
No caes do Apollo, arinazem n. 69, de Jose
Duarte das Neves, vende se o verdadeiro cimento
inglez Portland, a modico preco*. _____
Potassa nova
chegada recentemente, verdadeira, em meios bar-
ris : vendem Cunha IrmSos & C, rua da Madre de
Deos n. 34.
Trara.
Vende-se traves de louro e qualidade ; para
ver no caes do Ramos, a irats-se com Joaquim
Rodrigues Tavatet de MeHo, a praca do Corpo
Santo n. IT, !. andar.
Imperial fabrica de rape
area fina de Moreira < C.,
da Bahia.
Deste excellente rape, que se forna recotnmen-
davet ate amantp? da boa pltada tm esfabeleci-
(10 esu fabrica o sea deposito a rua do Goamer-
cio n. a, qae vendem por junto e a retalho, (a-
aendose vantagem a qoem comprar porcao.
Bazar Universal.
Tern chegado a este e.-ubelecimento um gran-
de sortimento dos seguintes objectos : Ratoei-
ras- magicas para ral.s, bonito sortimento de bo-
necas de todos os umaobos, para crianna, cadei-
ras de balanco e rutros mnrtos artigos de mobi-
Iia, camas de ferro, aderecrs de madreperola mo-
demos, capa:ho>, objeUos de metal para service
de me*a, espelbot de todos os tamanhos, e outros
muitos artigos, que tudo se vende barato para
ulisfazer o desej" dos freguezes: a rua do Barao
da Victoria n 22.
EXPOSICAO
N.72. Rna da I-mperat riz N. 12
EM LIQUIDA^AO.
Tendu recebido diversas 'qualidades de fazendas que ha tempo tinham feito encommcnda e
agora estando em liquidacaoresolveu que eslas fazendas fossom veii-Jil;n uas mesmas eondi^des o
que 6 muita vantagem para os compradores, islo no Bazar Nacio.nal rua da Impcratriz n. 71.
tf agendas e artigos de alta
liovidado
NA
M\im DO TASSO.
A' praca circular do Apollo
vende-se:

LOJA DO PASSO
Organdys branco a 400 rs.
Vends se organdys branco com listras muito
fino a 400 rs. o eovado.
Popelinasa 1.000.
Vende-se popelinas de cfires muito flnas a
eovado.
Alpacas' de cores a 400 rs.
Vende-se alpacas de eores para vestides a 400
rs. o eovado.
I.aazinhas a 120 rs.
Vende-se laazinhas para vestidos a 120, 210,
320 e 40a'rs. o eovado.
Alpaca lavrada a 640 rs.
Vende-se alpaca lavrada para vestidos a 640 rs.
o eovado.
Granadina a 500 rs.
Vende se gr.n_.dioa preta com littras brancas a
300 rs. o eovado.
Percales Unas a 400 rs.
Vende-se percales Unas para vestidos a 4C0rs.
o eovado.
Chitas linas a 2C0r=.
Vende-3e chitas de cures escuras a 260, 280 e
320 rs. o eovado.
Cassas de cores a 260 rs.
Vende se cassas de cores finas a 260 e 320 rs.
o-eovado.
Cambraia victoria a 3 500.
Vende-se peca de cambraia victoria a 3*600^
4e5. Cambraia transparent a pega a 3-,
3/500, l| e 5$.
Cortinados a 6x.
Vende-se cortinados para janellas a Gfi e 75 o
par.
Chales de li a. 640 rs.
Vende-se cba'es de la a 640, ditos de merino
' eslampadus a 1*600 e !/>.
I Gortes de caseraira a S/.
15 o Vende-se. cortes da casemira de c.res a '!,
18JI50C e 6/.
Cobertas de ehita a tl
Vende-se cobertas de chha a 2* e 2*500.
Colchas de fuslao a 2*.
Yende-ss colchas de fustic a 2*, 3* e 4*.
FustSo branco.
Vmcre-se fustJo branco para ve.-ridos de senho
ras, ongandys branco Coo a 640 o metro.
Madapolio a 3j.
Vende-se pecas de madapolao- enfestado a 3* e
3*500 a peca, ditas dita* fino a 4*o00, 5 |
dito francez Rno a 6*, 7 e 8*.
Algi.daoiinti.i. 1
Vende-se pecas de algodao de todas as quali-
dades e barato.
Rramante.
Vende-se bramante de 10 palraos para lencbes
a 1*600,2* e 2*300 o melr .
Algodao enfestado a 900 rs.
Vende se algodao de dua largucas enfestado a
900 e 1* o metro, dito Irancado a 1*280 o metro.
Gracde liquid.ic.ao de roupa feita. \
Vende-se ceroulasdc algodao a 1*, ditas Unas
a 1*200 e l."i 0. cami>as brancas a 1*800, 2< e
2*.)((), ditas de liuho bordadhs e lizag a 3* e
3*5i!0, paletuU de alpaca preta a 3*500, 4* e
4*500, ditos de dito de cores a 2*, camisas de
flanella a 2*. ditas de chita a 1*280 e 2*.
Tijolos de niarmoro, de differentes ta-
manhos e qualidades,
Tijolos fraucezes, sextuplus.
Cimento Portland verdadeiro.
Aztilejns grandes muito proprios
itlia PrifilCirO k NarfO B. 7 A. j PaA*ulejo8 vcrdes e amarellos, Umanho
}., proprietaries \ regular.
If aquinas do desc&ro^ar algodao.
Cadeiraa de ferro, asseutu de palhi-
uba, preprias para campo.
E' pecbincha.
A 160 rs.
Lazinhas de core*, padroes muito lindos pro-
prios uara vestidos de senhoras e meninas, e ven
de-se pelo eiimiuuto preco de 160 rs. o eovado,
por este preco so se encontra nu rua do Crespo n.
20,-loja de Guilhejme & C. ; dao se amostras.
Festejos
Grande liquidagao de fazendas finas e do
melhor gosto, para vestidos de festa, na
loja n. 44, 6. rua Duquo de Caxias.
Popelinas de modernissimos padroes, eovado a
SGO rs.
Ditas de ditos a 1*200.
Ditas de ditos a 1*400.
Ditas de ditos a 1*600.
Cambraia* organdys de padroes e cores inteira-
mente novos e modernos, eovado 320 rs, cortes
de cambraias brancas para vestidos, bordados e
com babados, a 6*.
Chapeos me demos, gosto allemao, para senhora,
proprios para a estacao da festa, a 2*500.
Dttos de diversas qualidades, para home-ns, pelo
barato pre$o de 2*. 2*500, 3* e 4*.
Camisas franceias e imdezas, de diversas quali-
dades, a 1*500, 2JT, 2 30d e 3*.
Collarinbos de liuho, lisos e bordados a 400 rs.
Toalbas de linho para rosto a 400 rs.
Lencos fines com barra, duzia 1*400
Ditos ditos brancos, duzia 11500.
Metins esc cezes, inteiramente novos, proprios
phacraa mbres, eovado 240 rs.
Meias finissimas, para senhora, duzia a 3:500.
Lazinhas, chitas, cambrias, madapoloes, algo-
daes, brins, por precos baratissimos, bem como
outros muitos artgos que se acham expostos para
os amigos do bom e de barato, por 25 OiO menos
que em outra qualquer pane, finalmente tudo,
tudo se acha em liquidacao.__________________
Admirem
Ciranadina tie seda a loo rs.
Na loja do Pavao vende-se finissimas granadinas
de seda com Ihtras assetin3das, fazenda que sem-
pra se vendeu a 1 ;200, e liquida a 400 rs. o eova-
do ; assim como manguitos e golinhas de cam-
braia borriaHaia a ( > i loja do Pavio, rua da Imperatriz n. 60, de Pereira i suas elegantes Toilettes.
Bouquets de crave 8 do todas as fl jres, capellas'
e velas pana baplisadof, de muito gos.o, por barato '
preco, e tambem recebe-se encommendas tre- dias '
antes : no pateo do Livramcuto n. 36, loja de
cera. j
\iv-' \\\ mm vtiida mm [\mtoi.
Gama & Brito, com irmazem de molhados no |
largo da Santa Craz us. 2 e 4. vendem mann'ga in-
gleza em bartil a 800 e 1,000 rs. por cada 450
grammas ; vinho de maca a t,200 a garrafa. dito
Figueira a 440 a garrafa, a Canada a 3,400 rs.,
g&z (Devos) Iiquidoai40a garrafr:, velas stearinas
a 560 o BMea velas ecoucmicas a 760 e- mago,
cha perola a 3,200 rs. cada 45U gra:nmas, dito al-
jofar superior a 3,000 rs. cada 450 grammas, um
completo sortimento de biscoitoaem latas, que se
vendem por precos baralissimos, hervilhas franco-)
zas a 640 a lata, manielada muito lina a640 rs.!
a lata com miiakilo, queijos frescos, azeite doce \
de Lisboa a 640 a garraia, assucar de primeira '
8i>rie a320rs. o kilo, dito de scgunda sorte a 28 |
o kilo, dito de terceira sorte a 240 o kilo, vinho do
Porto, en) Larril, a 800 rs a garrafa, dito eBgsr-
ralado das marcas mais acreditadas a ),t)00,
1,200 e 1,800.: o que pode. haver de melhor e
tudo mais a vontade dos compradores, certos de
que enconfariio a maior siueeridade e agrado
possivel : no largo da Saota Cruz tls. 21 e 4, anna-
z em deGama & Silva Brito.
da Silva.
Salsa parrilha
Muito novae grossa.
Vende-se por barato preco, era porcao ou a re- j Elegantes flvellas de co para vestidos.
E' sempre assim-
AO SEXO AMAVEL.
A Nova Esperanga, a rua Duque de Caxias n.
63, tuna a liberdade de a visa r ao bello seto, que
acaba de receber diversos artigos d6alta novi-
dade, os quaes esiao expostos a vunda era dito
estabelecimento. e bom que venham aprecial-os
n.-.ra por esta forma satisfazerem os caprichos de
".as elegantes toilettes.
A Nova Esperanfa, nao quorendo tornar-se
massante, limita se a mencionar alguns artigos
dos mais em voga no in undo das mod as, os quaes
.-So os seguintes :
Lindos cint' s de couro e flligrana.
Modernos bcl5es de ago para vestidos.
Novos leqties, grandes, raatisados.
talho : na rua larga do Rosarin n. 34.
Cal de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpo
Santo n. 17, 1* andar, escriptorio de Joaquim Ro
drigues Tavares de Mello.
Rua 1 de Marco n. 14
Gusmao 4 Leal receboram grande quantidade de
cortes de casemira para calga, e vendem por i -
cada corte, assim como vendem setin6tas. para
veslidos, fazenda linda, por 400 rs. o eovado, fasen-
da de 800 rs. : so na rua 1* de Marco n. 14.
EfB0M SAREK-SE
Que a NOVA ESPERANCA, a ma Duque (h
Caxias n. 63, bem conhecida pela superioridado de
seus artigos de moda e phantasia, acaba de rece-
ber diversas encommendas de mertadorias de sua
repartfcao, que pela eleganci i bem mostra aptidao
e bom go-to de seus antigos correspondentes da
Europa, e por esta razio a NOVA ESPERANCA,
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e constante freguezia e com especialidade ao sexo
amavel, a visitarem na, a lira de apreciarem ste
onde toea o primer d'arte.
A NOVA ESPERANgA nao quer^utrar nonu
mero dos massantes (verdadoiros azucrins) com
extensos annuncios e nem pretende descrever a
Immensidads de objectos que tem expostos a ven
da, o qne serra quasi impossrv%l, mas limitar-se-ha
a mencionar alguns daquelles de mais alta novidade
e toma a liberdade de aeonselhar ao bello sexo,
que a visitem constantemente, para depois qua
comprarem em outra qualquer pane nSo se arre-
penderem, a vista do bom e eseolhido sortimento
que ha em dito estabelecimento, esta razio tarn-
bem demonstra que qualquer senhora do bom torn,
nao podera completar a elegancia de seu toilet
sem quedSum jasseioi NOVA ESPERANQA, a
rua Duque de Caxias n. 6$ a qual acaba de rece-
ber os seguintes artigos de luxo e inteira novida-
de :
Modernas settas para prender os cabellos.
Primorosos leques de phantasia.
Bonitas sahidas de bailee para senhoras e meni-
nas.
Interessantes gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de touquim.
Bons adereeos de madreperola.
Delicados adereeos pretos de pufalo e borracha
(gosto boto).
Doce finodegoi.ba
Ha constantemente para todos os precos, tanto
em latas como em caixao, de todos os tamanhos
no pateo do Terco n. 52, e" aonde se vende mais
barato.
wm
reis
o CO-
Delicados raraos de IIores de larangeira.
Bolsas de couro e filigrana, preprias para tra-
zer pendentes ao cinto,______________^^
Escrava
Para vender na'rua, precisa so alugar uma es-
crava : na rna da Floreniiua n. 22.
Assucar candL
O melhor e mais bonito, preparado e. aper-
fei;oado por systema novo, vendem Beilr^o &
Quintal, em' sua refioac3o a rua do Barao do
Triumpho n. 36.
Cortfelro Standee Jk
leste importaate estabelecimento, no louvatel pro
jrosito de nao desmentireai o coneeito que os
ieus nunerosos freguezes lbes tem dispensado,
icabam de receber de sua conta o mais rico sor-
imeflto de-sedas, popelinas, Hs e artigos ae ul-
itna moda em Paris, e eontmoarao a receber
jot (odos os paquetes daquetia procedencla ; por
sso chamam a attencao de seus freguezes e os
'ocvidam- a darem um passeio ao seu estabeleci-
nento, garanlindo Ihes que encontrarSo a reali-
ladet do que fica dito, e para ppeva dio nm pa-
ineno resumo, cujo infallivelmente despertara a
itien0o dos prelendentea.
Mandam fazendas a casa dos freguezes, e dao
imostras mt-diante penhor:
' ArMges de siira novidaiie e
attain meda.
Cortes de veslido de linho guarnecidos de bico
ta mesma fazenda e c6r, trazendo flvella, bolca,
:5nto, etc etc.
Riquissimos ehapeos para senhora, de eores e
jretos.
Cortes de cambraia brancos com lindos bor-
lados.
n> 'de cores com enfeftBs da mesma fezenda,
ilno, etei etc
Capas de li para meninas e senhoras, guarne-
ndas de arminho.
Yestuarios para b3j.-Usado.*
Riquissimas camrsa's br-rdadas para senhora.
Lequrs de madreperola, para noivas.
ideas culchas de seda, para casamento.
Cortes de seda, liudas cores.
Gorgorao de seda branca e dito preto.
Sedinhas de delfcadas padroes.
Setirn Macao de todas as cores.
Gfosdeoeples pretos e de cores.
Vellu lo preto e damasco de seda.
ranadine preta e de cores.
Pilo de seda branco e preto.
Ricas basquinas de seda.
Casacoa de raeiitio de cores, 14, etc
Manias brasileiras. .
Capellas e mantas para noiva.
Cambraia de cores, ditas mariposas brancas, de
ores, lisas e bordadae.
Flor do bosque (novidade).
Percalinas de quadros, listras, etc.
-Brins de linho para veslidos.
Fustao de cores.
S.-ias bor Jadas para senhorat
Grande sortimento de camisas de liuho lisas e
ordadas, para homem.
Meias de cores para homem, senhora, meninos
meninas.
Sortimento de chapeos de sol'para bomens e
fiihora.
Merioas de cores para- vesUdos.
Dito pi i'to trangado e de verao, bombazina, can-
to, alpaea, etc. etc.
Atoalhado de liuho e algodTo paratoalhas, e dito
>ardo.
Damasco deli.
Brim de. liuho branco e de corps.
Setlns de llndas cores com listras.
CHales de merino de cores e pretos
Ditos de touquim e ditos de-casemira
Cau.itas do obita uaia Uvin'-n- n ,;-ias de Da-
ells.
Ceroulas de linho e ditas de algodao.
Pannns do crochet para sofa, cadeiras, etc.
Leucos bordados e ditos de lat yriutlio.
Ricos cortes de vestidus de uriatana, bordados,
lira bailes, e tarlatana de todas as cores.
Colchas de damasco de IS, e ditas do crochet.
EBpartil'ios-lisos' e-btrdados*
Foulard de seda, lindas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas,
jssoiniras pretas e de cores.
**oioIinas.
Neste artigo temo* nm varta^bsimo Ecrtimento,
iso s6 em gosto eomf emi qualidade.
Las
vom listras de seda, ditas com pain as bordadas,
litas transparentee e de outras muitas jualidads.
Luvaa
i* pellica braucas e de c6res; do verdadeiro fa-
iricante Jouvin.
Finalmente :
apetes ftaia sola, cadeiras, cama, entrada, etc..
ambraias brancas, chitas de todas as qualfdades,
uadapoloes, esgaiao, tiretanhas, bramantes, algo-
t9esy collarfnhos, pnnhes, meias para homem e
enbora, punhos e collarinbos brancos e de co-
es para senhoras, gravatas para homem e senho-
a, peitos bordados, lencos de linho brancos e de
ores, ditos de cambraia de linho, toalbas, gtiar-
anapos, panno fine, etc, eje.
Loja do Pas
Rua Fmneiro de Marc/) u. 7 A
atfliga' do fB8po.
Bom sajmteiro
Vende-se um escravo saiiateiro de toda obra. e
de boa flgura : na rua de S-nto Amaro n 6, se-
gundo andar.
i li-
por
por
tr
mais
4/ e
Lazinhas hrilh'autes a 720" rs.
0 Pavito recebeu ura bonito sortimento das mais
lindas lazinhas brilhantes, sendo de quadrinhoo
miudinbos, parecenlo de uraa so cor, e tendo diffe-
rentes cores ; esta fazenda tem um bnlhe corns
seda e bastante largura, e vende-se a 720 rs. o
eovado : na rua da Imperatriz n. 60, loja de Felix
Pereira da Silva.
Lazinhas modernas a 32 rs.
0 Pavio vende bonita.i llzinhas de quadriohos,
tendo de tolas as cores, pelo barato preco de 320
rs. o eovado; sendo fazenda que sempre se vendeu
a 500 rs., e pechincoa : na rua da Imperatriz n
60, loja de Felix Pereira da Silva.
Crochets para cadeififs.
0 Pavio vende uma porcao de panos de cro-
chet, proprios para eacosto de> cadeiras e de so-
fas, qae vende por precos baraiissimos-: na rna
da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da
Silva.
C6rtes de organdy a 2940^
0 Pavio receben urn'bonito sorthnenw de e6rtes
de organdy, raatisados, para vettido, qne vende
pelo baratissimo preco de 2 400 o corte, e pechin-
cha : narua da Imperatriz n. 60, loja de Felix
Pereira da Silva.
vado.
S6 na rua do Queimado n. 48, junto a
loja da Magnolia.
E' bawls.
Cambraia branca com (lores bordadas de cores,
sio padroes muito bonitos e de gostos nunea visto,
pelo diminuto prejo de 3K) rs. o cevado:
so o 43 e qnem tem. Dio se amostras com pi-
nhor.______________________________________
A 500 rs. o eovado
Na loja do Pavao vende-se lazinhas japonezas
de cores muito modernas pelo baratissimo precc
de 300 rs. o eovado, para acabar ; notaodo-se qne
e fazenda que jamais se vendeu poV menos de
dois eru'ados ; ja ha poncas : 4 rua da Imperatrii
n. 60, loja do Pavio, de Felix Pereira da Silva.
Lustres, candieii>0S' e aran-
dellas para1 gaz.
No novo estabelecimento, Grande Esposigao, na
rua do Imperador n. 35. junto ao escriptofio d
companhia do gaz, vendem-se lustres, caridleiros e
arandellas de differentes tatnarrho* e modernos
gostos, tanto de Vidro com* *e breate; e tuxfca do.
melhores fabricates que ba n* fciglaterra. Tara-
bem se vendem globos de bonitos padroes, chumbo
e tudo 0 mais que for preciso para o sefvicj6 do
gat. E eortio os doflos deste e(taVetee1nfentb mah*
dam vir de Conta propria a se querem aereditaf,
vendem tudo mais barato- do que qnalijuer outre,
patao que os compradores podem experimental
Pentes gifafe.
Pentes girafe, proprios para senhora, ( ultima
moda) : a Magnolia a rua Duqae de Caxias n. 4tS
so quen tern.
Papai, emmai.
Como sao lindas as bonetas de cera que cha-
mam papai, mamii, choram, andam, etc. 3d na
Magnolia a ras Dtiqae de Caxias n. 46.
Gr^aiotas, gaioi^s.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu gaiolas- de arame de lindis-imos modelos,
preprras para1 pafssaros ; a ell it antes que se aca-
bea.
O Desengano esta quei-
mando
Olinda
Boa a r i| ii i s i C A 0 .
Vende se ura subrailo -ito na pateo da ^e, em
Olinda, edifleado em chSo proptro, cottl grande-
arcommodacoes para Dumcr< a hrmiia, reedifi
cado e pintado de nnvo, com bellissima vista,
muito fresco e com quintal: a iratsr no pateo
de Pedro II n. 6, andar.
0 proprietario deste estabelecimento tem resol-
vido vender as fazendas existenles em sea estabe-
leeirrento, por menos do qne em outra qualquer
parte:
Vanninese de seda.
Vende-se esta faienda de lindos patroes, de lit-
tras e palmas, pelo diminuto preco de 320 rs. o co
vado, por ter uns toques de mofo, e grande pecbin-
cha. Esto fazendtftarobem serve para Ihto, por
ser toda preta; e fatenltt'det6ft0o eovado.
Dsmaeco da IS.
0 Desengano esta vendendo damasco de la de
lindos padroes e de dnas larguras, pelo baratissi-
mo pr-eco de 1J 000 o eovado, e fazenda de 2/oOO.
Aproveitem qe o Desengano esta qneimando.
Casaquirihos-de1 gorgorao de seda.
0 Desengann eti' ventfendo caeaquinhosde-gor-
gorio de seda, enfeilados, pelo baratissimo preco
de 6*000 cada up, e grande pechincoa. A elies
antes que se acabem.
Organdys a 320 rs. o oofadb.
Vendem-se Organdys de Hstras, branco. pelo ba-
rs to preco de'320 is. o covade. Aprftveifcnr.
Madapoloes de 49000 a peca.
OBesenfino esti vendeado madapolio francez
com 20 varas a i$ a peea; dito muiio fino, a oJ,
5*500, 6/ e "t a pega i e grande pecbincha.
Algodio marca T,' largb, a* 4g, 4*300 e St a
Rices chapeos de sol de seda, eom eabo de mar-
flm, a 12| cada on ; e pecbincha.
Baptislas de lindos padroes a 400 rs. o eovado.
Lazinhas de corfes, bonitos padrRes, pelo diminu-
to pm* de' *W JW rs. co*ao. A eflae antes
que se acabem.
Cambraia Viet ,-ria, a 3|S00, 4x, 4*o00 e 5* a
Alpafa* de cores, lie seda, bonitos padrBbs, a
SfiVrs. e;cotdb j gvandei pechrneh*^
Metins de cores, bonito* padroes, a 200 e 300 n.
^eevada.
Chitas daras de lindos padrSes a 240, 260 e 280'
rets-.
B ontras wulta* fKewWa- qsre (Mm d* memtv
na-. a tra ado a* tormr eaiadoat*), por iaso o
proprietario convida a todas as pessoas a fazerem
uraa visita a seu estabelecimento, aG'm de sorti-
rem-se do bem e barato. Rua do Crespo n. 25,
junto a loja da esqfatoat__________________
Balancos, pesos meoUdaa
do1 systema metrico deci-
ntul.
Von Sohsten & C, na rna da Cruz n. W, vea-
dem nm completo aortimeato, tudo feito na mes-
ma fabrica di Europa onde foram os aetuaes
padrSas existenles na eauiara mtinicipat desta
eldade.
Retathos de las.
0 Pavio vende uma porcao de retaloos i
para vestidos tendo grandes e peqnenos, q
quida barate para acabar, assim* como nnv.
cio de cassas e chitas pretas que se vende
qualquer preco para acabar : na roa da in
friz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Espartilhos, a 34500, 4* e 5;,
0 Pavao vende um bonito sortimento dos
mode aos espartilhos que Vcude a 3*5\K),
5*000.
Peehinca em lencos branc s a 2 500.
0 Pavao vende duzi s de hncos finissimos de
cambraia branca para mao, sendo fazenda que
sempre se vendeu a 4.100 a duzia e liquidate a
2*ii00 por ter grande porcao de duziae, ditos abai
nliadts a 2;, ditos chinez s muito fins e ditos
francezes escuros mu.to fraos para quern toma
rape.
Cassas de coret a 240 rs.
Vende-se cassas de cores para vettido a 240 rs.
o eovado : na loja do Pavio a rua da Imperatriz
n 60.
Camisas.
Vende-se uma grande porgao de camisas bran-
cas com peite de linho e de algodao, por muito
menos db seu valor, por estarero um puuco enxo-
valhadas, assim como sirnulas francezas e de al
god o a 1 560, dilas de linho a 2 e 2 500 para
acabar : na loja do Pavio rua da Imperatriz n. 60
de Felix Pereira da Silva.
Roupa para homem para acabar ate ao Cm
do anno.
Na loja do Pava> liquida se uraa grande porcao
j de roupa para homrra como sejam : calcas de
I brim d'Angola, ditas brancas, ditas de casemira de
cor de 6-5 ate 12 ;., ditas de brim oores, palitots
e fraks de panno preto, de alpaca e alpacao, as
sim como de casemiras de ceres, colletes brancos,
pretos e de coies, assim como roupa branca de lo
das as qualidades, nao se olha a prejuizo, o que se
quer e liquidar ate ao fin do anno.
Cambraia Victoria e transparente
Na loja do Pavao vende-se nm grande sortimen-
to de cambraia Victoria e transparente para ves-
tidos tendo 8 1/2 vara cada pessa de 3 600 para
cima, isto na rua da Imperatriz n. 60 de Felix Pe-
reira da Silv.i
Collarinbos de linho para acabar a 4,-
a duzia j
CfrNa loja do Pavao liquida se uma grande porcao
de dnzias de collarinbos de linho, por estarero um
ponco enxovalhados, pelo barato preco de 4, a
duzia, sendo fazenda que sempre se vendeu por
7j e pechincha : a rua da Imperatriz n. 60, loja
de Felix Pereira da Silva.
Chales de casemira a hi.
0 Pavao vende chales de casemira com gostos
chinezes, sendo muito grandes, que sempre ven
deu a 71 e 8.., liquida a 4 i. Ditos de la, muito
encorpados, com listras, a 31;. Ditos de quadros,
aienda muito bna 2 aspim como, um lionito
forti.riento de ditos de merino, Uses e de quadros,
vende de 2 n. 60, loja do Pavao. de F. Pereira da Silva.
Poptiina de linho a 400 rs. o eovado.
0 Pavao recebeu um elegante sortimento das
mais bonit-s pepeiinas listradat para vestidos que
vende pelo barato preco de 400 rs. o eovado, la-
vando-se nao desbotam ; assim cemo, bonitas e
modernas lazinhas com listras de seda a 649 rs.
o eovado. Dilas transparentes com palminbas a
500 rs., sao bonitas. Karvges de uma so cor, pelo
barato preco de 400 rs. o eovado, e pechincha :
na rua da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira
da Silva.
Cortes de veslidos pra liquidar.
0 Pavao vende a 4-, 5* e 6* corte de cam-
braia branca com eufeites bordados de cor, fa-
zenda que sempre vendeu a 7* e 8*. e liquida a
4fi para acabar. Ditos brancos de cambraia aber-
la, com littras e lavradinhas, que sempre se ven-
dertm a 10J, liquidam se pir 5*. Ditos Benoatao
com lindos eufeites de cox, fazenda que val 12-,
liquidam se a 6;. Ditos de cassa de cores eom
7 varas- a 3* ; e pechincha: na rua da Impe-
ratriz n 60, loja de Felix Pereira da Silva.
Pechincha para criancas.
Meias a 2/1500 a duzia.
Toalbas de fustao para mesa a 2:500.
0 pavao vende loalhat de fustao para mesa de
jantar pelo bar- to preco de 2*500, e pechincha :
na loja do Pavao, a rua da Imperatriz n. 60,
loja de F. T. da Si:va.
Brins de Angola a 2*. 2 500 e 34.
0 Pavio- vende cortes dos verdadeiros bins de
Angola a 2=, 2*500 e 3* ; 6 pechincha : na rua
Sa Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da
dlrva: __________
PREDILECiA
A' rua do Cabaza a. 1 A.
Os proprietarios da Predilecta, no intuito at
ionservar o bom concetto que teem mercetio Oo
rsspcitavel publico, distinguindo a "a ettzhelaci-
mento dos mais qne negociam no mcinto geatro
veem scientiCcar aos seus I n- -
veniram aos sen- corresi ondentis na; diversas par-
cas d'Europa para lbes enviarc-m pur t>4.> o.pa-
quetes os objects do luxo e bom po t% >;ue se-
jam mais bem aceitos pela< socicdaaa allfaetM
daquelles paizes, visto aprosimar m o '.*anu de
festa, em que o bello sexo darta Uaaa Vesca,
I mais ostenta a riqueza de suas t.illi ties : e co-
' mo ja recebessem pels paqnete fraii<*ez. dirersc
artigos da ultima moda, veem patent*aV aJfaa*
, d'entre elles qne se tornam mais recjfnmeoama,
: esperando do respeitavel saUico a roetuuiada
concurrencia.
Adereeos de tartaruga os mais linlos qje teaao
i vindo ao mere a do.
| Albuns com ricas capas de madreperola e at
velicdo, sendo diversos tamanhos e barato; pre
08
Adereeos completes de borracha pr phos para
Into, lambent se vendem meios adereeos aoito bo-
I oitos.
Botoes de setira preto e de aflna para ornato 4*
nes'.idos de senhora ; tambem u-rj pvra collete
aiitoL
Bolsas para senhoras, exisie um brllo ~ niara
der seda, de naiha, de ^chagrin), etc., etc, por
barato pi pqo.
Bonecas de tcdos os tamanhos, tanto de lone*
como de cera, de borracba e de massa ; chama-
raos a aiter..ao das Exnias. Sra. para c-te artifo,
poi.- a- vezes tornam-se as eriauca-. um pottco iav
pertinente? p< r falta de nm ofacb) que as ea-
'.rfouham.
Camisas de linho lisas e crni peitot bordadct
ara homem, vendem-se por preco rommodo.
Ceroulat de linho e de algodao, do dversos pre
cs.
Caixinhas com musica, o que ha de mais lindc.
:3m disticos nis lampas e proprios para preset):
Alta uDVidiide.
0 Barateiro, a rua de Marco n. l, acaba de
reeeber grande sortimento de entremeios e babadi-
nhos lapados e transparentes, de todas as largu-
ras e vende a 1,000, 1,200 e 1,500, fazenda que
sempre custou 2,500; a uma experiencia nos os
convidamos
Para concertar meias
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Caxu
n. 63,. recebeu desta necessaria linha.___________
Para acabar.
Saccos e 230 reis.
Vende te saccos de estopa eom um pequeno de
feilo, proprios para ensacar miiho, farinha etc sao
Srandes e de muito boa qualidade e vende-se pelo
imfnuto preco de 280 rs. cada um, 6 pechincha,
vuent precisar approveiio ista a rua do n o Cresp
20, lojadas tret gagas de Goilherae 4c C_______
W E ^ If fc*~3K4 o siUo junto a igre-
ja ds S. Jose do Mangu nho, com casa de vivenda
assohradada e outras. acommodacoes, todo mura-
do, com dtras frentet ,-ervi ias por portao de ferro,
dando para a roa da Amizade e para a do Man
guinho. Tem de terrene pmprio 194 paknoe de
largura e 354 de fundo ; e a casa nu de 52 palmos
de irante e 84 da fundo. A situacao e a melhor
possfvel para morada, e quern qniter edificar, tera
Bastantft terrene- para isto, pelo lado da rna da
Adaade. Tent a'gumas plauta^oes de goto e re
ctrnio, havendo bastaBte ag.ua fornecida par duas
eaeimbas, uma das quaes e nova. A entender-se
com o 9r. Dr. Witrnvio qnem o pretender.
Admirem.
ta
Coquet os mais modern-it e de divr~ forma
tos.
Chapeos para senhora. Receberam aa strtionaalc
da ultima muda, tanto para senhora. c a pan
meninas.
Capellas simplet e com veo para aalaa
Calcas bordadas para meninas.
Entremeios esfatpadot e LrUados, de uiid't
lesonhos.
Escovas electhcas para den-e-, ie.m a proarit-
dade de evitar a carie do dent -
Franjas de teda pretas e Je c*ret, exists ca
g-ando sortimento de divercas largura" e turtle
preco.
Fitas de saria. de gcrgi'rio. d.- setiai dtm
nalotft, de dmraaa larguras e btaan eores.
Fachas de gorgurao muito Radaa.
Fi. ri- artificiaes. A Predilect.- pnms em t z-
ervar sempre um bello e mode sortimento da>
las fiores, nao so para enfeite lai |J Mo?, oma
ambem para ornato dc vestido d^ m.ia.
GaJoes do algodao, dc li e de li, aaaaa,; t-
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para homein <-s-rah-.'as.
Lacos do cambraia e de seda d-> or-- r-a; e ra
para sennora.
L:gas de seda de cures e branca- 1, aaatai part
ooiva.
L'vro; para ouvir missa, ci n c ;,as de tratra-
perola, marfim, os^o e veUndo, tuuo qua La 4*
bom.
Pentes de tartarofla e marf.;.: .:r:. aaav n ca-
bellos ; teem tambem para tir; P-jrt bourjret. I'm bello sortimento de nv.4ra>
perola, maram, aaa,a d.rt'.rad. pt.r li?. : :-_
Perfiiaiarias. Nestc- anito e-ia a PrediMcU hia.
Krovida, nio s6 cm extractos, coin em c!c e
anhas dos melhores odores, d ". msis alam^doe
fabricantes, Lottbin, Piver, Sw -i-.tl nvftcaftet,
Coudray, Gotcel e Rimel ; sao baYaptaaaai para
a festa.
Saias bordadas para senhora, per commoac
prcQo.
Sapatiuhos de la e de selim bajiaaa #aM rap-
usados.
Tapetes. Recelitu a Predi'.eia oa baaiM a>B>
iiieuto de diversos tarr.u bos, unto para sofa co-
mo para entrada do salas.
Veatiinenta* para, baptisado 0 qne ba It aaflM
gosto e os mais moderno recel;u a PrediiTia
de or ar; to preco, para licar ao aicance
jualoner bnlsa.
CortlnndoH a J40OO.
0 Pavio wnde cortinados b rdado<, preprio
para camas e janellas, a 74> e ptr. e pechincha
3ue logo te acaba : na rua da Imperatriz n. 60
e Felix Pereira da Silva.
Vinho verde.
Especial chegado no ultimo vapor, lem para
vender em barris de quinto e de Colares em
decimos, no seu escriptorio a rua do Commercio
n. 5, Joaquim Jos6 Goncalves Beltrao & Filho.
Burros d venda.
Ignaeio Deird avisa a seus devedores qne esta
era seguimento para Peroambuco, onde ate dia
lOdedezembro espera iu- Ihe mandem s.alisfazer
seus debit is na casa de Joaquim J i.-e Goncalves
BeltrSo & Filhos. C-mduz excellente; Lurros para
vender. Pilar, 23 de noVembro de 1874.
il.VL'il II B'liiffiO
A' rua 1 de Marco n. 1
Antonio
Contintia vendendo su?s fazcnlvs aaa 90 por
cento menos do que seus anli/-.s preco?, pelo qae
faz dissu siienie aos sens freguezes.
A saber :
Graude sortiment > de Laba-lir.lt s e entremeios
bardados, ,-ara If, 1*200 e 1*.00 I Qjc graadc
pe -hiitc .a.
BltlLIIANTlNA de coret. fazenda superior, o
mais moderno que ba, a M r- o cov.do.
DITa branca p-ra MiO rs.
CHITAS Claras e escuras*. 240, 280 e 30" rs
farenda superior.
BAPT1STAS de cores escuras e clara* para 280
e muito Gnas para 400 rs. o eovado
CAMRRaIA branca Victoria e transparent- fina
a 44 e 4*500 a peca eom 8 tt2 varat ? Sim.
LASINH.AS de gotios allemaet a 160 ra So o
barateiro I
CRETONE3 escuros e claxos para 300 e 400 rt
o eovado.
CAMBRAIA para forro a 1*500 a peca com f-
1|2 varas. E' baralo.
SEDA de uma so cor a 900, I* e 1*200 o eo-
vado, fazenda qne sempre custou !* ; a elU- an-
'et que se acabem.
POPELINAS ie .e la a 1*400.
DITAS de teda de superior qualidade. f ..-t -
os mais modernos que na, a 1*600 e i*800 ; con
vem man Jar ver.
ESjUIAO de linho e algodao para fronhat, ca-
misas. etc etc., com 7 jardas a 3*200 a pera-
BRIM pardo trangado a 400 rt. o eovado.
BRIM Angola, de cores bonitai e fixas. para 500
rs o eovado.
CHAPEOS Je casemira para aaaaa a 3*000 1
CHAPEOS de tol ie alpaca a 3*, e tambem pa-
ra senhora, a 2*.
DITOS de sol de seda para senhora a 3*500
para homem a 10* ; mas sao para gum.
BRIM branco aaposicao a 1*800 e 2* a van, 4
baralissimo
COLLSRINHOS os mais modernos qae ha, a 7*
e 7*5ii0 a duzia. IT linho e sempre easlam 9*.
PUNHOS a 6t300 e 7* a dutia.
TOaLHAS (elpaias, faceada muito boa a fi* a
duzia.
CORTES de casemira it cores, bonitos gosto*
a 7*. So aquL
LENCOS de linho abamhadut, fazenda muito
bat a 3* e 4*200 a duzia.
MADAPOLAO francez cm 20 varas boa quali-
dade e ensta 6* a peca 1 elle, a file.
So no Barateiro
A' roa Primeiro de Marco a 1.
Loja do Agostinbo Ferreira da Silva Leal 4 C.
Vetvaa ale terra* eat ladea, 4c
um grande aitia qne faa fi
te para a eatraadla ale Beat
be e becce da Fund**
Capilulino Ridri/oes do P*ms e Araaro de Bar-
ros Coneit, aquelle no hotel do M.nteiro e ete
em Beberiae :
Vend.-m loles de terras de spu s tio, que fat
frente para a e-trada da Agua Fri para fr-n'ri-
be e peb lado norte para o bee) do Fuadae ;
sendo os precos Aos terreaos dt frt-nu- entro S
7* o palrao e aas ruas novamenl- aiw tat outre
2e4*. Asruasesiao demarp^dts pjlo s>. enge-
nheiro Sette, euro fnndos tufflrieniM para a*tat-
no* sitlos ; a plnu esta r-ri aaat aa eaiam
de Olinda e ha copias em n der a r .pr-eiariaa.
qu mrwirtriu aot pretendnni-
Qivm quizer diriia-te a algu n n i ir|
r,u ao diloSr. ennenhPim, on a iB e*i
ft <;nimar4e " V.nde-se um carro d ru tr roda para
boi, p>r eommndo praj>- : a ar e iratar aa raa
do General Seara, anuga de Jasmins a. 30
Urii
out Lima


LITTEKATDRA.
Conrurencins litterarlas.
Discurso proferido pelo conselheiro Ma-
noel Francisco Correia na reunido de
22 de novembro de i874.
(Conclusdo.)
Brademos em favor d'ella, mostrando o
escruplo corn que dovem os pais procurer
is estabelecimentos de inslruegdo em que
matriculeui stus li hos, porque em alguus
apenas se busca habilitar os alumnos para
os exainos geraes, sera atl-ngao a* r< gulari-
dade e soguimento dos estudus. Saibara os
alumnos os pontos e:n que teem de ser ar
guidos, e indifferente eque saibam as mate-
nas de cujo estudo a approvagao, que a todo
transe se quer cons.'guir, os vai arredar.
Pode haver systema mais funesto ?
Nao 6" diverso do da familia o interesse
collective do estado. 0 que a estu importa
e que os cidadaos que se dedicam a esta ou
aquella carroira sejain versados nos conheci-
mentos especiaes que ella exige.
E o espirito, luz scintillante com que Deus
dotou o homem, nao pode realisar cabal-
mente sua sublime missdo sera um systema
perfeito de educagdo. Adquirir conbeci-
rnentos soltos, colher nugoes aqui e alii,
sem concat-nagdo logica, e querer veneer as
distancias por atalbos e devezas, sem busso-
la segura ; e esperar da confusdo o que s6
se pode obter, sem temeridade, comj fructo
paciente de um trabalho methodico.
Larga e a espbera dos conhecimentos que
o Creador eutregou d exploragao do ho
mem ; mas nao ha espirito, por mais pos-
sante e.comprehensivo, que possa abrange-
ios todos.
Que vasto campo abrem ao estudo o d
observacao as sciencias physicas e naturaes ?
Que profundez..s olferecem no raciocinio e
d meditagdo as sciencias moraes T Que ter-
reno erigado do accidentes tem de percorrer
o que se embrenha na indagagao das scien-
ciaes socises e politicas I
Todas entre si se prendem pelo eondao
omnipotente do h'nte superior que lhes tra-
cou as regras fundamentaes e inabalaveis ;
mas e demasiado curta a existencia do ho-
mem, e ainda mais limitado o tempo que
lhe e dado aproveitar, para estender vistas
sabiamente porscrutadoras alera do ambito
corcparativamente estreito de uma sodas
multiplas sciencias que reclamam da intelli-
gencia a mais solicita a'.tengdo.
Para afastar-se um pouco das raias da
vulgaridade, que serie de sacrifices nao tem
de fazer o astronomo, o naturalista, o juris-
consult ), o philosopho e o estadista I
Pois bem 1 Iraaginai que se consome
tempo precioso em ensinar desconnexamen-
te disciplines diversas, e reconbecereis com
que tardanga chegard o cidadao a reunir os
precisos elementos para o melbor desempe-
uho das funcgdes de ordem publics que se
propoe a exercer na sociedade.
Isto mostra quanto, om materia de edu-
cagdo da mocidade, devem ser cuidadosi-
mente tratados ainda os pontos que, d pri-
meira vista, parecem secundarios.
A importancia do assumpto, reconhecida
desde os mais remotos tempos, foi bem as-
signalada nas seguintes palavras dos estatu-
tosda universidade de Paris, de 1598, com
razao encarecidas na apreciada obra de
TroplongDo poder do estado sobre o en-
sino :
odesenvolvimentodainstrucgdondosepresta
s6mentn hnmi>nffom nm sdmento homenagem a um direito da
fancia, d qual ndose deve negar a proveitosa
nutrigdo do espirito ; dd-se expansdo a um
granle interesse social.
A instrucgdo e a rival do crime, que suc-
cumb." diante de seus golpes paciQcos.
A instrucgdo e a protectora do trabalho,
ou como disse um illustre americano, e" o
preservativo contra o pauperismo. 0 opera-
no instruido encontra mais facil emprego,
tem mais vantajosa retribuigdo.
A instrucgdo e a proinotora da industria.
Por meio della os processos industria saper-
feigoam-se. Ella faz com quo se aproveitem
riquezas naturaes ahandoncdas.
A instrucgdo e finalmene a garantia da
ordem publica e u.n instrument de poder
Bj"fwcu 5 10 384,0 cidadao de amanha. E tfbre o patriotis-
Iretendefdm d aqui concluir que, se nao mo dos cidaddos repousa a pro3pC"dade do
para os extenores destinos da aim?, para osl estado.
fins da sociedade 6 mais salutar a acgdo da
escola que a da igreja.
A felicidade de todos os reinos e povos
depende da boa educagdo da mocidade, a
qual na realidade inclina os animos rudes
para os actos de humanidade, e torna ido-
neos e aproveitaveis para os ofTioios publi-
cos os espiritos estereis e infructiferos, pro-
raovendo o culto de Deus, a dedicagao para
com os pais e para com a patria, e o res
peito e obediencia d autoridade legitima.
Tambem nao parece exagerada a proposi-
gao de Deuter Hacokins de que o povo in
telligente procura a liberdade eo povoigno
rante o despotismo, com tanta naturalidade
e certeza como as pontas da agulha procu-
ram o p61o magnetico.
Assim, pois, promovendo com empenho
FOLHETIM
A F3ZNCSZA DOS W3ISI0S
MYSTERIOS E INTRIGA.S DA COR-
TE DE FELIPPE V.
POR
FERNANDEZ Y GONZALES
VOLUME I
PRIMEIRA PARTE
As Trea Esperancas
(ContinuagSo do n. 286)
CAPITULO VIII
ar. COMO UM CIGANO MOSTROU SABER MAIS DO
QUE UM GUARDIAO DE CAPUCHOS.
I
Bizarro tomou a dianteira para servir de
guia, e, em quanto ndo sahiram do pinhal e
nao se acharam em campo aberto, nao pro-
ferio uma so pahvra o guardiao dos capu-
chos da Paciencia, que ia profundamente
preoc'upado e bastante pesaroso de haver
dito d Bizaro que fdra auxiliar nos seus ul-
tiraos momentos o marquez de Csstroviejo.
0 padre Jose de Tordehuraos, perten-
ceute d familia do marquez de Villasola, e
cujo appellido era Yanez de Azevedo, ap-
pellido d que renuncidra ao tomar o babi-
to, porque e sabido que os capuchos tomarn
por appellido o nome da terra da sua natu-
ralidade, era um filho segundo d quern o
egoismo de familia sacrificdra, e que, pelas
re la foes dessa mesma fa nilia, pelo seu ta-
lento e energia, chegdra a ser um dos pa-
dres influentes da sua ordem, sendo afinal
eleito guardido, e tornando-se por conse-
guinte um personagem de importancia na
cdrte.
Como todos os horaens de influencia e de
talento, os quaes em tempo de perturbagdes
politicas, de obscuridade em materia de go-
vernagdo, quando ndo se vd d'um modo e-
vidente de que lado esta o triumpho, s-
chegam para o sol que mais aquece, a leal-
dade do padre Jose de Tordehumos para
com el-reiD. Felippe V, podia passar por
acrisclada aos olhos dos homens pouco es-
pertos, mas ndo para o homem habituado
os negocios publicos, porque esse ndo po-
dia deixar de notar algumas manchas es-
curas no procedimento politico do guardiao
dos capuchos da Paciencia.
forga. Ella torna o cidadao apto para o
desempenho de seus deveres civicos, e para
o exerckio de seus direitos polticos. Ndo
se p6de conGar no criterio do povo igno-
rante para a escolha de seus maudatarios.
Na luta da Franga com a Allemanha, diz
Ernesto Renan, a inferiondade da Franga foi
sobretu io intellectual; o que lhe faitou ndo
foi coragdo, foi a cabega.
A instrucgao tem sido o grande movel do
espantoso desenvolvimento dos EsUdos-Uni-
dos, que prospeum tanto pelo lado politico,
como pelo la io industrial e ecouomico.
Mas em que apregonao e ella tidanaquella
poderosa nagdo 1
Vem aqui a proposito as palavras do rela-
torio, publicad'ieste anno, da commissdo de
educagao do conselho de reforma politica da
cidade deNov-York
Temos nos Estados Unidos para mais
de 14,500,OjO criangas em idade de fre-
quenter a escola. Despendemos annual-
mente com escolas para mais de 95 milhdes
de dollars, o que equivale a 1/3% do valor
da propriedade real e pessoal de todo o paiz ;
e empregamos 221,000 mestres Este e o
nosso exercito perraanente, aquelles s&u as
nossos rudes recrutas. Suas armassdoo
penua e o lapis de pedra ; suas munigdes de
guerra os livros ; seus fortes e arsenaes as
casas das escolas ; e o inimigo que tem de
debellar a ignorancia e a obstinagao. Pela
raunificenria do governo o mais bello edifl-
cio qua apparece e.ii cada aldea de nossos
novos estados e territorios e" o da casa da
escola publica. Como a luz doceoeaagua
da terra e ella franca e livre assim para o
rico, como para o pobre.
A civilisagao joga com dous poderosos-
elementos, a escola e a igreja, a instrucgao
e a religido, a sciencia e a virtude.
0 homem nao p6de perc orrer com a se-
guranga o estadio da existencia sem a pro-
funda crenga na existencia de Deus, que 4
o vinculo do mundo moral; e sem robuste-
cer a intelhgencia com o alimento do estudo
que alarga a sua espbera e dd consistencia
ds ideas.
A escola representa o alicerce do edificio
intellectual, a igreja e o symbolo visivel dos
grandes sentimentos que elevam o homem
-ao Creador e o ligam a seu semelhante.
Aquella e o primeiro degrdo da sciencia,
esta o amparo e o refugio da virtude. Fi-
gurai um povo sem religido e sem instruc-
gdo, sem igreja e sem escola, e dizei-me se
elle nao estaria nos extremos da barbaria.
Jd nao ha quem dispute sobre a necessi-
dade de uma edeoutra ; mas espiritos sub-
tis indagam qual deltas exerce mais benefi-
ca acgdo.
Para fundarem seus raciocinios pergun-
tam : o que combate mais o crime, que e
o eaocru da sociedade a igreja ou a escola I
Na Baviera, em 1870, exarainou-se esse
ponto. Pedio-se luz d estatisiica, e verifi
cou-se o que consta deste quadro compara-
tive :
Por mil predios. Per cem mil
habitants.
Igrejas Escolas Crimes.
Alta Baviera... 14 5 1[2 667
Alta Franconia 5 7 444
Baixa Baviera. 10 4 1|2 870
4 11 425
Baixo Palatina-
do............ 11 G 690

Bizarro era perspicaz. Vivera muito tem-
po ao lado da princeza dos Ursinos, ser-
rindo-a, d'um raodo secreto, depois da
morte do duque de Bracciano, e communi-
cdra-selhe alguma cousa do seu genio.
Se o guardiao conhecesse profundamente
Bizarro, teria tido todo o cuidado d9 ndo
lhe dizer que fdra o consolador espiritual
nos ultimos momentos do marquez de Cas-
troviejo.
Jd ndo havia, p ,rom, remedio, e era isto
o que profundamente preoccupava o capu-
cbo.
II
Bizarro, da sua parte, sentia na alma essa
oppressao insuportavel.que produz um pre-
sentimento funesto.
Cinta ndo lhe sahia da idea.
0 estado em que a deixara em Taracena ;
a impressdoque devia ter causado nella,
que o amava, o seu terrivel choque com os
guardas d'el-rei; as consequencias que tu-
do isto podia ter produzido, aterraram Bi-
zarro vagamente d'um raodo penoso.
Entretanto, era um desses homens dota-
dos d'uma actividade dupla.
Tinha raotivos para v&r que o guardiao
possuia um segredo de Estado, e que se
adquirisse esse segredo, poderia, gragas d
elle, ver augmentada a protecgdo que a
princeza lhe dispensava e de que tanto ca-
recia, epor tudo isto, apezar do estado em
que tinha seus proprios negocios, resolveu
ndo deixar de mdo aquelle outro negocio.
Ill
Poz-se d par do guardido e disse-lhe :
Haveis de saber, padre, que n'uma
das rainhas excurgdes, em Portugal, ha al-
guns mezes, no acampamento do archidu-
que Carlos, onde penetrava como bufari-
nheiro, expondo-me serapre i que suspei-
tassem de mim e me arcabuzassem, vi da
tenda do arcbiduque sahir um homemzinho
com quem tratei muito de perto em Madrid.
Este homemzinho chama-s8...JLucas Cabe-
gudo. E' irmao do Santissimo da parochia
de S. Pedro, irmdoda Caridade e do Pecc&do
Mortal, e de ndo sei quantas confrarias ; a-
juda as missas d'alva, e onde mais depressa
so encontra e agachado jnnto d'um confes-
sionario, ao lado do pulpito. com um re sa-
rio na mdo, o gorro de la azul calcado lie-
ao3 olhos, mottido n'um gibdo da India jd
m itcrafado, ombugado n'um maotdo que
se vae fazeiido ralo como uma serapilheira,
e a rezar sempre com ferv r.
A conclusdo nao me parece exacta ; as-
seuta em uma comparagdo inaceitavel. Se
osque vdo djigreja sj aquelles que vioou
foram d escola, de certo que ndo se pode
affirmar qual deltas foi a que mais benefica
influencia exerceu sobre o ammo do homem.
Foi por ir d igreja ou d escola que a alma
inclinou so para o bem? Gomo dividir ?
Dos que ndo vdo d escola, mas frequentam a
igreja, quanto os que melhoram de condi-
gdo ? Eis o ponto ndo averiguado.
Pode-se entretanto assererar que a reli-
gido que e, em suaessencia, como diz Ben-
jamin Constant, a corapanheira fiel, a en-
genhosa e infatigavel amiga do infortunio,
ndo opera sendo bene&camenle sobre a al-
ma, inspirando sentimentos que fortalecem
ospreceitos da moral. 0 numero dos que a-
proveitam com a emogdo que produz a con-
templagdo do que estd aciraa de nos, ndo
pode ser diminuto.
Sei que a igreja ndo corrige inteiramente
as ruins paixOes ; mas o mesrao succede
com a escola.
A conclusdo que tenho por acertada e a
de um illustrado escriptor francez, de que
a igreja e a escola sdo iguaimente necessa-
rias, de que nagoes ndo podem prescindir
de uma nem de outra.
0 que coo vem apartar dosentimento re-
ligioso, para que ete Sfja sempre objeclo
de particular veneragio e de estremecido
amor, 6 o desejo de persegaigdo.
Se ha nas sociedades modernas, um prin-
cipio fundamental e* o da liberdade de cons-
ciencia, a favor do qual ergaeu sua voz au-
torisada, [pouco antes de sumir-se na re-
giao dos tumulos, um grande talento recen-
temente arrebatado ao mundo, Guizot.
As crengas intimas e profundas qoe se
arraigam n'alma escapam d acgdo coercetiva
dw leis.
Nao se pode penetrar no seio recondilo
da consciencia para arrancar crengas ou im-
pol-a violentamente.
Baldados seriam os esforgos empregados.
Serviria-m apenas para abrir espago & hypo-
crisia, seado provoeassem a resistencia,
Nao : deixemos o que se rpfugia n soli--
ddo da vrda interior d apreeiagdo de su-
premo juiz.
Vele o homem sobre os actos exterieres
que interessam d sociedade. E ndo 6 pe-
quena, nem facil a su*tarefa.
Entre nds estd suffieientemente garantido
o grande principio da liberdade- de cone-
ciencia. E' esse mais um beneficio que de*-
vemos ao legislador constituinte.
Elle escreven na lei fundamental estas pa-
lavras, que devemos ter sempre presentes :
Ning.uem pode ser perseido pot motivo
de religido. E* este o direito fornalmente
garantido. Para ser efficava garantte-, cum-
pre resalvar o direito dos outros, ec*inte-
resses da sociedade ligados d moral- publi-
ca. Por isso o legislador constitucional ac-
crescentou..... tuna vez qpe respeite a- re-
ligido do Estado- e nao ofJ'endU a metal pu-
biica.
Tenho sempre prazer era repetir aedispo-
sigoesde nossa constituigdo que trasem o
cunho da sabedoria. E' am tributo que
pago reverente & geragdo que dirigio a fun-
dacdo de nossa Dacionalidade. Record an
do seus servigos eminentes, a presents- gera-
cao sente a necessidade deacompanbar as
nobres aspiragoes- daquelles- que deixaram
em sua passagem sulcos luminosos. E'
um patriotico impulso que excita omae-
mulagao digna.
As sociedades- ndo progtidem sera, que as
geragoes que se succedem na arena da vida
se empenbem em preparar melhor fuluro.
A heranga que recebemos devemos trans-
mittil-a accreseentada a nossos viodouros.
Ai daquelles que cansam I
0 cansago bo homem e- e inercb.
0 cansago nas nagoes & a decadeiicia.
Senhores.Ndo se poMeolhar tranquilla-
mente para o futuro sem dirigir coavenien-
temente a mocidade. 0> menino de hoje e
,.""* ^amos, disse, ainda so podetirarpar-
tido d isto que me resta ... Sim, d'esta mal^
posso invocar um genio nao raenos poderoso
A flCrque desabrocha vigprosa promstter Quo o das mile uma noites, ogen'odavin'
encher a atmosphera deagradaveis eflluvios ganga. .. e tiiv^z tambem o da riqueza. ..
ra manhd seguinte. E e" de ineffavel satis- Quem sabe ? principiemos agora pelo outro.n
jagdo para o jardineiro rer coroados os seus Podendo ver see conteddo da null, se-
Iboriosos e perseverantes esforgos.
N6s sornos os operarios do pre.sento e te-
mos dupla tarefa; veneer nsdifBculdades de
hoje e accuraular alguma
nbd.
cousa para ama-
E' um bom christdo o tal Cabegudo^
disse o padre procurando dissimular a sua
preoccupagdo.
E' um bichoda igreja, disse com des-
dera Bizarro, manhoso e astuto, homem de
punhos e de brio, apezar de o ndo dar a co-
nhecer, capaz de tudo e com as entranhas
de um lobo. Ganha a vida pela sua hypo-
crisia, e ninguem d quem se dissesse quem
elle e, o acreditaria, era vista do seu aspec-
to. Vae pela rua com ar hurailde e os
olios no chdo ; se esbarram nelle, afasta-se ;
se o pizam, Ddo diz nada; se lhe dirigem
alguma insolencia, tolera-a ; porem livre-
nos Deus de o encontrar d meia noite n'al-
guraa viella escara, porque se alguem o en-
carregou de vos esperar, pode muito bem
succeder que ndo vos dd tempo para con-
tar o que se passou.
Ora essa I disse o capucho.
Atira-as tdo certeiras, que ndo tern
medo de que o morto 'falle ; e e tal a fama
que desfructa de beato e de homem pobre
e hurailde, que, se alguem o^accusasse de
assassino, todos tomariam o accusador por
louco. Fiquei-o conhecendo quando segui
certa D. Esperanga de Ayala, que viva na
casa fechada da Puerta de Moros.
E porque seguistes essa D. Esperan-
ga ? disse o guardido affectando a maior
naturalidade.
Por incumbencia d'uma pessoa d
quem se ndo podia negar cousa alguma ;
e, para que ndo supponbaes que eu ando
meltido em rarfs emprezas, sabei que a in-
cumbencia era de uma mulher ; mas... que
importa... quem me tinha mandado espiar
a casa fechada, e apparentemente deshabi-
tadade Puerta de Moros pelo lado do jar-
dim era a princeza dos Ursinos.
IV
Ao chegar & este ponto parou eapeou se.
0 que fareis T disse o capucho com
algum receio.
Nada, padre guardido, respondeu Bi-
zarro. Estao ainda aqui os arreios do ca-
vallo em que fugi, e Iembra-mu agora, o
que ndo rae lerabrou ao duixa-los, isto e,
que podem servir d'alguraa cousa as pisto-
las qua ha no argdo, Vejamos se os senho-
res guardas anda.n prevonidos como de-
vem.
E Bizarro tirou as varetas, e vio com el-
las se as pistolas estavam carregadas com
bala.
Tornou a pflr as varetas m seu !ogir,
A nossa experiencia dove facilitaa tar e
fa dos que nos succedem.
Para consegui-lo, convem ndo desprendor
as vistas "da mocidade. Aos veteranos cabe
o sagrado encargo de doutrinar os recrutas
nas leis do brio e da honra. Apagai nelles
o sentimento do dever, e tereis levado a
pusilanimidade ds fileiras dos combaten-
tes.
0 exercito civil, se assim pjsso exprimir-
me, serd bravo e denodado, ndo saberd
voltar r.ostas ao perigo, e, se liver de suc-
cumbir, cahird glorioamente, se os edu-
cadores lhe tiverera radicado n'alma os
solidos principles do bem e da jusliga
Entre os primeiros educadores estdo os
pais. A melindrosa incumbencia recahe,
na priineira infencia, principalmcnte sobre
as mas.
Todos cooperam para a obra regenerado-
ra da melbor educagdo da mocidade.
Quem se furta a este dever santo ndo preen-
che satisfactoriamente o seu destino.
A educagdo e uma tarefa compleia, um
macbinismo harmonko, mas complicado.
Toilas as pegas devem irabalhar concurren-
lemente, Se uma falba, difficulta-se a ac-
gdo das ontras.
loda a attengdo que dispensarmos i edu-
cagdo da mocidade ndo serdisuperflua.
Neahuma gloria pode ser maior para o
pai do que deraar filhos que, perpetuawdo-
Ihe o nome, o recommenden* por feitos me-
moraveis de saber e de virtude).
Esta jdoria eu? desejo par* v63, senho-
res. Ella deleita e> espirito com as doces-
eonsolagies que produz o cumprimento de
arduos deveres. ERa torna serenos os ulti-
mos dias da existenci, e dispdea'alraa pa-
ra guard ar com tranqpillidade e seu final
destino.
Essa berawenturanga eu a desejo a to-
dos-.
O armario de Carvalfco
CONrC" DE CARLOS' DICKENS-
A pecifica villa de AbbeyJands ia entregar-
se ao somno. Mais de um larapeido das suas
antigas ruas se tinha apagado, e osdemais
seguiana successtvaraente este exemplo, a
irisco de denuneiarem, perante o conselho
municipal, o foroecedor do- azuto para a
iillurainaedo. Os logistas de rua Maior fe-
ehuvam apre&sadamente as portas, porque a
ehuva, cabindo a termites, ndo Ihes consentia
esperar qoe algum freguez mais demorado
se atrevesse a correr por ba>so das biquei-
ras....
As ventoinhas dos rematedas chamines
gyravam hnpetuosae ao capriobo do vento.
Or agentes-de policia, encarregados da segu-
ranca pubUcaj tinbam ido deitar-se, persua-
didos de que, n'uma noite seoielhanlei os
ladroes, se os havia- na povoagao, nao se
atreveriam a-sair des-seus eseondrijos com
reeeio de se constiparem. Oeirargiao. t
votio da vUita a um-doente dos arredores,
raettia o cavallo na- cocbeira e tenciooava
deixar raorrer os demais paeientes sem sua
liaeoga, se nao podessem esperar ate nO' dia
seguinte de manhd para fazenm a sua- via-
gem ao outro< mundo.
Era cerca> das des; e dir-se hia que era
meia noite, tdo solitarias esta>vam as pragas e
as- ruas. Mas na bospedana- dos Tres Bor-
rachos ninguem parocia disposto a entregar
se-ao somno. Todas as salas estavam cheias,
e os mocos corriam de uma bands, para
outra, levando nas bandejps substanciosas
eeias, chde,. licores> cbarutos, etc. S6 um
viajante, ainda rapaz, se ret>rara para o seu
aposento, e, de pe, com os-bragos cruzados
sobre o peito, eon tempi a va o coatcudo da-l
uma mala que acabava de abrir.
guraroente haveriamos pensado que seu dono
o mais que teria a fazer seria leval a d casa
do um adello, porque consistia om fatos, que
pnla forma eenfoite da maior parti d'elles,
pertenciara a*s modas de outro seculo, excep
tuando um ou dous vestidos de mulher
mas quo poJ'a fazer co n um vestido de mu
Iher aquelle rapaz cuja imagiaagdo se exal-
tava tanto diante do guarda-roupa estram-
bolico? Niose estava em carnaval....
Chi-te I... dd dez horas o relogio, dis-
se de repente. E' preciso apressar-me,
ndo feche a loja o maldito do velho.
Dizendo isto, abotuou a sjbrecasica,
deitou pelos hombros um capote de caga,
desceu, chegou d porta, segu-o a rua Maior
ate dous ter^os da sua extensdo, entrou
por uma travessa, e parou diante de uma
loja.
Esta era talvez a unica que estava ainda
aberta em todo o povoado. Atravez dos
Vidros do mostrador, viam-se as mais di-
versas cousas; moveis, livros, binoculos,
objectos de prata, relogios-, ferro velho e
arttgos de loucador. A maior parte d'estes
objectos tinbam um letreiro que indicava o
prego. Por traz d um mostrador armado,
estava um bomem com a penna mettida
atraz da orelba, como o contacfor que in-
terrompe uma operagao ;matbenatica para
espivitara luz ; porqoe no meio de todas
aquellas riqueza*, o bomera do mostrador
aliumiava-se econoiiicamente com uma
prosaica vela de sebo, eollocada n> garga-
lo de uma garrafa vazie.
Tambem elle, assim como o rapaz da
beepedaria, distrabia a sua soledade com
um mouologo-, ou um desses dialogo* era
que uma pessoo so faz- as perguntas e dd- as
respostas.
Diz-se e cura razao,- que ha ura mi-
lbao em dous tustOes, como n'u.n grao-de
trigo_ be toda uma colheiter para encher am
icelleiro> o segredo consrste em empregar
bem os- dous tustces e semear o grdo de
itrigo era boa terra. Aintellig*nc;a e a ecs>
nomia dao valor aos zeros, pondo os em se^
guida ao algarismo ; a loucura e a prodi-
galidade pde o algarismo em- seguida aos-
zeros-. EUa semana foi excelleute. As du-
zentas- librae esterlinas- que me- emprestoi*
Thomaz Evans, ha dez- annos, teem produ-
zido bem. G pateta perdeu a minbalettra ;
nao era de esperar outra cousa da sua ne-
gligencia habitual. Tambem teria perdido
o dinheiru, se se bouvesse apresentado ao
vencimento, em vez de morrer deixando a
berauga ao tillio Jorge, mais gastador ainda
doqu-i elle. Greio verdadeiramente que
Thomaz Evans- leve tengao de rae deixar
este legado, por raais qjie o rapaz.- ji me
escsevesse alguma vez para reclamar as
suas duzentas libras esterlinas, pretendendo
que- eu ndo as paga'ra a seu paiSe-
nbcrmeu, respondi, apresente-se-mealettra,
e nao negareia rainba assignatura ;.nao in-
voeo prescripgdo ; sou solvente, amigo;
venaa vossemece pruprioy.se nao tem eon-
fiaKga no seu agente de negocios. Ah 1
sim, mas o rapaz antes quiz correr mundo
mm mi ucirix Jr obo doa seus clnj-
daes- na America, d'onde espero quo ndo
vokaxd. Dizem que tambem elle- sa fez
coraediante... Coniediaate !... queothea-
tro lhe devolva o que lho custou I 0 nos-
so ministro, o reverendo Sr. Mac Holy, ndo
ha muito que-ebamou at> theatro a escola
de Satanaz. Se Thomaz Evans ti vesse ima-
ginado que o filho acabaria a educagdo
nessa escola, ter-me-hia legado nao s6 a
lettra das duzentas libras esterlinas, sendo
tambem oescasso peculio de que seu filho
acaba do fazer tdo pur.ivel uso. Comer a
heranga de Tbomaz Evans com uma actriz,
e acabarpor subir elle tambem no.palco I...
0 rapaz estd perdido. Ndo serei eu que
vd vel-aropresentar, ainda queraemandas-
se um bilhete de graga I
0 Sr.. Benson, o orador deste soliloquio.
que exercia duple commercio, como
dor de objectos em segunda maoe de
tamista sobre peuhores, era talvez tio in
grato com o theatro, como com o sea df-
fonto e amigo Thomaz Evans, porque uma
parte dos objectos que lhe ochiam a loja
provinba desses pobre* corned iantas aos
quaes fazia dis;ipufos de Satanaz, e tinaa os
ad-;uirido receutdraente pela terga parta do
seu valor, por causa da quebra do director
do theatro do Abbeylands. A sua ultima
phrase, pronunciada com o torn de d<>vot<>
sectario do reverendo Sr. Mac-Holy, |Kde-
ria ser nuvida pelo rapaz da bespedaria do-
Tres Uorrachos, que depois da haver laoga-
do investigador olhar atravez da vidraga.
entrava n'aquelle insUnte na loja.
Sou um seu criado, disse ao Sr. leo-
son ; muito me aJmira que nio fecliassr
ainda a loja. Veobo tralir comsigo d'am
pequeno negocio
abrio uma depois da outra as cassoletas, xio
que a escorva estava em ordem e, depois de
as t'echar, metteu as pistolas por baixo do
babito, no corddo de S. Francisco que- lhe
cingia a cintura.
Saltou outra vez para cima do macho e
o frade e o cigauo pozerara-se novaraente d
caminho.
V
Como vos dizia, padre Jose, volveu
Bizarro proseguindo a sua narragao, seguin-
do a dama da casa de Puerta de Moros, sera
que ella desse por isso, conhe-i Lucas Ca-
begudo ; vi nelle alguma cousa que me pa-
receu suspeito; metti-me na sua vida, sera
que pessoa alguma podesse dar]por isso, e,
tanto o observei, que o flquei sabendo d
fundo. Quando a dama estava na igreja,
e jd noite fechada, costuraava reieber uma
carta e dar outra ao Sr. Lucas Cabegudo,
que estava longe deiraaginar de que uma
pessoa da confianga da princeza dos Ursi-
nos observava aquelle raanejo. Por esse
tempo, isto e, no anno passado, el-rei de
Franga chamou a princeza, a qual sera lhe
darem tempo para se Jespedir da rainha, se
vio obrigada a aban Jonar a cdrte afim de
ir para Tolosa. Duraute algum tempo, e
em quanto a princeza esteve proximo da
fronteira, levei-lhe eu cartas iraportantes da
rainha, e vice-versa trouxe eu d rainha car-
tas iraportantes da princeza. Em seguida,
quando a princeza foi para Paris, eu para
contiuuarja servir el-rei, porque, servindo-o,
servia a princeza, passei para Portugal, on-
de el-rei andava em campanha contra o ar-
cbiduque e os seus alliados os portuguezes ;
4'i por este tempo estava eu esquecido do tal
jucas Cabegudo, quando o vi ura dia com
o disfarce de mercador a nbulante sahir da
tenda do archiJujue. Corabinando isto
cora a incumbencia que me havia dado a
princeza de observar D. Esperanga e com
o conhecimento entre esta e Lucas Cabegu-
do, metteu-se-me em cabega que havia al-
guma cousa entre D. Esperanga eo archi-
duque, como esta noite, quando soube que
tiubeis ido ajudar a morrer o velbo mar
quez de Castroviejo, se rae metteu era cabe-
ga'que existe alguma cousa decorarauraen
tre o arcbiduque, D. Esperanga e v6s, pa-
dre guardido.
Oecorrerara-vos cousas muito singu-
lares, Bizarro, disse o padre cora um torn
entre a irdnia e a ameaga.
Cont:nuerao3 com o Sr. Lacas Cibe-
Vossemece tem um relogio mm
alguns dobroes de meoos. nio e isso ? per
guntou o Sr. Benson abrindo urai pequena
gaveta.
Ndo, amigo, ndo trabo d-jus relo-
gios nem um quanto aos dobroes, teab/)
felizmente ainda bastaotes pan lhe poder
comprar um trasle que vi esta matin* ao
passar por diante da loja I um pequano
armario com suas gavetas ; creio que r. de
carvalho .. Ah F justamente, ella aqui.
Queira deseulpar, volveu o Sr. Ben
sonf veirio que julgara inal o seu fr-sguez,
que para fazer uma compra chegava a um;-
hora tdo irregular. Queira deicolpa .
se o armario lhe eonvwn estd psn j
d sua disposigdo... Eflectivameate, e um
trastesiuao bem boniso... a de carva-
lho, e.., carvalho de primeira qoali-
dade, com juasgavetinhas d'uma utilidadf
e d'um adorno incontestaveis. Este irm
rio sabio-me bem carinho no leilio do ar-
rendatario Merry wood, que asorrea eoitado.
a semana passeda. Mas contentar me-bei
com um pequeno lucro ainda qoe estes
trastes antigos tcrnem agora a- estar de inc-
da. 0 arrendatkrio Merryweod dtaia que
sua lamilia possuia isto bavia pelos asenos
dous seculos. Posso dar-lh'o- por doss li-
bras.
Eu ndo me do* por confaecedor de
moveis-antigos ; tsnho porem uma far a
quem ne parece que este ha da agradar, e
e umpreseote que lhe quero later, para
complemento da doss* m-.bilia. Rao refs
tearei; aqoi estdo av duas libras esterlinas
Pdgo de sontado cora duas condigoes s a
primeira,.que serd levado esta mesma nw>-
sem mais despeza, e qpe sa por acaso iai-
nba tia nao-gostar delie, o Sr. sa'a-trocir
por outro objecto ainanbft de manha, case
era que as despezas da volte fleam* a met-
oargo.
Bem, com muito fosto, di9* o-Sr
Benson, qua esperava tar de abaixarslgun-
tustoes, pelo raenos; mas come pec
raandar-lb'o esta noite ?
Isso nio in)porta, replicou o coara-
dor, desejo taabera um recth) dod naeiro
e n'esse recibo me fard o favor da iteclarar
que rae vendaomovel com toda quanta coo -
ti .er, porque-as vezes encoatra-sa uma riqae-
za itestes velhos cofres, acresceotou s->rnado.
Do poltronas tenho out ido fallar, qua seas
denos almofadavam com bastes masjps de
notes do banco.
Ob I arrisco a troca sem medc, disse
o Sr. Bensoo, escrevendoo recibo... e
quanto ao transports... o armario naa e
muito pesado... eu me enaarrag de. Para
onde se ha d leval-o ?
Para casa da Sra. Trumao, roa dr
Salisbury, n. 1, no arrabalde. Nao e msi-
to bonito o bairro, xaas vive-se ooda se
pode, quando as casas estao caras.
E' uma rua muito oscura a qoa nsV-
goza ile boi.s creditos, disse o prattaatis-
te. Ndo poderia esperar ate amanhi de raa-
nbd? Estou. so era rainha casa com uma
criada, e como a esta bora nao ea-
contrarei nenhum raogo nos seus possas,
ndo quero occulter-lbe-que me verei obnga
do a levar eu proprio o arm trio. Ha vin
,te annos roubaram e assassinaram um bo
mem nessa rua.
gudo, disse Bizarro^ seguio de longe, sabi
atrdsdelle do acampamento austro-luso-brl
tannico, e, quando nos achdmoslonge do a-
carapamento, d ses, caminho da Beira, a-
vancei, cheguei-raea. elle, ek pondo lhe uma
pistola d dous dedos da fronte, disse-lhe :
dae-me os papeis que levaes, ou mato-vos.
0 singular e quo Bizarro se aproxtmdra
repentinaaente do guardido, e poaera-lhe
d dous dedos dos olhos uma pistola.
E' d mini que vos dirigis ? disse o
guardido cora uma serenidade heroica.
Os papeis que levaes ou mato-vos.
Ndo fagaes ura meviraento. Tomae cuida-
do em que ao metier a mdo no babito, ndo
tireis outra cousa que ndo sejam papeis.
Vede que estou desesperado, que preciso
muito da protecgdo da princeza, que esta-
mos sos, e pouco rae importa um morto de
mais ou de menos.
Ndo tenho armas commigo, disse o
guardido, nem estou tdo pouco resolvido a
servir o archiduque, que me importe muito
conBar-vos o que o marquez de Castroviejo
me conliou.
Fareis bem decidindo-vos por el-rei
nosso senhor, disse Bizarro baixando a pis-
tola ; ainda queos negocios correm de tal
maneira que ndo parece sendo que vae tu-
do com osderaonios, pois que os inglezes
e hollandezes occupara raetade da Hespanha
por conti do archiduque, Gibraltar estd per-
dido, Portugal ameagador, e o rei de Fran-
ga estd jdum pouco cansado, eu vos asse-
guro que a princeza dos Ursinos obrard de
modo que as cousas hdo de mudar cedo.
Dae-me, pois, esses papeis, efolgo muito de
que nao me opponhaes a resistencia, por-
que desejo continuar a ser vosso amigo e
que a princeza tambem continue a s6-lo.
Tomae, pois, disse o guardido, mas
jd que isto acaba pacificamente, ndo digaes
d princeza que m'os exigistes. Dizei-lhe
que Ih'os remetto por vossa mdo.
E o guardido puchou um papel fecbado e
entregou-o d Bizarro,
Com a mesma mansidao me deu ou-
tro papel dobrado e fechado 0 Lucas Cabe-
gudo no caminho da Beira. Como eu para
me retirar de Madrid desmanchei co npleta-
mento a minh3 casa, trouxe commigo esse
papel que teria entregado d princeza se ndo
me tivesse succodido a sangrenta aventura
com os guardas de el-rei. Parnce-me que
bem depressa haveis de estiraar que vos o-
brigasse 8 entregar-me este papel. Serei
leal comvosco ; a priaceza nao saberd qg*
hesitaveis entre o servico d*el rei e o ii
arcbiduque, e esparo que, em raxio da vos
sa propria couveniencia, tamben sereis teJ
commigo, e agora que me podeis amparar
ndo vos recusareis a faze-lo.
Jd que as cousas chegaram d este pe
ndo falleraos mais nisso. Mo dez boras da
n jite, e, se esporearmos os machos, qoasio
bons, poderemos estar era Madrid, no ao-
so convento, as seis da manha.
I'm pouco mais tarde, um poun,
raais tarde, padre; porque tenho que tm
deter em Taracena, onde deixei as prend i-
da minba alma.
E se vos conhecerem, Bizarro ?
Indo na vossa corapanhia, de babito
e capuz calado, por certo que nio ma co
nbecem. Demais, mal me viram, porqu*-
passei como um relampago. Pararemos aa
mesma estalagem onde se deu o successo, a
informar nos beraos. Sei como hei de por-
guntar para que ndo suspeitem de mim. J i
estaraos na estrada real, bem depressa, dec
tro de meia hora, no passo em que varaos.
estaremos em Taracena.
Uma pergunta, Bizarro; desde qui
por vos conhecor, conhego a vossa familia.
tenho tido e ainda tenho uma duvida.
Qual e, padre ?
Maria de la Agucena e vossa ulhi V
Ndo serd para adrairar que tenbamos aqu
outro segredo.
Nunca vistes, padre guardiao, ciga
nas caras e louras T volveu Bizarro cossx
quem respoodia com alguma violencia i
pergunta do frade.
Claras e louras de certo, muito clsra-
muito louras, mas sempre cisjanas."
E' o que tendes visto em Agucena qu<
ndo seja de cigana ?
Vejo que vos incommoda a cooverw.
Bizarro ; o que me demonstra que Agucena
eum mysterio. Nio fallemos mais nisso.
Dizeis bem, padre, e como por agora
ndo temos cousa itnportante de qua fallar,
e estou em ancias por ndo saber o que foi
feito de minba familia, tanto que se oao
fosse preciso nio teria proferido uma pala-
vra, calemo-nos que e o melhor.
tContinuar-se-ka.)


?
i o
WAi\.o.'.-MUa"i"OflUK ua CAXJa>!
-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHV31MXKS_GNP4OC INGEST_TIME 2014-05-27T23:50:15Z PACKAGE AA00011611_17671
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES