Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17662

Full Text
- 4
AiWO L JVUHERO 278
PABi A CAPITAL B LIIG1BE8 1IG t%AO SB PAG A PORTE.
Por tres mazes adiantadot. ....*..,... 69000
por seis ditos idem. ,..........,,..... 129000
for am anno idem ..... f ..... 149000
Cada Damero avulso .. a >. a a a a a j. a a a a-'* '32.0
SEXTA FEIRA 4 DE DEZEMBRO DE 1874
PARA DE.ITBO B FOR A DA PH VINCI A.
Por tres mexes adiantados................ 19710
Por seis ditos idem.....*............ ISM**
Por nova ditos idem................. 109110
for am anno idem................... 179000
DE PEMAM
PR0PRIEDADE DE MANGEL FIGUEiROA DE FARIA FILHOS.
ft in. Gerardo Antonio Aires A Filbos,no Pari; (toneal>es d Pinto, no Maranhlo; Joaqoim Josd de Oliveira & Filho, no Ceari; Antes* de Lemui Brags, no Aracatj ; Jolo Mria Julio Chriet, no Assd; Antonio Marqaet da Silra, Ratal; Joed Jastiaa
Pereira d'Almeidt, em Mamicguapa ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, aa Parahyha ; Antonio Josd Gomes, na Villa da, Penha; Be'armino dos Santos Balcio, em Santo Ant* ; Domingo* Jots da Costa Brsgt, emUaxareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar das AlagoIik# Alves d C.,na Bahia; A. Xavier Leite d C. d Bio Janeiro-
==*
PASTE OmGIAL
Goverun da provincia
EXPEDIENTS DO DIA II DE AGOSTO DE 1874.
1." secqao.
Offlcios:
Ao Exm. brigadeiro commandants das ar-
mas.Em solucao ao olllcio do huntem datado, sob
n. 617, com one V. Exc. irouxe ao meu conheci-
mento copia da acta do consellio econoraico do
hospital mihiir, lavrada em 11 do corrente, na
qual sao consignadas as razoes porque nao fora
aceita a propwta dos negociantes Beltrao Oliveira
i C., para o forneciment) de generos alimenticios
aquelle estabeleciiuento, no ieuipo complementer
do trimestre de julho a setembro, lenbo a dizer
qio mande pur uuvaiueule em praga diio forne:i-
mento.
Ao mesino.Inteirado pelos papeii que vie-
ram annexos aos seus offlcios de 12 do corrente,
sob ns. 613 e 616, dos moiivos pelos qaaes o di-
rector d) hospital militar resolveu suspender por
tempo de 15 dias o respectivo escrivao, Avelino
Pereira da Caaba, tenho a dizer que, se ease
funccionarionao corrigirse, Ihe devera ser irapos-
ta nova suspensio. Quanta as eonlas, devem estas
ser sujeitas ao exaine do escrivao interino para as-
signa-las.
Ao mesmo.Expeca V. Exc. suas ordens
para que tres offlciaes superiores da guarnicao
desta cidade coraparecam neste palacio, as 12 ho
ras do dia 20 do corrente, atim de consliluirem a
junta de jusli<;a que em ultima instancia tern de
julgar os processos instauraJos contra os soldados
do corpo de policia Terluliano de Souza Pacheco e
Emiliano Alves de Oliveira.
Ao director do arsenal da gaerra. Trans-
mitto a Vine, para seu eotthameutu e fins con-
veaientes, o incluso tenno lavrado pela commissao
que, na forma das ordens em vigor, assistio nesse
arsenal a abertura e exaroe do caixao vindo
da corte, conlendo modelos de pecas de farda-
mento.
Ao mesmo.Remetto a Vmc. a inclusa pro-
posta, que foi approval a e aceita pela commissao
de compras desse arsenal, em sessao de 6 do cor-
rente, para o (ornecunento dos objestos de que
trata o artigo 95 do regolaraenlo n. 5,118, de 19
de OUtubro de 1872, afiin de que mania lavrar o
respectivo contrato, nos termos do citado regula-
mento.
2.* seccao.
Acto:
0 presidente da provincia, autorisado pela
lei n. 1,130, de 30 de abnl do corrente anno, re-
solve nomear para o cargo de commissario de po-
licia do muuicipio de Goyanna a Sebast'ko Mendes
Bandeira GulmarSes.
Offlcio :
Ao Dr. juiz de direito da 2* vra desta ei-
ilide.Alim de que V. S. faca o relatorio do es-
ivlo, perante a junta da just.ca, que em ultima
iu'tancia tern de julgar os soldados do corpo de
policia Terluliano de Souza Pacheco e Emiliano
Alves de Oliveira, neste palacio, as 12 horas do
dia 20 do corrente, incluso remetto-lhe os respec-
tivos pr^cesso*.
3." secruo.
Oificios :
Ao inspector da tliesouraria de fazenda.
i ;Qi'j nesla daia, de accordo com a sua iniorma-
\;ao de hontem datada, sob n. 291, serie H, appro-
vado a proposta aceita pela commissao de compras
do arsenal de guerra, em sessio de 6 do corrente,
para o fornecimento dos objectos de que trata o
artigo 95 do regulamentin 5,118 de 19 de oulu-
bro de 1872, e autorisadoo r^spectivo director in-
terino a mandar lavrar o competente contrato ;
ussim o declaro a V. S. para os lins convenien-
t^i.
Ao mesrao.Remetto a V. S. as duas inclu-
aas conlas, relativas a ambulancias remeltidas
pelo inspector da sauda publica, para Limoeiro,
Agua Preta, Ipojuca e Serinhaem, aflm de que
ruande pagar a respectiva impo.-tancia a Augusto
Caors & C, na conformidade do que solicitou o
referido inspector era olBcio deata data.
Ao mesmo.Respondendo aos otBcios de V.
S, datados de 8 e 11 do corrente, autoriso-o a ar
rendar o proprio nacional, sito em Santo Amaro
das Salinas, que servio outr'ora de quartel de ea-1
vallaria, ou a cede lo gratuitamente a alguem que'
executar as obras do mesmo paco, conforme a
relacao que acompanhou o seu citado olScio.
Ao eugeuaeiro fiscal d.i enaprdza Uximitora
Pernambuctni Oeclaro a V'aiiJ. flia fica eonce-
dida a es3i empreza a perraissi) soliciia Ii por
oilioij de boutem data Jo, dirifido pet< rnpecti-
vos cessionarios, para iuaagurar o traQo das li-
nhas qne ja estiverem construidas devenlo Vmc
crasiderar de nenhum effatoa orlem contida em
men offl:io de 11 do corrente, na parte qae res-
peita ao terrao que os rassmos cessionarios deve
nam assignar.
Portaria :
Oi Srs. agsntes da ompanhia brasilelra de
navegacao a vapor mandera dar tran^porle para a
curie, por conti do ministerio da marinha, no va-
por Parana, ao imperial mariaheiro de I* classe
Manoel Pereira da Silva.
KXPEDIENTE DO SECRETASIO.
1.' seccfto.
Offlcio :
Ao commandants da corvla Ikcife.S.
Exc. o Sr. presi l-'nte da provincia man la decla-
rar a V. S., etn resp9sta ao seu offlcu de hontem
datalo, sob n. 30, que (iea expedida a necessaria
ordem, para ser transportado a cOrte, no vapor
Parana, o imperial mar.nbeiro del' classe, Ma-
noel Pereira da Silva.
2." secQ&o.
Offlcio :
Ao commandants do corpo de policia.S
Exc. o Sr. presidente da provincia manda comma-
maaiuar a V. S. que nesta data expedio a necessa-
ria or Jem ao thesouro provincial no sentido de
serem pagosos v^ncrmentos da: pracas qae live-
ram baixa nos ditldrentes dias do corrente mez, e
bem assim autori-ou que coalinuasse a pagar as
pracas excedeates a nJa existenles, ate definiiiva
exclusao, na conformidade do que V. S. solicitou
em sea offlcio de lioni.m, sob n. 335.
3.' secqao.
Offl io:
Ao inspector do thesouro provincial.De or-
dem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia e em
additamento ao meu offlcio do 1.* deste mez, re-
metto a \. S. mais 10 exemplares d is disposicoes
complemeatares incorporadas por acto de 8 de ju-
lho ultimo ao regulamento da reparlicao das obras
pablicas, de 24 de fevereiro do corren.e anno.
4' tKQao.
Offlcio :
Ao inspector da saiide publica. S. Exc o
Sr. presidente da provincia mania declarar a V.
S, que acaba de expodir a necessaria ordem a
thesonraria deffazenda.j aGm de que seja paga a
importance das contas] relativas a amDulancias
foruecidas por Auguslo Caors & C, na conform'-
dade do que V. S. solicitou em seu offlcfb desta
data. Outrosim, qae devera V. S., segundo exige
aqaella reparlicao, recoinmendar nas futuras con-
las a espe'iflcacao do numero e quantiaade-iJos
medicamentos bomeopalhicos contidos nas ambu-
lancias que tiverem de ser fornecidas.
EXPEDIiNTK DO DIA 17 DE AGOSTO DE 1874.
i." secqao.
Acto :
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu Antonio Ferreira de Almeida, resolve
concederlhe licenca para ir ao presidio de Fer-
nando do Noroiha, no primeiro vapor que para
alii seguir, e bem assira levar em sua companliia,
a serem enlregues ao paisano Jos6 Joaquim Alves
Coutiaho, os generos consumes da relacao junta,
assignada pelo secretario'da presidencia, nao po-
denio, porem, effectuar o desembarque dos ditos
generos, sem que por parle do commandante da
quelle presidio se proceda a exame, aflm de se ve-
rificar se haaguardente ou oatra qualquer bebida
esoirituosa.
Offlcios :
Ao Exra, brigadeiro ommandanle das ar-
raas.-Sirva-se V. Exc. de fazer chegar as maos
do anspecada do 9.* batalbao de infanteria, Ehas
Antonio Soares, as informa^oes conslantes da3 co-
pias juntas, ministradas pelo Exm. presidente da
provincia do Maranhlo, em satisfacao ao qae re-
quereu a referida praca.
Ao mesmo. Transmiito a V. Exc. para os
fins convenienles, a inclusa relacao de alieraccids
occorridas no mez de julho ultimo com o 2. ci-
rurgiao do corpo de saiide do exercito, perlencenle
a guarnicio desta provincia. Dr. Joao Cancio Nu-
nss de Mattos, que se acha em commissao na da
Parahyba.
Ao mesmo.Comraunicando-me o Exm. pre-
sidente da Parahvba, em offlcio de 13 do corrente,
se encarregue de sua conservacio, ate que o go .
verno imperial resolva sobre a sua venaa. j que naqaelie dia embarcou_ alii, com desiino a esta
Ao inspector do thesouro provincial.-Na provincia, a cuja guarnicao pertence, o
conformidade do que solicita o commandants do giao do corpo de saiide do exercito,
corpo de policia, em offlcio de hontem datado, e cio Nunes de Mattos ; assim o
em additamento ao offlcio desta presidencia, Ae 39
de julbo ultimo, autoriso Vmc. a mandar eiiec-
luar o pagamento das pracas qne durante o cor-
rente mez tiveram baixa em differentes dias, de
vendo fazer o mesmo com relacao as excedentes
aiada existenles, ate deQnitiva conclusao.
Ao mesmo.Transmitto a Vmc. os inclasos
documentos das despezas feitas durante o mez de
Dr Joao Can-
declaro a V. Exc.
para seu conhecimenlo.
Ao mesmo.Communicando me o Exm. Sr.
minislro da gaerra, em aviso de 7 do correute,
haver expedido ordem a intendencia da gaerra
para foraecer a cada um dos batalhoos 2. e 9.9
de infanteria, esiacionados nesta provincia, 200
cartacbos para espiogardas do syste.ua Comblaia ;
assim o declaro a V. Exc. para seu conhecimento
iulno ultimo, com o sustento dos presos pobres de e Gns couveoientes.
outras provincias, comprehendendo os railitares el Ao mesino. Remetto a \. Exc. os inclasos
os evadidos de Feroando, aGm de que por esse papeis, qae me serao deT.ol.,"d?8'..reiaA1!??.a ,8?.1;
thesouro sejam extrahidas as necessarias conta3
para ter lirgar a requisi^ao do pagamento devido
ao respectivo fornecedor.
Ao mesmo.Attendendo ao que solicitou em
offlcio de 11 do corrente o Exm. presidente da
Parahyba, qae se refere a reqaisicao junta por
dado do 7.* batalhao de infanteria, Francisco Jose
dos Snntos, que pede tres mezes de licenca para
vir a esta provincia, onde tern sua familia, tratar
de seas negocios, atim de que iufortne se a re ter i
da prac. a, quando foi como guard a nacional desig-
nado para o service da campanha, marcboa vo-
a do inspector do respectivo ihesouro, auto- luntariamente ou foi forcado aquelle servijo.
riso Vmc. a providenciar em ordem a que seja I Ao director do arsenal de guerra. Ao sar-
nrorogado por 90 dias o prazo marcado no edital gento da guarda local do mumcipio de Limoeiro,
do consulado desta provincia, para ter execugao Manoel Raymundo Gaminha da Cunba, mande
n disoosto nos artigos 78 e 79 do regularaeato de, Vmc, de conformidade com as ordens antenores,
B de abril ultimo, com relacao aos generos de foraecer 30 pares de sapatos e 4 macos de cartu-
oroduccao daqueila provincia. 1 chos embalados para arraas de ad .rme 17 raiadas
Ao mesmo. -Mande Vmc. pagar a Jos6 Car- com espolelas em numero sufflcienle. e bem assim
io Vital, os venciment de seu lugar de tenenle 15 espoleteiras.
que foi do corpo de policia, relalivos aos la dias Ao mesmo.De conformidade com o pedido
do mez de julho ultimo, epoca em que do valla' junto em duplicata, mande Vmc. fornecer ao conv
de saa :ommissao no centro da provincia, chegou mandante do deposito de recrutas um livro de 200
a esta capital e recolheu se ao qnartel; na oon-! folhas para o registro dos recrutas.
formidade da informacao do respoolivo coramaa-i Ao mesmo.Mande Vmc. sem demora fazer
dante, datada de 11 do corrente, i pelos operarios desse arsenal os concertos de que
4.' seccao, carecem as argolas que prendem os ferrolnos de
Offlcios : Idous xadrexes do hospital militar, os qaaes se
Ao Exm. presided* ia provincia da Para- acham qaebradDS, tendo isso dado lagar a evasao
hybJ.Cumpre-me declarar a V. Exc, qae em' de um recrala que alii se achava em tratamento.
3atisfasao do que solicitou em offlcio de lido! Ao mesmo. Trausmitto_ a Vmc., para seu
corrente, expedi nesta data nocessaria ordem conhecimento e devida execucao, copia do aviso
ao thesouro provincial, itim de que seja proroga-1 do ministeri> da guerra, de 7 do corrente, decla-
do por 90 dias o ptfto marcado no ediul do con- rando os vencimentos que devem ser abonados ao
sulado, para ter execucao o disposto nos artigos 78 mestre di offlcina de correeiros e selleiros desse
e 79 do re*:,iameoto de 30 de abril ultimo com arsenal, Francisco Ribeiro Pavao, que continua no
relacao io* generos de produccao dessa provincia. gozo da dispensa do comparecimeuto ao ponto, e
Ao vigario da fregaezia de Saato Antonio de dando outras' providencias acerca de saa sabs.it-
Tracanhaem. -Transmiito a V. Rvm. doa linos taicao.
'
abartos, numerado3 e encerrados para nelles se-
rem lancados os assentos de baptisamentos e obi-
133 dos filuos livres de malher escrava, nos ter-
mos da lei de 28 de setembro de 1871.
5." $ecc3o.
Officlea:
Ao engeaheiro ehefe da reparlicao das obras
Ao mesmo. Ao commissario de policia do
maniciplo do Capo, Bernardo Ferreira de Barras
Campello, mande Vmc, de contormidade eom as
ordens anteriores, fornecer 20 pares de sapatos e
2 macos de cartuchos embalados, com espoletas,
em numero suffleiente.
Ao engenheiro das obras militares.A' vista
publicas.Be acordo com a sua informacao cons- da autorisacao concedida pelo ministerio da gaerra
tante do offlcio de houtera datado, soft n. 237, flea em aviso de 6 do corrente, p6de Vmc proceder a
marcado ao arremaUnte do paco da assembled sabstitaicao, por putro novo, do tnbo conductor
provincial o prazo improrogavel de 3 meses para 'do famo do togJo ae ferro do hospital militar, ms-
peodendo eom esse servico ate a qiantia de 44J,
de conformidade com a sua inforraacaj de 22 de
junho ultimo, sob n. 107.
2." seccao.
Actos :
0 presidente da provincia, a vista da propos-
ta do Dr. cbefe de policia, em offlcio de boje, resol-
ve considerar sem effaito a nomeacao de Sabino
Lins de Araujo para o cargo de I.* sapplente do
subdelegado de p ilicia da fregaezia ie Taqaare-
tinga, do lermo do Limoeiro.Communicou-se ao
Dr cbefe de policia.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o jaiz municipal e de orphans do
termo de Limoeiro, bacharel Joaquim Francisco de
Arruda, resolve conceder-lbe 20 dias de licenpa,
com ordenado, na forma da lei, para tratar de sua
saiide onde lhe aprouver.
0 presidente da provincia, attendendo ao qae
requereu o juiz municipal e de orphaos dos ter-
mos de Bom Contelbo e Agaas Bellas, bacharel
Jose Climaco do Espirito Santo, resolve prorogar
por -mais viote dias, eom ordenad >, na forma da
lei, a licenca qae lhe foi conceiida em 6 de junho
proximo Undo, para tratar de sua saude onde lhe
apron ver.
Offlcios:
Ao juiz de direito da 1.* vara desta cidade.
Por se achar enj.irregado das sessoss prepara-
torias do jnry o Dr. juiz de direito da 2.' vara
desta cidade, design i a V. S. para fazer, no dia 20
do corrente, as 12 horas da manha, neste palacio,
o relatorio do estylo, perante a junta de justica
Sue em uliiraa instancia tem de julgar os soldados
o corpo de policia, Tertuliano de Souza Pacheco
e Emiliano Alves de Oliveira, cujos processos se
rao a V. S. apreseatadoj por aquelle juiz de di-
reito. Com:i,uoicou-se ao jaiz de direito da 2.*
vara desta cidade.
Ao jaiz de direito de Ilambe. Em resposta
ao offlcio de Vmc, de 12 do correnie, consultando
sobre a interpretacao do art. 8.* do regulamento
da guarda local, tenho a dizer lhe que a praca
desligada do corpo de policia que preleader enga
jar-se na mesma guarda, deve-se-lhe dispensar a
residencia anterior de que trala o citado artigo,
nao assim qnante aos attostalosouquantj a sua
fe de offlcio, qae devera sempre exhibir.
Ao juiz de direito de Cimbres.Em resposta
ao offlcio de Vmc, de 7 do corrente, solicilando
a conservacio do dastacamento de policia existente
na fregaezia de Alagda de Baixo, tenho a dizer-
lhe qae a retirada d-sse destacamento 6 tempora-
ria, e para o flm de melhor se organisar a forca
policial.
Ao juiz substituto do 4. districto criminal.
Para conhecimento de Vmc. e devida execucao,
incluso remetto-lhe por copia o aviso do ministerio
da justica, de 3 do correnie, relalivo a psna de
doas mezes de suspensao por Vmc. impista ao es-
ertvlD do dttogado de policia do l. distrieio do
termo desta capital e do subdelegado da fregaezia
da Boa-Vista, Frederico de Carvalho.
Ao commandante do corpo de policia. Ao
commissario de policia do municipio do Cabo,
Bernardo Ferreira de Barros Campello, mande
Vmc. fornecer as blusas que faltam para comple-
tar o numero de que trata o meu offlcio de 18 de
julho proximo passado.
Ao mesmo. Expeca Vmc. suas ordeos para
que se apresente lo tribunal do jury a guarda do
costume, a contar do dia 20 do corrente.
8." secqao.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Para os tins convenienles communico a V. S que,
segundo consta do aviso do ministerio di justica,
de 5 do corrente, nessa data solicitou se do da fa-
zenda que essa thesouraria fosse habilitada com a
quantia de 3504 para pagamento da ajuda decas-
to arbilrada ao. bacharel Pedro Jorge de Souza, jaiz
mualcipal e de orphaos do termo de Flores.
Ao mesmo.Em camprimento ao aviso do
ministeri > d04 negocios do imperio, de 30 de julho
fiodo, faco eonslar a V. S. qae foi approvada a
deliberacao tomada por esta presideacia, de man-
dar pagar ao conselheiro Francisco de Paula Bap-
lista a quantia de 32/, differeuca entre os yenci
mentos de lente catbedratico e os do de director da
Faculdade de Direito, que exerceu interinaraente
desde 25 de abril M 4 de maio do corrente anno,
correndo a despeza pelas sobras de credito distri-
buido para os servicos da referida faculdale no
exercicio de 1873 a 1874.
Ao mesmo.Para os fins convenienles com-
munico a V. S. que o juiz de direito da comarca
de Flores, bacharel Joaquim Guedes Correia Gon-
dim, renanciando o resto da licenca de qae go
zava, reassumio o exercicio das funccoes de aeu
cargo em 2 do corrente.
Ao mesmo.-Em cumpriraento ao aviso do
ministerio do imperio, do do corrente, faco
constar a V. S. que forara approvados os dou
creditos abaixo mencionados, abertos sob responsa-
bilidade desta presidencia, por conla do exercicio
de 1873 a 1874, do 149j580, pela verba-Even-
tuaes,para pagamento de despezas feitas eom
expedicao de telegrammas relalivos ao servigo do
mesmo ministerio. De 240J pela deSoccorros
publicos, atim de occorrer ao pagamento de am-
bulancias fornecidas por Augasto Caors e remet-
tidas para as freguezias de Muribeca, Nazareth e
Escada.
Ao mesmo. Transmitto a V. S, para sea
coahecimento e direccao, copia do aviso do minis
terio da guerra, de 7 do corrente, deelarando os
veqeimentos que devem ser abonados ao mestre
da offlcina de correeiros e selleiros do arsenal de
guerra uesta provincia, Francisco Ribeiro Pavao,
e dando' outras provideacias acerca de saa sabsti-
tuicad.
Ao mesrao.-Constando do aviso do minis-
terio da gaerra, de 6 do corrente, ter sido nesta
data solicitado do da fazenda a expedicao das con-
venienles ordens, aflm de que seja habilitada essa
thesouraria com a qnanlia de 441, por conta do
14Obras militares,do exercicio corrente, para
satisfazer as despezas com a sabstituicao do ea-
nudo da cbamine da cozinha do hospital militar ;
assim o declaro a V. S. para sen conhecimento.
Ao mesmo. Para os fins convenientes com-
munico a V. S. qae em 9 do corrente reassumio o
exercicio do cargo de juiz de direito da comarca
de Goyanna o bacharel Francisco Teixeira de Sa.
Ao mesmo. Para bs fins convenientes, com-
munico a V. S. que em 1 do corrente reassumio
o exercicio do cargo de juiz municipal e de or-
phaos do termo de Ingazeira o bacharel Miguel
dos Anjos Barros.
Ao mesmo.Para es fins convenientes com-
rauuico a V. S. qae em 24 de julho ultimo entroa
ao exercicio do cargo de adjunto do profiotor pu-
blico da comarca de Ouricury Alexandre Geraldo
de Carvalho.
Ao mesmo.Remetto a V. S., para o devido
cumpriraento, copia do aviso circular de 31 de
julho ultimo, sob n. 5, em que o Exm. Sr. minis-
tro da agricultura, commercio e obras pablicas,
recommenda qae por essa thesouraria seja remet-
tida ate o mes de outabro proximo faturo a res-
Sacliva secretaria de estado a demonstracao exacta
as despezas feitas por conta do mesmo ministerio,
relativas ao exercicio findo de 1873 a 1874.
Ao mesmo.Para os fins convenientes in-
cluso remetto a V. S. o decreto de nomeacao do
cargo d.
Triampf
- Ai
claso re
juiz de
nanicipal e de orphaos do termo
mo.Para os fins convenientes. In-
to a V. S. o decret) de reraocao do
to Joao Francisco Duarte, da comarca
e Anadia para a de Caruaru.
Ao a^smo.Transmitto a V. S., para os de
vidos iioi, as portarias de nomeacao de Ludgero
de Mattos Pereira Duarte para o lagar de agenle
do c6rreio da puvoacio de S. Lourenco da Mat-
la, e de Manoel Benicio de Miranda Tilara para
o de sjulante do de Belem de Maria.
Ao mesmo.Para os fins convenientes, in-
cluso remetto a V. S. o decreio de nomeacao de
Vicente Licinio da C >-ta Campello, para o. cargo
de solieitador de eapellas e resididuos, defantos e
aus.Tiles desta cilade.
Ao mesmo.Para os fins convenientes, in-
cluso remetto a V. S. a patente que reformou no
mesmo p >sto o tenente-coronel avalso de guarda
nacional Izidro da Cm: Siqoeira.
Ao mesmo.Em vista do exposto nos offlcios
de V. S., do 8 e 14 do corrente, sob ns. 254 e
306, serie H, approvo a arrematacao feita per
Geminiano Seraphim de Oliveira Mello, perante a
junta dessa thesouraria, do arrendamento por nm
anno, da easa terrea, proprio nacional n. 55, sita
a rua de S. Bento, em Olmdi, pela quantia de
5l jOOO, mahr lango offerecido em basla publica.
Ao mesrao.Era resposta ao offlcio de V. S.,
de 13 do corrente, sob n. 293, serie H, tenho a
dizer-ihe que approvo a arremala<;ao feita perante
a junta dessa thesouraria, por Fiorencio D train-
goes da Silva, da casa terrea, proprio nacional sita
a rua do Paco Castelhano, na cidade de Olinda,
pela quantia de 2:073?, maior Unco otT-recido
em hasta publica.
Ao mesrao.A' vista do que solicitou o Exm.
brigadeiro commandante das annas, em offlcio de
14 do corrente, sob n 631, recommendo a V. S.
que, de conformidade com o disposto no aviso de
20 de setembro de 1872, pubiicado pela ordem do
dia do ajudante geaeral, o. 831, de 6 de oatubro
do mesmo anno, mande pagar ao alferes quart-1
mestre do 2* batalhao de infantaria, Januario da
Silva Assurapcao, a quantia de 100,, constante da
inclusa conta em doplicaia, proveniente da des-
peza feita com o enlerramento do alferes do ref)-
ri-i i batalhao, Manoel do Nascimento Costa Lima,
que fallecea sem deixar eipolio.
Ao mesmo. Em rlsta dos inclusos prets,
mande V. S., de conformidade com a informacao
da cootadoria, a qne se refere o seu offlcio de 28
de julho findo, sob n. 179, serie H, pagar ao sar-
gento Firmino Franoseo de Barrcs, os vencimen
tos do destacamento da cidade da Esoda, qne por
equivocn foram glosados nos mezes de maio e ja-
nho ultimo*.
Ao wesmo.A' vbta das folhas e prets jun
tos, mande V. S. pagar aos negociantes Severino
v>.^ 4C u^9:.ncimenios do Jestacaroento da.
villa tw"Brejo, relativos ao mex de julho proximo
findo ; na conformidade do que solicitou o respec-
tivo commanlanle superior, em offlcio de 6 do cor-
rente.
Ao mesmo. -Transmitto a V. S., para os de
vidos tins, 6 ordens do thesouro nacional, sob ns.
126, 127 e 129, 130, 131 e 133.
Ao mesmo. Nao tondo essa thesouraria ate
a presente data, conforme declaia o aviso do mi-
nisterio do imperio, do 1* do corrente, remettido
ao mesmo ministerio a demonstracao da despeza
feita, sob responsabilidade desta presidencia, com
o pagamento da ajuda de custo ao Dr. Joio Vieira
de Araujo, presidente nomealo para a provineia
das Alagoas, recommendo a V. S., era cumprimen
to do citado aviso, qae remetta aquella demonstra-
cao para se poder autorisar o necessario augraento
de credito.
Ao inspector do thesouro provincial.Ao al-
feres do corpo de policia, Antonio Joaquim de Bar-
ros Lima, mande Vmc. nao so abonar a quantia de
20/ de ajuda de custo de Ida e volta a Vicencia,
na qaalidade de subdelegado d'alli, mas tambem
adiantar dous mezes de vencimentos para si euma
praca que o acompanha, fazendo igual idiattTa-
mento a cada uma das pracas existeites em
Cruangy e Pao d'Alho, a 1* com o alferes Felix
Antonio de Alcantara, e a 21 com o tenenle Joa-
quim da Motla e Silva, tudo a contar do do
corrente, conforme solicitou o commandante do
referido corpo, em offlcio de 13 do corrente, sob
n. 336.
Ao mesmo.Mande Vine, a vista do recibo
junto, pagar ao negociante Jose Maria Ferreira da
Cunha a quanlia de 20/J, despendida com a con
duccao do armamento e fardaraento da guarda lo
cat da freguezia de Taquarelinga.
Ao mesmo.De conformidade eom o qae so-
licit ju o commissario de policia do municipio de
Limoeiro em offlcio de 13 do correnie, mande
Vmc pagar ao negociante Jose Maria Ferreira da
Cunha aquantia de 151 despenllda com a conduc-
o do armamento e fardamento da guarda local
mesmo municipio, como se vd do incluso recibo.
Ao mesmo. Annuindo ao que solicitou
commandante do corpo do policia em offlcio desta
data, sob n. 339, recommendo a Vmc. que provi-
dencie no sentido de ser abonado a 6 pracas
do mesmo corpo inclusive um cabo, que tem de
seguir em deligencia para Villa Bella, o soldo
equivalente a dons me*es, contando-se tal abono do
1 de setembro ao ultimo de outubro vindouro.
Ao mesmo.-Ao sargento da guarda loal do
municipio do Limoeiro, Manoel Raymundo Cami-
nha da Cunha mande Vmc. fornecer os livros de
qu9 trata o art. 43 do respectivo regulamento.
Ao mesmo.Em additamento ao meu offlcio
de 4 de julho proximo passado, relativamente ao
preraio concedido a requerimenio do fallecido pro
fessor Joaquim Antonio de Castro Nunes, tenho a
dizer a Vmc." que esse preraio ficou elevado a
4001, por deterlmento de 11 do corrente, ao que
allegou a viuva do referido professor.
. 4.' secqao.
Actos :
0 presideute da provincia resolve declarar
de neiihum effeito a portaria de 18 de julbo pro
ximo passado na parte em que ereou duas cadei-
ras na escola modelo, uma para o sexo masculino
e outra para o sexo feminino.
0 presidente da provincia resolve crear uma
cadeira para o sexo masculino nos Coelbos, nesta
cidade, e remover para ella a professora ultima
mente, designada para a escola raodelo, Maria Lao-
dida de Figueiredo.
0 presidente da provincia resolve crear uma
cadeira para o sexo feminino no Giqaia, freguezia
de Afogados, deste municipio, e remover para ella
a professora Cosma Elvira de Araujo, que fora ol-
'lireamrnta de^gnada para lecciouar na escola
modelo. .
0 presidente da provincia resolve "rear am
cadeira do sexo masculino no Caape
cidade, e para ella remover o frMfteijrWBnque
de Miranda Heuriques, que fdra ultimamente
removido para a de Campo Grande.
0 presidente da provincia resolve remover o
professor de Gloria de Golta, Joao Jose Rodrigues,
para a eadeira de Campo Grande.
0 presidente da provincia, attendendo ao
qae requereu o professor Jose Belisario Marinho
Falcao, sobre que informou o inspector geral da
instrucoio publica, em offlelo de i I de I
01050 reaiBiio a o. u ueereio ue uouioavau uu *... --# pUm., w-. *-,_-_-,- ik* Anna
bacharel Joaquim Manoel Yleira de Mello para o I proximo passado, a. 19, resolve conceler-me aous
mezes de licenca, com ordenado, para tratar de sua de
saude.
Offlcios :
Ao Exm. presidente da provincia da Parahyba.
Accuso o recebimento de dous exemplares im-
presses dasleis dessa provinciap romulKadas q anao
passado, que V. Exc. remsltea com offlcio circular
a. 3,598 de 5 do corrente.
AoExm. presidente da provincia do Amazo-
'uas. Accuso o recebimento do offlcio circular de
V. Exc, de 20 de julbo Undo, ao qual acompanha
ram dous exemplares impresses das leis promulga-
das pela assemblea legislativa dessa provincia, em
sua sessSo ordinaria do corrente anno.
Ao inspector geral da instruc.-ao publica
Em additamento ao meu offlcio de 4 do corrente,
sobre o preraio concedido as obras do fallecido
professor Joaquim Antonio de Castro Nunes, teoho
a dizer a Vmc. que, per despacbo de 11 do corrente,
a peticao da nuva do referido professor, ficou
elevado esse preraio a quantia de 4001000.
Ao presidente da camara municipal da villa
de Flore3.Em resposta ao offlcio qae Vmc. diri-
gio a esta presidencia, em 31 de julu i findo, com-
municando que demittira b secretario dessa cama-
ra e nomeara para sabstituil-o o cidadao Manoel
Leite Torres, lhe declaro que exorbitoa de suas
attribuicoes, pois que era virtude do disposto no
artigo 79 da lei do 1* de outubro de 1828, a de
missao ou nomeacao do secretario compete a ca-
mara e nao ao seu presidente. Quaato ao facto
mencionado in mesmo efflcio de ier o 3' vereador
e subdelegado em exercicio Antonio Joaqnira Leite
Brasil, sem que Vmc. livesse notieia ou esiivesse
impedido reunido a camara, assumindo a presi-
dencia, tenho a dizer-ihe que elle pr ice leu irregu-
larmente, por que e incompativel o exeteicio cumu-
lativo dessjs dous cargos.
A camara muuicipal da cidaie de Olinia.
Declaro aaeamara municipal da cidade de 0 inda
que coneedo autorisacao para espaeir o arrenda-
mento do presto J) sua propriedadesitoja pra^a do
Corpo Santo, nesta cidade, se os arrendatarios se
obrigarem a fazer os concertos descriptos no orca -
memo junto par copia, organisado pela reparti^ao
das obras publicas, no ease contrario, prevalece a
decisao de-la presidencia de lode abril tin Jo. Fica
respondido o offlcio da mesma camara, de 7 de
mi io proximo passado.
A' camara municipal da villa de Jaboatao.
Declaro a camara municipal da villa de J iboatao
que coneedo a autorisac&o pedida, em offlcio do
1* de julho findo, para pagar a quantia de 711000,
importancia de livros fornecidos a mesma camara,
por Urbano Nunes Machado Antuoes.
S.' seccao.
Offlcios-:
Ao Exm. presidente do tribunal do commer-
cio. Para que esta presidencia, na forma do avi-
so do. ministerio da agricultura, commercio e obras
publicas, de 2 do correoSa, *ab n. 28, possa infor-
mar o requenmenlo ioclnra em qne a uuuifauuia
Je segur. s Indemnisadora, estabelecida nesta ca-
pital, pede ao go verno imperial que seja prorogado
por 10 aonos o prazo de duracao legal fixado no
art. 4* dos eslatntos a que se refere o decreio n.
3,462, de 29 de abril de 186-5, cumpre que V. Exc.
de com urgencia parecer a respeito.
Ao engenheiro cbefe da reparlicao das obras
publicas. Transraittindo a Vmc copia da carta
particular que e gio o Exm. Sr. conselheiro ministro do imperio, re-
commendolhe que envie a esta presidencia smos-
iras de lodos os mineraes que encontrar, deelaran-
do o lugar onde cadi um delles for achado.
Igual aos engenheiros fiscaes da eslrada de ferro
do Recife ao S. Francisco, das eompanhias, de tri-
Ihos urbanos do Recife a Olinda e Beberibe e do
Recife a Caxanga, Ferro Carril de Pernambuco e
Locomotora Pernambucana.
Ao mesmo. Determino a Vmc que mande
orcar a obra de reeonstruccjio do acu-Je de Villa
Bella e inenmba o engenheiro que liver de fazer
esse orcaraent) de exaramar e apresentar um re-
latorio sobre a obra da cadeia na villa de Flores,
que esta em cons'ruccai.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife ao S. Prancisco. Providencie Vmc. era or-
dem a que a eslacao telegraphica da via ferrea du
Recife ao S. Francisco, na villa do Cabo, traosmitia
gratuitamente, de conformidade com o art. 10 do
decreto n. 1,245, de 13 de outubro de 1853, quaes-
quer telegrammas que no exercicio de suas func-
coes expedir o juiz de d.reito da respectiva co-
marca.
Portaria: .
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
providencie para que sejam conduzidos ao Rio
Grande do Norte, no vapor Giquid, quatro boias e
uma lancha que se destinam, aquellas ao balisa-
mento das barras de Mossoro e Macau, e esta ao
servico da capltania, tudo daquella provincia.
EXPEDIENTS DO SECRETARIO.
1* secqSo.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commanlanle das armas
0 Exm. Sr. presidente da provracia, tendo pro-
videnciado para que pelos operarios do arsenal de
gaerra sejam concertados os ferrolbos do3 dous
xadrezes do hospital militar, a que allude o seu
offlcio desta data, sob n. 636; assim o manda de-
clarar a V. Exc. para seu coahecimento.
Ao mesmo. 0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. Ere. em resposta ao
seu offlcio de 14 do corrente, sob n. 631, qae nesta
data se antorison o inspector da thesouraria de
fazenda a mandar pagar ao alferes quartel mestre
do 2* batalhao de infantaria, Januario da Silva As-
surapcao, a importancia despendida com o enter-
rameulo do alferes do mesmo batalbao Manoel do
Nascimento Costa Lima, que fallecera sem deixar
espolio.
Ao mesmo. Sua Exc. o Sr. presidente da
provincia, manda declarar a V. Exc. em resposta
ao seu offlcio de 14 do corrente, sob n. 634, que
nesta data se antorisa a satisfacao do pedido feilo
pelo commandante do deposito de recrutas de um
livro de 200 folhas para o registro dos recrutas.
Ao inspector do arsenal de marinha. Sua
Exc o Sr. presidente da provincia, tendo provi-
denciado no sentido de serera transportados ao Rio
Grande do None no vanor Giquid as qnatro boias
e a lancba, destinadas aquella provincia ; assim o
manda declarar a V. S., em resposta ao seu offlcio
de 13 do corrente, sobre n. 701.
* 2.' secqao.
Offlcio : ,
Ao juiz de direito do Cabo. De ordem de
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, communico
a V. S. que nesta data se expedio ordem ao snpe-
rintendente da via ferrea do Recife ao S. Francisco
para fazer gratuitamente expedir os telegrammas
que V. S. transmittir no exercicio de sen cargo,
.ncan do assim respondido o offlcio de 14 do corren-
Ao juiz de direito de Goyanna. 0 Exm.
Sr. presidente da provincia manda aceusar o re-
cebimento do ufflcio de v. S., de 9 do corrente,
commrmicando haver na mesma data reassumtdo
o exercide de seu cargo.
Ao juit de direito de Flores. 0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda aceusar o recebi-
mento do offlcio de V. S., de 31 de julbo ultimo,
communicando haver enoerrado no dia 29 do re-
ferido mez a 2' sessao, do jury desse termo.
Ao Dr. juiz de direito da 2* vara desta cida-
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente ca
provincia, communico a V. S. que nesta data m
providenciou no sentido de se apresentar no tribi.
j nal do jury a gnarda do costume, como tolicilc a
j V. S. em sea offlcio de 15 do correnie.
Ao juiz de direito de Plores. 0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda aceusar o recaft -
memo do offlcio de V. S., de 2 do corrente, eotnai.
nicando haver na mesma data resssumido o exet -
cicio de seu cargo, renanciando o resto da I -
cenca de qne guava.
Ao juiz municipal de Ingazeira. 0 Exm.
Sr. presidente da provincia manda aceosar o re-
cebimento do offlcio de V. S., ie 1 do eorreak,
commanicando haver na mesma data reassomid >
o exercicio das funccoes de sea carg >.
Ao adjuncto do proraotor publico de Onri-
eury. O Exm. Sr. presidente da provincia nua
da aceusar o recebimento do offlcio de V. S, d-
24 de julho ultimo, communicando haver aa mes
ma data assumido o exercicio de sea cargo.
Por csia secretaria se eommaaica ao Sr. V
cenie Licinio da Costa Campello, que na thejura
ria de fazenda se acba o decreto de raa neoteaeac
Sara o cargo de solieitador de eapellas e residuo-.
functos e ausenies desta cilade, atim de sereo
pages os direitos nacionaes.
Por esta secretaria se communica ac Sr. te-
nenle eoronel avulso da gnarda nacional, izidro i
Cruz Siqueira, qne na thesouraria de fazenda
I acha o decreto que o reformou no me*mo port*.
I aflm de serem pagos os direitos nacionaes.
Por esta secretaria se eoaimuBica ao Sr. bach*
j rel Joaquim Manoel Vieira de Mello, qae na the
sourana de fazenda se acha o decreto de sua ao
! meacao para o cargo dejuiz municipal e de cr
: priaos do lermo doTriumpbc, atin J: serem pa-
gos os direitos nacionaes.
Ao commandante superior dos rnunicipi > d
Brejo e Cimbres.De ordem de S. Exe. o Sr. pre
sideate da provincia, communico a V. S. qae atst.
data se aatnsou o inpeclor da thesouraria ie fa-
zenda a mandar pagar aos negociantes Severia-i
Irmaos & C, os vencimentos do destacamento 4i
Villa do Brejo, concernenies ao mez de julho pro
ximofiado, como solicitou esse commando superior
em offlcio de 6 do orreote.
Ao commandante superior dos rnanicipios d
Santo Antao e Escada. S. Exc. o Sr. president*
da provincia manda declarar a V. S., em respost..
ao seu offlcio de 12 do corrente, qne nesta se aut'<-
ris ju o inspector da thesouraria de fazenda a man -
dar pagar ao sargento Firmino Francisco de Bar
ros, os vencimentos do destacamento da cidade da
Escada, que por engano foram glosados nos new*
de maio e junho uttimos.
Ac commandante do corpo de policia. :
Exc. o Sr. presidente da provincia mania coeamu
car a V. s., para os fins convenientes, qne nesta da-
ta se autorisoa o inspector do thesouro provincial
a mandar effectuar o abono dos vencimentos do o
cf.i c pr?j *e <|on trata ""fVp*" "* f -
ncios de 13 ao corrente e d boje, sod ns. 3af t
339.
Ao commissario de policia da Escata e Ga-
melleira De ordem de S. Exc. o Sr. presidents
da provincia communico a V. S., que nesta dala s*
expedio ordem ao commandante do corpo de poli-
cia para fornecer os 12 t-rcados por \. S. solic -
[ados em seu offlcio de 13 do correnie.
Ao commissario de policia da fregaezia d>
Taquaretioga. S. Exc o Sr. presidente da prc-
vincia manda declarar a V. S. em resposta ao set
offlcio de 13 do corrente, qne nesta data foi sole-
risado o inspector do Ihesouro provincial a man -
dar pagar a Jose Maria Ferreira da Cunha, a ib-
poriancia despendida com a co .duccao do arma-
mento e fardamento da guarda local dessa fregut -
zia.
Ao commissario de policia do Cabo.O Exn.
Sr. presidente da provincia manda declarar a V.
S. que ja se providenciou no sentido em qae soli-
citoa em sea offlcio de 13 do correnie, auMando-
se fornecer os modelos necessarios para a eserlf -
turacao dos livros dos guardas lecaes.
Aa mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. que nesta data -
ordenou o fornecimento de 20 pares de sapatos
de 2 macos de cartuchos embalados, eom espotett*.
pelo arsenal de gaerra, e ao commandante do cot -
po de policia qae eompletasse o fardamento, de
conformidade com o offlcio de V S., de 13 de cor-
rente, devendo provindenciar oppoilanamente -
bre o mais.
Ao commissario de policia de Limoeiro. ')
Exm. Sr. presidente da provincia manda accasar
o recebimento do offlcio de V. S, de 13 do correc-
le, commanicando achar-se comp.elo onuroerj
provisorio da gnarda local desse municipio.
Ao mesmo.S. Exc. o Sr. presidente da pre
vincia manda declarar a V. S., em resposta ae
sea offlcio de 13 do corrente, qae nesta data f >.
autorisado o inspector de thesouro provincial a
mandar pagar a Jose .Maria Ferreira da Cunha a
importancia despendida com a conduccao do a -
mamenio e fardamento da gnarda local deste mu-
nicipio.
Ao mesmo.De ordem de S. Exe. o Sr. pr
sideate da provincia, communico a V. S. qne ae-
ta data se ordenou o fornecimento de 30 pares ce
sapatos, 4 macos de cartuchos embalados, com t-
poldtas, e IS espoleteiras, pelo arsenal de guerra.
e de livros, pelo thesouro provincial, conforme s>-
liciton V. S. em seu offlcio de 4 do correnie.
5.* seccao.
Offlcio :
Ao adminislrador dos correios.<> Exm. Sr.
presidente da provincia manda communiear a V.
S., para os fins convenientes, que nesta data fo.-aa
remetlidos a thesouraria i'e fazenla. as portarti*
de nomeacao de Ludgero de Mattos Pereira Di-
tra, para o lugar de agente do correio da povoac^o
de S. Lourenco da Malta, e de Manoel Bemcio Miranda Titara, para o de ajudante do de Bete a
de Maria.
.sxr
Esnv.u
DESPACHOS DA PBESlDEIfCIA, DO DU I* N
DR 1874
Andre de Abreu Porto.Informe o Sr. engeak> i -
ro chafe da reparlicao das obras pablicas.
Capitao Antonio Augasto Maciel.Comnetinlc
a Illma. camara municipul e nao a capiiania do
porto, conceder a licenca de qae trata o
cante, perante ella devera levar a raa re:lar
Francisco da Cunja Castello Branca.Ea
do terrao de inspeccao, passe-te portaria na forma
requenda.
Fielden Brolers. Deferido com ofseie desta da
ta ao thesouro provincial.
Gerente da companhia Recife DraJneft. Cocao
requer.
Joio Luiz da Silva Leiria.-Inaefenao. ^^
Joaquim Cavaleante de Albuqaertas Brno
Forneca-se. ._ ,
loaoLoit Bedas Ioforme o ar. inspectot So,
thesouro provincial. *^a
Rosa Maria da Conceicio.-Indofando.
Imperial Sociedade dos Artistas Mecu
Liberaes -Passe provisio as
appr:
additives. *
Tnomasia Maria de Jetns.Iade:cndo.
os artig m
o


*] ^ iHiai #.THft> de Peroambueo Scxta feira 4 de Dezembro de 1874

?c
i
LooJrw 2 de dezembro. Consolidados
91 5/8. Fundos brasiteiros de 5% do anno
de iK75, a 100 ; diios argentiuos, de 1871
a' 92 lii ; ditos do Uruguay, do anno de
i87l, ati2 3[i. Cate : mercado frouxis-
simo.
Liverpool 2.-AlgodSo : baitou 11.16;
vendss de procedencia brasileira 1,600
f.rdos.
Havre 2.Cafe : venderam-so luaje 200
ssccos. Algodao: frouxo; vondas 1,504
fardos.
Bahia 3 ds 7 h. e 40 m. da manha.
F.iilrou hontem a noite o transporte de guor-
ra LEOPOLD1NX, vindo do Rio do Ja-
neiro.
Baliia ii as A h. e 30 m. da tar :e.Cam*
bio sobce.Londres 26 i|4, imiirccto, 26
lj% particular. Sobre Paris S58 rs. parti-
cular. Vai sahindo para Pernsmbuco c
transporte de guerra LEOPOLDIX.l.
Rij do Janeiro 3 as 2 h. da tarde.
Jilercado inalterado Recebemos noticias
do Rio da Prata. O combatedodia 25 do
n fz u'tirno foi f; Voravel aos revoltosos, que
estao Benbores de toda a campanha do sul.
O general Mitre Bandou por Joao Lanuz
*offerecer paz, em i/0 no do exwcito que
commanda, ao govern) legal, c cste, corre,
est<5 disposto a'-aceilal-t.
Part 3 as 4 b. c 2u m. da tarde.-Os
jnrnacs publicurwn bftjfl o manifesto dos
con ervadorcs dissidi-ntfi-i com respeito aos
aeon ecimcnt >s qu>: se t-om dado. Cambio
fobre Londes 26 1|' boncario, 26 3[S par-
ticular.
h 1 ':\ nuw-
REVISTA DIARIA.
Coin:rca tie ItahriMS Noticias mat; se-
guras 1j melbor f ate detsa comarca, dizera o
Beguratd :
No Jta 28 de novembro os sediciosos da Para-
hyba, passando-se para.o territ >rio de Peruambuco
e aqnl juntanlose a outros, dirigiram-se ;;os :>o-
voadds de Tirabadba e Cruan^y e nesses dous pou-
t's de?tniiram pcsus e inedidas e quoinr.r. m os
papeis qae encontraram nos respectivos carlorios
de paz.
Dejsos ponto", que fi cam a algumas legnas da
villa de Ranald, dirigir.nn-se el lei para e-u vilia,
cnJe cheg irara ii > dia .'i0 pel is 10 boras da maul.a,
pono d"p.i r qiifl alii tinhara lambent ohegado as
30 praeas de liuha qua d'aqm baviim ili.
Na villa de liambe.que ci>mn se sabe, eextrems
de Ivinambuo com a I'aralnbi, entraram os sedi-
ciosos em no mere du C J hotum-,quasi todos trajao-
do ronpas io eouro, e limit.ir.mi a sua a-cao, do la
do dePernanibaco, a deslrnireu) os pesos a iiieliJ is
qua eQeontr.Tain nas casas de negoeio e a requiirein
a eiazas aiguns p ipi usena imporiansia qu.' acharam
na pequeoa casa qne strvia de coLectoria. !is: >,
dias antes tialum ,-ilo reawvi los us papeis d v.-
lor, ijiic; drtsi'arts firon preservados. Do lab da
Paraliyba,porem,aleia de Je-truirem o? petoi e me-
didas, f .-ram os sediebsu a respeciiva casa da ca-
marae qaebra*am os moveis, e qaeiinarara os
pa^eis que acbararo, sendo que esles eraia lam
beni de p mcc valor, pois que os de mais i npor-
taneia e achavam u'urn quarto feehado, qua es-
capon, na primcira luvestida, a devasta<;ao das
diseol is.
Inforinados, muis tarde, os sediciosos do qae
contiuha o qaari), rcgres-arain a citads casa da
eauiara, e loreando a porta dj dito quarto, d s
trairrn o archivo com todos os seus papeis.
E- Dessas scen.is do vaadalismo. eoran ji ijvpmna
occasuo ae diz-r, toraiu it-siemnnitas impassrvels os
i ildadns d-i d -stacameol i, a< ordens do Dr. juiz de
dirt-it", que julgou :>rudeule nao reagir pelo fieto
de ter seieocia de que ao grupo que entrou na
vilia servia de reforgo outn grupo run's numero-
so, que se aeaava a poaca distaocia da m'sun
villa.
Na sua communicacao offici.-.l aque'le magi.-tra
do buscon toraar bem salieote a Impossibilidade de
evitar o mal i|ue vai relatado acim.i, e, se nao
conseguio juuilicarpleoamente a sua atlitule, a
que fizemos referencia em nossa Doticia de ante-
nontem, pelo mends atteouoa c nsideralmenie a
ma irapresao que em geral causou essa attitude e
agraude respousabikdaJe que sobre si toruou
aquelle magi>trado.
Agnardamos porera, novas e .Tiais minuciosas
noticias para co.npletar o nosso juiza sobre as oc-
curreneias.
'Em Iia'obe aclia-ss h ije uma f >rci de Mnhi su-
perior a I0J boraens q la, auxi'ia Ij; pela guarda
nacional. ebamada as armas no interior e as or
dens do Sr. corooel Lui^de Albuquerque Mara-
nhao, hade eerlamente repellir qualqaer nova ten
tativa dos sediciosoa, que, dizem as noticias, pre
tfidi-m alii voltar.
A populacao labori isa e pacifica da comarca de
Itambe, |)6Je, pois, estar Iran mill', e contiir em
que ha-de ser respeitada a tianquillidade e garan-
tido3 os seu3 direitos.
Ciimarra dcdnyanna.-As noticias da
cHade de Goyanna dizem que os :edici jsos, que
entrarain em luinljti, depois de terem caminhado
algumas leguas em direc^So de^sa lo'aliiade, ar-
repiaram rarreira, voliando sobre seus passos, re-
ceinsos de irem a Grjyanna onde os esperava uma
energica resistencia.
(omarca do n.ioi Jardim.-Noticias
desta eoraarea dizem que os sednuosos entraram
na villa de Bom Jardim, no dia 2 do correot", e
ahi, eamo na Parahyba, como em Itambe, e como
em Vicencia e Allianca, fkeram tranquillamente o
seu auto fe nos papeis da collectoria enos livros
que o encrivao tinba em sua casa, e bem assira
inutilisaram os pesos e medidas que encontraram
e destruiram tudo quanto enccntraram na casa da
camara.
Ahi nes*a villa as cousas podiam ter tide ca
raeter mais grave, visfo como, segnndo noticias
dadas por pessoa de con?ideracao, daili vinda e a
quem ouvimos, procuraram os sediciosos o Dr. juiz
de direit' e o Sr.'Rogoberto Barboja da Silva, que
se achavam nesta cidade, a fin de assassinal-i.s.
~^0 Dr. juir de direito, dons dias antes da occur-
rencia. tinha passado a vara ao Dr. juiz munici-
pal o Sr. AusterlianoCorreia de Crastp, qne. impas
sivel, de mans crozadas e passeiando na cal^da da
ca=a de sua residsneias assistio as escandalosas
scenas como se tudo aqnillo nada fora !
Como dara conta do seu papel esse juiz de direito
interino 1 Sera crivel qne nque sem urn Padre
Nosso At ynitencia, maxirae sendo elle como disse
o nosso*ioforraante, um dos indigitados batedores
de palmas, se nao mais alguma coasa, do movi-
mento sedicioso?
Tarabem iodicou nos o nosso informants como
eonnivenles no movimento, se niio seus instigado
res na cotoarca, o tenente-coronel Manoel de Fa-
rias Mac id, o bacharel Antonio Jose deAlcovia. o
Tabula Manoel de Assampcao e Santiago e Francis-
co Ferreira da Silva, todos os quaes sao membros
do parti lo liberal da localidade III
Bern e ve, pjraqui, qoe, se o movimento 6 par-
to infeliz dojeiuitismo, o preparo das ma* paizoe*
foi feito, como hontem di^semos, pelo grv.po que
aconpama uma cert?, imprensa desta e da pro-
vineia da Parahyba, e, ainda mais, qae 03 araigos
dessa imprmsa estao secandando os pianos jesui-
ticos.
E apparecara depois os proteitos, como os do
Dtsperlador da Parahyba.
Ao nVnos ccjam sinccros esses homea3 II
Comarca |do Muasaretli. A reipeito
desta cmoarca correram hontem boatos de scenas
analogas as occorridas em Albania e V.'cencia, na
cidade de .\ zareth.
Ate 0 ilia i sabemos, pprem, com certrza que
nada nco-irrea. Se alguma coasa hoove, o que
Gavidamoe, foi apo* 0 ilia I: Era lodo caso para
alii f.K.i'ii mils iilgoon- pracas da Imiia, b?:/)
como fur mi p^raBim J.;rdi iij outras de reiorco
ao c,intiageute qoe la f-iiv.,.
JeBoila.-Di'i'oi.- Ua bu^* 6 aonrahea-
il dn papel*, que foi feita n e oao de Barros, em quevivia, a5 o;c >lta urn
mm. padre jesi\a, obiaato de qoe B-s dtttrflmos
eip nossa Rwi'sia de hontem, Te^ilyea 0 S;. Dr.
chefe do policia ir ao collegio Sessu.* malevnlos
hflspedes, em 3. LoaroHco tf;v Sllta ; e.'coiri 1 nA-
to, para alii -foi, e ce.71 -a maior sorpreaa dos
Rvms., que nao esperavam ;;s-a visita, deu. busua
ao oollegio, e ahi encontrou, entre innuraeras car
tas de intercsse para a qaestao religiosa, valiosos
documentos que nada mais nada menos poe pa-
tenle a peraiciostsstmainfluencia dosses demonios
de sotaina em todos os males q >s ha dous anaos
peiam sobre esta diocese.
Dizemnos que, cartas e documentos, todos os
oapei; poem a calva a mostra a esses iotitolados
/Uhot de Jesu, Tevelando que sao elles os verda-
deiros direciores do bispado de Olinda, e que teem
relar.oeSestrtilas com essa boa gnte a maior parte
dos vigarios da diocese, que, nas suas missivas,
nao se esoaeciam de por hm no alto a formula
da seita Louvado seja Nosso Senh r Jesus
f hihsto III
Os taes papeis, que valem. rauita, que valora
immenso, constitriem nm achado inapreeiavel, n*o
so para a autoridade, mas tambern para a bjstoria;
e, stm duvida, por meio d'elles se podera avaliar
quaDto i: Iritta, baixa e vil a pid tica religiosa de
ctrlos figurfles da igreja,, que ate agera campea
vam de santus vaiSes, ardemdo nos sagrados fogos
d 1 fe.
Nao podrmoa ir mais longe neste assnmpto sem
fsltar as conveniencias e reservas que 6 de mister
ter em taes materias, qumdo tudo na j esta feito ;
mas, pelo que te.nos dito, podem os nosso3 leito
res desde ja avaliar a i r-portaneia da conca, em
quanto esperam pela publi:a?ao dos documentos,
que a :eu tempo hao de ser onhecidos do pu
blico.
Jury do Recife. Com assutencia de 3G
juizes de facto, func -iouou bontem 0 tribunal do
jury, sendo submellido a juigamento 0 reo Pedro
Pereira de Souza, pronunciado no art. 201 do co-
digo criminal, prcso a 28 de abril ultimo, por ter
ferido levemeBte, nesse dia, a Mathias Antonio de
Rrito, na ponte de Motocolc.mho, da freguezia dos
Afrgados. A causa foi julgada pereaipta.
Knlrada de assucar e algodao. -
No mez de oovembro ultimo vieram ao nosso irier
cdo : 217,423 saccas com algodao, e 14,2l6 sac-
cos com assucar.
Propagadora da Inslruc^fto pu
;>!i<-a lloje, no lugar e hora do cu.-tume, ha
vera sessao da assemblea geral desa sociedade
para so proseguir na discussao da refonna dos es-
tatutcs. 1
Em seguida a essa sessao, h .vera outra do con-
selho superior, para se deliberar sobre algumas
orovidencias urgentes.
\ii io de guerra. II nt 111 pela manha
chegou ao ncsso porto, procedente do Rio de Ja
n-iro pela Bahia, a etweta brasileira Vital de
Oliietra, do commando d; Sr. eapitao de frajgila
Laia Maria Piquet.
Comarca de liaoilie. No vapor J>-
gnaribe seguio hontem a tarde mais um contio-
j.'- liti- do 30 pragas de l.nlri com de.->tmo a comar-
ca de Ilauibe, deveado el la desombarcar em
Goyanna e o'ahi segnir a [e para 0 seu deslino.
Bliissa faneore. As 8 h'.ras da manha
de 5 do Mtreold (sabbado) 0 Exm. Sr. bonselheiro
Jiio Alfredo Correia de Oiiveira e 0 Sr. major
Bellarmino do Rego Barros inandaoa ctlearar, ua
igrpja do cmvento de S. Francisco, nma raissa
peUi descani; > elerno da alma do liuado barao de
Goyanna.
Congrresso I-iiterario.Acaba 'e aahir
a luz nesta ciiiade 0 u. 3 da Kecista ilensal dessa
sociedade academica.
Coninrea d. Boa-Yista. Cimmuoi
cam nos 1) segniote :
t No dia 3 do ccrronte 0 Dr. juiz do direito
desla comarca mandou resar uma missa na fgre:
r. matrix da villa dc Fetr.dioa, por alma do Dr.
Cincinato Alvcs Cavalcante Camboim, de pojo fal-
li c mento havia recebido a noticia p<-l > c.r.eio.
a A o*e act* rdigioso estiverara presentes,
alein dos funcnonarios da jtri^a, as pessoas mais
a itaveiadia localidade.
O Dr. juiz. Ue direito da Boa-Vista, com semo-
Ih int; procedimento, den a prova mais convin-
ced'' da amisade (ju-! eonsagrava aquelle illu-tre
Qoado.*
!-:-vj>o.sic:ia provincial. Sao^ r.onvila
dos os membros da cummissao de exposreiio de
Peroambaco A se reunirera, hole, 4 da ("ei^mbro,
a- C boras da tarde, no 1 andar do predio n. 83
d*> ru a.< 1..I -it j.i ,r Aitf-CI"i i,1c* ha duns
semanas nao tem haviao sessio por falta do nu-
mero.
.\ :\;i publicacuo. A' livraria do Sr.
Hedelros, rua do Bara'i da Victoria n. tiz aeabatn
de civ gar aiguns exemplares dd excellente obra,
r-m 3u.luroe.-, edilada pelo Sr. 8. L Gamier, do
Rio de Janeiro Excerlos dos principles avtorcs
de 6'Ki nota, quo faz parlo da Livraria Clas-ica,
publicada sob os auspicios de S. M. F. el rei D.
Fernando de P rtugal, e para a qnal collaboram
muitos dos primeiros escriptores da lingua portu-
gueza, e e dirigila pelos distinctos litteratos A F.
de Castilho e J F. de Castilho liarrdo e Noronba.
Nesses t'es volumes, que formam a deciaia pri-
mcira publiacao da Livraria Classica, vein uni-
camente collec.iona'os os mellmres trabalbos lit-
terarios p. poeticos de AatoUio Ferreira, natural
de Lisfada, notavel po^ta quinhenti.-ta, precedidos
!e um estudo biograptiico-litterario pelo Sr. Julio
de Castilho.
Aos apreciadores da litteratura e especialraente
da poesia, deve ser agradavel poSsuir semeltiante
obra, e por isso lh'a recommeudamos,
Pagadoria de fazenda. Nesta esta-
cao pagam se hoje as seguintes folhas :
Jnstica de 1* instancia, capitania do porto, rece-
bedoria, correio geral, crapregados da estrada de
forro.
Villa do Trfunipiio. Escievem-nos
dessa localidade 0 seguiote em 18 de novembro :
0 estado d-t sertao e geralmente mao, sobre-
mdo d'.-baixo do ponti de vistaseguranija indi-
vidual 0 de propriedade c peior se tornara em
breve se da parte do goveruo e das aatoridades
locaes nao forera empregadas msdidas onergicas e
accr'.adas em ordein aserero punidos os culpados
e debandados os grupos de desordeiros do centro
da Parahyba que inundam todos os dias muitos
pontos e ate aiguns povoados deste e do termo de
Villa-Bella, deixando entre 0 pnvo 0 gosto ou a
necessidade de andar armado !
t No dia 8 do correate nm destes grupns, com
posto de 16 criminoso*. capit neado por Inoocen-
cio de t.il, 0 mesmo que matou ha pouco, na villa
de Misericordia, o 1 juiz de paz e pre-idente de
camara, lomou de assalto a povoacao da Conceicao.
pertencente aonella vijla, onde, apezar de acliar-
se 0 subdelegado de policia e 0 juiz municipal do
district^, conservouse dous on tres dias, tomando
armas, rondando a feira, e fazenda, por assim di
zer, a policia do lugar I
Dous dias depois, na povene*o de S. Jost5,
tambern daq-ielle termo, e duas legoas aoenas dis-
tante desta villa, um oatro grnpo mais numerosos
capitaneado pf>r Francisco Lopes e seu irmSo Ray-
mundo Lopes de Siqneira, obrigoo 0 suDdelegado
de policia daqnelle districto a debandar uma for-
;a de quarenta e tantos bomens com qne se fizera
acompanhar ate a paella povoa;ao, aflm de fazer
inqaeritos policiaes e proeeder a corpos de delicto
nos cadaveres de qaalro individaos que no dia
antec-dente tinhara sido assassinadoa.alli em ac-
500 de briga. Esto grupo contimii a estar de
posse daquella povoajao, e ameaja, em nma de
suas proximaa correrias ou excarsoe.s, fazer uma
visita a varios negociantes desta villa.
t No dia 9 do corrente, no Ingar Poco do Boi,
limites do termo An Floresta com 0 de Villa-Bella,
Antonio Alves de Barros, sens filhos Joao e Jose
Barros, acompaahados de seis individuos, cerca
ram a casa de Antonio Magro e raataram de :iroj
e panhaladas nm criminoso de morte de nome
Maunel Jurema, lnimigo dos mesmds, qae se,aclia-
va alii dormindo em nma rdde.
a Por volla das 8 boras da noite do dia 11 do
corrente, nm grupo de oito homens armados ata-
cou, na estrada quo vai de Lagoa Nova paraCqn-
ceiri 1 de Pianco, a Jose Felix Brasil, qae t nba
vindo ao prime!:o de-tes Iugaies vender um es
cravo, _e do qual roubaram 32^000 soraente,
por nao ter sido feita a dinheiro a referida
vaud-i.
1 Eutre as povoaQ3es de B.im Conselho e S.
Jo(5 lami) to atacaraai para roub.tr e feriram gra-
vemente ni cabeca 0 negiciaote Manoel Antonio
da Lagoinha, que. vinha a esla vilia Iralar de seus
ngocios commcrci^os.
No lugar BaHrqfa, desu termo, foi assa-sina
lo, em On--, do ms droximo passado, 1 y*o de tal,
0 terido gravem nta um hr.u ifttSo Jo u^rno Izido-
r<, por Haoo:, Igyac.o, sto fiJh Gabr el, e MameT
Co." leiro; e isr. t... ,. qucitio qae linha sua
ofg-m rfa :.:m tflii *\o reis Os
issasaiaof Ul I .. la; mas, coustame
que por parte das autoridadea ja foi <|eduido 0
rcapeoliv.j processo. ^yv
Nos lugaies Fazenda Nova c AH'aist*?. d
tfrtno de Viihli.ila, lambem foram ^rayj*eiiK
ferMos, quasi 110 mrsmo tempo, M.maJl?a da
Conceicao e Francisco Alves Fftitosa, e-le cbmva-
lias facadas, que. Ihdeu un seu cuobado de o-1
me Justioo, e aquella por um tiro de emboscada,
que Ibe deu pessoa quo a t Naquellemesmo,ieno ainda fdjiresofcoMem
e esta sendo prccessado por crime jb ferimentos,
Jovino u Josuino de til.
a A safra do algodio aqui foi a peigr possivel,
por causa das grandej veuianias e irofoadas quo
appareceram na epqca critica. Por esja c.ias
mais ainda pelo taixo Jire^yMsU
generoa de prodeccio no lugar, na
espe.ran^a de nelnoriP8te anno a
nvrcial, alias ja tao tggravaia pel
circulante.
a No* termos de Floras e Vi
xendeii'S ja vao soffrendp pj
pela ?cca, coma fwHo earrapato e
que vao apparecendo e dizimando 0
que se nao tivermos trovoadaf on
de outros
ha a men or
ua;ao com
la ie-meio
aiguns fa-
nao tanto
s molestias
ado. Creio
overno c5do,
iguaes <
.os do anno
os prejuizos nesse gmero serao
pa-sado, sotao maiores.
a Pobre sertao I Como te jalgsras^liz no dia
em que 0 gjvernb te dotar com uma estrada de
ferro ao menos Via \ .
i.oteria. -A que se aeha a venda e a '-" ''
a b.-rn ficio do coUegio dos fTpbaosliorphas, a
qual corre no dia 6 do corrente*
I.eUao (ransferldo. 0 leifeo de jn>as,
na casa de penhores, anounciado, para 0 dia ii,
conforme as cautelas abaixo de;laraifas, ficaJaans-
f6rido para 0 dia 11 do corrente, impreterivel-
mente.
Leilocs. Ho[e, 4 do corrente, lera lugar as
11 haras, 0 leilao de moveis e muitos outros ebje-
ctos, pertencdntes a casa de resideocja dos empre
gados da casa commercial do* Srs Hiipps Brot/iers
& C, sita na Pas esta annunciado na secjlo corapeiehto deste Dia
Yrio
N:io podendo ter lugar hoje 0 leilao de ai-
guns moveis de e3criptorf>, pertencentes aos bans
que ficaram por falleciment'. de W*. G. Fennely,
fica 0 mesmo transferido para quando for annun-
ciado.
Casa de dffenctlo.Movimento- da casa
do detencao do dia 2 de dezembro :
Existiara 304, entraram 4, sahiram 2, existem
3C6.
A saber :
Na^ionaes 212, mulneres 8, estrangeiros 27,
e-cravos 33, escravas 4.-Total 305.
Alimentados a cusla dos cofrcs publicos 248
A saber:
Saos 232 e enfermos 16 -Tolal 248.
II ivimeuto da enfermaria do dia 2 do dezembro
de 1874 :
Tiveram baixa :
Manoel Lopes de Souza, febre.
Man el Feliope da Silva, syphiles.
Teve alta :
Antonio Jorge R idrigaes Onca.
TillBlIHAL O.l REL.VC10.
SESSAO ESPECIAL E 3 DE DEZEMBRO EE
18:1.
PKESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO-
CAETANO SANTIAGO.
Secrelario Dr. Virgdio Coelho.
A's 10 boras da mama, pre.-enles os Srs. des
embargadores Silva Guimaraes, Almeida e Albu-
qiieriue, Accioli e Sjuzi Leao, abrio se a sessao.
0 Exm. Sr. cinselheirj presilcnte passou a re-
latar os aggravos, cujosadjunlos foram sorleados
em Bessie anterior :
N. 9o. -Aggravaote oemraandador Joie Perei-
ra da Cunha, aggravado 0 Juizo da provedoria.
Juizes os S's. desembargadores Accioli e Almeida
Ali.uqiK-rque. Negou>se provimento.
N. 94.Aggravaoto Arminio Pessoa de Albu
querqae, aggravado o juizo do commercio. Re
lator 0 Exm. Sr. desemb rgador Sih'a Guimaraes.
Adju!it<>s os Srs. desembargadores Acoioli e Almei-
da Aibuquerque.-D.-ram proviraent).
Encei r.iu-sc a sessao a 1 hora da iirde.
THE NEV LONDON & URASILIAX RANK LI-
MITED. -
Capital do DAnco i
Do suliscripto.
Do pago
Fundo de reserve contra de-
preeiacao do capital
BALANgO DA CAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO E.V 30 DB
NOVEMUR I DE_1874.
Activo.
Lelras descontadas.
Leiras a receber...
Emprestimos, contas correntes
e outras
Garantias por cantas corren-
tes e diversos valores.. 8o3:61oi820
Caixa em moeda corrente '4,180:143^300
JCO.OOO
900.(10)
4o0.00J
40.000
80o:363^b'80
3J:0'J2*D90
677:0154310
' Rs.
Passivo.
Capital
Depositos era conta corren-
te.. 1,157:150*860
Fixo e por a-
L'rviap. 80v:497Jl560
&arajptias por contas corren-
itea e diversos valores
Diversas contas
Cetras a pagar
Rs
3,811:2615200
883:888*890
1,957:648*4$
816:3371680
145:507*570
2:878J640
3,811:261*200
S. E. k 0.
Pernambuco, 3 de dezembro di 1874.
W. H. Billon, pro Manager
A. Guimaraes, pro Accountant.
Ilalanceie do Banco Commercial
do Pernambnco, cm 30 de
novembro de 1*3 4.
1 ACTIVO.
Arcionistas................... 4,200:0005000
Letras desconudas........------ 936:487*592
Letras caacionadas........... 26:854*388
Lettras a receber.............. 31:8H *962
Valores depositados............ 83:067*175
Despezas de installacao........ 5:32O*930
Despezas geraes............... lt:508*0'fl
Moveis........ .......j...... 6:063*827
Diversas contas............... 995:891*906
Caixa........................ 209:487*033
6,52& 703*823
PASSTVO.
Capital.......................
Fundo de reserva.............
Contas correntes por dinheiro a
juros......................
Contas correntes simples........
Depositos da directoria.........
Caucoes......................
Dividendos..................
Descontos.....................
Diversas contas................
Lncros e perdas...............
S. E. & 0.
6,000:000*000
12:600*000
yisila dt Exm. Sr. conftlh^lrrj Jofto
. Alfredo Gorrea de OHWflra a provin-
cia das Alagoas.
PeUs 8 boras e meia da manbi d*o dia 24 de
joovemhro, apartoa as plagas-amgoanas-o vapt>r
Jaguar ibe, condazindo o Exm. Sr. conselbeiro Joao
Alfredo Correia de Oiiveira e varios amigos que
o aeompanharam ate eata provineia.
Momentos depois da cliegada do vapor se acha-
vam a bordo cumprimentauJo a S. Etc. o Earn.
Sf, Dr. J5ao Vieira de Araujo -preildente da pro-
vincii, Or.thefe de policia, Dr. huafque de Na-
zareth -rjuli de direito da capital, e grande nnmero
de pessnus.das mais gradas da provineia, quer da
cidade, quer do centro : o commercio tambern ahi
compareceu dignamenle representado palo eom-
meodador Vascoucellos e outros distinctos cava-
Iheiroa.
Apenas atracou ao caes a galeota que o condu-
zia do vapor JojuaribeiS. Btc. foi calorosa e en-
tli jsiaslicamente saudado pelo povo qne se achava
aggfomerado nas proximiJades do desembarque.
Deembarcando o Exm. Sr. conselbeiro Gorrea
de Oiiveira em companhia do Exm. Sr. presidente
da provineia, araigos qae o aeompanharam de
Pernambnco, e mais pessoas que foram recebe lo
a bordo, aegoio em diversos bonds para o palacio
da presidencia.
Urilhaote era o quadra qne se deseabava aos
olhos do espectad r.
Diversas bandas de musica postadas pelas run
da cidade locaram barmoniosa3 pe;as; innumeras
gyrandotas derfoguetesatacadas durante o trajec
lo, atrcavam os ares com o seu estampido, e para
maior realce da festa, o povo danJ > expansao ao
enthusiasmo que o electrisava, divilia-ie em alas
para abiir passagem aos bonds que conduziam S.
Exc. e seus numerosos amigos, erguenlo ao me^-
rao tempo enthusiasticos vivas: ao dislincto per
nambucauo, ao illustrado conselheiri, ao eraiuenle
estadista, que tanto se tem desvelado pela prospe-
ridade do seu paiz.
Ao approxiroar-se da casi do commendador So
bral, digao representanle da provineia das Ala-
goas, S. Exc. e seus amigos dingiram se a cumpri
me uar a f.imilia do mesmo com oendador, e nessa
occasiao aceitou un succolento aimo;>, que the
foi oflerecido.
0 aim: co foi esplendido, n durante elle ergue-
ram so diversos brindes: entre outros um do Sr.
Dr. Barnabe Calheiros ao Exm. Sr. conselbeiro
Joao Alfredo, que tao vigoroso impulso tem impri
roido a prospcridade da provineia das Alagoas :
sendo por essa occasiao recitado peloeximio poet.
Ramos uiua bellissima poesia, oatro do Exm. Sr.
conselbeiro Joao Alfredo ao commendador So
bral.
FmJo o ilmoco o Sr. conselbeiro Joao Alfredo,
a;ompanliado de seus amigos e seguido de um nu-
meroso eoncurso de cidadaos, dirigiwie aa pala-
cio da presidencia e d'ahi ao pac. i da assemblea
proVmcial, onde se examinavam em diversos pre-
paratories aos alumno3 do Lyceu, assistindo a ai-
guns exames.
Finda essa visita, diri*h se S. Exc. a casa do
conselbeiro.Teixeira da Rocha, digno representante
das Alagoas, onde foi rece ido com enthusiasticos
vivas e no meio das mais estrondosas ova-
goaa.
A's 4 boras da tarde S. Exc recolheu-se a pala-
cio : meia hora depois, servia-se um opiparojan-
tar para cerca de 200 taHSeres.
Os assentos se acnavam completameate occupa-
dos : todas as classes, sem disliaccao de partido,
bgadas apenas pelos lac.os da mais justa imparcia-
bUade, ahi compareceram atim de render preito de
homenagem ao dislincto brasileiro, que tantos lou-
voros tem coqquislado na alta administrayao dos
publicos negocios.
Por essa occasiao foram propostos diversos bi in-
des, occupaodo am priineiro lugar a ai!enc.io dos
coavivas o Exm. Sr. president') da provineia, que
u'uma liaguagein eloqueute e die,a de arroubos,
saudou_ao Exm. Sr. conselbeiro Joao Alfredo Cor-
re.i de Oiiveira, pernambucaoo disliQCto, estadisia
notavel, que na admin stracio do paiz lem-se tor-
nado tyedar da ustima geral de todos os brasi-
lelros.
0 seguuJo brinde foi propo3lo pelo Exm. Sr.
conelheira Teixeira da Rocha, ao Exm. Sr.
cjiiselheiro Joao Alfredo, declarando aquelle que
o fazia em uome dos alagoanos, nao como simples
saudacao, mas como o reconhecimeuto de una
provtacta ipttira, pelos s^i-vijcs prestados por S.
Exc. ao paiz e cm especialidade a provineia das
Alagoas.
A esse brinde respondeu S. Exc. o Sr. conse-
lbeiro Joao Alfredo, saudanda a provineia de Ala-
goas, cuj j futuro divisava brilhante, e para o qual
fazia 03 mais fervorusos votos.
0 quarto brinde foi levantado pelo Dr. Nylo de
Miranda ao parlaraento brasileiro dignamente re-
preseula lo uo festim por dous de seus mais dis
liucios membros os Exms. Srs. conselhciros Joao
Alfredo Con <5.i do Ob vena e Teixeira da Ro-
cha.
O quiuto brinde foi dirigidj pelo major Epami-
noudas ao cou:elbeiro Teixeira da Rocha, repre-
seuiaute da provineia na camara dos depu-
tados.
0 illu^tre orador fez sentir no correr do seu
brinde os valiosos s-.rvicos prestados pelo dislincto
representante, e concluio aUirman.io que S. Exc.
havia na camara temporana defendido brilbante-
irente a provineia que representava afredaado a
do abysmo que maos aveutureiras Ibe tinhara ca
vaJo aos pes.
0 sexto brinde foi dirigido pelo Dr. Chaves ao
&x.m. Sr. Dr. Joao Vieira de Araujo, presidente da
provmcia, cujos actos eram paut>Jos pela juslica
-cooiorciaJa cm a bem enlendida liberdade, sendo
S. Exc. incansavel em proraover os melhorameuios
da provineia que admmlstrava.
0 seiimo brinde foi feito pelo Dr. FeJippe de
Vasconcelloi, priineiro vice-presidente da province,
ao commendador Sobral, distincto deputa lo geral.
0 oitavo brinde foi do Exm. Sr. conselheiro JoSo
Alfredo a Exma. espbsa do Dr. Joao Tie ra de
Araujo.
. Era seguida o Sr. Dr. Oilicica brindou ao Exm.
Sr. conselbeiro Joao Alfredo. 0 lalentoso orador,
dispondo da palavra, tornou salientes os servicos
prestados a causa publica pelo illu-trado ministro,
promovendo a extinccao do elemento servil. a re
forma da instruccao publica, e linllmente a refonna
da lei da guarda nacional, e concluio dizendo uue
couaentisse qae em nome da proviocia das Alagoas
elle prendesse uma fulba de ouro a coroa de louros
entreteciia pelos pernambucanos e por elles depo-
sitada na froute de tao eminenle estadista.
Proluzio tanti entbauasmo o brinde feito pelo
Sr. J)r. Oilicica, que nao polemos resistir ao dese
jo de trauscreie lo em seguida :
Qs romaaos recebiam os seus heroes Victoria
sos com ovacoes tanto mais esplendidas quanto
mais numerosos eram os louros por elles calhido>
nos carapos de batalba ; e costuraavara prender a
corOa de louros com que lues cingiam as frontes,
uma folhi de ouro, aum de que nao a arrebatasse
a impetuosidade do veato.
V. Exc, Sr. conselheiro, elevado por ura ge-
130:125*080
70:457*150
24:000*000
31:175*675
:220*000
63:817*484
184:829*834
1:478*600
6,326:703*823
Recife, 3 de dezembro de 1874.
0 guarda livros,
Francisco Jdafnim Pereira Pinto.
Balanco do Hovo Banco de Per-
naaabuco, em HquidacSo, aos
SO de novembro de 1894.
' ACTIVO.
Despezas geraes ....... 18:671*866
Caixa ,........ 23:112*942
Lucros e perdas ...... 1:415*079
PASSTVO.
Capital....... .
Massas fallidas a cargo do Banco.
Dividendos........
S. E. e'O.
43:199*887
42:230*000
6385787
310*600
43:199*88'
0 iznarda livros,
Joao do, Cruz Mactdo.
nio protector dos deslino* deste paiz, a sua alia ad-
miuistraf&o, conquistando, um a um nos campos
do parlamento, luros inmarcessiveis, vio-se eleva-
do, ao voltar a terra natal, a un pedestal tao alto
que resistira sem duvidaaraao corroedora do tem-
po, e transmiltira o nome de V. Exc. a posterida-
de, eomo o de um dos mais immiaentes est.idis
tas que tem produzido o i.noerio da Santa Cruz.
Ao visitar esta pequena, mas fl irescente provineia,
perraitta que os alagoanos chegaem, respeitosos
ate V. Exc. e curvados de adrairapao ante o talen-
ts qae o distingue, prenJam a coroa de louros que
Ihe cinge a fronts e entreticlda pelas m^os de seus
comproviocianos nma folha de ouro, tradutida bas
manifestacoes esplendidas que V. Exc. recebe. E
V: Exc. tem por certo, justos titnlos dos spplausos
que o elevam.
f A escrava, qae setttialo estreraecer-lhe no
seio o fructo de suas entranbas surri de felicidade;
a criaocinha, hontem escrava, hoje livre, que, dei-
xando passriar seus pequenos bracos pelo espaco,
sum para sua mai que, currando-se sobri elia,
recebe esse snrriso n'ura beijo de liberdade, ele-
vam uma oracao profanda, smcera, pura qae su-
bindo at6 o IIkooo de Dens, de la cahe em cbuvas
de bencaos sobre a cabeca de V. Exc. e de sens
comnaoheiros do gabiuete 7 de marco. Ospais,
a quern V. Exc. ensinou que a instrueaao nao de-
Via estar dependente da mai .r ou manor so-ama
de cabed-es jossuiJos, ao conieuiplar seas tiili ,s
Keutados nas baaoadas dos cur*os auperiores,
t)ea(;x am aqefls qne elles consider**! o arrtmo.
para sPa dias eansados, a realisagAo drUm actoko
30 f .t iro e'as gkirlaa d:p.ria ; pan veoWSVSl por piMlrsm dsin>s veueiaada-
d*um pai, o florae de V. Exc. vein e<'IUtar-=e qual
o de cm anjo do aniraaoto, entr o Tune aagrado
je DetlJ e o f ^cln Bio man i n;i >rwnte da -be:i-
(So.
0 lavrador, que, curvado sobre a eharraa, era
cada sulco alien j u h eajranhas da terra, planta
uma baga da sufr com a certeza 3e fructiflcar
para, cdnvertida em pao sacia'r a fome'de Fua hiu
Hi-r e Ofiiosj abenydu os bom3ni"qa^ o hvrafara
d ) pe-ad i igjpojUo da guarJa, deixinJo-os iraba
lhar desasi ,mbrados na consecucao de sens lias.
t E V. Exc. recebe as bencaos da mai escrava,
da crianca, dos pais, do lavrad ir, de todos os bra
lleiros eiaflm, e transmitii-as a posterilade curao
mo padrio de gloria para os fi-ios d sua pit; i i.
V. Exc, portaato, tem titul.s saperioros aos dos
antigos romanos, para o triumpho, pofs qne os
louros por T. Exc. colbidos, o fario no campo da
sciencia a bio nos da batalbas morliferas. Li os
louros eram conqolstados pela espada e aqui pela
penna ; sWws V. fixe, o prototype do estadista do
seculo X'fX.
Assim, mem senbores, ergsfmos ura brinde,
em saada;io esplendida ao estadista distincto que
nas batalhas do progresso tem por divisa -Paz e
liberdade.Ao Exm-Sr. conselheiro Correa de
Oiiveira.
Era seguida ao Sr. Dr. Oilicica, teve a palavra o
Sr. Dr. Libio, o qual era nome da raagistratu-
ra brasileira saudou ao Exm. Sr. couelheiro JjIo
Alfredo pelo3 relevantissimos servicos prestados
pelo raesm i Exm. Sr. a proviucia das Alagoas, es-
pecialraente a do S;rgipe, deonde ello orad-r se
desvanecia de su liiho.
^ 0 10* brinie foi ergado pelo Sr. G.-.ieindo ao
Sr. Dr. Beruabe Calheiros, chefe de policia da pro
vincia.
0 II' pelo Exra. Sr. conselheiro Juao Alfredo ao
commercio, iiguammte representalo pelo Sr. com
meadador Vasconcellos e seus distinct is compa-
nhtiros.
0 12 peb Sr. Bernardo Pereira do Carmj ao
Exra. Sr. couelheiro Joai Alfredo.
0 orador dine que nio fazia o historico dos ser
vicos preilados por tio distia:ti estadista, porqic
todo o paiz ja os' reconhecia e que apenas repetia
o nome de S. Exc, pois que esse njme resnmia
em si iatelligencia, illus'.rajao clvismo e pro-
gress 0.
Em seguida teve a palavra o Exra Sr. conse-
lheiro Teixeira da Rocha, o qual n'u.na phrase
elegante e cheia de eloquench, brindou ao b-llo
sexo, dignamente representado no banquele pelas
senhoras que se achavam presentes.
0 14" brinde foi levantado pelo Sr. Jose Doarte
a Exma. esposa do Exm. Sr. conselbeiro Joao
Alfredo.
0 15 coube ao Sr. Dr. Buarque de Nazareth, o
qual fati'l u ao Exm. Sr. couselbeiro Juao Al-
fredo.
0 16 foi erguido pelo Sr. Dr. Beruabe Calheiros
ao Exm. Dr. J^ao Vieira de Araujo.
0 distincto orador, no desenyolvimento do sen
briude destacou uma a uma Idas as virtudes ci-
vi'cas daquol'e a quem brindava, dbclarando que
setbpre o conhecera desde os banc*3 d'academia re-
velando o mais arden'.e patrij'.ishro'e o iuteresse
mais pronunciado pela piospendade do sen paiz,
e que ua administrajao da provineia que Itie fdra
confiada, a moralidade e a justija tem sido o pba-
nal de todos seus act03.
O 17 brinde foi levantado pelo Dr. Pereira do
Carrao ao comraendadur Sobral, digno repreoea
ta'to da pioviacia.
0 i8'' polo commendador Vasconcellos em nome
lo commercio da provineia de Alagoas ai c rase-
Ibeiro JoSo Alfredo.
0 19 pelo Dr. presidente da provineia ao gabi
nete de 7 de marco.
0 20 pelo Dr. Pinto Pelsoa ao distincto capita:
Tito Ferreira Paes, [qua guardando intactas intks
crenels polHicas, tem revetido por actos de inva-
javel clvismo apoio decidido ao gabiaete de 7 de
marcj e ao* seus delegados da provineia do Ala-
goas.
Emfim eram 9 l|2 da noite quando o Exn. Sr.
conselheiro JoSo Alfredo levantou o brinde de
honra a i. M. o ImpTador como primeirs repre-
soutante da oaij.io e orlmeiro brasileiro polo sea
patriotismo e pela sua dedicac.ao.
0 qae ahi Qca descript >, so pallidamente dara
uma idea do quanto estcve esplendida e Ir.fian'.e
a recepcao feita pelo p >vo alagoano ai distincto
eouselhfir i Joao Alfredo.
0 jubilo, o enthusiasmo, o transports de que se
achava possuida a populacao ao receber em ttu
solo tao dislincto hospede, nao se pode dwere-
ver.
Ha scenas repassadas de scnaeSes tao grata*,
de manifest.c,oes tao sincera?, que nSo podem ser
llelmente reprodazidas nera no papel, nom na
tela, por mais babil que seja a penna do escriptor,
por mais escolhida que seja a palb 't i do ar-
tista.
I'esta natureza julgamos nos a festa do dia 2i
de novembro.
ll-inra, pois, ao distincto povo alagoano que tao
nobrs e espoolauea rente s ube acoller ao distioc
to conselheiro Joio Alfredo.
Ho, ra finalraenle ao emmente estadista quo
por seus lalentos, saber e virtudes civjeas coase-
guio elevar-se a uma posigio invejada por lodjs
e do ait.i della tem sabido conquistar os mail im-
marcessiveis louros.
Ninguem se iiluda portanto com os embustes
dps irmaos Tarqainios e seus comparsas : elles
nao defenden outros interesses, que nao os da su.i
banca de advogados da fe mas.ds uma fe que nao
e a da igreja ; porqoaBto a igreja de Deus mau
da respeitar c obedecer as autoridades legitiraa
mente constituidas, que por Dens foram ordena-
das : Qurn a Deo ordinalce sunt, e os irma->3
Tarquini ,s nao cessam de solaoar todos os funda-
mentos da sociedade civil, atacando desde o pri-
ineiro maijistrado da nacao ate o ultimo 1
Se a Uniao fosse orgao sincere da religiio, era-
bora censurasse livremente os erros do poder pu
blico, nao sahiria da esubera de censnras comeii
das, uoicas qae se coadaaam com a-indole de um
jornal religioso, e unicas qne abalam e conven-
cem I Se assim procedes3e, nio autorisaria, pelns
desabrimentos de sua lingaagem, a saspeita, alias
iajusta, ao meu vi5r, de quo esses raotins qne, pro-
vavelrante por outras causas nao eonfean-
veis, vao alvorotando certas paragens dos nossos
send's, sao era grande parte obra de instigacoes
do clero I Sim, podem sdr obra de outros, mas
nao do clero, que de certo nao desconhectra sua
missao de paz e de ordem.
Concl-iirei hoje com estas palavras de Terlu-
liano :
c Todo o filho da igreja, e muito mais ura sa-
cerdote, sen ministro, tem direito in s'lidum so-
bre o deposito da igreja de Jesus Christo, a qual
6 am patrimonio coratnara a todos os fieis, e por
isso elle pode e deve preserva-lo e defende-lo das
corrupedes e dw erros. De-te modo 6 que o 3a-
eerdoie obra era nome da igreja, e se coaforma
aesta conducta a intelligeicia e aos desejos da Es-
posa de Jesus Christo.
Eis aqui os juntos titulos qua antorisam a mi
nba missao em repellir o pedantirao tbeologico
dos irraios Tarquinios; pedantismo Uo tedioso,
e molesto aos doutos, como prejudicial a uoidade
da douthna e aos vinculos da caridade. SeguinJo
o methodo dos santos padres, considero a doutrina
da igreja na sua arapla exten-ao, no seu illamma-
do espirito, e nas suas vastas e necessarias rcla-
;des com a ordem huraana.
Recife, 3 de novembro de 1874.
Pinto de Campos.
P. S. A'lvirto aos irmios Tarquinios que e ver-
dade ter eu presenteado o redactor da Unittd
Catholica com nma caixa de rape qae tam-
b;m me haviara off recido ; e a offered a un
cavalheiro que em 1870 e era ,1874 me obsequiara
em sea imp i-iaaie jornal com elogios espontaneos,
e qae,.alem de outras liuezas reciprocas, me na
via dedicado ura forraoso livro in folio sobre a Ter-
ra Sauta, com as seguinles amabilissimas pa-
lavras :
A' Aldus ignore G. Pinlo de Campos ntles
tato de since/a sttma e cordtalissimo affelto del
stto arnica Giacomo Uargotli. Torino, 7 de fe-
braio -1874.0
Que desar roe pdde vir de offerecer um object)
a quem me offerees oatro '.' Qae desar me veio
de trabalhar en no Rio de Janeiro, a pedi los do
Sr. Dr. Tarquinio de Amaranto, para qne saa ir
mai Dr. Soriano fosse nomeado professor da lin-
gua portugueza do collegio das artes, e quesd o
a io foi nor n.u ser possivel a nomeac&o sem
conenrso ? Has em compejsacao o actual Sr.
rainisiro do imperio, a quem hoje a Uniao v ata
de modo Uo soez, nomeo i-o .-ub-iitut i dis aulas
do mesmo collegio das artes !
Ja qne lovi-Vi a di*eostSo para o terreno !*
mesquirrbarias, i\ wm > oa M de refreiar ex a
verdade. F/t|u:tM lenho as 4e sobra, como f--
gii mirt'al, raas lodigaiidade. ni.i I
Pmlt d" Cimp<.
ram
?hbucacdes k mm.
Ao fiU'iiico.
Os iro.a is Tirquioios, quo se dizera tao lid -
em ^ Totrnaz, deviam saber que o anj i dase-.-ol i-
eoosidera a i|gratia3o iaoonp^tive! cm a virtude
da houest'!. E o y> portuguez, paraphra
teaod i, wa iuvi 'a, eel i pen^aoMnto, canton :.
t O m Till vI,,-.i 6 .-era
i
:., or' za o -i i
iUK'alO.
0- irmaos Tar jiitaios, avusaJes a imbair a I -a
fe dos simples, qoe, sen reftVxfo, nera exim, n
baviim tornado como oracaloa da igreja neua
diocese, faz-ra per ahi lui-iuar que eu estm p
moveado ura sew ma, e pregando dontrinas conta
has a mesma igreja! P r fortana, lodaa ganto
emata, ejata desta t-rra, mile os meus seoti
mentos catholices slo bem coaheeiJ is, vai daal
o merecido desires a a essas urdidura- &\ male1 -
leacia.
Ja declarei nu raeus primeiros artigos qnantc a
mi aha humi. Je obscari Jade se li.-oajova de ver -r
em certo mod), eqaiparada a cindicai de grraces
santos malsraa I." do li-risia pM is fals-is caitiolw is.
Hoje, porera, o men desvanecimanu. .eJ4-me He.lo
iiiel-o, cresce de pint, visto dtaiocabe-me a ti >..
ra de ter -por modelo no scffrimpoio de calumn as
e iraproperios, nada medos qne S Paulo, sqoeir
i quem a snprabnodaoeia di daw e*peciae d^
Deus valeu a gn;a Je ser arr.-ba;adi en vida a"
lerceiro ceo I
Era d is fal-o' calholiccsdo sen tenm, aseead* fi-
les por varon'a dus m re. lore.^de (.iibu-i^- de
je, que o san'.o a; itsolo se qneixavt, B *b s-g; c-
da epist ila ao Corinthios, dizeidi: Rec -i > qie
do mesmo mi la que a ser.ieate, e-ini saas artmia-
nhas, engacou E-a, as ruins palavras aVaMaaa
apostokM voi per: jrbem as raentei..... E dos aposUilos sao operarios dolo-o<, inmlcand
apostolos de CO i-to, o qae nao admira, vis!o ft
proprio Satamz etraasfiftra era anjo de hie, *
pir i-so m,ii! uao e que mraistros do dtabi s< r
vorem era raiaislros da justija ; sera u li i d
coasoante as suas "bras.
Os coramenlsdTes sagrados das Escriptora li
zera :Q e os (ilso: chns'.aospropaUvicn pir t li
a parte que S. i'ill) eraumgraale Nutate -
sua moral; que iostruia a M aniiga pelo e

so pretext) de later valer a nova ; qne el: ta-i
recebera a-sua rci-sSo nera de Jesus Chri.io, a>:m
dos ouiros a o-tilos; que ueahum.t prova tiaha
dado da verdaJe de seu apistolaila; que de-pre
pela sua pessoa, nao o era meuos p> los seus t *! o-
los ; que, tlnalmeut por.outras muitai raid-- 11
devia ser suspBila a sua doutrina. t
Por esla serie do diatribes incriveis vera o lei or
que Paolo, a grand pregieiro do verb i locar ;a !
a todas as n.;'"-, nao foi m-raos ai'iinh n 1 > d
que eu leuho silo nas partilhas de d >est"S e in :!
nasl E se aq'ielle vmeranlo vaso teeMcto i< ra
viciiraa d laula- ,rr r/etiidas villans e hratoet, ;)-
espantu podeeausar a inaldade com qu-* o- irni'
Tironinios i! sen* c 'inparsas, sera |M eu f.tllau I- .
ou escrevendo, c .nmeltesse o mai* leve erro de
fe e de aatriaia, nao ce ,-ara da assoaltur.
teiiacidide salanica, qae eu ej'/in fdra di redil -
tbolico I
De feito, tal !em sido a io'-isteacia s>>t mat ^a
com qne hai procurado arrancar-me '.j laatai
do Deus vivi, jue. a nio ser a pNtttfi > afltata f-
sima da Virg<*:n Sinia. suprema advogada con r
as b ire-ias, nil sei que ruino leria leva-Jo u Irafw
ba'.el das iniaha- cr^acas I Al* ja me esUi am- j-
Qia lo com o foaesto exerapio do infeliz pa Ire '-
cintho I
Cousa extrarrdinana I Quant) mais esses pi (
riseus me intimara a sahir da igreja, na o m.
Deus me robUatece a fe, e me inspira seatinea
de compaixio para com a falia do candile
Ihes devora as en'.iaohas !
E a qae efd a allutao ao padre Jaeintri., F
dizem os dous '. rtufos. que o ex ciiraeliU con. -
{ou por eegar pml-.s de discipliai da igrej:i. I-
uao se enten.'.e, nem se pole enten ler coiiiigo. -
esses dous laraliides soobessem o que dizeoi, 11<
podiam ignorar a dis'.in^ca qae fazem os canot -
las enlre o que e eateaeftl, e e qae e aecideal ii.
E para queo pcblico veja quo uai c iiioi.-f.i --rr >
quando disse ta minlia c rl.i de 14 que era liciia a diseussio era cert is p>aiis de c-
ciftboa, e que, err. .casos excpp:ioaae*, se po'.a
prescindir do rigor das formulas, com Unio (jar
se eviMsse mai'T mat, ieia o seguinle trectio ..to*
eseriptos d) voieraii.lo marque* de SanU Cr iz
arcebispo da Hahia, de saulosa memoria. FalUn-
Jo das Jleis ecrlesiasticas, diz: Ora, estis
sao propnameute as quo fjrm.m a duciplma --
sencial da igreja, diaopUaa iotrmsrca, lav^riofl.
e queesti fora do alcan'-e, e das aiintiaico's d
poder civil, tem como o dogma e a moral. T 1
o aia^ue, pois, dirigido contra eaia discijlina e un
delicti contra a religii), que deve ser puui io c si
soberaoo, protector da me-m. religiio. A pa: lo.
oorem, qu 6 disciplina accidental, e qu, se; '
cariacrl, Mid opp>r sfa is do paiz e amp j-
metier atranq-iilliladc dot point, esta tujeita .-
mspec;aodo magisiralo ci*n,ique, era vail
da suprema aoiofidale, pole oeixar de admit it,
quanlo assira 'Javier a felicidade de seus suhJi' *
essas leis ducipimarcs, am offensa do respji.o U
vido a igreja, ct'.j-i espinio de sabedoria BU'ica
pode pre'-umir-.-e coatltiat ao bem temporal l-
nacdes.
Eis aqui a miaha bumille opiniii coafirnaada
por um sanlo, e sabi i pout.iice da igreja br-sile-
ra, aquelle que merec-u do papa Gregorio XVI a
qualiacacao de Mrepidb defensor da di-cipltna da
mesma igreja I O jue re-uagira equeaatemo-
ria do grande D. Rotnualdo, seja coo rta deapdl s
pelos dons pedagogos da f'nido : o meuos ha de caber e oepilheto sedico de jansenistj'. IIj -
pocrita-, qae baralhaoio, e coafundindo a-
cdes mais jusUs e sanias, se arvoram em po.ui'os
do ceo e convertera o Koverno da igreja em dura
oppressao I Janseuistas sots vos; |>or \ac am I >
ems do unems:n) e diiQculiar a salvacao, e -
sinar quo a gra.a de Dens e distribaida p >r men
pequena nuruero de lieis, como verbi gratia, p*
redaclores da I'niao I
E j.iereis ver como o papa S. Gregorio Mif v
muitos seculus anl-s, descrevia o janseaismo pel
soniQcado em vos?
Escutai: E' co u justicaqie j Evangelho co
qa no numero dos hypocritas aquelles que, a p>-
tfxto de ob-ervar uma exacia discipliaa, convert -m
o joverno da igreja n'uma d un najao insoppoiU-
vel. Inter hyp*: Hit emm jure deputatur, i-m
ex simulation ditciplina- minuterium tegimi i .-
eertit in usum domination*.
Eis aqui ainda o vosso proeeder condemn :oV
formalraente por nm dos maiores papas qoe ter.
gov-rnido a igreja de Deus t B todo o aeu cri-
me, no codigo J.i vu-sa ignoBpda, e int dene
cia, consists em ter aaoudt, aa preseote cm
juoctura, todo c man procedimento pelas nom-'
Je prudencia, tra;adas pelos grands mestraa i
christi mismo, e nio acompanhar-vos em vos-
desaunos. 0 que ora snecede comigo, tem sur
dido, mesmo no notso tempo, com genie muito n a;-
alu do que en. Quem prestou mais relev.tt<
servi;os a santa igreja de Roiia do qne os Cia-
iheaubriands, os Montalemberts, e o actual bi i
de Orleans ? E como foram IraUdos polo- cattn-
tiros de /lor, pelos unicos pnritinot d i fit C '-
teaubnand quahticalo de ckrisiao eqmvoca, M d
talembert de catholic* Here, ele fidtlHade <.<-
peiti a Santa S6, e o bispo de Orleans continua-l'
raeBte crusifleado nas virulentas paginas do In
versl!
E sera de boa rel'giao esse furor byIrophob c
de expedir a chrisiios rerdadeiros do gremio da
igreja, so porqne divergent em apices de -
trina disciplm-.r ? E quando temos anlos incr
dulos qae debellar, c tantos hereges qne coat -
cer, e tantos igncrantes qne instruir, na> aera
a ma graade desgraca para o catholicismo o ha'r
n .s de e-'ar sii.r.it .nio as forcas da nossa a. i>
vidade, e intelltgenci^ra dtspalaedes e^tereis, em
recrimioacdes odient.s. em injurias ,atr cis-fcia-
contra todos ajuell. j ie, ou pir erro de entsi 1
mento, on por debber^.io caa-cienci Ude, preferem a prudeoeia ao de-atino, a br.x-
dura *o rigor, a per*unio ao c rastra lgimetH a
paz a discordja ?
Sera religtSo de Carislt easa qoe. ad teOi uos
olhos a ameaca, nns lat.ios a eejwia, na b ice i <
iiopropcrio, e no coracio o fel T essa qoe tsU
dc>ped.iyando todos os vmralos de frat-rni laie aa-
lr ii rebanho de Curisl", e c menUtfdo a cai
iccesa, o iaearnic'1a d> -ortia eatra iIMi r
ii Est- lo Q'al sera ptradelro de t*eft*fe*-
atin'M t Qua |irtr*n J \b* ? Qne onhv sola 5 <
uoileis asuariir. i i s-itiaf4->emdi'fr-n*
>ssa- ii.iiru'. iciv -. rr ajaeilaqat re*aiur
, n, ^rr n (vmrM o ootw n*n tnaaio
,c(,i),).. n-'trii crnpl ratteaan laiWe *
Ja ra i ten i 10" -i ".- a*eaeM eorp a r
o n lei", i n iT-'.i ;-se, e twctwT ti





r*7*~*mV
mmr
I
i

DiariO dfc PdmambtMt^ -<=* Sexto feiia 4. do Dezembw de 1S?4.

[;C
lestis nas paginal santas quo a igtfijk, corao igreja, Jus6jde Asrwriro. Paes Barreto.
Bio lem o diroilovda espada mater*!, e que loda Eiuirdofenrelm Barbess.
asuaforca esta na perms!*; na-paciencia, na Jo-e|FraBJiseo da Siqeira SaUes,
equanimidade, e tu resistencia.passiva 1 Antojnio da R. H. Cavalcante.
Qne exempto magniiieo nao dera o immortal, Jorgs Jacomo Tasso
Pio IX, protestandb, e na-j eomhatendo' braco a Joaqpira Alves de Souza Catralho.
brace- contra a invasao dds dominias da Igreja f Manael Seridiio Buaraea.
I'erden o direito porque nlo ra?istio da mao r- Sandal Martini Fiuza. **
Nao, porqae a razio nao esta no direito Virgllio Ramos Gordilho.
da forea, esta na forea do direito. 0 direito, re
gra immuiavel, 6 tao forte no fraco, qaanto no
poderoso. 0 raondo marcha", e b qne'se nSo ftt
hoje, far se-ha amanha. 0 trtempbo da igreja
sera inevitavel, em face das divinas premessas
E' por Isso me>mo qae ella nao se demora para
leyantar barricadai contra os seas inmigos. Li-
mitt-se a psotestar contra o poder da forea. e a
desigualdde das armas. e espera o remedio do
tempo, qne 6 o ihesouro de suas esperaneas..
Em todas as epocas tera havido conflietos entre
a Igreja e o Estado, e esses coofliclos lireram
sampra am termo honroso ; porqae as Intas entre
a Igreja e o Estado, sao, na phrase da Bossuet,
brigaseotre dous amigos, qua discorJaoi, nu
qae nao te dilaccwn, nem so tornam impissi-
veis.
Vose, qua por vossas exeitagSss freneticas e
desaciaadas, teades difQcaltado o desejado concerto
entre a Santa See o Governo ; concerto tao util,
e necessario ao Estado, corao a Igreja ; porqae
amuos, para preencher a sua raissao, precisara
de pai e concordia; pa: e concordia, qae vo
corubjteis no vosso periodic.), qua por antiphrase
se drama Unido, ao qual cabe perfeitamente esta
severe expwbracao de S. Cypriano, oispo a mar-
tyr : Qae nnidade pdde observar, qae amor
pole gnardar ou cogitar aquelle qae, arrebatado
do furor da-dtscordia, diTide a igreja, destroe a
fe, perturba a paz, e calca os preceitos da cari-
dade ? Quam vero unitatem ser oat, quam di-
lectionem custodit, ant cogitat qui discordice furore
vesantu ecctesiam scindit, fidss destruit, pacem
twbat, caritatem d'snpat ?
Attenda o governo imperial \
A Associacao dos Praticos desta provincia tem
dingido ao governo imperial varias peticpes, re-
clamando ligeiras modiflcacSes em alguns artigos
do regulameoto de 28 de fevereiro de 185& ; mas
todas ell as, que uem ao menos msreceram as hon
ras de um indeferimento, foram lancadas ao po da
secretaria d'estado do negocios da marinha I I
Nao obstante, os praticos, na esperanca de am
dia serem atlendido.*, end^reparara altimamente
urn ontro reqaerimento, reclamando do governo
imperial augmeoto da vencimentos, por nlo ser
possivel qae elle* continuem a receber hoje os
mseraos que percobiara quando publieon-se o ci-
tado regulamento.
0 augmento de vencimentos consiste em o go-
verno autoruar qae nao se accumulem mais ao
fuado de soccorro, creado pelo regulamento citado,
as verbas de que fallam os arts 22 in fine e 47,
para que sejam divididos no flm dos mezes pelos
praticos ; porquanto basta hoje 1/4 dos juros de
diuheiro, que conslitue o fundo de soccorro, para
pagar todas as pen?oes que delle sahem.
bio, pore n, passadus quasi 2 mezes e o governo
imperial aiada na. poude deferir uma" preteogio
i.v justa e tao simples I...
E porque, bpm pode succedar que o ultimo re
qaerimento tenha sorte igual a dos ontros, convem
D?i;r do alto da impreasa (I'ahi mais facilmente
chega a voz do reclaraante as eininencias do po-
der) ao governo imperial que attenda a tao justa
r?clamac*o dos praticos, qne nada solicitam dos
c Eras pablieoi, mas somente pretenlem aquillo
qae faz parte do producto de sen trabalbo, alias
lo-lo particular.
Atteude a o governo ?
VereKKH...
Numerlano H. de Serpa Brandao.
Tnomaz Lins Caldas.
Andr6 Dias do Araojo Junior.
0 director,
Antonio Marques de Amortm
-\". 309. Cem dlffcrenlen linlla-
ffiea do Ogado de bacallijto, se vende
como legitimos. Milharei de doentes sSo desle
modo illadidos, e o melhor remedio que ate hoje
se tem daieoberto para as aflaecoes pulmonares
perde a sua reputacao.
0 melhor meio de evitar semelbantes impnsi-
coes, u nao comprar-se o artigo, uma vez que n\ >
se ache elle garaotido por uma casa respeitavel, e
isenta de toda a suspeita, que p6de enganar.
Ooleopuro medicinal de-flgado de bacalhao,
de Lanman & Kamj), tanto branco como preto, go-
ta de uma repnlicao de superioridade em todo o
Hemispherio Occidental, na Australia e na Earopa.
Na sua compoiicao so se faz uso dos figados de
peixe fresco, e pode-se conservar per um tempo
indeQn do em todos os cliraas do mundo.
"-

As de receh#.
Taxa do einbarqta*
Dilatiedesembanjne
Ditaidt amtaaenagem
Dilaile cmbareafSoH
Uita de alvarenpa-
de bagagens
de divorsos

3:43*a5l
UriKWaVI-
tl!W|,806
396*000
1:1844800
-.*
oo
".,' >t*i a.a im mmi i i,- --.
BV-'.
. tMtBoe
n#asMu
nacto-
daate o
Total
17:775*032 13:626*112
IheeonfaTia da empreza das obras e eaoataiia-
dega de Pornambaco, 1* de dezambro de'
Antonio Jose Leal Reis Filho
Fiel do thesoareiro.
Confcrme.-Francisco Jose' Galvao
Agents aiuiliar interiao.
itmtm Ito de oaneiro e B.hiBp
i^7AXK ,n T Lagr8 fraDCez Ri0 Grande, capiSo Vial
af,?$l JVc3.Tga CoQros e ow geieros.'
9o2*JOft Vfo da Praia BarqubrasiUiiM Claudia, capi;ao
IJieodoro Machado da, Silvi, carga assucar e
Ofllros generos. IT\K\m
Porto por Lisboa e Satifs Vapor
, QUO Diniz, cqmmandante A J. R
carga assucar e outrca-.gepetVs.
BW Vapor ingle* Atiel, camraandante W.
Brown, car|a parte da
ropa.
n
Con ten to,
zz
CAPATAiJA DAALFANDKGA
Readimento do dia 1 681*419
dm do dia i ..... 743*575
1:324*994
No dia
No dia
VOLUMES SAH1D0S
qjf Uoiuo.-dtiEjjte
Observafdo.
^^1"*'* para a Prakb barca
rraoceza VilU Dieppe, capitao Labadie. eta o
mesnio lastro que trouxo ifBtP i* Jjuieiro.
Funoeoa as lamario um paiaeao aliamio, mas
nlo (eve communic^ao com a terta.
' Rua da'Crnr.
j^o.eljdaresn.l^ac^)-
Rua de S. Jorge
errea n. 103 ... 2074OOC
r6ter.donte deverSo apresaatar no acto da
ft. as snas flancas, ou compareceren;
aeOBpan s aos respectlvos fladoros, dereado
pagar ale \ renda, o premio da
que for ses t o predio qm -imtrrnr "ma+olmi
mente com \l, assim eomo o aervico da lim
peza e preco appareUios.
Seoretana nta Casa daJMisericordla do R
ore, 17 de sstembro de<187t.
0 esemlo,
^^^^ Pedro Rodriguct de Souza,
m%
^nsalad > provincial.
Palo consulado orpvincial, faz-fe. p'uMico aos
hohehinha americana, bacalhao, batata*,
vivos e pa?to para os mesmos, cafe em ffto, .
mo do, came verde, carne aecca do Rio Grant* i
Sul, cha hysson, cevadioha, cannuba em veiw,
conservas preparadas, cebolas, doce, feijao, (armba
de roaadwcai da lera, iiliiafcit, | mkt, bm*sv
maoleiga ingleza, manteiga frncezt. milko pikaio.
pao, sal, sabao masaa, cearfnaeia Tolas df 13 liS
por kilo, stearina em velas ao 1? i|3 po* klo, Im
quantla em cinho de Lisboa. tapioca, tifcSa, tej..!-) de alvesaria
grossa, vinho de I.i-boa. e vinagw de Lisboa
Sala dasi ftesoes do -coaselitu, dc camftrw
do arsebal de marinlu, 31 deliJtesaJiro d
1874-
0&eereUrto
________Alexandre li^driguu dot. An jot.
detogaoia liavtrarlai" 4e Sm*U Attsato
se (az_pul.li :u que no dia 5 4* onr-
Pela
Idas Salinas.
respeclivos cooiribu'lBte8,:qu'dff"l.,de dezembro renJe me^.f>ela! 40 .hor' <* ^A^ proeeslir'-
wissiloaro por diante comeca a correr o prazo dos
se-ha a exame dos alumnos ioti Barbosa de OK-
EOITAES.
30 dus uteis, mareado* "no aii" 34 do'ree de ^ veira* ,reP*1c'e Symphronio f^maades Soalo ;
17 de iaaho de 1873 bira a cobranca do Drimei Ie *_alainnit di segnoda cadeira ambas da te-
rn semeCde decinia Qrt?5 SS 5 0,0 obre ^UCfar primariB' 2?" "&&* ^1
bens de mio morta, no c^rente exerclcio da cJ:f?. G,e.rm,*11 f**"^ teJl*.
1874 a 1875, incorrendo na molu de 6
A perfeita pureza da preparac^o, e a qne o tor-1 PftSMira port*
na lao admiravel e uniformemente efficaz nos ca
sos mais graves da hemorrhagia dos pulm5es,
bronchios, pneumonias, pbtysica insipiente, conges-
toes, e a consumicSo d bofe, magreza e decaden-
cia corporal ; e para todas as molestias dos orgaos
da respiragao e da-garganta, complicalas com af
feccSes escrofuljsas.
Seganda poru,
Terceira porta .
Titpicbe Ccnceicio
i ioi 0 Ujaa. Sr. inspector do thesonro Mevlocial,
em virwae
127
21*
na
que nao
0(0
satis ncerem

1,176
em virtode da ordem da preeidjencia, de hole-de-
ter ramandoo resg.to das aoolices provteimde
n. 1 a a. 320, serie A. emiltidas nara nmnum
320,
da companhia
luidores de dilas
Sr. redactor.R^almente o muudo vai em pro-
yr;sso ; apenas acabamos de ver a giganta, a mu
liter phenomena que to Jos admiraram, quern havia
Ci- presamirqae seria logo acompanhada pela me-
ciaa de li auiios, que vivo n'uma caixinha de 23
centimetres, um palmo mais ou menos
1'ois a cousa e real ; a moca falla, babe, come e
p ..-;a a vida na sua caixinha : quern duvidar va
r, pos e um phenomeno mais raro que a passa-
gem de Venus, e ousta a bagatella de 500 r6is,
taato|para nomera corao p;ira menino..
Um amada;.
Collcgio dc Santa Gcnoveva.
Dos alumnos matriculados neste collegio Ozeram
.me de iustruccao primaria no mesmo estabele
cimento e foram approvados, sendo examinadores
i i Sr^. Drs. Elizeu da Sauza Martins, Jorge Dor-
nellas Ribeiro Pessoa e Jose Ferreira da Cruz Viei-
ra, os seguintes: em
Lati.-n, seganda cadeira.
Luis Laurinlo dos Reis Lima.
. maz Jo5o da Veiga Seixa*.
Krancisro Ruiiao dos Reis Lima.
i T.mdo'de Castro Paes Barreto.
Henrique de ll.irro- Lins.
J -e Lucas alvares Junior.
E-tevSo Jose Danus.
Grammatci portugaeza elemeotar.
Arthur da Silva Rego.
j >se Camillo de AUjuquerque.
Fernando 1e Castro Pass Barreto.
Loiz da Rocha Uollanda Cavalcante.
Htnri j'ie de Barros L'ns.
J.ie Gamello Pessoa d Siqueira Cavalcante.
Jwjuim Barb s.i CorJeiro.
Taomaz Joio da Veiga Scixas.
I raaeisoo ItaSao do R:is Lima.
Li it Launndo dos Reis Lima.
Arithmeiica e gejmetria pratica.
AJolpho Julio d Meil-j.
Loiz da R *ha Uollanda Cavalcante.
riaymuniio Victor Ouprat.
Jjao Oama-ceno Xavier Dantas.
Miuoel Barbosa de II dlanda Cavaleante.
Abilio Pereira de Souza Lima.
Alfredo 4ugusto Vieira.
Josfi Maria Ouleiro.
1 -e" Antonio da Mello.
j -6 de Castro Paes Barreto.
II foram babilitados para 03 exaraes na facuUla-
d s nas quatro linguae 71 alumno, dos quaes fo-
i .m approvados os st-guintes 63"
Porluguez.
Ximeriano Honorio de Serpa Brandao.
Iali de Mello F.lho.
Jose Gomes Leal N'etto.
J -seljuoas Alvares Junior.
Aatouio da R>cha Hollanda Cavalcante.
i rge Jaeomo Tasso.
PoiWpho'de Muraes Coutinho.
Vicente Thomaz Pires de Figueiredo Caraargo.
l'iirso de Assis Garrido.
Andre Dias da Araujo Junior.
Auguslo Seraphim da Silva.
Arthur de Souza (jirvalho.
iLriil Azevedo de AnJrade.
". tbriel Idas Neves Cardoso.
TUuardo Ferreira Barbosa.
Kodolpho B. de Serpa Brandao.
j-ilvestre Marques da Sirva FerrSo.
Francez.
!. Joipho de Moraes Coutinho*
V.cente 'f. P. de Figueiredtf Canargo.
1 aoinaz Joao da Veiga Salxas.
i'-n'riqae de Barros Lins.
'/tevao Jose Dantas.
i lienu Lins (Caldas.
r jrnanld de Castro Paes Barreto.
r odolpho H. de Serpa Brandao.
mrso de Assis Garrido.
.- Ivestre Marqoos da Silva FerrSo.
ilto de lelh) Fttno.
! -ancftco da Costa JTaia Filhtr.
Andre Dias de Araujo Junior,
.ose Lucas Alvares Junior.
Latlm.
r-andscrj Alves de Sonza Carvaiho.
: aquim Alves de Souaa Carvaiho.
Jos6 Netto de Siqueira .c-
r raneisev Leopoldo Marinho de Souza.
:ose de Amoriiu Paes Barreto.
Manoel- Martins Fluza.
'Viiirso deAssia Garnd*.
)'odolpho H. de Swpa BvatHte.
r-omerteb If. o> 8wpa Itaamiu
ios6 Goiaes Leal Netto*
V ircilio- rtaraae Gerdtiaa.
Vieenl* R d Figateste Ctmrngt.
Jos6 Ateteau yftrfrade.
j Itif|ai
< rabfit* t da* Neves Cacleao.
AagtMaSaiaphiaa da Stir*.
Artnor de Sonza Carvaiho.
Jose Netto de Siqueira.
Kstevfc, Jos6 Dantas.
Jote QWaWu UmSem
Fransiseo Leopoatto ataritabe da Sotza.
JUNTA DOS GORRETOKKS
Praea d Recife, 3 de dezembro
de 1894.
AS 3 I10RAS DA TARDE.
cotac5es omciAKs-
Algodlo do serlao 1' sorts 7*300 p r 15 kilos.
Algodao .deMessoro 1* sorie 74330 por 15 kilos.
Algodao Oo Rio Grande do Norte 74000 nor 151
kilos posto a bordo a frete de 7i8 e 5
0(0.
Ditode dito 74000 por 15 kilos posto a bordo a
frete de 7(8 e 5 0|0, terca-feira.
Assncar do lVio Grande do Norte 14940 por 15
kiles posto a bordo, terca-feira.
Couros -seccos salgados 556 rs. o kilo.
Cambio sobr. Loudres a 90 d|v. 26 3|8 e 26 1(2
d. por 1*, terea feira.
Dito sobre dito a 90 d[v. 26 1)4 d. por 14000,
do banco.
Dito sobre Uito a 3 d(v. 26 por 14000, do
banco.
Cambio sobra Lisboa e Porto a 90 d|v. 103 0|0
de premio. .
Desconto de letras 11 0|0 ao anno.
a. Jo Vasconceilos
Presidente.
A P. de Lemos,
Secretarto.
SERV1CO MARITIMO
LOaiangts descarregadas no trapicbe. da
alfandag*.
No dia 1 .
So dia 3 .

10
tKCBBBDORIA DS
RAES DE
tta^iibsenio do dia 1
do dia 3 .
RENDAS USTERNASGE
PERNAMBUCC
. 1:959*216
. a:ii9*t6o
ieadimentc
da do dia
ALPANDEG a
do dia 1 .
48:759*256
39:524*865
88.284*121
Lugn
Doscarregam hoj? 4 Je dezembro de 1874.
Lugar portuguez -Cidrallageamento para o tra-
piche Conceigao, para despach^r.
Barca ioglez.Tanamfc madeira de pinho para
o trapiche Conceicio, para despachar.
Barca ingleza Jnne Maria -machiaismo para o
trapi^he Concei^ao, para despachar. '
Barca porlugueza Lisboavarios generos para o
trapiche Conceigao, para de inglez Ethel Bottom kerosene para
o trapiche Concei^ao, para desoachar.
Vapor inglez Ariel vinho para deposilo nj
trapiche Cunha.
Barca porluguezaImperialvinho para deposilo
uo trapiehe Cuoha.
Barca Ingleza Mr.ry bar.alhai ja dejpachalo
para o trapiche C'.mceic. to.
Barca ingleza Maria bacalhao ja despachado
para o trapi:ne Cnnceicao.
Hiatenacional Aietino dos Anjos generos na-
cionaes para o armazem 4'Avila.
Brigue portuguez Helena generos nacionaes
para o ir.ipi.v.e Dias.
Barca ina'.eza A moij carvao e tijolos para
terra.
IcuportacSo.
Hiate nacional Adelino dos Atij's, entrado de
Macao em 2 do cerrente e consigo-ado a Manoel
Jose da Cunha Porto, manifestou :
Algodao 32 sac^as a Cunha Irmiios 4 C, 272
a Jose L. Gonctlves Ferreira & C, 48 a L. J. P. da
Costa.
Cera de carnauba 23 saecos e 17 barricas a
Gomes de Mattos Irmaos. Lourinhos 15 molnos
aos raesmes, 68 a Jose L. Goncalves Ferreira
& C.
Pipas va?i33 12 a Cunha Irmaos &C.
Sola 15 meios aos mesmos. / Sal 50 alqueires
aos mesmos.
3ESPACHC3 DE EXPORTACAO NO DIA 2 DF
DK/EMBRO DE 1874.
Paro os portos do exterior.
No vapor inglez PastOM carregou : J. Pater & C. 4,0u0 saecos com 300,000
kilos de assucar mascavado ; Braga Son & C. 93
saccas cem 6,4Ci ditos de algodio ; M. Lalhan &
C. 843 ditas com 61,98. dito* de dito.
Na barca ingleza Finny, para Liverpool,
carregou : Keller & C. 298 saccas com 23.067
kilos do algodao.
No lugar francez Rio Grande, para o Havre,
carregou: E. A. Burle & C. 133 couros salgados
com 1,476 kilos, 51 ditos espichados com 612 ditos,
e 24 saccas com 1,833 kilos de algodao.
No vapor portuguez Julio Diniz, para Lis-
boa, carregou : J. II Carneiro do Araaral 1 barri-
ca com 2i abacachis e 1 volume com 24 litros de
alcool ; E R. Rabello & C. 550 saecos com 31,250
kilos de assucar branco e 650 ditos com 48,750
ditos de dito mascavado ; J. J. G. Beltrao & Filho
209' ditos com 15,(00 ditos de dito ; J. C. Gongal-
ves 800 ditos com 60,000 ditos de dito ; F. R. Pin
to Guimaraes 2 barricas com 148 1|2 ditos da dito
branco : para o Porto, M. L Paes Barreto 3 ditas
com 35 abacachis.
Na barca porlugueza Gratidao, para Lisbo:,
carregou : J. J. G. Beltrao & Filho 526 couros sa'.-
gados com 6,312 kilos.
No navio portuguez Cysne, para-Lisboa, car-
regou : E. A Silva Camoes 12 pranchoes de ama-
rello.
Na barca nacional Claudia, para o Rio da
Prata. carregou : Amorim Irmaos 4 C. 50 barnias
com 5,526 i|2 kilos de assucar. branco.
No patacho hespanhol Felice, para o Rio da
Prata, carregou ; M. L Paes Barreto 60 barricas
com 2,857 kiloi.de assncar branco.
No lugar portuguez Julio, para Lisboa, car-
regou : Pacheco & Azevedo 2 barricas com 229
ki'os de assucar branco.
No navio inglez Jane Hoid, para o Canal,
carregou : J. Pater & C. 643 saecos com 48,223
kilos de assucar mascavado.
Para os portos do interior.
Para Uruguayanna, no brigue hespanho!
Francisco, carregou : A. Loyo 500 harricas con
54,472 kdos de assucar branco.
Pa^a o Para, no vapor americano Merrimsck,
carregoa : H. Forster k C. 4 volumes com 48
abacachis.
. Para Mossor6, na barcapa Veronica, carre-
goa : A. M da Silva 5 pipas com 2,400 litros de
aguardente ; Silva 4 Irmi 4 barricas com 240
kuos de assucar branco; B. Gomes & C 2 ditas
eora 120 ditos de dito reQaado e 2 ditas com 140
ditos de dito branco.
Para o Natal, na barcaga Silcma, carregou :
A. Carvaiho & C. 1 barnca com 60 kilos de assu-
car branco; A. da Cosla Araujo 16 ditas com
M)03 ditos, ae dtto refioado.
Para Alagoas, na ban-aca Anna M'iria, car-
regoa : Valente A Irmao 6 barricas com 3W ki-
los de assucar reftnado.
SNDIMSNTO DA EMPrtEZA DAS OBRAS E
CAPATAZ1A DA ALFANDEGA DE PERNAM-
CUCO, RELATIVO AO MEZ Fi.NDO DE NO-
VEMBRO DE 1874, COMPARADO COM 0 DE
NOVEMBRO DE 1873.
4:078;376
^todimenlo do dia
dtm do dia 3
CONSULADO PROVINCIAL
4:966*679
6:638*461
daPirnat*

11:625*138
AGENCIAS provinciaes
Liqnidos espirituosos.
ilendimento de 1
Bacalhao, etc.
ftendiaento de 1
Generos de estiva.
iendimento de 1
Farinba de trigo, etc.
iendimento de 1
Fumo, etc.
Aendimento de 1
Iendimento de 1
Vinagre, ete.
74*190
617*588
461*876
70*980
1:197*634
Tliesouro provincial de Pernambuco, 3
ie dezembro de 1874.
0 escrivSo,
J. C. M. da Silva Santos.
Oompanhia Indeinnisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:000^000.
riiomaz de Aquino Fonceca k C, successores
agentes.
Eats companhia toma seguros. marilimos e ter-
restres, dando nestes o septimo anno gratis aos se-
gurados.
Una do Yignrio n. 19.
Banco do Minho.
Joaquim Jos6 Gongalves Beltrao & Filho saccam
por todos os vapores sobre :
Anadia Evcra Monsao
Agui a Fate Ovar
Aveiro Ftro Porto
Beja Guarda Tavira
Chaves Leiria Regoa
Elvas Lisboa Vizeo
A .na rant > Barcellos Figueira
GuimarSes Coimbra L*mego
Covilhl Mirandella Estarreja
Melgago Penafiel Valenca
Poit'alegre Villa real
Arcos de val de vez Cabeceiras de Bastos
Celorico de Bastos Castello-Branco
Caminba Espozende
Mangualde Oliveira de Azcmeis
Ponte de Lima Povoa de Varzim
Povoa de Lanhosa Vianna de Castello
Villa nova Je Portiml Villa nova de Famalicao
Villa doConde;
Xa* ilhas
Madeira, S. Miguel, e Faial e TViceira.
OS
MAWTIJIOS
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabolecid
lesta pra^a, toma seguros maritimos sobn
aavios e seus carregamentos e contra fogc
;m edificios, mercadorias e mobilias: ni
aa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
SEGUROS
Mrilira o e contra-fogo
COMPANHIA
Phenix Pernanibucana.
RUA DO COMMERCIO H. 34.
Seguro contra-fogo
THE LIVERPOOL A LONDON i GLOI
INSURANCE COMPANY
AgSMttM
SAUNDERS BROTHERS* C.
11Corpo Santo11
companhia" alliaica
wguros maritimos e terre
tres estabelecida na Bahia
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,0OO:00OW)0O.
Toma sego^o de mercadorias e dinheiro
*co maritimo em navio de vela e Taporet
jara dentro e ftra do hnperfo, assim come
jontra fogo sobre pfedios, generos e tV
ondas.
Agente: Joaqam Jose* Gen^alres Beltrio
as. do Gommercio n. Ii 1 andar.
aerie A, emittidas para. p*gaaxoto
Recife Drainafe, convloa aos,pos-
apolices a conparecerem neste
ihesouro a receberem a importancja das masmas
os juros ate esta data, scierUiflcando-lhes que
desU mesmo data em diaow nty venoerJo, ellas
mais juro algum, em ob -ervancia do regalamen-
lo respecttvo.
Secreuria dn thesouro provincial
baco, em 30 de novembro d* 1874.
Mijad Affoaao Ferreira.
i 0 adminislrador da recebedoria de rendas
inlemas gerae*, pelo presenle avisa as fwssoas,
eonstantes da relacao tbiixo iranscripta, nmas
por morarem fo.-a da cldads. e oytras por se ig-
norar a resiuencia, que tendo sido muKadas em
virtude dos arts. 33 e 3o pela i-Traccao do art. 21
do regulamento n. 4'833 de 1 do deaesab ro de
1871, devem sir realisar o pagamento da multa
que Ihesfoi imposts, no prazo de 30 dias, conUdos
da pnblicajao deste, nos joruaes desta cidade, sob
penade se procedor a cobranca executiva
Itecebedoria de Pernambuco, 28 de novembro de
1874.
Manoel :Caraeiro de Souza Lacerda.
Relacao a que se refere o ediul supra.
Candida Covalcante de Miranda Vare-
j5p_,^igoora-se a residencia, multa-
daem i0,(00
Caetano de Crvalho de Mendonca Va-
rejao, morador em Afogados, mul-
ta J j em 10,000
Candida Lourenoa de Lima, residen-
nos Remedios, roulUda era lOOvOOO
IJnibfiloa de Carvaiho Miranda. Vare-
jao, residente em Afogados, multa-
da ere lO^OOO
Paulino de Carvaiho Miranda Varejao,
residente em Afugadoe, mutlado em 10^000
Prancisca M. te na asa Perie, muliada em 10:000
Amelia Maria da Rocha, residente em
Ponte da Uehoa, mnltada em 10:000
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacerda, juiz
de direito especicl do commercio da cidade do
Reci'e de Pernambuco, por S. M. Imperial; que
Deus guarde, etc.
F*f;0 saber aos que o presenle edital virem e
delle noiicia tiverem que pelos administradores da
massa fallida de Azevedo & C, me foi apresen-
tada a classiricrcao dos creditos da dita massa, a
quai 6 a seguinte :
Credores chirographarios e que apresenlaram
titulis e admitlidos ao psssivo da dita massa :
EJuardo Alexandre Burle, conta de livro.
aqaelles dos coniribuintes
ntsse nrazo os sens debitor
Consulado provincial, 27 de novembro de 1874
0 adMioistrador,
Antonio Carneiro Machado Rios.
' Polo thfsouro provincial se manda fazer pu-
blico para queiu iot-tressar possa, que via no-
vamente a prai.-i no dia 10 do me/ proximo vm-
ttetiro; perante a junta da mesrtro,"thsouro a
BP a,pont de Mies sobre o rio TJapaeura na
rntrada da Victoria, orcada em 1:485(1; e obra
do conoerto do quarlel do corpo de policia orca-
da em 7i:820. s. ...
J ^5ecipj#ria do thesouro provincial de Pernam-
M90, 28 d; novembro de 1674.
0 seeretario,
_________Miguel AfTonso Ferreira.
Santa Casa de Miser 1 cordia
do Recife.
A junta adminlstrativa da Santa Casa de Miseri-
cordia do ReciTe precisa contratar com aueui se
propozer a fazer pelo manor preco, as obras de
que precisa o predio de dons andares, sito a rua do
Eocaniaraento n. 11, perlencente ao patrimooio dos
orphaos, orjada em 1:200*000.
Os pagamentos serio realisados era tres pres-
tacSes Iguaes, a priraeira-depois de comecar a obra,
a seganda quindo estiver ella em mefo, e a let-
ceira depols de concluida e entregue.
Descripgao das obras.
^ Fazer toda a coberia nova, substituindoas ler-
C, unindo mais os caibros que estiverem perfei-
los e collocando os novos que forem precisos ; en
ripar toda de novo, fazer as duas goteiras e com-
plelar as telhas qnb faltarem com outras novas.
Reparar o fogao, substituindo a chapa pur outra
nova, ladrilhaudo com tijolos proprios o espaco oc-
cupado por elle, reparar o soaldo, substituindo
uma taboa arruinada por outra.
Segnndo andar.
Substituir a taboa da varanda por outra de soa-
lho, de amjrello, ladrilhar com cimento os capea-
cos das duas portas da varanda, collocar uma can-
cella de ferro no patamar da escada que comrau-
nica com o priraeiro andar, fazer um via deja
nella, substituir dons peitoris por novos, de ama-
rello, uma trave na Irente posterior, tres portadas
e duas taboas de soalho, de louro, deitar toda a
ferragem precisa neste andar e sotao.
Primeiro andar,
Substituir 2 poriadas por novas, 4 peilsjis de
janellas por novo?, de aroarello, 1 perna Je grade,
reparar o soalho, repregsndo onde for preciso dei-
tar ferragem nas janellas e portas, substituir o
corrimao da varanda e uma andabala da escada,
mudar o primeiro lao;o para li.;ar encostalo ao
oitao do norte, correndo uma parede desde a p-.rta
da rua ate a escada, para isolar a entrada da es-
cada do armazem, ladrilhar com tijolos de alvena
ia batida a parte posterior do armazem, a panir
4:102*450. Linden Weydman & C, conta de livro, do ladrilho de pedra existente, a eneostar na fren
1:433*960. Cramer Frey & C, conta de livro, te. concertar uma janella Tapar ouia porta que
pelo patamar da es
1:157*450 Bastos & Silva, letra e conta de livro,
1:027*930. Monbard Mttller k C, conta de livro,
6:063*333. W. H. Wiatt & C, letra, 577*520,
Franehco Gomes de Oliveira Sobrinho, letra,
521*2 0. 11 n Jes Azevedo & C, letra e conta de
livro, 391*350. Duarte Irmaos, conta de livro,
296*280. Sabino Jos6 de Almeida, conta de h
vro, 258*330. Lemos 4 Guerineau, letra, 256*940.
Alfredo Gibson, c nta de livro, 222*020. Olivei-
ra & Irmao, conta de livro, 218*8C0.
E por este edital sao citados os referiios credo-
res para denlro de cinco dias, enntado* da publi-
ca;5o do me?rao, dizeremsojireadita classiGcaQio.
E para que chegue ao conhecimento de tod03,
mandei/azero presenle edit*I, que sera public;do
pelos jornaes e afQxado nos lugares do costume.
Recife, 28 de novem'.ro dc 1874.
Sebastiao do Wcgo Barros do Lacerda.
0 Dr. SebaMiao do Rego Barros ue Lacerda, juiz
de direito especial do commercio de?ta cidade
do Recife de Pernambuco, por S. M. o Imperador,
a quern Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem en
delle noticia tiverem, que no di i 17 do corrocte
mez, se lia do arrematar por venda a quern mais
der em praca publica deste juwo, depois da res-
pe-'tiva au liencis, uma machina e caldeira de vv-
por de fonja de 2 cavallos, por 3:000* (da fabri-
ca de T. Rolinson) ; uma machina perpendicnlar
de serrar madeira, com 21 serras, por i.SOOi ;
uma diia circular deserrar madeira, com seis ser-
ras, (i-m man estadu) por 300* ; uma-jdila de ras-
gar os denies das serras com 24 rodas de esmeril,
por 500* ; uma dita perpendicular para serrar
pinho, com 12 serras, por 1:200* ; um aguilhao
com lambores e tres correias para movimento das
machina?, por 500j. Penhorados por execucio
de Carduzo & Irlrmiio, contra Antonio Joaquim
de Vasconcellos.
E nao havendo lin^ador que cubra o preco da
aviliacao, a arrematacSo sera feita peb preco di
adjudicacao, na forma da lei.
E para que chegue ao conhecimento da todos,
mandei passar o presente, que sera publicado pela
imprensa e aQhado no lugar do ccslume.
Recife, 3 de dezembro de 1874.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nascimento,
escrinao, o subscrevi.
Srbastiao do Rego Barros de Lacerda.
SANTA CASA DA HISERICORDIA DO
RECIFE.
A illina. junta administrativa da Santa Casa da
llisericordia do Recife, manda fazer publico que
ai.salade suas sessoes.o dia 18de novembro,pe-
as 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
raem mais vantagens otlerecer, pelo tempo de. um
i tres annos, as rendas dos predios em seguidi
leclafados.
ESTABELECIMENTO DE CARIDADE.
vidal de Negreiros.
^isa terrea n. 94.......301*006
Rua larga do Rosario.
!. andare loja n 24 A fechada 310*000
! andar n. 2iidem.....'. 408*000
1.- audar n. 24 A idem 251*000
Rua de Antonio Henriques.
lasa terrea n. 26 ... 99*000
Largo da, Campina.
idem a 11 (fechada). item. 120*000
Rua do Coronel Suassuna
( andar do sobrado numero 94 386*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua do Commercio
Sobrado o. 30.......800*000
Rua da Moeda.
Casa terrea a 21 fechada).. 400*000
Becco das Boias.
Gasa terrea n. 18.......421*00/
Raa da Lapa.
Iasaterrean.lt.......202*000
Rua do Amorim.
>obr*do de J andares n, 23 60iJ0O0
]asa terrea n. 34......5**000
Hoar do Beget.
Gas* terrea n. It.......
Raa a Vigario.
andar e sserado a. JWecbate .
1* andar do mesmo idem ....
to)a do mesmo fechada> ....
Rua do Saaaotamento.
iobrado de andares n. 13 (fechada).
Mtt da Seniatta velha
Rua da Outa.
Cwa terrea n. K .
cojimunici os dous sobrados
cada.
Caiar, rebocar e pintar todo o sobrado com as
cores existenles.
As propostas serao re:ebidas em cartas fechadi.3
nojdia 10 do corrente, em sessao da juula, pelas
3.horas da tarde.
Secretaria da Santa Ca;a da Misericord! i do Re-
cife, 1 de dezembro de i874.
0 escrivao,
______________Pedro Rodrigues de Sonza.
Tlioaiaz de Aquino Fonceca k C.
Successores
saccam por todos os vapores, sobre as seguintes
pracas :
Lisboa. Regoa.
Porto. Cuaves.
Braga Villa-Flor.
Vianna. Mirandella.
Viseu. Alijo.
Guarda. Favaios.
Coimbra. Braganja.
Guimaraes Lamezo.
Rio de Janeiro.
Na rua do Vigario n. 19.
Bella
Companhia Fidelida 'e
Seguros marhinos e terrestres
A agencia desta companhia toma s guros mari-
timos e terrestres, a premios razoaveis, daudo cos
ultimos o solo livre, e o setimo anno gratuit > ao
segurado.
Feliciano Jose Gomes,
____________ Agente.
DiSPE'XAO DO ARsENAL DE
MARINHA.
TVndo em 10 de Janeiro proximo futuro de ha-
ver nesta inspeecao concur o, em cumpriraento do
aviso de 14 do corrente mez, e ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia, de hontem datada. para o
preenchirrento de dou? lugares de amanuenses
da secretaria, convido, de ordem do Illm. Sr. ins-
pector, aos pretendentes a esses lugares a apresen-
tarom ao mesmo Illm. Sr inspector seus requeri-
mentos, competentemente documentados, pelos
quae3 provem ter bom comportamento, e a (dade
nunca menor de 21 annos.
Sao as materias, sobre que versa o concurso :
1* leitura e analyse grammatical, escripta de
irechos em portuguez.
2 orthographia.
3 versao das linguas franceza e ingleza.
4* exercicios de composicio em portuguez, re-
daccao e estylo de actos offlciaes.
Inspecgao do arsenal de marinha em Per-
nambuco, 28 de novembro de 1874.
0 seeretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
153*000
*43*00C
340*000
300*000
1:400*000
09*000
Confraria de N. S. da Soledade.
Oe.ordem do irmao presidente, convido a todos
os nossos IrmSos a reunirem se no consistorio da
respectiva igreja, no dia 6 do corrente mez, pelas IQ
boras da manha, aflm de se proceder a eleicao da
mesa regedora para o anno administrativo de
1875..'
0 seeretario,
___________________ E. Tamlmrim.
Hospital Portuguez de Re-
neficencia
Sao convidados os socios a reunirem se em as-
semblea geral, no domingo 6 do corrente, as 11
boras, na secretaria do mesmo hospital, alim de
desempenharem as altribuicoes dispostas no % 3
do art. 17 dos estalulos, que sao : eleger a junta
administrativa e a commissao de conns que tem
de funccionsr no proximo anno de 1875.
Secretaria do Hospital Portuguez de BeneQcen-
cia em Pernambuco, 1 de dezembro de 1874,
Luis Duprat,
Seeretario.
CONSELHO
horas da manha.
Delegacia litteraria de Santo Amaro daa Sasaaaa,
2 de dezembro de 1874.
0 delerado litttrario,
_______________Francisco Pacheco Spares.
Juizo dos feitos da fnzeocbk
Eacrivao Torres aadt-ira
Sexta-feira, 11 do confute, depois da andiesria.
serao arrematados os seguintes predios :
Sobrado n. 39 'In largo do Carmo, freguezia tJV
Santo AqUmuo, tup aodar tiam tea 1 inbi. I
qnarlo. e peqiieuo quiuial, o upci..r, 2 sakf, S
quartos, peqUeno soUo com cozicha, oada 4a
palraos da fun Jo c IJ Je vlo, avaliado em.....
4:500*000.
Casas terrea?, n-<. 21 e 24 da raa at Motocotoa-
bo, em Afogados, tend) aquella, S portas et Ja-
nella, 2 salas, 2 quart**, czioJia iotaraa, qaHttaJ
murado, cacimba, roe U. 63 palmos de laasa. 10
Ue viu, aval ia li cm i.-Odi. e esla, i portas, 1
salas, 1 g^binete, 2 i|o*;u-, u<>uai*a
quintal maraito e cacimh.i, inede M
fundo e 30 l|2 de va., aviliada em 2:500.000.
eojos predios >ao eJifi:jl.tt um solo foreiro, a via
a praca por cxernrzo da fazenda proiaciaL cos-
tra Joaquim da Silva c...ia como tialcrse Ma-
noel Pedro Ev.inp.--ii 11 ; m-im como o it a. 4
da rna da Ponte-Velha, frepnezia da Boa fWtt.
com 31 palmos de fr.-nie, 69 de funaos, 2 salas,
3 quartos, cozinha fora, quintal murado e cactm
i>a, avaliada em 2:000?, a qual vai a praea por
execugao da fazenda cuntra Anna Catxliaa daa
Passos.
Recife, 1.* da dezembro de 1874.
0 soliciudor da f.zenla prafiaciat,
Joao Fiimioo Girreia de Araoja.
Em aditamentu ao edital : a casa a. 5 do bae-
co do Tambia, :, m 21 palmos de freaU a 54 da
fundo, 2 salas, 2 quartos, cozinba tore, qaiatal
murado e cacimba. era ma > estado, avaliada em
900 j, p< r execucac* da fazenda ran tra a irrnanda-.
de de N. S. da Concoicio de Bebariaa._________
Sociedade Recreativa
Ilarmonia.
De ordi-m do Illm. Sr. presid>ate, eo
Srs sceios a comparecerem no recialo desta sa-
ciedade, domingo 6 ao corrente, a- 3 horas da
tarle, afim de constituida a asseoueea geral pro-
ceder-se a eleicao dos nivos fun-cionarios para
o anno de 187o-
Recife, 2 da dezembro de 1871.
Almeida Costa,
________________________1.* Secrelario._______
A nobro a augi.sta casa .M.\ do Especial
Rilo Brasileiro, Curasao Li*ra Popular,
reunida em seus dou- poderet, per 'Miheraeao de
seu inn.. chef.-, abre as portas du re -oto da sear
de seus trabalhos, a rna d Livraio Mt u. 25, 3*
andar, a todos os associados do C Urasiteiro,
a comparecerem dimiigo 6 doc-rr-nle. pelas li
horis da manhi, afi.n de ^p prreav^ren do boitos
asustad res entre as familias rxiMeotes ao ira-
perio. Recife, 2 de dezembro de 187*.
0 sec.-, int.".
______________________i : M.-. S". M.".
AMSOcinrilu PortacuPM *e BearB
cencia dos rniprt'todo'i no (*n>m
mercio o indu^triu cm Pcrsaaaai-
buco.
_ Por or lem do Illm. Sr. presidente da directoru
?ao pelo presenle eouvidadi'S lodos oa Srs. asso-
ciados a compareceren na aaiaaoeial, t r.a-Ieira
8 do corrente, as II h->r>s da m.tulia, p-.ra eap
suas presencas mais abrilhaalaivai a respectiva
sessao magm, que tem de ser c-Ie; rada ao hadi
cido dia e b.>ra, para solemni^ar o 2* annivrsari i
da i n -11! I a,- ~. j desta tssocueia.
S.cretana da associa.ai Portti r\ z\ &-. Btwcfi-
aencia dos empregad > ao eo am e in ia.-lru
em Pernambuco, 3 dedei-intiro Is'i.
Jcse da Silt a aVdrsfSM,
______________________l. Mvreuri..
Veneravel i.-mandade do Scnh. r B m Jesus
das Poitas da igreja da Madrede I'cus.
De urdem da mesa regjJ ra. c arid a todos
os n'ssos irmajj p.ira sa reuoir.' n ao c ui-i-tr:
desta igreja, t-n;a feira 8 taearraajaii in
ras da manha, pira em mesa u> ra! e prjee
dor a eleicao como det-.nniaa o? I* art 12 d>
compromisso.
SeeMarsa 4 de dezembro d. .874.
0 .- -M ;ario.
________Alexandre Americo de CaMas Pad
Segunda-feira, 7 do earraata m>z, linda a
auili'.ncia do Exm. Sr deaaasbtrfa!
orphaos, vio a praca por atrssdi ni e peso
tempo dc 3 anuos. o prelio de r:n ar.J.r, situ
a rua da Impcr.itriz n 4i<5, a ratac ua I.8c0*t
annuaes, serviu lo de base para arremau^-A > dita
qiantia ; vai a praja a reque-im^Ho do e n-e-
uhor Atonio Henri jus II
Pela subdebgaci i d li her !i: l* aapraae^
did i no dia 2 do c>rrru!e um fcoi Je air
gordo, cas'.auho, baixo e inuito eucorpado queia
for seu dono, procurco na me-rua subdeiegaci.,
pagando as despez'is.
\
ADMINISTRACAO lOS O1RREI0S D-: Pfcl;-
NAMBUCO, 3 DE DEZEMURJ EE 1874
Agencia de Cuyambuca.
F. :o publico que funcciora d'ofB em diant a
agenci? do correio, reaia na e.-tacio de Cayari:-
buca (estrada de ferro do Recife a S "ruadl
sendo a re?pectiva mala exped.da diariam nt
correspondenci i recebida, como as iaajafe esta
c5es da mesma estrada.
0 adminislrador,
Aflbno do Rego --j ADMIMSIRACaO ll'b i.OHRbiO> OE fKHNAai-
BUCO, 1 DE DE7.P..BHO E 1874
Relacao da correspondenci* registrala (sen rifor)
recebida de dirersas prjcedenci'ts aft nta data.
e que nao tem sido en'iegue por iguorarse as
residencies dos destinUarios.
Antonio F-liciano lWrigues Sette, Av tine P -
reira da Cnnha, BeUnaioo a- Rego i.irros, Ber-
nardo Vieira de A" orim, Arnnni" Siladino, Fran-
risoo Deltlno da Silva, Jose Julio M-nd"*, Frneisc>
Ostavio Ramos, Felix Gomes Co'inor Pii-.
do ftego Barros Araujo, Guilneriiie Raymuado 4a
Costa Leite, J >e Jeronymo Monleiro. J. ao Canrn*
Per. ira dos S .ntos, Joaqoira Chaves Teixetra, 1
Josd Rodrigues Vieira, Joaquim Bez*rra da (.
Uendes, Luiz Jose' Pereira SintoVs, !. urenco Jos-
lini no de Uollanda e Sons. (3j. L^t.iIIo Machado
de Faria, Manuel Francisco de Oliveira, Mi seal
Domiiig 'S de Sanl' un.i, Manoel T >rqaato de A -
rau,) Saldanha, Marcolina Maria da Coaceicio,
Pedro Dar."io>a Vianoa, Franc ca Fclismini da Al-
buquerque Mello, Maria Amelia de Albjfnerqas
Mello.
0 ofli ;ial encarregado do registro,
____________Josi Can dido de Barrts.
pBi
DE COMPR-AS DO ARSiaAL
DE MARINHA
0 conselho no dia 5 do proximo mez de dezem-
bro, a vista de propostas reeebidss ate as II horas
da manhS, cootrat* sob as condic5es do estylo, o
forneoimento no trimestre ds Janeiro a mar n de
I875aaafra os roavios da armada o sstabeleeimen-
tos de marlaba, dos_ seguintes objectos :
Arrosdo ijiranhao, assucar nranco grosso, as-
swjar-branco reQnado, aiuardenti de 20 graos,' direito a sfJJH|
*w|0 f aueile does de Lisboa, atetria', arafnta, bolacba,'
ADUIMSTRA AU DOS l.ORREIOS Oft
BUCO. 2 DE DKZEMttilO OF. 1874
Provimeulo de dous logare? d pr urantes
Faco publico que ate o du 11 d > cor rente se
acha aberta nesta adin.nistra^ao, ria> 9 aural da
manha As 3 d* tarde, a iasc dos caudidatos a dous lugar- Je praticaiites.
0 exame tera lugar no dia li, ~> 10 lions da
raaaha, eeersaii sobre as septiinnw materias:
exercicios de e^ligrapbia e ortaograp ua, aritkaas-
,t'.:a el raei'iar. ciiuprehendendi. o l.-o do -ysteoa
jm-.trico e nuc6e- g^aes d.- i-ograpl.i
0 rnnheeJajpato da* tiaguas estrancoiias data

Oi pflendeelfs devKn a pre enlir ceniii'
I!
i"


'"--^
. J*->.II J
~
I
Diario de Penambuoo Sexta feira 4 de Dezembro de 1874.
IMttco de boa!aude, *e provar com certidlo nio
Mretn meoos de 18, nem mais de 30 annos de
idade.
Alfonso do Rego Barros,
Administrator.
THEATRO
DA
ENCRUZILHADA
ftoeledade Particular
RECREIO DRAMATICO.
SEGUNDA-FEIRA 7 DO CORRENTE
Primeiro anniveriiariu da iunugu-
racao da Recrelo.
Subira a sceua o magniQco drama em 5 actos :
Tares de Quintal, garante-se qne os fretes'.sao ba-
ratissimos; "
Para o Rio d* Janeiro
pretende seguir com malta brevidade o brigne
Isabel, tem parte de sea earreg aznente enf ajado :
para o resto qae lbe falta, trata-se com o sen eon-
ignatario Antonio LuU de Oliveira Azevedo, rua
do Bom Jesns n. 87.
LEILOES.
O igeate Ms*, eompettenwrts autorisado pe-
lo Mm. Sr. Or. Jnix especial do eommercio, levara
aovatneate a leilio, no dia e horn acinaa indicados,
aennoaeees, moveis, iasgw e aais ulensilios exis-
tences em o referido estabtleeimeolo.
Oman dado eontendo tcdos os eadarecfaMOtos
precmos aeba-se em poder no mesmo agente, onde
ode desde ja er ezaminado petes Srs. pretenden
tes. _____
LEILIO
novels, fln crystal, louca e k-
jectM dm clectre-pUte
0 lidalgos de Ponlalec.
E daii fim no espeetacalo a mnito espiritnosa
comedia, original brasileira :
Um defeito de familia
Principiari as 8 boras.
llavera trem depois do espeetacalo.
AVISO
Os Srs. socios podem desde hoje mandar bus-
car os seas bilbetes n > theatro das 6 as 8 horas
da noiie.
AVISOS MARITIMOS.
COHPANHU
MESSAGEMES HARITIMES.
I.lnhu mensal
Espera-se da Eoropa ate 7
do corrente, seguindo depois
da deraora do costume para
Baenos-Ayres, tocando na
Babia, Rio de Janeiro e Mon-
tevideo.
Rio Grande
a tra-
E* esperado dos por-
tos do sal no dia 10
do corrente, seguindo
depois da demora do
costnme para Bor-
deaux, tocando em
Dakar (Goree) e Lisbda.
Para fretes, encommendas e passageiros
tar com
OS AGENTES
Harismen(1 y A Labille.
9 Rua do Commercio 9
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
ftavegacao costelra a vapor.
P.RAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACA-
TY, CKAHA, ACARACVj' E AMARRAIJAO, NO
PIAUHY.
0 vapor Pirapama, comman-
dante Silva, seguira pars os
portos acima no dia 7 do
ccrrente, as> a trail da tarde.
Recebe carga ate o dia 6, en-
commendas, passageiros e di-
nheiro a frete ate as 2 horas da tarde do dia da
aahida : escriptono no Forte do Mattos n. 12.
Para o Aracaty segue com brevidade o hvat
nacional Uonilia da Cruz : para carga e pasza
fires, trata-se com Antonio Alberto de bosu
eSniar, a rua do Amorim n 60.________________
Seado : '
Hula dr visita
Um piano forte, uma rnobilia de jacaranda, com
1 sofa, I consolos com pedra, 1 cadeirss d bra-
cos e 12 de goarmcao, qnadros com Unas gravu-
rla, ancas e cortinados, Tenerianas, cadeiras de
balanco, 2 mesas de sofa, 2 ditas redondas, e estei-
ras forro das salas e quartos, 2 consolos de jaca-
randa ctm pedras.
Sala dc jantar
Uma mesa elastica, 1 goarda lonca, 1 apparador
de armario, 2 ditos-t^rneados, 1 gaarda comida
de arame, 2 cadeiras de balanco, i relogio, 12
de guarni;ao, 1 lapete de coco, 1 filtro, 1 appare-
Ibo de louca para jantar, 1 dito para cha, 1 dlto
para sobre mesa
duziasdecolhere*
Cm, garfosde metal.
garrafas, compoteiras, bandejas, toalbas de mesa e
guardanapos de llnho, am relogio, e t cabids pan
cbapeos.
Quartos
Uma cama franceza, nma dita de bronxe para
2 pessoa?, 1 dita de ferro parasolteiros, commodas
mesas redondas, mesas com gavetas, gaardas roa-
pas, espelhos, lavatorios, cabides, cadeiras, e qna-
dros.
Cosinha e dispensa
Mesas de pinbo, Oandres, notes, trem de cosinha
e ontros objectos.
A 1 HORA EM PONTO
Vender-se-ba tambem nm rico gnarda roupa
com espelho na porta do meio, 1 magniflco toilet
e 1 bom lavatorio com tampo de pedra, tudo de
mogoo massico e em optimo eslaio de conserva-
r-.ao.
Sexta-feira A de dezembro
FOR INfERVENCAO DO AGENTE PINTO
Na Passagens da Magdalena, casa junto a pon-
e grande, em que moravam os eropregados da ca-
sa commercial de Phipps Brothers & C*.
As 10 horas e 15 minntos partira da eslacao da
rua do Brum am bonds qne condnzira gratis os
concorrentes do leilio.
0 leilao principiara as 10 e meia ho
DE
JOIAS
No dia II de dezembro proximo, sefaraleiiao
por iotervencao do agente Marlins de todos os pe-
nbores consuntesdas eaatelas seguintei, visto ter-
e UAdo o praco das transaeoSes e seas donos nio
as reformarem.
A saber I
N. 1801. 1503, 1565, 1583, 1784, 1835, 1868,
1936, 2050, 2091, W9, 2192, 2254, 2256, 2282.
2342 M97, 2436. 2448, 2458, 248t. 2617. 2712,
2737, 2738, 2750, 2799, 2802, 2807, 2867, 2S71,
2896 2929, 2945, 2972, 2B87, 3007, 3023, 303i,
3037, 3045, 3060, 3065, 3076, 3093, 3096. 3110.
3149, 3151, 3174, 3175, 3185, 3190, 3193, 3194,
3195 3197, 3205, 3206, 3207, 3211, 3213, 3218,
tttO, 3223, 3227, 3234, 3235, 3242, 32f0, 3251,
3254 3260 3262, 3265, 3273, 3277, 3280, 3285,
3288, 3293, 3298, 3300, 3304, 3309, 3312, 3318,
3320 3321, 3326, 3327, 3334, 3339, 3341, 3354,
3358 3366, 3373, 3384, 3394, 3397, 3399, 3406,
3410 3415 3419, 3432, 3444, 3460, 3468, 3480,
""29, 2533, 3553,
travessa da rua
_ Doque de Caxias n. 2, audar, podendo di-
tas eaatelas serem reformadas, pagaodo o premio,
on resgatadas ate o batei do martello._________
AttenQao
Parents Vianna & C avisam ao publieo e ao
commercio qae o Sr. Jose Antonio da SiWa Gui
marie* nio e mais caixeiro da Anna Vianna 4
Goimariet, da qnal somos os liquidatarios.

AVISO PREVIDENTE
PARA 0
Natal-folia
Fugio
h
AVISO
load Antonio Domlngnes de Figueiredo, proprie-
tario da fabriea de cigarros do Becco Largo n. I,
n. 1 A e n. 2, a visa aos consnmidores de sens ci-
rrros, qne raodou soa offlcina de cigarros do n.
para o 1* andar do a. 1 e n. 1 A, por ter de
edtrar em obra o de n. 2. Paz este aviso para
alguem d5o jnlgar o contrario, e sens freguezes
nearera icientes de que so occapa as 2 lojas dos
aumeros acima, e o 1* andar do mesmo predio.
Da se 2:2004 a juros sob bypotbeca em nma
casa : na rua de Hortas n. 86_________________
Precisa-se de am caixeiro nacional ou es-
trangeiro, para taverna, ate idade de 18 annos : a
tratar na rua Direita n. 2. _____________
Moleque.
Precisase de um moleque para criado : no lar-
go da matrix de Santo'Antonio n. 2, primeiro an-
Ultimo
LEILAO
HOTBIi
Restaurant de Bordeaux
Saloes particulares jK9^|
Quartos mobiliados com gosto, assignaturas
mensaes a 351 : na rna Is de M*rco n. 7 A, 1*
andar.
Aluga-.se para passar a festa, uma casa em
Beberibe, Porto da Madeira, com mnitos commodos
para familia : a tratar na rua Duqne de Caxias
n. 88, loja.__________________________
Precisa se de uma ama para cozinhar : na
ravessa do Corpo Santo n. 25. _______
leilao
BAHIA
Segue com este destino, nestes quatro dias, o
palbabote Rosda, tomando para o refendo porto
a carga que Ihe apparecer, por isso quem quizer
aproveitar, pode dirigir se aos consignatarios Joa-
quim Jose Goncalves Beltrao 4 Filho, a rua do
Commercio n. o._____________________________
Companbia alliancu maririma
portnense
Empreza de navega^ao entre o Brasil e Pot
tugal
PARA 0 PORTO
Barca pcrtupueza Joven Adelaide, a sahir com a
maxima brevidade, recebe carga e passageiros : a
tratar com os seus consignatarios Jose da Silva
Loyo 4 Filho.______ _______________
No
DE
diversos moveis
armazem da rna do Impe
rador n. 4S
HOJE
SENDO:
Uma mobilia dejacarandi, com tampos de pe-
dra, cadeiras de amarello e de jacaranda, nsadas,
guarda vesti os, guarda louga, gaarda roupa, so-
fas, mesas redondas, estantes para livros, meias
commod; s, lavatorios, toilettes, camas francezas,
bancas para jogo, apparelhos de porcelana para
lavato-ios, eabides para roupa, mesas elasticas, e
outros muitos objectos qae serao vendidos ao cor-
rer do martello
pelo agente Marlins.
is 11 boras da manha
DOS
bens e dividas pertencentes a massa fallida de
Rostron Rook & C
SEGUNDA-FEIRA 7 DO CORRENTE
A's 11 horas da manha
Em a rua do Marqaez de Oliada n. 37, 1* andar.
0 agente Dias, levara pels ultima vez a leilao,
por mandado do Illm. Sr. Dr. Jait especial do com-
mercio, no dia e bora acima indicados, os bens e
dividas pertencentes a massa fallida de Rostr.n
Rook & C.
A saber :
Os direitos qae teem os d tos fallidos sobre os
dominios e posse nos terrenos de marinha sitos no
Caes do Ramos e aforados perpetuamente ao con-
selheiro Felippe Lopes Netto, terrenos avaliados
todos em 56:624600.
Os direitos que teem n'uma casa e sitio no lar
go da igreja da Torre, tendo a frente para o norte,
com 20f) palraos. e os fundes para o sul, com 800,
ficando entre o sitio do Sr. G^atier e a proprieda-
de da familia do barao do Rio Formoso, avaliada
por 3:000000.
E as dividas na importancia de 273:42788z.
0 mandado em o qnal 9e achara descriptos os
devedores com as respesiivas quantias e datas dos
vencimentos dus titulos, e todos ts mais esclareci-
mentos precisos, acha-se em poder do referido
agente, onde df sde ja pode ser examinado pelos
Srs. pretendentes; certos de que nesse leilio fica-
rao definitivamente venJidos os referidos bens, pe-
lo maior preco que se obtiver.
Precisa-se de nma ama for-
ra on escrava, que cotinhe
bem o diario de uma casa de
familia : a tratar na Capanga, rna das Pernamba-
canas, casa de sotea n. 19, on na rna do Hospicio
n. 25, pagase bem.______________________^^
AMA
Precise-se de uma
estreita do Rosario n. 36.
ama de leite :
Para comprar, cozinhar e traiar de
meninos, para casa de pequena fami-
a tratar na rna Nova n. 12.
Amas
lia
Ama
Precisa-se de uma ama para cozinhar em
casa de hemem solteiro : na rua Daque de Caxias
n. 29, armazem de moveis._____________^_^
Precisa-se de uma ama para cozinhar
e engommar para casa de uma familia
de duas pessoa : a tratar na rua de S. Joao n. 61.
aaBsgffg^:ffis^-tftics^aag^gaBg|gttiTr^ai'jH
Joaqniiu Alves da Silva.
A directoria do monte pio polo
toguezmanda rezar uma missa per-
eterno descanco do sea chorado
consocio Joaquim Alves da Silva, na
sexta feira, 4 do corrente, pelas
7 1)2 boras da manha, no convento
do Carmo..
Para esse acto de caridade, convida a todos os
socios, parentes e amigos do fallecido, para que se
dignem comparecer no local e hora acima desig-
nados.
0 1* secretano
A. da Maia Pessoa,
LEILAO
AVISOS DVERSOS
Libras eslerlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio n. 42.
Companbia pernamlmeana.
Porto do Aracaty.
A carga que de hoje em diante for embarcada
nosvapores da Companhia Pernambucana com
destino ao porto do Aracaty, sera entregue na ci
dade do mesmo nome, sendo transportada da bar-
ra, (onde os vapores costnmam fundear), em lan-
cbas de propriedade da mesma companhia, inde-
pendente de qualquer exigencia de pagamento
por este servi^o.
Da mesma forma sera transportada a carga
qne for embarcada no porto do Aracaty para
qnaesquer outros portos da escala.
Recife, 16 de novembro de 1874.
COMPWHIA BRASILEIRA
DE
NAVEGACAOAVAPOR
Portos do norte
Commandante tauadros Junior
E' esperado dos portos
do sal ate o dia % do
corrente e seguira para
os do norte depois da de-
mora do costume.
Portos do sal
Conde d'Eu, fretado
E" esperado dos portos do norte
ate o dia 10 do corrente e se-
guira para os do snl, depois
da demora do costume.
Para carga, encommendas, valorese passagens,
> rata-se no escriptono
7-RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C.
AGENTES
DE
diversos bens eomo abaixo se mencionam, perten
centej a massa fallida de Joaquim da"Silva Costa
SABBADp 5 DO CORRENTE
as 11 boras
Em o 2. andar do sobrado da rua Duque de Ca-
xias n. 35.
0 agente Dias, corape'.entemente autorisado pelo
Illm. Sr. Dr. juz especial do commercio, levara a
leilao no dia e hora acima indicados, pertencentes
a massa fallida de Joaquim da Silva Costa, o se-
gninte: ,
Uma arraacao de lonro forrada de amarello,
parte envidracada, balcao com tampo de pedra e 22
barricas va;ias, a qual existe em o estabelecimen-
tu da rua Duque de Caxias n. 40, que pertenceu
ao fallido.
Um terreno no Varadouro, confronte ao gazo-
metro, tendo cerca de 410 palmos de frente, dei
tando os fundos para o mosteiro de S. Bento, solo
foreiro ao referido convento, eontendo algumas
meias aguas, tendo a frente e fundos murados.
Os solos das pequenas casas sitas no pateD do
Paraizo, a direita da igreja do mesmo nome, sob
ns. 33, 39, 41, 45 e 17.
Um relogio de prata, 1 pulseira de onro, 1 alfi-
nete e diversas ontras joias.
Moveis.
Um piano em mao estado, 1 par de consolos, 3
9ofas de jacaranda, 2 cadeiras de braco9, 2 ditas
de balanco, 12 ditas de guarnicao, 1 commoda de
angico, 1 bidet de mogoo, 1 par de vasos, 9 ca-
deiras de amarello, 1 goarda louca, etc., etc.
0 mandado acha-se em poder do referido agen-
te, onde pode desde ja ser examinado pelos Srs.
pretendentes.
LEILAO
Do sitio do $algadinho n. .
com boa casa de moradia.
SAB-UDO 5 DO CORRENTE
Ao meio dia.
O agente Pinto levara a leilao, a requerimento de
D. Alexandrina Maria do Sacramennto Pereira, in*
ventariante dos bens deixados por sea marido, e
por despacbe do Illm. Sr. Dr. juia da 1* vara do ci-
vel, o sitio do Salgadinbo n. o, o qual sera vendi-
dopara pagamento d)s credures,.ao meio dia do
dia acima dito, no escriptono do referido agente,
na rua de Bom Jesus n. 43.
0 abaixo assignado pede a todos os seas de
vedores que nao paguem mais suas contas ao sea
excaixeiro Jose Alves da Silva, porquanto o des-
pedio de sna casa por nao se porlar bem, e por
ter extraviado a quantia de 3:454*000 em meoos
de tre annos, de enja quantia passou lettras ape-
nas de 5:000* ; e como consta ao abaixo assig-
nado que dito sea ex caixeiro conlintla a rece-
ber contas sem sua antorisacao, apressa se em
declarar que desta data em diante nenhum valor
tera qualquer recibo por elle passado.
Recife, 2 de dezembro de 1874.
Jose Carneiro de Cunha.
Fugio do engenho Brejo, freguezia de Naza-
reth da Malta, a 7 do setembro de 1871, o es-
cravo por nome Joaquim, tendo os signaes se-
guintes : mulato alaranjado de cabellos caxiados,
feigSes estiradas, tendo falta de am dente na fren-
te, o andar cangueiro, pes seccos, as maos e
bracos compridos. falla gro9sa, olhos pardos, e e
quebrado. Rogvse as autoridades polieiaes e ca-
pitaes de campo a apprehensao do mesmo e leva-
lo ao dito engenho, que se gratifieara com a quan-
tia de 100/.
Engenho Brejo, 24 de novembro de 1874
Hotel de
Alaga-ae este vasto e magniflco es
tabeleclmento a rua do Com-
mercio n. 19.
Este antigo e bem conhecido HOTEL, que fe-
chou se por causa do falleciraento do Sr. Eduardo
Tonrpin, acha-se provido de todos os pertengas e
ornamentos correspondentes a fama de que sem-
pre gozoa, e estando situado no lugar mais ap-
parente e agradavel do Recife como e o do bou-
levard, defronte do desembarque de passageiros,
os interessados nao aebarfo occasiao mais pro-
picia para eslabelecer se com um HOTEL bem
montado, era bom local e ja acreditado.
Para tratar, airigir-se ao escriptorio de Pereira
Carneiro, a mesma roa do Commercio n.G.______
D. Rita de Cassia.Rodrig-ues Sette
Ferreira>
^J-> Francisco Ignacio Fer-
reira, Antonio Carlos Fer-
reira Sette, Cuilherme Au-
gusto Ferreira Sette, Maria
Rita Ferreira Sette, Gui-
lherme Augusto Rodngues
Sette e D. Bernardina de Mello Rodrigues Sette
(ambos ausentes), e Dr. Jose Soares de Azevedo,
esposo, filhos, pais e avo de D. Rita de Cassia Ro-
drigues Sette Ferreira, agradecem a todos os seus
amigos e parentes a homeoagera que se dignaram
tribotar a illustre finada, no acto de suas exequias
(domingo 29 do passado), no convento de S. Fran-
cisco, e de novo supplicant a todos os sens ami-
gos, parentes e contiecidos, o piedoso obsequio de
assistirem as missas que por alma da mesma fina-
da devem celebrar-se na referida igreja, sexta-
feira 4 do corrente, pelas 7 horas da manha, oc-
casiao que aproveltam tambem para manifest a-
rem pessoalmente a sua gratidao a todos aquelles
que em tao triste circumstancia se teem dignado
distingui-los. ________
0 major Bellarmino do Rego Bar
ros e o cpnselheiro JoSo Alfredo
Correa de Oliveira, pedem aos seus
amigos e aos amigos de sen presa-
dissirao pai e sogro Barao de Goy-
anna, o caridoso obsquio de ouvi-
rem a missa que ha da ser resada
na igreja de S. Francisco, 35 8 horas da manha, do
dia 5, por alma do mesmo barao, fallecido no dia
29 do mez passado.
Aluga-se
o segundo andar e armazem da rua de Pedro
Affonso n. 59, o sobrado de um andar e sotao da
rua do Hospicio d. 65, e o andar e armazem do
sobrado da rua do Bom Jesus n. 63 : a tratar na
rua do Vigario n. 31.___________________^__
Da festa todos desejam
Ver o dia retplendente,
Dia qae nos leva a mente
Do infinito as alturas :
Onde os anirs o amor beijam
E a caridade festejam.
Team as almas sepultoras .
Nat estrellas que flammejam I
E nesse dia em que tem
Do jnbilo rasgar o seio,
Saindo Ihe bem do meio
A cratera da alegria :
E' preciso que os amantes
Da para |astronomfa,
Venham ja e quanto antes
Do Campos ao armxzera.
Porque so assim lerio
A sctencia do prazer :
Comer bem, melhor beber
Sem receio da maldade
Nem da vil guperstijao,
Qne jamais conseguirao
Supplantsr a liberdade
Not carceres dainqaisicio I
Rna do Imperado.' n. 28
Do prazer viva o requmte
Alegre como o trovao,
E da mesa a descriprao
Reparem : e a stguinte :
Mesa giganta. .
Presnntos, flambres, paios, choaricas.salehicbas
e linguicas ; lombos de percos e de carneiros ,
aves em conservas, pe ixes e loncinho ; camaroes,,
ostras, lagostas e coeibos com hervilbas; conservas
legumes e champignons ; qaeijos flsmengos, pra-
tos e lon4rinos ; doces em calda e de goiaba ;
fructas em conservas, passas,'amendoas, notes e
ameixas ; aletria, lalbarim e macarrao ; ararnU,
topioca e cincoenta qualidades de massas finas e
nutrientes ; cha, mate, cafe e chocolate francez,
hespanhol, portuguez e nacional ; bolachinhas,
---------1 bolinhos e confeitos, manteiga ingleta e franceza;
na rua banha, arroz, batatas, cebollas, albos, cominhos,
I pimenta, mostarda e molho inglez ; cervejas, ci-
dra, champagne, cognac, genebra, hesparedina,
bitters, licores e aguardente de canna ; vinhos
de Lisboa, Figueira, Carcavellos, Collares. Bair-
' rada, Bastos, Porto, Borgonha e Roideanx ; ci-
garros, charutos e uma grande (giganta ? ) quan-
tidade de victualhas raras e excitantes, nao fal-
I lando nas especialidades dos preparados francezes,
! allemaes, inglezes, turcos, chinezes, hollandezes,
tialianos, prussianos, hamburgnezes e america-
nos t
A16m do que:
Encontra-se am immenso deposito de noida-
des, como sejam : velas turadas, (?) torcidas (I) e
de ecores, bilhas, quartinhas, e outros mui-
tos objectos de grandes phantasias ; assim como o
maravilhoso oleo de mmamona preparado expres-
samante para corobatera gigantomania e appla-
car o systema nervoso 1. Ver para cier.
Distracqoes:
i Os amantes das palestras e boa pinga, encon-
trarao no fundo do estabelecimento, alem de mui-
I to fresco e agua fria, bancos macios e mesas as
' seiadas, des'.inadas ao servtc.0 dos lunebs, que os
1 mesmos amantes poderSo saborearcm ao som ma-
vioso de uma elegante musica eomposta dos me.
lhores cantores americanos e q.e sSo coadjuvados
| por uma bicharia domestica e interessante.
Moralidade dacousa.
E' immenso o sortimento
E se vende pelo ensto,
Pelo que e muito justo
So ao Campos comprar ;
Visto qae e um portento
Dos generos o paladar I
m-mm=mmm-m-m
Aos Srs fumantes 2
do engenho Jaboatao, freguezia de Santo Amaro dc
Jaboaiao, ne dia 17 do corrente max (aovembro) o
escravo africano, Juliio, com os tigaaes segnin-
tes : 60 annos, poneo mais ou meaos, tem alguns
cabellos brancos, baiio, teceo do corpo, pemaa
finas, dedos compridos e seccos, meio ralo, cabeea
comprida, testa grande, nariz meio afilado, denies
alvos, tem as >nla de a levoa camisa de ehiu roxa, calc* parda, casus*
de atulio ; seguio a direccao do Recife, onde t%
julga etlar : a pessoa qae o apprebender, podera
leva lo ao referido engenho, on a rna Direita n. 10,
1* andar, qae sera generosamente recompnda.
w
%
Furao desfiado de diversns quali-
dades.
Novo-Copora'.
Olho de Passaro.
Fior do Brasil.
Verdaleiro Rio novo.
Verdadeiro fumo de Goyaz
em pacoles e latas de 2, 4 e 8 oncas,
sem composicao alguma nociva ao fu-
mador, manufacturado, e a venda na
fabriea a vapor, na antiga rua do
Quartel de policia n. 21.
m
m
\k
Precisa-se de nm caixeiro com pratica de
molhados, de idado de 16 a lo annos : a tratar no
Forte do Lima, em Sanio Amaro das Salinas.
Aluga-se
para escriptorio, o primeiro andar e para mora-
dia o segundo dito : na rua do Marquez de Olia-
da n. 4.
Pacific Steam Navigation Companj
ROYAL MAIL STEAMER
Espera-se da Euro-
pa ate o dia 6 do cor-
rente, e depois da de-
mora do costume, se
guira para Babia, Rio
' de Janeiro, Montevi-
deo, Baenos-Ayres, Valparaiso. Arica, Islay e
Callao, para onde recebera passageiros, encom-
mendas dinheiro a frete.
Nao sabira antes das tres horas da tarde do dia
de sua chegaaa.
OS AGENTES
Wilson Howe A C
14ru\ 00 COMMERCIO'A
IMS
DE
chape^os de diversas qualidades e de 158
. duzias de courinhos para forro
QUARTA-FEIRA 9 DO CORRENTE
A's 11 horas da manha
Em o armazem da rua do Commercio n. 48.
0 agente Dias, competentemenle antorisado, le-
vara a leilao, no dia e hora aeimi indicados, o
sortimento de chapeos que abaixo se meecionam,
os quaes sao vendidos para .liqnidar contas.
702 cbapeos do Chile.
425 ditos de baela.
27 ditos de pello de seda.
27 dozias de chapeos spartirie diversos.
18 ditas ne ditos de sol.
4 ditas de ditos de s.-l, eabo de marfim, Paragon
158 duzias de courinhos para forro.
0 referido agente convida aos Srs. logistas a
qae comparecam ao referido leilio, certos de que
se lhes promette vender barato.
E' com a policia.
Chamamos a altencao da policio para uma ca-
sa sita a rua Imperial, que e habiuda por ma-
Iheres que pelos seus mao9 comportamentos e
vidas desregradas 'atordoam com coastan-
tes lupanares e act03 indecorosos toda a visi-
nbanca honesta, a ponto de ja por diversos dis
turbios que sSo cootinuos alii ter sido necessa-
rio o comparecimento da policia.
Pedimos pois energicas providencias a autori-
dade competente aflm de fazer desapparecer dalli,
tao depravadas malheres.
Recife, 4 de dezembro de 1874.
0 observador desses actos.
Custodio Jose d.i Oliveira participa ao com
mercio que tem justo vender sua taverna sita a
rua Imperial n. 94, livre e desembaracada, e se
alguem se julgar com direito a mesma, apresen-
te-se no prazo de tres dias da data des'.e.
Recife, 3 de dezembro de 1874.
Aluga-se uma escrava para vender na rua
a tratar na rna do Cabuga n. 3, 2 andar.
Aluga-se
Acha-se a car-a para Macao e Mnssor6, o
bem conhecido hiatoJVorn Esperan;a, quem nelle
qnimr carreg r, cirija se ao escriptorio
a Madre de Deus n. 2 : a
na rua
tratar' com JoSo Al-
?jj>vo leilao
DAS
armac^des, moveis, drogas e mais utensilios
existentes em a botica denominada Popu-
lar, sita em a rua da Imperatriz n. 71,
pertencentes a massa fallida de Goncalves
Fialho & C
{Jm- \ feir, 10 ae dezembro
A'S 11 HORAS DA MANHA.
nma casa nos Afogados, rua do Metocolombo n.
18, eontendo duas salas, 4 quartos, cozinha fora
e quarto para. criados, grande quintal, com ca-
cimba de agua de beber: a tratar no Recife, &
rna do Atalho n. 13, Boa-Vista.
Villa de Falmares
Na padaria denominada Maurty, sita na prata
deste nome, casa de azulejo n. 2, desta villa, esta-',
belecimento de Francisco SeraOco de Assis Vas-
concellos, fabriea se com a maior perfeicao, lim-
peza e barateza, pio, bolaeha e tudo quanto se
pode obter da farinha de trigo. 0 ancunciante
proteate servir com esmero e agrado a todos quan-
tos quizerem honrar teu e3tabeleciment > e se cons-
lituirem freguezes e consumidores._____________
^5 Aluga-se o 2 andar da rua _de Thome de
Souza n. 3 : a tratar em o 1 andar.____________
Aluga-se
o armazem da rua do Burgo< n. II, o 1 andar do
mesmo sobrado, assim como um quarto da rua da
Senzala-Vtlha (becco tapado) e uma outra casa
na travtssa do Moateiro, era Santo Antonio, u 2 :
a trata- na rua da Praia n. 20, com Jose Feliciano
Nazareth.___________________________________
Nes'a typographia precisa so de um menino
de li a 16 annos para aprender a botar papel na
machina._______________^_____________
O Monte Lima
tem am complete sortimento de galao e franja de
ouro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoaduras douradas para offlciaes, canntiihos e
enfeites para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, cbarlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assim como am complete sortimento ds
cordSo de li
Victor- Augusto Nepomuceno afina piano'
concerta e lecciona musica : pode ser procura-
do na rna da Pome- Vel ha n. 28, Boa-Vista.
ft. Furtarara ao amanbecer do 1 de dezembro,
2 cavallos, sendo am rosso suio, inteiro, de bom
tamanho, andador de baixo ate meio, idade de 8
annos, alem de mais ferrot tem do lado esqaer-
do, na pa e quarto, este ferro 4, a crina delta
para o lado dirtito e esta ripada. Outro rodado,
talhado inteiro, andador baixo, com o mesmo
ferro do primeiro e do mesmo lado esquerdo, sen-
do no quarto e na pa 4, pesado de sipo, idade 10
annos poneo mais on menos. Da-se 1001 de gratifi-
cacao, na Varzea, Lanriann Rodrignes Baracbo.

* r
ffl
3.-1
ll.S-3
J a
SfS
ill?
o u
= a3
a o a
p a
Sw|
-2
r
3 a
.B 2.
3^
> C6 *
511

aVi P aH
Hot
:l6i

a < a.
"13
E .
8 St
5

a 9 m
II
s I
IS
If
o =
B.
OQ
nrn
1 s* ^
r v

1.C
IX
Vicente fugio
Na noite de 13 para 14 de mar-> do correoie
anno, fugio o muUto Vicente e-cr*v.', de 20 a
22 annos de idade, booita figura, baibae estatora
regubr, levando vestidu e em um .-acco |ronpa de
algodao branca e algnma Tina |><-rtencente a am.
caixeiro da ca*i d'onde hfto, e natural da fre-,
guezia de Sanl'Anna de Malt->s diz ser livrr. cria-
do em companhia da madrinha D. Aona Luisa da
Luz de quem alii* lot escravo : roga *e, portan-
lo, aos i>rs. rarities de campo e aumndades po-
lieiaes a apprehensao do dito Straws e en'rega-
lo na cidade do Kecife, rua do Crcspo n 10, ao
Sr. Joaquim M<:rcira Reis, cu na cidade w A-a
ao Sr. 1urato Augusto de Oliveira Baptista
que serao genero^aroente recompensad< s.
Engommadeira.
Precisa-se de uma engommadeira para engom-
mar para duas pessoas : a rua do Vigario n. I, das 9 horas is 4 da tarde. on
no segundo sitio, depois da actaeio do thac-n.
Nao ha mais cabelos
brancos.
Tintura japon SA e unirn app-rada pelas a ademia; de
sciencias, reconhei ida superior a toda qae
tem sppareeMo ale hoje. Deposito princi-
pal & rua da CadCM do Recife, hoje Mar-
quez de Olitida n. 51, 1* ?ndar, e em todaj
as boticas e casas dc cabelleireiros.________
Grande descoberla
Curativo das molestias do
peito pelo
Xarope sle sulphst i do *!
a. ui:n\ET
Este imporiante mediccinento qu-; acaba de st
reconhecidd pelos dif.inctos Drs Zaltoni e Pans-
ehewaa eomo um verdadeiro aspa-ifeo ci.ntra .
phtysiea, se?'iado provaram no* g':.!),1es nume-
rosde casos por elles experimenta lu. MM se fi
na se^So da academia de Paris de 24 de roa-;
do corrente anno, encontra-s-- unicamcnt no
Deposito da i harmacia o dropria
de
Ilartholnmea A C.
34 Rua larpa do Rosario N. 3i
NURT1MENT0
H E DICIN A
Preparado poi
- Lanman & Kemd
para thi si 9ca
toda a qualidade
de doencas, quer
sejana garganta,
peito ou bofes.
Expressamente
escolhidodosme-
lhoresfigadosdos
quaes se extrabe
o oleo no banco
da Terra Nove
purificadochimi-
calrnente, e suas
valuaveis propri-
edades conserva-
das com todo c
cuidado, emtodc
o frasco se garan-
teperfeitamen-
te puro.
Este oleo ten: I
sido submettido
aumexamemui-
to severo pelo ;
chimico de mail'
talento, do go-1
verno hespanhol;
em Cuba e foi:
pronunciado por
elle a conter
MAIOR PORCAO D'lODINA
do que outro qualquer oleo, que elle tern
examinado
IODINO E UM PODER SALVADOR.
Aluga-so i -.:.?. ;i ru.i dos Guarar.ii"
n. 12, com giauJo q.ii:.:..i e p rti > |i;e ent:a
roca, pela rua di Bjriij do Triunp'.i I.;.t
Brum, tendo o dito armazem 80 palmos >U- iuci i
e 28 de largo, 3 portal d- frente, e tun um ?oli
corrido e:'.i todo o armazem e reparlilo : a trat,.r
n.i rua da SaulaCiuz n I, ou na inmi rua, jut-
to a t'verna, amAs esta a cbave para quem qu -
zer v.r._______________________________
Banhos solgados
' Aluga se uma boa casa na Boa tssfssn, a re 4
da Aurora, c in caciu.ba e pert > do? banhos, pel ?
tres meres da festa : a tratar na ptiarnsejl f I
res, a rua de Varcili> Dias n. l-'l asti go pat
Terco. _______
No sitio di Soledada n. :T. | n c:.-a >e
b-m feitir.
de u
Lino I'erreira da Sdvs
tem taas rarta; na rna do Vigario u 7
andar.
f.ii:i;:ii
Pillulas Catharticas
de Ay er.
Pant todoaoa etrmtom
um rwmedio
ranjas, galio falso para ornamento, coraao ae n | fiMjrt a? hacjilhiin a na
borla para qnadros e espelhos (conformeo mao, e
com
Mto da encommenda) tudo por muito menos quelle no qual cont^m a maior porcAo dests pUumu^m,
" ter parte: na praca da invaluavel propriedade, & o unico meio pars kkmjJm >
[~recp que em outra qualque
ndependencia n. 17, junto a loja do Sr. Arantes.
Para evilar duvidas.
0 abaixo assignado previne ao respeitasel pu-
blieo e a quem direito tenha, qne a divida do abai-
xo assignado, perteucente a. massa fallida de
Jose Bernardo da Matta, nio esta exacta, porque
tem demais 20)410, previne em tempo, para evi-
tar duvidas.
Recife, 2 de dezembro de 1874.
, Manoel Joaquim Dias.
Nio ha MganaMota, OT%
rrmedio tun ani i in hni-.
procurado como um ctha -
tico ou pureanf, e neofauia
outro tem arao tao undo tra
todos os paizes e por todas as classes, como eatas PILL t -
LAS, snaves mas efficazes. A razsVo t eridente, fomu a
um remedio muito mais certo e afficaz qu nenhum outro
Aquelles que os teem eusaiado sabem qae se teem curar -
pelo sen uso, os qne nao os ensaiarao sabem qne sens amif '
e Tisinhos se teem enrado, e todo* conhecem que o resnrU' o
tirado nma ver. se tirari todas as rexes, e qne as FILL I -
IiA.8 nunca falhao por consequencia de erro on neftigenc a
na sna composicao.
Temos milhares sobre milhares de certificados referaaln i f
distinctas curas qne hao effectnado estas pillulas, aas stole -
tias qne em segnida mencionamos, porem sendo taes eon
conhecidas em toda a parte aonde teem peoetrado, des nace -
aario e publica 1-os aqni. Adaptadas a todas as idadas e a
todas as eondicoes, em todas as climas, nao eontendo ealoa -
elano nem ontra qualquer droga deleteria, eUas pada J e
tomadas por qualquer pessoa com toda segnranca. Sa. a
cspa d'assucar as conser\-a sempre frescas. e as taraanati-
sasao paUadar, sendo tambem pnramante dem resultor effeitos prejudiciaes se por acaso foremlaan m
em qoze deamasiada. 0 papel qne aarve de coaerta par*
aada vidro leTa direccoes minuciosas com ralacao as aaawi -
tes molestias one as rm.xn.AM catmamticam rar -
damente oario. Para a 1
__ restableoer anas ftmccaoi saudareis.
Para as JPamcas 4a #* e an
luqwou MiHmt, Ifr Oalsaa, XtttHelm, Oa -
e* Billo, rtbrrm BtNaaae, deram se toaaar tamb* a
moderadamente em cado caao, para ooaf;ei a accto rlcia< a
ou remoTar o obstaculos qne a cauaao.
Para a ItytnUrim on Dimrrhtm, 4 |
nma dose paqneca. c
Para lansislliwi, Osrla, Arrtimi, ,
ComcZo, mmm nma IBsarf a aaaaaa, aa
tomadas onrainaadamanta, aaf altarar a accao das icp
disreguladoa, da aorta qne a nsalsatia iiMfarSBa ____
Para aSTy** eJn '" '
AiiDca.
Aluga-se o bom armaseio e primeiro andar do
predio site a rna de Vigario Tennrio n 16, por
6re(o rasoavel : a tratar na rua do Marquez de
linda n. 57.
S Jose Alves da Silva, deixou de ser caixeiro
Sr. Jose Carneiro da Cunha, por motivos jus-
Recife, 2 de dezembro de 1874.
_______________Jose Alves da Silva.
Vicente Ferreira & Irmao retiram-se para Eu-
ropa, e durante sua aoseneia deixam encarregado
de sens negcio-< os ?*. Vinjnt Victor e Carmo
. Victor, o.i mesincs fii-iui auiuhsado* para usar de
sua firma para lodoe qualquer negocio.
curar todas as doencas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Phtysiea, bronchistes, asthma, catharrho,
tosse, resfriamentos, etc.
Uns poucos frascos d& carnes ao muito
magro que seja, clarea a vista, e di vigor
a todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
nhecido na medicina ou sciencia, di tanto
nutimentO aOSVStema e inCOmmodando quast j toma-1-as treanaatatnenta a emaoroSes
* I WmtAwtmtm M aaaaErA A* nm naiaawHM aftVaaM
nada o estomago.
As pessoas cuja organisagio tem sido des
truida pelas affecc^es das
ESCROFTJLAS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas, cuja digestao se acha com
pletamente desarranjada, devem tomar
OOLEO DEFTGADO DE BACALHAO
Dfi
LANMAN & KEMP
prodntir o afcitc. da um porcatfre draatico. Caf.yg!.
*> para o lanaaron oaadda, tssaa-aa aaaa m
promoTer a irltaanlii a ajadar <
adas da Tea a
daTebneata.
Qualquer qae as aoha .-
on duas d'eetas pUluJas sa achara, multaa vaa^iWJiaia-
MBta mllflor, por ratio que eDas paroaeaai a reetaorio
sppareUw djgwtivo.
I
mrii"" ros
J. O. Ayt Cav, Lowell,
E.U.



I


r

:'

I
Estarftes
Recife......
Una do Sol. .. .
Rua Formosa. .
Oflicinaa ....
Soledade ....
Caminho Novo .
Manguinho.. .
S. Jese .....
Torre......
Ponte d'Uchoa. .
Jaqueira ....
Parnameirim .
Saul'Anna. ...
Casa Forte .
Caldeireiro .
Monteiro.....
Porta d'Agua .
Apipucos ....
Dons Irmios .
Pedra Molle. .
Caxanga
EstarGes
Caxanga. .
Psdra Molle .
Dons Irmios. .
Apipucos. .
Porta d'Agaa. .
Monteiro. .
Caldereiro.. .
Casa Forte. .
Sant'Anna.. .
Parnameirim. .
Jaqueira. .
Ponte d'Uchda..
Torre......
S. Jose ....
Mangninho. .
Caminho Noto.
Soledade. v .
Offlcinas. .
Rua Formosa. .
Rua do Sol .
Recife.....
wi > iy.i
T

Oiario de Pernambuoo Sexta feira 4 de Dezembro de 1874.
Estrada de ferro do Recife a Caxanga.
Do dia 7 de dezembro tie 1874 em diante a partida dos trens sera regulada pela tebella segumte:
]LI\II V PRINCIPAL
DIAS ITEIS
nha
6.10
6.14
6.16
6.19
6.21
6.23
6.W
6 J7
6.30
6.33
6.36
6.38
6.41
6.44
6.46
6.50
6.54
6.57
7.02
7.04
7.10
6.23
6.27
6.48
7.10
7.14
7.16
7.19
7.21
7.23
7.25
7.27
7.30
7.33
7.36
7.38
7.41
7.44
7.46
7.50
7.50
7.5V
7.56 8
7.58 "
8.00
8.02
8.05
8.25
8.29
8.33
8.38
8.40
8.45
8.42
9.30
9.34
9.36
9.38
9.40
9.42
9.44
9.46
9.48
9.50
9.53
9.55
9.58
10.00
40.02
10.05
12.0
If
5 8
82
3
a.
a
1.20
Tarde
2.13
2.19
t.22
2.24
2.27
2.30
2.32
2.35
2.37
2.40
t.42
2.45
2.47
2.5(
2.52
2.55
2.30
2.34
2.40
3.00
3.04
3.10
3.13
3.16
3 20
15 4.15
4.19
4.22
4.24
4.27
4 30
4.32
4.35
4.37
4.40
4.42
4.45
4.47
4.50
4.52
4.55
4.30
4.34
4.40
4.00
55 5.15
5913.19
5.22
I
5.00
5'.6i
5*.io
5.15
5 24
5.27
5.30
5.32
5.35
5.37
5.40
5.42
5.45
5.47
5.50
5.52
5.55
6.00
6.03
6.08
6.10
6.15
40
43
45
.47
.50
.52
,54
,57
6.15
6.19
6.22
6.24
6.27
6.30
6.32
6.35
6.37
6.40
6.42
6.45
6.47
6.50
6.52
6.55
6.30 7.00
6.34 7.05
7.07
7.10
7.13
7.15
6.40 7.16
7.20
7.23
7.26
7.29
7.32
7.36
7.39
7.42
7.00 7.45
7.02
7.05
7.08
7.11
7.15
8.15
8.20
8.22
8.25
8.28
8.30
8.3!
8.35
8.37
8.39
8.41
8.43
8.47
8.49
8.52
8.55
9.00
9.03
9.07
9.10
9.15
9.00
9.05
9.07
9.10
9.13
9.15
9.17
9.40
10.
10.
10,
10
10
10
10
10
10
10
10
10
10
10
10
10
10
10
10
10
It
DUMINGOS E DIAS SA.YH11CAIKJS
Estates
II a ii In*

00 Rife ....
03 Rm do Sol. .
07 Raa Formosa .
10 Offlcinas.....
13 Soledade.. .
IS Caminho Noto
Manguinho.. .
S. Joie. .
Torre ....
Ponte d'Uchda.
Jaqueira .
Parnameirim .
Sant'Anna .
Casa Forte .
Caldeireiro .
Monteiro. .
Porta d'Agua.
Apipucos. .
Dous Irmios. .
Pedra Molle .
Caxaoga.. .
)8
!0
23
26
29
32
.36
.39
.42
.45
.48
.50
.54
.56
.00



6.00
.05
6.08
6.10
6.12
6.15
6.17
6.20
6.23
6.26
6.28
6.31
6.34
6.37
6.40
6.45
6.47
6.50
6.54
6.59
7.05
7.00 8.00
7.05 8.05
7.08
7.10
7.12
7.15
7.17
7.42
7.47
7.50
7 54
7.59
8.05
8.08
8.10
8.12
8.15
8.17
8.SO
8.23
8.26
8.28
8.3!
8.40
8.45
8.47
8.50
8.54
8.59
9.05
9 00
9.05
908
9.10
9.12
9.15
9.16
9.20
9.23
9.26
9.28
9.31
9.34
9.37
9.40
9.43
9.47
9 50
9.34
9.59
10.05
9.03
9.09
9! 12
9.17
9.40
Tur.le
1.00
1.05
1 08
1.10
1.12
1.14
1.17
1.20
1.23
1.26
1.28
1.31
1.34
1.37
1.40
1.43
1.47
1.50
1.54
1.59
2.05
1.18
1.40
2.00
2.05
2.08
2.10
2.12
2.15
2.17
2.2(1
2.23
2.26
2 28
2.31
2.34
2.37
2.40
2.43
2.47
2.50
2.54
2.59
3.05
'is
3.43
4.00-5.
4.05 5.
4.(8 5.
4.10 5
4.12
4.15
4.17
4.20
4.23
4.26
4.28
4.31
4.34
4.37
4.40
4.43
4.47
4.50
4.54
4.59
5.(5
00
OS
08
10
12
14
17
M
ii
:G
?8
:jo
M
37
40
43
47
JO
,54
.59
.05
5.05
5 09
5.18
5.40
6.00
6 05
6.08
6.10
6.12
6 15
6.17
6.20
6.23
6 26
6.28
6.31
6.36
6.37
6.40
6.43
6.47
6.50
6.54
6 59
7.05
7.00
7.05
7.(8
7.10
7.11
7.15
7.17
7.20
7.23
7.26
7.28
7.31
7.34
7.37
7.40
7.43
7.47
7.50
7.54
7.59
8.05
8.00
8.05
8.08
8.10
8. IS
S.I4
8.17
8.20
8.23
8.16
8.28|
8.31
8.*4i
8 37
8.40
8 43r
8.47
8.50
8.54
8.59
9.05
8.05
8.01'
8.12
8.18
8.40
9.(0
9.05
9.08
9.10
9.12
9.15
9.17
9.20
9.23
9.26
t 28
9.31
.34
9.37
9.40
9.43
9.47
9.30
9.54
9.59
10.05
10.(13
10.05
10.08
10.19
10.12
10.15
10.17
10.10
10.23
10.'. 6
10.'.8
I0.M
io.:4
10.:7
10."
10.1.3
io.':
10.0
10..*
10.:
ll.'O
DIAS UTEIS
Manila
5.45
5.50
5.52
5.57
6.00
6.05
6.08
6.10
6.13
6.16
6.18
6.21
6.24
6.27
6.29
6.32
6.34
6.37
6.39
6.41
6.45
6.45
6.50
6.52
6.57
7.00
7.05
7.08
7.10
7.13
7.16
7.18
7.21
7.24
7.27
7.29
7.32
7.34
7.37
7.39
7.41
7.45
7.15
8.05
8.07
8.09
8.11
8.13
8 15
8.17
8.20
8.05
8.08
8.10
8.13
8.16
8.18
8.21
8.24
8.27
8.29
8.31
8.33
8.35
8.38
8.41
8.45
8.10
8.14
8i20
8*.25
8.43
8.49
8!52
8.55
9.10
9.14
9.16
9.20
9.22
9.25
9.28
9.30
9.32
9.35
9.37
9 40
9.43
9.45
9.47
9.49
9.51
9.53
9.55
9.57
10.0
Tarde
10.15
10.19
10.22
10.25
10.29
10.33
10.36
10.39
10.41
10.44
10.46
10.49
10.52
10.54
10.56
11.00
1.50

a
s -*
- i- re r
2.35
3.10
10
14
17
20
23
26
2!)
32
3o
38
40
42
45
.47
.50
.55
3.25
3.29
3.33
3.36
3.38
3.40
3.56-
3.59
4.01
4.03
4.05
4.08
4.12
4.05
4*10
4.14
4.17
4.20
4.23
4.26
4.29
4.32
4.35
4.38
4.40
4.42
4.45
4.47
4.50
4.55
5.10
5.14
5.17
3.20
5.23
5.26
5.29
5.32
5.35
3.38
5.40
5.42
5.45
5.4T
5.50
5.55
5.35
54
.56
.59
.02
04
.07
.10
6.40
6.44
6.46
6.50
6.52
6.55
6.59
7.02
7.05
7.09
7.11
7.14
7.17
7.20
7.23
7.26
7.28
7.30
7.32
7.33
7.40
7.00
7.24
7.27
7.29
7.31
7.34
7.37
7.41
8.10
8.14
8.17
8.20
8.24
8.27
8.29
8.32
8.35
8.38
8.41
8.43
8.46
8.49
8.51
8.53
9.55
9.59
10.02
10.03
10.09
10.11
10.14
10.17
10.20
10 23
10.26
10.28
10.31
(0.33
(0.36
10.40
9.35
9.39
9.41
9.-47
10.00
10.20
10.23
10.26
10.28
10.31
10.34
10.38
DOMINGOS E DIAS SANTIFICADOS
KutayAe*
Caxanga. .
Pedra Molle .
Dous Irroaos.
9.45 Apipucos
?orta d'Agua. .
Monteiro.'. .
Caldereiro. .
Casa Forte. .
Sant'Anna.. .
Parnameirim. .
Jaqueira. .
Ponle d'Uchoa .
Torre.....
S. Jose.....
Manguinho.
Caminho Novo.
Soledade. .
Offlcinas. .
Raa Formosa. .
Rua do Sol. .
Recife......
anhu
35
41
45
51
53
55
00
03
06
10
13
15
17
20
23
25
27
.30
.32
.35
.40
M
41
45
50
52
58
00
03
06
10
(3
15
17
20
23
.25
.27
30
.32
.35
.40
7.35
7.41
7.45
7.50
7.52
7.55
8.00
8.03
8.06
8.10
8.13
8.(5
8.17
8.20
8.23
8.25
8.27
8.30
8.32
8-35
8.40
35
41
45
50
52
8.55
22
IB
27
.30
.32
.33
.40
10.30
10.05
10.12
10.14
10.19
10.22
10.25
10.28
10.30
10.33
10.36
10.38
10.41
10.43
10.45
10.48
10.50
10.52 10
10.53110
10.57 II
Tarde
11.00
11.05
52
H
56
.59
.01
.03
.10
11.35
11.41
11.45
11.50
11.52
11.53
12.00
12.03
12.06
12.10
12.13
12.15
12.17
12.20
12.23
12.25
12.27
12.30
12.32
12.35
12 40
2 00
2.
2.
1.
2.
2.
2.
3.
3.
3.
3.
3
3
3
3
2.22 3
2.2413
2.2613
2.29 3
2.3l':t
2.34 3
2.38
3.33
3.41
345
3.50
3.52
3.55
4.CO
4.03
4.06
4.10
4.13
4.15
17;4 17
20J4.20
23\4.23
4.00
25
.27
.30
.32
.35
.40
4.25
4.27
4.30
4.32
4.35
4.40
22
24
4.26
4 29
4 31
4.34
4.38
5.35
5 41
5 45
5.50
5 52
5 55
6 (0
6 03
6.06
6 10
6 13
6-15
6 17
6 20
6 23
6 35
10.27
6 30
6 32
6 35
640
6.00
6 33 7 35 8 35
6 41 7.41
6 45 7 45
6 50 7 50
52J7 52
35 7.53
00 8 01
03 8 05
06*8.06
7.10
7 13
IS
24
.26
29
31
.34
40
18
8 10
8 IS
8 15
9 00
I7t8.17
8 41
8 45
8 50
8 52
8 55
900
9 031
9 06 .
9.10
9 13 ..
9 15 ..
9.17!..
9.20 ..
9.2319.22
9 25
9 2;
8 20
8 23
8-25
27 8 27
30i8 30 9 30
32 8 32 9 3S
35 8 35:9 33
40 8 40 9.40
9.24
9.26
9.29
9 31
9 34
9 36
9.15
ft. It
.li
9.50
9.52
.
10.(0
10.03
10. Of.
10.10
10 13
10 15
10 17
10 20
10 23
10.*."
10.27
10.30
10.32
10.3*
1. 40
RAuU.tli DOS AFPMCTOS
Kstai'oe*1
Recife.
Rua do Sol...
Rua Formosa .
Offlcinas .
Soledade.. .
Caminho Novo...
Manguinho...
Entradados Afflictos
Igreja dos Afflictos.
Tamariaeira.. .
Mangabeira.. .
Casa Amarella...
Monteiro.. .
Porta d'Agaa. .
Apipucos. .
Dous Irmaos. .
Pedra Molle..
Caxanga
ETC.
Tarde
1.05 3.05 5.05
1.09 3.09 5.09
1.11 5.08
t.10 3.12 5.12
1.12 5.12
1.14 i 3.14
1.17 3.18 5.17
1.20 3.20 5.20
1.23 3.23 5.23
1.27 .26 5.27
1.31 3.30 5.31
1.35 3.35 5.35
1.43 3.40 5.43
1.47 5.47
1.50 5.50
1.54 5.54
1.80 5.59
2.05 6.05
8.05
8.09
8.12
8.10
8.12
8 14
8.18
8.20
8.23
8.27
8.31
8.35
8.43
8.47
8.50
8.54
8.59
9.05
DIAS UTEIS
KMlUfoes
Hnnhii
Caxanga .
Pedra Molle .
Don* Irmios.
Apipucos. .
Porta d'Agua.
Monteiro.. .
Casa Amarella. .
Mangabeira '. .
Tamarineira. .
Igreja dos Afflictos.
Entrada dos Afflictos
Manguinho. .
Caminho Novo. .
Soledade.....
Offlcinas .
Rua Formosa. .
Rua do Sol.
Recife.....
. 7
7.
7
7
7
7.
7.42
8.10
8.14
8^20
8'.25
8.28
8.32
8.36
8 39
8.41
8.43
8.49
8!.j2
8.55
Tarde
3.2o
3.29
3.33
3.36
3.38
3.41
3.43
3.46
3.48
3.51
3.54
3.56
3.59
4.01
4.03
4 05
4 08
4.12
5.20
5.24
531
5.35
3 38
5.42
5 44
5 49
5 51
5 54
5 56
5 59
6 01
6 04
6.07
6 10
6.40
6 44
6.46
6.50
6.52
7 00
7 05
7 09
7 13
7 17
7.20
7.24
7.27
7.29
7 31
7 34
7 37
7 41
9.35
9.39
9 41
9 45
9.47
10 00
10 05
10 09
10 13
10.16
10 18
10.20
10 23
10.26
10 28
10 31
10 34
10 38
DOMINGOS, ETC.
Manhft
8 35-10 05
8 41!10.12
8.45110.14
8 50 10.19
52110.22
J8-55J10.30
9.03-10 34
9.07,10.38
9.12 10.43
9.15 10 46
9.18 10 49
9 22 10.52
9.25 10 54
----- 9.27 10 56
9.30
9 32
10.59
11 01
9.35,11 05
9.40111 10!

Tartle
2.00
2 04
2 09
2.14
* 17
3 35
3.41
3 45
J.M
3 52
4 00
4 04
4.09
4.14
4 17
2 20 4.20
2 2214 22
2 24!4a24
2 26'4 26
2.29 4 29
3.31.4 31
2.34 4.34
2 38 4 38
5 35
5 41
5 45
S 50
5 52
6 00
6 05
6.07
6.12
6.15
6 18
6 22
6.25
6 27
6 30
6 32
6 35
6 40
8.35
8.41
8.45
8 50
8 52
9 00
9.05
9 07
9 12
9 15
9 18
9 22
9 25
9 27
9 30
9 32
9 33
[9 40
R. C. Batterbee, gerente.
J
N\0 H\ MAIS FALTA WE, GffilAI
AGORA HA COM ABUNDANCIA
Gelo para almoco Gelo para cerveja
Gelo para lanche Gelo para refrescos
Gelo para jantar Gelo para sorvetes
Gelo para ceia Gelo para remedio
Gelo para vinho Gelo para banhos
Gelo para conservar legumes
Gelo para conservar fructas
Gelo para conservar peixe
Gelo para conservar came
Erafim, gelo para Todos; e para qualquer Uso
NA
FABRICA NOVA DA VIUVA STARR
Caes do Capibaribe n. 38.
Aberta nos dias uteis das 6 horas da manbi ate ss 5 boras da tarde, e nos domingos e dias
santos ittasH jg^gtoiMWWiM grandes Pa os vapore. on'par* fora da cidade devem ser
fei.o. com 'aniecedencia. SCRIpT0RI0 Rua do tommeTCl0 n. i0.
r
Pocos tubulares iostantaneos
DE
Estes pogos|que tern provado ultimamente muito
bem em todas as|partes aonde foram collocados, eracon
sequencia dos aperfeigoamentos nelles introduzidos, conti-
nuarn a vender-se por pregos rnuito baratos.
A tratar na pbarmacia dos Srs Maurer & C.: rua
do Bario da Victoria (ootr'ora Rua Nova) d. 25 das 8 ho-
ras da manha ate" a"s 4 da torie.
ARMAZEM DO VAPOR FRANCEZ
N". 7 Rua do Barao da Victoria, outr'ora Nova t N 7.
0 dono deste estabelecimento teado de ir a Europa, vende a precos baratissimos odos osseus
trig08, como sejam
Galcado franeez
para homem
seaborn,
meninos
e meolnns.
Botas e perneiras inglezas
de montaria.
Mobilias de vime e de faia.
Vend'e-se mm to em coma, cadeiras avulsas, de
balancp, de bracos e de dobrar.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
trifice. agua de flor de laranja, agua de toillete,
divina, Dorida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
cosmeticos, muitos artigos delicados em perfuma-
ria para presentes em frascos de extractos, caixl-
nbas sortidas e garrafai de differentes tamanhos
d'agua de Cologne, tudo de primeira qualidade
dos bem coubecidoe (abricanteg Piver e Coudray.
. Bods pianos.
Dos raelhores e mais modernos modelos de
Blonde! : vende-se, troca se e alnga-se.
Quinquilharias.
Artlgom de differentes goatom e
phantaslaa.
Eepelhos, leques, luvas, joias d'ouro, tesourinhas
canivetes, caixmhas de coetura, albuns, quadros,
e caixinbas para retratos, bolsinhas de velludo,
ditas de couro, e eestinhas para bragos de meninas,
cbicotes, bengalas, oculo, pince-nez, ponteiras para
charutos e cigarros, escovas, pentes. carteirinha de
madreperola, tapete para lanternas, malas, bolsas
de viagens, venesianas para jaoeUas, esterioco-
pos, lanternas magicasj:osmoramas, jogos da gloria,
de damas, de bagatella, quadros com paisagen?,
globes de papel para illuminacpes, macfainas de
tazer cafe, espanadores de palhas, realejos de veio,
accordaos, earrinhos, mamadeiras de vidro para
dar leite as criancas, e muitos cutros artigos.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade quo se node desejar de to
dos os brinquedos fabricados em differntes partes
da Europa, para entretimentos das criancas. tudo
- prp.Qos mais resnmidor. I
55
Constructor e afiaaor de pianos
Rua do lmper.idor-
55
Ex-afiaador das antigas e afamadas casas Pleyel & Hen, e antigo direc tordar
officioa da casa Alphonse Blondel. '^\
Tem a boora de declarar ao respeitav-1 puBljco desta cidade, que tern aberto
sna casa de concertos e afinagoes de pianos, qualquer que seja o estado do instramento.
A' mesma casa acaba de receber om grande sortimeoto de pianos dos melho-
rw fabrlcantes os pianos sahirtos I'- '* :*ml**i"to karnnu.li>>
Compra 8f ecbt> ** em troca os pianos usados.
ODILON DUARTE & IRMAO
ulBELLEIREIROS
Premiados na exposicao de 1872
RUA
DA
OIPERATR1Z
N/ 82
|t." ANDAR.*
MM
DA
IMPERATR1.
h. :
t.* ANDAB.
AcBuara de reformer o sen estabelecimi'nto, collocando-o nas melborei con-
diccdes- possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e as Exmas. Sras. n*a-
quillo one for tendente i arte de cabelleireiro.
H Fazem-se cabelleiras tanto para bomens como para senboras, tapete, cnignon,
coones uwdernissimos, trangas, cacbepeign, tecidos, desenhos em cabellos, qnadro* tn-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalbo imaginavel em cabello.
0 eetabelecimento acha-se proTido do que ba de melhor nos mercados eitran-
freiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendaa e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 */o menos que outro qualquer, garintmdo
perfeicSo no trabalho, agrado, sinceridade e pre^o razoavel.
Penteam senboras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellat em
porcSo e a retalho e todos osutensilios pertencentes i arte de cabelleireiro.
LOJA DE JOIAS
PE
JOSE JOAQHM DIAS DO REGO.
lato sim ja duo e HquidacAo e queiaaa! I
0 proprietario deste novo estabelecimento atnrdido com o inesperado estridor dos griks qo
surgem de todos os angulos desta grande cidade, annunciande a liquidscao dos estabeiecimentoe de oias ;
e, receloso de 3car SOS1NHO, apeiar de bem avaliar as grandes vantagens que neste caso dew A aa-
ferir; tomou a inabalavel resolucao de QUEIMAR todas as snas joias. com o unico fim da aaeorporar-
se a grande caravana, e, com ella, seguir em romaiia para......- segredo I
A pyra esta ardente as victimas agnardam brilbantes o momenta do sacrificio fa
os sacrifieadores. .
Isto posto, espera-se.com justa rszao, uma grande concurrencia dos anunles da
ao devem perder o ensejo de se proyerem de objectos laes; e devem-n'o ainda assia f
que nao
fater
que depois de todas essas liquidacoes, com o novo anno, acabam-se as JOIAS delta cidaila, aa;
tera publiao aonde dellas se possa prover.
mm de
Gurgel da Amaral & ''.., a roa P'imeiro de Marco n. 10 receberam na
de chape g do sol de ->-iia. hsa e tranvada, cum boattaa oakai >' unlc rne,
vendem-os a W 7a, sendo esie pre^o metsde do aaa valor.


-- ~ j
"*r"**-*!->
-,
\
9
Diario de f^flnrnjtioo Sexta i&rv 4 de D&mbf^ de 18**
ias 2o:ooo$ooo
*** de lotcrla* do Rio.
waya- da Iridependeneia n. 22.
- dWa-w-se ivn rapar, com 16 annos de ida-
atas-axe ro de taverns, com pratica da mes-
r^attfer 30 pateo do Tergo n. 34-
fi*5P ae o 1 andar (]a casa da praga do
9l : a tratar na Soledade com Jose
ib Silva Guedes, silio n. 27.
**-w uma escrava para todo o servico
rua da Gloria n 146.
ftya_se (allar com os seguintes senhores,
e* ***9eiro di Marco a. J6, primeiro andar.
ftnifiilo vioira da Canha, de Sergipe.
*>4at>oio da i;anha, da Bahia.
nr i>8 Oiytnpio B. CavalciDte. Sjbral do
Sane.
Wkmti ??.otale*o da Silva.
ibaiel Jose Nonteiro
Torres.
Keller & 0., administra-
te&s da massa fallida de
Missel Jos6 M. Torres, pa-
Sjrrs aos credores da mesma
mm** o primeiro dividendo
i_ao de 19 por cento.
E. A. DELOUCHE
it/i i iHarquez de Olinda-24
Katjuina do beeco Largo
ff^*s?. a sous (regnezes e amigos que nmdon
*-sb -~ ~ bl 5%, r!:li! encontrarao um grande sortimento
(Bass^qaw .la parede, amerieanos, e cima de me-
*ft_dtoe>ihi res gostos e qualidades, relogios dt
a__.^ !e ndasasqualida.es, patente suisso,
ifr*B f- >.raia dourada, foleado (plaquet), relo-
..ga* a> jr>. inglez, descuberto, dos melhores
. '-I'l.'i.i de ouro, plaquet e prate, lunetas
;-_r**>>9 a.> ijuaiidades, tudopor precos muito ba-
Ik
J c pi t! uma escrava para lodo o servo :
'W&*r ta rna d Gloria n. 14o.
Toda attencao i
Ret.ilha se, com (rente para a rua da Anrizadr,
sobre 194 palmos de (undo, uma porgao de eptiosd
terreno para edifleagao, lirada do silio cobtigWJ
i igreja de S. Jo-ri do Maogoinno, rti prego de
59/ por palmo. Aquella (rente e toda marada,
bem como a parte posterior e a lateral extrema:
os pretendemev podem-enrenier-ee oav*ft. Dr.
Witrnvio.
IITITUTO PARTICULAR.
Rua da Roda n. 48, sobrado.
Prime'ras lettras, portuguez, (rancez, in-
giez, desenbo linear e musics.J
Sob a direcr;ao do professor Herminio
Rodrigues deSiqueirafunccionam ditas au-
las todos os dias uteis. '
Recebe alumoos interims, meio pensio-
nistas e externos ; fornece todo o material
para escripta e livros aos principiantes, por
pregos muito razoaveis.
Ixflblecjqe fqio>.
Gratiflca-se com &0,000 reis" a qaem pegar rtr-
^tanato,] rnoleque de 13 a 14 annos, preto, baijto,
kleto>i'off>^Tii-io.'e < cacc #rmolovDi1z
chato, cabellos carapinlxis e cortados de (resco ;
ausentou se na tarde de 10 de ootubro do correote
anno, com camisa de madapolao, calca dtf brim j*
daeor, deebotada, e chapeo de massa preto. Gra-
tinea se na rua da Cadeia do Recife n. 39, on na
' rua da Aurora n. 165.
ADVOGADO
JBBKR JOAQIMGIMES M
SILVA MELLO,
Rok estrelta do Rosarlo 3
prlnaelro andar.
Alugam-se
Bou casas de campo, na Crux das
Poco da Panella ; a tratar com o comm
rasso.
o
a
3
6 B
a. ^ -i -~ -- -1
Q 3 w i
a ~


>
a.
Consultorio medico
DO
Dr. Marillo.
ROAfcO VIGARIO'N. 1,1* ANDAR.
Reoefc-chegado da Eorropa, onde (ra-
1 quentou 6s hospitaes de Paris' eLondres,
). podera'ser prdcurado a' qualquer hdra do
I dia on da noite'para objecto de'sua pro-
O ftaiib. '
. Constt!ta3 das 6* as 8 horai da'manhl e
do mefc dia is' duas horas da tarde. '
. GRATIS AOS POBBES,
Esptcialidadts:' Molestiat de'senhoras,
[gla pelle e de crianca. '
Cravos
Na fWHllF BBitB^-TatraT-do-GyrBawio^-BSi
47 e 49, rende se sempre cravos brancb% e
encamados.
PENEORI
Natravessa da rua
dasCruzes n. ^pri-
meiro andar, d^-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
DIrMTIM:
A "4:000^000..
BILHETES GAftANTIDOS.
%A' rua PriiHeiro ie>Margo foutr'orarua do
Cr4fpo)>n. tf% casa* do costwmt.
O'ataalxo assignado; tendO'vendido noi sens (e-
,lixerbrlhefe3- um meio n. 679 com 4:000*000, um
meio n. 3284 com 2nei060, um meio u. 2632 com
400/, um meio n. 186 com 100 J' e outras sortes de
40/ e 20/ da lotefia que'se acatiou de extra--
bjr (I.w*), eoiVfda aos possuidores a virem re-
ceber na coiiformidade do co.tumesem descon-
to algnuj.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantidos
da 13" parte das loterias a benefieio do colle
gio dos prphaos e orphas (127-), que se extrahi-
ra sabbado, 5 do mez vindonro.
PRECQI,
Bilhote Inteiro 4/(K'0
Meiobilbete 2^)>:C
Km porruu de lOOS parti cimn
Bilbete inteiro A&50Q
Meiobilbete 1/750
Manoel Martini Fi'uza.
i Ad>s,5,QM covados^iela
A i0 rs.
loja do Pavae veode-se lazinbas de muito
tos Bostoj e delicados padrSes, (azeoda nova
no mercado, pelo diminuto pre^o de 160 rs. cada
luamcovado ; quem deixara de (azer vestidos de
om tao bonitos e por Uo pouco dinheiro? Forne-
9lie as amostras: na rua da Imperatriz nurae-
f M
Vende-se
nma casa na Til la de Barreiros, na rua do 0
mercio, por preco modico : a tratar con Taw*
irmaos & C
J 'rt
e artigos de alta
novidade
NA
fl
iJWij
fa
PfHciro de Mar^o n. 7 A.
ivo SimCt>8 A C, proprietarios
' i-talH-lecimei-.to, no lonvavel pro-
na ) desmeatirem o conccito que os
i -i:< (reguezes Ihes tern dispensado,
eceber de sua conta o mais nco sor-
aiias, popelinas, las e artigos de ul-
' i em Paris, e cntmoarao a receber
paqnetes daquelia proecdencia ; por
) a attencao de seas freguezes e os
m am iiasseiu ..o seu" estabeleci-
.; niiKjoliks que eii.v.ntrarao a reali
y fica dilo, e para prva dao um pe
cojo infallivelmtnte despertara a
, icteodentes.
teodas a ca?a doa (reguezes, e dao
i diaote penlior.
-i iiiios do alia novidade e
ulritna ffloda.
/ vptido de linho jruarnecidos de bico
Easeoda e cor, trazendj fivella, bolca,
te. m
smos chapeos para senhora, de cores e
m .
imbraia brancos com lindos bor-
cores com enftites da mesma (azenda.
etc. etc. '
la para meuina? e senboras, eaarne-
- ..riiiinno.
;nr;; : r;: "alo.;
' camisa.- b'-rdadas para r.snhora.
madreperola, para noiras.
'.' seda, para easameoto.
la, liniias cores.
ida luaaca e dito preto.
- le delicadaa padrSes.
de lodas as cores,
pb s pretos e de catos.
preto e damasco d seda.
-. preta e de cores.
- seda branco e preto.
qoinas de seda.
ife rmrind de core.",
: brasileiras.
mantas para noiva.
o* cjres, ditas mariposas brancas. de
|ue (novidade).
'ii- quadro3, listras, etc.
de iitilio para vestidos.
. de cores.
borJadas psra scnbori.
ortu'.-nto de camisas dci linho lisas e
para iwmeai.
*:v de cores para horaem, seahora, meninos
BSt*.
ato de chapeos de sol para homens e
de cores para vestidos.
}*eto Jr.irif-adc e de verao, bombajina, can-
, etc. etc.
'. de liii!:i e nlgodlo para toalhas, e dito

'-' IS.
infte branco e de cores,
mdif* core? nom listras.
uafcrt d-; merino de cores e pretos
rta tonqrflra e ditos de cosemira
sasd? cbita para hompp-- n ("las de f!a-
- - a> - ?^
*. CD ft> ^
CA fb e O
T3 3 GO P a.
I O o. a A3* o
D9 D U B
CD o
-1 o" CO
| O Paris n'America esta liquidando os calcados
I petes segointes precos :
*Botinas de duraque, de eflres, com canno alto e
laco, aLuizXV a 5/000 III
Botinas de duraque, de cores, bordadas. canno
alto, a 6/ III
Botinas de daraqae com laco a 3/.
r t^lin" prelas B^speadas, canno alto, a 4/, 5/ e
Botinas II*a* e enfeitadas, para mMiaas a 3/,
be tmas de Suzer, de cordovlo con ponieira ee
vernli, para bomem a 8/. Aprvett9m, que e
CM verde e pret^
Amaral, Nabuco & C.'declaram a sens amigos
e (reguezes que receberam pelo ultimo vapor
de Europa, nova remessa de cba verde e preto,
garantem sua boa qualidade e veodem no sen
Bazar Victoria, rna do Barao do Victoria n.i.'
For 600JJ74 barato
Vende m um escravo de 30 a 38 annos, e bara-
to, proprio para refinacio, paAsrta,-on mesmo
para um sitio, por ser de boa condneta e sen 9e-
nhor retirarse para (ora : na rna de Hortas n. 96.
ALUGASE
O armazem da rna de Pedro .\ftn ontro no caesdo Ramos n. 44 : a tr.it r n > m'es-
mo caes n. 42.
9 ?L
Aluga-se a ^.Ja e a alcova do :{. andar do
sobrado n. 70, a iba Duqne de Gaxias, proprio
para moco, solteiros : a tratar na loja.
Sabonete vegetal pre-
serve tivo do conta-
gio venereo.
A de.-c berta de um meio preervativo
da in(:-c.-ai syphilitiea tem occupado a
attencao de mnit.is medics nutaveis
desde e>ca moi remote, a isto movidos,
s-'in duvida pelo desejn de pouparem a
humanidade as rum-ias consequenciis
do enntacto e abjcrp^-ao de um pu3 tao
malefico.
O Dr. Antonio Perreira Mnntinho, dis-
tmct) meiifo na eidade do Porto, e ho- Ul
mem abastadp, a/ie com o mais desin- I
teres-alo empi-n'm ro entregon por
longos snnoa ao estndoe fleams'para at-
tingir um t3i lonvavel qaio humanitario
desideratum, julga tor d^scoberto subs-
tancias vegetaes, qne r--unidas em (or-
ma de sabonete, pmdosem com efflcacia
e de uma nannra infallifel o pretendi-
do effeito.
Sua i-onvieeao e tel, em vista de nu-
roerosas experieneias feitas no hospital
da cidaJe d.. Porto, e do bom resultado
qne o pnblico tem obtidn do oso de tal
pre.para\;an, que pile offerpen n premio de
um rnnto de reis fortes, ( come 9e I6 no
(ornal AcluoUdade do Porto de 2 de
maio 6*4ie anno-) a qnprrr the prorar a
improQenidade de sen invento.
Por autorisacto do Dr Moutinho, o
unico deposito de sens sabonetes para
esta provineia n para tolas as provin-
cias do nortr-, e a Pharmacia Central, e
para oktara inalquer (raude serao con-
sideradns (alsific dos todos os sabonetes
qne nao levarcm o rotuU. de=te estabele-
\i) cimenl".
Ph rrpaefa Centra!
38 -l-.ua do Imperador 38
ALU&A-SE
uma gran Be casa terrea com basteBtes-eomoteMos
site na egyada do Lucas : a tratar a ma dogVi,
Ao Sft Justiho Pereira de
Moraes.
O abaixo assigiado arrematante das dividal da
massa (aliida de Joao H/itido'de Sooza, pede- ao
Sr. Justino Pereira de Moraes, moraSor na! Imma-
culada, o favor de vir- a rnaDlreiti n. 21 nlliknr
sua conta com referencia a mesma mi^sa.
Recife, 23 de noVemt-ro de 1874;
Josi Ricardo Faria.
CONSULTORIO *
MEDICO-CmUR'GIfiO %
wc Dr. Pedro d'Athayde L. MOSCOSO^ frecisa se de um criado para~trabalhar e
PARTEIRO E OPERADOR \'}10 e andaIr 1ra ""? : a tratar na rua 1 de
t"u do Vlaconde de AlbuqneffS Marc n ,4, ,0|a
que n. "39.~
ESPECIAL1DADE
Holeattas de lenhoras e
meninos.
Consaltas das 7 as 10 boras da ma-
nha, todos os dias.
jK Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar- kn
S- tos e sextes-feiras. *?
W, Os doentesque mandarem os seus cha- ^
0 mados por escrlpto at 10 horas da ma- ^
; nha serao visitedos em suas casas. -"

Costureiras pan inOdista.
Proftisa-se na rna da Palma n. 3't.
AriOVHTEl
A 1^000
Cambraia branca, bordada, com listras e de
quadrinhos, ab rtas e Upadas, por termos nma
grande porgao, resolvemos vender barato para aca-
oarmos, e (azenda muito larga e mnito fina, que
sempre se venden por 2) o metro, e estamos ven-
dendo a I / a vara : so quem tem para vender
por este prego 6 Guilherme & C, rua do Crespo,
lojadas tres portas. Dlose amostras.
Funilas Hcrniarias
Para lif
Aluga se l- e 2* and .res dim ,do liupe
Iraor n. 5t> : a inter-no 3*andar.
CR1AD0.
Alga-se
m
os armazens n3. 6a e 69. na praea do cha(ariz em
1-ora de PorUs, um onde teve tenia de ferreiro
o fallecido E. Mahnlt. O outro que esteve-een
pado com venda de molhados, para o que e op-
timo pela localidade e ser de esquina. ambos livres
e desembara?ados de impostos: a tratar com o com-
mendador Ta Alaga-se a casa da rua do Visconde de Pe
lotas, antiga rua do Aragao n. 18, com 2 Bates, i
quartos, corredir separado, cozinha, bom quintal,
portao, e mais um quarto no quintal : a tratar na'
rna da Ponte-Velha n. 20, das 6 horas da manba
as 9 em diaate, na rua do Commercio n. 18, a tra
tar com o pnprietano Domingos Pereira do Lagos.
Bonsbanhos edormida fres-
ca no Monteiro.
Aluga se alii por prego commodo uma casa pe
quena que tem 2 solas, 3 quartos, czinha e boa
caennba, e e perto do no : a tratar na rua Nova
loja n. 7. '
Precisa?e de aioa para cozjnhar : no ar-
mazem Baliza, rua do Livramento n. 38.
IS, etc.
;-"^S5r-r"-*^-'
Paris, 36, Rua Vivienne, D
H333H MKDECIK SPtCIlL
nu nimsiin\i>\s dbs sexdus, n msccon
~ AlTFP.Afors do Mnn,
JO,O00curas dtsimpin-
jent.puslulas, kerpet,
'amo, eomixoet, aeri-
inonia, e allerfoes, vi-
__ciostu do son-pie, vi-
rus, e uu*i uyoet u-j taague. (Xarope vecetel
em merenrio).
JSsta encouratjado!!
OEPURATIF
in SANG
tHHM Ml
PLUS DE
CO-PA HI)
".!fas de linho e ditas de algodao.
- -< do crochet para sofa, cadeiras, etc.
- a h :: e ditos de la'yrintho.
vestid 3 de tarlatena, bordados,
> s, o "lataua de todas gs cores.
4 .sco de IS, e ditas de crochet
fraartib.o* li-ose bordados.
fcyart de 'ida, liudas cores.
Swas de --k i.; para senhoras e meninas.
'^ '- ;S e de cores.
(upeilnos.
Jfesoi artigo temo um varialiisimo sorticnento'
sswsoatrgebto corao em qnalidade.
Las
-asjfotras de .^da, ditas com paluas bordadas,
* Mnsaarent e de o.ttras muius quaLdades.
r (vfHNa brands o de cores, do verdadeiro fa-
e"UBt Jpovir
r*ina4inente :
.x^rtfs para s eodeir.it, caim, entrada, etc.,
tsw&nss Brancas, chitas detoda? as qualldades,
laaHsf ottaa, esj i>, bretanhas, bramantes, algo-
MMtlinrros, punb s, mia para homem e
i, panhoe collarinios brancos e de c6-
v ?ra a?fter;.s, gravatas para homem e senho-
Tiii/tSf\9bordados, lencus i. liiilio brancos ede
. ditos de cambraia de linho, toalbas, guar-
vstwfos, pann'!::,,: etc, t'. *
Loja ilu i'ueso
Rna Priuteiru tw ;. 7 A
antiga do Cr*r>ri.
'P"rallii TtfeUM
iianEKAES tomao-se dous tor
temana, segumdo o traciamemo DetmraUvo : i
empregado pifanm molestias. *
I Este Xtrope Citracto d
I'crro de CHABLE, em
oam^diatamente qual-
quer purgarao, rtla-
Xxaeao, e debilHadt,
t iMuiiueiiie os jmxoi e /lores brancas dai
mnlheres.-- Esta iuieccao benigna empregasu
torn o Xirope de Citracto de/erro.
emrrMaaPoiiiada qne as enra eml dias.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: nas affeccors eulaneas e comixoes
. Wf.gLAS VECETAES DEPURATIVAS
m, cuahie, cada (raseo vrai accumpahads
i* on folheto.
AVISO A08 SRS. MEDICOS.
ARa mole em pedra dura
Tanto da ate qne a fura.
Roga-se ao II im. Sr. Ignacfo Vieira de MjII
escrivao na eidade de Naiaretb desta provineia
iavor de vir a rua Duqne de Caxias n. 36, a con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprornetten a
reahsar, pela terceira chamada deste iornal. en,
tos de dezembro de 1871, e depois para Janeiro
passon a.fevereiro e abril do 1872, e nada cumprlo:
por este motivo e de novo chamado para d '
am, pois S. S. se dere lembrar qne este negoci
de mais de ilo annos, e quando o Sr. seullho
achava neste eidade.
Aluga-se a loja do sobrado n. 2, na rua da's
Larangeiras: a tratar na rna da Praia n 6.
Aluga se mua boa casa com excellenes com-
modos, a rua do Coronel Suassuna n. 169 : a tra-
tar na mesma rua n. 171 '
Alaga-se uma boa olaria, com bom porto de
embarque, a rna do Visconde de Goyanna n 63 '
tiatar na mesma rua n. 65.
ELECTRO-MEDICAES
r perfeitamente e curar radical-
mente
as quebraduras
Essis fundas estabelecidas sobre os conheci-
raentos medicaes e anatonicos mantem as quebra-
duras as mais volumosos e difflceis, impedmdo o
seu desenvolviraento. Eiles teem nma accao elec-
trica que na generalidade dos casos opera nma
cura radical sem que o doente se sujeite a pres
cripgao alguma, a excepgao do uso continuo del-
las. A-euro opero-se noperiodo de 12a 20n-
zes conmrrae a hernia mais ou menos antiga.
Unico deposito em Pernarabuco, pharraa-
cia e drogeria de Birtbolomeu & C.
Rua ldrga 1o Ro.ario n. 34.
HQDIpCA(F
Loja de fazendas
DA
Rua ck> Crespo n. 20.
Las de cores miudas mnito boa* para rouoa
meninas a ICO e 200 rs. o eovado.
LI pretas. superior, a 400 rs. o eovado.
Aloacas de eores linas a 320 e 360 rs. o eoradc
SO se veado; w..^.
DltM com litr*brtas> (azenda- fina, a 60 rs .
eovado.
Chitas de com t40 280 rs.o eovado.
Meftios de edrbs-tniudas a 280 rs. o eevadc.
Cretonet, o melhor que -tem viado ao mercad*
400 e 440rs. o eovado.
Cambraiu brancas, bordadas- absrtas, fimi.
mais fina qne lera vindo ao mercado, e fiinl
de J/000 nMro, par 1/000 a vara; a p*
chmcha. '^
Ditas pretas eowriores miudas a 200 rs. o eovate
Cambraia Iranspafeate, fina, a 3/ -a peca.
Dita Viotora^'isli, a 4/000 a peca.
Organdy de assento branco e de cores,- eon to
res miudas de seda e de la, a 400 rs. o coradc
E' pechineho.
Cortes de easenira de cores nodernas -a 5/Mf
corte ; e (azenda de 8/. E" pechincha.
Camisas de linho Unas, lisas, a 35/ dnxbx, dta
zenda de 55/.
Brim branco de linho a 1/400 a vara.
5"? Ay;^riadiiiu, a "aa- | tj
Madapolao frances verdadeiro, 24 jardas, a id
7/ a peca.
Algodao T, urgo e superior, a 5/ a pec*
borgorio preto de seda para vestido e para eons..
a 3/ o eovado I
Toalhas aleochoadas a 4/500 a dtuia.
Colchas grandes a 3/300 nma.
Cobertes de gangs, (orradas, a 3/.
Lencoes de braaante a 2/ um.
Lencos de liano, abainhados e em cauunbai
3/o00a duzia.
Ditos de caca de cores abainhados a 3/500 a da
xia.
E outros muitos artigos que se vende por m
nos do qne outra qualquer parte e para se d
bo na wren queiram mandar ver as amoatrav
enganaja da '
Gflilhermc 4 C.
Para o fabrico de chapeos
A NOVA ESPERANgA recebeu o ararae protrt
para armacSo de chapeos.
Proprios p^ra bailes.
Chcgaram em boa quadra, para a loja do Passo,
nqaissimos cortes de seda com largas listras
achamalotadas e lindissiraas cores; corle3 de tar-
latena com palmas bordadas a prata, proprios
para Dailes : so na Iaja do Passo. a rna Primeiro
de Marco n. 7 A.
BAZAR
DAS
FAMULIAS
Rna Deque de Caxias n. 60 A
Para a f esla
desfc
tins-
Cortiaodoa a 9AOOO.
0 Pavao vende cortinados bordados, pnprios
para.camase janellas, a 7/o par. 6 pecbincha
que logo se aoaba : na~ tua da Imperairiz n. 60.
de Felix Pereira da Silva.
Rhum nacional.
Premiado na exposigao da Sociodade Doze
de Dezembro.
Vende se, pelo diminuto preco de 1/ a garata,
nabem 'cnbeaida t verna do Lima, rua do Ba-'
rao da Victoria, confroote ao oitao da matriz de
Santo Antonio.
Pedras ile marmorc
VeodO'Se pedras de rrrrmores, de diversos ta-
manhos, com duas ooiegada3 de gros^nra, proprias
para moitos mistere3 : a tratar com Joao Jose ds
Lunha Lages.
Reis e Silva & GnimarSes, proprietaries
bem eoobeddo estabelecimento de (azendas ,
convidam aw sens (r.-guezes e amigos a sorlirem
se dos artigos mdispen-aveis para a fe-ta, anici
da ultima mod:, e de fino |ostu, cs quae ce ,^n
dem por modico prego.de forma que igial cio"c
OMMHra era outra parte.
Aliin de que o publico aval.e o que kvam dito
offerepern a sua pnefoaa con?ideragJo a segaint*
Riquiesimas pclinaises de fsfamia preto rica
mente enfeitadas, pelo diminuto prego di> 36/
Lindissimos casaqninhos de gorg rao preto n
camente bordados, sendo enrtinhos conforme a mo
da, pelo diminuto prego de 12*000 cadi um
Riquisimas saUdas de baile, de la e seda par*
sena.ra, inteir.in;nte novidaJe, pe: i dimmuP
prego de 12/000.
Lindissimas capinha? de R e seda iuteiramen-
.n?nn pe, luslSa'iicacte prego d: 8/OOC i
10*.00 cada uma.
Riquissimos eacbiVts de 15 e seda, pelo diminti
to prego de 6.JCO0 cada um.
re>-.
- \ende-se uma cabra toda preta, boa leiteira,
com djascrias, muito mansa : na Capunga, rua
das Crisulaa n. 5; btm como uma porcao de Dia-
nos, por preco commodo.
Compram-se
as colleccoes deleis provinciaesdo Petnam-
buco, dos anrms de 1849, 1855, I860 e
1869 : nesta typographic
Sirop du
d^FORGET
i Cars catarrhci,
coqtuluektt, irritaftm
nervotat uu das bron-
chus e lodtu as itm$m
< do ptilo; buU m dorast
nu ooiiie ,choc* dede xarope D' FoieR.
Pr. CH*u et Pixta, rm virleaM, 99,
DejM isit i botica PranceM
52 Rna da Cruz 22
i
i
CASA DO OURO
Bilhetes garantidos
Rua do Rar-ic da Victoria (outr'ora Nova
n. 30, e- casa do costume
Acham-se a vends os muito feli-es bilhetes ga-
-antidoA da 13 ,..-.. to da leteria a be&eficio do
collegia dos orphao-. e orphis, que se extrahira
ao dia sabbado, 5 do mez vindouro,
Inteiro 4/000
^ei:_____ 2/000
De 100S4M9A para taaa.
fnteir-- 3/1500
d .Mei0 1*75()
Hecite, 28 a? novembro de 1874.
_____________Inn-- J'jaguim da Costa hat*
Pede-se ao Sr. Josd Dasrte da Silva que ap-
pareca no Arraial, sitio do finado msjor slarcelino
Jose Lopes, para tratar de um woe**) que aio
L iiiiii todos
Carles Walter, anifgo e bem cochecido relo-
joeiro desta praga, scientilica aos sous numero-
sos freguizes e amigos desta e de outros pro-
vincias limitrophe?, e ao illustrado pnblico em ge-
ral qne ten Jo mudado o sen estabelecimento da
rua da Imperatriz n. 13, pa>a a casa n. 17 da
mesma rua, confronts ao antigo estabelecimento
ahi se acna prompto para exe:utar quaesquer
obras de relojoaria e mechanica ( as mais diffl-
cultosas) como sejam, concertos e obras novas
em qualqner relogio de uso commum, e chrono-
metro de algibeira' e raaritimos, e o respectivo
regulamento destes, cuja exactidao garante dan-
Velho
Compra-se chuoibo velho, cobre e latSo : no
armazem da boh auiarelia, a travessa da rua do
Imperador.
do corao penher a sua repntagao de artista (que
-se esforgado ate agora em raanter illeza )
i eikcamga se de quaesqaer con
tem-se
a
certos em instrnmentos de physica,'para"'o"que"se
recommenda aos IHnu. "Srs. engenheiroa e ca-
pitaes de navios raeK^wtes e de guerra. Avisa
a seus (reguezes do interior, e de outras provin
eias, que qualquer obra executed* era sua casa
quando a receberem sera accompanbada de urn
recibo e sea carimbo ebtleeado na eaha desea
relogio afira de evitar enganes, corao garantia de
dite3 obras serem executadtB pelo mesmo annun-
ciate. 03 preeos serao os rkais memdn pesai-
vets, e se ob>ervara toda presteza na execocJo
do trabalho. ^
Vende--e o dominio directo de nm terreno
sitona rua da Santt Cruz, rm qfte se acha edifl.
cada a casa terrea n. 36 r a tratar ne rua do Vis-
conde de Geyanna en. 5.
Vende-sa no sobrado sto a rna de S. Fran-
cisco desta eidade n. 10, 4 patativas ia Parahyba,
1 bicudo, 1 enri6,10 cabario* da terraj.2 checheos,
1 bigote, e 1 viveiro ddr-4 palmos de altura com 4
1|2 palmos'de Cumpritneiito e crm i l|2 de altura,
de madeira de amareMo> com ararae, os qaaes se
vende por incommodo de saude de quem dos mes-
mo* trata, e que ser* veldido a quem us comprar
todes juntos.
Assucar candi..
0 melhor e mais bonito, preparado e aper-
feipoado por systema novo, vendem Beitrao &
Quintal, em sua refinagao a rua do- Barao do
Triumpho n. 56.
Burro* d venda.
Ignacio Deiro avisa a seus devedore3 que esta
em seguimento para Pernambuco, onde ate o dia
10 de dezembro espera qua Ihe mandem satisfazer
seus debit<>s na casa de Joaquim Juse Gongalves
Beitrao & Filhos. Conduz excellentes Lurros para
vender. Pilar, 23 de novembro de 1874.
Baktncas, pesos e medidas
do systema met nco deci-
mal.
Von Sohsten C, na rua da Cruz n. 18, ven-
dem urn complete sortimento, tudo feito na mes-
ma fabrica d Europa onde foram os actaaes
padroes existenles na camara municipal desta
eidade.
Para acabar.
Saccos e 280 reis.
Vende so saccos de estopi com ora pequeno de
feito, proprios para ensacar milho, farinha etc. sao
grandes e d; muito boa qualidade e vende-se pelo
diminuto prego de 280 rs. <*ada um, e pechincha,
vuem precisar approvei'o ista a rua do .n o Cre^p
20, lojadas tres portas de Guilherme 4 C
Em Olinda
aluga.tn.se tres boas casas sWw i roafPIo Passo
Casttdbano, em S. Pedro-nave : trata-ta 00 f
andar do sobrado n. 73 da ro* Duqae de Caxias'
por cima da loja do Sr. Fldim.
Sotao.
Aluea-se 0 do sobrado da rua eitr ta tfeTtosa-
rio a. 28 : a tratar no mesmo.
Leques gi^antes
So qucB ten dos mais
a rtfa Ouque de Caxfas n
mo-deraos a-Matnolia
in.
-- Vende-se uma taverna na raa da Moeda n.
29 : a qaem cotfvwr po le tratar na mesma com
Seralim Borgs de Oliveira.
Yende-se
na raa do Vigsrio n. 19, primeiro andar :
Vinb/i do Porto engarrafado, em barris a en
ancorete3.
Cera em velas, de Lisboa, superior qaalidsd*
Wettoi Ab Poflo.
Cimento Portland, legitimo
C;tlj;aiJos baratos
Botinas de duraqne de cor, para senhorJ
Ditas pretas
Sapatos de duraque, com salto
Botinas pretas gaspeadas
Praga da Indepencia, hja ns. 13 e
Arantes. \
4/
4/
1/
2/
15, do
Cora dos eslreitamenlo d'nretra
pela facil applicajao das
SONDAS OLIVAES
DE
GOMMA ELAST1CA
As mais modernas e aperfeicoadas de todas
confiectdas
Ve_Mle-se
NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & 0.
34 Rua larga do Rosario 34
Lm completo sortimento dc capellas com veio df
blonds, proprias para noiv.15, pelo diminuto
de 10/, 133 n 20^ cada uma. ff bara! I
mo sao linda>?l
Riijuis.-iw.is UeioiMM com fivela, proprht pari
pescogo de Sebhor.spelodiminulo preco de l/50(
cada uma. '
Lindas gravatiuhas de cor, pronrias para senh,.
ras, pelo dirainuo prego de 1/000 cada urai
Lmdissimas n.sas com alfinetes, proprias par;
peito de senhoras, pelo diminuto preco de ii&x
cada um. .
Carabraias brancas, bord.idas de cores a la fa
zenda moiercissiraa, pelo prego de 5S0 rs. 0 eo
vado.
Cambraia tmsparente, ana dua>- Iarptira?
preco de 13/000 a pega. '
Cambraia transparente fin?, Saissa, a 6/500 >
pera.
Cambraia muito liua, Viet iria, a 7/20O a pega
Meias de cores para homem, pelo dimitiuto pre
go de 8/000 a duzia. E' barato I
Riqaissimas caixinhas. cada uma com nma du
zia de lencos de linho ja abainhados p lo dimi
nnto prego de 5/50. 6/, 6/50 e 7/.
Grosdenaples preto, (azenda muito superior a
1/200 0 eovado.
Setim branco, Maran, fazenda superior, a S/XN.
0 eovado.
Riqaissimo sortimento de popeliias de linho, pe
lo diminuto prego de 440 2 500 rs. 0 eovado.
Riqaissimas faias de seda. fazenda modernise)
ma, pelo en modo preco de 2/500 o eovado.
Popelinas delicitu e sell, pidroes inteira
mente novos, a 1/60J e 1*800 0 eovado. R' ba-
rato!
Grosdenapoles cor de rosa, fazenda mnito jape
rior, a 1/600 e 1_700 0 eovado.
Um comDleto sortimento de l?.s e alpacas de se
da com listras a 700, 800,900 e 1/. E' muito ba
rate!
Um complete sorlimeoto de las, a 180 200 2U
320 e 380 rs. 0 covad.;.
MadapolCe?, Elephante, com 20 varas, a 4/i0t
a peja.
toadapolio, Maravi ha, com 20 jardas, a 5/5QC
a pega.
Madapolao (ran-.cr, Madraste n. 55, a 6/200 a
pega.
Madapolao superior (race 1 n. 60, a 7/000 a
peca.
Assira como um grande sortimento de chitas e
euras, claras e outros artigos.
REIS E SILVA !. GU(MA!UES.
)
Aos nervosos
A NOVA ESPERANGA acaba de receber aqnei
tes milagrosos anneis eleelricos, can utfallivet dm
oervosos.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papal de link
proprio para cigarros, de diversas largnraa.
Maripoza
V SCO r*. o covi
S6na rua do Queimadj n. 43.
JUNTO A' LOJA DA MAGNOLIA.
Maripozi braaca com lindas listras abertas pe-
lo dimio ito preen de 320 rs. 0 eovado ; aprovei-
tem que d peehiacha, s6 0 43Barateiro sem
igual.
Diio-se anaiaas ean peabor.________
Doce fino de goiaba
Vende-se no deposite do pateo d 0 Tergo ns. t e
a, pel tiara'o pn>co de U00. "OP. I joOfle 1/200 ;
6ssiB c.o. vi .11 le snrtimeoto de a\xStlf9999-
nos, p.<., v.,,i tMubarque ; ba requeijM todas
as terga- ("!_ 1 s-bbadoj, por prego commodo.


. tf*l________:___
ISnft

Diario de Pernajsinueo Sexta fefra 4 de Dezenibro de 1874.
L .
Ao baraleiro
A' ma 1 de Marco n. 1
Confrontc ao nrco de Santo
Antonio.
Os proprietaries deste estabelecimento, tendo
gande deposito de faieadas de la, linho, seda e
algodao, e acbando-se proximo a occasiao do ba-
lance, resolveram fazer grande reducgio em pre-
cos, aiim de que naquelle tempo nao teaham gran-
de trabalho em balangos ; a saber :
GORGORAO de seda preto, para collete, nro
corte por it. E' fazenda que sempre custou 7f.
AMAZONAS, linda fazenda para vestidos de
passeio, a 500 rs. o covado.
GROSDENAPLES de cores, verde, encamado,
branco, c6r de rosa e cravo, a 900 rs., 1$ e
1*200 rs o covado. Quern e qne nao comprara?
POPELINAS de linho, de quadros e listras, bo-
aitos gostos, a 500 rs o covado. Aproveitem.
POPELIISAS de linho e seda, gostos inteiramen-
te novos a 900 rs.
D1TAS com listras largas assetinadas, b mais
moderno qne tern vindo ao mercado, a i I.
CRETONE francez com listras e de quadriohos
de cores e pretos a 400 e 410 rs. o covado. Isto
s6 no barateiro I
DITO francez de listras, proprio para camisas
e vestidos a 300 n.; pois so se vendo se pode
crer.
ES ;U AO de linho e algodSo, proprio para ca-
misas, fronhas, etc., etc., com 7 jardas, a 3/200, e
corn 10 jardas a 1/500 a peca.
MDSSULINA branca, com I stras, para vestido, a
400 rs. o covado. E' pechincha I
MADAPOLAO franco: ccm 20 varas, por 4/500.
E" barato.
CASEMIRAS d cores, para costumes (ronpa de
homem) a 3/ o covado. Ver para crer I
LAS escocezas, estamos acabaoJo aos pregos de
i20, 180 e 200 rs. Apressem set
CHirAS cseuras e Claras, fazenda fina a 210,
560 e 280 rs.; so a rua Primeiro de Marco n. 1.
CHAPEOS de alpaca, para sol, para senhora, a
5/000. E' admiravel I
BRIM branco n. 5, exposigao superior, a 2/ a
vara.
CAMISAS de cretone francez de cores, a 2/500
a ma.
CAM'SAS br-aocas, inglezas e francezas, gran-
de 8ortimenlo por pregos baratissimos.
BRIM pard.' trancado, para 280 rs. e 400 rs. o
covado.
BRIM Angola, superior, a 500 rs. o covado ; isto
so na loja do Barateiro I
CHAPEOS de sol de seda para homem, fazenda
superior, a 8/00, 9/000 e 1U/O00.
BAPTISTAS matisadas, gostos miudinhos a 300
rs. e 360 rs. o covado ; so confronte ao arco de
Santo Antonio I
LENCOS ile linho superiores, abanhadoi a 35,
i/oOO e 5/OOOJa duzia.
TOALHAS felpndas superiores a 6/500 a du-
zia. Em ontra parte veDderu por 9/ I
MEIAS cruas, super ores, para homem, a 4/,
1/500 e 5/. E' pechincha.
BOTINAS superiores para senhora, a 4/500 o
par.
ATOALHADO aleochoado, fazenda superior, pa-
ra me>a, a. 1/500- a vara.
ALGODAQZINIIO branco, com pequeno toque,
a 33500, 4/ e 4/500, e marca T, a 5/ a pega.
Aleni das fazendas acima mencionadas, enenn-
trarao muitas outtas que agradarao em qualida-
de e preg -, e qne para nao massarmos a paciencia.
de nossos freguezes, as deixam s de enumerar,
So do Barateiro
A' rua Primeiro de Marco n. 1.
Loja de Agostinho Ferreira da Silva Leal & C.
Nao se enganem
Pois sao os verdadeiros barateiros I
Aos legitimos fogoes econo-
micos.
Acabarn de chegar a esta cidade os ver-
dadeiros fogoes economiccs, ja- rauito conbe
jidos nas provinciss do Rio de Janeiro,
Minas, S. Paulo, Sergipe, Rio-Grande, Ba-
hia e Alagoas, awiJc tem merecidu do pu-
blico a maior aceitac,ao possivel, e sao ja"
preferidos aos de qualquer outro systema,
^onhecido pela sua muita solidez, especia-
lidade na collocae,So, rnoderno systema,
e sobretudo grande economia no combusti-
vel ; trabalhatn corn lenha, coke, carvao de
madeira, etc., etc. Ha de diversos tama-
nhrs, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de muita familia, collegios, hoteis,
casas pias, hospitaes, etc. Acham-se ex-
postos ao publico, aonde se darSo todas as
explicates necessarias : na rua do A'ign-
o n. \-l
Soares Lei Irraaos, rua do Barao da Vic-
toria n. 28, antiga rua Nova.
Aos merinos
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Caxias
n. 63, acaba de recebef nm bom sortimente de fi-
oas bonecas qne fallam, qne riem-se e choram ;
tambem as tem mudas e surdas ou aurdas-mndas
venham ver se nao e verdade.
E com as senhoras.
A Magnolia, a rna Duqne de Caxias n. 45, par-
icipa a. bello sexo que acaba de receber da Eu-
.-opa, um completo sortlmenlo de artigos de ulti-
oa moda, e como acha desnecessario fazer nm
nfadonho anuuncio, por ja ser bastante eonhe-
;ida, e caprichar sempre em ter bons correspon-
ientes, sendo a pnmeira que apresenta o qne ha
le mais rnoderno e por precos mui razoaveis, por
sso limita-se a descrever somente o seguinte:
Settas douradas.
BicoH de cores, tanto do, seda como de gnipnre.
Leques dourados, de madreperola, marfim, tar-
taruga, osso, etc.
ahidas de baile.
Presentes, diversos artigos proprios para pre-
, sentes.
eoiinuH e punhos.
xanuai para missa, com capa de madreperola,
tartarnga, marflm, velludo, etc.
Sapattnboi de setim para baptisado.
camisas bordadas para senhoras.
L.lga* de seda.
rranjas mosalcas.
iderecoi de tartaruga.
voltas'de madreperola.
PnlseiraS de madreperola.
LtndaM 11.ires para cabeca.
Boieas de velludo.
Perfumarlas dos melhores e mais afamados
fabricantes.
ciiapeun de sol para senhoras.
Picas de vellude de todas as cores e larguras.
Moscas.
Quereis livrarvos destes malditos insectos? com-
jrai uraa machina de maur mosca^ por 3/000
a Magnolia, a rua Du jue de Caxias n. 45.
Calvice.
A Magnolia, a rua Duqne de Caxias n. 45, ven-
le ft verdadeiro Vigor de Ayer, qne impede a
eabida dos cabellos.
Sardas epanos.
So lera sardas e panes quem quer; porque a
tfagnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem para
render a verdadeira Cuticnleria, que faz desappa-
recer estas manclias em poncs dias.
uihiilC
N.72. Rua da I mp era t t\z N. 7 2,
EM LIQUII1ACAO.
Tendo recebidp diversas qualidades de fazendas que ha tempo linham feito encommenda e
agora estando em liqnidacao resolvcu qne estas fazendas fossem vcniilas nas mesmas condicoes o
que e muita vantagem para os compradorcs, isto no Bazar Nacional rua da luiperatriz n. 72.
400 rs.
com listras muito
Organdys branco a
Vende se organdys branco
fino a 400 rs. o covado.
Popelioasa i:00r\
Vende se popelinas de c6res muito Qnasa 1? o
covado.
Alpacas de cores a 100 rs.
Vende se alpacas de cores para vestidos a 400
rs. o covado.
Laazinhas a 120 rs.
Vende-se laazinhas para vestidos a 120, 210,
320 e 400 rs. o covado.
Alpaca lavrada a 610 rs.
Vende se alpaca lavrala para vestidos a 610 rs.
o covado.
Granadina a'iOOr?.
Vende-se gr-n.-.dioa pretaconflistras brancas a
500 rs. o covado
Percales flnas a 100 rs.
Vende-se percales finas para vestidos a 4C0rs.
o covado.
Chitas finas a 260 rs.
Vende-se chitas de c6res escuras a 260, 280 e
320 rs. o covado.
Cassas de cores a 260 rs.
Vende se cassas de c6re- flnas a 260 e 320 rs.
o covado.
Cambraia victoria a 3 500.
Vende-se pe^a de cambraia victoria a 3:500,
4/eo/. Cambraia transp: rente a peca a 3'-,
3/500, 4/ e 5/.
Cortinados a 6/.
Vende-se cortinados para janellas a 6/ e 75 o
par.
Chal.-s.de li a 640 rs.
Vende-se rha'es de la a 610, ditos de merino
estampados a I 600 e !/.
Cortes .ie casemira a 5/.
Vende-^e corles d-i ca-emira de cores a 5/,
5/500 'e 6/.
Colertas de chita a 2/
Vende-se cobertas de ehita a 2/ e 2/506.
Culehas de fuslao a 2/.
Vende-ss colchas de fustic a 2/, 3/ e 4/.
Fuslao branco.
Vende-se fa*tlo branco para vestidos de senho
ras, organdys branco Ono a 610 o metro.
Madapolio a 3;.
Wnde-sepecas >le madafjBlao enfestido a 3/ e
3/500 a peca, diUs dita^ fluo a 4/500, 5/ e 6/,
dito francez flno a 63, / e 8/. |
Algodaozinhn.
Vende-se peQas de alg<>da<> de tjdas as quali-
dades e barato.
Bran-ante.
Vende-se bfamante do 10 palmos para lenvoes
a 1/600, 2/ e 2/500 u metr i.
AIrojIi) enfestado a 900 rs.
Vende se alfodio de duas larguras enfestado a
900 e 1/ o metro, dito irancaJo a 1/280 o metro.
Grande liquidaeSo de ronpa feita.
Vende-se cere ul3s de algodao a 1/, diras finas
a l/!00 e 1/3 0. cawa-* brancas a 1/800, 11 e
2/500, ditas .le linho bordadas e lizas a 3/ e
3/5'0, piletots de alpaca pn-la a 3/500, 4/ e
1/300, ditos de dito de cores a 2i, camisas de
flanella a 2/, ditas de chita a U280 e 2/.
Retelhos de 15s.
0 Pa van vende uma porco de retallios fle Us
paj-a vestidtjt kitfe gr'jud?'? pqtH?n..is, que li-
uulda baratu pax.aeabar, asslm como ama por-
cio de cassas e chitas pretas qna> se vendem por
filial juer prego para acabar : ua rua da Impera-
tr t a. 60, de Felix Pereira da Silva.
, Espartiluos, a 3/500, 4/ e 5,;,
0 Pavaa vende nm bonito sorlimento dos mais
mode nos espartilnos que vende a 3/5'JO, 1/ e
5/000.
, Peehinca em lencos branc s a 2 500.
0 Payao vende duzi.s de kneos finissimos de
cambraia branca para mao, sendo fazenda qne
sempresce venden a 4. COO a duzia e li iuida-se a
2*500 por ter grande porcao de duzias,ditos abai-
ul.ados a 2j, ditos chine; s muito linos e ditos
francezes escuros mu.to lin.-s para quem toma
jape.
Cassas de cores a 240 rs.
I Vende-se cassas de cores para vestido a 240 rs.
o covado : na loja do Pavao a rua da luiperatriz
n. 60.
Camisas.
Vende-se uma grande porcao de camisas bran-
cas com peite de linho e de algodao, por muito
| menos do sen valor, por eslarem um pouco enxo-
' valhadas, assira como seronlas francezas e de al-
Corteg decasimira a
e 6#O00.
Nj loja do PavSo, vende-se corles de ca- j
senlira para calca a 49, 55 e 6d(>00, ditos
muito Qnosde uma s<5 c<5r com listras ao la
do, fazenda qne sempre se vendeu a 95 e I
10^000, liquida-se a 6^000 para acabar:
i rua da Imperatriz n, 60, de Felix Pereira
da Silva.
Para concertar meias
A N'OVAESPERANQA, a rua Duque de Caxu
n. 63, recebeo 'testa m-cessaria linha.
Asunicas verdadeiraB
Bichas harnburfniezas one vem a este mrc*-.-
oa ma do Maraoei dp ; ilmda .81______^^
1i~^11/ ositio junto a igre-
ja de S. ioti do Mangu nho, com casa de vivenda
assobradada e ontras acommodac5es, todo mnra
do, com duas frentes -ervi -as por portao de ferro,
dando para a rua d Amizade e para a do Man
Tem de terreno proprio 194 palmos de
VBt
guinho. Tem de terreno proprio .--.
tit W'- *,ULde,mha 5 *,* 6 -,300 P52 '"gura e 354 de fundo ; e a ca\a m, de 52 palmos
"Sf,: a.'?'a *? j*'"0 rua da Imperatru n. 60 da efrente e 84 de fundo. A situacao e a melhor
Eossivel para morada. e quem quuer edificar, tera
astante terreno para isto, pelo lado da rna da
Amizade. Tem a'gumas plantacSes de gozo e re
Vende-se
No escritorio de Thomaz de Aquino Fonceca &
C. Successores, a rua de Vigario n. 19, primeiro
andar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Lisboa.
Vinho Sherry.
Vinho d i Porto em caixas, finissimo.
Idem em barris de quinto e decimo, fino.
Relroz.
Fio.
VENDE-SE
Na rna do v'igario n 19, vende-se o seguint e
Cimento de Portland, em primeira mao.
Vinho do Porto, engarrafado, finissimo, em cai-
xas de duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
Vinho Sherry, inglez em caixas de dnzia.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa. /
Cera em grume, idem. ____________________
Wilson Rowe & C vendem ao sen armaa
a rua do Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao azu! amencaiic
ExceTlente flo de vela.
Cognac de i qualidade-
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidades.
Pentes girafe.
Pentes girafe, proprios
moda) : a Magi
e so quem tem.
Papai, maraai.
Couju 5o lindas aa bonecas de cera que CBa-
mam papai, mamai, choram, andam, etc. So na
Magnolia a rna Duqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolas.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu gaiolas do aratne de lindissimos modelos,
proprias para passaros ; a ell antes qne se aca-
bem._______________________________________
Na loja do Pavao vende-se madapoI8es france-
zes rauito incorpados, com 20 jardas a 6,000 reis,
dito muit > fino com 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as-
sim como um grande tcrtimento de madapolSes
ingiezes de 4,500 ate 8,000 e 9,000 : a rua da Im-
peratriz n. 60, de Felix Pereira da Siiva.
Magnolia a rua Duque
para senbora, ( ultima
de Caxias n. 45
E'BOM SARER-
Que a NOVA ESPERANCA, a rua Duque d*
Caiiasn. 63, bepi cont.ecida pela superioridade de
seus artigos de moda e phantasfa, acaba de rece-
ber diversas encoromendas de mer adorias de sua
repartieao, que pela eleganci bem mostra aptidao
e bom go to de seas antigot corrcspondectes da
Europa, e por esta razao a NOVA ESPERANCA,
a rua Dntine tlu (laxias n. 63, convida a sua boa
e conslaute freguezia e coin especiabdade ao sexO
amavel, a visiiartm na, afim de apreciarem at6
ondetoea oprinor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer enlrar nonu-
mero dos massanles (verdadeiro^ azucrins) com
axterrsos annnncios e ncm pretende descrever a
immensidaile de otjeclos que tem expostos a ven-
Ja, o qne serla quasi impossivel, mas limitar se-ha
a menciouar alguns daquelies de mais alta novidadc
e toma a liber ade de aconselhar ao bello sexo,
que a vi.-item constantemente, para depois. que
comprarem em ouira qualquer parte nao se arrej
penderem, a vista do born e esculhido sortimeHto
qne ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
de Felix Pereira da Silva.
Roupa para homem para acabar ate ao nm
do anno.
Na loja do Pavai liquida se uma grande porcao
de ronpa para homem como sejam r calcas de
brim d'Angola, ditas brancas, ditas do casemira de
cor de 62 ate 12,,, ditas de brim de cores, palitots
e fraks de pan no preto, de alpaca e alpacao, as-
sim como Je casemiras de ceres, colletes brancos,
pretoa e de cures, assim como roipa branca de to-
das as qualidades, nao se oUia a prejuizo, o que se
quer e liquidar ale ao fi n do anno.
Cambraia Victoria e transparente
Na loja do Pavao vende-se um grande sortimen-
to de cambraia Victoria e transparente para ves-
tidos t ndo 8 1/2 vara cada pessa de 3 600 para
cima, isto na rua da Imperatriz n 60 de Felix Pe-
reira da Silva
Collarinhos de Itnho para azabiT a 4}
a duzia
Na loja do Pavao liquidVM uma grande porcao
de duzias de collarinhos de linbo, por estarem um
ponco enxovalhados, pelo barato pre.-o de 4j a
duzia, sendo fazenda que sempre se vendeu por
7^ e pechincha : a rua da Imperatriz n. 60, loja
de Felix Pereira .la Silva.
Chales de casemira a '. 5.
0 Pavao vende chales de
creio, havendo bastante agua fornecida por duas
cacimbas, urea das qr.aes 6 nova. A entender-se
com o Sr. Dr. Witruvio qu-m o pretender.
A 500 rs. o covado
Na loja do Pavao vende-se lazinlias japonezas
de cores muito modernas pelo baratissimo prect
de 500 rs. o covado, para acabar ; nolaodo-se qne
e fazenda qne jamais se vendeu por raencs dc
dois cruzados ; ja ha poucas : a rua da Imperatri:
n. 60, loja do Pavao, de Felix Perei'a da Silva.
Lazinhas brilhantes a 720 rs.
0 Pavao recebeu ura bonito sortimeDt) das mais
lind.i- lazinhas brilhantes, sendo dc quadrinh(.
miudinhos, parecenlo de un:a jo cur, e tenio diffe
rentes cures ; esta fazenda tem utn br Iho corns
seda e bastante largura, e vende-se a 72n rs. o
covado : na rua da Ira eratriz n. 60, loja de Felix
Pereira da Silva.
LSzinhas raodernas a 320 rs.
0 Pavao vende booitaa laziohas de quadnnhns,
tendo de todas as cotes, pel i barato preco de 320
casemira com gostOB rs. o covado; sendo fazenda que sempre se venden
chinezes, sendo muito grandes, que sempre ven- a 500 rs, e pecbiuc a : na rua
deu a 7/ e 8^, li.juida a 4 :. Ditos de la, muito 60, loja dp Felix Pereira da Silva
encurpados, com listras, a 3;.. Ditos de quadros,'
bonito
da linper; t:.z n
azenda muito b.-a 2j ; assim como, um
furti.nenlo de ditos de merin6, lisos e de qoadros,
vende de 1$ ate 5 e 6/ : a rua da ImperMriz
n. 60, loja do.Pavao. de F. Pereira da Silva.
Popelina de liolio a 400 rs. o covado.
0 Pavao recebeu um elegante sorlimento das
mais b nit s pepelinas listradas para vestidos que
vende pelo baiato preco de 400 rs. o covado, la-
vando se nao desbolam ; assim como, bonltas e
modercas lazinhas com listras de seda a 610 rs.
o covado. Ditas transparenies com palminbas a
500 rs., sao bonitas. Bareges de uma so cor, pelo
barato prego de 400 rs. o covado, e pechincha :
na rua da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira
-da Silva.
Cortes de vestidos p-.ra liquidar.
0 Pavao venie ai-.fi/ e 6/ cur!e de cam-
bem deraonstra qne qualquer senhora do bom torn, ,S fi ,
nSr. r^u r-nrnnloLp 3 ..leunn.-ia zenda qUe sempre vt-uaeu a // e 8/, e liquida a
4/ para acabar. Dioa brancos de cambraia aber-
aao podera coraplet^r a elegancia de sen toilet
sem "qne de um passeio a NO A ESPERANCA, a
rua Duqne de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
ber os seguint-s artigos de luxo e inteira novida-
de- :
Modernas setias para prender 03 cabellos
Primorosos leques <*e .phantasia.
Bonitas sahidas de b'alles pan senhoras e meni-
nas.
Interessantes gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de touquirn.
Bons aderecos de'madreperola.
Delicados aderecos pretos de pufalo e
(gosto novo).
la com listras e lavradinhas, que sempre se ven-1
deram a 10/, liquidam se per 5/. Difca BboaOoI"""*? -e qu?lldades-
Crocliets para cadeiras
0 PavJo vende uma porcao de panos de cro-
chet, proprios para en 'Orl> de cadeiras e de so-
fas, qne vende por nrtcos baralis>Unos : na rna
da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da
Silva.
C6rtes de organdy a 2JJ00
0 Pavio recebeu um bonito sortimento de cortes
de organdy, mati-ados, para ves'ido, que vende
pelo barafissirno prero de 2 400 o corte, e pechin-
cha : na rua da Imperatriz 0. 60, loja de Felix
Pereira da Silva.____________________
AiiAifii di nm.
A' pra<}a circular do Apollo
vcnde~se:
Tljolos de marmore, de difTerentes ta-
cim lmdos enfeftes de c6-, fazenda que val I2e',' Tljolos francezes, sextupbs.
; liquidam se a 6=. Ditos de cassa de c6res com' Cimento Portland verdadeiro.
; e peeh-ncha : na ma da- Impe- Azulcjos grandes muito
Festej
os
ralriz u 00, luja de Felix Pereira da Silva.
Pechincha para criancas.
Meias a 2/500 a duzia.
Toalhas de fuslao : ara rresa a 2..500.
Lorracha' ^ pavao vende toalhas de fustao para mesa de
. janlar pel> bar- to preco de 2/500, e pechincha :
----------I na loja do Pavao, a rua'da Ioperaliiz n. 60,
; kja de F. T, da Siva.
Gros
proprios
para rodapris.
Azulejos verdes e amarellos, tamanho
regular.
: Maquinas de desc&rogar algodao.
Cadeiras de ferro, assent- de palhi-
.nha, prepriaspara campo. _____
preto a I/. t-ij
0 Pavao vc-nue gioruempies preto a 1/ 0 co- i BdliprtS ilSbllll-
vado e dahi para cimi. ale4j: na rua da Impe- Art Efl AMtVPf
ralriz n. 60, loja de FlUx Pereira da Silva. fl,L1", .
Brins de Angola a 2/ 2 500 e 3J A Nova E?PeranCa- a rua Duque de Caxias n.
0 Pavao vehde cortes dos'verdadeiros bins de!^. 'oma a l.berdadede av.sar ao bello sexo, qne
loja o. 44, a rua Duque de Caxias. j A |a 2 ifm e 3, e peChincha : na rua! aca.ba de recet
Popehnas de modernissimos padroes, covado a dabImperatfiZ n. CO, luja de Felix Pereira da da.d?> ?s ?aae?
Granle Iiquidsgao i'e
melbur gosto, pat
fazendas finas c do
vestidos de festa, na.
CASA
Colchas para camas
Na loja do Pavio vende-se colchas de fustao
brancos, para cama a 2,500, ditas. de dito de cor
a 4,000, cobertas de chita e de cretone, de 2,500
para oma e ditas de melirfl escarlate forradas com
ntkdhpolio a SftOO : a roa da hnperatrtt n. 60,
de Felix Pfirelra-de Silva.
'Salsa-parrilha do Para
Tem para vender Antonio Luir de Oliveira Aza-
vedo, no seu escriptorio, 4- rua do Bom Jesus nu
mero 67.____________________________________
Yende-so
Lamina? de vidro para vidracas .
KsUi.li > em vergninlia.
A' rua do Marquez de Oiioda n. 4.
Vende-se on aluga se uma casa terrea em Olin-
da, com grandes commodos, gaz e agua encanada :
a tratar na rua 1* de Marci n 6.______________
Ciineiilo Portland
0 verdadeiro cimento Portland em barricas de
180 kilos: vendem Lebre & Reis, a rua do Amo-
rim n. 58.
Farinha demandioca supe-
rior.
Tdm para vender, Joaquim Jose GonQal-
ves BeltrSo & Filho, a bordo do palhabott
Rosita, fundeado ao p6 do caes doCollegio,
e para tratar a bordo ou no seu escriptorio
& rua do Commercio n. 5.
Nova remessa.
\inho Terde de Amarantc
Convida-se os aprecia"dores a virem apreciar 0
que ha de mais excellente neste artigo; vende-
se em decimos e a retalho, em casa de Poca
& C, a rua estreita do Rosario n. 9,'. junto a
grejaJ______________ _________________^^
Bouquets de crave e de todas as (lores, capellas
e velas para baptisados, de muito gosto, por barato
preco, e tambem recebe-.-e eccomrcendas tres dias
antes : no pateo do Livramento n. 36, loja de
cera.
600 rs.
Dilas de ditos a 1/500.
Ditas de dims a t/HH).
Ditas de ditos a 1/600.
Cambraias organdys de padroes e, cores inteira-
mente novos e modi-rnos, covado 320 rs, cortes
de cambraias brancas para vestidos, bordados e
com babados, a 6/.
Chapeos mi.'.enios, goslo allemSo, para senhora,
proprios para a esta^ao da festa, a 2/500.
Ditos de diversas qualidades, para homens, pelo
barato prego de 2/ 2/300, 3/ e 4/.
Camisas francezas e inglezas, Je diversas quali-
dades, a 1/500, 2/, 2 50) e 3/.
Collarinhos de linho, lisos e bordados a 400 rs.
Toalhas de linho para rosto a 400 rs.
Lencos fin-is'com barra, duzia f/400
Ditos ditos brancos, duzia 1 500.
Metlns esc cezes, inleiraraente novos, proprios
pbicraa robres, ccvsdo 240rs. ,>, /
Meias fmis^imas, para senhora, duzia a 3>_5*00.. i
Lazinhas, chitas, cambrias, madapoloes, algb-
dees, brin 'acaba de receber diversos aitigoi de-alta novi-
esiao expostos a vunda em dito
estabelecimento, e bom que veuham aprecial-os
Metin? a 280 rs Para por esta f6rma ?atisfazerem caprichos de
0 Pavao vende b. nitos metlns de cores para suas dp**?1** toi!ees- .
vestidos, pe!o baralo prs^o de 280 e 320 rs. o' A Nva, EsP"ran^ "*gJBere? lornar-se
'covado; assim como, un?bom sortimento de chi- massante, limita se a mencionar alguns artigos
las de todas as cores, nadrues modernos e fixos,! d?s mais em V08a D0 miaio das modas. s xiai
pelo barato prego de 280 ate 36 1 rs. : a rua da
Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da Silva.
0 Desengano esta quei-
mando
0 proprietario deste estabelecimento tetn resol-
vido vender as fazendas existentes em seu estabe-
lecimento, por menos do que em ouira qualquer
parte.
Vanzmese de seda.
Vende-se"estafatehda de'lindos patrSes, de lis-
tras e' palmas, pelo dlminuto pre?o de 320 rs. 0 co
vado, por ter uns toqnes de raofo, e grande pechin-
cha. Esta fazenda tambem serve para Into, por
sao os seguintes :
Lindos ciotos de couro e filigrana.
Modernos botoes de ago para vestidus.
j Novos leques, grandes, matisados.
1 Elegantes fivellas de ago para vestidos.
Delicados.ramos de fl ires de larangeira.
Bolsas de couro e filigrana, proprias para tra-
zer pendentes ao cinto,
Traves.
Vende-se travts de louro e qnalidade; para
ver no caes do Ramos, e trata-se com Joaquim
Rodrigues Tavares de Mello, a praca do Curpo
Santo n. 17, !. andar.
Salsa parriliia
Muito nova e grossa.
Vende-se por barato prego, em |x.rcau t a n-
talbo : na rua larga do Rosario n. 34.________
PREDILECii
A.' rna do Cabnjja o. t A-
Os proprietarios da Predileeu, no intuno
conservar 0 bom concoito qne ttn rorri4c is
respeitavel publico, distingnindo I sei
mento dos mais quo negociam i memo ,
veem scientificar aos seus bons fregueze- que [
veniram aos seus correspondente* nas div*r* pm-
gas d'Europa para Ines enviarem por todt w (>-
quetes os objectos de luxo e bom gosto, jam mais bem aceitos pelas sociedades '\%w**
laque!!es paizes, visto aproximar se 0 t-rajyi it
festa, em que 0 bello sexo desta liada veasBA
mais ostenta a riqueza de suas toillnti* e a-
mo ja recebessem pels paquete Frances.
artigos da ultima moda, veem patenvi-
I'entre elles que se tornam mais ecammetatk\
esperando do respeitavel publico a c^amait
:oncurrencia.
Aderecos de tartaruga os mais Undo* i* *m
vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de m.vdreperi>U 4*
velludo, sendo diversos tamanho; c barav* pn-
os
Aderecos completos de borracta pn prt.>.--para
into, tambem se vendem meios ad ^reeos mii-t- "hr-
ritos.
Bot?es de setim preto e de ciirrs par?, -.rnsiodt
pestidos de senhora ; tambem te.t! para r**aU
valitot.
Bolsar p.tra senhoras, existe uio twllo ... ''*.
der seda, de nalha, de ^chagrim, etc., etf- tr
barato preco.
Bonecas de todos os tamanbes taatc o> taotat
como do cera, de bor'acha e de raassa ; c?:.aiv-
mos a attengao das Exraas. Sras. para e* 1
pois as vezes tornam-se as criancas nm p.-c-- ic-
pertinentes por falta de um ob ecto w m-
iretenhara.
Camisas de linho lisas e com peito* b r i-ara homem, vendem-.e por preco comraacV
Ceroulas de linho e de algodao d<> Aviaa >*.-
c>..
rillilllHH com mu.-ica, 0 qne ha de bum ia>%
com disticos nas tampa.- e prop iaa para prwa*
te
Coques os mars modernos e d-- divers"* fnra>
.os.
Chapeos para senhora. Receber.u, l
da ulsima moda, tanto para senbora, mm par*
meninas.
Capellas simples e com vev. para n:>ivu
Calcas bordadas para meninas.
Kctreme os estampados e bordados, -.itAm
tesenhos.
F.scovas electricas para dentc, 1 : 1 -
dadc de evitar a carie dos deates.
Franjas de seda pretas e de cores, exi/te is
srande sortimento de diverts Hrjiuras t*i
prego.
Fitas de saria. ite gcrgorio. de ssliic #
o>lo?e, de divt-rs*s larguras e bur.iia* c-r**
Fachas de gorgurao mnio lindas.
Fi re* artiriciaes. A Predilecta prims -rs
ervar sempre um bello e yran-le sortiuiea.> eVe-
tas flo 1 us, nao so para eafett- i jn
ambem para ornato do vestiJo d.- noiva
Gal6es de algodao, de li e Ca asta, hfl H pa-
os et de divt rsss cores.
Gravatas de seda para iiomem e senbora*.
Lagos de cambraia e do seda Ac fit r at
para senbora.
Ligas de seda de cores e brar. :as 1 n
notva.
Livros para ouvir missa, com capa; '-. *&%
perola, marfira, 6s-u e velludo, tudk- (Mii
bom.
Pentes de tartarnrn e marfira para a:- -
bellos ; teom tambem para tirar caspa*.
Port bouquet. Um bcllu sortimento de .i.mr-a-
perola, marfira, osso e dnurad< por barato ^rs^av
Perfumarias. Neste artigo esta a Prci.-!' )*ei
provida, nio so em extractos, eemo tm
banhas dos melhores odores, d s mais .1
fabricantes, Loubin, Piver, Suciedade Hjrgi-trea\
Coudray, Gosnel e Rimel; So indispnDavi \> a festa.
Saias bordadas para senhora, por cwr- 4o
prego.
Sapalinhos de la e de setim burdr.ao.' .pan baa
usados.
Tapetes Recebeu a Predileeu um bonitr .-. 1i-
uento de diversos tamarhos, taoto para >fs *-
mo para tntrada de salas.
Vestimentas para, baptisado 0 que la dr u-i|.r
gosto e os mais rnoderno recelieu a Fredi)< de or an.to preco, para dear ao ataaaaa
inalouer bolsa.
Chocolate do M.aranhao
Unico deposito nesla cidide, em casa de htm
Tavares Carreiro & C, rna Din ita a. 14, n m
vende pelos precos e vanlageus da fabr'^a

Rua 1 deM
a 190
n. 14
3. mSlo.'.rtPque s; a='exPTosVara -r toda preta; e^fazenda de2/500 0 covado."
os amigos do bore do barato, por 25 0|0 menos .-., Uaraasco ae ta.
0 Desengabo esti vendendo -
que em ouira qualquer pane,
tudo se acha em liquidagao.
Cnalmente tndo,
Vende-se
um terreno ert Beberibe de baixo, com 50 palmos
de frente e 500 de fundo : a tratar na rua de Vi-
dal de Negreiros n. 137. __________________
d GRANDE
Liquidagao
Sal do Assu.
Loja 2 de dezembro
Neste novo estabelecimento de miudezas se en-
contrara tudo qnanto e bom e barato; com espe-
cialidade calgado para homem e senhora, fitas de
sarja, setim e seda de todas as cores e larguras, a
{iregos razoaveis, bem como la paYa bordar a 4g a
ibra.de lindas cores : na rua da Imperatriz n -.
Bartholomeu & C.
PARA
Liquida^ de eonlas
vendem por barato prego
SALSA -P^tRILHA
UM
34-RUA LARfJA i)0 ROSARIO -34
DE
Ch&peos de sol de todas as
qualidades
Mm. Falque convida ao respeitarel pnolico, e
particiilarmente 50s seus freguezes, para que apro-
veitem a occasiao de sortirem se de chapeos de sol,
os quaes se vendem por baratis-'imos precos, pois
d'eseja diminuir 0 grande fleposito que tem des
mesmos, e de todas as qualidades, como sejam :
de seda, panno e abaca, pap homens, senhoras e
meninas. No mesmo estabelecjmepto ,ha um Op-
timo sortimento de seda, alpaca', mferln6 e brim mn ;, n fnv.An
para coberta dos mesmos'. Ha tambem chapeos' *
de panno com dons forros, propflos para os ba-
nhos do mar, a 13500 para acabar. ,
reis o co-
vado.
S6 na rua do QoeitnsiJo it. 43, junto &
lrtta da ftatfMRa.
E' bkrrt6.
Cambraia branca com (lures bordadas ^e corea4,
damasco de la de
lindos padToes e de duSi'largaras, pelo baratissi-
mo prego de 1/000 0 covado, e fazenda de 2/500.
Aproveitem que 0 Desengano esta queimando.
Cas8quinbos de gorgorfii de seda.
0 Desengano esta vendendo casaquinhos de gor-
gorio de seda, enfeitados, pelo baratissimo prego
de G/fOO cada nm, e grande pechincha. A elles
antes qne s^ acabem.
Organdys a 320 rs. 0 covado.
1 yenftejn-se Organdys de listras, brapco, pelo ba-
rato prego.de, 320 ts. 0 covado. Aproveitem.
Madapoloes de &$00p a peca..
0 Desengano esti vendendo rSadaporao francez
com 20 ^raras a 4/ a pega; dito muito fino, a 0/,
5/500, 6/ e 7/ a pega ; e grande pechincha.
Algodao marea T, largo, a 4/, 4/500 e 5/ a
peca.
Ricos cbapeos de sol de seda, com cabo de mar-
fim, a 12/ cada um ; e pechincha.
Baptistas de lindos padroes a 400 rs. 0 covado.
Lazinhas de cores, bonitos padroes, pelo diminu-
to prego de 16,0 e 200 rs. 0 covado. A ellas antes
que se acabem.
CSmbrala Victoria, a 3/500, 4/, 4/500 e 9/ a
pe?t.
Alpacas de cores, la e seda, bonitos padrSes, a
_ jO rs. 0 covado ; e grande pecbinoha.
TTetlns de cores, bonitos' padrSed, a 280 e 300 r.
0 eovadd.
Chitas claras de lindos padrfjes a 240, 260 e 280
reifl-. .. .
E ontras mnitas fazendas qne qeixa de mencio-
na- as pari n5o se fornar enfaddhtio, por fsso 0
proprietario convida a todas as pessoas a fazerem
trma visira a sen estabelecimento, afim de sorti-
rem se do bem e barato. Rua do Crespo n. 25,
junto a loja da esquina.
Mlo ha quem vend* mais barato!
Garni & Brito, com armazev de moHsados Do
largo da Santa Craz ns. 2 e 4. vendem mantejga in-
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo, a bordo do palhabote Johen Arlvhr : a
tratar com 0 capita a bordo, ou no seu escrip-
torio. a rna do Bom Jesus n 57
E' pechincha.
A 160 rs.
Lazinhas de cores, padroes mnito lindos pro-
prios para vestidos de senhoras e meninas, e ven-
de-se pelo diminuto prego de 160 rs. 0 covado,
por este prego so se encontra na rua do Crespo n.
20, loja de Guilhejme & C. ; dao se amostras.
E' bonito
As almofadas bordadas de la matisadas qne re-
cebeu a Nova Esperanra, a rua Duque di
Caxia^p P^
E'
com as noivas
A NOVA ESPERANCA, rna Duqne de Caxias n.
, acaba de receber boas meias de seda proprias
para noivas, e os apreciaveis ramos de larangeira
Lambra.a branca com tlures boraaaas tje -cores-, ^ em b r ., m {fi0o ft. ^ ciSi ^q
sao padrSes muito bon.Ws e de gosto* nuztca jislo,.; -|rtmtoas vlntl0 ^ ^^ a ,206 agarrafa, dito
pelo diminuto preco de 320 rs. o **ado.; Wirjl-a' m k *%,* x caDaflB s 3,400 rs.,
so n 43 e quem tem. Dao se amostras com pi '
nnor.
! Lustres, candieiros e aran-
dellas para gaz.
No novo estabelecimento, Grande Exposigao, na
rua do Imperador n. 35. junto ao escriptorio da
companbia do gaz, venilem-se lustres, candieiros e
arandellas de difTerentes tamanhos e modernos
gostos, tanto de vidro como de bronze, e tudo dos
, melhores fabricantes que ba na Inglaterra. Tarn-
I bem se vendem globos de bonitos padroes, chombo
e tudo 0 mais que for preciso para 0 service do
gaz. E como os donos aeste estabeieciraento man-
dam vir de conta proprla e se qaerem aereditar,
vendem tudo mais barato do qne qualquer outro,
para 0 qne os compradores podem experimentar.
Alta liitviilide.
0 Barateiro, i rna 1* de Marco n. |, aeaba de
receber grande sortimento de entremeios e babadl-
nhos tapados e transparentes, de todas as largu
Adi
Vinhc .1 verde.
Especial ebegsdo no ultimo vapor, tem para
vtnder em barris de quinio e de Cnlares em
decimrs, no sen escriotorio a rna do Commercio
1 "' g-,iJoa1u'rn io'e G-.n;alves Beltrio & r.lho.
V9M.
Vend, se a casa terr.-a do largo d
37 a Oral.; na ma 6 Marqa -z do
mero 31.
mirem
t.ranautna de seda a -1O0 vm.
Na loja do Pavao vende-se finissimas granadroas
de seda com listras assetinadas, fazenda one sem-
pre se vendeu a 1' 200, e liquida a 400 rs. 0 cova-
do ; assim como manguitos e'golinbis de cam-
braia bordadas a 13 cada nm, -e pechincha : na
loja do Pav4o, rua da Imperatriz n. 60, de Pereira
da Silva.____________________________
Oal de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpo'
gaz (Devos) Iiquidoa240a garrafa, velas stearinas ras e vende a 1,000, 1,200 e 1,500, fazenda que
a 560 0 maco, velas economicas a 760 0 maco, | sempre custou 2,500; a nma experiencia n6s os
cha perola a 3,206 rs, cada 4o0 grammas, dito al- convidamos
le S. Jose h. Santr n. 17, andar, escriptorio de Joaqnim Ro- |qae encenuarlo a maior stneeridi
Hvrval TIB rtrigues Tavlrei de Mello. -poss.vi no Uno da Santa Croz ns.
Tl- t e Jz em deGama & Silva Brito.
iofar sn()lrlor a 3,000 rs. cada 450 grammas, tun
' feoojpfeto sortimento de bfteoitos em latas, que se
vendem por pregos baratossinws, hervilhas france-
zas a 610 a fata, marmelada muito fina a 640 rs.
a lata com meia kilo, oueijos frescos, azeite doce
"de Lislma a 640 a garrafa, assucar de primeira de reeeoer
sorte a 320 rs. 0 kilo, dito de segunrta sorte a 28
0 kilo, dito de tbrceira sorte a 240 0 kilo, vinho do
Porto, em barril, a 800 rs. a garrafa, dito eagar
rafado das marcas mais acreditadas a 1,000,
1,200 e 1,500 0 que pdde' haver de melhor e
todo mais a vontade dos compradoree, ee'rtos de
sineeridade e agrado
2 e 4, arma-
Para senhoras
Como sao lindas < moderna- as gravatinhas qua
a Magnolia, a rna Duque (le Caxias n. 45, acaba
Farinha de railho
Vende-se farinha de milho m.iida a vapor, dia
!rlamente,del' q-ilid le. para cusens a 140 e 120
rs. a libra, da I* para <-*ngi.ra e pin de Prov^nga a
120 rs., a 3* para anmt nint is e pa-sarinhos a '00
; rs., c^aV para m 20.,, a !'0 r-, arrfth e mais
barat': na rua J Cn>v-Uo n. 25, casa de rzo
'lejo.
Gnsmao 4 L"al receberam grande quantida le i*
cortes de casemira para cal<;*, e vend, m t.-r i*
cada corte, assim como vendem MMto 1 -r^
vestidos, fazenda linda, por 400 rs. o covae fit -
da de 800 rs.: ao im rua I* de Uar.o n 14.
i-a/
1
Chegaram a loja do
das Familias
u rua do Duqae de Caxias '>
S6 para, am senhora
Riqoissimas lasiDhas de seda tx>rdapa> : Ita -
vidade, proprios para as senhoras a quem s re-
commenoamos por serera muito lind- e s. m
encontram no Bazar das Familias, por ser ear- m
menda proprla I
Lindissimos mangointos de cambraia bor i-io*,
inieiramente novidade ; fazenda quo so 0 li ur
das Familias e quem tem.
Riqniss mas golinbas de cambraia bordadas -on
bicos de gripure e crochet, fazenda nunca v- por ser a primeira vez qne vem ao mer ado, 1 so
0 Bazar das Familias e quem recebeu ; isMta c*>
mo ontras novidades de apurado gosto, qoi so
se encontram do Bazar das Familia-: ass.m r< m,
pedimos as Exraas. Sras. afim de 0 visitac ; tr*
se verificar dos objeetos acima especificad^s: 4
rna do Duqne de Caxias n. 60 a.
Cura das hernias, pelas fua-
das de borracha.
As melhoros e mais aperfeicoadas das ate b t- ea -
nhecidas.
vende-se
Pharmacia e Drs-zr
arloloae* dt C "
A1
34. Rua larga do loiriu S4
Vaccina. Vaccina.
Tendo b Sr. Dr. Jose Lonrencr de Mtgntii,
montado na corte nm completo servico den* ar-
tigo, tem aqni aberto nm deposito da aslfear
mais recente, cujos tubos se encontram M
Pharmacia e drof aria
A1
84rua larga do Rosario M
Imperial fahrica 'ie rape
area, fina deMoreirarf- 6.,
da Bahia.
Deste excellente rape, qne se to.'!* reevos****-
davel aos araantes da boa piuda 1.111 estsi, si-
do esta fabrica o sen deposito i rna do C -jtm-
cio d. 5, que vendem por junto a r uin. ts-
lendn-se raotagem a qqem ftmpnr y *%
Olinda
Hoh ncqalileii.
Ven1e-:ie um sobrado sfto na .\te da I Olinda. c-lificado em chaoprop">, com r
' arrommodacoes p^ra nnraero^a
cado e plnia.10 de n.v., eon "
I mui'.- fro-co e com quintal: a iratac
< de Pedro II n 6, i* anJar.


V
8
3iario Ae Pamambuoo Sexta feira 4 de Dezembro de 1874.

VARIEDADE

CHRONICA PARISIENSE.
Sumraario.Fallecimento de Elie de Beau-
mont.Apotheose de ami grande artists.
Uma lembranga de BerangsrAs es-
trellas parisienses.A loteria -Dejazet e
Frederick Lemaitre.Como a passagem
Radziwill deve sua existeneia a urn cos-
saco.Uma descoberta bibliographies.-
Frioleira de Ponsard.
(C nclusao.)
Escolha disso-lbe olioo que t dar-lbe na minha pobro morada.
Pois bem, aceito.
E eila pedio-lbe que preseuteasse-a com
0 moxo de tapegaria em que so ajoelbara.
Ainda exisle em casa delta este movel,
que conservou religiosamente.
Os espiritos positivos, que de mais a
mais coestituem a maioria do seculo em
que vivemos, nio podem comprebender
que, dep )is de ssr o idolo do publico, du-
rante meio seculo, e ver misturada no m9io
de um turbilhio de enthusiasmo a flor da
sociedade franceza, e mesmo os mo acre lias
da Europa, a eximia artista nflo tivesse eco-
nomisado, para a felhice, alguns restos do
milhao que dissipara com tanta generosida-
de e descuido.
Como se este descuid) do porvir, esta
prodigalidade caridosa, e o soberauo des-
preso do ouro, uio fosem a sina fatal dos
artistas e poetas, que desoidosos do futuro,
embriagados pelo triumpbo, someam libe-
ralmente o fructo dos seus talentosos es-
forgos !
E' bom accrescentar-se que, no tempo da
grande fama de Dejazet, os ordenados dos
artistas nlo pareciam-se com 03 orgamentes
ra.yrifi.cos que hoje fornece o enthusiasmo do
publico ds Palti, Nilsou e Kraoss. Os
10,000 francos que ganham estas cantoras,
em um* unica representagao, equivalent ao
ordenaib aonual dos artistas da geragio
precedente.
Para satisfszer seus iostinctos genorosos,
a grande Dejazet entregou-se ao mais obs-
tinado 0 ingrato labor, consagrando suas fe-
rias a representagoes em cidades das pro-
viucias.
A representaQao organisada em seo bene-
ficio foi felizraente digna da emineote co-
mica franceza. Todos os artistas afamados
de Pans solicitarara a hon-ra de represeatar
um papel qualquer nesta maravilhosa solem-
nidade ; e os que nao poderam obte-Ia, Q-
guraram como cooaparsas no acto de Mon-
sieur Garal escolbido por Dejazet, para des-
padir-se do publico. Foi desta maneira
que Faure, Tamborlick. Frederick Lemaitre,
Got, Delaunay, Coquelin, as Sras. Arnauld
Plassis, Judic, Therese, Celine Cbaumont,
Pasca Schneider, Colioo Montaland, Silly,
L'galde Suzanne Lagier, Queymard e tarn-
bem os Srs. Villaret, Dumaine, Paulin Me-
nier, os irmaos Lyonnet, Lhiritier, Buffe &
C. preencberam funccoss reservadas habi-
tualmente a pobres cornparsas.
Antes do levantar do panno, jd a venda
dos bilhetes elevava-se a mais de 59,000
francos, e julga-se que osta quantia sera du-
plicada pelo producto de uma loteria, orga-
nisada espontaueameute durante 0 especta-
culo, e para a qual ja coucorreram com
obras artisticas muitos pintores e esculptores
de nomeada.
Porem, por mais agradavel que fosse a
Dejazet 0 producto da representagao, certo
estamos que este resultado empallidecera no
seu espirito ante 0 dessbrido enthusiasmo,
as freneticas acclaraacoes e a incessaute tor-
rente de flores e cor6as que saudaram sua
derradeira apparigio em scena.
Na occasiio em que Frederick Lemaitre,
p melhor actor dramatico deste seculo, im-
primio em Dejazet 0 osculo que s6 podia
sor psrtilhado pelo genio do drama e pelo
genio do vaudeville, dir-se-tiia que mil tfro-
voes reboavaafna sla Ventadour, tio gran-
de se manife-tar 1 0 enthusiasmo do publico
em explosio de bravos e palmas. Semi-mor-
ta pela excess!va emogio, Dijazet via-se trans-
portada nas region; ph int sticas e bizarras
das mil e uma noites.
Um curioso investigador descobrio roeen-
tomente uma linda bistoria sobre a origem
da passngem Radziwill praticada nas antigas
sordidas casas que ainda b^je rodeam 0 Pa-
lais Royal actual.
0 princ pj Radziwill, tendo tido desaven-
gas com 0 rei da Polonia, viera a Paris, so-
guindo um metbodo assds original para
chegar mais depressa.
Viajava comcem cavallos que Ibe perten-
ciam.e, nao quereadj morarcmcasa albeia,
ordenava ao seu secretario" que comprassse
uma casa em cada paragem onde devia de-
mo rar se.
Em Paris tornou-se intimn amigo do re-
gente, que muito so comprazia vendo-o ab-
sorver immensa quantidade de vinho da
Hungia, e aguardento.
Todos os dias, o duque do Orleans rece-
bia 0 principe no Palais Royal, e quando
elle nao vinha cedo, roandava-o buscar sem
falta.
Tendo do respquder, am dia, ao regente,
Radziwi 1 chamou um dos cossacos de sua
comitiva, e entregou lbe oma carta para re-
metter ao regent no Pelais Rayal.
Sabes onde e 0 Palais Royal ? disse-
Ihe elle.
Nio, principe.
N'eate caso, pergunta i perto d'a-
qui.
0 cossaco- voltou triste, sem ter entregido
a carta.
0 principechamou-o.
Olha pela janeUs; ves esta casa
grande ?
Sim, principe*
Pois e" Id que mora e regente ; elle e*
aqui como 0 nosso rei; este e seu pafecio ;
vd depressa.
Ao sabir de casa, jd o caseaco tinba per-
dido a direc^ao do Palais Royal.
VoitoB, pois, sem resultado e tal foi seu
desespero, que intentara suicidar-se.
0 principe estava de bom humor. Fz
vir seu-mordomo e ordenou-ltie que com-
prasse todas as casas que fosse necessario
para alrir uma passagem entresua casa eo
Palais Royal.
Quando a passagem foi feitar o principe
exclamara com extrema satisfagio -. Ao me-
nos, agora este animal do coseaco poder&:
encontrar seu caminho ate ao Palais
Royal.
Do Palais Royal & Gomedia Franceza ha
apenas uma simples pare ie de sep-.rar.io ;
quer isto dizer que e oatural que- trateuvos
do illustre theatro de Moliere.
Tudo o que diz respeito a* historia deste
theatro e, ha muito tempo objecto de inves-
tigacoes fatigaveis.
Um sabi) bibliographo, 0 Sr. Jules Bon-
nasseis publicou, com 0 titulo de Historia
Administraliva da Comedia Franceza, am
livro muito interessante, contendo curiosos
documentos ineditos sobre esta poderesa
conapanhia.
Como foi instituida a Comedia^ b'ranceza T
Qual e a sua origem *- De que modo orga-
nisou-se? Que obstacuktsencootrou, eqaaes
foram seus estatutos t De que prove'm a for-
5a desta sociedade de actores, equal e seu
mechanismo?
A tudo isto respondeu 0 Sr. Bonnassies,
mostrando documentos authenticos que teve
a corajosa paciencia de procurar nos escrip-
torios dos tabelliSes de Paris, em duzentos
ou Irpzentas mil r.ec,as existentes nos archi-
VOS do theatro.
imente interessantes os docu-
preUdos pelo autor.
Foi Mbliere 0 verdadeiro fundador da Co
media" PfanwJa.
Este grande bonoem possuia nio soraente
0 genio litterario, com > tambem 0 espirito
lucido e dastro de am excellente admiaistra-
dor.
Com tanta habilidade organisira sua 00m-
panbia e tio bem fez comprebender aos
seus companbeiros a necessidado tie uma
admiaistracio regular e justa que mesmo
sua morte nio prejadicara" a prosperi lade d j
theatro, por mais terrivel que fOra esta per-
da inesperada.
Seus successes obserraram a mesma or-
dem, que distinguia os comieos dessa epo-
ca. Dessa maneira formavam uma rica e
poderosa corporagio, que dislribuia soccor-
rcs, dava mesadas, e nio soffria que ami
seria attingisse am dos seus merabros.
Nio supportam que hajam pobres na
companbia, dizia Cappuzeau, e impedem
que seus collegas caiam na indigen ;ia ; quan-
do um coroico deve retirar-se por velhice
on in lisposi;ao, seu substituto deve pagar-
Ibe uma raesada vitalieia.
Qoando LuirXIV, sentindo-se velbo, fez
se errnitio, retirou aos eomicos a casa
Quenigaud, e durante um anno, oclero
conseguio impedir-lhas que construiesem
uma nutra satr.
Afinal poderam edificar um novo theatro
contra a voatade dos curas de Saint-Pau',
Saint-Supliee e Sarst-Germam-l'Auxerroie.
Esta emigragio custou-lhes 290,000 frao-
cos, somma enorme nessa epoca.
Nunca desanimaram" estes comieos,' nea
os seus successores.
Muito bem regularisaram a aesociagio,
fazendo della uma republica 0)rescente.
Poda-se mosmo- dizer qtie este espirito de
orders e liberdfcde, a perseveranga, acora-
gem, bem comoo talento, niuitq cootribui-
ram para dotarem a Franca- de obras- primas
dramaticas, de que se glorifica.
Visto eslarmos a fallar de obras recentes,
flndemos e9ta cbronica, citando estes sym-
phaticos- versos de poeta Ponsard, que tern 0
dom de se terem conservado' inediios-, ap6s
tantos annos.
A poesia e intitulada 0 EspartUho de
Lucy Vvrelay.
Para que nada perca de sua graga trans-
crevemol-a na lingua primitiva :
Je m-'en vais pour one affaire
Qui mi tient grand souei;
Pas me faut que je differe.
Si de roi me voulait faire
Son ministre, grand merci I
Je m'en vais pour une affaire.
Adieu, Sire, je preT^re
Ce qui m'attend pres d'ici;
Pas me faut que je differe.
L'or du nouvel hemisphere
A mes pieds serait aussi;
Je m'en vais pour une affaire.
Qui saura me satisfaire
Beaucoup mieux Pas me taut que je differe.
Mon affaire est de de"faire
Le corset bleu de Lucy.
Je m'en vais pour une affaire
Qui inetient em grand souci.
Se nio fossem de Pousard, 0 chefe da es-
cola realisia, estes versos deixariam de ser
curiosos.
IJTTERATuiU
FOLHETIM
mmiL sos mm:
MYSTERIOS E INTRIGAS DA COR-
TE DE FELIPPE V.
POR
FERNANDEZ Y GONZALES
VOLUME I
PRIMEIRA PARTE
As Ires Esperancas
CAPITULO II
DE COMO UMA MENINA PODE ACHAR-SE ORPHAA
ENTRE PESSOAS DESCONHECIDAS.
(Continoaclio do n. 277)
IX
Despojado j6 da capa de asperges, o pa-
rocho apresenton se em companhia do be-
neficiado, do sachristio e do acolyto, ao
qual n5o esquecera 0 bysopo nera a caldei-
rinha d'agua benta, e dos coveiros que fe-
chavam esta comitiva ecclesiastica, e dous
dos quaes traziam um enorme caixio.
Vamos, disse comsigo Mr. Amelot, eu
julgava isto mais demorado ; tudo se redu-
zira" a fustigar as mulas e a matar alguraa.
Ao ver os dous clerigos e todos aquelles
aprestos ecclesiasticos e funebres, Acucena
xiegou no embrulbo, collocou-o debaixo do
braco, agarrou no chaprio que tinha junto
de si, p6-lo na cabega, inclinando para
diante a grande aba, de modo que nio se
lhe via'o rosto, levantou-se, afastou-se para
um lado como para deixar espac,o aos co-
veiro?, epermaneceu immovel.
0 pateo da estalagem ia-se enchendo de
gente.
A princeza fazia-se cada vez mais pal-
lido.
Era lemasiado aquelle horror, estavam
tod05 t ntregues & um silencio profundo, e
domiosva-os 0 assorabro e 0 respeito.
KingdttB tinba liberdade de ac^io, ex-
cepto Mr. Amelot.
A influeucia terrivel que & todos oppri-
mia, provinha do quer que fosse que flaia de
Agucena, a qual de pe, immovel, com 0
rosto occulto pela aba do chape'o, tinha
muito de terrivel, de ameagador, de fatal.
Isto vae-se tornando demasiado triste
e pessdo, disse Mr. Amelot em bom hes-
panhol. Supponho, senhor cura, que no
pantheon da vossa igreja baveri algum ni-
cho vazio.
Os nichos custam caros, disse 0 cura.
Nas albardas dos nossos jumentos,
disse Agucena com voz cavernosa, secca e
vibrante, ha de haver mil dobroes de ouro.
Ouvio-se um murmurio abafado entre as
pessoas que estavam por traz do grupo prin-
cipal.
FUTURO DOS ORPHAOS E DOS FILHOS LIVRE9
nascidos de mais escravas.
A bumiaitaria e civilisadora lei de 28
de aetembro exige estudos de alguns dos
principaes ramos de nossa adiiinislracio.
Ella trouxe"comsigo ao mesmo tempo re-
sultados moraes, sociaes e (inanceiros,
alguns dos quaes dependem esseucial-
mente do modo pelo qual for dirigida a
educaga:. dos meninos livres nascidos de
ventre escravo, e que sio, p)r assim dizer,
uma geragio de trausigao entre 0 estado
servil e 0 verdadeiramente livre.
Estamos no comeco da crise proveniente
da falta de braces; ionuraeros obstaculos,
devidos ora i nossa pouca experiencia em
mataria de emigragio, ora A calumnia ou &
inveja, ou &i falsas informagoes que icerca
de r)6s tern es :ripto alguns- iodividuos que
dirigem a opiniao dos emigrantes dos gran-
des ceatros populares, continuam a eontra-
por se aos nossos desejos.
Convent, portauto, que 0 g-overno e os
particulares de coromum accordo e co.n a
maior urgencia poss+vel, se occupem de me-
didas geraes e locaes que de algum modo
suavisem 07 futuros eSditos dessa crise, que
sera* muito maior da \a\ & p>uco tempo, pois
que os emigrantes dm boas fontos- sio des-
viados dos nassos portos, e os es^ravos vao
a acabar completamente,
Restam eases seus filhos, que, segundo a
lei, podem ser creados de prefereiteta pelos
senhores das mais escravas- ate a idade de
8 annos, pelo menos; depois do que, 0 go-
verno imperial tomari providencias suffi-
cientem*-ate efficazes para qye elies nao se
tornem homens inuteis ou perigosos & socie-
dade.
Tudor porem, depende exidusivamente da
educagao moral e intellectual que elles rece-
berem deeds a infancia, e cujjjs effeitos be-
neficos vau ate ao tamulo.
Qual o meiopratico immediato, economi-
eo e elftc-iz que convem desdejd empre-
gar ?
Nosgwernos sabios a previdencia e a
priosipal regra; ou melhor, governar b
pirever e prover.
Conforme as aptidoes especiaes de cada
oagio, e conforme as vantagens que dessas
aptidoes se podem auferir, man la a sabedo-
ria e a prev-idencia que os governos e seus
delegados fac,am com qsu desde a infanci*
se desenvolva, de preferencia o gristo pelo
ramo de coohecimentos b uma nos de mais
utihdade real para 0 paii.
Assim, porque e a Italia o centfo das
bellas artes ? Alii, alem dos grandes typos
modelos de architectura^esculptura- e pintu
ra antigas, a musica tem 0 seuthrono, e &
hoje familiar a todos. A educagio artistica
e a preferida. 0 pincel, 0 cinzel ou ahar-
pa sao objectos- familiares a todos- desde a
infancia.
A Prussia e outros paizes militares, em
cujo numero esti a Franga, alem da ins-
trucgio nos- differentes ramos de conheci-
mentos uteis, fizem corn que os meninos,
desde a escola, e ato antes disso, adquiram
gosto e aptidao pela vida militar ; e esta
idea hoje esta no animo de- toda ou da
maior parte da sua populac.io I
Os premios ou preseotes que os pais e
amigos fazem iscreangas, sio de preferen-
cia armas e unifermes militares; 0 que se
ve tambem nos collegios, onde o~ meninos
sio igualmen'e uniforrmsados ; fazem evo-
lugdes militares, etc., e nos mais ricos e
aperfeicpados collegios ensina-se tambem a
esgrima.
Nada enleva mais aquelles povos do que
uma revista ou parada de tropas I
Alnglaterra, cujo elemeutomarinJia
6 a base da sua grandeza epoder o que em
signal de respeito lhe escrevo sempre 0 nome
com lettra maiuscula, offerees innumaras es
colas e museus navaes. Eu suss festas as
regatas tem sempre um lugar distincto : fa-
zem-se grandes procissdes, cujo principal
motivo quasi sempre e a commem >ragao de
um navio historico na guerra ou nas desco-
bertas; e entio levam em charola un pe
queno modulo do navio embandeirado em
arco, acompanhado de musica e povo.
Quern tem estado na Inglaterra, ou em
suas poisessdss, saba quanto isso e ver-
dade.
Desde pequenos os meninos ambicionam
ser raarwiheiros. As miis pobres com a
maior facilidade confiam o futuro da seus
Qlhos a capities e pilotos, apenas conhaci-
dos, e muitas vezes ate estrangeiros, e desde
logo eaxergam nos pequenos boys futuros
Rooks, Bufins ou Davis !
Como este, os demais paizes do velho con-
tinents se occupam de preferencia de dssen
volver 0 gosto de seus filhos por uma espe-
cialidade util e de mais futuro para elles.
Vejamis agora o que convem ao B-asil,
onde as provincias sio grandes rei aos por
seu territorio e riqoezas naturaes, onde os
rios sio mare-, onde tu lo e nfrn evidente-
mente mostra qu-a elie foi destinado is
grandes culturas e lavras de produetos natu-
raes mesgotaveis.
Antes de tudo, sine qua non 6 iastruir os
futuros cidadaos de moio que elles por si
mesmos possam ter opioiao sensata e basea-
da sobre os homens e as cousas, e raconhe-
cam plename its os seus direitos e dnveres
moraes e socials.
D'^sde a escola 0 principal cuidado de
quern Ihcs diriguaeducagiodeve ser iocutir
e desenvolver-ihes 0 gosto pela agriculhira.
Em cada collegio deve haver um mo k-sto
museu da infancia, o que nada custari ao
governo, que basta prop6r a troca de objec-
tos do paiz por outros. Nesses museus deve
haver amostras dos principals produetos do
paiz, con suas explicagoes.
Para isso como para muitas outras cousas,
tomemos por nor ma os piizes mais adianta-
dos no ensino pratico, onde os meninos sem
trabalho algum, aprendem rapidameate no-
goes positivas do que mais lhes pdde inte-
ressar para 0 futuro.
Exemplifiquemos tratando-se do cacao, o
professor rnostra naquelles museus a planta
desenhada ; mostra um ramo, natural com
flores, etc. ; mostra, em frascos bem fecha-
dos, para nio se alterarem, os obje.tos, o
fructo e as sementes daquella planta : fa*
ver em mioiatura uma fabrica ds'chocolate,
e depois de mostrar os principaes- produetos
industriae^ obtidos daquelles fructos e se-
mentes, taes- como a manteiga de cacao, a
theobromina, ou cafsine, oleo essencial,
etc., apresenta 0 chocolate em pequenas
Ipastilbas, quesio distribuidasalgumas vezes
pelos alumnos, que repetem fielmente 0 que
lhes foi ensinado 1 Entre nos isso talvez se
cha masse puerilidade*, entretanto Id onde
essas cousas sio consideradas de outro m 0-
doj;. chama-se progresso real.
Nio dizemos qu.e por ora seja este me-
tbodo em tudo seguido ; porem pedireraos
ao governo imperial qoe faga gastar menos
na edificagio grandiosa de palacios destina-
dos ao ensino primario, e as sobrasempra-
g.ue era objectos destinados ao ensino prati-
co de sciencias naturaes e pbysicas, quesio
e serio as bases da nossa prosperidade fu-
tura.
Uma objecgio se apresenta logo depois de
enunciadas estas ideas ; e ven a ser a falta
de coohecimentos das sciencias naturaes e
physicas pelo pessoal que dirige a instruc-
gio priaiaria dj Brasil; isso, porem, nio 6"
insanavel, porque 0 governo pode encarre-
gar qualquer especialista de preparar em
estylo facil livrinhos ou compendios com
grosseiras estampas coloridas, para serem
Eu pago 0 enterro d'essa desgragada,
disse com voz firmea princeza dos Ursinos;
mas acabemos com isto que e demasiado
triste.
0 cura deu uma ordem em voz baixa
ao sachristio, que a transmittio aos co-
veiros. -
Estes avangaram.
Ouvio-se uma pancada soturna e retuhv
bante ; era 0 ataiide que tocava nochio.
Cinta, com o filho sobre si, foi collocada
no atatide pelos quatro coveiros.
Aquelle ataiide era em forma de area,
com tare pa degonzos, quadrado, mais alto
e mais largo na parte superior do que na
parte inferior, pintado do negro, com uma
cruz branca no logar correspondente a ca-
bega do cadaver, e munido de fechadura e
pequena aldrava.
Um dos coveiros fechou o caixio, levan-
tou-se, e hesitou & respeito da pessoa a
quern devia entregar a chave.
Estendeu-se entio um brago rigido com
a mio crispada, para a mio em que 0 co-
veirosegurava a chave.
Eram 0 brago e a mio de Agucena, que
pegou na chave e guardou-a.
Concluamos, disse Mr. Amelot.
Os coveiros levantaram 0 caixio, poze
ram-n'o sobre os hombros e partiram.
No sitio onde estivera a cigana Gcou
grande espago do paviraento terrso ensopa-
do em saDgue.
Agucena seguio immediatamente os co-
veiros; a princeza seguio Agucena ; atraz da
princeza pozeram-se Mr. Amelot e 0 conde
de Rebollos ; em seguida 0 cura, 0 benefi-
ciado, 0 sachristio e 0 acolyto, cantando
com voz rouca 0 rssponso, acompanhado
pelo lugubre fagote que acudira ao cbeiro
do enterro. Em ultimo logar postaram-se
a justiga e a gente da villa.
Quando chegou & porta, 0 conde de Re-
bollos approximou-se rapidamente dos guar-
das que estavam a cavallo de espada em
punho, mandou-os apear para sscoltarem a
princeza, desembainhou a espada, e collo-
cou-se com os seis guardas, formados a tres
de fundo e de espada ao hombro, entre os
clerigos e a justiga.
Atraz iam todos os habitantes da villa.
S6 se ouvia a psalmodia do officio de de-
funtos, acompanbada pelo fagote e pelos
passos abafados de toda aquella gente.
Os curas iam sem sobrepellizes ; 0 en-
terro sem luzes, A excepgio d'uma lanterna
de que langdra mio 0 estalajadeiro, collo-
cando-se com ella em frente do caixio.
Tudo aquillo f6ra improvisado; nlo
houvera tempo para mais nada.
Mas que importava ?
Ossacerdotes nio deixavam de ser sacer-
dotes, por nio irem com as vestcs.
A lu& cheia, com 0 seu clario pallido,
suppria a falta de luzes.
Era terrivel, phantasttco e de com mover
aquelle espectaculo.
O ruido das esporas dos guardas, no seu
andar lento, dava logar i um pormenor es-
pecial, a uma cousa sui generis.
No ruido das esporas de prata d'aquelles
cavaileiros havia alguma cousa que pareeia
a homenagem fatal da soberba humana,
miseria e a desgraca.
Os guardas da alta pessoa d'el-rei escol-
tavam 0 cadaver d'uma cigana, como pode-
riam escoltar 0 d'uma rainba.
E dizemos que escoltavam a cigana, por
que n'aquelh occasiao 0 que dominava tudo
era 0 cadaver de Cinta.
X
A' cbegada da comitiva, abrio-se silen-
ciosamente a porta da igreja como se p6de
suppOr que se abre a porta da eternidade.
0 estalajadeiro de luz na mio, os covei-
ros com 0 cadaver, "Agucena, a princeza,
com 0 seu acompanhamento, a gente da
igreja, a justiga e os moradores. do logar,
entraram lentamente no templo em cuja
abobada retumbou sombria e cavernosa a
psalmodia.
0 ataiide foi collocado diante do pres-
byterio.
Em quanto se cantava oresponso, accen-
deram-se todos os cyrios que havia na igre-
ja, destinados para as grandes solemni-
dades.
Sem deixar de cantar, 0 sachristio poz
sobre os hombros do cura e do beneficiado
as capas do officio de defuntos.
A' Agucena, k princeza, A Mr. Amelot e
aos guardas foram dados branddes araa-
rellos.
0 orgio unia os seus sons ao do fagote.
Os sinos dobravam.
Tomava grandes form alidades 0 enterro ;
pagava nada mais oem menos do que sua
alteza a princeza dos Ursinos.
Mr. Amelot achava tudo aquillo pesado,
falto de opportunidade e ate* ridiculo. Tinha
a alma am Unto arrevezada ; era d'esses
homens frios e repugnantes que tudo acbam
caricato.
- Acabado 0 responso, foi 0 caixio levan-
tado pelos coveiros, que se encaminharam
para oma portinhola sitaada A am canto
escuro, ao lado esquerdo da igreja, proxi-
mo da entrada.
Alguns homens da villa allumiavam a
scena com fachos.
Atraz ia 0 cura com 0 beneficiado, 0 sa-
christio, 0 acolyto e 0 tocador de fagote.
Em seguida iam a princeza dos Ursinos,
com 0 seu inseparavel Mr. Amelot, e a sua
esquerda Agucena com a cabega inclinada
sobre 0 peito e 0 rosto occulto com a gran
de aba do c
vendidos por baixo preco ou distribuidos
gratis. Esta e a medida presents.
Para 0 futuro basta exigir que todos
professores tenham estudos, pelo Menos ele-
mentares, de sciencias naturaes applicadas
de preferencia A agricultura, e elles proprios
lerio 0 cuidado de iostruir-se neste ramo.
Ha entre nos uma eiasse, de que quasi
nio se falls, e que entretanto merece muito
estudo e attengiorefiro-me aos filbos li-
vres nascidos ds miis escravas assaopto
desse nosso escripto.
Quando se discutia com tanto c*l >r s in-
teresse e projecto relativo A extincgio do sle-
mento servil oo Brasil, os cootrarios Calls-
ram muito acerca do futuro dssses msnsnos;
praviram :
1. A grande mortandade, p?r falls dos
iaiispensarois cuidados exigidos na priflBjsi-
ra infancia : porque os ssnttorss procors-
riam tirar o maior proveito possivef do ssr-
vigo das escravas, on detrimeoto da saiile
dos filhos, que eram apenas u n sstorvo pa-
ra a oblengio de maiores lucros.
2. Que taes meninos nio rssebsriam a
necessaria instrucgAo, tornando-se, portan-
to, perigosos e igoorantes instrumentos dj
(oal, porque nio se aubmetteriara as exi-
gencias sociaes e ao trabalho regular depois
de ho neas I
Ate certo ponto assistia muiti raalo aos
que se arreceiavam do futuro (losses- meni-
nos, porque nao aeveditavam qus o go-
verno pudesse despeoder taut is milboes para
instrui-los e educa-los de am modo conve-
niente.
Parece, pon;m, qae dsquellas provisoes a
primeira nao se realisou tio completamente
como se cria, porque o coragio do brasilei-
roem geral e caridoso e bem form ado, a
ponto de verraosfamilias pauperrimas toma-
rem por compaixio, pars crear, orphios s
aggregados, quanto mais os filhos das suss
escravas.
Ha muitos meninos nestas condigoes qne
estao recebendo regular educagio e instruc-
g3o em esiabeiecimentos particulares; isso,
porem, uio quer dizer que todos, nem mes-
mo a grande parte, aufira taes favores
Acreditamos que, se nio bouver muito cui-
dado por todns, parte do governo imperial
e muito boa voatade de realmente aquelles
meninos pouco aprenderao, portauto, os
resullados serao maos.
Creniws firmemente qus por meio ds es
tabelecimentus de instrucgao pratica e util i
agricultura, em que elles desde cdo come-
cem so mesmo tempo a instrair-se, divir-
tindo-se, e a conhecer a arts de cultivar a
terra e suas bellezas e importancia, chagars-
mos vantajosameote aos resuitados desejados
incutin lo-lhes 0 gosto iodispensavel pela
mais util das profissoes no Brasil.
Nio e dado, sequsr duvidar dos resuita-
dos fecundos que dthi provirao I
Nio se trata de uma questio de mercan-
cia, mas do eograndecHnento real do
paiz.
Grandissima e a responsabilidade do mi-
nisterio da agricultura, se nio curar seria
e promptameote de taes medidas, eella as-
bira inteira sobre aqueHss qae, podeado e
devendo, nio cuidarem do futuro e do pre-
sent-) da iavoura, fonts real e exclusiva.de
todas as nossns riquazas.
Criein se escolas agricolas superiores. E.
ga-se com que desde meninos os brasiieiros
tenham gosto por tal profissio, e saibam.co-
nhecer direitos e deveres, pois qae, so 00-
occuparmos exclusivaments ds politic*, te-
remos um futuro medonbo 1
Approximem-se os boas cidadios ao go-
verno imperial; prestem 0 sea coatingeott
dj iniciativa e sacrificios, porque isso t
tambem iodispensavel; e nio seja o govsr
no surdo is exigencias do paiz, quo a cri*
passari sem causar grande abalo.
0 conde de Rebollos e os seus guardas
aeompanhavam a princeza.
Abrio-se a porta ; os homens que iam
adiante allumiando.desceram pelas escadas,
e atraz d'elles desceu o caixio e a gente da
igreja.
Tambem n6s ? perguntou Mr. Ame-
lot com voz breve.
Eu, pelo menos, disse a princeza ;
isto Dio passa de uma impressao forte e eu
gosto d'estas impressoes.
Desgamos, disse Mr. Amelot em torn
de resignagio.
E o diplomata, a princeza dos Ursinos e
Agucena desceram ; os guardas, com 0
conde de Rebollos, ficaram A entrada do
pantheon sem deixar passar ninguem.
XII
0 pantheon era peqaeno ; quanto bas-
tava para as necessidades da povoagio, por
3ue alii nio se enterravam senio as pessoas
e importancia.
Signiflcava isto que se passavam annos
entre 0 enterro de dsas pessoas importan-
tes de Taracena.
A classe media sepultava-se na igreja por
baixo do pavimento.
E 0 vulgo era enterrado no cemiterio,
que estava pegado A igreja ao lado do
presbyterio.
Maria de la Cinta e seu filho foram postos
n'um nicho, no segundo acima do solo.
Mr. Amelot puxou da sua carteira, e,
sempre previdente, escreveu :
< A cigana foi posta no nicho numero
57 do pantheon da igreja de Taracena.
Agucena nio puxou de carteira alguma,
nio escreveu aquellemumero, masgravou-o,
por assim dizer, d'um modo indelevel na
memoria.
A princeza dos Ursinos nem sequer tinha
olhado para 0 numero. 0 seu pensamen-
to estava long) d'alli, na estalagem, occu-
p'ado de D. Joio de Santivanez.
Canton-se outro responso.
Os coveiros fecharam 0 nicho com oma
taboa.
Que nome se ha de escrever por ci-
ma ? disse 0 sachristio.
Cinta e seu filho, respondeu Agucena.
0 que quer dizer que acabimos com
isto, exclaraou Mr. Amelot.
Sim, retiremo-nos, disse a princeza.
Subiram todos e sahiram da igreja.
A' porta, 0 sachristio disse a Mr. Ame-
lot, a* grande ensto, porque lhe mettia me-
do 0 rosto pallido, grave e mirrado do di-
plomata :
Senhor, 0 senhor cura disse-me...
Sim, replicou Mr. Amelot, que 0 ni
cho e os responsos valem dinheiro. Quanto?
Quinze ducados, disse 0 sachristio.
Tomae um dobrio
dae 0 resto para vos-
Ah 1 senhor I...
Ide-vos. Tomae 0 meu brago, prin-
ceza ; estaes fatigada.
Dae-o antes & essa pobre rapariguita,
que precisa mais de apoio do que eu.
Fazei-me a honra... minha senhora,
disse ceremoniosamente Mr. Amelot diii-
gindo-se d Agucena, como se se dirigisse d
uma dama.
Agucena agarrou se silenciosamente ao
brago de Mr. Amelot. Precisava de apoio.
Eis um coatacto perigoso, disse com-
sigo Mr. Amelot. Que demonio de morbi-
dez a d'esta mulher 1
E seguio a princeza, que rapidamente se
encamiuhava para a estalagem.
As mulas est&o apparelhadas, senho-
ra, disse Mr. Amelot, parando proximo da
portinhola do coche.
Nio haja tanta pressa, nao haja tanta
pressa, Mr. Amelot. Nio podemos partir
ja*. Entremos na estalagem.
Mr. Amelot seguio a princeza, levando
Agucena pelo brago, e dizendo comsigo :
Conhece que faz falta em Madrid, sabe
que el-rei a espera com impaciencia, varia
se tivesse azas, e, apezar d'isso, um guarda
ferido a detem.
A princeza entrou pela primeira porta
que achou, a da oozinba, puxou umaca-
deira e sentou-se.
Agucena continuou encostada ao brago
de Mr. Amelot.
Agua preciso d'uma pouca d'agua,
dis^e a joven.
Vinho com agua, disse Mr. Amelot
queacudia A tudo.
Para mim tambem, disse a princeza.
Estalajadeiro, agua e vinho para todos,
disse Mr. Amelot.
Pois bem, disse a princeza. Precisa-
mos, primeiro, que voltem os dous guar-
das que destacastes, senhor conde ; de-
pois convem tirar das albardas dos ju-
mentos 0 dinheiro da minha protegida ;
em seguida preciso desimpressionar-me,
descansar um pouco.
0 estalajadeiro servio n'aquelle momento
vinbo com agua em jarros de vidro.
Agucena bebeu com avidez ; a princeza
com sede ; Mr. Amelot lentamente.
Tirae aos jumentos, que sabeis, as
albardas e trazei-as para aqui, disse Mr.
Amelot ao estalajadeiro.
Este obedeceu.
Tendes a bondade de me iuformar,
senhor condo, proseguio Mr. Amelot, do
estado em que se acbam 0; guardas feri-
dos T
E Mr. Amelot reparou, sem encarar no
rosto da princeza.
0 estado de Sanjivanez e de Sando-
val, 6 muito grave, cavalaeiro, disse o con-
de de Rebollos, respondendo d Mr. Anwlo*.
0 diplomata notou que a princeza se fa
zia pallida, e apontou esta eircumstanci;
na memoria, para depois a apontar na car
teira,
Quern verdadeiramente- se acha ea
estado grave, disse a princeza com imps
ciencia, e a pobre Agucena.
E por isso mesmo, disse Mr. Amelot
seria conveniente que ficasse aqui.
v Ah 1 nio 1 eu nio fico entre esta gen
te, disse Agucena,
Nio, minha filha, haveis de sir eoiai -
go, disse a princeza. Nio vos separass d-
mim.
Oh I obrigado, senhora.
XIII
Aqui estao as albardas, disse 0 esta
lajadeiro entrando com oma, e os outro
dous homens com outras duas.
Dae-me alguma cousa com que post-t
cortar, disse Agucena.
0 estalajadeiro abrio uma caixa, s dsu-
Ihe uma facoa.
Agucena soltou-se do brago ds Mr. Am* -
lot, largou no chio o ombrulho que trszia
no brago, voltou a albarda e descossu am
saquinho que estava preso i concavidads.
0 mesmo fez is outras duas albardas.
Em seguida metteu os tres saquiteis n>
embrulbo de que fallimos, e, ponlo-o de-
baixo do brago, tornou a agarrar-ss i Mr.
Amelot.
N'aquelle nnmento aoabava ds entra
am guarda na cozinha.
Senhor conde, disse ; percorremc
grande distancia s nio sneontrimos cis
gano.
Agucena inclinou a cabega sobrs 0 peito
s guardoa silencio.
Partamos, visto qae nada temos aqui
a fazer, disse a princeza levantando-se.
Mr. Amelot, levando Agucena quasi sm
peso, seguio-a.
A' cavallo I disse o conde de Rebollos
da porta da estalagem pars os guardas, ao
mesmo tempo que a princeza, Agucena s
Mr. Amelot entravam no coche.
E quern e qae page a dsspsza quo sa
fez na estalagemT perguntou 0 estalaja-
deiro.
Mettei-a na conta dos dous guarda*
qae ficam ahi feridos, redarguio 0 conde
de Rebollos.
E, montando A cavallo, partio A galope
com os seis guardas sm ssguimsnto do co-
che da princeza, qae ja* pirtira.
Na estalagem ficaram dous criados para
cuidar dos guardas.
Bern depress* 0 coche desapparacsu >
longe em direcgio d- Guadalajara.
[CoiUinuar-se-ka^
JTVP DO DIARIO.-RDADOQU^ DB CAXi*