Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17670


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-4
/ .-
Ai\i\0 L. AIUHEBO 286
FAR A A CAPITAL B LDOlBES 0\DG NlO SB PAGJA POBTB.
For tres mezes adiantados. ........... 69000
Por seis ditos idem..................12JK)00
Por urn anno idem..................349000
Cada namero avuiso................. JS320
ft in. (ierarso Antonio Ahes A Filbos.no Part; Gon$alYea d Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose" de Obreira & Filho, no Ceari; Ant
Pereira d'Almeida, em Mamangnape ; Carlos Aaxencio Monteiro da Franca. Ba Parahyba ; Antonio Joae" Gomes, na Villa
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna : JoJo Antonio Machaeo, no Pilar das Alago
IHSISUCCAO PflPULiS
Elcuicntos dc pliyslcu
LIVRO TLRCEIRO
Gases
CAPITULO II
MEDIDA DA FORCA KHSTICA DOS GAZ S.
I,i He Muriiiiii' sobre a eomprei-
stbllidade dos gazes. Ja vimoi que o
caracter distinc'.ivo do ar e da Indoa os gaZM 6 saa
grande compressibilidade e sua perfcita elastiei
dade Rasta-no* m.ostrar a lei que regula a com-
pressibilidade dos gazes, isto e, em que relacao
augment* ou diminue o vjlume de am gaz, a me-
dida que se faz variar a pressao que eile sup-
porta.
O abada Mariotte, physieo francez, inorto em
Paris em 468i. foi o descubridor desia lei : snb
u mesma tempera)ura.os volumes dos gizes whio
entre si n support am ; isto e, toroaodo-se a pressao suppor-
tada por uraa massa gazosa dua>, tres, quatro ve-
189 maior, o volume respective do gaz toroa-se
duas, tres, quatro vazes menor; e, pelo contrario,
tornando-3} a pr ssao duas, tres, quatro vezes ma-
nor, o gaz, em virtuda da sua forca expausiva,
toma um volama daplo, triplo, quadruple do que
t:uha de antes.
Para lem-mit'ar essa lei, Minolta servio-se de
urn apparelb couheeido pelo nome de tubo de
Manotle, e qu a seraelhan;a dos barometros de
svpbao, compfte-se urn tubo recurvado em dons
ramosum menor e outro maior, diffsnndo do
lubo do barometro em ser feshado o ramo menor,
no eulanto que o maior 6 aberto. Ao longo do
maior ramo corre ami oscala oividida em centi-
metros e destiuada a medir a allura do msreurio
que s deita nesse ramo. Ao longu do pequeno ra-
mo, a a esquerda, tambem corre ama escala, que
serve para iidicar capacidades igua s nesse ra-
ino, em numero de dez. Finalmente tem-se o
cui'dado de fazer earn que os zeros das Juas esca-
las se eorrespondam.
Isto posto, Will I an por deitar um pouco de
rnereurio do tab), polo alto do graode ramo, de
modoque o nivel ?eja o mesmo em ambos os ra-
mos e corr-sponda aos zero> das du:is esealas.
Nesse eslado, a paqueoa massa de ar eneerrada
no pequeno ramo recebe por iutermedio do mer
curio, a pressao da athmosp era que se exerce no
grande tubo; e visio que o nivel e o mesmo nos
0008 ramos, claro e que essa pejueua massa de ar
acba-se exactamente sob a pressao de uma at-
raosphera.
Mas, se, pouco a pouco, deita-se mercuric do
grande ramo. o ar cada vez vai sando mais eora*
primido e seu volume vai sempre decrescendo.
Se se conliaua a deitar o mercurio no ramo maior
ate que o volume do ar contido no menir fique
reduiido a metade da que era a principio, e se
anos se mede a columua de mercurio do ramo
raaier, isto e,a differenca do nivel cntre as colum
nas dos dous ramos, aenase que ella tern precisa-
mente a mesma altura que tinha o barometro no
ome^o da op^racao.
A pressao q'ie essa colamna de mercurio exer
ca sobre o ir cootiJo no pequ>mo ramo equlvale,
pois.auma atmospuera ; e como essa columna
^upporta no seu alt i o peso da atraosphera, da-
hi se conclue que. do unraento em que o volu-
me de ardo pequen> ramo se reduz a metade do
que era a prinsipio, pressao que ellesupporta e
de duas atmosphwas, istu e. dupla da pressao que
ell supportava a prn:ipio.
Seraelhantemmie se verifies que, para umi
pressao da tres, qualro, cmco atmosptieras, o
volume torna-se trs, quatro, cinco vezss manor,
? assim por diant9 : o que deraonstra a lei de
Martotte.
Na experincia supra o gaz e subrnettido a pres
sdas supenores a de nma atraosphari ; mas lain-
toem se verifica a lei de Mariolta pa- a pressoas me-
nores. Para esse iim emprega se uma cuba pro-
funda, que cousiste n'um bocal em (orma de cali
ce tendo adaptado na ba3C um longo e grosso tubo
deTidro.
EUaudo essa cuba cheia da mercurio, ahi se
introduz pelo seu lado aberto um tubo de barome
tro graduado, e cheio de mercurio ate duas ter-
ras paries e tendo o resto cbeio de a'.fllntrodu-
zido o tubo barometrico na cuba, ate que o nivel
dentro e for* delle, seja o mesmo, caso em que o
volume da ar do tubo barometrico supporta a
pressao de nma aimosphera. mede se esse volu
rae pela graduacao. Suppoohamos que esse vo-
lume corresponde a quarenta divisoes do tubo.
Feito isto, levantase com cuidado e de vagar o
tubo, ate que o volume de ar seja duplo, isto e,
occupe oitauta divisoes do tubo. Neste caso ob
serva-se qua. a medidaque selevanta o tubo, ele-
vase no seu interior uma columna de mercurio,
que apeoas se det6m o tnbo na 80* divisao, para
de subir ; o que provem de que, diminuindo a
forca elastica do gaz a medida que augmenta o
volume, a pressao atmospberica exterior, com-
primiudo o mercurio da cuba, obriga-o a elevar-
se para fazer o equilibrio entre as duas pressoes
interior e exterior.
Medindo se a columna de mercurio do interior
do tubo barometrico, acha-se, nesse caso, qua ella
tern exactamente metade da altura do barometro
no instante da experiencia. De onde se conclue
que, havendo equilibrio entre a pressao atmos-
pberica, exterior ao tubo, e a columna de mercu-
rio, contida no mesmo tubo, com o accrescimo da
pressao exercida do alto do tubo pelo gaz nelle
contido, esta pressao 6 forcosamente igual a meia
aimosphera, por isso que a columna de mercurio
tern metade da altnra barometriea. Por conse-
quencia flea evidente que, passando o ar da pres
sao atmospher.ca a nma presiao duas vtzes me-
nor, o seu volume toroa-se duas vezes maior ; e
aisim por diaote.
Mariotta deu a saa lei como geral, isto c-, appli
cavel a todos os gazes e a todas as pressdas; mas
atgunt physic >s veriflcaram depois que to Jo < os
gazes nao sao igualmente c^mpiessiveis, e que pa-
ra os gazes nao permanent?!, a lei de Mariotte se
verifica tanto menos rigorosaraente quauto esses
gazss mais se aproximam da pressao sob a qual
elles se liqnefazem.
Todavia, sando mnito pequena differenca de
compressibilidada eut*e os gazes, pode-se admit-
tir para todos a lei de Mariotte eonu mnito apro-
ximada.
Para con o ar ella foi veriOcada ate a pressao
de vinte e sete atmospheras, por Dnlong e Arago.
Da lei de Mariotte tira-se a seguinte consequen-
oia : para nm mesmo gaz a densidade cresce pro
porcionalmeote a pressao.
(Continuar-uka.)
PARTE omClAl,
Coverno da provlocia.
UPBDintTB do du 88 dk agosto de 1874.
i." aeceao.
Aotos:
0 presidente da proviocia, attendendo ao que
queren Jose Lopes Davim, resolve concede:-lhe
licenra para ir ao presidio de Fernando da Noro-
Bba, do primeiro vapor que para alii seguir, e le
Ivar comsigo os generos con-tantas da relacao jun-
u, assigu.->da pelo secretario da presldeoeia, OS
piai-s uao poderao ser desembarcados sem qua
por pane do comntandante ilaquell? presidio se
proenda a exame, aftm de se venficar se ba aguar-
deute ou outra qu. Iquer beiiida espirituosa.
0 presidente da provin-ia, altendeDdo ao que
irequereu Aulooio Bao, resolve couceder-lhe licen-
i; i para emt'arcar com destmo ao presidio de Fer-
nando da Npronha, os geoeros coostantes da rela-
cao juuti, assiguada pelo tacretario da prVsidea-
cia, os quaes oao pod-rao ser de>embarcalos sem
que por p.irte do commandante daqualle presidio
se proceda a exame, afltn da se venticar se exi>te
aguardanta ou outra qualquer bebida espiri'.uusa.
Oflicios :
Ao F.xm. brigadeiro commandante das ar.
nias A' vista do que expoe o director iuterino
do arsenal de guerra, no olllcio juuto por copia,
datado de hontem, sob d. 692, relativ-imenti aos
mancebos addidos a c impanuia de operarios mill-
lares, Man da Albuquerque, sirvase V. Bxc de mandal-os
sujeilar a oova iaspecyao de saude, como propoe^o
mesmo director.
Ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar
por em liberiade o recruta Argemiro Soares da
Siva, que provou isencao legal.
Ao mesmo. Tomando em consideracao o
qae represenlou o eommaadaate da compaohia de
eavailaria no offlcio anoexo ao de V. Exc, de 22
do corrente, sob n. 6i7, acerca da ma qualidade
dos cotnuruos fornecidos ultimamente a referida
eompaohia pelo arNnal de guerra. e teodo em vis
ta a informacao junta por copia, do respectivo di
rector, delermiuo nesta data qua em vez de um
sejam fornecidos doni pares do raesmos cothur-
nos a cada pra^a, conforme ja foi determinado pe-
lo Exm. Sr. minislro da guerra em aviso de 14 de
julbo do anno passado ; o que declaro a V. Exc.
em re-posta ao citado offlcio.
Ao director do arsenal de guerr?. Era ad-
dilameoto ao men offlcio de 29 de julho ultimo,
mande Vmc. foroecer ao commissario de policia do
municipio de Santo Antau, Antonio Fioriauo de
Mello, ou a quem se mostrar por elle devidameote
auloruado, as 10 annas complatas com todos os
seus accessories, podeodo ellas ser de qualquer
adarme, e bejj assim 2 roacos de cartuchos em-
bala os com espoletas em numero sufflcisDte.
Ao mesiHO. Tindo em vista a sua informa-
cao de hojtem oatada, sob u. 691, dada com refa-
rencia a representacao do capitio commandante d?
companbia de eavailaria acerca da ma qualidade
dos cotburuos tiltimameote fornecidos por esse ar-
senal a referida companbia, autoriso Vmc. dos
tennos do aviso do mioisterio da guerra, de li de
julho do auno pasMdo, a fazer eroelliante foroe-
cimeoto Da razio de dous pares em vezde um pa-
ra cada praca.
ao mesmo. Deferiodo o requerlmento de
Maria do Kjsario, autoriso Vmc, dos termos da
sua informacao de hootem datada, sob n. 690, a
man far ali.-t.r oa companbia de apraadizes arti-
fices o menor Jose, filbo da supplicaote.
Ao mesmo. Ao commissario de policia do
municipio de liarabe, Jjao Evaogelista de Souza,
ou a quem se mostrar por elie devidameote auto-
risaio, manda Vmc., ue conforraidada cam as or
dans auteriores, foroecer 34 pares de sapatos, 17
armas de qualquer adarme, ccmpletas com seus
accessorios, 3 macos de cartucbo; embalados, com
espoletas em Dumero suUkieote.
Ao mesmo. Ao commissario de policia dot
raunicipios de E3cada e Gamelleira, Thomaz Mo-
reira de Carvalho ou a quem por elle se mostrar
devidameote autonsado, "mande Vmc. foroecer 12
tercados com as competeDtes bainhas e ciuturoes.
~ Ao mesmo. Ao Dr. chefe de policia man-
de Vmc. fornecer, com destino ao delegado de po
licia do lermo de Ipojuca, 1 par de machos, 2 di-
tos, de algem.is, 1 cadeado, um cubo para agua e
outro para serventia dos presos.
Ao mesmo. Ao commissario de policia do
municipio de Goyanna, Sebastiao Mendes Bandei-
ra Gmmaraes, ou a quem por elle se mostrar de-
viJamante auiorisado, mande Vmc, de conforu.i-
dade com as ordens aotenores, fornecer 40 paras
de sapatos, 20 armas de qualquer adarme, com-
pletas, com seus accessorios, e 3 macos de cartu-
chos embalados, com espoletas e em uurnero sufll-
cieDle.
Ao mesmo. Maode Vmc. satisfazer o ioclu-
so pedido que faz o aiutoxarifd desse arsenal, de
54 cnapas para booets, destioados a compaobia ae
operarios militares.
Ao mesmo. AnouiDdo ao que propoe Vmc.
era seu offlcio de hootem dalado, sob d. 692, rela-
tivameote a conveniencia de serem os mancebos
Uanoel Alves Cardoso e Lauriano Francisco de Al-
buquerque submettidos a oova iospeccao, autori
so Vmc. a maodal os apresentar para aquelle fim
ao geoeral commaodaote das armas a quem me
dinjo neste sentido. Fica deste modo respondido
o seu citado offlcio.
Ao conselho de compras do arseoal de guer
ra. Proraova o conselbo de compras do arsenal
de guerra a satisfacao do incluso pedido que faz
o alinoxarife respectivo, de livros, mappas e outros
impressos destinados ao escriptorio do ajudante do
mesmo arsenal.
2.' secc-ao.
Actos :
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu o promoter publico da comarca de Bom
Conselho, bacharel Fiei Vieira de Torres Graogei-
ro, resolve cooceder lhe dons mezes de liceoca
com ordenado, para tratar de sua saude oode lhe
aprouver.
0 presideDle da proviocia, a vista da pro
pasta do Dr. chafe de policia era offlcio d. 1,071,
de hootem, resolve demjtiir do cargo de 3* sup
pleote do subdelegado da fregaezia do Bom Coo
selho, Narciso Carlos Soares Villela.
0 presidente da provincia, de conformidade
con a proposta do Dr. chefa de policia em offlcio
o. 1,071, de hontem, resolve nomear para o cargo
de 3" suppleute do subdelegado de policia da fre*
guezia do Bom Conselho a Pedro Cavalcanle de
Albuquerque Sobrinho.
0 presideote da proviDcia resolve coosiderar
sem effeito a portaria de 31 de julho qne oomeou
o sargeoto da guarda local dos muoicipios de Es-
cada e Gamelleira, Maooel J>aquim de Lima, pa-
ra o de Nazareth, por nao tar aceitado.
.0 presidente da provincia, autonsado pela
lei n. 1,130, de 30 de abnl do corrente anno,
resolve nomear sargento da guarda loeal do mu-
nicipio de Nazareth a Joaquim Jose da Costa.
Offlcios:
Ao commandante do corpo de pelicia.
Ao commissario do municipio de Itambe, Joao
Evaogelista de Souza, ou a quem se mostrar por
este devidamente habilitado, maode Vmc. foroecer
fardaraento, excepto caljado e gravata, para 17
pracas, corresporideDte a um anno, de conformi-
dade com a respe:tiva tabella.
Ao mesmo. Ao commissario de policia
do municipio de Goyanna, Sebastiao Mendes Ban-
deira Guimaraes, ua a quem se mostrar por elle
deVidamente autorisado, mande Vmc. fornecer
fardamento, excepto calcado e gravata, para SO
pracas, corre soon dente a um anno, de conformi-
dade com a respectiva tabella.
'T"+X
TERCA FEIRA IS DE DEZEMBRO DE 1874
PAB A DEVIRO E FOB! DA PRO V'LUCIA.
Por tree mezes adiantados.....v...... *"
Por seis ditos idem.................
Po^^diove ditos idem.................
Por'Mm anno idem..................
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUllROA DE FARIA ft FILHOS.
de Lemo Bra*-*, no Artcaty ; Jolo M^ria Julio Chrves, no AnA; Antonio Marquee it Sfln, RUl; Jo$vJ JoatiM
*ii| le'trmino dot Santos Bnlcio, em Santo Ant* ; Domingoa JoaA da Costa Braga, em Bazareth;
Alvea d C.,na Bahia; A. Xavier Leite 4 C. d Rio Janeiro-
Ao commissario de policia de Barreiros. I resposta,-*seu officiode hontem.sob d. 1,027, que
Em resposta ao offfcio de Vine, de 2 J do j nesta data foi aamrisado o inspector do tbesouro
correote, coosultanlo sa io jumulaliva* com as (' proviqeiaira maoJar pagar a Firmino Aotooio Bo-
do sargento as funcgSes a >ea cargo, touho a di i drigues aicantia da 90 j, em que importou o alu-
zer-lbe, apezar de ser claro a este respeito o re-: goal da :$a que no districto de Afoga gulameuto da guarda local, qua os sargentos se : de quartei.^o respectivedesUcamenlu, a coalar de
acham sob as ordens imraediatas dos commissarios, 10 de fevereiro a 10 do corrente.
a quem devem obadecer em tudo quaato for con- j ^o mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr. pre -
cernente ao servico, assumindo sonenta em suas sideurt^da provincia, commuoico aV. S. que nesta
Itas ou irapelimentos o exerchio interioo do data, fe mandou fornecer pelo arsenal ds guerra
Para" 13 fe 2 h. da tarde.Um olr)-1 solamoe da posse dos novo* furjcermarios eleito
do do tropa de linns espaneou barbara-' paraservirem uo 2.* anoo da Sjciedade ortu
mente um pobre portuguez Uverneiro n',sta ueza BeDeficen,,!-
j cargo, e eotao e jue teem a mesma respoosabili-
dade e as mesmas attribuicdes que os corarais-
. sarios.
3.' secgdo.
Actos :
0 presideote da provincia, attendeodo ao
que requerau o fiscal da collectoria provincial do
municipio de Cimbres, ba;barel Francisco de
Barros BarrHtto, resolve concader-lhe 60 dias de
hcen^a, em prorogacio da que lha fji concedida
por portaria de 28 da julho proximo Undo, na
forma da lei, para tratar da sua saude.
0 presidente da provincia, attend mdo ao que
requereu o Gscal da collect ria provincial do mu-
nicipio de Bom Conselho, bacharel Fiel Vieira
Torres Graogeiro, resolve coucadar-lha dous ma-
zes de liceuca, na forma da lei, para tratar de
sua sauda onde lhe convier.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Taudo sido subsiituiJo o interprete Adolpho
Werdt, dado aos engeoheiros eocarregados do
estudo do porto por tutro de nome Henry Thomas
Payant, couforme commuoicou o iospector interino
do arsenal de marioha, em offlcio de houteui da-
tado, sob a. 112; assim o declaro a V. S. para
seu coDbecimeoto e devidos fins.
Ao raasmo Teodo nesta data autorisado
o conselbo de compras do arsenal de guerra a
promover o fernecimento dos livros e impressos
constantes do pedido junto por copia, com destiao
ao escriptorio do ajudaoie do mesmo arseoal;
assim o commuoico a V. S. para seu coobecimeo-
to e ilree.-ao.
Ao mesmo. Para os lias convenient
communico a V. S., que, seguodo consta de offlcio
do juiz de direito da comarca da Escada, de hon-
tem dalado, foi pronunciado e sujeito a livramento
o collector de reodas garaes daquella muoicipio,
Jesuioo Arcbaojo da Albuquerque Pimentel como
incurso nas penas do an. 154 combinado com o
art. 155 do cod. crim.
Ao mesmo. Para os fins convenientes
communico a Vmc. qua, em 25 do correote o
commissario de policia do municipio de Goyanna,
Sebastiao Mendes Bandeira Cuimaraes assumio o
exercicio de seu cargo.
Ao iospector do tbesouro provincial. Ae
commissario da policia do municipio Je Goyauua,
Sebastiao Mendes Bandeira Gmmaraes, on s quem
por elle se mostrar devidameote autorisado, mao-
de Vmc. foroecer os livros de que trala o art.
43 do regulamenlo da guarda local.
Ao mesmo. Ao conmissario de policia do
municipio de Itanib6, Joao Evangalista de Souza,
maode Vmc. fornecer os livros de que irata u
art. 43 do regulamenlo da guarda local.
Ao mesmo. Mande Vmc. pagar a Firmino
Antonio Bodrigues, conforme solisitou o Dr. chefe
de policia em offlcio de hontem datado, sob n*
1,072, a quaotia de 90:000, coastaute do docu-
ment junto, em que importou o alugel da caaa
que no districto de Afogados serve de quartet ao
respectivo destacamento, a cootar du dia 10 de
fevereiro ultimo a 10 do corrente.
Ao mesmo Mande Vmc. pagar ao Rvd.
Manoel de N. S. da Saude, coadjuctur da freguezia cedendo a
de Santo Amaro de Taquaretinga, a sua coDgrua Dr0vincias
9! a, PTd0 rdeTrid.d de Bacharel Julio Augusto da Cunha Guimarae^.-
n* m? ,i E& I**, Ji"Dh0 Ul"m' ,nforiue Sr- Presideola da tribunal do commer-
oa eonr.rmidade dos inclusos attostados. i Cj0 r
iTvl ,eT' ~ MandeJ.Vroc Dafar ao Padre Jose Vicente Godioho.-Aguarde o supplicante o
v(LeDKeFeHre,ra' coadJUL;lornda fre?ueu dB i credito que nasla data sa sonata do mioistro da
Nossa Senhora da Cooceigao de Quipapa, a soa | ffllprra H
capital, o qualficuu moribnndo.
B.liia 14 a$ 5- b. e 42 so. da tarde .
Vem entmndo o vapor nacionat PA RAW.
Rio 14 as 3 r*. da tarle.Cam bio
Os amigos do CT>mmenda4or Clementina Jo^
Pereira Gnrmaries, resolveram olfareeer-lhe m
ahnnco de 10O ulh-res, que teve lugar no da 2
do palacete proviocial.
I3BA.
sobre Loudres 26 3|i8 bancaria, 26 7[16 e
20 1|2 particular. Sobre Paris 360 e 362.
INTERIOR,
os objfeetos requisilados pelo delegado de policia
de Ipajuca e coostantes do oflhio de V. S., n.
1,070, de hontem datado.
Ac juiz de direito da Escada.-0 Exm. Sr.
presitfsnte da p-ovincia manda accusar o recebi-
meDtotdo offl:io da V. S., de hontem, communi-
c.mdo' ter sid > oa mesma data proouac ado e su-
jeito a ii raneut i o collector de reodas geraes
dasse fcanicipi i, Jesuino Archaojo de Alouqnerqoe
Pi mantel, eoma incurso nas penas do art. 1,154,
combinado com o art 153 do -odigo criminal.
Por esta secreiaria sa faz publi< o, da con
formidkde com o art. I. !. do decret i n. 4,668,
da 5 4* Janeiro de 1871, que a serventia vitahcia
do ofOeio de depositario geral do lermo do Cabo
concoireu Floreotiuo Cavalcanle da Albu juerqne.
Ao commissario de policia de Goyaooa.0
Exm. Sr. presidente da provincia manda accusar
o reedBimmto do offlcio da V. S., de 23 do eor-
rente, commaDieaDdo haver oa mesui data assn-
roido o'exercico da* fancies de sen cargo.
Ao mesmo. -0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S, em resposta ao
sea ofBci de 25 do corrente, que nesta data se
Ibe mandou fornecr pelo arsenal de guerra 40
pares de sapatos, 2 > armas completas a 3 macos
de cirfeichos; pelo corpo de policia fardamento
para 20 pracas correspondaote a um anno, a final-
meute pelo thesouro provincial os livros necessa-
ries, devendo V. S. fa ter reclamar taes objectos.
Ao commissario de policia da Escada e Ga-' associaram ou e a um parti
melleira.-S. Exc. o Sr. presidente da provincia
mm la declarar a V. S., em resposta ao sei offl".io
de 26 do corrente, que nesla data ordenou ao di-
rector do arsenal de guerra lhe foroeoesse doze
ten.-adot com as comoelentes bainhas e ciuturoes,
devendo provideociar opportunaraenle quanto ao
forneciraento das barras.
Ao commissario de policia de Itambe 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S., em resposta a seu offlcio de 24 do cor
rente, qua nesta data ae lhe maoda foroecer pelo
srsaoal de goerra 34 pares de sapatos. 17 armas
completas, 3 ntapoi de cartuchos embalados ; pelo
corpo ii policia, fardaraento para um auno ; a li-
ualmetfie pelo tbesouro provincial os livros ne-
cessaries, devendo \. S. fazer reclamar taes ob
jactos.
lo que eslao servindo e
DBSPACHoS DA PftKSrDK.NCIA, DO WA 12 DB DEZEMBH0
DK 1874
Aotaaio da Cruz Ribeiro.Deferido com offlcio
desia data ao thesouro provincial.
Adrian* Felicia Maciel.Requeira a supplicante
ao inspector geral da iusti uccao publica a cadeira
que Hi'! convier, celebraodo o cootralo oa forma
do regulamoot0, sendo altendida.
Candida Rjsa Gomes dos Sautjs. Informe o Sr.
iospector do arsenal dc marinha.
Companbia Brasileira de Navegacio a Vapor.
Dirijase ao Dr. chela de policia, a quem offlcio
nesta data no sentioo em que requer.
Fraocisco de Paula de Albuquerque Maranhao.
Entregue-se, mediante recibo.
Ferreira Uaia &\C -Indeferido.
Franciico d1. Piuho Barges.Passe portaria con-
prorogacao pedida, pagos os direitos
coogrua correspondenta ao tempo decorndo do 1
de margo ao ultimo de maio deste anno, na coo .
formidade dos inclusos documenlos.
Ao procurador fiscal do thesouro provincial.
Transmitto a Vmc, para o Um indicado em !
seu offlcio de 7 de marco ultimo, a inclusa nola
fornecida pelo juiz de direito da 2* vara civel
desta capital, sobre inventanos em que ejiuleres-
sada a fazenda provincial, pela laxa da herancas e
legs dos.
4.* secqdo.
Actos :
0 presidente da provincia resolve crear uma
cadeira de lostrucclo prunaria do sexo masculino
na povoayao de Nussa Senhora do 0* de Maraa-
guape e para ella remover o professor da Poate
dos Carvalhos Manoel Felix do NascimeDto.
0 presidente da provincia resolve crear uraa
cadeira de instruccao primaria do sexo feminino,
oa extrema da rua Imperial, nesta cidade, e re-
mover para ella a professora da Ponte djs Carva-
lhos, Marcelioa Furtado da Silva Cabral. |
0 presidente da proviocia resolve considerar
de nenbum effeito a portaria de 24 de julho pro-1
ximo passado, que removeu a professora Ursula
Cizelina de Andrade Lima da cadeira de Cimbres
pan a de Lagda dos Gatos e remove-la para a de I
Pesqoeira.
0 presidente da provincia resolve declarar
de nenhum elicit > a portaria de 25 do corrente
que removeu. o professor Galdioo Eleuterio Tei-
xeira de Barros para a cadeira da Barra de Seri
nhaem.
guerra.
Jose Paeheco de Menjzes.Ioforme o Sr. inspec-
tor do arsenal de marinha.
Joaquim de Freitas Leio.Requeira o suppli-
cante ao governo imperial
Capitao Joao da Silva Bo.-ges Tavora.Complete
o selio, volta querendo.
Bacbarel Miguel Arjhanjo Monteiro di Andra-
de Deferido com o offlcio desta dati ao Sr. ins-
pector da tliasouraria de fazenda.
Bacharel Manoel Aunes Jacome Pires. Sim.
Manoel Chaves Camello de Lima. Ao Sr. juiz
municipal de Bezerros para fazer submelter o sup
plicante a julgamenlo.
Manoel Peres Campello de Almeida.Ao sup-
plicante nao cabe direito algum ao pagamento exi-
gido, quer com relacao ao primeiro pedido, quer
quanto ao seguodo, e por isso indeliro o qne re-
quer.
Aotooio Jose de Monies Sarmento Passe por-
taria coocedendo a prorogacao requerida sem ven-
cimeotos.
TELEGRAMMAS
0 presideote da provincia resolve remover o I
professor publico de instruccao primaria, Jose'
Paulino da Silva Filho, da cadeira de Correntes
para a da Poote dos Carvalhos.
0 presidente da provincia resolve remover a
professora publica de instruccao primaria do sexo
feminioo, Maria Leopoldina da Silva, da cadeira
de Correntes para a da Poule dos Carvalhos.
5." secciio.
Offlcio:
Ao engenheiro fiscal interino da companhia
Recife Drainage.Reitero a Vmc. a minba ordem
cooiida em offlcio da 5 do corrente, quanto a uma
tabella indicativa da qualidade e quantidada dos
objectos especiaes de que annaalmente node pre-
cisar essa empreza e que gozam de isencao de di-
reitos da consumo, alim da satisfazer o aviso cir-
colar do mmisterio dos negocios da agricnllura,
commercio e obras pnblicas, ds 18 de junho pro-
ximo findo.Igual ao gerente da companhia Santa
Theresa.
Portaria :
0 Sr. gerente da companbia pernambneana
mande dar passigem para o presidio de Fernando
de Noronba, por conta do mmisterio da justici, a
Francisca Moreira de Menezes, mulber do seoten-
ciado Pedro Felix de Monra.
BXFKDIBNTB DO SECRETARIO.
/.* secifio
Offlcio :
Ao inspector do arsenal de marioha.-De or-
dem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, de-
claro a V. S. qne nesta data expedio-se communi-
cacio a thesouraria da fazenda no sentido de sen
offlcio de hontem datado, sob n. US.
I'seccdo.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S., em
AGEXCIA IIIVAM BE1ITEB
?OLXTXSC
BERUM, U de dezembro.
ViikI.-i nun terminou o jalgamento
do eende Vrimn. Na sautliencia to-
ram lidos dlveraoa documcatos que
existent em poder do conde. Entre
esses docntnentos actaa-se nma
carta, eacrlpta pelo prtnclpe de BIs-
uinrk em 1891, na qual o cnancel-
!ler do Imperlo allemao declara pre
fferir que a republica seja proela-
mailii deflntlvantente em Franca,
do qne seja esse palm jovemado
por um monarcba.
COTWERCIASS
LONORES, 1 i de dezembro.
Consiolldados Inslestes a VI S/8.
Fundos lii-actiloiroM dc K /, a IOf.
BAHIA, 14 de dezembro.
Camblo sobre Iiondres 1/d a
to 3/8 d. particular.
(AOEHCIA AMERICANA.)
Londres 14 de dezembro.A Russia co-
metjou as bostilidades contra os turcuma-
nos.
Para* 14.Cbegou o paquete nscional
CEARA', procedente dos \ portos do sal.
Regressa amanha.
Bahia 14 is 3 b. e45 m. da tarde.
Cambio sobre Londres 26 1(4 e 26 3[S fvar-
ticular.
O partldo srathollco.
Nao ha mais duvidar que, a sombra da fe reli-
giosa, tantase laocar as bases de um partido po-
litico, com um programma e organisacio espe-
ciaes, com su?. discipliua e chofes proprio-, aspi
rando a uma influencia directa ua governacao da
sociedade
Os orgaos episcopaes, protfttaado ate bem poo-
co tempo a mais estricta imparcialidade e isencao
oas muDdanalidades das lutas p -liticas, ja oao
desl'irram a tentaiiva qne de muito tempo appa-
rel ha vam.
DecididameDte e a mascara qua cabe. Na' ap-
pareocia de um falso zelo religioso aceoando as
conscincias limidas ou iafanlilmente escrupulo-
sas, a paixao politica encontrou com uma variant*
om novo expedieoie. Depois de attrahir, Boats
para terreno oautro, nra certo num-ro de espiri-
tos aos qaaes a execugao las leis parece o aymp-
toma de urn* perseguigao organi tholicismo, os preteodidos apostolos da nm rellgiio
I de paz, de amor e de caridade nao dnvidam di-
I zer-lhes que foi um parlido politico que elles se
i a um partidu
de^em servir.
0 qua quer essa nova escola politica, facil e en-
trever. Addict* ao protiramma do syllabus e dic-
tates, ao pr gramma dos mandamentos pastoraes
e das gazetas episcopaes, esse retrogrado e ana-
cbronico partido 6 de todo o pinto incompativel
com uma sociedade livre, soberana e indepeD-
dente.
Meditera profuodamente os bomeas de boa fe.
Ease partido e um perigo social; e nma ameaca as
oossas livres iostituicees; e o representame de ten-
dencias tanto mais perigosas quanto o seu ponto
de apcio esta em outra soberaoia que nao a da
coDseiencia naeiooal.
Se essa influencia chega a dominar no governo,
nao Qcara de pe nm so desses sagrados direitos
que nma sociedade livre nao pode abdicar
sem que, palo mesmo facto abdique a sna so-
>ersji.
Nao sera a voz do paiz que tera de ser perscrn-
lada para a direecao da sociedade, mas a voz do
soberaoo universal das consciencias, cercado do
prestigio da inerraocia. Sera esse o director da
opioiao, o juiz iofallivel das volic5es nacionaei,
podendo risca-las da mente do legislador por um
so trago de penoa.
Tratar-se-hia do placet f 0 partido catholico
risca-lo-bia da conslituir^ao. Gracas. privilegios,
dispensas, doutrioa, costumes, eateodessem ou oao
com o dominio temporal, ofTeodessem on nao as
leis do paiz, nao dapeaderiam de neohuma tor-
malidade para terem curso e execucao do impe-
rio. Elevar- se-bia sobre os legisladores um le-
gislador, nm juiz sobre os juizes, uma soberaoia
eoi ultima algada sobre a soberaria que dos fosse
consaniida ou culorgada.
Tratar-se-hia do recurso a eoroa ? 0 parlido
catholico seria absolutamente iDcompativel com a
doutnon tantas vezes fulminada pela santa se.
Das violencias e usurpacoes possiveis do po-
der espiriiual, so haveria um recurso: para o
Vaticano.
0 ensino publico seria obra do clero. So elle te-
ria o direito de ensinar ou de velar pelo ensioo.
Progresso, liberiade, civiiisacao, scieocias, ar-
tes, iDdusirias, tudo isto que e o polo magnetico
de uma sociedade livre, esperaria de Roma a nl
tima palavra de eoDsngracio.
A autoridade iofallivel da igreja, pairaodo sobre
tudo, dominando todas as ordens de ideas, ensi-
nando a crer, a pensar e a sentir, directa ou in
directamente interpoodo-se em todas as graodes
e pequeoas questoes da sociedade, seria o pro-
gramma da nova politica.
Nem mais nem menos, tal e o ultimo termo
dessa aspiracao que leota orgaoisar-se em um par-
tido catholico. Elle o disse hoje formalmente :
< E' um grande pensamento, um peosamento de
c maxima ntilidade, a entbronisacao da lei divi-
vina do imperio em todos os seus desenvol-
t vimeutos.
Quaes sao esses desencolviinentos a que a lei
divma serve apenas de pretexto, nao e licito a nin-
gnem igoorar.
Esses desenvolvimentos sao a omnipotencia do
episcopado, a sua desmedida influencia em todos
os actos e relacoes da vida social, a intolerancia,
a oppressao das consciencias, o conllsco em summa
de todos os direitos e liberdades que sao a con
qoista da sociedade moderna.
Tal e o inimigo das iustituicoesqne toma o nome
de partido catholico.
Esteja aleria a consciencia naeiooal. Aperce-
ba-se dos verdadeiros perig&s a que teotam ex-
po-la os que nao recuam diaote de nenhum meio,
de nenhum, para iofluir do espirito das popula-
tes rudes, laze las servir a tamerarios plaoos e
provoca-las a uma Iota, em que tern tudo a per-
der e nada a gaohar.
Os bomens de bom senso, os espiritos cnltos,
todos aquelles a qnem os impetos de exagerado
fanatisiuo nao alcancam, repillam do partido Deo
catholico um inimigo dessas livres iostituicSes qne
fazem com razao o nosso orgnlho.
A obra do faoatismo e a mesma por toda a
parte. Sao identicas por t >da parte as snas ten-
dencias, identic -s os seus meios de accao, identi-
cos os seus flns.
Nao vai Disto empeohada a ex'stencia de nm go-
verno mas a sorte do governo livre.
Gnardas e depositario? de sabias iastituicpes,
com qne nenhnma maoifestacio da hberdade e
incompativel, os partidos constitneionaes compre-
hendam sna angnsla missao diaote dos factos que
couiecam a passar sob ot olhos do paiz.
(NacaoJ.
mm
No dia 5 do corrente o pre^tdeDte da pro via
cia, Dr. Pedro Vieeola de Azered foi cnispn
menSid,) por diverts amigos sen*, e ap'eetadore
dn seu iperacimeat, pela dntincrV honorific a s>
official da ordem da Hosa, qne foi conredid
pelo gove JSesse mesmo dia presUrarn ju^meoto e tc>
maram posse da seu-i cargos o cirjoel Agistinti
Marqoes de Sa, commandante dai armas ; e Dr
Jose MariiDiano Cavalcanle Je Albuqaer^ne, de at
cretario da presideocia da provincia.
Foi coueado promotor pab!i<-. da cossarc*
de Braganca, o bacharel D^m-trio R^zerra da llo-
cha Morses.
No dia- 2 do correct- depois do TeDemm, m a
cathedral, e do cortejo, em palario, realitoa-se a
inauguracio do edificio p.ra escola publica sa c
pilal, man lado cons rnir a ensta da proviDcia.
0 hiate Sdicard Burnett, qae ha via enealba-
do nas pedras da Taiooca, depois de alliviado sk-
parte do carra^ameuto, aluio agua. e iultrava--
perdido.
Os amigos do dapnUdo geral Dr. (tomes do
Amaral offereceram-lhe, oa cidade de Sintirwc
um opiparo jantar.
A hava se wn Saatarem colheodo dados i-
aponUm-ntos. papa uma obra qoe esu escreveodo
sobre o raile do Araazonas. o Kvm. cooef > Fran
Cisco Bernardino r> Souza, mesabro da c mraissa
encarregada da deraarcacio e explora4s> do ri
Madeira.
Fallecera, em Al-Dqur. com 7o aonos de ida
"t, D. J'Sepha Dorornea Pidio Simda*.
O Dr. Joio Polycarpo dos Santos Campos-34
aeeiton o cargo de juiz mnnicipal da Alenqner.
Achava se encalbado oa Corui-Secea pita
cho fraocet A talaya.
A presideocia da r roviacia em 28 de novca
bro :
R^solveu de accordo com o art. I. da lei o. Wt
de 26 de dezembro de 1863, a qne se refers a d
n. 383 de 23 de ontnbro de 1868, so star o paga-
mento da suhveucao ansual de i:00OSO0O, de qu
traram e 14 do art 6* da lei n. 778 de 1873 e
uutfo ideotico da de n. 82S do corrente anno, au
actual emprezario do collegio-Santa CrnzRvd
cooego Manoel Jose le Stqneira Meades; e que <
secretario do governo aoouicie, por edilaes, coil
o praoo de 30 dias, que a prwideocia reef be pro
postas em cart as fecbadas para rontraUr cost
quem melhores vanugens offerecer o ilibotoci
mento de nm eollegio, na cidade de Cameu, o,
termos das ritadas leis, coocedeodo (abveocie qo.
oao exzedera de 4:00tiA0uO aonua"*. e nem par
prazo maior de 4 aonos, que so de coronium ac-
cordo podera ser prorogado, devendo propossat'
sujeilar se ao pagamento de multai oas faltas en.
que incorrer, e seodo snas obrigacdVs as enlataida-
nas dias leis e ooi regulameotos e ordens vigea-
tes sobre a instraccao publica snbvencioaada da
provincia.
Resolveu suspender, usando da altril.uicao qne
lbe confere o art. 31 do decreto n. i.l'it de 6 de
abril de 1868, a bem do servico poblico, do exer
; cicio do seu emprego o 2* escnpturario da tbesoa-
! raria de fazeoda Jose Maria Honorai < Fernaades.
por estar envilvido e lomar pane na propaganda
1 do periodic Tnbuna ; ate ulterior d-libeiacis dr
Exm. Sr. coDselheiro mioistro da fazenda. a gout,
mando seja affecto o presente acto.
Dim it tic, a bem do servico publico. o 3* escrip
turario do tbesouro provincial Je Co'-ibo da Moi
ta, por estar envoi vido e lomar parte na pcopu
ganda do periodico Tnbuna.
MARANHAO.
Nada occorreu digno de menQao.
A al'andega arricadou no mez de novembr
165I69M03.
CEARA.
A bordo do vapor Ipojuca, da orapaobi
peroambocaaa, sahido do Ceara no dia 8 do cor-
reote, veem o Exm. Sr. Dr. Adolpho Lameoha Lias.
presidente do Pianby, com sua Exma. famiha.
Na cadeia da capital falleeeram os cnroinoso-
Alexandre Fernsodes de Souza, coodemaad > p-.i
jury do Ipii a 14 annos de pri-io simples, e Frac
cisco Barbota Maciel, conbecido por Xicao, pro-
nunciado no art. 192 do codigo criminal coot
mandaiario da caroificina do Frade.
No seminario episcopal, cojos trabalhos lec-
livos termioaram a 8 do corrente, nutncolarasi-
se ao corrente anno 116 alumoos, send) 26 o
curso theologieo e 19 em preparatorios.
Obispo diocesano seguira ne vapor lpo), i
para o Aracaly, e d'abi para o Crato, afim da mau
gurar o pequeno seminario qne abi se coas-
iruio.
No anno decorrido de novemsro de 1873 a.
ooverabro de 1874, arrecadou a via ferrea de Ba
turite 2":i00j000.
BIO-GRANDE.
Era ISescreve nosso correspondeote da capi
tal
passararr
>lAR101) PERNaMBUOO
RECIFE, tii DE DliZEMBRO DE 1874.
Notiolas do norto do imperlo.
Chegaram hootem os vapores brasileiro bakUi e
americano South-America, trazendo datu: do
Amazonas 1.*, do Para 8, do Maranhao 10, do Cea
ra II, do Rio-Grande II e da Parabyba 13 do cor-
rente.
Dos jornaes e earns cothemos o que segue :
AMAI0NAS,
A variola aiada fazia maitas victimas na capital
e era varios pottos do interior da provincia.
A camara mnnicipal de Manaos pozera em
arremataclo a construcclo de um edificio para pa-
qo municipal.
- o iia 11 do novembro, teve lugar a sessao
Os insnrgentes da Parabyba ja se
para o territorio desta provincia.
t 0 ponto invadido foi a povoacao de Saato An-
tonio, municipio de Goyaoninha.
i No dia 5, alii se apresenlaram em numero 4v
200, elevando se este a 300 com a juoccio ds al-
gnns individuos, qae se acnavam na leira daqn-l
le lugar.
. Tjiuam elles a denominar^ao de-qnetm ki-
los.
Depois de de-truirem todos os pesos e medi-
das, que encooirarain nos diffarentes e-tabeteci
mento-. pretenderam ir a cast da padre capetla
com o fim de qneimarem os livros Je baptisatnes
tos dos filho- livres de mnli er escrava. Mas i
subdelegado do districto demoven-os Jesse propa
site-, garaotiodo-lhes qne taes livros sti pedtsai srr
encootrados aa sede da freguezia.
Depois da feira retiraram-se osqnesra ki-
los, promettendo dirigir-se a CangnareUma, rsm
dos a nm grnpo de cerca de 200 bomens, oa> a di
reeciio de Francisco de Assis Berarra, reo proasa
eiado em crime de tentaiiva de more evadsd-
ultimamente da cadeia de S. lose.
0 Exm. Sr. presidente. tendo sciencia de tada
esta ocenrrencia, let seguir em auxiuo da f,irc*
estacioaada em Canguaretama 52 praeaa de Hake.
e o aifcires Joao Ferreira de Oliveira.
Entende do-se com o coronal Basnfacio, c
mandante superior da guarda nacHMul, kevastau
em meoos de qualro boras d quelle mestso dia sat
contioten'^ para o deucamenf>. a qne a guarda
naeiooal da capital fora ehamada.
Nao poso ser mais exlenso, poraos o vapor
parte ja e sem demots.
c No dia 8 deste.assassmarara aa villa do Ceara
mirim, o proprietario eapitao Manoel Pereira Lei
te, irmao do negociaate Joaqaisa If-acw Pe-
reira.
Foi antor desse barsaro deiieto so MP*P*
do eogenho do proprio oBendido de uosm reiape
Nery de Paiva, enja prisio foi efleetaada pet* -
loso delegado, maloe Aatonio Beaevides Ssakra os
Mello. a



Diaoo de Peraambuco Terea feira 15 de Dezembro d6 1874
\
.. ,'-"i
.*
..
MMHM
Nosso corrospondeute da capital escreve em 13
do corrente :
Cessaram inteiramenlo os movimente3 sedi-
ciosos desta provincia.
a Toda a fore* de linha eoviada da cdite eda
Bahia, a reqaisicao do Exm. Sr. Dr. Silvio;', em
auxilio desia provincia, acha-se em operates no
interior sob o command* em chefe do corontl Se-
veriano Marlins da Fonceca.
0 Or. chefe de policia recebeu ja ordem para
dirigir-se aos municipios, onde a ordem ea Iran-
qaillidade publica f'ram perturbadas, afirn de
proraover a prisao e punigao dos compromettidos
nos referidos movimentos sediciosos, cujos princi-
paes iasffgadores era. ahjumas Iccaltdades ja sao
conhecidos.
o 0 Exm. Sr. Dr. Silvino trabalha activa e effl
eaiaeote para a completa pacilicagao da provia-
cn fe.izmenle coufiada a sua solicitude e patrio-
tisms.
A populacao paci&ia deposila nelle com ra-
zao, inteira e fundida cunfianga.
REVtSTA DIARIA.
Priip-.olor publico. Por pnrtaria da
presidency da provincia, de 12 do corrente. foi
nomeado promotor poblieo da c o bacharel Augusto Wyyin > da Cunlia Soulo
Maior.
iiiioridadc polccial. I' >r purl aria da
presidencw da proviuei.-i, dell de oorreate, foi
nomeado 3 supplente dj subdeiega.li: de 1 di>-
triclo do Rio-Formoso, o coramissane Jo p.licia
Jose Fe ix da Siiva Loisato.
Sswagauieata* e morte. Ante-hon
tem, in I'erro-via de Olrada, In 4nagada pel'
trein, que do Recife subio para (ilm-la, s sete <
nieia boras da noite. proximo da fotrOtMihada de
Beleoi, a parda GurltK-i.iiiua, que sifO.-ido di/.em,
linha por habito embriagar-se.
A iufeliz prelendeu airaves-ar a linha quando
se avisinhava o lioio, que, aiit {1'iitf.i- ler sido
parado a tempo, derrubou-a, patsoudhe .-ubre o
ccrpo e malou-a.
A policia lutnoo conhecimento do facto e pro-
cede de coiilormidadecom a lei
KavioM de (tui-rra.- No do.ningo pela
manha soguio para a provincia da Parabyba a
Cervela brasileua Ypiranga.
H.ije pela manha deve seguir para a provin-
cia do I'ara a corveta brasileira Trujano.
Iinin'ii < Os vayores amencano South-
America e brasileiro Bahia trouxerain pira :
Miguel Jose Alves 3.0 0.-000
Joan Licio & (1 1:200*000
A. Hyveniat k C. 1:2u040iH)
Luiz Antouio Siqueira l:u00000
A. L. de Onveira Azevedo & C. 1 000*000
C. I.. A.M. da Cost* 1:000 000
0 vapor South-America, levon do nossa praca
para a do Rio de Janeiro 2:000 0
l"aia o sul do imperiu. 0 vapor Bahia
tem a >eu boido 115 e>ciavos, vindos do norte,
com e>->" destino.
Capnira de criminoaas Ko dia22 de
oi'Veiiibio foi caplurado, no t.'in i da Fioresta, u
ehminoso J'>>e Moreirado Nascunenio. prounmia
do no art. 2o2 do codij-ocriaiiual, verilieandu aau
toridade, no interrogatorio a que procedeu. cha-
mar-6e elu-J-ise Felix de Andrade, e ter as.-assi-
n 11 i em 1831, uo lugar Forqunha, do terii'o de
nnaJo Jo.-e Marceliu'>.
No inesino lermo foi capturido, no dia 2S da
noveinbro, .N.irciso I'ereira da Silv-, pronuociado
em 'rune d>-. leniativa de morte.
'f!ic-iiiuiaiia du loterlM.No Ingr.r
C'.piiipe.ii-uit' vai pulilieado um arligj do Sr. com
lumilad .0- Adtouio Jose Rodrigues de Souza, the-
soureiro dan lowrias de>ta pravineia, respandendo
a oulr i do Sr. Joaquim Jose Moreira, que sahio na
Provincia, acerca Cuiuarra *le Caruaru Sob a presiden-
cia doSr. Dr. juiz de direito Joao Francisco Duar-
le funccionou, no dia 7 do corrente, o tribunal do
mry dessa couiarca, sendo submet'.ido ajulgamro
io o reo Jose Duoga, escravo de Jose Oias da Silve
Juninr, o qual prot^tara pur novo jury na aest&o
anterior, em eoBeequeacia d-i ter sido condemoa-
do a gales perpetuas. 0 reo foi absoivido.
HHM&-Xo dia i do corrente prestaram
exames na escoia publica da cidade da Escada,
que e regida pelo prufessor Joaquim Jo.'e da Hub-
ra, os alumnos llenuogeoes Sancho Bezerra Ca
Taicante, Maooel Qointino da Cruz e Lourencu
Cesar do Meuezes Cy>neiro, sahiodo o primuiro
appiovado com duliiwcio eos dous uliicnos pleua-
uieute.
No dia .r, por occasiio do encrramento das
subs da 5* cadeira da frngueiia de S. Frei I'edro
Gon;alve-, regi Ja pela profeatoca D. Maria Ftoren-
lin ) de 'ioes Cavilcaute, foram >u metlidjs a exa-
jue ;.s alumnas Circamcisa Gomes Puwoll, Gertru
de.- Alexaudrina de Melio, e Eug-nia Maria do Bo-
sario; sendo a 1' approvada com distiuci^ao e a
ulras plenaiBunte. Foi presidido o exame pelo'
uelegad i litterario do districlo o Uvm vigario An-
tonio Manuel de A>sump';ao, e servio de examiua-
dor o pr, li'-sur pobli:o Felix Hass da Silva Pe
peira.
Xo dia 7, fizeram exame os alumnos da 3'
cadeira da frepin-zia de S. Frei Pedro Gongalves,
regida pelo prfafasaor B-njamin Ernesto Pereira da
Silva. '
Foi exaniiandor o professor Jose Martiniano de
Souza, e pre-idente o substiluto do delegado litte-
rario.
O resnltado dos exames foi : approvados com
distinccao Francisco K do Nascimento e Geraldo
de Paula A. F? lean; plenamente Leovegildo Sa
mnel Paz de Lima, Joaquim Baptista da Silva. Joao
Francelino do Nascimento, Sebastiao Prisco da
Cunha Albuquerque, Joao Francisco Rodrigues
Pinlo, Landelino Victor de Miranda, Autonio Fer-
reira Li>ureiro, Manoel Henrique Villas-Boas, e
Abilio Fraucisso Regis.
Na escoia pnblira da cadeira da freguezia
de Santo Antonio regida pela professora D. Anna
Monteiro de Lima Rego Valenca, com as9isiencia
do Dr. delegado litterario Oiympio Marques da
Silva, dos examinadores e professor Francisco
Carlos da Silva Fragogo e a mesoia professora,
foram i-xaminadas as alumnas Maria Carl..ta do
'Rego Valenca, Maria Augusta de Moraes, (Hindi;.a
Borges de Souza Oliveira, o Anna Tecla do Rego
Valenca, sendo todas approvadas com distiuccao.
No dia 12 realisaram-se os exames das alum-
nas da cadeira de instruccao publica, da Cruz das
Almas, a qual e regida pela Sra. D. Tbereza Emi-
lia de Souza Gomes, sob a presidencu do respecti-
vo delegado litterario, e serviodo de examioadores
o professor Francisco Carlos da Silva Fragoso e a
mesma professora Depois das provas escriptai e
oral, foram approvadas : com distinccao-Frao-
cisca Olympia Gomes e Maria da Concei;ao I'-rto;
e plenamente Hermiua Ferreira da Silva, e Vir-
ginia Macbado Soares.
Telesraplao lerresire.A estacio cen-
tral, da rua Duque de Caxias n. 6, acaba de ser
iraosferida para o nrimeiro andar desse predio.
Vapor Cordova.Esso vapor, d< linha de
Liverpool, fnnde >u bontem ao escurecer no laina-
rao, oao communicando com a teira. Vem de
Lisboa, d'onde sahio a 27 do passado.
Novo Mundo.A s re>pecuvas agendasne-
ta cidade, livrana Popular, rua do Barao da Vic
toru it. 59, e fraoceza, rua Primeiro de Marco u.
-9, aeaba oe che gar on. lit) desse jjroal, que ie
publica em Nova York. Vam nessa ou*nero iule-
ressantes gravuras, enire as quaes: a caiarata d>
Niagara, vi-u e diversos ponia-; um tnmulo de
mkUo uo.s Esiados-Uaidos; Moldiera na corte de
Loiz XIV; Jesus e S. Joao, eepia de sw .qua-
dra de /aubens; typos de eampooezes bavaro-; li-
gurinos das altunas in .das e feelejos de sodas
aiSoecia.
Continua a assigoar-se i ratio de ISjOOO an-
oaes.
Pa\MeIlaa. Desta local!Jade escrevem-aos
sd data de 6 do et rrenle :
Nao t-ndo a tua lievi>ti am correspondeate
qua de nuticias desta locaiidade, tomo a mim a la
refa d- 11m ir referiado o que na eonurca occur-
reo de mais nnpurta A*, e teui prometter ser muito
pontnal, por mor.ir e'o grande distancia dos acju-
teennento^, promelto e asseguro que serei escru
pnloso na expo.-ieii dos /*clos, conveniecie e m >-
derado quaudo bauver de tralar dos indiv/luu-.
Antes do luiio conjtratulo iue com a couiarca por
ee aeiar completo o foro. condicao in lispeu^avel a
boa a at ifrMwdMliia
< No dia JWrfdtarde, eiiegou a ,viUa o nnsso j*iz: '"'
de direito De. Je6 Jaloniit Cerreia da SUva, com
S.Eima. familia, acumpanhado por mais de GO
eavalleires, maitos dos- qnaes o fecam esperar em
Lagiia dos Gatos, onde me oonsta que S. S. tivera
uma esplendida recepcao.
a No mesmo dia a noite chegoa o Dr. THanoel
Annes Jacome Pi res, juia municipal nomeado em
subitituicao do Dr. Fernando Affonso Ferreira, que
daqui ahio deixando um nome qbe muito o h>.n-
ra e garente boa adininistragao de justica na co-
marca para onde foi removido.
Tenho ouvido abooar a conducla do novo juiz
muaicipal, e eslou conveneido de que, marchando
de accordo com o digno juiz dcdireito, cujos pre-
cedentes sao basiantemenle conbecidos na provin-
cia, pelos isportaotes servi^os que ha prestado em
differeotes commissoes, teremos de vjr desappare-
cidos oi factos que sojra dar-se quando se encon
tra coudescendencia da parte das autoridades ju
dictarias.
0 qoe e certo e que, depois da instaiiacao da
ceoiarca os crimes de furto de eaaaUus. o que era
uma verdadeira praga nestes lugares, teem ce3sa-
o; e, gracss as providencias tomadas pelo Dr.
Correia da Silva, de haroionia com o Dr, Lacerda.
promotor publico, que tem revelado maito zelo e
dedicacao pelas suas respectivas attributes, tem
sido proses e proeessados os principaes autores
desses crimes, muitos dos quaes, seguudo me eons-
ta, vae ser julgados brevemente.
< A;t.da bontem soube que o delegado de poli-
cia, capitao de lioba Moura Gondim, eflectuara s
pnsao do celebre Thomas d'Aquino, pronunciad
cima u.n dos chefes da grande quadrilha, que em
certo tempo amedrontava aos agrioultores, c pro-
cessado em Caruarii como autor de uns fenmentos
graves, feitos em um morador do kigar Bebedou
ro. Tem se mostrado aciivo a^uelle delegado, mas
c.inv6m queo governo o aaxilie com forca para a
prisao e lispersao do grupo denominado-Cesa
rio, que, acastellado no povoadoCanbotinno -
do tei mo de 3. Beoto, vem constantemente ao po-
voado Queiraadas -onde impde contnbuiQ5e9 for-
C-adas, cum terror da popular a > que vive em so-
bresal'.o e sempre ameacada.
* Nao se descan^a a respeito desse grupo, que
angmenta consideravelmeote, e vira a dar serio*
trabalhos mais tarde, quando seja ulvez dilflcilima
qualquer diligencia.
A agricullura ja se resente de falta de cbuva,
os geneios augmeutam de preco, a feira, dizem-me
e pouco concornda, e ha falta absolula de dmhi-
ro, o que e ueior do que a falta de chuva.
Teoho acompanhado de longe os merecidos
festejos a chegadado illustre pernambucano o con
selheiro Jjao Alfredo.
Quando cm povo sabe assim honrar aos seus
homens notaveis, nao se pdde desesperar do faturo
do paiz.
0 paiz, e sobre tudo a nossa provincia, sabe
quanto deve a e.-se nicansavel e distincto esta-
lista.
Flora rasilcfra.-O Sr. Dr. Joao Barbo-
sa Rodrigues dirigio ao Diario do Gram Para a
seguiat- communicacao :
t Acaira de enriquewr a nrioha konographia
dos 0 tfudeas do lirasil, com uma especie nova
para a seieada, pertencenta ao genero Selenipe-
dimn, ate hoje nao conhecido como sendo tambem
brasileiro.
Este g ao Cypnpedium de Linueo, cujos caracteres esca
para hi ao linado boianico inglez Linlley nos seus
estudos orchidographicos, foi estabelecido por Rei
cbembach filho, distincto orcbilograpbo allemio,
dand'i mjiivo a separacaj aos Caracterai proprios
que apreseuta, taes como : ovario trilocular e tri-
sulraJo, semeates como as da vanilla, etc, que o
afast.im do genero primitivo. XtUiuina especie
que o representasse havia-se de.-coberto no Brasil,
quando ja da America eram conhecidas duas da
Reecao c caulescentia gmminifolia > : o Selenipe-
dium palmifolium eChica de Reieheinbach lii:i,
a pnmeira enc ntrada por Poiteau ua Guvanna
franceza e pnr Scliombargk em 18i3 na iogleza, e
a seganda pelo Dr. Dachassaing no Panama. Vein,
P'ds, a especie em qne^lio, que eresce no solo hu-
nfdo a sombra das (l>restas da estrada de Bragan-
ca, reoresentar o Bra3il. Coube a provincia do
Para a honra de dar esse representante.
Deno;ninei-a Selenipediim Isubelianum, cujo
nome especiSco perpetiia a rainba gralidao para
com Sua Alteza Imperial a Sra. D. Isalbel, condes-
sa d'Eu, a quera dedico e consagro o fructo de
me us uoores, pelas florestas deta rica provincia.
Eis a diagnose extrahida damiuha descripi;a>.
Atiue S. palmifolium fohis obljngis longe acu-
minatis, sepalis ovatis infra pubescentis labello os-
tio autice roiundato stamine slerili stigmate plus
longii.re.
a S. Isabelianum. Xobis. Icon. Orch Bras. vol.
VII tab. I. Herb. 512.
Esta opecie acha se ja cullivada no jardira
do intelligente e habil amador de Orchideas o meu
amigo o Sr. Clemen;e Ferreira, que com tanto
amor e zelos educa essas lindas monocolyle-
doneaa.
Artigos de nioda-No Bazar das Farailias,
silo a rua Duque de Caxias n. 60 A, chegaram
pel) ultimo paquele : ricas capinhas de la seda
com capuz, orladas de arminhos, assim como lio-
do-> borniis de diversos goitos ; alem de ootros
objVeloa eoastantes do annuncio iuserto na seccao
coin|ietente.
i.oti-i iu. A que se asha a venda e a 129',
a beneficio da Santa Casa de Misericurdia, a qual
.-e exirahira no dia 22 do corrente.
I.oicria do Rio de Janeiro. Por
telegrannna recebido hontem consta que deve
correr hoje alii a 1 iteria 511.
Casa de detenruo. -Movimento da casa
de di-t-mcao do dia 13 de dezembro de 1874 :
Exisiiam presos 291, enlrou 1, sahio 1, exis-
tent- 29't.
A saner :
Nacionaes 22!, mulheres 9, estrangeiros 25, es-
cravos 3o, escravas 2.-Total 29i.
Alimeutados a cusla d >s cofres pubiicos 2ii.
A saber :
Saoa 228, enfermos 16.Total 244.
Movimento da enferraaria do dia 13 de dezem-
bro de 1874:
Tuve alia :
Manuel Lopes de Souza.
I'aasageirosSabidos para os portos do s
no vapor nacional Conde d'Eu :
Pedro Vianna e 1 criado, Jjse da Cunha Te'ixei-
ra, 2 cadete Eduardo Augusto de Souza Pitanga.
Marcolino M. de Barros, alferes Felippe de Santia-
go de Albuquerque e um 6lbo menor, Candida Jose
de Oliveira e Silva e I Glha, Dr. Aureliano de Hi
Vasconcellos Antonio Csvalcante Peona, G. B.
Uncherer, Carolina Candida de Araujo, Carlos Au-
gust) Torres, Joao C. de Moraes, Antonio Luiz, Ma-
noel Marque?, Jose Barbosa de Medeiros, Cu-todio
Mcdrigues Neve-, Balbina de Jesus Pjnheiro, Faus-
tina Maria dos Santos, Jacintho Pacbeco de Brito,
Felicidade da Costa, Maria dos Prazeres Nascimen-
to, Vicente A- Gomes, Manoel A. de Medeiros, sol
dado Francisco Jo*e dos Santos e 60 escravos a
entregar.
Cbejjados dos portos do sul no vapor brasi-
le" Sinimbu':
Dr. Ehercio Monte, D. Umbelina V. da Silva Nu-
nes, Jose Luiz de Souza Barros, Francisco de Pau-
la Neves, Sebastiao G. ds Faria, Luiz Orico, Juan
Martins Manso.
Chegados dos portos do none no vapor na-
cional Bahia:
Frederico Guilberme Hermana, Francisco Perei-
ra de Maitos, Francisco Pint) da Silva, Francisco
Dia da Silva, Jose ignacio da Silva, Antonio dos
Santos Vilaja, II. Hortcheno. q, Beoigno Monroy,
liomualdo e Apolioario, escravos a entcegar, D.
Theresa de Jesus Wauderley, sua flJha e uma es-
crava, Vieente A. d Magalhaes e um irmao, Ma-
Boel Groba Porto.
Em iransito ".
Brigadeiro Joao do Rego Barros Falcao, sua se-
obora, 3 fiihos. < escrava e 2 criados, tenente Ma-
noel Xonato N. Seixas, sua .soohora e 3 Jilhos, 1"
dit i Francisco Julio da Conceicao, Antonio da Cos-
ta Lima. Atuelo Simdes da Silva, coroael Jose.de
Araujo Costa, o1ete Augusto Carlos de Jesus Wei-
rdies, Dr. Roberto A. Frebourg, Manoel Jose Vi-
raes, Pedro Jacintho da Gama e Silva, Ari-tide de
Oliveira, Manoel Jose Candido, Dr. Antonio Gun
calves da Justa Araujo e um criado, eorocel An-
tonio G. da Jn-ta. calete Pedro Alvaro Feitoza
Cadci, Antonio C. de Melio Junior, Dr. Thomaz u.,
Maria Joselina do BoaMnoeesso, Maria fgnaeia.
Maria Martha, major Joa']aim Furrfira de Kuva,
cadet* Claudino C. de AMiuquvnqae, 3 prucas do
exeruilo e 138 escravo*.a .eauvgar.
Chegados dos. portos do norm.w vapor a rue
ricano South America :
ileary Hai.&iti, Aawinio F. Qrillo.
S America :
G.ioM.Ciaapton, Kunsley^Jones,. 8ooU, Sana-
------ =
TRIBUNAL. \ UII VI IO
SESSAd ESPECIAL EV1 (4 DE UEfflBwO BE
1874.
PRKSIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHF.HtO
CAETANO SANTIAGO.
S*crelan'o Dr. Virgilio Cot',ho.
A's 10 horas da manha, pre embargadores Rris e Stlva. Motu, Accioli, Oomin
gues Silva e Souza Leao, abrio-se- a sessao.
0 Exm. Sr. couselbeiro presidents passou a re-
latar os aggravos, enjos adjunlos foram aorleados
em sessio aaterior :
Aggravos de peticao.
N. 99.Aggravate U. Maria Archangela de
Albuquerque Lima, aggravado Francisco "de Car-
valho Paes de Andrade. Jnizes os Srs. desem-
bargadores Domingues Silva e AccWi.Negon-se
provimento ao aggravo.
N. 100.Aggravantes herdeiros de David H.
Bowman, aggravado o Dr. DeoJoro Ulpiano Coe-
4tao Catanho. Jmzes osSrs. desembargadores Reis
e Silva e Souia Leao.- Negou-se provimento ao
aggravo.
N. tOI.-Aggravante a compaohia de illumina-
Co a gaz, aggravados Arruda k. Irraaos. Joizes
os Srs. desembargadores Accioli e Motta. Ne-
gou-se provimento ao aggravo.
Encerrou-se a sessao ao meio dia.
PAfiTfi P0L1TICA
pahtido vmmmmm auoh
RECIFE, 15 DE DEZEMBRO DE 1874.
Ao publico.
Os provinciano.i querem illudir o paiz.
Fa I lam em liberdade e sao os maiores inimigos
da liberdade.
Fallaii era reforraas e quando a> podiam realisar
oao o fizeram.
_Fallam em descentralisacao e quando no poder
nao promolgaram nma s6 lei, uma so medida que
indjeasse esse desideratum.
Fallam em liberdade de consciencia e no tempo
de seu dominio vunos com pasrao o presidente do
cooselho de mini?lros declarar no sen.do que um
bacharel, alias liabiluadissimo, nao podia exercer
um cargo de magistratura por ter ideas exaltad3s
em mater ia de reiigiao !
Em seu novo programtna publicado na Provin-
cia a. 462 e sob a epigraphe o snum caique tri-
bnere vimos o f^guiole :
Garantia da liberdade dt consciencia.
Mas quer a paiz ver a sinceridade desse compro-
mise solemne?
No p-ogramoia de 1869 eta cansignado comp
um dos artigos da re politka liberal garantias
mais efJJcazes a liberdade de cooscienc a. r,
Sendo iuterp-llado noaenadoum dos sigoata-
rios desse programtna, p"etguniaudo se lhe, se as
garautias que esta) em nossa coustituicao e em
nossas leis nao eram sofJkientes, eJJe respon-
den:
Acbo muiio 'ufllciente, o partido liberal oao
quer o casamento civil, a separ,i.;ao da igreja, nem
uma reiigiao nacional, e ouiras cuusas que se anda
inculcando.
Quer-se ainda uma prova da sinceridade dos pro-
vin-. ianos, e de que seu programma e apenas um
laco armado a credulidad.^ publ ca ?
Ahi esta a uuiao que fizeram com o chama-
do partido cathujico, que e a negacio de todas as
liber dades.
Ah I tarlufcs!
E como este sao todos os detnais artigos de fe
politica dos profiBCi'anos.
A:;im, por exempio, dizem elles no novo pro-
gram na :
Liberdade no servico militar, ou antes aboli-
gao uo recrutament.
Eue anno discuiio-se largamcnte no parlaraen-
to o projecto sobre o recrutaineulo, projeclo este
de origem libera1.
EaUio o Sr. cooselheiro Paranagua, ehefe dis-
tincto do partido liberal, dizia :
0 projecto dispoe no art. 7 que o recrutamen
to para o exerciti e armada se faca por um en-
gajamento toluntario e, na delicieucia de volun
tanos, pelo sorteio.
Devo dizi.r com franqueza que nao acredito que
em pane alguma sa poasa formar, sem grandes
sacrtli;los, exercitos de voluutanos. E'. |u~to, e
convenitnte a prefereocia que o projecto da a
este meio, que consulta a voca.ao, que, atteodendo
a espontaueidade do individuo, torna-se mais sua-
ves. Nao acreditemos, poiem, (ahi esta a expe-
nenciajque se pussa organisar oexercito somente
com voluntaries.
Nao podemos contar com a efficacia de seme-
lii..nt-j recurso, uem alimentar a idea de formar-
mos, em circumstancias norraae-, exercilo de vo-
lun'.arios.
Nao intend> que a idea librral, na solucao deste
diificil pratiltma, seja foi mar o exercito somente
com volunturias ; isso entre nos i impraticavel.
Se ba precisao de um exercito permanente, como
senao pode detxar de recouhect-r, em vista do3
grandes in'ercs=es que temos a de ender, havemo*
de sujeitar-nos a esta penosa necessidade; deve-
mos tratar de repartir o onus do servico militar
com a poasivel igualdade; na justa applicacao
deste principio e no modo de garantila, e que en
tendo que o projecto podc assumir uma (eicao mais
ou menus liberal, o
Eis aqul o Sr. conselbeiro Paranagua definindo
a politica liberal neste ponto.
A reforma do recrutamento, a seu ver, deve
comistir em assegorar e garaotir o grande prin-
cipio da igualdade, de modo que este servico re
caia sobre todos, rico ou pobre, grande ou pe-
queno.
Os provincianos, porem, dizem : Queremos,
n6s que somos liberaes, a abolicao do recruta-
mento.
E' para rir.....I
E estes homens, por escarneo a opiniio publica,
se dizem os successores dos liberaes de 1817 e
1824, que derramaram seu sangue por essa cous-
tituicao que elles chamam hoje caduca.
Tartufos I
Diz ainda o novo programma dos provincianos :
i Liberdade para o elemento servial, ou etnao-
cipacao dos escravos.
0 grande proble.ua da emancipacao dos escra-
vos ja foi sabiamente resolvido em 1871, com ap-
plauso geral da nacao, sem dislinc;io de par-
lidos.
Ahi esta a grande lei de 30 de setenbro, d'a-
quelle anno, atlestando as geracdes vind.mras que
o Bra til, apezar dos grandes- sacrifices da guerra
do Paraguay, realisou sain abalo, o sonho dourado
de Arisluieles, que dizia : Eii convirei na abo-
licao da escravidao, quando o bomem possa obri-
gar as forcs da nalureza a iranaibarwn per-elle.
Mas quer o oaiz ver a sinceridade dos provin-
cianos f
Era o n. 460 da Provincia, no artigo editorial,
se diz a proposito da emaocipacio .
a 0 partido -liberal, marcba oora a opioiao. e
por tanto, as snas grandes reforraas nao podera
deixar de ser deraoradas e lentas, como lenta e a
propagacao da idea, que se sparge no meio da
popolacao ; vence a todas as resisteocias t um d:a
apparce sazonada pedindo a sanegdo do poder Ie
gislativo. Mas o salteador arrebatoa a idea da
emancipacao e estragou-a.
Despirama agrictttttrra eocommereiedtroupw
velhus e sujat, sem the prepanw novas c ah as.
Veja o paic quanta cootradictao I
Em 5 de dezembro os -provincianos diztaffl-qne
ainda era cede prra a euiaDeipacao; qae os sat
leadorea fo partido eerwervador) arreoaiaram o
porno ainda verde, que o partido liberal marcba
lentaraente Iraa dia? depois, iato e, no dia 8 de
dezembro, declaram no novo programma que a
opiniao nacional nao se satisfez com a k-i ,qne de-
ciarou a liberdade de venire, que era preciso ir
aWm.
latnlos I
No dia 5 dizera: 0 goierno tnalou a fonie prin-
cipal senao umca tie w>ssas riquezas, e cowtis>o
trouxe a ruina da fortuna publica.
Se achSM, proeincvnos. que a Ikieidnde do
venire maton a fonteuuia de.aossa* nqueatts,
como qnereis a emancipacao instantanea ?
Quem acredilACa, uas prgmnnas,desses politicos
prumnevmoi, nue aciuam de /azer causa eoungum
com o partido ultramontaBp, uoe 'e-a negacao da<
ttUerdad**?
Quem acred tara ne>tes homens que rmeganiits
:KWs dO[p;ado JU>tr4l, flge weenie p--r yir lo
de,ppfloiWo,*9 rxpjiftii aoj-idieulo com,,u>iCva
tradi3f0o 6on Quera aereditara.....?
Eo-nio aste-i M.itow.sipstdaoiaia pontoa 4e fe
uoUtiaa duavpr<(twi", cpaw djKB^Mwawo*.
Brees consldera^ues sobre o abas-
terimento d'agua potavel a cida-
de do Recife, seus eagotoa e melon
de sanear sua aituospbera. pe-
lo Dr. I'edro de Attiayde I-olio
Muscoso. rcrnia.li> em aaetttefaa
pcla Faculdade da Ilaliia.
(Conliaiuafao).
CtliADi: DC RECIFE.
Sua posigai) e condifues retattvas ao fornecmento
d'agua e utilidade de esgotos.
Passenws uma vista de olbos sobre a cidade do
Recife, a quem a nalureza tio prodigamente do-
lou de qualidades favoraveis para ser llbertada
das immundicias com adrairavel facilidade.
A cidade do Recife esta situada a 8 3" 20" lat.
S. e 3f 48' 49" long. 0. de Greenwich.
Sua temperaiura regula 76a 1)0 do thermometro
de Farennait1), 80 a 84 ordinariamenle.
Sua superficie e de 1.880,000 bracas quadradas
on 9.099,200 metros qnadraoos.
Os veotos reioantes era geral em toda costa com
mais duracSo vem do quadraute de S. E.
Nas mares de verao sao mais constantes os de
E. e as vezes N. E.
De marco a setembro predominam os ventos de
S. S. E., approximando-se no ultimo tempo do S.
e as vezes a S. O.
No restante do anno sopram os ventos do E. S. E
e N. N. E.
Os ventos do S. e S. S. 0. durante o inverno sao
de ordimrio mui fortes, mas nao duraui muito ;
e quando se toroam constantes impedem as brisas,
que jeapparecem logo que cessa a intensidade dos
ventos.
A brisa de terra ou terral e regular no porto a
noil* ate 7 ou 8 boras da manha em alguns
dias.
A cidade do Recife e dividida em tres partes
distinctas, cortaaas por bracos do mar, a que se
misturam as aguas dos nos Beberibe e Capibari
be : sao elKs o bairro do Recife, o de Santo An-
tonio, antigamente cjnhecido com o nome de ilha
de Santo Antonio, e o bairro da Roa Vista.
Sua situacao proxima o mar permitle que ella
seja band a constantemente e em tola sna exten-
.ao por fortes rajadas de vento, que para longe
acarrelam os miasmas que se desenvolvem das
praus, e dos quintaes que ainda hoje encon-
tram-ae, alguns oem notaveis pela falta deaciio.
E' >em duvida essa exposicao franca aos fortes
abalos do ar atmospheric* que se pode attrtbuir
seu louvavel estado sanitario em geral, no meio
de tio iotensos focos de inleccao a que esteve e
ainda esta sujeita a cidade.
For esta sua divisao em tres partes distinrtas
podia a cidade do Recife gozar de uma extensa e
compieta rede de esgoto que faciiitasse a evacua-
Qao dos residues das casas nos canos e a lavagem
destes nao so na encbmte como na vasante das
mai6s, o que sem duvida os toruaria infe ramente
inodores. Mas deviou a esse fatal esqnecimenlo
de que foram victunas a maior parte dos povos
da velha Europa, e mesmo de outro* paizes, nun
ca aqui se procurou dar sahida prompta e sem
on) laragM nem ineoramodo as immundicias das ca-
sas ; e adquirio-se o habito de derrama las nas
ruas, no? quintaes, em certos lugares menos fre-
quentados, em todas as casas ca'iidas, e principal
raeutn nas praiat. Juntas nstas immundicias a calica,
aos ciscos, aos pratos e. vidros quebrados, ossos de
?.mmaes morios que aili eram laneados e perma
ueciatu em quanto havia o que apodrecer, ferros
velhos, pedac >s de arvores ou madeiras, forma
vaui-se moulu os em diversas pa-'tes, e com esoe
cialidade nas praias, que iam se convertendo em
terrenos conquistados ao mar, e quando exisiiam
ja feitos os caes, iara crescendo os monturos a
procura de se nivelarem com estes.
Nesses acervos de tudo qaanto havia de suscep-
tivel de apodecer e exhalar miasmas, eram laucados
todos os caes, gatos, caoras, carneiros e aves domes-
ticas, e nao raras veim bois e cavallos, que quasi
sempre os moradores visinhos eram quem se in-
cumbia de os mandar arrastar pira deutro d'agua,
na occasiao da vasante ; a m: vezes o que fazia era removei-os deum para outro
lugor, que, se era um pouco menos tiabiiado, am
eram consumidos por esses agentes de punlica
cao considerados tao pro>-eitosos em varios luga-
res, onde elles fazein muito mais servico a saiu-
bridade do que a maior parte das caraaras muni-
cipaes : parece que todos advinham quo e dos
urubtis de que se trata, raca servical, cuja utili-
dade e tao reconhecida que as posturas muuici-
paes da provincia do Grao-Para e algumas de ou
Iraa provmcias impoein penas a quem os damni-
fica.
Nie preeisa dizer que as materias fecaes eram
lancadas indi:>tinetameule a essas praias, e que
ainda noje, gracas a manifesta e incornnivcl rum
dale de uma das melno;es institutcoes uue s co
nhece na Inglattrra eem uuiros paizes civilisa
dos a Drainage, se lancara em alguns lugares pu-
biicos, poisque muitos mo adores oao podem sup
portar o fedor dos ties water closets, que a coin
panhia se comproraetteu a collocal os iguaes aos
melnores de Londres e providos de abundante
sortimeatj d'agua, e entretanto cumprio o seu
contrato com uma caixa de piuho podre, uma ba-
cia de barro vidrade de iuflma qualidade, em lu-
gar d'agua em abundancia, da se ledor e peste in-
spportavel de que temos fallado auitas vezes e
ainda fallaremos era lugar competente.
A cidade do Recife, porem, que foi tao liberal-
menu dotada pela natureza, de qualidades e con-
dicoes para ser a mais bella cidade do Brasil, alem
de estar ainJa hoj-^ entregue a quem eslraga seus
arruamentos e a pnva de muitos adornos, teve a
infelicidade de uao ser abundantemente provida
de agtia potavel, pois a agua do rio Capibaribe,
cuja foz e invadida pelo mar ate uma legua aci-
ma, nao e das melhores; eo Beberibe, cujas aguas
sao mais puras, nao podem pela mesma razao ser
aproveitadas para beber, por estar ua nascente
muito distante do Recife, e serem anjbos os rios,
no curso de ujvez auas leguas, aproveitados para
a lavagem da roupa de uma populacao de perto
de 10u,000 almas, o que torna suas aguas incapa
zes de serem tomadas para uso domestico, prioci-
palmente durante as boras do dia.
A' vista desla circumstancia que e a mais de
last ruar em uma cidade a tamos respeitos tao bem
aquinhoada, seus nabitanles bebiatn prim'tiva-
menle as aguas dos po^os ou cacimbas, que
para esse uso podiam servir ou mans da-
vam tomal-as no Monteiro ou no Beberibe, e
vinham ellas, durante muitos anoos, em canoa-
cobenas e estanques ; e abi eram vendidas a
quem as procurava ou baldeadas para pipas, quo
cunduzidas em carrogas serviam para levar as ca-
sas daquelles que oao podiam mandar buscal-as
ao* depositos. .
Estas aguas assim guirdadas tinham quasi sem-
pre o gosto e o cheiro das aguas corruptas ou
veibas ; mas nao havia outro remedio senao pro-
cural-as.
Em alguns sitios, cbacaras ou rogas a pouea
distancia da cidade, ha algumas cacimbas ou no
gos cuja agua e mais ou menos pura e agradavel
ao paladar.
Assim na Ponte de Uehda, a agua e um pouco
pesada.
fin Farnaraeirim, Sant'Anoa, AfOictos e Tama-
rineira e ella leve e agradavel ao paladar.
Esta falta d'gua potavel e a corrnpcao da qne
viuha em canoas, qua dizem qne ate servia de
banheiros a muita geote, foi motivo para que no
anno de 1^37 se organisasse uma companhia com
o lira de (ornecer agua para beber aos habitantes
de?ta cid de, com a denominagio ioCompankia
de Beberibe.
.Quaes eram as ideas raesquiohas que preoccu-
pavain todos os eapintos uaqueUe tempo, e de
que ainda hoje sao victimas muitos de nosaos con-
tetnporan-os, todos nos saberaos, mesmo aquellee
qne nao e.-tao por demais iniciados na histona ad
ministraliva desta terra. Em ve/., portanto, de se
eiuprebender nma obra capaz de latiafaaer as exi
gencias do fnturo kvigiquo 4a opoleola eetes-
eente cidadv d-> Recrfe, limitaraiu-te aquillo ijue
parec-o bastar apaiae flaquelUopoca para reme
diar as nece^sidades da oocxiao.
Esroltieu-am t^wguo maoanoial, alptins olhos
d'agua, quA ap-nas ooderiaa* fomecer qualro ou
ciuco gaiffju a cada'habitantA do Recif-.e dei
\aram a ^sg^rgb u prwer-b d-outro modo do
lodiafieH^TeRruilodoa os euirus mktwes ; vie-
t. town #i> >nn grande AlBcaMade >e Ihes
frffBfcia (nr.rameule a quautidado -iudispeasavel
para beh-r eeuavros ahmeaio*.
B in depress* a otBwmhia leve de conhecer1
luauto.era limiiada a quanti ladn d'agua que-aur
as saas adminisirajoes subsequentes, atacadas do
enleso que devia neces-anamente nascer* da pre-
earia situagio em que se acbava. sem poder sati a
fazer os pedidos que de toda parte lhe chegavam.
0 homem e insaciavel ; quanto mais tem. mais
deseja; e, digam o qne quizerem com poucas ex-
cepcoes, elle logo que tem o bom ; aspira ao me-
lhor; logo que lem o pouco deseja o muito.
Era consequencia neeessaria, que ohabitante di
calida cidade do Beetle, logo que fraisse pela pri-
meira vez o coaforto de nro bmho n agua pura
e crystalina dos man^nciaes do Prata, nunca mais
podesse supportar a calcarea e sallnrosa agua das
cacimbas, que, com o unto do corpo, produzem o
sabao calcareo, tio dillkil de afa-tar da pelle e
que tem o inconveniente de tornal-a secca e as-
pera, e impedir que a perspiracao cutanea, cons-
tante em nosso clima quente, se effectuc livre-
mente.
A necessidade portanto, tornava se cada vez
raaisoppressora : o conhecimento perfeilo ea con
vieeao do grande beneticio fazia-o mais procurado .
os escravos dtminniara a olhos vistos : os c indue-
tores tornava m se cada vez mais exigentes : a dif-
liculdade de obter agua em casa, sentia-se cada
dia mais vexatona : e, como era natural, todos
desejavam uma penna d'agua, todos desejavara ter
a mao a quantidade neeessaria para as :uas pre-
cedes. E que ba de mais natural do que essa
exigencia de um dos principaes eleraentos da
vida?
A consequencia disso e que a corapanhia cada
dia se acha mais opprimida pelo receio denao po-
der satisfazer suas principaes obrigacoes, restrin-
ge a coneessao das pennas d'agua, e muitas ran
espera que alguma seia dispeusada, para poder
dal-a a outro : continua atacada de am pavor que
lhe tolbe as forgas, embola-lhe as faculdades, e por
conseguiute, eil-a perplexa e atada de pes e maos
com receio de perder seus interesses, e conse
guintemenle, sem poder tomar umi resolugao
prompta, que a faga raerecedora das bengiios de
todos, qual a de procurar raananciaes, ainda que
longiquos, mas que sejam capazes de dar a todos
a agua de que necessitarem, e de leval-a as mais
altos andares com a pressao natural e sem neces
sidade de machinas e apparelbos de grande custo
e avtltado dispendio.
Era vez de uma resolugao prompta e efncaz, du-
vidas, incerlezas e einQm o -statuquo!
[Conlinuar-se-ha]
dia de suas (ofltes, e bem depress* foi ella, e todas
Ga raelleira.
O bacharel Francisco Jose de
lledeiroN, e os redaetoroa da
Frovincia ao publico.
I.
Antes de entrar na defeza das imputacoes in-
justas, que me foram feltas -m a cbronica do Jor-
nal Provincia de 26 do mez proximo passado:
declare, que minhas crengas potilicas nao se ar-
refeceram por este procedimento tao violento,
quanto revoltante. e nem as dos distinctos libe
raes, que, sentiado o golpe contra raira iniqua-
ments vibrado, protestaram energicamente.
Agradego a i-xpootanea demoastragao de apre-
go e cousideracao d'estes correligionarijs nobres e
juro manterillesaaconfianca, qu= imraerecidaun-n-
te em mim depositarara.
Fiquem certos os raeus deshuraanos olTaosores,
que nao romperei com o legitimo partido liberal,
que so trabalha era prol das grandes o genero-
sas ideas,prosperidade e liberdade pubheas: eis
o seu grandioso desideratum.
Econveneido desla verdade, espero tranquillo a
decisao judiciosa daqutlle, que, como chefe, deve
dar uestaluia-a ultima pal;.vra.
Bompi, porem, com o Jornal Provincia, que diz-
se orgao do partido, por que os sus redactores
preteniem a forga de improperios, e insultDs >mpor
a todos os i b.tics, que senao deixam levar por
seus odios e resceutimeutos, o sacrilicio ate da lr
berdadede pensamento. t I
Nao, rail vezes nao, eu vos afflrrao, sera possi
vel dobrar me a essa imposigao tyrannica, com
que impensadamente jnlgais escravisar a aquelles
que sao surdos aos vo^sos destemprramentos e
desvarios.
Nao in reiiro aos liberaes illustre?, que tam-
bem f.izem parte da redacciio, e fazendo-lhes a
merecida justica, os exclu-o do nuraero d'aquel-
les, que im cunverlido o orgao do partido em um
de.-gragado pelourinho, onde somente se inf)rca
a vida privada de correligion trios e adversa-
ries.
Aos redactores bem intencionados, eu pesso
desculpas aos outros ; supplico eterno esqueci-
mento.
Sao eslas as consideragoes que me cumpre por
ora expender ao incetar a tire ente discussao, que
versara primeiramtnte sobre os factos, que me fo-
ram injustamente arguidos.
II
Nao tremi ao ler as vossas plavras das ma
tas proximis a tragica Genipada. ou proximas sa
covil do salteador Vicente de Paula, surgio um
tal Senhor Jose d* Medeiros qaeim.indo insenso ao
Senhor Joao Alfredo, e insultando aos liberaes
opposicionistas porque mais deviaua retrabir-se as
vo?sas cooseiencias ao ferir me sem razao, do que
a rainha, que desassombrada, me ajudava suppor
Ur com reslgaagio as vossas fragibdades.
Estes factos al u lid is se operaram era epoca
muito auterior a 10 de a gosto de 18io, quando
nasci :
Nenhnma ligagao existe entre mim, ou mesmo
pessoa de rainha familia e esses tactos, que so por
indbcripcao ou raalvadesa me podiam ser attnbut-
dos.
No primeiro caso a vossa accusacao, partindo da
liviandade e indiscripcao, e manifestaraente-in-
sensata: no segundo, importando, baixeza de sen
limentos, e sem duvida alguma perversa.
Em qualquer dos casos e absolutamenle desti-
tuida de raereciraenio e importancia.
Conteslai-me, se tanto permiltir a vossa inaudi-
ta coragem.
Se usastes somente. d'aquellas exprossocs para
exprirair as minhas mas qualidades, degradasles
absolutamenta o partido; porque coofessastes ter
em seu seioum ladrao,- um assassino, que (oi
membro instalador do Directorio liberal de Gami-
leira, tendo sido eleito primeiro secretano por
nnanimidade de votos 1 I I
Se e verdade, o que affirmastes, nao tem honra
politica este directorio, e senao e, as vossas asse-
veragoes sao calumoiosas.
Esta nltima parte e a que mais se harmonisa
as palavras segnintes:
Que proferisse tanta touliee como pareute que
e de Joao Alfredo, darsehia o similta simili-
bus.
Mas falla como liberal, e eis a vossa ma-
goa.
Nestas condicoes era preciso denegrir-me ca-
prixosa e adoudamente, como e costume invelera-
do, para desta arte moslrar que tots os anicos
liberaes constantes e dianos : porque fazeis oppo-
sigao sem tregoas, negait quartel aos inimigos,
ainda que sacriSque-se verdades ineoniesla-
veis.
Quanta medestia, quanto excesso de amor pro-
prio.
Se nao foram estas as intencoes, qne presidiram
a vossa cruetdade, o pensamento diverso e intole-
ravel para um jornal, que eompetindo defender as
ideas e moralidade de seu partido, pelo contraho
acoiaaos correligionarios.-de infames, tanto va-
lem as injurias irrogadas directimonie ae Direc-
torio liberal de Gamileira. que me aceilou, e me
coosiderou, apes^r de residir nos matas da tragi
ea gempada, ou a i covil do salteador Vicente de
Paula I
Este systema Senhores da Prooincio 6 desa-
sado.
Quando todo partido procura com afan eongre
gar se e uoir-se. como meio de ronltiplicarIbe a
forga e presugio o orgao do partido liberal, pre
ganlo a dissolncao, expoe os seus membros a irri-
sao e escarneo publico, faiandoihes accasacoes
fahas II
Sameuto a fraqaeza dos redactores d'este orgao
quo levimeate ferem de morte a repntacao albeia,
uppondolhe factos, que eslao longe da ver-
dade.
E* e prcadimento aao inlamea a vidima, e aim
ao.desbu No arngo seguinie occuparaae-diei da fallea-
cia.
Recife II do deieinbrodeiHJi.
Faamcvco: Medttros.
deste ioleuto a puMteacao qoe bontem apparecra
nesta folba com a assignatora do Sr. corope! la-
cio.
E tal publicario nm historic) do que se dea
em relacao as taes decantadas proclamacOes.
Creio qne o Sr. coronel foi lie! na sna oarrac.io
porque e este o seu costume mas o seu emnpad-e
o capataz de llamaraca ou foi victima de un.a
my.-lllicacao ou m-Uio e.-.caudalosamenie.
E-ta si-gunda hypothese parece nio pole.- -e
realisar dc-de que o Sr. coronet Decio gar.in>
o seu compaire, que no seu en tender e home*
muito hontsto e verdadeiro, porem o Sr. eoroa !
desrulpar me-ha se von de enconlro a este tn
jnizo, que faz de seu compadre.
Elle pjdera ser verdjdeiro, porem nao no faro
de que me occupo.
Dou a razao.
Pissemos a narragao.
O compadre do Sr. crenel no sabbado '->
andante) despedio-sp cm destino a lUmarac.i,
mas na freguezia de Sinto Am m n pa-sando per
casa de um seu parente, pjr forga de um rwad-i,
que lhe deixara um deicouhecido, abi se demoroa
ate as 7 boras da nowe.
A ersas li iras apparece um desonhecido. ,/i.r
tem ter conhecimento do capataz o c mrida a ei -
citar o povo cjntra o governo!
Sera i-to crivel t
Es-'- dexkinhccido nao ignorava, que o capital
era empregado do gorerno, e no euimt> s-m ma s
nem meno- logo a primeira vtatt o roavida part
revolta:-se cmtra o governo I
Esta r diticii de eugoiir-.-c :
Xera anurielio encaixa 1
0 desconnecido depois de conversar com o ca-
pataz, e tend) conseguido o seu fun, islo e, entrt-
gar at proctamacSet, e sem ser mlerr<.aJo sale
capataz, diz-lhe : eu sou etc. e tal. !
Istonai faria ura nagd bocal, qaanto mais nu
revolucionario de mao ctuia !
De>cobrirte sera ser oecessaho E incrivei I
0 capital uio me eoubece, mas den as meus
signaes.
ilorresco re/ereus...
Desejava estar presente a tal descripgao.
Queria vor me retratar por am ca, aiiz.
Acho qu o Sr. eorouel avancou muiti, quanl-
disse que o capataz dcu Uie os meus sianaes. Um I
estas poucas palavras cuiitirmou o qu.- o tea com -
padre leve a boa lembranga de ioveular.
Atlendase beui e deu-me os signaes do mttmi
doutor.
Pois agora sou eu, Sr. coronel Decio de Aquin
Fonceca, qae lhe deciaro do alto da nuprecw, qu-
o seu cnmpadre o capataz de Itainaraca, ui-auo
lhe e mei.H'-ltie com quanto.* leu na bocca.
No sabbado, 5 do aoJanle, acluva-me nt loja
Conciliagao na rua do Cabuga, onde se.'SeUa
lantos obreiros de diversas lojas se ac.avau re i
mdos desde as seis e meu boras da tard ale a?
11 horas da tea* Nessa sessai >ia i>iu.-.i...,.;i
servi de orador, visto se acbar fora desta c, j de I
orador da mesma o Sr. Dr. Miguel de a oon.ii
_ Ve portanto o Sr cornel que o seu c ui.pa 1:
nao poderia a- 7 boras da noite estar com um<
pessoa qne tivesse os meus signaes.
Cauiitiua oSr. oronel: Po ie beai ser .jue m
tivesse ido o Sr. Dr. Curie Real quem ass.o ti-
vesse procedido.
Xao adraitto esta duvida, Sr. coronel.
0 contrarm do que diz o seu cjmpadre dizem.
afflrmam, e se for necessano jurarao para mai-
de se-s^nu pessoas.
O que e verdade e, que o facto se pa-sou oua.
Helm nie tic* narrado, ainda diz oSr. cur<>nel.
Mas quo facto ? A narrarao do capataz oa a
minha sasaaf*a com elle em casa de seu parea'.e
0 Sr. coroael uio quer divulgar o nome de su
i-ompadr-. mas julgo que elle nao pensa assim,
por quauto em vez de pregar as ut'oclaaacdes e
anga-las ao mar durante a viagera daqui para a
sua ilha, vai rao-tra Us a sen compadre -uodWr
gado, que guard and i a itserva pedida vai a mtiu
noite a casa do Sr. Dr. chele de policia, qne a
nao ser um raogo prudeute e sensato mandar ine-
bia immediatameuie a fazer Compauhia ao Pi-
nheiro.
E' mui mao o tal capataz, p trque em vez de
fazer uma carilade em lancar as oodas aqueba*
proclamacoss, como o faria quilquer h lowm sen
sato e de bons sentimentos, vai immediatameole
conliar seu segredo a um bimemda pulicia fas
por seu dever e honra nao deveria calar e.
Quanto a priraeira hypothese, 1st > e, que o ca-
pataz foi vic.ima de'uraa my-tuici;ai. julgo aic
poder realisar se desde que elle deu os meus ng
naes.
Q isnto ao paiaaa era que (alia em 14 de mar.
de 1873 e da Prorincia, direi, que nunca obeleci
a qualquer ordem do directorio liberal e nem tao
pouc.i uunra andei me inspirando no qne diz a
rVaMaMa.
Nao tenho compromitso algum.
S sao conhecidis on aao os queora kilos poc- i
me imporla, o jue hoje me cumpre dizer e qoe de
raaneira alguma forneci proclama^Hei ao enputuz
de ltamarani.
Eiso que se me offerece pro-etitemente paten-
tear ao public, reservando-me para i-lbor e cla-
rece lo depois de haver o acariameuto entre mim e
o capataz de itamaraca para o qu; estou traba-
hando.
Virei breve a imprensa, e ainla mais breve sea
isso for obrigado.
Recife, I2-1J-74.
Joao B P.Coite Real.
AS PI SIJUO.
Nao.preten-iia rir u pubuco tratar da que;tao
da proclamagoes por mim entregue? no caps*-*
de Itamaraca eubqnanto nao se-Nauaaase o aea
namento entre fnim eo capataz, mas demoveu-me
lo Sr. Jaaqnini llanrio Wariakn
Filho (de Macahiba.)
Da relagao dos devedores da massa lallida de
Bento da Silva & C, eaaata ser S. Mc. devedor
da quantia de i 7.">i*4 0, imporUncia de fazendas
que comprou, e que se achara desenptas no* livros
da escriptur^gao da easa, sem constmr que S. Mc.
tivesse acettado letras, e nem que estas tivessem
sido descontadas na mesma data do aceite, ou
pagas: e e assim qne os proprioa failidof, aa re-
lagao dos devedore> que ^preseotaram no acto da
fallencia, mencionarara S. Mc. dever a quaoba qne
se'declara, i-t) de-1- a primeira falle.icia ; e, a*
h luves-etn as letras desemtad is aa data acetta.
porjeerto qne S. Mc. nao figuraria como devedor
Queixe-se S. Mc. de^qnem quizer, men is aV
quem arrematou at dividas e quer recebel as.
Recife, 14 de dezembro de 1874.
Xo* abaixo auigoados jnizes. qne serviaos
na presente sessao do jury desla cidade, tendo am
comuderagao a* maneiras attenciosat e delicada-
com que fomos tratados pelo mm digno Dr. juia
de direito da pnmeira vara, Qaintino Jose de Mi-
randa, faltariamos ao rigoroso dever de grand**
se deixassemus de agradecer ao mesmo sennor o
mode com que se digoou de traiar-nos duraaar
toda a sexta sessao em qne tervimvs.
Recife, 11 de dezemLro de 1871.
Antonio Joaqnim Pereira de Oiivaira.
Joaquim Hugoliao da Silva Fragoac.
Affaso de Paula Albuquerque Maraoaio.
Antonio Leonardo Rodrigues.
Francelino \ugusto de Hollanda Chacon
Francisco Antonio da Rosa.
Jo-quira Cavalcante HolUnda Albuquerque
Ctorindo Ferreira Catao.
Antonio Macbado Pereira Vianna.
Franeisco Ignacio de Medeiros.
Francisco de Paula e Silva.
Joao Domingaas Codeeeira.
Antonio Justjuo de Souza
Jose R. da Nau'vidade Saldanha.
KUvio Goncalves Lima
Haooel Gomes de Sa.
Jeronyrao de Hollanda Cavalcante.
Angelo Cnsiodio Rodrigues Franca.
lldefonso Rodrigues da Stlva.
Eugeoio Marqm>s de Amo.-un.
Silvino Antonio Rodrigues.
Francisco Antonio de Brito.
Manoel Antonio Cardoso.
Jose Francisco Carneiro.
Manoel Venancio Alves da Fonceca.
Cecilia no Rodrignes dos Passo*.
Joaquim Fraociaco de Moraes.
Francis ;o Antonio de Assi* Goes.
Francisco de Lem;s Duarte Junior
.'oaquim TranqaiUoo de Leao* Dsarte.
Manoel Lan da Veiga.
Miguel Buruai4iVjetf*de Amoritn.
Nas puMiocoas aojiciladas da Procmcm, *t
hontem, and* o A. Jeanosn Je. 'JOeSS.eja* aao
tenho a.Boara decoabaeer, aa Mia. Sr. Dr. dele-
gado qu*" faca publicar os nooses dan sjoaaoas qa*
lirarem aaaa pwmios naiufea, ea adas as lo-
trnas, eja das que tirara/a) o* it. nlltaa ; porque,
diz, se espalhdra ite pr posilo o turme dr sraan,
qne n-m sempre jofaa a loteriaa, ImSa ao
tender que, com *ss<> alvitre, desapparecorio arf*-
tiOcagdes feitas coa Oos.

. *
-




Diario de Perraembudfi ~~ Terca kim 19 de Dezembro de 182*1
4
ja
Exercemlj eu o lugar de thesonreiro das lote-
rias, de qae i rasa iruiao o eff/!Ctivo, teria muito
gosto em satisfazer ao Sr. Moreira, independente
de ordem do Illra. Sr. Dr. delegad i, que nao ra'as
podena dar nesse seutido ; visu couio, na quali-
dade de presidente das extraccoes, tem suas atiri-
buicSes bem defiuidas no regulamento do ministe-
rio do imperio, de 27 do abnl de iSii. as qaaes
sao consernentes soraeate ao acto das extraceoes;
porira, reconbeeendo,* corao mea irmao, a impos-
aibilidade de asceder a e- a exigeacia, qaero dar
as razoes.
Se rauita genie se mole >ta, voado cs sous na-
mes aos jornaes, aioda mesroo em elogios mereci-
dos, todos com certeza se molestariam, com razao,
pelo motivo de tirarem premios de loterias, em-
bora isentos de compromises, parque (ambem a
aflluencia dos iopertinentes sempre apparece em
laes casos ; alum de qno a lei nao da ao tbesou-
reiro faculiade para coagir o poriador do bilhete
a dar sea norae.
Para satisfazer, porem, a qllem, corao o Sr. Mo-
reira, deseja saber taes nomes, tenho sempre to-
rnado nota nas compeienles lutas archivaias, do
nome dessas pe soa* (que querem dar, bem en-
teudido) e indicios, aQm de mostrar de boa vonta-
de aos curiosos.
No acto de eflectuar os pagamentos muitos se
incommodam, qnaodo, por serera descoahecidos,
Ihes pergunto o nome, e alguos se recusando for-
malmeute declaram, com outros, o proposito de
preferirem a compra dos bilhetes das loterias es-
tranbas a proviucia, por nao incorrerera nesse
dasagrado ; o que sendo prejudicial, mais seria
com a publicarao dos nomes nos jornaes, pois da-
ria lugar a eontustasoes e protsstos, que eu posso
e devo evitar.
A' vista do exposto nada mais posso fazer do
que pedir ao Sr. Moreira e a quantos desejarem,
que se dignem vir ao escriptorio das loterias, cuja
entrada e a todos franca, e aonde serao satisfei-
toi, nao so quanto a ultima loteria como a todas
as outras.
Recife, 12 de dezembn de 1874.
Josi Rodrigues de Souza.
Ao ta. giiveroador d.) bispado.
Qual a razao porque ainda nao foi offerecido
um susp^nsoriozinho ao padre Manoel Marques
Barboza, que reside em G ivanna ?
Sera porque elle conta com proteccao eseanda-
losa? Ou porque o Rvm. gnvernador do bispado
tem conteuiplavoos com a .Sra. Candinha, e eta
garante a invulnerabilidade do padre Marques?
Cremos qne a lei deve ser igual para todos, e
qae em outros te-Dpus de rigorosa justica e3se
padre uao escaparia.
V l83.-A;ua florida tie Slurrar A
Lanman.-Cora quasi tola a certeza pode-se
por ein duvida se as rail e uma variaveis flo-
res que aduruavam e derramavam tao deliciosi
perfume sob o verJe-c^nte jardim do Paraizo
espalbavara uma fragraneife mats pura o dehcada
na atmospliera, do que aqoella que se difiunde e
enche o gabinete de vestir o i Boudoir, no qual
se ache aberto um frasco de.-ta odorifera e delei-
tavel agua de cheiro. Coraparada cjm o pass.a-
geiro e volatil cneiro dessas essencias ordinarias o
sea mimoso e delieioso aroma pole-se chamar
inextinguivel, inapagavel, e'mouant) quo por outro
lado, e a verdadeira quintet esseneia em sen ge-
nero, que de uma uianeira mais viva, nos faz
agradavelmente recordar, trazeodo-nos a mente
o deleitavel e genuiiio perfume das aromaticas e
11 ores centes fl ires ; n'uma palavra, ne!la existe e
fljresce a be'leza e o eacantameato.
0 volume do delicado aroma e-pargilo de alga-
mas gottas d'.Trama 'as soOre o leu^o, e verdadei-
ramente maravilbosu e dleitavel ; e cjmo um
agravr;! meio de restabetecer desmaios, v,?rtig.'n>
e dOres d-; cibcr^a, astfim cjm servinlo deodori-
fero adorno as pes-oas e ao p.'.la'ar, qaanlo asada
em dil'.ncao como urn -nxagjameoto de bocea ou
cosmetico, ella por certo nao tem ".'u igaal enlre
todas as mais aguas cheirosu iraportadas.
Pira evitar as friudulentas e despr-i'.iveis adal-
terafSu francezas e b^unbargueaas.os^ompralo-
res oevem pedir a Agiia de Florida de Murray &
Lanman, pkbparada ior lanmin & k~m de New
York : todas as outras sao faIsifica;ods sem
valor.
J. Paler 4 t HfibO sccos com 900.000 kilos de
assuoar maacivadte; R- Cabu & C 700 dilos com
52,500 ditos de dito'.
- No navio inglex Lady Mary, para o Canal,
carregou : S. Rrotbers A -j. li taecos com 375 ki-
los de assucar mascavado.
No navio inglez Rio, para oCanal, carregou :
I. Pater k C 3,000 saccos com 225.OC0 kilos de as-
sncar mascavado.
No lugar porlaguer Julio, para Lisboa, car-
regou : A. B. Nogueira 130 saccos com 9,750 kilos
de assucar branco e 6C0 dins com 45,000 ditos de
mascavado.
No brigue portuguez Brtla figueirense, para
Lisboa, carregou : E. R. Rabello k C. 600 saccos
com 15,10 > kilos de assucar mascavado.
No lugar portuguez Cidral, para Lisboa, car-
regou : S. Guimaraes <& C. 102 barris com 12,444
iitros de mel.
No brigue portuguez Rio Vuuga, para Lis-
boa, carregou: S. Guimaraes & C. 300 saccos com
22,500 kuos de assucar branco e 1,700 ditos com
127,500 dilos de dito mascavado.
No navio be>panbol Hortencia, para o Rio da
Praia, carregou : M. B. de Oliveira 25 pipas com
12,000 Iitros de aguardente.
No navio inglez Corisaade, para New York,
carregou : H. Forsjer & C 3,000 saccos com
375,000 kilos de assucar mascavado.
Para ot porto$ do interior.
Para o Rio Grande do Sul, na escuna portu-
gueza Helena, carregou : Amorim Irmlos & C.
320 barricas com 30,0t>5 kilos de assucar branco e
40 ditas com 4,516 ditos de dito mascavado.
Para Uruguayanna, no brigne bespanhol
Principe, carregou: M. L. Paes Barreto 4 0 bar-
ricas com 30,032 kilos de assucar branco ; A B.
Nogueira 400 ditas com 25,204 1|2 ditos de dito e
115 saccos com 8,625 ditos de dito mascavado.
Para o Rio Grande do Sul, no navio allemSo
Primus, carregtm: A. J. Pereira Lima 3 volumes
com 72 abacacbis.
Para o Rio Grande do Sul. no navio portu-
guez Olinda, carregou : F. R. Pinto Guimaraes
400 barricas com 32,100 kilos de assucar branco e
100 ditas com 9,280 ditos de dito mascavado.
Para Mossoro, no hi-ie nacional Adelino dos
Anjos, carregou : 11. Nuescb 1 barrica com 18
abacacbis.
Para a Parahyba, na barcapa Constancia, \
carregou : M. J. Lobtto 30 cascos com 96 Iitros de
aguardente.
CAPATAZIn DA ALFANDKGA
Rejdimento a dia 1 a 12. 6:113^150
IUcb do diJ 14 618,1120
para embarque d productos e de todo o- j vat,*Ia casa 'errea arrendada por
uais negocios de commiss3o, quercomtueri Da> a isa terrea
naes, quer bancarios.
J)ec9nta lettras, e toraa dinbeiro a pre-
nlo, compra cambiaes, e saca & vista e a
itcao, i vontade do temador, sobre as se-
|. juintes pracas estrangeiras e nacionaes :
r,ondres. Sobre o onion bawk or
UOIK>ON, O LONDON AND HANSF.ATIC BANK,
limited, e varias casas do l.# classe.
Purls. Sobre os banqneiros fould
I & C, MARCUAKD ANDRE & C. H A. BLACQUE,
j VlGNAL & C.
Hamburg. Sobre 09 Sra. joao
SCRU BACK & F1LH0S.
Lisboa. Sobre os Srs. forsecas,
SAJiTOS d V1ANNA, 6 SKBASTIAO JOSE DE
I ABRF.U.
Porto. Sobre o banco uniAo do p
| 0 Sr. JOAQIUM PINTO DA FONSECA.
Para. Sobre o banco cosmbrcia-
do para, e os Srs. FRANCISCO saudenoo da
! COSTA & FILHOS.
SEGDROS
MriliiB o e contra-fogo
COMPANHIA
Pkenix Pernambucana.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
contra-fogo
Seguro
fflB LIVERPOOL d LONDON & 61
INSURANCE COMPANY
Agentes
. SAUNDERS BROTHERS & C.
11Corpo Saoto11
VOLUMES jtiI!>OS
No dia 1 a 12.......
?e dia 14.
Pr;meira;>'.'ru .
Segiaaa poita .
Terceira porta .....
Tttpicbe Cecceiva.-) .
6.731*270
-------------------------------------------------i
14,173:
176
399
280
1,612
16,640
SBfiVICO MARITIMO
liMroBgas descarregadas no traplcb* da
alfandaga.
to dia 1 a 12.....
*io dia 14......
o trapicne C COMPANHIA ALLIAHCA
seguros maritimos e terreb
tres estabelecida na Bahia
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0008000.
Toraa seguro de raercadorias e dinbeiro
i*co maritimo em navio de vela e vaporei
i ;ara dentro e f6ra do imperio, assim com*.
j ;ontra fogo sobre predios, generos o fa
! -ondas.
Agente : Joaquim Jos^ Goncalves Beltrao
is do Commercio n. 5, 1 andar.
j P.EDORLa. DS RENDAS LiSTFltNAS GE
RAE3 tE PERNAMSCCC
neato im jo dia 14 1:859*980
Kavias aahidos no dia 13.
SantosEscuna alloma Magnet, Capitad P. V.
El.reu, carga BSSQCar
IT j Liverpool Barca norueguense Niord, capitao
26-346*069 Eriksen, carga MSBWac
____|_______CanalFatacho ingle* Afary, capitao Murphy,
___ i carga assucar.
CONSOLADO PRCVINGlAi, Navios cnlrados no dia 14.
Vmilmeato do dia 1 a 12 71:718*386 New-York pirS. frioraaze Para20 lias, sen.^odo
daw do dia 14 11:403*010 I ullimo porlo a, vaporamericanoSiu/A America,
de 2,150 loneladas. comra 83:121*396 equipagem 74, rarga fariniia do trigo e outros
i generos ; a Henry F.ir ------- # Para e portos iotero>edios 7 e meio dias, vapor
brasileiro Buki-i, de 1.999 liueladas, comman
AGENCIAS PROVINCIAES
Liquidos espiritnnsos.
iendimento de la 1
deia do dia 12
1:2055516
153*262

JUNTA !:OS &RRETORES
s'ruya do 35-i5cif, i -e dezean-
hrm de 1^3? -ft.
AS 3 HOIUS DA TARDE.
COTAQ6ES OFFICIAJ1S
Assucar bruto bom 1*550 por 15 kilos.
Assucar do Kio Grande do Xor'.e 1*940 por 15
kilns postu a Dordo naquelle porto, sab-
bado..
Assucar da Parahyba 15750 por 15 kilos posto
a burdu a frete de 40j e "i 0|0.
Carabio sobre L >u:res a 90 div. 26 l|2 d. por
1*000, sabbado e hoje. "
Gambia sobre o K o de Janeiro 5, 7 e 8 0,0
ao par, sabbado.
Desconto de letras 12 0|0 ao acno, sebbado.
Peo presidente,
A P. de Leraos.
Pelo.seereurio,
Antonio Leonardo Rodrigues.
*LPANOK'iA.
Sesdimen'c- do Ot 1 a 12. ,
Mea do dia 14 .
419:311*156
30:638*467
449:949.623
Descarregam hoje 13 oe dezembro de 1874.
Patacho alUmao Colmar (atracado) merca-
dorias para aifandega.
Patacho dina aarquez A nna mercadorias pa
ra aifandega.
Patacho inglez Henry Trewbridg keros.-ne
para o trapicbe Lonceiyao, para despa-
char.
Lngar irigl^z Corisande bacalhao ja despa-
chado para o trapiclie '^onceicao.
Rarca ingieza Jane Maria ferro ja despa-
chado para o caes do Apollo.
Barca franceza S. Andre cimento .a despa-
chado para o eaes do Apollo.
Vapor nacional Bahia geaeros nacionaes pa- Ceja
ra o trapiehe da bompanhia. j Bhaves
Patacho inglez Jutenta cimento ja despacha-1 \xii
do para o caos do Apollo. Emarante
Burca mgleza Amoy carvai e Ujolos ja des- J Aniinaraes
pachados para o caes do Apollo. Gvilha
Barca portngueza Lisboa podras de cantaria ; Coelgara
para o trapiehe Concemao, para despa
char.
rtendimento de 1
!iem do dia 12
Bar.Mhao. etc.
a 11 1:175*528
I
Generos
;iendimento de 1 a 11
idem do dia 12
de esliva.
2:172*200
340*238
Earinha de trigo. etc.
iendimento de 1 a 11 770SR63
1-358*778
2:17o*o28
2:512*444
'demdo dia 12
tendimento de 1
idem do dia 12
Hendimento de 1
'dem do dia 12
453*230
----- 1:228*948
Furno, etc.
a 11 555*170
*
dante o I.* tenenie Wadlmglon, equipagem 67,
carga dilTerentes generos ; a Henry Forsler
&C.
Babia12 dias, barca alleina Greiff, de 316 tone-
ladas, capitao Jactzen, equipagem 11, era las-
tro ; a ordem
Navios sahiilos no mesmo dia.
Rio Grande do Sol -Patacho alleiuao Primus, ca-
pitao Brandt, carga assucar.
LiverpoolBarca ingleza Fame, capitao A. C. Gra-
v.'.-, carga a-so -ar e algodau.
Portos do sul Vapor a.'icricano South Anwica,
I cominanlante T.'nk'epaiigh, carga parte da que
trouxe do none.
Observagao.
Apparece ao none um vapor.
555*170
EDtTAES.
Consulado provindai.
14
Thesouro provincial de Pernambuco,
de dezembro de 1874.
0 escrivao,
J. C. M. da Silva Santos.
Oompanhia Indemnisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:0000000.
rhomaz de Aquino Fonceca k C, successores
agentes.
Esta compaohia toma seguros maritimos e ter-
restres, dando nestes o septimo anno gratis aos se-
gnrados.
Baa do Vi~nrio n. IS.
Banco do Minho.
Joaquim Jose Gon;alves Betrao & 1'ilho saccam
por todos os vapores sobre :
Anadia
Agui ia
Aveiro
MPort'alegre
Arcos de val de vez
Celorico de Bastos
Camitr.a
Mangualde
I'onie de Lima
Povoa de Lanhosa
Villa nova Je Portima
liuporttair/So.
Vapor nacional Bahii, entraJo aos portos do
norte em 14 do correiitd e can-ignado a Pereira
Vianna 4 C. maaifestju :
Cr rga do Para.
Coapeas do Child 1 farlo a Augusto Frederico
de Oliveira Ai?vedo k C.
Salsaparriiha 20 robs a Antonio Luiz de Olivei-
ra Azevedo.
Carga "do Maran'aaj.
Farinha de maniioea 36 saccas a Djmingos Al-
ves Matheus.
Tapioca 20 paooiros a Bellno ft Filhos.
Salsa e caroba 44 caixas a Costa Maia & C
Vapor americano South America, entrado de
New-York na mesrai data e consignado a Henry
For.-ler <& C, manifeslou :
Farinha de trigo, 109 barricas a Keller & C.
MeruiUorias divirsas 2 cixas aos coasignata-1
rios.
Tecido3 de algodao azul 2j caixas a Brown
Thompson 4 C.
OE3PACBOS DE EXPORT-VCAO NO DIA 12 D ,
DEZEMBRO DE 1874.
pa,e o$ portot do txitrier.
No patacho inglnz Jfary, para Liverpool, car-
regou : F. Caaci-j & b'llho 350 saccos com 26,250
kit* de assucar mascavado.
>n Jtn "fn^Sfc ran*{/'0.pa" LiIer.p^ I A casa commercial e bancaria de Augusto I ^riu
carregou b. Brothers <& C. 20 saccas com l,5Jb j.rn:-,:.. a r H___j.. h~ > Por
kilos de algodao. ; 'd Onreira Vinagre, etc.
a 11 717*071
43*569
-------- 760*640 Para sciencia dos contribuiutes do imposto da
------3--------- decima urbana e os eftVitos legaes, em seguioa
8:591*508 publicam se as alteratoes verilieadas no lau?a-
mento do mesmo imposto no corrente anno fiuau-
ceiro dd 1874 a 1875, 6cando aberto o prazu de
130 dias, nos termos do art. 38 do regulamento
de 6 de abril do corrente anno, as reclama(.6e*
qne por ventura ossam ter a fazer os interes-
: sados.
Alieracoe.s veriflcadas no Inngamento da decima
urbaua da fregu-zia de Nussa Senhora da Gra-
ca, no e.xercicio de 1874 a 1875, pelo lancador
Joao Pedro de Jesus da Matta.
Rua de Paysaudn'.
N. 12. Jospphi a Sebastiana Caval-
calcante de Albuquerque, um cobra-
do de um andar e loja e uma meia
agua na frente, que serve de garapei-
ra e mais 6 quartos, arrendado tudo
per 900:000
N. 14. Antonio de Holianda Arco-
Verde (^avalcante, um sobrado de nm
andar e loja, divijida esta em 7 quar-
tos e uma ineia agua na frente, qne
serve de garapeira, arrendado tudo
por 972 000
N. 20. Dr. Joaquim Jose da Fonceca,
Anna Ursula de Oliveira, Dr. Man H
Buarque de Maceoo, uma casa tern a
avaliada por 1:090*000
N. 22. Francisco Augusto da Oli-
veira Barros, Ju?e Joaquim de Olivei-
ra, baran ae Can pu-Verde, uma casa
terrea, avaliada p .r 1:000*000
N. 24. Anna Ursula de Oliveira,
uma casa terrea avaliada por 500*000
iY 26. Maria 1-i.b.d Nuues de Oli-
veira, uma cisa terrea arrendada
por 163*000
N. 28 A mesma, uma casa terrea
arrendada por 132*000
N. 30. A mesma, uma casa terrea
arien.'ada por 132*)f>0
N 132. A raesma, uma caa terrea
arrendada por 132*000
N. 32 .\. A mesiria, uma casa ter-
rea airendadapor 72*030
Ns. 34 e 36. Antonio de Sonza Aze-
vedo, uma casa terrea e meia agua,
dividida cm qubiz;, arrendado tudo
por 1:560*000
N. 38 Thefeza Gongalves de Jeus
Azevedo, uma casa terrea avaluda
por 60CB000
N. 40. A mesma, um sobrado de
um and ir e loja arrendado por 1:000*000
N. 42 A mesma, uma casa terrea .
arreplada por 720*000
N. 44 A mesma, duas casas ter-
reas arrendad por 1:000*000
Trav,. sa de Paysandu.
Ns. 2e4. Antonio Joaquim Ferrei-
ra de Sonza, ae caa terrea arren-
dada nor
N. 6. 0 mesmo.. uma casa terrea
arrendada por
N. 1. HerdelPBsHe.Antorio Jnsqnim
de Mcllo, uma ca.-a terrea arrendada
por
N. 7. Luiza Maria da Conneicao
! Cedrim, um* cisa terre* arieudada
Evora
Fate
Fi.ro
Guarda
Leiria
Lisboa
Barcellos
Coimbra
Miranleila
Penaficl
Monsao
Ovar
Porto
Tavira
Regoa
Vizeo
Figuei
L-mega
Estarr
Valen
Villa real
Cabecira de B.i'tos
Castello-Branco
Espozemie
Oliveira de Azeraeis
Povoa de Varzim
Vianua de Castello
Villa nova de Famalicao
Villa do Cnnde;
Ms ilhas
Madeira, S. Miguel, e Fatal e Teieeira.
SEGDROS
M1KITI1WS
E
CONTRA 0 FOGO.
A companbia Indemnisadora, estabelecid?
aesta praga, toma seguros maritimos sobrt
aavios e seus carregamentos e contra fogo
'.m edificios, mercadorias e mobibas: m
na do Vigario n. 4, pavimento terreo.
. arrenddda por
Visconde de Goyanna.
N. 159. Anna Barbosa Correia de
Mello, uma easa terrea arrendada
por
N. 161. Henriqnela Amalia Cesar
B Bnrlamaque, uma casa terrea ar-
rendada por
N. 163. Juse Jacintho Pereira da
Costa, uma casa terrea com sotiio ar-
rendada por
N. 167. Bernardino da S:Iva Lope.-,
uma casa terrea avaliada por
iV 169. Joao Damascao \ior$e;,
uma casa terrea avaii.ida pur
N. 173. Jose Jerouytno Mouteiru,
uma casa trrea arrendada por
N. 187. Manoel Jorge de Souza, uma
casa terrea avaliala por'
N. 189. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada nor
N. 215. Joao Antonio CarpiDleiro
da Silva, uma casa terrea arreulada
por
Rua das Criouias.
N. 2. Antonio Jose Pereira Bastos,
uma casa terrea arrendada por
N. 4 A. 0 mes do, uma casa terrea
para pagar decima do 2 semestre,
avaiiada por
N. 28. Francisco Al ves Monteiro Ju-
nior, uma casa terrea avafcada per
N 1. Manoel Carpiuteiro da Silva,
uma casa terrea arrendada por
N. 1 A. 0 mesmo, uma cisa terrea
arrendada por
N. 41. Herdeiros de Maria Eugenia
da Conceifao, uma casa terrea arren-
dada por
N. 15 A. Bernardino Jose Leitao,
uma casa terrea arrendada por
N. 15 B. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por
N. 23. Vietorino Gomes de Oliveira,
uma casa terrea arrendada por
N. 25. Bernardino Jose Leitao, uma
casa terrea arrendada por
N. 27. Manoel Ferroira D. Brandao,
uma casa terrea arrendada por
N. 29. Manoel Carpinteiro da Silva,
uma casa lerrea arrendada por
N. 43 Antonio Alves Pacheco, uma
casa terrea arrendada po-
N. 59. Joao Jos6 da Cunha Lages,
uma casa occupada pelo mesmo, ava-
liada por
N. 61. 0 raesmo, uma casa terrea
arrendada por
Rua A' Capunga.
N. 11. Francisco de Freitas G., uma
dsa terrea arrendada por
N. 13 0 mesmo, uma casa terrea-
arrendada por
N. 15. 0 raesjio, uma casa terrea
arrenoada por
N. 19. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por
N. 31. Joao Jo?e da Cunha Lages,
uma casa terrea arrendada por
Baixa verde,
N. 14. Quirino Jose dos Santos, uma
casa terrea avaliada por
N. 16 Joaquim ^Pereira Arantes,
uma ca-a ti-rrea arrenjada por
N. 18. 0 mesmo, uma casa lerrea
arrendada por
N. 24. Viuva de Conrado Antonio
do Esp-ritu Santo, uma casa terrea
arrendada por
N. 1. Caliisrina, To.'entino, Jose,
Joanna, Silvina, filh s de llita Fran-
cis a Corrda d>> Naseimenio, uma ca-
sa lerrea div .ii I. em cinco quartos,
arrendado tudo por
N. 1 A. Os mesmos, uma casa ter-
rea e mais ires quartos no lundo ava-
liado tudo por
N. 7. Ji eda Costa Bi.-po, uma ca-
sa terrea arren.iada rxr
N. 17. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por
N. 19. <) mesino, u:na casa terrea
anenri.da por
N. 2i. 0 raesrao, uma casa terrea
arrendada por
600 000'
244;000 incerio, aner o supplicante que se faca a sua cita
cao por editaes na forma da lei, admittindo assim
120 000 a justificar a incerteza do lugar em que se acha
|o reo. Pdde a V. S. assim o mande, contando te
i os dez dias, depois de veriUcada a citacao do edi-
I lal -E R M. Recife 9 de novembro de 1874.-G.
360.000 Aleoforado. Estava uma estampilha ao valor de
| duzentos reis, legalmente inulilisada. Distribuida,
_______ corao reqeer. Recife. 12 de novembro de 1874.
800S0001 Barros de Lacerda.
E nada mais se continha em dita peticao e des-
j pacbo a.jui fitlmente copiados, e por forca d mes-
mo despacho fora feila a dislnbuicao ao eserivio
'de?te J0'10 Ernes"> Macbado Freire Pereira da
40)" 000 Silva, e produzindo o supplicante as saas testemu-
nlias que depozeram convenientemente acerca da
600*0 0 ausencia do supplicad j Joaquim de i>ouza Maia, o
respectivo escrivao, fazendo sellar e preparar os
SOOiOOO autos, m'os. ftz conclnsos. e uellee de? a sentenija
do theor seguinte.- Hei por justificada a ausencia
240?0fJO do supplicado,pelo que mando seja cilado por
editaes com trinta dias de praio, ailixaJos a uubli-
240.OoO cados nos jornaes : enstas excausa. Recife, 17
de novembro de 1874.Sebastiao do Rego Barros
de Lacerda.
E nada mais se enlinha em dira sentenca aqui
fielmeme copiada, por farca da mesma o respeeli-
vo escriv5o fez passar o presente edilal, pelo theor
200*0001 do qual, cbam<', cito e bei por cilado o referido
j supplicado Joaquim de Sooza Maia, para que, u--a-
' To do referido termo de sessenta dias compareca
200*000 I neste jnizo, por si ou por seus procuradores, alle-
gando e provando o qne for a bem de sen direito
e just>ea, sob pena de reve'ia. Portaaio toda e
qualqoer pessoa, pareote, aroigos ou eonhecidos do
supplicado lbes f-.rao >cieate de todo o expendido.
V, para que chegue ao conhecimento de
todos, inandei passar o presente, que seri
publicado pela imprensa e affixado nos lu-
gnres do costume.
Recife, 23 de novembro de 1874.
Eu, Ernesto Macbado Freire Pereira da
Silva, escrivao, o subscrevi.
Sebastiao do Jiego Barros de Lacsrda.
1:000*000
3003000
1:000*000
1:000*000
120*000
300*000
300*000
200*000
240*00)
276*000
504*000
180*000
800*000
600*000
360*000
300*000
300*000
360*000
180*000
200*000
300*000
303*000
200*000
Oadinmistiador da receOedona tie rendas
internas gerae?, pelo presente avisa as pessoas,
connantes da relacao abaixo transcripla, uma?
por morarem fora da cidade, e outras por se ig-
norar a resiuencia, que tendo sido multadas em
virtude dos arts. 33 e 35 pela i fraccao do art 21
do regulamento n. 4'83o d 1 de dezeuib ro de
1871, devera vir realisar o pagamento da muta
^ue Ihes foijmposta, no prazo de 30 dias, coniado-
da puldica^ao deste, nos jornaes desta cidade, sob
pena de se procedar a cobranca executiva
Recebedoria de Pernambuco, 28 de novembro de
1874.
Manoel .Carneiro de Sauza Lacerda.
Relacao a que se refere o edital supra.
Candida Covalcanie de Miranda Vare-
jao, ignora-se a residencia, multa-
^ da em 10,(00
Caetano de Cirvalbo de Mendonca Va-
rejao, morador em Afogados, mul-
tado em 10^000
Candida Lourenca de Lima, residen-
nos Remedios, mnltada em 100.000
Umbelina de Carvalho Miranda Vare-
jao, residente em Afogados, mnlta-
da em 10.000
Paulino de Carvalho Miranda Varejao,
residente em Afogados, muttado em 10.000
F.ancisca M ireira Ke iLobo, residen-
te na asa Forte, multada era lO.ObO
Amelia Maria da Rocha, residente era
Ponte de Ucboa, multada em 10 COO
Beceo das Boiaa.
Casa terrea b. 18.......
Rua da Lapa.
jasa terrea n. 11.......
Rua do Amor
Jobr*do de 2 andares n. 23 .
"asa terrea n. 34......
Roar do Bug *
Jasa terrea. n. 21.......
Una do Vigario.
1* andar do sobrado n. 27 (fecba!) .
! andar do mesmo (fecnada) .
Loja do mesmo fecnada.....
Rua do Er.caniai.'it stu.
Sobrado de 2 andares n. UflaaMta*. 1:400*0 I
Rua da Senzalla velba
idem n. 16........W.>tii
Rua da Gaia.
Casa terrea a. 2." Mt0M*
idem o. 29......201*6t*
Rua do BJin Jesns
sobrado n. ii........
Rua de S. Jorfa
^sa terre* n. 103......
idem n. 108........
Idem n. 98.......ftlJtX
Parnararirim
shen. i ... o mmt
Os pretepd-i/ite* deverao aprcenUr .:( act 4a
invmat as suas fianras, on cor:
I'W/paiihalos dos respective Dadore '-vind*
aagar alem al i renda, o pre.raio da :u;.aua en
jue for se.T-> : preoio -.ra^ contiv*' e-.al)tf>c-
nenlo com-ntr*-; a1. 2'tsira como o rtt;?" da Its -
peza e pre-; a pparefcose e nan:stV.
SecreWi da .-*> -nu ^.-a da Miseniurdta do -
afe, 10 de .' ..:...!.
.'.iscnva;.,
-/< H.vir,0tu3 4r Aw:o.
Sociedade Vropasador* da
Iiistr-iccao Publica.
Parw'wa Pelo pr*MT:'.v -ii. .-i-ir>i'!alo3 lodos n* roetos
se reunirem tu i IS da correMe as 6 boras da
tarde, u roa Pi >- n. in, sfim de se proreJe*
a elei'.-ao d>.s ie:uln'.>* qu" deverio funcciuetar
em o nauii rauaei vintiro.
Recife, 10 de u-.-.-.iii..r > de 1871.
O secreun...
_________________J'ise F. Pi. de Sooza.
TOKSOUHA-KIA DE FAil?iOA
Nil tendo o ocorr.do no dia ? deste ncz pn-
ponenles ao fornerimento elos oli^eeiiw necessario<
ao expedienle desta r-partijai, nmfnrme fur^
aonun^iado, sao novarnenie cmvilalos os infero*
sadus para aprest-nt-ir- m suas propo-tas en cart.
fecbada at? o dia 19 deste me-ino ih-^z, em qmi
devera ser aceita a ii qaem tutor vantagem o4fc
remr a fazenda. As proi>ot*as >}evera vir coar*e-
nientemenic t-ellada*, e derlarar, alem das condi
c'-es do contrati, o acme e re-id.ncia do propo-
nente e do seu fiador.
Secretaria da thesouraria tie lizenla 4c Per
nambuco, 12 de dezemoro de 1K74.
Jucundiano Rodrisu"* de Oliveira.
S'*eretariu oa r.ta.
300*000
200*000
400*000
240*000
240*000
240*000
Pnmeira seccao do consulado provincial, 4 de
dezembro de 1874.
O chefe,
Eluardo A. de Oliveira.
O capitao Manoel Jooqnim Ferreira Esteves, cava-
llie.in. da imperial oruera da Rosa, juiz de paz
uo priineiro anno da frv.gutzia de S. Jo^e do Re-
cife, etn v:r.ude da lei, etc.
Fajo saber que de eoBformidade com a lei regn-
lameuiar convoco os eleJlores e suppleute3, residentes nesra
(raguezia e ab .iio declarados, para que comoare
cam na lercetra dominga do mez de Janeiro proxi-
mo fuluro, na igreja matrix de.-ta freguezia, pe as
9 boras da manba, alim de se orgamsar a junta
qualilicadora, para rever a quahlicacao aale-
ceoenie e qualilicar os vjuntcs na eonformldade
da ine-ma lei: ficando scientes que soffrerao a
inulta da 41 *00t) a 60*000 os que deixarem de
comparecer sem motivo ju-tilicado, ou mesmo cam
parecendo, nao assicnem a respectiva acta.
Eleitores.
M-inoel Joaquim Ferreira E teves, padre Antonio
de Mello e Albujuerque, Joao B.ipl^ta do Rego,
J...-6 Lnpes Dias Francisco de Paula Maiinho Fal-
cao, Sufi Xavler oelho, Frettrico de Souza Go-
mes, Simio lose de Azevedo Santos, Claudino Jose
de biqueira, PauliooHerculaoo de FigueireJo, Joao
Xavier da Fonceca Capibanbe, Jose Juvenal Ilia"
Barreto, tost Anselmo Gonzaga de Oliveira, Jose
Antonio Candido de Lima, Peuro Ratis de Borja,
Firmino Firmo de Azeveilo, Pedro Aureliano da
Cruz Muniz, capitao Joao Ce-ar Cavalcante de Albu
querque, tainillo Antonio Ferreira da Silva, Anto-
nio Muniz T..vaies, Manoel de Almeida Lima, Joao
Soares da Fonceca Velloso, Jo?e Simplicio de Sa Es-
leves, capitao Manoel Antonio Riheiro, Ernestino
Cavalcaote de Albuquerque, Vicente Lecinio da
Cnsia Campello, Joaquim Pedro do> Santos Bezerra,
F. (tx Paes da Silva Pereira e Fraacelino Augusto
de Holianda Chacon.
Suppleutes.
Liberato Luiz de Freitas, Manoel de Paula Cor-
re a, Valdivmn Ribe.ro da Silva, Luiz de Sooza
Bandetia, D Mmlngos Francisco l!uraes, Jos6 de Mi
rands Darao, Clauiiuo Jose Cavalcante, Antonio
Jos6 dos Santos, Miguel dos S. n'.os Costa Junior,
Jacob Luis CaValeaote, Paulino Augusto de Siquei
ra, Jose Dias d is Sautos, Jusimo Ansberto de Sou-
za, Simplici) Hemc-teriu de Farias, Joaquim Mo-
reira de M ad mea, Antonio Tava'-es Catanho, Joao
Paulo d'Albuquerque, Vicente Jose da Silva, Ber-
uardino de Senna Ferreira Leite, Francisco Jose dos
Santos ll.norato, M.rcolino Martios da" Lnz, Fran-
cisco Manoel d'Oliveira, Geminian Infante Lamachi
rtigueis JosePathec.t dp Msnezes, Antonio Jose do
Dios s.-uza eSilva, Antonio Francisco Monteiro, An-
lahin da Silva Cardeal, Joao Gualberto dos Sanloi,
J .?. i Gu -ibertjde Paula Fraoco, Miguel Marlins do
i- ramento e Ignacio Jose Gomes.
3 ,' .ia conslar, raandei faz-ro presente, afflxal o
nos lugarcs do costume e publical-o pela impren
sa. .
F<-e?uezia de S. Jose do Recife, 14 de dezembro
de 1874.
Eu, Jose Goacalves de Sa, escrivao do juiz de
paz, o escrevi.
Mnncel Joaquim Ferreira Esteves.
Augusto F. d'Oliveira k C.
A casa commercial e bancaria de Aagnsto I
1441000
3605000
000*00
0 Dr. Sebistiao do Rego Barros de Lacer-
da, juiz de dirtilo especial do commer-
ce,' nesta cidade do Recife de. Pernara-
' buco, par Sua Mogpstade o Imperador,
quo Deus guarde, etc.
Fco saber pel. presente Hilal que Eduardo
Alexandre Burle, p^r seu advogado me dirigio a
peteao do tbe.T seguinte :
lllra. Sr. Dr. juiz do eonimercio.Diz Eduardo
AlfcKaiiJ-e Rurlo <\\*> haveudo iu( mtado acfito de
At .a i ...Ir .l?".nl.ican rl, l'(i.l.
0 lllra. br. inspector do thesouro proviucia-
era virtade da ordem da presidencia, de hoje. de
termmando o resgate das apolices provinciaes de
n. 1 a n. 320, serie A, emiltidas para pagamento
da companbia Recife Drainage, c.n/ida aos pos-
suidores de dilas apolices a comparecerem neste
thesouro a receberem a importaucia das mesmas
e os juros ale esta data, scientilicando-lhes qne
desta mesmo data em diante nao vencerao ellas
mais juro algum, em ob^ervancia da regulamen
to respectivo.
Secretaria dn thesouro provincial de Pernam,
buco, em 30 de novemDro de 187*.
0 secretaria,
_________________Miguel Affooso Ferreira.
0 Dr. Joaquim Gongalve^ Lima, juiz d .s feitos
da fazenda d^sta provincia, por S. M. o Impera
d r, a quem Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presante edital virem, que
era cumprimento da ordem do thesouro, de 30 de
dezeaibro de 1865, e das instruc^oes que com a
mesma baixaram, findo o prazo it tres mezes. a
contar da data da publicagio deste, sera vendido
e arrea atado em hasta publica celebrada na com-
marca de Itambe, a qaem maior preco off.recer.a
vista ou a prazo ate It annos, quando muito, na
juros de6<)|Qao auno pelo tempo da demora, a
corapresensao denominada Buraeu do ex-
tincto vinculo de Itambe, sita naqnella con area,
a qual se acha avaliada em o.Ouu.000 e cimiem
segun o a medi^ao a que se pn ivJ a e c. nst.i
dosautos a exteosao stguinte : -do lado dolesie
1,1)0 iracas, do lado do norte 409 bracas, do lado
do Boroeste 68z bracaa, do lado do ponn 411 bra-
cas, e do lado do sul 681, sendo todooterreno pro
proprio para a culiura 03 mandioca e outros legu-
mes, e fic.ndo eertos os interesados de que, tan
to por lanto sera, referidoo la nr^) do poseiro res-
pectivo na conformidade da ordem do thesuuro n.
id, de 28 de Janeiro de 1874
Recife, 15 de setemb.-o dej874.-En, Jose Fran
cisco do Rago Barros, escrivao, o suisirevi.
8EC1
Massa fallida de Pereira de
Meilo & C.
Os credores podem rece-
ber oterceiro dividenfio de
set ? por cento^ apresentando
os titulos para ser annotado.
fhoniaz de Aquino Fonceca & C.
Succfssores
saccam por todos os vapores, so bre as segumtei
pracas :
Lisboa. Regoa.
Porto. Chaves.
Braga Villa-Flor.
Vianna. Mirandella.
Viseu. Aii jo.
Guarda. Favaios.
Coimbra. Braganca.
Guimaraes Lamego.
Rio de Janeiro
Na rua do Vigario n. 19.
SANTA CASA DA MiSERiCORulA CO
RECIFE.
A Hlma. junta adminisrrativa da Santa Casa da
Vlisericordia do Recife, manda fazer pablico ipif
t.. sala de suas ssssoes, no dia 17 de dezembro, pe
as 3 horas da tarde, tem de ser arreroau'Ias i
raera mais vantageas o Jerecer, pelo tempo de urr
i tres annos, as rendas dos predios em segnidi
leclarados.
ESTABELEC1MENT0 DE CAR1DADE.
Vidal de Negreiro*.
Casa terrea n. 94.......301*(W
Idem a. 112 .....327:000
Rna larga do Rosario.
'..' andare loja n 24 A fecbada .
\
Be ceo 'la rua Real.
n,-,(!, Thco;| ra da ?:l-
assign ;,.i do del ill s contra Fr^Dcisco da Costa
Maia, e J aquira da CoSta Maia, psra o pagamento
da letra cMstadte da certidao junta, e tendo de-
cabido delta na parte relativa a ioaqoim da Costa
Maia, por nlo ser este o devedr.r signatario da le-
tra e sim Joaqoim de Santa Maia, qne pof essa
razao i:;V; foi conderanado, quer o supplicante para
o flm d ser ene ignalmertte condemnadd, tnlentar
a presente ac^ao, pela quai re :uer seine assig-
nee os dez dias da lei, para dentro delles pagar a
importancia da referida letra, seus juros e custas,
84*000r on all-gar os embargos que o relevem, Bcando
log.i cilado para todos os termos ate Gqal. E como

n 310*(-i
25i*(KH'
99*001!
120*001,
400*000
%: andar n. *4 A idem .
Rua de Amonio Henriques.
iasa terrea a 26 (fechada). .
'Largo da Campiua.
dem nil (fechada)......
Rua do Coronel Suassnna
! andar do s brado n. 94 .
Rua do Visconde de Albuquerque.
Casa terrea n. 101. ... 241 000
Idem n. 91 .... 68i.,000
Beoeo do Abreu.
Sobrado de 4 andares n. 2 481.000
Rua dos Pescadores
Casa terrea n. 11.......243*000
V Raa de S. Bento (Olinda)
Sobrado n. 17........408*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Roa do Commercio
Sobrado n. 30.......800*000
Rua da Moeda.
Ca=a terraau. 2fwhadsV.. 400
0 procuradur flcal e d..? ieit.>- iii'-nno d..
fazenda daciotwl, faz scient> a qn-in int-r<-stai
possa, qu- e^iando a lensin^r an dia :3 do ear
rente o praz rein impres.-os nos jaMMa mmtm cidaeVa, para i
arreiiiatai;ao da cmn;.rehensao d-r:.m),aada Bora
co, do extioeto v;a al) Ir I..:;.be, rita na co
marca do mesmo name, lera lugar a in-:na ar
rematayao no dia 18 d> aorwesU, a H srguisstc
se pur qnalquer motivo na. .-. | 'ia 18 perante u juiro Csunicipal d-qncll* Ctnaar
ea, serrinib da Mae a me'i^ao a a avaliac*.
feitas e cun-untes d a nHfteVN :'
Sec;'.i a i conleneiaso da tliesrarana d faz a
da do Pemambaeo, 12 do Ae ml i le 1834.
_______ Pidro k%mm de VJillo.
2/ baiafti* d? taAHarii.
0 c'mselb i economic) deste La ail.a-i coatrais
para o faruecimento das prasa-< -r. ncUda<
no rera^stre do anno de 187.". os gererea *-
liuiutes : arroz piUd".. k-fc>; :--urar iiraaco>
masca'-mho reflnad s. idem : aaaatta, ideas
cafe em car.co e moido idem ; came secea e
verde, mMm\ ; mans^iga iaglaia e ftiaesta,
idem ; milho l.rancj pftaM m Rio de Jaaei
ro, idem; touciahi de I. -i. ... i in; f. ..iaade
roanliocr. da (terr.) iitro ; fe.ja.i r a' ilin* pre-
to, idem ; azsite d ice, idea ; ra gr-, il- n ; 1-
nha, achas ; e pans aV 118 e S3 paa-
venindo-se aos concorrentes .jue d- \ -m asjaaaaa-
lar i uas promstas em carlas f caaaaa ar I i horas
da m: nha d<> dia 19 dt, evrrrate na secreiaria d
bataihiif, que o.<- generos saraa t km d* prnaeir?
qualidade poates pa qnait-l p. r C'lil- do ccu-
iratante, e ; ie nao -e : Jiiiit'.eiu.p..;
conbvereio txpli?ilanen:e us precis p i. a* as
dec I a ranks n cirssarias scbre a quai: ;..jj d >
an ;i#|s geaaroa.
Uaartel nis Cineo PoaUs era Pernaxtaco, 14
de dLZembro de 1874.
Joao Biptista > 3qnra,
Aliarn> ^e rii ia.
Q aarla feira. 16 Uo cur i.t dp i- qn i
lllra. Sr Dr. juiz .-ub-iiluto d 2' van ni^a
ria, tem de ser arrmalado um |,.ano Ir ;;.i-;..-aa-
da, na rua da Pefih. Mibrad) u. Ii,a I* -odar,
pt.r execn^ao de J. ao Luiz F rn .ra Ribeiro
contra Jose da Cjsia dourado.
Oonfereuoias pubiicas.
De conformidade cm re-i.l-.-i.io em aaaali d>
13, faco pu .lici que, a pritmira d.is roofe
reucias aaeatai sob os ar.spicio- da ir,a;oaaria
desta prcvir.cia, lera lngar na sala d<> theatre
Saido Antonio, as 11 boras do dia 20 do corren
te dcxeuibro.
E" orador o illm Sr. Floriano Cmrr,u de Brito
que di-serl.ra sobre a fBMHa reugi-s-t.
As pessoas que pret'n lein in-crevere para
os conferencias qne te Ihe seguirem, dev-n di
rigir-se ao abaixo as-iguado e prevaa^.
In do objeclo de sea di-turn, afin de que
comraissao respectivi resulva Dus t row da di
posifao VII Uas bas..'S u'timente appravadas.
Recife, 15 de dciem'Tj de 1874.
Joao Marlins ie Aadrade,
Secreurk.
(Juirla-feira 16 do c ir i La, 'ila a audtea
cia d i Illm. Sr. Dr. juiz de dir. iu la 2' vara. a-
10 huras do roenciuiado dia, am !. sr anrma
tada a aunacao co n t di- ism portends
genpro, exi-tentes na lavenn n 30. siu ao largo
do Terco, tudo availed > em ;75i480, par cxe-
cn;ao de D. Anna Frlisar ia de S..u;a e SiNa
contra Manoel ntoQ" P-g"._________________
THESOLRARlA DE FaZL>I4
U or.j?m do Illm. Sr. ins: -c: r si< oeio pr
srnie. intiraados o Ferreira Chives, s^us tiardeiros ou sure -
qne.tn por qnalquer in Ivo o r preietiK e q ace
quer outros int. re p.ili.ao afl. de d^clararen:, do prazo I, 30 d -s
qua IBM llca as-ignado, e fcraiiai ou 11S0 a r
'ado da t..o. Ja d.-s coau* d mesmo x-tiiMiat%Bt
rel livas a exw-icto d i86J-"0. em ceu 0 dito li'gar; soli pena de ear* n e "ieVra.'
reveis. e pro?'guir -e no prnc- sso da r.-'n I-. 1 >
mada de c iotas, iu'ltpen-leni1 rt. i,n q-wr n
ciU^ai. nos termos do an. 22 is tWof Is n 2,548.
de 10 de nvi-ro de I860: devend > aaeBarar tarn
bem eu do .icilio, ou coniiiuir<-n ne-.t esdaJt-
prof.urtdar com os aeeessarios 0 bastaotes aa-
ieres.
Thpviuraria d faaea'tj. de P.-rnamnaca, 3 di
dezembro de i874.
JuecoJIaoo Po -i^nes d> Olivatra,
________________ S"rt-m i 1 \ jnnta.
Cousuld provincial.
Pelo c.msnla'o pntvine-al, Uz-t i"i'liea sat
respectivos cor.tribointes, que < L* d
vin.) mi o per diante cimc a eorr** prato 1
30 dias uteis. r'-ardaJna art. 84 rat. d
17 d 1 juoho de 1873. i- obn.Br:. do pciasM-
ro sanest. 11 e le "'
bns da man marua, no corrmjie tXdrct-->-> de
1874 a 1875. 11 na mall, de 6 0-a
a inelles ii "* I118 naj alwfi*(fsrB
ne-e sfSSi os ; n .iehi' .
Consob'do provincial. 27 de'aivembro de 87t
0 a luMins-.rador,
Ant P.'.'.
Pelo Hksou-
h'iri |U- '
rant > s trr
do I* 2* ne** 4 c tU< d> qU'rie/f di e >". da iati
-mc""
\\mi\ in* aa-
*a*SSr"= <).-
aa, e>ta orea< a


!

i
Jiario de Pemambucu Terca feira 15 de Dezembro de 1874.
i Secretaria do tbesoaro provincial de Pernam-
bnco, 11 de dezetrbro de 1871.
0 secretario,
_________ Miguel AITopgo Ferreira.
Companhia Fidelida e
Seguros maritimos e terrestres
A agenda desta companhia toma seguros mari-
timos e terrestres, a premios razoaveis, dando nos
nltimos o solo livre, e o setimo anno gratuit > ao
>egurado. _
Feliciano Jose Gomes,
Agente.
ADMINISTRAVAO DOS COKREIOS DK PER.NAM-
BUCO, t5 DE DEZEMBRO DE 1874
Malas a expedir-e
Pelo vapor nacional Buhia, esta administra-
te ezpede malas para os portos do sal, hoje 15.
Reeebem-se jornaes, impresto* de qualquer na-
ture**, e cartas a registrar, ate 2 horas da tarde
cartas ordinarias ate 3 horas, e estas ate as 3 1)2
com porte daplo.
As cartas e jornaes que se dirigirem ao Rio da
Prata, pagarao previamente, aquellas a taxa de
300 rs. por 15 grammas ou fraccAo de 15 gram-
mas, e estes a de 40 r?. por 40 grammas ou frac-
cio de 40.grammas, na progressio estabelecida
nas tabellasC e D annexas as instruccdes do !
de dezembro de 1866.
Rio de Janeiro.
Pretende segair com muita brevidade a barca
portoguezSopAj'a, por ter a maior parte de sen
carregamento eugajado, e para o resto que lbe
falta, trata-se com os consignatarios Joaquim Jose
Goncalves Beltrao & Filho, i ma do Commercio
n. S.
No escriptorio da rua do Bom Jesus d. 53,
primeiro andar.
Por ordem do I lira. Sr. Dr. Jose Antonio de Fi
gueiredo, tes'ameoteiro do lioado Dr. Antonio d'As
sumpcao Cabral, o ag-nte Pinho Borges fara leilao
da supradita casa. Qualquer esclarecimento com
o mesrao agente. ______^__________
i'elos vapores nacionaes Valeria de Sinimbu',
esta administrac.ao expede malas para Maceio, Pe-
nedo, Aracaju' e Bania; e Giquid, paraos mesons
portos ate Aracaju, hoje 15.
Recebem-se jornaes, impressos de qualquer na-
tnreza, e cartas a registrar, ate 2 horas d tarde,
cartas ordinarias ate 3 horas, e estas ate 3 li2,
pagando porte duplo.
Affonso do Rego Barros,
Administrador.
Santo Antonio
ESPECTACULO EXTRAORDINARY)
EM
Beneficio ila Sociedade I'ropa-
jadora da Iii*Ipiicouo Pu-
blica.
(Parochia do Poqo da Panella.)
Quarla-ieira 16 docorrente.
Com o drama original brasileiro do Sr. Jose de
Lima Penante,
A Bencao Materoa
e escolhidas come lias, que serao depois annuncia
das, os actores quj representara actnalmente no
theatro de Santo Antonio, com os mnsicos da or-
chestra e o proprietario do mesmo theatro, e: cer-
ram definitisamente os trabalhos do corrente anno,
prestando seus servicos gratuitosem favor do con-
selho director da sociedade Propagadora da Ins-
truccao Publica (no Poco da PanelU.)
Seroelhante servico, e para fim tao importante,
nao pode deixar de penhorar todos quanlos fazem
parte da referida sociedade e despertar o favor e
benevolencia do pubhco.
Havera depois do espectaculo um trem ate o Ca-
xanga, assim como doas bonds, sendo um para
Magdalena e outro para Fernandes Vieira.
COMPANaiAP ERNAMBUCANA
DE
!\'aveajacilo costelra a vapor.
Macei6, escalas, Penedo e Aracaju'.
0 vapor Giqut d uroa optima
commandanle Martin a
seguira para os por-
tos acimano dia 15
do corrente mez, as 5
horas da tarde.
Recebe carga ate o dia 14, encoui nendas, di-
nbeiro a frete e passagens ate as 2 horas da tar-
de do dia da sahida : scriptorio qo Forte do
Mattes n. 12.
LEILAO
7 re-
Para Lisboa e Porto
Vae sahir com muita brevidade o brigue portu-
gjuz Imperial, por ter grande parte de carga
prompta. Para o resto e passageiros, trata-se mar'era'viagem de Liverpool para Bombaim.
com os consignatarios Thomaz de Aquino Fonce
ca & C. Successeres. a rua do Vigario n. 19.
DE
lancba. urn salva vidas,
mos e 14 forquetas
QUARTA-FE1RA 16 DO CORRENTE.
am 11 horas
Em o trapicbe ena frente a guarda-moria da
alfandega
0 agente Dijs, cump-ienteinente antorfcalo. If-
vara a leilao. uo dia e dura asnna iudicadu*, com
licenca do Illm. Sr. inspector da alfandega, e assis-
tencia de um empregado da mesma reparticao, em
preseoca do Illm. Sr consul de S. M. Rritannica,
uma optima lancba. um salva vidas, 7 remos e
14 forquetas, salvados da galera ingleza The Foun-
dling, capitao N. \V. Rutter, incendiada em alto
figuras para cima de mesa,
1 lustre de crystal para
gaz, objectos de brilhari
te, ouro e prata, guarda
comida, mesa e secretaria
para advogado, relogios
de algibeira, de ouro e pra-
ta, santuarios, aparadores,
crystaes, relogios de pare-
de, chapeos para homem,
quinquilharias,
passos ao voltar a fundiclo do fallecido Starr.
0 leilao principiara logo que cbegae o bond
ndicadoi.
0 palacete que se acba em perfeito estado de
conservacao, possue magnificos commodos para
grande familia e tern terraco com optima vista,
cozinba independent, quartos para criados, co-
cheira e estribaria, jardiio, arvores frucuferas e
um bom viveiro muralo; pode ser alngadoa
qualquer Sr. preiendente, a quem seoHerecera
occasiio de examinar no dia do referido leilao.
Venda de navio.
Vende-se o patacho nacional Africana, que se
acha ancorado no quadro da descarga da carne-
secca : quem o pretender dirija se ao mesmo
oara examioa-lo, e a tralar com seus consigna-
tarios Amortm Incites & C.____________ .
Libras esterlinas.
V^endem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commerce n 4*.
Do
e ilesapparicao
de uma menina de 14 an-
nos, que bebe, come e fal-
la com o espectador.
0 professor Gris d'Apremont tern a honra de
participar ao respeitaveljpubiico desta cidade que
possue ^^^:l verdadeira maravilha, que agradou
extraordiuai iaraente nao f6 cm Franca e na Alle-
manha, como na Italia e outros paizes onde tem
estado. A's familia^nao devem.perJer a occa-
siao de ver objeclo tao curioso.
Entrails gt-rai "WO rs.
Rua da Imperatriz n 1.
m$M mkWfMm
Companhia Pcrnambucana de
nategactlo costeira a vapor.
Mamamguape pela Parahyba.
0 vapor Mandohu, common-
dante Marinho, seguira para os
portos acima no dia 17 do cor-
rente, as 5 bora* da tarde.
Recebe carga ate o dia 16, en
eommendas, pas>3geiros e oinheiro a frete ate" 2
horas da laide do dia da sahida, no escriptorio do
Forte do Mattos n. 12.
Pacific Steam ^avigalioo OnpJ
R. M. STEAMER
'4.G91
toneladas).
Espera-se dos
portos do sol ate
o dia 20 do cor-
rente e seguira
para Liverpool,
tocando em Lis-
boa e Bordeos,
para onde rece-
bera passageiros,
encommendas e dinbeiro a frete.
N B Nao sanira antes das tres horas da tarde
do dia de sua cbegada.
AGENTES
Wilgon Hone A C.
14 Rua do Commercio14
Aracaly
0 biate Leonilia da Cruz sane para o porto
acima indicado, hoje as 4 boras da tarde : os se-
nhores carregadores queiram procurar seus co-
nbecimentos ate ao meio dia, a rua do Araonm
numero 60. .^^_^_
Para o Porto e Lisboa
pretendo seguir com pouca demora a barca por-
tugueza Social, por ter porcao da carga engajada;
e para o res'o que Ihe falta e passageins, trata-se
com os consignatarios Joaquim Jse Goncalves Bel
trio & Filho, a rua do Commercio n. 5._______
Para o Ceara
gue em poucos dias o brigue allemao Coltnar,
ecebe carga a frete modico a tratar no escrip
orio de Domingos Alves Matheus, a rua do Viga
rio n. 5.
Para Lisboa
o lugre portuguez Cidral, eapitio I. Adriio da Sil-
va, vai sabir com brevidade : para carga e passa-
geiros, trata-se com Silva Guimaraes & C, praca
io Corpo Santo n. 6. _____
Companhia Allincja Mariti-
ma Portuense.
Empreza do navegsgao entre o Brasil
e Portugal
Barca portugueza Victoria
Para o Porto
A sabir com a maxima brevidade. Recebe ear
ga e pasageniros: a tratar com Jose da Silva
Xoyo & Filho.______________
Rio de Janeiro.
Pan o indicado porto recebe carga a frete a
barca portugueza Lisboa : a tratar com Tito Li-
vio Soires, a rua do Torre* n, JO.
BAHIA
Segue com este destino, nestes quatro dias, o
palhabote Rosita, tomando para o referido porto
a carga que Ihe apoarecer, por isso quem quizer
aproveitar, pode dirigir se aos consignatarios Joa-
quim Jose Goncalves Beltrao A Filho, a rua do
Commercio n. 5.
Companhia ullian^n niaririma
portuense
Empreza de navegagao entre o Brasil e Pot
tug.il
PARA 0 PORTO
Barca portugueza Jove* Adelaide, a sahir com a
maxima Brevidade, recebe carga e passageiros : a
tratar com os seus consignatarios Jose da Silva
Loyo & Filho.____________________________
Para o Kin de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o brigue
Isabel, tem parte de seu carregamento engajado :
para o resto que Ihe falta, trata-se com o seu coo-
signatario Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, rua
do Bom Jesus n. 57.
1
Agente Pestana
LEILAO
DE
uma mobilia de jaciiranda\ uom tampos de
pedra, quasi nova, cantendo as seguintes
pe$as:
A saber:
18 cadeiras de guarnicao.
1 sofa.
2 consoles.
2 jardineiras.
4 cadeiras de braco.
QUARTA-FEIRA 16 DOCORRENTE
A'S 11 HORAS EM PONTO.
Em continuacio ao leilao de moveis e mais ob-
jectos, no 2.* andar da rua do Marquez de Olinda
n.53.
Por intervencao do preposto do agente Pestana.
Importante
leilao
Dividas da massa fallida de
Bento da Silva & 0
Tendo lido no Diario de Pernambnco n. 268 de
e immen~ ^3 de novernbro ultimo um ainmncio do Sr. le-
nente-coronel Uecio de Aquino Fonceca, que na
SOS artliiOS do U80 domeS- qualidade de arreraatante das dividas dessa aaau,
. O petle 0 pagimento aos devedores da mesma, sob
tlCO, OUe SeraO VendldOSa Pena de se empregar na cjbrao;a todoocigirda
i '"1 v' torn sorpreza meu nome na grande Itsta dos
trOCO dO baratO, pOr COnta devedores, com a qaantia de J:75**400.
I Declare que nada devo a referida n
Grande
1LA0
DE
JOIAS
fciiu contiuuaqao
HOJE
Na casa de penhores, travessa da rua das
Cruzes n. 3.
Julio Isaac fara leilao, em continuacao, por in-
tervened do agente Martins, de tod s as cautelas
vencidas e dadas em penhor, constando de objec-
tos de brilhante, aderecos completes, correntoes
de relogios, relogios, alfinetes, brincos, cordoes,
cacoleta e muitos outros objectos, que serao vendi
dos para liquilar.
Principiando as 11 horas do dia acima.
DE
bons moveis, louas, vidros, crystaes, ouro,
p.-ata e obras de electro-plate.
Quarta-feira IB do corrente
A'S 101[2 HORAS EM PONTO.
No 2* andar do subrado sito & rua do
Marquez de Olinda n. 53.
0 preposto do agente Pestana, competentemente
autonaado por uma familia que retirou-se para o
Rio de Janeiro, fara leilao por coma e risco de
quem pertencer, dos moveis e mais objectos, abai-
xo mencioaadus, a saber :
Sala de visita.
1 rica mobilia de jacaranda com tampo de pedra-
a Luiz XV, 1 piaLO de jacaranda, 1 par de espel
lhos, i p3r de serpentine, I par de jarros cor azu'
com pingentes, 1 dito cor de rosa coin pingentes,
2 pares de lanternas, I eandieiro a gaz, 1 machina
de custora, 1 tapete grande 6 di .os pequenos, 1
porta musica, I banco para piano, 1 custureira.
1 quarto.
1 rica cama de jacaranda, 1 toilette de dito, 1
lavatorio de pao setim, 1 guarda vestido, 1 tapete,
1 bidet, 1 cabide.
Sala de espera.
1 mobilia de faia com tampo de pedra,
de jarros, 1 eandieiro a gaz.
2' quarto
1 cama de jecaranda, 1 guarda roupa,
1 cabide, 1|2 commcula de amarello, 1 lavatorio,
3" quarto.
1 commoda inteira de amarello, 1 berco, 1 toilette
de junco com espelbo, 1 cal.ide, 1 marqueza, 1
lavatorio de ferr-->, 1 mesa elastica do 1 tiboas, 2
guarJas lou^as, 1 par de aparadores, 1 sofa, 12
cadeiras de amarello, l\l apparelho para jantar, 1|2
dito para almogo, l|2 dito de electro plate, 1 cadeira
de baianco, 2 pares de quarlinhas, 1 jam.
Sala de engommado.
de diversos
Oninla-feira 17 do corrente
as 11 horas
NA
PEIRA SBMANAL
1*) -P.ua do lniperadur-III
4RMAZEM
Agente Pestana
leilao
DE
3 caixas com queijos londrinos, ultima-
mente desembarcados com a marca J. J.
G. B. & F. e 20 barricas com cerveja
Bass, em garrafas inteiras e em ditas
meias
QUINTA-FEIRA 17 DO CORRENTE
as 11 horas em ponto.
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
fandega.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 3 catxas com
queijos londrinos, ultimaraente desembarcados, e
20 barricas com cerveja Bass, em garrafas intei-
ras e em ditas meias.
Em um ou mais loles, a vontade dos Srs com-
pradores.
massa, pois
muito antes de fallircm os Srs. Bento da Silva &
C, minhas letrasestavam descontadas em poder do
Sr. Joao Antonio da Silva Bastos, a quem paguei-as
I no vencimento, e existem em men poder com o
competente recibo. Macnhvba, i de dezembro de
1874.
1 Joamim Mancio Marinho Filbd.
Fannonia
Ao caes do Apollo, am azem n. 69, se recom-
menda aos senbores de engenho a mais superior
farinha pannooia, em meias barricas.
Para casa de familia
Precisa se de duas amas de conducta, uma para
ser empregada unicamente em engommado e al-
gurra costura, e outra para ensaboado e servico
domestico, paga-se bem : no Manguinho, iodo do
Recife o primeiro sitio de muro acinzentado do
lado direito antes da igreja.
SITIO
Para tratar de um pec-ueuo sitio, precisa se de
um homem que seja cuidadoso e eotenda de .lo-
res ; e deum criado de 12 a 14 annos, para ser-
vico de casa e algum mandado : no caes do Apollo
ns. We71.
m
m

a
&
m
Precisa se fallar com o Sr. Ma no. I de Siqueira
C'ivalcante Junior a negocio de particular interes-
se : na ma do Marq>irz d Herval n. 14.
Esplendido
LEILAO
ga-se
as casas das ruas da Ilha Carvalho n. 35, de S.
Jose a. 5 e becco de S. lose n. 1 : a tratar no ar-
, mazem do Campos, rua do Imperador n. 28.
1
Agente Pestana
leilao
DA
arma^ao e mais utensilios
d rua Imperial
da refinacjio sita
n. 60
as 1ft horas em ponto
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, da armacfio e
mais utensilios da refinacao acima mencionada.
Em um ou mais lotes, a vontade dos Srs. ccm-
pradores._______________________________
LEILAO
DE
uma ijaportante armaijao de amarello corn
balcSo de pedra marmore, a rua Barreto
Menezes n. 2.
HOJE
As ftO ft|S keras.
pelo agente ilarlins.
Os pretendentes podem examinar a arraacao,
procurando as chaves em mao do referido agente,
a rua do Imperador n. 48.
Esplendido leilao
De magnificos objectos de bella arte em
alabastro e marmore de Florenca, escul-
pido e copiado das melhores galerias de
Italia.
Hoje
A's 11 horas da man ha
Em o 8rmazem da PraQa do Commercio ?. 6
0 agente Dias, competentemente autorisado, leva-
ra a leilio.no dia, bora e lugar acima indicados, os
objectos de bella arte em alabastro e marmore de
Florenca. a saber :
Magniiicos vasos romanos.
Ditos dites de Pompea.
Ditos ditos gresos.
Ditos ditos de Etruscki.
Magniticas tacas do Vaticano.
Ditas ditas de Bacuute.
Diversas fructeiras.
Lindos porta-joias.
Dites porta-cartoes.
E outros muitos objectos para ornamentos de
salas e iardins.i
Das 9 boras da manba do dia de segunda feira
em dianie estarao os referidos objectos em ex-
posi;to, afim de ser em examinados pelo respeita-
vel pnbllco._____________________________
imiM
DE
uma casa terrea n. 11, sita a rua 27 de Janeiro,
outr'ora Pago Castelhano, na cidade de Olinda, a
3ual tem 58 palmos de comprimente e 19 1|2
e largara, com porta e jane la na frente, porta
e janella no oitao, 2 salas, sendo a de detraz as-
soalhada, sob a qual existe uma loja, 1 quateacr
cozinha interns, quintal murado com 160 pal-
mos de extensao, cacimba, um terreno ao lado
do norte com portio.
Quarta-feira 18 do corrente
AS 11 HORAS DA MANHA
1 par de aparadores, 1 mesa para engommado,
1 par de cons-olos, 12 cadeiras de carvalho, 1 so-
fa, 2 cadeiras de baianco, 2 ditas de braco, 1
jarrao, t halde e muitos cutros objectos,. que se
torna enfadonho menci nal os, osquaes se acharao
patentes no acto do leilao, e os trastes se tornam
recommeodaveis por terem 3 mezesde uso.
DE
magnificos moveis, louca, crystaes e divcr-
artigos de electro-plate
Sevta-ieira ft8 do corrente
as 1L horas da manba
Em o palacete do Eim. barao da SJedade,
rua casa d residencia do Illm. Sr. J. Roberts.
0 agente Dias, competentemente autorisado pe-
lo Illm. Sr. J. Roberts que retira-se para a Europa
com sua Exma. familia, levara a leilao no dia, bo-
ra e lugar acima indicados, os moveis e mais ar-
I tigos proprios de casa de familia, existenles em a
" I casa de sua residencia, a rua da Aurora em Sauto
Amaro n. 127.
A saber :
l.a sala.
Um magnifico piano de jacaranda, era perfeito
estado, '. caJeira para o mesmo, I mobilia de jun-
co, compos de 1 sofa, 1 mesa de meio de sala,
com tampo de pedra, 2 consolos dito, 2 cadeiras
de bracos, 2 ditas de balance e 12 ditas de guar-
' nicio, 3 espreguicadeiras, i bancas de jacaranda
2 pares
na
Henrique de Castro Koares
Jose Hutloo Climaco da Silva con
vida aos amigos do fallecido Henri-
que de Castro Soarts, para assisti-
rera as missas que em tencao do
mesmo finado raanda resar no se-
timo dia de seu passanento (16 do
corrente), pelas 7 horas da manba,
igreja de N. S. do Carmo.___________

Henrique de Castro Koares.
A directoria da Associacao Por-
tugupza de Beneflcencia dos Empre-
gados no Con mercio e Industria
e.D Pernambnco, manda rezar uma
missa no convento de S. Francisco,
quarta feira 16 do corrente, as 7
boras da manba, para suffragar a
alma de seu finado consocio Henriqu9 de Castro
Soares ; e para esse acto de pura e verdadeira
religiao, convida, nao so os socios desta associa;ao,
como igualmenle os parente e amigos d; qnelle fi-
nado.
Recife, 14 de dezembro de 1874.
Jose da Silva Rodrigues,
1 secretario.
Edunrda dos Mantes l-'reire.
Mm
DE
bons e ricos moveis, louija, crystaes, cha-
r3o, salvas, objectos de ouro e brilhante
QULNTA-FEIRA 17 DO CORRENTE
A's 11 horas da manha
no sobrado da rua de Hortas n. 1 i, primei-
ro andar'
Jk saber:
Um rico pianD de jacaranda, 1 din usado para
menina apreoder, 1 rica mobilia ds jacaranda,
composta de 12 cadeiras, 2 ditas de bracos, 1 sc-
fa, 2 consolos. tampos de pedra, jardineira com
tampo de pedra, 1 rico toilette de jacaranda, tam-
po de pedra e espelho, 1 dito de amarello, 1 guar-
da-vestidos de erable, I cama para casal, 2 mesas
ela-ticas, sendo uma deltas com pouco uso, com 4
taboas, 2 aparadores, consolos, cadeiras,
I para jogo, 2 magniticas e?tantes de jacaranda, pa-
ra livros, 1 mesa da phantasia, 1 porla-musicas, 1
' relogio de marmore, 2 vasos para llores, 4 sanelas,
2 cadeiras de baianco, americana*. 2 ditas ie en-
caslo, 1 mesa grande com tampo de pedra mar-
more, 1 sofa de jacaranda, i dito dito com eacos-
to de palhinha, 1 costurem, 1 eandieiro para ke-
roseue, diversos e bonitos quadros a oleo, com
moldnra dourada, ditos om diversas vistas, 1 va-
so de alabastro, 12 tapetes diversos, 1 ilcatifa usa-
da, 1 panno de linho para forro da sala, 2 stereos-
ccpos, 4 leques, 2 pares de bonitas figuras de
bronze, e 1 banca de phantasia.
1 quarto.
Uma cadeira de baianco, com descan;o, 1 tou-
cador e porta-joias, com gavetas, 1 apandor com
tampo de pedra, 1 cama de ferro com colchao, 6
cadeiras de amarello, 1 espelho, 1 apparelho para
lavatorio, i porta toalbas, 1 caixa de musica, 1
esteira para forro de quarto, tapete e oleado, 1
burra prova de fogo e o competente banco, 1 pro-
U chapels, 1 machina para costura e 1 armario
com espelbo.
Sala de jantar.
Uma mesa elastica da 6 taboas, 22 cadeiras de
jacaranda, 2 cadeiras de balamjo, de dito, I mag-
nifies guarda louca de dito, 1 grande e rico apa-
rador de mogno, t dito de dito menor, 2 grandes
consolos com espelho e tempo de pedra marmore,
1 dito dito, I grande guarda comida da arame. 1
relogio de parede, 3 cadeiras para menino, 1 ultro
e banco, quarlinhas diversas, 1 encerado para for
marque
zas avulsas, 1 cadeira para piano, 1 relogio de pa
rede, I bacatella, t lavatorio, 1 marqueza de jaca-1 ro de sala*, diversas bandejas, fructeiras, garrafas,
randa, camas de ferro, quadros, jarros, riguras,i compoteiras, copos ecalices de crystal, fa-as, co-
porta-licdr, saleiras, garrafas, i apparelho de lou- Iheres 9 garfos de electro plate, de diversos taraa-
ca para jantar e para" almoco, calices, copos, 1 rij
ca secretaria paia senhora, 1 serafina nova, ca-
deiras de baianco, 1 toilette, 2 espelbos ovaes, 2
ditos pequenos, compoteiras, jarros, 1 rica caixa
de charao pan cha, canlelabro de electro-plate,
candieiros a gaz, e outros muitos artigos de gosto
em perfeito estado.
Por ioterveocao do acente Pinho Borges e per
ordem de uma familia que se retirou para fora da
provincia, sendo este em coniiouacio do leilao
passado, por nao haver tempo de termina-io.
LEILAO
M
ronpa nova e usada, livros em francez, 1 revol-
ver, 1 lavatorio, 1 cama, 2 malas e 2 cadeiras,
objeetos pertencentes ao tspolio do finado sub-
din francez Modesto Postel.
QUINTA-FEIRA 17 DO CORRENTE
a's 11 boras da maolia
0 agente Pinto, autorisado pelo Illm. Sr. consul
de Franca, levara a leilao, em presenca de sen
chancellor, e por conta e risco de quem perten-
cer, os objectos acima mencionados, pertencentes
ao espolio do finado Modesto Postel, existentes em
o escriptorio do referido agente, rua do Bom Jesus
n.43._________________________________
Feira Semanal
>
mobilias, pianos, guarda lou-
ca, commodas, camas fran-
cezas, toilettes, guarda
vestidos, guarda roupa,
1 rica flauta de systema
Boelm, apparelhada de
metal, com methodo, 1 es-
tojo derewolver, espelhos
grandes e pequenos, com
molduras douradas, qua*
dros com finas estampas,
nh(s, 1 banca com deposito para cha, 4 porta-fa-
cas e diversos vasos com planlas.
2. quarto e despensa.
Um guarda roupa, 1 banca para costura, com
espelho, diversas cadeiras, 1 deposito para fari-
nha, diversas prateleiras com cavalletes em que
assentam as mesmas, i encerado para escada e
varSes.
3 quarto.
Em cima.
Duas camas para menino, 2 meias commoda?,
1 cama de ferro com colchao, 1 mesa redonda com
tampo de pedra, l tear, 1 cadeira para piano e 1
lavatorio de ferro. .
4 quarto.
Um teucador, com commoda e espelho, 1 guard-
ed vestidos de amarello, 1 secretaria, 1 marqueza
da amarello para solteiro, 1 lavatorio de dito e ap
parelho para o mesmo, 2 mesas com gavetas, 1
porta toalbas, 1 caJeira de fechar e diversos .ta-
petes.
Um grande guarda-roupa, guarda-vestidos e
commodas, I commoda grande, t porta- lencoes,
1 deposito para roupa servida, t retreta e "> trans-
parentes.
Sala do dormir.
Uma optima cama de ferro com 3 colehoes, pa-
ra casal. 1 sofa de jacaranda, 1 magniiico guarda
vestidos, 1 dito guarda roupa, ambos iguaes, 1 se-
cretaria e commoda de mogno, 2 ditas om gave-
ta a armario, 1 mesinba redonda, 1 dita da jaca-
randa, 1 espelho paravestir, 2 lavatorios de mog-
no com tampo de pedra marmore, 2 apparelhos de
porcelana e vidro para lavatorio, 2 banquetas de
mogno para pe de cama, t porta-toalhas, 2 espe-
lbos, 1 apparelho para lavatorio, 8 tapetes, 1 al-
catifa, 5 transparentes e 1 braco para cortinado.
1 5/ quarto,
Uma commoda, 1 espelho, 1 lavatorio com tam-
po de pedra, 1 mesa e taboteiro, 1 cesta, diver-
sas qoartinhas e quadros, 1 silbio, 1 selim para
earneiro e i machina para engommar.
Cozinha.
Diversas mesas de pinho. diversas vasilhas de
madeira e estaoho, trem de cozinha, e muitos ou-
tros artigoa que estarao patentes ao exame dos
Srs. compradoros.
A's 10 1|2 boras da manna do referilo dia, par-
tira da estaeao da rua do Brum nm bond que eon-
duzira gratis os Srs. concurrentes. dos quaes
aquelies que nao poderem ir ab3olutamente nessa
cccasiao, poderao facilmente para alii se transpor-
tar, visto como de raeia em meia bora ha bonds
paraaquella localidade.
A caa en que deve ter lugar o leilao flea a I
Landelino de Luna Freire, por si,
e por seus filbos, agradece summa
mente as pessoas que se dignaram
conduzir ao cemiterio publico, o
restos mortars de sua mui presada
esposa, e mai D. Ednarda dos San
tos Freire, e convida as mesmas
pessoas e seus amigos para Ihes fazerem o obse
quio de assistirem a celebracao de uma missa
pela alma da mesma finada, no dia quiota- feira,
17 do corrente, na igreja de S. Francisco, peUs 7
bora3 da manha. ___
CAM BA FORTIA.
AOS 4:0000000.
8ILHETES GAKAiMiDOS.
1 rua Primeiro de Marco (outr'ora rua do
Crespo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado, tendo vendido nos seus fe-
lizes bilhetes um inteiro n. 1983 com 4:0C0?, um
meio u. 3676 com 1005 e outras scries de iOi e
20 da loteria que se acabou du -xirahir (128'),
convida aos possuidores a virem receber na con-
formidade do costume sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantid".>
ia 22" parte da loteria a beneficio da Santa
'.'asa de Misericordia do Recife (li9J), que se
extrahira na terca-feira, 22 do corrente mez.
PRECOS,
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
Km porcao de S005 para citna
eilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*730
Manoel Martins Fiuza.
9%
Aos Srs fumaiites
Fumo desGado de diversas quali-
dades.
Novo-Copora1.
Olbo de Passaro.
Fior do Brasil.
Verdaleiro Rio oovo.
Verdadeira fumo de G-iyaz
em pacotes e latas de t, I e 8 m>s,
tem composi^ao alguma nociv.i ao la
mador, maoufactnrado, e a veuda na
fabrica a vapor, na antiya rua do
Quartel de poiicia n. 21.
0 APOST0L0
Publicac.ao diaria
E-le orgao do catholicisiuo na n'nte do imperi)
comecara a *er publicado diariamcntt no ; ruxiu,.>
mez de Janeiro de 1875.
Sendo o seu principal programma su^tenlar a
I defender os piinripios da religiao caiholira upof-
itolica romana, nao obstacle elle se occupara de
i tudo quanto possa offer*cer uma l>itura var e
, succulenta as seus assigoantes e icteresur de
: qualquer mi>do.a prosperidade do imperi >.
0 Apostolo ciniera em suas colnmoas as segnin-
| (es siccue.-, ,:ifin de outras que poderao ser ad-
mittidas opportunamente :
ftedacclo (artigos editoriaens'ibre as questO
do dia, quer religiosas, quer civis) ;
Seecao reiigiosa ;
Stccio scienufica ;
Secgao lilteraria ;
Folhetim ;
Exterior (correspondence) ;
Interior (corre.pondencia) ;
Seecao juriiica (movimeuto d-* tribnnae?),
Seecao commercial;
Expediente do bispado;
Sec?ao noticiosa;
Seecao especial (avisos);
Seecao particular (publicacoes pedidas);
Declara<5es;
Annuncics;
Os annuncios ou avisos poblicados na teccSo u-
\ pedal pagarao por linba 400 ra.
or arugs iosertos na siceiio pnticular pagarao
por linba 60 rs.
A assignatura do Apostolo por um anno na eurte
e provincias 20{000.
Por seis mezes idem 10 000.
A tirada da tolha actu?lmenie excedejaa 4,OtJ
exemplares.
Communicande aos catholicrs do imp*-rio a re-
sokcio em que estamo de puhlicar o Apostolo dia-
riameote, em maior formato, typo novo. bom pap*l
e com os melhoramentos indi>pensaveis para o
, preeucbimento da sna missao na in prensa bra-:
leira, tudo esperamos do seu valios > c jncorso, alii.i
de que vejamos coroada de febz exilo a emprexa a
que nos abalancamos, sem olhar a saenficio.
O Apostolo, salvo os artigos de ques.oes intrira-
mente pessoaes, ainda quando re*[Obsabilisadft
legalmente, admi.tiraem suascolnmoM mdo qoan-
to um ioroal serio i'6:e sem desar atti'. uesd-*
t|ue lie.n de leve se lira o dogma catholics e a di--
CASA DO OURO
Aos 4:0009000
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 30, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nos sens
muito felizes bilhetes a sorte de 200*000 em
meio bilhete de n. 3331 enm meio bilhete de n.
3676 com a sorte de 100*, alem de outras sortes
menores de 40*000 e 20*000 da loteria que se
acabou de exiranir (128*); convida aos possuido-
res a virem receber, que promptamente serao
pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeitt
vel publico para vir ao seu estabelecimento com
prar os muito felizes bilhetes,qus nao deixarao de
tirar qualquer premio, como prova pelos mesmes
annuncios
Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga-
-antidos da 22* parte da loteria a beneficio da
Santa Casa da Misericordia do Recife, que se ex-
trahira no dia terga-feira, 22 do corrente mez.
Prefos
Inteiro 4*000
Meio 2*000
De 1O09OOO pars cima.,
Inteiro 3*500
Meio 1*780
Recife, 14 de dezembro de 1874.
___________Joao Joaovim da Costa LeiU
Precisa-se de uma umlher de bons costumes
que se presle a ensaboar roupa em casa de fami-
lia : a tratar na rua da Cruz, armaxem n. 23.
ciplina da igreja, enja drfrxa e ?u?ieclacio consti-
tuera o princj al yr> gramua da folha.
0$ artigus que a redaeeao jnlgar de interes--
geral, serao aceitos e publicados opportunamente
sem que a mesma se re?ponabilise pela t-nlrega.
dos authographos, e todos os que oio esUverein
neste caso pagario o pre^o e-tipulado para as pu-
blicacoes ffitas na seccuo particular.
0 Apostolo recebera sempre com agrado e reco-
niieciinento toJa e qualquer ooti^ia J.i curie e pro-
vincias, sobre o raovimenlo politico e religioso do
imperio, desejando apenas que as informagoes se-
jam da'.adas e assignadas pt'r extenso pelo iofor-
mante, unicamente para q ;e a redaccio lenha
sciencia J; sua procedencia.
0 Aposlolo nio tem cor pohtica ibrolutamenle -
por isso manter-e-ha sempre no terreno da mai-
severa imparcialidade.
As pessoas que quizerem tcrojr a ; ssignatura
puderao Jirigir-se aos Srs. Guimaraes 4 Oliveira,
a rua do Imperador n Hi.______________^___
Fugio do engenho Guiia, da trrmo de Jiaia-
retii, em dias do mez de novernbro do anao de
IS&.\ a escrav.-i Thereza, mulata beto dan, de
30 aunos de idade, solteira, baixa e bem refor-
C/ida do corpo, rosto redondo, eabellos castanhM*
annellados pan as pontas, oihos amareUos e gran-
de', nariz um puuco chato, bocca graoJe, tem
falta de um ou dous J-ot;s do la Jo de cima, can
guLs, bracos e pernas grotsas, pes rollcos,
dedos curtos, Uva, engomraa e e boa coziolMra,
tem sido vista na cidade do Recife, onde coaoef-
va-se acoitada : roga se as au'orid.i !es pnWrtsm
capitacs campo, e mais pessoas, a apprebensio 4e
dita escrava. sendo entregue a sen senhor o ma-
jor '-hri-tnvao de Hollaoda Cavalcanie de Albo-
querine, no ecgenho Rotario, do meocionado ter-
roo de Nazareth, ou no Mooteiro, a Antonio da
Rocha A. Lius, que tera a gratitic-igio de.^cem
rail reis.
Alon-se
seis casas para passar a festa, em Apipncos, retira-
das da povoacao, muito fre.-cas e perto do banho,
assim como um quarto assoalhado, forrado e es-
teirado, proprio para rapaz ,-olteiro : a tratar no
caes 22 de Novernbro n. 32.
ALUGASE
segundo andar e armazem da rua de Pedro Af-
fonso n. 39, o sobrado de n a anda* e tolao da
rua do Hospicio n. 63, e o primeiro andar ar-
mazem do sobrado da ma do Bom Jesus n. 63 :
a tratar na rna do Vigario n. 31.____________
Ji5n da Rocha. H Mania Cavalcanie, seafcor
do engenho Marrecat, na freguezia de S. Bea, do
terino de Porto Calvo, oa provincia das Alagoas,
faz publico que em virtnde doe rejtudos furtos
de cavallo que tem soffridu no dito ^en engenho,
resolveuse a roarcar todos os auimaes cavallares
de trabalho, com o ferro-Marrecaj,soietrade
de nm a outro lado da anca, de sorta que e legi-
vel o dito ferro, ainda me?mo estaado o aDimal
em march* ; portanto todo e qualqaer burro oa
cavallo que tenha nas aocas o ferroMamma,
deve ser tido por fnrtado, porqne nao se negocia-
rara ; pelo que peco a qualquer senhor soSre-
tudo as autondades policiaes que vendo on teado
noticia de um animal em taes eirenmstanciaa, ejao
o apprehendam, e annnnciando on manda#o sbb
porudor traze-lo a este engenho, sera paga satrs-
fatoriameote a viagem do dito porudor. _
No ten, como se achavara os ladroo*. do wis
a esse engenho furtar cavallos, ao aaai
dia 29 de outubro proximo passado f
um poldro casuobo grande, ineiro,
freio e sella, tratador, pe esqoaraa caspaao, aau
pe quena estrella na tesu tendo aa anca wwi
outro lado o ferro -attrreeu** la
Recommendo, p*is, isto A attoii^ao das
conscienciosas e das antonoades policiaes i
ma qne ja hi dito. __l^_ a
Entietaoto e bem possivel que osa^asajaWef M-
legitimos deste cavallo ptoeotem borrar a aurca,
ma? ne'te caso ta bem pateate a ina fA
Engenho Marrecas, 9 de aoTembro da 187%.
Aluga se uma casa nos Quatro Cantos, na
Capunga, para familia: a tratar na rua do Vi-
gario n. 33, primeiro andar, com Joao Jose da
CuDba Lages.
Aluga se pelo tempo da festa oraa
Beberibe de cima, nos terrenas ae HaariqM Gai-
lherme Staple: a tratar no patao do
mero 16.


Oiario de Femambuco Terqa feira 14 de Dezembro de 1674.
9
Attencao
Os Srs. abaixo noraeados queiram vir a rua do
Imperador n. 24, a negocio. A saber :
Antonio Joaquim da Silva Barbosa.
Antonio da Silva Proa, marmorista.
Barrelier, cozinbeiro.
Francisco Jose da Cesla.
Fabiciano Napoleao do Rego Barros.
Lagos, conductor dos bonds.
JoSo Antonio Portugal.
Jose AiToaso de Oliveira Gaimaraes.
Felix Cantalice Lobo da Silva.
Manoel Jo*e Ferreira Bentevi.
Quiniino Moreira Oias.
Ansberto de Souia, conferente.
-Jose Paulo dos Santos Oliveira.
Fabio do Nascimento.
Silvino Antonio Rodrigues.
Joao Gomes dos Santos Filbo.
Antonio Saraiva de Araajo Galvao.
Angasto Lobo de Siqaeira Thedin.
Francisco Sergio do Rego Dantas.
Francisco Xavier Pessoa Cavalcante.
Antonio Ribeiro Pontes.
Rufioo Correa de Mello.
100#000 de gratificacao.
Desde o Jia 3 do correate fugio da casa
de seu senhor, abaixo assignado, o escravo
Miguel, pardo, porem nao muito escuro,
corpo reforcado, de 19 annos de idade,-jo
llcial de marcineiro, boa altura, e um tan-
to espigado, rosto comprido, olhos casta-
nbos,.deotes perfeitos, cabellos pixainbos,
nenhuma barba (apenas buco), p& gran-
des, levou vestido calc,a e camisa branca
ejaqueta parda, gosta dejogar gymnastics,
e e bastante regrista.
Qaem o apprehender, leve-o a" rua da
Unido n. 43, (ilha dos Ratos) ou na rua
da Cadeia do Recife n. 56, primeiro andar,
escriptorio de Leal & Irmao, que sera" re-
compeDsado com a quanlia acima mencio-
nada.
Recife, 7 de dezembro de 1874.
Manoel Gomes Miranda Leal.
Imperial
Kabrica de rape areia preta Qna, de Moreira
& Cuoba, da Babia.
Deste excellente rape, que se tjrna recommen-
davel aos amantes da boi pitada, tern estabelecido
esta fabriea oseu deposito a rua do Commercio n.
5, que vendem por junto e a retalho, faiendo-se
vantagem a quern eomprar porcao.____________
Criado oucopeiro
Ha para alugar-se um escravo para qualquer
servico de casa de facoilia ou de hotel, padaria ou
reflnacao : na rua de Santo Amaro n. 6, segundo
andar.
Um moco com babilitacoes para copeiro e
mais servico de mesa, por ter se-vido em hoteis e
easas estraageiras, deseja occupar-.-e neste servi-
cu, dando fianca de sua conducta : a entender-se
no largo da matriz de Santo Antonio n. 2, segundo
andar._________________________________
Aluga-se uma escrava para todo o servico : Sa
raa da Gloria n. 118.
Aluga-se
0 sobrado de um andar e so'.ao, na rua do Coro-
nel Suassuca n. 20i, e um segundo andar na rua
da Imperatriz n. 5 : a tratar no C fe imperatriz.
Pedro fugio.
Fugio do engenho Prado, freguezia de Seri-
nbaem, o moleque Pedro, crioulo, e 17 annos, es-
cravo de Francisco Pinheiro de Menezes, senhor
do engenho acima, cuja fuga teve Iugar no pri-
meiro do corrente. hsle escravo veio de Pedras
de Fogo e fol alii escravo do Sr. Manoel Quirino
do Nascimento ; < de suppor quo tenha tornado
aquella direccdo e que tenha se encaroinbado
pela linba ferrea, procurando esta cidade, como ja
de ouira fuga o fez : e preto, de olhos reguiares e
um pouco brancos, rosto oval, altura mediana,
>relhas um pouco grandes e em pe, tern no joelho
esquerdo uma cicatriz de um grame talho ; quern
o apprehender leve o ao dito engenho on a ma do
Imoerador n. 77, 1* andar que serareeompensado
generosamente._______________
Collegio francez
DE
S. LUIZ
Madame Louise, Irma Adour
Rua de Fernandes Vieira n. 2, na
ultima estagdo dos bonds
Madame Louise Irma Adour, edacada em Paris,
avisa aos Illms. Srs. pais de familia, que vai abnr
no dia 10 de Janeiro de 1875, um collegio para o
ensino do sexo feminine
Madame Louise Irma Adour, duranle sete annos
esleve no eugenho Liiuoeiro, educando as filbas do
Exin. Sr. barao da Escada, e durante dous annos
as do Exm. Sr. barao do Aracagi.
- 0 collegio e muito bem collocado, tern um sitio
bastante grande, e agua encanada para os banhos.
Os ramos de ensino sio :
Instruccao religiosa, leitura, calligrapbia, arith-
metica, historia, geographia e deseoho, lingua na-
tional, lingua franceza, lingua ingleza, musica e
piano, canto e danca ; e bem assim todos os traba-
Ibos manuaes, proprios de uma senhora, -como :
bordados, crochet, etc.etc. A lingua que se falla
diariamente no interior do collegio, e a franceza.
A pensao para as internas pelo anno escolastico
tde 400$, as meia-pensionistas pelo anno e.-colas-
ico e de i'kOi, as externas pelo anno escolastico e
de liof, pagos adiantados por trimestres.
As licoes de piaao e de ioglez, serao pagas em
separado, sendo 10$ por mez pelo piano, e 5f 000
por mez pelo inglez. Para tratar, na rua de Fer-
aandes Vieira n. 2, na ultima estacao dos bonds.
Livraria Popular
JL'HIustracion Espanoia y
Americana.
Este jornal illu-trado com as mais finas gravu-
ras que se conhecem, e collaborado pelos distioc-
tos escriptores bespanhoes Erailio Castellar-D.
Antonio de TruebaCampoamor Palacio Mar-
ques de Molins Duque de Rivas Larmig, etc.,
etc., etc.
La lloda Elegante Illiistrada.
Jornal exclusivo para senhoras.
As modas mais moderoas representadas pelos
melbores Ggurinos coloridos que se conhecem, as
explicates mais detalbadas que se podem desejar,
a uk ralisadora leitura de novellas e artigos, fa-
zem com que esta publicacao nao tenha rival
nem mesmo no estrangeiro.
A empreza offerece aos assignaotes de anno,
um brinde.
Assignatura.
Moda Elegante (um anno) 301000
Illustration Espanola (um anno) 30l()0
A assignatura de ambos 532000.
Em qualquer dos casos o assignante tem direi-
to ao briude.
Agenda geral
para todo o imperio do lira.-11.
Livraria Popular
59 Rua liovu 59.
iMTSlii
Mademoiselle Cugemia Leconte, e irma, avisam
a suas antigas freguezas e ao publico em geral
que abriram novamente seu estabelecimento de
casa de ccsturas a rua da Imperatriz n. 5, primei-
ro andar, pelo que esperam continuar a merecer
a concurrencia das pessoas que precisarem de
seus servi;os.
FUNDICAO DE FERRO
i* rea do Barao do Trinmpho (rna do Brain) os. 100a W
CARDOSO & IRMAO
AVISAM aos senhores de engenhos e outros agricultores e ao publico em geral qu
sontinuam a receber de Inglaterra, Franca e America, tod as as ferragens e macbina s ne-
tessarias aos estabelecimentos agricolas, as mais moderoas e melhor obra que tern vindo
10 mercndo
V aporeS de for^a de 4, 6, 8 e 10 cayallos, os melhores que tem vindo ao merado
UalueiraS de sobresalente para vapores.
JlOendaS UlteiraS e meiaa moendas, obra como nnnca aqni veio.
TaixaS fundidaS e baUdas, dos melhores fabricantes
tvOdaS d agua com cnbaje de ferro, fortes e bem acabadas.
RodaS dentadaS de todos os tamanhos e qnalidades.
Rel0gi0S e apitOS par. erapors.
DOmDaS de ferro, de repucho.'
AjaQ08 de dirersas qnalidades.
FormaS para aSSUCar^andes e pquenas.
VarandaS de feiTO fiindido, francexas de dirersos e bonitos gostca.
c OgOeS trancezeS para lenha e carvao, obra superior.
DitOS dit08 para gaz.
Jarros de ferro fundido para ardim.
teS ue terrO para mesa e banco.
Macnina para gelar agua.
V alVUlaS para bomba e banheiro.
Correias inglezas para machmismo.
tSanCOS e SOtaS com tiras de madeira, para jardim.
Concertos concertam com promptidSo qualquer obra ou macbina, para o que teen
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
SnCOmmendaS man('*m ^T Por encommenda da Europa, qualquer macbinismo,
para o que se correspondent com nma respeitavel casa de Londres
i com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assents'
iitas macbinas, e se responsabilisam pelo bom trabalno das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
PUNDICAO DE CARDOSO d IRMAO.
VENDE-SE
Aluga se pela tempj da testa uma boa casa,
na estrada da Torre, a margem do rio : na rua
d' Marquez de Olinda n. 66.________________
Ha para lugar- se, na travessa da rua do
Principe, no Campo Verde, urns casa terrea, nova
e com acommodacoes para pemena familia.
Moleque.
Aluga se um moleque de 15 annos de idade,
para todo strvico de casa de familia e lambem
se garante o seu bom comporu mento : a rua do
Barao da Victoria n. 22.
Perdeu-se.
AtteiiQao.
Aluga-se urn excellente sitio, na Passagem da
Magdalena, junto ao do Sr. TUeodoro Chistiansen :
a tratar na rua do Marquez de Olinla, n. 62. 1*
andar__________________________________
Da-se 2 200*000 a premio, scb alguma ca-a
;errea: na rua de Hortas n. 86._____________
uma vclta elastica com um Curasao de ouro de
fin-gram, na noite do fogo do arco da Couceicao,
desde o diu arco pelo ca^-a do Apollo ateosir-
roazens de farinha do Sr. Tasso : Ruga se a qu^m
a tiver achado de a levar a rua do Vigario n. 33,
primeiro andar, qoe sera gr.itiiicado pur seu do
no Joao Jose da Cunr a L ges.
Em boas eondicoes a loja da rua mperatriz n. 8;
a qual loja perteuceu ao fallecido
DUBARRY.
Esta antiga e bem afregnezada loja, collocada em um dos principaes lugares para negocio, e
achando-se sempre sortida, nao so com ferragens finas, como tambem de muitos outros artigos, sen-
do dos mesmos fabricantes de quern o fallecido Dnbarry sempra recebia, artigos >estes de
prompta venda e que deixam grande lucro ; porem o proprietary tendo de partir muito breve para
a Europa, esta inteiramente resolvido a vende-la.
N. 8 Rua da Imperatriz X. 8.
ODILON DMRTE k IRMAO
aBtlLEIfkiriOS
Premiados na exposi^ao de 1872
NURT1MENT0
MEDIGINA
Preparado poi
Lanman & Kemo
para thisidca
toda a qualidadt
de doen^as, quer
seja na garganta.
peito ou bofes.
Expressamenfc
escolhido dos me-
lhores figados dos
quaes se extraht
o oleo no bancc
da Terra Nova
purificado chimi-
.calmente, e suas
(valuaveispropri-
edades consenra-
das com todo c
cuidado, emtdc
o frasco se garan-
teperfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido submettidc
a umexame mui-
to severo pelo
cbimico de mail
talento, do go-
verno hespanho!
em Cuba e foi
pronunciado pot
elle a conter
MAIOR PORgAO D'lODINA
do que outro qualquer oleo, que elle tem
xaminado
IODINO EUMPODER SALVADOR.
Em todo o oleo de figado de bacalha*o, e na-
quelle no qual contem a maior porcAo destz
dvaluavel propriedade, e o unico meio para
curar tod as as d^encas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Phlysica, bronchistes, asthma, catharrho,
tosse, resfriamentos, etc.
Uns poucos frascos da carnes ao muiu
:nagro que seja, clarea a vista, e da" vigor
a todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
nhecido na medicina ou sciencia, d& tank
Tatimento ao systema e incommodando quas
n ad a o estomago.
As pessoas cuja orgamsa^ao tem sido dcs
:ruida pelas affec^oes das
ESCROFULAS OC RHEUMATISMO
e todas aquella?, cuja digestao se acha com
pletamente desarraujada, devem toinar
OOLEO DERGADO DE BACALHAO
DE
LANMAN &KEMP
Aluga sea casa a bo da rua da Palmae
edificada, com Lons commodos e fresca : a enten-
dtr-se na rua da Imperatriz n. i0 com seus pro-
prietariof.
Rhum nacional.
Premiado na exposi$8o da Sociedade Doze
de Dezembro.
V'ende-se pelo diminuto pre^o de HOOO a gar-
rafa na bem conhecida taberna Flor dos Progressos
na rua do Cab ga n. 8, confronte a matriz de'
Santo Antonio.
Aluga-se a sala u a alcova do 3.* andar do
sobrado n. 70, a rua Duque de Caxias, proprio
para moco solteiros : a tratar na Icja.
tiUA
DA?
F.>'?F.RATRIZ
?V:WrJ
',%.' aNDAR.J
. -if;: fe^#^/
- t y%r% 3*-r *' ^.*r'

w.
r?
RUA
DA
IMPERATRIZ
i. ANDAii.
dic?5es
quill"
coquf
Acouarn de reformar o seu estabelecimento, eolloesndo-o nas melhores con-
possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e is Exmas. Sras. n'a-
ne fdr tendente i arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para bomenscomo para senhoras, tupete, cbignon,
uodernissimos, trangas, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadrns tu-
mularps, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel era cabello.
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados esiran-
^eiros, recebe directamente por todos r>s vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
rines do modas, e por isso pode vender 20 */o menos que outro qualquer, gara
perf-^icao no trabalho, agrado, sinceridade e pre^o razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fdra ; vende-se cabellos xu
retalho e todos os utensilios pertencentes i arte de cabelleireiro.
porcao e a
Deposito de viubo Madeira em
Pernaiiibuco.
Tendo ja obtido o melhor acolhimento nos mer-
cados da Allemenha, Inglaterra e mesmo em Fran-
ca, para os vinous das mi alias propriedades e de-
positos, onde foiam ^preciados e mereceram os
primeiios fpremios em .differentes expcsi;5es ;
e desejando tornal-os conhecidos igualmen-
te na provincia de Pernambuco, onde de cer-
to serao bem aceitos, ja pela diminuu quantidade
de aguardente que contem, como pela sua velbico
e tratamento especial resolvi estabelecer um de-
posito na casa dos Srs. Focas & C, a rua estreita
do Itosario n. 9, onde se encontrao sempre de
differenles precos e qualidades e directamente en
viados.
Sao geralmente conbecidas as vantagens que
anferem aos convalecentes do uso do vinho Ma-
deira ;;permittam me, porem, os Exms. Srs. medi-
cos cbamar a sua aitencao para estes, nos quaes
encontrarao as qualidades mais apreciaveis.
Henrique Jo.-e Maria Camacho.
(Este documento e;ta reconbecido pelo tabelliio
da cldade do Funcbal, Joaquira Mochade de
Souza)
Pasto fino.
Superior vjnho de uva pura em oarris e anco-
retas : vende-se no primeiro andar do sobrado n.
56 da rua da Cruz.
Vende-se com as miudezas ou armacao so,
conforme convier ao comprador, a loja sita a rna I
da Imperatriz n. 78, muito afregueiada, propria,
para algum principiante : a tratar na mesma.
Em Olinda.
Aluga-se 3 boas casas sitas a rua do I'.i. Ca--
telhano em S. Pedro Novo : e trata-se no segun-
do andar do sobrado n. 73 na rua Duque de Ca-
xias, por cima da loia do Sr ltolim.
AVISO
Constando ao abaixo assignado! que alguem se
serve' falsamente de seu nome para contrabir em-
prestimos ou outra qualquer traosaccao, previne
que ninguem se preste a effectuar qualquer nego-
cio a nao ser com o mesmo abaixo assignado. que
de outra forma nao assume responsabilidade al-
guma.
Capnnga, li de dezembro de 1874,
______________Antonio Alves Pacheco.
Cabelleireiro.
Na rua de Vidal de Negreiros n. 67, pateo do
Tergo, trabalba-se em toda e qualquer obra ten
dente a arte de cabellereiro; por precp razoavel.
Attengdo
Vende se manleiga ing.eza flor a 800 e 1$C00 a
libra : na rua larga do Rosario n. 27._________
Diligencias para a Varzea.
Espalha-se que se acham ja nesta provincia as
diligencias que devem trababalbar para a Var-
zea, segnndo o contralo feito pelo gerente da com-
panhia dos bonds com a presidencia e que a de-
mora deltas funr.eiooarem. provem de falta de as-
signatura de quern qu<>r que seja em palacio da
mesma presidencia.
Dtseja saber a exaetidao disso
__________________ 0 enriose
Custodio Juse de Oliveira participa ao respei-
tavel curpo do commercio qua ate esta data julga
nada dever nesta praca nem fora delta, e se al-
guem se julgar seu credor apresente seus titulos
no prazo de ties dias, para serem pagos : na rua
de Lomas ValeDtinas n. 15.
Recife, li de dezembro de 1874.
E' BOM SAREB-SE
Que a NOVA ESPERANCA, a rua Duque da
Caxias n. 63, bem conhecida pela superioridade de
seus artigos de moda e phantasia, acaba de rece-
ber diversas encommendas de raercadorias de sua
reparticao, que pela elegancia bem mosU-a aptidao
e bom go-to de seus antigos correspondentes da
Europa, e por esta razao a NOVA ESPERANCA,
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e constante freguezia e com especialidade ao sexo
amavel, a visitarem na, afim de apreciarem ate
onde toca o primor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer eotrar no nu-
mero dos massantes (verdadeiros azucrins) com
extensos anuuncios e nem pretende descrever a
immensidad3 de oDjectos que tem expos to < a ven-
da, o que serla quasi impossivel, mas limitar-se-ba
a mencionar aiguns daquelles de mais alia novidade
e toma a liberdade de aconselbar ao bello sexo,
que a visitem constantemente, para depois que
comprarem em outra qualquer parte nSo se arre-
penderem, a vista do bom e escolhido sortimento
que ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
bem demonstra que qualquer senhora do bom torn,
nao podera completar a elegancia de seu toilet
sem quedfium passeio a NOVA ESPERANCA, a
rua Duque de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
ber os seguintes artigos de luxo e inteira novida-
de :
Modernas settas para prender os cabellos.
Primorosos leques de phantasia.
Bonitas sabidas de balles para senhoras e meni*
nas.
Interessantes gravatas para senhoras.
Elegantes facbas de touquim.
Bods aderecos de madreperola.
Delicados aderecos pretos de pufalo e borracha
(gosto novo).
Manoel Alves Ferreira & C. mudaram o seu
escriptorio da rua do Vigario Thenorio n. 3, para
eamesma rna n. 10._______________________
Alugam seo primeiro e segundo anda->>> coin
sotao da casa n. 25 da rua de Santa Rita e u 3.*
andar da casa n. 3 da rna da Penha, a cas < ter-
rea n. 3i, na Capnnga, rua da Ventura, e um
escravo de 14 a 13 annos : no segncdo andar da
casa n. 41, rua do Range).
1 'aixeiro
' Precisa se de um com Hade de 13 a 1-3 annos,
par taverna, com alguma pratica da mesma : no
largo do Terco n. 34.
Doce finodegoi ba
Ha constantemente para todos os precos, tanto
em lata como em caixio, de todos os tamanhos :
no pateo do Terco n. 52, e aonde se vende mais
barato.
Aloga-se
o 3s andar do sobrado a rua MaricioHDias o. 120,
com muitos commodos, e agua: a tratar na rua
do Imperador o. 81, das 9 horas da maahS 4s 4 da
tarde.
Alnga-se o andar e soiao do stbrado sito a
rua do Marquez de Herval n. 61 (antiga rua da
Concordia), tem commodos para grande familia,
eorn gaz, piotada, esteirada e alcatifada ; a tratar
na rua Duque de Caxias n. 53
Caiveiro.
PUNDICAO DO BOWMAN
' RUA !>0 MM !f. 53
(PaaaaiKio o chaiariz)
PKDKM AOS senhores de engentm e <>: tros agricult .t^s, e compradores de m-
i-hinismo <> favor do fozer uma \ibita a seu estabelecimento, para verem o novo sortimen-
to complete que abi tem ; sendo tudo superior em qualidadee fortidao ; o que com a ins-
trucrao pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTE.NCAO AO NUMERO E LUCAR DE SUV FLNPICAO
V aporeS e rOQaS (1 agua dos mais aaodernos tptmmm e em tamanhos con-
venientes para as diversas circumstancias dos senbores proprietaries e para descaro^ar
algodSo.
JjlOenuaS Qe Caillia de todos os tamanhos, as melhores que aqui existem.
rvOUaS UeUiaUdS para animaes. agua e vapor.
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
lUaCUlUlSmOS para mandioca e algodao, e para serrar madeira. I ser movidos a mi*
BombaS de patente, garantidas........ BTaJEa, "**'
lOClaS a8 UiaCllinaS e pef;as de que se costuma precisar.
FaZ qualquer Concerto de machinismo, a pre?o mui resumido.
OrmaS Ue terrO tem as melhores e mais baratas existentes no mercado.
i^nCOniinenUaS. Incumbe-se de mandar vir qualquor machinismo a vontade dos
clientes, lembrando-lbes a vantagem de fazerem as compras por intt-rmedio de pessot
entendida, e que em qualquer necessidade p6de lhes prestar auxilio.
Arad0S americanOS e instrumentos agric las.
RUA DO BHUI N. 52
PASSANftO O CflAFARIZ
GLLO
1XAO HA MAIS FALTA ttF. GFA.O
AGORA HA COM ABUNDARCIA
Gelo para almoco
Gelo para lanche
Gelo para jantar
Gelo para ceia
Gelo para vinho
Geio para cerveja
Gelo para refrescos
Gelo para sorvetes
Gelo para remedio
Gelo para banhos
1
Gelo para conservar legumes
Gelo para conservar fructas
Gelo para conservar peixe
Gelo para conservar came
Emfim, gelo para Todos; e para qualquer Uso
NA
FABRICA NOVA DA VIITA STARR
Caes do Capibaribe n. 38.
Aberta nos dias uteis das 6 horas da manha ate rs 5" h.ra> da tarde, e ncs domic
santos ale as 11 hcras da manha.
N. B. Os pedidos de quantias grandes para os vapores on para fora da cidade dev.-in -
feitos com antecedencia.
ESCRIPTORIO Rua du Commercio n. io.

ARMAZEM DO VAPOR FRANCEZ
N. 7 Rua do Barao da "v ictor.a, outr'ora Xova t a 7
0 dono des e estabe!e:imeato tendo te ir a Europa, vende a precos baratissimu o.'
trigos, como sejem :
Calcado fraocez
para homem
senhora,
metilnos
e tueuiuasc
Botas e perneiras inglezas
de montaria.
Mehijjjs de vime e b, fata.
Vende-se muito em conta, ca^eiras avulsas, ue
balanQO, de bracos e de dobrar.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleo?, cpiata e pos den-
triiice. agua de flor de laranja, agua de toillete.
divinai, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
cosmeticos, muitos artigos delicados em perfuma-
riapara presentes em frasccs de extractos, caixi-
nhas sortidas e garrafas de differentes tamanhos
d'agua de Cologne, tudo de primeira qnalidade
dos hem conhecidos 'abricantes Prrer e Ojudrav.
Boos pianos.
|).-s mt-lhire- e n,..- n.- J< rn> idd i
8k>ndtl : vende->t. trcea se e ahfa-se.
Quinquilharias.
ArilgcM Je .'liffcrentea (! r
phantMttlmm.
Espeihos, leque.-, luvas, joiasd'ouro, lesooriolaas
c: a:\eies, caixinnas de costura, albucs, quadrc*,
e caixinnas para rttratos, bolsinbas d veUud .
ditas de couru, e ce^tiutlas para bracos de roeciaa .
chicotes, bengalas, oculo, pince-nez, ponteiras para
charutes e cigarros, etcovas, pentes. cart innna it
madreperola, lapele para lanternas, malas, bolsas
de viagens, vtccsianas para janellas, esterioc .-
pos, lanternas magica?,cosmoramas, jogos da gloria,
de daroas, de hsgMrlla, qnadros com paisagon*
globes de papel para illuminacoes, macbiaa* d
farer cafe*, espanadores de palbas, realejos de veio,
accordaos, carrir bos, nsarcadeiras de vidro para
dar leite as chances, e rauiUs tutros artigos.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar do U
dos os brinquedos fabricados em difTercie.* parte?
da Europa. para entretimentos da criancas, tad.
1 h preen? mats reBMSMn at c: 0 Pescador a rua Direita n. 21, precisa de
um caixeiro com pratica bastante de molhados e
cobrancas. ____________^_________
> Da estacio dos bonds de Joao Fernandes
Vieira ate a praca do Con ie d'Eu, pordeu se uma
caixa de tartarnga para rape : quern aachou que-
rendo restituir, sera recompeasado nesta typogra-
phia.__________________________________
10#000 de gratificagao.
De 4 para 5 do corrente, fugio um papagaio com
oira das aias aparadas : quern o trouxer 4 rua
Duque de Caxias n. 41,2* andar, recebera aquan
tia acima. _______________________
Metius a 280 rs.
0 Pavao vende bonitos matins de c&res para
veatidos, peio barato precp de 280 e 320 rs.
covado; assim como, um bom sortimento de chi
Us de todas as cores, padrdes modernos e fixo*
pelo barato preco de 280 ate 36o rs. : a rua da
Imperatriin. 60, loja de Felix Pereira da Sllv
Gros preto a 1A-
0 Pavao vende grosdenaplei preto all o iv
vado e dabi para cima, ate 4g : na n a da lope-
ratriz n. 00, loja de Felix Pereira da Silva.
AGUA DE CHINOLINA
/ PARA TINGIRINSTAKTANEAMENTE OS CABELLOS
J PREPARADA POR
BARTHQLOMEO & C.
Pharmaceuticos da Casa Real de S. II. F. El-Rei de Portugal ;
premiados em diversas exposicoes com prineir* pi*cnai de
sua elasse.
Unico composto, cuja base principal sao principios vegetaes, que pode por isao ser
usado por tempo indefinido sem o menor receio de alteracSo de saiide. Esta agua admi-
ravel da* aos cabellos, em poucos minutos, uma c6r e brilbo natural, desde o castanbo
ate o negro, e ao contrario de todas as tinturas conbecidas, tem um aroma agradabilissi-
mo, que facilita o seu uso ^s senhoras, ainda as mais difficeis. Affiancan-se os ana re-
tultados e efleitos inoffensivos, quer a spplicac,ao seja limitada a barba, qoer coccpreben-
da os cabellos da cabec,a.
DEPOSITO GERAL
Pharmacia e drogaria
34Rua larga do Rozario34
LOJA DE JOIAS
DE
JOSE JOAQIB DIAS DO REGO.
Iato sina ja nOo e liquida$&e e
!!
0 proprletario deste nov- estabelecimento aturiido com o inesperado estridor dot irilM
mreemde todos os anguiosdesta grai.de cidade, anuunri-ndo a liquidacio dot esubeleci__lot de joi
^UrgemOe lOUUS 03 ou^uiW'UOJ.a Jini.m w"uoi ouuuiiiiinif a in|uav^^v .1 HJMi ,
<, receioso de flcar iOSINHO, apeiar de b-m iv^har as grandes vaotagens que neste eaao deveru aa-
ferir; tomou a inabalavel resolucan de QUtilMAR toda.< as suas jolas. com o unico fim da eseorporv-
e a grande caravana, e, com ella, seguir em romaria para ......e ?egredo I
A pyra esta ardenteas viciiinas aguardam bnlnaotes o mumento do saenfiewao fa
>s sacrificadores.
Isto posto, espera-se, cum justa r^zao, uma gran Ie cocurrencia dos imiMet a\ aeaat
qne dspois de todas essas liquidates, com o novo anno, acaoam se as JOIAS desta ctdade, lc
eri publico aonde deltas se possa proven



iliano de ?Gtmmw&) l%r*a feit* 16 de Dezombfo tie 1874
Aos 2o:ooi)Si)oo !
8 1 etes de lotcrias do Rio.
Pr. Pre cisa, ^e fallar com os seguint-s senhores,
na rua Primeiro d^ Marco n. 16, uriraeim andar.
I>r. Canaido Vieira da Cuoha, de Sergipe.
Tito Antonio da .unha, da B-inia.
Domingos OI>mpio B. Cavalcnte. S.bral do
Ceara.
Manoel Pantaleio da Silva.
^
5*

\


-v.*.7:.v*.?*.

'm.^-


E. A. DELOUCHE
14-fiia do aarqsez de OlHida-24
HWatt*na do beeca Largo
Paroeipa a seus freguezes e amigos que mudou
o sen eetabPlecimento de relojoero para a mesraa
rua u. 24, oad 'rieontrarao urn grande sorticieuto
derir gins de parede, americanos, e cima de me
sa, dos melbores gjstos e qaaljdades, relogtos di
Jgibeira, de m ias as qualida >es, patente suisso,
d.1 aoro prata dourada, foleado (piaqnet), rela-
gios de oar >. ingiez, descuberto, das meihores
fabrif-'.ates, ca leia de ooro, pl.wjuet e prata. Inuctas
de todas a* qualidades, tndo por precos muito ba-
ra'os.
Alugi-.-e, a casa da roa do Viseonde de Pe-
lotas, antiga iu i ')o Arngao u. 18, com 2 sala-. e 4
quarts,c'.'ini.i lora c 1 quart.) uj quintal, e por-
no u iv 0 T... tbia : a I'xti' ua rua da Ponte-V'e-
lba n. 2"', '6 hora* ia luaaha as 9 em diante :
na rua do C ininiereto a. ; -, a tratar com o pro-
prieta Dorr.ia*ns Pereira do Lagos.
Aluga se
um eseriptorio no primeiro andar da rua do cem-
npicii ii. 4: a tratar uo armazem da raesma
casa.
Jornil d^s Familias.
Assignaturas para 1875.
12.1000.
Livrada Franceza.
iiia
i
,
'.itrnares
Na pad i d .1 .i Miiiriy, sita os praca
deste i ea- a ... j j a. 2, Je-ta villa, esta.
V > if. 1 Serafico de As is Vas
c-'! '" 1 a miioi perf-ifSn, lim-
ps*' sa, "(1, ii l in e tndo qir.nn se
poce
. Ii rinha de !r \ 0 annoucianU
pi esm ri a fade Mos qaan
pr c'i estah Ipciment 1 cse eons-
tit., ii .: '- nsamtdures.
>A
1
. ii? j A.
Vr.
Ur .1
I
- r.isa n. Ml Ja raa do General
Sea-" a >g. d-i lasmim : a tratar ua iiiH3iua rua
n.;;.
iu ci p Ttogi.eza pan tra-
i;m : ; iratar Da .-ua Dujne de
: ,

.:
de
;voa.
i.".,... ut so ut t"j *ic S-t:ito
JkBC*ni*.
(". D'iLiia V'Ti!iiu> ^u s fazrades com 30 per
cpuio nil c o qua s>-us a'T-o* preco^, pelo que
fa/. 0;-. i -.. ..;L- au- seiu fregQeies.
A sahet :
Grai 1 rtimenl dp baba barda -. a 1 15, IJT200e I/iOO I Qie grande
pe .. 1
L.-: Li; .:.![:: \ da eOres. fatenda soperior, 0
ma i.i ..| ie ba, a 5b0 r<. 0 eovado.
1 IT 1 !..-. -' ,'.ira '0 r.s.
UIUrAS Claras e escarasa tifl, 280 e 3U0 rs.
faeno 1 in-rir.r.
BA riSTAS de e&reS escuras e claras para 280
e Diiiti 1 : ra 400 rs. 0 eovado
(..' v. I \ Itranca Victoria e traosparente fioa
a 4.i h a ie;a com 8 l|i v^.ras? Sim.
LA- i.MI 1 (!c g^sius alie.uaes a lot) rs. So 0
bav-tfir. '
BET' E 1 .--nr.'s e euros para 300 e 400 rs.
0 '
Ca i ira forr 1 a l5<0 a p oa com 8
l|2 bar 10.
K -- iima .-J cfir a 900, is p 1J200 oco-
1 ''" |ne .--.i.-pre cii-lm -i ; a ..lias an
't. -jii
i .'I tLl> \- ie e-a a l^iOO.
1)1':' s i spda d superior qnaikl^de. uostos
is -'' ,u ba, ;. IftioOu itu0 ; cj.u
\e- :_ vi r
I'., "\ 1 Ie linho p algolao p-iD fronbaa, ca-
nii'" .',[. ;; 7j' 1 a 3f 2011 a pe^a.
U j 1 igadua 408 is. 0 ruvado.
i ..', de C r ;. 0 tab e tixa>, para 500
rs 1._... .
' .' Ci.-emii 1 para li"iiicni a .'ij.i-00 I
rii. .;> 1 !>iii id alpaca a 3&, e kuab iu pa-
ra '5.
DIT 13 i. 1) I r. ih < a .'i^',00 e
pa 1 i" '. ; ni \3 sin ; ki Sg m.
Biil l : eao a !*8Jj e 2l a vara, e
bat'a:
'!'.'' 9 1* : 18 qUH ', r. ~l
e" !'.-i. E' miho xerup.-e eu>tao> 9a).
i.'..' 1 0 '. > 7 > :i dtui 1.
"1 ; I .a ia, .z u la muito b a a 6i a
do.
1. .;T 3 lie ea :..ir. d cores, buoitis gustut
a / i .* : I.
.|;"" i I" linho ahiinrtadoa, fueoda nraUo
b
A'i IraiHvz c 11 20 varas b>a qu.ili-
df.o i" 11 '".i 1 ; 1 \ lie, u elle.
So no Baral'-iro
A' rta Pi un< iro ue M ireo n. I.
Li;. \ : I Ft-rmra |; SHa L-al & G
Vo uj d-- t rni'x -m Itten. l
n :l ;.'. ii5; q:ii^ f t" ^..i'ttii i'ii-a.]n :;-. BebcTO-
l'. d> v h<* c; do Fan:nJA.
f 'I'. : .'. dri um j 1 I" --.p e \nuro dn Bar-
taeC pm. aquelif no ii.il do Mooteiro e esle
en.fi-:
1 ips dp tiri^s dp s->n aitio, qne hi
fr > irada r'n p r it .. ri
t, 1 none par. << betra do Puodao ;
seodo o do 4 H in da fu-iit- ciiiri' ."> a
li 1 : Da> ruaii oovameotn abe us pnire
J'lS. ,.|i: pet* r. Png*!
iS 1 cow fuoJoa yudicientea p ra peque-
!> -' ; 1 ptani p-ia r.:hvaU naeanian
de .' s .ii, p dff dos prop'itlanos,
qu .
Q'"' |i i-ae a algam dos propriptark>8
fa : 1 1 1 o 1 rtin la a Boena Lima
4 (.iiiiii.: ,a rua la 1] ui u. -6.
- Vi-n rum ijuatm r ilas para
boi, p. r to iuj'Io.ipi; : a vr tr;.t,r ua rua
Moleque fugido.
Gratifica-se com 50,000 reis a quern pegar Fur-
tnnato, moleque de 13 a 14 annos, preto, baixo,
cheio do corpo, rosto e catena redondos, nariz
chato, cabellos carapinbos e cortados de fresco ;
ausentoo se na tarde de 10 deoutubro do corrente
anno, com camisa de madapolio, calca de brim
de cor, desbotada, e chapeo de massa preto. Gra-
lifica se na ma da Cadeia do Beeife n. 39, oa na
rua da Aurora n. 165.
Toda attenQao
Betalha se, com frente para a roa da Amizade,
ibre 194 palmos de fnndo, uma porr^ao de optimo
lerreno para edili.-a^ao, tirada do sitio contiguo
a igreja de S. Jose do Maoguinno, d> preco de
><-)* por p ilmn. Aqnella frente e toda murada,
.I'-rn como a parte posterior e a lateral extiema:
3 prettndentes podem entenier se com o Sr. Dr.
Witravio _________________________
\mwm PARTICULAR.
RuadaRoda n. 48,sobrado.
Prime ras lettras, portuguez, francez, In-
^lez, desenho linear e musica.i
Sub a liirecrSo do professor Herminio
doiiriguos de Siqucira funccionam ditas au-
las todos os dias uteis.
Recebe alumnos intemos, rneio pensio-;
aistas e externos ; f rnece todo 0 material wQ*JSKX!Qi3 |CXS3!a3lS!SSQ^
para escripta e livros aos principiantes, por
preQos muito razoaveis.
" ..... -. 1 aa
Alugam-se
Bcas casas de
'v.:j da Panella ;
Tasso.
C^IitpjLDO
ADV0GAD0
,BMI.l\ELJO.\QtllIGtEXHSDA
SILVA HELLO.
SS Bna estrelta do Rosarlo 93
primeiro andar,
il\
campo, na Cruz das
a tratar com 0 comm
Consnltorio medico %
do a
Dr. Murillo. Q.
RUA DO VIGABIO N. 1, 2. ANDAR.
Recem-chegado da Europa, onde fre- S
qnenton os hospitaes de Paris e Londres, M
podera ser procurado a qualquer hora do B
dia ou da noite para objecto de sua pro- Q
fiasao. fh
Consultas das 6 as 8 horas da manhi e W\
do rneio dia as dnas horas da tarde. JK,
GBATIS AOS POBBES. 9
M Especialidades : Moiestias de senboras, V.
jj da pelle e de crianca. Ui
a a
ALUGA-SE
uma grande casa terrea com bastantes commodos
sita na estrada do Lucas : a tratar a rua do Vi,
*
Na travessa da raa
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
O Monte Lima
tem um complete sortimento de galao e franja de
ouro e prata, verdadeiro, de todas as largaras,
abotoaduras douradas para officiaes, canutilhos e
eafeiies para bordado. Tambem se eccurrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, charlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assim como um compieto soriimento d
ranjas, galao /also para ornamento, cord&o de la
com borla para quadros e espellios (conforme o
gosto da encommeuda) tudo por muito menos
pre^o que em outra qualquer parte : na preca da
Independencia n. 17, junto a !oja do Sr. Arantes.
?M
LIOUIDAQAO,
0 Paris n'America esta liquidando os cal';ados
\SjKi i pelos segaintes pre?03 :
H3 Botinas de duraque, de cores, com canno alto e
\ lar,o, a LuizXV a5i0j0!ll
Botinas de daraque, de cores, bordadas. canno
alto, a6* III
Botinas de duraque com lacoa 'ii.
Botinas pretas gaspoadas, canno alto, a if, 5* e
6*000.
Botinas Ii-as e enfeitadas, para meninas a 3f,
Hi Unas de Suzer, de cordovao com ponleira ee
verniz, para homem a 8*. Aproveitem, que e
barato.
Esteiras da India.
Jorge Tasso tem para vender esteiras brancas
da India, com 4 palmos de largnra : a rua do
Araorim n. 37.
Por 600| 6 barato
Vende se um e.;cravo de 30 a 35 annos,
to, proprio para refinacao, padaria, on
para um sitio, por ser de boa condaeta e sen se-
nbor retirar-se para fora : na rua de Hortas n. 96.
m?wm:
Compra-se uma escrava que seja sadia e
de bons costumes e que entendi dp cozioha e
engommado e mais servico de casa de familia :
'a tratar a rua do Amorim n. 5i armazeiD, das a
i MEDICO-CmURGICO i **
D0 5
* Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso ^
^ PABTEItlO E OPEBADOB S
SJ^Bua do Vtaiconde de Aihuquer-
m que u. m
ESPECIALIDADE
SR Holestias de senboras e "*
( menlnoa. W
X Consultas das 7 as 10 horas da ma- JK
1m. Dha, todos os dias.
fi Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar-
^ tas e sextas-feiras.
185 Os doentesque mandarem os seus eha-
fJL mados por eseripto at 10 horas da ma-
2 nha serao visitados em suas casas.
0

Vende-se d.us pedacos de balcao e dons ri
!teiros, proprios para ioja de mlodezas ou eigarrei-
'ros, e um dito para balcao : na rua da Florentina
n.22._________ _________________
Calvados baralos.
Praca da Independencia
11, 13 e
e bara-
mesmo
APK0VE1TEH
A 1|000
Cambraia branca, bonlada, com listras e de
qaadriabos, ab-rtas e lapadas, por termos uma
grande porr^ao, resolvemos vender barato para aca-
barmos, e fazenda muito larga e muito flna, que
sempre se vendeu por 2 5 0 metro, e estamos ven-
dendo a Ua vara : so quem tem para vender
por este preco e Guilherme & C, rua do Crespo,
Ioja das tres portas. Dao-se amostras.
0*
NttiAa pura 1873.
Sabio do pr- lo a bem conheci la folhinha de
variedades, contende tambem o Diccionario das
Fl tp*. das coves e das p^lras preciosas : a ven-
ds na livraria Uuiversal, rua do IiLperador n. 54,
a iOil rs. |
Alon-se
-0:
ns.
os armazens ns. 63 e 69. na prana do chafariz em
F6ra de Portas, um onde tevo teuda de ferreiro
o fallecido E. Mahult. O outro que esteve occu-
pado com venda de molhados, para o que e op
timo pela localidade e ser de Qnpiiiia. arnbos livres
e desemharaeadris de impostos: a tratar com o com-
mendador Tasso.
r:
Bonsbanhos edonnida fres-
ca no Monteir >.
Alugase alii por prec.o commodo uma casa pe
quena que tern 2 salas, 3 quartos, cozinaa e boa
caciinba, e e perio do no : a tratar na rua Nova,
Ioja n. 7.
Precisa-se dp arna para cozinhr : no ar-
mazem Baliza, roa do Livrampnto u. 38.
Esta encouracado f !
A^rua moln e:n jieiira tSnra
Tanto da Hte que m fczra.
Boga-se ao Illm. Sr. lgnacio Vicira de Mall
escrivao na cidado de Nazareth desta provineia,
favor de vir a ma Doqne de Caxias n. 36, a con-
cinir aqueiie negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela tercoira chamada desie iornai. ett
oKg* ,u.^ *, ma as? | x gB&*jSai,as,jRSB
]_ a 111* Por este mot,-vc e de novo chamado para d
\\m Da luais eabelosrmaiss--s-sedevelembraf-Tae-ft,t3n3soci
icente fugio
Na noite de 13 dara 14 de m reo do corrente
aoo), fugio o mul.to Vicentw e-cravi, de 20 a
22 annos de idade, b oils Ognra, barba e estatura
rvKolar, levando ve-tido e em um sacco jroupa de
algodao branca e algunia fin i pertenceute a um,
alzeiro da ia*a d'oode fugio. e oataral da fre-,
goezia de SaDl'%una de Uatlns diz ser livre. cria-
do em eomuanbla da madrinha D. Anna Lui'.a da
Luz de qaem aliis foi escravo : roga-se, portan-
ii, as Srs. eaplties d- campo e autoridades po-
liciaes a appraheni-io do dito escravo e entrega-
lo na cHade do Beeife, rua do Oespo n 10, ao
Sr. Jnaqo'm Moreira Bris, ou ua ci lade do Assu
an .Sr. Tormalo Angusto de O'ivpira Baptista
que sera g 'oprn-^mente recompe'isad' s.
Envronimadeifa.
Precisa-se dp uma engommadeira para engom
mar para dua? pe.oa^: a ratar na travessa da
rua d i Viea.no n. 1, das 9 horas as 4 da tarde, ou
DISCOS.
Tintura japiwza.
S6 e uniea nppovada pelas a-ademiasde
sciencias. recoobn ida superior a toda que
te-n npperecirb) ate bo,e. Dposito princi-
pal i rua da Cadeia do Beeife, boje Mar-
quez de OUuda n. 51, 1 sndar, e em todas
as biiticas e r.ss de cabelleireiros:
A\f A Preoisa se de uma ama para casa de
" rai>az solteiro, com urgencia : na rua
de Pedro Aftmn n 40
\ MA
PrpcNa se alugar uma escrava para
criada de casa de duas pes-oas, assim
i'omo de uma rapariga de 10 i 12 annos de idade,
escrava ou livre. pra andar com uma menina de
tenra Idade : a tratar na rua do Ma quez de Olin-
da (mtiga da Cadeia n. o't. armateiD.
a Iff A Preei-*a se de uma ama para cora-
\ Ai /A pr:ir' c '!-innar e pngom
h\ li /\ uma senhora : trata se
X A. I1X i A. (;, uz 3i> 3. nJarj ei
ma da Senzal. Velna.
de eito annos, e quando o Sr. sen :
ichava nesta cidade.
ho
Aluga-se
o spgundo andar e armazem da rua de Pedo
Affonso n. 59, q sobrado de um andar e sotao da
rua do Hospicio n. 65, e o andar e armazem do
sobrado da rua do B nn Jesus n. 63 : a tratar na
ma do Vigario n. 31
15
Loja do Armites.
Botinas d'! dqraqae de co:, catio alto
para senhora a
Ditss de duraqup. preto, caoo, para
senhora
Ditas gaspeadas para sen^ora
Ditas de pelllca e duraque, cor de cafe
idp.o idom
Sapatos de setim de cor, idem i3em
Ditos de duraque de cor, para menina
Botinas da duraque de cor e preto, idem
idem
M
43
2^
61
SI
3J
3i5
E' s6 quern vende a 600 rs.
Cambraias brancas bor Jada-. com li>tras p de
quadros, abertas e tapajas, fa?enU muito lina,
com 5 palmos de larsrura, e p-f termos grande por-
cao resolvenjos vender barato para aeabarroos ; e
fazenda de 1;;6C0 o eovado. e r.6j estamos venien-
do por 6'0 rs. o eovado, dio-se amostras : n:i rua
do Cresjo n. 20, Ioja de Guilherme & C.
Lustres, lampadas e arandel-
las.
Obra de gosto e mnito mais barato do que em
outra qualquer parte, tm para vender Joaquim
J ise (Jongalvts Beltrao & Filho.a rua do Commer
ci i n. 5.
Vende-se o i-obrado dp. um andar da rua da
Imperatriz o. 13, com excellenies commodos para
familia, tendo duas lojas e qaiQtal, cujos fun.los
dao para o caes do Capibaribe : a tratar na praca
do 'iorpo Santo n. 6, primeiro anlar.
3* andar
\
I'r-ci.-a se de mr-a ama Ion a ou
escrava : trata se na ru.. do Marquez
de Olnla, antiga da Cadeia, n. 52,
Caixeiro
Alnga-se uma ca a para passar a fasti, em
Beberibe, Porio da Madeira, com muitos comma
dos : a iratar na ru > Dugue de Caxias n. 88, loj
Aluga-se barato uuas raeiasagias, novas
na travesa das Barreiras (becco do Aquino) : a
tratar narua d) Cotovello, casj de azulejo n. 25.
Hotel de I'Europe
Aluga-se este vasto e magnlfic* es-
tabeleeimento a rua do torn
mercio n. 19.
Este antigo e bem conhe : do HOTRL, que fe-
chou e por causa do fallecimento do Sr. Eduardo
mar, para 1 Toorpin, acha-se provide de todos us pertcn?as e
na rua da ornament os correspond^ntes a fama de que sem-
entrada pela! pre gozou, e estaudo sitoado no lugar man ap-
I parente e aghdavel do Beeife como 6 o do 6ow-
levard, defroute h desembarque de pas^ageiros,
, os ioteressados na i aenario occasiao mais pro-
I picia para eslabelecer se com um HOTEL bem
montado, em bom local e ja acreditado.
Para tratar, oirigir-se ao escriptnrio de Pereira
Caraeiro, a mesma rua do Commercio n.6.
Precia-sedeuoi cnxeirod- Ii a IGannoi, com
protica de taveina. e que rg Bad r de sua con-
dncta : na nia de. Marize Karri- n 'i.
Prp-i-a ^e contratar r >:n uma senbora de
bons co-iiiiiies, |ue -.- .1 eaneyne da dueacSo de
tre* rrviin.a*, oisiane de-t, ohiade 10 mioutos :
iijnjam se a.i iai'it a u.at-iz He S.mto ^ntonio.
Ioja de orgoeiro n. 4.
Qopin pre' is. i alugar Din e-crava que cose.
lava, eugotnina e f-m con p-rf-icao, airiia-se a
raadaji Crozes -i :;i. 3* andar.
- AlUjia >e a m-ia agna sita
cimba, a rua dos Pi-azpreJ n. 1 :
ea da Boa \ i-ta n. In.
Alugar
ft Ph";^^'-i
Iflkkju I
Esta queiinundo
O proprietario deste estahelecime. to tem resol-
vido vender as suas facebdas o mais barato pos-
sivel, aGra de annrar dinnpiro.
Cambraia bianca bonlada.
O desen.aano e^ta vendend > cambraia branca
bordaaa uelo dininuto ireeo de 3ti0 rs. o eovado.
E' grahde pechincha.
Cortei de organdy de cores a 4"."00.
Cambraia transparente. flna, a :<5 a peca.
Baptista de lindos pad oes a 360 r-<. e eovado.
Chiias escuras Unas, a i40 rs. o dito.
Ditas. claras idem, a 210. 280 e 300 rs. o dito.
Ltzinhas de boB FIT do bosque a 600 rs. o dito.
Cam .-as de cretone, liaas, a .1 ; e 350Q.
Madapolao ingiez, nno, a 4*500, oi a SjoOO a
peca.
Dite francez, Ono, a 5300, Of, 6^500 e 75 a
peca
Alpacas de cores a 400 rs. o eovado.
Ra- niinas do gorgorao de. seda a 6$.
Popeiinas de iinho e s-da a 11 e 1^500 o co-
vadi.
Cambraia Victoria a i :s r i500 a peca.
Gae de seda a II o eovadu.
Brim branco de linho n. 4, a 11500 a vara.
AlgodSo T largo e lino a 4/, 4*.".00 e 51 a
pega.
Cambraia de cores a 2C0 rs. o CDvado.
E 'Hi'.r.is muitas fazeudas qmi dtixam de ser
menc.onadas para nao se t.irnar raassaote, por
isso convida a t da- as pessoas a fazerem uma
viiita a sen estabelecimento aflm de sorurem se
do bom e barato para a fesla : a ma do orespo
n. 25, junto a Ioja da esquina
no becco da Ca-
a tratar na pra-
, aoMga 1 Jismim u. 39
dflrai do
Jo.-e.
Offereee se u"'a mulber pa-
ra ama (ie niia ca-a de fa:
miiia : a tratar na sala de
sobrado n. 5, do largo da Bibeira de S.
AMA
Ama deleiie
Em 0 inda. rua .lo Bom Fun. casa n. 27, pre-
cisa se ieoma.
Prccii-a sp de uma ama qu cozmhe perfei-
tameriie : oa roi la Uniao n. 23.
para escriptorio, o primeiro andar e paramora
dia o segundo dito : ni rua do Marquez de Olin-
da n. 4.
Aiugarse
o sitio que fica contiguo a igreja de S. Jose do Man-
guinho; recom ii'iida-se por sua excellente posi-
can e imtras couiicoes agradaveis a sua babiiac o
confjrtavel e de recreio : qnem pretender, pode um-boi e
eotender-se com o Dr. Witruvio.
Proprios para bailes.
Chpgaram em boa quadra, para a Ioja do Passo,
riquissimos cortes de seda com largas listras
achamalotadas e lindissimas cores ; cortes de tar
latana com. palmas bordadas a prata, proprios
para Dailes : so na laja do Passo, a rua Primeiro
de Marco n. 7 A._________________________
Pedras de marmore
Vende-e pedras de m^rmores, de diversos ta-
manhos, com duas ool'gadas de grosrura, proprias
para muito3 misieres : a tratar com Joao Jose da
Conha Lages.
Oro^aria
Vende-se n dominio directo de um terreno
sito na rua da SanU Cruz, em que se acba edili-
cada a casa terrea n. 36 : a tratar ne roa do Vis-
conde de Giyannaen. 5.
Oura das hernias, pelas fun-
das de borracha.
As mclhoros e mais aperfeicoadas das at6 hoje co
nbecidas.
Vende-se
na
PJiarmaela e
de
Eartolomeo & C.
A'
84. Raa larga do Rosario 34
Yaccina. Vaccina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Lourenco de Magalhaes.
mootad-.i na corte um compieto servico deste ar-
tig% tem aqai aberto um deposito da melhor e
mais recente, enjos tobos se encontram na
Pharinacia e drogaria
A'
_______54 -ma larga do Rosario | 34.
Vende-se
na rua do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vinh' do Porto engarrafado, em barris e ea-
aneoretas.
Cera em velas. de Lisboa, superior quaildad?
Retroz do Porto.
Cimento Portland, legitimo
Mszar luiversal.
Tem chegiJo a este e'tab-li:crmonto um gran
de sortimemo dos seguintes object-is : Bat ei
ra^ magieas para rat .s, bonito soriimento de bo
necas (!'; todos o. tamaoboa. para crianca, e.^dei
ras de balanco e Otros mnitos art.gos de nobi
lia, camas de ferro, aderep-s do martrei-erola mo-
dernos, capa~hos, obje^os de metal par.' servico
de mesa, espelnos de tndoa os lamanhos, e onln.s
muiMs artigos. quo ludo 5e ve-ide barati para
satisfazer o desej dos fre^uezes : a rua do barao
da Victoria n 22.
Vende-se
uma casa na villa de Barreiroe, na
mercio, por preco modico : a tratar
irmaos & C.
eaa Tatw
LIQUIDACAO
NA
Lojade fazendas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores mindas mnito boas pan reaps
meninaa a 160 e 200 rs. o eovado.
La pretas, superior, a 400 rs. o eovado.
Alpacas de com Unas a 320 a 380 rs. o eovada
So se vendo.
Ditas com listras abertas, fazenda flna, a 800 rs
eovado.
Chitas de cores a 240 e 280 rs. o eovado.
Metins de cores mindas a 280 rs. o eovade.
Cretones, o melhor que tem vindo ao mercaso
400 e 440 rs. o eovado.
Cambraias brancas, bordadas e abertas, fawn t
mais flna qne tem vindo ao rstrraso, 8 tesssi
de 21000 o metro, par IfOOO a mm; 8 p*
cbincha.
Ditas preus com Acres mindas a 200 rs. o eovasc
Cambraia transparente, flna, a 3j a peca.
Dita Victoria, fina, a 48000 a peca.
Organdy de asaento branco e de cores, cob I >
res mindas de seda e de la, a 400 rs. o cotaaU.
E' pechiuebc. ^^
Cortes de easemira de cores moderaas a 5/580
corte ; e fazenda de 88. E' peckineha.
Camisas de linho finas, liaas, a 358 a 8ozia, 8 t
zenda de 558.
Brim branco de linho a 18400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o eovado.
Madapolao francez verdadeiro, 24 jardaa, a 8a
78 a peca*
Algodao T, largo e superior, a 58 a peca.
Gorgorao preto de seda para vesiido e para coOa*
a 38 o eovado
Toalbas alcocboadas a 48500 a dnzia.
Colchas grande- a 38500 uma.
Cobertas de ganga, forradas, a 38.
Lencoes de bramante a 28 am.
Lencos de linho, abainhadoe e em eaixmna*
38500 a duzia. ____
Ditos de caca de cores abainhados a 38500 a 8*
zia.
E outros mnitos artigos que se vende por k*
dos da que outra qualquer parte e para se 8*
So na lorem queiram mandar ver as amostras
enganaja de
Gcilk-nne I C.
Para o fabrico de chap^Oc
A NOVA ESPEBANCA receben o arame propn-
para armacJo de cbauem.
Aos nervosos
A NOVA ESPEBANCA acaba de recbr aqc :
les milagrosos anneis electricos, enra icfallival a i
nervosos.
Sal do Afsu.
Tem para v.nder Antonio Lniz de Oliveira
Azovedo, a bordo do paliiabote Johm Arltkr : a
tratar com o capita a bordo, on no sen escri >-
torin. a raa d-> Him Jpc n S?.
CASA
Vende-se on alupa sa uma eas i terrea em Olia
da com grandes c> nirr odo-, gaz e agua r-nc.nad;
a tratar na rna de Marco n 6
Farinha dernandioca supe-
rior.
Tem para vender, Joaquim Jo ves Beltrao & Filho, a bordo d< palhrtiok
Hosita, fundeado ao pe* do caes do ('.illcsn >.
e para tratar a bardo ou no seu escriptork
a rua do Commercio n. 5.
PAS
Carros
e uma excellente parelha de mulas
para carros.
Na rua da Imperatriz n. 9, v mde sr uma excel
lente parelha de roula3 para earro ; assim co
mo nm ca-ro onvidracado, para familia, victoria e
um cabriolet araerkano. de 4 rod*;.
Leques gigantes
S6 qr.e-n tem dos mais modernos t a Magnolia
a rua Ouque de laxias n 45.
Gamisas francezas para me-
ninos a 2$.
0 Pavao vende camisas fraucrza? para m-nino
de todas a- idades, a ii cada uma, o em duzia
a 225 ; is.o e para acahar na rua da Imperatriz
n. 60, Ioja de Felix Pereira da Silva.
Cavallo.
Vende-se' um cavallo, proprio para cangalba :
ua rua do Iraperador n. 14.
Venle-s- a t-verna da rna de S. Miguel n
68, nos Af gados, pnpria para principiante : a
trtar na mesma.
Col I a superior
DA
Fabrica Oa macho
Ja chepou para o nnico deposito, no esrript-'rio
1e Joaquim Jose Goujalves Beltrao & Filho, a ma
do Commercio n. 5.
Farinha de rnandioca
superior, chegada pela barca Saphira ; tem para
vender mais barai i do que em outva qnalqner par-
te, Joaquim Jose Gonc/dves Beli.-ao 4 Filho, no
sen eicriptorij, a rua du Commercio n. 5.
Aluga-se uma rasa terrea na rna de S. Fran-
cisco n. 27 : a iratar no paleo do Paraizo u. 16.
*YVMI
yE-SE
carropa com pipa para vender agua :
ua Estrada de Joao >^e Borro d. 23.
TSSfA*Al*OjA^
Costureir-t.3 par. n olista.
Procia-se na rua da Palrua n. 34.
Ama
Prppj^a-se deumaaina para cozinhar
na rua do- Pires n. 34.
Ln
I-1 rr< ii vi
da Silva
'em duas cartas na rua do Vigario n 7, primeir
andar.
Preeia*e de nm hi mem babiliUdo para
ensinar a-, lifiguas iortaKU-za, latioa e Tranceza
a ire- memom-eui u eogenho p rto da cidade':
qup ii pretender, drija se 6 casa n. 248 da rtfltij
Augusta.
Na Ioja do Pavao vende-se madapoloVs france
zes muito incorpadoa, com 20 jardas a 6.00) reis.
garros, qne m> dun sua i-fflcioa de cigarros do n. jt>Bratr" Qot, qe relx ^Hrp,ra ai i,lha-________
2 ..ara o f andar do n 1 e n. 1 A, por ter de 4nt, /JrrqrrPllrna
entrar em obra .. de n. 2. F;.z este aviso para! _. '-'A&^wTeirOiS
algnem Lie julgar o conlrario, e sens 'reguezes!
bcarem sdentes do que po o cupa as 2 lojas dos
numeros acima, e o I* andat do mesmo predio.
Aluga-se
A N0V\ ESPEBANf* vende panel de list
propno para cigarros, de diversas largnras.
Aos charuteiros e cigarreiros
Vende-se na rua da Santa Cruz u7i6. Bia-Vis'a,
fumo da Bahia, por menos preco que em outr^
qualquer parte.
Grnade exposicao
Gran !e snrtimpnto de chape"os de palha para
homem a 1/.8 Kl e 2 '. preQo 'eaimente baratissimo
em vi-ta da qualtdade. e mono proprios para a
fesla : na rua d-: Passeio n. 60.
Cimento Portland
ffo caps do Apollo, armazem n. 69, de Jose"
Duarte da- Neves, yeode se o verdadeiro cimenlo
ingiez Parll^nd. a modico preco.
Potassa nova
chegada r.centerr^pntp. vprdadpira, em meios bar-
ris : vfindem Cunha Iroiaos & C, rua da Madre Ie
Deos n. 34.'
Traves.
A 360 rs.
a casa da rua de Biarhnelo n. 9, com bons Com-
modos para familia, bora jardim, agua potavel e
em perfeito estadu de asseio : a tratar no arma-
zem n. 25, da travessa do Corpo Santo..
T^a ^S'/rU'^a^oti^l" Da rUa ^ S?;' Vea,1e se cambraias organlys de ekes com Bo-
tafZ: ;?;.? L^Cnm c,onia,tt*' res mindinbas e de seda e la pa'.roes modernos
e limpas de novo : a .tratar na rnfc n.reta d. 8, e at4da pan,0 ^^ faz.,ndi ^i0 0na e Vrjae.
- ~ AlBga-se ulna escrava para'servico inlerno se por 360 rs o covad6, 6 baratissimo : na rna do
de casa' de iamilia : a' tralar na Ioja do' Passo, rua Crea'pd n. 20, Ioja das tres" pbrlaS de Gu:!nJerme
Primefrb de Marco n. 7 A. & C-
Vende-e traves de lonro e qualidad0; para
ver no caes n i Kainos. e traU-te com Joaquim
Rodrignes Tuvares de Medo, a praca do Corpo
Santo n. '"!. !. andar.
Imperial fabrica de rape
ar6a fina de Moreira & C.,
di, B-.ihia.
Oeste cxeplinle rap6, que set'nrna recommen-
davel aos amantes da noa pflada tem e>tabel^ci-
do esta fabric* d seo deposito a rua do Commer-
cio n. 5, que veadem por junto e a retalho, fa-
zendo se vantagem a quem cimprar porcao.
FAMILIAS
Slna Deque dc Ca\i; s d. GO A
Para a f esta
Beis e Silva 4 Guimaraes, proprietarios des>
bem conhecido estahelecimentn de fazendas fin.r
convidam ao; seus freguezos e ?migos a sortireci
se dos artigos indispensaveis para a fp-ta, artia*
da ultima mod., e de fino gost.i, rs qoaes se tea
dem por modico prec/>, de forma qne igual nao -
eocootra em outra pane.
Ah in de que o poblico avalie o que levam dr.
nflVrecem a jua preci isa con-iderac,ao a segnm *
men^ao:
Lacinhos para senboras.
Tem s nm complet" noniroealo de lacinhos ce
seda e de cambraia b> rdados qne e.-tam .- v.i
dendo por preco muito barato, a 28, 28500, 3^
3^500, 4a e 88 cada um. Sio muito lindos.
Gases de seda.
Temo nm eoropht > sortimeoto de gasss de k
da de seda, fazenda muito nioderna, e so se n
contra no Bizar das Kanulia*, pcio preco de 960
rs. o eovado. Ningueui p. de vender.
Popeboas de linho ;6.
Temos nm com.leto j< rnuipnlo de popeiinas d
litibo, fazen 'a proorra para pas>ar a festa por e-
muito barata, a 500 rs. o eovado.
Faiai de seda de cores.
Becebemos um compieto sortiaipnio de faul d<
spda, fa/enda inteirxm-nte nova, qne estaao*
vendendo por 28, 2/200 o envadp.
P..pelina- di imho e seda.
Nesle artigo temos nm cvwl f. acrtiment) an-
estamos vendendo por 7-0 800,900, U, U30"
e U8 0 o eovado.
Assim como temos popefina branca. pripria pa-
ra noivas, que veal, inos por 1*800 e 28 o eo
vado.
I'-iqinssimix capellas com veos para noivas
que estamos venlendo por 138, 188 e 208 cms
Polouezas de percxlioa proprias para >anho.
Temos um complete sortimeoto de pr.looes 4"
percalioas iropria: para banoos, por serem ski
to comoridas e mnito I aralas a 4i e 58 nma :
a fazenda iuipcrt' u em mult.' mats do qoe eiia
feitas.
Alpacas de seda com listm.
Temns npste artigo nm compieto sortimento, qui
estamos vendendo p^r preco moito barato, que
800, 900, I* e 13200 ; sao laraaa
Baptirtas de cores
BeeeVrnoa nm eomplfte sortimeoto de b.-ptis
tas, padroes inleiramnle mvos, gostna mnito bo
nitos, qne estamos vendendo por preco se 468
480 e 500 rs. o cvado.
Cort> s de graoadioe.
Becebemos nm cooipieto sortimento 8e corte-
de graoadioe br.-.nca; com listras o> cires r sal
ma* sultas, que estamos vendendo por 128 sa
corte.
Casaqumhos preios de pnrgorio.
Becebemos nn eompieto srrtin-eoto de east
quinh s preios de gorgorao, uoe e-umoa vesses-
do por 8., 108. 128 e 20? ao.
Sttim branco e de cores.
Becebemos um complete) sartia?nio de seths)
Macao, tanto branco r ruo de cotes, qne mte
mos por 28200 e 2 40" n eovado
Cambaias branca, trasasreoie e tatssa.
Temos snrtiroenio de oambraia, qne vesstBsi
a >8, 4 500, 58, 68 e 78 a peca ; ga ran times e
1|2 varas.
Assim como, outros artigos qne se toraa eara-
donho meocionar
BEIS E SILVA & GUIMARAES.
E' com aa noivas
A NOVA ESPEBANCA, rna Daqa de Caxias a.
, acaba de reeuber boa- meias de seda :
para noivas, e os apredaveis raaos de
u_l_________
PAGINACAO nNCDRRETA


M
*
Diario ita Yen&mtmco Terea feira 15 de Dezembro de 1874.
<
I .
?

>
Aos legttimos fogoes eeono-
micos.
Aeabam de chegar a esta cidade os ver-
dadeiros fog6os economicos, jd muito conhe-
cidos nas provincias do Rio de Janeiro,
Minas, S. Paulo, Sergipe, Rio-Grande, Ba-
bia e Alagoas, aonde tem merecido do pu-
blico a raaior aceitacio possivel, e sSo }&
preferidos aos de qualquer outro systems,
conhecido pela sua muita solidez, especia-
lidade na collocacao, moderno systema,
e sobretudo grande economia no combusti-
vel ; trabalbam com lenha, coke, carvao de
madeira, etc., etc. Ha de diversos tama-
ahos, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de muita familia, collegios, hoteis,
casas pias, hospitaes, etc. Acham-se ex-
postos ao publico, eonde se darao todas as
explicacdes necessarias: na rua do Viga-
on. 12
Soares Lei Irmaos, rua do Barao da Vic-
toria n. 28, antiga rua Nova.
Acs nieninos
A NOVA ESPERANQA, a rua Duque de Caxias
n. 63, acaba de receber um bom sortimenta de fl-
oss bonecas que fallam, que riem-se e ehoram ;
tambem as tem mudas e surdas ou surdas-mudas
enham ver se nao e verdade.
Colchis para camas
Na ioja do Pavao vende-se colchas de fustao
brancos, para cama a 2,500, ditas de dito de cor
a 4,000, eobertas de chita e de eretone, de 2,500
para cma e ditas de metim escarlate forradas com
madapolao a 5,000 : a rua da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira de Silva.
muito
iSo
400
As Ulricas verdadeiras
Bichas hamburguexas one vem a este mtrcaa*
na ma do Marauex de olinda ".fit
#GRANDE
Liquidaeao
DE
de sol de todas as
umuiJIC
IV. 72. Rua da Imperatriz N. 72.
EM LIQUIDACAO.
Tendo recebido diversas qualidades de fazendas que ba tempo tinham feito encommenda e
agora estando em liquidaeao resolven que estas fazendas fossem veodidas nas mesmas ondicSes o
que e muita vantagem para os compradores, isto no Bazar Nacional rua da Imperatriz n. 71
Chales de \\ a 640 rs.
Vende-se cha'es dela a 640, ditos de merino
estampados a 1*600 e H.
Cortes de casemira a St.
Vende-se cortes de casemira de cores a 5*,
5*300 e 6*.
Cobertas de chita a $l
Vende-se cobprtas de chita a 2 e 2*506.
Colcbas de fustao a if.
Vende-ss colcbas de fastao a if, 31 e 4*.
Fustao branco.
Vende-se fustao branco para vestidos de senbo-
ras, organdys branco 6no a 640 o metro.
. Madapolao a 3..
Vende-se pecas de madapolao enfestado a 3f e
: 35500 a pecs, ditas ditas fino a 4*500, 5/ e 6*
dito francez lino a 65, 7^ e 8*.
Algodaozinho.
Vende-se peeas de algodao de todas as quali-
dades e barato.
Bramante.
Vende-se bramante de 10 palmos para lenjoes
a 1^600, 25 e 25500 o metr >.
Algodao enfestado a 000 rs.
Vende-se algodao de duas larguras enfestado a
900 e 15 o metro, dito trancado a 15280 o metro.
Grande liqoidacio de roupa feita.
Vende-.e ceronlasde algodao a 15, ditas tinas
a 15200 e l*5"0. camisas brancas a 15800, 25 e
25500, ditas de linho bordadas e lizas a 35 e
35500, ptletots de alpaca preta a 3(500, 45 e
45500, ditns de dito de cores a 25, camisas de
flanella a 25, ditas de cbita a U280 e 25-
Chap
60s
qualidades
Mm. Falque convida ao respeitavel publico e
particularmente aosseps freguezes, para que apro-
veitem a occasiao desortlremsedechapeos de sol,
os quaes se vendem nor baratissimos precos, poU
deseja diminmr o grande deposito que tem dos
mesmos, e de todas as qualidades, como sejam :
de seda, panno e abaca, para bomens, senhoras e
meninas. No mtsrao estabeleeimento ba um op-
timo sortimento de seda, alpaca, merino e brim
para coberta dos mesmos. ila tambem cbapeos
de panno com dous forros, proprios para os ba-
il ho? do mar, a 15500 para acabar.
Organdys branco a 400 rs.
Vende-se organdys branco com listras
fino a 400 rs. 0 covado.
Popelinas a If000.
Vende-se popelinas de cores muito flnas a
covado.
Alpacas de cores a 400 rs.
Vende-se alpacas de cores para vestidos a
rs. 0 covado.
Llazinhas a 120 rs.
Vende-se laazinhas para vestidos a 120, 240,
320 e 400 rs. 0 covado.
Alpaca lavrada a 640 rs.
Vende-se alpaea lavrada para vestidos a 640 rs.
0 covado.
Granadina a 500 rs.
Vende-se gnnadina preta com listras brancas a
500 rs. 0 covado.
Percales flnas a 400 rs.
Vende-se percales finas para vestidos a 4C0rs.
0 covado.
.'Chitas finas a 260 rs.
Veade-se chitas de cores escuras a 260, 280 e
320 rs. 0 covado.
Cassas de cores a 260 rs.
Vende-se cassas de cores finas a 260 e 320 re.
0 covado. I
Cambraia victoria a 3?500.
Vende-se peca de cambraia victoria a 31500,
45e55- Camhraia transparente a peca a 3*,
35500, 45 e 55.
Cortinados a 65.
Vende-se cortinados para janellas a 65 e 7$ 0
par.
W Htf A Mjj*~3JKrf 0 sitio junto a igre-
ja de S. Jose do Hangu nho, com casa de vivenda
assobradada e ouiras acummodagaes, tudo mura-
do, com duas frentes .-ervi ,as por poriao de ferro,
dando para a rua di Amizade o para a do Man-
guinbo. Tem de terreno proprio 194 palmos de
hrgora e 354 de fundu ; e a caa in.-de 62 palmos
da /rente e 84 dp fuudo. A situacao 6 a melbor
possivel para morada, e quem quiier edificar, tera
bastante terreno para isto, pelo lado da rua da
Amizade. Tem a'gumas plantacoes de gozo e re-
creio, havendo bastante agua fornecida por duas
cacimbas, uma das quaes e nova. A entender-se
com 0 Sr. Dr. Witruvio quem 0 pretender.
Olinda
Baa a o i| 11 i s i c n .
Vende-se um sobrado sito na pateo da S6, em
Olinda, edificado era cbao proprio, com grander
accommodarSes para numerosa familia, reedifl-
cado e pintado de novo, com bellissima vista,
muito fresco e com quintal: a tratsr no pateo
de Pedro II n 6, andar.
I booito
As almofadas bordadas de la matisadas qua r-
cebeu a Nlova Eaperanca, a rua Daaoa d
Caxia- "-_____________'__________
Lustres, candieiros e aran-
dellas para gaz.
No nevo estabeleeimento, Grande Exposi^ao, na
rua do Imperador n. 35. junto ao eseriptorio da 1
companbia do gaz, vendem-se lustres, candieiros e;
arandellas de diffcrenies umanhos e modernos!
gostos, tanto de vidro como de bronze, e tado do; j
melbores fabricantes que ba na Inglaterra. Tam-
bem se vendem globos de bonitos padroes, chumbo
e tudo 0 mais que for preciso para 0 servico do
gaz. E como os donos deste estabeleeimento man-
dam vir de conta proprla e se querem aereditar,
vendem tudo mais barato do que quatquer outro,
para o que os compradores pndem exper'Qientar.
Vende-se
No escritorio de Thomaz da Aquino Fonceca &
C. Successores, a rua de Vigario n. 19, primeiro
andar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Lisboa.
Vinho Sherry.
Vinbo d> Porto em caixas, finissimo.
Idem em barris de quinto e decimo, fino.
Retroz.
Fio.
VENDE-SE
Na ma do Vigario n. 19, vende-se 0 seguint e
Cimento de Portland, em primeira mao.
Vinho do Porto, engarrafado, finissimo, em cai-
xas de duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
Vinho Sherry, inglez em caixas de duzia.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
Wilson Kowe & L. veudem no seu MMH
a rua do Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao azul amencanc.
Gxcellente fio de vela.
Cognac de 1* quaiidada
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidades.
remessa,
Vinho verde-de Amaranle
Convida-se os apreeiadores a virem apreciar 0
qne ba de mais excellente neste artigo; vende-
se era decimoa e a retalho, em casa de Pocas
A C, a rua estreita do Rosario n. 9, junto
greja.
Festejos
Grande liquidagao de fazendas flnas e do
melhor gosto, para vestidos de festa, na
loja n. 44, a rua Duque de Caxias.
Popelinas de modernissimos padroes, covado a
600 rs.
Ditas de ditos a 15200.
Ditas de ditos a 15400.
Ditas de ditos a 1*600.
Cambraias organdys de padroes e cores inteira-
mente novos e modernos, covado 320 rs, cortes
de cambraias brancas para vestidos, bordados e
com babados, a 65.
Cbapeos msJeroos, gosto allemao, para senhora,
pr.-prios para a estacao da festa, a 25500.
Ditos de diversas qualidades, para homens, pelo
barato preco de 25. 25500, 35 e 45-
Camisas france'.as e inglezas, de diversas quali-
dades, a 15500, U.Tim e35-
Collarinbos de linho, lisos e bordados a 400 rs.
Toalhas de linho para rosto a 400 rs.
Lencos finos com barra. duzia 15400
Ditos ditos brancos, duzia 1-500.
Metins esc cezes, inteiramente novos, proprios
phaeraa mbres, covado 240 rs.
Meias finis^imas, para senhora, duzia a 3:500.
Lazinuas, chitas, cambrias, madapoloes, algo-
des, brins, por pregos baratissimos, bem como
outros muitos art gos que se acbam expostos para
os amigos do bom e de barato, por 25 0|0 menos
que em outra qualquer pane, finalinente tudo,
tudo se acha em liquidacao.
Pentes girafe.
Penies girafa, proprios para senhora, ( ultima
moda): a Magnolia a rna Duque de Caxias n. 46
e so quem tem.
Papai, mamai.
Bouquets de cravos e de todas as floras, capellai I f*omo "* as bonecas de cera que cha-
e vela* para baptisados, de muito gos.o, por barato jnBam P?P:!'> mamai, ehoram, andam, etc So na
preQo, e tambem recebe-ae encommendas tres dias 1 Magnolia a rua Duqae de Caxias n. 45.
Admirem
antes
cera.
no pateo do Livramcnto n. 36, loja de
\ito ha quem veuda mais \mtU\!
Gama & Brito, com jrmazem de molhados no
largo da Santa Cruz ns. 2 e 4. vendem manfiga in-
gleza em barril a 800 e 1,000. rs. por cada 450
grammas ; vinho de maca a 1,200 a garrafa. dito
Figueira a 440 a garrafa, a Canada a 3,400 rs.,
gaz (Devos) Iiquidoa240a garraf;, velas stearinas
a 560 0 maco. velas economicas a 760 0 maco,
cba perola a 3,200 rs. cada 450 grammas, dito al-
jofar superior a 3,000 rs. cada 480 grammas, um
completo sortimento de biscoitos em latas, qus se
vendem por precos baratissimos, hervilhas franco-
zas a 640 a lata, marmelada muito tin a a 640 rs.
a lata com m?ia kilo, queijos frescos, azeite doce
de Lisboa a 640 a garrafa, assucar de primeira
sorte a 320 rs. 0 kilo, dito de segunda sorte a 28
0 kilo, dito de terceira sorte a 240 0 kilo, vinho do
Porto, em barril, a 800 rs a garrafa, dilo engar-
rafado das raarca* mais acreditadas a 1,000,
1,200 e 1,500.: 0 que pode; haver de melhor e
tudo mais a vontade dos compradores, certos d*
que encontrarao a maior sineeridade e agrado
possivel : no largo da Santa Cruz ns. 2 e 4, arma-
z em deGama & Silva Brito.
Gaiolae, gaiolas.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu gaiolas de arame de lindissimos modelos,
! proprias para passaros ; a eliu antes que sa aca-
bem.
320
reis o
vado.
co-
Granadina de seda a 400 rs.
Na loja do Pavao vendc-se finissiraas granadinas
de seda com li-iras assetinadas, fazenda que sem-
pre se vendeu a 15200, e liquida a 400 rs. 0 cova-
do ; assim como manguitos e golinhas de cam-
braia bordadas a I; cada nm, e pecnincha : na
loja d" Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de Pereira
da Silva.
Salsa parrilha
Muito novae grossa.
Vende-se por barato preco, em porcjio ou a re-
talbo : na rua larga do Rosario n. 34.
Cal de Lisboa
E' sempre assim-
AO SEXO AMAVEL.
A Nova Esperanca, a rua Dnqne de Caxias rt
63, toma a liberdade de avisar ao bell sexo, que
acaba de receber diversos artigos dealta novi-
dade, os quaes estao expostos a vunda em dito
estabeleeimento, e bom que venham aprecial-os
para por esta forma satisfazerem os caprichos de
soas elegantes toilettes.
A Nova Esperanca, nao querendo tornar-se
raassante, llmita se a mencionar alguns artigos
j dos mais em voga no mando das raodas, os quaes
1 sio os seguinles :
: Liodos cintos de couro e filigrana.
: Modernos bctoes do ago para vestidos.
: Novos leques, grandes, matisados.
Elegantes fivellas de aco para vestidos.
! Delicados ramos de flores de larangeira.
, Bolsas de couro e filigrana, proprias para tra-
zer pendentes ao cinto.
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpo
Santo n. 17, 1* andar, eseriptorio de Joaquim Ro-
drigues Tavares de Mello.
Rua 1 de Marco n. 14
Gusmao & Leal receberam grande quantidade de
cortes de casemira para calya, e vendem por 4$
cada corte, assim como vendem selinetas para
a vestidos, fazenda linda, por 400 rs. o covado, fazen-
1 da de 800 rs. : so na ma 1* de Man.-o n. 14.
Eserava
Para vender na rua, precisase alugar uma es-
crava : na ma da Florentina n. 22.
Assucar candL
0 melbor e mais bonito, preparado e aper-
feicoado por systema novo, vendem. Beitrao &
Qnintal, em sua refraacao a rua do Barao do
Triumpho n. 66.
S6 na rua do Queimado n. 43, junto A
loja da Magnolia.
E' barats.
Cambraia branca con* flores bordadas de cores,
sao.padroes muito bonitos e de gostos nunca visto,
pelo dirainuto prep de 320 rs. o eevado:
so o 43 e quem tern. Dao se amtstras com pi-
nbor._______________
Lazinhas brilhaules a 720 rs.
0 Pavao recebeu um bouito sortimenu das mais
lindas lazinhas brilbantes, sendo de quadrinboo
j miudinkos, parecendo de uma so cdr, e tendo diffe-
rentes cores ; esta fazenda tem um brilho corns
seda e bastante largura, e vende-se a 720 rs. o
; covado : na rua da Imperatriz n. 60, loja de Felix
Pereira da Silva.
Uziobas coodemas a 320 rs.
0 Pavao "vende bonita.-* lazinhas de quadnnhos,
tendo de todas as co! es, pelo barato prefo do 320
rs. o covado; sendo fazeuda que sempre se vendeu
a 500 rs., e" pechincaa : na rna da Imperatriz n.
60, loja de Felix Pereira da Silva.
Crochets para cadeiras.
0 Pavao vende uma poriao de panos de cro-
chet, proprios para encosto de cadeiras e de so-
fas, que vende por precos baratissimos: na rua
da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da
: Silva.
C6rtes de organdy a 29400
0 Pavao recebeu am bonito sortimento de cortes
| de organdy, matisados, para vestido, que vende
pelo baratissimo preco de 2:400 o corte, 6 pechin-
cba : na rua da Imperatriz n. 60, loja de Felix
Pereira da Silva.
A 500 rs. o covado
Na loja do Pavao vende-se lazinhas japonezas
de cores muito modernas pelo baratissimo preco
de 500 rs. o covado, para acabar ; uotando-se qne
e fazenda que jamais se vendeu por menos de
dois cruiados ; ja ba poocas : a rua da Imperatriz
n. 60. loja do PavJo, de Felix Pereira da Silva.
EXPOSiqAO
DE
Fazendas e artigos de alta
novidade
NA
LOJA DO PASSO
Una Primeiro de Marco u. 7 A.
curdeiru tlmtea A c, proprieUrios
leste importante estabeleeimento, no louvavel pro-
jrosito de nao desmentirem o conceito qne os
icabam de receber de sua conta o mais nco sor-
imento de sedas, popelinas, iis e artigos de ul-
tima moda em Paris, e continuarao a receber
jor todos os paquetes daquella procedencia ; por
sso chamam a attem.-au de sens freguezes e os
nnvidam a darem nm passeio ao sen estabeleci-
nento, garantindo-lbes que encontrarao a reali
lade do que fica dito, e para pruva dao um pe
ineno resumo, cujo infallivelmente despertara a
ittengao dos pretendentes.
Mandam fazendas a casa dos freguezes, e dao
imostras mediante penhor.
A.rtigos de alta novidade e
ultima moda.
Cortes de vestido de linho guaraecidos de bico
ta mesma fazenda e cOr, trazendo flvella, bolja,
:tnto, etc etc.
Riquissimos chapfios para senhora, de cores e
jretos.
Cortes de cambraia brancos com lindos bor-
lados.
* > de cores com enfeites da mesma fazenda,
mino, etc. etc.
Capas de la para meninas e senhoras, guarne-
:tdas de arminho.
Vestuarios para baplisado.'
Riqaissimas camisas b'rdadas para senhora.
Leques de madreperola, para noivas.
Ricas colchas de seda, para casameoto.
Cortes de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda branca e dito preto.
Sedinhas de delicades padroes.
Selim Macao de todas as cores.
Grosdenaples pretos e de cores.
Velludo preto e damasco de seda.
Granadine preta e de cores.
Filo de seda branco e preto.
Ricas basquinas de seda.
Casacos de merino de cores, la, etc.
Mamas brasileiras.
Capellas e mantas para noiva.
Cambraia de cores, ditas mariposas brancas, de
ores, lisas e bordadas.
Plor do bosque (novidade).
Percalinas de quadros, listras, etc.
Brins de linbo para vestidos.
Fustao de cores.
Saias bordadas para senhora.
Grande sortimento de camisas de linbo lisas e
*ordadas. para bomem.
Meias de cores para homem, senhora, meninos
meninas.
Sortimento de chapeos de sol para homens e
nhora.
Merinas de cores para vestidos.
Dito pi eto trancado e de verao, bombazina, can-
to, alpaca, etc. etc.
Atoalbado de linho e algodao para toalhas, e dito
lardo.
Damasco de la.
Brim de linho branco e de cores.
Setins de lindas cores com listras.
Chales de merino de cores e pretos
Ditos de touquim e ditos de casemira
Camisas de cbita para lioinen- (Mas de fla-
wlla.
Qeroulas de linbo e ditas de algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e ditos de labyrintbo.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
>ara bailes, e tarlatana ue todas as cores.
Colcbai de damasco de la, e ditas de crochet.
Espartiliio.- lisos e bordados.
Poulard de seda, lindas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Casemiras pretas e de cores.
Popelinas.
Neste artigo temo um variadissimo sortimento,
lao so em gosto come em qualidade.
Las
am listras de seda, ditas com pal nas bordadas,
litas transparentes e de ojtras muitas qualidad- s.
Lavas
ie pellica brancas e de cores, do verdadeiro fa-
>ricante Jouvin.
Finalmente :
apete* para sofa, cadeiras, cama, entrada, etc..
-.ambraias brancas, chitas de todas as quabdades,
oadapoloes, esguiao, t Ides, collarinbos, punhi-s, meias para homem e
enbora, punhos e collarinbos brancos e de co-
es para senhoras, gravatas para homem e senho-
a, peitos bordados, lenens de linho brancos e de
ores, ditos de cambraia de linho, toalhas, guar-
'anapos, panno lino, etc., etc.
Loja do Passo
Rua Primeiro de Marco n. 7 A
___________antiga do Crespo.
Alia mid de.
0 Barateiro, a rna de Marr., n. |, acaba d
receber grande sortimento de rntiranos e babaa-
nhos lapados e transparentes, de t. das as Uin-
ras e vende a 1,000, 1,200 1,M!, .^zend, qat
semnre c>>stou 2,500; a uma exj er toaa htn m
convidamos
para senhoras
Como sio lindas < nn>derna< as gravatiohaa izm
a Magnolia, a rua Duque de Caxks n. 45, acaba
de receber
Para acabar.
Saccos e 280 reis.
Vende se saccos de estop: com urn peqoeoo de-
feito, proprio; para ensacar milbo, farinha etc. sac
grandes e d muito boa qu.lidade i> vende se peto
diminuto prero de 280 rs 'adi um, e pechincha.
vuem precisar approvei o >sta a rua do n o Cms
20, lojadas tres t'ortas de Gnilhernm k C
A' prac,a circular do Apollo
vende-se:
TijoloH de marmore, de differentes t-
manhos e qualidadts.
Tijolos francez.s, sextupios.
Cianento Portland verdadeiro.
Azulcjos grandes rouito proprios
para rodnpes.
Azulcjos verdes e amarellos, tamanbo
regular.
Maqninas de desctrcQar algodao.
Cadeiras de ferro, assent > de psibt-
nha, proprias para campo.
E' pechincha..
A KiO rs.
Lazinhas de cores, padroes mnito lindos pn^
I rios jara vestid'* de senhoras e meninas, e ves-
di -se pelo diminuto pre^o de 160 rs. o eov4o,
por este preco 6 seeucontra n* rua do Crespo a.
20. loja di* iiuiiiii'iii,i- 4 C. : dao snaoitrv.
Cortes decasimira a 4#,
e 6^000.
Na loja do Pavao, vende-se r-nrtr-s de c-
semtra para calr;a a it, 59 e 6(5000, ditos
muito firji sde uina si cdr c<^.u Istras eo It-
do, fazenda quo sempre s* vendeo a M e
108000, liquida-se a 60(K) para acab*r:
a rua da Imperatriz n, 60, de "elii Pereira
da Silva.
Para concertar meias
A NOVA ESPERANCA, a rua Do pit
n. 63, laKtoii nest* necessaria Hsin
de (jj-.t.
Salsa-parrilha do Para
Tem para vender Am nio Luiz de Oliveira Az-
vedo, no seu eseriptorio, a rua do Bom Jc-os M-
mero 57.
Bom sapateiro
Vende-se um esciavo sapateiro de toJa obra. e
de boa figura : na rua de S.nto Auaro n 6, se-
gundo an'.'ar.
Admirem.
Cortinados a 9otM>.
0 Pavao vende Ouftisados 1>, rdado-, prtprio
para camas e janellas. a T.i n ssr e pt-rbinrba
que logo se acaba : na rua da Ini.nr^.ru n. 60
de Felix Pereira da Silva.
Balances, pesos medidae
do systema metrico deci-
mal.
Von Sohsten & --, na rua da Cna; n. JR, res-
dem um comyblo sort mento, tod i f-itj na mes-
ma fabrica di Europa padroes existentes na camera rr.unicijai desta
cidade.
Burros d venda.
Ignacio Deiro avisa a sens lastdsrw qne rsti
em seguimento para Pernambuo, code ite o dia
10 de dezembro espera que Ihenxinitm .-atisfazer
sens debit->s na cjsi de Joaquun J ti Goncalves
Beitrao 4 Filhos. Cndnz pxccI| ie- I nrros pan
vender. P.lar. 1-i de novtmbm 1e -Sli.
Vinho verd-.i.
Especial chegado no ultimo va; r, tera para
wnder em barris '. quinto e o- Colares tm
decimos, no seu eseriptorio a rua .11 Comraercie
n. 5. Joaquim Jo-e Goncalves H-itr:i \ Filho.
DOS PREUIOS DA
21.
GERAL
12U
a
i
PARTE DAS LOTER1AS CONCEDIDAS POR LEI PROVINCIAL N. 946. A BESEFTCIO DA SANTA CASA DA MISERICORDU DO RECIFE, EXTRAHIDA EM 14 DE DEZEMBRO DE 1874
lb. fREMS.iNS. PKEMS. NS. PHEMS. Na. r-riii.wa.NS. PRKJMS. INS. PKEMS. NS. PKEMS. NS. PREMS. NS. r*RBMS.
3
i
5
6
.8

18
19
28
30
31
40
56
74
95
109
18
23
29
36
39
40
43
47
49
54
56
0
65
66
71
82
88
90
6
203
5
y
4,5
105
4|
220
42
45
51
56
64
73
92
93
98
303
7
15
21
34
37
89
97
99
413
15
17
28
24
33
45
47
57
65
73
85
95
98
502
12
21
27
31
39
W
1
&
43
558
62
63
65
66
70
73
82
86
91
93
603
4
14
14
18
20
32
44
54
56
57
64
65
84
88
706
7
19
24
45
52
57
.61
63
75
77
90
4,5 792
95
97
806
8
; 20
21
33
40
47
52
54
58
62
67
90
99
nm 902
4/1 21
23
27
29
30
34
38
10 SO
*# 53
40 60
68 69
70
72
79
83
o,s 96
46 1000
12
17
19
*#

1020 4* 1216
33 18
35 31
38 39
44 40
47 1* 50
49 4i$ 56
50 58
51 i 60
60 - 62
63 68
64 86
65 1304
67 17
72 22
74 29
80 31
86 - 83
87 35
89 38
90 "" 54
97 57
1109 i 61
^ !| i 66
5 I 72
10 33
24 76
37- Jil 1401
38 5
44 5 13
60 '4* *)
70 25
73 27
95 37
98 38
1201 - 41
3 43
10 48
15 59
*O0
40
M
4
1463
66
75
91
1519
20
22
23
26
27
48
51
76
88
91
98
1601
4
6
10
II
13
15
19
26
34
40
43
53
58
01
62
7.2
33
-> m-
si
86
89
94

i

t
1698
99
1702
10
23
25
26
32
50
54
38
68
69
73
76
#2
85
95
1800
3
6
1 8
13
18
25
36
43
51
63
>60
73
75
92
93
<9
1903
34
43
58
U
4
-4
1
U
*
I960
64
69
71
72
77
81
83 4:
88
2003
14
17
20
25
30
33
40
50
4
56
57
64
70
71
75
79
83
95
2li6
20
M
26
32
33
99
47
53
54
62
40
OOOA
40
I
^S. PHEMS.

-
rt
j]
I
6
40
2165
82
85
88
92
2205
9
11
15
24
27
38
44
45
46
51
59
78
82
187
89
92
(fi3
40
0
40
I0
40
2300
7
10
48
i4
28
40
44
84
52
73
.34
?
78
NS. PREMS. NS PREMS .NS. PREMS. NS. PREAiS NS. I'lttilS. Na
2386
91
92
94
96
98
2411
18
22
31
33
36
42
43
55
59
60
63
68
7*
72
95
2501
14
14
32
34
37
40
43
50
75
76
84
83
93
2611
34
44
40
2645
47
58
72
86
91
2702
19
26
30
31
37
39
50
55
60
62
67
74
78
-12805
6
7
44
43
34
-A 38
40
0
40
0
40

J l
40
'48
h
60
62
68
69
75
86
90
92
2898
2915
22
24
51
62
74
79
81
95
3001
3
14
19
26
32
33
41
M
64
71
73
77
*, 78
40 94
99
3102
m
26
34
48
67
91
ne
3213
18
19
33
40
iO0
46
*06
40
0
40
IO0
05
0
40
3244
57
58
66
71
87
97
3300
13
20
23
41
51
67
69
70
80
86
99
13405
8
21
24
26
27
37
42
44
SO
63
83
85
92
96
35<6
7
IV
15
1O0
40
tO0
0
40
0
Ml
40
3516
20
21
32
36
38
43
49
59
62
68
85
87
P3
96
97
o605
40
0
40
^M 9
^^ 25
^^ 50
^^^ 54
^^ 52
^tm 55
^^ M
_ 62
mmm 76
mmt 77
m^ 84'
^_ 94
_ 97
_ :I709
^, 21
_ 24
S 32
4* 37
49
^^j 64
3774
4
3801
8
18
19
44
56
64
G8
71
78
79
87
89
99
tm
8
40
14
18
21
26
27
28
32
35
43
54
60
74
77
U
* v7
40| l1
PHfcJK.
44
41
4^
44
1*4
14
0
: J
.<*h

^



8
.

Jiario.de Fernambuoo Ter VABIEBADE
A expedipaoau-ttru-hungaraao
polo do \'irte.
A VI.GEMEPERDA DO NAVIO TEGETHOED.
DES.OBERTA DE U\U NOVA TERRA AO
NORTE DA EUROl'A.EXECUCAO 003 EXPLO-
RAD0RES NO PAIZ DESC iBERTO ; PORMENO
r,ES"ABAND)N9 D' TEGEIHOF COLT*
DOSMEMBRJS DA EXPED g.\0 A NOVA ZEH
BLA, 0X0E FORAM RECEBlDOS PEL1) NAVIO
IlliSSO MCOLAI .CHEGADA A VIENNA.
{Coi'clusao)
Cora grande desgosto para os infelizes re-
conheceu-se depois tie dous mezes de uma
tao dura ten ativa, que a expeJigdo na rea-
Jidade ndo tinha avangado para o Sul, -que
se acbava quasi o mesmo ponto geogra-
phico onie o.Tegethof tinha sido abando-
nado.
Na nou'.e de 20 de maio emprehenderam
os exploradorcs uma tao arriscada excur-
sion
Os prioieiros dias de rr.archa foram para
os iufelizus cheios das maiores dilficuldades.
Toroou-se necessario percorrer o dillicil
caicinho tres vezes ; para irapellir no segui-
mento uma das embargoes, careceu-se do
auxilio de toda a equipagem nas pass.igens
difficieis, tornando-se preciso quo toda a
gente voltasse a buscar a segunia erabarca-
gao; e, quando esta tinha chegado ao mes-
mo poiito ondejd so achava a prioieira, vol-
tou para impellir a terceira ate ao mesmo
lugar, para depois recomegar esta dillicil
operagao trplice.
Os exploradores, pordra, ndo desanima-
ram, contiuuando a avangar sobre os bau-
cos de gclo em qua sa achavarn coltocados
e nos meados de julho taudo alcaugado a
sua extremidade, poderaui entao por a ua-
do as tres embarcagoas, e logo se fizeram
de vela em busca da parte septentrional de
Nova Zambia qua se achava mais perto, e
alii chegados costearam a ilba pela parte oc-
cidental, na tsparanga de alii encoutrarein
os barcos da pasca quo no verao frequeutam
aquellas paragens. T
A'. 2* do raez de agjsto, 96 dias depois
que ii expedigao tinha abandonando o Tege
ihof, encontrarara finalmente os cangados
naveganteso navio russo Nicolai que os re-
cabeu a bordo, dando-lhes todo o agasalbo e
osconduzio ao porto de Wardoe, na costa
da Noruega, onde desernbarcaram a 3 de se-
tembro.
Alii encontraram o mais cordial' acolhi-
meuto ; felizmente de Wardoe a Vienna fo-
ram transportados com todos as commodi-
des, sendo recebiios por toda a parte com
0 merecido t.-iumpho. particularmeute na
capital da Austria on ie a noticia da gloria
por elles alcangada para aquella nagao era
jiiconhecida.
0 governo austriaco reolvendo-se a au-
xiliar uma segunda expedigdo que vai ser
entregue a pessoas que tao va-itajosamente
provaram sua competencia, decidio que pri-
rneiramente fossem poblicados todos os de-
talhes e mappas da ultima expedigao. traba-
lho que esta* sendo feito a expeusas do es-
tado, e que breveraente poderd ser apre-
ciado.
nos bragos de sua mdi. Os visiohos, e gran-
de parte dos habitanles de Villars-e n Azois
corrcram a felicitar a corajosa rapariga. A'
noite deram-Ihe descantes era frente da sua
babitagdo.
SCIEWCIAS E ARflT
ilelntorio da commisstlo Inau-
Suratlora do pouto militar na
Irouteira da rio Icii -Con.i
dei'apoes sobre o lip a e o To
ii it it lias. Act* da occupacao
da fronteira do lea.
O Sr. Dr. Aprigio Martins de Menezes,
medico da c >mmissdo inaugarndora do pon-
to militar na froQleira do rio Igd, apresen-
lou d prosidencia da proviucia do Amazo-
nas, n seguinte relatono :
Illm. e Eim. Sr.Tendo sido, na
qualidade de medico contratado para o ser-
vigo da guarnigfto desta provincia, norneado
por V. Exc. para seguir para o rio Igd, afim
de tratar dos membos da comraissdo de for-
tilkagoas e das prag*s, que porventura fos-
sem atacadas de febrps palttstres, como tam-
bem de estudar a< coniigoes hygienicas do
lugar escolbido para n coustrucgao do quar-
tet e mais dependencies; resolveu ao mas
mo tempo V Exc. incumbir-me de, Da
regiao da parte da provincia que tivesse de
CORA E\l FE.YIINLN'A0 jornal o Sz'ec/e,
conta que uma rapariga chamada Guinot,
de Villars em Azois, em companhia da uma
mother idosa odaracolhendo biiatas n'um
campo visi iho a floresta d Clairvaux.
Havia mais de uma hora que se entrega-
vam a essa trabalho, quaudo ouviram ros-
tilhada, como se alguem quebrasse ramos
de mato. De repente um lobo bastante cor-
pnlento, ahindo do basque, apresentou s^
& pequena distaacia das duas mulheres. A
mais nova, Maria Guinot atirou-lho rep^ti-
das vezes corn pedras, o que nao intimidou
muito o animal; eolfto a rapangt correu
sobre elle, que recuou, entrando lentamen
te n'uma moita da orla do bosque, fi :anio
com a cabega de f6ra, abriudo asenormes
fauces, e em posigao de saltar sobre a sua
victima.
Os rcomentos eram supreraos ; a rapari-
ga empunhando com as duas maos o sacho
que lhe servia para arrancar da terra as
batatas, ataca a fera no seu reducto, apezar
dos gritos alQictivos da companu^ira que
lhe pedia para fugir. 0 lobo 8chava se a
alguns centimetros della ; tinha os olbos em
fogo e a guella abarta, raostrando formida-'
veis presas ; entao com dous golpes rigoro-
samente dados na cabega do monstro dei-
tou-o por terra ; ecom uma terceira pan-
cada cravou lhe na garganta o bico do sa-
cho. A beroina uomo se ve, foi muito fe-
liz, principal xente por ter sahido incolu-
me deste combate singular, evitando que a
fera lhe tocasse, quando com repetidos gol-
res de sacho, acabou de matal-a.
Maria Guinot, cujo noine se tornou hojo
i "-labre na sua aldeia, prendeu uma corda
ao pescogo do monstro ; e ella so, pois que
a sua compauheira tinha fugido, arrastou o
tropheo da sua victoria ate & casa paternal,
onde, perdendo entio ossentidos langou-se
percorrar, propagar a vaccina, e tratar os
indivi iuos atacados da variola e febres pa-
ludnsas.
Uegressando dessa commissao, cumpre-
me dar conta de sou resultado : e permitta
V. Exc. que eu amplie o pres-nte relatorio
com uma noticia sobre o Igd e o Tonantins,
onde demorei rae alguns dias, depois que
desci daquelle rio ate a passagem do Yca-
miaba no qual cheguei a osta cidade.
No dia 13 de setembro ultimo parti des-
ta capital em uma das lanchas a vapor da
fl "tilha com destino a Tonantins. Toquei
em Manacapurii, Cudajiis, Coary e Teffe e
em alguns desses pontos propaguei a vacci-
na, de cujo trabaltio s6 tive resullados ne-
gativos. Logo qne cheguei a Tonantins
apresentei-me ao Illm. Sr. tenente-corouel
Jose Clarindo de Queiroz, inspector e direc-
tor das froiiteiras o obras militires da pro-
vincia, confor.ue determinou-me V. Exc.
era officio de instrucgoes de 12 de setem-
bro.
Tolas as pragas que se achavam naquella
povoagao, e que tinham de seguir sobo com-
mando do Sr. capitao Antonio Oiympio da
Silveira para a fronteira do rio Iga\ estavam
nas mplhores condigoes de saiide para pode-
rem resistir aos arduos trabalhos, aos quaes
deviam ser submettidos na realisagao do es-
tabelecimunto de um posto militar na fron-
teira de um rio iiibabitado, cuja salubrida
de, e facil de comprehender-se, nao deve
ser lis'ingeira.
Partimos de Tonantins no dia 23 de se
tembro e no dia 25 do mesmo mez chega-
mos ao pouto que no Igd havia sido escolhido
pelo Sr. teiiente-coronel Jose Clarindo Quei-
roz para sede do commando da fronteira.
0 lugar escolhido, que demora na ponta
mais occidental da barreira Utrinahy, e
incontestavelmente o uuico, era que pode-
ria com acerto estabelecer o ponto militar,
ndo s6 por sua vantajosa posigao estrategi-
ca, como tarabem, porque e a priraeira ter
ra firme, que se encontra abaixo dos mar-
cos limitrophes, resguardada pela sua posi-
gao do cboque de impetuosas correntes.
Esta circurastancia anima alii as edificagoes
duradouras, visto a certeza de estibilidade
do ternm. o qual nao poderd desabar res-
guanlado, c.mo disseestar, de fortes cor-
rentezas.
0 Igd, seguudo sou informado, e um rio
insalubre ; mas e f6ra de duvida, que des-
bragava tola a area do terreno escolhido,
edificado o quartel e suas dependencias, de
mo lo que tenham as pragas boas accomo-
dagoes, e observadasas meiidas hygienicas
que aconselbei ao commandante da frontei-
ra, ficam realisadas Ddas as providencias
garantidoras da saude das pragas.
Depois de contirmada, por meio de um
exame minucioso, a conveuiencia do local,
comegou-se o trabalho de derrubada afim
de cre^rem-se as piimeiras accomodagoes
para as pragas do destacamento, e arvorou-
se o estanda'te nacional com todas as forma-
lidades exigidas pelo acto de occupagao, co-
mo verd V. Exc. da acta lavrada em segui-
da, a qual serd presente d V. Exc. pelo
chefe da commissao.
Na viagem do Tonantins d fronteira do
Igd, e abi durante o tempo que me demo-
rei, ninguem soffreu altragao alguma de
saiide d excepgdo do Sr. tenente-coronel
Jose Clariudu, cujos (incommodos gastricos,
de que jd soffria, aggravaram-se ; pplo que
aconselhei-lbe a conveniencia de retirar-se
daquelle no. Ao Sr. capitao commandante
tarabem aconselhei, que devia privar as
pragas do uso de banhos do rio em boras
tempestivas, osobretudoammediatamente ao
exercicio do trabalho. Deixei ao mesmo
commandante grande parte da ambulancia
que me acorapanhoo, e indiquei-lhe aspres-
FOLHETIM
l mmiL dos uasiires
MYSTERIOS E INTRIGAS DA COR-
TE DE FELIPPE V.
POR
FERNANDEZ Y GONZALES
VOLUME I
PRIMEIRA PARTE
As Tres Esperancas
CAPITULO VII
EMOI-'E PRINCIMA A VER-SE 0 QUE ERA BI
ZARRO.
VI
(Continuaglo do n. 285)
Afinal, Bizarr. disse o guardiao, qual
foi a causa de fugirdes de Madrid ?
Padre, disse Bizarro, se estivessa em
perigo de morte e me coDfessasse d rossa
reverendissiraa, talvez vos declarassa miu-
damente o qne me soccede.
N8o insisto, replicou o guardiao; mas
o que tencionaes fazer ?
Quando cheguei aqai s6 psnsavjs em
desapparecer ; porem como por fortuna rae
encontrei comvosco, ouvi o que von dizar-
vos: importa muito ao servigo de! r.i.nos-!
so senhor que eu volte para Madrid e falle
em particular com a princeza dos Ursinos.
Isto esta na vossa mao, padre guardiao, e
espero que m'o fareis.
Se o servigo d'el-rei aproveita alguma
cousa com o nosso encontro, quasi me ale-
gro com a desgraga que me trouxe d casa
de campo onde o marque/, de Castroviejo
vivia retirado. Este senhor, um dos mais
assiduos protectores da nossa casa dos ca-
puchos da Paciencia, sentindo-se proximo
da morte, quiz que eu o auxiliasse, e obe-
deci porque m'o ndo permitiiam nem'-a
caridade nem a gratiddo que o deixasse de
fazer.
Mas o marquez de Castroviejo nio es-
tava desterrado de Madrid por causa do seu
disiimulado affecto ao archiduqae Carlos ?
disse Bizarro olhando profundamente para
o pobre guardiao.
A religido nio tem nada que ver com
as paixdes humanas, e ndo pode negar o
auxilio d quem lh'o venha pedir.
Dahi'conclue se, padre, que, assimcomo
podeis ter vindo auxiliar nm moribundo,
tambem e possivel que viesses para que am
moribundo depositasse no vosso seio algnm
grave segredo. Tanto accoramette a tcnta-
gSu aos que vestem habito como aos que nao
tp"m e=te santo resgaardo contra o peccado.
Todo o niundo sane qua o marque/, de
Cast'oviejo e o cirdeal Portocarrero eram
rajito intimos, e qua el-rei Carlos II passa-
e Ingas horas encarrado com o marquez
cripgdes adequadas aos casos presumiveis
naq ella paragem.
So dia 1 de outubro partimos da fron
toira do Uirianhy chegaudo a Tonantins no
dia seguinte pela manba. Durante o tempo
que demorei-me nesta povoagao vaxinei,
mas sem obter resultado, asstm como medi-
quei alguns doentes de infecgdo paludosa,
fallecendo um desses, cujo estado adiantado
de impaludismo era irremediavel.
No tueu regresso deixei ao subdelegado
do Tonantins os medicamentos que resta-
vam, be.m como tubos e larainas com pus
vaccinico, tubos vazios, afim de que podesse
eooservar a vaccina, que porventura podes-
se obter, ensinando-lhe a maneira de reco-
Ih^r o p eservativo.
Ainda que um relatorio medico pareg-
ndodar lugar a assumptos de natureza diver-
se da que lhe consubstancia o objecto, com,
tudo a permissao pedida no comego destea
salva a injpportunidade das consideragoes,
\ue apresento a V Exc. $obre o Igd e To
nautins.
Igd.
0 rio Igd uasce nas serras do municipio
de Pasto, no estado de Cauca, corre do 0.
para E., e inclinando-se para o Sul, des-
emboca na margem esquerda doSolimdas na
L. de 3 00.S., segundo uns observadores,
ou na 3 9', segundo outros.
No seu curs > pelos Estados Unidos da
Columbia, onde 6 de aguas mui escassas e
de um leito pedregoso, deram-lhe adenomi-
nagdo de Potumayo os bespanhoes ; os co-
lumbianos, insi>tentes na idea prirailiva
destesde apossarem-se do Igd, acar'ciam
pretengao, de que esta rio lhes pertence em
toda sua extensdo, bem como o territorio
comprehendido entre elle 6 o Antiparand ,ter
ritorio em que tem assento a povoagao bra-
sileira de Tonantins, na margem esquerda
do igarape" do mesmo nome.
Sob a iofluencia de tal pretengdo, os bes-
panhoes pelo tempo em que se firmaram os
tratados de demarcagao entre Portugal e a
Hespanha, estabeleceram abaixo da fez do
Igd um posto militar denominado S. Joa-
quim, no intuito de chamarem a si direitos
de posse. A sustentagdo deste posto, po-
rem, se lhes tornando impossivel, foram
obrigadosa retira-lo em 1766, mandando
entdo o governador do Pard, Atayde e Teive,
dous annos depois, fundar alii a povoagao
de S. Ferdando com indios que mandou tir
de Tonantins.
Nao obstante, ainda ha bem poucos an-
nos, o columbiano Hypolito Santa Cruz,
que entretinha commercio com alguns ne-
gociantes do Solimdes, a um dos quaes dei-
xou no desembolso de avultada somma,
pretendia cobrar certos direitos dos indios,
que encontrava trabaluando pelo Igd, assim
como afJQxava em Tonantins, quando alii -e
achava, editaes, dizendo-se encarregado,
pelo seu paiz, do governo do territorio de-
sejado.
Hoje tal pretengao da Columbia invalids-
ra-se com a linba divisoria estabelecida en-
tre o imperio e o Peru, republica s6 com a
qual na rogido do Igd o BrasH confioa.
Este rio tem, segundo kmnuwui, um cur
so de 220 leguas ; por^m, petas infornM-
goes que colhi de pessoas conheoedoras de
todo o rio, pode-se sem nedo de errar
aventurar um caleulo de 80O milhas. Sua
foz mede cerca de meia legua, e d propor-
gdo que se caminba para o ponto de seu nas-
cimento, vai gradualmente se estreitando,
nao obstante receber em toda sua extensdo
alguns tributanos, dos quaes os mais nota-
veis sao o Hiapuracd e o Japucd. Correndo
sobre um leito tortuoso, e" no entanto de fa-
cil navegagao ate a povoagao Granadina,
denominada Loicunty, ponto que dista da
actual fronteira brasileira perto de 500 mi-
lhas. A navegagao alii e tanto mais facil,
quanto nao sdo rautaveis suas praias, como
soem ser a do Solimoes.
Em todo o seu curso o rio e serpenteado
de verdejantes ilhas, nas quaes abunda a
salsa, nresceado essa abuodancia d medi-
da que mais se caminba para suas cabecei-
ras.
0 Igd tem sido babitado por muitas na-
goes indigenas, entre as quaes aquella que
lhe deu o nome. Em suas margens jd
existiram algumas malocas: da aldeia for-
mada por indios Passes e Juris, que ha 20
annos, ainda se contava no lugar Japacd,
hoje nem sequer restara vestigios.
Pelo verao encontram -se lindissimas praias
no baixo Igd, onde muitos fabneantes de
peixe vdo estabelecer suas feitorias, e d'on-
de se retiram, logo que sobem as aguas.
0 Igd posto que infastado do incommo-
do insecto pium, ofterece proporgdes para
ser babitado, ndo s6 porque as noites alii
passam-se livres de qualquer espacie de
praga, como tarabem por que e demasiada-
mente abundante de peixe e caga. Os pro-
duces que ate agora tem delle sido expor-
tados saoa salsa e breue isto em peque-
na quantidade.
Para este rio, cujas riquezas naturaes ndo
se acharn ainda conbecidas, nem tdo pouco
foram habilmente exploradas ; e onde se
deparam com lindas^paragens, que parecem
Porem isso ndo prova que eu ndo re-
sistissa d tentagao, disse 0 guardiao um pou-
co perturbado.
Ndo duvido da vossa lealdade d el-rei,
porque vos convern muito ser leal. Quan-
do ultimamente se reformaram as ordens
religiosas, em consequencia do estado licen-
cioso d que tinham chegado, a vossa casa
dos capuchos da Paciencia ndo se sabio
mal, e isto, e preciso confessa-lo, deveste-lo
d senhora princeza dos Ursinos.
Ndo o nego e estou a rnostrar & essa
senhora ate que ponto chega o meu agra.de-
cimento.
Pois cbegou o momento de o rnostrar,
padre, disse Bizarro pondo-se em pe. Os
vossos leigos estdo perto e seria bom que
chamasseis um delles.
E para que 7 Bizarro.
Ndo vos parece que de mim se faria
um bom leigo capucho ? Ndo achaes que
se entrar comvosco em Madrid, mettido
n'um habito e com o capuz derrubado, to-
da a gente julgard que sou um irmdo que
vos acompanba T
Por certo.
Ndojulgaes que uma vez chegados d
rua de las Infantas, ao vosso convento, pos-
so permanecer n'elle tdo occulto que os
metis inimigos ndo deem commigo ?
" Assim serd, com effeito.
Pois, padre guardido, vou fazer com
que venham aqui os vossos leigos.
Bizarro snhio, e o p*dre gnardido Sin ca-
como que convidaros agricollores a benefi-
cial-as ; creio ter surgido uma lisongaira
phase de prosperidade. 0 ponto militar
que acaba de in.augur.ir oincansavel e dis-
tincto Sr. teaente coronel Jose Clarindo, e
que se acha sob o command.) do zeloso
Sr. capitdo Antonio Oiympio da Silveira, 6
sem duvida alguma um ani nador impulso
para o progresso edesenvolvimentod'aquel-
la regiao.
Esta raedida que acaba de ser reslisada
tem de Iongo tempo sido consid;rada pelo
governo como muito importaote ; tnrtto as-
sim qua por diffaretitus vuzas t;m siJ.i esta-
belecid pontos mibtares no Igd. 0 pri
meiro d'esses foi fjndado na ma gem es-
querda do rio 9 leguas acima da foz, em
um lugar acertadamente escolhido, bastante
elevad i, etc., tinha quartel e capelU. J des
tacamento que o occupava, quando esteve
sob o commando de Mauoel Cordeiro do
Couto, fflra transferido para o lugar ainda
hoje conhecido por S. Antouio da Boa-Vis-
ta, sitiode propnedade do mesmo comman-
dante, e que demora duas milhas mais ou
menos abaixo da fjz do lgi margem do
SolimOas.
A transferencia da sdde do posto militar,
feita por Cordeiro do Couto, tevecomo con
sequencia nullilicar o fim qne se tinba em
mira naquelle rio, pelo que foi extincto em
1831. Mais tarde o governo imperial en-
tendeu restabelecel-o no local d'onde havia
sido anteriormente ratirado; mas infeliz-
menta, ndo sei porque imprevidencia, a for-
para alh destacada continuou a funccionar
no refendo sitio Santo Antonio, dando isto
lugar a que de novo fosse ordenada sua ex'
tincgao.
Ultimameute, e depois de plantados os
marcos que estabeleceram a linba divisoria
entre a republica do Peru e o Brasil, um
acontecimento mais veio augmentar a histo-
ria dos pontos militares do Igd. Tendo
noticia o Sr. tenente-coronel Jose Clarindo
de que o padre Santa Cruz, granadino,
pretendia derrubar os marcos plantados.
dirigio-se immediatameute para o Igd e alii
com a sua presenga impedio a execugao de
semelhante acto attenlatorio da dignidade
do iraperio. 0 Sr. tenente-coronel Jose
Clarindo, era seguida comraunicou a V.
Exc. este facto, que levado ao conbecimen-
to do governo imperial, leve como resulta
do ser ordenada a occupagao da fronteira
d'aquella rio, o que teve lugar, soleranimen-
te em 25 de setembro do cadente on no.
Esta providencia de tanto alcance politi-
co raarca uma era notavel para aquella re-
gido, e promoverd, por certo, seu futuro
engrandecimento.
Tonantins.
.' essa a denominagdo de uma massa de
agua, que alflua para o SolimO.-s na latitude
austral de 2 45 e na longitude de 3o9*
55' 3S" entre o canal do Anti-parand e o
rio Igd, e a qual indevidamente se tem
cbamado de rio. Se considerar-se a ex-
tensdo e Urgura de Tonantins em relado d
maior parte dos tributarios do Soliraoes, co
mo spjam o Javary, JapuriS, Jurud, Coary,
Puriis, etc., se verd que elle ndo passa de
um simples igarape, que na epoca das va-
santes s6 6 navegavel por can&as, menos
em certa extensdo de sua f*z, onde torna-
se tdo baix-o e correntoso, que difficulta em
extrerao, e muitas- vezes priva a coxrauni-
cagdo entre a povoagdo do mesmo nome e
o Soliraoes, de tal modo que as ubds, que
sao as embarcagoes de menos calado de que
alii se faz uso, esbarraiu, e ao mais leve
descuido dos remeiros so alagara, arrastan-
do a violenta correnleza que segera nosal-
faques a carga que por ventura transpor
tem. Por isso o grande inconveniente de
ter sido fundada a povoagdo de Tonantins
no sitio em qui se acba, quando se podia
salvar tal obstaculo edificando-a em uma
elevada paragem, que demora na margem
esquerda do Solimoespoucos raetros abai-
xo da conflueacia do Tonantins.
Antigamente as margens destejigarape fo-
ram babitadas pelas nagoes Panamas, Cayu-
vicenas, Passes e Tucunas. Foi com indios
das duas primeiras d'estas nagoes, que o
general do Pard, Fernandas da Costa A. e j
Teive, em virtude da idea que elles rove-
lavam ter de um ser supremo, e eonside-
rando nos pendores que moUravam para
fixar residencia e agricultural mandou fun-
dar povoagdo de S. Fernando, que ba um
seculo comegou a desapparecer. Das anti-
gas nagoes indigenas habitadoras do To-
nantins apenas existem hoje rarisstmos des-
cendentes.
Actualmente a nagao que pov6a suas
margens e a dos Caixanas, vindos de um
pequeno igarapp que dasagua no Mapary,
tributario do rio Japurd, denominadoMo-
c6, ao qual se vai por terra, partindo-se
de poDtosjd conhecidos na margem esquer-
da do Tonantins. A nagao Caixana u com-
posta de indios mansos, e intelligentes.
Esses indios alem do fabrico da borracba,
pesca de pirarucu, plantagdes de mandioca,
tudo isso era muito pequena escala, dedi-
cam-se tambem ao servigo de cortar lenha,
para combustivel dos vapores, o que lhes
pucbos da Paciencia ficou profundamente
contrariado e pensativo.
VII
Bizarro foi ao primeiro forno de carvdo,
onde trabalhavam alguns homens, e aquel-
la d quem jd conbecia sahio-lhe ao encon-
tro.
0 que temos, amigo ? perguntou-lhe
o carvoeiro.
Vai aonde dormen os leigos de sua
paternidade e en via m'os.
Bizarro tornou a entrar nacboga.
0 marquez de Castroviejo, perguutou
elle, ndo frequentava certa casa muito fe-
cbada que ba em Madrid em Puerta de
Mores ?
Ndo sei nada disso, respondeu o guar-
dido.
~ E' uma casa, cujas jaoellas jamaisse
abrera, e em cuja porta principal se veera
teias de aranha. Tod js julgam que aquel-
la casa estd deshabitada, mas eu ndo posso
crcr semelhante cousa, porque vi, algumas
noites, sahir pelo postigo do jardim uma
dama acompanhada d'uma dona e d'um
eriado e dirigir-se para a proxima igreja de
S. Pedro, na qual entrava recatadamen-
te. Mas, sinlo vir gente, padre guardido.
Calerao-nos agora, que depois conversare-
mos desse respeito quando formos sds pelo
caminho.
VIII
0 que nos ordena vossa paternidade,
padre guardido ? perg'intou um dos leigos.
agrada bastante, talvez porque podem-n'u
fazer sem desamperar por largo cspsgo de
tempj suas jd creadas commodidade* edo-
micilios, como porque auferem mais certos
e posi!ivos lucros.
No Lonantins abunda o pium e o carapa
nnn ; e os indios, para evitarem as morde-
duras e poderem socegadainente dormir, tem
nas proximidadas das mal6cas, e no meio
des mattos, uxas hibitagOosespecints, ed
eimdhangas de fjrnos de pa laria, a que
chamam-Carapanan-roca, onde sa refu-
gan a n >ite. I Cirapuian r >ca [>riva os
insect >s, e verdade ; mas e effdotivameole
um forao.
Na margem esquerda e meia railaa aci-
ma de sua foz. que mede mais ou menos
30 bragas de largura, estd assantada a po-
voagdo de Tonantins.
Aconvenianaia de coogr^gar ptra o tra-
bilbo as tribus que pov^avam o igarape,
reunil-os em ponto, on le ellas se lornassem
mais accessiveis ao influxo da civilisagao,
incitou ao ouAidor Francisco Xivier Ribefro
de Sampaio, que em 1773 a 1775 anduu
em correigdo pela comarca a promo ver a
fun lagSo desta povoagao, que sd teve ani-
mador impulso em 1813, quando as luzes
do chnstianismo se ditlundiram emseus pju
cos babitantes com uma capel.a quo alii
mandara edificar, dedicada ao fcspirito
Santo, Jose Antonio de Moraes, d-- quem
ain la se contain descendentes em Tonantins.
Quando en 18i8obispo do Gra.u-Pard
D. Jose Affonso de Moraes Torres, i>a v.agem
que tiuba omprehenlilo pelo Sofimoas,
cbegou dquella povoagdo, jd na > existia a
referida capalla do Espir U> Santo ; e ten lo
de subir ate S. Paulo de Olivenga, sede da
ultima freguezia da diocese n'aquella regiao.
deixou para d>utriuar o povo o religiosj
capuchinho Fr. Pedro de Ciriaoa, o qua! en-
tao levantou uma pequena igreja, que da-
dicou a S. Pedro, benzida pelo bispo em
seu regresso de S. Paulo, quando chrismou
o povo, e visitou as malocas dos indios.
A igreja de S. Pelro e a que ainda hoje
exite, mas arruinada por falta de cuidados
de um parocho, uma das mais palpitantes
necessidades do lugar.
A povoagdo de Tonantins conta actuat-
meute 35 casas, sendo 3 cobertas de telha e
as demais de palha, entre as quaes 2 asso-
bradadas. A extensdo occupada e de 150
a tOO metros uadirecgao R. S. que e ado
igarape n'aquelle pouto. e de 50 na diame-
tralraente opposta.
Gragas ao interesse que toma pelo lugar
0 Sr. tenente Manoel J. de Azevedo Gomes,
sobrinho do actual e venerando bispo de
Goyaz, elle promette progredir.
A povoagdo de Tonantins e dependente da
freguezia de S. Paulo ; mas f6rma um dis-
tricto, que segundo o ultimo recenseamento
conta950 almas.
Em 1868 a assembled provincial votou
uma rei, que foi sanccionada, elevaiido To-
nantins d catbegoria de freguizia ; mas essa
lei ndo obteve a approvacao do bispo dio-
cesano.
A povoagao tem um soffrivel cemiterio,
cercado de fortes achas de ucapii (qe e a
madeira estimada alii), que demora no ex
tremoS. da mesma povoagao.
Foi feito a custa dos babitantes, mas a es-
colha do local fui mi, porque se acha mui
proximo do igarape e occu^a parte do terre-
no para onde parece estender-se a edifi-
cagao.
0 lugar em geral y saudavet; entrelanto
tem algumas vezes sido assaltado pur epide-
mias de sarampo e variola, e esta ultima lhe
tem causado consideraveisestragos. Tonan-
tins tem pequeno e mui estreito commercio ;
exports pirarucu, manteiga de tartaruga, e
muito pouca sajsa.
Ha na povoagao um principio de creagdo
de gado vaccum, perteucente a alguns de
seus habitantes; mas o pasto dizem ser
mdj.
Os habitantes reclamam incessantemeate
um parocho ; e e" sem a menor duvida de
summa conveniencia nestes lugares a satis-
fagdo de semelhante raedida, quando possa
o magisterio de igreja ser exercido por um
sacerdote habil e moralisado, cujo exemplo
e abnegagao insensivelmente arrastem para
si a confianga de seus parochianos.
Outra uecessidade ndo menos urgente e a
creagdo de uma cadeira do ensino primario,
para o que julgo haver autorisagdo da as-
senblea provincial.
Estes dous elernentos, pois, poetos em
acgdo com moralidade e zelo, em lugares
como Tonantins, sdo, por certo, os lison-
geiros annuncios do progresso e civilisagdo
do povo.
Finalmente, JTonantins, estudado sua his-
toria desde sua fundagao, se ndo tem ti lo
phases notavcis de progresso, nao ha retro-
gradado, como muitas outras povoagoes do
Amazonas; caminba raoderadaraeate, e para
muito influe a escolha do local em que se
acha fuudada a povoagao.
Congratulando-me com V. Exc. pela oc-
cupagdo militar da fronteira do Igd, acon-
tecimento que raarca uma epoca notavel na
administragdo de V. Exc, concluo agrade-
cixio confianga com que m tem digna!
distinguir me.
Deus guarde a V. ExcIII*, e Ex. Sr.
Dr. Domingos Monteiro Peixoto, muito dig
no presideiite da provincia.
Mandos, 28 d- outubro de 1874.
Dr. Aprigio Martins Ae Menem.
Irmao Jodo, disse o guardiao, des-
pojae-vos do vosso habito edas vossas san-
dalias, e deixai-as ahi fdra.
0 leigo obedeceu : tirou o habito e as
sandalias, e ficou descalgo, em jaqueta e
calgoes escuros.
Bizarro tirou as esporas, os sapatos e as
polain^s e deu tudo tudo ao leigo, mandan-
do-lbe que se calgasse.
Para servigo de Deus, disse o guardido,
este homem ird commigo em vosso lugar.
Ficai ambos aqui, e amanha emprchendei
a Jornada no mtcho que ahi fica, alternan-
do-vos para melhor evitar o cansago. To-
mae para os gastos, e que Deus vos de mui-
to boas noites.
0 guardido tirou da manga do babito
uma bolsa de seda verde, e de deotro da
bolsa dous pesos fortes mexicanos, que en-
tregou aos leigos.
Estes sabiram.
Bizarro vestio o babito cinzento que o
leigo deixdra, descalgou as meias, poz as
sandalias, deitou o capuz pela cabega e dis-
se a.; guardido :
Aviemo-nos, padre, tenho pressa de
chegar d Taracena para saber o que foi feito
de minha mulber e de minha (ilba; e
como supponhoque os yossos machos terdo
boa andadura, porque osvi, quando entrei,
por baixo d'um telheiro, e achei-lbes boa
appareocia, po.ioremos muito bam chegar
d Taracena em menus de duas horas.
Olhae, Bizarro, qne por causa destas
Conforencias litterarias.
Uiscurso profridn pelo con telheiro Ma
noel Francuco Correia na reuniao i-
22 de nooeinbro de 187 i.
ila um anno que demos principio a esta
confereucias. D.sse-vos entao que os mea-
illustres companhairos e eo nis esftrgi
riaraos por levar a etTeiti c de, ao menos por algnm tempo, Urefa en
cetada.
K' sem pre grato record* r o compimen
to de um comproiuisso soleranemeute to-
rnado.
Se vier a feclnr-se o salao das conferee
cias nao se Uird quer os iniciadores ileram
logo emnurcbecer i.-im esperang* rwooha.
Sdo tanlos os deten^aiKH e d*^epgoes.
tanlas as ideas utais abandonadis aos pn-
raeiros erubales da contrariedide, taoU-
'.onsoladur.is rcS>lugoes sacnticalas pot oac
produzirera immeiiataioente o> fructos mm
que a unagiuagao se eubakava, que espaeo,
Sonbores, na > ievarnisa mat o assignalareu
agora cum prazer que temos mantido du
r.mte um ami j, sem intrrupgao. a tribuaa
das confereucias em que tive a uonra d*
dizer-vos a primeira palsvra no dia 23 de
novembru do anno passado.
Ndo sei se, em algu.u outro paiz, dd se <
factu de repetirem se no rresmo edificio
duas vezes por samana confereucias publi
cas, como aquellas que aqui temos tido.
Ellas se taio sustent id i pe! > rafloxo be
nefico da upiniao, que e no Brasil s-mpr-
favoravel ds ten tali vas uteis.
E' mais uma prova o facto signifrativ j
de se ir dilataudo pelo vasto ternt jru du
imperio u gusto pelo iustructivo eatreteai-
mento das confereucias.
Os que f.illa u nao sao movidos seoio
pelo seiilimenlo do bem pubbco. Os qoe
os animam com sua bonrosa preseoga e ndo
e possivel deixar de fazer aqui especial
mensdo de Suas Magestades Imperiaes, tea
o louvavel intuito de demoostrar o interes-
se que lues inspira uma instiluigio de que
se vdo cotbeudo resullados vanUjosos.
Sem a vossa coadjuvacdo, seabores,
voz da tnbaoa das confereucias forgosamen-
teemmudeceria.
Justo e, p ds, qae eu expoaba o que 8-
zemos durante o anno- que hoje terrain*
para merece? a vossa geoerosa beuevolea
cia. Fal o-bei apreseuUndo-vos o segnintt
quadro. (t)
Taes sao os servigos que, muito mais do
que eu, tem podido prestar os illostrado-
cidadaos, que se bdo dignado do aceiur o
meu co n vi te para vos dingirem a palavra
desta tribuna, qn ainda boje cederia a
quem melhor a occupasse se tivesse a mes-
ma f .ci lidade em reunir os esclaro iraeoto-
que acabo de sujeilar a vossa judiciusa- a-*
preciagao.
Creiu que estas confereocias nio tea side
sem alcance para os credilos do paiz. Qaan-
tos taJentos brilbantes, engranoecidos pel<-
estudo, ndo se tem aqui revelado !
Cum ellas tem aproveitado a caasa da
inslrucgdo, essa nobre causa qne uuoca se
del'ende com excessivo cuidado, que e apre
ciada no seio das familias bem constituidas.
cumo nos c tuselbus dos Estados roan pros-
peros, pois que a inslrucgdo tem a magica
virtude de interessar em igual grdo ao in-
dividual e asociedade.
Na familia bem cuustituida o zelo pater-
uo olba attentamente para a educagao eios-
trucgdu da prule. Ndo escapa i vigilante
solicitude dos pais a superioridade mani-
festa do homem instruiJo e bem educado
sobre aquelle que vegeta nas trevas da igoo-
raucia A fortuna ndo vale a sciencia. Aquella
estd sujeila a accidentes que a destro-m.
A sciencia, primer do entenlimento. cr^sce
com o tempo e com a experiencia, e lauga
fulgores sobre a patria. E um arrimo aa
adversidade e um escudo contra a miseria
Passou felizmente o tempo em que os pai-
cobigavam para osfilbosa vanglorta de uic
titulo scientitico, tendo em menor aprego a
posse dos conhecimentos que o justitirarr
e ennobrecem. Arealidade subs ituiod appi
rencia. As lautejoulas perderam as seduc-
goes de suas illusonas rairagens. Tambem
a oroamenlagao ndo tem prestimo se o edi-
ficio e sem base.
Esta salutar tend ncia dos cbefes de fami
lia para qae tenham inslrucgdo solida
real, aouelles que a natureza collocou sol
a sua protecgdo, se fdr mantida com cons-
tancia e firmeza, ha de produzir consequen-
cias proveitosas.
[Contmuarse ha.)
(1) 0 quadro foi publicado no Dimrio
Official de 22 do correnle mez.
perturbagoes anda muito md gente pela e
trada, e pode succeder-nos alguma aveotu
ra desagradavel.
Ndo ha md gente que nio me coobe-
ga e nao me tema, disse Bizarro com iaa-
paciencia pegando nuns alforges que havia
a um cnto. Vou n'um mo-aeuto apr>are
lhar os machos, e em seguida t)ca a andar
Bem sabeis que em estando sds temos de
fallar de cousas importantes.
E sabio levaudo comsigo os alforges, dei-
xando ainda dentro da chogi o guardido
perplexo, e dirigio se para u.u telheiro pro-
ximo onde estavam tres machos magnificos.
Albardon dous, poz em cima das albar-
das os alforges e disse ao carvoeiro sea co
nhecido, que se aproximira delle todo cbeto
de assombro ao ver aquella immense trans
formagdo :
0 cavalio que eu trouxe podas ven
de-lo, mas com cuidado, porque tea a
marca dos cavallos que perlencam i casa
real
Ah 1 ndo tem duvida. dis>e com ale-
gria o carvoeiro; eu Ibe porei uma marca
que uem a mae quo o deitou d este mundu
o h de conhecer.
Bizarro tirou os dous machos do telheiro.
levou-os para a porta da cho;a onde o guar
diio oesperava,ajudou-o a moutar n'um
delles, montou no outro, c u fn Ii e o im-
provuado leigo poaacsai-i i caiuinbo.
[Continuar-se-ka.)
YP DO DlA.KiU.-BU A DUQUE DB CAUaJ


J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E38ONTMYR_FJEH31 INGEST_TIME 2014-05-27T22:26:19Z PACKAGE AA00011611_17670
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES