Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17635


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.,
**
Al\i\0 L. lMUJMERO 97



PARA A CAPITAL LUGABES O.IDB .Vi SB PAG A PURTK
Por tres mezes adiantados.
Por seis ditos idem. .
Por um anno idem
ada numero avulso
OrJlATA FEIM 30 DE ABR1L DC 1874
* -^|.MTII f I i. I .,!. ........-. *-.....II '
PABA DEVTBOKIOBi A PROVINCIA.
For tres mez?s adiantados............... 69750
Por seis ditos idfeg................. 13$5q0
Pot nove ditos idem................. 90&MO
Por um anno idem. ................ STJtiOO
PROPRIEDADE DE MANGEL FIGUEIRGA DE FARIA & F1LH0S.
.-
* Sri. Gerardo Antonio Ahesd Filhos, no Par.; Gon^lves d Piuto. no Maranhao ; Joaqu.m Jose de. Oliveira d Filho. no Ceari; Antomo de LenSiragaJ t>;*racat, '; Jo4o M*m JoSo Cbaves.no Assd; Antonio Marques da SUtr, no fetal; Jose Justin.
Pereira d'Almeida, em Mamauguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, ua Parahvba ; Antonio Jose" Gomes, na^a^a Peaha, Be'armmo dos Santo* Bukao, em Santo AnUo ; Donungos Jose da Costa Braga, emKaxareth;
Autouio Ferreira de Aguiar.em Goyauna; Joao Autouio Machaeo, uo Pilar da&>Uagoas ; Alves d C*, na Bahia j e Leite, Cerquinno d C. no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL.
Ministerio da fuzcnda.
Decreto n. 5,5S'l de It de abril de 1874.
Usando da aotorisa;an concedida polo an II,
Sj It, da lei n. 2,318 de io de agoste de I8J3;
Ifei por ben orJjuar que n regulament'. n.
4,052 de 28 de dezembro de 186?, para arreeada-
cao do imposto pessoal, seja observadc* de con-
formidade com as disposic5;'s scguinles : .
Art. 1 A quota d i imposto pessoal continua a
ser de 3 / nao compreheudidas as habitude?
cujo valor locative for nientfr de .
1* 480*000 na ciiade do Rio de Janeiro.
2 36U50U0 nas eapitat;- das proviucias do Rio
de Janeiro, S. Paolo, S Pedro d) Rio GranJe do
Sul, Bahia, Pernanibuco, Maranhao e Para.
3" 2403000 nasoutras eiJ.des.
4 120()UO ni.s outros lugares.
( Lei n. 2,348 de 25 de agosto de 1873, art II,
Art. 2 A isfn^So do an 5", n. t, do regula-
mento de 28 de d- zemLru ae 1867 comprelieude
as pessoas da comiiiva dos membros do corpo di-
plomatico estrangeiro, com as excepcoes do n. 2,
relativas aos consoles. ( Lei citaJa, art. 11, p II,
n. 2.)
Art. 3* A isencao do art. 5#, n. 5, e exlensiva
aos palacios do governo das provineias ; e a do
n. 6 do mesmo artigo :i> casas destinadas ao exer-
cicio de religiaa diversa da do estado, e as que
forem occupadas por associates liiterarias e be-
neficentes.
Art. 4 Os arts. 17 e 19 sujeitam ao imposto as
pessoas que livereoi casa de liabita^ao por menos
de um anno, ainda que na< seja n> lugar de sua
residencia habitual. Esta disposieao, parcin, nao
comprehende o caso de uma segunda habitafio
teraporaria e alugada por causa de servico pu-
blico.
Art. 5 Gensidera-se que vive em coramum,
para o fim deelarado no art. 18, a pesjoa cuja
nabitacao tiver passagem por compartisnento oc-
capado por outro morador do mesmo predio, ainda
que communique tambem directamente coin o
exterior.
Art. 6* Havera arbitrament, alem dos casos de
que trata o art. 21:
! Quando o predio for sublocado em parte,
afim de que o locatario pague o imposto corres
pondente ao valor da parte que occupar.
2 Quando o loca'.ario augmentar com berafefto-
rias o valor do predio, afim de ser o imposto
lancado com altencao a esse augmento.
Art. 7 Nos casos de reclamafao podera o chefe
da repartifio fiscal maudar proceder a Dovoarbi-
tramento, nomeando um perito e admit'.indo a
parte a designar outro. Os pareceres dos peritos
valerao como simples informacots.
Sempre que for possivel, observar-seha esta
disposicAo nos casos de recurso para a instancia
superior.
Art. 8 0 art 21, n. 3. 6 s6mente applicavel
quaudo a parte do predio, em que existir loja,
ofBcina ou escriptorio, estiver separada ou exclu-
iivamente destinada aj exercicio da industria ou
profissao
Art. 9" 0 art. 20, n. 2, comprehende o caso de
indigencia do collectado, e a remissao do impos(o
eoncelida em coni'oi'hiidade do .art. 32, subsutira
cmquanto durar a iiK-sina causa de isencao.
Art 10 A cobrani;a 'lo imposto sera realisada
no mez de Janeiro, on antes, se os collectados
o quizerera, ou se for uecessario acaulellar os
direitos da fazenda uacioiial por motivo de fa!-
lencia ou de obito do coniribuiute.
Art. II Os collecudis que nao pagarem no
devido tempo, incorrerao na multa de 6 |0 do va-
lor do imposto ate 20 de dezembro do semeslre ad-
ditional do exercicio, e de 10 |. alem deste prazo.
( Lei n. 2,348, art. 12. i
Art. 12. Aos agnnte* enearregadosda cobran^a,
uo domicilio dos collect dos, deiitro e fora das
povoaQoes, abonar-se-ha uma porcentagem rixn la
pelo ministro da f l/enda, e deduzida do imposto e
da multa, ficando assim alterado o g 2* do art. 36.
Art. 13. Sao revogadas as disposicoes em con-
trario.
O visconde do Rio Bianco, conselbeiro de estado,
senador do imperio. presraeote do conselho de
ntinistros, ministro e sesretarfo de eitado dos ne-
goJios da fazenda e presidents do tribunal do the-
souro national, assim tenha cntenlido e o fa^a
i xecutar. Palacio do ftio de Janeiro, em onze de
abril de mil oitosentos setenta e qoatro, quinqua-
segimo terceiro da independeneia e do imperio.
Com a rubrica de S. *'-, o lmperador. Visconde
' Rio Branca.
Cioveruo da provlncia.
KXPKUIE-NTE DU DIA 26 DE JANEIRO DE 1874.
-\ seefdo.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
uias.Srva-se V. Exc. de expedir suas ordens
para que no dia 1 de levereiro proximo vindou-
ro, pelas 3 horas da tarae, se ache postada em
frente do convunto de b. Francisco, desta cidade,
uma guarda de honra, afim de acompanhar a
iraagem de Nossa Senbora da Boa Hora, que em
selemne procissao tetn de ser trasladada naquelle
Uia para a igreja do Rosario.
Ao mesmo.Pil Jj V. Exc. dar o convenien-
te des,tino aos rccrutas mencionado3 oa relacao an-
nexa ao seu ulli:- Ae 24 do corrente, soj n. 91,
escepcao feita do de inme Elias Jos6 do Carmo,
a quem por despaoi;. daquella data concedi pia-o
para provar isencao legal. Aos agentes da com-
pauhia brasileira dc pajuetes, expeco as conve-
nientes ordens para a Jrem ditos recrutas trans-
portados a corto no vapor Bakia, cliegado do
norte.
Ao mesmo.S'rva-si V. Exc. de mandar
ddr em liberdade, visto ter provado isencao legal,
0 recruta Joaquim Jose de Sant'Anna, que Ihe foi
mandado apreseular pelo l>r. chefe de policia, no
dia 13 do corrente.
Ao mesmo, Sirva-M V. Exc. de mandar
pOr em liberdade, dando se-lhe baixa, se ja esti-
ver ccm praga, o recruta Joaquim Dias Martins,
visto ter provado iseocio legal.
Ao mesmo.Sirvase V. Exc. de mandar por
em liberdade o recruta Manoel Silvestre de Almei-
da, que provou isencao legal.
Ao in rindo o reqaerimento de Francisco Luiz da Silva,
inestre calafate desse arsenal, aatonso V. S., nos
termos de sua lnfornta$ao dc 21 do corrente, sob
n- 811, a dispeasa Io do omparecimento do ponto
da manna, em quanto durarem os encommodos de
saude, de que esta soffrendcr
Ao C.ipitaD i; p->rt->. Anloriso V. S., nos
termos de sua ioformafao '' 24 do i-..rieiiu-. ebb
tx. 14, a fornecer por einpr4JiW) a presidoacia da
Parahyba, em satisfajao ao que requMtou em offl-
do de 21 deste inei, i'-j ciiamiaea de vidro pro-
prias para a conserv.-.a> da luz do pharol da Pe-
dra Secca, da barra do Cabedello, naquella provin-
cia, para onde deverao ditas chamiues ser remet-
tidas na primeira "pportunidade e conveniente-
inenle accondicionaaas.
Ao director do arsenal de guerra. Mande
V. S., a vista do incluao pedido em duplicata, for-
necer os artigos de vestuario, que veoceu o ca^ce-
u empregado nas fachinas do deposito de recru-
ta*, Manoel Antonio de Assumpsao, no anno de
1878 e no segundo sameitre-de 1873, o que deixou
de receber, quando empregado no 2 batalhao de
Ao conselho de .coinpras do arsenal de guer-
ra. Proiuofa o conselii.p li> compras do arsenal
do guerra, de conformiJaile om o pedido junto, a
acquisic>> d uma balaofd romana de 10 kdo-
grainmos, com os seus purieacoa, para uso do hos
piUl niililii'.
2." stccuo.
OfB-ios: mmr*-'
Ao Or. chefe de pjlfcia. -Providencie V. S.
sobre o que trata e coinmuuiea o promotor publi
co de Cabrobo, no olllcio juulo por copia, de 7 do
corrente
Ao mesmo lufurme V. S. o que consta, na
reparbcao a seu cargo, acerca do comportamenlo
do recruta Mauod Porfiio Xeves.
Ao mesmo. -A' este acoinpanha um pa:ote
com remedios hoaieopathicos auropriadus ao tra-
lainento da variola, i|ue V. S. remeltera a cama
ra municipal de Buique, coin o oflhio inclus?.
Ao juiz de direitrt.de Santo Antao. -Para que
possa sur approvadu o cootraclo, de gue trata o
seu ofDcio de 21 do corrente, preciso e que Vine,
unvie uma copia authentica, pela qual seja elle
apreciado.
Ao juiz municipal de Santo Anlao. -Informe
Vrac. se ja teve lugar nesse termo o conselho mu
nicipal da recurso da qualificacao da guarda na-
cional.
_ Ao commandante do corpo de policia.P-ide
Vine, engajar, sendo idoaeo, a> corpo sob o seu
commando, o paisano Silvario Jose" de Oliveira.
de que trata o seu ofJQcio n. 31, de 24 do cor-
reute.
Ao mesmo. Ctumaudo a attencio de Vmc,
sobre o que expde o Dr. chefe de policia, no offl-
cio junto por copia, n. 120, de 26 do corrente, lhe
recoimnendo que fa,-a siibsliiuir poroutros, o sar-
gento e quatro pragas, de que trata o dito officio.
3.' sccqSj.
Acto :
0 presidente da provincia resolve exonerar
o collector provincial de Garanhuns, Jose de Bar-
ms e Silva, visto ser parente em grao proximo do
fiscal da collectoria, e nomear para esse lugar
Jo5s Ferreira Chaves.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Communicando-me o Exm. presidenle da proTio
cia do Rio Grande do Norte, em otScio de 23 do
comnte, haverem faltado alguns caixoes remetti-
dos da corte, com pesos a medidas, destinados aos
miunicipios do Jardim e Angicos, daqaella provin-
ca, e podeaio succeder que existam elles na al-
fendega, capita da do port >. agencia da compaahia
Brasdei.a, ou em outra qualquer estacao desta
provincia, providencie V. S. para que nessas esta-
coes se proceda a um minucioso exame a ver se
sao encontrados os aupradil^s caixoes, afim de te-
rem o devido de tino.
Ao mesmo.-Remelto a V. S. para sen co-
nhecimento e fins convenientes, copia do aviso do
ministerio dos negocius da agricultura, commercio
e obras publicas, de 21 da corrente, commuoicaa
do que, naauella data se mandou por a disposi^ao
desta presidencia, a quantia de 7:5004, para ser
appli;ada aos reparos de que precisa a rampa
de e.nbarque e desembarque no caes do Forte do
Mattos.
Ao mesmo. Transmitlo a V. S., para os fins
convenientes. a inclusa ordem do thasouro nacio
nal, sob n. 8.
Ao mesmo. -Tendo nesta data autorisado o
conselho de compras do arsenal de guerra, a pro-
mover a ac I'li-i'ja i de uma balan;a romina de 10
kilogrammos, com os seus pertetfees, para uso do
hostital militar ; as-im o communico a V. S. para
os fins convenientes.
Ao mesrai.MmJe V. S. pagar a praca de
policia Manoel Pereira da Costa, a quantia de
74040, constants do prel junti em duplicata, des
pendida com o recruta e dosertor vinios de Taca-
ratu.
Ao mesmoMande V. S. por era arremata-
gao a coatinua^ao das obras dos reparos de quo
precisa o caeo da rua da Aurora, visto achar-se o
referido caes na distaicia de 27,o, tamb.-m ar
ruinado, como c immunicou o engeuheiro eucarre
gado das obras publicas geraes, em offlcio de 26 do
corrente, ao qual veio annexo o respectivo or^a-
mento, que junto remetlo por cjpia.
Ao mesmo. Remetto a V. S., afim de que
seja eutregue a quem sc mostrar compeleutementc
habilitado, a inclusa portaria dc Felippe Antonio
de Moraes, agente noraeado para o correio de Pi-
menteiras desta provincia.
Ao mesmo. Transmitlo a V. S., para os de-
vilos fins, o decreto junto, de 7 do correute, que
designou ao Dr. juiz de dneito Francisco Bernardo
da Costa a comarca de Liraotiro para o respectivo
exercicio.
-- Ao mesmo Expe.a V. S. suas ordens para
que sejam despachadas ua alfandega, livres de di-
reitos e entregues ao porteiro da secretana desta
presidencia, Sihino Antonio Roirigues, as tres
caixas contendo papel e objectos destinados ao ex-
pedients da mesma secretaria, constantes dos co-
nbecimentos juntos.
Ao mesmo.Communico a V. S., paraos de-
vidos lins, que a 2 do corrente entrou no gozo da
licenca, que Ihe foi concedida a 11 de dezembro
proximo passado, o baeharel Jose de Carvalho
Cesar, juiz municipal do termo de Cabrobo.
Ao mesmo.Conformando me com o parecer
dessa thesouraria, exarado em offlcio de 23 do
corrente, sob n. 544 serie F, relativamente ao re-
querimento de Manoel Thomaz Maranhao, contra-
ctante da construccao do paiol da polvora, na qual
reclama contra a reduccao feita pelo engenheiro
das obras militares no orQamento dessa obra ; as-
sim o communico a V. S. para seu conhecimento'1
e lins convenientes.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Communico a Vmc. para os devidos fins, que nes-
ta data foi exonerado de collector de Garanhuns,
Jose de Bams e Silva, e nomeado para esse lugar
Joao Ferreira Chaves; bem como que em 23 do
corrente concedi exoneracao do lugar de escrivao
da collectoria de Panellas, a Peregrino de Souza
Magalhaes.
Ao mesmo. De accordo com a sua informa-
cao de 24 do corrente, sob n. 56, autoriso Vmc. a
mandar p6r em arrematacao as obras dos reparos,
de que pretisam a cupula da casa de detencao e a
coberta do gymnasio provincial ; servindo de base
os orcamenlos juntos por c6pia.
Ao mesmo.A' vista do que pondera essa
thesouraria em officio de 19 do corrente, sob n.
34, com referenda ao pagamento do aluguel da
casa, que serve de cadeia em S. Caetano da Ra
posa, mande Vmc. devolver as contas para serein
de novo orgaoisadas, com a declaragao dos mezes
Ao mesmo. -Mande Vmc. pagar a empreza
de illuminac.ao a gaz desta cidade a quantia de
7:8273260, conslante da c-mta junta, em que im-
portou o gaz euusumido durauhj o mez de dezem-
bro de 1873 com a illuoiinacio publica ; devendo
abaler-se desta quantia a importancia da multa
em que incorreu a empreza, como consta do certi-
ficado junto, do engeneiro fiscal.
Ao mesmo.A vista ao exposlo em officio
dessa thesouraria, de 23 do corrente, sob n. 50,
quanto a restituicao da quantia de 1774540, pedi-
da pelo bsrao do Livramento, mande Vmc. eflec
tuar essa restituicao.
Ao mesmo. Communico a Vmc. para seu
conheciraento e fins convenientes, que a Iicenca
concedida ao 2.* escriplurario do consnlado pro
vincial, sa deve entender com lodos os venci-
mentos.
Ao mesmo. Em resposta ao offlcio dessa
thesouraria, de 8 do corrente sob n. 12, cabe-me
dizer a Vmc. que mande pagar a praca de policia
Manoel Pereira da Costa, a quantia do 3-S520,
Iconstaate do pret junto em duplicata, despendida
[com o sentenciado Pedro J-se Humajta Cmioana,
procedente de Tacaraiu ; licando sem effeito o
offlcio desia presidency, de 20 de dezembro do
anno Lin in.
Atrmesmo.Maude Vmc. abonar, por aiian-
tamenlo, ao capitao do corpo de policia Francisco
de Siqueira Cavaleanie, 03 seus veacimentos rela-
tives ao mez de fevereiro, e a quantia de 204 de
ajuda de custo de ida e volta a cidade de Goyann i,
como delegado de policia e commandante do des-
tacamenlo ; e bem assim iniemnisar ao tenenle
quartel-mertie daquelle corpo di importanciad?
604 de ajuda de cu-lo de ida e volta, que foi adian-
tada aosofflciaes queseguiram em eommissao para
Limoeiro e Santo Antao, na qualidale de delega
dos ; conforme solicita o commandante do nvamo
corpo em offlcio de 24 do corrente, sob n. 37.
-5- Ao mesmo.De accordo com a sua informa-
Cio de 24 do corrente, sob n. 54, autor^o Vm a
mandar por em arrematacao a obra dos reparos
da bomba n. 2 do 7 lango da eslrada do sul, ser-
vindo de base 0 orcamento junto por copia, orga-
nisalopela repartifao das obras publicas.
3." seccao.
Acto :
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Guilhennina Bazilissa de Oliveira e
Sdva, professora publica da cadeira de primeiras
lettras da povoacao de Queimadas, e teudo em
vista as informacdes da director!* geral da ins
truccao publica e thesouraria provincial, de 27 de
setembro e 20 de novembro do anno proximo pas
sado, sob ns. 291 e 522, e bem assim o parecer da
junta que a inspecMonou, resolve, de conforraida-
de com 0 disposte na 2.* parte do art. 29 da lei
n. 369 de 14 de maio de 1855, jubilar a referida
professora Com a parte do ordonado proportional
ao tempo que elfectivamente tiver servido.
4 seccao.
Actos :
0 presidente da provincia, tendo em vista a
propesta do director geral da inst uccao publica,
de 24 do corrente, sob n. 38, resolve, de conformi-
dade com 0 disposto no art. 23 da lei n. 598 de
13 de maio de 1864, remover 0 professor publico
da cadeira de primeiras lettras da povoacao de
Santo Amaro de Serinhaem, Francisco Silverio de
Faria Junior, para a da cidade de Nazareth, e no-
mear 0 cidadao Jose Tbeotonio Paes de Albuquer
que para reger interinamente a de Santo Amaro
de Serinhaem, mediante a gratificacao annual de
6004000.
0 presidente da provincia, tendo em vista a
proposta do Dr. director geral da instruccao pu-
blica, de 2 di) corrente, sob n. 39, resolve exone-
rar 0 major Fraocelino Guil erme de Azevedo do
cargo de delegado litterario do districto de Quipa
pa, e dc conformidade com o art. 7.* da lei n. 369
de 14 de maio de 1855, nomear para substitui lo
0 vigario Tito de Barras Correa.
Offlcios:
' Ao Exm. president-' da provincia da Paia-
hyba.Em resposta ao offlcio de V. Exe., de 21
do corrente, sob n. 288, solieitando a compra e
remessa para essa caqital, de 40 chamines de vi-
dro com destino ao pharol da Pedra Secca da bar-
ra de Cabedello, tenho a dizer que no mercado
ditsta praca nao se encontram a venda deslas cha-
mines ; entretanto para remediar a (alia d"ellas
naquelle pharol, autorisei nesta data 0 capitao do
porto a fornecer pur emprestimo vinte e cinco
que existem de sobresalente no pharol de Olinda, e
das quaes someote pode dispor.
Ao Exm. presidente da provincia de Santa
Catharina.Accuso recebidos os dous exemplarcs
do relatorio com que u Dr. Manoel do Nascimento
da Fonceca Galvao, 2.' vice-presideute dessa pro-
vincia, passou a aduiinistracao ao 3.', Dr. Ignacio
Accioli de Almeida ; e igual numero do com que
este enlregou a mesma aduiinistracao ao Dr. Pedro
Affouso Ferreira.
Ao Exm. presidente da provincia do Ceara.
Ficam archivados os dous exemplares, seudo
urn da falla com que 0 Exm. deserabaigador Fran-
cisco de Assis Oliveira Maciel abrio a 2. sessao
da 21." legislatura da assemblea dessa provincia, e
outro do relatorio com que passou a adminislia-
gao da mesma ao Exm. 1. vice-presidente, com-
mendador Joaquim da Cunha Freire, os quaes V.
Exc. me remetteu com officio circular de 16 do
eorSSS M
. Ao director geral da instruccao publica.
Envio a Vmc. para seu conheciuieuto e fins con-
venientes, copia do acto desta data, pelo qual re-
solvi jubilar a professora da cadeira de instruccao
primaria de Queimadas, Guilhermina Basilissa de
Oliveira e Silva, com ordeuado proporcional ao
tempo que houver servido no magisteno.
Ao mesin 1. Remetlo a Vine, para seu co-
nhecimenlo e lias convenientes, copia do acto de
hoje, pelo qual resolvi, em vista da proposta dessa
direcloria, de 24 do corrente, sob n. 28, remover
0 professor da cadeira de instruccao primaria da
povoajdo de Santo Amaro de Serinhaem, Francisco
Silverio de Faria Junior, para a cidade de Naza-
reth, e nomear 0 cidadao Jose Theodoro Paes de
Albuquerque para reger interiuaineute a de Santo
Amaro de Serinhaem.
A' coiumissao encarregada de edificar uma
escola publica na villa de Serinhaem.Em nome
e de ordem do governo imperial louvo e agra-
deco a Vv. Ss. 0 patriotico offereciinento que
fizeram de edificar nessa villa, a propria cu.-ta, um
predio com proporjoes a servir de escola aos dous
sexos ; prestaudo assim um relevantissimo servico
a instruccao publica do paiz.
Portarias :
A' camara municipal da villa de Bezerros. -
Dec aro a camara municipal da villa de Bezerros,
em resposta ao seu offlcio de 16 do corrente, que
aciiando-se proximo a reuniao da assemblea legis-
lativa provincial, ao conhecimento della submet-
torei opportune menteo projecto de posluras, a que
se refere essa camara.
A' camara municipal da villa de Buique.
Respondendo 0 offlcio dc 15 do corrente em que
a camara municipal da villa de Buique solicits
providencias a respeito da variola, offerecendo-se
em falta de professionaes, para applicar remedio
aos que fore a atacados de semelhante molestia,
e innocular a vaccina, cabe me dizer a mesma
camara que, aeceitando 0 seu patriotico offered-
mento, nesta occasiao remetto quatro colleccoes
de medicamentos hommdathicos com as compsten-
tes insiruccoes, e em breve mandarei aiguns tu-
bos de pus vaecinico.
A' cam., .nunicipal da villa de Floresta.
Em resposta ao*officio de 13 do corrente em que
a camara municipal da villa de Floresta solicita
autorisacao para empregar 0 saldo existente no
respectivo cofre, na edicacao de uma casa apro-
priada aos irabalhos da me.-m;. camara, .ifim de
evitar a atBpeta com alu;u-l de uni predio parti-
cular, tenho a dizer que, para conceder semelhan-
te autorisacao convem que a camara me remelta
uma planta e orcamento aproximado da obra que
tenciona fazer.
A' mesma.- Recebi 0 offlcio de 15 do cor-
rente que me dirigio a camara municipal da villa
de Floresta, expondo 0 procedimento regular que
teve 0 alferes de policia, Laurentino Felix de Oli-
veira Lima, durante o tempo em que exerceu ahi
o cargo de delegado de policia; e fico certo do
bom conceito que soube alcancar esse agente da
forca publica em tao espinhosa com lissao.
5.' seccao.
Officio :
Ao engenbeiro chefe da reparticio das obras
1
arren

.as.ftndo nesta data autorisado 0 fnspec-
a Wiesouraria provincial a mandar p6r era
rremat.itiio a obra dos reparos da bomba n. 2
no 7' laiifo da estrada do'sul, de accordo com 0
orcament) que veio annexo ao seu offlc.o de 7 do
ymnle, sob n. 6; assim 0 declaro a Vmc. para
ronMgfauuin, e lins convem-'oi-s
^ortariisT
Os Srs agentes da companhia brasileira de
havegsC/io a vapor mandem dar tiansporte em
primeira classe.no vapor Bahia, ate a corte, por
Mula do ministerio da marinha. ao tenenle da
armada Theotmio Coelho Cerqueira de Carvalho
e a seu criado.
Os Srs. ageutes da companiiia brasileira de
navegagao a vapor mandem dar passagem para a
Bahia, por conta do ministerio da marinha, no
vapor Bahia, ao guarda-mariuha Jose Lopes da
Silva Lima Junior.
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
navegacao a vapor facara traasportar a cOrte, por
conla do mini>terio da guerra, no vapor Ba'da, 0
soldado do 12 regimento de cavallar'a ligeira Ma-
noel Joaquim de Sant Anna, que para alii segue
em cuinprimento de ordens do mesmo ministerio,
e 0 soldado voluntario Tneophilo Xavier Caval-
caute de Albuquerque, que vai reunir-se ao 1*
batalhao de artilbaria a pe.
Os Srs. ageutes da companhia brasileira de
n iv.vaeao a vapor mandem dar passagem para a
corte por conta do ministerio da guerra, no vapor
liiliin, aos recrutas conslautes da relacSo nominal
junta.
BXPKMBKTK DO SECRET.WIO.
1' seccao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandaule das ar-
mas. -S. Exc 0 Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. Exc. era resposta ao seu officio
desta data, sob n. 02, qoe Beam expedidas as con
venientes ordens para serem iransporlados a corte
no vapor B->hia os soldados Manoel Joaquim de
Sant'Anna e Tbeophilo Xavier Uvalcante de Al
buqnerque.
f- Ao mesmo. S. Exc. 0 Sr. presidente da pro-
vincia mauda declarar a V. Exc. que nesta data
au^risou o fornecimenlo ao hospital mil.tar de
mm Lai aii'.-.1 romana de 10 ki log rain mos, cons-
taMe do pedido, que veio annexo a0 seu officio de
25 do corrente, sob n 89.
Ao mesmo S. Exc. 0 Sr. presidente da pro-
vincia, tendo autorisado 0 fornecimenlo dos arti-
gos de vestuario que venceu 0 calceta empregado
nas fachinas do deposito de recrutas, Manoel An-
tonio de Assump;5j, no anno de 1872 e no 2* se-
meStre de 1873, que deixoo de receber quando
empregado no 2' batalhao de iufantaria; assim 0
maoda communicar a V. Exc. em resposta ao seu
officio de 26 do corrente, sob 4. 90.
Ao commandante da divisao naval do 2" dis
tricto.De ordem do Exm. Sr. oresidente da pro-
vmc*->, communic a V. Exc. m "resposta ao seu
>. de heniem datado, sob n. 291, que ficam
iiJa.- as necessarias ordens para ser traus-
p.'iiado a provincia da Bahia, no vapor Bahia 0
guard 1 -marinha Jose Lnpes da Silva Lima Ju-
nior.
2 seccao.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.-De ordem de S.
Exc. 0 Sr. president'- da provincia, communico a
V. S. que deu-se ordem a thesouraria provincial e
a de fazenda para pagar a praca de policia Manoel
Pereira da Costa a quantia de 104560, como V. S.
solieita em offl io de 19 de dezembro do anno Tra-
de, s..b n. 2064.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da 'pro-
vincia manda declarar a V. S., para os devidos
fins, que ficam expedNas as convenientes ordeus
no sentido dc qne trata 0 seu officio 11. 12, de 26
do correute.
Ao baeharel Jose de Carvalho Cesar, juiz
municipal de Cabrobo. 0 Exm Sr. presidenle da
provincia manda accusar 0 recebimento do oQicio
de V. S. de 3 do corrente, em que participa ter a
2 deste mez t-ntrado no gozo da Iicenca que Ihe
foi concedida por portaria de 11 do raez proximo
passado.
Ao command rate do corpo de policia.De
ordem de S. Exe. 0 Sr. presidente da provincia,
declaro a V. S. que deu-se ordem a thesouraria
provincial, para fazer 0 abono de que trata V. S.
em seu offlcio de 24 do corrente, sob n. 37.
5.* seccao.
Offlcios:
Ao engenheiro chefe da reparticao dos obras
publicas.-De ordem de S. Exc. 0 Sr. presipenle da
provincia, communico a V. S. para seu conheci-
mento e lins convenientes, que nesta data sc au-
torisou 0 inspector da thesouraria provincial a
mandar por em airematacao as obras dos reparos
de que precisarein a cupula da casa de detencao ea
coberta do gymnasio provincial, e sobre que versou
0 seu offlcio'de 7 do corrente, sob n. 7.
Ao engenheiro encarregado das obras geraes
De ordem de S. Exc. 0 Sr. presidenle da provin
cia, commuuico a V. S., em resposta ao seu offlcio
de 26 do corrente, que nesta data se autorisou 0
inspector da thesouraria de fazenda a mandar por
em arrematacao a obra dos reparos de que ainda
precisa 0 caes da rua da Aurora, e sobre que trata
seu ciiado offlcio.
Aos agentes da companhia Rahiana de nave-
gapao a vapor. -S. Exc. 0 Sr. presidente da pro-
vincia manda accusar recebido 0 offlcio de Vs. Ss.
de 26 do corrente, communicando a sahlda hoje,
para os poitos de seu destino, do vapor Penedo,
dessa companhia, aqui chegado no dia 25 deste
moz.
deciara-p'ara ns fins onvenienies, que a presiden- navp<*ofi emra 1 ih.-,a a Martaira a* a At
eta def*indo a supplica do S capitao do 8 de S?If*ao eD,re L,sboa e *"*" A?0n* e **
infanteria. ora addtdo ao 9* da mesma anna, Jero-
nymo Ignacio dos Saatos, concedeu-Hie na data de
hontem permissao para se demorar nesta provia-
cia, aguardando a decisao do g.verno acerca da
permuta 4e co
graduado do
0 mesmo Exm
alferes do 3* regi nenlo de cavallaria Leobaldo
Augusto de Moraes fique addido a companhia de
cavallaria desta guamic,ao emquanto nao segue
para seu destino.
(Assignado.) Manoel da Cunha Wanderley
Lins.
Conforme.0 major Jose Bmifacio dis Santos
Mergulhao, ajudanle de ordens encarregado do
detalhe.
EXTERIOR.
tESPACHOS DA PRESIDENCIA, DO DIA 28 DE ABRIL
DE 1874.
Barao de S. Braz. Deferido com officio dirigido
nesta data a thesouraria de fazenda.
Fielden i rothers.Deferido com o offlcio desta
data a thesouraria de fazenda.
Francisco Ignacio Pinto.Sim, pagos previa-
roente os direitos nacionaes.
Baeharel Graciliano Augusto Cesar Wanderley.
Deferido com officio desta data a thesouraria de
fazenda.
Jose Antonio de Brilo Bastos. Informe o Sr.
inspector do arsenal de marinha.
Jeronymo Ignacio dos Santos.Concede a per-
m.ssio pedida.
Joao Pereira Barbosa. Ja se providentiou a
respeito do que requer o supplicabte.
Joaquim Jose Tavaras da Costa.Passe portaria,
sem vendmentos.
Ludugerio Francisco de Carvalho. Deferido
com officio desta data, dirigido a thesouraria de
fazenda.
Manoel Thomaz de Freitas. Indeferido.
Manoel Gomes de Albuquerque.Como requer.
Baeharel Manoel Lopes da Cunha Maciel.Defe-
rido com o offlcio desta data a thesouraria de
fa,.enda.
Modest) do Rego Baotista.Encaminhe sc.
Rosalina Olympia Bezerra de Mello. Indefe-
rido.
Teixeira Chaves 4 C.Informe o Sr. engenheiro
chefe da reparticio das obras publicas.
Commando das urmui.
JUARTEL GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS
DE PERNAMBUGO, EM 29 DE ABRIL DE
* 1874.
Ordem do dia n. 815.
0 Exm. brigadeiro commandants das armas
Correspondcncia do rl)2ario de
I'emniubuco.
PORTUGAL.
Lisbo i 7 de abril.
Encerruu-se no dia 2 do orrente 0 parlaraento.
El rei presidio ao acto. 0 presidente do conselho
de miuistros 6 que leuo respectivo decreto, estando
reunid js aiguns inemLro* das duas cainaras, pois a
maior parte ja tinhara ido para seus lares proviu-
cianosgozar em faradia das festis da Paschoa.
Afia.il nao chegou a discutir se o projecto de lei
coinor-'hendeudo os cainiaJi** d ferro das Reiras,
ramal da Govilhl, prolong$eu[o de Extrem iz ao
Cralo, e de. CasaveJ a. Faro. Era uma superabun-
dancia tal, qua ell j meima a produ'.io mao effeito,
sem fallar.-nas'.conJicTijs pehs quie? o governo
pretendia flesfazer-se do caminho de ferro do su"
Creio tambem que as demasiadas exigencias dos
influehles da camara sobre quesiao das directri-
zes de linhas ferreas, tomaram proporfoes taes, que
o governo a ultima hora prescindia de aconselhar
a coroa uma prorogar;ao de tra^alhos legislativos,
mesmo por poucos dias que fosse, e encerrou as
cortes no proprio dia em que devia, seguido a
cen-lituieao do estado, encerral-as.
Como estrategia politica, tambem nao fez m 1,
porque indo proceder a uraa clcicio geral, por-
quanto tn esta a ultima sessao di legislatura, pode
muiio melhor levar a agua ao seu moinho, ficando
de pe a quesiao (raagna para os circulos pr vin-
cianos) ds directrizes. 0 caso reduz-se a todos
quererem que Ihss passe pela porta a linha da
Beira, o que nao e possivel, ja se ve
Ahi vai um rol das leis que forara votadas na
actual sessao parlamentar, nas duas camaras :
I' A que autorisou a reiorma da tabella con
sular ;
2.' Extinccao do observatorio da marinha ;
3.' Emprestimo de 500 eontos de reis para as
ponies da alfandega de Lisb5a ;
4.* A que fixou o numero de escripturarios que
devem ter os escrivaes de fazenda ;
5." A que concele a Francisco Pedro Ferreira,
o sol Jo de 2" piloto de numero ;
6.' A que extingueas julgadasque nao poderam
sobrefazer as condicdes legaes. mediante as quaes
havia sido decretada a sua creacao e conserva-
Qio ;
7.* A que trata deuma linha telegraphica sub-
marina entre Cabo Verde e as possessoes portu
guezas da costa occidental da Africa ;
8.* A que permitte a que a linha telegraphica
de Portugal aos Estados-Unidos da America, possa
tocar nas ilnas dos Acores ;
9." A que torna exten^iva as disposicoes do de-
creto de 3 de dezembro de 1868 ;-.os individuos da
armada e do batalhao expeJitionario organisado na
Iniia, que se impossibilitaram na ctmpanha da
Zambezia ;
10 A que concede ordenados e _gratificjco2S aos
vogaes do extineto conselho de saiide ;
11. A que autorisa a camara do Porto a conver-
ter em delinitivo o cootrato provisorio com a com
panhia do gaz ;
12. A que supprime o lugar de escrivao ioter-
prete da estacao de Saude de Olhao, c que au
gmenta o ordeuado do agente da estacao de Saii-
de de Selubal ;
13. A jue approva a convoncao consular com a
Auslria ;
14. A que faz diversas concessoes ao Banco de
Portugal ;
15. A que approva o orcamento do eslado ;
16". A que trata de fixacao da forca do exe r-
ciio ;
17. A que determina os contingentes da conlri
buic-ao predial ;
18. A que raz varias alteracoes na contribuicao
de registro ;
19. A da prorogacao do prazo estabelecido no n.
3 do art. 20 da lei de 15 de junho de 1871 ;
20. A que approva o tratado de commercio
com a Belg'.ca ;
21. A que approva a convenQao da extradicao
com a Suissa;
22. A que acaba com a restriccao imposta no em-
prestimo contrahido pela camara municipal de Lis-
boa, de modo que possa applical o adespeias que
nao sejam o saneamento da cidade ;
23. A que declara de utilidade publica as expro-
priates para a abertura das ruas de Mousinho da
Silveira e Barredo, e alargamento da das Congos-
tas, na cidade do Porto ;
24. A que autorisa a concessao de inverter em
inscripfoes de assentamento os fragmentos de uns
bond* apresentados pelo barao de Crentz e ou-
tros ;
25. A que concede o convento de Marvilla (Poco
do Bispo) para se estabelecer o aeylo de D. Luiz I.
porque o edificio do dito asylo a Santo Amaro,
(Junqueira) foi vendido a companhia dos tranways
de Lisbda para coeheiras e offltioas ;
26. A que fixa o contingente de recrutas para a
armada ;
27. A que fixa a forca de mar para o seguinte
anno economico ;
28. A que fixa o numero de recrutas para o
exercito;
29. A que auDrisa o emprestimo de 70 eontos
de reis (raoeda forte) para o acabamento do hos-
pital Estephania ;
30. A que autorisa a compra de material de
guerra;
31. \ que tpprova o regulamento disci pi inar do
exercito;
32. A que augmenta o quadro dos officiaes de
infanleria e cavallaria ;
33. A que reforma o servico sanilario mari-
limo ;
34 A que releva as camaras municipaes da
responsabilidade em que ten ham in orri lo por
effectuarem despezas sem autorisacao durante as
suas- gerencras ate 30 de junho de 1873 ;
35. A que applica o producto da venda do paco
episcopol de coimbra a construccao de outro para
a residencia do bispo ;
56. A que equiparm as receitas dos empregados
do ministerio da fazenda aos do.-: outros raimsto-
rlos ;
57. A que approva um auxilio de 15 eontos de
reis ao hospital de i. Jose ;
58 A que autorisa um emprestimo de 1,750
eontos de reis para compra de corvetas e canho-
neiras e outros navios de guerra ;
59. A que estabelece novos direitos sobre o as-
sucar ;
60. A que autorisa um sabsidio a emprezas de
garve.
Tambem foi approvado na camara dos pares
o projecto de inidaiiva Je=t-i casa do parlaraento.
determinando que um anno depots da publicacao
extincti a con-
cern forca de
. declarando livres
a melles a quem ella se refere.
Escrevem de Ponta Delgada (ilha de S. Miguel)
a um jorual do roino, que muto interest esta
cbaraando entre os agorianos a probabilidade que
se apresenta de em breve se communicar aquelle
archipelago com oi paizes continentaes por roeio
de lelegraphia electrica submarina. Organisou se
em Iuglaterra uma empreza que vai tratar de
collojar um cabo telegrapliico para a America,
tocando nos Acores, e por um systema novo que
o torna muitissimo mais barato.
Uma empreza destas, por meio de cabos ale
agora usados, exigia o emprego de 1.500:000 li-
bras de capital ; a empreza ncva fez a subscripcSo
apenas de 380:000 libras. A baratez* do servico
ha de estar na proporcao do custo da obra. Foi
para baratear os despachos que se inventon a
modificacao pela qual o fio sera coberto somente
de estopa de Manilla, o que o tornara muito leve.
A patente de iuvencao e de Mr. H Hugson, que a
vendeu por_5:000 libras adiantado, e 15:000 li-
bras era accoes da empreza, vencendo juro de 6
por cento.
No dia 2 do corrente, antes do meio dia, foi
assignado em Extremoz (Aleratejo) um contrato de
arreadamento por 99 annos para a lavra e explo-
ragao das importmtissimas can.eras (ou mraw)
de yhosphato de cat de Logrosau. termo de Tra-
jillo, provincia de Caceres, na Exiremadura hei-
panhola, entre o Sr. Jose Rodrigu s Tocha, rico
proprietario de Extremoz e dono das mencionadas
mina's e Mr. Samaran, opulento capitalista de
Paris. 0 o >ntraio deve ser raiificado dentro em
tres mezes. A somma que o Sr. Tocha na occa-
siao da ratificacao do contrato deve receber do
sen arrendalario e de 450:000* (100:000 libras
slerlinas) ; a renda annual que o Sr. Samaran,
ou a empreza que elle constituir tem de pagar
ao Sr. Tocha, e de 450:000* (100 mil libras es-
terlinas.
A phosphorite de Logro3au, util adudo agri-
cola de que os paizes do norte da Europa fazem
grande consume, tem a assombrosa porcenta-
gem de 95 por cento de phosphoro, sobre 5 por
cento de cat. A media nao desce de 85 por cento.
A companhia constiknffla era Paris pelo Sr. Sa-
maran comecara inevitavelmente por fazer um
camiuho de ferro desde os preciosos jaxigos de
Logrosau ate Medellin, na distancia de 40 kilome-
tros aproximadamente, seguindo o minerio pela
via-ferrea ja estabelecida ate Badajoz, e dalli,
pelo caminho de ferro de Lete, portuguez, ate
ao Tejo, onde erabarcara para os portos de In-
glaierra, Allemanha, Suecia, Hollanda e Dina
marca, que o solicitam Com avidez.
0 percurso e de 400 kilometros.
As negociai.-oes para esta importante transaccao
i -ram estaboiadas e seguidas pela casa commer-
cial de Lisboa, de Luiz Felippe & Irmao, os
quaes ficam autorisados pelo mencionado arren-
dalario, a represenla-lo nos termos e para os fins
delerminados e previstos no respectivo contrato.
A imprensa de Lisboa tem saudado esle aconte-
cimento como de grande alcance floanceiro, indus-
trial e agnsola, porquanto a nossa agricultura,
nao so nente pode, mas deve tirar partido d'uma
preciosidade tal, mas tambem porque a receita
publica deve augmentar exlraordmariaraente era
virtude do maior movimento dos caminhos de
ferro e perto de embarque.
As canteras de Logrosau, de que alias fallam
com encarecimentos todos os tratado de ;chimiea
agricola, sao considerados inexgotaveis; tal e a
|i .-sau.-a de seus filhdes, os quaes se dilatam na
exteusao de aiguns kilometros, a llor da terra, sem
que seja necessario outra ordem de trabalhos
senio o arranque pela dynamite, ou polvora, e o
trabalho de picareta.
Esta calculado que extrahindo 400 ou 00 mil
toneladas por anno, assim mesmo ainda a collossal
empreza da phosphorite, podtria arrancar na mes-
ma propon/ao de minerio muitos annos mais aciraa
do prazo que cooslitue o seu arrendamenlo. Ou-
tros autores nao duvidam qualifica las de /'i?.r-
gntuveis.
Hi muito que outras minas de phosphato. da
provincia de Caceres, sao exploradas, exportando-
sa o minerio para loglaterra, em grande escala;
mas este phosphato quando muito chega a 52 ou
55 por cento, e para alii ser reduzido a super-
phosphate e adqutiir a solubilidade necessaria
para de prompto fertilisar as terras, e preciso
gastar uma enorme quantidade de acido sul-
phurico, o que torna claro aquelle elemento fer-
tilisante. Nao succede assim ao de Logrosaa, por
causa de sua alta porcentagem. A sua explo-
raea i constituira um verdadeiro monopolio, por-
quanto nao havera quem prefira gastar propor-
cionalmente meios para obter menores resultados.
Muito maior sera ainda o rendimento dos capitaes
empregados na lavoura das canteras de Logrosau,
se a empreza fabricar lla mesmo o superphos-
phate, o que intenta ellectuar. Assim ja poderao
a Hespanha e Portugal aproveitar-se delle para a
fertilisacao de suas terras, escusando de adquirir
os guanos, ou superphosphates de ossos que os
estrangeiros aqui trazem por precos fabulosos e
impossiveis.
Em 1857 o ministro que entao era de Isabel IT,
Claudico Moyano levava um projecto de lei ao
congresso e espraiava-se nos considerandos enca-
recendo a opulencia das minas de Loerosau, a tal
ponto, que da sua acquisicao e exploracao po'
conta do e.-tajn, fazia elle depender a prosperi-
dade do thesnuro hespanhol.
Moyano tinha boas intencoes, mas a esse tempo,
ja as minas pertenciara aoSr. Tocha por titulo
oneroso; e reclamando elle contra qualquer tenta-
tiva do sua propriacio, foi mantido em sua legiti-
ma posse.
Como atraz d'um pensamento civilisador outros
lhe fazem cortejo e Ihe sao complement, ja se fat-
la em colonisar a provincia do Alemtejo, fertilisan-
do-lhe o solo abundanlemente com o precisso pro-
ducto d is minas de phosphorites da Eitremadura
(Logrosau) e estabelecendo para o arroteameuto
daquellas immensas charnecas alentejanas, cclo-
nias de galegos, boa gente como trabalhadores, mo-
rigerados e muito economicos.
E de crer que outra companhia pqd^psa se
forme nesse sentido-/ assim que o phosprfflcl de Lo-
grosau se encontrar em plena exploracao.
0 Jornal di Commercio'/ie domingo, dando. noti-
cia do importante onlrato a que me refiro, felici-
Uva o Sr. Tocha e a firma commercial Luiz Felip-
pe Leite & Irmao, em nome dos interesses nacio-
naes era que este facto vai de certo influir, e ao
mesmo tempo ausp'ciava ao celebre capitalista
fraucez Mr. Samarau a maior propriedade para a
sua monumental empreza.
0 menos que pode calcular-sn de roaduneato
para os capitaes que se empregarem naqueJla com-
panhia, serao de 35 a 40 /. o que e ssim mos-
mo c- Irular com bastante modestia porque es'.ou
convencido que o intereese ha de subir a muito
mais.
0 pedido de concessoes para caminhos de
ferro americanos cresce com uma abundancia tal
que dentro em poucos mezes o movimento de pas-
sageiros nos caminhos da ferro duplicara, por isso
que sem a viacao accelerada em suas mais deu-
Ihadas ramificaj5es, de pouco serve o benefxio
t
1

|l


I
a.
"*=
. I

Para quo os caminhos .id ferro vJMfr-1
rem e preci^agqmQloilas as estradis ordinnrias es-
tejatn feitas,'*i*V>a0J os cenlrus da'pr^ducgao
se commanitfoWtf^lfcr mdthodbs (to csmionagem
acceIerados,Qlfirlanto (or possrvel. E' o <(ue
vai surcede.riHII>"n6s.
Abrio-se hcralem em Lisboa a caixa filial do
Banco Portoguez narua dos ftetrozeiros o. 113,
l*andar. Sao directorcsa-Sr. Antonio Augnsto
Pereira de Miranda o Jose Pereira Cardoso.
Recoraecaram. as chuvas. As seam estavam
sequiosas. Os favaes resentiam-se da prolongada
secca. Os pastes minguades diximavam os reba
nbos.
Na Exiremadura benpaahola lambem lem chu-
vido com abundancia aa-evtdencial uest-s ultiraos
Sio impprtantes'os eirrrgaraentos de cat via
de pcdra e coka quo se lem efleciaado de Lisboa
pela via ferrrea do none para Avarro, com dertino
as minas do Bracj|, pela de leste a Portdegra pa
ra diversas fabricas daa,uella cidade.
Nas proxinwdades de Thomar, com grande
ejUensao de tepreno do cuuseJuu do Ferreira da
Zezere ba impm'tantes miaas de ferro que ulti-
mamente tern sido denuooiadas, o qua 6 vasto
campo para o-capital e para a qual tern por fun
actividade 4a uossa grille.
No 1* de marco realisou se em Loaada (Afri
ca occidental portngucc^ a inaagaragao da esta-
tua do general Salva lor i:oriei de *a fiunevides,
que expalsou da provincia de Angola os holloa-
dezes. A forga naval torn >u parle nos festejos.
Na si'inaiia s.niJa sahiram os |terdt>es e com-
mutai.'.ot.s de penas que e costume onceder o po-
der-mederador, euvido o conselho de e*tado. Falta-
va-se em que seria proposia a cart) a a amnislia pa--,
ra o* reds militares que ainda estSo presos pelo
crime de revolts, mas nab sei se se ccrificen ; pe-
lo menus oltleialme-nte nil consta.
Tern corndo estes ultimo* dias que entre osi
amigos do governo'In muilo quern tenha iusialb
pela .-ahida do Sr. Antonio dtodrigeSampaio (mi-
nistro doniiiu) deveado ser substilui J) nnq'iella
pasta pelo 3r. Berjona de Preilas, mini.-tro da jus-
lig*.
*Pfata-se de estabelecer em iMfcea uma ins
litnicao de grande utilidade e com todas as pro-
babiliHades de bom exito :
1." O-orr-dit> 4s elasses mono* favored-las de
eapitaas-precisos para a sua industria ;
. Eniprestar dioheiro sobre qaalquer objecto,
seja dc que nmureza for ;
3. Promowa- em Portligil e no estrangeiro a
vrnda de tollj e qaalquei- f-nero aijrTebla e indus-
tiial;
4. Fazer (odas asopnracd"es fe.mcarias que os
e.-tab'-lecirni-ntos bauearios reaiisam
E-ti nova sieiedaflft se denemiuarh Agenda
prot'-i't ).-a d<) commereiD e ind;istna -, com sac-
enrsatrs cm titttft as eapllavs da Enropa e em to
das as ca;>ita>-s d.is dbtrietw de Portngil, no con-
ii- rina*.
Ekta Ajoncia ter.-i [res vapore.-, os qnws per-
correrao mensalmente os pjrtos da Eurnph, afim
de ixtnuu/.tr passageWos-e todos o< rtneKis da in-
oustiia r a>jricultjra quo a mejma Ageucia man-
Car vender por coma dis pAiflealares.
O ("undo da Ageneia e de :t mil cnntu de reis,
estaiili j;i compl.-ta a Stbscriprtta da i1 -e.-ie, que
foi tunada fields fiimftdores '{ s>ci.-la It*.
A dw<9e3) sera 04rnposia di- memb o>, eslan-
i.) j indifHj l>s alguiH c|iHalfet8ts rnttHe conne-
eidos-iiijsu pr.ica.
T.iraa se a fallar na eafplorMltoerfl granle
eft na ilss osin-iia? do A'gwvo. a cofleestfio fii
ru HVse r.'i|iieviJa ao goveran por L. Pelippe Lei-
tn A Irnrac.
A i ioa d i pe 'i oiiiBirnno e pio-'iii i i- i-'!-i> d.ts o^tas 4<*
r.ir;;ig.l h cadi ,i rt>irti em Franca,
To Jos aim is rein aqui in iti is navios a vapsr ca'r-
rega-las.
A dirocea.' pen I il is I'graphos e pbaroes
di reinn, annun^ia jiaia < .i:rf^ji:;ir.f.) do pulilku
Re ai-!n o Ue aliril uvrrente, dm n ,v.; .bo sn!j imrino en(r
H"su,iDha e Prn{:a( hga*Mi Barcelona e .M.,rse-
Uw.
A is lalecrammas que se>uirt-m par esta via1
(ir. nteira hii-p.tno-purlijn '.a vi i Barcelona) sdo
Stlicadas as laxda cuBstantai da respjetiva ta-
Is- qoa nao tramsretto pjr sw, indtil por alii
prr.r? ie inaioria Jus abssos lett >rcs o sabfe-
NJk
FiwraaMfl em Lisboa as solamnida les da $e-
mana saota com a pomoa e vencracao do custu-
me. As provineias mandaram grande numero de
duvotos p-^los caminhos de ferro.
Foi i.i.-iynado nj eartorio do labelliao da caina-
ra de Usbea, Caroelliar, a escripiura connituiti
va de sociedade ei licadora. que se denomimra
Sociedade ds credit! ed-/Um-i Urn pirlugiteza de
que sdo direetorea os ms Pedro Afir, )oao Henry
Juiiior e Diogo abria de Froitae Britu. 0 capital
t- de 2CJI cuntis de reis, eoiiaidD em 3 series de
SOcontos. As aecoes sio de 4540ft)! 0 lim da
comp uihia e dar o maijr deaeavaMmenio a pro-
prii'dade uroaua, edilicando predios por cneoia-
m :i ia, nao supenores ao valor de 8 contos de
reis c pagaveis en 10 annos, por mod* tal, que
urna |> -.- -1 | leencomm >n Ie u:n prodio de1:000-j,
jiodc Qsnfniiudfl a absse dsila desde o lim do 1"
anno, i in adqainiudo em pequenos pagameutes,
: i a/eiii- ...igo do lim de lOaooosa quantiade
383i, i|ae i c an cerleza, d que pagtria de renda
d uma ca-a i.leniica.'mas sem fi:ar seahfir della.
Segualo os.hi.im aproximados calculi, o homem
oa f.iiuna uiais mediana poJe aiquirir uin pre-
d;o ao valor de urn conto de rets, tend) de pa-
gal no aetj de escriptora 70-0J0; a orazi da 3
iH'Zes. 50400U ; a 0, oliOiO ; a 12, 10350 0 ; a
Vdl .fii JBia/, .^OjJJlIij MVyflP de P^-^^ Qdlata (eira 30 de Abril de 1874. ;(, (/ (|//,
ASSEMBLE PROVINCIAL
2i, I36i 00 ; a :i"., 149*000^ a IS. IliiOOO ; a
CO, I35ftm : a '>. 128*000 ; a Si. 121^0.10 ; a
96, U4409O ; a 108, 107:0 ii. Total 1:383>00J.
A primeira sorie eta loda insi-ripta.
0 goveroad-ir geral dr. jrr.-ineia de Cabo-\'er-
de djmeOa uma coram::sio compusta de 7 mem-
bros e prcsidida pelo r>).-pectivo secretario ge-
ral, qu? lem 'por lim propor o mellior mo-
da db subsiituir o actual impost*) d)s3porcen-
to ad-vulwem, soi/re todos os objectos Mnportadns
e exportados, por outro [ue (cabs por base os di-
reit is cobrados nas alf.mJegas, que in.iis equitati-
vo pa ecae quj seja de inais I'.cil e prompla arro-
cadaeao, sem di ninuir o readianato que aetaal-
inente sjarrecada na pr-ivincia.
JaA sociedade pharmaceutica-lusitana fji convida-
Btra se fazer represents no congresso de phar-
euticos que no praseote anno se 'leve reunir
em S. Petersburgo.
Parecc que o thesouro hespaabol quiz levanlar
m praea de Lisbia am omprestimo qae coosli-
tuisse divida Iluetnante, com o juro de 16 por
cento ao anno, dando com) penhor os fuudos con-
soli.Ialos internos, ao juro de 12 por cenio, depo
?5t*os no banco Ultramarino. Por ora nio ha to-
maJores,segnndo me a?se/eraram ha pjueo.
! r ul iu em Lisboa que o gcverno de Portugal
ia contrabir um navo emprestimo. Nao tern
liindamento a notisia, a julgarmos pelo qae decla-
rOonacamara dos depuladcs o ministro da fa-
zenda, depois de ser devidamente interpellado
Dis-e mais que o governo nao so nSo esfava au-
toffeado para uma opera^ao linanceira de seme-
Ihante natcreza, mas nem precisava della* ; por-
que o paiz e;tava prosperando. Effectivimenie o
mercalo de fa'!dos portuguezes nio s6tcm e-tidj
i;r!i!o lirni", mas ale tem experimenlado alia nes-
ses ultiraos dii. T^davia o qao eoteodo e qne ao
governo 'om as camaras faacjionando nao cmlf
nba declarar sen'o ista
Falleceu o adniinistrador -la corrtfto de Villa-
K'al (Trae os Montes) o canseilieiro Carolino Pes-
-anlia, aatigo governadcr eivil e depntado a* cor-
ttt-H (pie vii exereer aqadle lugar o Sr. Ma-
nuel de Urvalho, irmao do par do rWno. vjsconde
u- i.-.mcelleiros.
Mi) rhegou a ser discutido p-'loparlamenlo o co
fitgi mil.iar partaguei, compeieotemente reforna-
do. Ja tmbaoparecer da coramksSo especial eleila
pe aeamaraelectiva. Consta de 123 arlizos di
vididaspor 7 IiiqIob. 0 codigo militar proeura
harmonisar e perdoar is penas com os delictos e
com as penas impostas aos delictos eiris As De-
lias >ao : -a morte, degrolo, exautoracfio. dernis-
s^a'), presidio, deportaeao e prisao.
- SESSaO ORQi.N.ATlIA. E* 15 BE ABIUL.
I'RES1BF.NCI\ OOSB. FBBRRIRA DE AGU1AR.
Ao meio dia, feita a chamada e aciiando-se pro
sontes os Srs. TiHurcio de Magaihi*, Mineel d
Hego, Balis e Silva, J: Mello Rego. Peretti, Caiaaoim,
Firmiao de Sovses, Soares, Cuoiia Cavaicaute,
Agniar, Joao Barbalho, Tolentino de Carvalho, Oo-
mingos Pi mo, Vieira de Mello, Antonio Paulino,
0. Gondim, Lacerda, Gomes Parenle, X. I'ortella,
Goes Gavalc.inte, Olympi > Marques, Arruda, Oli-
veira Andrade, Felippe de Figueirda, Tito, Gaspar
Drumracnd, Pinto Pessoa, Goncalves Ferreira e
Araaral, faltando os Srs-Tiavasso de Arrada, Soa-
u Lelte, Dirio Gavalcante, Arconcis, Uijnda Cavat-
cante e Alipio Costa, abre-se a sc-sao.
Sao lidas e approvadas as actas das sesiSes de
13 -e 14 do corrente.
0 Sr. 1 secretarfo da coata do seguiute
EWBMeN8 :
Offlcio :
Da secretario do g ivcrno da provincia, remet-
'tendo diversos creditos supplementares ao orga-
mento vigente, na importance deft): 1704897.
A' commusao de orgameiito provincial.
Peliedes:
Da Augusta Cesar Fernandes Eiras e Evaristo
Juliano de >a, coneratHntes do matadoufo pot)Kc,
pedindo raodiiicacoes no coutrato. A' cominis-
sao rcspectiva.
Da irmaadade de Nossa Seohora do IV-rco, (>e-
dindo preferencia (iarg. a extraccaa de lotenas.
A' commissao-. de or^aniento provincial.
De Joao Mauoel do Castro, empregado aposea-
iado da secrelaria de governo. pedindo melhora
de nposentadoria. A' connnissio de petieues.
L th diversos commerciantes de joodbados desta
ci lade, pedindo a revoga^lo da lei n. 1,19 de 38
de ju-iho do auno passado. A' commissao de Ie-
gfalaaaA
E' lido, i.peiado, posla em discussao e sem de-
bale approvado este parecer :
A commissao de ordenados a quem foi presen-
te a pone io de Salvador Barbalb > Ucboa Laval -
ennte, purteiro da thesouraria provincial, peliudo
augment) de seas vencimentos, proeisa para poder
dar sen parecer, que pelos canaes competentes se
pecam iuforraa^oes sobre a referida petici) ao
lllm. Sr Inspector daquella thesouraria.
Sala das coramL-soes, 14 de abril de 1874".
T. de Arruda. DoiHiiigos Pinto. Tibnrcio de
Magtlhaes.
Sao lidos, julgados objectos de deliberajao e vao
a knpiimir o stgointes projeclis :
A commissao de instruc^ao publica a que fni
preseute am ftaflfd assignado H^mado pslo Bvm.
vigario da fregaezia de Itambe e creseid > numero
de habitantes da mesma fregueria, pedindo a crea
i;;io de mais uma cadeira de in^trncj.io primaria
para o sexo fominino, julg,.ndo procedetttes as ra-
z^fes pefos mesmos invocadas em justiiicnc;ao do
l>ed!d q'ie fazem a assemble provincial', 6 de
parecer que t A assemble i legisiativa provincial dfb 1'ernam-
hiK>>, resolve :
Ar'tigo unico. Fica creada, aa villa Je Tl sm-
be, mais uma cadeira da Eastraeoaa primaria p>
ra o sexo feoiinino.
Sala das cominis-oes, VI, 9e' abril de 137i.
Dr. Stiscimento Portett*. Dr. Pint'i Ppsoa.
A assembles legisiativa provincial de Prnam-
buco, nNOfN :
Arii-;ol. Fica concedida ao artista Antonio
Benvenul >. que se tem distinguido e sido premia-
do nas expusirocs bavidas^msia [irovineia, a i|oan-
tia de !:0'03 e por leinpade tresann.is, como au-
xilio para que possa elle e-ladar na acadamia de
bellas artes do Itio da Janeiro.
Art 2* A referida q aanlia sera entregue
iiv.is.il on irim.'us.-ilme.iie ao orocurador qae d"i
taV testa capital e mediante ceT*tid*o idaqutjili ai-alemia de estar oar^atida as respewU
vas-'aiila*.
S.la das ses>oes-, dii de abril de 1874. Dr.-
Xtscimti.ii) I'oitetln,
u A asseniblea legisiativa'provincial da Pernam-
bucoresolv :
Ariig.i 1 E' livre o ensio>j primario e se
cundario, podendo ser exercido por-qualqner na-
cional on estrangeiro sem dependeueia de lfcetia
e de prova de capacidade profissional, snjeitoto-
davia a fiscalisaeao do inspector geral e d seas
agentes, salvo qaando profiSsado no d imicdio do
alurann-
Art. 2 A instrnccao primaria nas cidades e
villas e obrigatoria para os individnos de 7 a 131
amio-i, incorrendo sens pais, lutores on c.uradores
nas penas de admoesta.iao e muita ate 2 '5 em
i]ii;nito os nSo mostranm frequentando e^cola ou
recebendo iustrucgio no sen domicilio.
Procederse-ha ao arrolameno dos quo dnvem
frequentar a esola, iiicumbidos dislo o parochn,
o delegad) lilterario e um oidadao nomeado pel
president da Droviucia.
Art. 3 As cadetras de instruc.:;lo primaria,
qaer de am qur de outro sexo, seriio classifica
das em tres ontrancias, alttndendo-se a importan-
cia das localidaies em que fiinccionarem ea dis-
tancia em pie se acharem da capital.
S 1* 0 provimento das cadeiras de primeira
entrancia sera feito jior concurso, nomeados os
exaininalores plo presidente da provincia, ?alvo
os ca-iis do art. 3'.
2 O provimento das de segirn la e tercei-
ra entraocias sera por aceesso na ordem de ami
guidade dos professores : sera, porem, admittido
c mcurso entre os da segunda, quanto as cadeiras
vagas da terceira eniranna, se algum o reque-
rer.
a Art. 4 A inspeccao do ensina sera exercida
piruii) inspector per..! com as attribuicoes e ven-
cimentis actuaes do director geral (salvas as mo-
dilicacoes da presente lei) por um conselho line-
rario, por deiegados biterarios, nomeados pelo
inspector geral e p^r in missionadus pelo prosideote da provincia nos ca-
sos e para as localidades qne jolgar c mvenientes,
mediante rasoavel gntili.-agao.
Art. 3" Onde for difflcil, o muito dispendiosa
a inspeccao especial ou Baa liaja concurrentes as
cadeiras vagas par duas vacs postas a concurso,
podeta o pro.'essor ser cou-rratado per qualrien-
nio.
t Se honver hem servido, podera ser recondu
zido por outro tanto tempo, e ser pelo presidente
da provincia, ou.dda o conselho lilterario decla-
rado vitalicio finda a reeonduccio.
Art. 6" O professor publico, salvo o caso do
arligo antecedente, sera considerado vitalicio de
pois de cinco annos de effectivo exercicio, provan-1 W,
do haver bem desempentiadoo magisterio.
Art. 7 0 professor vitalicio peidera a ca
deira :
1 Em virtnde de condemnacao judicia
revegavel que importo perda do emprego;
t' Qtr.nl) candemnado por senteaga
sada era julgado, por crimo contra a moral e
costumes ;
3 Se condemnalo irrflvogavelmente
crime a que seja imp a Ma pena de gs-lea, prisao
com trabalha ou simples por mais de seis roezes
40 Pot senienca em processo disciplinar
Dos casos declarados no art. 8- 31.
Art 8* As penas disciplmares, em que pa
flem iocorrer os professores sfio :
Advertencia.
2 Malta de 10 a 30j.
-.\;na attend:eel e fustitcatt
abandoaai |iot mtU 'h) nm mozV
3A ftaaiHo-p t duas vows sus>eo05 u
I* a n-.na vez reinoviJ.i, se aio liouver
'coWgidd'; >'
^>i<"Q4t(nlBco.iimerciar ouexarcer |fci1io
induaiai. desempenho de seas devores.
3." Nos cass dos 5-j 3, 4 e 3, fermar-se-ba
pr::c>:s?a disjlpttnar coi.ta o professor arguido de
culpa, quo s*rd]algda fclo conselho litterarft,
na f.irnm qae f* pre^cMpta no ragulament-, da
pendendo a soateiiga da oislirraagio* pel > presi-
dente da provincia, nas hypotlieaea dos f 4 e 5.
Art* As jujuilagaJ'M so terao lugar quaudo
se provii mlbi!iiafao,eompl la para a coaiinaa-
cao do magWerio,ie sen com b ordenada propor*
cional ao tempo do effectivo exercicio, so este fdc
por mait d 15 annus, e com o ordenada por i*
leiio, sfdr mais de IS annos, nio sendo em case
algam computada qasesquer gratificagSei.
Art. 10. Fe.ta a classiliaa^aa de qae trata e
arL 3.a e aiprovada pola assemblea, *arib fixadas
por acto legislatifa os vencimentos dos professe-
rea,alHaaaaaa se 4 differenga das entraaeias.
Art 11. Padcrao ser nomeadas para regar es
cola do sexo inascullua, prafeasoras que -e bajaai
habilit.da na forma do art.-ii 6 da lei n. 1,124.
Art. 11 Xo caso de iiapadimento do profes-
sor, ou de vaga de algumi cadeira de iastruccao
primap'd**!iiii ou de oatro sexo, poder* ser paid
delcgido litterario nomeada iaterinameote pessoa
raeiiaaeei laiSwnte idudioay.depesdBda a aomeagio,
sem prejuizo da exercicio, de approvacaa do ins
pect-ar^eral.
Os que assim forem noaeados, perceberio a
gratifioa^ao da.juelle a que.n substiiuirem, e o or-
deoado -quanda e-le o nao -jierceba.
Art. l). Sa> feriados nas escolas publicas alem
dosdomiugos e dias'sanlos, os de festa na;ioual,
os de luto public dudarados polo .governo, o dia
27jle Janeiro, os do caruaval e quartarlaira de *
za, os da semam sauta, o de linadas e^os-que ao
correm de 8 de duzoinbro a 7 de jaueiro.
Art. 14. Fi'.aem vigor o displo na laid.
1,124, art. 8, primoira parta; art. 14, menos o fl
ual ; arts. Ili, 23 primeira panto; arL 44, 27 a 3(1
inclusive; art. 34, 33 primeira arts; art. 36 de
accordo com o art. 9 da presente lei e dependeudo
o regulameuto de approvaga) da .^sembiea, so na
pario penal ; art. 37, 40 a il, sendo este exocuta-
d> nas mesmas eoadigdes do art. 36, 42 a 46, sen-
do a disposi^jao deste ulu'mo executada. quando pa-
ra issose vote veroi na lei do orearaeata.
. Art. 15. Ficam revogadas ludas ^smais dispo-
sieoos e leis etn contrario e MS regulamenlos que
o presidente da pmviacia expedir pirn a exucueao
da presente lei padera coinmiaar inulia de 30i a
203-5000.
Sda das coaimissoes, 13 de abril de 874.
Dr. Nisciwialo Pjrtella. Joio Barb ilka. Dr.
Pinti} Peism.
Vein a mesa, 6 lido, apoiado, enlra era discussao
c e seal debate approvado este requerimento:
Be pieiro que pelos canaescompotantes seexi-
ja as senuiules informacoos:
l. no anno de 1872 a 1873, e reco bidos a armazons
alfandegados.
2. Quant>s foraa-ctinsamiJos na provincia,
e quanlos reexportados. S. R. -J.de Mellu Rep.
onDK.v 0 i ..-I \.
Cmiinua a di-cussao do parecer da coraraissSo
de -pnliciii relativameuie a indicagio apresentada
par varioa-Srs. dep ilados, reformaudo algiaa arti
gus do regimento da assemblea.
l'rosegue a discussao adiada do substitutiva ao
art. 0' do regimento
O Sr. Uanocl do Rc^o: 0 art. 9' do
rajjjnaato dispoe o sogurate : Qaando appaig-
cerom esousas, se parli;i|)aia ao presideane da
provincia, por iutennedio da sen secretai ia, para
fazer ver os iminediaus em votos. a
Esta disposicao era necessaria qaando vioprava
nosso anti(to systerna elcitoral, de eleicSas por pro
vincias. Eulao quaudo alburn das depuudus se
esousava de comparecar on da va-se al^uma vagi,
olliciava-se ao presidenle da provincia para cha-.
mar o immedial) a.a votoa. Mas hoje nio lem mais
tazao da ser #* di*posigao, porous u.ia ha mais

I
*n,rt pata t<$>r-
acrescciil-3 se : excepln nas aleicdea jiua sc. fa;mJ s.
par cicrntiaio secret o inais coiiw lifaWgft. #J*
Kitva em discussao a seguinlMMtthda: .\rm i^0IXfli *H Rv.n*. e viario-ffe:
A> art. 31. .v.ippr.m.-i so : l. W?a a,pre. bastiVa It-irgos. da. CnWha, conugu chantae Dr.
Ji.bVncjanifaltade presidente e^4e.aMdeute. J0$.j Toienliaa Guedulba Mouiao, o eon-g.i Lui7
O Minaid do Uago : Propadho a
adppressai do g !. deste arligo-, pfarque o^nlgo
desnocossario e ate inconveniente. Com effeitordo
madoporque esta redigido este artigo do regioien-
t>, pode parecar que, nafalta do vice-presi leata,
o 1.' secretario e o u.iico competeatc para substi-'
tuir o presidente, ma* 6 de esiylo que tambem o
substituam os outros secretario*, na ordem da vo-
tacaa. Assim, pois, offerego ami emenda para ser
collicada de?ois do art. 34, declaranda que os se-
cretaries, conforme a sua votagao, substituirao
tambem o presidente, na falta do vice-presidente
ijne e o que ja se pratica actualmenie, embora se-
ja o regimenlo omis3o sobre este pout).
Xinguem mais pedindo a palavra, encerra-se a
dis-ussio e eapprovala a emenda.
Sia igaalraente approvadas sem debate, as se
guntes emendat:
Art 31 Sabstitutivo : os dous secretarios sup-
plenlessupprirao as falUsdos proprietarios, 6 po-
penda o l. ser subsiituido pelo respo-.tivo supplen-
, qaaudojo 2, wtiver auente, e receberao a porta
do salao os deputados, que de aovo entraram, e os
acampanharao a mesa, onde devem pres.ar jura-
menio. Xa f.lta absoluta das suoplentes, o presi-
denle podera caamir qualiuw d^putido para
substitui los.
Depois do art. 34
jr-
pas-
b ms
por
- Despacbagam se honlem na alfaadega 100
caixag com amostras de vinoo para a expodcJo
dft Lomires.
K'eva se a 400 o oumero dis eaixas que tem si-
doja reraettidas pela comm'ssJo.
- Acbava se doen.e desde doraingo Sua Ma-
ge-t:.de a Rainha, a Sra, D. Maria pia.
. 7 wmecara;a os trabalhos cleitoraes com gran-
I.
3' Suspeosaa do exereicia com perda it
vencimentos por oito dias a scis mezes.
4* Remo.oes.
5* Perda da cadeira.
| 1 As duas primeiras poderao ser impos-
jas pelo inspector geral, deiegados litterarios e
inspectores especiaes, em caso de infraccues de
Ins'.rucgo^s pelo primeiro expedidas e dai leis e
regulamentos reterenies a instruegao publica.
Quando expostas pelos deiegados litterarios a 1ns-
eet<)iies epp daa, deveran, para prodaiir sous
tffeitos, ser confirmada- pelo inspector geral.
a J 2 A finspenaao sera imposta : por oito dias
Suppleiiles, e, bavendo qual juor vaga, deve pro-
cedci-se a iiuva elcKaio ; por isso aprusenlei o
substitutivo em disiiusija, que me pareceu neces-
sano.
Aprasenlo agora uma sub-emenda ao mesmo
substiiutiv), privideacianJa para qae, no caso de
nio se aifhar reuwida a assembl6a, a mesa faca
a devida communica.ao ao presidente da pr.)**"
cia.
E'Jida, apoiada e entra conjunctamente en. t-
cufsao a seguiute emenda :
Se nio estirer funcci mando a as-emb* lea pro-
vincial, devera rennir-se a mesa e fazer as devi las
communicagocDr. ilancel do Rego.
Encerrado o debate, 6 approvado o sabstitutivo
com a emenda.
E' sem debate approvada a 1
ao art. 10 : c Em vez do nomeados na f >rma do
an. 2', diga-seinlerinos; consideraado-se pre-
judicada a z' parle : Se:gio If, diga-se dos
vice-presidentes.
O Sr. .Uituucl cto Rego. 'btendo a pala-
vra pela ordem, manda a me-.a emendas aos arts.
12, 13, 10, 18 e 19 do regimento. as quaes sio
apoiadas, e licain rescrvadas para entrar depais
em discussao.
ousideram-se prejulicadas as emmdas oilere-
cidas aos arts. 28 e 29.
E' sem debate approvada a emenda aoart 12, a
qualdiz: c Supprimam-se as palavras : na dia
designado pela presidente da provincia. a
Entra em di-cussao a emenda substitutiva da
art. 13, concebida nestes terraos:
t Immedialamente o presidente nomeara uma
Jeputacao de 3 membros para reeeber o presiden-
te da provincia, ua casa imraediata a sala das ses-
soes. e acomaanlia-lo ate o mesmo lugar na sua
saMJa, e em seguida procedera a assemblea a
eleigao do presidente, vica-presidente, dous secre-
tarios o dous supplentes.
o Sr. Munael da Rugo: -Apresentando
o presente s-.b-lituti vo, live em visla rcgularisar o
modo de proceder a assemblea na occasiao de sua
installagao.
Segundo a praxe hoje adoptada, reunem-se os
deputados no proprio dia, em que deve ter lagAf
a sessao da abertura, vao assistir a missa do Es
pint) Saoto e depois tem lugar a installagao da as-
s;mblea. Entrelanta, esta praxe e contraria a lei-
tra do regimento...
0 Sn. Olyhi'io Makquks : -Apoiado.
0 Sr. Ma.noel do Rego :... como se vera pe-
lo art. 13, que diz .
Lida e approva !a a acta da sessao anteceden
o presidente nomeara uma commissao de 3
membros, para no dia seguinte, cm que se ha de
installar a assemblea lejislativa, reeeber o presi-
dente da provincia na casa imraediata a sala das
gessoes, e acompanha lo ate o mesmo lugar na sua
sahida.
.teerescehte se o seguinte :
art. ... Os se;reUrios, conform a ordem de sua
volaca-i, suo'HioiraJ o presidente na falta dos vi-
ce-presideates. o
Art 40. Sabstitutivo. 0 1 e 2. secretarios
seraa eleitos separadimente, da mes.na forma qae
) sao o presidente e vice-presidente.
Art. 47. Substitutivo : 03 qne aa seguirem na
ofdem d^ votacao aos scretarios seraa os sens
supplentes.
CiB-hiera'se prejudicada a seguinte ealea la aa
art. 44 :
Diga-se : vice-presidentes.
Entra em discussao esta emenda :
1 Art. 48. Suaprimam-ea as palavra3da uns
e oairos. e
Mr. Sfuua>el da icgo : -Apresentei a
emenda suppressiva da* palavras him e out+os, do
art. 48, por julga-las inateis presentemente O
art 47 d regiin.'nto trnla-va dos secretarios e sens
sapplehtes, e a esies se referiau) aa palavras uns
e outros ; mas como a menda substitutiva a este
artigo, que foi aloptada, trala apenas de supplen-
tes, nao torn mais razao de-ser a conservagSo del-
tas palavras.
Apresentei tambem uma email la nae ja foi im-
preasa, aa art. 48, que diz : 1 Depois da palavra
faita, diga-se: por escrutiiuo secreto ti pluraltda-
de relatica de vot>s, su^iprimindo-se as do arligo.>
Diz 0 final do an. 48 do regiment): a nmiea-
cia de todas as eomrai>sd"as interiores, permauen
tea e e*pe^iaos, assim como dos membros das com-
missdes de ion, sera feita da ra-asma forma que a
djs secretarios, feto e, a plurali-dade relativa, co
mo era feiiaentao a eleila dos secretarios ; mas
pissanda agora a edeicaii dos s-crwtirioa a ser feiu
a pluralidade absulutai, t .rna-se wecessaria a
emenda apresentada, pwqasy se fiensse 0 artigo
tal qual esta, 0 que se seguiria eraquo ascom-
missdes devoriam ser eleitas ix pluralidude abso-
luta de'oios,. 0 quB seria oonirario a prare es
tabeiecida em t>dos os> parlamentia e-asseiablcas<
proyinciaes, e mesmo absurdo.
Xiogiem mats pedindo a.palavHa,-eneerra-sca:
discussao e e approvada a emenda.
Sao depois sem debate, approvadas as seguintes
emendas:
Ao art. 48. Depoia- da.-poJ.avra feit*, ili(ta-se :
-por escrutinio secreto a plaralidade relativa de
votos ; supprimindo-96 as d > artigo.
ArL 71. Dopois diis palavras -e.'por seis rt.u
terceira subslitu.vso- 0 resto do artigo pelo se
guii.te: sera discutidn aaaaoolaMpMt Qoaaio suj-
pensa a discissao principal, a qitalicaatimfcra sei
o adiaicooto nfu iV>r apprava'do.
Ciiisi lera-se prejudi;ad-i, a oalra emenda ao an.
71, a qual diz :
t Snpprimam-se as palavras : desde .sera ate 0
fun-do artigo, e diga-s* : procader-se-haa.vitneio,
preoedetxio disc as-a .1.
Eutra liaalini'iiUi em dis*asao esta eraonda :
t Art. 103. Depois da.palavra rejaicao. accres-
cente-se: devendo sei conjunctaui:'t)te co n os project is a qu"j se refeii-
rem ; 0 inais como no arligo.
Rec ->nhec se nao haver uamera e flea a dis -
cussa) adiada.
O Sr. pr-esidente designa a ordem da dia seguin:
to e levauta a sessa.
lua,
Barr.is da hastes.
Sovehio do 1irpado. -Pot prbvisao de
23 do correte foi nemeado 0 Rvm. Sebastiao Ta-
vares de Oliveira vigario eccomraendado da fre-
guezia dos Afogadoa.
Fiscal la Itttcriaro. Por pnrtaria la
presideucia da provincia, de 27 do correnta, foi
nomeado Francisco Foligonio de Souza Maga-
Ihaes, para exereer intenoarnente 0 lugar de lis-
cal das 1 terias.
Jury do Recife.^omparoceram bonlem
39 juites de facto; sendo po'-em, adianlada a
hora, o Sr. juiz offlclou aa Sr. desembargador
Custodio Manoel da Silva Guimaaiies, que tem de
presidir a presente sessao, pelo que comegarao
hoje os julgamentos.
Espanramonto.-Em 28 do corrente, as
11 horas da rnaali 1, Pedro Pereira de Souza es-
pancou 0 almocreve Mathias Antonio do Brito, en-
tre a ponte do MotocolomOo e Imbiribeira. O de-
lini|uente foi preso em (lagrante.
Fabrica de flacao e tecido n. -0 Sr.
commeudador Barroca' pele nos para declarar
que a inanguragao da fabrica de fiagao e tecidos
djs, que esta sendo moulaJa in Passagem da
Magalena, nao p6de ser effectuala no dia 3 de
raaio, e que, logo que desigoar 0 dia, no lo
participant, para 0 annunciarmos.
Aiiiiivci'Hario. -Couifdeiam-se hoje 20 an-
nos que foi inaugurada a 1* eslrada de ferro do
Brasll, a de Maua (iioje Pedro II) no Rio di
neiro.
Keltiwe. Amanha deve haver um da
invisivel para Pernambuco.
Para a Buropa. -Com 30 recebidos em
nossn porta, levou o vapor portuguez-Um^Mfi Gar-
ret 207 passageiros.
Impoisto pesHoal.- Termina h je 0 prazo
para pagamento Itvre de raulla, do imposto pes-
soal, coirespondenle ao 2* semestre do exercicio
de 1873 -1874.
Fernanda de !t'oroalia. Xo dia 3 de
maio deve seguir para esse presidio o vapor .Wan-
dahu, da companbia pernambucaua.
i,oii','ciiia(ic.-.\'i ceiiiiterio publico desta
-7 (In corrente a prcta
iana, com 104 annos de
iJade.
B<'.lai-a<;i<> ueeeBsarla. Por engauo
da paginagao sahiram em nosso numero de hon.
tem reuni los dous arbgos da Parle Politica, ea-
mecando 0 .-egundo na llnlia 111." no qae eome-
ga Ultimamettte tem a Provincia etc.
Arrematacdcs pravinciaes. -So dia
7 de maia proxlino vao a ptfaga, prratite a junta
da tnesouraria provincial: 0 cu gat) publica da c;dade de Giyanna,; os reparos da
beuiba n. 2 no setimo langofda eslrada do sul ; osj
reparos da coberta da easa da detencao; e a obra
da boniba para 0 povoado dlis M.mtes.
Reuniiko de irmnndade.-Iioje as 6 ha-
ras da tarao, a innandade do Sennor Bom Jesus da
Via-Sacra, erecla na ijgreja da Santa Cruz, deve
proceceder a eleigao ^a nova mesa regedora para
0 anao de I87*i a 1873.
'ftejtuta:to4 geracs. Alem d03 qtte tmn
lem maocioaamos, s?guiram mais no vapor Geard
os Srs. imjor FranclSM Rapaael de Mello Rego e
Dr. Jose Bernard) Gatvab Alcoforado.
Vapor Parana. Sabio ao dia 28, a tar'le,
Jo porto de ftclem para 0 nosso pelas escalas.
Dirthclfo'. -0 vapor Bahia luvoa de nossa
praca para a da Parahyba l0:0.J0'Ji.
0 vapor -(J'jstile 'J-' (ttU'ins levoti le nassa
praga :
Para Maceio 70:8321000
Para Penedo 46:0005003
Inalitaca Ilislorico e Pliilosophl-
ca. Dpmiiig.i (2(ij reanio-so esta sociedade sob
a drisfifencia do Sr. Bandelra do Mello.
Eatraado se na''l" pane da oriJem do dia. ora-
cidade fji sepnltado no dia
Mafia db RrisatiO, africam
RE VISTA DIAHIA.
Antes disso diz 0 art. 12 : Antes da sessao
da abertura, os deputados, reunidos na sala das
sessSes, concorreraa a raatriz, etc.
Logo, segundo 0 regimento, a missa deve ter lu-
gar uo dia anterior ao da abertura, 0 que nao se
pralica e mesmo nao mo parece razoavel. Julgo
preferivel a praxe ad -ptada, e por issa propuz ao
art. 15 0 substitulivo, que esti em disenssio.
Apresentei unn oulra emenda ao art 16, qne
diz (Id): fupprima-.se desde t assemblea ale 0
dm, e accrescente--e : ese levantara a sessao.
Como ja disse. proponho que se consigne ni re
gimenio aquillo qiie ja esta poste em pralica, fete
e, que lenhani lugar no mesmo dia a missa e a
sessao de aberlnra, e' procuro tamliem uniformi-
mt o nosso regiment), que neste ponto nio e uni-
forme, porque, ao passo qae no art. 16 determina
que a eleigao da mesa, no 1* anao da legi'Ltura
sej feita depois da abertura da assemblea, no art!
19 determina que.essa eleigao tenha lugar antes
da instaltaeno.
Um Sr. Depiitado :Xo 2." anno.
0 Sr. Manohjl do Rego : -Xao ffejo razao para
essa adversidade de disposicSes; ra; parece miu*
natural qae a assemblea assista a sua instaliafio
, Axsemblea provincial. Hontem^a as-
??. 'se.nbloa fuocci mon com 27 Sis. deputados, sob a
presidencia do Sr. Dr. Aguiar.
Approvadas as setts da ses 2S do corrente, 0 Sr. I' secretario da conia da se
guinte expedienle :
ora.-1 s :
Do secretario do governo da provincia, re-met-
ten do por copia 0 oiH.ao qne a camara municipal
de Jaboatao enderegou ao Exm. Sr. presidente da
provincia e 0 orcamento da receiia e d-aspeza da
mesma camara. A' commissao de orgainento
municijial.
Do mesmo, femettendo um nroje-lo de po-tu-
ras da camara municipal da cidade da Viet ria.
A' commissao de posturas.
Da roesm', transmiitinio a i;;formacao pndida a
junta adminisrativa da Santa i.asa de Mi ilia, acerca da peticao do coronet Agostinln Re
lem da Silva Cavslcaoii. A qaem fez a re-
quisigao.
Peticoes :
Ue E llumas, vice-consul de rrang.a, reclaman
do a restituicao de impastes qae pagaram diversos
subditos fraucezes. A' commissao de or;araento
provincial.
De Francisco Jose Silveira e Henriqao Goilher-
me Stepple, corretores peraes da pr.-.ga, recla-
maado contra a imposicii) de I:660jjtw0 sobre
caixeiros de corretor. A" commissao de orga-
meato provincial.
De Pedro Allain e David Haven, pedindo a isen-
gSo do pagamento de 1 :OJ05000, por ter pago
qaantii igual ao consulado provincial de imp.istos
sobre os joalheiros. A' co:nmis-ao de oreamen
to provincial.
Foram lldas e approvadas as rodaegoes dos pro
jectos ns. 9 (forva policial) e *l, qae revoga a lei
n. 603 de 1864, e bem assim um parecer da com-
missao de policies, decbaando para a de ol-ras
pul.licas, a petigao da Imperial Sociedade dos Ar
iisias Mechanicos e Liberaes.
Passande a ordem do dia. foi approvado cm !
discussao, depois de sobre sua materia orarern os
Srs. Gomes Parenle, Olympic Marines e Drum-
mond, 0 projecto n. 50 deste ann>, que autorisa 0
presidente da provincia a incluir na jabilagao do
padre Igaaeio Francisco dos Santos 0 tempo que
regeu gratuitamente a cad-ira de grammatica na-
cional no antigo lyceu ; e em seguida foram tam-
bem approvadas em 21 discussao os de ns. 2\ que
approva 0 cooualo celebrado com 0 Dr. Bealo Jose
da Costa para a construccao de uma via-ferrea do
Recife a Caruarii, com um additivo do Sr. Manaol
do Rego. e 79 de 1871, que autorisa a factura
radii oSSrs. Afrodizio Vidigal c Prederi'co Borg,
sobre a these : 0 -qne c mtfthndo oxperimeatal,
coma 88 deveeompreh>nda-lo nas sciancias post
lIWs cuja drsensiao foi encerrada.
P.issando se a 2' parle da onh-m d) dia, dis-
cussao da these : 0 gn'ernc monarctrico heredi-
tario e compativel coin a dlgnidade de urns na-
cao ? oraram os Srs. Joao Gualberto, Mello Mo-
raes, Baudeiia de Mello, A. Meira, Arauji Ma
ciel e S. Guedes, licando adiada a discus.-ao da
mesma these.
Fa soi'teada a those do Sr. Frederieo BorgfS-
A divisaa dos poderes sera um principio essen-
cial da ordem politica ? Foram sort-ados para a
di-cussio da ms?ma these os Srs. Joao Gualberto,
Saloothoesse P6, e Assf3 Roza.
I.o ter iaA que se acha a venda e a 98.' a
benelicio da matriz da Escada, a qualcorre no dia
6 de maio.
I^atcria do Bio. A quo corre hoje, e a
(306).
Leilao. Ho;e havera nm grande leilao do
trasies e objectos do aso domestlco ao eorrer do
martello, 110 armazem d
Imperador n. 16.
Cisa de detencani Movimeut
de deteneao do dia 28 m abril de 1874.
Existiara presos 312, eatraram 22, sahiram 3
exisem 361.
A saber :
Nacionaes 283, malao: sd 0, estrangeiros 26
e cravos 38, escravas 3 Total 311.
Aamentados a custa dos tofres publicos 280.
Movimeut) da enferai.iria" no dia 28 de abril de
1874.
Tivtram baka :
Thomaz Antonio de Gauveii, rtieumatismo.
Man-iel Jo-e Barbosa, palpltigio no coragae.
Francisco das Chagas do Monte, ecziaaa.
Joao Bapiista de Carvatho, broncbite.
Teve alia :
Galdino a.Ives da Silva.
lWdT*itf|njpn|(lieqrbaa9|, de trinta annos,
|ue em lod.i esse tempo nqnvatfe a minima
pnv*jao, qifeT do actual p-is-utdo.-. qaer de ens
aaieec-sorts. -fl-ttfr.t-a munMpirr'do Heeife 7 de
aurd de 1874. Bellnnin. dn !t*>ge Barrw, Jose
fedro das .\ove-. A' commissao da edillcacao.
Foi igualmente submeltido a coosideragao da ca-
mara 0 parecer seguinte :
A commisato de edifiaacao, a qnein foram re-
raeltidos os reqaerlmentos de Isabel Maria P. Soares
e do padre It ilduino Jose da Silva, solieilando este
licenca para levant ir 0 telhado de sua casa, sita a
rua do Tambia n. 15, collocar cano para esg.to das
agaas pluviaes, fazi-r cornija e alargar as portas,
conforme marcam as posturas; e aquella prelen-
dendo reparar 0 interior e exterior do predio, que
possao no caes_Vinte e Dous de Novembro, abrir
na frente e oitao do mesmo duas portas, elevan-
do-as a altura do predio v.sinho, vem emittir sen
parecer.
A casa da rua do Tambia, lem de recuar 20
palmos, e a do caes Vinte e Dous de No-embro tem
de ser demilidi, conforme marca a pianta da ci-
dade, mas ambas eslio em regular cstado de con-
STvacao, sao habitadas e nao prejudicam por ora
ao aformoseamento da cidade.
Tendo a camara de fazer certas desapropria-
goes.que reclamam prompta solugio, cum as qnaes
tera do dispender tal vez quantia superior a quota
marcada, pedindo-sa autorisa^ao, e nao podendo ve-
dar se 0 que pedem os requereutes, entende a
commissao que deve ser concedida a licenca, as-
signando na requerentes termos, em '|ue se obri-
guetn a nao exigirein indeainisago-s alguma pelos
melhorainenlos, i|ue tem de solTuijr os predios,
quando a camara liver do demoli-l .s. Pago da
camara municipal do Heeife, 15 de abril de 1874.
I.oyo Juaior, Cunha Guiinaraes. Approvafln.
A camara municipal resolveu, qne d'ora em
dianle os ntulo's de carroceiros e buleeiros fossem
expedidos e assignados pelo secretari >, guardadas
as formalidade? legaes.
A-camara deliberou que se offlrlase ao director
do arsenal de guerra, agradecendo a coadjuvacao
que lem prestado a esta ir.iinicipalidade, manlan-
do um soldado estacionar no caes Vinte D( os de
Novembro, afim de Impedir que se deile lixo, e se
fa;a deposito ds immundic a n'aquetle caes, e apro-
veita a cqipartaaidado para dar Ihe scieneia de
queaquelle suldad ) nao tem silo zefpso no cumpri-
menio de sens deverbs.
A camafa antorison as despezas da qaamia de
335000 mensaes com 0 planiio e consei-vacao das
ai vores desta cidade.
0 Sr. Cunha Guiraaraes requereu que se pedisse
ao Exm. presidente da provincia, providencias no
sentido de se nao eonsentir que os Canoeiros
vaadedores de cal .-tacionem no caia da ru.. do
Sol, e ?im no caes que fica atraz do theatre de
Santa Isabel.Approvado.
A camara approvou a rtdacgao da represeata-
c-a'i, que d.dibcroii enviar a assemblea provincial
nos segumles ttrmos, aqual foi remetlida ao Exm.
presidente para eucaaa'nhar a assemblea.
lllm. e Exih. Sr. presidente e membros da as-
semblea provincial. A camara municipal da cida-
de do Recife, vein peranle Vv. Exes, rec'amar con-
tra as duposifiSes di conlrato, que deve s r sub-
meltido a apprrfvacao de Vv. Exes., elfictuado en-
tre 0 Exm. Sr. president* da provina'a e AuciMo
Cesar Per nan les Eira, e'outro para edilfcacap
estabck'iimenio do matadouro publico e sua'j .de-
peudencias.
Scotindo esta cidade a neefssidade do eapre-
go da meJidis convuDientes para remover as tan-
sas, que produzem o encarecimerito das carnes
'verdes era seu mercado e diflicultain seu abasUci-
mento, a lei provincial n. 1,101 deI8 de maio de
187d ccnferlo ao Exm. Sr. presidente da provincia.
au'.ons.vao para tai Tun, podendo igualmenle 0
mesmo Exm. Sr. president* conlraUr, mediante
bnvilegio ate 20 annos, a constnic.-ao de um icata-
dmro, e a acpiisiga 1 de terrenos para kutaaanros
publicos.
t Em virtude dessa aulorisagao. 0 Exm presi-
dente contratou com Augnsto Cesar Fernandes
Eiras e Evariato Juliano de Sa a construcgao de
raafcdoaro e logradodros, como coasU das bases
para duo contralo, publicadas no Diano de Per.
n Ftiira Semmal a rua de
da easa
SESSAO
CAMARA MUNICIPAL.
EXTIUOllDINAlUA EM 13 DE
D2 1874.
pelos dele, ados litterarios e inspectores especiaes,! depois de ter eleila a sua mesa effectiva," t
dependrote de conllrmagao do inspect >r geral, e 10 regimento, eomo ja se prat ca no 2. anno da le
1 a,

Jor oito atrinta dia*, por este ultimo, nos easos
e reinefdencia ear f.TKas ja punidas com multa.
Jj 3 A suspansae por um a ires mezes sera
Imposta :
1 .N'o caso de iaefflcacia das penas meno-
res ;
2 Quando 0 oro*eg*or der mao? exemplos a
sjeus alumnos, ou liver condneta e costumes re-
provados ;
3. Quando em acto da ser.ieo dosrespeltar
seus supenores ;
i i.'.Areiaojio-dar.sc-te para cadeira da mes-
ma ou immediatamenta inferior ennanoia, conira
0 professor que remddir em r.lias petas qaaes ha
Mo na sanccSo do parafrapho antece-
[ente;
I 4 6 pfofenoT perdera a cadeita
oasos do arf. 7:
alumnos;
que tem
gslatura; e por isso proouro, com as emendas qne
apresentei, estabelecer unifortnidade no proeedi-
mento da assemblea.
0 Sr. Fblippb db PiuuEinjA : Pense
to da a razao.
0 Sa. Maxom. 00 Rego : Ja vem, p-rtanio, os
uobres deputados, qn essas eraen las Mm alguma
razio de ser.
Ningnem mais pedindo1 a palavra, encerra-se a
discussao e 6 approvado o substitutivo.
Sao igualmente approvada-a, -ein debate, as se-
guintes emendi?:
e a aisenibl^aofiA 0 hm, 0 accreeoenle-se-e se
levaniara a sessao.
Ab art. 18. Depois da palavra id'd,'dfgar3e, Jjngazei'-a.
alem 4hi no ultimo mez da. Bispo
Ao art. 19? Sappfimxm^e as palavras-dada
.n'Lr13 a lmmoraoa'le entre*S I a posse ao^esidenU e secretartos^lfiilos.
Ao art. 25. Depois da palavra se votar
uma estrada de rodagem do Bio Fonnoso a Ga-
melleira.
Continuando a discussao adiada do projecto n.
38 deste anno. ( reforma do eusino) proseguio
a disunssao encelada sobre o an. II, oraram os
Srs. Balis e Silva, Joa> Barbalho, Olympio Mar-
qaes, Uchoa Cavalcanle e Porteila, "olTerecendo
a respectiva commissao um substiiuitivo, que
apoiado, deixou de ser votadu, assim como 0
arligo, por verificar-se nao haver mais num'ro.
A ordem do dia para hoje e : c-antianacao da
antecedonte e mais 1* discussao do projecto n. 43
deste anno.
Comarca do Recife. Por porlaria da
presldencia da provincia, de 28 corrente, foi
nomeado Vicente Licinio da Costa Campello pana
servir provisoriatbenle 0 officio de solicitador de
ausentes,capellase residuos da camarca do Re-
cife.
Termo do Trlumpbo.-Por porlaria da
presidenc a da provincia, de 28 do corrente, foi
nomeado. Raymundo Flprentino dos Sanlos, para
sorvir provisoriamente os offlciss de 1* tabeiliao
do publico judicial e notas, escrivao da crime, ci-
Vel, orphaos e mais annexos do termo do Trium-
pho.
Ttbo de inga*ei-.-Por portaria da
presideaoia da proviacja, de 28 do oorrftnle, lot
nomeado Migoel Prancisdo de Qaeiroz Amaral
para servir provisoriaoaeote es offlcios de l" ta-
bdliao do publico, judicial a notas, escrivao do
drime, civef, orphaos e mais aanexos do teraw de
pnEsionNciA do sa. iiHODoaa silva
Ao meio dii, presentes is Srs. Gameiro, Loyo
Junior, Caaba Guimara's !esario de Mello, Neves,
e Dr. Moscoso, abrn-se a sessa), e foi lida e ap
provada a acia da anlee len^te.
Leu se 0 seguiute
expediekte :
Um offlcio do Dr d^legado do policia di capital,
pedinlo providencias acerca da reclamaja.),' que
faz 0 snbdetegado da fregu^zia da Boa-Vista, can-
tra os t iverneiros.Ao fiscal, para informer.
Outro do contratante do estabelecimenio de kios-
qaes, oDr. Manoel de Figa^iroa Faria, apresen-
taudo a pianta dos mesmos kiosques.Inleirada, e
que se remetta ao Exm. presideate da provincia.
U.n parecer do advog.vd) da camara, relativo
ao paganism-) de custas. qne pedem os Drs. Joa
quim Correia do Araojo e Leonardo Francisco de
Almeida. A' commissao de negocios judiciaes.
Uma informacao do engeuheiro cordeador a ren
peita da nelijio de Bartholomaa LoureaC).Con
oedeu-sc.
Um ofQcio do mesrnj. apresentando 0 orna-
ment) dos concerns, que s;u necessarios a soberta
da ca-a onde iuncciona a camara municipal, na im
portancia de 7595-i80.Qae se remetta por copia
le ao Exm presidente da pravinc'a.
do Para. -Telagramma da capital
dessa provincia, em data de hontem, diz :
O Mspo desta diocese to\ preso bontem (28)
as 9 horas da manhs, e acha-se recolhido ao ar-
Outro do procurador da camara, remoltendo
uma reiacao das multas impostas pelos fiscaes das
diversas fregueziaj, a conwr de 1 a 13 d) corrante,
ma impartancia de 253000. Ao mesma.
Uma inf Tin va > do contador, acerca da indem-
niag3o da aferigao, qne pr.de a camara munlci
pal de JaboaUio.Ao a Ivagado.
Oatra do fiscal da freguezia de S. Frei Pedro
Gongalvcs, sobre a petigao de Marcelino Jose Gon-
icjalves da Foale. -ludeferio-se.
Um offlcio do fiscal da fregaezia de S. Jos6, so-
bre a petigao de Ctorini > Graeiaao da Silva. In-
deferio-se .
Um offlcio do fiscal d. freguezia de S. Loureng
da Malta, apresentando 0 mappa dos enterramen-
los havidas naquella fregaezia no mez de marco
Undo.Ac archive.
Uma proposta d'is eantratantes do matadouro
publico desta cidade, Augnsto Cesar Fernandes
Eiras e Evarislo Juliano de Sa.A' commissao do
matadouro.
Poi apresentado pela commissao especial 0 po-
Peeer segoWt* :
A commissao, a qaem foi incambido de esami-
nar e dar pareaor- sobre 0 lerr^no da Masdalena
gue tarn de servir de logradouro publico, e que e
de proprledade da Manoel Ignacia Avila, tem a
dizer que 0 melaor terreoo para aqueHe fim e j
que fica junto aos alicerces ao pe da padaria de
Sareira k Campias, nao obstante necessitar de um
pequeno aterra paru dear oivellado com a es^ra^
da, parecendo a commissao, que sarao bastaotes
sessenta palmos de frente para dar sufflcientes em-
barque e desembarque.
fitttretanto cumpre-a commissao nao omiKir a
ciscumsUncSa de haver muitas peesoaS de credito,
morad.ras no lugar afirmado, ser ja 0 lugar esco-
namhucj de 8 do corrente.
t Sendo proprir-dade desta camara 0 matadoa-
ro e logradoarus publicos, dos quaes nasce uma
jonte dercocita nao pequena, e que a camara do
iRcciie nao deve desf)rezar ; compelindo Ihe peJa
lei de sua nrganisagao a immediala inspeccao so-
bre semelhaate estabelecimenlu ; a eeonomia e
aceio dos curraes; a fiscalisagao da despeza e sa-
lubridade dos talhos e da carne; pro ver sobre io-
gradouros publicos, e outras necessidades saur-
ros e econoinicas.; d se, pois, que todo u mho,
qae venba ob-tar o exercicio de suas attribuicoes
aflacU de frente sous direitos legiliraf s e legalme---'
le adquirld s.
t Ora, p^lo conlrato effectoado com Eiras e 1 a-
lr, a ca/r.ara municipal do Recife foram tiradas
nio >6 as sops mais iinporuoies atlribuigdes, n-'-
gando-se Hie ate a competencia para a norneacao
de empregados. que devem ser de sua conflanca,
Como sejaai medico e fiscal; como tambem u'ca
tlla collooada, pelo conlrato, em posicao de em tem-
po couveniente nao poder exercer, sem OMces, seus
duvitos, visto que a edilicacao e eslabelecimenlo
do matadouro no lugar do Peixiohe, e dos logra-
doiiros nos lugares Fragoso, Rio Doce, Maracgua-
pe, Salinas ate a rio Maria Fariniia, pertencenles ao
municipio dc Oiiuda, inhibem a camara de promo-
Ver os meios de arrccadac-ao de suas renda? e
exercer lodis as am-ibnicoes, que llie sao conferi-
das palas leis era vigor; attendendo se a que nao
pode ella exercer jurisdicgao em municipio estra-
nho, como 0 de Olinda.
Nestas circumstaucias vem a camara munici-
pal da Recife, confiada no espirito de justiea, que
preside a todos os aMos desta assemblea, pedir a
Vv. Exes, providencias que removam os obstaen-
los qae podem oppOr-se ao livre exorcicio de soas
altnbuif5es, e que acautellem sous direitos em as-
sumoto de tanta importaucia.
t Xa.-tes termos pedem a Vv. Exes, deferimenio
e e-peram reeeber merce.
Recife, J3 de abril de 1874. Theodoro Madia-
J d) Fiwire Pereira d 1 Silva, pro-presidenle. Jose
Maria Fr*ire Gameiro. Jod 1 da Cunha So ires
Guimiraes. Jose Pedro d:s Neces.Joseda Silia
Log) Junior.
Foram despachalas as peticoes seguintes: Al-
meida <& Barboz?, Antonio Raymundo Pa-s de
Lima, Antonio Annes Jacome, Adelavde Ibria de
Araujo, oufraria de S Bom Jesus da Via Sacra,
Alexandre Jose da Silva, Bellarmino Alves de
Aronxa, Barthlomeu Lourengo, Banholomeu
Franaisco de Souza, Benedicto Antonio de Almeida,
Clarinlo Graciano da Silva. Damingos Jo.;e da
Costa, Damingos Antonio da Silva Beiris, Francisn
Antonio de Miranda, Francisco Jose dos Santos
Iionorato, Henri que Josd Alves Ferreira, Jose Joa-
quim da Costa Braga, Jose Gongalves dos Santo? e
Silva, Jeronymo Jose Radrigues Chavns, foaqnim
Gomes Ferreira de Sa Leitao, Jose Maria Sevi.
Manoel Martins Fiuzi, Margarida Alves Feitcsa'.
Manoel Francisco Marques, Manoel Duarte Redri-
gnes, Marcelino Gongalves da Fonts, Miguel Ar-
ohanjo da Cruz Muniz, Xicolaode Almeida Correia.
Pedro Francisco do Nascimento Gauveia e Ursuli-
no da Cunha Torreao.
E sendo duas e meia horas di tarde, nada mais
bavendo, 0 Sr. presidente encerrou a sessao
Eu, F-ancisco Augusto da Costa, secretario, a
escrevi. Manoel Joaquim do Rego Albuquerque,
preqdonte. Jose Maria Freire Gameiro.Jose
Pedro das NevesTheodoro Machndo Freire Perei-
ra di Silva. Josi Cesario de Mello. J0S0 da
Cunha Soares Guiinaraes. Dr. Pedro ieAthaydc
Lobo Moscoso. -Jose Ha Silca Logo Junior
TkdAOttraria lie In z end a
Foram remettidos ao Sr. tbesourelro pirn sorer,:
pagos.
Offlcios :
Da presidencia, mandando pagar a compamiia
pernamfcucana do navegagao costeira a nuantia de
ti:3Xt*m. '
D.l mesma. aos emprezarios da illuminacSo pu-
blica a de 1:277*. v
Do director da arsenal de guerra, com as des-
pezas miudas feitas no mez de marge proximo
passado, na importan.-ia de 303*370.
Do director d 1 faculdade de direito, com uma
conta de Manoel Figueiroa de Faria 4 Filhos, na
importancia de 53*280.
Requerimenlos de :
Heitor Si Sampaio.
JosMonies Pereira de Vascoacellos.
Miranda & lrraaa
Jeroayino Gomes da Fonseca.
Juvancia Anreliaao da Cuaba Cesar.
Augusto Coelho.de Morals.
.f anoel Figu iroa de Faria A Fihos.
Secrelaria da thesouraria de fazenda de Per-
nanrtiuco, 28 de abril de 1874.
Servindo de secrelado
0 3 escipturark), Pedro R. Teixeira.
c
i
!
.
v

-
J


&f&0'>&e$wbaribitob ~ tQ^AMetra fcfcc&jxafcHl 4fe cft??|
3












-..

Pj
M
ellj
DO I
me
vei
Sod
nil I
cid
po
t.1D
Halle
. >- ;rr^-_ [IpBpW
!J3UfiACQES 4 ?I0!DC
Jose Bernardo Galvao Alcoforaio, retirando-se
itoje para a cOrte a toraar assento na camara do 3
deputados, nao tendo pndido despedir-se de seus
amigos, vera faze-lo pelo pre3ente, offerecendo-lhes
seu diminuUi prestimo, e pedindo-lhes desculpa
desta falta involuutaria.
Recife, 29 de abril d3 1874.
Jose Bernardo Galvao Alcoforado.
Jose Bernardo Galvao Alcoforado, retirando-se
para a corte a tomar assento na camara dos depu-
tados, deixa encarregad-is de seus negocios em 1
lugar a sea Glho Jose* Bernardo G. Alcoforado Ju-
nior, em 2 e 3 a seus irmaos Cypriaoo Fenelon
Guede* Alcoforado. e Can-lilo Casemiro Guedes
Alcoforado, e em 4* 0 Sr. Jose Camello do Rego
Barros, ficando os doas primeiros encarregados das
-ausa3 em quo e advogado.
Recife, 29 de abril de 1674.
Josi Bernardo Galvao Alcoforado.
QuetEoGuilhermiao.
Coosta-nos que 0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia maud tra as autoridades desta comarea pe-
dir informagoes acerca dos faetos arguidos no jer-
nal Municipio, contra 0 collector Guilhermino Paes
Barreto ; pel j que ja podemos affirmar que aquelle
alto funccionario nao deixou passar desapercebi-
das as nossas reclamac5es ; assim como quo se lhe
for iuformado a verdade de tudo quinto se aeha
no dominio do publico e do que consta dos autos
do e?polio da linada Cactana, nao ficara esse col-
lector tSo desassombrado como se inculca e pro-
pala, dizendo que nao se lembra destes escriptos
' que tern que n 0 sustente.
Sentimos que estas autoridades que teem de in-
i'ormar ao Exm. Sr. presidente, nao estejam se-
uhoras da chronica deste insigne collector, nao so
porque suas residencias nesta comarea sao de
pouco tempo, e mesmo porque lhes faltam dados
precisos para conhecerera on pormenores que se
teem dado a respeito das ladroeiras e prevarica-
efes desse collector, a ponto de por meio de empe-
B+ros de amigos de alia importancia terem-se pres-
tado a proteccao para se ocsultar a veraiidade dos
CIFE, 30 DE ABRIL DE 1874.
0 Sr. Vuconde do Rio Branco
quererd enhir como Guisot pelo
desconhecmenlo de uma verdade
^lemenlar f
dtinnam a annunciar terrores e sinistras
5a* os augures provincianos I
hio cahira 0 grande estadista Guisot e com
monsrehia de julho, igual sorte esta reser-
ao lllustre Visconde do Hio-Branco e a mo-
ku tirasileira.
|na opiniao de Sir Robert Peel, cahio 0 grande
|sta francez, por haver descontieeido uma
ide eleantar, a sab*r: qua, apeiar da
ri;i legaJ, e preciso nunca latar contra a opj-
[publiea de uma nagao, no conceito dot es-
ftas da Provincia, a queda do nobre Visconde
sc immineute, por que tern este aberto luta
a ojvi iiao publica do paiz.
i realmeute iulen-ssmte 0 achado dos provin-
do slue pasaou se em Franca, e ainda
;a sua api'heacao ao que tern de realisarse
rasil.
Dgiea do.- philosophos da Provincia e certa-
esmagadAra.
belecidas as promises de que a questa 1
mica, a questa > eieitoral e a questao religiosa,
Ideiros abysmos, que poiem ^fundar a nossa
Jade em uma serie de catastrophes, conti-
a ser illudid.i* e $..phiimadas; eslabele-
[mais que 0 Sr Vis'-ondo do Rio Brauco, n'.o
resolvor estns qnestiies, as quaes nao podem
tm deixar de ser resolvidas, como dil-o a
teucia publica ; estalK-lecidas essas commodas
fssas, ealendcra os publicistas da Provincia,
Bill raais facil <: do qlie annunciar ao paiz
rla do grande estadista brasileiro e com elle
? ia di 1 ion irehia.
Bagin si.nisiro!
r.Borem digna de admira.'-so a politica quo os
adversaries antepoe a do actual gabinete,
pr :
fl/foi;MS ampins, complelas, satisfnclorias, que
dcimn os esladistas, engrandecem as naru"s e
tratCQin as p^rtas cos movimentos revolucio-
nirios.
Eis 0 .programma, 0 msgno programma, vao e
fofj dos patriotas da Proviucii: verba tun res :
.-empre 0 palavr irio, nada d) quesUomrio politico
para ser discutido e elucidado a luz ealma da razao
ante a consciencia publica, que pre^isa ser alu-
miada p^los importantes orgios da jmprensa e da
trihuaa.
Qaudo no podsr nem uma reforraa; tornam-se
raciWMs, avaroa ; na opposifiio cortam a larga ;
toraaai-se exp;m dinio a large e brados, que se esgote todo 0 the-
souro, quo a pruJ"ncia e 0 bum senso dos brasi-
leiro* tern sabWo gnardar 9 rccjlher a salvo na
AMadas name lilierJades pubheas.
.Vio deixa de ser inleressante ouvir discorrer a
to solto a grey procinciana :
. 0 minislerio $i 7 do insio e um conjuncto de
eleipefitos n-*cterig'Jos, -o:n uma grande idea, quo
os ligue i" uiii!iq;c... 0- ministros nao curvarao
por certo a '?pinh dorsal ao peso da bagage:n das
refmns. 0 Sr Vi-cond-i do Rio Branco, a incar-
nn;i da politica dubia e incolOr, nao dissipara 0
>^i ferriso habitual e 0 pai'. ira caminhando como
sf attivesse no moWwr dos munlos po^siveis.
Eis aqui 0 systema le argumentn^no desses fa-
tu Uiilosophus; nem atam, nem desatam; nao di-
zenvvonde vrem, nem para onde vao; a ijagag--m
que eonduzem 6 a mais commoda e ligeira, baga-
g;iO de pr.lavras, p.diliea es. hesmnte, ambig'ia, bypothetica, perfeitamente
("r.
Com alariJo e grande tscarceo teem clles deba-
tidftt qaestao rehgiosa ; mas 0 paiz, ate tioj",
ignora 0 que dilinitivamente almejam esses dys-
colot, a nao s-r a teseomjHislUca incostante con-
tra os jesuitas, poia qae quanto a questao em si
mesma ora pronuueiam >p. pela these da igreja
livre, ora pela hyp.itUese do stato mo, e linalmen
Se por um embroylio, quo nao e dado a uioguem
c jmprenhender.
Quanto ,-i qoesiao politica essencial do suffragio
popular (pop, se a nacao pode viyer aem a igreja
do estado, nao 0 pode sein 0 elomento represents
tivoi limitamse a reel mar pela eleigao directa,
sem que se possa penetrar qad a lse ou as con-
didoes e nem tan pouco os mcios de realisar essa
magna aspiracao das modernas sociedades.
Denalde, alias, tamos man de uma ve! provo-
,1 lo explicates positivas sabre 0 nnportaute as-
ra pte.
is 0 projecto aiir.unciado pelo patriofco mi-
1 iteno ah. esta a suscitar 0 mais eserupuloso
ie de todi a qnantos seriamente se inleressam
pela prosperidade da patria.
A" semelhaoca da lei benellcae regeneradora da
liberdade d) ventre, esse superior assumpto tera
de ser resolvi lo para honra e gloria do paiz, sem
0 auxdio do* demoeratas da Provincia e por Ven-
tura contra os seus votos
A eleif&o direcla, eis 0 chavao, como se, reali-
ada esta. eslivera consummadaa grande obra da
regeneracao politica
0 systema da represents sao' da maioria pela
eleicao directa, eis o remedio, quo enxorgam esses
publicistas, que extasiados pelas iustiluicdes bri-
tiai.'as, nao duvi'aram alflrmar, que as* no~sas
instituisoes s&o apparatosat e rotundas, e nada
infioem sobre a liberdade dos cidadaos.
C I'.hecem que 0 paiz esta enferrao ; se se lhes
pergunta, porem, qual 0 remedio que propocm,
1 pondem que e coHliecermos os proprios males
e mudarmos de procedimento.
0 prajeeto, qae tern de ser submetlido a sanccao
legislativa deste annc, abre uma era nova para a
dem icracia brasileira e tanto basta para encontrar
D stacada os nossos imulacaveis adversarios.
Do que valem, porem, os vaos debates, as
preoccupacoes egoisticas, que devem ceder 0
passo aos novos seniimentos, aos csforgos repa-
radores do patriotico minislerio 7 de mar^o ?
As meias mediJas, as solusoes mancas, as re-
formas incompletas e truncadas ja cahiram effec-
tivamente sob a irrisao pabliea.
Se ha ahi um provisorio indefinido, e este que
representa a vosaa politica de subterfugios e re-
ticencias, que tendo lansado 0 paiz na descrensa e
no desonhecido, terminou pelo convencimento da
impoten:ia e indifferentismo dos chefes liberaes, a
quern a opiniao publica, ja fatigada de promessas
tllusorias, tern fulminado 0 merecido castigo.
Desenganera se 03 liberaes provincianos ; a
sociedad3 actual, ao impulso de sentiment03 ge-
uerosos, prosegue uma estrada de progresso, qual
nunca lhe fora assigualada em epocas do vosso
deploravel predominio.

Reuiimeuto do ilia i
de n .so di 29
Tudo se tem feito, qaalquer moviraento qae se
WpUbwJbco AvUumatKW^H. & X;'1
esforcando-se era favor do collector. vianna 3
E, esta a defeza que procura, e no meio de to-
gadofPo^clpe|a<| fioif todiilcMnmunal e
inco Jbnlaw4J|uU tU saifc) coiftJkiUitb que ta-
mos doJSr. desembargador Jose" Felippe, e temosja
lidado ajdrrte qiiajailo uest3. comaiea, nao so em
particuraPe como autorltratre ; ranirnios um juizo
desfavoravel do referido desembargador, pois, co-
nhecendo-o, como dissemos, 0 juigamos incapaz
para dizer a este Sr. Guilhermino, 0 que elle aqu
prooahi.
Moito sentimos que 0 Sr.. desc#ibasgdor nao so
dirija a esta ciJade a um amigi de sua.copfiau;a,
sisudo e incapaz ia 0 $ludir, afim de informar'se
como se tem pnrtado eeujprotegido Guilbermiao;
entao se 0 Sr. desembargador isto lizesse havia de
dear convencido de ser verdade tudo quanto have-
nios escripto eontra esse collector, e assim abai-
donaria esse trataute, |ue so wm lorvido para o
envergonhar.
A deceocia eajustica que fjzemos ao caracter
do Sr. desembargador, nos c-briga a nSo deelarar-
mos o que se passou 00in Antonio Jknde* da Sil-
va, quando 0 Jiio Guiltier mi in quiz cditer delle
uma declaracao para defender se de um recifco
falso que elle havia juptado aos autos do espolio
da inada Caelana, apenas diramos que elle se
servio do nome do Sr. desembargador para obte-
0 que de facto conseguio ; sendo cert", por6m,
que foi mais uma corda para 0 oetceoo deste coir
lector a declarapao do ref< riJo Men.les", cu por ou-
tra, foi peior a eraenda que 0 sonete.
Tendo a neticia 0 collector major Guifhermimo
que 0 Exm. Sr. presidejate da provincia bavia pe-
dido as autori ades desia comar.-a informand'S
acerca do que se ha lescripto contra sua pessoa,
galg.iu um cavallo e de panv-ria cn um eatede
igual jae/.. la foi cahir pos pes de certos amigos,
que nao nos 6 pesmiitido de.linar seutnomes, e
aos pes >l"S iiksiB0.- ae lameuta que esta sendo
victima de uma atroz perseguigao para se lhe lo-
ma oemprego ; chora, lamenta, jura tastidade
de modo tal, que quem na) 0 couhecer perfeita-
mente tudo acredita ; folta anirnado, grita, salta e
atneasa a todos para quando a sua politica subir
ao poder, vingar-se.
Assim nao i que devia prqeeder 0 major Gui-
lhermino, se elle tivesse um bocado de pudor, tra-
tava de se defender e apresentar a sua innocencia
ao publico. Mas, porque 0 Sr. major isio nao 0
faz ? Nao e" por.jue tado quanto se tem escripto
contra S. S. 6 exacto ?
Temos conviccao que os Srs. in>pector dathe-
souraria geral, de-einbargador Jose Felippe de
Souza Le-io e 0 Exm. Sr. presidente da provincia
hao de ficar convencidos que 0 collector Gui
lhermino Paes Barreto, major da guar.la nacional
deste municipio. e ladrao e prevaricador, 0 que
afflrmamos debaixo do no3S3 palavra dc honra e
asmmimos a responsabilldade, affiansando nos
que nao havemos de apresentar um testa de ferro,
como usam muitos.
0 que temos escripto conlra 0 collector Gui-
lhermino Paes Barreto,. cstamos promptos a pro-
var. Provocamos ao mesmo collector, ou alguem
por elle, que nos chame a resp msabilidade, e
quaado nao se qieira dar a este trabaltio, ao me-
nos venha aunprensa defender-se cum provas ca-
pazes de convencer ao publico e aos sens protec-
toros qae e meat ira os nossas escripto.
Em uome de sua dignidade, Sr. Guilhermino,
appareja em publi;o,0 Sr. nao diz qae e inno
cente, e como nao tern a coragern necssaria para
defender se ? I
Nos nao lerao;, nesta que.-iao fur. politico, e nem
ambicioiamos 0 seu emjirego, porem sim que des-
appare^a desta cidade esta nota de tanta infamia
e prevarkagods, que so traz 0 descredito para
nos.
Pedimos e imgloramos ao Exm. presidente da
provincia que nao nos desampare com sua MM
aduiioistrai;ao, au\n de que- desappareca d'entre
nos lanta immoralidsde, quo em alta escala vai
apparecendo nesta infeliz cijade.
Pedimos ao Illm. Sr. inspector das reudas ge-
ra'es que nos faga a devida jastaea, pois 0 que
temos dito contra 0 seu empr gado Guilhermino
Paes Barreto, e uma veidade, e nos nos sujeiia-
mos as penas da lei, se por ventura tivermo nos
affastado della.
Esperamos justiga.
G. C.
Victoria, 11 de marco de 18 4,1
( Do Municipio. )
'Slccos co!
Para 0 Ceara, no vapor
: Carpinleiro Filbo 1
,600 kilos de assucar bra
barris com 280 litros de
Aracaty, Costa & C- 5 barricas com
assucar branco.
Para 0 Rio Granle do Norte,
Umdo do Njrte, carregou : B. Gomes
rica com 65 kilos de assucar branco
4 C. 2 ditas com 112 ditos de dito
Sobriobo 1
branco.
Cururipe
0 60 barri
C. LJ
para 0
ilos de
M.
jarcaca
1 bar
Alves
CAPATAZIA DA ALPARDBG
^udimento d.. dia 1 a 28 1MT38A832
1*n do 4ia 29 r87iSOl
1M26>333
VOLUMES SAfllDOs"
No dial a 18 .' 29 043
No dia 99
'nmeira poria ..... *?
"egunda poru.....
rwceira porta.....
Juaxla nofU ,. -
cr*picU Gcacajsao .
SJSRVigO MAJ\1TIM0
il>*rangas desCHrregadas no trapi
alfandeea :
No dial a 28.....
.No dia 29. ...... .
*o trapiche Coneeiijio .
SEATiC BANK
lasse.
ueiros foi
e A. BLVCQUE,
LOKDO^, 0
LIMITED, 6
Paris.
A C, HARCOARff ANDBjl,
YlQJLii, & C.
Humbiirgo. Sobre os Srs. joao
scnu BAC^(jJ QW?^' 1 >
lAshniA..Spfcro os S>5. .fonsecas,
SAflfTOS VIASHA, e SEBASTJAO JOSE pg
ABRBU. I)
Vmrto. Sobre;* banco who do porto
0 Sr. fp^fjlHM PItTTO DA,TOfl5ECA.
PJP. Sobrq 0 BANCO C01HIERCU-
00 para, e os Srs. FRANflJ8CO OAUOESC10 DA
COSTA & FILHOS.
HuranliAo. Sobre 0 Sr. jose fer-
REIRA DA S1LVA JUNIOR.
Ceara. Sobre os Srs. t. s. de vas-
CONCELLOS & SONS.
Rahia. Sobre os Srs. mar in 11 os A C
Bi de Stumtiem. Sobre 0 bancl
INDUSTRIAL E MERCANTIL, BANCO NACIONAL e
BANQUE BKASIUENNE FRASIJAISE.
mi iiinta
de conformi-| RecebeisJ
jjcreto n. 4,6681 ate 2 horfi
portaria. desta e estas ate 3
^>ara exercer 0
TT-

74
aHCEBEDORLA DB fiBMDAS UJTi
RAES DE PERNAMBUCt
-laodimento do dia 1 a 28 G3
lam do dia 29
ka GE-
56*123
CONSULADO PROVINCIAL.
a28
123.6714328
J.I30J237
an:Ii%*>.* 1 ;"> ou d>'9ti>epsia.
E' uma enfermidade nascida e criada pelo luxo
da civilisai'ao. Ellas constituent a p ualidjJe im-
posta pela nature:a em cousequencia da dema-
siada imlulg-ncia. As regr s para 0 trataraento
dessa molestia s5o simples e sao applicaveis para
todos os cajcs. Coaaerve-se 0 ventre line, renove-
se o torn e vigor perdido do estomago, e regule-se
a accao do figado, e assim ter-se-ha conseguido a
cura. Porem agora seguemse a3 pergnntas an-
ciosas do enfermo : com > e de que modo pode
isso ser feito t Onde exirtf ou pod3ra se achar
uma medicina p-teiaidora d'uma virtude e for^a
investigante, forlalecente e correctiva sobre estes
orgaos ? A resposta achar-s^-ha nos seguintes
attestados divulgados pelos nossos medicos, os
mais respeilaves. 0 Dr. Wels de New-York, diz :
a tenho ha mais de 18 mezes a esta parte feito cons-
tante u-o das pilulas assucaradas de Bristol, como
um alteralivo e touico, e as con-idero como 0
remedio mais efficaz e certo que temos para cora-
bater a dyspepsia, indigeslao e assim como para
lodas as desordens e desmanchos do estomago, fi-
gado e intestinos. 0 Dr. L- Mills, de New York,
0 Dr. Elias Molt, de Brooklyn, 0 Dr. Parker Nelson,
pe Philadelphia, fazenrniencao honrosa das mas-
ma* e as recoaimendam com igual afflnco. As
pilulas acham so mettidas dentro de vidrinhos de
crystal, e por isso se couservarao perfeitas em
todes os climas. Era todos 03 casos de impurezas
do sangue, a salsaparrilha de Bristol, deve se usar
conjuntamente com as pilulas.
C&MMI
Mi%
JUNT.V DOS CORRETORES
Praca do Recife, 39 de abril
de 18941.
AS 3 HORAS DA TARDE
COTAgOES OFFICIAKS.
Assucar bruto bom U600 e 1JJ630 por 15 kilos.
Gambio sobre 0 R 0 de Janeiro a 15 d[v. 1[2
e 1 0|0 da desconto.
B. de Vasconceiios
Presidente.
A P. de Lemos
Secretario.
*.LFAN1>EGA
Rendunomo do dis 1 a 28.
'dm do dia -2.1 .
822:492*529
26:291*262
848:783*791
Descarregara hoja 30 de abril de 1874.
Vapor inglez Lalande (esperado) mercado-
rias para alfandega.
Patacho inglez Gerda mercadorias para al-
fandega.
D5SPACB03 DE EXPORTACAO NO DIA 28 DE
ABRIL DE 1874.
Para os portos do exterior.
Na barca ingleza Bella, para Cronstadt, car-
regou : M. Lathan 4 C. 347 saccas com 26,288 1|2
kilos de algodao.
No vapor inglez Boyne, para Southainpton,
carregou : Plate Neesen & C. 129 fardos com
37,182 kilos de algodao : para Lisboa, G. Halliday
2 barricas com 30 abacachis.
No navio inglez Carisbrook, para a Russia,
carregou: S. Brothers 4 C. 116 saccas com 8,409
kilos de algodao.
No navio hespanhol Mercedita, para 0 Rio
da prala, carregou : M. L. Paes Barreto S2 bar-
ricas com 6,178 kilos de assucar branco.
No.patacho nacional Jaboat&o, para 0 Rio da
Prata, carregou : A. L070 274 barricas com 32,650
l|2 kilos de assucar branco.
No navio hespanhol Manani, para 0 Aio da
Prata, carregou: B. Olivaira 4 C. 130 barricas
com 18,337 kilos de assucar branco.
No lugar portuguez Julio, para Lisboa, car-
regou : Carvalho 4 Nogueira 82 saccos com 6,150
kilos de anaear branco.
No brigue portuguez Bella Figueirense, para
Lisboa, carregou : F. A. de Brito Junior 2 papa-
gaios.
Para os portos do interior.
Para 0 Porto-Alegre, na barca.nacional An-
drade Neves, carregou : Olivaira Filhos & C. 500
barricas com 49,870 1|2 kilos de assucar branco.
Para 0 Rio de Janeiro, no vapor nacional
SEGUROS
HUIITMOS
i 9
CONTRA 0 FOGO
A corapanhia Indemnisadora, est^belecidj
jesta praga, toraa seguros maritime* sobr-
lavios e seus carregamentos e contra fogi
ijn edificios, mercadorias e mob lias: i\>
^ua do Vigario n. 4, pavitneuto tarreo.
GOMPANHIA ALLIAN^A
wguros maritimos e tprreb
tres estabelecida na Bahir
em 15 de Janeiro era 1870
CAPITAL 4,000:00035000.
Toraa seguro de mercadorias e dinheiro
.co raarJUiao em navio de vela e vapore-.
para dentro e fdra do imperio, assira comi
ontra fogo sobre predios, generos e fa
ondas.
Agente : Joaquim Jos^GongalvesBeltra.-
t do Commercio n. 5, l8 ahdar.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
Toma riscos maritimos em mercadorias
retes, dinheiro a risco efinalmonte de qual-
juer natureza, em vapores, nnVios \& ela or
^arcagas, a premios muito mudicos.
* RUA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro conlra-fego
CHE LIVERPOOL A LONDON A GLOl
INSURANCE COMPANY
Agentes
SAUNDERS BROTHERS AC
11Corpo Santo11
NORTHERN.
Capital.
?undo
de reserve.
20,000:0005001
8,000:000800<
Agantes,
Mills Latham A C.
RUA DA CRUZ N. 38.
BANCO COMB AL D BRAGA
Jorge Tasso
Sacca sobre este banco e suas agendas
guintes cidades e villas :
Portuga
Amarante
Anadia
Arcos
Aveiro
Barca
Barcellos
Beja
Chares
Coimbra
Coura
Govilha
Elvas
Extremoz
Famalicao
Faro
Fig ue ira
Guarda
GuimarSes
Lagos
Lamego
Fayal.
nas se-
Lisboa
Melgaco
Mirandella
Moncao
Pena-fiel
Pinhel
Ponte do Lima
Porte-mao
Porto
Povoa de Varziui
Regoa
Tavira
Valenia
Vianna
Villa do Conde
Villa Real
Vinhaes
Vizeu
Villa N. da Cerveira
Funchal
Banco do Minho.
Beltrao & Filho sacam
Joaquim Jose Goncalves
por todos os vapores sobre
Anadia. Evora.
Aguida. Fafe.
Aveiro. Faro.
Beja. Guarda.
Chaves. Leiria.
Elvas. Lisbea.
Amarante. Barcellos.
Guimaraes. Coimbra.
CovithS. Mirandella.
Melgaco. PenaBel
Portalegre.
Arces de val de vez.
Celorico de Basto.
Caminha.
Mangualde.
Ponte do Lima.
Povoa da Lanhosa.
Villa-Nova de Portimao.
Monsao.
Ovar.
Porto.
Tavira.
Begoa.-
Vizeo.
Figueira.
Lamego.
Gstarreja
Vaienca.
Villa Real.
Cabeceiras de Bastos.
Castello-Branco.
Espozende.
Oliveira de Azemeis.
Povoa de Varzitn.
Vianna do Castello.
Villa-Nova de Famalicao.
Villa do Conde.
Mas ilhas.
Madeira, S. Miguel, Faial e Terceira.
Aigtislu F. dOHveka AC.
A casa commercial e bancaria de Augusto
j d'Oliveira A C, & rua do Commercio ns
4-2, enca'rrega-se de execucao de ordens
para embarque ie prodoctos e de todos o-
mais negocios de commissae, quer commer-
ciaes, quer bancarios.
Deeonto lettras, e toma dinfaeiros a pre-
mio, corapra cambiaes, e saca & vista e a
jazo, A vontade do tomador, sobre as se-
guintes pragas estraogeiras e nacionaes:
Soljre p VWPN 8ANK PF
Navies trjrwd'-s no dia-29.
RlP/Graadfl dc,%i ,.19 dias, paiacko hrasileiro
4''w>fl)iwfe, ,de 2iCi taaeladas, eapiiao Jom
J- ks -Banns, qjwipa',KK& *ft, oncga- itB>li,W7
.rim dfl.aarpejiy'aiBilsa Cascao.
Aracaty. r-ja4i.is>'terte!bsila*) Dpm-te gnavd,
de loO teneladas, capitao Silveira, equipagaml
8, carga varios ^enerfs a Banhntomentati-
renco".
Nam
Portos do sulVsrpeVflrisiref
dautu Alcoforado,
neros.
Oadiz Barca frnnceza Grant Hie, capilao' L. Cba-
nome, carga alged^o e ourro* geWeros.
New-York -l^jife.apf5iFipp>ff/^ fljt> & Has-
kelt, capitao Ttiag, 'carga assu/ar.
B^hia e p utos iSermedios Vapor brasilejro
Gmlaoae'.Orleans, commmdante M'altez, carga
varios generos.
iMokuestfp dia.
Rilelro* Cea
carja
ara, commm-
assucar e outros ge-
. > i r
Edital a. 157.
Pela inspectoria da alfandega ge.faz publico que
mao tepd'. .-ido, despacbadas dentm cado a- tnereailoria* abaixo'decmadas aanuncia-
idouro, no trapiimo Cmoci<|an.
Marca D M G 13 volumes, eontendo ronpa,
|livro3, trastes e outros uteucilio' diversos ja usa
dos, no valor de mxtf, vindos-.de Ltt>oa no brigae
s de L
', ent*.
portuguez Bella Figueirens*, pntalJo em 3#de
ouiuDro de 1873
Alfandega de Pernambuco,-27 de abril de 1874.
0 inspector,
________________ Fabio A de C. Ileis.
0 Him. Sr. inspector da ilieioulrrtrla.piavia-
Cial manda fazer publico quo foram transferidas
para o dia 7 de maio pro*iitio \tnd-iiiro as arre-
matai.'oe-i seguintes: custeio da flluminagao pu-
blica da cidade de Goyanna ; nbrados repaos da
bomba n. 2 no 7* lang.< da estrada do sul ; obra
dos rcparos da coberta da casa d^. detenciOj e
obra da bomba para o povoado do3 Monies.
Secretaria da theseuraria provincial de Pernam-
buco, 23 de abril de 1871
0 olTlcial-maior
Miguel Affmso Ferreira.
0 Dr. Luiz Ferreira Maciel Pinhejr >, juiz
substituto do juizo especial do commer-
cio, nesta ci lade do Recife de P.rnam-
buco, pir S. M. I., que Deus guarde,
etc.. et:.
Faco saber aos qae o presante edital virem e
delle nolica liverem, que no dia 15 de maio do
corrente anno se hi de arremalar por venda a
quem mais der, em praca publica deste juizo, de-
p^is da respectiva audiencia, o seguiate :
Um billiar de jacaranJa com as suas perten^as,
avaliado par 2005.
Uma mesa elaslica de madeira de a narello, ava*
liada por 205.
Um celogio americano de madeira preta, ava-
liado p>r IOjS. Penliorados por execucao de Jose
Domingues Maia, como cessionario de Jose Joa-
Juim Barba da Silva, contra Zeferino Jose" da
osta Maia. ^
E nao havendo lan^a-lor que cubra e prefo da
avahacai, a arremata^io sera feita pelo prego da
adjodi'/aeio, na forma da lei.
E para que chegue ao coqhecimenlo de todos,
maadei passar o presente, que se-a publicaJo pela
imprnsi e afflxalo nos lugares do costume.
Recife. 27 de abril do 1873.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento, escrivao, o subscrevi.
Reciffi, 27 de abril de 1S74.
Luiz Ferreira Maciel Pinheiro.
mmn
feierivd confraria de Santa Riln
de Cassia d;; Recife.
D"? ordem do nosso irmao regeder conv do a
todos os irmaos desta veneravel confraria, para no
dia 3 de maio vindouro, as 10 horas da manha,
rennidos no consistorio de nossa igreja, proceder-
se a eleigao do novo conselho administrativo, como
deterrainam o art. 32 1 e art. 66 de nosso
compromisso
Consistorio da veneravel coafraria de Santa
Rita de Cassia, 29 de abril de 1874.
Domingos Jose Ferreira.
Secretario.
Pela administracio dos correios desta pro-
vincia se faz publico que se acha marcado o prazo
de 30 dias, a contar da presente data, para o con-
curso de uma vaga de praticante. 0 concurso tera
lugar na mesma administragao, e constant de
exercicios de caligrapbia e orthographia, arithme-
tics elementar, comprehendeado o uso do systema
metrico e nocoes geraes degeographia, de confor
midade com o arligo 38 do regulamento de 12 d:
abrj de 1863. 0 conhecimento das lingoas es-
trange ras dara direito a preferencia Os candi-
dates deverao provarcom certldao naa terem me-
nos de 18 annos, nem mais de 30 annos de idade,
apresentar certiQcado medico de boa saude,
cumo dispdem os | 1 e 2 do art. 40 do predito
regulamento.
Administrate dos correios de Pernambuco,
21 de abril de 1874.
0 admiuistrador
Affonso do Rego Barros.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
BE
liavegacSo coaieJra a vapor.
DIViDENDO NONO.
Esta corapanhia paga o seu nono dividendo, a
razao de 3 0|0.____________________________
Seccao 2.a Secretaria da presidencia de Per-
nambuco, *m 28 de abril de 1874.
Por esta secretaria se faz publico, de conformi-
dade com o 3.* do art. 1.' do decreto n. 4,663
de 5 de Janeiro de 1871, qua por portaria desta
data foi provisoriamente nomeado para exercer
os offlcios de primeiro tabelliao do publico, judi-
cial e notas, escrivao do crime, civel, orphaos e
mais annexos do termo de Iogaxeira a Miguel
Francisco de Queiroz Amaral, interinamente pro-
vido no mesmo offlcio.
0 secrstario,
Joao Diniz Ribeiro da Cunha.
Seccao 2.' Secretaria da presidencia de Per-
nambuco, 28 de abril de 1874.
Por esta secretaria se faz publico, de confor-
midade com o 3.* do art. 1.* do decreto n. 4,668
de 5 d j Janeiro de 1871, que por portaria desta
data foi provisoriamete qomeado para exercer os
offlcios de primeiro tabelliao do publico, judicial
e notas, escrivao do crime, civel, orphaos e mais
annexos do termo do Triumpho a Raymundo Flo-
rentino dos Santos, interinamente provido no mes-
mo offlcio.
0 secretario,
__________________Joao Diniz Ribeiro da Cunha.
2.1 seccao. Secretaria da presidencia de Per-
nambuco, 28 de abril de 1874.
Lut>o Brasileira.
Do ordem do Sr. prasi4e,nte couvido os senhores
socioa aara comparecerem a sessao do asserablea
geraj, domingo 3 de maio, as 11 horas da manha,
alim dj se tratar da leilura do relatorio, e do ba-
lancete do Sr. thesoureiro.
Secretaria do conselho fiiscal, 30 de abril de
1874.
M. F. Paula Ileis,
2 secretario, servjndo de I."
CiHj>anhia de cavallaria de Per-
TcaJo-se de comprar para rempota da cavalha-
da da mesma companhia alguns cavallos, sao ro-
Sadas as peswas que os possuirem nas condi^oes
o regulamento, prderindj-se sempre os que fo-
rem eastrados, a compare erem no quartel da
.mesma Cjinpanhia, afim de se tratar.
Quartel no Campo das Priocezas, 28 de abril de
1874.
Joaquim Francisco Gadulha
Alferes.
Por esta se
dade com o
de 5 de janeirl* ^VL flae PQ|
data foi provisoViafne.'fFff oomeado .
-{Rcjo de solicitador d ausenles, capellas e resi-
dtUiista *faiB Vicente Lfafalft'da G->m Cam-
*>a| ktaripaMtate froiU* oo irmiao oBlcio.
V.. Q socreUrio,
__________________Ju5o Diniz Ripqi.ro Cpnsulado. provincial.
Por esta reparticao se faz publico para soiencra
dos prop ietari is de alguma; ruas na fregu7ia de
S. Fr. Pedro Gongalvevabaixo decfaradas, rroe do
dial* de maio vindouro prioeipiara a ser coatado
o prazo Improrogael de 30 dias para a arrecada-
cao das importancias dosaparelhos, differenca dos
uicsraos e carialisa;ao, cojas importancias sao de
vidas a-Reefe Drainage C-
RuasMai |ii z de Olinda.
c Bom Jesus.
ComiBeri'io.
c.J)Ofliiigos Jose Martins.
Vignno Thenorio.
it ft. Mara Cesar.
Mariz e Barros;
f Ca8 do Apolio.
Travessa do Campetlo.
a do Antigo Porto.
c Domingos J.ise Marline.
Beco Largo.
f dos Mascates.
Largo do Corpo Santo.
Consulado Proviaoial, 8 da abril do 187i.
0 administrador,
I A ntonio Carneiro Machado Riot.
S^rc^o S.a -Secretaria da presidepcta de Per-
nambpco,-29 de nbril de 1874.-Por esta seereta-
ria Se dcclara a quem intefessar pp'sa qne ao* 29
do'tre'rrente mezfyt contirmada por S. fixe, o Sr.
resideote da provincia, e phoned la nesta seereta-
ia, a Sant :nc.i do respectivo juiz comrajssapo no
ayto do. raedigao e legitimacao da posse aehomitia-
da -"Wperinha -, pertencentp a J ise" Mathias de
Araujo Lins, sita no mqnicipio da Escada.
0 secretario,
J. Diniz Ribeiro da Cunha.
---------r
SANTA CASA DA MISEKICOHMA l>0
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da santa casa ds
viisericordia do Recife, manda fazer publico qut
3a sala de suas sessoes, no dia 23 de ab.il pe-
las 3 horas da tarde, tem, de ser arnmatadas a
juem mais vantagens offerccer, pelo tempo de um
i tns annos, 'is rendas dos predios era seguida
leclarados.
ESTABEI.ECIMEN'TO DE CAR1DADE.
Travessa de S. Jose.
Casaterrean.il.......201J5000
Rua dc Santa Rita.
Idem n: 32........250S0M
Idem n 3i........216^000
Padre Floriano.
Idem n 49........2073000
Ciuco Pontas.
Casa terrea n. 114......362H3C0
Rua da Alegria.
Idem n. M........371J0O0
Ponte Velha.
Idem a, 31. : ......156^000
Rua de Antonio Henri jues.
idem n. 26........99000
Rua do Vigario.
1." andar do sobrado n, 27. 3233000
Eoiaidera.........373^000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da SenzaMa velha.
Casa terrea n. 16.......209/000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......421/000
Rua da Cru:
Sobrado n. 14 (fechado).....1:000/09C
JRua do Piiar.
Caia terrea n. 100......241/001
Rua do Amerim.
Idem n. 34........122.3000
Rua da Guia.
Idem n. 29........201/000
Rua d.is Larangeiras.
Casa terrea n. 17.......361/000
Os pretendentes dever^o apresentar no acto da
irrematacao as suas flancas, ou comparecereir
icompanhados dos respectivos fladores, devendc
pagar alem da renda, o premio da quantia en
iue for seguro o predio qua coutiver estabeleci
aionto commercial, assim como o serviijo da lira
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re
.ife, 17 de raar^o o dj 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
Companhia perna nbucana
de nav gagao costeira a
vapor.
D9 ordem do conselbo da direccao, cenvidc aos
Srs. accionistas da nova emissao de ac;oes desta
companhia, que somente realisaram a primeira
prestacao de 20 j. sobre o valor subscripto, a fa-
zer segunda enlrada a raesma razio, dentro do
prazo Jc 30 dias, a contar de hoje, no escriptorio
do Forte do Mattos.
Recife, 23 de abril 1871.
Jhoraas M. Connan,
Gerente interino.
Armazens da corapanhia per
nambucana.
Seguros centra o foso
A companhia pernambucana, dispondo de ex-
cellentes e vastos armazens em seu predio ao for
te do Mattos, ofTerece-os ao commercio em geral
para deposito de generos, garantindo a maior con-
servacao das mercadorias depositadas, servico
prompto, precos modicos, etc.
Tambem recolhera, mediante previo accbrdo, ex-
clusivamente os generos de uma so pessda.
Estes armazens, alem de areiados e commodos,
sao inteiramente novos e asphaltados, isentos de
cupim, ratos, etc., etc.
As pessoas gue quizerem utilisar-se destes ar-
mazens, pederao dingir-se ao escrigterio da com-
panhia pernambucana, que acbarao com quem
tratar.
Companhia Fidelidade
Seguros maritimos e terrestres
A agenda desta companhia toma seguros ma-
ritimos e terrestres, a premios razoaveis, dando nos
nltimos o solo livre, e o setimo anno gratulto ao
segurado.
Felieiano Jose" Gomes
gente.y
Luso-Brasileira
Conselho Hscal
De ordem da presidencia sao convidados os se-
nhores soclos a se reunirem sexta-feira 1 de maio
vindouro, pelas 6 1>2 horas da tarde, afim de,
constituida a assemblea geral, proceder-se a leilu-
ra do parecer da commissao de contas e outros
expedieotes.
Secretaria do canselho fiscal da sociedade be-
neficente Luso-Brasileira, 28 de abril de 1874.
0 secretario
J. M. de Andrade.
ADMINI3TRACAO DOS CORREIOS DE PERNAM-
BUCO. 30 DE ABBIL DB 1874.
Malas a expedir hoje.
Para a Parahyba, Natal, Aud, Mossor6, Araca-
ty e Ceara, pelo vapor Curunrve.
Jaragua, Maceio, Penedo e Vacajd, pelo vapor
Ipojuca.
rAkm
pagando orte duplo.
0 admiuistrador
Affonso db Rego
egislrar,
3 boras.
CptiirariadoSQnhQr:
sns da Via-sacra da igreja
da Santa Cjtuz
Deorden da mesa regedor.i dasls,cpafraria
coavido a todos os oassospbari^simus irmaps CQfl-
frades a reunirem-se ea%n3 cpnsjstono, no oia
30 do corrente mea, pelas if boras da tarde, afrm
de proceder se a tteiei} da nova mesa regstom
que tem de funccionar no anno comprdmisTa!"de
1874 a 1875, conform*- pcaaailua 'os artigos 24 a
M do respectivo cQmproniii>s.i.
GonsMqrlp da coofraBia dokSt|pbor ^m'if!*IV
da V ta-sacra, 2t de abril, ., .fcBlJ,
efwjwfe,de estuvao
___________________A Inanda4e do Divino Espi-
rifco Sapto.
0 irmaa procurador geral, em tumpflraerito 6*
dispyslo po art. 6S do icompromisso, conviJa aos
irmaos, membros do c n'elhd'ljssal, a reunivem-se
enl nosso consistorb, doi(ng 31 be msio, pBIas 9
t(6ras da manha, afim de dar-se ei posto no art 97 do mesmo comproMiisso
Secr-!.iria da irmandale 3>'de abrfl do 1874.
Jose Ijrpaeio Avilb.
ProJuradbr^Tal.
Saot Aiktfuiio
Quinta-feira ^0 de abril.
Beneficio Ac O. M.
A pedido do honeficiado, o drama eni 1 ptplpgo
5 actos :
0 beneficiado, antigo enpregado do commercio
desta capital, achando-se paralytico, recorre por
este meio a benevolencia do publico desta capital,
>!e quem espera a prutoc;ao que tanto preeisa.
Em um dos intervallos ira agradecer aos seus
protectoras.
Principiara as 8 1|2 horas
PH
n
THEATRO
m illUIATiCA
SMlk-m PENANTE
Quinta-feira 30 de abril.
Quinta representarao do importante e immen-
samente applaudido drama em 1 prologo, 4 actos
e 7 quadros, do Dr. Corte-Real :
Nunes Hachado
or
A heranca k eoniteiiroado.
Terminara o e?pcctaculo com a scena comica :
0 Sr. Joaquim sacristao.
Principiaii as 8 1|2 horas.
II
THSJ
EICHUZILHADA.
SOCIEDADK PARTICULAR
RECREIO DHAMTICO.
SabSiadj i de maio.
Subira a
actos:
scena o drama original brasileirc era
ISABEL
OB
A Orpha Paranaeose.
DaQdo fim ao espectaculo a serrpre applaudiJa
comedia em um acto :
c ria sensivel.
Principiara as 8 horas era ponto.
Depois do espectaculo bavera trem.
A
4^P""Wi'T!M;fi
PACIFIC STEAM NAVIGATION
PANY
ROYAL MAIL STEAMER
PATAGONIA
Commandante C. C. Brough.
espera-se dos portos do sul at6 o dia 10 de maio
e depois da demora do costume, seguira par*
Lisboa, Bordeos e Liverpool, para onde recebera
passageiros, encommendas, carga e dinheiro a
frete.
N. B.Nao sahira antes das tres horas da nr-
de do dia da sua chegada.
AGENTES
Wilson Rowe A C
14RUA DO COMMERCIO14
Companhia americana e kasileira
de paquetes a vapor.
Ate o dia 30 do corrente & esperado dos portos
do sul o vapor americano Ontario, comman-
dante Slocum, o qual depois da demora do cos-
tume, seguira para New-York com escala pelo Pe-
ra e S. Thomaz.
Para fretes e passagens, trata-se com os ageotes
Henrv Forster A C, rua do'Coramerciojn- 8.
Para
Para o indicado porto pretende seguir
com a possivel brevtdada o patacho portu-
guez Azurara, por ter a maior parte de seu
carregamento engajado e para o resto que
Ike fal'a, trata-se com os consignatarios
Joaquim Jose" Goncalves Beltrao A Filho,
v rua do Commercio n, 5.
Si:.
I

.



Diario de Pemambuoo Quinta feira 4^0 de Abifl de 1874.
Porto par Lisbon
V^A. Preteode segoir pw* os rt-
jjR fly l"o. ijos pnrlus > jaoueos
HM dias de dumcra, a barea por-
togucza iVoco Silencio, do 1 .* classe, capi-
tio Ferreira, por ter maior parte de sun
carga prompt*, e para que lh-s falta passa-
geiros, para os quaes tern commodos : tra-
U-se com os consignatarios Joaquim Jose
Goncalves Beltrao 4 Filbo, a rua do Com-
mercio n 5.
DAS
LEILAO
Rio de Janeiro
Para e indieado porto segue com poucos dias
de demon a barea portagueza Feliz Uniao por
ter a maior parte de sen eirregaraento engajado,
s para o resto que I he falta, trala se com os con-
eifnatarios Joaquim Jose t-J on calves BeltrSo & Fi-
gno, i rna do lommercio n. 5.
ARACATY.
Para o Aracaty vai sahir com muita brevidade
o bem eonbecido hiate Joao Voile, para carga a
freie a tralar com Joao Jose da Cunba Lages, oa
rua do Vigario a. 33, l. andar, ou eom o mes
tre a feordo em frente ao Irapiche Dantas.
Grande do Sul
Para o porto acima tegairi eom brevidade o
p.tacbo oacional Africano, por ter parte do seu
carregamento engajado ; para o resto da carga,
trata-se eom Silva & Cascao, a roa da Cadeia nu
mero60.
Libras esterlinas
Vendem Pereira Carneiro
& C.
________Rua do Commercio n. 6._______
Para o Porto.
Recebe carga e passageiros o patacbo portuguei
IMad-r, que pouea demora tora. Trata-se com
E. R. R3bello & C, a rua do Commercio n. 48.
Lisboa e firto
Vai sahir com brevidade a veleira barea Lisboa.
Recebe carga e passageiros: a traiar com Tito
Livio Scares, rua do Torres n. ?0.
COMPAMIA FEHiNAMBt'CANA
DE
IWavegac So costeira a vapor.
GOYANNA.
0 vapor Mandahu.
commandante Julio,
segnira para os por
tos acima no dia I.
de raaio, as 9 boras
da noite.
Recebe carga, encom nendas, passageiros e di-
nbeiro a frett : as ;riptorio no Forts do Mattos q.
Compauhiu Alliant-n lluritiiuu
Portnense.
EMPREZA DE XAVEGAQAO EN1RE PORTUGAL E 0
BRASH,.
BARCA I'ORU'GUEZA
Este Davio recebe carga e passageiros para Lis-
qpa e Porto, devendo sahir dentro em poucos dias,
visto ja ter parte do seu earregamento centra-
?ado.
Agente? e cnnsipnalarios
-JOSK' DA SILVA LOYO A F1I.HO
00MPANH1A FEltXAMBUCANA
DE
\pIa costeirn a vapor.
FERNANDO DE NOhOMIA.
0 vapor tlandaku, comman-
dante Julio, seguira par;
o porto a'-ima no dia 5 de
mai as u boras da manaa^
Recebe carga ate o dia i,
p~" eueommendas, passageiros e
:nheiro a Crete aid as 10 horas do dia da sahi-
dad: escrip'.ono no Forte do Mattos n. 12.


DivltJu* aetlvas da uau faili-
da de Bastos ** l.rni**. na lu-
portaneia de 334:8*Sj?5.
a saber :
Joi'i Pinto de Lema> Junior
R-iito Joe Pernandes ttarros
Koi tuna to da Costa
G. C Solvi
Bellarmino de Barro* Gorroa
Jose Maria Gaie da Silva
Caetano da Costa Moreira
Manoel do Amparo Cajii
Francisco Sergio de Mattos
Siqueira 4 Pereira
Il\ppi lito da Silva
Asfociacio de culotiisacan
Miguel Jose de Almeida Pernanibuco
Joaquim Francisco de Alem
Manoel Lnii Viraes
Bernardino Domingoa Moreira
Marcolino Jose Gonfalves Fonte
Autonio Joaquim de Vasconcellos
Rocha & C.
Jose de Sa Leitao Junior
Joaquim de Lemos Ferreira
Duminico Costa
Fortunato SimSes Carneiro
Silva Couto & C.
Manoel Buarque de Macedo Lima
Sebastiao Lopes Guimaraes Junior
Jose Joaqnim Coelho
Goncalo Barros Pimentel
Viuva de Manoel Joaquim Ferreira
Manoel Jose Ferreira Gusmao
Antonio Macbado Gomes da Silva
Antonio Vicente do Nasdmento Fei-
toza
Hospital Portngnez
Fratolli Secbino
Manoel Figueirda de Faria
Casal de Joao Tavares Cordeiro
Antonio Gomes Nettu
Antonio Freire de Mattos Ram-to
Frederico Lopes Guimaraes
Antonio Fernando Ramos de Oliveira
Francisco Antonio da Silva Cavalrante
Bandeira & Barboza
Luiz Borges de Cerijneira
Manoel Gouveia de S"uza
Monteiro A Macbado
Jose Antonio Magalhaes Bastos
Manoel Ribeiro Basto
Manoel Joaquim de Mattos
Francisco Pinto de Lemos
Andre de Abreu Porto
Lopes Irmaos
Luiz Gomes Ferreira
Joaquim Goncalves Ferreira
Francisco Antonio Corre*a Cardozo
Francisco de Panla Pereira
Joao Pinto da Costa
Adolpho Curio
Jose Thoiraz de Aguiar Pires Fer-
reira
Joaqnim Dativo Telles de Souza
Manoel Goncalves da Silva Junior
Francisco Jose Alvesde Albuquer.jue
Jose Maria Cesar do Amaral
Lima & Martins
Antonio Joaquim de Miraes e Silva
Manoel Pereira Lamego
Ilermenegildo Augusto N. Vianna
Francisco Jose Magalhaes Bastos
Joao Fernandes Ramos de Oliveira
Joaquim Lucio Monteiro da Franca
Francisco Leopoldin i do Gusmao Lobo
Miguel Serahm de Castro Nunes
Jose Antouio de Mattos
Joaquim Aurelio Wandorley
Jos6 Teixeira Basto
Pacheco & Mendes
Jose1 Goncalves de Carvalho Moraes
Izacc & Pedro Chaves
Manoei Pereira Lemos & Filho
Faria & G.
Joaquim Antuocs de Oliveira
Francisco Jose da Costa
Jose Saporite
Camillo Pinto de Lemos
Pedro Josd da Costa Castello Braoeo
Adriano i.amiro de Albuquerque
2.80t*.*i83
4*8i630
3040IKI
iwsjo
393SM3
:36i680
67a80()
:i7a?;4,i
l)*l*9*'
8:417*190
!HO*000
l:3&JO?0
1:985*337
S:06*998
1:390*519
117*890
1:5 3*616
799*996
3:378*316
4^26*037
119*950
341*829
66*140
1:661*120
194*770
100*000
250*000
2:791*012
692*600
179*200
200*000
626*012
57*120
2:568*313
22:437*766
4O0*OtMi
157*450
4:00(1*000
577*46(1
300*000
tsnaooo
489*187
351*2c2
6*320
!?9*910
1000*COO
671*0*0
452*900
6*320
84*000
8112*320
937*500
3.193*750
400*010
1:237*040
132*125
Mt
170^000
50*0(0
200*1 00
25*000
40*000
122*400
856*46
3:000*000
250*000
1:2074(00
278*00i'
780*000
150*000
145*832
2:258*590
600*000
77:950*695
117:737*732
570*000
4:#45*350
116,260
l:94"*46o
4:928*464
23IJ0OI
2:932*720
34:036*337
210*i00
2(5" a 0
desombarca
DE
30 caixaa com cebil;.s novas,
das ultimamente
Sexta-felra f de muio
As 11 horas da manhi
Ifoarmazem do Sr. Annes, defronte d'alfandec:.
0 preposto do agenle I'e-taua fara leitao. po
conu e risco de quern pertenoer, de 30 c;ixa
com cebolas nova<, desembarada* ultimamenti,
em nm ou mais hues, a vonlade dos c< ropradore-
sexta-teira 1 de maio, as II horas da manha, n<
armazem do Sr. Amies.
*w
rooteis, louvs, vtdros, pianos, 1 pailida i)i
chapeos do Chile e 1 dita de feliro, pan,
fechar contas
SABBADO 2 DC MAIO
A's 11 horas em ponto.
No primeiro andar do sobrado da ma do Marque;
deCMinda n 64
0 agente Dias, competentemente antorisado,
vendera em lelao deste dia icima dilo, mobilias
de jacaranda, eom tampos de pedra, ditasde faia,
ditas de amarello, secretsrias, gnarda-lonras, me-
sas elasticas, marquezCes, marquezas, camas fran
cezas, espelhos, i toilette de mogno, e muitos ou
tros objectos one estario patentes bo acto do lei-
lio.
Leilao
DA
olDcina de pianos da rua do Imperador n. 55, dY
J. Hi gas, antiga casa de J. Vignes
Em liquidacao
CONSTANDODE:
oi Pianos novos e ueados, perlencas para pianos,
machos cordas, mnsieas. macbinas para fazer bor-
dao, mbgno. jacaranda em folha e moveis.
Daocos para marrineiros, nm graode sorti
timento de ferramentat, restos de madeiras, para-
fusos, chaves, dobradicas, lixa eoutros accessorios
Uma machina para Tazer eerveja, 2 ditas para
lavar roupa, e muitos outros objectos existenles
no armazem e primeiro andar do sobrado da rna
do Imperador n. 53
Por iatenencao do agenle Pinto.
Terca-feira 5 de maio
0 leilao principiara* as 10 1(2 boras.
Desde ja vender se ba em lotes, a vontade dos
compradores, nm grande sortimento de musicas.
LEILAO
I'AS
dividas da massa failida de Bastes & Lemos,
na importancia do 33i:8285J9o2, e.n um
ou miiis lotes
&9 tf horas.
0 agente Pinto fara leilao, per mandado do Illm
Sr. Dr. juiz especial do crmmercio, das dividas
acima menciodadas, cmtantes da relajao eiis-
tente em poder do mesmo ageBte, as quaes pode-
rao ser vendi-ias divida por divida, em differehtes
lotes, ou mesrro em um so lole; o que for melhor
;i tern do interesse da mesma massa.
0 leilao b ra lugar as 11 horas do dia 1 de maio,
no escriptorio do referido agente, a rua do Bom
Jesus n 43. ____ ^^^
!
r
b
Sexta-feira 1 de maio as
- horas em ponto.
0 a gen fa Pinto, antoiisado por mandado do Illm.
Sr. Dr. juiz de direito especial do commercio, Ic-
vara a leilao as 11'horas do dia acima dito as di
vidas di massa failida de Bastos 4 l.emos, em
um ou muit-is lotes, em seu eseriptorio, rua do
Bom Jesus n. 43.
B.
>._.
i
DE
'.ima casa terrea na rua de S.
Bento n. 17, cidade de
Olinda

as
Hoje
I noras
PEIRA sEVfAN VL
16 Rua do Imperador16.
ARMAZEM.
Pelo agente llnrlins.
0 proprietario da Pira Semanal, acha se auto-
:isado a vender, sm leilao, a casa terrea acima
mencionada. a qual e de pedra e cal e tern 3 salas,
dquartos, qu;ntal, cozinha, 2jnnellas e 2 portas
Grande leira
DE
pianos, mobilias, crystaes,
louca, reiogios de parede,
de cima de mesa e de algi-
beira, de ouro e prata, ob-
jectos de ouro e prata,
quadros comfinas gravu-
ras, m his para viagem,
machinas de costura, 1 fo-
gao de ferro, jarros para
flores, passaros cantado-
res, santuarios de varios
feitios, guarda roupa,
guarda louca, guarda co-
midas, cadeiras para via-
gem, cortinados novos pa-
ra janelias, camas france-
zas de jacaranda e ama-
rello, aparadores, candiei-
rosagaz, eimmensos ob-
jectos douso domesi ico,
que serao vendidos por
conta de di versos
ao corrcr do marteV.o
A's 11 horas
.I&OYR
NA
PEIRA SE vlA IN VI.
16-Rhb (I ;peradof-IO
antiga e afregaezada tavcrna do paieo do Car.no,
esqaina da rua do Coronel Suassuna n. 2
(arante-se a casa ao comprador do estohe-
lecimento
SEXTA-FFIRA 1" DE MAIO
A's lO 1|9 horiiN.
0 agente Martins fara leilao d'armacao, gene-
ros e mais perteneaa da taverna acima, a qual se
acha muito bem localisada e afreguezada ; os pre-
tendentes poderao examinar o balanco na mesma
taverra.
om negocio.
Vende-se ou arren-'a-se o grancle prcdio
de um andar e sotJJo, sito na rua do Rispo
Sardinha, proximo da igreja da Mhericor ia,
na cidade de Olinda, tendo duas I oas salas
le (rente, um salfto nn sotao. seis quartos
espagOSOS e freseos, uma grande cocheira,
quintal todo cercado do novo, o com diver
s-js orvorcdos, uma Ix.-a fonte d'agua, e
tendu az catnli>,iiio. Achando -e prupara-
do com tod s -is moveis in lispensav-is a"
uma grande familia, pord assim vendido on
5 m os moveis : a tratar nesta typegraphia
ou na rua >i:i (Jnifto n. >9, sobrado, atraz do
pa^o da assemblea.
AF
"onfrontc a alfandega,
de preto, quo
8.., armazem
enriosos acabam
pintado
de deno-
Leilao
DE
uma mobilia de jacaranda, massi^a e quasi nova
1 eama franceza tambem do jacaranda, 2 apara-
dores de amarello, novos, I tapete quasi novo,
forro de uma sala de visita, 2 commodas, 1 mar-
qnezao eoutros moveis que serao veodidos
ao correr do marteUo
Sexta-feira 8 de maio
i\H It horas ena potato
Por intervenc.ao do agente Pinto
Rua do BoiH Jesus n. 45.
Servira do base para o leilao as offertas obtidas
em particular pelos objectos acima descr'ptos,
sendo qne a entrega se eftectuara findo o acto da
arrematafio.
minar
J
azi
g
0 administrador deste otabelecimento, a bun
dos interesses daquella firma, vende a dinheiro a
vista :
Batatas, baratissimas.
Feijao mul.tiuho muito claro e tenro. em sac-
cos, baratissimo.
Laias com cineo galdes de gaz, Devois, a 5*300.
Arroz superior a 2ii00 a arroba.
Caixas com 40 cartas de fogo da China suptrior
a 64i00.
Manleiga franceza nova de 1874, da marc* PLG,
a 740 rs. a liora.
Os mais generos que existem no mesmo estabe-
lecimento, faz so a elles precos proporcionaes
aquelles declarados.
Leilao
DE
148 caixas com macarrao, 80 ditas com alelria e
II ditas com figos, tendo cada caixa 95 latas
ttexta-feirn t de maio
A 8 11 horas da man ha
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
, fand'ga.
0 preposto do agente Pestana fara leilao por
conta e risco de quem pertencer, de 148 caixas
com macarrao, 80 ditas com aletria ell caixas
com figos, tenio cada caixa 95 latas, em um ou
mais lotes, a vontade dos compradores, sexta-feira
1 de maio, as 11 horas da manha, no armazem do
Sr. Annes.
Prolesto.
iKMAZEM.
LEILAO
DE
moveis
Sexta-feira 1 de maio
Ao meio dia em ponto.
SENDO:
mobilias de amarello, ditas de sipo. 1 guarda-lou-
?a de amarello, 1 guarda-roupa, mesa elastica,
l excellente piano de mogno, 1 toilette, 1 com-
moda, secretarias de jacaranda e amarello, ca-
mas francezas, I grando espelho, consolo", com
tampos de pedra, aparadores cadeiras avulsas,
1 lavatono, com peilra, ber^os, reiogios de cima
de mesa e de parede, venezianas, machinas de
costura, masas redondas e mnitos outros mo-
veis que serao vendidos ao correr do martello
pelo agente Martins.
\o annazem da rna do linpe*
rador a. 48
Fugio no dia 5 de mai^o proximo passado a es.
crava preta, de aomo Au'a, idade 48 annos, baixa,
cheia do corpo, com falta de dous denies na fren-
te ; presnme-se estar aeoitada por alauem, pelo
que rega se a quem souber de dita escrava, ap
prehende-la e leva la a casa do procuradordo se-
nhor da mesma escra\a, a rua Primeiro de Mar-
co n. 7 A, loja, que sera recompensado : desde
ja protesta-se proceder com todo o rigor da le
contra quem liver acoitado a referida escrava, ad-
veriindo-re lambem que esta escrava se intitula
chamar se Joiephina Maria das Do es.
Aluga se por prepo razoavel a loja do sobrado
d, 41 da rua do Rangel, a qual ja tern armacao
e presta-se para.qualquer negocio : a tratar no
2* andar com o proprietario do mesmo.
Perguota se ao thesoureiro intenno da ir
mandade de Santa Cruz, qual 6 o arligo do com-
promisso, que Ihe faculia o assignar coin o secre-
tary o convite para a reuniao da mesa geral ?
Sera para se tornar mais conhecido ?
Isto deseja sober
___________________0 palheta.
a professora publica I). Maria Candida de
Figueiredo, competentemente habililada pela di-
rectoria geral da instruccio publica da licSes de
lingua franceza, nas tereas e sextas-feiras de todas
semanas das 3 as 5 horas da tarde, na casa de sua
residencia, a rua estreita do Rosario n. 24, 1
andar._______________
Luiz Pereira Goncalves d3 Cunha, retiran-
dose para Portugal no vapor Boyne, pede descul-
pa a lodos os seus amigos de quem se nao pode
desjiedir pessoalmente. Outrusim, deixa encarre-
gados de seus nogocios em primeiro ljgar aos
Srs. Soares Leite Ii mao, em segundo ao Sr. Fran-
cisco d'Oliveira Leite Guimaraes, em terceiro ao
Sr. Joaquim Ferreira Dink
Recife, 28 de abril de 1874.
_________Luiz'Pcreira GonQulces da Cunha
A professora publica D. Maria Candida~de
Figueiredo, competentemente habihtada, se pro-
poe. a ensinar na casa de sua residencia, a rua
estreita do Rosario n. 24 1 andar, desenl.o e
rausii-a.
Ha licoes dc desenhn nas quartas felras esab-
bados tarde ; e de muMca as ntesoiaa horas nos dis dc
segundas e quintas feiras de todas a.- in.i.s. |
ZAROPE DE CHLORAL
DE FOLLET
Pharmacantlco d Paris
As preciozas propriedades dc ouokai. tem vivameiite
captivado a attencao das pessoas scientificas e dos medi-
cos, que nao ccssain de ulilisar sua virtude nos cazos
mfflceu contra os quaes se n5o conhecia ath^ esta data
nenlinm meio do accAo efiicai.
0 siiilliirnas ha pouco tempo seexpiimiu tios segniiilcs
terraos, na Acudcmia das sciencias : i Duas substancias
" approximativas, o chloioformlo e o chloral, que na
I epoca de sua descoberla foram o assumpto de muito
profundos e serios estudos, no puro interesse da scien-
cia abstracta e das thcorias chimicas, tomaram em
seguida parte entre os preciozos agenles da therapeu-
tica : o chloroformio para a chirurgin, e o chloral para
a medecina.
0 Snr Follel tendo raontado uma fabrica para a prepa-
racao tao delicada de chloral, garanle a pureza absoluta
do seu producto, e para facilitar o einpregodeste mara-
vilhoso, medicamento, preparau una Xarope de chloral,
que content:
uma gramma de chloral em uma eolher de sopa.
0 XAROPE OT CHLORAL BE FOLLET, na
dose ordinaria de uma a dnas collieres de sopa procura
e facilita aos donates um soiniio trauqaUk p nst.iurador
que Ihe fazexpeiimentar um graadd' allivio, r.'hliliie-llie as
forcas e o aniino perdido e ajuda enormenienle a reac-
fto, scm iiunca provoear nenhum d esses accideutes lantaa
e tao repetidaa vezes produzidos pelo eiuprjege dos opios.
Eom conseqiiencia d'estas propriedades einiiieiiteiueiite
sedalivas que o XAROPE DE CHLORAL DE
FOLLET, e semprt enapregado com grande successo
nos cazos &'insomnias, nevral;;ias diversas, matismot, enchnqnecas, asthma, bronchites, phli coliciulieixiticas ou outros, earner, eclampsia, tetaitos. etc.,
e em geral, em todos os cazos em que uma d<'>r aguda
accirreta a falta de somno.
Donate o cerco de Paris, o Snr douctor Beranger-
Feraud, chefe do servico dos feridos no Val-de-Grdce,
publicou, no Bolelim therapeutico uma serie de observacoes
sobre os resultados obtidos com o chloral que o Snr
Follet, tinha postoadisposicao do dito hospital; os feridos
reclamavam o seu emprcgo com instancia.
0 Snr douctor Lecacheur, que muito se occupou do
emprcgo do chloral (ou hydrate de chloral) em therapeu-
tica, publicou sobre este assumpto um trabalho notavel
do qual passamos a dar um extraelo :
i 0 somno e um dos primeiros c mais coilstantes effeitos, produzi-
dos pelo hydrate chloral; piincipia sempro em geral um qnarto de
a hora ou mcia hora depois dc se ter adoiiuistrado o medicamento.
0 somno e profundo e analogo ao somno normal; na"o 6 pertur-
.- bado por sonhos, e na"o c acompanhado nem de excitacao psycliica
j nem 13o pouco de agitacSomusculares... 0 despertar se opera sem
it accidentes desagradaveis. G6ralmente os doentes, nito se queiiam
de dores de estomago, nem depezo dc cabea, nem de cephalgia
como acontecc a maior parte. das vczes com o emprego dos opios.
Alem do que com o opio torna-se indispensavel elevar progres-
sivamente as dozes para que seus mesmos effeitos se conliuuem a
t produzir e ji o mesmo n3o acontececom o hydrate dc chloral.
Para a gotta, o emprego e accao do chloral so torna ex-
tremamente precfoza, assim como o senor Bereret da
Saint-Leger o demonstra pela observacao segunite :
Um docntc estavfi o>> caoia haia J4 ura mez, reltido pur um atta-
que de gotta, e durante oilo dia* n3o pode donnir, aiui'a quo ex-
tennadn pela ddr, insomnias e rigoroza diota; tiitlo fenn prcver
ii.i.Iis Icrriveis : ailiiiini-.lrou-sc-llic do Uma so m d:i;is IIIIIIWIMI
< dc chloral iliiolvJdii em agua rmn assurar; 0 rlt z mtiutM di'pois
odoLiitc aduriucccu, e o somnn durou tret horas; a meianoite des-
pertou-.se sem dores de cabeca e em um estado de enntcntamento
t induM-riptivel, depois adormcci-u de novo para todo o resto da
noiie.
Kcsdc nil "in enntinua com o ujo do chloral, e a* n.icias atrozes e
dolorozas bom como as contraccocs dos musculos c^ssaram.
0 chloral tern tambem uma accao notavel sobre a tosse
que canca tanto os doentes atacados de constipates ou
de broiuhites.
0 BeAor douctor Offrel, ilopois de ter citado em suas
niemorias algunis cazos de curas rapidas pelo chloral,
accrcscenta :
Podoria cil.M- ainda arias "Uli-.-n .ibscrvacfies feitis com indivi-
duos alUicados dc ui!).-rcolos piilmmiares, cm differentcs graus,
* de broiiiliiti'sclironicas e ag idas.
t RttM (hentei Mhmnad vczes dc um .somno ti- ;;rii:!., PUemMraran no iizo do chloral um
grand-- allivio .[iiaudn hm-iii i b iinuphina ua i tcnlia produzido o
nMorcffeS* Os snores abcnd^olcsquc opprimctii lnd->s os phthi-
t siens me pai-cx.i-am dini'nuir ol. a Inflneucia dVstc inudicanicutoi
a tosse se tem consUintcini'iitc apazigaado por uma iiiancira muito
t rensivcL
Os jornaes da medecina e resnmos scientiilcos tem
imhlicado, os resultados obtidos pelo emprego pelos Snr' douclores : Richardson Berga-el do Saint-
Leger Drodbmy Richard lU'ianger-Feraud --
Liebreieh Weslphal Meyer Canlelobeii Lao-
genbeck Virchow Dicnhifoy Krishaber Hi mil
quay Gublor JaMiowitz Lieiioois Mauriae
Marjolin Mandl Boiichul Giraldcs Verneuil__
Simpson Lambert Tarnier, '(<.. etc.
0XAROPE DS CHLORAL DE FOLLET e
pois iloslini.lo a prest.n- sorvioos iiii-Mii-Uiiiles todas as
vozes que so trata de calmar uma (Mr dando ao doente
om somno icpnrador.
AVl.,lJ. Afim de ecilar as fahifhacoes ou imitacoet
que podem ser pre.piradas com um pro-
ducto, pouco puro, deve-se txiuir sobre r^cr&
cada frasco a eliqne'.tn de quatro cores '
tendo a assiijnalura.
Uma iiistnicrAo niiiincioza acoinpanha cada frasco.
Preco da frasco : 3 francos.
URDUS D'ETMiROLg DE CHLORAL DE FOLLET
Estas capsulas, redondas, c do lennanho de uma er-
vilha. encerram uma dissolucao de chloral em ether. Sob
esta forma o chloral pode ser administrado as pessoas mais
difficeis, o savor do medicamento 6 complcctamente nullo.
Cada capsula contem approximadamentc 15 centigramnias
de chloral. A dose regular e de 4 a 6 capsulas, que se
devem engollir rapidamente com algumas colheres de
agua pura.
Preco de frasco : 3 francos.
Para a vrndn por attacado dlrl,-ii- sc a caza do Snr L. FRERC, 18, rna Jacob, em Paris
de:GR
HOPE de RABA1VO TODADO
i --'---------------------------- ______,________________.
:<~-Z!t&
m ha

Sobstttae admiravelmente o olco de Bgado dc bacalh&o, e tern sohro estc as saawintea
agradavel, .! Todoo mundo e sobre tudo as criaaca i to Ao soin ... raeuor rep;:enauoia.
tiros ?,.** \E2Zrt nr:,{"S '";ll"',il|"s P*"1 ,!1 m -.... pnt
como o rachiteno. yalhe'ez, etc.... A sua eti < mlinaria noH .-iLl-id l!
Uaa do peito, e da pelle nos enfartes das glandulas.

XAROPE d'HYPOPHOSPHITO

GRiMA
.-
i nparar >
nosso saroue coin us demais
Hoje o s dJidoqoe i ;,,,.,!,..., ,:, Lal ,:_,< as hi eaciaes dc quaiquer producto desti-
nado a reconstiiair ooi^aniSmo e a cicatrizar os tulicrcidos dqs inilinocs
Com '-'
ccssaric
cruo.
deM
Os Sors medicos e os doentes que'quizereui
conhecidos ate hoj" nos darao.certamentc a preferciicia sendo a su.....'ucacia'iuDcrior a dc
todos os outros, no curativo das i Efi c j pulmonares. 'T
Elleralma a tosse, (az desapparecer os snores no, lurn.is. cura a broadsa, htI>os
pulmonares. a tisica, e corta a febrc lenta que desteoe as forcas do doente.
Deposilo, em PmjamoucQ: FERREIRA, MAIA C; M.-A. BARBOZA, e nas prin-
cipaes phar. -nei.-s de Portugal e do Brazil. ^
PASTILHAS PEITORAES
DE SUCCO DE ALFACE e LOURO CEREJA
e CRinAll.T e C'*, pltarmaeeuticoa em PARIS.
Todas as pastilhas pectoraes, hoje de grande reputacao, conteem opio e por conseguinle s5o
irritantes. Osde Aliace e de Louro-Cereja nao contem opio, s5o ao mesmo tempo mais calmantes
que todas as outras c nao exercera acgao nenhuma irritante nas criancas nem nos adultos.
Curao rapidamente a coqueluche, a tosse, os defluxos, o catarrho pulmonar, as irritacoet
do peito, a falta de respiracuo, c aliviam a asthma c as rouquidoes.
AOS 4:000^000.
BILHETES MRASTIDOS.
i rua Pri-nct.-L de Mary %lr ora rua de
': "''.-' ol n. S3 < r,ne.
* ja 7* parti ,- benelicio da matriz
da Ii.-cada \iifc-), qne ?e e.\tr.,hiia na quarla-feira.-
b do mez vindnnro.
I REfOS.
InOtlU
'- io bilbete i^(.,;j
m POf.cAoDr. 1O05K)O0paa cima.
Bilhete ini 3 "
' Meiobil 1^750
Precisa =e deuma p&soa para lomar conta
de uma taverna, que tenha baslanta pratica e de*
fi.;dor de sua conJueta : na ru:i Duque do Ca\ias
n. 22.
Proleslo.
Con.-tando me que o negocian'e >1a praqa de
I'irnanibuco, Joaquim Juse Ramp?, ao ausentar-sl
para a Europ desconlara uma ou mais lettras
quo sa ligurain actitas por niim, venho protestar
contra este acto crimin iso, c fazer publico que
nao aceitei letira alp.urca em favor do n;csrno Ra-
mos, e portanUi falsas sao todas as lettras que
se acharem aceilas por nini em favtr do mesmo.
E para que chegue es>a nolicia ao coniu-cimento
de todos farei publiear o presence nos jornaes da
capital desta provincia u da do Pemambuco.
tfn^enho Castanha (Jrande, :i de "abril de 1874.
Manoel liavalcaate de Mello.
Advocacia.
O bacliarel Jerouymo Salgado de C. Accioli pode
ser procurado no andar do sobrado n. 28, a rna
estreita do Rosario.
APPROVADO P::LA ACADEMiA HE MEDICINA IiE PARIS.
AoAcademla de jjfedietHa do Paris ho ma do-; c .r.Kw sabfos o mis ,;,,-, da retommeada-
< es c: .i.< .'scmil!o, ,.. hmto lie que ia tia algi...i- annos que ik-uUuui medicai.Lento novo
rcccneo a cua approvacjio.
.Oevcmloaoserem awilljlite.' com todaabe/ievolencia, pelos"Senhofos ..wdio.s. L prepaw
''' ,eo,'i;lr,'.!1i"'*i'v o segulnlc do Doleiim da Academia
> prot'>x?,tato de ferro aprebcntndb pelo doulof Oirard 6
ara-
indo
A Aoailt-n.ia julgft que
dcslinado a prestai
Domplen.-.io.
eisHos ein Peninmbuco : FERREIRA, MAIA e C--;- M.-A. BARBOZA, e nas urin-
dpacs pbarmaclas de Portugal e do Brazil. ^
I
Verdadeiros
GRA0S DE SAODE
*do doutor FRAKCK.
0 melhore*o mais
ulil doi purganles cod- |
aec-ido!. Maaiera-
taUIUcatara
eilitrm d'ente mc-
lieti da A. RonvnORE, o letreiro, aqui jnnto,
feito em 4 cores.
Paris, pharmaeia f-eray, IS, raa d'Aotin.
Deposilo em Pemambwo. A. REG0RD.
em 4-Cores
PHOSPHATEdeCAL
GELATINOSO
nrafinut^^
0 PBOSPBATO DC CAL 6CLATU0Z0 HE LEROT
lent uma acfa* tkerapoitlca mult*
iirrota sobre os indivlduos a/fectados de
enfermidades nos ossos e de uma constituifHo
dibtl. Forn.t-se indiprn-ael para as crianfas
a quem ajuda e (oriifica a crescendo.
fc de um gesto muito agradavel e de uma di-
gestif facil. Preco do 'rasco : S francos.
Pari>, pharmaeia*LER0Y, IS, roa d'Antin.
Deposito em Pemambwo, A. REGORD.
Tendo d'- 5e medir no dia I Je maio os ter-
renos do Sanio Amr,ro das Salinas, quo medeiam
entre o cemittrio ioglez e a camboa da Tacarnna,
aiim de serem dados a inventirio pelo fallecinienio
do major lose Joaquim do Itego Barros, pede-se
aos ioteressados por aforamento ou por outro
qualquer tituio se sirvam coinparecer com os seus
dtcunientos as 9 horas da manha do relendo dia
a rua do Lima n. 38.
Renfe. 38 de ahril de f874.
Aluga-sc 2 ca.-as novas na Capunga, coca
I rariOS jommodos para familia : a tratar no mes-
mo lugar a rna das Criculas n 3, ate as 9 horas
I da manha ou dessa hora em diante no Largo do
; Paraizo, venda n. It.
Aluga-se um reohque de 18 annos
I a tratar na rua Primeiro de Marco
.ljfc________________ .__________________
Precisa se alugar uma preta Gel para ven-
; der na rua : quem a liver, dirija-se a rua do
Principe n 12. que acharacom quem tratar.
I00S de gralilicacao.
Engenho Santos Mendes,
Fugio no dia 29 de de dezembro de 187?, do
engenho Santos Mendes, comarci de Nazaretn,
Ireguezia de Tracnnhaem, a escvava Mtria, creou-
li, 50 anno; do iJr.de, pouco mais nu menos, bai-
xa, gros>a, c6r preta, rofto alquebrado, pes sec-
cos e e*pauadi'3, dodos enrtos, ^endo os dcus
grandes mais compridos, ja tem cabellos brancos,
canellas flnas, tem dous siynaes cabelludos no
: qneixo, gosta do bebtr aguardi n> o a=s;stir a
! sambas, anda fiuginlo ;' d< nda, e 6 bem ladina :
a pessoa que entregar esta ccrava ao seu dnno
que e o Sr. do engenho acima Laurcnltuo Gomas^
'' da Cunha Pereira I'ellrao, i u no Recife, largo Jo
Corpo Santo n. 19, l. andar, st-ia recjinuensa-
da com a quantia de 1001. _________
| Aluga-se um prttu yarn uu servijo, icc;u-
resi ccxinha, por tambem uteii/ i : a. trattir na
praca do Cori'O S?nto n. \. 'd' andar.
'-
V }
V
^
\^

i


i


Diario xle- Pernambuco Quinta feira 30 do Abril de 1874.


-
- -
Pftckdb-se
de am trafcarhador park paiaria, porem qae en-
tenda perfuftamente do trabalto do pio qw 6 to-
mentado own ferment" de cerreja: a tratar na ma
do Coode da Roa vista, antiga du Cammho N>.vo,
n. 91.

Feitor.
Precisa-sp de nm feitor para sitio qu entenda
do mesro : na ma do Kang'-I o. 37.
Precm-se de um caixe ro do idade de 12 a
14 anaos, com pratica de Uverna : a tratar na tra-
vessa *t ma do Principe n 9, uverna denomina-
da Farte Principal ________
VIGOR DO CIBELLO
DE
i mm
I
33
Coiislrm-lur e aliiiatliir i!e pianos
Rua do Imperador
33
Ex-aflnador das antigas _e afamadas casas "Pleyel & Hen, e antigo director daa offici-
al on Alphonse Blondcl.
Tem a honra de declarer ao respeitavel publico desta cidade, que tern aberto sna easa de
concertos e ahnac5e* do pianos, qualquer qne seja o estado do instrumeoto.
A mesma casa acaba de receber um grande sortirnento de pianos do* melhores fahriranle*
de Paris, como Rrard Pleyel, Henri llerz e Alyhmte Bloniel) lo-los os piauos sahidos da casa
Dhibaut sao garantidos.
Compra-se e recebe-se em trnca os pianos usados.
Sk-guro e aclmiravel
RESTAURADOR E TONICO
PHI 0 UKUD
CoDCorre para am kilo e per-
feito penteado
Torn* os cabellos macios, brandes e lu-
sidios, perfumando-os com um aroma de
especial delicadeza, sido.
MOFINA
Esta encouracado 1!!
Agna mole em pedra dura
Tan to da ate que a fnra.
Roga-se ao lllm. Sr. lgnacio Vieira de Mell
escrivao na cidade de Nazareth desta provfnria,
favor de vir a roa Duque de Caxias n. 36, a con-
cloir aqoelle negocio qne S. S. se comprometten a
reatisar, pela terceira chamada deste jornai, em
fins de dexembro de 1871, e depots para Janeiro,
9*83611 a fevereiro e abril de 187a,e nada cumprio;
por este motivo e de novo chamado para dito
Um, pois S. S. se deve lembrar qne este negocio
4e mais de oito anno 3, e qaando o Sr. sea 81 ho se
-achava nesta eidade.
* s& t& & & & s&
Vende-se nm moinho de vento, cem
, dnas borabas para pu-xar agna, e qua-
tro rodas novas e fortes, para carro
americano : a tratar na rua do Imoe-
rador n. 22, andar.
v^g
urso de portuguez no col-
legio da Conceicao.
O bacbarel Jorge Dnrnellas Ribeiro Pessoa este
incumbido do referido curso.
0
Collegio prticular
DE
instruccao primaria para
sexo feminino.
D. Francelina Dornellas Pessoa, achando se ha-
bilitada na forma dan leis reguladoras da ins-
truceAo publica da provincia, abrira no dia 1. de
maio proximo futuro, na casa n. 51 da rua do
llano da Victoria, tim collegio, em qne serao
- :cebidas alumna* pensionistas, meio-penslonistas
c externa*, alim de se educarem religiosa e civil-
mente, de se in?truirem nas materias de um com
pleto curso elcmentar, de se apliearem a obras de
agolln e bordados de todas as especies, e a tra-
balhar em (lores, medianto uma razoavel remu-
neracao. Os Srs. pais de familias poderao desde
ja dirigir-se ao mrnciooado collegio, onde ser-lhes-
hao dados os nocessarios esclareciment'-s e infor-
macoes, e onde encontrarao aberta a matricula
para as edueandas.
Recife, la de abril de 1871.________
Aluga-se o 1 andar c o armazem do sobrado
da rua dos Burgos (Itecife) n. H : a tratar nn rua
da Praia n. SO, coin Jose FeJiciano Nazareth.
n
40 Rua do Imperador 49
]i$f.>&-' <
Ha neste estabelecimento o melhor sortirnento de pianos dos mais afamades autores,
como sao : Hen, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qoalidade de pianos supe-
riores, mandados expressamente onstruir para este clfma, o qoal os amadores dos
bons pianos s6 encontrarao nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
Concertarn-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
qe ha sempre o mais complcto sortirnento de materiaes para concertar pianos, como
rfo: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa. cordas,
marfim, etc., etc. .
49 RUA HO OIPEllAKOK 49
XAROPEeMASSAI
i PINHEIRO MARITIMO
deLAGASSE
PHARM.ACELTKO BORDEOS
A influenda que tem oa prlnclpios reslnosos do
.'inheiro maritimo sobre o pulm&o em todos os
graos da tisica, he tSo maravilhosa, que a medida
que desenvolve-se a sua accao, ve-se por assim
dizer o doente voltar & vida.
Nosso xarope fabricado com a seiva do pinheiro,
recolhida logo ao sahir da arvore, content os prin-
cipios resinusos com toda a sua energia e pureza;
seu eficito he pois immediato e seguro contra os
defluxos, catarrho pulmonar, rouquldoes,
TISICA e em geral cotftra todati as molestias do peito. qualquer quo seja o seu estado.
CIGARROS INDIOS
de GRIMAULT e Cta, pharmaceuticos em PARIS.
Todos os especificos mprogados ate hoje para aliviar da asthma e das molestias das vlas
respiratorias, tem todos por base smistancias toxicas que dcLxao um grande peso no cerebro
e alem d isto sao suraamente perniciosas a intclligencia e a saudc cm geral.
_As propriedades do principio activo do canhamo de Bengala quo contem nossos cigarros
sao tSo adrairaveis, que apenas se respira algiima fumaca. nota-se logo uma grande facill-
dade em respirar, menor oppressao, em uma palavra um alivio rApido, completo e inoffensivo,
porque os nossos cigarros nao contem nenhum principio toxico. Sao pois estes cigarros o unico
remedio certo que se possa acconselhar com confianca contra a asthma, catarrhos pulmo-
nar, nevroses, laryngite e em geral contra todas as molestias das vias respiratorias.
Deposltos em Pernambuco : FERREIRA, MAIA a &: M,-A. BARBOZA, e nas prin-
cipaes pharmacias de Portugal e do Brazil.
i C iisisliorio mdm %
%
Ha mais de umanno fugio d^sta eidade do Ite-
cife, e se >uppoe nella occulto. o escravo Josi, com
os signaes seguintes : cor preta, de altura regu-
lar. eom,S8 aunos de idade, pouco mais oumenos,
tem falta" de dentes na frente, sendo porom o sig-
nal mais seostvel uma escroscencia na palpebra
que parece ceg de um olho : quern o' capturar,
raga o a rua Direita n. 119, oa Saudadee n. 32,
que sera generosamente recompensado pe'.o seu
ienhor.
Manoel Camillo Pires Falcao tendo doixado
a logar de UbeUiio interiao, que exerceu na 18
mezes menos 12 dia?, por terse apresentado o seu
proprittario, nao p6de de xar de agradecer aos
amig08 e ao poblieo em geral adeferencia qua para
comigo tiveram, procurando-me para passar sua
escriptura e mais papeis, do que serei eternamen-
te grato.___________
Servente de botica
Precisa-9 de um que tenha pratica : na phar-
macia Torres, i rua de Marcilio Dias b. 133.
Aluga-se uma escrava com duas crias,
a qual tem babtUdades : a tratar na rua
Primeiro de Marco loja n. 18.
0 Dr. Joaquim d'Aquino Fonceca, a"
rua da Hospicio n. 33, pede ao Sr. Manoel
Kernandis de Carvalbo, residente na estrada
do Rourinbo, o favor de lbe vir fallar a
respeito de uegocio de mteresse de ambos.
\mmm
selecta e ie umbigo
(Enxertadas)
Sapotizeiros
e sapoteiros de 11 palmos (em vasos) e de todos
M tamanhos e precos mais commodos que dan-
tee ; assim como as seguintes ontras plantas de
fructa e de ornato :
Laranja cravo.
Oita de doce do Para
Dita brsnea.
Dita langerina.
Lima da Persia.
Dita de nmbigo.
Limao francez.
Dito doca, enxertado.
Oiiicor6.
Patmeira imperial.
Parrelru.
Pinh-'iras
Romeiras.
Rozeiras.
Roz'-'a.
Ubaia.
na Capnnga i rua da Ven-
DO
Ifr. Murillo.
RUA DA CRUZ N. 26, 2. ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde ire-
quentou os hospitaes de Paris e Londres,
pode ser procurado a qualquer hora do
dia ou da noite para objecto de sua pro-
fissao.
Consultas das 6 horas da manha as 8 ho-
ras, e do meio dia as duas da tarde.
Gratis aos pobres.
ESPECIALIDADES.
Motestias de senhoras, da pelie e de
crianca.

PREDILECiA
t MEDICO-HliRGICO 1
<& D0
Dr. Pedro d'Atijayde L. Moecoso
PARiEl O E OPERADOR
.Him ni^ ii. ?. JK
Ei?PliCI ALIDADE
Moi<>Nliam rto senhoras e 49"
jneninon. >Q

-":
Consultas das 7 as 10' horas da ma-
nha, todos es dias.
DasH a- 8 da noite,nas segnndas, quar-
tas e sextas-f'-iras.
Os doeotesqne mandarem os seus cha-
mados por escripto at 10 I'Oras da ma-
nha ser.l-i wftados em suas casas.
Boa casa n. 7
Alaga-e no.< Coelhos, confronto ao hospital Pe
dro II, assotiradada, independente de oulras casas
grande quintal murado, cocheira, quartos par-
cnados, commodos independente-' para duas fa
milias, porto de embarqne e banhos salgados, em
fim e uma {*lla casa do campo para qnem quer
estar livre do rebolico dos carros, principalr.ienta
dos pestilentos apparelhos Drainage : a tratar na
mesmolugar, em uma taverna defronte do-dito
hospital.
0 Dr. San.'iento Filbo mu-
dou-se para a rua da Aurora n.
Ct. 1." andar ; entrada peio oi-
tao.
Parts, 36, Rua Vivienne, W
M\hV.\\* NEDSCIN SPECIAL
p#.
Abacati.
Acacia.
Ariticum a
Canella.
Casuarina.
Carolina do principe.
Condeca.
Cora ao da India.
Figueira.
Flamboyant.
Frnctn-pao.
fnga do Para.
Jamba
Jastoim laranja.
Laranja da China.
Dita Jo ceo.
E outras plazas :
nra n. 25.
DEPURATIF
au SANG
PLUS DE
COPAHU
i
!
frastes. I
in se e vende-se trastesnovos
usados no armazem da roa o Im-
perador ii. 48.
.f
m
mm%m%'
DAS ElirERMIDADAS DIS SEX DABS AS 4FC{01
."* ALTBHAgOFS DO SAH60E.
ln.OOOcurasdasimpin-
I irns.piii/ulos.hcrpei,
I a ma, comixott, oeri-
monia, e allercoes, vi-
\ciosas do sangue, vi-
rus, e attei .lyoes iii ->angue. (Xarope vegetal
semmercurie). Beparasivaa vrieun
BASiiH minebags tomao-se dons por
semasa, seguiodo o tractamento Depurativo: 4
empregarto nns mesmas molestias.
I Este Xarope Ciiracto de
| ferro de CHABLE, enra
immediataraeBie qual-
Iquer purgacao, rela-
\xaeao, aebilidade,
e igualiuente oa jit/uin t /lores brancat das
mulheres. Esta iujeccao Denigna empregasM
eom o Xarope de Ciiracto dejerro.
Hforrni, Pomada que as cura ems dias.
POMAOA ANTIHERPETICA
Contra: nas affecgoes nutatutu e comixott.
PILULAS VECETAES DEPURATIVAS
do r Chabie, cada frasco vrai aceumpahad*
de um folQeto.
AYI80 A08 8RS. MEDICOS.
Cora caiarrhoi, loiiti
coquetuchti, irritafdei
nervouu $at dot trron-
chiot t todai at doenft
do pi collie rchdea deals xarope IV roiCET.
Or. fillil em Parti, raa Vlilcnf M.
in-pi"!1" hot c a rriiiHozti
22 Rna da Cruz 22
Sirop du
D'FORGET
A' rna do Calmjja n. 1 A.
Os proprietaries da Predilecta, no intuito dt
oonservar o bom conceito qne teem merecido dc
respeitavel publico, distinguindo o seu estabeleci-
mento dos mais que negociam no mesmo generc
veem scientificar aos seus bons freguezes que pre
veniram aos seus eorrespondentes nas diversaspar
cas d Europa para Ihes enviarem por todos os pa
quotes os objectos de luxo e bom gosto, que se-
jaro mais bem accitos pelas sociedades elegante*
daquelles paizes, visto aproximar se o tempo de
festa, em que o hello sexo desta linda veneia
mais ostenta a riqueza de suas toillottes ; e co
mo ja recebossem pelo paquete francez diverso
artigos da ultima moda, veem patentear algun.-
d'eatre elles que se tornam mais recommendaveis.
esperando do respeitavel publico a costumata
coBcarrencia.
Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem
vindo-ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola e do
voHodo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
'
Aderecos completos de borracha pnpriospara
;c'o, tauitem se -vendem meios aderecos muito bo-
ultOS.
BotSes de sotim preto e de cores para ornato de
v'estido.s do sechora ; tambem tem para collete
pal i tot.
liolsas para senhoras, existe um bello sortimen-
da seda, do paJha, de chagrim, etc., etc, por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louca
como de c ':r, de borracha e de massa ; chama-
mos a ::: .. -j das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
pertinoutes for falta de um obiecto que as en-
rretenham.
Caraisas de linho lisas e com peiUs bordados
para homem, vendern-se por preco commodo.
Cerotdai B9 linho e do algodiic, de diversos pre-
cos.
Caixinhas com mosica, o que ha de mais lindo,
com distieos nas tampas e proprios para presen-
te
Coques os mais modernos e de diversos forma
tos.
Chapeospara senhora. Receber.im um sortimentc
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capellas simples e com veo para noiras.
t^alcas bordadas para meninas.
Entremeios eetampados e bordados, de lindoi
tpj^nhos.
.Sscovas electricas para deutes, tem a proprie-
dade de evitar a earie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, existe um
irnnde sortirnento de diverts larguras e baratc
preco.
Fitas de saria. da jcrgt'i^Q. de setira e de cha-
maln'e, de diversus larguras e bonitas cores.
Facnas de gorgurao mnito lindas.
Fi^r. artiiiciaes. A Predilecta prima em con-
ervar sempre um bello e grande sortirnento des-
as floes, nao so para enfeite dos c.bellos, como
tambem para ornato de vestido de noivas.
ftaloes dealgodao, de la e de seda, brancos, pre
ros e de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda d'3 diversas cores
para sennora.
i Ligas de seda de cores e branea- bordadas para
I ndiva.
Livroe para onvir jnissa, ecm capas de madre
perola, marfim, os'o e vellndo, tudo que ha' de
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca
j belos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortirnento de madre-
perola. martiro, osso e dourados por barato preco
Perfuraarias. Neste artigo esta a Predilecta be'm
: provida, nao so em extractos, como em oleos e
j banhas dos melhores odores, dos mais afamado?
I fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica.
| Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis pars
j a festa.
Saias bordadas para senhora, por commode
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados,para bap-
tisados.
I Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti
i mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
j mo para entrada de ealas.
! Vestimcntas para, baptisado o que ha de melhot
I gosto e os mais moderno s recebeu a Predilecta
de or ar. to prepo, para tlcar ao alcance
qualquer bolsa.
Devedores.
Os proprietary* da Con fait ana do Camp s, a
rna do InVpcrador n. 24, p>dim aos sensdevednres
que tem sido remtasos, o favor de virem pagar? us
drbitos ale o Mia 8 de abril proximo vindouros
avisam ao? mesmo* qne se ate" aquclla data n.io e e
tiverem aldos, nrin fpfpt nnrne; nc*te jnrnai-
10 ill-lififf.-i.i"), t ,-f< ;,|^u:ii.i.
'*!*%&>*
PUNDICAO DO BOWMAN
RUA DO III If. 52
(PaSsaiiilo .0 v.li.u^'i/,)
I'Kijfj'j rS son-'-'K-s tie rr-~ .'ao e j* ;::.cnl-r- i, e pir.prigadjf%fc tie m
^.uismo 0 faroi" de Uuii v;.; imq eaUbc-.e-.n-:i.-, |>-ra "oreiu o novo lOrtiOB6DtC
omplet que nbi tem; Kad tudo eoperior etn qoalidade e fortidio; o qae com ins
ccio pea ;al pode-se verilicar.
ESPECIAL ATTtNCAO AO NUMERO E LuGAH DE SUA FUNDigAO
dos mais modernos Bjstemas e em ta-
marfbos convenient&s para as diveriai
ircnmstancias dos aenhorei proprietaries e para descarofar algodao.
ffofindftB dfl PITlim. Je lodo8 8 ,am3nho8' 3! agaa e vapor.
/aporea e rodas d'agaa
existem.
para animaet,
aodas 'entadas
raixas le ferro ftmdido, batido e de cobre.
ilambiqnes 9 fundos de alambiques.
Wachinismos
Bombas
para mandioca e algodao,j
e para jerrar madeira.
24-Roa do Marquez de Olinda-24
Eaqalna do heeco Largo
Participa a sens freguezes e amigos qne mndon
0 sen estabelecimento de relojoeiro para a mesma
rna n. 24, onde encontrarao nm grande sortirnento
de relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores -gostos e qnalidades, relogios de
algibeira, de todas as qualida- e, patente suisso,
de onro e prata donrada, foleado (plaqnet), relo-
![ios de onro, inglez, descuberto, dos melhores
abricantes, cadeia de onro, plaquet e prata, lnnetas
de todss as qnalidades, tndo por precos muito ba-
ratos._________^^______
ALUGA-SE
nma casa na Capnnga, rna das Pernambucanas,
com coxeira e quartos fora : a traUr na rna do
Vigario Tenorio n. 31.
LOJA DO P.ISS0
-
DE
Cordeiro Siuioes 4 C.
Acabam do receber pelo vapor Mendoza :
Riquissimos cortes de gorgurao de seda lisos e
com listras achamalotadas.
Ditos de linho para vestidos, contendo cada cor-
te, o necessario para seu enfeite, como seja :
rranjas, trancas, tot5e?, fivellas, etc.
Rhjnissimos chapeos para senhora, ultima moda,
a rna Primeiro do Marco n. 7 A.
Silio noArraial.
Aluga se nm sitio no Arraial, proximo a esta-
ciio da Casa Amarella (um minuto) com exellen-
tes casa de moradia, tendo os seguintes commo-
os 5 quartos. 2 salas, cozinha externa, terra-
,v>, casa de banho e diversas fructeiras. Aluga se
tambem uma ontra casa no mesmo lugar, com 3
quartos. 2 salas, cozinha externa, agua de beber-
c um bom quintal por ccimmodo preco : a tratar
na rua Primeiro de Marco n. 16, l. andar.
Podendo"todoa
ser movidog a mao
'por agoa, vapor,
de patente, garantidaa........ |oa animaes. -
Todas as maohinas "pecai de qne w coeloma preciHr
de macbiuismo,
?a qualquer concerto
Pormas de ferro
tem as melbores
cado.
^ncommendas. ,ncnn,b6-8e d9 m3Dd"
a pre&o mni resumido.
e tr.iii barius esisteotes oo mer-
vir qoa'qQer ttaih'oiamo i von-
tade do clientes, !embnnd'>-!be > vaotagem de faierem
nas compras por iotermedio de pessoa eateodida, e qne em qDitqoer nsvessidade pdde
i preslar aaxilio.
e initrnmen'oi igricoltt.
irados americancs
RUA DO
PASSANBO
FUNDICAO
5
4' rua do BarSo do Triiinspho
N;
52
11AF ARIZ
raa list Brim!) as. I ill) a 101
CARDOSO & [RMAO
cm geral que
machina s ne-
qi.e tem vindo
Arrenda-se o engenho, Saltinho da fre-
guezia de Una, moeute e corrento. Dito
engenho e bom d'agua, dista duas leguas dos
portos de Tamandare e Rio Form' so, e tem
terras para safrejar 1,-GOO a 2,000 p3es
annuaes: a tratar no mesmo eng-mho com
o consenhor Henrique Augusto MHet, ou no
Recife com Leal & Irmiio, rua do \I rqaez
de Olinda n. ">.
Rua Duque de Caxias.
0 ?r. Antonio Ribeiro Pontes, caixeiro a rua do
Duque de Caxias, queira vir a rua do Imperador
n 12, a negocio de mntuo interesse, isto por ?e
ignorar sua residencia domeslka._______
Escravo fugido
Desapparecen ao amanhecer do dia 4 do cor-
rente, do engenho Serigi, comarca de Goyanna, o
esirravo de nome Jose Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes segnintes: cabra, idade de JO
annos pouco mais ou meno>, boa ligura, um tanto
grosso e espadaiido, sendo o signal mais visivel 1
gomma na junta do pe esquerdo : roga se a todas
as autondades e capitaes de campo, queiram ap
prchender dito escravo e leval-o ao referido enge-
nho, ou nesta pra<;a a Oliveira Filhos & C, largo
do Corpo Santo n. 19, qne serao generosamente
recompensados
e 10 carallos, os utelbores qoetem vmd
para vapores.
e moias moendas, obra como nutica aqai veto.
AVISAM aos senhores de engonhos e outres agricultures e ao publico
continuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragetis e
cesssrias aos estabelecimentos agricolas, as mais mode nas e melhor obra
?o mercado.
V aporeS 'de forra de 4, 6, 8 e 10 carallos, os utelbores qoc tm vmdo no -n-ra^o
1 alueiraS ilo sobro?alcnte
Moendas inteiras
LaiXaS ;tUnClluaS e batidas, dos melhores fabricantes.
r\OuaS U agUa Com cubajede ferro, fortes e bem acabadas.
ttOQaS uentadaS Je todos os tamanhos e qualidades.
Rel0gi0S e apitOS para vapores.
oOmDaS de ferro, de repucho.
AraQOS de diversas qualidades.
Formas para assucar,gr,n^s e pqUenas.
Varandas de ferro fundido, francwas dedmi e bonitos gosto.
r 0^_,OeS irancezeS p?ra leoha e carvSo, obra sup
Ditos ditos p,ra gaz.
Jarros de ferro fundido
Pes de ferro
Machina
Valvulas

Na rravessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se 'os mes-
mos metaesepedras.
ALUGA=SE
o quarto andar on soiao do sobrado n. 32 a rua
estreita do Roeario n. 32, com commodos para fa-
mil ia : n thefouraria das loterias, rna do Crespo
n. 6, andar.
pnra jardim.
para mesa e banco,
para gelar agua.
para bomba e banh"iro.
Correias iuglezas p.3ra machinismo.
DanCOS e SOiaS com tiras de madeira, para jar dim.
QoncertOS concertam com promptidso qualquer obra oa icl nt, nn o qne teem
sua fabrica bem montada, com grande ebon pessoal.
EnCOmmendaS mandam vir por encommonda da Europa, qualquer macbinismo,
para o que se correspondent t-crn urn;. n.-=p-iiavcd ''.asa de Lo.'^r--:
j com um dos melbores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-.se de mandar assentar
iitas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua doBarao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
F U M D I C A O D E C A 1 D n s O 4 I R M A 0.
ODILON DUARTE k I RMAO
uflo
Premiados
-. L.3.&.I
na exposicao de 1872
. '-.
:;;.;

RUA
DA
Precisa-se de
rna Direita n. 10.
batedores : na refinacao da
Engenho
Vende-se o engenho S. Pedro, situado na pro-
viccia de Alagoas, comarca do Porto Calvo, a
menus de uma Tegoa distante do porto de mar do
Gamella, tem oxceilentes terras, matas, e aafreia
regularmeBte 2,(00 pies : a tratar na rna do Vi-
gario n. 31.
IMPERATRIZ
N. 82
1-* ANDAR.
RUA
DA
irtPERATRIZ
N. 82
l. ANDAR.

Acabam de reformer o seu estabelecimento, col)ocando-o nas"melhores cor-
iiccoes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e a"s Exmas. Sras. n'.j-
quillo que fOr tendente & arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupcte, chignon
coques modernissimos, trancas, cachepeign, tecidos, desenhes em cabellos, q'uadros tu-
mulare.s, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabell'o.
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados etran-
geiros, recebe directamente por lotbfi os vapores da Europa, as suas encommendas e"figi;-
nnos de modas, e por isso pode vender 20 % menos que outro qualquer, garantindo
perfeicSo no trabalho, agrado, sinceridade e prego razoavel.
Penteam senhpras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porcSo e a retalho e todos os utensilios pertencentes & arte de cabelleireiro.
Rua do Cabugan. 1
DO BOWMAN
O abaixo assignado fax sciente aos seus pa-
rentes e amigos, qne *ncarrega se de tudo quanto
for necessario, a assistencia nesta cidade, me-
diante algoma commi^io ; podendo sr procura- V en?nheiro Albert-Ghouy, rM.rando-se tempi
do ne9ta ivpugraphia. ranamenlo nara Inglaterra no ;apor Royae, e nao
Pedro Bizerra Cavalcanti Maeiel. Podendo pda nreab-ia de sua viagen. despeiirse
---------------:----------------------------.___________ 'pessoalment- de tiJas as pessoas de sua amisade,
Aluga se a Ufa e atcova da frnte do ter-' faz pelo presents, pecliodc-lhes de>cplpa ilessa
Ped9-se encarecidamfente a quern achou nos
bonds da Magdalena um embrulho contendo um
trabalho de crochet, com sei* camteis, de enlre-
gar na rua do Imperador, loja de bain's, do Sr.
Antonio J. do& Reis. que se gr.ilificarj o acliado.
Precisa-se de um caixeiro com bastante pra-
tica .lo taverna ; e qne de tiadur de sua condu-
cta : n tratar na rua \^elha de Sanu Rita n. 50.
l'recisa se da quantia de 3005 a jnros de 2
0|0 a ) mcz.e por cspaco de -eis me|es a tun anno,
dando-se garantia a contento-da pessoa que fixer
esse uegocio : quera pn-lender, deixe c.;'.i fecha-
d3 nesta typographia, com as iniciaes W \V W.
Collegio de S. Sebastiao para
o sexo feminino
N. 10,200
Pede-se ao Sr. Jose Caetano, da kmenea Illus-
tradn,u fav.ir 1e apparecer na rna Primeiro dd
Marco n. 7 A Is andar, a nego-'io de seu interf3se
A abaixo assignada scientiQca aos senhores pais
de familias e a quera mais convir possa, que as
aulas de sen collegio continuam a funccionar em
a casa da rna Direita n. 36, 2 andar.
_________ Manoella Augusta de Mello Rego. .
. Aluga-se ou vende-se um escravo carrocei-
ro, idade quarenta annos : na rua do Hospicio
n. 81.
.Na rua do Imperador
n.28
precisa-se fallar aos segnintes senhores :
Dommgos Martins de Barros Monteiro
Joao Vaz de Oliveira.
Jose" FrancUco Lopes Lima (Sazareth).
Manoel Perei-a Brandao.
Manoel dos Passos Miranda.
Theotonio de B?rros e Silva.
Francisco de Paula Borges.
Francisco Antonio Pontoa
At LA I IJdIJL^ I Traspasso de casa.
i nrimp.ira cadcira da anla nnhlii'i nti- n i
Traspassa-se ate 31 de agosto uma grande ca3a
" ommo-
da tra
, na povoacao de Apipucos e com muitos commo
n- *' dn a iraiar nn andar do sobrado
Uma possn vinla da Bahia, precisa falhr om
ceiro andar do sobrado u. 70, a rua Duque de La-' falta Invoionlaria e eff^receudo'alTro'Teu'presii- lo 8r.~Ant ,niu Jose'"d' Fr^mTtixa pbrtorii o fa-
mo aquelles que dC.He te queira utilisar. vor da aoparecer a rua d Cruz n 0. armazem.
IgS : a tratar na loja.
A primeira cadeira da aula publica para o sexo
feminino da freguezia de Santo Antonio, fnncciona
no 2 andar da rua do Barao da Victoria n. 31, A
entrada pela rua das Flores. dos : a tratar no l
-----------------------------------._________________ vessa da rua do ngario, n. l.^scnptono.
SAQUES
Carvalho & Nogueira, na rua do Apollo
a. 20, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agencias em todas as ci-
dades e villas de Portugal, A vista a prazo
por todos os paquetes. ,
Garanhuns.

Na rna
allar aos
ose Paes
.ise
do Barao da Victoria n. 36, precisa-sa
Srs. Peiir i do Rego Chaves Peixoto e
da Sil'-a, a negocio de particular inte-
L
" ^
J
i


6
\
.

niiray dle;?An3armM;o Qumfc* feira. Dinheiro ajar.s
De 1:000| a 2:000/, mas au mtraos, com hvpo-
as aam n.i .;ids.le : fe dira rjnem da
q. 38, loia, ou Imperial
oaeas aqui n.i
nas ruas da imperatriz
numero 5.
Pogid de 12 para 13 do eorrente mez, do
engenho Magaranduba, da freguezia de Agua-
Preta, o eseravo Migaei, de 37 annos de idade, e
os signaes seguintes: preto fulo, baixo, secco, pet-
nas flnas, pes secco?, pouca barba, olhos peque
nos e bom vivo?, marcas rau.to antigas de acoites
nas nadegas. Esle eseravo foi comprado em ju-
lho doannopnxinio passado a D. Rita Maria Fir
mina de Almeida, no Recife ; 6 Datural de Naza-
reth, roi do Sr. Autonio Xavier de Andrade, do
engenho Coite, di eomerca de Itambe, e depois
do Sr. fceralim Anselmo Pereira de Lucena, no po-
voado Gruangy. Ha toda probabilidade de estar
nos Remedn.-, on em Cruangy, pois elle disse a
SK-TV8 Para nm ou outro la8ar> onde 6
baqutano. Roga se as autoridades policiaes e ca-
pitaes de carapo a appreheasao do dito ecravo.
ift Vppn'hei!?er (uelra levar *> Sr. Genuino
Jose da Rosa, no Recife, rua da Praia n 43, on
S KaPde Agua Pre,a'ao Sr- Ernesto Arcelioo
ponsado nco' que 8era Merosamente recom-
Bemvindo fugio.
No dia 21 do eorrente fugio o eseravo
acima, tendo os signaes seguintes : idade 25
annos mais ou n-enos, cor fula, cabellos
carepiiihos e urn pouco crescidos, cabefa
cbala, estatura regular, urn tanto magro, e
tem no rosto bastantes signaes de bexigas,
usa do cbapeo de couro, e lev.u calcas e
camisa de algodaozinho t roga se a todas as
autoridades c capitals de carr po, queiram
appreheuder dito eseravo, e leval-o A rua da
Madrede Deus n. 5, l. nndar, das 9 is 4
boras da tarde, ou ;i rua da Imperarnz n.
4, 1." andar, que scrap recompensados.
^
Ama
ri >iua uu Tiscouue uu Albuquerque n.
* 11, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
d n. 11.
V Chamados : a quaiqner hora.
y Consultas: Aos poses gratis, das 2 is
y & horas da tarde.
Rua
m
1.
Aos
M FilM
de Marco n. 23
20:000^000.

n. 20, saccam sobre as seguiote* cidades da
raliza. na Hespanha : Santiago,' Orens,
atron, Ferrol, Ponte-vedra eCoruna, qual-
uer quantia & vista e por todos os paque-
des. ->.*>
O abaixo sssignado tern snnpre exposto a ven
3a bilhetes da loteria do Rioj cuja extraccao an
ounctara polos jornaes.
Precos.
Int. iro 211000
Meio 12000
Quarto 6*000
________________Mangel Martins Fiuza.
Altencao.
Precisa se do ama senhf ra que esteja habilitada
para ensmar o portngue/, franca, piano, costuras,
ber Jades, etc., etc., e que qtnira ir para urn en-
genho perto da tima das estacjSes do Recife a S.
Francisco, para ensinar a tim'as meniuas que ja
estao principiadas, psga-9e 1 000^, e gratilica-se
gradaando : a trai.tr nas Cinco I'ontas n. 82.
Nao se prestando o pequeno espajo do armazeai
n. 10 A, a ma da Madre de Deos, para um abasta-
cido deposito das diversas marcas de fumo, qne o
abaixo assignado almejava tor, acha-se d'ora eip
diante aberto outro estabeleciinento sob a mesma
denomina^ao de
Arniazein do fumo
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proposes deseiadas, e onde podei-
rSo os senhores freguezes dlrigir se, certo's de
Sue, como al6 aqui, acbarao sempre a par da mo-
icidade dos precos, a maior sinceridade possivel.
Entre a.s differentes marcas de fnmo da Bahia e
Rio de Janeiro, que tern sido aununciadas, acaba"
de chegar uma encommenda especial, e que muito
deve convir aos senhores freguezes. Consciente o
aba xo assignado de quo neste genero de negocio
nao esti sem competidores, fara muito por evitar
qne tambm os tenha com relacio ao pequeno lu-
cre que procurara obter da dita mercadoria.
Jose Doir,ingues do Carmo o Silva.
BAUIAHEL MIGUEL AMORIM Ji
Advogatio
Rua do Imperador n. 71. @
Precisasc(de utp^*fia para cozlnhar.
IiDga-?l)JBn a- walar' na rua do Hospii
Qion..70,.isa ttrrea do boJa* amarellaa na cor-
B'ja.___________________________________
Precisa-se < 5 uHia e>crava pcra cozlnhar *
comprar : a ir,:tar na rua irimeiro de Marco n.
2J.
Piecisa-ae de uma ama que- saiba cozihhar
e engommar: a tratar na praga do Corpo Santo
n. 17, 3 andar.
An
la
Precisa-se de
uma ama ^para
cosinkai ts fazer outros me-
nores servlco de easa de
pouca- fh w0\ % jaseitrindo se,
esera^a; imsDti be-p/#0.
* Aluga se uma escrava para lodo servico de
casa : na rua do Iroperadorn. o0,3,landaiT
-fc'OffeieoB-ae uma ama para cas* estrangeira
ou brasiletra : na ma da paz n 36.
1'beciea-se de amas p*ra iwlo sesttco d
uma ca-*3 fannilia.: ua Paaaagem da Magdalenai
entre atfmle peqaena e a grande n. 25, junio a
cruz.
Aluga-se o 2'
Di?que de Clsiaa :
an4?r da casaji..56, a rua
a tritat nanesma nan. 79,
Grande fabrico demarmore
de Belvoys & Sampans
(.lura) Franca
Esta grande fabrics exeenta qnalquer encom-
menda deste genero, como sejam : ornamentos,
chamines, balcSes e ladMlhos de quafijuer nata-
reza^e desenho : o concurrentes dcte genero po-
derao ver, precos enrrente*,- explic c5es e dese-
nUes, e as e:iC'>romr.nda* a tratar. em casa'tie Kel-
ler &*, rna do Rom J>.?ns n. 3o.
MBEUDAS BAMTAS
1%'A
III IlJtU^l
Jo5o Pereira da Sih-eira, pharmac^utico, decla-
ra ao respeitavel publico qne nao 6 mais respon-
savel da botica aita & praca do Conde d'Eu n. 5,
pertencente a Clorindo Ferreira Catao; e bem
assim acha-se dc.-embaracado, nio so pelo tribu-
nal do commercio, como tambem pela inspectoria
de saiido. Recife, 29 de atril de 1874.
LOJA DO PAVAO
HI A
w
Rua d
a
Granadina
Cozinhai'
immar.
500 r. CAMISAS'
prcia* m
co\n.dm.
O Pavao vende granadioa pMa^/livrada
pelo barato pre^otde 500 rs o eondft.
Imperatriz
PARA LIQUIDAR
!i.
FRATTCHA5" A42jnT00, 59500'
3^000 E 3J500.
fohar e engommar ; e para casa dapequena fami-
lia : na rua do Vigario n. 16, !. andar.
Prea-se de um* ama para coiinbar para
uma famllia, composta de dnas pessoas ;.tratar
no paw*-de Paraizo n. 28, 2* aadar.
uma para cozi.nhar
Precisa-se de dnas amas.
eoatrti pata'lavfcr e agemmft: na raatlfcaiiede
axiasn. 22
lit
1
---------
z manatre.
#
0"
-io
\w
Empreza do gaz
Feitor.
Prrcisa-se de um feitor para tratar de um pe
qneno jarJim : na Baa-Vista, rua to Visconde de
G ft: -'ni i'. 101, PBtr'ora Mondego.
- Arrenla-seo en^uilio Jussaral-grande, no
i .'.:' do. SennhSem, o qual esta situado a legoa
e li da estajao da Escada; e bom moeJcr com
, ede muito boa prodoi-cao, tanto de cana.-
de mandkea : a tratar .-cm o propnetario
- es io, no engenho California, em Serinhaem
Aift
Jcao
.' |i!anii:t de iOOi a um eseravo
iro | in. sua aiforria, e ir pagando raeusal-
: a tratar n. rpa Imperial n. 91.
M iita MtteiiQao
." odo sido stibti-ahida on extraviada do po-
la Sr. I'. Isabel Lucas da Silva, uma letra
; aceito, na importancia de 1:2G0^000 e
peli Sr. Manoel Soares Plnheiro, e isto
'' lira ja havia sido resgatada pela
;" '''' pi 11 presente meio que mai
cm semelb.nnte titnlo, visto ja ha-
i emi.la i brigacdo per Hia representa-
que por consegniote de nenhum proveito
para aquella pessoa, em cuja m4o porven-
tura ella sea'-^e, protestando se proceder cnmi-
nalmente eon!ra nneni quc-r que tenha sido o sub-
tracti r, i no? d m.i fe pretenda utdisar-se da
mencionada leiira.
Recife, 21 de abril de 187J.
A empreza do gaz tern a honra de annunciar ao
pullifio que recebeu ultimamente um esplendido
soitimento de lustres de vidro, candieiros, aran-
delas c globos, cojas amo=tras estao no escriptorio
a rua do Imperador n. 31, e serao vendidos aos
seus freguezes pelo preco mais razwvel possivel.
Glona llaria SP'ranc'sca.
Jose da G sta Bispo agradece do
intimo d'alma a lodas as pessoas,
que se dignaram visitar sua pre-
zada esposa, durante o grave perio-
do de sua enfermidade e bem as-
sim a todos os seus anigos, que
fizeram o caridoso obzequio de
acompanh::r o seu cadaver ao ultimo repouso,
convido is para que .e dignem assi.-tir as missas
do set'mo dia, que por sua alma-Ihe mania re-
zar na igreja de N. S. do Carmo, as 7 horas da
manh.i do dia 30 do c^rreute, pelo que se confes-
sa snmmamoiite grato.
ilguns devotbs vjo ,mandar cejebrat os^ctos
do mez ,man'4no( no-altar daA'ossajW-ora M5i
dos Moment erecto na igreja & Maire do Deus,
eujos aetos scrSo presicUdos pelo Sr. Rvd. vigario
Antonio Manoel de Ass'urop9ar>, a princi'piar;n
ultimo do corrpie mez, para cujos actos coni-
dam todos os deW.tos que queiran a sistir.
Principiara as i Boras da manha.
Ricas bandeijas
Pare asainentos, blilfes e-baptisados.
Quera -quHWr obter ama-bandej rieamente en'
feltada, diri)a se a Coafeilari* do Gampos
Ja manflatiito ou indVi eneommendar, ja com-
pranJo alii todos os enfeitel5 eonstardo :do segura-
te :
BoloB finos para enfeitar.
Docessaboroeifsimos-para enteitar.
Figuras allegofiess pw% enfeitar.
Papeis arrebUSdos para' enlei-ar.
Boulquets para noivos.
A!!i
Encontra-se sempre 0 seguinte :
Fiaiubres ir.glezps.
Bill! n 3 >
Ufilos >
Paes de 16 linos.
Patias de dito para parturients.
Pa?teis em profusia
Filhos (sonhts de r>lvma).
Doces em calda, ralado e secco.
Bolachinhas Je mil qualidades.
(Sugar Waffers ranilhi) para dielas.
(jelea de mocoto, desiufeclada.
Amendoas, confeito?, etc.
Cha verdadeir j das Cnravauas.
Cafe de JavB (cerd deiro).
Tnrio isto 5
CONFE1TAR1A DO CAMPOS.
O Pavfio vende um bonito sortimento de
Precisa-se alugar rmia parrava quo saiba eozr- Ma4atyul&a emtc*tm& m W9Bttf* camisas francezas com peito de algsdao, a
a peeat. [l 29000 e 2^500. Ditas com peito de linho
jjde 39000 a 6^000. Ditas bordadas mrjito
O Pavao vende p^as de oa*&poRFo en- Cnas de 69000 a 109000: assim come
festado, peIob*jite,prBgo de 3CQQ* pega.ij grande sortimento de ceroulas de linho e de
Drtasisem.ser.enfestodQ,, c ao.^rdas.ral algodao, porpregos baratos, e tambem tern
S90O0. Lhtas com i4 jacdas!;Mujta,bD.complet,o sortimento depunhosecollarinhos
fazenda, a-6000, 68500.* 29000. Unto dfcttAo-ernno-dtf'SlWWbL por precos
AMAA8 PMTAS A BOO, 64 800 RS., em 0 Patvtio tern am grande sortimento dei Epar^bo^ <2$&tyt} ,4^000 e
alpacas pretas, que vende a 5 )0, 6i0 e 800 &0K>.
cs. o oyada, assim como granle sorti-{
menlo de cantffes, bombazinas, princezasj 0 Pfivjfo tenrJe am boriHo iortimhlto de
pretas, merinos, e oidras mnitas fasendas.'espartilbos moderaafi 3o"P0, 4^000 e
proprias para luto. | 59000, assim como um htfnito sort:m,entc
n,-lin!, ,s tt fl ;K> .idtesaiasr^arreas-.-bortadas.a'S^OO'O eW00,
0 Pa?fio tende sodas com lieuiohas deiie **asde lfemn* de c6Ves.a:WdW r'-^pc-
res a 19600 o covado. Ditas compal-!<*mchB-
minbas aawai, Ditas conrttraaE dannofo
a f9000,e tflM.
AVISO
Precisa-se comprar dous escravos, pedreiro e
carapina, paga se bem : a tratar na thesouraria
das lotenas, a rna Primeiro de Marco n. 6.
Compra-se um portao de ferro.: na rua do
angel n. 62.
ms
&
Liqiiidacao
KM
B61 n. 20
A' rua Mmjw, bj&fos S p^rlas
DE
Aos paisde familia
A abaixo assigna^'a faz lembrar aos chafes de
iaKilia, tanto daqui eomo de fora, quo contimia
com sua aula de instruc.ao priraaria para o sexo
feminino, na easa de sua rest lencia a rua do Ca-
bnga ii. 16, ou le ;ilem dos primeiros conhecimen-
tos, ensina a grammatica Daeional, francez, musi-
ca, piano e danra, pals para is.-j tern babeis mes-
Ires, e : to a trabalho de i-gulha, ensina tolas
as qualida lea de aordados, e enire esse o de ouro
e o de alto relevo, e tranalhos de la e crochet de
tftdas as qualidades, promette todo o disvello e ca-
riuh.) para com suas alnmnas, e Leni assim todo o
ilesempenho no cumprimcnlo do seu magisterio.
Aceiia externas e internae, e afianca comnT>didade
no ajuste.
Fortnnata Fortes
perdido.
Desappareceu do sitio do eonselhefro Jos6 Ben-
to da Cnnha Figueiredo, na 1'onle de Uchoa, um
qao pr-'.. alto, semelhanle aos da Terra-Nova :
pocn ar ao snbreditj sitio, ou ae armazem
a pr.i. ...rin Santo n. {:>, sera bem recom-
censado.
Cao
Constando ans abaixo assignado achar-se nes-
ta pract o Sr. Manoel Fernaudos Je Carvalho.ren-
deiro dos engenhos liarra e Preguiea, em Ma-
manguape, provincia da Parahyba, veem rogar ao
mesmo o obztquio de vir entender-se com os
abaixo assignados immediatamente sobre negocio
'.endente ats referidos engenhos. Rua do Amorim
37, escriptorio.
________________Tasso Irmaos 4 C.
Vicente fugio.
Na noite de 13 para li de marco do eorrente
inno fugio o mulato Vicente, eseravo, de 20 annos
le idade, bonita flgura, barba e estatura regular,
ev..ndo vestida e em um sac to roupa de algodao
branco e alguma mais fina pertencente a um cai-
xeiro da casa d'onde fugio ; e natural da fregue-
zia de Sam'Anna do Mattes, diz ser livre, casado,
e ter sido criado em companhia da madrinba D.
Anna Luiza da Luz, de quem alias foi eseravo :
roga-se, porlanto, aos senhores capitaes de campc
e autoridades policiaes a apprehensao do dito es-
eravo, e entrega-lo na cidade do Recife, rua do
Crespo n. 10, ao Sr. Joaquim Moreira Reis, ouna
cidade do Assu ao Sr. Torquato Augusto de OH-
veira Baptists, quo serao generosamento gratiQ-
cados.
CASA DO.OURO
Aos 4:04>COO
Bilhetes garaatidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 3, e ccsa do costume.
0 abaixo assignado acaba de vender nos seu?
muito felizes bilhetes a sorte de 700*000 em um
lilhete inteiro de n. 2799, alem raenores de 40*000 e 20*000 da loteria que se
acabou de extrahir (97a,; convida aos possuidores
a virem recebor, que promptamente serao pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeiu-
vel publico para vir ao seu estabelecimento com
prar os muito felizes bilhetes,qu? nao deixarao de
tirir qualquer rumio, como prova pelos me.mcs
annuncios
Acbam-se a venda os muito fslires bilhetes ga-
antidoi da T parte da loteria a beneficio da
igreja matriz da Escada, que s* extrahira no dia
6 de maio vindouro.
Precos
Inteiro 4*000
Meio 2*000
De 1099000 para elm**.
Inleiro 3*500
Meio 1*750
Recife 29 de abril de 1874.
______ Joao Joaqum d'i Costa Uitr.
Eseravo fugido
Fugio em dias do mez de abril eorrente o cabra
Germano, de idade 24 annos, estatura regular e
boa figura, anda bem vestido e algumas vezes cal-
cado, tern signaes de bexigas no rosto e falla cor-
rectamente, e natural da provincia da Parahyba,
mas e de suppor que tenha ido para S. Jose das
Pombas ou Lagoa des Gatos nesta provimia, aonde
tem parentes; tambem pode ser que esteja occul-
to nesta cidade, tratando de se libertar sem pagar
a seus senh. res : roga-se por isso a autoridades
policiaes e capitaes de campo a sua captura, pro-
mtttendo-se boa gratifieacao a quem a realisar,
eutregando-o na rua do Apollo n. 20.
Gustave, cabelleireiro, a rua do Marquez de
Olinda n. 51, primeiro andar, precisa de um habil
official de barbeiro; paga se bem.
Na rua do Cabuga n. 14, ha um bom copei
ro, eseravo, para alugar<
Ao publico
0 abaixo assignado, -como procurador de Joa-
quim Jose R mos, lends neste jornal um protesto
assignado pelo Sr. Manoel Cavalcante de Mello,
sobre uma letra de seu aceite, pede ao respeitavel
publico que suspenda seu juizo aid que receba de
dito Ramos os esclaiecimentos que mandou pedir.
Recife, 28 de abril (to 1874.
__________ Joaquim Francisco Bastas.
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e de
elegantes modeilos, dos mais notaveis e bem co-
nhecidos fabricates; como sejam : Alphonse Bi-
donel, Henry Hers e Pleyel Wolff k C. : no Vapor
Francez, a rua do Barao da Victoria, outr'ora No-
va n. 7. a prefns muito commodos.
Mol)ilia de vime.
Cadeiras de bal: nijo, de bra?o, de gaarnitoes,
sofas, jardineiras, mesas, conversadeiras e costu-
reiras, tcdo \Ai muito bom por serem fortes e
leves, eos mais proprios moveis para saletas e ga-
binetes de recreio.
No armazem do Vapor Francez, rua do BarSo
da Victoria n. 7. outr'oaa Nova,
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pis den-
triQce, agua de flor de laranja, agua de loilete,
divina, florida, lavande, [ids de arroz, sabonetes,
crosmeticos, muitos artigo delicados em perfnma-
ria para prosentcs em frascos de extractos, caixi-
nhas sortiJas o garrafas de differentes tamanhos
d'agua de Cologue, tudo de primeira quahdade
dos bem conheeidos fabrieantcs Piver e Coudray,
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos phantnxias.
Espelhc s, leaues, luvas, joias d'ouro, tesonrinhas,
canivetes, calxuihas de costura, albuns, quadros,
e caixinhas para retratos, bolsinhas de velludoj
dita'de couro, c cestinhas parabra^os de meninas,
I'hicotos, bengalas, eculo, pencinez, ponteiras para
charutos e cigarros, escovas, pentes. carteirinha de
madreperola, tapete para lanternas, malas, bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esterioco
pos, lanternas inagicas.cosmoramas, jogos da gloria,
de da mas. de bagatella, quadros com paisagens
globos de papel para illuminagoes, machinas de
fazer caf6, espanadores de palhas, realejos de veio,
accordaos, earrinhos, e borcos para crianjas, a
outras muitas quinquilharias.
Brinquedos para, meninos.
A maior variedade que se pode desejar de to-
dos os brinquedos fabricados era differntes partes
da Europa, para entretimentos das crianQas, tudo
a precos mais resumidos que e possivel : no ar-
mazem do Vapor Francez, rua do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova n. 7.
Calfado francez
Am
-rii.fii:nui; & t
Junta ii loju ila e.mqjr'aa.
METINS CHINKZES,
Proprios para vestido-, os mais moierno?, pelo
diminuto preen de 280"rs. o corado, e pochincua I
Dao-se amostras.
ORGAIH)YS DE CO'^S.
Fazenda ftna e irora honitas padross, pel) dimi-
nuto pre^o de tWiti o eevado, e pecchincha I
Dao-se amostras.
CHITAS COM PAMO DE CRETOXE.
Fazenda finissima, com lindos podioes, pelo di-
minuto proco de 310 rs. o covado, so se vendo,
e pechineha I DSo-se awostra^.
las -Escocms
Complete- sortitottito dc 1Ssr cicocfeza?,; e'para
acabar se vende a 210 rs. o covado ; e pechinchal
Dao-se amostras.
CASSA LANE.
Grande sortimento desta fazenda, com os mais
bonitos padroes que tem vindo e que vende-se
pelo diminnto pre;o de 200 rs. o covado ; e pe-
chincha I Dao-se amostras.
CHITAS CLARAS.
Com bonitos padrSes, que se wnde a 260 r3. o
covado ; 6 pechincha I Dao-se amostras.
HOLLANDA.
3rim Hollands, liso, o que ha de mais fino, pro-
prio para costumes de horaens e meninos e ves-
lidos para senhoras, por ser muito fino e linho
puro, e se ven le pelo diminuto preco de 560 rs.
o covado; e pectincha I Dao-se amostras
NUNS DE CORES.
String de cores, linho puro, com bonitos na-
drSes e que se .vende pelo diminuto preco de 560
rs. o covado ; 6 pechincha I Dao-se amoMras.
CAMISAS DE CRETONE.
Camisar de cretone, o que ha de mais Anns,
com lindos padroes t> que .-e vende a 40*000 a
duzia e 3*500 cada uma ; a pechincha f so se
vendo
Assim como um deposito de mais fazendas qae
se vendem por menos do que em outra qualquer
parte, como sejam :
Cortes de cassmira de cores a 4* ; e pechin-
cha I
Idem de brim pardo fino a 1*500; idem.
Lolchas de fuitao com barra, muito grandes a
4* i idem.
Idem idem brancas, idem idem, a 3* ; idem
Coberta3 de chita adamascada fina, idem idem
a 3*500; idem.
Leoi.oes .le bramante, idem idem, a 2* ; idem
Toalhas alcochoadas a 5300 a duzia ; idem.
Lencos de .asa com barra a 1*000 a duzia ;
idem.
Idem item idem brancos abainhados a 2*000 ;
idem.
Idem em caixinhas muito lindas a 3,5500 a
duzia.
Seroulas le linho e algodao a 18* a duzia.
Cambraia Victoria flna a 3*800 a peca ; e pe-
chincha.
Algoaao marca T largo a 4*500 esfa peca.
Madapolao fino a 4*800 a peca.
Madapolio francez muito fino a 6* a peca.
Brim pardo muito lino a 400 rs o covado ; &
pechincha.
Cambraia transparente, o que ha de mais fina
a 6* a peca.
Baptistas de cores modernas e com lindos pa-
droes a 400 rs. o covado c grande pechincha r
Dao-se amostras.
So
8 1/2 varas cada pega, pelos baraloj fre'Q'os
de 45JO0O, 43500, 53000, 6f00'e-f*0
a pe^a, assim como, ditas de salpico bran-
co, a 7#000, e pechincha.
NOVAS LAZINHAS jA 560 RS.
0 PavSo recebeu pelo ultimo vapor un
elegante sirt'mento das mais lialaBlAimhasj t(;n 10 Pa|,n0s de largara, sendo o de
para vestiJos, sendo transparentes com as a,goc,a-0 a ? 5?y e 2^00 a vara, e delinh:
Gi^BRAiTA VICTORIA A 4;pG0r>, 45b0,
OCOOO E 7$00th
QPavJo vende um grande SQrtinaanto"de
CORTINADOS ROBftADOS PARA CA1HA E
JANELUS, UE tm AST 25fO00 0 PAR
0 Pav3o vende unn grande artimento de
cortinados bordados, proprios para cama e
cambraia Victoria e transparent* -own janellas, pelo bacato pr^edarr^OOO, 85000,
10,50iftle tmdf), vstiut cono:colxa>
rle dAmastodte IS muito' fina de 10*000
128000 cada uma.
BRAMANtES A -1380O, 2000 E 3$50D-
O Pavao vende braroantes para lencdes,
mais deHcadas cores, e modemissimos
droes, que vende pelo barato prejo de 560
rs. o covado, & rua da Imperatriz d 60.
LIQUIDACAO DE ROUPA PARA HOMtNS.
0 Pavao vende um grande sortimento de
roupas para homens, sendo palrtots saccos,
ditos fraks, tanto decasemira pneta e de co-
res, comode panoo ; assim eomo um a-vgl-
tado 8e-rtimeito da oal^a* de wa-emirapfleta,
de cor, de brim de cor e branco, e um
grande sortimento de eolletes de todas as
qualidades.
Tendo tambem um bom sortimento de
camisas inglezas e francezas ; assim como
de ceroulas de linho e de algodao, e vende
todas as roupas acima mencionadas pelo ba-
ratissimoprec/), porquerer liquidar, na loja
a 28400, 23800 e 33000 a vara: e pecbin-
cha.
CASEMIRAS A 53000, 63000 E 73000
0 Pavao vemle c6rtes de casemiras pars
ealgas, sendo padroes moderaos,. pelo bara-
to pre?o de 5g09O, C3000 e 73000 o c6rte,
assim como : parmos pretos dos melhoTes
que tem vindb ao morcado, do 43000, 83 -
J03000.
ESMERALDINA A 86 RS.
0 Pavao recebeu um bonito sortimento
das raaisel.gantes esmeraldioas com listras
de seda, sendo em cores e padrees as mais
novas que tem vindo ao mercado, proprias
para vestido?, e vende pelo baratissimo pre-
da rna da Imporatrizn. 60, de Felix Perei-' co-de 800 rs. o covado a rua da Imperatrii
ra da Silva. L M p
da Silva.
Acha-se constantemente aberto
as6 de noite.
n. 60.
(
en'o do PAVAO, das G horas da manha
Ul
ALGA
a
eslran
ro.
Paris n*America-, a ruaDu-
que.de Caxias n. 59
primeiro andar, acaba de receber um completo
sortimento de calcados esiranpeiros para homem e
senhora, vindo entre elks am lindo sortimento de
elegantes chicjuiles, sapatiahos e botinas para
criamas, que tudo vende por precos razoaveis.
Fanno de algodao da Bahia.
Vende de todas as qualidades Joao rtedrigues de
Faria : na rua. do Amorim n. 33.
Fumos
Da Baha e do Bio, vende Juao Bodriaues de Fa-
a.a, rua do Amorim n. 33
Afogados.
Vende-se uma easa terrea, na rua de f>. afigue
n. t23, concertada de novo e preco oommodo : a
tntar na rua de Cabuga n. 2 B.
A S3OO0.
Lindos cortes de graiadioa com listras e Cores,
fazenda a mais linda possivel, com 18 covados
cida corte, p.-lo barato preco de 5$ ; isto so se
vendo para admirar : na rua Priaj?iro de Marcy
n. I. v
Baleao
Fsta fugida a eserava mulata, Maria, de 24
arrnos, baixa, corcunda, cabellos carapinhos, rosto
compndo e falta de dentes, pes malfeitos e dedos
todos iguaes, toma rape, 6 muito mentirosa, cos-
fuma a dizer que e livre, e que e casada com nm
mglez empregado no Cambrone, de nome Henri-
que, por quem tem sido seduzida ; ja tem sido
admittida de ama era casa de familia com o nome
de Bosa. Protesta se com todoo rigor da lei con
tra quem a tiver occtrfta : quem a pegar, leve-a a
rua da Imperatriz n. 6, qne sera bem recompen-
sado.
Precisa-se fnlbr com o Sr. tenente Roma, no
hotel di Apipuc -9, a negocio do seu particular in-
teresse.
Sociedade.
Da -.......n-dade em uma taverna bem afregue-
iada,auma pessoa que tenba inteira pratica do
molhados, rpie nao seja criaoca, entrando com al-
gum capital: para informa^oes, na rua de Santo
Amaro n. 2.
" Aluga-se
a casa terr-;a com grandes eotnmojos para familia,
itcuu quintal mnrado e arborisado, e outras
muitas commodidades, no melhor local do patec
da Paz, (Afogados) : a fcHar ao sacrlstao da matriz
Eara vg-ia. e no Recife, tratar a rua das Cinco-
ontas u. 31.
0 abaixo assignado tendo justo e contratado
comprar uma casa terrea no lugar da Cabanga n-1
24, pertencente a Antonio Moreira Porto e sua mn-'
Iher D. Anna Francisca Leonor, livre e desemba
racada de qualquer onus, quera se achar com
direito a mesma casa, annuncie no prazo de oito
dias. Recife, 29 de abril de 1874.
_____________Manoel Francisco de Souza.
0 abaixo assignado faz sciente a quem in-
tereasar possa que letirou-se da seciedade que ti-
nha na pharmacia n. H, a rua do Cabogi ; que
gyraya sob a firma de Brito & Saldanha ; flcando
oi socio Marcehno ios6 de Brito responsavel pOr
k\LLP2lI?i. f,eiando escriptnra de distrato,
as notas do tabelliao Porto I'arreiro.
Recife, 22 de abril de 1874.
Jo?6R. Ferreira de Aranio Saldanha
Cozinheiro frflacez.
Quem nrecisar de um perito eotinheiro Irancez
tanto para hotel como pasa particular : diril-se
aoh otel Bordeaux, para tratar. '
Botinas para homem
Acabam do chegar grandes jacturas de botinas
de bezerro, de cordavao, de pelica. de duraque
com biqueira, de bezerro com botSes, e com ilho-
zes a 9^000 (a escolher) por ter vindo grande
quantidade por conta e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rua do Bario dc
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores, diflerentes
Hsas, enleitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cSres differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de tranca.
Fara nieuinn*.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranga portugueies.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
^ BOTINADOS e sapatSes, de beierro, de deversas
qualidades.
SAPATOS de tranca.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Guilherme, penmr,
meias pemeiras para homens, e meias perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rna do Barao
da Victoria n. 7.
o n. 20
A* rua do Gnm, lij* das 3 porlas
DE
4.111.111:^911 ti c.
Junto a loja da csquina.
O citabelecimento acha-se anerto
das 6 boras da manha as 9
horas da noite.
Lindas las escocezas.
De varios padroes, e inteiramente modernas, >
360 rs. o covado : na rua Primeiro de Marco
antiga do Crespo n. 13, loja das columnas, de An-
tonio Correia de Vasconcellos.
Ultima moda.
A Magnolia, a rua Duqne de Caxias n. 43, re-
cebeu um lindo sortimento de bicos de guipure
de cSres, apropri.idos aos veslidos cliques da ac
tualidade.
ATTEHQAO.
Vende-se a muito acreditada taverna sita em
Santo Amaro das Salinas, a *rua de Luiz do Hego
n. 40, defronte da capella do mesmo nome, pro-
pria para principiante, com coraraodos para fa-
milia : a tratar na mesma taverna, ou na rna do
Bosano da Boa-Vista n. 51, taverna, que achara
com quem tratar.
Fillradeiras
A California
DE
Fazendas baralas
Na rua do Queimado u. 43,
Defronte da priga da Independencia.
E para liquidar i I
Lazinhas a moda a escoceza a 200 e 240 rs. o
covado.
Cretone a prussiana a 320 rs. o covado.
Cambraia transparente fina a 3s a peca.
Dita Victoria fina a 3 4500 a peca.
Toalhas telpudas a 500 rs, uma.
Brim pardo fino a 400 rs. o covado.
Algodao T superior, pouco sujo a 3 e 4$ a peca.
Madapolao, pouco suja a '=f e 5 a peca.
C' ita, fazenda propria para roupa de escravos a
200 rs. o covado.
Lencoes de bramante a 2j.
Briniznhosde lisiras proprio para vostidos a 3/200
o covado.
Venham ver, so na loja das pochincbas.
Dao-se amostras.
Vendem-se dous de amarello, envernisados, com
pouco uso, proprios para loja de fazendas, miude-
sas ou outro qnalquer negocio : para ver na rua
da Imperatriz, fabrica de cigarros dos Srs. Ulvsses
& Irmao e tratar com Pdjas <& C, rua Estreita do
Rosano n. 9.
ven-
do
CAFE' DE JAVA
0 unico verdadeiro
de-se na confeitaria
Campos
24 liaperadyr M
Por todos os vapores re-
cebe-se nova remessa
fi Madapolao fino

Salsa parrilha.
Nova remessa, excellente qualidade ; vende-se
na rua do Vigario n. 16, 1 andar.
Com
avaria
Attencao.
Precisa-se de um empregado de confianca, que
dg fiador a sua cenducta, para tomar conU da es-
criptnracao e caixa, e mais servico 4a loja da tin-
turaria franceza, rua la Imperatriz n. 65 : a quem
convier, dirija-se a mesma.
Lindissimas jarras e resfriadeiras com filtrj :
vende se a rua I'riraeiro de Margo n. 19 (antiga
do Crespo).
Vende-se uma taverna no Monteiro por de-
trai da refinacao, bem afreguezada, Dropna para
qualpner principianie : a tratar na mesma.
Vende se uma canoa propria para capim : a
tratar na taverna defronte da matriz do Barro.
Caibros de mangue.
Vende-se 700 de 40 palmos : a bordo da bar-
caca Tres Irmaos no caes do Ramos.
A 4$000, 4^500 e 5#500
MadapoiSestfom toque de avaria, por muito ba-
rato preeo, em vista da qualidade ; assim como
saias de la avariadas a it quem pretender, ande
ligeiro a rua da Imperatriz n. 60, para nao ter de
se arrepender.
na rna do Cresno n. lO.
Peeaa de madapolao fino e
largo, com toqne, a 4*, 4/500,5^ e B#8ML
fazenda superior e iarga.
Aluacas de seda de cores, lavra-
das e muito flnas, fazendo modernissima
a 500 rs. o covado.
Camisas de linho com toque
\g de sujo, a 1/500 e 2j cada uma, e pe-
M chincha, isto so na loja d. 10, a rua do
fii Crespo.
So se vendo.
Camisas ingleza com peito bordado a 38i0O0 a
duzia : so na rua do Duque de Caxias o. 90, loja
de Almeida, Duarte & C
a
Vende-se
a taverna e padaria da Ponte.de Uchoa n.
tratar na mosma.
37
Charutos e cigarros
dos mais flnos e das melhores marcas, do Rio
Janeiro e da Bahia: no armazem do fumo, a rua
do Amorim n. 41, de Jose* Domingues do Carmo
Silva.
Uma mulhor de boa eonducta offerece-se para
ama de casa de homem solteiro e servico interao,
Ssls corlnha bem : em Fora de Portas, rua doe
uararapes n. 77.
Precisa-se
de alugar uma preta escrava de meia idade que
sirva para vender i a rua : a tratar na rua das
Cinco-Pontas n. 93.
Chap^os de sol de seda
a 7*000.
Gurgel de Amaral & C, a rna Primeiro de
Marco n. 20 A (esquina), vendem chapeos de sol
de seda, fazenda superior e bonito? oabos, pelo
baratissimo preco de 7/.
S. CARLOS
Vende-se ou arrenda-3e o engenho S. Carlos, em
Ipojuca, moente e eorrente, com todas as obras
em pjrfeito estado de eonservajio, e muito bom
d'agua : a tratar Da travessa da rna Duque de Ca-
xias n. 3,1 andar, eom Gabriel Antonio de Castro
Qnintaes.
Libras slerlinas.
escriptorio 4a companhia Phemx
Vende se no
Pernambucana.
Calcas k casemira flnas
1% e mm.
Sao ealcas que todos vendem por (24, venham
comprar que val a peoa, na loja da Rosa Branca,
rua da Imperatriz n. 56.
Chitas a 200 reis
I grande pechincha
Venham depiwsa a Joja da Rosa Branca, rua
da Imperatriz n. 56.
Vende-se 60,000 lelhas, 30 mil tiiolos de al-
venaria batida, deseceis mil de ladrilhos qua-
drados, e 12,000 lijolos de tapamento ; assim
eomo, jarras de todas as qualidades, poles, quar-
tinhas e vasos para flores, tudo muito barato pa-
ra acabar : na olaria de Jos6 Carneiro da Cunha,
na rua dos Prazeres n. 50.
i. ^^^^
Venda ou arrendamento.
Na freguezia de Serinhaem, e distante duas le-
goas da estacao de Gamelleira, do engenho Bura-
rema, com terreno de massape", a maior parte de
varzea, de optima prodnccao, e para 3,000 pies de
assucar annuaee : qnem-prelander, dirija-se ao ca-
Sitao Jose de Castro Paes Barreto, no engenho Matto
rosso, ou a Leal & Irmao, nesta praca.
VENDE-PE
tt
<


a taverna sita no pateo daRibeira n. II, a tratar
tia mesma. Garante 99 a chave ao compador.
i




Qituh & 8&&mh\iae> Qni^feira 2to da jftitl 4* 4V?#




) -
de cum
fazendas finas
ftua Primeiro' dVMar#> n. 7 A
DE
CowJeiro Simmies <# C.
E' esta nm das ca?a qut bo)e pode com pri-
maiia ofleracer aos sens freguezes um varindiasl-
mo sortimento de faiendas Gns para grande toi-
lette,, e bero assinr para uso ordinario de lodas as
classes, e por precos vanTajosos, das qttaes- far tim
pequeno resume.
Mandam fazendas as casas dos pretendentes,
para o que tern pessoal necessario, e dao arao3tras
mediante penhor.
Cortes de seda de lindas cores.
Gresdennples de todas as cores.
Gorgnrao branco, lizo, de lfciras, preto, etc.
Setira Macao, preto e de cOre*.
Grosdenaples preto.
Veltuflo preto.
Granadine de seda, preta e (de cores.
rcpelinas &i lindos padroes.
Fil6 de seda, branco e preto.
^icas basquinas de seda.
"isacos fle tnerind de cfires, la, etc.
Santas brasikiras.
Cortes com cambraia branca corn lindos borda-
Ricas capellos e mantas para noivas.
Riquissimo sortimcnto de las com listras de
seda. gsfc
Cambraias de cores.
Dilas manpons, brancas, bias e bordadas.
Nanzuqaes de lindos padroes.
Baptistas, padr&es deiicados.
PercalJra* d quadros, pratos e brancos, listras,
etc., etc.
Brins de linho de cdr, prowins oara vestidos,
com barra e listras.
Ricos cortes de vestido de linho. c wtes da
mesma cor, ultima mod?
Ditos de cambraia de cores.
Fustao de lindas cores.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas para senhoras, de linho e al-
godao.
Sortimento do lavas da verdadtira fabrrca de
Juuvin, para homens e seoiiunas.
Vestaarios pa-amenim.s.
Ditos para haptfrado.
Chapeos para aito.
Toaihas e guardanapos- adamaacados de linho de
cor, para nit*
Colchas de la.
Cortfnados bordados.
Grande sortimento de camlets de linho, lizas e
bordadas, para homens.
Mcias de cures para homens, meninos e mcni-
a
Ditas escocezas.
Jotfplen sortimepto de chapeos de sol para ho-
mens e senhcrss.
Merino de corns para vestidos.
Dito preto, trancado e dito de verao.
nMhado de linho e algodao para toal
Moa-tbado pardo.
Oaraasco de la.
Brins de linho, branco de cores e preto.
Setim de lindas cores com listras.
Chales de merino de cores e pretos:
Ditos de casemira.
Ditos de seda pi eta e de cores.
Ditos de touqaim.
Camisas de chita para homens.
Ditas de fiafcefra.
Cerenlas ffe Jlalro e algodao.
Pannos de croc-bet pa*a sofa, cadeiras e eonso-
,\- Leneos.bordados e de labyriatho.
Colchas de crochet.
Tarlatana de tolas as cores.
Ricos cortes de vestidbs de tarlatana bordado9
para cortes.
Espartilhos lisos, bordados.
Foulard de seda, liddas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Ricas fachas de seda e 13 para senhoras.
Rico sortimento de leques de madreperolas e
0590.
Damaseo de seda.
Casemira preta e de c6res.
Chitas, madapolao panno fino preto e azul, eol-
iarinhos, punhos delinho e algodao, gravata, In-
vas de fio de Escossia, 'apeles de todo* os tama-
nhos, bolsas de viageui, peitos bordados para ho-
mens, lengjs de linho branco e de cores, toalhas,
guardanaoos. etc., etc.
MdJ^noilft
N*J*>}a#ftT.'ignol:f!', 45, encontrara sempre flayupeittvaJ/ :piribtiel i
A Nova Esperanca, a.rua.Drjqnedij C3xias.11, 6}:
apres9a--se eft eoavidara sens fregrrezes. com w
peciaJidade ao bello stxo a viram apreoiar os <
guj*tes artigos exjoslos a veada.e todos por presoi
comraodos, como sejara :
FJNAS BONECAS mansas e choroqjs.
IJOWTAg E E.NGRAfAPA'S vistas para stcrjos
cdpios.
COMMODAS LATAS para guardar aha.
ELEGAaN'TES BOLSAS para senhoras mcAiua*,
BONITOS VASOS com flna banha.e cheirosos. oa dp rcciber os reraaflclros itnncto
extractos, trazendo cada frasco nra nome, nmi in' u\ea*. pTc\r\^ nirra os nefv6s<.
cial xm am dislico. McJOS adcrC^OS
ci>>p?r^Uiiafi4s fnw, qb>ecijs
de|}hanusia, lqs de J uyifl, wtigns de roodne '
mimfezas pnas, fo*m com-' n
Cos.ajjradB'esifieiri'';!^'.
Anneis o.,;cctrkos Ij
A Magnolia, a rua DDqvc di Gixkif n 13, aca
e vc-ha' ek-c
F1NAS MElAS D< SEDA, vindo entre ellas ant
Para quern goslar.
Aos apreciadores do cafe do
Cearik
f^Venile^se oate do Ceara de primeira qnalidade
pelo barato pvcro de 16000 0 kilo, e assucar refi-
nado de primeira jualidado a 300 reis okilo: na
rtfiuacaoda rua do Rangel n. 43.
Fazendas c roupaa muito ba-
ratas
Na loja de J. Porto, a rua Nnva n. 14, troca se
per cobra ou mesmo por fedulas, boas fazendas e
roupas ftitaS sem se olhar a iuero, somente para
vender muito.
A' Nbva Esperanca a rua Duqne de Caxias 0
63, acaba de receber teotos e caixas para 0 jogo d>
Voltaretle..
Para qaeni s; ffre das pernas.
A Nova Esperanca, a rua Du.]iia de Caxias t
63, acaba de receber as procuradas meias de bor
racba para quern soffre das pernas.
FLORES ARTIFICIAES
A Nova Esperanga, a rua Duque de Caxias
63, acaba de receber um Undo e completo sorti-
'mento de (lores arlificiaes das melhores que ten
I vindo ao mereado *
A ellas antes qae se acabem.
Costumes para crianca.
A Nova Esperanca, a rua Dnque de Caxias n
63, acaba de receber bonitos costumes para criaoca
e esta se vendendo por precos razoaveis.
' A N>va Esperanca, a rua Dnqne de Caxias n
63, recebpu am pequeno sortimento de anneis e
pulseiras electricas, proprias para quem soffre do.
nervos.
SO' 0 BARATEIRO
NA
Rua 1. de Marco n. 1.
*
Confronte o arco de Santo An-
tonio.
Estu %'cndcntlo suas fazendas com
30 por ccuio nienos qae cm outru
J A saber :
Madapolao com toque de mofo, pelo barato pre-
: co de 4&500 e 5&
Dito francez,Iimpo e de superior qualidade, por
55500, 6000 e 6*500.
Algodao marcn T, largo, soperior qualidade, a
4*300, 5*, 5*500 e 6*000.
Grande sorlimento de laiinhas de gostos inteira-
menle escosseses, pelos preccs de 200, 240, 2C0 e
440 rs. ; so se vendo podcr se ha acreditar.
! Baptistas, lisas e com flores, fazenda que sem-
pre custou 400 e 800 rs., estamos vendendo pelo
pr.?o de 3z0 rs., para acabar.
Ditas finas, padroes matisado^ a 400 e 440 rs.
o cova o.
Cretone francer, escuro9'e claros, os mais no-
] vos que torn vindo ao mereado, a 480 e 500 rs. o
covado.
Aprovcitem em quanta nao se acabaui.chapeos de
sol de seda trancada (paragom) 12 hasteas, inglezes
superiores, pelo insignificante pre?o de 8* e 9* ;
sempre vendemos por 14*000.
Ditos para senhora, de merino, a 3* e 3*500.
Ditos de seda, cabo de Osso a 4*000, e pechih-
Cha.
I Ditos de alpaca de cores,
e o cabo fingindo bengala, o mais moderno que
ha, a 1*500 eS* I
Sortimento do chitas. claras e escuras, boa fa-
zenda, para acabar, a 240 e 280 rs. o covado.
Popelma de lmho e algodSo, gostos inteiramente
novos e de c6res bonitas a 800 rs. o covado, sem-
pre custon 11400.
Camisas de cretone, francezas, modernas e su-
periores a 3* e 3*500
Ditas brancas a 2* e 2*300.
Ditas de linho a 3*5CO e 4*000.
Toalhas de linho do Porto a 7*300 e 8*000 a
duzia.
I Dita3 felpudas a 7*. 7*300 e 8*000.
1 Esgniio com 10 jardas, pe'.o preco de 4*500 ; e
barato com effeilo !
Cambraias Victoria e transparente, fazenda lina.
a 3*500. 3*800, 4*000 e 5* a peca.
Lencos de cambraia com barra de cor, a 1*, e
brancos a 2*.
Ditos de linho, abanhados
duzia.
A Magnolia, a ma Dunne de Caxias n. i'i. r,e-
cebfu um eemph'lo rorltfnentd cic
Meios aderevos de HWlarf.
Meios aderecos- do uiadfeper.la.
Meios adere^os de seda b<-rJado.-, (ultima uio.ria)
e de muitas qutras quahdades.
Botoas de a^o
A ttemnija; a rua Dii|ue &,-. Caxias'n. 43, tern
para vender os inoih)r*K6. l.-tot'& de afO propriua,
paia vesiid.s!
Goriiihas e punhos
das mais modernas que ha no mereado ; a ellas
na Magualia, a rua Dnqne do Caxias a- 45.
Lencos chinezes
m MRS.4L
Mdk \si\rk, da \kkm n. 11.
DE
A tite-grand e estabelecimsBto tem che-
gado um bom sortimonlo de machines para
coetura, detodososaRtores mais acredita-
dos uHimwnontena-Buropa, enjas maebjnas
sio gasantidiis por um anno, e Uindo urn
martim, de osso, c de muitas ouiras qualidafles:
recebeu a Magnolia, a rua Duque de Caxias nu-
mero 45.
Attengao.
A loja da Magnolia, a rua Dnque de Caiias n
45, acaba de receber o ssguinles artigos :
Manual de madreperola, tarlaruga e marfim
Ricos albun* com capa de madreperola, cha-
grffln, madeira, ve ludo, couw.-eie.
Lindas caixas coin fini.-shnas perfueuarias.
Ligas de seda, brancas e de cores.
Voltas de madreperola.
Pu'seiras de madreperola.
Ricas caixas para cur-tnra.
Vestnarios para baptisado.
T.mcas c taii.'aiiilio-i de setim.
Modernos chapeos de sol ue scJa para scnlwras.
Lindos port-bouquets.
Gravaliuhas de vellfK) rjre etc.
V'ende-se uma ca?a lerrea com .') quartos,
coiinba fora e 2 quartos- para eseravos, em muto
bom esta lo, sila a rua do Barao de S. Borja, oi
tr'ora rua do Scho n. 11 : a traiar na prara do
Conde d'Eu n. 15.
A Magnolia, a rua Duiiue de Caxias n. 45, re
cebcu nma pequena (jmniidsde de lencoj deseda perferto artista para ensmar as mesmas, em
chinezes, com liadistiinos doseulio?, fazenda intei- qnaiquer parte destaeidadb, eODM bem as-
ramente nova. $jnvccncerta-las-pclo LeQUeS nno seiu dcsjiendio algnm do comprador.
Lindas leques de madwperola, de tartaruja, de Neste estabclcGimonk) t. para as mesmas machinas ese suppre qual-
quer pe obinas- Irabalbam corn toda a perfoie^o d(
um e dons pospoii406, fraaze e borda Ira
qualqucf cauui-a por fir? quo et-ja, seas
kjrecos .w> dai seguinto qualidade : para tra-
balbar a mho do 309006-, 40*G0, 45S50GO
a rnyBfli, pa-n trf.Lr.lhar com o r;6 sao de
Horooo, W?XUH>, 100*000, 11*000,
120J00, 1305000, 1505000, 2t;0?H00O e
-35-G&0GO, etitquanto aos autoros nao ha al-
tera^So df precos. e M compradores podr8o
visitar este cstabelecimento, que muito de-
iVerfio gostar pp'.a v8riedade de objector qae
ha sempi" pfvrn vtuder, como sejarn : cadei-
Tas- para viagem, mates para vwifem, cadei-
ras para sales, ditas de balance, ditas para
arianca (alto$j, ditas pare escoltfs, costarei-
ras rtqntssimas-, pare senbora-, despensaveis
para> criance.s, do todas as qualidad-s, camas
de ferra para homtme criancas-, capacbos,
spelbos doursdos para sala, grandes e pe-
quenos, apparelhos-de motnl para chi, fa
qaeiros com cabo de metal e de marfim,
ditos a-vnlsos, collieres de metal fin-'\ condici-
ros p.^ra scla, jarros, gcanla-crnidas d<>
arame, tarn pas para cobrit' pratos. esteiras
para forrar saias, lavatorios completos; ditos
simple's, objectps para toilette, e rmtros mui-
ts artigos "quo nTuitu d..'-i.'magrsd;:r a todos
qiui?- se a,'*ia aht'rto dfe ipib? ate" rs S> horas da. noute i
Sfria do Barao da Victoria n.
22.
Camisa-s de cretone
as mais mOdefliA-i ifnn icm vindo an m MMMni sen-
do lisas e com l(ras, e qtin se vende a 40*000 a
duzia e a 3*3u0 cada uma ; e |.echineha.
trlolianda
Brim pardo li*o, o que ha-daalltis lino; com um
toqme de avaria, e qne se vende a 48fcra o cova
do, fazenda propria do paiz por ser linho puro,
abplicada para costumes de homen? e de meninos :
so fin roa do cK-spo n. TO, loja das 1Kb pnrtas, de
Gurherme Si Cj. jnnki a loja da esquina.
Economia do-
mestica
Na rua Primeiro de Marco n. 1.
Confronto ao ?.rco de Santo Antonio, loja de
Agoslinbo Ferreira da Silva Leal & C.
r Lanziohas, gosto eseossez, padroes intoirelenle
novos, pelo diminuto preQo de 200, 210 e2W) reis
o covado.
Baptistas li?as, finas, e de fores a 320, ^fiO'e
440 reis o eovado,- isto so se vendo I
Chapeos de sol de seda, para homens, inglezeS
(paragon) e com 12 hastes, pek preco de 8* e 9*,
fazenda esta que sempre custou 14*, so para
forrados com seda, l acabar.
Eugenikoa qua Mamam-
guape.
Vende-se es.'seguln'tes :
Barra,
^rogulca,
e Patricio.
A iralar com seus proprietarios nesta cidade,
e para informants com Joaquim Plato de Mei-
reilts Fillio, ua mesma cidade de Mamamguape
"ntsso IrmJos b.C.
I
SO'NA
SULTANA BE PARIS.
A'
Rua lf, liuperatriz n. 54.
Manoel Ferreira de Oliveira, dono deste novo
pstabelecinicjit-i, scientifiea ao respeitavei publico
que acaba de receber um completo sortimento de
fazendas finas de lodas as qualidades, tanto de II,
como de linho seda e algodao, o que ha de mais
moderno e do melhor gosto, e portanto convida as
Extnas. familias, amigas da economia domestica,
a virera ou mandarem a SULTANA DE PARIS, e
verao que compram fazendas bonitas e baratas por
menos preco que jamais compraram.
Como scjam :
Popehaas de seda com listras muito modernas a
1 *4S0Q o covado.
Scliin Macao de. diversas cores a 2*300 o covado.
Grosdenaples de todas as cores.
Fachas de s?da para senh ra a 10*000 cada uma,
e grande pecJiiaclia I I
Collttes enfeitados para senhora, muito modernos
a 5*5 0 cada uin.
La.-inliat de cores cm gran-le quantidade de 260
a 5' 0 rs. o covado.
Peca* de cambraia tran'parente de 3*000, 3*600,
4 5000, 4*500 e 6*000.
Di!a Victoria para tudos os precos.
Gravatinhas deseda para senhora a 1*000.
Chitas do core.", de 240 a ^20 rs. o covado.
Pevas de madapola/j com 20 varas a 4*600, 5*200
: C^OUO a peca.
Dii- franc.-z com 20 j-.rdas a 5*890.
GUAiNDE I'liUil.NCliA 1 I !
Cha[ pos de sol de seda de todas as cores, para se
nhora, a 1 0.0! !
Ditos ; ara homeui, de 12 hastes, cabo de marfim e
seda trancada a 12*000. so na SULTANA DE
PAais 11
ColUrtnhoa de linho, lisos e bordados a 4*0
5*000 e 6*0(0 a duzia.
BH1M DE ANGOLA !
Vende-se brim de Angola verdadeiro, o melhor
qne tem vindo ao mereado pelo rfiniiuuto |ir.e$o
de.6i0 rs o covado, =6 na SULTaNV DE PA-
HIS, a rua da Imoeratriz n 54.
Gaza5$500 alata
com 25 garrafas, do melhor e da mais acreditaua
marcn d^ Henry Forster & C. earantido a qndi
dade e a quantidade do liquido completo : no ar-
mazem de Jose. Dominguis do CaimoaS L'i,
rua,do Amorhn n..41
Na rua Primeiro de Marco
Lja do Imrateiro
n. ti
Asunicas verdadeiras
Hichas bambnrguezas qn<" vem a este raercio
ru; Uarquez de ul:o'li> n. 51
I' barato.
Vende-so um pequeno si ie perlo da esta-
cao du Salgadinbo, tendo de frente 150
palmos, e de fundos mais dc quatrocentos,
corn uma elegante casa de taipa, acobsda do
proxim i e bem asseiada, tendo 2 sal s, 2
quartos e cozinba fdra. 0 terreno e pro-
prio o bom de pJantncocs, tendo alguro-as
a 3*600 e-3*800 a I arvores de iructo, agua de bebor e todo eer-
, cado.
Grande sortimento de brins de cores, padroes Para ver e mais esplicagoes, no mesmo si-
proprios para meninos de escola a 440 c 500 rs. tio qua|quer |lora a entend(.T-se com Tris-
o covado. ,_ ..^ rp .1
Botinas para senhora, pretas c de cores, por i* tao 1 ran Cisco Torres, e para tratar, na tne-
e 4*500, Isto por termos grande quantidade, se' souraria d:Sloterias, rua 1." de Marco
. VfiNDE-SE
uma casa na villa de Barreiros, na rua do Com
iereto1, por pfe fax este preco.
Bramante de linho, duas Iarguras, pelo barato
' preco de I *2C0 a vara, e somente para acabar.
I Maitos outros artigos que deisames de mencio-
nar para nao massar nossos ireguezes ; mas que
avista delles estao presentes.
Dao-se amostras.
' So o barateiro quer queimar_________^_
j). 6.
Cliap^os para mhmi
A loja do Passo a rua Primeiro de Marco a.
7 A, recebeu pelo ultimo paquete, um rico sorti-
mento de chapeos para senhora, ultima moda e
vende pr,r preco commndo. ___________
Progvcsso da rua do Rangel. do
Vieira n. 00.
Venle se muito barato:
Manteiga cm latas a 80.-' rs. a libra.
Ervilha a 120 rs. a libra.
Estrelinha a 320 rs. a libra.
Aletria a 320 rs. a liibra.
E outros moitos generos.
FareEo novo e
Milho pequeno
Da melhor qualidade no armazem de farinha
de trigo de Tasso Irmaos < C. na pra';a do caes
do Apollo. ^^_____
Sabao a 200 rs. o kilo
No armazem do fumo, a rua do Amorim n. 4f,
de Jose Domingues do Carmo e Silva.
Ghapeos para senhora
Amaral.-Naluco & C. acabam de receber pelo
ultimo vapor da Europa uncomploto sortimento
lo chapeos de velludj, de seda e de palba da Ita-
lia, .para criam.as, ntfninas e senln.ras : vendem
no Bazar Victoria, rua do fiarao da Victoria n. 2.
Cintos e leques
Amal^l, Nabuco< & C. vendem cintos de couro
prelo e de cores para .senhora, de couro de lustre,
leques de tartaruga, marfim, rmrtroperola alva e
qkieimada, li-os e lavrados; da chagrin, madeira,
chagrin e seda e madeira e seda para senhora :
no Bazar Victoria roa do Ba-ao da Victoria n. 2
Farinha de mandloca
De superior qualidade e muito nova, chegada
pelo ultimo navio : vende se a rua do Brum n. 92.
armazem deas^Ucar.
Farinha de mandioca nova.
Becentemente chegada de Santa Caiharina tem
para vender no trapiche Corapanhia, e para tratai
no sen escriptorio a rua do Commercio n. 5, Joa-
quim Jose Goncalves Beltrao & Filho. Advertindc
aos compradores qne desejando acabar, vendem
mais barato do que em qnaiquer outra partc, taD
to em grandes como era pequenas porc.oes. ,
VENDE-SE
pes de sapoti, abacate, fructapao, romeira, figuei-
ra, larangeira cravo, parreiras, rozeiras, dhalias e
ontras flores e fructas, tuio por preco.comraodo :
na Roa-Vistai rua d i Visconde de Goyanna, outr'o-
: ra Mondego n. 101,
Wilson Rowe & C. vendem no sen armazem
rua de Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao azul americano-
Excellente flo de vela.
Cognac de 1* qualidade
Vinho de Bordeauj.
Carvao de Pedra de todas as qualidadei
Fazendas avariadas
na rua do Qneimado n. 43, defronte da Pracinna
da Independencia : madapolQes, algodSes, chitas a
ontras farendas, por todo precoCorrara fro-
guezes.
__________So o 43.__________
Sedas a 1$500.
Vende-se bonitas se-Jas de lindas cores pain
baratissimo preqo dc 1*500 o covado ; ven^am a
ellas antes que se acabem, na rua do Duqne de
Caxias n. 88, kja de Detnetrio Bastes.
.Pacheco & Azuvedo tem para vender tapioea
de Araruta de qualidade especial : em seu arma-
zem na rua do Duque de Caxias n. 29.________
Taverna
Vende se a laverna sila a praca do Conde d'Eu,
outi-'ora di Uoa Vista, n. 9, com poucos fundos'
propria para principiantc : a tratar na mesma.
Vendi'-se urn sitiocum 60 palmos de largura
e 300 Je fund", no becco do Espinheiro, tendo
uma casa de taipa, com sozinba de pedra e cal e
duas meia-aguas ; em uma das quaes ba uma
taverna, a qu^l wnd# s juntamente com o mesmo
sitio tratar no mesmo. ____________
GRAMD&AS
(jrana iinasde seda pura, preta com listras
de cOrese padroes os mais bonitos que tem
vindo ao mereado e que so veude pelo di-
tninulo pre<;'i d" BOO rs. o covado, por ter
um pequeQO toque de nio'i, e fazenda de
25>0i 0 o covado ; e pecbincba. Dao se
amostras.
Britii hianeo
Rritn branco muito fino, fazenda de
2550ii a vara. qt'e se vende por IciOO a
vara, por estar corn um pequeno defeito ; &
pi'cliincha.
Meliiis IVancezcs
Metins fraucc-zes, fazenda muito fina, pa-
droes modernos, fazenda cue jd se vended
por 500 rs, a 3 0 rs. 0 covado ; c pei_hin-
cha. Dao se amostras.
Cretones de listr s
Cretonesde listras, fazenda acolcboada, pa-
droes muito lirnlos a 10J rs. 0 covado ; dao-
se amostras.
MadapoUtes
Madapoloes coin um pequeno toque Jo
avaria, de 3^;>00 a SSOQO a peca ; e pe-
chincha.
CHITAS PERCALES
Cbitas percales avarjddas a 240 rs. 0 co-
vado; e pechincba.
SO' 0
X. *G da made Crcspo
Loja das 3 portas
GBfterae 4 C.
Junto a loja da csij'.ilua____
Vend
Liquida^ao de moveis
Por precos nini reduzidos diversas rrobilias e
caJeiras de (rtiaTOifcSo : vendem Cunha ify Manta,
a rua do Marqc.ez de Obnda n. 23.
Yende-se
uma meia-agoa na rua de vjiha de Santa Bita n
96, pela quantia de 700*, que rende 10* mensaes:
a tratar na rua do Socego n. 32.
nae-se
cerveja noruega da marca M L, por menos pnta
qai em outra qnaiquer parte : no armazem de H.
Lundgren, rua do Commercio n. 4.____________
Vendem
Wilson, Rowe & 0.
Era seu armazem a rua do Trapiche n. li, o se-
gninte :
AlgodSo azul americaco.
Fio de vela.
Carvao de pedra de todas as qualidade.-.
Tndo muito barato._________ .______
Musica.
Vende se ladain'aa e salve pan o mez Mariano,
com acompanhamento de piano o sem e'h : na
rua Direita n. 82.
DOS PREMIOS DA
4
a
r

PARTE DAS L0TEK1AS CONCEDIDAS P0r LEI PmviNClAT. N. 557, A BENEFfCfO DA IGRE.'A DE S. GONCALO DO RFXIFE, EXTRAHIDA EM 29 DE ABRIL HE 1874.
V?. iiu-Ais. NS. I HEMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. CSS. PREMS. NS. PREMS. NS PREMS. NS. PREMS. tts. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. |NS. PHEMS. NS. PREMS. NS. PREMS
14 4* 225 4C 533 46 706 46 H28 4(5! 1433 4-5 1041 iM886 16 2114 P* 2394 4.c-'2C34 46 2847 4> 3033 46 3270 46 3560 46 3756 46
lo 31 39 6 827 m 41 51 88 ^_. 16 6 2400 -| 38 55 . 36 71 66 --- 78
. < 32 53 46 39 32 42 54 89 18 46 *3 i 43 63 47 - 74 67 82 \
33 70 58 52 40$ 44 44 57 5. 94 37 28 6 51 65 50 77 72 83
34 ;> 80 Gl 56 46 84 45 l6' 72 46 1901 47 19 46 54 74 52 79 __ 87 , . 87 IJ
hi e* 85 03 64 86 47 46 73 -i " 00 .*. 36 59 -a. 76 iiS 61 83 88 __ 93 M
40 1A 90 GO 72 91 53 85 8 *6 1 42 62 *0 77 46 74 *6 89 na as __ 3805
31 95 68 78 1203 63 88 IG 46 63 44 63 106 79 73 6 95 _ 3600 __ 11
;j3 31G 82 83 -21 65 6 1704 4U 21 64 47 - 66 4^ 80 84 46 99 __ 11 _ 14 -
i 7 27 608 89 31 66 46 16 46 28 67 49 92 io6 83 S 94 3303 __ 13 __ 24 16
m 31 20 99 37 78 17 30 85 64 95 *t 84 46 97 42 n 14 _ 30 46
82 54 27 908 38 83 36 35 7 62 97 ' 90 3103 46 ... 46 _ 32 _
56 18 30 8 48 87 40 37 90 09' 2706 96 42 .fc. 64 __ 17 66 38 -_
08 t0,5 Gl 37 - 12 - 55 88 41 43 2222 72 II 2902 ?9 M 82 _ 20 46 4S __
GO 46, 71 - 48 r 22 62 91 _ 47 48 26 m. 76 16 42 33 85 25 57 _
81 -! 73 55 34 78 97 >- 54 52 * ; 27 r, 84 23 16 36 _ 94 Mit 29 58
82 74 59 39 88 1504 58 tm 53 ~ 35 95 33 i6 18 50 i 95 _ 30 74 _
SU 88 63 48 90 6 6 60 46 64 44 _ 2517 34 46 19 52 . 3402 - 32 _ 73 _
K7 97 Hi 50 98 * 'M wn ' Si -H 52 1305 m 26 --- 6* __ 80 59 __ 23 3 33 59 - 17 48 85
.i. 10 90 54 10 29 76 89 - 60 24 53 35 19 60 H 24 __ 60 99 ...
R 14 701 66 22 30 83 90 i 77 30 57 38 46 72 34 --- 73 3908 -
.-; Bi 2 74 23 33 85 -m , "3 78 W 37 * 01 6 50 _ 75 --- 37 78 9 _
m 44 m 3 86 28 40 t^U 9-1 96 **1 90 bJj 39 46 65 6 58 > 83 JL 47 __ 84 44 _
. \i 14 88 tm 32 eo* 45 M& m . 97 | m _ 65 __ 78 46 56 85 _ no ^^ 92. "i
M '.8 23 90 4 34 46 40 97 i005 1th-' ' i 76 1 ^84 -_, 39 88 54 16 3701 17 n -
51 T 27 1013 40 Gi 1803 jrw 21 -r- 2306.. , i 62 m 98 61 3200 58 46 4 45 _-
Co 5) --- 37 17 49 &2 , a 25 10 f 83 46 &9 o5 70 f\ 3 62 6 48 . --
7 4 U j---- M - 20 50 67 id 20 32 --- 22 wii 84 2808 *OfS 72 4 63 7 1 49
7G 71 W - 37 C9 90 SB 42 j| 29 80 13 46 81 . 6 _^ 68 10 46 50 .
77 -- 75 48 -- 65 77 1605 30 61 ; 32 91 14 86 7 ^ 74 _ !3 46 52
84 50 71 78 7 6 44 68 34 4 - 98 rTI lo *:6 88 ,. 14 ,i. 73 6 15 59 -
!M. c/J 53 72 93 18 46 50 70 44 46 2603 22 46 94 42 i 89 46 24 69 ---
H6 90 5i SI 1405 24 306 56 72 47 t6 ^ 23 *J 3002 43 ^^^ 93 28 90 --
i"f, 5i0 36 92 . 12 27 46 57 73 a$. 31 46 10 26 3 45 _ 96 __ 33 91 ---
14 - 301 Go 96 16 32 -7 - 60 92 65 j 65 11 -r- 31 8 48 ^^ 99 * 42 95 ---
IG 23 iO# 79 99 20 30 67 -n 95 4*1 68 . 20 -r- 32 11 50 ^ 3516 16 50 97
17 21 46 89 1114 30 38 6 70 2111 76 28 36 27 63 ^^m 30 4fl 52 __' 99 -
24 liU,5j 27 90 1 18 37 39 46 72 -* 12 * 84 33 40 33. I
* i 1




iMMMMMMHI
8
Diario de PernaffibucG Quiuta feira 30 de Abrii de 1874
IJTTI 1ATH RJL lse%enTrP.rv^aSiSflde a"usjll85fW- fe ^CELANEi -Um cbtaico.distincto, o o
'"* ******** UMMOm &e de entn v6 algtim so aparla do dever, Sr. Monnier, carbonisou ha potteo" em um
DESCRIPCSO DA PEQUENA FESTA QUE, POR
OCCASlIO DE ENTHEGAilEM UM LIVRO AO
1LLM. SR. MANOEr. BALTHAZAR PEREIRA
DIEGUBS JUNIOR, I'RBFEITO DO COLLEGIO
DE SANTA GESOVBVA, FIZERAW OS ALUM-
NOS EXTERNOS DO REKERID0 COLLEGIO,
ABAIXO ASSIGN ADOS.
/Conclusdo.)
Srs. alluranos.Vossa boadade me enche
de alogm, 0 se para os viote e dous aonos
ndo e tio grande qua faca succumbir e
ao men is difficil par.: ser supports da.
Vds irazois & mi aha recordagdo uma das
pagans mais bellas do livro de minha vida;
porquo nolla estd escripla uma das mais al
tas noncapcoes de uma cabega do mogo e de
cidad.Vi:
0 perfeito progresso da mocidade pala e-
ducagao moral e littoraria; e 0 engrandeci-
manto da patria pela nobilitacio de seus
. filhos.
E sois v6s, senhores, a mocidade que a
meus cuidados estd coafiada ; vds os vicosos
rebentos onde vejo 0 germ311 dessa futura
grand-za.
E hojfi, que mandais-me lembraressetem-
po quo jd psou, ej.-isto que alia meve-
nhs ;i tnemoria com alegres recordecdes;
recorrenlo todos seus fastos, n-in uma vez
acbo que minha conmencia mo tivesse ac-
cusado de ndo cumprir o dever.
E ao lado dessa satisfagdo, suprema ga-
rantia do qua v6s timbsm coraprieis 0 vos-
so, enc mtro a nao menos igual do ver nessa
pagma alguns nomesqueeashiaai deenthu-
. siesmo o eoracio do mes'.re, de esperancas
O eoracio -lobrasileiro
llulioo Augasto de Almeida Junior, Fe-
lippe Aires de Oliveira, Jose Oavalcante de
CoTdas Albuquerque, Francisco Alves de
Souaa Carvalho, Manoel Cyridiao Buarque e
Diomod-s da Costa, emfim, senli ires, sorao
sempre para mim da grata memoria, recor-
dando 0 tempo do magisterio. quando outras
incumbencias exijam de mim 0 service
patrio.
e sobre esse faco cabir 0 rigor da pena, & cadinho fecbado urn pouco "de assucar de
qua se faz necessaria a disciplina. canna. Este carvdo por so e k*e, f )i Se
Desculpai-me pelo amor da ordem, que eu pois impra desculpo-vos polo arnor|da infaacia. novo submettido 4 carbonisagdo. Repetio
_ ~-----, 0 Sr. Monnier esta operac&e n3r mais sete
SW. alumnos, scle para logo o que fos- oa olo vezese trou aBnal do cadinho uma
tes hontera eme deixarois vosso profuudo massa nagw, compacta, extremamante dura
exemplo para ammar dquelles que vena de- e tio dura que p6Je fazer 0 effjito do dia
pois de vos. ^ mante p ra cortar o vidro. Pergunta agora
* loutro sabio 0 que se teria produzdosjo
hr. director. Esta testa que a mimse autor di experiencia em vez do fogo de car-
fiz, honra a Dobrezi de V. S.,oprova aia-|v3o, usasso das elevadas hmperaturas da
da uma vez quantos esfon;os sabi V. S. em-'electricilade.
pregar no perfeito desempenho do compro-] Para porpotuar a heroica defjza do
misso quo para coma sociedade tem con- Balfort, duraniea ultima guerra, 0 cousollio
?!! v' municipal d'lquollacidade, resolveu levan-
iver a gloria quo ago- tar na cidadella urn monumento commo-
eai um ledo
rocha da cida
- hJI
ra me cabe serapre animadj do exemplo em morativo, 0 qual coasistira"
V. S. edificante. j colossal, astente em uma 1
domiaando a fortaleza e a ci-
Basla, s-anhores; 0 sentimeuto se ames-
quinha quando a pahvra se torna prohxa.
Amor egratidao sSo dua? palavras que
se gravam em meu coragao e ficario grava-
d:s ta'nbem no v>sso I
Terminou a fasta pronunciando 0 Sr.
com men Jador Am >riin um simples e elegan-
te discurso, que de memento lbe veioa
mente.
Recife, 27 de marco d 1874.
Francisco S. da Silva Relumba Junior.
R'tfino A ugusta de Almeida Junior.
Jodo Carlos da Silcatiuimardes.
Jodo da Silca Uetumba.
Dmiel Oliveira Barros do Almeida.
Adolfo Moreira Gomes.
Manoel Cyridiao Buarque.
Antonio Ferreira de Novaes e M ello.
VAWEDADE
*
* *
Um pouco depois, senhores, e verdade,
encontro uma nagiaa bem triste.
E oellas alguns uomes tambem sao lidos'.
E se nesta bora me fosse licito, pediria a
essns consc:eocias a causa des=a historia.
Mas deixemos essa pagina de luto, que
nao (k-vemos traz-p ds festas lembrangas de
:nf-li-idade. E quelles que souberam no
imargor do iofortuaio canhecer a profun-
za do- rro, saibam tambem na taboa salva-
dora da esperan,a, sompre ardente no peit)
da mocidade, gravar inJelevel 0 protesto
da emenda.

*
Meus senhores. -Arduissima tarefa e in-
ca*nbida dqueile que tem a seu cargo a e-
dar cto dos mogos ; e tanto mais ardua
qu-t 'do nes:e grava-se 0 protesto de bem
desoinpenhar sm missao : foi por isso, se-
nhores, qu? la" na cadeira me vistes tanto
forcjar para corresponder ao que de mim
se esperava ; se n exito foi completo, e que
em v6s havia tambem amor do estudo, que
se redobrava ainda polo a nor do mestre.
Pois bam. mas uma vez vos faco seutir
meussinceros agradecimentos e parabens.
A v6s Srs. alumnos do curso actual, dei-
xfti tambem que me dirija, e vos mostrando
por rnodelo us do curso findu, vos incite
com seu exemplo 3 seguil-os.

* *
Dunlo fira, senhores, mos assignou oCrea-
dor fim transitorio, que se preencne aqui
na terra entro nossos semelhantos, e fim
tran?npndente, que portence a eternidade
diante do throno de Deus.
Por sua alta Providencia foi-nos dada a
razao. q*>e distingue 0 bem e 0 mal, e a
IibTdade que no; faz arbitros de nossa? ac-
cdes, e finalmente como lei universal 0 ne-
cessaria a cumprimento do dever, dever
como cidalao, dever como pai, dever como
irmSo, dever como filho, dever como go-
vernante, dever como discipulo, dever como
mestre, dever como Bel.
A mim era prescripto tirar do fecundo
estudo da historia exemplos que vosforta-
leiassena no amor da patria, no amor de
vossos pais, que era tambem a garantia de
que o serieis no amor de vossos semelhau-
tes, elogo no de vossos filhos. A vos se-
nhores, tecundar esse estudo, e 3perfeicoar
-.osso espirito 0 vossa natureza.
Srs. alumnos intemos.Para vos ha
tar 1 a.m em mim um lugar de honra, para
v6a iue nao deixais preceder-vos nem um
outro sssimnos esl'orcos como na gratid5o ;
e se podesse fazer entre meus discipulos ou-
tra dntinccao senao a do merito, diria que
v6s tenles 0 primeiro lugar, porque a meu
FANATISMO.Escrevem do Mexico- 0 se-
guinte a um periodieo estrangeiro :
No domingo 8 de raargo, foi pratieado
um ado de inqualiticavel fanatismo pela
populaca de Alma'ulo, estado de Jalesco.
Ten-Jo de manha um padre pregado um
sermao incendiario, no qual podia em nome
do ceo a exterminagao dos protestantes, os
seus ouvintes fanatisados foram armar-se,
em numero de 200 aproximadameote, di-
rigiram-se k noite a residencia do reitereudo
John Stevens, ministro da miss&o estran-
geira de Boston, derrubaram as portas aos
de vivam espadres! e apoderando-se do
missionario protestante, quebraram-lhe a
cabeca e despedagaram-lhe 0 corpo, depois
do que saquearam a casa, levando tudo 0
que tinlia algum valor.
0 governo mandou para aquella loca-
lidade uoi destacamento de tropas. Proce-
deu-se a uma investigagao edeu-se ordem
de prisao contra todos os padres cathoticos
de Almalulco e da villa visinha de Tes-
hitan.
A ARTE DE ANMNCIAR___Le-se o se
guiute n'uma folha de Paris:
Lastimamos o encontrar por toda a
parte nos muros principalaaente, 0 ate- no
theatro, a apologia de uma machina de co-
zer ou de uma Revaslesciere qualquer
Em um jornal americano leraos um ar-
tigo muito interessante dcerca. da arte de
an.nunci.ar, tal qual se exeree 00s Estados
Unidos. Em Nova-York um agente de an-
nuncios mandou imprimir um livro de ora-
ragoes, que distribuia d porta das igrejas
a todas as possoas que entravam ou sahiam.
A pagina da direita continha o text das
oracOes e & da esquerda estava cheia de an-
noncios.
Outra melhor. Em uma cidade nova
do Ear-West, um industrial alugou a fren-
to Jo pulpito de uma igreja para alii afli-
xar 0 annuncio de uma mamadeira de
novo systems.
Em uma outra cidade, emfim, 0 con-
selho municipal deu licence, por offereci-
monto do um especulador que propunha
uma grando quantia, para este ter o direito
de poder pregar nas costas dos policiaes os
ssus aunun;ios.
Se estes meios de annunciar nao fossem
petas americanas, seriam sem du*ida
irreverencias religiosas, e desacatos & auto-
ridade.
RESUSCITARIA?-0 notavel fabricante
de pennas d'ago Joseph Gillots, falleceu ha
de haver agora tres annos; e ate os jornaes
inglezes deram conta da vonda da bella ga-
leria de quadros que elle possuio.
Agora, alguns jornaes dao noticia de ter
recentemente morrido 0 celebre autor de
pennas d'aco
Dar-so-ha caso que 0 maganao rosus-
citasse para ter 0 gosto de morrer segunda
vez?
FOLHETIM.
LUCSSCIA DO&QIA
MEMORIAS DE SATANAZ
POR
D. Manuel Fernandez v Gonzalez
della,
dade.
Foram presos em Terneuzem Ires ju
deus como autoros de uma falsificjcSo d*
null do BancoNacional Belga.
A respeito da instrucgao publica os
Estados Unidos refore 0 seguinte uma folha
de Nova-York : Em todo o paiz conta n e
221:000 profess ;res, votando-se todos os
annos no onjsmento uma somma de 95 mi-
llions de dollars para as cscolas dos diff;-
rentes estados da Uniao americane. Cilcu-
la-se em 14 milhoes 0 meio p numero de'
crian$as que frequentam essas escolas. So
0 estado de Nova-York comprehende...
1:500:000 discipulos, 28:000 professes
e bibliothecas contendo um numero cons-i-
deravel de volumes ; os municipios e a
liberdade iodividual concorrem para a edu-
cacaopopulr com 10 milhies aunuaes. As
escolas, em todas as cidades dos Estados-
Unidos pirf -itamente disposlas e providas
dos livros e tudo 0 mais- necessano, estao
indistinctmaente abertas ao publico ; a
commssao de iustruc^ao publica quiz ate
que a frequencia fosse obrigatoria. Esta
medida- foi jd definitivamente adoptada em
diversos Estados. N'elles uma disposi^ao
legislativ* forja todas as criaogas a segui-
rem, desde a idade de 8 annos- ate 15, os
cursos de- instruccdo publica ou particular.
Este systema parece que tem dado tao bona
rasulta los que a commissSo de- instrucjdO'
publica quer propor tambem a sua applica-
cSo no estado- de Nova-York.
Um telegramma official reeebido em
30 de manjo em Paris, aonuncia- ter pere-
cido, & excep^ao de 4 pessoas somente, to-
dos os pass geiros quo iam a bordo-do Nilo.
Noreferido navio ia a comm ssao japoneza
que regress*va- da exposicao de Vienna.
0> lmperador da Russia deverd assistir
no mez de maio proximo, om Stottgard, ao
casamento dagran-duquezaVera Conslanti-
nova com o principe Eugeoio de Wurtem-
berg. Depois d'isso 0 czar dirigir-se-ha a
haglaterra, afim de visitar a rainba e os
duques de Edimburgo.
Ganha terreno e parece que- breve-
rnente tem solu^ao a idea' de urns exposi-
cdo universal em Paris em* 1875.
Foi ha dias baptisada.uma lilha-de D.
Carlos. A ceremonia teve lugar na-capella
da villa Ader, recebendo a princeza onome
de Maria Beatriz. Sua emminencia o car-
deal Donnet, arcebispo de Bordeus, foi
expressamente a Pau para essa cere Foram padrinhosda prineeza os seus visa-
v6s, 0 duque e a duqueza de Modeoa,
representido*5- noacto pelo- marquez de Ro-
mana e pela marqueza de-Villadorias. To-
dos os hespanboes de distinccao residen
tes em Pau assistiram a ceremonia,. ten Jo
ido alii tambem muitas de Biarritz e S-. Joao
da Luz, bem. como uma deputacao da junta
de Navarra. Todas as senhoras estavam
vestidas d hespanhola, com mantilhas-bran-
cas. O cardeal-arcebispo. depois da cere-
monia, pronunciou um pequeno discurso
no qual lembrou que a princeza, nascida
fora de Uespanha, nao o lora porem em
terra estr&ngeira, vista achar-se em-face do
bergo de Henrique IV. A princeza Mirga-
rida recebera felicitaQOes do papa, bem
como a sua bencao, por meio de um te'e-
gramma.
O papa recebeu ha dias os estudantes da
Universidade catholica de Roma. Pio IX
pronunciou um caloroso discurso, louvando
aquelles maucebos pela sua fidelidade aos
bons principios e recommeadando-lhes zelo
pelos estudos sanlos.
Dizem de Constantinople que no dia
30 de marco foram todos os rcpresentauies
das potenciasestrangeiras convidados a irem
d casa de Raschid-Paohd, para conferencia-
1 cm dcerca da carta que 0 Sr. de Lesseps,
dirigira d Sublime Porta, ua qual declar.va
que se submetteria ds ordens rescebidas,
mas que tornava a Porta responsavel pelas
perdas que poder occasionar do novo me-
thodo de cobrar as taxas, perdas calculadas
ulitimas noites em Pointe de Id Coubre.
tforreram quatrb pessoas da tripolacSo e
0 navio despeda^ou-sa.
Foram lancados com g^ande solem
nidade em Gibraltar os alicerces. para a
canstruccdo de uma igreja que terd a invo-
cacdo do Sagralo Coragao de Jesus. As-
sistiram d ceremoqia o bispj de Csdiz e
muitas corporacojs religiosas.
raanuioeat'i*, pweceu ter 0 preaeutimento
de um n fatal para a sua doence.
Viajava n n'u n burro, porem afinal
foi precis'o transporta-lo. Chegou assim d
Muilala, do lado de Id do lajjo Bembo, no
paiz de Risa e disse entao : a Construara-
me uma cabana onde eu possa morrer.
As pessoas que 0 acorapauhavara, obedece-
ram e coll jcaram-o n um leito. Soffria
muito egemia de noite e dia. Nj terceiro
dia queixou-ie de sentir frio e pedio para
quj collocjssem mais relva na cjbertura da
i'
A ruptura dos antigos diquosqnet n- barraca. Ao fim dj quatro dias perdeu
tas vezes fora a defeza da Ujllanla, produ-
ziram n'u na part* dos Paizes Bixos a inun-
da^ao de extensas coma'cis, pirecenlo
nas ondas maitas pessoas e perjou-lo mais
de q linbentas familias tulo rfuanto pos-
suiam.
Dizem de B.ijona que tanto nas linhas
da ctrcj de Bilbao como his do Abanto
havia graule numero de allema-is do Hi-
uover, austriacos, duiamarquoz. e princi-
palme-no francezes, que toioam'u na parte
muito aetiva nas op-ragu-s do oiercit) d
D. Cirlos. Tolas as c -rrespwiJencias que
publicim osjoruat-sl-g'timistis de Franca',
sSo escriptas par t'rance'zes ao serviro do
duque de Madri I.
Octried arcebispo da Colooia, ou-
tra victimi^ da "politica anti-catholica do
priucipe de BJmark, nao se deixou condu-
zir d prisaS'sena^ d forc,. Quando 0 che-
fo de p>licia 0 agatrpu par um braco-. ca-
hio-Ja j lelhos e deu gracis a Deus pelo seu
inartyrio, absncoanlo depois0 puvo eos
sacarJotes que se apinhavam- ds portas do
palacio episcopal.
Apjnas o parti Jo radical d* Franga.
souba da evasfta de iVwhefor^ PiScho.H
Grousse:, Jouro e outros commumstas-,
Victor Hugo, A lam e outros mauda am-
Ihos 1.000 librass'.erlmas para a Australia
afi.n de podorem transp-artar-se para In-
gla terra.
A proxima viagem do impara lor da
Russia a Lon-irese considerala como- 0 com-
plemento das entravistas da-Berlim, Vienna
e S; Petersburgo. O imperador da Russia
e esperado em Loodres nos principfos de
maio e estao-se jd fazeudo no palacio da
Windsor os preparativos necessanus pra a
sua reeepgao.
N^j dia 2 do-corrente o-pspa, nasua
capalla particular, ministrou a-sua commu-
nhao pascoal a cerca de sesseiita-eclesiasti-
,cos, entre os quaes-estavam monsenhor ile-
~rode e os-bispos de Sura, deVannes e do
Cabo H iiti mo.
0 Jo-rnal de Si Petersburgo auuuusia
morta em Haskeny de uma mulher sr-
menia, de idade de 125 annos I Conserva-
ra ate ao ultimo memento todas as suas la-
culdades e caminhava sem 0 uasilio de pes-
sca alguma.
0 governo fraueez- deu crdem para
que a fabrica de Tarbes nao satisfaga uei>
huma eiK.'ouMiieiida de annas para o exer-
cito carhsta de Hespanha.
Em Loneres o lord-maire offareceu-
um banqueto a sir Caraet Wolsettf 0 ao6-|
priacipaes olficiaes que tomaran> parte na
expedigao cantra os asbanteas. Assistiram;.
ao banqueta, alem de outros personagens,
0 principe de Galles, o principe Arthur, o
duque de Ctnbridge eo p iocipe TeA.
PROTECCAO AOS AZWMAES.'-a*fere uma
folha estrangeira, que um individuo par
nome Marks, compare-;eru h 1 pouco parante
0 tribunal de policia de Londres por ser-
accmsado da sevicias era-urn gato. O magis-
trado declarouque as-oircamstaacias d'este
acto- accusavam uma horrivel brutalidade
da parte do seu autor e que por isso nao
se podia limitar d. pena de mult1. Por
estemotivo, Marks foi- sondemnado a 15 dias
de prisao. Comtudo,. a rainha. a pedido do
ministro do interior, perdoou ao culpado.
A intervengao d;aqutUe elevadO funcciona-
rio em uma causa que tinha por origem a
crueldade contra os animaes, pareceu um
facto de tal modo- desusado, que a Pall
Mail Gazelle, pergunta que causas se pode-
riam ter dado para que o delinquente
Marks se tornasse um obj^cto especial de
clemencia por parte da corotv O unico mo-
tivo apparente, accrescenta 0 referido pe-
riodieo, e que o accusaio e designado no
I registo da policia como filho de um gentle-
man.
Por isto sa pode avalwr a importancia
que dao os tribuuaes inglezes ao mdo trata-
mento dos animaes e como a o^iniao pu-
blica se revela contra esses factos^
QLINTA PARTE
. LEOKOR
XV
A CARTA IE MICHELOTTO. O QUE SOUBE
E O QUE NAO SOUBE FRANCISCO BUOTTI.
UM ESTUPIDO QUE ERA UM VELHACO E QUE
CORRIA COMO CM CALGO.
(Continuagao do n. 107.)
Ruotti ao descor as escadas encontrou no
patco Salvestro Monti que se dirigio para
ello.
O que ha de novo ? perguntou Buot-
ti.
Uma carta, Sr. Francisco.
Dd cd.
Salvestrf' deu-lhe a carta.
Diabo I diabo 1 disse 3uotti depois
de a ter lido. nSo serves para nada maldi-
to, r-squecesto os bons tempos ; deixa- me
.ver o 'eu punbal.
E tirou-lhe o punbal do cinturio.
Ob! exohmou Bootti c-dlocandi o
punhal diante do uariz de Salvestro, limpo
como um espelho I vejo-me nelle perfeita-
xnento, cousa toma o teu punbal Virgem. Que vergo-
aaha e fnst-* tu um esbirro do senhor Ce-
sar Borgia ? naturalmente eras encarregado
da limpeza do arnez, porque para tra-
zer as armns brilhantes es um prodi-
gio.
Sem pre queria ver, aisse Salvestro,
quern se atrevia a dar uma punhalada em
dia claro, diante da cathedral quando esta-
va entrandc e sahmdo gente, e a dous pas-
sos da guarda do palacio.
Mas tratava se de Michelotto.
Nao foi Michelotto quem me entregou
a carta, mas sim um outro a quem ndo
quero muito bem, um antigo amigo meu que
ignorava estivesse ao servico de Miche-
lotto.
Quem era ?
Andrea Spata.
Com os diabos f porque nio lbe dei-
taste a mdo?
Imagina que isso era cousa facil ?
Retira-te... no fim decontasndo tens
culpa. O meu amigo Michelotto e muito
velhaco.
E o que hei de fazer, Sr. Fran-
cisco ?
Nada mais do que callar-te dcerca do
que sabes.
E ndo me acontece mal t
Ndo acontece, nio f fizeste o que po-
deste e ndo estds obrigado a mais nada.
Obrigado, Sr. Francisco ; agradeco-
Ibe o ter-me tirade esta carga de cima dos
bombros.
Vamos, vai-te embora.
Salvestro retirou-se.
Buotti sahia lentamente do palacio.
Expliquemos agora o conteudo da carta
que Salvestro entregou a Buotti.
A carta era indulntavelmente escripta por
Michelotto e dizia rssim :
Meu cbaro Buotti.Mereces que te en-
direite a meu modo a corcund.i que os an-
nos te pozeram 'obr1 as c ista, pda pr-ga
que qnizesti- pre%*ir me. Estou eerie de
que ()e t-; ordem a esse imbecil do Salvestro
que me ilesseum titoou me npanhalasse se
eu me pozesse ao oleance do seu brago, e,
como julguei muito possivel que Salvestro
fizesse comigo, com a ligeireza de um
gato, o que fez n'outros tempos jd por
minha ordem, jd por c- nta propria, en-
tendi ndo ser conveniente o apresentar-me
a elle. Imagina que esse homem que jul-
gas um po^re diabo foi o primeiro que fe-
rio o formoso duque de Gandia ; por isso
mesmo, tratei de mandaresta carta por um
antigo camarada delle que, se tivesse mais
alguma intelligent, valia tanto como
eu.
Esta carta ndo tem por fim senio irri-
tar a nossa adoravel Lucrecia, porque eu es-
tou tao bem occulto que ainda que tenhas
o faro de um perdigueiro, desafio-te a que
me encontres. Estou certo, de que a grd
duqueza ha de ler esta carta e por isso avi-
so-a dequedeve preparar-se porque isto ndo
e mais do que o prefacio de uma historia
lugubre.
Sabes, que a tua senhora estd cada vez
mais formoaa ? Tenho tido tentgdes de te
mostrar a sombra de Cesar Borgia, que ha
vinte e cinco annos ndo se aparta de mim
brad a ndo-me constantemente : a Vinga-
raol mata-lhe a alma, porque o corpo e
pouco I N?o imaginei nunca que se po-
desse amar tanto a um morto e agora vejo
que a tua alma e a minha tinh&m chegado
a forraar apenas um todo. Vou concluir,
porque, como sei o desespero que eauso d
divina Lucrecia, ndo acabaria nunca. Adeus,
meu cbaro e interessante Buotti ng ant s
ate"d vista ; prepara-ta a ver alguma cousa
tdo extraordiairia que has de ter inveja por
'ndo a teros pratieado. Teu amigo do co-
ragdo.Michelotto.
Buotti i-ritaia-se com esta carta pouco
menos do que devia irritar-se Lucro-
cia.
Michelotto. escarnecia delle, chegara ate1 o
AINDA O DR. LIVINGSTONE.0 Times
recebeu de Nova-York a copia de um tele-
gramma relativo ao finado Dr. Liviogstone.
Eis o resumo dos pormenores recotbidos
ultimamante dcerca da sua rnorte :
Livingstone soffria havia rauitos mezes
de uma desynteria. Comquanto estivesse
abundanteraente provida de romedios e
tod is os seuti los c morreu d m;ia noite.
0 sou cria lo Majashrj estava presence. A
uliima data escripta no seu diario e de 27
de abril. Fallava a miudo e tristemante
da sua patria e da sua familii. Logo que
a molastia o accommetteu disse ds.pessoas
da sua comitiva que o seu inteiHo era Lo-
car tu lo quanto possuia pelo marflm que
lbe dessem, e depois dirigi -se para Ujiji e
Zanzibar e procu ar ahi embarcar-se para
Inglaterra. Logo depjis da sua isorte os
seus compinheiros priin;ipiaram a Jeliberar
s >bre o que Havia a fazer. A gento de Nas
sick decidio pro nover a couservagao dos
seus reatos. Reeeiavam comtudo informal-
o seu chefa, dam irta de Livingsto-ae.
0 s-Cratario nun-lou transporiar o ca-
daver para uma outri bnrra-a qua foi ro
deada pjr umi pdigada muito aha. Abrio-
se o eorpo e as entranhis fora n depositadas
em uma caixa de estanho e enterradas-
n'aqoalla sitio, por debaixo- de uma grande
rvore. J ieob \Ya owright tragou na cor-
tigi a e-iguinte inscripgao-: 0 ttoutor Li-
vingsione. Morreu a 4 de Maio Se'iS73.
0 corpo iff Livingstone foi consar-
vado em sal c setcado ao sol durunte doze
dias.
Kitumba, logo qua soube da morte
do illustre viajante, man lou tocar os tam-
bores e dar tiros de paga, e-n signal de
respeito, e concelau aos compaiheir)s do
j^utor aut risagdo para levarem o corpo,
que foi eollocado em' um caixao feito de
cortiga de ca.-valho. ^-cortejo levou cerca
daseismazis a chegar a L'nyanyembe, de-
pois de ter sido manlados adiante alguns
homans coir uma mensagem destinada ao
tilbo da Livingstone. Estes homensencon-
traram-se com Cameron, qua se apressou a
mandar para ocortejo novos raeasageiros
carrfcgaJos da tecidosepdvora.
O-cortrfjo chegou a- L'nyanyembe dez
dias depois dos homens- com a mensagem
para o filho do- doutor,.e descangpu alii
perto de dez dias, juntando-se-lhe Cime-
ron, Muiphy e Dillon. Este ultimo, tendo
adoecidoe cegado. suicidou-seem Knsakera-r
onde foi enterrado.-
N*esli ultima localidade o corpo de
Livingstone foi coUoaado em um novo-cai-
do, os burguezas chegaram a fazer um ajun-
tamento em rodada casa de Ridulfi, pedio
do em altos gritos a cabega do assassino.
0 marquez RidelQ fugio para a Suusa.
A justica de Floranga iostauroa o proces-
so, e pedio-se ao governo de Berne a exlra-
digdo do culpado. 0 conselho federal re-
cusou-a, porque o duello ndo e considerado
como assassiuato pela lei helvetica.
0 marquez Ridulfi so fugi > para evitar a
prisdo preveativa. Marcadodia para 0 jul-
gamento, apresentou se d justica.
0 tribunal encheu se, e diversas eram as
opinioas sobre a culpabilidade do accu-
sado.
Ojury deu por nao provado qoe o reo
mi-usse o sou adversasio em duello, mas
camo provado que Falavolti atacou Rido.fi,
e se ferio na espada que este tinha na mao
em defeza, sem se servir della para o corn-
bate; que Ridolfi foi provacado, e quando
praticou o facto da que era accusad >, acba-
va seem eata^o proximo da falta de libar-
lade de'acgdo.
0 reo foi condemuido no minimo da
pena, isto e, em tres mezes de desterro par-
ticular. Por eates tres mezes deve residir
a duas leguas do seu domieibo.
A opiuiao publica fieuu satisfeita.
0 marquez deCosimo Ridolfi, eontando
apenas 20 anios, frlbo de um celebre agro-
nomy, physico, escriptor, ministro, e om
dus mais eximios patriotas italianosr tinha
muitas sympathias,. e a qaasi absolvrdo do
jury resiituio o accusaio aos seus amigos.
Por outro lado os par,Marios de Falevolti
ficaramC'on'.entes qua Riiolfi fosse dechtra-
Ju culpado e soffresse uma pena, embora
imifliiifii miu
xao, mais pequeno e aconiieionado como
um fardo, afim deenganar os naturaes q.ue
se opporiara ao transito do cadaver.
0 eortejo chegou depois a Zanzibar.
Os-vestuarios de Livingstone, os seus
papeis e os seus i.istrumentos acompanbana
o cadaver.
POR CAUSA Dft UMA PATEADA.N*
noite de 4 de Janeiro reprasentava-se uma
danga no theatro Ptrgola, d Floreuga. Par-
te do publico applau iia e pa'te reprovava-. O
marquez-Cosimo Ridolfi estava em um cams-
rote da 3:a ordem e era dos que se raostra-
vacu pciaco satisfeitos como espectaculo, e
por iss-i levantou a cabega para olbarpara
UBS-clmutrs, que em um camarote da 4'
ordemmanifestavatu ruidosamente o seu en-
thusiasmo. Um delles, julgaado-se insulta-
do, perguntou ao marquez o que queria,
ehitumio-liia bvff'one ; elle recambiou-lhe
a mesuia injuria, e o ctaijuers Falevoti,
homem de ganio violento e espadachim co-
nhecklo, desceu ao camarote do marquez. e
seguio-se uma forte altercagao, que termi-
nou pela intervgngao de-alguns amigos do
marquez. Falevolti nao ficcu, porem. so-
cegado, que id uma satisfagao a todo o
custo.
A' sahida do theatr> deu dous. s -ecus
no marquez, a quem deu depois todas as
saUsfagOas por elle exigidas, declaraudo que
a sua intengao era offender Ridolfi*
0 duello era inevitavel. Falevolti dictou
as condigoas, que foram de urn duello de
morte 0 combate devia ser a espada, sen-
do permit'jdas as estocadas, e-devendo >s
golpes serom dirigidos s6 d cabega e ao
peito. Os dous adversarios foram colloca-
dos muit) longe um do outro. Rid Ifi tinha
o brago estendido.com a espada em punho,
Falevolti atacou-o, dirigindo a espada d ca-
bega do seu adversario ; mas foi logo mor-
talmente farido no peito. Ridolfi aponas le-
vou uma pranchada na cabega, se foss9 cor
Ihido pelo gume da espada, em vez de uma
sertam duas as victimas,
0 duello produzio grande agitagdo em
Florenga. Os fidalgos. defendiam o off^ndi-
ENTE SLPREMO.Ua mmto tempo que
se agita nos Estas-Unidos a*quests-> de fazer-
se um additamento d constituigao-, reconhe-
cendo um Eme Supremo.
Tem- havido reunides de assembleas, nes-
sa intuito dirigiram-se representagdas ao
congresso e uma destas foi ultima mente sub-
mettida a uma commissao jud.ciaria.
Solieitava aessrepreseniagao que na cons-
tituigao-se reionhecesse uns> Ente Todo Po-
deroso e a religido christa.
ponto insupportavel de o ameagar com vio
lencia.
Buotti ter-se-hia vingado menos, se Mi-
ehelotto o am'-acasse de o fazer peda-
gos.
Esta idea nao se lbe tirava da cabe-
ca.
Endireitas-me a corcova I repetia elle
atravessando a praga do Grao-Duque, toma
cuidado ndo te obra eu de alto a baixo, ve-
lho lobo. Com todos os diabos I isto vai-
se tornando aborrecido. Persegoir uma
sombra, colher o ar e arrostar um perigo
porque a gra duqueza vai-se tornando im-
prudente, e o terrivel Affonso de E'ste se
mette no negocio, como e muito possivel,
ha tudo mdo a esperar. Este marido nao
6 como os outros. Joao Sforzia teve pa-
ciencia e creio que se alegrou muito quan-
do o separaram de sua mulber, de quem ia
tendo medo. 0 pobre Affonso de Napoles
deixou se matar como um passannho,
pobre rapazl... o se Lucrecia o ndo ti-
vesse amado como o amava... e dahi
nio, ella ndo o amava, estava namorada
da sua juventude e da sua belleza ; era a
loba saboreando lentamente o sangue do
cordeiro, e tel-o-hia morto de amor se elle
nio tivesse estorva lo a Cesar Borg-a ; a
loba, pore.n, nao perdoou que lhe arrebi-
tassem o seu saboroto manjar ; coraprehen-
deu que era escrava e quiz ser livre, envol-
veu seu irmdo em uma intriga politica, ma-
tou-o e dahi vtio tudo. Quem pensaria
que esse valcnciano infernal havia de amar
tanto seu arno ? E' ospantoso I Vinte e
ciiifiOann s, dia por di.i, bora por bora, ir-
ritando se j|tn desejos -la viuganga I V.
qual sard esta vinganga ? Aquella filna...
porem onde a o;culta ello ? Dave sar tao'
formosa como sua mdi, porque mais e im-
possivel. Que mulher aqu Ua I que ar-
chanjo'de fojo I qupm pflde coijeebcr quo
dentro daquella divina formosura haja uma
alma tas negra ? E estd louca, perdida de
amorespelocavalheiro d'Arnestevillel Creio
qua nunca amou como agora... aos cin-
coenta annos a alma e um inferno, sabc-se
tudo, tudo se conhece, tem-se a certeza de
que nao se p61e ser feliz senao sonhando, e
nao se p6de sonhar, porque as illusoes
morreram. Ah I a alma dos velhos I alma
joven, terrivel, energica encomia em um
corpo inutil 1 soffrimento secreto, espanto-
so que occultamos para que se nio ria de
nos a estupida juventude... aquella mulher
foi o mau castigo, aquella mulher e a m'-
aha desesperagao 1... porem mora aqui o
cavalheiro d'Albano e eu preciso fallar ao
mordomo.
Buotti tinha chegado a um palacio na rua
de S. Benedic'.o.
No vestibulo estavam alguns laoaios que,
ao vorem um gen til homem vestido de vel-
ludo negro e dando mostras de pessoa
rica, se dirigiram d elle, perguntando-
lhe:
0 que deseja V. Exc. ?
Desejo fallar iramejiiatatnente ao mor-
domo de seu amo, respondeu Buotti.
Nesse caso, queira ter a bondade
de me acompanhar, disse um dos cria-
dos.
E, ao mesmo tempo, abrio uma porta
situada no fundo do vestibulo, afastanlo-se
para deixar passar Buotti, atravessou o jar-
dim e entrou em uma casa alegre, d porta
da qual brincavam duas criangas, junto das
quaes estava uma inulli :r muito nova e bas-
tan'.c lormosa.
0 sou marido estd |em casa, senhora
Martha ? perguntou o criiado.
Este senhor procura-o ? perguntou a
.mu'hor.
Sim, sennora Martiia.
- Faz favor de entcflr, cavalhsiro.
A commissao apresantou o seu relatorio
dizendo-qu^ o esame das diseassoes- da as-
semble* que formulou aquella- representa-
gao mostra que o assumpto foi caidadbsae
cabalmente apreciado, decidindo a commis-
sao, depois de uma seria detiiaeracao, coma
conviaha d gravidade do assumpto, que
aquella paiz, cujas bases de geverno- esta-
vam agora se estabelecenlo, era desiinadOa
tornar-se o asylo dos que fossem opprirai-
dos em todas as outras naooas da terra,
quer fossem christaos quer pagios, e oonhe-
eia bem os periges-que a tanias- outras- na-
rous havia causado-a uniao da igreji com o
estado: e que era, portauto, inconvaniente
intro iu/ir qualquer disposigdo na co:i*tilui-
gda ou forma de governo, quo pudesse ser
considerada como- reconhecimento da qual-
quer credo religioso ou doulriaa.
A commissao judieiana declan u mais qua
esta decisaofora tao unanimimettteaceita pelos
seus antepassados christaos qoe, nos addita-
inentos ajireseritados, afim de torna r a oonsti-
cdotuimais apropr-ada a nagao, nenhuma mu-
danga pnapozeram aos estados pela qual pro-
curassein>reformar sabia esta. deci-ao da as-
semble*. KIla.ptH-tanto, eradeopiniioque
seria inoonveniante legislar sobre o assump-
to da rapresenta^ao.
MINAS DE LOGROSAN.Le-se ao Dia-
rio Itlustrado de Lisb6a :
Ocapitalista de Paris Mr. Simaran as-
signou ha poueos dias um contrato- de ar-
rendaraento por&9 annos para a lavra das
riquissimas minas de phosphorito de Lo-
grosan provincia deCdceres, na Extrema-
dura>hespanhola, que pertencem ao abasta-
do pfoprietario de Extremoz, oJSr: Jose Ro-
drigiiez Tocha.
Pode reputar-se um verdadeiro acoute-
cimento financeiro e industrial este contrato,
ndo s6 pelo alcanee que a exploragSo d'a-
quellas importantes minas tem para o des-
envolvimenio da agricultura, sobretudo dos
paizes do norte ; mas em relagao a Portu-
gal, pelo movimento extraordinario que o
transportee o embarqae do mineral devem
dar aos caminbos de ferro portuguezes e ao
porto de Lisboa, nao sendo jwra despresar
o grandissimo beneficio que a nossa agricul-
tura pode e deve tirar de um elemento dos
mais preciosos para a ferlilisacao dos cam-
pos.
0 phosphato de cal de Logrosan e* co-
nhecido no mundo scientiQco por sua alia
porcentagem, nunca inferior a 85 por cen-
to, attingindo muitas vezes a da 95 por
cento.
0 criado retirou-se e Buotti, seguindo a
mulher, entrou n'uma sala com janellas
para o jardim.
Um homem jd velho estava escrevendo
sautado a uma mesa.
Aqui estd um raaroto que rouba o
amo, pensou Buotti, e uma mulher que en-
gana o mirido.
Cum elTeito, o mordomo fazia eontas e
Buotti uotara que a senhora Martha tiaha
sorrido de uma maneira particular para o
criado que o conduzira e que era joven a
bonito r.paz.
Giovianni, disse Martha a seu marido,
este cavalheiro deseja fallar-te.
0 velbo levantou a cabega e, ao ver
o aspecto nobre de Buotti, levantou-se da
cadeira em que es.ava sentado, sahio detraz
da mesa e disse respeitosamente.
Em que posso servil-o ? Com quem
tenho a honra de fallar ?
Com um mordomo como tu, tra-
tanle.
E Buotti, que ndo tinha tirado o gorro,
sentou-se em uma cadeira, apoiando-se na
bengala, porque estava dereras velho a
cansado.
Se o senhor e mordomo, disse Gio-
vanni, deve sal-o pelo menos do santo pa-
dre.
Um pouco menos, porque o sou da
grd-duqueza.
Ah I
Vamos, deixa-te de cumprimenlos
porque ndo posso perder timpo. Teu amo
tarn uma quints ua inargm do INS, d meia
legua de distancia de Cento ?
Te.ifc sim s-nhor. Porem sinto que
a deseje, porque estd arrendade.
(Continwir-se-ha.)
TYPTuQ DIAIMO. RUA DUQUE PE CAXIaS
l War ji
^



-
'
/

*

i

/
v


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EET8AZTG1_KDIU7P INGEST_TIME 2014-05-28T00:08:22Z PACKAGE AA00011611_17635
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES