Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17661


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I-
\/

Itr
ANNO L. J01IEKO 277
PARA A CAPITAL B LUtilRBS O.IOB NlO SE PAGA POBTE.
For tres mazes adiautados................ 69000
Por seis ditos idem....... \.....139000
Por am anno idem.......,.........S49000
Cada numero arulao ... ... .. ... ... ...... A A A A A #330
ARIODEP
(JUNTA FEIRA 3 DE UEZEMBRO DE 1874
PAB A DJBftTRO B FOB A DA FBOVI\CI A.
Por tree mates adiantadoa..............
Por seis ditos idem.........
Por note ditos idem................
Por am anno idem................
PROPRIEDADE DE MANOEL FICOEIROA DE FARIA FIU4GS.
w Irs. 6errao Antonio Ahes A Filbos, no Pari; GoneaJYea d Pinto, no Maranhio; Joaqoim Jose de OliTeira d Filho, no Ceari; Antonio de Lemu. Braga, no Aracaty ; Joio Maria Julio Cn>, no Aua; Antonio Marques da SilTa, natal; .Joae JuttM
Pereira d'Almeida, em Mamangaape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, aa Parahjba ; Antonio Jose" Gomea, aa VilUjJa Penha; Be'armino do* Santo. Bnlclo, em Santo Antf ; Domiagoi Jose" ___^ ___________AntonioFerreira de Aguiar.em Goyanna; Joio Antonio Macnaeo. no Pilar das Ala||M; JJves 4 C.na Bahia; a A. Xavier Leite d C. d Rio Janeiro
PARTE OFFICIAL.
Govcrnit tlu provincial
*mmmw do bi.v a m Man dk 187*.
1." StCCUO.
Acto :
O presi ieate da proviocii, atUadendoao qao
vequercu Francisca Cradida da Jesus, resolve
conceder-lbe lie nc,a para emharcar com destino
ao presidio de Fernando de Noronha, no primeiro
i & Daarta a qnautta de 48JC00, despendida duran-1 offlcios de 11 do corrente, sob ns. 995 e 996, qua
t.-o m.z d julho ultimo, couj o su^tenlo do* pre-! Desta data se expedio ordera ao thesouro provin-
! sos pobres da cadeia do termo do Bouilo, como se Cia| no sentido de ser paga a Francisco Antonio de
j \c da relacao e coula juntas. j gnm GoM a importaacia de que iratam os citados
Aj iiiesino.-A vista da conta junta, mande j offlcios, provenieate do aluguel da casa qud em
\ me. pagar a Joao Domingos Go ues ou ao seu Bezerros serve da cadeia e quartel ao raspeelivo
procurador a quantia de 8/730, em que Importoa)dejtaeamenlo.
o forn amenta de luz e agua ao quartel do desta- __a,0 iuiz de direito de
cameulo de Igoarassii, durante o mez de julho
proximo fiudo.
Ao mesiuo.Para os tins convenieules, com-
Aj^masmj. Raraatto a V. S. os ioclusos ticao das obras publicas a executar os reparos ne-
preti,
pragas
S. Bant
a quo mania pag>- os venciraeptos dis
guard i uacianal JerftcilM ua villt le
urante os mazes la jauiii a julhi lit.-
aformtdade do qua s>ii.;it>i o respaeti-
iauta supartor am oJl:to wi di car-
que se
n. 333.
vapor que p.ira alii segair, os generos coustanles til, entrou no exercicio de seu cargo em 6 do cor-
da rehc&o junta assignada pelo secretario da pre- rente.
sidencia, os quaes nai poderao ser deseanarcados
ni raesmo presidio, sum que p;r parte do respoc-
tivo commandante, se proceda a exame, atira de
se veriGcar se ha aguardente ou oulra qualquer
bebida espintuoa.
Offlcios:
Ao Exm. briyadeiro commandante das ar-
mas.DeferinJo o requurimento do padre Albino
de Carva^ho Lessa, capellao da companhia de apren
diies do arsenal de guerra, recommendo a V. Etc.
qu9o mande submeiler a iospeccao desaiiJe,entre-
gandj Ibe o rosoeclivo lernu, anm de fazer delle
o uso que bem Ine couvier.
Ao director do arsenal de guerra.Ao com-
missario de policia do mumcipio de I'ao d'Alho,
teneote Joio Carlos Vital, maule Vm:., de confer
Ao juiz de direito de Limoeiro.0 Exm. Sr.
presidents da provmehi raanda accusar o recebi-
raento do offlcio de V. S., de 7 do corrente, com-
i municando haver na mesm i data reassumido o
munieoa Vmc qua o commissano de policia do exercicie das fnncftoes de seu cargo.
- Ao 3* supplente do juiz muuicipal do termo
de B im Jardim. -0 Exm. Sr. presidente da pro-
., ,._ .1 vincia raanda accusar o recebiraento do offlcio de
"T' lor, con-1 trabalhos criminaes desse term.) relatives aos mezes
Antonio de Astis (Joes on ao seu
forme soiicitou o Dr. chefe de policia em offlcio de
11 jo corrente, sob n. 996, a quantia" de 334380,
correspou lente ao aluguel da casa que no t-rmo
de Bezerros serve de cadeia, a conlar de 28 de
maio a 31 de jultio de-te anno.
de maio e julho.
A) 3 suppleule do juiz municipal do term j
da Cimbres.0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda accusar o recebimento do olflcio di V. S.,
de ii de julho ultimo, co'nmunicando haver na
- Ao mesmo.-Em vista da sua mformacao de, mesma data assumillo exercici. pleno do cargo
18 d tuoho ultnno, sob n. Mi, autunso Vmc a de juii muoicipa, de orphios desse termo.
raaH ? i>Di?iii4J:lliiTt te a T/ reged" Ao comnus9.no de policia
ra da irmandade d ,>. Pedro, desta cidade, o pro
ducto da 3' parte da loleria n. 102, exlrahida em
benclicio das obras da respecctiva igreja.
Ao raesmo.Mande Vmc, nos termosde sua
nforraacai de 8 do corrente, 9ob n. 321, entregar,
mediante Ganga, a Jore Gongalves Ferreira Costa,
mid: res de sapatos, 15 annas de espo'.etas com sens
aceessorios, de qualquer alarme, e 4 maeoS' de
cartuchos embalados, com espoletaj em numero
sufficients.
Ao engenheiro das obras militares. Davol-
vendo as prupjstas, que vieram auuexas ao seu
offlcio de 10 do corrente, sob n US, autoriso Vmc.
a conlratar com Basilio J i e da H>ra, as obras do
quartel do Horpicio e hi>s|iit naquelie de reparos, caiadura e piutura, e neste
da con'trucgao de uma sala para autopsias, collo-
cacao de caixilhos nos xadrezes e coucertos ua
coberta do quarto do me lieo da dia, sendo as prl-
raeiras pela quantia de 3:200*000, e as segundas
pela de 1.050*000, pagos era_du..s preslagoes
iguaes, n) comu;o e ua coaclusao das referiJas
cbras, visto que dVutre t idos os coniarrenles e
e!Ie quera mai >r vaulagem oiTerece a fazenia.
Ao con.-ul de Sua Magestade Fideiissima.
Annuindo ao que soiicitou o Dr. Claudino d'Arau-
jo Guimaraes, consul de Sua Magestade Fideiissi-
ma, no offlcio de 10 do corrente, dou nesta data
sciencia ao Dr. juiz de direito da comarca de Pal
mare?, de haver o raesmo Sr. consul nomeado o
subdito portogoez Aulonio Leite de Magalhaes lias
tos, para, corao agente ad hoc tratar da li iui Jagio
d> espolio do sabdito de sua nagao, Domiugos An
tonio Furnandes, failecido em 12 de outubro de
1872, noengenho Cipricho, daqnolla comarca; e
: assim recommendo-lhe que presto o referido
agente ad hoc, a coadjuvafao;de que preci9ar pa-
r.. o desempenho da sua commissao, de accordo
com a legislacao em vigor. Approveito a occa-
iao para rep.-tir ao Sr. consul os meus prolestos
de perfeita esliraa e distincla cousideragao.
2.* secQ&o.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. Com estes serao
entregues a V. S., alim de remetier ao delegado de
policia do termo de Serinhaem, conforme soiicitou
era offlcio de 6 d > corrente, quatro tubos de| pus
vaccinico e uma carteira de medicamentos apro-
priados ao tratamenlo da variola, devendo requisi-
tar da respectiva camara municipal um exemplar
das instruccoas para propagagao da vaceina.
Ao juiz de direit i interino de Flores. Com
j incluso parecer, por copia, do thesouro provin-
cial, respondo ao offlcio de Vmc, de 25 de maio
ultimo, relativo ao pagamento da quantia de ....
136*730, provenieute do forneoimsnto feito por
.'guns particulare; desse termo ao destacamento
ii corpo de policia nolle existente. '
Ao juii de direito da comarca de Palmares.
Hovendo o consul de Sua Magestade Fideiissima,
segunuo participou-me em olllcio de 10 do cor-
rente, nomeado o subdito portuguez Antonio Leite
i! Magalhaes Bastos, para como agente ad hoc tra-
tar da liquidagao do espolio do taranem subdito
portuguez, Domingos Antonio Fernandes, falleeido
-m 12 de outubro de 1872 no pngenho Cipricho,
dessa comarca ; assim o communico o V. S, recom-
mendando-lhe em sati-fagao ao que soiicitou o
raesmo consul, que preste ao dito agente ad hoc a
coadjuvagio necessena para o bom desempenho
de sua commissao, de accordo com a legislacio
em vigor.
Ao commandante do corpo de policia. Ao
c^mmissario de policia do municipio de Pao d'A-
lho, teneate Jose Carlos Vital, mande Vmc. forne-
cer fardamento, excepto calgado e gravata, para
15 pragas, correspondente a'mn anno, de confer-
midade com a respectiva tabella.
3* seccSo.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Para os fins convenientes, communico a V. S. que
0 juiz de direito da comarca d* Limoeiro, bacharel
Francisco Bernardo de Carvalho, reassumlo o
exercicio de seu cargo em 7 do corrente.
Ao meBmo.Para os Qos convenientes, com-
munico a V. S. que em 2i de julho ultimo, assu
niio o exercicio pleno do cargo de juii municipal
e de orphaos do termo de Cimbres, o respectivo
A' supplente, Severiano Camello Pessoa Caval-
cante.
Ao raesmo Tendo nesta data, a vista do
aviso do ministerio da guerra, de 8 de jualto pro-
ximo findo, autorisado o coat'ato com Basi-
lio Jose da Hora para execugSo dos concertos,
caiadura e piotura do quartel do Hospicio, pela
quantia de 3:4)0*000, pagos em duas prestagoes
iguaes, a primeira das quaes seta abonada no co-
rnegoe a outra na conclusao das referidas obras;
assim o communico a V. S. para os fins conve-
nientes.
Ao mesmo. Tendo nest* data app ovado o
contrato com Basilio Jo.-e da Hora, para a execu
Cio das obras precisas no hospital militar, cons-
tantesd; conslrucgao de uma sala para autopsia,
colllocacao de caixilhos nos xadrezes, e concertos
na coberta do quarto do medico de dia, tudo pela
quantia de 1:050)000, pagos em duas presta;5es
iguae3, sendo umano comego e a outra na con
clusao da obra ; assim o communico a V. S. para
os fins convenientes
Ao inspector do thesouro provincial.A'|vis-
ta da inclusa conta em duplicata, mande Vmc. pa
gar a Bernardo Jose Pereira Raraalho, a quantia
deiijOOO em ijoe importono alugael da casa qua
no disficto 1-, Ji'i .'.. -'T.v do (iiariel o re-
pectivo dest ;ii/:tiiij, aeoaiaMo t da aiiril a 31
de julho deste anno, conf >rme solieiUu 0 Dr. chefe
de policia, era offlMo de hout-'m datado, sob n.
991
Ao raesmo. tVovidencie Vmc de modo a
ser paga a Francisco Antonio de Assis Goes ou ao
sen procurator, como soiicitou o Dr. chefe de po
licia em offlcio de 11 do corrente, sob p. 935, a
quantia de US372, correspondente ao aluguel da
casa que no termo da Bezerros serve de quartel
ao respectivo destacaraento, a cont >r de 24 de
maio a 31 de julho Ideste anno.
Ao mesmo.Conforme soiicitou o Dr. chefe
I policia, em offl:io de hontem datado, sob n.
993. mande Vmc. j>agir aos negociantes Camello
Se-
das
96,
nil hm da Piedade da igreja de Santo Amaro
Salinas, o producto da 3' parte da loteria n.
extrahida em beneflnio daqoella capella.
Ao mesmo. -Nos termos da sua inforraagao
le 25 de juuho ultimo, sob n. 265, mande Vmc.
entregar, mediante fianga, a Manoel Vicente do
Nascimenlo Viegas, admmistrador da capella de
Nossa Senhora da Boa Hora da cidade de Olinda,
o producto da loteria n. 99, extrahida era
cio das obras daquella capella.
Ao mesmo. -De -ccordo com a sua inforraa-
gao de 26 de junho ultimo, sob n. 267, autoriso
da ?au d'Alho.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provin
cia, communico a V. S. que nesta data se ordeoou
o foruecimento de calcado armamento e cartuchame
pelo arsenal de guerra, de fardaraento pelo corpo
de p .licia ede livros pelo thesouro provincial.
Ao mesmo. -0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda accu-ar o recebimento do offlcio de
V. S., de 6 do corrente, commuracanio haver na
mesma data assumido o exercicio das iuncgoes de
seu cargo.
1.' seccao.
Acto :
0 presidente da provincia, atiendendo ao que
requereu Jose Pinto da Cuoba, resolve conceder
lha licenga para embarcar, com destino ao presidio
,, i.i- nuu uv !*< I t jiiio^i wt>B| -_'ii> urn rm rf j- ,~.
Deoeu-|de Fernaoj0 de Noronha, no primeiro vapor que
' para alii seguir, a serein entregues a sua ordera,
t os generos constantes da relacao jnuta, assignada
pelo secretario da presi lencia, os quaes nao pode
\mc. a maalar entregar. mediante fiang ao the- -, desombarcados naquelie presidio, sem que
s.ureiro da .rmandade de Nossa Senhora do Rosa-!r do re3pe(.,iv0 commandants. 5e pro:eda
no da freguezia da Santo Antonio desta^ cidade,, fe afim d^ verificar se ha ^flente, ou
Francelino Tneodoro dos Prazeres o producto da e*a "8u'a|quer bebida espirituosi.
3* parta da loteria n. 5 J, extrahida era beuedcio j A*. .'"*"juo* "
das obras daquella igreja ^ g brlgadaiw commandante das ar-
- Ao mesmo -1'rovidencie Vrac para que nos ma3 ^tie V. Exc de mandar p6r em liber-
nTSK 1Un!E#t&L dnaSK fmesS j "ESSS* *"* SUZa' qU6 Pr"
sa&x&ssi*87' 6^l3aKaaf3ffiS
u=ul,,ull.u,4M,u. 'eraorecado na estrada de ferro do Recife aoS.
- Ao mcsmo.-De accordo com a sua mforma-; S.fco, segundo declara o respectivo engenhei-
S^L'LiSTSaart ^"fttJft.1 "teilem offlcio desia data, sob n. 135.
ee*sarios a pontezinhada Boa>Viagam, a
refare seu offlcio da 11 do corrente, sob
par alministracao ou empreitada.
Ao raesmo. Da ordem de S. Exc, o Sr.
presi lante da provincia declaro a V. S#para s
c mneciraeiito e devidis llos, que nasla data foi
concelida ao cibo conservador do 3* district uma
gralleagao raeusal de SHOO.
Ao masmo. Tendo o Exm. Sr. presidente
que nra meio civilisado e regular de eoaflMr a
forca delansiva da nacao.
Era essa legisiagio uma lerrilnlissima araaa d
compress*} e de marlyrio posta nas aaaos Cos
grandes contra os pequenos, dos fortes coaln <*
fracos, dos poderosos contra os Jesprotegidos.
Nio e assim hoja. A lei, dwretada esle ana
pelo parlainento, a reforma do recrotaawaio, i u
pirada em nobres e elevados de.-igoios, t wad
por alvo formar urn verdadeiro e perMMo exerr t
i. 7 r K.u..uuu. yvr am, lorraar ura veroaoeiro e pertwio ex err t
da provincia declarado nesta data ao desembarga- nacional, nao pode ser acoimada de loiosta, a. n.
a ir iuiz de orphaos desta capital que, de accordo : de deshumana, oera de barbara.
I'll'!! ll [rir.'i'.ir Ait (\l* nfiim.. 4 > U...I An->ii. *un r. .. _._
Seguodo ella, esse, a que sa Conveio rhiww an-
post j de saogue, e geralraente cobrado de todo.- os
cidadaos, sajam elles n ibres ou piebeos, ricos on
[id s.
igualdaite de tod
mas,
vo coin;
re its.
Ao mesmo. Transmitto a V. 3., para sou
Canhacimanto e devidos Bus, a inclusa copia da
contrato celejbrado pelo inspector iuwrioa d> ar-
senal -le m irinha, em virtude da ordam I >. i pre-
sidaocia, com seis trabalhadores, iuolasiva um dj-
senhista, para o servigjda observagaa sobra o mo- com o parecer do Dr. procuralor "fiscal desse the
vimento das aguas do porlo dasta proviucia e siuro deve ser observada a lei que anleriormente
mais trabalhos. regia a distribuigao da porcentagem da taxa de
JZ&JXua Jv H>oy Pr'V"cial.-Em haranga e legados pelos fuoccionarios daqoella .pobres. potentadas ou desprolegid s.
maioata ao o.flc.o de Vmc, data la d- hontem, sob juizo, visto ser mexemivel o dispo;to a respe.to na 0 preceito co^tiiuciaoal da inaU.
n. 337, rocommeodo Ihe qua mande iotuaar logo lei do orfaraen.o vigente; assim o manda declarar ;os cidadaos perante a lei, salutar doutrina da* de-
aos ageotes arrecaJadore3 Jo uupM-j da comu.oj ,a V. S. para seu conhecimento e fins canve-, raocracias temperadas, fo. pleaam-rate r-speitadj
pan que prestsm dautra da um prazo breva qUe n.entes. foi ampiaaienii guardkdo nessa .atna r.forma q i^
*?3Zt lSr& r^S^S T"'" ',U" nm 4' WCC'70- 're3creve -lue. f"' o alistamenlTde tod "a aj-
t* P^0'^ Pla coatadona desse thasouro, com Offldos: lM< sem fSSir^ de fortuna ou de pasic.o. MI
a qnal me conform^ Ao inspector geral da mstruagao publica. que a aorta quaes os que devem con-t.tu.r, em cz-
- Ao mesmo. Maule Vmc por Bin basta pu-! S. Exc o Sr. presidente da provincia, conforman- localidade, o eonlingenu militar respec ivo, t-a
blioa, para ser arre aatada, a obra da ponte de do-se cora a proposta de V. S, de 12 do corrente,'relagao ao numero dos aiisUdos, e e 1ipropoVc
Moes, sobre o no Tapacnra, no pri.neiro lango da ,sob n. 214, resoiveu por act) dasta data nomear as nece^idades do exercito *"-ns
estrada da Victoria, cujo orgamaata transmilto-lhe 0 cidadao Antero Augusto Peixoto de Alencarl E o que ha de mais r.'guiar dc mais jasto *
por copia. para reger interinamente a cadeira da povoagia rnais huraaoi.ario do que essa'igualdada legal' e a
, de 6. Jose da Boa Esperanga. que nio pode ter cabimenlo o arbitrio nem a pr-
I Ao mesmo. J>. Exc o Sr. presidente da potencia f
provincia resoiveu por aclos de hontem remover j o honiem rustico e o ignoranle da mesma so--
I.s proressores de Santo Amaro de Serinhaem, Jos6 te queoillustrado, qualquer in:elltgencia, por u<
no Mannno Falcao e do Bom Jardim Manoel 'curta e acaohada que seja. pole comprebeoder -.
Ao mesmo. Mania Vmc. entregar ao por-
teiro da secretaria desta pcesideocia, Antonio
Francisco das Neves, a quantia que houver liqui
dada, pertenceote ao asylo Je alieuados.
Ao mesmo. Aos commissariat de policia
das guardas Lcaes ja craaoas, remetla Vm;., com Marinbo Cavalcante de Albuquerque, para as ca
urgttuia, os raodelos para a escripturacao dos res-. deiras da villa do Salgueiro, e da povtagao de
{ Angelica, na ordem era que vao insenptos.
5." seccao.
mandar pagar at cipiiao da corpo de p .licia Sa
rauel de Sa Mantmegro a quantia de 20JO00, co as
Ao inspector do arsenal
de uiarinha. j-Fioa
fazyoom os .ante da conta jam,, des^ndida com oaxpeiiente |^^p%S3S So engtnK encarregado
Ja 4- e 8' conpauH.as daquelle corpo durante os do^slruedVdP0 orto Seota provincia, a qua se refcra
njia ins aaquelle corpo
raezes da outubro do anno passado e feverairo do
corrente, em qae as commandou interinamente.
Ao mesmo. -Para os fins convenientes com-
rauniio a Vrac que em 18 de julho ultimo o
commissario de policia da parochia de Taquaretin-
ga, alferes Joaquim Francisco de Torres Galliuio,
entrou no exercicio de seu cargo.
Ao mesmo.Ao commissario de policia do
municipio de Pau d'Alho tenente Jose Carlos Vital,
raanda Vrac. fornecer os livros de que trata o art.
43 do regularaento da guarda local.
Ao mesmo.Mande Vote, pagar ao padre
Vicente de Felipp s, coadjuctor da freguezia do Bo
niio, a sua congrua correspondente ao tempo dc-
corridoda 1 de margo a 10 de maio deste anno,
na conformidade do incluso attestado.
4.' seccao
Actos :
0 presidente da provincia resolve remover
o professor de Santo Amaro de Serinhaem, Jose
Belisario Marinha Falcao. para a cadeira da villa
de Salgueiro.
0 presidente da provincia resolve remover o
professor publico de instruccao primana da ca-
d.ira de Bora Jardim, Manoel Marinho Cavalcante
de Albuquerque para a de Angelica, na :omarca
de Nazareth.
Offlcios:
Ao Exm. conselseiro inspedpr geral do Ins-
tiluto Vaccinico.Accuso o rucftBpento do offlcio
de V. Exc, do r do corrente, ao qual acorapanha
ram trinla tubos capillares com lympha vacci-
nica.
Portarias :
A' camara municipal da villa de S. Bento.
Decl. ro a camara municipal da villa de S. Bento que
approvo a arrematajao que fez dos impostos do seu
mun cipio, correspondentes ao triennio de 1874 a
1877, pela quantia de um conto e oito centos e
sessjraia rail reis, conforme soiicitou a mesraa ca-
mara cm offlcio de4 de julho find .
A' camara municipal da villa de Floresta.*-
Declaro a camara municipal da villa de Floresta
que concede a aulorisacio que pede em offlcio de
2 de juuho Undo, para conlratar com o advogado
provisianado Joao Gomes de Menezes, a cobranca
execuliva de algumas multas que impoz, receben-
do o mesmo advogado por esse servjeo a quantia
de 40*000.
5." seccao.
Offlcio :
Ao engenbeiro chefe da repartigao das obras
publicas.Providencie Vmc. para que sejam re-
metlidas ao thesouro provincial as clausulas espe-
ciaes para a arrematagio da obra de reconstruc-
gao da ponte sobre o rio Pirapama, no engenho
Trapiche.
Portaria :
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
mande dar passagem para Fernando de Noronha
no vapor que para alii seguir, a Maria Joaquina do
Sacrament), multier do sentenciado Manoel Ray
mundo dos Santos, e aos sens cinco fllhos meno-
res, Manoel Pedro, Jose Raymundo, Hennqueta,
Flqrencia e Deodata.
KU'EUIENTK DO SBCRGTARIO.
2." seccao.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.De ordera de S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, communico a
V. S. que nesta foi antorisado o inspe:ior do the-
souro provincial a mandar pagar a Joao Domingos
Gomes a quantia de 8*730, em que importou o for-
uecimento de luz e agua ao destacamenta de Igua-
rassii no mez de julho proximo tind a, conforme
soiicitou V. S. em offlcio de hontem, sob n. 994.
Ao mesmo.S. Exc. o-Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S, em resposta ao sea
vtBetO t> n. 991, qua, u :sta dtta se
a at tin >u o inspector do thesouro provincial a tizer
i>.- ,i aos negoeuntas uameilo St Uaariu a qaautia
da' 48*000, despendida no mez de julho Bnlo com
o sasteoto das presos pobres do Bonito.
Ao mesmo.-0 Ex'u. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V S., em resposta ao sou
offlcio da hontem datado, sob n. 992, que nesta da-
ta se autonsou o inspector do thesouro provincial
a fazer pagar a Bernardo Jose Pereira Ramalho a
quantia de 415000, em que importou o aluguel da
casa que em Jaboatao serve de quartel ao respea-
livo destacamento, a conlar do 1 de abril a 31 de
julho deste anno.
Ao raesmoS. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. em resposta aos sens
o sen offlcio de 11 do correate, sob n. 100.
2.' seccao.
Actos :
0 presidente da provincia, atiendendo ao que
requereu o tenente coronal commandante do bata-
lliao de infautaria da guarda nacional n. 51 do
municipio de Pao d'Alho, bacharel Joao Severiano
Carneiro da Cunha, resolve concader-lhe guia de
passagem para o municipio do Recife, onde tem li
xado sua residencia. Communicouse ao com-
mandante superior daquelle municipio.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. Acompanhara a
este duas ciixas conteudo aedicamentos allopa-
thic s e homeopathicos, para serem applicados aos
indigentes atacados de febre amarella, moradores
no lugar Travessia, perlncente ao termo de
Limoeiro. As inslruccoes inclusas servirao para
applicagao dos remedies. Respondo assim aos
offlcias de V. S., de 16 de jullu tiada, e de 5 do
corrente, sob ns. 862 e 941.
Ao juiz da direito da Escada.Em resposta
ao que V. S. solicita era offlcio de 10 do corrente
mez, tenho a dizer lhe que ate esta data nao che-
garam a esta secretaria os offl:iosrelativos as in-
forraacoes que V S. deve ministrar a respeita
do juiz municipal e de orphaos dessa comarca. _
Ao desembargador juiz privative de orphaos
da cidade do Recife. Hespondendo ao offlcio de
V. S., de 8 do corrente, tenho a dizerlhe que,
sendo inexeqaivel o disposlo na lei do orgamento
vigente sobre a distribuigio pelos funccionarios
desse juizo, da porcentagem deduzida da taxa de
beranga e legados, deve ser observada a lei que
regia anleriormente a materia, ate que a assem-
blea legislativa provincial resolva a respeito; como
opina o procuradar fiscal do thesouro provincial
no parecer junto por copia.
Ao juiz municipal e de orphans de S. Bento.
Em resposta ao offlcio de Vmc, do 1.* do corren-;
te, consultant se, em face do art. 18 da lei n
2033, de 20 de se.embro de 1871, conservara os |
juizes municipaes a altribuigao de cooiederem
ordens de habeas corpus; tenno a dizer-lhe, era
vista do parecer do desembargador procuradar da
coroa e soberania nacional, incluso por copia, que
someote os jnizes de direito podem conceder taes
ordens, segnndo ?e deprehende da lilteral disriosi-;
gao da artigo.por Vrac. citado.
\o commandante do corpo de policia.- Aflra
de ter prompta execucao a sentenga proferida pela
junta da justiga, incluso remolto a V. S. os pro-
eeaaoa instaurados contra as pragas desse corpo,
Amaro Jose de Lyra e Quintiliauo Paes Barreto.
3' seccao.
Acto : I
0 presidente da provincia, attendenda ao que
requereu Jose Pereira Monteiro Pessoa, resolve
exonera-lo, a seu pedido, do lugar de escrivao da j
collecloria proviacial do municipio de Ipojuca, e '
nomear para substitui-lo ao escrivao da collecto-1
ria geral, Manoel da Costa Pereira Filho.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
A' vista dos prets juntos em dnplicata. mande V.
S. pagar ao cabo de esquadra Manoel Ferreira da
Silva os vencimentos do destacaraento da villa de
Bora Jardim, relaUvos aos mezes de junho e julho
ultimos, conforme soiicitou o respectivo com-
mandante superior em offlsio de 3 do corrente.
Ao masrao. Maade V. S. pagar a quern se
mostrar eorapetentemente autorisado os vencimen-
tos constantes dos mclusos prats, das pragas que j
durante o mez de julho estiveram destacadas na
villa de Pesqueira, seguodo soliiilou o respecti-
vo commandante superior era offlcio de 4 do cor-
rente.
Ao raesmo. Siu resposta a sua infarmacSo
datida ila "> do correote, soft u. 2J7, Sfiii hi. iv-
c);!!..i:a lo a V. S. qua uio uutroitue o tit.ilo do .
transferencia do terreao de marinha n. 178 A, de .
Jo.-e Mareira da Silva Junior, se o solicitar, ato
nova deliberagao desta presidencia, que por des- j
pacho des;a data na petigao de Maria Joaquina de :
Jesus maudou quo requeresse por procurador le-
gitimameute constitailo e juniasse provas ao alle-
gal'.
Ao mesrao. Communico a V. S., para os
fins convenientes, que por portaria desta data re
solvi n linear o uscrivio di collecloria geral de
Ipojuca, Manoel da Costa Pereira Filho, para igual
carga ni collecloria provincial do respectivo mu-
nicipio.
peclivos livros
Ao mesmo. Ao Rvm. Fr. Manoel do Amor
Divioo mande Vine, nos terraos da sua informa-
fao da 8 do corrente, sob n. 323, entregar, me-
liaute ti nica, o pr ducto da 2.* parta da 101.* lo-
teria extrahida em benclicio da igreja de S. Fran-
cisco de Serinhaem.
Ao raesmo.Nos lermos d sua inf-irmacao
de 8 do corrente, sob n J2z, manie Vmc. en
tregar, mediante fianga, a irmandade de Nos
sa Senhora da C me, em Caruaru", o producto da 1.* parte da 90.*
loteria extrahiJa em favor Jas obras da rai'erida
igreja.
4." seccao.
Acto :
0 presidente da provincia, tendo em vista a
proposla do inspector geral da instruccao publica,
de 12. do corrente, n. 214, resolve uomear o cida-
dao Antero Augusto Peixoto de Alencar para le-
ger interinamente a cadeira da povoacaa de S.
Jose da Boa Esperanga.
5.' seccao.
Acto:
0 presidente da provincia, tendo em vista a
proposta' quo; nos termos do art.' 6.' das disposi-
gdes voi.iolaiii'ntarSa do regulamentn da reparti
gao das obras publicas, datadas de 8 do raez pro
lime passado, apresentou o engenheiro chefe da
mesma reparticao, resolve conoedar ao cabo con-
servador do 3. Ji.-tricto, Pedro Antonio Ualaio. a
gratilicagao mensal de 3.000.
Offlcios :
Ao engenheiro chefa da repartigao das obras
publicas. Em resposta ao seu officio de it do
corrente, sob n. 236, convent que Vrac envie a
esta presidencia as contas das despezas feilas com
os reparos de palacio e anas depeudencias.
Ao mesmo.Fica Vmc aulorisada a mandar
executar, por administragiio ou empreitada, os re-
paros necessarios a poutezinha da Baa Viagera,
xraforme o orcamenta qua acampanbou o seu offl-
cio de 15 de junho ultimo, sob n. 176.
Ao engenheiro fiscal da companhia Recife
Drainage.Em resposta ao seu offlcio datailo de 3
do Currents, rdativainente ao equeriraenta da ge-
aente dessa companhia, insitlinJo pela nomeagao
de arbitro por parte desta presidencia, remclta-lhe
copia da inforraagao do thesouro provincial, e re
commendo-lhe que della dd conhecimento r.o mes-
mo gerente.
Ao mesmo. Fapa Vmc. sentir ao gerente
dessa companhia qae elle deve dirigir se a esta
presidencia por meio de petigao e por intarmedio
do respectivo engenbeiro fiscal, bera como que a
materia constan'.e do incluso offlcio, que Vmc. Ihe
entregara, ja foi respondida em 31 do raez proxi-
mo passado.
Ao mesrao.-Em solugao a consuita que Vmc.
me fez, constante do offlcio de 10 do corrente,
com referenda a i assentamenlo dos trilhos da em-
preza Locaraotora Pernambucana sobre os carros
dessa corapauhia, tenho a decl -.rar-lhe que a raa
teiia sujeita e da compelencia do Doder judiciario ;
pelo que compete a essa companhia usar dos
meio; que a lei Ihe laculla.
EXPEDIENTS DO SECRETARIO
2' seccao.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. De ordera de S.
Exc. o Sr. president9.da' provincia, incluso remet-
to a V. S. a copia do offlcio do Dr. joiz municipal
e de orphaos do termo de Panellas, ficando assim
satisfeito o offlcio de V. S, n. 1,003 de hontem
datado.
Ao commandante suporior do municipio de
Limoeiro. De ordem de S. Exc o Sr. presiden-
te da provincia communico a V. S. que nesta data
se autorison o inspector da thesouraria de fazenda
a mandar pagar ao cabo de esquadra Manoel Fer-
reira da Silva os vencimentos do destacamento da
villa de Bom Jardim, relativos aos mezes de junho
e julho ultimos, conforme soiicitou esse coraman
do superior em offlcios de 3 do corrente.
\o commandante superior do municipio do
Brojo. # 4 Exc Sr- presidente da provincia
manda communicar a \T. S- .em resposta ao seu
offlcio datado de 4 do corrente, que acab*de ser
expedida a oecessaria ordem a thesouraria de
fazenda afira de serem pagos os vencimentos das
pracas da guarda nacional destacadas durante o
mez de julho findo, na villa de Pesqueira.
Ao commandante superior eos muaicipios
de Caruaru e Panellas. De ordem de S Exc. o
Sr. presidente da provincia, communico a V. S.
para os fins convenientes, que, por offlcio desta
data, dirigido a thesouraria de fazenda, expediose
a necessaria ordem afim de serem pagos os prets
das pracas de guarda nacional destacadas na villa
de S. Bento durante os mezes de junho e julho
ultimos, seazuudo V. S. soiicitou em seu offlcio da-
tado de 4 do corrente.
Ao commissario de policia (h municipio de
Nazareth 0 Exm. Sr.- presidente da provincia
manda commumcar a V. 5, em resposta a seu of'
licio de 7 do corrente, que nesta data se ordenon
ao tli-Miro prtvtnciai Ihe traesmillise os modelos
.para a wcri/luijgai lis livros d'i*aa guarda.
.?.' XKCiin.
Offlcio:
Ao ios'pector do thesouro provincial.
S. E*c. o Sr. nre9idente da provincia man 11 com
muuicar a V. S.para'os fiiis^too*enieiites, que
por portaria desta data resoiveu esonerar, a sen
pedido, Jose Pereira Monteiro Pessoa, de escrivao
da collectoria provincial do municipio de Ipojuca,
nomeando para substituil o aa es:riv4o da collec
toria geral, Manoal da Costa Pereira Filbo.
Ao mesmo. Da ordem de S. Exc. o Sr.
'wesidente da pravincia^jleclaro a V. S. para sea
oonhecimenio, que nesta data autorisou se a repar-
Offlcios:
Ao engenheh-o chefe da repartigao de obras
publicas. De ordem de S. Exc o Sr. presidente
da provincia declaro a V. S. para seu conhecimen-
to que nesta dati offlciouse aothesouriprovincial
para levar a praga as obras da ponte da Moes
sobre o rio Tapacura no 1 lango da fstrada da
Victoria, a quo se refere o seu offlcio de 20 do
juuho ultimo, sob n. 161.
Ao raesmo. De ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia declaro a V. S. pa^a seu
conhecimenle que nesta data foi concedidaao cabo
conservador do 3' districto Pedro Antonio Balaio,
a gratiticagao de que irata oofflcic de V. S., data
da de 10 do corrente, sob n. 234.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife aS. Francisco. S. Exc. o Sr. presidente
Ja provincia raanda declarar a V. S., em resposta
ao seu offlcio desta data, sob n. 133, que ficam
expedidas as convenientes ordens para ser posto
em liberdada o rccruta miz de Franga, visto ser
empregado nessa estrada.
Mmmmjimmit
(AGENCIA TELEGRAPHICA AMERICANA.)
Para t de deienbro.-IIma coin-
intssao da praca do commerclo, es-
peclalmente nomeada, e compoula
de negociantes inglezes, franceics,
allemaes, portuguezes e brastlei-
ros, oniiiou iioiiti'Mi ao presidente
da provincia expondo a decadencia
em que val o commerclo da pro
viuela, e a medonba crlse que o
ameaca. tudo devido ao estado de
sobresalto e incerteza em que se
acha o espirlto publico. pela mais
njusta e crlminosa propaganda
contra os subdltos de uma nacao
amiga t e, louvando o comporta.
mento do mesmo presidente, espe
ra que, das medidas por elle toina-
das. e da energica linguagem assu
mida pela gazeta official, renarsca a
conflanca e o socego. maurragou.
no lugar eliamado coroa secca, o bri-
ifue portuguez ATALIA, que viniia de
Cabo Verde.
Porto l*.-E* jii conbecido o prejnl-
zo causado pelo desabamenlo da
estacao provisqria do ferjoo-carrll.
Ficarain graveinente^JTeyfdas cinco
pessoas. Norreranir*fji'ncoenta mu-
las. e in to flea ram' Inutillsadas.
O prejuizo i avaliado em desolto
eontos de reis fortes.
Iiundres ".Consolidados OS in;.
Fnndos brasilelros de 5 O. do
anno de lsur. a ii3i. ditos ar-
gentinos a :i i dltotf do Uruguay a
3 in. Cafe t mereado frouxissi
mo i nenhumas vendas.
Liverpool 1. Algouao i frouxo i
baixou I 18: vendas de proceden-
cla brasllelra 840 fardos. Borra
clia : Cabeca-de-Xcgro a IN 1/S, e
liua a Zt l/S.
Antuerpia *Algod&o: de Santos
98. Couros > Or me.
QlaRlUD PERNiMBUq
RECIFE, 3 DE DEZEMBRO DE 187*.
Vos homens de bem e de crilerlo*
Nao ha mais, a e3ta hora, qnera ignore que a
paz e a ordera publica* se acbam quebrantadas na
provincia, da Parahjba por varies grupos de se-
diciosos, nem tao pouco 6 mysterio que alguns in-
dividual, d'alli vindos, e aqul rennilos a outros,
pozeram em alarma parte do territorio das comar-
cas de Ilambe, Goyanna, Bom Jardim o Nazareth
desta provincia.
Em ambas as provincias tem sido desrespeilada
a lei, tem sido conspurcados os brios e o pundo-
nor publicos, tam sido desacatadas as autoridades
executoras da lei, e tem sido violado o direito da
proprielada. .
Em norae de que pnncipio obram os sediciosoa,
Sue mofu Ihes serve de escudo, quaes sao os sens
ns, quaes assuas intengSes; eis o que elles pro-
curara acobertar, eis o que nao dizem claramente,
eis o que subtrahem as justas vindictas da opiniao
publica, que de certo nio p6de estar com quera
fomenta a desordem, com quern qu/brania a tran-
auillidade sob futeis e bem futeis pretextos, vio-
lentando os mais sagrados direitbs por-.aiDoif de
uma causa em tola parte /enegada.
Os pretextos com que ss apreseotam os sedicio-
soi da Parahyba e os desta provin 'Ja, diz se," sao
a reforma do recrulamerUo, a lei que tornou obri-
a 'tnrio o systema metric* decimal, e os impottos
municipics ultinnmente decretados.
0 que e a ref >nna da reciuamento ? Uma lei
sabia, justa e bumani'.aria, m pJelala nda do^pai-
zes mais cultos do mundo e qao !-o u.n se apoin
longosannos de expenencia entreos poVos da Ei
ropa e da America.
Essa lei exiiaguioo*atbj*o -ayslona, por pneio
do qual eram preenchidos -os claros dos quadros
do ooaso exercito.
Seguodo a antiga legislacao, o recrntlmMto era
aotei uma cacala da homens para o exercito, do
enumeras vantagens da reforma ; e. de certo, i a
alguem e]la aproveila mais do qua a outros, se. i
contestacao ao homem do povo, fraco e ikspruK -
gido, que outr'ora vivia s.;b a a n>*ac.i con-tasi*
do antigo recrntamento.
Hoje, o haraera do povo tem :erias e soiiJa* g.
rantias contra o constrangiinenta ind.bita para 9
exercito ; c, quando Ihe lecar por sorta ir alia-
lar-se nas tleiras dos dufensjrei di patri.i, leva
elle a certeza de que tera por companheiros o rica
e o potenlado, igualraente designados pela sortc.
Nestas condicoes, nao e crivel que a > da
povo se rebelle contra uma lei qae o protege era
sua fraqueza, que o garante am seus direit as, qo*
o ampara no seu de^espero.
Se, pois, elle se reb-lla contra a reforma do r- -
crntamento e que a sua boa fe foi >llaqueada, as a
razao obscurecida pelas trevas de espihtos tref- -
gos e damninbos, sua consciencia eosombrada i
alarraada pordontrinasestravagantes,pregadaa per
doutrinarics culpotos de crime de lesanagio.
No mesra > caso eslao a lei que introduzio o ay.- -
leraa metric a decimal e as leis qae decrotaram io -
poslos municipaes.
A' nenhum espinto pode escapar quao util, e -
vilisadora e necessaria e a uaiformidad* de pest I
e medidas, nao diremos n'ura mesrao paiz. mas e*a
todo o mundo que troca productos e entrftem r-
lajoes commerciaes.
Com o systema antigo, que nenbnm era, porsa -
eram muitos, cada pov>ado, cada villa, cada cida-
de, usava das pesos e medidas que mais adaptadt a
Ihe pareciam as suas circumtan;ias. Uahi resu -
tava que, em localidades vi.-inhas, peso? e medid><
varias, nio raro inqninaias de vicio, detprmisa-
vam uma confusio ternwl para o bomem rustic. .
que, lutando com os mais serios embaracos, art
de continno illudido, enganad >, a, porcootadc*
pesos e medida-, defraudado de >ua propnedade '
Sempre q ., sahindo do sen povoado, o bomeri
lo povo, o homem rustico, o rude trabalhador des
campos se dirigia aos mercados em qae fazia saa<
traus?cQ5es, levava n'alraa a desconfianca, o reeai>
de ser illudido; e tinha razao.
Hoje, nao e assim. Sendo um e sempre o mesma
em toda parte o systema adoptado ; havendo sai-
formidade nos pesos e medidas, o homem do pov .
onde quer qua o levera os interns-;* da troca des
productos, no< lugares em qae fat assnastraa>-
accoes, enccntra pesos e madiJa- connecidoa, *
d'est'arte tem menos probabilidades de ser i
nado, tem mais garantias para os sens
de compra e venda ; e, p n., rena-ce-lhe a eos
fianca.
U systema metrico decimal, adoptado por lei
introduzido no imperio, tem innnmeras superiorida-
des sobre quaetquer outros; e, para nio assigsa-
lar senao uma, basta apontar para a sua baae
metro, base que e fixa como as leit et-rsas d
mundo, para ser facilmente comprehendida ew <
superioridade
Nao e crivel, nao e admissival, pois. qae, aind .
abstrahindo de qaaesqaer consideracoet em ordea.
a demonstrar a superioridade do sy-tema, tesa t
fundament} serio o estravagente movimesto sedi -
cioso quando apregda como causa a adopcao 4o
pesos e med;das do systema metrico decimal.
E os impostos municipaes ? E' ale risivel altri -
bmr-lhes o fomento do movimento.
Pois, desde qne soraos nacio indepeodenle li-
vre, nio temos sempre tid > impost is municipaes *
E pode o municipio, instituicao essencialmeale de -
macratica, sulasistir sem os impostos '
Fura ate loucura pretenle lo Tire-se os im -
postos as manicipalidade, e ter-se-ha mono eaa<
inslitnicao, que constitue a vida local, qne e a al-
ma dos povos.
Uir-noshao lalvez que nio ae clanaa eoatri
os impostos, mas sira contra os seas excesses.
Mas, onde esses exce-sos ? Nem na Parahyk;,
nem em Pernambnco foram aecretcido* ultima
mente os impostos municipaes, asm tao pose
creados outros, capazes de aniqoilareo oa iate-
resses dos municipios.
Por consequencia essa causa, como as outra .
nio passa de om futihssimo pratexlo com sas
se procura acobertar razoes de oatra ordain, 4e-
ignlos de ontra especie, ^tenumens dc oatra sa
tureza e com outros Ons.
R realm-rate, a nio ter sido desviada, por fal-
sos apostolos, da seoda do labor honfslo e do re*
peito as leis e as autoridades. para fins otresHe*
nao se coocebe como nem porque uma parte d:
populacio dc interior da Parahyba e die Penaaas -
buco se p e o movimento sedicioso, praticaM >
desatinos em nome de direitos qae nio foram sf-
fendidos, mat siaj melhor garantidae, e em asm
de Interesses, que de modo nannum foram prafa
dicados.
0 qae sob esses faleis pretextos pareee kave -
occnllo e am femenlido pensamento potMcsrel
gioso, ressumbrante do proprio movimesto ted
cioso, que denota, por menos qne se o eseare, as
foco irradiante dessa Inz, a qae chamareaaoa Ire -
ja, cam qae se busca habilmeate ofasear *
razao dos fncos e a consciencia dos timoraaae.
Uma certa imprensa, qae nos ibstemos da ssa -
lificar, porquo nio queremoa reiponsabilisar sru
parti lo pelos desatinos que ella commeua, at
longos meres qie prega dontriaas sabver nrdem e da tranquillidade publica*, aqai e aa arr-
viricra da Parahyba.
Cam as .anas dautrinas, desrespeiudaraa da *
leis e daa a'ntoridades; com os seas violeaMa at -
tigos contra as homens e contra as institnir/> ,
im essa Itoprensa fom*ntado olios e erpoidi pr -
r>< mi espiritcs mpnos reflaclidos, d-si'ar -
-i-uieni'l vent >.-, qua foram habilmeate dirigid. i
por oatros no latuito de c'.acr t ei
meio das quaes possam lucrar.
Eis a origem dos moviqifntoi s diciQ-os t
Preparado o campo, feita a sementeira. a-aps-
rou-se delta a pulitica ultrainontaoa, oasadaiaava
!>





3a
5)iflijn,de pGra&mbuco Quitita feira 3 de Dezembro 3C
dissindulante, e, pe'os meios ao >e* alcance, for I como Mnselhmro te .esjadg^^r.. aep
intenwdio das suas forcas eecuir-rs;"profttrtf w >riana, _mMmfflrrrrn rrriMgWfw
vaiiar do que 6
.-il.
tt-nJo ccmo
e do D An
rls da diocese
Iher os ftuetm q*e*almeja; alraves desencadeadas fl*s venlos, eujas
Nao e outra ajioJjtica ultraraontana*. Bfin tflda
parte consplrs W inimiga das f>ciSlad mo-
dernas contra a ordem e contra a tranqaillidade,
no intnito d i imp6r o Syllabus, essa negacao do
lodas as conqui-tas da liberdade.
Na Hespanha. com os sous perfldos conselhos e
insinuates, cavou o ahysrao em que precipitou
Isabel II; com suas tricas, matou a raonarchia
liberal de Amadeu I ; e, actualmente, cum a sua
soberba e as sua horrendas d utrraas, traz o povo
hr-spanbol em goerra fratrecida, ponio as arna?
nas m&os dos fanaiicosque acompauham D. Carlos,
nm crudelissimo rairaigo das libetdades.
Na Franga, nao contente coin os males quo Ihe
te in causa do delonga dafii, com as sum manhas
de rapoza, fomeula odios contra a Italia unida, e
arma lacos a boa f publica, traraaudo em prol do
conde de Chambord, que e a incarjjtag&o das velhas
d,uirinas.do absolutisrao.
SI All'msntia, tetrto cm frente de sf em gover-
no eoergica e Indomavel, com as subtilezas do
sea nefasloe-pirito bu^ea scraoat a desumao dos
estados congregados e dos partidos, poo a artua
mortifera nas maos do assassino 'Kutmann, e pre-
%%, era'oora sem prestigio, contra as leis e coutra
as autorkJades.
Na Suissa, conceolrada no padre Hermillod, poe
em alarma o paw, o fomeata reaccoes contra as
medidas. da nqrablca helvetica
Xa Aastria liberal, que nao e ados tempos idos,
procara atirar o throno de encontro ao povo, o
sou^a discordias entre as racas de que so com-
pos a raonarchia de Francisco ia-6.
Na Belgica, na Russia, m (MeajWt por toda
parte, onle tern essa p.iluica.u'% tftSereuie, pro-^
cura ella fazer proselytos in Riroju, busca le<
vantar oma reaccSo qua !.<;i'd> papa urn novo
rei, e importhi a Sillabus cjji^a upre-na lex.
Na America ea mesma c.ir.-i. Nas rqaiiblieas
do Praia, como no Paraguayan rcpubli as da
America Central, e.m aa< *i PacMw, em tod.i
parte ieraata o collo os* h>drs c qu>r raorder
destuir.
Basta a'lender a o que v.ii $-[< '"Jitfe, ao qua foi
e e o Paraguav, ao que se iiwmf. -,ta ua Columbia,
no Equadur^ein Guatemala, tras peqnenas ropubl./a--, para
capaz o ul'.ramontauiMiio.
Cjmo, p'i.s. Itie escaiiana i !'
b:s;io; faniticos d > qnil.te do D
! tonio ?
E o que e a Parahyba acnao
de Olioda ?
Al!i, como aqui, como em tola p-.rte, quern to-
meota a desordeoj e, pois, o uiiramontanisino ; e
e:n ap iio dasta op: nao ani teem lodoa a comyres-
sao |ue 9 >lfre o clem, o resfriamento do eaito pro-
positilmente feito pela clerisia, no intnito de re-
vottar as massa.n, e linalmente as crdens incessan-
tes no .-eo'.idj de crear na partido pOitioo, os
eon'.iliabulos de padres em Oliada, a supposta do-
ticia do cardinalalo para D. Vital, e oatras.e mui-
las oatras cou*a.
0 f diciosos logo apaa a notieia telegrajhica do pre-
teodido barrete eardinalidto, notieia vinda como
para aninsar 08 sei-lanos, e born a-.-irn apoz area
aiac do clero em Olioda, nao e -ie eerto causa pa
ra ger despresada ; e, se se cousiderar no mod i de
ser dos proprios tnoviroentossediciosos, modo que
ieajfal urn ce.-.tro irra-Jianle, nma cabe^a peosanle
o direcWra do braea qneubra, facil uos iiarecepo
derem todos compreh.?iider <\a a questao ebaroa-
da religiosa e a alma dosses movimentos e o ul
Irani jntanismo o seu ruspirador.
0 que fez a imprensa, a que a;:ima alladimos,
foi inconsideratla.nente soprar os v as uaixdes, semear a raasemente: tal e ^ sua
respon-abilil.ide. Do rest a hcumbio-se o ultra
oaontanisno.
E' die qoc-ii habilmente busca derramar as tern-
p.\-tales; e file qu^m sorrateiramente se apro
vein d- paixc"!5 exeiladas ; e die nuem busea
coiber os Croctos da sementcira feita pelos ou
tros.
Mas, nao cremos. que o possa c'useguir, nao.
Os homcnssensfcl* de todoS os partidos, os
patriotas sinceros, os verdadeiros brasi'.eiros, nao
nao de eonsentir quo medrem tao mas planta,
que sppm conseguidos tao lri.tes designios, como,
(Macrae teem em mente o ultramontanisma.
,,;Em Dome d>,. pudor pnblico, em nopie da honra
rlacional, cm nome das liberdades conquistadas,
quo fomam a aureola i< povo br.sileiro, fazemos
urn appellO aos homens sinceros de todos as
credospolilicos, no intuitode restatieleeer a ordem,
(jaebrantada por fals s apostoTosde perigosas dou-
trinas; e estamos certos d qae nao sera desat-
tenlido o nosso appello, porque elle tern por si o
maximo interesse da palria e da liberdade.
A politiea rcSigioga do gubincle
Sob esle tit lo pub!;MU a -V-f'7o, conceituado
diario da eorte, o segointe e bem elaborado artigo,
qu \ por ctar de perfeifo accordo com as nosaas
visus, aqui estampamos, fazendo nossas as consi-
deraroes nelle expendidas.
Tal e o artigo :
A'daas dilfereotes ordeas de censuras tern
sido exposta a pdi'ica religiosa do gabioete. Ac-
eusam-na '!e timida e, no mesmo passo, de violen
ta. Exageracao em uns, exageracAo em outros,
em tcdos Itttalerancia, eis o que explica como essa
bem iufiiici mada politiea tenha desafiado tao en
coatrsdas censuras.
Eniquanlo as dnas diversas escolas guardam
"sta attitude pcrante o governo, nao ha dizer qae
ahandonaram seu papel. Ate ahi saoellas logicas
com suas cinhecidas aspirates. De quando em
quanlo, porcni, opera se entre as duas jrrecouci-
ltavds opiiioes utna suspoitosa suspen-ao de hos
tilidades, em que a escola liberal parece reader
preitoa eseola ultrammtaaa, vendo na condem
nacao ds bispos umiuutil rigor e, a!em de medi-
da inefflcaz, urn a^ontecimento digno de irritar as
consciencias catholiias.
A escola liberal nao procede nisto com since-
ridade. Em todo caso nao procede logicamente.
Attribuindo asnppnsta indecisao e timidez da
politiea religiosa o estado a que chegou o coollic
to, a escola liberal renega a cumplicidade que fran
camente tomou nessa politiea.
or'Recordaremos o carso dos aconteciraenlos i
t Nao basta que nm facto succeda a outro fac-
to para que haja entre am e ou'.ro relajao de ef-
feito pn a.causa.
t A escola liberal evidentemente o esqueee
quando, sem adverlir no modo ptlo qual se des-
enrolaram os aeontecimentos, nos abalos da opi-
niio que dies provoc^ram, e na parte qae em tudo
isto lho coube, se ddeita eoi in-licar dos receutes
factos, que caracterisam a nova phase do conflict >
religioso,o resultado de snppostbs erros da politiea
ministerial.
Materia e esta em que campre qne todas a-
rea^onsabilidades flquemHe ama vez deftnidas.
Quando se annanoioa que o bispo de Olinda
interdissera irmandades e confrarias p>rse recusa
rem a cuntprir nm manda/nento pastoral, offsn
sivo ao seu e.-taiuto, rompea da imprensa e da
tnbuna urn brado immenso, re.damando coctra a
violencia do poder espirit'aal. So os raros jornaes
altramontanos dostoavam deste accordo. Emqr.auto
os chefes liberaes guardavam sileaelo msenid'.
e o governo de sna parte fazia esfor.os por ev't .r
antccipada disenssao, qae podesse ter o effeito
de irritar os animos, aaaunciando pender do c.n-
selho do estado o exame do recurso interpos'.o p r
uma das irmandades suspensas e afOrmando sua
plena conliaa^a na a :i;ao das leis, nao In quern
ignore que a mais autorisada imprensa liberei nao
cessava de a:i nselhar maximo vigor nos mei is de
eooter o poder espiritoal na orbita de suas attri-
buigoes. A opposiclo liberal da camara tempora
ria, representada pelo sen mais distineto orgao,
clamava por medidas que desarmassen o episco-
pado de seus meios de iufluencia nos actos da
vida civil e que, ao mesmo tempo, liberU'ssem o
clero da snbordinacSo a qne o votara o decreto ds
1857. Em busca de nma solacao radical, eila
tinba chegado a formular bruscamenle ,o pro
gramma da teparacao- da Igreja e do Estado, jomo
o anico reraedio aos males que so diziara imrai
nenies.
Agitada e indecisa a opiniio sobre os effeitos
provaveis do conllicto, nma verdadeira anciedade
publica agnardava a decisio pendente do consplho
de estado.
Publicado em taes circum-tancias o aviso de
IS de junho, o paiz abe como foi reoebido esse
acto eo nue, pela primeira vez, se via delinida a
politi a religiosa do gabinete 7 db mahco.
a Ao passo qae o Sr. crmeelheiro "Nabuo de
Aranje quebrava o sllencio, em qae se manti era
discreumente, para defender oTQto que preattra
ilu*cior hoMagava na-impfeosa a2eta9MWOt#| Viof Julio Dhtix. D
carrioles Hi- .do bia pawcer.e, roborando-as. com o presftgio 11ar4d para. Saiiti..go, Lisboa e
do sea Urtento, iunicava nellas o_progiarania.dii*.
[restar.e>eci1a as communicar.oes telegraphieas en-
n Recife e Jfareio
irh
iu
tado polas circubasta'n:ia*s aos parttuos conslit'i'.-
cionaes............'
a Mais claramente nao podia ser accentuaJa, a
coparticipaQSo do narlido liberal na politiea so-
lomrj9crente maugurada polo.Mlo de If de junho.
a 0 que dahi eno Mianle se so.gaio, se trouxe
r. na desillasto as esperaocas do goverao, trouxe-a
por igual ao partido liberal,
a 0 acto de 27 de ieieabro, e a eonscqueote
pronancia e condemnagao do St. D. Vital, vieram
omo cooilarios da dautriaa afflrmada era It do
junho.
o No dia iuimedialo ao da coBdemnarae do
bi*t;o de Olinla, a impMn-a liberal declarou Ter
no facto o juslo desagp-avn da lei.
t E' assim, vo se, que a palitiia religiwa do
gabinete 7 de MAt\gb, o que respeita ao provi-
mento dos reirsas coijj a responsabilidade cri-
minal do3 bispos, teve por si a evidente cumpli-
cidade da escrda tiheral:
Cmceiendo que a missis Penedo nio tenha
produzido resultado, r ao tondo passado de um
SL.nho a carta Aatonelli, e em todo caso incoLtos
tavel quo dessa misslo n5o projeio para o con-
fl.cto uma causa que o aggravasse.
lusincera 4, portant', a escela liberal quando
a espagos maisou menos curtos. inW-rroga o go-
verao a que veio encarcerar d-m* bi-pos, e o que
com isto ganlKU.
t Ganliasse ou nao, as leis eram leis e devinm
ser enmpridas. Ellas c serao ainda, tiio mteira
mente como nellas se contem, e quaesquer que
sejam as coase]ujnoias que po?sam jobrevir.
t Mais que nunca, campre que o espinto pu-
hlico julgue com ealma e com imparciahdaie da
politiea fdigtosa do gabinete, no momento em qne,
debaixo do nome do partido caiholieo, se tenta
Nfflcar as bases deam partido retrogado, cja ul
lima aspiracao 6 o conllsco de inalienaveis direitos
l* soberania naeioaal.
Se a politiea religiosa do cabinete de 7 Dr.
mahco tem pe-cado por algnm lado, os factos sr
f-m encarregado de provar pli-namente que por
vialontJ nao peccoaeia.
a Quanto a aos, tao iojastos sio aquelles que a
accusam por ter feito de n.ais como os que a ac-
cusatn por ter feito de menos.
0 gabinete 7 db mahqo. esta e a verdade, tem
procedj'Jo em todo o conOicto rdigioso segaudo
as circu.T.stancits, sobretudo preoccupadodo pen
samento de mauler isalleraveis os direitos da so-
berania nacionalsem irritar uma Icta, de conse-
qnencias temerosas.
c Com toda politiea sensata, qae nao corre
atraz de phanta=ias, mas aguarda a li?ao dos fac-
to?, ella sabera occorrer as nece8'dades, a pro-
porcao i|ne ellas se mauifestarem, e com o rerae-
dio q-'.e as circamstancias acoaselharera.
Confl" o paiz na accao 1os poderes pubheos,
e a sua cunGan^a nao sera il udida.
t Firmissimo na inteneao de salvaguardar as
prtrogativas e tnquestionavei* direitos da sobera-
nia temporal, o gabinete 7 de MAnco uao pode
aceitar transaccao em qu esses direitos penguem.
E-le e o programma do aerial governo como
s ra o programma de qualquer outro que venha a
succe ler-lbe.a .
_pqrlrigUvt.
eve unir hqje a
L sboa e I'orti, e;\e vigor
T(aa lie Jinlia. A bordo'do va\^*i.
srleff* Ctttterttir, que honlem tocou em uossoTor?
to, veio o 14.* batalhao de linha, com 380 prajas,
sob o cjmmaudo do Sr. tonontc coronel JoSp Theo-
doro Pereira de Mello, e nrtis dons uCaeiaas e S3
r-acas do 2. regifneuto de artilharia, guarneeen*-
> :t pej.'.s de catapaaba de oalibre 4. Tarabeoi
ipio porcao- da- pdjrechos b llicos.
Sua Exe. o Sr, coraaicnladoT presidente da
provincla fez desetnbarcar aiui a ala esquerda,
do li de lifilia, inaadanlo seguir talo o mais
para a provincia i \ Parahyba.
I'a^adoria <1 tm*.cn+%. ~ Xesta esU-
la estacao;pagarnse hoja as segafctes fo)has:
Trtbnnrf do commerwb, pessoaf da poHeia, eea-
lignacao dos offhiaes do exercito e outros, laizo
d s feiios, raarinbagera e guafdas-ila aldadoga.
\a*los ceBtrIot.- 0 vapor iaglez
Ariel, chegado hmtern de (Glasgow, fallou em
viagem com osseguintes navws :
A ii do passado, lat. 10 Norte, longitnde 2o'
10' \V cm abarca Doruegnense Sjjn, que
procadente de Cardiff, ia com destino ao R-isario.
A 29 do mesmo mez, passon pela galera ingle-
za Tornado, em viagem para o norte na altara de
Fernando de Noroatia.
fodo ia bem. a bordo d*esses navios.
REVISTA DIARIA.
nous do Di'^eatiiro.- Foi honlem so-
Icmnisado o dia anaiversario Jo uatalicio ie S. M.
i) l.nperaJor, cmo aoujn:iin)s, o mais ;jm il
InrainacOes nas e>lacoes. publicas nas noiles de
hontem e deaate hontera.
0 cortejo, que se reali;ou no palaiio la presi-
d- ncia a i bora da tarae, estove inuito concorndo
nao sd pelo maodo ofiQcial como por cresoido nu
mero de pessuas graJas, e pelo dorpo Consular
e;trangeiro.
Jury do Recife. Foram hontem sub-
meltidos a jalgameato os reos : Maoiel de Olivei-
ra, pronaiii'iado'no art. 205 do codigo criminal,
preso em 22 do agosto de 1873, por ter ferido gra-
r. fl..wt A.nn 1),iIiiia rlr.a inl \ t\,\ I '1 (I'J C
vorocnio a Claudino Rutlno dos Santo-, no lugar
das Barrei:as, da freguszia da Vaizca; e Jise
Pereira da Silva, proa-nciado no mesmo artico,
preso ua nuite de 13 de novembro de 1873, por
ter ferido gra vein ente a Jose Vicente da Silva, na
rua do O^ciJente, da freguezia do Recife.
0 conselho de julgameoto compoz-se dos Srs.:
Plavio Goncalves Lima. Joaquira Hugoliuo da
Sllva Fragozo, Joaqoim Cavalcante di Almeida e
Albuquerque, Antonio Leonardo Itolrigues, An
tonio Machalo Pereira Vi,.una, Angeio Custodio
Uolrigues Franca, Mancel Venancio Alves da
Fonceca, Jose Joaqaim da Costa Pajmea. Manoel
Luiz da v'figa, Francisco Ignacio .lo Medeiros,
E genlo Marques de Amurim, e Francisco de
Paula e Silva.
Ambos os rcos, qu- tiveram r/oradvogado o Sr.
Dr. JoSo Francisco Teixeira, foram absolvidos.
Bom aelmdo. Informamnos que, haven-
do desc ntlancas deque n'ura si:ia da traves?a
que vai da Soledade para a rua do Principe e es-
trala de Jlflo de Barro3, da freguezia da Boa-Vis-
ti, se faziain reunioes diurnas e uojturnas, e que
ahi se encontrariara aigumas luz?s sobre o actual
movimento sedicioso deita e da provincia da Pa-
rahyba, o Sr. coronel snbdelegado dessa freguezia
proceden, na noile do 1* para 2 do corrente, ao
cerco, e na manhJ de hontem a diversas pesqui
zas no interior da casa, a- quaes leram era resul
tado : saber se exi-Iir ahi nm religio?o dos que
faziam. parte do extincto collegio de S. Francisco
Xavier, e qne ahi vive como secular; encontrar-
se nao s6 toda a bibliotheca daqudle estabeleci-
meato, como todosos objectos a elle pertenceates ;
diversas cartas importantes ; aigumas outra?
que indicam nomes de pessoas e de localidades
onde se tem dado o movimento sedicioso ; retratos
de am Rvm. sacerdote, trajando como o mais de-
licado fashionable ; e outras mnitas pecas impor-
tantes para a historia.
0 nosso informante diz nos que a policia tomou
conta de tado, e prosegae nas pesqnizas para des-
coberta da verdade.
Dens a illumine e auxilie I
i'ollesio da Coneelcao.Annnnciara-se
modesta, mas correii com esp'lendor cntidigno a fes
ta litteraria qne teve lugar nesse collegio em 30 do
mez undo a noite, por occasiao do ebcerranient>
das respectiv.is anlas; e o qae so effectpoa -pelo
acto publico de am exame de theoria e pralica
das disciplinas elementares, por crianjas, qae as
haviam estala lo segaudo o systema de ensino
americano.
0 resultado desse acto, presi lido pelo Dr. ins-
pector geral da rastruccao publica, e honrado com
a presenca de uma crescida reuuiao composta de
rauitas famibas, e cavalheiros graduidos em let-
tras, fuueooos publicas, eommercio e artes, foi o
luelhor possivel para os que entestara com a ar
dua missao da educa<;ao da iofancia.
Bem avisado andou o Sr. Minoel Alves Vianna
franqaeaado, a vista do escolhido e nameroso conj*J
carso dos qae, aciedendo ao eonvite qao Ihes di
rigio, occorreram era visitar seu importante esta-
belecimeuto de instruccao priraaria e sccundaria,
todas as depeudencias do mesmo, as quaes por
snas eapacidades, ordem e asseio, garantetn as
condictfes que-sio de exigir dejjmbom, senao
optimo internnto.'
Findo o acto dos exaraes, c m qne comecou a
fe-ta, seguio se a visita as dependeocias do eslabe-
lecimento, cada nma das quaes recemmendava ao
visitante o *elo, e as habilitacSes especiaes do mis-
ter, qne distingnem aquelle qae o admimstra.
OpportaBaraente foi servido aos convidados am
mode'to, mas delicado copo d'agaa.
' A festa litteraria de que foi theatro o Collegio
da Conceicao na aoite de seganda feira altima ;
o coasptcao auditorio que alii se renaio ; sao
para Ormar ao espirito do Sr. Vimna a certeza
animadora de qae um breve o sen collegio attm-
gira o pe de iinportancia p: r,i a qnal Ihe ha dado
S. S. todas as propori.oes, sem negarse a sacrifl-
cios.
0 esforco bem intencionado, vinga sempre.
Boa viagem.Cora qualro e meio diis do
viagem, chegou hontem i uma hora di tarde au
nosso porto, pr-cedente do Rio de Janeiro com es-
cala pela Bahia, onde se demoreu cerca de 8 ho-
ras, o vapor brasileiro Caldercn, fivtado pelo go-
varnix imnarial !" umi rl-tc m*.'lh .ri!4 vrifl^'K m\0i
Movii pnbKcafRo- OSr. B. L. Gamier,
distineto livr-iro editor, do Rio de Janeiro, acaUa
de enrfqueccr a cblleccao de suas publieacoes com
in .is um volume de 300 paginas, em 8 ftancez,
contsndo duas novas produccfies litterarias do
muito apreciado eseriptor frances Julio Verne, as
quaes foram cuidadosamente verlidas para portu-
guez pelo Sr. Dr. Luiz Barbosa da^Silva.
Na primeira : Uma niai* fluctuanle narra o
autor uma viagem de Liverpool a Nova fork a
bordo do vapor Great Easter*, ao qual elle deno-
raina a cidade fluctuanle, por cooler em seu iate-
rior, em cada viagem, mail popalacao de qae mui-
ras sedes de disirictos da Pranca. Os menbre6
iDciient-s da viagem sao oarrados com extrema
vivacidade de cdres, e eom aqaella atlraccio qne
so nota em tudo quanto 6 escnpto por Verne.
Nesse trabalho litlerario se nota, a par de innume-
ros conhecimentos nautices, imaglnaeao fecunda,
critica nna, e gosto elevado na creaQia dos carac
teres dos personages e na narrativa do grande
numeo de episodu^, cada qaal mais interessante.
qneprenJera o leitor, e entrelacam agralavel-
meate a descripedos scienlillcas com as historicas.
E', emllm, esse trabalho um interessante romance
do genero maritimo, muito digao de ser lido.
Na segunda : 0* forQadoret de bloqueio descre-
ve o autor uma das muitas paginas vivacos da
a :antesca hislo-ia da ultima guerra dos EiUdos
Unidos, em !88J.
0 novo volume acha-se a venda na livraria In
diislriat, a rua do uarao da Virloria n. 14.
>'!>vo .llnndo. Os proprietorios desse jor-
naj illustrado, que se publica em Nova-York, na
lingua portugneza, acabiradeestabelecernesla pr >
vincia uma novaai?5ocia para ussignataras -na Ii
vraria Popular, a rua do Uarao da Victori i n. 59,
onde poderio ir insrrever se as pessoas qne dese-
jarem po;sir tao util quao agradavel jrjrnal, pra
o novo anno que comecoa ao 1 de norerabro a'
tim a razio de 155000 por anno.
Lotciia do Rio de Janeiro. Por
tele gramma hontem rec?b:do, sabe-se qne a lote-
ria 539" sera exlrahida hoje aa corte.
Loterla. -A que se acha a venda e a [27.'
a beneficio do collegio dos rrphSos e orphis, a
qnal corre no dia 5 do corrente.
f.elldes.- II je ellectua o agente Dias o das
lavornas pertencrntos a massa fallida de Antonio
Jose Viei'ra, a3 II horas, na da rua do Rangel n.
17, o ao meio dia, oa da rua do Coronel Suassu-
na n. 293, e a 1 h .ra da tarde na da rua Impe-
rial n. 182.
Tambem hoje, na forma do costume, havera
na Foira Somaml,a rua do Imperador, um
grande queima de maveis, quinqnilharias e in-
numcros artisros do uso domestic a troco do
barato.
Finalrneote, o d- moveis, annnnciado para
aojanhS (i do corrente.) Da Pasjagem da Magda-
lena, em casa dos empregados da cisa commer
cial dos Srs. Pbipps Brothers 4 C, por interven-
q3o do agente Pinto, Sea transferido para o dia II
do corrente m^z.
.Ca=.a de d^tea^ao.Movimontd'd.f casa
de dotencio do dia d? dezembro :
Exl'tiam 303, entrar.im^, sahirara 7, existero
304. ^-^^
A saber :
Na-.ionaes 228, mnlherag 8, estrangeiros 29,
e-cravos 35, escravas %,Total 30i. .
Mimentados a custa d?s cofres publicos 232.
A saber :
Saos 238 eenfermos li -Total 232.
Movimento daerrfermaria do dia 1* do dezembro
de 1874 :
Teve baixa :
Manoel Francisco 3os Santos, bronchite.
Ceiuiterio publico. -Obilaario do dia 1
de dezembro:
Manoel, pardo, Pornarabuco, 6 raezes, Boa-Vis-
ta : pspasrao.
Damazia da Fe de Jesas, pardn, Pernambuco,
60 annos, soltcira, S. Jose; encephalite.
Maria, branca, Pernambuto, 5 mezes, Boa-Vis-
ta ; convul-'oes.
Jose Baoti>ta. Francisco, pardo, Pernambuco, 34
annos, solteiro, Boa-Vista, hospital Pedro II ;
anemia.
comarea, pediado pagamento de castas jadietaes.
-A' comraissai de negocios jadiciaos.
M v^a de nm cerlilicado do dir.'etordasobras
puNiitfi. a camara resolveu qu-a so pagua aa go
metraiPristavo Mermond, aqiantia da 2:q'(I(\0,
eiMTippondente ao mez de ouiajaru Broxirao Gnlo,
tt|ue '.era direito.eai virtude do"Sea coulrato et-
fectaado com a camara para levaatameato da
planta desta cidade.
Foram aprescntados os seguintes pareceres:
A' commisslo de saWe publWa, a qua* foi pre-
seote a parte do ti-cal da Gapnoga, em fne refe-
re qne os moradores da Paasagera da Magdalena
qnerem se oppor a ordern da oamara qne mandon
postar nmgQarda ao pe da ponte para evitar alii
o despejo de ma ten as fecaes, 6 de opinlao que se.
ordene ao fiaeal que cumpra a ordem da camara,
pois os moradores da juellas paragacs teem todos
graodes iraiataes, onde podcrn enterrar as mate'
rias fecaw, e nao teem aecesstdade de iocommo-
dar a quem passa pala ponte o derramar na
gtmosphera gazes pitridos e rffalfazejos. Pte? da
caman municipal, eta 11 de novembro de 1874.
Dr. Lobo Moscoso.Gameiro. tApprovado.
A eommtssio do matadonrrr, a qnem foi pre
seute o requeritpents1 de yarios nogociantes de
caroef vordes, em que deelararp, que nao ha fal-
(a de talhadores livres a menos que olios tenham
imposto a sen trabalho, e que e false o qne a res-
peito allega Bellarmino Alves Aroxa, 6 de parecer
qne se deflra a peticio dos snpplicantes declaran-
do-se que a vista do art. ?30 corabinado com o
261 das posturas em vigor, nao podem os es-
cravos exercer a profissao de talhadores. Paeo da
camara municipal, em tl de novembro de 1874.
Dr. Lobo Moscow.Garaeiro.Approvado.
A com nissSo do matadouro, a quem foi pre-
seDte a petiijao de Bellarmino Alves de Aroxa, em
qne reqaer a continuacao de seus escravos e le
outros nos acougues, e de parecer que o suppli-
caate nao tem razao no que allega;. pois tendoa
camara h i muito tempo coufeccionado uma postu-
ra prohibindo o exercicio da prolissao de talhado-
res aos escravos, deixou eHa de ter execocao;
porqae o sopplieante e outros reelamaram que a
camara quando arrematou os talhos do raercado
nSo estabeleceu esta condiQao.
< Em consequencia disso a camara em ama aova
postura estabeleceu e especiftcoa a coalioao de
nio poderem os escravos coatinnar em tal servico
logo qae termiaas^e o prazo do cootrato.
o Portanto, em 30 desetembro devia Gear pro
hibido o servico dos escravos.
' 0 supplicante allega que senlo o e'eravopro-
priedade sua, nao se Ihe garante sea direito, pri-
van loo de aso de sua propriedade.
Em ootra iuformagao ia se fez ver, qne ha va-
rias decisoes do coverno prohibiodo o servico es-
cravo nos eUabelecimentos pablicos epor parida-
de nao podenlo a camara fazer oxcepcao,
a Alem disso, ha o parecer do procurador da
coroa, que foijiontrario a eonserva^ii) dos escra-
vos nos talhos pablicos, pela* razoss aciraa exara-
das.
a Nao podondo, porlanto a camara ir de encon-
tro as saas pnstnros em vigor, e estando provada
a desnecessidade dos escravos nos talhos, em face
do requerimento de 27 de outubro proximo passa-
do, de varios raarchaates, em que dies asseveram
que o servico esta feito convenientornenle pelc>s ho
meus livres; e nao offondendo a camara o direito
do supplicante, pois que ha muitos outros servicos,
em que elle possaluiilmente empregar os seus escra-
vos, 6 a commissaode parecer que'seja iudeferida
a pretencao do supplicante. Paco da camara ma-
oicipal, em 11 de novembro de 1874Dr. Lobo
MoscosoGaraeiro. n
a A commissao do matadouro, a quem foi pre-
verno imperial., E' uma das melh.ros viagens que
.-o tern feito nos ultiwos tempos. -_
fapor Calderon. -Soguio hontem mefno
a noile para a Parahyba, conduzindo a ala direita
do 14 batallMo de iunntaria de liana, a forca de
artdharia e os oetrecbos bellicos.
Telegraphr terrcstre, J.i se acham
CAMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA EM 11 DE
NOVEMBRO DE 1874. _
PRSSIDENCIA BO SR. SOUZA LEAO.
Ao meio du, presumes'os Srs. Gameiro, Cesario
de Mello, R'go LJ^rr js, Cunha Guimaraes e Dr. Mos-
coso, abrio-se a sessao, e em seguida leu-seo se-
guinte
rCPEDIBNTB.
Offlcios:
Do Exm. pre'idonte da provincia pedindo are-
messa dos oroaraentos da camara, bem como os
e>clarecimonio--, que puder prestar aeerca da for
ma ie cobranca dos seus impostos e da materia
por elles tributad>s.-Ao contador para satis
fazer.
Do mesmo, cbamando a altencio da camara
para a pralica abusiva de deitarem Cisco e im-
mundi las no caes dd Apollo.Ao fiscal.
Do raesrao, parlicipando a caraara que a com-
panhia Recife Drainage eoncluio os trabalhos da
Jatrina publica no largo da assemblea e na fregue-
zia de S. Fr. Pedro Goncalves.Inteirad?.
Do mesmo, autorisando a camara a despender
pela verbaObras novasa quanlia de 5:003*.
Ao contador.
Do presidente.do Banco do Rrasil, era resposla
ao offlcio desis camara, de 24 de outubro do cor-
rente anno, deolara qae retiroa o saqae de....
15:600.000 d6 Amorim Irmaos & C, contra Fran-
cisco de Figueiredo & C, o qual ja foi pago, sen-
do sua impurtaocia levada a c nta da camara para
pagamento de amortisacao e juros oijcediJo amesma camara.loleiraia.
Do engeaheiro, informsNado uma petjcao de Os-
car De-'.ibeaux.Def^rio se a pelicao.
Do mesmo, iiiformando uma peti^io de Francis-
co de Paula Lima.Dtferlo se a peiicao.
Do mesmo, informaado nma petic|ao de Jose
Lueio Lins.- Deferiose.
Do mesmo, apre^entando o orcameoto dos re-
paros que -necessila o resto da roa du Qaiaoo, da
povoa^ao dos Afogados, oa ira'portancia do....
230J000.Peca se au'.orisajao ao Exm. presidente
da provincia para p6r em praca.
Do procurador, pedinlo que selhe love em cod-
ta a qnautia de 6:130.000, qae pagou a Josfi Au-
gusto do Araujo, arremat-nte das obras dd- raer-
cado.Ao contador.
Do mesmo, consuttando se deve pagar aimpor-
lancia de um mandado qae Ihe foi apiesentado, as-
sigaado pela camara, nio obstaote ter sido encam-
pada a verbaCa^as judiciaesa reqaerlmeato
do escrivao Al.sayJe.-Pigne-se.
Do.contador, iuformando uma petigao de Fran-
cisco Gemes de Miranda Leal e Manoel Gomes de
Miranda L;al.-Ue?erio-se a peticSo.
. Do fiscal da freguezia de S. Fr. Pedro Goncal-
ves, reme'tendo duas terraos de infraccSo cooira
Doraingos Jose Machado e Antonio Franciso de
MirandaAo prrjenrador.
Do fiscal interiop da freguezia d i Boa Vista,
parlicipando que lotimou a J. se Maria Gomes e
?i!tra, para remover para o quintal a reunaria que
torn na casa a. 3 da rua do Visconde de Pelotas, no
prazo de 60 Jia?.Que se recommende ao fiscal
que iolime de novo o dito -Gomes e Silva, para vir
asjignar o termo dr obrlga'-ao.
Uma jpeticao do fegaavo promotor publico da
seote a iieti^io da associar^ao Amor a Benellcen
cia do* Talhadores de Carnes Verdes, sobre qae o
Exm. Sr. presidente da provincia mandoa oavir
esta camira, e de parecer qne se iuforme a s.
Exc. quo, a camara esperando, a vista do longo
prazo de 13 mezes eoncedidos ao empreiteiro das
obras do mercado dovo, que esteja este prompto
em fevereiro ou raarco do anao que vem, defirio
f.ivoravelmente a peticao dos arremataoles dos ta-
lhos do mercado velbo, em que elles pediam Bear
nas mesmas condicSes com qae arrematarara os
mssmos talhos ale a aberlura do novo mercado,
em altencao o teremells deixado de fazer recla-
m?coos a camara, quando honve de se raaudar
demolir o raercalo velbo o snjeitarem se a Hear
nas raesmas condicSes no barraoao que para isso
foi construido pelo empreiteiro.
t #lem dis=, a camara attenden a sociedado
d;S talhadores, inaadaado dar-Hie grataitameata
quatro talhos, afira de nao favorecer o raonopolio
das carnes verdes, que tem sido tao prejudicial ao
publico.
Quaato aeoodieio do art 230 combiaado com-
o an. 262 das poslnras em vigor, a camara infer-
mara a V. Exc. qne ja ordenoa aos fiscaes, que ve
las pode deixar de dar exa:to 'cumprimento a ellas, e
assim nada ha a deferir nesa parte a pretencao
do supplicante.
t A c-jmmissio entenle que a camara nao
exorbitou das atlribuigoes qae Ihe sao confenda-,
mandand) prolongar o conlrato par mais aljuns
mozes, visto como em vista Jaloi, Ihe 6 permitlid i
fazel o. Paco da camara municipal, em 11 de
nuvembro de 1874.Gamdro. -Dr Lobo Moscoso.
Approvado,
Foram apre-entalos os soguiates requeriman
tos:
a Reqadro que e.-ta Illma. camara, era altencao
e reconliecimenta pela visita que acabade fazer a
esta pr-vincia o Exm. Sr. ministro do imperio,
conselheiro Joao Alfredo Correia de Oliveira,
denoinins o lai-go da..?assagem da Magdalena praca
do Conselheiro JoSo Alfredo.Paco da caraara
municipal do Recife, 11 de novembro de 1874.-
Jose Maria Freire Gameiro. -Approvado.
a R-;queiro que tendo sido approvada a proposta
para se denorainar praca do Conselheiro Joao
Alfn do. que ate o preseote tem sido desigaada como
praca da Magdalena. e|reconhecendo a necessi Jade
de que haja naquelle lugar ama graade prafi
por ser o encontro de qnairo estradas de graade
transilo, qne se ordone ao engenheico eordeador
qne tire a planta da praca jyjra as necessaries
proporjSes alin de que se trate da de3apropriacai
los terrenos indispensaveis e nao se conceda
iicenca p'ra novas edinca;5es. Paeo da camara
municipal, era 11 de novembro de 1874.Dr.
Lobo Moscoso. Approvado.
o Requeiro qae o engeuheiro eordeador tire a
nlanta dos terrenos desoccupado* qne so acham ao
lado da terra da raa Imperial, antes de chegar a
antiga fabrica de sabao, aflra de se constrair nesse
lugar uma praca.
0 mesmo a respeito do lugar denamraado
antigameote viveiro do Muniz, fistt haver ahsoluta
necessidade de pracas. Pa'/) da camara municipal
do Recife, era II de novembro de 1874. -Dr. Lobo
Moscoso. -Approvado. .
a Requeiro ine se cha.ne a attencao dos brs
fiscaes aflm de se acabar com a immvnsidade de
cSes, que andam na cidade e na freguezia do Poco
da Panella no lugar da Casa Forte. Camara
manicipal, 11 denivembrode 1874.-Joao da Cnaha
Soares Gairaaraes. -Approvado.
Foi apresentada a seguinte proposla :
Fica sem vigor a postura addieional de 8 de
outubro de 1873, qua at6 esta dala nSo foi
approvada pela assemblea provincial, restabelecen-
dose assim o art. 173 do codigo das po-turas do
mesmo anao de 1873. Paco da caraara manicipil
do Recife, 11 de novembro de 1874.-Jose Maria
Freire Gameiro. -Approvada.
0 Sr. Rego Barros reqnereu qae a caraara tome
providoncias aeerca dos factos segnintes:
1. PertodaesUcaodasOtfleinasestaoconstruiD
do umas meias-aguas dentro de am terreno em
forma de corticas e em pessitms condicues
hygienica, apenas lem nma p)rta parao laao do
poente.
2 Quasi jonto a estacao da SolelaleJ hn um
pequeno terreuo de vinte pa'mos, en:re duas ca?a.
qne nao'esUi mnrado e serve de deposito de
immnndicias.
3.* Na estrada da me.ma rua para a de Doming03
cires, exisfo uma nesga de terreno que serve de
despejo publico.
a4." Na raesma rua junto ao muro do novo sitio
do Amorim, ha uma valla que tambem serve para
despejo publico e exhala horrivel cheiro.
5.' Na rua da Ventura, da Capunga, reedificou-
se uma' casa :ontra as posluras, a de n. II, conser-
vando-se a mesma altnra das janellas que tinha a
trinta annos qjassados, parece ura pombal. A
frente desta casa foi toda feita de novo, como se
pode veriflcar.
6." Na mesma rua entre a camboa e o sitio do
cipitao Ribeiro de Moraes, existe nm terreno era
aberto; margeaodo a mesma rua, onde alem dos
despejos e animaes mortos, praticarase actos
immoraes a vista da familia raoradora no predio
fronteiro.
sE^te torreao em aberto coacorre para arrainar
a eslrada puWica, pois arena das excavacSes das
aguas pluviaes, as carrocas que par alii eairam e
sahom, eos cavall n M matuios, para n5o pagarehi
barreira, tornft a paisagem pir alii perigosa no
iaverno.
7.* Reedifl^on-se na mesma rua, esquina.da do
V}8cofide de Gjyaa'na, ama casa terrea centra as
posturas.
lAlem de am sotao, as janellas nao sao moder-
aas.Paco da camara raaai.-ipal, 11 de aovembro
de 1874.Bellarmino Barros dApprovado, e se
peca iaformacdes aos fiscaes.
Foi apresentada o seguinte parecer :
< A commissao do raatadoaro, a qnem foi pre
sente o aviso do ministerio da iaslift, de II de ju-
nho do corrente anno, tem a informar que nas pos
turas em vigor, ha disposic<3es que sao con'.rarias ao
monopolio dos generos alimentioio-, entre os jnaes
e considerado a carne verde. Paco* da camara
municipal, em II de novembro de 1874.Dr. La bo
Moscoso.Gameirou.Apppovado, continaaado as
postaras relativas a semelhanle objecto como em
inleiro vigor.
A reqaeriraento do Sr. Cunha Guimaraes,
resolveu a camara que o fiscal da freguezia da
Boa-Vista, Jeronymo Jose Ferreira, que esta
funccionando interinaraente na freguezia de S. Jose
volte para a sua freguezia, e que o da freguezia de
S. Jose, Ernestiio Cavaleante de Albnquerqae, qae
serre igaalmente na da Boa-Vista, voile para
aqaella.
Forara despacha las as peti<;5es seguintes :
De Augnsti Jose Nunes, Arqaias Liadolpho da
Silva Mafra, Aatoaio da Silva Ramos, Aotonio
Teixeira dos Santos Junior, Antonio Joaquira Cascaa,
Antonio Oestes Monteiro, Antonio Luiz Moreira,
Bellarmiao Alves de Aroxa, Bernardino da Silva
Costa, Xegreiros Irmaos, Braga e Pimentel, Brito e
Guimaraes, CandiJo Jose Rodrigues Lima, Dr.
Cunha e Belfio, Constanca Januaria Monteiro,
Domingos Jose Machado, Francisco Gomes de
Miranda Leal, Manoel Gomes de Miranda Leal,
Francisco de Paula Lima, Fraocisco Daarte da
Silva, Fraacho Siqaeira di Paala, Franci>co
Alves Mooteiro Junior, Hypolilo Cassiano de
Vasconcellos Albuquerque Maranhan, Henrique
Santino Pereira, Joao Doraetty Juuior, Joaquira
Eslanislao de Medeiros, Joaquira Antonio Carneiro,
Jose Jacorae Tasso, Joaquira Gomes Ferreira de Sa
Leitlo, Joaquira Pereira de Souza, Jo^e Jerouymo
Monteiro, Joanna Francisca de Barros, Joaiaim
Dias Fernan le*, Jose Aotonio da Cunha Guimaraes,
Jose Lucio Lins, Lniz Aotonio de Mello e Silva,
Dr. Lniz Rod igues Vtllares, desembargador
Lourene.o Jose da Silva Santiago, Mauricio Alves
de Brito. Maia e Magalhae<, Manoel Riymundo le
Araujo Piaheiro, Manoel Gims Ferreira e Silva,
Miguel Ferreira Piato, Manoel Joaqaim Ferreira
Esteves, Manoel Paulo de Alba ;uerque, Manool
Catauho, Miximo Jose de Andrade, Man9el Jose
Gomes de Souza, Mamel Games Francisco de Sa
Leitao, Manoel lose Machado, Miguel Joaquira da
Costa, Marjolino Jose Lopes Ribeiro, Manoel
Aotonio de Moraes, ura abaixo assignado dos
negociantes de carnes verdes, Oliveira Braga 4 C.
e Thomaz Jose das Neves.
Nada mais haveado, o Sr. presidente levaatoa a
sessao 4s daas horas da tarde.
Declaro era tempo qae fez parte do expedieate
da presente sessao o seguinte :
Ura offlcio, do inspector da tbesouraria de fszenda,
acompanhanJo duas peticoes de Manoel Patrao di
Nascimento e Joao Jose Barroso da Silva Juv-nis,
com despacho do Exm. presidente da provinda,
mandando a camara informar.
Oulro do mesmo, acorapaaiiaaio uma peticSo de
Manod Ja Silva Moreira
Uma informacio do director di? obras pnblicas,
Victor Fournie, acompauhada dcama planta.Ao
engeuheiro vordeador.
Eu, Francisco Au gusto da Cosla, sccretario a
escrevi
Manoel Jonquim do Rego Albuquerque, presidente.
Jose Maria Freire Gameiro.-Jose Cesa-io de
Mello.Tluod-tro M ich'iio Freire Pereira di Silva,
Bellarmino do Rego Barros.Joao da Cunha
Soares Guimvdes.Je.roiiym) de Soitza Leao.
liberdades pnblicas, e converter o pais era o sa
feitoria do mais complet) aboluti-m '.
N.io e issa realutente transviar a opiac i pn Ji-
ca ? Oado se vio jamais ama op.>sicio q.e
encareica contra o que h m*lh >r e uroenra j-
lab-.lec r eai boa-lieu do p^ii, contra reform < tc
ella mesma apregoa como oecessaria*, eqa-so
combate pelo simples motive de t*rem sidj re.H
sadas pelo partido adversarioT
Mas a Jespeito de tao cruel Iota a silaa;ao ni
em soa tare'a de promover o mHboracento t o-
dos os ramos de actividade naci'-nal
Attenda p is a opposipao liberal. A actual si-
toscao aboli o nascimento de escravos, c proei ra
regsnerar a agricaltara pda snbstitnicic do t a
balbo escravo c raelboraraeuto aos roclbodo* de
traba!h>, pnvidenciando alem disto para o i.tale-
leciment? de institnicd*s de credito real.
Tem procurado pelos meios a sea alcaase diffca-
dir a instruecio, multiplicaodo os ealabelecioaeai'ot
de instruecio priraaria e secuodaria, e for;* & era-
fessa lo, a in-trucoao pnbliea | n n do* ram-s le
adrninistrai.a i que mas desvelos tem roerecidi Ja
actual diuaeao.
A despeilo do lamentavd eonflieto qae am !a
reina entre os doas poderes civil e eccleiaiir \
nao ha duvida, o governo le-n as raelh.ro* int a-
coes a respeito da religia> do e-U1o, cd:h
esqoecido lado qaanto possa coatnbnir para levr
o grao de okralidade a qae lem cfcesjdo o pom
brasileiro.
Fuulmen'o t?m-se rnosiralo hUM cm d-i a
mais esplenlila exeror^a a< hi' em vigur, esa-
mulan l i por uma b>-in nier eiJ* diitrikotfi* ie
reco.np 'ii-as o zelo dos funcoioaari>> e a cia dos :. i'. !;"i -.
Piocuranio manier a ti>dc trans as prer >gitif
do? poderes poMieos naf iria da c lastWasrio j
fallen ml-' nos rege, a situicio tem mereci lo '. >
paiz e da conn, e dest'arte -e ha coaservadv p r
quasi seis annos no poder.
EU o naiti 1' imp rial qn o liberaes da Pi
tincia, fignram dirpost) e em altitude de nultii-
car todos us outrs poderes, igualinente legitiny,
subslituindo a lodo-t a v. nude do imperador la
quem sao inandatarios e obedient-s servos.
Se sao estas as -leas d) sapf ^t parti l i-np
rial, declar.imos alto e born sum (n I am ben-
licio para o paiz a sua inslituiea-', pots que *> b
seus auspicios lem o novo bra-i.Viro cres:iliei>
luzes e civilisa-.-Ao, e i ju^tam-tite da data da a -
ceusao do partido conservator qne com*c. a a p. -
liltca quo te tem caracterisad pel > melhoram a *
de nossas iartiluii;oos, abrindo ona nova era t a
historia "brasdeira, rica 1- gloria para seas iaici -
dons, e de bencaos para toda a popalacao.
'PARTE FOLITIGA
RECIFE, 3 DE DEZEMBRO DE IS74.
O PARTIDO IMPERIAL.
II
t 0 poder moderalor.com a esculha dos senado-
res livre ; com a dissolacao da camira dos depu-
lados Here; com o perdio dos culpado-1 livre ; com
a sanccao l'pr ; com asuspeasao dos magittrados
Here; com a concessao de amnistias livre; com
a nomeajao de m nistros livre, e sem a respoasa-
bitidade legal, como o qaer e exerce o imperador,
pode nnllilicar, como de facto tem nullicafid oto-
I ;s os demais poderes.
a Elle assim cmsiiiuido sera o consume pertur-
ba lor de qualquer systema politico qae o admilta,
por mais liberaes qae sejam as oatras suas iasli
luiQoes. o
Taes sao as palavras do Dr. SalJanba Marioho,
que a Provincia subscreve e adopta era seu artigo
do 13 do correate sob a rubrica acima.
De modo que a nada menos chega taa estranha
doutrina do que ao aniquilainente do poder mo-
];: dor, que lera desapparecidn a forca de cercea-
rem uma a uma suas importautissirais preroga-
tivas.
Sera euirar, por ora, na apreciac.ao do que ha de
absmdo era semelbaute thaoria, que alias paten-
leia o mais profundo desconhecimentd da nature
za do poder moderador, terminaremos neste arti-
go a scne de coasi lerac5es come.;adas no aaterior
sobre o assampto de que aos vamos ocenpando.
E' peri^osa, diziamos, a opiniao dos qae so oas
reformas politicas veem o reraedio para todos os
males que alQigem as nacpes.
Tal opiniao,-juntavamos, alem de supinamenle
erronea, 6 o incentive mais podaro-o aos babitos
de inercia e ccrrupcao, que essas ideas tendem a
radicar e desenvolver no povo.
Com etfeito. Sao tautas e tao variadas as causas
de qae depeaJe o bem estar e a prosperidade dos
pov>.s ; sao tao frequentes os exemplos de na;<3es
vivendo na mais lisoojeira situa;ao sob forma-, de
goverao as mais diversas, e de oatras em conc-
edes deploraveis nao obstante as iaslitaicdes Hbe
raes porqae sio regidas, que, loogede descobrir-
ih is nessa ditferenya de organisai;ao pol lica as
verdadeiras causas de sua prospenlade grandezi
ou de sua decadeacia e mi eria, e bem lunge dabi
qae, cremos, deve araa politiea sabia e bem in ten
cionada se esforgar era procaral-as.
Ha medidas que enlendera immediatamente com
a massa geral da populacAo, cojo estado ellas se
propoem melhorar, augmeniando a soraraa de bem-
estar nacional e desenvolveudo os germens de ri-
queiza, forga e supremacia iatel ectualda raca des-
tiaada talvez a exercer am dia poderosa ascen-
dencia na sociedade imraensa das nacdes.
Taes sao o impalso dado as flnancas pelo a;oro-
c;amento da agricollara, mdastria e eommercio,
foutes de riiaeiza nacional; til e o derramaraeato
da instruccao publica, que concorre mais que no-
nhum oulro elemento para a grandeza dos povos;
tal e ainda a boa distribuicao das boaras e vanta
geas suciaes, elevaado se o merito a altura a qne
lem direito na proporc4o dos servicos prestados a
graade caasa oacional; tal 6 aiada ama boa ad-
iniuislracao em que o cidadio eoconlre garaolias
de paz e seguranca condicues imprescindeveis de
qualquer outro prugresso.
Se Jepuis de teniados estes e outros meios ana-
logos, o paiz pormanece era manifesto alrazo, e en-
tio que se pode aitnbuir o tnal a vicio de organl
sa;2o politiea.
Mas como, sem total inversao da ordem das ideas,
accusar vicios de orgaDisajao politiea, quaodo ,
esiado geral do paiz oao e safflcieatemente coahe
cido, oa qaaado calla se de proposito todo o qae
de iraperfeito concorre para a marcha irregular do
systema politico, afira de raelhor guerrear esse sys-
tema ?
Pois e justaraeate este o modo de combater em
voga nos arraiaes da oppasicao leberal. Transvia
se a opiniao, accenando-a com reformas fallazes,
procara-se mcutir no animo da populacao a des-
crenca nas instituicoes que nos regera ha mais de
meio secalo, e qaehaodelevar-nos, estamos certos
ao raaior grao de elevacao no mundo internacio
ui\.
Depois de uma opposicio a todo o transe movi-
da contra as reformas leutadas pelo garainde 7 de
raarco, qne, seja dilo iraparcialraeule, tem regene-
rado o paiz, sobre a ou-.-i-lia do orgao liberal nesta
provincia, ao Donto de diridr seus golpos ao poder
irresponsavel, tramando c .tr a existencia de nm
poder legiiimo, eujas pi ri.aativaa elle trata de do
senhar aos olhos do publico sensato como wutras
tantai eoncessoes odiosas e quo bao de saffacar as
Attenda o governo imperial I
A Assoeiacao do- Pralicos dctla proviroa tea
dingido ao governo imperial varias pttno-c, r -
clamando ligeiras m difi.-acoos em al^un* artif *
do regularcenlo de 28 de fevereiro de 1854 ; m .$
todas ellar, oat u-m au ra-no- m roreram a r.oi-
ras de um in deferimento, foram lancadas ao po < a
secretana d'estado dos negocio^ da marinh.a! !
Nao ohstanle, as pralicos, na e^poranra de u n
dia s- rr-m attendido-, tnd re;aram ultimanieote
um oulro requerimento, rerlamando d g vrmo
imperial augiu* :.to do venciraeatos, por nao s r
pos-ivel que riles c^ntinuem a reretwr hoje c
raesraos qae perccliam quaodo lublicou-se o c -
Udo regulamento.
0 augmento de veccimentos coosi-:e em o g -
verno autori.ar que nao se accu.nulvin in Mr
(undo de socoorro, crejdo pelo r'|alam--nto > ;tad .
as vtrbas de que fllara os arts 22 i* fine e i\
para que stjam divididos no fitn dos pe! I
pralicos ; potquanto basta hoje l,'4 dos jor.s
dinbeiro, que consiitue o fundo de socco.-ro, pa a
pagar todas as pen.-oes que delle sabera.
Sao, pciem, passad-j quasi 2 mezes e o govn i
imperial ainda aSo D<>u1e dferir uma preien^ >
lao jnsta e So simples !...
E porque, beia pede succeder qae o ultimo r -
querimento tenha sorie igual a dos outros. c rave n
Dedir do alto da imprensa (I'ahiraais [icilra-n-
cbega a voz do reelatraule as euiinencias do p
der) ao governo imperial que altenJa a tao )as a
reciaraacio dos pralicos, que nada solicilam d i
cofres publicos, raa? sumcnte prHeniem aqml
que faz parle do prodacio
todo particular.
Attende a o governo t
Vereraos...
de seu '.rabilbo, ahi
Quem quer que seja quee recoram-udja a pi -
li-ia una casa que samba, aa ra. de S.
Bora Jesus das CrioaJai; dizeraos que. nao n'
a ordem publica pert'ar ada, nem a sua moral:-
de offendida, nada lemos que ver com oal-
ciador da Mnaffl Diaria do I.* do dezembro.
Us esludautes..
Sr. redactor.Realmcnte o mundo vai era pr> -
gresso ; apenas acabamos de ver a gi;anla. a ai.-
Iher phenomena quo t>los adinirarura, quea hav.a
de presumi-que seria logo aooinpauhada prla me-
nina de 14 annos, quo vivo n'uma eaixinha de 15
centimetro', um palrao mais on menos
Pois a cou^a e real ; a moca falla, bobo, come e
passa a vida na sua eaixinha : quem davidwa
ver, pos 6 ura phcuuo.ieuo mais raro qae a passi-
gem de Venns, e cust. a bagalella de 300 reij.
tauto para buraera c >rao para menioo.
Um nmidu.
Protesto.
Protesto com toda a forca do tnu direito cot -
tra o annuncio inserto no Diario de Pern:mbue,
de 27 do corrente, e assigoado por Joao Ck'ysc
tomo de Oliveira Pel--gio, (bem coabecido em G; -
mdleira ) que agora pretende ter achado u;i.a a -
va mina a explurar.
Se esse bomem cuidasse mais dos seas devere,
e menos de c specular com a boa Id albeia, cert: -
raente que nio se af -utar a a vir em public <, d- -
clarar >e conseohor de minha propriedade Po: -
lo dos Carvaih-'S.
Meus cuuhados hoje reconhaeeai e sabem, qa *
nSo teem direito nnhnm a dita propriedade,
tanio assim e, qae elles mestrms declararam en
escriptura datada de 3 de ouiubro de 1871, jai
iransferiam o direilo e occ&o qae por ventura Ihe*
competisse sobre dita propriedade, vendenlo as-
sim, pois, uma consa que elles suppnnham litigic-
sa, seodo essaveodi aceita por Peiagio sob .-1
mesma condicjio
Portanto, nao veoderam cousa, mas direito !
accio, que por veotura vies^em a ter sobre aqael-
la propriedade-; direito e accio, qae meus dit
cuuhados nao teem, e tanto qne ale hoje nonhu: i
delles
respeit>ram o dorainio e posse do men aalecestor
ex cunbado dolles o iafeliz Porlhier, assim coo
o mea direito e posse mv re a referida pnnwkda-
de ; e por :>so uao se loem elles envdvido em i
a a:cio de despejo qne movo contra o rendeir i
que la aehei.
De qne e. pois, consenhor esse Peiagio ? Sr
do direito e acjao que pur ventura viessen a eo-
petir aos meus ditus 'aahados ? I
hie confute uma extravagaaeia de tal qailatt,
que deixarei sera respusla para nao oflnder *
jucra entende bem do negoeio.
Venh aos tribuoaes, htigue sobre esse wysm -
mi Jo direito, e entao Sr. Peiagio Ihe darei a res-
posla.
E' faiso e lorpe dizer aquelle bomem W-ra:
chamado a eonciHaaio para nm tal im, a aet<<
que fosse ei!a procedida la por Gameildra.
Reeife, 28 de novembro de 1874.
Btsiliano de Matalhaes Castro.
GONVENIO
03 abaixo assignados commerciantes iesu pra-
ca e gxportadores de aljd*o, coasideraado ter
nocessario para regularisar de modo m Js eoare-
niente o negucio da compras d'algodao, em vhj.'.
das caostaotes e gerae^ reclamacioe* qne tea t
de sens corrcspondentes da Europa, est-palararr
entre si o seguinte :
Art. !. Recouheeeudo-se pela expenencu qct
a Ura e-tabdecida aK agora 6 na maior pawedt;
saccas insufflciente, e desejando adopur naa Mm
mais regular e jnsta, tern coavmcunado de o I* do Janeiro proximo futaro, a tara sera <
3 0/0 dedozidos do paae brut*, nio deveada f-
to dos eip6s exceder de 30/a Qnalqner exawt
no pezn dos eipos sera angmeniado na tara ; ati
cxomilo :So uma sacra de 70 kilogramsnosarTj-
los tem de cipos a kilogramraos, a tara era vr.
jo 3 1/2 kikgraramos, qne sao os 5 0/0, tor* d




Dfttfia de Fm&tiMko (Jamta feira 3 de Dezembro de 1574.
-<.
- -
4 10/100 kilogram bcs, desde que os eipoi *6 de-
viaiu pezar J 18/100 kilogrammos.
Art. 2,' ipirra execucao do aitigo anterior, se
nomeaijiama comroL-sao de tres dos signatarios,
para jae se dirija a todos 03 rec^bedores de al-
Sodja, ommuoieando-lhes este eonveuio e pe-
iaiMhes f.iga.-n tonar e marcaro pizobruto das
saoeaa quando entrarem aos deposited. .
or assim estarem d'accorJo, promeltem fazer
tirae e vali.so 0 preseate c-nrenio que assignam
feraambuco, aos 9 de novembro de 187i.
K l.-r A C.
Mills Latham & C.
(P. P). E. A. Burle 4 C.
Henrique Burle.
(P P) Siunders Bro's & C.
Tuomaz M. Con nan.
Borstelraann & C.
Johnston Pater & G.
Adarason Howie 4 C.
JHarlimeudy & Labilt*
lereira Carneiro Maia A C.
diveira FilhosA C.
Amorira Irmaos & C.
Augnsto F. d'Ohveira & C.
C A. Patterson.
Tito Livio Soarei
E. R. Rabello & C.
Fernandas da Costa & C.
Jose da Silva Loyo & Filho.
(P, P). Silva Guimaraas.
M. S. Guimaraes.
J. Monteiro da Cruz.
Theod. Christiansen.
Baltar F. Oliveira & C.
Joaquim J. Goocalvee Beltrao 4 Filbo.
N. 480. Purif.iroo. Fortaleclmen-
t >.-' alcanas#0 mediante o uso das pilulas
assacaradas de Bristol, estes dous .processos sao
ic.-eparaveliueDle'reJajiJ is a urn s6, e 0 mesmo ja
aao se poJc dizer de neuhum outro cathartic
existente. Puf esta mesma razao ellas sao
indubitavelmente 0 remedio alterative 0 mais
effloaz e preeioso que jamais foi receitado para as
curas da paralysia, fraqueza nervosa, debilidade
geral, vertigens e tonturas de cabeca. Estas
enlermidades acbam se geraloieale mais ou ruenoi
ligadas, quer ja como efMtos ou causas, com uma
cena condicio morbosa do estoniago, do Ggado ou
dos intestinos. Sobre es.tes orgaos as pilulas
uperam d'uma maneira direct.* e com uma tal
proroptidao e forca curativa, que veriadeiramente
faz admirar, emquaato que por outro lado, ellas
dao vigor a todo 0 systema. A salsaparrilha de
Bristol, sendo de ludos 0? agnt-s 0 mais notavel
para arenovacio da vitalidaJe do sangue, torna se
portaoto em laes c asos intespeusavel. As pilulas
vao dentro de vidrinhoa e por isso a sua boa
C'.aservacio e duradoura em todos os climas.
I-JLUU -
ImportaciEo
Bare, .sortugneza Lisbon, entrada to Porto em
1 do corrente, e onsignala a Tito Livio Soares,
manifeston :
Azeite 20 barris de oitavo a Jorge Tasso, 13
d? quiato e to caixas a Joao Rolrigues de Faria.
Azenonaa 100 ancoretss ao consignaurio, 6 eai-
xaa a Brag* Gomes & C. Ago* mineral 4 caixas
a G. L. da Foate. Archotes 10 pacotes a Francis-
0 Guedes de Aranjo. Arco3 de pao 52 rodas ao
CODSignatario. Alves d: eonto 18 volumes a or
d->m. Acafates 3 volumes a J. J. G. Teixeira.
Alhos 482 canastas ao consignatarir, 220 a Bra-
ga Gomes & C, 183 a Silva G-iiinarats & C. Agua
de Vidogo 1 caixa a Antonio P. Ferreira, 1 a
Franci:-) da Costa Maia. Arroz 300 saccos ao
consigmtario.
Ueeiros 2 a Manoe! Josquim Lobato. Boga de
zi'tmro 2 barri'as ao BKsnm Bigornas 1 caixa a
Silva & Alves. Batatas 50 eanastras ao consigna-
t:,rio.
Ccbolas 1,000 resteas a ordem. Capacho 3 far-
diis a ordem, 4 a Pareate Vianaa & C, 2 a Pocas
A G. C bo tie manilha 16 pecis a J. Monteiro da
Craz. dito de linho 11 pecas ao mesmo,. 8 a Caeia
DO da Go:ta Moreira. Gartiliias 2 caixas a Paren
t i Vianna & G. Cevada 20 saceos a Jorge Tasso.
Canic,o 1 caixa a Bernardino Duarte Campos & C.
Carne de porco 1 caixa a H. Bernardo de Oliveira.
('..ndeca? d>> vime 1 volume a Braga Gomes 4 C.
liomnudu 3 caixas a Luiz Jose da S. Guimaraes.
Ctdeira 1 caixa a Joaquim Jose de Seixa*. Cestos
(I maleira 3 volumes a J'aquitn Lopes M eh do,
1 a Francisco da Costa Maia.
D>ce 1 caixa a H. B-rntrdo d>; Oliveira.
Ereovas 8 vjlumes a Anton.0 Manoel Paiva
Chaves.
Farello 170 saccos a Silva GairaarSes & C. Fa
zrnd'S I caixa a Jose Ant-mio Maia e Silva. Fo
li:a de louro f fardos a Silva Guimaraes 4 C, 1 a
J. A. Braga, 28 saccos a Joaquim Duarte Simoes.
Feijao 428 saccos ao con-igualario. Fio de algo-
dio I pa:ote a J. ale ntriro da Cruz. Ferragem I
caixa a Antonio P. Mamede. Feehadnras 2 cu-
nhetes a ordem, 2 a SiWa 4 Alves, 3 a Parente
Vianna & G, 2 a IsioJRodrigaes de Faria, 2 a Joa
qnjna Monteiro da Cruz, 1 a Francisco Jos6 Anto
nio Guimaraee, 10 a E. B. Rabello, I a Moreira
Halbday & C, 4 a Ferreira Guimaraei 4 G.- Fo
j jetes 4 caixas com 600 dnzias a Joaquim MoDtei-
ro da Cruz. Fouces 6 cunhetes a Francisjo Gae-
de \ranjo. Ferrollios 1 cunhate a Ferreira
Guimarfies & C.
Imagem t caixa a Roeha Lima & Guimaraes, 1
a Luii Antonio Siqaeira.
Livros impressos 1 caixa a Silva Cardoso & Pes
sOa. Linha 2 carxas a Francisco Guedes de Aran-
jo, 1 a D. Manoel Marling 2 a Manoel Nune3 da
Konceca, 43 a Netto Campos 4 C, 2 a Manoel Joa-
qoja llibeiro. Lona 4 en:apados a ordem. Louja
13 caixas a Joaquim G. Valente, 1 a Bernardino
Duarte Carapo*, 1 a P0>.as 4 C.
Machados 15 cutihet>>s a Francisco Guedes de
Arauja, 10 a Ferreira Guimaraes & C. Marteilos
1 cunhete a Silva 4 Al-es. Mobilias 6 volumes a
J. J. de S;ixas. Macas 2 cananras a ordem.
Nizes 2 barricas a H. Bernardo de Oliveira, 1 a
Jcaqnim Monteiro Ja Cruz.
Objectos diversos 4 caix 18 a D^raingos F. Bas-
t s 4 Filho. Obras de pallieta 1 caixa a Jose T.
!. ite Bastos.
Presontos 3 barrij a Jorge Tasso, 2 a Joio Jose"
Aives 4 C., 3 a Franci-co Gnedes de. Araujo,
caixa aPoc.s&C. Pomala 20 cunhetes a Joio
liodriguwde Faria, 50 a Beltrao & Filho. Pregos
15 barris a Moreira Halliday & G., 8 a Francisco
'i.mgalves de Arauj>. 3a a Parente Vianaa 4 C.,
4) a Silva & Alves, 34 a Joaquim Monteiro da
Cruz. Piano 1 ao meson. Pedra de ca.taria
103 toneladas aos csntrataljres da ponle d; boa
Vista. Peneiras 3 caixavCjVe Barbosa de Carva-
Iho. Palitos 4 caixas a/^.lva/Guiraaries & C, 6
a Braga Gomes 4 C, la Parente Viaana 4 C.
Rjlhas 25 saccos (a Braga Gomes & C, 20 a
Silva Guimaaes 4 C./T fardo a Pojas 4 C. Rju
peires 3 a Francisco da Costa Maia.
Sementes 1 caixa a Pocas 4 C. Salpico.s 4 cai-
xas a Jose Joaqnim Alves 4 C., 10 a Jorge Tasso,
'.' a Francisco Guedes de Araujo, 2 a Joaquim Ma-
n>el Ferreira de Souza, 1 a Pocas 4 C. Sapatos
d? liga i caixas a Antonio Paiva* Ferreira.
Taboleiros 1 caixa a Francisco da Costa Maia.
Tamancos I caixa a Pocas 4 C. Talheres 2 cunhe-
us a E. R. Rabello 4 C. Toalhas ds Imho 1 caixa
:i Netto Campos 4 C.
Vidros 1 caixa a Bernardino Duarte Campos
4 C. Vassouras 50 volumes com 500 a Lapa
Primos. Vene 50 volumes a Manoel Pereira Le
mos. Vinho I barril de quinto a Jjs6 H da Silva,
2 a Antonio P. Miranla, 28 a Joao Rodrigues de
Faria, 1 a Manoel Jose Machado, 3 a Antonio R.
Ferreira, 5 e 10 decimos e 60 caixas a J. J. Rodri-
cues Mendes, 30 e 610 caixas a E. R. Rabello 4
C, 209 caixas a Beltrao 4 Filho, 249 a Joaqnim
Luiz Vieira, 100 caixas a Silva Guimaraes 4 G.,
50 caixas a Sannders Brothers 4 C, 2 caixas a
Fedro Aff'jnso de Mello, 3 caixas a Manoel Joaquim
Lobato, 71 a Antonio Ferreira da Costa, 100 caj-
xas e 1 barril de oitavo a loaqoim Monteiro da
Cruz, 3 pipas ans consifoatarios, 20 barris de de
cmo a J. Joaquim Alves 4 C.
Vapor inglez Ariel, entrade de Glasgow e Lisboa
r.a mesma data e consignado a Simpsom 4 Q.,
r anifest jU : -
Carga de Lisboa.
Alpiste 40 saccos a Srlva Guimaries 4 G.
Jebolas 30 caixas a Constaatino Rodrigues Men-
des, 25 a Jorge Tasso. Cognac 10 eaixas a Silva
1 uiraaraes 4 C Calcado e 2 espartilhos 1 eaixa
a Joio Bento Rodrigues.
Frnctas 2 caixas a Jose Corado, ditas e mais
objectos 1 eaixa a A. F. da Silva 4 Irraao. Figos
8 caixas a Antonio P. de Miranda
Livros 1 Jjia a De LallbacaT 4 C, i Wal-
fredo 4 Souza, l a H. Forster 4 C.
Massa de tomat: 10 caixas a Antonio Pereifa de
Miranda. Macas 10|2 caixas ao mesmo.
N zea 20 saccos ao mesmo.
Palitos 1 caixa ao mesmo.
Velas stearinas 6 caixas ao mesmo, 300 a Silva
Guimaraes 4 C. Vinho 2'> pipas, 40 barris *
'ininto e 5 de decimos e 100 caixas a Silva Sol
maraes 4 C
Carga de Glasg w.
Amostras 6 volumes a diversos.
Coke 50 toneladas aos consignatarios, Carvao
de nedra 40! toneladas aos tnetmos-
Chapas para f gao 40 a Hawkes 4 C. Cerveja
130 barricas a Saunders Brothers & C-
Estopa 10 fardos a ordem.
Farinha de milho 300 caixas aos consignatarios.
Ferragens 12 volume* a Hawkes 4 C.
Linha 3 caixas a Parente Vianna 4 C, 10 caixas
a ordem, II a 3. P. Johnston 4 16 a Moreira
Halhday 4 C, 26 a Faria Irani), 6 a Carvalbo,
Pereira 4 C.
Olea de linhaca 10 barris a Hawkes & G.
Saccos vazios 9 fardos a SaunJers Brothers 4
C, 7 a Braga Son 4 C.
Tinta de impres-ao 30 barris a ordem. Tecidos
47 volumes ao3 consignatarios, 33 a Goncalves
Irmao 4 C, 16 a Machado 4 Pereira, 16 a Brown
Thomson 4 C.
Vapor portuguez Julio Diniz, entrado dos portoa
do sul na mesma data e consignado a E. R. Rabello '
& C, manifeston:
Cafe 100 saccos a Julio C. P. Barreto. Colla 15
saccos a Beltrao 4 Filbo, S a Francisco Maooel da
Silva. Charatos 1 caixa a D. da Costa Ferreira.
Fazendas 1 caixa a Beltrao 4 Filbo,' 1 a Luiz
Antonio Siqueira. Fumo em folha 4 fardos a
Domiogos da Costa Ferreira.
Massa de tomate 4 caixas a ordem.
Barca ingleza Taranac, entrada de Cardiff na
mesma data e consignada a Johnston Pater 4 C,
manifeston:
Carvao de pedra 798 toneladas.
Taboas de pinao 144 aos consignatarios.
SEGUROS
MARITIMOS
CONTRA 0 FOGO.
A companbia Indemnisadora, estabelecidi
lesta praQa, toma soguros maritimos sobn
lavios e seus carregamentos e contra fog(
m edificios, raercadorias e mobilias: n
aa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
SEGUROS
Hritino e coatra-fogo
GOMPANHIA
Piienix Pernambucana.
RUA DO COMMERCIO N. 3i.
Banco Coniiiiercial dc Braga.
Jorgo Tasso.
37Rua do Amorioi37
Saca qualquer quantia a prazo ou a vista so
ore esle Banco on -uas respectivas agencias na-
teguintes cidades e villas de Portugal, ilhas adja-
centes e Hespanha, a saber:
Portugal
Agued.a. Melgaco.
Amarante. Malhada.
Anadia. Mirandella.
Arcos. Monte mor o velho.
Aveiro. Mongao.
Arco de Baulhe em Ga- Oliveira de Aremeis
beceiras de Bastos. Ovar.
Barca. Peoafiel.
Barcellos. Port'Alegre.
Beja. Pinhel.
Gaminha. Ponte de Lima.
Ghaves. Portimao.
Gastelio Brancc. Porto.
Coimbra. Povoa do Varzim.
Castro Dairo. Povoa de Lanhoso
Coara. R'jroa.
Govilha. Silves.
Esposeade. Santo Thyrso
Bbaa Tavira.
Estremoz. Torres Novas.
Fafe. Thomar.
Famalicao Valenca.
Faro. Vianna.
Figueira. Villa do Conde.
Gouveia. Villa Ponca de Aguiar.
Guarda. Villa Real de S. Antonio.
Guimaraes Villa da Feira.
Lagos. Villa Nova de Cerveira.
Louie. Vinhaes.
Lamego. Vizen.
Lisboa. Villa Real.
Movimeoto da Beira.
Unas.
Fayal. Funchal.
Hespanha.
.iaiajnz. Madrid.
I; arco lion a. Orense.
Cadiz. Padron.
Caceres. Pmtivedra.
Campinas. Puentear^as.
Coruna. Santiago.
Ferro!. Vigo.
Seguro contra-fogo
HE LIVERPOOL d LONDON* GLOI
INSURANCE COMPANY
Agentes
LAUNDERS BROTHERS* C.
11Corpo Santo11
Oompanhia Indemnisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:0000000.
Wiomaz de Aquino Fonceca 4 C, successores
agentes.
Est companhia toma seguros maritimos e ter-
restres, dando nestes o septimo anno gratis aos se-
gurados.
Rua do Vigario n. 19.
companhiFallianca
seguros maritimos e terree-
tres estabelecida na Bahis
em 15 de Janeiro em 18 7 0
CAPITAL 4,000:0009000.
Toms segnro de mercadorias e dinbeiro
i4CO maritimo em navio de vela e vapore:
ara dentro e f6ra do imperio, assim comf
wntra fogo stJfere predios, generos o f
ondas.
AgeHte : Joaquim Jose" Gong alves Beltrao
aa do Corsraereio n. S. l'andar.
Augisto P. OHveira k C.
A casa commercial e bancaria de Augusto
j d'Oliretra d C, i rua do Co nmercio n-
42, encarrega-se de eiecucio de orden;
para embarque de prodaetos e de todot o-
tnais negooios de commissao, quer commer*
iaes, quer bancarios.
Decenta- lettras, e toma dinheiro a pre-
mio, compra cambiaes, e saca a* vista e
lazo, & vontade do toraador, sobre as se-
guintes pracas estrangeiras e nacionaaa :
Londres. Sobre o union bank oi
LONDON, 0 LONDON AND HANSEATIC BANK.
limited, e varias casas de 1.* classe.
Paris. Sobre os banqueiros fodli
& C, MARCUARD ANDRE & C. e A. BLsCQUE.
VBNAL & C.
nktmburga. t- Sobre os Srs. joio
s'CHO BACK d FlLH^S.
Lisboa. Sobre os Srs. fonsecas,
S4HTOS d VUNNA, e SEBASTIAO JOSE M
tB%BU.
"Porto. Sobre 6 banco uniao do p
0 Sr. JOAQUIM PINTO DA F0N9ECA.
Para. Sobre o banco commercia-
oo par A, e os Srs. francisco oaudencio da
COSTA d FILHOS.
HaranhSo. Sob re" o Sr. jose fer
KB1RA DA SILVA JUNIOR.
Itahia. Sobre os Srs. marinbos d c
Rio de Janeiro. Sobre o banco
INDUSTRIAL E MSRCANTIL, BANCO HACIONAL e
BANQUE BRASIUENNE FRANQAISK.
tf?4 4 1878, Iriforrendo na suilta de 6 0\q
aqoeile3 dos contribuin'tes rfa_ste aatisfizerem
nesse prazo os seus debito*.
Consnlado provincial, 37 de noveflHWde 1871
0 administradorT^
____________Antonio Carncin Machado "Klo.
Pelo llniouro provincial se manda fazw Ipu-
blico para uoww intjressar possa, que vfc no-
vamente a praga no dia 10 do mez pruximfr"rin-
douro, perante a junta do me.-mo thesoaro a
onra da ponte de Mies sobre o rio Taparurtna
e.-trada da Victoria, orcada em 1:485/; obra
do concerto do qnarlel do corpo do policia rca
4a em 897:820.
Secretaria do thesjoro provincial de Pernani-'
buco, 28 de noveu bro de 1874.
0 secretario,
Miguel AITnnso Ferrei
pira-
; azeite dace de Ltsboa, aletria, ararnta, tioladba,
bolaehinha americana, bacalbao, batatas, bois
vivoseipasto piirals O&smoa, cafe em grao, eaf6
mo Ao, crrrne verde, came stcca do Rio Grande do
Sul, cba hysson, cevadinha, carnauba em velas,
conservas preparadas, cebolas, doce, feijao, farinha
de mandioca da terra, gallinbas, lenba, mate,
manleiga iugleza, manteiga franeeza, milho pilado,
pao, sal, sabao massa, stearins tm velas de 13-1|6
por kilo, stearlna em velas de 17 l|2 por kilo, tou-
cisho de Lisboa, tapioca, tilba, tejolo de alvenaria
grossa, vinho de Li.-lwa, e vinagre de Lisboa.
Sala das sesbdes- do conselb;) de compras
do arsenal de marmfoa, SO de ftorembro de
1874.
0 secretaria,
Alexandre Rodrigttes dos Anjos.
xovittmo'
^UVJMENTO DC P0RT(?
Navios enlrados no dia 2.
Maceio -6 dias, hiate mcional Adelino d>s Anjos,
de 95 toneladas, capilao Manoel Francisco Mon-
teiro, euaipagero 5, carga algodao e oatroft ge-
neros ; a Manoel J da C. Porto.
Babia 8 dias, escana portngueza Helena, de 232
toneladas, capita j Sebastiao dos Santos Pereira,
eqnipagem 11, em lastro ; ao mesmo capitao.
Rio de Janeiro pela Bahia -5 dias, senlo do ulti-
mo porto 30 horas, vapor nacional Calderon,
commandanie Faliio Rino.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio da Praia-Patacho hespanhol Felisa, capitao
Alexandre, carga aguardente.
Canal-LUgar inglez Alice, capitao J lin Mo. Cul-
lun, carga assnear.
Qbservagdo.
Suspendeu do lamarao para a Parahyba a barca
ingleza Zezenia, capilao D. Charles, com o mesmo
lastro que trouxo de Santos.
mihu
0 Illm. Sr. inspector do thesouro provincial,
em virtude da ordem da presldencia, de hoje, de
terminando o resgote das apolices provinciaes de
n. 1 a n. 320, serie A, emittidas para pagamento
da companhia Recife Drainage, convida aos pos-
.-ui lores de ditas apolices a comparecerem neste
thesouro a receberem a importancia das mesmas
e os juros ate esta data, scientiGcando-lhes qne
desta mesmo data em diante nao vencerao ellas
mais joro algum, em ob.ervancla do regularaen-
to respectivo.
Secretaria do thesouro provincial de Pernam-
buco, em 30 de novembro de 1871.
0 secretario,
___________________Mignel Affonso Ferreira.
0 administrador da recebedoria de rendas
internas gerae>', pelo preenle avisa as pessoas,
constantes da relacao abaixo transcripta, nmas
por morarem fora da cidade. e outras por se ig-
norar a resioencia, que tendo sido multadas em
virtude dos arts. 33 e 35 pela r Traccao do art. 21
do regulamento n. 4835 de 1 de dezembro de
1871, devem vir realisar o pagamento da mu'ta
jue Ihes foi imposla, no prazo de 30 dias,conladoi
da publicacao deste, nos jornaes desta cidade, sob
pena de se procodor a cobranga executiva
Recebedoria de Pernambuco, 28 de novembro de
1874.
Manoel:Carneiro de S)uza Lacerda.
Relacao a que se refere o edital supra.
Candida Covalcante de Miranda Vare-
jio. ignora-se a residencia, multa-
da em 10,( 03
Caetano de Carvaiho de Mendon^a Va-
rejao, moradcr em Afogados, mul-
tadoem 10,010
Candida Loarenca de Lima, residen-
nos Reraedios, multada em 100 000
Umbellna de Carvalho Miranda Vare-
jao, residente em Afogados, multa-
da em 10 000
Paulino de Carvaliio Miranda Varejio,
residente em Afogados, muttado em 10.000
Francisca M reira Kcis ILobo, residen-
te na rasa Forte, multada em 10 ObO
Amelia Maria da Rocha, residente em
Ponte de Uchoa, multada em 10:00*1
Consnlado ds Republic* Orl
do Urugay. cm Peranmbuco, *3
de novemltio de ISJI.
Para conbecimento dos navpgantes se pu-
bliea o seguiote aviso bydrographico.
Pbarol de primeira ordem.
No Cab de Santa Maria (llio 0a Praia ) func-
ciona deade 31 de ago>to, urn pbarol "de primei-
ra order.1, gy^tema Fresnel, lui flXa corn rtelam
pagoi de ninuto eat miimto, cor bnuica, sobre
uma ljrr6 de 40,ra 28,c.|de elevacao vi tempo claro ate 20 milhis do listancia no hon
aonte do mar.
Posicao geographica deste pbarol.
I Latitude anl, 3i 40' 00".
Longitude oeste 47* 57' 23" do meridiato de
, S. Fernando.
Antonio Vafenlim da Silva Barrota,
CoWUl.
Santa Casa d6 Iffisoricordla
do Itccire.
A junta administratlva da Sabta Casa de Miseri-
cordia do R^lfB- precrsa coWrarir cWn quetp se
propozer a facer pelo meoor preen, ss obras de
qae precisa-o predio de dous an dares, tito a rua do
Eocantamento n. 11, pertencente ao pa'jimonlo dos
orphaos, orcada em 1:100/000.
Os pagament'^s atrto realr-ao< etn tres pre*-
tefSea ignjfs. a primeira dt-pols de oomegar a obra,
a segonda qaando eitiver ella em meio, e a ter-
ceira depois de concluida e entregue.
Descripgao das obras.
RFazer toda a coberta nova, snbsritarado as ter-
ras, nnlado mais os caibros qae estiverem perfei-
tos e collocando os novo< que forem precisor; en-
ripar toda de novo, fazer as duas gnteiras e com-
pletar as telhas qub faltarem com outras nova?.
Reparar o fogiin, sobslituindo a chapa p >r outra
nova, ladrilbando ccm tijolos proprios o espaco oc-
copado por elle, reparar o soallio, substituindo
uma taboa arruinada por outra.
Segundo andar.
Substituir a taboa da varanda por outra de aoa-
Ibo, de amarello, ladrilbar com cimento os capea-
cos las duas portas da varaoda, collocar uma ean-
cella da ferro no patamar da escada que comrnu-
nica com o primeiro andar, fazer am vio de ja-
nella, substituir dont peitoris por novos, de ama-
rello, uma trave na frente posterior, tres portadas
e duas taboas de soalho, de loaro, deitar toda a
ferragem precisa ncate andar e sotao.
Primeiro andar,
Substituir 2 portadas por novas, 4 pcilsjis de
janellas par novos, de amarell 1 perna de grade,
reparar o soalho, repreg'.ndo onde for precUo dei-
tar ferragem nas janella* e portas, substituir o
corrimao da varanda e uma andabaJa 1a escada,
mudar o primeiro lanco para fi.*ar en^ostado ao
oitao do norte, eorrendo uma iiarede de^de a pcrta
da rua H6 a escada, para isolar a entrada da es-
cada do armarem, ladrilhar com tijolos de alvena-
ria batida a parte posterior do anuazem a partir
do ladrilho de pedra existente, a encostar na fren
te. concertar uma jatiella Tapar oma porta que
co.iimunica os dous sobrados pelo patamar da es
cada.
Caiar, rebocar e pintar todo o sobrado com as
cores existente*.
As propostas serao re ebidas em cartas fechadas
nojdia 10 do corrente, em sessSo da junta, pelai
3.horas da tarde.
"Secretaria da Santa Casa da Miserrcordii do Re-
cife, 1 de dezembro de i871.
0 escrivSo,
Pedro Rodrigne* de Souza.
Tooiuaz de Aquiaa Fonceca & C.
Successores
laceam por todos os vaporcs, sobre as seguintei
pracas :
Hospital Portuguez de Re-i
neficencia
Appiricao e desappric.V. de uma OtfOitM
de 14 anaos, que bebo, come e falla e> o espectadnr.
O professor Gris d'Appremoot tetn a bosra 4*
participar ao respettavrl publico deeu "lia*, qne
sue essa verdadeiia nmrxvilha, qae afrsios m-
traordlnartntreote nio so m Franca e aa ARet-M-
nha, como na luii', e outros pane* mde tea
estado. As familia nio devem perder a ocea>iao
de ver objeclu Ho cuno^o.
RUA DA IMPtRATRlZ H. I
Entrada I-0C0 por pessoa, e 300 ri por
crtasea.

9io eonvldados os socios a reosirem-se em ae-
semblea geral, no domiogo 6 do eorrente, is ii
boras, na secretaria do mesmo hospital, aflm de
desempenharem as attribulcoes dispostas no ^
do art. 17 dos estatutos, qae sao : eleger a junta
administrativa e a commusio de coofcts qne tern
de funccionar no proximo amto de 1875
Secretaria do Hospital Portuguez de Beneficen
cla em Pernamboco, 1 de dwerabro de 1874
Luiz Duprat,
Secretario.
BECLAB
SANTA CASA DA MtSERICOIir IA DO
RECIFE.
A HI ma. junta administrative da Santa Casa da
Hisericordia do EUeife, manda fazer publico qne
i. salade suas sossoe^.o dia 18 do novembro.pe-
as 3 horas da tarde, tern de ser arrematadas a
ruem mais vaiitagens offerecer, polo tempo de am
i tres annos, as rendas dos predios em seguida
leclarados.
ESTABELECIMEiNTO DE CARIDADE.
Vidal de Negreiros.
:as& terrea n. 94.......3014006
Rua larga do Rosario.
I. andare loja n 24 A fechada 3104000
L andar n. 24idem......403*000
\: andar n. 24 A idem 251JJOO0
Rua de Antonio Henriques.
:asa terrea n. 26 99*000
Largo da Campina.
demn 11 (fechada). idem. 120HOOC
Rua do Coronel Snassaoa
! andar do sobrado aumero 94 386*000
PATRIMOISIO DOS OliPHAOS.
Rja do Comraercio
Sobrado n. 30*.......800*000
Rua da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).- 400*000
Becco das Boias.
Zasa terrea n. 18.......llijOQJ
Rua da Lapa.
]asa terrean.il.......202*0OC
Rua do Amonm.
Sobr.do de 2 andares n. 23 60200t
",asa terrea n. 3i......*! 2*0>>T
Ruar do Bug 's.
isa terrea n. 21.......153*000
Rua do Vigario.
2* andar do sobrado n. 27fecbaia 243*000
I* andar do mesmo idem .... 240*00*.>
Loja do mesmo fechada.....300*000
Rua do Encantamento.
sobrado de 2 andares n. 13(fechada). 1:406*000
Rua da Senzalla velha
idem n. 16........209*000
Rua da Guia.
Casa terrea n. 25 209*00(
Idem n. 29 .... 20l*00(
Rua da Crnz.
Sobrado de 2 andaresn. 12 (fechada). 800*000
Idem n. 14.........600*000
Rua de S. Jorge
1u* terrea n. 103-......207*00f
Os pretendenten deverao apreaeniar no acto (b
irremat as suas fiancas, ou comparecerenD
acornpan s dos respectivos fladores, devendo
pagar ale \ renda. o premio da quantia em
iue for sej, i o predio que contiver estabeleci-
mento com al, assim como o servico da lim
peza e preco apparelhos.
Secretaria .. nta Casa da^Misericordia do Rt
life, 17 de sstembro de 1874.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Pelo thesouro provincial se faz pnblico para
quern interessar possa, qae vai novamente a pra-
oa no dia 3 do mez proximo vindouro, perante a
junta do mesmo thesouro, a obra do empedra-
roerrto do primeiro e segundo laocos da estrada
.de Palmares orcada em 11-880*.
SacrcUtia do tliesouro provincial de Pernambu-
co, 28 de novembro de 1874.
0 secretario,
______________ Mignei Affonso Ferreira
Consulad j provincial.
Pelo consnlado provincial, faz-se publico aos
respectivos contribuintea, que do 1." de dezembro
vindouro por diante eomeca a eoi'rer' o'p"rMo' dd"
30 dias nteis, rrareados no art 34 do reg. de-
17 de juaho de 1873, para a dobranca do primei-
ro seme?tre_ de declma urbana e de 5 0|0 sobre
bens de mao mcrta, no corrente exercicta de
Lisboa. Regoa.
Porto. Cnaves.
Braga Villa-Flor.
Vianna. Mirandella.
Viseu. Alijo.
Guarda. Favaios.
Coimbra. Bragan^a.
Guimaraes Lamego.
Rio de Janeiro
Na rua do Vigario n. 19.
Pelo thesouro provincial se m; u.ia fazer pu-
blico, que vao novameute a pragi paranto a jun-
ta do ines iiO thesouro, no uia 3 de dezeaibro pro-
ximo vindoe.ro, as arreinatacoes ?eguiute3 :
Obra da bomba do Fragusu, orgada e.n 840*027,
e a obra da ponte de Me-, uo rio Tapacuxa, ns
estrada da Victoria, orcada em 1:485*0 0.
Secretaria do thesouro provincial de Pernambu-
co, em 23 de Njvembro de 1S71.
0 secretario,
Miguel'Affonso Ferreira
Estrada de ferro do Recife ao
S. Francisco
Pelo presente sao convidados os Srs. accionislas
desta companhia a virem ao escriptorio da estagao
das Cinco Pontas receber o 22 dividend > concer
nente ao semestre de Janeiro a junho d ste anno.
Villa do Cabo, 26 de novembro de 1874.
G. 0. Mann
Superintendents.
Companhia 'Fidelida 'e
Seguros raarili nos e terrestres
A agencia desta companhia toma s guros mari-
timos e terrestres, a premios razoaveis, dando nos
ultimos o solo livre, e o setimo anno gratuit i ac
segurado-
Feliciano Jose Gomes,
Agente.
' I.NSPEXAO DO ARSE.NAL DE
MARIMIA.
Tendo em 10 de Janeiro proximo futuro de ha-
ver nesta inspeccao concur o, em cumprimento do
aviso de 14 do corrente mez, e ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia, de hontem datada. para o
preenchircento de dou; lugares de amanuenses
da secretaria, convido, de ordem do Illm. Sr. ins-
pect >r, aos pretendentes a esses lugares a apresen-
tarem ao mesmo Illm. Sr inspector seus requeri-
mentos, corapetentemeote documentados, pelos
quae3 pr*ovem ter bom comporiamento, e a Idade
nunca menor de 21 annos.
Sao as materias, sobre qw versa o coucurso :
l" leitura e analyse grammatical, escripta de
trechos em portogue*.
2 orlhographia.
3s versao das lingua- franceza e ingleza.
4* exercicios de composi^o em portuguez, re-
dacQio e estylo de actos offlciaes.
Inspeccao du arsenal de marinha em Per-
nambuco, 28 de novembro de 1874.
0 secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Pela delegacia litteraria de Santc Amaro
das Salinas, se fat publico uui no dia 5 do cor-
rente mez, pelas 10 horas da manha, proeeder-
se-ha a exame dee alumnus Jose Barbosa de Oli
veira, o repeteLte Symphronio Fernandes Souto ;
e das alumnas da seguuda cadeira ambas da ins-
truccao primaria, Maria Versia Barbosa e Fran-
cisca German* Barbosa, no dia 7 tambein at 10
horas da manha.
Delegacia litteraria de Santo Amaro (as Salino*.
2 de dezembro de 1874.
0 delegado lilt* rario,
Francisco Pacheco Sbars.
Juizo dps feitos da fazenda.
Escrivne Torres Bandelra.
Sexta-feira, 11 do corrente, depois da audiencia,
-erao arrematados os seguintes predios :
Sobrado n. 39 de largo do Carmo, freguezia de
Santo Antonio, eujo andar terreo tern 2 salas, 1
quarto, e peqneno quintal, o superior, 2 salas, 2
quartos, pequeno sotao com cozinha, mede 64
palmos de fundo e 13 de vao, avaliado em.....
4:500*000.
Casas terreas, ns. 22 e 24 da rua de Hotocolom-
t'6, em Afogados, tendo aquella, 2 portas e I ja-
nella, 2 salas, 2 quartos, cuzinha interna, quintal
murado, cacimba, mede 63 palmos de fundo, 19
de vao, avaliada em 1:200*, e esta, 3 portas, 2
salas, 1 gabinete, 2 quartos, cozinha externa,
quintal murado e cacimba, mede 68 palmos de
fundo e 30 li2_de vao, avaliada em 2:o00;000,
cujos predios sao elilioados em solo foreiro, e vao
a praca por execuca da fazenda provincial, con
tra Joajnim da Silva Costa como fladtr de Ma-
noel Pedro Evangelists ; assim como o de n. 4
da rua da Ponte-Velha, freguezia da Boa Vista,
com 31 palmos de frente, 69 de funlos, 2 salas,
3 quartos, cozinha fora, quintal murado e cacim-
ba, avaliada em 2:000}, a qual vai a i rac p ir
execuQao da fazenda contra Anna Carolina dos
Passos.
Recife, I." de dezembro de 1874.
0 solicitador da f izeoda provincial,
Joao Firmino Correia dc Araujo.
Em aditamento a) edital : a casa n. 5 do bec-
co do Tambia, com 24 palmos de frente e 54 de
Fundo, 2 salas, 2 quartos, coiinha fora, quintal
murado e cacimba, em mao estado, avaliada cm
900-, per execucjio da^fazenla contra a irmaudi-
de de N. S. da Conceijao de Bebcribe.
Sociedade Recreativa Bella
Harmonia.
De ordem do Illm. Sr. presidi nte, convido aos
Srs. sccios a comparecerem no recinto desta so-
ciedade, domtngo 6 do corrente, a* 3 horas da
tarJe, afim de constituida a assemblea geral pro
ceder-se a eleiqao dos novos funccionarios para
o anno de 1875-
Recife, 2 de dezembro de 1874.
Almeida Costa,
l. Secretario.
A nobre e atigusta casa M.\ do Especial
Rilo Brasileiro, Corat;ao Livre Popular,
reunida em seus dous podere;, por deliberacio de
seu irm.. chef.', abre as portas do recinto da s^de
de seus trabalhos, a rua do Livramento n. 25, 3*
andar, a todos os associados do Circulo Brasileiro,
a comparecerem domiogo 6 do corrente, pelas 11
horas da manha, aflm de se precaverem dos hoilos
assustad res entre as familias existeotes no im-
perio. Recife, 2 de dezembro de 1874.
O sec.-, int.-.
j tt\ S M.-.
(MM de % S. da Soledade.
De ordem do irmao preridente, convido a todos
os nosaoa irmSos a renoirem se no consistorio da
respeciivaigreja.no dia 6 do corrente met, pelas (0
horas da manha, afim de se proceder a elelgSo da
mesa regedora para o anno administrative de
1875.J
0~ secretario,
_________E. Tambortm.
CONSELHO DE COMPRAS DO ARSENAL
DE MAR : 0. eoieemo ao dia 5 do .proximo mez it dezem
bro, a vista de propostas recebidat ate is II horas
da manha, cootrata sob. as condicoes do estylo, o
torbecimeuto no frithestre de Janeiro a mar^j do.
1875, para os fiavios da armala e stabeleimen-
tos de marinfca, dos- seguintes objectos :
Arroz do Marannio, aMocarbraaco groteo, as-
sacar bcaoco reGnado, aztiardeata ae 20 grios,
ADMLMS'lRAgAO DOS COURKIOS UE fb-KNAM
OUCO, 1 DE DEZEMBRO E 1874
Relacao du enrrespondencia registrada fsem valor)
recebida de diversos procedencias ate esta data,
e que nao tern sido entregue por ignorar se as
residencies dos deslinatarios.
Antonio Feliciano Rodrigues Sette, Avlino Pe-
teira da Cunha, Belarmino do Rego Barros, Ber-
nardo Vieira de Airorim, Arminio Saladm, Fran
cisco Delrino da Silva, Jose Julio Mendes, Francisco
Octavio Ramos, Felix Gomes Coimhr?, Feliciano
do Rego Barros Araujo, Guilnerme Raymundo da
Costa Leite, J"se Jeronymo Monteiro, Joao Cancio
Pereira dos Santos, Joaquim Chaje? Tfixeita. Joao
Jose Rodrigues Vieira, Joaquifli Bez?rra da cwsla
Mendes,-Luiz Jose" Pereira/SimS'es, Lourenco Jus
iini no de Hollanda e Souza (3j, Leonillo Machado
de Faria, Manoel Francisco de Oliveira, Manoel
Domiogos de Sant'Anna, Manoel Torquato de A-
raujo Saldanha, Marcolina Maria da Conceicao,
Pedro Barbosa Vianna, Franc sea Felismina de Al-
buquerque Mello, Maria Amelia de Albuquerque
Mello.
0 official encarregado do regislro,
Jos6 Candido de Barros.
ADMINISTRA AO DOS CORRE10S DE PERNAM
BUCO, 2 DE DEZEMBRO DE 1874
Provimeulo de dous lugares d) praticantes
. Faco publico que ate o dia II do corrente se
acha aberta nesta administracao, das 9 horas da
manha as 3 da tarde, a inscripc.au para o exame
dos cajadidatos a dous lugares de praticantes.
0 exame tera lugar no dia i2, as 10 horas da
manha, e versara sobre as seguintes materias:
exercicios de caligraphia e orlhographia, arithme-
tica elementar, comprehendendo o uso do systema
metrico e nojoes geraes de geographia.
0 conhecimeoto das lingnas eslrangeiras dara
direito a preferencia.
Os pretendentes devem apresentar certiQcado
medico de boa sande, e pr var com certidao nao
terem menos de 18, nern mais de 30 annos de
idade.
Affonso do Rego Barros,
Administrador.
ADMINISTRACAO DOS CORRElOS Dfi PER-
MMBUCO, 3 DE DEZBMRRO EE 1874
Halaa n expedlr-ae
Pela vapor portuguez Julio Diniz, esta admi-
' istracao expede malas pan S. Thiago, Lisboa e
Porto, hoje (3).
Recebem-se jornaes, impressos de qualquer na-
tureza, amostras e cartas ate 11 horas da manha.
A correspondencia para poder seguir ao seu
destino, dove ser previamente franqueada : cartas
a 100 rs. por 15 grammas on fraccao de 15 gram-
mas ; jornaes a 10 rs., e amostras a 20 rs. por 40
grammas on fraccao de 40 grammas, na progres-
sao estabelecida nas tabellas C e D, annexas as
instruccoe3 do 1* de dezembro de i860.
0 administrador,
Affonso do Reo Barros.
Santo Antonio
Para boa execucao do drama em benefl :io da
actriz Gilda, flea transferido para 9 do corrente.
A bensflcuvda pede descnlpa aos. seus convi-
dados.
coiPAJvnu
MSSAGERIE8 MARITIME^.
Lfaha
E do corraite, segvitvio dcpiis*
da deiaora do coton.e p.- r
Ru-nos-Ayres, toraado n
Bahia, fit de Jaaeln eWm-
leviWo.
\\w dniRfle
l," estH-ndodosar-
tns> do sol no dia lo
do i- .rr.-iitH, sfgnir 1 -
depots da dan or* a>
iMsi.tme para B-r
deans, tccaodo
Dakar (Goree)*1 l.i-l a.
Para nrelti(aaawiieatai e passageiros : a rr-
tar com
GS AC.ENTES
Murisjiip:xly & LaUie.
9 Rsi.idu Commercio t
COMPA.NHlA PERNAMBUCANA
DE
Navegafae eaatcira a vapar.
ARAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSOHO', AEAC-
TT, CKARA, ACAIUCD' E AMARRAgiO, PO
PIAUDT.
0 vapor Phapama, comma l
dante Silva, seguira pan *
portos acima no dia 7 do
cenvnte. is ..ins da tarde.
hecebe carga a'.A o dia *, ei
commend.i.-, passageiros m di-
aheiro a frete ale as 2 horas da tard > do dia 'la
tahila : escriptorio no Forte do Matins n. 12.
Para o Araeaty ^fue cum brevidade o hut
nacional Leonilia da Crnz : p-.ra carga e pas: a
giros, trata-se com Antoni > Alb rio de S. %m
eSuiar, a raa do An. r n GO.
RalllV
Segue com cste destir.i n sf- qnatro dias, o
palhabote Rosita, tomand-j para o r?feridu poii*
a carga qne Inn apnarecer, pir iss> qnem quiz r
aproveitar, |>ode dirigir se aos r o. coalari' Jm-
quim Joad G inc-alves Beiirii > & Filho, a raa In
Cninmcrcio n. 5.
Cozupanhia ulliuncw niari'iaaa
poi'tneuie
Empreza de navegtrao entre o Brasil e Pi t
tug.l
PARA 0 PORTO
Barca pfrtnfueia Joven Ad'la'.ie, a saWr coa a
maxima brevidade, recebe carga e passageiro* : a
tratar com os sen* consignatarios Jose da S.l :a
Loyo & Filho.
Libra eslerlinas.
Vendem Augusto F. d'Oi -
veira h C.
Rua du Comniet-ci'-1 41.
Goinpaiibia PernamlweiM.
Porta do irarMy.
A caiga que de h. je em di>n!e f-r emb:.r
nos vapores da Coasaahia rNnaahanai c
destino \o purio do Araeaty, >>ia entregue n ri
dade do mcsni) nome, aeaio tran-p irtiJi da kai -
ra, (..nde cs vapores C'l^lnmam fundcar). em hi-
chas de propriedade da mesma cimpnhi,ind-
pendente de qualquer exig-jci.i ile pagaawa i
por este wfttgi
Da mesma forma sera Iran : -t id i Rcaajta
que for embar-ada nop u di Araeaty para
qaaesquT outros portos da esoala.
R-'cife, 16 de nov-mhro d- 1874.____________
(OHPA\Ull UH V9ILKIilA
DE
VAVEGACAOAVAPOR
Portos do liorto
Commaadante Quadros Juui ji
E' e.-perado d a p
do sul ate o dia h |.
corrente e segmra para
os do norte depois did*
n: ra d.. eostome.
Portos do sul
Conde d'Eu, fretado
E' esperado dos portos A, tm
ate o dia 10 do corrente e s-
guin para os d > sul. dep <
da deuora do : >-tume.
Para carga, encommendas, valorese pa?saget*.
'rata se no escri|/torio
7RUA DO VIGARIO-7
Pereira Manna & C
_________________AGENTES_________________
Pacific Steam i\avigalioa Coaifify
ROYAL, MAIL STEAMER
Etpen sedaEur -
pa ate >> dia 6 don r
rente, e depois da d-
mori do costume, m
guira para Bahia, Rio
de Janeiro, MoMa>-
Aeo. Buenos-Ayres. Valparaiso. Arica, Islav e
Callao. pan onde receben passageiros, eaco: i
mendas e dinheiro a frete.
Nio sahira antes das tres horas da tarde d- u
de sua chegaaa. *
OS A0NTES
Wilson Rime A C
14RUA DO COMMERCIO!i
Para o Rio de Janeiro
prct -nde seguir com moila brevidade o brigm
Isibel, tem parte de sea carr-'garaento eugajad; :
pan o restn que Ibe falta, trata--? com o sao ei-
sigaatarin Antonio Luiz de Oliveira Aaivado, n a
do Bom Jesus n. 57
LEUOES.
LEILAO
DE
Utavernas, senlo uma na raa do Raog>l
n. 17, uma na rua doCironel Suassurs
n. 296, e a tercoira na rua Imperial n
182, as quits pwteucam a massa faili
de Antonij Jos^ Vieira.


Diario de Pemambueo Quinta feira 3 de Dezembro do 1874.

As 11. 19 1 bora da larde.
0 ageute Dias, cumprindo o repiuvel despa-
cho do 111m. Sr. Dr. juiz especial do commarcio, le-
vara a leilao no du e bora aciraa indicados, as ar-
macoes, mercadorias, morels e mais uiemilios ezii-
tentes em as tres tavernas acima mencioaadas,
pertencentes a massa fallida de Antonio Jose
Vieira.
0 mandado contendo os esclarecimentos preci-
sos, acha se cm poder do agente, onde pode desde
ja ser examinado pelos 5r. preteodentas.________
LBIXJlO
DE
JOIAS
No dia 3 de dezembro proximo, se fara leilao por
mlervengao do agente Martins, de todos os penno-
ns eoDstantes das eautelas segnintes, visto ter-
se flodo o prazo das transacts e seas donos nio
as reformarem.
A saber:
N. 1503, 1303, 1265, 1583, 1784, 1835, 1868,
1936, J050, J091, J095, 4192, M54, 8*56, M82,
2312, 2397, 2436. 2448, 2458, 2481, 2617, 2712,
2737, 2738, 2750, 2799, 2802. 2807, 2867, 2871,
28%, 2929, 2945, 2972, 2987, 3007, 3023, 3034,
3037, 3045, 3060, 3085, 3076, 3093, 3096, 3110,
3149, 3151, 3174, 3175, 3185, 3190, 3193, 3194,
3195, 3197, 3205, 3206, 3207, 3211, 3213, 3218,
3220, 3223, 3227, 3234, 3235, 3242, 3230, 3251,
3254, 3260, 3262, 3265, 3273, 3277, 3280, 3286,
3288, 3293, 3298, 3300, 3304, 3309, 3312, 33l8,
3320, 3321, 3326, 3327, 3334, 3339, 3341, 3354,
3358, 3366, 3373, 3384, 3394, 3397, 3399, 3406,
3410, 3415, 3419, 3432, 3444, 3460, 3468, 3480,
3493, 3500, 3508, 3517, 3527, 3529, 2533, 3553,
3556. 3572, 3579, 3589, 3596. A' travessa da rua
do Duque de Caxfas n. 2, 1* andar, podendo di-
las eautelas serem reformadas, pagando o preraio,
on resgatadas ate o uater do martello.
LEILAO
DE
dividas na importancia de 6:889#052 em
letras e conta de livro.
Massa fallida de Jose* Bernardo da Motta.
IIOJE
0 agente Martins fara leilao por mandado do
111m. Sr. Dr. jniz especial do commerrio das divi-
das activas da massa lallida de Jose" Bernardo da
Motta, na importancia de 6:889/052, em letras e
contas de livros.
Os preiendentes podem examinar a relacao dos
devedores qae se acha em poder do agente.
No armazem da rua do Im-
perador n. 48
A'S II HORASEM PONTO._________
Feira Semanal
mobilias completas de jaca-
randa e amarello, guarda
vesti do, guarda louca, apa-
radores,commodas emeias
ditas, camas francezas de
jacaranda e amarello, san-
tuarios, 1 lustre de crystal
para gaz carbonico, pia-
nos, espelhos de diversos
tamanhos, quadros sorti-
dos, mesas elasticas, 1 car-
rocinha envidracada para
mascate, quartinheira, car-
teiras para escriptorio, re
logios de parede, ditos de
algibeira de ouro e prata,
machinas de costura, ob-
jector de brilhante, ouro e
prata, lavatorios, marque-
zoes, toilette de mogao, se-
cretaries, grande quanti-
dade de trastes avulsos, e
immensos artigos do uso
domestico, que serao ven-
didos a troco do barato por
conta de diversos
Iloje
as 11 horas da manha
NA
FEIR\ SEMANAL
16Rua ARMAZEM
DE
diversos moveis para eacriptoric, e de um cofre
de ferro
Sexta-feira i do corrente
A'S 11 HORAS DA MAS HA
Em a rua do Co in mere id, armazem n. 38.
0 agente Dias levara a leilao. no dia e bora aci-
ma indicados, a rcqaerimento de D. Thereza Maria
Fennely, e por autorisacao do.Exm. Sr. desem
bargador juiz de orpbaos, o seguinle : pertencen
te aos bens qae ficaram por failed mento de W. G.
Fennely.
Uma carteira grande, 1 dita menor, 1 mesa pa
ra escrever, 1 dita de amarello, 1 armario para
papeis, 1 banca para copiar, 4 cadeiras de brajos,
1 cofre de ferro e banco, 1 balcio de amarello, 1
lavatorio, diversas carteiras, 1 lustre para gaz, 1
armario de pinho e 1 cabide.
LEILAO
DE
diversos bens como abaixo se mencionam, perten
center a massa fallida de Joaqutm da Silva Costa
SARRADO 5 DO CORRENTE
as 11 horas
Em o 2.* andar do sobrado da ma Duqae de Ca-
xias n. 35.
0 agente Dias, competentemente antorisado pelo
Illm. Sr. Dr. jniz especial do commercio, levara a
leilao no dia e bora acima indicados, pertencentes
a massa fallida de Joaquim da Silva Costa, o se-
gninte :
Uma armacao de lonro forrada de amarello,
parte envidracada, balcao com tampo de pedra e 22
barricas va?ias, a qual existe em o estabelecimen-
to da rua Duque de Caxias n. 40, qne pertencen
ao fallido.
Um terreno no Varadouro, confronte ao gazo-
metro, tendo cerca deifOpalmos de frente, dei-
tando os fandos para o mo-teiro de S. Bento, solo
foreiro ao referido convento, contendo algnmas
meias aguss, tendo a frente e fnndos marados.
Os solos das peqiicua casas sitas no pate > do
Paraizo, a direiu da igrej* Co mesmo n u
DS. 33, o9, 4i, 45 e 17.
Um relogio de prata, 1 pulseira de onro, i alfi
nete e diversas outras ioias.
Moveis. _
Um piano em mao estado, T par de eonsolos, 3
sofas de jacranda, 2 cadeiras de braces, 1 ditas
de balanco, 12 ditas de guarnigao, 1 commoda de
angico, 1 bidet de mogao, 1 par de vasos, 9 ca-
deiras de amarello, 1 guarda louca, etc, etc.
0 mandado acha se em poder do referido agen-
te, onde pole desde ja ser examinado pelos Srs.
pretendentes.
.'
LEILAO
Do sitio do Salgadinlio n. ft.
com boa casa de moradia.
SAB*UDO 5 DO CORRENTE
A* meio dia.
O agente Pinto levara a leilao, a reqnerimento de
D. Alexandria Maria do Saeramennto Pereira, in-
ventariante dos bens deixados por sen marido, e
por despache do Illm. Sr. Dr. >uir da 1* vara do ci-
vel, o sitio do Salgadiabo n. 5, o qual sera vendi-
do para pagamento dos credores, ao meio dia do
dia acima dito, no escriptorio do referido ageuie,
na rna de Bom Jesus a. 43.
LEILAO
M
novels, flno erystal, louca e ob-
jectos da electro-plate
Sexta-feira jj de dezembro
Sendo:
Sala de visita
Um piano -forte, uma mobilia de jacaranda, com
1 sofa, 2 eonsolos com pedra, 2 cadeirss d> bra-
cks e 12 de guarmcao, quadros com finas gravn-
rla, ancas e cortinados, venezianas, 6 cadeiras de
balanco, 2 mesas de sofa, 2 ditas redondas, e estei-
ras forro das salas e quartos, 2 eonsolos de jaca-
randa ccm pedras.
i Sala de jantar
Uma mesa elastica, 1 guarda louca, 1 apparador
de armario, 2 ditos torneados, 1 guarda comida
de arame, 2 cadeiras de balanco, t relogio, 12
de guarnijao, i tapete de coco, 1 flltro, 1 appare-
lho de louca para jintar, 1 dito para cba, 1 dito
para sobre rotsa, 1 apparelho de electroplate, 6
duzias de colberes, 3 duziasde facas cabos de mar-
lim, garfos de metal, 1 gaiheteiro, copos, calices,
garrafas, compoteiras, bandejas, toalhas de mesa e
guardanapos de linho, um relogio, e t cabide para
chapeos.
Quartos
Uma vama franceza, uma dita de bronze para
1 pessoas, 1 dita de ferro para solteiros, commodas
mesas redondas, mesas com gavetas, guardas rou-
pas, espelhos, lavatorios, cabides, cadeiras, e qua-
dros.
Cosinha e dispensa
Mesas de pinho, flandres, poles, trem de cosinha
e outros objectos.
A 1 HORA EM PONTO
Vender-se-ha tambem um rico guarda roupa
com espelho na porta do meio, 1 magniflco toilet
e 1 bom lavatorio com tampo de pedra, tudo de
mogno massico e em optimo estado de conserva-
cao.
Sexta-feira 4 de dezembro
POR INt'ERVENQAO DO AGENTE PINTO
Na Passagens da Magdalena, casa junto a pon-
e grande, em que moravam os empregados da ca
sa commercial de Phipps Brothers & C.v
As 10 horas e 15 minutos partira da estacao da
rua do Brum um tonds que conduzira gratis os
concorrentes do leilio.
0 leilao principiara as 10 e meia ho
chapeos de diversas qualidades e de 158
duzias de courinhos para forro
QUARTA-FEIRA 9 DO CORRENTE
A's 11 horas da manha
Em o armazem da rua do Commercio n. 48.
0 agente Dias, competentemente autorisado, le
vara a leilao, no dia e hora acimi indicados, o
sortimento de chap6os os quaes sio vendidos para liquidar contas.
702 chapeos do Chile.
ii'i ditos de baeia.
27 ditos de pello de seda.
27 duzias de chapeos spartirie diversos.
18 ditas He ditos de sol.
4 ditas de ditos desil, cabo de marfim, Paragon
158 duzias de courinhos para forro.
0 referido agente convida aos Srs. logistas a
que comparecam ao referido leilao, certos de que
se Ihes promette vender barato.
INovo leilao
DAS
arma$6es, moveis, drogas e mais utensilios
existentes em a botica denominada Popu-
lar, sita em a rua da lmperatrizn. 71,
perteocentes & massa fallida de Gonealves
Fialho & C.
yuiuta-feira 10 de dezembro
AS 11 HORAS-DA MANHA.
0 sgente Dia?, competentemente autorisado pe-
lo Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, levara
novamente a leilao, no dia e hora acima indicados,
as armacoe9, moveis, drogas e mais utensilios exis-
tentes em o referido estabelecimento.
0 mandado contendo tcdos os esclarecimentos
preci.-03 acba-se em poder ao mesmo agente, onde
pode de3de ja er examinado pelos Srs. pretenden
ies.
a*2
iSf
^kM%%
0 abaixo assignado pede a todos os seus de-
vedores que nao pagnem mais suas contas ao sen
ex-caixeiro Jos6 Alves da Silva, porquanto o des-
pedio de sua casa por nao se portar bem, e por
ter extraviado a quantla de 5:454^000 em menos
de tres aooos, de cuja quantia passou letlras ape-
Das de 5:000j ; e como consta ao abaixo assig-
nado que dito seu ex caixeiro continua a rece-
ber contas sem sua autorisagao, apressa se em
de.larar que d-.-ta data em diante nenhum valor
tera qoalquer recibo por elle passado.
Recife, 2 de dezembro de 1874.
Jose Carneiro de Cunha.
Fugio do engenho Brejo, freguezia de Naza-
reth da Malta, a 7 de selembro de 1871, o es-
cravo por nome Joaquim, tendo os sigoaes se-
guintes : mulato alaranjado de cabellos caxiados,
fei';oes estiradas, tendo falia de um dente na fren-
te, o andar cangueiro, pes seccos, as mios e
braco9 compridos, (alia grossa, olhos pardos, e e
quebrado. Rog pitaes de campo a apprehensao do mesmo e leva-
lo ao dito engenho, qne se gratificara com a quan-
tia de 100^.
Engenho Brejo, 24 de novembro de 1874
Hotel de I Europe
Aloga-se este vaato e magniflco en-
tabeleelmento a raado Com-
mercio n. IS.
Este antigo e bem conheodo HOTEL, que fe-
cbou te por causa do falleeimento do Sr. Edaardo
Tourpin, acba-se provido de todos 09 pertencas e
ornamentos correspondentes a fama de que sera-
pre gozou, e estando situado no lngar mais ap-
parente e agradavel do Recife como 6 0 do bou-
levard, defronte do desembarque de passageiros,
os interessados nao acharao occasiao mais pro-
picia para estabelecer se com um HOTEL bem
raontado, em bom local e ja aereditado.
Para tratar, uirigir-se ao escriptorio de Pereira
Carneiro, a mesma rua do Commercio n.6.
Aluga-se
para escriptorio, 0 primeiro andxr e para mora-
dia 0 segundo dito : na ma do Marqntsz de Olio-
da n. 4.
---------------- m
- Aloga- e a sala e alcova do 1.* andar e mes-
mo tod-i o 1* aodar, proprio para escriptorio on
pqoeoa Emilia : a tratar na rua do Duqne de
'axias na loja n. 32.
GUIA PRATICO
PARA OS DOEITES
REMEDIOS ACONSELHADOS
Uma combinagao especial nos permitte de indicar ao publico
algums remedies franeezes os mais apieciados no mundo inteiro, e
preparados em Pariz debairo dos olhos dos inventores. Ninguem
ignora os cuidados tnuiuciosos com que se preparam em Franca os
remedios. A merecida fama d'estes productos, desinvolveu a inveja
dos contrafactores os quaes derramam, prineipalmente nos mercados
do Brazil, productos contrafeitos, assemelhando-se muilo com m
verdadeiros, vendo-se o envolto e a larja dos frascos, mas quasi
sempre, deplomvelmeiUe prqmrados, constituent um perigo contintto
para a saude publica. Devon os comjn-adores dirigir-se As casas
abaixo mencionadas, as quaes tiram os seus productos directamente
dos inventores.
INSOMNIAS- A insomnia e causada geralmente,
ou por dores vivas, como acontece nos casos de gotta, rheu-
matismo, nevralgia, enxaqueca, dores de dentes, colicas, lc-
ridas, etcv ou por preocupaoSes moraes, ou por um estado
geral diffir.il a relatar, e algumas vezes 0 grande calor. 0
Xarop* de Chloral da FolUt tornado por duas ou tres
colberes de sopa n'um copo d'agua, vence a insomnia e em
poncos minutos da ao doente, 0 somno natural e reparador.
Ao accordar a cabeca nlo se sente pesada, mas um bem estar
perfeito e 0 resultado d'essa medicacao.
Nunca sera sufficiente a altenc3o de todos sobre esle ma-
ravilhoso producto que se apreciara em cada familia. Pode-
se dizer sem exageracSo que quern usar uma vez do Xarope
de Chloral de Follet, conlinuaraa ter em casa um fiasco
d'este mesmo xarope para quando fo"r necessario.
INCOMMODOS DO ESTOMAGO. As molestias
nervosas do estomago, gastralgias, gastro-entcralgias, pyro-
sis, etc., curam-se com 0 Carvao de Belloc toniando-se
uma ou duas colberes de sopa,ou algumas pastilbas na occa-
siao da comida maior numero das vezes sente-se melhoras
desde. as primeiras doses.
N3o se pode insistir bastante sobre as qualidades deste
remedio, do qual 0 uso tornou-se popular, pois e exempto de
perigo algum. Para as doencas d'intestinos e d'estoniago, e 0
remedio 0 mais efficaz. Em 1849, a Academia de medicina
dava-lhe a sua aprovacao e aconselhava aos medicos de o re-
ceitar n'essas affeigoes, as quaes muilas vezes desaniman
tanto os doentes como os medicos.
NEVRALGIAS. Sendo na cabeca 011 nos uiembros,
curam-se muito melhor, e muito mais rapidamente tomando
duas ou trez Perolas d'essencia de thdrebentina de
Clertan, do que com qualquer outro remedio. Eslas Perolas
do tamanho d'uma ervilha engolem-se com muita facilidade.
Este producto e" d'uma efficacidade maravilbosa, nove vezes
sobre dez tira em poucos minutos as nevralgias as mais
agudas. N3o se pode deixar de aconselhar aos doentes que
soffrem d'essa molestia de usar esle remedio.
Para se obter um bom resultado, e necessario que a es-
sencia de therebenthina seja perfeitamente rectificada. De-
ve-se exigir a firma do IV Clertan na tarja tie cada fresco de
Perolas d'essencia de therebenthina.
SOLITARIO. Fallando no Koasso, 0 D' Bouchardat,
diz, no seu formulario : E' 0 melhor toenifugo, mas e
precizo conhecer a -sua origem; pois 0 D' Trousseau, asse-
verou-me que algumas vezes o Kousso de mi qunlidade occa-
sionnou envenenamenlos.
Le-se tambem no tratado de thereapeutica dos 6"" Trous-
seau et Pidoux : Os pos de Kousso tendo um sabor nausea-
bundo tomam-se diflicilinente por essa raifo. Un pharma-
ceutico de Pariz S' Mentel teve a idea de os granular mixtu-
rando-os com assucar, preparados d'este modo, e a cousa
a mais simple para se tomar, mesmo para as criancas.
0 Konsso granulado de Mentel e garantido de
primeira qualidade.
RHEUMES-TOSSE. Desde 1820 a Pasta Pei-
toral de Regnanld e 0 peitoral mais afamado, na sua
fabricacao nao entra 0 opium.
AFFEIQOES DO PEITO- (bro.nchites, tisiu, encom-
hodos da garga-iia). 0 alcatrSo de Guyot (Goudron de Guyot),
licor concentrado e graduado, facilita a preparac3o immediata
d'uma agua d'alcatrao muito efficaz n'essas doengas. Basta
uma colber de cha n'um copo d'agua. Poucos remedios em-
pregam-se mais frequentemente do que a agua de alcatrto;
resultado das suas propriedades incontestaveis. 0 grande
consumm'o deste excellente producto desinvolveu um grande
numero d'imitacoes, peores umas que as outras.
0 Verdadeiro Goudron de Guyot leva na tarja a firma
do inventor.
0 S" Guyot tambem prepara umas capsulas redondas do
tamanho de pillulas, contendo o alcatrao da Noruega, liquido,
toman-se estas capsulas na occasiao da comida, e podem
substituir a agua d'alcatrao.
Nas doencas as que nos referimos, acontece muitas vezes
que o doente soffre d'uma tosse persistcnte, impedindo-o de
donnir; duas ou tres colheres de sopa de Xarope de
Chloral de Follet lomadas a noute ao deitar-se Hie darao
o somno reparador ajudando a cura.
RACHITISMO TISICA. Deve se tomar todos os
dias algumas colberes de sopa, d'Oleo de flgado de fta-
calhau de Berths. Esle oleo preparado com os maiores
cuidados eounico que foi approvado pela Academia de medi-
cina de Pariz.
DIARRHEA. 0 remedio melhor para curar estas
affeicoes e o sub nitrato de Bismuth. 0 S" Bouchardat,
professor na Academia de medicina de Paris, diz o seguinle,
no seu Formulario magistral : K geralmente muito diflicil
de engolir de um ate dez grammas d'ums pds tao pesados
como e o sub nitrato de Bismuth. Embrulhados n'uma obreia,
esta muitas vezes rasga-se, em agua assucarada .os pus vao
logo para o fundo. >
0 S" Mentel, pharmaceutico em Pariz. resolveu estas pe-
quenas difOculdades misturando, e fazendo em granulos, o
sub nitrato de Bismulh com parte igual de assucar. Estes
granulos vendem-se em frascos, e a tampa d'estes frascos,
mede exactamente dous grammas de granulos, seja, um
gramma de sub nitrato de Bismuth. Esta subslancia .prepa-
rada d'este modo e inalteravel. Basta encher a medida tantas
vezes quanto se queira, tomar de grammas, e engole-se rapi-
damente, o que e muito facil bebendo ao mesmo tempo um
poiiro d'agua.
0 Bismuth granulado de ICentel e para as criancas
o remedio o mais vantajoso porque o tomani como confeilos.
FEBRES. Querendo-se cortar rapidamente um acesso
de febre, o melhor remedio e o sidfalo de fliiinina; sendo
para curar febres antigas, persistenles ou periodicas, convem
dar-se a preferencia ao Quinium Labarraque. Em pou-
cos dias a febre desaparece, e o melhor preservative v de
tomar todas as numhtas um copo do licor, desle vinho. 0
Quinium Labarraque e um dos proiluclos de primeira
ordein que tiveram a approvacao da Academia de medicina
de Pariz.
DIGESTOES DIFFICEIS. (Esxaqvecu, vehticens.)
Engolir duas o trez Perolas de E.her de Clertan n'mna
collier d'agua. EITeito quasi immediate.
Havendo muitas imitacoes exigir a firma Clertan na tarja
dos frascos.
ANEMIA, POBREZA DO SANGUE. As Pillu-
las de Vallet constituent um poderoso lonico para a refei-
c3o do sangue. 0 Xarope de Robtquet de pyronhospbato
de ferro, serve melhor para as pessoas que mal supportam os
remedios solidos; este remedio contendo os principios cons-
titutivos do sangue, tern um goslo agradavel, tanto assira
que, os doentes o toman facilmente.
Estes dous remedios sao dos priineiros que liverao a appro-
vacao muito rara da Academia de medicina de Pariz.
Ha numerosas imitacoes das Pillulas de Vallet.
PURGATIVOS. A Limonada purgativa de
Roge com citrate de Magnesia, approvada pela Academia de
Medicina e o typo do purgativo sabno. N3o causa nunca infla-
magoes d'intestinos, o que acontece com outros purgativos
mais violentes. Pode ser preparada em> casa na occaziao de a
tomar; deita-se n'uma meia garrafa d'agua um frasco de
P6s purgativos de Roge.
Poucos remedios tem sido mais faJsificados que os p6s de
Roge. 0 Brazil esta cheio de productos falsificados, mal pre-
parados e nocivos a saude. Devem exigir que o frasco traga
em cada extremidade um sello imprimido em qualro cfires.
4 FALTA D'APPETITE. 0 Rhoibarbo sempre
gozou de muito conceito para regularisar as funcdes do esto-
mago e fazer recobrar o appetite. NJo si; applica frequentemente
por causa do seu sabor desagradavel. 0 S" Mentel teve a
excellente idea de applicar a este remedio o seu system* de
granulacao. O rhuibarbo em granulos de Mentel,
toma-se um pouco antes da comida. Na tampa de cada frasco
acha-se uma pequena medida dando a dose acustumada. Estes
granulos engolem-se lacilmente ou com uma pouca d'agua ou
n'uma colber com sopa.
CONVALESCENCA. 0 Quinium Labarraque
approvado pela Academia de Medicina e o tonico por excel-
lencia. Este vinho incomparavel e administrado torn grande
successo as pessoas fracas e debilitad.is, as mulheres que
acabam de parir, as meninas que difficilmeute se formam e
desinvolvem-se.
Este remedio combinado. coin os furmginosos. ajuda muito
c facilita a sua scclo, quando esses sjo necessarios.
DENTIQAO DAS CRIANQAS- Para faciliUr a
denticao, prevenir as convulcoes e o racbitismo das criancas,
nao podemos deixar de aconselhar a Osteine Mouries,
que e uma combinacao de pliosphato de ca! gelatinoso e d'al-
bumina. Sendo esta preparac3o feita em farinha grossa, pre-
para-sc em sopa com leitc ou com caldo. Na tampa de cada
frasco, acha-se'uma medida dando a quantidade que se deve
tomar.
Este medicamento teve a approvacao da Academia de Medi-
cina, e c inventor apresentou uma memoria a respeito d'esta
preparacao, a qual foi coroada pelo lnslitulo de Franca
RETENQAO D'INTESTINOS. A magnesia e muito
receitada pelos medicos como laxativo ligeiro. Sendo esta
subslancia desagradavel a tomar, aconselhamos a Magnesia
granulada do Mentel. I'm gramma e a capacidade da
medida que se acha na tampa do frasco; a dose acustamada
e uma ou duas medidas.
DENT1FRICIOS. A descoberta do sulfatode Quinino
pelo S" Pelletier, membro da Academia de Medicina de Paris,
fez um grande servico a humanidade, elle quiz tambem se
occupar da hygiene da boca, e para esse fim elle empregou
todos os recursos da sciencia.
A nlli'rncao dos denies, segundo as suas observacoes, e
muitas vezes causada pelos dentifricios inventados e empre-
gados ate hoje, sendo elles quasi sempre compostos de acidos
que sao contrarios aos principios da sciencia. 0 S" Pelletier
mventou enlao dous dentifricios, um solido e outro liquido.
ofi'erecendo todas as garantias que se possa desejar para o
bem estar da boca.
A Odontine de Pelletier .' uma massa mole sobre a
qual passa-se a escova ligeiramente. Da aos dentes a brancura
tao procurada sem nunca estragar o esmalte. 0 Olixirio
Cdonialgico de Pelletier fortificaas gencivas, perfuma
a boca, e tira o cheiro do fumo. Basla deilar algumas gottas
desta preparacao n'um copo d'agua para Ihe dar um sabor
suave e especial.
EPIDEMIAS. Durante os tempos d'epidemias, cno>
lera, febre amarella, bexigas etc, e muito necessario tomar
precaucOes hygienicas. Sem mudar nada no seu modo de vida,
deve-se evitar todo excesso em tudo, sendo susceptiveis de
enfraquecer mesmo momentaneamente. Lavar-se umas poucai
de vezes por dia e deitar nos quartos, agua fria na qual se
deitara umas colheres de Licor Labarraque. En tempo
d'epidemia, este licor empregado d'este modo e o melhor pre-
servative. E tambem muito util nos paizes quentes para
desinfectar os quartos dos doentes.
Para puriflcar o ar e destruir os miasmas que se produzem
nas inhumacSes, os quaes s3o muito perniciosos, deve-se em-
pregar sobretudo este licOr.
Convem ter muito cautela com as numerosas falsificacSes.
AVISO. Uma instruc&o detalhada acompanha sempre cada um dos productos a cima menoionaadoa.
Unico depositona pharmacia de P. Maurer. ^ C.? rua d j Barao da Victoria n. 25
L'i.
ESCRIPTORIO
a rua da Companbia Pernem-
bucana n. 2.
ESTAQAO PRINCIPAL.
a rua Nova de Santa Rita
ns. 55 a 59.
Esta empreza de transporte de mercadorias, inaugura o trafego de suas linhas no
dia 10 de agosto do corrente anno.
Servi$o da Eatacao das Cinoo Pontag para o Recife.
A empreza encarrega-se da entrega das cartes vindas pela estrada de ferro aos seus
fregnezes, de tirar e entregar-lhes ate" as 8 boras da manha, as amostras do assucar
cbegado na vespera, pagar & vista do coubecimento o respectivo frete e fazer conduziro
assucar e os outros generos com a maior promptidao para o armazem dos compradores
ou recebedores.
0 prego do transporte comprehendidos os servigos acima mencionados, a carga,
descarga, e arrutnagdo no armazem 6 :
Por sacco de assucar................ 120 r&s.
Por fardo de algodao................ 160 rels,
Ancoras ou barris a razfio de.......... 29000 reisapipa.
As car gas destinadas aos engenhos e remettidas pelos freguezes da empreza serao
transportadas gratuitamente para a estacao das Cinco Pontas, e serao recebidas nao sd
onde ixistirem os irilhos, mas em qualquer ponto dos bairros do Recife e Santo An'
onio.t
Servico do Forte do Mattoa para as mas do Apollo e Brans.
A empc ezeancarrega-se de reober com o seu pessoal os assucares e mais genero
dos trapicbes ou do cees, com direccjio aos armazens das ruas do Appello e Brum e
qoaesquer outras do bairro do Recife na prozimidade de sbas linhas.
0 preco de transporte comprehendida a carga e descarga e arrumacdo no arma-
zem e"
Por sarco de assucar................. 80 nMs.
Por fordo de 'eotiiu................. 100 reis.
Porai. >i ins a rezSode........ 13.1 < 'i- por pi|>a.
Recife, 1 de agosto de '<.
'
I
\
Constructor e aflnaor de pianos
55Hua do lmper dor55
Ex-afinador das antigas e t famadas casas Pleyel <$ Herz, e antigo direc torlar
officiua da casa Alphonse Blonde).
Tem a honra de declarer ao respeitav-1 publico desta oidade, que tem aberto
sua casa de concertos e afinagdes de pianos, qualquer que seja o e-lado do instrument.
A' mesma casa acaba de receber um grande sortimento de pianos dos melho-
res fabrlcaotes de Pans, como Erard Pleyel, Henri Herze Alphonse Blon4el\ todoa
os pianos sabidos da casa Dbibaut sio garantidos
Compra se e recebe se em troca os pianos usados.
LOJA DE JOIAS
DE
JOSE JOAQUIM DIAS DO REfiO.
Into alna Ja nao e liquidacSu 6 queim* !!
0 proprietario deste nuv<> estabelecimento atordido com o inesperado e.-irid^r dos grilos que
eurgem de todes os angniux de.>ta grande cidade, annunciando a liqnidac^o dos e.-tabelecimenlcs at iotas ,
e, receiosa de flcar -OS1NHO, pezar de bem avaliar as gramle- vanugens que oeste cao devena an-
ferir; tomon ainabalavel lesolucao de QUEIMAR todas as suas |oi*, com o nnico im de eneorporar-
se A grande caravana, e, com ella, segmr em romaria para......e .wgrado I
A pyra esta ardeute as vicimas agnanlam briliiantes o m.imento do sacrificios6 fa
os sacrificaaore*.
Isto posto, esp^ra M^irumjasia r.iio, uma grande cm arrencia dos *maolcs A &m
que nao deve,. per.i.-r ji-ejn qne deyo:s >? < i.. i:^u la^dw, en o n i ann>', eauam-se as JOIAS ala ciua-i
tera pabli; ajade dIUi i possa prnver.
I'
V




1'"' II' .^.
.
x_^
--**.
Diario do Pernambuco Quinta feira 3 de Dezembro de 1874.
Offerece-se am horaem pan feitor de sitio,
com habilitates bastantes da agriculture, com a
vantagem de saber tratar de parreira com perfei-
cao : a tratar aa rna da Coacordia a. tl, armaem
de raalerwes.
urn grande qoarto
Ataga*se
: na rna da Palma n. 34.
Aluga-se S casas e um soferado de am an-
dar e setae, na ma das Trincbeiras n. 3i : ama
casa cerrea na roa do Bram, com 3 quartos, 3
salas, jgraade quintal e coziuha fora por 18(000 ;
4 casas aa rna Imperial, cada ama com 2 quar-
tos e in sala, a 8$ cada ama : a tratar na roa
de Santa Cecilia o. 18. ___________
dilegio de Santa (ienoveva.
Dos alamnos matriculadosveste collegio flier am
exame de instraccao primaria no mesmo estabele-
cimento e foram approvados, sendo examinadores
os Srs. Drs. Bliieu de Souza Martins, Jorge Cor-
nelias Ribeiro Pessoa e Jose Perreira da Croc Viei-
ra, os seguintes : em *
Latim, segunda cadeira.
Luiz Laurindo dos Reis Lima.
Tbomaz Joao da Veiga Serxas.
Francisco Rufino dos Rois Lima.
Fernando de Castro Paes Barreto.
Henrique de Barros Lins.
Jose Lucas Alvares Junior.
Eslevao Jose Dantas.
Grammatica portogueza elementar.
Arthur da Silva Rego.
Jo?e Camillo de Albuquerque.
Fernando 1e Castro Paes Barreto.
Luiz da Rocha Hollanda avalcaote.
Henrique de Barros Lins.
Jose Camello Pessoa d-j Siqueira Cavalcante.
Joaquim Barbosa Cordeiro.
Thomaz Joao da Veiga Seixas.
Francisco Rufino dos Reis Lima.
Luiz Launndo dos Reis Lima.
Aritbmeiica e geometria pratica.
Adolpho Julio de Mello.
Luiz da Rocba Hollanda Cavalcante.
Raymundo Victor Duprat.
Joao Bamasceno Xavier Dantas.
Manoel Barbosa de Hollanda Cavalcante.
Abilio Pereira de Souza Lima.
Alfredo *ugusto Vieira.
Jose Maria Outeiro.
Jo?e Antonio de Uello.
Jose de Castro Paes Barreto.
E feram habilitados para os exames na faciildt-
de nas quatro lioguas 71 alurnnos, dos quaos fo-
ram approvados os seguintes 63 :
Portuguez.
Numeriano Honorio de Serpa Brandao.
Julio de Mello Pilbo.
Jose Gomes Leal Netto.
Jose Lucas Alvares Junior.
Antonio da Rocha Hollanda Cavalcante.
Jorge Jaeomo Tasso.
Rodolpho de Moraes Continho.
Vicente Tbomaz Pires de Figueiredo Cauiargo.
Thirso de Assis Garrido.
Andre Oias de Araujo Junior.
Augusto Seraphim da Silva.
Arthur de Souza Carvalho.
Gabriel Azevedo de Andrade.
Gabriel Idas Neves Cardoso.
Eduardo Ferreira Barbosa.
Rodolpho II. de Serpa Brandao.
Silvestre Marques da Silva Ferrio.
Francez.
Rodolpho de Moraes Coutinho.
Vicente T. P. de Figueiredo Camargo.
Thomaz Joao da Veiga Seixas.
Henrique de Barro3 Lins.
Estevao Jose Dantas.
Thomaz Lins Caldas.
Fernando de Castro Paes Barreto.
Rodolpho H. de Serpa Brandao.
Tbirso de Assis Garrido.
Silvestre Marques da Silva Ferrao.
Julio de Mello Filho.
Francisco da Costa Maia Filho.
Andre Dias de Araujo Junior.
Jose Lucas Alvares Junior.
Latim.
Francisco Aives de Souza Carvalho.
Joaquim Alves de Souza Carvalho.
Jose Netto de Siqueira.
Francisco Leopoldo Marinho de Souza.
Jose de Amorim Paes Barreto.
Manoel Marlins Fiuza.
Tbirso de Assis Garrido.
Rodolpho H. de Serpa Brandao.
Numeriano II. de Serpa Brandao.
lose Gomes Leal Netto.
Virgilio riamos Gordilbo.
Vicenle T. P. de Figueiredo Camargo.
J >si Azevedo de Andrade.
Inglez.
Gabriel I. das Neves Car4o30.
Augusto Seraphim da Silva.
Artour de Souza Carvalho.
Jose Netto de Siqueira.
Estevau Jose Dantas.
Jose Gomes Leal Netto.
Francisco Leopoldo Marinho de Souza.
Jose de Amorim Paes Barreto.
Eduardo Ferreira Barbosa.
Jose Francisco de Siqueira Salles.
Antonio Ja R. II. Cavalcante.
Jorge Jtcoino Tasso
Joaquim Alves de Souxa Carvalho.
Manoel SeridLlo Buarque.
Manuel Martins Finza.
Virgilio Ramos Gordilbo.
N'umerlano H. de Serpa Brandao.
Tbomaz Lins Caldas.
Andre Dias d<> Araujo Junior.
0 director,
Antonio Marques tie Amorim
CASA DA FORM.
AOS 4:000*000.
BILHETES GARANTID0S.
A' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua do
Crespo) n.tSe etnas do costume.
O abaixo assignado, tendo vendido not seas fe-
llies bilhetes am meio n. 679 com 4:000*000, nm
meio n. 3J84 com 900*000, am meio n. J652 com
100*, am meio n. 186 com 1009 e oatras sortes de
40* e JO* da loteria que se acabou de extra-
hir (i'), convida aos possuidorea a yirem re-
caber na conformidade do costume sem deacon-
to algum
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantido;
da 13* parte das loterias a beneficio do code
gio dos orpbaos e orphas (127"), que se extrabi-
ra sabbado, 5 do mez vindouro.
PREC08,
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
Km porrao de lOO* para rlma
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilheta 1*750
Manoel Martins Fiuza.
mi
Aos Srs fiimantes
Fumo desfiado de diversas quali-
dadrs.
Novo-Conora'.
Olho de Passaro.
Flor do Brasil.
Verdaleiro Rio novo.
Verdadeiro fumo de Goyaz
em paeotes e latas de 2, 4 e 8 ongas,
sera couie*'>5icao alguuia uociva ao fu-
mador, manufacturado, e a venda na
fabrica a vapor, na anliga rua do
Quartet de policia n. 21.
PARA 0
Natal-folia
Mudanca.

m
Fugi
o
CASA DO OURO
to* 4:0009000
Bilhetes garaatidos
Rua do Bar do da Victoria (outr'ora Nova
n. SO, e casa do costume
Acham-se a venda os moito /elites bilhetes ga-
rantidos da 13* parte da loteria a beneficio do
collegio dos orphaos e orphSs, que se extrahira
no dia sabbado, 5 do mez vindouro,
Pre$e>*
Inteiro 4*000
Meio 3*000
Be 1009000 para data
Inteiro 3*500
Meio 1*750
ftaeife. 58 de novembro de 1874.
_____ Joao Jaajawa da Cotia LtiU
hotejl .*&*
Restaurant de Bordeaux
Saldes particulares ^fjS
Qaartos mobiliados com gosto assignaturas
mensaes a 35* : na roa andar.
Alnga-se para passar a fe'a, uma casa em
Beber:' Port" da Madeira, fom rmhoi commodos
para ( : u tar na rui Duque do Caxias
v. 88, i.,j,.
do engenbo Jaboatio, freguezia de Santo Amaro de
Jaboatao, ne dia 17 do corrente mez (novembro) 0
escravo africano, Juliao, com os signaes seguin-
tes : 60 annos, pouco mais ou tnenos, tem alguns
cabellos brancos, baixo, secco do corpo, pernas
finas, dedos compridos e seccos, meio fulo, cabeca
comprida, testa grande, nariz meio afilado, dentes
alvos, tem aa sola de um dos pes ama fistula,
levou camisa de cbita rdxa, calca parda, camisa
de azulio ; segnio a direccao do Recife, onde se
julga etfar i a pessoa que 0 apprebeoder, podera
leva lo ao referido engenbo, ou a rua Direita n. 40,
1* andar, que sera generosamente recompensada.
Preeisa se de uma ama para cozinbar
ravessa do Corpo Santo n. 25.__________
na
Precisa se de uma mulher
de bons costames, para tra-
tar de de mai : a rna Duque de Oxias n. 54^______
AMA
AMA
A > Precisa-se de uma ama que sa*a co-
-0-1110. linaar cora perfeicao, para casa de fa-
milia : a rua Duque de Capias n. 91.________.
Prewsa-se de uma-ama for-
ra o escrava, que cozinbs
bem-o diario de uma casa de
familia : a tratar na Capcoga, rna das-Pemambu-
canas, easa de sotea n. i9, ou na rua do Hospicio
n. -25, paga-se bem.
\ m< Precisa-se de uma aoiace leite : na
-0.105, raa imperil o. 94._______________
A im/m a\ Na'roa da Cadeia n. 34, arma-
% Jllil zem, -precisa-se de utna ama para
casa de pouca familia, que seja boa cozinheira
qwe^ntenda de engommado._________________
^ Precise csireita do Rosario n. 36.
ij-.Q Para comprar, cozinhar e tratar de
ii llldo meoinos, para casa de pequeua (ami-
lia : a tratar na- rna Nova a. C______________
Precisa-se de uma ama para cozinhar em
casa de homem solteiro : na raa Duque de Caxias
n. 29, armaiem de moveis.___________________
A rn Precisa-se de ama ama para cezinhar
-^-UA<* a engommar para casa de uma familia
de duas pessoa : a tratar pa-rua de S. Joao n. 61.
Luiz Aivesica Silva, Jose Luiz da
Silva e Justiuo da Silva Boa-Vista,
irmao, prfmo e amigu do fallecido
Joaquim Alves da Silva, convidam
os sens amigos e os do 'fallecido
para assislirem a uma mis^a solem-
ne de Requiem que se ha de cele-
brar na quinta-feira, 3 do corrente, no convento
de N. S. do Cirmo, pelas 7 1|2 boras da man ha.
Recife, 1 de dezembro de 1864.
Ja|nini AIvcm da Silva.
A directoria do monte pio po^"
tnguezmanda rezar uma raissa pe'
eterno descan^o do seu chorad0
consocio Joaqnim Alves Aa, Silva, na
sexta feira, 4 do corrente, pelas
7 1|2 horas da manna, no convento
do Carmo.
Para esse acto de caridade, convida a todos os
socios, parentes e amigos do faiiecido, para que se
dignem eomparecer no local e hora acima desig-
nados.
0 1* secretario
A. da Maia Pessoa,
rsammmBsammmmmmmamsMmme1-'
O. Rita de Cassia.Redrlgues Sette
Ferreira.
Francisco Ignacio Fer-
reira, -Antonio Carlos Fer-
reira Sette, Cuilherme Au-
gusto Ferreira Sette, Maria
Rita Ferreira Sette, Gui-
lherme Augusto Rodngues
Sette e D. Bernardina de Mello Rodrigues Sette
(ambos ausentes), e Dr. Jo.-e Soares de Azevedo,
esposo, fiihos, pais e avo de D. Rita de Cassia Ro-
drigues Sette Ferreira, agradecem a todos os seus
amigos e parentes a homenagem que se djgnarani
tributar a illustre finada, no acto de suas exequias
(domingo 29 do passado), no convento de S. Fran-
cisco, e de novo supplicam a todos os sens ami-
gos, parentes e coniiecidos, o piedoso obsequio de
aesistirem as missas que por alma da mesma Una-
da devem celebrar-se na referida igreja, sexta-
feira 4 do currente, pelas 7 horas da mauba, oc-
casiao que aproveitam tambem para manifesta-
rem pessoalmente a sua gratidao a todos aquelles
que em tao triste circumstaneia se teem digna^.o
disticguilos.
Da festa todos desejam
Ver 0 dia retplendente,
Dia que nos leva a mente
Do iuiinito as allures :
Onde os anjr>s 0 amor beijam
E a caridade fesiejam,
Teem as almas sopnltaras
Nas eslrellas que flammejam I
E nesse dia em que tem
Do jnbilo rasgar 0 seio,
Saindo Ibe bem do meio
A cratera da alegria :
E' preciso qoe os amantes
Da pura gaslronomia,
Venham ja e qnanto antes
Do Campos ao armazem.
Porqne s6 assim terao
A rciencia do prazer :
Comer bem, melbor beber
Sem receio da maldade
Nem davil snuersti^au,
Que jamais consegnirao
Supplantar a liberdade
Nos carceres dainquisicao I
Rna do Imp^rador n. 28
Do pri z'jr viva requinte
Alegre team trovao,
E da mesa a descripcao
Reparem : Mesa giganta.
Presantos, fiambres, paios, chouricas,salc m'chas
e linguicas ; lombosde por cos e de carreiros ,
aves em conservas, pe-ixes e toucinho ; cam a roes,,
ostras, lagostas e coelbos com hervilbas; conservas
j legumes e champignons ; qaeiios fiameugos, pra-
i tos e londrinos ; Qooes em caida e de goiaba ;
fructas em conservas, passas, amendoas, noses e
ameixas ; aletria, tatharim e macarrso ; araruta,
| tapioca e cincoeuta qualidade.s de inassas finas e
' natrientes ; cua, -mate, cafe e chocolate francez,
hespanbol, portu^sez e nacional ; bolacbinhas,'
bolinbos e coofeltos, manteiga ingleza e franceza.;
jlbanha, irroz, batatas, cebollas, alhos, cominhos,
pimenta, mostarda e molho inglez ; cervejas, ci-
1 dra, champagne, cognac, genebra, besparedica,
! bitters, Ncoves aguardeate o> canna ; vinhos
! de Lisboa, Figaeira, Carea^ellos, Collares, -Bair-:
' rada, Bastos, 'Porto, Borgonha e Bordeaux ; ci-
garros, charutas e uma grande < giganta 1) quan-
tidade de victaalhas raras e -excitantes, nio fal-
lando aas especialidadesdospreparados francezes,
allemaes, iagJezes, turcos, chinezes, hollandezes,
tialiaaos, prusslanos, hatnburguezes e america-
I nos I
Alem d que:
Eacootfc-se um immenso deposito de novida-
des, c-iiio sejam : velas loradas, (?) urctdas (I) e
de ecores, hilhas, qaartinhas, e oun*os mni-
tos objectos de grandes phantasias ; assim como o
maraviihoso oleo de mmamona preparado expres-
saiCdC.e para coin baler a gigantomania e appla-
car o systema nervoso 1 'Ver para crer.
Distrao<}oes::
| Os imiatea das palestra* e boa pinga, encon-
trarao no fundo do estabelecimento, akm de mui-
m fresco e agua fria, bancos macios e mesas as ,
seiida, des'madas ao servico dos lunebs, qne os
mtsmos amantes poderao saborearcm ao som ma
i vioso de uma elegante rousica composta dos me.
lhores cuntores americanos e q_e sao coadjuvados
por *roa bicharia domestiea e interessante.
Moralidade dacousa.
E' immenso o sor'.imento
E se vende pelo custo,
Pelo que e moito justo
So ao Campos comprar ;
Visto que e um portento
Dos generos o paladar I
Joaquim Jose Rodrigues da Costa participa aos
sens fregnezes e is pes-oas com qnem tem tran-
saccdes, qne mudoa-te da easa u. 20 da rua do
Bom Jesus, para a de n. 41 da mesma rna.
Costureiras para modista.
Procisa-ie na rna da Palma n. 34.
Aluga se uma escrava par* todo u servico
a tratar na rua da Gloria n. 146. _
preoisa >e de um
Nil sitio di SuiMade u. r.7.
bom feit'r.
Li no Ferreira da Silva
tem duas cartas na rna do Vigario n 7, primeiro
andar.__________________________________
Pede-e ao Sr. J e Duaru da Silva que ap-
pareca no Arraial, sttiu do liuido major Marcelino
Jose Lopes, para tratar de um negocio que nao
igpora. _______________^__
Boa-Viagem.
Ainda esla por alugar uma das melhnres casas
da Boa-Viagem : na rua do Imperador n. 83.
Vicente fugio
Na noite de 13 para 14 de marco do corrente
anno, fugio o mulato Vicente escravo, de 20 a
22 annos de Wade, bonita Agora, barba e estatnra
regular, levando vestido a em um sacco fronpa de
algodao branca e alguma fina pertencente a um,
caixeiro d* casa d\mde fugio, e natural da fre-,
guezia de Sam'Anna de Mattos diz ser livre, cria-
do em oompanhia da madrinb a D. Anna Luiia da
Luz de Quem alias foi escravo : roga-se, portan-
to, aos srs. capWes de campo a autoridades po*
liciaes a appreltensao do dfte escravo e enirega-
lo nacidade de Recife, rua Sr. Joaqnim Moreira Reis, oa na cidade do Assu
ao Sr. Torajaato Augusto de Oliveira Raplista
qne ser So generos a mente Tecompeosados.
N&>
En^ommadeira.
Prectsa xnaT para duas pessoas: a >ratar na travessa da
rna do Vigario n. I, dw 9 horas as 4 da tarde, oa
no seguedo sitio, depots da estacao do Chacon.
Precisa-se de uma ou duas pretas para tabo-
eiro : -a tratar na roa do (apibaribe n. 18.
ha mais cab el os
fcrancos.
Jintura japonna.
"S6 e unica approvada pelas anademiasde
sciencias. recoobecida superior a toda que
te;n appareoido at hoje. Deposito princi-
pal & rua d Cadeia do Recife, boje Mar-
quez de Olihda n. 51, 1* ?ndar, e em todas-
s boticas e -casas de cabelleireiros.
Aluga-se
duas casas na Torre, muito freseas, cad? uma ten*
"2 salas, 3 quartos grandes, cotinha, despen-a e-
qoarto para criado : a tratar ne porto do Lasserrev.
na Capunga, -n 32.
3^ as x ? o = vi
a. M
za
"9 2
Triumpho da
mm MED1CA!
i nr, si
Em tem pos modernos neabum descuiji-
mento ope uromaior revolujSo no modo dfr
curar anteriormente em voga do que o
iTifliniiirr.
-.. .j ..

N. 47
Rua estreita do Rosario, tem um caixeiro com
ponca pratica de taverna para se arrumar.
D Monte Lima
tem um completo sortimento de galao e franja de
ouro e prala, verdadeiro, de todae as larguras,
abotoaduras douradas para offlciaes, canutilhos e
enfeites para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, cbaiiateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assim cono um completo .sortimento dt
ranjas, galao falso para ornamento, cofdao de la
com borla para quadros e espelhos (conforme o
gosto da encommenda) tudo (jor muito menos
preco qoe em outra qualquer parte: na praca da
Indeuendencia n. 17, junto a loja do Sr. Arantes.
Para evitar duvidas.
TANTO NO TRATAMENTO
DA
Tosse, Crupo,
Asthma, Thisica,
Rouquidao, Resfriamentos.
Bronchites,
Tosse Convulsa,
[lores de Peito,
ExpecturaQSo de Sangue.
Como em toda a grande serie de enfeian
dades da Garganta, do Peito e do-
OrgSos da respirarffo, que tant
atormentam e fazem soffrer a humanidade
A maneira aotiga de curar consistia geral-
mente na appliea^ao de vesicatorios, San-
grias sarjar ou applicar xteriormente un-
guentos fortissimos compostos de substan-
cias vesicantes, afim de produzir empolhas ;
cujos difterentes modos de curar, nao faziam
senao oafraquecer e diminuir as forca6 do
pobre doeute, contribuindo por esta forma
d'uma maneira maisfacil e certa para a en-
fermidade a destruigSo -iuivitavel de sui
victima I Quam differente e pois o effeito
admiravel do
i, co w
iafe
" 2 w n
ils-i
< B s*
3 2 a 5
S o
Z~ U. ^' i-
m Ho-9
* !BO
?** 2.
fif
J5 -
= 3 2.
< O co
Ci
2
Cl b !D
C -I
?s?
CA
T>
S 2.
S =
||
p
a
u, ai g
Is
S = <
3-3

= 5
5
g.* r^
CD
as
as
m i

?"?
X
6 i-; .-----
-"- S
r-1 ^
g a
II
B-
P
^
Cio
VELOUTINE
& UMA BSPBCIB DE
POS de FLOR de ARROZ
Eepecialmentepreparadogcom BISMUTH
a por con seguinte d'nma accao sandavel
sobre a pelle.
K'ADHERENTE e totalmente INVI-
SIVEL, dando a pelle tuna fresenra e
aveludado naturaen.
Preeo da Calxinha com borla 6 fr., em
casa deCh. FAT, 9,rnedelaPaix, pariz.
Deposito em Pernambuco, A. REQORD
GELO
AGORA HA COM ABUNOANCFA
Gelo para almo(jo Geio para cerveja
Gelo para lanche Gelo pin rcfrcscos
Gcloparajautar G.-!' para sorvctes |
Gelo para ccia Gelo p;ra remedio j
Gelo para viuho Gelo para banhos }
Gelo para conservar legumes
Gelo para conservar fructas
Gelo para conservar peixe
Gelo para conservar came
Erafim, gelo para Todos; e para qualquer Lso
NA
FABRICA NOVA DA VIUVA STARR
Caes do Capibaribe n. 38.
AberU M9 dias uteis das 6 horas 4a manna ate n 5 ho ^j ^ Urde, e oa dominfc*
santos ate as 11 boras da manba. ...... ^-.m *,
N. B. Os pedidos de quaotias grandes para os vap',re ou para tora da cidade or.em str
feiloa com atitecedencia. _
ESCRIPTORIO Rua-do Corp.mercio n. M>.
Vende-st* nuito em conta, cadeira* avuisas, de
balanco, de..bracos e de dobrar.
Perfumarias.
Fines ecttractos, banhas, oleos, opiata e po3 den-
irifice. agua de flor de Iaranja, agua de toiiiete,
livina, uorida, lavande, pos de arro?, sahonetes,
icsmeticcs, muitos artigos delicados era perfnma-
ria parapresentes em frasccs de extractos, caixi-
nhas sotidas e garrafas de differentes tamanhos
d'agua 4o Cologne, tudo de primeira qaalidade
dos bear coahecidos labricantes Piter e Coudrav.
Sons pianos.
ARMAZEM DO VAPOR FRANCEZ
St. 7 Rua do Barao da Victor a, outr'ora Novai AT.
0 dono deste esjabelecimer.to tendo de, ir a Eoropa, vende a precos baratissimoa od osseu?
*tri(08, como sejam :
Calcadu francez

para homem
-aenlaara.
mevinos
e meainas.
Botas e perneiras inglezas
*de montaria.
Mobiles de \ime e k hb\.
rx welltores.e ms- moderns modclut >-
Blondel : vende-se. troca se e aloga-se.
Quinquilharias.
Arttigo* cie iiflerenie phantaniaa.
Espelhos, leques, lavas, joias douro, tes ->urmha-
cauivetes, caixinhas de costura, albans, qnadros
e caixinhas para retratos, bolsinhas de veUodo
di'.as de eotan, e cstinhas para braros de mevina*
cliicotes, bengalas, ocnlo, pince-nez, ponlHras para
eharutose cigarro*, eacovas, pen tes. eariHnoha V
rnadreperola, lapete para ianternas, malas, bolsa*
de viagens, venesianas para jcnella-, -:r.. pos, Ianternas magicas.caemoramas, jogos Ja gloria,
de damas, de bagatella, qu.'.dros com taisaget*
globos de papel para illuminac/ies, macbinas de
faaer cafe, accordaos, carricnos, mamadeiras de vidro pan
dar kite as criancas, e moit s catros ari-g".
Brinquedos para meninos.
A raaior variedade que se pode desojir de to
dos os brinquedos fabricad^ em diff,rrte< parHi
da Europa, para > ntretimtat" das crianvas.
-. nreco? mais resum:d :n^ e ponivil
ODILON DUARTE k IRMAO
ulSILLEIrtElHOS
Premiados na exposioao de 1872
RUA
Hi
fJSPERATRIZ
N. 8J
;fl.- A5DAR.J
I

RtU
IF.RATP.f?
K. 82
f. ANI>i.^
Acnuam de reformat- o sen etfabeleeinMBto, coilotan'io-o na* neibnre* -
dic^oes possiveis de bem servir ao publico desta illustre carit,l, f if Ftmas. Snw
qaillo que fdr tendente 4" arte de cabelleireiro.
i
0 estabelecimento acha-se provide do que ba de melbor dos mere*,'.
geiros, recebe directamente por todos <.s vapores da Eun.pa.assuas eucotameaod* -Bn-
nnos de modas, e por isso pode vender 20 / menos que outro qualquer, cars tir.;-
perfei{io.no trabalho, agrado, sinceridade e pre-.o razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabell is
.?or(;.ao e a retalho e todos os utensilics perttneentes a* arte de eaMkMrto,
Pillulas Catharticas
0 abaixo aseignado previne ao re-peitavei pu-
blico e a quem direilo tenha, que a divida do abai-
xo assignado. perteucente a ma?sa fallida de
Jose Bernardo da Malta, nao esta exacta, porque PEITDEAL E ANACAE I IT A I
tem deraais 20:iW, previne era tempo, paraevi- '
tar duvjda-.
Recife, 2 de dezembro de 1874.
Manoel Joaquim Dias.
AVISO
Jose Antonio Domioguee de Figueiredo, proprie-
tary da fabrica de cigarros do Becco Largo n. I,
n. 1A e n. 2, avi.-a aos consumidores de seus ci-
arros, qoe mudou sua offlcina de cigarros do n.
! para o l* andar do n. 1 e n. 1 A, por ter de
enlrar em obra o de n. i. Faz este aviso para
algoem uao julgar o contrario, e seus (regoezes
flcarem scientes de que so o;cupa as 2 lojas dos
numeros acima, e o 1* andar do mesmo predio.
Jose Alves da Silva, deixon de ser caixeiro
do Sr. Jose Carneiro da Conba, por molivos jus-
tos.
Recife, 2 de dezembro de 1874. '
Jose Alves da Silva.
_ i qi
Bamios salgados d
Aluga-se uma boa casa na Boa viagem, a raa
da Aurora, om cacimba e perto dos banhos, pelos
tres mezes da festa : a tratar na pharmacia Tor-
res, a roa de Marcilio Oias n. 13$, antigo pateo do
Ter?o.
Agenda de empregados
Amas de Ifite, seccos. caixeiros, copeirs e cria-
dos : quaiijnnr senhor pretendeole que precisar
dos mesmo?, ptide oirigir >e ao pateo de S Pedro
n. 3,1 ja, -n-. :-, Roda n. i9, roa da Imp> ratrizn.
33, onde i- --'lhores pre|ep(lente? podnfo fazer
os sens ,,_._ por e3exipto.
Em vez de irritar, mortificar e cauzar inau-
ditos soflrimentos ao doente,
Calma, modifica e sua visa a dor,
desaloje d'uma maneira prompta e rapid?
ate o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melbores votos em medicina da Europa, (os
entes dos collegios de medicina de Berlim-
testificam serem exactas e verdadeiras estas
relacde6 analogicas, e alem disso a expe-
riencia de milhares de pessoas da America
Hespanbola, as quaes foram curadas com
PEITORAL DE ANACAHUITA I
Deye-se notar que este remedio se ache !
inteiramente isento de venenos, anto mine
raes, como vegetaes, emquanto que aJgunt'
destes ultiraos, e particularmente aquelles
ue sao dados sob a forma de opio, e aci-
o hydrocianico, formam a base da maior i
parte dos Xaropes, com os quaes tao fa-
cilmente se engana a crodulidade do pu
blico. A composic,ao de anacahuita peito-
ral acba-se linda e curiosamente engarrafada
em frascos da medida de cerca de meio
quartilbo cada um, e como a dose que se
toma e s6 d'uma colber pequena, basta
geralmeute a applicav&o d'um ou dons fras-
cos para a etiertuaea.' de qualquer cura.
Ae.ha-se a vemia Jodas g biticas
fl. Frosters A ... ageatus.
de Ayer.
Para todos oa effeito* d
um remedio laxaote.
Xln ha seguramente, nia
romedio tam universalmente
proenrado como um cathar-
tico ou purgante, e nenhum
outro tem sido tao usado em
todos os paizos e por todas as classes, como estas JPIZLXT-
LAS, suavee mas efficaze?. A razao e evidente, formao
um remedio rouito mais certo e- efiScaz que nenhum outro.
Aquelles que os teem ensaiado sabem que se teem curado
pelo seu uso, os que nao os ensaiarao sabem que seus amigos
t visinhos se teem curado, e todos conhecem que o resultado
tirado uma vez, se tirara todas as vezes, e que as PIZZU-
Z.AB nunca falnao por consequencia de erro oo negligencia
na sua oomposicao.
Temos milhares sobre milhares de certificados referentes as
tistinctas curas que hao eSectuado estas pillulas, nas moles-
tias que em seguida mencionamos, porem sendo taes curas
conbecidas em toda a parte aonde teem penetrado, des neces-
sano <4 publics 1-os aqui. Adaptadas a todas as idades e a
todas as oondicoes, em todas as climas, n5o contendo calom-
elano nem outra qualquer droga deleteria, alias podem ser
tomadas por qualquer pessoa com toda seguranca. Sua
capa d'assucar as conserva sempre frescas, e as torna _gosto-
eas ao pelladar, sendo tambem puramente vegetaes, nao po-
dem rewltar eneitos prejudiciaes se por acaso forem tomadas
em qoze desmasiada. 0 papel que serve de coberta para
sada vidro leva direccoes minucioeas com relacao as secuin-
tes molestias que as PILLULAS CATHARTICAS rapi-
damente curao. Para a Dyspepsia ou indiaettao, Dls-
pHctnetm, Languidez, ialta de Appetite, devem ser
tomadas em dose moderada a fim de cstimular o estomago e
restableoer suas funccaos sandaveis.
Para as Doeneae do Flaado e suas diversas symptomas
JBnmmqtteeae Bilioiai, Dor de Cabeca, lelericia, CoU
ieo BUUto, e JTebree Bilioiai, devem se tomar tambem
moderadamente em cado caso, para correger a accao viciada
ou remover o obetaeolos que a causBo.
Para a JOyeenUrU ou Diarrhea, e geralmeute bastante
nma dose pequena. <*
Fara Mheummtitmo, Gotta, Arrciai, Palpitacao do
CoraeSo, Doree nao Uhargai ou eoitae, devem ser
tomadas continuadamente, ate alterar a accao dos orgaos
disregulados, de sorte que a molestia disappareca. -
Para a Ilydropeiia e InehaeSei UydropUai, e preciso
toma-1-as lrequenteniente e emporcoes aseas grandes pars
produzir o effeito de um purgativo drnstico. Como IHyti
Mew para o Jantar ou comida, toma-ie uma on duas para
promover a uigest&o ajudar o estomago. Uma ou duas to-
das de rex em quando, estimulfio ou estomago st obrar sou-
davelmente.
Qualquer que se acfca regularmentu bom, tomando uma
ou duas d'estas pillukn N achara, muitas vezes, decidida-
tnente milhor, por raafco que ellas puj-ifiewo e reeUurlo
apjMnDK) dlgestivo.
PBXPASASAS FOB
T. C. Ayer & Ca., -Lowell, inass.. &V*
lirUHDICAO DO
RUA 1)0 i
BOWMAN
. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS Beckons de engenbo e outros agricultores, e compradorcs de *zi-
| chimsmo o favor de fazer uma visita a seu estabelecimento, para verem o noro sortimen-
to completo que ahi tern ; senietudo superior em qualidade e fortidao ; o que com < I --
truccao pessoal pode-se verificar.
| ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LLT.AR DE SU.\ FtNDICAO
lYapores e rodas d'agua (!os mais raodernos svsteraas, era t8raauhos con.
venientes para as diversas circumstancias dos senhores proprietaries e para descarcir
algodao. ^ '
MoendaS de Canna de todos os tamanhos, as melbores que aqui existem.
xlOaaS aentadaS para auimaes, agua e vapor.
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
Machinismos par8 mmdl0ctl e aig0dao, a par. serrar nUnL SS5BS *8S
BombaS de patente, garantidas........ fefJCSi ****
Todas as machinas pecas de que se costum. precis.r.
FaZ qualquer COnCertO de macbinismo, a preco mui res^o.
t OrmaS de terrO tem as melhores e mais baratas existentes no mercado.
iinCOmmenaaS. Incumbe-se de mandar vir qualquer macbinismo i ronude i:$
clientes, lembrando-lhes a vantagem de fazerem as coinpras por intermedio de peir
entendida, e que em qualquer necessidade p6de lhes prestar auxilio.
AradOB americanOS e instrumentos agric las.
- RUA 00 BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
___.l DE SOL
< Gur;-' 4n Amaral & Cv a rna P i-noirn dn M.irco n. 20 A, re. ram oa grande aorttaaA.t"
de '! de sol de seda, Iisa e trac:sd.-> com ?>-->!->- ,-,ii, d. -.orne, marfim e niiinh"
?epoui.-"?a6#e 7c|, tendo esteprejo nwiada*" sen valor.

L.
*



Oitfrio de Pernamouoo Qumtafcira 3 de Dez^mfere de 1874
ios 2:ooo&hio
ajUltt^tessJcioars-Jag do Bio
rTara da ifidi^mSeucia n. 12.
Aluga-se o 1, 2. e 3. atidares do sobrado
* di rua da Penha, o prinviro e segundo an-
dara* di sobrado d. 25 da rua de Santa Rita, e
* terrea n. 34 da rua da Ventura, na Ca
g*c*6*: extender se com o proprietario, no se-
|Kt< and ir la ^asa n. 41, a r >a do Ranpel.
Tudu attoQQao
Retalha se, com fictile pata a rna da Amizade,
obre 194 palmos do fundo, ama jioreao de nptimo
weno para gflifscao, icada d> sitio cmtiguo
i igreja de S. Joe do 'M.mgurano, di prece de
3/ par" pilaw. Aquc-lla fn-nle e toda murada,
bem como a parte posterior e a lateral extrema :
59 preteodentes polem enten'er-se com o Sr Dr.
Witruvio.
*s. f*ra eaixe-ro de taverna, com pratica da mes
s : a tratar no pateo do Terco n. 34.__________
A tuna se o andar da casa da praca do
Caadc d'Eu d. 21 : a tratar na Soledade com Jose
saVar.^ae da Silva Guedes, sitio n. 27.___________
Qaerr precisar de uma boa ama de leite po-
rje dangirse a ma da Uniao n. 35
An As eslreitameolo d'uretra
pela facil applicar.au das
SONDAS OLIVAES
DE
. GOHMA ELAST1CA
>fo msis modernas e aperfeigoadas de todas
as conhecidas
Vendem-se
NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
St Run larga do Rosario 34
CRIADO.
c-Kisa-se de urn criado para trabalhar em am
xii Jfj.r;o n. <4, loja.__________ ________________
Alogase i) 1 andar da rua da Matriz n. 44 :
xtreur com a viuva Vlella, no C orredor do Bispo
X. ?S.
Precisa se alugar um preto ou preta para
*eader na rua, aGancando seu senhor a condu-ta,
j*e servir tarabsm um mulequc uas condic.5es
asaaai : a tratar na rua de Vidal de Negreiros n.
iVi. andar
Aliened!*
O armazem de Iiuca do Cabo que exi-tia na rua
ukaque it Caxias n. 2, mudouse para a me ma
TiiJ a. W.
Aluga-se uma escrava para todo o servi<;.o :
* leaf r u-t rua da Gljria n 146.
Crande dcscoberla
>irativo das molestias do
peito pelo
Xr*pc do suluhit.* dc soda
DE
A. B^RXKT
---.-. t)';-cido pclos distinctns Drs Zalloni e Paras-
ziaf' as como um verdadeiro e^pedtieo contra a
T+Svric;., segundo provaram no.; grandes nume
DM 4a casos por elles experimentados, como se vi
v^ao da academia de Paris de 24 de marco
wie anno, encontra-se nmeamente no
Deposito da |jbarmacia e drogaria
de
nitrlbolomeii A C.
a 34 Rua larga do Rosario N. 31
Preeisa -a f illar com s seguintes senhores,
.- "riraeiro da Marco o. 16, primeiro andar.
a lido Vieira da Cnnha, de Sergipe.
into da iunha, da B.ihia.
..'.::? Olyropio B. CavalCinte. S bral do
! 5'antale-o da Silva.
lianoel Jose Monleiro
lorres.
Her & 0., administra-
5
06 da massa fallida de
ioel Jose M. Torres, pa-
m aos credores da mesma
a o primeiro dividendo
razao de 19 por cento.
E. A. DELOUCHE
Rua do Narqucz de Oliiida-2^
rNqu?un do lieeoo sLar^o
Pkrticipa a sens freguezes e amigos que mudou
":-tabelecimento de relojoe'ro para a mesma
B. 24, ondo encontrarao um grande sortiraento
' igkis de parcde, americanos, e cima de me
?,x, dos melhores gostos e qualidados, relogios di
:r.i, de todas as qualida-ies, patente solsso,
aro e prata dourada, fol"do (plaquet), relo-
f'oa de onro, inglez, descuberto, dos melhores
santes, cai4 asqn".!;dades, tudopor pre^os -nuit'i br
Aluga se 1* e 2 andures da rua d>; Impe
rid or n. 5n : a tialar no 3* andar.
- Prec sa se >!e um caixeiro com pratica de
.11*. de ida' de 16 a 1b anno3 : a tratar no
'.?. di Lima, e:u S^nto Amar) das Salinas.
Aiitfra-se o armazi-m da rua dos Guararapes
e 12. i*om grarle quintal e p rtSo .|ue entra car-
*oca. ; '* rua d > Br.rao do Triimpho, antiga do
: ado o ditn armaiem 80 pnlmos defundo
v i? at largo, 3 [>"rtas de frente, e tern um sotao
"rid" em lofln o armazem e repartido : a tratar
a San!."1 Cruz n i, ou na mesma rua, jun-
' .erna, a nd i esta a chave para quem qui-
*r -r
Festa ou anno.
!'-berlb", dua< c?sas na povos^So, com ba-
banta torn capira )a plantada : a tratar oo
rad i, na Btesma povoa^ao- an pi5 da ponte.
miiTBTD particular.
Rua da Roda n. 48, sobrado.
Prime ras lettras, portuguez, francez, in-
glez, desenho linear e musics.
Sob a direc^tf do professor HermipR)
Rodrigues deSiqueirafunccionam ditas au-
las todos os dias uteis.
Recebe slumnos internos, roeio pensio-
aistase externos ; f...rnece todo o material
para escripta e livrps aos principiantes, por
precis muito razoaveis.
Moleqne ftigido.
firafiQca-.se aim 50,000 r*is a qnem pegar For-
luuato, njoleque d>' l? a 14 anuos, pre4o, baixo,
cheio do corpo, ruin e cabeja redondos, nariz
chalo. cabellos carvr inh^s e cortadosde fresco ;
auseuoa se na lardu de 40 de ojjtubro do corraote
anno, com camisa de madapnlao, ealca de brim
de cor, desbotada, e ehapeo de massa preto. Gra-
tifica se na rua da Cadeia do Recife n. 39, ou na
rua da Aurora n. 165.
Boas .casas de
1'oco da Panella ;
Tasso.
AlugaiD-se
campo, na Cruz das Almes
a tratar com o commendad
ADVOGADO
BAGBAREL J0AQU1M GUENNES DA
. SUVA HELLO.
t'3 Baa eatrelta do ttnsarlo t.l
primeiro amlar.
CD
P
O
3
FhiIt
oja
s Ifrli
e s S'5 O
5 I 1
a
sr
i
o
Hi 1
^' oo
b 'J*
V. O
a*
j
'I- J5
~1 G
u< CD
O
a
rr 8'
2
it
e
a

SJ '
E
9-
%
1
e
j;
J
B)
8
9
9
n
I B
v.
9
v 1

c
a.
a-
CO
S
a 3
.Aluga-se a sa!a e a alcova do 3." andar do
sobrado n. 70. a rna Duquc de Casias, proprio
para mocoi s It'iros : a traUr na loja.
Aluga se. urn sitio, na travessa da Jaqueira, onde
raorou o faHecidc Fiancisco Snares da Silva Re-
tumb.'i, con uma excellente casa, com 4 salas e 5
quartos, cozinha. despensa e juarto para engom-
mado, for.t, cocbeira, 4 quartos para escravos, 2
cacimbas, seodo uma con; ipiima agua para be-
lier, e varias frocleicas : a (Tatar na rua Duque
de Caxias n. 51, loja.
Sahonete vegetal pre-
servative do conta-
gio venereo.
A desci'berta de um meio preervativo
da inft-c.So syjhilinca tern occupado a
atteirao de muitus medicos notaveis
desde epoca mui remota, a isto movidos,
sem duvida pelo desejo de pr.uparera a
bumaniJade as lune'stas con.>equencias
do cuntaeto e absurp^ao de um pus tao
malefieo.
0 Dr. Antonio Perreira Moutinho, dis-
tinct! medico na cidade do Porto, e ho-
mem abastado, q com o mais desin-
teresja-1o einpnnho se enlregou por
Inngos annos ao estudo e ensaios para at- M
tingir um tao loavavel qnao humanitario v
desideratum, jnlga tor descoberto subs-
tanciis vefretaes, que reunidas em for-
ma de sabuiiete, prodotem com eftlcacia
e d? una m-inejra infallivel o pretendi-
do eflVitu.
Siia i-onviccao e tal, em vista de nu-
meror-as experieiuias feitas n> hospit'l
da cidade do Porto, e do bora resultado
que o pnblico tern oblido do uso de tal
pnparaeao, que clle offerece o premio de
um couto de reis fortes, ( como se \6 no
jornal Actualidade do Porto de 2 de
maio d>-te anno ) a quem Hie provar a rl
iuiprofii'iiidade de seu invento.
Por aolorisacio do Dr Montinbo, o
unico deposito de sem sabonetes para
esta prcvincia e para todas as provin-
cias do norle, d a Pharmacia Central, e
para ob.-tara qnal-mer fraudeserao con-
siderados falsiiic dos todos os sabonetes M
? CoBsoIlorio medico
B w
% Dr: MurllU.
RDA DO VIGARIO N. 1, ANDAR.
Q Recem-cbegado da Europa, onde fre-
O quentou os hospitaes de Paris e Londres,
Q podera ser proenrado a qualquer hora do
ota on da ooite para objeeto da ana pro-
fisslo.
CoasnlUs das 6 is 8 boras da manhi e
do aeio dia ie duas horas da tarde.
GRATIS AOS POBBES.
V Especialidides: Molestias de senboras,
V da peile e dp crianoa.
Cravos
Na rua da Uniao, atraz do Gymnasio, ns.
47 e 49, Tende se sempre craios brancos e
encamados.
ALUGA-SE
uma grande casa terrea com bastantes commodes
sila na estraJa do Lucas : a traur a rua do Vi,
Ao Sr. Justino Pereira de
Moraes.
0 abaixo assignado arrematante das dividas da
massa fallida de Joao Hygino de Souza, pede ao
Sr. Justino Pereira de Moraes, morador na Imma-
culada, o favor de vir a rua Dire-it i n. 21 ultimar
sua conta com referenda a mesma massa.
Recife, 23 de noveor ro de 1874
Jmi Ricardo Faria.
t
*
MEDICO-CIRURGICO
t
*
a Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso \
PARTEIHO E OPERADOH
Vllua do Vlsconde de Albuquer-jB
L que n. 89. m,
ESPECF ALIDADE
i3R Slolestlaa de senboras e
A menlnos. A
Consultas das 7 as 10 horas da ma- J
j( nha, todos os dias. ?3
cA Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar- jg>
X las e sextas-feiras. J
MS Os doentesque mandarem os sens cha- w
m, mados por escripto at 10 horas da ma- j&
^ nha serao visitados em suas casas. 9
#.**** x*mm*m m
Aluga-se
os armazens ns. 65 e 69. na praca do ebafariz em
Fora de Portas, um onde teve tenla de ferreiro
o falleeido E. Mahult. 0 outro que esteve occu-
pado com venda de molbados, para o que e op
timo pela localidjde e ser de esquina. ambos livres
e desembaraQados de impostos: a tratar com o com-
mendador Tasso.
PENHOEES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro aniiar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
\mmm mmi
IsTS W? ^S WWWs Wffl^W
Compram-se
as collecQoes de leis provinciaes de Peroam
buco, dos annos de 1849, 4855, 1866 c
1869 : neste typographia.
CHUMBO
Velho
Compra-se chumbo velho, cobre e Utao : no
armazem da boh amarela, a travessa da rua do
imperador.
rsmtt.
Aos 5,000 covados dela
A l rs.
Na l^adcfavia veuiv se lastakas de muito
itos costos e delicados padrSes, fazenda nova
uo mercado, peio Himinuto preco de 160 ;rs. cada
lu*m covado ; quem deixara de fazer vestidos de
c tao bonitos e por tao pouco dinheiro f Forne-
rem se as amostras: na rua da Imperatriz nume-
o60. ____________________ ___________
IiAUO
LMJIMCM
0 Paris n'America esta Miquidando os cal.-ados
I pelos seguinte; preco,s :
Botinas de duraqne, de cOres, com canno alto e
laco, a LnizX'-' a 5*000 111
Botinas de duraque, de cores, bordadas. canno
alto, a 6/III
Botinas de duraqne com laco a 3?.
Botinas pretas ca.-peadas, canno alto, a %$, St e
6^000.
Botinas lias e enfeitadas, para meninas a 3/,
Bi tinas de Suzer, de eordovio com ponteira ee
vernis, para homem a 8/. Aproveitem, qae e
barato.
Veude-ie o dommio directo de um terreno
silo na rua da Santa Cruz, em que se acha edifl*
cada a casa terrea n. 36 : a, tratar ne rua do Vis-
conde de Goyanna en. 5.
Vende-se uma excellente carro^a coin uma
pipa e um boi : na travessa do tiomes, em Santo
Amaro das Saliuas n. I.
Vende-se no sobrado sito a rn* de > Fran-
cisco desta cidade n. 10, 4 pataffras da Pa'.myba,
1 bicudo, 1 curio, lOcanariosda trra, 2 cneeheos,
1 bigode, e 1 viveiro de 4 palmos de allura com 4
1[2 palmos de comprimeDto e ccm 2 1,2 lie altura,
de madeira de amarello com aram", os -;u.e- se
vende por incommodo de saude de quem d is mes
mos trata, e quo sera vendido a quem os comprar
todos juntos.
Bjuquets de cravo? e le todas as fbros, capella3
e velas para baplisados, de muito g s:->, pur barato
preco, e tambera recebe-te encommenlas lr-: dias
antes : no pateo do Livraraento n. 36, loja de
cera.
Loja 2 de dezembro
Ne^te novo estabelecimento de miudezas se en-
contrara tudo quanto e bom e barato, eom espe-
ciabdade cal;ado para homem e senhora, fitas de
sarja, setim e seda de todas as cores e larguras, a
pregos razoaveis, bem c>mo la para bordar a 4; a
libra, de lindas cfires : ns rua da Imperatriz n 3
Farinha de milho
Vende sa farinha de milho moida a vapor, dia-
riamente, de 1* qnslidade, para cuscus a 140 e 120
rs. a libra, da 2" para cangica e pao de Provenca a
120 rs., a 3" para angii, pintos e pa=sarinhos a "(00
rs., da 4" para raegunza a 90 rs., mi arroba 6 mais
barato : na rua do C>t.>vello n. 25, casa de azu
lejo.
)

V
que nao levarem o rolulu deste estabele-
cimento.
Ph rmacia Central
38 Kua do Imperador 38
Paris, 36, Rua Vivienne, D
ih;m:< wmm social
D EnrBKHIDADAg DIS BEXCAKS, AS *mC(OM
C TA1EAS. K ALTBRAgOW BO tAMDC.
"1 '.i'i.oOO curas das impin-
teni.puslulas, herpes,
ana, eomixoes, aeri-
I monia, e allerfoes, vi-
__\ciosas do sangue, vi-
rus, e uliei ueocs do langue. (Xarope vegetal
lemmercurio). BeraratlTaa >i-|ri>i
*ivm iuicebiaes tomao-se dous >or
seaiana, seguindo o tractamento Depuralivo : 4
empregado tins mesmas molestias.
I Este Xarope Citrtcto da
IferrtdeCHABLE, eura
mmerliatamente qual-
;uer purgacao, rtla-
\-ragao. i dtbilidad*,
t lguauueiiie o jiutcos e Meres brancos das
mulheres. Esta iuieccao benigna emprecasa*
om o Xarope de Cxlraeto de ferro.
rnorrtKan. Pou;; da que as cura ems dia*
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: nasaffeceoescutaneas t eomixoes.
PV ULAS VEUETAES DEPURATIVAS
do > Chafele, cada fraseo vrai iccompahadt
de um folheto.
AVISO A08 8RS. MEDICOS.
DEPURATIF
dn SAIVG
PLUS DE
COPAHU
Aluga-se a casa da rua do Visconde du
lotas, antiga rua do Aragao n. 18, com 2 salas, a
quartos, corredor separado, cozinba, bom quintal,
portao, e mais um quarto no quintal : a tratar na
rua da Ponte-Velha n. 20, das 6 horas da manba
as 9 em diante, na rua do Commercio n. 18, a tra
tar com o pDprietam Djmingns Pereira do Lagos.
Bonsbanhos edormida fres-
ca no Monteir).
Aluga se alii por preco commodo uma casa pe
qaena que tern 2 al*s, 3 qnarlos, eozioha e bca
cacimba, e 6 porto do no : a tratar na rua Nova,
ioja n. 7.____________________________^^^
Precisa-se de ama 4>ara cozinhar : no ar-
mazem Baliza, ma d ) Livramento n. 38.
Esta encouraqado!! !
Ajjua mole em pedra dura
Tunto da ate que a fura.
ftoM-sa ao illm. Sr. fgnacio Vieira de Vl^ii
sscrivao na cidade.de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Dnqne de Caxias n. 36, a con-
cluir aqnelle negocio que S. S. se comproraetteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
flns de dezembro de 1871, e depots para Janeiro,
passou a.fevareiro e abril de 1872, e oada cumprio;
por este motivo 6 de novo chamado para d
am, pois S. S. se deve iejiihrar que este negoci
de mais de oilo annos, e quando o Sr. seu fliho
achava nesta cidade.
Aluga-se a loja do sobrado n. 2, na rua das
Larangeiras : a tratar na rut da Praia u 6.
320 reis o co-
vado.
S6 na rua do Queimado n. 43, junto &
loja da Magnolia.
E' barato.
Cambraia branca com (lores bordadas de cores,
sio padroes muito bonitos e de gostos nunca visto,
pelo diminuto prego de 320 rs. o covado:
so o 43 e quem tern. Dao se amostras com pi
nhor.______________________________________
Leques gigantes
S6 quem tern dos mais modernos i a Magnolia
a rua Duque de Caxias n 45._________________
Gal de Lisboa novissima
Vende se em grandes e pequenas porcoes : n>
dua Direita n. 14.
Vende-se ama taverna na rua da Moeda n.
29 : a quem cornier pole tratar na mesma com
Serafim Gorges de Oliveira.
Vende-se
Laminas de vidro para vidracas .
Estanho em verguinha.
A' rua do Marquez de Oiin-'a n. 4.
Fio de algodao da Bahia.
Teem para vender Joaquim lose Goncalves Bel-
trao & Filho a rua do Commercio n. 5.
Salsa parrilha do Pai*d.
Chegada receotemenle teem para vender Joa-
quim Jose Gcncalves BeltriLo 4 Filho, a rua do
Commercio n. S.
Fechaduras de broca.
Teem para vender Joaquim Josd Goncalves Bel-
trao & Pilbo, a rua do Commerci n. 5.
ChHerdcc preto
Amaral, Nabnco & C. declarant a tens amigos
e freguews que receberam pelo ultimo vapor
de Europa, Bova remessa de cha verde e preto,
garantem sna boa qualidade e vendem no seu
Bazar Vijtoria, rua do Barao do Victoria n. 2.
Vende se uma casa terrea na rua del' ay
sandu, estrada da Magdalena, eom 4 quartos, 2
salas, eorredor indepenlente e forrada, com quin-
tal maiado : trata-se na ma de Hortas sobrado
n. 48._____________________________________
Vende-se o estabelecimento de molhados,
silo a rua de Pedro Affonso n. 61, bem afregueza-
do, tanto para o mato como para a praca, serve
para qualquer principianle em razao de ler ponces
fun Jos: a tiaiar no caes do Ramos n. 2i.
Por 600$ e barato
Vende se um e:cravo de 30 a 35 annos, 6 bara-
to, proprio para refinacao. padaria, ou mesmo
para um sitio, por ser de boa condueta e seu se-
nbor retirar se para fora : na rna de Hortas n. 96.
ArllOYEITEll
A 10000
Cambraia branca, bordada, com li-tras e de
quadrinhos, ab-rtas e tapadas, por leraati ama
grande porcao, r^solvemos vender barato para aca-
barmos.e fazenda muito larga e muito ticia, que
sempre se vendeu por 2 o metro, e estamos ven-
dendo a If a vara : so quem lem para vender
por este preco 6 Guilherme & C, rua do Crespo,
loja das tres portas. Dao-se amostras.
Gal de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpo
Santo n. 17, andar, e?criptorio de Joaquim Ro
-lrigue3 Tavares de Mello.
Fundas. Herniarias
ELECTRO -MEDICAES
Para ligar perfeitamente e curar radical
mente
as quehradui'as
Essas fundas estabelecidas sobre os conheci-
mentos meaicaes e anatonicos mantem as quebra
duras as mais volumosos e difflceis, impedindo o
seu desenvolvimento. Elles teem uma accao elec-
trica que na generalidade dos casos opera uma
cura radical sem que o doente se sujeite a pres
cripgao alguma, a excepfao do uso continuo del-
las. A cuia opera-se no periodo de 12 a 20 Ine-
zes conforme a hernia mais ou menos antiga.
Unico deposito em Pernambuco, pharma-
cia e drogerfa de Brttolomeu & C.
Rua larga do Rn.srio n. 34.
rr.iprios par? bailes.
Chegaram em boa quadra, para a loja do Passo,
riquissimos cortes de seda com largas listras
achamalotadas e linJissimas c6res; cortes de tar
latana com palmas bordadas a prata, proprios
para oailes : s6 na laja do Passo, a rua Primeiro
de Marfo n. 7 A.
Venderfe
uma casa na viMa 4e Barreiros, a ma do Coat
mercio, por preco modico : a traur eom Taa*
irmaos A C.
am
LIIJUIDACaO
NA
Loja de fazendas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores mindas muito boa* para roapa
meninas a 160 e 200 rs. o covado.
La pretas. superior, a 400 rs. o covado.
Alpacas de cores finas a 3*3 e 340 rs. o eova*
86as veaio.
Ditas com listras abertaa, fareada iaa, a 600 rs
covad).
Chi las de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Matins da cores miudas a 280 rs. o covado.
Creiones, o meflnr que tem vindo ao merrad.
400 e 440 rs. o covado
Cambraias braneat, bordadas sdtertaa, tJHM
mais Am bjm (era vindo as mercado, e fazead.
de 2*000 o metro, por 1*000 a vara ; e p*
chlndm.
Ditas pretas eom Sores miudas a 300 rs. o covad.
Cambraia transparente, fina, a 3/ a pec*.
DiU Victoria, fina, a 4JO00 a peca.
Organdy de aasento braoco e de cores, era t<
res miudas de seda e de la, a 408 rs. o covad
E' peebjneha.
Cortes da easemira de cores modernas a S#Mft
eorle ; 6 fazenda de 8d. B' peehiocka.
Caaisas da linho dots, baas, a 3&d a daaa, d f
zenda de 55*.
Brim branco da llnho a 1*400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o eavado.
afadapolio francez verdadeiro, 24 jardai, a 6
7* a peca.
Algodao T, largo e superior, a 5* a peca.
Gorgor&o preto de seda para vestido para colb
a 3* o covado
Toalbas Ilcochoadas a 4*500 a duria.
Colcbas grandes a 3*500 uma.
Cobertas de gangs, forrada*, a 3*.
Lencoes de bramante a 2* am.
Lencos de linho. abainhados e em fiiTiwhaf
3*500 a duzia.
Ditos de caca de cores abainhados a 3*500 a da
zia.
E outro* mnitos artigos que se vende por km
nos do que ontra qualquer parte para a* i
So na lorem queiram maadar ver as amostras.
enganaja de
ficiHieraie & C
Para o fabrico de chapeo
A NOVA ESPERANgA reeeben o arame propr
para armagao de chapeos.
BAZAR
DAS
FAMILIAS
M Duque de Caxias n. 60 k
1
araa
festa
Ailinii'em.
Sirop du
D-rFORGET
ICwa caiarrkes,
\ coqutluehes, liiiiiif*si
[ntrvoiai iu dn brem-
ehios loiat as rlswil
I fa peiss \nt\t so e&ei/ks
ami eolhe rehdes dette xarope D* iVoaon.
tr. Wa em Paris, nu virim., m>,
Deposito bot ca Tranceza
22 Rna da Cruz 22
EngiffiBiadeiras '
Para casa de farotlia pwdsa se de dnas boas
engomm deira qua ectendatn de cJstura e en-
cooi portao de ferro e mum cin^ento, antt9 da rnj,
da Amizade.
ALIGASE
0 armazem da rua de Pedro Affonso u. 57, e
outro no caes do Ramonj. 44": a traur no mes-
mo caes n. 42. | y
Aluga se oma boa casa,wn excellen es com
modos, a rna do Coronel Saaasuna n. 169 : a tra-
tar na mesma rua n. 171. ____________.
Aluga-se uma boa olaria, eom bom porto de
embarque, a rua do Visconde de Goyamia o.3 : a
Uatar.na mesma rua n. 65-
Lnaffl iodos,
Carles Walter, antlgo e bem conbecido relo-
joeiro desta praca, scicotiBca aos sens numero-
sos freguizes e amigos desta e de ontros pro-
vincial limitrophes, e ao illustrado pubiieo em ge-
ral que tendo mudado o seu estabelecimento da
rua da Imperatriz n. 18, para a casa n. 17 da
mesma rua, confronts ao antigo estabelecimento,
ahi se acha prompto para ese:alar quaesquer
obras de relojoaria e mechanic* ( as mais aiffl-
caltosas) como sejam, concertos e obras novas
em qualquer relogio de uso common, e chrono-
metro de algtbeira e raaritimos, e o respectivo
regnlamento destes, cuja exactidao garante dan-
do como penhr r a sua reputacao de artista (que
tem-se esforcado ate agora em manter ilieta, )
e bem assim encarr ga se de quaesquer con-
certos em instromentos de phvsiea, para o que se
recommenda aos films. Srs. engenheiros e ca-
pitals de navios mercaales e de guerra. A visa
a seus freguezes do iaterior, e de outras provin
cias, qoe qualquer obra exeootada em sna easa,
quando a receberem sera accompanhada de um
reciLo e seu, carimbo'collocado na caixa de sea
relogio afitn de eviur enganos, como garaa4ia de
ditas obras serem execuiadaa pelo meetno annan
eiante. Os pre(os serao os mais medicos pQssi-
vejs, e se obsaxvara toda preateja; na exeencao
do trabalho.__________________
Em Olifida
alugam-se tres boas cams, siu* a rua do Passo
CaafaUktoo, am S. Pedre b*o ; tnta a* ns 2,
andar do sobrado n. 73 da rna Du$tw de. Gwks,
por cima da loja do Sr. Rolim.______
Aesucar candi.
0 melhor e mais bonito, preparado e aper-
feicoado por systema novo, vendem Beitrio 4
Quintal, em sua refinacao a rua do Barao do
Triumpho n. 56.___________________________
Vicente Ferreira& Iruiao retiram-se para Eu-
ropa, e durante sua ausencia deixam encarregado
de seus negocios os Srs, Vionte Victor e Carmo
Victor, os mesmos fi:im autorisaios para usar de
sua Qrma para tolo e qualquer negocio._______
Co it ina dos a 9JHOOO.
0 Pavao vende cortinados burdado?, pr- prios
para camas e janellas, a 7* o par. u pechincha
iue. logo se acaba : na rua da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira da Silva.
Rhum nacional.
Premiado na exposigSo da Socieiade Doze
de Dezembro.
Vende se, pelo diminuto preco de I* a garafa,
na bem conhecida taverna do Lima, rua do Ba-
rao da Victoria, confronte ao oitao da matriz de
Santo Antonio.
Casa
Sotao..
Aluga-se o do, sobrado d*rua estreita do Rosa-
rio n. 28 : a tratar no mesmo.
Vende se a casa terrea no largo de S. Ji se n.
37 a tratar na rua do Marquez do Herval nu-
mero 31.___________________________________
Vende-se na cidade da Escada uma grande
casa de pedra e cal, oitoes d^brados, com sotao
assoalhado em toda a ex enslo, quintal murado,
eom eommodos basiante- para uma grande fami-
lia, sita na rua da Viraeao n. 30 ; uma dila na
mesma rua, de esquina para a rua do Rio, con
tendo armacao para qualquer estabelecimento,
occupando os fuedos com padaria, a qual se acha
completa eom todos os utencilio-' ; uma easa pe
quena contigia a mesma, e um terreno junto com
180 palmos de largura e 140 ditos de fundo, sendo
os chaos foreiros a camara municipal da mesma
cidade da Escada : a tratar na cidade do Recife,
na travessa da rna do Viseond de Inbaama n.
73 (antes do Range!), e na Escada, eom o Sr. alfe-
res Jose A. A. Campos.
Pedras de marmore
Vende-se pedras de m rmores, de diversos ta-
manhos, com duas poljgadas degros ora, proprias
para muitos misteres : a tratar com Joao Jose da
Cunha Lages.
Grande liquidacao.
Peixoto k C. resolveram 6e a liquidar o seu esu-
belecimento de fazendas, a rua do Livramento n. 24;
portanto estao dispostos a venderem mais barato
do que era qualquer parte, e para provar o qne
dizem, convidam ao respeitavel publico desta
capital para ir ou maodar ao seu estabelecimento
verificar e admirar o qua se pode ch*mar pechin-
cha e convencer-se hao que nao e possivel ven-
der-se mais barato, so m^smo quem quer aca-
bar.
VENDE-SE
o deposito de pao e bolacha da rua do Rosario
da Boa Vista n. 47, proprio para principianle : a
tratar no pateo do Terco n. 10.
A-dmirem
Granadtna de acda a 400 re.
Na Icja do Pavao vendc-se finis'ima' granadinas
de seda com H>tras assetinada*. fazenda qne sem-
pre te veudaa a 1*200, e li^uida a 400 rs. o ova-
do ; assim como maoguito3 e golinhss de cam-
braia bordadas a 1' cada um, e pechincha : na
loja do Pavao, ma da Imperatriz n 60, de Pereira
da Silva.___________________________________
6 Vende-se por qualquer preco, um s-.brado
meia-agua de 2 andares e sotao, sito a rua do
Pogo n. 18, em terreno proprio e de muito boa
construccio ; uma casa terrea, sita a rua da Pon-
te Veth. n. 47, outra na rua do Visconde de
Albuquerque 69 : aa ran da C> neei^io n. 2J.
Vemde-se
e ail
ua rua, do Viprid n, 19, primeiro andar :
Vinho do Porto engawafado, em hsrrts
anooretas.
Cera em velaa, de Lisboa, superior qiatfd^i
Retroz do Porto.
Cimento Portland, legitfmo
Vende-se uma cabra toda preta, bca leiteira,
com daas crias, mhito mansa : ca Capunga, rna
das Crioulas n. 3 J btm como uma porcao de Dia-
riot, por preco commodo.
Bartholomeu & U
PARA
Liquidacao de eonlas
vendem por barato preco
SALSA-PARRILHA
DO
PARA'
34BUA LARGA DO ROSARIO -34
Vinho verde.
Especial chegade bo ultimo vapor, ten* sau
vender em barris de qui n to e de Co lares em
decimos, no seu escriptorio a rna do Commercio
n. 5, Joaquim Jose Gonjatves Beltrao k Filho.
Reis e Silva & Gnimaries, prnnnetarios de-
bem conhecido estabelecimento de fazendas fins
convidam aos seus freguezes dramigos a sortirex
se dos artigos iodispensaveis para- a festa, artig- -
da ultima mod;, e de fino gr-st",- os quaes. se v
dem pnr modico preco, de forma que igual na -
en^ontra em ontra parte.
Atiiii de que o pnblico avalie o qne levam d::
offcrecem a sua preciosa con=iderac,io a segnin:
raen^Io:
Riqoissimas polinaises de gnrgoran p-et tics
mente enfeitadas, pelo dimiooto preco de 36x
Lindissimos casaqninhos de gorgorao preto, n
camente bordados, sendi/eurtinhc confonoe a to-
da, pelo diminuto preco de 12;ono cada nm.
Riquissimas saMdas de bail?, de la e seda, par
secmra, inleiramente novidade, pe'o diminut
pre^o de 12/1000.
Lindissimas capinhas de la e seda inteiramen
te novidade, pelo insignificante preco de 8*000
iO-S 00 cada uma.
Iti-juissimns cachinets de la e scdi, pelo diminu
to prefo de 6.!000 cada nm.
Um completo sortimento de ?apeltas com veio d
blonds, proprias para noivas, pelo diminuto prec
de 10*, 13i e 201 cada uma. E' barato E c<
mo sao lindas?!
Rlqnissimos la'inhos com flve^la, pn-pri^s par.
pescoco de senhor-spelodiminnto prejo de l*>
cada uma.
Lindas gravitinha? le cor, proprias para senb
ras, pelo diminuto preco de 14000 cada nma.
Liudissimas rosas com alfinetes, proprias par
peito de senhoras, pelo diminuto preco de 1J."^
cada nm.
Cambraias brancas, bordadas de cures a la, fa
zenda modcrnissima, pelo prec-r de 540 rs. o c>
vado.
Cambraia transparente, com duas larguras, pel
preto de 13*000 a peca.
Cambraia transparente Ana, Suisa, a 6/900
peca.
Cambraia muito fina, Victoria, a 7d2O0 a peci
Meias de cores para hnmem, pelo diasiouto pr-
co de 8/000 a duzia. E' barato I
Riquissimas caixinhas. eada nma com nma ii
zia de lencos de linho ja sbaichadn<, plo din.
nulo pre^o de 5/500, 6/, 6/500 e 7/.
Grosdenaples preto, fazenda muito superior, :
1/200 o covado.
Setim branco, Macan, fazenda superior, a 2/2
o covado.
Riquissimo sortimento de popelinas de linho, pa
lo diminuto preco de 440 e 500 rs. o covado.
Riquissimas faias de seda. fazenda modernise
ma, pelo commodo preco de 2/200 o covad*.
Popelinas de linho e seda, pidroes Intein
mente ncvos, a 1/600 e 1/8O0 o covado. V b
ratol
Grosdenapoles cor de rosa, fazenda mnito inn*
rior, a 1/600 e 1/700 o covado.
Um completo sortimento de las e alpacas de
da com listras a 700, 800, 900 e 1/. B" nraito ba
rato I
Um coraplelo sortimento de las, a 180, 100, 24f
320 e 380 rs. o covado.
Madapoloe?, Elephante, com 20 varas, a 4/401
a peca.
taadapollo, Haravi!ha, eom 20 jardas, a 5/5iv
a peca.
Madapolao francez, Madraste n. 55, a 6/200 i
peja.
Madapolao superior francez n. 60, a 7/000 >
peca.
Assim como am grande sortimento de cbitss es
curas, claras e outros artigos.
REIS E SILVA & GUIMARAES.
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA acaba de reeeber aaoei
ies milagrosos anners electricos, cura infallivel dot
nervosos.________^_____________________
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papel de nob
proprio para cigarros, de diversas larguras.
Maripoza
A. 999 rs. covasfa
S6 na run da Queimado a. 43.
JUNTO A' LOJA DA MAGNOLIA.
Maripoza bramt eom liada* aatras abertas pe
lo duqiaialo pmoo drSJO rs. o covado ;
lem qne e pechincha, sd o 43Bar*
igual.
________Dao-aa amoatras com p*ahor.
Doce fino de goiaba
Yeode- bo. deposito do patso d o Terco as. 4 e
a, peio. bauto nreo de 800, 00, t/OOOt 1/200.
6$suia como graade sortimento de caixos aosrae
nos, proprios para embsrque ; ha reqaeijao toav
as tercas-feiras e sabbados, por preco
sea
'
1 FMIIWM WEDflBI* I




Diario do Pernaaibueo -- Quinta feira 3 de Dezeinbro de 1&74.

Ao

iro
A' xt& 1 de Mar$> h. 1
Confronte ao airco le au(o
Aiilouio
Os proprielarios deste estabelecimento, lendo
gande deposito de fazendas do la, linho, seda e
algodao, e acnahdb-se proxima a occasiSo do ba-
lanoo, resclverara fazer grande rednccSo era pre-
coa, afim de qne naquells tempo nio tenham gran-
de trabalho em balances ; a saber :
GORGORAO de seda pr :orte por f J. E' fazenda que sempre custou 7|.
AMAZON AS, linda fazenda para vestidos de
aasseio, a 500 ra. o covado.
GROSDENAPLES de cores, verde, encaroado,
aranco, cor de rosa e cravo, a 900 rs., U e
14200 rs 0 covado. Quern 6 que nao comprara?
POPELINAS de linho, de qnadros e listras, bo-
aitos gostos, a 500 rs 0 covado. Aproveitera.
POPELINAS de linho e seda, gostoa inteiramen-
;e novos a 900 rs.
OITaS com listras largas assetinadas, 0 mais
moderno qne tem vindo ao mercado, a 21.
CRETONE franeez com listras e de quadrinhos
de cores e pretos a 400 o 410 rs. 0 covado. Isto
so nobarafeiio I
DITO francez de listras, proprio para camisas
i vestidos a 300 n.; pois so se vendo se pdde
crer.
ES if AO de linho e algodlo, proprio para ca-
misas, fronhas, etc., etc., com 7 jardas, a 3 $100, e
;ora 10 jardas a 4*500 a peca.
M15SSUL1NA branca, com listras, para vestido, a
400 rs. 0 covado. K' pecbincha I
MADAPOLAO france.ctm 20 varas, per 4*500.
E" barato.
CASEMIRAS de cores, para costumes (roupa de
tomem) a 34 0 covado. Ver para crer I
LAS escocezas, estamos acabauJo aos precis de
i20, 180 e 200 rs. Apressem sel
CHITAS escuras ecfaras, fazenda flna a 240,
260 e 480 rs.; so a rua Primeiro de Marco n. 1.
CHAPEOS de alpac3, para sol, para senhora, a
4000. E' admiravel I
BRIM branco n. 5, exposiijao snpenor, a 24 a
vara.
CAiOSAS de cretone franeez de cores, f 2o00
aroa.
CAMISAS brancas, inglezas e francezfi, gran-
de sortimento per pretos baratissimos.
BRIM pard trangado, para 280 rs. e400rs. 0
:ovado.
BRIM Angola, superior, a SOO rs. 0 covado; isto
6 na loja do Barateiro I
CHAPEOS de sol de seda para bomem, fazeeda
uperior, a *4o00, 9*000 e 104000.
BAHTrSTAS'niatisadas, gostos raiadinbes a 300
rs. e 360 rs. 0 covado ; so confronte ao arco de
Santo Antonio 1
LENCOS de linho superiores, abanhados a 3,
^4500 e 5*000;a duzia.
TOALHAS felpudas ?uperibres a 64300 a du-
zia. Em outra parte veodeni por 94 1
ftffilAS cruas, superiores, para homem, a 44,
14500 e 5. E' pechincha.
BOTINAS superiores para senhora, a 44500 0
par.
ATOALHADO alcoohoado, fazenda superior, pa-
ra mesa, a. 14500 a vara.
ALGODAOZINHO Lranco, com pequeno toque,
* 3A500, 44 e 4430G, e marca T, a 54* peca.
Alem das fazenda* acima mencionatas, encon-
srarao muitas outras que agradarao em qualida-
de e precos, e que pera nao massarmos a paciencia.
de nossos freguezes, as deixam- s de entimerar,
Sc no Barateiro
A' rua Primeiro de Marco c. 1.
Loja de Agostioho Ferreira da 9ilva Leal & C.
Nao se enganem
Pois sao os verdadeiros barateiros I
Aos legi&imos fogoes econo-
micos.
Acabam do chegar a esta eitfcde os ver-
iadeiros fogoes ecortomicos, ja* muito conhe-
jidos nas provlnoias do Rio de Janeiro,
Minas, S. Paulo, Sergipe, Rio^Grande, Ba-
nia e Alagoas, conde tem merecido do pu-
blico a maior aceita^So possivel, e sao ja-
preferidos aos de qualquer outro systema,
jonheuido pele sua muita solidaz, especia-
ndade na olIocaQao, moderoo systema,
e sobretudo .grende econonaia no combusti-
el ; trabslbam com lenha, coke, carvao de
madeira, etc., etc. Ha de diversos tama-
ahos, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de muita farailin, oollegios, hoteis,
:asas pias, hospitaes, etc. Acham-se ex-
postos ao publico, aonde se darao todas as
jxplica^oes uecessarias: na rua do Viga-
0 n. li
Soarps Lei Irmnos, rua do BarSo da Vic
toria n. 28, antiga rua Nova. -
III IIJn
N.72.Rua da I mp era t ri2 N. 7 2.
EM LIQUIDA^AO.
Tendo recebido diversas qualidades de fazendas qua ha tempo tiuham felto encommenda e
agora estando em liquidacao resolveu qne estas fazendas fossem .venJiJas nas niesmas cdiidi^oes o
que 6 muita vantagem para os compradores, isto no Bazar Nacional rua da Imperatriz n. 11.
Organdv* branco a 400 r. Cliales de \\ a 640 rs.
Vende se organdys branco com listras muiio Vendesc cha'es de 12 a 646, ditos tfe
fino a 400 rs. o covado. estampados a 14600 e !4-
Rtta'lhds tfe ris.
0 P*v5o,vUd!e uma ptr<-au de retalhos de Us
para Ti\-lidys ledQ ar^ndes e pci'.icnos, que li-
guida barato para acabar, asslrri cofflo uma por-1
tao de cassis e chitas pretsls qne se vendem per j
qualqner preco para acabar : na rua da Imp.r-i-'
ir i n. 60, de Feb'x Pereira da Silva.
Espartiln'os, a 3*500, 44 e 5t,
0 P.ivao vende nm bonito sortimento dos mais.. do,
1
modemos espahilnos que vende a 3^5u0, 44 e
54000.
P. chinea cm lencos branc-s a 2 500.
0 Pavao vende duzi-s de Itnjos^ finissimos de c
Cortes decasimira a
e 6|000*
Na loja do PavSo, vende-se cortes de ca-
semira para cal^a a 49, 59 e 6($u00, ditos
muito finosde uma s6 cOr com listras ao U-
fazenda que sempre se vendeu a 9$ e
105000, liquida-se a 6(8000 para acabar:
4 rua da Imperatriz n, 60, de Felix Pereira
Popelina? a i.000.
Vende-se popelinas de cores muito Qnas a IS o
covado.
Alpacas de cores a 400 rs.
Vende se alpacas de cores para vestidos a 400
rs. o covado.
Laazinhas a 120 rs. .
Vende-se laazinhas para vestidos a 120, 240,
320 e 400 rs. o covado.
Alpaca lavrada a 640 rs.
Vende-se alpaca lavrada para vestidos a 640 rs.
o covado.
Granadina a 500 rs.
Vende-se gr n.dina preta com listras brancas a
500 rs. o covado.
Percales flnas a 400 rs.
Vende-se percales finas para vestidos a ICO rs.
o covado.
Chitas finas a 260 rs.
Vende-se chitas de cdres escuras a 260, 280 e
320 rs. o covado.
Cassas de cdres a 260 rs.
Vende se cassas de core* finas a 260 e 320 rs.
o covado.
Cambraia victoria a 3 500.
Vende-se pe 4 5e'>4. Cambraia tran-p r-nie a pec,a a 3',
3jf500, 44 e 54.
Gortinados a 64.
Vende-se cortior.dos para janellas a 64 e li o
par.
a 54,
Cortes de casemira a 54-
Vende-se curtcs da casemira de cores
54500 e 64.
Co^ertas de chita a 24
Vende-se OoWtttl de chita a 24 e 24300.
Colchas de fustio a 24. i
Vende-ss colchas de fustio a 24, 34 e 44.
Fustao branco.
Vende-se fasllo branco para vestidos de senho-
ras, organdys branco Bno a 640 o metro.
Madap'ilao a 3-).
Vende-se pecas de madapolao enfestidn a 34 e
34500 a pega, ditas ditaj fino a 44500, 54 e 64,
dito francez fino a 64, 79 e 84.
Algodanzinbo.
Veide-se pe^as de algudao de todas as quali-
dades e barato.
Bramante.
Vende se bramanie de- 10 palmos para lencoes
a 14600,24 e 24500 o metn.
Algodao enfestado a 900 rs.
Vende se algodao de dua larpuras enfestado a
^)00 e 14 o metro, dilo tranr;ado a 14280 o metro.
Grande liqnidacin de roupa feila.
Vende-se cermlasde algodao a 14, ditas finas
a 14200 e 145 0. ca-rti^as brancas a 14800, 111 e
24500, ditas tie linlio nordadas e lizas a 34 e
34500, paletots de alpaca preta a 3500, 4* e
44500, ditos de dito de cores a 24, camisas de
flanella a 24, ditas de chita a 1*4.280 e 24.
Vende-se
No escritorio de Thomaz de Aquino Foaceca 4
C. Successorcs, a rua de Vigario n. 19, primeiro
andar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Lisboa.
Vinho Sbarry.
Vinho d) Porto era caixas, finissimo.
Idem em fcarris de quinto o decimo, fino.
Retroz. ,
Fio.
VENDE-SE
Na roa do Vigario n. W, vende-se o seguint e
Cimento de Portland, em primeiFt mao.
Viukc do Porto, enganafado, finissimo, em cai-
xas de duzia.
Dito dito em barris ancoretas.
Vinfaa Sherry, inglez em caixas de duzia.
Vinho Collares em ancoretas.
Cere, em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
40
;;;enmos
A NOVA ESPEP.ANCA, a ma Duque de Caxiat
a. 63, acaba de reeeber nm bom sortimente de fi-
S3S bonecas qne fallara, que riem-se e choram ;
iambem as tem medas e surdas ou scrdas-mudas
venham ver se nao e verdnde. _____________
E' com as senhoras.
A Magnolia, a rue Duque de Caxias n. 45, par-
icipa a bello sexo que acaba de reeeber da Eu-
opa, um completo -sortimento de artigos de ulti-
oa moda, e como acha desnecessano fazer um
mifadonbo an nuncio, por ja ser bastante eonhe-
;ida, e capricbar sempre em ter boas xorrespon-
lentes, sendo a primeira que apresenta b que ba
la mais moderno e por pregos mui razoaveis, por
sso limita-se a descrevcr somente o seguiate:
ittas douradas.
<3icos de cores, tanto de seda como de guipure.
Leqiies dourados, de madreperola, marSm, tar-
taruga, osso, etc.
Jahidas de baile.
Precientes, diversos artigos proprios para pre-
sentes.
ioiinhas e punhos.
Manual para missa, com capa de madreperola,
tartaruga, marfim, veiludo, etc.
iapacf ahoN de setim para baptisado.
camisa* bordadas para eenhoras.
Lisas de seda.
Pmnjae mosaicas.
iderecoa de tartaruga.
fol*a'de madreperola.
i*ulseira ^le madreperola.
Ltndas (lores para cabeca.
Solsas de veiludo.
Pci-ru m arias dos melhoree e mais afamadog
fabrieantes.
cuapeoi de sol para senhoras.
Pita* de veiludo de todas as cores e larguras.
Moscas.
(Juereis livrar-ves destes malditos iasectosfcom-
jrai uma maehiua de matar moscas por 34000
aa Magnolia, a rua Da^ue de Caxias c. 45.
Calvice.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, vea-
ls o verdadeiro Vigor de Ayer, qne impede a
ubida dos cabellos.
Sardas epanos.
36 tem sarda* e panos qnem qner; porque a
Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem para
render a veriadeira Cuticuleria, que faz desappa-
ecer estas manchas em poucos dias.
Wilson howe Si C. vendem no sen armasa*
a rua do Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao azul amencano.
Exceliente fio de vela.
CogB&c de 1' qualid&de
Vinho de Bordeaux.
Carvao de P6dra de todas as qualidadss.
Pentes girafe.
Pentes girafe, proprios para senhora, ( ultima
moda) : a Magnolia a rua Duque de Caxias u. 45
e se quem tem.
Papai, mamai.
Como sao lindas as bonecas de cera qne cha-
oiaro papai, mamai, choram, andara, etc. So na
Magoolia a rua Duqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, ga-iolas.
A ilagnclia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu gaiolas de arame de lindis.-imos modelos,
Kroprias para passaros ; a ell is antes que se sea-
em._______________________________________
A 120 rs. o eovado.
fit rua da Imperatriz n. 60, vende se para aca-
bar uma grande quantidade de las, restos de di
Nersos sortimeetos, desde 120 rs. ate 500 rs.; no
lando-se que, quango havia sortimentos corople
jtos, se vendiam a 14280 e 14600 o covado, in
] grande variedade em padroes, os que primeirc
' ch3garem melbor peenmeha farao, a ella a rua &>
Imperatriz n. 60.____________________________
Na loja do Pavao vende-se madapolSes franee-
zes muito incorpados, com 2C jardas a 6,000 reis,
dito raaitn fino com 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as-
sim corao nm grande sortimento de madapolSes
inglezes de 4,500 ate 8,000 e 9,000 : a rua da Im-
peratriz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
E' BOM SABER-SE |
Que a NOVA ESPERaN'CA, a rua Duque &i
Caxias n. 63, bem conhecida pcla snpertoridade de
seus artigos de meda e phanlasia, acaba de reee-
ber diversas encoromenoas de mer adorias de sua
repartivao, que peia eleganci bem mostra aptidao
e bom goto de sens autiges correspondentes da
Europa, e por este razao a NOVA ESPEKANCA,
a nia Duque de Caxias-n. 63, ennrida a sua boa
e constante freguezia e com especialidade ao sexo
amavel, a visitarem na, afim de apreciarem at6
jede toca o p: kcor darte.
A NOVA ESPERANCA nao quer entrar no nu-
mero dos massantes (verdadeiros azucrins) com
extensos annuueios e nem preteada descrever a
imraen3idade de objnetos que tem expostos a ven-
Ja, o queseria quasi impossivel, mas limitar se-ha
a mencionar alguns daquclles de mais alta novidade
e toma a liber ade de aeonselhar ao beHo sexo,
qne a visltern constantemente, para depois que
comprarem em outra qualquer parte cao se arre-
penderem, a vista do bom e escolhido sortimento
que ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
bem demonstra que qualquer senhora do bom torn,
nao podera completar a elegaocia de sen toilet
sem que dS um jasseio a NOVA ESPERANCA, a
rua Duque de Caxias c. 63, a qual acaba de reee-
ber osseguiot 8 artigos de Iihco e inteira novida-
de :
Modernas settas para prenderos cabellos
Primorosos leqnes de phantasia.
Bonitas sahidas de hailes para senhoras e meni-
nas.
Interessantes gravatas para seaboras.
Elegantes fachas de touquira.
Rons aderecos de madreperola.
Delicados adeVecos preios de pufalo e borracba
(gosto novo).
cambraia branca para m3o, sendo fazenda que
sempre se vendeu a &j,CO0 a duzia e li(iuida-se a
24500 por ter grande porcao de duzias, ditos abai-
nbados a 2,, ditos chioez s muito linos e ditos
francezes escuros mu to Qnos para quem toma
merin6 rape\
Cassas de cores a 240 rs.
Vende se cassas de cores para vesliio a 240 rs.
o covado : na loja do Pavao a rua da Imperatriz
n. 60.' .
Camisas.
Vende-se nma grande porcSo de camisas bran-
cas com peite de linbo e de algodao, por muito
menos do seu valor, por estarem nm pouco enxo-
valhadas, assim como st-roulas francezas e de al-
godao a 1-. 500, ditas de linho ai; e 2 500 para
acabar : na loja do PaV5o rua da Imperatria n. 60
de Felix Pereira da Silva.
Roupa para homem para acabar ate ao fim
do anno.
Na loja do Pava > liquida se uma grande porcao
de roupa para homem' como sejam : calcas de
brim d Angola, ditas brancas, ditas de casemira de
cor de 03 ate 12}, ditas de brim de ceres, palitots
e fraks de panno preto, de alpaca e a'pacao, as-1
srm como de casemiras de ceres, colletes brancos,'
pretos e de cores, ,',ssim como roupa branca de to-'
das as qualidades, nao se olha a prejuizo, o que se
quer 6 liquidar ate ao fin do anno.
Cambraia Victoria e transparente
Na loja do Pavao' vende-se um grande sortimen-
to de cambraia Victoria e transparente para ves-
tidos tendo 8 1/2 vara cada pessa de 3.600 para
cima, isto na rua da Imperatriz n. 60 de Felix Pe: j
reira da Silva '
C.'lIarinboB de linbo para acabar a 4 ;
a du?ia
Na loja do Pavao liquida-se uma grande porcao
do duzias de collarinbos de linho, por estarem um
pouco eoxovalhados, pelo barato preco de 4 a
duzia, sendo fazenda que sempre se vendeu por
Z e pecbincha : a rua da Imperatriz n. 60, loja
de Felix Pereira da Silva.
Cbales de casemira a M.
0 Payao vende chales de casemira com gostos
chinezes, sendo muito grandes, que sempre ven-
deu a 74 e 8,', liquida a 4;. Ditos de la, muito
encorpados, com listras, a 3:. Ditr-s de quadros,
azenda muito boa 2- ; assim como, um bonito
forli-neolo de ditos de, merino, lisos e de quadros,
vende de 2# ate 5; e 64 : a rua da Imperatriz
n. 60, loja do i'avio, de F. Pei'ara da Silva.
Popehna de linho a 400 rs. o eovado.
0 Pavao recebeu um elegante sortimento das
mais bonitas popelinas listradas para vestidos que ]
veude pelo oarato preco de 400 rs. o covado, la-
vando se nao desbbtam ; assim como, bonitas e
moderoas lazrahas com listras de seda a 640 rs.
o covado. Ditas transrjarentes com pakninhas a
300 rs., sao bonitas. Bareges de uma so cdr, pelo
barato preco de 400 rs. o covado, e pechincha :
na rua da Imperatriz o. 60, loja de Felix Pereira
da silva.
Cortes de vestidos p*ra liquidar.
Para concertar meias
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Caxu.
n. 63, recebeu rtesta necessaria linha.
Asunieas verdadeiras
rricbas hamburguezas qne vem a oste mrcac
na u* do Marnnez deulmda ".61
-WjBS % ll"Sl K4 o s.tio junto a igre-
ja de S. Jose do Mangu nho, com casa de vivenda
assobradada e outras acoramodac5es, tudo mnra
do, com dnas frentes.-erviias por portao de ferro.
dando para a rua d Amizade e para a do Man
guinho. Tem de terreno proprio 194 palmos de
largura e 354 de fundo ; e a ca-a m de 52 palmo?
de frente e 84 de fondo. A sitnacao e a melhor
pnssivel para morada, e quem quizer edificar, tera
bastante terreno para iste, pelo lado da rua da
Amizade. Tem a gumas plantacoes de gozo e re-
creio, havendo bastaute sgua fornecida por duas
cacimbas, uu:a das quaesenova. A entender-se
com o Sr. Dr. Witmvio qn-m o pretender.
A 500 rs. o covado
Na loja do Pavao vende-se lazinhas japonezas
de cores muito modernas pelo baratissirao pre?c
de 500 rs. o covado, para acabar ; notando-se que
e f3zenda que jamais se vendeu por menos de
dois cruzados ; ja ha pot.cas : a rua da Imperatrn
n. 60, loja do Pavao, de Felix Perei'a da Silva.
Lazinhas brilhntites a 720 rs.
0 Pavao recebeu um bonito sortiment) das mais
lindas lazinhas briihantes, sendo de quadrinhoo
miudinbos, parecenlo de m,.a so cur, e tendo diile
rentes cores ; esta fazenda tem um brdhe corns
seda e bastante largura, e vende-se a 720 rs. o
covado : na rua da Im, erairiz n. 60, loja de Felix
Pereira da Silva.
Lazinhas modernas ? 320 rs.
0 Pavao vende booitaa lazinhas de qnaJrmhos,
tendo de todas as cotes, pelo barato preco de 320
rs. o covado; sendo fazenda que sempre se vendeu
a 500 rs., e pechinesa : na rua da Imperatriz n
tO, loja de Felix Pereira da Silva.
Crochets para cedeiras.
0 Pavio vende uma porcao de panos de cro-
chet, proprios para eacosto de cade fas, que vende por prec/is batatissimos: na rua
da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da
Silva.
C6rtes de organdy a 23i00
0 Pavio recebeu um bonito sortimento de c6rtes
de organdy, matisad is, para ves;ido, que vende
pelo baratissimo prego de 2 400 o corte, 6 pechin-
cha : na rna da Imperatriz n. 60, luja de Felix
Pereira da Silva.
fiiV
I
A TIC
3 64 x* de cam- A' praca circular do Apollo
Colchas para camas
Na loja do PavSo vende-se colchas de fustao
brancos, para cama a 2,500, ditas de dito de eor
a 4,000, coberus de cbita e de crelone, de 2,500
para cma e ditas de metim escarlate forradas com
madapolio a 5,000 : a rua da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira de Sflva.
Sedinhas 4 1^500 o oovudo.
Venham antes que se acabem : na loja do Paw:
a roil." de Marco n. 7 A. ^^^^
Salsa-parrilha do Pard
Tem para vender Antonio Luiz de Olivsira Aza-
vedo, no feu e*:.riptorio, a rua do Bom Je-us cu-
mero 57.
s
accos
Vende e saccos de estopa c^m um pequeno
defeito, proprios para ensaccar farinha, milho, etc.,
pelo diroinuto pre^o de HO rs. cada um : na lo-
ja do Guilherme i C, a rua do Crespo n. 2<>.
Casaquinnos
CUsaquinhos de gorgorao de seda, pretos, pro-^
pries para senhoras, Fazenda muito fina que sem-
pre se vendeu por 204, estamos vendendo-por
64 cada um ; isto so na loja do Guilherme & C.
a rua do Crespo n. 20.
Linlio d'Alsada
Linho de Alcacia com listras, abertas, fazenda
muito larga, padr5es lindos e inteiramente novos,
proprio para vestidrs de senhoras e.meainas, pelo
baratissimo preco de 440 rs. o covado; dao se
amostras : a rua do Crespo n. 20, loja do Gui-
lherme & C.
Sareelim
arg
Sargelim de c6r trancado proprio para forro de
vestidos e outra qualquer obra e vende se pelo
diminuto pre^o de 160 rs. cada covado : a rua
^ Crespo n. 20, loja do Guilherme & C.________
CASA
Vende-se ou aluga se nma casa terrea em Olio-
da. com grandes cummodos, gaz e agna encanada :
a tratar na rua de Marco n 6. __________
Cimento Portland
0 verdadeiro cimento Portland em barricas de
180 kilos : vendem Lebre & Reis, a rua do Amo-
rim n. 58.____
Farinha demandioca supe-
rior.
Tem para vender, Joaquim Jose Goncal-
veg BeltrSo & Filho, a bordo do palhabote
Rosita, fundeado ao pe" do caes do Collegio,
e para tratar a bordo ou no seu escriptorio i
a" rua do Commercio n. 5.________
Nova remessa,
Vinho verde de Amaranfe
Convida-se os apreciadrres a virem apreciar o
que ba de mais exceUeate neste artigo; vende-
se em decimos e a letaiho, em casa de~P6cas
k C, a rua estreita do KosaciO n. 9, f junto a
greja.
Festejos
Grande liquidacao Je fazendas finas e de
melhor gosto, para vestidos de festa.ua
loja n. 44, & rua Duque de Caxias.
Popelinas de modcrnissimoe padroes, covado a
600 rs.
Ditas de ditos a 1 5200.
Ditas de ditos a ia'.
Ditas de ditos a 14600.
Cambraias organdys de patJroes e cores inteira-
mente novos e modernos, covado 320 rs, c6rtes
de cambraias brancas para vestidos, bordados e
com babados, a 64.
Chapeos mader-os, gosto allemSo, para senhora,
proprios para a esty<;ao da f?sta, a 24500.
Ditos de diversas qualidades, para homens, pelc
barato preco de 24 24500, 34 s 44-
Camisas france*as e in?lezas, de diversas quali-
dades, a 14e0, 24. 2 501 e 34-
Collarinbos de lioho, lisos e bordados a 400 rs.
Toalhas de linho para rosto a 400 rs.
Lencos fiu->soro barra, duzia 14400
Ditos ditos trances, duzia 1 SOU. [
Melins esc cezes, inteirameato novos, proprios
ptacraa mbres, covado 240 rs.
Meias flnissimas, para senhora,fJuzia a 3:500.
Lazinbas, *hitas, cambrias, flwwlapoli'ies^ algo-
dees, brins, 1 por pre;os baratissinos, bem como
outros muivos art gos que se acham expostos para
es amigos ao bom e do barato, por 25 OjO menos
que em outra qualqner parte, flcalmenle tudo,
tndose acha em liquidacao. _____________
Oraia branca com edfeites bcrdados de c6r, fa
zenda que sempre vendeu a 74 e ^4, e liquida^
44'Pra acabar. Ditos brancos de cambraia aber-
| la com littras e lavradinhas, que sempre se ven-
[ deram a 104, liquidam se por 54. DiU.s Benoatao
corn llndds' eufeites 'de c6r, fazenda que vali2j,
Mquidam se a 6a. Dims de cassa de cores com
7 -varas a 84 ; 6 pechincha : na rua da Impe-
1 ratrix a W, loja de Felix Pereira da Silva.
Pechincha para criancas.
Meias a 22500a duzia.
Tnalbas de fustao iara mesa a 2.300.
0 pavao vende toalhas de fustao p;ira mesa de
jantar pelo bar- lo preco de 24300, i pechincha :
na loja do Pavao, a rua da Imperatriz u. 60,
Mcjade F. T. da Silva.
1 Gros preto a 14-
0 Pavao vende grosdenaples preto a 14 0 co-
vado e dahi para cima, ale 4 : na rua da Impe-
rairiz 0. 60, loja de Ftlix Peieira da Silva.
Brins de Angola a 24, 2.-500 e 34-
O Pavao vende cortes dos verdadeiros bins de
Angola a 2;, 24500 e 34 ; e pecbincha : na rna
1 da Imperairiz a. 60, loja de Felix Pereira da
! Silva.
Metins a 280 rs.
0 Pavao -vende bonitos metins de cores para
! vestidos, peio barato prego de 280 e 320 rs. 0
: covado; assim como, um bom sortimento de chi-
tas de todas as cores, padroes modernos e flxos,
j pelo barato preco de 280 ate 360 rs. : a rua da
imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da Silva.
vende-se:
Tijolos de marmore, de differentes ta-
manhos e qualidades.
Tijolos francezes, sextuplos.
Cimento Portland verdadeiro.
Azniejos grandes muito proprios
para rodapes.
Azulcjos vcrdes e amarellos, tamanho
regular.-
Hu(|iiisia') de descr.rcgar algodao.
Cadeiras de ferro, assento de palhi-
uha, propriaspara campo.
Para p darias e taveraas
Sal fino e muita alvo : vende-se na rua Imp 1
rail n. 5, armazem.
Vende-se
um -terreno em Beberibe de baixo, om 50 palmos
de frente e 500 de fundo : a tratar ua rua de Vi-
dal de Negreiros n. d37. _______
# GRANDE
Liquidacao
DE
Chapeos de sol de todas as
qualidades
Mm. Falqoe convida ao respeiuvel publico e
particularmente^os sens fregnezes, para que apro-
veitem a occasiao de sortlrem se de chapeos de sol,
os quaes se vendem por baralissimos preeos, pois
deseja dimlnntr 0 grande deposito qua tem dos
mesmoe, e do todas as qualidades, comoeejam :
de seda, panno e aluaca. para homens, senhoras e
meninas. No nusrao estabelecimento ha um Op-
timo sortimento de sefla, alpaca, merind e btlm
para cobtrta dos mesmos. Ha laoabem chapeos
de panno com doua forros, proprios para os ba-
uhos do mar, a 1.500 para acabar.
Qual 6 a loja que vende ba-
rato?
E' na rua do Livramenfo n. 4,
O que vende ?
Queira ler para saber.
Fazendas, chApeon e roupas CcAtas.
Perfeito sortimento. para todaas classes.!
Pannos finos e casemiras, brins de linho branca,
pardo e de cor, ditos de Angola, ditos fie algodao
brando e de ccr, gangas de liobo e de algodao,
de c6r e amarello, madapolao de diversas quali-
dades e precos, algodao branco de listras e azu
de varias u.areas e \ rpfos, chitas, metins e pet1
cales, b^ptistas brancas e de cdres, brifbanrlnas,
alp cas de lindos desenhos, ditas coaa pal mas de
seda listras de Eeda, ditas pretaa e brancas,
chapees de sol para bomem e senhora, meninos e
meninas, ditos para cabeca de homem senhora,
meninos e meninas, ba grande variedade aonde
se vd os 4e castor a 14 e 24, camisas de todas
as qualidades e precos, para bomem e menino,
ditas de me as, ceroulas de precos de um a tres
mil r6"is, calgas, colletes e paletots, bavendo gran
de quantidade para escolher a vontade ; tambera
ba cambraias branca* e de cores ; assim como,
muitos outos artigos que deixamos de pnblicar :
cheguem ao amigo do bom e barato, a roa do
Livrame no n ti.
0 Desengano esta quei-
raando
0 proprietario deste estabelecimento tem resol-
vido vender as fazendas existentes em seu estabe-
lecimento, por mends do que em outra qualquer
parte.
Vanzinese de seda.
Vende-se estauiwenJa de lindos pat; ^es, de lis-
tras e pa I mas, pelo diminuto prego do 320 rs. o co
v.,Jo, por ler uns toques de mofo, e grande pechin-
cha. Esta fazenda tambem serve para Into, por
ser toda preta.; & fazenda de 24500 o covado.
Damasco de la.
0 Desengaao *sta vendendo damasco de lade
lindos padroes ede duas larguras, pelo baratissi-
mo preco de 14000 o covado, 6 fazenda de 24500.
Aproveitem que o Desengano esta queimando.
Casaquinhos de gorgorao de seda.
0 Desengano esta vendendo casaquinhos de gor-
gorao de seda, enfeitados, pelo baratissimo preco
dot4000 cada um, e grande pechincha. A elles
antes que se acabem.
Organdys a 320 rs. o covado.
Veadem-se Organdys de listras, branco, pelo ba-
rato prefco de 320 rs. o covado. Aproveitem.
Madapoloes de 4$000 a pera.
0 Desengano esta veadendo madapolao francez
com 20 varas a 44 a peca ; dito muito fino, a 54,
54500, 64 e 74 a peca '< e grande pechincha.
AjgcdiO marca T, largo, a 44, 44500 e 54 a
pe?a.
Bicos chapeos de sol de seda, com cabo de mar-
fim, a 124 cada nm; e pechincha.
Baptistas de lindos padroes a 400 rs. o covado.
Lazinhas de cores, bonitos padroes, peio diminu-
to preco de 160 e 200 rs. o eovado. A ellas antes
que se acabem.
Cambraia Victim, a 34500, 44, 44600 I U a
peca.
Alpacas de core?, la e_seda, bonitos padroes, a
500 rs. 0 covado ; e grande pechincha.
Metins de cores, bonitos padrJSes, a 280 e 300 rs.
o covado.
Chitas Claras de lindos padroes a 240, 260 e 280
reis.
E Outras muitas fazendas que dr-ixa de mencio-
oa-'as parra nao se toruar enfadouno, por isso o
proprietario convida a todas as pessoas a fazerem
uma visita a seu estabelecimento, atim de sorti-
rera-se do ben) e barato. Una do Crespo n. 25,
junto a loja da esqrfina.
E' sempre assim.
ao sexo amaVel.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, toma a liberdade de avisar ao bello sexo, que
acaba de reeeber diversos ai tigos dealta novi-
dade, os quaes estao expostos a vutida em dito
estabelecimento, e bom que veoham aprecial os
para por esta forma satisfazerem os caprichos de
suas elegantes toilettes.
A Nova Esperanca, nao qm-rendo tornar-se
massante, limita se a mencionar alguns artigos
dos mais em vega no mundo das modas, os quaes
sao os seguinles :
Lindos cintcs de couro e Bligrana.
Modernos bctdes de aco para vestidos.
Novos leques, grandes, matisados.
Elegantes fivellas de aco para vestidos.
Delicados ramos de (lores de laraniteira.
Bolsas de couro e Cligrana, proprias para tra-
zer pendentes ao cinto,
\ilo ha qnem vontla mais barato!
Gama & Brilo, com armazem de molhados na
largo da Santa Cruz ns. 2 e 4. vendem manteiga in-
gleza em barril a 800 e 1,000 rs. por cada 130
grammas; vinho de mac5 a 1,200 a garrafa, dito
Figueirua440 a garrafa, a Canada a 3,400 rs.,
gaz (Davos) liquido ai40 a garrafa, velas stearinas
a 560 o maco, velas economicas a 760 o maco,
cha pefola a 3,206 rs. cada 450 grammas, dito ai-
jofar superior a 3,ood rs. cada 450grammas, um
completo sirtimenlo de biscoitos em latas, qua f e
vendem por precos baralissiraos, heivilhas france-
zas a 640 a lata, marmelada muito flna a640 rs.
a lata cfjm meia kilo, queijos frescos, azeite doce
de Lisboa a 640 a garrafa, assucar de primeffa
sorte a 320 ra. o kilo, dito de segunda sorte a 28
o kilo, dito de terceira sorte a 240 o kilo, vinho do
Porto, em barril, a 800 rs. a garrafa, dito engar-
rafado das marcas mais acreditadas a 1,000,
1,200 e l^OO;: o que pode) haver de melhor e
tndo mais & vontade dos compradores, certos de
que encontrarao a maior slneoridado eagrado
possivel : no largo da Santa Cruz ns. 2 e 4, arma-
zem de Gama & Silva Brito.
Breu, breu, breu.
No armazem de Jorge Tasso, rua du Amorim n.
37, eno caes do Apollo, aimazem de farinha de
trigo, do commendador Tasso.
Traves.
Vende-se traves de louro e qualidade ; para
ver no caes do Ramos, e trata-se com Joaquim
Rodrigues Tavares de Mello, a pra^a do Corpo
Santo n. 17, 1.* andar.
Sal do Assu.
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo, a bordo do palhabote Johen Arlvkr : a
tratar com o capita' a bordo, on no seu escrip
torin. a rna do Bom Je>os n S7.
E' pechincha.
A 160 rs.
Lazinhas de cores, padroes muito lindos pro-
prios para vestidos de senhoras e meainas, e ven
de-se pelo diminuto preco de 160 rs. o covado,
por este preco so se encontra na rua do Crespo n.
20, loja de Guilhejme & C. ; dao-se amostras.
E beqito
As almofadas bordadas de la matlsadas que r-
cebeu a Nova Ewperanca, a rua Duque de
Caxias p ^_______________________________
E' com as noivas
A NOVA ESPERANCA, rua Duque de Caxias n.
, acaba de reeeber boas meias de seda propriai
para noivas, e os apreciaveis ramos de larangeira
Lustres, candieiros e aran-
dellas para gaz.
No novo estabelecimento, Grande Exposicao, na
rua do Imperador n. 35 junto ao escrtptorlo da
eompanhia do gaz, vendem-*-- lustres, candieiros e
arandellas de uiff.r--D.es tamanhos e modernos
gostos, tanto de vidro como de bronze, e tudo dos
melhores fabrieantes que ha na Inglaterra. Tam-
bem se vendem globes de bonitos padroes, chumbo
e tado o mais qne for preeiso para 0 strvico do
gaa G como os donos deste estabelecimento man-
dam vir de conta procria e se querem aereditar,
veodem tudo mais barato do qne qualquer outro,
para o qne os compradores podem exper'mentar.
Alia ii-svlil lie,
0 Barateiro, a rua de Marco n. l, acaba de
reeeber grande sortimento de enticmeios e babadi-
nhos tapados e tian~|iareiite$, de todas as largu-
ras e vende a 1,000, 1,200 e 1,500, fazenda que
sempre castou 2,500; a nma experencia n6a os
convidamos
ara senhoras
Salsa parrilha
Muito novae grossa,
Vende-se por barato preco, em porcao at rt^-
talho : na rua larga do Rosarki n. 34,
PREDILECl A
A' rna du Cabuffa a. I A.
Os proprietarios da Predilecta, ao iBhii 6*
^onservar o bom conceito qne teem merecd*
respeitavel publico, distinguindo o sou
mento dos mais que negociam do inetow \_
veem scientifit:ar aos seus bons frcgueza* ^mt yr-
veniram aos seus correspondent ua.< divers*.* jar
cas d'Europa para lhes enviarem p r :
quotes os objoctos de Inxo e bom goate, jam mais bem aceitos pclas suciedades t'.-rfmim
laquelles paizes, visto aproximar se o Imm la-
Testa, em que o bllo sexo desta Hoda vaaa
mais ostenta a riqueza de snas to:IIett ; e >
mo ja recebessem pele paquete francez ij**rt*
irtigos da ultima moda, veem pilaattar j^o
1'entre elles que se tomam mais recoaMaezti. ;
asperando do respeitavel publico a cn*:z
concurrencia.
Aderecos da tartaruga os mats Hades <&*
vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperua im
/elludo, sendo diversos tamanhos e baraM ;r
os
Aderecos completos de borracha pre pr>\* ^ara.
Into, tambem se vendem meios aderecos moiv> at-
attorn,
BolSes de setim preto o de corei para r-j.*~ t:
pestidos de senhora ; tambem tem ,>ara
valitoL
Bolsas para senhoras, existe um belie n>:'.*c
der soda, de palha, de "chagrun, etc., eta, par
barato prer^o.
Bonecas de tcdos os tamanhos, tac:o O .. agi
como de edra, de bor-acha e de uia^sa ; rStaaaar-
mos a attencio das Exmas. Sras. para este aras.
pois as vezes tomam-se a< crianca-^ um pootf i*r-
pertinentes por falta de um obiocto qua u.
'rc'.enham.
Camisas de linho lisas e com psiioa bcrfi^u.
. ara homem, vendem-se por preco cjincsodr.*.
Ceroulai de linho e de algodio, d- divemts -
cs.
Caixinhas com masica, o que ha de n,
com disticos nas tarapas e proprios para prr?t-
IB
Coques os mais modernos e de i:r*r-'3 :.: ..i
tos.
Chapeos para senhora. Iteceberau. cia acrtiaMdto
da ultima moda, tanto para s:ah r MBS meninas.
Capellas simples o com v6o aan mvaa,
Calcas bordadas para menina=.
Kutremeios estampados e bordados, -J* Hr4m
teseohos.
Sscovas eleciricas para deutes. tem a proart
dade de evitar a carie do- dentes.
Franjas de seda pretax e de cores, exist* as
jrande sortimento de divercas larguras a bars*
preco.
Fltas de nria. i >p a > e
nalote, de diversas larguras e bv is corn
Fachas- de gorgorao mni'o liod.s
Fi. re* artificiaea. A Predilecu ,Tima i.
ervar sempre um belin e gran-le .-irtiti
las flores, nao so para eofeiie ,i.,. i-.i,-,.
ambem para ornalo do vaflMa de h-hv**.
(aloes de algodao, de la e de seda. hi i;:: r
os e: de diversas cores.
Gravatas de seda para homem n: raa
La^Oa da cambraia e de eda de riiveri.
para sennora.
Ligas de seda de cores e branca- aapl.--.._ ,an
aoiva.
Livros para ouvir missa, coin c-ipa.- d>< c>aw>
oerola, marfim, osm- e veiludo, tudo one to
bom.
Pentes de tartaruga e martini para .m.-ar -
t-ePos ; teem tamb.'m para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimeuto '.e l
perola, marlim, osso e d-urados p r barato r _.;
Perfuraariai. Ne.-te artigo e?ta a PreaHeet t~"t
provida, nio to era extractos, com- *:o
oarJias dos melhores odnres, dos mais ai-ri *
fabrieantes, Louhin, Piter, Sociedr-1* Hygii--
Condray, Gosnel e Rimel ; ir. ind r cv.
* festa.
Saias bordadas para enhora, por ^ preco.
Sapalinbo* de la e de setim kafCaaaa .para kaa>
tisados.
Tapetes. Iteceben a Predilecta nm bonito wr*
nento de diversos tamarhos, tanto para s*^a r;
mo para entrada de saias.
Vestimentas para, baptisado o qu na tvsto e os mats moderno recebeu a Prediiecfe.
de or arrto preco, para fk-ir a" rItsw
lualqner bolsa._____________________________
Chocolate do Maranhao
linico deposito nesta cidade, em eaaa de
Tavares Carre-ro & C, roa Direita u. 14, ml- *
vende pelos precos e vantafaai da 'M -ica.
Rua 1 deMi.rco n. H
Gusmao & Leal receberara grande atjantidat:
cortes de casemira p^.ra calca, e vend--r p-.r ,
cada corte, assim como vendem m llnfltan .
vestidos, fazenda licda, por 400 rs. o ravatf i, f.j z.
da de 800 rs. : >6 n. rua 1* de Mar n n I
Chegaram a ioja do Ur.zw
das Familias
& rua do Duque de C;xlu* at. JO %
ffo para as seuhi-raa
Riquissimas lisinbas de seda bordai-aa, aiaa za.
vidade, proprios para as senhoras a ^aem in rv
comraendamos nor serem mnito Undo*
encontram no Bazar das Familias, por :>t
menda propria I
Lindi-aimos mangnintos de cambraia b-rlad-^.
inteiramente novidade ; fazenda quo so o li-***
das Familias e qnem tem
Riqniss-mas golinbas de cambraia borda,!a-
bicos de gripure e crochet, fazenda nun.-?.
pOr ser a primeira vez qne vem ao n.er\> !r
o Bazar das Familias e quem rectbeu ; assim <>
mo outras novidades de apnrado g"atD,
se encontram no Bazar das Familia-; as.'im mm.
pedimos as Exmas. Sras. afim de o vi-itar,
se veriScar dos objectos aciraa e-, cif\c
rua do Doque de Caxias n. CO A.
Cura das hernias, pelas fun -
das de borracha.
As melhoros e mais aperfeicoadas 'as :.;i
nhecidas.
Vende-se
aaa
Pharaaaaeaa e Drajcarir.
de
BariolODfo C.
A'
34. Rua larga do Rosiriu |
Vaccina. Vaccine.
Tendo b Sr. Dr. Jose I.mrenc '- 1apMaWa
montado na corte am completo set -ic<' i'st ar-
tigo, tem aqui aberto um deposit-- da meNkar
mais recente, cujus tubos se encoiuraia am
Pharmacia e drogari.-.
A
_______34rua larga do Rosario '\
Imperial fabrica le rapli
ar^a lina de Moreira & C,
da Bahia.
Deste excellente rape, qne se t- ..
davel aos am antes da boa pitada .--..i .. -!-ei
do esta fabricioseu deposito a raa -' l'iiaf
cio o. 5, qie vendem por junto .-'bo. (a
zendose vantagem a qaem eomp < So.
Como s5o lindas e moilernas as gravatinhas irnt
a Magnolia, k rua Duque de Caxias n. 45, acata
de reeeber I

Oiind
a

Boh aequiii
Ven-'e-se ura sobrado ito na ,
Olind.i. ediflcado em cbio propr ,
.c->"iuiodcoes para nuroerosa '
rail-1 e pintado de o.-v -, com k
mui'11 're co e com quintal: a <
de Pedro II n\ an Ur.
a .
' .
..tti
a t
' r


8
3iario de Peraambuoo Quiiita feira 3 de Dezembro de 1874.
SCIEHCIAS E ARTES
Academia Imperial Ie> Hc-
dioina.
Officio relatorio opresentado p>r essa cor-
poracdo ao governo imperial acerca da
epizootia no gado do Rio-Grande do
Sul.
(ConclusSo.)
Damlo conU de sua commissao o veteri-
nario Carlos Remy ao conselho de hygie-
ne, que o havia encarreg'do de examinar
a oiizootia que ataoi o parti lo da Sin J ise
de Fldres, onde pile obsorvar a molestia
em suas didVentes phases, declara qua dia-
gaosticou-afebre aphthosa com fdrma
epizooticaassignando-lhe por symptomas
mais oa menos os referidos pelo conselho
de hygiene.
Agora, quanto ds causas determinantes do
seu apparecimento. diz elle, que post) seja
muitas vezes difficil encontra-las, visto como
a doenga se pode desenvolver, como se
tem observado, tanto nas montanbas eomo
nas planuras, nio se deve n entretanto bus
car sena > nos grandes chuvas acompanha-
das do intenso frio que houve, assim como
em uma constituigao epizoolica que nasce
facilmente sob a influencia da humidad-;
prolongada.
A' vista daexposigao fuppra parece cla-
ro, que a epizootia que rein tu ms repu-
blicas platims em 1870 foi a febre apblo-
sa, de indolc benigna, segundo' o testemu-
nbo aos homens profissionaes, e que nada
autorisa a dar-lhe o caracter de trnnsmissao
ao homem : que foi uma epizootia daquel-
las <"[11 > qii.ni 1 i convenientemente tratalas
naopodem comprom"tter grandemente os
interessses geraes, nem prejudicar muito a
saude publica, atteuta a opiniao de autori-
dades respeitaveis que sustentam a inno-
cuidade do emprego da carne dos animaes
doentes como alimmto.
Entretanto a academia cao pode deixar
de ponderar que sempre que fdr possivel
em taes casos evitjr a prorogagao da moles
tia se devera" fazel-o, sobretudo se se r>co-
nhecer que causas locaes de insalubridade
ou outras podem favorecer sua gravidade,
fazendo retirar para lugares maissaudaveis os
animaes que nao estiverem ainda contamina-
dosdo mat; assim como quecjinvem obstar
o mais possivel e prohibir-mesmo o uso dos
alimentos provenientes de animaes doen-
tes ; porquanto esta convencida que s6 se
devedarao consumo a carne de animaes
em perfeito estado de saude, porque quan-
do outro inconveniente nao results das car-
nes doentes e para receiar que as perturbu-
bag<5es de nutrigao a que estiveram elllas
sujeitas, influam desfavoravelmente na dos
consumidores, e acarrctem inconvenientes
mais ou menos serios.
Talvez a falta de cautelas convenientes
na occasiao de seu reinado se daw o ter ella
invadido a provincia de S. Pedro do Rio
Grande do Sul, aonde tambem nao fez gran-
des estragos, segundo se collige da breve
noticia que que a seu respeilto deu
o inspector de saude da provincia ao pre-
sidente da juuta de hygiene em seu relato-
rio de 1870. Tratando-so deste assumpto.
faz sentir que esta epizootia foi mais notavel
por sua dilfusao do que pelos estragos que
cousou, apezar de sua invasao a fazendas
que possuia muito gado, dando para exem-
plo a do commeudador Sales, na qual, ha-
vendo mais de trinta mil cabegas de gado
vaccum, e sendo quasi todo elle ace mmet-
tidu do mal, apenas roontaram as perdas
experimentadas a 280 rezes ; e accrescenta
que ella se manitestava por tristeza, emma-
grecimento e salivagSo abundante, que de-
pois apparecia aphtas na lingua, que nan-
hnma gravidade apresentavam, excepto
quando gangrenosas ; finalmente, que ne-
nhum facto houve de transmisso ao ho-
mem, sendo falsos os que se contaram como
taes em presenga de indagacoes minucio a que se procedeu.
Da epizootia que tem u'timamente gras-
sado na Republica Argentina nao tern a a-
cademia notiuia alguma official; sabe ape-
nas que ella existe em virtude de algumas
noticias publicadasnas cotrespoddenciasdos
jornaes, que a pintam como mais grave do
que a antecedeute, ao que parece, da natu-
reza diversa, aproximando se do typho bo-
vinio, segundo noticia dada por um j.rnal
desta c6rte, das alteragoes reveladas pela
uatopsia ao Dr. Crevaux, medico da corvela
FOLHETIM
L FBZ27CEZA DOS U5SIK3S
MYSTERlOS E INTRIGAS DA COR-
TE DE FELIPPE V.
POR
FERNANDEZ I GO.NZALES
VOLUME I
PRIMEIRA parte
As Tres Esperancas
CAPITLLO II
I E COMO UMA MEN1.NA PODE ACHAR-SE ORPHAA
EXTRE PESSOAS DESCONHECIDAS.
(Continuagao do n. 276)
V
'- go que a princeza saltpu do coche, o
cap itao das guardas apeou-se e deu-lhe o
bra go.
Obrigado, senhor conde, disse a prin-
eeza. Entreraos ; pr:ciso de tomar um
refresco, e de que mo informeis.
Mr. Amelot caminhava atraz, alto, mir-
rado, com o seu rosto e o seu andar de ra-
posa, e o ouvido a escuta para perder o
menor numero de palavras possivel.
Ao chegarem & porta da estalagem, torna-
ram a ouvir os gritos desesperados da mu-
Iher.
Os sioos, o tambore o fagote haviam-se
calado, e percebia-se destinctamente o que
aquellcs gritos dizia n :
Soccorro, pela santa m5e de Deus I
raioha mia da minha alma a minha m8e
morr.e I
Oh 1 o que e isto ? disse a princeza
cuja voz tremia.
Sao duas malditas ciganas, disse um
homem brutal.
Aqu-;lle homem era o estalajadeiro.
A princeza lembrou-se entao claramente
das palavras de Bizarro : A'6in Qcam mi-
nha mulher e minha filha ; amparae-as.
Conduzi-me no mesrao instaute ao
franceza Lamothe, que estaciona ora em
Buenos-Ayres, ora em Montevideo, ora na
costa sul da Africa.
Segundo as obiervagdes deste medico, os
animaes que succumb apresentam pe-
quenos kistos echinococos, alojados na mu-
cosa dos inlestinos, dando a apparencia de
araa febre eruptiva, variola, pelos bo-
tCes que cobrem a mucosa intestinal, phe-
nomenos estes que sao considera los como a
eipressao do typho ah lominal pelos alle
(Dies, ou febre typhoide pelos francezes.
Sem qoerer ver nesta simples e resumida
noticia das altera^ot's indicadas pelo estado
necroscopico a conGrnucao da existencia d >
typho bovino, mormente nao "conhecendo
os symptomas qu'i caracterisam a doeaca,
^ sustentando alguas medicos veterinarios,
dentre osquaes, D. Francisco Zufia jd cita-
do, que a doenca nao e uma epizootia e
si(n uma eoforuiidade devida a causas clima-
tericas o locaes, como variagdes atmosphe-
rical, falta de pastos, alteragao deste e a
agua ruim, todavia a academia inclina-se
a aceitar a opiniao de que a molestia se a-
proxima do typho bovino, nao poderidojiu
vahdar esta crenga o conjuncto de circums-
tancias que apresenta o veterinario Zufia,
para coatestar a existencia da epizootia e
de sua natureza, pois que essse conjuncto
de condigOes 6 sufficiente para explicar seu
desenvolvimento e os grandes estragos que
ha ella produzido pela gravidade de que se
reveste, visto uo no, se as coudigdes me-
teorologicas irregulares, a falta de bons ali-
mentos, o uso de agua ruim, de alimenu-
gao insufficiente po torn origioar epidemias
gravisssimas, no lumem, de molestias di-
versas, predominando-as de certo typo, nao
ve a academia motivo para que factos iden-
ticos se nao posssam dar nos outros ani-
maes.
Seja, porem, qual fdr a natureza da mo-
lestia, 6 certo revestir-se ella de raaior gra-
vidade do que a da epidernia de 1870 pelos
estragos que se diz ter ella feito, e ser de
natureza differente ; e que se porventura
Sassar ds fazendas criadoras da provincia
e S. Pedro do Rio-Crande do Sul, grandes
devastagoes Ihe pode causar e compromet
ter profundamente os interesses de seus
donov.
Como pois evitar a sua invasao, ou im-
pedir seus progressos no caso de um
assalto a d'ispeito de todas as precaugoes
tomadas ?
0 meio mais seguro de prevenir sua in-
vasSo e sem datida alguma impedir a en-
trada, pelas fronteiras da provincia, de ga-
do procedente ^dos lugares affectados, e-
vitando assim 0 coutagio ou a transmissao
da molestia ; e, no caso de sua manifesta-
gSo, fazer matar de prompto o gado que
estiver doente e enterral-o todo em cavas
profundas, ou memor ainda incinerfll-o,
matar tambem aquelle que ainda estiver
sao, mas qua tenha communicjdo com o
doente, afim de utilisal-o ainda para a ali
meutagao ; finalmente impedir rigorosamen-
te que haja commuuicagao do gado das fa-
zendas onde tiver apparecido a molestia,
comj'o daquelles onde nenhum facto se ti-
ver dado.
Se se nSo quizer recorrer & raedida ex-
trema de matar com presteza todo o gado
de uma fazeuda contaminada, e houver
motivos para suspeitar que causas locaes
coutribuera para o incremento e gravidade
da epidernia, pode-se tentar a separagSo da-
quelle quo der mostras de saude perfeita,
tendo sempre a precaugao de evitar todo o
contacto com os das fazendas n5o invadidas;
porquanto durante os primeiros dias, pe-
riodo chamado de incubagao, o animal po-
de apresentar ainda toda a apparencia de
saule, que s6 mais tarde se mostra alte-
radn.
Esias pr.ivj louoias deverao ser tomadas
com tuJj u rigor, se pelos symptomas que
distinguem a epizootia actual se reconhecer
que e ella u typho abdominal, molestia para
a qual so se pode contar com as medidas
hygienicas para attenuar seus estragos, e
nunca com a applicable de meios therapeu-
ticos, porque a observagao lem sempre
mostrado que ellas falham na maioria dos
casos, sobretudo se.a alTecg3o se reveste de
symptomas graves.
Foi pela adopgao de medidas semelhan-
les, executadas com todo o vigor, que a
Belgica pode impedir que a epidernia typhi-
ca, queassoloi ha 10 ou 11 annos varios
paizes da Europa, transpuzesse os limites
de Hasselt, Retina e Li6g, e fez com que
terminasse de prompto ; que o masmo con-
seguio a Prussia, ogrio-lucado de Luxe.n
hurgo, a Baviora e o grto ducado de Ba-
den, segun lo se collige do importante re-
latorio apresentado ao ministro da agricul-
tura, em Franca, pelo Sr. Bouley, inspec-
tor geral das esc das veterinarias ; no entan-
tanto qui f >i exosjiva a nnrtandade do
gado nj Hallanla, doude parece ter sido a
doenga importa la para a Belgica ; na In-
glaterra e Escocia, d'onde sem duvida, se
transferio para a Hollanla, por nenhumas
precaugfl s se t >marem a este respeito. Es-
ta opiniao parece conlirmala pelo-facto oc-
corrido na Irian la, na qual se nfto mani-
festou a peste, certamente em virtude da
prohibit '<) absoluta da entrada de gado
procedente da 'n daterra e Escocia.
Limitando se ao que acabo de expendcr
por falta de dados para trabalho mais com-
plete, e par3 nao deraorar sua resposta so-
bre rnatoria tio urgente, a academia julga
ter satifeito as recommendagdes de V. Exc,
ainda qua imperfeilimnnto, attendendo 6
importtncia do assumpto pelos altos inte-
resses sociaes e economicos que Ihe sao in-
herentes. Deus guards a V. Exc.AcaJe-
nia imperial de medicina.Rio de Janei-
ro, 26 de outubro de 1874.(Assignado)
Barao de Lavradio.
VARIEDADE
log.T onde estao essas duas'ciganas, disse
a princeza.
Admirado de. que uma tao alta senhora
se interessasse por uma tal g-mtinha, o es-
tdajadeiro guiou a princeza ao pateo. Do
lado esquerdo, debaixo de um telheiro,
junto a immensa area onde se guardava e
onde ainda hoje se guarda a cevada nas
estalagens de provincia, vio ella, & frouxa
e avermelhada luz d'uma Ianterna, o vulto
d'uma mulher estendida no solo e immo
vel, e sobre a mulher, uma joven quecho-
rava e gritava com desespero.
Atraz da priceza entraram o alcaide, o
cura, a camara e toda a.genie que alii
cabra.
A princeza estremeceu, estremeceu o
conde de Rebollos, pois que este era o
litulo do capitao dos guardas, estremeceram
todos os que alii se achavam, incluindo o
estalajadeiro, menos Mr. Arnelot, que frio
e impassivel estava ao pe da princeza.
VI
Houve um momento de silencio, durante
o qual Agucena se levantou de cima de
Cinta, e olbou allucinala para as pessoas
que tinha diante de si.
Ah 1 que de gente afinal I ha um mo-
mento n8o havia ninguem aqui... todos
tinham ido ver a grande senhora... v6s de-
veis ser a princeza dos Ursinos... se n8o
estaes amaldigoada de Deus, fazei-me jus-
tiga... vingae me... mataram minha ra5e...
Morrau I disse a princeza com voz ape-
nas intelligivel.
Morreu, sim, morreu I eolhae, disse
Agucena icclinando-se rapidamente sobre o
cadaver de Cinta e ergueodo-se com um
ohjecto ensanguentado na mao. Olbae !
meu irmao recemnascido morto tambem I
Justiga deDeuse d'el-rei contra os guardas
reaes !
E Agucena proferio estas palavras com
precipitagSo, tremula e terrivel, com todos
os indicios d'uma ddr immensa, d'um rai-
voso desespero e infinita agonia.
Em seguida, depois de ter con3?rvado
durante alguns segundos diante dos olhos
O aeroslatn braiileiro Lonren-
oo le GusniSo.
Uma folha estrangeira publica alguns
pormenores de bastante interesse sobre a
vida deste aerostata em varios assentamentos
que dizem respeito & grande descoberta
que se Ihe attribue.
Segundo esta exposigao, o padre Bartbo-
lomeu Lourengo de (iusmSo, nasceu no
anno de 1865, em Santos, e foi filno do
cirurgiSo-m6r do presidio, Francisco
Lourengo de (iusmSo e de sua mu-
lher D. Maria A'vares; e tanto aquelle,
como os seus outros quatro irmaos foram
celebres por talentos e virtudes, Alem dos
cinco varoes, ainda o mesmo cirurgiao teve
opportunidade de procrear seis raparigas,
tambem notaveis por brilhantes faculdades,
quatro das qaaes se casararn e duas profes-
saram no convent a de Santa Clara de San-
tarera.
Os outros qualro irmaos de Bar-
tholomeu foram nada menos do que os je-
suitas tao conhecidos SimSo Alvares e Igna-
cio Rodrigues, o carmelita Joao Alvares
de Santa Maria e o franciscano Fr. Patricio,
todos grandes oradores e raestres e finalmen-
te Alexande de GusmSo, o celebre escri-
vao da puridade de D. Joao V.
Baitholomeu cursou as aulas dos jesuitas,
assim cot.o todos os irmaos, e na idade de
15 annos veio a Portugal para frequentar
a universidade de Coimbra; tomou grao
de licenceado em canones e disse a sua
primeira missa no mesmo dia em que dei-
xou a universidade. Em Lisboa ganbou
grande fama pelos seus sermoos, alguns dos
quaes ainda existem principalmente o que
pregou no dia do Corpus Christi.
Eutregou-se depois ao estudo das scien-
cias physicas e matbemalica. visjou, esera
inultil seguil-o ate aomo>i-i > em que
prometteu, no pago, a D. Joaj V, que ar-
ranjaria uma machina em que podesse
voar como os passaros, idea que o rei logo
aceitou, promettendo auxilial-a com todas
as despezas necessarias.
Muito antes de MontgolQer e mesmo antes
de Bartholomeu de GusmAo, fallaram Ba-
con, Lana e Galiano da possibilidade da
ascensao ou navegagSo aerea que nao con-
seguiram, porem, realisal-a. A ascengSo
dos irmaos Montgolfier foi no anno de 1783
e a de Bartholomeu e de 1709, no dia 5 de
agosto, sem que nos faltem Odisso testemu-
nhos.
Existem :
1." A petigao em que o padre B. L. de
Gusmlo pede o privilegio exclusivo.
2. Alvara em que D. Joao V Ihe con-
cede benevolo deferimento e fulmina penas
aos contraventores.
3. 0 impresso feito na officina de Ga-
lliardo, no qual se descreve a machina e a
ascensao e que tem por titulo Descrippdo
do nova invento aereostatico.
4." Outro publicado depois na officina de
SimSo Tbadeu Ferreira, que traz a estam-
pa da machina, tudo muito anterior a
Montgolfier.
aterrados d'aquella gente o cadaver ensan-
guentado do recemnascido, beijou-o, man-
chando o proprio rosto de sangue, p6-lo
sobre o corpo de Cinta, sentou-te ao pe
d'ella e permaneceu muda, immovel e es-
pantada.
YII
Fazei-me a mercfi, senhor conde, disse
a princeza, de mandar sahir toda a gente,
menos Mr. Amelot, que 6 meu companheiro,
meu conselheiro e meu auxiliar.
A princeza pronunciou estas palavras
com voz bastante cava.
Nao foi necessario mandar A camara, a*
clerezia e aos homens bons que sahissem.
Todos o fizeram espontaneamente, andan-
do para traz. .
Vfide, como sem esperar, Mr. Amelot,
disse a princeza, temos uma compaaheira
de viagem. .Adopto esta crianga.
No que nSo vejo nenhuma difficul-
dade, pois que no cocbe cab bem i von-
tade uma pessoa mais, disse Mr. Amelot.
Anna Maria inclinara-se sobre Agucena e
levantdra-a.
Olhava para ella com expressSo anciosa
e profunda. -*
Agucena titava-a com olhar vago, quasi
estupido..
Nada posso dizer-voa que vos console,
Agucena, exclamou a princeza ; mas bei de
vingar-vos.
Minha m8e morreu redarguio Agu-
ceaa. Meu pae nao esta* aqui onde esta ?
Ah I espere. Ouvi, conde : destacae
immediatamente dous guardas que tomem
i re"lea sdlta pelo caminho que eu trouxe ;
se encontrarem os guardas da minha ultima
escolta, com um cigano preso, quo o dei-
xem em liberdade.
Esse cigano, minha boa amiga, ag-
gredio os guardas de sua magestade e ferio
dous d'elles.
Provocaram-u'o insulta.ram u'o, se-
nhora disse Agucena com vivacidade.
Deram-lho uma bofetada I
Ide, ide, seahor conde. sois ha muito
5.* A Encyclopedia britannica publica
da em Edimburgo.
E muitos outros documentos o altestam,
sem faltarem os que a inveja forjou contra
o padre, mettendo a ridiculo o quenSo en-
tendiam. -'[
Por boje daremos aos curiosos a copia
do requerimento'a que alludimos, e depois
a do alvara' de deferimento.
Senhpr:Diz o HcenciaJo Bartholo-
meu Lourengo de GusraSo. quo elle tem
descoberto um instrument para andar pelo
ar, na mesma sorte que p'?la terra e pelo
mar, com muito mais brevidade, fazendo-
se muitas vezes 200 e mais legoas de ca-
minho por dia, no qual instrumonto se po-
derdo lavar os avisos de mais importancia
aos exorcitos, e terras mais remotas, quasi
no mesmo tempo em quo su resolvem ; no
que interessa V. M igestade muito mais que
todos os outros principes, pela maior dis-
tancia .dos seus domiaios, evitando-se desta
sorte os desgostos^das conquistas que pro-
vem om-gran lo parte de chegar tarde a no-
ticia delles ; alem de quepodera V. Ma-
gestad s mandar vir to li> o p-ed )so dellas
muito rnais brevemente, o mais seguro ; po
den lo os homens de negocio passar lettras
e cabedaes ; e todas as pragas sitiadas po-
derio ser soccorridas. tanto de gente como
do vivercs e raunicoes a todo o tempo, o
tirarem-se dellas as pessoas que quizer,
sem que o inimigo o possa impedir.
Descobrirse-hao as regioes mais visi-
nhas a"S polos do mundo, sendo da nagao
portugu za a gloria deste descobrimouto,
alem das infinitas conveniencias que mos-
trard o tempo. E porque deste invento se
podem seguir muitas desordens, commet-
tendo-se com o seu uso muitos crimes, e
facilitanlo se muitos na confianga de se po-
derem passar a outro reinj, o que se evita
eslaodo reduzido o uso a uma s6 pesssoa a
quern se mandem a todo o temp as ordens
convenientes a respeito do dito transporte,
e prohibindo-se a t -dos os mais sob graves
penas, e bem seremunere ao supplicaote
invento de tanta importancia ;
Pele a V. Magestade, seja servido con-
cefer no supplicante o privilegio de que
poudo por obra o dito invento, nenhuma
pessoa de qualquer qualidade que fdr, pos-
sa usar delle em nenhum tempo n?ste rei-
no ou suas conquistas som hcenga do sup-
plicante ou seus herdeiros sob pena de per-
dimento de todos os bens, e as mais que a
V. Magest.de parecerem.E. It. M.
a Despacho.Como parece & mesa ; e
alem das penas accrescento a de raorte aos
transgressores ; e para com mais vontade o
supplicante se applicar ao novo instrumen-
to, obrando os elfeitos que relata, Ihe fago
merce da primeira dignidade, que vagar
em as minhas cullegiadas de Barcellos ou
Santarem, e de lento de prima de mathema-
ticas na minha universidade de Coimbra,
com 6609 de renda, que crio de novo em
vida do supplicante sdmente.Lisboa, 17
de 1709.Com a rubrica deS. Magestade.
Alvara.Eu El-Rei fago saber que o
padre Bartholomeu Lourengo me represen-
sentou por sua petigao, que elle tinha des-
coberto um instrumento para se andar pelo
ar da mesma sorte que pela tefra e pelo
mar, e com muito mais brevidade... [segue
com a mesma exposicdo que, se ve no re-
queritnenlo, que quasi textualmeiue copia)
e visto o que allegou, hei por bem fazer
merce] ao ^supplicante de Ihe conceder o
privilegio de que pondo por obra o inven
to de que trata, nenhuma pessoa, da quali-
dade que fdr, possa usar delle em nenhum
tempo nesto reino e suas conquistas, com
qualquer pretexto, sem licenga do suppli-
cante ou de seus herdeiros, sob pena de
perdimento de todos os seus bens, a metade
para elle supplicante, e a outra metade para
quem o accu^a ; e sd o supplicante poderd
usar do dito invento, como pede na sua
petigao, .
E este alvara se cumprira" inteiramente
como nelle se contern ; e valerd, posto que
seu effeito haja de durar mais um anno,
sem embargo da Ordenagao L. II, Tit. 4.,
em contrario. E pagou de novos direitos
quinbentos e quarenta reis, que se car-
regarao ao thesoureiro delles a fls. 160 do
liv l. da sua receita ; e se registrou o co
nhecimento em formj no liv. l. do regis-
tro geral a fls. 149. Jose da Maia e Faria
o fez em Lisboa aos 19 de abril de 1709.
Pagou desta quratrocentos reis. Manoel
de Castro Guimaraes o fez escrever.Rei.
Coaferido. Patricio Nunes, e comraigo
Jose Correia de Moura.
0 tempo nao mostrou, como esperava
Bart.olomeu de GusmA >, tolas as vanta-
ges que pn;nettia o seu invento, ou
n3o o demonstrou ate agora, mas o que
principalmente o pidre nAoalivinhou o
que fazendo a sua ascensao em uma capi-
tal (na casa da India) em 1709 perante toda
a cflrte e grande quanti lade de povo, fal-
lanio delia os documentos officiaes e muitos
impressos do seculo passado, os seus p.atri-
cios nao tenhaoi idda do sea nome, geral-
nonto descouhecido, e que nos estabeleci-
mentos de Estado, onde se estuda physica,
se ensine aos rapizes que forain os irmaos
Montgolfiers osinventores dos aerostatas
do anno de 1773 ou 74 annos depois da
experiencia de Gusmao, que em todo o
resto da sua vida foi couhecido pelo padre
voador, anton )raasia que passou & sua fa-
milla, que habitava entfo na cidade de S.
Paulo.
Alem dos documentos que acima damos,
e do que se pdle let na Encyclopedia, pdde
verse Francisco Freire de Carvalho ; Jos6
Agostinho, no seu Nooo Argonaula; os
Varoes illustres, de 1'ereira da Silva ; a
Historia do Brasil, do Sr. Varnhageu.
A ascensao do padre voador ench au de
susto as beatas e nao faltou quem visse no
padre o mesmo Satanaz, se e que nao es
tava simplesmente possesso do espirito m&o,
Aos invejosos do talenlo dos cinco irmaos
do mesmo appellido juntaram-se os poetas,
que ri licularisaram a obra e o autor ; ain la
hoje nos restam algumas poesias da occasiao
e que s3o outras tantas provas'do facto.
1
Ao padre Bartholomeu Lourenco, inventor
da navegacdo do ar.
a Revue Parisiense ministra os segoim
pormenores sobre a chronics de Franca :
vos por tudo, assim como Mr. Amelot, meu
iuUmo amigo tambem, vos responde Nao
e verdade, Mr. Amelot ?
Sim,'sim, e verdade ; guarda do mais
ou guarda de menos pouco importa. Tolos
respondemos pela ordem da princeza : ella,
sua magestade o rei Luiz XIV, o grande
rei Felippe V, e este vosso humilde servidor,
cavalheiro. Por toda a parte os guardas
reaes sao da pelle do demonio ; as suas im-
firudencias tem quasi sempre consequencias
ugubres ; estao muito senhores de si, oe
necessario sopea-los. Se n'esta triste aven-
tura se acbarem raerecimentos n'esse se-
nhor Santivanez para o arcabuzarem, pou-
co me importa que o arcabuzem.
E vio, sem olhar para a princeza, que
esta fazia um leve movimento de impacien-
cia e de colera.
0 conde de Rebollos sabio.
A princeza agarrou na mao de Agucena.
Ah I nao, disse esta. N3o me separo
do cadaver de minha mae.
E, quanto tempo haveis de estar junto
d'ella, pobre crianga ? disse-lhe a princeza
com dogura.
Os cadaveres sepultam-sa, disse ella
com a tranquillidade da insensatez, da ato-
nia, caasadas por esses golpes terriveis que
atordoam com a sua violencia. Estarei ao
pe do minha mae ate a sepultarem,
E, soltando-se dos bragos da princeza, foi
outra vez sentar-se ao pe' do cadaver de Cin-
ta permanecendo immovtl e rigida.
Isto e um grande estdrvo, disse Mr.
Amelot, tirando do bolsinho do seu jaleco
uma grande caixa de rape e saboreando
uma pitada, pre vejo que vos ides matter a
coveira e perderemos demasiado tempo.
Sua magestade deve estar & nossa espera
em Guadalajara, e ha de impaciejitar-se.
' Nunci se ha de impac.entar tanto co-
mo eu me irapacienlei era Paris, Mr. Ame-
lot. E, entao, meu querido Mendoza, disse
a princeza para o conde de Rebollos, que
se approximava.
Dous guardas acabam do partir em
SONETO
Veio na frota um doente brasileiro,
Em trajo clerical, sotaina e c'rda ;
Fez crer que pelo ar navega e vda,
N'uma barca sem piloto e sem remeiro.
Vai-se ao marquez de Fontes mui ligeiro,
Declara-lhe o segredo, este o apregos,
Sobe a consulta, p>sma-se Lisboa,
Em tanto t squece a fome do terreiro.
Bem merece este doente eterno assento
Na etherea regiao ; eu j Ihe approvo
A diabrura de subtil mvento.
Pois um milagre fez, qu', e mais que novo
Em manter tantas boccas s6 de ventok
Fazendo um cam.aleao de tanto povo.
II
Com que engenho te atreves, brasileiro,
A voares no ar, sendo pateiro,
Desejando ave ser, sem ser gaivota ?
Melhor te fora na regiao remola,
Onde nasceste, estar com siso inteiro I
III
Esta maroma escondida,
Que aba'a toda cidade,
Esta mentira verdade,
Ou esta duvida crida ;
Esta exhalagao nascida
No porluguez firmamento ;
Este nunca visto invento
Do padre Bartholomeu,
Assim fdra santo eu
Como elle e' cousa de vento
IV
Esta fera passarola, '
Que leva, por mais que brarae,
Trezentos mil reis de arame
Somente para a gaiola,
Esta urdida padiola,
Ou este tecido enredo ;
Esta das mulheres medo,
E emfim dos homens espanto ;
Assim fdra eu cedo santo
Como se ha de acabar celo.
CIIRONICA PARISIENSE.
Summario.Fallecimento de Elie de Beau-
mont.Apotheose de uma grande artists.
Uma lembraiiga de BerangerAs es-
trellas parisienses.A loteria Dejazet e
Frederick Lemaitre.Como a passagera
Radziwill deve sua existencia a um cos-
saco.Uma descoberta bibiiographica.
Frioleira de Ponsard.
Na sua correspondencia para o interior
0 mundo scientifico scabs de soffror
uma perda irrepsrsvel, com a none do Sr.
Elie de Beaumont, geologo uairersslaMo
estiraad >, ecujo nome gosavs no estraogci-
ro maior notoriedada do que no Ma pro-
prio paiz. 0 fallecimento daste home n
eminente causou profunda emogio nss aca-
demias dos dous mundos; temos, porem, a
pezar de confessar que este grande noon
nao era popular no paiz, em q-ie o mais in
significante acrobata conquista rspidamen a
e notoriedade que se recusa aos homens de
genii.
Nao podendo exeeutar uma relagao corr -
pleta das obras do fioado, resumimos era
algumas 1 in has as phases da sua car rei ra gle -
riosa, subitamente interrompiJi pela mo*t- .
0 Sr. Elie de Beaumont aasce*a em 179i.
Estudara com distmegao no collegio Heori
IV, e sahira como pruoeiro discipulo da es-
cola polytechnica em 1819, para entrar m
escola das minas. E>n 1821, enpreben-
deu, por ordem do g iverno, uma serie da
viagens uieUllurgicas, a foi iroaseado et l
1821 engenheiro ordinario das minas. Pro-
fessor da escola de minas em 1829, f>i no-
meado em 1832 engeobeiro chefe, e mais
tarde inspector geral da p-im.-ira classe.
Feito successivninente correspoo leuu: d.i
Academia de Berlim (1827), membra da so
cielade Philo.natica (I829J, sx:io etran-i-
ro da SocieJade Real de I lies (I81j,
membro da Academia de Sciencias, com
successor do Sr. Le it-re, foi noraeado en 2
de dezembrj do mesmo anno secretari<>
desta Academia, depois da morte de Fran-
cisco Arago.
Napoleao III nomeou-o senidor e foi ul-
timamente encarregado dos trabaibos pre-
paratorios para fazer urni carta geographi
ca da Franga, que devia ter sete a ono me-
trosde largura, e da qual via se um frag-
ment na exposigao de 1855.
As exequias foram celebradas com grand i
pompa na igreja de Saint Thomas d'Aquin
quasi tolos os membros do Insiituto acom
panbaram o feretro do illustre collega, qu.i
era, como j* dissemos. secretario da Acade
mia de Sciencias. Sendo tambem president-:
bonorario da conpanhia do Canal de Suez,
todo o pessoal desta companbia assistio a
ceremonia funeraria. Apds tres dincurs >
proferidos pelo Sr. Bertranl, em nomi d.-.
Academia de Sciencias ; pelo Sr. G. Delaf s
se, em nome da secgao de raineralngia ; pe
lo Sr. Daubree, membro do Instituto; a
terra cobrio para sempre os restos mortar*.
do homem que liga i poslendadi um do<
mais gloriosos nomes da historia e di
sciencia.
Uma celebridade de diversa especie foi he
roina, na semana passada, de uma apotbeo-
se de que pdde beneticiar ante mortem, it-
licidade rarissima. Foi Virginia Dejazet
para qu*m o jornal Gaulois organisara ni
sala Ventadour uma representagao sem pre-
cedente do mesmo genero. A illustre co-
mica teve as honras da chronica tbealral i
da chronica da actualidad", mesmo nos
mais importantes orgaos da imprensa pari-
siense.
Aproveitando o ensejo, todos os chronis-
tas recordaram milhares de ditos espintuu-
sos, semeados pela eximia artista no te np .
da sua brilhante carreira. Recouliece-s-
nelles a delicadeza e 0 espirito acertado d i
que deu innumeras provas, durante mais d -
GO annos. Preferimos, entretanto resusci-
tar a seguinte anodocta, que pareceu nos
extremamente terua e sensivel :
Beranger dissera, um dia a Dejazet qu.-
nunca tivera o prazer de ve-la reprasentar.
Tanto melhor respondeu ella, porque
representarei aqui, se quizer, e seri, portao-
to unico espectador. I
E, unindo o gesto as palavras, ajoelhou-
se em um moxo onde elle tinha os pes,
comegou a cautar a famosa Lisette de Fre-
deric Herat.
Ao entoar a terceira estancia, s-mtirj uma
lagrima humedeccr-lhb a fronte. Beranger
chorava, commovido ao ultimo pout .
A commogao communicou-se rapida e elet-
tricamente; Dejazet eufraquecera duraota
alguns instantes; animando-se, porem, im-
mediatamente, findou heroicamente a cao-
gao e ambos abragaram se frc.eticament*.
Tornando a si desta commogao, que se-
meme sentem os coragoes nobres, poetas o;
artistas, foi preciso separarem se ; porem >
poeta exigio que a actnz aceitasse uma lem
branga desles teruos momenlos.
tempo meu amigo e alem d'isso respondo- cumprimento da oriem de vossa alleta.
Estas ultimas palavras foram pronuncia-
das pelo conde de um modo particular,
como se com ellas quizosse deraonstrar que
a ordem da princeza aos guardas era incom-
petente, eque so fdra curaprida era consi-
deragao para com a favorita d'el-rei.
Anna Maria pareceu nao comprehender a
intengao que aquellas palavras r-velavam,
e respondeu com certo cansago lanjui lo na
voz :
Obrigado, senhor de Mendoza.
E voltou-se para a porta da estalagem
como quem procure alguma pessoa.
VIII
0 estalajadeiro estava encostado & hom-
breira.
Vinde ci, disse Ihe a princeza.
0 estalajadeiro approxiraou-se respeito-
saraente.
E' preciso sepultar esta desgragada e o
seu filho, e quanto antes. Avisae o paro-
cho, que se faga immediatamente o que fdr
necessario.
0 estalajadeiro sabio.
Anna Maria levantou outra vez Agucena.
Vinde, disse, vossa raAe vae ser en-
terrada. Isto deve ser para vds terrivel-
mente doloroso. Segui-me.
Ainda n3o, disse Agucena.
E, desprendendo se da princeza, iuclinou-
se sobre o cadaver de Cinta, e permaneceu
durante algum tempo com o rosto unido
ao d'ella, com a bocca tocaodo na sua
bocca.
Quero uma tesoura, disse.
0 conde de Rebollos foi buscar o "ob-
jecto pedido.
Entretanto Agucena comegou a tirar do
pescogo do cadaver uma grossa cadeia de
ouro e um collar de perolas com cruz de
brilhantes, e guardou aquellas joias noseio.
Era seguida lirou-lhe as arrecadas, os
anneis, o cord8o de ouro o os gran Jes alfine-
tesque She seguravam as compridas trangas
negras, e guardou-os igualmente.
0 conle de Rebollos voltaVa & este tempo
com a tesoura, e Aguiena pegou u'ella.
Puxou do cordao que havia guardado.e1
atou com elle pela raiz a gran 1 j tranga di.
direita.
Em seguida com mao firme cortou-a.
Atou depois a da esquerda e cortou .
tambem.
Por fim cortou as tres magnificas ma lei
xas que se dividiam na parte posterior i
cabega.
Poz a thesoura no chao.
Arraocou dos (bombros de Cinta, uaan
especie de lengo de setim branco coin bor
dados de prata que Ihe cobria o seio.
Depois tirou-lhe da cintura am leu-,
branco queensopou no sangue aiuda fresco,
que innundava o cadaver do recemuascido
Estenleu no cbio o lengo bordado ; poz
Ibe era cima o lengo ensopado em sangue,
fez, das cinco magnificas trangas de Cinta,
um grande feixe, po-lo sobre o lengo aver-
melhado.
Tirou do seio a cadeia, o collar, as arre-
cadas e os anneis, tornou a abrir as trangas
e envolveu n'ellas as joias.
Era seguida embruihou tudo no tengc
bordado, prenden lo-lhe as potitas com os
grandes alfinetes de filig.-ana de ouro, a
arredou de si aquelle terrivel embrulho.
Depois tornou a pegar na tesoura, a cor-
tou um panno do vestido de U da vivas co-
res de Cinta.
Em seguida cortou outro panno da saia ;
estenleu o panno de la sobreo panno bran-
co, pegou na crianga, beijou-a novamente,
pd-la em cima do panno branco, embru-
ihou* a n'elle, cingio tudo depois com o pan-
no de la, atou-o com uma fita dc soda win-
prida e larga com que enlacara os cabellos
louros na parte posterior de cabaga, a Hi-
locou o filho sobre o orpo da mia.
Tudo isto foi feito d'um modo lento,
agitado esilencioso, sen parar um instant--,
sem vacillar, coma se estivjssc so, causan lo
penosa impressao m fnamu e no cande
de Rebollos, eem Mr. Amelot u-na fria cu-
riosidade e uma impiciencia entretida com
pitadas de rapd.
! [Continua r-st-ha)
*
- \

T\V DO DLAKiO. Ua LH.yUh UK UIu
,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EU6N39YT9_FOHUOZ INGEST_TIME 2014-05-27T23:32:41Z PACKAGE AA00011611_17661
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES