Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17655


This item is only available as the following downloads:


Full Text
s
Diario de Pernambuc Sabirado 3 de Fevereiro de 1895
.HA
ij!
2 0.S
Ea >
e-h
o < *5
cZS
H m a,
S^
fe*B
ls.2
O 3
"fl g O
02 "3 m
. O
.ti
"o 2 ^
w fct t)
S fe
P-. 03 J
5 8
.s.g
oso
S-h
55
-3
" h-1
1*
-2K
a
3
3 .S
03 V
to a
c- es
-3
so
O *
r
S o
93 tj
II
H

2 *
2 o
a-8
ce ec
SS 3
60 CU
0
te
.2* c
'o o o
o
o
s
g-'a
3 es
.2 S

En
}- P-T3
2 m
&, g
m 3
g
la


1sSo
3J
a s =
a g*^
o S
i V
Cal Branca e Vir-
^cni de Jajs:ua-
ribe
A Companhia Explo-
radora de Productos Cal-
careos, sendo a nica
exploradora da cal bran
ca e virgem, avisa aoa|
consumidores que nao
tem suecursaes nem
agencias nesta cidade, e
que os verdadeiros pro
duelos seencontrameni
seuarmazemdocaes do
Apollo n, 73.
Fabrica de arelo
Agnas e limonadas gasosas de
iod s as qoalidades
Seda water, gioger, ale, limSo, laraoja
caraca", baoaxis, granadina, grosellas
franboisas, baunilha, hortelS pimenta etc
etc.
12A=CAES DO CAPIBARIBE 12A

O o
1 a
8.a
a ss
845
a
O 8 3
S-.S
*&
O 9>
o a
o'*
2 S *
- 93
*> 03
cu o
o a, >
* -A
II
a
O 83
a"*
o ce
a
o
o
a,
es
3
cr
.H
+* ."a
SI
-a
fci eB
o *
S a
s a ?, o
TS O
\3 O
sj C
co -
i *
N

>
y:
6|-S
2 g ,
o a ^ C
C o
eS es
** a **
cB O B .2

S
to
O
es
o
-
t-
es
- *2.2 "> (2
to
05 A
o a
eS
- co
4^ CO
O
O eS
eS es
3 *
P-co"
31
O es
ec *j
S-'S
es
I-a
es eS
e-a
a
eo co
co
03 u c8
13
., e
^5
eo
Sj
o
:i
'..W
-5 8-3
ex
eo
S o
a a3
*- to
o S
S3 SJ
' Ma es g
".2 a -
S 1^1 a p-*s
.2 ^ i .g
5?
CO 3
3 '-
o
- O
eo X
# 5 a
es co
B-3 |2
3oS
O N _=
eo es
s
a 5
. i eo
8 ^j
.S fc -
3|
5'Q
eo "W
2-2
* O es
.2' ">
-3 o O
ao 60
*i es
.Beg
a. o >
^ 2 3
O co
rt ? 3
2^ eS
i e e
O O o
5 g es
- oS, K
S.s 8
10 O T3 ,
3 O-S ij
co -S
- a a;^
a-5
EMULSAO de SCOTT
de OLEO PURO
DE
FIGADO DE BACALHAO
COM
HYP0PH0SPHIT0S
DE CAL E SODA.
T&o agradavel aopaladar como o hite,
Approvada pela Junta Central de Hy-
giene Publica e autorleade pelo
governo do Brazll.
O grande remedio para a cura
radical da TSICA, BRON-
CHITES, ESCRFULAS,
RACHITIS, ANEMIA, DE-
BILIDADE EM GERAL,
DEFLUXOS, TOSSE
CHRONICA, AFFECCOES,
DO PEITO E DA GARGAN-
TA e todas as enfermidades con-
sumptivas, tanto as criancas
eomo nos adultos.
Nenhum medicamento, at
hoje descoberto, cura as molestias do peito e vias respiratorias,
ou restabelece os debis,, os anmicos e os escrofulosos cora
tanta rapidez como a Emulso de Scott.
PRODUZ F0RQAS5E CRIA CARNES.
A venda as principaes boticas e drogaras.
6COTT & BOWNE. *"-* -T- CHIMICOS.
NOVA YORK.
19
LOJANMO
Ra I. de Marco --19
3
O CO
33 S a
5 i- o
. a- o
t 'S
?S -5
? u: to S *2
,** -3 b, 0
co ?* t
? 3
-i 2
a ^ a
3
s>
eo
n
eoco es
5 S-sf
a i
e
ODIO DE MCA
TRADCgO
PARTE PRIME1RA
XVI
(Continuag5o)
Servido o dessert, depo3 dos criados se
ausentarem da casa de jantar, tendo j
posto na mesa as garrafas de vinho do
Porto e os frascos de licores, entrou o ma-
gistrado, sem cessar de conversar, a abrir
a urna e urna as cartas amontoadas ao
lado do seu talher.
Dentro em pouco, de todas aquellas
cartas nSo restavam seno duas, exacta-
mente as taes que j apontamog, e que se.
tornavam notaveis pelos ampios sinetes
de lacre vermelho.
John Malcolm abri a primeira e des-
dobrou a folha de papel velino, cujo cou-
tedo examinou com infinita attenjilo,
como n&o fizera at ento com as prece-
dentes.
Queridas filhas, disse elle em segui-
da dirigindo-se as jovens, aqui est uma
cousa que Ibes diz respeito, quo tenho
a certeza de que Ibes far pular de prazer
o coracie I
que ? perguntaram ao mesmo
tempo com curioaidade a Mary e a Heva.
K'este acreditado estabelecimeato vende-sefazendas
por menos 25 \o do que em outra qualquer parte.
E se uo \ejam:
Oretonea com 2 barras psra reposteiros e chambres com 1 metro de largaran 8C0 ri*
o cevado.
Naneeks brancas com potas e florea a 240 o cavado.
Brim para roupa a 6C0ra. e jaaiucta a 500 o novado
Mantilhaa de seda a f -5 orna.
Ditaa de alg d2o a 200 idsm.
MedspolSo americano mui'o largo com 24 jardas a 10$ a peen.
Cachemiras para featidos, faaenda de 15 por 400 rs. o oovadr.
Colchas de tuatSo brancas e de cores a 5$, 88, 153 e 205 uma.
Eipartilhos de coi r.^ya a 85000 oro, barato !!
Cortinados bordados para cama e juoellaa 1050C0 o par.
Lindas capellaa com veu p: ra noiva por 08 e 125 ama.
Cretonea clarea e esccroa a 4'JO rs. o oovado.
Setim branoo M ca', para vest dos de noiva por 1500 o cevado.
Tapetes aveiludadoa e alcatifa, graodta e pequeas,
toalbado branco e de cor para mesa a 3000 o metro.
Luvas de e.'a pira eenbora e pera menina a 15500 o par.
Peitilbos liaos e com pregas para senhera a 15500 una.
Camisas de tormir para hornero e para senbura a fi5 uma.
Setim cor de rosa a 10o covado.
Merir. prtt'j a 15, l-'cOO e 25 o covado.
Lee jos de oambraia de 1 r.ho para senbora a 125 a duzia.
Meias de 13 n seda para homem a 45 o par.
Camisas de Malha de 18, para homem e p-ra senhora a 6$ ama.
Cortes en cartSo para vestido de 805 p(r 405 um.
Cortes de csiemia amen:ana a 4000 um
Ditos de cusa i-a ioglaza a 85 um.
Setcetas lilac, toda* as corea a SCO rs. o cavado.
Zephiros com juadrich s a :4Q rs. o covado.
Flanellas pura vestidos e para caiuiaes a 360 rs. o covado.
Linn com 2 krgurrs a 500 rs. 0 codo.
Sargelim branco e de tedas as corea a 60 rs. o colado.
Vetuarics de Jersiy para cranos b 155 om.
Casaccs de J.-rtey pura ec-nhoras a c um.
Eoxovaes puta b> iJolaSes franceteB, mesquiteires am6;ioanfS.
Sobietudo, cercuUs, meias, lengos e gravaUB.
E muitos curca artiges que se terca d fficil mencionar.
S na
i9~-3b.xjjk. x* nos iwxJk.gai
ione 61
Telephi
Um convite.
Que fortuna exclamou alegremente
Mary. E' paraalgum baiie, mea pai ?
Sim... para uma grande festa...
As jovens bateram palmas.
Mas quem o bem inspirado gen-
tleman que d essa festa, e que nos con-
vida para ella ?
John Malcolm leu em voz alta :
Lord Singleton, governador, pela
Companhia das Indias, da presidencia das
Benars, espera que sir John Malcolm,
sir Jorge Malcolm, sir Eduardo Malcolm
e miss Mary e Heva Burtell lhe facam a
honra de aasistir festa que dar no pa-
lacio da presidencia, sabbado 8 de Setem-
bro de 1830 t
Urna festa dada por lord Singleton !
Uma festa no palacio da presidencia, cu-
jos vastos saloes e immensos jardin" sao
povoados de maiavilhas, deve ser real-
mente bella, nao verdade, meu pai ?
disse Mary com extrema vivacidade.
Mais do que bella, qreridas filhas,
replicou sir John Malcolm ; deve ser es-
plendida ; e eu affirmo que lord Single-
toa luta victoriosamente com as magnifi-
cencias orientaes, e que eleva assaz alto
o pavilhao da cortezia ingleza, do luxo e
da elegancia briannica, para satisazer o
mais exigente amor proprio necional.
E no prximo sabbado ? pergun-
tou Mary.
E\
Hoje segundaleira... Temos res-
trictamente o tempo de nos oceuparmos
das nossas toilettes...
Coquettes disse Jorge, sorrindo-se.
Coquettes quanto queira, senhor meu
noivo, replicou a joven ; mas o que
certo que tambero nos temos dever de
sustentar a honra da bandeira 1 Queremos
que os senbores se ufauetn de nos 1 Que-
remos eclipsar todas as beguns^ deslum-
Casa de commisses e repre-
sentares
8&-SLIA M MH flgIrSS
EXPOSICAO
CATLOGOS DS
de innmeras fabricas de todos os p^izes da Europa t
des duas Americas, lolaesrecie de mercadorias, de
cachinas e de materia prima.
Deposito do afamado REOL cCM ome'ihordes
i afectante conhecido.
Deposito da bem conhecida eODONTINA do
Dr. H. Rrted.
GRANDE
HOTEL COMMERCIAL
Ra Larga do Rosario ns. 29,31 e 33
Este importaute estabelecimento, sob a direegao de seu hbil propietario MA-
NOEL GARCA, b auxiliares encendidos na materia sui generis, prima em ser a
nico sem competencia nesta capital, j pelo esmerado gosto de sua architectura e
pintura interna, j pela promptido e aceio do servijo culinario aduaneiro, j tam-
bem pela pos9&o bygienica do seu edificio.

r-l
Depois de irnumeras transfornaaces por que tem pa?sado este Hotel, conseguio
afinal o seu incancavel proprietario offerecer hoje uma hospedagem que deve ser
preferida peles Ilustres viajantes.
HOSPEDARAS de 1* e 2a classes relativamente distribuidas debaixo da melbor
ordem e aceio, a vontade dos Srs. viajantes, s, ou com familia.
SALAO DE RECREIO ricamente mobiliado, onde podem ser realisados jantares e
banquetes, a contento dos Srs. pretendentes.
POUR SE MANGER. Salpic5es, ostras, lagostins, salchichas, etc peixes em
latas, queijos flamengos, suissos e do serto, doces seceos e em caldas, estran-
geiros e nacionaes.
ADECA
E' esplendido o sortimento de vinhos Figueira, Bordeaux, Porto, Vermo uth,
cognac, cervejas, licores, champagnes e outros aperitivos a. a se boiro, odos receb -
dos directamente dos mais acreditados committentes da Europa.
Alm do que destinado ao comraura do Hotel, tem sempre grande deposito de
bebidas de sua importa?^, principalmente vinho Bordeaux em quartolas e cognacs
finissimos, que vende as melhores condicSes do mercado e precossem competencia.
GRANDE HOTEL COMMRClAL
Ra Larga do Rosario ns. 29, 31 e 33
A NOTBE DAME DE PARS
mDCAEW. U
mwm
Fazendas Anas, modas, conrcc9es e chapeos de
alta nevidade
Sedas pretas, brancas e de cores lisas e lavradas em pecas e cortes.
Saias de seda e brancos bordados.
Matines e corsages de surah, taffetas, nansouck e camisas finas
bordadas.
Espartilhos de todos os tamanhos.
Meias de fio d'Escocia, de algodao e de seda.
Leques de phantasia, de madreperola e tartaruga.
Variado sortimento de guarnieses para vestidos.
Fitas, rendas, galoes de jais e de seda.
Jaquetas de cachimira e visitas de renda.
Cinta para homens e senhoras.
Para meninas, completo sortimento de
TOUCA, CHAPr-OS e VESTIDOS
E muitosoutros artigos de bom osto escolhido por madame Koble
Par. _
;ir
1 A Ra do
Cabug 1 A
brar todrs ca rajahs Queremos emfim,
apparecer bellas, bellissimas 1...
Querem-o absolutamente ? pergun-
tou Jorge tornando a sorrir-se.
Absolutamenta 1 Julga acaso que
seja isso muito difficil '
Julgo-o tao pouco, que estava j
para Ibes dar um conselho...
Um bom conselho ?
Sim...
Qual !
Este : para serem bellas entre as
mais bellas, deslumbrantes e victoriosas,
nao tem seno uma cousa a fazer.
O que T
Peruianecerera taes como sao !
Mary, com as pomas dos afilados dedos
dirigi ao uoivo um engracado gesto de
amea;a.
Lisongeiro disse ella ao mesmo
tempo.
. Ah filha de Eva replicou Jorge.
Conhece-se saber peritamente que o que
sem lisonja para qualquer outra, nao
genito a verdade para si e sua irmi !
Heva prntestou modestamente, como
protestara Mary.
Chegou entao a Eduardo a vez de sus-
tentar, "apoiando-a, a mesma these do ir-
mSo, de cuja opini&o participava natu-
ralmente ; servil.do esta controversia de
pretexto a uma engragada discussae de
namorados, das que constituem, no nosao
entender, uma das mais encantadoras
cousas deste mundo.
Ao cabo de poucos minutos concorda-
ran! em recorrer ao arbitrio de John Mal-
colm, o qual estabeleceu a harmona entre
todos, declarando que Jorge e Eduardo
tnhara razio, que em toda a parte onde'
as duas irroas se dignassem apparecer,
u&o precisariam senao de mostrar-se para
serem as mais bella, e que a arte femi-
nina no poderia accrescentar nada ao
diadema de mocidade e gra;a que as co-
roava.
Como soube lord Singleton da minha
chegada a Benars ? perguntou Jorge a
seu pai.
Participei-lh'a eu proprio, ha poucos
dias, respondeu John Malcolm ; accres-
centando que teria a honra de te apresen-
tar a elle... Quera e devia fazel-o ; mas
nao me foi possivel desde entSo desempe-
nbar-me deste dever... E' uma falta in-
voluntaria que devras lastimo, e que
estou impaciente por ter occasio de re-
mediar. Amacha mesmo acompanhar-me-
has ao palacio da presidencia.
Lord Singleton homem nota-
vel?
Nao me fcil responder-te categ-
ricamente a essa pergunta. Tal vez o lord
governador nao possua senao em certa
medida as qualidades eminente, que, po-
liticamente fallando, constituem o homem
notavel e o collocam na altura da sua bi
tuajSo, qualquer que seja; mas com
toda a certeza um carcter leal e valedor,
uma intelligencia, se nao brilhante, pelo
menos solida... Se, o que Dens nao per-
mitta, a fatalidade o cellocasse de impro-
viso no meio de circumstancias criticas,
as quaes a sorte do poder inglez na In-
dia dependesse dalle, talvez que nao
achasse em si mesmo a forca de vontade
que domina os acontecimentos, a indoma-
vel energa, que triumpha de tudo, e
apezar de tudo; mas o que affirmo qne
nao presenciara a sua derrota, e que se
faria matar na luta sem recuar um passo...
Aqui tens o que eu pens, e que no
meu entender o juizo mais raparcM que
se podo formular acerca de lord Single-
ton, como homem publico, como governa-
dor da presidencia de Benars.
Quanto a lord Singleton, como grande
senhor, irreprebensivel. A sua cor-
tezia perfeitamente cavalheirosa soube
conquistar-lhe, pelo menos apparentemen-
te, at as sympathias dos patricio, des
cendentes directos dos antigos senhores da
India, e por isso mesmo inimigos jurados
da dominaco ingleza...
Eu por mim declaro, tenho toda a cer-
teza de que ninguem neste mundo pjieria
sequer pensar em pronunciar-se contra a
opinio de que seria irapossivel descobrir
nos tres reinos mais perfeito gentleman do
que loi Singleton...
Mas saiba, meu pai, exclamou Jor-
ge, que em surama, e apezar de algumas
restriceSes, acho dos mais lisongeiros o
retrato que acabou de esbozar.
Bem 8ei, sim ; e ficaria desesperado
se acaso se dsse o contrario. Eu tributo
vivUeima sympathia a lord Singleton,
muito seria affeicao ; e tenho muitas ra-
z5es para ver que elle me honra com tal
ou qual estima.
Lord Singleton mojo ainda ?
Precisamente moco, nao..... Tem
perto de cincoenta annos, mas est muito
bem conservado, e rodeia-se de cuidados
tao minuciosos e to intelligentes, que
mal lhe supporao qnarenta.
E'celibatario, ou casado?
E' viuvo. Quando chegou de In-
glaterra, ha quinze annos, acompauha-
va o a joven esposa...
Esta senhora era dotada de uma con-
stituido delicada, que nSo pSde resistir
ao clima da India..... O resultado foi
suecumbir a uma doenca de languidez.
Lord Singleton, no decurso de muitos
annos,' permsneceu profundamente triste,
ra- s como o tempo diminue todas as dores,
o governador n3o pode subtrahir-se lei
cmmum... NSo sei se elle se esqueceu,
o que sei que se conformou com a sorte,
pelo menos em apparencia.
Lord Singleton viva com grande es-
tado T
Vive... com um estado de princi-
a
O)
a
o
s
O
-. "
"S ca-
sa .
O O)
-
"3
3 es
es o
^
U O
O T3
fl
3
u ai
.
ef *
3
c a
o
a
.a 3
s
og
> o
.a
ai o
es a
Ti
03
c0 e8
- *-
E.fi
01 co
85
. 3
eo -
S-S.
OJ TS
S
03
SI
9 l
es CO
.2
**&
.5 5 "S
O O
3
' *> _5
2-r
TS 05 3
^
2 o
S
oo *0
-o %
eS
S 2
* ea M


o

o
3
ai os t;
a a
,-? i; "3 o
2
.5 =
n
w.:
3 03
n os 3
S^O
CJ o
|S8
O -3 S
b _JS T3
fl
s
s
>
o
^
ai
(X,
o
O
^1
o
3
O
o 5 J u
3
33
"i
COFRE
Vende-seum Muere
ra Nova d. 16.
Oosiaheira
Precisa-te de orna boa cosir h"lr?, psra caea
le familia de (res pessoas, e que compre, paga-
ee bsm ; na roa da Imperatrlz n. 5, eoguudj
odar._____________
Regulador da Marinha
Concerta-se relogios de algibeira, pn-
dulas de torre de igreja chronometroo de
marinha, caixa do msica, apparelhos
elctricos, oculos, binculos, ocolos de
alcance, joias e todo e qualquer objectes
tendente a arte mechamca.
9Ra Larga do Rosario9
E^ip* Attendite et vi-
cete!
Jcs Samuel Boteino. fabricante de bonciuets
ao uisis aparado gotio, para casamento, bapu-
sado, oa oatro qaalqoer acto, rde ser proca-
rado roa da Cadeia n. 43, loja de eelle ro, oa
na soa residencia, ra da Conceicao n. 3, Boa
Vista.
""
pe... Gasta nobremente os rendimentos
dos seus haveres pessoaes, que sao consi-
deraveis, e os immensos emolumentos do
seu cargo...
Tem grandes recepgSes?
Quasi todas as semanas rene os
principaes funecionarios da Companhia
das Indias sua mesa, alimentada pelas
mais raras e mais preciosas maravilhas
gastronmicas das cinco partes do mun-
do... Uma vez em cada m?z abre as suas
salas para recepcSas escolhidissimas ; e,
finalmente, todos os annos, na quadra
em que nos Echamos, d uma festa, ce-
lebre em toda a India, e que tenho toda a
certeza de que ser para ti d'um grauda
interesse...
NSo comprehendo bam o que ma
causar esse interesse, replicou Jorge];
porque, emfim, vou achar-mo rodeado da
caras desconhecidas; e esta uma si-
tuaco, que, segundo o meu modo da
ver, nSo tem nada de particularmente in-
vejavel...
__ Sem duvida terias muita razao se
esses desconhecidos de quem fallas fossem.
convidados vulgares, mas nao succede
assim..
Para esta festa sao convidados os des-
cendentes directos das velbas rajas patri-
cias da India.
Os filhos dos Tamerlidios, que se dizem
descendentes dos deuses, acham se all re-
presentados, e os ra/a/ts, cujos noraes ex-
travagantes te hSo de ferir o ouvido, e
que te apparecerao com o trajo nacional,
e rodeados de um fausto que faria empal-
idecer de inveja os nossos millionario
eurppeus, sao de uma nobreza de val mo-
do antiga, que remonta poca da crea-
$o do mundo, e mesmo a poca-anterior,
se meditarmos no que lies dizem.
{Contina.)
Typ. o Quino* s. Duque de Caxias 49.
H


t


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EF7276PG7_UO3SO7 INGEST_TIME 2014-05-28T01:20:27Z PACKAGE AA00011611_17655
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES