Diario de Pernambuco

:
para rsto que Ibe falta. trau-?e com 0 seor -1
si)!iiai.'in l.uiz d<-Oliv. ira Ax-vedo. rsa
do Bum Jus n. 57
8:853*785;
Manteiga ingleza em
Cotamos'das latas araarullas a 2*505 0 kilo, ditas de assucar refinado de 2* e 3* sortes,
r3xa> a 2,;287 u kilo.
Diu iugleza em barns.Sem cbegada, e>tam*w
le iOi'U a 2..I78 0 kiln.
I l ri.iuceia. Sem eh g I veil la a I**>:13 0
kilo.
Pimeuu. iem cbegada, cotaooa a li'JiSo
kilo. .
Passas. Sara cbegada, cotamos a 8*000.
Pap*] de -embrulbo. Cfegram 1,000 resm5,
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
Perante a 111 ma. jnnta administrativa desta San-
ta Casa, vai a pra^a em sessao do dia 10 do cor-
rente, pelas 3 horas da tarde, o (jrnecimento de
generos que forem precisos no trimestre de Janeiro
a marco de 1875, aos estabelecimeotos pios a seu
cargo, excepto o hospital Pedro ii, oonstautes da
relacao em seguida :
Alelna, kilogrammo.
Azeile doce, litre.
Arroz, kilogramme.
Bacalhao, idem.
Banna de porco, idem.
Batata, idem.
Cba hysson, idem.
Cafe em grao, idem.
Carne secca, idem.
Cebolas, cento.
Farinha de mandioca da terra, litre.
Feijao, idem.
Farello. sacco.
Fumo do Rio, kilogrammo.
Gax, lata.
Milbo, sacco.
Manteiga franoeza, kilogrammo.
Rape, idea.
Sabao, idem.
Sal, 1 tro.
Tapioca, kilogrammo.
Toucinbo, >dem.
Velas de carnauba, idem.
Velas steannas, maco.
Vina Vinno fnto de Lisboa, idem.
Vinno branco, idem.
A junta adrainisti-aliva da Santa Casa da Miaeri- fjnmti i iihia, \llinoa, Mariti-
cordia do Recife precisa contraur o forneeimento ^" im **" 'V* ^MLU-
Libra eslerlinas.
endem Augusto F. d'Oii-
Augusto
veira & C.
Rua do Commereio r<
41.
de deiembro (era lunar uui
Cancerlo vocal e instruiuenlal
Dado pelo artista Primeiro baixo da
ex-compaohia
I.jri-a Itallana
Giovanni Scolari
Com o valioso concurs;- de alguraas Exmas.
senboras distinctas dilectaotes, de alguns distiac-
tos amadores e do basil artista
M. F. Fazio.
No mesmo executar-se ha pedaeos a piano, ro-
mances, cavaiinas, duetos e coros das mais es-
colhidas operas do repertorio itaiiado e nstran-
geiro.
Mais tarde dar-se-ba o programma.
Compaiihia Pcruauihnrana.
Porto do Ararat*.
A carga qne de hoje em dust* U* tmiutu IU
nos vapores da Companhia Prroauibocaaa e -tn
desiiuo to porto do Aracaty, sera entrefae na ci-
dade do mesmo noine, seuao iransportada 4a Ik r -
ra, (onde os vapore* c.^tainam fuadear). eaa ba-
chas de proprit-dade da mem jmpanhia.iit-'-
pendenle de qualqner exigeacia de pafaaemo
por este service
Oa mesma forma sera trauapurtada a caiga
-jii-* for embarcada n>- porto d^ Aracaty fa**
qnaesquer nutros portos da w.ala.
Recife, 16 de novembro de 1871.
llHSOj ivrilRITIMO
I
quo teem de
consumir todos os estabelecimentos pios a seu ear-
go, uo trimestre de ja eiro a aiar;o vindouro, e
recebe yn-oo-Us pata i-to ua stla de SUis 86sS09S,
pelar 3 boras ta tarde do -lix 10 do e rreute, de-
vend.i sen ui apresent as amostras perante a,
mesma jouu, em frasr oevidamenle acondicio-.
nados. ...
A junta administrativa da Santa Casa da Mise-
tiWtStt it fMffe precisa cowraiw otwwotoen-
/rtuen&e.
vz ca->-entre o
Enifire./t '*> n-e^ ija., entre o Bn il
'i tugal
liaiu jj. n. Jraia o Porto
A sahir com a maxima brevidade. Recebe car-
i e passageniros: a tratar com Jose da Silva
yo & Filuo.
lEitOtS
1MLA
1>8

DE
obapeos de divcrsas qualidades e de
duziaa de courinoos pa a form
QUARTA-FEIRA 9 DO (.ORRENTE
A'i* 11 !i'^.> da Du.Huha
Em o arina(>-m d- rua do Comrrvi- to a. 4&.
Oagnnli- Dits.c^.. ,h-|. n-.-'BMi i ill n 'ci. lr-
va-a n I -i'i". on >t.-- e .
di ov --h^ie |u m
os qoaessio veo-iirti-s para .luivi' r
702 chapeos do Lhile.
(25 ditos da baeu.
27 ditos de pelio de teda.
27 toBM de cbapf.>s.p*riirfe direncs.
. c
}


Diario de Pernanibuo Segunda feira 7 de DezembrodelbU.
.
I dilas de ditos de sot
' ditu de dilos desol.ttbo de nurfim, Paragon
858 doziai de courinhos para forro.
0 referido agente convida aos Srs. logistas a
que comparecam ao referido leilio, certos de que
se Ikes promette vender barato.
Agente Pestana
Grande e importante
LEILAO
QUA RTA FEIRA 9 DO CORRENTE
A's 11 horas em ponto
No 2. e 3.* andares do sobrado da rua da
Cruz D. 20.
A saber:
Sala da frente do 2. andar.
lima rica mobilia de jacaranda com Umpos de
pedra, I rico piano de jacaranda do afamado fa-
bricanie Vignes, 1 porta muslca, 2 espelhos ovaes,
4 tapetes pequenos e i dito grande, I jarros para
flores, i relogio de parede, 1 luslre de bronze
com 6 Intel e 4 quadros a oleo.
1 quarto.
lima rica cams de jacaranda quasi nova, 1
guarda roapa de amarello, I cororaoia inteira de
amarello, 1 stntuario, I toilet de junco com es-
pelho, I bidet, 1 cabide de amarello, 2 cadeiras
para deacanco, 1 espelho e i rico berco para me-
nino.
8* quarto.
Um marqneiio de amarello para casal, 1 raeia
commoda do feitio de guarda roupa, 6 cadeiras de
amarello, 1 guarda vestidos e t lavatorio de ama-
rello.
3 quarto.
Uma nwia mobilia preta, i par de consolos e 1
marquetao.
2.* sala.
Uma mobilia de mogno de tampo de pedra, t
espreguicadeira, 1 machina de costura de dous
pospontos do fabricante Singer, e 1 rica commoda
de raiz de amarello.
3.* andar, sala da
Uma mobilia de junco com
com 12 cadeiras de guarnicao,
1 sofa e 2 consolos.
! quarto.
Um marqnezao para casal, 6
rello, meia commoda de amarello,
bide.
2.' quarto.
Uma cama de ferro, 6 cadeiras de mogno, 1 par
de consolos, i lavatorio de amarello e 1 meia com-
moda.
3.* quarto.
Uma marqueia de amarello, i cabide de pen-
Jurar na parede e 1 banheiro de folha.
Sala dejantar.
Uma mesa elastica de 6 taboes, t guarda lou-
ra, 1 par de aparadores, t guarda comida de ara-
me, i mesa para cafe, 12 cadeira
f-ente,
tampo de pedra,
2 ditas de braco,
cadeiras de ama-
l bidet e 1 ca-
1 armario de
Inure, i eostureiaa, 1 Candieiro a gas, mew ap-
parelho para almoco, de porcelana e meio dito
para jantar, fructeiras de porcelana, copos, can-
ces.ooro, prata e muitos outros artigos de uo do-
mestico do uma caaa de faniilia..
Tendo-se retirado o Sr Dr. Alvaro de Meneies
Moreira para a Europa, fari lei ao por mteryen-
cao do preposto do agente Pestana, dos moveis e
mais objectoi aciroa mencionaios na casa em
qne residia, a rua da Cnr u. 8d.
Os referidas movis tornaui te recommendaveis
por serem quasi novos.
LEILAO
DE
divides na iroporlancia de 6:88WM)S2, mas-
sa fallida de Jose" Bernardo da Motta
Quarta-feira de dezembro
0 agente Martins, levara a leilao, pela segunda
vet, por despacho do Illm. Sr. Dr. jult especial do
commercio, a* dividas aclitas da massa fallida de
Jose Bernardo da Motta, na importancia de .
6:889*052, em lettras e contas de livros.
A's 11 horas do dia acin.a
No armazem da rua do Im-
perador n. 48
INovo leilao
DAS
armaijdes, moveis, drogas e mais utensihos
existentes em a botica denominada Popu-
lar, sita em a rua da Imperatriz n. 71,
pertencentes a* massa fallida de Gongalves
Fialbo & C.
yuinta-feira 10 de dezembro
A'S 11 HORAS DA MANHA.
0 agente Dia*, competenlemente autorisado pe-
lo Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, levara
novamenle a leilao, no dia e hora acima indicados,
as armacoes, moveis, drogas e mais utensilios exis-
tentes em o referido estabelecimento.
Omandado contendo tcdos os esclarecimentos
precisos acba-se em poder ao mesmo agente, onde
p6de de3de ja er examinado pelos Srs. pretenden
tes.
na, segunda da grades e portso de ferro na frente,
depois da estacao desso mesmo nome, a
qual tern 3 talas de freote, I para janiar, 4 qoar-
tos e grande coziuba, gusrnecida ae aiulejo, com
janellas em amtcs os oiloas, 1 porta e 4 janellas
de frente. Essa casa que e eonstraida com ele-1
gancia e solidez, e complelamente nova e fatta lue j
apenas n ladrilho de duas sala* e pintnra.
Uma pequeni casa terrea eJuicada em solo
proprio, em a rua do Coronel Suassuna, antiga
Augusta, n. 223, com duas galas e 2 quartos.
Um terreno foreiro em Sant'Anna, com 200
palmos de frente e cerca de 400 de fundo, conU-
guo a cwa acima mencionada.
Um dito na mesma local idade, proprio e no
funJo de?U com 100 palmos de frente e ccrca de
800 de fundo.
16 bouitas figuras, proprias para jardim, e
cerca de 1,200 azulejoi.
Os senates pretendentes polem examinar os
referidos bens, sendo que as figuras e osatule-
jos ae acham depositad >s na casa de Sant Aona,
e para qnalquer esclareciroento de que precisarem
no escriptorio do referido agente se dira.__________
LEILAO
DE
diversas casas e terrenos, como abaixo se men-
eionam, de 16 figuras para jardim e cerca de
1,2( 0 azulejos.
Sexta-fcira 11 do corrente
A'S 11 HORAS DA MANdA
Em o primeiro andar do sobrdo da rua do Mar-
qnei de olinda n. 37.
0 agente Dias, competentem.ente autorisado, leva-
ra a leilao no dia e hora acima indicados/uma casa
terrea edificada em terreno rendeiro. em Sant'An-
miiM
DE
JOIAS
No dia It de dezembro proximo, se faraleilao
por intervencao do agente Martins, de todos os pe-
nhores constantes das cantelas segnintes, visto ter-
se fiado o praxo das transacc<5es e sens donos nso
as reformarem.
A saber:
N. 1502, 1503, 1565, 1583, 1784, 1835, 1868,
1936, 2050, 2091, 2095, 2192, 2254, 2256, 2282.
2342 2397, 2436. 2448, 2458, 2481, 2617, 2712,
2737 2738, 2750, 2799, 2802. 2807, 2867, 2871,
2896, 2929, 2945, 2972, 2987, 3007, 3023, 3034,
3037, 3045, 3060, 3065, 3076, 3093, 3096, 3110,
3149 3151, 3174, 3175, 3185, 3190, 3193, 3194,
3195 3197 3205, 3206, 3207, Sill, 3213, 3218,
3220 3223, 3227, 3234, 3235, 3242, 32?0, 3251.
3154 3260 3262, 3265, 3273, 3277, 3280, 3285.
3288 3293 3298 3300, 3304, 3309, 3312, 3318,
3320 3321 3326 3327, 3331, 3339, 3341, 3354,
3358 3366, 3373. 3384, 3394, 3397, 3399, 3406
3410 3415 3419. 3432, 3444. 3460, 3468, 3480,
3493 3500! 3508, 3517, 3527, 3529, 2533, 3553,
3356. 3572, 3579, 3589, 3596. A' travessa da rua
do Duque de Caxias n. 2, f andar, podendo di-
tas caulelas serem reformadas, pagando o premio,
on resgatadas ate o bater do martello.__________
Ultimo
LEILAO
DOS
bens e dividas pertencentes a massa fallida de
Rostron Rook & C
SEGUNDA-FEIRA 7 DO CORRENTE
A's 11 horas damanha
Em a rua do Marquez de Olinda n. 37, 1* andar.
0 agente 6ias, levara pela ultima ve* a leilao,
por maodado do Illm. Sr. Dr. Juiz especial do com-
mercio, no dia e bora acima indicados, os bens e
dividas pertencentas 4 massa fallida de Rostr.n
Rook 4 C.
A saber:
Os direltos que teem os d.tos fallidos sobre m
dominion o posse nns trr en** do mariuha site n<"
Ci>!S do Raiu.a e aforados perpeluain<.-uio *0 oon-
selhejro Felippb Lopes Nello, terrenos avaliados
todos em 56:62460O.
Os direilos que teem n'uma casa e sitio no lar
go da igreja da Torre, tenrto a frente p*i a o ucrte,
com 200 palmos. e o& fuuika |ara o ml, eom 8(iO,
ficando enlre o sitio do Sr. Gamier e a pruprieda-
de da tauiilu do barao do Itio Formoso, avaliada
por 3:000|000.
E as dividas na importancia de 273:427882.
0 mandsdo em o qual se acham de-criptos os
devedores com as respeciivas quantias e datas dos
vencimentos dos titnlos, e todos cs mais esclareci-
mentos precisos, acha-se em poder do referido
agente, onde d jsde ja pode ser examinado pelos
Srs. pretendentes; certos de que nesse leilao fica-
rao de&aitivamente vendidos os referidus ben), pe-
lo maior preco que se obtiver.
avisos DVEBSOS
Festa de N. S. da Conceicao,
que se venera na capella
do arco.
PNgramnia
No dia 7 do corrente ao meio dia, uma grande
gyrandola de fogo, acompanhada por duas bandas
de musics do corpo de policis e 2 de linha exe
cntarao variadas e escolhidas pecas d^ sens re-
pertories. A' noite continuarao a abnlhantar o
acto e alguns bal5es subirao ao ar acompanhados
de innnmera quanlidade de fogo. Na madrngala
do dia 8, depois da raissa, uma salva de 21 tiros
annunciara o grandd dia da padroeira do Imperio,
seguindo-se depois a sua festa, na qual pregara o
Rtm Francisco Jose Alves ; sendo nesta occasiao
distribuidos alguns registros da mesma Excelsa
Senhora. No gloria subirao ao ar 100 duzias de
fognetes e alguns baloes de variados gostos. A'
tarde continnario a fazer as honras da festa as
duas musicas acima mencionadas e dous baloes
especiaes serao sollos nesta occasiao A's 6 bo-
ras da tarde outra salva do 21 tiros dara por fi-
nalisados os actosdo dia. A' neite, depois de uma
laiaiaha e tendo sido conduzida a bandeira a ca-
sa da nova juiza, se queimaraum lmdissiipo fogo
artificial execniado pelo ingsine artista Jose Alves.
A commissao encarregada da festa, roga aos mo-
rad res da rua do Marquez de Olinda para que
oroem e illnminem as frentes de suas casas nes
se grandio?o dia.________________
Aluga-se a casa terrea defronte do gazo-
metro, no fira da rua de S. Joao, com 6 quar-
tos, cozinna e grande quintal murado a tratar
a rua de Pedro Alfonso n. 8.
Collegia de Santo Amaro fa
rua do ffospido n. 10
Galardoados os mem esforcos os dos disline-
tos professores desle collegio pela approvacao de
todos os eollegiaes qne no mez de novembro I
no tiri$cus*
ram pxamo-
- Nesta typograpbia precisa se de um menino
de 14 a 16 annos para aprender a botar papel na
machina.
na-i ."><'> <1 ix '-in
i|Uiiciiiiciilo es*a ai|:nialui'a r..i.-m-Uncia. *;'
COIIIO lornece-me ell* u eu?e," l'o I" dii ir-
me aos sennores pais desses ai.ia.u..- apw ",
pedindn Ihes que me anxill^tn ra ardrn la.-'f.i da
lncsc4'> de seus'dlh-is. Ui-ej rrgner o culle-
Hio, iL> qual sou director, a altura de um esiabe-
lecimento digno de nota ; mas sinto-me fraco,
vendo em torno de mira um pequeao nnmero de.
educandos; necessiio de nnmero maior para fazer |
face ao men piano de melhoramentos; e coino uao
lenbo a quem recorrer, appello para os seuhores
pais de meus collepiaes, que innito polen auxi
liar me na acquisicio de meninos por sua inter-
vencao on de sens parenles e amigos.
0 director,
Padre Augosto Adolpho Soares de Ku-ewdter
CA84 m "'
AOS 4:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
4' rua Primeiro de Mar go (outrora rua ao
Crespo) n. 23 e casas do costumt.
Acham-se avenda os felizes bilheies garanrM^
da 21" pane da loteria a benefice da Sinu
Casa de Misericordia d Rscife (148-), que se
extrabira na segunda feira, 14 do corrente mez.
PREGOS,
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
Em porrao de loos pnra elms
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Martins Fiuza.
Antonia Frauoelina Franca 'ar
valbo
" Anselmo de Je*us Csrvalho, An-
gelo Custodio Rudrigues Franca e
Jose Antonio de Carvalbo, marido,
pai e cunhado, p'ingidos d mais
acerba oor, agradecem a todos os
parentes e amigos que tao caridosa-
roente acompanharam ao cemiterio
publico desta cidade o cadaver de sua pre*adisii
ma consorte, filha e cunhada ; e de novo os con-
vida a assistirem as missas que secel^brarao p >r
alma da dita fallecida, na igreja de S. Pedro de u
cidade. no dia 9 do corrente, as 6 horas da manna.
por cujo acto caridoso Ihes flcarao eternsmente
obrigados.
Ao oommercio.
Nos abaixo asslguados partldramos ao
vel pubiico e eom espaesalidadeao commercio, ytt
diolvemns a soeiedade que tiBbamos, e gyrsva.
sob a razio de Gomes & SiWa. em o esUbak.
ir.enio d>-xri|ii, i rna &o P-*ro An".-B-> a. IS.
ifc*n f.rjt >1 ki lViit 1* 'l Slva h 1..
n ... liv .: M*M d" <"u "rM' I" extm:ts, e *e
one.:. I lie "a o q ial<|UPr rrrpoOMatilidsd^ o
mi -i i Jo.iqn : J )': ww. de?d- o dia BBaa
proximo |'.i-s.l- em uu<* f' extinela. >o eutre
Unto, luiwm uada dever nesu pracs oa tea
della : se pjrem slguem se jnlgar eredor de (Ma
firma. apresente sua eonla ou utulo no prase e
oito dia*. no dito snnaiem. para ser incouuneate
pago. Recife, 4 de deswnbro liento Jose a Mlva
Joaquim i*i G >. __m
iISADOOUKO
- 0 conselheiro Dr. Teixeira da Roeha nao
podendo, pela rapidez de sua volta a cort--, e por
incommodos de saude, agradecer pessoalmente a
todos os senhores que o honraram com visiUs e
obsequios, vema imprensa despeiir se, p-otc-tan
do-lhes eterna gratidSo, e offere-end .-Ihes o seu
pequeoo presUmo na cidale do Rio de Janeiro,
onde reside.
Bilhetes garantidos
ua do Barao da Victoria (outrora Nova
n. &0, s casa do cottume
0 abaixo assignado acaba de vender bos saas
uuito felizes bilbetes a sorta de 100*000 em
meij bilhete de n. 3350, alem de outras sorter
menores de 40*000 e 10*000 da Meria qo-
acabou de exirahir (1*7*) ; omvida a.is possao\-
res a virem receber, que promptaiMnze srrao
pagos.
0 mesmo abaixo assignado coaviUa ao resp
vel pubiico pan vir o seu estabelecunentocjSD-
prar os muito felizes bilhetes.qne nao deixar> d>
urar quaiquer premio, como prova pelos messes
annuncios
Acham-se a vends os muito felizes bilbetes ga-
aotidos da 21* parte da ioteri* a Umefick da
Santa Casa da Misericordia do Recife, qua s ex-
trahira no dia seguoda-feira, 14 do corrente ises.
PreeoMB
inteiro 4*00tt
Ueio 2*000
Me 1009000 para cists.
Inteiro 3*300
Meio MB*
rtecife. 28 de noveinbru de i874.
loan J'latnnm da Costa Lett*
Fogio do engeuho Goila, do Urmo de !f ssa-
reth, em dias d- mez de novembm do auu de
1869, a esi-ravaThefeia, mnhta bem clira, ds 3>J
annos de idale, HUH, baixa e betn reforcadi d..
corpo, rosto redondo, cal>ellos caslanhos e anaella
dos para as poous, oliios amarellos e gra**>s.
oarizuin \wum chaio. kosea granJe, tendo fa:ta
de um ou d us denies do lado de cims, aeaofula
dos, braco e pernas grossa, pes roliccs e d?d's
curtoi, lava, engomma e e boa cizinheirs, tem sid >
vista na cidade do Riile, fnle consrrvs-seajou-
tata : roga-se as autorilades pi'iciaes, capitals d-
campo e mais pessoas. a apprehensa > de diu es-
crava, sendo entregue a -eu s-nhor maior C iri-
tovao de Hollanda Cavalcante de Albuq. rqu-. ni
engenho '(osario, do mencionalo termo de Naza-
refi. ou no Moate'ro, a Antnni la R ha A. I.'as
que receberio a gratificacio de 100 .
Estrada de ferro do Jttecite a Caxanga.
Do dia 7 de dezembro de 1874 em diarite a partida dos trens sera regulada pela tabella seguinte :
LIMIIA PRIMCIPAli
DIAS UTEIS
KHtarAcs
Recife.....
Rua do Sol. ..
Rna Formosa.
Officinas .
Soledade .
Caminho Novo
Manguinho.. .
S. Jese ....
Torre.....
Ponte d'Uchoa.
Jaqneira .
Parnameirim .
Sant'Anna. .
'^sa Forte .
Caldeireiro .
Monteiro.. .
Porta d'Agua .
Apipucos .
Dons Irmaos .
Pedra Molle. .
Caxanga .
F.siaooe*
Caxanga. ...
Pedra Molle -
Dous Irmaos. .
Apipucos. .
Porta d'Agua. .
Monteiro. .
Caldereiro.. .
(Jasa Forte. -
Sant'Anna.. .
Parnameirim. .
Jaqueira. .
Ponte d'Ucbda..
Torre......
S. Jose ....
Manguinho. .
Caminno Novo.
Soledade. .
Officinas. .
Rua Formosa. .
Rua do Sol .
Recife. ....
6.1016.15J7.10
Man h;i
6.14
6,16
6.19
6.21
6.23
6.25
6 27
6.30
6.33
6.36
6.38
6.41
6.44
6.46
6.50
6.54
6.57
7.02
7.04
7.10
6 19
6'.23
6.27
6.48
7.14
7.16
7.19
7.21
7.23
7.25
7.27
7.30
7.33
7.36
7.38
7.41
7.44
7.46
7.50
7.50 8
7.54 8
7.56|8
7.58
8.00
8.02
8.05
8.25
8.29
8.33
8.38
8.40
8.45
25
.301
.321
.33
8.42'
9.30
9.34
9.36
9.38
9.40
9.42
9.44
9.46
9.48
9.50
9.53
9.55
...I 9.58
...,10.00
...110.02
...10.08
12.0

&>
ot-a
Tarde
1.20
IS
til
23
24
87
30
82
38
37
in
II
.45
.47
.oT
.52
.55
2.30
2:34
2.40
32 4
35 4
3.00
3.04
3.10
3.13
3.16
3 20
37
.40
.42
.45
.47
.50
.52
.55
4.00
18
l'.i
u
i.1
30
31
38
37
.40
.42
45
47
.50
.52
.55
4.40
.00
.04
'.10
.15
.88
.59
.01
.03
.00
.08
.to
12
5.15
5.19
5.22
5 24
5.27
5.30
5.32
5.35
5.37
5.40
5.42
5.45
5.47
5.50
5.52
5.55
6.00
6.03
6.08
6.10
6.15
47 6.24
15 6.
19 6
22
27
30
32
38
37
40
12
45
.47
.50
.52
.55
6.40
.00
.02
.05
.08
.11
.15
7.00
7.0--
7.07
7.10
7.13
7.15
7.16
7.20
7.23
7.26
7.19
7.32
7.36
7.39
7.42
7.45
8.15
8.20
8.22
8.25
8.28
8.30
8.3
8.33
8.37
8.39
8.41
8.43
8.47
8.49
8.32
8.55
9.00
9.03
9.07
9.10
9.15
9.00
9.05
9.07
9.10
9.13
9.15
9.17
Kutai'i'io
9.40
10.00
10.03
10.07
10.10
10.13
10.15
10.18
(0.20
10.23
10.26
10.29
10.32
10.36
10.39
10.42
10.45
10.48
10.30
10.54
10.56
11.00
Recife ....
.Rua do Sol. .
,Rua Formosa .
Officinas.. .
jSoledade.. .
iCamiohc Novo
Manguinho.. .
IS. Jo;e. .
Torre ....
Ponte d'Uchoa.
Jaqueira ... .
Parnameirim .
Sant'Anna .
Casa Forte .
Caldeireiro .
Monteiro. .
Porta d'Agua.
Apipucos. .
iDous Irmaos. .
Pedra Molle .
jCaxaoga.. .
DIAS UTEIS
Manila
I
5.45
5.50
5.52
5.57
6.00
6.05
6 08
6.10
6.13
6.'16
6.18
6 21
6.24
6.27
6.29
6.32
6.34
6.37
6.39
6.41
6.45
6.45
6.50
6.52
6.57
7.00
7.05
7.08
7.10
7.13
7.16
7.18
7.21
7.24
7.27
7.29
7.32
7.34
7.37
7.39
7.41
7.45
7.15
8.10
8.14
...,8.20 ..
7.33
7.37
7.39
7.42
7.44
7.46
7.50
8.05
8.07
8.09
8.11
8.13
8 15
8.17
8.20
05i8.25
08|....
10
13
16
18
21
24
.27
.29
.31
.33
.35
.38
8.43
8.49
.41 8.52
.45 8.55
9:10
9.14
9.16
9.20
9.22
9.25
9.28
9.30
9.32
9.35
9.37
9 40
9.43
9.45
9.47
9.49
9.51
23 9.53
25|9.55
2719.57
30!10.0
Tarde
II*.
10.
10.
10.
10.
10
10
10
10
10
10
10
10
10
10
11
18
19
2-2
,93
29
33
36
39
,41
,44
.46
.49
.52
.54
36
.00
1.50
Is
j.
o O QJ

:&<
e%
2.35
:.
3.10
10
14
17
20
23
26
29
32
35
38
40
42
.45
.47
.50
.55
3.25
3.29
3.33
3.36
3.38
3.40
3.56
3.59
4.01
4.03
4.05
4.08
4.12
4.05
i'.io
4.14
4.17
4.20
4.23
4.26
4.29
4.32
4.35
4.38
4.40
4.42
4.45
i.47
4.50
4.55
5.10
5.14
5.17
3.20
5.23
5.26
5.29
5.32
5.35
5.38
5.40
5.42
5.45
5.47
5.50
5.55
5.20
5.24
5.28
5.31
5J5
5.54
5.56
5.59
6 02
6 04
6.07
6.10
40
44
16
80
32
33
89
02
03
09
11
14
.17
.20 .
7 00
.23
.26
.28
.30
.32
.35
.40
7.24
7.27
7.29
7.31
7.34
7.37
7.41
8.10
8.14
8.17
8.20
8.24
8.27
8.29
8.32
8.35
8.38
8.41
8.43
8.46
8.49
8.51
8.55
9.55
9.59
1G.02
10.05
10.09
10.11
10.14
10.17
10.20
10 23
10.26
10.28
10.31
10.33
10.36
10.40
9.35
9.39
9.41
9.45
9.47
10.00
KHtatMMH
10.20
10.23
10.26
10.28
10.31
10.34
10.38
Caxanga. .
Pedra Molle .
Dous Irmaos. .
Apipucos .
Porta d'Agua. .
Monteiro. .
Caldereiro. .
Casa Forte. .
Sant'Anna.. .
Parnameirim. .
laqueira.
Ponte d'Uchoa
Torre.....
S. Jose. .
Manguinho. .
Caminho Novo.
Soledade. .
Officinas. .
Rua Formosa. .
Kna do Sol. .
Recife.....
DOMIRGOS E DIAS SANTIFICADOS
Manila
6.00 1 7.00 8.00 9.00 9.03
6.05 7.05 8.05 9.03 9.09
li.08 7.08,8.08 9.08
6 10 7.10 8 10 9.10 9.12
6.12 7.12 8.12 9.12 ....
6.15 7.15 8.15 9.15 ....
6.17 7.17 8.17 9.16 9.17
6,20 8.20 9.20
6.23 .... 8.23 9.23 ....
6.26 8.26 9.26 .
6.28 .... 8.28 9.28
6.31 ....|8.3i 9.31 ....
6.34 ....18.34 9.34 . .
6.37 ....'8.37 9.37 . -
6.40 .... 8.40 9.40 .
6.45 7.42 8.45 9.43 9.40
6.47 7.47 8.47 9.47 ...
6.50 7.50 8.50 9 50 ....
6.54 7 54 8.54 9.54 ....
6.39 7.59 8.59 9.59 ....
7.05 8.05 9.05 10.05 ....
Tarde
1.00 1
1.05'1
1 08 1
1.10
1.12
1.14
1.17
1.20
1.23
1.26
j 1.28
1.31
1.341.
.1.37'..
1.40i.
i.43!l
1.47
1.50
1.54
1.59
2.0b
1.18
in
2.00;3
1.05 3
2.08;.
2.10'.
2.12
2.15
2.17
2.20
2.23
2.26
2 28
2.31
2.34
2.40
2.43
2.47
2.50
2.34
2.59
3.05
3.
05 ji
,C9j*
,..; 1
:!:|
I
i
i
I
4
..|4
S3 4
4
i
i
4
00
03
t8
10
.12
5
.17
.20'
,23
26:
3P
o
8
5
5
">
3
a
i
''<
">
3
3115
3415
i
.ill
.43
.47
.80
:54
.59
.05
.00 5.05
03 5 N
,081....
10 5.12
,....
14 ....
17 5.IK
20 ....
,23' ..
,....
28 ....
30'....
,34]....
37 ____
40....
,43 5.40
,47
,50
.54
.59
.03
0.00
6 03
6.08
6.10
6.12
6 13
6.17
6.20
6.23
6.26
6.28
6.31
6.36
6-37
6.40
6.43
7.1(0
7.03
7.18
7.10
7.13
7.13
7.17
7.20
7.23
7.26
7.28
7.31
7.34
7.37
7.40
7.43
6.47 7.47
6.50 7.30
6.54' 7.54
6 59|7.59
7.0518.05
N.ii:;
8.12
8.1*
8.01'
8.05
8.08
8.10
8.12
8.14
8.17
8.20
8.23
8.J6,....
8.28
8.31
8.34
8 37
8.40
8 438.40
8.47
5.50
8.54
8.59
I9.05
9.(0
5.tM
9.081
9.Ml
9.12,
9.15
9._
9.20
9.23
9.26[
9 28
9.31
9.34
9.37 i
9.4H
9.43
9.47
|.5f
I.JN
9.39
10.03
!0.(
10.0-
rt.w
Mi.l:
ii.r
10. IT
.>
ft.2
0.2o
.
.0.31
10.C-
0.37
10.40
{'.:
to.*:
in.." i
1(1.54
I0..3V
It. oi
D0MLNC.0S E DIAS SANTIFICADOS
Manila
5.35
5.41
5.45
5.31
3.53
5.55
6.00
6.03
6 06
6.10
6.13
6.15
6.17
6.20
6.23
6.25
6.27
6.30
6.32
6.35
6.40
6.33
6.41
6.45
6.50
6.52
6.55
7.00|8
7.03 8
7.06 8
7.10
7.13
7.15
7.17
7.20
7.23
7.25
7.27
7 30
7.32
7.35
7.40
I
3518.35I
41 8.411
45 8.iJ;
50
32
33
00
.Oi
.00
.10
.13
.15
.17
.20
.23
.25
.27
.30
.32
35
.40
8.30
8.82
8.551
i0.05
10. H
.u...
10.19
10.-ii
10.25,10.
I!0 2
I
30
9.22
9 25
9 27
9.30
9.32
9.35
9.40
10.30
10.33
10.36
10.38
10.41
10.43
10.45
10.48
10.50
10.52
10.55
10.57
11.00
11.05
32
54
56
.59
.01
.05
.10
11.35
11.41
11.43
11.30
11.52
11.33
12.00
12.03
12.06
12.10
12.13
12.15
12.17
12.20
12.23
12.25
12.27
12.30
12.32
12.35
12.40
Tarde
2 00 2.
3.
3.
3.
3.
3
3
3
3
2.22'3
2.2413
l.26l:i
2.2913
2.31 3
3.35
3.41
3.45,....
3.31)!....
3.52
4.00
3.55
4.00
4.03
4.06
4.10
4.13
4.15
17J4 17
20|4.20
2314.23 4.22
2.34
2.38
.25
.27
.30
.32
.35
.40
4.25j4 24
4.27'4.26
4.3014 29
4.32 4 31
4.3514.34
4.40 4.38
5 35
5 41
5 45
3.50
5 52
5 53
6 i ii
6 03
6.06
6 10
6 13
615
6 17
6 20
6 23
6 15
6.27
6 30
6 32
6 35
6.40
6.00
351 7 35
41 7.41
43i7 45
50,7
" 7
7
8
I
7 O6'806
6 22
6 24
6.26
6 29
6 31
6.34
6 40
00
8 10
8 13
8 15
8.17
8 20
8 23
25,8 23
27 8 27
30 8 30
3218 32
3518 35
40 8 40
I
8 33;
8 II
8 45
8 50
8 52
8 55
9.00
9 o''
9 06;
9.101
9 13,
9 151
9.17 ....
9.20 .1-.
9.23 9:22
9 23i9i24
9 27 9.26
9 30
9 32
9 35
9.40
9.29
931
9.34
9 36
.H
9.41
9.45
J50
9.32
9.55
li.io
;0.o:i
10.06
10.10
10.13
W.I5
10.17
10.90
10.23
10.23
10.27
10. :w
10.32
10.3X
lO.lo
MtAM %JL WOS AF* RICTUS
Recife.
Rua do Sol...
Rna Formosa .
Officinas .
Soledade..
Caminho Novo...
Manguinho... -
Entradados AfllictosL
Igreja dos Afflictos..J6
Tamar'meira.. .
Manpabeira.
C.?a Amartlla...
Monteiro.. .
PorUd'Agoa
Apipucos .
Don* lr.i i
-Peuia Molic .
Caxanga .
DIAS UTEIS
Enlay,6es
Caxanga
Pedra Molle .
Dous Irmaos. .
pipucos. .
Porta d'Agoa. .
Monteiro..
Casa Amarella. .
Mangab ira
Tamanneira
Igreja oos Afflict *
Eolr^da di>sAfflicto>
Mangninhi .
Cara'nhn Novo. .
Snl1adii.. .
Offlcinsis .
Rua Fnrmosa. .
Rna do SoL
Recife. .
Manna
8.10
. > 8.14

. 8.20
....
7.15 8.23
7.'9 8.28
7.23 8. >2
7 27 8.36
7.3" 8 39
7.33 8.41
7.33 8.43
7!i2 8*iC- ]
7.48 8\6' !
7.5o 8 55,
Tarde
3.25
t.29
3.33
3.36
3.38
3.41
3.43
3.4f
1.48
3.5-
3.54
1.56
3.59
4.01
1,03
i 05
4 08
4.12
I
5 31
33
38
.42
44
49
51
54
56
59
01
04
07
!0
6.40
A 44
6 46
6.50
6.52
9.35
9.39
9 41
9 45
9 47
7 00 10 00
7 05:10 05
7 09 10 09
7 13 10 13
7 17(10.16
7.20
7.24
7.27
7.29
7 31
7 34
7
7
10 18
10.20
10 23
10.26
10 28
|l i
' :i.
37!
4!M" 3
DOMINGOS, ETC.
tlanlm
- ii0.4
8 35110 03
3 41,10.12
8.45'10.I4
8 30 10.19
10.22
10.30
10 34
10.38
10.43
19.15)10 46
9.18 10 49
9 2* 10.52 i -
9.23110 54!
(I 56! -
,0.59'
It i>.
11 03,
t 101
-----.S7
Tarde
- i. 'i
i_
J 32
3-351
3.41,
3 43;
3.00
3 52
2.00 4 00,
2 04 4 u4
2 09 4.09i
2.14 4.14;
i 1714 17
i 20,4.20
22 4 2!|
2 A *a24
I'. 4 20
t :*
31
' i 4
.1- .8
3 35 8.35
5 41
5 45
5 50
5 52J
6 00 00
6 05
6.07
6.12
6.15
f 18
6 22
6.M
6 27
6 :<
8.41
8.43
8 SO
8 52
9.0o
9 07
9 12
9 15
9 18
9 22
9 2"
9 *7
9 M>
9 ..2
win X
W '., (I

R. C, Batterbee, gerente.
j
L


fc
-----1mii;
'"W: "
Oiano de jTeraMttMfci Sfegtinda fe^7 de -Bfezmtft* - m*

rtft-
Acs 2o:o BUhetes de loteriaa do Bio.
Praca da Independent a. 21
- Offereee-se nra rapaz, com 16 annos de ida-
Sara caixe.ro de taverns, com pratica da mes-
- a tratar no paleo do Terco n. 34. .
Preeisa se fa liar com o$ segaintes senhores,
as raa Primeiro d* Marco n. 16, primeiro andar.
Dr. Candido Vieira da Cunha, de Sergipe.
Tito Antonio da 'Junha, da Bahia.
>miagos Olympio B. Cavaleante. Bokrsl do
>wa.
anoel Panlaleio da Silva.
MaDoel Jose Monleiro
Torres.
Keller & Q., administra-
dores da massa fallida de
Manoel Jose M. Torres, pa-
gam aos credores da mesma
massa o primeiro dividendo
a razao de 19 por cento.
CRIADO.
P/ecisa >e de urn criado para tralalhar em am
sisio e andar com earroja : a tratar na rua 1" de
Marro d. ; 4. loja. _______
Altencao
Parente Vianna & C avisam ao publico e ao
cwamerc u qu o Sr. Jose Antonio da Silva Gui
ar5e3 nao e inais caixeiro da firraa Viaon' &
Kamaries, da qual soraos os liquidaarios.
AVISO
tee Antonio Dmingues de Figueiredo, proprie-
law da fa l nra de ciearros do Becco Lai go n. 1,
2. 1 A e n. 2, avisa aos cnnsumidores de seas ci-
rru>, que m< dou sua officina de cigarros do n.
- para o andar do n 1 e n. 1 A, por ter de
r-jJnr em r-bra de n. 2. Faz este aviso para
a!g3nm :l'i jolgar o caotrario, e sens 'reguezes
Scarern .i:iente< de que so o -trupa as 2 lojas dos
TBtBfro* aclnm. rol* andar do mesmo predio.
Mole que.
Precisa-se de did uioleque para criado : no lar-
ge j*a matnz de Santo Antonio n. 2, primeiro an
izr.
- Aluga-s
ado ii 7i
nra m .-..- it m
Toda^tfce^apt
.n~*\
Retalha se, com frente para a rua da Amizade,
sobre 194 palmos de fando, uma porcjio da opiimo
terreno para edifkacao, tirada do sitio oontigao
i igreja de S. Jo?e do Manguinno, d.i preco de
50* por palmo. Aquella frente e toda tonrada,
bem como a parte posterior e a lateral eitrema:
os pretendentes podem entenderse com o Sr Dr.
Witruvio.
IN&TLTITO PARTICULAR.
RuadaRoda n. 48,sobrado.j
Prime:ras lettras, portoguez, francez, in-
glez, desenho linear e musics.)
Sob a direcgio do professor Herminio
Rodrigues de Siqueira funccionam ditas so-,
las todos os dias uteis.
Recebe aluranos internos, raeio pensio-
nistas e exlernos ; fornece todo o material
para escripta e livros aos principiantes, por
precos muito razoaveis.
Pi-.: :..----------M '.:
Moteque fagfgo,
GratiQca-se com 60,000 rei$ a queui pegar Fur-
tnnato, moleqne de 13 a 14-anoos, preto, baixo,
cheio do corpo, rosto e eaftec* redondos, nariz
chato, cabellos carapinhos e cortados de fresco ;
ausentouse na tarde de 10 de outubro do corrente
anno, com camisa de madapolao, calca de brim
de cOr, desbotada, e chapeo de massa preto. Gra-
tifica se na rua da Cadeia do Recife n. 39, on na
, rua da Aurora n. 165.
ABVOGADO
BACHAREL JOAQLltt GLUES DA
SILVA MELLO.
ua eatretta do suisario *3
primeiro antlar.
Boas casas de
Poco da Panella ;
Tasso.
Alugam-se
campo, na Cruz das
a tratar com o comm
a >nla e a alcova do 3.* andar do
a 'da Dnquc de Caxias, proprio
: a tratar na loja.
rV> ;\>a -. d.- uma ama para cuziubar : na
fri <'.>r,. Sadto n. 23.
L Ik
kB
"*
KrcCisa-se "e uma aina for
ra ou escrava, que cozinbe
in m i. diario de uma easa de
(.'I n.. Capunga, rua das Pernambu
ic tea n 19, * -" bi-iii. *
P'.ia eomprar, coziohar e iraiar de
iifiiiiios, para easa de pequena (ami-
AillilS
-i i a *r i,. rua Nova n. 12.
I
p.i a
.'- >.-. -
l!OS. Il !
Qu'.':n prwi-ar alogar u-na
f-craya boa ciijommadeira e co-
mheira, dirija-se a rua da So-
li'dade o. 92, e iguaimente am
..l.i.
le urn caixeiro com pratica de
'8 anno- de idade : a tratar no
:. Santo Amaro das Salinas.
Q Vicente F.-i reira & Irmao retiram-se para Eu-
ropa. e durante sua ausencia deixain encarregado
de seus neg >cios os Srs. Vicente Victor e Carmo
Victor, os mesmos 11;tin autorisados para usar de
'"(ifma para lolo e gnaliner neg.icio.
Folliinlia para J875.
Sahio do prelo a bem conheridp. fclhinha de
ariedades, contendo tamheth o Diccionario das
Floras, das cores e das pedras preciosas : a ven-
da na livraria Universal, rua do Irrperador n 51
a 400 rs.
Ha conn'
fin
j do goi
ba
ivnte para todos os precos, tanto
. eaixao, de todos os tamanhos :
r;o n. 32, e aonde se vtnde mais
- S'r


'
f: de tim nitnino para caixeiro, de
- ie idade. pn-fere-se d js cbegadjs da
-r na rua da Kola n. 48.
Ausentou-se
i stnbor, desde o riia 3 do correoie,
iguel, paido, d- 19 annos de idade.
; i clija e cimisa branca e jaqueta
) apprehender, leve-o a rua da
i! dos Ratos n. 43, que se_a re om
Hctei de I'Europe
AIusa-s cMtc vasto e Bra^niflca e-
tahcBeciinento a rua do Com-
mcrrio n. 13.
Este antigo e bem conheu do HOTEL, que fe-
chou ie por tausa do falleciment- do Sr. Eduardo
Tourpin, acha-se provido de todos us Dertencas e
ornamentos eonespoudentes a farta de que sera-
pre gozou, e e*un 1o situado no lugar mai ap-
parente e agradavel do Recife como e o do 6ou-
levard, Befroote do desembaique de passageiros,
os interessados nln aivaiao occasiao mais
picia para eslabekcer se com urn HOTEL
montarto, em bom local e ja acreditado.
i'ara tratar, airigir-s* ao pscriptnrio de Pereira
Larneiro, a mesma rua do Commcrcio n.6.
i
CoBSfliWrio Btfdic v
DO
Dr. Murillo.
RDA DO VIGABTO F. 1, *> ANDAR.
Racam-c^agado d> Eurofta, gnte fra-
quentoa os hbspitaes de "Pafts e lWndres,
Sidera ser procurado a qualfluer hora, dp
a ou da noite para objecto de sua pro-
fissao.
Consultas das 6 as 8 horas da manhJ e
do meio dia as duas horas da tarde.
GRATIS AOS POBBES.
Btpecialiiadet: Moiestiat de senboraa,
da pelie a de ;riunca.
ALU&A-SE
uma grande casa terrea com bastaates commodos
sita na estrada do Lu:as : a tratar a raa dp Vi,
Ao Sr. Justino Pereira, de
Moraes.
0 abaixo assigoaoo arreoiataote das dindas da
massa fallida d-3 Joao Hyitino de Souza, pede ao
Sr. Justino Pereira de Moraes. morador na Imma-
culada, o favor de vir a raa Direiu n. 21 ultimar
sua conta com referenda a mesmi massa.
Recife, 23 de novemr.ro do 1874:
Jese Ricardo Paria.
I COKSULTORfa I
* MEDICO-CIRlIRGfCO |
g* DO !?
& Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso j
PARTEIliO E OPERADOR
OtBDa do Vlsconde de AlhiiQuer-jSS
M que n. 3!.
ESPECrALIDADE
Holestlam de sentioran e
meninos.
Consnltas das 7 as' 10 horas da ma-
nna, todos os dias.
Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar-
las e sextas-feiras.
Os doentesque mandarem os seus cha-
mados por esi:ripto at 10 boras da ma-
nha serao visitados em suas casas.
PENHOEES
Na rravessa da rua
(iasCruzes n. 2, pri-
meiro aadaj, d4-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
eompra-se os mes-
mos metaese pedras.
lliliil
CostureirflS/ par^ modista.
Pro/jisa-se na rua da Palma n. 34.
' _____.__.. *
Aos 5,00^1 covados dela
A I0 rs.
loja do Pavlo vende se lizinbas de mnito
tos gostOB e delicados padrdes, fazenda nqva
raercado, pslo diminuto preco de let rs. cada
i ",m covado ; quem deixara de fazer vestidos de
tao bonitos e por tio pouco dinheiro? Forne-
se as amostras : na raa da Imperatriz nume-
Vende-ae
sre
i-'in
Ctli^AIIO
M
oate Lima
'tern urn eompleto sortimento de galao e franja de
ouro e praia, verdadeiro, <^e todas as larguras,
abotoaduras douradas para officiaes, canuliihos e
enfeites para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talras, pastas, espadas, dragonas, cparlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e dcaradas, para criado
etc.; assioi como ura eompleto sortimento ds
ranjas, galao falso para ornamento, cr.rdao de li
com borla para quadros e espelhos (cimforme o
gosto da encommenda) tudo por mniio menos
prefo que em outra qualquer parte : na praja da
Independencia n. 17, junto a toia do Sr. Arantes.
Despedida
Jose Joafluirp. Aff.)aso Guimaraes, relirando-se
(je para o Rio Grande do Norte no vapor Pira-
pama, e nao Ihe sendo possirel despedir-se de
todos os seas amigos. o faz pelo present?, tir^tes-
tando a todos sna eterna gratidao e offer -endo-
lhes sins limit?dos servijos no G"ara meii.n
Feilor
Entrega-se urn sitio era Beheribe. para trat.ir e
desfructar, faz-se contrato:
n. 52.
na rua da Fiorentina
Casa
Aloga-se uma casa terrea n. 39 com commodos
para familia, na rua de Luiz do Rego, na estrada
de Santo Amaro das Salinas : a tratar na rua do
Gotovello n. 2i.
*
*
*
Aluga-se
os armazens ns. 6j e 69, na prapa do chafariz em
F6ra de Portas, um onde teve tenla de ferreiro
o fallecido E. Mahult. 0 outro que esteve occu-
pado com venda de molhados, para o que e op-
timo pela localidade e sur de esquina. arabos livres
e desembara^ados do imoo"stos: a tratar com o com-
raendador Tasso.
pro-
bem
Resteuiant de Bordeaux
Aluga-se
jn andar e arruazem da rua dePed'o
"' I iilirado de um andar e sotao da
io n. 6-"i, pill- andar ' do Bom Jesus n. 63 : a tratar na
\ ilia de i'almares
W i'' '! ::'Uiinada Maur ty, sita na pra;a
, '?.;i dr azulejo n. 2, d"e>ta villa, esta-
'' Fr.i 'isco Serafico de As-is Vas-
- i f .briea se com a maior perf^ifao, iim-
: t za, pao, bolacha e tudo quanto se
' da itnnha de trigo. 0 annunciact-'
e agrado a todos quan
icres e cousumidores.
Quart
mensaes a 3o
andar.
Satdes particulares
mobiliados com gosto assignaturas
na rua 1 ue M ir?o n. 7 A, 1*
Aluga-se a easa da rua do Visconde de Pe-
lotas, antiga rua do rtragao u. 18, corn 2 salap, i
quartos, corredorsi-parado, cozinba, b:m quintal,
portao, e mais u:n quarto no quintal : a tratar ua
rua da Ponte-Velba u. 20, das 6 horas da manba
as 9 em diante, na rua do Commercio n. 18, a tra
tar coraopr>prietarij Dorningos Pereira do Lagos.
0 abaixo assignado faz seiente ao corpo do
commercio quo nesta data vendeu a sua taverna
que tinha no Moateiro ao 5r. Bento Pires. livree
desemtara^ada db active passivrfaid a preseote
data.
Recife, 28 do novembro de 1874.
__________________^Joaquim Jose" Dia.'.
Sitio para aiugar.
>?'Aliiga-se om sitio na Capnnga, a rua das
Crioulas n. 37, com grande uumero de trncteiras,
jardim, tanques para banho, eacimbas, hombas,
com muito boa casa de vivenda, completamente
reediQeada, cicheiras, estribaria e uma grand*
baixa de cap;m : a tratar Da rua larga do Rosafro
u. 20, sr-gnndo andar.
Casa.
r;rAlugase em Fora de Portas n. 2-J, rua do Pi
lar, corn commodos e tem portao jara a mare
grande. para qnem qui?er toinar baniirs salgados,
pots fica pprtinho ; a chave para ver cst.i no Re-
cife, rua da Cadeia n. 3.
Victor Augusto Nepomuceno afioa piano
concerta e lecciona musica : pode ser procura-
do na rua da I'onte-V'elba n. 28, B.ia Vista.
LIQUIDACAO.
0 Paris n'America esta liquidando os calgados
pelos segointes precos:
* Botinas de duraqiie, de eores, com canno alto e
laco, a Luiz XV a 5*000 tl!
Botinas de duraqne, de cores, bordadas. cauno
alto, a 6*111
Botinas de daraqoe com laco a 3*..
o .fe!lnis preUs gaspeadas, canno alto, a 4*, 5* e
6*000.
Botinas lias e enfeitadas, para meninas a 3*,
Bttinas de Suzer, de cordorio com ponteira ee
yerniz, para homem a 8*. Aproveitera, que 6
barato.
Cbafertee preto,
Amaral, Nabnco 4 C'declaram a seus amigos
e freguezes que receberam pelo ultimo vapor
de Europa, nova reraessa de cha verde e preto,
garantem sna boa quaKdade e vendem no sen
Bazar Victoria, rua do Barao do Victoria n. 2.
Por 600j? e barato
Vende se nm escravo de 30 a 35 annos, e bara-
to, proprio para refmacao, padaria, ou mesmo
para um sitio, por ser de boa conducta e sen se-
nhor retirar-se para fora : na rua de Hortas n. 96.
APROYEITEH
a woo
Carabraia branca, bordada, com listras e de
quadrinhos, ab^rtas e tapadas, por termos uma
grande porgao, resolvemos vender barato para aca-
barmos, e fazenda muito larga e muito fina, que
sempre se vendeu por 2s o metro, e estamos ven-
dendo a 1* a vara : so quem tem para vender
por este prego 6 Guilherme & C. rua do Crespo,
loja das tres portas. Dao-se amo.-tras.
Froprios para bailes.
Chegaram em boa quadra, para a loja do Passo,
riqnissin os cortes de seda com largas lislras
achamalutadas e Iindissima3 cores ; cortes de tar
latana'cora palma3 bordadas a prata, proprios
para nailes : so na laja do Passo. a rua Primeiro
de Marco n. 7 A.
AdmireiiL
Coriinadns a 3,4000
0 Pavao vende cortinados bordados, pnprios
para camas e janellas, a 7* o par. e pecbincha
que logo se acaba : na rua da Imperajriz n. 60,
de Felix Pereira da Silva.
Rhum aacioaal.
Premiaiio na exposic,ao da Socie^ade Doze
de Dezembro.
uma easa na villa de Barrairw, as Mavis
mercio, por preco modico : a to
Irmioa & C.______________
--------------------------------------''.'' u; .*...!.
viilnHSi
LIQUDACAW
Loja de fazendas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores mrudas moito boa* para row*
meninas a 160 e 200 r. o tfttado.
La pretas, superior, a 400 rs. o covado.
Alyacas de cores fiaas a 320 e 360m. o eota4b
So se vendo.
Ditas com listras abertas, fazenda Una, a 600 rs
covado.
Chttas de cores a 240 e 280 rs. o covasa.
Metins de cores mindas a 280 rs. o cotado.
Cretones, o melhor que tem vindo as srrraii .
400 440 rs. o covado.
Cambraias brancas, bordadas abertas, fazeoc
mats Una que tem vindo ao mercado, fiiwfl
de 2*000 o metro, por 1*060 vara: i p.
chincha.
Ditas pretas com lores mindas a 200 rs. o covaav
Carabraia trausparente, Una, a 3* a pecs.
Dita Victoria, fina, a 4*000 a peca.
Organdy de assento braaco e 6s cores, ccm aV
res miudas de seda e de la, a 400 rs. o cotssV
E' pechincha.
Cortes da casemira de cores modernas a SJUDO <
corte ; 6 fazenda de 8*. E' pechincha.
Camisas de linho finas, lisas, a 35* a dnzia, e fa
zenda de 55*.
Brim branco de linho a 1*400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
Madapolao francez verdadeiro, 24 jardas a 6*
7*apftca ^
AlgodaeT, largo e superior, a 5* a peca.
Gorgorio prete de seda para vestdo e para eofts
a 3* o covado
Toalhas aicochoadas a 4*500 a jajals
Colchas grandes a 3*500 uma.
Cobertas de ganga, forradas, a 3*.
Lencoes de bramante a 2* nm.
Lencos de linho, abainbados e em caixmba* -
3*500 a dnzia.
Ditos de caca de cores abainbados a 3*500 a a*
zia.
E outros muitos artigos que se vende por m*
nos do que outra qualqner parte e para se d
So na lorem queiram maadar ver as amostras
enganaja de
Gcilhcrmc k G.
Para o fabrico de chapeov
A NOVA ESPERANCA recebeuo arame propr..
para armaqSo de chapeos.
BAZAR
DAS
Vende se, pelo diminuto prego de I* a garafa,
bem i-onhesida t-verna do Lima, rua do Ba-
na
rSo da Victoria, confronie ao oitao da raatriz de
Santo Antonio.
Bonsbanhos edormida fres-
ca no Monteir).
Alugase alii por preco eomraodo uma casa pe
quer.a que tem 2 salas,. 3 quartos, c, zinha e boa
cacimba, e 6 perto do no : a tratar na rua Nova,
loja n. 7.
Precisa -! de ama para cozinhar :
mazem Baliza. rua do Livramento n. 38.
no ar-
Aluga-.-e para passar a festa, ura ca.-a em
Beberibe, Port > da Madeira, com muitos comm dos
para familia : a tratar na rua Duuue de Caxias
n." 88, loja.
Alaga-se
o armazem da rua do Burgo' c. [|, o (' andar do
mesmo sobrado, assim como um quarto da_ rua da
Senzala-Vtlha (becco tapadu) e uma outra casa
na ti avtssa do Moateiro, em Santo Aotonio, l 2 :
a tratv. na rua da Praia u. 20, com Jose Feliciano
Nazareth
Fu
gio
lent, ese cons- eseravo africauo, Jnliao, comossigLes scguin-1
tes : 60 annos, pouco mais ou meno*. tem alirnns
oabello> braoeos, baixo, secco d>_- corpo, pcVnas
rinas, d"dos compridos e seccos, meio fain, oabega
comprida, testa grands, nariz meio a&lado, dentes
alves, tem niSoladeu"> dos p^s.ama fistula,
levou camisa de chita rose, calca parda. camisa
de azulao ; seguio a diree^-ao dj Recife, onde se
julga estar : a pessia que o apprebender, podera
leva Io ao referido ei.genho, ou a rua Dirt :a n. 40,
1 andar. qne sera generosampp.te retvir.pensada
= p a
s
' _. s. : ir 2 a. 8


557 *- *
- S = O A
Zs g =
sg>P
-
I i I
- y v- -
j ^ T,
5 -r,
0" rs
_ O
^3
' 3
3 '/ r-
- S- "
5.9 C* m
. a
c -
lire
- S
^

^ o ra
3 -f
G
a.
CD
o
X
CO
'ao
as
33'
19
fc Hide descobarta
,-th> das molestias do
peito pelo
DE
%. iii;r\kt
intp medicamento que acaba de ser
* nstinctos Drs Zalloni e Paras-
verdadeiro especifico contra a
id., provaram-nos grandes nume-
> l!'-s exparlmentadus, como se vd
. >i- iSmfa de Paris de 24 de marco
.- <" eneontra-se nnicaraeDe-ue-
da pbarmacia e drogaria
de
ilartbolomeu dt C.

/'.
icente fugio
Na noite de 13 para 14 de nrrree do corrente
anno, fugio o mulato Vicente eseravo, d^ jiO a
22 annos de idade, b^nita Bgora, barba e esUtura
regular, levando vestido e em u;n sacco groupa de
algodao branca e alguma fina perteEceote a um,
aixeiro da ca^a d'onde fugio, e natural da fre-,
guezia de Sanl'Anna de Mattos diz ser livre. cria-
do em companbia da madrinba D. Anna Luiia da
Luz de quem alias foi escravo : roga-se, portao
to, aos Srs. caplties de campo e autoridades po-
liciaes a apprehensao do dito escravo e en'rega-
Io na cidade do Recife, rua do Crespo u. 10, ao
Sr. Joaquim Moreira Reis, ou na cidade do AssU
ao Sr. Torjuato Augusto de Oliveira Baptlsta
que serao generosamente recompensados.
Aluga-se o 2 andar da rua de Thomi do
Souza n. 3 : a tratar em o andar.
Esta encoiiracado i I I
Affua inole cm p(2ra dare.
Tanto da ate que a fnra.
Aoga-se ao film. Sr Ignacio Vieira de Mali
sscrivao na cidade de r.azareth desta proviacia,
.avor de vir a rua Dn-iue de Caxias n. 36, a con-
:luir aquelle negocir jut &. S. se compromotteu a
reausar, pela terceira chamada deste jornal, em
(ms de dezembro de ,1871, e riepois para Janeiro
r-assou a fevereiro e abril de 1872,e nada cumpric;
s por este motivo 6 de novo charaado para d
ftm, pois S. S. se deve leiobrar que este negoci
de mais de oito annos, e rruando o Sr. sea Blho
ichava nesta cidade.
Aluga-se a loja do sobrado n. 2, na rua das
Laranceiras: a tratar na rua da Praia n. 6.
Aluga-sc-
uma casa Dos Afogftdos, rua do Mot .! ml i D.
18, contendo duas sala% 4 quarto-, c .zinha fora
s quarto para oriadoa, grande quintal, com ca-
Si*t?it&Airi,r D0 '<-> Bakm(;as, pesos e medidas
Pedras de marmore
Vende-se pedras de m rmores, de divcrsos ta-
manhos, com duas aolegadas de gros-ura, proprias
para muitos mistere3 : a tratar com Joao Jose da
Cunha Lages.
Burros a venda.
Ignacio Deiro avisa a seus devedores qne esta
em seguimento para Pernambaeo, onde ate o dia
10 de dezembro espera que Ihe mandem satisfazer
seus debitos na casa de Joaquim Jos6 Gon^alves
BeltrSo & Fllhos. Condaz excellentes Lurros para
vender. Pilar, 23 de novernbro de 1874.
FAMIOAS
Raa Dnqoe de Caxias n. (ill A
Para a festa
lass
fina-
4Uc,Bca,
Aluga-se o bom armazem e primeiro andar dp
predio sito a raa do Vigario Tenorio n 16, por
preijo rasoave! : a tratar na raa do iiarquez de
Olinda n. 57.
Da se 2:200* a jnros sob hvpotceca em uma
casa : na rua de Hortas n. 86
do systema metrico deci-
mal.
Von Sohsten & Z., na rua da Cruz n. 18, ven
! dem um eompleto sortimento, tudo feito na mes-
| ma fabrica d.t Europa onde foram os actuaes
I padroes existentes na camara municioai desta
; cidade
Leiam Info*
Engommadeira.
Precisa-se de uma engommadeira para engom-
mar para duas pessoas: a ratar na traveisa da
rua do Vigario n. I, das 9 horas as 4 da tarde, on
no segundo sitio, depots da estacao do Chacon.
Carles Walter, antigo e bem cochecido relo-
Joeiro desta prar^a, 'cientiffca aos sens numero-
sos freguezes e amigos desta e de outros pre-
vincias Jimitrophes, e ao illustrado publico em ge-
ral que tendo mudad > o seu esubelecimento da
rua da Imperatriz n. 18, para a Casa n. 17 da
mesma rua, confronts ao antigo estabeiecimento.
ahi se acba prompto para exe:utar quaesquer
obras de relojoaria e mechanica ( as mais diffl-
cultosas) como sejaro, concertos e obras novas
em qualquer roligio de two cemmum, echrono-
metro de algiboira e m;ritiraos. e o respectivo
regulamento destes, coja exactidiio garante dan-
do como penbor a sua repi'ta^ao de artista (que
tem-se esfor?ado au5 agora em raanter illeia,)
e bem assim encarr ga se de quae^quer con-
certos em instrumentos de physiea,.para o que se
recommenda aos Iiims. Srs! engenheiros e ca-
pitaes'de navios mercantes e de guerra. Avisa
a seus freguezes do inter or, e de outras provin-
cias, que qualquer ob'ra executada em sua casa,
quando a receberem sera accompanhada de um
recibo e sen canmbo cclxcadO-SjS caixa de seu
relogio afim de evitar eng:;aos, coimo garantia de
ditas obras serein execuiadas pero mesmo annun-
ciante. Os prec/)s serao os mais. tnodiccs ppssi-
veis, e se observara toda ptesteaa na execucio
do trabalho.
uga-se
para esciiptoria, o primeiro and.-ir e paramora--
dia o segundj dito : na rua do Harquez de Olin-
da n. 4.
Custodio Jose dj Oliveira panicipa ao coma
mercio que tem justo venler sua taverna sita e
ma Imperial n. 94, livre e desembararada, e, s-
alguem se julgar com direito a mesma, apresen
to se n-i prazu de tres dias da data des'e.
Recife, 3 de dezembro de 1874.
Aluga-se o armazem da rua do3 Guararapes
n. 12, com grande quintal e p rtao que entra car-
roga, pela rua do Barao do Triumph), aotiga do
Bruro, tendo o dito armazem 80 palmos de fundo
e 28 de largo, 3 portas de frente, e tem um sotao
eorrido em todo o armazem e repartido : a tratar
na rua da Santa Cruz n I, ou na mesma rua, jun-
to a fverna, aonde esta a chave para quem qui-
zer ver.
Assucar candi..
0 melbor e mais bonito, preparado e aper-
feicoado por systema novo, vendem BeitrSo &
Quintal, em sua reGoacao a rua do Barao do
Triumpho n. 56.
Caloados baralos
d
Botinas de duraque de cor, para senhora
Ditas pretas
Sapatos de duraque, com salto
Boiinas pretas gaspeadas
Praca da Indepencia, hja ns. 13 e
Arantes.
4*
4*
t*
2*
I j, do
Lino Ferreira da Silva
tern duas cartas na rua do Vigario n. 7
andar.
primeiro
t^PBAS
CBUMB
1
Vende-se nn sobrado suo a rna de S. Fran-
cisco desta cidade n. 10, 4 patativas da Parabyba,
1 bicudo, 1 curio, 10 canarios da terra, 2 checbeos,
1 bigode, e 1 viveiro rt.' 4 palmos de altura com 4
i|2 palmos de compriuionto e com 2 1|2 de altura,
de madeira de amareii-j com arame, os quaes se
vende por incommodo de saude de quern dos mes-
mos trata, e qne sera veadido a quem os comprar
todos jnntos.
Leques gigantes
So quem tem dos mais modernos t- a Magnolia
a rua Ouque de Caxias n 45.
BanJios salgados
Aluga-se nma boa casa.ua Bcaviagem," axua
da Aurora, om cacimba e perto dos banhos, peloe
tres mezes da festa : a tratar na pharmacla Tor-
res, a rna de Marcilio Dias n. 139, antigo pateo do
Ter$o.
Nao ha mais
braoeos.
cabc loff
? TL
Tiptura japoueza.
S6 e unica approvada pelas a^ademias de
sciencias, reconhecida superior a tod# que
ftem spparecido ate hoje. Bepaafto prkei-
pal 6-rua da Cadeia do Recife, hogs ^lar-
quez de Olinda n. Bt, 1 andar, e sm iodas
,h~ii***f. ? ,"*cig de c!hdi<,ir*yrng.

Dividas da maesa fallida de
Bernardino Pinto Coeiho
Q abaixo assigoado tendo ar.ematado em hasta
piiplica, por maudado do film. Sr. Dr. juiz d
tommercip, as divi ias constaqtes da referida mas-
sa, rflga pe|o present a todos os devedores a
virem oh m^pdaregj pag,ar, a rua estreila do Ro-
W *rV 5 ft!'. P'W^ .W Pfa^o de^O dias, na-
dos os dpaesse pniecftra.jgdiciaimeate.
: RecifiTw'ae novernbro de 1874.
lertefttft'Sltgadi) de Castro fluimaries.
Oma mulher viuva se offerece pars tomar
conu d* casa de homem solteiro ou rlavu t quem
r,rion1er Afrii\tQ .it- natP[) do TerjO n. 7'J.
Velho
Compra-se chumbo velho, cobrc e latSo : no
armazem da bola amareha, a travessa da rua do
Imperador.
VJSU3L
Vende-se
a em
na rua do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vinho do Porto engarrafado, em barris
accoretas.
Cera em velas, de Lisboa, superior qualidads
fiBtroz do Porto.
CjneutQ Portland, legitimo
Escrava
Para vender na rua, precisa-se alugar uma es-
crava : ni rua da Florentina n. 2J.
Vende ;se duas yaccas pandas de novo e
d&ai, de corda : a tratar na Pirauga com o Cor-
ftpm sapateiro
yapd*-ssum ejcra,vo sapateiro de toda obra. e
de haa Qgura : na rua de Santo Aojaro o, 6, se-
gupdp issidar._______________________________
Vijnde-se uma insignia maconica, de gra3 3,
e uma bibijotheea, nova: na rua da Fioreatina
n. ni; ___________
Vende-se dous pedacos de balcao e dous fl-
teiros, proprios para loja de miudezas ou cigarrei-
ros, e um dito para balcao : ua rua da Florentms
B.K.
Vende-se o dommio directo de um terreno
sito na rua da Sant. Cruz, em que .-<; acba ediB-
cada a casa terrea n. 36 : a tratar ne rua do Vis-
conde de Goyanna en. 5.
Doce iino de goiaba
Vende-se no deposito do pateo d o Tergo ns. 4 e
a, pelo barato prego de 800. 900, 1*000 e 1*200 ;
6ssim como grande sortimento de caixSes peque
nos, proprios para embarque ; ha requeijao todas
as terr;as-fe E' com as noivas
A NOVA ESPERANCA, rua Duque de Caxias n.
, acaba de receber boas meias de seda propriaj
para noivas. e os apreciaveis ramos de larangcira
Galpdos baralos,
Rotinas de duraque
de cor para se-
nhoras...... 4^000
Ditos pretos. 4^000
Sapatas de duraque
comstifto..... 1^000
Botinas pretas gas-
peadas...... 2#000
Praqa da Independencia loja
If. 13-^Arantisn. 15.
Beis e Silva & Guimaraes, proprieUrios
bem conheeido estabeiecimento de fazendas
convidam aos seus fregoezos e amigos a sortirea:
se dos artigos indispensaveis para a festa, BMkst
da ultima moda e de Gno gosto, os quaes se ven
dem por modieo preco, de forma que igual nao s<
encontra em ontra parte.
Atim de que o publico aval.e o que levam dii.
offerecern a 3ua preciosa consideracSo a seguici-
mencao:
Bijuissimas polinaises de gorgoran preto ri'-.
raente enfeitadas, pslo dimiouto j-reco dn 36*.
Lindissimos casaquinhos de gorgorio preto, n
camente bordados, *endo enrtinhos conforroe a w
da, pelo diminuto preco de 12*000 cada nm.
Biquissimas sahidas de baile, de la e seda, par*
aen&t-rs. inteiramente novidade. pelo dirainui
preco de IS^dOe.
Lindissimas capinhas de la e seda inreiramen
te novidade, pelo insignificante preco de 8*000
i05"00 cada uma.
Biquissimos cachinu de la e seda, pelo dimioi:
l<> preco de 6000 cada um.
Um eompleto sortimento 4* ipollai com veio &<
blonds, proprias para noivas, pelo dimiosto nrep
de 10*, 13* e 20* cada uma. E" barato E cT
mo sao lindas?!
Bi.|uis.imos lacinhos com fivela, i.ioprios par.
pesccco de senhoras pelo diminuto \: eco de 1*5C
cada uma.
Lindas gravatinhas 1e cJr, pr.ipria^ para seoh<
ras. pelo diminuto preco de 1*000 cada craa.
Liudissima> rosas com alGneles, propnas par;
peito de senhora pelo diminuto preco le 1*50<
cada um.
Cambraias branca-, bordadas de cGres a la, (a
zenda modernissima, pelo pre^o de 54U rs. o o
vado.
Cambraia traosparcnte, ccm duas larguras *
preco de 13*000 a peca.
Cambraia transparente fina, Suissa, a 6*" 0 a
peca.
Cambraia muito Er.a. Victoria, a 7**TX> pec*
Meias de cores para homem, pel) dm.i^i.io wv
co de 8*000 a duzia. E" ban:.' I
Biquissimas caixinhas. cada nma ccm uma du
zia de lencos de linho ja ab^rrhados, pelo dim'
nuto preco de 5*500, 6*, 6*500 e 7*.
Grosdenaples preto, fazenda muito superior,
1*200 o covado.
Setim branco, Macau, fazenda stmerisr, a I
o covado.
Riquissimo sortimento de pr petnss de Imbo, p*
Io diminuto prego de 440 e 500 rs. o covado.
Biquissimas faias de s<~da. fazenda raodernis-
ma, pelo ctu.modo prejo de 2*200 o covado.
Popelinas de linho e vda, padroes Mssra
raente novos, a 1*600 e l800 o covado. E' b.
rato I
(jrosdenapoles c5r de rosa, fazenda muito snp-
rior, a 1*600 e 1*700 o covado.
Ura complete sortimento dp las e ahscas de
da com listras a 700, 800,900 e 1*.'E" moito b;.
rato I
Um complelo sortimento de las, a 180. 200. 24i
320 e 380 rs. o covado.
Madapoloes, Elephante, con' 20 varas, a 4*40)
a peca.
Madapolao, Maravilha. com 20 jrrdas, a 5W
a sots.
Madapclao franrez, Madraste n. 5-"i, a 6*200
pega.
Madapolao superior francez n. 60, a 7*000
peca. v
Assim como um grande sortimento de chitas e
curas, claras e outros artigos.
BEIS E SILVA^GUMABAES.
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA acaba de receber am*
tes milagrosos anneis oiectricos, cura infallivel doi
nervosos.
Sal do Assu.
Vende-se uma Uvama, sita na rua do Vis-
conde de Pelotas, antiga do Aragao n. 19, com
poucos fundos: a tratar na mesma. 0 dooo esta
resolvido a vender por ter de retirar-se desta ci-
dade por incommodos de saude.
Tem para vender Antonio Lniz de OJmirs
Azevedo. a bordo do palhabote John ArV&r : a
tratar com o capitao a bordo, ou ao sea esertc-
torio. a rua d Bom Jesus n -ri7.
CASA
Vende-se on aluga-se nma casa terrea era Olic
da com grandes commodos, gax e agua encaasda
a tratar na rua 1* de Marco n 6.______________
Farinha demandioca supe-
rior.
Tem para vender, Joaquim iosi Gos^al
res BeitrSo & Filbo, a bordo do sjsJaajbofc
Rosita, fundeado ao pe do caes doCoUegic
e para tratar a bordo ou bo sea <
6. rua do Commercio a. 5.

J
ii?
\ vmm HBornnn
i


-
Aos legtiimos fogdes econo-
micos.
Acabamde chegar a esta cidade os ver-
ladeiros rogoeseconomicos, ia" muito contae
^idos xm provinciw do Rio de Janeiro,
Mmas, S. Pattlo, Scrgipe, Rio-Grande, Ba-
aia e Alagoas, aonde tern merecido do pu-
bhco a maior aceitagao possivel, e sao ja"
preferidos aos de qualquer outro systems,
'onhecido pela sua muita sofidez, especia-
lidade na collocacao, moderno systeraa,
i sobretudo grande economia no combusti-
vel ; trabalnam com leaha, coke, carvSo de
madeira, etc., etc. Ha de diversos tama-
iihos, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de miafta familis, collegios, hoteis,
oasas pias, bospitaes, etc. Acham-se ex-
poses ao publico, aonde se darSo todas as
iiphcaQfies necessarias: na rua do Viea-
on. 12 8
Soares Lei Irmaos, rua do BarHo da Vic-
toria n. 28, antiga rua Nova.
Aos memaos
a NOVA ESPERANgA, a rua Daqae de Caxias
a. 6S, aoaba de receber inn bom sortimeate de fl-
mu bonecas que faUam, que riem-se e choram :
-arnbem as tem mudas e sardas on surdas-mndas
yeaham ver se nao a veixlade.
Colchas para camas
Na loja do PavSo vende-se colchas de fustic
braocos, para cama a 8,300, ditas de dito de cor
a. 4,000, cobertas de cbita e de cretone, de 2,500
para emu e ditas do metim escarlate forradas com
raadapolio a 5,080 : a rua da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira de Silva.
Asiinicas verdadeiras
Sicaas hamburgnezas qne vem a este mereada
oa mm do Marnuat de olinda ". 5<
, GRANDE
Llquidagao
TforK do rernam^uco t.. S^unda-Mh* J de Dezenibro k 1874.
loja 2 da dezembro Cortes decasimira a 4#.
N.7 2.R
ifl
a
mpera t riz N. 7 2
LIQUIDAR AO.
Neste novo cstabelectmeato de mindezas se en-
J contra r tudo quanta e bom e barato, com eape-,
. ciftlidad* calcado para bomem o seubora, Utas de.
saria, &etim o seda de todas as cOres e larguras, a *. .
precos razoavels, bem c-mo la para horJ.ii?a 4| ft: emira para calca a 4, 5 e 60000, ditos
e 6#000.
Na loja do Pavao, vende-se cortes de ca-
pregos
libra, c"e
lindas cdres : na rua da Imperatrii I
*6 m%ssfssrssfm moao Baw Ba^*H?SvT^
Vendeje organdys branco com listras muito I Vende-se cha'es de 14 a 6407ditos de merino
restampados a ItfOO e 2*.
I muito fines de uraa so cor com listras to la
Retalhos de Ifa. do, fazenda que sempre se vendeu i9|e
O Pavao vende uma por* de retalnoi t I 109000, liquida-se a 6#000 para acabar:
para restides tendo- grandes e pcquenoj, q 3 li-: a rua da Imperatriz n, 60. de Felix Pereira
quida barato para acabar, assim como uma por-; ja gyva
cio de cassas e chitas pretas que se vende por -----------______________________________
erH Para concertar meias
A NOVA ESPERANgA, a rua Duqoe de Caiu.
n. 63, recebe'i rtesta necessaria linha.
(!al de Lisboa
Gno a 400 rs. 0 eovado.
Popelinas a 11090.
Vende-se popelinaa de cores muito Bnas a I* 0
eovado.
Alpacas de cores a 100 rs.
Vendese alpacas de cores para vestides a \00
rs. 0 eovado. ,
Laazinhas a 120 rs.
Vende-se laazinhas para vestidos a 120. 240.'
320 e 400 rs. 0 eovado. '
Alpaca lavrada a 640 rs.
Vende-se alpafa lavrada para vestidos a 610 rs
0 eovado.
Granadina aSOOn.
Vende-se grnsdina prelacora lisiras brancas a
500 rs. 0 eovado.
Percales finas a 40 rs.
Vende-se percates finas para vestidos a 4C0 rs.
0 eovado.
.'Chitas finas a 200 rs.
Vende-se chitas de cdres escuras a 260, 280 e
320 rs. 0 eovado.
Cassas de cores a 260 rs.
Vende se osssas de cores finas a 260 e 320 rs.
0 eovado.
Cambraia victoria a 3 500.
Vende-se peca de cambraia victoria a 3 500,
4*e5*. Cambraia traisp:.rente a peca a 3',
3*500, 4* e 54.
Cortiop.dos a 61.
Vende-se cortioado? para janella? a G e 7? 0
par.
Cortes de casemira a 3f.
Vende-se cortes de casemira de cores a S*.
54500 e 6J. '
Cobertas de chita a 24
Vende-se dbertas de chita a 11 e2*500.
Colchas de fustao a 2*. *
Vende-ss colchas de fnsLie a 24, 3* e 44.
Fustao branco.
Vrnde-se fut4o branco para vestidos de senho
ras, organdys branco flno a 640 0 metro.
Madapolio a 3;.'
Vende-se pecas de madapolao enfestado a 34 e
34500 a peca, ditas dilm fioo a 44500, 54 e 64
dito francez flno a Gfi, 7 e 84.
Algodaiuinho.
i Vende-se pe$as de algodao de tidas as qnali-
dade* e barato.
Bramante
i Vende-se bramante de 10 nalmos para lencoes
a 14600,24 e 24500 o metr p.
Algodlo enfestado a 900 rs.
Vende-se alg. d-io de duas larguras enfestado a
900 e 14 0 metro, dito trangado a 14280 o metro.
Graode liqufdagao de roupa feita.
Vende-se cen nlusde algodao a <4, ditas finas
a 14200 e 145 0, camisas branca3 a 14800, 24 e
24500, ditas de linlio bordadas e lizas a 34 e
345U0, paletots oe alpaoa preta a 3S500, 44 e
44500, ditos de dito.de cores a 24, camisas de
flanella a 24, ditas de chita a U280 e 24.
qualquer preeo para acabar: na ma <
ir z n. 60, de Felix Pereira da Silva.
, Eipariilhos, a 34500,44 e 5.,
0 Pavao vende urn bonito sortimenio dos mais
mode'nos esparlilbos que vende a 343-jO, 14 e
54000.
Pecbiaca em lencos branecs a 2 500.
0 Pavao veade duzi>s de Kngos finissimos de
cambraia branca para ml), sendo fazenda que
sempre se vendeu a 4^000 a duzia e li juida-se a
2*500 porter grande porcio de duzia*, ditos abai-
j nbados a 2;, ditos ctiioez s mnito finos e ditos
I francez.es escnros mu to finos para quern toma
rape.
Cassas de cores a 240 rs.
Vmde-.se cassas de cores para vestiio a 240 rs.
0 eovado : na> loja, u PaWto-a iua
1 n. 60.
Camisa?.
A 500 rs. o eovado
Na loja do Pavao vende-se lizinhas japoneza;
de cures muito modernas pelo baratissimo precc
de 500 rs. 0 eovado, para acabar ; notando-se que
e (azenda que iamais se vendeu por menos de
dois cruzados ; ja ha poueas : a rua da Imperatriz
n. 60, loja do PavJo, de Felix Pereira da Silva.
Vende-se uma grande porcai de earrisas bran-
cas com peito de linbo e de algodao, por muito
menos do sen valor, por c.-urem urn pouco enxo-
1 valhadas, assim como sernulas francezas e de al-
godio a 1 iSCO, ditas de linbo a"2j e 2.500 para
acabar : na loja do Pavao rua da Imperatrii n. 60
de Felix Pereira da Silva.
I Roupa para homem para acabar ate ao Cm
do anno.
Na loja do-Pavai liquids se uma grande porcao)
deroupi, para homem como sejam : calgas de'
brim d'Angola, ditas brancas, ditas de casemira de
cor de 65 ate I2,j, ditas de brim ^ores, palitots
e fraks de panno preto, de alpaca e a'pacao, as
sira comode casemiras de ceres, eolleies branecs,
pretoi e de cores, assfm como ronpa hranea de to |
(I'i-i '- fill*: \ni IrOi non ca Ldzinbas brilhautcs a 720 rs.
0 Pavao recebeu um bonito sortimento das mais
lindas lazinhas brilhantes, sendo de quadrinhoo
da Imperatriz ( miudinbos, parecendo de uma so c3r, e tenlo diffe-
j rentes cdres ; esta fazenda tern um bnlho corns
! seda e bastante largura, e vende-se a 720 rs. 0
DE
Oi&peos de sol de todas as
qualidades
Mm. Falqae convjda ac respeitavel patlico e
particularmente aosseus freguezos, para qoe apro-
veilem a occasiao de sortlrem se de chapeo* de sol,
os quaes se vendrm per fcaratissiraos precos, pois
deseja diminuir 0 grande deposito que tem dos
nemos, e de todas as qualidades, corao sejam :
de seda, panno e alpaca, para homens, aenhoras e
meninas. No mtsrao estabelecimento ha um Op-
timo sortimento de seda, alpaca, merino e brim
para coberta dos raesmos. Ha tambem chapdos
nbos do mar, a IfSOOpira acabar.
Vende-se
No cscritorio de Thomaz de Aquino Foneeca &
G. Successors, a rua de Vigario n. 19, prime: ro
andar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Lisboa.
Vinho Sherry.
Vinho do Porto em caixas, finissimo.
Idem em barris de qainto e decimo, fiao.
Relroz.
Fio.
VENDE-SE
Na rua do Vigarie a. 19, vende-se 0 seguat
Cimeato de Portland, em primeira mao.
Vinho do Porto, engarrafado, fiiihisimo. eai cai-
xas de duzia.
Dito dito em barris o ancoretae.
Vinho Sherry, inglez em caixas de duzia.
Vinho Collares em eacoretas.
Cera em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
Wilson Howe & L. vendem nc seu sraaa*
a rua do Commercio n. 14 :
verdadeiro panno d3 algodao azit' amenoo
ExceUeate fio de vela.
Cognac de qualidade
Vinho te, Bordeaux.
(.'arvao de Pedra de todas as qualida;S*.
E juquets de credos e de todas as flares, capellas
e velas para baptisados, de muito g isto, por barato
preco, e tambem-recebe-^e encommendas tres dias
acies : no pateo do Livraraesto n. 3S, loja do
cera.
0 Desenguno esta quei-
raando
r- --- ---1 --_.. ww.xw ,- |-.i u
das a? qualidades, nao se olha a prejaizu, -
quer e liquidar at6 ao fi n do anno.
Cambraia Victoria e transparente
que se
eovado : na rua da Imperatriz n. 60, loja de Felix
. Pereira da Silva.
L&zinhas modernas a 320 rs.
0 Pavao vende bonilaa lazinhas de qnadrmhos,
tendo de tolas as cotes, pelo barato preco de 320
rs. 0 eovado ; sendo fazenda que sempre se vendeu
a 500 rs., e'pt-chincia : na rua da Imperatriz n
CO, loja de Felix Pereira da Silva.
Crochets psra cadeiras.
0 Pavao vende uma porcao de panos de cro-
chet, proprios para tfteoHo de cadeiras e de so-
fas, que vende por precos baratissimos : na rua
da Imperatrii n. 60, loja do Felix Pereira da
fcilva.
C6-tes dc organdy a 29100
0 Pavao recebeu um bonito sjrlimento de cortes
de organdy, matisados, para vestido,
4J
320
reis o eo-
vado.
S6 na rue do Queimado n. 43, junto a
loja da Magnolia.
E' barato.
Canbrafe branca com (lores bordadas de cores,
sio padr6'.>s muito bonitos e de gostos nunca visto,
pelo dimicato preco de 320 rs. 0 cjvado:
so 0 43 e quera tem. Dao-se amostras con. pi-
nhor.
Admirem
Granadina de seda a 1O0 rg.
Na loja do Pavao vende-se finissimas granadiaas
de seda com listras assetinadas, fazenda que sem-
pre se vendeu a i>:2O0, e liquida a 400 rs. 0 eova-
do ; assim como maaguitos e golinhas de cam-
braia bordadas a 13 cada um, & pecbincha : as
loja do Pavao, rua da Imperatriz a, 60, de Pereira
da Silva.
vado, por ter uns toques de mofo, e graude pechin-
cha. Esta fazenda tambein serve para Into, por
: ser -tcda p.-eta ; e fazenda de 2^500 0 eovado.
Damasco de la.
i 0 D:-sensano esta vendendo damasco de lade
jindos padroes ede duas larguras, pelo baratissi-
mo preco de 140C0 0 eovado, 6 fazenda de "24500. *
Aproveitem que 0 Desengaao esta nueimaado ; Torti.nenio de ditos de merino, lisos o de quadros,
Cssaquinhos de gorgorau de seda.' 11*^ f^H a'n *J ef*j go?aoDedee$r SffloH? b^iDh08 de i "'FliS *M f KTTo^tt:
, que vende
( pelo barathsimo preco de 2-400 0 corte, 6 pechin-
Na loja do Pavao vende-se um grande sortimen- ;,cba : na rua da Imperatriz n. 60, loja de Felix
to de cambraia Victoria e transparente para ves- Pereira da Silva. _____________
tidos t-ndo 8 1/2 vara cada peasa de 3 600 para ....>. ~--------
mm n taki.
A' pracja circular do Apollo
vende-se:
Tijolos de marrnore, de differcntcs ta-
manhos e qualidades.
Tijolos francezes, sextupljs.
Citnenio Portland verdadeiro.
Azulcjcs grandes muito proprios
para rodape"s.
Azulcjos vtrdes e amarellos, tamanho
regular.
Maquinas de descf.rogar algodSo.
Cadeiras de ferro, assento de rJalhi-
iiha, preprias para campo.
cima, isto na rua da Imperatriz n. 60 de Felix' Pe-
reira da Silva
O proij-fatano desto estabelecimento tem resol- j C;llarinhos de linbo para acabtr
yido venrier as fazendas cxistentes em seu estabe- a duzia
lecimeato, por menos do que em oufra qaalquer! Na loja A) Pavio liquida se nma grande porciio
Parle- dedeziasde collarinbos de linho, por esiarem nm
Aanziuese de soda. poaco enxovalhados, peb barato preco de li a
Vendc-se esta fazmda de iindos patroes, de lis- i du"f. seudo fazenda que sempre se vended por
is c palmas, pelo dimiouto preco de 320 rs. 0 co 'e pechincha
Vende-se cat do Lisboa : na praca do Cono
Santo a. 17, aadar, e?criptorio de Joaquim IV
Jrigues Tavares de i'ello.
Aos cigarreiroe
A NOVA ESPERANCA veade pans) 4<> h-
proprio para cigarros, de diversas largnran.
Salsa parriiha
Muito nova e grossa.
Vende-se por barato preco, em pof^o on s r.
talho : na rua larga do Rosalie a. 94.
Chocolate do Maranhao
Unico deposits ncsta cidade, em cc-adeJi.t
Tavares Carreiro 4 C, roa Direiu n. 11, cade
vende pelos precos e vantageas da fabrira.
Rua 1 deMfcr^oIT'\i~
Giismac& Lnal receberam graude qaimidaded*
cortes de casemira psra calca, e vmd<-m p r '*
cada corte, assim corao vendem srtSnltas par
vestidos, fazenda linda, per 400 r. a covad<>, fazen
da de 800 rs. : so m rua de Htr^ a 14.
Imperial fabrica de rap^r
area fina de Moreira & C..
da Bahia.
Dcste excelb-nte rape, qne so torn* recr.mrwn
davel aos amantes da boa pitada irm esUUIeci
do esta fabrica 0 seu deposito a rna do O ramt r
cio n. 5, que vendem por junto e a r*talho, fa
sendo se vantagem a qucm e< mprir p-.ri.-io.
Olinda
Boa a e q 11 i s i ( A s .
Ven le-se um sobrado silo na pate da Se, cm
Olinda, edificado em cbao prupris, com giande-
aceoramodacoijs para nomer.sa fissMIs, reedifi-
cad.i e pintado de d am, com bellissima vi.-u
muio fresco e com quintal: a tratir no tale
de Pedro II n 6, andar.
. a rua da Imperatriz n. 60, loja
de Felix Pereira da Silva.
Chales de casemira a 44.
0 Pavao vende chales de casemira com gostcs
chinezes, sendo mnKo grandes, que sempre ven-!
deu a 74 e 8;, liquida a 4;. Ditos de la, muito'
encorpados, com listras, a 3;. Ditos de qaadros, j
azenda muito boa 2: ; isdn como, um bonito
Nova reraessa.
Vifiho verde de Ainarante
Convida-se os apreciadures a virera apreciar 0
que ha de mat's excellente neste artigo; vende-
se em decimos e a retalho, em casa de P6cas
C., a raa estreita do fiosario n. 9, S junto a
S'eji.
Pentes girafe.
Pentes girafe, proprios para sechora, ( ultima
moda): a Magnolia a rua Duque de Caxias n. 45
e so quern tem.
Papai, mamai.
Como sao lindas as bonecas de cera quo ch*-
mam papai, mamai, choram, andam, etc So aa
Magnolia a rua Daqae de Caxias a. 45.
Gaiolas, gaiolatf.
A Magaclia, a rua Duque de Caxias a. 45, i-e-
cebeu gaiolas de ararae de lindisslmos modelos,
proprias para passaros ; a ell is aates que se aca-
bem.
antes que se acabem.
Organdys a 320 rs. 0 eovado.
Vendcm-se Organdys de listras, branco, pelo ba
rato preco de 320 rs. 0 eovado. Aproveitem.
Madapolocs de 45JOOO a peca.
0 Desengano esta vendendo madapolao .
eoni 20 varas a 44 a peca ; dito muito flno, a 54,
I 54ot>0, 6-4 e 74 a peca ; e grande pechincha.
Algodao marea T, largo, a 44, 44500 0 54 a
peca.
Iticos chapeos de sol de seda, com cabo de mar-
am, a 124 cada am ; e pechincha.
Baptislas de lindos padroes a 400 rs. 0 eovado.
Lazmhas de cores, bonitos padrSes, pelo dimiaa-
to preco de I6C e 200 rs. o eovado. A eilas antes
qne se acabem.
Camoraia Vktjria, a 34500, 44, 44500 e M a
peca.
vende peto barato preco de 400 rs. 0 eovado, la-
vando-se nao desbotam ; assim ccmo, bonltas e
uiodirras laz nhos com lisiras de seda a 640 rs.
0 eovado. Ditas trausparentes com palminhas a 63,
300 rs., sao bonitas. an ges de uma so c6r, pelo! acaba de receber diversos artigos dc-alta'no'vi-
francez baratu preco de 400 rs. 0 covadi, e pechincha : dade, os quaes estao expostos a vunda em dito
1 imperatriz a. CO, loja de Felix Pereira! estabeleeimento. e bom que venham aprecial-os
E' sempre assim.
AO SEXO AMAVEL.
A Nova Esperanga, a rua Duque de Caxias
a liberdade de avisar ao hello sexo, qne
E' pechincha.
A .60 rs.
Lazinhas de cores, padroes nuit. liu ;, -
prios aara vestidos de senhoras e meninas, e ven
de-se pelo diminulo preco de 160 ,.-.0 cjvad ,
por e-te preco fo scencontra na rua do Crespo a.
20, loja de Guilhejme & C. ; dao >e im 'sirs-
E booito
As almofadas bordadas de la matlsadas qne re-
cebeu a Nova Esperanta, a rna Duqae as
Caxias r "*-
da Sil a.
Cortes de vestidos p'^ra liquidar.
0 Pavao veate a 4;, 5* e 04 corte de cam-
braia branea com eufeites bordados de c6r, fa-
para por esta forma satisfazerern os capricbrs de
suas elegantes toilettes.
A Nova Esperanca, nao quorendo tornar-se
Ho, limita se a mencionar alguns artigos
zenda que sempre vendeu a 74 e 84, 0 liquida a! dos mais em voga Do"mjnIo'das inodas. os"anaM
44 para acabar. Ditos brancos de cambraia aber- \ sao os seguintes :
Liados cintcs de couro e filigrana.
ta com listras 0 lavradinhas, que sempre se ven-
deram a 104, liqnidam se ptr 54. Ditos Benoatao
;com lindos onfeites de ci>; fazenda que val 12j,
liqnidam se a Gv. Ditos dc cassa de cdres com
7 varas a 34; 6 pechincha : na rua da Impe-
Lustres, candieiro.s e aran-
delias paragaz.
No nevo esbihelecimento, Gran.'j Exp sijao, na
rua do Irr.prrsdor n. 3"! junto ao escri ii > d.~.
companhia do gaz, vendem-st lu-tr.s, cacd: ir. s 1
arandellas de diftcren'.cs taman'aos e BAflsfl
gostos, tanto de vidro como de broave, r- tudo Cc<
n melhores fa -ricantes que ha na lrgl?t. rra. Tam-
bem se vendem glol..^ ile bonit padrdes, ci
e tudo 0 mais que lor preciso para o srrvi^o d^
gaz. E como os iesos de.-te Mtabi I< eic nt 1 rraa-
vendem tudo mais barato do quo anal m oolro,
para 0que os comprsdores p Alia Divid dc.
0 Barateiro, a rua de Ifaana n. |, acaba de
A
Na loja do Pavao veade-se madapolSes franco
zes muito incorpados, com 20 jardas a 6,000 r&s
dito'mnito fino com 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as-
sim como am grande sortimento de madapolrjes.
mglezes de 4,500 at6 8,000 e 9,000 : i ma da Im-
peratriz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Salsa-parrilha do Para
Tem para vender Antoaio Luiz de Oiiveira Aze-
vedo, no sen escriptorio, a rua do Bern Jesus an
mero 57.
Alpacas de cores, la e seda, bonitos padroes, a !titrit n 60,.loja de Felix Pereira da Silva.
f 500 rs. 0 eovado ; e grande pochincha. Pechtacha para criancas.
j Metins de cores, bonitos padroes, a 280 e 300 re.! Meias a 24500 a duzia.
jo eovado. Toalbas de fustao para mesa a 2;500.
Chitas claras de lindos padroes a 240, 260 e 280 pavao vende toalhas dc fustao para mesa de
jjantar pelo bar to preco de 241100, e" pechincha :
i na loja do Pavao, a rua da Imperatriz n. 60,
; Icja de F. T. da Silva.
Gros preto a 14-
0 Pavao vende grosdenaples preto a 14 0 eo-
vado e dahi para cima, ate 4j : na rua da Impe-
ratriz n. 60, loja de Felix Pereira da Silva.
Brins de Angola a 24, 2,500 e 34.
0 Pavao vende cortes dos verdadeiros bins de
Angola a 2j, 4300 e 34 ; 6 pechincha : na raa
da Imperatriz a. CO, loja da Felix Pereira da
E outras raaitas fazendas qce deixa de meacio-
na- as para nao se tornar eafadonbo, por isso 0
,nro:,rieiario coavida a todas as pessoas a fazerera
em se do bem e barato. Rua do Crespo n. 28
jauto a loja dac^quina.
Vinho verde.
ultimo vapor, tem para
Modernos bctoes de aco para vestidos.
Novos leques, grandes, matisados.
Elegantes fivellas de aco para ve.-tidos.
Delicados ramos de flores de larangeira.
Bolsas de couro e filigrana, proprias para tra-
zer pendentes ao clato,
Traves.
Especial chegado no .
vender em barris de quinto e de Colares em i Silva.
decimos, no seu escriptorio a rua do Commercio
n. 5, Joaquiru Jose Goncalves Beltrao &. Filho.
Vende-se
Laminas de vidro para vidracas .
Estanho em verguinha.
A' rua do Marquez de Olinda n. 4.
. Metin3 a 280 rs.
I 0 Pavao veade bonitos metins de cores para
.vestidos, pelo barato preco de 280 e 320 rs. 0
eovado ; assim como, um bom sortimento de chi-
tas de todas as cores, padroes mederoos e fixos,
tto barato preco de 280 at6 360 rs. : a rua da
iperalriz 0. 60, loja de Felix Pereira da Si I v. a
DOS PREMIOS DA
13.
Veade-se traves de louro e qualidade; para
ver no caes do Ramos, e tra!a-se com Joaquim
Rodngnes Tavares de Hello, a praca do Corpo
Santo n. 17, i. andar.
TB I DB-S B 0 sitio junto a igre-
ja de S. Jos6 do Mangu nho, com casa de vivenda
assobradada e outras aeoramodacoes, todo mura-
do, com duas frentes .-ervi las por portao de ferro,
dando para a rna d* Au.izade e para a do Man
guinbo. Tern de terreno proprio 194 palmos de
hrgura e 354 de fnndo ; e a casa mede 52 palmos
de frente e 84 de fundo. A situacao 6 a melhor
possivel para morada, e quem quizer edificar, tera
bastante terreno para isto, pelo lado da rua da
Amizade. Tem a gumas plantacoes de gozo e re-
creio, havendo bastante agua fcrnecida por duas
caeimbas, nma das quaes e aova. A entender-se
eom 0 Sr. Dr. Witrnvio quem 0 pretender.
-..........,araa --------,. .., ,.. t
receber grande sortimento de entremeios c babaui-
nhos tapados e transparenles, de t< das as hrgu-
rase vende a 1,000, 1,200 e 1,500, faz ud.iqu*
sempre custon 2,500; a uma expereacia no* os
eonvidamos
Para senhoras
Como sao lindas e moderna* a gravatinhai qoe
ai Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, acaba
de receber__________
Farinha de milho
Vende se farinha de milho mciJa a vapor, dia-
riamente, de 1* qualidade, para casams a 140 e t20
rs. a libra, da 2' para cangica e pao de Provenca a
120 rs.,a 3' para angd, pintos e pa-sarinhos a iOo
rs., da 4* para megunzi a 90 rs.. an arroba ^ mais
barato : na rua do Cotjvello n. 25, casa de .za
lejo.
Para acabar.
Saccos e 280 reis.
Vende se saccos de estop, coji nm Wmm de-
feito, proprios para ensacar milbo, trnmm etc. sao
graades e de muito boa qualidade e veoia-aa pelo
diminuto preco de 280 rs. cada nm, e i-eci.iuclu,
vuem precisar approvei o ista a rna do a o Crep
20, lojadas tres pcrtas de Giiilbeni.,- k C
127
a
II*. PREMS.lNS. PREMS.
2
6
8
13
29
36
39
41
42
44
45
48-
54
56
61
64
69
83
93
94
103
20
22
26
27
31
33
45
50
71
80
82
85
2(6
17
19
27
34
43
Mm
251
57
61
70
73
77
85
88
305
53
51
66
67
71
72
79
84
87
90
401
15
19
23
27
54
56
65
08
73,
77
84
98
99
505
13
25
30
40
41
G0
40
105
44
543
46
52
57
C5
68
73
80
90
602
9
10
15
24
37
49
52
56
57
61,
64
65
71
81
90
94
730
37
tm 53
4*
71
81
88
89
97
801
2
11
16
l
e*
u
PARTEDAS LOTERIAS CONCEDIDAS FOR LEI PROVINCIAL N. 330^ BENEFICIO DO COLLEGIO DOS ORPHAOS E ORPHAS, EXTRAHIDA EM 5 DE DEZEMBRO BE 1874

IO,
40
822
27
29
45
46
50
55
58
71
76
83
90
96
97
909
10
12
15
17
20
22
23
40
42
46
48
50
54
65
66
67
68
69
73
74-
77
90
95
93
40
40
4f
1004
6
8
10
12
23
25
30
39
44
58
63
64
76
79
80
Ul
26
33
36
46
53
54
59
64
65
68
7*
72
76
85
86
92
94
1200
I
15
21
36
40
OO0
4*
1238
40
45
49
52
54
55
57
59
69
72
96
1301
3
5
8
11
21
42
44
55
60
66
69
70
74
78
80
81
84
90
98
99
1400
11
19
20
23
28
40
0
49
NS. PREMS. ft. PKKMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS.-----PREMS.
1429
32
53
55
56
59
60
75
86
87
92
1501
3
4
12
15
16
19
25
32
33
37
41
55
69
71
76
86
91
97
1600
2
12
26
29
34
37
- 67
40
60
40
1C68
70
71
0
40
0
40J
1O0
S0
40J
99
1723
25
26
44
47
54
60
66
67
81
84
85
93"
1807
I.
I 17
; 22
25
3,7
I *4
50
53
, 57,
56
69
71
72
76
82
83
84
90
93
99
NS. PREMS.TNS. PREMS.INS. PREMS. NS PREMS.
4O0
44
1902
6
10
35
42
47
52
61
64
74
87
88
90
97
2003
14
2G
28
25
28
3ft
30
38
40
4%
I
5*
64
74:
m
84
91
2126
31
52
62.
66
40
*0
0
40
40
I09 86
4199
12200
1G
19
26
31
38
45
53
59
68
70
84
-P 87
89
91
95
1
%
9
13 .
15.
28
3,1
35 .
54
m
69
79
'I 92
96
i423,
3!
w
35
ii
49
50
O0
40..

402451
68
70
76
2508
18
21.
26
33
48
56
63
69
83
84
86
88
99
2619
22
38
55
0
40
4:OO00
40
2782
90
92
93
2825
34
38
50
NS. PREMS.,NS. PRE.AjS INS. PREMS.j
40 3079
PhbMS
40 3245
I 55
57
63
65
66
96
97
2910
14
*r 26
4i
1*0
40
O0
40
0
44
0
40^ 57
61
64
68
69
71
85
98
-2717o
28
h 44
47
52,
57,
60'
69
0
40
0
40
I 32
35
40
41
45
51
0 55
m 59
40v 70
76
. 82.
0 88
40, 97
^000
j 4 '
I 7
10
1O0J 32
40. 45
' 66 _
- 83 IOO $ 56
- 3100 4, % 57
5 64
6 - 74
8 96
9 .3312
12 22
14 43
15 50
21 53
24 56
26 67
36 70
38 f 73
41 3408
42 11
43 12
44 ~~ 1 17
45 23
46 31
48 46
50 1O0 52
56 40 ea
57 77
60 97
67 3504
83 . 6
3200 0 7
2 40 ir
3 14
5 16
9 24
18 O0 26
23 40 28
36 40
37 41
44 _ 52
40 3555
66
68
72
75
87
1OO0
40
91
93
3607
8
17
18
36
37
41
52
57
62
72
74
89
O0 94
40f3705
10
14
37
43
47
76
73
91
95
3803
5
17
22
31
40
1O0
40
40 3838
43
O0 44
40 47 _
48 _
51 _
56
58 .
60 _
C3 _
69 _
71
81
85 _
87
96
97
!)8
m 100
3901 444
3
7
II
13
15
17 -
31
36
38
-45
53
57
lil
O0
40
O0
40
tO0
H
73
83
^4
94
.
t
\



8
Jiario de Pernambuco *-J3^iHiJa ieira 7 de Dezembro de 1874.

VARIEDABE
Rcvlatu naval.
NVENQAO DAS MACHINAS DE GUERRA CIIA-
MADAS SAVIOS RNCOORBCADOS.O GALEAO
BOTAFOGO. A CONQUISTA DE TUNIS.
0 ENGKNHEIRO FRANCEZ d'aRCON. A PRA
gA DE GIBRALTAR. FULTOV. -R'iBERTO E
EDWIN STEVENS. AS BATERIAS FLIC.TUAN
IES.A FRANCA E A INGLATERRA. O
((REAL SOBEIIANO E 0 PRINCIPE CONSOR-
TE. 0 MONITOR E O MF.RRIMACK.))
0 KEOKUK E O NOVO IROUSIDAS.
AS PRINCIPAES POTENCIAS MARITIMAS.
(Conclusao.)
A ioglaterra seguio immediatamente o
exemplo da Erangs fazeudo construir fra
gatas encouragadas movidas a vapor. Ena
despique da sua rival, estreou-se neste ge-
nero de construcgoes urn vaso do muito
maiores dimensSes e do mais forga do que
c Gloria. Esta vaso foi a fragati Warrior.
0 seu coraprimento 6 de 125, 25, mais
74m, 25 do que o da fragata frauceza. A
sua machina era da forga do 1,250 cavxllos
e ta nbem guarnecida com 36 canh&es de
calibre 68 e s-iis pegas deArastronz.
A' Warrior, quo li omegada era no-
vembro de 1 '59, seguiram se as fragatas
/(lack, Prince, Achilles, Nothumberg, A-
zincourt, Minotauro, lleitor. Valiant,
lie fence e Insistence.
A Warrior ea Black Prince teem ma-
chinas de fazer de agua salgada agua pota-
vel, de excellente qualidade e de notavel
purtza.
Entre muitos e differentes pianos que
teemsido apresentados ao govemo britan-
nico para meihoramento deste systema de
vasosdegaerra, figura em primeiro lu;aro
do capitao Coles, que f )i adopiado pelo al
mirantado. Consiste em construir sobre a
coborta do navio urn ou mais fortes, tam-
bem encouragados, guirnecidos com uma
oa mais pugas de artilnaria de grosso cali-
bre, e cobertos com uma cupula, que pro-
tege os artilheiros.
foi ensaiado estasystema em dous ns-
vios, 0 Heal Sovereign o o Prince Consort,
construido expre-samen'.o para este effeito.
No primeiro collocaram quatro" fortes e no
seguudo cioco.
Foram os Estados-Uoidos da America a
primeira nigau que, como jd dissemos,
tratou do construir navios encour. ga tos
movidos a vapo-.
Os americanos do Norte tern
feitos n.ic onaes, na t entra por m em nu-
mero destes a ostentagdo. Applaade n e
querem os progresso? pelo que valem e ndo
peio pelo que br.Ihim.
Sat.siizeram se, pois, com aquelles cn-
saios, por.iue lhes custaram muito caros o
nao viam DO prosegui nento delles uma ne-
cessidade real que compensasse a nagSo do
sacrificio que dabi lbe provinha.
Esses ensaios dtram ao paiz, alem da
honra da inicialiva, a certeza da importan-
cia daquella invougao e do qie podia cspe
rar dtlla, quando cbegasse a occasiao de
precisar recorrer ao S"ru auxilio.
Isto, pois, Ihes bastou para satisfjgao do
orgulho national e para seguranr.a do decoro
e independencia da Republics.
Logo, pjrem, que rebentou noseioda
I'niao essa tremenda guerra civil, que Hea-
rd memoravel na historia como uma das lu
tas fratricidas mais sanguinoleutas, mais de-
vastadoras e ferozes de que ha noticia, as
duas paries centendoras e especialmento a
federal, por se achar para isso mais habili-
tada, npresentaram tal desenvolwraento na-
quelle genero de construcgoes que -pareciam
preparadas de longo tempo nao s6 com estu-
dos theoricos e praticos, mas tambem com
trabalhos importantes adiantados.
Como amostra da sua aetiviJade e do
seu poder, estrv.ou o govemo de Washing-
ton, langando ao mar a bateria Slewens, do
152 metros d> comprimen-o, de 6,000 to-
neladas de lotagao e com macbinas a vapor
de 8,000 cavallos, podendo andar 37 kilo-
metros por hora-
Ndo podeudo os Estados confederados do
Sul lutar no mar alto com os Estados fede-
raes do Norto, pela razao de qtu estes ulti-
raos dispunham do quasi tjda a esquadra
da Kepublica, ficava limitado/) servigo desta
aoataqae dos portos e suas fortalezas, e aos
combates navaes deutro dos rios.
Assim trataram reciprocamente as duas
paries belligerantes do construir navios se-
-ando o novo system?, mas aprepriados ao
lugarem que deviam fonccionar, eaoserti-
go para que eram destiuados.
Os dous primeiros que appar ceram se
liz-ram conhecidos de todo o mundo pela
borrivel e porfiosa luta em que se empenha-
ram. apenasseencoutraram.
Monitor e Merrimac eram os seus nomes:
aquelle pTtenceuto aos federaes, e estes ao3
confederados.
0 Monitor foi construido por Mr. Ericson
que e um dos mais distinctos engenheiros
dos Estados, e f i o inventor de urn novo
svstema de navios movidos pela acgio do
calorico, que n5o deu bom resultado, che-
gnd > so a ensaiar em um navio fuito ex-
pres^amente para esse li;n, a que se poz o
nome do autor.
0 Monitor, sahio dos estaleiros de Nova-
York a 30 de dezembro de 1862, e quasi
que Ihe rastejava a borda com a superlicie
do mar.
No centro da coberta tinlia um forte cir-
culjr, com sua cupula, de invengao do ca
pitao Coles, guarnecido s6meute com dous
canhoes Dahlgren, pesando 15,600 libras.
Compunha so acouraga de chapas de fer-
ro de diversas espessuras, postas umas sobre
outrds, de inaneira que as soperiores enco-
briam as juncturas das inferiores.
Em combate nao so viam acima da cober-
ta mais do quo o forto, o pequeoo canudo da
ehamine, e a guarita do timoneiro.
0 Monitor entrou em combate com o
Merrimac junto da cidade de Hampton, no
rio de S. James, no dia 9 do margo de
18C3.
Ao ctbo de una luta encarnigadissima,
em que os dous conlen loros arremessaram
um contra o outro projoclis de extraordiua-
ria forga, sahiram illesjs da bataiha, mas
poocj depois a nbos aeabaram do exis-
tir.
0 Merrimac foi despedagado por uma ex-
plosSo, sendi os propnos confederados quo
lang8ram o fogo, para evitir, que esse na-
vio cahisse em poder dos federaes, que se
tiuham assenhoreado da ci'lade.
0 Monitor foi engolido pelas ondas do
iceano, quo affrontara com fr;licidade p-la
primeira vez, satiindo do Nova-York para
Hampton, com tempo bonangoso, mas que
sussobrou ua volta por encontrar mares
grossis, e nao terelementos de resistencia
contra as tempestades.
Eao obstante domoustrar esta desgrrga
que siinelhantes navios eram inproprios
0 Novo Iroruidas era igualmente arma-
do com um forte esporao.
Mr. Ericson foi o constructor do Ktokuk,
do Novo Ironsifas^ e de mais seis navios
do mesmo systema, mas com diversaa modi
ficagoes.
A marinha de guerra dos Estados-Unidos
possue muitos navios encouragados movidos
a vpor, propnos para o servigo no a'to
mar, e outros, com as condigoes ja" raen-
cionados, destinados unicamente para os
portos e rios.
As principaes potencias maritimaB euro-
peas contain actualmente nas suas respecti-
vas marinhas mais ou menos navios encou-
ragados, sendo um dos de maiores dimen-
sdes o Independencia, encommendado pelo
goterno brasileiro a Inglaterra, o qual esta"
prestes a partir para o Brasil, depois do
desastre que ultimamente sofl'reu.
( Da Quarterly Heview. )
M^RATUIliL
Gcnnomia Polltlca
A ECONOMIA
POLITICA NAO E
CONSTITUIDA.
UMA SCIENCIA
alguns de-
FOLHETIM
A FSINCEZA DOS UKSHTOS
MYSTERIOS E INTRIGAS DA COR-
TE DE FELIPPE V.
POR
FERNANDEZ Y GONZALES
VOLUME I
PRIMEIRA PARTE
As Tres Esperan$as
CAPITULO HI
FELIPPE v E O SEU CONFESSOR.
(tContinuag5o do n. 279)
IV
Advirto-vos que esta e- a ultima vez
quo el rei vos falla d'este modo, disse Fe-
lippe V. com firraeza. Advirto-vos d'isto,
para (jua nao pequeis por ignorante. Ro-
go-vos que me eviteis algum desgosto com
cl-rei de Franga. Razoes de estado, de
lamilki, de conveniencia, me obrigam a
evitar a" todo o transe um rompiraento por
leve qnp wja, com a casa de Franga. Pres-
cindi .: empenhos particulares com a
prince/.a dOJ Ursinos, deiiae-a fazer o que
quizer, evitae noticias como as que re-
metteate para Paris e que deram em resul-
tado o dosfavor da princeza.
A princeza, senhor, tem demasiada
astucia, e anlecipou-se & voss magestade.
0meu affetto a.rysolado e ardenti por v6s
obriga-me a dizer-vos a verdade, por mais
iue isso me exponha ao risco de vos en-
fadar.
Parece-me que bateis em retirada,
padre ?
Nao me bato, n5o posso bater-me
com vossa magestade.
Pois assim parece, assim parece.
Campro perigosaraente com o men
clever.
para a navegigSo do ocoaao, e que ainla
nesmo em viagem costeira corriam eminen-
te prigo de sossobrarem determiuou o go-
vern! que secoiistituisse:n outros vasos se-
guodo aquelle systems para operarem uos
ponose rios.
Esta ordem abrio vasto-campo ao talento
dos engenheiros constructores, que trataram
de modilicar o sys.ema de Coles, inirodu-
zindo-lho varios melhoramentos tanto em re-
lagao & seguranga do navio, como relativa-
mente aos seus meios de ahque.
0 Keokak e o Novo Ironsidas offerecem
dous typos d fferentes dos vasos encouraga-
dos tabricados na America do Norte.
0 Keokak, ou bateria Whitney, tin ha
dous fortes circulares, postos nas extremi-
dades, mas sem cupula, com seis pollegadas
e um quarto de espessura, sendo quatro de
ferro e o resto de madeira.
Cada forte contava tres canhoueiras, que
podiam ser guarnecidas corn um s6 canhSo,
porquo esto acuava-se cotlocado de modo
que facilmente se podia .nudar, assentando
ora em uma, ora em outra canhoneira.
Operava t^mb.'m este nevio como anete pa-
ra o quutinha de prda, debaixo d'agua, um
grande esporio, que tinha de comprido um
metro e 66 centimetros.
0 Novo Ironsidat era um typo muito
ditFerente, e de muito rnaiores dimensoes.
0 scu comprimento era de 78 metros; a
lotagao de 3,250 toneladas; e a forga mo-
triz da 1,000 cavallos.
Sobre a coberta, a qaal occupava dous ter-
gos, elevava-se uma bateria acasamatada
com 8 canhoes.
NSo era inteiramente encougado, pois que
Ihe faltavam as chapas protectoras na prda
e na pdpa, que corrpspondia aos receptacu-
los de ar contra a submersao do navio, era
construido & prova de bomba.
As chapas da couraga tinham quatro pol-
legadas de espessura, 15 pes de comprimen-
to e 23 a 30 pollegadas de largura.
As oito canhoneiras focbavam-se por meio
de duas chapas de ferro fundido, que se
juntavam ao recuar da pega por seu proprio
impulso.
Afiango-vos que por hoje n3o ha pe-
rigo algum para mim; por conseguinte
podeis continuar a dizer tudo.
Senhor, a historia da princeza dos
Ursinos e deraasiado turva.
Pouco mo importa que a historia da
princeza seja, n3o digo jd turva, como mes-
mo tenebrosa ; a questao e que o seu pro
cedimento para comigo seja p9rfeitamente
claro.
Os successos, senhir,
sequencias, cujos effeitos
evitar.
Consequencias, ora I
Sim, sira, senhor. A consequencia
da historia da princeza, historia que todo
o mundo sabe, e" que a princeza como mu-
lher nao tem respeitabilidade alguma. A
maledicencia...
Oh I a maledicencia 1 e verdade ; a
maledicencia diz que a princeza dos Ursi-
nos 6... minha araanto... minha favorita.
Mas vos, padre, que conheceis a minha
consciencia, sabeis demasiado, quo ainda
que a princeza, apezar dos seus sessenta
annos, seja formosa, tentadora, seductora,
e dotada de grande talento e espirito eleva-
do, el-rei nao vo ua princeza mais do que
urn bometn de Estado, que por um erro da
natureza e mulher, que possue os segredos
de madama de Maintenou e por conseguinte
os segredos de Luiz XIV ; que vos conhece
a v6s, que nos conhece & todos, que zom-
boa da cOrte de Versailles, que revolveu
tudo, pondo tudo em meu favor, que foi
bastante intelligente para saber qual e o
verdadeiro caminho da sua ambigfio, e ter
o valor de fazer frente ds consequencias da
sua vida passada. Madama de Maintenon quiz
fazer d'ella o espirito d'uraa intriga em
proveito proprio, e Auna Maria enganou-a.
El-rei de iluspanha nao sera" i mil leneia
car 0 seu casa Tiento com madama de .Vlain-
teooa, a.fate la rainha do Franga, e a lo-
gitimar e fa&r prin-ipos de ssngue o-duque
*Por toda parte ouve-se a
tnocidide exprimir altamen-
te o ilesejo de coordwr seu
saber, possuir um a'iterium
unico para at'sctHiCias e a
philosophia que a*qhi de-
corre.econceber osphenome
nos sociaes, segundo o metho
do das sciencias exactas.
G Wysau boff (Revista de Phil. Posit)
Ate" hoje tem a ecooomia politics silo
considerada debaixo de dous pontos de vis-
ta, utilitario e metaphisico; metaphisico
quando se hi tentad > impor leis que os fac
tos desmentem, utilitario, quaudo nos factos
conhecidos na dymaa, a mica social se tem
procurado resultados uteis 4s exigencias das
sotiedades.
Agora um ponto intoirainente novo se
apresenta no domiuio da ecouomia. 0 seu
lado metaphisico passa por uma grande
prova. Todos nds sabemos, o seculo ac-
tual tem exigido das sciencias, como coiidi-
gao do vida, o serem eilas posiliva.
Desde as mathematicas ji ha tempos por
tal reconbecidas, ate as sciencias sociaes a
posilivida.de >-stende sua dominagao. Se
pois n'esta idade de factos e leis as scien ;ias
para viverem precisam de ter provas positi-
vas d'onde transpirom suas leis; se estas
leis, para constituirem um organismo com-
pleto e verdadeiro quer pelo lado logico
quer pelo Distorico, sao obrigadas a harmo
nisarem-se sob a egide do um principio
mais generico e fundamental que por sua
vez, se ligando aos outros principios das
diversas scieucias, seja parte de uma"scien-
cii geral a que chamamos philosophia po-
sitiva, como em vista de taes condigOes,
podia a economia politica licar ainda sobre
suas bases primeiras, sem ensaiar-se para oc-
cupar un lugar distincto ffesto novo mun-
do scientiiico ?
Ainla hoje grande uumero de ecooomis-
tas ere que a economia, ha muito, esta* fun-
damentalmente assentada ; que o trabalho
que Ihes resta cu nprir, e fazer applicagfto
las leis conaeciJas a todo e qualquer esta-
do social, e d'ahi cjlher resultados mathe-
maticos.
E' natural que homens cujas meditagoes
sao dedicadas a tao imoortante ramo da
graude sciencia sociologica, exagerem o
estado das cousas. A dedicagao traz qu-si
sempre comsigo a exageragao de seu objecto.
Quando porera se estuda a sciencia e a
eila leva-se uma dedicagao sincera, ninguom
deve-se deixar arrastar pelo enlhusiasmo
que inspiram as primeiras observagoes. 0
melhodo experimental applicado em todo
seu rigor e o unico guia que deve dirigir os
passos do observador. E' a seu sabio e
constante uso que devem todas as sciencias
constiluidas sua importancia como indivi-
dualidades distinctas c ralacionadas no
mundo scientiQco. Na ordem historica a
primeira destas sciencias sao as mathemati-
cas, que jd na Grecia eram conhecidas, e
verdade que sob formas eiementares ; a se-
gunda e a astronomia, que, nascida nas fer-
teis planicies da Chaldea, e no valle do Ni-
lo, veio tomar grande desenvolvimento en-
tre os gregos e nnalmente recebar toda per-
feig8o no solo da Europs. Antes que Pto-
lomeu, Copernico, Galileu, Hepler, e New-
ton estabolecessem as bases d'esta ultima,
produzem con-
nao se podem
ja Eaclides. Archimedes. Pythagoras haviam
dado corpo-ds sciencias mathematicas que
lbe servera de aliceree. A orlem historica
obedece a uma necossidade de ordem lo-
gics.
Em seguida a estas primeiras vem a phy-
sica, nascida com Galileu, Newton, Pascal
e outros, sciencia que se fundaments no
conhecimento> das leis do mnvi n uu nas
moleculas, e nao nas mossas, o que perten-
ce, d mechanica, comprehendida nas ma-
thematicas. Temos visto ale aqui que a
sciencia em sua marcha progressiva desce
ilo geral ao particular ; depois de reconhe-
cer a figura do objecto com todos seus con-
tornos e movimentos jd atravez de espacos, jd
em relagdo comsigo mesmo, penetra no in-
terior, e, n3o satisfeito com o conhecimen-
to do U'gumento do grande corpo, vai ate
a analyse de seus mais delica ios orgaos e
tecidos.
Vem pois, em ultimo lugar das sciencias
inorgnnicas, a chimica, que estudando a
nature/.* de cada corpo, re'uzindo 0 a seus
elemenios smples de quo corosta a indus-
tructibilidade da materia abre ao sabio as
portas do mundo organico, mundo em que
a vida sob as mais diversas formas provo-
ca a curiosidade
A austomia, cujos primeiros passos fo-
ram guiados pelo velho Hypocrates, a phy-
siologia, esbogada por Ga'eno e verdadeira-
mente feniada depois que Zarvt-y descobrio
a circul.igSo do sangue, finalmente todas
as sciencias quo por se occuparem dos phe-
nomenos vitaes tem recebido o nome grego
de Diologia, encetain a analyse de um do
minio mais vasto. Agora e a sciencia das
sociedades que vem surgir com o verdadei-
ro conhecim nto do homem. Assim como
o medico nSo p6de comprchender o corn
plicado pbeno neno da vida sem ter enhe-
cimento das funcgdes particulares de cada
org3o e das propriedades de todos os teci-
dos em que resident as forgas vitaes, assim
tambem o historia ir, o politico, o juris-
consulto, o ec jnomista, etc. nao podem com-
prehend :r os complicados phenomenos so
ciaes, sem terera previamente estudado q
horaera em sua individualidade, como a mo-
lecule da sociedade.
Eis porque todos os systemas e philoso-
phies c gitados para serem applicados ds
sociedades humauas tem falhado ; torn mes
mo sido rejeitados, como leitos de Procus-
to, cm que se procura deitar a humanidade.
Quando porem as sciencias sociaes forem
sujeitas ao mesmo processo das sci"ncias
physicas, ist > e, quando a observagdo for a
base de todas as suas ideas, doutrioas e sys-
nas, entao provavelmente, em lugar de i n-
por vistas do espirito, creagoes metaphysicas
ds cousas reaes, estas cousas imporao ao
espirito uma verdadeira Uieorisa philoso-
phia dos factos.
Ate aqui temos obsorvado como as scien-
cias em sua successao logica e historica
prendem-so umas as outras. Todos os seus
rudimentos, e verdade. se hao esbogado
d'ftsde a antiguidade; mas fragmentos, as
mais das vezes colhidos inconscientemente a
proposito de outras materias, n5o pod am
constituir uma sciencia.
Por isso nao ha muito valor na bj-cgSo de
um pmlosopho inglez, Herber Spencer que
dizas sciencias se raanifestavam simulta-
nearaente sem a ordem hierarchica, estabe-
lecida por Augusto Comte. Certamento, n .s
tempos antigos a sciencia era um mixto de
ideas sem metholos. por que tambem n3o
existia o melhodo geral. Ninguem ignora
que as scientias s6 se constituiram depois
da creagao do m thodo experimental. Des-
de entao as diversas ordem de conheci-
mentos humanos seespecialisavam, forraan-
do, em voita do um centro em grupamento
logico e histonco. Como os seres inferi jres,
taes os roophytos, moluscos, vadiarios, etc.,
a sciencia, na antiguidade, era um com-
posto cellular, em que todavia ja dosenha-
ram-se os tecidos. Quando porem surgio,
com Bacon e Descartes, o methodo experi-
mental, o que correspende, no reino orga-
nico, ao apparecimento das vertebras, ella
poude comegar seu trabalhj do constitu-
gdo, re:ebando dos esforgos incessantes de
lllustres sabios seus principaes orgios.
A funcgao harm mica destes orgaos e" o
quo constitue a vida da sciencia. Mas para
bem con: prirem sua funcgao no organismo
scientifico, dependom elles uns dos outros.
Esta dependencia, debaixo de um ponto de
vista altamente scientifico, e o que uma
philosophia franceza tem conseguido, procu-
do Maine e o conde de Tolosa. Se a prin-
ceza se tivesse submettido d tdo baixa in-
triga, sehouvesse procurado pdr-seda parte
do madama de Maintenon contra meu avo,
eu nao estimaria a princeza. Sem que
fossem pre<*;"os os vossos esforgos nemos
de madam., je Maintenen, a princeza teria
sabido da minha cdrte para nunea mais
voltar. Deixae, deixae a maledicencia di-
zer o que quizer ; nao vos rebaixeis, pa-
dre ; a opiniao publica desvaira sempre,
porque nao estd senbora do segredo das
cousas. Deixae, deixae dizerem que a prin-
ceza dos Ursinos ti minha amante.
Madrid nao e Versailles, senhor ;
Hespanha nao e Franga. Aqui os reis oc-
cultam sempre as amantes, as quaes nunca
chegaram a ter nas cousas do estado a in-
fluencia que teem tido as amantes dos reis
de franga. Esta e uma nag8o se'ria, grave
e decorosa, de costumes rigidos e grande-
meute assustadiga Em Hespanha, o rei
precisa, nao so de ser grande, como de pa
rece-lo, para que o respeitem. Vossa ma-
gestade acha-e alem d'isso n'uma situari.
especial. 0 arcbiduqua Carlos disputa a
corda d vossa magestade; invaJio o territo-
rio, bate-se todos os dias com o vosso exer-
cito, e e preciso ter cuidado em nao alie-
nar o amor dos hespanh6es leaes com im-
prudencias. Vossa magestade4nao vu bem,
ndo pdde ver bem o que succelefdra d'aqui,
em razao do favor que a princeza dos Ur-
sinos gosa tanto por vossa parte, como por
parte de sua magestade a rainha. Diz-se,
espalna-o a maledicencia e a opinido pu-
blica acolhe-o, que e o vosso amor que traz
d Madrid a princeza dos Ursinos.
Per ahi vedes, por ahi voles o caso
que se deve fazer da opiniSo publica. Sa
beis perfeitamente que o que traz aqui a
princeza dos Ursinos ndo 6 o meu amor,
ndo e o meu affecto, 6* a minha conve
niencia. Senti muito que me arrebatassem
a princeza ; nSo imaginaes quanto me foi
dolorosa aquella separagdo, quanto foi tam-
tam dolorosa para a rainha, mis tenho silo
raodo p>r este modo salisfazer a primeira
Oecessida Je da men tal idade modern a.
Assim a 'astronomia na la poderia firmar
sem as leis das mathematicas: a physica se
constituir sem o verdadeiro conhecimento
da mecanica, pois todos os seus phenome-
nos sao de movimento, o som, o calor, a
luz a eleclricidade ; a chimica, sem o estu-
do preambular das propriedades de movi-
mento da materia, descer a sua composigao
inlima e mostrar-nos os grandes pbenome
nos de combiim;ao edescombin.igao ; a bio-
logia, sem este u tiin > processo, explicar a
funcgao de nutrigao, por cujo meio so fa
zem as assimilagois e dissassimalagoes, con-
digSo de todi a vida; a sociologia, final-
mente, sem uma solugao physiologica do
homem, pesquisar as causas dos factos so-
ciaes.
Uavemos acoinpanha lo, pois, a voo de
passaro, a marcha das sciencias, querquau-
to d sua ligagdo lustor.es, quer quanto ds
exigenciai do pmsamento ; vejamos agora
o que st-ja uma verdadeira |cieucia consli-
taidiese a economia politica se p6ie m-
titular tal. Nada temos que ver, de passa-
gem observamos, com aquellas que se apre-
sentam cheiasde futuro ; o que seexigimos
por ora e queellas nos mostrem seu lugar
distincto e incontestavel ua arena scienti-
fica.
Que importa que tenham um objeUo de
qub se oocupam, quando nao consegiiram
ainda firmar seu centro de gravitagao e tra-
gar a orbita que devem percorrer no syste-
ma aas scieucias ? Ninguem ignora a vas-
lidao do objecto da meteorologia, mas en-
tre tantas leis jd estu ladas, qual 6 a que
tem servido de sul ?
Hi factos e muitos e leis tambem, mas
falla lhes a unidade, alma de todo o orga-
nismo. Esto vicio tdo commu n hoje veio
dos especiilistas, que, comquanto os verda-
deiros obreiros da sciencia, t idavia fazem
Ihe um profundo msl, pbilosophicamente
fallanlo, com suas g^noralisagoes. Cada
um quer por seu lado fazer prevalecer sua
cspecialidade. 0 chimico enten le que tola*
as sciencias estio subordiuadas d sua ; o
physico tambem, o physiologista pjr sua
vos, e, ate, creio, o economista, quando
entretauto suas especiali lades nio sdo mais
que partes de un todo, e muitas vezes ndo
tem o caracter de sciencia.
Voltando ao assumpto, dizemos que uma
sciencia se constitue deslu que, ten lo um
objecto, se oleva ,ior generahsagoes suces-
aivas a principios i'lconlestaveis cuja alfir-
magdo vem de ordem de phenomenos que
se duo com a mesma regularidade e apre-
s.utam caracteres identicos.
Assim desie que foram reconhe:idos na
natureza corpos siinples, que combinados,
davam corp s complexos e differentes e que
estes ultimos sujeitos a uma descombinagao
por processos energicos desappareciam,
reslituindo os dous primeiros taes como
eram d'antes, a chimica foi coustitmia.
Tomemos outro exemplo nas sciencias so
ciaes para evitar qualquer objecgao. A
historia s6 foi considerada sciencia no m >-
raento em que om suas diversas phases des-
cobrio-se uma lei geral, em volta da qual
todas as outras moviam-se. Nas sciencias
observa-se o mesmo que nis systemas pla-
netarios : sem um centro de attracgdo, as
forgas trajectories nao poderiam dar ao uni-
verso seu maravilhoso arranjo.
A historia portanto seutou-se no circulo
das sciencias constitui las quando a lei dos
Ires estados quo o espirito humano tem a-
travessado, pode ligar suas diversas partes,
de modo quo qujlquer facto acha sua razao
de ser nos factos anteriores. Depois de
percorrer durante seculos um periodo pa-
ramente theologico, em que o espirito in-
fantil do homem via em cada objecto a von-
tado arbitraria de poderos superiores, atr-a-
vessado a media idade com toda sua meta-
physica, chegou afinal a humanidade d nos-
sa epoca, epoca positiva e scientifica. Vemos
pois que a lei do progresso predomina desde
o principio nebuloso das sociedades ate hoje.
Durante este longo prazo todas as sciencias
tiveram um comego de germinagao, porque
embora a sociologia tenha-se constituido
em nossos dias, depois de todas, por ser
uma ordem de phenomenos mais complexos,
todavia jd existiam sociedades humauas no
estado dyranamico, sem o que ndo poleria
haver desenvolvimento da intelligencia. Is-
to posto, serd a economia politica uma
sciencia constituida ou por constituir ? A
economia, dizem os economistas, comegou
por ser uma arle ; como todas as outras,
muito prudente. Meu avd ndo pode com-
prehender, nem por uma so insinuagdo
minha, quanto me era doloroso o estar pri-
vado dos bons servigos, dos excellentes con
selhos da princeza dos Ursinos ; agora que
veem, segundo julgara, que o demonio lhes
leva isto. a conveniencia de Luiz XIV, o
interessa de madama de Maintenon, enviam-
me a princeza, com a qual ndo me desavim,
e da qual fui despojado : vos insistis em
que a presenga da princeza na rainha cdrte
me prejudice.
Dizem que a princeza quer ser em
Hespanha o que e em Franga madama de
Maintenon, o que foi antes madama de Mon-
tespan. Estdo vendo o olhar da princeza
fixo no throno, ea loaldade dos hespanh6es
para com a rainha assusta-se, e o seu pu-
dor pelos bons costumes sente-se offen-
dido. .
Pois bem, padre, o que havemos de
fazer T pm ultimo caso, Luiz XlVimpoe
noc fia ; foi elle que a levou, e e"
e onvia. Nao podemos por nos
..auearaenle em opposiguo com o nosso
avd, e muito mais n'estas circumstancias
especiaes, em que a nossa estabilidade no
throno de Hespanha e duvidosa. Se o pu-
dor dos hospanhoes se a^susta com a volta
da princeza, o que havemos de fszer, pa-
ciencia.
Ha mais alguma cousa, senhor.
Pois dizei-o, dizei-o ; 6" para isso que
fallo coravosco nos momenios em que 88-
pero a princeza, afim de que nos ponhamos
do peifeita intelligencia.
Jd dissj d vossa magestade que a
princeza tropegou no caminho com um ci-
gano, com dous guardas re.ies feridos,-com
uma cigana "lorta, d quern enterraram com
toda a porapa qua foi possivel, e com uma
cigana orphda, d quem traz comsigo no
seu. proprio coohe, como se fosse... sua
filha.
Ora bem, que deduzis v6s de tudo
isto 1
Nada, sao consequencias...
ccrescentamos ods. A chimica cooaeco*
por sej a alcbioaia, como a historia por sot
simples chromca.
Quando depois a arle, ao alevaodo com
0 progresso da intelligencia, descobrio am
piricamentu, do terrene do sua applicacdo.
phenomenos geraes perm^aeui"*, ama nova
direcgdo se manifestou ao espiniu bumano ;
a sciencia nasceu. Sujeitando entao a ana-
lyses mais profundas e demoradas to los eeaae
phenomenos, nelles recoubceu a observt
gdo, constancia e uniformidade, porUot.
uma Id.
Desta primeira geoeralisagio o honaen
partio para outras, formando assim os ele
mentos das sciencias na ordem que jd have
mos descripto.
No meio dellas estava a economia. Real
raente uma ordem de phenomen .s sociaw
se manifest! desde H comegos da socieda
de : eram os phenomenos economicos, rela
tivos ao bem estar dos homens e dos eio-
de assegurar este bem estar pelo augment'
das riquezas, cujo lim e so satsfnzer as M
cessidades sociies.
0 animal em g-r.-l procura alimeutos pa
ra coiiteuiar o appetite momenianeo ; so a
abelha, a formiga e alguns mais amontoati
riquezas alimenticias, para e\itar a fome pa-
juadras iuvernaes.
0 homem, porem, desde seu priocipi')
social, jd esbogado nas i lades pre historical,
procurou prevenir o dia seguinte, temeod)
a falla do necessario. Era a prova de sua
olovagao acima do nivel commum doa sere-
proximameute iufenores. Elle o fazia cori
uma visao mais larga e conscieote do fu-
turo.
Produzindo em certo ramo sempre lgur.
tanto mais que o preciso as uas iiecessidade.
sendo de varia natureza, encontrou na trc-
ca um meio de melhor as salisfazer, poupai -
do-se a trabalhos, muiliplos e arduos, que
poderiam impedir o aperfeigoameuto da aaia
intelligencia.
Uahia parte a economia, como alia, toa-
do por fun lamento foroocer o necessari)
por meio do trabalho, segundo S.nitD, fon-
te das riquezas das nagoHS. Se pois oirab;
Iho e fonte de toda riqueza, a riquexa rant.
de salisfazer as neiessidades das sociedadaa,
qual o lim da economia, considerada scaeti-
cia ?
Ser util, dir-se ha, procursndo os sti
quo determinant o crescimeoto das riquert-.
e sua regular distribuigio para feiacidace
dos povos. Mas eutan a economia visa a-
penas o util e ndo o verdadeiro, fim ilei:
de toda sciencia. Que a sciencia seja atil
por seus resultados e o que todos nos es-
peramos, mas que lenha sOmeota diante ale
si este desejo. sem cuidar de sua constitu
gio debaixo do ponto de vista puramoavr
seientifico, e ndo querer entrar no quad"
das sciencias constiluidas e merecer suas
garantias.
0 n'il tem-se dito muitas vezes, i a art*,
o verdadeiro a sciencia. Portanto nd > *
dezuz de ter a economia generalise lo a gun
pbenoinenns e delles tirado l<*i> uteis qt
seja uma sciencia formada de todas as su.
pegas ; e antes uma arte. Stuart Mill me?
mo tem dito que os phenomenos sociaes !
ordem economica sd podem ser e>tu la lo-
de um modo relativo e que as concluso -
delles tiradas, dependem nao,s6 do temp>.
como do lugar.
Como pois c msiderar firmos leis qua se
tornam enfermas desde que slo mudadas as
condigdes de meio ?
Sa os principios econoraicus polessem t
dos ser sujeitos a gen-iralisagoese estas I un
principio fundamental ; a ecjnomia po'iti
ca seria uma verdadeira sc.eucia conslituidi,
porque, segundo a expressdo de Arist Jtelaf
su hi scienoia no <\ue i geral. Assim, oi.o
bastam as leis particulares aos phen >meo
que compuam uma sane de ee.ta naturaza,
e necessario o caracter commum que a*
prende, em um toJo hirraoniosose.nelhaii-
te a um ser vivo, que se chains : scienci:.
Stuart Mill ao concluir as observagoes pr
liminares de seu tratado da economia poli-
tica, diz que fazem seu objecto as leis da
producgdo, da distribuigao a alguras con-
sequencias praticas que dellas So podem I -
duzir. Mas o que nos parece faltar e de-
que elle nao selembrou, e a lei fundamen-
tal, sem o que ndo coraprehenderaoa sctaai-
cia constituida, do mesmo modo que nix
comprehendemos esqueleto sem columi
vertebral.
Consequencias de que T
Do caracter aventurciro da princeza
senhor, para dizer tudo n'uma pilavta.
A vossa franca confidencia vae to
raando o caracter de accusagdo, disse tran-
quillamente Felippe V, parece-me qu estou
vendo em vds uma parlicula da opiniao pu-
blica, que se engana como ella, e isto e
muito para estranbar em v6s velho corte
zdo, que ve ies demasiado claro apezar da
nevoa que reina sempre nos palacios.
A princeza vae padecendo de impru-
dencia, como todas as mulberes que se vao
fazendo velhas.
Mais claro, mais claro : a princeza
teve ou tem um amante que pertence d
corte.
Murmura-se d respeito da intimidade
da princeza com D. Judo de Santivanez,
guarda de vossa magestade.
Qualquer vos julgaria cheio de ciu-
mes, disse Felippe V, rindo contra o seu
costume.
0 jesuita olhou com assombro para o
joven monarch?, e encontrou o seu olhar
tranquillo e audaz.
Repito-vos, disse com frio desdem
Felippe V. Enganaes-vos com todaagen-
te ; estaes gasto, collocaes-vos no terreno
da vulgaridade como qualquer pobre dia-
bo. Que tem do extraordinario ou que me
importa que uma mulher galanteadora, de
imaginagao iropressionavel, que ve" escure-
cerem-se-lhe os ultimos fulgores d'uma mo-
cidado demasiado prolongada, ame ou deixe
de araar um dos meus guardas T Isso e
negocio puramente particular. Os mos
queteiros do rei do Franga deram origem d
mais d'um opigramma. Mtlhor, ha mais
um assumptozinho do que se possa fallar.
E' que to Jo o munlo saoo isso.e..
Basta, padre d'Aubutiton. Resuma-
moj ; desej > a melhor intelligencia c-ntrc
vds e a princeza dos Ursinos ; quero que
me sirvam bem, que nao baja junto de
mim infiueiiciasestrauuas, quendomemor-
tiliquem, e ndo me obriguem a experimen
.Contmuar-ie-ka.
tar a minha energia. Jd que estaes na mi
nha cdrte, s<" le-me deiicaJo, se querei-
permanecer n'ella. Bistt de lutase ce
intrigas ; porque, asseguro-vos, a influenc
da princeza sobre mim, e sobre a rainha <
invencivel. Podeis retirar-vos.
E el-rei abandonou o brago do jesuita.
Este inclinou-se profunlamcnte, e sah
dizendo comsigo :
Creio que me enganei. o mostrei a
demasiadamenle irabecil. El-rei nio ana
a princeza. E' preciso mudar de procodi
mento.
Da sua parte el-rei ficou murmurando .
E* impossivel, inteiramente impassi
vel. Anna enamorada d'u.n dos man*
guardas I Ora I ndo. 0 padre d'Aubaai-
ton e um d esses estupidos os qaaes se to-
rnam por homens de talento, por nio k
terem examinado bsm. Enlretanto, pdde
ser... quem sabe.. As mjlhores...
E el-rei continuou a passeiar, inqaioto e
incommodado. Ninguem o vian'aquellt
occasido.
v
De repente ouvio-se ao longe ama cor-
neta, em seguida outra mais proxima, af
nal, uma lerceira, muito perto do palack .
A princeza I dissj Felippe V end -
reitand)-se e deiiando ver o rosto ilium
nado por uma grande alagria. Graces i
Dous I
E foi direito d mesa, pox o chapeo, p
gou do bastao, sahio procipitadamente c a
camera, atravessou uma saleta deserta, e
chegou i uma ante-samara am qua esfc -
vam reunidas as pcssois do seu servigo par-
ticular.
A' cavallo, senhores, d cavallo, diase
el-rei atravossando apres?aJanente aant--
camara. Temos ahi jd a princeza dos I;
si nos.
Os servidores sahiram atraz d'el-rei.
[Continuar-se-ha)
TYP DO DIARIO. -I'UA DD(jUE DE CAXlT




MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17664


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MMHM
ft *
) -
;l
"
ANNO L AIUMERO 280

FAB A A CAPITAL E LUGABES OXDE NA* E FAA
tor tret mesas idiantados. "'......
Por seis dho idem ."........
Por am anno idem. ..........
OH a nnm*i'i a^-i'so ,........-
60(M
9330
SEGLNDA FEIRA 7 DE UEZEMBRO DE 1874
P ABA DBNTBO B FOB A DA
tot tres mezes adiantadoa. .'.?
Por aeis ditos idem ..".
Por nove ditos idem..........
Cor um anno idem...........
V1NC1A.
DIARIO DE PEMAMBUCO.
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUdWOA DE FARIA FILHOS.
I Iomu
tf In. Gerarao Antonio Ahwft Fflhos,no Par*; GoncalYes 4 Pinto, no Maranhio; Joaqnim Jose de OUreira AFSho, no Cearf; Antonflb i/auta Braga, no Aracaty ; Jolo Maria Jnlio Ch/vee, no And; Antonio Marqnea da SUt, Ratal; Jose i
Pereir. d'Almeida, em Msmanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahjba ; Antonio Jose Gomes, na Villa da renhaj Be'arminn dos Santos lulclo, em Santo Ant*c ; Domingo* Jose da Costa Braga. am lasaretfa i
Antonio Ferreira de Aguiar.em Gnyanna : JoJo Antonio Machaeo, noPilardaaAlajroasAAItis A C.na Bahia; A. Xatier Leite A C. v Rio Janeiro-
PARTE OFFICIAL
Governo da
provincia
EXPEDIENTS DO DIA 20 DK AGOSTO DE 1871.
i.' secrflo.
OIBcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar
aas.Sirva se V. Esc. de mandar por em liber-
dade o recruia Adalterto Ferreira de Oliveira, ijue
(irovou isencao legal.
Ao Bam. brigadeiro presidents do conselho
de compras do arsenal de guerraTen lo uela data
approvado as propostas ifb.e vieram annexas ao seu
cfficio de 18 de julhj ultimo, aceitas pelo con-
selho de compras do ar-enal de guerra em scssao i te\T3L je ^ello para a" cadeira Jo Rio Ooce.
de li do memo met e antonsado o respective | q presidente da provincia resolve noraear o
director a mandar lavrar os compelentes eontra- j nr. jaaijuim Correia de Araujo, mordorao da jun-
ta da Santa Casa de Misericordia, para o cargo de
viee-provedor, em substiiui.;ao ao barao do Livra-
fins, que nio tendo aquella companhia cumprido o I cadeia, attento o estado de ruina em que se achava
d.sposto no art. 11 do respeclivo regulaiuento de
12 de j.uieir de i87f, o supplicante nio pode es-
tar sujeilo ao pagamento que nao seja de appare
Ihos de 3J classe. embora s collocados nos seus
iiieneionados predios seiam de outra clas=e.
Ao niesmo.Mande Vmc. pagar ao Dr. ad-
ministrad.ir da cas.i de delencao a quanlia de
2i:620, despendida uos meies de junho e jnlho
ultimos, com a compra de objectos para asseio e
limpeza daquellu estabelecimento. na conformidade
Ja inr-lusa couta remeltida pelo Dr. chefe de poli-
cia em oflJcio de lionlem datado, sob 1,029.
4.' secciio.
Actos:
a que anleriormente f.>i alugada pora tal mister.
4.* secgao.
Offlcio :
Ao secrdario do lostitulu Archeologieo.
De ordein de S Ekc o Sr. presidente da provia
cia, remetto a V. 3. para a bibliotheca des tiliilo, um exemplar da obra Jerusalem, pelo mon-
senbor Joaqnim Pinto de Campos.
5." teccao.
Oflkios :
Aoa membrn da direccao da Associa-au
Commercial.0 Exm. Sr. presidente da provin-
cia manda accusar recebido o ofBcio de Vv. Si.,
de 17 do correnle, em que participam o resuitado
0 pre.-idente da provincia resolve remover da eleieao que teve lugar no dia 6._para^escolha
o professor de Quipapa, Torquati Laurentino Fer-
t:s ; assira o dechro a V. Exc em mpotta ao ci
tado ofBcio.
Ao director do arsenal de guerra Remet-
ti) a Vmc. as inclusas proposta<, que fleam ap-
provadas, aceitas pelo conselho de co npras des-
se arsenal, em sessao de 14 do jnlho ultimo, para
o fornecimento de varios objectj^, aflm de ca lavrar os respective contrato<, nos termos do
fegulamento n. 5,118 de lit de outubro de 1872.
2.' st'Cfao.
Acto :
0 presidente da provincia, attenlendo ao
que requereu o 2* supplente do ju z municipal e
de orphaos do termo de Serinhaein, Antonio de
Carvalh-) Albuque.-qut, r-solve conceder-lhe tres
mezes de licenga para tratar de sna satiJe onde
Ihe apronver.
OfUcios:
Ao Dr. chefe de policia.Para qne possa es
ta presidencia approvar a deliberacao que tumou o
tlelegado do termo de Bom Conselho, de contratar
com o tenente Americo Cavalcante de Albuquer
^ae, nj dia 38 de julho ultimo, o aluguel de uma
casa por 12*000 mensaes, alim deservir de cadeia
e quartel ao respectivo destacamento, e necessa-
rio que V. S. mande lavrar e remetter a compe
tente c6pia.
Ao mesmo. -Respondendo aos oSicios de V.
S., datados dc 15 de Jun'io proximo findo e de 19
do corrente, declaro qne approvo a resolucao que
toroou o delegado do term j do Triumpho em data
de 25 de maiodeste anno, d>> alugar nma outra
casa pelo prejo de 8 000 pirasirvir a'li de cadeia,
em vista do estad> de ruiua em que se achava a
qae anleriormente foi alugada para tal mister.
__ Ao mesmo. Em re.'posta ao offlcio de V.
S., n. 1,028, de honte.ai, acompanhando a copia da
i eJpos'.a que ao delegado do termo de Papaga dera
t commandante superior do respectivo munieipio,
i jando Ine requisit;u uma forca par. escoltir
liresos e recrntas. tenho a dizer-lhe que achando-
-^ a guarda nacioual isenta do servico da qne se
t.:da, nio ha o que provideneiar a esse respeito.
Ao mesmo. Em resp.ista ao seu olllcio de
fc jnteni datado, sob n. 1,026. enmpre me deelarar
a V. S-, que approvo o cootrato do aluguel de uma
casa pela quanlia de G|H03. feito pelo delegado
do termo de Injiazeira em 7 le maio ultimo, com
o propnetario Joao Jose la Silva, para servir de
cadeia e quartel ao respectivo destacamento.
Ao juiz nmuieipai de Triumpho. -Para que
possa esta presidencia ordenar o pagamento soli-
citado em seu oflicio de 27 de julho findo, cuin-
pre que Vmc remetia o pret da escolta qae con-
dazio para esta capital os tres seuienciados, a que
se referio.
__ Ao commandante do corpo de policia. Logo
qae este receber faca Vine, seguir para a villa de
1'io d'Alho, a disposigaodo respectivo delegado de
policia, um inferkr e dez pra;as &j corpo sob o
MQ commando.
3.' sectfto.
OIBcios :
At inspector da ihesouraria de fazenda.
lendo nestadata approvado, pra o fim de serein
i .vrados os respectivos conlratos na dire^toria do
arsenal de guerra, nostermo' do regulamenlo n.
:,118 de 19 de outubro de 1872, as proposta3 acei-
tas pelo conselho de compras do mesmo arsenal em
ses quaes versam suas iuformacoes de 4 e 19 do cor-
rente, sob ns. 228 e 338 sene II ; assim o comma-
iiico a V. S. para os fins convenientes.
Ao mesmo.Tendo nesta data deferido o re
mento, que ped:o exoneracao
Olflcios :
An insoector geral da instruccao publica ter aceitado esse cargo, e nomeou
Sciente d-que exp5o Vmc. em seu offlcio de 13 Azevedo Mello para substituii-o.
n. 215, com relaeio ao eatado em
dns novos funccionarios que tern de dirigir os tra
balhos dessa associac-io durante o presente anno
hocial.
Ao engenheiro chefe da repinicao das obras
publioas.0 Exm Sr. presidente da provincia
jianda communicar a V. S. que nesta data exone-
ron Manoel Tobias do Rego Albuquerque do car-
go de agente pagador de-sa reparlica.i, p >r nao
Henri.|ue de
do Ciirrente, sob
que se acha a bibliotheca provincial, lenho a di-
zer que tra to de remover esse estabelecimentn pa-
ra lugar mm apropriado, e nesta data autorisei o
inspector do thesouro provincial a mandar brae-
cer, de accordo cem o respectivo bibliothecario,
uma duzia de cadeiras da goaroieio, uma cadeira
de bra^o, uma qnartinheirr. e uma mesa
Ao mesmo.-Attendenlo ao que requeren o
professor do Rio Doce, padre Francisco Verissimo
Bandeira, e tendo em vi-la o termo de inspeccao
medica a que mandei submeiter o referido proses-
sor, resolvi por despacho e portaria de 18 do co--
rente aposental-o, com os venciinentos a que liver
direito, nos termos da lei. seguudo o l>mpo de ef
feciivo exercicio que coniar ; assira o cemmunico
a Vm'.. para seu conhecimento e devidos lius.
Portaria :
A' Illma. camara municipal do Recife.Pa-
ra ter solucao o que pede a lllma. camara muni-
cipal do Recife, em olllcio de 12 do corrente, n.
73, cmnpre quo a mesina Illma. camara declare
qual a extensao e profuudidade do terreno que
tern de ser aterrado na rua da Pnnceza Isabel.
Circular :
A's camaras municipaes da provincia.Alim
de fjrmarem-se as collectors precises para o es
tU'Jo da nosa mineralogia, tra*>altio em que se
empenha o Exm. Sr. mmistro do imperio, recom-
mendo instanlemente a camara municipal de-----
que com a brevidaue possivel envie amostras de
todos os mineraes que furem encontrados ne^se
mucicipio, declarando o lugar em que cada uma
dellas for achada.
. 5." Cfio. _
Acto :
0 presidente da pr .vincia resolve exonerar
Manoel Tobias do R-"go Albuquerque do lugar de
ageate pagad >r da reparlicao das obras publicas,
por nao ter aceitilo esse cargo, e nomear Hjn-
rique de Azevedo Mello para substitml-u.
Offlcios :
Ao engenheiro ehefo da repartiQao das obras
publicas.E dencia, datado de honlem, remetto a Vine, a in-
clusa coma, para que manle pagar a iraportancia
de 155500 a Rulino Manoel da Cruz Coussiiro, por
.oata da verba deenracio do palaciomandala
entregar ao thesoureiro dessa reparticao era 18
de junho ultim .
Ao Drainage.De ajcorlo com a informaclo do the-
souro provincial, constante do offlcio de 13 de ja
nho ultimo, relativamepte ao requeimento do Dr.
Silvino Civalcaute de Albuquerque, relamando
contra a collosagio e classe dos apparelhos de
limpeza era suas casas ns. 30, 32, 3i e 36, sitas na
rua da Pjz, declaro a Vmc. para sea conhecimen-
lo e fins convenientes que na> tendo essa com-
panhia cumprido o disposti no art. 11 do respectivo
regulamenlo de 12 de Janeiro de 1872, uaosoquanio
a classe de apparelho: mas ainda quanto a > losal da
colloca^ao, no caso de desaccordo, nao pole aquel-
le doutor estar sujelto ao pagamento qae nao seja
de apparelhos d 3* classe, embora os collocad is
nas inencionadas rasas perlenQam a classe dilTe-
! rente. Outrosim convem que Vmc. note essas
irregnlaridades ao respectivo gerente, para qae,
ESPACHOS DA PRESIDENCIA, DO DIA 4 DK DEZEMBRO
DK 1874
Andre de Abreu Porto. Deferido com offlcio
deita data ao Sr. inspector do the ouro provin-
cial.
0 mesmo. Deferido com offlcio desta data ao
Sr. inspector d> thesouro provincial.
Candida Pereira Lins BarretoRequeira a sup
plicante ao Sr. inspector da instruccao pubhea.
Estneuia Genuina Dias. -Requeira a supplicante
ao insoector da instruc;ao public*.
Ferreira Maia 4 C. -Informe o Sr. provedor da
Sauta Casa de Misericordia.
Francisco de Paula de Albuquerque Maranhio.
-Informe o Sr. inspector da lhe:Ouraria de fa-
zeuda.
Irmandade do Senhor Bo n Jesus das Dares
em S. Goncalo, dajfreguezia da Boa-Vi?U desU
cidade. Informe o Sr. inspector do thesouro pro-
vincial.
Jose Theotouto Paes de Albuquerque. In
forme o Sr inspector do thesouro provincial.
J >vina Emilia Gonzaga.Concedidos.
Justino Jos6 do Souza Campos. Infornie o Sr.
commandante superior da guarda nacional do
Uecife
Joao Pinto de Mains Lerao*. Informe o Sr.
inspect r da thesouraria de fazenda.
Bacharel Jose Joaqnim de Oliveira Fonceca.
Certifique.
Coronel Joaqnim Cavalcante de Albuquerque
Bello.Horneca se.
Joao de Carvalho.-Exhib. o snppUcante a cer { Uim quo ri,gressra a-
tidao da carta de pensao, a que alluae, abiu oa i. ,nuvl. ./,. n .., .- ,.
poeTte*laR-o-q.tjte.-lr- jmanho. 0 JOH.\AL JJOP.ill.i, tilba
Jose Felix Lopes.-Exhiba o supplicante a cer-'ofliciil da provincia, publicou hoje a r s-
lidao da earn de pensao de qne trata, afim de p0Sia jat|8 pel0 presi lente ia provincia ao
ter lugar o que re |uer I ollicio que [be dingira a commissao espo
Liberato Benicio da b>ineeca Luna.- bejam en
entregues, nao baveodo incinveniente.
Bacharel Marciano Goncalves da Roclia. -Passe
querimenlode Anna Candida da Costa e Silva, em observando-se as circumstancias expressas
que pede relevagao da inulta qae Ibe foi imposu mencj0nado artigo do regularaento, evite-se a
pelo collector das rendas geraes de Ipojuca. a que pr0(iUl;ccao de taes factos.
se refere a sua informacao constante de offlcio des-
344, serie H
no
re-
com teatlencla a lai-
\ltii;u> : transac-
I ill-ecus inn I it lir-
uill si- lliiji- ill*/.i> mil
ear I ralinu ; prccos
(ertt^ao.
-Cafe: idem ; idem.
- CaK : mulio calmo i
pre cow comi tenilencia a baixar.
Al.'oiliio t (Mlinii l |r*M-i>M lirini-s
aem alferaeao.
Hamburg* 4. Cafe : mullo eal-
moi iin-co'* cihii tendeiicia a bai-
xar.
i>i H-lha 4. Cafe t idem ; idem.
Assucar i de Pernanibucu SO fnin
en* e SO ceailmus pelos SO Kilo-
rs.
New Vork 4. Cambio sobre Lnn
iIk-i 4 Ha l/t. Ouru ill 12. Care i
tranaacydcsreiriilarcM t pre^os mui-
to finite*; o do Rio f.ir 19 3/4. e o
GOOD a IS 1/4 i: :m- pin- libra. VI^o
dao i mediano uplands 14 3/4 cents por
libra
Litcrponl 4. O depusito total do
algodito eleva se a quinlientos e
einco mil rardos. sendo setenla e
oito mil do Brasil i veuderam-se
durante a semana sctentae um mil
rardos, ilis quaes trese mil pro
eedenles do Brasil t a Importacao
da sessana elevou-se a qttarenta e
seis mil rardos, sendo oilo mil do
Brasil.
It omit &. -Foi hoje suppriiuida a
legacao allema juuto a santa s- de
Roma.
Berlim 5. Eoa uma discussao ha
% iila no rkiciistag allemao, o principc
Bismarck declarou rormaliucute
a conviecao em que esta de que
Kullmanu raz parte da socicdade
dos centrlstas.
Bahia a>. Aqui eliej^ou hoje do
Rio de Janeiro, pelo Espirito Manto
o paquete naeioual CEARA, e snhlo
a tardc para HaceiO e Pernautbu-
co. Cambio sobre Londres seui
alteracao.
Rio de Janeiro 5.Cambio sobre
Loadres ao, i I d. baneario, 0 :is d.
particular. Cambio sobre 1'aris
301 roi.i por rranco
(AGENCIA AMKItlCANA.j
l'.ir;i 5 de dezembru as > It. e 20 m.
Ja tarJe.Chegou dos portus ilosulopa-
portaria, concedendo a licen;a pedida, com orde
uado somente.
Manoel de Siqueira Passos. Aguarde o sup
plicante a decretacao do credito necessario.
Maria da Conceicao Rodrigues do O' Requei-
ra a supplicante ao inspector da instruccao pu-
Mica.
Pedro iJonealves Ferraz. Opporlunamenle to
marse-ha em consideracao o quo requer o suppli-
cante.
cial da praija do coinmercio ; abunJa nas
tnosmas ideas daquello documenlo. Tam-
bein publicou a mesma folha dias portarias,
uma rescindindo o coutrato que titiha o
governo da provincia coin o cOOegd S.quei-
ra Memles subsidi< o collegio do Camels, e a outra demittindo
dous empregados que faziam alarde em a-
poiar as ide.is einiUidas pela TRIDUNA.
sta folha nao t"iininou a sua publicai^ao,
Informe a!Comosedisse, contirnii a sabir, porem a
Conego Siinao dc Azevedo Campot.
camara municipal da EscaJa.' I n limniaBiifn psta mnderada
Severino Franci-co Beaerra. Remettido ao Sr. s
Dr. juiz de direito preparadcr dos procersos para
deferir ao supplicauie.
Virlulino Francisco do 3ego Barros. Passe
portaria na forma requerida.
ta data, sob n. 344, serie H ; assim o communico
a V. S. para sea conhecimento e devidos fins.
Ao mesmo. Em additamento aos offlcio*
desta presidencia, de 6 e 18 do corrente, autoriso
V. S. a mandar entregar a Jose" Joaqnim de Miran-
da a iraportancia devida a companhiaWestern
& Brasilian Telegraph,segundo solicitou o res
pectivo gerente.
__Ao mesmo.Para os fins convenientes, com-
munico a V. S. que nesta data approvei o contra-
expediente do sechrtario.
1.' secr,ao.
Offlcio :
Ao Exm. brigadeiro conmandante das ar
ma?.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, communico a V. Exc. que a reuniao da
junta de justica que devia ter Ingar hoje, afim dejul-
garos soldados do corpo de policia Tertuliano de
Souza Pacheco e Emiliano Alves de Oliveira, fica
transferida para o dia 24 do corrente.
to do aluguel de uma casa pela quantia de 6* men-1
saes, feito pelo delegado do termo de Ingazeira em ] "tuo-
7 de maio ultimo com o proprietary Joao Jose da i ""< .
Silva para servir de cadeia e quartel ao respecti- j Ao Dr. chefe de pohcia.-s. Exc. o Sr. presi
vo destacamento. -Mulat is mutandis ao thesouro jdente da provincamanda communicar a V. S^, para
provincial.
Ao inspector da thesouro .provincial.
lieeommendo a Vmc. que providencie em ordem
a qne o desconto qne se liver de fazer nos venci-
inentos das pracas da guarda local para pagamen-
to do fardamealo fornecido, nao exeeda a 80 rs.
diaries.
Ao mesmo. Mande Vmc. comprar para a
bibliotheca provincial, de accordo com o respecti-
vo bibliothecario, uma duzia de cadeiras de guar-
niQlo, uma cadeira de bra^o, uma quartinheira e
uma mesa.
Ao mesmo.Macde Vmc. indemnuar o co-
Ire da reparlicao de policia da quanlia de 16i6'0
constante do recibo junto, abonada a quatro cri-
minosos que seguiram para os termos de Cimbres
e Villa Bella, alim de responderem ao jury ; oa
conformidade do que solicitou o Dr. cuofe de poli-
cia om offlcio de houtem datado, sob n. 1,032.
Ao mesmo. Communico a Vine, para seu
conhecimento e devidos fins, qne pur despacho e
portaria de 18 do corrente aposeutei o professor do
P.io Do;e, padre Francisco Verissimo Bandeira,
com os vencimenlos a que liver direito, nos termos
da lei, segundo o tempo de effectivo exercicio que
contar.
Ao mesmo.Remetto a Vmc. as relacoes e
conlas juntas da quantia de 6053440,despendida no
1 trimestre desle anno com o suslento dos presos
pobres da cadeia do termo de Cimbres, para que
iuande paga la ao foruecedor tenente Firmino de
Oliveira Mello oa aos seas procaradores Lapa &
Irmacs, segundo solicitou o Dr. chefe de policia
em offlcio de honlem datado, sob n. 1,033
Ao mesmo.Tendo em vista a informacao de
Vmc, constante do offlcio de 13 de junho, sob n.
234, e ao do engenheiro fiscal da companhia
Recife Drainage -datada de28 de abril, ambos to-
te anno, relativamente ao reqaerimento do Dr. Sil-
vino Cavalcante de Albuquerque, em qae recU-
ma contra a classe e collocacio dos apparelhos de
j?goto, collocados em suas easas ns. 30, 32,34 e 36,
sitas na ma da Paz, e bem assira contra outros fac-
tos, declaro a Vmc, para sea conhecimento e devidos
os fins convenientes, qae por offlcio desta data
mandou o thesouro provincial indemnisar o cofre
da reparlicao da policia da quantia de 164640,
abonada a quatro criminosos que seguiram para
os termos de Cimbres e Villa Bella, afim de res
ponderem ao jury, segundo solicitou V. S. era seu
offlcio de hontem datado, sob n. 1,032.
Ao mesmoEm resposta ao offlcio de V. S.,
datado de hontem, S. Exc. o Sr. presidente da pro-
\incia manda declarar que nesta data expedio a
necessaria ordem ao thesouro provincial, afim de
ser paga a iraportancia de 6054440, despendida no
primeiro semeslre desle anno com o fornecimento
dos presos pobi es da cadeia do termo de Cimbres
e chamar a attento de V. S. para um tao excessi
vo dispendio.
Ao juiz de direito da 1" vara desta cidade.
De ordem de 5. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia, communico a V. S. que a reuniao da junta de
jnstica, que devia ter lugar hoje, alim de inlgar 'S
soldados do corpo de policia, Tertuliano de S>ma
Pacheco e Emiliano Alves de Oliveira, fica transre
rida para o dia 24 d) correnle.
Ao cominissario de pobcia de Palm ires. 0
Exm. Sr presidente da provincia manda declarar
a V S que nio se achando definilivamenie com-
pleta a guarda local desse mnnicipio, deixa de
ser fornecida a corneta solicilada por V. S. em seu
offlcio de hontem
3.' seccao.
Ao inspector dothesouro provincial.0 Exm.
Sr. presidente da provincia manda commanicar a
V. S. que per portaria desta data exonerou M*noe.
Tobias do Rego Albuquerque, do cargo de ageate
pagador da reparticao das obras p arnicas, por nao
ter aceitado a nomeacao, e nomeou Henrique de
Azevedo Mello para snbstitnil-o.
Ao mesmo. De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, communico a V. S. qae por
offlcio desta data, dirigido aoDr. chefe ee policia,
approvou-se a resolagao qae tomara o delegado
do termo do Triumpho, de alugar nma outra casa
Commando superior.
QUARTEL GENERAL DO COMMANDO SUPERIOR DA
GUARDA NACIONAL DO MUNICIP10 DO RE-
CIFE, 5 DE DEZEMBRO DE 1874.
Ordem do dia n. 158.
0 brigideiro commandante superior, faz publi-
co para os fins convenientes, que no dia 2 da
correnle aquarlelou no quartel da Soledade, em
cumprimento as ordens do Exm. Sr. commenda-
dor presidente da provincia, o I* batalhao de ar-
tilharia, sob o commando d) Sr. major Jeronyrao
Emilian) de Miranda Castro, com os contingenles
do I', 2, 3, 4* e 6 batalhoes de infantaria.
0 mesmo brigadeiro commandante superior, jut-
ga conveniente I .mbrar aos Srs. commandante* de
corpos, que estando estes devidamente armados,
como se ve" dos mappas que foram remetti !os a
este commando em julho do corrente anno, nao 6
justificavel a falta de estarera a mandar para o
quartel prac3s corapletamente desarraadas.
Portanto, recomraenda, que quanto antes facam
arraar aquellas que ja se acham aqjiarteladas e
completar o contingente pedido.
Apresentou-se e lomou o commando do 4 ba-
talhao no dia 3 do corrente raez, o Sr. tenente
coronel Ernesto Macbado Freire Pereira da Silva.
Antonio Gomes Leal.
&mmmmm&:
Bahia a as 10 ii. e 25 in. da tnanha. -
Xarque: mercado em boa silua<;ao. fcxis
tencia hoje 1,091,570 kilos, sendo : do Rio
Grande do Sul i,050,470 ; do Rio da Pra-
ia 35,100; os precos nao soil*rerain mudan-
ca. iNa semana que hoje tennina vende-
ram-se 337.045 kilos. Chegou procedente
do Rio de Janeiro a canhoueira nacional
YP1HANGA.
Rio 5 as 2 h. da tarde.Sahio hontem
para o norte a corveta nacional THAJANO
e hoj.) is 8 boras da manha o vapor francez
RI0-6RANVE.
Bahia 5 as 3 h. e 33 m. da tarde.Cho
gon do Rio de Janeiro o paquete nacional
CEAHA.
Bahia 5 a's 9 b. e 15 m. da manha.Vai
sahindo para os portos do norte o paquete
nacional CEA HA Chegou procedente de
Pernambuco o vapor inglez ARIEL. Cam-
bio sobre Londres 26 1)8, banco, 26
\\k e 26 5[16 particular.
Para 6 as 12 h. e 15 rn. da tarde.En
trou o piqueto amoricano MERHIMACK
procedente do sul. Vai sahir para os por-
tos do sul o paquete nacional BAHIA.
rindo-se sobreludo bomens de opmioes moderadas.
E' uma lactita necessaria para muiili.-ar as m-
inlrigas de ioimigos habei, ardentes e iraplacaveis,
quo procoram desaeredilar a repubkea assastando
j. opiniao.
As folha* radicaes mostram se disr-ostas a acei-
tar estes cooseihos. O que domina a situac^io e a
grande necessidade de uniao.
Senle >e qne se as eleicoes monicipaerde 1871
iajpediram a monarcbia legitima de resascer, as
de 1871 podera ajudar a fnodar o unico regimen
que seja ainda possivel em Franca.
0 prineipaes chefes do centre esquerdo na
sua volta a Paris, poderam combinar se sobre a
altitude qne deverao tomai na reabertura das
sessoes.
Resulveram tornar-se muilo conciliadores cora
o centro esquerdo porque desejam evitar a disso-
luQao da as>eiiiblea antes da orgauisacao dos po-
dercs de Mac Mahon subre bases republicanas ;
mas se esta orgacisagao Ihes e recusada, apezar
dns perigos que podein apresentar as eleigoes com
um caracter plebiscilario uao besitarao em toinar
o pais por juiz da sua politica, e em ficarem neste
raovimento os Ihis aliiados de tolis aqaelles que
com elles qaizerem a forma republicana.
0 ministro dos negocios eslrangeiros da Fran-
ca, publicou uma circular diplomat! -a decliramo
que sabia offlcialmenie qne a chancellaria do im-
perio allemao era est.-anha a remessa do ultimo
ni-iii iiau Uim hespanhul relaiiv a (olerancia con-
cedida pelas auioiidaJe* francezas aos mivimen-
ios carlislas.
0 proprio gabiaete de Berlim teria alem disso
recouhecidoe louvadoa correccao do procediuien-
to do governo francez a respeito da llespanha.
L-io seria nma especie de resposta ao discurso
do imperadur da Aliemanha, que declarara peran-
le o parlamento do imperio, que a politica alle-
ma tra vietinu de a suspeilas injUitas ; se-
guir-se-hia igualiLente que tolu o resfriamento
nas relacoes dipl.unaticas Ji Franca e Aliemanha
tinha desappaiecilo, e que a ques.ao franco hes
paiiliola perdeu t>Jo o caracter inquie alor.
0 Uuque D.cazes respondeu ao memoran-
dum hespanhol.
0 ministro francez loma a uma e umi tcda.<> as
queixas furmuladas no memorandum e refuu as
cum document's.
0 du iue Deca'.es recusa se a discutir 03 ponto.-
Hie se referem a vigilancia do exercito da frontei-
ra, e a Jemissio de diversos funccionarios, consi
derando que sao queslijjs de ordem puramento in
lerna.
0 ministro dos negocios estrange ros da Franca
nao deu da su resposta communicagao aos di-
wrsosgibinot.s di iiuropi, visto que a diploma-
cia franceza bavia stigmatisado a diploraacia hes
panliuh, o ter dad as suas r- :i.nn lo'i-es um ca-
racter iuternacional que nao deviara ter.'
ITALIA.
Sai conhecidos qua>i toJos os result idos das
eleicoes geraes na Italia : ha i't't caniidaturas
que teem de ser decTalda* em sepwdo escrutinio
or falta de maioria absoltita ; ha 254 resultados
deanitivtis, dos quaes 144 pertencera ao pariido
governa:ue:itjl e 110 a opposipao.
A opposicao esta tambem em minoria nas el.-i-
coes que devera ser decididas en segundo escru-
tuiio.
0 Sr. Biaucheri, presi lente da camara dos re-
presenlanles, q \a em u n 'los circulos eleitoraes
de R ir:a turn por competidor a Giribalii, foi eiei
tQ pelo circul) de San-Keino, seu paiz natal. Sao
eleitos os prineipaes estadislas italianos, tar-to da
direita como da esquerda.
Os jor'naes ministeriaes de Italia mostram^se
mnito saiufeitos com os resultados das eleicoes
*s perdas soffridas pelo partido moderado em al-
guns circulos, sao corapensadas pelos ganhos raais
uumerosos feilos nas provincias sepieutrionaes,
nas provincias ceutraes e mesmo em alguns col
legios napolitanos.
.Xas provincial do meio-dia e que a opposicio
recruta as suas prineipaes forgas, einquanto na
Venecia a opposicao nao conlava na antiga camara
senao 4 de, utados em 42, ou8pircento; nas
provincias napolitanas as forgas da opposi-.a i ele
varam-se a 04 por cento, e na Sicilia a 7 por
cenlo.
SUISSA.
Dizem de Berne quo as camsras federaes, que
estao reunidas desde 4 de outubro, te-ra tratado
principalraente do projecto de lei sobre a nova or-
ganisacao railitar, previsto pela nova con^tituicao
federal. Um dos arligos deste projecto, que rr-al
mente nao mod.fica de um modo cssencial a base
da organisagao railitar da Suiss.i, foi vivamente
combatido pelos oltraraontanos ; e o que confia
aos mestres de instrucpio Drimaria o ensino da
gymnastica nas escolas, obriga estes a receberera
a rastruccAo militar nas e.-c las de recrutas, e a
fazerem se incorporar no exercito.
Esta disposicao do projecto retira evidentemente
a direccao das escolas aos frades menores, a quern
ah. Hlr......^ t lamitra firj fall j t* il'.HIIli r ft Ore-
(AGENCIA TELEGRAPHICA HWAS-REUTER )
Roma 4 de dexembro.Opapa re-
cusa ahsoliitamente ordenar aos
bispos brastleiros. qae se acham
presos. a reslgnarent seat crgot,
como iiic:iiil;i de recunciliacAo en-
Ire a cdrtc ponlillcia e a edrte bra
sllcira.
Berlim 4. Vumit nova circular,
que o governo allemao acaba de
publisar, aconselba-se aos subdL-
tos dessa nacao que nao emlgrem
iara o Brasil.
Rio de Janeiro 4. -S. M. o Impe-
radar visilou hoje a frasaiu de
Kuerra frauceia GALISSOXNIERE, sen-
do recebido a bordo pelo almiran-
te Peridot e pelo ministro france* e
empregados da legacao. A GALIS-
SONNIERE parte amanba para o Bio
da Prata.
Iilsboa l. -O vapor ARGENTINA che-
gou aqul. procedente do Brasil.
Rio de Janeiro 4. Cambio sobre
Londres u l/t* d. baneario. 10 1/8,
SO 1/4. e SB 3/16 d. particular. Cam-
bio sobre Paris 360 rels por franco,
cafe *aoo a .4>oo.
Londres 4. P. de elnco e clnco
oitavos por cento a tavn do des-
conto no mercado. Consolldados
de tres por cento, for account, kx-divi-
dbndo, at t. Fumlos brasllelros de
elnco por cento, do anno de ih5. a
1O0. Cafe i calmo i precos
pelo"preVde*8^^ del aem alteracao. Assucar
D1AR1UI) PEttMAJIliiUa
RECIFE, 7 DE DEZEMBRO DE 1874.
Nottcias da Europa.
Hontem chegaram os vapores francez Mendoza e
inglez Britannia, trazendo datas de Lisboa ate 23
de novembro. Dos jornaes e. carias recebidos co
Ihemos o que segue :
FRANCA.
A assemblea nacional deve reunir-se breveraente
e nada se sabe relativamente as inlencoe? do go-
verno sobre a attitude que teociona tomar peraute
a assemblea.
Naose .-abe ainda se havera mensagem, se M
leis con^tituciunaes, que o presidente da repuoh
ca declarara ter tanta pressa de fazer voiar, sorao
di^cutidas antes on depois de outras leis de inle-
resse mais secundario.
0 gabiuele nao sabe com que sentimentos volta-
ra a camara; receia a explosao dos descontenta-
meuloi quo podiiam ler-se accnmnlado durante
n* ferias; ignora qual -ein a Mtitnde dos.to**
parti^tas, e se a opposicao Uos Id^iinuislas intran-
sigenles cousentira em deixar-se desarmar.
iNesUs coudicoes e natural que queira primeiro
spalpar o terreno antes de tomar ami resolucao.
Ganbar tempo, 6 todaa habilidade de reaccao.
Entreter-se-ha o espirito publico, e as attendees
da assemblea nacional durante o mux de dezembro
com a lei municipal, a lei SODre a reorganisagao
do exercito, a lei sobre o ensino superior, e depois
verse-ha, se d'aqni ate la, o duque de Broglie pe
la sua politica de bastidores, que lhe deu tao bom
resuitado no 2i de maio, nao conseguira remen-
dar e concertar a sua antiga maioria.
A imprensa occupa-se principalmente da9 pro-
ximas eleicSes municipaes.
Os orgios do centro esquerdo, e da esquerda
recommendam a escolh* de mandatarios repubii
esta direccao sempre fara falta ; e d'aqui se pre
ve a oppo-icao que este artigo devia levanlar de
am lado da camara.
0 artigo, porem, foi, apezar disso, adoptado por
92 votes contra j 19.
0 conselho dos estados adoptou, por forte
maioria, a lei sobre o casamente civil obrigatorio.
Para o futuro o casameato e uma instiluicao fe-
deral, e o art. 23 da lei e collocado sob a proleccao
da cunstiluicao.
A assemblea federal nao descanca na dis-
cussao das leis organicas, que sao a conseqaencia
da constiluicao revisla.
A reuovacao do grande conselho do cantao de
Genebra realisou se no dia 10 de novembro. A
luta eleitoral foi das mais vivas : os centervado-
res tinham por aliiados os radicaes e os ultra-
montanos. Foi a lista do partido radical-libeial
anti- roraano e anti orlhodoxo, que triumphou.
I.NGLATERRA.
0 movimento era favor da separacao da igreja
do estado coniimia era Inglate'ra a progredir
lenta, mas regnlarraente, e isto nio so entre os
radicaes e os liberaes, mas ate" mesmo entre as ft-
leiras do clero da igreja anglicana.
A nova lei, pela qual o ministerio tratou de im
pedir as innovac5es que ecclesiasticos do tenden-
cias romanas introduziam, de sna autoridade pri-
vaia, nas ceiemonias dos caltos, contribuio muito
paia este resultad-.
Hoje estes sacerdotes elevam a vox com indigna
gao contra a pretenoao do estado, de intervir no
dominio religiose.
Em rigor poder-se hia chegar a um accordo so
hre n principio da separacao, mas as difllculdades
de applica^aj retardarao ainda a reforina durante
longos annos
E' sobretudo a questao dos bens da igreja qne
levanta graves probleraas.
Ate agora nem os economistas nem os homens
de estudo de Inglaterra acharara meio algum de
resolver a qaestio de saber-se que destino dar
aos bent e rendimentos ecclesiasticos, atmittido o
principio da separacao, isto e, se hio de ser secu-
larisados e transformados em reodimeutos. ou se
devem ser simplesmente confiscados, deixando a
cada geragao o cnidado de prover as necessidales
religiosas.
Dizem de Londres qae se prepari uma grana
Diz-
de um eoDgres clainar a infallibilida<>e d > papa a a toviubb iwd. -
de dos sens direites lemporaes e eapnitoaa.
A' freale dos urgant-adores deHe coagrcM* c#
um oovo rjenero, achar M-hia o arcebuso *J Ban-
ning.
Confirma-ie offlci)ftaeol a sappreita) da
legacau da lagUlerra, jostodo Vatisaaa. Q t'-
Geruise ja recebeu ordem do sea guiaia aw
tahir de Roma.
0 Sr. Gladsome vai pubhrar uma obra HBpa -
taute sobre os decrelns do Vaiir.-.no. >eta oht
o auiigo primeiro ministro jushlica os lensos m
veros de que recentem-nte se servm para stygsu-
tisar o uliramontanismo. Pede quo se nattal
p.T um reredidu >i offlcul. a soa opniia aobre a
doutriiia ri.iiiana, qne prretende i-m parte sberfer
os cidadaos dos seas deverts para com o pan e *
leis.
0 Sr. Glad-tone nao la-tima a parte qae torn h
! na emancipacao da Hrreja eithohea em lujlaterr-
mas pergunla a razao por que e-ta iireja
I de caracter. Em livj.tr de licar Htuftr .
tratou de fazer triumplur pela vulencia as sua
preU-n.oes dominadoras, e exige, cntrarii, da
I outras con!isoes, a abdica;ao da iiberdade oaora
. b intellectual.
O Sr. Gladstone suUntile a sua crilica iq-jmv t
, a eoattiloJ < st Ecdesm. e o dogma da nfal ibili
dade. Idstt a assercao de uma p'opagacao ra-
! pi Ja do catbolicisnio cm !ugl iterra ciun lo doei
Btoa esiabslico-, nao adimtte um accrescin
de.-ta esaassia, seuao nas altas classes, purqa.
M-gundo die diz, a douiiina romana, :<>utraria a i
evang'-lho de Cliristo ji n.i 4 de>tiaada aos po-
Dres, mas aos rico>. Fiaaknente o Sr. Glidstor-
coaclue dizi-iido que o roinauismo jaioais m eat: -
belecera em Inglaterra.
K.n loda a parte ha pJilicos que se dizem cot
servadores mas que nao sao mais do qne os Ml
versarios de last o progres-o ; quaodo uma refo
ma ameac i passar do campo da tlie^ria para uc.
aophcacao, gritam que oi >eus pr. mo lores queren.
Ii-^tuir a ordem e.-iah -it-cij... de. Certos conseivadores de Inglaterra fc-tio a -
inesmos casos. Quaodo o Sr. Gladstone secular -
sou a igreja de III in Ja, accuaram-o de arruin:
os priaeidioa religiosos. Hoje que o moviSMS
em favor da separacao da igreja e do c.-lado .-
propaga em Ingltterra, e se manifests em roe.
tings em que tiinam parte diile rntes membra *
parlamento, e tes mesmos conservadon-s e-forcac -
se por demonslrar, naa que o actual estado c
cousas e bom, uiJi-pen-avd, oas que locar Del -
e aueier deslrav a con.-tiluicio e as leu.
Eta these e advogada com uma apparencifc sinceridade, como se realnunte os receios mas -
i>--1.nlus foasem reaes.
0 Mjrning Post eanfi-.-e inulilmeote em fatet
apologia dc constiluicao monarchies da Inglatem
que nio esta era disca-sao, e o Slandart qae i
primeiro dia se bavia limilad > a coossgrar alfu
mas Unhas ainarxas e de-Jenhosas ao meeting -
p-ir.itista, ,-i;>, lera is agjra das pa lav rat proa u i
ciadas nessa reuniao pelo Sr. Miatt sobre a seets-
sidade de seccularisar os bens da igreja onto I'
um ob.-daculo destinadti a irupedir os chefes 1
p.-rtiJo liberal a as.->o:iarem se aos principios su.
versives < de toda a ordem social pr, fessados pel.?
radicaes.
E' sempre a mesma tactica.
0 arcebispo catbolico de Wertemintter Mr. Mai
niug, sentindo u effeito que a carta de Gladden?
produziria contra os manejos do uliram uunisaw
e n Inglaterra, refuta os principios daquella br
c'-iira em uma carta dingida ao Times procurauu
provar que se pode ser ao |mesmo tempo um iogt<7
lealmenle submisso as leis civis da Inglaterra a um
subdito lie! do papa.
0 banquete de installacii de lord mayor (V
Londres realisou-se com toda a sokmoidade 0
-stylo. 0 Sr. Disraeli pronunciou um discurso ta
que soceg)u o auditorio sobre a sirjacao do coi
tincute. Disse que esta siluacao offerece algum is
causas de in |uiet cao, mts que nm vivo desej > d>
paz anima t la- as grandes potecciaa, e que a la-
HI a terra cur.tribuira com toda a sua ioflaetK i
mural, para manler a par. Fallando no soce^i
que reina em Inglaterra. o St. Disraeli attribaii
e-te esje estado, a salistarao do povo que nio re-
ceia a nem as prisoes arbitrarias, aem as visit-
iiililiilililUat A allusio e transparent-1.
0 Daily News publica uma caru de Roc.a
em que se diz que o santo padre, rec.beado mi i.
tos catbolicos inglezes, na sua resposta alludida -
brochura do Sr. Gladstone, dizendo que a nao us
uha lido e qne nio procura ler bla*femias, aa-
que segundo o que tinha ouvido dizer. o fim 1-
,al brochura era fazer acredilar aos catbolicos ia
glezes, que elle procurava coagil os a obrareui
com deslealdade contra o seu aoberaoo, a coaira
as leis do sen paiz. Qne o ministerio anterior via
com inquietacao os profrressos da igreja calhob'-a
era Inglaterra e que espera detel-os interpret and
a seu modo, a vontade do vigario de Cbnsio
0 papa no fim da sna alloeucao, allude aqaell.-
qne intitnlandose catbolicos, tao peiores que i-
protesanttes e que os infieis, porque esiao en re-
belliao purameute contra as leis da igreja.
de manifestacao catholica em favor do papa
aiuito 'canosT, iSum* mcIuu-7 iwrtTdoTadTcal/prefe-be qae do VaticanofCra envlado am programm-
hOLLANDA.
0 governo holla ndez acaba de transom-
tir aos Estados-Geraes uma memi na em
que responJe a's observacoes feitasao or^a-
mento das In lias neerlandezas.
0 novo ministro das col nias declara q i-
quando entrou para o miuiaterio, enconlnm
a occupa<;ao militar d ) Atchin em bom esta-
do, e fortemente consolidada. A baodeira
hollandeza lluctua no Kraton, qua <; inet
puguavel; o a anaexarao do norte de Su-
matra ja nio entra em queslao.
Aban tonar Atchin teria siJo sacrificar a
preponderoncia da N- erlandi.i no archipela-
go indio.
Entretanto o ministro nao se pode im|^-
dir do confessar que a situ i;io e ainda mui-
to grave. Ainda que a tribu da costa ae
submettesse a pouco e pouco, o verdade n>
Atchin nao da signaes de se querar resigcar
a dominagao estrangeira.
Cada posii^ao c gauha a usta de coral *
tes ones rin gad os. 0 commandante em < I **
fe, porem, nao tem deixado de occupar r
fnrt'ficar os pontos icais importantes : e do
e de recoiar, que o corpo de occupacAo nao
possar deixa do ser consmado ao >u c n-
pleto.
Em rosumo ; o ministro sem dar ertaa.-
positivas de futuro, tem coufUuss era q<-
nao seri n-cessario enviar uma tereeira ;>
pedigao, como o aflirmam os anUgumstas >>
general von Swieten, e accrescenta qua
govern") nio pensa de modo alguma aaa
enviar uma tereeira expe A segunda camaca dos Estados Gersas
dos Pdizes Bsixos adoptou o orjameoto !*



I

ILEGIVE



=
**.
loJias quasi nor uuiuiuaiitdo." Houva su-1
dous votos contra.
P!NA)IARCA.
levoiitou-sftujn novo cpnllicto na' Di'na-
Urn prtjCussar^que e ao.mosmo tempo do-
putado da esquorda, foi roprebendiifo pelo
seu cutfo o ministro.dos cultQS eii.a instruc-
.ao publica p >r tflBcm am daacurso 1'aflado
do rei em termo* pouoo digits.
Este assu'npl#*Bu lugar a uma. Uaterp*;l-
Li(,ao ao governos e a esquor i-a propo? nan a
jidcm do dia Jcsappr. vaudo sc>etiaaaaul o
j.r, ut'dimeiit > dt ministro.
O presi.l^to do. cosjaajho declarou quo
sei.sta mo#|fosse votada*. o gavcrno.respau
<1 ria pela UTSSolusfo 4e camara.
A camara com a ameaga n-llectio, a pro-
posla foi retirada para evitar uma dissota-
.;ao, cujo principal effcito seria misturar a
[i-s-i ia du iuburar.o a lucla oleitural.
Diz a Gazetado liullico que na iliia de
Bornliolm, per"nucente a Dmamarca, e si-
tuada lias cos'.as da Pomerauia, corro o h>n-
to do que esta iltii seria cedida a AHema
tilia eui troca do Selileswig do N orte. Os
nsulares fair am muito sausfeitos com esta
Cessna, porqu S'lbrao futuro d s-o ptii in umao com a
Allemaidia.
Sao v aacesaarie a-juutat que tal b>ato
tsarece de conlirmacfiii.
ALi.KUAXit.1.
0 porlament i .iilo mSj adoptou cm pri-
ir.eira e seguuda lertnra um projecto do lei
applicando a este pate; a lei monotaria do
imperio.
A Alsacia-!. .roit*, mio mlrava-sn ainda,
desk aum-xic* >. s.! u na verda leira
lictadura, si'ji kgis!t:ir.i propria c som re-
pres-*ntac4 i constituci >nal, para o regula-
meuto cutotu.no Jos seus u- go^ios panic ;-
lares.
**-*>^. Dl^'0 de ?"h -. Segund. ^ 7 de Dezembro Ac W*.
Ctttir os pr Judos le
ornament:*, quo >ao
g'
Kstas bllas provinci.is iigurafldo no
nHisiQo plain dos outros cstados confeJara-
dos no conjunct.') do novo imperio aliotnao,
nao podirin par mais tempo Hear em uma
siNiagfto que as redutla a> estsde do colo-
nias.
I'm decretu imperial do -Id de oulu'oro,
institue uma commissao consuliiva pira dis
lei, o especialincnte o
reservadus pela coasli
hn-Ao as legislatures dos c-sta los .Ilttnaes
Cuufederadus.
A comm>s$.i> sera composta do mo.lo so-
guinta :
Os Cuuseiiios de district) tdegorao cada
urn por Ires annos. par ma;oiia simples e
^m escruttmo secret) doz inerabros escolbi-
Jos entre os sous rnumbros, assim como tres
mo;iibr.js supplcutos.
T >do o itiiii\i Iiim que deisar de tazer |>,ir-
t^ d.! um coiisclli > de district > ua p iU-ra
lainbem faier pirto ila co.niaissia da Alsa-
ci.i-l.-reiia.
A epoca e q lugar das si'ssoes serao Gxa-
r.i.j polo imperador. As sessdes nao sorfiu
pubbeas.
isJi^ coiamisslo elegera" os sous presidentes
O- gowrno a4lenri ftit-nrterp^Hado- no
p irlamonto sobre suas iat^nc^f s relative*
me^te.ao projeclo de.lei itesijnafla n u^^ta^
a Allemanha com uma legi.-lagao uuif jre
s.bra o estada civil, e o oasa,monto givii o-
brigatorio. Sabe-se que em, consequQucia
de resolu<;0fs votadas pelo parlamento na
ultima sessao, o goveruo tinha da aprts"u-
tac tste projecto de tei.
0 8r. Belbruck resp dt*u q^fl uun po lia
prqmelter- a apreseot^la. diesse jrojecto na.
a^'Aael sossio ; iioe a dffltouidada 4o tralw-
llio q^io causa este actt*ientOv norque a
Prussia j4 bin uu*U'i conapleta sobre esta
mrteria, mas era conseq.ucia, da oppesi-
gai de certps gowrn-.-s q*nai> poiem*. ou
nao se atreTem e romper coin os antigos-
costumes.
0 parlameoto approvou o regulamen-
to queautorisa o chaceller a pr.longar o
przo caeedido aos tr-ibufwe* d* Mmh
Lorena para o uso da, lingua franc-za. Es-
ta c>n:essao valeu ao parlamento, um voto
do agralecimento do deputado alsaoiano o
Sr. Guerber, que se moslrou grato pela bo-
nevolencia do parlament) para co n as po
pulacdiS anuexadas.
0 parlamento allemao insert
em pouoo o grito de ddr Jj povo
le.nbufguez, que poJe que Iho seja
mentodala u:na constituigao represent>ti-
va, que Ibo o permittiia desde iSlo, e que
ja bojo possuem toJos os estad s da confo-
deracao.
Os seis deputados que ropresentam os
dous Mecklemburgo no parlamento, apre-
seaUrio proximamonteuma proposigao ro-
claman lo a iiitorvcncSo da assemble] para
quo a promessa de 1315, pormau do uma
yez reiterala, se torna flnalmento uma rea-
lid.ide. Oj dous soberanosde S.hworin e
dt Strelitz, nao se atrevem a tocar nos di-
reitos adquiridos dos cem p-oprietarios no-
bras, desde alta antigni :ade. Os cbefes
das 43 municipalidados dos ducados no-
mead .s pelos soberan )-, naodesojnin iucor-
rer nj desagrado, e o goveruo imperial
parecodesojnr mais deixar-se obrigar do quo
tomar a iniciativa do.-ta reforma.
Deste m ido as eousas podem contiouar
su&pensas ate a consummagao dos seculosse
o pailimeato allemao naj tomar o iniciui-
va, edeaccordo corn a opioiao publica
nao obrigar o governo imp-rial a um aoto
Jo tardia reparai;ao.
Diz o !\'ouvcllist
cuvir
mock-
fin a I-
na Austria otio um accordj entre o iiois-
terio cisleitba'necr e o canie de AjJlpav ;
^wi-Jare-se tl publicagSo indiscretf* / -
matura (kdocu-nentis diplomatic^ iBOT'
Untos.
0 C/Mtda de Andrassy por occaslaM^P
sua viagem a S. Tetersburgo, em quo acjm-
jaanhjm o imuoudor Fra.nc sco Jose, tinha
annuncia lo aaM seu* ooII^mm % Vienna e
do I'eatb qn9.-aeabajiii.de ttji do goverqp
usso cmcesaoos irtgqrtai.tea, relotivaiBerrte
a politjct.fjKHqDerctaij.
O cotidHrde AinJrajaf tinbtrso pr^cipitado
em pantieipar o seaborn ejato, ma* n4o ti-
nba coptado crfn (R minislro dis finaayas
russo o Sf. Ue4oni,.e^on|las tradicgoi* da
a.kmnrstragao russa, Tmtata-se de* facili-
tates aduanejras, e da jqccg.5o dos ctmi-
nliis de fcrro austria'eos, can as linhas
russas.
fota ukt-taa- poato iq^ie se hga*a o maior-(
empenlu, levantou dilficuldades, e aaal-
mento o conda 3e Andrass'y, por uma nota
especial, aconselh u o sou collega, ministro
las ubras publicas, Sr. Banbaus'a nao iii-
sistir sobre a questao dos caminhos de ferro,
para nao comprometter o exito das grandes
vantagens que resultariam para a Austria
o.
sas pra a ontom publica. ......
governativa. So os joroaea restauraloras ccqsu-
ram o- procedimeaio do governo".
a 0 joraal fca Iberim orgao io Sr. Sxasta, que
aeclarou civicamente inoffen-iws os aff>usiao<
era agora que q||es com effeito. trarnavam contra
a paz publica,
< Uma oittra c*rta ,ld Madril. oae ie.ito a
vistadtt (neoalbWKao,4 .(U fia aarnSlo)
quo ogovtm^^Mm^K^o .^ riajceon
tra os paratario* d* tbio. 4a U. Iz^bul Jaaaur-
pon. OiZraMue estao ineiaMas 30 ppjsois na
lista de pfaQfP';a^ ajae 3*fo uiliujatueuie.
Irna felicitiu o exercito e os bravos dsfen-
Irua.
brcas carlistas que siiiarau Iron vollaram
aaVarra.
>< Os carlistas era Orense atneacaram fuiilar os
recebadores das cumribuicdes
" 'U.4iA o jornal/I
agradaapaaenio a n
rooa#eutj qua
'a9JP*8endo aeauja
a Qmtta de IG veua aub.
<*mj**k. acerca do ~
de ouiublaaup Villa Fjaaa* 4aqu flTStaiMte
u.ii eaUraaiM-
90. altttu
a para cam.oi
o aolaUm oir-
da brigadn^a
a 'fJuJ % I *taili|
a Todoa^jelegjwaHiat ealregtasaas aoaoSes
feheitando 9> Izabal j>lo 4i*.da saoU de sen no-
me, daodo-ra o tra^ameota da-mafHw]e, fieri;
te nas ruas ne Madrid pasquinsj repetindo
Uea revolujnariu : Caluo pira sempre
tra via dps.
0 general Mirbn?* contiauava em Olita, Li-
zernaesura era Logr.no. 0 exereiti djnorte
etava recebendo grandes refurcos. Murioaes den
ir* em b.*m tia as suas ontens ttflm nomens.
0 grosso do exercito esta era Tafalta.
(t-m Aragio um esijaadrio de Villa Vicosi al
canoou nraa part:da culisla, rajtaalo Ihe o inti
tulati) cr.a.| Valle, 3 homens eMniudo-lh: 10
as estipuliQdes aduaneiras'com a Russia'.
I*. rece que esta nota apparoceu em urn
jornal do Vienna, antes mesmo do ininistro
a qum era dirigido ter tido tempo de to-
mar conhecimento della. 0 incidonto caa-
sou sensagai e deu origem aos boat s de
criso, e da proximi sahidi d.) Sr. Banbaus.
Como dissomos a data mtggflu* suspen-'
deu as suas sessdes porquinza dias, aiim de
.leixar nos espiritos o tsmpj de socegar ;
ape ar disso a laui^esfade parece que e.onli-
nua a lavrar no seio das commissoes
continuam os seus trabalbos.
qua
prisionnros, armas, muuijaes racojs o u:nas am-
'julancias.
Na Citalunha forara batidas alguraas rondas
carlistas na serra que fici entre S. Qjintin e Fon-
teubi.
a A divisao do geiural [,nn permaaecori por
em-iuaiito em Guipuicoa. E' de presumir que
baja idea de fazer da costa de Gaipuzeoa nina
nova ba-e do operajoes contra os cir!i-t is eipe-
raudo-se para se proseguir Delta*, qm se eneorpo-
rem no exercito os novos baUlnSes da reserva.
A guerra na actualidada na> coa^re-e quar-
teis de inverno; mas as vase mgalas estSo em
coadicojs t;io espeeiaes, que e quasi irapis-i**!
uma carapanha nesti e-tacao.
P^'ec^u no dia 17 o general L-rsundi.
i se quo os carlistas torn passad) de
ejaacrelarios, fixard o seu regulamento e
pcfori |noisear sub-conattissoes e rekto-
V-z.
Os pnijftctos de lei ser llie-bao transmit
tidospelo piiniei.o presilenle, quo tera o
direito do assistir as sessdes plcnarias e a
dss sub-commissoes, e poder se ha faier
subslituir pjr commissarios.
O primoiru presideote e osseus suppleo-
tes loverau smnpre ser riuvidos.
I! l.iiiiii; dov;rao tambem ser feitos,
com uin II.n ci.nsullivo, rclativamnute ds
opiaia ss da rniuueia.
<)s membos da commissao terao direito a
em dumehtos e a uma subvene,aj para des-
pezas de viagem.
A ii iu-iitoic;1o que setrata de crear
s6 to n um CRractor provisdrio. E' um ea-
saio para wbrigar os ftlsaciaaos e (urea is a
.coiicorrorem por meio de seus man ialirios
ieilcs, para o governo do p.iiz e a occupa-
rfm so pessoalmcnte dos seus interesses.
A imperador, tut >r ollicial do paiz, pre-
i'ira deste mode a eniancipagao vonapleta
dasta parte do territorio do imperio allemio.
0 parlamento allemao j4 comec/Ju a
discussao ilas leis militares. Em pri'meiro
lugar ligura o projecto de lei relaiivo d or-
gaoisaflo do kmdsturm, ou levantam nto
emmassa, institui^io qiie data de 1813 na
1'russia e que actualmente se trata de
estender a todos os paizes do
imperio.
Segundo diz a Corretpondencia Provin-
cial, esta lei e deslinada a completar a gran-
de lei organica da forga armada, ainda que
nao deva ter settle um caracter defensive.
0 ministro da guerra general Von Ka-
raeko, na discussSo, accentuou particular
mente este destino puramente defcosivo do
laudsturm : 0 lansdsturm, disse o minis-
tro, nao 5 um elemento por meiodo qual
se possara fazer conquistas ; deve servir ex-
cinsivamente d defeza interior do paiz.
Alguns oradores connbateram o projecto
pelos inconvenientes e 8te mesmo psla in-
constitucioualidade do projecto de lei que
asseraelha o landsturm 6 laudwelir, faeendo
d'ella uma especie de segunda linha arma-
da ; receia-se, mais que tudo, o enorm* sa-
crificio que ssa institui^So vai impor & na-
q&o, quejdseacha sobrecarregada com
peso enorme das actuaes despezas militares.
A camara enviou o projecto a commis-
5ao que esta eacarregada do exame dos ou-
tros projectos complementares da orgauisa-j
de llaiabounj que
PSti p.-oxima a iacorporae^o do duca lo de
Lanembourg ao reino da Prussia.
A Dieta do ducadj foicouvidada a deio
gar um dos seus membrosparj couferenciar
ooai o governo sobre a mcJida, o a exp-r
os votos do paiz ralaiivamente Ai coodijOes
c in que ell i poderia rbalisar so.
A Dieta devia reaoir-se a IG de novem-
bao.
Nao o v..ruadiira a nolicia de ter o
conlede 4rn!raside reintegrado na sua pri
sao, ;or iss-3 que os medicos sa appoieram
apresentan lo o seu pirecer fuadamentado.
0 tribunal ai.;da uao deu iecisao sobre este
panto.
AUSTR0 DDNGRIA.
0 imperador Francisco Jo.-e parlio para
Bohemia com a impe atriz, /.(in de assistir
ds grandes cacadas que a tlta ari^tocracia
deste reino organisou em honra do sobe-
rano.
Uepois de u na opposicao constant?, que
chegou muitas vezes aie a rebellia esta
f-sta nao deixa de inquietar
blica.
A eorda estd de accordo c m o ministo-
rio ; este com a maioria parlamentar, c a-
pezar disso correm boatos de uma
mudanca politiea.
Esta iiii Jan^a 6 se poderia effectuar por
um g.lpe de c-stado, pois jdse foram os tem-
pos em que a dynastia poderia permitt.ir-
se essa louca erapreza, mesmo apoiando-se
na frac;iio clerico-fideralista, cuja impoten-
cia politiea e geralmente reconbecida.
a op ni,i > pu-
A commissao defazenla, acolhcu com
muito desfavor oi projectos do novos im
postos que o Sr Gbyezy julga com razaVa
sere no eixo das suas'combin <;ojs para
restaurar o ere lito da Hungria e assegurar
o equihbrio do sea orgamento.
A ;o:ntuissao tomou um carlo numero de
r'soluco;squa lavaram o minitro das fimn-
cas a declarar qua se rdirava ; e socm-
sentio em ficar, em vista das instancias dos
seus colli'gas, que viam que a sua retirada
seria o jijjnal da deso-jfauisagao completa
dos partidos actnae",, e que a Hungria achar-
sa-hia entregoa d uma ver ladfira anarcnia
p jl tica.
0 j raala Imprensj da Vienna assegura
que a c missao encarregada de el borar o
novi codigopenal sapronuheiou pela rnanu-
tenr,ao da peni de morte. To la via esta pe
u so sard applicida nos ciso; do atteti a lo
contra a possoa do imperador, ou nos casos
d assassinato commetiiJo com circunstau-
cias aggravaotes
I'RIXCIPADOS DANLBIANOS
Tamos dado coata aos nossos loitiies da,
BOSigao timad.i, na qujstdo dos tratados d
coaimer-cio a celebrar com o giverno dos
priucipa ios Linidos do Danubio, peioa go-
vernos da Allemanha Austria", e Russia
A Nooa imprensi de Vienna publica a
rosposla da la pelo ministro dos negoeios
estrangelros do sultao d communieaeaoquo
Ihe f ii feita pelos representautes Jas potea-
cias relativamente aoseu direito do negaciar
direct amenta rota a lloumania.
Aarip I'achd allirma, npoiando-se notra-
tado do Paris, a nccessidado do uiLa inter
vencAo da Turjuia nestas negoaiajd s, mas]
de lacto, pira evi'nr uma discu-sao que
proxima
0 impjrador acceitard, pois, na Bahemii
as homenagens dos seus sub litos lieis, no
^ao militar.
0 parlamento allemao comegoua dis-
cussdo do or^ameato do imperio. 0 presi-
dente da chancellarij, o Sr. Del brock abrio
os debates fazendo a exposigdo da situagao
fiaanceira do imperio.
A reparti^do dos fiuidos da indemnkagao
franceza asta terminada ; os estados do
sul jd receberara a sua parte, o goveruo im-
perial dard mais tarde os esclarecinaentos
sobre o modo parque se procedeu a esta r;-
particdo entre os estados da antiga conleder
rajdo do norte. 0 Sr. Belbruck aaonn-
cia terem-se feito economies notaveis no
xercicio correnta, e que as receitas, con-
tribuicoes e alfandega, excoderam a todas
as previsdes. Julga que o orcamento de
1874 se saldnrd com um bonus de mais de
3 miJhdcs de thalers. 0 mini tro procura
depois justificar o augmento dos ereditos
pedidos no orcametito de 1875 para a crea-
ao de novas ,iostitui(ues, para as despe-
zas resultantes da reforma monetaria e cs-
pecialmente em couseqnencia da lei orga
nica sobre o. exarcito. Far-se-b face a
estas despazas ou com o excedente das re-
ceitas, ou por meio de uma repartic3o ma
tricular.
brese baroes,todos Sum excepcao, deven-
do o seu brazdo a favor da dynmaslia im-
perial, e as suas fortunas collossaes us con
fiscayoes dos bens da na$ao tehequo, que
se levantara para defenler os seus direitos.
A situacAo na Hungria acha-se algu-
ma cousa embrulba !a, a ponto que a Uie-
ta da Festb teve de ser adiada por quinze
dias para descausar e reflectir. Um inci-
denteesteve quasi compromeltendoa sorte do
rninisterio e fezexaltar osanimos dos mem-
bros da camara dos magnates :
N) districto de Bacs o juiz 'empregava
uma especie do tortura no exercicio desuas
funcgoes de chefe de policia. 0 ministro
do interior, n Sr. Szapary, lendo couhoci-
mento deste facto, pela fama publica, deu
ordem ao cbefe do condado, o conde Mi-
gaczi, de proceder a um inquerito sobre o
procedimento extra-constitutional do seu
subordinado. 0 conde de Migaczi recu-
sou-se a esta mis.So efoi demittido.
Daqui prdvem a grand* colera dos ma
gtiates que julgam que o seu antigo privile-
gio debastonar, fazer tortura rosseus depeu-
dentes, e os accusados, ainda dura apesar
da constituicdo.
0 governo deu tempo para os magnates
reflectirem e para se convoncereoi que esse
tempo jd passou.
0 Reicbsrath austriaco comerjou a dis
cussao do projecto de lei sobre as* socieJa-
des anonymas.
0 projecto do governo, recommen lado
pela situacdo, e exigido pela opiniao publi
*a, corresponde Unto quanto possivel aos
desejos garaes ; e6td-se da accordo sobre os
pfinc pios, e so sa discutem os pormeoores.
O projecto de lei supprime o regimen
das CuucessOes e privilegios, e deixa subsis-
ts o direito commum. Exige das socie-
dades quo se formem a garaolia do capital
effectivametite pago, publicidade das suas
operagaes, e conformidade dos seus esta-
tutos com as prescripcoes da lei. i
0 aiinistro da jusiiga apresentou ao
Reicbsratb o projecto de um novo codigo
penal, espvrado com impaciencia.
A camara acolehu-o com aplausos. 0
ministro dis'e que o direito penal da qua
se trata, se ligava pelos seus principios, e
pelanatureza da /naior parte das suas pres-
cripQoes, com o cqdigo penal do imperio
all^map, eqie por c useque.ntia, 8 lvgisla j
"qSo antriaca eitrnvH ao grande movimento, I
qufi desde- u pttoc pio do seculo domina a
iegjslacio penal ua Europa, respqitando, po-
rdm, var.as tradied:>s nreciosas da velha le-
considera inutil reduz tolas as pretencojs
da Porta, a que o giverno ronmanio dirija
ao seu suzarano um pedido da autorizai;do
previa
0 inquerito sobre os massacres da
Podgoritza foi faito, ndo por uma coramis
sao inixta, como tinha sidoannunciado, mas
por duas commissdes, uma turca, e outra
mon enegrina. Estes duas commissdes de-
viam reunir se no dia 2 de novembro em
i'o Igoritza para cornraunicarem reciproci-
mente os resultados de suas investigates.
A coramissdo do Montenegro e composta
dos sanadores Urbica e Radonic, e do se-
cretario Vuk rvic. 0 numero das victimas
e mais consideravel do que se dizia : eleva-
se a 27.
Fehzmente a attitude prudente do princi-
po Kikita, fez soeegar um pouco a desespa-
racSn pub ica ; e se o inquerito conduzir a
um julgamento severo, mas imparcial, este
trista negocio terd cmcorrido ainda mais
t-ara aupmentar a popularidade do princi-
pe no seu paiz, e de ligar e approximar as
povoa^des que se tern ate aqui sempre acha-
do em estado de guerra permanente.
As eleicfics que se realisaram na Ser
via para a renovacAo da Sshupecbina de-
ram uma grande maioria ao rninisterio como
participant de Belgrado.
RUSSIA.
0 governo da Russia acaba de dirigir
um eouvite ds poten ias que tomaram par-
te na conferencia de Bruxeilas a declararem
de um modo dolinit vo se adherera aos dif-
farentes poritos que foram discutidos; em
segutdas ds suas declaragoes a Russia vai
promover o sndamento de uma conven^So
formal.
HESPANHA.
Sobre esse paiz escreva uosso carceipondenle da
Lisboa :
Foi pablieado um decreto coneedendo atnnis
tia a tudos os delictos de imprensa eie agora com-
mettidos desde 3 de Janeiro pelos joroaes he- nhoes, e reno-vou-se a profcibicio de ooilicarem
notfias da insurreicao que nao o tenharo sidj an-
tes n a Gaceta
gislaeao auslriaca.
Correm boatos
preciosas da velha le
dte crise ministerial
t Sera publieaio urn regulamento estabeiecendo
miriu-aosamente as regras qne a iaipreatSi deve
observar; mas a prohibicao e tao elara 'iwe oao
6 vreciso regulameula la.
Deve-sf, portato, comprehender que d'ora
em dianta serao ainda mais escassas e meaos mi-
nueiosaa as noticias da insurreicao.
Os carlisUs foram batidos corapletameate em
Irun. Dizia se que hiviara cahido em poder das
iropa* alguns milhares do prisioneiros ; poaem as
paries ofBeiaes nio fallara senao da se ter reeolhi-
da grande numero de raedes, cartuxame e o jar
que de eugaharia.
Uraa das v-niagens desta victoria seria para o
liberaes a destruii;ao da fabricas de amuinges
que os carlistas tern esUbelecido em Oyaraaai.
Da trontaira franceza assistio grande tnrba
uiulla curiosa aos oltirnos combates:
Tres columns* avancarara Sjbre Irnn.
Comraandava a da drreita o general Loma jbhc
toaiuo pelas pcsicSea ds Ajarzua.
A da esq'oerda o gaueral" LaportiHa^ a qnai ve>
nQcoa a peno?a asernvaw p-das serras,' cuios cu-
W* pereorreu envulveode as, nialtiplces irinciiei-
ra$ constrmdas pen)endiirtaTmente.i; estraaVde
S. debaio para Irun pasgaodo p,i?r ftenieri
AcWurnnadj centre, con4uziJa peto generai
iiiuc, avanjon desde Lezo, serviado de obiectivo
ao tiros das posicdes de Ureabi.
Depoi,&, de. empenhado o combale das (areas
He i.MtM, que expul=aram os carlbtas das pai\
c5ss qua acupayam, comegou a norar-se o Horn
axitopela retirada.deste, ao tempo que UporlHla '
Guipuzeoa para Navarra
Uiz se que Darreg.iray reassnmira o comman-
do do exereito carlista do norte.
areee que os carlistas proleetam atacar Para-
ploua.
Os membros do comiti affrasino, enviados a*
IIha-* Ganarias parece que vao remetier ao gover-
no documents emanado? de varias prov ncias,
couiignando as ideas de que deve appliear-se o
direito como o estabelecem as leis godas, e que
julga;n coon-arias e p^rigo?as as iastituicojs a-
tuaes e a ordem publica.
O.i geaeraes alfuo-iuos deport ilos sao: Villate,
que (A para Puerto Ulaao e Garreta para as Ca-
narias. Bremon, Elola e Montenegro, do corait6
afTonsino tambem foran rnanlalos re.-idir n'a
quellas ilhas,
a Dous geoeraes alTonsinos, que esuva n aquar-
lelatoi era Madrid, tambem saluram para diver-
sos poutos. A commis^ao do cireoJo affonsino
eoafereocioa com S.guti, raas sera resultado.
Foi aprasentido a Serrano urn inveoto que
arremessa mil granadas por bora a dutaaeia da 2
Eiloiaetraa
t A ';.ic-.'/'j publicou ja as instructs relativis
ao decreto sobre a i:u,>rema. E' do crer q'le o
minhterio di gov^rmpio publijm d'aqui era
diante ua fjllia olll:ial uma seoett diaria d) a>
lici is da guerra.
a Foram desterralos Uramao, BMa, Montene-
gro e Gasket por haveron a^siguad'i documento
ccm ileas contrarias ao governo e as leis vi
gentai.
Assegura olm,itrail qua o pareiw da com
missao encarregada de propor a< bases para a re
'duccao di d Vila publi :a, opina qas o theapare
soraeote pole pagar um por ceato, e uao agora;
mas quaa lo o paiz eslivar era sitaicai norraat '
us direjtores di Bandeira E Prensa, foram visit iJos por mais ue 700 paseoas
de tolas aaeoraa pditicas, ni prunoiro dia era
pa^arara ihs prisoes militares de S. Francis;).
t Cora os Srs. Baa in e Kojo Arias, fui igaal-
mante poh era liberdaleo director da hi-taliade,
qua linha sido preso por nio qaerar unstrar
uoias cartas.
Um earrespoadente do Madrid, era carta quo
leohoivhta, referc-se deste raodo aquellc inci
dente:
t Jista resolvida a questio levaa'adi pela de-
tengao nas prlsSea militares de s. Fraac:sc, dos
direetores da Bandeira Esp-mola e Prensi, por
ilojo Aria- e llanm, pela publ.eaa) de uu arti
go de.-te periodico tranicnpto por aqoelle contia
o deereto qua organisou a railic'a proviueial.
a A questae ia-se toruaudo grave, e nao so
ameaeou a n-rsisteaeia do geaeral Prime de Ri
vera, na capitaaia geaeral de Madrid, como a exis
tencia ministerial do taiaiOro da guerra, e uaarao
a de lulj o mioisterio.
Era successiv.is e demoradas reunioes de
eonselhos de ministros, proviu se que a pressao
dos Jjus jeratea, bera como o proeesso do eoase
Iho do guerra que comecaju a formar-e Ibes, foi
obra exelusiva dej Srs. Serrano D:J,ya, ministro
da guerra, e Prirao de Rivera, capilao general de
Castelha a Velha. Era conselho de ministros o Sr.
(Ilioa, ministro de estado, levantou a discu'sao em
favor da imprensa penodica, sendo eal.irosaraente
tros e ministro da goveruacao, o Sr. Mateo Sagasta.
Toraon a defeza do ministro da guerra o Sr. Navar-
ro y Hodrigo, ministro do foraento. Convem notar
c|ue tanto os ministros que pugoaram a favor do
jornalismo, corao o que esgrunio contra elle, sao
tll.ios da imprensa politiea. Mais ainda: o Sr. S i-
gasla pagau uma divida de gratidao, porque era
tempos de D. Izabel, quanlo La Iberia, follia que
o actual chefe do governo hespanliol redigia, e
da qual era o proprietario, foi muitas vezes perse-
guida,' muitas vexes foi seu patrono perante os
tribunaes, o entao joven advogado Rijo irias,
hiije perseguido pelo governo presidido pelo Sr.
bagasta, corao dirrctor politico do jornal ralical
La Bandera Espanola, >
Apeiar das upiniSes do ministro do fomento,
o conselho deliberou em sua sessio de 17 olIL'iar
ao ministro da guerra para sobree.-dar nos proces-
ses, e ao capitao general para mandar p6r em
liberdada os presos. Era seguida ao conselho,
hfiuve larga conferencia entre os Srs. Sagasta, Be
doya e JNavarro, allegando o raiaistro da guerra a
falsa posicAo era que o collocava a deliberagao do
conselho, e fazendo sentir ao Sr. Sagasta as theo
rias expenlidas na reuniao ministerial.
Esperava se um* crise immeJiata. A questao
faria tantas suseeptibilidades, que parecia impossi-
vel nao dar era resultado o naufragio do baixel
govornativo. .
A Gaceta resolveu porera na dia 19 tolas at
duvidas. O rninisterio continua unido e forte para
se conseguir cottar todas as difnculdades. Coitou
o no gordio um decreto de aranistia garal para
todos os delictos de liberdada de imprensa, sujei-
tando alias a imprensa a mais 'dnras e difllceis
restrictSas E' delezo aos joraaes" publicarera no
iicias relativas a guerra e raarinha, sem qne a
Gaceta as pnblique, ou em que autorise a publi-
cacao o respectivo ministro. As penas ioipostas
dora avante serao a suppressao ou suspensl) do
penodico oontraventor das ordeas dictatoriae* vi
gentea, era vez das maltas, como ate agora sue-
cedja.
r*ca etpuria dot Bow bons
* O aLaid-i mamla arrancal oi; mas toroam lo-
go a agparecer. Ejn. vjrjnje.dj HtU. iiOtOH pa-
blieado na Gaceta, nio e permittido publicar nera
telegraphar outras noticias da guerra se na > a*
que traz a folha official, corao fka dito e la lhes
corarauuiquei na minlia de 23 do corrente.
AiOrraase que Serrano parlira parao nirte
em dezembro afira d'activar as operaeoes contra
os earlittas.
i ~* '!aJiV,!r da general L'jrsandi foi era'oarea-
do eai Bayona pira Bilbao.
O ministro da f.izenda convidoa o ennse ho
de estado a reclamar do goveruo franeez com re-
ferenda as alfandegas, a applicaeao das vantagens
que dnsfruetara os outros paizes.
Oi eabacilhas Paraos e Asistente foram raorto
era Trerap, sendo lhes encontrados diversos doca
men los.
* O ministro UilOa (Jos negocios estraogeiros)
teve Urga conferencia com o ministro de S. M.
o Irnperadjr do Brasil.
a Topete tern sidj visitado pelos generaes Coto
ner, Pavia o Eehaguee muitos outros politics.
Bizame (o ex-marechal) e sua esposa e.-lao
cm Madrid hospeJados era casa de seus parents*
o Sr. de t-uentes na rua do Arenal.
t Foi uaraeado director geral da adiraistracaa
de Cuba, o Sr. Rizo, director do thesouro.
PORTUGAL.
Em 23 de novembro escreve nos-o corres-
pondeute de Lisboa :
No dia 19 do corrente reunio-se a commis-
sao central lde dezembro de 1610. O Tin desta
reuniao era revolver aeerea do ollkio reeaMda da
eommissio djs subsoriptores do Rio de Janeiro,
quo raanda entregar ao governo as quantias pur
ellei destraaias p:ira o raonurasnto dos heroes da
re.-tauraew. A diseussao foi longa, nao quanl-i
a doverem ou nio eniregar-se a mellas soraraas,
mas quanto ao raolo porque so deveria procedor
era tal assnmpt,. Por Bra foi votado que se diri-
gisseao ministro dj3 negoiios do reino era offlcio
declaran lo que a coraraissio aguarda as suas or
dens sobre o assumpto.
Levantou-se uinin:edento grave entre o e.-ta-
da ea igreja a propjsito do qual tera bividj deti
das eonrerencias entre o ministro da jostiea e n
pr-euraJor gera! da coroi. Vaga a se de Bra
gan?a (por falleciraento do Rvd. bispo Feijo) devia I
o eaWdoeleger vigario capitular para alinrai.-trar
a diocese tide vacanle. O governo represeatado
pelo ministro da just.gj e ua conf.:rraiJaih dos
uses e prerogativas da corfla, eusinao o cabiJo
vij resUiuir, alea das medal*]* e diploma* da
comails|p^ parte dis qaass ja veio para Lbaaa
as C'.-ndejorac6>s que em tempo oiiatara pan
alias a craimss*o ceotral de dezembro em Lis-
boa, do gqveruo da S. M., eom> te-t-rnanho aa
gratilio pelos servicos quo estavaei alii preslaaaa
na rolleeeiu de douativos.
< AinJa sobre o ineil-nie que se levant o caJatlo de Rra^inca, seJo aacaala, e o goverao,
eseraara os jiraae- q ia o govera* e.-la reolvido
a raaater a ?ua deaisa., iasistindo com o goverea-
iot ciHl pira ie a sa*t*at<.
. O cabid i, iividi J# en dous parti Jos, esti tc-
parado na eseolba. do vigario capitular. A in-i
'itiaeAo do govaroo rwabira ae sacerdote qas
faUect'l i prehida sacobaia tolas as vezes qui se au -
saauvada di .case, e o bistm aaasai procedia petas
dtico.-d as e :i qus se Mtcontrava divid.du o ca-
btaa.
T*TB!n a,vre$cei'a o nn'so cirresnondeite :
J"da a imprensa se occupa com os ultimo*
aconti^cimeutos do Para.
"Esta ja assiguado o decreto approvando
uontralo eelel.rado com o cidadio da repuuhea do
1^ % ??"*, 'J^iy* ,,,,^ *m*e "" "
truccio e explorajao ite uma Imha lerrea e tele-
grapbica ectre Lourenco Marques ua province de
alofambique e a svrra de Libombo, l.aiite daqae||4
possess.i'. porturtucza e da mesina repablica
" A haba ferrea sahira de Lureupo ilaruues e
dalli cui vando ao s I, ira a IS milhas apr..xiaa-
daiaente c-irtar o no de Looreoco Marques, den..-
ininado U.nb.lon pel.s inligenas, s.guindoa leste
paralleUraeul" a maigere d:reita do raetm rra ate
ao valle ou queirada do Libonbo.
" Os trabaluos coaiecarlo deatro de nm ana
e ue-irao termuiados denao d j ire*, a cuntar d
prazo para a formacao da corapaobia, que t Je 18
mezes, job peua de Hear >em tlTeiio a en.i-.-a >.
" A cimpaui a tera a sua sede legal am Mo-
zambique e era Lisboa e Loarenco Mirques eia
represeetada por ageotes, qne resp oiderao por to-
das as oongajoas cjntralndas pela i-inpreza.
a '' F,lJ'":eu reoeutraamente, estandj no ihea'.ro
de D. Maria II, o eon-elheiro A.!gu-: G i, ,1, -
Uutinho fiarnd> qie foi goveraad.tr civil de Ca
lello Branco de Beja e de Faro. Era o chefe do
ramo primog-nlto da illusae farailii d>s ftarnd *
dit Loimbra, cuja residencia ao campoe a mag-
nihca quinta di Bouca, porto do Sinbal e de
Peaella.
" Parece que se coufirma a notieia de qae o go-
verno vai mandar oolro navii para o Para e que
o esc !ido e a corveta Duque da Trtcsira. Ete
navio roobeu ordem para Hear pronpto aarmar
no sabbado *8.
Era resnltade> deste deereto nio'so foram pos
tos em libeMade os Srs. R >jo Arias a Banon, como
tambem o Sr. Santa Maria, director da Fgualiaie,
sujeita a conselho de guerra por causa das cele-
bres cartas des generaej radicaes, e foram tran
eados todos os proCessos por crimes da imprensa
E asstrn os dous joraalistas restituidos a liberdade
na o foram por ser arbltraria a prisao, e assim
flearam salvas as resoonsabilidades dos Srs. Serra-
no Bedoya s Piiaao de Rivera, podendo continuar
noexereicio dos mus altas.catg*rJe ministro da
guerra e capitlo general de Madrid
a Noticias de hoctem (fi) de Madrid dlzem qne
o governo tamou providencias afira de evitar agi
tacoes federaes. A Iberia nao jalga provavei ma-
*0caccao ministerial. a>**w*J ^^
a Descobrio-se perjq de E lella era am terreno
ouir'ora qecapado pelos carlistas, muitos cadave'
res ateiQ enterrados de. faparlgas assas*jnadae.
t Aceeotua-ye a guerra do governo aos affoasi-
nos. Oi Srs. Brenon, Bl'Ha e Muptetxwm, o nri-
raeiro, secretario da eorori^ affonsis-, o segand-a
prsideote ii comraissSo de jvvrocias. e o terc-i-
ro. encarregado das corresuoadjsdcias.da ditti com
missa', re^eberara ordem de ?e tra'slaJare'ra as
IUia* Caaarla!. Os generaes Write e Sarret tarn
bem receberam ordem de se aatmportarem o
priraeiro a Puertottano, e o segundo is Ganarlas
onde o governo lbes flxon ijaartef. Kivsetouea
caus3 desta? daportacSes esti era' pianos "oVeous-
Uacbareis era direito e thoobgia qua lia na corpo-
ragio oicolbesse mo, pois qua o cabldo nsi podia
votar era miiviJu) estraniio, porque tra'oa que
obedecaras prescripeo"es do direito, da igreja e
*is sani PRO. Foram 9 os votos, doas dos quaes apenas
reeahirara no mJieaio pelo governo. Os restantes
recabirum uo conego raastre-sala qua ja por vezes
regera o bi.spado. 0 governo ao saber Uto, oMo-
uou ao governador civil de Braganca qua inter-
rorapesse as relseSes offlciaes com o cabido o o
vigario capitular. 0 governo mostra-sa disposto
a su-tentar a sua iadicaefo, julganJa zehr assijn
os direiras da coro:. E' assim a sing^la nar.-ativa
que u n jornal de Lisboa faz dos faetos expostos ;
coraralo, o:i muito rae engaao, ou dest" confl el i
se orjgmarao outros no mesmo carapo. A polorai-
ea qie ainda nao principiou, tem de ser parSada.
talloceu o Sr. Joaquim Freire de Macedo, ba-
charel era philosoohia a raeu collega na Ivceu na
ctoiial de Li-boa, ouJe era professor da'gaogra
pnia, Laracter bouJoio e extrjinameate benevolo,
havia cooqnistado ha rnuito as sv.npatliias de
toda a raociJado que houvera tido a Utaoa de
reeeber as sabias prelacies do decano do magi
teno da lycau deLi-boa.
Nao meaos o eairaavara e rssoaitavam >s,
nos, os seus eullegas. Deixa alguraas" obraslitte-
ranas o compendios de grande valla. A sua grara-
rnatnae geralraente adoptada nes^e dist.-icto e era
alguns outros do reino.
a Diz-se que o governo na proximi reuniao das
cones propora o augraealo do exercito.
a Deixou uma fortunazita ue rail contos de reis
fortes o subdue chilenD Salvador Alvares, que fal-
leeeu ultimamente era Valparaizo Co.no erara
?rilua i de p"rlaS^ seas pais, anaunciou-se na
folha oifleial para os devidos effeitos ete suo-
cesso.
As perdas produzidas pelo cyclone e incendio
eai Macao sio incalculaveis. Pereceram raais de
SO-) pessoas. 0 visconle de S. Januario, govtrna-
dor geral procedeu com valor e dedsao digna de
to Jo o elogio. Tera cbegado pormenores que pir
brevidade supprirao. Uraa das fortaleras, cora to-
da a artilharia, quirteis e guarnicio ficau oerdida
So e.-eaparam duas pracas da pret.
a Partio ha dous oias para Roma, o aosso mi
nistro conde de Tuomar c ra sua esposa.
Ha dias um pobre louco foi a secretaria do
reino procurar o ministro o Sr. Antoaio Rodrigues
sampaio, quo o ouvio com toda a caridadc A
mania do horaem 6 que 6 elle o rei de Portugal, e
um dos fundaraentos que no seu dizer Ihe da o di
reito ao thro ao e um que diz ter lido no Manual
encyclopedia de E. e a Monte-verde. No dia se
WWJ foi hospedado no horaital da alienados de
Hilhafolles. So outro dia apresentou-se ao go-
vernador civil uma senhora idosa que so iutitula
prmeeza do Mindelo e condessa do FozcOa. Diz
que tem lireito a nma avoltada heranca, raas pelo
desconcertado d conceitos, o qae se via clara-
mente era o sou desarranjo mental.
Por noticias recentes da nossa praga de Va
lenga (fronteira norte) consta era Lisboa que nao
tern sido alterada a ord;m publica na provinoia de
Galhza.
A peqoena guerrilha qne appareceu na Ponte
ias Vargas desappareeeu completaraente, log-.- qua
foi perseguida pelas forgas hespauholas. Era toJo
o Alto-Minho ha socego.
o Inslalla-se hoje na villa do Seixal, na margera
esquerda do T.-jo,a erapreza Motor bydrauiico Sei
xal, para a moagem de cereaes.
a Compoe se a commissao in3lalladora dos Sr-.
Antonio Lopes Ferreira dos Aojos, viscouJe de A-
zarajimba, Angusto Cesar Filcao da Foncsca, Joao
Ferreira da Silva Santos e iorge Higgs. Ha um
lunch esplendido, para o qual se fizeram muitos
convHes
0 motor obtido e pelo floxo e reflaxo dos ma-
res, cora o auxilio de uraa repreza feita era fren-
te do Seixal, a qnal com a entrada e sahida das
aguas pora em constante moviraento os engenbos
da moagera. A forca natural do elemento raotjr 6
constituida por um brajo do Tejo, que tem de su-
perlkie 5,150,000 metro* quadrados, calrata^se
que em 20 boras, (o trabatbo de um dia) dovera
passar mais de 30,000 metros cubicos d'agua, qua
produzirio forca correspoodente a 1,400 cavallos
de vapor, sendo a forca utilisavel das rodas orca-
da era 5u0 caraHos, o qua e prodigioso, sera anxi-1
lio de combustivel. Caleola-se qne a moagem se
podera fazer por metade approxirnadauteute, do
are?o por quo boje e feita, o que sera un grande
benefleio para o coasumidor, aiuda qua o fabri-
cate vend a por ventura a absorver nroa parte
d'aste favor. As despezas de eonstruccio estao
orfadas em duzentos contos de reis fortes. 0 ca-
pital da empreza sera de 600 eontosj a eos-access
dp SOjOOO.
Coineci hoje no tribanal da Boa Hora cv jal-
gnnento da Agosjioho Joa.i.irn dos Santos, mais
um dos implicados no celebre processo da revolta
.(vulgarmeato a lemerun) e aja+voluntiriaa n-
te se apresentou^ corao o outros quejt f>rae
absolvidos.
No Diaria de Noticias de Iwatea Ha se a se-
gninte nolicia:
Consta que oj subscriptaras para o meuamra
liotk'i js la lmcrica
Por via da Lisbo.1 rteebenioi as seguiu'.cs :
ESTADJS-INIDOS
Numerosss e iraporunies vict>rias al<*.acaaas
nas Estados-UaMjs peta partita democrala, s'obre-
saltaraiu o goA-rno de Wa-hipgt.ra.
As ultimas clei.ojs assegura.u aos demorratas
uma raaierie de 3'J votos na camara dos Npreswa-
lantes, is r.publxanos cou;ervara uma maiTa
da 10 votos no senado.
Nestis condi.oes e.provavei que sejaaiandona-
da a idep do uraa terceira eaulidatura d<> fciier*l
Grant ajpresideocia. Usj,raa*isao maxiraos e
eonsidtrara victoria dos dtmocratas, coin.> o re
sultado. menos de uraa conversao dana.aoa.s
sens priucipios, muito rnal coorJeaados, do qu
como uma reacjao coutra as filtas da adraia;:-
tracao.
Tal vez quo o parlaiiieulo, era que o~ ijtublica-
nos abusavara ia sua .-uptrionJaae, para t'lnarem
resolucoes, excellentes e.n si niesra ., mas prema-
tur.is, Sob o puuto de vista do dcstavolviraeuio iii-
tel.tctual da popolacao lenhace remiiJicir a sui
pane de te.-ponsabtli.lade no m do r.
ceio que se prodoz im mjineuto
Os joraaes mglez-s occupaia-se desu ravo-
lucao eleitorai, jae tio profundaiin-nto n.. .iilicoi a
silua-io resjoctiva dos p^itiJos nas Est.Jos C
nidus.
Cenpararna dtrrott irapravista do parl.Jo re-
publicano a do parJdo liiieral era Iogiaterra, e
proeurara as causas e cunuieuiam as consfjuen-
tas pravaveis proxiraas oa ren.tas.
As caasas sao inultiplas. Sao as que derrotan
todos os parti Jos galjs, par uraa 1 raga prcn.nde-
rancia.
0 partido republieano, seohor de todas a sitoa
C5e.- In quinze annos, nao se poJe defoad-r coutra
a exageraeaodoj seus p'incipios, e o abuso da ana
autondade.
CeutialisaJor em deraasia era u n paiz da liber-
d 11 eiiniganJj -.ob a sua autiriiaJe os asflMtaa
veneidos dj snl ; exploranli. para asseguraro
poder, a raallipluidade de laaev'a de que uolu
dispor, e os receios que. seaipre faz ai pectiva de um receio politico ; soohaad i ja para >
soa reyre*entante supremo um lerceiro prazo d-
presidency despresaaaa as prul.rates tradfo-
deixadas par Washington ao* seas snecessorj?,
canseguio ievaotar coatra si, um apoi outroi to
dos os plantadores do sul, onde dsz ann ;S depn -
da guerra civil, o autagonismo das racas eatl mais
vivo que nunca ; os rendeiros Jo lesle, livre cara-
bistas, can,-ados da explorajio dos prdeeionistas, e
eiulim toJos os homens dus diversos estado, e e*
peeialraente daquelles da republics priraiti a, l.-
gadosas InstituicSas do sea paiz, e poaco di'tK.--
tos a sacriGcir as suas iiberdades fuaJaineatae<
as combinacdes arabiciosas dos faniiliatei da Cas -
Branca.
ToJos estes desconteotaraeotos reuaiJos produ-
ziram o exito dos deraocratas. Explicara com i
estes Doderara triumphar sera prognrama bem
detlnido, e so cora o projasito dj entravar a obra
dos seus adversaries.
E' assira que u'um paiz iivr estes reviraraen' i
snbitos da opiniao, sao uma especie de valvolas da
seguranca, que irapedein as revolucSes. Aquelles
que ja previara a gr-nde republic* americaoa
transformar-se e ser a vielima das discordias in
tastinas, e a preia das atnb:co3i da am dicuJor
veem-se enganados nos seus calculos, e deverao
re^onhecer. como diz o jornal Li France, que i
as lnstituicoes livres expoera as vezes um povo as
aventuras, Ihe offerecera sempre am meio de as
conjurar.
Nao ha mesmo raotivo da praoccapacaa relaiivo
a raomanUnaas periailjj.y.es no raoJj de fuoc:i. -
nar d?s rodas governamenues e parlameatares.
_A n >va raaioria da camara dos repreteataotes
nao tomara posse senao era mareo do proxira
anno. Daqui ate la, o presideote Grant conserva-
ra a sua maioria no senado, orgao iraportaatissi -
mo na organisacao da republica.
Pod.-ra conliauar a confiar aos homens de sea
escolha os altos cargos do estalo ; mas ao raen >
tempo devera attender as vontades papula res u,
como forara expressas pelo; nitiraos escrntiaios ;
mas obrigado deitar Into pela sua terceira cac'-
didatura, po iera acabar a soa magia'ratara sera
se Jeixar inflienciar pelas fallaciosas inspiraj."-
do inleresse
partidb.
pessul implantado no Internalu ds
os carregava era mass,, bbrlganao-oi a evacaarlpfrac*, a^sina V nu, ^ t^pr^r^a^? ko "do^sta^^aT WttuSS;,
\utlcias da sul do
Pelo trausporte Le-poldina recebstaea _
joruaes da Bahia aii t do corrente, nos quaes i
contramos as segninles aotieias :
BIO DA PHATA.
Foi muito festejada era Buenos-Ayrea a eaar*-
ga da Parana que entrou com baadsra braaaa
uma caru em que Obligado declarava qae, aao
caro^endo a revolacao daquelU caahoaaira, tile,
como bom argaotino, em vez da destraila a eaare-
gava a patrui. Este procedimeaio, qaa a ser raaJ-
menta ri.ho do motivo invocado, imporiana aas
rare exeraplo Je virtu ia civica n j laeic do araor
de uraa guerra iute.-traa, esuva iu'elizoseata a>
post) a algurots suspeiut. Ea priraeira taaar
nao era resoluca > qae Obligado pudessa taatar
por si mesmo seneoasultar a junta revotaasoaaha,
depois, o facto da es juadra argeotina aoaea tar
podido eaeoutrar a ca iboasira e de baver eoa at-
vega-io quasi poreotra aqaella pira ra^Her at era
Buenos Ayres, de alguma sorte autorisava a sa
ta de algum arreglo, saoraaaaaa quan lo o gova
tiaba ja oRerecido 60,000 pesos a q teas the .
gasse aqaelle vasj de guerra.
Intimou o mesmo governo a todas as faaaaa da
capital proaibicao absolau de publicar >
n tieias da gaerra, afora um boUUm i
e:le.aesa se encarig*va de f raeti
pois, noticias exclusivamuiU deu tag
encDntram uo~ perwJic.s de Baeans-Ayrea.
S*>goad elte-, todas ** previactas esuvaas i
quillas e aawiaJas di. melaor espirito, ao>Cc-
riantes, d 'pois da priaao do guerrilairo Israau
sA re lava Isaorralda, qua aao tlrdaria a tea
a.osata sorle.
Arredoalo pelo cootrario nio rn aatiava aft
proviueia de &. Juaa asm queaj qa testa ter at-
veraador, e os bmsbbos luitri.tas sa recaama a
s^gnii-j.
*

A.


"

Atari*. Svmtinwir* fymfo JwwM -.<* Deaembw 4^ 1874
[-.
O gen-ral litre fugaflqn do Aaukpara a Ba-
hia Braaca, tendo marlHj nm!>e-ra%s|eus iadios.
IVao era uraaretirada, e:a ami fu, fois ia rlei-
xando atraz de si bagagejas, animals mortos e
armamento abindonado.
Persegaia-o de parlo o coronel Julio Campos
com o major Lagos. Apezar daquelle coronal ser
mvencivel, participavapara Boeoos Ayres, o mi
nistru oa guerra Alsina, ia este juntar-se a elie
com as forcas de Julio Campos.
Para, o laUu do oeaie as mesmas njticlas coafes-
sam qoe os iasnrgentea chegaraoi a eolrar era
Chivilcoy, quando dizem qua Car^io Caros estando
alii com a sua geule. assassinara dezoito pessoas.
E' o syatema de nao admitu'r qae os insurgen-
les bajam enirado em qualquer povoagaa, senao
depois de expellidos elles, tar sido esta reeuperada
l>}Hs arms* do goveruo.
Para o Kosario expadirarn-se 25,000 espragar-
das Remlogtoo para armar os guardas naciooaes,
que alii estao formando o exercilo de reserva. Por
decreto de 18 brant autorisados os ehetes politios
e commaodantes militares a penetrar no domicilio
de qualquer cidadao a procura dos iodividuos
obriga* a. serrir ua guarda nacional, devendo
ser punidos severamente os qus os oecultarem.
Era autorisacao de qua ja antecipadaraente se fa-
zia luo.
Agora as- noticias de origera revolueionaria :
Buenas-Ayres estiva-se intriusheirando pelo la-
do do sul ; a revolacao lomava corpo na provin
cia de Sanu Fe, as forgas revolucionarias na Rio-
ja, sob o commapdo do major Loyola, elevavara-se
a 8'K) bomen?; as forcas de Cora, eulraram em
Chivilcoy. onde eram de 1,000 liomens as iropaa
do major Espina, que apenas pode escapar com
pouco mais de 100; as forcas que o goverao man-
dou em soecorro de Chivilcoy, ficaram em Mer-
cedes, ultimo ponto a que cbeira a estrada de fer-
ro : Nieolao Ocampo, coramandante da primeira
divisAo da vauguarda revoluciouaria, acampou em
Rouch, a 9, dapois de ter feito prisioneiros 300
pragas, mais de 20 offlciaes, o major Hortencio
Miguens e o juii de paz, e tornado rauito arma-
manio, raumeoes e uma carruagem.
Layria bateu em Las FI6re_- as tropas do gover-
no, raatando-lhes 70 homens, ferindo um chafe
tomando tOO prisioneirei e 700 espingardas.
Raalmeote oao ba meio de entendel-os.
Forara convocadas extraordmariamente as ca-
maras proviuciaei de Buenos-Ayres. Entre os as-
-umptos desjgoados no decreto de eonvoeagio para
serem tratados oesta sessao. encontrase o de um
emprestimo de dous milhoes de duros ao govaroo
nacional.
Em Montevideo proseguia com difflculdade a
diseussao dos projactos de recurso extraordinarios
e ja se fallava na retirada du ministro da la-
zenda.
RIO DE JANEIRO.
Datas ate 28 de novembro.
No dia 25 concluira se a operacao do levanta-
memo das lages qae, te jdo desabado do tapamentn.
, estavam iaipedindo a entraia no dique de S.iuta
Cruz dos navios de grande calado.
Devia entrar em breve para elle a corveta iVifc-
therohg.
Derase n > dia 23 o seguinte facto :
Uma senhcra de nome Laita Guilbermina Hers,
r^sidente a rua dos Ourives, inandando buscar
por um meniuo, seu lilho, um purganle de
nelro, a or
dam do Dr. juix wunioipal e a retjuiaicao da dito
commandaate, oa iodividuos que compunbam, em
mais de seis, a tripolac^o do referido navio, area-
sados por terera-se levantado a bordj contra o oa-
piiao Salge e assassinado am homem da mesma
tripolaijio.
ALAGOAS.
Lemoa no Jornal das Alaguas :
t Apte hontem (8), dia de tola nacional, o ins- riBca|o, muito ja tern, feito Vi Sxc, apeiar
titnlo arcbeologico e geographico alagoano, cele- BmBaracos qw tem procurado oppOr Ihs adversa
t)Tuu a sua 5" sessio anniversaria. rias caprichasos e pouco generosos.
A' % boras da tarde, tendo comparecido S. Nao tardara muito qne, todos os interesses,
Exc. o Sr. preaidente da provincia, acompanhado Jodaa as opimdes, todos os graos de intelligencia
de muitas antori lades, offlciaes e pessoas gradas, tern minoria sejam ouvidos, abrindo-se assim espa-
e estando reunid.) grande numero dos Sr. soeios ; cor -is. mais legiiimas aspiragpes da opiniao na-
do inttituto, o respe.'tivo president*, Sr. Dr. Ho- i cional.
berte-CaJbeiros de Mello, declaroa esur empossa- | *. Em face, pois, de tao grandes quao reaes be-
da a nova mesa adrainistrativa, para a qual forara nedcios nio poderia esta camara. sem incorrtr em
reeleitos todos os soeios qne componham a ante- grawssima falta, deixar de manifestar o sea im-
rior. | menso jnbilo pela visita de V. Exc. a nossa amada
Em seguida lea S. S. am mimoso trabalbo provincia, a cajos otos reane os seus, desejando
inaugural da sessio, em que derramoa os eabe- a V. Exc. as maiores felicidades. Joan Vieira de
daes de sua illustracao e variados eonbecimentoa ; Mello e Silva.Franctuo Rodrigtus Porlo.An-
scientiflcos. itonio de Vasconcellos Fhrencio.Manoel Vieira
Dada a palavra ao Sr. secretario perpetao, I Leite.JoSo Ohrytostomo de Aquinoe Sitva.-Jodo
Dr. Join Francisco Dias Cabral. S. S. deu coola I Bapttttit Nunes.
rr:
VJca^elevando-a a cathegoria d* ^ Wdadeiro g^ 'era anadj Mmmfi* (ftiUu-stre Sr.|rjiUtn Ehas / Fraflciscode Lima, qae se eva-
'**.{-_____ -x ,Wns*!lbe>w Joao'SHredo Carre'a.de Oliveira. idirram. H
,.Lf H,.ga Hh a que.8,onll a re-TOtaeJb. fe b^-Pessoa vinda do povoado de Nossa' /,*.* t ransaflanlicoa -Nosso
3!lt*S!"i,?l'fIB0 pwta wc*Para ?^ora d0 de Ipojaca, informa nos que con- j responds de Lisboa di"oao senrtnte
ligencia de V. Exc. ; t.nua l grassar alii a variola, e que e provavel fvod.* 22 de novembro esperSseaqui o
co
I
en uma pharmacia a rua da Asiemblea, trouxe-
ram-lhe, por umenganj fatal, sal de azedas, que a
infeliz ingerk), do que result >u a morte dentro em
pouco, ficandu naorphandadee ao desamparo tres
pobras crianciohas.
A oolicia dera busca am casa de Miguel dos
Aojos Ribeiro, o passador de libras sterliuai fal
sis, e encontrara alii Varios in^truraentns, mate
riaes a inijredientes proprios para fabricar moeda
falsa, tres enapas de meial araarello em circulo,
teado u ti.i dellas gravada era uma das f^ces a
orda Brasileira, e sete chapas de metal branco
t-imbom em circulo, que, segundo paraee, deviam
.-?rvir para fal-ificar moeJas nacionaes de 2:000.
0 ministario da mariuha maudara proceder
i consalho de investigagao ac-rca das causas da
avaria. que soffr.-u ultimamente a corveia Tra -
j mo.
0 ministario da agricultura resolvera con-
tratar a construccao, custeio e servjgo de iran-
sito de um tunel am rocha no morro do Livra-
rneoto. na corte, que communique enire si as ruas
de Sant'Anna e d'Hirmoma, uem corao o esta-
hi'lecimento de uma linha de carris de ferro para
'. transporte de mercadorias e passageiros.
Lu se no Jornal do Commerrio :
0 Dr. subdelegado do 1* districto da fresuezia
dos trabalhos do instituto no presente anno, lendo
um bam elaborado relatorio onde a par da lingua-
gem fluente, para e elegante, transpirava o accu-
rado desvelo com qae o illastre secretario caida
dos trabalhos do institute, qae muito Ine dove.
Cabendo a vez ao orad >r do instituto, o illus-
trado Sr. Dr. Joao Gomes Ribeiro Junior, leu um
magoilico discarso, terminando por lecer uma co-
rua de goivos a memoria de um dos soeios bono-
rarios do iustituto, o fallecido commendador An-
tonio Joaqaim de Mello, uma das glorias iilterarias
da provincia de Pernarnbuco.
a Acto continao, o Sr. Ignacio de Barros recitou
alguns trecbos oe um poemeto dedicado a Franga,
bttcto de suas locubrag5e9 poeticas.
c Tambera o Sr. Dr. Diegnes Junior, era home,
nagem ao instituto, leu um pequeno, raa3 bonito
trabalho de sua composicao.
a Em seguida foi encerrada a sessan.
a S. Exc. o Sr. presideote da provincia demo
rou-se por algum tempo examinando as 7ariadas
collecgoas que ja hoje o instituto guarda, attestan-
do assim a valid-tie de sua proficua existencia.
0 edilicioestavelegantementedacorado. F6-
ra, a banda da musica do corpo de policia tocou
durante a sessao lindas composigoes do seu varia-
do repertono.
REVISTA DIARIA.
I'csias da Conceiruo. Amint'.a cele
bra-se a festividile de >"ussa Seabura da Con-
ceicao :
Na capella do arco, com sermao na missa so-
lemne, pelas 10 boras, e ladainna a noite, depois
do que queimar se-ha um lindo fogo de vista;
duas musicas marciaes tocarao naquelle dia du-
rante os interval! is do3 actos e a tarde.
Na igreja de S. Pedro, com missa solemne e Te-
Deum ; no Eoangelho prega o Rvd. Antonio de-
Mello e Albuquerque
Na igreja da Penha, com missa solemne, tanto de
madrugada, corao as 8 horas, havendo a tarde o
acto da bencao com o Santissimo Sacramento.
Na matriz* de S. Juse. com missa solemne, pela
madrugada.
Na igreja do Carmo, ;om missa solemne, de
madrugada ; e orador o Rvd. Juse Esteves Vian-
na.
Na igreja de S. Francisco, com missa solemne
de m'.drugada e Te Deum a noite, havendo ser-
moes nesses actos.
Na igreja da Gloria, com missa solemne, as 6
horas.
Na Se de Olinda, com missa solemne, as 9
horas.
Na capella do Caxanga. com missa solemne,
sendo orador o Rvd. Mello.
Embarque -Para o bordo do vapor Calde-
ron, embsreou hontem, com destino ao Rio de Ja-
neiro, o Exm. Sr. conselheiro Joao Alfredo Corre^
de Oiiveira.
S. Exc, tendo vinlo a carro da Passagem da
Magdalena. acompanhado por muitos de seus ami-
gos, chegou ao Caes 22 dc Nove nbro, a Praca de
Pedro II as 5 horas da larde. Ahi aguardavam-
no muitos outros amigos; e todos embarcaram
ce policia, nao so uma moeda de 15 faisa. qu-3
Ine fora eniregae por um negoeiaute daquelle dis-
tricto, qua aacnou na gaveta, da feria do seu es-
tabeleetmento, como tarabem duas de it, igual-
meote falsa-, enconiradas em poder ce um estran-
ge iro.o
0 presidents da provincia do Rio de Janeiro.
Legara sancgao aos projectos da assemble* pro-
vincial : autorisando a subveneao de 8:000^
^anuaes ao collegia de S. Salvador de Campos ;
2 aut'jrisando a aposentadoria do procuradir da
camara municipal de Vassouras.
Fallecera^o na corte o advogado Jose Mar
celino I'ereira de Vasr-oScellos, Mathew Benjamin
e o piringuez Antonio jVaquim Coxito Granado.
Em Campos a soeiedade Nncleo Lilterario
deliberou a fundacao de uma e*cola nocturna para
as classes opexarias, a qual devera abnr se no dia
{3 de Janeiro proximo.
A respeito das notas falsas de 1005, de que
ja noticiam is terem apparetidj naqualla cidade,
refere o Monitor Campista que a policia ja bavia
apprehendido mais duas, e que constava existi-
rem mais em circulagao.
Km S. Joao da Barra, segundo narra a Epoca,
tiaTuella ;ida1e, foi assassinado pelo escravo Joao,
a mandad" oe seu ssnhor, Antonio Alves Barreto,
c genro deste Manoel Alves de Souza.
Poran njmeados commandantes: da fragata
Nidhtrohn o Sr. capitao de mar s guerra Jose da
Costa Azavedo, e da Amazcnas o Sr. capitao de
fragata Joaquim Jose Pinto.
Oavido o parecer de prorissionaes. mandou-
z?! adoptar para as clavinas Spencer Wlimckester
oa guarda facbos que ja sao usados nas caraoinas
do sy>tema Comblatn, typo preferido m nosso
exercito.
Manioa-se proceder a experiencia no labo-
ratorio do Carnpiuho sobre cylindros de polvora
comprimida sem previa granulagSo, para verificar
se polem ser usados 'oomo carga de espinga>"da
Combltin ou de outra qualquer.
Foi nomeado major do batalhao naval o ca-
pitao -tenente Carlos Frederico de Nor nha.
Foi nomeado o capitao-teoenta Luiz Felippe
.-aliaoha da Gama para commandar a canhoneira
Araguaay.
L6 se no Globo :
a Deve segair hoje para IVmarabuco, a refor-
c.ir a divisao naval do nort", a canhoneira Ypiran-
ga, sob o command i do Sr. capitao-tenente No-
ronba.
a A Yptranga est.a arm-ida com rodizios de ca-
libre 70 do systema Whithworth.
c Consta-nos qae scguirao proximamente, com
:.7ual destino. a ffagata Amazonas, do commando
a > Sr. capitad dernaT e fusrra J. Carlos Tavares
e a canhoneira Artnjuary.
BATIIA.
No dia 5 do- cirrente devia ler Ingar, na Fa-
cullade de Medicina, a eoflacSo do grao de don tor
aos aluranos que completaram o carso medico.
No mez de novembro foram exportados para
o sul do imperio 176 escravos, que pagaram de
iraposto i: 410*000
Arribaram : o lugre italiano Qitalro Fratelli,
q-;e tinba sabido na vespera para Mucury; e a
27, o vapor inglet Donati, sabido no mesmo dfa
para Hamburgn, por desarraojo na maehina.
Nos dias ai) de novembro e !. do correlate
fizeram actos, na Facaldade de Medicina :
1.* anno pbarmacantico. Joao Alves Pitombo, plenamente ; Antonio Baptista de Moraes,
Ceciliano Alves Nazareth, Ramiro Ramos de Oil-,
veira, Glycerio Alve* de S. Baaventara,
tonio Pinto Junior, Henrique das Merc-is
Francisco Leite Cbermont, simplesmente.
Defenderam theses e foram approvados:
Manoel J se Ribeiro da Costa, Ascendino Angelo
d03 Reis e Antonio Jose Pereira da Silva, distinc-
cao ; Manoel Gonealves Theodoro, Joao Carlos Bal-
thaxar daSlrelra, Aristides Guedes CabralAbdon
Bapiista, Arthur Carvalbo da Costa, Epipbanio da
Mi Loureiro, Joaqaim Dias Laranjeira, Romual-
dQ Marthw Alves e Agripino Ribeiro Pontes, pie-
aamente.
-* Lemos no Jornal:
< No dia 18 do passado, arribou a villa de Por-
to Seguro, eondazido pela laneha naeional Monte
do Carmo, o brigae francez Rose 'Ferdinand, do
commando e propriedade do capitao Acbilles Per-
ca Sant'Anna remettea ao desembargador chefe J em escaleres, e acompanbaram S. Exc. ate o va-
por Culileron.
No Caes 22 de Novembro i' rmava uma guarda
1e henra, que fat as cnntinencias militares, e to-
cavam diversas b3ndas de musica. Ahi tambem
achava se agglomerado muito povo.
ao passaf a galaota em que ia S. Exc. pela
frente dos vasos de guerra surtos no porto, a ma-
rinha?em desses vasos postada nas vergas, sauda-
ram na com repetidos vivas.
Apos perjuena demora a bordo do vanor, onde
foram trocados os ultimos abraoos de despedida,
voltaram para terra os amigos de S. Exc.; e
pjuco depuis i> Galdcron sahio barra em fora, re-
cehendo as euDlineneias das fortalezas.
Despedida. S. Kxe. o 5r. conselheiro Joao
Alfredo, nao tendo podido despedir-se pebsoal-
mente das pessoas que o viritarara, e querendo
te temunur.r aos seus comproviaciaaos seas agra-
decimentos pelas honras que Ihe tributaram, re
metteu-nos as seguintes linhas, em que se paten-
teiam asgratas em^goes de sna alma, e qne aqui
estampamos em satisfaeao do desejo de S. Exc.:
' 0 falle:imentj do meu presadissimo tio e so-
gro no dia 29 do mez passado naa me permittio
aproveit.ir o- nltimos dias de minha estada nesta
provincia para despedirme das pessoas qua me
vizitaram, pedir suas ordens e agradecer-lbes pes-
soalmente a3 grandes attencoes e generosos obse-
quios com que fui recebido.
" Espero que, aceitando minhas desculoas.
acreditarao essas pessoas e em gera! os meus com-
proviaci^nos qu? nuuca es^aecerei o que Ihe* da-
vo e qto- muito me esforjarei, pormostrara pro-
fuuda gratidao de que me acho possuido.'
" Dediquei-me sempre ao service los meus
amigos e uunca deix-i de nutrir o mais vivo de-
sejo de ser util a minha provincia. Essa delica-
cao e esse desejo sao hoje tao grandes, que ja oao
podem crescer, depois <1as manifestagdes de esti-
raa e apreco ^ora que me honraram nesta cidade
e em outr. 3 pontes da provincia o brioso povo
pernambucano, o c immercio, a lavoura, associa
goes de t-jdas as classes, a faculdade de direito, os
estabetecimentos de instrucnao publica e particu-
lar, muitas caraaras municipms, os funccionarios
publiccs e distinctissimos cavalheiros sera distinc
gao du parti lo.
" Recife, (i de dezemdr'o de 1874.Joao Al-
fredo Con en de Qhce'va. '.. .
Mensagem. No dia 21 da novembro pro-
ximo passado a commissao nomeada pela camara
municipal de 'laruaril para apresentar ao Sr. con-
selheiro Ji ao Alfredo uma mensagem ds felicita-
c&o, que the devia a mesma camara, pela sua boa
vinda a Pernarnbuco, apresentou a S Exc. cssa
mensagem, concebida nos seguintes termos :
o Pago da camara municipal de Caruaru, em
12 de novembro de 1874.-Largos desenvolvimen-
tos tern tido, Desses ultimos tempos, as ideas que
podem fazer a felicidade de um povo.
a Felizmente estas ideas nao sao mais monopo-
lio de nenhum dos partidos politicos em que se
aciia dividida a nacao.
Ha, eatreuut'j, oarencia de coracoas que pal-
sem aspirando mais as felicidades e grandezas da
Jose An~y patrla do que a^atisfagio de interesses pessoaes.
Jansen e t 0 povo brasueiro iem ainda muita re e boas
razoes para erer, que a liberdade consolidara o
seu imperio a esforgos de alguns estadistas, emi-
nentes pbr seas talentos e nobreza de coragao.
i Entre elles esta camara tem o prazer de ver
V. Exc., que tao deaodadamenle ba trabalhado
em pro! do bem publlco, nao se esqueeendp nuu-
ca desta provincia, que tao inju-tos olvidos tem
so B, ido. ,
a Fcaarabnco tem razao de encber-se de no-
bre e justo orgalho por contar V. Exc. entre os
seus liinos: s esta camara tern na devida conta os
relevanlissimos servigos\que Y. Exc ha prestado
ao pals. ~>.
Soaveacido de que um jopvo so e livre pela
diffasao das lows, nib teto vi Exc. poupado es-
Telefcraamna.Procedente do sul, chegou
em Maceio, as S boras da tarde, de hontem (6) o
?apor Ceard.
Feiicicarwo. Em seguida paMieaaaos a
felicitagao qae, em nome da Faeuldade de Direito
do Recife dirigio ao Exra. Sr. conselheiro Joao
Alfredo Correia de Oliveira a commissao delegada
pela mesma Facaldade para esse dm, bem como,
apos essa pega publicaraos a resposta qne ao
discurso da commissao deu o mesmo Exm. Sr.
conselheiro; pegas estas que, somente no dia 4 do
corrente, foram em congregacao dos lentes da
referida faculdade.
Eis o discurso da commissao :
lllm.e Exm. Sr. conselheiro Joao Alfredo
Correia de Oliveira. A presenga de V. Exc.
nesta provincia, aoolhid i por tod* parte com as
maisespontanias e merecidas demonstragoes de
i regosijo, nao podia ser um facto indifferente a
Faculdade de Direito do Recife, nem deixar de
despertar nesta a grata idea de vir por intermedio
de uma commis$o tirada do sen seio apresentar
a V. Exc. os seus sinceros e crdiaes campri-
mentos.
t Filho distincto dessa mesma Faculdade que
o lanreon com a mais bella coroa a que tem di
reito o merilo scientifico e aj intelligeijcias privi-
legiadas; centro e supremo director da instrucgio
publica do imperio, entendea a Faculdade de Di-
reito do Recife, de quern somos orglo, corria Ihe
o dever de fazer chegar ate V. Exc. c^s seus semi
rnentos de respeito, veneragid e estima.
a A dilTa-.i i da instrucgio publicae especialmen-
te o estudo das scieneias e uma necessidade que
torn sido bem comprehendida e vai sendo oppor
tuoameote attendida pelos poleres sob'-ranos de
nosso paiz. Entretanto ninguem deixara de reco-
uhecer que para que asse estudo seja elHcaz e
torne-se proveitoso, nao basta somente a sua sim-
ples deeretaga > ; sendo sobretuJo indispensavel
que consultando se a experiencia e fazendo-se
prudentes ensaios, cheguese a couseguir uma
vigorosa organisagao qua assegare solidas ga-
rantias em lavor do ensino.
< Foi sem duvida em bomeoagem a esse pensa-
mento e movido pelo louvavel desejo de prestar
um servigo real a instrucgao publica, que V. Exc.
com o tino que Ihe e nroprio, conseguio adoptar
differentes provideneias, cajos beneflcos resultados
ja se fazem sentir
Ebem que, Exra. Sr. conselheiro, essas pro-
videneias e cuidados ainda nao hajam produzido
todos os salutares rescltados da que sao soscep-
tiveis. todavia 6 tal o melhoramento que actual-
mnle se nota com reiagao ao estado anterior da
instrucgao, que seria ingratidio nao abeccor.r a
fonta de onde tirou a existencia.
a Compenetrada desta verdade e ainda mai-
coavencida da sinceridade e zelo por V. Exc. e:a
pregados no arnplo desenvolvimento da instrucgao
publica, reconbecendo alem disto qne as Faculda-
des da Diraito dr. impe io tem V. Exc. aitribnido
sempre a importancia de que precisam e acorda-
do todss as provideneias reclamalas por suas ne-
cessidades, a congregacao da Faculdade de Direito
desta cidade, por losso Intermedio aproveita corn
v.va satisfagao este easejo p Exc. um voto solemne da mail alta est'ma e sin-
rera gratidao. Dr. Francisco de Paula Baptist a.
Dr. Joao Jose Ferreira de Agaiar. Dr. Joaquim
Correia de Araujo. t>
Eis a resposta do Sr. conselheiro J'.-io Al-
fredo :
A honra que acabo de receber e mais um
acto de benevolenci., de meus respeitavris mes-
tres.
Eslou muito habitoado a essa henevolencia,
que exage'00 outr'ora o meu fraco mare;-imento
de estudanie, como exagera hoje os poucos servi-
go* q-ie tealio prestado a mstruccao publica.
E' por isso, e porque o raaginerio e uma se
guoda palernidade, sojoita a^s mesm ;sarrasiaman-
tos do amor pelos fillios, qae de todas a manifes-
tajoas espontao-as e h?r minha provincia, depois de loaga ausensu, nem
i.ma me sorprehende m-nos.
a A congregagSo dos lentes da Faculdade de Di-
reito do Recife, cimpo --a de mastres, cujas li
goes live a fortuna de ouvir, e de collegas que se
elavaram ao magisteriu superior. Assim com
i po'se tamb'm a commissao q ,e de sua p.irte
j veio felicitar me,
t Em V. Exc, Sr. co.iselheiro Paula Baptista,
gioria de nossa p: ivincia e um do.s mais distine-
tos luminares da Faculdade, vejo -mpre o mais
benevolo dais nvus mestres, o qu- vencea lodas as
minhas hesitagdes e auiniju m a pretealer o
grao de dautor.
Em V. Exc, Sr, eonseliiairo Ferreira de
A^uiar, alem de mestra e aimgo, vejo o araigo
antigo e presaio de minha faiellia, a quem devo
as mais eoBStaotes provas de sincera alTeigao.
Em V. Exc, Sr. Dr. Correia de Araujo, vejo
o collega benevolo e represent mte dessa mecidale
de nosso tempo, cujas glorias zelo e procura ser
vir como se fosaem propriedade, nao me cegando
nunca as divergeacias polidcas que nio cabera no
servigo neutro e super:or da. in3trae?acr public,
nem devein alterar as relacdis pessoaes das lu-
mens de sa conseiencia que", por diversos ca:ni
nhos procuram o bem da patria.
E', pois, maito nataral a benevolercia com
que me tratai. Recebo-a, fic-i certos, coma um
assjgnalado favor, do nnmro .iaquelles qua nao
sei' es^uecer, e .como p deroso iacentivo para"
empenhar cada vez mais as minhas fracas forcas
em prol do servigo a que as nacO : devem pna-
cipalmente sua grandeza moral e material.
a 0 iue sinto e que minha vonlade nao tenha o
poder de multipli-ar e fecuadar os esforgos qae
(ago por bem ser vir a patria, servindo ao jsesmo
va, Roberto Majoli, Gniseppe fecMo, lKi
Patlguano, Manoel Soares de rU.-riri. Joao Lai'-
dos Santos. Antonio Tawreo. Ju* owiho Taran*.
Albino de Souza Azevedo, Antonio Fern .ndn* de
Souza, Francisco Boaventarada Lux Loureiro,
Maria das Neves Loureiro e I criada.
Seguem para o sul :
' Andre Janison, D. Francisco Daboa, Licki de A
vapores ja cons.ruidos sio D. Isaoel, Conie dEu,, t^^^^VoT^Ti'^Si.
Rio Granted* Sul*PorioAl*gre. JoslTcaTvi.Co^' ^ L*" B ""^
r. Ah^SS.^? SrS' R" l69 & C>' ^'r **' dos portos do snl m
rua dos UpeWisus n. 31 transporte Leopold, ; "
-----------.------------ c Nao escrevemoi pelo Vtlle de Santos, da com- Cnrnnel SnvHnann Mariirti a' u- .r,.^.. i -.
presideote da proWncia quenovamente para alii panhia franeeza Chargnsrs riunis, do Havre, aor- oe\Z IcSoTl SZ? ** aa^*' "*
onde sao enterrados os cadai-eres dos variolosos
sem as necessarian preeaugdes.-
i Cnamanios para, esse facto a attengio da autori-
dade aompetenie ; e, era nome do9 habitantes do
ff da Ipojuca, pedimos ao Exra. Sr. commendador
anvie soceorros qua slrvam de ainwo a miseria
dos iHtelizes variolosos
Irausporir Leopoldlaa.Chegou hon-
tem pela manhi esse navio da armada nacional,
do commando do Sr. capitao-tenente.Cirne, coo-
dnzindo a seu bordo o Sr. coronel Severiano Mar-1
tins da ?onseca, qoe vai commandar s forgas em
oparagao na provincia da Parahyba, com o seu es-
tado-maior. Vem tambem nesse navio quantida-
de de petiechos bellicos.
Adiuinlntracao' do eorreto. Essa
repartigao, no mez de novembro arrecadou.....
7:0324910, sendo de :
Se'lo* 3:031*500
Carus l:9.l#040
Premio 18J200
Assignantes 6n5OO0
Emolumentos 5*000
Muitas 4jO(io
Agencias 96!*320
Extr ordinaria 66:000
Movimento de fnndos 890:88:)
ih-riuraefto neressaiia. 0 Rvm! Sr.
Jonas Vertaluoo Cursino de Maeeilo, vigario de
Bom Jardirn. pede-noi para declararmos que elle
sa nao retirou da sua freguezia por causa do mo-
vimento sedicioso, mas sim para goaar de uraa li-
cenga de ires mezes que Ihe foi coocedida pelo
Rvra. governador do bispado.
Parat mui cebidos em nosso porio, levou o vajwr Britannia
ifify passageiros.
0 vapor Uendiza levou 164 passageiros, dos
quaes 11 recebidos em nosso porto.
Dlniielro. O vapor francez ilen^oza levou
da nossa prag* para :
Bahia 1:067*317
Rio de Janeiro 1:3093468
Bispo inglez. A bordo do Britannia pas-
sou houtem para o sul o Rvui. Stirleng, bispo das
ilhas Falkland
Diarlu de Pernaaabuco. Se cbegar
hoje o vapor Ceard. disiribuiremos amanha nosso
uumem de qu-rta faira.
Collegio dos orplaaos. Consta-nos que
tendo sido exoaerado de director desse estabeleci
raeoto o Rvm Sr. Fr. Joaquim do Espirito Santo,
foi nomeado para o rabstituir interinamente o Sr.
baeharel Frauci*co da Assis Pereira Rocha.
Gonealves Martina. Este vapor, da
compauhia Bahiana, chegou ao porto de Maceio,
em viagem para o nusso, no dia 4 do corrente.
Incendio no mar. N> sahbado arribou
ao nosso partoa harca ingleza Kappa, de 480 to-
neladas, capitao Simmons, procedente de Iquique
(no Perii), com 68 dias de viagem, alim de deixar
a tripolagao da galera ingleza 7e Foundling, qu->,
em viagem de Liverpool para Bombaim, em 57
dias, com um carregamento da carvao de pedra,
se iucen ilon, no dia 21 de novembro, na lat. S. 26*
ing. 0. ile Greenwich 23* 10'.
que o Mendoza, das Meiageries Maritime*, de Bor-
deos, e de maror marcha.
mo
Cbegados da Enropa no vapor iaa>r Br-tan
a No dia 2b espera-sa aqui o vapor Cordova, de! Mr. Latham, Doncan Scott, Herman L-debonr
Liverpool, que seguira era direilura para esse h. Halchmson, Jean 1ric Graf, Aoaa Rita da R..
P ; n ^ eha e 1 criada, Zulmira JosepMna Barbosa, Cada*
A 23 segue para Peruambueo, Bahia, Rio de > Francisco Taixeira latpa. sua senhera e 1 filh .
Janeiro e Rio da Praia o paqaele Britannia da Antonio Maria dos Santos, Antont Pedro de Sm
Ompanhia do Paciteo. j a Soared e sua senhora, Pedro Jose da Silva Goi
Parahyba.-Eacrevem nos da capital em 4 maraes, Joaqaim Ferro, Antonio 1. Pereira, J-
quint Antonio de Vasconcetios, Joao Late Salgado
do corrente :
E' ainda debaixo de uma dfesagradavef n
presaao qne esta Ibes dirigimos, era vista dos ao-
vos e repetidos attentados, comBeltidos pelos se-
diciosos que presenteraenle ioquietam diversas lo-
calidades da provincia, tevando o suslo e o terror
ao seio das famillas, as aotoridades, aos cidadao*
Fraociseo Lage, Antonio Aogu-lo de aseneaHa.
An to wo Soares de VasconeeHoa, M*n<>l Beau
Gongalves, Antonio Dias Carninteiro, Ed\iaraV> B
da Mattos, lKintiogo? da .Silva Guimara.-s, V. d<*
Mornay.
Censilerfa> paaliro. Dbilaario do dia <.
necer-lhes
joroadas.
tudo
paeificos, a todos, linalmeote, que com elles nao de dezemhro:
pactuam, sendo maitoj arrastados a aeompanha Manoel Viceot F-rr-ira. h ->inl PeJro H
luas correrias e exewsos. e for^ados a for- j variolas confluenie*. (V. .aim.-.j.. pela policia*
de que necessiUm para as saas| Alfredo, bianc-, r^aaadnian, dias, B.*-V-
. ta; espasmo.
B am meio de qae tambem lancaram mao para Leoncio, parlo. t-ii.-i. t\ aanMSL casado. Bca-
comprometter o cidaoao paciflco, e que se o era- vista, hosuibl I'fdro :I : tvpho
pregam contra aquelle qua Sera uma reptttagao %r. Joaqaim Seraiwio j/Carvalhat branco, AU-
inais ou menos leiu e de influencia nas ticalida- gox, 65 ani-. Afufafl*; pneamonw.
aes de sorle qae, a nrincipio, diversos nooaes, e AntoDia Francelina >- Krn. a C irv.iibo, bnaca
alguns bem respeiuveis. Ogurarama frento desse'Pernarnbuco, Haono*, &.aaa. San*
vandalismo internal, com apparencias bem series' hydroperic^rdue
de eomplieidade. Candido, braa.'o, ^aMaban, 1
us sedicwsos, aos quaes se acham hoje re- denticao.
unidos assassmos da nota e reos de policia, alsra' Rosa, escrava- fifnma-s* a naiuriisdalel
das localidades de qua ja tratamo* de outra vez,' annos, solteira, Bea-Visto ; meH-'-peritoorte
ravadiram ultimaraente, commetteado osmesmosj Modesto Poste.', branc, Franea, 31 aaoos sol-
excessos a eidade d'Areia, as villas de Bananeiras, teiro, Boa-VisU ; kntalio llwinaia
Alagoa-Nova, Pedras de Fogo, Pilar e Jadepeclen- Roberto, preto figoora-se a natur*lidadei. SO
cia, sendo que nesU o vandalismo foi alem do. annos, Graca : tivdrouiwa
que se poderia presumir I Maria EJisa Pa'es Barreto, branca, Pernambueo*
i_fc.utrao.do elles era namero de sessenta, ar-J29 aoaos, s*lleira. 3. Jose ; fetxe perniciosa
mados com espingardas, pistoias, faeoes e oulras
anao, Grara
armaa, e elevando se esse numero a mais de qua-
trocentos, foram direeiamenta a casa da camara
municipal, e, depois de arrombat-lhe as portas, a
_^-,' A
tempo o gracio-o soberano, que fa: da instraegao
publica mais qne uma presccnpacSa, uma ver-
dadeira paixio.
Arrediui, Srs. Drs., e dizei a congregagao dos
leates da Faculdade de Direito do Recife, qua eu,
que muito Ihe. devia, muito mais Ihe fico devendo
agora. 7oo A If redo Correia de Oliceria.
SignificatitAfl mnnirestarSeia. Os
amigos do Exm. Sr. coase:heiro Joao'Alfredo Cor
rea de Oliveira acabam de dar-lhe novas e mui
signifkativas provas do elevado coneeito qae for-
mam dos seas talentos e virtudes, manifestando se
de um modo eloquent;, posto qae sem os arruidos
de festas, qae seriam descabidas, apos o dolorosis
simo golpe porque ac;ba de passar S. Exc, per
dendo no seu sogro. o raspeitavel 3ar4o de Goyan-
na, um amigo deaicado, quasi um pai esire-
mecido.
Esse? amigos, em grande namero, tendo se co-
tisado, compraram uma riquissima baixella de
prata de prjmorosos lavores aitisticos, e uma lin-
dissima e nao menos rica penna de oaro, e de am-
bas as cousas fizeram presente a S. Exc. qae, so
apos uma tenaz resistencia, filha da ?aa bem co-
nnecida modestia, aceitou-as como immorredou-
ras provas da estima dos seus amigos.
Da offerenda da baixella foi iccdrabldo o E*ra.
Sr. visconde de Camaragrbe, qae. em sea nome
e no dos demaisflamigos do Sr. conselheiro Joio
Alfredo, proferio uma singella, mas eloquente allo-
cogao, a que respondeu 0 Sr. conselheiro Joio
Alfredp com .expressoes repassadas d recontieci-
mento.
Da offerta da penna foi encarregado o Exm Sr.
c nselhelro Joao Jos6 Ferrers ue Aguiar, qae,
fallando tajnbem em seu nome e no dos deraais
amigos do St. cfr/nselheiro Joio Alfredo, pronancion
ani bei^dhcnr^ a qa^ igaafmente respondeu
I
Sr. conselbatro loan Alfred*> com phrases nn-
idasde gratidio,
Foi es*sa, como dissemos, nma cerem.onia
apparaaaa nem arruldoj, mas foi sem
. sem
duvida de
Pa^adorla de faienda. Nesta esta-
gao pagam-se hoje as seguintes folhas :
Empregados do recenseamento, arsenal de
inarinba, companhia d- aprendizes raarinheiros,
piacas da prets reforraadas.
I. i;i:>iniia a me-a regedora da irmanla-
de de N. S. da Conceigao dos Militares manda re-
iAr uma ladainha (amanha, 8 do co rente, as 7 ho-
ras da noite) para a qual convida a todos os irmios
assim como a todos os devotos da mesma Senhora
que quizerem assistir.
Ex.'iuie^ puMleocu No d:a 4 do cofren-
te, tlveram lugar os etames dos aluranos da 4" ca-
deira da fregnezia da Boa-Vista: Joao Ferreira
Domingues Laroeiro, Jose Mauricio Gomes da Sil-
va, Joaqaim Candido de ('astro Marques, Julio Fon-
tino -)e Souza, lose Kavier K-tolano Santiago, Jovi
la Cockle Cavaleante de Mello, Elias Emiliano da
Costa Fiatho, AffonSo di Souza Mello, Bernardo
Rabeilo Martins, Fioriano Jose da Costa e Silva e
Jacintno Augusm d is Reis. dados por h.-.bilitados
em todas as materias que coastituera o ensino pri-
raario. sendo os dous primeiros approvados com
dislincgao, e os npve ultimos plenamente.
Club popular. Daraos em segaida urn
important* doenmento para a historia :
Liiierdade, Iguallade, Fraternidade.0 con-
selhodeliberativo do Clah Popular desta cidade,
usaod i das uttribuigoes, que Ihe facultam os arts.
1 2' e 7 J & dos estatutos, delibera o se-
goinie :
Qne lamenta o movimento, que, apparecendo
na provincia -la Parahyba, ja infelizmeute invadio
algum-.s das comareas desta provincia;
Qae, dando-se como cau3a a esse movimento
vexatorios impostos, quanta a esta provincia ocon-
selho contiiiaara a insistir para que pelos meios
legaes seja opovo pernambucano alliviado dos m-
c.ouvenieiHes e pesadoj impostos, que ihe foram
laneados ;
t Q ia o eonseiho espera que os membrus do
Club e o geaeroso e patriotico p,vo desta provin-
cia, nao tomando parte alguina em qualquer resis-
tancia activafoa armada, respeitem asleis e pelos
mtios legaes fasam valar seus direitos e quei-
xas ;
_ Que confla em que a ordera, primeira condi-
cao a garanua da liberdade, seja mantida por to-
dos os membros do Club e por lodos os que se
prezara em ser liberals;
Qae, liualraeote, dosde ji lastima o darrama-
inanto da saogue e outros quaasquer males, que
porven'.ura leuham de resuliar de um tal movi-
mento.
Sala das sessoes do coaselho dehberativo do
Club Popular, Recife, 3 de novembro de 187i.
. t 0 presidente,
Floman*. Correa de Britio.
0 1 vice-pre.-ijente,
Antonio Mala Cortes.
0 2" vice-presidente,
Juvencio Aureliaao da CunUa Cesar.
t o 3* vice-presidente,
Luiz Clementina Carneiro da Lyra
0 1* s-cretario,
Francisco de Assis Monteiro Passoa (ven:ido).
0 2 secretario,
Manoel Antonio Viegas Junior (vencido).
0 3" secretario,
Joaqaim de ASsump;aoQaeiroz.
c 0 4* secretario,
Alexandre America de Caldas Padilha.
Dr. Jose Jcaquirn Tavares Balfort.
t 0 2 orador,
Joe GomesCoiffibra.
Os conseiheiros,
Maa.el Tnomaz dos Santos.
Joaqaim Jo-d dos Santos e Araujo.
Carlos Eluardo Muhlert.
Guarino de Souza Peixe.
Manoel dos Santos Pimentel.
Joao Jannario Pinto da Azavedo.
Ulysses do Rego Rangel (vencido).
Jose Bostaqolo Ferreira Jacobina.
Antonin Ferreira da Silva Soares (rensid").
Theodoro Antonio de Jesus Borges.
Francisco Joaquim Correa Esteves.
Pauio Jose de Oliveira.
flr, Estavao Cavajcante de Albuquerque.
Preguesia de Santo AntonioPer
ser amanha dia santo, a- audiencia do jaizo de paz
da freguezia de Sanio Amonio Qca transfenda
para quarts feira 9^ 4 hora do costume. '
Jury do Recife. -Ueixoude fnnecionar no
sabbado, par s6 terem comparecido 30 jrJizes', de
facto.
I Jusio clamor.Temos ouvido amargas
queixas de pessoas, moradoras na freguezia da
Boa-Vista, contra a praxe seguida no respectivo
mereado de serera os atmocreves obrigadc a ven-
der ns generos de primeira necessidade, taes como
fariaha/'tnifho, feijao, a certos atravessadores ne-
gociaptes, capitaneados pqr, um cigrao ; e o mais
ft, <(oo rios informam ser esse procedlmeoto anto-
risado on consentidopor quem ahi deve pugnar
pelos interesses das-- classes da soeiedade menos
favoreeidas de moios Nao seria posyvel que a
camara mdnieipal ahi raandaseura de sens mem-
bros proceder a rigoroso mjuerito, para poder
providenciar eonvenientemente ? Assim o eSpe-
ramos.
AaaasMlnato. No dia II de novembro foi
assassinadq, no termo de Graniin. o octoeDarkii|
invadirara, e quebrando-lhe todos os moveis, acaba-: es-pasm
Petronilfa Jose da Silva (ignora-se a naturalida
de), Pernarnbuco, 2b aaaos, :ailitar, Boa Vista
tuberculos polmonares.
Antonia, bianca, Pernambaco, 8 dias, S. Joan .
Miguel, pardo, Pernambaco, mezes, Boa-Vista
bexigas.
Adelaide, parda, Pernamhuoi, > annos, Santc
Aatomo : oexigas.
liLUCACOti
a mm
ram a sua grande obra, iacendiando os archivos e
todos os livros, no meio de vozerias ineendiarias.
D'ahi passaram se elles a casa do agougue,
obra nova e que havia cuslado a camara mais de
urn conto de reis, e, a golpes de machados, a des-
truirara complaUmente, tendo desapparecido como
que por encantameato todos os pesos e balangas.
0 prejuizo da camara, sem contar com o cau-
sado pelo incendio dos seas archives e livros, qua
e irreparavel, se eleva a mais de tres cantos de
reis.
t Ainda nao estavam fartos os sediciosos ; era
precise mais ura crime, uma devastagao para com
plemento de sna obra; e a demora so foi emquan-
to o chefe, qua traziam a frante, conferenciava coin
o Dr. Benevides, liberal bem conhecido iw Ingar,
depois do quj impetuosamenle se dirigiram todos
para a casa de habitacio do Dr. Samuel Hardmam,
juiz municipal do lugar, que, felizmente, ja se
achava nesta capital, refugiado com toJa sua fa-
milia, e nao o tendo encan: ado, como desejavam,
vingararase, t caado fogo na sua bibliotheca, sem
que do incendio tivesse escapado um so livro I
Exercila esta ultima prceza, sahiram todos Ja
villa satisfeitos e cheios de si. soltando gritos con-
tra as autoridades e o gdiverno.
A cidade de Campioa Grande ja foi tres vezes
accommetnda. Ahi ja nao existe mais nonhuma
autori ude, estando nesta capital o juiz de direito,
o municipal, o promotor publico, o eserivio e di-
versas pessoas da mesma localidade-, que. aniua-
gadas de perderem a vida, j>ara ajui correram
por caminlms dascoabe^idos.
As in ilas de um correia que seguia para o
sertao, foram ahi arrebatadas pelos sediciosos.
t Teem chegado a esta capital desarmadas, vin-
das do centro da provincia, divarsas pragas do
corpo de policia, qae asacadas em caraiuho pelos, _
sediciosos, e obngalas a eotragarera as arraasisem 2^ de Wf .,'ue u Q i^ ** *5
qae possam resistir, o .em ftto para salvarem a *SS* ** 'SSSLT ? ", *" **. U**T
v,da_ F a oi u inie encarreguei. obngoa sa elle a dar-r.ie aquanti*
Nao obstante esse teaebroso auadro nue a-a-! ^ 230*OJl)' e ,0 dfii-me por c n'a nm men
baraos de pm.ar hg'rainente. ? convic ao ^ ^*ri" a ^ '"**V t mKM\ "T
de que era breve passar? a tormenta i d'ise eiu sua "r'-'>P,">dencia, e do qae nante bem
Ja se achando nesta capital alguma forga da; ?absm,t,;vers^ 1>essoa3 de ;:u"';jard""- l > "
diversos batalbSes. com a qual se podera te'nQ"""s '""""re., so prec.so for. cm.nido aim
notar qua e praxe alii seguida pagarc a a* partas
adv igados antes do comeco de j tat ;!" qaes-
Paaalo Info nio dc .Me!la> e ba-
eharel Thouiaz ArgeiairoFer-
reiru. Chavew.
Lendo na Provincia de hontem uma correspoo-
1 dencia de Paulo Antonio de Mello e ua qual esse
Iseahor procurou fenr a rnmiia r*puiajao, venhj
I boje a impreusa respooder an qua de raim disse
i elle na|iella sua correspoiidencia. afiia da qne >
tribunal da opiniao pubhea suspanla o jjiz i desfa
voravel qae por voutura & aim tenha iatta, por-
que para aquelles que iceconbecrm e pan os qat>
coahecem a Paulo Anioaio, o meu silenfio seria a
resposta mais eloquente ace eu poderia dar. Ei
o que deu lugar aquelle estir.idu einveiojunil ar-
tigo.
Procedendo se na comarca de Sim Jardim ao
inventano dos b;u* d-ixalos por faliecimsato de
Jose Gongalvas Lin >, sogre de Paulo Act raio, este
constituio me seu advogad para opp>r ma a ese
inventario e lazer valer os seus dircto*. que, se
gundo dizia-me elle, os qneriain cocculcar; e.
comquanto diversas pessoas iaqaella '.ocalidade
me lizessem ver que Paulo Aalinu er* u;n e tallido, todavia pelo mod > pi-qo*. sabia eila last
nuar-se, dsi credit j as suas paiavra- aceitei o ;.
trocimo da sua causa, aaaaa qua peia qu--ti I.
inventario e pela d cjlir.na de daas l->:iras d
linha de
tantar alguma operagao, deliberou "o digno'presi-
dente da provincia fazer seguir, hoje mesmo, por
mar, para a cidade ds Maraanguaaa, ameacada da
uma proxiraa invasao. a ala esquerda do balalhao
18 de infantaria de liana, qae operara por essa
lado, ao passo qae uma outra forga, qua sahira
por terra, tomara a direccao de Cimpina, obraado
ambas as Jorgas de commum accordo. e segando
as iastrucgues assentadas altiraamente peio mean-
savel e energieo presidente da yroviacia. Dr. che-
fe de policia, que muito se ha distinguido em acti-
vidade e zelo nesta trisia emergencia em qae se
acha a provincia, e commaadaates dos dill rentes
corpos.
- Vai, pois, travar-se a luta, que a nosso ver,
nao sera da forga pela forga, porque os sediciosos
nao aceilarao combate; e nesta caso o caraiuho e
a raissao da forga publica sera dar caga a todos
os cabejas da sedigao, faze.ado reapparecer o im-
perio da lei, o prastigio da autoridade, a paz e se-
garan;a publica.
Felizeote, desse estado anormal e de desor-
dera, em qoe a provincia se acha, nao hi appare-
cido, ate aqui, embaragos ao commerce, qua vai
caminlnndo livreraente.
Proclauias. Foram no dia 6 lidos os se-
guintes, na igreja de Nossa Senhora do Kosario, que
serve acluaimente de matriz da freguezia de San-
to Antonio.
1.* denunciagao.
Jose Theophilo da Silva, com Maria Francisca
da Annunciagao.
Rufino de Moura Pimentel, com Fraacisca Roma-
na da Carvalho
Deo;leciano Ferreira dos Santos, com Maria
Francisca Beztrra Cavalcante.
Casemiro de Fontes Ferraz, com Maria Magdale- 1"antia.
ua Martins dos Santos.
Dr. Julio Cesar de Castro Jesus, com Anna Be-
nigaa da Barros.
Joao Borges Alves, com Joanna Thereza Lins de
Albnquerque.
Jose Francisco Buarqne, com Alviua Francisca
Barreto.
[aos
I tao parlj do houtfario qua eiles couveconiarem'
| razao porque deu-me logo F^u.o Antonio aqu-lles
,98 000.
Muuido eu das comp'.nles prrirnnjiaa. Ma
i logo d'.s qu. stoes oat so da do in- uario, com
I lainbera da da cobranga, e foi as-i.n qua rr ju -i
I per diversas vezes. faz-a:.. j;:t r .i Hfia* i
| favor de 1'anlo Vaio"io, live da assisur, eoaM a
i adfogado, a coaferencia de d lies, live ia in
i nar einbirgos o.iposios oeU parte MaMriaa -
Isisti ainda como s-u advopaio ta n'j CD e->a
e i MM
inde .
! deeuvrajSes qua a req-v rimeuto da p .::
vieram fazer am ji iz., diverts pes-1 -
c in rdag.i a qae cobrauga, puaeo a.ri. fai a man traaalh p >i- ch-
moi a eonciliaeao o devedor, aompnrad aa aa I
cia para esta desigaal >, auiati a tain os t -no <*
di-lla, a qu:,! uao se reaiis,. I >. tiv i Je C ia :; -.: aj
juizo coutencioso aqueil- mesao laaaaei. aaav
pireci tambem oa aulicucia para que ha\.i atdo
elle eilaaoa arocedi a tsaea os maut-rm eaaeat
uentes ao men li:.-;, a f-i ealAe qa ,:,'. i fida la-
provas iacoaeouaa a irre-u-a-ois que d mosaic*
autis do inventario eondavai e ani p iaa I
parecendo mais, veriflqp^i qae ma cau;a m* m
tava contiada aos meus coiJados, f. >' m Uet
oppuahdui se as palavras de i'aul i Aa'onio, sen >
tal a sua forga qae exifiam a rania hoara S :
nidale qu^ea abanluias-e ameha causa, a
com i a da cobranga ds lettras q'ij aquclla -
prendia e com ella tir.ha intiaw rtlagio ; o que r
almecle Oz, tenlo ap-mas re'ebtdo, como ja di--
a rilicu'a quantii de MfOOO, qaaa : i pel i mu t
que uz tinha direito M dobro ou Bail i n la d
E dizer Paulo Antonio qu> comi a a Jinh-.r
pois nao lh'o resiiiui, anao dev;a, u.na vet qui-
abandonei a sua causa !
Isto e celebre e ate mesmo aagnfaia. E I
trabalho quem mo pag-ria f
Da forma alguma podia ta contianar a st ad
vogadc de Paulo Antonio, p rque para assi u i
zer, ra mister que eo. nio hvataa uaia a.gntda I-
perdar, uma repulagao nue compromet'er ; e se ;


Gustavo Mermond, com Maria Candida de Senna
Din*
2 dennnnacao Ientao fui SPQ adv >*',1> ^ 9*W< Ul7-'a lj elle *'
jaJoaquim Jose Leopoldo, com?Theodora Francisca | ^STS r^W-M
Jose Miguel dos Santos Junior, com Maximina de | 2P* !:a.hi ** >w^ +*"***&
Oliveira Rego.
com Amalia Maria da
Franci-ca Go-
com Cordolina
Emilia Leo-
Cyrillo Carneiro Ramos,
Conceigao Saboia.
Angelo Custodio dos Santos, com
raes Coimbra.
Antonio Barbosa de Araujo, com Alexandria:!
Maria Gongalves.
Jose Januario da Silva Santos, com Cicilia Deme-
tria Ferreira.
3.* denunciagao.
Manoel da Costa, com Anna da Costa.
Antonio Pereira F.-eire,
da Silveira.
Jose Barges de Souza Ramos, com
poldina da Silva.
Adolpho Rarairo Santiago de Oliveira,
Laura Maria Pessoa Braga.
Joao Ignacio Marques, cam Firma Maria da
Silva.
Manoel Fructaoso da Fonceca. com Maria Fran-
cisca das Dores.
Honorato Cattano de Abreu, com Georgina
Theodora Affonsina Mathildes Preale.
, E-ellao. Hoje, effectua o agente Dias, o lei-
So dos bens e dividas pertencentes a massa fallida
% Rostroo Rorck & C, as 11 horas ;da manhi. no
1* andar do sobrado da rua do Marquez de Olinda
n. 37.
Protect os de letran.0 escrivao dos pro-
testo3, Jose Marianno, esta de semana : cartorio
oa rua Bella, loja do sobrado n. 37.
I.oteria.-A qua so acha a venda d a 158\
a beneficio da Santa Casa de Miserkordia, a qual
dia 1$ do corrente.
ioe ter dito o oecessario para roostar qua"
faodamento e o art'culado da Pro- >!<. i. Bd
que, se nio acompanho a Paulo Ant'mo em loan
esse seu artigo, e porque me iaeaaamoaa o ter di
discutir com qnem de--ot:hece atr-as Uis dad
cencia e da urbaniiade, e mesmo porque e fai*
fa'sissimo o mais qa- a meu respeito aiz elle; e a
vista do qae levo nit*, o irablico que nos )al-
gue.
Recife, :< d< deiembro de 1874.
Thomaz Argtntin Ferreira (
no
Pansnnfeiros. Vindos da Earopa no Tapor
francez Mendoza :
! A. Caors. Marciano Genaro. Pasqaale Minalia.
Velioso j
>. .ii;t;. Salvo da tuaaba. 0 aaaa
I mais grave da uoli iue lauger-. (iiteramen:e, nao
| me toques.) Mole.-tia terrivel e asauercsa co nriz,
com a qual foi observi.la pelos medicos, Li carad>
com a Salsaparrilha de B.-istil.
0 Sr. II. N WalU-r, cidadao cmiaante do ecavfo
de Nova-York, foi ... martyr, durante quatrv an-
nos, desta espant s mfermiladc. A taclaktia ope-
rou como um cauuioj sobre o crgao maal, iaa
diodo as fa ego as iramediaias e it i^rtdinla paala-
tinamente s\6 o c?rcbro.
Todos o- reraeoios coobeeiiis so seririaaa para
exasperar mais a :a detia, ate qua u Sr.
priocipiou a tomar e irresistivel at
Dentro de poucas uieaes estava cxtirpuia a aaal**
tia, curadas as cbagas e sao o enfermo.
Consid re sea alagria e regosijo daqoalla qL. >
pouco antes, panavt sem esperanga I a coot, as-
sim como todas tffectaadas por esta I
coraposigao foi permanente.
Os periodioos teem pabiicado pela espaeo da Xi
annos coasecuuvos, anaancios de reiJadaa, aao
menos raaravilhoses alcaacados pelo ncaaoaVida
roso agent;.
NpnrfliTia mote'l'a e\trior onr w't
' -

\i.


t

%** >-
top awV*iJl2f" ini^M ftlementos
1.
Uom *, j, | i 4
^
' -
JUNTA DOS COKH.ETOKES
Pracja do Recife, ft de de 1894. --
AS 3 HORAS D> '
corxgdis f ARDK.
Algodao do Rio Gf ^kiciabs
^.f' .-nde do Norte 7*000 por 15
0,0 ..to a bordo a frete de 7|8 e S
W#rt nontem.
- sobre Londres a 90 d|v. 2ti I ft d. por
U, bontem.
Oito sobre dito i 90 d|v. 26 por 1*000, do
banco.
Cambio sobre Paris a 3 d|v. 373 rs. o franco, do
banco.
Dito sobre dito a 90 d(v. 367 rs. o franco, do
banco.
Cambio sobre Hamburgo a 90 d|v. 460 rs. por
R. 51., do banco.
Cambio sobre Lisboa a 90 d|v. 103 0r0 de pre-
mio.
H. ae VasconceUos
President*.
A P. de Lemos,
Secretario.
Drogas X eaixas a Hanoal Alves Barboca, t cai
xa e 1 fardo a Manoel da S. Faria &
Esiraclo de caroe 1 eaixa.aH Luudgreen. Esoo-1 'dan do dfx .1
|e}aj 2 eaixas a Faria & fcmabs, 2 a Monhat/dUet. i "^'
tier C, i a Parente Vaaaa 4 C, I *^-
FerrfL *** <* M ordem.
ViM_a*C,i *''- .. ul, a Parente
Flo d* *- uarri'cu a Von Schsten & C
.w.*s 4 fardos a Monhard, Mettler 4 I*, i
Beltrao & Filho. Facdes 5 caixas a Pa
Frigideira i caixa
GOH&OLADO PROVINCIAL
20:7614172
4:3864011
2.S:U7*193

AGENCIAS PROVINCUES
Liquidos espirituosoe.
a Otto Bo-! i\endimenio de 1 a 3 1764803
Idem do dia 4 287*0i9
ftenJimeuto
Idem do dia 4
iteodimento de
idem do dia 4
Vinagre,
Reoditlwoio de 1 a 3
Idem do dia 4
Suoommo do
ltaa do dia 5
XPAN0KO4
eta I a 4 .
138-.79U08S
59:2964 U0
198.087*826
Dttocarregam hoje 7 de dsimbro de t87V
Yaporlrancex Uendosa (esperado) roercado-
rias, toagageus e arnostras para alfandega
e trapiche Conoeicao.
Vapor nacional Ceara (esperado) generes na-
cionaus para u trapicbe da coiupanbia.
Patacho ieglez Juventa mercadorias-para al-
fandega.
*Barca incieia Jane Kariu mereadorias paraj
alfandega.
area ptriugueza Cistoo nercadorias para e
trapicbe Conceicao.
Lugre inglex Ethel Bottom kerosene para
o trapicbe Conceicao, para despacbar.
Barca portugueia knperial vinno para de
positu no trapiche Cunha.
-Bare* ingleza Mary bacalhao ja despactaado
para o trapiche Conceicao.
Patarho hespaehol Hortencia, pipas vasias ja
despachadas para o 5* ponto.
AUTBRAgAO KA ?A'JTA DOS l*HOOS_ DOS OENEBOf
SZIJBITOS A DIREITOS DE EXPORTACAO, NA SEMANA
DB 7 A 12 !>K OKiKMllllO OS 1S74.
Algodioetn rama ou la 435 rs. o kilo.
Assucareaascavado 108 rs. o kilo.
Carvao de pedra estran^iro,-tonelad* metrica
K)45'00.
Couros-de boi eccos salgados 352 rs. o kilo.
'Volhasmedicinaes 500 rs. o KHo.
La de Sama ou barriguda 666 rs. o kilo.
Carvao animal 100 rs. o kilo.
Alfandega de Peruamboco, 5 de dezerabro ds
1874.
O 1* eonferenteHayraundo F. Barfeosa.
O I* cenferotteJose Amaacio do Outeiro
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 5 *de
dezembro de 1874.
Servindo de inspector,
Pedro Lopes Rodrigues.
pacole a
rente Vianna & C.
hres. Fitas de eda i caixa ao raesmo.
Garrafdes vasios 620 a Francisco Goncalves Ba<_-.
los e Sa, 500 a Parente Vianna & C Genebra 500
a Paulino Jose da Costa Amonin & C, 250 a Joa- aendimeuto de
quim Jose Leiiao & C, 200 a Magalnaes & Irmao. [itat do dia 4
Instrnmento de cirurgia I caixa a Ferreira.
Maia 4 C
Janco 1 fardo a Monhard, Meltler AC. Rendlmenio de
Lamina* de ihumno S3 caixa* a Mearon & L. idem do dia 4
Linho 2 caixas a Keller & C. Lima* I caixa a H.
Lcndgreen. Lapis 1 caixa a Otto Bohres. Livn.s
1 caixa ao mesmo, 1 a H. Luodgreen. Lonca 4
gigas a Soares, Castro & C.
Machina e pertencas 1 Caixa a F. H. Carls. Pi-
tas de costura 4 caixas a Victor Prealle. Miudeia
1 caixa a Joaqnira Antonio de Araujo, 1 a Parente
Vianna & C. Mobitia 10 caixas a Pecheco &
Acevedo, 2 a Bstevto da Cunha Medeiros.
Nox raoscada 1 caixa a Manoel da S. Faria &L.
Objectos de estanho 2 caixas a Otto Bohre*. Di-
tos de vidro 5barricas a B. Duaite Campos, 1 cai-
xa a A. Caors, I a Victor Prealle, 1 a Joaquim A.
Peretra & C Ditos de escriptono 1 caixa a H.
Lundgreen, I a Borstelmann 4 C. Dito de cosinha
I caixa aos, mesuios.
Pedra inarmore 4 caixas a Pacheco & Aievedo, Tbesouro
Dita de luhographia 3 caixas a F. H. Carls. Pitas u-.
para mooumento sepulchral 3 caixas a F. de la de UezetnDro
Grange. Piano I caixa a Victor Prealle. Papelao
9 fardos a Von Scbston & C, 2 a Joao Christtani,
& C. Perfumaria 5 volumes a J. T. Leite Bastos. I
PoUssa 106 tambore* a ordem. Papel 4 caixas a
F. H. Carl, 4 a J. F. de Paula Ramos. Dito de
ransica 1 caixa a Victor Prealle. Bito de embru-1
Iho 800 fardos a Antonio M. Monteiro, a Pan-'
fcno Jose da Costa Amorfm, 200 a Pinto, Moreira
4 C, 200 i Jose Thales de Mello 4 Rocba & C Phosphoros 2 caixas aos mesmos, 30
a ordem, 10 a Pinto, Moreira 4 C, 53 a Jose Tha-
les de Mello & C, 10 a Jose M. da Rosa & Filhos,
30 a Brown Thompson 4 C, 15-a Parente Vianna
4; C, 20 a Joaquim Jose Leitio & C. 30 a Maga-
lhaes 4 lrrniio. 4 a Paulino Jose da Cosu Amorim
& C, 12 a Joaquim Jose de Asevedo, 6 a Francis
co Goncalves Baslos e Sa, 26 a Lebre 4 Reis, 5 a
Antonio Francisco Corga, 10 a Jose M. Palmeira,
17 a Fernandes da Costa 4 C, 10 a Fernaodes &
Irmao. 10 a Soares do Araaral & C. Pistolas 1
caixa a Otto Bohres.
ffelhas de vidro 23 caixas a B. Duarle Campos
AC., 16 a Soarea Castro & C. Tinla 4 caixas a
K. Ferreira & C. Tecido de algodao 10 fardoa a
Cramer Frey 4 C, 1 caixa a V. Motto & C. Dito
de nudeira "3 caixas a Otto Bohres.
Verniz e canudos de norracha 1 caixa a F H.
Carls. Velas stearianas 20(1 caixas a Brown Thoti.p
son 4 C, 200 a Panlino Jose ua Costa Am irira A
C, 100 a Joaquim Jose Leitao & C. 100 a 5Iaga-
Ihaes & Irmao, 50 a Bltrao & Filhos. Vidros
para vidraca30 caiitas a S. P. Jvbnstoa 4 C. v'i-
nho 12 caixas a H. Lnndgreen. Dito do Porto
100 caixas a Magalhaes & lrrrao.
Bacalhao, etc
1 a3
Gemiros
1 a 3
de
6794388
199419fj
estivaT"
7U54236
81401^
24800
to da cara erde que teem de consnmir todos os
estabeliwmenlos pius a seu cargo, no trimeatra de
Janeiro a raarco vindouro, e recebe propostas na
ala de suas es?oes, pelas 3 boras da tarde do
dia 10 do corrente.
A junta adminisiraliva da Santa Casa da Mise-
ricordia da Recife precis contratar o forneeimento
de pao e bolacha que teem de consnmir todos a
estabelecimeotos pios a seu cargo, no trimestre de
l ufdinario.- Sem cbegada, coU-j Janeiro a marco vindouro, e recebe para istopro-
postas na sala de suas aetfOa*, pelas i
venda 1,000 a resma.
Paospboros. Sem ehegada, cotamos
agroza.
Queijos flamengos.-" Sem ehegada, retalho a
24800 o qualxo; u..
Ditos pralO; .Sets ehegada, retaltlo a u5o
kilo.
Sal. CHefiaram 510 alqaaires, vendas de
14400 a 14300 o alquelre.
Sabao inglai Ordinar
mos a 280 Mis o kilo.
V". Mk Me truj'., f,r-.
Ob 1 a 3 4
4*34852
8)84584
8764248
terra- Vendas de 420 a 460 reis ojtarde do dia 10 do conentc. '
Secretaria da Santa Las* da Misencordia
ehegada, cotamos \ dc dezeubrj de 1^74.
0 cscrivnO,
Pedro Ko'lriguBs de S- uza.
Rm audieDCia do Dito da
kilo,. '
Sardinha de Nantes. Sem
a 265 reis a lita. ..,
Toucinbo. Sem ehegada, cotamos de utouu
a 15iO0O por 15 kilos.
Velas steariaas. Chegaram 310 caixas, cota-
mos a 520 reis.
Vina ire.-Sem ehegada, cotamos de 12540OO a
I30J0O0.
7 do cirreule mez, pe
rante o Sr. Dr. )uil <1- pa/ da freguezia de N. S.
da Graca, se ha .li- ane alar um casa de taipa,
sila no Cantpo Grnid.-. com freni- i-ara a estrada,
Viuiio lioto da Figaeir.i e de Lifboa.Chegaram |en40 \ poria i jaudlas ae froute, counba aber-
il i i.i.-i ;i"Ci unittUa e 16 ouailos. aos urecos ,, -m .aii3n m rhao foreito. avaliada em 3004,
BAHIA5
.Segue eom este destioo, pestes qaatra Has, o
palhabote Botita, loraando para o rrforido pona
a carga qne I he apoareeer, por isso qoen qakar
aproveitar. pode dirigir m am coosMroatartm Joa-
quim Jose Goncalves Beltrao 4 Filao, a nu do
Commereio n. 5. .
Coiupanhia allin?
pertneiae
Kinpreza de navegacJo entre o Brasil e Pot
tugal
PARA 0 PORTO
Barca pGrtugneza Jovn Adelaide, a tahir eom a
maxima brevidade, recebe carga e passageiros : a
tratar com os seas eonsignaUrios Jose da Silva
Lovo 4 Filho. _______
Fnmo,
a 3
etc.
30 4 900
4
etc.
704980
21*699
3049O0
92*679
e 16 quailos, aos precos u> em Caixao, em ehao foreiro, avaliada em 3004,
! para pagamento da exeeucao que move Agapito
2204000. Antonio de Barros a Claudiuo de Jesus Bandeira.
2004000.
220i.i^a8, 3'.Hj quiut'.s
9eguintes :
Da Figueira, cotamos de 2054000 a
De Lisboa, cotamos de 1904000 a *w#""y-. ^; n
Dito francez.- Sem ehegada, retalho a 210*. JuiZO C103 teitOS da tazeilCla.
francez.- Sem ehegada, venda
2:3i24263
provincial de Pernaiuuuoo, 5
de 1874. r1H; .
0 escrivao,
J. C. M. da Silva Santos.
Rcvista commercial
Da sernnua de 30 de novombru a 5 de
dezemorode 1874.
Cambio sobre Londres, 90 d|v 26 3/4 d. 26 % d-
26 V d. 26 ,/4 d. por 14000.
Dito sobre dito, 90 d|v 26 }{ d. ?6 d. por 14000
banco.
Pilo sobre dito, 3 d/v 26 d. 26 % d. por 14
banco.
uito sobre Paris 90 d|v 367 reis 0 fraHco
banco.
Dito sobre diu, 3 djv 370 a 373 reis 0 franco,
banco.
Pito sobre Lisboa, 90 d|v 103 por ceulo, de pre
mio.
Dito sobre dita, 90 d|v 105 por cento de premio.
Dito roore 0 Porto, 90 d|v 103 por cento, de
premio.
Dito subre flamburgo, 90 d|v 460 reis 0 reich-
mark, banco.
Desconio de lettras, 12 e 11 por cento ao
anno.
Algodao da Parahyba, 1" sorte, 74250 por 15
Dito branco francez.- Sem ehegada, venaa a
2304000.
Dito branco de Lisboa. Sera ehegada, cotamos
de 2204000 a 2404000.
Dito tinto do Estreito. Sem ehegada, retalho a
2(04000.
Dito do Porto.Chegaram 1,900 caixas, cotamos
de 94500 a 10.000 a duzia.
MViMENTO 00
Escrivao Torres Bandeira.
Sexta-feira, 11 do corrente, depois da audieneia,
serao arrematados os seguinles predios :
Sobrado n. 39 de largo do Carmo, freguezia de
Santo Antonio, eujo andar terreo tern 2 salas, 1
1 quarto, e peqneno quintal, 0 superior, 2 salas, 2
quartos, pequeno sntao com cozinha, mede 64
Salmos de fundo e 13 de vao, avaliado em.....
:5004000.
<^asa terreas, ns. 22 e 24 da rua de Motocolora
UIMVVMIU
MCSSAGERIES MARITIMES.
I.inha aaeaaal _____
Espera-se da Borupa ate 7
do corrente, seguindo sesois
da demora do costume para
Buenos-Ayres, tocando na
Bahia, Rio de Janeiro e Mon-
tevideo.
bo, em Afogados, tendo aqnella, 2 portas e I Ja-
nella, 2 salas, 2 quartos, cozinha interna, quintal
murado, cacimba, mede 63 palmos de fundo, 19
de vao, avaliada em 1:2004, e esu, 3 portas, 2
salas, 1 gabiuete, 2 quaitos, cozinha exteroa,
quintal murado e cacimba, mede 68 palmos de
fundo e 30 1|2 de vao, avaliada era 2:500:000,
cujos predios sao edifieados em solo foreiro, e vao
Navios entrados no d>-i 5.
Montevideo27 dias, polaca hespanhola Viajero-
de 160 looeladas, capitao Sala, equiptgera 11-
carga 184,000 kilos de came ; a Beltrao A
Filho
Iquique, ao Peni-68 dias, barca ingleza Kappa,
de 480 tonelada^ capitao Simons, equipagem 16, a praca por execuglo da fazenda pronncial, con-
carga salitre ; ao mesmo capitao. Veio desem- tra Joaquim da Silva Costa eotno flad' r de Ma-
barcar a equipagem da galera ingleza Ihe Foun- noel Pedro Evangelbta ; assim corno 0 de d. 4
dlind incendiada no dia il de novembro pro da rua da Ponte-Velha, freguezia da Boa Vista,
ximo'passado e seguio 0 seu destine I com 31 palmos de frente, 69 de funJos, 2 salas,
Parahyba12 boras, vapor brasileiro Calderon,, 3 quarto*, cozinha fora, quintal murado e cacira
! ba, avaliada em 2:000*, a qual vai a praca por
Novo Sao
carga as-
linportacfto.
Polaca hespanhola Viageio, entrada de Montevi-
deo em 5 do corrente e consignada a Beltrao & Fi-
lho*, manifestou :
Xarque 4,000 quintaes a ordem.
Vapor francez ileudoza, entrado dos portos da
Europa em do corrente e consignado a H.-& La-
bille, manifeston :
Aaostras 3 volumes a ordem. Ameixas seccas
2 caixas a 1'edro Maurer 4 C. 17 a J. Francisco de
Paula P.arr.os, 2 a Manoel da S. Faria & C. Azeite
1 caixa a Theodoro Christian en.
Calcadc 1 caixa a Carls Lticlerc, 4 a Parente
Vianua 4 C, 4 a Joao Chn>tiani 4 C 1 a Jose T.
Leite Bi>tu?, 1 a Alfredo Gib-on. Con-ervas 6 cai-
xas a D. Itoucayrol. 2 a A. Frederico da Oliveira,
3 a A Regord, 10 a ordem. Cognac 30 caixas a
LehmaDn Freres, 4 a H. Newsch, 100 a Jorge Tas-
so. Chapeos t caixa a Pinto da Silva 4 i_ascao,
l.a M. Ferreira Pinto, 1 a Angusto F. deOliveira,
l"a Victorino Mai, 1 a Cramer Frey & C, 1 a D.
Manoel Mariins. 1 a Parente Vianna & C, 7 a Joao
Cbrisliani ft C. Ditos de sol 2 caixas a Roubach
Cahn 4 C.,3 a E. A. Burle & C. Couros G caixas,
a Parents Vianua A C.,2 a Jose T. Leite Bastos
4 a ordem.
Fiores artificiaes 1 caixa a Mattos Lemos & C.
Fitas, rendas e dados 1 caixa a Guimaraes Ribeiro
&C.
Galoes e botoes 1 caixa a F. Venancio de Can-
talice. Gravatas 1 caixa a Pinto da Silva &
Cascao.
Hervilha em conservas 5 caixas a Jose Francisco
de Paula Ramos.
Instruments de rausica 1 caixa a P. E. Roberto
& C. -v
Joias e relogios I cai.ta a A. Hyvernat&G. Di-
tas falsas e chocolate 1 caixa a Cardoso Fiei-
tas.
I.uvis 1 caixa a Penna Junior A C- Ditas e pen-
tes 1 caixa a Mattos Lemos 4 C. Legumes era
conservas 3 eaixas a Mendonca Corrda & C. Li-
cores 16 caixas a Beltrao & JKiiho, 4 a U. Nuescb,
5 a Jose Francisco de P. Ramos, 2 a A. F. de Oli-
veira, 2 a J. A. Pinto. Livro* 2 caixas a Victor
Fournie, l.a Silva Cardoso 4 Pessoa. Ditas, jor-
naes, fumo e cigarros 1 caixa a De Lailhacar 4
C Ditos e objectos de esciiptorio 2 a Walfredo
de Souza. Ditos e objectos de piedade 4 caixas a
jrma Bernard.
Mostarda 1 caixa a ordem.
Objectos pan alfaiate 1 caixa a A. Martins 4 C.
Ditos para chapeos de sol 1 caixa a Monhard, Met-
tler & C. Ditos divursos 1 caixa a Jose B. dos
Reis, 1 a Monhard Meltler 4 C.
Plantas medicinaes e doces 1 caixa a A. Caors.
Papel 1 caixa a B Manoel Martios, 1 caixa a Victor
Fourjie. Perfumaria 2 caixas a Carvalbo Perel-
ra & C Diio e leque? I caixa a Sa Leiiao 4 C.
rregos 3 volumes a Jose T. L. Bastos. Paramen
toria 1 caixa a L Ferreira de Amorim.
Qutdros 1 caixa a ordem, la Jose Marebigianie
Quirrtilhanas 1 caixa a Parente Vianna 4 C, 2 .,
V. Falque. Queijos 74 caixas a Antonio Francis-
cisco Corga, :i0 a Monteiro & Carvalho, 55 a Le-
bre Reis 4 C, 50 a Souza hastos & C, 35 a Fer-
uandes da CoSta & C, 34 a Lima 4 fiilva, 34 a
Magalhaes 4 Irmao, 32 a Beltrao & Filho, 37 a
Joaquim Jose Leitao 61 C, 60 a Jose M. da Rosa
4 Filbo, 35 a Cardoso & Marlins, 35 a Domingos
Joaquim Ferreira Cruz, 45 a Antonio Ferreira de
Carvalho, 84 a Paulino Jose da Costa Amorim & 0.,
17 a ordem, 8 a Jose Joaquim Alves & c.
Roupa 2 caixas a Victor Fournie, 1 dita ao
barao da Villa-Bella, 1 dita a D. Roucayrol, 1 dita
d C. Leclere.
Sedas 1 caixa a Cramer Frey 4 C
Tecidos 1 caixa a F. Linden.
Vestidos 1 caixa a Pinto da Silva 4 Cascao.
Vermuth 1 caixa a Augusto Frelerico de Oliveira.
Vinno 30 caixas a Beltrao & Filbo, 20 a Lehmann
Preres, 20 a Jose Francisco de P. Ramos, 50 a
ordem, 24 a Victor Fourote, 20 a Theodoro Chris-
tiansen, 2 barns a Otto Scbneidos, 1 a C. Leclere,
1 a Cramer Frey, 2 a J. A. Pinto, 2 a F. GauUer,
3 a Keller 4 C, 12 a Theodoro Christiansen, 1 a
Jose F. da Costa.
Brigue altemao Colmar, entrado de Hamburgo
na roesma data e consignado a Domingos Alves
Malbeus, mamfestou :
Amostras 17 volumes a diversos. Aleatrao 20
barris a ordem. Azul ultramar 1 caixa a F. H.
Carls, 1 a Manoel Alves Barboza. Assucar candi
1 caixa a Manoel da Silva Faria & C. Alfioetes 1
caixa a Parente Vianna & C. Alpiste 80 garra
foes a Francisco Goncalves Bastos e Sa. Alvaiade
de xinco 10 barris s Otto Bjbres.
Barras de ferro 880 a S. P. Johnston 4 C, 500 a
Parente .Vianna & < Bitter 10 eaixas a H. Lund-
greeo. Brin-jaedos 1 caixa a Mtto Bo ares. Bezer-
ros 2 eaixas a Parent* Vianna & C
Ovada gHada lt baTi^s a -trdein Cerveja
50 ca.xas a Ke:fer 4 ', !'* H LundRr-""i- Co-
servas 9 ci. cisc > de P tarns. Cn'^e s 1 eaiia a Meodaa,
Azevrdo & C, 1 a Joao Lb. .-.iiani 4 C Canela 10
caixas a Lebre 4 Reis. Compacos 1 caixa a Pa-
rente Vianna & C Cimeato 100 barricae a or-
dem.
DESPACBOS DE EXPORTaCAO NO DIA 4 Ph ]
DEZEMBRO DE 1874.
Para os portos do exterior.
No vapor inglez Vanguard, para Liverpool,
carregou: Simpson 4 C. 540 saccas com 40,< 67
1|2 kilos de algodao ; S. Guimaraes 4C. 1 barril
com 48 rrtros de aguardente ; Braga Son 4 C. 165
saccas com 13,312 1|2 kilos de algodao ; J. Pater
& C 138 ditas com 11,996 ditos de dito : para o
Canal, J. Paler & C 1,000 saccos com 75,000 kilos
de assucar mascavado.
No navio inglez Jane Hoad, para o Canal,
carregou : F. Cascao 4 Filho 1,754 saccos com
129,300 kilos de Jrssucar mascavado.
Na barca ingleza P. Alke, para Liverpool,
carregou : A. Loyo 1,500 saccos com 112,800 kilos
de assucar mascavado.
Na barca norueguense Word, para Liverpool,
carregou : M. Laihan 4 C. 3u0 saccos com 21,500
kilos de assucar mascavado.
Na barca portugueza Gratidao, para Lisboa,
carregou : S. Guimaraes 4 C 550 saccos eom
41,250-kilo* "le assucar mascwadoe 33o ditos com
26,250 ditos de dito branco, 2 barris cum 96 litros
de aguardente, riO saccas com 3,705 kilos de algo-
dao ; Amorim Irmaos 4 C. 250 saccos co.o 16,750
ditos (le assucar mascavado e 50 ditos com 3,750
ditos de dito braaco.
Na barca ingleza Fanny, para Liverpool,
carregou : Keller 4 C. 190 saccas com 13,940 kilos
de algodao.
Na barca nacional Imizade, para o Rio da '
Praia, carregou : J. P. Baltar 10 pipas c-jm 4,800
litros de aguardente e 600 barricas com 60,833
kilos de assucar branco. I
No brigue portuguez Rio Vonga, para Lis-'
boa, carregou : J. J. G. Beltrao 4 Filho 750 couros :
salgados com 9,000 kilos.
No brigue inglez Annak, para o Canal, car- j
retfoa : Simpson 4 C. 1,580 saccos com 112,500
kilos de assucar mascavado.
No brigue inglez Searhers, para o Canal, car-1
regou : Simpson 4 C. 2,000 saccos com 153,000
kilos de assucar mascavado-
Para cs porcos do interior.
Para o Rio Grande do Sul, no navio allemio |
Primus, carregau : J. R. Ferreira 160 saccos com i
7.500 kilos de assucar branco ; P. Carneiro Maia i
4 C. 100 ditos com 7,300 ditos de diio.
Para o Rio Grande do Sul, no navio allemao i
Anna, carregou : Oliveira Filhos 4 li- SOtfbarri-1
cas com 40,815 lr2 kilos de assucar brando e 50
ditas com 5,681 1|2 ditos de diio mascavado.
Para o Rio Grande do Sul, no navio nacional
Dao do Rio Grande do Norte, 74U00 por 15
kilos, posto a bordo, frete de 7* e 5 por cenlo.
Duo de Mossoro, sorte, 74300 a 7.200
por 15 ki cs.
Pito do sertao, sorte, especial, 74500, per 15
kilo.-.
Dito de dito, l sorte,.7i300 por 15 kilos.
Entraram 3,601 saccas por terra e mar.
Assucar d Rio Grande do Norte 14940, por 15
kilos, posto a bordo.
Dttu brulo, escolbido, 14"30 por 15 kilos.
Duo mascavado, purgado, Ij9o0 por 19kilos.
Pito do Caual, 14250 por 15 kilos.
Entraram 41,997 saccos por terra e mar.
Freie, vapor para Livtrpool.Assucar iOscbys.
5 por cento por tmelada.
Dito, vapor para Liverpool. Algodao, 9/16, por
tonelada, sem eapa.
Navio a vela para Liverpool. Assucar, 42/6
scbys, sera eapa.
Dito, idem idem, para dito.Algodao 1/2 d. e
por cento.
Dito, dito, para o Canal, 52/6 scbys, 5 por cento
no co.-tado do navio.
Dito, dui.', para Liverpool, eanegando na Pa-
rahyba.Assucar 45 .-chys., 5 por ceuto.
Duo, dito, para duo, cairegando na Parah)b?.
Algodao, 3/4, 5 por cenlo.
Diio, dito, nara o Canal, carregando em Maceio,
o ultimo fretainenlo foi 60 scbys, 5 por cento.
Pito, dito, para os Esiados Unidos, carregando
a jui, o ultimo I'retameote loi a 37j6, 5 pur cento.
Aguardente. Cotamos de 60fc a 704 a pipa.
Arroz. Chegaram 350 saccos, vendas a 245U0
por 15 kilos.
Azeile doce era caixas. Sem ehegada, cotamos
a 104000 a duzia.
, Dito dito em barris. Chegaram* 1180. 20i8,
venda a 24600.
Alpiste. Chegaram 20 barricas e 40 saccos,
cotamos a~6440O por 15 kiles.
Bauba.Chegaram 350 barris, cotamos a 1(5002
' o kilo.
Breu.Chegaram 138 barricas.cotamos a 124500
a barrua.
Batatas. Chegaarain SO canastras, cotamos a
34200 por meia caixa.
Bolacbinbas. Sem cbegada, cotamos a 44000
a bainca. '
Bacalhao.Cbegaram 7,030 barricas. Deposito
11,000 barricas, e relalba-se a I84OOO e 194000.
Carne. Chegaram 163,520 kilos. Em deposiio
70,000 arrobas, da do Rio -Grande, jetalho de
451.0 a 44200.
Couros seccos salgados. Chegaram 489, ven-
das de 556 reis 0 kilo.
Cimento. Chegaram 1,050 barricas, cotamos
a 104000 a barrica.
Cebolas. Chegaram 127 caixas e mil resteas,
vendas IO45OO a caixa.
Cba.Sem ehegada, cotamos a 34485 e 4$791
commandante Fabio Rino.
Navios suhidos no mesmo dia.
11 ha de S. Miguel-Palhabote portuguez
Lourengo, capitao Jos6 Manoel Vieira,
sucar e outros generos.
BahiaPaucho inglez Georgiana, capitio Barlliog,
carga parte da que trouxe de New-York.
ParanybaHiate nacional Ftor doJardim, capitao
Andrade, carga varins generos.
Navios entrados no dia 6.
Rio de Janeiro, Bahia e Maceio -6 dias, transpor-
te brasileiro Leopoldiaa, commandante capiiao-
tenente Manoel de Mourn Cirne.
Bordeaux e portos intermedios 16 dias, vapor
francez Mtndoza, de 1,594 taneladas. comman-
dante Gustavo Grou, equipagem 97, carga va-
rios geaeros ; a Hartsmendy 4 Labille.
Bio de Janeiro 16 dias, hiate .
de 220 loneladas, capitao Joao Francisco Galvao,
equiagem 12, em lastro ; a F. K. Kabello 4 G.
Santa Calharina 19 dias, barca hespanhola Ce-
lesttua, de 202 loneladas, capitao J. Sensat,
equipagem 7, em lasti 0 ; a ordem.
a
contra
vai a
Anna Care Una
Mi (irande
dos
exeeucao da fazenda
Passos.
Em aditamento li edital : a casa n. 5 do bee-
co do Tambia, c^m 24 palmos de frenle e 54 de
fundo, 2 salas, 2 quarto:, cotintn fora, quintal
murado e cacimba, em mao estado, avaliada em
700j, Ptr exeeucao da fazenda contra a lrmanda-
de de N. S. da Conceicao de Beberibe.
Recife, !. de dezembro de 1874.
0 solicitador da fazenda provincial,
Joao Fiiiniii.j Correia dc Arauio.
Assoclarao Portusuesa de Benett
cencla' dos emprecodos no com
merclo e tniluslrla em Pernam
buco.
Por ordem do lllm. >r. presidente da directoria
portuguez Cotete, I sao pelo pr?senle convidados lodos os Srs. asso-
ciados a comparecerem na sede social, tt-rca-feira
8 do corrente, as II hor^s da manha, para com
suas presencas mais abrilhantarem a lespectiva
sessao magna, que tem de ser celebrada no indi-
i cado dia e bora, para solemnisar o 2* anniversario
E' esperado dos por
los do sul no dia M
do corrente, segnin^
de|K>i- ia demon d
cosiume para Bor
deaux. tocando en
Dakar (Goree) e Li-b6a.
Para fretes, encomrnendas e pa-a|?irot: a tra-
tar com
OS AGENTES
Harlsmendy A I.nbHle
9 Rua do CommHrcio 9
COMPANHIA PERSAMBIUS4
DE
\avc^uco costclra a vapor.
"iRXHYBA.NATXL, MACiO, HOSSORO', ARACa-
Tt, CKARA, ACAIUCD' E ANARIUr^O, S9
PIAUHY.
0 vapor Pirapama, commai -
dante Silva, segaira pan M
portos acima ao dia 7 to
ccrrente. as .'ran da tarde.
Recebe carga ate j dia 6, en-
commendas, passageiros el-
a frete ate as 2 horas da tirde do dia a
escripiono no Forte do Mattos n. 11
Secretaria da associa.a > t'ortugueza de Benefl
oencia dos empregados no commereio e industna
em Pernambuco, 3 de dezembro de 1874.
Jose da Silva Rodrigues.
I." secretario.
Bahia 7 dias, brigue portuguez Recife, de 208. da insiallacao desta associacao.
looeladas, capitio M. M. Morgado, equipagem 9,
carga varies generos ; a J oaqui Monteiro da
Cruz.
Liverpool e portos intermedios-18li vapor in-
glez Brilnnta, de 2,598 loneladas, c X m>ndan-
. J. V. Hall, equipagem 100, carga ios ge-
u ": a Wilson Howie 4 C.
Unrnii. 52 dias, brigue allemao CMi. r, de
220 loneladas, capitio H. I. Wilsbnsen, equipa-
gem 8, carga dilferenie- generos; a Domingos
Alves Matheus.
Navios sahidos no mesmo dia.
Buenes-Ayres e portos intermedios Vapor fran-
cez Menioza, commandante Grou, carga parte
da queirouxe dos portos da Europa.
Calhao e poms intermedios Vapor inglez BrUa-
nil. commandante Hall, carga a mesma que
trouxe da Europa.
Rio de Jaueiro e Bahia Vapor brasileiro Calde
ron, commandante Fabio Rino.
New-York Palhabote americano 1. P. Auger, ca-
pitao Bedell, carga assucar.
Rio Grande do Sul Patacho portuguez Timbre,
capitao Antonio da Silva Nones, carga assucar.
ParahybaTraospnrte nacional Leopoldina, com-
maudante capitio tenente Silva.
Veneravel irmandade do Senhor Bom Jesus
das Portas da igreja da Madre de Deus.
De ordem da mesa regedura, convido a todos
cs ncssos irmaos para se reuoirem no consislerio
desta igreja, lerca feira 8 do corrente as 10 ho-
ras da manha, para em mesa geral se proce-
dor a eleirao com j detennina 0 12 art. 22 do
compromisso.
Secretaria. 4 de dezembro de 1874.
0 secretario.
Alexandre Americo de Caldas Padilha
Eduviget, carregou E. R. Rabello 4 C. 10 barri- j 0 jjUo, conforme a qualidade.
cas com 1,092 kilos.de assucar mascavado e 325: Oafe. Cbegaram 466jjsaccos, venda de 8.OO1)
volumes com 26,879 |iqujdo, por 15 kilos.
Pinto Guimaraes 150 ditofcom 15,607 ditos de
diie.
Para 0 Rio Grande do Sul, no pataeho por-
tjiguez ft'iRor^, carregqu : Amorim Irmaos & C.
75o volumes com 60,853 kilos de assucar branco.
Para o Para, no brigue nacional Rate, carre
gou : Amorim Irmaos 4 C. 350 volumes com
26,755 t|2 kilos de assucar branco.
Para 0 Rio de Janeiro, no brigue nacional
S. Panlo, carregou : P. Vianna 4 C. 650 saccos
com 48,750 kilos de a>sucar branco.
Para 0 Ceara, no vapor nacional Pirapama,
carregou : Costa 4 C 90 saccos com 6,750 kilos
de assucar brancu e 5 barricas com 307 ditos de
dito lelinado: para 0 Aracaty, o raesmo 2 ditas
com 179 ditos de dito e 1 dita com 110 ditos de
de dito branco : para Aearacii, J. A. L. Pimenta
20 barris eom 1,900 litros de aguardente : para
Mossoro, B. J. Pereira 4 Irmao 4 barricas com 240
kilos de assucar refiuado.
Para Mossoro, na bareaca Esperanca, carre-
gou : A. Oliveira 4 C. 2 barricas com'116 kilos
de assucar refinado.
Para 0 Rio Grande do Norte, na bareaca
Uniao, carregou : B. Gomes 4 C. 1 barrica com
70 k'lus de assucar branco.
CAP AT AZ! A DA
Rendimento do dia 1 a 4
Idaa do dia S
ALFAMDKGA
1.8234219
. 8914182
2:7144401
VOLUMES SAHIDOS
No dia 1 a 4 .
No di 5 ...
Prunaira pom.....
Segonda pom .
Tereaira porta .....
Titpiebe Ccncaicao .
4,349
52
197
129
339
5,061
SERV1CO MARITIMO
u>arn[ai descarregadaa no traptebo da
alfandaga.
Vo dia 1 a 4 .....
Vo dia 5.....
*o trapicre Goncaltio
15
5
2
22
MMXBlVw! DB RBNDAS lNThRNA <
OB "ERNAMBDC
laudiiuei.. .1 dia i
Um do d.. 5 .
:ofii o 1)
3.789,-iba
C9ITAES.
Canela. Sera ehegada, cotamos a 1/6^3 0
kilo.
Cerveja Bass, Noruega e Tenente. Chegaram
230 barricas, cotamos aos precos seguiutes:
Bass, cutamus a 6000 as inteiras e 74000 as
raeias.
Noruega, cotamos a 54000 as inteiras e 64GOO
as meias.
Tenente, cotamo< a 34^00 as inteiras e 44500
as meias.
Cognac. -Chegaram 10 caixas, cotamos de 84 a
224O0O a duzia.
Carvao de pedra. Chegaram 2,6*9 loneladas,
cotamos a 194500 a lonelada.
Farinha de trigo. Chegaram 3,888 barricas.
Deposiio 18,239 barricas, os precos regulara os da
semana passada.
Dita de mandioca. Sem ehegada. Depo-
siio 2,500 saccos, cotamos de 64000 a 645GO
0 alqueire.
Dita de milho.Chegaram 300 caixas, cotamos
a 44200 a caixa.
Figos. Chegaram 8 caixas, cotamos a 44500
por 15 kilos.
Farello. Chegaram 770 saccos, cotamos a 54100
0 saceo.
Fumo era rol s. Sem cbegada. Vendas de
124OOO.
Dito era latas. Sem cbegada. \endas de 124
a 124300.
Dito era caixas. Sem ehegada. Vendas de
124000 a 124300.
Genebra de laranja. Sem cbegada, cotamos
a 74000 a duzia.
Dita commum Sem ehegada, cotamos a 44
a duzia.
Dita de Hollanda. Sem ehegada, cotamos a
54560 a duzia.
Dita em botijas. Sam ehegada, cotamos a 340
reis por boiija.
Dita lanterna magica. Sem cbegada, cotamos
a 44500 a duzia.
Dita vida eteroa. Sem cbegada, cotamos
a 54400 a duzia.
Kerosene.Sem ehegada. Venda 44300 a lata
Louca ordinaria e Una.Chegaram 22 caixas,
veuda a 410 por cento, cotamos 300 por cento.
Milho. Sem ehegada, cotamos a 75 reis 0
kilo.
Massas.Cbegaram 14 caixa-, cotamos a 74000.
ingleza em caixa--. Sera cbegada.
O Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacerda, juiz
de direito especial do commereio nesta cidade
do Recife de Pernambueo, por sua Magestade
o Imperador, a quern Deus guarde, etc.
Faco saber pelo presente, que nos lermos do
art. 1* do decreto n. 1,693, de 13 de setembro
de 1869, dentro do prazo de 30 dias, contados da
data da publicacao deste edital, recebera este jui-
zo propostas por cartas fecbadas para arremata-
gio por venda dos escravos seguintes :
Vicente, oor parda, idade de 18 annos pouco
mais ou menos, esia com beiigas e alejado de
uma mao, por 4004.
Jose, cor parda, Idade de 23 annos, por......
1:0004.
Luiz, cor parda, idade de 26 annos, por 8004.
Francisco, cor preta, idade de 19 annos pouco
mais ou tnems, por 1:0004-
Joaquim, cor preta, idade de 60 annos, por
3004-
Os .quaes escravos sao periencontes a massa
falilda de Candido Alberto Sodre da Motla 4 C, e
se acham em poder de Joaquim Jose Goncalves
Belirao A- Filbo, depositarios da referida massa
fallida.
E para que cbegue ao conhecimento de todos,
mandei passar 0 presente, que sera publicado
peia iraprensa e aiQxa>1o nos lugares do costume.
Recife, 4 de dezembro de 1874.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nascimento,
escrivao, escrevi.
Sebastiao do Rego Barros de Lacerda.
LtrtfcLAllACOfc*.
Segunda feira, 7 do corrente mez, linda a
audieneia do Exm. Sr. desembargador juiz de
orphios, vao a praca por arrendamenl', e pelo
tempo de 3 annos, o predio de um andar, silo
a rua da Imperatriz n 46, a razao de 1 >"' 13
annuaes, servindo de base para arreraata^ao dita
quantia ; vai a praca a requeriraento do conse-
nhor Atonio Henrique Rodrigues.____________
ADMINISTRAi.AO DOS CORREIOS DE PERXAM
BUCO. 7 DE DEZEMBRO DE 1874
Ualas a expedir-se
Pelo vapor nacional Pirapama, esta adrainistrt-
ci expede malas para a Parahyba, Natal, Macao
Mossoro, Aracaty, Ceara, Aearacii e Amarracao,
no Piauhy, hoje 7.
Recebem-se jornaes. impresso< de qualquer na-
turexa, e cartas a registrar, ate 2 horas da tarde.
ate 3 horas, e cstas ate 3 i\i.
nheiro
Para o Aracaty fruue com hrevidade o h-.'
nacional Leonilta da Cruz : para carga e pas a
giros. trala-se com Aotooie Alberto de Scsu
esuiar, a ma do Amrim n60.______________
Compaiihia de navejirfto aa w-
por hahiana. limitada
Maceio, Penedc, Aracaji e Babia.
I E esperado dos por M
acima ale i dia 12 1
correnif, n vapor Vale #
df HHSW, e segu ri
para cs mesmos no seguinle ao de >ua r-
gada.
Recebe-se carga, encomrnendas passageiros e di
nheiro : trata-se na agencia c-'in
Antonio Luiz dc Oliveira Azeveoto.
37- Rua do Bom Jesus57_________
CO.MPAKHIA PERNAMBLCAJiA
DE
\u%rgucao costteira aa a par.
Penedo em direitura.
O vapor Japtar \*.
comrnandanlo JnN>.
seguira para 0 for
to acima no dia
do corrente as 2 hr -
da tarde.
Recebe carga ate as 10 horas da tarde,d'i : 1
da sahida.
COMPWHIA BRAMLEIBA
DE
NAVEGACAOAVAPOR
Portos do norte
m
name l|uadrus ci.nior
cartas ordinarias
com porte duplo.
Affonso do Rego Barros,
Administrador.
ENCRUZILHADA
Mociedade Particular
RECREIO DRAHATICO.
SEGUNDA-FLIRA 7 DO C0RRE3TE
Primeiro anniversario d inaugu-
raca\o do Recreio.
Snbira a sceoa 0 magnilico drama rm 5 actos :
0 liilalgos de Pontalec.
E dara lim ao cspectaculo a muito espirituosa
comedia, original brasileira :
Um defcito de familia
Principiara as 8 boras.
Havera trem depois do espectaculo.
AVISO
03 Srs. socios podern desde boje mandar bus-
car os seus bilhetes m theatro das 6 as 8 horas
da noite.
NO GRAKDIOSO SALAO
EABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA
RUA DO IMPERADOR
\4 NOITE DE SABBADO
drfk
E* e|>erado p
do si I ate o dia s >
di rente e seguira ptra
os do norte depots da -
mora do costume.
Portos dc
Conde d'Eu
fretado
E' esperado dos porto* do aer-
ate 0 dia 10 dr aMMM e >v-
guira para cs do snl, de;* 1
da lieiwra 60 c>t-jrrje.
v.Pra carga, enenmmeudas, va.i.res" patsaf*.
.rata-se no escriptoho
7RUA DO VMAM0-7
Pereira Vianna A C
_________________AGENTES_________________
Aclnse a carpa para Macao e MosaoK. 3
hem conhecido hiate Xovc t^peianra. q-iem aoi'-
qinzr carrfgir, dinja se ao iinj< *m oa rua
da Madre de bens n. 2 : a tratar cum j.-aw A.-
vares de Quintal, t: .rante .-<" <]ne o> Mai -Si ba
ratissimos;___________________________^____
Para o Kio (If JitHflro
pret nde seei-n com moila brevidade o bri|n?
Isabel,fia pail.- de sen ctrrtmfnin >ngaia
Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETYJZBNII_4GCWO9 INGEST_TIME 2014-05-28T02:10:10Z PACKAGE AA00011611_17664
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES